Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07005


This item is only available as the following downloads:


Full Text
XVI
Sahbado 7

TAMIBA* DOB oomBxioa.
Golanna e Parahiba, segundas e aextas felras.
Rln-Grande-do-Noite, quintas feirai ao melo-
dl-
Cabo, Serinhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Macei, no i.', a II, e 21 de cada me.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Victoria, 4aquintaa felras.
OInda, todoa oa diat.
Nova. a 8. a 3 h. e9 m. da ib,
Creac. a 13, a 6 h. e I ra. da m.
Cheia. a2l.aal0h.e21m. dan..
Mina;, a 28, as 7 h.e 33m.dat.
vhsamab si hoje,
Primeira aa 0 horas e 6 minuto da manhaa.
Segunda a e horas e 30 mlnutaa da Urde.
d Setembro d 1JM10.
Jf. toi
a-Br.oo d* anmaoniFplo.
Portrea meze (eaWamtadw) 4/000
Por seis mezes 8/000
Por mu anno hsbe_ 15/000
MAS >l ama A je* .
2 Seg. S. Estevas. And. doJ. dos orf. e m. da 1. r.
3 Tere. S. Eufemia. Aud. do chae, doJ.l.dav.
do clv. e do dos feltos da fazenda.
4 Quart. S. Rosa de Viterco. Feriado
.'> Quint S. Antonio. Aud. do J. dos orf. e do m.
dal.v.
6 Sext. H. Libania. Aud. doJ. da 1. v. do clv.
e do doa feiloa da fazenda.
7 Sab. S. Joao. Feriado
8 Doia. Natividade de Noiaa Seuhora.
oikiioi neusmwBO.
Sobre Londres, a 28 l.por l/OOOrs. aBOdias.
. Paria,S46.
Lisboa -t)0 por cento.
Oitre.Oncas heapanhoes......... 29/000 a 29/BPn
MoedaadeaHOOvelhaa.. 16/500 a 1*7709
de 6/400 novas.. 16/100 a 16f>Wl
. de 4/000........... 9/100 a 9/2W
l>rW.-Patacoes braailelros...... 1/980 a 1/98
Pesos columnarlos....... 1/W) a 1/Wn
Ditos nieilcanos.......... 1/800 a 1/870
aaaeH.
RECIFE,
7 DESETEMBUO DE I8SO.
Ha vinlee noveinnos uoi principe mag-
nnimo, cedendo rogitiva de homens
cujos peito ardiem em anlo fogo de venia
deiro patriotismo, cun urna s phrase nos
conslituio em nagSo, poupando-nos os la
orificios qua a outroa povo* tem clistado s
respectiva emincpagSo poltica, a a que em
nada pdem ser comparados os eaforgos i
que, secundados por rile, liouvemos de dar-
nos para expellir de algn pontos da tr-
ra da Santa-Cruz oa poucos agentes do go-
vorno da noisa antga melropole que, ce*
gos e perlinazes, em balde tentaran) obs-
tar que em taes pontos repercutase rasa
phrase que, ingenuamente desprendida dos
labios do Senhor D. Pedro /., de saudosa re-
cordaQo.e enlhuaUslicamente acolliida por
aquelles que tiveram a ventura de escull-
a, com a rapidez do raio echoou por toJo
o vast territorio em que boje sesenta este
imperio, fazendo vibrar de prazer os cora-
{Oes verdaderamente braailelros.
EntSo, quaes outros irmSos que, livres da
direcgffo da um tutor que repula m pouco
leloso dos sana deveres, abracam-se terna-
mente, e eom os olhos arrasados nessas la-
grimas que tmente a alegra se fszer ver-
ter, se coropromeltem a ajudar-se mutua-
mente para secollocarem em circumstan
cias de Jamis sofirerem males iguaes aos
de que ae julgam escapos, nos nos congra-
tulamos pelo (acto de nossa independencia;
e, votsndo eterno egradecimento aquelles
que no-la tinham proporcionado 13o fcil e
ctnmoda, juramos', senfio exprese!, ao me-
nos taoitaroente, Iver ISo unidos como se
frsmos wembros de ums s familia aben-
goada do Sbnhos, e folgmos de crer que,
quaeaquer que fossem os eventos que sobre,
viessem, cada qual de nos se esforzara por
provar ao mundo inteiro que eramos dig
nos do dom que acaba vamos de receber.no
poupando failigss sacrificios que-concor-
rer poessem para a consol idaco de obra
tio meritoria,' e para a remocen dos flsgol-
losque nos opprimiam, e cuja extirpacSo
anhelavamos.
Testemunhas de to louvavel quSo neces-
cessario proposito, os fautores da nossa in-
dependencia se comprazeram de no-la terem
preparado, e certamente aereditaram que
ae elle realisaria ; mas pouco tirdou que
viesse o tempo convenc-los de que tata-
reto em erro. Slm, que tres aunos depois
deconsummado aquello grandioso acto, lo
ta sangrenta e exter minador se Ira vira
entre os Brasileiro: una, ( e felizmente
ers a minoria ) malapreciando um bem cu-
ja acquisicSo pouco Ihea cuatera, e se dei.
xando involyer as ar,r a.lilhas de algun^
ambiciosos que nada menos querem do que
dirigir a nao do estado embora tenbam cer-
teza de faltar-Ibes a capacidade necessaria
para desvia-la dos cachopos que e circum-
dam, rebellarsin.se contra o proprio prin-
cipe, de quem tinliam recebido esse bem,
e com armas em punho buscaram expelli-lo
do throno : otros, (a maioria) nSo querendo
acompanharaquolleadesassisadosem tal des-
magdamento, liis sos deveres contrahidoa,
nao desrjando que o paiz passasso polas pe-
ripecias de urna ravolugo. esperando tuda
das instituirles, e confiando que a experi-
encia aconsclharia e determinara os me-
Ihoramentos e reformas compaliveis com o
bom sanso, diapulsrani-lhes passo a paseo
o terreno ; e, giagaa i sanlidade da causa
por que pugnavam e ao denoJo eom que a
defenderau), lograran) ver cordados de bom
surcesso seu afanoao trahalho. ana,ln i.
mino i semelbante luta sem a mnima des-
vantagem para oa principios do ordenT?pe-
loa quaes licou a Victoria.

Vencidas, mas nlo extirpadas, as Ideias
desorganisadrss e subversivas, que nessa
desastrada arrastraran) ao matadou-
inilstarea de HjJSos concidadSo
rama germinar; or I ivre e desem
lamente, graras ao delelxo o Imprevi-
dencia da cerlos homens de estado, que
teem a clebre mana de quererem trani-
plaotar pera a poltica o principia do luste
ftif, luste? poseer, Ifio preconlssdo poral-
guns economistas ; or secreti e furtiva-
mente, sempre que liomens mais prevulen*
tea, e dolados de espirito forte, eram cha
mtilos aos eonceihos da cora ; e, de ma-
chinatAes' em miehinacoes, os individuo?
que symbolisavam essas ideisg, levaram o
fundador do imperio, rilado de deigos-
tus, vendo-so trabido por quem maioraom-
ms de beneficios Ihe darle, e enxergindo
icaso um porvir mais glorioso e menos
acerbo na patria de seua ivs, a abdicar em
seu muito amado fllho e nosso adorado mo-
narcha nesse sete de abril, era qoo para as
mflos tenras e innocentes do Sr. D Pedro
II paeaou o sceptro que empuntara o braco
forte e vigoroso de seu augusto pai.
Bem presentes devem de estar a todos as
aceas luctuosas que testemunhlmos du-
rante o Interregno do actual mouireba bra-
sileiro ; nc correr do qual, actuando | oje-
rosamente, o elemento democrtico quasi
que dominou exclusivamente, e mais de
urna vez pz em risos a obra do SenAor Dom
Pfdro /., que, d'alm mar, porvenlura tre-
meu, em mais de urna occasiSo, pelo futu-
ro de seu duro fil ho, e pela sorle do povo
que de miseros colonos transformara em
nacSo respeitavel; e, pois, nos nSo arrisca-
remos a poisar boje nossa mSo trmula e
vacillsnle sobre o negro veo que cobre o
quadro aasualador daa miserias por que en-
tSo passimos, para ergue-lo, e memora-las,
urna i u ia, aos que tiverem* a cn descen-
dencia de lena linhas que alii dexamos
escripias, e ai que em seguida hauvermos
le tricar.
Mais tarde desceu I campa fra o grande
Wineipe, a quem a historia ja comeca a
fazer justiQi, rendemlo i sui memoria o
nreito e homenagem que zoilos e ingralos
Ihe uegarem durante a vida ; e, no leito da
morte, nffodixot cerlamente de dedicar-
nos um dos seuaderradeiros pensamentos,
rogando ao SUNREMO JUIZ, ante o qual i
comparecer, nos guiaste ao caminho da
prosperidad?, e inspi rssse serioi deaejns de
felcitsr-nos io ehiro fllho, que a PROVI-
DGNClv Ihe nilo permitlira ver dirigir por
simei.no os destinoi do rovo que elle lb
confiara.
Mas, se fra possivel restituir a vida ao
mirrado cadver do grande principe, que U
descansa sb legelada lo usa, e trazd-lo para
o mel de mis, aflm de ouvir a narrativa de
todos os transes por que temos passado, el-
le venera lagrimas de dor, e, bom pai, nos
censurara a incuria com que temos milbara-
tado o tempo em lutas fratricidas, deixm-
loque corra m i revelia os nossos mais vi-
taes interesses, e prestando-nos *empre
aos calculse machinages de ir mitos de-
generados que, de precipicio em precipicio,
nos conduzem a profundo abysmo, com-
anlo que consi gam fazer de todos nos ou-
tros tantos degraos da escada mstica pela
quil tcucionaii) ul>ir para chegarem s
illaa-e elevadas posiedes que sspiram.
Sim ; aeo5eAor Dom Pedro / resusci-
itsse, e nos vlsse divididos em pequeos
bandos quei agrupa dos aqu e alli, procu-
ra ni dilacerar-se com imiginavel encarni-
camento, prestes volvera io p deque hou-
vesse saludo, fugindo espavorido do meio
le um povo que, malcomprefieirirmlo seua
inleressBs raes, e prestando-se ios mane-
jos de meii duzia de homens desalmados
<|uo abusam da ana boa f, como que pro-
cura aniquilar-se para desappirecer do qua-
dro das naques.
Entretanto, nada ha mais fcil do que es-
tabeleeer as cousas de modo i constituir-
nos eaa circumstancias Je tornar-nos um
povo, sobJU) m odelo, ao menos i5o bem re-
pulado como aquelles cujos costumes pi-
triarehaes o recommendijn i estima e ve-
neracSo de quantoa estudia) a iua histo-
ria : esquecimento de antigs e mesquinhaa
rivalidades, desprezo aos que Com ellas es-
peclim para conquistirem poiicoe excel-
lentes, sacrificios re Job rajos pelo bem-es-
ller de nossa cniri patita, exjs.sic b*!
nira que o consigamos. KntSo nilo maij
ter-mos da eawergonlur-nos dedecepces
1.1.) grosseiras como aquelles de que at
i|ti temos silo victlteai;--enlfio ninguem
se lembrari de nos querer conilituir, qun.
do a vinle nove anoa sitamos ot-nttitui-
naes, azendo votos ao Todo Podkroso pi-
ra que a nossa tropa se compenetre da ex-
celencia dos principios, an pregados.
Soldados t lodo o exircito do imperio.
He hoje um dos grandes dias que o firaiif
tem tido : he hoje o dia em que o vosso Impe-
rador, voslo defnsor perpetuo e generalissi-
mo deste imperio, vos vein mimosear, entre-
gndolos em vossas proprias mos aquellas
bandeiras que em breve vao trrinular eatre
nos, caraclerisando a noaaaIndependencia ino-
narcnico-conslilucional. que, apezar de todos
os revezes, ser sempre trtamphantr.
f.ogo que os ezercltos perdein os eitimulos
da hoara e obediencia, jue devem ter oo po-
der execulivo, a ordem e a pai de repente he
subatituida pela aaarchia; inaa, quando ellea
san, como eate, que tenho a glorii de cominan-
dar em chefe, cuja divisa be valor, rtiprilo i
obadiincia aoa aeui superiores, os cida cficos coniam com a seguran;! individual e
da propriedade, e os perveraos reiiram-se da
sociedade, suecumbem ou convertem-se.
< Quando a patria precisa ser defendida, e o
exercito tem por divisa independencia ou
morte a patria descansa tranquilla e os ini-
nigos assusum-se, sfo vencidos, e a gloria da
naco redobra o bro.
* Soldados! nao vos recommendo valor, por-
que vos o leaides, mas sim vos asseguro que
pjdeis contar sempre com vosso generalisslmo
as occaaldei mala arriscadas, em que elle,sem
amor i vida e s i patria, vos conducir ao cam-
po da honra, onde ou todos niorreremos ou a
causa ha de ser viagada. Qual ser o nosso
prazer, e o de nossas familias quando, ao leio
deltas voltaodo cobertos de loiroa, noa virinda
rodeadoa da chara esposa e de nossos filhos, e
Ihes dlaierinos aqui me teodes ; quem de-
fende o Hraail nao- mnrre ; os nossos direitoa
lio sagrados,- e por Isso o Dos doseierotos
sempre noa ha de facilitar aa victorias? Com
estas bandeiras em frente no campo da honra
destruiremos os nassos ininigos, e no maior
calor dos combates gritaremos constantemen-
te, viva a Independa constitucional do Brttil,
viva.' viva 1
SETE DE SETEMBRO.
I.iberdade que povo le nilo ama ?
Palavra de unifio, symbo augusto
no principio immortal que rege os homens,
l.uz magestosa que illumina os quadvos
Da humana creacBo, e vii crescendo
Por entre n sombras de um porvir gigante ;
I.iberdade que peito nilo palpita
Vo teu doce vibrar de enlhusiasmo?
Qatarn na;a Incmiso lmem portentosa,
Que resumes na trra ?Fra insano.
Cara esquecer teu nome, o despotismo :
Tu es liogoagem que nSo v.-m aoa labios,
Sem forte commocSo ; eseentimento,
Que ao desponlar a vida neste mundo
Nasce com ella generoso, eterno.
Flias ao homem, seu caminho Indicas,
Rallas ao povo que suspira ancioso
Por vr-le, por ge 10 bem depressa o manto ea,iedat;aJo
A' feroz lyrannia cae por trra,
E surge o pavilbo faustos, alegre,
E brilha o nome, sobranoeira as eras,
Da na(Bo que leu nome proteger.
F. podia o Brasil sumir-se i historia,
Sem que viesses blfejir-rheo beren,
Animi-lo ni vida esperanzosa,
C'rar-lhe a fronte dos flores da fama ? ..
Quando. rompen lo marulhosas vigas,
Vem de longe o nivegaote ousado,
Viu lb o co da America onpuleula
Um paraso, a trra a heneo id,
O novo Ede.il, que nS coube I Europa :
Arvorou sacrosanto monumento
Da paz, da redempc.So, que planta, flrm
Como um tropheu, is bases do progresso,
Doce crenca d'amor e libertada.
Correm as eras, e terrivel moustro
Assanha aa iras, quar impr ca leas
A' nova geracSoque vem aurgindo.
Ebria de gloria, no Brasil fecundo.
Ha urna luta, os Bilavos recam,
Ha um conflicto, as nuvens se atropellam,
Ennegrece o lionsonle, a luz desmata,
O co de escuro manise reveste,
Ruge a procolla, as ondas se montoatp,
Sibila o venlo ; o sbito nos ares
Esse genio veloz sublime issoma,
A crenca vive, a liberdade impera,
Triuoipha a patrii, o despotismo expira.
Que te veja ndiffrente? ha qoem se atreva
A riscardoseu peito essas lembranrjss,
Hoje qlio volves tam formoso, ameno,
Entre as nuvens le rosas, de boninas,
F.spainan'do no co amor, belleza,
Em plaustro d'ouro de puluureo esmalte? !
Brasileiro n9o he quem volt OS olhos,
E nSo t'encara Srdido egosmo
Lhe tem mina lo o coraos que He sordo
A' voz da liberdade incantaiiora.
Itrasileiros (lela Irmflos queri Jos !
Eis o .lis que he rlosso ; restejai-o,
SaiJai-lhi) a vindi com pomposos cantos :
Ao menos en, tam pobre de harmona,
Vate obscuro, envo esta horneuagem,
E vu depura lyra transporta lo
Si) altar da patria, porque sou seu fillio.
A que out'or brilhou em Grecia e Roma,
Raio do co, divina liberdade,
Brilhe entro nos em fervorosos hymnos.
Sej o llrasil o msgestoso emporio,
Que exceda a fama da soberba Memphis,
De Babylonis, Thebas e Palmyra i
Entre no templo da feliz memori,
E quebr os quadros do valor antigo :
Sej i o seu nome um nome respeitado
Desde as margeos do l'rata, lo Amazonas,
Al esse paiz que banha o Nilo,
E mais alm nos trminos do mundo.
Sejamos l'.rasil-iros, patriotas.
NSo demagogos que se riem do poro
Com fingida expressao nos labios torpes.
Um dii s, um dia de ventura
Fafa a nossa uniS.i; surja mil vezes,
Para excitar o bro, como excitam -
Ao ru Je habitador da nobre Helvecia,
Ao norte Americano arrebata lo
Esses tragos do tempo que Ihes moslrjm
Herosmo, valor, independencia.
Dia de gloria A patria te saJa,
E eu s ni Brasileiro, lie de cantar te ;
Sempre direi ; razlio que nos distingue
HespanJece no Sale de ScUmliro ;
tS ha para o Brasil urna liugoagem,
Independencia, I.iberdade ou morte.'a
A. II. de Torrtt Bandeira,
AftTE OFFlCIAt.
Ja:de nossas inatituiroes; enUo pode-
remos solemnisar o annversirio de nona
independencia, icm que o prazer, de quo
estivera>o pdsauMos, venhi ser perturba7
do' pelas vociferages deste ou daquelle gru-
po que, deaeonloate, ou soffrendo ss conse-
quencas de desmandndolos anteriores,
aaaldica e praguej odia em que mais de-
vera gloriar-
'' Terminando, comprazemo-noi de trasla-
Ur para esta pagina do Diario a proclama-
go com que o Senbor D. Pedro 1 dislribuio
loexarcilo brasileiro as bandeins nicio- O'8te de Setembro .' ha Braailelros
Independencia ou morte.'foi o grito,
Que retumbou as margens do Ypiraoga,
E leve um echo atroador, solemne.
No co, na trra, no porvir, na Historia :
lirado festivo que resa ulano
Desde o rico Amasonas caudaloso
i Atos campos onde corre u ivata :
Brado cloquele, glorioso anouneio,
Que fez tremer na base espavorida
O velho mundo que murchara oa loiros
Massolides, nos ingremes outeiros,
Na choupana tostada ao sol do esto
as lindas varzeas, nos floridos prados
as cidades vaslissimas e bellas,
Um s canto, liogoagem soberana
Firme reba : Independencia ou morte.'
O llrasil ergoe a voz, e grita ao longe
Eu sou livre, nSo genio afeirolhado,
NSosoffroa esc'ravido.brazdes me sobraui,
Que ho de fallir nos seculos vin looros,
Que bio de elevar meu nomo alera dos astros.
Esse dia passou, mas nfio s'extingue
,\o p que nvolveas flores da existencia.
A le sagrada, o throno t>'eleva,
O impe io que surge destemido,
a liberdade que se junta orJem,
Os lagos sociaes que su ii> mooisam,
Os direitos do povo que renasceui
O regosijo, o euthusiasmo,... i patria...
fudo n'ura da pin nos desparta
riommamlo das armas.
Quaitel general na cidade do Rccife, em 6 de
setembro de 1850.
Ol DEM DO DIA N. 88.
0 Sr. marechal de campo gradusdo, An-
tonio Correa Sera, rommandanle das ar-
mas, em applauso ao anniversirio da in ie-
pendencia do imperio,'6 de cofiforniidadc
com as disposiges em vigor, determina
que ainanhila arrumem en grande parada,
assim os corpos do exercito existentes ns
guarnigflo desta capital, como os da gu ir
da nacional e de polica, que o Exm. Sr.
presidente desta provincia para tal motivo,
poz I sua disposig.lo.
De -nanhUa, os corpos abaixo designados,
se acliarilo postados na priga da lloa-Vista,
formando duasdivisO'S e quatro brigadas,
pela mancira seguinle:
A primeira divisilo que ser com man Jada
pelo Sr. coronel o cominaiidaute superior
da guarda nacional deste municipio Fran-
cisco Jicinlbo Pereira, se compori da pri-
meira brigada, formando os esquadres,
primeiro, segundo e terceiro bal.albo s da
guarda nicional ;eda segunda brigola pe-
lo quarto, quinto e sexto batalboes da mes-
illa guarda, ambussob qacoinmandos dos
respectivos chefes de legoes.
A segunda divisiio coinsandada pelo Sr.
coronel graduado Jos rerreira de AZeve-
lo, se compor da terceira brigada frma-
la pelo corpo de polica e quinto batalhSo
de fuzileiros do exorcito, sob ocommando
lo Sr. tenenle-coronel Feliciano Antonio
Falcilo, e da quarta brigada composta do
primeiro e segundo balalhes de cagado-
res, e da compaahia flxa de ca vallara do
exercito, commaodada pelo Sr. tenenle-co-
ronel Antonio Mara de Souza. Quatro boc-
eas de fogo servidas pela companbia de ar-
ti tices, ao mando do respectivo capituo, col
locar-se-hfio no centro da frca.
As divises tomarSo posigflo, guarnecen-
do a referida praca, pela ordem que flea de-
lalhada, apoiandoa sua direita junto a ma-
triz, e produzin lo-se a liuha na direccJlo da
tua da ConceicBo.
O (iiesmo Sr. marechal, as II horas em
poni, pas.saiu a revisla do coslume.
t'rancitco Carlos Bueno escHam/u,
Capitao ajuuanie ue ordena.
EXTEftIOi
.
COItllESPONDENCIA DO DIARIO DE
PERNAMBUCO.
Pars, 3 de agosto de 1850.
D'aquia alguna diaaa noaaaasseinbla legisla-
tiva suspender as suas sessoes ; mas, eiuquanlu
ella nao lomar esse repomo, de que asss care-
ce, e i que com goio a KrStica ver dar-se,
anda que por pone > tempo, nao ha multo que
quasi se desavin ooiu o presidente da repbli-
ca. Eu j diase a Vene, que ella iioha chamado
ao tribunal o gerente do jornal o Podir, ao
qual coudeiiiiinii era 5,000 francos de inulta,
coma culpado em ti-la otlendido Foi por cau-
sa de um artigo de Jornal que ae ellaalvoro-
cou pela segunda vezaste jornal be o Afoitlor
Ja Aoils ; e, segundo se uli, os que o redlgesn
estilo em relacao directa com os que rodelaui o
presidente, s'.bu, W-s|UC a assc:nb!c ;c
utt'endeu, era vivissimo, multo agro, c alg-uin
tanto ultrajante. A colera dos representantes
(i extraordinaria ; mas os inimigos 4o presi-
dente, que sao os legitimiataa t republicanos
JQermtlkoi, tentarsin encaminbar casa celera
contra o chefe do governo, e abrir urna colli
sao entre oa dous podlrea.
O Sr. liuponl de llussac, deputado fermtlka,
denunciou o altlgo tribuna, e propoi as-
sembla nomeaSse uina commissSo para Inda-
gar quem fiira o autor ou o inspirador do ar-
tigo.
Kra estravagante propoaiciio ; e, nao obs-
tante o ino humor d'assembla, ella fOra iin-
inedlatameiile eipelllda, e o ministro do inte-
rior iiu liDiive.se sem geito declarado que elle
iin retr.iria em Monitor da Noite a autorlsaciin
que o governo Ihe dera para vender-se uas
ras.
A maioria tmnou essas ntrtavras por nina bra-
vata. Com ell'eito, a occasiiio nao era adequada
parase fallar d'um favor feiloa um jornal ae-
cusado de terohTendido a asscmbla. Assim, o
Sr. Haia, representante do partido da ordem,
irado, e eom voz roquejante, pediain que a as-
einbla se retirasse limnedialaincntc aos seus
escriptorios para nomear ama cominisso ipie
cuidasse as medidas urgentemente reclama-
das pela sitll.r.in.
Felizmente o ministro que levantara a tein-
peslde, leve o talento de acalma-la Declarou
que se exprimir em termos seceos e desde-
nhnsos como liomein da maioria. em referen-
cia ao partido monlanhez. Quanto ao artigo do
jornal, o governo denegou-o ; e, se nSo retirou
a esse jornal o favor que se Ihe havia concedi-
da, foi porque a asscmbla nao o con ieinnnu.
O ministro, ao acabar, recominendou uniao a
todas as fracedes da maioria
Essas explicacoes mui leaes, mui calorosas,
amainaran), como por encanto,- a borrasca que
os inontanheses tinnam provooado. Os homens
moderados' entendern) que era absurdo e
perigoao abrir hostilidade contra o presidente
da repblica por motivo tan frivolo. A ordem
do dia foi pronunciada, e nao se tratou do Mo-
nitor da Asile, e nein do seu artigo.
Entretanto' as relacdes enlre o presidente
Luis Bonaparte e a asseinbla comrcam a tor-
narse mais difllceis seno ms. Um faetc) re-
cente sobremodo o comprova. Como, aegundo
a constituifo, a assembla legislativa be per-
manente, ella n> pode suspender suas aesses
por tempo alguin, sem fazer-se representar em
Pars por una commlss'o eacolbida de seu
aeio. CompBe-se ella de 25 meinbros nomea-
doa por escrutinio. Ella acaba de proceder a
esta operaco. Os legitiiniaiaa, tendo quasi
concordado com os montanbezes, resultou des-
ta colliaao que as forjas balancearam-se, e que
enlrou nacoinmisso bom numero de inimigos
pessoaes do peesidente Esta manobra oSendeu
vivamente a Luir Bonapaite: mas ella, por
ora, niio ter conseqnenclas, visto que o direi-
to real da coinmssao de permanencia he con-
vocar a assrmlila antes do praso fiza pelo de-
creto da prorogaco, se as circumstancias o
ezigirein. Mas eu eris que, ao voltar a assem-
blea, isto be, em II de novembro, rebentar
um conflicto entre o dous poderes, e os legili-
mistas se colligaro completamente com os
uontaabexes.
Entretanto, a asscmbla apressa-se : ella
acaba de votar diversas leis urgentes entro
os quaes figura a que restabelece pro-
visoriamente a censura acerca das pegas de
theatro ; medida excellente, e que a gente
honrada vehementemente reclamava. Ella
oceupa-se actualmente em discutir o bud-
get do 1851; e, logo que este trabalho so
acabar, veremos lodosos nossos represen-
tantes tomarem seu vo. A Franga, per-
turbada por suas paiXoes, tem grande pres-
sade ve-Ios partir. Mas he necessaWo fa-
zer-lhes pratca: ertlcs nSo teem menos
pressa de tomarem a ver seas lares.
A Frauca est perfeilameute socegad.
Entretanto o nosso prefeito de polica, que
nlo dornie, acaba de descobrir urna nova
conspiacfo do partido demaggico. Cor-
tos individuos, cujos passos elle proscutou,
rcuniam-se peridicamente n'uma taverna
d'um bairro populoso. Nos ltimos dias do
mez passado, esses individuos oni numero
in quarenta, fram presos nilo s nos lu-
gares em -jue costumavam reunir-se, como
em suas casas, as quaes se adiara ni pape s
imporuntissimos, bem como armas e mu-
iiiges de guerra. Tiuha-se constituido em
sociedade secreta, sob a invocago de Ne-
mesis, dessa da Vinganga. Eis urna das pe-
gas que fram apprehendidas, ella Ihe
dar urna ideia dos projeclos desses mise-
ra veis.
Decretos constitvicionats.
i. A seguranga da cidade de Pars he
confiada ao zelo e patriotismo de rada ci-
tadlo. '
" Quando qualquer cidadSo emigrar do
territorio da repblica ou le seu departa-
mento, seus bens serio conliscados em prol
do estado.
2- Os bens de 17 Burgados dos ministros
do I.uiz Mapolea e de l.uiz Philippe, dos
membros da maioria da assembla, cujos
nomcssflsoguem, sSo confiscados em pro
do estado, e serlo considerados como pro-
pr.Cauc CiG.vS.
Ser-lhes-ha concedida urna indemnisa-
gio de 2 50 paraoccorrerem a suas urgen-
cias ; esta somma Ihes aera, paga diaria-
mente na cmara negra do palacio- do cor-
re. Qualquer prente ou amigo que Ihes
d ou empreste dinhero, ser reconhecido
traidor patria e punido como tal
3. Embolso inmediatode *5 cntimos. *
* Entrada dos emigrados.
5. O banco de Franca sera aquinltoado ao
estado, e transformado em fetoria nacio-
mil com caixas llliaes em todos os deparla-
mentos, o coni obrigagao de emprefcar a
112 por certw!
6. Um orgo gratuito, o Vunitordo Povo.
he instituido JoMoes retrgrados fusi-
lados.
7. A fim de sumuimr inteiramente o
gasto, fica decretada a rouparia geral.
8. A associacdo livre be protegida palo
estado. Toda a empreza deve ser geral, e
iH'iihuma havor particular.
9. A desherdagSoda mulhor he decidida
para sUpprimir o gasto da carne e da fami-
lia, e restituir mqlhor seua diroitos.


10. O mpo9to das bebidas ser abolido,
assim como os direitos de entrada.
11. A justica pratuita e obrigaioria fica
decretada : os juizes nflo serilo mais ina-
jiiovivels : sua tiomeac.no sera por cIoqHo.
1.1. Os seminarios ser.fo abolidos.
14. A bolsa fica abolida.
17. Revisflo immediata do cdigo na-
cional.
23. Declarado da guerra Inglaterra,
ltloqueio continental intimado s potencias
europeas.
2*. Os postos do excrcito da repblica
ficam dependendo da eleicilo dos soldados
atoo posto de capito commnndantu. Os
oh tros postos depen denlo de escolha dos
triunviros.
25. Os postos de tenente-coronel, mare-
chal do campo, marechal de Franca llcain
supprimiilos. Ser somonte conservado o
de marechal general .' so be honorfico.
-_>7. O exercito dividir-so-ha cm tres cor-
pos. Um sobre o Hheno, o segundo nos
Alpes, e o tereciro nos l'yreneos.
28. Todo o cidadilo que, tendo 18 a 45
minos' nilo for casade, o ainda nao tiver sa-
tisfetto lei.ser immediatamente soldado,
luir (lucilo.
29. Ter lugar urna leva extraordinaria
de soldados e marojos.
30. Todas as cidades e portos do mar fi-
rotii em estado de sitio.
31. Kicam autorisados os corsarios civis.
Eu poderia citar-lhe ainda outras pecas ;
mas osla basta para ilar-lhe a conhecer os
miscraveis que querein dispor da Franca.
Felizmente o governo vela, o o povo, que
j sevai deixandodo loucuras, est decidi-
do a So sergovornado portaes seclerados.
Acabamos de ter urna prova evidente da
anmacii commercial, Desde a revoluQilo
le fevereiro os bilhetesdo banco de Franca
tinliam curso forcado em virtudo de un
decreto do governo provisorio, o qual ti-
nlia querido poupar-se aos immensos re-
cursos que Ihe apresentavam oscofes do
banco. ltimamente seguro, este estabelo-
cimenlo, pede permissao para continuar
seus pagamentos em numerario. O minis-
tro das financas apresentou a este respeito
um projeito de lei, declarando ao mesmo
lempo assembla que podia dispensar a
autorisac3oqUo Ihe fora dada a emprestar
banca 150:000,000 por conla do thesouro,
o pedindoque esta autorisaciio fosso redil-
ziilaa tnetade, isto lie, a75:000,000. Eis,
pos, un indicio cerlo do regressu da or-
dem e da prosperidade linanceira.
A lemanita, Prussia, Austria J nffO exis-
te em Allemanha poder que represente a
confl le ac,.io. A assembla]delFrancrort foi
dissolvida, a de Erfurt eeclpsou-se : a en-
liga e veneiavcl dieta, que os tratados de 1815
-.:..!.-._ __.;...IJ-. -;..... ..S ....i.; ...(.K.I..I
tiuham constituido, ainda nao est restaeleci-
da. Eis o que acaba de acontecer. Quando el-
rei da Pruisia concluio um tratado de paz com
a Dinamarca, nao fui ella, mas sin) a assembla
demaggica de Francfort (pie declarou a guer-
ra ao Dinamarqueses. Ora estando essa as-
sembla dlssolvlda, j nao liana nlnguem para
estipular em nome da Allemanha; e i Austria
sempre ciosae suspeitosa, prolestou contra to-
da exlensnodada a um tratado i|ue uo diz res-
peito Prussia. Nao he porque a Austria le-
uha menos vontade de guerrear oom os Dina-
marqaexea; mas ella conhece as intensdes se-
cretas da Prussia, e eis o moiiro por que levan-
tou com estrondo esta quesillo de furnia e eti-
queta.
Alm disso, este negocio da Dinamarca com
os ducados de Sleswig c Holslin nao se termi-
no pela paz com a Prussia. Os insurgentes
dos ducados, secretamente favorecidos pela Al-
lemanha, presisliraiu na sua revolla, e foi ne-
cessario que o exercito dinainarquez ihe dessr
urna sanguinolenta batalba. 30,000 homens
cstlveraiu em linha de cada lodo, e avalia-se
em 8,000 o numero de monos, feridos e prlslo-
nelros. He provavel que a victoria alcancada
pelos Dinamarqueses ponha termo a essa tris-
te guerra.
Eu j fallei a Vine, da destituico do general
Haynau, o mesmo que coinmandttva em chefe
o excic.nn austraco contra ns Hngaros, Ten-
do o jornal ulliri.il de Veneza publicado as cau-
sas desta destituico de um modo offensivo ao
general, inandou este ensetir n'uma gacela
hngara urna declaraco que eu julgo ulil re-
producir ; porquanto llayuau constiluio-seum
personagein histrico.
Eis cont elle se explica :
A gazeta do imperio da Austria busca, cAin
ulna peo na ensopada no veneno, daros moti-
vos que determinaran) o conselho dos minis-
tros a insistir junio a S. M. pela mlnha destl-
HiirS do posto de general commandanle o go-
vernador de Ungria. Fila ne censura aere-
mente de nao ter eu sabido obedecer ao gover-
no, e de nao ter sabido cooiprcheiider ininha
inissao; de ha ver usurpado as prr rogativa* da
cora; de ter obrado arbitrariamente, e exer-
cido o direito de graca sem respeito coroa.
Itepellindo do modo o mais formal essas
prfidas inslnuacoes, firme naconvieco de mi-
nbas leaes insIruccOes e no sentiinento do res-
peito e obldlencia devida aS. M. o imperador,
ao qual eu jamis faltei, assitn como na mlnha
lealdade nunca desmentida em 50 annos de ex-
crclclo de mlnha. funeces, julgo dever de-
clarar ante o mundo que, em todos os ineus ac-
tos, nunca esercl o direito de grara, emanacao
da soberana, senSo em nome de S. M. meu im-
perador e senbor, nos limites que elle linha
tratado, seguudo os rigorosos principios da
juslica e apreciando as circunstancias Os ex-
traordinarios poderes que me faram conferi-
dos lieiu iiiouarcia, mic ri;r. rcir2o? pe
la carta autographa de 6 de julho que eu rece-
bi em 7, e pela qual S. H. me reformou ; por
conseguiule cu nao possover nos ataques fetos
a lealdade do carcter de um boinein que, co-
mo eu, cortou pela rais os esforens revolucin
uarios, seno uiua tentativa para favorecer a
democracia, e por em duvida a existencia da
xnouarchia, pe qu d tantos soldados derra-
inaram seu sangue. Llmitando-ine a esta jus-
llficacao, declaro que nenliuina ontra explica-
cao darel pela imprensa i e outravez recolho-
ine vida privada, depois de ter sido apresen-
lado pelo autor dcste artigo diftatnatorioconio
outro llelisario. sem que elle todava podeese
prlvar-me da vista, e sem que Ihe fossepossl-
vel, aprtar de estar rodeado doparlido desnr-
ganlsador, o vr-me constrangido pelainiseria
a iticWigar o pao, arrimando-iae |ao hombro
de mlnha filha nica.
I Asslgnado." Fel Manchal //j/nau.
fcl-rei da Prussia acha-ae
vestai>eieL-i Jo ii que lii.
ravel assessino. 0 Monitor prussiano de 19,
pubiluou acerca do seu restabeleci metilo o
escnplo real seguir.i
Na orcasio em que attantaram contra
niinha pe.-sOa em 22 de maio ultimo, ere-
ct-bl a fi-rt.'la de que estou restabelecido,
intlerecos de cidades, communa rurae,
corporales, |ssociac8S, bem como carta
le psrticulares me foram appresentadsj.
A leitura de uns e outrss, me fez, quasi
sm excepeflo, o maior bem, quer noto-
cante a expresso do patriotismo ardents-
imo e benvolas intoncOas, ahi manlfestt-
d .s ; quer por sualeal origem: grsnde par-
le desses documentos commoveu-me pro-
fundamente.
Comtudo seu grande numero mesmo,
me prte na impossibilidade de responder
urna sequer. Eis porque, querendo fazer
r.hegar meas agradocimentos. tanto quaoto
he possivel, aos que me hSo dado tanta
consolarlo e alegra, oncarrego-vos de dar-
dea a conhecer ao prosidente do concelho
dos ministros a presente ordem, com a m-
licacfio de a remettedes ao Monitor Ofcial.n
Hespanha e aples. Nfio he provavel que
o casamento quo acaba dtuser contratado
em Napolis entre a irmil cfl-rei, e o con-
de de Montemolim, seja huma ruptura
diplomtica entro as corles de Madrid e
Napolis, He certo quo sabendo que esta u-
niflo fora celebrada, o embajador d Hes-
panha, em Napolis, o duque de Rivas, lo-
mou seus passaportes, e cmharcou n nm
vapor hespanhol ; mas o governo napo-
litano, para nSo dar pretexto a duas in-
terprotacues, desgostosas se deu pressa a
enviar instrucefles ao einbaixador napo-
litano em Madrid, o principe do Canni,
incumbindo-lho quo declarasse ao gene-
ral .Narval1/, que csso casamento uo tinha
carcter algum poltico ; e que era simples-
mente urna uttiiii de familia. A corto de
aples compromettou-se at a publicar um
manifest, expondo Europa que esse con-
sorcio foi contratado sem nenhum pensa-
mento poltico de crer que esiaapplicaco
satsfa^a a corte de Madrid.
Inglaterra c Grecia. O ultimo acto do ne-
gocio grego acaba de tenninar-se etn A Hie-
nas. O governo francez concluio com o
governo itigloz un arranjo definitivo sobro
as bases da convenci concluida etn Lon-
dres. Eis una derrDta bem evidente para
Lord falmerslon o qual vergou-se ante a fir-
meza o governo francez.
0 negocio que. actualmente oceupa a In-
glaterra he a qtieslo de admisso dos Ir-
raelitas na cmara dos cti.'iimuiis. 0 haro
Leonel de Rolhsckild, eleito pela cidade de
Londres, bate, ha annos, porta dessa c-
mara, sem la poder entrar; porque, Judeu
de religiilo, nflo pode prostar juramento se-
gundo a formula, sobre a vtriladeira/' de um
c/iristo. Agora acaba elle de tentar um no-
vo esfonjo : apresontou-so em nome dos
eleitores da cidade ao tribunal dos com-
muns, e rcclamou seu assento. Leu-se o ju-
taoicnto, em virtude do qual Ihe era per-
mittido tomar posse, e elle recusou prps-
ta-lo pela rasSo legtimissm de que tal
juramento nSo Ihe empenharia a conscien-
cia. O negocio ainda nilo est acabado: el-
le depende de um ddalo do processos, e
deve entrar ainda urna vez em discusso se
-mua- fe ir a prxima. Julga-se que oSr.
Ilothschild ser ainda admittido por essa
vez; mas no anuo vindouro Lord John Russel
apresentar a esse respeito um novo bit I, e
lia r.isjii para crer que a cmara dos
l.onls, que, al aqui, su letn opposto a toda
a mudatica da legisla^Ho acerca desse pon-
to, acabara por IV/or a coiicosso que a pu-
blica opiniSo exige.
'

I
/)moulrapilo do ialdJ exlttenti na caix*
de depoiitot m 31 de agotlo de 1850.
Sddoemloltrasem 31
dojtilhop. p. 25:734/000
Itcceita mez no correte 2:274/000 28:008/000
Despcza mez no correnle 8:080/000
Saldo. 19:928/000
Em lettras a vencer
em 1851 a 1852 19:791/000
Em lettras a vencer
em 1852 a 1853 137/000 19:928/000
O tliesourero,
Thomai Joi da Silva Gusmo Jnior.
Oescrivoda receta,
Anlonio Cardoto de Querot Fonieon Jnior.
jimio m nmmm
aicirt, 6 de SETatMBBO BX US*.
PE NAMBUCO
TIlESUUItARIA DA FAZKNDA PIIOVLNCIAL.
I!


inteirametitf
f-iurr. mi?-
i?
3 w V.
Sq 8
n.;- .-O
JL vt Ve
Oo = =
* f1 f1
B. (B C o
r_ n
41 t "" 1
3* a -i Ci3. I-5
o
O (5
a o
3 o
5^
S
a

Is
18-
fg
1
s s
Pelo paqnete inglez Bxpreu, chegado ho-
ja de r.ilmmiiii reerbemos a carta do nosso
correspondente de Pars, que fica estampa-
da no lugar competente e bem assim tres
numeros do rimes datados de 9, 3, e 5 de
agosto proxi'iio pastado.
Ao quo refere o dito nosso corresponden-
te mu poueo temos que accrescenttr, e es-
se pouco he o seguiste :
As cortes portuguez'S foram encerradas
no dia-jo de julho proxi no passaJo.
O esquaJrao do coturno loro americano
Marljn, composto de sele vasos de guerra,
linha s iludo do Tejo a 93 do -mesmo mez,
cal odia 29 a quechegam as doticiss que
recebemos de Portugal, nilo linha mais ap-
parecido nis cosas daqnelle reino, o qual
permaneca pe feilamenle tranquillo.
Os Cinco por ceios linham flcado de 48 a
49; os qualro ditos "de 39 a 40, as apolices
do banco de Potlugal de 500,000 rr. sof-
l'i iiiii o descont de 122 a I2)/rs. cada um
por notas do banco de Lisboa, as quaes sof-
Iriam lamliein o disconlo de 5 1|2 a 5 3|4
por cenlo, entretanto que, as apolices do
banco do Porto, cun trocidas por melal ao
par e at c >m 2,000 rs. do premio caTla orna
Por cartas de Huma datadas de 28 de ju-
lho, sal>ia-se que a comuiissSo dos car-
loses tinha sido dissolvJa, e que oovos
regulamentos lininceiros lem sido pu-
blicados.
O novo presidenlo dos EstaJos Unidos,
Fillmore. linha orgaoisado o sou gabinete
la maneiraseguinte:
Secretario de estado, Dmiel Webster;
lito do thoesouro, Corwin ; dito do inte-
rior pearce dito da guerra. Bates; pro-
curador gera, ciutlenden ; director geral
do curreo, Hall. Estas nomeacOes linham
geral salisfQo.
Urna grande tempestade-de chuvi e ven-
to rebenlou no dia 18 de julho sobre a
eid'a le de New-York, e posto que o daino
por ella causado anda nflo fosse bem co-
nocido, todavia, aabia-se que varios indi-
viduos tinbam mbrriJo, que mullos edifi
cios e navios tiiham Desdo arruinsdos,
que todas as linhas telegraphicas que par-
tiam da cidad> tinbam sido quebradas,
que as comtnunicaces linham flcado in-
terrompidas e lnalmeate que a lavoura
tinha sido cous Icravelmcnle dtmnifi-
c*ds. .
A tempeatade nSo se limitou smanle a
Sew-Yorck, Ua eslendeo-se tambem
Philadelphia, Albania, Newark, Williama-
hurg e varias outras cidades, aa quset to-
las soffreram, unas mais. outras menos.
Em llolivia linlia-se dascoharto urna
coospiraeflo eonlra o governo e emeonse-
quencia disso, numerosas prsoes tinbam
sido felas, lcando toda a ropublica em
n:ii estado de grande axcilamenlo. O con-
gressodavia reuiiir-s a 8 de agosto prxi-
mo dassado em Sucre.
Em Guayaquil no Eqoador, alguns dis-
turbios tinham lido lagar, e oesUlodos
negocios daquelU repblica era considera-
do mu incerto
Em Lonlres os consolidados flearam de
96 3|4 a 96 7|8 ; e o fundos brasilelros, de
93 5(8 a 92. ^^___
S
I I -'
a "
l^lt}
I l I 8
8
P1PJ3!
B 3 3
= s
j: o o-
o O
53
335 V)
m S) !
> r> t"
n --o
u
a
i:
N '
OS B
t 1> *
a 3
o w
o -
2 -
5
e
a 5
i
3
i
DO
lq
la-
8-?
2
u 2
I K>
I O)
i ji*
| vo
I --pV
I Isl
I SS
I 3
j SS
Sel
^8-
C4
35
r
i
* SVl
I *-
. as
* I oe co
C* I Os Hj
O) I A
iVeparl'iyfio da polica.
PAUTE DO I)IA 5 DE SETEMBRO DE 1850
Fi^ram presos : i ordem do subdelegado
da fretuetia de S.-Frei-I'edro-Goncalves do
Itecife, o Portuguez Joaquim' Mues, para
correcto ; e Lourego, escravo de JoBo Jos
Rodrigues Loffer, por crime de ofiensss
physicas : i ortletn do subdelegado da fie-
uezia de S.-Jos. o prelo Paulo, escravo de
Jorge Antonio de Almeida, por andar fgi-
do: e do subdelegado da freguezia da
lii-Vista, Jos Antonio de Souza, para
averiguacOes j oopreto Jos Thosnaz, para
corrcco.
DEM 1)0 DIA t. -
Foram presos : i ordem do delegado,
Antonio Joaqus do Nascimenlo, por cor-
-...iij. : h5 snbdeleeado do segundo
(lisia-icio da rregsis de Aogados, Joflo
Pascoal Nepomoceno, par o mesmo fin.
OWMER r
Canal, brigue inglez Avon, de 272 tonela-
das : con luz o ssfuinte : 8,431 saceos com
17,155 arrobas de assucar.
HECEBEDORIA. DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Hendmento do dia 6......255,142
CONSULADO PROVINCIAL.
I'.endlmento do dia C...... 2.220,785
NOTICIAS COMMERCI \ES.
Havre, 20 Jt julho di 1850.
Algodio.
O mercado do algodSo fechou-se ssbbado
multo frouxoi com urna venda de 155saccas
al a tarde. Esta manbSa.a procura foi assaz
frequentada cotam-se j cerca de 4,500
ssccas. Os prados se conservara sem altera-
do ; todavia pelos grandes lotes, obtom-se
menos do que o ultimo preco corrente. As
155 saccas de Novo-Orleans notadas foram
ven lidas afr. 109, 50, quasi todas uiui ordi-
narias.
Alinear-
Nada se pode notar relativamente sos as-
sucares das nossas antillias, qne se conser-
van! sempre, sobre a base de fr. 61 para a
boa 4.a surte.
Effecluaram-se desta maneira 171 barri-
cas no sabbado a Urde. Em assucarea es-
trangeiros cotam-se 600caixas da llavana ,
a fr. 23 os 50 Bjlogrsmmas.
Couro.
Os couros conlinuam a ser mu procura-
dos ; alm dos 5,006 salgados do Rio Gran?
de, verdes chegados por Mina Emilia, ro-
ram pagos a fr. 36. 25; tralaram-se 2,000
seceos da Platea fr. 36,25, assim como, um
ou dous pequeos lotes, veiidoraW-sea pre-
go occullo.
Anrtrs, 87 de julho di 1850.
0 Asssucar bru'o.
A semana que acaba de expirar, foi deno-
vamenle assignalada por urna grande lota-
lidadede Imisacces a presos mu firmes.
As vendas qu cnlhemos, consisttem pouco
mais ou menos 4,500 canas da Htvana lou-
ro de fl I2l|2a 14 3|4, rindas em navios
pstrsngeiros. A maior partte fui vendida
pira o transito e para a expeccolac.So.
Ven lerain-s publicamente, por causa de
avaria 2,076 caicas de llivana louro de fl.
15 a 29 i|4os-50 Kilogrammas, ueste da,
depois do meio-dia, serSo vendidas em leiflo
350 catxss dito, e no da 30 do corrente
Il50csixas de Habana louro avahado. Des-
de os nossos ltimos avisos, cuegaram-nos
789 caitas, 399 barricas porJSarrah-Sands,
de Mal lizas: 2,423 ditas por 0.u\u,leu-Molsys
da llavana, e 547 saceos, 3p can2 do Lon-
dres. O carregaraento do Sarah-Sauds pas
sa em transito.'
Caf.
0 mercado est em calsns, no decurso de
lo la a semana, o aogucifli das vendas do
verSo da sociedade docommeroio neorlan-
deza lio prodU2irreffelto algum aa praca
os nossos prec,os s8o pouco mais ou manos
nominaes. Das 419 saccas de San Domingos
avariadas, offeredas em leilo, foram so-
asante adjudicados 38 sacas a
mos por meio Klogrammis para o consu-
mo: o remsnescenle foi retirado. No dia SI
do corrente, venderara-se publicamente,
por causa da averia, pouco mais ou menos
1,100 saccas do Brasil. Foram importados
desde os nossos ltimos avisos 2,415 saccas
porKaiel dosCavs; 503 saccas e urna bar-
rica por Maris, c 59 saccas e 2 bsrricas, por
Sobo, viudas de Londres, e 731 saccas da
Hollanda, pelo interior.
Algodio
llouve com; lela nulli Jade de negocios no
principio de semana; apezar da calma, os
nossos precos so conserva ni bem. Com to-
das as chogadas, nflo recebemos senSo 293
saccas de passsgem, pelos vapores de Lon-
dres e de llull, e 40 saccas de Dolanla pelo
interior.
Couro
As IransaccOes fetas durante a semana,
foram denovamento assaz activas .realisa-
ram-s? poueo mais nu mepos 7,800 seceos
de Buenos Ayres e Montivldeo, e 2,300 sal-
ivados de Buenos Ayres e Rio Grande a dille-
rentes prec,os que entraram na cotaco, se-
gundo o sortinianlo. A procura foi feral
sobro todas as qualidades, porem particu-
larmente sobre os grandes. O gonero per-
manece mui sustentado.
Anqterdam, 25 de julho.
W Caf.
A sociedade de commercio fez aniiunciar
buje, assuas vendas de verflo, que lerlo lu-
gar em Amslardo no dia 2 de selembto,
em llotlierda n a 5, e em Middelboug a 9.
Ellas hilo de comprehender junlameiile 507,
441 s ceas quer : 338,257 saccas de Java e
537 saccas de Sumatra, venddasem Atns-
terdam ; 119,747 sacesa de Java e 19,673 di-
to, depositadas em Dordrech em Rulher-
dam, e alinal 29,227 de Java, em Middel-
hourg. Na quantidade annunciada para ser
vendids em Amsterdam, s achaos^compre-
bendidas 142,750 saccas relindas has ven-
las da primavera. A sociedade de commer-
cio, deu a certeza que nflo voltar ao mer-
cado anles dasprosimas vendas da prima-
vera. As amostras serio entregues em 2 de
agosto. A sociodade uBo conserva sonto
1,600 ssccis para ss suas vendas ds prima-
vera ; segundo os clculos mais provaveis,
A o. nmierao accrescenlar ID/AMO saccaa,
ALFANDEGA.
Kendimenlo do da .....6:498.380
Dticarregai kj$ 7 de tetembro.
Patacho -- Valent*-- mercaJorias.
Brigue Sociidoie-tW* batstas e sab3o
Bircs lulet vinho e asoite.
arca -Templo firinha de trigo.
Barca Havre mercadoriaa.
Brigue J#to gigos de louca.
CONSULADO GERAL.
Hendmento do dia 6
Diversaa provincias .
2 164,887
19,153
2:184,040
EXPOHTACAO.
3 Despachos martimo* no da 6.
L Rio-de-Janoiro, brigue americano Beln,
de 225 toneladas : cnduz O Seguinte : 917
g. barricas e 90 meias ditas fariulu de trigo.
i:)1T\l
-- Parante a cmara municipal desta cida-
de irSo pra?a nos das 9, 12 e 14 de setem-
bro vindouro, para serem arrematados por
quem mais der, e polo lempo que conver a
mesina cmara, os rendimentos dos seguin-
tes objectos, que oonslittiem o seu patrimo-
nio, islo ha : casinhas da praca da Indepen-
dencia, ribeira da freguozia da Boa-Vista e
a do pexo da freguezia de 8an-Jos, casi-
nhas da Soledade, dita da rus Imperial, im-
posto da atericSo, dito de modidas de fari-
nha dos dous mercados pblicos, dito dos
mscales e boceteiras, e os talhos dos scou-
gues publicas. Os inleressados deverflo pre-
viamente habilitar seus fiadores, na forma
da le, sem-o que nilo Serfio admlttidos
laucar. Outrosim, os que arremataren! ta-
lhos, deverflo pagar ero continente a impor-
tancia das arrematacOes; do contrario, fica-
rflo estas sem effeilo. E, para que chegue ao
conhecimento dos inleressados, se mandou
publicar o presente. Psqo da cmara muni-
cipal do Recife, em sessSo de 26 de agosto
de 1850. -- t'runelteo Antonio d Olivtira,
presidente. ilunoel Ferrtira Accioli, secre-
tario interino.
Declaraijoes.
No dia 9 do corrente contina a estar
em praca, no paco da cmara municipal, um
lanco que ainda reata do muro do cepilla-
rlo publico.
Por nHo apparecer oppositor esdeira
de primeiras lettras para o sexo masculino
da povoacflo de Ingazeira, cujo oor.eurst
devora ter lugar no dia 27 du correnle, o
Sr. director do lyceu, etn virtude das ordens
i to Eim. Sr. presidente da provincia, man-
da fazer publico, que a referida cadeira es-
ta uovamniile a concurso com o pra?o de 60
diss, contados do dia 3 de setemhr prxi-
mo futuro. Sicretaris dolyeeuSO de agos-
to de 1850. Januario Alexandrlno a Silva
Rabillo Cantea, professor de desenbo e se-
cretario.
Pela subdelegada de S.-Jos roram ap-
prehendlos os moleqiios crioulos de nomes
Filippee Benedicto por fgidos, os quaes
lzem ser escravos do Sr. Antonio de S Lias
Cavalcanti; assim como um csvallo ruco
em que os mesmos andavam montados .
quem a ditos moleques o eavafto se cjjtr
com direito, comparece na mesms subde!->
gsci, munidos de ttulos, provas, etc., etc.
-Ojuixde. orphSos, prmelro supplente
em exercicio', d sudiencia nos das desig.
nados, pelas 10 horasda manhaa.
0 psquete inglez Vxprut recebe a ma-
las para a Baha e Rio-de-Janeiro hoje,
urna hora da larde.
A mala para Lisboa que tem
Je contluzir da Paralaba a barca
portugueza Ligeira, fecha-tte ho-
je, at s lo horas da manbaa, no
consulado de Portugal, e em casa
dos consignatario*, Francisca Se-
veriano Kabeo & Filho.fno largo
di Assembla. ^^____ _
11 i i, i **"*" ~~
Theatro de S. Isabel.
17' RECITA DA ASSICNATURA.
Hoje, 7 de telemora- dt 1850.
Annrversario feliz da independencia do
Brasil. Feala nacional
lA)go que o Exai. Sr. presidente da pro-
vincia lenha assomado tribuna, a orches-
tra execular uma brilbanteouvertur, de-
pois da qual abrir-se-ha a cena, e peranto
a efilgie de S. M. Imperial a eompauhia dra-
mtica cantar
O IIYMNO NACIONAL.
Seguindo-se a representacSo do
em 5 actos, ornado de msica
I). CEZAR DE BA2AN.
PR*SOHAGimS.
Carlos II, re de Hespanha, A- M- da Costa.
O. Ceiar de Bazan, G. F deOliveira.
D. Jos de Santaram. IS. F. Mera.
O marquez de Montefiore, II. J. d'Araujo.
Maritsna, Joanna Januaria.
A marqueza de Montefiore, Rita T. da
Gama.
. Um capihlo, SebastiSo A. de Miranda.
Um alcaide, J. M. de Almeida Cabral.
Um magistrado, J. D. Coimbra.
Um barqueiro, P. B. de Santa Rosa.
Usarilho, J. J. Pereira.
Fidalgos, povo, soldados, etc., etc.
A acefio passa-se em Madrid, no reinado
de Carlos II.
Os bilhetes de platea acbaf-e-hlo en-
danodia do espertacsjlo no lugar do eos-
lume. __________
o o mais 150,000 saccas para receuer daqui
al l. As vendas de marco, por consegua-
te foram reduzdas. __^^___
r---------- ........Iassssssasssssssis=a
ov.mento do orto.
Navio mirado no dioe
Ass--12 das, hiale nacional I'lor-deCu-
ruripe, mestre Manoel Antonio da Silva
Barros, carga varios gneros; a Tiburcio
Valeriano Baplista. I'aasageiros, os BMfl-
leiros Francisco da Sii Muniz. AnloUo
LuizdusSantos, Alexandre Jos de Vas-
concellos e Manoel do Naseimento.
Faliiioulh 30 das, paquete inglez Expren,
com manda ii te Lswue, com passageros'
para os portos dosul.
avlot lahidoi no meimo dia.
Havre brigue francez Cczar, capilSo Ber-
ilos, carga, assucar algodao l'assaari-
u O 30)330 llio-de-Janeiro Brigue aiiericauo licita,
capillo Itobert Colima, carga farinlia de
trigo.
ObtervacHo.
0 brigue Inglez "/.-Jfsary, capito T. Sl-
ras, que velo refrescar, indo de Ctlho do
|Llnia,seguiulioja*(iira Liverpool. r*^
Avisos martimos.
\. -,.---------
Para o Rio-Grande do Sul segu, por
estes 5 das, a escuna Kuroplita; recebe
anda alguma carga, escraos a Trete o pas-
sageros: os pretndante* queram dirigir-
se casa da viuva Gaudino Filho, praci-
nha do Corpo-Santo, n. 66.
Para o Aracly pretende seguir com
brevidado.0 patacho Sanla-Cmt: para o res-
to il carara e Dssiageiros. Irata-M ao lado
do Corpo'Sanio, loja de massamas. ss,...
-Para o Aracaly lem de seguir viagom
imprelerivelmente a 17 do presante, o hia-
te Novo-Olinda, por ter tratarlo a maior P"-
le do csrregamento : quem anda pretender
carregar, enlenda se com o mestre do mes-
mo, Antonio Jos Vianua, no TrapIche-d'Al-
godlo.
Para passageirtM avmente.
Ssgue nesles oito das psra Buenoa-Ayres
o muito veleiro patacho diuamarquez
fin, capitio I Meypr : quem quizer Ir de
passagem entenda-s'e com o capl.lflO do mes-
mo, na ra da Cruz, n. 15.
Para o l.io-de-Janeiro aahe,
com a maior breridade poasivel, o
patacho nacional Valcre : quem
no mesmo quitar carregar ou ir de
.ge., d:rijs-"? o cnit5o na
pra^a do Commercio, ou ruado
Trapiche, n. 34, casa de Novaes
& Uompanhia.
Para o Osar sabs em poucoa alias a
sumaca nacional Flor-do-AngeUm, eslre


Bernardo deSo'iza, por saj/iar' com par-
te da carga prompta : WdBmtt" passa-
geiros trata -se com Luirs te S Araojo,
na rut da Cruz do Recife, n. 33.
--Para o Rio de Janeiro angue, no da 9
do correnle, o brigne nacional Jpiter, por
estar rarregado e prompto : para passagei-
roa e alguna escravos, para o que teni excel-
lenles con modos, trala-so na ra da Cadeia
do Recife, loja de miudezaa de. Ferreira &
Basto, n. 19.
Leilao.
-- Leudo que faz Joflo Tavarcs Cordeiro
de 250 caixaa com maesas sortidas, vindas
da Bahia na sumaca Flor-do-ngellm : ter-
<;a-feira, 10 docorrente. s I o horas da ma-
ntisa, no armazem grande, defronte da es-
cadinha da alfaudega, de Couveia & Dias,
por conta e risco de quem pertnncer.______
Avisos diversos.
Iloje, 7 do correnle snliir a luz A
IMPRENSA. jornal poltico e social, deslina-
do a Sustentar os principios do partido li-
beral riesta provincia. Publica-se na typo-
graphia nacional, que se acha nos segundo
e terceiro andares da cisa n. 5 da ra Direi-
u, eastigna-se na mesma typognphia a
3,000 rs. por trimestre, 6.000 rs. por semes-
tre e 12,000 ra. *'nnuamente(adiantdo8,J.
O jornal, como se v pela indicicflo de
aua natureza, be lambem commercial e no-
ticioso aceita gratuitamente todos os ar-
tigoa que tiverem immedata ligarlo com
seus principios, e interessarem ao publico.
Publica-se diariamente, e cun o mesmo
formato do Diario Novo.
-- Adverle-sa ao corarde autor dos an-
nimrio* dirig ios botica do pateo do Car.
hio, inseridos nos Diario ns. 186, 19* e 199,
cansan lo a *ttnc,Iodns illustres tncinlnus
doconsclho il;s*lubridade e da enmara,
rom a infracto dos artigos 1 e 2 do titu-
lo 2'das posturas muuicipaes, que seria
mais prudente que elle repousasse am silen-
cio, ( visto que, quem lem telhadn de viilro
nfio dure lanzar podras no do viziiihojdo
que Imputar a oulrem aquillo que Ihe he
cabivel; pois que elle nflo s infringe os ci-
tados arligoa, como mudos outros, os quaes
sardo declarados, logo que detxe a capa de
incgnito e se assigne, e que os illustres
nieihbros doconsolho de salubridade e a
cmara, conscio* como s3o dos seua deve-
res, sabetn mu bem desempenhar (s suas
altrbuices, sem precisar coiiseguintemen-
te das malvolas iiisinuaces de semelli an-
lteparasita infernal, cujo se entrega ao dcs-
prezo, como um monslro cliarlanalico, que
vive para flagello e opprobrio da humau-
dade. Francia* Jos da Silva Araujo,
JA Esmeralda.
Peridico dedicado is Pernambucanas,
alrirk lioje o primeiro numero, e vende-se
no pateo do Collegio; loja do Sr. Djurado';
e no Aterro-da-Boe-Vista, loja do Sr. Le
Cont, pelo prego de 40 rs.
Fugio, no uia 8dejulho prximo pas-
sado, d engenho Po-Saivto, freguezia du
Cabo, am escravo ctioulo, de noaie Anto-
nio, o qual fui escravo do Tallecido Culos
Pe reir da Silva Caldas, e boje pe rlencente
a l.uiz Percira de Franca Caldas, com os sig-
caes seguntes : moco, un tanto baixo, na-
riz afilado; he carreiro e de cor jirela :
quem delle der noticiaa certas, ou o pegar,
leve-oao engenho Corauass de Una, ou
nesta praca, na ra do Caldelreiro, n. 14,
quesera generosamente recompensado.
*immmmw**m*m *
Os Srs. asignantes do jornal lio- 9
mceopathico, intitulado Medico do O
l'ovo, (.deni mandar recebar os I
19 priineiros nmeros no consultorio m
central komaopalhico, ra do Trapi- t|
che-Novo, n 15, e igualmento man- g
r pagar a- importancia do prime:- U
_ trimestre U
,wmmtmmww& wmmmmatm -Juaqulm Theodoro da Silva, subdito
portuguez, rolira-so para Mossamedes.
Claudina Marlinha do Sacramento, co-
mo inventariante do casal de seu tinado pa
Antonio Joaji Muniz, autorisa ao Sr. Manuel
Joaquim Frnandes de Azevedo para rtce-
lier os foros das casas foreiras ao mesmo
casal.
--Desappareceu, rio da 5 do correnle,
un boi vermelho escuro, com pintas bran^
cis na testa e um pouco magro : quem del
le ronber. dirija-se a ra do Sol, n. 25, qui
era gratificado.
A Hevinla Theatral.
Esl venda ao meiu-dia, na praga da
Independencia, n. 12, o u. 2 desln periodi
co, conteni nalyse minuciusa da execu-
t;Io do drama Maria ioanno.
Alora se "O primeiro andar do sobrado
da ra eslreita do Rozario, n. 16: a fallar
no segundo do mesmo.
Manuel los de Olivcira, subdito por-
luguex, retira-su para Mossamedes, levan-
do por sua criada Joaquina da Conten;**)
I'radenis, culileiro, previne
ao respeit-irtl publico, que muirJou
ua loja da ra di (Juuitei.s, pana
a ma iNov, n. 36, deironle da groja da Conceico.
Ileurrque Jorge de llritq uteauja*. fis-
cal supplenlo da freguezia de 8jwi-J > e
acin.imaniorrn exeicicio. devera ser pao-
curado na ra Diraila, carlorioda provudo-
rl, n. 112,
no Aterro-da-Roa-Vista, n. 7* ; o na typo-
graphis da Voz do Brasil: utmt> 80 rs. cada
exemplar. I
O annuncio saludo ha dias
fiesta folha chamando o Sr. Luiz
Antonio Favilla ra larga do
Uotario, nSo se entende com o
Sr. tenenle-coronel Luiz Autonio
Kavilla.
__Jos Maria Palmeira roga aos Srs. A. A.
P. C. AJ. C.S. D. M. P. V.;J. P.CJ. ,
J. C. II. C. ,C L O. i- L. O., M. J. C ,
C. A. P. F., hajam de salisfazer seus dbi-
tos no prazo de oito dias ; do contrario, te-
ro de ver seus nomes porexteoso, emquan-
to no pagarcm.
Roga-se aos Srs. msicos do quinto
hataihuo de F. los dos Reis, Francisco
Alexandre Gouveia, Jo3o Baplista Trindade,
Antonio Mendes, e o Sr. furriel Estrella, que
queiram ler a boodade ;de ir pagar suas
cuntas na ra da Guia, n 9. OSr. Tnda-
le pague a quem deve, e o depois insulte
como ja insuilou ao anniinciaule.
A matea que annunciou querer com-
prar uoiDalcllo, diriji-se u Cinco-Poutas,
n. 21.
A Marmota
est interessante, e acba-se venda boje,
da casa, sendo pelo Montoiro. Cordeiro,
Torre, ou meaom n-ais perln : quem o ti-
ver, dirija-se a ra du l.ivranenlo, n. 14.
Nos abaixo assignados participamos ao
publico, que boje un igavelmente dissolve-
mos a sociedade qu gyrava com a firma de
Naseimento & Amorim, e que o socio Nasci-
mento fies encarregado da liquidaglo das
transacr;Oes quese acharem pendentes, re-
cebando ou pagando. Recife, 31 de agosto
de 1850. Uanoeldo Natcimento rereira.
Antonio Marques de Amorim.
Lotera da Matriz da Boa vista-
0 thesoureiro desta lotera annuncia ao
respeitavel publico, que ruito breve tem
de marcar o dia do andamento das rodas:
as pessoas que teem bilhetes apartados os
n3o buscar quanlo antes, do contrario se-
rio vendidos. O restante dos mesmosjla-
oham-se a venda, nos lagares ji aonuncia-
dos.
Iieflnacao
Precisa-se de urna pessoa que saiba retinar
ssucar, e compra-se um eacravo relinador :
na roa da Cadeia do Recife, n. 50.
-- Precisa-se de umeaixeiro para loja de
miudezas, o qual tenha alguma pratica : na
ra larga do Rozario, n. 35, se dir quem
precisa.
Fergunta-ee a quem interes-
sar, em quanto importa a clericao
na ra do Creapo, n. II, loja de Antonio Do-
mingo* da Silva.
Precisa-sedeurna prela para carregir
um tabolelao de faiendas, Indo em com-
panlii i de outra para vender na ra do
Trapiche, n. 44, arma tem.
Cliristoyo de Spuza Araujo, subdito
octngu z, rctira-se par* Mu'amedes.
Quem sejulgarcredor de Jorgq Franca,
queira apresentar suas conlas na l.ingoela,
venda n 2, no prazo d* oito das da data
deale. Recife, 6 de set'embro de 1850.
l"az-se scienle aos Srs. arrematantes
do co/isumo de aguas-ardentes de produc-
es o brasileira, que a venda n. i da Lt*goe-
la, deixou de vender laes gneros, desde o
dia SI de agosto de 1850.
Precisarse de orna ama para casa de
pouca fimilfa, que cozinlio e engommu : \\a
ra do Pilar, n. 7.1.
Joaquim l'ereira dos Santos rellra-si
para fra do imperio, levandoem sua rom
panliia sua senbore, 4 liilias e -i lilhos, lo-
dos menores
Urna ptima cozinheira criou
teira e no dedlca-se a p
ScuS 9f^9 ^\i Casa di lintii^ni
teiro no Recife : quem quizer delles ullli-!
,ar-se annuncia
-- lioje sali o primeiro numero do E-cho-
eruambucano, vendo-sena ra inreita, loja
l'W; n hia estreita dO'ftozarl, n. 34
aomeiodia, nos lugares j nnunciados, e (Je Juas medidas (le follias novas,
para a venda de azeite de carra-
pato na ra: assim como, so se p -
de afferir e rever ditas medidas,
tudo no mesmo continente, exigin
do da parte a,ooo rs.
--Francisco Alves Carduzo, em qualida-
dn de administrador do sua mnllier, Joanna
Joaquina Vianna, previne ao respeilavvl pu-
blico que ninguem contrate com sua sogra,
I). Maiia Joaquina Vianna, a respeito dos
bens que a mesma pqssue ; poi* que o an-
iiunciaiite protesta de faz r auullar em lem-
po competente loda e qualquer vwnda, ou
lransac(;flo que a dita sua sogra fizer: e pa-
ra que se nSo allegue depuis a ignorancia,
faz o annunciante a prsenle declararlo
O > baixo assigna lo faz ver ao Sr. arre-
nataole de ago'ardentede prodefflo brasi-
leira, que nunca videu e nein vende tal
lis Ir.iiieii's para a recita .le 7 do cor
rente se dislribniro nos dlss 6 e 7 no salSo
lo theatro, os scro entregues ao proprio
socio, ou por ordem por escripia. A direc-
SSo previne, tanto aos Srsr socios, como a
!us convidados de ambos os sexos, que
tos, 3 sa-
i, quintal
lina agua :
excedeado o numero de pessoas ao de bilhe-
tes que tiverem, passarflo pelo desgoslo de
Ins ser negado o ingresso, em consequen-
cia de r*j>etldos abusos apparecidos.
HaiaoeiJRres de Brito reflra-se para
lora do impiiio. ,
Preciso-s de um*awa de leile forra,
para criar um menino, pnrm que seja de
boa c n ucta s na ruada Cruz do Recife, n.
18,-^ejundoandar.
Alug*-se n- segundo andar da cna n.
36 da na Direila deati cidade, proprio pa-
ra grande familia, por ler 7 quartos, 3
las, gabinete ao lado-, cozinha fra
para lar ea'riliaria, cacimba oom b
a tratur no Icrceiro andar do dito sobrado.
Faz-se todo negocio e vendem-se multo
barato dtias lellras aceitas pelo Sr. Manoel
Pereira (uinnrUes, senbnr do engenho
uatanje, ambas no valor de maia de tres
conloa do ris: na ruada Cruz, n. 62, ar-
mazem.
Precisa-sede um homem que entenda
le machinas de vapor, para um engeuho :
na ra do Itangel, n. II.
Precisa-sede urna ama para fazer as
currp ns. e oservico interno de urna casa
de fa-i.ilia : ua ra da Mangueira, u 3.
- Alnga-se, annualmente uaaa casa de
sobra lo na ra da l'nio, que aecummoda
las familias, c tem vista para a barra:*
tratar o* ruada Aurora, n. 4. _
^jlysse Droi, lelojoeirosuis-
so, de passagem por esta praca,
onde ienciona demorar-st; 5 ou 6
tnezes s mente, concerta toda e
qualqucr qualidade de relogios
l^lquer estado em que se
acheni ; assim como lem para ven-
iler relogios de ouro* e prata dos
melhores fabrcanles : ua na da
Cruz, a. 44* primciro%ndar.
Alugam-se us segundo e terceiro anda-
res poPeima do escriplono de James Crab-
tree & Compaoliia, na ra da Cruz, n. 42: a
tratar no dito eseriptorlo.
O Sr. doutor Antonio Jos de Souza
l'.ome>jJ de ler a bondade do vir pagar
aoabaiB assignado, a quantia de 150,109
rs sal to da sua letra vencida a 28 de maio
de 1839, fioando V. S. certo de que, em
quanlo no erobolear a dita quantia, ter*
a salisfar;3o de ver o snu nome nesta folha.
F. J.d*t Santos.
No dia*abado 31 de gosto, perdeu-
se urna caixa de prala ja velha, perfumada
Je ouro com um laquintio tirado no enca-
le, desde a ra do Gabuga al a ra das
o/iem a adiar e qnizee restituir,
Hja-8e a ra do Cueimadu, n. 55, loja de
chapeos que sera recompensado.
Rnga-to ao Sr. Jos do Amaral l.obo,
o favor de pagar nina letra da quantia ue
50.(i i rs. Vencida a dous anuo;, e par*
cojo lim, deve-se dirigir o.. tccco"!rn
guc7.es, e particularmente aos senhores *0
engenho, que reside na ra Nova, n. 38, on-
le lem um completo sorlimento de obras de
lado, e faz qualquer obra de cOncerto ou
'(iiistrureTin de alambique, assentameptos
para engenho, bem como outras muitas
obras cousernentes osau oflicio ; para o
nue pode ser procurado a toda hora do dia,
em dita su* casa
genero ua sua venda da ra da Cadeia do
Itecife, n. 25. Hanocl os do Natcimento
Silva.
Precisa-se lugar um sitio ns freguezia
la Varzea, Ou'para cima du dito lugar.com
tanto que seja de boa murada, e tenha ca-
sa para grande familia, bom bando e fru-
teiras : na ra l'urmosa. ti. 6, du annuncie.
-Os Srs. A. A. (leS. It. e J. N. F. de M. ,
tonham a bondade de apparecer no Alerro-
da-Boa-Vista, n. 54, taberna, a negocio que
nao ignoram
Precisa-se de um caixeiro quellenha
bastante pratica de venda, e que dP fiador *
sua conducta : da-se bom ordenado: no
Alerrn- l-Boa-Visla, n 24.
Roga-se a todas as pessoas que ettSu
devendo conlas antigs na ra da Cadeia do
Recife, n. 25, defronte do becco largo, de
irem ou mandarem pagar seus dbitos at
o finido correnle mez de selembro : iato
para evitar despezas, poisonlio fazendo se
usar da outros m-ios.
No dia 24 de agosto ultimo, pparece-
ram no engenho Pintos, viudos pela estra-
da de S.-Anillo, um quartio, um poldro e
duas egoas : seu dono dirija-se ao mesmo
engenho para os receber, (cando, porm,
certo e que se n3o responde por qualquer
extravmque elles possam ter.
O abaixo assignado faz ver ao Sr. arre-
matante do imposto de agoas-ardentes de
prciluecSo brasileira, que desde o dia 31 de
agosto prximo passado deixou de vender
taes gneros em sua taberna, na ra do En-
cantamento, n. 10. Mamut ot de Ulivtira.
Deseja-se saber su eziste nesta provin-
cia Anna Thereza das Dores, que fui casada
com o fallecido Jos Soares de Brito, ou p-
rente* da mesma, a negocio de seu inleres-
se : no paleo da Soledade, o. 8.
Precisa-se alugar urna ama secca de
lions costumes.e que eja excellenlo cozi-
nheira, para urna caga da pouca familia. Di-
rig r-se ra da Trincheiras, n. 19
Precisi-ae'de 900,000 rs. pelo prazo de
18 me/es, pagando-se o premio dedous por
cento, o qual ser pago mensalmente, sobre
hypotheca em urna fazenda de gado, e to
ou mais escravos, bens estes livres e desem-
barazados, e se maior garanta for preciso
dar-se-ha a firma de um propietario esta-
blecido nesta piafa.
Aluga-sea casa de obrado, n. 12, d*
ra do Arago, com don* indares He bous
commodos, quintal com serventa para a
ra do Tambit, boa cacimba, estribara,
cocheira para tres ou quatro carro*.' a tra-
tar na botica da pra^a da Bua-VisU, n. 6.
Aluga-se por mdico preco urna cata
com commodos para grande familia, edha
cacimba, um pequeo tillo com capim pa-
ra um cavallo, no lugar denominado Senta-
ninha ou Sanl'Anna da Dentro : a fallar
eom Luiz Gomes Ferreira", ao Mondego, ou
na ra de Apollo, u. 20, com Antonio de
Moraes Comes Ferr'cira.
A 29 do asado desappareceu urna pre-
la crioula, de nome C.inllia, de 24 a 26 ali-
os, rosto liso, bem desembaracada ; levou
vestido de xita rouxa com palmas encarna-
das e pailh da Costa : nuem della tiver no-
ticia, queira leva-la ra da Praia de San-
U-Riia, 9* mi is. que ser recompen-
sado. "
-- Da-se dinheiro em piquenas porcOes
ou mesmo grande*, sobre penheres de ouro
ou prala : n* ra do Queimado, n. 37, se
{Uir.
Pede-se a quem achar um papel de
msica de urna canciin fradeeza, perdida na
noile de aabbado 31 du mez passado, desde
o olanguiihostc a ponte do Recife : queira
ler a bondade de o enlrogar defronte do
Trapixe-Novo,,V'l','ro andar, casa n. 6,
onde receber grlilicar;S(tquernndo.
Precisa se de um aiuasaador, preferin-
du-se que venda lambem pOo na ra : na
padaria da rus do Itozario larga, u. 48.
Os abaizo assignados fszem ver ao Sr.
arrematante do imposto da* agoas-ardentes
de producoBo brasileira, que desde o dia 31
de agosto prximo passado deixaram de
lem .liante Joauuim Frnandes da Costa. |vender lies gneros em sua taberna, na'
I'recisa-se de um* pret* captiv* par* ou ru do v"gario, a. 33- Bzrrs: Fernssdsi.
iervico.de urna casa franceza: no Aterro- katoelro
a>
ilo~Itecife, segundo andar do sobrado, li. 1,
isto frites que se retire para Mns-amede
como cnala, do contrario ser embarazada
suaviai; "i
alxo assignados participamos ao
Sr.arrcmatiBtedoconsu.no de agoas-ar-
dentis, (|ua dtixtrmos de vender estes g-
neros desde odia 31 de agosto do correnle
anno, e quandojuizer poder mandar rece-
ber os dous mezes que se acham vencidos
le judio agosto, na ra Dircita dos A fu-
gados, vendas ns. 1(i, 20, 22 e 18. Manoel
loaquim Muniz Itrando. Manoel liento de
Vendanfa. oto Chrisostomo de Atbuqutr-
que. Carlos os Tacares
- Joaquim Jos de .Sanl'Anna, morador
no engenho San-Jos, ribeira Jitituba, pro-
* de Alagas, f*z sciente, que por h-
ulro de igual nome se aetiguara de ho-
* Paulo Gaignouv, dentista fr*ncez,^
freconchegado nesta capiul, olTereco^j
Jseu presimo ao pnblico par* todos oa^
aaiysteres de ua prolissao, quer extr*- Chindo, limpndo e chumbndo os den- >tes nturaes, quer substiluindo-os por
?outros arliliciaeg, para o que lem os*?
melhores apparelbos. Pode ser proeu-J
"rado a qualquer bora em sua casa, na _,
*rualsrgadolj|prn, n. 36, segundo^
Tt AAAA A***A *****
Precisa-se alugar um escravo para o
servido de casa no ecriptorio deC. Starr
iv C. : na ra da Aurora.
l'abrlca fle oliras le follias le
flandres, raa Nova n. 38, le-
fronte da Coneelcao.
Nesta bem acreditada fabrica ha conti-
nuadamente um completo sorlimento de
obras de folha, bem como bacas, banhei-
ros, bahs de lodos os lamanhos, objectos
de servico domestico e para cozinha, bem
como se fazem toda* as obras por preqo com-
inodo, e com perfei O abaixo assignado annuncia ao res-
,ieitavel publico, que elle tem aberto em
sua casa, ra do Mondego n. 44, urna aula de
rimeiras lellras, para a qual recebe tanto
.himnosexternos, como reios pensionistas
e pensionistas. O annunciante se conside-
ra com as habilit'es necessarias para bem
desempenhar as obrigaij'S inherentes a-
inelln .msino.de que ja lem praliaa, e pro-
testa disvellar-se pelo prog>esso e provei-
lamento de seus discpulos, nSo poupndo
esforc* para formar-Ibes o espirito, como
exige urna acurada educarlo moral e reli-
giosa. Pelo que respeita aos alumnos in-
le'rnos, lem a cas as iiielhures arcommu-
ila<;0es, j pela' extnsiioe lepartimentos
lella, j por ser um pouco retirada do maior
liarulliu c coufusilo da cidade, j finalmen
i? por ter ella um sitio amuradoonde os
meninos podero recreiar-senas horas va-
ga.-- Irancisco de Salles de Atbuquerque.
*perdeo-se um par de mangas de ves-
tido, religiosas.de chita crde rosa c pin-
tura bstanle miuda, com um bordado de
r..nci verde de 13a, estando as ditas man-
gas anda por acabar de coser-ss : quem as
i iver adiado, mande-as enlregsr na ra da
Cadeia de Santo-Antonio, n 16, primeiro
indar', ou annuncie para se ir buscar. Pro-
da-lioa-Visla, u. I, loja.
bix de capim, estribara, e banho porto
- Jos Baplista Braga, artista latoeiro D
i ecisa-se arrendar um aillo que lenha coniiecido pe perfeicilo das obras de sua] geometra de l.acroix : na pratja da Inda-
11 V B il /h A^_. S__I BBBBBBBBBB I > & i n j* I. a .1 ll A h a m I .\ a *. t ... _v & l...n,> iln hufllairiBa rifc. iAha j. ,LAti lAn A* *v vi I i fe j4a Jhvtf4K4 % afl j-fc
irle, tem a honra de participar a seus fre
melte-se recompensa.
~ Alugam-se serventes escravo* para
obra da igreja matriz dosAfogados: quem
pretender, dirija-se a casa das arercoes.
Aluga-se um sitio com bastantes ar-
voredose boa casa, no prlnci, o da Estrada-
Nova : quem precisar, drija-se ra do Tra-
piche-Novo, n. 10.
Na cocheira nova do becco da ra do
Sol alugam-se bonitos cavados com bons
ancos. Na mesma recebem-se para tratar,
lando-se bom tratamento e aceio, com c
quo inuito agradar aseos dono*.
- P,eci**-se de um caixeiro que enten-
la bem de venda, para tomar conta de urna
venda por balando : d-se nteresse ou bom
ordenado : na ra das Cruzes de Santo-An-
tonio, n. 16.
A pessoa que no dia 31 do prximo pas-
sado fui ra do Sol, offerecer por urna
mulatinha 430,000 rs. queira apparecer na
mesma casa a verse se faz negocio.
Precisa-se de um caixeiro para pada-
ria, sendo maior de vinte anuos, que abone
a sua capacidade, e que sabendo bem des-
fmpeuhar sua obrigaQo se dar bom orde-
nado : na praca da Santa-Cruz, padaria por
baixo do sobrado, n. 106.
-- Aluga-se urna sala e dous quartos, pro-
pria para advogado ou escrivllo, por ser na
ra do Rozarlo eslreita confronte a igreja -.
a tratar na venda da ra do Rozario larga,
u. 46.
: vende-le,;,porprecrB9ode.e fazer um
pagamento, um preto bem moco, sidio e
ladino, de boa figura, proprio par qu -
quer servico, tanto para o matto, por muito
entender de plantarles, como par* a pra-
Ca : na ra da Mangueira, n. 9, confronte a
Gloria na Boa-Vista.
-- Vende-se urna liteira com pouco uso e
prompta para viagem, o um silhS pra
montara de senhora, quasi novo-: nosH
lypegraphia so dir quem vende.
A os .meninos e meninas.
Calhecismos.de doutrina chris-
tSa, impresso em bom papel bran-
co, a 8o rs. e-em papel de cores,
a too rs vendem-se no pateo do
Oollegio, ca Contin-se i vender mnteg ingle-
za, 400 rs.; cha hysson, a 1,920 rs. ; cafe
em gr3o, a 200 rs.; dilo moido, a 180 rs.;
cevada, a 80 rs. ; aletria, a 280 rs ; vellas
de espermacete de 6, 7 e 8 em libra a 280
rs. ; rroz branco, a 60 rs.; dito do Mara-
nhlo, a 120 rs. ; araruta, a 900 rs.; queijos
iiovos, a 1,500 rs. : no pateo do Carmo, n. 2.
Lims de pellica, a 1,000 rs. o par.
Vendem-se luvaa de pellica para senho-
ra, de muito boa qualidade, a 1,000 r. o
i ar : na rus dq Queimado, n 16, loja de
Jos Dias SimOes.
Vende-se, as Cinco-Ponta, n. 21,
urna armacSode venda, com todos os per-
lances, prompta a ser collocada aonde con-
vier, por pre^o commodo.
Vende-se, para o matto. ou fr da pro-
vincia, urna escrava crionla, de 26 annos,
boa cozinheira, oplimacostureira e vende-
deira, e qoe engomma sofl'rivelmente : na
ra do Cibug, loja defronte da matriz,
Vendem-se sapatos do Aracly. a 800
rs. o par ; couio de lustro, o inelhor que
lem vindo osle mercado, tanto em tama-
ito como em qualidade; sola e couros:
tudo pelo preQO mais commodo que se
pode'vender: na ruado l.ivramento, na
enlrada do becco do Padre, loja de couros
e sola.
Chegou
o mez de selembro, e com elle os gneros
baratos, aonde i1 na ra das Cruzes de S.-
Antonio, primera venia pintada de azul,
como s |am : caf de caroco de primera
qualidade, a 180 rs. a libra ; manteiga in-
glza e franceza, de 320 a 640 rs.; cha, a
1,900 i 2,560 rs ; grilo de bico, a 120 rs. ;
herv Ibas, a 200 rs. ; arroz, a 80 rs. a libra,
e em arroba a 1,600 rs.; azeite do Porto, a
560 rs.; dito de carrapato, a 940 rs.; dito
peixe, a 401) rs'; dilo de coco, a 320 rs. ;
mel de pao a retalho e em porcBo ; vlnhoa
de lodo* as quslidades ; latas com sardi-
nlns, grandes e pequeas ; ditas com her-
vilhas ; conservas de todas as qualidades ;
mermelada ; doces de toda* a* qualidades,
Jem caxdes graudese pequeos ; candieiros
com mangas de vi Iro, proprio* para venda
ebotins; bracos de balanza pequeos; e
todos os mais gneros que pertencem a es-
tas casas : quem a verdade quizer ver, ap-
pareca em dita venda, que a vista dos co-
bres, far-se-ha um disconle que ha do
agradar, bem como nq_ peso, medida e pre-
co barato, que he para o freguez voltar.
Vendem-se 4 lindo moleque* de 16
20annos, sem vicios, e que sBo ptimos
Compras.
Compra-se effectivamenle cobre,
chumbo, znco, eslanho, e loda a quali la-
de de metal velliu, nao sendo ferro,: n la
Nova, n. 38.
Compra-se um moleqnn de 10a I2n-
nns, sem vicios neui achaques : na ra do
Cabug, loja de miudezas, de Joaq jiu Jos
da Costa Fajoze.
Compra-se um balcSo que esleja em
bom estado, e que sirva para venda : quem
tiver annuncie.
Coniprani-se escravos de ambos os se-
xos, du 10 e 30 anuos, que uo sejam vicio-
sos : na ra do itangel, n. 38, segundo an-
dar, na mesuia vendem-se seis prelos de
nac3o, mocos um sendo cosinheiro.
Cuiupra-se um escravo que eulenda do
servico de padaria : na ra ireita, padaria
n. 82,
-- Compra m-so dous, es de frucla-po, e
dous Ue mangueiras, sendo lodos de bou)
tanianho : na ra do Noguera, n. 39, ou
annuncie.
Com.ra-se una prela que sj*engom-
madeira, bu* cosiureira, e que uio saia a
Tii 22 *" *Jo Crespn; n i'J, **etindo an-
dar. ^^K_
Vendas.
Lotera do Hio de Janeiro.
Na pra$a da Independencia, n. 4, vendem-
se bilhetes, meios, quartos, oitavos e vi-
gsimos da 12.a lotera a beneficio do hos-
pital da Misericordia. NF mesma loja lam-
bem se vendein bilhetes e meios ditos, da
lotera a beneficio da matriz da Boa-Vista,
que esta prximo a coirer.
Lotera do hio ne Janeiro.
os aoiooo^ooo rs.
Na ra laiga do* Bpzario, botica n. 49,
vendem-se bilhetes da lotera a benefleio
do hospital da Santa casa da Misericordia,
a prego : inleiros a 29,000 rs. meios a 11/
i, .qurrlosi 5,700 13. .OitIVO 9*0*>rs..
vigsimo* a 1,400 rs.
Vnde-*e um burro de Horacio, e urna
pendencia, n. 12, loja de eucadernacSo.
para pagens, ou para qualquer servico; 5
pretos bons par* lodo o servico ; um dito
de mcia idade, bem robusto; um* p*rda
muito boa costurcir* e engomm*deira, e
que he muito hbil para o arr*njo de um*
casa, e de muito boa conlucta, o que se
afianza ; urna negriuha de 10 annos, que
cose, soffrivelmente, e he ptima para dar-
se a qualquer menina ; duas ditas ptima*
para laboleiro, por serem boa* quiundei-
rs ; urna dita de mei idade ; e outros
mullos escravos : na ra da Cadeia do Ke-
cife, n. 51.
para meninos e uiciiina*.
Methodo facilimo para aprender a ler,
tanto a lettra redonda como a maouscripla,
no mais curto espico possivel, pur Mon
teverde.
Expositor porluguez, ou rudimento de
ensiuu da lingoa materna, por Midosi.
Livro de ouro dos meninos, por Roquete,
recheado de finas eslampas.
Thesouro de meninos com estampas co-
lorida*.
Vida de D. Jo3o de Castro, por Fr. Fran-
cisco
Arte de fallir e de escrever, ou tratado de
riietorica geral, por Augusto llusson.
desuni da historia de Portugal, por
Monlevorde.
Manual encyclopadico para uso das es-
cola* de instruccio piimana, por Monte-
verde.
A vida de Franklim.
Crii ni matice portugueza por Salvador;
Arithmelicas, Cathecismos, cartas, tabea-
das, pennas, papel : vende-se ludo por
pre;o barato : no pateo do Collegio, casa
du livro azul.
Douralinas.
Vendem-se cortes de douralinas, para
vestidos de senhora, fazenda et* de mui-
to bom gosto ; he superior a propria seda,
e serve para os vestidos de bailes, a 13,000
rs. ; tem 15rovados : n* ru* do Crespo, n.
4, loja amarellajjo lado do norte.
Caiarmos te San-FelIx.
lina lo ({.iit'iinndo, n. (*.
Chegarain os nudadeiros charutos de S.-
Flix, vendem-se na ru* do Queimado,
n. 9. _
Vende-se superior ariulm
de mandioca, a inelhor que ha no
mercado, e por mais barato preco
do que em outra qualquer parte :
a bordo do patacho Nereide, ehe-
ndo de S.-Catharinha, ou a tra-
tar cm Joode Garvalho llapozo,
ou com Novaes & Companhia, na
ra do Trapiche, ii. 34.
Farinliafontana de nmf.
Vende-se a 20,500 r*. dinheiro, bem co-
mo fai nba gallega em barricas e metas di-
tas a 19,500 rs. : na ra larga do Rozario,
padaria n 48.
para fra Va praca.
Vende-se um moleque de desoilo a vinle
stv, -oito bom lanoeiro. que faz tado
quanlo be obra da insania olucina, nSo tem
vicio alguui e tem bonita figura: o motivo
por que ae vende se dir ao comprador : na
ra imperial, n. 37.


A
Vend-ge, oo permutti'sa* por predios
resta prasa o eneenho Un, na fregueza de
S.-Anillo, com trras sufiicientes para plan
tasdes, con boa casa de v venda, e ludes
os mais pertences : na ra da Paz, ou do
Cano, n. 40.
Mocndas superiores.
Na nindicgo do C. Starr A Companhia ,
em S.-Amwo, acham-se venda moendas
de carina, todas de ferro, de um modelo e
eonstruecSo muto 'superior.
Arado de fewo.
Na fundicSo da Aurora em S.-Amaro .
vendem-se arados de ferro de diversos m-
jelos.
Vendem-se amarras ae ferro: ni rae
da Senzalla-Nova, n. 42.
Vende-se farinha de Sanla-Calharina,
muito superior, a bordo da galeota Santiiil-
ma-Trindade, fondeada junto ao caes do
Collegio.
Itait Paulo Conidio,
viajado do Rio ao Par* o do Para a Per na m-
buco : vende-ae na ra da Cruz, no Recfe,
o. 4t, loja.
Cal e potassa.
Vendem-se barris com cal de Lisboa, pe-
lo diminuto preso de 3,000 rs. o barril; di-
tos da milis nova e mus superior potassa du
Hio de-Janeiro, por barato preco: na ra
da Cadeia do Recie, n. 50.
Farinha ile mandioca.
Na ra da Cruz, no Recife, armazem n.
13, e na ra da Cadeia, armazem de Cam-
pello & Filho, vende-se farinha de mandio-
ca do Ceara, muila Iva, gommosa e de ex-
rellento gosto, tanto em pequeas como
em grandes porces, por preco commodo.
A boa pitada.
NJo he elogio, porcm sim a qualidade,
quem garante 0 novo rap Princeza, chega-
do ltimamente do Rio-de-Janeiro; este
rap, nBoso oaquella provincia lem mere-
cido a aceitacflo peral, como em outras son-
de a sua boa qualidade lem sido experi-
mentado, nada deixando a desejar ao mo-
lior fabricante em Lisboa.Os nicos depsi-
tos nesta cidaile.he na ra do Queimado, n.
23, loja de miudezas, e na ra da Cadeia-
Velha, ns. 4 e 9, lojas de miudezas.
Vende-ae barato.
Na ra da Santalla Velha, n, 96, vende-
se albos muito baratos a vista faz f e sen-
do a dinheiro oem diga o preco, porque po-
de ser que se admiren).
\ 7.000I-*. a arroba.
Vende-se cera de carnauba de primeira
snrte. ltimamente chegaila do Aracaty, a
7,000 rs. a arroba : na ruar dos Tanoeiros,
n. 5.
Vendem-se liolixinhas in-
glezas, das mais novase superio-
res que ha no mercado .* tratar
no armazem de Antonio Antes
caes da alfandega.
Vendem-se 3 bonitos moleques ; 2 no-
lecOPS ; 2 pretos de as annos, muito fortes;
1 pardo de 22annos, oflicalde alftiate ; 1
dito de 16 annos, bom pagem e com ofllcio
deaapateiro ; umdilo de 30 annos, ptimo
feitor, e que cntende muito do servico de
engenbo ; duas mofees* e urna mulalinha
de 20 annos, que engommam, cosem, cozi-
nliam e fazem doces com perfeifSo ; urna
dita de 22 annos, que cose, cozinlia, engom-
as e faz bolinlios ; urna dila de 30 annos,
que cozinba, engomma, faz hem remia, e
be ptima lavadeira de varrclla, por 380,000
r*. ; urna prela de 3o annos, por 330,000
rs.: todos ettes escravos sfio de bonitas fi-
guras esem molestias, por preco mais com-
modo do que em oulra qualquer parle : na
ra daa Larangeiras, n. 14, segundo andar
Vendem-se vellas de carnau-
ba por preco commodo, na iua
Formse, n. 5.
Cdigo Epistolar,
ou regias e advertencias para escrever rom
elegancia toda sorte do cartas, companha-
das de modelos sobre lodos os issumplos,
e-trshidos dos niclhores escriptores anli
eos e modernos, naciooaes e estrangeiros,
offerecido a mocidade brasileira, j>or Ro-
quete : vendarse no pateo do Collegio, ca-
sa do livro azul, um volume grosso de 639
paginas, por 3,000 rs.
Vos genitores clu A > ilc familia.
Na roa do Rengel, armazem n. 36, ven-
dem-se saccas com farinha 41,920 rs. e 50
mlho de palha por junto S00 rs.
Vende-se um escravo preto, de bonita
figura e sem vicio : na ra da Cadeia do
Recife, loja n. 51, de Joilo da Cunha Jla-
galofies.
Vendem-se bons eandleiros para gaz
na dislillacSo da travessa da Concordia.
Na loja de Fernandas da Luz & Irmo,
ra do l.ivramento, n. 10, ha um completo
sorlimento do chapeos francezes, chegados
no da 2 deste mez, sendo a forma a mais
moderna que se lem visto em Peroambuco,
por preco commodo.
Vende-se cera de carnauba
de primeira sorte ; bem como ve-
las da mesma, que gtialam as
de espermaceti, de escolente luz,
a 8,ooo a arroba : na ra Direita,
n. 09.
Vende-se. na ra do Mondego, n. 19,
sal da podra, a 960 rs. Na ra Imperial, 11.
222, vende-se sal de salgar couro, a 500 r. ;
n>a canoa para abrir para lijlo ; urna di-
ta em bom estado; 2 encolamentos de ca-
losa, pot) preco commodo. ,
Cera em velas :
vende-se no escriptorio de Macha-
da & Pinbeiro, na ra do Viga-
rio, n. 19, seguudo andar.
Na roa do Crespo, n. 17, vende-se um
rico chapeo de pasta, eom plumas, por pre-
co coaamodo.
--Jreodeni-se ornee vaccas com crias e
sen ellas : no Barbalbo, a fallar com Ma-
ximiao das Chagas e Silva.,
Veude-ae a labeiua de Ni-
colao H cingues da Cuuha, no
pateo do reraizo, n. 16, com pou-
cos fundos, e muito afreguezada a
retal lio : tratar na mesma, com
Jos Pereira da Silva.
Oleo rlcHnhaca
em botijas: vende-se no arma-
zem da ra do Amorim, ns. 56 e
58 e no armazem do Annes, r.o
caes da Alfandega, a tratar com
Manoel da Silva Santos.
Talxas para engenho.
Na fundiefio de ferro da ra do Bruot,
caba-se de recober um completo sortimob-
l de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
juaes acham-aa a venda por preco cotn-
aodo e com promptido emharcam-si,
>u carregam-se om carros sem despezas ao
comprador.
Vendara*,
em gasto
Queimado.
lano
ra do

Vendem-se luvas de seda para senhora e
homem, de ricas cores e fina fazenda : na
ua do (jueimado, n. 9.
Na taberna de Domingos da Silva Cam-
pos, na ra das Cruzes, n. 40, ha bixas llam-
burguezas para vender alugar, tanto por
junto como a retalho.
Clieguein pcchiiicha. Sapatdcs
do Aracaty a Soo rs. o par.
vendem-se no Aterro-da-Boa-Visla, defron-
te da boneca.
Batatas novas.
Na ra do Azeite-dc-Peixe, armazem n.
19, vendem-se hlalas francezas novas.
Na 1 na do l.iva 1111 uto. n. 1 1,
vandem-so sapatos de duraque francez para
senhora, a 1,440 rs, o par; borzeguins de
fazendej de cores, com biqueira de couro
do lustro, para enancas, a 900 rs. o par.
Charutos de Havan.i,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
Kalkmann Irmaos.
Vende-se umarboa armar;ffo para ven-
da, ou, oulro qualquer estatifica nenio, no
ra do Codorniz, 11 ft, catana esquina da
ra do Amorim : a lrlar na ra do Amo-
rim, n. 36, -jue se garante o arrendamento
*# *#
? Ultima moda. ., Tj
Na loja do sobrado amarello, nos #
f>. qualro-cantos da ra du Queimado, #
? n. 29, vende se um completo sorti- >
*> nenio de chapeos francezes da ulti- #
A ma moda, por precos rasoaveis. *$
t> # s
Sapaldes de hezerro a 1,60o rs.
No Aterro-da-Boa-Vista, n. 58, loja de
Joilo Tibureio da Silva GuimarSes, vndenl-
es) sapalOes de bezerro da Ierra, a 1600 rs.;
ditos do Aracaty, dos melhores que lem
viudo a esta praca, a 1,120 rs. e mais or-
dinarios a 800 rs ; sapatos de lustro pas
senhora, a 1,900 rs. o par ; ditos para me-
ninas ; couro de lustro, a 3,000 rs. a pello ;
btzeno Irancez, a 2,800 rs. 4pelle ; bone-
tes para meninos, a 320 rs.
Veride-se um oilauUs a dous mappas,
um da costa do Brasil e o outro da costa da
frica, ambos em ponto grande, por preco
commodo : na iravessa da matriz, n. 6, de>
fronte do porto do hospital.
fVffWff*?fff?
gDt pot'iiotfu fabrica dt>5
% lodosos Santos, na
Baha.
> Vende-se, em casa de Domingos Al-*
a>ves Malheus, na ra da Cruz, n. 52,*
^primciro audar, algodao trancado da-^'
aquella fabrica, muito proprio para sac-J
j?cns e roupa de escravos; bem como?
"lio proprio para redes de pescare pa-2
sj>vius para velas, por preco commodo.^
4Adata
Na ra da Conceic3o, 11. 32, vende-se
urna tina para banlio, rom 30 pollegadas dr
dimetro e 15 de altura, de amarello e piu-
lada de azul e branco,
-- Vendem-se 14 escravos, sendo um odl
ci.ldeoi.no; urna mulalinha del) a 14
annos, que cose, engomma e cozinha per-
feitatiienle; una neg inha de 14 a 15 annos;
6 escravas inorns, de bonitas liguras, com
habilidades; 5 escravus mocos de t.ouiUs fi-
guras : na ra Direita, 11.3.
PrczuntoH do porto,
le Superior qualidade, a 8,000 rs. a arroba :
vendem-so no arnitizem de Joaquim da
Silva Lapas; na ra da Madre-de-Ueos.
Pao de linho lo porto.
puro nojOes a pre(;o muito commodo: ven-
de-sriOrmazem do A.V. da Silva Barroca,
na ra da Madre-de-Ueos, n. 26.
Vendem-se relogios tde ou-
ro eprata, patente inglez : na ra
da Senzalla-INuva, n. l\i.
Bnrraa de ferro.
de muito boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir: vendem-se na ra da Cruz, 11.
10, casa de Kallrmann IrmSos.
Ao Sr. chefes de familia.
Avisa o novo administrador da loja, n. 3,
ilefronle do becco do Peixe-Frilo, que lem
um completo soil'menlo de fazendaS, e que
pas-a a cesignar o preco de aiguma- lirlins :
riscadinhos francezes finos de differeiites
p.'ilrOcs pelo baratissimo preco de 160 icis
o covado, nscados de algodo do dill'oren-
tes qualidades a 200 icis o covado, caoi-
br#lss da California a 320 ris o covado, di-
to* parisienses de dill'erenles dezenhos a
30 ris o covado, lencos de cambraia de
cores muito (i. as a 500 ris, grvalas bran-
cas de fmissima cambraia a 1,000 ris, cor-
tes de rastorim para caiga de tres e meio
covidos a 1.120 ris, e outras fazendas pelo
mais diminuto prico possivcl.
Vende-se retroz preto, ferre-
te, e sorlido, da l'dhrica de Siquei-
ra, do Porto : na ra do Vigario,
n 1 g, segundo Andar, escripto-
rio de Machado & l'inheiro.
Vonde-se cha hyssoo de sonerwy ni,-
liilade, em caixaa e meias ditas, e em lotes
.1 vontade do comprador ; caixas com velas
te espermacele da melbor qualidade : na
ra da Alfandega-Velha, n. 36, eacnj lorio
ia alatliBua Ausliu Companhia. mi
O proprlrtario do es-
tabelecimento da ra Nova, u,. 35, annuncia
que lem um grande o completo sortimento
de obras feitis, das quaes passa annunoiar
seus precos que s3o : casacas o sobrecasa-
cas de pannaflno de 8,000 e 10,000 rs. ; co-
letea de seda de 2,000 e 3,000 rs. ; ditos de
sarja de 1,000 rs. ; jaqueta de brlm pardo
de linho puro de 1,600 rs. ; caigas de panno
(no de 6,000 rs.; ditas de duraque a 3,000
rs.; casacas de brim e nscados a 2,000 rs.,
e outras muitas fazendas novas e de bom
gosto e por precos multo commodos. Neste
eslabelecimento tambera se jpromptain
eom toda a presteza e muito bem feitas toda
e qualquer obra que se receba de encom-
menda, ao ultimo gosto, avistados figu-
rins chegados prximamente.
Calcado.- No Aterro da Boa
Vista, delronte da baneca.
ha chagado pelo ultimo navio francez um
novo e completo sortimento de calcado d
todas as qualidades, lano para hornear co-
mo para senhora ; bem como sapalOes de
couro de lustro para homem, a 5.000 rs. ;
borzeguioa, a 3,800 rs.; sapalOes do Araca-
ty, os melhores que tem vindo, a 800 ra.;
palles de marroqum; ditaa de couro de
lustro, a 3,500 rs.; ditos de bezerro fran-
cez, a 2,800 rs. ; condecas da todos os ta-
mil olios : ludo por preco mais commodo do
que em oulra qualquer parte.
Vende-se chita l'ranceza com algum
mofo, pelo diminuto preco de 160 ris o co-
vado : no Atierro da Boa-Vista, loja n. 18.
Chee; erti pechncha.
Vendem-se cortes de gergu
rSo de algo.So e seda, muito ricos
nailioc-, para colletcs, a i,2ot>rs.
o corte: no Pasjfeib-Pnblico, n. 11.
-- Vende-se por muilo commodo preco,
nasa rica secretaria com estantes para li-
vros, bastante grande, propria para advo-
cado, sendo de amare.Ho e anda nova ; as-
sim con.o, seis cadeiras e duas mesiuhas
de abrir : na ra estreita do Itozario, n.
28, ultimo andar, alas 2 horas Ua larde em
diante. ? "
Vinlio de Bordeaux
vende-se na ra da Cruz, n.
casa de KnlkmMn IrmSos
Q efjos o sertao,
le qualba, muito frescaes ; caixas eom ve-
las ama relias a brancas ; coarinhos ata ca-
bra esola ; sapatos de diversas qualidades,
em porcSo ; esleirs nova); araruta em
barricas e sueca : ludo chegado io Araca-
ty no patacho S.-Crkraa ruada Cruz,
u. 24.
Vende-se sement de coentro a 200 rs.
de
do
de
10,
a garrafa, vinho da Kigueira do nieltor uie
ha a 300 rs lio de algoaio a 480 ra a libra,
manleiga ingieza superior a 10 rs., dila
fiaucesa a 5K0 rs., arroz vermelho a 70 ra ,
dito branco 80 rs., farinha de tapioca a 160
rs., trva-docu a 380 rs., pntenla do reino a
300 rs., assucar retinado 100 rs., libra eou-
iros mullos eneros do uirlhor e mais bara-
lo que em oulra qualquer parle : oo Ma
guindo, lavarua da calcada alta,
i.ojas de modas, rna Nora, n. 34.
Madame llosa llardy, modista brasileira,
tem a honra de^nnunciara seus freguezes
que, coalioua a ler coiislanlemente um lin-
do e variado sorlimento de manteletes eca-
potinhoa de cbamalule preto e gros de na-
pias lint cores, hem como de lil de seda
preto, para senhorss e para menjays, tem
igualmente completo sorlimento ewchar eos
de seda de todas as copes, chapeos de palha
de Italia abeitos e fexados com ricos infei-
tes para senhora e meninas, armacOes para
chapeos de seda e de crep, e seda para os
meamos, bem como todos os preparos para
enfeita-loa, veos de seda muilo ricoa pa-
ra casamento, franjas prelas, litas, luvas,
meias sapatos de setim branca a de couro
de lustro, perfumaras linas, Ot liso a cre-
p de todas as cores. Faz igualmente pela
ultima moda vestidos de casamento, man-
teletes, capolinhos, vestidos de liaptisar,
loucados de chanca a toda e qualquer obra
de sua proOtalo de muito bom gosto, por
precos commodos e com promplidSo.
Vende-se um terreno*, sito na rus do
Sebo do lado do sol, com cocoenla palmos
de liei.t., muilo bom para urna grande ca-
sa, e no inelhor lugar da ra por ser o mais
alto e nilo precisar de aterro : a tratar na
pra^a da lioa-Visla, botica n. 6.
Vendem-se as verdeiras bi-
zas de Ilamburgo, mais baratas do que em
oulra qualquer parte, asaeverando-se que
nunca foram alugadas, e uem sealdgam:
na praca da Boa-Vista, botica doSr. Carne.-
ro, quanto maior tor a porfo que tomaren)
mais baratas serilo.
Vende-se urna preta de meia idade, por
250,000 rs. muito lorie, e que cozinba e
lava, ludo mullo bem; dous pretos, um
de 20 anuos e oulro de 30, ptimos para to-
do o Irabalho; um dito muito bom para
um sitio, por esiar acostumado a isso e en-
tender do traballio e Iralar de aniBaes : na
rila tln t'nlloauF a 04 nrimpiriv
Arados e f^rro.
Vend-jfjbe arados.de ferro
differenleKwodelos : na ra
Brum,ns. 6, 8 e io, fabrica
machinas e lundicSo de ferro.
Bombas de ferro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba .
na ra do*Bruto, ns. 6, 8 e io,
fundicSo de ferro.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muit ora e superior potassa
ecal virgem de LisbOa, em pedra : tudo em
barris pequeos de 4 arrobas, por preco ra-
soavel: na roa da Cadeia do Recite, n. 12,
armazem.
Farinha de Tnpiiyi.
igualmente em sabor, finura e cor a de Mu-
ribeca, propria para mesa : vende-se na
ra da Crax, no Recife, armazem n. 13.
Vendem-se, na ra ds Mods, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
Lisboa, a mais nova que ha ao meaaado, por
preco com nodo.
Caf.
Caf com casos, sjMmIo hoto, por proco
commodo: na ra oto Amorim, n. 35, arma-
zem de J. J. Tasto Jnior.
Farinha de S.-Catharna
da melhor que ha no
aereado:
vende-se nos armnzens dos Srs.
Antonio Anoo, e'D'ias Ferreira,
ao p do latnpeSo, no caes da Al-
fandega, em saocts de alqaetre.
por muito barato preco.
Perhrnehns aoTaf,
Na rat do ({teiniadsj, n. 17.
vendem-se ehapoada sel, da seda prta a
5,000 ; ditas de panna- eom satesa de hlela,
a 2,000 rs.; angas trancadas deliatras e
quadros SMkrtf, faz-nda que pareaa linho,
500 ra. o covado; merino preto fino da duas
larguras, a 2,400 rs ; case mi reta preta ede
cor, propria para caifas e palios de homem
e meninos,a 1,000 rs o covado; cortes de
col leles dfc velludo lavrado de oros e de
linboe seda, a 4,600 rs.; mantas de setim
ralo para grvala, a 800 rs. rada una e
a 400 rs.; arroz pilado o
a. ; dito branco, a 360 rs.
do MaranhSo,
200 rs. ; cevadi-
f em grlo, a 200 r. ; ve-
tai!
ra do Collegio, n. 21, primeiro wJar, se
dir que reate.
rara liquidar.
Vendem-se cortee de cambraia cal) 6 va-
ral, com listraa oeeie- 3,500 ris, ditos a
3,000 lis, ditos ata ladianas a 2,400 ris,
coi es uu Victoria laxm. ,; iu- iu-
raeilo o cor lixa a 3,200 ris, cacinhas
para meninos.a 320 lis, suspensorios
da meia muito linos .00 ris a duzia,
maulas dalia e Seda a 2,500 e 3,000ra.,
lencos de seda para grvala a 2,000, hrim
de quadroa escuros de puro linho a 360 rf.
o covado, c. les de colles de seda de 1,000
al 2,000 ris, lencos da seda pura para al-
gheira a 1,600 rf, chapeos de castor preto
a 3,200 ris : ua ras do Crespo, loja de 4
poilas, n. 12. m
.\ a i ua la Crespa, n. 1 o,
loja de B. Ann Mara dos Passos Cunha
Cuimarues, vendem SO cortes" de casemira
de quadros, por 3,800 rs.; ditos de cores, a
5.500s.; panno preto fino, a 3,500; 4,000,
4,500 e 5,000 rs. ; dito encarnado, .a 2,400
rs. ; cortes de i.a para caicas, a 800 rs. ; los
bianoos Unos, a 2,500 8,000 re.-; pecas de e'u dono ter
franjas brancas, a 2,500 rs. ; ditas de cflrnV
a 3,50 a".; cohertores de laa, a 1,300 *rs.
oulras muilas frzemlas por barato preco I
Vende-so urna cama grande de arma-
, .e conduiu e com dous cortinados;
outras fazendas por burato preco.
Venda-separa torada p/ovinela, una
escrava crioula.de 19 arjtPOS, com habili-
dades e que he propria para mucama, por
sarde boneta usura : na roa larga do Ro-
zarlo, n. 48, primeiro andar. -
Agencia de Bdwln Maw.
Ra de Apollo, n. armazem de Me. Cal-
mont & Companhia, fazem ver aos Sra. de
engenhoe aoj seus correspondentes nesta
praca*, que nosau eslabelecimento se acha
coiistanlemenUTbom aortimento^oe moen-
uaslodasde ferro para animaes, agoa, ele;
iaa ditas para armar em madeira ; ma-
nas paru vapor com Torca de 4avallos ;
xas de diflerentes modelos e de todos os
tamanhos e grossuras, tanto de ferro batido
como coado ; espumadeiras, cocos, ele, de
ferro estanhado ; safras para ferr iros : lu-
do muitojbom e por barato preco.
A a moderno e bomv
amada (ucimado,n. 17,
vendem-se cambrsias francezas de cOres
muito finas e padrOea os mais modernos, a
660 rs. avara; cambraias de cordiloznho,
de cores muilo grave epadides miudinhos,
intituladas pricezinas, a a vara ; lencas de
seda de cOres, de muito bom gosto, a 2,000
rs. cada um ; um completo sorlimeoto de
meias muito Anas para meninas de todos os
tamanhos, por pre?o commodo.
Fogocs para coxiuha
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nao ha coii-
nha, por preco coShnodo .- ven-
dem-se na ra da Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann IrmSoa.
-- Vendem-SB*l>airetse voltas para pa
dres, muilo hem feitas, por preco comm
feijOo mulalin
vermeiho, a
c a libra a
100 rs ; dita
nha, a 1*0 rs4,
las de espermacele as melhores, a 720 rs. o
840 rr. ; aletria, a 980 rs. ; mscarro, ma-
carronete e talharrm, a 240 rs. ; volas da
carnauba, a 280 rs. a libra ; cht muito bom,
a 1,920 rs. ; queijos superiores, os mais no-
vos que sppsrecem, a 1,700 rs.:. dSo-se ns
amostrss: na ra Nova, n. 40, defronte da
ConceicBo, e so p da p'oole, n. 71.
A loja de 6 portas, no largo Uo
I Ivrnmento.
continua a ter cas-a preta, a 180 rs. o cova-
do ; ganga azul, a 100 re.; chitas, a 120,
140, 160, 180, 200 e 240 rs. muilo finas ;
chales de seda, a 7,000 e' 8,000 rs. grandes
e finos ; um completo sortimento de fazen-
das por preso rssosveis, que convidam a dar
principio a preperarem os vestuarios das
familias com que devem Ir aos apreciareis
banhos do Cspibaribe.
Jtt o barato cansa admiraran :
Isto acontece na ra do Crespo,
n. 6, loja ao p do lampeao.
Vendem-se casaa-chitss do muito bom
gosto, a 940 rs.; corles dediles do melhor
gosto que leem spparecido, a 2409 rs.; chi-
tas finas de boas tintss, a 160 e 180 rs. o
covado ; riscado americano, a 140 e 160 rs.)
dito trancado, a 180 e 200 rs,; algodOo
mesclado, a 200 rs.; zuarte azul com 5 pal-
mos, a 200 rs. ; dito de cores, s 200 rs.;
(cassa preta para luto, a 120 rs. o covado ;
corles de fuslSo muilo boas, a 660 rs.; ahe-
lea de tarlatana, s 380 e 1,280 ra.; coberto-
res de algodSo de cor, muito encornados e
proprios para escravos por serem muito
qucnles, a 640 ra.; alpaca preta da oordlo,
com palmos de largura, a 1,280 rs. ; ns-
cados de puro liobo, a 2t0 e 360 rs. o co-
vado. .
Narua da. Crin, n. 10,
casa de Kalkmann
Irmaos,
vende-se um grande sortimento de
instrumentos de msica, com se-
jatn :
Caixas de guerra, e tamborea.
ZabumbsJ e pandeiros.
Arcos de campainhl, e pratos.
Baixos de harmona, trobSes.
Trompas, nisles e ciarins.
Cornetas, flautas, e pfanos.
Cirmelas, e requintas.
Hola
olfies.
mtiitos outros instrumentos.
Travi'ssa da Madre-doOeOs, ar-
nazem. n. 5,
Vende-se espirito de vinho de 37 crios ; vi-
nho de caj superior; cha mate de Paran
gu ; e todas as mais qualidades da Mpiri-
tos, por preso commodo.
' i i aaaaaaaBgaBaaJM8aaaBiaM
Escravos Fgidos.
I'ugio, do engenho llella-ltoaa, urna
parda clara, mas smarellaca, baixa, groase,
com marcas de bexigas que ha poueo leve ;
tem urna cicatriz no rosto j antiga, e du
abicote as costas e oulras na cabega, olhos
grandes, cabellos prelos, mas grossos, pel-
los grandes, in'os e ps paqueos, porao
grossos,,.de nome Ponciana ; ja fui presa o
esleve na cadeia do lleco*, em marco. Ro-
a-se as autoridades policiaes e capitfles de
ampo, que a apprehendam e levem-na ao
tillo engenho, ou nesta praga, na ra do Vi-
gario, taverna do Themotio, que surSo gra-
tificados.
rugi, no dia primeira de agosto pr-
ximo passido, o preto Gabriel, de nacfio, de
30 e tantos annos, do estatura mediana,
JMM ladino, falla bem, bastete barbado ;
letruma cicatriz junto ao tornozelo da per-
na direita ; tem o cosluuie de abalxar a ca-
besa quando falla, gosta de embriagar-se ;
veio*ha poucodo itio-de-Janeir* ; levou ca-
misa de madapolSo, calsas de casemira ris-
ada j fu rio u urna trouxa onde levava al-
umascalsas, colheres de prata e outros
ijectos: quem o pegar love-o i ra da
pa gu
ioJm,
se-TTi
.. quem o pegar love-o i ra
do: ns raa estrena da Re rio, n. iJ"a%e-Wsd*a do Recife, n. 21, que ser goneroaa
gundoaAr. ^Jtoente gratificado.
- Vende-ai a obra Confidencias dtf* dAAOAnn
Lamartine^Bjfreoreosoes philosofieas do pa- *""// OU.
dre Tbeodoro de Almeida: ns ra. Nova, I'ugiram de bordo da brgue
Jvode-se orna eatravs crioula. de 9fi Sem*Par, vindo do Uio-de-Janei-
snnos, de bonita figura** ssdia, com al- ro, dous escravus, sendo una do
zumas habilidades ; vende-se para fra da _. il; j ,a<-.1
provincia, na ra ugusts, casa de Pache^ nome oahwo.de Cr farda,
co, a diante do escrivSo Alcsaforailb.
Novo methodo
pratico e Iheorico da **
ingoa faenceZa, porv.
I,. A. Burgain, porjjf
5,000 rs. : vende-se
Vende-se a fabrica de charutos do
Alerro-da-Boa-Vista, n. 5, bem afregueza-
da e prompla para o trabalbo : endo-se por
seu dono uuerer relirar-se para fra.
Vende-se una prea s nacno, multo
boa vendedeira de ra, e ptima lavadeira :
na ra larga do notario, n. 35, lo
Vende-se um molecflo iie boa figura ,
de 18 anuos, senfvicios. optimejnolieiro e
funeiro ; urna parejha de cvanos rufos,
ptimos, e que esli bem gordos: na ra ea-
treil do llozario, o 31, a fallar com Josa
Moreirs da Silva.
Aos Srs. esludjntes.
Vende-se o segundo lome da obra de Ver*
gilio qussl novo, pelo diminuto preco da
2,600 rs.: quem quizer tnnuncie.
lura regular, de
esta-
co annoa pooco
mais ou menos ; levou calcas e
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Kuzebio, criou-
1o, He a4 annos nouco mais ou
menos, estatnra all; levou calcas,
CSantcn 2, pmeir" ffi. ^1 i Iwnete .Ufi. Ro
OOOOOOOOOOOOflMMiiOeli autoridades policiaes capitn de
campo, que o* apprehendam e le-
yem-rj)r:riiado Trapiche, n. V\t
asa decora es & Companhia, que
recompensara.
- Kugio, no dis i de agosto de 1850, pe-
las 10 Moras da manh-a, o escrav
nacflo, de 35 anngs; levou tres camisas,
sendo duaa de algodlo titacad, urna azul
e oulra de Nstras novas, ootra de madapo-
lSo jt usada, coma marca M. A. V., duas
caigas novss de algodBo transado, umt
aiul e outra de listras, um chapeo de pa-
lha peqoeuo muilo velho e oulro de pello
ji usado;, he de estatura regular, rosto
conipridu, uariz chalo, bisunto barbado,
- Vndese a armecSo da casa da ra do lP.rm r,Pdo- f- d? de"lM.n* fr.e"t1? do
.- iltiasuperior; veio ha dea d u de Gars-
londe foi escra-
ovedo Cu-
., Chrls'-
i.l e cacimba : f.z-so todo o negociad
retirar-so para fra. "1
MQRez hepecbiiichu. amj
ende-se msnleiga mgieza muito sin^L qu
flarou-
i-sessaut' mw\wwS**e Cl~
. lor. a CIO, 400, 320 e 20o" rs. ; dru"fr"^eTrve,,,-no a ru,,do (]o)\^i0; n- -
,a, a 5-0 rs ; b.aha.ae porco, a\ rs.,! --g0 'ff.'^"""1.0'-
serilo
, loucinhodeSautoa, a liu rs. ; azeita doce! .-
meia duzia do oadeiraa de jicaiauua ; urna |B 56O rs. a garrafa'; milhb, a 1 rs. a cuiai 'P* : i*-'' -* ru;,.0


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EGDIYDMMR_4EFX7O INGEST_TIME 2013-04-24T16:43:27Z PACKAGE AA00011611_07005
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES