Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:07000


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno VX
XIX
Se:,, n (la-fe ra 4
'.
ParablU, seguWas eajtas '
dan-Norte, qulnu ',nJJgU
i, pmo
feiras.
melo-
Golannae
Rio-Grand
Cabo.erlnhaem, Blofo/moso, I*to-Calva
e Maeel, no Lfifil JLe '21 de cada mcl*
Garanliunie T
Boa-Vista e Floree,!
SHoti. Creic. a 13. a lili, e 1 m. ))a m.
Chali. a21,sluh.eMni. da m.
Mine, a 28, t 7 a. e 33 m. da t.
d Setembro de 1880.
N. 196
anego da aoBaonipp-o.
Portreamexe^Wi^Haiio) 4/000
Por seisraezes 8/WO
For um anuo 15/000
bia va as VASTA.
2 'Seg. S. Esteva. Aud. doJ. dos orf.e m. dal.v.
3 Tere. S. Eufemia. Aud. do chae., do J. 1. da v,
do civ. e do dos fritos da fazenda.
4 Qu.-irt. S. llosa de Viterco. feriado
5 Quint S. AnloDlo. Aud. do doaorf. e do m.
0 Sext. S. Lbenle. Aud. doJ. dal. v. do civ.
e do dos feitos da fazeada.
7 Sab. S. Joq, Feriad)
8 Dom. Nalividade de Nossa Senhora.
oaatTSioi KM 31 X
Sobre Londres. 27'/, c 27'/ J.po
. Pars, 346.
. Lisboa, 100 por cento.
Our.Oncas hespanhoe.........
Mncdas de 6/400 velhas.
de 6/400 novas.
de 4^)00.........
Prafa.PaUcSes braselros.....
Pesos columbarios......
Pilos mexicano.....
AGOSTO,
1/000 r. r60 di*.
29/000 a
16/5110 a
16/1110 a
9/1 OH a
1/160 a
1/960 a
1/801)
29/500
16/709
16/200
9/200
1/980
1/981
l/*0
PARTE OFF1CIAL.
GOVERNO DA PROyiNClA.
EXPEDIENTE DO DA 26 DE AGOSTO,,
omcio.--Ao Exm. commandante ,ias ar-
ma, inlelrando-o de haver conce^jdg aoug
mere de lleenca com vencimeni,, so|fertfi
do corpo flxo do PisutiV Joaqjini'Josu de
Magalhes para ir a provino,,, aa Bahja _.,
Communicou-so ao inspector di pagtdoria
militar.
Dito.~Ao juiz relator transinittiudo para ser presentado em ses-
so da mesma junta os procesaos feitos aos
soldados do primeiro batalho de cacado-
ros Manoel Barl-,07.a Correa e Vicente Fran-
cisco. IntcHi.uenciou-s* ao mesmo com-
mandsnteA*s armas.
Dito.o director do arsenal de guerra,
autorl'^nda-o i despender a quantia de ris
275,'dOO, com a compra de azoite de Garrapa-
to, dito de coco, vellas de carnauba, fio de
slgodflo e parios, par furnecimento de lu-
zes no]mez de setembro prximo vindouro,
s forlalezas, guardas equarteis dos corpos
pertencente a guarnirlo desta provincia.--
Inteirou-se ao inspector da pagadoria mi-
litar.
I)ito.--Ao mesmo, para manclsr concertar
naquelle arsenal vinte e quatro espadas 'da
msica e banda de cornetas do primeiro ba-
talhSo da guarda nacional deste municipio,
as quaes Ibe deverflo ser spresentsdas pelo
commandante do referido batalhtlo.Sci-
entificou-se ao commandante superior. '
Dito.Ao commandante' do brigue-escu-
na Canpa Concertando a autorisacKo que
pedio para mandar desembarcar dous mari-
nheiros e um grumete do brigue sob seu
mando, visto terem (lnalisado os sous tnga-
jamenlos.
Dito.A cmara municipal d'Agoa-Preta,
dizendo que nSo pode ter lugar o adisnta-
mento que pede de 300.000 ris por conta de
um cont de ris votado pela assembla le-
gislativa provincial para edificarlo de urna
casa pira assessoes daquella cmara, visto
ter sido a referida 'quaivt'ta ttocretada pela
le do ornamento provincial .192 de 13 do
abril de 1847, cujo exerricio findou-seem
30 de junlio de 1848, e nflo ter a le do orca-
menlo vingente consignado quol para essa
despe?a como informa o inspector da Ibe-
souraria da'fazenda provincial em data de
21 do correnta.
I'pitam.-O presidente da provincia asan-
do da aulorisacoo concedida no artigo 40
da lei provincial n.26l de28de junhodo
correnlo anuo, resolve crear na Ihesouraria
provincial mais urna seceao. corriposta de
um primeiro escriplurario, de um segundo
dito e de um amanuense, para se encarre-
garom da liqnidaco da divida activa e do
examadas contasdos respopsaveis por dea-
pezas, e cobrsocasda renda provincial, too-
do estes empreados os mesmos 01 denados
que voncem actualmente qs das mitras sec-
cOesda mi sin* Ihesouraria.communicou-
se ao inspector da rne'sma tiiesouraria.
Dita.-O presidente da provincia, usando
da ulorisacao concedida no art. 40 Ja le
lei provincial n 2CI de 28 de junlio do cur-
ente anno, resolve fazer a nomeac3u dos
empreados creados por deliherarfto data Ja
de boje na Ihesouraria provincial do modo
seguinte : para primeiro oscriplurario o ac
tual segundo oscriptuaii Francisco Anto-
nio Cavalcinti Cosseiro ; para segundo dito
Francisco do Barros Falclio Cavalcanti de
Alh'querque ; e pura amanuense Francis-
co Joaquim de Oliveira Baduem ; os quaes
lirverflu os mesmos ordenados, que actual-
mente vencem semelliaules empregados as
oulraa seccijes da mesma Ihesouraria lo
lelligociou-se ao inspector da mencionada
tiiesouraria.
Dila.O presidente da provincia, lendo
silencio ao que llie represenlou o enge-
tjlieiro direclur das obras publicas, e a pro-
cedencia das rasOes por este expostas, re-
solve revogi'r o art. 75 do regulamenlo de 7
de maio do correnle anuo, na parle em que
addioa Ihesouraria provincial os emprega-
' I dbs de escriptaracSo da extinct reparticSo
das obras publicas, o quaes passarilo \
coaJjuvar o secretario da directora das
obras publicas nos trabalhos que I ha ido in-
cumbidos pelo dito regulamenlo. Fize-
ram-se s convenientes communicagOes.
Dita.--Nomeando de eonformidade com a
proposla do inspector da Ihesouraria da fa-
zenda provincial, obacharel Cypriano Te-
nelon Guedes Alcanforado para servir inle-
rinamenteo lugar de procurador fiscal da
mesma tiiesouraria, durante a liconqa con-
aedid| em.JH deste mez ao bacharsl Jos
Bernardo lo Aleinforado.-Gommuni-
cou-se ao repecfivo inspeclor.
Blta.--Nomeando>s6b proposta do chefe de
polica, o bacharel Jolo de Souza Reis, para
supplente do delegadoo do termo doOurlcu
ry Commuaicou-se ao mesmo chefe de po-
lica. %
DEM DO DA 27.
Offlcio.AO Exm. convmandante das ar-
mas, dizendo que pode fazer effectivo o en-
ajamento do segundo sargento do quinto
batalho de ruzileirosFcriiaiido Antonio Ta-
vares deMedeiros, visto que tendo acabado
o seu lempo de servico, se offerece para eOo-
linuar, certo de que Um arbitrado ao refe-
rido sargento a graticacffo de 450,000 ris,
ir,i llie ser paga 50,000 ris a vista, n o
resto em prcstaQOes meosaes deAIO,0(W ris.
ComBiinicou-se io inspectora pagado-
ria mililat*.
Dito.Ao director do lyceu mU ciJade,
JeclaranJo que deve pr de rtvo a concur-
so a cadeira de primeiras letras do sexo
masculino da povoarn de Ingazeira, vislo
nSo ter apparecido opposilor a ella.
Dito. Ao juiz relator da junta de justi-
Ha, transmittindo para ser apresentado em
sesso da mesma junta, o processo verbal
feilo ao soldado do lerceiro batalhfiB de ar-
ti Diaria a p, Casimiro Jos Ta va res.' Scien-
lifcou-se ao Exm. commandante das armas
Dito.Ao director do arsenal de goori,
para mandar entregar ao agente da l'.irahi-
ba, Jos Joaquim de Lima,para terem o con-
veniente destino, as vinte cananas de aval-
lara que mandou-se apromplar n'aquelle
arsenal, em consequencia Je requisico do
Exm. presidente da referida provincia.
Gommunicou-se ao mencionado agente.
Dito.Ao inspector da Ihesouraria da fa-
zenda provincial, para que mande entregar
aocommandantedocorpo de polica a quan-
tia de 2.012,873 rs., para com ella| pagar ao
raspeetivo phrmaC9utico, isaporUaoia
dos medicamentos que forneceu ao extine-
lo hospital regimental daquelle corpo, e
bem assim indemnisar a caixa de adminis-
trafo do fardamento do mesmo corpo da
quantia que ella forneceu para as diarias do
referido hospital, visto estar a fechar-ae i
su* conta relativa ao semestre de corrido
do primeiro de Janeiro ao ultimo de junho
lo cor rento anno, segando cominunicou o
commandante do mencionado corpo em
ollicio de 89 do corrente.-lnteirou-se ao dito
commandante.
DitoAo mesmo, para mandar pagar ao
i remtanle da obra 4fc#extracedo das re
Jras do decimo-quarlo'lanCQ da estrada
Ja Victoria, em presenca do certificado pas-
sado'pelo director das1 obras publicas, a im-
portancia daquella obra, visto lar sido la-
vrado o termo de lecebimenlo dc?lla, segun-
do cotnaiunicou o mesmo director em seu
ollicio datado de honiem.-Iiitelligeiicioi-
se ao mencionado director.
Dito.-Ao mesmo, ordenando que mande
pagar ao arrematante da obra dos concertos
la pona do Varadouro, em presenca do
ccriilicado passado pelo director das obras
publicas, as prestacAes a que elle tverdi-
reto, visto ter-ae mandado lavrar o termo
de recebimento provisorio da mesma obra,
segundo foi declarado em ollicio do referi-
do director datado de hoatem.Communi-
coo-se ao mencionado director.
Dito.Ao mesmo, para mandar adiantar
ao director das obras publicas, que assim
o requisita, a qnanlia 2.000,000 ris para
continuado das obras Jo tbeatro publico
Jesta cidado.--Iiitelligonciou-se ao mesmo
director.
FOLIIETIM.
EWSAIO I>'UM ROMANCE.
WA bosa NO DESEUTO. (*)
Ba^aa^Ba^aa^Bsaiaaaai j.
O tuuaiuo varios cne(jjva-3i ....--..-----|
zeidS-lhe: t i o inodello d.a fillias; venln-
roao aquelle que a U se ligar : e estes louvores
dispeiuvam-lhc no corajno pungentes amar-
A niat da (rnlssinia domella passou desla
para mlhoc vida. Poucos das drpolseiicheu-
niindo dos gianlescos fritos da defesa de
Mlssolungi, Uto he, da rea, sobre quesurgii
aquella cldad, da qual nao licou pedra sobre
Sedra. defesa em i|ueWCregos do mundo um-
erno snbraram a quaiilo seos pas hariain fri-
to de inaiur, em que as iiiulhcrea eiimlaraui os
hoineus eui virtudes, em eoragein, em sicrili-
clos.cm qr fnidesearegadu o golpe mortal a
barl>ara domliia(So dos creles em Mahomet
lobr'auuella trra classlca da cliristandade
Has inultas mls aifi grfgas chorarao*s srus
chiras pbjeclos sepuliadosnas minas daquella
eiJade: multas lllhas d'outros palies Acaraiq
ornlas n'use famoso da. Urna testas fol a
triste Kufraina: o ultimo auiiel i|iie anida a
prenda i vida, foilcspedacadoe|ii Uisaolungi.
5) acuci! Kocrta 'Jaka succuinbido valurosa
mente pola fe de Cbrlslo c pela libcrdaJe da
A cidade tiuba-sc tornado lnsuportavel a Eu>
() flj-torien.
Portara-O presiilente da provincia con-
sideran lo vago o ofllcio de cscrivSo priva-
tivo do jury da conrarca do Po-d'Alho, por
haver Francisco Joaquim I'adilha, que o
servia interinamente, declarado ao juiz de
dreito da mesma comarca, segundo consta
das parlcipaOes deste, datadas del e25
ilo correte, quo nflo solicitava do governo
i mperial o respectivo titulo, resolve de eon-
formidade com a proposta do mesmo juz-
nomoar ntecinamente para servir o reen-
JoolTlcioo cidadSoJesuino IDmingos Car-
neiro, que fever requerer inmediatamente
io mesmo governo a suAConllanra.-Fize-
ram-se as necsssrlfs commnvnsjsjs|*i-
Dita.O presidente da provincia usand
da a Un bu cao quelite confere o 54 do art
2V da le de 12 de agosto d I83, resolve
que para a boa execucSo da lei provincial
n. 67 de 13 de abril de 1819, se observem as
disposicOes do decreto n. 657 de 5 de desem-
bro de,.1849Remelteu-se copia aoins-
poctor da Ihesouraria da fazenda provin-
cial.
Dita.Concedenlo a demissSo que pedio
lo cargo de promotor publico da commarca
la Boa-Vista, o bacharel Jlo Francisco da
Silva Braga.Expediram-se as convenien-
tes coinmunicacOes.
Commailo das armas.
Quarltl general n cidade do Xccife, sai 31 dt
agosto de 1850.
OBDM DO DA N. 81.
Determina t> Sr. marechal de campo gra-
duado Antonio Correia Sera, commandan-
te das armas, que na manlula do dia 2 pr-
ximo vindouro mez de setembro, os corpo*
Jo oxercllo exelentos na guarnirn desta
provincia,passem revisla de mostra em seus
respectivos quarteis pela maneira seguinte :
s 6 horas o primeiro de catadores, is 7 o
segundo da mesma arma, as 7 e meia a
companhia de artfices, s 8 a compendia
(Ixa de cavallaria, as 8 e meia o quinto ha-
talh ilo de fuzileiros, s 9 os remitas em
leposilo na fortaleza do brm, e s 9 e
neia o lerceiro batalho de artilharia a p.
Iranciico Carloi Bueno Decham>*,
CaptSo ajuJante de ordens.
TRIBUNAL DA KELACA.O'.
SESSAO DE 31 DE AGOSTO DE 1850.
rmmimmick do aus-taMo coa-
SKI.HUl'O iZHWDO.
A's 10 horas da manhia, acbando-se presen-
tes os Srs. desembargadorea llamos, Villares,
Hastos, Leio, Soua, Luna Freir e Telles,
faltando com causa os Srs. deseinbargadores
Ponce e Rebollo, o Sr. presidente declara aber-
(i asfsso.
Foram lidoa em mesa os tres seguintes olll-
cios do Exm. Sr. presidente da provincia
O primeiro participando que no dia 30 do
andante mes prestou juramento e lomou posse
Ao lugar de juiz de direilo da coinmarca do l'j-
Je'de Flores,o bacharel Jos Filfppe de Soma
LeJo.
Cfegundo participando que no dia 28 do an-
dante Inex prestou juramento e tomn posse
da lugar de jm/. municipal e de orphos do
termo 'Ourieurj- o bacbaiel Joo de Soma
Reia.
O terceiro participando que no dia 12 do an-
dante mea entrou em eiercicio do lagar de
iniz de direito de Goianaa obacharel Antonio
Joaquim de Albuquerque Helio.
K um ollicio dojuis de direito de Goiauna o
bacharel Antonio Joaquim de Albuquerque
Mello, participando ter ealraJo em excrcicio
do dito lugar em 12 do crvente inez.
II'LUmiNTO*.
Affrilofao' crimt-
Appellante, o juizo ; ppellado, Domingos Al-
ves da Sllra. Mandaran! a novojury.
App4llaci4* titeii.
Appellante, Francisco de Paula Pires Ramos ;
appelldo, Manoel Alves Guerra. llel'or-
suarain em parte, c conrirmaram em parte.
Appellante, Jos Antonio Gomes Jnior; ap-
pelldo, Joo Pinto de Lemos Jnior. Des-
presaraui os embargos.
DELIGIRCIti.
Appellante, .Jos Feijd de Helio ; appelldo, Jo
froslna, que licra orpba, e solitaria sobre a
trra. Concluidas aa formalidades indispensa
reisao luto, e ao futuro governo d'uma riquis
sima heranca, cousade que ella nada enienda
e que entregava naa maos de outros, parti Eu-
frosioa a viver em um dos valles da Svlzzera,
em os quaes a naturesa se mostra to gigantes-
ca, lio sublimemente tenebrosa e huirirei
Anua, sua Tema ama, qi'ia todo o cslo acom-
panha-la. Aili viva Kufrosina, como ae fosse
"?:!: pr.r: o :r.vr.:!=. Sljsledade nouco sa-
bia, at lugia-lnc do contacta, como d'uma v-
bora. Algumas vezes secretamente/ liaoujea-
va-se de que a dureza ds clima, as varlaffles da
atmosphera Ibe lirariam os rearas da pesarosa
vida. Malajuizava; ios que longamente se
vive com o corceo aberto de dolorosa lerida.
Assim que o arlfcredoi campos, a Intemperie
das eataedes, a ceisaco dos mrbidos regalos
da cidade, ludo concurrir a fortiflcar-lhe os
inrmbros. As flores eram abandonadas: ella
sim ordenara que se cultivassem as que os lu-
gares t (lima eoucediam ; mas nao cuidara
detlas por si mesmo. Do vaso das suas charas
violetas, que s qolbrra com o temporal, con-
servara um quadro que pendurra em urna das
iaredes do seu quarto. Desd'aquelia noife
resalirlda o seu Artur j no Ihe apparecia mal
no lirmaineuio : oo sitio, por elle oceupado,
eslo agora duas novas estrellas, para as quaes
de continuo se voliava Kulrosiua. movida d
nina potica f, qne a nduzia a crer que eram
aquellas as habiacflr* de Seus pas.
Mas a profunda solldao d'tTufrosfnaera po-
vuada da imagen) de Canos, tila aprehender,
que este era e devera ser felli; e esU ideia
loranra- placida e tranquilla. 'Ha mor parte
do da ella seguia um sunho que a transporta-
va mimares de shllhas loage a realldade. Pa'
recia-lhe ter Carlos seu lado, ser sua esposa
e estudarem de pjrceria os segredos da naiurc
aa. Com elle tinba longos dilogos, aspirava o
seusininimos desejos, acarieiava oom a moos
seus negros cabellos, nio se oceupava seno
delle, nao vivia seoo para elle. Mas nesse per-
petua sonho chainlva-o Artur, e nunca por ou
tro asme o tratara, pelo que Auna, que raras
vezes d'ella se apartara, ruiniiava em sua men-
te para descobrirqual fosse o honieni dsste no-
me que lo forte lmpretso causava em sua
atnazanha ; mas por uia* niagioasse aua
consegua. Ninguem linha accesso n'aqucila
essa; todas as riquezas d'Eufrosina eram em-
pregadas em beueficio dos pobres d'aquelles
contornos.
I(avla i seis annos que Kufrosina linha pas-
cada a habitar n'aqui lies valles da Srizsera.
Km vio os seus conheeidos, os seus longinqnos
prenles llnhain tentado penetrar no seu reti-
ro i em va andavani-ua cercauda de inaguiii-
cos oflrcimenios, de nupcias e d'illustres II-
gacoes, em vao as mais dislinetas familias de
redor procuravam i porfa atrahl-la seu con-
sorcio. EaTrosiia tinlia-se envolvido na soli-
deo, como em urna tnica, que livesse a virlu-
de de faae-la invisivel.
O sal j trasmonta. KaTrosioa est era seu
quarto assoalada urna janclla: lem as mos
um livro, mas nao le : seus olhos seguem o sol
moribundo^ e, (cnusa cstranba !) ueuisequer
pettaneja i serena paz se Ihe assnalha no sem-
blante : lem negro o vestido, eo seu rosto >i-
reec Inda li'.ai: brwneo nn ySn jascls, ex-
ilio um lirio deposta no panno innrtuario d'um
l'eretro. Manso c manso senla agttarem-se-lhe
os labios, como ae reapondesse a nasa pergun-
lque Ibe vieaw do coraso. Parece e emole-
si' Gabriel de Moraea Mayer. Mandaram
com vista ao curador geral.
AppeDenle, o julio; appellada, Francisca Ma-
ra. Mandaram com vista ao|promotor de
auzcntet e ao Sr. desembargador procurador
da corfla.
appellanlc. Joao Baptisla Alvea >lonteiro ap
pe liado, Domingos Csrnelro de Lima.Man
daram ajuntar o lenno de curatella c certi-
dode idade dos menores appellacao.
DISIGNACdES.
Appellante, 1 '' Antonio Hasto; appelldo
Vicente Jos de Brilo.
Appellante, Joaquim Rodrigues de Almeida ;
appellada D. Anna Tbereaa de Souia Cont
Appellantes, Luiz rogulere e outros; ppel-
lados, Avriai Si limaos e outros.
Appellante, Pedro Alves Pires; appelldo, Jo-
s de Araujo Lima.
Appellante, Goncalo Jos de Helio; appelldo,
JoSo Dias Ferreira.
Appellante, Jos llaiioel Montciro Braga; ap-
peilados, Deane Youle & C. c outros.
SEVISdES. .
Passaram do Sr. desembargador fiamos ao
Sr. desembargador Villares iM seguintes appel-
lacio em que sao :
Appellante, Ignacio Manoel Viegas; appell-
do, Joaquim Viegas. ~
Appellante, Manoel Alves Guerra ; appelldo,
Gaspar de Mcnezes Vasconcellos de Dru-
mond.
?assarara do Sr. desembsrgador Villares ao
.Sr. desembsrgador bastos as seguintes appel-
lacoes em que sao :
Appellantes; Jos Joao, Joo Jos c oulros; ap-
pelldo, Lutherlitth.
Appellante, Anua l lisabet Adole Poerson ; ap-
pelldo, All'onsoS. Martin.
Appellante, Manoel do Amparo Caj ; appell-
do, Joao Frederico de Abrcu Hego.
Appellante, Luisa Francisca da Conceicao ; ap-
pelldo, Antonio Dcrnardino dos liis.
Appellante, o julio; appelldo, Theodoro Mar-
.. ques Vleira.
Passaram do Sr. dcsepOargador Pastos ao
Sr. desembargador I^ije" as seguintes appella-
efles em que sao :
Appellante, Jos Feliz de Hrito Maccdo; ap-
pelldo, o juizo.
Appellantes, Anna Goncalves Vicira e outros ;
appelldo, Pedro Martina de Araujo Veras.
Appellantes, Marcellino Joo de Quelroz c ou-
tros ; appelldo, Elias Francisco deSampaio.
Appellante, Elias Coelho Cintra ; appelldo,
Domingos Caldas Pires Ferreira.
fassou do Sr. desembargador Lco ao Sr.
desembargador Souza a seguinte appellacao
em que sao :
Appellante, Joaquina Antonio dos Santos An-
drade; appelldo, Antonio liolelho Pinto de
Mesquita.
Pas.arain"d8r. desembargador Luna IVlTe
ao Sr. desembargador Telles as seguintes ap-
pcllaces em que sao :
Appellante, Poumateau ; appelldo, F. Poivier
Appellante, o juio; appelldo, WHiam Wil-
Icos.
Passou do Sr. desembargador Telles ao h_r-
desembargador Ramos a seguinte appellacao
em que sao :
Appellante, Joo Mallicus; appelldo, Juliiio
Figelinier.
Poussou do ines.no Sr. aoSr. desembargador;
Villares a seguinte appellacao ein que sao :
Appellantes, os herdeiros de Joaquim Ignacio
Crrela de Crito appelldo, o juizo da la-
zenda.
O Sr. desembargador Bastos apresentou com
o acedrdam lavraoa para ser assignado a appel-
lacao civil em que sao :
Appellante, o juizo, da fazenda ; appelldo,
Manoi 1 Joaquim do llego e Albuquerque.
OSr. desembargador luna Freir apresen-
tou a revista civcl do Rio-dc-Janeiro em que
sao:
Recorrentes, Jos Tully i (S. e oulro s; recorr
dos Kelly Castelio C. e outros, como ac-
cordam lavrado para ser assignado.
DISmiBUirES.
Ao Sr. deseubargador Luna Freir as scguln
tes causas em que sao :
Aggravante, a mesa regedora de Nossa Senho.
ra do Rosario de Santo-Antonio ,- aggravado,
Joo Pedro Gomes.
Appellante, Francisco Vaz da Silva coinoteata-
inanteiro; appelldo, Jos Joaquim Correia
dafLui.
Ao Sr. desembargador Telles a seguinte ap-
pellacao em que sao ;
Appellante, Juq,Manoel de Rarros Wanderlei
Lins, tutor dos menores filhos de Joo Car-
los da SJlya Gulmares; appcllados, Monoel
Ignacio de Olireira e outros.
Ao Sr. desembargador Villares o seguinte re-
urso em que s;
'tecorrente, Caetano Quintino Galhardo ; re-
corrido, ojulzo.
Ao Sr. desembargador Souza o seguinte ag-
'ravo em que sao:
vggravante, Jos Olegario da Silva; aggrava-
do, o curadar gera
Levantou-sc a sessao a meia hora dcpoisdo
nelo-dia.
DIARIO IIR PERS.WM1C0
BEcirr, l di arrCMBBO de test.
Pelo vapor Pernamoucana, rhegado hoja
dos porlos do sul, recebemos jornaes flu-
minenses al 20, baianos al 28. e alaguen -
sesal 29 do passa lo.
Antes que alguma cousa extratemos dos
primeiros citados jornaes, proporcionare-
mos eos subscriptores do Diario a leitura d
duas cartas que pelo mencionado vanor re-
cetare o .Vercnni/ds Baha do seu corres-
pondente na corle em o n. 189 de 28 de
agosto ultimo.
Ei-las:
Kio-de-Janeiro, 17 de agotto de 1850.
o Das nossas queslOes com o exterior ne-
ohuma nova tenho a dar nesta ocesiao.
pois que nada transpira pelo que pertence
a negociarles com i Inglaterra, se he que
esl.lo eniaboladas, nem to poueo se lem
repetido as aggrcssOes dos navios de guer-
ra daquella naelo i pretexto de perseguidlo
ao trafigo; e de Buenos-Ayres apenas sa-
ho-se qne dali partir o almirante Le Pre-
dour, bordo do vapor de guerra fftbcoz
Archtmede, chegando a Montevideo no dia
24 do passado a fim de concluir ronven-
(j'i para a entrega dessa prar,a. A rnn-
clusffo portento da inlervencio da Franca
as queslOes do Ro da l'rata ja nSo hn mais
um problema, nem est distante ; aproxi-
mando-se, pelo conlrrio, as prophelissdas
collsfles daqucllas repblicas com o impe-
rio. Ser como dizem, infallivel a guerra,
mas eu no a tenho por enevitavel, bam que
approve todas as medidas tendentes a pre-
parar o Brasil para ella. O governo nSo se
cuida de seus deveres, tanto que me cons-
ta que l'.ir.i no sepado adoptar se urna emen-
da lei do orcamento futuro para seengajar
Iropa estrangeirano caso.de guerra exter-
na, e poder o gverao elevar o exercito a
frca de oais dez mil pravas. Esta medida
oreie que ja foi discutido no conselho de
estado, edali naturalmente passou anson-
yidos da opposico, que algumas hIIiis -.
j tem le.1,1 a ella. He muito de presumir
que apresenlada a emenda os opposcio-
mstts grtein todo o pulm3o,enchergando
ali planos de lyiv.nui.i. e falla de conlianea
no valor, e patriotismo dos brssileiros,
quando a medida heassenlada as melho-
res ras's de interesse publico.
' Se o engsjamento de estrangeiros limi-
ta-so ao caso de guerra externa, j se ve
que o emprego deesa frca lamlnm limita-
se fronleira, e ni.la enlende com a mar-
cha interna dos negocios polticos, salvo o
por em disponibidade alguns dos nnsjos
lialalhOes paia a guarniQo daecapilaesc
suslcntaffio da ordom, que a cada passoam-
bicoes desregradas emprehendem alterar.
Alii ialvez seja onde mais aperle a fivelln i
opposiQHo, quo no pode negar a constancia
de sua ndole facciosa e desorganisadra.
lio geralmente sabido que o nosso etercilo
se nSo completa em casos mesmo ordina-
rios, senilo mediante o rocrutsmento forja-
do, conlra o qual declama-se lesde que a
imprensa livreeassemblas no Brasil. Ora,
havenio necessidade, por virt'ide de urna
guerra, de augmentar-se consideravelmcn-
le o exercilo, maiores serio as difliculdades
do lecrutamenlo, maiores serSo os desfal-
ques de bracos brasileiros, que porvenrura
se arranque as (Uversas nduslrlas de um
paiz, como o uosso, t3o fallo de populacn
a nao recorrer-se ao' humo de engajar-se es-
Irangeiros. Alm do que convtn inulo
nplar-se que a guerra na exlremidade do
sul do Brasil n.iu pode ser couvoniente-
menta feila polos brasileiros uo norte, e,n
na da melancola, parece a resignafao chris-
laal.... ^So a perturbis; que sonha.
De golpe abre-se urna porta do quarto e en-
tra precipitadamente um homcin.... Eufrosina
volve benignamente os olhos para aquella par-
te : n3o mostra sorpresa : sorrl ao recenchega-
do como os anjos sorriem-se uns para os oulros,
cesteudeado plcidamente a mao.diz: Carlos,
fri hoje fueate-me esperar muito: o leu passcio
foi mais longo que de eostume*.. Carlos fica
iinmnvel e estupefacto noeio^doRuarlo. O;
que sieniiicam,estas paiaviaai, u>- c- -="
cura? Que quer dizer aqueu estranlio aco-
Ihiinento depois de tio long* separaca ? Arlnal
cheea-se a ella ; e dando-lhe um beijo na tes-
ta, di : Eufrosina, ji nao cooheces o leu Car-
los? Pobre menina desperla.
Aquella vos, aquelle beijo foram para ella
um raio EuTrosina recabe na Vida real: escu-
rece-se-lbe~ vlsla. bsteinlhe as arterias das
fontes, como se os peusamentos por demais
conipreinidos no cerebro ameacassem romper
fra. Faz incriveis csfoios para articular urna
palavra: alinal pergunla tremendo: Vos
por squi, Carlos.,depois de tinto lempo l E
tu nem ao menos queras receber-me ? Car-
los, eu nao'recebo a niuguein: marse pensasse
que algn dia viiiels visitar a vossa amiga
protegida, acharieia as pollas da mesma casa
abertas para vos. Agradeco-te Eufrosina.
Has porque te acho lio mudada a meu res-
peilo, inri que essa fra reserva? porque Uo
eslrauho acolhlnienlof J nao sou cunis o
leu velho amigo ? Quaudo foi que te desmere-
,nec! ?
(M I nunca, Jamis Car os. Falla, dlze-me:
Icinhrasie-te alguma vez d'Bufroaina? E co-
mo poderla eu esquecerte nunca ? Eu arda em
desejos pe verte. Que bom, roe tens sido I
semprepara a pobre Kufrosina Mas o que
fazos, em que plnsas, minha chara menina .'
Porque teiiuas em viver siioha. Irtnge da tu>
patria ? Que te fez o mundo? He verdade: t
s milito.-anglica para-te coufuodlres coma
niullido umas nao deveras punir os outros de
culpas nao sOas; t no-deves tirar ao mundo
una das mais aerfeitas creaturas, que sahiram
das mos de Oeos. Que fazes, pois, neste de-
serlo?*'
atorro, Carlas Toda o dia.que passa, as
siivnal o termo d'mna magoa minha : a vida
he pavjuuim urna longo, morte. libras mal,
l.ufioslna. Tu mscestes para ser feliz; e tens
rcjcitaHo a felicidade, como uin'amiga infiel.
Dos tena dotado de muilas bellezas, d'um'al-
ina esquiaitameole sensivel: e tens despresado
os dons de Dos, como sefossein joias desusa-
das. Desterrando-te, subtrahislc-tc ao mais
charo scntiinento que o co ba posto ni cora-
cao dos mdaars, ao affecto que tornara riso-
nba toda alna vida. Kufrosina, nlha. t una-
ja amasia e eis a chaga do teu corayo, n va-
cuo que le cerca, o tedio que tedeliuha e ma-
la. Oh! Carlos, eu tenho amado, e muito!
Sito, tens em pregado allecto em las ideias;
tena amado entes inseuslveis ou Imaginarios.
l'rmivera aoceo, fossem vrdadelras as luis
palavras de nunca haver eu amado, senao as
minlias flores e as miohas estrellas! -Kntao
a la vida tem um myslcrio para inlm. para o
leu cirios, para o teu irmao?_ Eu son a mais
infeliz das mulheres. Ah! Nao ponhas o dedo
sobre o meu coraco : elle ji sangra honivel-
inente, e noo he preciso que Ihe abramos as fe-
ridas. u meu uiuo, '. O meu UUta nsuor cai
todo em minhas lembrancas.
(Ctmlinuar-si-ne.)
d
DATA INCORRETA
] I LE 6 V EL


,---< >r
3=5=5
-
*
T,
&l
js.
i^fca
rasSo da diversidade dos climas, dos hbi-
tos e do genero dessi guerra e, portanto,
tudo quanto fr poupar ao norte a contri-
buido de homens para se empregarem as
campias do Rio-Gran le 'e do Urugoy, lie
um bem quosenSodeve perder.
Equaes ecrSo os eslrangeiros a engaja-
rem-s no Brasil para a guerra com lluenos-
Ayrea ? De cerro que urna semellitnte auto-
risaylo nflo hade ser pedida, nem dada.sem
se tr em vista a prohabilidade da execuglo,
e certeza mesmo de sua efllcacia ; e isto
acha-se ao alcance de todos, que tem a me-
nor tintura de conhecimentos do que se
passa perto de nos.
Sbese que o Paraguay se ve" ameacado
em sua independa pela tyrannica mbito
de Rozas, e tem o maior interesse nos obs-
tacnlps, que possa encontrar em sua mar-
cha de engrandecimento o dictador de
Huenos-Ayres. Logo falcilmente se|prestar
o Paraguay a auxiliar o Rrasil em urna guer-
ra contra o inimigo commum: digo mais,
he do niaior interesse do Paraguay unir-se
a soi le do Brasil. Aquelle estado tem ho-
mena apropriados para a guerra do sul: o
presidente Lopes tem mesmo arregimenta-
dos maisdedoze mil homens, preparados
para defeza de sua independencia, e ao me-
nor convite do imperio, elle enviar para a
fronteira um numero de paraguayos capaz
de encher o vasio de nosso exercito em re-
lcelo a forte, autohaada. Ha tamben cres-
cido numero de subditos da repblica Ori-
ental, inimigos de Rozas e de Oribe, que f-
cilmente se congregarflo para auxiliar a
urna guerra* contra o degolador de Buenos-
Ayres ; e todos esses sflo mais proprios,
como j disse, para se empregarem em uuia
guerra de semelhante natureza.
Agora pergunto cu : se nSo houver meio
digno, e honroso de evitar-se a guerra ex-
terna, qual ser o expediente a preferir-se :
proceder-sea um recrutamento desastrado,
e destacar-se a guarda nacional : ou recebe-
rum-so esses eslrangeiros, que, troco do
sold, derramen) seu singue em prol de
nossa victoria ? A reaposta pareee-mi ob-
via.
O projecto do ornamento futuro, remet-
tido dos cmaras dos deputados, acha-se j
era segunda discussflo no senado, e julgo,
que hade veltar rom emendas aceitas, se
nflo sugeridas pelo ministerio, alm dessa,
de que fallei, sobre o augmento de forjas e
engajamento de eslrangeiros. Na cmara
dos deputados nao llavera muita duvida em
aceitarlas pela confianza qpe merece o ac-
tual gabinete.
a A causa da admissSo do marechal
Iirowm no nosso exercito perdeu-se na c-
mara dos deputados, regeilando-se a emen-
da vin la do senado cor um voto. Digo que
seperdeu, porque nSo he de crerque haja
fusSodeduas enmaras por tal negocio. A
injustic* feilaao vcllto militar deve-seaos
esforcos do conde de Caxias, que empregou
toda a sua influencia para esse resultado. O
governo apresenlou-se neutral, abslendo-
S3 inteiramente do manifestara sua opi-
niflo, porque a quesillo nflo era propiamen-
te governamental. O viscondo de branles
he quem e mostrou sempre mais inleres-
sado pelo llrowm, por setchar convenci-
do da Justina,que assiste ao marechal vis-
ta do aeu contratp, e estando na Prussia pa-
rece que o animara vtr reclamar a sua re-
integracSo, e leve mesmo r.ecom mendigan
de altas personagens da corlo de Berlim ;
mas o viscoflde de Abrandes nSo he, nem
nunca foi cabalista, conlleva na juslica da
causa do Browm, sem se lembrar que ca-
balla so ae desfaz com oulra caballa. As-
si m mesmo a causa do llrowm nin se per-
dera, se o Dr. Jos de Cues nflo livesse,
por donr; fallado a cmara naquelie da
O Dr: Zacaras foi o ultimo, que falln na
quesillo fazendo um longo e muito estuda-
do discurso contra o direito do velho mare-
chal : discurso, que concorreu poderosa-
mente para o triumpho dos ioimigosda re-
integraran, votada, quasi unnimemente,
pela cmara de 1818, e quo, sendo sustenta-
da de novo pela cmara aclual contra a
emenda ot> senado, mudando a palavra
reintegrado, emadmissSo, damnilicou a
causa, porque so poderia ser resolvida em
urna fusilo.
O senado leve seis dias de sessSo secre-
ta discutindo as emendas da cmara dos de-
pntadot au projecto sobre a repressflo do
trauco, iniciado naqiiella cmara pelo liar
bacena no anuo de 1837. NSo sei quaes f-
ram as qoeslOes, que oceuparam os orado
ras do senado, constan lo-me apenas que
muito di-cutiram os velhos : o eom calor
mais propriodo Indoslo, do qae do climu
di Sitiera. Por liui publicou-se que as
emendas furam approvadas, e o projecto
com ellas adoptado para, depnis do redimi-
do, ser remellido a sancfflo do Imperador.
No da 7 do correnle declarou o presi-
dente da caara dos deputados em sessflo,
que lendo-se em virlude do art. 15 3-" d*
ronsliluitflo, de proceder au reconhecimen-
to da serenissima princeza imperial a 'Se-
nhora D. Isabel como successora do Ihrono,
ia pastar a convidar o senado na forma dos
precedenies para ssa sujcninidade, desig-
nando-se o di e hora. OlUciando-se com
effeito 0 senado, neste sentido, no da 8* o
presidente da cmara dos deputados deu
parle de qoe o senado responder que, an-
nuindo ao convite, propunlia o da 10 para
o reconliccimenlo em asaouiblea. geral, u
por isso cousultava a cmara se cooeordava
n ilesicnicflo do dia.
deputados elS senadores, sendo o primeiro
sorteado, e por isso orador da comirissflo o
conselheiro Montesums. Dandoconta o l.
secretario de um oftlciodo ministro do im-
perio, participando que S. M. Imperial rece-
lieria no dia seguinte a urna hora da tarde,
no Paco de S.-Christovflo a commissflo, o
presidente annunciou que as 11 horas do ou-
tr.) dia se reuniran) de novo as duas cama
ras, para d'ahi partir commissflo, e ou-
vir-se na volta delta a participaco do re-
bultado. Assim terminou-se a sessflo.
c No di It ena hora marcada compare-
ceram os senadores e deputados, e ao meio-
dia sahio a commissflo, que a urna hora fo
recebida com o ceremonial do estylo, no
sallodo docel, por Suas Magostadas, pre-
sentaba princea imperial. O Montesuma,
como orador, ao entregar ao Imperador o
auto do reconhecimento apresentou ao mo-
narcha um discurso concebido em termos
proprios de sua consummada eloquencia, e
cheio de sublimes pensamentos ; digno em
lim, do objecto, do lugar e da alta pnrsona-
gem, a quem era dirigido. O Imperador,
recebendo o acto, respondeu que o aceitava
em nome desua fllha. Retirando-se do sa- carTg0i eic., e havendo anle-hontem che-
hia, segundo se diz: que Me fsce muito
hom provoito, e outro tanto a suas ovelhas.
J se est procedendo ao conselho de
guerra de Pedro Ivo pelos crimes praticados
na provincia de Pernambuco. Assimoquiz
mo fado, qne o levou a guiar-se pelos con-
selhos dos velhacos, de preferencia aos do
velho, e honiado pai, que com laoto sacr|J
icin ato da propria vida, o foi arrancar das
catas, em que razia de salteador !...
Nanoiledo dia 10 do corralo pelas It
horas' occerreu um formidavel incendio em
urna casa da ra do Ouvidor entre a ra lii-
reita.e a do Mercado. Os esforcos para a-
pagar o fogo, apenas poderam servir para
qne se elle nao propagasae por todo o
quarteirflo, flcando devorado totalmente
urna, earruinadas duas casas vizinhas la-
teraes A causa foi o descuido do caixeiro,
que deitou-se a dormir, deixando urna vella
accesa.
t SO di ogutto de 1815.
NSo teodo podido sahir no dia 18 o va-
por l'crnantbucana como se tulla annuncii-
do, em rasSo da copiosa chuva, que na vas-
jera, e nosse da ohstoa o rececebimento de
A cmara dos deputados votoaem sen-
tido nirmaliro, o assim se olliciou ao se-
nado.
No dia 10 pelas II horas, reuniram-se
os membros das duas cmaras ai numero
de 110, sendo 79 deputados e 31 senadores ;
entflo, ilepoisde feila a chamada annunciou
o presidente do senado, que he quem diri-
ge a reoni.lo das duas cmara, o ohjeclo
da sessflo, citando os Higos conslitucio-
naes ; e pondo em deliberarlo o reconheci
ment da seranissixa piinceza imperial a
Senhora D. fnfabel Clu islilla Leopoldina Au-
gusta Michael Gabriela llaptiaela Conzaga,
como successora do Ihrono", votsram afllr-
mativamenle todos os membros reunidos,
em anseqoencia do que lavrou o.' secre
tario do senado o compelento auto em du-
plicado e lidos os aulogrsphos foram assig-
nadns por todos os senadores e deputados.
sem precedencia, como he de estylo, indo
cada um memoro a mesa para pOr as suas
duas assigoa turas, l'rocedeu-se depoisao
sorieamento da commissflo, que devia a-
presentar ao Imperador um dos autogra-
ph3f do reconhecimento composta de 24
.flo os deputados o senadores, fram ao de-
pois admittidos na sala das audiencias, a
beijar a mSo a Suas Magestades e a prin-
ceza.
Convem confessar que em toda a solem-
nidade transluziram os mais evidentes sig
mes de respeito e amor da parte dos re-
presentantes do povo para com o imperante
e sua augusta familia, correspondidos de
modo condigno da Magostado de um Ihrono
constitucional.
Antes de duas horas a commissflo dava
parte a assembla geral do resultado de sua
mssflo, ehouveram-se por lindos os traba-
Ihos da reuniflo.
Ha cmara dos deputados fram lti-
mamente approvados os crditos abertos a
diveisos ministerios tendo havido renhida
liscOssflo, na qual os opposicionislas, espe-
cialmente o Antflo, mostraram toda a m
vonlade que nulrom para com o Tosa, e
nflo se pode al tribuir isto senSo a raiva con-
tra o cx-presdente, a quem se deve o tri-
umpho da ordem na provincia de Pernam-
buco, e o ministro d. marinha, que tem pro-
curado levantar aquella reparlicflo do esta-
do lastimoso, que a tinha rcbaixadoa
incuria, o desleixo, e nflo sei sediga mais
alguma cousa, dos seus antecessores no fa-
tal quinquenio O Tosta, porm, repellio
com vigor ecoma dignidade propria do
seu reconhecido carcter as osinuac,oes,
que a paixfln e a mal volencla ousaram lan-
zar sobre sua pessoa, e respondeu pe feiL-
mente todos os argumentos, que mere-
can! resposta de um ministro do Impe-
rador.
Acham-se tambem na ordem do dia d
cmara dos deputa los, entre as materias
mais ioteressantes, o projecto para paga-
mento de exercicios fin tos: as emendas ao
projecto de reforma da guarda nacional,
vin las do senado ; e a terceira discusiflo do
projecto, sobre promoQOes dos ofJiciaesdo
axercito, e no vos limites entro as provincias
loMaranhSoe Par*.
No senado, alm da discussq-do orna-
mento futuro, e projecto sobre trras devo-
lutas, trata-so tambem da crea^So das no-
vas provincias do Rio-Negro, desmembrada
do Para e do Coritiba desmembrada de S.-
Paulo, e do augmento da repreaentafJo na-
cional por algumas provincias. O ministro
dos negocios eslrangeiros apresentou all
um projecto do orgauisac/Jo do corpo di-
plomtico, eslabolecendo regras para a no-
meagfio, accesso o reforma dos respectivos
empregados. lie urna medida importante,
e ha muito lempo reclamada, a bem do ser-
vicio nacional, fallar, verda ie. na parte
diplomtica, salva as pucas e honrosas ex-
ceptes, he miserabilsimo.
O governo pela repartirlo da juslica
acaba de dar um regulamento a casa de pri-
sflo com trabalho, a qual j tem um raio
prompto. O regulamento coulm o que he
mais adoplavel das u.ico.s, onde se adnitle
osyslema penitenciario segundo a escola
de Auburn ; isto he, isolamento do. presos
durante a noite o trabalho em commum, e
silencio durante o dia. A meu ver o clima,
o caracler eoscoslumes de cada um povo
devem muito niln na preferencia dossys-
lemas penitenciarios ; e mesmo em cada
syslema estas circ'umstancias devem exi-
gir modificares anda que accidentaes pa-
ra cada paiz, at porque a tal moderna in-
venc.no de penitenciarias nflo he anda cou-
muito liquida. Coto philosoQca, que he, a
cada passo solfre urna objefflo, urna contro-
versia, urna alteraeSo, etc. Agora mesmo
tem a llelgica feito reformas em seus res-
pectivos regulamenlos. Portanto, s a expe-
riencia he que nos ba de convencer, do que
entre nos deve ser difinitiyamente appro-
veitado.
Koram por esta reparticSo tambem pu-
blicadas as nomeacoes para presidentes dos
tribunaes do commercio das provincias do
Rio de Janeiro, Baha e Pernambuco;
sendo da piimeira o Jos Clemente Pereira,
da segunda o bunio de Fiis, e da terceira
o Dezembargador Martmiacio da Rocha Bas-
tos. Estas escullas nflo precisan) de jusliD-
(,-fln, edepOe plenamente favor das iiiien-
efles do governo acerca de urna instituido
que muito deve influir sobre a morlili la-
de e seguranza do .commercio em nnssas
principaes pravas 6 honrar o ministerio,
que a poe em execugio.
Aind nflo estao nomeados o juizea,
que devem. ir oceupar as comarcas uova-
menle creada, nessa provincia, e consta
tor o ministro exigido certas informacOet
presidencia O furor de dividir (ommar-
cas esto anno foi geral. Minas creou tres,
Sergipe, duas, Cear nSo sei quanlas, e as-
sim por diantu com o qu muito se desgos-
ton o governo, vendo subesrregar-se o Ihe-
souru com accrescimo de despezas, quan-
do toda a economa he punca para se ir me-
inorando o nosso n.eio circulante, e tra-
tar-so do pagamento do horroroso debite,
em que o Urasil est empenhado.
A vara de orphfios do termo da cidade
da Cachoeira foi reunida a do juiz munici-
pal do mesms termo, flcando assin bem
s-rvida de magistrado a dita cidado, eo l'a-
ranagu bem arranjado agora porque a va-
ra que.tinha, por si s, nflo renda sufll*
ceiiiomeiiio pata a sua miteac*, de us
maneira condigna.
Foi appresentado, como vigario da fre-
guezia de Santa Anna dessa capital, o co-
nego Joaquim Cajueirode Campos : coube
este sorte grande das vigararlas da Ba-
gado pela manhfla o San Salvador, flcou
transferida a sahida para hoje, por sao que
segundo o regulamento da companhia dos
paquetes, nflo deve'sahir um dopois da
chegada do outro, antes de so campletsrem
48 horas, isto em relac.So aoa mesmos por-
los' d'ondo. e para onde. Assim julgo-me
obrigado a addictonar algumas linhas mais
a iiunlia carlade 17, aflm de que eslejam
em dia, quanto frpossivel, as noticias da
capital do imperio, publicadas no seu inte-
resas nte Mercantil.
Sabendoque na sexta-feira, e no sab-
hado da semana passada tanto chuveu nes-
ta ciJade, nflo precisa de interrogar ae os
augustos e dianissimos membrps dss duas
cmaras deixaram de comparecer. Sflofa-
vas contadas : amanheceu o dia, basta que
.leblinoso, nSo houve numero de deputa-
dos, neo de senadores, snfllciente para a-
brir-se sssao I Agora note que o Rio do Ja-
neiro he admiravelmente abastecido d.i
meios de transporte, desde a gndola de
dous tustOes, que passa pe porta, e do 1*1
I tu ry e da andoriaha de mil res por hora,
alocaleclie e o carro magnifico de vinte
mil res por melada do dia Hasta censura,
que nflo serei demasiado severo em dirigir
sus guardas da le, aos representantes, o ao
mesmo lempo exerapla lores dq povo, cum-
pre exceptuar urna dezena de txeenUicot,
que vSo sempre responder a chamada ; mas
es.es parvot tambem nnnea sehSo de ben-
zer com urna condecoraran, nem ser tere-
brados para commissOes importeutes e lu-
crativas, quero dizer pingue n cura, j
que fazem tflo pouco casodesi.
llontem, amanbecendo um bello dia,
reuoio-se creso i do numero de deputados, e
na respectiva cmara aJantou-se multo
trabalho. Discutiram-se, e adoptara n-se as
emendas do senado aa projecto de reforma
la le da guarda nacional ; resta apenase
osla materia a ullima redaceflo para ser ro-
nettida a sanccSo imperial: approvou-se
em prmeira discussflo o crdito pedido pa-
ra pagamento de exercicios lindos de algu-
mas quanlias liquidadas, discutio-se, e en-
cerrou se o projecto do promoses dos olTI-
ciaes das diverssfiajmas do exercito. Hoje
se ha de procder'I votcIo, que honlaan nao
udeter lugar 'falta de uumero, prolon-
gndose o debate al perto das 3 horas da
lardo. Ests discussflo he a terceira, e por
uso brevo ser remettido o projecto ase-
gunda cmara, a ver-se ae neste anno mes-
mo he convertido em lei.
O senado tambsm trabalhou hontem, e
nflo Tez pouca cousa, concluindo a aegunla
discussSo do ornamento futuro, e abantan-
do a do projecto sobre ierras devolutas
colonissi3o
Como lem anda o icuadode discutir ter-
ceira vez o orraruenlo, que j sffreu algumas
eineodai. e ainda-pasaar por oulra nesaa ter-
ceira diicuaaao que reata; dav* eau materia
turnar a cmara don depuudoa.e naliiralinente
patsar por algum debate caloroso. Ma a von
tade que lia uos deputadoa de relirarem-ae
iiuauto antes para auaa paovincias, multo far
para que uo haja necesaidade de. prorogajao.
l'ud ivi.i acbo que esta aera infalivel por mais
seis ou oito diaa: em tal caso o priiuelro vapor
de seicinbro nao partir sem ttodarein-se os
trabalbos da seasao. Diiem que he o A"n-4l-
uador pue est marcado para aproxima via-
gem, tendo j mullos deputados J honteui ido
tomar passagein, incluaive o Sr. Gonjalvea
Marliua, preaideote dessa provincia, o qual
continua a goiar de luda aconfiau{a do gabi-
nete imperial.
Pelo resultado das elelfel pira aenadorea
que tem vindo dessa provincia, tein-e forma-
do inteiraiueiue a upioio de que a oppocicio
na ilaliia he fraquisslma, eoconceito doabra.
Martina e Tosta mui bem esubelecldo : no
meu eniendiT tiles o merece injustamente.
O auto do fecoulieciincnlo da serenissima
princen imperial, que ae refere o correspon-
dente do .Wrirantil, foi redigido noa termos se-
guintes!
a Saibao quaatns este intrumento virem.que
no anno do naiciniento de Nosso Senhor Jess
Oliristo de mil oltoceutos eclneoenta. vigesl-
uio-nono da indepeudencla e do imperio do
Brasil, aos del diaa do mes de agosto, pelaa on-
ze lloras da luaoha, uesla muito leal e horoi-
ca cidade do ltiu-dj|-Janeirp, un paco do aena-
do, onde se reunir* as duas cmaras de que
se compe a assembla geral legislativa do
mesmo imperio, estando presentes 31 senado-
rea c 79 deputados, OI> a presidencia do Kim.
baro de Monte Santa, para ae faier o reconhe-
cimento da princesa imperial, na vonformlda-
de da cuiisutuif ao, Ututo quaiio, capitulo pri-
meiro, artigo quinze, paragrapho terceira, se
proceden ao acta slenme do dito recaulieci-
inento, e a Sra. D. Isabel-Chrislina-Leopoldi-
na-Augusta Micliaela-Gabnela Uaphaela-Oon-
aaga, princea.imparta!, nlha legitima e pri-
ineira lidia existente do Sr. D. Pedro II, Im-
perador constitucional defensor perpetuo
do brasil, e da Sra. D. Tberesacbriatina alara,
imperatrli, sua mulher, naacida aos M de
jullio de 1846, e baptisada aos la dias do mea
de noveinbro do dito auno, na Imperial capella
desla corte, pelo Ksin. e Kvm. Sr. ti. Manoel
do Monte Rodrigues de Araujo, biapo diocesa-
no, capelloinr de S. l. Imperial, conde de
Iraj | pala assembla geral legislativa foi re-
coubeclda por successora de seu augnato pai
no Ihrono e cora do luiperlo do Urasil, segun-
da a ordem de suctesso estabejecida na cons-
lituifo, titulo quinto, capitulo quarto, artigo
cento e deasete, cosn toda os dircltos e prc-
rogalivas que pela mesmacouatituitiio compe-
len! ao principe imperial successor do Ihrono.
E pata perpetua mecerla, aelsvreB este anta
em duplicado, na conforinldade da le, para oa
lins nella declarados, o qual foi lido pelo Kim.
Manoel dos Saulos Marlius Vallasques, segun-
do secretario do senado, em vos inUlilgivei,
Iterante assembla geral legislativa, cajos
membros aballo vo assignados ; e eu Jos da
Silva Mara, primeiro aecratarlo doaenadoe
escrcvl e subiere vi Sot da Silva Mtfra.
Htrao' de afonre-Sano. (Seguein-se as mal
assignaturas dos Sr. depuudos e senadores
nillstinclamenle.)i
Por decreto de 14 do passado, S. M. o Impe-
rador dignara se conceder effectividade dos
respectivos postos ao marechal de campo gra-
duado Francisco Xavier Cahnon da Silva Ca-
bra! e ana brlgadeiroa graduados Manoel Mar-
ques de Souza e Manoel de Soma Piulo de Ma-
galhaes.
O nieamo augnsto Senhor houvera por bem,
por decreto de 3, remover do termo do Ipu'
para o de Sobral un Cear, o Juii municipal e
de orphos Manoel Frauco Ferrtandes Vlelra :
bem como eccltar a desistencia que Joaquim
Jos Ferrelra de Carvalho diera do officio de
escrlvao de appellacrtes e aggravos da relacao
dcsta provincia, e faier mercado mesmo rn-
elo Antonio Joaquim Ferrelra de Carvalho.
O Jornal do Commercio aomuncie que o santo
padre Horneara para camarilla secreto aoSr
padre Marlnho, cura da fregucila do Sacra-
mento na corle.
Achava-ie recolbldo ao Aljube o aaiasslno
de Amonto Jos Dias fraga, que segundo no-
ticiamos em um doa numero anteriores, falle-
cer na corte logo depots de haver recebldo
em um do bracos um talbo que lbe cortou a
arteria.
Dando conta dessa Veclusio, o Jornal do Cosa-
imrcio diz que o criminoso, Manoel de Araujo
Palva, era gerahueule condecido por Manoel
vagabundo, e accreacenta:
Aoha-se preio na cadela do Aljnbe Manoel
de Araujo Palva, conhecid por alconha de
Manoel vagabundo, que na nolte de 30 do inei
proiiino pasudo assasslnou, na esquina da
ra do Ouvidor e dos Ourivea a Antonio Jos
Olas Braga
Manoel de Araujo Paiva^epols de perpetra-
do o criine, fuglo para o curato de Sania Groa,
levando comslgo alguna objecto* de ouro qde
tirara sua amalla Torquala Lina Pai de Mello,
ua veapera do Jla do aitasslnalo, era occasiao
em quc*om ella brlgira. Nao querendo pa-
ar portadro, vollou da Sauta-Cru/. para re-
(Ituir oaobjeclo tirado, com tenjo de uici-
darse depoia de cBei tqada a reslituico. Che-
gando porta da casa de Torquala, na ra da
Alfandega, na madrugada de domingo 4 do
correle, bate, e nSo lbe sendo franqueada a
entrada, dii da ra amasia que vollra para
restituir a jola que lbe tirara, eque no can
de nao Ihe abrirem a porta, all mesmo porla
termo ao seus dias. Torquala couserva-ae Bur-
da ao rogo do amante, e eite despara em
urna pistolaecahe ferido.
a Vendo, jjsrin, que anda podia andar, e
sibrndo quejjerl preso, pols nao ignorava que
a polica o procurava com actividad!, foi en-
iregar-se a catleia do Aljube, na eiperanea de
succumblr ao Croque dera na cabera. Polpo-
rm malogndjresta esperases ; a ferlda que
lem na cabe? ea.de urna facada que deu no
braco sao leve, t ter de comparecer peran-
te o tribunal competente para responder pelo
crime que coininclteu.
Tinhain atdo lentenciados a um anno de prl-
bo com trabalho o carecreiro da cadela do Al-
jube Sllvtpo Jos de Almelda, a dou anno o
snta-carcereiro Felisberlo Jos* da Cunlia, e a
tres annos o ctiaveiro Manoel Martin Marcira,
pelo criine de coutribuirem para a fuga da reo
Joiio Gomes Guerra Jnior, que, sea memo-
ria nos no falha, he o espertalhao que se fez
transportar para fra da cadela emuma cala
em que mandara buscar comida para regalar-
se com certo amigo. Alm da pena de prl-
sao. oa connivenlea nessa peca que o tal Guer-
ra Jnior pregou juslica, tiveram a de pagar
pro rala as cusas do proceaso que se Ibes
fttenou.
Ja era canhecido o resultado da votaeflo
par um senador em todo os collegios elei-
torses do Espirito SantoEi-lo:
O Sn. Votoi
Deaembargador JoSo Antonio de Miranda 7C
Conselheiro Jos Martina da Cruz Jobiin 64
Francisco de Paula Gomes Hibeiro 49
Padre Marcellino Pinto Hibeiro Duarte 35
Padre Ignacio |Rodngues Bernsrdes 2i
Padre Juaqnm da Silva Mara Magdalena
Duarte 29
Acusando datas de New-Yorlc at 20 de
junho, o Joma/ to Commercio diz :
Cartas de Ponte--l'itre, na Guadelu.-
pa, com data de 23 de ma o, annunciam que
no dia 12 linham tentado os desordetros
lancar fogo aquella capital, e dar assim o
signal de urna insurreicflo geral. Falhou o
plano, mas os incendiarios cunlinuavam a
sua obra de dostruieflo, e j linham sido
consumida pelaa chamas dezoito casas. A
cidade licava em estado de sitio. Reinava a
maior nquietaeflo na Colonia, e era espera-
do o govecnadbr da Martinica cura 800 sol-
dados.
Por noticiss de Lims sabe-se que o no-
vo presidente da repblica, o general Ecne-
nich, tomara possa do governo sem que t-
vessem occorrido as desordens que se re-
ceiavam. V
De posse de gazetas dos Estados-Unidos
at 21 de junho, o citado Jornal resume as-
sim ss noticias que aellas colhra :
a No da 20 cabio sobre a cidade de New-
York um grande furaeflo que causou alguns
estragos. O Courricrdei Elali l'nii do dis
22 diz :
Ante-hontera fomos seommettidos por
urna das maiores tempestades que temos
visto. Eram 5 horas da tarde : o thermome-
Iro tinha subido a 94* (Farenheil ) e um co
de fogo nos abrazara com sus ardores, que
nflo eram meiigados pela menor sdpro de
brisa. l^vanHa-se subitsmente nm p de
vento, ealquireem alguns minutos tolsa
violencia do mais furioso lufao ; o torveli-
nho de poeira que lovantra cobre to la a ci-
dade ; aa nuvena amontoadas de lodos os
pontos do horisonte fazem succeder ums
escuridflo quasi completa ao dia mais bri-
Ihante. A principio desencaJeou-sa ofura-
cSo sem chuva : voam em esullias toldos e
empinadas cahem arvores arrancadas pe-
la raz ; muitaaaeaaoas u l'u.i
meio das ras e pracas; e a llalli i, transfor-
mada em mar cavado, traga mullos dos es-
cslares que a belleza do co convidar a
um passeio. E depois, entre-sbre-se a nu
vem sb torrentes de chuva e de fluido elc-
trico ; os relmpagos succedem-se com es-
pantosa rapidez, e tambem dous raios no
centro da cidade.
Este desencadeamento atmospherico
Jurou cousa de urna hora, e depois ludo
lornou a entrar gradualmente na olma, e
o co, serenando, deu-noe ama noite fres-
ca e vivificante. S o lelagraplio sahio ven-
cido netla lutados elementos ; a elecirici-
dade celeste redunra impotencia a imita-
fio inventada pelua homent.
a No senado federal discutia-M anda a
q.iestflo da esc'svidflo, mas parela ser opi-
niflo geral que paseara a proposta da Sr
Clay, que he urna composiQflo oa transaceflo
entre o norte o aul.
UlaiNssipe, rnmpendo os diques
represssm, lalha inundado
oupajl urna das cagiOes mais
[populosas ds tofriatanai Cente-
das'jaziam debaixo d'agoa, o
colheitas eatavam
iaa. Era impossi-
usaiia esta inun-
rna alcatftavam" /
ve outro Incendio
iftedeuti a
i ui/
) denlos.
e ouro cor
cinzas urna
Izo era orca-
Osavisaaare-
conlinuavam a.
a No lago Erie tinha occorrido urna gran-
le catastroplw. Incidiou- o vpor riffith,
a do 323 passageiros que conuuzia perece-
r m 285.
natuF
em Po
ricas o mi)
as de __
iniiUscls8,ata
ameacadasdeproj
vrl uttaT a prda I
dar;!^
Asj
15 de
em S. _
teres MR cidadja.
do em cinco milhoes i
cbidos das minas de
ser favoraveis.
( En Hontreal, no CeSisOa, houvrt Um-
bem um grande incendio. Arderam 207 ca-
sas. Calouli-M O prejtlzo em 1,200,000
pesos. ara
As folnss mexlcsnas annunciam urna
tentativa de revoTla militar na cidade de
Puebla, econtinusQflo dos estragos causs-
dos pelo cholera-morbus. Receiava-se mul-
lo que este lerrivel flagello acommetlesse a
capital. _,. _
A sublef aeflo de Poinle--Pilre. na Gua-
dalupe, foi comprimida. Os canecas frsm
psssados pelaos armas. .*,.
Da Havana annunciam em 13 de junho
qne os Atnericsnos presos por terem toma-
do parte ns expedicSe contra a liba de Cu-
ba estavamTainda em processo. O general
Narclzo Lpez, coramandsnte em chefe da-
quetla expedico, foi pronunciado no dia
21 da junho pelo jury de eccusacflo de Nc-
va-Orleao.
Referimio-so s cartss e olbas de Monte-
video at 25 de julho, "o mencionado Jornot
se exprime assim:
Conlirma-se a noticia que demos d
ter regressado o almirante Le Prdour da
sua inissSo a Bueuos-Ayrea. O Commercio
del Plata da ullima data diz a respeito o
seguinte :
a No dia 23, s nove horas 4a noite, cho-
gou aqui de lluenos-Ayrcs o vapor Arehimi-
de, conduzindo a seu bordo o Sr. Le Pr-
dour e o Sr. Antonio Reis, agente de Oribe,
que no dia seguinte pela manhfla seguio
para o acampamento daquelle general, a
quem levou oQlcios de Rosas. Dizam-nos
que amanhfla ( 26;, ou depois, se transpor-
tar o almirante ao Cerrito para concordar
com Oribe sobre as condic/les do tratado
ad referendum concernentos ao general si-
tiador ; e que feito isso regrossar nova-
inenle a ucnos-Avres para assignar e dar
andamento a ambas as convenefies e romet-
te-las ao seu governo. Todo como no anno
paseado, o como por veces annuncimos.
" A respeito das tropas, dizem-nos de
Uuenos-Ayres cora data de 20. que dseme
barcaram em Montevideo ; ma que ess-
desembarque nflo ter lugar at que nova-
mente regresse oSr. Le Prodour depoia da
haver ajustado a citada convncelo com Ori-
be. Por mais depreua (escrovem-nosj que
ande este negocio, nflo desembsrcarm
as iropas antes de vinte ou vinte cinco
dias.
a O Sr. Lo Prdjtur veio trra no dia 24
pela urna hora da Urde, e, acompanhado
pelo cncarregado de negocios de Franca,
dirigio-se ao palacio do governo, onde per-
maneceu cousa de tres quartos d'hora.
Urna carta que taraos vU diz :
" Oalmirante francote o Sr. Devoise ti-
veram hontem (2* urna conferencia com o
governo. Corre entre as pewoas mais bem
informadas que nessa visita, alm doa com-
primelos banaes do costume, se limitou o
almirante a pedir ao governo a pcrmiasSo
necessaria para O desembarque da tropa,
sem indicar comtudo a poca desse desem-
barque. C por fra parece se mostra
muito qneixoso das demoras do Rosas, e
que diz partir amanhfla para o Cerrito,
donJe voltar a Buenos-Ayres para acabar
de amassar o pastel. Accrescenls que con-
servar as cousas no slala quo at ulterior
resolucflo do governo francez, mas que nflo
communicara ao governo de Montevideo os
trstados ad referendum oue celebrar com
Rosas e Oribe.
Como disse cima, parece que o almi-
rante nflo indicou a governo a poca do
desembarque das forQas mas sei agora mes-
mo que aos chefes dos batalhfios communi-
cou elle que no viriam para trra antes de
15 de agosto, isto he, antes de estar tudo
assignado por Oribe e Rosas. A sahida do
vapor l'rony fica diada para essa poca.
" As noticias de Buenos-Ayreaalcnncam
a 20 do julho. Segondo as informacoes do
Dr. Lepper, medico do general llosas, esla-
va este melbor ata vista e da gota.
" Era exacta a noticia que corra, o pu-
blicamos, deterhavido um forto temporal
de E. S. E. no Rio da Prata, e de terem nau-
fragado muilas embarcares. O temporal
cometn na tarde de 21 edurouata ma-
drugada de 23, com urna violencia de que
no havia esemplo desde 1820. Em Monte-
video perderam-so as seguinte embarca-
coes i
" Barca franceza Villed Rouen, obre a
costa do Cerro : morreram o piloto, o mo-
go da cmara e um marinheiro.
Ocapitao licou muito maltratado.
" Barca ingleza Mercurio, junto char-
queada do Sr. Ijifojic.
" Escuna oriental Vlol/an4MaaartO
inesma charqueada. ^
" Escuna de guerra Palmar, prxima a
barra do Miguelete. Era um dos v*oa ar-
gentinos dolidos pela esquadr franceza
~~. IOIS
" Brgue escuna romano Leopoldina, so-
bre a costa do Cerro. Este safou com o au-
xilio do vapor americano W. J. Ptmu,
' No porto do Buceo perdorm-se as em
barcacO?ssoguinles:
" Polacas rda Precursora e Doutie Ju-
lho, carregadas de couros.
" polaca hespantHAl Cenobita, carregada
de carne.
" Polaca brasilcira Sanio Antonio, carre-
gada de arroz e mato.
" Pilot-boats argentinos Chuto e baigo.
' lliates orionUes r/aaalo e tala, e
sumaca Victoria.
" Dezjanchas de descarga.
" Na costa, desde a pona de Carretas at
n praia de Santa Rosa.haviaoi trpsembarca-
cOes oncalhsu. Ignojsvam-se os nomes.
" Anda nflo havia noticia de Buenos-Ay-
res."
" A nossa divisflo naval, tendo felizmen-
te sshido dias antes da porto de Montevideo
psra fazernguada, nflo soffreu avatia algu-
ma.
da
1 ILE


----- ^ *
" Depois de cscripto o nrtlgo cima re-
cebemos noticia Uo Montevideo al 20 do
julho pela barca rusaiana Mexandre.
" No dia IB chegou de Thoulon aquello
porto a corveta francez Capricieute com
mais 450 soldados. Assegnrava-se que le-
vava InstruccOos ao almirante I* Prdour
em sentido mais favoravel ao gowno de
Montevideo. ..T^
Itahia Hora em plena tranquilizado.
Estiva appurada a votacSqjIe 33collegios
ni eleico a que se est proc6deamlli pa-
ra dous senadores, OSr Gonca|fMMarlins
contivi 1836 voW|; o Sf. Tosta,TB34.
Em Alagis nada occorrera digno de meti-
ciomr-sp.
iW
lieparlico da polica.
PARTE DO DIA 31 DE AGOSTO DE 1850.
Pram presos: ordem do delegido,
Germano, esenvo de Jos Joiqulm do Reg,
por andar fgido ; e Francisco, escrivo de
Minoel da Silva Ferreira, para correccio :
ordem do subdeleglo da freguezia de
S.-Frei-Prei-Pedro-GonQlves do Recife, o
reto Benedicto eseravo, por estar armado
de um canivenete : a ord<"m do subdelega-
do da freguezii de S.-Jos, Joflo Raptista da
Encarnadlo, para iveriguicOes policiieg :
edo subdelegido da freguezia da Ba-
Vtsta, Miguel Jos da Costa alendes, para
crrecefio. _____ _________
COMWERCIO.
ALFANDEGA.
Ilendimenlo do dia 31 .... 3:293,998
Dticamgam boje 2 di Miembro.
Barca WIHam-Btutell mercadorias.
Brigue-- Loper farinba e bolaxinha.
Brigue Amanda smenlo.
Sumaca Flor-de-Anglim ilgodo, fu-
mo e charutos.
RENDIMENTO O NEZ DE AGOSTO DE 1850.
Rendimento total......836:423,395
RestituitOes ........ 80,300
236:343095
...eitos deconsumo........230:389,765
Espediente de 5 por *j, dos g-
neros com carta de guia... 76,113
Dito de 1/2 por cento dos gene-
ros do paiz............ 130,993
Dito de 1 e mcio por cento dos
despichoslivres......... 38,064
Armazcnagem de 1 por cont das
mercadorias........ .-. 2:592.445
Dita de 1 por cento da plvora. 239,784
Premio dos assignados de meio
por cento............. 2:318,273
Multas calculadas nos despachos 363,531
Ditas diversas, romo do livro
respectivo a n. 2........ 48,000
Emolumentos de certidoes co-
mo do livro a fl 3 v...... 15,960
Imposto dos despachantes ge-
raes, como do livro a 0.10 v 125,00o
Feitio dos ttulos dos mesmos,
dos eaixeiros despachantes o
aldanles ditos, como do livro
a n. 10 v............. 4.800
Tala do sello dos mesmos ttu-
los, como do livro a fl. 10 v. ,320
Rt, 236:343,093
Sai seguintci 'eiptclet
Ean dinlieiro.....118:110,912
Em assignados.... 1I8j232, 183
Rtceila extraordinaria. ^
Novo evelhos di-
leitos recebidos
de diversos em-
pegados...... 70.000
Dtpoiilot.
Em balanco no ulti-
mo de julho. 3:748.540
Entrados no corrente
mez.........4507,256
------------8:255.796
Sabidos....... 057,662
Rs._____4:198,131
Nal teguintes eipeciei.
Em dinheiro..... 1:364,524
Em leilras ...... 2:833,610
Alfandega deP rnambuco.31 deagbstoda
1850.O escrvSo nleriuo, Francisco de
Paula Goncalvu da Silva.
CONSULADO CERAL.
Rendimento do dia 31.....1:190,948
Diversas proviucias...... M.7C5
jjftjgl 1:257,713
EXPORTACAO .
Dupaebo mar i limo no iia 31
llavre, brigue fianees Cesar, de 231 tono-
lidas : coudui o seguale : 646 aaccas com
3,235 arrutus o libras de algodao e 458
saceos com 2,290 arrobas de assucar.'
RENDIMENTO NO MEZ DE AGOSTO DE 1850.
Consulado dsete por
cenlo 13:566,809
1:883,925
Micoragom para fura
do inferi.
imperio
--------------13:566,80
1:136,918
---------3:020,843
Diraitotdo 15 por cento 7,500
Ditos de 5 por cento 665,000
Expediente da capataz! 811,500
Multas 803,997
Sello Qxo 669,360
Emolumento de certi-
does 10,400
2295,257
Divtriai provincial.
Dizimo do algodio do
Rio-Grande doaaorle 3,960
Dil dito da Parahiba 363,695
Dito do assucar das
Alagas 498,787
19:555,409
Depsitos sabidos
Ditos jHstbnles.
130.292
2:244,(09
866,448
20:421,851
Mesa do consulado do Pernambuco, 31 de
agosto de 1850.
O escrivio,
Jacome Gerardo Mara Lumacbidt Vello.
RECEBEDORIA DE RENDAS CERAES
INTERNAS.
Rendimento do4ii31*.....5H.438
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia31......4:116,657
RENDIMENTO NO MEZ DE ACOST DE 1850
2:336,025
6:353,711
1:000,320
8:568,913
1:231,262
3'
Diretos de 3 i
Ditos de 5 '|,
Gipatazia
Decima dos predios urbanos
Meia aiza dos eacravoa
Sello de hersnea e legados I 381.514
Novos evelhos direilos 863,423
5,000 por escravos despachados 30,000
Emolumentos de passaportes de
polica 5.*00
Imposto! de 12,800sobre diversos
estabalecimentos 1:568,450
Emolumentos do patentes de ofll-
ciaes da guarda nacional
Imposto sobre caaas de modas
Matriculas
Imposto de 20 por 0|0 n'agoar-
ileiito do consumo
Malla*
Juros
80,000
20,000
579,560
92.759
32,964
93:671.901
Mesa do consulado provincial de Per-
nambuco, M de agosto de 1850.
No impedimento do escrivio o escriptursno
Jote Cavatcantl de Albuquerque.
PRACA DO RECIFE, 31 DE ACOST DE
1850. A'S 3 HORAS DA TARDE.
Revilla lemanal.
Cambios-------Pelo paquete inglez Seagul,
que aahio deste porto para
o de Liverpool a 29, saca-
ra m-se cerca de 15,000 fia
27 I /t d. por 1,000 rs.; mas
hoje ha lettras olTerecidas a
98 d.
Algodilo-- Entraran! 1,050saccas, eas
vendas regularam de 7,200
a 7,400 rs. a arroba de pri-
* melra sorte. e de 6,800 a
7,000rs. adejegunda.
Assacar--------Existe mu pWco em ser, e
os preeossto aremnaes.
Agurdente- Vcndeu a f* 45 a 50,000
rs. a pipe,
Couro* dem de 104 105 rs. a li-
bra.
Bacalhao Chegarem 2,236 ha inca do
novo, que foi vendido acer-
care 19,500 rs^e e reta-
Ihou a 13,000 rs. 0 depo-
sito do velbo esta.raduzido
1,208 barricas, 6 qual se
realos de Ha 11,500 rs
por barrica.
lii'lacliinha Cnegaram4O0brrquinhas
dos Estados-Unido?, que
foram vendidas com 50 cai-
xs de i'b enligo a preco
peculio.
Carue socca O mercado foi supprdo
com 16,852 arrobas. As
vendas foram regulares ios
precos de 9,400 a 2,800 rs.
i arroba. A existente bo-
je apenas chega a 25,000 ar-
robas.
Farinha de trigo o deposito monta a 2,800
barricas, inclusive um car-
regmento chgado de Phi-
ladelphia, pele qual os pos-
sui lores pdem 18 a 19,000
rs. A franceze marca, ba-
ron, vendeu-se a 90,000 rs.
a barrica.
Girrafoes Vendeo-sa urna partida de
750 a 900 rs. cada um.
Louca Fizeram-ie vendas ds in-
gleza ordinaria ao premio
de 920 e 340 por cento so-
bre a factura.
Manteiga Venderam IfObarris da ie-
gleza a 480 rs. a libre, e al-
gumas pailidas da francoza
de 390 i 400 rs. a libra.
Vinhos-----------Chegaram.150 pipas deMa-
' lK"> 1U0 anda esto por
vender. O de LiabOa tinto
de autores de segunda no-
ta vendeu-se de no a 118
mil rs. a pipa.
Ficaraaajao porto47 embarcif 6>, e sa-
ber : 2 'encanas, 31 brasileiras, 3 iranca-
zas, 2 hespanbolas, 0 inglozas, I portugue-
za, 1 dinamarquesa e 1 hamburgueza.
1UO-DE-JANEIRO.
c.maios NO da 19 dk agosto.
Matsdlad til das, b ira ing'eza Conrad.
de 367 tonel.:s,cai-i'.moJ.M. NpI, equi-
pagem 14, car^a pno hasil; ao capilo
Vem refrescare se^u' pnr.i Liverpool,
ten lo-lhe a audo veda o a commun-ca-
cSo com a trra.
avioi lahldot no metmo dia.
Acrc Patacho nacional Emulaedo, ca-
pito Antonio Gomes Pereira, oquipagem
9, carga varios gneros. Conduz 25 pas-
asgeiros brasileiros.
Parahiba Hiate brasileiro kxalacao. mes-
tre Jos Duarte'de Souza, carga varios g-
neros. Pssssgeiros, 0 Portuguezes Jo3o
Augusto de l'inho e Antonio Manoel de
Lomos, os Brasileiros, Antonio de Calu,
Jos Joaquim de Mauricio, o padre Ange-
lo Raptista e Jos Antonio Eernindes.
Virios entrada a Ha 1 de elembro.
Stnla-Catharlne 2t das, brigue nacio-
nal Coneeico, de19 toneladas, mestre
Manoel Francisco do Res, equipagem
14, carga farinha de man lioca ; a Manoel
Alves Curra Jnior.
124 600 *"Mdltnd dM' bl."* '"i16", *""'*'
n'non de 303 toneladas, capiWc John t.halbBrs,
equipagem 11, carga po-brasil ; ao capi-
ISo. Vem refrescare segu para Liver-
R'S-de-Janeiro 8 dia, brigue hespanhol
Arturo, de 206 toneladas, capitSo Pablo
Resoma, equipagem 14, em lastro ; a N.
O. Bieber & Companhi-
Sene 43 dlaa, barca franceza Lula, de
176 toneladas, capitoTumbares, equipa-
gem 1, carga vinho eazeile ; i viuva B.
Lisserre.-- Fundeou no Limeirflo.
Rio-de-Janelro e portos intermedios -- II
dita e 8 1/9 horas e do ultimo 19 1/2 no-
ras, vapor Pweamouima, de 200 tonela-
das, commandante Otten, equipagem 29.
Pasaagciros : para esla provincia, o de-
putadu Francisco de Paula Baptists com
1 eseravo, o tenante l.uil Jeronymo Ig-
nacio dos Santos, os Portuguezes Manoel
Jos de Carvalho, Manoel Jojquim Duarle
Guimarese Antonio Teixelta Pinto. Ni-
colao Jos Ferreira, JoSo Dogo de Mello,
Antonio Jos Mara Alelua, Uroelino An-
lero d'Arroxelos Cilvo com 1 eseravo,
Joto Jos de Miranda, 3 ex-soldados
uma eacrav a entregar: pra o norte, o
brjgadeiro Ileoriques Marques Lisboa com
1 eseravo, o Dr. Jos Lourenco de Castro
e Silva com 2 escravos, o Dr. Varalo Bao-
deira Duarle com 1 eseravo, e 3 ex-sol-
dados.
rt'arifii tbidos no metmo dia.
Ceara Escuna nacional Maria-Firmina,
mcslreJoSo Rernardo da Rocha, carga
fazendas e mais genero. Passageiros, o
Portuguex Antonio Coelho da Fons^ca,
os Brasileiros Antonio de Oliveira Bores,
Manoel Paz Pinto de Vasconcellos e M
noel Antonio da Rocha.
dem -- Escuna nacional mMa, capilo An-
tonio Silveira llaciel lunior, carga varios
gneros raseageiros, Anto lio Cardoso e
Braz Antonio da Rocha.
Aracaty -- Hiate nacional Ligeiro, mestre
Jos Joaquim Alves das Neves, carga va-
rios geneos. Passageros, Vicente Cru-
eldo Amaral, o padre Clementino Jos
ernandea e 2 escravos. ___
las o boas de veffss, is quaes se scham bnm
pparelhadas promptas a seguir vigge.m ptra
qualquer porto, sendo uma de 35 caixas,
'.utra de 20 e outra de 18, as quaes se ven-
:em porcommodos prer;o;,n3o s s dinliei-
'o, como a prazo com boas firmas, o' mes-
mn se troca a troco de escravos, ou de algu-
ma casa nests praca, oe pretendentes pode-
rlo ir ve-las no Forte-do-Maltos julito ao
traoich') do algodSo, onde se acham fundea-
das : a tratar na ra da Cadeia do Recife,
loja n. 54._____________________________
Leilo.
~ Schafheitlin& Tobler farSo lelSo, por
intervencHo do correlor Oliveira, de um es-
plendido sorlimento de fazendas de tolas
as qualidade. eas mais p-oprias do*mer-
terta-feira, 3 de setambro, s 10 ho-
-0 abiixo assignado, faz ver aoSr. ar-
rematanlte do imposto dagoardente, e de
espirito de produccSo brasileira,.que de no -
je em vanle n5o continua a vender mais
taes gneros em sua venda, na ra do Viga-
rio, n. 12. Recif, 31 de agosto de 18a0-
Themoteo Finio lial-
- No dia 3 de setembro as 4 horas da lar-
de, a porta do Sr. doutorjuiz dedireitodo
civel da primeira vara, na ra das Rlore-,
iri a praija de venda uma casa terrea em
Fra de Portas, ra do Arial de Nossa Se-
nhora do Pilar, por execu^So de JoSo l-ran-
cisco Teixeir, contra a irmandade de San-
TiagfJ.
~ o absixo assignado, faz sciente ao res-
peitavel publico, que ninguem faca negocio,
nem iransaccilo alguma com uma letra da
quantia de 872,009 rs., acceita pelo mes-
mo abaixo assignado que. disem exis-
tir em poder de Joaquim Perer
caoo _.-.._,----------------, vm wl ^ pvw -- -- -
ras em ponto, nosouarmazem, ra da Cruz. Va, pois a n3o paga senSo ao seu leguimo
F. H. Lultkens far leilSo, por interven-1 |ono 0 padre Francisco Pereira da Silva, bo-
cio do corretor Oliveira. de um esplendido; j.) existento em Portugal. E para que se nao
sortimenlo de metaes, ferragens e miude- chemem a ignorancia, fa?o o presente a"n
zas, saber : de metaes ferro Inglez cha- nuncio psra evitar qualquer duvida que
to, chumbo em 1 m^ol e de muncSo; de fer-
ragens faccas e garfos de muitas quali-
dades, faccas ele ponta, dita desapateiro e
cabo leve, limas inglezas eallemSes, serro-
tes, navalbas, caivetes'rame lino de la-
ti, chaleiras panellis, pregos do ferro de
varias qualidades e varrumas ; de miude-
zas bandejas piuladas, espelhos de gave-
ta, boloes diversos, colxetes. pennasd'ico,
etc.: quarla-feira, 4 de setembro, s 10 ho-
ras da manira, no seu armazem, ra do
Trapiche-Novo. _______
Cambios sobre Londres
Lisboa
Parit
Ha m burgo
Metaes. Onfashespanhlas .
da patria .
Pecas de 6/400, velhas
. Hoedas de 4/tlOO. .
Pesos bespanhea. .
> da patri. .
Patacei > .
Apolicei de 6 por cenlo .
prorincla.es
281(4
99
336
625
30/000
2U/700 29/800
16/200
-laM/aoo
CAMBiaS
Londres. .
Paria ....
Ilamurgo .
Llibi e Pi-rto
. 0
... 8JI;2V
(Jornfft do Commereio.)
BABIA,
no au 2()Dcoiro.
.... 28
: : : : I
.... 105 a 110
Onfat heapaublas.
neticanaa .
Pecas de 8/400 .
novaa .
Modaa de 4/000. .
PalacOea braiileiros.
heapaubea
menicanos.
3I/U00 aoi/oou
301500 a 3I/0O0
16/500 a 17|n00
16/000
. /200
. 1/S80
. >/8
. 1/910
l Mercantil.
Declara 4; o es.
O Hlm. Sr. director 4 obras publicas.
em cumprnaiito da ordem do film, e Kxm.
Sr. presidente da provlncii de 21 do cor-
rente, manda fazer publico que, Serio ven-
didas a quero mais offerecer, as antigs gra-
des de tetro da ponto do lioa-Vista asairo
como, urna poreflo de ferros velhos exis-
tentes nos armazens da rm'siin. As pessoas
que prelenderem a compra dossupra men-
ciona Jos objectos, comparecam na salla d>
repirtiflo das obra publicis, no dia 2 de
setembro pelo meio dia. E para constar, se
mandou publicar o presente pelo Diario.--
Secretaria daa obras publicas, 92 de agost
de 1850. O seoretaro, Soaguim Francit-
0 de Mello Santal
^CONSULADO DE PORTUGAL EM PERNAM
BUCO.
aoaqoim Bautista Moreir. bacharel forma-
do m di'eito, cavalleiro na ordem de
Chriito.e cnsul de Portugal em Pernm-
buco, por s. M. FideUtsim a Sra. D, Ma-
ra II. que Dos Guarde &c
Fac saber lodosos meuscompatriotss,
residentes nesta ridade e provincia, que
por ordem superior, que me foi transmitir
da e especialmente reconunendada, para
fim de se poder dar o conveniente cumpri
m Mito as dis, osicoes sobro estalislica, e ou
tras, sedieem apreseutar nesle consulado
lodos os subditos portuguezes, que, ten
do aqu fixaJo a sus moradia, anda
se nflo "houterem nelle ratriculado, como
Ihe cumprc, nSospafa a devida reguliri-
dade, mas para que assim se possa mais
prouiptamento dar a COinpalivel protecIu
(leste consulado.
Convidando, pois, os meus compatriotas,
ao cumprimenlodutedtver, 00 miis breve
espajo de lempo, Ihes lembro lambem por
esta oecaaiau o dever que igualmente teo
de te munireai dos reapectivos ttulos de re-
sidencia, na forma doa regularaeotos poli-
ciaes deate imperio, par se livrarem do*
embaraces que Ibes p le causar a ralla del-
les, e melbor e mais perfeilamenle terem u
direito i competente garanWa das aulori-
dales brasileiras, e as respectivas isemp
Coes como estrangeros.
Consulado de Portugal em Pernambuco,
aoa 17 de julho de 1850. *oaquiia Bopiiila
Mor lira, cnsul.
O vapor Ptrnambucana, re-
cebe as mallas para os portos
do norte hoje ao meio-dia : as
correspondencias que vieren
depois dessa ora pagsrSo o poite duplo at
uma hora. ^^^__________
Avisos diversos.
No dia 7 do corrente sahir luz A
IMPRENSA, jornal poltico e social, destina-
do sustentar os principios do partido li-
beral desta provincia. Publici-se na typo-
graphia nacional, que se cha nos segundo
e terceiro andares da cssa n. 5 da ra Direi-
t, o assgna-se na niesma tjrpographia a
3,000 rs. por trimestre, 6,000 rs por semes-
tre el 2,000 rs. anniialmenlu ( admitidos ).
) jornal, como se v pela inJicacio de
sua natureza, he lambem commercial e no-
ticioso ; aceila gratuitamente todos os ar-
tigos que tiverem immeJ ata ligacfio com
seus principios, einteressirem ao publico.
Publica-se diariamente, e com o mesmo
formato do Diario Novo.
O abaixo assignado com venda na ra
do Itozario da Boa-Vista, n. 2, faz ver ao
Sr. arrematante do imposto d'agoas-arden-
tes de prodcelo brasileiro, que desde 31
do prximo passado, nao vende mus ditas
bebidas, fiesndo assim na ordem de n3o
afferir o termo dellas, qusnlo isto linha
|*|g,r-.
ot Francitco Teive.
--Jo- Antonio Marlins dos Santos, csta-
belerido na ra da Cadeia de Santo-Anto-
nio, n. 20, com loja de palhinha, julga nada
dever neata praca, rorem se alguem se jul-
jar seu credor, aprsente suas conlas no
prazo de oilo das da data deste, para serooi
pagas.
-- Dogo Rodrigues, fz sciente aos se-
nhores arrenatmtes do imiosto d'agoar-
dentn de producto brasileira, que(desdeo
dia 31 de agosto deixou de vender* agoar-
dentc na sua venda em Fra-de-Portas, nu-
mero 135.
O abaixo assignado faz publico a quem
possa i leressar, que da data deste em di-
ante deixa de vender ago'ardeate de pro-
IucHo brasileira na sus vend di ra da
Cruz, n 39. Recife, 31 de agosto de 1850.
Manoel Fernanda da Costa.
Piecisa-se de 1:500,000 rs. apremio,
conforme se poder arranjar a respeito do
tempoeo premio j di-so boa firma : quom
este negocio qiiizSr fazer, anouncie para
ser procuiado.
O abaixo ass'gmdo faz ver ao Sr. arre-
matante do imposto de ago'ardente eesp-
Movimento do Pnrlo.
------------------------------------------1------------------------------------------------------.------------------
Naviot entrados no dia 31.
Rio de San-Frncico >^S8 das, naf te racio-
nal S*aia-j!fttaio-F neladas, mestre Andr Bexerra de Souza,
equipagem 3, carga varioa gneros ; ao
mestre. Passageros, o Brasileiros padre
Antonio da Silva Huirle, Minoel Fran-
cisco Mauricio, Jo Filippe Hoarque, Ma-
noel Ferreira de Miranda.
Panbiba da, billa cucionil PoreaUAst-
o, de 33 toneladas, mestre Nicolao Fran-
cisco da Costa, equipagem 4, earga tora
de mangue ; ao mestre.
Avisos martimos.
Para o Acarac e Cear segu com bre
vidade, por ler parle da carga prompta, o
patacho Samla--Cru : par o resto e passa
geiros trata -se ao lado do Corpo-Saoto, lo-
ja de massamea, n. 25, ou com o capitSo
Joaquim Pereira.
Barcaca.
Vende-se uma barraca nova, com todos
os appareliios, prompta a seguir viagem
por preco commodo : para ver, no caes do
llamos, e para Utisr, n* :us s Ctsspe
o. II.
Vecdem-se tres barcic*, sendo uma
dallas da primeira vigem, bem constru-
possi apparecarao futuro. -- Jooouim fran-
citco de A zevedo.
Oahaixoassigmdo. faz verso Sr. ar-
rematante do reposto dagoardente. e es-
pirilosdeproduccno brasileira, que de hoje
om vante n3o contini a vendar laes gene-
ros em sua taberna, na ra do Pilar, n. 88.
Recife, 31 de agosto de 1850. Minio An-
tonio Coutinho
O Telegrapho.
O 8 n. deste peridico, estar a venda
hojean meio-dia, na loja de Sr. Dourado,
no pateo do Collegio, n. 6,; traz, alern de
oulros nteresssntes artigo?, um a alisan-
1I0 a recita de 28 do passado, na theatro do
Santa Izihel.
--O abaixo sssignado, faz ver aofr. ar-
rematante d'agoardente e espirito do pro-
dcelo brasileira, que nio continua a von-
der laes genaros em sua taberna, ni ra do
Pilar, 131. Recif*. 31 de agosto de 18j0.
Joelonqulm Gonealvet Catea*.
Malheus Ferreira Franco, Portoguez,
retira-se para fra do imperio
A requerimentodo doutpr procurador
fiscal di fazendi provincial, em o
dia 3 do setembro, se arrematado os se-
guintes livros.
Seis ordenaces do Reino, a 12,000 rs. ;
72,000 rs.; 7 obras da Lis Teixeira sohre di-
reito civil, a 12,800 rs., H9.600 rs ; 3 ditas
de Ortolim legislic-lo penal, comprad a
5,000 rs 25,000 rs ; 35 ditas, segundos
cantos de Das a 2,000 rs. 70,000 rs. ; 7 di-
tas, livrarias classicas portuguezas a 8,401)
rs 58,800 rs. ; urna dila, cotleccSo de le-
gislacio portugueza por 108,000 rs.; 4 dita
repertorio de Fernandes Thomaz a 6.800 rs.
940 rs.; 54 dilas do burros de Salustio a
918.G00 rs., 48,603 rs. ; 6 dlas conselheiro
do povo a 3,500 rs. 21,00); 30 ditas Bomm
cdigo penal a 2,000 rs. 60,050 rs. ; 14 ditas
de Chauviou a 20,000 rs., 280,000 rs.; 410
ditas direito natural do Aulrana 1,500 rs.,
643,000 rs.; 200 ditas de Ortalam a 1.000
rs 2008 rs. : 100 dilas pliilosophia de Cou-
sin em portuguerz 600 rs.* 60,000 rs. ; 70
dilas licOes criminaos a 2,000 rs., 140,000
1 rs. ; 20o ditas granimatica de Salvador a 200
I rs., 40,000 rs.; uma dita de Malvina por
Madame Colem por 3,8)0 rs Os quaes toca-
rio em parlilhas, a mesma fazen la no in-
ventario dos bons deixa los pelo finado bJ-
cbarel Bernardo Jes Viera Coutinho.
Pelo juizo dosfeitos da fazenda no dia 3
de setembro as horas do costume, sa arre-
matara por execucio da fazenda provincial,
o seguiite :
Uma casa de sobrado de um andar, na
ra da Paz dos Afogados, com 40 palmos
de frente, 70 de fundos, quintal murado, e
cacimba, callos proprios, avaliido em rs.
1:500,000 rs. peuhorad a Manoel Coesalves
Sjrvini.
Uma cisa terrea no boceo do Quiabo, Um -
bem na povoacio dos Afogados, coii 30 pal-
ritos de produccio brasileira, que de hoje; mosde frente e 42 de fundos, avallada am
em diente nBo contina a vender taes gene-' (gn.OOO rs. penhorada a Anna Maria da
ros em sua taberna, ir -
ro 145. Recife, 31 de
tinua a vender taes gene-; ,60 00() rs#
, na ra do Pilar, nume-|pajXj0
de agosto 'do 1850. Jos lIm gt0 je trras proprias, no lugar de
Santo Amaro, casa de vi venda com 47 nal-
Goncalret Beltrio.
O Sr. Jos da Silva Muniz io pJe re
tirar-se para Mossamedes sem que primei-
ro paguea abaixo assignada a quanla de
70,030 rs., que por sua merr pagou i fi-
zenda nacional, por isso Ihe avisa para seu
governo ~ Rila Francitca do Monte.
Offerece-se um homem viuvo, que tem
boa lettra e prat de qualquer eslabelecimento, o qual esla
isento da guarJa nacional: Juem precisar,
annuncie.
Precisa-se de 500,000 rs. a juros com
bypolheca em um sobrado de um andar :
quem livor, annuncie, ou dirjase 1 ra Di-
roita, n. 91, a qualquer hora do dia.
O abaixo assignado faz ver ao Sr. arre-
mota uta do imposto de ago'ardenlo e esp-
ritus de produccio brasileira, que de hoje
em dianU ni contina a vender taes g-
neros em sua taberna, na ra dos Cuarara-
pes, n. 6. Recife, 31 de agosto de 1830.
Manoel Coelho Pinheiro.
Oabaixo assignado dei bebidas espirituosas de produccio brasilei-
ra ims suas vendas da ra do Vigaro, n 8 ,
ra da Cacimba, n. 1; e becco do Monleiro,
n. 6< Recife, 1 de setembro de 1850. Jodo
Simdo de Almeida.
No dia 4 do corrente, pelas 4 horas da
tarde, porta do Sr. Dr. juiz do civel da se-
gunda vara, na ra Nova,Se hilo do arrema-
tar Jous escravos e uma negra*: quem os
prctiMu" Ccn'.piTcy (tiv iia m ulLlllia pid^a.
Nos abaixo assignados fazemos ver ao
Sr. incniatanto Jo imposto de prodcele
brasileira, quede hoje em diante nio con-
tinuamos vender laes gneros em nossa
taberna, na ra do Pilar, 11. 147. Recife, 31
Je agostone 1850. osi Goncalvu Beltrio
Jnior & Irmio
O abaixo assignado faz scieote aos Srs.
arrematante) d'ago'ardenle o espiilos de
produccio brasileira, que nio vende nem
tem vendido' ha mais de oilo annos taes g-
neros no Seu armazem de molhados, sito na
ra do Encantamento, n. 11. Francitco X
4f. Baila. "4
Jos Correa Nunes portuguez, retira-
se para fra do imperio.
Aluga-se o segundo andar e sotSo, cor-
ridor do sobrado amarello, n. 6, da roa
Augusta : a tratar na ra do Amortm, n. 15.
-- Aluga-se quem quizer passar O ve-
ro a tala prxima, a uiuicommoda casa
terre sili no Monteiro, contigua ao sobra-
do em que mora o Sr. Corroa: m ruada
Aurora, n. 48.
mus de lente e 65 de fon los, cosinha lora,
estribara e comarvoredos de frente avaha-
do por 6:400,009 rs. penhorado a Elias Coe-
lho Cintra.
Uma escnvi de nome Joinni, de idide
40 annos, avilada por 300,000 rs.; outra di-
ta de nome Juliana de fdade de 5 annos a-
valiada en 350,000 rs.; penhorada a Joio
Joaquim de Figueredo e Jos Mara de
Amorim. ,
Quilro chapeos de seda branca, avahados
por 8,000 rs.; uma armado de balcio de
loja avahada em 1.000 rs. penhorados 1
Bernardo Farreira Loureiro As rendas de
uma cas de sobrado de 2 andtres. na ra
do Padre Floriano, avahada em 200,000 an-
imal, penboredas a Carlota Paulina Muniz
Soares. .
~ Firmino de Alcntara Cumiantes, sub-
dito portuguoz, relira-separa Mossamedes.
- Francisco Alves Veiga deixou de ven-
der agu'ardente de proluccio brasileira,
deaJeSIdeagdUo, na sua laverna da ra
de S.-Amaro, n. 8. *
mmmmmmsmmemammkwmmemmtamBmBan^
Compras.
Compri-se um calix do prata dourada:
na rea do Livramentp, n. 34, loja.
VDmpra-se o segrado da natureza, e os
searedos precisos na ra Nova, n. 18.
___ rnmiim.i ehTe.livainenl cobre.
chapfje, ziiico, estanho, e lods qualida-
de de Metal velho, nio sendo ferro : n ra
.Nova, n. 38.
Vendas.
- Veajeoi-s
re, moTto ber
se barretes e voltas psra pa-
dres, mTto bem feitas, por preco commo-
do : na ra eslreita do Ikzario, n. 93, se-
gundo andar.
Vende-se um fardaejeoto completo
!e cavailaria da guarda nacional, para ofli-
cjal, ou sargento, em mulo bom uso, por
preco commodo : na.ra da Florentina, n.
7, confronte oHbeatro novo, das 6 as 8 ho-
ras Ja na nhia, e das 4 s 6 da tarde.
Vende-se uma espada prateada, talim,
canana, barretina, barroUo. banda, drago-
nas, todo para inferior de caviliiri de
guarda nacional, e em bom estado napa-
leo do Collegio, 0. C.
Vend-se um par de d rajonas para o ni-
dal subalterno da guarda nacional, e uma
barretina ; na ra Nova, n. 18.
IVEL


Vende-ge, on permota-se por predios
nesta praga o engenho lint, na freguezia de
S.-AntSo, com trras sufflcientes para plan
tagoes, com boa casa de venda, e todos
os mais pertenccs: na ra da Paz, ou do.
Cano, n. 40.
Moendas superiores.
Nafndigfiode C. Starr cm S. -Amaro, acham-sea venda moendas
de canna, todas do ferro, de um modelo e
constrncgSo muito 'superior.
\ rado de ferro.
Na fundicBo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferroua diversos mn-
ieloi.
.. Vendem-se amarras le ferro : na ra
da Senzalla-Nova, n. 49.
Vende-se farinha de Santa-Calhariua.
muito superior, a bordo da galeota Santini-
ma-Trindad'', fundeada junto ao caes do
Collegio.
Kap Paulo Cordeiro,
viajado do itio ao Para e do Para a Pernam-
buco vende-se na ra da Cruz, no Recife,
n. 49, loja.
Acaba de chcgar
loja da ra do Crespo, n. G, um
novo sortimento de fazendas La-
ratas,
como sejam : cassa-chitas muito finas, de
cores (xas e com 4 palmos de largura, a
320 rs. o covado ; cortes de ditas a 2,000 e
a,400 ra. j riscadodn linho, a 240 rs. o co-
vado ; dito de algodSo americano para es-
cravos, a 140 e 160 rs. o covado; dito mons-
tro com i palmos, a 200 rs.; zuarte azul, a
200 rs. o covado ; dito furta cores, a 200
rs. chitas de cores filase de bonitos pa-
drOes, a!60el80rs. o covado; cortes de
fuslSo, a 600 rs,; chales de tarlatana, a
1,280 rs. ; meios ditos, a 320 rs.; coberto-
res de algodSo de cor, a 640; alpaca prela de
cordo e com sete palmos de largura, a
1,280 rs. o covado ; e oulras muitas fazen-
daa oin conta.
Presuntos do Porto,
de superior qualidade, a 8,000 rs. a arroba :
vendem-se no armazem de Joaquim da
Silva Lopes, na ra da Madre-de-Deos.
Cal epotassn.
Vendem-s barris com cal de Lisboa, pe- ~_or preeo commodo.
Vende-se o enganho Sebir do Caval-
canti, por convenci do tutor dos orphSos
do casal do fallecido JoSo Carlos da Silva
GuimarSes, e para pagamento dos credores
lo mesmo casal: esto engenho he um dos
melhores'da provincia, moa com agoa e
tem excellentes obras, o torras para se le-
va ntar-ontro engenho ; he situado em Se-
rnhSem, ejem o rio junto do engenho :
quem o pretender, drija-se ao mesmo en-
genho, a fallar com o referido tutor JoSo
Manoel de Barros Wanderley, ou nesta pra-
ga, com Manoel Ignacio de Oliveira, na pra-
ca do Commercio, n, 6.
Charutos de lia vana,
de superior qualidade : vendem-
se na ra da Cruz, n. 10, casa de
kalkmann Irmaos.
Oleodelinhaca
em botijas: vende-se no arma-,
zem da rua do Amoriin, ns. 56 e
58 e no armazem do Annes, no
caes da Alfcndcga, a tratar com
Manoel da Silva Santos.
Vendem-se relogios de ou-
ro e prata, patente inglez .- na ra
da Senzalla-Nova, n. l^i.
Taixas para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Itrum,
caba-se de receber um completo sortimen-
to de taixas do 4 a 8 palmos de bocea as
>]uaes acham-se a venda por preeo com-
modo i' com promptidSo embarcam-s,
ju carregam-seem carrossem despezas ao
comprador.
Deposito geral do superior ra-
q p Alfcia-I'reta da fabrica
O deGaotois Pailhet& C. <>
- Na taberna de Domingos da Silva Cam-
pos, na ra das Cruzcs, n. 40, ha bixas Ham-
burguesas para vender alugar, tanto por
junto como a retallio.
Alias modernissimo.
Acaba de chegar um novo atlas de Gco-
graphla moderno, composto de 40 cartas co-
loridas com lodo o systema planetario em
estampas coloridas por M Cortamber-, pro-
fesor de Geograpbia e historia em Pars :
cdicSo de 1847: vende-se no pateo do Col-
legio, casa do livro azul.
Vendem-se urnas vaccas com crias e
sem ellas: no Barbalho, a fallar com Ma-
ximiano cas Chagase Silva;
Vinho de Bordea ux :
vende-se na ra da Cruz, n. io,
casa de Kalkmann limaos
Vendem-se chitas-casias de cores Oas,
a 160 rs. o covado j e outrss muitas fazen-
das barata: na ra do Passeio-Publico,
n, 11.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de
differentes modelos : na ra do
e io, fabrica de
lo diminuto preeo de 3,000 rs. o barril; di-
tos da mais nova e mais superior potas.se do
Rio .de-Janeiro, por barato proco : na ra
da Cadeia do Recife, n. SO.
ovidade.
Novo sortimento de panno de linho do
Porto, em pecas de 18 varas, a 800 rs. a va-
ra :jia ra do (juemado, u. 27, armazem de
Raymundo Carlos Leile.
Farinha de mandioca.
Na ra da Cruz, no Recife, armazem n.
13, ena ra da Cadeia, armazem de ('..im-
peli &Filtio, vende-se farinha de mandio-
ca do Cear, muita alva, gommosa e de ex-
cllente gosto, tinto em pequeas como
em grandes porces, por prego commodo.
.\a ra do Cabug, loja do Duarte,
vendem-se bolOes Pedro II; ditos para ca-
vallaria ; ditos para infantera; ditos pre-
tos e amarellos para casaca; ditos de ma-
tlre-perola ; ditos para enfeites de palitos
de meninos ; ditos brancos e amarello para
libr de pagens;e ditos bronzeados.
Na ra do Cabug, loia do Duarte,
vendem-se quadros de santos com mul-
duras douradas, a 500, 600 e 800 rs.; calun-
gas de vidro de diversas qualidades ; tran-
cha de ISa para enfeites de vestidos; grava-
linltas desetim; e enfeites de vestidos de se-
nhora.
Vende-se um preta de 3o
annos pouco .mais ou menos, que
lava perfectamente, engomma e
cozinlia o diario de urna casa : na
ra do Vigario, n. 19, terceiro
andar.
A boa pitada.
NRo he elogio, porm sim qualidade,
quem garante o novo rap Princeza, chega-
do ltimamente do Rio-de-Janeiro; este
rap, nSoso naquella provincia tem mere-
cido a aceitaril geral, como em outras son-
de a sua boa qualidade tem sido experi-
mentado, nada deixando a desejar ao roe-
hor fabricante em Lisboa. O nico de; osi-
to nesta cidade, he na ra do Queimado, n
25, loja de miulezas, sonde se vende de 5
libras para cima a 1,300 rs. earelalho 1,400
JSa ra do Sol n. 9,
vende-se urna porgSo de fazendas, que s-
lavam para ir para o mallo para um eslabe-
lecimenlo, eque por motivos deixaram de
ir ; estas fazendas sSo das mais-modernas
que ha na praga e muito Tinas, sendo cam-
biaias pintadas, muito finas e de muito bons
padrOes :ghitas muito fines e mais ordina-
rias; madapolOSs; algodSozinho ; dito tran-
cado, brancoeazl; hamburgo muito lino
e mais ordinario; l.rim de linho para cal-
cas ; ditos de algodSo ira ligado e de listras,
muito proprios para caifas ; riscadinhos pa-
ra caifas ejaquolas; casemiras nara cal-
cas ; riseados monstros: todas estJi faztn-
das venem-se lamo eui porgu cwiuv ne-
talho por muito commodo preeo, so a vista
da fazend he que pdem avadar a bamte-
za, adverlindo-se que nenhuma destas fa-
zendas sSo variadas; tamben) se vendeni
pacas de linho do Porto o melhor qu possa
liaver no mercado.
Vende-se um preto moco o sadio, com
propensSo de msrinbeiro, para, onde pede
queseja vendido : na ra larga do Itozario,
ii. 14, por cima do culileiro.
Pao de lindo do Porto,
puro nojOes a preeo muito commodo: ven-
de-seno armazem do A.V. da Silva Barroca,
a ra da Midre-de-Ueos, n. 26.
Vende-se barato.
Na ra da Sanzalla Velha, n, 9ft, vnde-
se alhos muito baratos., a vistafaz f e sen-
do a dfnheironem diga o preeo, porque po-
da ser que S uimcn?.
. Na loja de fazendss da ra do Queima-
do, n. 45, vende-se para acabar o resto de
na fiahia.
g Domingos AlvesMatheus, agente da~r
^fabrica de rap superior Areia-Preta da^
gBfbia, tem aberto um deposito na ruaj?
V'da Cruz, no Itecife, n. 59, primeiro an-O
dar, onde se achara sempre dete vx-'~'
Ocellentee mais acreditado rap: ven-
<5de-sc cm botes de una e meia libra,

O
S~ Vende-se um grande sitio no lugar) do
Manguind, que lica defronte dos sitios dot
Srs. Carneiros, com grande casa de vi ven-
da, de qualro agoas, grande senzalla, oy>
cheira, estribara, baixa de capim que sus
tenia 3 a 4 cavallos, grande cacimba com
bomba e tanque coberto para banho, bas-
tantes arvoredos de fructo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andai.
Na loja de Moreira & Velloso,
vendem-se lindos loucadores de Jacaranda,
muito proprios para rapazes solteiros, tan-
to pelo qualidade do objeclo como pela
coniuiodidade do prec.o que nSo excede a
4,000 rs. : na ra Nova, n. 8.
Vende-ae vinho do Porto em barris de
quarto e quinto | azeitonas superiores ; ar-
cos para barricas e pipas; farinha de trigo
em barricas e nieias ditas ; fio porrete; ce-
vada; prvgos de todas as qualidadcs,em bar-
ricas; enxadas do Porto ; coeiros de algo-
dSo ; retroz lino do Porto : ludo por i rceo
commodo : na ra do Vigario, n. 11, arma-
zem de Francisco Alves da Cunta.
O mais bello gosto.
Vendem-se riquissisaas casemiras, tanto
em gasto como em qualidade: na ra do
Queimado, o. 9.
Bellas cores.
Vendein-se luvas de seda para senhora e
hornern, de ricas cores e fina fazenda : na
rus do Queimado, n. 9.
eiCeQOOG>OCfS>006
l'ara militares.
Vendem-se luvas de camurca bran-
ca : na ra do Queimado, n. 19, casa
<} desirgueiro. r>
0Q6
Fat inba fontana e de
SSSF: "
vende-se na jua larga do Rozarlo, padaria
n. 48, a 20,500 rs. dinheiro a vista; hem
como superior farinha gallega, em barricas
e meias ditas.
Vende-se urna preta da Costa, moca,
lavadeira desabSo, eque cozinha o diario
de urna casa, e he boa quitaudeira: na ra
de llor tas, n. 88, taberna.
Cbeguetn pchincha.
6 p a (del do Aiacaty
a 800 rs. o par .-
vendem-se no Aterro-da-Boa-Vista, defron-
te da buiieca.
lala las no va 5.
Na ra do Azeite-de-Peixe, armazem n.
19, vendem-se batatas fruucezas novas.
Xa ra do
1-ivranicnto.
11. 11,
vendem-se sapa tos de duraque francez para
senhora, a 1,440rs. 0 par; borzeguins de
fazcndas de cores, com biqueira de couro
do lustro, para enancas, a 900 rs. o par.
Vende-ae um banheiro de madoira,
grande que leva 5 canecas d'agoa, para ba-
uho: na ruado l.ivrament, n. 11.
Na loja de Fernandes a
Luz & Irmao, pa ra*
do Livramenlo, n 10, I
vendem-se cassas francezas, as mais mo-
denms que ha, a 600 rs. a vara; ciscados
monstros,- fazenda muito fina, a 280 rs. o
covado ; corles de calcas a iinitagflo de ca-
se mira, a 1,600 rs ; chitas francezas, a 860
rs. o covado ; dita a 940, 220. 200, 180 e 160
rs.; pegas de algodSo, a 2,600 rs.; e oulras
muilaf fazendas por prego commodo.
Keiogio superior.
Na ruado Rangel, armazem n. 36, venda-
una facturada velas de carnauba de pri-Jse umexcellento relogio de ooro, que tra-
meira qualidade, de 6 em libra, a 300 rs. Ibalha sobre 14 podras, por prego commo-
regulsndo urna caixa de arroba 9,600 rs. Ido : allanca-so regular bem.
Aos Srs. chefes de fa-
milia.
Avisa o novo administrador da loja, n. 3,
defronte do bacco do Peixe-Frito, que tem
um coinplelo sort'menlo de fazendas, e que
passa a designar o prego de algumas bellas :
riscadinhos frticezes finos de diderentes
padroes pelo baratissimo preg de 160 ris
o covado, riseados de algodSo de differen-
tes qualidades a 200 rlso covado, cam-
bra as da California a 320 ris o covado, di-
tas parisiense do differentes dezenhos a
320 ris o covado. lengos de cambraia de
cures multo linas a 500 res, grvalas bran-
cas do finissima cambraia a 1,000 ris, cor-
tes de castoritn para caiga de tres e meio
aovados a (,120 ris, e outrss fazendas pelo
mais diminuto prego possivol.
Hamburgo a <260 rs. a
vara.
Vende-se novo bamburgo com listrss de
cores, proprio para lenges, colxoes, tra-
vessoiros, empsnnadas, etc., pelo barato
prego de 260 rs. a vara ; lengos de cassa com
cercadura de cor, de bonito gosto, para se-
nhora, a 940 rs.; madspolSode 94 jardas, a
2,000 rs. e a 120 rs. a vara, e de largura de
tres palmos e meto; bem como um com-
pleto sortimenlo de fazendas tinas e ordina-
rias : na ra do Queimado, n. 97, armazem
de fazendas, de Hay mundo Carlos l.eite.
Vende-se, por 9,000 rs. na casa da re-
sidencia do doutor Lourengo Trigo de l.ou-
reiro, na ra da Saudade, defronte do Hos-
picio, e na livraria da praga.da Indepen-
dencia, na. 6 e 8, a segunda serie do ndice
Chronologico da legislagSo brasileira de
1850, comprehendendo o cdigo commer-
cial do imperio. Nos mesmos lugares se
vende por 5,000 rs. o novo compendio de
praticado processo, obra interessante por
sua brevidade e exactidlo para todos que
se propem o ofllcto de julgar, advogar, e
procurar no foro.
Vende-se um lindo cavado roJado,
muito gordo, novo, bom andador bailo
ale meio, e he de muito bonita figura e bem
feilo: na ra Formosa da Boa-Vista, ter-
ceira casa terrea, vindo pela ra da Aurora;
Vende-se urna escrav de 90 annoa, de
bonita figdra, que cose soffrivelmente, e be
perita lavadeira, rendeira cozinhelra : na
ruadas Lirangeiris, n. 16. se dir quem
vende. 1
~ O propriet, i io do es-
tahelecimenlo da ra Nova, n. 35, annuncia
que tem um graude e completo sortimento
de obras l'eitas, das quaes paasa annunciar
seus pregos que sfio : casacas esobrecasa-
cas de pa nno tino de 8,000 e 10,000 rs. ; co-
leles de seda de 9,000 e 3,000 rs.; ditos de
sarja de 1,000 rs. ; jaqueta de brl pardo
de linho puro de 1,600 ra. ; caigas de panno
fluo de 6,000 rs.; ditas de duraque a 3,000
rs.; casseas de brim e riseados a 9,000 ra.,
e outras muitas fazendas novas e de bom
gosto e por pregos muito com modos. Neatr
ealabelecinienlu Umbem se aproniplam
com toda a presteza e multo hem feitss toda
e qualquer obra que se receba de encom-
menda, ao ultimo gusto, vista dos (igu-
rins chegados prximamente.
Calcado.
\o AteTo-da-Boa-Vista,
delimite da bonfca,
ha ebegado pelo ultimo navio'francez um
novo e completo sortimento de calcado de
todas as qualidades, tanto para homem co-
mo para senhora ; bem como sapatOea de
couro de lustro-para homem. a 5.000 rs.; ..
borzeguins,. 3,800 rs.; sapaiOes do Araca- '>*. oow > mercado, por
ty, os melhores que tem vindo, a"sOO r. co commodo.
Vando-se^ima eicrava crioula, de n
anuos, de bonita figura : na prensa do Jo.
sHilmfitodeBrlto, n. 18.
Eseravos Fgidos.
Fugio, do engenho Machado*, da co-
marca da Ignarsssii, o pardo Francisco, per-
lencentflao senbor daquelle eneenho, Joa-
quim Alves Camello de Araujo Pereira ; he
um tant(eltoaorpo regular, cabello ca-
cheadoJUi barbado, nariz aquilino, re-
presenta^ Si
SOaniHis
mns ou nie-
Iirum, ns. 6, 8 e io, fabrica
machinas e iundicSo de ferro.
Bombas de f^rro.
Vendem-se bombas de repoxo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Bruin, ns.' 6, 8 e io,
fundicao de ferro.
Nova Pchincha.
Ha rua do Queimado, n. 17,
vendem-se ehapos de sol, de seda cor de
caf, a 4,000 rs., e preto a 5,000 rs.; case-
mireta preta para calcas e palitos de homem
e menino, a 1,000 rs. o covado; merino pre-
to entrefino, a 9,400 rs. o covado ; esgulo
fino depuro linho, a 1,410rs. a vara ; eou-
lras fazendaa por barato prego.
luteres.se.
Negocio vantajoso para quem quizer em-
patar pouco dinheiro, ou mesmo alguma
casa para trocar por um terreno na rua da
Aurora, que tem de frente 107 palmos, e
fundos st a rua do lloapico; como se pre- i"me5U/M?,,,Kn,?,,0r
cisade dinheiro, ou cousa que o renda, faz- (. "Fu'o.do Itlo-de-Janeiro, e suppfle-se
se negocio vsntajoso : para tratar, na praca r vindo para es a provincia, o preto Anto-
' nio, escravo de Uellarmino de Arruda C-
mara, oqual tem os signaes seguintes : ef-
pojpa
nos ; eala um lano diafora-to ; gost de
andar pinteado : este escravo foi comprado
em dias do anno prximo passado com 3
companbeirosao Sr. Fonseca, na rua Direi-
la do S.-Antonio desta cidade ; julga-se ter
voltado para aqu, pois segulo nesta direc-
gSo at o engenho Curguya. Hoga-se as au-
toridades policiaes e capitles de campo,
queoapprehendam e levem-no ao dito en-
genho, a seu senhor, ou na rua da Cruz, no
Recife, 11. H, a Francisco d Paula Pereira
de Andrade.
Fugio, no dia 29 de agosto, o preto
Luiz, do Angola, de 35 annos; levou cami-
sa de algodSo azul, calcas de dito de listrss,
de estatura regular, secco do corpo, nariz
achatado, bastante barbado, porm rapado,
com falta de denles do lado superior da
frente, com chapeo de palha pequeo e bas-
tante velho: este preto velo hs pouco do
serillo de Caranhuns : quem o pegar leve-o
a rua do Collegio, n. 1, que sera genera-
da Independencia, n. 17.
Deposito de potassa e cal.
Vende-se muito nova e superior potassa
e cal vjrgem de Lisboa, em pedra : tudo em
barris pequeos de 4 arrobas, por prego ra-
soavel: na rua da Cadeia do Recife, n. 12,
armazem.
Foges para cozinha
muito proprios para sitios e qual-
qualquer lugar aonde nSoJia cozi-
nha, por Dreco commodo^ ven-
dem-se fraila d Cruz, n. lo,
casa de Kalkmann IrmSos.
Farinha de Tapuy
igualmente em sabor, finura e cor a de Mu-
ribeca, propria para mesa : vende-ae na
rua da Cruz, no Recife, armazem n. 13.
Na rua da Cruz, n. 10,
casa de Kalkmann
Irmaos,
vende-ae um grande sortimenlo de
instrumentos de msica, com se-
jam :
Caix.sd guerra
Tambores.
/abombas.
I'andeiros.
Arcos de campanhinha.
Pratos.
Baixos de harmona.
Trobdea.
Trompas
Histea..
Clarins.
Cornetas.
Flautas.
Pfanos.
Cirmelas.
Requintas.
Violoes.
- E tnuitos outro instrumentos.
Na rua do Cabug, loja do Duarte, ven-
dein-se franjase requifes pretos, proprios
para manteletes; loucas de 13a; Illa para
bordar; meias pintadas para meninos e
meninas; chapeos de merino branco, a 5/
ra. ditos deso para meninas, a 1,600 rs.;
castigaes de vidro, a 1,400 rs. o car; ssps-
tinhos de lia para meninos; pipel doura-
do e pratesdo fino e ordinario.
Vendem-se, na rua da Moda, armazem
n. 15, meias barricas com cal virgem de
pelles de marroquiui; ditas de couro de
lustro, a 3,500 rs.; ditos de lezerro fran-
cez, a 2,800 rs,; coudegas de todos os l-
mannos : ludo por prego mais Commodo do
que em outra qualquer parle.
Canelas muito ricas pa-
ra presentes de na*
morados.
Vendem-seriquissaaaeanetas para fa-
zer presentes a joveoa apaixooadas: a ellas,
qbe est!lo-s acabando : no pateo do Colle-
gio, n. 6, luja do livros do Dourado.
Vende-se chita franceza com algum
mofo, pelo diminuto prego de 100 ris o co-
vado : no AUeno da Ba-Vista, loja n. 18.
-.'sif rus auici iciitiiis
muito finas:
vendem-se no paleo do Collegio, o. 6, loja
de livros do Dourado
Ca pachos grandes e mui-
to bem teitos.
Veadem-se muito bons capachos que ser-
ven.! para se por em lugar de tapete : no pa
leo do Collegio, n. 0, loja de livros do Dou-
rado.
Gliegnem pchincha.
Vendem-se cortea de gorgu
rao dealgoiSo e seda, muito ricos
padroe;, para colletcs, a i,2oo rs.
o corle: no l'asseio-Fnblico, n. 11.
Ns !ojs de Fernn''" Ja Luz !rmSo
na rua do Livramenlo, n. 10, vndem-se
corles de casemira, b mais fino qu se tem
visto, e por meos prego do que em outra
qualquer parte. A elle* antea que ae aca-
bara.
prego commodo.
Caf.
Caf com casca, muito novo, por prego
commodo: na rua do A mor m, n. 35, arma-
zem de J. J. Tasso Jnior.
Farinha de S.-Catharina
d mJhor que ha no
Tiicrcado:
vende-se nos armazens dos Srs.
Antonio Aunes, e Dias Ferr ira,
ao p do lampSo, no caes da Al
fandega, em saccas de alqueire,
por niqito b.arbto preeo.
Vndmri-B rias esclavas, urna de 18.
annos,e.a outra. de 22, de bonitas figuras
que cozinham o diario de urna casa, lavam
lesabam e varrella e coscni: o motivo por
que s vend .e dir ao comprador: na rua
da Cadeia de S.-Antonio, no primeiro andar
do sobrado da viuva Cunba GuimarSes.
Vende-se urna prela de nagflo, muito
moga, e da bonita figura, que engomma,
cozinha, faz doces do diversas quslidades,
refina bem assucar, enlende alguma cousa
de costura e de lavar roupa ; um preto que
cosinha e enlende do servigo da campo : na
ruado Rangel, n. 26, primeiro andar, das
8 fearasaU maulla em dianlc.
Vefe-e a tatema do Aterro-da- Boa-
Vista, n. 80. com' poucos fundos, por se
donoso retirar.
Venden,-se correntas para cavallaria :
na na Nova, n. 16.
Vendem-se teaouras linas com parafu-
io.proprias psrs s!fs!ttcs : as rus Kors, lo-
ja o, 1.
Vende-ae um parde bom eoxinheiro,
para quem liver alguma encommeada para
fra da provincia : na i ua da Cadeia de S.-
Antonio, o. 13.
latura regular ji meio calvo, barba serrada,
com suitsas, fallo de denles ns frente, bei-
gos penddrados, nariz chato, representa ser
de niaior idade ; quando falla tem o cotu-
me de revirar nm lauto os blhos: quemo
pegar leve-o a Manoel F.lias de Moura, na
praga da Boa-Vista, que tem autorissgao do
senhor do menciahado.escravo para bem re-
conirenrar aquem o .pegar
Fugio, no dia ario correla, do enge-
nho Pinto, o escravo Antonio, de nagSo
Congo, alto bastante, representa ter 40 an-
nos, pernas linas, ps grandes e apalheta-
dos : quem o pegar leve-o ao dito enge-
nho, ou a ra Direita, n.JUI, quesera ge-
nerosamente gratificado.
Fugio, do engenho S.-JoSo do Cabo,
pela segunda vez, no dia 17 de julho prxi-
mo passsdo, o escravo Valerio, tendo sido
ju um vez pegado em Mara-Farinha, de
pois de alguna dias de fgida ; he alto, cor-
pulento, cara curta e larga, ps seceos, ten-
do muito abertos oa dedos grandes de am-
bos os ps e a pelle enrugada e spera :
quem o pegar lev-o ao dito engenho, ou no
Recife, em casa do Sr. commendador Luiz
Comes Ferreira, que gratificara com 50,000
rs. : tsmhem se gratificar a quem der no-
ticias do dito escravo,
Roga-s s autoridades policiaes e pes-
sosado povoa apprebensBo da escrava The-
resa, crioula, qUe ae acha fgida ; levou
jilo de chita ji muito desbolado que pa-
rece branco, panno da Coala ; he de estatu-
ra baixa, corpo reforgado ; tem urna mami-
cula pequea junto ao nariz : quem a pe-
gar ieve-a a Antonio Aunes Jacome Pires,
no caes da Alfaiidega.il. 5, que recompen-
sar.
Fugio, no dia 25 do correte, do enge-
nho Muitas Cabras, da freguezia de Una,
um moleque crioulo, de nume Caetano, que
reprsenla ter 18 annos pouco mais ou Re-
menos, meio fula, beicos e nariz grossos ;
luvou caigas de algodSo azul ji muilo des-
botado, camisa de a'godao risoado, chapeo
de palhai usado ; foi do Brejo da Madre-
de-Deos, sendo vendido nesta praga pelo Sr.
Antonio Ricardo do llego : quem o pegar
leve-o ao becco do Thealro, por cima do
Sr. Paiva, ou no dito engenbo, que ser
gratificado.
--Fugio, nos primeiro dias de margo
prximo passado, do engenho Palty, pru-
priedade de Jos Solero da Si, em Cotin-
guih'.uma escrava crioula de nome Ger-
trudes, que talvez tenha mudado de no-
me, de altura % corpo regulares, cor nflo
muito prela, um pouco* fula ; tem falla de
um dente na frente, de 40 annos pouco maia
ou menos, cose, engomma bem e cozinha
soffrivelmente: quem a pegar leve-a ao
dilo engenho, que seri gratificado.
-Fugio, na noltede23 para 24 do cor-
rete, em urna prancha de calafate, de bor-
do do brigue Inca, um prelo crioulo,' de
nome Sabino, de Estatura regular, rosto
comprido, cor um tanto fdla, secco do cor-
po ; tem andar de capocira; lerou caigas
brancas largas e camiaa de riscado : quem
o pegar leve-o a bordo do dito brigue, ou
a casa da viuva Gaudino & Filho, na praci-
nha do Corpo-Saoto, n. 6, que- ae gratifi-
car*. -*
Fugio, do engenho Guararapes, fre-
guezia da aluribeca, no dia 24 do corrente,
o crioulo Juliflo, cor preta, altura regular,
corpo bem feilo, muito barbado, bastante
ladino,- com urna marca bem vislvel de fe-
rida na mfio etsquerd, e outra em una das
pernas pouco a cima do tornozclo ; sabio
montado em um cvllo ruca aiuilo magro;
levoo em aua companhia urna jj ida forra,
de nome Rila, de 35 a 40 anmWbatxa o
muito feia .-quem o pegar leve-o ao dito
engenho, que ser recompensado-
Fugio, no dia 23 de julho prximo pas-
sado. do sitio da doutor Meto, ns> Casa-For-
te, um mulalinho aeu escravo, de nomo
Bonifacio, de 8 annos; he muito condeci-
do por ter duas ordeos de'dentes, lano do
lado superior como inferior: quem o pa-
gar leve-o a la da l'enha, n. 1t,
JoSo Francisco Regs Quiulella, que grati-
ficar.
Ciatifiea-sea qaam negar o cravo
Manoel, crioulo, deSfrannofcpoPCO mais u
menos ; com alguna denlcs^iieorados, cor
retinta, bailo, chcio do co/p", bastante
retinto, andar aparallado ; he tem fllenle:
quem o pegar leve-o a rua do Trapiche,
n. 7, armazem de aasuear, de Reg ile-
deiroa.
-- Ueuopsreceu, no da 8 do corrente,
um molMbte catraeiro, de.aome AIonio
d Costa, espigado, uto tem signaes no ros-
to, rosto muito pequeuo ; levou caiga de
algodflo cnzeiito com assento azul as ua-
dogss, camiSi .Je chils, c bu::ete sz! velho :
Jueiii o pegar leve-o ao dito porto, so
ouo, que gratificar cpm 100,000 ra.
Pata. : tt. hadim.p
4k
MFaaU. I50


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7S73SDWF_0KC7ZK INGEST_TIME 2013-04-24T19:35:49Z PACKAGE AA00011611_07000
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES