Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06973


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XXXIV N. 173.
Por 5 mezes adiantadot 4^000.
Por 3 mczcs vencido 5<000.
SA1IIIA0 51 DE JIMIO E 1858.
Por auno adiantado 15$000.
Porte franco para o subscriptor.
ENCARKEIADOS DA SUBSCRIPC-VO DO NOKTE.
i'irahiba, 8r. Joao Rodolpho Gomei; Natal, ttnhoi An-
tonio Marque* da Silva ; Araealv, o Bi. A. da Lamia Braga ;
Cura, 8r. 1. Jota da Oliveira ; Maranbao, o Si. Jos Taneira
da Halla ; Piluhj, 8r. Joai Joaquim Aallioo ; Para. Sr.
JuiUno I. Kamoa ; Araaaonu, 8r. Jiroajtoo da Coala.
PARTIDA DOS COBREOS.
Olindi todos 11-, das, a* 'i 1' nn'1 i horas do da.
Iguaraasu', G S. AiU-lo, Murro] Bonita, -".ruaru Altinho o Gai-iabuna : na lerca-cir*.
S.LoOMaafO) l'ao dAlhi, .Nazarcih, I.imift.iro, Brujo, IV*'lucir, IntMci-
ra, flore*), Via-Bi-Ila, lioa-Vi-ti*, Ouricury Exi', as quarua-fciraa.
Cano, Ipojnra, SciiaUeoj, Itio Kotmoso, Lna, Baireiros, Agoa-Prcla,
l'im'nieiM. f Natalj qu'ata"feirm$,
(Todoa oa corrcioa parirm aa l (jo'aada aianhla.
AUDIENCIAS DOS TKIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommereio : ttunda a quiollu.
lelacao tareas fairai a Mbbadea.
Fazanda : quarlai a labbadui ai 10 horti.
Juno doeommareio: legunda ai 10 horaa a quintal a* mala dla
Dito da orphaoi: legundli a quintal ai 10 hora*.
Primeira rara do cual segundas untas a maio da.
tagunda rara da c ni : quartai a nbbadoi aa maio da.
EI'llEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
4 Quarto minguanta ai 4 boraa a 21 minuloi da manba,
10 La nova ai 7 borai e 5 minuto da tarde.
17 Quarto craacenta aa 6 boraa a 19 minutu da tarde.
16 La eheia ai 9 horas e 44 minutoi da urda.
PKEAMAK DE 11 a HK.
Primeira ai 10 horai e fi minutoa da manha,
Segunda 1110 boraa e 30 miautoi da tarde.
DAS DA SEMANA.
2o Segunda. Ss. Symphronio e Olimpio niin. ; S. Valenle b.
27 Terca. 8. Panleao medico ; S. Sergio 111.
28 (Juana. S. Innocencia p. ; Ss. Ptazariu c Celso mm.
-'.' Quinta. S. Marlba v. ; Ss. Beatriz c Flora mm.
30 Sena. S. Dooatilla ; S. Rulino m. ; Si. Andn e Seen mm.
31 Sabbado. S. Ignacio de Luyla ; S. Climerie m.; S. Fabio.
1 Domingo. S. Anna mi da un de Dos; S. Eleazario m.
ENCARKEGADOS DA SUIISCKIPCAO DO SL.
Alagoai, o Sr. Claudino Faleao Iiiaa; Baha, Ir. D. Dupirad
Rio da Janeiro, o 8r. Joao Paraira Mariini.
EM PERNAMBUCO.
0 Propriatarloda DIARIO Manual Ficuilroa da tarta, na ana
lirrtni, praca da Independencia ni. a 8.
PARTE QPFICIAL ^aovapor
OOVEKNO DA PROVINCIA
Despachol do dia 26 de iulho.
Requerimento do padre Antonio Connives
Dito de Francisco Antonio 00 Barros e
Silva, tenente-coronel commandante do
batalho n. 21 de infantaria da guarda na-
cional, pedindo se encaminhe ao governo
da Silva, profesaor jubilado do 1.- grao de imPer'- requerimento em que solicita a
instrucco elementar, oedindo, que selhe Rra?" de se lhe conservar o posto de coronel
mande pagar as gratificacoes de exercicio ?ue Ja ecupaya por haver sido lommatidan-
no magisterio, que segundo o quadro da di- le "Penor do municipio do B1m110.--Veo.1a
vida annexa a le do orgamonto vigente, se
lhe esiSo a dever.Volte ao Sr. inspector
da thesouraria provincial para que nos ter-
mos de suas informacdes de 2t do corrente
sob n. i*8, manda effectuar o pagamento
que requero supplicante.
Dito da companbia da estrada de ferro,
pedindo absolvicSo das mullas impostas pela
cmara municipal desta cilade por nSo ha-
ver collectido as carrosas e carroches em-
pregadis no sarvigo da mesma estrada.
Visto o art. 14 do contrato, regularmente
procedeu a cmara municipal.
por intermedio do respectivo cumrx.andenle
superior com a precisa informatjSo.
Dito de Josnna Mara da Costa, podindo se
mande admitlir no collegio dos orphos seu
filno menor de nomo Francisco--Volte ao
conselho administrativo do pairimonio dos
orpbSos para mandar admilliro menor liiho
da supplicante.
Dito de Jo3o Mara Va||*d1o, pe.ln.lo ad-
missSo de urna sua nata menor, no collegio
das orphSas.N3o ha vaga.
Dito de Joaquim Coello de Santa Anna,
sentenciado, pe-lindo licenca para ir cum-
prir no presidio de Fernando o restante da
Dito de Isabel Mara da Conceigao, pedin- | pena a que foi on lemna.ioNio tem lugar
do solucao ao requerimento em que solici-l Dita de Joaquina Mara dos Santos, pe-
tou restituido da quota.com que contribuio dindo se Ino conceda uassage-m para o pre-
para o calcamento da ra Augusta.l'eude
de informado
Dito de Jos Francisco Antunes, arrema-
sidio de Fernando on le se acha seu marido
cumprindo sentenca.--Njo tem lugar
Dilodo capiulo Jos Rezo ra Cavalcanti
tanto da illuminaQilo da cidade de Olin la, Maciel, pedilo ndemnisacSo da quantia d"
declarando nao quer-r prevalecer-se do be-1 297324,quedespendeucomoencarregado do
neficio da lei n. 431 do auno passado, que tratamenio e curativo dos accommetlidos do
autorisou a presidencia a renovar por mais cholera morbus na povoaco de Agua Proia
seisannos o contrato daquella illuminagao, em 1856.-ltometiido ao sr inspector da the-
senao tomando-se por base da arreajatcaojsouraria de fazen la para se proceder a l-
0 preco corrente do azeite.-Informe o Sr.
inspector da thesouraria provincial, decla-
rando o lempo em que se lida o contrato
com o supplicante.
Dito de J0S0 Lina Cavalcanti de lbnquor-
que, aireres nomeado para o 5.- batalhaode
\r.rHn.... j- ___ j i- 1 ""^ iuees un maicu a iiiiiu."|ui'mui
hLm.a. .R.Urd*. "f10"- ped,n1d0B" Sr- iuspectordathesourm de hienda,
lhe mande passar patente.I'asse patente.'
Dito de Joaquim Antonio Pereira, pediudo
se lhe conceda
qui-lac-lo .la divida.
Dito de Jos Joaquim da Silva, pediodo o
pagamento da quai.ta de 1023300 que dis-
pendeu com o fonocimento de agua e luzes
para o quartel do destacamento de Olinla
nos mezes de margo a juabu.Informe o
por aforamento o terreno de
marinba que existe em frente de suas pro-
piedades na travessa do Lima, na ra Impe-
rialNao lem lugar.
Dito de Jos Marcelino Alves da Fonseca.
preso na fortaleza do Itrum, pedindo ser re-
movido para a prisao do quartel do corpo
de polica.riSo tem lugar.
Dito do bacharel JosTheodoro Cordeiro,
pedindo se encaminbe ao governo imperial
un requerimento, noqunl solicita o lugar
dejuiz municipal de Cmara,Seja sub-
meiili 10 ao governo imperial
Ollcio vio Dr. ebefe de polica, apresen-
lando as coutas do que deve a repartido das
obras publicas ao foruccedor da casa de de-
tencSo.Volte o Sr. director interino da
repartigSo das obras publicas para mandar
salisfazer na confonnidade de sua informa-
gao de 23 do corrente sob n. 236, o que se
deve pelo fornecimento 808 presos que tra-
balharam as obras da casi; de detencSo.
Dito do director interino das obras publi-
cas, cotnmunicaudo haver o arrematante do
rebaixamento da la leira do engonho Velho
na estrada da Victoria execulado metade da
obra, achando-se por isso com direito ao re-
Dito ae Msnoel Joaquim Si've & Filhos,
negociantes dosla cilade, pedindo dispensa
do servico da guara nacional para seu cai-
xeiro Jos Joaquim Seve. Requcira ao Sr.
commandante superior.
Dito de Ulysses Cockles Cavalcanti de
Mello, terceiro escripturarlo do consulado
provincial pedindo urna graiicagao pelo
irabalho da adminisiragSo da cpatazia da
in-ipecQSo do algodilo, do que se acha en-
carregado.lnforoie o Sr. inspector da the-
souraria provincial.
Dito de Walter Joris, operario do arsenal
de marinha, pedindo a rescisao do seu con-
trato, visto nSo poder continuar a servir por
soff er de molestia dos olhos.- Informe o
Sr. inspector do arsenal de marinha.
Officio do Dr. chefe da polica, aprescnlan-
do a conta e recibo em duplcala das des-
pezas feitas no mez de junho ultimo com o
sustento dos presos pobres la cadea do ter-
mo do ouricury, e com o fornecimento de
luz para o quartel -la guarda da mostna ca-
deia.--Re lettido ao Sr. inspector da the-
souraria provincial para man lar pagar.
Proposta da Manoel Peres Campello de
Almeida, para a ar-cmatagn da couserva-
oebimenlo da primeira prcsur.So, segundo ?"' da estrada do l'-o -l'Alho por leuiuo de
os termos do seu contrato. -Remetti lo ao
Sr. inspector da thesouraria provincial para
que, a vista do competente ceriilcado, man-
de pagar a importaucia ua presUcSo de que
se trata.
-27-
Kequerimento de Amaro Fernandes hal-
Iro, arrematante do 27- lango da estrada da
Victoria, pedindo a effeclividade dainlem-
nisagao que lhe concedeu o art 45 da le do
orgamento vigente, pelp excesso do Iraba-
lho as escavaces daquclle lango.--Infor-
me o Sr. inspector da thesouraria provincial
Dito de Antonia Mara da ConceigSo, pe-
diodo ser transportada para O presi lio de
Fernando a reunir-se a seu marido, que all
compre sentenga N3o tem lugar.
Dito da Companhia Pernambucana, por
dindo se encaminhe ao governo imperial o
requerimento em que solicita dispensa de
me perante a reparligao da marinha da
corte para os engenbeiros machinistas dos
tres anuos. Inroroie o Sr. director da
purtigilo das obras mineas.
Pedido do tenenle-coronel commandante
do 10' batalno de mlanUri; de linha, para
mandar recullier-so noarsen! d-i guerra o
armamento o correiainc pertencentes as
pr/gasdo segn lo balalhao da m-sma arma
que tiveram passagem para aquella,Rcco-
Iham-se.
- 28 --
Piequerimento de Alexandrc Fernandes de
Magalhaes Kastos, ex primeiro sargento do
\ batalho de infantaria, podindo o paga-
mento das pegas de fardame.nto que se lhe li
cou a dever.Espera-se informagilo da the-
souraria em viriude do despacho de li do
corrente.
Dito do l)r. Bernardo Machado da Costa
provincia Passe portara conc-adendo a li-
cenga na forma requerida.
Dito de Ca ra Mara da ConceigSo offe-
recendo os documentos, com que pretende
confirmar a sengo legal, que em seu fillio
Jos Joaquim de Jess recrutado para o
exercito.Informco Sr. Dr. juiz do direito
da comarca do Bonito
Dito de Tiioma/. Rodrigues Pereira, pedin-
do se mande pagar os alugueis da casa que
serve de cadea na villa da Kscada, da qual
be proprietario, pela collecloria da mesma
villa.Nao ha collectoria provincial na
villa.
Officio do marechal decampo commandan-
te das armas, solicitan lo o pagamento da
quantia de 33 que dispendeu o ca.litio cora-
mandante do destacimento volante da co-
marca da Roa-Vista com o fornecimento de
urna luz para o quartel do mesmo destaca-
mento no raezde junho ultimo.--llemeltiJo
ao Sr. inspector da thesouraria provincial pa-
ra man lar satisfzcr.
Dito do inspector da thesouraria provin-
cial, informando como lhe foi ordenado por
despacho de 24- do correle, ac ?rca da mate-
ria do ollcio do delegado do termo da Ks-
cada.Informe o Sr inspactor la thesoura-
ria de fazen Ja.
Dito do director das obras militares, in-
forman lo acerca do requerimento de Mmoel
Joaquim Alves dos Santos.Remanido ao
Sr inspector da thesouraria de fazonda para
mandar pagar.
Cxpedleme do da I (i de Iulho i.'.- 18SB.
Oflicio ao Exm. consellieiro presidenta do su-
premo tribunal dejuslica.Passo s inaos de V.
Exea resposla do locliarel Joao Amonio da
Araujo Freitas Henri.mes, juz de druilo da co-
marca de Goianna, a portara que V. Exc. se
dignou transmiiiir-me com o seu cilicio de 12 de
maio ultimo.Coramuuicou-sc ao referido juiz
de direito.
Diio ao Exm. presidente da provincia do Pa-
ra. Pelo paquete inglez, que lioju segu para a
Europa, remeti ao ministro brasileiro em Paris,
e ao encarroado dos negocios do Brasil em Koroa
os officios, que para torera esse des.no, acompa-
nharam os do V. Exc. de 13 de abril e 26 do ju-
nho ultimo.
Dito ao presidente do Ceara'.O paquete, que
hoje segu para a Europa, leva os cilicios que V.
Exc. me remettau com o seu de 19 dejunlio ul-
limo, sob n. 13.
Dito ao presidenta do Mato Grosso.Accuso
recebido o oflicio, que V. Exc. me dirigi, em 1-
de margo, communicando haver tonudo posse do
cargo de presidente dessa provincia, e agradecendo
^ Exc. essa communcacao, tenlio a satisfacao
de assegurar-llie que me achara' sembr disposto
a cumprir as suas ordens, ou sejam relativas ao
sorvigo publeo. 011 ao particular de V. Exc.
Dito ao marechal decampo co.nmandanie das
armas interinoNao convindo reunir para a
guarnicao, contingentes de bataliifos diversos da
guarda nacional, tenho resolvido quo asubslilui-
fao do 2- haialliiii) se dea da forma, que a V.
Kxc. commuquei em oflicio do 14 do corrente;
ciitretanl einpregar-se-h;io todos os meios para
ueo servico nao se torne milito pesado durante
o resto do mez.
Assiin respondo ao officio de V. Exc. de 14 do
corrente acerca de-te olijeclo.
Dito ao mesmo.F.m resposta ao officio, que
V. Exc. me dirigi em 15 do corrente, sob n.
">'2, tenho a doclarar-lhe <|ne, estando a organi-
sar-se o hospital militar, nio se devo (azar a des-
peza com o fornecimento dos livros para a escrp-
turarao da botica do hospital rudimental, visto ser
diverso o systeme de escripiiiraco, quo se lem de
seguir como V. Exx. pondera.
Dito ao mesmo. Considerando o que V. Exc.
ponderou em seu oflicio de honlem, no qual pro-
pbe as providencias indispensaveis para serem sa-
lisfoilas as iiecessidades do servico le guarnigao da
capital, ltenla a insuflirienca da forca existente
pe penos fortes de Itamaraca", Pao Amarello,
N'azaretho Gaibu', nos quaes pode licar um cabo
011 outra praca para ter um bora recito os maie-
riaes e artigos bellicos existentes ; 3- em ultimo
caso, eraprogar no servico da guarnicao um limita-
do numero de pragas da companhia de artfices,
que antes devera' ser determinado.
.Na retirada dos destacamentos dos fortes referi-
dos deve-se atlender circumstancia de acharem-
sc recolhidos aos mesruos fortes presos de justiga,
para que sejam estes transferidos para outra pri-
sao mediante requsigao da autoridade compe-
tente.
Dito ao mesmo.Constando, do aviso do mi-
ministerio da fazenda em 6 do r.orrento, mande
abonar ao nomeado a ajuda de cusa de 6009, c
lho recommende que siga para o s.iu destino.
Dito ao commandante da diviso naval. To-
mando em considerago oque V. S. ponderou-me
em seu officio de 8 do corrente, tenho a dizar lhe
que seja-me presente a proposta do conseibo, e
ordenarei a compra do que ha neces-ario para tor-
necimento dos navios da eslacao.
Dito ao commandante superior interino da guar-
da nacional do Rio Formoso. Pelo oflicio de V.
S. de 17 de junho, f calo novo dia para a reuniao do conselho de cua-
ilicago da guarda nacional das parochias de Agua
nisterio do guerra, de 5 do corrente, que S. M. o I Prela e Una, sendo de esperar que depois das pro-
Imperador houve por bem indeferir o requerimento videncias quo se tem dado conciua-se a qualilica-
em que o capello tenante da repartigo ecclesias-1 cao em lodas as freguezias, como importa a orga-
tica do exercilo fre David da Nalivdade de Nossa nisagao da guarda nacional.
Senhora pedio reforma da lei ; visto quo na ins- Dito ao inspector da thesouraria provincial,
peccao de sau-ie, porque passou nesta provincia, Acenso recebido o ofGeio de lio .tem, shn. 24l,
foi apenas julgdo incapaz deservido activo : as- em que Vmc me parlicpou haver Manoel Gouveia
sim o communico a V. E\c. para que faca constar do Souza arrematado por 1:6059 o pedagin da
ao supplicanie.
Dito ao encarrehado dos negocios do Brasil em
Roma.Aolixm.lpresideuie do Maranhao, trans-
niitti o ollcio que para esse lim acompanhou o de
V. Exc. de 29 de maio ullmo.
Fazendo esta communcacao a V. Exc. apro-
veito-me da opporlunidade para renovar-lhe os pro-
testos de mnha distncla considerago e eslima.
Dita ao chefe do polica. Para que se possa
resolver sobre a materia do officio que V. S- me
dirigi em 9 do crreme, sb n. 649, convera
que o delegado de polica do termo do Lmoeiro,
a cuja requsigao V. S. se refere, indique a casa,
que se pode aproveitar para o fm que elle propoo,
o estado della, proxmidade da cadeia, reparos de
que precisa e importancia doaluguel.
Dito ao mesmo.Seno tem a seguranga e ou-
tras condigoes indispensaveis a casa, que serve de
prisao na freguezia de Papacara, p K!j ser alugada
outra para ter esse destino, cora lano quo nao seja
o aluguel superior ao quo se paga actualmente,
leudo-se em vista que os presos o criminosos devem
ser logo remettidos para a villa de Garanhuns, e
nao h;- necessidade de prisao mais forte para os re-
tidos em custodia, e outros presos de pnuco lempo.
As-ni respondo ao officio <;ue V. S. me dirigi
em 14 do corrente, sb n. 671.
Dito ao inspector da Ibesouraria d: i'azenda.
Maride V. S. extrahir a guia i!e soccorrimenio do
alferes do terceiro batalhao de infaniaria Jos Fran-
cisco da Silva, para ler o destino indicado no aviso,
junto por copia, expedido pelo ministro da guerra
em 7 do corrente.
Diio ao mesmo. Remetiendo a V. S., por
copia, para seu conlieciniento, o aviso expedido
pelo ministerio da guerra ora 6 docorrenla, decla-
rando ter-se solicitado ordem do Exm. ministro da
azenda, para que essa thesouraria continu a abo-
ponte de Metocolomb, sendo fiadores Jos Lucio
Lins e Jos dos Santos Nevos, e em resposta lenho
a dizer que approvo essa arremalaeao.
Dito ao director interino das obras publicas.
Devolvoiido a \ me. as duas inclusas propostas,
que vieram annexas ao seu oflicio de 14 do cr-
reme, sob n. 225, relativas ao fornecimento de
tjolo, telha e areia para as obras a cargo dessa
reparligao, por espaeo de 6 mezes, tenho a dizer,
em resposla, quo pode Vmc. aceitar as menciona-
das proposlas. Communicou-se ao inspector da
thesouraria provincial.
Dilo ao major Sebastiao Antonio do Reg Bar-
ros. Tendo em vista o trecho, junto por copia,
do officio que em 22 de junho ultimo dirigiii-me o
conselho de qualificagao da parochia do Bonio,
informe Vine, acerca da exeougao, que deu por
sua parte, como subdelegado du dislricio da colo-
nia militar de Pimenleiras, ao art. 8." do decre-
to n. 722 de 25 de oulubro de 1850, e i do
artigo 10 do decreto n. 1130 de 12 de margo
de 1853.
Dito ao conselho de qualificagao da guarda na-
cional da paracliia do Bonito Tenho presente o
officio, que em 22 de junho ultimo, dirigiu-meL
r _.__ j armas interino.i\a confonnidade do arligo 8- do
guarj
nesta data expede ordem a thesouraria provincial,
para ser entregue a Antonio Domingos Passos a
quantia de 389960O rs., em que importaram,
nos mezes decorridos da margo a juuho ultimo, as
despezas feitas com o sustento dos presos pobres do
termo de Nazareth, segundo consta dos documen-
tos annexos ao cilicio de V. S., de hontem, sob
n. 677.
Dito ao inspector da thesouraria de fazenda.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda trans-
niittir a V. S. as duas inclusas ordens do tliesouro
nacional, sob ns. 92 e 98.
Dilo ao inspector interino da saude publica.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S. que a thesouraria de fazen la
lera ordem para pagar a importancia das folhas das
despezas feitas com o hospital da illia do Pina,
desde o 1 al 10 do corrente mez, segundo V. S.
daclarou em seu ollcio desta data.
Dito ao director do ai seal de guerra.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda aecusar a re-
cepto do officio que lhe dirigi V S. em 1 i do
do corrente, sob 11. 129, com as relacoes e quadro
dos irabalhos das oficnias desse arsenal, durante o
nicz de junho ultimo.
Dilo ao administrador da mesa do consulado.
.Manda S. Exc. oSr. presidente da provincia ae-
cusar a recepgao do officio que V. S. lhe dirigi
hontem. sob 11. 1 iO, com a tabella do rendimenlo
dessa mesa do consulado, no exercicio de 1857 a
1S58, e a recopilago do ponto dos empreados
dessa mesma .reparligao.
Dito a Antonio Jos Campello.Pela secretaria
do governo so communica ao Sr. Amonio Jos
Campello que, segundo constou de cominuuicagao
da secretaria de estado dos negocios da justiga de 6
do crreme, o requeiimemo em que Smc. pedio
ser nomeado avaliador dojuizo 111 imcipal e de or-
phos da comarca de Nazareth desta provincia, te-
ve o segujnte despacho : Ir.delirido por nao ser
officio de justiga o mistar de avaha Jor.Officiou-
se ao oflicial-maor da secretaria de estado dos ne-
gocios dajuslica, aecusando-se a recepgao da cora-
mu nicago.
17
Officio ao marechal de campo commandante das
o conselho de qualificagao da grJSrda nacional da
paroclia do Bonito, e corto de que a semelhante
respeiio me communica o mesmo conselho, cbe-
me dizer-lhe que, havendo-se j declarado ao coro-
mandante superior da-so municipio, em officio de
26 de abril prximo lindo, que podem ser quali-
licados guardas nacionaes os individuos residentes
na colonia militar do Pinenteira, com excepgo
dos colonos do qualquer classe, passo nesta dala a
ouvir o subdelegado d'aquelle dislricto acerca da
execugao, na parte qua Iha lora, do arlgo 8. do
decreto n. 722 de 25 de oulubro de 1850 e 4.
regulamenlo, que baixou com o decreto 11. 2171
do 1- de maio desie anno, mande V. Exc. passar
titulo ao voluntario Antonio Sabino Cesar, que em
inspeegao de saude foi julgado apto para o servigo
do exercilo, como consta do termo annexo ao oll-
cio de V. Exc, com data de hontem, e sob n.
473.
Dito ao mesmoSirva-se V. Exc. de informar
sobre o incluso requerimento de Antonio Correa
Lima.
Diio ao mesmo Visto o que declarou-mc o
nar, rio exercicio corrente, pela verba gratifica-1 de 1853.
do artigo 10 do decreto n. 1130 de 12 de marco in Doria, juiz de direilo da pricieira vara desta be-me dizer a V. Exc. quo convem, como V.
FQLHETiaL
OS AMANTES DE SARTA PERLW.'
Por Champi'leury.
iii
{Conlinuarao.)
A* villa de Madama Aurore de la (jorgatle lalve.i
r|a convenanle fatar aro eaboco de madaroeaella
Miroy.que lem razio gozaaa na nsliloicio de urna
radulacgo da oamorada. Madaroeaella Miroy, ou-
tr'ora pretendida por Mr. Perdale!, linha urna pre-
senta bem niOerenle da de la rival. Sein er ngoa
roiaroante maitra, *a lodo aloogava-ie, e perdi-
lodo o valor, em coinpar;>c3i> doi encanlm da baila
el.iloiae. por qua Madima de la tiorgetle en it-
Ule*. A qoalidade de fillia roaii felha linha dado a'
pes.na de rnadnmeiella Muoy alguma eousa de n-
c-implcio, de desagradaval, que ao roaia lignro odiar
iiVi poderia eicapar. Se ae po iee ronfiar eorople-
mente nai estatificas uAo lena sido deinoualrado
pela* liboaa da mortalidad, qoe os celiliatarios nao
:n-ain tanae de orna melada de vida inferior a' um
lurrod.i dos casa-lo Urna vida para Ueo-, aa iii
quiatagdes repartidas, a aoriedade perpetua, mesmo
110 ou ella offerece de incerleza, sao garanlias de
urna existencia ignorada pelo celibalario, que por
seu egosmo imagina dispemar, pela ausenea da
ruinmunho, as mil contrariedades impostas pelo ca-
lamento.
Caiada qniraota anoos maia celo, midamesella
Miroy nSo carecen das eaparoias para pialar o cor-
po, iignal de ora singas agitado, que nao liolia sido
dado ao celibato abrandar ; dolada por naturaza de
qual:dmle< exeelleotei, ella donzella, qoe nao podia
aer qaalieada de velha am comparado das nonage-
narias do cutirle cimento, linha desohc leci lo as le.
da nalureza, e foi -iin 1......ti por nina cerla aspe-
reza dt era ;ler, desinenlludo a divisa de seu e-la
no qualeitava gravada uina harpa com astas pala-
"-ras :Sampre de sccordu. X pobre dinnelU fcfi-
ci lale, pedindo tres mezes de licenga. com
ordenado, para tratar de sua saude lora da
orelhas ; mas elle (razia audacioiamenla sua tesla
nuil, nSo procurava diif irgar os eilragos da pollrona
de cuuro, por meio de una cabelleira, por que lem
ido demonstrado que a pollrnus de couro verde he
nma das pnuci, ais causea da calvicie. Notarios, ei-
crivaei, adevogados, procuradores, rhefei de lecre-
taria, empng-ulos, ludas as perouagens que eutre-
lm-se por muito lempo as puilronas de conro ver-
de, s3o rondemiiHtlu a perita prematura de seus ca-
l-ell -.Mr. rerdriset nao linha esle ar da humilhacio
que da' eita sitoacao a' mullas passoai calvas ; pelo
contrario, pareca que elle procurava, pelo numero
de seos euidadea, nar maia brilhante apparencia i
sea crneo n e reluzenle, que r.iii-au lauto prazar
ver, quanloos ulensia ( eotlnbl de um ciiada fla-
menga. Era ama b-lla superficie, marlim polidnqae
f.iru enlmenle desejar ,V um pintor piolar ah
urna paisagem, o j nina lina inuiiilura.
A uiellia de M. I'erdnzel, que eslava bem palen-
le, dava a idea de um humera <|oe linha perdido
eus cabellos no servigo do galameio : citrino e de-
lira.lamenle Irahalhada, anula q le sua forma lem-
braaaa iineiramenla a urelha do fauno amigo, nao
cmiservava a policio vertical, qua h" a mais com-
muru. pjrm era olla provcame, palo modo abli-
quu, que a natureta qoiz dar-ilie. Urna tal orelha
eucerrana bem sedaccoes, pela sua pusicSo origi-
nal, e sua perfeila concordancia rom o Ijdo da phy-
liooomia do anligo chefe. Kila orelha ncceodeu a
chamma mal viva em madarr.ssella Miroy, que
sem ler fortei conhacimenlos physionoinicos, era
attrahida para Mr. Perdnsil, 4 mu poder livrar-se
disio. Os thsaooros de amor qua ella senta uccul-
lo> no iutenor de si mesma, revelaram-ie da re-
pente, e produiirao na lu,tuui.;,io urna resnlugSo
ni mir que seM. I.obligeois livane langado pela ja-
nella a fora seas laizes. A cor verde__a da espe-
rance e .la primavera, Inruou-so o emblema favorito
da pobre dumella, que liaba pjssado urna prima-
vera, 1,111 ler nunca entrevisto a novidade de sua
vida. Seu corarao revardecau e lncou-a para a na-
turaza. Da huie em dianle, em lugar de encerrar-se
para ler lo.iuha ies 1 intn.- rules que ella alu-
gava in casa na um innxro livrriro
du pissseio de
Koule, ella la mullas vezes aujirdim, urnas para
. refraiear soas ideal abrazadas, otras para lomar a
;oy sonra tanto mus gante linha sentido suas me- encontrar o .er qu. vmha cbaae.-la para em o,a
Ihoras qualida-le paralyarem-se orna por ama, p.- ,j,. E,|a ,e,e ,llLlu u, d(,sp(l|,ir ,le |emurillll.,fi
-i 1 iiit.iin.i quo loro .rain soa < lislencia risonha :
Exc. indica ; 1. reduzir as guardas, inclusive a do
tribunal do jury ; 2* retirar os desiacamentos dos
ra dar lugar a' melanclicas luinhras. a' acces.os le
i'ouca alegra, a sordaa inqaielaees, a' rol peqimios
cacos neurlgicos, dehaiiu dos quaes desappaiecla
soa igaaldada de humor. T'lvet a leilura de obras
de iii.-auuacan tivessa-a laucado ueste estado, por
que er.i alia urna mullier de devorar bibliolheca de
romuaces, os quaes ella deiiava eahir liistemenie
un- aps oulroi, pergunlaildo onde eslava ete ideal
do hoieiii qoe ella uuuca linha eneonlrado. Entre-
tanto seis mezes flepoii de soa entrada em Sania Pe-
rilla, ella creu achar ao vivo l'erdrizel um lypodo
hroes ds' >"" lailarai, e pz-ae a' imaginar um de-
tes lindos romaneas bem superiore as obras primas
consagrada.*.
.Nesta opo-a, o ai-chtfe da alfandega 03o abraza-
va-aa anda por madama da la ('irccile corado
livre, eitoroagu 3o, o eipinto dado alegra, era
difcil encontrar um lypo de amante man encanta-
dor como Mr. Perdrizet, anda que ella troo\e--e
ucalos de ouro. la horoens, cuja phisionomia he 1,11
agradivtl, que tuda bes veein em soccorro, at mes-
no os deleito, : os ocr.ilos de ouro preslasam ao,
olhos de Mj. I'-riri-et brilhos particulares. Sea
olhar nao pareca sendo mis vivo ; me.mo pala ne-
cessidade ara permiitido crei-se que elle (razia ocu-
los para adorar a chamma de snas pupillas. Mada-
niesella Miroy, disse-lhe um dia, cm modo de com-
prmanlo, qoe ella admirava-se como os vidros da
aaua occulos ala er.nn forados pela vivaeidade de
seus olhos.
O enligo chefe linha soflndo urna penla irrepara-
vel, como muitos a eonsidtram, a de seus caballos,
salvo oma pequeua cora em roda do crneo at as
Vida 0/aro n. lli.
cou,ullou o celebre U.selozeaux, medico da Insli-
luigo, afnn de ohler dello alguna legrados que II-
rassem a capa-rusa das faeei. I.unbrou-ie que ou-
li'ura, no eenvento, os pensionarius faziam peque-
mis aquiulius de alfazema, inlermediandu os fos
las llores de fila de seda, e pasoo nina semana a
fatal alguna -lestes saquinhos, qi.e ella ollarecsu us
principaes visitadores do saln de madama Kavier,
afnn de lar o direilo de lambem olferecer um delles
M. ferdriaet.Nada ha in-l.ru pra a conserva-
gao a bom che ro da roupa, dille ella. E loa felici-
dade chegou an manir auge quando o ex-chae da
secretaria dectarou dous das depms, que am cheiro
exquisito sahia do armario onde elle -^uardava suas
eamiai. Eslai palavras aiorun 1 I iran a iua ima-
ginajao, e levaram a pubre nariorada a dobrnr os
laloa da alfazema em forma de corago, o que M.
I'erdnset recebeu iem ebiarvar a delicadeza do
symbolo.
Madamesella Miroy fii ele llagar um pe.piano
j ndim na Insliluicl.i me-ioa, 111 ratio de vmlee
cinco Traucos por auno : a admii.islrarao Hab re-
servado, no lim do saaiahe pablieo, um certo e<-
piBO de Ierren alongido, dividida em poquenos
jardiueiros, separados |ior grade- de pao. (Juer-se
por esta medid 1 (|ue o, pensin irios arislorradeo
p.is-am respirar o ar fresco am sua phutasia, ou
isolados, se ellas o desjarem ; entretanto estes jar-
dins sAu raras vizes ocrupados, apezar da modici-
dade do alouuel. O caminiio pal lico n.lo basta para
os 1 a--Mii dos pensionarios, que preferem a soeia-
dade ao isolamenlo'.' Mas madamesella Miroy pro-
cti'iiva urna pequea soir.hra de verdura, am aylo
myiterioio para un Jo elle cou'idane Mr. l'er-
driel, e onde ambos se compnlieuderiara. (le
sonh-, delicms.is nao accumulava alia em si inei-
1111 Era para licar ao lado mu do outro as lardes
de eslo, abrigados por urna folhagero debaiio de
um at,iiiiiiirli.lo, ora occopados em doces collo-
qui -, ora calanos olhandn-ie muluainenle. e escu-
tando o canto dos passaros. louge de ludas as vistas.
Para variar, madameiella Miroy faz'ia de quando
em quando urna leitura ; escollieudo livros que con-
(ivessem certas paginas blilhaalal. N-sles momen-
tos ella senta qua soa voz corresponda as suas ter-
nuras ; Mr. Perdiisel esculaa-a, lomava-lhe as
iDoi. caliie a seus joelhos, e jurava-lhe um amor
eterno. E em cima de suas cabreas, no fuudo de
verdura,, bplbava esla divisaS-inpr de harmo-
na Oue helios souhoi (Jue toeanlai illoset I
O despertar davia ser amargo.
Mr. Pardrltet nao deu logo p-ir eslas aito-
rias; leve a leve/a de nao observar o veslido bran-
eo com titas verdes que na lainesellii Min-y, in-
Irulnzio 119 capella, 110 dominen 10 de maio, a que
deu aisumpto para fallar-se na initiloicle. I m ves-
tido branco ero madamesella Miroy 1 llaviacom
que enlrelrr todas as conversarles da invern. A
ociedade (jibacier a|m em -e d'esle vestido de
primavera, e sojaram-o lodo. Esta sociedade Gibas-
aier caosava terror em Saula Perioa pelos ma'os (ei-
tos que saliiam d'ella. Todos os caracteres aborri-
do-, duenles e velhoi displecenles d'ahl faziam seu
urendez-vous. Uiani.na e a sociedad das mulhe-
res do,ules, pur que ah liaviam algumas coxas,
ama sorda e oulr.i cga ; a mais influ-nir da reu-
niao, que era urna especie de directora, Madama
(iihasiier nao -alna seno com saas moieas. A so-
ciedade Gibasiier invtjava o isla-i dos Itaviars, onde
eslas serles da assamplos nao aehavam parddaro
algum. Em vista da suciedade de madama da Gl-
bassier e seus amigos, o< freqaenladores da mada-
ma Ravier paisavam por mogos ; (a-nbem o vesli-
do branco com Til,a verdes de Madamesella Mirov,
com a dade de seiseuta annos iiiiimhkhIi, pare-
cen uina especie da prevoeaelo langada em lo-ia a
iiislituican. Toda a sociedade Giba.'ier era orluge-
nana : quem se atrevera latir rom madamas-Ha
Miro] .' <>uein pudia veslir-se de branco na prima-
vera '.' l'.ssada a primeira emorAo. procurou-se co-
uliecer iu raoliv-is secretos (iiihain po.li lo deter-
minar a' iuimiga a irvorir una cr l.'n na prima,
vera Gumo o pemamenlo dos penm nanoi de Smli
l'eriua eata' continuamente inclinado para o anuir,
a' sociedade Gibassiar fez urna alarim para demons-
trar h paiiu nascenle da nisdaioesella Mirov. A-
genles invizivais espiavain-n'a em lodos os ssus
panos, aegaiain-u'a ao jardiin, ao sal.lo coinmoiu,
a' bililiolhaca, a sala de jantar, dentro fora 1I0
estabelacimeulo : por qoe noteo-te qao Igera, con-
tra iea cosame, madameiella Miroy sahia nos das
de sol, de dual para qualro horas, oara achar-ae
us campos Elisios, onde aisentada ero urna das ca-
deiras de ferro que guarnecer a rande aveui.la,
ella examinava com a mais viva atteucao os ornato,
das lindas mulheras, as quaes v3o pirar em seges
no bosque de Bolonha. 11, raumm olhos das mu -
Hieres lornain-se microicopioi acrusadores quan-
do elles le inclinara um so objecto : as mais pe-
quenas obiervaQes cahindo debaito de leas ralos
trausformam-ss em iinmen mesella Miroy, e as mil particularidades de seu a-
inor nascenle foram sujela, as mais pacanles in-
vr-lu>res, como o uiuraiigueiro do qual T. -i nar-
dino da S. Pedro se oceupou. Chegande a' insli-
luigia pelas qualro hora e roela, na lamesella Mi-
roy fchava-se em seu aposento, reapparecia ao
pintar coro um novo l lacado : ii.iu data ella molivo
.1 ni adama (iibassier. qua arcusava-a da ler Iraxido
a larde esle toucado dos Campos EliMoi '.' Tamben!
tem .nlryu-se que a iuimiga ia as 111, das vezes
pomvel eiitrauliar-se no sein de um mfinlo corrom-
pido, alm de esladar oacullameulc as vanlaugeus
das modas novas.
A pobre donzella conia Iranqiiillaniente em com-
panhia da M. mdame Xavier, de M. Perdriset,
demudaran da la llorderie, de Mm. de Capendias,
gOes diversas, aosempregados do arsenal de guer-
ra, constantes da relacao junta sb n. 2, as grati-
ficaciis annuaes, que percebiam, tenho a recom-
mendar-lhe a expedigao das convenientes orden*,
para que na recebedoria de rendas internas seja ar-
recadada a importancia dos emolumentos que, >e-
yundo a noia inclusa, copia 11. 3, lem os referidos
empregados de pagar pelo citado aviso. Commu-
nicou-se ao director do arsenal de guerra.
Dito ao mesrno. Na confonnidade do aviso,
junto por copia, expedido pelo ministerio da guerra
Dilo ao conselho administrativo do patrimonio
dos orpliios. Remello, por copia, ao coasellio
administrativo do patrimonio dos orphaos, para
seu conliecimento, a lei provincial n. 153 do cr-
vente anno, elevando o ordenado do cscripturario
dess: conselho.
Portara presidente da provincia, attenden-
dn ao que lhe requereu o juiz municipal e de or-
phaos do lermo do Rio Formoso, o bacharel Theo-
doro Machado Freir Pereira da Silva, resolve
prorogar por mais 15 das, cora ordenado, a li-
em 5 do corrente, ordene V. S. que seja paga conga de um me/., que lhe foi concedida por por-
mensalmentc a Tito Fiok Romano, como procura- "tria de 15 de junho prximo (indo.
procura-
dor do alferes do sexto baialho de infantaria An-
tonio (tabello da Silva, a quantia de 208, que o
mesrno ollicial consigna nesta provincia a contar
de 10 do corrente.
Dilo o msalo. Transmillo a V. S. para o
fim conveniente o incluso decreto, pelo qual foi no-
Bxftiiml do secretario do gocerno.
Ollcio ao official-maior da secretaria de estado
dos negocios da instiga. De ordem de S. Kxc. o
Sr. presidente da provincia, accuso recebida a com-
muncago, que \ Exc. lhe dirigi, em 9 do cor-
Exe de fazer constar ao eapitao lo oiuvo bata linio
de infantaria Raimundo Gongalves de Abronque
pule procurar na.nella thesouraria a certido, que
soliclou, elhe sera entregue depois de pagos os di-
reitos devidos.
Dilo ao chefe de polica.Remutto par copia
a \. S., para sen conhecimento, o aviso expedido
pelo ministerio dos negocios estrangeiros em 17 de
junho ullmo, sob n. 7.
Dilo ao mesmo Communico a V. S., para
seu conhocimonto, queS. M. Imperial houve por
Lem conceder o seu imperial exequtur nomea-
go conferida pelo cnsul geral da confederaco
suissa a Antonio Schlappnz para exercer interi-
namente as fungues de cnsul daqnella nago nesta
provincia durante a ausencia do cnsul J. J. JLiip-
paciier. Communicou-se tambera ao inspector
da thesouraria de fazenda e capi.ao do porto.
Dito ao inspector do thesouraria de fazenda.
Mande \mc. abonar ao commissario do bnsue
rente, da qual consta que S. M. o Imperador hou-
racaib o primeiro escripturaro dessa' thesouraria j ve por bem conceder seis mezes de licenga ao juiz barca ltamarar > a quantia de 1009000 rs.,
Umbelino Cuedes de Mello,_ para.servidera com- municipal do termo de Barreiros, Joao Francisco j para occorrer ao pagamento das despezas de pre'-
da Silva Braga, alim de tratar de sua saude. mo, que se Gzerem por ordem do commandante da
Dito ao ebefe de polica.Manda S. Exc. o Sr.: estaeSo naval cora a marinhagem nacional e es-
presidonio da provincia comrounicar a V-S. que trangeira contratada para o servigo da armada.
missoo o lugar de inspector da do Rio Grande do
Noria, cumprindo que V. S-., de conformidade
com o que me foi ordenado em aviso expedido pelo
de mi lameiella Ghaumout a da M. Oestailteor, aem
usprilar qoe dafronte della, na mea 11. 8., oceupa-
da pela looiedade Gihavier, III pisioas uao a per-
diam da villa, nao dez joizes, mas dez aecusadure,,
que iem ceisar ronov-vam soas observarles pelas
rolovellada, e ligeiro baler de ps debati da mesa.
Se o iimur tivene dado campo livre para urna ob-
servagao, madameieila Miroy lena nolado qoaulo
eslava calma e tranquilla urna mesa, que ordinaria-
mente era a maii barulhanla da sala, na occaaiao da
comida : risos desabridos, palavras sarcaslicas, vozei
avinagrada!, f.iziam-sa geralinenle ouvir no meio
do ha-ulho das facas e garfoi de lodo o refeilorio.
NSo foram precisas duai sessOes no terrival tribu-
nal secreto para descotirir-se onde iarn parar m me-
lanclicos otilares de madameiella Miroy : defronle
della M. Perdriset coma com nin appeiite heroico,
da lodos os pralcs, sein temer eaosai seu estomago.
Muilo se-upado com o alimento, M. Predrlsel ele
leve conhocimeiitu desle olbares inll,imiiia.l.)i, se-
ndo por um terceiro, que o avisoo ; lambem a<
astucias da pobre llamarada continuaran] por lauto
lempo que o ecnomo da InjtiluirAo ohiervou com
sorpresa que o consumo linli.i sida durante quiuze
din, menos forte que era doze. A masa Gibassier,
perdida as ubajrvagei, linha quasi eiquecido o
comer a beber.
Vemos ler de cerlo oma epidemia prxima,
disse n medico de Sania Parina, ao qu il o ecouomo
lesiirounliava suas inquiclaroes por esta diminuirlo
de alimento.Como a inaior parle dos velho- mi.
vive san.lo para comer, o amor nao apparece lemlo
depois dlle. O medico, refleclindo sobre o fado que
lhe I111I11 sido referido, nao poda suppiir senao por
um tmi.lni 110 singular das leu nalaraes qoe deslavez
amor, e a curioiidade de ler pruva delle, tivessem
ve a qaa'quer mullier. eram 1.1o raros, qoe M. He--
lailleur foi citado orno o homem o mi, perfeilo
qoe habiloa a ioslituigao. As palavras de galanie-
ria, amor, paillo, 11.I0 podiaiu applicar-se a' M.
Uestsilleur, e antes os titulo, de cavalluro servente,
inenle ca la um pensionario do estabelerimenlo. U
que lem visto os aparelhos orlhopelieos pul m fa-
zir urna i lea de< peragoll que fazianvse sofTrer aos
sojeilos, com urna nica ev-eprai, que (odo laailll
qoe caliia cutre as ui,1os dos operadores da socie-
lo que
quando eolnva. O areusado nesie lalle sofTria um,i
:orie de lorlura mais croel do que as da Idade
media.
I'oi a.slm que o corarao de malamr'le Mirov fui
bisecado por diversas vezes nesta soce-'ada, o qoe
foi -inpre repelido, ate que (o esqu2rUJdo 0et.
pedigado.
e oulroi muitos que acham-se em quanlidade no dade UibMSier, libia della mais di.fonne
diccionario d.i bal companhia ilaliioa, ja* aom
lingua menos terna nao libarla reproduzi los.
Madamesella Chaumont chamava-o : roeu allen-
cioso. lie urna dessas palavri-s engenlins.is que as
molheres somante podem crear. Eu adiei-me um
dia no s Hilo de madama Rular na hora em que ca-
da um dspedia-se da dona da casa. Madamesella
Chaumont obrigava a M. Dealliilenr passar em pri-
meiro lui,ar ; o allencioso rcrusava. Mas emlim, de-
pois de dilerenles recusas, M DeHailleur faxil-a
dizrndo : seja as.mi. malainesilla, porque se eu Dio
soubease vos ubsiecer, nao seiia votso criado. Nan-
ea tornare a ver dousierea mus pulidos, o mais de-
lirados ; elles fallavam urna lingusgam particular,
e pareriaui lar inviolado urna linca .
O ainivel Per Irisel nao leria podido (er eslas
cimli leucias eternas, este, passems -. ntimi-ntae-, -
lasconversages qoe conlavam obre a vida de M
llesiailleur, e de madame Chaumoul. Vivo como a
lioeiru, ligeiro como um pussaro, pre,|o e labtil, M.
Perdnsel era de nma nalureza contraria a eslas e-
plo-e'. Elle amava muilo ; seus grossos labios ver-
malhos, bem desenliados, solaos anda, provavam-
110 : mis do amor elle au tirilla nrocurado lattio
um prazer paisageiro, a alegra, as galanteras da
mesa sopradas ao ouvido de uina visinha, alliancas
aladas e desaladas rom a mesma rapidez. M. Per-
driset possuia ludas as facultades do namorado ;
lle lurnava-se senlimenlil 111 necessidade, apena,
para que nao fosse_obrigado a empregar esla ola
oiido mais fortes que o eilomago. Os mdicos sao por muilo lempo. Tambem leudo o corarao livre
mollas vezes victimas de fados semelhanles,os quaes n3o fazis de.rausar logo os teoroi p.nos de mada-
laoraro por larra as obssrvago.s cientiricas Mada-1 raesella Mirov. sem pen-ar na peilurbacao que ia
raeella Miroy nmavaM.Perdnsel, e ai leilerooohas I Ungir no corado da pobn rillia. Elle aceitn os
num.ioias eram bem dedicadas por malignidad.- pa-l passeios no litio, deuou-se co.i.lnzir para o peque-
ra esq,iacerem-se de comer, e beber, o que fazia rrer 1 no jardim parl.cular. U, lado quaalo IproveitlTa
"Tla'm^ !.'rl""a" a ir 'ra",a malavolo que urd.a-s, intr. Madama G-
Algum oas depois o medio em chefe de Saula lla^sir.
Parina emviava a' Academia da medicina uina com- Assim como urna planta eslraneeira marcha de-
mumearao importante elle linha MPlIda crrenle, han,, de um clima nublado, no qual o. primeirm
luvisiv.i. e morbidi, que presagiavam I viuda de rama do sida primavera readxnam as folhas niela,,-
violonla : o boalo espalhou-sa em Pa-, eol.ras, laslm 1111 laiiie.elle Miro) parac.-u revivar
ns, os joruaei o ragislraram, a notiria cerreo por to-
da a I rao.;.. A T'r.incs ira virlima dos optares pe-
nelranlesda Peidrisel, de o crneo 13o reluzenle,
e de seas oculus de ouro. r-1 -.1 1 11 o que me fara' re-
flarlir lempre sobre o encadeainenlo dos fados.
Com mil allenc.ns, e mil cuidad.., delicados, M.
I'erdn-ul foi advertido dos estragos que produzni tua
pessoa. Cada \.m gracej iva com isio, e puuha-se
de reserva, alim de nao dltier-se Huir por cadeias
Me pesadas como as Ira/idas por || lleslailleor, com
as quaes madamasella Cliaomuui tiuha-o falto seu
aere va,
A historia anliga cita aerees de amor heroico, qoe
teni-ae rarai veze renovado nos lempos modernos.
M. Deslailleur nio era capaz de herosmo, lie seu
eilerior tranquillo e sua perioiiHliila.le inspida, fu-
giam o brilho ; mas elle possuia quididades mais
moi-.u-oiHi, e mais daraveis. Ignora-se em que po-
ca II 1111I11 atir.i i., ao carro de madiraesilla Ar-
enii Chiumonl, lanto pareca natural que eslas duai
pesios livssem semp.e vivido juntamente as mes-
mas relares calmas, e polidls. Ouem pie s le nbn
de ler fisto elas gravuras lalianis onda um joven
Paulo, aos ps .le iiiih tema l'rauciica, estende suas
m.os para ella supplicaiido-lha que lhe conceda
alguna caitos beijos !
P01 M. Deelailliar represen lava este amavel Pau-
lo ponua 111 ieniii lile, sua timidaz, c pela can tu-
ra com a qual aproiiroavi-se a madameselle Chau-
moul. Sa madamesella Chaumoul lhe prgautasse
tula inanhaa : como passaes'! elle n.l deixaria da
Pobre lilha, cega pelo amor, qoe .ios snenla an-
uos tu,ln Is 10 a forra de remojar, e dar oma nova
rnrularao a sen lineal. A primavera que veio lhe
trouxe bal-jos espiranroms: ella imaginon fa/er a
psrlicipacio n sililo de inadauiesle Itivier de um
piii.i da provincia : a vos apaiiho lem verde, que
laz lembrar a primavera da vida.
llorante Ires mezes, os hospedes de madama Ka-
v.ei iarn (odas as manblia oraar-se no jardim com
urna folha verle pieza no peito, ou oa casa do ves-
tido, e os que eqoeciam-se disto eram eondanini-
dos em ama mulla lneira, coja arcumolarao devia
sirvir para delicada merendas no jardim particol-r
de madameselle Miroy. Km lacil de nular pelo inte-
resse que sa dava a eslejogo a quanlidade de espiri-
10 vivo, de qu cada um era dolado. M. roa ladi
Kavier, Mr. DeiUiHiir e madaueselle Chiomonl,
Mr. t .rlnzel mademesilla Mirov nuuca fallaram
a regra do)ogo ; mas quaulu f.iram apanhados sm
verde Madama de la Borlsiie. Mr. de Capendias
e M. I.obliiteois que linlum renunciado 01 prazeres
da galantera.
Olanlo a malameselle Miroy, ella abusiva da
verdora, Irazia sem cessar na mo um pequeo ra-
mo, faltando a rera do jugo, que quer que a f.ilha
etej escindida, alim de lili chamar a llliacio dus
uulio, jugadora!.
INlgl esia\a inaonsolaval de na poder meler-se
no joga, porque linha sida decidida que .. us pin-
ioairios da Instituir.1 f iriain parle delle. Ale ah
Sania Piriaa appiraeia-lhe debiixi do mais bello s-
perto.gN.n conversavamns mullas vezes juntamente,
e a entra la du pinito nnnea lentnu rom vinliRem
una alia piadosa, ruino elle livli, ande a velhn-e
pareen anda pertenrer ao mundo. Iliogo. dolado
le uto nalureza feliz, deixava pastar livremenle
p.r junto delle .., Irania, da vida em entristecer-
se d.-lles: elle nem os va. A freqoencia eirlusiva
dus Kavi-rs tilia rom qUa allc ignorasie 01 mus lint
da iucie.la.te Gibassier. Se eu lhe livesaa failo par-
ta das observacoes que eu fazia, e das historias que
eu onvia, Dioge admirar-ae hia, a lalvez pedisse pa-
ra que sua pelillo de entrada fosie aunullada, Sem
ser peisimisla. he imporlanle e.indar o inverso, e o
direito, a luz, e a sombra : a sombra nao fallava oes-
te quadro interior, onda us descoolenles fonnavam
a uiaior parle.
(1 gabinete do director clava coulioaadamenle
choio dequeitosos de ambos os sexos, que depunham
uas n-.-usac-s eiinlra o ecnomo, e o cosinhero.
Entre cncoenli qu-ixas, li.viuin qiarenli, a 01I0
dirig las conlra a cu-inha, e eu pude ver um en ir-
me miase de papis contendo diariamente guilla
rutinaria da s..c|dade Gibasanr, qaa alo peiia
pira una iiun.i vida ; ella remugou, seui olhos rea-
niuiaram-se, o sangue eirealoa com mais liberdade
em sus, veas, e a palavra felici.lade f)i escripia em
saa fronte. Ella linha lomado a vivaeidade de M.
f erdri/t, e pareca que procuiava lomar-se igual 1
aquelln que ella amava.
Ceno eslaii alegre '.' un.ilia cara donzella, di/i-
a-lh com dogira madama de la Borden, inulhar
rispsilavil, que linha debaiio .01 olhos arando, sac-
eos vasio, qoe piU'avj-s lar estado cheios de lagri-
mal to la a vida.
Madameselle Mir..\ surrja--.', an iiie-in temr-o
linha pejo de surrir-se. Esta ventura inscripta visi-
valmeute na pliisionomla de m lame-elle Mirov som-
braava anda as imagens da mesa defronle della. A
lociedale das mutheres doenloi sollria enm a felici-
dad d madamelle Miroy ; cada um da qua se pus-
sava acusava as rugas deslas mulhere valhas, a boc-
ea enlrava para deulro, o nariz se llloogav, as car-
nes amolersm. A nalureza quiz que o homem nAo
notasse em saas ruinas pessuans ; mas madama Gi-
bnsiier nbservava-as com sua. amigll, e nao podil
deitir da fazer Iristes allo-1.011 sua propria sitaicto.
Bill -in-iiila e era feralmente di disc.ndancia ; sm- menus qua a volla mime Hala do eoainblira. Selira
pre a--umptu, crueis, ar.icei is amargos, conlradices < esle volnmoso livr. slavaui inscriptas as diversas
contri leda I arria p.-r m-llir que i...e j quanlidades de carne, seu grao de cosedura, us
I) liante Nqaieea-se em seo inferno de reservar I mullios ,ua nalureza, e s.1.1 quenlura. E-le
amlugjrsoinl.no, onle seriam condimoidas a vi- I graudc litro da cozinha dlvidil-ee em sopa,
ver junlameale as malhues \elhas, eaje vida pee em eiraes anadie, cm guisa los, am legumes, em
siu-ie am interprelar pelo mal as acgoai dos mogos, pilles, em aobre-miiei, com lamas columnas de
Communicou-se ao commandante da divisao
naval.
Dito ao mesmoEm observancia do que foi-me
determinado pelo aviso do ministerio da guerra de
28 de junho uliuno. curopreque V. S. mande ef-
feeluar o pagamento do premio deudo aos indivi-
duos, que no exercilo assentarem praca volunta-
riamente, ou se engajarem a continuar a servir na
conformidade dos artigos 6e 18 do decreto n. 21"'l
do 1* de maio desie anuo, annexo ao relatorio do
referido ministerio e constante da ordem do dia do
ajudante-general do exercilo n. 64 de 28 do maio
ultimo.
Dilo ao mesmoRemeti por copia a V. S.,
para sua intelligenca, nao s o decreto n. 2188,
de 9 do mez prximo findo, creando urna compa-
nhia de aprendizes menores no arsenal de marinha
desta provincia, mas la ribera o regulamenlo pro-
visorio para a organisarao da inesma companhia.
Remotteu-se copia dos referidos decreto e aviso
ao inspector do arsenal de marinha.
Dilo ao mesmo.Tendo, por oflicio desta dala,
determinado que se pague o premio devido aos
voluntarios e engajados para exercilo, na con-
formidade do decreto do I.- de maio deste armo,
resta- me declarar a V. 5., em resposta aoseu of-
ficio de homem a respeito deste objecto, que,
qnanto aos encarregados do recrutamento as Ire-
guezjas, se expndirao em lempo as ordens ecom-
municagOes necessarias.
Dito ao commandam.e da divisao naval.Re-
cobi n officio de V, S. com dala de honlem, sob
n. 90, o lico inlerado do que nolle me commu-
nica a eica do l.ausporte do boticario Arsenio Gus-
tavo Borges, para o presidio da Fernando, era
navio dessa eslacao.
Dito ao inspector do arsenal de marinha.
Concedo a autoiisacao que Vmc. solicitou no seu
officio de hontem, sobn. 172, para comprar, pe-
lo preqo de 703 rs. a libra, as 800 folhas de co-
bre com pregos para forro, que Vmc. encommen-
dou aos negociantes Samuel Povven, Jobns-
ton t C., visto que sao necessarias a esse arsenal.
Communicou-se ao inspector da thesouraria de
fazenda.
Dito ao mesmo.-Transmillo, por copia, a
Vmc. para seu conhecimento, o aviso do minis-
terio da marinha do 1' do corrente, sob n. i5,
communicando a nomeacao do padre Miguel Joa-
quim de Araujo e Augusto Jos Gongalves Lessa
para os lugares, o primeiro de capello, e o segun-
do de escrivao da companhia de aprendizes me-
nores desse arsenal, creada pelo decreto n. 2188
de 9 de junho nllimo, os quaes devem quanto an-
tes pagar na recebedoria de rendas internas a im-
portancia dosdi.eitos e emolumentos, que esto a
dever segundo as notas tambem por copia juntas,
Officiou-se ao inspector da thesouraria de f:-
zenda recom.-nenlando-se-'.he a expedico da or-
dens necessarias para a arrecadacao dos direilos e
emolumentos.
Dilo ao inspector interino de saude publica____
Pelo oflicio, que Irontem dirigio-mn Vmc, fiquei
inteirado de se ler encerrado o hospital provisorio
da Iba do Pina, sendo os tres con va leseen les, que
all exisliam removidos para o hospital inglez.___
Communicou-se ao inspector do arsenal de mari-
nha e provedor de saude do porto.
itoao director do arsenal de guerra___Visia a
tua informarlo de 15 do corrente, sobn. 13o,
mande Vmc. substituir por armas do adarme 17
as do adarme 13, de que actualmente se est ser-
vindo o sexto balalhao de infamara da guarda
nacional do municipio de Recite.Communicou-
se ao commandante superior da guarda nacional
do municipio do Recife, declarando-se nao haver
no arsenal de guerra o corroame e patronas que
requisiton.
Dito ao promotor publico da comarca do Be-
nito.Recebi o seu oflicio de 12 do corrente, e
fico inlerado dn que me communica Vmc. acerca
das boas disposices manifestadas nessa comarca,
depois do acontecimenlo a que Vmc. se re-
fere.
Portara.O presidente da provincia, em vir-
iude do artigo 49 da lei provincial n. 431 de 22
so nivia no saiaa de (un usier nem docurai. uem observaron, onde eslavain detalladas lodas as cen-
cousolai;es ; me-iuo as relacai entre os frequenla- j surai du pensionario dillicil de comentar. Nunca
A me- elogios, sempre reusuras. (Joando f.tlhavam os de-
respondar : com mais le.nor que nunca de vos des-
agradar, oo por urna phrase de urna relacau ana-I dores eram manchadas com pe lidias cruiis.
g\'"Ma.. 1. ... l"' em ,oda na 1ual "unim-se, pareca um marino- I lalhes, o aulur da relacao desforrava-ie em ludo :
A polidoz a man exquuii 1, o respeito qoe te di- re de dissecao, oude eitavam Jiipoeloi alternativa-! critican o abaso das caru.s atsadas, qoeixavise da
me quioharia das sobre-mesas, reclamava mais pei-
xe, e ui.sirdva.-se iuimigo encaruicado dos le-
gumes.
Esle livro linha por litlo : tlhiervarr.es di Mr.
I ringle relalivamen'e a nulnro du peuiiouarios
de Santa l'erinac. Mr.Trinsle foi um doi mus sin-
gulares pensionarios do eilabelecunenlo ; aisira co-
mo outros mulls velhos, alie desej.iva segurar-ic o
mais posslvel a' vida : nesla esperanza, elle esludava
lodos os lieros que Iratum la velhicc perdia-s em
contradiques eslranhai. A11I111, ella ehegava ler
algumas vezn uos joruaas que uma mulher de
muita i la le acabava de morrer depon da uma vida
mullo calma. A hisioria do celebre Coruazo, que
viveu ale a i.lade de eentoe Irinla anuos, nao co-
metido sei,11.. doze ouc.ai da alimintos solidos.
qaatona m:i;a de viuho por da, fe-lo relleclir ;
mas algum lempo depoii, o uSlonileur leudo re-
ferido a nellela da um velho d cenlo e daz mnes
que tmha lldi oma vida divirlia, Mr. Triugle nao
soubi deci lir-se sobre o regimera a' adoptar. Era
raro nilo se o ,n: mirar 110 casi, folbeido lias
canas dos allarrabeHai, para comprar baratos volu-
mes velhoi de coliecciVi di felos, os qo .es elle Iri-
zia-01 triomphaute, feliz quando ahi achava fados
incriveis, taes carao um homem m irla com renta
dez aunos, tendo um auno ames sentido doos gran-
des denles lhe rebentar de repente ; mas este ho-
mem nao beba sen.io agua de excorcioneira. Alm
disto, Mr. Triogle, para paisar para ama nova be-
bida, bel.-, durante Ires dias da agua da aicorcio-
niira. L'm dia, elle len qaa um Irabalhidor linha
servido al ceulo e onze innos, mo lendo-se ah-
u-enla lo leno com pa 1 de cavada sem fermento, e
au lando bebido -enao um pcaco de leile a d'agoa ;
desde ent.i 1, Mr. Tringle fez uma ptticAo para obler
da ad M.iiiiilricao pao de cevada stm fermento.
Eu live a curioiidade de procurar seu conheci-
menlo, e facilmuile aprneolou-se a orcasi3o.porq.ie
Mr. Tringle, por causa de sois Material de alrhi-
misia, arh.va poocoi auditores c.miplcenles na ins-
lilaicto. tlesde a primeira vei, elle diclaroa-me qi e
quina ebegar a idade de cenlo e unte innos, por
que elle eslav, cerlo que nesta idade 01 denles ra-
nascem, msim cuno os rabeltos, ficto observado, a
impresio pelo calibre Chrelien Montrelinas, medico
do eleil -r da Hraudeboorg. Elle islava enlSo orcu-
pado com esla importsnli qoeslSo, mas inailo deli-
cada, ebegar a renlo viule anuos, alim de verificar
as obirvac>es do medico, llamis, dizn-me elle, is-
lei fattosie lem .bservado em am idade muilo ma-
nos IVIBCidl. .M.iilameselli Joanua Thevenol, da
aldeia di Pe.....iior, perlo de Trimolat em l'erigord,
foi .rromellila aos olanla seis annos, de ama fe-
bn que fez cahir seus cabellos brancos, mas elle tor-
naran! a nascer negroi, tornaran) licar brancos *o
depois eahlrem amdi uma vez, e lornaram a vir
negro,. He verdade qai ella nunca sabia de soa ce-
sa tu. uifz de marco, acrescaulou elle. Nao live co-
rlheeimento desta faca einlo honliu ; mal deida o
anno proiimo vlndoaro que me fecharei era minha
caa durante o mez -le marco. A boa fe de Mr. Trm.
gle, o ar serio que elle tnmava para coular islas ine-
doclas illn lii.niii-m algumas vezes, e lizeram-nia
asquecer seu tullu cursa 10, e sua palavra tremuli :
Hilo admiro-me mais qaa 01 mdicos dos aliena-
dos iiilarn afumas vetes numeras penetrar no seu
rerrl.ro. Depois que estudei os pensionarios de San-
ia Perin, u me senta licar velho tambem de m--
nha vez. Se logo no primeiro dia e tivesse nea.iu
siirp.eii.lnlodoli.nl singular dasla sociedade, agora
me iielirii locad* del mesmas cranr.s du maia lou-
cas illu-r>'-s : n;,t, ii.iu,, mesmo mais admirado,
quando Mr. Tringle conlou-me que recenlimeiile.eu
l-midun, urna senhoia de noventa e qualro annos
linha-se lorindo a casar em dcimas lerceira nup-
cias com um homem de cenlo e cincoanla annos, e
qoe deile casamento 1 uhaiu uaicido dous filhos e
uma lilha.
(Conlimia.)


DIAKI DE PKKNAMBUCO SABBADO ~>l I)K JULIIO 1)E 1858.
do junhn di! 1S57, a do artigo 44 da lei provin-
cial n. 15-2 do 21 il.; junlio deste anno, ordena
que se observa o segninlo :
Art. 1. A ilirecrao, cnsino o rgimen interno
ilii eollegio ilas orpbaaa licaro a cargo de una su-
parion o cinco irmaas de caridade.
Art. 2. A superior,! das irmas de caridade do
eollegio exe ver as funcc,6es de directora oasou-
iras irraas serijo por ella enearregedas do ensino
e do rgimen interno na conformidade dos res-
pectivos estatutos.Gommunicou-se ao ronsolho
administrativo do patrimonio dos orpliios, recotn-
mcndando-sa que desse pose .i superiurs.
Dita.O presidenta da provincia, na confonni-
dade do art. 17 dos Malulos do eollegio das oro
pitias de 23 de junho de 1855. e do act-
desta dala relativo direccao o ensino do mes-
mo eollegio, resolvo exonerar as actuaes directora,
inestra, e substitua do dito eollegio, Maria Fran-
cisca l'essoa de Mello, Thomazia da Athaydc de
Albuquerque Mello, o Anna Francisca da Sita,
e ordena que se erperam as ordens necessarias,
Communicou-se ao consellio administrativo do pa-
trimonio dos orphos.
/\.rpetliente do terretarto do governo.
Officio ao inspector da thesonrariade fazenda.
O Exm. Sr. presidente da provincia manda trans-
mittir a V. SJ os dous inclusos officios da direc-
tora goral da despeza publica, datados de 8 do
crreme, communicando os saques das letras ns.
46 e 47.
Dito administrado geral dos estaheiecimentos
de caridade. S. Exc. o Sr. presidente da provin-
cia manda declarar administrarlo dos estaheieci-
mentos de caridade, em resposta ao seu offlcio de
15 do torrente, que expedio ordem ao inspector
da iliesouraria provincial para fazer pagar os
4:4479464, que foram dispendidos com o sus-
tento a curativo de 90 mendigos recolhidos ao
grande hospital de caridade, como se v das
comas, que vieran) annexasao citado officio.
Dito ao director interino da reparigao das obras
publicas.O Exm. Sr, presidente da provincia
manda commiinicar a V. S., em resposta ao seu
cilicio da honlem, 9ob n. 227. que acaba de re-
commendar thesouraria provincial que, vista do
competente certificado, pague a importancia da se-
cunda prestacao, a que tem dircito o arrematante
do 15a laneo da estrada do sul.
Dito ao lente coronel Francisco Antonio l'e-
rcira da Silva.-- S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda aecusar a reeepcao do officio, que Ihe
dirigi V. S. em 10 do corrente, participando te-
rem-so encerrado os trabalhos do conselho de qua-
lificaco da guarda nacional da fre;nezia de Ja-
boato.
ludo quanto naquella noile nprouve aos referidos
caixeiros praticar.
Associai/m Tfpographica Pernambu-
cana. Amanfctaa lera logai a eleieao annua do
conselho director dossa associaijao, segundo precei-
tuam os respectivos estatutos.
Sacrilegio. Ser permitlido pelos cao-
nes mi ontra qualquer diaposkio, que se deem as
rliaves d'uma capella aguarear a urna messalina
escandalosa T Sa-lo ha tamln-m que na sacrista
dessa mosma capella ditrina qualquer pessoa, que
pelarnanha della Baia com un iravesseiro debaixo
do braco? Julgamosque iiuoer isto permitlido,
mas pede ser que estejamos em erro ; pode ser que
onde vemos um sacrilegio, mi baja mais do que
un fruclo do seculo dos desabusados.
Urna abelha. Coiiinm-nos que no quar-
linbo que tica ao lado da capella da Santa Cruz,
fregtieia do llecife, acha-se luje do loeatoria urna
abelha lao/.unidora, eque lio seu diccionario do
abelha tem termos lao dignos della. que frjrca
as familias d'alli a nternarem-se em suas mora-
veira, Hermenegildo da Os a Gomes, Manoel
Antonio l'ereira do Brito. Ma lieos Filippe de San-
tiago, Cyrioco Antonio dos Sanios Sobral o sua
aenbora, Maria Clemencia, madama Clemencia,
Antonio de Oliveira Ferreira da Molla, Augusto
Ferrara Jnior, Joaqnim lavares da Cosa, Jae-
ques (laensly, um desertor do exercilo, un mari-
nlieiro e 7 escravos a entregar.
Seguein para o sul :
Joo Dias dos Santos, Vidal Gueidan, Manoel
Gomes de Oliveira e sua senhora, Jos de .*. raujo
Loureiro Lima Venante, Jos do O' de Almeida a
um criada, Joaqnim Vicente Mcloval edous cria-
dos, Antonio Caetano da Silva l'assos, Semcao
Alvos da Costa, sua senhora, 1 Cilios o 4 escravos,
l.uiz Ansaldo, Dr. Jos Mora.na Brandao Castalio
Brancoo umescravo, Eduardo da Bocha Teixeira,
sua familia e nina cscrava, 'i prac?s de pret, um e
recruta e 14 escravos a entregar.
Soguera dc-sia provincia :
11 Maria da Soledade, sua mai e um cscravo.
Recolta.
llecebido de Francisco Anlonin de OH-
ir, Ihesooreiro das nterin' 'la pro-
Vinel*, importancia da b-u lirio da
qninla parle da tercena Infena do
hospital I' ir.. II.......
COMMA.MJU DAS ARMAS.
aaertel (ral comisando d armae de
Parnaoabaco na cidade do Recite, Ota 30 46
Jalho da 1858.
OBDBM DO DA N. 99.
Provando-se em conselho de investigaco que os
soldados da companhia Gxade cavallaria desta guar-
nirlo Benedicto Goncalves c Belarmino Francisco
Barbosa na noile de 12 do corrente altercavam en-
tro ai e vieram as raaos dentro do respectivo
quartel, do que resultou ferir-se o primeiro, que
so achava em estado de embriaguez, e que aps esta
oceurtencia aahio do quartel; e nao os julgando
o commandanto las armas interino sufficientcmen-
lo corrigidos com os" 18 dias de prisao que tem sof-
frido. determina que passem a fazer o servido da
guarnicao no baulhao dcimo de infamara, o pri-
meiro por 15 dias e o segundo por um mcz.
Determina oulro sim o raesmo marcchal de cam-
po que na manhaa do lia 2 de agosto vindouro
se passe revista de moslra aos corpos movis do
exercilo existentes nesta provincia, ao da guarda
nacional aquarielado, e as companliiss fixas pela
ordem seguinle: A's 6 horas a companhia de art-
fices ; s 6 1(2 ao oitavo batalhao de infamara ;
; s 7 ao quarto de artilharia a p ; s 7 3|4 ao se-
cundo de infamara da guarda nacional aquarlela-
ilo ; s 8 l|2 ao dcimo ; e as 9 ao nono, ambos
i'a mesina arma ; e finalmente as 9 l|2 a compa-
nhia lixa de cvallara.
(Assignedo.)Francisco Sergio de Oliveira.
Cooforim.Horacio de liu*m.1o Coelho, .ilfere-
eiudanlc de orden mcarrigado do datalhe.
PIReUMBUCO.
jjoaquim Mara Ferreira de So, Jos Maria do Car-
das, conservando fechadas as portas ojanellas das tallio Jnior, sua seniora, l criada e 1 esoravo,
mesmis, sem poderem ainda assiro licar livres do I Octaviano de Souza Franca, Joaquina Jos Dias
infernal e cynico zumbido, que ella desenvolve.noj Fernandos Jnior, Tlihinaz Teixeira Bastos, Joao
obstante dever existir por all ilgum agentada po-
icia. Como parece haver tolerancia ou pelo me-
nos indifferenQa chamamos a allencao do Sr. sub-
delegado respectivo para o Me platica all a (al
abelha ; que deve por corto ser chamada a or-
dem, visto nao estar perdida nos matos, onde so-
mente poder-lho-hiam ser concedidos a desenvol-
tura que ostenta e os desregramentos que pe em
obra, com offensa da morali.lade publica.
Que boa cria^ao Andava na quinta-
fera a noite urna sucia demei.inolos invadindo os
taboleiros das pretas que venliam holinhis o ro-
leta?, e delles tirando a falsa f ja urna, ja outra
cousa sem que podessem as pr.itas preveui-lo, por
usarem do subterfugio da compra, nena tomar os
objectos assim lirados, visto que elles mal os apa-
rihavam, punham-se em fuga ascarreiras. As
negras em vinganca desennovchvam a lingua em
solemne descompostura, que deixando os autores,
ia a casa dos mesmos, e taazia para all ns paie a
as mis ; aos quaes deixavam lela ra da amar-
gura. Eisa evocaeao com eff jilo devera ser for-
mal, eses individuos deviam em pessoa ser trazados
naquella occasiao para aquello theatro, afirn de se-
rem expertadores dos frutos da boa educacao dada
aos seus filhos ; que por tal sorte vao-se habituan-
do um dos crmes mais deponjnles da dignidade
do homem.
Postura e infraccao. Ha urna mnttier
possessa na rita Augusta, rnja v da inteira he urna
inlracco continua s posturas, o urna violacao
constante e affrontosa s regras da moralidade pu-
blica. Em amanbecendo o dii est em campo
a nossa megera, de cabellos desgrenhados e vsrda-
deiramenta horripilante, que he mesmo urna furia
dos infernos. O tormento de toda sua vida e a
pobre victima de seus furores he ludo ao mes-
mo lempo urna misera ve escrava, torta oexco:n-
mungada, que Ihe paga os dias sem avenoa de pre-
co. Pela manhaa rola a pancadaria para dispr-
Iha o corpo ao trabalho ; noile, depois das 9 ho-
ras, so reproduz a mesma secna, verificando-se o
adagio :Morto por ter cao e morto por nao ler
cao.Se a pobre negra ganlia luje menos do que
ganbou hontem, apanha porque ir.ibalhou boje me-
nos ; se ganha boje mais do que ganbou honlem,
apanha igualmente porque podera ler feilo hontem
o que fez. boje. De sorte, que rsbalhe maisou
trabalhe menos, sampre sa vem dar no mesmo re-
sultado, que he apandar e apanhar muilo. .S'ic
coto, sk ubeo, sil pro ratio tioiunlas : he m-
xima que nunca houve rcelhor npplicajao. Cahe
aqui pello dizer que esta boa mullicr nao he mais
tolerante com unas infelizes enancas, que sao seus
Ferreira da Cosa, Jos Correia dos Santos e 1 fillm
menor, Dr. Vicente Alvesdo Paula 1'osso.i, e 1
,m tino, Jos Pareira dos Santos o 1 ciiado. Vas
:u Marinno da Gama e Mello e 1 criado, Tiberio
a Jos escravos de Joo Ferreira da Costa, Laura
n iva a entregar, 2. sargento Agostinho Jos de
Andrade, llcnrquuta da Corqueira Lima, Joo
Casimiro da Silva Machado, Joaqnim Cardoso
Ayrcs.
Mortalidad*do da :11 de julho.
AMonio, pardo, 20 das ; cnnvuUOei.
J -e atiria do Booa Fioa, prato, soitairo, 33 anaoi
tubrculos.
Sazana, preta, ccrava, solleira, 50 anuos ; pblhv-
sica.
Joo. prlo. fi mazos ; espasmo.
Soldado (".andido l'ereira de M ,i|.is, pardo, solleiro,
'22 anuoi ; ^ssasmdo.
Felicii da Cunceifao, pardo, casado, 40 annos ; b-
jiipa.
Jnflo. branca. 18 meza", eonvnlioes.
limiraln Gornai de.xlircu, prelo, vinvo, KO annoi;
apopNxia
Mannal, pardo, 7 siinn ; e=pa(irho.
Ilotpital ac caridade [30 de julho).
1.vistiaio 23 homaos e 30 mulherea liatadoi pela
candada. 10 li mem e 30 mullieras ipie paam a ca-
a, e~ pra^a' de corpo da |i'liria.Total Sli.
Ali drpoi< d'amanl.on.
BALANCOIU RECEITA E DESPEZA DOS ESTABELEC1MENT0S DE CARIDADE,
VERIFICADO DO 1- DE ABRIL A 30 DE JUNHO DE 1858.
Doapeza.
Paco aot emprcfidos do' Mlabeletiii*n-
liia de raridad*, *u efdmaiIOl al
IH dito ilem da icxta parle da dita.
I) i dito i.lfm da ultima parta da dita
e piimeira da quarla......
Do thetnnreirn da a^sori 1.7.10 commor-
eial, Jote l'eixelra Bolo*, para ser
applicada 1 obra do meimo liospilal.
D* Joflo Pinto de Lomos Joniof, p^to
(raumenlo de seu escravo de noioe
KstevSo..........
Do cnsul hamburenrt, idam do sob-
dilo da aua na;ao II. Julius Ki-
IsinS..........
Do Majar Jote Joaqoim Anlun'i, idem
do seu eicravo Joaquim ....
De Fraociteo Jos (Jomei de Santa Ro-
sa, ideio de Fall Jo l.eite .
De Jop (renorio di Silva, idem de
Fmuckliu Nuituelra de Soma. .
Do liar > de Ipojiirt, idam di seo cs-
cravo Pedro.........
De Jos Nojosa Vrja"n, idam .
Da thesonraria provincial, importanrii
do subiidio do inez de marco .
Da meima 1 f1aa.111r.1ria para a obra do
hospital Pedro II.......
D* Manoel dos Keis Ouarema, pormo
de Fraociico de sala e Un n, pelo
trilamento do escravo Jos .
Do l)r. Pravedes (jome* da Fonsera Pi-
1 .nja, pelo (ralamento do escravo
Joao...........
Di< ll,i. visorio, .1 ia jiiim Uelisario
Lint de Mello, idem do escravo .tose.
De Franrsoo Alv*s ila Souza, idem da
escrava Joaquina.......

Da Ihaiouraria de f.iienda, importan-
cia do subsidio dos vinhos, de nutu-
bio de 1857 a i;i de marro ultimo.
2:200*000
J:i(HI9IHK)
2:2009000
2508000
21*320
I3f500
6S9S7
229080
96(000
I2O9OOO
sOOO
009000
9G9OO0
.imioo
%$000
'J6#0OO
969000
6O9OOO
PAG.N. AVULS&-
1I33DC /JSUaA*
Os caixeirot na reparlifao do correio.
Chegou-nos agora ao conhecimcnio o modo des-
1 uununal porque se houveram os caixeirosde dif-
r-entes casas oslrangeiras, na noite de 27 do que
boje expira, naquella reparticao : e sendo elle in-
slito na ultima expresso, deseando ao nivel do
quo ha do minio baixo e indigno na escala da in-
famia, nao podemos deixa-lo dasapercebido no acer-
vo de abusos escandalosos que se commettem todos
os dias, e perdem-so na indifferenca que lavra en-
tre nos, ainda as cousis mais serias e mais
graves.
ft'inguem nesta cdade ignora] que o vapor in-
glez aTyne tocou este porto no referido dia 27
por obra das seis horas da larde ; e que tendo che-
gado as malas ao correio pelas nove horas da noi-
le, nao era fcil, nem ainda possivel, que nessa
noite mesma se realisasso a distribuirlo das cartas,
por quanto como antecedente disto havia a respecti-
va sepaiarao, que be um processo que demanda
cuidado e o emprego de nao pouco lempo. Nesta
emergencia foi resolvido pelo Sr. administrador
que sefizesse a separacao, para no da seguinte ter
lugar a entrega das cartas, ordenando ao mesmo
passo que losse fechada a porta da saleta de espera,
alim de-vedar que ahi se dessera adjuntos de cai-
xcros, queviessem perturbar a marcho regular do
servico, que andn sem duvda na melhor ordem.
no recinto da administraban, at meia noile. Sem
embargo porcm dessas providencias assizadas, que-
rendo aquelles mocos graciosos sempre dar copia
de si, coroecaram a aflluir para a porta priEcipal
do edificio, onde nao pouparam revelarles da boa
educacao de quo dispuuha cada um : mas anda
com loda a calma o com a maior prudencia curou
o Sr. administrador de remover esse inconvenien-
te, ordenando igualmente que ess'oulra porta fosse
fechada, sem que no entretanto Ihe passasse pela
iraagioaco que os taca moc,os, com as honrosas
excepeoes, tivesscm o arrojo dejogar pedras sobre
a porta, imterrompendo assim o trabalho, e incu-
lindo tal ou qual receio nos empregados, que viam-
se exposios por tal maneira a ser victimas do urna
pedra que podesse entrar pela janella. Nesta si-
luaco, vendo a cada momento tomar maores pro-
porcoos a insolencia mais molecal, dingio-se o Sr.
administrador ao commandante da guarda prxi-
ma, para o fim do chamar ordem aquella turba
infrene pelos meios que ella requera ; mas com
admirarlo sua vio que o referido commandante se
osteulou indirierenle aquelles desmandos e desacatos
urna repariico publica que funecionava, omit-
lndo as lerminandes ordens que Ihe haviam sido
iransmillidas por occasiao de empossar-se da guar-
da Nao sabemos qual deva causar maior eslra-
nneca, se a iatahoosa laviandade dos caixeiros, ou
se o prucedimenlo do commandanti' da guarda nessa
iiiai-c .0 automtica com que -c portn para com
11111 negocio, que corasigo euteudia to direcla-
monie I...
Como quer que seja, .invocamos a allencao do
Sr. marechal commandante das armas para esse
facto na parte relativa ao procedimentodoofficial,
que ciiiiimandava a guarda naquelle dia, nao s
paraque se nao reproduzam scenas to pouco conve-
nientes ao Ufada* militar, como lamliem para
que nao fique sem a correspondente puniro a im-
pasibilidad.: por elle aiiresautada quer urna ro-
quisicao legal, i|iier um acto criminoso. K de
i'.iiniuiiin fazemos idntico appello ao corpo do
commercio, alim de por cobro a esses seus caixei-
ros que assim se desmandan) to indignamente,
trocando a gravidada daquelle que se prepara para
una proli-s.ni bonroea, pelocynismo do gaialoque
anda atirandn podras pela 1 un ; 6 tanto mais
pe-I unos a sua intervenio quanto ja nao he esta
.1 piimeira vea que ha conflicto de raivoiros na-
quella reparticao.
Alm dessas altas proezas to cslrondosaancnlo
praticadas, que licam cima consignadas, chegaro
os dvsrolos 1 desceraos insultos individuaos : o Sr.
ajadanle contador foi desaulorisado na saluda, e
um carteiro na ra Direita passou pelo mesmo dis-
sabor. Paramos aqui, porque islo tambera cora
tillaos. Os gritos destes acompa ibam a grandi
orchestra ou ralbando tambera ou chorando e her-
rando, por que sa Ibes tem ja batido.
1 Fallcctnu.nlo. -"No dia 20 do corrente
falleceu em seu engenbo Miranda, o Sr. coronel
llenriquu Luiz da Cunba o Mello, rico propieta-
rio da comarca de Cioianna.
Descuido bem damnoso. Refercm-nos
que um sugeito pouco perito no ollicio de car ni-
ceiro, quo na verdade nao be l dos mais facis,
indo ferir um boi, to desasada mente deuogolpe
que o levou contra si, o em vez do rahir o animal
cabio elle. I)cu-se isto 110 nosso maiadouro publi-
co. A ferida foi de doer nao de matar.
4ssassinalo. Mais um dasses crimes
cuja gravidade enche de lerror a populacho, leve
lugar anic-bontem noile. Um soldado da com-
pendia de artfices teve a crueldade de assassinar
brbaramente a um seu camarada, so dado da mes-
ma companbia. Dizem-nos quo o assassino con-
fessara fer dado a primeiea tacada no largo da Hl-
beira c a segunda na ra do Rangel, para onde
correr a vctima, procurando em vo fugir mor-
te. Dopois de ter verificado estar mono o pobre
homem, dirigi se o assassino ao quartel e partici-
pando o occorrido entregara-se prisao. He nota-
vel acharem-se os soldados fora do quuariei se-
melbante hora, principalmente quando so diz que
he isto cosiume da todos os dias.
Prisao.Ante'hontera a urna hora da tar-
de foi preso pelo Sr. Dr. delegado, um Inglez de-
nominado Tlioraaz Bishop, aecusado e baver cau-
sado a morte do americano George, o pronunciado
no art. 194 e 195 do cdigo criminal. A ordem
publica para a qual mttilo concorre a punic.o do
crime, deve mais este servico ao Sr. Dr. delegado.
Lingua e punhal. Consta-nos quo um
morador de Fra de Portas tem o mo cosiume da
gritar a todas as horas e nos gritos d) proferir as
maiores obcenidades. E ainda taso nao he ludo :
elle nao deixa um s instante de trazar ao lado um
compasso, sem duvida como arma defensiva, sem
iluvida... Mas apezar de nao haver duvida, ser
bom que o deixe licar em casa, porque a seguranca
de um homem de bem nao est na ponta de um
punhal. Com isso at Vine, livraria ilguem que
Ihe vota aipisade da reponsabiiidade que carrega
por nao prendcalo, devendo n podando faze-lo.
Uesreipeilo ao S. fi. I iatiCS. Ha entre nj
ama elaasl de indinereme*, que parecem ddisnar-
se d* prestar a devi.la homen'K'in aos sagradel doe-
mas de nossa santa reiigio. Km sea oticulho e em
sus ignorancia dos mai* sublime?, e imTi'ive- mysle-
rioa .ia rebgilo aalholiea, c-earo aoparilleioaoi o* les-
lemmilioi palilicos de venera.rao que os catholicn*
reudein em sea coito ao Creador Supremo do aniver-
*o. J.i nao proOiicamos 09 escandalosos abusos que
lodos os dias vemos pralicarem-se nos recintos sagra-
das : oa no*soa indiOerenles parece que nao frequen-
lain as nassas iurejas aenSo para insultaren) e desres-
peitarem a dmndade que nellas habita.
u.lauta* vezes est exposto o acrameulo a lite vi.I -
vnn a* cosas por ignorancia oa por despreso esses
qee occatam e ee encobrem, quan lo o veem pas-
car as ras publicas, cuino que envergonhad.is de
se vereni isulados un sru estpido desraspeilo Mas
uio nos sorprende lano a liherlinagem, a incredu-
lldade de eertos catholicos, como o pouco respeito de
di que do moslra por vezes as casas de familia.Pas-
sa o Sacratissimo Viatico a noile, aunonciad.) em sua
passagem pela estridente campa qu* se ouve ao Ion -
(*, e em ama ra inteira,como observamos ha bem
pouco lempa, apenas se illoniinam as janella de
duas oa tres casas, que sao pela mor parte casas hu-
mildes, em que habila gente pobre, Camila modes-
tas, que 11.11 I.un com respeito os oo Iradir.rionaes.
1 .lu' bello templo dao aos filhos ses pas, qiu
assim sancrionam com o dos priineirns aonus O110 iacaollVO podaroao a ef-
lirai aflaracan] ana*|(aniillai, a ineredalldade c a li
i.erintagem K sor dopola pan admirar, que .
lillius, assim educados, se enveruonhem mais larde
de curvar ojoellio nas ru.s publnas ao S. S. Viati-
co, em signal da mais profumit submlssao, respei-
lo e devo^So ?
I enda de agurdente. O art. 0, til. II, a;
posturas maniripaes, rezi assim :
Fica prohibida a venda deignardenle am es-
cravos, >em que apreaeolem bilbetes di seus seulio-
res, por etles asignado*, queaoloriiem a venda.a
li a mnnicipalidade impOe ao Infr-clor a mulla do
arl.S do meimo litlo, qu b il? 309000, punida a
reincidencia eomedoploe 15 das di pn-i. Ora,
ei"-aln uina poalarl, que he eOOitanURUUle violada,
e que 030 ha hoja qoem a guarda em aua iulaira/.a.
A cmara seria hi>i* grandi capilalisla, se recullic*se
eila malla nos loroBM .la lei. 'lamo) visto com os
propn is ollios vender-se quotidianaiuente agurden-
la aos e'craviissem a menor sbjaeclo, Ha < mooor
eicrupolo. Nio lia por ahi veiidalhAo que lesha a
aslulliee de exigir billi-le da wnhor do escravo ; lo-
ilus voodoaa puhticameulc, na proaans}* de quein
quer que seja. 1'ranscrevem.is a petlata, n' ver >e
assim te Ihe ii" man algnaaa atlein.i., a nao para
exigir qu 01 Si*. BaCIOI impoiiliain a inulta, por
que aeria preciso impo-la viole ve/.es na raincidan--
cia a' cala laberna. O desu*o tambeiu faz le, e eis-
a )ui um caso em que *e verilica o principia.
O vapor nacional Tocantins, viudo do Pu-
ra e porios intermedios, trouxe os seguinles passa-
seiros :
II-' irih ii mea Franciteo de Sooz?,
importancia de :Mn garrsfas vazias.
Do Dr. Manuel de Marros, nrrelo, pilo
tralainento d* detallo Itibeiro .
lio Dr. Bernardo Peieira do ('.armo,
idem do escravo J0A0.....
lie Eduardo l-'erraira Hallar, ilem da
eicrava l.uiza......., .
Do procurador da admislraco por can-
ia do reudimento dos predios ...
S-S.'i 1
199520
270902
1:666/668
1:0005000
7201-10
299*75
1I2I1
659165
2:3339765
489000
(99351
59050
19750
6:5689311
Por saldo em taita
Em letras. .
Em recibos .
111 caixa, a saber :
, 1:5579145
. 2:799704
t:356884fl
jonho...........1:270-500(1
Ao regnie .1 grande hospital pelas de-
p*zas Ao dito d.i hi-iiiial dos lazaros, idem 1:4279480
A dita da casa doi ipoilM, idem. 1:1539690
A SobastiAo Marquts do Nascimenlo por
obras .ie folha......... iljjOOO
A l.iurenrn Ju<(iiano da Rocha l'"err*i-
ra, por >:!!. sangoa-sneas.....1I7J00O
A Amonio Diminzos Pinto, por movis. 6539500
AGoilhirma da Silva (.uimaran, por
seis peras r|c madapelo..... I89OOO
A Joo lavares Ordeno por generes. 749500
A JoAo l.uiz \ anua, por 107 pares de sa-
palos para os atposlo* ...... 1O7J0O0
Ao llr. Mainel ie Barros Brrelo por
117 arrobas de saturar refinado, que
rorneceu de junho de lST a abril ul-
limo............97795OO
A diversos importancia rfo enxoval da
eipoill Anionia Sancha.....ItiOllOO
A Anlanio Pinto de Soais, por seis arro-
bas de velas de carnauba..... 909000
A Pedro Ignacio Biplisla por 10 libras da
cera lavrada......... 129800
A Antonio Carneiro da Cnnha, pelo alu-
guel do sobrado, ueeupado pelos padre*
latarlitaa, vencido 110 ollimo de maio. inOfOOO
A M ni >el Moreira de Corle Duro, por
generas...........1099500
A Antonio HeruardoQoinlairo, pelas d*s-
pezas fnebres, por ocrasio do falleci-
11,1 ni ile duas irmila* de caridade e
nm padre l. / "i-i 1.......4205000
A Jola J' da Gouveia, pelo enxovai da
exposla Mana do Risario. .... 1565000
A Joaqoim Amonio l'ereira, por loui-a. 210JO00
A lenlo dos Saotoa Ramos, por 21^ ar
robas e 9 libra* de carne verde que
forneceu nui meze de man,,) ealuil
ollimo...........1:5315000
A Jos Vicenta Soaraa de Miranda, por
liura........... 75120
As irmaas da csridade, importancia di fi
mezas de ordenado, .1 vencer a 23 de
agosto do corrente anno.....172;500
Ao Reverendo capellSo padre Catn ni,
sea ordenado de 33 da fevereiro a 22
de agosto dito, indo ja' abatida* as 1:0-
madorias..........20fi5000
Ao dito, ordenado vencido pelo finado
eapel]Xo Jeantenr........2629 ;^s
A I). Porloaall Corlho da Silva, alosoel
do armazem oceupado palo grande hos-
pital at o ultimo de setembro prxi-
mo futuro.......... 729OOO
A Antonio Dominga* Piulo, por alucael
de mobilia.......... 555200
A It-irlholom^o francisco de Soaza por
droga! que furnarcu do 1.' de jolh 1 de
ISj" ao I- de Janeiro do eorreulc auno 2:10758:12
A diversos, por concerlos felos na* casas
do grande hoipital e expostoi 1009312
A Machado A. Danlas, por 11 sueca* com
f "ola...........HO5OOO
A Domingos Bernardo da Conha, por
umacaixa com velas da carnauba. IS-MI
Aos enfermeiros e srvanles do grande
hospital si ns ordenados al junho. 463{0o0
Ao sacrislao da ignja da Nossa Senhora
do Paraiso, sua gratificaco al o ul-
timo de abril......... 25OOO
A diversos, importancia da.despeza leila
rom a obra do hospital Pedro II, cumo
do livro respectivo.......8:06208115
Saldo em raixa a saber :
Em letras......1:1429145
Em recibos......4:0139313
Idem 1 B. Thireza dos Sinlo, casi
terrea, arrenlada por.....
Ilem 14. Nnno Mara de Saitas, 01-1
lerroa, arrendada por.....
dem 16. Cosme Vicente I irreira, ca-
sa terrea, arrendada por .
dem :2. Jos Moreira da Silva, casa
terrea, arrendada por.....
dem -J, Jase 1'rancneo da Colla, casa
terrea, arrendada por.....
dem 30. Clara Theudora da Fonuca,
casa larrf 1, arrendada por .
dem 32. Maria Antuoia da Punfica-
i.fl.\ casa terrea, arrendada por .
dem 32 A. Maria Anlonia .la l'urifi-
c ii;.i... casa terrea, arrendada pir
dem .12 B. Francisca Maciel de Su li-
za, casa terrea, arrendada por .
dem 31 A. Manotl I'ranciaco da Silva
Carrito, ca.a lerrea. Arrendada por.
Idem 31 B. Munnel Franelaeo da Silva
C iiriro, casa larrea, arrendada par.
dem :i C. Manuel Francisco da Silva
Carrito, casa lerraa, arrendada por.
dem 3 U. Man..el Francisco da Silva
r. unen, casa ler: m. arronzada por.
Idam 34 II. Amonio ,\ohre de Almei-
da, eaia lerrea, arrendada por .
Idem 31 I. Aulonio Nohre de Almei-
da, casa terrea, arrendada por .
I tem 3t> J. Dalphina Maria da Cncu-
o, cata larra.t, Hrrendada por .
dem 40. Maria Veiianeia de Abren
Lima, casa lerrea, arren lada por .
dem 3. Jos Candido de Carvalho Me-
deiros, casa lerrea, arrendada por .
dem II. Miguel Teixeira da Cotia a
Patricio Jos da Silva Sariiva, caja
lerrea, arrendada por ...
Idam 15. Amonio Jos da Magalhaea
Bastos, casa terrea, arrenlada por .
Idem 17. Maria Vauanria de Ahreu
Lima, casa terrea, arrendada por .
Idem 19. Manoel 1 da A-sompc^o, ca-
sa lerrea, arrendada por ....
Idem 21. Dr. Jos Roberto de Morae*
e Silva, casa lerna, aireudada por.
Travessa do Dique.
dem fi. Tiburcio Valariaao Baptista,
casa lerrea, arrendada por ,
Idem S. Tiburcio Valeriano Biptitta,
casa lerrea, arrendada por. .
dem 10. Isabel Marcolina Streiiuade
Oliveira, casa terrea, arrendada por.
Idem 10. Antonio Jos de Fariai Luis,
casa lerraa, arrendada por. .
Idem 2. Ileraeiros da Francisco JJon
I! iil.ii.a. casa terrea arrendada por.
Idim 1. Anm Joaquina da Sania Cruz,
casa lerrea, arrendada por. .
dem 1 A. Anua Joaquina da Sania
Cruz, casa lerna arrendada por .
dem 3. Francisc Thometia da Can-
ceico Conha, casa lerrea, arrenda-
da por..........
Primeira secglo do consalado provincial, 20 de
julho de 1858.O I,locador Joao Pedro de Jesos
da Matla.
(Contino'a.,1
1200000
1449000
969000
I209OOO
3169000
85000
815000
9690110
SHatio H &ttn*minuo.
28:3639514
5:4454S7
28:3639514
Admioistra o escm.11. O Ihesoureiro,
Aotoiio Jos Gome d<\ Correio. Jos l'ire* Verrriro.
.MAI'I'A do mov mente dos estabetecimentos
abril a .")() Je junho de 1858
le caridade. verificado do 1- di
w a
/-wn
3 t> B K s
-cea
- r> ic -i
3- x
o o
Masculino.
I'eminino.
Tol.il.
>
VI
a
DO
P1
X
o
/
o
*
3
" 3
c z. i

llnmens.
Mllllieic
Total.
i

9
O
llomens.
Mulbrre-
lnlal.
Adiiiiin>ii.ic;ei geral dos esiabelecimenlns de caridade -I de julno de 1858.
(1 escrivlo,Antonio Jos Comes do Correio.
Maria Komana Paos de Almeida o urna iodia,
CONSULADO PBOVINCIAL.
Conmiacao das aiteracdet feitai no lan-
eamento da decima da (reguezia de S.
Josii que tem de servir no anno inan-
ceii'o de I S.">S a 1859, pelo lancador
Joao Pedro de Jess da Matta.
Itna das Cinco Pona-.
N. 2. Jo Claudina l.eile, obrado
com 4 lojis e 2 andares, erraudado
per........... 85290O0
Idem S. Ilerdeiro* da Francisco Casa-
do Lima, eaaa terrea arrendada por 192;000
dem 10. Manoel Antonio (i intalves,
oasa lerrea oividi ia cm duis, sollo-
calas por ......... .3609000
dem 12. Jolo Chrisostomo Facheco
Soares, sobrado som urna loja e dous
andares, arrendado por..... 7109000
dem 18. Jur Ilodrigoes de Araujo
Porto, sobrado com urna loja a um
andar e solio, arrendado por. 582S00O
dem 12. Luiz Comes Silvano, sobrado
com urna loja e 2 andares, arrendado
por........... OOficOOO
dem 1(i. Anua Imana dai Viigms,
casa lerrea arrsndada por. I2O5OOO
dem 50. Aulonio Mureira Keis, casa
terrea com solao, avaliada por 250.;O0O
dem 52. ur i'in :! do Cauno, caa
lerrea arrendada por ..... 210j000
Idem 5. Irmaudade do baottoimo
Sacramento de Santo Aulonio, cata
lerraa arrendada por ..... HiSsOOO
dem 56. l.uiz Gomia Silverio, casa
lerrea arieudada por..... 192JIKK)
Idem 58. Joto .lose do Carvalho Ju-
nior, rasa lerrea avallada por :>'iir- mil
Miiu bo. Mi 'i-i i nen a di Cala o
Patricio Jote da Silva Sai liva, caria
terrea arrendad! par..... 1929000
Idem (12. Jote Joaqun Pereira de
Menionca, olirado com ama luja,
um andar e lolto, arreo lada por. 5609000
dem 64. Antonio Joaqoim de Soaza
Itibeiro, can tarrea arrendada por I8O9OOO
dem 66. Jora los de Carvalho Ja-
niiir. cas tirria arrandada por I50sil0
dem 68. Anlonia Joaquim duaSaaloi
Andrade, rasa Ierren arrendada por I
dem ~. Viuva de Joilo Fernaud .
Via ana, caa ierr arrendada por 2109000
dem SO. Anl un l-'eriiaiinea N'elloso,
1 -a (*rrca com nm telbeif ) no fun-
do, avlala por.......
Idem 96. FraBOiMO Martilla los \njos
Paula, casa lerrea arrendaca pin. li.'Onii
Idem 106. Aulonio Joaqnim dos San-
to^ Andrade, raaa Itirca avallada
por...........
Idem 112. Jom Pinto do MagalhilM,
casa lerrea arrendada por.
Idem III. .lose Joaquim deilliveira,
casa l-rrea arrandada por. .
Idem 122. Amonio Francisco de Car-
valho, casa lerrea arrendada por. .
dem 21. Joaquim de Souza M'randa
e Couto, cusa terrea arrenda a por .
Idam 12(1. Antonio Francisco de Car-
valho, casa larrea arrendada por. .
Idem 128. Antonio Francisco de Car-
.Matioel Jos Iorge?, Joo Genuino Alvos de OU-, valho, casa tarrea arrendada por!
2)119000
I689OOO
I689000
2409OOII
2409OOO
1929000
dem 132. loaquim Teiielra l'eiioto,
casa larrea arrendada por. 2109000
Ilem lo. Angeladas Virgen do Sa-
cramento \ lamia, casa lerrea, com
um Itibeiro no Cundo arrendada
i'or........... 2649000
dem 112. Anlonin Goncavlm de Mo-
raaa, eaia tarrea, arrendada por 2IOgO00
Id'in 11 i. Antonio (onralves da Alo-
raos, rasa tarrea, arrenlada por 210,")000
dem US. Jo.lo do Amoral Rapoao, ca-
sa terrea, arrendada por ... 2409000
dem 150. Marcellino Anteojo Parti-
r, rasa terrea, arieudada por 2409000
dem 152.Marcellino Aulonio Perei-
ra, eaaa terrea, arrendada por a 210^000
Idem 154.Jlo Mallieus, esa terrea,
arrendada por........ 2OO(H)0
dem 156. Antonio Jos de Maaalhflea
Beatos, casa lenea, arrendada por 2409000
dem IOS. .Marcelino Antonio Perei-
ra, (obrado com urna loja e um an-
dar, arranda.io por...... 3783000
dem 160. Marcelino Antonio Perei-
ra, sobrado com urna loja, um andar,
o om quarto no fundo, arrendado
Por_........... 1689000
dem 7. \ mva de Manuel Feliz da
llosa, casa lerrea, arrei.dada por. 1.12-IHHI
Idem 9. Ilerdeiros de Auna Joaquina
de Jess, sobrado rom urna laja,! um
andar, arrendado por ..... 3509000
ldnn 13. Filhos de Jote Pedro da
Silva. caa lerrea. arrendada por I8O9MK)
Idem 21 Caudiua Marimba do Sacra-
niaiilo, casa terrea com tollo, arren-
dada por......... :H0NMMI
Idem 27.llsurique Jote dos Sanios,
sobrado cun urna loja a dous anda-
res, arrendada por...... 5829000
Idem 37. Victorino Joa di Souaa
Travatto casa lenea arieudada
Pr........... 3409000
I .em 13. Jos Fernanda* Baitoa, casa
lerraa, arrendada por..... 3609000
1 lein 17. Manuel des Alijos Ferreira,
caa lerrea, arrendada por. 1OSC000
Idim 19. Francitea Tliamazia da Con-
ijo Cacha, casa terrea, arrendada
Pjr........... I689OOO
Ldem (15. Jn-e Cnuri.lvis de Sa', .. 1
terrea, dividida em duas arrendada
I""........... 2109000
dem 67. Filhoi de Manoil Ferreira
Dioiz. ca>a lerrea, arrendada por 2O3OOO
dem 69 Maria Theodora da A-sump-
lo, caa lerrea, arrendada por I8O9OOO
Idem SI. Jos Joaquim Ferreira da
Uirauda casa lerrea arrendada
por........... I2090OO
I lera 85. Victorino Je-e da Soaza
Travasjo esa lerrea arreo i.ei.i
por........... -JlllaOOO
Idem 91. Joanna I rancisca de Melle-
101, sobrado com urna lu, 1 e um an-
dar, arrendado por ...... UnOjOOO
I'rave-sa i.. M risco.
Numero 2. Viuva Ilerdeiro* de Ma-
noel Joaqoim Piulo Machado, casa
terree, arrendada por..... 72^000
dem S. Jos Moreira da Silva, casa
lerrea, arrtudada par..... 108^000
Pelo vapor o Tocantins o quo hontem to-
cou este porto com procedencia dos do norte
tivemos noticias desse lado do imoerio.cujas
datas pouco atliantam as que tivemos pelo
Paran, cliegam com tuflo a 10 as do Ama-
zonas, a 21 as do Para, a 21 as do MaranhSo,
a 10 ns do Piauhy, a 24 as do Ceari, a 24
tambera as do Ido Grande do Norte.
Amazonas.
A adrninislrac5o da provincia desenvolven-
do-se sob um aspecto prog'essivo.imparcial e
conciliador, ha sabido atratestar um periodo
de alguns mezes sem aggressao de qualquer
dos grupos que fraccionan) a provincia. To-
dos, quer sejam gregos, quer trvanos,
acham-se satisfeitos com a presidencia do
Sr Dr. Furtado.qtio a seu turno procura pro-
mover os intereaasfl e dar expansSo as facul-
dades daauella interessante porfjo confiada
a sua solicitude e illustrac;5o pelo governo
imperial.
Osublelegaioda villa deSilves maaJou
inlligir a utn guarda nacional o castigo de
duzentascnibaiadas, euma f.ilha do Para
diz que assistiram a cxecuo nao so o viga-
no, como o capilao da respectiva compa-
nhia. S. fcXC. o Sr. presiden!, logo que leve
amencia ao faci, aemittio o subdelegado, e
odenouasua responsabilisaqSo, comotam-
bem a dos demais iodigilados autores de ta j
atroz aitentado ; todos os quaes ja haviam
chegado a Manos, onde coostava que ia ser
instaurado o respectivo summario pelo chefe
do polica.
No dia 15 do prximo passado seguio a bordo do
aTabalinga para o liio Negro o delegado de po-
lica da capital, Dr. Marcos Antonio Kodrignes de
Sonsa, afim de syndicar dos fados oecorridos no
rio Uanpcs, levando cm sua companbia um alte-
res c treze pracas delinha ; c no dia 21 regres-
sou o Tabalinga de Chibaru' sem que lrouv.es-
se noticia alguma d'alli. Todava de um expresso
miiitar, chegado no dia seguin'.e, consta que no
Ixi, afluente do Rio Negro, prximo pe Marabi-
tanas, existe um grupo de homens com determi-
narao de resisteucia qualquer pessoa, que all v
com carcter oflieial eslorvar-lbes a independencia
queauferem, o desfazer o ajuniamento em qne
es lao.
Nessa siltiacio das cousas, nao obstante, espe-
ra-sequo seja fecunda a esperanca do referido Ur.
delegado naquellas paragens em resultados vanla-
josos para a civilisajao e iranqulidade.
Acaba do ser pronunciado o amanuense da re-
partido das trras, Joo Antonio de Magalhes
Castro, por excessos commettidos em Januaca sobro
os indios Mouros, espancando e brindo com lorca
armada a differenles delles.
Com cxcepgo daquella emergencia do Rio Ne-
gro, goza a provincia de completa tranquilidade,
prosegundo nas vas do progresso.
Adiamando apenas setc das a data que ora te-
mos desse provincia, faz com que o noticiario
della seja quasi neulium, tanto mais quanto mar-
chara as cousas ordinariamente.
A administrarlo proseguu sua missao suave-
mente.
A iranquilidarle he perfeita, e. a salubrdade pu-
blica contina menos na.
Foi nomeado inspector da saude publica o Dr.
Francisco da Silva Castro, quo exeicia esse lugar
interinamente.
No dia 13 a* noile falleceu o Sr. IJcnto Jos
I 1 Silva, viceadministrador do eollegio de Nossa
Senhora do Amparo, bavendo sido sepultado no
dia subsequenio cprn todas as honras fnebres, que
compeler ao oflicialato da imperial ordem da
Rosa.
A morie desse senhor ha .sido sentida nolavcl-
mente, e as educandas de Nossa Senhora do Am-
paro acabaui de experimental tuna perda incalcu-
lavel.
A yaga donada pelo Sr. commeodador Silva
loi lugo preenchida, por nomeai;aoda presidencia,
pela Sr. Jacinlho Jos da Silva, que deve logo
entrar cm exercicio por adiar-se ausente o respec-
tivo administrador .los Caelano Cardo/.o.
Nada sabia-se ao corlo do resultado da expedicao
contra os quilombos de Jacundahy, Marininaa e
rhegou a elleciuar lalvez porque procurando o sa-
I203OOO rrilego evadir-se prlo coro grande servindo-se pera
96JJOO0 'wo do um gancho com que se corre as cortinas
1 mais altas, viera provavelmenle a dar grande queda
SjOOO 1 |,ur se Ihe escapar cora o peso o mesmo gancho do
capitel.
Deseonfia-se de um mulatinho quo desapparo-
ceu, e entretanto costumava visitar assiduamentc a
S e demorar-se as vezes at lio larde que era
preciso expelli-lo para fechar-sea igreja.
No dia subseqiienle procadeu-sa ao benziraenio
da S, e levanlou-soo seu interdicto.
Chegon a Caxias o Dr. Joaquim Tito de Pi-
nd Lima, jiiiz municipal o de orphos da comar-
ca, entrando logo em exeecicio de juiz de direiio,
na ausencia dcSr. Dr. Serra Carneiro.
Foi capturado nossa cidade um facanhuJo Se-
verino da Silva Jernimo, que se havia consti-
tuido o terror dos viandantes daquellas para-
gens.
Nao ha nada mais quo niereca consignado es-
pecial.
Acba-sc a partir desse porto para este o brigue
'.163000 escuna brasileiro Graciosa.
usuvnn Piauhv.
tssa provincia prosegue sem maiores inculen-
1 l-'KHi tos na aJmiiii:trai;o suprema, assim somo o sace-
go publico nao tem sido perturbado.
Ohjooo i (JExm. Sr. presidente acaba de fazer urna di-
. gresso ao norte da provincia, cuja situaran quer
IO83OOO pelo lado industrial, quer pelo linanreiro, quer
I ainda pelo poltico, revela o tino c Justina com que
1dt,!: jseha conduzido o Sr. Junqueira em sua ardua
729OM m\>M.
No dial." do corrente foi nsiallada com IR
1119000 rnemhros a assemblea provincial, leudo por cssa
occasiao o Exm. Sr. presidente um relatorio con-
digno do suas luzes.
Por aclo de 6 desle foi adiada poreni para 7 de
' ni8o do anno vindouro, constando que assim qui-
zera S. Exc acautclar os ntereasea da provincia
amear;.ados pela mulliplicidade de prelencoes que
havia.
A assemblea na veriGcagao de poderes havia
excluido do numero de deputados o Dr. Jos Ma-
riano Lustosa do Amaral.
No dia 2 S. Exc deu um baile cm commemora-
Qao das glorias alcanzadas nosse dia pelos ha-
banos.
Sr. Dr. Simplicio de Souza Mandes sendo
nomeada pela presidencia para exercer interina-
mente o bigarda medico militar, no impedimento
do Dr. Magalhes, e emquanto nao chega o facul-
tativo, que a presidencia mandou contratar em
Caxias, declarou que nada queria perceber pela
nova tarefa, que Iba he incumbida, renunciando
assim nao pequea gratificado.
O mesmo Sr, Dr. Simplicio acaba de offerecer
presidencia urna variada colleceao de dramas, e
waudevilles para o archivo do theatro Santa
Thereza.
Foi desonerado por pedido do lugar de pro-
curador fiscal da ihesouraria o Sr. raajor Joo Ne-
pomoceno de Souza Machado, sendo nomeado
para substilui-lo o padre Antonio Augusto de An-
drade e Silva.
Cear.
Continua em seus trabalhos a assemblea provin-
cial, tendo sido regeilada a moijo de um Sr. da-
putado para que fosse dirigida urna felicitar.10 ao
Exm. Sr. presdeme.
Teve lugar o esfaqueamento de dous pilotos, a
bordo da barca ingleia Francis, por um marujo da
mesma barca.
O marinheiro foi preso, romettido para trra, e
recolhido a radeia ; e os dous estaqueados acham-
se no hospital.
O viec-consul procede ao summario do facto.
No Ip est quasi concluido o invern, o apezar
de baver sido cscasso, ha comtudo legumes sufi-
cientes para a populaco daquella comarca, o que
d-se para com algumas nutras : s receiam os ef-
foitos da cxporiaco dos mesmos.
Rio Grande do Norte.
Acha-se funecionando a respectiva assemblea,
onde ha levantado graado celeuma aadniisso
de um supplenle pelo segundo circulo, vorsando to-
da a controversia sobro aqualidade do individuo,
o capilo Jos Severino de Moura.
No termo do Ass deu-se um fratricidio, lendo-
se evadido o criminoso Caim.
Em tiuianiiinha houve igualmente um assassi-
Dto commcltido pelo marido na p.ropra mulher.
Eaaa desalmado castigou urna lilha lao brbara-
mente, quo acha-se mu i maltratada.
Foi elevada a catbegoria de villa, a povoaco do
(Jru com a denominafao de villa deCanguareta-
ma, e transferencia da sede do municipio e fregue-
zia ; e assim como psto eregidos em comarca os
municipios do Prncipe e Acary com a denomina-
cao de comarco do Serid.
A presidoncia vai sem obslaculo e com aceilacao
geral.
NSo pnuo roofrisar-me correspondente to Cr-
relo Mercantil, porque realmente nao o son, inm
nunca o fui, corr.o he boje sabido neila cidade, o
ainda minos do Brasil Coinmercials, que he folha
qu* ainda nflo vi. E, pois, mi. quero ealomniar a
miro proprm : bas a que o fajam u* meo* daialTsc-
tos, 01 quaes ihlo-ioe a palernidade de tantos escrip-
t), qie mua qaaudoeu foue um Briaro, talvez
as miuhai cein icios n.lo chegasaem para ridicir
todos.
Qaanto s cornt-pondencias do Diario, o caso he
diverso. Nao soo o autor della* ; mas corno eram
dirianlas a ruim, a 11 a* revia conecrlavs antes do
sirem publicadas ; lo 00 a respomabilidade do que
ellas enterran).
No he a primeira ver que Vmci. reterem-ae as
earla* de Lacio loca, assegoraodo que nellai se
injuru o Sr. consllieiro Sou/.a Franco, paii bem,
u Ihei pero incaricidiminla que eilem qualquer
trecho deisas caria, ou das correspondencias do
Jornal do Caromircio, em o qual ie bale molda
sobre a honra daquelle lenhor. Se Vmci. o fizerem,
sem o ealuraniadcr deipresitel ; se nao o fi*rem,
erao aquello* que parecem querer espicular com o
miu nnine.
Dando maii valor at intrisas que por ventara rae
urdirem com o Sr. couselhiiru Soaza Franco, do que
com o Sr. loinislri u coerra. deno em silencio o
jogo que pirante este ja' ta tem querido fazer comi-
go, a proposilo distas cartas di Lucio Lona..
Com o primeiro liuh, relac/ies antigs ; a, apre-
ciando o sempr* em sua vida privada, sou do nu-
mero dos que nconhecem a sua probidade, e a pro-
clamarlam se preciso fosse.
Islo posto, aguarda a publicacao dos trechos ci-
ma ditos o seo comanle leitor
F. Raphael de Millo Reqo.
llecife 16 de julho de |V,s.
gitttwtm*.
PAGINAS SACKO-B10GKAP11ICAS.
lr.i.iucaio dobachaicl Antonio W'itruvio
Pinto Bandeira e Accioli de Vascon-
cellos.
VI.
S. Dionisio, o areopagita.
(gommunicado.
Sis. ridactore* do Diario dePernambuco. Pe-
(o-lhes a publicacao da caria qae aballa *egue, que
.iirit>i aos redactores -*o Liberal Pernambacano,
110 i-luilo de provocados a cimprovarera as impoe
lariles que me liieram no seo jornal 11. 1721) da Ib
do corrente, para qu? o publico pissa densamente
o!, ir entre o meu a o prooedimiuto dao jebes ca-
valleiros.
Sao etc.
Francisro Kaphael da Mello Reg.
27 de jalho de 1838.
Sr*. red adore' do a Liberal Pernamboeano.
Ouan lo, no da 1:1 d. c irreiit*. aacravi a Vmcs.
a carta que vem publicada no seo namero de boje,
alent.iva-ine a eiperauca de que nao fana om ap-
pella v.lo e intil fealdad* e ravailiinsmo de
Vmcs.
Kssa esperanca, porm, aesba de fugir-me, com
pesar o digo, aps a leilnra do artigo com que
Vane, p-eceleran a transcripr^ao daquiila carta !
O que pedia eo '.'
(Careza, franquera, accus:aros positivas, que me
coudazissem a urna defeza lambem clara, positiva,
completa por qualquer meio legitimo.
Como resoonderam Vmrs. ?
Simpre com o sublertugio, a insinuaeo, o di-
itin, parece, anppomosi), ele. itc, e, alm diseo, a
impularao de ler-lhes failo insinuarries deslaaes,
com lubliles.i a m eslylo meio lilaucioso !
Isto ha realmente extraordinario, e doe-me bs-
tanle, poique funa-me loda a possibilidade it
deslrair as calumnias qumeos gratuitos iaimigoi
me assacam !
Nao devo abasar do espiro que Vmcs. me farol -
lain em oa folha, o que slil auradec,o) para mos-
trar a iiijusliia desleal lado di um lal proeeli-
uienlo, eslabelecendo urna polmica loug.i, que bem
pole lomar om caminho qae esteja lon^edemi-
nh.is usas. Mas prrmiltain-ine que antes de rhesar
ao poni que miobriga anula a diri^ir-me a Vmcs..
ao ac.i notar, que nao especificando Vmcs. neultum
facto para eomprovar, como dissa na miiiha anle-
rior, o aceito de sua proposita 1, islo he ;qoe lula
a genle que nao he gnabiro'o me fa/. graves cen-
suras, foisem soccorrtr-se do nome do Sr. Manoel
C-valcauli, para, sob lalsas mi. rmares, lorcerem
suas palavras, e darem-lhcs significarlo diversa da
Cranlena ; mas urna folha dava-a por mallograda %'^^Z % dift.mt ,e Ullidde ,e ,)eo, e sobrB lnullas oulr Y.
A vida desle santo passou pelas phases Halarais
a vida humana no eipaco dacorrido do nono aos
cenlo e vinle a um annos da era cbsisiaa ; pan qoe
all lusceu no qoiaquageslmo 00 reinad.. de Au-
guito e inorriu no primeiro do imperio de A-
driano.
Desla forma collocoo-o a Providaueia em faca
dos dous maiores es,aec!aculoe, que pudem ser da-
dos a um homem : elle preseneioo a torc.* material
elevada a sua mais alia ai.pre*s3o no man vano im-
perio, que tem eiistido, 1 a fnre, moral sub|ogan-
do, sem neulium prosligin de riqaiia, de glona e
de gimo, as almas que a ibriedade do poder e
do* deleitas pareca ler corrompido definitiva-
mente.
Em verdade, era para o observador om objiclo
di graves reliasen cssa eiterilidade da forca inali-
nal que em sua mesma amplidao e no seo desenvol-
vimeuto euconlrava inevitare* perigua e urna con-
Jic'iD de prxima roioa ; e qae, alm disto, nao
linlia ellicacia para de*envolvir a felicidade publica
e particolar, nim para sustentar a verdadeira glo-
ria da familia a da scciidade. E pelo contrario nao
era orna niflruerao adrniravel esia fecuudidade da
for^a moral, que aplacava a fabra de todas as psi-
nOes, anin na a lai nas trevas dos espinlos, reani-
mava os corac.es imprignados de egosmo ao fogo
d-irnr.hecido da caridade aelaite, e Irsnsformava
Un gloriosamenle os individuos e os povos, vencen-
do o qae ha di mai* nobre e de man poderoio no
homem,a couvicc.an V
Ao lutiressa e a' otildade disse duplo espect-
culo, accrescia qoe a duas forjas da que Iralmos,
loogede aguardaren) a quida orna da outra, nas do-
Caras da paz e da 1111 f/renra, aggiadiram-se mu-
luamenle com orna fcrmidavel energa e com tudas
as armo* de qoe dispuuham : eram dous gigantes
qae haviam tomado o universo por arena, e qoe,
dabai\o da vista da Dos, juta do combate, sendo
sustentados e a* mesrio lempo condemoados pelo
genero humano, no qual tinham ambos partido,
mediram-ae com o olhar, dapus lraaram-se corpo
a corpo e conairvaram-se finalmente eilriitados
u-sseaperlo inimigo, qui divia durar tres siculoi,
at que um fossi asraagado enlre os bracos do ou-
lro ; lisio que si por um lado doze pescadore da
(iallila, que oimnm dividir o mondo entre *i, fo-
ram com a cruz na detira, a pureza no mracao e a
orara j nos labio* denunciar aos dioses de Cesar, que
liaba eir.ira.lo o na limpo, os quaes e sius altares
para logo cahiram por Ierra ; por oulro, pisrnalo o
imperio dessa proscripijao geral, cujos efliilos pro-
luni:n-f Ido snbilaii eule, dsemt)nnliji a espa-
da, e com e-a espada, cojo Uzir langoinolento
baslava para tremerem todas as iiares, lerio sem
descanso nem successo a homens ignorantes e tmi-
dos p*la mor parle, a pobres mulbere, a morn vir-
gen* e a meninos.
Mas se faltava aos pagaos a boa f para diseerni-
rrin aonae eslava a ju riimia indicar o asilo provavei da lula ; porque o
saugoe dos marlyris era roaravilhosamenli fecundo
na produrrflo dos novas rln i-i.i,.-.
A' eilas circiimilaiic as capitaes compre-nos a-
erescenlar .oulras particulares, qae cerca am a S.
Dionisio.
Aih'iias, que o vio naicer, cnto nao defenda
mais a soa libirdade *eoio pelo piesllgin de sou an-
ima grandeza e por um derrideiro refleso di glo-
ria, com qu* a litliralura e as arles illuuunavam-
Ihe a decadinna. blleclivamenle envolvida na rui-
na de PooiPo, depois na de Brulo e Cassio, a |ior
lim na di Marco-Anloniu, aos quaes havia succesii-
vamenle apoiado, daveo .1 memoria da seus gran-
des homins nao ser logo convenida am nina pro-
duca romam ; lodavia om poaco maislrde, sob
a predominio da Veipailano, foram submellidos de-
linilavenfe ao |ago, qua pesava sobre o juiveno,
essis Gregoi inqunlos que nao queriam obedecer,
mas que n m sabiam ser bvret; porcm do lempo da
S. Dionizio, Allullas conseivava anda sua anliga
nema de governo, e pudia julgar-se de orna m mel-
la aspirimenlal o que a leg.slarao pagaa liier.i para
a felicidade do povo.
Pelo lado religioso, eslava Atheuas abvsmada
n'iima linebrosa e imminsa supen.iir.iu ; e, raeeio-
(! qua algumas diviodades viessim a qoiiiar-se
por liram licado no olvido, eregira om delabro ao
dios desconhecido, ou, aomo o refere S. Jirommo
apoiado em anligaa autoridades, a' lodos os dioses
desconhecides e estranhos. Como qoer que seja, o
que he cerio he qoe o Ulympo pareca lar invadido
a cipada de lal sorte, diz um pela conlempurareo,
que era maii fcil acbar-se nella um dos do que
um homem ; com ludo a pluUsophia re.nava ah
tem pe s, ludas as antigs escolas tinham saas cidei-
ras e seus adeptos ; roas, ahi como em oulras partes,
eniao como sempre, a sabedoria purameoln humana
era impotente para arrancar o inundo das trevas em
que eslava sepultado ; a seus representantes, mal*
Decapados em parecer sabius a espirituosos, do que
em ser verdadeiros e uleis, coinuiilllam o cr me un*
perdoavel de se ter captiva a verdade e de preferir
a prupria gloria a' de Dos.
lies foram pon as condicoes de lempo e di lugar,
em que vive.) S. Dionisio.
Descendente de urna familia nobn, pos-ui.lor de
grandes riquezas, dotado de qoalidndes eminentes,
depois da haver cursado as escolas da Grecia e do
Egyplo, alie apresenlou-se ios primeiro* empregos
de Alhenas ; e urna .grande reputarlo de sciencia,
a geurroai i.nle de sua alma e a iutegrida < de sua
vida abriram-ihe urna carreira fcil ; elle foisneces-
sivaineule eleilu .relenle e membro de areopago.
Foi no meio dessas honras, legitima recompensa
de urna sabedoria mundana, qoe a graga de Dees ..s-
senhoreoo-se de seu corjrAo e ravelou-the ama sa-
lie.iuri. divina.
S. Dionisio observara no Egypto o eclipse, que
espantos a trra 110 diada murta de Jisus-Cbrislo ;
a, animado por urna inspirarlo divina, havia cla-
mado :
Ou Dos snffre, na compadece se dos solTriman-
los du homem !
E'li conseivava a lembranra des-a eslranhe ma-
ravilha, e pro urava-lbe a causa nos livros e noi dis-
cursos dos sabio-, quando S. Paulo foi conduzido pe-
raiile o areopago para fazer a e*posic,ao de 10a dou-
Irma. O corajoso apostlo nao hesitara em aprisen-
lar-se eisa as-emblea, cuja inve-ngarao Plata.1 te-
ma de tal sorte, que dissimulou seua santimanlot
sem indicar com ludo os dados que tem para esia
as-iveacao, que lalvez seja empregada como meio
de acusaran.
Achava-se no evercicio da procuradura fiscal
inlerinanienle o Sr. Joo Amonio Alvos.
vi '<-i.il, nao rom referencia a e-le ou aquelle enge-
niieire, e sim em generalidade, foi,que havia na
provincia lanros de estradas com erros e engaos
nos nivilameotoe, que um bom carapina oa pediei-
10 poderia corrigir. .Mas naoindicou a estrada,n*m
a poca em que issis lances foram eteculado*. Foi
dades, do que eslava no entretanto convencido, co-
mo no-lo ensina n. Joslino, no regresso de suas via-
uens ao Egypio : S. Piolo reeordou o Dos Creador,
fallou da missao do Salvador e de soa rcsurreic,ao
eloriosa. fundamento da resurreir;o universal. Al-
guua Athenienses o etcarneceram, oulro* impiemo-
No ejercicio da 1 8.V7 .1 58 renden a alfendega isso o que toda a assemblea e as galarias oovirain, e nados e convencidos)), nuvindo essa sublime lingua-
a quantia de l.-J:50:l'.ir>s*001 res.
Est a sabir daquelle porto para este, eom escala
[ielo Maranho, o pataclio kraailairu Tainega.
M.iranho.
\o di 1 '20 leve lugar o em erranietitu da pri-
meira sesso oidinria da actual legislatura provin-
cial, que havia sido prorogada, como noticiramos
itores anteriormente.
Por lembranca doExm. Sr. vice-presidenie, al-
gumas pessoas nolaveia prornoviam urna subscrip-
cao avultada para solemnisar o anniversaro 1 .11-
lie-jo da provincia iudependencia com um baile
esplendido 110 Club ;
Preoccnpa a radavelmente o espirito da provin-
cia a navegaijio lluvial, ruja cutti[ianhia com as
medida legislativas ltimamente adoptadas tem
achado lacilidadi! 11.1 distribuhjao de suas acc5e> ;
que ahi eniao estavam depreciadas.
se as uolas levadas a relcelo do Libralo di/.ein o
Centrarte, di/em nina falaidade.
gliadu, uerem, que o Sr. Mauoel Cavaieantl me t-
vem direetamema aecotada no- lerinos em qne
\ mes. o ilizein, esse faci nao serve para o caso ;
porque elle atcela apenas a nimba inlellioencia. e
(ni. rreraui na palavra do apostlo ; S. Dionisio foi
des'e numero.
Sna ronversa.ao foi o efieito de maravilhosas npe-
raci.es da grara divina, ma* a Ierra que a receben,
eslava felizraenle preparada d'anle m.lo : os discur-
sea ios platonices sobr* a unidade di Dos e immor-
s serve pira revelir minba ignorancia. Ura lindo I .alidada d'alma baviam-'.he dispollo o espirito para
o Corr*io Mercantil se referido tuncamente aos a verdale, ao mismo lempo que orna vida mais re-
dos de minha vida que podem allectac a minlia hu-', eular qoi dua plulosopboi podera abrir-lhe o coia-
ra, assegurando que ii.lo son epaz de fazer mer-
caocia eom a minha poiicjlo olli-iil, c liasen lo
Vine-, cealrarlada esse |uizo, aftirmmdo que se me
fi/i un graves reiisnris; nmgaim din'em boa f,
qoe, piovacan.lo-. s eu. d lessem Vmrs. Ir buscar
om faci qas do neulium m da pote deslreir o nb-
siqni.isi) coiiceilo que de miin furmaiu os ridarlores
daquelle acreditado jornal.
lis aclo, que reeonheci la,n mi 1 n 1 sem da igno-
ranria do homem, slo mu ditlinciM dos que naecem
da inipiobi 1 iie. A'-ini, eonfondindo-os, ladeando
aquesta', Vmrs. mo Rzerara NHlIa dar-me mai.
oina prova do praaer que sentem nri doestar-me.
Ponliamo*. poria, islo de parle : o publico, para
Por todo o me/, de setembro prximo (muro sao 'i"em app.Ho, julgara' entre nosso proeadimente.
. .. ||e lerap 1 de rheg.ir .ni meu fim.
esperados ns vaporas enconimeiulados para a reali- .,,,, vmcs. que eo nao queira cenfesiar-OM
.11.1 1 1] 1 nnr nao lluvial, deveildo a provincia autor (segundo di/em; das correspondencias que
esse impulso principalmente ao .Sr. Dr. I>ias Viei- d'aqui sao pan o .Jornal d 1 l'. numrelo. M rranil
ra, seu vicepresidente.
No dia 16 do crrenlo de nianhaa onconirou-so
111 S bastante sangue junio a urna columna : e
a banqueta posterior do aliar mor despida das ve-
las, as quaes ao depois so acharam por Ira/, do al-
iar da Boa Morte, limas de sangue. Suppoe-se por-
tante que liouvc urna leulaiiva de roubo que se nao
Brasil Commercial. assim ramo o arraujndo se-
gundo allinnam) .las cure-p imieuria* que vem do
Uio para o Diario de l'irniimbuco, (sempre o di-
zem I porque enlao fcil ser-lbes-hia aponlar al-
euin mngame obruro e calumniador deapreeivel
que levou a *ua audacia a poni de batrr moeda sa-
n e a honra de caracteres lao eminentes e distinctos
como os dos Srs. miuislro da lazenda e depotado tilo
Franco, a
4
(Ao a* virtude.
O novo discpulo deipreoa sua popu'aridade
ei.s estados psglo* para ligar-se e-lreitamente a seo
inesire, que o minio rom bres ife le. O amigos
arroniinillerain-n'o j eom amea^as, ja com peise-
j mas a elevarAo do doama ebniUVO (inha-o
ruuv iicidu, a nelleaa da moral havia-o seduudo, e
o bapl.smo commuuicou-lhn nm. indomavel *ora-
gem para caoiirvar a trauquilli lade no meio de suas
tempestades.
A, ena neophjlo, ja desenvrlvia a mis-ao do Ipoa-
lolado: seu zelo exerreu se a tinncipio para com
\.dlophauii, s-11 amigo de infancia ; par cau-a da
difirante de pensar, a eordialida le de suas couver-
tacdeiera mislorada de trliteaa ; nao peeHam, coma
ouli'ura, uinr-.e par* adurar o verdajeiro Heos ;
nao tinham as inesiuai eaporanra-. A> dispulau, po-
rem nSo pertorbavam sua amizade, lOeaenla o da o
a noile sorprenda mas orando pelo oulro, at que
lrnimplian.il) a caridade, Apollophanio leve a dita
de aeeeovertef em Suivrna, onde inconlrara S. l'o-
lyearpo.
C uno a roragem e a forjas do toldado aoginrn-
lam nos pirlaof e nas fadigas da guerra, I viilude
medra naa dilHculdadea que incouira. Ajunlem-se
a este rouiicao natural do progresso as inslriictoea
do santo, do grande apostlo, e sobra ludo o iufluxu
da gra<;a, e let-si-lia a ideado rpido adiaotameal
V


DI AMO DE PICItNAMKUCO SABIlADO r,l DE .111.110 DE 1858.
ce
ce

7 *S
de S. Ilionuk, na ciencia theologieu e nit perfeir^ao
i kh ll ; |iflo i|e M elevado pur S. Paulo o (otar-
no 'Vi igreje da Alhenas, da qoal foi o primtiru his-
po, como di-lo o seu tioruonymo S. Dionizio ila Co-
rinlho.
<)ue zelo a que sanliriade nao Ihe foi uacessarin
de-envolver iiesle diflicil minhlerio, no nielo desses
plulofoiphoi a quera o orgulho da ripnria liuin ihomTI. o ">eio dese poto brillianle e fulil a
qoaro a encanto dis bagatellas fsucinaea I lor u.i'1 Hie foi preciso para fundar urna sociedade
ili'ciplinn'ta o casia no iaio da iodepandeule a volup-
tuosa Alhenas !
S. Dionizio foi invaslido oa iareza da Alhenas em
tu Macla enln, mas devoloo-se-lhe com l.inlo zelo
a arder, que em pouco ella coDstilulo-ae a mais ce-
lebre da Gracia.
Concomam enm enllinsiasmo a icus discurso ;
soas pslavias nao aram tlleminadas ou aduladoras,
nai viris e penetrantes; ouviam-se mais suspiros
do que loovores ; vmn-ie mais lacrimas do qoe ap-
plaosoi.
O areopscila tioha rennnciado eos praieres aasj.
lionras da sua mocidade, para assoaiar-se aos Iraba-
Ihos dos apjslolos ; Deus qoii tambem assoria-lo as
soas santas alienas : atoa voz celle adverlio-o que
fosee a Jerrjsalem assisr ao lallecimenlo da bem-
.ivenlurada vircein Mara, que expirava na monla-
nha de Sio ; e no Litro dos Nomo divinos esl e-
rnpto, que elle a vira radiante de Ihtsouros celestes,
moribunda de desejos, e que a invocara com os a-
ihuIoIos, logo que elU deixara o mondo.
i'antai eonsola;Oei Ihe fizeram olvidar os diis la-
boriosos do sao episcopado, e, inflummsdo de um
novo elo, reenroecou suas viagsns avanaelicas, coii-
....Ululo as iicrejss cujos pastores a perteeuirao havia
dispersad, a regando as semenles de fe, que estavam
disieminadaa palo Urienle.
S. Dionizio i'prcorrpo a principio a Acliaia, a as der, o Mdaglo
rcgioes vizuilias ; depon inleruando-se mais pela vtulo de ba
.\na, esteve pur milito lampo na l'lirye,M a na lru-
ade : reccb.im-u'o coidoo enviado do eco, e o povo
marivilhado pelos seus prodigios, nao quena mais
deixa-lo relirar-se.
Klle eslava all, quando snube que S. Paulo fdra
preso, a qua Ihe preparavam tormentos. Parlio para
Rosna loco, na esperanza de rever ainda aquelle que
llie bavia dado a fe a o apostolado ; mas a crueldu-
da da ero era mais rpida do que o andar pesado do
velho ; chesou muito larde, e leve de eousohr-se
abra^audo Tito, Lucas, Timotheo, como elle discpu-
los de S. Paulo, e Csmente qoe depois assenlou-se
na eadaira de S. Pedro.
Sob o notne da tf. Dionizio ha obras a respeito de
diversas qoesldes de Ideologa, que a critica ha jal-
eado apoeryphas. Ese.-i* obras pareeeram a Niceplio-
ro admiraveis pelo pensamento pela linguscem.
ii ElUs se elevsin lano, diz elle, nos segredos divi-
nos, que excedem por excedencia lodo qoanto o co-
rno humano tem produiido. O bibliolherario A-
naslacio acha-as mui nolavels para poder dizer.que
o S. Dionizio enlroo conduzido por urna voz divma
nos legredos da theologia, e que peoelroo no santua-
rio de Dos, depnis de ter-lhe levantado o ven.
No feo ragresso da cidade de Komi, cnconlrou o
qoe era para elle orna recompensa e orna gloria : a
persatulcJto.
A eora de marlyrin assentou em seas cabellos
emhranqaecidos no servico de Dos : elle foi quei-
mado vivo em Alhenas.
Alhenas, essa cidade qua elle amava a pela qual
havia implorado ; Alhenas, a cidade cheia de re-
cordables de sau rico apostolado ; Alhenas deu-llie
ama fogueira por monameuto '
J. DE BlRAMCOCB.
. O.K.- -
B S.B 3
Huras.
F. r. ~
= 2=5
j4tmo*iihera.
Dtreecjfo.

liileosi-
dacle.
B 'X '- I '
j Cenligradn
ic i; i; u k
~ !~ .= =
-I i'-IV
Keaumur.
Kahrenlicit
llijgrometro.
-1 -1 -1 _
e e St je :
o-ce;
I
Barmetro.
I
-",
-?3
\ ffectuara pois, em virtu 1r- de autorisaefio
do Exm. sr. presidente da protincia, oa
respectivos contratos do compra em sess&o
de 5 de agosto prximo.
Manda declarar mus qie contratara na
mesma sessSo o fornesi ment dos arligos
soguintcs :
Enfermara do mirinha.
Camisolas.
5'5Ji Colches.
gg| Cobertores.
^ w! Fronhas.
i l.cnesde britn.
sts Sa patos.
i Toallias.
c! Tratisseiros.
01 Pravas do balalhiSo naval.
2 Bonete.
Capotes.
I'srdas do panno.
Uravatas de courn.
Polainas
Para cujos foroecimcnlos iagos ppla nia-
neira condecida e em pratica, receher-.sp-
hao propostas atoas II horas da mandila,
em que scr5o abertas, acompanhadas de
amostras do que couber no possivel, su-
jeitas em seguida aos respectivos esames.
Sala das sessOea do conselho referido em
26 dojulhode 1858.
(I spcrctario,
Alesandre lio Irigues dos Aojos.
lllm Sr. rdactor da Psgina Avulsa. --
Tenlia a bondade de declarar ao pe desta,
(isto para desengao do vendelbao do becco
do porto das canoas do Recife) se eu fui o
autor ou se tive alguma parte nos annuncios
publicados na sua bem conceituada Pagina
de 24 e 29 do corrente, relativos ao dito ven -
delhSo ; fizendo V. s este obsequio, muito
obrigar a este seu criado
Joaquim Concalves Beltrn.
O Sr Beltr3o n3o tem parlo na noticia a
que se refere.Os redactores
;,
PRACA D0; RECIFE, 30 DE Jl I.IIO DE 1858.
A'S 3 HORAS DA TARDE.
Culatees ofliciaai.
Doconlo de letras>. t, 18, 13, 14, e 15 0|0 ao
anuo.
Fred. Robilliard, presidente.
P. Ilorges, tccrelarln.
CAMBIOS
.'obre Londres, -Jj l|ia 25 1,2 a 60 e 90 d. y.
l'.iris, 385 rs. por fr. a !K) d. v.
a Lisboa, los a 112.
Kio de Janeiro 1|2 por Oo da relale.
I aconto da lettras, a 9, 10 a 12 por eeuto ao anno.
O lllm Sr. inspector na Ihesonraria
provincial om cumprimento do despacho do
Bxm. Sr. presilenle da provincia de 2* do
eorrpnte, man 1 fazer publico, qoe no dia 11
lo agosto prximo vindonro, vai novamente
a prava para ser arrematado a quero mais -~_
SSSS^SSSS: Grandioso kLV
to leito pelo licilsnle Antonio Joaquim de
Mello ds qu;.;a de 375- rs por anuo.
A arremata ao sertV feita por temno de 3
annos a contar do 1.- 8a 30
de junho da 1861, ficandn obrigarto o arre-
matante pela renda total do trienio, entre-
gando-se-lhe o que ja Inni7er cobrado a the-
sourana.dedutias as despezas feitas.
E para constar se niamluu allixar o pre-
sente e puldicar pelo Diario
Secretaria ra tbesonraria provincial de
Pornambuco 28 de julho de 1858.
o secretario,
A. F. d'AnnunciaviTo.
O lllm. Sr. inspector la thesntiraria
provincial, e^i cuxyriment da ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia de 92 do
corrente, manda fazer publico, que no dia
19 de agosto prximo vindouro, perante a
junta da lamida da mpsma thesouraria, se
ha de arrematar, a queni por menos (izer,
o concert geral de que precisa o erepedra-
mento da estrada da Vietuna, avaliado em
17:ti05;500
A arremEtavHo se' feila na forma da lei
provincial n. 343 de 15 de maio de I85 e
sob as clausulas especiaes abai&o copiadas.
Leudes
ESUBELSCIIEITO PHOIOGUPHICO
DE
AG. STAHL E OOMP.
Aterro da Boa-Vista i. 12.
GALERA l 0FFIC1NA A REZ-DE-CILVO
Nao' confundir com a oficina de dagaerreotypo na mesma ra.
Retratos tirados seguudo os procesa >s os mais modernos sobre crystal e papel
em fumo o com colorido aguarella, applicc3o de lindas i aizagons no campo do rctabulo,
Miniaturas para allinetese cazoletas imitaudo a pintura sobre marftm.
Retratos de pessoas fallecidas em qualqucr genero e tamanho.
Cicas caixinnas, duqueza, pompador, velludo, tartaruga, marroquim etc.etc.
Retratos em tamauhu naturai sobre tela, desenho da machina monstro chamada Jie-
gascopo o pintura a oleo por m9o de artistas franco/es.
Semelbanva 8 duravo garantidas.
l'.eproducvSo de vistas, desenhos e outros objectos de arte. CollecSo de vistas dos
rrabaldes e da estrada de ferroa.
V B. I'OU .MAIK CO.MMODIDADE DAS ILLDSTBISSIMAS SENHORAS E
FAMILIAS A ALEBIA SERA' ABERTA E GONVENIENTEMENTE ESCLARE-
CIDA Y\S NONES DE LIJAII.
Henrique Brunn A C. farao leilo |ior
intervenidlo do agente Oliveira, de va-
riado soitimento das melliores azendas
irancezas, mistas e allemaes, de dgodao,
Uta, linio e de seda : terca-firn o deju-
agostoas 10 horas da manbaa, no sen ai -
mazem i ua da Cruz Leiloes
A 51 do corrente.
Matinel Jacques da Silva e os mais hcrdei-
ros do liudo commendador Antonio da Sil-
va faro leilSo. por intervencSo do agente
Oliveira, do seu bem plantado sitio, com
boas casas, ch3os proprios, no lugar da es-
trada entro Saut'Anna e Casa Forte, todo em
um ou mais lotes al n numero de 27, om
que pode sur dividido e para isso esta deli-
neado, comprphendendn cada um de 20(1 a
400 palmos de Trente com ampios funrios
correspondentes, ou nhrangendo menor nu- .
mero destes conforme n.elhorconvenh aos MOHEIRA F 41111 tTP*^"*^^'* -"'''*&
pictendenlps, p de accordo r.im a resp'-ciiva Vq'KDBAS PRECIOSAS'?; | OROEPRATA. S
NACIONAL BASOU.
Os administradores do grande salSo do:
eses fie Apollo, pro^riedatie da Sra. viuva
i tsseer, leem designado o dia 31 do corren-
te para a estrea dosbailes masques,
neste grande salSo, para o que tem invida-
do tolos os seus rxl'>rcos, e mesma feito
sacrificio, para satisfazerem o publico em
peral, tanto em aceio como em orjem, que
deveri reinar oeste novo estabeleciment
de arecreio, por isso os meamos adminis-
tradores espera m merecer do mesmo pu-
blico a sua protecc.30.
Sabhado 31 do frrenle, ter lugar o pri-
meiro baile masqu no grande SalSo cima
mencionado, em consequcncia'de ser o dia
da estrea, estarao abertos todos os saldes da
mencionada ctsa, ella se cha conveniente-
mente ornada, tendo-se feito toda a com-
modidade, fallando siuiplesmente ser forra-
da, o que no ple ter lugar por falta de
tempo, podinJo-se descuija por esta falta
tO'la involuntaria.
LslSo desgnalos todos os mestres salas,
os quaes eslo competentemente habilita-
dos, para bem preencherem os seus lugares,
As pessoas que se propozerem a esta ar- reglamento policial be sanecionado pel
OUROOngas hespanliol.s. . 30COO")
Ditas mexicanas. . :ii;ono 32000
Percas oa t cur. . iTaaoo I8500U
IJoedade 9SOU0 . '.if.;oo
Ditas de 203 . 209500
I'HA I A.I'alacei: hrasileiros. -JroHO ai 00
Ditos columnari.-is. 21086 J5100
Hilos mexicanos . 19800
N(vo itauco buco.
San convidados os Sis. accionistas a rea-
lisarem at o dia 1 de setembro prximo
vindouro, no escriptorio do Novo Banco (le
Pernambuco, a segunda prestaco de 25 por
rento sobre o valor de suas ac^es. Kecife
27 de julho de 1858.Os directores, J0S0
luacio de Medeiro Kego. Luiz Antonio
Vieira.
remaiacSo cuDiparcQam na sala das sessOes
da mesma juuta no Gia cima declarado,
pelo nieio dia, coupetenlomento habilita-
das.
Epara constarse mandou allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de |
Pernambuco 27 de julho de 1858.---O secre-
tario,
A F. da Annunciac&o.
Clausulas especiaes car a arrematarlo.
1. As 1067 brabas de empedrameuto dis-
tribuidas por diversos pontos da estrada da
Victoria aleo marco 7000 brabas, serSo fei-
tas de cooformidade com o respectivo orea-
monto aprjrovado pela directora rm conse-
lho, e apresenlado a approvar;ao do Kxm.
Sr. presidente da provincia importando em
I7:65f500.
2. As obras serSo comecadas no prazo de
um mez e concluidas no de um auno, am-
bos contados em vista da l?i n. 286.
3. Opsgamcnto da imporlancia da arre-
matado sera feito por presiacoas corres-
poodonlcs aos pequeos leos parciaes,
designados no art !. do or<;ameiilo.
4. arrematante so podera receber essas
prpstacoes depofs de salisfa/.er as exigen-
cias do engenheiro, e em vista do orea-
meato.
5. O rerehi,nr>nlo do ultimo lanQo, im-
portara o recebimento definitivo da ol a
sem mais responsabilidade.
0. Para lulo o mais que nao est especi-
ficado as presentes clausulas, siyiiir-se-ha
o disposto na le n. 286.Conforme.O se-
cretario,
A. F. da AnnunciacSo.
Aicamara municipal do Kecife iaz pu-
blico, em cumprimento do ait. 15 la lei
provincial n. i29, de 1 de maio de 181*. e
ara conhccimpiito dos inleressados, que
nesta dala dirigi urna proposta ao F.xm. pre-
siilpnte da provincia pra S, fcxc. verificar a
uiili. 1,le da desapropnacSo do terreno de
marinha n 103, sito entre, a ra do caes le
Apollo, e a do lirum, no bairro do Hecife,
do qual he posseiro Flix da unha Teixei-
lllm. Sr. Dr- chefe de polica, de quem pre-
cedeu a respectiva licen^n.
O baile principiara as 9 horas da noile, e
lindara as 3 hores da madrugada.
Os bilhetes cstao a disposic3o do respei-
lavel publico desde ja n-, casa da ra do
Collegio n. 18, primeiro andar, sen lo os
bilhetes para homens 25 rs., e para seuhora
entrada gratis, e no dia, a porta do respec-
tivo salSo.
locar neste baile msica dobrla, vnria
dissimas contradansas, valsas, sebots, .to-
das novas; cas quadrilbasdos lanceiros ;
ser annunciado com um bando pida ra
no sabhado, das 9 horas da manhaa em dian-
te, e achar-so-ha uuia Inudeira enllocada
no centro das janellas do salao, p?ra o mes-
mo ser bem distinguido, tocando a noile
na porta do mesmo a respectiva msica..
4
1
'y
planta approvada pela Ksma raniara muni-
cipal desta cidade, actualmente oxposta para
exame, na loja do Sr. Luiz Antonio de 81-
queira, rus da '.alela do Recife Esla im-
portante propriedade pAde tornar-re um dos
maisrendosos patrimonios, quer no todo,
quer dividido da forma indicada, estando
para isso convenientemente situada entre
duas estradas, a do chacn, e a ao correr do
s to de JoSo Venancio, ambas principiando
na bella c niiiilo frequentada e larga estrada
publica at finderem no lio .apibaribe, de-
fronte do Cordeiro, onde esl projeclado
lancar-se urna poute. E como o sitio, por
grande, offereee as melbores prooor;des pa-
ra ser dividido, e assim formar como que
um povoado apra/ivel, ja pela sua iiosqo
agradavel, e galntiferos ares, coulinaudo
com os lugares continuamente frequentados
para recreiodos habilaules permanentes, e
da capital, qneaos meamos concorrem, e j
pela diminua distancia e coturno lidades dos
transpones existentes e diariamente em aug-
mento ; existe marcada no centro urna ler-
ceira estrada em linha recta, de 50 palmos
de largura, em direccSo tscibem ao rio e a
indicada ponte, e formando adivisSo de si-
tios e casas que nucessariamente sero edi-
ficadas em separado e com regularidade pa-
ra melhor belleza e realce, indicativos do
verdadeiro gusto moderno, qual sera ampia-
mente desenvolvido pelo admiravel genio
aspirante e progressisla da nossa gpnle
(juaesquer nutras informa( pelo referido agente, em cujo escriptorio
lera lugar o loilSo, sabbsdo 31 do corrente,
as II horas da manha.
LEILAO'
Southall Mellors & O fario leililo, por in-
tervenc3o do aeente Oliveira, do mais com-
pleto sortlmentode fazeudas inglezas, todas; q
proprias do n,oreado : segunda-Ieira 2 de ;. ..
agosto, s 10 horas da maiiiiaa, no seu ar-
inazcm, ra do Trapicha Novo.
s m
-J$ Aderecos de brilhan- *p
l tes.diamanles e pero- '*
las, pnleeiras, alfiue-
I w, brincos o rosetas,
: l.iin-s eaneis de dil- rr
leipiil.es costos e de Vj
diversas pedras deva- "J todOS
lor. .;
_ ;!; Eiiroii..
Loja de ourives
RlVDOlIKiVN. 7.
Recebera por
m

1
as
Compram, vendem. $ obrStlo QJ S rR')-
on irocam prata, ou- i
ro. brilhanlos, dia- tf (UlllO i'OSO llll-
manles e parolas, e j^
muras quaesquerjoias U
de valor, a dinheiros
.V. ou por obras.
to oe
HiO
de
adereces completos >f
ou o.meos ditos.pul- .;-.
ceiras, al finales, brin- 4
* eos e rosetas.cordo:-,.
, ,rtxl correles e enfeu
port3S t pararelogio e outros 5
mullos objectos de'?)
75% ouro. >\
?;j Apparel'ios comple-Ji-
los de prata para C
bandejas, salVfS- cas- -,;T
timaos, elidieres de so
Da e de cha, e mullos W
outros objectos de >
prata. ^
FraiiC',
<:0
Ti-
SOO't, s
.
preco comiModo como
costumam.
mvfo*

EIO
Grande
, ---------- l *v< i. una ti* \**^ .-*; n:
ra, afim de se tornar ma.or c mais regular a ; p,ra o resto, trata-se
O lindo e veleiro patacho nacional Direc-
tor, seguir breve com a carga que houver,
alem da meUde queja tem prompta : quem
no mencionado patacho quizer jarregar,
entenda-se com os consignatarios Bailar
Oliveira, em seu ascripUrio na ra da Ca-
deia Vellia n. 12.
para o ro de Janeiro.
O voleiroe bem conhec do patacho nacio-
nal Ozorimbo pretende seguir com muila
lirevidado, lem a bordo parte de seu c.arre-
gamenio ; para o resto que lne falta, trata-
so com o seu consignatario Amonio Luiz de
liveira Azevedo, ra Para o 3io e.a?iero
O bem conhecido pBtacho nacional Valen-1
le pretende seguir com multa brevi lade,'
tem parte de seu carrogamento engajado :
AVISO.
.Na casa de hanhos do pateo do ("armo
precisa-se de, um servente escravo, prefenn-
do-se velho : para tratar das 6 as 8 da raa-
! nhia. ou das 5 as 9 da ncite, na mesma casa.
UM ES HE PARTIDAS DOIUiADAS
EHSIKO FKATICO
(TRES VEZES POR SEMANA.)
Na ra do Padre Kloriano, sobrado da es-
quina n. .">, defronte >to becco do Serigado,
As licOes terSo comeco as 7 horas da noile detaberna
dos dias em que se cuuvcucinnar ; e antes n. 78.
desta hora nao so acha o abaixo assignado,
co .i quem se deve tratar a respeito. O pre-
c.o continu'a a ser 20/ pelo ensino.
M. Eonseca de Me le ros
jterui
Provincia.
Sr. thesoureiro manda tzer pu-
ico que Se acliam a venda lodos os (lias
no pavimento terreo da casa da ra da
Auroran. 26,das9 horas da manfaaa as 8
da noite, bilhetes e meiosda segunda par-
le il.i 20.a lotera do thcatro de San!.'
Isabel cujas rodas andaro impreterivet-
mentc no dia i- do prximo uluro mez
de agosto.
Thesouraria das loteras 24 de julho
de 1858.-O escrivao. J. M. da Cruz.
-- Joaqnim da Costa Riheiro ryga a todas
aquellas pessoas que tem em seu poder li-
vros pertencentes ao sea fallecido sogro o
l)r. Uanoel Mendesda Cunha Azevedo, de os
mandar restituir em Sua casa na ra do Col-
legio o. 25, segundo andar.
Precisa-se de um caiseiro com pratica
a tratar no aterro da Boa-Vista
&
iCEL f
rAQlo GaignOU&dentiBls f nu dn Laran-
fteirai d.15, namesmacaia tmagaa pi
o' s
na ra do Crespo n. "J, escriptorio a
vi forrea, entre 9 hora da mauhSa ale as 4
%

>Ato
DOS

os senbores socios do MONTE Po dos
CAlXKIItS que ja pagaram as suas joias, e
os que satisfazerem ate o dia 30 do corrente,
sao convidados S c,)^p.rjcer na Cfsa da viu-
ila tarde, so dir quem precisa Je coziohei- va Lasserre, no caes de Apollo, domingo i
ro forro, mullier ou liomeni, como tambera ;,,e agosto, das 10 as 11 horas da manbaa,
para a.-sistircm a instala(3o da mesma SO-
nelaile Pernambuco 28 ile julho de 1858
J. O. iIh Silva Unto, I.-secretarlo interino.
Al.I A.MIIM.A.
Htnillinenio do da 1 a 2^. .
Uaiu do dia :I0......
387:8451205
23:0211813
praca publica projecta la entre as duas re-
feridas ras, na qual esla o mesmo terreno
encravado .
l'aco da cmara municipal do Itecife em
SessSo de'28 de julho de 1858.Joaquim
Lucio llonteiro da Franca, pro-presideele.
Manoal l'crreira Accioli, secretario.
com o seu consigna-
tario Antonio Luiz de Oliveira Azevedo,
da Cruz n. 1.
ra
,IO:87cu!8
Descarreeam hoja 31 de julho.
Hricoe iog\etIron Graymereadonas.
ltarca inglezaSaraliInura a arroz.
I!rca iiicltzi,llirh..ni Taulonferro e barrilha.
Karca inglezaMallulilesrrai.
I'dldcho porln^uez Manada Gloria pedras da
csularia.
Iliale americanoNorlhpnenl diversos gcaaros,
llscuiis hrasileiraCarolinadivaiaai gaaeros,
VOV1ME.NT DA ALFANUEGA.
Volumes entrados om faaen a 153
a a com (eneros ... 151
' s.
Tola)
Valunisi saludos com I atenas
< aom ifaueros
Total
30
122
601
723
CONSULADO jGERAI.
Keiidimenlo da dia 1 a 29. '. .
Idein do dia 30.....
50:866J096
3:05Sc7l
53:931*799
DIVERSAS PKOVIDCIAS.
Itfidimanlo do da 1 a 29. 2.3:iS^13l
dem do d.a 30....... 68)490
2:07?l2(i
CAPITANA do porto.
Pela cafilania do poito se Taz publico a
Quem for ioteressado, e especialmente a to-
nos os individuos empregados no trauco do
porto, e rios navegaveis, que da conformi-
dade com o artigo 73 iio rt gulamenlo de 19 I lo larcaea Concei(So de
te maio de 18G, todas as velas das embar-
ca cOes de que trai- o mesmo artigo, devem
ser numeradas e marcadas com lima letra
do alphrbeto, nao sendo adinissivel que a
referida letra alphabetica exista smente
em urna as velas E para que n3o se alle-
gue oais motivo algum de desculpa, ou de-
feza da inlracquo da lei, marcou-se o prazo
de nm mez improrogavel, contado da data
deate c.> diante, para que se observe res-
Iriclamente o rP-'ulHmenlo, e sejam postas I
es marcas designadas, devendo as velas1
maiores ter a letra do alpbabeto do tama-
nho dequatro palmos,eas menores de.lous;!
ludo sob as penas di lai. Capitana do porto
de Pernambuco 2s de julho oe is8. Fer-
nanda Vieira da Itocba, capitn do porto.
CAPITANA DO PRTO.
Pola capitana do pono se faz publico
de urna ama fjrra para cn-aboar e engom-
inar, nao se olha a prego.
. G0MP8HU
Oe illiJUiin cmj a ;;>z.
A cornpanhiade illiiininaoao a gazdes-
ta cidade avisa as pessoas que precisa-
ren! Iluminar os seus estabelecimentos e
(asas particulares por meio dogazdevi-
rom dar os seus noiocs em casa de lios-
: Uon Kuokcr a C, praca du Corno Sanio
n. 48, notando-sentie muelles tino pii-
O novo e veIciro talacho Alfredo, canitiio i-
.....i..,......... u, <- i meiro se alistaren! sciao servidos em pri-
meiro lugar.
Na turtdico da Aurora iv"v,|"i-se
de serventes forros oii escravos, p'ia
servico debaixo de cohei la.
Francisco Jos Augusto Fcrreira, na
roa da lioeda ->, tem para vender cevada
-000. rs un como
Cear, Mnra-
nliao e Para.
Antonio Travassos 'la llosa, segu com pon
ca demora por ter parlo da carga ja | re ia-
rada : iara o resio Irala-se com os consig-
natarios A Imeida Comes,/.Ivs A. C. ruada
Cruz n 27.
- Cara oArecaty sabe no dia 1 de ?gos-
Maria, ainda re-
cebe carga : trata-se com klarlins& Irmao,
ra da Uadrede Dos n. .
para o ro de Janeiro.
Sabe no da 3 de agosto a bem conhecida
barca Kecife, a qual anda recebo alguma
carga o pssageiros, para os quaes offereee
excedientes commodos : a tratar com Manoel
Francisco da Silva Carrito ra do Vtgario escravos
Lotera
Qarta.feiro, 4 de agosto, andam as rodas
da lotera do thealro, e cstio a vonda no
aterro da Boa-Vista, lija de bilhetes n. 56,
bilhetes inteiros c meios, assim como ha
troco para os freguezes.
htifetio Philosopliico.
De ordem do lllm. Sr. presidente do Kn-
saio Philosophico Pernambucano, participo
aos Srs. socios que sabhado 31 do corrente
haver sessSo extraordinaria O I.' secreta-
rio, Aristides Lobo.
Premio de 3009080.
No dia 93 de junho de 1856 fogio de bor-
do do brigue Mana Lozia o pre lo crioulu,
Manoel, o qaal fazia parto da tripolacflo do
mesmo brigue, de idaie 24 a 25 annos, pou-
co mais ou menos, e tam os signaes segaili-
tes : rosto comprido e descarnado, cor fula,
cabello cercilhado. olhos um pouco grandes
e amortecidos, beicos grossns, sendo o de
cima mais grosso, que eneobie a fslta que
tem de denles em cima, falla nm pouco
atrapalbado, devidoa falta de dentes. pouca
barba e rala, e bigoies, lem na mao es-
querda junto ao dedo mnimo urna especie
de ervo sahido, as nadegas um pouco em-
paladas, no andar tem ura geito para um
lado, cadeiras largas, cintura lina, pea apa-
Ibetados e um pouco largos, tem ofliciu de.
cozmheiro, e costuma embriagar-so ; foi
escravo do Sr. D-. Jerooymo Vilella e do Sr.
!)r. promotor de olinda ueiroz Fposoc, p
ltimamente do Sr AlbcrL Forster Da mor.,
e consta estar no lugar do Coit : o abaixo
asslgna io, senhor do dito preto, gratifica
generosamente a quem o apprebender e ie-
va-lo em sua c-sa. na ra do Trapiche n. 16,
a Antonio do Almera Comes ; como lam-
be ni protesta contra qnalque- pesaos que o
occultar em seu poder; assi*n como grati-
fica e paga todas as despezas.
Joaquim Loes de Almeidn.
Deseja-sc fallar ao Sr Pr. JoSfl Jo-, de
Olivei-a Gomes para entrecar-se-Ihe u .a
carta de importancia de seu irmo o reve-
rendo vigario de Parahiba : no entono do
tabelilBo Poriocarreiro, ra esireia do Ro-
sarlo r\. 95.
Precise-se de dous emassadores : na
padaria do'l'orle do Mattos ra dosliurgos.
Ii-se dinheiro a premio sob hypothe-
ca em bens de raz dentro da cidade, e com-
pra-se urna ou duas casas terreas no bairro
de Santo Antonio ; ua mesma aluga-se um
preto de oieia da.de para o servido interno
de cisa : a tratar tudo isto, na ra Velna do
biirro da Boa Vista n 34, segundo audar.
i\ovapul>Iieavaft
importamie .
Assignam-se na livraria do largo do Cal-
legio n 2, e da ra da Cruz Itecife n. 56, os elementos de lreilo ICccle-
siastico publico e particular, em relacao
disciplina geral da igreja com ap"plicic.So
aos usos da igreja do Brasil, eor I). Manoel
do Monte Rodrigues de Araujo. bispo 00 Rio
! de Janeiro, etc etc., em 3 volumes. Esta
obra torna-sa indispensavel nao s ao clero
i como a toda a sorte de lilteratos, visto o seu
objecto, mormenle em urna ejoca cuino a
era que vivemos, onde se agitam questes
a importantissimasque tem d.s inlluir sobre a
lias e ;)ratica qualqueroperacSodecirurgia, moral e tranquilidade das familias. De to-
assim coti-.o.accode com toda a promotdSo,
as pessoas ^ur precisarem do seu prastimo
para o servico de partos, praticando aso-
peraeoes manuaesou tnslrumeniaes. quaD-
1 jo nao possa conseguir resultado (>or ieio
da homeopathia. que tantas vezas tem ven-
cido dilucuidades, que parecan insupe-
raveis.
7iV
Seguro contra
fogo
com pai 11 a northen, estabele-
cida em lo.nues.
Premios diminuidos
AGENTES
C.I.Astley t^Compai hia,
^A RA DA GLORIA CASA 1)0 FUN0AO-
CONSULTORIO HOMEOPATI1ICO
1)0
DR-P.A.LOBO HOSCOSO
Medico parteiro e operador.
O llr. l.oboMoscoso, oa consullas todos os
das as obras que lem apparecido entre nos,
esta inquestona7p|,nente he a de maior
magnitude, por isso que, patentesfldo os
direitos da igreja e os do pode' civil, ella
tende tambem a restituir ao cle.-o o lugar
que Ihe he debido na socieoade, e de qoe
arbitrariamente tem sido esbulbedo. A fal-
ta do um tratado de taes materias em lino
gua vulgar, era geraimenle sentida, a
--- Da provincia do Piauhy veio ura es-
cravo ,para ser vendido nesta pra<;a, de, Esm. bispo, autor des.es elementos, acab-
nome Joaquim, crioulo, com 26 annos de de preencher tal lacuna ; seu v-nerando no-
'l1 11 "ll e "ei do co^l,0 rosto coinpri- p,e Pur si su despensa lodo e qualqur r el <-
do, olbos castanhos, nariz regular, bocea o i S'% cois que so por si patentis o mereci-
mesmo ;
as nade"
he quebrado, e tem signal visivel
as de ier sido castigado : cilio es-
cravo S3 evadi do poder do conductor no
bairro da Boa-Vista, e co/lsta que he natu-
ral de-da oraca : roga-se, porUnto. a todas 1
as autoridades pnliciaes e capitaes de cim- '
po que o facam capturar e remetler para a
ra do Crespo n. 17. da cidade do Recife,
onde sa recompensara com generosidade.
Do Brejo da .Madre de Dos fugio em
das do mez de junho rindo um escravo
crioulo, de nome Jos, i lade 22 annos, hem
preto, altura regular, rosto reiondo, cabel-
lo fecnado, olhos carnudos, nariz redondo o
pequeo, beicos linos, bocea regular com
todos os denles da frente e alierios a lima
Constando "balso assigoado que bem leito no corpo, pern.s e bracos c.rnu-
lS; lulra preten lera vender a pada-jdos, cncavos dos ps bem fundos
em saceos de 4 arrobas a
barris com niel, tudo prourio para as co-
cheiras.
c>
cotTiiiiissa ravos.
Na n i larga do Rosario n. 11, recebem-so
para serem vendidos por commis-
n i' ou abordo com o capitSo Manoel lose s5o,e por conta le seus senbores. e alianc'a-
\' ti' L. ,1 I ... 1 .
DESPACHOS DE EX!'OKTACA(> PELA MESA
DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
30 DE Jt'LHO U 1858.
Rio da 1'retPoluca hcpanhol I. .ura. Arana-
ca i\ Bryan, 3u0 barriess assacar.
Sania FBeu litspanhul belisarins, Amcrim
lrm.los, 300 barricas assucar.
Roenos-AyresIliiiin- liollandaz uEinilia, Manoei
Alves Guerra, 30 pipas asuardeiile, 3j0 barricas
Satinar.
LisboaBrigoe porlogoez Contlante, divercosor-
recadores, 10 cascos mel. 1l2eoori.s algadoe.
KECEBtDOKIA DE RENDAS IMKKNAS OE-
RAES DE PERUAMBICO.
Rendiroenio do dia 1 a 29. 3I:*00815J
Idemdodi30....... 820S727
liibpiro.
Ce
uliao
a
ra

lara-
ara'
Es|icri-s uestes ,|; s brigue escuna
-. nacional CAROLINA, capilo e ortico
do^'ln^ulfe^S^^^ *J~ 'os L,,.
que ae conformi-1 raz '' bordo l1""' d '""',Ta 'I'"' "-'ni de
regulamentode t9|'evarPara "'stl1
32:02OJ*<;
CONSULADO PROVINCIAL.
Heriilimeiilo do dia 1 a
dem do dia 31) ,
29.
585019-117
2*738092
60:774409
J Wlvitimm e > |hmk
I N'svio Mirada no dia 30.
Liverppol -42 dias, barca majeza "Cruzada, do
311 toneladas, capitao AV. Ford, equipagem
15, carga fazendas e mais gneros ; a Ar-
kwreghl Tucl-ness c\ C. Pettence a Liverpool.
Ajsu'12 dias, escuna brasilea Linda- de 153
toneladas, capitao Joo Ferreira Pialo, p<|iiipa-
goiri 12, carga sal; a Manoel Alves Guerra.
I'e.itenro a pernambuco.
Barcelona'ludias, patacho liesjianliol Delence-
ta", de 145 toneladas, capitao Jos B. Haris-
lany, qar;;a vinlio ; a Aranaga Bryan. I'citen-
ce a Barcelona.
B;diiaG dias. brigue escuna brasileiro Mara ,
del til loneladas, cap'uao Jos A.Cardosoda
Silva, aqurpageai 12, em lastro; a Novaes
iV C. Veio rerelmr pratico seguio para o As-
su'. I'ertence ao Kio de Janeiro.
Vi\ioi huios no inr'inn dia.
B.diia Barca norueguense 'Mara,> c.ipitio S.
Juelle, carga^ pane da (|uo trou\ de Trieste.
prcg
porto, e nos navega veis,
dadecom o xrligo 73 do
'.te maio do lt, todas as velas .'as embar-
caeoes de que trata o mesmo artigo, d, vem
ser numeradas e niarcsdascom una lettra
do alphabeti), nosen'o sdmissivel que a
referida leltra alphabetica exisla somente
em urna das velas K para que nao se allegue
mais motivo algum de desculpa, ou defeza
da infraci;a 1 da lei, marcon-seo prazo de
om mez improrogavel, contado da data des-
te em diante, para que se observe restric-
ta menle o regulam-uto, e sejam postas as
marcas designadas, deven !o as velas maio-
res ter a lettra do alpbabeto do laniauho de
qualro palmos, e as menores do dous ; tudo
sob as penas da lei Capitana do porto de
Pernambuco 28 de julho de 1858.Fernando
Vieira da Rocha, capitao do porto.
No Paco da cmara municipal doRe-
cie estarSo em piar;a nos dias 30 do corren-
te, 2 e 4 de agosto prxima futuro, a obra
da estrada prujectada para a freguezia da
Varzea, oreada em 3'520g rs. Os pretenden-
tes poden comparecer no paco da mesma
camr! manidos de lianQ pra poderem
laucar, podendo antes consultar a respecti-
va planta e orea ment, que Ibes sarSo fran-
queados.
Paco ila cmara municipal do Rcelfe, em
sesslo de 28 de julho ,le 1858. Joaquim Lu
ci llonteiro Franca, pro-presidente.
Manoel Ferreira Accioli, secretario.
CONSELHO DE COMPRAS :>AV\l.s.
O conselho de compras do material preci-
so ao servico O consom dos navios >la ar-
mada, ai seal e mais estabelecimentos de
marinha, manda declarar que aceitas as
propostas apresentadas em '''> de junho pro-
XKi.amentR (indo dos Srs. santos, oliveira &
C, Thomaz Fernandos da cunha, Luiz Bor-
ges de Orqueira, Manoel Ignacio de Oli-
veira Rraga, Manoel Antonio de Jess, An-
tonio da Costa o Silva Maduro, Manoel Jos
.le Almcida Mues, Jos Goncalves Malvejra
e Leo Diniz Machado, na liarle relativa a
diversos objeclos de que ja tem sciencia,
compondo o material para os ditos navios,
so o bou; tratamenlo ; assim como a promp-
ta venda, afim de que seus senbores nao
soffram em parte, com a venda delles.
Id

DA
trata-se com os con-
signatarios Novaes & C, la godo Coi i
Sanio 11. (i.
PARA 0 IS80.
Sai jara o \ssu no dia 3 ue agosto imprc-
terivelmente.o palbabole Artista,recebe cr-
ga a frole e passageiros: a tratar no trapi-
che do algodao cen Bartholomeu Loureojo
ou com o capitao a bordo.
> r, Uaranhao c. Para.
Para os porto* cima indicados segu
cni poneos dias o brigue escuna nacional
Carolina, por (er dous tercos de carga
a bordo, para o resto Irala-se com \o-
vaesi C. na praca do commercio n. li
ou com o capitao e pratico Joaquim An-
tonio (ionc.ilves dos Sanios.
PARA LISBOA.
Sahir no dia 10 de gosio prximo o ve-
leiro e bem conhecido patacho porluguez
Mara Ignez ; quem nelln quizer carregar ou
ir de passagem dirija-se aos seus consigna-
tarios francisco ^everiauo liabello c Fllhos,
largo da asscmble.a.
A
Oliveira O nutra preten 1001 vender a
ria e deposito de msssas que possuem, vem
declarar que a firma dos mesmos est res-
ponsavel pelas perdis edamnos que occa-
sionara com o injusto arrosto requerido
n'uo estabeleciroenlo de maesas pertencen-
le ao mesmo abaixo assignado, pelo que
protestara, e j oblivera era seu favor sen-
tenca proferida no juizo comniercial, que
declarou injusto aquello arresto ; em vista
do que o comprador que venha a ser da-
quella nadara, ter de baver-se com o nics-
1110 abaixo assignado, para que a responsa-
bilidade do vendelor nio fique sem effeilo.
Jos Kernandes Magalhacs Braga.
Precisa-se de bom cozinheiro, forro
ou captivo: no becco da Abren i, 2.
Atte lico.
4o deposito da ra <;as Cruzes n. 21, clie-
gou nova remessa de queijos do serlSo, afi-
ancando-se aos freguezes a superior qasli-
dade : quem compr nuar.
~ l'recisa-se nlogar urna ama para o ser-
vido de casa c ra, paga se bem ; no aterro
da Boa-Vista, loja de miuaezas n 5S.
Aluga-se o trreeiro andar do sobrado
da ra da Cruz n. 40 : queni pretender, di-
rlja-se ao armazem do mesmo,
Prccisa-se de I:200g000 ao juro de 2
0|0 ao mez, sobre o prazo le 6 mezes, dan-
do-se por seguranza em hypotbeca 2 escra-
vos: quem quizei annuncie por esto Diario.
Precisa-se do o na -ina secca para to-
mar coota de orna menina e engommar pa-
ra a m s:na : nu ra do Queimaao 11, .'!7. lo-
ja de fazendas.
- Proclsa-se de um pequeo para caixei-
ro : na ra da Concordia n. 8.
menta da obra. Os editores fluminenses
esforzaram-se em fazer ntida a impressSo.
o o conseguirm. ja s*biram a luz o I.- e
2.- volumes, e o 3.- apparecera no principio
do anuo de 1859. O prsqo da assignatura,
pela obra completa em 3 volumes em bro-
chn 13C0UO, pagos 110 acto da assignatura
e eutrega dus 2 volumes ja impressos,
' Comora-se urna Corroes usada com os
competentes arreos, para ser puchada a um
nvallo: na ra Bella u. 14, primeiro an-
dar.
Vende-se ura sitio no lugar dosltecne-
'lios. com Casa, uuartos, estribara, quiutal
i.in'a lo, ola n, tufo de pedra e cal. bastan-
te terreno e arvorts de frucio, e militas ou-
tras vantageus c p-oporcoes que so com a
com fal- vista serao apreciadas, um terreno no lugar
la de unhasem ambos os dedos grandes dos i'la Torre, destnalo a extraecSo de barro
pes, he muito ligeiro no anl.r, nao be bar-| -ira o servigo da Olaria, um outro dito i-m-
tiaJo, gosla muilo do tocar viola, ejefji Tente la igreja dos Itemedios, propnopa-
casligado, do que tem vestigios as nade- ra edificacao, duas canoas grandes de con-
speitas de que este escravo es- rtuccode tijoios urna das quas em Mineo
teja empregado em algii n engenho, ou em
alguma obra desta ci.lade do Recife a titulo
d forro ; roga-se a todas as aotoriJadea
policiaes e ca pitaes de campo, que o captu-
ren) e mandem entregar na ra do Crespo
n.l7, na cidad.i .:o P.ecife, onde sera paga
qualquer dasaeza que se Bzer.
- Os abaixo assignados fazem scientc ao espito Carneiro Jnior,
publico, e particularmente ao corpo do com-
mercio, que nesta data dissolveram amlga-
velmenle a sociedade quetinham na loja de
fazendas, sita na ra da M*dre de Dos n.
9, qnegyrava debaixo da firma GnimarSes
(^ Amorim, ficando a liquidaeflo da mesma
firma a cargo do socio Francisco Jos Gui-
marSes, por ter Bcado com a mesma loia. e
desonersdo tanto do activo como oassivo o
-ocio Antonio Jos de Amorim Recife de
Pernambuco -.28 de julho de 18;>8 Francis-
co Jos Guimarfies.Antonio Jos de Amo-
rim.
Fugiram do dia 29 da julho, dama' "~ **ende-se tuna escrava de 20 a 82 annos
Imperial, casa n. 179 douscarneiros,sendo"Uifiel e salta, o que se afianca, excel-
U3i no Cabo de Boa-Esperanea, outro do!'ente qnitaodeira e lavandeira, o projria
paiz, aquelle con chifres, e esto mocho e Para qualquj- servico da cidade ou do cam-
ina Ih ido de preto : quem os tiver pegado e' P : tratar na ra da Cruz no primeiro an-
os levar a dita casa sera generosamente re- |d,r.do sbralo n. 46, por cima do estabe-
Na
*
GR PRECO CMMODO.
ua larrm do lio/ario, csriuina do
no segundo andar
dosobrado n. 9, faz-se com iodo asseio e
|)crl'cicao ilnioco. jantar e ceia por pre-
co mais em conta do (pie em oulraqual-
l'recisa-se deofciaes de sapaeiro para I quer narte.
na larga do Rosan., n. 14, unto a botica I ,'
qualqur pessoa quo qncir:
No escriptorio do abaixo assignado na ra
do Collegio n 21, vend m-se Bilbetcs da lo
teriada provincia pelos seguintcs presos |eccodoPei\e^frito,
sendo de lon> para cima e a dinheiro a vista.
ItiHieles garantidos 595O0
Meios ditos -rTjO
P. J. I.avme.
no esuleiro do sr. Carv^lbo, na ra da Con-
cordia, urna diu nova destinada a enndne-
eSode barro para a olaria. outra dita tam-
bem nova urorria para ser aberla e fazer sn
uma excedente barcada, outra dita nova
aberla e de conduccao de f'milia o outra 1I1-
ta de carreira ; a fatar nos Afolados com o
ATTEPCAO.
A 25^ o ecuto das bichas.
Na ra* da Cruz n. 51 primeiro andar,
vendem-sn bichas de llamburgo pelo dimi-
nuto prego de 951 o cento, e tende-U a re-
talho o aluga-se mais barato do que em ul-
tra parte : cm casa de Antonio Karbosa de
I liarros.
DE
a
do Sr. Pinto
vir tora no lira do mez uma gratificacSd 'mi-
forme o trato que lizer com o dono do csUi-
belecimento.
0 Sr Jos Maximiao Alves Cavalcan-
li, praticante da thesouraria da fazenda,
queira dirigir-se a ru do Queimado n. Ji,
primeiro andar, concluir o negocio que sa-
be.Jos Esteres Vianna.
Pela subdalegacia da freguezia de San-
to Antonio do Hecife foi recolnido ao depo-
sito geral um cavalbt que se suppoo ser de
sella, o qual fui encontrado vagando pelas
rus desta fregue/.U s^m dono : quem se
julgsrcom direito ao mesmo cavallo, com-
pareca no mesmo juiso, que provando Ihe
sera entregue.Vlllaca, subdelegado.
Atleneao!

Aloga-se um carro de conduzir gneros
l'recisa-se de nina ama forra ou capti-
va quesaiba cozinhar e fazer as compras :
na ra ilo l.ivramenton. 12.
OfTerece-so um moco para Irahalhar
em uma padaria o nuil da um mez gratis :
no pateo do Carmo n. 16, loja.
Da-se dinheiro a juros sobre penliores
do ouro i' prata : na ra aira/, da matriz da
Boa-Vista n. 17.
O l)r. J. Chardon, obligado pelo seu es-
tado de saude a retirar-se oara o mallo por
algum lemco, pedo aos seus discpulos e as
SUas discipulas desculpa pela iuterrupcSo de
seustrabalbos, que tornar a tomar logo
que mclhoran.lo elle voltar do mallo Elle
avisar la sua volia.
As doce.ras.
Temos de boc tas le madeira pintadas de
differenles cores o muito fornidas : ven le-e
na ra da Cruz do Kecife arrszem- 7 .
l'ugio do engenho Guita, comarc de
P
rih
S uuda-lVrH 2 de
igo
rOStO
llavera lelSo no armazem do Sr. Anujo
ao oe da pont nova de 1.600 barricas com
I'-.nona de .Nova rlenos chegada esla sema-
na )elo navio Eveline Kutor, por couta de
qurm perlencer e em lotes a vonlade dos
para quaiq'ii-r dos arrulladles desla Cidade, Na/arelo, um escravo de nomo Luizs criou-
lecimentodo Sr. Manoel Jos corren.
Veude-se ou troca-ss por um preto roo-
{0 uma mulatinna peca, propna par rec -
bera cducnciJu dn mucama, para uma
nhora de tratamenlo : ,,a resliiaco do moj-
ono de vento na praia de Sania Rita.
Vendem-se bichas de llsmburgo che-
gadas no vapor Tyne, pelo preco de 25-- o
cento : na travess.t da ra do Vigario n, 1,
loja de barbeiro
Vende-se por prego mdico um cabrio-
le muilo forte e em bou esta lo : ni eoebei -
ra do Sr. I'liom.defronto da ordem teiceira
de S. Francisco.
Vendea-se na travesea do arsenal de
guerra n. 3, 3 bracos de batanea do aulor
RomSo Si C, sendo 1 ja servi lo e "- novos,
cujos sa > at proprios para artnaze.ii de as-
sucar, e de entre estes 2 j estSo preparados
de boa* conenas.
compenssdo.
Os abnixo assignados fazem scionte ao
publico com especialidade ao respeilavel
corpo do commercio que na data de 15 de
maio p. p. compraram ao Sr. ngelmo Jos
dos Santos Aodrade, a sua loja de ferrageos
sita in ru^i doQueimadon. livre o de-
sembarazada ile qualquer onus da praga
salvo as lelras sssigna las pelos mesmos
Magalbee & Maia
Novaes &C compraram por orderr.
dos Sis. lose Rodrigues 'le Mello & Fi-
llio do Maranlio um bilhete inteiro n.
177-2 da segunda parle da 20 lotera
de Sania Isabel, cujas rodas corran no
dia 4 de agosto vindouro o qual Qca cm
(eu poder.
No collegio de Santo Andr, prccisa-se
de um homem para portoiro e que saiba ler;
quem esliver neslas circunstancias appare-
;a para tratar.
No sitio da capella de Joo Je Barros,
acbi-se um hoi que fm encontrado nes bai-
las de capia do mesmo sitio : quem for seu
dono apparece naquelle lugar ou no pateo
do Carmo sobra lo n 3 por sima da botica.
Kugio no dia 25 do correte do enge-
nho M a rug prximo da cidade do Itio For-
moso, o escravo le nome francisco, nacao
Congo cornos seguinles signaos : idjJe 30
annos pouco maison menos, estatura regu-
lar, olhos muilo verraelhos, e em cima do
dedo mnimo de um dos ps, lem um caro-
cinlio, leirou chapeo de couro e malote de
pe le de ovelh', be do sertflo lugar deno-
minad) Buique ;suppOe se ter seguido para1
o Hecife, yor ser visto at a ponte dos Carva- j caso de nio encontrare isiSo o que
Idos : quem o apprehender leve-o a ra
da Cadea n. >'>, ou ao engenho cima men-
ft I S.
bdile
Madamo Buessard tem para bailes lindos
vestidos de lllo, larlataua e blondo, bonitos
enTeilespara cabac, fiores com eapella.se
cachos, lencos de mo, luvas, ele. : na loja
n i do alerro da Boa-Vista.
%itenco
Aos sr>nhnros edificadores c
mestres de obras.
11* no caes do Ramos n. 21 um novo ar-
maz im, sonde encontrarlo i ladei 'as de to-
la a qualidade, tani-.nii s e grossuras, b no
por [>ier;o favoravel; lamb im necessita-se de
pe a lugar um escravo par i o mesmo servido:
na ra Oireita u 2, junto ao pateo do l.ivra-
mento
l'recisa-se alugar uma escrava para o
servido de uma casi de pouca familia
lo, i,lude 22 annos, estatura regular, bas-
ciona lo, que sera bem recompensado.
EM PODER do abaixo assignado existe
ciimpradores Principia as lo horas o con-! mo forra ara servico de e sa e roa em casa
linuar nos dias seguinles qu.mdo uo seja do pouca familia : na praca da InJepeu.ten-
possivcl coucluir-se. can. 36.
a I pes grandes, rusto redondo, levou urna ar-
traia- naruadaC'Uzn i8 segundoandar. gola nopescoco: quem o pegar, pode levar
Precisa-se de unir u'iia de Ipi forra
ou captiva : na ra .los l'.-scadores n. :m
Precisa-se alagar uma escrava ou mes-
i arem, encontraran com quem tratar
para bota-la son i quer que seja com tola
promptdSu por ter n pessoa su is matas n; i-
a.Nsiiiiado existe to perto desta-cidade e comila propor-
tanto preto, grosso, olbos gr ndes e brancos, uma carta para o lllm. Sr lose Fereira Cam- cao; afirma-se vender por menos do que
pernas gross s, ton um dlo lo |.....squer- pos.eau ente este para a tilma e Exma- quplquer outra oessoa.
ton a o e nrostado ao mnimo, tem i Sra. I). Aun, de Oliveira Careos: quem CARTEIRAS, VI.MO.NS, PASTAS, ETC.
parto direita um pe taco da orelba lirado, julgar-se com direito a ella, dirija-se a ra | as mesicas livrarias aeha-se um lindo o
uo dito engenho, e nesta pra<;a ao Nr Lo-
mos Jnior Leal l'.eis, ru. do Torres n. 14,
que ser 9 bem recompensa io.
-- Na ra augusta sobrada junto a fabri-
ca de velas do Sr Santos, aluga-se um solo
com i qua. los e 2 salOes.
dos Martyrios n 22, que Ihe sera entregue.
Antonio R S de Albaquerque.
Precisa-se de um.cozinheiro liara casa
de. pouca familia : na ra de Santa Izabel
n.9
vartadissimo sorliment de carteiras de al-
eibeira, carteiras de viagem, le guardar le-
i, .s e se.lulas, de pastas douradas para se-
nhorhs, de pastas d rio, dealbuns
etc etc., tu lo fabrica lo tom muta perfei-
Quem precisar de. uma ami secca para c.3o, e ebegado ltimamente de Paria: ven-
0 servico interno de uma casa do familia, lem-se por diversos procos, segundo o ma-
prucure na ra da Guia 11. 2. I lecimeaio de cada ObjectO.
II FGIVFI


DIARIO DE PERNAMBUCO SABBADO 31 DE JULIIO DE 1858.
Homeopatliia0
O Dr. Sabino Olegario L. Pinho, leudo de
organisar aHistoria da fiomeo.atuia du-
rante a epidemia do cholera,--roga a todos
os amigos da verdade quer desta provincia,
qner das outras do imperio, que lhe forne-
gam com a maior brevidade possivel, quaes-
quer documentos, informages ou narrces
exactas, que possam servir para a execugSo
dcssa obra. He justo que sejam cnnhecldos
ns nomes de todos aqnelles que em t3o ca-
lamitosa quadra soccorreram a alicta hu-
niamita.de. No consultorio central homeo-
pathico ra de Santo Amaro (Mundo Novo,
n. 6.
efe O r. Casanova pode ser procura- j$
i do a qualquer hora para visitar doen- '-'^
.1? tes e praticar qualquer operagSo de Jv.
y? cirurgia. especialmente de partos <2?
J om seu :/;
fCONSlLTORlOHOMEOPATHirOf
18 Una das Cruzas J
Z$ No mesmo consultorio tem sempre #&
a os mais acreditados medicamentos !k
S homeopatbicos ein tinturas e em *j
y glbulos e carteiras riquissimas; ha '*
S lambem varias obras em francez e ?&$
ife em portuguez. ;';
He chegado a toja de Leconte, aterro
da Roa-Vista n. 7, escolente leite virginal
de rosa branca, para refrescara pelle, tirar
pannos, sardas e espinhas, igualmente o a-
famado oleo babosa para limpar e fazer eres-
cer os cabellos ; assim como p imperial de
lyrio de Florenga para brotoejas e asperida-
des da pelle, conserva a frescura e o avellu-
riado da primorosa da vida.
IIOMLTORIO HOMEOPTICO %
:' do J
DH. LOBO lOSCOie. I
gJNA RL'A DA GLORIA CASA DO Pt'NDAO'
& O Dr. Lobo Moscozo faz sciente ^
a (|uem iuteressar possa que tem 0
i omiaodos cm sua casa para re- ft
ceber alguns escravos nGo s pa-
(fo ra tratar de suas enfermidades |
$j como para fazer qualquer ope- rj
$ racao. Os doentes serao tratados
Jj^ pela liomeopatlua ou pela alio- 3
j3 pathia, conforme parecer mais @
Q conveniente para a brevidade da ^
fe cura. Adverte que recebe gra- ^
^ tuitamente umaououtra pessoa f
gJ que precise lazer alguma opera- ^
^ cao, e %g cias nao possam satisfacer as des- j
^g pezas de tratmento e nao queira @
^ sujeitar-se a ir para os hospitaes. @
^ O preco do tratmento dos esera- gg
vos regulara' de 28 a 3$ diarios ;<
{te conforme a gravidade da moles- ?
A tia e o tempo de curativo. -^
Precisa-se de urna ama que saiba cozi-
nhar o diario de uma casa de pouca familia,
sabendo tambem eugommar : na ra da
Cruz do Kecife n, 3t.
Antonio de Ollveira Frats participa
ao respeitavel publico e ao commercio em
geral, que comprou a Francisco da Silva
Terreiro a sua tenda rtetanueiro com alguns
utencilios perteucentesa mesma tenda, per-
manente na rna da Lapa n. 3, e que elle an-
nuociante de hoje em diante n3o se respon-
sabilisa por saludos ou debito algum quu
apparegam conlra a mesma leuda
Precisa-se de um amassador, prefe-
rindo-se portuguez : na padaria dos A fuga-
dos.
Est fgido desde o da 19 do corrr-nta
o preto Jacob, de naco Costa, de 30 annos,
pooco mais ou menos, n3o he muito alto,
no bastante reforgsdo, tem smente buco.
n3o tem falla de (lentes, supode-se que an-
da pelo bairro da Boa-Vista e Mondego, ou
oceulto por alguns negros da Costa : quera
o pegar leve-o a ra do Rangel n. 62, segun-
do andar, qoe ser generosamente recom-
pensado.
-- No escriptorio de Claudio Dubeux de,-
seja-se saber se existe nesla praga alguem
da familia ou pessoa conhecida do fallecido
Duarte lavares de Castro alenezes, que ne-
gociava para I'ianc.
Manuel Jos Soares. portugnez, reti-
ra-se para Europa.
O Sr. Jo3o Hypolito de Meira lmate
nha a bondade apparecer na ra do yuci-
mado, loja n. 10, a negocio.
Aluga-se um escravo para o servigo
de alguma osa estrangeira, por 305000 por
mez : a tratar na ra Formosa, segunda
casa.
~ Hojeas 10 horas da mantlSa tem lagar
a arrematado das casas aifiunciadas nos
Diarios ns. 160 161 e 162.
Ouem qnizer comprar urna vacca tou-
rina nov, o que da usa cana la da leite, e
mais duas muito boas, dirija-se a ra Nova
n. 53, que se informara quecn as vende.
AVISO.
Custodio Jos Al ves Gis i
maraes & O.,
ivs.mii ao publico, que o Sr. Thomaz de A-
quino Pinto do Qieirox, drixou de ser seu
caixeiro desde o dia i V de julho de 1858.
-- OSr. Juvinio Bandeira queira mandar
buscar uns papis que deixou na livraria n.
6 e 8 da praga da Indepen lencia.
~ Traspassa-sa o arreudamento com as
respectivas bemfeitorias da nova cocheira
que ltimamente se estabeleceu no largo do
palacio do governo, prximo a casa do Sr.
Dr. Sarment, a localidado no p le ser
melhor porquo fica junto a ponte provisoria:
quem pretender, entenda-se na ra da Ca-
dea de Santo Antonio, com Urbano Mamede.
Cheguem ao ba-
r to
0 PREGDIQ4 FSTA 0E1-
MANDO
Na loja dnPreguiga, na ra do Queimado,
esquina do becco do Peixe Frito u. 2, conti-
nua-se i vender um bello e variado snrti-
mento de fazen las por baratissimos preces,
bom como sejam cambraias Haas com 8 va
ras e com algum toque dn mofo a 2o a peca,
ditas linas com 8 varas a 4,400, 4,600 e 4,800
a peca, dits tapadas com 10 varas a 4,500,
5,500 e 6,500 a pera, ditas muito linas com
8 varas e com quasi 1 1|2 de largura a7)a
pega, cambraias de quadros de cores de rosa
e azues, faznnda inteiramente nova no mer-
cado, pelo diminuto prero de 220 o covado,
lindas cassas de cores o mais lino que he
possivel a 440, 480 o 500 rs. a vara, chitas
francesas escuras de lindos padrOes a 240 e
260 o covado, ditas mais claras muito finas
e de novos padrOes a 280 e 300 is o covado,
ditas para coberta muito largas a 2 o co-
vado, t>ec.as de hretanha de rolo com 10 va-
ras a 25, cortes de brim de linho Je lindos
padrees a 1 800 cada uro, ditos de meia ca-
semira a 25, grosdenaples de todas as cores
a 1,900 o covado, lazinna de quadros de
cores pro,iria para vestido a 480, 500 c 600
rs o covado, ditas miadinh's de lindos pa-
drOes a 360 o covado, gravatas de cores pa-
ra homem de lindos padres a 640 cada urna,
ditas pretas a 19, ditas de mola a 800 e 1-,
musselina branca lina a 320 o covado, len-
cos de cambraia de linho muito linos a 480
rada um. casemira preta lina a II, 2,400 o
3? o covado, lencos pequeos para mfio a
120 cada um, chitas de cores fixas a 160, 180
e 200 rs. o covado, e mitras muitas fazendas
que de tudo se daro amostras com penhor.
Veude-se o deposito da ra Direita (ti.
93, casa com proporces muito boas para
todo e qualquer negocio, grande, de Icrra-
cus ou mesmo no que esta.
Vende-se urna esera va ne na<;3x> Ango-
la, moga, que engomma, co/.inha e lava, ou-
Ira dila angica, lambem mo;a, que cozinha
e, iav, e urna crioula que engomma, cose
chao e cozinha : na ra cstr.ita do Rosario
u. 25.
Vende-se a armaco da loja Je calcado
do aterro da Boa-Vista n. 24 : a tratar na
mesma.
SYSTEMA MEDICO
HOLLOWAY
P1LULAS HOLLOWAY
Kstelnestimavel especilico, composto ni-
teiramentedehervas medicinaes, nSo con-
ten mercurio, neinalguma nutra substancia
delecterea. Benigno a maistenra infancia,
e a complei^So mais delicada he igualcucn,
to promplo e seguro para desarreigar o mal
na complei^ao mais robusta ; he inteira-
mente innocente em suas operac,es eefei-
tos ; pois busca e remove as doen^as de
qualquer especie e grao por mais antigs e
tenazes que sejam.
Entre militares de pessuas curadas com
este remedio,muitas queja estavam s por-
tas morte, preservando em seu uso ; con-
segu rain recobrar a saude e forras, depois
de haver tentado intilmente todos os ou-
tros remedios.
As milis afflictas nfio devementregar-sea
desesperacao; fagam um competente enyaio
doselicazes effeitos desta assombrosa med
cia, e prestes recuperariio o benelicio da
saude.
N3o se perca tempo em tomar e.-te reme-
dio para qualquerdas seguales enfermida-
des :
AccidcntesepilepticosiFebres intermitiente
REMEDIO IMCOMPARAVEL.
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de todas as nacfies
podem testemunhar as virtudes deste reme-
dio incomparavel e provar em caso necessa-
rio, que, pelo uso que delle lizeram tem seu
corpo e membros inteiramente saos depois
de haver empreado intilmente outros tra-
tamentos. Cada pessoa poder-se-ba conven-
cer dessas curas maravilhosas pela leilura
dos peridicos que Ih'as relatan) todos os
dias ha muitos anuos; e a maior parle deis
las silo tilo sorprendentes que admiramos
mdicos mais celebres. Quantas pessoas re-
cobraram com este soberano remedio o us
lo sorim^io deVa"zenda7f7ancezrs e"ge-1de seus (l,racs e Pe "as, depois de ter .per-
I\a loja
DAS
Qw tro portas
RA DO QUEIM&D0 N. 37,
Passandu o bcuoda
Congtregag&o ,
Nestc bem conhecido e acreditado estabe-
lecimento encontrara o publico um comble-
zas, bem como sejam : ricos curtos de vesti-
dos de seda pn tos com 3 babados a 80 e 909,
Jilos de. seda branca rom listras asselinadas
manecido longo tempo nos hospitaes, onde
deviam surtrer a amputado l Helias ha mui-
tas que havendo deixado esses asylos de pa-
a 20, ditos de barege a 75, sabidas de baile ; decimento, para se nao submetlercm a essa
_i iului iii il i l irin" i f i, ruin niiBiul., m-. w> i,L.ln
Sow ;$'&.
Vi "lie .1-.
Ampolas.
Ar Mas mal de)
Asi lima.
Clicas.
Convulsoes.
Debilidade ou
nua^ao.
Febrclo da especie.
Cotia.
lleroorrhoidas
llydropisia.
Ictericia,
jlndigestes.
exte-||nflamma?0cs.
jlrregu la ri da des da
Debiliiiadeou falta de. menslrua^iio.
forijas para qual-'.Lombrigas de toda
.-

O abaiio amina lo aena-ia autorisado a vtn
rler o obrado de um andar e loto lito na ra do
Hofpicio n. 19; e mais um terreno contigua aos
l un le i- do int.iiiii soln i.1o, oro 86 palrooi de fren-
te e 170 de fumloi; por iaso qoem pretender, qoei-
ra dirigir-se a' prarja da Boa-Vista, botica n. 2i, e
.dn iminira' o logar e a hora* certas para ler pro-
carado. Joo Octavio de Moura.
SEGURO CONTRA 0F0G0.
COMPANBIA
istabelecida em Londres,
em marco de 1824..
CAPITAL
CINCO MILHO'ES DE LIBRAS ES-
TERLINAS.
Saunders, Brothers & C. tem a honra de
informar aos senhores negociantes, propie-
tarios de casas, e a quem mais convier, que
estilo plenamente autorisados pela dila com-
panhia para effectuar seguros sobre edifi-
cios da lijlo e pedra, cobertos de telha, e
igualmente sobre os objectos que conlive-
rem os mesmos ediiicios, quer consista em
motulia, ou em fazendas de qualquer qua-
iidade.
Na ra Nova n. 18, prlmeiro andar,
por cima da loja doSr. Caj, alfaiale, das 11
horas da manbSa s 4 da tarde, liram-se
retratos pelo novo systema norte-america-
no. O artista que dirige este estabelecimen-
t he o mesmo que trabalhara na extincta
oicina de daguerreotypo do aterro da Boa-
vista n. 4, lerceiro anclar. Nesse estabeleci-
ineulo se encentra um grande variado sor-
limeuto de caixinhas e quadros de todos os
tamauhos para a collocaQao dos retratos.
RA NOVA N. 18.
Anliga loja de fazendas e roupa feita de
M. A. Caj' & C, onde sempre seus aotigos
fret;uezes enconlraram um completo sorti-
mento deludo e qualquer fato tendente a
roupa feita, como sejam casacas, sobrecasa-
cas, paletots de panno, casimira, seda, me-
rino, albaca, gaugas, bretanlia, brlm, gn-
dolas, jaquetas de alpaca, bretanha, e brim,
vestidos de merin para montarla, casave-
ques de seda preta e de cores, caifas de ca-
simira preta e de cores, de brim de linho,
brauco e de cores, ditas de aleuda, u -' sor-
lmenlo de meias para senhoras, homens e
meninos de ambos os sexos, e idades, cha-
peos demassa francezes, linos, ditos do sol
de seda ingleza, para senhora, ditos de pa-
ii iitn>, luvas linas para senhoras e, horneas.
Compra-so um diccionario inglez e
portuguez, de Vieira, em dous lomos : no
aterro da Boa-Vista n. 17.
Escravos.
Compram-sc escravos do sexo mascoli-
no de idade de 18 a TiO annos : na ra
da Cadeia do Kccifc n. 54.
Compra-se urna taberna em liom lugar,
coc poucos ou mudos fundos, e bem afre-
guezada : annoncie, ou dirija-se a ra da
Santa t.ruz n. 64,
~ Compra-se o imnial de medicina ho-
meoptica do Dr Jahr, tra luzda em por-
tuguez pelo Dr. Moscoso, anda que seja usa-
da : nn luja de papel de Cardse Ayrcs, ra
da Ca lea do Itecife n 31.
Compra-se effecli va mente bronze, Ino
t.'o r cobre velho : no deposito da fundicS-
da Aurora, na ra do Rrum, logo na entra-
da n. 28,0 na mesma fundico.em S. Amaro.
Compra-se effectivamente na ra das
Flores n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e provincial, aecoes das com-
panhias, e da-s9 dinheiro a juros em gran-
des e 1'cauenas quantias sobre penhores.
Compram-se dentaduras artiliciaes que-
bradas ou inulilisadas : no largo do Collo-
gio n. 37, primeiro ailar.
Com.ira-se um cavallo capado, com
andares: no l'oucinho casa o vidracda
junto a cocheira, por delraz de Santa The-
reza.
cobertos e descobartos, pequeos r, gran-
des, de ouro patente inglez, para homem
esenhora, de um dos m-lhores fabricantes
de Liverpool, viudos pelo ultimo paquete
inglez : em casa de Soutfiall Mellor & c.
ra po Torres n. 38.
Sebo refinado
i.igoda Assembla, arma-
Veudn-se no
zem n. 9.
rgaiu.
quer cousa.
Dysinteria.
Dor do garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
especie.
;Mal de pedra.
Manchas u,. cutis.
Obstruccflo deventre
Tsica ou consump-
cao pulmonar
Lafermidadesno ven-[Releuc9o de ounna.
lre- Ir.hcuniatismo.
Enfermidades no iiga-Symptomas
Ditas venreas.
F.uxaqucca.
Herysipela.
Fcbres biliosas
Vendem-se estas pi
to geralde Londres
a 25;, enfeites para cabeca dn senhora a 93
e'ni.', manguitos de cmbrala bordados a
2/300 e 49500, camisinhas de carubrm com
gollinhas e manguitos a 53000. ditos muilo
superiores a 1/30o, gollinhas bordadas a 19,
1S600 o 49500 cada urna, tiras bordadas a
800, 900 e IsOOO a vara, gaze de seda a 780
e 800 rs. o covado, sedas de quadrinbos miu-
operaco dolorosa foram curadas completa-
mente, mediante o uso desse precioso re-
medio. Algumas das taes pessoas na el'uso
de seu reconhecimento declarara:n estes re
sultados benficos diante do lord correge-
dor, e outros magistrados alim de mais au-
tenticarem sua allirmaliva.
Ningiioin desesperara do estado de su-
Ha loja
das seis portas
EM FRENTE DO LIVRAMEWTO.
Pecas de cassas francezas com 32 covados
a 68, e o covado a 200 rs., Uasinba para ves-
tidos com 5 palmos de largura, fazenda no-
ta a 320 o covado, be oara acabar ; dam-se
amostras, e a loja est abena at as 9 horas
da imite.
Aiteueo.
Vende-se por baratissimo preco de 5&500
corte de vestido com 3 folhos de ama fazen-
da inteiramente nova : na ra do Crespo n.
3. Sa mesma loja ha para 240 o covado fa-
zendas de 19a com listras de seda.
"' v-nde-M "oz de casca de primelra
qualidade, em saceos grandes, por preco
commodoj: no armazem do caes do Ra-
mos n. 1
saiar este remedio constantemente segiuu-
do algum tempo o traa.meato que necessi-
tasse a natureza do mal cujo resultado seria
provar incontestavelmente: Que tudo cura.
O ungento he uft, mus particularmente
nos seguintes ca/oi.
InrjammaQao da ma-
secun-
darios
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo (mal),
tilas no estalieleimen-
n. 244. aStrand, e na
loja de todos os boticarios droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, llavana e llespanha
Vendem-se as bocetinhas 800rs. cada
urna dellascoiilni urna instrucSoem por-
tuguez paraexplicar o modo desse usar
destas pilulas.
O deposito geral be em casa do Sr. Soum
pharniaceutico, na ra da Cruz n. 22, em
t'eruambuco.
Alporcas.
Calmaras.
Callos.
Canceres.
Corladuras
Dores de cabega.
< das cosas,
dos membros.
Enfermidades da cu-
lis em geral.
Enfermidades doanus
Erupr0esescorbuticas
Fstulas no abdomen.
Frialdade ou falla de
calor as extremi-
dades.
Frieiras.
Cengivasascaldadas.
Inchaces.
Innammacodoligado
da bexiga.
triz.
Lepra.
Males das pernas
dos peitos.
de olhos.
Mordeduras de reptis
Picadura de mosqui-
tos.
I1 ul limes.
Queimadelas.
Sarna.
SupuracOes ptridas
Tinha, em qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea,
do figado.
das articulares.
Veas torcidas ou no
dadas as pernas.
Compra-se borra de vinho :
Seazala Velha n. 110.
na ra da
** -*
Attencoa
e>
Continaa-se a vender na
ra Nova, loja o 8, de
Jos ioaquim Vlorei.ia,
as seg'uiutes fazendas,
para liquidac&o de ne-
ocio.
Tiras bordadas dos dous lados com vara e
quarta de comprimenlo, pelo barato preco
de IIU00, ditas bordadas de um lado so, pe-
gas de 3 1|4 varas de 1#000 al 69000, ntre-
melos de varias larguras, c pegas com 3 1|4
varas de 19600 at 39, chapeos de sol de
seda para meninas a 29, ditos de cabo e as-
leas de ferro a 39, manguitos de cambraia
bordados pelo baralissimo prego de 2/000,
XISOO e 39, chales do brim, tecido de seda,
muito transparente, proprios para senhoras
um grande sorlimento de fazendas para fa-lviuTU por serem decorbranco e roxo, pelo
/er qualquer obra com presteza, camisas haixo prego de 49, ditos de crep da China,
Liaucas, linas, com peitos de linho, dilas fazenda de muito gosto e inteiramente no-
Veniem-se grammalicas france/.as de Bur-
gain, da tercrira edigao : na ra do Amorini
n. 39, armazem.
Venie-se um carro de 4 roelas de con-
duzir gneros, em bom estado quem o
pretender, dirija-se a ra do Canuo, pas-
sando a taberna dn esquina, a primelra casa
terrea.
CICARKOS DO BOTA-FOGO E S. DOMINGOS.
Na loja da ra do Crespo n 10, vnden-
se os cigarros cima mennonado^ chegados
pelo prximo vapor do sul.
agencia
ja fundcilo Low-iWo
rna da Senala ov?
n. 42.
leiteostabeleolmentocbntlnu'aahavpr
um completo sortimento de moendase
moias moondts paraengenbo.macbinasde
vapore taixas le ferro batido e coado de
todosos ti nanhosoara dito.
de dita francezas, dilas de cor com peitos
do lusliio, pelo prego mais razoavel do que
cm outra qualquer parte.
Carvalho A Irmao mudaram o seu es-
criotoo para a ra da Cruz do Kecife u 'iO,
primeiro andar.
IVa livraria n. 6 e 8
da praca tia Independen-
cia precisa-S fallar ao Sr.
I>etan, que morou na roa
do Aragao o teve inarci-
neiria.
Lotera
DA
provincia.
Oabaixo assignado declara que de hoje
em dianle compra bilbetes de lotera reco-
llndos com o descont de 20 por rento sej*
qual for a quantia : na ra do Collegio n. 21.
P. J. Layme.
Attencao.
va, pelo eliminlo prego de 109, gollinhas de
lil ricamente bordadas a 15, ditas do cain-
brsia lambem bordadas 'le muito cabalho e
gosto n 39, ditas mais inferiores a 2j|l, pentes
de tartaruga de volla para meninas a 39, e
finalmente um resto d chapeos de se la mo-
tados para senhora, porm que anda po-
dem servir para de noile, pelo insignifican-
te prego de 49 cada um lia muitas outras
fazendas que se nao com vagar aaauncian-
do. Vende-se ludo por estes pregos, por se
querer acabar.
Attencao ao ba-
rato,
liiqudaca".
Nova n 8, loja de Jos Joaquim
vende-se para liquidagSo etraus-
Na ra
lioreira,
fereucia de negocio todas as fazV-ndaj exis-l Mussoliuade cor branca, cundo
Receidas em direitnra de
pars.
Ricos cortes de vestidos de sda de
cor e brancos
Corles de cambraia de seda borda-
dos ao lado
Crosdenaples picto encorpado, co-
vado 15600 a
Dito de cores e branco, covado
Seda branca lavrada para vestido
de noiva, covado I#400 a
Belleza da China, fazenda toda do
seda, covado
Selim prelo mneo para vestidos,
covado 29700
Velludo prelo o molhor possivel,
covado
Meio velludo preto o de cores, co-
vado
Velbutina prela e de cores, covado
Folar de Pars de seda com lisias
matisedas, covado
Bicas sedas de cores de novos pa-
drOes, covado
Oana de seda lavrada mui linda,
covado
Se iniia.s de quadros c listras, co-
vado
Popelinas de seda o 1,1a, padrees
novos, covado
Barege de seda, padroes miudinhos,
covado
Corgurao de seda com llores, covado
Panno prelo e de cores, prova de li-
mSo, covado 3/ a
Casemira preta ai lim.covadd 19700 i
lentes na mesma, por atacado e
sendo que a mor parte destas ter3o o aba-
timento de 20 por cenlo, e algumas at 50, a
saber: damasco de seda esearlate, proprio
para colchas e ornamentos de igreja, com
um pequeo toque de molo a 1/(00 o cova-
do, grosdenaples de furta cores a 15700 o
covado, dito azul e cor de rosa de muito
boa qualidade a 29, damasco de seda branco,
encimado, azul, e amarello em perfeito es-
lado a2?400 o cova lo, sedas decores escu-
lle, i-i-se alugar um molequede 13 a 14 ras de muito boa qualidade e bonitos
a retalho, I Chitas francezas de cor claias o es-
curas, Covado 2S0 a
anuos ele iili.-ie, para criado : quem tiver,
dirija-se a ra do Queimado', 6, primeiro
andar, que achara com quem tratar.
Preci.-a-se
Bt( I i|uaulia de
m nos : a tratar
elle n. 45.
comprar una casa terrea
1:000/000, pouco mais ou
na ra da Cadeia do lie-
Caixeiro
(llle-rere-se una pessoa dealiaugada con-
ducta, que entende alguma cousa de esenp-
luragao e t-m bstanle pralica de loja de
lazeodas ; quem o preten ler, podar deixar
i-arla lechada com a inicial K, em casados
Srs. Sampaio, Silva & C, n. ra da Cadeia
do Recite.
-- Tem-se justa e contratada a taberna si-
la na ra da Bodl n. 8 : quem so julgar
com direito a mesma, apresenle-se em ir, s
ili>s da dala deste. Becife 26 de jullio de
1858.
pa-
droes a 19400 o covado, laf t de todas as
cores a 500 res ocuvado, dito azul ferrete
mofado a 240 res o cova lo, s di ns lisos a
800 re i s o covado. luvas de se'a b ancas e
ainarellas com toque de molo a 400 re.is o
par, chapeos de se.ia ultima moda para se-
ubora a 12/, ditos de massa pretos para ho-
mem a 7. ditos de mola de merino para ho-
mem a 55, chapeos de palha escuras para ho-
mem 2, charuteiras a 240 reia, dttas guar-
necidas de metal a 640, calxinhas de tintas
par? desenlio muito linas a 29. ricas capas
de casimira guarnecidas de Tallado, cousa
de muito gosto para senhora a 169, o por
ultimo chapeos de palha arrendados,oscu-
ros e amarellos para senhora, poreru da mo-
da um i.ouco atrazada, pela dcima parto de
seu valor 1;(I00. Ha outras muitas fazendas,
que com vayar se iro aunuuciando.
Ao pateo de S. Pe !ro n 6, oodo acha-
r3o os freguezes superior massa de tomate,
pelo diminuto prego de 320 a libra.
2?500
15020
S95O0
15100
i 9500
55500
15400
750
15100
15920
19000
900
15000
640
850
79500
3^!U
3J
360
19380
500
320
9
0
Cambraias organdys.uuvos padrOes,
vara a
Cassas francezas finas, padrees no-
vos, \ara a
Ditas ditas, vara i
Mantas do Blond, pretas e bramas
Manguitos e golias bordadas
Tiras c eutremeios burilados
l'ulceiras do velludo, froco e lita
Lengosde cambr.ia, linos, com la-
Ir. rintiio
Chales de merino com franja de 13a
Ditos ditos de seda
Ditos ditos bordar.os a seda
Ditos ditos bordados a velludo
Ditos de seda de p Cortes de casemira de ce>r linos
Colletes de dila e de seda bordados
Chapeos pretos francezes modernos
Grvalas de seda coiupndas com
anac
Paletois de alpaca preta c de cor,
forrados
Con tolas ele alpaca preta e de cor
Paletots de brim pardo a bretanha
Ditos de fusta, gmga ouulrasfa-
ze-ndas
Ditos de alpaca prcr.a
Passando o becco da Congregacfio, do lado
direito em seguimento par o Livramento a
quarta loja de tres portas com rtulos bran-
cos n. 4.
15000
49800
6^000
6^500
UjOOO
fiijOOO
9
79000
79000
55000
4*000
4-500
3:800
5 Atlenco.
.-i Kissel, relojociro francez, vende 5%
'*;* relogios de ouro e prata, concerta *
W relogios, joias e msicas, ja aqu be $?5
& conhecido ha muitos annos.habila no ;];
;. pateo do Hospital n. 17. .'.
Vende-se em casa do S. P. Jonbston &
C, roa da Seazala .Nova 11. 42, o seguate.
sellins inglezes e silboes. relogios de ouro
de patente inglez, candielros castigaos
bronzeados, arrcios para carro, lonas ingle-
zas, lio de vela, t'raxa para arrcios.
Relogios
Vendem-se relogios do ouro, mglazes de
patento : no armazem de vi justo C. de A-
breu, ra da Cadeiajdo Becife n. .16.
Fazendas.
Vende-se no aterro da Boa-Vista, loja n
1, de Duarte Borges da Silva, urna grande
quantidade de rclalhos de cagas pintadas "le
excellentes deseiinos e muilo linas, por me-
lade do seu valor.
He barato que
admira
Manleiga ingleza a 800 e a I9OOO a libra,
dita franceza a 720, marmelada do Rio eran-
do do sul. latas de 2 libras a 29, ameixas
francezas a 1/280, e outros muitos mais g-
neros de prirneira qualidade, que a vista do
comprador se dir o prego ; a elles, fregue-
zes, que o Soares esta queimaodo: no de-
posito da ra do Collegio n. 13.
Vende-sn um terreno confronte pela
parle do norle, com a travessa da ra Au-
gusta e alinhamento at o rio Capibaribe,
pelo sul com o terreno de Joaquim Lobato,
ao oeste com a projeclada nova ra, com 461
Ira palmos de leste a oeste, com 370 palmos
de norte ao sul, com duas casas terreas,
sendo urna mei-gua, com varios ps de co-
queiros e mais 400, palmos de alagado jun-
io ao mesmo terreno acuna : a tratar na ra
do Trapiche a. 30, com Matheos Austin 4
Compauhia.
Cacado barato.
So,
dinhos, fazeua muilo superior, a 19500 o 1 saude se tivesse bastante coulianga para en-
covado, folar de seda a 600 rs. o covado, 13a
e seda lavrada, gosto ialeiramente novo, a
I9OOO o covado, musselinas escuras a',400 rs.
o covado, casemiras miudinhas proprias pa-
ra caiga, cullete e paletot a 19500 o covado,
fuslo miudinhoa 400 rs. o covado, chitas
francezas a 260, 280, 30o e 32o o covado, or-
gandysdecor a 900 rs. avara, ditos supe-
riores a 19200, Oanela branca a 480 o cova-
do, dita de cores propria para coeiro le
enancas a 000 rs. o covado, chales de seda
11 e 169, bengalas tinas a 49, ditas a 2 e 39,
paletots de fustSo de cor a 5-, ditos de brim
branco de linho a 69, ditos de alpaca prela a
89, itos de panno tino prelo a 20,22, 24 e
25o dilos de casemira de cores a 18 e 25>,
ditos de gorguro do seda a 25s, caigas de
casemiras francezas a 99, colletes de gorgu-
rfio do seda a 75, chapeos francezes a 7 e 8?,
ditos muilo superiores o mcllior que tem
vindo ao mercado a 99, ditos ae feltro linos
a 59500 e 69, ditos pelle de lebre a 63500,
ditos do Chile sem ser enfermados a 109, di-
tos enformados a 139, cortes de casemira de
cores a69 e 69500, ditos multo superiores a
95500, damasco de 13a de duas larguras pro-
prio para colxas a 25500 o covaiio, saceos
de tapeta proprios para viagem a 5 e 65, vel-
ludo preto muito superior a 6 e 89 o covado,
camisas francezas peitos de linho a 49500
cada urna, ditas de algodSo a 29, 2500 e 39,
ditas de cores peuos de fustSo a 29500, cha-
peos amazouas para montara de senhora a
129, chapeos de sol de seda para homem a
695u0 e 119, ditos para senhora a 5 e 69, cor-
tes de cohetes de velludo a8e!09, ditos
muito superiores a 129, caseaniras de cores
a 29200 o covado, ditas entestadas a 29000,
3/5U0e45o covado, tpele avelulado ocu-
vado 39500, tapates a 8 e U9, bombazina de
cores propria para capinhas de senhora e
roupinha de criangas a 19500 o covado, groa-
deaaple preto a 1;600, 158OO, 29 e 2^600 o
covado, ditos decores a I96OO, seda brauca
lavrad a 29i00 o covado, unas pretas lavra-
das a 29*00 e 29600 o civado, casemira preta
de I36U0 at 39500 o covado, pao lino prelo
de 3.90OO ate 119 o covado, ceroulas de linho
a 2>500, chales de merino lisos pretos a 49,
dilos de merino bordados a velludo a 8
129, ditos bordados em duas pontas a 10o,
dilos de chaly bordados a 99, corles de eassa
de cores lixas a 29, cambraia lisa grossa para
forro a a? ou a pega, guardanapos a 3o a du-
zia, meias cruas pura Uomein a 29200 a du-
zia, e muitas outras fazendas que n3o he
possivel aqui se mencionar, pelas muitas
qualinades que tem neste estabolecimento,
e cnt3o com a vista dos freguezes se mos-
trara.
Farinha superior em saceos grandes;
vende-se 110 armazem de Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, ra do Vigario n I.
Na loja de ferragens de Magalhacs &
Maia, na ra do Oieimado n 4, vendem-se
riquissimos apparelhos de rr-etal lisos e la-
vrados para cha, pelo baratissimo prego de
20 a 25o000, assim como superiores facas de
cabo de tnarfim e osso, bandejas linas, louga
de porcelana e estanta la, tudo por menos
do que em outra qualquer parte.
#
A 49 E A 69 CADA CORTE.
Vendera (por baver grande porg3o)
cortes de calca de casimira preta a
49 e ditas de dita ingl-za encorpada
pelo barato prego de 6 : na loja ca
ra do Queimado n. 10, de Leite
Arthur C. *
Vende-$e uma eterava de meia
idade, quitandeira por preco commodo :
na rna da Cadeia Velha loja n. 22.
r$Vr>TIDOS DE BAREGE COM BABADOS
3i Existe um bonito sortimento de
.;/. vestidos de barege, de gosto inglez afc
<* f.zenda nova neste mercado, e a It
Jg mais moderna na corto de Inglater- S
ra : na ra do Queimado n. 10. loja
/$ de Leite, Arthur Si. C.
Vende-se uma poreao de cal pnta
cerca de 1,600 alqueires, queseacha de-
positada no caes do Hamos, em
Vendem-se
ua loja ao p do are-t
Saiuo Antonio,
164 bonetes de panno,
(le
153 gravatas de cou-
ro para guarda nacional, por barato prego,
rico vellu Jilho de flores para vestido a 15000
o covado, cortes de casemira lina a 5oo00 o
corte.
Vende-se uma porgao de milheiros de
charutos de dez reis, em massos d* 50. em
pmgao ou a retalho, saceos grandes com fa-
rinha e miltio, tu lo muito bom : na ra da
Senzala Nova n. 22, taberna.
Vendem-se duas escrav as, tendo uma
duas crias, ambas com habilidades: na ra
Helia n. 33.
--- Vende-se um mulato
lente amassador, o lorneiro
deia do Recite n. 48.
padeiro, excel-
na ra da Ca-
i>ilhoafi^e6,500 por
uacco.
Milho em saceos de suporior qualidade,
recentemeule chegado : no armazem do
Guerra, confronte ao trapiche do algodao,
|eem fronte da ra da Madre de Dos.
TACIIASPAUA ENGEMIO
nfimdicao le Ierro deD.W.Howman
Jein-sc no aterru da Boa-Vista n. 14, borze- n.a ,'"i' Itll,in. passando o cliata-
guins de enliar de duraiiue de cores com r'z continuaa liaver 11111 complelosm li-
nar senhora a 15500, ditos elsticos e | ment de taclias defer o tundido e bati-
ste
com
>romptidao,embarcam-se ou carregam-
se eiu carro *em despezas a0110111 prador
, ^---------------------- -v-w, Meie.jejeaaiie.eisp euveue/eie, euveiuo utlUI I U I IIIIUIUU C ll||
U'enhar de duraquo preto sem Sallo a 2>500 ,|0t | -, ., S pilra de bica, as quaej
- ", sapa los do lustre rasos do sola evjra; 1 1 .'
pa homem do 49500e59, ditos de Jm "c'"*endaporprectocommodoeco
m
B
Venae-sejeste ungento noestabelecimen-
to geral de Londres n. 244, Slrand, e na
loja de todos os boticarios droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, llavana e llespanha.
Vcndo-se a 800 rs cada bocetinha,conten
uma iustrucgo em portuguez para explicar
o modo de fazer uso desle ungento.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum,
Ipharmaceulico, na ra da Cruz n.22, em
Fernambuco.
Na ra da Cadeia n. 28 taberna de D.
'-ampos, veadem-se era pequeas e gran-
des porges bichas hamburgueaas das me-
Ihores que vem ao mercado, e lambem se
lugam.
Veodem-se duas escravas, sendo uma
mulatinha de idade 14 annos. pouco mais ou
menos, e outra mulata do idade de 90 a 25
aunas : na ra Direita n. 72, se dir quera
vende. .
Rap.
Chegou nova remessa de rap francez na
ra do Crespo n. 12, loja de Campos & Lima
Relogios de
ouro ejoir.s.
Vcnde-se um lindo sortimento de re-
logios de ouro para todos os pircos con-
forme as quallades c um variado sorti-
mento de joias de ouro de lei : 110 escrip-
torio de Isaac, Curio & C, ra da Cruz n.
9, primeiro andar.
-- Vende-se uma loja de calcado toda en-
vidragadae com poucos fundos, a dinheiro
ou a prazo com boas firmas, sita na ra do
Livramento: quem a qnizer. dirija-se a ra
da Cadeia do Itecife n. 64, loja.
- Vende-se uma negra sadia c robusta,
excellente quitamleira, e propria para qual-
quer servico da cidade ou do cun o : a tra-
tar na ra aa Cadeia do Itecife n. 45.
Escravos .
Vendem-se 3 molequee 1 negrinba, boni-
tas figuras, chegados do Cear no vapor Pa-
ran : es iretendentes podem dirigir-se ao
escriptorio de Braga & Antuues, ra da Ma-
dre de lieos a 3, que abi acbarSo com
quem tratar.
a casa
Corpo
sola com sallo de 2/500 e 39, ditos de feltro
para homem e senhora a 19, ditos para me-
nino a 320, chinelas de marroquim Turradas
de seda para senhora a 1/00(1.
Farfolla de mandioca.
Veude-se farinha de boa qualidade : na
ra da Cadeia do Kecifa n, 63, armazem.
Ve.idem-se saceos grandes com laaba
de mandioca de superior qualidade, saceos
com milho, ditos com gomma do Aracaty,
sapa toa dito, e palha, saceos com farello de
Lisboa, tudo por prego commodo : no ar-
mazem da ra eslreila do Rosario n. 29.
PARA BAILES THEAT&O
Na loja da ra Uo Crespo n. 10, de Jos
Coecalves Milveira, vemiem-so cortes ao
vestidos de phantasia da ultima moda, co
3 babados, gosto mo lerno, ricas sabidas ele
bailedegorguraoesetiro, as mais ricas que
at o presente se tem visto, superiores la-
ques do madreperola, ultimo gosto do pars.
-- Vende-se um relogio patente inglez,
novo, muito bom regulador, com sen com-
petente correntao do muito bom gosto, por
mdico prego : na ra do Queimado a 11.
j(S Vende-se um loucador, uui joyo de
bancas, um grande banheiro de cobre, o
mais alguns trastos de casa : aa ra de Au-
rora, loja que foi uo fallecido llenrique,
e boje he do Sr. Machado, para so ver us
trastes.
Cadciras e lijo-
Ios de marmore.
Veadem-se cadeiras de Italia brancas o
pretas, singlas e d bragos, lijlos do mar-
more de 10 e 12 pollegadas, qu>drados, por
pregos commodos : em casa do basto i\ Le-
mos, ra do Trapiche n. 17. x ,oja d() P|.p{.uca, na rut do liemado
--- Vendem-se 3 escravas m gas e com ha- j n. 2, vendem-se cambraias de' quadros, pa-
bilidades ede bonitas figuras : no alono da dres novos. o mais ha 10 que be possivel a
lija-Vista n 82, segundo andar. 360 a V8ra, cassas l.ancezas o m?is lino qua
-- Vende-se uma escrava crioula, de ida- he possivel e de llndisslmos gustos a 440,1 outra qualquer parte: no armazem n.
de de 32 annos, qucsbe cozmhar e engom- 480 e 50(1 rs. a vara, cortes de largelina com -
mar. e calende bastante de quitanda, sendo 12covados pelo diminuto prego de 39200,
que vendo-so por motivo especial: quem ditos de organdys coi 10 covados a 29600,
pretender, dirija-se ao sobrado n. 3 do pateo] meias casemiras enfosladas proprias para
do Carmo por cima da botica. 1 palitots a "*oo o covado.
NA FUNDICAO DE FKKRO DO ENGE-
NIIEIKO DAVID W. BOVVMAN, aA
IlUA DO BKL'M, PASSANDOOllA-
FARIZ.
ha sempre um grande sortiaento dos se-
guales objectos de mecanismos proprios
p^ra eagenhos, a saber : moendas e meias
moendas la mais moderna conslrucgao ; ta-
chas de ferro fundido e batido, de superior
qualidade e de todos os lmannos ; rodas
dentadas para agua ou animaos, de todas as
proporefles erivos bucea de i.uaaiha e
registros de boeiro, agailhues, bromes, '*-
rafusos e cavilhes, aaoiuhos de mandioca,
etc. etc.
NA MESMA FUNDICAO.
seexecutam toaas as encoraiiieiidas coa
suDeriariilade ja coaheci la com a devida
prestirla e com odidade em preco.
Vende-se superior liaba da algodSo
brancas e de cores, em novel lo, para costu-
ra : om casa deaoulhall, Mellor & c. ra
do Torres u. 38:
Vende-so uma escrava boa coziaheira,
cngommadeira e lavadeira : quem preten-
der, dirija-se a lypographia do Jornal do
Commercio, onde se dir quem vcude.
He barato
que admira.
Vende-se
urai mulata, um mulato e uma negri-
nlia boas peras, cliejjadas do inulto : na
rna do A mor m n. 36.
Vende-ae um sitio na povoagao da Var-
zea, com casa de vivenda, com bastantes ar-
voredos de fructos, todo cercado, com terre-
no para vaccas de leite, baixa para capim, e
casa de fazer farinha com aviamenlo : quem
pretender, dirija-se aos Remedios, a tratar
coai Caetano Kantista de Mello.
-- Na ra da Guia, taberna n 9, vendem-
se os melhores queiios de manleiga chega-
dos agora do sertao. por menos do que se
vende em outra parle ; e tambem vende-se
uma toalha ae labyrintho.
Na ra Direita n. 95, ha para Tender nm
boi, bom trabalhador em carro o ca roga, e
muito novo.
Relogios.
Vende-se em casa de Srunders Brothers
e\ C, praga do Corpo Santo, relogios do afa-
mado I lineante Roskell. por pregos commo-
dos e lambem traocellins c cadeias para os
mesmos de c&cclleuie gosto.
novh agua de .malabar
Vende-se esta agua a melhor que te ap-
parecido para lingir o cabello e suissas de
prelo : na livraria universal ra do Colleg'o
n. 20, d-se junto um impresso gratis ent
nando a forma de applicar.
AO PUBLICO.
O agente Marcolino de Borja scieatifica ao
respeitavel publico, que em o seu armazem
na ra do Collegio n. 15, tem sempre um
explendido sortimento do mobilias comple-
tas e mais objectos de roarciueiria, cons-
truidos pelos melhores fabricantes de Ham-
burgo e Paris, e que os vende por conta de
uma casa commercial estrangeira nesta ci-
dade, e por pregos mais baratos do que em
mitro qualquer estabelecimento.
r ai'!nlia de mandioca.
Gomma do Ceara*.
Vaquetas do Acaracuu.
AI1II10 arroz em casca.
1 eijao mulatinho e de outros.
Alan.idos grandes e pequeos: veude-se
na iua do Apollo 11. 5.
Chitas france-
zas largas a'240 < covado
Na ra do Queimado n. -I a. vendem-so
chitas francezas escuras e largas, pelo bara-
tissimo prego de :!40 o covado, e dao-se as
amostras com penhor.
Sel lilis p! rsie^ios.
SELLINS* RBLOGIOS dcpataoie
Inglez : a venda no armaiem da
Itesti ei Keinker l Cumpanliia cs-
qnina -lo largo do Corpo Santo Da-
mero 48.
Farinha de
mandioca.
Vende-se superior farinha
choca por preco mais barato
le man-
do que em
" 5 defronte "do trapiche do Cunlia.
~ Vende-se uma escrava moga, de bonita
figura, lava e cozinha o diario de uma casa:
na ra Direita n. 3
um te-
rnero pertencente as obras do estaleiro
patente, quem precisar dirija-se
de Rostron Rooker & C. praca do
Santo n. 48.
^ftten^ao.
Vende-se uma riquissima armagSo toda
ferrada de louro e eovidragada, propria para
calgado, roiudezas, confeltaria, charutos
deposito de roupas feitas, ou outro qual-
quer estabelecimento, sita na ra Direita
em boa localidade: a tratar na mesma ra'
n. 16, loja.
Vende se uma muala moca, boni-
ta igura que tem algumas habilidades,
vinda do sertao : quem pretender com-
prar dirija-se a ra da Cadeia Velha nu-
mero 22.
Estao se quei-
maodo
Borzegms
com salto
para se -
nhora de
cores e pre-
tos a 5/,di-
tos de enliar muito novos a 4|, Citos para
meninos e meninas a 39800 sapaldes de lian-
tes a 59, ditos para meoinos a 49, sapatos
razos de couro de lustre rara homem a I,
ditos para senhora a 1/800, sapatos de bor-
racha para homem, meninos e meninas a
2c, tamancos de couro para homens, se-
nhoras e meninos a 400 ; na loja de miude-
zssdo aterro da Boa-Vista n. 82, quasi con-
froniea matriz.
icas franjas
de seda branca e de cores o pretas por prego
muito commodo s no aterro da Boa-Vista
lujademiudezasn. 82.
Aviso.
No arrazcm de vdamson llowie & C ra
do Trapiche 11. 42, vendem-se sellins'para
honi'-m e senhora, arreios pratiados
cabriole, chicotes para carro, coleiras
cavallo. ele
Ra Nova
*. 54.
Madama Rosa llardy acaba de receber de
Pars um rico sorlimento do fazendas de
mola, chapeos de palha amazona entenados
para senhora e meninas de 16 e 129000, ri-
cos chapeozinhos de seda para baptisadoa
12, para bailes e theatro, enfeites de cabe-
ga riquissimos de flores e fitas a 13/, ditos
de flores s com caixo a 10.1, ditos de frocj
a 79, os mais modern is chapeos de sea pa-
ra senhora a 15 e 119 cada um, ricas capel-
las de noivas a 7, 9 e 129 cada uma. veos
para caheg de noiva, cne de seda brancos
de 3o a 40/, muito boa fazenda, grosdena-
ple amarello e-roxo, encorpado e largo para
vestidos a 29509 e 29800 o covado, fila de
velludo preta, liso e ltvrado, espartilhos,
pentes de tartaruga, toucas para menino,
etc. ; todas estas Tazendas podem-se vender
em conta, sendo recebi las directamente.
para
para
^**f8&**f*0&/$.
-- Hesappareceu na noite de 21 de abril
do correle anoo o escravo de nome Floren-
tino, com os signaos seguiotes : estatura al-
ta, cor mulata, sem barba, espaduas largas,
es grandes, rosto comprno, olhos casta-
obos, cabellos negados, falla grossa, muilo
regrista, tem falta de 3 deates na frente, em
iiai dos lados do queixo tem uma fstula
levou chapeo de couro e camisa de riscadi-
nho : quem o pegar leve-o a rundicSo da Au-
rora em Sanio Amaro, que ser generosa-
mente recompensado.
Uesappareceu hontem 26 do correte,
o preto de nome Laureutino, crioulo. com
os signaes seguintes : alto, de idade 20 an-
nos, pouco mais, cor preta, pic-do debexi-
gas, rosto redondo, cora falta de denles na
trente, falla mu gago, tem a pelle dos pes
muilo grossa ; oi comprado no principio
deste mez ao Sr. Symphronio Olimpio de
Jueiroga, tem principio de padeiro : roga-
se, porlanli), as autoridades p ihciaes e ca-
piles de campo que o apprthendam e o la-
ven, a ru seuhor, na padaria do pateo da
Santa Cruz n 6, que serSo gratificados ; o
dilo preto tem lambem o umbigo Instante
grande.
-- Kugio no dia 25 de julho uma escrava
de nome Hosa, de meia idade, filha do ser-
l3o de t'ajeu', com os signaes seguintes : al-
tura regular, secca dacorpo. olhos meio
papudos e vennelhos, um tanto espantada,
talla grossa e apressada, faltas de denles na
bocea, o pe direito meio grosso ; a dita es-
crava sahio com um cabegao com duas or-
dens do renda no talbo, vestido de nscadi-
nho encarnado e panno da Costa, sahiocom
um taboleiro pintado de azul: roga-se a to-
das as pessoas e capitaes de campo que a
apprehenderem, levem-na a ra das Cinco
Pontas n. 54, que serao bem recompensados.
Fugio de bordo do brigue nacional
Firma, o escravo Benedicto, de idade de
22 anuos, cor prela, estatura regular,
rosto comprido, pouca barba e he natu-
ral do Maranhao,supe-se que se inculca
por forro e talvez ande com roupa nova
visto ler levado algum dinheiro no aclo
da luga : quem o aprehender pode con-
duzi-lo a casa de Novaes & C. na praca
do Commercion. (j, quesera' generosa-
mente gratilicado.
PERN. TYP. DE M. F. DE FARIA..-, jg^
V-
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4PEDZXTJ_EL7JWR INGEST_TIME 2013-04-24T17:10:06Z PACKAGE AA00011611_06973
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES