Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06951


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO xxxm. 15,
TERCA FEIRA G DE JILI10 DE 1858.
Por 5 mezes adiantad" % A Por 3 mezee vencidc 5000,
Por anuo adiantado loJOOO.
Porte franco para o subscriptOi-.
ENCARREGADOS DA SLIJSCRIPCA'O DO NC RTE.
Panhiba, Sr.Joei Roctolpho Gomn ; Nuil, a Sei
ionio Marqun diSilra i Araeily, Si. A. de Lama
Ciar, 81. J. Jod daOlivein ; Maranhao, ol. Joia
da Halla i Piuhj.o 8r. .loa* Joaquim Aieliioo ; Pa
Juilino I. tamo ; Amatonal, s Si. Jaronjmo da Con
hot Ao-
Braga;
Ttiieira
a. 61.
i.
PARTIDA DOSCOBREOS.
Olimla lodos o diat*, .< 9 e meit horii do da.
Iguai-assa', Goianna el'arabiba, mu egiiadai e xtaa-feirai.
S. Ahijo, Kfierro*, H mitj, Caruaru', AHioho Garanhana : na {rca-feira.
S. Lmjp'ti;.. I'.i.i .| A.lu, .\jnrctli, Linoeito, Breja, I'efqueira, Ingaaci-
ra. Florea, VilJa-Bclla, Bua-Viata, Ouricurj e Km', n> quarun-feiraa.
Cabo, Inojuca, SeniiMeio, Kio Kormuao. Coa, Barre ros, Afeua-iVroia,
PiBftKeiYaa INtU; ijiiiniaa-ftriraf.
(Todon os correio* parlen, a fO orna da aanhla.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commerclo : Mirundu quintil.
Relacao lerca feirai a labbados.
Fazenda : quarlai a aibbadoa 10 nona.'
Juio do eommarcio: legundat u 10 hora quioui ie mal* da.
Dilo da 01 pbaoi: tegundii a quintal u 10 horas.
Prime ira rara do eiral.- sagundil a mu lo mafo da.
taguoda tara da eivel: quartii a nbbadoa aa malo dia.
EPUEMERIDES DO MEZ DE JULUO.
4 Quarlo minguanu ai i horai a 24 minuto! di manhaa,
10 La nova u 7 boraa a 5 mioutoi da Larde.
17 Quarlo crecente ai 6 horai a 19 minutosda tarde.
lo La eheia ai 9 borai e 44 minutoi da laida.
PKEAMAK DE HOJE.
Primain 11 hora a 18 minutoi da manha.
Segunda a 1 bora a 42 micutoi da larde.
DAS DA SEMANA.
: Segundi. 6. Philomena v. ; 8. Trylioa m.; S. Sedlas.
fi Tarta. S. Domingas v. m ; S. Iiaiaa prof.; S. Romulo b.
7 Quarta. 8. Polcheria t. imperatriz : S. Edeburges princeza.
8 Quinta. Sa. Procopo e Priscilla m.; Ss. Cecilia e Auspicio mm.
9 Sena. Ss. Cjrillo e Blicio bb. ; S. Analholia.
10 Sabbado. 8. Silvano m. ; S. Bianor m. ; S. Amelia v.
11 Domingo. S. Sabino m. ; S. Abundio ni.
PART1JIFFICIA!,
MINISURIODAJUSTICA.
Decreto n. 2,118 de 22 de "vxio di 1858.
Manda por em execre na proTincia do Amizor>
o daeralo n. 2,029 do 18 de noverobr do ir* l0
prximo panado, qaa dea orguiac,ao 4 gua' al
nacional da, proviucia limilrophei core o El' ,.
doi viiiohoi. .
Tando ouvido o predenle da provineti do Ai ,_
zona ; hei por bem drralar o aeguinte :
Artigo oniao. Al di,)osic&i do decrelo a. 2, )29
de 18 de noveiobro da eor.o proiimo paiialo, jae
deu orgenisacao gualda nacional da privil cl|
lnuilroplia com o Eitados viiinltoi, tero ?x ,co_
to em lodo o territorio da proviucia do \ ma_
aonai. ,
Francisco Dorii Perilla de Vaiconcello, di meu
eomelho, miuialro e lacralario de eslado doa ,R0.
eioi da josc,, assim o launa entendido e fara 1_
colar.
Palacio do Rio dt Janeiro, em 22 de mato de g5g
37. da odapenlencia e do imperio Com ara_
brlea deS. M. o Imperador.Francisco Dto(,'0 >e_
reir de Vaieoncellos.
3. ocrao.MioiilerioAoa negocio, d.i jot.|j.,_
Rio de Jruiiro, emSflOneiho de 1858.
Illro. EinOH^-soliciluu V. Exc, em ,_
i-Mtit^daaajfllTrjo uliimo, a neeiMarini tlaree-
melo,afim de podar deti oloc,Ao a aeguiD,e rtu
vida do iiosio comal laiideHo na proviocia jc \
gola !
Oae, hatendo o eo>erno gtral daqnella drovincia
ENCARREGADOS DA SUBSCRIPCA^O DO SUL.
Alagoa, o 8r. Claudino Faleao Diai; Babia, Sr. D. Duprad
Ble de Janeiro, o 8r. Joao Pereira Martini.
EM PERNAMBUCO.
O Proprleuriode DIARIO Manoel Figuelroa de Parla, na mi
lirraria, praca da lodipendaocia ni. ( i (J.


Appelladoi, o adruiuitradore da mana fallida
de li. Caodida Mara da Silva I.im.i.
Do Sr. deiembargador Villares ae Sr. desembar-
gador Silva Uoimaraea.
Nada mais buove a tratar.
O secretario,
Dr. Aprigio GuimarSes.
EXTERIOR.
M
t
Caita le Mr. Limarline, em reipoda a o tiazelle
Piemonleza. s
Sr. Rodador.A a Uaielte Piemooleza o j .mal
olTicial do goteruo de Toriu, replica eom om verda-
deiro Memmanduin de leu columnas a iniuln res-
poila dt algumas linhaa ao general La Marmora.
Permitii-me tambem agora raipouder ; nao un
eiten,o.
a Em primeiro lugar, ama vez qoe o jornal ofli-
cial tem o bom t;oiio da recoulieear qoe o ganeial
La Marmoin, miolilio da guerta, cabio em orna em-
buscada de liibuna, que relira ai indiicrelas ei-
preOei, indigna, .talla a de mira, que me tiavia al-
Irlboido pelo leslemunlio da outrem, nao fallare-
mos mais ni....i. O r illin. de comadres nao fazem
paite da diplomacia. Quo asta cm-uu pane de leve
obre o vlenle geueral. Vamoi ao fado.
o Nao sabemos porque o Piemonta lende absolu-
tamente a ser ingrato para com a Franca : mas urna
vez que i-o acoulece denamos-llie ene m.t goito,
e impsdimos-lhe someule que seja iujuslo.
Toda a accu.a.j.lii do Piemonte contra a rep-
blica fianceza em 1818 reiume-se e personifica-ie
ua minlia possoa, naqtulle amemorandum. O ara
ordenado janla da fazena que^-^^ que fonel morandoni dii Mr. de Lamartine raspondeulo em
concluido pela eec,a, do Meante} 0 ii,,oiitario de -J7 de marr;o de 1818 a urna depulaco ilaliaua, di-
qualquer eobdilu brasileiro.i le a(rgasani ao re-
(Mi^u^coniul os bem cruaafflTcopia do inventario,
paga pelo prodoHo do aapolie, atsira como o eram
asoaitai, o raeinio cnsul anaaira eita rnadida pa-
ra nao paralyiar o andamenti de laea invenanos,
como declarou a governadorteral, e pastou a con-
sultar obre ,t* poni o gareroo iinpari.il. vislo
qoe, em eonforroidada do arL do regulainento a
que e refere o decreta n. 83ide 8 da norembro de
IS.M, leudo assea acto de Marn feloa ai-ollicio,
parecia-lhe que o juiz, ao a(regar-llie os bsns do
fallecido, detia lamb-lm acouaanlia-lo do iineula-
rio origiual ei-officio, oa em lagar dalle, de urna
copia igualmente et-officio.
Ouvido o eomelbairo procartlor di coroa, foi elle
de parecer, cora o qual coufonioa.se S. M. o Im-
perador, que nao proceda tunda do uosso cn-
sul, ante repnlava fundamcaiada em dirailo a
clausula de que fot a :ompanhali a ordem do go-
venu geral da aroviocla de Angola a reipecliva
junta de fazend, ; porquanlo, io ert. 2 do citado
regalamento u3j aa decuiou qet fossem graluilas e
diapeniada de lod, o onns de utas e despezas ai
arrecadac,des, i-ivailarios e man diligencias alu de-
terminadas, dizendo-se apena,(ue, palo respectivo
juizo, ae proeedessi a esse, aclis ex-oflicio, isto be.
por proprio deva, iiilepeudenttmenla de raquert-
ineuloi de pailas, ilaasula aslat ue nunca se emen-
den, mm poda aul!iider-se q envolva a condi-
r;3o da lerem grato tas todo ases <,cto, perdendo
o oizei, osascrivias maii afllci' *L"ii|t,
emolomenloi davidn ao leu traeullio ; qe ""'
o mesmo e piatica-a, enlr.ndo /'P""'""',*'
copias dos pueisio. sempre na lisl o' ,*JJ
como taes eiam coit.da e pagai a qnm de dueiio
""ledam.
O qoe lenhe a honra de levar' ao
V. Etc., em '-oosla ao seu ctlsdo aviio.
revaleco-m do iccauau para teuovar
P, "S.""" eo-sideracao a V. Eic. a qoeot
Dos guarde.- ..,;.. -s4^rei"- -< V--
cello.Sr. viuont, de Maiau^..,.-.
ua em couclusau estas palavrea : Me diter aoi ila-
iaooa que lambem lem filho, detla parle dos Alpa, !
Bravo, i [de dizer-llies, que se fosseio atacados no
eu territorio, na sua alma, no seu limites ou naa
aas libaidades ; que *e os vosao, lira i- nao foram
-illiciei le para a defeuder, n3o )3o sii os votos, s.io
o eiercitos da Iran; a que Ihes nffaiecemos para o
peservr de qoalqaer invasao (bravos prolou-
gdos.)
E rlm disao aciescenlei desla vez na tribuna :
Q e se ligaasam os amigo di Italia : ae ese grito
iidesesperarlo, de qoe se havia fallado foni ouvi-
d<. se a circunstancia, lornassem legitima ejieces-
aia a nlervencio armada alm doa Alpe, a Fran-
Caiutarviria a' soa maneira, a lempo. Em neulium
dase caaos a I rain;i fallara a essa fraleruidade pa-
ra Mm ti milhOei de lioniens que 1inli.no a aua tra-
dujo no passado, e que lem um dever uo futuro
vJojileur.)D
o Cnnfeiso entes senlimentos, e persisto nelles nos
tamos de juslica e de reserva em que foiam m.ini- Alpevalliara sainpre o di bru, mas a 11
os nieus
i ae
GOHMANDO DASiHMAS.
artel I.-anoral de comoaaado dn araauaa 4e
Pe-Bambuco na cldada doBeclfo, em
jalho da 185>.
OUD DO DIA .V; 86.
O marenhal de :aipo comiu.iidaiiU das armas in-
terino faz publico, para conheciaenlo da guam cao,
qoe a presidwscia, no termos di le-relo n. 418 de
21 de junh de IHiJ, e aviso de I dejunho de 18i,
nomeoa, em dalade lionlem, e Sr. juiz de direitu
merino na seguida vara ene mal desla cidade,
Jos Quiolioo d< Castro L,3a para servil de au-
ditor da guerra ojraule o unpj muenlo do S'. juii
de direilo da prratlra vara, leroardo Mediado
da Costa Doria, ule esta' funcnouaiido na relac.au
desde o da 25 d> mez que nneaaon ; e liim assim
que a mesma peaideacia e&onrou, por portara
tambera datada dehoolem, ao Si Bernardo da Vei-
ga Leitao Ai.ioso, li erapiegn dt bolioario do pre-
sidio de Fernn :> de Noroiiha, noraaaudo para o
aubsliluir do ieferdo emprego o i. Arsenio Gustavo
Do r gas.
Constando das .utei do, Srsdfliciaes de eslado,
qoe no da 28 di pissido mst, rtr. facallalivo que
fez a revista tanilaia do 4 balano da arlilliana a
p, pialicoo eale sr,i;u cora a ttireoaiaea desabo-
toada, que no da !9 iao bou,a revista sanitaria no
dilo balalhao, e luituinte quanasse mesrao dia a
revista de aernelriiila natureza'do 8 batalbao da
infaolaria fui pasi.da a' uoile, m coulravencao ao
qoe se ada diipistc no arl. 68lo regularaeulo do
eorpo de sau .lo ; i mrechal de empo coininandnn-
le das armas datarnia ao Sr. deegado do cirorgiao-
mr do eiereito qui ";.i sentir esse lenhore fa-
cullativoi que assim iocedeiam,a falla em que ca-
lnram, e quo nao l u iirn' reinada na reinciden-
cia. Delerraina outraira, que a mesmo Sr. dele-
gado mmete um facitativo parlviitar diariamente
a compaulna fu dcc,ivallanaf e oulro que deve
reoder no crrenle aneilre o ae se ;iclia aclual-
mente destacado no leaidiu de femando, e que de-
vara' eiler prompto teguir usprimeira oppoitoua
uccaiiao.
(Asitguado.)Fraiiieo Sergil de Olivera.
Coofonne. 11 < rio de Gushao Coelho, alferea
ajudanle de ordeos ecarregadujo delallie.
2
ORDEi DO DIAN. 87.
fe-11o i'..nli,i um cnrac,io italiano, mai a alma he
Irs ce/a. evemos amizade e bous offi'ios ao Pie-
muile. nao liie dsvemos o sancue da Europa.
,' .n-tual mente, aire-renta o oinemiiran lamo O
reide Sardenha, pelo ur^ae do seu represeoianle, o
uiatquez de Brigoole, pede um compromsso, urna
pilma, um sigual de asseuiimenlo a Mr. (/ e.( r
lint, ministro dos ngucin;,rrr,-s Auslria. Mr. di
loada a sii.''?rie obstinadamente provocar o ra
Lalos Alberto a essa aggressio. Reunstseeola r
don rail homens na frouleira franceza dos Alpes, e
lev.c escrapalo da probidad' poltica at ao ponlu
de 3o dizer ao re Carlos Alberto, uera ao sea em-
baiidoi, a r.i/iu porque a repblica rene aquelle
conhecimenlo de I exento I Aqui lie niuili evidente que se Mi. da
mame liv,sse anticipad unente ojio ao
Altrlo : Aquelleexe^^aa^iai|dl\re poslado
pur em yojijalBJ^rWTTcasii de aerdes derrota-
rfossu eef "tTarlos Alberto, secura desse eiereito
frasez na segunda linha, teria aceil a conlian;a da
1 ip para se animar, e tena declarado a guerra ;
guea que Mr. de Lamartine quera prevenir ou
denrar. Mas lie evideule tambem que esse exereilo
ni oslava all para Maulle de raao armada no eaao
d' ivaao do Piemonte, e da|de lid* piemoiileza por parte dos austiiacos.
Ba poltica, disseiuos mis na carta piecederle,
ara a nona opinio, a nica hone.ta. e a nica ef-
i'camente segura para a repblica frauceza e pa-
ra llalla duraule o ministerio de Lamartine. Nao
acuelhamos ao rei Carlos Albino urna guerra nn-
I nina e deiigual, nu o encorajamos indirecta-
ine dizeudo-llia a ra/.in porque linhamoa ora
eteito uos Alpe ; mai no caso da goma inUnla-
da nono puar, p,lo Piemoule a' Auslria, que nao
deeriamoi em auuliu da Italia, toroandu-uoa loe-
diain armados da pennsula italiana.
igano-nie talvez, mas piecislo em acieditar, que
qoqosr oulra poltica, na oceatiao ero que a ro-
puica declarava a paz ao mundo, era ou orna des-
Irdade incendiaria, oo urna timidez nacional.
E actualmente o memoraudam piemontez, coo-
fulindo os fados, os ministerios, as data, e ai rei-
paabilidadoi, dirige-sa a mira, e diz-me : a A-,
alaneas reiteradas, que no mz de agosto de
ii ira ebler a cooperado activa de 1 canea na guer-
ii i da ludapeudeucia, ruipou leu-se negalivanien-
'i)
Bem ; mai o memoiandam e,qucce um peqae-
udelalhe que loma a raen reapeo a sua recrimi-
nan perfeitameiile irrisoria, aquelle pequeo deta-
ll, be que o goveruu provisorio tinlia resignado,
dde o mez de majo, a sua dictadora uai mAoi da
-.ruma legitima, a Franja, rrijresv'ntada e prasen-
Ina anerabla coiislituinte ; he que eu ja nao era
ilustro d.i- negocios alr>ngeiro da repblica ; li
le a asiemblca conslitninte linha entrado no exer-
cio da autoridade ; he porque haviamo, nouieiado
los ministros ; he porquo os falaes das de jaaha
aliara enlrigdo a ura uuico chele do poder execu-
to toda a poltica ; he, porque essa chafe nico
poltica da Franca, iniern e externa, o geus-
il Cavaignac, nao eslava talvez as meamos con-
(On que eu, para a libertlade doa movimeotos d>
alia ; he, porque na sua poltica estrangeira ou la-
rna nao eslava obrigadn a couformar-ae seivil-
lente com a rulnha ; lie finalmente porque eu n3o
espoudo senao pelo meu peoaaraeate, e au pelos
e outrem que ao ignoro. Na historia, a< verdad!
lia as datas. Lii-as a Italia ; eu nao lenl.o aqu
do cileuda-
monte dava lemelhanles teslemanhos em Pars, em-
pregaudo todaa ai eiprestea a formlas que cora-
porlam eila qualidade de eommunicirjSas escrip-
lii, outros leslentonhos macifeitadoi em termes di-
varsos, severo e hosls, lioham lugar em Turim
meimo as rela^Oe nllic aes do governo do rei
Carlos Alberto com o enviado da repblica em Tu-
rim, homem coja moderarlo e lagaeidade nesta de-
licada rolsiao nao podem ier luffiaieotemiole apre-
ciadas.
Lede oiegainle despacho telegraphico de Mr. Iti-
xio, encariesado da negocio de Franje am Turim,
em dala de 15 de abril de 1818. Nao teuho presente
o texto lliteral, masera seguida doa o extracto do
deipaoho, confrontado por Mr. Boii-le-Coule, en-
Ulo secretario geral do ministerio dos negocios es-
trangeiros, e depols ministro plenipotinciario de
Fr..ni;a ara Turim.
i O aonuncio da formac,ao do enreito dos Alpes,
eicreva confidaocialmanle o enviado franeez, cen-
sa aqu viva inquielacao. O minislio dos negocios
eslrangiiros eiicrrctui-me de vos dizer que e ei
Iropas francezas passassam os Alpes, aenain recabi-
da ua Italia como furara recebidas pelo hDa-
oboes ai (ropa, frauoezas que atraveisarara o Pv-
renos era 1818 I -lo he a liroi d'artilhana ou
poma da espida. Poisuo muitas carias acmelhanles,
escripias de Milo, ou de onlro qualquer poni, pe-
los chefei dos patrilas ilallauos, ou pelos seos go-
vernanles lamporarios, para protestar nao so cora
instancia, mas cora araea;as ei otra a ingeren-
cia da Franja na emancipadlo da Italia. O sen-
t.!o desiai carias ho o segiiinle :Deshonrar-nos-
hieis te uoa auxiliassei. So i Italia deve emancipar
a Italia.
Dspois de semelhanles despachos accnsaii-noi de
havar eiquacido a tiahido a Italia ? Nao, nao es-
quecemos, por iiso que formamos om exeicilo para,
quaudo foase lempo, responder ao rito de despera-
do ; nao, nao a trabiraoi, por ino que a dasper-
suadimos de umn guerra otTeusiva a desigual, que
nuquella occasiao nao fazia maii do que provar a
sua coragem e eompromeller a sua seguran;. Nao,
nao a trahimoi porque nao a lisongeamoi ; em |ie-
uielliantei eonjunluras lnoiige.ir lie trahir.
E se o l'iemoule ronasceu do glorioso campo de
balalha de Novara, e aa a sombra das soas inmila-
nli i-, aubiiste a sa engrandece am uaclonalitade,
iii'tituic.ns, liberdade, tu talento de gabinete nu de
tribuna que ao menos te u,' o envergouhe do seu re-
conheciineuto para com alguoi dos governo da
Irn.;, que o amarara e que o servir un a sao tur-
no, uiis palo sau zelo, oulroi pila sua prudencia, e
tolos pelos seu votos.
E se os Alpes valem o dobro pela allianca da
! rauca e do Piemonte. como inemorandura que
eu linha dilo em 1818, muilo bem I mu que os
lia que
diga se a Franca Bo lera lambam o sao valor ueste
baluarte dos dous povos, que leem o ieui norms,
mas que uao divera ler .....i do aa um uuico co-
rajao.
Larr*> *,
AnJ,i.".~:......^"'" ctrangeiroi da i.
nU.1'1 '"bol de 1858.
I'ietnonli. Formolido nos termos que ja' denunciei
na miuha precedite carta, retelava claramente a
inteojao que predominava de fazerem que a elle le
nao annaiss, o que era falla da dguidade a de fran-
queza.
Em taas eonjunetnra que deviamos nos, qu po-
damos nos fazei '.' limar a' Italia contra a vontade
da m.nori.i dos Italianos ? Resliluir-os Milao qoe
linhets pirdido, ou eotao fazer ah proclamar a re-
pblica e alpina ob a prnle.eelo dai baioneta fran-
cezas '.' Ue maii do que dnvidosu que a asserabla
nacional, que o soberano Dos permilliise adoptar
qoalqaer do dous partidos. Que e repblica des-
embainhaise a espada para pela phmiia vez en-
grandecer ama rnunarchia, he urna couia era que
niuguera, al ranino em Tuiin, pode jamis sena-
meule pensar ; o quaolo a fazer-se ama propaganda
rapohlioaua armada, era essa urna poltica diame-
tialmenle ooposla aos principios da nossa revoluc.lo.
Lemhramo-not demasiado do efleilo que urna inter-
venjao desla nalureza prodozira no eome{o desle
seculo, por isso que, leudo nos bailado dos Alpes
como libertadores da Italia, ah vimos iaeaparada-
Por decretos de 9 do correle forera ooraeados:
o Dr. Isaiat Antonio Calda, para capitao cirargiao-
miir da guarda nacional do municipio de Alagoinhas
da provincia da Baha, e Jos de Oiiveira Bueno,
para major do corpo de eavallaria o. 20 da eaarda
nacional da provincia de S. Pedro do Kio Grande
do Sol.
Fol designado para exereer o lugar de major do
batalllo de infantera n. 1 da guarda nacional da
provincia da Baha, o capitao do mesmo batalbao
Nicolao Carneiro Filho.
Fnram reformados com om posto de necesso o te-
oeole-eoionel da anliga goarda oaeiooal da provu
ca da S. Pedro do Rio Grande do Sal Joao Luiz
Gomes, e os majares da mesma guarda Vctor Jos
de Figueiredo Neves, e Jos llaptiita Prestes.
Por decrelo de 11 do mesmo mez foram no mea-
do) : o capitao Pedro da Gama Lobo da Silva para
tebenle-coronel enraman l.uiie do balalhao de in-
fantera ii. 9 da guarda nacioual da provincia do Pa
ra', e o altere reformado de primeira linha Cla-
meuliuo Luiz Pereira Braiil para tenente-ajudanla
do priineiio batalhao de infantera da gualda na-
fo-
rara SSSS^SSSTS' lh*A
(os du incidanle Iwismm ua (riliua p,v 'a*ctiafal
La Marmuia, e tustenlado pela aGazella Pieoioti-
lezaii de om ledo, a ,'ULU|1HT"^'de" 1 a Mar-
tille.
Sendo o Io batalh; de iofaiana da guanta na-
cional desle muuicip que fazi a guarnicao da ca- iecessidade, para "miha defexa,' seua'o
pital rendido bonla pelo 2- balalhao da mesma rio !
arma e rauuieipio ; anarechal i. e.mpo fallarla a' Sera' pois verdade qae, durante o primeiro mlnis-
juilija 10 uao dess., amo da ,eUs agradecimenloslei.o da repblica franceza. a Dalia invocoo balda-
ao Sr. coronel Doiugos Affaiso Nery Ferreira.damenle em tao grandes Clises, como ha tinto (em-
pela discipline e Iki ordem en ue se portn opo a aireen a utervencao da Franca do sio leni
balalhao do s.u cmanlo, a sede que o sobredi! torio ?
Sr. coronel commainole agradica de sua parla aoi O Memorandom reflaete aqui um loxo de deipa-
chos que se referern ao governo do geueral Cavaig-
nac. e de modo algum a' mioha poca. Pon bem !
Tambera ni lemas despartios 1 E s-aqoi um que
tata cal.tr a venda dos olhos. O Piemoole eslava
tao longe de reclamai de misa inlervancao dos uos-
sos exsrritosalem dos Alpes, qoe leodo-rae o mar-
quez de Brigouli leslsmauhado por ordem do leu go-
verno, a inquielacao do ra Carlos Alberto a respi-
lo da reauiao du exircito dos Alpis, eu |he respoo-
di, em 12 de abril de 1818, cora o seguinu despa-
Srs. ofliciaas e maisoardas os valiosos servijos qo
preetaram llorante > deui mez qi eslivenm a
quartelados
(Asiiguado.) Fncsco Sergio de Olivera.
Cooforma.IJortio da GuiraaoCoelho, ilfer;
ajo tanta de ordeuiucarregad do 4elalbe.
TBIBUrk DO COMKERGIO.
SESSlO ADMiriTIlATIVA EM i DE JULU3
D,; 1858.
PreiiieneialE-cm. Sr. ietenbargaior
JtW,
A's 10 '-,' horas manhaa, achaado-se preseiei
os Sri. diputados .mos e Baslo, ln aborta a fi-
la de mero expdiuto, serviudo de secretara o
deputado Lemos.
Foi presente oiropa de importaras e exporbc'io
do trapiche nov<, ralivo ao lemesle fiado ; eo'em
aisira a cutaca.. sllial da junta dai correlors la
semana passada.lodou-se archivar.
I ni raquerlmeil.de Vicente Jos de linio pe-
dinlo por cerlidie so echa ou nao inserala ul-
goma nomeacao e.uarda livros oa caueiru teila
por Jos Peiei ddbra.Mandoo-ie cerGtar.
Ooiro de Singlhrsi Curlell A Companhia. com-
mercnnles na cide da Forlaleza. no Ceara', decla-
rando pas.ar a maia firma para SinBlehur,l, Abreo
l.onpannia, o ter saludo algn locios e 80-
tradouutros, t IOndo se fajara as declarajes ne-
ceisaiai.Foi rlellido ao Sr. desembirgador Gi-
cil paa dirseuirecer a respeito.
Na. navendimaii que Iralar
sessao.
enccrrou-si! a
SSO DDICIAF.IA EM 5 DE JULUO.
l'redencia lo Exm. Sr. desembargador
Souza.
Fallram o -ohores cplados Rigo e Ramos e
Silva.
DfitrUttifSo.
Appllinl, ,ti(onio llomingae* Pinto ;
Apptlado, a,noel Alve Guerra e oulros.
ElCl/o Marina Pereira.
Ao }-. ilt-.niiai ja.lar I merrii.
Julgaihento*.
Cobnuuu adjado pela falta do Sr. deputado snp.
pleule lliveira, da appellaca.1 eulre parle ;
AppManle, Jao Piulo leLemoi & Filho ;
Appcajo, Ailonio Iguacio de Mediirui Reg
a o Dr. arador giral.
, Pattagem.
Appeidtno,, Bmirou Rm.ker ^ c e oulros;
cho
a Parii 12 de abril de 1818.
o A S. Exc. o iiiarquiz de Brignole.
V. Exc. datadas da 6 e de 9 dsfe mez, urna acerca
da proclamajao emanada do commissario Ja rep-
blica am Lyao, sobro a formajao do ixercilo dos
Alpes...............
a Sem ligar a algomas esprcsses daqnella dom-
nenlo, maior alcance do que devem ter, cornejo
renovando aqui a seguranja de qoe o governo da re-
pblica, dacralando a formac3o de um exereilo des-
de Marselha alo t.renoble, na foi movido por moti-
vo algum que esteja em desaccordu com os senli-
mentos de sincera amizade para com a Sardenha,
uem com o seo desojo, nao menos sincero, de man-
ler as melhores relajes entre os doos estados ; que
o governo frsuciz, nao ees de conaideiar a frou-
leira dos Alpe como a de um paiz amigo, e que uo
lem conlia o Piemoute as meuoies islas d'aggresso
ou de hostilidades.
Nao tenho sem davida necessidade de recordar
a V. Exe. que mesmo no lempo em que gozavamos
de tranquillidade no interior, a FVauja reuni cor-
pos de tropas as soas proprias fn.nleira. para sua
seguranja. Hoja qoe a guerra exisle na Lomhardia,
ende a Sardenha e a Amina, na incerteza de even-
tualidades rompromettedora lauto para a Franca ra-
mo para a propria Sardenha, a mais elementar pru-
dencia exima cerlamenle do guvrruo da repblica
qu" comer,a-e forca em observajau sobre a friin-
teiras da Dalia, n.lo s<> pelo inleresse que u governo
ligasse ao Iriuin; b i da causa da independencia das
nacionalidades italianas, mas a respeito das ronse-
qiieiKi..; qu* ,u, lem amparar a Coranes mesrao
da Franji. Bala medula paif nada lem qne deixe
desir oatoral ; nada tem principalmente que deva
inquietar o Piemonte, por isso que, repito, a rep-
blica esta mimada pata com o guvaiuo de S. M. o
re do Sardenha dai mais leaei c araigaveii diiposi-
jiies I
ot (Anignado) Lamartine, o
Mas iito aiuda alo be bailan! ; emquauto o Pit-
eara de .V. de Canur a M. J. liistiie.
Torio, 25 de atinl de 1858,
i Senhor.
.Na caria que ma Tueste t honra de escrever em
22 dasli mez, julgaslts devar protestar contra urna
censura que eu al leiia dirigido ao'allirmar que o
goveao provisorio recusara ao rei Cario Alberto os
aoceirros que ello i.vl.aii.iv. coulra a Aoslria.
Ue ceno que nao live o pensamenlo de attacar ai
v.....i- iiitiiui..., porm o que posso mu pos liv.i-
ineiile allinuar, he qu a co.respondaucia ullicial
daqnella poca, que acabo do ler com altenjo,
coiilirraa pleuaraeule o que eu disse uo parla-
ineulo.
A correspondencia do marquez de Brignole prova
que se o governo da repblica mauilesiou a lulen-
jao da inlervir a nono favor, quaudo julgavatnoa
nao cncer da auxilio eslrangeiro, aquaile mesmo
govaruo recusou faze-lo no momento era que, for-
jados peloi desames de Cusluza e Milao, Ihe diri-
gimos o prdido nu lemos foruues:
EHeciivarneule, a dispon;,o de inlarvir, manifes-
tada, no me/, de julho, Iramformou-se, em agoito,
ou'ma propoita de,me It..r.i i collediva da Inglalirra
a da Franja, proposla que Carloi Alberto u.lo poude
recusar, anda que aulevi o se j resultado comple-
tamenle estril, eitaudo el a convencido de qu as
duaa potencias occidenlaes uuuca leriam couieguido
raze-la acceilar pela Austria.
O pedido de ura geueral lez-se quaudo ja ss co-
mejava a perder a aaperauja de urna inlervenjao
directa ou indirecta. Que isa pedido fosse recusa-
do palo geueral Cavaiguac com oo tem desdir, lie
essi ora facto que perleuce hiiluria e que me he
dado deplorar, nao pela ualunza delle, porque lem-
pre julguei qa o goveruo iiemontez daquella poc
coinmetlia um grave erro confiando os luppremos
de.unos de ama guerra nacioual a ora general es-
lrangeiro, mas como uina piova da pouca sympalhia
do gaueral Cavaiguac pela caua da Dalia.
De resto, he da mppor qae em 188, nai relacOes
polticas eulre a Sardenha e o goveruo Franeez h'ou-
vtse mais de ara mal entendido, a qae circoms-
l mcias lamentosa bajara obstado a que os amigos da
Italia em Fraoja fleguineii. os leus iusliuctus geu-
roios e liberar-. He o quo me apraz crer pelo que
vos diz reipeilo.
Acredilae, iiuhor, na minha disliDda conside-
rajao.
C. Carour.
RESPOSTA DE II. J. BASTIDE A M. DE CA-
VOR.
Paria, ;28 de abril de 1858.
Senhor.Acabo de receher a vossa caria datada
em 25 de abril. Agradejovn-la. Ella coufirma no
ponto o mais imputante aquella que eu mesrao tive
a honra de vos dirigir. Nao era de esperar raeuos
da vosa lealdade.
Cimfesiaes qae o pedido di inlervenjao leve Ingar
lmenla depon dos desastres de Cuatozza a de Mi-
lao, e que al aquelle raomeulo havieis julgado nao
oarecar de auxilio eslrangeiro.
Foi aisim que ai cousai se passaram, e nao poda
deliar de assim sar.
Ede.ctivau.enie, logo que a energa dai patriotas
lombardos expulioo os austracos, o rei Carlos Al-
berto julgoo poder aproveitar o eosejo para raouir
ao l'ieinonte tuna gramil parte da alta Italia. A
reuniu foi volada em Milao." O rei vio-se eniao i
frente de urna najao poderosa. Os Austracos tu-
viera sido repellidos para alm do Adige ; nao ha-
via molivo, poi, para .recorrer ao auxilio da
Franja.
Antes pelo contrario, Carlos Alberto devia sappor
que ie a Franja inlerviuha ua Dalia, nao seria de
certo enm o lira de collooar a Lombardia sobre o
sceptro da aasa de Saboia, mas para Ihe iisigorar
urna completa independiad*. Elle devia sapptir
que o governo da repblica nao vil com prazer que
se houvisse levado a Lomhaidia a idoplar precipi-
ladament* urna 1,1o grande msdida como a da anne-
xajao. Elle sabia, alm disso, qne ello pcisoalmeo-
le iiispirava oolro numen i que o da cuofianra
aos repablieanos de Pars, que desde ha ramio o e-
nheciam. Carlos Alberto nao devia porlaulo dese-
jar a lolerviujao frauceza, u rejeilou-a constante-
mente al o da em qoe, erros sobre erro o lizeram
retrogradar al o Tessino.
Al esse momento foi-uos declarado que n3o pe-
deramos unir aa nossa, armas do patriota lom-
RIO DE JANEIRO.
11 dejunho.
Nao houve luje cesso no s.nado por falta de
mero legal.
los deputado approvou boje, em se-
3o, leudo o Sr. Pereira Piolo pedido
A eamara d
gunda discusio
dispensa do intersticio, o preiecia que'concede di,ze
loteras a irmandada do Saulissimo Sacrameuto du
corle.
Approvou lambem, em nina s discussao a pedi-
do Sr. Mlveira Lobo, o prnjecto relativo a' apoen-
ladona concedida a Manoel Anlono Bi.lo Raldill,
no lugar de oarcereiro da villa do Pillar, Da pro-
vincia da Parahibi.
Conliooou em isguida a discussao do p
artigo da proposla do governo que lisa a forca na-
val para o anoo de 1859 a 186(1. Orou o Sr. llanos
I mienlal a o Sr. Ilodngo da Silva, ficaodo adiado o
dbale.
13
lIoDlem, ua cmara doi depulados, o Sr. Itezer-
ra Cavalcanli spresentou o lusteuloa usegoinle re-
quenraealo:
Reqaeiro que se peja, pelo ministerio da jasli-
ja, as informajOis e eerlides segumtes
o i. Iuformajao sobre a condemnajao a'mora
de um cmplice do anassinato do delegado do ter-
mo de fcslreinoz, na provincia do Rio Grande do
orle, julgado pelo jury do mesmo lerroo.
2." Iuformajao acerca do lugar paraoude foi ven-
dido pila casa do Pacheeo a Mendis, da mesma
provincia, o liberto Bernardo, vendido a' dila
pelo actual delegado do termo de S. Joi, T.ajano
Leocadio de Medairoi Murta.
ir 3. Cerlidao da poilaria pela qoal o presidente
daquella provincia ooraeou suppleules de jutzei mu-
nicipaea pata toda a provincia no mez de ahril do
corienle anuo, e deilarajao das dalas em que ha-
viam sido feta, ai ultimas nomaajes para os di-
versos termos.
a 4. Cutidao do dia em que foi priso o cidadao
Miguel Eduardo Fieire e do em que foi prouuu-
ciado.
Coulinuou depoil a segunda diacusso do primei-
ro artigo da proposla do governo que xa i forja
naval para o anuo financeiro de 1859 a 1800; orou
o Sr. Broiqoe, a ficou a discussao adiada.
15
O senado, depoil de considerar honlem em ler-
ceira discussao os artigue additivos que o anuo pas-
tado [orara destacados da proposta de orjamenlo,
approvou o relativo ao ordenado dos professorea de
hlhurgia, regeilou o que man lava salisrazer os iub-
sidios slabelecidoi desde a independencia, a que
nao lem sido alterados na razAo do valor da prala
aquella lempo, e remelleu os oulros a diversas
cominiiides.
Regeilou depois a proposicao sobre I cenca ao vi-
ganoJoao DiasdeOliieira Falco, a mandn a'
commissao de fazends o projeclo iiitorisand.i a ipo-
senladoria dos empregadoi da cmara municipal da
corle.
A cmara dos depulados approvou hontem, em
orna s discussao a pedido do Sr. Villela Tavares,
a apoieDladora de JoOo Salarno Toseano de Al-
meida, no emprego de ajodaote do Ihesoureiro da
secjao de assignalora; troco e resgate do papel raoe-
d da caixa de amuilizajao, com o vencur enlo que
llie competir na forma da lei.
Coulinuou dipoisa segunda disanssjio do arl. 1-
da proposla do governo que fisa a forja naval para
o anno fiuanceiro de 1859 a 18(10. Oruram os Srs.
Gavian Peixnto, Paranagua', Brelai, a Feruandei da
Cunha, e ficoo o debate adiado.
Por decretoi de 7 de jouho de 1858 foram apo-
sentados : o padre Luiz Antonio Escobar de Arau-
jo, ua nova freguezia de S. Chriilovao desta coi le,
bispado do Rio de Janeiro ; o padre Jos Domingues
Nogueiri da Silva, ni nova f.eguizia de S. Juic da
Cacara, hispadn do Rio de Janeiro.
Teve merc Carlos de Miranda da servculia vita-
licia dos oflicios di partidor e coulador do juizo
municipal e de orphaos do termo de Nova Fnburgo,
proviucia do Rio de Janeiro.
Por decreloi de 10 do mesino mez foram recon-
duzidoi: o bacharel Nabor Carneiro Bezerra t^ival-
canli no lu^ar dejoiz municipal e de orphAoi do
bardos, sem passarmos sobre o corpo do Piemonte. termo do Rio Bonito, provincia de Perna.nbiico o
Estando a Lombardia occupUa pela Austria, aiu- [ bacharel Mauoel Pedro Alvares Moreira Villabom
da se poderla esperar o momeulo em que ella de
novo se imursisse contra a oocup8jao para se lau-
jar nos l,ra.;o, do Pieinoul.
Estando, pelo contrario, a Lombardia livre e o
dependente, con6li(uindo um eilado alliado directa-
mente com a Fringa, ja' nao reslava para o futuro
esperanja alguraa do augmend) du territorio para a
casa de Saboia.
Carlos Alberto, e com lito Dilo quero calumniar a
a memoria, prefe ia pois, ai Ir dous males, a oc-
oapajla da Leabirdia pela Austria a" preeenea n
lata de um exeidto republicimo. Tal Toi a causa
da entrega precipitada de Milao, e da persistenria
que se pfta em pralica era nao pedir e al mesmo re-
cu- r ura auxilio que vs mesmo confessae ler anda
orna vez ido otTareeido pelo gmreriiu (ranee/, em ju-
lho da lKs, ata tic pelo genart Cavaignac.
Dma*vez o exercilu piemnntet em retirada sobre n
Tessino, e perdida a vom eanqaiila momenlanea,
ilecidiram-ae alinal a pedir-nos um gaueral e om
corpo de exereilo. Vos nA.i fazieis eiiltiii parle do
ministerio, senhor, e relicilo-vo por isso. Declinaes
prtenlo toda e qualquer respimsabilidaile de um (al
passo, e tendel ra/,in. Tomado e feilo a serio, o pe-
dido hoorera sido immerilamanie aflrootuio para o
no lagar de juiz municipal de orphaos do lermo
deNazarelh, provincia da Baha.
Foi concedida demis-aa ao bacharel A.lelino An-
lono de Luna Freir do lugar dejoii municipal e
de orphaos do lermo de Iguarassu', provincia de
Pernambuco.
.Tiveram merc : Francisco Jos Uorgei da ser-
v alia vitalicia doolliciode depositario publico do
lermo do Rio llaoito, provincia do Km .le Janeiro :
Manoel J. Monleiro Pilarlo da dos olcioi de par-
lidor o contador do juizo municipal do termo da
Barra Mansa, provincia do Rio do Janeiro ; Amo-
nio Jos Fiu/.a Lima da do< oflicios .lo 1- labetlio
do publico, judicial e notas, e escrivao de aseen-
Jescrimcs e civei, e de orphaos da villa dos S Hi-
los Cusme o Dainiao do serr do Pereiro, provincia
do Ceara1.
I'oi aeeila desistencia que fez Amarice Vespacio
de llinii 11 Velloso dos ollicios de lahelliSa da re-
gistro geral das h\ pnlhera da comarca de Carava!
las. de escrivao de ausentes, do jury e das extCQ-
c i-s .'os termo, reenidos de Carsvellas, Villa VIjO-
oram reformados nos mesmos posto : o tenen-
le-eoronel commandante do 5' balalhao de infan-
tera da guarda nacional da proviucia da Malo-
Grosso Salvador Rodrigues Moreira, o coronel com-
mandante superior da guarda nacional da comarca
de Goiauna da provincia de Pernambuco Jo.lo Joa-
qun) da Cunlia Reg Bairos, e o major ajudanle de
ordeus do cintilando superior da guarda nacional
da comarca de Carnet', da provincia do Para', Joao
Lopes de Meudonja.
Teve as honras do posto de major da guarda na-
cional da provincia da Baha ocapiao do 6-bala-
lhao de infantera da meima guarda Jos Antonio
da Cosa (.muanles.
menle_o fuluro dominador da Eornpa revelar-.e por eional da provincia de Piauhv.
occsiao da assignalora do tratado Campo-Formio. Forj
Eo quizara, se ara exereilo franeez penetrasse na
Italia, qoe elle ah eutrasie, nao como ura corpo de
eoudoliier, como se uos pedio, nao para ah irnpor
o auxilio das saos armas, mas como um exereilo al-
liado da najao italiana para aasegurar a conquista
da independencia, e nao para qualquer oulra con-
quista.
Nada disto pode ter logar. Qae nos reslava pois
a lazar, a nos que queramos firojeraeote a liberdade
da Italia ? reilava-nm a via das neguciajOes. Cha-
mamos pois a Europa para ser o juiz da pendencia
secular da Italia e da Auilria. Deraonslramns-lhei
que oa falta de sympalhia pelos oppressos, o Dtercs-
se da aociedade europea Ib impouha o dever de por
lermo a orna ordem de cousas que, conservando urna
najAo grande e gmernsa no estado de eecravidao, en-
cerra causas iucessaote de disturbios e de conflagra-
jao geral. Foi uestes termos que ofterecemoj a nos-
sa mediajao i Italia e ,i Austria poslo qa desle
moslra, de o ignorar, a Austria acailoo formalmen-
te a noisa mediajao.
Tena ella aceitado as nossa Heciies como arbi-
trios f As grandes potencias arbitrarias ficariam de
accoido ate ao im 7 He o que muguen, pod.ria
dizer, a en Iguoro. O que posso afhrmar parante
Uaose parante os homens, he que o poder cabido
am 19 da dezembro nao lena Tallado a' gloriosa la-
rofa que empreheudera de emancipar a Dalia.
Hodaesa vossa carta dizendo que a pelo qae diz
respeito, vos comprazeis a crer qae eu sou daquelles
que eslavam animados para com a Dalia de inslinc-
los genaroios e lib.raes.a K'to elogio issim mesmo
resnelo como he, eu vo-lo agradejo ; porm-iern
sido justo esleude-lo a lodos os homens qae tomaram
paite do governo^a Franja desde fevereiro ate de-
zembro da 18iN. Eolra ellea, um ha que infelizmen-
te ja uao reclama, lie para raim urna honra e um
dever de o fazer em seo nome. Tanda a certeza, -
nhor, que uo dia em que a Franja vio desapparecer
com Cavaignac om do, leus mais dislinetos cidadini
e dos seos melhores soldados, a IlaitL-- *"-
bem om dos seus rajjejv-- lii aml"5. qoe
honve- .. "-*-<< uecenano, vir a ser um
- "- Olis defeusores.
Aeeilai, ele.
Jules Baslide.
no, o pidiram a palavra 37 oradores aootra, e 28 a
favor.
Contra os Srs.: Francisco Carapos,bar3o de Mau,
Vilalla Tavares, Dnira Rocha, Gomes deSouza.Bran-
dao, bilvioo Civalcanii, Franco de Almeida, Barroi Ioduitria, aecomula-ia ama populscao lano livre
inens livre a aicravoi, que alia'i leriam da ler uli-
lindoi Da prodoejao da vivares de primaira nices-
lidada.
Nos lervijos da empreza da companhii 1'oio a
lloje n,io houve scito uo sioado por falta de Da-
mero legal.
A cmara dos depulados adoptou hoja doos pro*
jeclos, ura cotice,leudo doze loteras iriiian la le
do Sanlissimo Sacramento da anliga S da curte, e
outro aotoriando o governo a trocar olas do ex-
melo Banco do Brasil penalcenles a varios posiui-
dores. A este projeclo foram ofTerecidas alguraas
emendas, que foram a' commissao de fazenda.
Coutiuoou depeii a segunda discussao da pro-
posla do governo qae fixu a forja naval. Orando o
Sr. Atrajo oei at o fin da esi.lo.
17
O sanado approvou hontem am |a diseuisao -
projaclo diipeniando as leis de a ir. t<*>> para que
varios eilabelecimeotn* .' can laJc possam adqui-
rir e possair neos de raz; e entrando mmediala-
mente em 2a diicnss3o, oflerecea o Sr. liaran de Mu-
riliba urna emenda supprimiudo a palavra adqui-
rir, e o Sr. visconde de Jequitnbouha um reque-
i itneulo para ir a proposijao roinimi-ao da legis-
la jo ; mai veilficando-se oAo haver caa, ficou a
discussao adiada.
i r-;- Si'rJ.aios approvou lionlem em Sl-
--a aaacusiAo o prajeclo que aulonsa o governo a
despasaBar al a quantia de tres conlos de ris com
gralificajes addicioiiaes aos empregadoi do archivo
publico, al que seja reformada a mesma reparlirAo.
Enlrou em legunda .nscussAo o projeclo qoe Man-
da contar para a reforma e condecoraran da ordem
de 3. Benlo de Aviz aos ofliciaas do exereilo, o lem-
po de tervijo por elles prestado nu corpo municipal
et mancille da corle. O projeclo (oi rejjiUdo, e ap-
provada a guma enienda'subslitutiva.
Aos odlciaes do exereilo se contera para a re-
forma a coudecorajodo habite de S. Benlo de Avia
o lempo que, entes de fazerem parte do mesmo exer-
eilo. latii serviram como praja do corpo municipal
permanente da corle, ou em oulro quilquer;eor|iu
policial scinelhanltinetile orgaoiaado, quer na corle,
quer sus provincias, n
Continen pur lim a segunda discussao do arl. I"
da proposla do governo fuaudo a forja naval para o
anuo finauceiro de 1S59 a 1860, a qual ficou adiada
depois d oraiem os Sis. ministro da marraba e Ser-
gio de Macado.
Pimental, Silvera Lobo, l.andolpho, Cont, Bezerra
Cavalcanli, Fernandes da Canha, Daotai, Paranago,
Cunha Figueiredo, Brosque, Luiz Carloo, Luiz Filip-
pe, Antonio Cavalcanli, Araojo Jorge, Aguiar Bar-
ros, Baptista Monleiro, Madureira. Paes Barrete,
Alexandre de Siqueira, AragSo a Mello, Rodrigues
Jardim, Toseano Brrelo, Cosa Moreira, Padro Mu-
nz, Gaviao Peixolo, Jesuino Marcondes, Barros
de Lacerda, Marlinho Campoi, e Alcanura Ma-
chado.
A favor, os Sra. : Torres-Uomem, Cruz Macha-
do, Barbosa da Cunha, Paulino de Saoza, Diogo Ve.
Iho, Almeide Pereira, Teixeira Juuior, Nebia, bar-
bosa, Pacheco, Sergio de Macedo, Sampaio Vianna,
Andr bastos, AlhayJe, Augusto de Olivaira, Arao-
jo Uei, Pedirneiras. Casleilo Branco, Jaciulho de
Meudonja, Rodrigo Silva, Cosa Pinte, Pereira Pia-
lo, Araujo Lima, Bello, Caudido Mendei, Bretai,
Lima e Silva, Tobas Leile.
Oraram o Srs. Francisco Campoi, a Salles Torrei-
llomam, lendo o primeiro destas senhores aprisen-
tado as segn,Ir- emendas :
< No tpico poltico, onde dizdesenvolverdi-
ga-secontinuar a desenvolver.
No lopico relativo a Gnanjai, lodo o periodo qai
cornija :Esta siluarao ecooomca ete.nja sobi-
tituido pelo seguiule :Na presenja da avultada
despezas que saa indiipensavais para benefeiar ai di-
veieai foutes da riqueza publica, espera a eamara dos
depulados que o eslado prospero da renda ser man-
lido por meio da mais severa economa, e pela pru-
dente e judiciosa applicajao dos recursos do Es-
lado. A
Montera n3o hoave sessao no senado por falta,de
Damero legal.
A cmara doi depuladoi approvou honlem era ama
so discosiJo o projeclo que aulonia a pensao di
l:000j concedida pelo governo a D. Mara Bernar-
dina dos Sanloa Nones, viuva do vice almirante Pe-
dro Antonio Nones.
Em seguida adopten, depois de algumas obierva-
Joes dos Sr. (arcia de Almeida, Farrean de Aguiar
e Lima e Silva, o projaclo que mauda "?" r ,"'^^,
reiorraa e romlecoiajao da wat' u* S- "enlo de
Aviz, aos ofliciae-"-------" ,emPl> de ""ijo
p0r s*. prc-s-oo no corpo municipal permanente
a. corte oa em antro qaalquer eorpo policial seme-
Ih Hitamente organisado, quer na corte quer as pro-
vincias ; com urna emenda compreheudeudo nesla
disposijio os utliciaes da armada, e com oulra subs-
liluindn a palavrasemelhanlementepela palavra
militarmente.
Coulinuou a discussao do projeclo de respoila a
talla do ttirono, cora a emenda aprvsentada, e oroo
al o lim da sessao o Sr. b nao de Man.
24
Sr. |)ia de Carvalho apresentoo hontem oo se-
nado um projeclo compreheudeudo. na clasiiGcajao
de que trata o an S71 do eodigo commercial, como
endores de dominio o bancos legalmeule constitui-
dos.
Este projeclo, as difirante* materia qae pasia-
ram sera dbale, na ordem era que foram dadas,
consta do exiraclo que publicamos no lugar compe-
tente.
O eiuiln approvou hoje todas as materias qae es-
lavam na omem do da, comecando pelo reqoen-
inanlo de adiamanto da proponjao qoe dispensa as
leis de amorlisajAo a favor de cerlo estabalicimen-
los pin-.
Acamara dos depulados approvou hoje, em nma
l discussao, as pen-es concedidas a Valeriano Ion)
Piolo, oflicial aposenlado da secretaria de polica da
curie, e ao conlraraislre ixlraordiuario da armada
l.....Beato Goncalvei.
Approvou o parecer da commissao concernanle A
preleujao do major do corpa municipal permanente
da corla. Joi Maria Rebdlo, que pedia melhora-
inanio de vencimenlos, e rejeitou o projeclo qae au-
lonsava o governo a igualar o sold e mais vanta-
gans do mesrao manir importancia do que actual-
mente paicibtm os utliciaes do exereilo de icual lis-
enle. b '
Coi.liuuoa depois a 2a discnsio da proposla do
governo qaa fixa a forja naval para o anno de 1859
a 1800. Oraram os Srs Maiinibii Campos a Caudido
Meudes, lioaudo adiada a discuisAo.
19
Hontem n.lo houve sessao no senado por falta de
Damero legal.
A cmara doi diputados adopten honlem o pro-
jeclo qu approva a aposentadora concedida por de-
crelo da 13 de novemhro de 1857 ao juiz de direito
Antonio de Araujo I erre ra Jacobina, com o orde-
uado correspondente ao lempo de ervijo que pres-
tou, com urna emenda antonsando o goveruo a roe-
Ihora-la, tendo em cousidcrajAo o lempo em que ei-
live fra do servijo.
Approvou em tercena diieusiao o projeclo que au-
lonsa o goveruo a jubilar o Dr. Joaquina Francisco
de Fana, protessor vitalicio de Iheologia dogmtica
do seminario episcopal de Oliuda, com o ordenado
de um como de ruis.
Approvou lambem em tercena diieosiAo o decrelo
quo concede privilegio por nula anuos para lavrar
miuas de ear3o de pidra, e a faculdade por cinco
anuos de explorar airas na proviucia do Rio Gran-
de do Sul, aos Srs. barita de Mau, couselheiro Luit
Antonio Barbosa, e eommendador Luiz Alves Latte
de Olivera Bello, e ama emenda fazendo as mesma
concesses a' empreza que se propuzer a lavrar as
mina de carvAo de pedra da margena do rio Tuba-
r.'io, ua provincia de Santa Calharina.
Continua por lim a discussAo da proposta do go-
verno que lisa as forjas de tirra ; oiam os Srs. Paos
Brrelo e Bello, a foi apreseulado um requerimento
di encerrameulo da discaasAo, que se n.lo volou por
nao haver casa. Erara cinco huras e viule tmulos
da tarde.
20
O senado approvoo honlem sem debate ai materias
que vinham para a ordem do da, e qae couitim da
acia que publicamos uo lugar complenle.
A cmara dos deputa los approvoo hontem qoasi
unnimemente o parecer da commisio que julga
que o proeeno cunee mente ao bacharel Jusliiiiauo
!'. iptisi i Msdureira nao devi coutinuar.
Foi aprsenla la orna indicajo do Sr. Barros l'i-
ineulel, para que seja reservada urna tribuna na c-
mara paia as ,enduras qae quizerem assisllr a's ses-
eooa.
Procedeudo-ie votarso do riqairimenlo de en-
ceirainenlo >ia discussao do arl. I da proposla do
goveruo que fixa a forja naval, foi eile approvado,
assim como, quasi uiianiinemenle, os dous artigas da
proposla, que pasou para a :1a discussao.
Approvou tambem a cinara, em urna s discus-
sao, o projaclo qoe concede urna pensao annual de
1:0003 D. Josefa Leal, viuva do ministro do supre-
mo tribunal de justija, n cmiselheiro Adriano Jos
Leal.
Enlrou por fim em discussAo o projeclo que auto-
risa o governo a conceder caria de naloralbutelo a
Aniceto da Souza Pinto e Barros ; por oAo haver
casa lii-ou a discussAo encerrada.
22
lionlcm nao honve sesiao uo senado por falla de
numero.
A cmara doa depulados adoptan honlem a pro-
poela do governo que hxa a forja naval para o auno
linancelro de 1859 a 1860.
A cmara dos depulados approvon hontem, en
primeira discussAo, o projeclo elevando as congruas
do cabido dela calhedral e capilla imperial a me-
lade mais sobre o que actualmente ventera ,eus em-
pegados, salva a gralilicajao que ja Ihes foi conce-
dida.
Conllnaoa a discussAo da lespo'la a falla do throno
que licou adiada depoil de orarein os Srs. Paulino
da Souza e Vilella lavare.
26
Honlem nao Imve lessfto no sinalo por falta de
nomcio legal.
A cmara dos depulados approvoo hontem, com
varias emendas, era segouda discussao, depon de al-
Si.mas observajes do Sr. Silvaira Lobo, o projedo
que eleva a cougrua dos membros do cabido da ca-
lhedral e capella imperial.
t tu seguida coulinuou a discussao do projeclo de
respoila a falla do trono, o qual licou adiado depon
de orar o Sr. Teixeira Jnior.
MINAS-GERAES.
Ouro-Pnlo 27 de maio.
1 m correspondente desla cidade diisa ha pooeo
que S. Exa. o Sr. Carneiro de Campos havia propos
lo em seu relatarte a supprenAo do lycu deila ci-
dade. He islo 13o inexacto quaulo he cirio que pelo
contrario S. Exe. a respiilo diste eslabelecimento
diise o segaiute :
I O lycu des, capital, o nico qoe exisle n
proviucia sob as vistas imiiie lalas da administraran,
e exclusivamente sustentada pelo n (res pblicos,
minio tem melhorado no locante A condada e assi-
duilade dos alumnos, que monlam a 62. De de es-
prar-se que medanle a perseveranja da presidtu
ca uo iniaresse de tornar conhecidas a palpavei ai
vanl .jens de tan si ti I estabelecimenlo, mrmenle
para aqoelles que nao podem inautor seas filhos em
colegios particulares, dar-se-ha o devido aprejo
res.duran lomada de se conservaren) aqui reunida,
uainda com saciifirius, as diversas anlas que for-
mara ora corso de esto la- preparatorios para as Fa-
cultades do imperio, e cuja falta em onlro lempo 13o
deplorada foi. *
Bem que na minha ultima carta tenha eo dado,
em resumo, ou simplesmente indicado as cansas da
elerajAo dos prejas dos gneros alimenticios, julgo
nao ser Tora de proposito dar, a semelhaule respeito,
os seamnle delalhes :
Antes da eflecliva suppressjo do trafico de Afri-
cauos observava-se qoe entre estes a morlalidade uo
era compensada; pelos nrsciraenlos, e que por es-
la razAo, e em viste do augmenta natural do consa-
mo de vveres, era misler que ora sempre crecente
imporlajAo de individuos daqualla raja viene en-
chir o vacuo e salistazer comuletarainle ai neceisi-
dades da nossa igricottora ja' diffcil em um paiz
anda poueo roteado e de mais a mais entregue A re-
g loliiia e procesio imperfeilos.
Posteriormente aqoalle fado reconhecaa-se geral-
menie que seria impossivel dentro em poueo lempo
equilibrar algum (ante o consumo e a pro iucjao. a
nao ser a falla dos ditos braco compensada por urna
endiente de colono agrcolas, e nao se applicarem
agricultura os I.rajos livre existentes no paiz.
Ora, neulium desle resallados tem sido oblido de
om modo complete ; o nuiniro de colonos importa-
dos o,'o (em sido igaal as necesidades da agricultu-
ra uera a quanlidade de trabadlos por ele represen-
tada lem sido nella exclusivamente otilisada. Peta
qae respeite ao (rabalho livre nacional, v-sa que
mu tenia vai sendo a soa deslocajAo da gerencia dos
mistares a que se acha acostumado.
Ao passo qoe estas f .dos se dao e verifica-se eon-
sequenlemenle notavel desproporjAo entre o consu-
m, e a produrjao, dis(rahe-se grande qoanlidade de
Irabalho da peqaina cultura, oa da dos gneros de
primeira necessidade, para a dos producios mais
prnpriamenle commerciaes que nos mercadoi eslran-
geiro, millior rompen- un i gastas da prodocjAo
agrcola, oa antas elevara o premio dos respectivos
capitaes, e bem assim para o servijoi qne deman-
dan) as empreza de viajao, que em maitu ponlos
do paiz se (em levantado.
Po'am ser consideradas gerae, as causa qaa aca-
bara de ser indicada! ; e le volvermos uoisai visiai
para o que especialraiule se passa nesta provincia,
elativamente ao preco dos gneros alimendcins,
acb.ir-i.e-ba que a ellas accreseem anda nutras mais
ou menos inlluenles, a de carcter mais ou menos
permanente.
Exislem em diversos ponlos do territorio mineiro,
alem de faisqueiros, alguraas lavras aurferas e dia-
mantinas qu sao exploradas, di'lingoindo-se entre
aquellas as que o sAo por cor..paiiliias inglizas, e en-
tre islas as de Diamantina e a da Bagagem. Para o
respectivo servir |.lislrahem-ie da lavoura nao s
bracoslivres romo esrravos, que alias leriam de sup-
prli a falla .'os que dexaiu de ser tornenlo pelo
traliro ou pela colouisacAo, ou s3o roubados pela
morlalidade.
Ao sal dela provincia aogroenla-so a collura e
fal rna do rumo em rolo a coiisideravelmente a do
Bale, e em um grande numero de municipios a da
caima de assuc r.
A falla de braros eseravos. a diflieoldade em oh-
ler o servicodos livres e a alta dos jormes iniu/.em
como escrava, qae deifalca o pesioal da agricultura:
o como sa nao bastane Indo isto, lahem considera-
veis leva de eseravos deata provioda para lerim
vendidos na do Rio.
Adicieuemos a' estas causas a pesie, qua riAo tem
deixado da granar no gado sumo, alguma irregu-
laridad! no corso das eslares oestei ltimos annos
da qual s nao lem loflrido a producjAo do eijao,
o estado das estradas, o qoal nao pode ainda ser
bom, a taramos urna fcil explicajAo da alta dos pro-
co dos viveral nesla provincia.
Olanlo a' clev.ijau do prejo das carnal verdes, ha
ella devida era parta a causal esptciaei.
Una,i Irai quarlos di quantidade de gado vaceum
que se exporta desla provincia eom destn ao mer-
cado da corle s3o de producjAo miueira : n'> um
quarlo Ihe vera de outra proviucia, prineipalmeota
da de Ma(o-Grosio.
Alem do gado comommido no Interior, a exporta-
cao nos annos de 1851 a 1855 tem-sa llevado con-
secutivamente de 51 al 75,000 o tantas rezes.
Teodo-se encarecido o sal nos municipios mail
productivos de gado, nesla a as provincial de Goyn
a Ma(o-Groiso, provindo desie fado oa com olio
coincidiudo a mora da muitos individuos, da especia
em cousequencia da pesie,alguma dimiuoijao oa soa
prodocjAo te dava admitiir em cada nma fazenda
de criar : como, porem, tendo-se olivado os gastos
da prodocjAo agrcola por falla de brajoi, nAo pe-
queo numero de lavradorei. posinndo pooeai for-
jas, preferiram a crtajao de gado a' agricultura,
augmentando assim o na mero dos respectivos cria-
dores, a conclua, que lomos autorisados a daduzir
deslas fados he qua absolutamente fallando a pro-
ducto do gado nao lem dacnieldo, antas algam
tanto augmentado.
N3o se pudendo pois expliear a elevajAo do prejo
do gado por nma proporcional diminaijlo em saa
produccao, resla-oos saber ae no todo ou s em par-
te he ella explicaval pelo aagroenlo de numero da
consumidores e maior quanlidada rU carne do vacca
ulilisida como suputan, r "'*0 ~ "m
porco, e ar-- .llWlro? ""*0, ""'"
i. e admiltir que destas dnai causas (enha
provindo uiua parte da elevaj3o do dita prejo dai
carnes verde, mas quaudo le adverte para o (ermo
medio daquella porque, apezar de ludo quaulo fica
dito, he pinta cada urna riz a' disposijao do respec-
tivo commercio na corle, e os lucros por ella nalia-
dos na sua venda ao (albo, nao se tarda a reconbe-
eer qae a causa di mal lao grave he o mooepolio s-
lidamente all constituido, e qua lem podido acabar
com a concurrencia, que s podara fazer bailar o
cusi de ura alimento entra nos to eisencal.
I ua lo era 70g aquelle termo medio .alia's talvez
axagarado) a m 3.799:1653 o produelo da venda ao
(albo da G2.050 rezes, consumida! annualraanle ua
curte, e feita a didacjSo de toda at deipezas previ-
steis e as eventoaes, e (eodo-se era vista o prejo da
carne de cada urna e dos man pertenec oa miude-
zas, claro fica que l o monopolio pode garantir 13o
elevados premios de om, capital do qual ba raioea
para se consideiar adiaulada someule nma terca
parle.
Sendo feita regularmente u romeamente do gado
para o consumo da curte por ageutes ou emissarios
daquella ceutro director, a por outro lado estando
averiguado qoe o piejo exigido neita provincia doa
dilos agentes he o mismo que para o contorno del-
ta, pode-se dizer qoe as eonseqosucias detse mono-
polio fazem-se sentir anda nesla provincia, por-
quanlo he natural que o criador ou o negociante de
galo, enlrevendo a po'tibilidade de um grande la-
cro em um mercado, procure realisar um igual am
qualquer oulro.
(Carta particular.)
(Jornal do Commero do Ro.)
Approvou depois em primeira discuss. o prejerln
que concede caria de naluralisarilo a A..celo de San
ia Pinto e Barros e adoplou os ir p-. t -. com varias
emendas, qoe concedem igual favor a Amonio Jos I a moilos lvradores a prefarirem a crearao di gado
de Azevado, Jos (i nralves Braga, lote Pinta Mar- | .i lavoura.
que-, Jo.r Gome, Uilniro, J.,-, ...unes de Oliveira. I Qt )>ropllel,rius ne .,, ;1a,,,a:,s crupamlo
Anioi,,,. Sampaio de Souza \ liona, Franc.sco I ,,- ,,., ^ cmm lni|ir ,,.. ,U||( ,,.
, Manoel da (.osla Abren, e Antonio Jos da _,,., diffleoltau a pequea collura rta-
quelles a quein nos mesmo terrenos era oull'ora
Adoplou tambera Ues proiectas coiice.lendo 10 lo-j permitlido fazerem planlaces e se deiioimiiain ag-
leras, ni.miando para a commissAo respecliva, afim i griaados.
sa e lorio Alegra, de labelliAo do publiro, judicial e | da as redigir ara projeelos separadoi. 23 emendas No carrelo dos genero eslrangeiro ricebidnsda
olas, e itcnvao de orphAoi da villa de Porta-Ale-, comprehei.dan lo 07 novas loteras. Enlrou por lira i curte e 00 do cafo de diversos ponas desla provincia
gre, provincia da Baha. I am ducu.sAo o projeclo de respaila a talla do ihro- le daqualla para all, sAo tambera empregadoi IN-
CORRESPONDENCIAS 1)0 DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
Natal 15 d.'jouno de 1858.
Esta provincia vai indo em paz, sera cou-
sa que a notabilise Em virtude da demis-
so do Sr. Doria est na admQistrar3o o Sr.
Dr. Octaviano Cabral Rapozo da Cmara,
que parece animado dos melhores desujos.
S. Exc. nSo se tem limitado a montona
marcha de um vice, n5o, apenas entrou em
ejercicio, se foi manifestando por actos beta
significativos: mandn sob soa respoasabi-
lidaJe augmentar o sold dos olliciaes e *ol-
da Jos de polica, era urna medida altamen-
te reclamadaora um soldado com *Oo rs,!
Ia;a idea por ahi do mais. Den algumas de-
missOes em olliciaes desse corpo e nomeou
outros, nomeou dous lentes para o Athcneu,
demittio tambem algumas autoridades po-
liciaes. Deu um cunto de mis para urna
poteque algutis particulares estSo fazendo
naMicahihalugarejo que so vai tornando
importante gracas ao esforz do major Fa-
bricio.
u Sr. vice-presidente em todos os seus
actos mostrou algum tioo e forca de vonta-
de. EutreUto todas as parcialidades lica-
ram satisfeias. Felicitamos portanto ao Sr.
Octaviauo pela sua feliz estrea governativa.
Chegou de Macan o ebefe de polica, que
para all tinha partido ha mais de um moz.
Dizem que S S. foi conhecer de certos
tactos escandalosos que se deram naquelle
lugar, onde licarara alguns na cada. lloje
chegou a rorc,a que o acompanhou com dous
presos, seudo um delles Joaquim Ignacio da
Stlveira Borges. N3o soube ao certo quaes es-
ses lacios que atrabiram para Macau o Sr. da
polica.
19
Hontem chegou nooyapocko Dr. Antonio
Marcelino presidente nomeado para aqui.
S. Exc. foi recebido com as formalidades do
eslylo, e hoje acompanbado da gente mais
grada da capital prestou jurameuto perante
o cmara municipal.
O Sr. Dr Octaviano obsequiou o novo pre-
sidente com um jantar para o qual foram
convidados todos indtstinctamente sem at-
teagao a cores polticas : os convidados vol-
taram de palacio satisfeitoscom o Sr. presi-
dente, que com sua lamiiia se mostra para
com todos aflavel e delicado.
A polidez nao he desnecessaria em quem
averna. A autoridade deve ser respeitada,
mais nao temida.
21
A estas horas (7 da manhaa) ainda n3o se
mostrou na barra o Iguarassu' que todava
he hoje esperado.
O uosso invern indireitou mais; nSo obs-
tante n3o foi elle excessivamente bom em
toda a provincia.
A farinha que c tinhamos vendida por
cunta do estado deu fundo, o que mu la fal-
ta ha feito, pelo que muitas vezes sou obri-
gado a ir gmente ao arroz.
EstSo vendendo a 800 rs. a cuia a qoe ap-
parece no mercado, a carne vai ja a 12 pata-
cas, feijSo nao sei que gosto tem, porquo
litio ba. Adeos.
CAMAS. 12 de jnnho de 1858.
Em urna ierra 13o pequea como eita, a 13o falla
de 'inmac.'i i, nao he de espantar, qae se diga, qoe.
poucos san os acoutecimentoi dignos dereferirera-se.
Nidia II do panado raorreu aqui o visconde de
Saiul-Araand.moco de excelleules qoalldades, minio
talentoso, Franeez proscripto por Napoleio, a en -
genbeiro ao servido desla proviucia, a encarrila-
do de examinar a estrada que parte desla cidade
para Theresma, que he um dos bellos monumen-
tos, qoe attestam a loberba tuleigcncia dos nonos
engenbeiroi RaymunJo a l'orqoalo Teixeixa Men-
di", dignos de figurarera ua Duropa, e nao nesia ci-
dade, onde s se deprim o mrito.
Espalhaiam-se boatos vaKJi de enveiienamenlo :
t>ince>lerain-si as campelenli!, diligencia! pelo mui-
lo honrado, prudente e iulalligenle delegado Alex.pi-
dre Alvos insta, e a conclu.Ao foi que o boinenr
morrvu de um arrojo de saii.tmi |,ara a cabera. *
Direm qua este infame boato fai de proposite es -
|. 'Iii.it.. per um insolente eslrangeiro, ou inelbor,
boje mi renegado, com o Dea, quoilouco d doaa-
gnr a repulaco do.velho Dr. Vaz, qae foi medico
do visconde.
Esta nugado, desde qoe veiolda tirra de j\.oigi
Vampa, n,1o Ion ti lo decanco em parle alguma, lu-
do devido a 9ua liDgua ,
/
ixi TTT K


DIARIO DE PERNAMBCO TF.RCA FEIRA G DE JULIIO DE 1858.
no se demore ninilo, pois que os habitantes desta
ci.idde ) i' asila cunados de suiTre-lo em suas deui. -
lias... post frandium.
No da 22 pardo para a capital n alferes Alalilia
Doarte liodinho, qa< aqu attava de.lar.ido. I i
fieral o pesar : lodos os habitantes desta cidade, co-
mo que a porfa correram a Car Ihe todas ai deiuuna-
traenes do apreso que dclle faziam, esligmalisan to
assim o procediiiienlu de quero concomo para se
remover um official Uo aistinctn qaando faziam s
1"> diai, que elle aqu eslava Dizem feralmente
que o eoniraaudantt dtsla puirnic,ao nao foi alhelo
a tsla ciiiitradioca. .
Dizem que foi movido a isso, porque o altares mo
e qun prestar a um ceno pedido...
Dizem tambem qae [01 despaila o porqoe o Ata-
liba era mojo inteligente...
O que lie cerlo ha, que se removeo um ofiicial,
em iuleretse poblico e itin ser por objecto de dii-
Cipliaa, e aisim se iucemmodou um pai de familia
em lao pouco lempo.
Da poltica nada Iba direi, porque os partidos es-
ti' em calmara.
De vea mquaudo tpparece o al'haroln do Vivei-
ros. qae se Umita a du.is oa tres descomposturas.
Ilreve vai appireccr um novo peridico, intitula-
do a almpreusa Caxiense.
O gneros alimenticios lem tbido de prtc.0 con-
eideravelmenlr.
O invern lem sido minio irregular.
l)e jimo essas mulestMi de lebre e losiai qua agora ap-
pa rotaran.
Morras o padre Paclieco, deputado provincial por
Palios Boa*.
Corta particular.)
PAItA 11 IB A.
Mamangtape 23 dejunhode 1858.
Nao posso deiiar de continuar o ter ai miiihai
queivas das smhorai iidminielracea de correos. A
iiMiiha correspondencia de abril nsufragou nos bai-
xios que existen) desla provincia para essa, e ficiu
assim alterada a ordem dos lacios: nessa correspon-
dencia dei-llie eo eonta do resultado do processo.
Lu Antonio de imsi algoma cousa de imporUo-
cta. A falla nao foi minli >.
I'or felicidade aluda guia esle termo de algoma
pai. Ilouve um infanticidio: Iralarei deste nssonipto
em nutro lugar.
Os gneros alimenticias anda conservara alloi pre-
ros, temos porm fondadas esperancas de molhorar-
mos brevi'ineiile, ja vejo no semblante do povo al-
guma alegra, a esperanza o lem animado, Iba lem
dado mais vida.
Prepara-se a fesla de S. Pedro : diiem que os jai-
zis uaiieiros, prelendeiii fazer urna fesla digna do
padroeiro o que liouver de bom e de rao, llie com-
muiiicarei.
O Sr. de Relian nao quiz fazer a vi.igem.qne pre-
tendeu fazer a esta cidadr, acabos maitn cansado Je
'azer as nomeeres de suopenles para os juizes roo-
niriii.es, e aiha-se presentemente nceupado com to-
da a soa eugenliaria em fazer Imitas, tapar os bura-
cos da bein construida eada nova que Unto nos
coslou. Urna suciedade tin-.ilr.il particular, qae
aqu existe, preparoo-se para dar urna representa-
dlo solemuisando a chegada do Sr. da Hohan,
desengaada de sua viuda, levou a aceda ama pe-
caeinha, dizem que nao esleve mu a represen-
ta(io.
Na verdade urna viagem da capital aqu iSo 12 le
goas, o beni publico uto lem direilo de exigir o sa-
cnlicio de ama lio langa viajero, siles Irabalhos
deiiam ser para os beslalhoes qae se incommodam
com o cumprimenlo dos seus deveres, a poca be
da mammar, de gozar, e de preparar fataros.
Bom lempo era o d'oulr'nra qaando so lindamos
de sollrer desvaras, e despotismo de uro s ho-
raem : o do Sr. capllSo-aidr,hoja existe Unta
c1mn\e1.*u.ou,Jd"ae. Io* J ealragsm recipro-
bou. "anija aiuda DjMNHi
Soobe qae do eada da -capital eva
tos presos, sahiram euloando bymnos
da obra. A vigilancia, e aclividade
autoridades policiaes da capital, e algOns terr"
ao vao tornando nocivas palo etcesso, prendein-se
quaulos cegos e aleijados enconlra-se seb pretexto
de criminosos evadidos, boje oingaem esla livre de
nma seraelliaiile barbaridad! ; os presos apanhsdos
na caja ja sao levados para a capital em redes com
a alma no oolro mundo ; n priaao do cemitario lia
mal segura qae a uossa eada publica, esles casos
se deram em Murnbaba e Cova da Onc,s. Ouvi
um mea amiga justificar este acto dizeudo qae li-
uliam razao o que assim priticaram, porque ma-
tando os presos, estes nunca tuginam, a se o fizes-
sam eia nicamente o Sr. Jardn) o responsavel, e
no dariam mais Iraballio as autoridades, de salii-
rem dos teas aomnoleotos e 8f bneles. O Sr. Cle-
raeiiiuiu prestou bom aervicoi ; eslava a eada va-
cilleule em s les de arroslar filenas serradas, os soldados tre-
miao como varas verdes, eslavam amarellos como
cura, lodo inspirava terror e consternarlo, todo po-
rem mu ion de forma com a chegada do grande se-
lihor que lem desejos de pizar cora os pos a qoem
Dio be do seu pello, o prelo ficoo branco. o molino
ficou vleme, o amanillo licou corado, o nada mp-
poz-it grande eoosa, o mentiroso lica verdadeiro,
mais pobre de espirito licou pretencioso. Emfim,
lmannos beneficios s o meo jjven patricio pollera
fazer, so, e nicamente elle seria capaz de lano.
Se assim continuar be natural que leulia co final da
obra urna cor..., conia.
Uro brbaro acto leve lugar nos principios do cr-
reme mez|:
Foi euconlrado na barra do rio cujo nome he o
desta cidade un menino de idade de oilo para nove
annos raorto com oilo far.nl,s o um formidavel gui-
pe no pescoco ; inrormam-me que o acliaram at
dteapitado. Fui preso como sospeito um barcaeeiro
chamado Muri' : tratam as autoridades policiaei
desvodicardo fado. Mollas sao as causas que
do para qae o assassino pralicassa esle 1,1o horro-
roso crime; a qae ale o presente parece me ler mais
visos de real, he a seguale : Disseram que o tal
Muriu' era mingado cora um individuo chamado
Joao Bapliila, qae d'esle lizera aquelle mullo mas
aaseucias, fallando al da mulliti: fra islo presen-
ciado pela victima a qaal conloa o que lilil i ouvi-
do ao supradilb Joao Kaptisia em cuja casa mora-
va ; aite olTendido pelas injurias qae Ihe foram di-
rigidas, e a sua mallier, voi ler com o offensor, e-te
nega o que diese, e o pobre e innueen(.e menino,
guiado sanenle pelo espirito d verdade sustenta o
que disse ; provavelmenle haveriam entre o offen-
sor a o offen lido seas ditos daros, e lalvcz roasmo
ai nma ;iiiimi;i ; depon disto dizm qae o tal Mu-
riu' poz-se de embosead.i paraasassiuar a Joio Bip-
tisla, sendo presentido pelo menino, e lendo certeza
que esleira immediatamente dar parle do que ti-
lma visto ao seu prolector, para nao serem dssci-
berlai as snas borroroiai iulsri(des, ou para nao per-
der a car, mata a pobre victima, e praticaudo esle
aclo o comidera apenas como urna reinor.io de obsla-
colo. He este um dos actos mais barbaroi qae se
pode conreber, qae moslra o quanlo he capaz de
degenerarlo a rac,a humana. Esperamos qae ai au-
toridades competentes campram os seos deveres pro-
cassanilo, e pronunciando aquella sobre quera as
provas mandara erer que he o criminoso.
Agora, duaipalavrasaosieuhoresjurados. He para
contristar que urna ImIIIo(Io am essencia tao u .-
bre, e qae bem preenchiao o seu llm he a maior dai
garantas a nessa lii.erd.ide Individual, se leuha na
pratica desuatorado. Passa ja' como proverbio que
no jury so an rondemuado os desvalidos. Os poten-
tadus a afiliados destes consideram o jury como o sen
sautelmo, como um seguro recurso as saas malver-
sarles, e infelizmente aqui acabo de dizer urna duro
verdade. Divemos acreditar que a esta regra baja
algumas eicepr;es. Nao sei como os seuhores juizes
de fado, dandu um juramento d'.ilmi, conheceudo
as ms lerriveis consequencias da sea proceder,
quando mo ; nicamente pelo bem estar do acca-
sado, sacrificam-se a si (oriiamlo-se perjuros e ei-
caruecem da sociedade e eonsegaiiitcmeiite de si ne-
gando o que a ella se .leve, procurando por esle
meio a sua de-moralisac/io, a sua roina. He neeeg-
saria urna prompta rchabilitar,ao, e esla aiuda podc-
ra' corar mudos males ja' realisados, e servir'para
o fuluro de obilacolo a perpetrarao de n-oilos delic-
tos. Logo qae o jory anumir a posirS que Ihe he
devida, as cou mos que o jury de Mamanguape nao se deue levar
por condescendencias prejudiciae a causa publica
uo julgamenlo do infeliz menino, ne-n de oolro qual-
quer, cuja criminalidade seja patente, todo o escro-
palo, lodo cuidado em taes circum-taocias he insuf-
iciente.
Foi nomeado delegado de Guarabira o S'. Me-
deiros, segundo alguem inform-ine espera-se que
esle mor;o desempenhe o lugar, he entretanto multo
reparavel que em um termo onde esle einprego esla-
va 13o bem preenchido houvessecxtemporanea subs-
tituto, a qual nao pode ler outro fim senao arran-
jos fuluroi ou cumprimeutu de ordens, enlre-
laulo coiivera dizer qoe a primaira parle he mais
exacta. Nos losares onda os horneas de prestigio e
coiisdercao uso se queirarn prest'r a estes encar-
gos he de bem qae seja o jmz manicii al o delegado
do lermo, leudo esle a precisa eapacidade: talvez al-
guem oiga, se um barbarel esla' habilitado pars ser
juiz, com maioria de razao esta' habilitado para ser
delegado. Atairo devia ser, mas infelizmenle em
mnitos casos o contrario se da', mesmo nela pro-
viucia temos juizes que mediar sertiriam o ollicio de
carcereiru, espiao da polica. O meu menino valen-
te esta dispoolo todo rooilo bem, mas o peior de
todo sera se huuver algum Irauslorno
for o meu bom amigo comer
do Piauby ; par
dando na soa obra, em todas as m libas eorrofnon-
denrias il.ir-llie-hci um coiiselho : va' logo o pri-
meiru. N*o DMOds dizer para Itannaneiras que se
moenhouforteraenta e ronseguio um.i nome.ir.i.i
para o Sr. Targioo: qoaudo eacrever para o Rio do
laiiein, man le di/or qoe UOinmoMo pedio para o
Sr I,oila Machado na Areia ; iota lie le o.
Com i razer li o diaeorao do deputado AraRSo e
Mello pronunciado na se-.ao de 1S de maio em de-
l./.j dul dneitus da provincia que representa, feliz-
mente lomos na q>pulacao parahibioi dnus liomnes
que a lisnram por um intellicencia, e puros senti-
mooloa, os quaes sao os Sr,. rs. Diogn e Aragio e
r.Iello. s ni de poltica opc-osla o Sr. AragSo e Mel-
lo, Dio poMO enlrctantu deilsr de recoiihee;- nelle
as precisas liabilitac,ei para rom h mra e dignidade
aicravas, l.ot'Ooz
que, X'ulonl **.> ]
va, disertar MtiH
qoim Jo.i- ,1
'le Albuqoer
'
o peior
na natureza
q leijo nos serles
que isla d8o ii'oii rrj en irei nju-
do-llic parle que eslive na nossa capital nos prinei'
pos do correule niez, assisti a um baile dado pela
sociedado Kccreio l.iiniliir, esleve sufrivel. I'oi e-
leil.i a BOVa din > fio que tem de fiincr enar e-te
auno, he o seo presidente o mu probo e honrada
juiz de direilu delta comarca o Sr. I>r. I ranc *.. de
A am .los e-quecidos pela dirruirlo da poca, a qual
repelle o mais rerunhecido mrito, e os mais rele-
vanlus servidos. O secretarlo, Ihesoureiro procura-
dor recahiram em pessoas dislinctas, auguramos una
prospera vida a sociedade Becreio, para distracHo
da lociedade parahibaDa.
l'indcu-ie o papel.
{Carta particular.)
PEBlAMBaiCO.
PAGINA AVULSi*
UB3DM iBUiA *
Um macrobio.Acaba de fallecar no Elado-
Orieulal urna seuhora brasilcira de nome 1). Anua
Teixeira l'ernandes, com (cenlo e vinte e tantos an-
nos. n gozo cumplelo de Indas as saas facotdades
meotaes. Foi casada com o Braslleiro Antonio Fer-
nandas Souto, de quem hoove dez filhos o'ambos os
sexos, dos qaaee morreram oilo deixando descen-
dencia ; de maneira que ao desapparecer da Ierra,
deixou ella cento e nula e clneol descendentes,
divididos em dous fllhos, Iririla e cinco netos, oiten-
la e nove biiooto* e nove UlsriOttOi.
.-lindii a estrada de ferro. Depois qoe res-
poudemos ao Sr. Wu tagem, acerca de sua costesla^aa s nossas propo-
sices relativas a' partida dos Irens d'squella estra-
da, fomos obsequiados com orna caria de pessoa fi-
dedigna, em que sao sustentadas aquellas nossas
proposiiOes, e indicadus nao s os das em que par-
lirao os Irens antes da hora prefixada, como tam-
bera declinadas par seus nemes algumas pessoas que
passarain pela decepc.au de ver mallogra a urna
viagem de inleresse ou de recreiu. Islo posto, cbe-
nos agora, que estamos habilitados mais positiva-
mente, asseverar qoe nos dias 2.1 e 2G da junho pre-
trito os Irens deixaram a estfalo trde minutos
antes da hora desigoada), lendo sido lestemuulias
dessa inobservancia os Srs. Paulo Oaignoux, Char-
dou e engenheiro Bjhlreau reudeiro do eu-
genho S. Jo3o, uo Cabo. Ora, sera que pretenda-
mos abrir polmicas, tinto que d'antemao decla-
ramos encerrar esla no que ora escreveraui, esta'
manifesla a exaclidao das nossas ubservacei ; assim
como que nao era sem fundaineulo que diziamos
poderera os Irens partir minutos antea, e nos regis-
tros respectivos ser consignado que o lizeram na ho-
ra designada. Conclaindo permit.i-nos o uosso oin-
cioso commuiiic.iiita que omitamos as suas consi-
derarles sobro o faci de que nos bavemos oceu-
podo.
/la das Calcadas.Ha cerla gene n'esia ra
que abusa verdadeirameule da paeiencia albea,
commetleudo lasa acios de desrespeilo que podem
mu bem dar-lhe na raluri, como se diz vulgsr-
uienle. Urna cousa qoe all ha com visos de lasca
lem-se celebrisado u'esles ltimos lempas, porque
nao s o menino como o pan .11 da lancha se li.io
deicoinedido a ponto de levareui por .liante (odas as
considera(cies devidas a' moralidade publica, jogan-
do insultos sobre quanla familia ha que nao pactoa
com seraelhautes desregrameulos. Desla vez ad-
moeslamo-la simplesmeule, pois si por qualquer
modo be olleudide a lal ijeule, daee recorrer aos
meios leuiiimameiile consagrados, e n,1o as vas do
insulto como reUliac/io. A nossa Iegisla5.l1 nao
romagra o syslema de olho por 0II10. denle por den-
le ; mas sim urna vindicta moral qoe orrija ao de-
lnqueme e sirva de exemplo aos de mais, para que
elle nao franqueen) a eslrsda do aclo reprovado a
que he comminada orna pena.
^7- A le he igual para toUot. Depois qae Ira-
11U1, ou cnusa que o valba, que
couservava-se aberlo
K ,.- costuras mu-
livn
mandou^-WlllaVW^ ^r .'
des.em all eventos laslimave..
Irnquilidade ou seuranra individual. ail...
deposiloi ou casas Je adjuntos ha as oulras fre-
guezias, cumpriudo por lano as respectivas auto-
ridades que Ibes ordeuem a observancia da lei
na parle que os manda fechar depon das nove ho-
ras, mormenle a um desla freguezia, que fica n'um
paleo, onde em alta escala se joga a bisca, a qual,
enguanto se b.iralham as cartas, hs moldada com
grande quaulidade de cerveja peca pelo caip'"-
Alem da infraccau da lei, da' se o incoo.modo dos
viziuhus que sao alordoados com o estampido das
garrafas que sAo desarrolbadas com a hilandade
dos que ganbao, e com o enfezamenlo do caipnra.
6'aaa de juijn.Consla-nos qoe na eucruz-
Ibada de ttelvni, ain pela esquina do becco do Espi-
uhoi o, lia urna casa de jogo em que be admiltida
luda a qualidade de gente paradiverlir-sena lei-
lura do livro dasquarents, nao havendo es-
crupulo em dar-te asiento usssa gabinete de phan-
losmaforia .1 meninos e al negros captivos, com
lauto que all llenen, os cobres muitas vezes lira-
dos famdla e aos senhorei. O Sr. inapector de
quarleirSo do lugar nao deve deixar pasear desa-
percebida leinelhanle orillea immoraiissima, qae
altela a inleresses mui directos da sociedade.
'Jogo non Afogados.Os amigos jugadores des-
sa povoac..1u, pela nossa noticia, levantaran; o vo
para parles da l'iranga. Senhores da polica, olho
vivo com elles, que assim procurara Zumbar de sua
vigilancia !
Suicidio horroroso.De orna caria de Naza-
reth, datada de i do conente, livemos noticia de um
horroroso suicidio, que all livera lugar ; a qual
narran pelo mudo segoiute : Ha qnalro para cinco
dias que urna prela eicrava de AAIonio l.uiz Fer-
reira da t.onln, reudeiro do eugenho amba', por
oesgosto, raisanlbropia ou n,1o sei o que, lentou -ni-
cidar-se ; e para iealis,,ra., desse lim, dirigio-se ao
ii;nlc do engenho em compaul.ia de dous filhos me-
nores, e nell" afoando em primeiro lugar esses in-
nocentes, alirou-se ao depois e vei a succuinbir por
igual forma.
Capitana do porto. Hontem o Sr. capillo
de mar e guerra Elisiario Antonio dos Santos enl.e-
gou a (iirerc.hi da rapilania do parlo .1. Sr. capillo
de mar e guerra Fernando Vieira da Bocha. Por
Bota ucessiu o referido Sr. capilAo de mar e goerra
Elisiario epresculou om relalorio especificado do
estado da capilauia, cuja direcr.ei passava ao seo
substituto : he um Irabalho iuteressante que publi-
caremos mais de espado, lian lo noticia desla oc-
rurrencia, nao podemos deixar de luuvar o zslo e
ain la o inleresse desenvolvido pelo Sr. Elisiano na
gesiao de que eslava incumb lo ; pelo qoe se loma
recoinmendavel e digno das heneaos da provincia.
Cambio por quem detia impedi-lo.lia al-
guem que na ribeira da fariuha especola com acre-
dulidade dui vendedores trocando-lhe o diuheiro
mu lo. para cede-lo depois com ganho. A ser esle
negocio voluntano, deiculpar-sr-his, mas rearjsan
do-se por meio do lemor e com ajuda da peal
r.p. de soldado ds polica, eit o que be iulule-
ravel.
Sao heseii, he meia duzia.He om poaco en-
genhoso a sopbisina com que os laberneiros illodem
polica para veuderem por toda a noile. A poli-
ca manda fechar, elles fecbam ; mas como ella 60
manda qae eslejam Tetbsdas, tiles conservara-ua
assim, mat seropie com urna entrada psra o compra-
dor oa compradores. Assim penism elles conciliar
o seu inleresse com o qut manda a lei, e pensarao,
al que a polica os convenga de que, pro-
hibida agarapa, esla prohibido omel com
agaa.
hntrudo.Continua o pessimo coslnme de des-
pejarle agua subre quim pas-a. Ha certas nas so-
bretudo que se dislingoem ueste ponto. >,m ha
moitos das qae na ra do Oueimado foi enlrudada
urna pessoa bem respntavel, mas que ulo mereceu
a menor alinele do descui loso eu engranado 1110-
Ihador. He realmente mdescalpavtl um faca dessa
ordem, que proven) de um grande dtsprezo, e de
nenliuma considerarlo aos oulros, purque bastara a
menor altenc.au para au calnr em scmelb.uile
falla.
Cacimba pcrgosa.\ia em frente da igreja da
Estancia urna cacimba que se couierva abarla sera a
menor necessidade, e com emineulo perigo paraos
carros ou mesmo pessoas que se podem precipitar
uella. Quando da urna cousa nao resulla bein al-
gum. mas s males, u,1o deve ella existir, ftesse ca-
so esi.i a tal cacimba.
Ai famigeradas rifas.Ain la nao ha n.oiio
lempo que consagramos om pequeo trecho desle
Irabalho a em hedionda e vil especularlo que por
ah vai escoando as algibeirai, mollea vezes ja'
minadas, de pobres ii.mrenle, que se sacrificara
valuntariamenle, levados pela ambicio que lama-
nho imperio exerce subre u c r-.ri humano, Peosa-
mos entau que o notso avisu pooleOM acabar cura esse
joro, accessorio das lolerias, que n.lo leudo neuhuina
garanta (sobre ier sempre prejudicial aos compra-
iloiei purque comprara por prec,o exorbitante ob-
jeclos da nfimo valor), be urna v.rda leira i.unjora-
lnlade que uao e foram baldadas as nossas esperancas, o damna-
dos especuladores, quo uSo se pejanaui de por em
mercado a propna honra, se ella valeise alguma
cousa, continuara cun o mais abi.minavel desfaca-
iiiento a illudireni os incautos, exlorquindo-lbtg
muitas vezes o Boeetsarlo fiara a sua labsiitancaa.
Allirinamo-lo como (esleinuiiba ocular, e ja' riae
assim be, ja' que pude lauto o deipejo, ja' que de
tanto be capaz o srdido inleresse, nos prometamos
salvos alguna diis de InlerropcHo, indicar preclaa-
meute as eaooa onde se coinmelle este abuso e re-
clamar para rilas a alleor'1.1 da polica,
,/ snilinru deshumana.A enbora desh.ima-
na, que ja' noa deu materia para urnas quatro |i-
nhai allusivas, eapanooa furioumenle nma eirrava
ao i|ue n is consta em urna da- nuiles panada*, lie
torpe e Inejualifleavel e-ie procedunenlo ; perdoa se
um calligo moderada, loleravel, mas tratos baibaros
e cnieismerece-os bein quera os ap|ilica.
rvocos negociantes de. grotio trato.__Porgoa-
l.i-s ao dooo de alLMiina taberna do limno-Ver-
de, at jolgam licito comprar a toldados, esfarrapa-
t dos e iniseraveis, porres de cha', arroz etr.? >.) *e
vo bem que seiuiilianies generes... podem ehesar-
l'ies as inaiis por meio do furto Hs-nos fcil i.li-
lo e 1 eteravo, mtjorMsnoel de Campoi l.eile Pen- do sul do imperio, chegaram-noa as mioa as cartas
leado, Dr. l.uiz de Cerqueira Lima, Antonio Va-! dos nossos cerrespondentei do Paran' e de Alagoas,
lenlim da Silva Barroca, alferes Hra/. Avehno Freir,
lluiiiaz Dulon, Clemenl llealliarlv Wilmol, Her-
menegildo Agalouio Nuiles Vianoa, Antonio I t
dos S .utos, I segundo sargento e 2 soldados do exer-
cllo, Salvador Baplista, Jos Budngues da Silva,
Jlo llergamacln, Dr. J0.I0 Paulo Monleiro de An-
drade, 1 irnila e I criado. AITuiiso de Albuquerqu*
Mello, Francisco Lopes do Fana, Manuel Doiniu-
gae da Silva, Joaqun) de Suuza Fereir, Felippe
de Cunta Luna, Fumino Ptreira de Moura,
Seguem para o noile :
2 lenle de arlilhana Mano.I Vieira Cavalean-
li, cinirui.io-nior .Ion. Msnoel de Oliveira, alfares
Anl..un Jos de Oliveira Sampain, Malhieu Huberl,
2.' cadete Jlo Antonin Fernaiides, alleies Joao
Pinto llomem, E'eulerio Delgado de Menezes Has-
tos, Dr. Antonio de Serqoelra Lima e soa familia,
Dr. Joaquim Pedro da Cesta Lobo e 2 esciavot, va-
rias piaras e ex-pieras do exarcilo e inaiinha.
Seguem desla proviotia :
Izidou Bonler, Dr. Pierr Berlliot, Jos Bolri-
gaes Freir, Jos Paulino lloontiwlhlz, Antonio Jo-
Alves de Araojo, Jote Francisco dus Sanios,
Francisco l'erreira Pimeulel, Jos Loiz Pereira Li-
ma, sua mullier, 1 caubads e 1 criado, AiiIjiiio Bas-
tos Piulo, Carlos Filippe Itooque, desertor Antonio
Jos da Coila.
O vapor nacional .(Cruzeiro do Sul.n virido dos
porlos dn norte trouxe a seu bordo os seguinles pas-
tagalro* :
Liurinlo Jos Alves de Oliveira, Anlooi i Perei-
ra da lirada e I escrava, Loiz Cesarlo .t Reg e seu
sohrinbn, llanotl Basto de A. Lima, Francisco Jo-
s da Costa Barros, Franrnco A'duinn, Jo llczenie, Antonio Vicente da Magalhias Pililo, Her-
menegildo Poge de Figmiredo, Jalo llaplista Sos-
rei Cuimarea, liento Jos la Cosa, Jos de A/eve-
do e Silva, Jos de Azeveln Mam, Jos Joaqora da
Silva Brai:a. Jo Antonia Pereira Vinaare, Anile
Moraira nt Silva, Jos Fereira da Silva. Cunlido
Fraucuco Xavier Maia, Jota Antonio Fernandos, 1
soldado desertor de nome Jo.lo Raymando. | crimi-
noso, 2 preces de pulicia que o escolta e 3 escravos
a eutresar.
Seguem paia o sal :
Tenenle Jo=e Kiheuo da Am.ir.il, eom o preso en-
genhe ro S. L. Iloasquete e -ni mullier, Anlouio
Constantino do Valle e I escrava, Man Jos do
Valle. Gamillo Jm do Valle, Luis Olivier, Frede-
rieo llermeln Pereira Luna, Tbomaz Aocorlo Pe-
reira, Kaymondo Jos de Almeida Cusseiro, Napo-
le3o Jausen, Mellar, Francisco de Oliveira Santos,
Anlouio Jos de B ceiicellos o I escravo, padre Antonio Mello llunil
Maia e 1 escravo, |. cadete liento Lint da Gama, !t
tiraras do exercilo, 2 ditas de niarinha a ln escravos
a eulregar.
O vapor nacional rtCruzeiro do Sul, sabi lo pa-
ra os porlos do sul Itvou a seu bordo os seguiules
passageiros :
D. \ nnnii.-iada Thereza de Jess e 1 filho menor,
Jeinnymo Jos da Fonseca. Manuel Sebaitiio da
Rocha I .i iis, Jos Joaqoim Gnme de Abreu, tua se-
nliora, sua sogra a 1 e-crava, Ignacio Anlouio de
Faria. Manoel Cavalcanli da Alhuquerqae e I cria-
do, Manuel Ferreira do Santos Porlucal, Anetheny
Tliacher, Lonrola B. Slrond, Augusto (jomes da
Silva, Kaphael Fernandes Porto e 1 menino, :l ei-
soldados do 9.' batalbl de infamara, Fortnala
Jos Vctor, Amonio Dias Ferreira, Joao Francisco
da Rucha, Jn,1o Augusto de Vasconcello l.eitao, Gre-
gorio Aulunes de Oliveira e 1 escravo, Julo dos
Sanias Pereira, Madame Devnax, Cario* Augusto de
> .u/i. sua cunta 11 e 1 criado, Rom.lo dt Araojo,
Jo.lo Fr.iurisrn do Nascimenlo, Miguel da Silva
Dias, Sebasliao Jos de Faria e sua mana, Laurindo
Jos Alves de Oliveira, capitn Leopoldo Aogu'lo
Ferreira, Manoel Jos Espinla, Antonio Teixaira
Lisboa e sos mullier, Germano Francisco de Olivei-
ra, I filho e 2 etoavua,
M
Manuela Caelana Lucci e 2
.Ao Tenorio de Albuquer-
pessaec. >
Vicente Ferreira dome-, j
1 eicrava a entregar.
O palacl --"..lelro oCatadc.o vindo de Ma-
cera Iroove a -a-sasairos -
""nardo d ,
meldn,
O palar
de Janeiro Irunie .1 eou b-,
geiroa :
Jlo da 1
or e I escravo'e Joie i ianv.tsw _.
Hospital de caridade (j de julho.)
Existiam 27 bomens e 2") mulberes tratados pela
caridade, s homens e 18 mulheres que pauam a ca-
sa, e8 pravas do corpo de polica. lolal Sfi.
./(" (iiiciJi/i l.i.
CMARA .MUNICIPAL DO RECIFE.
Termo de exarae fcito na casa de sobrado de um an-
dar n. 27, sita na na da Praia, e n.ue faz frente
psra a travesea do Carioca, perlencenle a Guilher-
ne Aocusto Rodrigues Salle.
Aos 2S .le j un lio de 1858, uesla freguezio da Sanio
Antonio do lermo da cidade do Becife, sendo na tra-
vessa do Caneca, aonde foi vindo o fiscal da mesnia
fregaezia Manoel Joaquim da Silva Bibeiro, acom-
paiibado dus peritos Jola dos Sanios Ferreira lluros
e Manoel do Carino Ribsiro, aquelle raestie carpina,
e este pedreiro, e das teslemuiibas Manoel Martina
F'iusa e Francisco Lucio Coelho, estando lamliem
prsenle o proprielario Guilherme Augusto Kodn-
goes Selle, Indos aballo latlgoadot, comigo ama-
nuense da cmara, qoe sirvo de etirivao das func-
rts a' cargo do mesrao fiscal, p proceder a exarae na casa de sobrado de um andar
a. 27, sita na referida ra da Praia, e que faz frente
pare a Iravaasa do Carioca, da qual he propiielano
o mencionado Guilherme Aucuslo Rodrigues Selle,
a sendo ahi, declarou o dito fiscal, que em virtude
da parle official que recebeu do subdelegado desla
freguezia, couvinba que se proeedesse a um minu-
cioso cxaine na coberla do indicado predio ; e de-
pois de feilas pelus ditos peiitos cima declarados as
diligencias em taes casos praticaveit de confornnda-
da com o arl. 1 do til. 8 das posturas municipaet
de :!() de junho de ISl'J, declararan) os mesinos pe-
ritos : que dous laroz da coberla dsviam ser subs-
tituidos por outros, visto acharem-se um partido e
nutro lascado, bem como algumas iravelas do res-
pectivo Ierro ; que poilo esta ruina da cubera nao
amearasse perigo eminente, todava podia esle appa-
recer no cato de demora dos reparos indicados, para
oomer;o doi quaes marravarn o prazo de 40 dios;
sendo da opinido os mesmos peritos que era conve-
niente evnar em dito predio reuniOaa para dansa oo
oulras [uiiccei que exijan) raaior movimeuto dos
corpos. E nada mais leudo oa diloa perilos a declarar
relativo ao presante exaine, le uve o fiscal o mesmo
por lindo. Do qae para cumiar manduo o dito fiscal
la>iar este lermo, em que assignou com os perlina,
tesiemuuhas e o referido proprietano Guilherme Au-
gusta Rodrigues Selle. E eu, Hyppolilo Cutiano de
Vasconcellos Albuquerque Maranhau, amanuense da
camaia que sirvo de escrita,), o escrevi.O fiscal,
Manoel Joaquim da Silva Bibeiro.Jo3o dos Santos
Ferreira Ranos.Manoel do Catino Ribeira,Gui-
lherme Augusto Bodrigues Selle. Francisco Lucio
Coelho.Mnoel Mariins Fiase.
Cuuforme.O secretario, Manoel Ferreira Accioli.
THESOLBABIA PROVINCIAL.
Demonstradlo do saldo existente na caixa de depsi-
tos, em 31 de maio de 1838.
Saldo em 31 de maio p.
pastado......508-981- 336
Beceila de 1 a 30 do cor. blrOOl'
atrancando a data desta a 3 do correte, e a daqui lia
a 15 de junho p. p.; e como adiaulem algumas noti-
cia! mais ;is que ja' demos, vamos extracla-laa para
Ciencia do publico.
A provincia du Paran', remo daiemos, ia prn-
gredindo em sm desenvolviinenln moral e material
de modo vanlajoao para a sol fulora elcvaclo.
No da ^i do pretrita niri de maio, pela niadra-
gada, eahio sobra Para nagas' u:^a Irovoada raedo-
nha qoe doroa cerca de daos horas; os estampidos
n3o sendo mu feries, prolunnavara se e eram prece-
didos cora ludo de incaatanloi relmpagos, de ma-
neira que toda a almeephera pareca arder inundada
na luz vivissima da eleclriridadc. N3o consta que
se dessein siiuitroi originados dessa furia dus ele-
mentos1.
A conejean qne abrir o juiz dt direito, encer-
rou-sa no da 27 de maio com mais de mil provi-
mentos laucados.
Na referida cidade de Paranai-ua' taperava-se ama
corapanhia dramtica, procedente da capital, com
neiedade, tendo el. levado a' scena no domingo
do Espirito Sanio o aMonge da Serra d'Ossao ; e en-
saiavam para o da 7 de selembro o drama oliabelo
ou a otlrpliaa paranaenseo.
A provincia das Alagase nao aprsenla anonnali-
dade algoma em suas foiures vitaes, que s v3o
lesenvolvendii sollrivelmenle", qoer pelo lado admi-
nistrativo, qoer pelo material. Cuidam era levar a
efleilo alguna inellioraiutntoa de reconhecida atli-
dade.
A epidemia reinante em S. Miejoel dos Campoi e
em Aslala declina iensivelmeule d soa inlenii-
dade. havendo ja' regrasaado daala o l>r. Espiudola
por haver repulido finda sua mis-o.
O baile ufferecdo ao F:irt. Sr. nreaidante lera
lugar no dia 18 du Crrente, Ittl palirete da as.em-
bira : os flfierenles sao os emprafiadoi provinciaes.
F'oi nomeado lente de geomeiria de Ivced o ba-
chnrel am malheinslicas Bernardo Pereira do Carmo
Jnior, e eila' anda' por ser prorida a cadeira de
francez.
Esperava-se a prjblleaclle da organiiac,ao do corpo
de polica, assim como nutren) appreheniOes diver-
aas acerca de qua batallan tinha de Ir ealacionar
alli, desejando todos, segundo o correspondente, qae
leja o stimo.
Os das de Sanio Anlonlo, S. Joao e S. Pedro fo-
ram mu festejados na capital.
O commercio vai caminhan lo iluhn, e como que
ar-ommellilo de terror pnico. As ultimas uoljcjis
chegadas dn Ro vierain dissipar as esperanra dos
compradores de assuear, eiredeudo m duzenlo
conloa de ris o prrjutzo mllante da dillerenra dus
preces.
O mercado acha-sa bem prvido, e se snecedeo
por alcuns dias dar-ie alia no rusto da carne dn lar-
que, lu isla devdo a' cirriiroslancia de so baver
desse limero n'uma casa ; rircumslancia qoe desap-
pareceu com a chegada de urna porreo della proce-
dente da Babia.
((mtitittttctt&fl.
RELIGIAO'.
A protaiiaro do templo santo.
rmplum dnmini saitctum
ett, Dei struciura est, Dei
tedifcatio est.
De Eccl.
A irreverencia, a falla de respeilo, a profanadlo da
casa de Dees, do templo Sagrado, he um dos Crimea
os mais alrozes, que o clinsl.lu pule perpetrar am
sua vida.
O litro sagrado, n reperlorio das verdade eternas
nos mostra em muitas de suas paginas, quanlo Irri-
tara a bonda le de Dos, os actos ignobes, as accei
vergonbosas, qae st pralicam no recinto do sanclua-
rio, e quanlo em auinma e fesla giandemenle.
Ai meimas pagiuai sagradas no< mo callearlo de llagallos e castigos com qoe Dos, desro-
miinalinenle'ollenddn em sua eaaa, puma em outros
lempos, tantos ollrages e vilipeodios.
Os povos os mais barbaros e geuhoi, errando no
.....lo do verdadeiro Dos, adorando dvin-
.....paxoes, todava, ferldos
~"rdaram na exis-
r-nina-
I
.
noile.
a sublime, ,.,.
reverennar. r
luminarias (osallare ja se lem ousadamenle aceu- ; o mais li as providencias i|UC polem ga-
''l,'''"ro,"s; ranlir o futuro ili) urna somma censiderav '
No mesmo santuario, na mesma occasiao da cele- ,_ __;, -">"> = i-invi
lirado doa actos div.nos, appareoem couversace. 9ue| tem ( onsum do. na colonia llacoatlar.
perniciosas, vidas lorpes, censuras iinprudeules, en-, Ju"10 1l"'"'1 "Ha, a (.ompaiiliia de Nave- '
ticni e-raudalosas, dislrares do espinlo, em sarama,' gaCao e Coinmerclo do Amozonas. Crr-aila
um susurro perlurbader 'infelizmrnle se lem oliser- [ aquella villa pelo governador do Itio-Nngro
vado qua-i lempre nos acloi religioso dos noosoa Joaquim de Moli <: Povoas no anno de 1731)
na presente semana, e toma dinheiro a ju.
ros pelu premio e prazo que se convenci-
nar.
ALFANDEGA.
Itin.lmenlo do lia 1 a 3 .
dem do dii j a
templos ; ale mesmo qaando 0 Dios sacramentado
esla' no Ihrono exposto a doraran doa fiis I !
N3o devenios todava occullar a verdade e preco-
nisar o procedimeuto assas iuvejavel com que mal-
tas almas pias, nimios mancebus devotos ie dirigen)
e se conservara na casa de orara.., durante a cele-
bradlo de seus actos ; estes leein bem corapreheu-
dido e observara o preceilu do aposluio S. Paulo,
quando se diriga ao seu discpulo Theinuteo, biipo
de |-.!tso. exprassamente receiiimeudava qusru
que os homens orera em lodo o lugar, levantando
suas raaos paras, sera ira. sem conlenda ou discussao
de algum objecti. n Vol trgo vitos orare in nmui
lueo, levantes puras inanes siueira, el disceplalione.
S. Paulo ad Thiraulh. cap. 2' v. S.u
III
Olha.se com profundo respailo o palacio, o alcafar
ilos ceii ; musir st toda a decencia, cumparece-so
com liumilliaran uos Iribuntes, onde os inimilro
ditlnbuem ju-i'ra ; e o templo de Dees he o objecto
de insultos, de abomiuaroes, de aclus os mail cri-
minoso! I
i.i lem oasaria entrar na anle-camara dos grandes,
para Cun i-Ios de baldes, e licasse impone (Jaal
o insensato que diaula da milicia ou dus servos do
soberano, lena o ai rojo de censura lo, derramar in-
lurius, vomitar blaiplumiai contra sua peisoa sa-
grad t
Wao era' erro dizer-se qae o homem qae pisa a
le divina, qne posterga a moral, afronta a colera de
Daos, consagra mail respeilo, o mita teme o sobera-
no da ierra do que o soberana dos orbei t 1
EfTedisamente, he sobremaneira admiravel o
comportan,ruto descomedido e indiscreto qae st a-
presrnta na casa do Senbor, comparalivameule as
maneiras Iban s e graciosas porqoe se conduz o ho-
mem na raa de um grande da ierra.
A urbanidade, acalamenlo, ingennidade e respei-
lo, ale liumilharlo prefinida, ah se manifesla, fiual-
raente a etiqueta nessa occasao tora a sua meta.
Aquelle homem, qe no atrio do sanclaano ac-
luos.-imeiile ronsersa-se eoliert, incensando eom lo-
mo os que entram e lahem do lunar santo, nao obs-
lanle elle vendo que em lausperenne se acha o corpo
sacrameulado de Jess Chiltto apenas se dirige i
casa de am personagem, oolro ja he osea porte, saas
maiieirai se elevara ao cume da corlezia. Com pa-
ciencia e delicadeza bale a porta ; se Iraz o ch ruto
qoe o deleita, deila-o louo fora ; apenas avisla esae
homem merecedor de homenageiu, o chapeo da
me-ina forma be lirado c.m precipitsr.lo ; rasgos de
civilidade, delicadeza as palavrai, aerlodade no
gesto, respeilo profundo acora, anha a toda a conver-
saran, e as vezes chegam a lal ponto as zumbaias, as
li.tj ,lae.'ies, que taniam-se insulsas e fastidiosas ao
mesmo que as recebe ; entretanto que esle raesmn
homem despido de cortezanis, delicadeza e resptlo,
enramiiiba-se com a maior in lifferenra ao templo
sanio, para talvez insultar ao Eterno, zumbar do
seo cullo, visto como mais consideradlo julga devtr
preslar a om personasem da Ierra, do que aquelle
que Ihe deu a existencia
O humen) profanando os templos do Senhor, ultra-
jando o sancluario, ostentando soaa abomiuaroes
dianle dos mesmos aliaras, em qoe se offerece a vic-
lima da expiado geral ; o homem levanta ccnlra o
Eterno o estandarte da revolta ; abjora solemnenieo-
le a reliaiao, e renuncia publicamente as gracia
misericordia e a bonda te de eeu Dos: diz um sa-
bio orador dos nossos dias.
A esles homeos he bem cabivel o bello penaamen
lo do doula padre Antonio Vieira calholicos do
credo e hereges dos mandameutos.
(Continua )
Padre Uno do Monte Camello Luna.
Becife, 20 da abril de 1838.
PAItA S. M. O IMPKIt ADOR. PABA S. S. E. E.
OS SUS. AJUDANTB-GBRERAL E MINISTRO
DA Gl'ERKA.
.Na miiiha provincia, mesmo na capital, exilie a
principal fortaleza, que he a do Baluarte.
Sempre foi commandada por majorca e capitaes, e
boje esla' interinamente, confiada a um tal Miguel
Gomes de Azevedo, que he alteres reformado, a des-
-->io de ler sido nomeado para este encargo o capi-
'-* Ferreiri, de Souza Jacaranda', militar
'-----donarlo publico moilo hen-
.- "ue ale
.
'
contou, em 1778, 1200 fogos, formando urna
vistosa o ampia praca da l'eicio de um para-
leloeratno ; porcm, depois dos luctuosos dias.
de 1833 ella, niio s perdeu to la a sua po
pulaclo, como a cathegorla de villa quo ro
zava : luctando com os p'ejuizos da sedic-
(So marchou pari-passu al 185, anuo em
que juntn a ella assenlou a compauhia a
colonia Itacoalira, que hoje possue duas
machiuas a vapor, e urna ola ia ; dala dessa
poca o restabelecimento da villa do Serpa,
quo rehabilitoa-so eom sua antiga cathego-
tia no anno de 1857, cahindo asanctjSoda
lei ao re.neroso presidente o Sr Dr. Fur alo,
quesubstituio o Sr. Ainaral de saudosa re
cordaQo. Ate hoje a companhia observa o
resultado de suas despezas na colonia Ita-
coalira pa'a conhecer se deve ou nSo, con-
tinuar semelhanle empreza segundo a opi-
ni3o do patriota, que iigura de cliefe dess
corportQo social.
O estado, porem, em que continua a colo-
nia itacoalira, nos convence de que a com-
panhia ter necessidade de dar fim a esse es-
tabelecimento, por quanto nSo pode conti-
nuar a SUSteota-lo com prejuizo de seus in-
leresses ; e acabado que elle seja oca bou
comsigo a villa de Serpa, os seus inleresses
reaes, ea sua vital socieladn: he, pois,
concludente que aquelle que ama o progres-
so da sua nai.no deve influir o seu dbil
contingente para esclarecer a queslfio, pro-
nunciando francamente a sua opinio para
servir do ponto prat ico no futuro da colonia
A nosso ver tem sido infeliz o estabeleci-
mento na promulgaQto dos meios que o po-
iem elevar, e demais cercado de nina por-
cSn de empregados que se podeiia dis ensar,
triedianle o zelo de um s homem que devia
como he possivel, curar dos interesses d> co-
lonia, n3o tanto pela theoria dos factos mas
pela ratina e seu desenvolvitncnto, que be
a consequencia do direilo e seus inleresses
Fazem o pessoal administrativo da colonia
os Srs. Uecker, director-Thompsom, en-
genheiroJohn, engenheiro Wiliam, en-
genheiroEduardo, ajotante d engenhei-
i"ps--Sanlago, ajudanle de engenheiro
Frica, mandador ein chefe,Nazareth, escri-
viiti--Bloem, fornecedor dos pretose Fre-
derico Becker, Tomecedordos empregados :
ao lodo 11 empregados mandadores. Este
numero de empregados que de si sos perce-
bem um algarismo superior ao produelo de
um estabelecimento que cerra 4 toros de c."-
drona machina grzn'e, islo quando se d
o da della trabaltiar 20 duzias de ripas na
pequea e. 2 fornadas por ruez, naturalmen-
te d em resulta lo um dficit contra o esta-
belecimento e um manejo de mamatas a al-
gum aventureiro que edifica predios com ga-
nhos de jogos etc., etc. No numero dos le-
Itzes entram os Srs. Franca & Irmao que s3o
protegidos pelo Sr. Bloem as suas exagera-
das compras, o pelo Sr. Frederico que hj
eberimbabo desses dous irmiios
Aquelles filhos do paiz que no empenhi
de melhorar a fortuna de Serpa, e os inters
ses da empreza, promovem no centro Ja po
pulacao, com suas influencias, o amo- ai
trabalho para que concorram com madeiras
lenhas e o mais, esses sSo esquecidos de al
cun beneficio, e assim limitad) a urna si
firma o producto do bom nao se generalisv
aos naturaes do lugar, ou do paiz, e fora da,
vistas geraes de urna constituirlo generosi
e liberal como a nossa, s cabe ao Brasil )
garante e augmento das subvenQoes e aos
seos naturaes o garante, e augmento do e-
r diis, de*-a
-da MU-
34^0551701
18:293#678
52;349379
Descarregam hoja ti de julho.
Barca insieraLindaferro e carvao.
Barca luglezaElisabacalho.
Ilarca maleraChasedem.
Brigae inglezArensmeresdorias.
Barca prus;iaoal.izetlefariuha e aro.
Barca portuaaeza lageira diversos gneros.
Bngoc harahurguezElisatietlimorca 1 -. r i as.
Brgue americanoOrellalahoado.
Irigue porloguezDespique de Beiriz divenos
gneros.
Irigue porlagaezConstanteidem.
MOVIMENVU DA ALFANDEGA.
olames entrados tom fazemla..... 80
. coio generot 671
Total
i
a domas tahldot eom fazandas .
e a eom geoerot
- Total
CONSULADO GERAL
Klidimanlo do dia 1 a 3 .
lo, m do dig j.......
751
78
l-'l
109
2:178*523
2;OI8s837
4:l97;:if.
UIVERSAS I'ROVIIICIAS.
Kei diinento do da I a 3 .
U. u do da ".......
301*891
OjO
4019848
OE'ACI OS DE BX.POKTACAO PELA MESA
U(> 1.1 ASILADO DESTA CIDADE NO DI A
3 DE JULHO O 1858.
Cinal,arc belga Laureon, Patn Naih C,
2 ,p itecoa assuear.
Lisbo ~ Br'a portugaez ePeniasolart, Novata
- (... i\ cascos ml.
EXPORTACA'O.
II,, le .lanen-.i, origoa neeiooal aSagitarios, de
6(> i."'dai, eondozio o segainle : 10 valames
genero diversos, 1,021 saceos, 420 barricat, 6 fexes
e 1 ca;a assuear, 65 aaccas algodn, 70 csacos agur-
denle >>* meios de tola, 1 callSo apaadores.
i; -i l'raia, briguo diutmarquez ollultleln,
de |>i toneladas, cooiozio o tegoinle : 1,630
barreas assuear.
libra'ar, brigue francaz Dordognb, de 273
tontada, coaduno e siguile :3,600 saceos com
18,li)U a'obas de asucar.
lio Gr>nde do Sul, brigae nacional Parahibi-
noi, de J7 loucia las. ron lu/.iu o seguate !1,275
bancas eWMar, 3 barril .pinto.
Jarceh'a, polaca bei.panliola Riymunda, de
27 looeldas, cuiidazio y seguate : 620 laceas
agodao. m
lECEBtDORTV>E RANDAS INTERNAS E-
KAES % PEfRaAMBUCO.
tendimenlo dodial aV. 3:14*8*M3
dem do dit 5....... 932JS3
4:0815702
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 11 '3
dem do dia 5
0:715391',
4:4799956,
14:22rj870
PALTA
dos precot correntes Oo assuear, algodiio, mait
gneros e producis nacionaes que te despa-
chan! na mesa di consulado de Pernambuco
na semana de 5|a II) de julho IS58.
Despcza idein.
509:0i">>136
54:8100104
154:3359232
Saldo .
Caixa especial do calrameulo das rnai desla cidade.
Saldo em 31 de malo p.
passado......5:327,!K)(i
Receila de 1 a 30 do cor. 4:6769675
Dispeza.idem.
Saldo
'.I-.'IO-'.M
C11M09000
1:9049581
Caita especial de araorlisarao do capital e juros das
apolices que forera eiuillidas.
Saldo em 31 de maio p.
passado...... 1699236
Beceila de 1 a 30 do cor.
Despeza idem ....
Saldo, .
Caia especial dis lolerias.
Saldo em 31 de maio p.
passado......17:9999219
Beceila de 1 a :I0 do cor. ;; ,-.1 m
I69f236
5
1699236
ra tinha etc.;
cia, no Egyplo. leve
Este povo alienado toa crenc.a, queimava ,,..
so, sacnlieava victimas, olerecia sacrificios qoelte,
que era imlepen lenle, e de quera ludo depeodia,
que ludo regia, mas que nao era regido, e em summa
possui lo da maior submissao, e profundo acala-
meuto, Iribulava respeilosss faslllngeot cs raagestoso, que elle dascuuhtcia, mas que adorava
ein seus sunolacros.
Suas lela, suas decrelaes puniam rigorosamente os
que lofriugiam oa prectlos, os qoe prefauavam os
templos, onde os sefli dolos recebiam a adoraran ;
sendo que dianle de ama dmndade de angut de um
Dos, mi incestuoso, oa embriagado, ib ha-so o or-
gulhu a pompa do plulosui.lio, curvava-ae o joelho do
grande, huinilhava-ae o personagem.
Se um povo, porm, anda o maia brbaro e gros-
seiro, que nao moheca o verdadeiro Dexs, adoran-
do-o nessas divnidades, nesses dolos de saas paxoes;
st nesses lempos de increilulidade e de erros, o gen-
to carnal e idolatra, reipeilava gran lemenle os seas
templos, como am monumento o mais sagrado de sua
ralifli... qual nao deve ttr o respeilo eligido de nro
chrisi.io, quando se apreienla na casa do Deas vir-
dadeiro, no sancluario do lieos vivo ?
Que decencia, que acalamiolr. profundo n.lo deve
tributar ao templo sanio, um povo daescolha do ver-
dadeiro lieos,n.isn lo no gremio de soa igreja, no cen-
tro de sua religiao, embalado ao som de sus dou-
tiina '.'
Jacob, adormecido as campias da Mesopolamia,
vendo a escoda sublime, que da trra tocava ao crio'
onde o Dos daa revelarles descaoeava, e por onde
s enviados rnifluos subiam e deaeiara, apenas dis-
pertado da lelhargia conheceo a celcilode do lugar
que babilava ; um medo arnmpanhou o susto, e o
susto derramou-ae por seu coraran ; era o santo te-
mor, que se apoderava de sua alma, e elle anda bal
brlenle, trmulo, espavorido, exclama : Aqoi
verdadeirameule uta' o Dtoi de meus paia, e eu o
ianorava. o Ver Dominas esl inlocn islo, el eco
nescieham.M Que icrrvel me nao deve ser esle lu-
gar pela sanliiiade qae u oceupa. Qoam lerribilii
esl, locus isle I
Esle mesmo lugar, qne o Dos de meua pas en-
ebeu de sua gloria, sanlificou eom sua presenta, sem
du vi iia be o Iheatro de seos prodigios, de mas mara-
\ iilias, e lem siaim formado a sua morada, e oa ecos
a sua pulla, a Non eil hic aliced, uisi duraus Dei,
ti porta cielu.
Eis por lano n palriarrha de Bethel, ronhecendo
o respeilo, a venerarlo e o acalamenlo, que devia ser
consagrado ao lugar em que Dos se dignara mani-
festar u'uina sublime Tritio.
II
Entretanto, que distancia
templos, aquella, qut lauto
tanto o atemorisoo '.'
Analysemus.
Nesie lugar maceslnsn, t ao mesmo lempo assn'la-
dor, em figura ae dihlava a escada di Ierra ao eco ;
nos templos sanios nao be ja am figura, mas em re-
irla !. nao he a escala, porm .lesus Lbristo. o ca-
nal entre o eco e a Ierra, a victima pnlre o Filho e o
Pai, o mediador entre Deoe e os homens.
Alli era am lunar vasio de pompa, de grande,
e su o inaenificava a grandeza de um Dos oceullo ;
nos templos sagrado, alem de respirar DtagDifieon-
cia.ja' pela pompa das ceremonias, e j;i pela rique-
za dos ornamentos, om Dos se enlloca sobre os nos-
ios aliares, e ao me 11 lempo que est no centro de
sua gloria, Dos no co viclima na Ierra, balotando
entra os Anjos, e assentado entre os homeos ; um
Dos que manda A direita de seu Pai. e obedece nai
maoi do sacerdote, sacerdote e victima, victima o
arlar, aliar e ludo junio ; um Dees que nai especies
Sacramentad 01 nossos sentidos adoram aquello que
11A0 vemos, e a nossa f descobre o que adoramos.
Prodigio mais sublime Misterio maia prnfondo !
Se potm nos templos sagrados onde recebemos o
sello nolloscavel da regenerarlo, exisle um Dos,
que por nina admiravel e inesrruiavel transubslau-
ciac^n exilie em todas as hostias, em todas as parli-
infinita vai dos nossos
admirou a Jacob, que
misericordia "*aar-Ae^i-^
O Eim. Sr. Dr. M'gMriTfty^-fail".e'_. .I"1* nto
presidia sabiamente os destinos dessa iiiiulnfloi Ja Ml
dou reprehender severamente ao alferes Mlgoi
Azevedo, e mandou in couliiieoti proceder a cunse-
llin do invesligai;ao, lalvez por consderates raal-
enlenddas de espirito de classe.
I'ensam certoi militares, qut o espirito dt classe
contiste em apoiar-se e approvar-se todo quanlo de
arbitrario, de injusto, e ate de ladroeiras faztm 01
oulros.
Ouanto se engaa quem aisim cuida.
Com ludo uo Bio approvuu le o conselho, porcm
foi adverlido de que nao devia o tal coramandanle
Continuar a fazer laes castigos arbtranos, contra as
leis vigentes e regulamenlos al de prisea.
De a.nenas em asneiras foi seu caininho, al que
ltimamente rabio em urna erande eomo it pnder.1
evidenciar desle Hi o do Exm. Sr. presidente do
Maranho o Dr. .1 .1.1 Pedro Das Vieira ao assialenle
do ajudanle-general, estampado no n. 113 do Pu-
blicador Maianheuse), de 20 de maio do crrente.
Lede.
Verilirando-se das averiguac,oes, a qae se proceden
pela polica, que a morte dn loteado a gales Flix da
'avo foi casual c proveniente de asphixia por sub
mersao por ler cabido no mar, aehando-ie embar-
cado tra om escaler da fortaleza de S. l.uiz nunica-
irient.'i) com o sen compaubeiro Leocadio Pereira da
Costa, islo aa 8 horas da noile : compre que Vmc.
esirauhe o procedimenlo do c. mmandanle da mesma
fortaleza em fazer della sabir sentenciados depon do
ol poslo, o que Ihe nao be licu. E porque a esta
falla o.iuiila accresce outra mais augravanteo, como
e evidencia do auto junio, qual a de lerem ido em
iervic,o do mesmo coinmandante os diloi sentencia-
dos o-em que foiiemn acompanhados de escolla, de-
termino a Vmc, qoe lasa proceder conlra elle ao
competente couselho de investigarlo, o
A' vista de todas eslai provas, que claramente ie
cnllieem da leilara deste ollicio, sera' abiolvido o lal
rmi.n.anl,inlo '!
Se assim for, sera' mais um escndalo au lito,
porque sera' eutao calcado arbitrariamente aus pes
o artigo 2:1 dos de goerra, que assim resa :
Arl. 23. Todo soldado, que oceultar um crimin-
lo, ou buscar meios para escapar aquelle, que eili-
ver preso como lal, ou o deixar fugir ; ou sendo en-
carregado de o guardar, nao poter todas as precao-
ces para esle elTeilo, sera' posto no lugar do crimi-
noso.
Ningiiem podara' negar, qae o infeliz Flix da
l'aiv.i.) nao estivesse uenrarregaloi) an dito Miguel,
qne o devia guardar com todas as precauee.", o
que nao fez, porque ale deixou-o sabir depois do sol
posto, como dsse o presidente, o qoe nao Ihe he
licito.
Tambem esta'claro, qae se F'elt da Paixdo esli-
vesie na lm lale/.a rerolhido, nao lena morrillo ai-
phixiado por sobmersan.
Alem de tillo, accresce a falla maia att'jravanle,
como diz o Dr. Das Vieira. lie ter sahidn esse for-
rado da forlaleza cora conientimculn do coinraandan-
le. c em seu servido parlcnlar, fnra de horas.
lalvez por alguma economa inesqoinha, do cur-
ral de pene do lloinfim, ou de algara lerviciulio, se
pordetM una vida.
Feliz uniao 1
O que de cerlo In uve nao o sei, o por iiso 11.10 fa-
ro arcusarnes, e nein allosei se quer.
I'ergunlo so
1. Sera' absolvido tal eommandanle '
2. Sera' conservado no eommando ?
Becifejuuho1858.
Assuear branco.
mascavado..........
refinado ........
Algodao em pluma ie 1.a surte
l) b 1 2.a o
U B O I 3.a o
era caroro.........
Aguas rdanlaalcwl, ou espirili
d'aguirdenle. ..
,'> cachara......
anu.......
aaa do reino..

caada
o
39290
5J0J
50120
5800
8341)1)
8HH10
-'121)0
ranmia
eavpregmio, .. se coll-
casse a sua frente um homem pratico o
iT^-^n^j^nsciencia de fazer prospe'r
seus actosecom trair.or de engrandecer
sua propiia patria ; livre e desas-somlir^-,
das garras da esp3Culai;3o mal eulendu,
que nSo pode ter outro desfecho que nao ^
ja a decadencia de Serpa e que lastimaos
nao ter chegado ao estudo do Sr director a
colonia, e ao conliecimento integro do mi
digno Sr. gerente da cimpa nina. O amor a
patria e o desrjo de emittiraios a nossa 0|-
niao no s-nti 1o do aproveitar alguma coua
na grandeza de Serpa, e do nome da como-
nhia que deve legar um monumento do j-
triotismo da nar;o que a sustenta, he o qe
nos induz a estas ri'llesoes. que esperaras
mereca a indulgencia do Exm. Sr. Mau.
O amante da pros;crila .
A QUEM TOC\.
Em dias da semana passada foram presi
na cadeia desta ciJade quatro niarinheirs
ingleses, que (nos consta) raparam fome)
compridos dias, n3o lendo durante a no;
por cama mais, que o pavimento nu e cr.
No terceiro dia Ibes foram ministradas pai
'lmenlo urnas bolachas podres, e por u
proso caridoso urnas cstirss para cama, j
dia 23 foi um aQVclado da febre amarell,
lo que est bein mal, se he queja nao mo
reu.
Udi desses presos obrigado da fome,tirt
das orelhas urnas argolha de ouro, que vei
deu por 500 res, para ter o alimento, qu
aliaes podora ser fornecido pelo cnsul d
respectiva nac"i >, que quando nao pordeve
ao menos por humauidade, n'n consenti't
quo assim padecossem os subditos da nac.;"i
que elle representa.
Se esses marinheiros em lugar de seren
recolbidos a cadeia, fossem noquartel de po
licia, talvez que uo cuinmimicaii 'n cou, Ipecacuauha.......
aquelle fuco de epidemia, podessetn evilar i I.enha de achas grndes .
molestia, senfio a morte. Para que servir t pequeas
consulado ?...
v0 Sol).
Arroz pilado. .....'......
ein casca ..."".....
Azeilc de mamona ." .' .' .' ." .' '
llu-iulu!,.... rf ...en- ,
n rt l"*......
Aves oraras sj t ..... .
o papagaios.......
Periquitos.............
Bolachas............,
lliscoilus............,
Cocui.............
Cachimbos......., ,
Caf bom............
>i em grao reslelho.....
s com casca.........
o moido............
Carne secca...........
Cera de carnauba en pao. .
a em velas.........
Charutos bons.........
11 ordinarioi......
regalu e primor .
Cocos seceos............
Couros de boi sal:ak>s.....
11 seceos ou tapizados. .
verdes. ........
s de mira........
11 cabra orlidot .
I n caroeio.......
Doce de calda.........
o i> goiaba........
seceo ..........
jalea .,......
Espanadoies granies......
pequiios.....
Esleirs de preperl......
Estopa nacional........
i) estrangeira, uo d'obn
Fariuha de ararut.......
b b manduca.....
b b iuillio.......,
Feij.io.............
Fumo em tolo bou .
o ordinario .......
o era folha lun.....
o a od in, ni ....
. b reslolb.....
(icngihre...........
ti., m 111,i............
000
070
"00
9800
?.S||||
5280
960
ajio
:!; urna
um
9

ranada
. botija
caada
garrafa
. arro"'1
. iiqueire 4oooo
. caada 1--'
. 2jtioo
> 2*200
losooo
3O0IH)
ijooo
jsoo
83000
S9300
mheiro 4s000
arroba 5o2O0
b 40000
)> 45OOO
* OjbOO
6000
KSO00
19)000
29000
me
2*500
39OOO
3210
S220
9130
159000
5100
S100
&500
0100
I30OO
3800
29500
131)00
300
131100
I3OOO
36000
.Alqiieire 9000
1 10>IKI
alqueire (3000
. cento
B

cenlo
. s
. a

. Um
B
O


a
B
. om
. B
. urna
. @
9
.
*
B
1)
n
alq. 2
. 13)
. ceulo
lili s
Prauclioes de aniaullo de 2 coad s ura
b louro ....... a
Oespeza idem
18:472i9
1:2185000
17:2369219
Saldo .
Caixa do exerciciu de |S">7 a 1-sjS.
Saldo em 31 de maio p.
passado.....369:3029524
Beceila de I a 30 do cor. 138:6459192
--------------------107:9979676
Deipeza idem 101:3123756
Saldo. .
Caixa especial das plices.
Sal.lo om :tl da uimo p.
passado......72:700-iliiO
Beceila de I .1 30 do cor. a
306 6819920
AMAZONAS 10 DE JUHHO I>E 1S">8.
O homem cujo espirito alumiado pela cul-
tura intelleclual lem a consciencia de que
o seu lugar e os seus destinos no mu 11 lo silo
mais elevados e nobres que os desses tan-
culas, em lodos ni frazmeulns para alimento espir- tos que nasceram para viver lima vida toda
lualdus homens, revelando desl'arte o requinte de ; material e externa, e depois morrerem sem
.euamor para cora ns mesmos homens como esles, ,jeixareiii vestigios: esse homem, odize-
sem trazerem 1 mascara da ingratiiao, uoderao del- -__________,. .
xsrde preslar-lhe asmis subidas ho nilh.Coe., TS **2?, mcr8n,C,,te "Cquiaiijao
mais profundo acalamenlo, as mais ingenuas e res- de um mel de fortuna, e nem lao poueo na
penosas homenageiu ? Como ie negaran a consa- poltica interna que Ihe da a vida, o nomo,
grar sinceros preilos, pia veneiaeo a um lugar, que e o estado social ; pensa sinceramente nos
he lao sanio, pela sanlidade qoe"n oceupa ".' meios praticos, cilla a experiencia dos tem-
eva a iluaclo, com
ili) augmento, que
perar do detaliio do progresso com
quo a politica dominante prepara os cofres
1 1.10 anu, pea saiiiinaue qoe o oceupa : meios orticos, une a e.\|
Assim em verdade o devera ser. mas a lempo- pos acouselbn, oque ele
1 o mores Em nossos dias, lie forja eonfessar. seu patriotismo, ao ponto
e qua'i gertlmenle olhado com ,nd,ITerei,r;a a' casa e ,,e espcrar J0 detalbe
Deapoia idem ....
Saldo. .
Caixa especial da eonstrattclu
Saldo em 'M de niaiu p.
pastado......1 i:0008000
Beceila de 1 a 110 do cor.
--------72:7009000
3
. 72:7005000
da ponte do Becife.
bem de-.-m.....ihar car^o de epatada: o espirito de Cr veudedore e compra lores.
partido felizmente n.lo me ce-i pan vr o mrito no paquete a vapor Pranla viudo dos porlos
contrario e os defeilns e falla do corielieioo.ino. tal, trono o seu bordo os legolnlet paitattirot'
Continuo o dr. AragSo t Helio em soa glortota ror-1 eapiUo do porto para e-ia provincia, o raiman re
chaqu recebera' ao bensjSot do ate e a ur lidio o I mar o goent Femando Vieira da Bocha, sua lemt-
(ecouhtciinento dos i'arahtbauos. Conclao esta dan- lia, 1 criado e 2 escravos, Siufroaio 01) rapio de Bri-
Despez] idem
S1U0
19:000)000
(.0003000
l:00Oj000
fiarte In t&rm \mtmto.
Depois que demos as nuliciai colhidts dosjoruacs
n
he
de ortflo, o logar que respira tinta inageslade, glo-
ria, aiiliilada, al ineaino lemor !
Compaiere-se minias vezes no templo sanio, n.lo
orondo n qoelto qu se Intenta, se intenta nao sp a-
dora, e e adoia qoati que be para o ultrajar Con-
curre e para 11111 culto as vezes por condesceiulen-
cii, oompareoo-to por ottontaefto, assisie-se por cu-
n. -1 me. aioelha-te por mil .r a outros, escandall-
la-se |k r mu'lti, e n.io se pr daa mais por mo-
detna I
E sora' crivel quo n homem qne fura regenerarlo
as aguas do bapllsmo, que tem o nome de ehtilllo,
mise (iralicar na casa de Utos aclos Ido execraveis,
acees anda mais torpea ?
O pai/. em quo elles nasceram be calhnlico, a re-
li .110 que o domina be ,1 leli&i.io 'la Cruz, porem se
araso entrarraos not notaos templos em dias .le loas
mu. -iinipluosas solemnidades, veremos a Dito ta-
do lalvez mais do que julgami s. .\, irreverencia!,
os ilesar.'-liw esredein as aerrtes honestas e proprias
do bom rhri-li.i e dignas do I ig.r em que esta' um
|i 1- le tremenda magosta le. As :ra 'es que divi-
den! um e outro p vintenio do lancloario, frei|uen-
I uiaiile ser\era como de varante onde te reeoslam
os espectadoras ; os nllares leem muilas vezes rr-
cebido ua po Ira d'ara chipos ; as alampadas e uas
_ ". Costado de amarellide35a40t de
Por parlara do 26 de junho fin lo nomeou c. e 2 ', a ; de I. !
o Kxm. Sr. presidente da provincia, su^i- de dito usiaes .* .".'.'.
penles do Subdelegado da freguezia dos .o-iadinho de dito.......
Afogados os Srs. Jos Thenorio de Mello Al- ioalho de dito.........
buqoeiiiue, Jos Tlnunaz Cavalcanli Pessoa, forra de dita..........
o francisco del'inlio Borges, e s3o taes os aislado de louro .......
prece lentes uestes tres DlOsSOS, que escusa- *|J*"f" dl1........
mos dizer algumas palvras respeilo a vida ^t ^ l-lto '"........
publica e particular de qualquer dellcs, pois B ce,|ro' *******
j.ue sao bem conhecidos do publico, e par- oroade lalajaea*
Ocularmente du seus comoarochianos : por- aras de pereira
lauto felicitadlos ao Kxm. Sr. presidente por
tao honrosa nomeacjio, e ao digno subdele-
gado que os propoz. Milito ganhariamos se
estas nomeac,oes sempre recabissem em ci- e""os "
dadnos co no os tres nomeados, especial- '^h'n' '.....
mente o Sr Thenorio, que sendo um moto
activo, intelligente e amestrodo em negocios
policiaes, uiuilos servidos podera prelar a
esta freguezia, que deposita tola a conrian- Piwava em bmHvo,
ca em sua aclividade <|uando livor de exer- Pulas de boi
cer o lugar de subdelegado.
I 111 Afogadense.
103000
69000
12->JiK)
KrtKX)
69000
2?000
1 4-3200
" 329000
23J00
l3.")
12-3000
303000
203000
aguiiUdat .
b b quiris.........
In obras rodas de sicupira para.
.111 lio
Mra de amolar
b liltrai .
rebolts
4"3000
205000
169000
123000
(3tK)0
I29OOO
I03O00
69000
9000
4-3000
19280
600
1-3020
132S0
30.3OOO
IO.3OI-HI
caada 9300
. quintal
duzia
par
.'* ;-'.,- :'
PBACA 1)0 BECIFE, "1 DE JII.IIO Dt 1838.
AS 3 IIOBAS DA TARDE.
Cotaroes olliciaes.
Cambio sobre Londres23 l|l )0 d|v.
Descont de lelras10 0|0ao anno.
i'red. Kobitliard, presidente,
i'. Borges, sccrelarlo.
Sallo
Sal* pan Iba .
Seb, em rama .
Solaou vaqueta .
lapnca .....
(ubis de boi .
\ maje.....
... alqueire 39300
... nina >l>O
b-3000
19600
9200
i-2'NI
-3120
aOOOO
03000
45Q0
'13200
W20
10*000
B
. om
cenlo
.
. @
. OJ
. meio
&
cenlo
Pipa
da nac9o.
De urna acr;So de generosa campanha em
qae esse homem apparece co n a espada do
triumDho, elle viN 11. norma .lo seus passos
um acto que desassombra o terror dos seus
compalriolas e sent no centro de seu peito
um regosijo que o induz a erer em si mesmo,
na torga moral da autondsde, na suprema-
ca do poder, e no valor dos outros homens
Se desl'arte na campanha da guerra resulta
a pericia militar, tambem d'arte do dipl-
mala no recinto do seu gabinete resulta a
voz da paz e da gloria, quanlo pela publi-
carlo dos seus fetos transcende a htbilidade
dn urna reuuio de i leas que c insegue o dc-
sileratum sem prejuizo ,ia dignidade das
partes lotigantes,
1 Iccupando-nos, agora, do um negocio leu-
dente a prosperidade da villa de Serpa, e
que pode influ.- pata a sua completa deca-
dencia, entendemos que n.lo gmente ma-j
infestamos a consciencia dos nossos actos, I
CAMBIOS
Sobre Londres, 24 :t| a 25 a Pars, 390 a 100 rs. por ir.
t Lisboa, 103 a 110 por cenlo de premio.
11 Km de Janeiro l|2 por 0,0 de rebate.
De* onle de latirs, 10 a 12 por ecnlo.
OUROOoesi Iiespallbolas. .
Ditas mexicanas......
I'ecat de G9100. .
Moodat de 9*000 .
Hilas de 209 .
l'UATA.Pataeoei brasileiros.
Ditnt Bolnmnarioa*
Dilu mexicano? .
3I9OOO
179200
9|.|00
20-3'i(K)
2-OM)
j-iisu
19600
309000
:j-i 00
189000
231 "0
23100
Vovo Banco de
Pernambuco.
EM5 DE JULHO DF.I8.18.
O Banco desenla a 10 por cenlo ao anno.
-
i
*ili*i0^mt5s> topfttf
Nmi entrado no u :',.
Para' e poitof intermedios 7 daa i horas, ripor
hrasdeiro Correio do Sul, re 100 loneadas,
c mmandanle o espita.) de mai enerra Ge vano
Mancebo, equiparen) 70.
>avio-entrados no da.
lii i de Janeiro e porlos inlermedi 7 dis e 11
botas, e do ultimo porto li lioraspaqnele a va-
por n Paran i'u, de .ii i tonelada", ominan ante o
primeiro lenle Jos Leopoldo i Noronla Tor-
rezno, eqiilpdaem 55.
Itio de Janeiro 15 (Has, brisue bisileiro l)e>|.i-
lue de Iteirir, de 237 toneladas, spi'.ao baslino
Joo de Csivalbo, equipacein 12, aica c', fari-
uha de Iriso e man geeeroi; a .Nvaes iV".. |'ei.
tense a Peraombaco.
Navios sabidos no rotsmedia.
Assii Escuna nacional Linda, 'apil.To ,in. I*.
Pinto, em ltiro,
Itio de Janeiro Patacho brasileiro lltberie ca-
pitn Joaquim Jos dos Keis, caru assuca e mais
UPiiero".
ParihibiSumaca hespanhola Volante capitao
Bosvtnlura Millet, em laitro.
Rio de Janeiro Barca aniericaia Sain'Jamesn,
capillo Samuel C. Craue, caga piro d quo
trouxe.
MI ITIl ADO
II Fr:i\/Pi


DARO DE PfcEllAMBCCO TERCA FEIRA < DK JULIIO DE 1S8
Po
S 3 <
2.
=3

2 -5.

.- 3
llorat.
* -
3 I
I I
Atmotphera.
P-r
DireccAn.
Inlensi-
dade.
+ -s-
g-
Fg&IC
Centgrado

IWiiunmr.
Falirenlieil
-8553.
3: =i "i -!5
llygrometro.
i B
Barmetro.
*i
*
e.2
P3
-.. H
w
? s
o
r*
c
o
o
>
V.
E par.
dos mal
cados |
desigu
Dad.
Perna '
Mara-
subsc
5 Si
O.K)
w o. 3
* ll
I
?3
llorat.
E
o
e
3
imo.pAra.
= =
Wirec{o.
---------5"
e s e 5
Intcns
dade.
-5
re
-- s-
.2 t
ri"
Cftliarido

;*=, iFahfenheil
lUaiuiur.
E
> Hyfrometro.
S B B *'
O
I
flarimelro.
I
O
50
<
>
2S;
o en
H
o =
i que chegue ao conhecimento de to-
) lei passar editaos que ser3o publi-
ela imprensa, e allxados nos lugares
;dos do cdigo eommercial.
e passado Desti cidaie do Uecife de
ll>uco 5 da julho de 1X58.Eu Manuel
lodrigues doNascimento, escrivo o
evi.
Anselmo Francisco Porctti.
\nseltPo Francisco l'eretil, commen-
>r da imperiol ordemda liosa, e jui2
nreito especial do conimercio, nestt
.de do Itecife de Pernambuco.
3 saber pelo presente, que no dia 9 de
andante, se ha de arren.atar >or ven-
luem maisder, na porta da loja n. I,
a Uireita a armaco e miudezas ni mes-
iisteute, as ques tendo sidu penho-
> a Maximino da Trindade Moura, por
ogao de Francisco Alves Peuho, foram
ialas na quantia de 4063720. e ora tom
eram arrematadas pelu prego da a judi-
o, que be o de 3255376.
para que a toaos o licitantes cliegue
no iciu. mandei passar o Jilaes, queseraoaf-
"s .dos nos lugares do costume, e publicados
' a imprensa.
Jado e passado nesta cidade ao !, de ju-
) de 1858. Eu Fjaucisco Ignacio de Tor-
JJaildeira, escrivo o liz escrever.
Anselmo Francisco Perelti.
ODr.
dad
dei
cid
Vt
julhr
da a
da n
in.i (
radf
exei
avi
de
cc
I
pe
fcf*Ii*K0**
Mt**
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
provincial, e Exm. Sr. presidente da provincia de 30 &i,
junho ultimo, manda fazer publico, quo iv>
dia 15 do crrente vai novamenlB prac
para ser arrematado a quem rnait der o pe -
dagio da barreira do Motocolotnb, servinlu
de base a arrematado o cfferecimento feita
pelo licitante Maximiano das dragas e sil a
da quantia de 1:5009 por anuo
A arrematacSo ser feita por tempo de, 3
annos, a contar do 1.* do corrente a 30 He
junho de 1861, Meando obrigado o arreba-
tante pela renda total do trienio, entrega q-
do-se-lhe o que ja houver cobrado a thesou-
raria, deduzdas as despezas bitas.
E para constar se mandou lillisar o fr-
senle e publicar pelo Diario
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 2 de julho de 1858.--0 seci :a-
rio, A. F. d'AniiunciaQHo.
O Hlm> Sr. inspector da tbesouiaria
provincial manda (azer publico, que do dia
2 do corrente por diante pagara-se os orde-
nados e mais despezas provinciaes, vencidas
at o ultimo de junho prximo lindo.
Secretaria da thesouraria provincia) de
Pernambuco I. ce julho de 1858.O secre-
tario,
A. F. da AnnuncilcHa.
O lllm. Sr. inspector da thesojrnria
provincial, em cumprimeimenlo di le, pro-
vincial n. 452, arts. 33 e 34, manda lazir pu-
blico, que do dia 1-2 do corrente, por ciaute,
pagam-se as apolices da 3 a e 4 sent.
E para constar se mandou alustro pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 1 do julho de 1858. secre-
tario,
A. F. da Annunciac >.
ODr. Anselmo Francisco Peretti, enrnen-
dador da impenal ordem da ICos, p juiz
de direito especial do commeroT uesla
cidade do Recite '
Faeo saber pelo presente, que 10din 29
de julho correntn, se ha de arrerjjttr por
venda a quem maisder, em prapnublica
deste juizo, na (o 1. da sala des jidi en-
cas, ura sitio coai a casa de taip cobirta
de tellu, tcnlo a mesma urna prta eduas
janellas. na estrada quo vai doAfogwdos
para o Remedio, o qual tendo sid peniiora-
do a Ceraldo Jos Pereira, por errucH'J de
AndrC Ferreira de Almeidd, fora faliada na
quantia de 2:O0OJ rs., eora temle ser ar-
romatado pelo proco da adjuditc.3o, que
he o de 1:600j rs
E para que a todos os licitan; chegue
noticia, mandei passar e lilaos qu sttriio ab-
usados nos lugares do costume eiublicados
pela imprensa.
Dadoepassalo nesta cija le 1. de ju-
lho de 1858. Eu Francisco Igniio do Tor-
res Banieira, esrrivSoo Oz eserfer,
* iisi'lmo Francisco eretti
O Dr Anselmo Franci-co Piretti cramen-
dador da imperial ordem da Rsa.juiz de
direito especial do commerci resta ci-
dade do Recite.
Fafjo saber pelo presente que id da 29 de
julho do correle anno se ha di a rematar
por venda a quem mais der em |ra *ca deste juizo, n portada sala tas aul en-
cas a partu 10 sobrado de 2 aad:reao sotSo
sito na praca da Boa-Vista sob n 2 10 qual
tem JosClimaco Fre-e o vlor corespjn-
dente o da quantia de 3:1363036,cuj pre lio
lora avaha lo no todo em 16 000) pohorado
ao dito Freir, por execuQao de Jo Maria
Freir Gameiro, sendo que na fitade lan-
zador correr a mesma arremttaao pelo
prego de adjudicado.
E para que a todos os licitante chegue
noticia mandei passar editaes queiero af-
fixad is nos lugares do costume e pblicados
pela imprensa.
Dado e passado nesia cidade do ecile aoo
3 do julho de 1858Eu Francisc Ignaci-
de Torres Bundeira, escrivo do jizo espes
cial doicommercio o fiz escrever
Anselmo Francisco P'etti.
Pila iiipeer;iu da alfau le^.i te lazobltco que
no da 0 do crreme, depoia de meio di, se hao de
"arrin-lar em li.i-U publica, no Irapchda me aeiido a arreinalar.'.i lirre de direitosto arrettiH-
lanle, uin ei-aler e i!iu< Mtrti uiuliza l.i< no
valor, .1 caler de 2i>(HK) M., e as daa calraia
de luyjOO r. r( u umi.
Al'aixfega de Pernambuco. 5 de jolli de 1858.
Oinspecior
Benlo Jo Fernaud) Barros.
Peranlca (amara nunicipa do liecife,
estaraoem praca, nos das 7, 10, 14 do cr-
rante, para seren arrmatadus por que
mais der. os tainos do b 1,2 ^ 4, 5, 7,
8,9, U, 15, el6 tioagoigue do argoda'ltl'
beira da rreizuezia de SJos, ees de ns. I
^, 3, 5, 9 e 10, do dt Boa-Vista,; sendo"
a arrematado pelo teqjo que decorrer da
data em que a tuesma efFectuar ao ultimo
desetembro de 185!,) ten lo por base a
quantia annual de 60: porque acha-se ac-
tualmente alugaio eda talho. Os valores
das arrematares ser3.pagos,segundo o cos-
tme, ou a bocea do aire, ou a prazos,me-
diante banca idnea, ue deverSo apresen-
tar oslicitantesnntesa lerceira praca, ha-
vendo a condigno exp;ssa us contratos de
serem estes rescind i< administrativamente
? semproqueo bem pblico o exigir, resti-
tuindo se aos arremaintes o dinheiio, ou
letras correspondente ao tempo que fallar
para prenencher o de contratos. E para que
chegue aoconhecimoto de quem interesa
-se mandou publicar prseme.
1 aguda cmara niuicipal do Uecile. ern
sessao de 3 de julho e 1858Luiz Fraucis-
CO tic liarros Reg, iK.-presid.nto.-Mai.oel
lerrcira Acioii, secttario
0!?rYV"s!.l'no lr,,'<^o Peretti, comroeo-
datlor da imperia ordem da Rosa, ejuiz
cidade do liecif.. capital da provincia de
1 ornamhiico o un termo, por 8. Me C.
ole.
Pela rc.'articao das obras militares se
1 ni de fazer nns concertos no quartel da
c imparihia dos artilices : quem desta obra
s 1 quizer oncarregar, comparega na dita re-
I arligSo no dia 9 do mez de julho, pelas 9
|2 horas da manha com sua proposta, que
1 vista lo urgameuto presente, contratara a
1 referida obra.
1 CONSELIIO ADMINISTRATIVO.
Oconselho administrativo, para forneci-
| ment do arsenal de guerra, tem de com-
prar os objectos segnintes :
tara o f.irdamento do 7. batalhao de infan-
iaria, meio batalhao da provincia da para-
hiba, e o 10.- batalhao de infantaria.
Panno azul, covados 2424 ; hollanda de
loiro, covados 25U0; cordao preto de !aa
20(0 ; boles graudes de metal amaiellu. 1-
SOS2262 ; ditos pequeos ,1c dito dito 2097 ;
ditt grandes do dito dito com n. 7, 2716 ;
ditos pequeos de dito dito com u. 7, 1746 ;
dito; grandes de metal bronceados, com u.
10,160 ; ditos pequeos de dito dito com n.
V -77 ; ditos proios do osso, grosas 100 ,
ditos gnndps brancos de ossO, g,osas 2u0 ;
ditos pequeos dito de dito, grosas 2C0 ;
colcoites prtos, pares 500.
Armazem do almoxarifado.
Madsiras de qualldades para mastros de
banderas, com 75 palmos de comprimeu-
to5.
(>ucn quizer vender tacs objectos apresen-
te as sias propostas em carta fechada na se-
cretanulo conselho as 10 horas do dia 12 do
corronu.
Sala tas sessOes do conselho administra-
tivo par forneciLento do arsenal de guer-
ra 5 dejulno de 1858. Bento Jos Lame
nha Lid, coronel presidente. Jos An-
tonio Pillo* tenente-corunel vogal servindo
de secreario intorino.
ClNSEI.110 AUMINSTRATITO.
O conelho administrativo, >ara forneci-
mento o arsenal de guerra, cii cunipri-
meuto o art. 22 do regulamenlo de 14 de
dezembr. de 1852, faz publico, que foram
aceitas a propostas de Jo3o Carlos Augus-
to da Sila, Francisco Jos Baplista, Fran-
cisco Matel deSouza, e Simplicio da Silva
Barbosa.
Provimcito de armazens do almosarifado.
O I." 1,M)0 caadas de azeite tle carrapato,
medida uva a 2c88 rs.
0 2.- S libras de fio de algodao a 750 a
libra.
^ompnhia de cavallaria.
38 part deluvas de algodo, o par a 400
res.
Diversos corpos.
O 3 2"S pares de sapatos feitos da pro-
vLCa o ;ar a 1;760 rs.
. batalhao de infantaria.
O 4.- 28 bonetsde pando azul com o nu-
mero de aetal amarello a 2J909 rs. cada um,
27 ditos |ira os msicos do mesmo batalhao
com gala de ouro a 5J500 rs
eio batalhao ia Parahiba.
233 bo ets de panno azul a 2J9U0 rs., com
O prazo Q 60 dias.
Oconsiho previne aos senhores cima
menciondos que devorao recolner os ob-
jectos cojirrados no da 7 do correte mez,
as lo lioas da ii iiiiaa.
Sala ds sessOes do consol rio administra-
tivo, par forrecimento do arsenal de guer-
ra, .ido lho de 1858. -Jos Antonio Pinto,
tenente-oronel vogal servinlo do secre-
tario.
Fcapprehendido boje 2 de julho, pela
delegad do 2 districto do Recite, o Por-
tuguez Js Ferreira Mirtina, de menor ida-
de, quedizser filho deernarlo Ferreira
Martins.e que sendo entregue pelo pai a
CalcanoJoaquim Pinto para ir ao ser(3o,
este o dixara era S. Antao, donde fora selu-
zido pe Portugucz Manuel Pimentel para
te-loerrsua companhia, sera que fosse pre-
ciso sei pai saber : seu legitimo pai ou
pessoa oinpetente, enten la-se com o lllm
Sr. Dr. hefe de polica. Delegacia do Ja-
boatao-e Mujibeca 2 de julho de 18580
delegao, Jo3o Francisco Xavier Paes Bar-
reto.
francisco Carueiro Machado Rios J-
nior, Ingador do consulado provincial, faz
publict que no dia I.- de julho vindouro
princija a faier o langamento da decima
dos pedio* urbanos da freguezia da Boa-
Vista (dos impostos de 4 0|0 sobre diversos
estabeciroentos, casas de molas ejogo de
blihar Mesa do consulado provincial 25 de
juuhole 1858.
jSo Pedro de Jess da Malla, langador
do cosulao proviucial, fiz publico, que
do di 1/ de julho vindouro em diante prin-
cipia! fazer o nticamente da decima dos
prertis urbanos da fregnezia de 8. Jos e
dosiipostos de4 0|0 sobre diversos esta-
belementos, casas de modas e de jogo de
bilhr. I'rimoira sessao do consulado pro-
vinwl 25 de junho de 1858.
Foi apprehendido pelo delegado do se-
gn/) dl.stricto do Recifo um cavallo : seu
legmo dono comparega munido de docu-
meos legaes para Ihe ser entregue. Dele-
gad de Jaboato e Muribeca 30 de junho
de 858.O delegado, J0S0 Francisco Xavier
Pas Brrelo.
Pela delegacii do segando districto do
Reif" foi aporchen l lo um escravo por no-
mi Domingos, que di/, pertencer ao Sr.
Joquin Tiburcio : seu legitimo dono com-
paega na mesma d, legaca munido do titu-
lolcgal, que I be ser entregue Delegada
diJaboatSo e Muribeca .'ilde junho de 1858.
-O delegado, Jolto Francisco Xavier Paes
Rrrelo.
Pela mesa do consulado provincial se
fz publico, que os 30 .lias uteis para paga-
nento da dcima dos prelios urbanos das
reguezias desta cidade e da dos Afogados
>e linalisam no dia 8 tle julho vindouro.
Mesa do consulado provincial 30 de junho
de 1858.--No imperuento do administra-
dor, T. M. F. Pereira d asi I va.
lago saber aos que o presente edital vi-
orn' e.m como uo aja 15 j0 corrento mez
se na de arrematar por venda a que. mais
der, depois ca aud encia deste juizo, os bens
seguitiLes : | 80fa com Pncoslo de pB;jn|la
paour *o..O(io rs.; 18 cadeiras do madeira pao
d oleo a 45 n. caca urna 723 rs ; 1 jogo de
bancas ordinarias por 5 rs., cijos bens vSn
" [ Por secugSo de Manoel Lopes da
i. co"tra J"quim Ignacio de Carvelho
Mendonga, e nSo havendo langador que cu -
a\m Pres,,3a a'rematag5o feita pelo valor
da adjudicado cora o abatimenio da lei.
ttrM % r,
ASSU'.
A barca Cecilia segu com brevidade, re-
cebe carga e passag->iros ; a tratar co"i Cae-
tauo Cyriaco da Costa Moreira na ra da
Caileia do Recife n 2. primeiro andar.
ARACATY.
0 hiate Correio do Norte segu nestes
rlias ; para o resto da carga, Irata-so com
Caetano Cyriaco da C. M. na ra da Cadea
do Recifo n 2, primeiro andar
CEARA' E ACAtACb".
Segu- com brevidade o palhahotc Bobra-
Innse, ain la recebe, carga a frete ; a tratar
com Caolaun Cyriaco da C. ||. na rua ja (ja.
deia do Recife I), 2, primeiro ailar.
-- Para a Baha segu em poneos dias o
milito veleiru palhabote Cala te tle sua carga prompta ; para o resto tra-
ta-se com o seu consignatario Domingos
Alves Malucos, na rua de Apollo 11. -3
Para o Vlariitliao
segu com brevidade o br
vira, por ter parte de sua carga prompta ;
para o res'o, trala-se com os consignatarios
Jos joaiiuim nias Fernandesi Filhos, rua
da badeia do Recife,
e .'ara,
ue nacional El-
Companhia
BrasiJeira de paquetes ;i
vapor.
0 vapor Oyapnck commandante Borges,
espera-so dos portos do sui em seguimento
para os do norte al o dia 9 do corrento : na
agencia recobe-se desdeja passagairos e o
frete de carga, encommundas e dinheiros,
devendo os volumes serem despachados com
antecedencia at 8 do corrente, cora con-
digno do vapor trazer lugar para elles ; rua
do Trapiche n. 40, escriptorio da agencia.
COMPANHIA
Brasileirta de paiiuetes a
va por
O abaixo assignado agento da companhia
brasileira de paquetes a vapo faz publico
que as aahiilas dos paquetes d o Rio de Ja-
reiro para a linha da navegacSo do norte,
f>i transferida por disposigao do Sr. minis-
fo do imperio paraos dias 1 e 15 de cada
mez, (cando assim altera la a tabella que
anteriormente deslgnava os dias 11 e 26
Pernambuco 5 de julho; de 1858. Tbomaz
de Faria.
Para o ftio rli> Janeiro.
Segu em poneos dias a velara e bem
construida barca nacional Feliz. Uniao,
de primeira marcha, estando prompta
alguma earga pode rceber mais, e sendo
p 11 a o resto sera' o frete mais eommodo|:
a tratar com seas consignatarios Busto V
Lemos, rua do Trapiche n. 17.
Pai"a o Rio de 'Vneiro.
Vai seguir com brevidade o hrigue na-
cional Almirante, por ter parle de sua
carga promola ; para o resto, escravos e pas-
sagelros afrete, para o que tem excellentes
comino.los : lala-se com os Consignatarios
Jos Joaquim Dias Fernandos d( Filhos, rua
da Cadeia do Itecife
Ceara9, Mara-
nhao e Para'.
ti palhabote Lindo Piquete capilao Jos
Pinto Naoes, val seguir cm poucos das aos
pottos indicados i para o restante de seu
carregamenlo que pouco pode faltar trata-se
con os consignatarius Almeida Gomes, Al-
ves & C. na rua da Cruz n, 27.
ro Grande do sol.
O hrigue nacional Parahibano seguir
brevemente para o porto de seu destino ;
pude anda receber a frote aleuus objectos
miudos, e bem ssnn escravos e passgei-
ros : irata-se com llraga k Antuues, em seu
escriplo io. rua da Madre de Dos n. 3, pri-
meiro 8Udar.
para Lsbo .
Obligue portugucz Peninsular, lians-
(et 10 sua sabida para Lisboa para o dia 8
do corrente, ainda pode receber alguma
carga bem como passageiros para o que
trala-se com Novaes & C. na piara do
Gotnmeicio n. (i ou com o capilao Igna-
cio Ventura remandes.
para o ro de Janeiro.
O veleiro brigue nacional Fluminense.pre-
tende seguir com muita brevida lo, tem
prompto parte do seu carrega ment ; para
o resto de que lhe falta, trala-se com o seu
consignatario Antonio Luiz deOUveira Aze-
ve. ti, ru.i da Cruz n. 1.
Para o ro de Janeiro.
A bem conhecida barca nacional Amelia
pretende seguir com muita brevidade, tem
parle de seu carregamenlo prompto ; para
o resto trala-se com o seu consignatario An-
tonio Luiz de Oliveira Azevedo, rua da cruz
n, t.
Para a Baha
segu com muita h evidadea escuna nacio-
nal Traviata, tem nieta ie de seu carrega-
menlo a bordo : para o resto trata-se com o
seu consignatario Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo. rua da Cruz 11. 1.
LEILAO
NO ARMAZEM 1)0 AGENTE
Peatana
QUARTA-FEIRA 7 DO COR-
R ENTE
AS 10 MORAS DA MANHAA'
O agente Postana fara leilno. em o seu ar-
mazem, no dia e hora cima designados
DE
Mobilias de Jacaranda o amarello, cons-
tando de solas, mesas, cadeiras. marquezas,
lavatorios, ricos guardas-vestidos, apoara-
dores. quartinheirus, cabides, e outros mui-
tos objectos de gusto e luso.
Vender na mesma ocrasiSn urna linda et-
crava moga, e de costumes honestos, cozi-
nha, lava e engomma, a qual 80 se vende
por precisOes.
Lcilo
DE
MOBILIAS
ftexta-ieira 9 do cr-
lente
RUA DOCOELEf.IO, ARMAZEMN. 15.
<-^fuatcot>!a e/e Ooe/a
r Icilao de mobilias completas de jaca-
randa, mogno. amarello, e de um grande
sortimento de tolo equMqtier objeelo ie
raarcineiria, assim como de tima multido
iteoutros minios artigos, <|ue fura impos-
sivel mencionar, os quaes se a cha ni paten-
tes no supradito armazn;, c serSo vendidos
sem reserva alguma, iiirlusivamente urna
porcSo do calgaJo francez, novo : sexta-
fe ira 9 do corrente, as l horas da nianha.
Leilao.
Saunden Brothers & C. tiflo leilao
por conia e risco .lo quem pertencei e
por iiilei venco do agente Pestaa quar-
ta-feira7 do crrenle as l() horas da
manlnia em sen armazem, no largo do
.CorpoSantn. II, primeiro andar
DE
I38caixasde 10 libras cada urna com
superior cha' chegado ccenlemente no
navio Linda.
Leilao ile queijos
Quarta-feira 7 do cor-
rente
PELO AGIENTE
Pestaa.
Continuara' neste dia o leilao de quei-
jos annunciados para o dia 5 do Cor-
rente.
Leilao
de generos>
QUnta-feira 3 do cor-
rente
PELO AGENTE
Pestaa.
O agente Pestaa fara' leilao quinta-
feira 8 do corrente (telas 10 horas da ma-
DbSa a porta do armazem do Sr. Annes
derontc da alTande^a
DE
lOOcaixas com velas de spermacete.
25 ditas com passas.
Harneas com sardinhas, sendo cada
barrica de um milheiro e de meio mi-
Ihiro.
Leilao de fer-
ragens
rIVn;a-ftui( 6 t!o cor*
rente
l'or intervencSo do agente
Pestaa
E. II. Wyath, por inlerveng3u do agente
Pestaa, far leilao em seu armazem
DE
Um completo, esplendido e variado sorti-
mento de
FERRACENS E CUTII.4RIAS
Todas proprias deste morcado, e reccnlc-
niente despachadas.
Principiar as 10 horas cm ponto.
Lcilo
Sabbado 10 do cor-
rente
Manoel do Nasciment da Silva Bastes
rara' leilao por intervencSo do agente
Oliveira, do seu sitio e casa em chaos pro-
prios, no lagar denominado Estrada de
Sania Amia (defronie do do (inado Anto-
nio da Silva e oceupado actualmente pelo
Sr. Ilolm, socio gerente da casa eommer-
cial dos Srs. N. o. Bieber & C.,) o sitio
tem 385 palmos de frente e mais de 000
definido, he todo murado, com elegante
portao de ferro para entrada, aclia-se
primorosamente plantado de arvoredos
fructferos, sol>rsahndo entre estes as
preeonisadas e to apreciadas larangeiras
de umhigo, e eom um elegante e bem de-
lineado jardim adornado de lindas flores
e outros mimosos arbustos, en I remeados
de vasos delicados e caramanoheii de fer-
rjpara maior recreio, a casa de vivenda,
sobre com moda e elegante, he rodeada
de urna escotbda gradara de ferro, con-
tem o boas salas e 9 tpiattos espucosos,
comcosinha e dispensa fora, separada e
apropriadamente, tem grande sen/.ala,
cocl-eira para carros, estribara para 8
cavallos, (piarlo para fetor e outras ex-
cellentes bemleitorias, tildo edificado s-
lidamente de tijolo e cal com a symitria,
esmero e o modernismo do atino de 1855.
A amena posicSo da descripta proprieda-
detorna-a diariamente mais recommep-
davel pela proximidade da capital, cujos
habitantes a aprecian! alegremente as
pocas das encantadoras festas de seus pri-
morosos arrabaldes, para onde se oilere-
cem conduce/es regulares em mnibus e
bellos carros, qnando nao subindo rio
cima em bateis apropriados, o indi-
eifravel feiticeiro qunnto incomparavel
Capibaribe. E como urna propriedade
tao invejavt;! cmbellesaria por certo os
freipientados campos aas escolhidas popu-
larnos dos pai/.es mais adiantados e nota-
veis por seus recreios, ja por tao favora-
veis circumstancias, como pelo subido cus-
to da mesma propriedade a troco de quan-
tia comparativamente moderada, conta o
referido agente com grande concurren-
cia dos verdadeiros apreciadores ao leilao
que tera' lugar no indicado dia sabbado
10 do corrente ao meio dia em poni em
seu escriptorio, onde anlecipadamente
sera'exhibida a respectiva escriptura ese
daraoos mais esclareciinentos.
nouho.
Domingo 4 do corrcnle das 6 as 7 horas
da tar le roubaram do 1 andar da casa ta
i ii.-i to oui'i maiio n 33 os seguidlos objec-
tos: 1 sobrecasaco za com golla do veludo imitando a mesma
cor, I dito de piiitio cor de cafe com gola
de velludo azul ferreto, 1 par de borzeguins
de bezerro ludo com pouco uso e mais S5|
em dinheiro : rogi-se a pessoa aque-i es-
tes objecin foram offerjcidos apreheu le-
los e dar parte na mcs.ua rua cima n. 35
que ser recompensada.
Precisa-se ds cooi amasiadoros : na rua da
Sen/ella .Viva n. 30.
Na rua do Agouguinho n. *, precisa-se
He dnas pretas para alugar-se ; quem tiver
dirija-se a dita rua a tratar do negocio.
l'recisa-se de um caixciru que lenha
pratica de taberna : a tratar no Campo Ver-
de, rua do Socego n 4.
Alvaro Fragoso de. Albuquerque, len-
'<; Di iriode boje 5 de julho, nelle deparou
e um nnunc:o de iiernardn Gomes de
M, lo, proni.ttendouma gratificago, e que-
rei\ lo fazer negocio com a- parla Emilia, de
23 anuos de ida.le, a qual dzil o niesino
Bernardo que eslava futida Na verdade n3o
suppunha o tal Bernardo tao nescio que los-
se aiinunciar como sua, una censa que o
nao era, o pela exposigSo verfio os interes-
sados se o que digo he ou nao verdadeire
Por fatalidade he o mesmo Hernarlo cunha-
du do annuiiciante, o aproveilando a sua
ausencia de rasa, seduzio, do accordo com
outro cunhado do annunriante, a sua mili
I) Francisca de Paula Leal C.avalcanli, e so-
gra ao llernardo e Leocadio (quo he bem
apreciavol) para fazer urna venda simulada
ou dolosa e o conseuuiram ; felizmente
porm a lei prevonio taes ven las de pais a
Ribos e genros, annullaiulo-as, por suppre
com ra/ao, que taes negocios sao dolosos o
do ma le.
Os Srs. Antonio de Mllo Rodrigues
e Candido Theodoro Rodrigues Pinto leem
cartas no pateo de S. Pedro n. 6.
Fazendas.
O abaixo assignado participa ao res-
pclavel publico desta praca e do centro,
'I11'1 continua a ter um. completo sorti-
mento da todas as lazendes inglesas,
trancezai e su.ssas c pre eos mnilo em
conta: na sua |0;in. 1S aterro da Boa-
VSta.
Dtiartc Borges da Silva.
-- Precisa-se de urna ama para casa do
annlia, paga-so bem : na rua Relia, n. 5.
Tama miar.
Da-so almogo, jsntareceia, e bem assim
casa para assistir, em Tamar.dar, por pre-
gos razoaveis, aos passageiros dos vapores :
a tratar com Jos Carneiro de Farias no
mesmo lugar do Tamandar.
O abaixo assignado ensina lallm, rbe-
torica e geogra^bi na rua do collegio u.
17, segundo andar.
AfTonso Jos de Oliveira.
companhia
Per ainlm.ana
Nao tendo tido lugar por falta de accio-
nistas a reucio atinunciada para o da 30
lo mez passado licou a mesma transferida
para 7 do corrente na sala da associagao
eommercial bene.licente allm de ser cleita a
nova direccSo e nesse dia se adoptar qual-
quer medida proposta em assembla gcral
conforme o art. 15 dos estatutos.com os vo-
tos que comparecercra.
-- Prccisa-se alugar urna ama forra ou
captiva, que faga o servicu interno de urna
Casa de familia de duas pessoas, e que tam-
bem faga compras: na rua larga do Rosario
n. 40 segundo andar.
Dcseja-se fallar a negocio de seu inte-
resse com o preto livre Miguel dos Aojos,
que chegou aqu ha pouco do Porto Alegre
em companhia do Sr. Ricardo Huch, e se
agradecer muito por qualquer informagio
Hese der sobre o mesmo, no escriptorio
ue eor. Brunn & C, na rua da Cruz n. 10.
~ 'luga-se um terceiro andar na rua da
CacimDv; quem pretender, dirlja-se a rua
do Amonta n. 40
Angelino Jos dos Santos Andrade ro-
Iira-se para a Europa a tratar de sua saude,
deixando por a,us procuradores, em pri-
mairo lugar ao Sr. Joaquim Jos dos Santos
andrade, ero segun

dos Santos, a em terseiro o Sr Juvenal da
Silva Magalhaes: quem se julgar seu cre-
dor, podera apresentar stas cuntas ao seu
primeiro procurador, que seca promptamen-
lo pago.
Lembranca aos a&iiiic1-
cidos.
Roga-se a todas as pessoas que est3r> de-
ven 1o contas atrazadas de gneros comprn-
dos no estabelecimento do abaixo assigna-
do. na rua da Calis do Recife n. 25, de-
fronte do becco Largo, que quoiram pagar
seus dbitos at o fim do corrente mez de
julho, e certos do que o nao fazenlo, ser3o
seus nomes publicados neste Diario psra sua
lembranga. Manool Jos do INascimetoto
Silva.
SKMINARIO DK OLIND*.
0 reilor do seminario de Oiinda declara a
quem convier, que nunca mandou e nem
manda comprar acredito na cidade do Ite-
cife cousa alguma para o dito seminario,
in lo sembr o seu compra lor com dinheiro
sulliciente para o que necessila, o qual apre-
senta os competentes recibos dos vendedo-
res, e por isso nfio se obriga por qualquer
debito contrahilo em nomo do seminario,
a nao ser por ordem escripia do seu pmprio
punho, como pratica somonte no mercado
de iilmiia, o pelo que nicamente se res-
po.'isabilisa. tilinda 29 de junho de 1858.
\a rna do Queiniado, DO
va loja n 53 A,
vende-sc una toalha de labyrinlho toda
aberta, obra bem acabada, vinda do norte,
propria para om baptisado de osleniagao,
por prego razoavel : assim como lo-los os
arligos tendentes a loja de miudezas com
especialidade ; luvas de pellica, deseda,cct ,
pe mes em ludo o genero, enfeites modernos
para cabeca, bicos de seda e de algodao,
rendas, lilas de seda e velludo, franjas de
seda, linho e algodao, bolees para casavo-
que, de seda, velludo, linha, vidro e corne-
lina, e ludo que, se desej r Je boni.
Precisa-se de urna ama do lelle para
criar urca menina de 8 dias : na rua liedla n.
25, e paga-so bem.
ROUBO.
No dia 2 do co-rente mez furtsram de um
primeiro andar da travessa da ruado Viga-
rio, um relogio de uro com trancelim do
mesmo metal : o relogio he patente suisso,
e o trancelim he chato e m forma de lita es-
Ireita, com deus passadores, cada um delles
com 4 re Mus de cada lado, duasazuns e
duas encarnadas ; tendo mais urna chave oc-
culla. com duas pedras grandes urna de
cada lado, (juem lefte der noticia ou le-
va-lo a rua dos Cuarerapes n. 32 junto ao
marcineirr, ser hem gallticado ; previnin-
ii(-se de que o dono do relogio, se encolilnr
quem o furlou, conhece-o pe feita mente, e
perianto MU habilitado para mais cedo ou
mais tarde o mandar prender ; cheganlo
por esse meio ao conhecimento da pessoa
(que tenha comprado taes objectos, contra a
qual se protesta proceder com todo o rigor
da lei, caso nao os queira entregar amiga-
vclmente.
Havendo o abaixo assignado compra-
do urna escrava de noir.e Prudencia, crioula,
dr 30 annos de i lade. pouco mais ou menos,
ao Sr. Jos dos Santos Nevos, que tendo hy-
potheca em dita escrava foi competente-
mente autorisado para ven.Je-la pelo seu
tlevedor c ante-possuidor de dita escrava
Francisco Pereira de Carvalho, consta ao
abaixo assignado, que a dita esc-a va est
occult pelo mesmo Sr Pereira de Carvalho
cm casa do pessoas que nao ignoram estar
elta ven lila ao abaixo assignado, e por iato,
este pelu presente protesta proceder crimi-
uslmenle contra todos que con o mesmo Sr
Pereira de Carvalho se rcharem cumplices
neste crime; assim como protesta cobrar
judicialmente os das de servigo que tem
perdido desde qua a co nprotl abaixo as-
signado nSo desoja offender a melin re de
pessoa alguma, po cm nHo pode tolerar, que
por esta maneira seja prejudicado em seus
direilos.
F.ngenlio Roa-Vista 1 de julho de 1858.
Joaqun! de Souza LeSo
LiOtera gabih,te portdgoez
DA
T
I
;^ O bacharel Adelino Antonio do
;\ Lona Freir, tendo aleaogada a de- '.'[
|r missTo que podio de juiz municipal ':;
'_. e de orphilos de lguarassu, acha-se US
-.'' sdvogando nesta ridado o lem sen ';.
. i seriplorio na rua eslreita do Rosa- .';.
rio n. 10 segundo andar, onde pode ''t
;. ser procurado a qualquer hora do ;;
9P dia, lambem .-e encarrega de pro- .-'
C.3 mover qualquer aegno nos juizos de ^
^ fora da capital.
No eseriiitorio do abaixo assignatlo na rua
do Collegio ti 21, vendem-se bilhotes da lo-
leria da provincia pelos seguidles pregos
sendo de 10"a para cima e a dinheiro a vsla.
Jlhetes garantidos J500
Meios ditos 29750
P. J. Layme.
Lotera
DA
provincia.
O abaixo assignado declara que de boje
ern diante compra bilhetes de lotera reco-
lliiaos com o descont de 20 por cento seja
qual for a quantia : na rua do Collegio n. 21.
P. J. Layme.
g Hna >ova n. 69 se-
gundo andar.
2 Jo3 da Silva Ramos, medico pela
tj} universidade de Cuimbra. recebe cm O
(Ok sua casa das 7 as 10 doras da ca- %
anhSa e das 3 as i> da tarde as pesoas S
que o quizerem consultar e rea- W
i^ ta-se com promptid3o a qualqu r
tg. diamadu, para dentro ou fura da ci-
W dade. de quem precisar de seus ser- @
(A. vigos mdicos, ciurgicos, e de par- S
i/tk teiro-
W Tembert recebe em casa alguns
(gj) doentos pelo mesmo prego, com que b
(A geralniciitesao tratados er^ outras /A
2? casas; para o que te-u os melhoras zL
V9 commodos Q
>.viso aos St nliore8 geuho.
Francisco Jos Augusto Ferreira, com ar-
mazem na rua da Aoeda n. 2, confronte ao
trapiche do tunda, compra mel desencas-
cado o grndes;porgo;s dan lo elle os barris
para serem cheios no engenhn : quem cou-
vier este negocio dirija-se au mesmo arma-
zem, para iratar a safra toda.
Seguro contra
fogo
COMPANHIA IIOKTBEN, ESTABELE-
CIUA EM L0.NKES.
Premios diminuidos
AGENTES
C.F.Astlpy cyC'o panhla.
Na bindicao da Aurora 0"ctta-e
de serventes forros ou escravos, p^.ra
trrico dcbatx decoberta.
rmiK i
W Paulo (.aiRnomdentista, ru da Laran- &
gairaa n.l,., ua mesma casa tem auua p(,s 2
52^ ilentrilic*. r
Precisa-se no collegio da oncelgHo de
um reverendo sacerdole para dizr missas
nos domingos e dias santos : aquello senhor
quo se propozer a este encargo, queira tra-
tar com o Sr. Joaquim da Silva Castro, na
rua do Crespo.
""" F- Classpoole, empregadn na cstra-
trada de ferro, retira-se para Inglaterra.
-- Pede-se ho Sr. fiscal da Boa-Vista, por
candado e sem perca de lempo, d um pas-
seio at ao principio da estrada dos AfTc-
tos, para vero charco d'^cua de chuva que
alli existe, por nSo haver esgoto de-
pois do aterro que lizeraui para o calgamen-
to do lano do Alanguintio alim de dar as
providencias necessarias para liv ar os po-
bres moradores alli existentes, do ameago
da prste que logo com o appareeimento do
sol Ibes bao de causar estas aguas : como
lambem dar um golpe de vista a bomba exis-
tente nesse mesmo lugar,que a nada serve se
nflo de impatar de passar as mais aguas que
do alto chegam, por estar ella Intupida e fa-
zendo inlransitavel a passagem aos vian-
dantes em carros e aos mais vehculos que
i'ara ah tem de transitar, pelo pessimo es
tad.i em que se acha. pois seria rr.elhor que
se mandasse desmanchar dita bomba intil
edeixarque as aguas livremenle esgotas-
sem ao grande, canno da municipalidade
mandado fazer no sitio annexo o qual tam-
bem acha-sc muito arrum-.do, mas que nun-
ca em [tempo algum se com as maiores
cheias precisou de bombas e a estrada lcava
de repente enchuta o que nio acontece ago-
ra com as novas obras que se Un feito. Des-
te favor lhe (icara muito obrigado o abjixo
assignado.Morador filelo da estrada dos
A Ulicios
>A RLA HA GLORIA CASA DO FUNDAO".
C0.NSULT011IO I10ME0PATHICO
iJU
DR-P. A. L0B010SC0S0
Medico parteu-o e operador.
O Ilr. Lobo Moscoso, aa consultas todos os
dias e pratica qualqueroperag3o de cirurgia,
assim como,accode com toda a promptidSo,
as pessoas ur- precisarem do seu prostimo
para o servigo ,1c partos, praticando as o-
peragOns u.anuaesou instrumentaes, quan-
lo nao possa conseguir resultado por meio
da homeopaihin que tantas vezestem ven-
cido dilliculdades, que pareciam insupe-
raveis.
Precisa-se de um cralo (el e diligen-
te : a tratar na rua do Collegio n.25, segn-
ODr Pedro Antonio Cesar mndou ffl
-, a sua residencia para a ma'do lian- j>
... gel primeiro andar do sobrado n is
* on le pode ser procuiado a qualquer
Vff hora do da ou da noite, para o exer- *5
-:; ciciom nedielna e partos. ^
OO5?0fQ-:;?-:.:-viO;CS'
-- Precisa-se de um criado ou urna criada
para urna casa de familia, quer forro quer
captivo para servigo lano interno como ex-
terno : a quem servir dirija-sc Capunga
Velha casa da Sra. viuva l.asserre ao pe da
do Sr. Bonifacio que achara com quem
tratar.
-- Precisa-se tle um caixeiro portugucz,
de idade Je 12 a 16 annos, que saiba ler]
escrever e contar bem, para a cidade do
\racaty, no Ca ni ; pdenlo, para contra-
tar, dirigir-sea rua da Cadeia du Itecifo,
casa n. 2S, primeiro andar.
0 abaixo assignado convida, o particular-
nunl" pe le a todos os senheres accionistas
do Cabuietc l'ortuguez de Leitura o obse-
quio de reuiii'i-m-so quarta-fair, i do cor-
rente, pelas 7 horas da noiie, na sala do
mesmo Gabinete, visto como para esta reu-
niSo toda particular, se obteve o coosenso
ta illustre directora : o objeelo a tratar-se
li-: di; Mnima utilidade para o eslabelcci-
mento. Itecifo 3 do julho de 1858.
Manoel Ribeiro Bastos.
PARTIDAS OBRADAS.
Elisin jiratlto.
M. Fonseca de Medeiros faz sciente as pes-
sots que lhe fallaram para aprender i forma
pratica de escrioturar os livroa oommerciaes
por partidas dobradas, e igualmente a quem
mais desejar conhecer da referida materia,
que pode agora tomar mais alguns discpu-
los. As vantagens que resultara do conhe-
cimento de semelhante forma de escripia,
em tudo prel'erivel a qualquer outra, nSo s
para as casas de grandes capitalistas, mas
tambem para as de pequeos commercian-
tes, heassasreconhecida. Resta apenas con-
seguir varrer da idea de militas pessoas a
avers3o que votam as partidas dobradas,
aversSo que incoutestavelmente he devida a
ignorancia de mu tos desses improvisados
guarda-livros de partidas simples, princi-
paes inventores dessas sonhadas dilliculda-
des attribuidas a qualidade daquella escrita,
quaudo ellas nao existem se nao na falla de
vontade delles eai procurar meslres que lhes
possam mostrar a clareza e facilidad desse
systcma, e ao egosmo daquelles que tendo
dellas perfeito conhecimento assentam em
esconde-lo em si, para ostentar a maior im-
postura qnando se traa de escripturag3o
eommercial. Quem do nosso preslimo se
quizer servir me liante a mdica paga que
ainda sera de 203 dirija-se a rua do Padro
rlorianon sobrado da esquina defronte
do becco do Serigado das 7 horas as 9 da noi-
te de todos os das uteis.
: COmiTOIIIA HOMEOPTICO t
:-: do 3
DR. LOBO HOSCOZa I
$NA RUA DA ULOKIA CASA DO PLNDAO1^
0 Dr. Lobo Moscozo faz sciente 0
'.'.'; a quem nteressar rossa que tem @
j? commodos em sua casa para re- $
-2? ceber alguns escravos nao s pa- @
1 i a tratar de suas enfermidacles ^
9 como para fazer qualquer ope- ^
'<& racao. Os doentes serfio tratados $$
Cj pela liomeopatliia ou pela alio- ^
v9 pathia, conforme parecer mais gj
'[i conveniente para a brevidade da @
9 cura. Adverte que recebe gra- -.'.j
:$ tuitamente umaou outra pessoa @
v9 I'"3 procise fazer alguma opera- @
:'j io, e que por suas circumstan- (
^ cias nao possam satisfazer as des- 3ft
^ pezasde tratamento e nao queira @
$$ sujeitar-se a ir para os liospitaes. @
aj| preco do tratamento dos esera- ^3
.^5 vos regulara' de 2,<{ a 0$ diarios @
^5 conforme a gravidade da moles- 3
g& tiaeotempode curativo. fji

O:
>^@a
Fugiram na noite de i pira 5 do cor-
rente dousoscravos a saber : Margal, altura
regular, com alguns signaes de betigas,falla
manso,eotreonariz e a testa f?zmodode um
lalbOi Misto re ondo, nariz chuto, foi do lu-
gar Baixa-Verde, vpndido nesta praga em 6
de ma iodo correte pelo Itvm i. Sr padre
Margal Lopes de Siqueira, este levou coica
amarella, camisa branca, um paletot de al-
pacs, chapeo de feltro e um cinlurSo encar-
nado con chapa amarella na cintura ; Be-
nedicto baixo. bem preto, bomia figura, p
pequeo, rosto redon lo, nariz chato, falla
bem e muito ladino, foi do lugsr tle llezer-
ros, vendido nesta praga pela I Urna. Sra. I).
Josephina Dantas de almeida, por interven-
cSo dos Srs Adriano & Castro, levando
chapeo de pello redondo francez, caiga bran-
ca, camisa de Chita ou branca, elles foram
juntos o levaram alguma rnupa ais : pede-
se a todas as autoridades policiaes, capit3es
de campoea todas as mais pessoas acap-
I ira dos ditos escravos e eondir/i-los ou
manda-Ios ao seu proprietario Joaquim Jos
lio Irigues da Canbl na rua do lirum n. 22,
quo recompensara generosamente.
Hod
olpho
ou
0 LOUGO ASSASSINO
FBANCISCO ANTONIO PtSSOA DE
BARROS
Estt no prclo este pequeo romance, que
apezar decooter puoeaa paginas, cun lud
foi o refleclir de muitas horas He sem du-
vida. trabalho imperfeito, por ser de lal au-
tor, em quem a lem de faltarem os conheci-
menios nacessarios para urna boa execuejo,
sobram as ilifcul lades e contrariedades,
com as quaes eiicontra-se sempre em seu
mais pequeo passo; mas confiado na pro-
teccSo do puhlico, que conhece ser sempre
paciente, edesejoso de animar qualquer ac-
?3o que contenlia algum principio de mora-
lidad., espera tambem dista vez para si urna
boa vontade e coadjuvaego (lo valiosa, ni-
camente bastante ara nao desanmalo.
Suli-ercve-sc nesta typograpbia, 1 volume
Pede-se, ao Sr. Antonio Alves da Fon-
seca Jnior o favor do apparecer na rua do
Collegio n. 21, terceiro andar, alim de con-
cluir o negocio que sabe, sob pena de so
publicar qunl seja esse negocio.
Precisa-se alugar um molcquo para
todo o servico : na rna do Iianeel n. 6*.
ATTE8CA0
Precisa-se de urna casa no pateo do Carmo
ou suas immediagOes, p'ga-se o aluguel que
se Cutivericionar, e offerce-se 608 de luvas a
1"a|qUPr inqujno que quizer ceder as cha-
ve : dirija-se a taberna n. 13 do pateo do
-armo, ou annuncie.
Precisa-se alugar um sitio perto da ci-
dade : quem tiver annuncie ou dirija-sc
r"a do Collegio n. |.
-- NoKecife, rua da Cacimba, sobrado n.
8, fazem-se cornijas de todas as qualiddes,
com limpeza e promptidao, a vontade dos
freguezes.
Agencia de puss-t portes o
f'lliH corrida.
Claodino do Reg Lima tira passaportes
para dentro e fra do imperio, por commo-
ilo orego e presteza ; na rua da Praia, pri-
meiro andar n. 43
GABLETE rORTl'GDEZ
DE
Leitura.
Por ordem do lllm Sr. presidente do con-
selho deliberativo convoca-se o mesmo con-
selho para urna reuniSo extraordinaria no
dia 7 do corrente, as 6 horas da tarde. Se-
cretaria do Cabinete Portuguez de Leitura
em Pernambuco 3 de julho de 1858. Joao
Carlos Coelho da Silva, secretario interino.
Pede-se ao Sr. Jos Maximiano Alves
Cavalcanti looha a bondade de apparecer na
rua do Queimado, sobrado n. "2*.
- Precisa-se de um caixeiro brasileiro
ou portuguez, pra tomar conta 4e uoia ta-
berna por balanco, dando fiador a sua con-
ducta ; promelte-se fazer bom ordenado :
no pateo do Pilar n 15.
1). Anna Joaquina Teixeira da Molla
Cavalcanti, arreada o seu engenbo Novo,
sito na freguezia de lguarassu' : quem o
pretender dirjase a annunciante no seu
sitio do niteiro junio ao rr.esmo engenho,
ou a seu lilho Jos Teixeira da Molta Caval-
canti, na villa de lguarassu'. ua rua da lla-
lli/, em casa n. 9
JLoteria
DA
Provincia.
Terceira parle da primeira da Via-sacra.
Nos bilhetes rubricados pelo abaixo
assignado sahirain os segumtes premios :
'-
Ns 92 5:000$ 1 meio.
2428 1 :()()(),> 1 dilo.
913 201 > Billiete:
1256 1 OOjJ Dito.
2209 100$ 1 meio.
2156 I00JJ I dito.
(i!) :,o.s 1 dito.
28 0 50$ 1 dito.
110!) 50$ 1 dito.
1080 50$ 1 dito.
28Gi 20$ 1 dl3.
J337 20$ 1 dito.
2808 2o$ 1 dito.
1 ir.T 20$ 1 dito.
2.-121 20$ 1 tlilo.
1012 20$ 1 dito.
2854 20$ 1 dito.
312 aojt Bilbeto.
A garanta dos 8 ()|0 lie paga no cs-
riptorioda rua do Collegio 11. 21.
'*. JL yne.
Pregisa-se to dous amassadores quo
sejam peritos ; paga-se bem agradando: a
tratar na rua do Amor i m 11. 4S, ou em Oiin-
da, padaria doVsradouro.
>Ta livraiia n.6e 8
a praj (ia iiidtpendeYi-*
precisi -s fulla i Detan, que mordu na rua
do rVragSlo e tevo warci
neiria.
\
mi itii /\nn


DIARIO DE PERNAMBUCO TElgA FEIRA C DE JL'LIIO DE 1858.
Lotera
2>&
Provincia.
O Sr. thesoureiro manda fazer pu-
blico que se acham a venda todos os das
no pavimento terreo da casa da ra da
Auroran. 2fi,das 9 horas da manha is 8
da noite, bhetes c meios da segunda par-
te da quarfa lotera do hospital Pedro II
cujas rodas andanio impreterivelmciite
no dia 14 do corrente mez.
Thesouraria das loteras 3 de jullw
de 1858.O escriv&o, J- M. da Cruz.
iva ra do Crespo n. 2, escriptorio da
via frrea, entre 9 horas da manhaa at as *
da tarde, se dir que.u precisa de cozir hoi-
ro forro, mulher ou houiem, como tambero
de urna ama forra para ensaboar e engom-
nni, nao se olba prego.
Precisa-se de urna senbora que tsnha
as habilitacos necesarias para encarregar-
se do eosino de urnas meninas nesta cidade,
em casa de sous pas ; alianga-se o bom tra-
tamento: quera tivor ditas habilitages e
quizer encarregar-se da educado das mes-
mas meninas, dihja-se a livraria da praga
da Independencia ns. 6 e 8, em carta fecha-
da, com as iniciaes A. M., declarando sua
morada, condiges a que se suieila seu
estado e conbocimento de sua conducta
moral.
-- A administrarlo geral dos estaboleci-
mentosde caridade avisa aos inquilincs dos
predios do patrimonio dos mesmos eslabe-
lecimentos.qne oa forma do respectivo con-
trato irao novaments praga no dia 1 de
agosto as rendas das casas, cujos inquilinos
n3o tiverem realisido o pagamento dos seus
dbitos at aquella poca. Administrag3o
geral dos estabelecimentos de caridade 26
de junho de 1858.O escrivao,
Antonio Jos Gomes do Correio.
Arrenda-se n3o menos por tempo de
un auno, um sitio na Capunga nova, com
cocheira, estribarla para 2 cavallos muito a
commodo, quarto pira feitor, gallinheiro de
tijolo e cal, cacimba de soffrivel agua de
beber, poco para lavagem de roupa, bastan-
tes arvoredos, alguns j dando fructo, casa
beira da estrada sobre o alto, sendo a sala
da frente assoalhada e forrada, muito fresca
o clara, por ser toda cercada de janellas,
tendo nos lados terrago com varanda e al-
grete de llores, e portao de ferro ; propor-
conando assim o dito sitio decente e agra-
davel residencia, alem de icar muit3 perto
da cidade. No sitio confronte, prop ieJade
do Sr. Dr. Jacobina, existem as chaves para
ser visto pelos pretendentes, e a tratar ahi,
ou na ra da Cadoia do Kecife, pnmciiro an-
dar da casa n. 3, servindo de escriptorio.
SEGURO CONTRA 0 FOSO.
COMPANUIA
ALLIANCE.
Lstabeieciiia em Londres,
em margo de 1824
CAPITAL
CINCO MILIIO'ES DE LIBRAS ES-
TERLINAS.
Saunders, Brothors & C. tem a honra de
informar aos senhores negociantes, propie-
tarios de casas, e a quem mais convier, que
estao plenamence autorisados pola ditacom-
panhia para elfectuar seguros sobre edifi-
cios de tijolo e pedra, cobertos dctelha, e
igualmente sobre os objectos que contive-
rem os mesmos edificios, quer consista em
mobilia, ou em fazendas de qualquer qua-
lidade.
Attenco.
Jos Joaquim de Moraes Navarro, acad-
mico do quarto anno, autorisado pela presi-
dencia, recebe meninos internos e externos
para ensino de alguns preparatorios : na ra
do Sevo, outr'ora 11 ha dos Ratos, isa de
sotao a portao.
g. asa de saude
SO Dr. Ignacio Firmo Xavier, roce-
be em sua casa de saude, que lica ao
norte da estrada da Passagem da
-Magdalena, eufe a ponte grande e a
(pj pequea ./o Chora-Menino, todas as
A pessoas doentes, a flaneando o me-
f lhor (ratamente, o maior zelo e cui-
%t dado medico. O local em que est
edificada a casa destinada para esse
yg. miste,r as regras hygienicas, sobre
v as quaes est construida, os cemmo-
$ dos de que dispoe, o aceio, ordem,
Mk e regularidade que ahi se encon-
etram, s3o condiges ponderosas para
urna breve cura e completo resta-
fgf belecimento. As pessoas que quize-
/*. rem utilisar-se de seu prestiico po-
9 dem dirigir-se ao pateo do Carino,
(j) sobrado n 9, primeiro andar, das
f 10 horas da msnhaa as 3 da tarde,
2? e dessa hora em diante no seu esta-
(9 belecimento.
Francelino Isidoro Leal armazem do Aines, vindo de Lisboa na bar-
ca Mara Jos, barrricas pequeas com erva
doce e cominos, escolhido e o melhor pos-
sivel o qual vende a retalho ou por inteiro
por preco commodo, e grandes saceos com
farelo, no mesmo armazem ou no largo de
S. Pedro n. *.
He chegado a toja de Leconte, aterro
da Boa-Vista n. 7, excellente leite virginal
de rosa branca, para refrescar a pelle, tirar
pannos, sardas e espinhas, igualmente o a-
famadooloo babosa para I impar e fazer cres-
cer os cabellos ; assim como p imperial do
lyrio de Florenga parabrotoejas e asperida-
desda pelle, conserva a frescura e 0 avellu-
dado da primorosa da vida.
O
Dr. Casanova pode ser procura- .;
a;j do a qualquer hora para visitar doen- '-\[
2S tese praticar qualquer operagSo de ^
';..* cirurgia, especialmente de partos
W eni seu ': ';
iCOmiTORlOHOMEOPATHICOl
i '! lina dasCruzesU g
;;;< No mesmo consultorio tem semure js
a os mais acreditados medicamentos !S
y.; homeopatbicos em tinturas eem
j? glbulos e carteiras nquissimas; ha
tan.bem varias obras em francez e ?,;
-. em portuguez. a
Horaeopathia0
. O Dr. Sabino Olegario L. Pinho, tendo de
organisar a-Historia da homeopata du-
rante a epidemia do cholera,roga a todos
os amigos da verdade quer desta provincia,
qner das outras do imperio, que llie forne-
cam oni a maior bteviiade possivel, quaes-
ijuor documentos, informagoes ou narrces
itas, que posttaon servir para aexecucao
obra. He justo que sejam contiecMos
os Domes i!b tu,los aqnelles que cm 13o ca-
lamitosa quadra soccorreram a alRicta hu-
manidade. .No consultorio central homeo-
pathico ra do Santo Amaro (Mundo Novo,
n. 6.
iV-v-iS poesas
POR
F.\tST!NOm!ERDEOV\ES.
Acha-seaberta a assignalura destas bullas
poesas, na ra da Cajeia do Hecife n. 41,
loja do Sr. Cardoso Ayres.
ln struccOes militares
Na livraria ns. G e 8 da praga da Indepen-
dencia, vendem-soas instrueges para o ser-
vico das giirt las, extra Indas do reglamen-
to do infantera, e acommodadas a discipli-
ii i do exercito, pelo diminuto preco de 500
icis.
HOSPITAL railfIGUEZ
DE
Nao se podendo realisar a sessSo de as-
sembla geral dos senhores accionistas, an-
nunciada para o dia 4 do corrente, ho nova-
mente convocada para domingo, 11 dejulho,
as 10 horas da manliSs. no salao do Hospi-
tal.u secretario, M. F deSouza Barbosa.
Do largo do Panizo, casa n 4, primei-
ro andar, copia-se com toda a f erfeicSo e
delicadeza qualquer pcc,a de msica, como
sejam moJinhas, valsas, quadrilhas, etc.,
para piano, violao e outros instrumentos,
por prec.0 commodo, e com a presteza qae
se exigir.
O Dr. em medicina Fre-
derico Schulz,
medico operador parteiro e oculista, d
consultas com especiali Jade sobre as moles-
tias das mulheres, das crianzas, dos olhos e
da pelle, acha-se todos os dias uteis das 11
horas da manhaa as 3 da tarde, em seu con-
sultorio, ra da Cruz n. 40, segundo andar
fora destas horas, a qualquer outra da noite
ou do dia ple ser procurado ern soa casa,
ra de Jo5o Fernn les Vieira, na Soledade.
em frente do sitio grande do Sr. Amorim :
as pessoas que do seu prestio precisarem,
tanto da cidade como de fra, o farSo por
escrpto, que ser3o aecudidas com promp-
tidao.
Por n5o haver tudiencia do juizo d
orphSos no dia 2 dejulho, ficou transferida
a arremata^So dos escravos e piala do casal
do coronel Francisco Brnderodes de Andra-
do e sua mulher, para o dia terca-feira, 6 do
corrente, as 11 horas da raanha-i.
-- Pede-seao Sr. Dr. juiz dos feitos da
fazenda que naja de mandar activar a exe-
cueSo, que em grao de penhora, existe por
oartft da mesma fazenda, no eagenbo Dous
Bracos do termo de Serinhaem, visto como
tom dito eogenho de ir i praca por execu-
c5o que contra os herdeiros do ex-proprie-
tario dello move Albino Jos Ferreira da
Cnnba.
Irmandade do Apostlo S. Pedro.
S3o convidados toJos os irmSos da mos-
ma irmanliJe para so reun rem em mesa
geral no dia de quinta-feira, 8 do corrente,
pelas 4 horas da tarde, no respectivo consis-
torio, onde tem de tratar-se negocio de
transcendencia e maguetule -O escivSo,
Padre Lino do Monto Camello Luna.
-- No engenho Cursahi, distante desta
praga 10 legoas, precisa-se de um homem
para feitor, que tenha alguma pratica de
servico de campo e que n3o sej pregui;o-
so, prefere-se portuguez e que n3o tenha fa-
milia : quem se achar nestas circunstancias
dirija-se ao largo da matriz do Santo Anto-
nio, sobrado n. 4, primeiro andar.
Precisa-se de um ctixeiro que seja in-
telligeote eque tenha pratica de escriptura-
c5o : na ra da Cadea do Kecife n. 36.
Ollerect-se om hoiuim para cozmlieiro de sl-
Roroa casa, praftruido-ie eslraogeira, o qaal darr'
conhccimanlos d paltes a' qutm (em servido u"1'1
f"l ; qoern do seo presumo se q jiicr ulilis' di-
nja-se ao dpoiito da Llagela p. 6, oo ar>'uucic
por este Diario.
A peisoa que na roa da C adei.i do Hecife,
o'urn armaiem de ferragens, falloa c"> o proprle-
lario da maior parle do eineolio lomo di Cal, em
principio dn mez de abril proiiov passado, a rea-
peilo de arrendamento, oo perw'a da mesma parle
do engenho: lie rogado aparec' na mesma ra n.
52, dizer que uegocio prelepde.
0* S.
Compra s urna porreo de formas de fa-
zer velas de carnauba e tdosos pertences
dellas, tuoV> em bom estado ; quem tiver e
quizer render, dirija-se a ra dos Marty-
rios n. 14.
Compra-se efectivamente bronze, lao
t3u o cobre velho : no deposito .da fundi^a-
da Aurora, na ra do Hrum, logo na entra-
da n. 28,3 na mesma fundi^So.em S. \maro
Compra-se effecti va mente n ruadas
Flores n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e provincial, accOes das com-
pauhias, e da-so dinbeiro a juros em gran-
des c ncauenas quantias sobre penhores.
iftten^ao.
Precisa-se comprar um carro desses que
trabainao na alfandega, dos mais modernos,
e urna carroca que esteja em bo.n uso, para
cavallos; tambem se trata capim para um
cavallo : na ruado Nogueira n. 45, at as 9
horas da manhSa.
Compra-se um escravo que seja per-
feitocozinheiro, e urna escrava que saiba
perfeitamente engommar, que n3o tenham
vicios nem achaques: a tratar na ra de
Santa Rita sobrado n. 85 das 6 as 9 horas da
manhaa e das 4 as 6 da tarde.
Vendem-se 6 vaccas boas de
acostumadas ao pasto; no sitio do
doMunlz, aterro dos Afogados
^3 M S-H-H--'-a
leite e
viveiro
ir-
Cali ado fran-
cez.
Na loja de Nabuco & C. na ra No- tf&
van 2 vende-seclQad.) Irancez de X
tolas as qualiaades, como sejam: *?
Borzeguiusde pelica gaspiados -i
de lustre para homem a 10,000 Q;
Ditos de duraqueditos ditosa 10,000 ^
T
0 Ditos ditos para senhora a 5,000
^ Ditos ditos para meninas a 4,000
:?? Sapatoes de lustre com elasti-
^ co para homem a
@ Ditos ditos forma ingleza a
B Sapatos de lustre rasos de 1
./4 sola com salto a
Ditos ditos sem salto a
Sapatoes de bezeno para me- tygf
nios a 4,000 Q
Ditos de lustre ditos a 5,00o (Si
m
8,000
6.000 @
m
6.000 k
5,000 r
Venle-sel molecade 14annos e 1 mole-
que da mesma idade,2 negrii has de 10 annos
cada orna, urna mulata que cose e engom-
ma perfeitamente eentende de cozinha, e
um bonito cabra ; na ra do Livramento n.
4. Na mesma casa compra-se e recebe-se de
commissSo.
Mussclin a
encarnada.
Na loja de fazendas da ra do Crespo n.
5. esquina que volta para ra do Collegio,
vende-se musselina encarnada de bonitos
gostos e boa qualidade.
L*zinhas
para vestidos.
Na loja do fazendas da ra do Crespo n. 5,
esquina que voita para a roa do Collegio,
vendem-se lazinhas de muito bonitos pa-
droes, pelo barato proco de 50C rs. o covado-
na mesma loja vendem-se pegas de madapo.
13o com pequeo toque de avi ria a 20OO a
pega, ecobertas de chita j feitas a 20000
cada urna
Vende-se urna escrava crioula, de 40
aunos de idade, cozinha, c lava do barella :
na travessa do l'araizo para Florentina, pri-
meiro andar do sobrado n. 18,passan lo a fa-
brica.de chapeos.
Vende-so massa de tomates pelo di-
minuto prego de 320 a libra ; no deposito
lo pateo de S. Pedro n. 6.
Vende-se urna excellente casa terrea
sita na ra do Cotovello ; a tratar na ra do
llortas n. 36.
Vende-sa 1 preto de 40 anuos sior 80CO,
I prcla de bonita figura, e 1 negrinha de 12
anuos ; no pateo de S. Pedro n 6.
Carro.
Defronte do pateo de S. Francisco, na co-
cheira do Sr. Francisco Jos dn Silveira,
vende-se um lindo carro nmo do 4 rodas,
ltimamente chega lo de Franca, com lan-
ga, varaes e arreios completos para um ca-
vallo. tudo do ultimo gasto.
- Na ra da Madre de Dos, defronte do
consulado, armazem de Machado & Dantas
vendem-se poucos saceos .] farinua "^
alva e lina, igual a da Murbeca, pei0 preco
de IOS, o estao quasi acabadas. v
Aos selleiros.
LSa de barriguda muito boa. em porc3o
grande ou pequea ; na ra do Queimauo
loja do Gouveia n. 27.
Attenco
o
Para acabar.
Vendem-se sedas de superior qualidade e
ricos padres, o covado a 1300 : ua ra do
Queimado n. 11.
Vendem-se alguns ps de flores para
jardim, conbecidos por Santa Mara, e ou-
tros chamam-lne manac, cheirosa, e um
p bota flores azul e branca : a piocurar na
ra do Cotovello, olaria do Sr. Marcelino.
Vendem-se velas de carnauba e
cera para ditas, e peixe secco vindo do
Acaracu' ltimamente : na ra do Quei-
mado loja de ferragens de Jos Rodri-
gues Ferreira.
Vende-se um excellente cavallo de
cabriolet : na cocheira do Sr. Silveira
defronte de S. Francisco.
Vende-se um escravo cabra, de idade
26 nnos, proprio para todo servigo: na ra
do Collegio n. 16, terceiro andar.
Virginias de seda e algodao. de boni-
tos padrOss, para vestidos a 300 rs. o cova-
do : Da ra do Cres po n. 3, loja de 4 portas
ao p do arco de Santo Antonio.
Agencia
la fundicao Low-Mo
ma lia Sencala 'ovq.
n. 42.
Nesteostabeleclmentocontlnu'aahaver
um completo sortimento de moendase
meias mociulr.s paraengenho, machinasd-
vaporo taixasde ferro batido e coado "'
lodosostamanhospara dito.
SEMENT DE ALGODAO'.
No consulado britannico ra do trapiche
n. 13, ba para vender por um p-eco muito
commodo urnas 90 barricas d> melhor se-
ment de algoJSo de Nova Oleaos nos Es-
tados Unidos.
Novas pampelinas r*) seda muito ricas
para vestidos a 15 o covado, novas sedas la-
vradas para vestidos 19200, cortes de col-
Ictes de velludo a 7->n res, ditos de fusiflo
a 500 res, lengos ie seda grandes a 18, ditos
de cassa a 200 Ss, cortes de calsa gasineta
padres ricos 23, ditas de brim a 800 reis,
luvas branes para homem e senhora a 300 o
par, cobertores de paffo a 18800, camisolas
de 13a pira escravos a 18400, roupa foita
azul f de cores para ditos a 900 reis cada
pec/> chapeos de sol de panno a 18800, ma-
d^olao mnito fino a 3J600, 48, 48500, 58500,
5 outras muitas fazendas baratas, na ra da
Collegio loja n. 9.
Na ra doQueimaio n. 4, primeiro an-
dar, vende-sel jogo de diccionarios fran-
cez (Fooseca), 1 aito de ditos portuguez
(Fonseca e Roquethe), 1 grammatica Bur-
gain, 1 nova guia de conversagSo franceza,
e diversos livros que se vendero por prego
commodo.
Vende-se urna mulatnha de 13 annos.
prendada e de boa conducta : quem quizer,
procure na ra da Aurora, loja da quina
n. 62.
Vende-se urna prensa de lithographia,
com bastantes pedras j com estampas aber-
tas : quem a pretender, dirija-se a ra dos
Copiares n.29.
Farinha
5^000.
Vende-se farinha de mandioca a 58000 o
sacco : no Forte do Mal tos, armazem de Ile-
meterio lrrx.no, confronto ao trapiche do
algodao.
SYSILMA MEDICO
1IULLOWAY
PILULAS HOLLOWAY
Este Inestimavel especfico, composto n-
leiramentedehervas medicinaes, nSo con-
tm mercurio, nem alguma outra substancia
delecterea. Benigno maistenra infancia,
ea compleigao mais delicada he igualmen,
te prompto e seguro para desarreigar o mal
na compleigao mais robusta ; he inteira-
mente innocente em suas operagOes e effei-
tos ; pois busca e remove as doengas de
qualquer especie e grao por mais antigs e
tenazesque sejam.
Entre militares de pessoas curadas com
este remedio,muitas que ja eslavam s por-
tas morte, preservando em seu uso ; con-
seguirn! recobrar a saude e forgas, depois
de haver tentado inutilmentetodosos ou-
tros remedios.
As mSis afilelas nSo devem entregar-se a
desesperago; fagam um competente en dosellicazes effeilos desta assoinbros med
cia, e prestes recuperarao o benencio da
saude.
N3o se perca tempo em tornar este reme-
dio para qualquerdas seguirles enfermida-
des :
Accidntese pilepticosiFebres intermitiente
Alporcas. Febreto da especie.
A npulas.
Areias(malde/'
Asthma.
Clicas.
Convuls3CS.
Debiliilado ou exte-
na {3 o.
DebiiidaJcoufalta de
forgas para qual-
quer cousa.
oysinteria.
Dor de garganta.
de barriga.
nos rins.
Dureza no ventre.
Colla.
Hemorrhoidas
Hydropisia.
Ictericia.
IndigeslOes.
lnflammagoes.
Irregu la ri da des da
menstruag<1o.
Lombrgas de toda
especie.
Mal de pedra.
Manchas n,. cutis.
Obstruegao deventre
Tsica ou consump-
gao pulmonar
Ceblas
No largo do Pelourinho n. 5-7, vendem-se
ceblas em molhos, ul .mmente ebegadas
de Lisboa, ua barca Li^eira a 1^280 o c-nio.
Receidas em direitura de
pars.
Ricos cortes do vestidos de seda de
cor e brancos 9
Corles de cambraia de seda borda-
dos ao lado
Grnsdenaples preto cncorpado, co-
vado I06OO a
Dito de cores e branco, covado
Seda branca lavrada para vestido
de noiva, covado loOO a
Belleza da China, fazenda toda de
seda, covado
Setim preto maco para vestidos,
covado 2s700
Velludo preto o melhor possivel,
covado
Meio velludo preto o de cores, co-
vado
Velbutina preta e de cores, covado
Folar de Pars de seda com listas
ma Usadas, covado
Ricas sedas de cores de noves pa-
dres, covado
Diana de seda lavrada mui linda,
covado
Se liabas do quadros e lustras, co-
vado
Popelinas de seda o 13a, padres
novos, covado
Baregede seda, padres miudinhos,
covado
CorgurSo de soda com flores, covado
Panno preto e de cores, prova de li-
m3o, covado Zf a
Casemira prela solim,covado 18700 a
Musselina de cor e branca, covado
Chitas franeczas de cor claras e es-
curas, covado 280 a
Cambraias organdys.uovos padres,
vara a
Cassas franeczas linas, padres no-
vos, vara a
Ditas ditas, vara a
Mantas de Blond, pretas o brancas
Manguitos e golinhas bordadas
Tiras e entremoios bordados
l'ulceiras de velludo, froco e fita
Lengos do cambraia, finos, com la-
byrintho
Chales de merino com fianja de laa
Ditos ditos de seda
Ditos ditos bordados a seda
Ditos ditos bordados a vullu lo
Ditos de seda de peso
Cortes de casemira de cor finos
Colletes de dita e de seda bordados
Chapeos pretos francezes modernos
Grvalas de seda coinpridas com
annel
l'aletots de alpaca prctf, o de cor,
forrados
Gndolas de alpaca preta e de cor
l'aletots de brim pardo e bretanha
Ditos de fustSo ganga o outras fa-
zendas
Ditos de alpaca preta
Passando o becco da Congregag3o, do lado
direito em seguimento para o Livramento a
quarta loja de tres portas com rtulos bran-
cos n. 40.
2^500
15920
28500
15 tOO
48500
58500
1S400
750
13100
18920
18000
900
13000
610
850
78500
38200
320
360
18280
500
320
8
O
9
9
18000
43800
6000
6*300
11^000
3
65OOO
9
78000
75000
55000
4-000
4-000
3:800
Enfermidadesno vcn-Rclcng3o de ourina.
tre- Rheunalismo.
Enfermidadcs no figa-iSymptomas socun-
.do- I darios.
Ditas venreas. Tumores.
Enxaqueca. Tico doloroso.
Herysipela. Ulceras.
Febres biliosas Venreo (mal).
Vendem-se estas pilulas no eslabeleimen-
to geralde Londres n. 244. loja detodosos boticarios droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, llavana e Hespanha.
Vendem-se as bocetinias a 800 rs. cada
urna dellascontm urna instrucg3oem por-
tuguez paraexplcar o modo desse usar
destas pilulas.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum
pharmaceutico, na ruada Cruz n.22, em
Pernambuco.
Ruado Crespn. 10.
Loja de Jos Gongalves Malveira, vende-se
cigarros de papel pardo chegados a pooco a
58000 o milheiro, ditos de papel branco a
300 reis o mago.
I Attenco. |
,<. Kissol, relojociro francez, vende J
jg relogios de ouro e prata, concerta ^
? relogios, joias e msicas, ja aqu he
g5 conhecido ha muitos annos.habita no ^
a pateo do Hospital n. 17. ;[;
rZr \*y S x> <*r V.
^@@S
Vende-se um cabriolet com o cvalo,
caso convenha ao comprador, por prego mu
em conta : a fallar na cocheira de Fra de
Portas, com o respectivo caixeiro, onde
existe o mesmo cabriolet para ser visto,
sendo que he de patele Inglez, muito for-
te, e vendido a prego em conta, por ter al-
gum uso, acompauhando-o os| competentes
arreios.
Attenco
Acaba de chegar i loja de miudezas da ra
da Cadeia, esquina da Madre de Dos, um
rico e variado sorlimento de jarros de por-
c lana e vidro para sala, espelhos grandes e
pequeos, moldura dourada, camislnhas e
goilinhas para senbora, enleites para cabel-
lo, ricas fitas com avelludados, perfumaras
de muitas e ptimas qualidades, borzeguins
de couro de lustre para homem, senhora e
meninos, palitots de casemira preta e brim,
lanteraas de vidro e metal, sapalos de bor-
racha para homem e senhora, pentes de
muitas qualidades, capacbos grandes e pe-
queos, compridos e redondos, e gran le
sortimento de miudezas, quo se vendem pe-
los mais mdicos pregos.
Helo ios.
Vende-se em casa de Saunders Brothers
& C., praga do Corpo Santo, relogios do afa-
mado fabricante Roskell. por pregos commo-
dos c tambem trancellins e cadeias para os
mesmos de excellente gosto.
Taimas de
fustao
Vondem-se taimas do fust.lo bordadas e
enfeitadas para senhora. assim como casa-
veques de cambraia e fil, manguitos, goili-
nhas para senhora e menina, rcmeiras do
cambraia, camisnhas com golas e mangas,
tiras e babados, tudo isto bordado do me-
lhor gosto, e modelos inteiramente novos,
dos mais modernos de Paris : na ra do
Ciespo, loja 11 23.
Nova agua de malabar
Vende-se esta agua a melhor que tea ap-
parecido para Ungir o cabello e suissas de
preto : na livraria universal ra do Colleg:o
n.20, d-sejunto um mpresso gratis ent
nando a forma de applicar.
-- Vende-se um cavallo bastante grande,
gordo e novo, e de bonita palle por ser cas-
tanho foveiro, e muito bom do cabriolet por
ter sido ensillado : a tralar na cocheira do
largo do arsenal de marinha.
Vendo-se em casa de S. P. Jonhston &
C, ra da Senzala Nova n. 42, o seguinte :
sellins inglezes e silhes, relogios de ouro
do patente inglez, candiolros e castigaes
bronzeados, arreios para carro, lonas ingle-
zas, lio de vela, graxa para arreios.
Vende-se superior linba da algodSo
brancas e de cores, em novelio, para costu-
ra : em casa doSouthall, Mcllor & c, ra
do Torres n. 38:
Rape.
Chegou nova remessa de rap francez: na
ra do Crespo n. 12, loja de Campos & Lima
: ;Qvk&% ix-;-^-:-* &&#&.:!:
-;;, a 50000 0 coitr :. ftj
i Novos corles de vest lo de cam-
$5 braia de cores conl 3 e 4 ordens de O
S babados pelo baralissimo prego do tj
;- 58 cada corle, ten Jo tamLem algum gh
S proprio para aliviar luto: oa loja
w da ra do Queimado n. 10 do Leite,
@ Arthur *i C.
Fariiih \
vendem-se saceos grandes com farinha
muito lina, vinda de Goianua, e mais barato
que em qualquer outra parte : na taberna
grande ao lado da igreja da Soledade.
Vendem-se 2 escravos pegas de 20 a
25 anuos, 1 dito bom ollicial de pedreiro, de
26 annos, 1 mulaiinho de 16 annos, pega
linda, com ollicio de cozinheiro, copeiro, e
bolceiro, 1 preto de meia idade, do muito
boa conducta, sem vicios n-m achaques, 4
raparigas de 12 a 20 anuos, com algumas ha-
bilidades, por pregos razoaveis : na ra Di-
reita n. 6(
LAVAS NOVASE BARATAS.
Na ra do Encantamento, (ahorna da es-
quina u. 77 tem muito boas favas, u vundem-
so a 80 reis|a libia.
Aviso.
No armazem do Adamson Howie \ G., ra
do Trapiche n. 42, vendem-sc sellins prra
homem e senhora, arreios pratiados para
cabriolet, chicotes para carro, coleiras para
cavello. etc.
Attenco
He barato que
admira.
Na ra do Queimado n. 37, nova loja de 4
portas,acaha-se de receber pelo ultimo vapor
vindo de Franga, ricos cortes de vestidos de
seda com 3 babados para 308, 50, 60, 70 e
80)000, ditos sem babados a 258, sahidas de
baile a 238, 24, 25 a 30/000, enfeiles para
cabega do melhor gosto que se pode encon-
trar a 108 12 e 148000 cada um, manguitos
bordados de cambraia a 2/300, 3 e 58 o par,
camisnhas bordadas com manguitos e gol-
luiha a 13/, goilinhas bordadas a 18200,
18600, 28200 e 28500, tiras bordadas a 800,
900 e 18 a vara, cortes de barege a 78, gaze
de seda a 700 e a 800 rs. o covado, folar de
seda a 800 rs. o covado, grosdenaples mofa-
do a 18 o covado, dito limpo boa fazenda e
18800 o covado, dito preto a 18600, I98OO a
25. mantas pretas de fil bordadas a 9 e 128,
chapelinhas para senhora muito boa fazen-
da a 148. chales de merino bordados a 68, 8
e 118, ditos de touquim bordados a 208.
cortes de cambraia de salpicos a 58600, ditos
de seda pretos muito superiores 803 a 908,
chales de merino pretos a 48> lengos de re-
troz a 2s, chapeos de sol de seda superiores
a 108, ditos a 78, ditos de pello francezes 79
a 88, chapeos de lebre a 68500, ditos de fel-
trolinosa 59500, ditos de feltro enfeilados
para menino superior fazenda a 58500, cor-
tes de casemira bordados a 63500, ditos lisos
a 48, cortes de brim de linho a 28500, ditos
a 28800. ditos de meia casemira a 28800, ca-
misas francezas brancas de linbo a 48500,
ditas de madapoln finas a 28400, 29500 e 39,
ditas de cores a 25500, ditas de mosqueteiro
a 48, musselinas brancas a 320 rs. o covado,
ditas de cor a 320, 360 e 400 rs. o covado
muito finas, chita franceza muito superior
a 280, 320 e 360 o covado, ceroalas de linho
muito finas a 38, goardanapos brancos a 38
a duzia, luvas de fio de Escocia a 900 rs. o
par, muito boa fazenda, flanela branca a
480 o covado, ditas de cores muito finas a
900 rs., grvalas de retroz a 29, ditas de se-
tim bordadas a 38, ditas de seda a 600, 800 e
18 cada urna, cortes de seda branca com lis-
tras azues assetinadas a 208 o corte, cam-
braia de salpicos muito fina a 900 rs a vara,
fil de linho liso a 640 a vara, dito bordado
a If'iOO a vara, meias de seda brancas 48 e
58, boa fazenda, ditas pretas 48, lengos de
seda para homem a 28, ganga de cor a 300 e
560 rs., bombazina a 18400 o covado, panno
fiuo preto a 35, 33500, 48500, 58500, 7 e 88,
dito cor de caf a 38 o covado, dito azul 39
a 58500 o covado, casemiras pretas a 28200
at 48 o covado, damasco de 13a de duas lar-
guras a 28800 o covado, dito estreito a 800
rs., velbutina preta e de cores a 750 o cova-
do, velludo preto a 68 o covado, brim bran-
co de linho a 18200, 18500 e 28 a vara, gr-
valas com um annel por 5850, meias bran-
cas para homem muito finas a 78, SelOsa
duzia, cassas francezas muito finas a 480,
560 e 600 rs. a vara, collarinhos brancos a
220 cada um, lengos de labyrintho a 19, pa-
litos de panno, de casemira e de alpaca, pre-
tos e de cores, caigas de casemira e colletes
de gorgurSode seda, tudo muito bem fcito
e para diversos pregos, sarja prela para for-
ro a 18200 o covado, cortes de colletes de
casemira bordados a 5>, ditos de gorgur3o
de seda a 358O, e muitas mais fazendas que
n3o he possivel equi fazer meng3o dellas
pelas muitas variedades que se encontram
aqu neste eslabelecimento : quem quizer
venha ver e traga dinheiro, que uo vai sem
fazenda barata
Sabiio castanho, amarello e branco.
No largo da Assomblea n. 9, vende-se o
sabo cima, por prego commodo, para fe-
char contas.
&a* casadeRabeScnmettau &Companhia,
rua da Cadeia n. 37, veudem-seeleganie
P!anoscto afamadofabricante Traumann
de Ham bu rito
Vende-se um mulato padeiro, excel-
lente amassador, o forneiro : na rua da Ca-
deia do Recito n. 48.
Superior fari-
nha de m>ndoca.
Domingos Alves Matheus tem para
vender em seu armazem da rua do Viga-
rio por Laixo Jo escriptorio do Sr. Anto-
nio Jos de Castro, muito superior fari-
nha de mandioca cm saceos grandes por
procos mdicos.
Milito do Rio
O ultimo desembarcado.
Vende-se milho do Rio, de ptima quali-
dade, em saceos perfeiUmente cheios, e por
precinho de camarada : no Forte do Mattos,
armazem de Hemeteno & Irmo, por baixo
do sobrado confronte ao trapiche do al-
godao.
FARINHA
A 4,000 rs. o sacco de JO
cu a?.
Venile-se na taberna de Joaquim Vieira de
larros, travessa da Madre de Dos n. 64.
Millioaf,? e 6,500 por
sacco.
Milho em saceos de superior quali lade,
recontemente chegado : no armazem do
Guerra, confronto ao trapiche do algodao,
e em fronte da rua da Madre de Daos.
1SCASISM0 2kU m.
Vende-se urna escrava moi
urna cria me tem todas as liabi
pie sao co/.inliar, engommar, faz
los de todas as qualidades, fazer lu
tlio e entende mu lo do costura : a
no armazem de Manoel Joaquim di
veira & C. rua do Codorniz n. 16
frente do becco da Madre de Dos.
NA FUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W. BOWMAN, .lA
RUA DOBRUM.PASSANDOOHA-
FARIZ.
ha sompre um grande sortimento dos se-
guintes objectos de mecanismos proprios
para engenhos, a saber : moendas o meias
moendas da mais moderna construcg3o ; ta-
chas de ferro fundido e batido, de superior
qualidade e de todos os lmannos; rodas
dentadas para agua ou animaos, de todas as
proporges; crivos e bocea de fornalha o
registros de boeiro, aguilhes, bronzes, pa-
rafusos o cavilbes, .rombos de mandioca,
etc. etc.
NA MESMA FUNDICAO,
seexeculam toas as encommendas costa
superioridade ja conhecula com a devida
presteza e cora oddade em prego.
Vende-so um sitio na povoagSo do Bar-
ro, tendo 100 palmos de fronte e 60 de fun-
do, tem duas casis contiguas, sendo urna de
20 palmos de frenti e outra de 50, cercado
de limoeiros e com bastantes pinheiras e la-
rangeir s novas, algumas j de frucio : quem
pretender, dirija-se ao collegio da Aurora,
que achara com quem tratar.
Vendem-sc queijos do coalha muito
frescaes a 640 rs. o libra : na rua dos Mar-
tynos n. 36
i'eude-se um cavallo de carro ; os pre-
tendentes dirijarn-so a rua do Cebo n. 22,
para o examinaren), c para negocio, rua
do Queimado n. 44.
Vendom-so '2 escravos mogos, de bo-
nitas figuras, de idade do 18 a 20 annos,
bons carreiros : na rua Dre'tao. 3.
Vendem-se lijlos do marmore pollegadas qua iradas, cadeiras genovezas
brancas e pelas, siogelas e de brago, e so-
las, por pregos commodos : cm casa do Bas-
to di Lomos, rua do Trapiche n. 17.

Sellins e ralegi os.
SELLINS e RELOGIOS dep Kanle
inglez : a venta no armazt a da
RoalrouRooker & Comptnbi. > -
quina 'lo largo do Corpo Sanl o nu-
mero 48.
No antigo
deposito de assucar da rua do Viga rio o.' 27,
vende-se por menos do que em outra q il-
quer parte, velas de carnauba de differe- :ea
hitlas, em pequeas e grandes porges.'
COMPLETO
Sortimento
DE ROPA FEITi
Vendem-se palitos, caigas, colletes e ca -
misas de todas as qualidades e modello *
que convier ao comprador, por pregos con -
modos, e mandam-se em casa para mar
commodidade das pessoas que assim o dse1
jarem : na rna do Crespo, loja n. 23. j
Farinha d
mandioca.
Vende-se superior farinha de man-
dioca por preco mais barato doque em
outra qualquer parte : no armazem n
5 defronte do trapiche do Cunha.
GRANDE
PECmxCHA DE MADAPOLAO' COM
PEQUEO TOQUE DE AVARIA.
Wa loja do l*re-
guiga, na rua do Queimado, esquina dooec-
co do Peixe Frito n. 2, vende-se madarol3o
com pequeo toque de avara a 29800 i pe-
ga, ditos largos a 35 e 3/500, ditos ditos fi-
nos a 45 e 4500 a pega, cambraias lisa.-flnas
com 8 varas a 2J500 e 35 a pega, pecis de
casss de quadros finas com alguns fuos do
cupira e com 10 varas a 25800 cada um.
]i com
lidades
;r bo-
>yrin-
tratar
Oli-
em-

I

Cabos sortidos da Russia, G-i- t,
& 10 e Manilha.
C Lonas da Russia, brins e bin-
zes.
Cobre e metal para forro om
pregos.
Oleo de linhaca e Velas ste ri-
as. *j
Estanho em barrinhas, lar- {$
rilha. .
Vinhos finos de Mosellc e Jan- c
ji nisberg espumoso, e de Borcux
a cmquartolas. ^,
i C. J. ASTLEY & C fifc
TACHASPARA ENGENIO
Da fundirlo de ierro dcD- W. bwman
na rua do Bium, passando > chafa-
riz, continan haver umcompltosorti-
mentode tachas deferro fundid, e bati-
do, le I a 8 palmos de bica, as juaesse
echam a venda por preco commolo ecom
proinptidao,embarcam-se ou caiegam-
se em carro sim despezas aoconprador
Saccas grandes com supe-
rior farinha.
Vende Antonio Luiz de Olireira izevedo
no seu armazem rua do Vigarion. 2.
Marcelino Jos Lopes vendo dus criou-
linhas de idade de 12 a 18 annos, pouco
mais ou menos, sem achaque algm : na
rua da Alegra, casa n. 34.
REMEDIO IMCOMPARAVEL
UNGENTO HOLLOWAY
Milhares de individuos de todas a nages
podemtestemunharas virtudes des reme-
dio incomparavel e provar em caso ecessa-
rio.que, pelo usoquedelle fizeramem seu
corpo e membros inteiramente sSo.'depois
de haverempregadoinutilmente oulos tra-
tamentos. Cada pessoa poder-se-ha onven
ccr dessas curas maravilhosas peleitura
dos peridicos que Ih'as relatara tdos os
dias ha muitos anuos; e a maior pal deis
las s3o t3o sorprendentes que admam os
mdicos mais celebres. Quantas pessas re-
cobraran! com este soberano remedo o us
de seus bragos e pernas, depois de tr tper-
manecido longo tempo nos hospitae, onde
deviam sotfrer a araputagSo! Dellas h mui-
tas que havendo deixado esses asyloslo pa-
decimento, para se nao submetterera essa
operago dolorosa foram curadas corneta-
mente, mediante o uso desse precioo re-
medio. Algumas das taes pessoas na fusSo
de seu recoubecimento declararam ests re-
sultados benficos diante do lord corege-
dor. e outros magistrados alim de mai au-
tenticaren! sua allirmativa.
Ninguem desesperara do estado d su-
saude se lvesse bastante conlianga pai en-
saar este remedio constantemente seiun-
do algum tempo o tratameulo que neessi-
tasse a natureza do mal cujo resultado cria
provar incontestavelmente: Que tudo ura.
O ungento he ulil.masparticulurnate
nos seguales casos
Alporcas.
Cainibras.
Callos.
Canceres.
Cortaduras.
Dores de cabega.
das costas.
m dos membros.
Knfermidades da cu-
lis em geral.
Enfermidades do anus
Krupgesescorbutcas
Fstulas no abdomen
Frialdade ou falta de
calor as extremi-
dades.
Frieiras.
Gengivasoscaldadas.
Inchages.
I nlla mina gao do ligado
da bexiga.
InTlaminagao da na-
triz.
Lepra.
Males das pernas
dos pe tos.
de olhos.
Mordeduras de refis
Picadura de mosqi-
tos.
I'u I nies.
Queimadelas
Sarna.
Supurages putrids
Tiuha, em qualqr
parte que seja.
Tremor de ervos.
rieeras.ua bocea,
do figado.
das articulages.
Veias torcidas ou no
dadas as pernas
Camas de ferro.
T. T. Rastos, rua da Cruz do Recfe. ar-
rnazeni n. 7, acaba de receber de Pars nelo
navio Carmn, excellenles camas de ferro
bronzeadas, e com co.xao elstico paraba-
?n.?/"r* 1solleiro' ditas A> dfferentes
qualidades, elegantes bergos de ferro, lava-
torios de ferro com todos os pertences para
barba, cadeiras e camaps de ferro muito
proprios para jardim, terragj, etc., e ben
assim armarios de rame nvernisados de
diterentes tamanhos, proprios para guardar
modo ld M V8ade Pr pre5 com"
-- Vende-se farinha de mandioca por pre-
go commodo : na rua a Senzala Nova n.
J. taberna.
vfliTo ^enn=emJSe n? oljria rna d0 Coto-
vello, do Sr. Marcelino ps de sapotasgran-
bu lo e*'X0"8' prPrios P em-
Linguas do Rio Grnnde e marmelada.
n. ., ?".8 MW Que tem havido :
cas. ri' P,,ia' "*%?? n" l0- N nesma
BMS5?1 umdtccionario de Morres
ou Constancio, em gra ide volume e portu-
guez, que estej. emregular esudo.
th7 .VJSde,S'*5t0,,b,8 e ,enos de labyrin-
nh'e hU0S b.ord!d*8. '"do d cambraia de
hnbo, de muito bom gosto. e precos com-
modos, assim coiio patos e esleirs do
16 aC*20 : "* rU" Ap0,l' ,rmazens "
Relogios j
Vendem-se relogios do ouro, inglezes de
patente : no armazem de Augusto C. de A-
1 breu, rua da Cadeia do Recife n. 36
^ Na rua dt Cadeia n. 28 taberna de D.
S. Campos, vendem-se em pequeas e gran-
des porges bichas hamburgueas das me-
Ihores que ven ao morcado, e tambem se
alugam. jj
Algodao da hahf i e fio de
algodao.
Vende-se no armazem da rua do Vigario ,
. 22 de a.0tonio Luiz de Ol veira Azevedo.
dviso.
Na loja de Antonio Lopes Pereira de Mello
"* ." JTua da C*"16' do Recifa n. 7, vendem-
se libras de muito bom rap de Lisboa che-
grio ltimamente pelo preco de 23400 rs.
ca'la urna.
Ma loja das seis
portas em frente do
Livramento.
> Barato que admira.
Sedas de quadros, fazenda nova a 18200 o
^r?,C?ue\de di,os C0IB 19 covadosa
?BW>o, goilinhas bordadas finas a 19600.
lilas a ijfjoo, cortes de ISa com babados,
fazeeda nova a 83. cassas francezas Anas a
560 avara, musselina encarnada mnito lar-
ga a $20 o covado.
la loja
das seis portas
EMPRENTE DO LlVRAMEIVfO.
Barato para acabar.
Musselina encarnada a 320 o covado, cr-
lSftA6 fisem'ra ingleza cores escuras a
-' ?00, ojlletes de casemira bordados a 19,
cambrai musselina fazenda fina a 320 o co-
vado, clles pretos de 13a a I96OO. pegas de
bretantade rolo a 2 meias para meninas e
menino! a 240 o par, chitas escuras tintas
hxas a 10 o covado, cassa chita de cores a
160 o coado, luvas pretas de seda para se-
nbora aiOO rs. o par.
~ N rua do Rangel n. 62, armazem da
porta larra, existe anda um resto do arroz i
pilado de-29400 rs. a arroba, o qual faz mul-
to boa tta.
L\a lja das seis
portas em frente do Li-
vramento
Para icabar com algum resto de
" fazendas.
I.anzinl com 5 palmos de largura para
vestidos 100 rs. o covado, cortes de cassa
chita 6 liaras a I96OO, ditos de salpicos
finos a 2/riengos de retroz a 500 rs. cada
um, corteje colletes de casemira borda-
dos a 19, cfeles de merino com flores a 29,
chitas esaas tinas para cobertas a 200 rs.
o covado, Sitos para camisa com colleri-
nho a 54)01. cortes de colletes de fuslflo a
500 rs., cMes pretos de 13a a I96OO. lengos
de seda bneos- e encarnados a 800 rs ;
d3o-se aointras com penhor ; a loja esta
aberta das da manhSa s 9 da noite.
eiojos
1 ~ *
cobertot eii'escobertos, pequeos e gran-
des, de ur patente inglez, para homem
e senhora, le um dos melhores fabricantes
de Liverpool, viudos pelo ultimo paquete
inglez : encasa de Southall Mellor & c.
rua po Torna n. 38.
Venden-se dus escravas, senado uma
mulatinla da idade 14 annos, pouco mais ou
menos, eoutra mulata do idade de 30 a 25
aunos : na rua Direita n. 72, se dir quem
vende.
4
f Stt ;?*>$ ft**9&
Vendese|este ungento no estabelecimen-
to geral de Londres n. 244, oSlrand, e na
loja de todos os boii -arios droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, Havana e Hespanha.
Vende-se a 800 rs cada boectinha,contm
uma iustrucg3u em portuguez para explicar
o modo de fazer usodesle ungento.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum,
pharmaceutico, na rua da Cruz n.22, em
Pernambuco.
Pechincha.
Vende-se superior farinna do mandioca,
saceos grandes, 75 a 7;500 : ua rua do Quei-
mado n. 14. loja do ferragens de Jos Rodri-
gues Ferreira.
Na roa do Queimado n. S, vendem-se
diccionarios de Moraes, sexta edig3o, publi-
cado este annoem Lisboa.
m
H
r
A ^iOO K 2880.
Novos corles de m.-i^s casemiras
de 13a do cores dilerentes, para cal-
gas pelos baratos pregos cima men-
cionados: na loja da rua do Quei-
mado n. 10, de Leite, Arthur ,\ C-
CHAPEOS PAR SENHORA
Vendem-se na loja de Adriano iV Caslroi
rua do Crespo n. 16, esquina, chapeos para
senhora muito enfeilados a 10j cada um.

iK
*
Fugo no dia 26 de junho prximo pas-
sado roe o cabra Sim3o, com os signaes
seguintei: alto, um tanto cheio do corpo,
cabellos retos e crespos, com orna cicatriz
.de um tatio no dedo grande de um dos pes,
muito falador e barbado, mas cortou toda
a barda a les de sabir para nSo ser conhe-
cido, que passar por forro, trabalha do ca-
rapina e ledreiro, levou ferramenta de uma
e outra cusa ; foi da cidade de Nazareth :
pede-se, prlanto. todas as autoridades e
capitaes d) campo que o mandem apre-
hender e bvar em tpipucos ao seu sennor
Jos Cesaro de Mein, ou a casa de deteocao
e promette-se paga com generosidade.
Desappareceu a noite de 91 de abril
do correte anno o ecravo de nome Floren- 1
tino, com es signae seguintes : estatura al-
ta, cor mulita, sem jarba, espaduas largas
ps grandes, rosto ompndo, olhos casta-
nhos, cabellos pegads, falla grossa, muito
regrista, tem falta d 3 dentes na frente, em
um dos lados do quixo levou chapeo de coco e camisa de nscadi-
nho : quoni o pegarlve-o a fundig3o da Au-
rora em Santo Ami, que sera generosa-
mente recompensad*
IOO9OOO DE Fugio do Ri de Janeiro, no dia 23
de margo do orreuta anno, um par-
dinho de nome'rederico, o qual cons-
ta que mudou onoie para Pedro, de 14 a/**
15 annos de idade, boita figura, com os sig-
laes seguintes : altoiem um dente partido
.ia frente, beigos grusos, gagueja um pou-
co quando se assusta; tem m3i e irmSos
para o lado do Cllete.'onde he lilho. Quem*
o levar a rua da Pcnh n. 6 receDer a gra-
lilicagao cima. I>escnlia-se que ande, em-
barcado de ajudante le cozinha por ter al-
guma pralica. Prolcsi-se contra quem Ihe
der couto.
Fugio no domingo 2'J do corrente, um
moleque crioulo, idade dcO annos, baixo,
corpo regular, com uma oelha Parada com
uma argola, cor fula, levu vestido uma ca-
misa de chita preta, calg. de casemira es-
cura, jaqueta de brim pado, tendo fgido
do Recife, foi em leberile e carregou com
um cavallo rugo puxande a pcrez, grande,
com cabresto e cangelha.e tomou a estrada
para o Recife : roga-se as autoridades poli-
ciaes a captura do dito moleque e o caval-*y
lo; tambem se roga a qualquer pessoa que
delle souber, dar noticia na na Direila u.
6, padana de Anti 1110 Alves do Miranda
C.uimaraes, que ser gratificad
PERN. TYP. DE M. F. DE EAR1A. 1858.
MIITTTIfnifT


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8BR1DEZA_HRSFRT INGEST_TIME 2013-04-24T19:59:09Z PACKAGE AA00011611_06951
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES