Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06916


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anm, XXVI.
Sexta-feira 94
BAB.T1BAB BO OOHBOI.
Goianna e Parahiba, segundase sextas feiras.
Rio-Tiraude-dn-Norie, quintal feiras ao meio-
Cabo, SerinbSem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no 1., a 11, e 21 de cadamez.
Garant mu e Bonilo, a 8 e 23.
Boa-Vista c Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas reirs.
Ollnda, todos os das.
.j T? -f-ipg.-KW.'
IBM.
/Ming. a 4, s 8 h. e20 m. da m.
D.... ... |Noa all.is 8b.e -i9m.dat.
Paisas mim. Cretc- a I8> h.e 33 m. da t.
(Chela a 25, s 9 h.e 48 m. da t.
PEIUIE M hoji.
Primera as 2 horas 54 minutos da tarde.
Segunda as 3 horas 18 minutos da mantas.
de Malo de 1830.
N. 117.
BIAD BA SIA3*A.
120 Seg. ffifi Pri metra oitava. S. Bcrnadioo de
- Sena.
Ill Ter9. S Segunda oitava S. Mancos.
122 Quart. S. (lita de Cassia.
23 Quliit. S. S. Basileo.
24 Sext. S. Afra.
VHEQO* BA UBSOaifplo. I
Por tres raezes (tomuaV) 4/000125 Sab. S. Gregorio.
Poraeismrzes 8/000 f
Por um anno 16/000120 l?oai. da SS. Trindadc.
ounioi ih 2? BE MAIO.
Sobre Londres, 27 a27'/, d. por 1/000 rs
. Pars, 346.
. Lisboa, 95 por cento.
Ouro.Oneai hespanhoei.........29/000
Moedas de 6/400 velhas.. G/Oiin
. de 6/4o0 novas.. 16/200
de 4/000........... 9/I0
/'raa.Patacoes brasileiros...... 1/J80
Pesos columuarios....... '^2512
Ditos mciicano.......... 1/800
a 60 dial.
a 29/50
a 16/Xfc,
a 161400
a 9/2(10
a 2/WO
a 1/9HH
a 1/820

*~-d.u->fr
PE- NAMBUCO
ASSEMBLA PROVINCIAL
97.' SESSAO ORDINARIA EM 18 DE MAIO
DB1850.
PBMIDKCla DO 8. FKDaO ClVALClNTI
fiuMVinio. Approracao da acta da sendo
anlirior.Expediente. Requerimentoi.
Parecer**.Nomeacio da depulacao para
reeeber na ante-tala t conduzir cata o
Exm. presidente nomeado para a provincia,
los Ildefonso de Souza Ramos. Juramento
deite. Ailiamento, pela hora, da discussdo
das emendas aoprojecto n. ti.
A's 11 1|2 horas da manhSa, 'feiU a cha-
mada, acham-se presentes 32 Srs. deputa
dos, faltando com causa participada os
Srs. Barios Brrelo e Souza LeSo, o seai ella
o Sr. Machado Rios.
O Sr. Presidente abre a sessflo.
OSr. a. Secretario l a acta da sessSo
antecedente.
O Sr. i. Secretario menciona o geguinto
ESPEDIENTE.
Um oflicio do secretario interino da pro-
vincia, c<)!ii|.aiilin lo urna iciicflo de Jos
Bernardina de Sena, na qual protesta con-
tra o parecer dado pelo director interino do
lyceu Junuario Alejandrino llabello da Sil-
va Caneca, acerca dos compendios de gram-
malica da lingos nacional A' commissao
deinslrucilo | ublica.'
Oulro do mesmo, remetiendo urna copia
do pritnciro additamento a relaciin da divi-
da passiva provincial pertencente aosejer-
cicios na mesma declarados, verificad do
primeiro de julbo de 18i9, e30de abril do
frrenle anno.A' coiumissiio de orna-
mento.
Um requerimento de Fr. JoSo Capislrano
de Medoupa, JoSo Francisco Bastos, e Jos
Naicizo Camello, pedindo que, por urna re-
solucSo, baja de maudar-se tomar coota da
livraria e utensis do gabinete Iliterario,
existente nesta cidade, o dos livros de sua
escripturacSo, bem como ao mesmo pagar-
se os alugueis da casa onde existe o mesmo
gabinete, decorridos do primeiro de 1847
ao ultimo de marco deste anno, a raso de
300,000 ris por auno.a' commissao de
petices.
Oulro de Mana Thereza de Jess, regente
do lecolhimeuto de Nossa Senhora da Sol
dade da cidade de Coianm>,pedinilo, em no-
. me das pessoas aln residentes, que a assem-
bla se digne de dtcrt tr algnm quanlilati-
vo em favor do mesmo recolr.imenlo.--A'
commissflo de Tazenda e orcamenlo.
Oulro do prelado diocesano, fazendove
a urgente necossidade <:e ser criada urna
Treguezia na ilha de Fernando.A' commis-
sao de negocios eccb siaslicos.
Em seguida, sao lulos o approvados os
seguinti's requerimentos :
Requelro que a assembla mande des-
enojar o Sr deputado Jos Filippe de Souza
l.elo.---!. Oliveira.
Requeiro que o parecer de commissln
de legislarlo obre o projeclo de riesapio-
priacSo to Sr. Barios Brrelo seja impiessn
conjnciamente com o dito projeclo, par
entrar em ordem do dia, cotu os Irabalhos
da cas Helio Reg.
S8o mandados imprimir o seguinte paie-
cer e o piojecto a que se elle refero :
A commissao de fazenda e# ornamento,
baseando-so no ornamento d receila e des-
peza provincial apresenlada a esta assem-
bla pelo governo, considerou em toda sua
importancia as necessidades e facultades
da provincia, os meios de levar a eUVilo a
arrtcadacSo e fiscalisacflo das rendas, e as
providencias a auitos oulros respeilos que
convem adop(ar-se | ara melhor conseguir-
se a satisIacSo das referidas necessidades, e
em resultado do seu Iribalho tem a honra
deapresentsr o seguinte projeclo de le do
orcamenlo, qi" julga dever ser approvado,
alien tas ai rasoes com que o juslilicsr op-
portunamenle.
Sala das conmissOes da assembla le-
gislaliva provincial do l'ernambuco, 18de
maio de KO.Jvt Pedro da Silva.M. *>
valcunli Hartos llarrttu, rom resnenlo,
He lido e lica adiado, por ter pedido a pa-
la vi a o Sr. Francisco JoSo, o seguinte pa-
recer :
. A commissao de ordenada, tendo em
vista o requerimento de Januirio Alexan
drinu da Silva Rabello Caneca, profssor de
desenlio do lyceu desla cidade, pedindo que
o seu ordenado seja elevado a um cont dr
ris como teem oa oulros proTessores de
Diesmo lyceu, he de parecer que se indefra
o requetlmenlo do peticionarlo, visto como
se veda inforniacflo do director do lyceu,
que so Ues alumnos se acham matricula
dos nessa aula.
Sala das commissoes da assembla le-
gislativa provincial de Pernambuco, 18 de
naio de 1850. Manoel loaquim C.nrneiro da
Cunha. Uml'elino Guedes de Mello.
O Sr. presidente nom os Sis. deputados
hsrao de Capiliaribe, Manoel Joaquim Cr-
neiro da Cunba e Francisco de Paula Rodri-
gues de Alineida, para comporem a depula-
Cflo que lem de reeeber na nle-sala S
Ele. o Sr. presidente da provincia.
Ao meio-dia aiinuncia-se a chegada de S.
Eso., que, sendo iulroduzido na sala com
as formalidades do estylo, prestando o ju
rmenlo piescripto no ai t. primeiro da iei
de3deoutubro de 1834, e relirs-se com as
niesmis formalidade com que havia en-
trado.
ORDEM DO DA.
fia a fo/ca policial para o anno financeiro
de 1850 a 1851.
O Sr. Bandeira de Mello :-Sr. presidente,
"ntre as emendas qncsn disculem, he um
3oe foi por mim apresentad, e he concebi-
a nostes termos. {L )
O art. 4 da Iei de 1848 diz assim : (l) a
ultima parte, que quero se supprima, he
assim concebida. (L.)
He isto que quero se supprima, visto que
nos extinguimos o hospital, storisando o
presidente da provincia a contratar com
outro hospital o curativo dos doentes ; o.
como nBo podemos marcar limites ao pre-
sidente, estipulando-lhe urna quantia par
esse fim, pareee-me ociosa esta dispo-
icio.
Ha lambem um artigo additivo, apresen-
lado pelo Sr. Francisco Jo3o, nesles termos
concebido, (l)
Ivi me opponbo a este artigo; porque, se
ha alguein que nocorpo merece urna grati-
ficac,3o. he sem duvida o major, 30 s por-
que o seu sold n3o est em harmona com
o dos capules, como tambem porque por
essa maneira nos vamos estabelecer um
prejuizo para o capilSo mandante, como ja
demonslrei, visto que o capillo, tendo de
exercer s func^Oes de major, perde a gra -
lihcacil" do commando, e tem de despender
com o expediente. Nflo me parece, pois,
rsovel que o ajudante tenha urna gratifl-
cactlo ; Unto mais quinto elle he lente,
isto he, tom urna graduarlo de que nSo ca-
rece, vislo que os ajudantes silo sempre al-
ien s, e as vezes os mais modernos do cor-
"', e portanto est bastante compensado
com esse posto.
O Sr. Francisco lodo : Sr. presidente,
havendo eu tido occasi3o de ofTerecer urna
emenda, e tendo sido ella combatida pelo
nobre deputado que acaba de sentar-se, son
Toreado a ofTerecer algumas considerares,
que sirvam para justifica-la, e bem assim o
pensamento que conceb, e exarei no arti-
go addilivo que he o seguinte. (t.)
As despezas de expe-iiente, a que esl
ohrigado o ajudante, as quaes silo muito co-
nhecidas, e medispensam de enumera-Us
urna unta, Torcaram-me a fazer esse arti-
go. Se ellas existen), como supponho aue
ninguem contestar, segue-se que nSo de-
ven) ficar corren lo por conta da magra bol-
sa do ajudante docorpo ; digo magra, por-
que ile Tacto a bolsa dos Srs. militares he
sempre nngra e esguia. N3o he, pois, Tora
de proposito queem soccorro dessa bolsa
volemos u,,i adjutorio, que habilite o aju-
lante a occorrer a essas despezas de expe-
diente ; lint mais quinto este adjutorio he
le 4,000 rs. meiissrs que ninguem dir ser
superior aos gastos que se la/en com a com-
pra de caivete, tinta, papel, etc. Se, pois,
com a minha emenda augmento a dcspnza ;
esse augmento, o mesmo lempo que se
torna quasi insensivel, he indispensavel, e
lende a evitar que urna despeza publica sejs
Teila por cont do pobie ofilcial.
Se o nobre deputado por ventura enten-
le que o major do corpo, por molivos de
Igual ponderarlo, nu por oulras quaesqoer,
nSo est bem aquinhoado, ou que o lugar,
que elle exerce, esl sujeito a essas despe-
zas de expediente extraordinario, para sa-
isfc3o ds quaes est ohrigado a recorrer
le cena disCUSsSodo projcclu ii. 11, que
sua bolsa, est no seu diieito propondo aI-
gum mi iiiainentii em que marque quol pa-
ra ellas ; mas oem por isso lica na obriga-
5.1o de combater a minha emenda, que lem
em seu apoio o mesmo que Ihe parece de-
ver prevalecer a rspeito do major. De Tej-
i, se n3o sflo oulras as objeccOes que o no-
bre deputado cntretem em seu espirito, sup-
ponho quo estas n3o teem frr; bastante
para o fazerem volar contra urna d:sposic3o
deslas, que tem por lim Tazer jostica a um
pobre ofilcial.
Note a casa que eu n3o apresenlei esli
emenda movido pela amlzade, porque nSo
conlieco nem de vista oofficial a que ella
pode aproveitar : he elle um ente inteira-
menie desconhecilo para mim : fui smen-
te em consideraefio ao emprego que elle oc-
rupa, e siiendendo s despezas a que esse
emprego o sjeila, que me resolv a propr
semelhsnte medida, que, polas resoes que
alii deixo expostas, me parece estar no caso
de ser approvsda.
O Sr. Bandeira de Mello : Sr. presiden -
le, oppondo-me a este artigo additivo, al-
Icguei como rasSo do meu procedimento
que o ajudante do corpo j eslava bem aqui-
nhoado com o posto que actualmente tem ;
ditse que, por elle ser ajudante, nBo havia
neressidade de se Ihe conferir o posto de l-
ente, eaccrescenlei que, tendo elle esse
posto pela organisaeflo do corpo, nfio pre-
cisava de tal gra!ificac,3o. Mas, disse o no-
bre deputado, que a grali0ci(8o deve apro-
veitar ao ofliciil que lizer as vezes de aju-
dante ; entretanto, segundo a organisaeflo,
quem deve de substituir o ajudante he ou-
lro tenente : se Tora um alferes, eu concor-
dara com o nobre doputado, e mandaii
mesmo urna emenda nesU ontido, prooon-
lo que, todas as vezes que o substituto do
ajudante nBu Tosse tenente, percebesse urna
gralilicac.30 mensal de 4,000 rs., deJuzi Ja
'ios vci.cimentes do n i'smo ajudante : alem
de que, anda que um alfares lenha de subs
tituir ao ajudante, elle tilo precisa degra-
lificaco, porque lica \ofO, ipto facto, em-
i|uanto durar sa substituicao, com a gra-
duado de lente.
O Sr. Manoel Cavalconti: Em geral, vo-
o contra (odas as emendas que lutorisim
augmento de despeza, e a favor de todas as
oulras, exclusive smenlo que autonsa o
presidente da provincia a crear urna seceso
de companbia sujeita ao regulamento de li
nha. Eu creio que os soldados de polica
sfiu engajados sob certas coudirjdea, e que
nSo figurando entre estas a de se sujeita-
rem elles a semelhsnte regulamento, nSo
devemos Torca-Ios a aceitarem-no. Suppo-
nliamns que esses individuos, escudados no
respectivo engajimenlo que he um contra-
to, negam-se a sujetar-se o tal regula-
mento ; nesse caso que Tazer ?
OSf. Franciicolodo : llavera meios in-
directos pra obriga-los.
OSr. Manoel Catalcanti: NSo sei dis-
to. Se essa disposic,3o tivesse de vigorar
par o diante, entSo poderia ser aceita :
porque quem qur que se engajasse pira
servir nocorpo de polica tic i vn saliendo
que, dadas certas circumstanciss, Ihe seria
applicadoo regulamento de linha : ao con-
trario, n3o ; porque dar-so-ha Iei eTfeito
retroactivo.
(Juanto s outras emendas, que mo di
z''m rspeito a despezas, eu as adopto; e,
mesmo dentre asdesta ultima especie, vo-
tirei pela que realabelece o que est vigo-
rando a rspeito da gralific<;3o que devem
perceber os ofilciaes do corpo de polica,
que, em diligencia, tiverem de sahir par
Tora da cidade : u3o gosto Je augmentar as
despezas a fazer com o pessoal; tremo mes-
mo ante essa ideia que em resultado pode
trazer immenso desfalque as rendas da
provincia. Cumpreque sta casa 'ponda de
lado os interesses individuaes, para curar
smente das necessidades publicas
O Sr. S Pereira : Sr. presidente, no
jogo dos termos convm sempre bem prc-
cisa-los para evitarem-se equvocos; sem
esta precisan pe dem elles a loica que po-
de m ler, emuilas vezes occasionam duvi-
das sobre a intclligencia que rigorosamente
se Ibes deva dar. Tratando-se do hospital
se diz medico do hospital, o encarregado
do hospital, tratar dos doentes, visitar os
doentes, o todas estas Ti ases, ou uni3o de
termos tem sentido diverso, salvo se se quer
dsr-lhes muila extens3o.
Actualmente o cirurgi3o-mr he o encar-
regado do hospital, e sendo supprimldo eslr
appareceu a emenda que obriza o mesmo ei-
rurgi3o a ir visitar os docnles no hospital
con) rilado. Senhorcs,perguntn:visit como cirurgiSo ajudante ? como eirurgi3o
mor? como director? o anda visitar lodos
os di s '! ou quanlas vezes? e n.'o sendo
possivel nenbuma das bypolheses por isso
que o hospital Tora extinelo, e por urna Tur-
ma tal que concede a outro proTessor o Ira-
barbo diario.e-t claro que a visita do cirur-
giffo-mr ser de urna ordem nova eque
nIo est expressa anda ; c para evitar duvi-
di convinha precisar estes termos.
Enlendo, Sr. presidente, que agora, com-
quaolo se extinguiste o hospilal.se nSo quiz
comludo deixai o soldado de polica doente
nicamente entregue a um medico civil ou
militar, sem ter quem cuidasse de vigiar
com sciencia da obrigaQ3o que Ihes be devi-
a : e por isso se obriga o cirurgi3o-mr
a visita-loonde esliverem, nicamente pa-
ra zelar os doentes que elles merecem nes-
ta parte : sendo assim, Sr. presidente. Tica
claro que o enennegado desto hospital, o
de polica, corresponde ao visitador naquel-
le, o contratado: porquanto por encarre-
gado se entende o medico incumbido de ze-
lar o bom trslamenlo dos doentes. Sendo
provado isto, Sr. presiente, eu nflo pos-
so evitar a emenda do nobre deputado que
lira do encarregado do hospital grat'fira-
i;in que lem por esse trabalho ; e at aedo
que agora he que ella parece ser denla,
pois se ohrig a fazer um liabalho mais cus-
loso, como o de ir a um hospital Tora do
lugar em que esl o corpo, o que antes nflo
havia.
// Sr. Deputado Pata isso he que tem
o sold.
O Sr. S Pereira :--0 sold nflo ; a grati-
ficago sim : o cirurgi3o-mr presta servi-
qoscomo oulro qualquer medico; e mais,
e mais repito, o de velar na boa organisa-
clo deste servido medico ; e propriamente
o encarregado delle Taz mais alguma cou-
sa, e portanto merece o sold, e mais al-
guma cousinba.
O Sr. Bandeira de Mello :0 encirregado
do hospital he o enfera)eiro.
OSr. S Pereira -Di ndo-se tflo larga
extenso ao tormo encarregado, como quei
o nobre deputado, digo sflo enfermeiros lo
dos quintos se oceupatn do tratameiito dos
doentes, mas o enTermeiro he o encarrega-
do,logo todos sflo encarroados ; o que nflo
he possivel; pois que se acha especificado
o lermo encarregado, oque d a entender
que alguma cousa mais he possivel porse
o encarregado do hospital; e esta cousa be
a sciencia de tudo que be preciso ao doeute
pira aeu restabelecimonlo.
O Sr. Manoel Cavalconti Cada vez mais
conTusSo enxergo, e pelo que diz o nobre
deputadu parece-me que o lugar deve ser
extact,
O Sr. S Pereira:Pode ser justa a primei-
ra prte do aparte do nobre deputado : po-
rm emquanlo a segunda, permiila-me que
Ihe diga o que ja disse na occasiSo das ca-
va ig ad uras be iiiovacflo que tem contraria
a pralica at boje seguida ; lodos os corpot
linda mesmo leudo 100 pracas teem hospi-
tal e cirurgiflo, eso o de polica no enten-
der do nobre deputado deve Tazer uxcepcSo.
Portanto, Sr. presidente, o visitar os
doentes da emenda do Sr. depulado Brito,
deve significar aelar otralamentodo docn-
les do corpo de polica, disposicflo quo vai
substituir a de encarregado do hospital:
como tal ha direito a gratificado mensal
voto pois a Tavor da emenda do Sr. Brito;
coro esla Inlelligencii, e contra a do Sr
tjandeira de Mello.
O Sr. Bandeira de Mello ;Sr. presiden
le, o nobre deputado que aeaba de fallar,
querendo apreciar os tormosencarregado
do hospital,chamou a questflo para o c-
rurgiflo-mr. disse que o cirurgiflo-mr era
o encarregado do hospital ; mas eu enten-
ilo que n3o he assim. Eu enlendo que quan-
lo a Iei falla do encarregado do hospital se
refere ao enTermeiro.
O Sr. S Pereira Enganou-se comple-
tamente o nobre depulado.
O Sr. Bandeira de Mello :Eu cederei do
argumento, se se me disser que comeTfoi-
lo esla gralificac,3o tem sido dada ao cirur-
giflo.
Voses Sempre c cqnslanlemenle.
OSr. Bandeira de Mello :Bem ; eu pen-
siva que o enTermeiro era o encarregado do
hospital ; porm, ainda assim, me parece
que essa gratificarlo era dada pela direc-
ein, e nflo existindo ella, supponho que
nSo he necessario que continu a remune-
rarlo que se dava a um trabalho que j nflo
existe ; ou seja o encarregado o enTermei-
ro, como eu entenda, ou seja o cirurgiflo,
como se diz. Acabado o hospital do corpo,
mo ha mais encarregado delle, nem quem
o administre ; e assim he superflua a grati-
neaefio. A minha emenda, pois, he abi-
vel, e deve ser votada.
OSr. Jos Pedro opp0e-se ao artigo addi-
livo, que manda crear urna secc3o decom-
oandia sujeita ao regulamento de linda, fun-
damentando a sua opiniflo com ilifferente.s
argumentos ; e, pensando, como o Sr. S
Pereira ; que se deve conservar a gratifi-
cacflj de 20.000 rs. ao cirurgiflo-mr do
corpo, justifica esse seu pensamento com va-
rias considerarles.
O Sr. Manoel Caralcanli esl disposto a vo
lar pela emenda que supprimo a gratifica-
q3o que se dava ao cirurgiflo-mr do corpo
como encarregado do hospital, vislo que,
extiucto este, desapparece o trabalho pelo
uial se Ihe dava semeldante grati(icc.5o ;
e entende que, se os nobres deputados que
liscordam desla opiniSo provam alguma
cousa, foi smente a favor da conveniencia
de aeabar-secom o tal lugar de cirurgiflo-
mr.
Olanlo ao artigo additivo que manda
crear no corpo de polica urna seceso de
companhia sujeita ao regulamento de tropa
de linha, o orador ainda est disposto a n3n
approva-lo.
O Sr Mello Reg vola por odas as emen-
das, e justifica o seu voto com varios argu-
mentos.
O nobre deputado demri-se mais na de-
Tesa i)o artigo auditivo que manda crear no
corpo de polica urna seceflo de companhia
sujeita ao regulamento de tropa de linda i
lemhra que css-i expediente tem produzido
ptimos resultados na curte, cujo corpo po-
licial deve sua moralidad, disciplina e su-
bordinacSo, em verdado invejaveis. e que
Hlequizera ver plantadas no desla provin-
C, a duas dessas seccOes.
O Sr. Francisco lao deTende <> arligo ad
ditivo doSr. Mello Reg.
O Sr. Gvedts de Mello pretende votar con-
tra o artigo additivo ; e,comquanto n3o se
lenha preparado pin impugna-lo na dis-
cussflo, levanta-se comtudt, e usa da pala-
vra para pronunciar a repugnancia que con-
sagra a urna disposieflo que enlloca as pra-
cas de pn l do corpo de polica em tflo mise-
ra condieflo, sujeitando-asao cruel regula-
mento da tropa de linda. Admira a desi-
goalilade com que se pretende votar urna
tal disposieflo, vendo que, ao passoquese
conservo o soldado, essecsleio dos gover-
uos, na triste condic,3o dos insignificantes
alarios com que he pago, e volam-se me-
Ihoranientos para as oulras classes dos ser-
veiitu.irios pblicos, quer o arligo, para cu-
mulo de infelieldade, crear para aquellos
que lanas sympalhias merecen) ao orador
urna machina de castigos que repugnan) aos
seus sentimentos de libe'dade, de bumani-
dado mesmo ; teme muilo por tal disposi-
eflo. .
OSr Francisco lodo He porque he me-
droso...
O Sr. Guedes de Mello Nflo he sO por is-
so....
Continuando, o orador conTessa que de
cerlo he medroso; o, aproveitando-so do
aparto do nobre depulado, assevera-lhe que
tambem teme por s; porque pude anida um
di ser mettido Turca uo corpo de polica i
recios que nao podem assaltar a S. 8... Ha
mu tos aportes.)
O Sr. Guedes de Mello sent nSo poder eu
cadear as suas iJeiis pelo gran le numero de
apartes ; mas lamenta que a assembla nflo
estabeleca umsystema de recompensas para
o bom soldado ; porque acredita .|ue i so
conduziria melhor o soldado pelo caminho
dos seus deveres, do que tendo diante de si
um espectro para os Crimea, sem o menor
premio para a virtude, desigualdad esta
que embancar sempre a boa organisacSo
do orpo de polica.
Uoanto s outras emendas, nada diz por
ora, porque ospera que u diseuss nflo
seja ainda boje encerrada ; e reserva-se para
aprecia-lis com mais vagar.
O Sr. Castro Ledo :8r. presidente, podi a
palavra par fazer algumas observares so-
bre a gralifleacao, que se marca n'um arti-
go additivo, e estas observarles que tenho
a fazer, fram-me sugeridas por um nobre
debutado que se assenta defronte de mim
Disse elle, que sendo o ajudante tenente,
nflo careca do gratificado ; mas se esla ra-
sa o colbesso, tambem nao merec-a, se Tosse
o ajudante alferes, ou capitflo ; mas note o
nobre depulado, que esla gratificarlo he
dada para a escnpluracao, e iieulium olli
cialque servir de anidante, pudo ser ohri-
gado a tirar este quanlilalivo de seu sold,
porque (icaria de peior condicao que os ou-
lros, que nao teem do fazer esta escriptura-
c,3o, que esta o ajudaute ohrigado.
Agora quanto ao que disse outro nober
deputado ( o .Sr. Jos Pedro ) que um medi-
co que lem dioica, nao se sujeilar a servir
no corpo policial, e que mesmo se deshon-
rar de servir um lugar, na i tondo para is-
to, alm de um sold, mais urna gralifici-
c3o ; eu respondo, quo este argumento pro-
va contra n actual medico do corpo policial,
porque tendo-se obrigado a ser medico do
corpo, bem mostra nflo ter clnica alguma
lano mais, quanlo na opiniSo do nobre de-
putado, ello se acha mal pago, sendo justa-
mente esta a rasflo, porque agora apoia o
nobre deputado a ideia de una galificac,ro;
mas nSo podondo eu Tazer esto juizo a rs-
peito do actual medico do corpo policial!
nem suppondo mesmo, que o nobre depu-
tado tenha em mente isto, nflo puso com
binar na emenda, quo quer dar nina grat.'i -
capSo, e tanto mais quanto eu nflo quero ir
gumentarcom estes principios, porque so i
o primeiro a reconhecer o mcrecimenlo do
actual medieo.
O nobre. deputado, repito, que vendo pro-
var a necessidade de pnssar nesta cusa um i
gralificaqiio para o medico do corpo policial,
levado do seu zelo pelo servido publico,
mostrnu que nenhuma clnica tintn o me-
dico em queslflo pelo principio que expen
Jeu, dando sssim lugara queso possa di-
zer que elle nflo he apto para curar e tratar
os soldados do corpo ; se isto assim he, o que
euduvido, alguma providencia se deve to-
'ir, porque eu entendo, que os sul.i.i I.-,
lo corpo de polica nflo devem ser trat-ados
em suas enl'enni la les senSo por pessoas
muito proTessiouaes, e nimia a despeza a fa-
'i'i-i' seja muito inaior. Emfim quera
ainl.e n, que se me dsse alguma explica-
cao crca deste artigo, que diz rspeito aos
transportes, nflo sei se se comprehende na
palavratransporte-- iila e volta, pois quo
sendo o citado ntido duvi loso, e querendo
evitar estas duvidas na execuc,3o do artigo,
se passar, desojo uina explicaQflo.
Estas sflo as consideracesquo linha a fa-
zer por pezarem muito no meu espirito: es-
pero ser attondido pelos nobres deputados,
que sobre a materia fallaran).
O Sr. los Pedro combato de novamente o
artigo additivo do Sr. Mello llego, e respon-
do aos oradores que o precedern).
O Sr. Manoel Cavalcanli ainda est dispos-
to a votar contra o artigo additivo do Sr.
Mello llego; mas mudara de ojiniflo, sea
liscussflo o convencer de que labora em
erro.
lia muito lem da lo a hora.
O Sr. Presidente designa a ordem do dia e
levanta a sessflo.
DiAKlO DB PSKMIBim
BECiri, 23 DI MAIO BB ISSO.
A assembla deixou de funecionar hoje,
por se nflo terem reunido os Srs. deputados
em numero sufficiente para haver sessflo.
I.argou hoje deste porto o vapor Affonso,
levando a sen bordo o profundo estadista
que, ainda ha bem poucos das, linha em
suas mflos o destino desla provincia, e qun
por cerlo nflo a esqueccra, qualquer quo
seja o posto de honra que o houver do
chamar sua capan dade immensa.
Ao deixsr-nos, S. Ejc. recebeu pmvas
bem vivas do apreco em qo o teem os
bons Pernamhucaiios.
Meia hora antes da aprazada para a parti-
da, eslava S. Exc. em urna das salas do pa-
lacio do governo, no meio de minios ci la-
dflos que se dispunham a acompanha-lo,
quando urna commissflo da cacara muni-
cipal desta cidade, composta dos Srs. Frin-
cisco Mmele de Almeida, Francisco l.uiz
Maciel Vianna e Angelo llenrques da Silva,
se lUe fez annunciar como encarregada por
aquella eorpoiacao de agradecer-lbe os
bons servicos que elle prestar provinci.
Recebido o aviso, S. Exc. deu-se prdssa
em ir recebera commissflo, a qual por in-
termedio de su relator, o Sr. Ilenriquas da
Silva, dirigio-lhe a seguinte allocuc.lo :
a lllm. e Exm. Sr.X cmara municipal
desta ci lade fallara a seu dever,se nflo nos
enviasse em commissao a agradecer a V.
Exc. os relevantes servicos por V. Exc.
prestados esta provincia em sua ad-
ministradlo ; receba, pois, V. Exc. os
agradecmentos da cmara municipal por
servicos tflo momenlosds.
Tendo V. Exc de retirar-se desta pro-
vincia, acamara municipal, despedlndo-se
de V. Exc, faz volos ao ToJo-Poderoso,
para que V. Exc. tenha prospera e feliz
viagem.
, Tem nuda a allocucSo, S. Es., com a
cortezania que Ihe lio propria, Tez ver
commissflo quanto o pbnuorara o proesdi-
inenlo da cmara, e rogou-lhe que a alia
transmittisse os seus sinceros agrauecimen-
tos por esse acto obsequioso espontaneo.
Ao meio-dia desceu s. Exc. as escalas de
palacio, acompanhado do Exm. Sr. Jos Il-
defonso de Souza li irnos, presidente da
provincia ; do Exm. Sr. Pedro Francisco de
Paula Cavalcanli, presidente da assembla ;
do Exm. Sr. Domingos Malaquias de Aguiar
Pires Ferreira, vice-presideute da provincia
e da assembla ; do Un. Sr. commandan-
te das armas Antonio Correa Seara; da
maioria dos Srs. deputados pruvinciaes ;
dos cheles das repartieres; de varios ci-
dadSos e ofilciaes do exercilo e da guarda
nacional, emfim.
Chegado ao sagufio, 6. Exc. foi saudado
pela excellente msica do quinto batalhflo
de fuiileiros, que, em grande uniformo,


ah o aguardava. e que por longo tempo
fez ouvir os harmoniosoa sons de seus
instrumentos.
Desferindo pelo largo de palacio com o
luzdo arompanhamento que o segua, S.
Exc. tomn a ra da Cndea ; mas teve de
paar em meio dola, o de ir desembarcar
do carro ao Exm. e Rvm. bispo doccesano,
que vinha dizer-Iho oadcos da despedida
Depois de havpr dado a direita ao nnsso
bom prelado, S. Exc scauio ra abaixo t
chegar au cae do collegio, onde estava pos-
indo o secundo batalhSo de cacadores que
lho fez a conlinencia do estylo, eonde sua
apparicflo foi annonciada pela msica dcsto
corpo, r"l" da de polica queseachava em
frente della, e pela dos aprendlzes menores
do arsenal de guerra, que pela vez primelra
se fazia visivel.
Do caes passou S. Exc. para a galeota,
que, asseiadamente preparada, e guarne-
cida de remadores que traziam obre as
caberas gorros de velludo verde, recama-
dos de prata, on metal que se Ihe asseme-
lhava, desde amito ah oesperava.
As pessoas.que a galeota pode conter, ti ve-
ra m a honra eprazerdeacompanhar de mais
pertoS.Exc. ; as outras tomaran) lugar nos
diversos escaleras que em derredor della
se achavam, o de distancia, mais ou menos
approximada, e seguidas das lanchas que
conduziam a msica do corpo policial e a'dos
aprendizes menores do arsenal de guerra,
rs quaes iam tocando bellas reces, ao mes-
ir. o lempo que S. Exc, demandaram o
vapor.
Alcanzado este vaso, e depois de haver
elle recebido a sou bordo o distincto passa-
geiro, recebeu tambem aquelles que dese-
javain inda urna vez fallar-llie, anda urna
vez tefemunhar-lhe o pezar do que os dei-
xava repassados sua retirada, que todos, se
poJessem, se oaforcaiiam em retardar.
Era para ver o quadro que entilo se apre-
senlava s vistas dos espectadores : S. Exc.
rom os dilus humedecidos de lagrimas de
saudades erreonhecimento, bondoso esten-
dia ir a<> de amigo a lodos que se Ihe appro-
ximavam ; e desl'ai'.e manifestava os senli-
mentos de que naquelle moniento solemne
eslava animado o sen corafSo; senlimenlos
que sempre inlreleve para com este Per-
naii lnien, e que temos f conservar em-
quanlo a Providencia permittir que elle
viva, que i lie respire.
Asm ni se despodio de seus numerosos a-
m'gos, de seus enthusiastas, e admirado-
res o Kxni. Sr. conselheiro de estado Hono-
rio Mrmelo Carneiro Lefio que o vapor
Affonso mIh vai conduzindo ao porto do Itio-
de-Janero, onde anciosaroenle o esperam
.imilas, patentes, amigos eafTeicoad s
Os mares Ihe sejam bonanzosos : possa S.
Exc. chegar a salvamento au lugar do seu
destino.
Iloje, pelas 4 horas da tarde, manifesou-
se incendio entie a casa n. 16 e a de n. 18
da ra do Quelmado.
Entre essas duas casas passn a chaminc
da de n. 18 ; sondo qno as caberas de al-
gumas irav.-s delta ficam dentro da mesm
rliainin, e por conseguiuto exposlas ase
incendiaren! fcilmente, como aconteceu
agora, e como succedra ha dous anuos.
Felizmenh',0 fogo npapou-.se com promp-
tid3o, e nflo fez estrago consideravel.
I.xiii. Sr. presidente da provincia, o
Sr. inspector do arsenal de marinha, o Sr.
director do de guerra, o Sr. engenheiro di-
rertur das obras publicas e vjios agentes
policiaes nflo se dninoraram em cou-pare-
rer ao lugar do incendio, que foi a lempo
guarnec lo por pracas da companhia dear-
i.lii'es da guarda nacional e do corpo de
polica.
Os subreditos arsenaes mandaram com
presteza as respectivas bombas ; e foi com
ellas ecom os auxilios prestados por alguns
particulares que se couseguio que o fugo
uSo lavrasse.
Correspondencias.
Srs. redactores.-- Agora queobtive os do-
mnenlos, que me eram precisos para res-
ponder correspondencia, que o Sr Anto-
nio Roleblho Pnlo de Mesquita inserio no
Diario de 7 do main correnle, venho cumprir
a promesa! que fiz. e mostrar que o Sr
.Mesquita pretende lanzar sobre mim a pe-
cha que juntamente Ihe cabe ; e por sso en-
xerga escndalos, ahi onde se procedeu
com regultridade e boa fe, julgando que
todos sao levados das mesmas ra.--s com
que procura constitur-se herdero do fina-
do Teixeira, por un a fingida socedade,
que diz l Teixeia vollou de Portugal em 1837, ape-
zar das irrefragaveisprovas que contrariam
esta estranha e estupenda pretenc-lo. *
Nflo deixo de desculpa-lo, porque os ict-
ricos suppOem que todo* s3o amarellas. O
meu (naCo sogro era devedor \re(, da
quanlia de rs 31:473,193 por letras passadas
a diversos negociantes .-para manler o cr-
dito da casa, e honrar as cinzas de meu so-
gre, inn.fi e.-las a mim, pagando com ou-
tras queassignei, e requer o seu pagamen-
to em inventario : i vista d'authenlicidade
da divida, os interessados convieram em
spu pagamento ; e linha eu o inquesliona-
vel direito de have-lo pelos beus do casal,
independentemente de inventario, ou de
ter uestes bens sufllcenles para meu paga-
mento. Como, iiorm, o inventaro se de-
morasse, e me fo.-se penoso estar por mais
tempo neste desembolso, requer que fos-
sem arrematados os bens movis, ede mais
fcil depreciaban como se ve da petieflo n
1 : o juiz de orpliios supplente maiidou
ouvir os interessados, e odnutor curador
geral, e convindo estes na justica de meo
pedidn foi peticfio favoravelmente defe-
rida como se v dos respectivos despachos
que van notados ns. 2 a 5.
Pela consideracSo de que as avaliacGes
fcilas no inventario, nflo podiamservir pa-
ra a arrematarlo, visto que aquellas deviam
ser feitas pelo eslavo dual dos objictns,
que tinhan de ser arrematados; requeri que
se iioiihan-cn louvadns, e sendo estes e 11" c
iivan.enie nomeados do acedrdo com os in
teressados, c o doutor curador geral,presti-
r m ojuramento, e lizerim as ivaharoes.
ii. 6 a u. 14 O carcter ilesles senhores, <
sua probidade, repelle qualquer insinuaflti
a espeilo dts svalia<,e*, salvo se o Sr. Mes-
quila >mi o e que lodos regulam por elle a
-na i ruliiilade, e COns ciencia. Feilas assim
as avalisrOes, se lixaram os edilacs, e Cor-
reriV-M s pracas do estylo, e smeule de-
dois dalo, se izerain as arremataces que
houvcram lugar em hasta publica, ecom
todas as solemnidades de direito, n. 15 a n.
17. Por isto, pois.se v a calumnia com que
o Sr. Mosquita arge de escandalosa, a ar-
rsmalacfio feita pela forma indicada, tondo
a ousadia de asseverar quo fOra feita clan-
lestinamente : para que houvesse isto lu-
jar, fra necessario a concurrencia crimi-
nosa do juiz de orphfios, do escrivo e dos
oaisofficiaesdo juizo, supposicdJo injurio-
sa, quo sobre ser repulirla pelo carcter e
posieflo destes senhores, he solemnemente
desmentida pelas indicacOes que fleam fei-
tas.o que ao mesmo tempo rpvelam de quan-
to he fcil o Sr. Mesquita de attribuir m
f e falsidade; a tudo que uniendo elle que,
por qualquer modo contraria sea plano de
ser herdeiro do finado Teixeira.
A falta de publicaeflo pelos peridicos,
em que se funda o Sr. Mosquita, para fazer
iflo estranha, como calumniosa arguicSoa
pessoas tilo respeitaveis com as vistas de fe-
rlr-me, e flnqir-se tesado, nflo prova cousa
alguma, porque nflo he exigida por lei,
nem por estylo, e depende da vonlade das
partes ; e por isso fura absurdo della delu-
zir, que a arrematado fra clandestina,
quando se alisara m osed'uaes, se correram
as pracas, e se tez a arremataban em hasia
publica, que silo as nicas solemnidades ,
os nicos meios de publicaeflo que a lei
exige, e a vontade e interesse do Sr. Mes-
quila nflo estabetecem lei.
Oir que tudo foi fantatisco, e que se nflo
leram os actos qu ficam mencionades e
comprovados? lie capaz de dize-lo ; neste
caso cabe aos empregados do juizo, repel-
lir esta atroz calumnia.
Fallou o Sr Mosquita da differenca de va-
lores sem lembrar-sc, que nflo era possivel
queosobjertosda natureza dos dequese tra-
ta se deprecian) consideravelmenle com o
tempo, e por isso nflo conservam sempre o
mesmo valor; alm deque (oran ellos a-
valiadnspor pessoas entendida? e incapa-
zos pelo seu carcter de conloio, e qualquer
insnuacfln a|este respeito, recibe sobre di-
tos senhores, cuja probidade nflo se mede
pelas calumnias e injuriosas arguiefiesdo
Sr. Mesquita : eu nflo sou responsavel por
estas a val inertes que fdram regularmente
feitas -. o caso he, que nflo appareceu quem
mamr lauco offorecesse.
Perguiita o Sr. Mesquita, que california
chei eu para fzcr estes adiantamentos ,
stippotnlo que os faco com os bens do casal:
respondo que a minha california he a
promplilio mu que faco os meus paga-
mentos,a fidelidad com que satisfaco meus
empenhos.ea probi ladecum que iratomeus
npgocios nflo percebendo do casal de meu
sogro outras vantageus, senflo as que leg-
timamente me pert>'nc?m, e nflo fingindo
sociedades mentirosas para enriquecer com
prejuizo dos legtimos herdeiros.
Diz o Sr Mesquita, que em vida do finado
Tcixeira, nflo foi preciso f.izer osaciilicio
de arrematar seus bens para pagar as suas
dividas esquecendo-se que por morle la-
luelle, era inuispensavel fazer inventario, e
procedemos tormos da lei para pagamento
das dividas, e por isso, e nflo pnrfallen-
cia ,ou outra semelliante circumstancia se
fez dila ai remataran : he verdade o que
diz o Sr. Mesquita, assim como o he que
nunca fallou em sociedade emquanto viven
Teixeira, esta lembrnnca nenio Ihe veio
depois da mora delle pela obvia rasflo di-
que homem morto nflo falla.. Os ere lores
deTeixeira nflotinham obrigaeflo alguma de
esperar pela decisflo das questes movidas
pelo Sr. Mesquita, para haverem as suas di-
vidas, e nflo sei como peranle o publico
se allega seinelliante rasflo.
O Sr. Mesquita alardea as duas sentencas
que oble ve em seu favor fazen lo publicar a
ultima : digo-lhe que nflo cante 18o ce lo a
palhiinn la que o tribunal superior he
quem ha de decidir; se ha de prevalecer
a misteriosa sociedade que appareceu de-
pois da unirle de Teixeira, apezar do que
foi allegado nos autos: nem sempre a festa
das i.a inicias ha de'produzr milagros.
oSr. Mesquita oceultou o que era essen-
cial quesiflo, para dizer quo se fizera urna
arrematado clandestina ; oa documentos
que agora publico, mostram que he calum-
niosa urna semelhanle arguiciio, e que em
balde se quer o Sr. Mesquita reveslir das
vestes de coideiro.e fingir-so lesado quando
se d precisamente o contrario, quando elle
L- m mentado a aecflo mais indecorosa e ni
qua que tem apparecido no loro : nada mais
direi, e o publico avahara quo concello me
recen) as imputacoes.as lamurias do Sr.Mes-
quila.
loaquim Antonio dos Santos Andrade
22 de malo de ISjil.
DOCUMENTOS,
Ju.io de Barros Hrandao, rscrivao de orphao
interino desta cidade de Sanlo-Anloiiio e seu
termo provincia de Pernambuco, por S. M.
Imperial e contliluciooal que Dos guarde,
ele.
Certifico que vendo o autos de inventario
dos bens que ticaram por fallecimento de Jos
l'cnni 'l'i-im'ii.i ni'iic. por parte do suppliean-
te Joaquim Ai......in dos oantoa Andrade me fui
apoutado o seguinte:
' PeticSo. (N. I.J
Diz Joaquim Antonio dos Santos Andrade,
inventarame e tettamenteiro de leu finado lo-
gro Jos Pcreira Tcixeira, que leudo pago di-
versa! dividas pelas quaes era responsavel a-
qiielle seu logro na importancia de 31:573,193
rs, restando j reconliecid a divida ciu In-
ventario, ai i uniere que se lenlia demorado o
in vonini ui.o esleja o supplicanle privado de re-
* lina as quantias que adiantou, e o premio es-
peculado nal ietlrat. K codio entre outros ben>
eiiilem duaa lojai de ferragent e urna fabrica
de caldcireiro e suai respectivas armacdei e o*
escravos que em dita fabrica traballiao, beni,
e parte dos quaei fazem despiezas e ouiros f-
cilmente le detioram ; requer a V. S, que no
interesse do casal mande que sejam arremata-
dos procedendo-se avaliaco no estado em
que rsiiveiYin passando-se para este lim escrip-
tos c rditacs, sendo a arreuialato englobada
por cada eslabelecimento, e o producto detta
arremalaco applcado para o pagameuto do
supplicaute, ouviudo os inlereaados, c o Sr
Dr. curador geral. Vede ao Sr. Dr. Juiz de or-
pliiioi Ihe delira pela forma requerida, hit.
Me. Joaquim Antonio dos Santos Andrade
Despacho. (N. i.)
Digain os inleestados e o Dr. curador ge-
ral. Hecife, 22 de Janeiro de 1850. Carntito
:> Cnn/iu. '
'Keipoita dos intereisadoi. (N. ?.)
Na qualidade de tutor de meus filhos mc-
uores Manuel, Malina, r como procurador de
meu cunliado Francisco Martins Goiuri Ttixei-
ra, nao me opponho ao que pede o (e.siamen
leiro inveniai ulule, do casal do fallecido Jos
Pcreira Tcixeira, vitto estarcm justilicada no
inventario a diversos eslaquautiu. lucaciouada
le 31:473.193 rs. confiado na sabia juitlca do
! I m. Sr. Dr. jutzde orphaos lie quanto tenho a
li/cr ao rcapeltavel despacho do mesmo Sr.
Hecife, 22 de Janeiro de 1850. Alanoet
Carneiro Leal. '
< Retposla do Dr. curador girat. (N. 4.)
r Nada opponho. Recife, 25 de Janeiro de
1850. O curador geral, Aloraes Silva.
Despacho. (N. 5.)
Na forma requerida o eacrivSo ajunte esta
aos autoi. Recife, 26 de Janeiro de 1850.
Ltorntiro da Cunha.
PeticSo. (N. 6.)
Diz Joaquim Au ionio dos Sanios Andrade,
que para ter cumprimento o despacho de V. 8.
acerca da avallado e arremalaco requerida
pelo supplicanle, das lujas de ferragem e de
caldelrelro, e mais bens movis perlencentei
ao casal de seu liuado sogro Jos Ten-ira Tei-
xeira, requer que ae digne de uoinear peritos
que facam dita avaliaco, vino que exige co-
nlieciuieiitos eapeciaea. Nenes termos pede a
V.S. Illm Sr. Dr. juiz de orphaos supplente aa-
slin Ih'o delira. E II. Me. Juiuuir in!on dos Santos Andrade.
Despachos. (N. 7.)
Louvem-se as partes. Recife, 31 de Janei-
ro de 1850. Carneiro da Cunha.
(N.8.)
O supplicaute se lauva em Sebattio Jos
da Silva, Antonio Vallenliin da Silva Barroca e
Jos la au de Castro Jiiniar, equer que ouvidos
os iniercssailcis, e o Dr. curador geral, e coo-
vindo elles se tome por termo a louvaco. Pede
-i V. S. Illm. Sr. Dr. juiz de orphaos supplente
se digne de delirir. E R. Me. Joaquim An-
l oniu dos Santos Andrade.
. Despacho. (N. 9.)
(i Digam o* interessadoi e o Dr. curador ge-
ral. Recife, 1. de fevereiro de 1850. Cur-
rifiro da Cunha.
c Resposta dos interessados. (N. 10.)
ii Como interessado por parte de meui filhos
ineuores, e meu cuuhado coofonno-me com
a louvaco que fes o interessadu Joaquim Anto-
nio dos Sanios Andrade, em Antonio Valentn
da Silva II irroca. Sebattio Jos da Silva e Jos
I .ean de Castro Jnior, louvando mais em Joa-
quim da Costa Mala, tendo desta forma res-
poudido ao respeitavel deipacho do Illm. Sr.
r. juiz dos orptios. Recife, I." de fevereiro
de 1850. Manotl Carneiro Leal.
Htspoita do Dr. curador geral. (N, II.)
Convenho nos inennoi Hecife, l.9 de fe-
vereiro de 1850. O curador geral, lioraes e
Silva.
Deipacho. (N. 12.;
Tome-sc por termo a louvaco, citadoa os
nomeados para prealarein o juramento do es-
tylo e procederem avaliaco. Recife, 1. de
fevereiro de 1850. Carneiro da Cunha.
Termo de Louvaco. (N. 13.)
Ao I.' de fevereiro de iN.V nesta cidade
do Recife em meu eacriptorio, appareceu Joa-
quim Antonio dos Sanios Audraile, testamen-
ten o c inventarame do casal de Jos Pereira
Teixeira, e disse que na forma de sua pelico
retro, se louvava ciu Sebastin Jos da Silva,
Antonio Valentn) da Silva Kairoca e Joi Leo
da Silva Castro Jnior para avaliarein at lojat
de lerragens e fabrica de caldelrelro, sil s na
ra Nova ni. 25,27 e 29,pertencentesao casal do
menino finado, bem como as armaces das di-
tas lojai e fabrica, oseacravoique nesta traba-
lliam, e o movis daquelle casal, eacbaudo-se
presentes o interesado Manorl Carneiro Leal,
e o Dr. curador geral Amonio Joaquim de Mo-
r.n s Silva, declarou o primeiro que por ii c co-
mo tutor de seus filboi menores, e bem assim
como procurador de seu cunbado Fiancisco
omei iMartins Teixeira, concordara nos indi-
cados louvados louv.iinlii.se mais em Joaquim
da Cosa M.iia e o segundo ditsc que se luuva
nos mcsiuns, os quaes achando-se tanibem pre-
seutes, a.fgnaraio como inventai lanie o inte-
ressado, o curador geral c as tesleiiiunhas ao
dame firmadas. Ku Florianno Correa de lin-
io, escrivo o cscrevi. Joaquim Antonio dos
Sant s Andrade, atanoet Carneiro Leal, A-tonio
oaquimde Moran Silva, ScbaitiSo Jos SaSilva,
Antonio Vullintim da Silva barroca, iot Leio de
Castro Jnior, Joaquim da Costa laia.
Juramento dui Louvados. (N. 14.)
Ao 1." de fevereiro de 1850, nena cidade
do Recife em casa da residencia do Dr. juiz de
orplioi supplente Manuel Gleinentino Carnei-
ro da Cuoli-, appareueram Sebastio Jos da
Silva, Antonio V dentn da Silva Karroca, Jote
eo de Castro Jnior e Joaquim da Costa Maia,
louvados, nomeados para procederem a avalia-
co as lojas de ferragens e caldeiraria perteu-
cente ao casal de Jos Pcreira Teixeira, esilas
na ra Nova ns. 25, 27 e 29, bem como nas ar-
uiacrtes das ditas lujas, dos escravos que Iraba-
lliain na snbredila caldeiraria e nos movis do
mencionado casal: o referido juiz Ihei defiri o
juramento dos santos evaugelhos, eucarregan-
do-lhcs qUe bem c fielmente avaliassem as ci-
tadas lojas, escravos e mais objeclos, dando a
cala mu o seu justo vallor: e recebido por el-
les ojuramento assim o prometieran) cumprir
astignando com o juiz o presente termo que
elle uiandoii faier. Ku Florianno Corra de
Hrilo, escrivo o escrevi. Carneiro da Cunhn,
SriiKeiii Jote da Silva, Antonio Valentn da Silva
Sarr. ea. Jote Leio de Castro Jnior, Joaquim da
Coila Maia. h mais se nao co.ilinha nem de-
clarava outra alguma cousa em ditas pelirrtes.
despachos e termos que me foram apontados
por parle do supplicante, e certifico mais tinal-
niente vina dos mesmos autos que sendo ava-
hadas ai duas lojas de ferragens sitas na ra
de, Joaquim Antonio doi Santos Andrade, o por-
telro, Amaro Amonio de Farias.
" Aulo de arrematarn. N'. 16.)
Auto de arremalaco da armafo- e ferrra-
geni da loja sita na ra Nova n. 29 e ora
existente nade n. 25, as quaes pertrnciam
ao casal do finado Joi Pereira 'Teixeira, co-
mo abaixo se declara.
Anuo do nasclmanto de nosso senhor Je-
sus-CnrlStn de 1850, aos i de marco,nesta cida-
de do Recife, em praea publica, que para esse
lia designara o Dr. juiz de orphoi supplente
Jos Rodrigues do Passo Jnior, appareceu Jo-
s de Aleiii|iier Sinies do Ainaral e com ai for-
malidades do estylo arrrematou pela quanlia
de 7:040.000 rs. a arinaco e ferragem da loja
da ra Nova n. 20, as quaei ora ie acham de-
positadas na de n. 25 sita na inesma ra. e que
vieran) praca a requerimentode Joaquim Au-
tnnio dos Santos Andrade, teatamentelro e in-
ventariante dos bens daquelle finado, para pa-
gamento de dividas do referido cual, coja-Im-
portancia fra por elle Joaquim Anlonio dos
Santos Andrade satisfeita aos credores do men-
cionado casal, e achando-se presente o dito
Andrade, o arrematante Ihe entregdu logo a
referida quantia de 7:040,000 rs. de que te elle
leu por entregue. E para constar fiz eile ter-
mo em que astlgnaram o dito juiz, o arrema-
tante e o porteiro. Eu Florianno Correa de
tirito, escrivo o cscrevi. Pairo Jnior, losde
Menquer Slmes do Amoral, Joaquim Antonio doi
Santm Andrade, o porteiro Amaro Antonio de Fa-
rias.
Auto de arremalaco. (N. 17.)
Auto de arremalaco da loja de caldelrelro
tita na ra Nova n. 27, pertencenle ao casal
de Jos Pcreira Teixeira como abaixo te de-
clara,
Anno do nasclmcnto de nono senhor Je-
ss Chrislo de 1850, aoi 4 de marco, nesta cicla-
do do Iteeile, em praca publica, que para esse
dia designara o Dr. juiz deorpbam supplente
Jos Rodrigue! do Pasto Jnior, appareceu
Francisco Cavalcanli de Albuquerqne, e com
as formalidades do estylo arremalou a ioja de
caldelrelro tita na ra Nova n. 27 e com todos
os leus utensii, bem como com seus escravos,
'loe nella trabalham, a qual pertence ao casal
do finado Jos Pereira Teixeira e viera praea
a requerimruto do respectivo herdeiro, teala-
menieiro, inventarame Joaquim Antonio dos
Sanios Andrade para indemnisacao de dividas
do mesmo casal que havia pago, sendo que a
arrematacao fra efleituada pela quanlia de rt.
8:550,000. E aeh.indu se presente o menciona-
do Joaquim Antonio dos Santoi Andrade, o ar-
rematante Ihe entregou logo a referida quan-
lia de 8:550,000 r. de que elle ae deu por en-
'tregue. E para constar liz ene termo em que
assignaram o juiz, o arremtame, o exequeme
e o porteiro. Eu Florianno Correa de Unto,
escrivo o escrevi. J'aira Jnior, Francisco Ca-
valcanli de Albuquerqne, Joaquim Anlouio doi San
toi Andrade, o porteiro, Amaro Antonia de Fa
ras. E mais se nao conlinha em ditos autos de
arrematacao. que finalmente me foram apon-
tados por parle do supplicante, aqu bem e fiel
mente transcripto que eu dito escrivo no
principio desta declarado e no lim da meiuia
asiignado, fiz copiar dos proprioi autos a que
me reporto, e doi quaei fiz paitar a presente,
que vai na verdade sem cousa que duvlda fa;a,
conferida e concertada na forma do estylo,
por mim subscripta e assiguada nesta cidade
de Santo-Antonio do Recife e seu termo, pro-
vincia de Pernambuco, aos 14 dias do mea de
man do anno do nascimento de nosso senhor
Jetui-Chriilo de 1850, vlgesimo-nono da lude-
pendencia do imperio do Brasil.
EXP011TAQAO.
Despachos martimas no dio, 23.
Rio-de-Janeiro, brigue nacional Lisia, de
173 toneladas : rondo/, o seguinte :
395 barricas; 580 saceos e 2 cunhet.es com
fi,226 arrobas e 29 libras de assicar, 1,750
cocos com casca, 36 pipas e 33 barrs com
espirito, 120 mjiio< pellos de cabra, 4cai-
xaa rap, 2,000 vaquetas, 3 linelas doces,
2 barricas sspatos, Osaccas algojo, 2 cai-
tas e 1 barrica objectos diversos, 1 machina
de vapor, 1 embrulho mercadorias, 1 caixa
livros.
Lisboa, barca portugueza Flor-do-Pan-
qui, de 40" toneladas : oondtiz o seguinte :
27 caixas, 52 barricas e 2,218 saceos com
13,110 arrobas e 29 libra de assucar, 5 har-
ria mel, 4 bocetas e 1 caixa com 24 libras
de doce, 12 laboas de amarello.
HKCKBEUItl A DE RENDAS GERARS
INTERNAS.
Ilendimento do dia 23.
855,3*4
CONSULADO PROVINCIAL.
Ilendimento do dia 23......1:368,502
.'floviiiiento do *orto.
Navios mirados no dia 3).
Rio-de-Janeiro Vapor de guerra brasilei-
ro Affonso, commandante o capitao de
fragata Jesuino Lamego Costa. Leva a
seu bordooxm. Sr. conselheiro Hono-
rio Hermlo Carneiro l.eilo com 6 escra-
vos, o deputadu geral por esta provincia
Augusto Frederico de Oliveira ca*i i es-
cravo e o segundo batalhSo de fuzileiros.
Bihia (alela nollandeza Elisa, capitSo
M C. Horchers, carga caixas e queijog.
l'assageiro, o Allemiio Cari Alberto F.r-
nest.
mnmmmmpmensmsBmmmmaMm^*
Decfara^oes,
Nova, a primelra com o numero 25 avahada
por 8.54.:70 rs., foi arrematada por 8:550,000
rs. por Mximo Jos dos Santos Andrade, ea
segunda de n. 29 fui igualmente avahada pela
quantia de 7:0j7,Q30 rs. e arrematada pela
quanlia de 7:040,000 rs. por Jos de Alenquer
.Siinnes do Amaral, e bem assim foi Igualmente
avahada a fabrica de caldeirciro pela quantia
de 8:547,550 n., e finalmente arrematada por
8:550,000 rs. por Francisco Cavalcanli de Albu-
querque, lendo citas arrematarnos feitas com
as formalidades da lei, passando-se para esse
fin oiescriptoi c edilaesao porteiro para tra-
zer as ditas lojas de ferragem e fabrica de cal-
deirciro a pregAo em prata publica os dial do
estylo; he na verdade o que consta dos autos
que pelo aupplicante me foi apontado e be o
teor dos autos de arremalaco que pelo mesmo
supplicante me foiaponladu o leguinle :
Termo de arrematacao. (N. i;'i i
Termo de arremalaco da loja de ferragens
tita na ra Nova u. 25 e peitenceule ao casal
do finado Joi Pereira Teixeira, cuino abai-
xo te declara.
Anno do naicimento de nosso senhor Je-
tus-Clirislo d- 1850, aos 4 de mareo, nena ci-
dade do Hecife, em praca publica que para es-
se dia assignara o Dr. jui de orphaoi supplen-
te Jote Rodrigue! do l'aiso Jnior, appareceu
Mximo Jos dos Santos Andrade, e com as for-
malidades do estylo airematou pela quanlia de
8.550,000 rs. a loja de ferragens sita uarua .No-
va n.25, a qual pertence ao casal do-fallecido
los Pereira Teixeira, e veio prafa a requeri-
uieiiio do respectivo test memeiro e inveula-
riaue Juaquiu Autouio dos Santo! Andrade
para iiideiuuisae.ao da importancia de dividas
do mesmo casaj que elle pagara. E achando-
se presente o referido Joaquim Anlouio dos
Samo! Andrade o arrematante Ihe entregou a
mencionada quantia de 8:550,000 rt. de que
elle se den por entregue. E para contar llz
elle termo em que auignaram o juiz, o arre-
mtame, o exequente e o porteiro. Eu Flo-
rianno Correa de Hrilo, eterivo o cscrevi.
Passo Jnior, Jfaximiano los dos Santos Jndra-
Srs. redactores. Espero que me fran-
queen) as paginas do seu Diario, iilim de pu-
blicar urna cura admiravel, operada pelas-
h'i-es nllnilesimaes ; eu nflo acreditara, se
nSo fosse eu mesmo o paciente.
Eis o esta lo em que eu me acha ;
Tinha a bocea secca, a lingoa excessiva-
mente vermulha e secca, o peito abrasado c
com muilasaneas, dores por toda a regulo
'hnraxica, excessiva tosse, febre mui forte
econslanto, debilidado extrema. Neste de-
ploravel estado fui eu desengaado por um
medico allopatha, d-pois de 26 dias infruc-
tferamente gastos, [moran lo eu propor-
(,-'i que ia lomando seus medicamentos.
Entilo, quasi sem esperanzas de me levan-
tar da cama, recorr ao lilni. Sr. Francisco
de Paula Carneiro l.eilo, alim de que me
soccorresse conf* as dses homoeopai'iicas,
cujos prodigios sao quasi diariamente pu-
blicados. EsteSr uo hesitou oui empre-
ar os seus esforcos a prol do enfermo des-
engaado, e no flin de oito dias a liouitoo-
pallna tinlia olilido mais urna gloria, eo
Illm. Sr. Carn no LeSo mais um reconheci-
do, alm de militares que das garras da mor-
le elle arrancn, r. stiluindo-os a suas es-
posas e flhinhos que bem-dizem ao seu sal-
vador, depois de terem rendido gracas a
Dos.
Um tributo, pois, degratido eu devo ao
Illm. Sr. Carneiro Le.lo. Queira elle aceta-
lo, bem como o proleslo de eterna estima
que Ihe consagro.
Possa eu um dia teroccasiSo de mostrar
ao Illm. Sr. Carneiro Lefio a sinceridade dos
meus protestos.
Pela publicarn destas linhas, mui rem-
oliendo Ibes Gca, Srs. redactores,
Jos Joaquim Teixeira.
Pela inspectora do arsenal de marinha
se convida aos olliciaes de primeira, segun-
da e lerceira classe de carpinteiros que qui-
zered) traballiar nas obras do mesmo arse-
nal, com preferencia aos livres, a se enlen-
deremeomo respectivo inspector, com to-
da a brevidiiile possivel.
Cini|imili i de Beberibe.
Nflo tando sido possivel, no dia 15 do cor-
rente, reunir-se em assombla geral, por
causa ds chuva, os Srs. accionistas, de novo
sflo convidados, de conformidade com a dis-
posico do artigo 17 dos estatutos, para se
reuuirem no dia 24 do crrante, pelas 10
horas da mai.lia, no escriptorio da compa-
nhia, a(iin de lomar conta i administracAo,
de se eleger a que dnve substituir, e de au-
torsar o quarto dividendo.
De ordem do governo da repblica do
Per convida-se os pretendentes consigna-
co temporal do guano em Londres a apre-
sentarem suas propostas ao encarregado a
receb-las pelo mesmo governo: na ra de
Apollo, u. 16.
Publica^O'-s Htierariis.
A CASTALIA bRASILEIRA.
Esta publiracSo, que brevemenle teri
principio, coinprehende tudo quanto de
mais precioso tem creado a musa brasilei-
ra, tanto aiiliga como moderna.
Sahe precedida de urna nirodiicglo ade-
quada ao objeciu, o ser feita peridicamen-
te, sendo dados luz 8 nmeros nnuaes, de
2t paginas, pelo prego de 2.000 rs.
Subscrove-se nos segnnlea lugares : li-
vraria da esquina do Collegio, doSr. Cardo-
so Ayres, da rus do Collegio n. 9, e na oltl-
cna de encadornacSo da ra estrella do Ro-
zado n. 4.
Rsphael, paginAS da juventude.
Fsta excellenle obra de Mr. Lamartine,
chegada recentemente do Rio-de-Jaueiro,
vertida em bom portuguez, e precedida de
um inleressaute prologo do traductor, arria-
se venda, pelo mdico preco de 3 000 rs.,
com encadernacSo ingleza, na ra da Cadeia
do Recife, n. 38 e ra Nova. n. II.
O ment da obra he attestado pelo nomo
do autor -. nella depara inslruccflo e deleite
o philosopho, o romancista, o poeta, e ge-
ralmento quem quer que queira apreciar
um bello e-cripio.
mmmmennmmammmmmammmmm
Sr. liedactores O annuncio
inserido eui seu peridica, assig
nado pelo Conselheiro, deu mul-
to que entender ; e o que mais he,
aquelles a quem n5u dizia respei-
to fdram os que mais se incommo-
daram : terao elles tambem, Srs
Uedictores, alguma molestia que
Ihesaifecta a caljefj com dores ?
Quem sabe ?!
Pois, Srs. Redactores, dignem
se continuar a inserir o mesmo
;.nimnci.j por mais tres vezes,
porque goslo muilo delle. Seu
assignante. i) conselheiro.
C0I*Mrl
ALFANDEGA.
ilendimento du dia J.....13:871,957
Descurregam Aoje 24.
Barca James-Slwart bdlho.
Ilarca Noivul ~ idem.
ltala Aguiu-Brasileira carne secca.
Calera Berasa o resto
Hrigue ~ Waier-Witch farinba.
Barca -- Jorva dem.
(.UVSU.AIM) (ERAL.
Honditnento do da 23.. 1:484,979
Diversas provincias...... 124,699
t .609,678
Avisos martimos.
A escuna nacional Galanie-Xar'a si-
gae com muita brevidaJe para Loan la, lo-
cindoem Mossanieles : anda p lo receber
algum passageiro, pa>a o que sa po lerilo
entender com Silva & Grillo, na ra do Vi-
gario, ll. 3.
Para o MaranhSo sahn, em
poneos dias, o bngue-escuna Lau-
ra : ainda pJe receber alguma
carga a frete: quem no mesmo
quizer carregar, on ir de passa-
gein, diriji-se ao capitSo na pra-
ca do Commercio, ou a Novaes &
Companbia. lurin do Trapiche,
n. 34-
Para o Rio-de-Janeiro segu com toda
a Lrcvidade o brgue-escuna Henriqueta,
forrado e pregado de cobre, por j ter tra-
tado a maior parte de seu carreiamento :
i|u. ..i nelle mais prelnder carregar, enten-
da-secomocapitiloManoel Joaquim Loba-
to, na praca do Gnmmercio, ou na ra da
Ca Jeia-Velha, n. 17, segundo andar.
Para Parabiba sabe o biate
nacional S'-Jos, do qual be mes-
tre e pratico Jos Msnoel Rodri-
gues : quem no mesmo quizer car-
regar, dirija-se ra da Cadeia-
Velba, loja de ferragens, n. 56 A,
afallur com Antonio Joaquim Vi-
dal, ou com o meslre a bordo do
dito biate, Tundeado confronte ao
trapiche do algodo,



Para o Rio-Grande do Sul seguir, naj da rua do llangel, n. 43 : a tratar na ra
presente semana, a polncabrasileiro Ullrice. I Direita, n. 3.
a qual j reamarte da sua carga prompta.f l'recisa-se de urna preta escrava, que
inda recebe alpuma carga a Treta, assim co-
mo lem bons commodos Jpara passageiros e
escravoa : a tratar comoi consignatarios,
Amorim IrmSos, na rua da Cadcia do Reci-
te, n: 39.
Para o Rio-Grande do Sul seguir o
mais breve possivel o patacho nac onal Kmi
liana : recebe car'r' a frete por prego com-
modo, assim coino passageiros e escravos,
para oque ten bons commodos : trata-se
com os consignatarios, Amorim IrmSos, na
rua da Cadeia do Recife, n. 39.
-- Para o MuranliiJo o Para sahir, com a
maior brevidade, o brigue-escun* lottpha,
capitflo Jos Mara da Silva Porto : para car-
ga ou passageiros, trata-se com ocapitfio,
oh com Manuel Ouarte Rodrigues, na roa do
Trapiche, n. 26.
Leiio.
II. II. Swift, estando prximo a retirar-se
para fra do imperio, far leilSo, por inter-
vencSo do corretor Oliveira.de toda a mo-
biliadeseu uso, consistindo em cadeiras
de Jacaranda, ditas de balanco, sophs,
bancas de jogo e de outras qualiJades, cen-
slos, mesa redond*, dita de janlar, guar-
da-roupa e guarda-vestidos, commodas,
toucadores, marquesas, estelra de forro,
rclogio dcima de mcsa.um fogo de fer-
ro patente americano, louca e vidros, tretn
de cozinha, c outras muitss cousas necessa-
nas para uso de casas, e que tudo se ven-
der sem limites em precos ; assim como 2
carros de 4 rodas rom arreios, 4 cabriolis
novos, sondo um muito maneiro, 1 cavallo
de carro, urna vacca lorina ingle? : sexta-
reira,9|do corrente, as II horas da ma-
nhfla, no sitio que se tem annunciado para
se vender, du Sr. JoSo dos Santos Porto, no
Manguinho-Papa-Terra, qtie fica defronte
dos sitios dos Srs. Carneiroa.
Avaos diversos.
Augusto Frederico de Oliveira, reti-
rando se para a corte, aim de tomar assen-
to na cmara dos deputados, e n.to podendo
pela presteza da viagem desdedirse pes-
foalmente de todas as ressoas a quem deve
Obsequios e atlencOes, Ibes roga de dirigir-
Ihesuas orilens para aquolle lugar, na cer-
teza de que ser-fo rumpridas com a pontua-
lidade exigida pela amizade que liles tri-
buta.
Ierdeu-sc ou firrtaram
om annelflo de ouro lavrdo, que tem por
signal tres ouquslro furos pela parle de
dentro. Rog-se a quem por ventura for of-
ferecido, principalmente aos Srs. ourives,
do o tomar ; e querendo entregarlo a seu
doco, recebendo o que por elle houver da-
do, dirija-se a esta typographia.
-- A pessoa que nnunciou precisar de
urna engommadeirs, que se responsabilise
pela lavagem da roupa, dirija-se so paleo
de N. S. do Terco, n. 17, que achara com
quem tratar.
Jofio Fe>reir Teixeira, Brasileiro, reli
ra se pira fra da provincia.
Manonl Gomes, Portuguez, rctira-se
para fra da provincia.
Roga-se a pessoa que lirou do enrreio
urna carta que com o nome ile JoBo Fran-
cisco de Barros, veio do Rio-de-Janeiro par
um dos ltimos vapore.s, serviudo lie capa a
outra para n l)r. juiz de direito do comarca
do I 'mulo, baja dea mandar entregar na
rua.do Vicario, n.7, a Francisco Joo de
Rarros, a quem ella pertence, nflo obstante
o nomo de JoSo Francisco com que por en-
gao foi suhsciiptada, segundo aviso rece-
lado a semellisnte respailo. Ontro sim,
tamhem se roga ao curioso que foi nodia
22 do corrente maio, casa dos Srs. James
CrantreeV C, eda malla do correio parti-
cular da Parahiba levou urna caita com di-
recebo a Francisco Joo do Barros, tenha
a brindarle de manda-la entregar a este na-
mesma crsa da la do Vigario, n. 7, pelo
que Ihe licar muito obrigado, e ainda
mais, se, So continuar com seoielhanles
grabas, na verdade intoleraveis.
S H. T.
O prineiro secretario da sociedade Har-
mnico Theatral faz sciente aos Srs. socios,
que a recita ordinaria do corrente mez de
maio ter lugar no rtia 29 do mesmo : os bi-
Ihe'es se dislriliuem nos das 27 e 28 das 3
as 6 horas da tarde, e nndi 29 das 9 a 12
horas da manh.la no sallo da mes na socie-
dade ; e novamenic se lembram as observa-
gfles relias nos transidos anuncios, pura as
nnites de espectculo, tanto aos Srs socios
cirio convidados
Perdeu-se de S. Jos do Manguinhu al
a rua do Trapiche una caixinha com urna
n-edallra e una cruz de ouro : a pessoa que
a achou, querendo restitui-la na rua do
Trapiche, n. 8, lerceiro andar, sera bem re-
compensada.
Aluga-aeum sitio na rua Imperial, n.
183, com diversas arvores de fruio, terre-
no para capim, e boa casa de vivenda com
commodos para grande familia: trata-se
na rua Direita, n.82, primeiro andar.
Precisa-se de urna ama para todo o ser-
v quena fan illa : quem esliver aeslas cir-
cumstancias, dirija-se a Gamboa doCarmo,
n. 19, primeiro andar.
Sabio a luz o segundo numeio da Sau-
dade, e acha-so venda nos lugares do cos-
lume. Declara-s que ella sahira sempre as
leig.se sextas feras, para se evitar an-
nuncios.
-- Aluga-se o primeiro andar da casa n
36 da rua Direita, com commodos par-
grande familia, cozinha fra bem arcada
quintal para estribarla e cacirxba com boa
agoa i a tratar no lerceiro andar a mesinu
casa.
--D-se al a quantia de 430,000 rs., com
penhores de ouro ou prata : na praca da
Boa-Yi.-ta, botica n. 6, se dir quem d.
Pelo juizo dos feilosda fazenda se ha
de arrematar de runda, no da 28 do cor-
rente, oengenho Uurbalho, inoculo e cor-
ren le, na comarca doCibo, por ser a ulti-
ma i raga, penhorado a JuSo Uaptisla Pe-
reira Lobo.
saiha coser bem: quem a quizer alugar,
din|a-seaoAterro-da-Boa-Vista, n. 2, das
7 s 9 horas damanhSa.
Furtaram, no da 21 do eorrente, da
cisa terrea da rua de S,-Theresa, n. 18, um
diadema crcalo de sele cstrellinlMS de
ouro e urna espadinha tambem de ouro,
que eram de urna imagem de N. S. das Do
rea ; um copo lapidado com sua competen-
te salva de vidro bordada : quem tiver no-
ticia, ou Ihe Mr offerecido algom destes
objectos, o poder apprehonder e levar
rua Nova, n. 49, que ser gratificado.
S. H. T.
0 primeiro secretario da sociedade Har-
mnico Theatral faz sciente aos Srs. socios,
que, no dia 30 do corrente mez de maio,
pelas 10 horas da mantilla, ha reuniSo de
assembla geral, para oque os ditos Srs.
sao convidados a comparecerem, aflm de
elegerem nova dlreccfio ; o, passada aquella
hora, se cumprir oque prescreve o artigo
II do capitulo 9. titulo 2. dos estatutos.
Oh lda Marmota l
Ilonlem passando pela rua da Cadeia do
Recife, ao pino de meio-dia, vi um homem
fazer com fazem os cachorros orinando no
portal da luja n. 15, e peguntando quem
era aqulla homem com feic.Su de cachorro,
disseram-me que era o redactor da Marmo-
ta : aproveile, pois, essa eomprracflo para a
sua Marmota. O observador.
-Oabaixo assignado faz sciente a quem
convierque tem justo e contratado com-
prara Manql Gaetaoo de Mello, Leandro
los Garneiro e suas mulheres, as partes
que os mesmos teem na casa terrea n, 7, si-
ta na rua da S.-Cruz da Boa-Vista : se al-
quem se julgar com direito a ellas, annun-
cie por esta foi lia no prazode 8 das, conta-
dos da publicacSo deste (24); do contrario,
se passar a escriptura, e perder o direito
que em ditas partes tenha.
Simplicio Rodriguet Compeli.
-- O Sr. Luiz Pires Ferreira queira quin-
to antes mandar pagar o que ha mais de 3
annosdeveem certa botici desta cidade ;
certodequo, emquanto o nSo fizer, andar
seu nome nesta folha.
Bernardino Jos LeilSo tem justo e con-
tratado a compra de um sobrado de um an-
dar ainda por acabar, sito na travessa dos
Quarteis, n. 33, com Sr. Marciano do Es-
pirito Santo: quem se julgar com direito
ontenda-secom o annunciante no praso de
3 das ; na rua da Florentina, n. 30.
Mara Demetria da PaixSo de Jess faz
publico que vai abrir urna aula particular
em sua casa atrs do Amparo, sobrado de
um andar : a tratar com seu pai, EstevBo
do Nasciment de Jesns, aonde se ensillar
a ler, eacrever, contar, coser, fazer lava-
rinin de todas as qualidades, bordar de
susto, de seda e de marca, coaer chao e dou-
trina christiia, por barato prego, e em pou-
oo tempo.
Precisa se alugar um sitio que tenha
boa casa para grande familia, boa agoa de
beber, arvoredos de fructo, pasto para vac-
cas, baixa para capim : nao se olha o alu-
guel nem a distancia desta cidade, o que se
Blanca he o bom tralamento : na rua da
Senzalla-Nova, n. 42, segundo andar, ou
anuncie.
Precisa-se alugar urna preta idosa : na
praca da Independencia, n. 1, loja.
-- 0 abaixo assignado faz scionto ao res
peilavel publico que a loja de bahs sita
na rua da Madro-de-Deos, n. 14, pertence
ao annunciante, e nlo ao Sr. Domingos
Marlins dos Santos. Francisco os de Pas-
tos i'.uimuri'iis.
Um capadocio que tem lido
a (insidia de ira casa de diversos
negociantes inglezes deprimir do
crdito de alguem, que Ihe he su-
perior, nao s em sua vida publi-
ca e particular, mas desde o seu
nascimento..... queira sustar sen
atrevimento, a nao querer que se
Ihe publique a sua vida, e mor-
mente alguns feitos de suas ulti-
mas transacedes.
O conselheiro.
qualquer pessa nova em relpgios, sem que
seja preciso manda-Ios Europa
i*
*
i*

-
;>
*





>
>
GRANDE J
consultorio homceo-
pathco,
Dirigido pelo Dr. Sabino e Dr. Luz
Rua do Trapiche, Hotel- 2
Francisco. j
Osdoentes pobres terfio gratuita- 2
menie todos os das cousultas e re- ^
medios para o tralamento de suas molestias. 4
As visitas, fra deste consultorio, -S
serSo feitas por. qualquer dos dous
meJicos, nicamente Aquellos en- .
fermos cujo estado mrbido os re-
clame em sua casa.
-i
-- Precisa-se alugar urna ama forra, que
tenha boa conducta, para urna casa de pou
ca ramilia; na rua da Cadeia do Recife.
n. 54.
--Aluga-se urna casa terrea na rua d
Conceicfio da Boa-Vista, n. 129 : a tratar na
dita praca, n. 6, botica.
(I abaixn assignado querendo pagar
aos seus credores, por isso pede encarec
damente aos seus devedores, e principal-
mente aos mais antigos, de mandaivm p
gar al o fim do corrento; do contrario,
vc-se na dura necessidade de recorrer ao>
meios judiciaes; pois o annunciante nSo
ode mais esperar, por ler urna grande om-
ina Hada e quasi lulo nesta comarca, o nilo
Quem quizer urna ama para lavar, en-
gommar e fazer o servico de urna casa de
pouca familia, dirija-se rua das Triiichei-
ras, n.25.
Aluga-se o segundo andar e sotSo do
sobrado da rua Direita, n. 20, com bons
commodos para familia : a tratar na mes-
illa rua, n. 93, primeiro andar.
O Sr. tenente Paulino dirija-se rua da
Cadeia de S.-Antonio, n, 13.
Aluga-se o segundo andar e
solao do sobrado da rua atrs da
matriz da Boa-Vista : a tratar na
rua do Crespo, com o Snr. Par-
rado.
-- Aluga-se o segundo andar do sobrado
do Aterro-da-Boa-Visia, n. 26 : a tratar no
mesmo Aterro, n. 18, loja do fazendas.
uesciiptorio do agente da comranhia
dos paquetes de vapor mudou-se para a rua
do Trapixe. casa n. 40, segundo andar.
O Sr. Francisco Serraluoga tenha a
lioudadede procurar urna carta na rua do
Trapiche-Novo, n 18, segundo andar, vin-
da pelo vapor S.-Salvador.
Quem tiver um methodo de Caruli para
violSo para vender, dirija-se praca da In-
dependencia, loja de Justino Meroz.
Aluga-s-, para ama de urna casa, urna
parda de bons costumes, c que lem as pre-
cisas habilidades: quema pretender, diri-
ja sea rua das Cruzes, n. 41, segundo an-
dar.
Quem quizer arrendar um sitio na
Magdalena, com boa casi toda envidrafada.
com sotSo, cocheira, cavalharice, casa de
pretos, dita de feitor, jardim com todas as
qualidades de flores e roseiras que ha aqui,
com arvoredos d tudas as qualidades,
grandes baixas para cipim, e terreno para
plantar, dirija-se a Prxedes da Fonseca
Goulinho, no consulado geral.
-- Aluga-se o segundo andar e sotSo do
sobrado do becco do Burgos, n. i tambem
se vende o dito sobrado: a Iratar na rua da
Praia, n 2.
-- A viuva de Marcollino Jos Galvilo, por
"Star procedendoa inventario pelo juizo de
orphSos, avisa de novo aos credores de seu
(nado marido a apresentnr suas contas no
prazo de 3dias, restante da semana, para
entrarem no inventario que se esta fezendo;
lo contrario, perderilo as suas dividas.
Aluga-se um sobradinho e lojas por
detrs de S.-Rita, pelo preco de 10,000 is.
mensaes : a tiatar na rua Direita, u. 93, ta-
berna.
Um rapaz portuguez deseja arrumar-se,
tem bastante praliea de venda e de re lina
cSo : quem de seu presumo se quizer ulili-
sar, dirija-so rua do Amorim, venda nu-
mero 17.
Precisa se de urna ama de leile
da Cadeia do Recire, n. 23.
~ A pessoa que quizer traspassir a hy-
pnlheca de urna casa terrea na rua da Glo-
ria, n 88. dirija-se rua estreita do Ro-
zario, u. 16.
vendeu a sua botica, sita na rua da Cadeia-
Velha, n. 3, aos Srs. Campos & lrai3os.
Precisa-se de urna ama para todo o ser-
vido interno e externo de urna casa de pe-
quena familia : quem estiver nestas cir-
cumstancias. dirija-se Boa-Vista, casa
que fica confronte aooitSo da Santa-Cru7,
n. 22, que achara com quem tratar.
Pede-seaos lllms. Srs. chefede polica
e primeiro amanuense dignem-se de man-
dar annunciar os ttulos de residencia : isto
pedeaSs Ss. O prteisado.
Desappareccu, no dia 8 do corrente, da
travessa de S. Pedro, um cavallo ruco com o
ferro -- E na anca e no queixo do laao di-
reito ; tem um p meio torio ; levou urna
cangalha e'.\,us couros de carga om cima
pertence ao Sr. Estevlo Rodrigues da Silva,
senhor do engenho Dous-Bracos-de-Cima,
freguezia da Escada : quem souber, dirija-
se a rua Direita, n. 16, qua se pagarflo as
despezas.
~ Os Srs. Francisco Xavier Garneiro da
Gunha Campcllo c Jos Xavier Garneiro Ro-
drigues Campcllo queiram irou mandar
ma da Cadeia do Recife, loja de Cunha&
Amorim, ao fim que nSo ignoram.
r- No dia 19 do corrente a noile entregan-
do-so urna cama de arma;So para um pretu
a carregar, esse se evadir com a mesma, e
como se desconfi aonde a mesma se ach
vendida, por isso, para evitar contendas,
haj de a levar rua Nova, n. 58, primeiro
andar, que se dar o importe porquecom-
prou.
--O Sr. Bernardo Damiflo Franco queira
oan lar rua da Cadeia do Ksflife, loja n.
50, realisar a traii3acco que r.ilo ignora.
Precisa-se de um feitor para um enge-
nho, distante 8 legoas desta cidade : no
Aterro -da-Boa-Vista, n 63, segundo andar.
Nesta typographia se dir quem vende
a Csa de dous andares da rua do Burgos,
ti. 7.
Compras.
--Compra-se urna emoa aherta que pe-
gue em mil lijlos de alvenaria, e que esto-
ja em bom estado : na rua dos Goelhos,
n. 13,
Compra.se um preto que seja bom, e
que nSo tenhs vicios nem achaques, sendo
canoeiro : na rua dos Goelhos, n. 13.
Compra-s um braco de halanca, um
terno de pesos de duas arrobas at meia
quarta : tu lo em bom estado: no Aterro-
da-Boa-Vista, n. 73.
-Coupra-se, cflectivamenlo, calcado de
lustro para senhora e menina ; liem comr
papel de cmbrulho a peso : na rua larga do
Itozario, n 35, loja.
~ Compram-s; psde condeca on f ucta
de conde ; ditos de articum-arp ; ditos de
limas do diversas qualidades; ditos de l-
guciras brancas ; ditas de ditas chamada.-
peras ; e oulros quaesquer ps de fructeiras;
na praca da Independencia, ti. 3.
Vendas.
Attencao &o bom
btalo.
Na rua Nova, taberna nova, ao peda pon-
te, n. 71, vende-so manteiga ingle/a, a i fio,
240, 400 e 640 rs. ; dita franceza, a 520 rs. :
hanlia, a 320 rs. ; toucinho de Santos, a 120
rs, espermacele de seis em libra, a 720 e
800 rs. ; revadinha de Franca, a 240 rs
iletria.a 240 rs. ; macarrao e talliarim, a
200 rs. ; azeiledoce, a 560 rs. a garrafi ;
paios, a 240 rs. ; lingoicas, a 400 rs ; car-
nauba, a 320 rs. ; cha muito bom, a 2,240
fs.; tapioca, a 120 rs. ; caf em grao, a 280
rs.; dito muido, a 24o rs ; assucar refina-
do, a 100 rs. ; dito francez, a 120 rs, ; dito
brinco, a 80 rs. ; dito mascavado, a 60 rs
Estes mesmos gneros tamhem se ven lemn-
taherr.a defronte da Conce eflo, n. 40, pelo-
mesmos precos ; bem como oulros muilos
gneros que ser/lo patentes aos preten-
denlas.
Vendc-se um cano de cobre, muilo bem
feilo, rroprio para forno do padaria, poi
t-rsidofeilo com tolas Jas dimensfles De*
cessarias para tal fim : na rua da Cadeia di
Faz-se todo e qualquer negocio com duas |s -Antonio, n. 10, loja de marecneiro, se
na rua
Negocio nteressante.
Ihe hepossivel receberoada
; assim o espe-
--Aluga-seum bom escravo cozinheiro,
cauoeiro, e que he proprio para outro qual-
quer servico: na rua Nov, n. 69, arma-
zea).
Aluga-se o segundo andar do sobrado
ra deaes devedores, que nSo deixanlo de
ir pagar-lhe, Antonio Itrrtira da Costa
Braga.
-- Aluga-se a casa da esquina da ruado
Caldeireiro com armaefio para renda e com-
modos para familia, com quintal, cacimba
e portSo para a travessa, a qual pele local
olrerece muita vantagem : na praca da In-
dependencia, livraria ns. 6 e 8.
-Os Srs. Joaquim Pessoa Sezera da Cu-
nta e Francisco Bringer de Almeida Cuedes
hajam de dingir-se ao Passeio-Publico, lo-
ja n. 9. a negocio que nSo ignoram.
-Na rua de Agoas-Verdes, casa terrea
n.26, engomma seelava-se toda a qiali-
dade de roupa, com todo asseio e prompii-
dSo, por preco mais commodo do que em
outra qualquer parte.
Francisco Jos Germn,
relojoeiro suiaso, estabelecido na rua
Nove, n. 91, fat consUr ao publico, que
em para vender no aeu estabelecimeno le-
logios dos mais acreditados autores, vindos
da Suissa e os mais modernoa machinis-
mos, tanto de ouro. como de prata, e que
vender a commodos precos, para agradar
a seus freguezes, assi.n como tambem ven-
de no mesmo estabeleeimento um ricoe va-
ria lo sortimonto de objectos de ouro : ade-
reqos completos, pulceiras, chaves para ie-
logio, etc., etc. Tambem concerta e poe
lettras de 493,024 rs., vencidas ha mais de
s. is anuos, declaram juros de 2 por cenlo
ao mez, aceitas pelo Sr. capitSo Antonio Pe-
reira Freir, que morou no engenho Cainha,
e que ha 3 ou 4 anuos se mudou de Taqua-
ratmga para Quebrangullo, comarca de Ga-
ranhuns: na rua da Ga lea do Recife, loja
n, 50, a fallar com Cunha & Amorim.
No dia 22 do corrente, ao meio dia,
furtaram um violilo pequeuo e novo, d
ima de urna commoda, da casa da rua de
Hurtas, n. 64. Roga-se a quem for oiTereci-
lo de o tomar e levar a dita casi que ser
gratificado. Adverte-se que oviolSo he fran
cez e eslava com prima de retroz.
*
O Dr. I,uz relira-se para a Bahia no a
primeiro vapor do norte, e roga a to- <4
das as pessoas que o honraram nesta *
ciifade com sua amizade, queiram ^
dispor de seu prestimo naquella ca- ',1
pital, onde faz residencia a ruada m
Preguica, n. 13. Cidade do Recife em a
Pernambuco, 39 de maio de 1850. 4
Jos Antunes da Lu. ft
# m oo@f>|
-Precisa-se de um feitor para um sitio
perfi da praca, com preferencia se souber
desleiisr vaccas : na rua do Livramento. nu
mero 33
A pessoa que quizer, entrando com al-
guns iundos, associar-se nos lucros deu ma
das melbores la ternas de Fra-de-Portas,
dirija-se o mesmo lugar, n. 92, que achara
cum quem tratar.
Precisa-se de um caixeiro portuguez
de 12 a 14 annos, que saiba ler e escrever,
e d conhecimento de sua conduela : aa
Boa-Vista, rua Formosa, venda.
-- O Sr. Joaquim Jos dos Santos Barraca
queira ir ou mandar pagar a quantia de rs.
33,460 na rua da Cadeia de S.-Antonio. n.
IS; do contrario, ter de ver sempre seu
nome por esta folha.
Sociedade Apolnea.
A direceflo convida aoa Srs. socios para
una sessSo geral no dia 94 do corrente, vis-
to nflo ter havido no dia 14, por causa da
ebuva.
Antonio Jos Pimeuta da ConceicSo
dir quem vende.
-- Vendc-se um relngio de ouro patente
suisso, muito bom regulador, po- prece
c imii odo : na prac,a da Independencia, lo
ja do Sr. Meroz.
Vcnde-se, para fra da provincia, un
escravo de nacilo Costa, de 60 annos, poi
muito commodo preco para ver. no quai
tel de polica, e para iratar, na rua l'orm -
sa, quem vai da rua da Aurora, sexta casa
Vcndem-se saccas com farinlia cim
um nlqueire raso, a 2,000 rs : aofdoar
coda t.onceiclo, arxazem n 64.
Vende-sea bem conhecida taberna da es-
trella, na ribeira da Boa Vista, com poucos
fundos, e commo Jos para um homem sol-
teiro : faz-se todo o negocio com o com-
prador ; tratar na mesma venda.
Vende-se urna casa na rua Imperial,
junio ao sobrado do Sr. GusmSo, propri*
para um grande estabeleeimento de qual-
quer (genero-: a tratar na mesma rua, n. 61
Vende-so um habito de Chrislo, de bri-
Ihantes: na rua Direita, n 100.
Fardo de arroz.
Vende-se esta j tilo condecida quanto
til Isuhstancia alimentaria para sustento
de cavallos, em barricas com 4 arrobas pata
mais. pelo diminuto rreco de 3,000 rs. a
barrica : nos armazens de Onofre na rua d;
Madre-de-Deos, e no defronte do chafari/
da ponte do Recife.
Calcado,
Vendem-se sapales de bezerro
de duas, tres e tres solas e meia,
propiios para o invern ; ditos
nglezes; ditos do Aracaty: na
praca da Independencia, loja do
Arantes.
Vendem-se pecas de chitas pardas, co-
res fixas, com palmas encarnadas, a 5,800
ra. e a 180 rs. a retalho : na rua larga du Ito
zario, n. 48, primeiro andar
Qiicij< s londrinos de 4 a
& Huras
multo frescos: vendem-se na rua da Gruz
do Recife, n. 62, armazem de Manoel Fran-
cisco Marlms& Irniilo, por preco commodo.
Vende-se urna negrinha de 6 anuos,
muito propria para so educar: na rua do
Queimado, n. 38, aegundo andar.
~ Vende-se, ou faz-so qualquer negocio,
ou duas dividas documentadas, urna da
f-lleclda D, Therrsado Bulhoes, e outra do
fallecido JoSo de Garvalho Paes de Andrad,
'nina primeira de tresentos e tantos mil
rs. o a s-gunda de dusentos e tantos mil-
M. : d-se por metade a algum herdeiro
(uequeira promover cobranca : no Ater-
ro-da-Boa-Vists, n 10, sobrado.
Vende-se urna pequea porcSo de car-
v3o, tanto mineral como artificial, da me-
Ihor qualidade, pur |irei;o commodo: na rua
da G-ideia, n. 48, escriptorio de A. S. Cor-
tiett.
Vendem sj, na rua Nova, n. 4, loja do
alfaiale, pannos pretos e de cores; crtis
decolletes de seda decores; ditos de fus-
tao; cortes de casemira preta e de cores;
Irrus breos e de cores; merino preto;
-el un preto : tambem se vendem obras fei-
tas, como sejm : ca>acas dn panno preto e
ile cores ; caifas de casimira; colletes de
setini; ditos de chamalote ; ditos de fustSo ;
nliecli-nnlires de chita ; ditos de seda ; pa-
litos de brim ; ditos de alpaca de linho. Na
mesma loja se fazem obras de feitio : tudo
muito em conla.
Vendem-se pegas novas de msicas,
como sejam : romances, arias, ronds, me-
i iodos e quadrilhas para piano e cantona ;
re.m como duas missas em partitura, pro-
lirias para festivi lades do igreja ; um ex-
ctenlo fagote para msica militar; e pia-
nos de todas as qualidades: na rua larga
du Itozario, n. 28, primeiro andar, casa de
Joflo Vlgnes.
Moreira & Vellozo, com loja na rm
Nova, n. 8, annunciam para vender pelo
liaratissimo prego de 2,000 rs. chapeos de
maca cubarlos de oliado proprios para a es-
tarlo presente; tambem se vendem, na
mesma loja, sapatos de cordavSo e france-
ses a 1,200 rs. o par ; dito de couro de lus-
tros para senhora, a 2,000 rs. ; esparlilhos
re puro 1 uho guarnecidos de hlelas, no
esqueceudo a larga d fronte, pelo prego
nunca visto de 6,000 rs. cada um : galhe-
(eiros com 4 vidros, a 2,500 rs. chapeos do
palha abertos para senhora, do varios precos
i) de difeientes lamanhos; ditos de palinha
lin lamente enfeitados para meninos e me-
ninas ; franjas de valias cores muito pro-
pi as para enfeitar vestidos, a 32il a vara ;
maulas de garga de muito boa qualidadee
le bonos gustos, a 5,000 rs. ; as verda-
deras luvas de trogal com dedos a 1,000 o
par, ditas do pelica para senhora e pera ho-
rnea. ; borzeguins, sapatos do lustro, ditos
le marrnquim, tudo para senhora; cha-
peos do maga fiaucezes, cliega los de proxi-
i.e, b mitas formas e boa p~luca, a 7,000
rs. cada um ; peules de taitaruga de mar-
rafa e cuc ; lengns para grvalas ; capellas
da flores para noiva ; corles de sedas bran-
cas e de cores ; esobreludo um ,bello sorti-
iii nlo de perfumaras e de outras fazendas
mais que se protesta vender por precos mu -
lo rasuaves.
Alpaca preta de cordao
c com 7 palmos de lar-
gura.
Vende-se alpaca preta de cordSo, muito
oropria para caigas, subre-casacas e vesti-
d >s : adverlindn aos compradores, que
urna sobre-casaca sabe por 3,840 rs. e uina
caiga por 2,240 rs. sendo o seu prego de
1,280 rs. o covado : tambem sa vendem no-
vos cortes de cassa de cores, de muito bom
itosto, a 2,400 rs. : na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Alpaca com 7 i al-
mos de largura, pelo di-
minuto preco de 1/200
res o covado, cambraas
ninladas do melhor gosto que tem appare-
cido nosla fazenda a 2,400 rs. o corte, chitas
linas escuras pelo diminuto prego de 180
rs. o covado : na rua rua do Crespo, n 6,
io p do lampenhSo.
Na nova loja da rua do Queimado, n.
3, vende-se setim de Maco, superior, a
2,560 rs. o covado ; casemira preta fina,
2,500 rs. ; cortes de dila de cores e de mui-
to bom go-to, a 7,000 rs. o corte ; coberto-
res de algodo grandes e bons, a 640 rs ,
e mais pequeos a 600 rs.; cortes de col-
letes de fustSo, a 640 rs ; chales de 19a e
seda de bom gosto, a 5,000 rs ; pegas da
panno de linho superior com 20 varas, pe-
lo diminuto prego de 11,000 rs. a pega; bem
como um grande sortimcnlo de fazendas
finas jgrossas, por menos prego do que
6u oulia quaiquer parte.
Na ribeira da Boa-Vista, praga da fari-
nha,-n. 41, ha urna porgSo do familia ordi-
naria, propria paraanimaes, que se vende-
r a tTs patacas e meia oalqueire.
Fazendas baratas e sem
de feitos.
Vendem-se novas alpacas de cordSo de
13a com diflerentes cores e muito moder-
nas, proprias para casacas e palitos, a 800
rs. o covado ; ditas de seda muilo bonitas e
bom padres, sendo tambem proprias para
veslidode luto aliviado, a 800 rs. o cova-
do ; ditas pretas de 13a muita Anas, a 800
rs. o covado ; cortes de 13a para vestido,
com 16 covados, a 4,500 rs. ; ditos de 13a e
seda, muito finos e de bom gusto, com 11
covados e meio, a 6,500 rs. ; ditos de chita
crmieza muito fina, com ptimo padrOes,
cores lixas e chegados ltimamente, a 3,400
rs.; brim pardo trancado de linho para cal-
cas, a 1,400 rs. o corte ; dito de quadros
azues, a 1,000 rs. o corte de caigas ou ja-
quela ; e lodo o sorlimento de fazendas fi-
nase grossas por muito commodo prego:
na rua do Queimado, n. 27, armazem de
fazendas de Raymundo Carlos Leite.
Vende-se urna mulatinha de 14 annos
pouco mais ou menos, e que he muito ha-
bilidosa : na rua estreita do Rozario, n. 20,
segundo andar.
Fabrico nacional.
Gunha & Amorim, na rua da Cadeia do
Recife, n. 50, vendem polassa branca, fa-
bricada no Rio de-Janeiro, avmais nova que
lia no mercado, e a mais superior que ha
nesle generu, poi prego rasoavel.
Vende-se graxa em bexgas do Rio-
(irande do Sul, propria para velas, por me-
nos prego doqueemuutra qualquer parle :
na rua da Praia, n.7.


Vendem-se chpeos de palha de Mani-
Iha, amito1 finos para homem : canna da In-
dia Yerdadeira, i ropria para bengalas, qo*
de una se pode Hzer duas: na ra Nova,
n. 2, loja atrs da matriz.
I'ara camisas, a 280 rs.
o covado.
Vendem-se finos e largos riscados bran-
cos com salpicos de cures, muito proprio*
para camisas de liomem, pelo baratsimo
preco de 2S0 rs. o covado : na ra do Cres-
po, n. 11.
Manoel da Silva Santos ven-
de arroz do Maranhao a 1,000 ris
cada urna arroba : quem preten-
der dirija-se ao armazem, que foi
do fallecido Braguez, na ra da
Cadeia, n. 64*
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na ra da Cadeia, n. S*t,
vendem-se por atacado duas qualidadei,
proprias para sacros de assucar e roupa de
escravos.
Taixts para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
acibs-.sc de receber um completo sortimen-
toJe taixas de 4 a 8 palmos de bocea a
quaes achani-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo emharcam-se,
ou carrceam-seem carrossem despezas ao
comprador.
Na loja frsnceza na ra Nova atraz da
matriz, tem bonitos jarros de porcellsna,
linternas de | de vidro, ditas de casqui-
ntia inglezas, ditas fracnezas, candieiroe
para sala, ditos de lalSo para estudantes,
bengalas de rana, bandejas finas, chapad
de sol de seda de cores para homem, funda
-- Vende-se um sitio em Olinda, ao cor-
cr da ra do Jogo-da-Bola, com caaa, mu-
tos variados arvoredos de fructo e boa ca-
cimba : a tratar na mesma cidade, ra dc
Vmp8ro, n. 5.
Oleo de linhaca.
Vende-se superior oleo de linha-
ca em liotijr-s: quem pretender,
dirija-se a Manoel da Silva San-
tos, no armazem do Armes, no
caes da Alfandega.
-- Vende-se um ptimo terreno para se
edificar, por ser perlo do rio e de esquina,
com (O palmos do frente, e com urna casa
ile taipa, sito na Baixa.Verde do Mangui-
nho ; bem como urna pequea casa con-
fronte ao mesmo terreno, com cambda de
embarque e desembarque no fundo : na ra
da Penna, n. 1, primeiro andar.
Vendem-se pipas de ptima ago'arden-
le, por preco commodo : na ra do llospi-
-io, n. 9.
-- Vende-se espirito de 36 graos, a mil
rs. a ranada: no pateo do I'araizo, n. 20,
taberna.
Familia de mandioca
nova, de S.-Catharina,
a melhor farinha que ha no mer-
cado, vende-se a bordo do Mara-
Prmeira, entrado no dia 6 do cor-
rente, por preco mais barato do
que em oulra qtialquer parte: a
tratar com Machado & Finheiro,
na ra do Vigario, n. 19, ou com
o capito a bordo.
-- Vendem-se amarras ao ierro: na rur
la Senzalla-Nova, o. 42.
Folhade Flandres,
Em rasa de J. J. Tasso Jnior, na ra do
!4
para osquehrados, chapeos fraricezes debo-1 Amorim, n. 35. ha um ptimo sortimento
' ule folha de l-'landres, de todas as marcas, r
a retalho por preco inais barato do queem
outra qualquer parte.
Na ra do Crespo, loja
da esquina que volta
para a cade a,
nitas formas, lencos de seda de 1,000 rs. alf
5,000 rs. para senhora e hooiins, ditos de
morsulina, e oulras muitas fazendas : sa-
patos de duraque de cores para senhora a
800 rs., ditos de coro de lustro a 2.000 rs.
Assim como roga aos seus devedores que
Ibe vam pagar, para nao mandar tantas
vezes os seus caixeiros em suas casas.
Chegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e prala
patente inglez, para homem e senhora.
Vendem-se peces de tnariapolilo com
20 varas, muilo largo e com algum rr.ofo,
a 2,500 rs. ; estopa propria para roupa dt
escravos e enfardar fszendts e tambem pa-
ra saceos, a 3. 4 e 6 vintens e a 160 rs. a
vara, com alguma avaria ; chitas, a 4,000
rs. a peca : na tua larga do Rozario, n. 48,
primeiro andar.
O
G
O
O
Manteletes francezes.
Vendem-se ricos manteletes fran- J
cezes, muilo modernos; e grvalas C5
de molas : na ra do Crespo, n. 9,
luja amarella.
Farinha de S.-l!nlheus,
de superior qualidsde, vende-se por preco
romniodo : a bordo do patarho lima, tun-
deado em frente do caes do Collrgjo.
He boa faz-ruda.
Na ra do Queimado, vindo do llozaiio,
segunda loja, n. 18, \endem-se lenco*
blancos de rambraia adamascados para se-
nhora, a 5,5(10 rs. a duzia ; merino preto
bordado, a 1,200 rs. o covado, muito pro-
prio para vestidos de senhora, roupinhos
de meninos e palitos; setim preto de .Ma-
can, muito bom, a 2,500 rs. o covado; la-
ptm rr de lirio para vestidos de cnbora e
roupinbos de meninos, a 500 is. o covado;
mantas de seda e de setim, a 9,000 rs. ;
curies ile cambala lisa e fina, para vesti-
dos, a 3,200 rs. ; e ocles fazendas que se
vendem sem limites de preco.
Capas para invern.
Vendem-se capas de panno fino e barre-
gana e mais qualidades, para invern, poi
preco commodo : na ra do Crespo, n. 11
Vendem-se duas parles de urna casa
na ra da S -Cruz, que faz esquina para t
ruada Alegra, e que li m taberna: esta
duas rarles rendem 6,700 rs. mrnsaea : bem
como una parle de um terreno junto a
mesma rasa, por preco commodo : na tra
testada roa da Concordia, sobiado n. 5,
das 6 as 8 borasda nianhia, e das / as 6
da tarde.
JVovo sor limen to de Xa*
/.(lulas baratas.
Vcndcm-se corles de rassa-cliita muilo
bonitos, a 2,000, 2.400e 2,800 rs.; riscadi-
nhos de linho,a 240 rs. o covado; dito de
algodSo muito encorpado, proprio para
roupa de escravos, a 140 rs. o covado ; cor-
tes de brim brai.ro de linho, a 1,500 rs. ;
dito muilo bom, a 1,700 rs. ; dito amarello,
a 1,600 rs. ; dito com listra ao lado, a 1,280
rs. ; cassas de cores muito bonitas, a 320
rs. o covado ; riscados monslios com qua-
Iro palmse meio de largura, a 200 rs. o
covado ; 2uarle furia-cies, a 200 rs. o co-
vado ; pecas de cambraia lisa com 8 varal
e meia, a 2,720 rs. ; chitas de bonitos pa
diocs, albo rs. o covado ; ditas muito "
(DI
as, a 200, 220, 240, 2C0 e 280 rs. ; lencos
le seda para algibeira, a 1,000 e 1,280 rs.
ditos para gravkta, 1,280 rs.; e outras mui-
tas fazendas por preco commodo : na ra
do Crespo, loja da esquina que volta para
a cadeia.
Vendem-se tres lindas escravas com
todas as habilidades piensas ; um molequr
peca, de 18 anuos : lodos de boa conducta :
ua ra do Raugel, n. 57.
Vende-se, por preco commodo, unit
pequea casa terrea com .sotan, sita no
Alerru-dos-Afogados, do lado do mar, n.
141: na ra da i'inlm, n. 1, piimeiro an-
dar.
Na ra da Cadeia do Rerife, loja de fer-
ragens, o. 56, vendem-se duas pictas criou-
las, as quaes lavam, engommam, cosinham
e cuzem soffrivelniente; na mesma loja pro-
cisa-se alugar um nrgro co/inheiio : quem
itverannuncic, ou dirija-se a indicada luja.
vendem-se cortes de casimira preta, muito
boa, a 5,500e 10,000 rs. ; panno preto, mui-
to hom, a 3,200, 3.800 e 5,500 rs. o covado ;
cortes de collelo de fustflo, a 640 rs. ; ditos
de setim de rAre s, a 2,000 rs. ; ditos de gor-
gorito, a 1,600 rs. jesguiSo de linho, muito
tino, a 1,280 rs. a vara.
Urna pessoa chegada ha pouco de urna
das provincias do irrperio tem para vendei
urna poican de toalbas e fronhas de brela-
nlm lina e lni mo de muito bom gusto e
moderno, por muito barato preco, por ter
q ile relirar-se para tora do imperio : na ra
Nova, n. 34.
Vende-se um giande sitio na estrada
dos Afilelos, com muito boa casa para fa-
milia, rectificada de novo, com muitas di-
versas qualidades de arvoredos bem replan-
tados, como sejam : muitas larangeiras de
diversas qualidades, sapotys, fiucta-pilo,
aijiii ims, coque Iros, mangueirasi rajuei-
ros, e oulras muitas diversas fiucleires,
hnrlalire, grande baixa para capim, queso
iMn a vista se poder melhor informar o
comprador : na ra do Queimado, n. 10.
Tarinhadc mandioca de
S.-( alli;irna.
Chegou em dirritura de S.-Calharina o
brigue nacional Minerva, com um carregs-
mento da superior fahnha muito nova, e
acha-se Tundeado defronte do caeg do lla-
mos, onde se verde a preco commodo, ou
em casa de Manoel Ignacio de Oliveira, na
praca do Commercio, n. 6, primeiro andar.
AGENCIA
da fund cao Low-Hoor,
BOA DA SKNZALT.A-f.OVA, N. ^1,
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver uro completo strti-
mento Jas, parp engenho ; machinas dr
vapor, c taclias de ferro batido
co^dy, de todos os tamanhos,
para dito.
Vende-sc um dos dous engenhos, Te I lia
e Triumphos, sitos na fregue2ia dn Seri-
i.bacn, com bstanle trra e muilo prodne-
liva pera criar grandes safras : ambos bous
l'agoa, por serem copeiros, e dislam do
embarque duas legoas : a tratar com o pro-
pietario, Joo Cliroaco Fernandes ( aval-
r8nti, ou rom Antonio da Silva Gusniflo, na
ra Imperial, do Aterro-dos-ATogados.
Arados de ferro
NafundicSo da Aurora, en) S.-Amaro
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Lote a do Kio-de
Janeiro
Aos 20:000^000.
Na praca da Independencia, n. 3, que vol-
ts paia a ra do Queimado e Crespo, ven-
dcoi-se bilbetes, nieios, quintos, oitavos e
vigsimos da 11." lotera da caridade do
llio-de-Janeiro. Na mesma loja est paten-
te a lista da 22.* lotera do monte po da-
quella provincia.
Papel para forrar sala.
Acaba de chrgar loja da ra Nova, n ti,
de Jos Pinto da Fonseca e Silva, sucessor
de Cuerra Silva & C.; um completo sorti-
mento de muito lindo papel para forro de
salas, guarnicese bairas', ludo do n cibui
goslo possivel, sendo algum dourado deli-
cadamente, pioprio para adoroo de salas
ricas, caprllasou consistorios, e duas salas
depaisagens, vende-se por preco commodo.
Vende-se um sitio na povoacflo do
Monleiro, com casa de pedra e cal, arvore-
dos de fructo e terreno para plantar, ou tro-
ca-se por escravos i laniheui se ai renda an-
imal n cuto : na ra de S.-Theresa, n. 38.
Vende-se, por preco muitissimo bara-
to, utn curral para pescara, situado na fren-
te da ill'ii do Nogunira ; urna porclo de ma-
deira e pfaasaba quanto seja necessaria para
levantar-so outro curral no mesmo lugar,
negocio este de muito interesse ; urna rede
para pescara, com 30 bracas, inteiramente
nova : todo vende-se por seu dono querer
retirar-sodesta praca : na ra estreita do
Rozario, n. Ifi,primeiro andar.
Vendem-se pessas de madapolo entre-
fino com algum toque de avaria a 1,600 e
2,400 rs.: na loja de fazendas, na ra do
Queimado, n. 5. '
Prelo novo a 5,500 rs
Vendem-se sacras grandes com 3 arro-
bas de farelo, chegadas no ultimo navio
de llamburgo : na ra do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Cheguem ao barato.
Vendem-se lencos de pura seda, pelo di-
minuto preco de 1,280 is.; luvas de pellica
preta e de ponto inglez, a 1,280 rs ; unas
casemiras pretas e de cores, a 5,000 rs.; go-
linhase pescocinhos para senhora; e ou-
tras muitas fazendas baratas: na ra do
Queimado, n. 9. D3o-se as amostras com o
competente penhor.
Novo sor tmenlo de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. ao pe"
do lampea^.
Vende-se cassa-ebita muito fina, de bo-
nlos padrOes, cores fixas e com palmos
le largura, a 320 rs. o covado; cortes da
dita a 3,0*0 rs.; riscado di listraa de li-
nho, a 240 rs. o covado ; dito de algudn, a
140 e 160 rs. o covado ; cortes de brim par-
do claro, com duas varas e urna quarta, e
1,600 rs.; riscados monstros, a 200 rs. o
covado; zuarte azul, a 200 rs. o covado
chitas, a 160 e 180 rs. o covado ; fustflo, a
640 rs. o corte ; chales de tarlatana, a 500
rs. ; cobertores de algodflo americano, a
640 rs. ; e outras muitas fazeodaa por bara-
to preco.
Moendas superiores.
NafundicSo de C. Starr & Companhiaf,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo 'e
construc(9o muito superior.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de diffe-
renles modelos : na fabiica de machinase
fuiiliei) de ferio, na ra do Brum ,
ns. 6,8e10.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Babia
Vende-se em casa de N. O. Itieber & C.
sa ra da Cruz, n. 4, algodfio trancado
(aquella fabrica, muito proprio para saceos
1n assucar, roupa de escravos e fio proprio
nara redes de pescar, por preco muito com-
modo. I
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
ole boa qualidade, em barriszinhot
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: nc Recife,
ruada Cadeia,armazemn. ia.
Vende-se muito superior farinha em
meias barricas : na roa da Cadoia do Recife,
escriptorio de DeaneYoule & C em seus
armazens do becco do Concalves.
Na i na do Livramenlo,
n. II,
vendem-se sapatos de marroquim franco-/
para senhora, a 500 rs o par; sapatOes de
lie/eno francez para homem, obra muito
bem feita, e propria para o invern ; um par
de brincos com brilliante ; um annel com
diamante. Na mesma loja compra-se cera
amarella.
Vende-se um sobrado de um andar no
largo do Carmo, que volta para a Camboa-
do-Carmo, n. 24 : a tratar no mesmo largo,
n. 2, com Narciso Jos da Costa.
Mullas.
Vendem-se 90 muas novas,
chegadas de Juenos-Ayres, na
barca americana Mushingam : na
ra do Trapiche, n. 8.
Para quem tem bom
gOstO.
Na ra do Queimado, n. 9, existe um no-
vo sortimento de manteletes e capotudos de
seda, gorgurfio e chamalote preto e de < .-
res, os quaes se ven leni pelo diminuto pre-
co de vinte e dous mil rs. DSo-se amostras
com penhorea.
Vende-se um piano inglez em bom
estado, proprio para quem quizer aprender,
por barato preco : na ra Nova, n. 71, se-
gundo andar.
Ka loja de seis norias.
A produeco de alcaiadet.
O administrador desta loja reconhecen-
do ler anda mu i los alcaides, os quaes quer
trora-los por cdulas vende-os por barato
preco, como sejam : cassa prela de bonitos
padrOes, a 120 rs. o covado ; chales protos
de rede, a 320 rs: ; ditos de cassa branca, a
480 rs.; dilos pequeos de chita para me-
ninas, a 240 rs. ; alpaca de cores, a 480 rs o
covado ; dita preta, a 610 rs. ; merino, a
1,280 l.fitOe 3,000 fino; riscado monstro,
a 240 1 s. ; e todas as mais fazendas em um
completo sortimento, por preces que cou-
vidatn a gaslar-se dinbeiro.
Vende-se cevada barata : no
armazem de Joaquitnda Silva Lo-
pes-, na porta da alfandega.
Vendem-se, por atacado, 990 varas de
estopa, com alguma avaria, a 100 rs. a vara:
na ra larga do Rozario, n. 48, primeiro
andar.
Vende-se o engenho balara, silo na
cidade da Viotoria, que demarca com o en-
genho Oiteirao : a listar 00 mesmo en-
genho.
Vendem-se caixas com muito bom sor-
timento de sera em velas, farinha de trigo
em barricas e meias ditas, alhos do Porto,
retroz de todas as cores, vinho em barris de
quinto e dequarto, arcos para barricas, fio
porrete pregos, ludo por preco commodo :
na ra do Vigario, armazem de Francisco
AlvesdaCunha, n. II.
Vendem-se os sobrados do pateo do
Terco, que faz esquina para o becco do Lo-
bato, em chSos proprios, llvres e dosem-
haracadoade todoe qualqner embaraco de
justic: na ra Derrita, n. 65: tambero
se vende urna parda que cozintia o diario
de urna casa e engomma liso ; nSo tem vi-
cios nem achaques, oque se allane por 6
mezes : o motivo por que se vende se dir
ao comprador.
Helogios snissos com cai-
xa c ouro.
Vendem-se 2 relogios suissos e horison-
taes, comea iza de ouro e mostradores de
vidro, sendo um delles proprio para se-
nhora, por preco commodo : na roa do Tra-
piche, n. 42.
Sellins injlczcs.
Na ra do Trapiche, n. 4^,
acham-se a venda ptimos sellins
inglezes, com todos 03 seus per-
tences, por preco commodo.
Vendem-se 3 pardas de 16,
18 e a5 annos, sendo a prmeira
costureira de cortar e fazer urna
camisa de homem, bordar, mar-
car, fazer lavarinto, e que tam-
bero engomma ; a segunda engom-
ma bem e cose ; e a terceira en-
gomma e cozinha ; 1 molecas de
16 annos ; 3 pretas de todo o ser-
vico ; 3 pretos fortes para todo o
servico ; e mais alguns escravos :
na ra das Larangeiras, n. \l\, se-
gundo andar.
Cassas prelasa 140 rs. o
covado.
Vende-se cassas pretas de muito bom gus-
to a 140 rs. o covado : na ra do Crespo,
loja da esquina, que volta para a cadeia.
Carro de quatro rodas
Vende-se um ptimo carro de
quatro rodas, para um ou dous
cavallos, muito maneiro, de boa
construccSo, de encllente gosto e
em muito boro estado, o que se pe-
de ver na cocheira do Sr. Miguel,
no terro-da-Boa-Visla; a tratar
na ra do Trapiche, n. 41.
i Qf V V V9 V V V Vf Vf V Wf V WO
j Deposito de bichas. ^
Na travessa da ra do Vi- 3
j. gario, n. i,vendem-se bichas
* de llamburgo, ltimamente
._, chegadas, a 3ors. o cento;
L> tambera se altigam por mais
> batato preco do que em ou-
Jf tra qualquer parte.
Vendem-se as obras segointes pela qua
I* parle de seos valores
Poihier, tratado das obrigicfles pessoaes o
reciprocas 3,000
Examen de la philosophie de Bacon,
em 2 v. 3,000
Histoire de Raphael et de ses ouvra-
.ea 3,000
Philosophiachimicaou verdades fun-
damenlaes da chmica moderna 1,60o
Arnaut, theatre, 9. 2,800
Azais, des compensatioos dans les
destneos humaines, 3 v. 2,000
M. Cott, de l'administratiqn de la
justicecriminelleen Angleterre et
de l'esprit du gouvernemeiit an-
glais o.oOO
Bergery, aslronomie ou deacription
geometrique de l'anivers, i v. 2,000
OEuvres de Marmonlel, 7 grotsos v. 6,000
Le sperlacie de la nature, com mui-
tas. estampas, em 6 v. 2,000
No paleo doCollegio, loja do livroazul.
Vende-se urna parda de pouca idade,
com urna cria, e com todas as habilidades:
na ra da Alegra, n. 9.
--Vende-se um cabriolet muito eleganto
e moderno, com cavallo ou sem elle: na
cocheira do Sr. Augusto Knclier, no areial
de Fra-de-Portas.
Vende-se um preto de n*(So Angola, de
boa figura, que he canoeiro, refinador de
assucar, entende de padaria e com outras
habilidades; nlo foge; prefere-se vender
parap matto, por entender de ptanlacOes :
da-se a contento : no fim do Becro-Largo,
no Recife, casa que vende cal e fijlo
'lBP!A "'nbBoroiuoiuv ap
ul'oi 'i-piiB;) ep buj bu ae-uiapuaA
: sj o^tt
I! 'fJVO VAI SOt|IIIO||[


-
m
m
Frasqueiras
com genebra de excedente quali-
Hade e recente-mente chegada da
Ilollanda : vendem-se na ra do
Trapiche-Novo, n. 16.
Agoa de Seltz.
Vendem-.ee cestos com botijas
de excedente agoa de Seltz : na
ra do Trapiche-Novo, n. 16.
Vende-se um sobrado de um andar e
soto, sito na ra Augusta : a tratar na ra
de S.-Francisco, casa apalacada, de manbSa
ou de larde.
A 3,000 rs. o barril de cal de Lisboa.
Vende-se, para fechar contas, um restan-
tes de barris de cal virgem de Lisboa, da
presente safra : na ra da Cadeia do lied-
le, n. 50.
Potassa ra Bussla.
Vende-se superior potassa da Kussia, da
mais p-iva que ha no mercado, por prec,o
commudo.: na ra do Trapiche, n. 17.
Farelo a 5,000 rs. a
sacca,
e o melhor que tem vindo a este mercado
na ra da Midre-de-Deos, armazem de Vi-
centeFerreira da Costa.
Novidade.
A I.OOOrs. o covado.
Na loja dos barateiros da ra do Queima-
do, n. 17, vendem-se casimiretas de ISa,
pretas e de cores, proprias para ralease pa-
litos para homem e meninos, a 1,000 ra. o
Cpvado.
Antigo deposito de cal
virgen).
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa,, por preco-muito commodo.
Batedores
pra porlOes de ai.tiose portas de escadas :
na ra do Queimado, n. 14.
-- Vendem-se rodas de arcos de pao para
pipase barricas, chegadas ltimamente do
l'or o, por preco muito barato: na 1 ua da
Cruz, no Recife, 11. 49, primeiro andar
Vende-se urna preta que cote, engom-
ma e cozinha ; dous pardinhos, um de 11
nnos, e o outro de 6 : todos muito em
conta 1 na ra do Fogo, o. 23
ihCravos Fgidos
Fugio.no dia 11 do prximo passado,
urna preta de SO a 40 annos, de nacflo Con-
go, baixa, gorda, cor retinta, bexigosa,
olhos pequeos ; tem em urna das faces um
signal de carne, andar atrapalhado, porque
Euxa por urna perna ; he bastante desem-
aracada no fallar, bastante ardilosa e ca-
paz de Iludir qualquer peasoa que a nSo
cotillee hem; sabe de quasi todas as po-
voacOesda provincia, por ter andado a ven-
der miudezas pelo matto, de-cujo saber
talyrz se tenha servido para melhor Iludir
a vigilancia das autoridades, porque jA de
outra vez que fugio foi encontrada com um
bslaio de miudezas para com elle subir pa-
ra o centro ; chama-se Maria Joaquina; ja
foi escrava de um senhor de engenho, cha-
mado Slanoel Buarque; levou vestido de
chila azul, panuo da Costa, camisa de al-
godlozinho e mais urna trouxa coro um
vestido branco, urna sata prela de lila, um
panno prelo, um vestido de riscado escuro,
um frasco d'agoa de Colonia, urna faca de
mesa, de cabo branco, urna tigella peque-
a euma colher de cha. Roga-se, portento,
as autoridades policiaes, capitSes Je cam-
So e outras quaesquer pessoas, que a appre-
endam e levrm-na ra dos Quarleis, lo-
ja de miudezas, n. 22, que seiHo recom-
pensados.
SOO^OOO.
Fugiram de bordo do brigue
Sem-Ptir, vindo do Hio-de-Jiuiei-
dous escravos, sendo um de
10
nome Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de ao annos pouco
mais o menos ; levou calcas e
camisa azues, e bonete encarnado:
o outro de nome Kuzebio, ciiou-
lo, de 24 annos pouco mais ou
menos, estatura alla^ levou calcas,
camisa e bonete azues. Roga-se as
autoridades policiaes e capitaes de
campo, que os apprehendam e le-
vem-nos ruado Trapiche, n. 34,
casa de Novaes Se Coropanhia, que
recompensar.
- Fugio, no dia 28 do prximo passado,
o preto Jof alacei, conhecido por este
nome por ler vindo daquelle lugar j ha al-
guns annos; levou camisa de algodSo bran-
co, a calcas de riscado americano; he de
estatura regular ; representa ter 40 annos
pouco mais ou monos; custa a feceber
quaudo falla, parecendo lemorato ; lem as
candas das pernas signses de feridas ; he
segunda vez que se lem ausentado, nflo
temi sbulo du Recife, do qual agora mes-
mo se leve noticia 3dias depois da falla, e
desde enlilo nflo se pode colher mais noti-
cia algum; julga-se ler ausentado para e
mallo. Roga-se as autoridades policiaes e
capitSes de campo, que o apprehendam e
levem-no ra de Apollo, n. 12
Fugio, do Rio-Grande do norte para
esta provincia, o escravo J0S0, cabra, per-
tencenteao doutor Vctor Jos de Castro
Barroca, morador naquella cidade ; he de
pequea altura, de 22 annos, rosto regular,
cabellos um pouco chegaJos, sem barba ;
he um tanto cheio do corpo, nariz e bocra
regulares ; qusndo est com medo gagueija
alguma cousa : quem o pegar leve-o a ra
da Cadeia do Recife, n. 54, que ser gene-
rosamente recompensado. Adverte-se que
he provavel que o dito escravo anda se
acbe nf sla cidade, porque ha 4 das foi en-
contrado: timben! j fui holieiro.
Fugio, no dia 12 de marco, o prelo Be-
nedicio, crioulo, que reprsenla ter 24 an-
nos, de altura regular, sem barba, cara re-
donda, olhos carrancudos ; tem os ps um
tanto loitos e urna das pernas.* este escra-
vo veio do alaraiihao para aqu ser vendi-
do por conta do Sr. 0r. Francisco de Mello
Coutinho Vilhena: quem o pegar 011 der no-
ticia na ra da Cadeia do Recife, n. 51, pr
meiro andar, ser gratificado.
- Hc-a, paicccu, no da lerca-feira, 14do
crreme, urna mulatiuha de nome Lixan-
dra,' baixa, gorda, cor amarella, com alguns
signaos no cogote ; levou panno da Costa
npvo, vestido branco : quem a pegar leve-a
as Ciiiro-I'ouias, 11. 91, que ser gratificado;
assim co 1 o se protesta contra quem a li-
vor occulla.
Pm-N. : ttc. de m. 1. ns mu. 186o


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKF7K1PDK_8RWF3A INGEST_TIME 2013-04-24T16:15:44Z PACKAGE AA00011611_06916
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES