Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06911


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI.
Sexta-feira 17

JP.aB.TI A* DOS OOBBIlOI.
Goianna e Parahlba, segunda esextas fcira.
Hio-GraDde.do-Norte, quinta felras ao mel-
Cabo,*Ser!nhaem. Rlo-Formoso, Vo; trvCalvo
e Macelo, no 1.*, a II, e 21 de cada mez.
Garanhun e Bonito, a 8 c 23..
Boa-VUta e Flore, a Id e 28.
Victoria, quinta dirs.
Olinda, todo o da.
,, ...^Jfllll IIJt
PtSIS D EDi
Ming. a 4, s 8 h. e 20 m. da m.
Nova a II, a 8b.e 49m.dat.
Cresc. a 18, 1 h. e 33 m. da t.
Cbela a 25, 9 b. e 48 m. da t.
Primelra as
Segunda as
BBUUB DK HOJE
9 hora e 18 minutos da tarde.
9 horas e 42 minutos da manha.
de Maio de 1880.
N. Ilt.
pjnEoOa DA loaicaipglo.
Por tres mezes (adianiados) 4/000
Por ei mezei 8/000
DIAB DA JDCJlWA.
13 Seg. S. Servado. Aud. do i. do orf. e m. 1 v.
14 Tere. S. Gil. Aud. do chae, do J. da I. v. do
civ. e do do feitoa dajfazenda. -.
15 QuarL S. Izidoro. Aud. do J. da&V.docivel.
10 Ouiu. S. Joo Ncpomuccno. Aud. do 1. dos
orf. edo ni. da I. v.
17 Sext. S. Pascual bavlao. Aud. do J. da 1. v- do
civ. e do dos feito da lateada.
18 Sab. 3. Venancio. Aud. da Cbanc. e do J. da 2.
do crioie.
Por un anno
*M
o/uuu no cnuic.
15/000 j 19 Dom.Pascoa do Espirito Santo.
CAMBIOS in 16 DE HAIO.
1/000 r. a 80 diaf.
Sobre Londres, 27 a 27'/, d. por
. Pars, 346.
. Lisboa, 95 por cento.
Onro.-Onca hespanboes........
Moeda de 6/400 velhas.
. de 6/400 novas.
de 4/000..........
Prtta.PatacScs brasileiro.....
Peso columuarios......
Ditos mexicanos..........
29/000 a 29/50?-
l/tiOO a IG/Soo
1H/200 a l'400
9/100 a 9/200
1/80 a 2/TKW
l/M a 1/98
1/800 a 1/820
PARTE OFFICIAL.
GVERNODA PROVINCIA.
LEl N. 254.
Honorio Hermto Carneiro I.cSo, presi-
dente da provincia de Pernambuco. Fago
saber n toaos os seus habita ules que a as-
sembla legislaliva'provincial decretou o eu
sanecionci le seguinte :
Artigo nico. Fica revogada a lei provin-
cial n. 172 de 20 de novembro do 1846, e m
vigor a legislac.no anterior, revogada por
essa lei.
Ficam revogadas todas as disposic,oes cm
contrario.
Mando portonto a todas as autoridades a
3uem o conhecimento e execueflo da referi-
a lei pertencer que a cumpram e facam
cumprir tilo inteiramente como nella se
conlm. Osccrotario interino da provincia
a faga mprimir.publicar acorrer. Cidade do
Rccife de Pernambuco, ao 13 das do moz
do maio de 185C vigsimo-nono da indepen-
dencia e do imperio.
L. S. Honorio Hrrmto Carneiro Ledo.
Carta de lei pela oval V. Exe. manda execu-
tar o decreto da assembla legislativa provin-
cial, que lanccionov, revogando a le provin-
cial n. 179 de 20 dn novembro de 1846, e man-
dando vigorar a leglilaco anterior, revogada
pala mencionada lei.
Para V. Exc. ver.
Manoel Jos Slarlins fibeiro a fez.
Sellada o publicada nesta secretan i da
provincia de Pernambuco, emt.lde maio
de 1850.
'Anlonio Francisco fretro de Carvalho.
. Registrada a 11. 157 v. do livro segundo
do leis provinciaes. Secretaria do governo
do Pernambuco, em 13 de maio de 1850.
iodo Polyearpo dos Santos Campos.
LEl N. 255.
Honorio Hermto Carneiro Lefio, presi-
dente da provincia de Pernambuco. Fago
saber a todos os seus babitantcs que a as-
semblajlegsiatva provincial decretou o ou
sanrcionei a resolueflo seguinte :
Artigo nico. Fica revogada a lei pro-
vincial n. 194 dJ12 abril de 1847, e em ple-
no vigor o antigo compromisso da irman-
dade do Santismo Sacramento da cidade
de Goianna, confirmado por provisflo de
19 de agosto de 1828.
Mando portanlo a todas as autoridades n
quem o conhecimento e execueflo da refe-
rida resolueflo pertencer que a cumpram e
facam cumprir tito inteiramente como nella
se conten. O secretario interino da pro-
vincia a faga imprimir, publicar o correr
Cidade do Becife de Pernambuco, aos 13
dias do mez de maio de 1850 vigesimo-nono
da independencia e do imperio.
L. S. Honorio Hermto Carneiro Leao.
Carta de lei pela gual V. Exc. manda execu
tar a resoltico da assembla legislativa pro-
vincial, que sanecionou, revogando a lei pro-
vincial n. 194 de 12 de abiilde 1847, eman-
dando que fique em pleno vigor o antigo com-
promiso da irmantiade do Sanlissimo Sacra-
mento da cidade de Goianna, confirmado ">ut
provisode 19 de agosto de 1828.
Para V. Exc. ver.
Francisco Lucio de Castro a fpz.
Sellada e publicada nesta secretaria do
goterno da provincia de Pernambuco, em
13 de maio de 1850.
Antonio Francisco I'ereira de Carvalho.
Registrada a (1. 158 do livro segundo do
leis provinciaes. Secretaria do governo da
provincia de Pernambuco, em 1* de maio
de 1850
JoaS Polyearpo dos Santos Campos.
registrada a fl. 159 do lirro segundo de
eis provinciaes. Secretaria do governo da
provincia do Pernambuco, em 1* de maio
de'1850. .
Jado Polyearpo dos Sanios Campos.
l.EI N. 256.
Honorio Hermto Carneiro Lcflo, presi-
dente da provincia do Pernambuco. Fa^u
saber a lodos os seus habitantes que a as-
sembla legislativa provincial decretou e
ou sincconei a lei seguinte :
Artigo nico. O presidente da provineia
Tica aiilorisado, precedendo a competente
planta e orcamento, a mandar faier dnus
acudes, um na villa do I. inocuo, e oiltro
na de Caruar, e em outros lugares onde
julgar conveniente; pudendo gastar em
rada um del les at a quanlia de tres cotilos
de i
Firam revegadas (odas as disposigoes em
contrario.
Mando portanto a todas as autoridades a
quoui o conhecimento e execueflo da refe-
rida lei pertencer que a cumpram e facam
cumprir tilo iiileiramcnto corno nella ge
conlm. 0 secretario interino da provin-
cia a faga imprimir, publicar e correr.
Cidade do Rccife le Pernambuco, ao 13 das
do mez de maio de 1850.
L. S. Honorio Hermto Carneiro Ledo.
Carla de lei pela qual V. Exc manda ejecu-
tar o decreto da assembla legislativa provin-
cial, que sanecionou, autorisnndo o presidente
da provincia a mondar construir dous anides,
um na villa do Limotiro,oulro na de Ctruaru',
e em outros lugares que julgar conveniente,
ludo como cima se declara.
Para V. Exc. ver.
Manuel Jos Marlins Ribeiro & fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da
provincia de Pernambuco, em 13 do maio
de 1850.
Antonio Francisco Pereira de Carvalho.
Circular.-Illm. Exm. Sr.-Sut Magestado o
Imnerador manda muilo recommendar t
V. Exc. que por forma Iguma mande dar
nassagem nos piquetes a vapor, a indivi-
duos quo nllo vam em servic". mas que re-
gressam depois de gozo de licenc. ou vam
gozar dolas emoulras provincias, tudoem
inteir confbrmidade com o que se ordenou
em aviso circular de 19dcdezembro (Indo.
Oquecommunicoa V. Exc. para sua intel-
igencia e execueflo. .
Heos guarde V. Exc. Palacio do R10-
de-Janeiro. em *de maode 1S50.--W(inoe/
Pelizardo de Sotnoe IfcVMo.-Sr. presidente
da provincia dePernambuoo.Cumira-s
-Palacio do governo de Pernambuco, 16
de maio de 1850.Crmirti Uto.
Entregue V. S. dos dinheiroada subscrip-
c3 agenciada na corle, ao Sr. JoBn l.eWe
Torres Galio lo, a quanlia de 1:500,001 rs..
afimd'estedistribui-l pelas viuvas, filho.
e parentes de varios Indios de Cimbres per-
tencentes ao corpo de batedorej, que pere-
eeram em combat da maneir seguinte, a
saber :--200,000 rs para Violante Vieira,
viuya de Anlonio do Nascimento; 300,000
rs. para Ann Maria da ConceicSo, viuva de
Joo Pereira Torres e para duas fillias do
primeiro matrimonio do mesmo, de nom>s
Rita Maria Pereira.e Anna Francisca Pereira ;
200,000 rs pira Anna Maria Vieira, mili de
Alexandre Dezerra de Sonna; 200,000 rs
para o Im'dio baleado. Benlo Bezerra de
Senna ; 200,000 ra. para Rom Maria d Con-
ceicflo. viuva de Manoel Pereira daCqsla;
200,000 rs. para Joaquina de Men louga, ir-
ma do Indio fallecido Jos Victoriano de
Mendone ; e 900,000 rs para um irmilo e ir-
mfla do Indio Joaquim Jos Theotonio.
Reos guarde a V. S. Palacio do governo
de Pernambuco, 4 do maio de 1850.Sr
Francisco Antonio de. Oliveira.
Da quanlia de 1:500.000 rs. por V. S. re-
cebida do Inesoureiro dos dinheiros da subs
rripco agenciada na corte, baja V. S. de
dar 300,000 rs. a Anna Maria da Concelcflo,
viuva do Indio J0S0 Pereir Torres, sendo
100,000'ra.* para a dita viuva 6200,009 rs.
para duas filhis do primeiro malrtmonio do
ililo Torres, de nomes Bita Maria Pereira e
Anna Francisca Pereira; 200,000 r. a Vio-
lante Vieira, viuva de Antonio do\ascimen
to ; 200,000 rs. a Aun Maria Vieira. mSi
de Alexandre Bezerra de Senna ; 200,000 rs.
nt Indio baleado Rento Rezerra de Senna ;
-200,000 rs. a Jos Pereira da Cos, para
este entregar a Roza Maria da Conceico,
viuva do Indio Manoel Pereira da Costa;
400,000 rs. a Joilo Barbla Pinlieiro, alim
d'cste entregar 200,000 rs. a Joaquina <'e
Mendnnc > irmfla do Indio fallecido Jos
VictoiiminodeMenilonc; 200,000rs. para
mu irmflo e i 'mu do fallecido Joaquim Jos
Theotonio, devendo V. S. apresenlar a esla
presi curia os competentes recibos.
Heos guarde a V. S Palacio do governo
de Pernambuco, 4 de maio de 1850. Sr.
oo Leile Torres Galindo.
Da subscripto agenciada na corte em fa-
vor das viuvas e orphos dos que perecern
nesta' provincii, combatendo em prol da
ordom e da constituicSo, e dos invlidos e
alejados pelo mesmo motivo, resolv repar-
tir por emquanto a quanlia le 4:900,000 rs.
que deve ser distribuida pelas pessoas de-
claradas na rrlacfio inclusa, n. 3assigna-
la 1 elo secretario interino desla provincia ;
portanto rogo a V. S- baja de p'gar as re
bridas pessoas as quaniias indicadas na
inencionnila relacSo, ficando na inlelligen
cia de que os pagamentos deven) ser felos
as proprias pessoas, ou a seus bastantes pro-
cura lores, e sen io menores a seus tutores,
ou ciiradoii s, ou ios procuradores desles ;
e que pela imprensa dtvem ser publicado:
os ditos p 'llmenlos, declarando-SB as pea
soas a quem Imam feilos.
Icos guarde etc. Becife, 13 de maio d
1850.Honorio Hermto Carneiro Ledo.--Sr
Utesoureiro, Francisco Antonio de Oliveira.
TERCEIRA RELACA'O.
Relnedo das pessoas com quem se fas a distri-
bwco provisoria, dt parte da subscriped,
agenciada na corle a favor das tiuvas e or-
pidos dos que perecers e ficaram altiadot
na dt/eza da ordem publica.
N 1. Joaquim Jos de Santa
Anna, ex-voluntario de Un, gra-
vemente ferido no ataque de Bar-
re iros por despicho de 11 de
marco de 1850. 200,000
N. 2. Pedro Angelo Evangelis-
ta ex-voluntaiio da terceira
companlua baleado no dia 2de
fevereiro iieii:i, por despacito
de 11 do marco de 1850. 150,000
N. 3. Joaquim Filippe Pereira,
ex-voluntario da oitava compa-
(ihia. baleado no ataque de 2 de
IVvefelru de 1849, por despacho
de 97 de marco de 1850. 50,000
N. TrJno Ignacio dos San-
tos Leal, toldado da terceira
companhia do corpo de polica,
gravemente ferido no ataque da
Serra negra, por despacho de 30
de marco de 1850 150,000
N 5. M.nioel Caelano Ferreira,
guarda nacional da terceira com-
panhia do quinto balalhflo dos
Afogados, baleado no dia 9 de fe-
vereiro de 1849, per despacho de
9 de abril de 1850 100,000
N. 6. Francisco de Paula Fran-
co, cabo de esquadra da primea-
ra companhia do corpo de polica
baleado no ataque de Mussupi-
nho. por despacho d 10 de abril
de 1850. 200,000
N. 7. Jo3o Cypriano Gomes,
soldado da quarta companhia do
corpo de polica baleado no ata-
que da villa de Flores em 19 de
marco de 1849, por despacho de
10 de abril de 1850 150,000
N. 8. Antonio do Oliveira Mel-
lo, segundo sargento da sexta
companhia de voluntarios, balea-
do no dia 2 de fevereiro de 1849,
por despacho de 13 do abril de
1850 100,000
N. 9. Antonio de C.nstro, sol-
lado da stima companhia do
corpo do voluntarios balado no
lia 2 de fevoreiro do 1849, por
despacho de 13 de abril de 1850 100,000
N. 10. Viuva & Filhos, do sol-
dado Je cavallaria da guarda na-
cional do Bonito, Joaquim Frlix,
por olllco dn 26 de abril de 1850 200,000
N. 11. Paulo Jos da Silva, ope-
rario da quarta classe do arsenal
do guerra desla provincia, farido
no dia 2 de fevereiro de 1819,
por despacho da 26 de abril de
1850 100,000
N. 12. A menor Francisca ir-
mfla do finado lente do quinto
balalhflo d* fuzilei'os, Segisnan-
do Nemesio Marreros de Si, por
ofliciodol.Ode maio de 1850 400,000
0, 13. O menor iteginal ton-
ino do finado lenle do quinto
de fu?lejos SegisnandnNemesio
Marreros de Si, porofliciodo 1.
de majo de 1850 600,000
N. 14. Os Indios de Cimbres,
fallecidos em combate, porolTi-
cio de 4 de maio de 1850 1:5O0,O0O
N. 15. Lourencn Alves da Sil-
va, guarda nacional da prmoira
companhia no hatalhSo de loa,
baleado no ataque de Barreiros,
por despacho de 7 de maio de
1850 200,000
N. 16. Joanna Mara do Nasci-
mento, viuva do voluntario Se-
bastian l.ins de Molanla, por
despacho de 8 de maio de 1850 100,000
N. 17. A menor Maria, ilha do
voluntario S-basliJo Lins lauda, or despacho da 8 de maio
de 1850 10.M
N. 18. Manoel Jos de S -Tia-
go, primeiro sargento da guarda
nacional, gravemente baleado no
combate de Mussupinho, por des-
pacho de 10 de maio de 1850 100,000
N. 19. Joflo Francisco Pita, ba-
ldado no dia 13 deabtil do cr-
renle anno. em diligencia na fre-
guezia da Escada, por despacho
de 13 de maio de 1850 200,000
N. 90. A viuva Maria Ferreira
da Conceicflo, mfli do voluntario
Francisco Luiz da Silva, morto
no combate de Barreiros, por
despacho de 13 de maio de 1850
Somma
Secretaria, da presidencia,
1850.
200,00.
4:900,000
13 de maio de
Comniaiido das armas.
Ouartil general na villa de. Agoa-Preta, 34 de
abril de 1850.
ns
cmnivM no i>; \ n. 97.
,.nando-se Sua Magestade o Imperador,
segundo foi declarado em aviso da reparii-
eflo da guerra de 15 de marco ultimo, defe-
rir o requei imento dos Srs. capitae, Anto-
nio Jos dos Patese !>. Carlos llalliasar d.
Silveira, concedendo-Ilies passagem por tro-
ca a este para a salta companhia do segun-
do'batalhflo de eacadores, e a aquello paraa
segunda companhia do deposito de recrutas
da provincia da Bahia, e oulrosim por sua
immediala e imperial resolueflo de 6 de mar-
co prximo paasado, lomad sobre consulta
do conselho supremo militar de2 5defeve
aeiro, indeferir o requermento do Sr. alie-
res do segundo balalhflo de eacadores Joa-
quim Maria de Oliveira Villas-Bas. em o
qual pedir ser promovido ao posto da l-
ente com antiguidade de 23 de jnlho de
1844, conforme foi communicado em aviso
da mesma repartido de 22 do mez prximo
lindo, referidos un e oulro avisos, em ofll-
cos do Exm. Sr conseltieiro presidente
deala provincia, de 7 e 15 de abril corrente ;
marechal decampo graduado enmmau-
dante das armas, assim o faz conslar para
os llns convenientes.
Semelhantemente declara, que ao Sr. co-
ronel commaiidante da guarnieflo da cidade
do Becife. foi a|.resenldo o despacho do
mesmo Exm. Sr presidente datado de 23 do
(jrrenle, permiltindo que o reverendo ca-
pellflo do primeiro balalho de eacadores
Antonio da Cunhe Flgueredo, exercesse as
funecoes do seu ministerio no hospital reg
mental estabelecido na capital, f eqnentau-
do ao mesmo lempo o tarceiro anuo de aca-
demia jurdica da cidade de Olinda, em o
qual se achava matriculado.
Anlonio Correa Sera.
dem, .26 de abril de 1850.
ORDEM DO DIA N 98.
Dou publicidade ao ullicio, que, em data
de 19 to crrante mez, o Exm. Sr. conse-
Iheiro, presidente dest provincia, endere-
couaestecommando das armas, e bem as-
sim ao aviso imperial, datado de 17 de agos-
to ultimo, referido em dito olHcio, para que
os Srs. commandantos de corpos deem a de-
vida execueflo, na parte que Ihes toca :
OFFICIO.
lllm. e fmm, Sr. llij V. Exc. de dsr
as suasordens para que sejam recolhidas
sta capital tolas as iracas inutilisadas em
combate, ppriencentes aos diflaranUf cor-
nos em operaeflo nesta provincia, e outras
pe esiejam as mesmas circumstmcias,
fim de terem passagem pira a companhia
le invali los da Bahia, em cumprimentodo
aviso imperial de 17 de agosto do anno pr-
ximo pateado; devendo V. Exc., de con-
formdade com o rilado aviso, remetter-me
oanodevido destino as respectivas fes de
ifllcio. e mais inormacOes inJispensaveis.
oara orientar o governo sobre os premios
que se Ihes devam conferir.
a Ueos guarde aV. Exc. Palacio do go-
verno de Pernambuco, 19 de abril de 1850
-Honorio Hermto Carneiro lardo. Sr. ma-
rechal commandante das armas.
AVISO.
Segunda seceflo. -- lllm. e Exm. Sr
Sendo pro-ente a S. SI. o Imperador o of-
(Icio de V. Exc. n. 40, de 24 do mez ultimo,
que acompanhou tres r. lacoes das praCs de
lifTerenles corpos inutilisadas em combate,
foi o mesmo augusto Sr. servido autonsar
a V. Exc. a mandar as referidas praQas. c
mtras que possam estar as mesmas cir-
ij-ii-it.1 m-i.is, com passagem para a comna-
ilua de invlidos da provincia da-Rahia,
sem prejuizodas remuneracies deque pos-
sam ser ciedoras, para o que V. Exc. remet-
iera a esta secretaria de estado dos negocios
la guerra as respectivas fes de ollleio, e
mato informacOcs indispensaveis a orienlar
o governo sobro os premios qulhes devam
conferir.
I>eos guarde a V. Exc. Palacio do Ri-
le-Janeiro, 17 de agosto de 1849. Manoel
Pelizardo de Sowa e Helio. Sr. presidente
I provincia de Pernambuco. Cuiupra-se
0 registre-se. Palacio do governo de Per-
nambuco, 31 de agosto de 1849. Carneiro
Udi Conforme. O olI*ial--naior, Jos
iloreira Brandao Caslel-brunco. a
Antonio Carreta Sera.
dem, ORDEM DO DIA N, 29.
Don pub;cdade para que tenha a devld
observancia, ao aludo quo na dala dt>;3 do
corronte dirigi a este rommando o Exm.
Sr. ronselheiro presidente da provincia.
lllm. Exm. Sr. --Conforman io-me com
informaoflo dala por V. Exc. em II do
correte mez, lenbo deliberado fazercessar
os voncimenlos de campanha, que perccbeni
as fiircas de Imha em servico nesta provin-
cia, com a derlaraq.lo, poim, de que os di-
lo!. vencimentos terflo lugjr at o lim do
mez 'e m >io, rara as lrcas empregadas
na commarca de Paje de Flores, e para
as oulras al o lim do mez crrenle.
O corpo ile hiladores continuar a ven-
cer a clip extraordinaria qua lim merquei,
emquanto se adiar empregado na explora-
eflo das matas.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do gover-
no de Pernambuco, 23 de abril de 1850.
Uonorio Hermto Carneiro Ledo. Sr. mare
chai commandanle das armas
Anlonio Correa Sera.
EXTERIOR.
lidas fortes para a sustentaeflo das mosmas;
oorm. depois desse periodo, nunca mais
ouvio fallar em tal objecto ;e, considerando
que negocios muito mais importantes cha-
mavam para oulra parte a atteneflo da In-
glaterra, esperava certamente ponco que
a solucio desla quesillo lhe parecesse tfl >
urgente que justilicasse o emprego de me-
didas extremas. Se a Russia tivesse recebi-
lo qualquer iotlmacllo a este respeito. te-
ria aconselhado a Grecia que attendesse a
essas reclamaces, e se est potencia reru-
sasse salisfze-Us enlo certamente a In-
glaterra poderia ter adoptado aquellas me-
dulas que jolgasse proprias para obter sa-
tisfaeflo ; porm a Inglaterra nflo qu z ter a
condescendencia de informar de si nlen-
C'io nirn a Russia, nem a Franca. Nnhum 1
commuucacfl'* foi feita ueste sen'ido nem
em S.Petersburgo nmem Pans;efoi smeii-
te quan lo o mal ja esteva consumado que
os governos russo e francez fram dello in-
formados.
. O niinilro rusio em \lbcna oflVreccii
duas veies 01 eus bons offtcios a Mr. Wise, o
qual duas vetes os rejeilou, diiendo que nao
eceltaria o arbitramento d.ia duas potencias em
Uinaquesiio que nao lhe dizia respeito.
Kntrctanto a Grecia nao he um cta lo Isoli-
do ; nao pode dlzer-se que rila, lie uioi poten-
i:i 1 que deve a si a sua existencia. A Grecia
he mu estado creado pela Russia e pela Franc-a.
em virtude dos niesinos direitns e sobre os
inesmos termos que o foi pela Inglaterra. As
tres potencias a fundaran! cm coiilinuin, <-
obrigaram-sc cada urna para com as outras
dual, a respeitar sua Independencia, nnnter
suainiegridade, e sustentar a ilv'nutia quecol-
locaraiu no Ihrnuo. NenhUina destas tres po-
tencias, portanto, pude pretender destruir,
iein ito Ihes flearla bem, sin obra colleotiva;
lias niio piidem ameacar a independencia da
Grecia, nem usurpar parle de seu territorio,
nem por em perigo a existencia da actual dj-
nastia liuiiiilliando-a > olbos do mundo, per-
turbando a tranqnillldade ,lo-pai< ou expondo-
saos ataques da l'acces, (animadas, como tal-
vez eslejam pela preseoca da esquadra brilanoi-
ca) e pode sr que aos li ,1 ro es da guerra civil.
A itussia e a Kranca siio esscncial e mate-
rialmente intercaladas na manuirucao do re-
pouM da Grecia. Ellas leu lhe einpreitadn
fundos, cojo pagamento desejam nao menos
quea Iogluterra ; porm niio podein deliarde
condemiiar medidas que aao proprias para tor-
na-la incapaz de salisfaxer os acus empcuhns
pecuniarios. A' llusia c Franca compete,
porlanlo, o dlreito de examinar a causa de um 1
questan que tein para ellas lio serias conse-
quencla! ella devam considerar onegocir,
nao eguud|i entende o ministro britaomc ,
como urna queitio exclusivamente inglesa;
porm como nina qocatflo que em um igual
grao inleraasa Franca e Russia. He vena-
le que a Inglaterra eoinmnniera Russia una
relaein de sua reolaiuacoo; porm, julgando
pela InforniacSo siibininislrada pela parte op-
posta, eta reclamaces parecein algum tamo
exageradas Km l do o caso qur considere-
mos sua omina, quer seu objecto, ellas nao
t.cm nenliuma proporcao com os Hielos em-
pregados para sustenta-las.
O mesmo se pode diier a /orliori das duas
llhelas contiguas ao continente grPgo, as quaes
a Inglaterra reclama como pcrtencenles s
ilhas Jonias. lito torna-se una questao terri-
torial e a Russia e a Franca teem conseguinle-
menie o dircito de perguntar em virtude de
que titulo a Inglaterra pretende alterar um
s/ilu bre i reconstruir o mappa da Grecia, e appro-
priar qualquer porco, por pequea que seja,
de seu territorio? Esta queatao deve er exa-
minarla pelas tres potencias
Tendo a Russia, a Inglaterra e a Franca
as-i-nulo Grecia una certa extensao de froo-
telra e de costa considerada como suDicientc
para a sua defeuso, V Exc. perguntar se este
lim pode er conseguido, sendo a Inglaterra
autorisada a por o p nelas ilhelas, limadas
quae dista apenas un oilavo de milha da
costa ? O imperador ordena a V. Exc. que faca
serias representarles ao governo ingleze que o
convide da manelra a mais urgente a apressar
a ccssaco de um estado de colisas que nada
lia que possa tornar necessario, nem justificar,
ao passo que expe a Grecia a desastres e peri-
gos da mais seria naturrza.
A maneira pela qul forem rcceblda ai re-
presentares de V. Exc Linear milita luz so-
bre a uuiireza das relacoei que de hnje por
diante podemos esperar entreter com a Ingla-
terra, c cunipre-me accrescentar sobre a sua
posicao a-reapeito de todas as potencial gran-
des e pequea, cuja costas eslao expostas a
repentino ataque. Ella nos habilitara tani-
beiua julgai ea Inglaterra, abusanrlo da po-
sicao que lhe concede la immensa superiori-
dade martima, contempla para o futuro adop-
tar uina poltica distincu e isolada, sem res-
peito quelle empentaos que a llgain aos ou-
tros governos, se elli contempla livrar-sc de
todas as obrigacdei juntas e coininuns, como
tambrm de toda a coinunhio de accao, autorl-
sando assim cada urna das grandes potencias a
nao seguir a respeito das Iracas c indefesas, mi-
tra regra que nao eja a sua vontade cprazer ;
a nao recouhecer outro direito que uo rja o
da fdrja ua .erial.
(Times.)
INTERIOR.
NOTA
dirigida pelo conde de Nesselrode a Mr. frun-
>ior acerca da Grecia no dia 19 de feverei-
ro prximo pastado. 0
c i.im.n lo anda uo ha muilo que foram
removidos os perigos que ameacaram a paz
da Europa, perigos causados pela precipita-
dlo com que o almirante Parker entrou nos
n.irdanetlos, eis que esta periga novamen-
t' pela appai icio do esquadrflo do mes-
lo almirante as cosas da Grecia. A Rus-
s a nflo 1 de comprehender esla anxiedade
de crear coropl.caces no Oriente em un
perodo em que o repouso do Occidente
est ex oslo a tantos pongos.
A ola refere deque modo a esquadra in-
gleza apresentnu-se inesperadamente no P-
reo em um momento de profunda paz.e
sem a mais ligeira iulimicflo das intencoes
do governo britannico ; como lamben) a
man-ira pela qual o almirante Parker, de-
pois de ler sido corlez e cordalmente re-
cebi.lo pelo re e pela rainha, converteu em
imperioso ultimtum, um pedido de ajuste
de reclamaces de pouca importancia al-
guma.s das quaes j eslavam sendo exami-
nadas ele.
Cada qual, observa o conde de Nesel.
rod, he o melhor juiz de sua propria digni-
dade, o a Russia, portanto, nflo pretende
contestar ao gabinete britannico, o direito
que tein de apreciare mantera sua dign-
dade, como julga couveniento ; porm a Eu-
ropa mais mparcial decidir so as medidas
e 1 prega Jas silo dignas de una potencia po-
derosa como a Inglaterra para com o esta-
do fraco e sem defeusSo. Entretanto, nflo
Sudemos deixar de esiranhar a falla total
a deferencia para con) as duas potencias
que tiveram parte no tratado, queestabele
ceram o reino da Grecia, que desde 6 de ju-
|; o de 1827 tein sempre invariavelmenteo-
b-a.io de acordo, e tem lomado o n,esmo
iulcresse nos negocios desle paz. A Russia
saina bem que a Inglaterra lnha reclama
efin particulares que justar com a Grecia.
o quoem 1847 durante a admnistraeflo dtlquu vuu sendo obsequiado, paraa compo-
Coetti, ella esleve a pontos de adoptar rae-1 siciio desso historia, por amigos que gu-
S. PEDRO DO SUL.
flo Grande, 23 d-. abril.
Temos urna carta de Algrete, datada da
13 do corrente mez, di qual extractamos al-
gumas noticias de bastante interesse publi-
co a respeito dos negocios da nussa campa-
nha. Onosso correspondente exprimi-se as-
sim :
..... Tflo desconcertadas teem sido as no-
ticias que s teem communicado sobre as
ultimas oceurrencias entre o barflode Jacu-
hy o a commissflo que cm elle passou a
tratar, que julguei ser-lito satisfactoria a
verdadeira e completa informcao que vou
dar-lhe, exlrahida dos apontamentos que
tnnho tomado sobre os dados cerlr s com
AR FNCONTRADO


4


'mil
ram nssasaceas, Unlo do lado do barlo
como do lado do governo.
No da 30 de marco, achando-se encoco-
radas as brsalas do coronel Joflo Severo e
de 11 ni nos, an mando em chcfe do bar.lo de
Jacuhy, acampado na divisa do campo de
David le Acunlia, all chegou um ofllcinl de
linha, a sendo cnnduzido presenca do ba-
rio, entregou-lhe urna carta ou oflicio di-
zendo ser o brigadeiro Marques que lli'a en-
cava. O barao all mesmo a abri, leuos^u
contedo, respondeu, e o o (liria I regressou.
Soube-sedepoisque esta carta annuncia-
va achegada do urna cummissflo. que, da
parte do presidente, trazia o coronel Bitan-
court, e que exiga a designado de lugar e
tempo emque a sos podesse ser instruido
do object1) que motivava a referida commis-
sflo. A resposta do barflo lambem sabe-se
que lora, em sumira, a seguinte :
" A meia distancia do meu acampamento,
aodaforca do Sr. brigadeiro Marques, a-
char-me-hei ao mohecer
A' hora designada achavam-se reunidos
no lugar indicado o coronel Bitancourt, bri-
gadeiro Marques, barrio de Jaculiy, Fialtio e
Dr. Brusque.
Aquelle primeiro fez entrega ao bar.1o de
una carta oflicial, quedizia ser do presiden-
te, a qual sendo por elle lula, entraram
n'uma larga conferencia. Nessa occnsiflo
nenhum resultado definitivo so collieu. o
barflo licou de responder no seguinte dia, e
assim se separaran), seguindo o barflo para
o seu acampamento, onde me dizem que na
da l;n' Spirra.
No da 51 teve'lugar a nova conferencia
no mesmo ponto. Ahi propozeram-se ques-
tfles que foram debatidas, ora com calma e
harmona, ora com calor eenlhusiasmn de
parte a parte : ahi oQbroceram-se garantas,
etc.
Dizem-me que o barflo nflo duvidava ir 8
Porto Alegro, entender-so pessoalmente
com o presidente, mas exiga urna conven-
ci firmada, pela qual sem o menor receio
deixasse a sua for?a reunida e acampada
a'ni mesmo at a sua volla. A islo, porm,
nao se pode annuir, e assim voltou o barflo
ao seu acampamento, adrando-se a con fe
rancla.
Cliegadn all, convocou a sua ofliciilida-
de a conseIho, e expondo entilo o objecto
da cnmmisiflo do coronel Bitancourt, ajtin-
tara algumas prudentes e imparciaes ohser-
vacfles, no mcio das quaes fez transpirar a
santidade da cusa que com rasflose pro oz
defender, e o amor sua honra, briosamen-
te empenhada, mas em luta com o receio
que llie geram na alma as consequencias
que os acasos podem Irazer aoseupaiz, do
qual seconfessou develado e liel amigo.
F.sla expo*ic.flo. postoque ouvida em iro-
fondo e rc-pcitosu silencio, todava de al-
guma forma pan ca ferir os bros e compro-
metimientos que o movimento gerara, e
entilo um voto geral se pronunciou, icpcl-
lindn toda a ideia de desistencia ; pois CO-
lumna por seus orgflos legilimos s quera
concordar cum a i Jeia de marchar e debel-
lar os tyrannos.
O coronel Hornos que, emquanto tu lo la-
to se passou, conservou se mudo especta-
dor do que via eouvia, fui convidado pelo
bar.lo a expender com tola a franqueza de
verdaciro amigo e fiel companheiro d'r-
nias a sua opinio.
L'nISo lovaniou-so o Hornos, e,' cm sum-
ina, disse o seguinte :
Senliores, a mintia posieflo nesle mo-
mento, be muito subalterna ; pois f u devo
rniivencer-me que nnssa empresa ha sido
promovida por lilhosdo Brazil, debaixn de
cuja proteccilo nos temos ronduzido. Ora,
sendo destes o niaior numero nflo poderei
estar senflo pela sua resolucflo, qu I quei
que ella seja.
Entretanto, como se pede a ininh opi-
nilo franca, direi que eu un.la tenho a mi-
nha espada para combater contra os mea-
mos inimigos que liet cumhatido at aqui,
em defesa de uina rausa que anda uo pe*
receu, e pfela qual um povo inteiro est re-
solviJo a' combater e sustentar. Mas se a
ultima resoluto fOr de dissolver nossis
folias, apoiada as garantas offerecidas,
digo que, pela minba parle, a garanta
com que mais positivamente cont, lio a
minha espada ; porm, o que devo exigir
leinbrar silo garantas n ais convenientes e
seguras para esse povo castelbanu que nos
acomuanlia e que fomos desinquietar para
vir sustentar um principio Ufo sagrado co-
mo justo, para tantos brasileiros que por
amor do movimento econfianca que depo-
sitan) no chefe que o dirige nflo se impor-
ta ram comprometter-se.>
O bsrflo, sensivel as rases expostas pelo
coronel Hornos disse que em tal caso leveo-
tar-se-hia o campo e marcharan! rutilo a
exigir essaj garantas. A isto acudi Re-
vero, ped/nd ao barflo urna entrevista re-
seivada /Separaram-se, e de largo liveram
particulau* colloquio, (indo o qual vollnrum
Seguiram-se diversas opiniOes urnas mais,
e outras menos fundadas e da quaes toda-
va nflo tenho nota, porque um dos meus
correspondentes nessa parte fraqueou.
O barflo fallou finalmente, e em resumo
disse :
A firme resolucflo que os senhores roa
nifestam de nflo relrocederem do proposito
de levar as hostilidades ao inimigo com-
niun, a esses destruidores de vidas easso-
ladores das propriedac.es nacin, es e est'an-
geiras, me colloca boje na triste collisao
de nflu poder escolar as vo/es de meu go-
vprno para assegurar-llies que guiando, o
acompanharci na enipresa de levar avan
te o nosso movimento, previnindo desde
j que desejoso de nflo perder, como sem-
pre tenho pensado, as gracas e ronsidera-
i.i'i.'- din queme lem distinguido o supre-
mo goveruo do meu paiz esolvo ir annun-
ciar ao Sr. coronel Ititancouit esta noss
resolic,flo e despachar um enviado de mi-
nha confianca a entender-se com o i r. si-
dvnle da provincia o Sr. Pimcnta Bueno, a
commuiiicar-lhe em meu nome oque oc-
corre, e as.egurr-lhe urna vez por todas
que, depois das primeiras operacOes qui-
vamos a dtsenvolver, conerei a sua pre-
senta a responder sobre tudo quanlo de
inim se exigir ; pois por nenhum principio
querere proceder de maneira que me faca
odioso aos olhos do govemo da minha cha-
ra patria, e dosmeus patricios eui geral.
Assim fioalisou o conselho os seus traba-
Ihos na tarde do dia 1.' do passado.
Iialn a cousa da urna hora dirigia-se Bi-
tancourt para o acampamento do barflo ; e
este, acompanhado de Severo Fia Iho, etc.,
ahiiaui a eucoutra-Jo, e eui pou cas paia-
vras Ihe manifeslaram a deliberacflo do con-
selho, com a qual elles vollaram para os seus.
acampamentos. &,
Nessa mesma 'nnite, a columna do barflo
naictiou com mil homense foi acampar-se
na azenda de Bento Manoel, onde descan-
saran) al a meia-noite. A esta hora che-
gou o B. B., e enlfloensilharam-se os ca-
vallos e marcharan) pela costa da mesma fa-
/. 'iidn al chegar as imrrodiscOes de Qua-
raim-f.ran le, onde estivera.m at mea-
tarde do dia 3, cm que passaram oQuaraims
OD.-B. seguioseu destino para Pjrto-Ale-
gre por esta villa.
No dia 4 chegaram As Tres-Ouzes, onde
se dirigiram para hater o Lamas, que ahi
estava acampado, mas s acharara o Ama-
rilha com urna paitidadeSOhomensque f-
i un corridos, perdendo este uns seis ou oilo
ealguns feridos. Tinha Lamas relirado-se
precipitadamente,havia duas horas, em con-
sO'iuencla de ommunica^n recebida de
B.....em que o prevena quo o barflo mar-
chava sobre elle.
No dia 5 chegaram ao l'otreiro do Jaro.
Xo dia G continuaran! a sua marcha e nella
ilestacou Hornos com a sua brisada em urna
commissflo que anda se ignora qual ella
seja..
Aguardo o seguimento das operaces que
anda me nflo chegaram ede tudo Ihe farei
participe.
25 de abril.
A'ultima hora.
J estava no prelo a nossa folha, quando_
recebemos urm carta de Sanla-Anna do Li-'
vramento, datada do 10 deslo mez, que no-
li 'a o seguint" :
O barflo de Jacuhy, com tolas as suas fr-
c.a, em numero de 1,400 homens. acnava -se
no dia tem Taquarimb, perto da villa des-
te nome.
l,,'uora-so inteiramente qual soja o lim de
semelhante marcha.
lua partida de oilo homens que seguia
da llraguayana a reunir-se fr(;a do barflo,
foi halida em loeutua, por urna loica d La-
mas que, na diligencia de contuzir gado,
casualmente a encontrara.
limi'< estava a seis leguas iledistancia do
l'igarilesla derrota, e segundo o que me di-
zem, tern-se este empregxlo agora muito
mais de cuidar das estancias quo da perse-
guido do barflo.
Nada mais. tcm occorrido que eu possa
commiinic^r-lhe.
As noticias aoiina sflo copiadas do Rio-
Grandrnse. Tnnscreveremos agora as que
publica o Muri ilu Rio Grande dd 25 o 20 do
passado.
Km 25:
Em cilicio de 1* do corrento commun-
ca o Sr. brigadeiro Manoel Marques de Sou-
za ao Sr. brigadeiro commandanle degta
fronterra, que o coronel Joflo Severo lora
completamente derrotado no dia 12, por
mais de 1,200 homens ao mando do coronel
oriental Lamia, achando-so elle em Jucolo
com qualrocentoa e lautos sequazes, entro-
tulo em arrebanhargado, consegnindo ape-
nas esc.par-se por Paipasso para estelado
com Oenlo e tantos dos seus.
O barflo de Jacuhy acha-se com 200 ho-
mens no campo de Tacumb, emnregado no
mesmo servico de arrebauhar gado.
Em 20.
Referindo-nos aparticipacOes ofliciacs,
demos em pvtl-svriptnm, no Diario de bon-
lem, ^noticia da derrota do coronel Joflo
Severo, e acerrseantamos que o barflo de
Jacuhy acha-se a 14 do curente no campo
do Tacumb, com 200 homens. Mas, temi
publicado hont -ni n^esmo o llio-Grunrienic o
trecho de una carta de Santa Ann i do l.ivra-
vramento, datada a 16,cunlradi2eudo aquel-
las communieacOes, procuramos a osle res-
peiloser melhor informado, e souheoios de
pessoa que est muito em dia com os neg -
cios di ca p.mlia, que a 14 deabiilacha-
va-se o barflo de Jacuhy em Itacuml. com
1,180 homens, e o coronel Joflo Severo dalli
lisiante duas leguas, y.mulo derrota
leste he que nflo podemos cullier informa-
c.es que coarmem, qur a noticia que de-
uius, qur a que deu o Ri<>-(irandente.
(Jornal do Commereio.)
Segundo diz a Rtvista Universal, os
annos de 50 leerh coincidido semi>re com
grandes nondOes. Em 1J50 o Danubio
inundou a parte inferior da Hungra; om
1250 grandes inundares na llospanha, na
Franca o em parteada A'Hemanha^; cm 1450
socole o mesmo na Toscana;'om 165"0 a
Hollanda torna-s um lago ; a alta Alloma-
i.lia e Vienna sflo inndalas ; em 1750 .Flo-
renija e Roma sflo invad Jas pelo Arno e pe-
lo Tibre; e receia-se muito que em 1850 sof-
fram iguaes inundacOes alguns paize<,
quando comece o deglo da muita nev qne
tem cahiio, mesmo porque j* em Cracovia
e na Galitzia os rios teem sabido dos seus
lveos.
(Diario do Rio-de-Jantiro.)
"CMMERCIO.
ALFANDEUA.
Rendimento do da 16.....11:854,989
Deicarregam hoje 17.
Iliate Agula-do-Bratil bacalhio.
Escuna Ant/e cevada o farello.
(Jalera Beraza merca dorias.
Brigue Aguia-do-Prata sabfloe toucinho.
Polaca Eugene-Jtny -- vinhos.
liscuna -Elisa mercadorias,
RECEBEDORIA DE RENDAS GERAES
INTERNAS.
Rendimento do dia 16......269,890
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 16...... 60,459
KD1TAKS.
IKitBIO IIK PERVSBllO.
BECirr. 16 DE MAIO OS 1850.
A barca de vapor S.-Salvador, chegada
hoje dos portos do sul s adiantam um dia
as noticias quo nos trouxe o D.-Affonso, e o
que encontramos de importancia alm das
noticias do Rio-Grande que deixamos co-
piado, he o fallecimento docliefit de divi-
sfloe intendente da marinha Joflo Francisco
Itegsi.
Do relaloriodo presidente de Minas cons-
ta que naquella provincia anda nflo havia
invadido a fubre epidmica, que tanto nos
ha Magullado.
cambio sobre Londres, 'jonlinuava de
27 e 1|2e27 34J.
As rolliasda Bahia alcanc,am a II, e dol-
as consta que o Eira. Sr. Concalvos Mar-
tina embarcara para a corte no dia 2, no va-
por Rahiana, sendo acompanhado por nu-
meroso concurso de cidadflos. Segundo um
oflicio da presidencia com dala de 4, a lebre
epidemic erntinuava a bordo dos navios
com muita intensidade, tendo-se dado no
mez de abril 67 casos della a bordo di na-
vios inglaics, dos quaes II f am fat,cs
Em Macei nada havia occorrido de extra
ordinario al 12 do presento mez, a que
chegam os jornaes que recebemos : tinha
s:doaberta no dia 5 a respectiva assembla
provincial.
Pelo mesmo motivo que anouncimos em
o nosso n anterior, nflo pode reunir-se ho-
je a assembla provincial.
VAjHit<:iMi)ti.
lia na llespanha 918 titulares: 62du-
quis, 433 marquezea, 369 condes, 4J vis-
coude.1, 33 barOes e 8 ttulos estraugeiros.
O lllm. Sr. oUlcial-maior, servindo de
inspector da thesouraria da fazenda provina
nial, em cumprimento da ordem do Exm
Sr. presidente da provincia de 7 do correo-
te, manda fazer publico que, nos das 4, 5
e6dejunho prximo futuro, ir a praca,
perante o tribunal administrativo da mesma
thesouraria, para ser arrematado a queni
por menos fizer, as obras do caes e rampa
no Porto-das-Canas do bairro do Recite,
sb as clausulas especiaesabaixo transcrip-
tas, e pelo preco de 3:685,000 res.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematarlo comparecen! na sala das sesses
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou afiliar' o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da tiiesouraria da fazenda pro-
vincial de Pcrnambuco, 8 do maio de
1850. O secretario, Antonio Fe'rtira da
Aanunriuvn.
Clausula! ttpeciaet da arrematando.
1.* As obras do caes o rampa do Porto-
das-Canas serflo feitas de conformidade
com o orea ment nesta data a presentado ao
i. xm. Sr. presidente da provincia, pelo pre-
co de 3:685,000 rs.
2.' Esta obra ser principiada no prazo
de dous mezes, e concluida no de seis me-
zes, ambos contados conforme o artigo
10 do regulameuto de 11 de julho de 1843
3.' i '.i pagamentos da arremalacflo le-
rilo feilos da maneira determnala noarli-
go 15 do supracilado regulaoiento.
4.* Todos os materiaes sero previa-
mente examinados, e approvados lainv-u-
se-ha um termo, em que assignarflo o arre-
matante o o engenheiro.
5.* Para ludo mais que nflo esliver de-
terminado as presentes clausulas, seguir-
se-ha inteiramente o que dspOe o mencio-
nado regulataento de 11 de julho de 1843.
i. Recife, 7 de maio de 1850. -- O enge-
nheiro do termo do Recife, Jo Mamede Al-
ves Ferreira.
O lllm. Sr. oflk-ial-uiaior, aervindo de ins-
pector da thriouraria da faienda provincial,
em cumprimento da ordem do Can Sr. presi-
dente da provincia de 10 do corr me, manda
fazer pubico que noa diaa 10, !I e 12 de junlm
prximo futuro, irao pr.if a, perante o tribu-
nal administrativa da niesina thesonrai ia, para
seren arrematadas a quem por menos fuer, as
obras aluno declaradas
Stimo 1.11190 da estrada do sul,
avallado em 15:645,256
940 bracas de c Ifada de barro
na estrada do sul (piimcira pane)
avalladas em 3:887,840
2,111111 luanas de calcada de barro
na estrada do sul (segunda parte)
avalladas em 9:922,000
2,000 tiratas de calcada de barro
na estrada do sul, (lercein parte)
avalladas em 7:942,000
As arrematares serao feitas sob as clausu-
las especiaes abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem a estas arre-
matares, comparecen! na sala das sessoes do
sobredito tribunal nos das 1 ion menciona-
dos, pelo ineio-iha, coinpetenUMiieiite habilita-
das na forma do artigo 24 do regulaiuenlo de 7
do correnle mes.
K para constar se mandou afiliar o presente
e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da faienda provin-
cial de Pcrnambuco, 14 de maio de 1850.
O secretario,
.4nfonio Ferrtira d'Annuneiaco.
Stimo '.anco da estrada do sul.
Clausular tipceiaei da ammatac'w.
I." As obras do stimo lanco da estrada do
sul srrao esecutadas de conformidade com a
planta, ore miento, risco e perl, e para rui
lim organisados e approvados pelo E1111. presi-
dente .- sendo as ditas obras avahadas cm ris
15:615.256.
2.' As obras princlpiarao no prazo de um
mez, serfio concluidas uo de 15 metes, ambos
contados de conformidade com o artigo 10 di
rcgulaiiienlo das arrrmataces.
$/ A impoi um ia do preco da arremalacao
ser dividida em quairo prciucoea de igual va-
lio ; as quaes serao pagas ao arremtame, se-
gundo dlspfie o artiyo 15 do regulameuto ci-
ma mencionado', a primeira depois de frita a
terca parte das obras, a segunda depois de se
acharen! concluidos dous tercos, a terceira de-
pon do recebitncnlo provisorio, e a derradeira
depois da entrega definitiva.
4.* piaso de responsabilidade ser de un.
anuo pelas obras de trra, e de tre* annos pe-
las de pedreiro
11 5.' Para tudo o que nao esl determinado
as presentes clausulas, segufr-se-lio as prru-
cripedes do reeulamenlo de 11 de junho de 1843,
Recife, 22 de abril de 1850.
O engenheiro da estrada do sul,
. //. i4.MiM.>
940 bracas de calcada de barro na estrada do
sul (primeira parte.)
t' 1.* As obras para o ralcamento de 940 bra
ps das arela! da estrada do sul, sero feitas do
modo Indicado uo orcaiuento aprescutado ues-
ta data approvacao do Exm. Sr. presiden
pelo preco de 3:887,840 rs.
< 2.' As obras princlpiarao no praso de um
mez, e concluir-se-hao no de ae{e, ambos con-
tados na conformidade do artigo 10 da regula-
oiento para as arremataces de II de julho de
1813.
' 3." O pagamenfj da arrematacao reallsar-
sc-ha em quatro prestaedes iguaes.
n 4." Para tuda o mais que nao est determi-
nado as presentes clausulas seguir-se-ba In-
teiramente oque dlspde o regulameuto men-
cionado de II de julho de 1843.
Recife, I" de abril de 1850.
. O engenheiro,
l.'L. ffelor rallar.
2,000 bracas de calcada de barro na estrada
do sul (segunda parte)
Clausulas espidis da ammatacSo.
1.* As Obras para o calcamento de 2,000 bra-
cas de areia da estrada do aul, ser* feitas do
modo indicado no oicaiuenla apresentado nes-
ta data approvaco do Exm. Sr. presidente
pelo preco de 9:922,000 rs.
2.' As obras princlpiarao no praso de um
mes e concluir-se-ho no de 10 mezes ambos
contado* na conformidade do artigo 10 do re-
pulimento de II de julho de 1843.
k 3.' O pagamento realisar-se-ha em quatro
prestaees iguaes.
4. Para tudo o mais que nao est deter-
minado as presentes clausulas seguir-se-ha
inteiramente oque dlspde o regulameuto men-
cionado de II de julho de 1843.
Recife, 10 de abril del8j0.
O engenheiro,
a J. L. 7. Leutisr.'
2,000 bracas de calcada de barro na estrada
do sul (terceira parle.'
Clausulas especiis da arremataran.
1." As obras para o calcaineoto de 2,000
bracas de areia da estrada di sul, sero feitas
do modo Indicado no orcamento apresentado
nesta data apprnvac'i do Exm. Sr. presiden-
te pelo preco de 7:942,000 rs.
2. Aa obras princlpiarao no praso de utn
mei, e concluir-se-ho no de nove mezes, am-
bos contados na conformidade do artigo 10 do
rrgtilamento de 11 de julho de 1843.
3. O pagamento realisar-se-ha em quatro
prestaedes iguaes.
a 4. Para tudo o inals que nao esl deter-
minado as presentes clausulas seguir-se-ha
inteirainente o que dlspde o regulaoiento inen
cionado de 11 de julho de 1843.
Recife, 10 de abril de 1850.
u O figenhriro,
J, L. Ficior iculrr.
Deca ratjoes.

OSr. director do lyceu manda fazer
publico que, em execueflo portara do
Exm. Sr. presidente da desla provincia, de
13 do correnle mez, esl a concurso a cs-
deira de primeiras lelfras para o sexo mas-
colino, da freguezia de S.-Jos-dos-Bezer-
ros. Os cidadflos que se quizerem oppr
referida calcica, deverflo comparecer na sa-
la palacio da presidencia, pelas 9 horas da
manhfla, do dia contido da data deste a (0
das. Secretaria do lyceu, 16 de maio
de 1850. O secretario interino e professor
de geometra, Antonio Rgidio da Silva.
smalas do vaporS. Salva-
dor coca destino aos portos do
norte serflo fechadas hoje (17,
a I hora da tarde, eso se re
ceber.lo as correspondencias com o porte
I nido at as 2-horas.
Avisos martimos.
Para a Babia sabe no dia 18 do mez
corrente o hiato Ligeiro : para o resto da
carga Irata-se com i.uiz B. Cerqueira, na
ra do Vigariori. 5.
Para.->6 Rio-de-Janeiro segu cora *
maior brevidade possivel o tingue-escuna
llenriquna, forrado e pregado de cobre,
por j ter gr. n le parte de seu carregamen-
to tratado': quem mais pretender carregar.
e ir de passagem, se entender como capi-
Iflo do mesmo Manoel Joaqum Lobato, na
praca do Commereio, ou na ra da Cadea
velha.n. 17, segundo andar.
Para Valparoizo pretende sa-
liir com muita brevidade o brigue
diti'imarqtiez lides, de primeiri.
mareba : recebe carga e passagei-
ros, para o que lem encllenles
cominodos : os pretendentes di -
rijam-seao esciiptorio da censig-
natari do mesmo brigue, viuva
Lasserre, na ra da senzalla-Ve-
ha, n 138.
Avisos diversos.
-.No dia 14 do corrente, sallando unir
raca de marinha, com urna trouxa de ron
pa, edando-a a um prelo para a carregar,
osle desapparrceu. Roga-se a quem dit
treuxa for offerecida, de a tomar e levar a
ra larga do Rzario, n. 30, luja de selleiro
Iuc sei 11 gratlfoado.
* GHANDE 3
> consultoriohomoeo- <
; pathico. 1
* <
* Dirigido pelo Dr. Sabino e Dr. Luz m
t Ra do Trapiche, Hotel- J
Francisco. 2
4, Osdoentes pobres terflo gratuita- ^
> mente todos os das consultas ere- <-
? medios para o lralanien,to de suas *
? molestias. *
* As visitas, fra deste consultorio,
? serflo feitas por qualqner dos dous *
^ mdicos, nicamente quelles en- j*
p. fermos cujo eslsdo mrbido os re- ^
> clame em sua casi. ^
>
-- Antonio Jos Pimcnla da Conceicao,
subdito Porluguez relira-se paia Portugal,
levando sua familia e Antonio Poreira do
''alie, seu sobrinio.
Jos Antonio de /aria, subdito Porlu-
guez, relira-se com sua familia para Por-
tugal.
Piecisa-sn de urna ama forra ou cap-
iva, para cas do urna s pessoa : no becco
la Bomba, n. I.
Precisa-sn de um cbixeiro : na tua Di-
rei la, u. 24, padaria.
O escrivar da rmand ide do
i>S. Sacramento da freguezia da
Boa-Vista convida a todos os ir-
mfloa da mesma irmandade, para comparc-
cerem no seu consistorio no dia 19 do cor-
renle, domingo do Divino' Espirito Santo,
pe!as9 horas da manhfla,. para se procedVf
a oleicflo da nova mesa, em virtudo do dis-
poslo no capitulo 1 do seu compromisso.
A vista da importancia do objecto, espera-
se que todos concorrerao, anda com al-
gum sacrilicie.
Precisa-sc de om menino de boa con-
ducta para aprender a encadernador : na ra
estreila do Rosario, n. 9.
-- Precisa-se alugar urna ama captiva ou
forra, a qual saiba bem cozinbar. na ra do
Queimado, n. 40.
AlteiK'o.
Na tarde do dia 15 do crrante, por ooca-
siUodeconduccSO-do uns trastes da Cspun-
ga para o Recife, se estraviou um relogio
de ouro'com corrente do mesmo metal, ten-
do os siguaes seguinles. O relogio he des-
coherto do lado do mostrador, horizontal,
trabalita sobre quatro rubina e sobre o t*ul-
po de dentro que cobre o machlnismo tem
gravado doua passarinhos beijando-se e por
haixodos mesmos una Jsncarina seguran-
do com as mSos em urna manta que traspas-
as por cima da cbeca ; ea corrente he do
miliar no pescoco e tem o passsdor mui fro-
cho, que pondo-se perpendicular, desee sem
ser'preciso locar-lhe : rog.-se por tanto a
piem fr offerecido, de o tomar e restituin-
lo- mente recompensado : na ra da Cruz do
Recifi*. n. 27; casa de Crocco & Comnanhia.
Osabaixoassgnados fajom sciente ao
respeitavel publico que amigavelmente, o
ile commum accrdo.dissolveram a socieda-
de que tioham naloja de ferragem, sita na
ra da Cadeia do Recife, 11. 56, sobre a fir-
ma de Pontes & Sampaio, (cando a liquida-
ba o da exmela (Irma a cargo de Sr. Fran-
cisco Custodio Sampaio, a quem passo a
perlencer de hoje em dianta a mesma loja.'
Recife, 16 de msie de 1850. loaquim Ri-
beiro Pontee. Francisco Custodio Sampaio.
Preeisa-se alugar um prelo captivo, de
boa conduela, para o servco interno de tima
casa eslrangoira : paga-se bem : na ra do
Trapiche-Novo, n. 10.
Fronlespicio do ('armo.
Os encarregadosde festejaren) a Senhora
do Carmo do fronlespicio declaram aos de-
votos da mesma Senhora, que hoje nflo po-
de ter lugar o levantamenlo da bandera da
referida feslividade, alm de outros moti-
vos ponderosos, em consequeocia da muita
chuva quehouve nestes ltimos tres das,
lie nido transferido para o dia sexta-feira,
24 do comente,seguindo-se em todos os das
a novena at o da 9 de junho, no qual ter
lugar a festa.
A pessoa quenodialOde abril prxi-
mo passado, foi na ra do Sol, n. 9, pedir
2,000 rs. sobre um relogio, com pretexto
do pagar d'ahi ha dous ou tres das, pelos
menos, pois assim o promolteu, e para isso
se Iha nflo levou juros ; e como al a data
leste, o nflo lenha feto, roga-se-lhe o favor
de ir pagar no prazo de 3 das contados de
hoje (17;; do contrario, se tendera dito re-
ogio para pagamento : por isso se faz o
picsente annuucio, para nflo baver igno-
rancia.
Jos Joaquim da Costa avisa an respei-
tavel publico que pessua alguma faca ne-
gocio com Paulo Jos de Alenla e su mu-
Itier com a casa terrea sita na ra da Clo-
na da Boa-Vista, n. 77, por se achar penho-
rada por execueflo do annunciante, pelo
c 11 toiioiio rsciivflo Baptists, e juiz muni-
cipal da segunda vara : e para que nflo ha-
jam duv las, faz-se o presente annuncio pa-
ra conhecioiento de quem convier.
Hoje, 17 do-corrento, s so horas da
manhfla. perante o Sr. juiz de orphflos e au-
sentes, se bao do arremar os movis, escra-
vo e fazendas da loja do finado Francisco
los Peieira Braga, ao p do arco de S -
Antonio.
- O Sr. Joaquim Jos dos -Santos Barraca
qtiefra dirigir-serua da Cadea de S.-An-
touio. n. 13.
O Sr. Juilhe Frederico Walter tem urna
caria, vinla de llamburgo, na ra do Tra-
piche, n. 9.
O aba jo assignado qt/erendo pagar
aos seus credores, por isso pede encareci-
damente aos seus devedores, e principal-
mente aos mais antigos, de mandarem pa-
gar at o lim do correnlo ; do contrario,
ve-sena dura necessidade de recorrer aoa
meios judieiaes; pois o annunciante nflo
pode mais esperar, por ter urna gran le so.ii-
111.1 fiada e quasi ludo nesta comarca, e nflo
Iha he uossivel receher nada ; assim o espe-
ra de seus llovedores, que uflo 'leiiarflo de
ir pagar-lhe, Antonio Ferrtira da Costm
Uraga.
Cunta da despeza feita com a traslad-
oslo das imagens quo exstiam na ca pella do
SenhorBom Jess das Portas para a igreja
da Madre de Dos, o para a qual oExm.Sr.
presi lente ile-.li provincia pOz a disposi-
cfln da respectiva irmandade a quaulia de
500,0. or.
Importancia da conla sprpsentada por
Fortunato Cardozo de Coveia, por cera gas-
ta, a saber:
127 librase 1/4 de cera dis-
tribuida e extraviada
Feitio de 10 tochas
Alugel de 387 libras de cera
dem por Miguel Esteves A.
pelas charolas que armou
dem por Francisco Xavier
Martina U.slos por6 figu-
ras que vestio 10 000
Indem por Maris Filippa
Lima Sonto por seis tutus 10,000
dem por JoSo Miguel Tei-
xeia Lima do 20 duzias
de foguetes 9,000
dem mr Atina Francisca
Maria da Rocha de bolos
para as figuras
1,280
80
50
ifl.HSO
8,000
19,350
150,000
60,000
60,000
40.OC0
8,410
508,640
Recife, 14 de maio de 1850. -- O thesou-
reiro interino, J. C. Augusto d* Silva.
Quem annunciou urna escrava com leita
na ci.lade de Olinda, queira leva-la i ra
lo Livramento, n. ?, sobrado.
Aluga-se o segundo andar e solSo do
sobrado da ra Dir la, n. 90, com bons
comino los para familia: a tratar'na mes-
ma ra, n. 93, primeiro andar.


-

Correia Nobreza 205,830 re. de 18*2 18*4;
Dr. Antonio Joaquim de Figueiredo Seabra,
promotor do l.imoeiro, 82.480 re. de 18i* a
1817 ; Manoel Joaquim de Figueiredo Saabra
43,780 rs. de 1844 a 1847 alferaa Reg Ben-
to ou Carapenima ( no Para ) 40,280 re. de
1842; Francisco Soares da Silva ( Cabo )
12,800 rs. de 1843; Jo Thomaz da Silva
17,400 rs. de 1843 ; Jos Joiquim de Figuei-
redo 91,00o rs. de 1848; Joaquim Jos da
Costo ( Goiahna ) 10,000 re. de 1844; Joao
Leite Kodayal ( Apepucos ) 32,000 re. de
1847 ; leneole em commisso Manoel Caut
da Silvoira, natural 8a Parahiba, 53,520
rs. de 1842. Jf. do A. Caj.
Desappareceu um boto de ouro, que
tem figura de um caboclo, de urna camisa
3ue com o vento voou de urna dasjanellas
casa do sitio do Campo-verde, queper-
tence ao llim- Sr. senador Manoel de Curva
Ibo Paes de Andrado ; quem do mesmo
souber, equeira restituir a sen dono no mes
mu sitio ou na ra do Colegio n. 15 segundo
andar, recebera o echado: tambero alguma
peaso que o compiar sedar o prego por
quauto o comprou.
Aluga-se urna casa que serve p*ara agou-
gue, por ter sepo, bataneas, pesos e todos
os mals ni'cessarios para es casa he bastante antiga neste negocio, na
ra da Guia, n, 35 : a tratar com Joaquim
Inopes de Almeida.
Aluga-se um sitio muito perto des-
la praga, por ser na ra Imperial, quasi
defronte da fabrica de sabflo. tem boa casa
de morada, coramodos suflicientes para
grande familia, sanzalls para pelos, estri-
bara : trata-se na ra Direita, n. 82, pri-
meiro andar.
OSo-se 250,000 rs. a juros de dous por
cento ao moz sobre penliores de ouro ou
prata : na rua do Cabug, n. 1 E, loja de
iniulezas, se dir quem da.
O Sr. vigario Antonio Joaquim Soares,
Dr. I.uiz Duarlo Pereira, I). Mari* de Jess
Cavalcante e Joaquim Concalves Ferreirada
Cruz teem carias, na ra do Livramento,
n 14.
A cidade de Pars.
Fabrica de chapeos de o, ra do
Collegio, n .').
J. Falque participa ao respeitavel publico
desta cidade, qun elle abri o seu novo es-
tabelecimento. onde se encontrar sempre
um grande e bonito sorlimonto destes ub-
jeclos dos mais modernos e variados, como
sejam : chapeos de sol para homens de se-
daschamaloladas e lizis, de cores e prelos,
Jilos de annacfio d'ago muito fortes com
sedas de todas as cores, ditos para senhoras
de sedas Uvradas e lisas, com franjas e sem
ellas, c0.es muito bonitas, ditos ditos de
panno imitando seda, com franja e sem el-
la, ditos de panninho para homem com ar-
mag&o rica e ordinaria, sorlimento de ben-
galas de todas as qualidades, baleiaa para
vestidos, colletes e espartilhos par.i salido-
ra. Na mesma casa conrerta se o cubre-se
toda a qualidade de chapeos de sol benga-
las, para os quaes tem boas sedas o pannos
em pegas : todos estes objeclos vendem-se
em porgflo e a n-tslho, por menos prego do
queemoutra qualquer parte.
I). Joaquina Igoacia Mavignier Ferrei-
ra, xuiva de Jos Alejandre Ferreir, tendo
licadjpfctsua viuvez sem meios-para poder
subsiSif^loi obrigada pela necessidade a
vender e a alugar algumas das s.us escra-
vas para ter rom que alimenlar-se: escra-
vas estas de Ma nica propriedade, fazendo
hoje una pequea parle dos que levou quan-
do casnu, como consta da escriptura de ca-
samento e invenlario, tendo a infalicidade
de boje quasi nada possuir do que levou.
Tendo, porm, una escrava denome Anto-
nia, ne nagSoAngico, que possue ha mais
de 23 annos, mesmo em solteira, a qual es-
lava alugada em casa do Sr Francisco Igna-
cio de Atahide, cuja escrava andava na ra,
e comu nunca tivesse fgido, e nem hou-
vesse motivo algum para tal se desconfiar,
desappareceu com ludo nodia 29 de abril;
o enerando a annunciante que ella viessa
para casa, al ao prsenle nSo Ihe appare-
ceu, constando-lhe agora que a dita escra-
va foipegda e escondida por pessoa, cujo
uriico flm lie esgolar-lhe o ultimo recu'so,
o ve-la na miseria, pessoa que no deixa-
va seu defunlo marido ganhar um vintem,
que nflo apparecesse um motivo de lli'o ar-
rancar Avisa, portanto, queninguem com-
pre e faga negocio algum com dita escrava,
porque a annunciante protesta usar com lo-
do o rigor das leis contra quem Ihe liver
escondido, furtado, etc. : eessa mesma es-
crava lem oa sigues seguidles : he mnilo
retinta, falla mal, ps muito grandes e lar-
gos, e sem peitos, que apenas Um urnas
safra a colher: os prelendenles, dirijam-se -ponas. A annunciante roga, e espera que
Pede-se ao Sr. fiscal da freguezia do S.
Jos queira fazer com que se calce os O'iOes
das casis que seguetn pelo becco de Jos-
I.ourengn para a ra de Agoas-Verd, s, que
quandochove (lea intrensitavel : o mesmo
no becco da Carvalha para a rua d Assump-
cUo : isto pede-se al porcaridade.
Os Srs Antonio Correa Gomes de Al-
manta e Manoel Correa Gomes de Almeida,
ambos moradores ero S.-Anna do oiteiro de
S.-Joloda Varzea, queiram mandar pagar
quanto antes oque devem em certa botjca
desta ridado ; certos Je que, emquanlo o
nflo flzerem, andario seus nomes nesla fo-
Iha.
No sobrado da Trompe, n. 1, que tem
venda por baixo, precisa alugar duas pre-
las, ou pretos, qun he para venderem fruc-
tas : quem as qoizer alugar, i naneando, di-
rija-se dita casa.
Avisa-se ao Sr. I.uiz Comes Gongalves
que tenba a bondadede ir pagar a Quantia
que no ignora, oa rua Imperial, n. 49 ; do
contrario ter de ve o aeu nomo nesta fo-
Iba, emquanto onflo flzer,
--0 Sr. lente Paulino dinja-se i rua da
Cadeia de S.-Aritonio, n. 13.
Aluga-se a casa da esquina da rua do
CaHeireiro com armagSo para venda e com-
modos para familia, coro quintal,-cacimba
e nortSo para a traveasa, a qual polo local
olTerece mita vanlagem : na praca da In-
dependencia, librara ns. 8e8.
Sebastiflo Jos Comes Penna tem justo
e contratado a compra de urna easa anda
por acabar, aita na rua da Palma, com oSr.
Ricardo Jos de Freitas Ribero : quem se
julgar coro direito, entenda-se como mes-
mocomprarior, na rua do Collegio, n. 12.
-OsSrs Joquim Pessoa Sezera da Cu-
nha e Francisco Brnger de Almeida Gued
tiajam de dirigir-so ao Passeio-Publico, lo-
ja n. 9, a negocio que nSo ignoram.
-- Arrenda-so um sitio no principio da po-
voagfiodos Afogados, todo murado com um
eicellente parreiral e muitaa fructeiras, casa
de vivenda com grandeacommodos, boa ca-
cimba para rega e lavagens do roupa, um
excellente- vivero com muito peixe e com
embarque na frente o no fundo do mesa o :
quem o pretender dirijo-so A mesma povoa-
cSo no primeiro sobrado do lado dircilo do-
poia da ponte.
D-sea premio, sobro penbores de ou-
ro ou prata, a quanlia de 950,000 rs., a ju-
ros de 2 por cento ao mez: na rua dos Mar-
tyrios, n. 3*.
Agencia de passaportes.
Tiram-se passaportes para dentro e fra
do imperio, com presteza e prego commo-
do : oa rua do Itangel, n. 57.
Domingos Jos Ferreir Braga faz acian-
to ao publico, que, por haver nutro de igual
ame, seassignar de hoje ero diante Do-
mingos Jo.- Ferreir.
A pessoa que precisar comprar o 2.,
5. e 7." volumes do Panorama, dirija-se
rua de S.-Amaro, n. 16.
Roga-seao Sr. Francisco Xavier Cval-
es nl Ucha, ou pessoa por si inleressada, o
obsequio de dirigir-se ao oilfio da matriz de
Santo-Antonio, sobrado n. 14 segundo an-
dar, para lialar de negocio de seu inte-
j-esse.
Quem liver para alugar urna escrava
que saiba azer be ni o servico interno e
externo de urna esa, annuncie, ou dirija-se
secretaria da polica a fallar com Antonio
Jos de Freitas.
Doquinial da casa da rua de Agoas-
Verdes, n. 80, furUnm urna baca grande
de rame e dous vestidos de chita rouxa
com palmas pretas. Iloga-se a quem taeg
objeclos frem oflerecidos o favor de ap
prelu mi -los o levarem a dita casa, que se-
r gratificado.
Aluga-se um sobrado de um andar, na
rua das Trincheiras, com muitos corotno-
dos o grande quintal com boa cacimba no
meio : a tratar na rua da Cadeia do Hecife,
n. 25.
--D. W. Bsynon cirurgiffo dentista, res-
peitoaamenle informa ao publico desta ci-
dade que elle pretende brevemente retirar-
se deste imperio, e as pessoas que anda ne-
cessilam seus servgos durante este lempo,
serflo attendidos, procurandn-o no seu do-
micilio, na rua do Trapixe-Novo, n. 14.
Mobilias de al guel.
Alugam-se cadeiras para bailes e ollicios:
tambem sa axigam mobilias a vonte dos
I iclendeiiies : na rua Nova, armazem de
trastes do Pinto, 'lefronle da rua de S.-
Amaro, n 59.
Trasoas-a-se o arrendamento de um
engeoho de boas. Ierras do produgflo, por
preco rasoavel: lambom se veudem os per-
tencea do rendeiro, sendo animaea do roda,
muito bona e gordos, poidros, lavouras o
rua estrella do Rozarlo, n 32, que se di-
r quem faz este negocio e se darfio todas
as informagOes.
Um Inglez casado e com
pouca familia, precisa alugar um
sitio pequeo perto da praca :
quem o liver, dirija-se rua do
Trapiche-Novo n. 4
Aluga-se o segundo andar do sobra-
do n. 18, m rua do Fogo : a tratar no Ater-
ro da Boa-Vista, n 89.
Precisa-s de urna ama para oservigo
de uiin casa de familia : na rua da Man-
gueira, n.*.
Na rua de Agoas-Verdes, casa terrea
n.26, engomma seelava-se toda a qiali-
dade de rouiia, com todo asseio e prouipli-
dilo, por prego mais commodo do que em
outra qualquer parte.
Gra. b deposito na ruu
jota, n. 27.
Neste deposito acha-se urna grande por-
gflode caixas com folhas de Flandres de
palete e todas as grossuras; ditas com vi-
dros de todas 6s dimengOes para vidragas;
ditas de cobre do todas as grossuras pata
forro de navio, pelo barato prego de 560 rs.
a libra : onde lambem se acha um rom-
pido sorlimento de alambiques, serpenti-
nas e todos os mais objeclos de cobre,
bronze o folha paraongenbo : tudo isto lla-
vera continuadamente grandes porgOes, pa-
ra os comprador es escolhcrem sua voli-
tado.
-- S3o rogados os Srs. abaixo declarados
para que venham ou manden pagar su as
coalas": faz se esta advertencia, e continua-
as autoridades pociaea, allendendo a po-
Tefio em que pode estar urna viuva, a quem
querem lir. r seus ltimos recursos, e mes-
mo em dcsiggravo das leis, providenciem
para que seja descoberta, e pegada que se-
j -, a levem ao l'ogo-da-Panella, casa ua an-
nunciante, defronte da igreja, recompen-
sando alguna despoza quesefizer pelo in-
comiiiodode all a levarem.
O esc iptorio do agente da companhia
dos paquetes de vapor mudourse para a rua
do Trapixe, casa o. 40. segundo andar.
-- Na rua Nof, loja n. 58, ae dir quem
d uuantias de 300, 400,500,600 e 700,000
rs. a juros, com hypotheca em casaa terreas.
Compras.
--Compra-se um methoda de flauta por
Viene .' na praca da Independencia, n. 17.
Cooipra-se, cflectivamenle, calcado de
lustro para senbora o menina; bem como
papel de cmbrulbo a peso : na rua largado
itozario, n. 35, loja.
Compra-so urna morada de casa terrea
com baslautescommodose quintal ondose
Pss fazer una estribarla para seis caval-
los e nnla pequea rbocheira, sendo naa
mas Vi Mu, i",res ou Hospicio: quem tiver
annuncie.
Compra se 0bra de Molla Silveira : na
praga da lndepenaBrjca, n. 12.
Vendas.
Casa de modas frcucezas.
Buessard Millocha
No Aterro-da Boa- Vista, u. t
se, nao s com estes como com outros, cois j recebeu-se pelo Yofof, ultimo navio vin^o
d3o se pude mais esperar: padro Calisto! do Havre, um grande sorlimento demudas
com sejam : ricos rragti leles de seda o do
blco cariollnhos, vistas, etc.; chapeos pa-
ra senhoras e meninas; gravalinlus e lenci-
nhosdeseda e de garga ; ditos de rede de
retroz de todas as cores ; rica cabegSes de
bino; colleriohos, cimisinhas e pescoci-
nhosda ultima mola ; lengos de camnala
d linho bordados para m3o; um lindo sor-
linieiro de Illas as mais em moda ; (rangas
de retroz de todas as cores para enfeiles de
vestidos ; cortes de vestidos para casamen-
to ; fl >rcs ; meias; binas de blonde ; lavas;
bicos de linho ; cambraias (loas impremi-
das ; cortes de seda furta-cOres para man-
teletes ; espartilhos ; fil; carobraia de li-
nho ; I-ivas de malha aberU muito finas,
com dedos e sem elles, para senhora e me-
ninas ; o mais outras fazendas, por prego
mais barato do queemoutra qualquer par-
te. Na mesma casa fazom chapeos e man-
teletes de renhora, da moda verdadeira, por
prego commodo.
Contina-se a vender boa manteiga in-
gleza, a 400 re. a libra; boro cha, a 2,000
rs. ; caf mo lo, a 200 ra.; cevada, a 80 rs.;
Velas de carnauba de 6, 7 o 8 em libra, a
320 rs. ; espermacele de 6 em libra, a 800
ra.; arroz do Maranho, a 80 ra.; aletria, a
980 rs.; talharim, a 200 rs.; aZeite de coco,
a400rs a garrafa ; queijos novos, a 1,120
rs. e francezes frescaes, a 1,280 re. ; cai-
xOesde doce de goiaha de assucar sume-4
'o e de oito libras cada um, a 610 rs. ; dito
tino de 6 libras, a 1,120 re. : no pateo do
Carino, n. 2, venda nova..
Vendem-so caivetes finos com mola,
que de um aparo fica a penna prompta : na
rua do Cabug, n. 9, loja.
Vende-se. nofim da rua da Aurora.n. 4,
um hilhar com duas andainas de tabellas,
Indas e candieiros, por 50,000 rs.; duas
rarleirasde umas face, com giades de
hronze em cima para os I i vi os, onde pdein
escrevar tres pessoas em cada urna, por
30,000 rs. ; nina canoa de um so pao, que
se pi'i le abrir, por 30,000 rs. ; urna dita de
1,200 lijlos que precisa de fundo novo, por
30,000 rs. ; um ternode tambores antigns
com agnilliiVs c rodetes, por 300,000 rs. ;
temos de carretas para os ditos, a 20,000
rs. o terno.
Vende-se papel de llollanda de corda,
dito de peso do diversas cores, dito de de-
senlio, grande e pequeo, dito de lustro,
dito para floras, dilo de ouro o de prata, di-
to marmore, dita mata borrSo, facas de
marfim, raspadeiras, lapes finas, lacre mui-
to fino: no pateo do Collegio, loja do li-
vroazUI.
Vende-se um molcaue de oito annos,
multo sadio, e que he ptimo para ollicio :
na rua do Cabug, n. 9, loj .
--Vende-se arte de msica, reguladores
nosdiase mezas, regias e boas estampas :
do pateo do Collegio, loja do livro azul.
Batedores
para portOes de sitise portas de escadas :
na rua do Queimado, n. 14.
Vende-se urna escrava de 20 anuos,
que engomma e cose; i fardamento pa-
ra oflcial superior da guarda nacional : na
roa Direita, n. 32, sobrado.
Vende.m-se os seguintes trastes em
bom uso : um armario para guardar louga ;
um dito de Jacaranda envidragado para
guardar papis elivrosde commercio com
muitas commoilidades para esseuso; h ia
grande tina para banho ; um esquentador
para a mesmo; duas cadeiras de balango
de Jacaranda quasi novas: na rua Nuva, n.
58, segundo atylar.
-- Vendem-se rodas de arcos de pao para
pipase barricas,ebegadas ultimamento do
Por o, por prego muito barato: na rua da
Cruz, no Recife, n. .49, primeiro andar
Vende-se um dos dous ngenhos, Ti lha
c Trio o-, | hns, sitos na freguezia de Seri-
nh.lem, com bastante trra e muito produc-
tiva para criar grandes safras : ambos bons
d'agoa, por seren copeiros, e dislam do
embarque duas legoas : a liatar com o pro-
pietario, Jeo Chinaco remandes Caval-
eanli, ou com Antonio da Silva Cusmfio, na
rua Imperial, do Alerro-dos-Afogados.
Vendem-se ptimas bichas -Je llambur-
go em qualidade e em taqiaiiho, pelo maia
norato prego que ha no mercado: na rua
Direita, confronte ao boceo deS.-Pedro, lo-
ja de BernardinodeSena.
Deposito da fabrica de
Todos os Santos na
Babia.
Vende-se, em casa de Domingos Alves
Malli.us, na rua da Cruz, n. 52, primeirs
andar, algodSo trancado dxquelia fabrica,
muito proprio para saceos e para roupa do
escravos ; bem como lio proprio para redes
d<* pescare pera paviosdo velas,, por (reg
mais commodo do que cm outra qualquer
parte.
Vendem-se cigarros de palha de milho,
hons, par prego commodo : na rua das Cru-
zes, n. 40.
Para quem precisar.
caiga por 2,210 rs. sendo o seu prego de
1,280 rs. o covado : tambem se vendem no-
vos cortes de cass#de cores, de muito bom
gosto, a 2,400 rs. : na rua doRCrespo, loja
la esquina que volta para a cadeia.
Alpaca com 7 pal-
mos de largura, pelo di-
minuto preco de 1/180
ris o covado, enmhraias
pintadas do melhor gosto que tem appare-
eido nosta fazenda a 2,400 rs. o corte, chitas
linas escuras pelo diminuto prego de 180
rs. o covado: na rua rua do Crespo, n. 6,
ao pedo lampenhao.
fta loja de Maya Ramos
&C., na rua Slova. n. 6,
vendem-se os mais modernos damascos
com flores de eflres, para vestimenta de pa-
dres e paramento de igrejas; ditos para
colchas de diferentes cures, por prego,
commodo.
Fazendas baratas e sem
defeitos.
Vendem-se novas alpacas da cordilo de
1.1a com differentes cores e muito moder-
nas, proprias para casacas e palitos, a 800
is. o covado ; dilas de seda muito bonitas o
hons padrfles, sendo lambem proprias para
vestidode luto aliviado, a 800 rs. o cova-
do ; ditas pretas de lSa muito finas, a 800
rs. o covado ; cortes de la para vestido,
com 16 covados, a 4,500 rs. ; ditos de 15a e
seda, muito finos e de bom gnslo, com II
covados e meio, a 6,500 rs. ; ditos de chita
chineza muito fina, com ptimo padrOes,
cores lixas e chegados ltimamente, a 3,400
rs.; brim pardo trancado de linho para cal-
gas, a 1,400 rs. o corte ; dito de quadros
azues, a 1,000 ra. o corte de caigas ou ja-
queta ; e todo o sorlimento de fazendas fi-
nas e giossas por muilo commodo prego:
na rua do Queimado, n. 27, armazem de
fazendas de Raymumlo Carlos Leite.
"Vende-se urna praia que cose, engom-
ma ecozinha; dous pardinhos, um de II
annos, e o outro de 6 : todos muito eTi
conta ; na rua do Fogo, n. 23
Arroz.e casca a 5/200
rs. a sacca
vende e na rua do Amorim, n. 35, arma-
zem du Tasso Jnior.
Potassa da Itussia.
Vende-se superior potassa da Itussia, da
mais viva que ha no mercado, por prego
commudo : na rua do Trapiche, n. 17.
Farelo a 5,00Q rs. a
sacca,
o o melhor que tem vindo a este mercado
na rua da Madre-de-I>eos, armazem de Vi-
cente Ferreir da Costa.
erarios de ferro.
Na fundrg.lo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Novldade.
A 1,000 rs. o covado.
Na loja dos barateiros da rua do Queima-
do, n. 17, vendem-se casimiretas de la,
pretas e de cOres, proprias para caigas e pa-
litos para homem e meninos, a 1,000 is. o
co/ado.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, lia
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Vende-se orna taberna bem afreguezada
para ierra, a qual vende diariamente de
12,000 a 16,000 rs., o tambem pode serbos
para o malo, por serem una das prin.cipaes
ras desta cidade : vista do comprador se
dir o motivo porque se vende : na rua dos
Marlyrios. n. 36.
Vendem-se dous bonitos moleques
ambos ptimos ofliciacsde sapateiro, sem
vicios nem achaques : quem os pretender,
dirijam-se a rua Direita, n. 115.
lotes de fusUo, a 640 rs.; chales de lila o
s >da do bom gosto, a 5,000 rs ; pegas de
oanno de linho superior com 20 varas, pe-
lo diminuto preco del 1,000 rs. a pega; bnm
como um grande sorlimento de fazendas
linas e grossas, por menos preep do que
ero outra qualquer parte.
-- Vende-se um mulatinho de 10 a 14 an-
nos, com principio do sapateiro. e proprio-
para pagem : na rua do Amorim, n. 33.
Vende-se una escrava de nago Cosa,
de 18 annos, que cozinhe. engomma o faz
o mais servico de urna casa do familia: na
rua do Hospicio, n. 42.
Vendem-se sapatfies do Aracaty, fal-
tos a capricho, muito melhores que os aoti-
gos, pelas recommendagOea daqui faltas, a
1,000 r. para se liquidar : na rua largado
Itozario, n. 35. loja.
Vende-se urna escrava de 26 annos, quj
cozinha, lava de varrella, engomma e cosej.
no lem vicios nem achaques: na rua da
Cadeia, n. 2, confronte ao Urna tro S.-Fran-
cisco, de meio dia em dianle.
(.'llegue11 ao barato.
Vendem-se lengos do pora seda, pelo d!-
minu'o prego de 1,280 rs ; luvasde pellica
pretaede ponto inglez, a 1,280 rs ; linas
casemiras pretas e do cores, a 5,000 rs.; go-
linhase pescocinhos para senhura; e ou-
tras muitas fazendas baratas: na rua do
Queimado, n. 9. D3o so as amostras com o
competente penhor.
" Vendem-se caixas com muito bom sor-
limento de sera em velas, farinha de trigo
em bairicas o meias ditas, alhos do Porto,
retroz de todas as cores, viiihoem. harria do
quinto e dequarlo, arcos para barricas, lio
porrele e pregos, ludo por prego commodo :
ua ruado Vinario, armazem de Francisco
Alves da Cuuha, n. 11.
Cheguem, freguezes, ao
barato.
Na rua Nova, n. 42, defronle da Concei-
clo, vendem-se chitas finas, a 140, 160 e
200 rs., riscado monstro de vara de largu-
ra, a 300 rs.; cortes de cassa, a 2,500 rs.;
chales do lita, a 560 re.; brim branco tran-
gado, a 600 rs a vara ; prgss de brim com
20 varas, a 6,000 rs. ; lengos, a 120, 160 e
240 rs.; corles de casemiras, a 4,500 e 5,000
rs.; Imoii de seda com palmo do largura, a
320, 400 e 480 rs. ; chitas francezas, a 360
rs.; riscadinhos francezes, a 180 rs. ; fazen-
da para caigas, 200, 240, 280 e 320 rs. o co-
vado ; brim pardo, a 600 rs. a vara ; lengos
de seda, a 800 rs. ; o outras muitas fazen-
das baratas.
-- Vendem-se bons e bem seceos toros do
lenha da Parahiba, bolando-se aonde os fie-
guezes quizer : na rua da l'reia-de-S.-llita,
n. 43.
Papel para forrar sala.
Acaba de chegar loja da rua Nova, n 11,
de Jos Pinto da Fonseca o Silva, sucessor
de Coerra Silva & C.; um completo sorli-
mento do muito lindo papel para forro de
alas, guarnigOe. e bairas, ludo do melhor
gosto possivel, sendo algum dourado deli-
cadamente, pioprio para adorno de salas
ricas, ca ellas mi consistorios, e duas salas
depaisajjcns, vende-se por prego commodo.
Na Lolira de Bartholomen,
vende-se o verdadciio ciiralo de
oiagnezia.
Cera em v lds do Rto-f
Prigos admiraveis.
%

f

Vende-se um brago de balanga com cor-
rentes e conchas, um terno de pesos de
bronze de meia arroba a meia quarta, urna |
balanga com marco para rap, um terno de
medrana para liquido, um dito para seceos
um caixao com seus competentes vidros'
uns fortes candieiros, duas pipas que teem
servido de deposito de ago'ardcnte, 2 bal-
cOes, una quaitola para azeile de (arrpa-
lo : na rua da Senzalla-Velha, taberna n. 15-
!I?!fci. Vende-se um sitio coro exrel- Z
|lente casa de vivenda cochei- a iites do
raqueaccommoda30cavallos T i'"l,, e carros: o sitio be cercado de cerca au-
va, tem grande exlensfio de terreno pro-
prio para toda e qualquer plantagao, com
150 pes de cuquen os que dSo fructo, e mais
arvoredos uteis, duas cacimbas d'agoa de
beber e mais bemfellorias quo com avista
o pretendento se (gradar : no Aterrinbu-
do-Ciqui, 11 128.
Vende-se Liz feixeira, obra interes-
santis.Mina para o terceiro e quarto annos
da academia, por prego mais commodo pos-
sivel : no pateo do Collegio, loja do livro
azul.
Alpaca prela de coi dao
e com 7 palmos de lar-
gura.
Vende-se alpaca preta de cordfio, muito
Cassase cambraias a 200. 240 e280 $:
rs. o covado ; chitas a 160 a 200 res f,
o covado; ciitas francezas moder-
as a 280, 300 e 320 ris o covado ; A
meias pretas para senhora a 120 ris
o par ; chales de 19a a 1,000 e 2,000
rs. cada um ; meios ditos de seda a
1.600 rg.; lengos com franja a 1,000
rs. golinhas de seda a 320 rs. ; posco-
cinims a 1,000 rs. e 2,000 rs. cada um;
bicos de blonde e de linho a 500.e800
rs. a vara; mantas de fil e escomilha
a 1,000 rs. cada urna ; luvas de seda
para senhora a 320 e 500"rs. o par;
dilas de pellica a 80 rs. ; lengos de *,
grvala a 320, 500 e 610 rs. cada um ;
corles de collete 1,000, 1,120 a'2,080 ?>
rs, cada um, sendo de gurguriln, se- aj-
ila e veludo etc.; chapeos a 1,600 a *
2,000 rs.: ditos de sol a 2,800 lis ; t
brim modernos de lindos
a 1,280 is.; brins depuro
Dho moderaos ,280 rs. a vara :
% vendem-se na rua do desdo, loja,
S9 numero 9.
&
O
O
o
o
o
t>
i
I
ir

Na rua da Cadeia do Recife, loja de fer-
ragens, 11. 56, vendem-se duas pretas o ion-
las, as qui.es lavam, engommam, cosinham
e cozem solTi ivelinenle; na mesma loja pre-
cisado alugar um negro cozinheiro : quem
tiver annuncie, ou dirija-se a indicada loja.
Feijao.
Vende-se saccas grandes com feijfio mui-
to novo : no caes da Alfandega, artnazem
de Antonio Aunes.
-- Na nova loja da rua do Queimado, n
3, vende-se selim de Maco, superior, a
2.560 rs. o covado; casemira prela fina, a
_ 2,5UO 1 a. ; cortes da dita de cores e de mu
piopr.a para caigas, sobre-casacas e veali- lo bom go,lo. a 7.000 rs o erte ; cobcrlo-
os: advertindu sos compradores, que es de algodSo grandes e bons, a 640 rs ,
urna sobre-casaca s.bo tor 3,810 re., o urna' o m.is pequeo 600 rs.; cor es do col
dc*Janeiro.
Vendem-se caixas com ce-
ra em velas fabricadas em
urna das melhores fabricas
do Kio-de-Janeiro ; sorli-
mento a vontade do com
SJ prador, por preco mais ba- S-'
<) rato do que em outra qual- <
quer parte : amado Vi- 9
2 g^rio, n. ig, a tratar com %
& Alachado &c Pinheiro. r
11 ua do Crespo, n. 10.
Na loja da viuva Freitas Gui-
rr.ares, vendem-se cobertores de
algod^o, pelo barato preco de 600
rs ; cortes de casemira patente,
4jooo rs ; picle azul de \a-
drez, a 100 rs. o covado ; brim
paidoliso, a loo rs. o covado;
cobertores de laa, a i,5oo rs. ;
cortes de cassa-chita de muito bo-
nitos padroes, a 2,200 rs. ; cortes
de meia casemira, a i,5oo rs. ; al-
daodelistras, a 160 rs. o covado ;
cassa franceza, a 160 rs. o covado:
e outras muilas fazendas que se
vendero por baratissimos precos.
Na rua Nova, n. 10, loja franceza,
rvcebeu-sa pelo ultimo navio vindo de Fran-
a ricos cabegOes de blonde branco ; ricas
toucas con, hico de matine e Dores, chai o js
de palha, aberlos e fechados ; corles de se-
da branca para casamentos ; bicos de bion-
de ; Invas de pellica ; ricos leques ; bicos
le seda ; um sorlimento de trangase fran-
jas para vestidos e manteletes; chapos
francezes para homem; perfumaras mui-
lo linas'; lindos encerados de todas as lar-
guras para mesase pianos ; e outras mui-
las fazendas novas e superiores por com-
modo prego.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000^000.
Na praga da Independencia, n. 3, que vol-
ta pata a rua do Queimado e Crespo, veu-
dem-se bilheles, meios, quartos, oitavos o
vigsimos da 11 lotera da candado do
Itio-de-Janeiro. Na mesma loja est paten-
te a lista da 22.' lotera do monte pi da-
quella provincia.



Vendem-se relogios de ou-
ro, com vidro, e sabonete, paten-
te ingles, cliegados agora: na rua
da Cruz, n. a, cesa de Geo
Kenworthy & C.
Vende se superior fio de al-
godSo, proprio parapavios de ve-
las e .para rede de pescara : no
rua da Cruz, n. a, casa de Geo
Kenworthy & C.
Vendem-se ricos apparelhos
de metal para cli i na rua da
Cruz, n. a, casa de Geo Kenwor-
thy & C.
Vende-se bezerro para cal-
cado, chegado pelo ultimo navio :
na rua da Cruz, n. a, casa de Geo
Kenworthy & C.
Manoel da Silva Santos ven-
de arroz do Maranhao a 1,000 ris
cada urna arroba : quem preten-
der dirija-se ao armazem, que foi
do fallecido Braguez, na rua da
Cadeia, n. 64.
:!
Manteletes e capotinhos.
fNa loja do sobrado amarello, nos
qualro cantos da rua do Queimado,
f; n. 29, vendem-se 1 nileles eespo-
f* tinhos de chamalote, pelo diminuto
? prego de 25,000 rs.
-- Vende-se urna preta moca, e sem vi-
rios : na rua do Sebo, n. 15
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos~nsSantos.
Na rua da Cadeia, n. 52,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
cscravos.
Na rita do Crespo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Das,
vende-se esguiao de algodo, a-
zenda dequatro palmo? e meio de
largura e fina, pelo barato preco
de 3ao rs. a vara ; Lrim tianca-
do branco muito encorpado e de
lislraao lado, a i,a8ors. o corte ;
dito de puro linho cor de ganga, a
1,600 is. o corte; e um completo
sortimenlo de fazendas por barato
preco.
Vende-se urna escrava de 18 annos,
rom milito bom leile para criar, nlo tem
tildo, e que engomma, cose c cozinha ; urna
dila com um lilho de 10 infles, e que en-
gomma.eozinha e faz lodo o mais servico
rio urna casa ;um escravo de 20 annos, de
boa figura, e que he ptimo para o servico
rie campo e da praca : na rua do Collepio,
n. 21, primeiro andar, so dh quem vende.
rS aixas para engenho.
Na fundico ile ferro da rua do Brum,
araba-se de rereber um completo sortimen-
lo de taixas de* a 8 palmos de bocea as
quaes acbam-se a venda por preco com-
modo e com prumptidao enibarcsm-se,
tu carrepam-seem carros sem despezas o
comprador.
Na loja franceza na rua Nova atraz da
n alriz, tem bonitos jarros de porcelana,
laiiteiiias de | do vidro, ditas decasqui-
nlia inglezas, ditas fracnezas, candieiros
rara sala, ditos de latSo para estudantes,
bengalas de rana, bandejas tinas, chapeos
deso de seda de cores para homem, fundas
para os quebrados, chapeos francezes de bo-
nitas formas, lencos de seda ile 1,000 rs. al
5,000 rs. para senhora e hom. ns, ditos de
morsulina, c outras muitas fazendas : sa-
palos de duraquo de cores para senhora a
800 rs., dilos de coro de lustro a-2.000 rs.
Assim como roja aos seus devedores que
ihe vam pagar, para nao mandar* lanas
vezes os seus caixeiios un suas casas.
Chegaram novamente a rua da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e piala
patente inglez, para homem e senhora.
Vende-se um pardo bom
olicial de alaiate : na rua do
Trapiclie-Novo, n. 16, segundo
andar, das 6 s 9 horas da ma-
nhaa, e das duas as 5 da tarde.
Na rua do Cabug, loja do portas, do
Ouarle, vendem-se calungas feitos do bor-
racha, os primeiros que teem vindo de Pa-
rs, pelo comn 01I0 preco de 800 rs.
Ao resto, ao resto
dos mais lindos manteletes que lem vindo
de Franca : Da rua do Crispo, o, 16, loja da
esquina das Cruzes.
\t-111 e-fe superior vinho engarrafado
ha mais de 7 anuos, lano branco como Un-
to ; pipas vasies de Lisboa ; e barucas Ij-
pas : 11a rua Has CriZ' s, taberna n. 20.
--Vende-se Cbtfs d'ceuvie de Voltaire, 5
v. in 18." i ,.-.i. ; Diccionaiio porluguez-
fiauceze franciz-poiluguez, por ronstea :
lloqueie, 2 v. in 8. grande por proco
com modo : na rua do Cresi o, n. 8.
-- VemJc-se urna taberna com poucos fun-
dos, na Passagem-da-Magdalena, na esqui-
na que vira paia u lien ojio, por baixo do
sobrado: a Iratar na rnesma Uberua, ou
no Alen o-da-lioa-\ 1.1,1, n. 80.
Vendcm-so pecas de madapoln com
20 varas; muito largo e com algum mofo,
a 2,500 rs. ; estopa propna para roupa de
cscravos e enfardar fazendas o tambem pa-
ra saceos, a 3, 4 e 6 vinlens e a 160 rs. a
vara, com alguma avaria; chitas, a 4,000
rs. a peca : na rua larga do Itozano, n. 48,
primeiroaodar.
Vende-se ur sitio em Olinda, ao cor-
rer da roa do Jogo da-Bola, com casa, mui-
los e variados arvoredos de fructo e boa cu-
cimba : a tratar na mesraa cidade, rua do
Amparo, n. S."
Oleo de linhaca.
Vende-se superior oleo de linha-
ca em botijoes : qiiem pretender,
rlirija-se a Manoel da Silva San-
tos, no armazem do Annes, no
caes da.AIfandega.
> Ilomoeopathia pura.
lina do Trapiche, n. 40. O
O Boticas e livros para o tramonta-
O ment dos enfermos pela homoeopa-
O thia : arham-se a venda por modi- a
eos precos.
m O I ir. Luz se oflerere a dar todos *
JJ- os esciarccimesnlos necessarios pa- 1
O ra o melhor uso dos mesmos. O
oooooooooooooooo
Farinlia de mandioca
nova, de S.-Caihaiina,
a melhor/arinha que ha no mer-
cado, vende-se a bordo do Mara-
Primeira, entrado no dia 6 do cor-
rrnle, por preco mais barato do
que em oulra qualquer parte: a
tratar com Machado & Pinheiro,
na rua do Vigario, n. 19, ou com
o captao a bordo.
Vendem-se amarras ae ierro: na rua
ia Senzalla-Nova, n. 42.
<*<
sg'-Li*a^. >
Na rua do Crespo, n. 12,
loja de A portas,
vende-se a pataca o covado de chita fran-
ceza de desenlios muitd modernos, cores fi-
las e pannos de superior tecido ; estas nflo
enganam, como tem acontecido em annun-
cios feitos em oulras parles, motivo por que
estes se teem tornado de pouco apreco:
venham os freguezes, que conhecersoa pu-
reza da verdade.
Vende-se um moleque de elgante fi-
gura, com principios de alfaiale, e que co-
zinha ; um dito tanoeiro ; 2 pretas de todo
o servico ; 2 pelos bstanlo robustos ; um
dito que se troca por um moleque que este-
ja cni idade do aprender officio : no palco
la matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4, se
dir quem vende.
Folhade I landres.
Em rasa de J. J. Tasso Jnior, na rua do
Aruorim, n. 35. ha um ptimo sorlimento
de folha de Flandres, de lodasas marcas, t
a retalho por prego mais barato do queem
outra qualquer parte.
Na rua do Crespo, loja
da esquina que volta
para a cadeia,
vayidem-sc cuites de casimira prcta, muito
boa, a 5,500 e 10,000 rs ; panno prelo, mu
lo bom, a 3,200, 3,8(0 e 5,500 rs. o covado ;
cortes do collele de fuslflo, a 640 rs. ; dilos
de setim de cores, a 2,000 rs. ; ditos de gor-
gorito, a 1,600 rs. ; esguiSo do linho, muito
lino, a 1,280 rs. avara.
Vrndem-se, na rua do Crespo, n. 11,
Jess Clirislo perante o seculo, novo, poi
2,500 rs.; Magnum Le&icon, or vaiios prc-
Cos ; Historia sagrada, por 3,000 rs.; Novo
testamento, por 5,000 rs.; Diccionario in-
glez de pronuncia, por 5,000 rs.; dito fran-
cez e lalim, por 2,500 rs ; Chamar, philoso-
phia, por 4,000 is. ; Algebra e arithmetica
de Lacrois ; Sevcne ; obias martimas ; Eu-
clides ; Cdigo commercial portuguez; Dic-
cionario de Vieira, por 3,000 rs. ; Manud
dos collectores ; Meslre inglez ; dito fran
cez Horacio; Tilo Livio ; Salustio ; Vir-
gilio ; Cometi; Fbulas; Selecta; Carlas
| 'e Cicero; Cantos sagrados, por 200 is. ; S.
M'guel, por 120 rs ; Gemido d'alma, por 80
rs.; e outros muilos livros o mais barato
Possivcl.
Xa rua do Crespo, n 1,
loja de Jos Francisco
Dias, vende-se
risrado francez de quadros escuros, fazrn-
da muito fina e fixa, pelo barato [teco de
200 rs. o covado; pecas de esguiSo de al-
god.lo de 5 palmos de largura e rom 10 va-
ras e. meia, a 3,900 rs. a |eca, e a 320 rs. a
vara.
Vendem-se, na loja de 4 portas, na rua
do Cabug, do Hilarle, trancas pretas e re-
quififes dos rnelhores desenhos que teem
vindu de l'aris: tambem se vendem cau-
dieiros e palmatorias ingieras
Vende-se um grande sitio na estrada
dos A filie tos, com muito boa casa para fa-
milia, rectificada de novo, com multas di-
versas qualidades de arvoredos bem replan-
tados, cono sejam : multas larangeiras de
diversas qualidades, sapulys, fiucta-piio,
jaqueira.^ coqueiros, mangueiras. cajuei-
ros, e oulras multas dive>sas fiucteiras,
hortaliee, grande baixa para capim, queso
com a vista se poder melhor informar o
comprador: na rua do Queimado, n. 10.
-- Vendc-se um ptimo sobrado i e um
uiiiar, sitio na rua das Cinco-I'ontas, em
chilos proprios, por preco com modo : na
rua da Cadeia de S -Antonio, no segundo
miar do sobrado da esquina do becco do
Ouvidor.
Na loja de Haya hamos
& C na rua Nova, n. 6,
Vende-se urna espada e urna banda para
nfilcial subalterno da guarda nacional, por
preco commodo: na Camboa-do-Carmo,
n. 33.
1 arinha de mandioca de
S.-Catharina.
Chegou em direilura de S.-Catharina o
brigue nacional Minerva, com um carrega-
mento da superior familia muito nova, e
acha-se tundeado defronte do caes do Ra-
mos, onde se vende a preco commodo, ou
em casa de Manoel Ignacio de Oliveira, na
Traca do Commercio, n. 6, primeiro andar.
-- Venr'e-se, por preco commodo, um o-
tanto e um volumo de taboinhas nuticas':
indo em muito bom estado: na rua da Ca-
dera, n. 56 A, loja de ferragens de Antonio
Joaquim Vidal.
Farelo novo a 5,S00 rs.
Vendem-se sarcas grandes com 8 arro-
bas de farelo, chegadas no ultimo navio
de llamburgo : na rua do Amorim, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Vendem-ae queijos do reino, a 1,120 rs
manteiga franceza, a 480 is.; ngoicas.a
400 rs a libra : na rua Direita, n. 14. v*
mesma venda precisa-se de um feitor para
um sitio distante desla praca 12 legoas, pre-
k-rindo-se das ilhas.
A elles entes que se
acabem-
Vcndem-sesaptOesde couro de lustro,
celo baiatissimo preco de 2,500, 3,000 e
4,000 rs. ; ditos de bezerro francez, feilos
no paiz, a 2,500 rs.; sapatGes brancos do
Aracaly, a 1,000 rs.: na rua da Cadria do
flecife, n. 9.
Vende-se sellins inglezcs.
elsticos, cabecadas, e couros de
porco : na rua da Cruz, n. 2, ca-
sa de Geo Kenworthy & C,
Novo sor to ruto de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao pe*
do lampea .
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores fixas e com 4 palmos
de largura, a 320 rs. o covado; cortes da
dita a 3,000 rs. ; riscado d llstras de li-
nho, a 240 rs. o covado ; dito de algoddo, a
140 e 160 rs. o covado ; cortes de brim par-
do rlaro, com duas varas e urna quaita, t
1,600 rs.; riscados monstfos, a 2O0rs.o
covado; znarte azul, a 200 rs. o novado;
chitas, a 160 e 180 rs. o covado ; fustfio, a
640 rs. o corte; chales de tarlatana, a 500
rs. ; cobertores de algodflo americano, a
640 rs.; e outras inuilas fazendas por bara-
to prer;o.
Moendss superiores.
NafundicSode C. Starr & Companhis1,
em S.-Amaro arham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo >
construcco muito 'superior.
Madama C. Aneelle,
com casa de modas francezas no
Aterro-da-Boa-Visla, n. ia,
receheu pelo ultimo navio vindo da Fran-
ca, um giande sortimenlo de modas, como
sejam : chapeos muito ricos de seda e de
palha, tanto armados como sem o seren:
lilas de seda para chapeos, tanto de setin
como de tafita, lisas e lavradas; bicos di
blondeede linlio, brancos e pelos de lo-
rias as larguras; manteletes muito ricos e
da ultima moda ; flores e plumas de todas
as qualidades ; ronieiros de fil e de cam-
braia bordados ; ricos lencos de cao braic
rie linho bordados e com luco a roda, par
mflo ; luvas de todas as qualidades, lanti
mas qilandeims.'eque cozinham e lavam
le sabflo, por preco muito commodo.
Novo sorlimento de la*
zendas baratas.
Vondcm-se cortes de cassa-ebita muito
bonitos, a 2,600, 2.400 e 2,800 rs.; riscadi-
ohos de linho, a 2(0 rs. o covado; dilo de
algodSo muilo encorpado, proprio para
roupa de escravos, a 140 rs. o covado ; cor-
tes de brim branco de linho, a 1,500 j. ;
lito muito bom, a 1,700 rs. ; dito amarello,
11,600 rs.; dito com listra o lado, a 1,280
rs. ; cassas de cores muito bonitas, a 320
rs. o covado ; riscados mooslios com qua-
lro palmse meio de largura, a 260 rs.
covado; zuarlefurla-cres, a 200 rs. O co-
vado ; pecas da cambraia lisa com 8 varas
a meia, a 2,720 rs.; chitas de bonitos pa-
drOes, a 160 rs. o covado; ditas muito li-
nas, a 200, 220, 240, 260 a 280 rs. ; lencos
le seda para algibeira, a 1,000 e 1,280 rs. ;
litos para grava ta, 1,280 rs.; e outras mui-
tas fazendas por preco commodo : na rua
lo Graspo, loja da esquina que volta para
a cadeia.
Vendem-se lonas imperiaes,
as rnelhores que ha no mercado, e
brimzSo para velas: na rua da
I Cruz, n. a, casa de Geo Kenwor-
thy &C.
Cassas pretas a 140 rs. o
covado.
Vende-se cassas poetas de muito bom gos-
to a 140 rs. o covado : na rua do Crespo,
loja da esquina, que volta para a cadeia.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
BA DA SKNZALT.A-NOVA, N. A^.
Neste estabelecimento conti-
na a haveium completo sorti-
nento de moendas e meias moen-
is, para engenho; machinas de
"apor, e tachas de ferro batido
coado, de todoa os tima ni'os,
para dito.
O
Na rua do Trapiche, n. 8, O
^ escriptorio de llenry Forster ^
& tompanhia, vendem-se *
O
O
O
vendem-se ricas bandejas de charfio, de to-
jos os lmannos, com guarnicao de fina
casquinha ; dilas sem guarnicia; grinal-
das para noivas ; flores brancas, rozas, la-
ranja e avelludadas ; trancas de diflerentes
ciese larguras ; e oulras umitas fazendas
para encitesde senhora: ludo muilo em
cunta.
--Vendem-se duas casas terreas sitas urna
no paleo do Terco e a outra na rua Impe
i I. com um grande kolio na fenle e en-
vidrcado : ambas com grandes quintaese
cacimbas : na rua do Queimado, n. 65.
para honjem como para senhora ; e outra.*
muitas fazendss por preco commodo. N
mesma casa fazem-se manteletes e chapeos
para senhora, do mais apurado gosto, poi
menos preco do que em outra qualquer
parte.
Arados de ferro.
Vendem-se arados de ferro de difle-
rentes modelos : na fabiica de machinase
iinriieio de ferio, na rua do Brum,
ns. 6, 8e10.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Itah,
Vende-se em casa-de N.O. Hieber & C.
aquella fabrica, muito proprio para saceos
le assucar, roupa de escravos e fio tirotrio
para ledes de pescar, por preco muito com-
murio.
Deposito de Potasea.
Vende-se muito nova potas?,
le boa qualidade^ em batriszinho-
pequenos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se no vende: no Kecife.
ruada Cadeia,armazemn. ia.
Bom e barato a. 1,800 rs.
o rov,do.
Vende-se, na rua do Livramento, n. 14
merino prelo de duas larguras, a 1,500 rs o'
rovario ; meias casimiras de bonito costo
a 2,500 rs, o corte; dilos de cassa-ehita
mnito finos, a 2,200 rs.; rhiles de seda, a'
5.000 rs. ; psnno fino prelo para casaca a
3.000 3,500 rs ; e muito fino, a 5,000 rs
diales decassa com avaria, a 500 rs- ; ris-
cadinhos de linho para jaquetas, a 4o rs
o covado ; boas eambraias para vestidos a
5,200 rs. o crt; cambraia drt seda, a 5 500
-8. o corle ; e oulras muitas fazendas bara-
tas, como sejam : madapolos, a 2 600
2,800, 3,200 e 4,000 ra.; e muito fino, a
4.800 ra.
--.Na rua do Cabug, loja de quatro por-
tas, do linarte, vendem-se trsncinbaa de
13a, propriaa para enfeites de roupas de me-
ninos, de cores, a 80 rs.
- Na rua das Cruzes, n 82, segundo an-
dar, vendem-se duas pretas, urna de 20 an-
uos, e a outra de 30, que engommam, co-
sem chfio, cozinham bem e lavam da sabo
pniiiua, veuuem-se @
dona cavadlos capados, ero8 ?
muas, vindos de Buenos-
Ayres na barca americana
MusJu'ngam: as pestoas que O
q o pretender, dirijam-se ^
05 meama casa. q
6 O
o Aterro-da-Boa-Visla, hja n.
18, vendem-se por diminuto
preco as seguintes fazendas :
meias para meninas, a 40rs. o par; chitas
finas de assenlo escuro, a 100, 120, 140 e
160 rs.; meios chales de 13a escuros, a 320
rs. ; fuslflo branco, a 320 rs. ; fazenria para
toalh, a 320 rs. ; lencos de cambraia e de
cssa, a 240 rs. ; ditos de garca, a 500 rs. ;
eambraias e cassa de ries, a 280 rs.; sarja
de Ifla de dnas larguras, a 640 rs. ; alpaca
preta o mais fino possivel, a 800 rs. ; casi-
neta de urna s cor e de quadros e lislras, a
600 rs. castores para calcas, a 200, 210 e
320 rs. algodflo me.-clailo n.uito forte rara
escravos, a 180 rs. o covario; lenco i'e se-
da para grvala, a 500rs ; rolles do mais
fino e moderno fuslflo, a 1,600 rs.; cortes
de cassa para vastirios, a 2.000 rs. ; risca-
dos monstros, a 240 rs. ; brins de linho,
neo c eOr rie palli, a 800 rs. a vara ; ma-
balaiode miudezas para com elle subir pa.
rao centro; chama-se Maria Joaquina i
foi escrava rie ora aenhor.de engenho. cha-
-nado Manoel Buarque; levou vestido de,
chila azul, panno da Costa, camisa de u
nodlJoznho e mais urna" trouxa com um
ve8lido branco, umasaia preta de lila um
panno preto, um vestido de riscado escur
um frasco dagoa de Colonia, urna faca do
mesa, de cabo branco, urna ligclla nenue
na e urna colher de cha. Itoga-so, portante"
as autoridades pol.ciaes, capitfles Jo caml
poe oulras quaesquer pessoas, que a apprc-
hendam e levem-na rua dos Quarteis, lo-
ja de miudezas, n. 22, qu9 gero recom-
pensados.
Fugiram de bortlo do brigue
Ssm-Par, vindo do lUo-de-Janci-
ro, dous escravos, sendo um de
nme Sabino, de cor parda, esta-
tura regular, de ao annos pouco
mais ou menos ; levou ca!9as e
camisa azues, e bonete encarnado:
o ou tro de nome Euzebio, criou-
lo, de a4 annos pouco mais ou
menos, estatura alta; levou calcas,
camisa e bonete azues. Boga-ae as
autoridades policiaes e cpitSes de
campo, que os apprelrfendam e le-
vem-nos ruado Trapiche, n. 34,
casa de Novaes 8c Dompanhia, que
recompensar.
Fugio, do Rio-Grande do norte para
esta provincia, o eser.vo Joflo. cabra, per-
lencenie ao doutor Victor Jo- de Castro
llarrocs, morador naquella cidade ; he'de
oequena altura, de 22 annos, rosto regular,
cabellos um pouco chegados, sem barba ;
he um tanto eheio do corpo, nariz e bocea
regulares ; quando esta com medo gagueija
alguma cousa: quem o pegar leve-o rua
da Cadeia do Recite, n. 54, que seri gene-
rosamente recompensado. Adverte-se que
he provavel que o dito escravo anda se
che nrsta cidade, porque ha 4 dias foi en-
contrado : tambem ja foi bolieiro.
Urna recompensa.
Acha-se fug'ds, desde o primeiro do Br-
renle anuo, a preta Maria da Cruz, de 40 e
tantos anuos, cara redonda e enrugada ;
tem um denle Tallo na frente ; he baixa e
um tanto cheia do corpo, mflos e ps pe-
queos ; tem as unhss dos ps retrocidas e
muilo grossas, tendo nos mesmos alguns
cravose urna marca de ferida em um dos
tornozelos ; tem urna canella qussi toda
foveira proveniente de outra grande ferida
que leve ; d muito cavaco quando Ihe fa-
zem cuz; he muito condecida de alguns
olliciaes de pedreiro, por ler trabalhsdo da
srvenle em algumas obras,.e em algum
lempo que venda agoa ; lem sido visla em
Olinda e nesla cidade a vender agoa : quem
a pegar leve-a iao Aterro-da-Boa-Vista, n.
17. fabrica de licores, que ser generosa-
biar
dapolflo risrado com 4 palmos de larg
a 240 rs ; saigelim com algum mofo, a 120
rs..; e outras muitas fazendas por baratis-
simo preco.
Vende-se, por grande precislo, um par-
do de 18 annos pouro mais ou menos, h-
bil para bolieiro, e tem oflicio de sapaleiro:
na rua rio Rangcl, n. 36, armazem.
Ha loja de seU portas.
A produeco de alcaiades
O administrador desta loja reconhecen-
'o ler anda muilos alcaides, os quaes quer
troea-losporcedulas vende-os por barito
preco, como sejam i cassa preta de bonitos
padrOes, a 120 rs. o covado ; chales prelos
de rede, a 390 rs ; ditos de cassa branca, a
480 rs.; dilos pequeos de chita para me-
ninas, a 240 rs.; alpaca de cOres, a 480 rs. o
covado ; dita preta, a 610 rs. ; merm,
1,280 1.600 e 3,000 lino; riscado monslro.
240ra.; e lodaaas mais fazendas em um
completo sorlimento. por pree,os que con-
vidan) a g>star-se dinbeiro.
Vende-se cevada barata no
arm.v/ein de Joaquim da Silva Lo-
pes, na porta da alandega.
Vende-se um ti rreno no Ciquia, deno-
minado Cassole : na rua larga o Rozario
n. 23, se dir quom vende.
Vende-se urna vscca boa de leito, e que
serve para acougue por estar gorda, e com
urna cria de um auno na rua da Cruz, no
Recife, n. 5, tobrado.
Vende-se urna taberna na Iraveasa do
Queimado, n. 5, com poucos fundos, e que
lie bem sl'reguezada: a IraUr na mesma
Uberua.
......ai iiissii imiitmmmmmmmsmmmmmm
kutCftiVitr V
o*-
U1UMUDUC9, porque ja de
Juas ditas de nacflo Angola e Costa, opli-1 outra vez que fugio foi eucoutrada com um
Fugio, no dia II do prximo passado'
urna prcta de 30 u 40 annos, de nacSo {Con-
go, baixa, gorda, cOr retinta, bexigosa,
olhos pequeos; lem em urna das faces um
signa! de carne, andar alrapalhado, porque
puxa por urna perna ; de bastante desem -
baracada no fallar, asante ardilosa e ca-
paz de Iludir qualquer pessoa que a nao
conheca bem ; sabe de quasi lodaa as po-
voacoesda [.rovineia, por ler andado a ven-
der miudezas pelo mallo, de cujo saber
(alvez se lenha servido para melhor illudir
vigilancia das autoridades,
mente recompensado.
200,0001 s.
Fugiram, no dia 13 do prximo passsdo,
do engenho Novo de Serinhaem, os escravos
seguintes : Thoinaz, cabra-escuro ; tem os
olhos palmas das mflos amarelladas, cor
fula, representa ter 25 a 30 annos, com olli-
ein de pedreiro, pescador o do corlar carne;
be muilo regnsti : Amaro, cabra-claro, rio
45 a 50 annos, com bastantes cabellos bran-
cos. pernaaflnas, ps apalhelai'os ; de mui-
to preguicoso para qualquer servico ; heca-
noeiro; costuma andar sempre ebrio : es-
tos escravos quando fugiram foram a praia
doGamefla, do llio-Formoso, onde com-
praran) urna jangada e seguirn) na mesma
para a provincia das Alagoas, de onde o di-
to Amaro he natural, e que tem paientes
para o centro : quem os pegar leve-os o
Silveiio Joaquim dos Santos, na Camhna-
do-Carmo, n. 33. que ser gratificado com
200,000 rs.
Fugio, no dia primeiro de maio, do en-
genho ivdiegullio, da comarca de Nazarelh,
um escravo de nome Luiz, Carreiro, que
por indicies dever ler seguidoo o caminho
pasa a freguezia de Una, d'onrie he natural ;
he crioulo, baixo, alguma cousa cheio do
eorpo, ps e mflos sadius ; tem o dedo in-
des da mflo esquerda forado quasi pelo
meio, com falta de denles na frente do lado
superior ; tem-boa falla e de phisionomia
agradavel; |Jeter25 a 30 annos; levou
chapeo de coura, malotflo decoiiro da ove-
Iha, camisa azul e calcas rie riscado : quem
o pegar leve-o ao Rio-Formoso, a Jnfio Ca-
valcanii, senhor do engenho Ara guary, |em
Una, ou ao Recife a Jos Maria Ferreira da
Cunha, na rua do Queimado, n 44, que se
recompensar generosamente,
Venceslao, pardo agarapado escuro,
alto, scrco, de 18 a 20 annos, quando do en-
genho S.-Aiilonio Grande fugio, princi-
piando abarbar'; lem urna cicatriz em um
dos la los rio queixo, cabera redonda, ca-
bellos prelos e muidradica-tos ; temolhar
le porco, olhos vermellios, pernss e bracos
linos, inlos e |s grandes ; he tabaquista,
falla alguma cousa fanhoso ; funio no dia
10 de marco de 1815, para o quilombo rie
Vicente de Paula, e d'alli em Janeiro de 1848
saine para o centro | or le Ida mandado
dar o mesmo Vicente dons liros.flfos quaes
smente foi ferido em um braco : quem o
capturar, ou delle der nolicia nesla praca a
Joflo Francisco de Atahide, e as Alagoas,
ao commendador Jos Paulino de Albu-
querque Sarment, pruprietario do er.ge-
ndo S.-Anlonio-Crande, ser recompeii>ado
com 100,000 rs.
Fugio, do engenho de Tres-Boceas, no
dia 17 de fevereiro passado, um pardo com
os signses seguintes : baixo, grosso, sem
barbs, de 20 annos pouco mais ou menos,
cabellos enroscados, olhos grsndes e aga-
ropados, bem feilo rie corpo, perms e ps,
nariz chalo, beicos grossos, bocea legular o
com todos os denles ; intitula-so forro, e
como tal vem monido de um passapoi ln fal-
so como qual Iludi as autoridades de
Barra-Grande: quem o pegar leve-o ao di-
lo engenho, ou ao Recife, em casa de Ma-
noel Joaquim Ramos e Silva que em qual-
quer das partes ser generosamente recom-
pensado.
PBN. : HA TTP. DE M. !>. DE miA. 1850
MFI HfiR FVFMP


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3VQC88CC_JIXN59 INGEST_TIME 2013-04-24T15:48:38Z PACKAGE AA00011611_06911
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES