Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06904


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVI
Quiuta-feira 0
MBTIDtf O- OOBMIO.
Coianoa e Parahiba, segunda, esextas felras.
tt"o-G?iu.de.do Norte, quintal feras ao meio-
Cab1>%erlnbem, Rio-Forinoo, Porto-Calvo
e Macelo, no l.#. e 21 de cadamez.
Caranhuns e Bonito, a8 e 23.
Boa-VUU e Florea, a 13 e 28.
Victoria, as quintas reirs.
Olioda, todos os dial.
IBES.
MIng. a 4, s 8 h. e 20 m. da m.
Nova a II, as 8h.e 49in.dat".
Cese, a 18, 1 h.e 33 m. dat.
Chela a 25, s 9 h. e 48 ni. da t.
ntujeas XB Mi,
Prlmelra as 2 horas c G minutos da Urde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da manbaa.
de Maio de !8M>.
N. IOS.
arpo da nncai9Ao.
I'ortres inezes (dianlado) 4/000
Por seis mezes o/MO
15/000
Por un anuo
DA.*) DA llHAWt.
6 Seg. S. Joiio ante portam latinam. Aud. do J.
orf. > ni. v.
7 Tere. S. Estanislao. Aud. do uhanc. do J. dal.
v. do civ. e do dos feitos da fazcada.
8 Quart. S. Helladio. Aud. do J. da 2.v. do civcl.
!i y n i ii t. 8* Asceucao do Senhor.
10 Sexl. S. Anloniuo. Aud. do J. da I. v. do civ. c
do dos (jeitos da fazenda.
11 Sab. S. Auastacio. Aud. da Chae, e do 1. da 2.
do crlme.
12 Doiii. S. Jotnna Princrza.
OlaniOI KM 8 DE MAIO.
Sobre Londres. 87'/, d. por 1/000 r. a 60 das.
Paria, 346.
Lisboa, 95 por cento.
Onro.-Oncas hespanhoes.........29/000 a 29/500
Moedas de 6/400 velhas.. 16/600 a 16/800
. de 6/400 novas .. 16/200 a 16/400
. deiOOO........... 9/100 a 9/200
/raW.-Patacdesbrasileiro....... J/60 a /980
Pesos coluranario........ /9W g
Ditos mexicanos.......... V??0..* W-
PARTE OFFIC1L.
(OVERNODA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 20 DE ABRIL.
ollicio.--Ao commandante da trac*, in-
loirando-o de haver arbitrado a Kralilicacflo
de 60,000 rs., ao paisano Marcellino Bandci-
ra Torres, que se olTereu para assentar pra-
c;a em primeira linlia.--Inlelligenciou-so
ao inspector da pagadoria militar.
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
ordenando que caso exisla alguna mena
prompta naquelle arsenal, mande fornecer
pma ao director do lyceu para o sello do
mesmo estabellccimento, e prevenindo o de
que ilevo enviar a conta da dita mesa para
ser sstisfeita.--Scienlificou-s ao director
do referido lyceu.
Dito.A'cmara do Recife, approvanrio
que a cadeira de primeiras letras da fregu-
zia dos A rogados, seja regida por Jos Justi-
no de Souza, durante o impedimento por
molestia do respectivo professor Commu-
nico-o aO inspector da tliesouraria da fa-
zenda provincial, e ao director do lyc.
Portara -O presidente da provincia, at-
ten leudo que a obra dos reparos da ponto
de Goisnoa, da qual be arrematante Jos
Filippe Bezerr de Menezes, no foi conclui-
da no praso estabeleciJo pelo contrato de
arrematado feito 10 de junbo de 1847,
reolve:
Artigo 1. O arrematante dos reparos da
poiiie de Goionna, e n seu respectivo fiador
san multados, de conformidade com o arti-
go II do regulamento das arrematares de
tldcjulho de 1843, na decima parle do
valor da arrenatag.lo.
Arl. 2 A referida obra ser concluida
por administrarlo custa do arrematante,
e scu fiador, os quaes silo solidariamente
obrigados pelo excesso de despeza, que se
fi/er com a conclusdo da mesma, compara-
da a sua importancia com o preco por que
foi a obra arrematada.
Art. r O engi-nliriro Lieutier fica enear-
regado da direcedo, eliscalisacSo da obra
3ue dever ser feila pela forma, esbeon-
iefle* no ornamento, plantas e perlis, que
scrvirilo de base a airematscDo.
Arl. 4. Concluida a obra, tirar-se-ha a
conta geral da ilcspe/a, e no caso de exces-
so da quantia, por qiio foi arrematada, ser
a cot>t* remettiila ao procurador fiscal, pa>a
proceder contra o arrematante eseu fiador,
para indemnisacSo da fdzenda provincial.
Art. 5.* Esta rcsnlurflo ser por copia re-
mettiila ao procurador fiscal paia proceder
desde j contra o airematar.le e sru fiadoi
pela multa, em que incorreram, sendo
igualmente communicada aos demais em-
pregados, a quero incumbe a sua execucSo.
Nesle sentido expeJrain-se as convenien-
tes ordena.
DEM D DA 22.
Offieo Ao commandante da praca. re-
cooimendando a expedieflo de suas rleos,
para que do'quarlel do Hospicio se in.in.li
por una sentinella vedar, quivse faga des-
Scjo publico no largo do meamo Hospicio --
cientificou-se a cmara municipal dolie-
nte.
Dilo.--Ao mesmo, remetiendo, em cum-
plimento do aviso da guerra de 27 de que
trata a nota final da quo baixou com o de-
creto n. 47 de 8 de Janeiro de 1848, que re-
gula o numero dos utensis, que deven ser
tornenlos s fortalezas.
Dito.--Ao inspector da Ihesouraria da fa-
zenda provincial, remetiendo a conta da
despeza feta de margo do anuo prximo
passado at fevereiro ultimo com os presos
pobres da cadeia deSerinhaem, afim deque
mande entregar a.Guillieniiedos SantosSa-
zisauuantia de 31,280 rs. < m que importa
a mesma conta.luleirou-se ochefede jo-
lina.
Dito.Ao mesmo, scientificando-o de tei
sido Humeado Joaquiui Clemente dos San-
tos para o lugar de sjudaate do porteiro da
casa da assembla legislativa desta provin-
cia. Coromuuicou-se ao primeiro secrelario
da mesma assembla.
Dito. A' adminislrac3o dos eslabelcci-
mentus de caridade, para que mande reco-
Iber ao hospital de cuidado a lim de ser alli
tratado o soldado do corpo de polica Jos
Rodrigues Itocba, que padece de loucura, re
metiendo depois a conta da despeza que s<
liouver de fazer com o Iratamenlo do ints-
imi soldado ii ti ni de ser salisfeita.--Intelli-
genciou-se ao commandanle do referido
corpo. c
DEM DO. DA 23.
Ollicio.Ao inspector interino da thesou-
raria da fazenda provincial, para que remel-
la secretaria da presidencia afim de >er
enviada assembla legislativa desta pro-
vincia, que a exige, copia do contrato cele-
brado entre a mesma lliesourarin, e o arre-
matuile Manoel Ignacio de Oliveira Lobo.
DiloAo mesmo, declarando que, nflo
obstante achar se esgota a a quola do rs
1:500,000 votada peto 6 do art. 29 da
lei do orcamento vigente, pode fazer as dat-
pezas precisas com o expediente das lies pri-
meiras secces daquella Ihesouraria e do
consulado provincial.
Dilo.Ao mesmo, ordenando que mande
adianlar ao ei:gcnheiro Milet a Juanita de
1:000,000 rs. para a conclusflo das obras do
dic mo-segundo lauco da estrada do Pao-
do-Allio, visto acliar-se esgotada a segun-
da pieslanio de igual quantia que se Ihc
mandou abonar.- Neste sentido olllciou-si
ao administrador das obras publicas, e ao
referido engenlieiro.
Dito.Ao administrador das obras publi-
cas, remetiendo as cotilas da despeza feitu
de 18de marco ultimo IS do correte, com
as obras da ronclu'flo da segunda parte do
nono lanco da estrada da Victoria, afim de
que mande acreditar o engenbeiro Milet na
quantia de 260,040 rs em que importa a
mencionada conta.Inleirou-se aodiloen-
geoheiro.
Dito.Ao director do arsenal de guerra,
autorisando-o a despender a quantia de rs.
165,100 para poder rornecer ao quarlo bata-
lliflo de artilharia a pe a bandeira imperial
mencionada no pedido que remelle.--Com-
municou-se ao inspector da pagadoria mi-
litar.
Portara.Elevando o ordenado do enge-
nheiro l.ieutber a 2 000.000 rs annuaes.
Fizeram-se as convenientes commuoica-
Sm. ...
Dita O presidente da provincia, ordena
ao Sr. engonhero Lieutbier que trate de
continuar os estudos e Irabalbos graphicos
da estrada do Po-do-Albo. dividindo os
fiesmos estudos o trabalhos em secgOes ou
tonrjosde mil bracos pouco mais ou menos,
e dando-lhes todo o desenvolvimento neces-
sario para que os ditos Uncos possmi s- r
feitos por arrematadlo. A' proporc.no que
f,ir concluindo os estudos de cala um dos
laucos os apresenta' direcloria das obras
publicas para que sobre elles d seu paree r.
O dilo Sr. engenlieiro requisitar o adianta
ment que fr necessario para ctfmecc dos
referidos estudos.
Commando das armis.
Quartel general novilla de Agoa-Prela, 25 de
mareo de 1850.
ORDEN D DA N. 14.
fleconbecendo o mareclial de campo-gra-
duado cimmandante das armas desta pro-
vincia a urgente necessidade, que lia de ser
encarregado interinamente do c Humando
do segundo batalhao de fuzileiros, vislo
que o Sr coronel da primeira classe do cs-
tado-maior Manoel Muniz Tavares, a quem
o governo imperial confiou o con mando in-
terino do dito batalblo, ncha-se no exer-
cicio do commando da guarnicSo do Reci-
fe, iim odlcial com as habililacOes, que re-
conhecidamente orriHo a pessoa do lllm
Sr. lenente-coronel Feliciano Antonio I al-
c!lo, jolga de scu rigoroso dever, a bnm da
disciplina militar, que importa influir e
manter nos cornos do exerciio, delera mar
que o mesmo lenente-coronel marcho ins-
tantneamente para a cidade do llecife, e
assuma o supracitado commando.
Antonio Correa Seara.
Quartel general na villa de Agoa-Preta, 26 de
marco de 1850.
OltDEM DO DA N. 15.
O niarechal de campo graduado e com-
mandanle das armas faz constar todos os
Srs. commandanles de curpos, companhias
fixas e fortalezas, que o quartel-general do
mesmo commando das armas desta provin-
cia est actualmente fra da cidado do le-
cife, e boje na villa de Agoa-Prela, para on-
de eumpre, que, at nova deliberacio, 08
referidos Srs. commandanles enderecem, t
na conformidade da ordem do da n. II, da-
tada de 6 do correte, toda a corresponden
cia do ervico, como importa a disciplina e
economa dos meamos corpes, da inheren-
cia dos commandanles das armas, em face
do r Enlmenlo de 8 de maio de 1813, que
encadeia allribuicOos relativas, graves em-
peos cumprir.
Os supiacitados corros, com cxcepQio do
t. c5.' de cagado-es, e 5. de fuzileiros,
estilo em falla do dever de remetter ao quar-
tel-general as respectivas nformacfies de
conducta dos ollcaes, cadetes e inferiores,
do semestre lindo em dezembro ultimo !
l o mesmo mareclial de campo graduado
ignora, mediante o desvio que tem liavido
das regras proscriptas na legislado o or-
dena em vigor, quaes oa corpos do excrcito,
existentes nesta guarnicBo, que teein dei-
xado do fazer peridicamente as remessas
dos mappas, conta dos conselhos adminis-
trativos, e outros papis, que deven soi
Iransmitlidos ao governo imperial e ao da
provincia.
E, porquanlo, espera o general comman-
danle das armas, que o Sr. commandante,
a quem faz applicavel semelhante admoes-
lacSo, preencher eslautaneamente os seus
dev< res, abslendo-sc, por esta vez, de qua-
Iidear sumelliantes faltas, deixa de addi
mais fortes observscOcs a este respeilo, e
de invidar os meios possiveis a represso
de taes abusos.
Antonio Corra Stra.
EXTERIOK.
O ESTADO DA FRANCA.
Paria, 21 de mareo de 1850.
As eleicOes para ai quaes toda a Franca, e
poiso accrescentar, toda a Europa, olhava con.
o maior interesse, sao j passadas. O resilla-
do das que tlveram lugar em Pars encino o
espirito publico de consternscao e terror. Pen-
sou-se que ludo eslava perdido ; que a rep-
blica democrtica com todas as suas conse-
quencias era agora inevilavel: seja-mc porein
perin nido diser, que couiquanlo baja nimia;
cousas que deplorar, e uiuilas proprias para
ouAruiar mais presagios para o futuro ; toda-
va tambein lia alguina cousa propria para dar
annsolaco, algiima cousa propria para fazer
reviver as esperancas de que este paiz anda
pode chrgar a mu governo eslavel, que assuma
a ordem sem ser sujeito temlvel pruva do
Terror. ...
He evidente que o terror pnico que invadi
todos os espirito, logo que ae soube que Car-
net, de Floto, e Yidal linliam saludo cleilus
em Paris, tem diminuido gradualmente com a
noticia do resultado das eleleflea nos outros
qulnse departamentos. Desde a data da minha
ultima carta, nada senao as eleiedea teem oc-
cupado a attenfo publica em Franca, e por-
tante esta mili tratar de outra cousa. Exa-
minemos qual foi o resultado geial das elei-
ces. e que effeito elle produsir provavelmcn.
te sobre os negocios polticos dcste paiz.
Contra a expectacao geral, contra a anteci-
pacdrsexprrssas pelo proprio Cosmopolita em
suas ultimas cartas, a chapa democrtica ven-
cen inteiramente em Paris. Nao houve ne-
" I ni ni.i divisao de votos, nem de 0111 lado neo
miravel aecrdo e disciplina : os demcratas
em Camot, de Flolh. e Vidal, e todas as frac-
ces da reaccSoein La nillc, llonjeau c F..j.
Os votos dos tres primeiros andaram de
128,982 a 132.797; os dos tres ltimos de
124,347 a 125,643. O numero dos votantes nao
rol lo grande como em maio do anuo p.issado.
Com efliito em malo de 1849, Lrdru Rollin, La-
Krange e Bachot, os tres mais volados da cha-
pa democrtica, obtivennide 127,998 a 130,070
votos. Vmc. v, pois, que nesla balalha lel-
loral, na qual ambos os partidos votaram com
perfeita unanlmidade, os amigos da ordem fo-
ram vencidos, o que he um facto grave e as u-
lador. Comtud, o numero dos ultra-revolu-
cionarios nao parece ser materialmente aug-
mentado em Paris durante o anuo passado.
Este felo tranquilissdr e inesperado resulta
das eleicoes da ultima semana. Nao he certo,
Mi.'N o creio, que a maiora dos votantes de
Paris seja do partido da ordem. Nuilos cida-
daos habilitados para votar nao se deram a >
tiaballio de se fazercm Inscrrver. MorMM*
i et mil dos que foram qualilcados, mo te de-
ram an irahalim de votar. A malor parte destes
tres quartos, quando nao ti ni maior numero,
pero-ni eni, nao tenho duvida nisso, ao partido
ila ordem, e nao votaram ou por drsgosto, on
por Indifferenca, ou talvez, como acontecen
rom miiitos iillra-legitimistas, com o |irnposilo
delibciadi de deixar as cousas cliegaiem ao
nial extiemo pela esperanca de que o ru rrwif-
dio seria por lim adoplado. ltrtirados das ur-
nas estrs 90,000 votantes, o partido ultra-repu-
blicano tem a maioria em Paris para todos os
fins praticos. Aos que votaram com os repu-
bliranos socialistas aceresccnle Vmc. agora o?
empregadoi as diversas rrparlicdes cvis,
mun o Tp o s e de polica, os que recebeni do go-
verno o sustento, os criados, os operarios em-
pregados nos eslabelecimentos de industria
particulares, os quaes, nao obstante sympaihi-
sarein ardentemcnie cum o pariido socialista
democrtico foram obrigados por medo de de-
niissao, a volar com os amigos da ordem, e fi-
car convencido de que a maioria acliva dos
votanies em Paiis pcrlence de h/je por dianle
positivamente ao partido revolucionario F.te
faci he bastante triste, diilodo o homem in-
telligenlc e honesto, que tem familia e preprie-
dade. pois sabe que ludo coi re risco de ser des-
truido, sen.io forem manlidos em Franca os
grandes principios sobre os quaes se bascio
a clviliacao a sociedade modemas; mas tal-
vez Vmc. deseje saber de que modo volou o
exercito, e por iso vou satisf.ii-lo.
A despeto, e talvez eu devesse diier por cau-
sa do einprego universal, incets-nlr, severo e
em mullos casos illegal de toda a influencia gc-
vi ruino nial para prevenir um lal resultado,
a grande mainria, dous lercoi e talvez mesmo
que tres quartos do exercito votou as ultimas
eleicoes pela chapa socialista democrtica.
Antes das eleiedes negava-se altamente que tal
fosse aion pli xan poltica do exercito, todava
apprrsio-iue em dizer a Vmc. que muitos Fran-
cezes intelligenies, tanto antes como depois
las. Ii icoes, espresiaram erm a maior con fia ri-
ca a opiniio de que o exercito Trancez era lo
completamente a crealura da disciplina, e es-
lava 15o imbuido no espirito de implcita obe-
diencia, que comquanlo como individuos e ci-
dadiioa, podessem abracar doulrinas loelallaUl
extremas, todava como soldados, c.nnbate-
riain sempre, onde e a quem quer que seus of-
ficiaes Ihcs ordenassem. Confesso que nao
posso comparlilhar esta confianca, pois lem-
bre-me de ver nos boutevardi na manha de J4
de feverciio de 1848 os regmenlos, un aps
os oulrcs. levantarrn as boceas de suas espin-
gardas para o ar, e quebrando suas fileiras,
i.tm ajuutar-se aos bandos de insurgentes que
se approximavao delles, gritando r(M o tropa
de finfta Sornoi todos irrmios Os olciacs nao
podrram prevenir nesta occasiao a disiolucao
de uaautoridade, c licaram em estado de que-
brar as proprias espadas de raiva.
Naquelle lempo os soldados francezes nao ti-
uh.iiii o direito de votar como teem boje. Elles
nio liiiliaiu anda formado oplnies polticas
como em sua qualidade de cidados Irancczes
hoje teem Talvez me digain: Elles cmbale
rain bem contra os insurgentes em junho de
1848. He verdade ; porm suas opinides pol-
ticas anda nio estavam formadas.
Elles criam que a lula era entre a ordem
e a anarchia, entre a familia e a proprieda-
de de urna parte, e a pilhagem e a matanca
da outra ; mas agora elles vem que a con-
tend he entre a monarchia e o republica-
nismo. Elles teem sido o objecto de urna pro
i aganda especml, e crem que os principios
extremos do despotismo e da democracia se
acbam em presenca, um dos outros. Como
cdadaos, elles declaram-se em favor dos
ltimos, e podeio acaso combaler como
toldados em favor dos primeiros contra os
cidados fiancezesque recorrerem s armas
em defensa da demoertcia? Nilo o creio,
nein posso cre. Em preMnfl de um iniiii-
go estrangeiro a disciplina Seria e deveria
ser omnipotente para o soldado francez ; *
obediencia a seus ofiiciaes seria e dc\ena
ser imi licita, absoluta; porm em presen-
ta de frai.czes, de conci ladSos, de partidos
polticos, aimados em defensa dos dogmas
que professam, ser acaso do dever do sol-
dado, que he cidadflo tanto como soldado,
ubediccr cegamenle? Sustento que nao.
O soldado deve combaler para sustentar t>
constituico e as leis do paiz contia todos,
anda iiiesuui tontra seus proprios amigos
politicca, que lentarem viola-las ; poiem
quando no peifeitamcnte evidente que nc
nhum partido respeita as leis e a constitui-
rlo quo a lula he cutio os pi limpios abs-
tractos de governo, cono se nenliuin.i li i
existase, como su nSo existisse constitu
cao ; quando elle v que um governo usur-
pador deseja ewprega-lo como instrumento
para destruir a le e a constituicfto eslabele-
cidas, e estabelecer outra forma de gover-
no, ser acaso lo dever do soldado esque
cer que he cidadflo, e obedecer a seus ofii-
ciaes cegamente? Mo; entretanto laesso
os termos nos quaes a quesillo do dever ser
proposta an soldado na luU queseappro-
xima.
A despeto da confianca expressa pelos
Srs. francezes a que cima me referi, nilo
posso crer que o c lado soi lado francez,
quando a c ise chegar, se mostr urna mera
machina como a sua propria espingarda.
Eu desojara que elle assim fizesse ; porque
deste. modo pouparia ao seu paiz dias terri-
ves, sanguinosos, desastrosos e humlha-
dores, que receio se eslllo preparando para
elle.
Como amigo da Franca prefi.-o.ainda mes-
mo o imperio victoria do pariido republi-
cano-democralco-socialsla. Tal victoria
t'rminaria rom o andar do lempo emum
imperio. Este imperio ou esta repblica he
agoia inevilavel, talvez que dentro de pou-
c-is mezes e mesmo dentro do poucas sema-
nas. Se o exercito obedecer cegamenle, le-
romos 0 imperio. Se o soldado se lembrar
que he tmbem cidadflo e comhatercm fa-
vor do lado pelo qual votou, teremos a re-
pblica democratca-social com todas as rail
consequenrias, isto he, a pilhagem e a nia-
lanca talvez em Paris por alguna dias, i
depois disto o jugo regular da guilhotina.
etc. etc. etc.
As ultimas eleicOes, revelando o carcter
la maioria activa dos votantes da capital e a
complexSo poltica do exercito. Iev:im-mea
considerar estes resultados como possiveis.
Se os departamentos tivessem ji anegar-
lo a sua independencia de Paris, se nn
fosse mr.is verdadeiro que Paris decide da
sorte da Franca, entilo eu confian que este
deplorvel acunlecimcnto seria evitado ;
porquanlo a causa da i rdem parece terga-
nho terreno n< s depirtamentos depois das
ultimas eleicOes. Em quinze departamen-
tos, cte 28 mo libros que deviam ser eleitos
os ultra-democralas conseguirn! dar 18 c
os rea"Cionislas deram 10. Estes quinze
ilcpaitamentos enviaram t representacSo
nacional 13* membros. as eleicoes ge-
nos de maio do anuo passado des tes 13*
membros smenle 16 foram moderados, re-
ICClOnlstes, ou sorgos da ordem; enlre-
lanto que 118 foram ullra-derrocratas e so-
c alistas. Vmc. observar urna ililTerenca
inuito animadora no resultado d is ultimas
leic;0es parches. Esles resultados favora-
veis s.lo conlirinados pela considera{flo do
actual numero de votos dados, edavara-
go das maioiias nos departamentos que
teem silo descritos como abandonados in-
fluencia do-i ultra-jacobinos, Em alguns a
maioria foi invertida. Esles resultados teem
contribuindo poderosamente para fazer do-
sippareccr 0 terror pannico causado pelo
primeiro anuuncio ila victoria e:n Paris
Durante alguns dias o governo, a maioria
da assembla e o publico esliveram assusla-
dos, os fundos baixaram instantneamente,
oouro sobio a um premio enorme, os bali-
tea pararam nos circuios do grande tom, os
ttieatros esliveram quasi disertos, as ale-
gres e esplendidiis equipageiis que nos ulli-
oins mezes passados teem dado vida a Pars,
como nes mais felzes das de l.uiz Filippe,
desappaieceram dos campos Elyseos ea pro*
ie tura de polica foi invadida por um grande
numero de individuos que pediam passa-
portes. Estes individuos eram fidalgos ri-
cos, inglezes e russos, que os prazeres da
vida de Pars debaixo do quasi imperio que
e&islia e do imperio real que se anlevia, t-
n'nam chamado alegre capital da Franca,
\ sociedade pareca pensar que em verdade
S. Just, Hobespierre, c ilarat estavam outm
vez de posse da cidade e da Franca. O pre-
sdeme convocou vinte e cinco dos princi-
pies chcftsda maioria da assembla, e foi
pioniptameole concordado ent'u elles que
una unido inmediata e cordial de estorbos
era absolutamente necessaiia para conjurar
a tempestado que pareca prestes a arreben-
tar sobre o paiz. O medo fez o que o patrio-
ti;mo nflo tem feito, ncm far, isto he, suf-
fncon as ambices pessoaes e as discordias
de pariido.
I "na mudanza complelta de ministerio
foi proposta, porm nflo se pdc effcitiiar
ntreos difierenles partidos tinba-se ope-
rado smenle urna allianca e nflo urna fusilo.
Fernando Ilarrot, minisl" do interior,
que tinha desgostndo a mdioiitf pela alle-
gada falta defirmesa de suas expressdes e
conduta na quest.lo das coras de sempre-
vivas deposta na columna da praca da lias-
lilha, foi o nico ministro quo se rclirou.
Mr.llarocbo.mcmbro dislinctodo foro de Pa-
rs! u,n dos vice-presidentcs da assembla,
foi' omotdo [ara o substituir. Concor.iou-
se depois, que leis severas de repressflo
e comprossG deviam ser promplamente
accrescentadas s que ja violam a constlui-
CfiO e mancham a reputaco republicana da
Franca. O poverno prometleu piopdr, o a
maioria prometleu approvar, projeclOS que
prohibissem at ns leuuiOcs clciloraes que
as leis actu es autorisam durante os qua-
ri uta dias quo precedem as rlciffiM, bem
como outros, que restabelccessem o im-
posto do sello, e augmentassem a (anca
exigida de todas as gazetas polticas Espe-
rou-so por e-te mcio embarazar as opera-
^Ocs deploravcs e desastrosas da propa-
ganda socialista barata pela imprensa. At
se pro, oz restringir pela le orgnica, o
excrcicio do sulTrngio universal, e priva
deste capital os cidados francezes privile-
giados pcrtenccnlcs ao exercito. Muitas
das g< zetas do partido da ordem la Patrie,
L'rde, Le Meisager de la Semaine clicga-
ram al a advogar abertamente, como os
unicos meios do salvar a Franca da9 fezes
do socialismo, urna revisflo mmediata da
constituico a despeto da clausula que
prescreve o lempo e modo de revisflo; po-
rm logo que chegou a noticia das eleicOes
dos departamentos, o perigo nflo pareceu
tilo inminente como a principio se receiou.
Anda havia um pouco do lempo pira res-
pirar. Com a inminencia do perigo des-
ppareceu tambem a harmona dos partidos
entre si eo presidente. Diliculdades se le-
vantaran! acerca das leis do repressflo. Foi
inteiramente impossivl ajuslar satisfacto-
riamente as que eram relativas imprensa.
Os principaes editores das gazetas mode-
radas, sendo convocados pelos ministros,
declararam que nflo sustentaran) os projec-
los propostos reos meamos, e d pois do
disputaren! muilo, separaram-se. At hoje
ncnliuma das medidas de represso to
promplamente declaradas necessarias logo
depois das elec.es do Paris, fram anda
formalmente apre-entadas consideraeflo
da assembla. Esta unido departidos, por
sua propria natureza rreconciliaveis, de-
ba i xo da prcssio do temor, n > mo inspira
nouliu a confianca no fulur>> da Franca.
Ao mcu ver a Franca so tem una alterna-
tiva, e brevemente ella ter que oscolhcr
entre uti golpe de estado em favor de Luiz
NapolettO com um imperio que ser logo a-
balado, c provavelmento destruido em urna
guerra civil, e a victoria da repblica de-
mocrtica soci .1 com' Lcdru llollin e Barbes
sua frente, acompanbada tanto da guerra
civil, como da guerra cslrangcira.
L'ltimamcnte lz um giro pelos departa-
mentos do centio o sudoeste, e cncontrei
or toda a partea conviccao geral de quo
dias do terrivel provaeflo se estavam appro-
simando para a Franca. Achci por toda u
parteas autoridades civis e militaros vigi-
lantes, e nflo pude livrar-me da mprcssflo
lio que toda a Franca eslava em um eslado
le sitio. De todos os individuos, quer se-
jam estrangeiros, quer francezes se exi-
gem p. ssaportes tflo estrictamente como
na Itussia. A organisaco inilit.r deque
fallei cm minhas primeiras Carlas, he tflo
completa que eu nflo temera pelo resulta-
lo, so podesse contar que o exercito com-
bateria cegamente como Ihe fosse orde-
nado.
Comospolita.
(Correspondencia do Morning Courier de
New-York.) ____.
V Alli ADt.
POBREZV E MISERIA NA INGLATERRAE
NOS ESTADOS-UNIDOS.
Urna boa paite da imprensa peridica de
Londres oceupa-se boje diariamente em
lescrever a pobreza e miseria que existem
em urna certa classe da populacho daquella
gran le metrpoli. Os desenvolvimentos a-
presentados mns'ram um estado lastimoso
de miseria e privacSn, e assignam varias
causas a sua existencia. Urna destas causas
sem duvida be a titaclo excessiva, por-
ii.-iiito s lomarmos em consideraeflo o
faci de que o povo de Inglaterra tem que
pasar o inleresse de uina divjda nacional de
oitocentos milhOes-Je libras csterlinas,e que
alm disso be laxado para sustentar urna
forma de governo dispendiosa, e para m.in-
t r um exercito e urna armada grandes jun-
tamente com outras despezas, nflo podare-
mos deixar d? admirar-nos de que elle an-
da exisla como urna corpreo. Imposi-
efles 13o grandes sflo sullicientes para des-
truir a energa de qualquer povo, e para
atn lir qualqoer nac^o nos abysmos da.
,obie/a. Nflo deve, portadlo, admirar que
sceoas terriveis de miseris apparocam lu?,
quando se fazem invasligaces sobre o ob-
jecto.
Ha sem duvida urna boa poredo de mise-
ria as grandes cidades dos Estados-Unidos,
. specialmenle nesta metrpoli, onde a la-
Xcdo he ruinosamente grande; porm de-
halde procuraramos essa deslituicfio em
grinde escala que recentemente foi desen-
volvida na Inglaterra, particularmente em
Londres. A necessidade ea deslituic,ao ndo
podem existir nesta metrpoli em Urna tal
BXtencdo como existe em Londres; por-
quanlo temos em os nossos vastos dominios
aoostn um refugio natural para qualquer
populaQflo supera Uundanle
Em Inglaterra nao ha um tal abrigo ; po-
rm aquellas porpes do sua populaco su-
perabundante que p 11 ni emigrar, dir-
gem-se as suas proprias colonias ou aos
Estados-Unidos, e contrbuem para o des-
envolvimcnlo de [nossos recursos, tanto
quanto para a frc e poder da nacflo.
Lina i'ei'c'io peculiar, a qual merece
ser noticiada, acha-se ligada cum a so-
ciedade na Inglaterra, asssim como neste
paiz. Parece que no curso natural das
cousas, a pobreza entre as massas do
povo seguu a marcha das manufactu-
ras e do commercio. Ccm efTeito, quanto
mais rica urna nacflo so torna nestes ramos
de industrias, c quanto mais | olidas se tor-
nam as clases superiores em consequen-
ca dessa riqueza, a pobreza, a miseria e a
destituieflo entre as massas setornam tam-
bero maiores. as ras de Londres, que he
a metrpoli commcrcal do mundo, estas
cousas se \criticam e.n um grao espantoso.
Ao I do da elegancia, da riqueza e primor
do alguns, vem-so a miseria e pobreza
das massas. A par do rico negociante, vc-
U o pobre esfarrapado, tendo pintada a des-
liluco no rosto e bastantes trapos smen-
te paracubrir suanudez. asmesmasras,
veem-ae provas do augmento successivo
que urna poredo da populaco tem feito em


9*1
riqueza n poliJez oestes dous ltimos s-
culos assim como do prorun-lo e successivo
grao do barbarsimo e mi seria a que as elas-
ses mais baixas teem descido dentro do mes-
mo periodo. Um espectculo igual so mos-
tra nos Estados-Unidos nos lugares em que
a manufactura e ocommercio silo os prin-
cipaes ramos de industria. Na pequea, ci-
dade manafaclureira do Lowell no estado
de Massachutes, cuja populacflo nflo excede
de vinte mil almas, ha bem dous mil po-
bres que sflo sustentados s expnsasdo
publico, e o que nflo vemos nos na cidade
de Ncw-York, onde por todas as partes se
encontra provas de grande riqueza e do
mais ajto grao dp polidez do seculo 19, on-
de ha grejas que custaram milhes, e ca-
sas particulares que rustaram dezenas de
milbar dedollars ? Tudoquanto tem exis-
tido na Inglaterra desde quo esla nacflo
dirigiu sua atlcncflo para as manufacturas
e o commercio, est sendo representado
nos Estados-Unidos. A pobreza e a miseria
parecem seguir as pegadas destes romos de
industria em ambos os paizes tflo natural-
mente como a sombra de um homem o se-
gu, quando passeia em um dia de sol; po-
rmemuma exteneflo menor nos Estados-
Unidos em consequencia da causa, a que a-
cima nos temos referido, isto he, um refu-
gio em nossos dominios ao o -te para o cx-
cesso de populacflo superabundamentedas
grandes cidades.
Estu assumpto est sendo actualmente
examinado com grande atteneflo na Ingla-
terra ; i 01 mi nennum remedio se descubri
anda para tilo grande mal.
A pobreza e a miseria das masas vo aug-
mentando medida que augmentan! o com-
nicri'io r as manufacturas A elegancia ea pu-
lule/, vao augineulando e com rll.i- (aiubem us
trapos e a foinc. O uiesmo acontece nos Esta-
dos-Unidua ; mas dentro de poucos anuos
acharemos un remedio para este estado de cou-
sas, se antes disso nao tiverj sido deacoberto
na Inglaterra. Nao ha aqui como na Inglater-
ra urna aristocracia territorial que monopolise
a riqueza da nacao ; porem temos em urna cer-
ta eileusao uina aristocracia oanufaclureira
ou urna aristocracia cammercil; e onde quer
que vemos uina ou outr.i, vemos a pobreta e o
pauperismo de que temos fi'Iddo. Oiiocia-I
listasdizein que trein descobert este remedio,
pui i'-iu elles o teem operlmenlado de balde cm
varias phalanges e outras instituicoes absurdas
que iiini kido lao eflicazes como o seriain pi-
rlas de pao na cura da febre amarella, ou do
cholera.
* n'ttkly Herald)
Public(des a pedido.
BALANCO DA RF.CF.ITA E DESPEZA DOS
F.STARELECIMENTOS DE CAKIDAUE,VE-
RIFICADO DO 1.* I)E FEVEREIRO A 30 DE
ABRIL DE 1850.
Receila.
Por saldo em 31 de Janeiro 2:851,066
Reccbdo da tbesouraria da fa-
zenda provincial, por conta da
quota votada na lei do ornamen-
to vigente ; a saber
Hospital de caridade 2:500,000
Lazaros 1:000,000
Casa dos expostos 875,000
Ditas dealbegarias 500,000
Do rogente do grande hospital,
importancia do amoi talliamento
docrJaver de Mara Pedro, re-
clmalo por seus prenles 2,000
dem de Saturnino Correa 2,000
Do fiscal do San-Frci Pedro
Conexivos do Recife, produelo de
corridas de porcos 256,190
Do lllni- Sr. Domingos Alfonso
Nery Ferreira, thesoureiro da ad-
ininistracao do patrimonio dos
orpbfios, importancia do trimes-
tre vencido em 15 de levereiro
prximo do 2 andar da casa
dos expostos, occupadopelo col-
legio dos or, hflos 137,500
Dojrocurador da administra-
(,-."n>, por conta do rendimeuto
dos predios 2:000,000
Letras que existiam cm 31 de
Janeiro 2:954,945
A Joflo Antonio Coelho, por
bichas quo fornecou aos esta be-
lecimoutos de oaridado
Ao regente do hospital dos la-
zaros, por urna canda deca para
a obra do mesmo hospital
A Lourenco Justiniano da Ro-
cha, por bichas rara os estabele-
cimentos de caridade
A Manoel Antonio do Jess,
por pao e bolaxas que vendeu
para os mesmosestabelecimen-
tos.
A Delfino Goncalvea Pcrcira
Lima, por sabflo que vendeu pa-
ra os predi tos eslabelccimentos
A JosJoaquim Dias Fernn-
des, importancia de 169 arro-
bas e 15 libras do arroz pi-
do a 2,200 372,790
Por 1 barril de vinagro 18,000
Ao regente da casa dos ex-
postos, importancia do enxoval
das expostas Raymunda Francis-
co e Marcellina Josefa
A 87 amas a mesmn casa
quo compareccram revista do
mez p. p.
I.' tras existentes
'2'
wmmmm
wm
mm

_
118,600
64,000
577,330
94,230
390,790
215,020
O merilo da obra he atiesta.lo pelo norre
!o autor: nclla depara instrueco e deleito,
o philosopho o romancista, o poeta, e ge-
ralmentequem quer que queira aprociarum
helio cscripto.
Avisos rtimos.
765,483
2:954,945
13:418,121
Administrado gcrl dos eslabelccimen-
tos de caridade, 2 do maio de 1850. Joc
Vires Fcrreira. -- Thesoureiro.-- Antonio
Jost Goma do Corrvio. Escrivflo.
IAIM'A to movimmto tos cuta-
bviei idii tilos ile carilla-
ilc, non mese ile mareo
e abril tic 1S50.
Grande liospitil.
OENTES.
[Existiam
Iditrii ruin
Sahiram.
Morreram
Existen).
Curados......
Melhorados. .
Nflo curados.. .
as 24 h. d'enlrada
Deros dessa poca
22
34
14
9
2
1
13
18
Hospital dos lazaros.
DOENTES.
Existiam........
Entraran)........
! Curados. .
Melhorados .
Nflo curados.
Morreram........
Existem.........
(jasa
dos expostos.
Sexos.
Saldo a favor do thesoureiro
Despea.
Pago ao Dr. Jos dos Anjos
Viril* de Amorim, por saldo de
seu ordenado como advogado
que foi dos eslabelecimcnlos do
caridade
Aos trabalhadores que limpa-
ram a casa da ra das Larungei-
ras, n. 11
Ao reverendo regente do gran-
de hospital, pelas despezas que
com o mesmo fez
Ao Jilo,'la casa dos expostos
Ao mesmo, jornal da cozi-
nheira
A Elias Baptisla da Silva, como
procurador do Angelo Francisco
Carneiro, importancia do alu-
guel da casa dos expostos con-
tado do 13 du agosto de 1848 a
13 de abril p. p.
Aos empregados dos estabelc-
cimentos de caridade, seus or-
denados
Aos enfermoiros e seiventes
do grando hospital
Aos ditos do hospital dos la-
zaros
A Vicente Alves de Brillo, por
duasduzias delaboasde assua-
Iho para o dito hospitai
Ao regente do mesmo hospi-
tal, pelas despezas do mesmo
A Manoel Figueiroa de Faria,
por diversas impresses
Ao cutileiio Pomatoau, por
limpar una caixa de instrumen-
tos c irurgicos do grande hospital
A Antonio Ferrcira Lima, por
vveres que vendeu para os esta-
belecimcntos de caridado 384,440
Abuliiiieiitos de "i |'. 19,222
13:078.701
339,420
13:418,121
A C. Stars por II camas de
ferro para o hospital dos laza-
zaros 126,500
Abatimento de 5 p. % 6,325
A Antonio Ferreira Braga, por
18 i'olxoi' c 18 travesseirus para
o iriesmo hospital 66,600
AbiilimentodelOp. 'i 6,666
21,111
43,920
1:577;920
922,260
25,000
1:833,333
1:694,000
128,000
139,500
50,000
1:144,840
24,000
15,000
365,218
120,175
59,940
EXPOSTOS.
Exisliam ............
Entraran)...........
Saliiram.............
i as 24 h. d'enlrada
I Depois d eslu poca
Existem............
III
10
0
0
SI
116
132
6
2
0
4
183
Ailminislracflo gcral dos eslabelecimen-
tos de caridade, 2 de maio de 1850 An-
tonio Jos Gomes to Correio. Escrivflo
EMTVL
-- A cmara municipal deOlinda manda
fazer publico que, nos das 6, 9 c 11 do cor-
rente maio, vai prar;a, perante a mesmn
cmara, o concert do cano da bica do lio-
ario, na ra do Bom-Surcesso, oreado na
quinlia de 282,000 rs. : as pessoas que se
propoterem a esta arremalnelo, compare-
cam na sala das sesses da dita cmara, nos
dias cima mencionados, dis 10 horas al
men- lia, competentemente habilitadas.
Ol mi, 6 de maio de 1850. Manuel Joa-
i/uim ile Miranda Lobo, secretario.
43,50 Obergantim nacional Maria-Libania
a n.la poje receb r alguraa carga a frete
para o Rio-de-Janciro; bem como passa-
geiros e escravos : os preUndentes pJem
t-atarcom ocapitflo, Vicente Jos de Al-
mida, a bordo, ou na ra da Cadeia,
n->. 12el4
Para o Maranliao sahe, com
a maior brevidade possivcl, o bri-
zne-escuna Laura : para c resto
da carga c passageiros, trata-se
com o capitSo na praca do Com-
mercio, ou com ovaes & C'om-
panliia, ha na do Trapiche, n. 34-
Um Inglez casado e com
[><>nci familia, precisa altigar um
sitio pequeo perto da praca :
quem o tiver, dirija-se uta do
Trapiche-Novo, n !i.
0 hrigue nacional Algrele, rapilflo
Manoel Jos de Azevedo Santos, segu para
o Itio-Crande do sul no dia 19 do correte :
para cscravos e passageirs, dirija.n-se ao
escliptorio du Manoel Gongalves da Silva,
ou ao capi'io, na pra^a do commercio.
U Brigue nacional Lisia sahe
para o Hio-de-Janeiro no lim da
prsenle semana i para o resto da
carga, passageiros e escravos a
frete, tratarse com o capitn, na
piacado Commercio, ou com iNo-
vaes& Companhia, na ra do Tra-
piche, n. 3/i.
Para Angolla segu viagem no corren-
t mez o patacho americano Chnlsvoorlh,
muilo velero e foirado decohre rovo.* re-
cebe carga a Tele e passageiros : quem pre-
tender embarcar, pode tratar com Manoel
Ignacio de Oliveira, na praca do Commer-
cio, n. 6, primeiro andar.
Para o Porto saliir al o dia 15 do
corrente, o brigue poitugucz llom-l'ailor,
Je primeira marcha : recebe anda alguma
carga e passageiros, para o que olTerece ex-
celentes commodos : trata-se com Bailar
& Oliveira, na ra da Cadeia, n. 12, ou com
o capilSo Jos Comes da Silva.
Para o Hio-de-Janeiro sahe,
no dia 12 do corrente, o hrigue
Bom-Jesns : para o reslo da car-
ga, passageiros e escravos a frete,
trata-se com o capilao, no caes da
Alfandcga, cu na ra da Cadeia,
n. 40, terceiro andar.
Para o Cear segu al o dia seis de
maio prximo futuru eoin (oda a bre-
vidade o brigue nacional Josefina : quem
no mesmo quizer carregar u ir de as-
sagem, trate com Domingos Rodrigues
Je Auilrade, no Trapiche-Novo, n. 4, ou
com Jor^ Carlos Feneira Soares Jnior, re
ra da Cadeia do Itecife, ou com o Capitflu
do mesmo, Marcos Jos da Silva.
Para Babia sahe no fim da presente se-
mana o hiato Ligeint, forrado e pregado de
robre : rara o resto da carga epassageiros,
trata-se na ra do Vigario, n. 5.
-Aveleira escuna nacional Emilia, de
quehecapilflo e pralico Antonio Silvera
Maciel Jnior, deve ebegar do Para por
estes das, para onde voltar com esca-
la pelo Maranhflo, com a maior brevi-
dade : quem na mesma pretender carre-
gar, ou ir de passagem, dever eutender-se
com Joflo Carlos Augusto da Silva, na ra
di Cruz, no Recife, n. 13, armazem.
243
16
2
0
9
248
Dec!ar&$5es.
O Sr. director do lyceo. desta cidade
manda fazer publico, que em cumprimeulo
a poilaria do Exm. Sr. presidente desta
provincia de 2 do corrente mez, est a con-
curso a cadeira de primeiras letras da po-
voacio do Loielo (para o sexo mascolino).
Q>eiadfios, quequizerem oppr-se re-
ferida cadena, dev. rflo comparecer na sala
do palacio da presidencia pelas 9 horas da
manlifla, no dia contado da data desloa 60
dias.
Secretaria do lyceu, 8 de maio de 1850.
-O secretario interino e professor de geo-
metra, Antonio Egidio da Silva.
-- Pela subdelegada de S.-Jos foi appre-
hendido um cavallo ruco-peJrez, du nicias
carnes e de tamanho regular: quem ao
mesmo se adiar com direito, comparte^ na
mesma subde'egacia, para que, dando as
eouipi-ieiii.es provas, ihe ser entregue.
- Pela subdelegada de S.-Jos foiam ap-
prehendidos, por se julgarem TurtaJoS, os
seguiutes olijectos: 1 tranrelim du ouro
bastante grosso, urna grande medalha tan-
bemdeouro, 2 gianies anneles circula-
dos diamantes, dous ditos s cun um dia-
mante 110 ineio, um dito se ni pedras, 2 pa-
res de bi lucos, um todo de ouro e o oulro
com pedias, o um bolo de abertura : quem
dos iiiesmos olijeclosso achar com direito,
compaieca na mesnia subdelegada, para a
vista das provas, Iheserem entregues.
Leilao.
-- O corretor Oliveira far leilflo do pata-
cho americano llomp, de lote de 126 tonela-
das, forrado de cobre, multo veleiro, e com
todos os pertonces, cujo inventario pdem
os pietemlentes examinar em casa dos Se-
nhores llenry Foster & Companhia ; e
assim mais se vndenlo por todo o pre^o"
os salvados de urna barca, consistindo em
todo o mtame, cabos, paos, panno, cor-
reles, roda do leme, turcos de ferro, e lo-
dos os mais objectos a mesma pertencentes:
sexta-reir, 10 do corrente, as 10 lloras da
uianhfla, ra do Trapiche-Novo, e
junto a este.
quasi
Publicaca iiUerari
l'.apliatl, paginas da juvenlude.
Esta excellente obra de .Mr. Lamartine,
chugada recentemente do Rio-de-Janciro,
vertida em bou> poiluguez, e precedida de
um interessanle prologo do traductor, adia-
se avenda, pelo mdico preco de 3,000 rs.
come uoadei llagan ingleza, na ra da ''a-
acia do Recife, u. 38, e ra Nova, u. 11.
Avisos diversos.
Foi transferida para as 5
horas da tarde de boje a trasla-
dicaodas imagens do arco do Se-
nhor oni Jess das Portas para
a igreja da Madre de Dos.
I'iecisa-se de urna ama que saiba co-
Zinhar e engommar, e para I0J0 servico de
umi casa du pequena familia : quem csti-
vei neslas circuiustancas, podo ir na ra
do Itozario larga, n. 26, terceiro andar, por
cima a lojadoSr. Thomaz-de Aquiuo.
- A abaixoassiguada roga as autoridades
e agentes policiaes, a captura do seu escla-
vo Sebasliflo, tnoulo, de 24 anuos de i Jae,
pouco mais ou menos, altura regular, sicco
du culpo, peina linas, ps seceos, pouca
baiba, ma com bastante buco, este eseravo
anda lugido desde7de abril prximo pus-
sado, eteui sidoencuntriido na ra do Apol-
lo, e em l"ra-dc-Portas, procurando quem
o compre, sendo que talvez ande lamben,
em alguma canoa, por ser eanoeiroja
qualquir pessoa que uapprehenJer, e o le-
var a casa da aiiiiunciante na estrada nova,
defronie do eiigunbo Poeta, prometi boa
gralilicaeflo.
francisca das Chagas de Jess.
-- Aluga-se um preto, embora seja idozo,
isto monsalmeiile, eque emenda de algu-
guma planlacflo de silioo lioipeza do mes-
mo: quem o liver entenda-se na ra du
Rozarlo larga, venia, n. 46.
- Saialim Antonio Alariins declara ao pu-
blico que desfez a sociedad que tiuba ua
venda debaixo do arco do Bom Jess das
Portas, com Domingos Jos da Silva Amo-
rim, fleando o dito Sr. Amorim rcsponsavel
pelas dividas activas e passivdS; declara
mais que o dito Amorim ja se acha embot-
ijado para salisfazer os dbitos feitos du-
ranto a sociedade.
RA DO PASSEIO N. 5.-A.
Joflo Lubet participa s pessoas, que
teem em seu poder chapeos de sol para co:
brire concertar, que os venham buscar no
praso de 8 dias: do contrario sero ven-
didos pio importe do concert: faz esta
advertencia para nflo se chamaron] igno-
rancia.
J. Falque participa ao respeitavel
publico desta cidade que elle vai abrir
urna fabrica de chapeos deso onde se en-
contrar sempre um grande e bonito sorti-
uiento do todas as qualidades destes objec-
tos, tanto de sola como de panno, para
homens esennoras; assim como um gran-
de sortiment de bengalas do todos os gus-
tos, baleias para vestidos,colleles ou espar-
tilhos para senhora. Cobrir-se-ha e se
concertara qualquer aualidade de chapeos
desol bengalas, lando boas sedas e pan-
Mos em pcQa, tudo muilo mais em cunta do
queom qualquer oulra parte : ra do cul-
legio, n. 4.
O abaixo assignado faz sciente so pu-
blico ou a qnem convier que ten lo appare-
ci lo em seu engenho Cara, na comarca de
Goianna, um eseravo do Sr. Manoel Jero-
nymo Barreiros Rangel, morador ao Rcnie-
Jio, freguezia de Afogados, procuranJo-o
para o comprar, elle dirigi ao senhor
do mesmo eseravo por intermedio de um
terceiro, atim de o comprar, e como bou-
ve alguma demora nesse ajuste, e o esera-
vo naturalmente dado a fgidas desappare-
ceu do engenho Cara, e foi encontrado
entre os engenhos Mamulenga e JuA na co-
marca de Nazarelh e munido d'um clavioo-
te; o abaixo assignado linha feilo toda a
diligencia para o capturar sem que ateo
presente tenha realisado essa .captura : o
abaixo assignado protesta nflo respousabi-
lisai-se pelo referido eseravo.
Engenho Cara, 6 de maio de 1850.
Cliriiloto Vitira di Mello.
-Precisa-se de urna ama de loite : na
ra larga de Itozario, n. 39, eumeno an-
dar.
--Antonio Leite, Portuguez, relira-se
para Portugal.
Bernardino Antonio Pereira Bastos,
subdito portuguez, retira-se para Portu
gal.
Roga-se ao Sr. J. F da L que baja de
fazer o favor de levar ou mandar entregar
o par de brincos que sua merc levou da
casa dr ra da Santa, n. 22, para concertar
no mez de abril de 1848 ; pois basta de se
mandar portadores em sua casa-, e nflo o
fazendo por estes oito dias, contados de
boje, (8) ter de ver o seu nome por extenso
nesta ful ha at os levar.
Manoel Francisco da Silva retira-se pa-
ra fura da provincia.
Precisa-se alugar urna preta ou mole-
que para o servico de urna casa de pouca
familia : paga-so bem : na ra la Concor-
dia, n. I.
lina senhora de idade que saiba co-
ser e rozinhar, e quizer estar na compa-
nhia de urna pequena familia, livredopen
cries, pelo sustento e aIgum vestuario, di-
rija-te ao Mundo-Novo, n. 30.
Offerece-se urna ama para o servico di^
urna ca de portas a dentro : na ra do
Muii'O-Movo, n. 37.
Precisa-se de um bom forneiro e um
amassador para urna padaria nova, na ru
Direita dos Afogados, casa n. 35 : a tratar na
mesma freguezia rom Theofilo de Souza
Jardim.
Precisa-se alugar urna ama, que tenha
bom leite, forra ou captiva : no Passeio-
Puhliro, luja de fazendas, n. 13
Barlholomeu Francisco de Souza em-
barca para os portos do sul a escrav.i Ro
mana.
No dia 20 de marco passido desappa-
receu da casa de Prxedes da Fonsec Coi-
linhooseu pardo Eustaquio, official desa-
pateiro, secen do corpo, bem parecido, olhos
e bocea pequeos, nariz afilado e de asta-
tura ordinaria ; quflndo anda arrebita os de-
dos dos ps para cima, e sempre com as
ventas sojas de tabaco; tem andado pela
Casa-Forte, sevindo deservente de pedrei-
ro, com o nome de Manoel ; quando se au
senlou levou camisa de panninho, cal$a de
brim branco e jaqueta de panno preto : to-
ga-se a qualquer pessoa que do mesmo sou-
ber, que o apprehenda e levo-o ra Real
da Boa-Vista, n. 7, que ser recompensado
-- Aluga-sa urna boa casa e sitio com mui-
los bons commodos para- gran le familia,
sonzala para pretos, estribara, cochelra pa-
ra carros e outros milito* commodos, cuja
casa he a margem do rio Caldeireiro : a tra-
tar na CiSl das aferices.
Lava se e engomma-se com toda a per-
feicHo e delicadeza, por commodo pre?o:
no becco do Itozario, n. 2.
Arrenio Foitunato da Silva avisa, que
no dia 5 do corrente, pelas 9 horas da noile,
Ihe fugio um eseravo rozinheiro, crioolo d
Para, alto, secco do corpo, canellas finas,
ps enchados; chama-se Sverino; levou
camisa e caiga de estopa, e urna camisa mai-
demadapoIfloocalcasdeaigodSoznho en-
trancado 1 quem o pegar leve-o na alfande-
ga, ou na ra do Hospicio, n. 4.
-- Precisa-se de 100,000 rs. a premio so-
bre penhores de ouro : quem quizer dai
aununcie por esta folha
Precisa-se de um feitor para o seivico
decampo, em umaitio de engenho disien-
te desta praca 12 legoas, e de S-Antflo 3
ditas : quem se julgar bastante habilitado
paia bem i'esompenha-lo, emcuja oceupa-
eflo nflo est sujeilo se nflo ao dono do si-
tio, diiija-se ra Direita, n. 14, taberna
Din ra|8Z brasileiro se ullVrecu para
caixeiro de qualquereslabelecmento, ex
c po venda, o qual d fiador sua conduc-
ta : qiieindeseupiestiino.se quizer Ullll-
sar, dirija-se ruadas Cruzes, n. 39, pri
mero andar.
Aluga-se o segundo andar o sotflo di
sobrado da ra Direita, n. 20, com bons
commodos para familia : a tratar na mes-
ma ra, n. 93, primeiro andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
n. 53, na ra do llozaro da Boa-Vista : 1.
tratar na praga da Independencia, n. 96,
luja de chapeos.
"Pede-se aos proprietarios da la du
Apollo, que requoreram com urgencia ao
Exm. governoda provincia a conlinuaQflo
do caes a que sao obligados aquellcs que
linlao nflo fizeram, segundo dizem, um
contrato feilo com o governo na occasiflo
que Ibes o:deu os terrenos de marlnha, e
que tilo remissos leom sido, mesmo para dar
valor a seus predios.
OsSrs Antonio Correa Gomes do AI-
meida e Manoel Correa Gomos de Almei la,
ambos moradores em S.-Anns do oitoiro de
S -Joflo da Varzea, queiram mandar pagar
quanto antes o que deven) em corta botica
dista cidade ; cerloi Je que, emquanto o
nflo flzerem, andarflo seus nomes nesta fo-
lha.
Mariana Monica Joaquina da Conceicflo,
viuva deJoseMauriciode Barros Lns Wan-
derley, se acha a inventariar os bens do seu
c.siljp 'lojuizodeorphflosda cidade da Vic-
toria, por cuja causa convida a todos aquel-
tes Srs. que se julgarem credores de seu fi-
nado marido, queiram legalisar os seus
dbitos em lempo, afim de serem pagos no
dito inventario.
Precisa-se de um cozinheiro para fa-
zer urna viagem a Portugal : quem estiver
nestas circumstancias, dirija-se ao largo do
tior,o-Santo, n. 6, armazem de Jos Mara
Palmeira.
Roga-se aos Srs. redactores to Diario
di Pernambuco que bajam de declarar seo
a nuncio com a assignatura Valumbetu,
foi dirigido oor Francisco Caetano de Sou-
za; isto se pede, para se evitar suspeitas.
Salisfazendo ao aununciante respodemos
negativamente. 0% RR,
O Acadmico.
PERIDICOSCIENTIFICO E LITTERARIO.
Sabio luz o 1. ti. desto peridico, con-
tendo : intio lucgflo, biographa do capilflo
de mar e gueria Joaquim Marques Lis-
boa, phases da vida humana, a huminiJade,
o ministro inglez e a Europa, Kussuth; poe-
sa) e um juJieioso pensameato. Assigns-se
a 500 rs. mensaes na livraria di rui do Col
lego, 11. 9, onde se vende avulso, a 160 rs. .
o exemplar.
Sociedade Apollinea.
Ilaveno comparecido muilo limitado
numero de socios, na rouniflo convocada
110 dia 7 do corrente, e direceflo escrupu-
lisando tomar qualquer deliberacflo com
tflo pequena assembla, decidi de novo
convidar aos Srs, socios por ultima vez a
reunirem-se terca-feira, 1* do corrente,
pelas 5 horas da larde, afira de se tomar de-
finitivamente urna resoluc.no, a vista do es-
tado da mesma sociela le.
Precisa-se alugar das canoas bertas,
que leve cada Orna mais de mil lijlos : na
ra das Larangeiras, n. 18.
No dia 8 de maio do corrente anno se
ha de arrematar em pragn publica do Sr.
Dr.juizdo civel da 2.* vara um sobrado de
2 an lares, sito na ra du Brum, por exe-
euciio da viuva e herdeiros do fallecido Jos
Joaquim de FieitasGuimarfles, contra o tes-
ta ineiiteiro e herdeiros da-fallecida devedo-
ra I). Itn/.i la Maria do Castro.
Precisa-se a lugar urna ama, que tenha
bom leite, forra ou captiva : na ra Direita,
n. 27, segn lo andar.
--Quem precisar de um pequeo de ida-
de de 13 anuos, proprio para se admittir
em algum eslabelecimento, procure-o na
ra do Encantamento, armazem de molba-
do, por baiio ao sobrado do reverendo vi-
gario do Recifo.
Lotera da matriz da Boa-
Vista.
O respectivo thesoureiro, Manoel Concal-
ves da Silva, pretende nflo illudir a expec- -
tacfio do publico com aunuucios importu-
nos do andamento-das rodas desta lotera;
nsforcar-se-'ha quanto couberem suas for-
ras para com a possivel presteza annunciar
o dia, alem do qual nflo dever passar a es-
.icraiica dos compradores ; porque entende
111 i a essa illusflo em que.alguns teem por
vezes deixado o respeitavel publico, se de-
ve essa especie de descrdito, que .tanto
tem demorado o andamento das nossas lo-
teras ; por isso limita-so por ora a annun-
ciar a venda dos bilhetes, e a exlrahi los
com todo o empenho, afim de poder asse-
-urar aos compradores o dia em que deve.
ra ella imprulerivelinento correr.
A vantagem do plano j publicado e o fim
religioso para que foi esta lotera conced'
da, convida e.seduz os tentadores da surte
a concorrerem sem demora para a compra
dos nmeros que Ihes preparam a suave
equisieflo de bens da fortuna, sem risco
de grande capital, e com o importe tmen-
te da diminuta quantia de 5 ou 10,000 rs.
por poucos dias.
Desde j achar-se-hflo os bilhetes: no
Recife, lujas do thesoureiro e do Vieira
cambista ; em S.-Antonio, botica de Joflo
More ira Marques, no pateo da Matriz, e de
Francisco Antonio das Chagas, na ra do
i.1 vi -amento ; luja de Bernardino Jos Mon-
ten n, pracinha do Livramento, n. 44 ; no
Aterro-da-Boa-Vista, lojas de Cumiarles,
n. 44. e de Duarte Borges da Silva, n. 18.
Na ra da Cadeia, n 39, primeiro an
dar, existe urna caita para o Sr. Antonio
Jos Bodrigues, que se nflo tom entregado
pose ignorar a sua residencia, eque a po-
llera mandar buscar.
Precisa-so de u mea xeiro que enton-
ta bem de venda, pois nao se duvi la dar
bom ordenado, sendo que o mereja : a fal-
tar na ra das Cruzes, 11. 40.
--Aldfca-se urna casa terrea ni ra Au-
gusta, no oitflo do sobradu do Sr. Jos Ma-
ra Placido Magalhfles : a tratar na ra l'or-
mosa, terceiracasa.
Se liouver alguma mulber
portuguesa que deseje retirar-se
para a cidade do Porto, em com-
panhia de uina familia, dirija-se
ra da Cadeia do liedle, n. 3, at
odia 15 do corrente : D-se pre-
ferencia a algoiu 1 que tiver leite e
quizer amament-ir una crimra,
fazendo-se-Ilie boa vantagem.
Precisri-se fallar a negocio de seu inte-
resse cu.11 us Srs. Jos Xavier Carneiro Ro-
drigues Campello, e Manoel Cavalcanti de
Albuquerque Mello morador e,n Agoa-Fria :
111 ra da Cadeia do Recife, n. 54.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
pratica de venda, qua d fiador a sua con-
ducta : na l.ingoenti, venda, n. i.
O ahaixo assignado faz publico a todas
as pessoas que se quierem, utilisar de seu
preslituo, que se acha mudado para a ra
do Rangel, casa 11. 38, segundo sudar, cou*



tinuando a recebar eseravos a venda por
commissSo. dando toda garanta que Cor
exigida, o bom trata monto e commodi Jada
para os eseravos.
C.aetnno Mtndet da Cunha Aztvedo.
A viuva de Jos Joaquim de Misquita
vis as pessas quo tinham penhores em
pidfr do ilito finado, para queh.-ijam de os
rsgalar dentro do prazo de oito das, con-
tados da data doste; do contrario, serSo
vendidos para pagamento de seus dbitos :
hem como avisa ao publico quo a leja con-
tina tilo smente para liquidac3o. Iteci-
fe, 27 de abril de 1850.
~ Precisa-se de am rapaz portuguez ou
brasileiro, para caixeiro de venda : no Atcr-
ro-da-Boa-Viste, n. 80.
D.Joaquina Igoacia Mavignier Ferrei-
ra, viuva de Jos Alejandre Ferreira, tendo
licado na sua viuvezsem meios para poder
subsistir, foi obrigada pela necessidade a
vender e a alugar algumas das suas escra-
vas pira ter com que alimeiftar-se: escra-
voseslas de sua nica propriedade, fazendo
hoje una pequea parte dos que levou quan-
do easou, como consta da escriptura de ca-
samento e inventario, tendo a infelicidade
dehojeqoasi nada possuir do quo levou.
Tendo, porm, urna osera va de nome Anto-
nia, nenacao Angico, que possue ha mais
de SS annos, mesmo em solteira, a qual es-
tava alunada em caga do Sr Francisco Igna-
cio de Atahide, cuja escrava andava na ra,
e como nunca tivesse fgido, e nem hou-
yesse motivo algum para tal se desconfiar,
desapparicru com tudo nodia 29 de abril;
e e*,frando a annunciante que ella viesse
para casa, al ao presente no Ihe apparc-
ceu, constando-lhe agora que a dita escra-
va foi pegada eescondida por pessoa, cuio
nico fim he esgotar-lhe o ultimo recurso,
e ve-la na miseria, pessoa que nao deixa-
va seu defunto marido ganhar um vintem,
quenSoapparecesseum motivo de Ih'o tr-
ranear. Avisa, portanto,que ninguem com-
pre e faca negocio algum com dita escrava,
porque a annunciante protesta usar com to-
do o rigor das lois contra quem Ihe tiver
escondido, furtado, etc.: eessa mesma es-
crava tem os sigues seguidles : lie mnito
retinta, falla mal, ps muito grandes e lar-
gos, e sem peitos, que apenas tem urnas
ron tas. A annunciante raga, e espera que
as autoridades pociaes, atteodendo a po-
sic.loem que pod estar urna viuva, a quem
querem tirar seus ltimos recursos, e mes-
mo em dosaggravo das leis, providencien!
para que seja descoberta, e pegada que se-
j, a levem ao l'oco-da-Panella, casa da an-
nunciante, defronte da igreja, recompen-
sando alguma despeza quesefizer pelu in-
cominodode alli a levaren).
Oescriptorio do agente da companhia
dos paquetes de vapor mudou-se para ra
do Trapixe, casa n. 40. segundo andar.
OSr. Jotquim Rodrigues de Oliveira
residente em Olinda, queira apresentar-sc
o agente das barcas de vapor para rereber
una carta com dinheiro
--Aluga-se urna casa terrea no Aterro-d a
Boa-Vista,- n. 73, muito propria rara por
negocio e morar familia, pelos bous com-
modos que (em: a tratar na venda imn.e-
diala, ou na praca da Boa-Vista, botica n. 6.
Precisa-sede um caixeiro que ten lia
pratica de loja do miudezas, para Macei :
na ra do Cabug, loja de quatro portas.
Griii.de deposito
Traspassa-se o arrendameuto de um
engenho de boas trras de producSo, por
preco rasoavel: tambem se vendem os per-
tences do rendeiro, sendo animaos do roda,
muito bons e gardo, poldros, lavouras e
safras colher: ospretendentes, dirijam-se
A ra estrella do Rozario, n. 32, que se di-
r quem faz este negocio e se darSo todas
as informales.
JJwIiwaraiTiWWr *r>iVvmv iviinBi^fiif*n>fwst '7
PKIMEIHOEGRANDK
consultorio horncu-j-
-5
A mesa regedora da Irmandado do Di-
vino Espirito Santo sclontificajaos irmos
que hojeaO mein-dia li o levantamento da
bandeira.e ped^ quo comparecen); assim
como para acompanharem a Irasladaclo
das imagens do Sanhor Bom Jess das Por-
tas para o Madre de Dos, pelas 3 horas e
moia da tarde, visto o convite que nos fez
o Exm. Sr. Hispo diocesano.
Compras.
p.itliico.
Dirigido pelp facultativo 1. B. Casa-
nova.
| Ra da Cadeia de S.-
Antonio, n.sN.
Asdses e consultas homceopathi-
I cas silo reduzidan a 5,000 rs. para as
I pessoas livres, e a 2,000 rs. para os
i eseravos.
Os doentes serlo visitados todos os
' dias sem nenhumaoutra paga.
Toda a pessoa que se presentar
no consultorio declarando ser pobre,
recebara consultas e remedios gra- i
tintamente,sem precisar de atiesta lo. i
cofre de ferro com 3
na ra do Crespo, n.
Comprase um
palmos de tamanho
16, loja, ou annuncie.
--Compram-se tres livros que teem o ti-
tulo de Epitome Serfico : na ra larga do
Itozano. venda, n. 39.
Compra-S3 um oculo de Iheatro : na ra
da Cadeia, n. primeiro andar.
Compram-se todas as qualidades de
trastes usados, e tambem se trocare por no-
vo* : na ra Nova, armazem de trastes do
finio, defronte da ra de S.-Amaro, n. 59.
-- Compra-so um cavallo rugo para car-
ro : na ra do Trapiche-Novo, n. 10, pri-
meiro andar
Vendas.
na ra
Nova, ii. 27.
Neste deposito acha-se urna grande por-
fo de caixas com folhas de Flan Ires de
patente e todas as grossuras; ditas com vi-
dros de todas is dimencOes para vidracas;
ditas de cobre de todas as grossuras para
forro de navio, pelo barato preco de 560 rs.
a libra : onde tambem se acha um com-
pleto sortimento de alambiques, serpenti-
nas e lodos os mais objectos de cobre,
bronze o foi lia para engenho : tudo isto lla-
vera continuadamente grandes porces, pa-
ra os compradores escolherem sua ven-
tado.
Roubo.
Na noite de 6 para 7 do passado, foi fur-
tado a um prcto que venda fazendas, urna
grande lata e um carino com divergas fa-
zendas finas; pois tendo o mesmo prelo,
por motivos de embriaguez, chamado um
ganhador paracarrregar a fazenda o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gum dinheiro que carregava. Hoga-se, por-
tento, a polica ou a qualquer pejsoa que
tenha noticia do occorrido, de dirigir-se
ra da Cideia-Velha n. 24, casa de Manoei
Antonio da Silva Antunes, que ser gratifi-
cado com 100,000 rs.
-.- Aluga-se a casa da esquina da ra do
Caldoireiro com armacSo para venda e com-
modos para familia, com quintal, cacimba
c porlSo para a travessa, a qual pelo local
offerece muita vantagem : na praga da In-
dependencia, lirraria ns. 6 e 8.
rrecLsa-.se fallar com o Sr.
Ju'io da Costa Alonleiro : na ra
da Praia, n. 3a.
--D. W. Bayno cirurgiffo dentista, re<-
peitosamente informa ao publico desta ci-
dade que elle pretende brevemente retirar-
se deste imperio, e as pessoas que ainda ne-
cessitam seus servico durante este lempo,
ser3o Hendidos, procurando-o no seu do-
micilio, na ra do Trapixe-Novo, n. 14.
Precisa-sealugir urna preta que sai-
ba lavar, engonimar e coser, para urna casa
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
II horas da mandila as 3 da tarde. Na mes-
ma casa tambem se precisa alugar um pre-
lo que emenda do servico interno e de tra-
tar de cavados.
Humphy II. Suift, cldadSo americr no,
retira-so para os Eslados-Unidos com sua
senhora, 2 filhos n cnores e umi (riada.
O abaixo assignado relira-se para Por-
tugal, edeixa sua casa de negocio gyrando
em seu nome, como at o presente, e cons-
titue por seus bastantes procuradores os
Srs. Vicente Jos de Brito, JoSo Jos de Car
valho .Moraes o Jos Pires do Morara.
'///orna: l'emandet da Cunha.
l'rrciss-se de um feitor paia um sitio na
Soledade : a tratar na ra Nova, armazem
de trastes do Pinto, defronte da ra de San-
to-Amaro, n. 59.
m&ymmmmmm wmvmwmtmwm
Prccisa-se um feitor que seja casado,
para tomar conta de um sitio em S.-Anna :
na praca do Corpo-Santo, n. 11.
Chapeos de sol. flfe
Rita do Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento desles objectos de todas as co-
res e qualidades, tanto de seda como de
pan o indo, porprecos commodos; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto : estes chapeos
silo feitos pela ultima moda; seda adamas-
cada com ricas franjas de retoz. Ni mesma
casa se acha igual sortimento de seda e pan-
ninlios imitando sedas, para cobrir ai-
macees servidas : todas estas fazendas ven-
de o-se em porcSo ea re la I lio .- la ni den se
concerta qualquer chapeo de sol, tanto de
hasleas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas : tudo por prego
com modo.
Na ra de Agoas-Verdes, casa terrea
n.26, en^omma se clava-so toda a qiali-
dadede roupa, cun lodo ssseio e prompli-
d3o, por preco mais commodo do que em
oulru qualquer paite.
Aluga-se o segundo andar e
sota o do sobrado atrs da matriz
da Boa-Vista, n 26, muito fres-
co e com Instantes commodos: a
tratar na mesma ra, n. aa.
As fazendas baratas i venda por tras
do Iheatro velho, o. 20, fram transferi-
das para a ra do lio/ario larga, no primei-
ro andar, por cima da padaria do Sr. Va-
lonea.
Engenho Queltiz.
Fregueziade Ipojuca.
Traspassa-se o arrendamento do dito en-
genho, o qual tem a presente safra a tirar,
e tres a criar. A tratar na ra da Aurora,
n. 26, ou no mesmo engenho com Miguel
Augusto de Oliveira.
N. B.O engenho tem excellente pasto,
he bom d'agoa, e tem bons cercados; e,
caso haja quem queira comprar a safra
ser-lhe-ha ella vendida, entregando-se im
mediatamente o estsbelecimento.
Va fabrica de caldeireiro
da ra Imperial, n. 181,
de Jos Rabo & Braga,
Alobiiias de al guel.
Alugam-se cadeiras para bailse odelos:
tambem se alugam mobilias a vonte dos
I lelciulenles : na
trastes do Pinto,
Amaro, n 59.
ra Nova, armazem de
forrante da ra de S-
fazem-se machinas de Derosme e de outro
qualquer modelo para espirito, ferragens
amarellas, almofarizes, candieiros de di-
versos modelos, escrivaninhas, perfumado-
res, palmatorias, esporas de salto e de cor-
reia, torneiras para alambique, Na mesma
fabrica arham-se oflicises promptos a sa-
bir rara qualquer engenho desta provincia,
para ooncertarem machinas e alambiques:
tambem ha para vender arria de fundir,
chegada ha poucos dias, e da melhor qua-
lidade que tem apparecido. Fundem-se
bronzes para engenhos, parafuzos para ro-
das d'agoa e toda e qualquer obra de cobre
e bronze que se ofTerccer neste estsbeleci-
mento, com legalidade e consciencia, em-
quantoaqualidado de metaes, por muito
mais barato preco do que em outra qual-
quer parte.
Silo rogados osSrs. abaixo declarados
para que ven ha ni ou msndem pagar suas
contas : faz se esta advertencia, e continua!
se, no s com estes como com outros, pois
nao se pode mais esperar: padre Calisto
Corris Nohreza 205,830 rs. de 1842 a 1844
Dr. Antonia Joaquim de Figueiredo Seabra!
promotor do l.imoeiro, 82.480 rs. de 1844 u
18*7 ; Manoei Joaquim de Figueiredo Saabra
43,780 rs. de 1844 a 1847 ; alteres Reg Ben-
to ou Carapenima ( no Ptr ; 40,280 rs. de
1842; Francisco Soares da Silva ( Cabo )
12,000 rs. de 1843; Jos Thomaz da Silv.
17,<00 rs. de 1843 ; Jun Joaquim de Figuei-
redo 21,000 rs. do 1812; Joaquim Jos da
Costa (Coianna ) 10,000 rs. de 1844; Jo3o
Leito Rodaval ( Apepucos ) 32,000 rs. de
1847; lenle em coiniiiissao Manoei Caul
da Silveira, natural da Parali iba. 53 520
rs. de 1842. #. do A. Caj.
Na casa n. 66 da ra da Santa-Cruz, se
achara prssoa de confianca para estar no
deposito aimuricisdono Diario de sabdado
4 do corrente.
~ As irmsndades que quizerem possuir
urna hoa msica para urna missa festival,
procurem-na em casa de Jollo Vignes, ra
larga do Hozarlo, n. *8, primeiro andar:
assim como um excellente fugle para m-
sica militar, pianos fortes e msicas novas
de todas as qualidades.
-Alugam-se eseravos para trabalharer
em armazem de assuar : na ra do Brum
armazem da esquina por detrs do arson'
de intimida.
[ Vende-so um dos dous engenhos, Telha
e Triumphos, sitos na freguezia de Seri-
ohSem, com bastante trra e muito produc-
tiva para criar grandes sifras : ambos bons
l'agoa, por serem eupeiros, e dislam do
ombarqun duas legoas : a lula.- com o pro-
prielario, JoSo Climaco Fernandes Caval-
eanli, ou rom Antonio de Silva GusmSo, ni
ra Imperial, do Alerro-dos-Afogados.
-- Vendom-scptimas bichas Je llamhur-
go emqualidadeeem" tamanho, pelo mais
barato preco que ha no mercado : na ra
Direita, confronte ao boceo de S.-Pedro, lo-
ja de BernardinodeSena.
Vende-se urna escrava de 20 annos, que
cozinha soffrivelmante e engomma perfei-
tamcnle : na ra Formosa, quarta casa,
direita, a qualquer hora do da.
Vendem-se 12 esciavos mocos, de boni-
tas figuras ; um ptimo molcque oleiro ;
um dito que cozinha o diario do urna casa,
de 22 annos ; um dito carreiro; um mole-
quede 10 annos ; 3 negrotas de 14 aonos;
4 escravas muito lindas, que cosem, engom-
mam o cozinriam o diario de urna casa ; 2
nrgos contendo varias pec'S do msicas ;
2 fardas de guarda nacional ; una espada ;
iluas bandas em bom estado, talini e cana-
na : na ra Direita, n. 3.
Vende-so urna preta moca, que engom-
ma, cozinha, cose e faz todo o servico de
um casa com perfeicilo, reunindo a tudo
isto la conducta; um mulalinao de II
annos, muito habilidoso, e que he proprio
para aprender qualquer oftlcio ; oculos pi-
ra todas as idados, recenlemento chegados
da Allemanha, que he aonde liaos melho-
resoculistas: na ra larga do llozario, n.
n. 35, loja.
Na ra do Trapiche, n. 8, no
escriptono de Ilenry Forster &
C. nestes dous da*, vendem-se
dous cavalloscapsdos e 108 muas,
viiiiliis de Buenos-Ayres na barca
americana Muthin&am : as pes-
soas que os pretender, dirijam-se
a mesma casa.
Vende-se a falla do throno no
anno de i85o, analyse ao discur-
so da cora e toda a discussao do
voto de gracas : no pateo do Col-
legio, loja do livroazul.
Novo riscado monslro.
Vende-se, na ra do Queimndo, loja n.
19, ricado monslro de listras azues, mui-
to proprio para jquelase palitos, a 240 rs.
o covado; caslonm de listras com diffe-
rentes cores, para o mesmo efleitn c ia'a
calcas, a 160 rs. o covado.
--Vende-se urna preta que cose, engom-
ma ecozinha; dous pardinhos, um de l
annos, e o oulro de 6 : todos muito em
conta na ra do Fog'o, n. 23
^Cllde-sefarinha de mandioca de su-
perior qualidade, em saccas de estopa e al-
goJSo, a 2,600 rs. a sacca : no armazem ao
pdf. arco da ConceicSo, n. 6i, que foi do
ailec.do Braguez.
Arroz e casca a 5,200
rs. a sacca
vonde e na ra do Amorim, n. 35, arma-
zem do Tasso Jnior.
Potassada Russia.
Vende-se superior potassa da Russia, da
mais i>' commudo : na ra do Trapiche, n 17.
Fardo a 5,000 rs. a
sacca,
a o melhor que tem vindo a este mercado
na ra da Madre-de-Deos, armazem de Vil
cenle Ferreira da Costa.
O 0
^Ceraem velas do io-0
ds.lanciro.
Q
o
o
Q>
9
$

9
O
O
o
a
o
i
Vendem-se saccas com farinha do m.in-
dioca, viudas do llio-de-Janeiro no brigue
iosena, por preco cominodo : no armazem
de Dias Ferreira, defronte da escadinha, ou
a tratar com Domingos Rodrigjes de An-
drade, na ra do Trapiche-Novo, n. 4. Ad-
yerte-se que as saccas silo grandes.
o
Vendem-se caixas com ce-
ra em velis fabricadas em
urna Has melhores fabricas
do Hio-de-Janeiro ; sorti-
mento a vontade do com-
prador, por preco mais ba-
rato do que em outra qual-
quer parte : amado Vi-
gario, n. 19, a tratar com
Alachado &c Finheiro.
O
8
9
9
9
9
O
o
8
9
9
9
9
9
9
o
o
9
9
Precos nunca vistos.
Vendem-se cassas de cores (isas, a
240 rs. o covado ; cambraia de seda,
a 200 rs. o covado ; chitas pretas fi-
nas, a 160 rs. ; chales de'l-ta, a 1,000
rs.; lencos de seda, a 1,000 rs. ; di- 0
o
9
O
9
toa com franja, a 1.000 rs.; ditos
meii,sedales, 1 1,280 rs. ; nielas pa-
ra meninas, a 120 rs. o par ; franlclin
prelo e de cores, a 500 rs. o covado ;
luvas de seda para senhora, a 320 e
500 rs. o par : ditas de pellica para
homem.a 160 rs. o par; lencos de
sedaedesetim para grvala, a 500 e O
640 rs cada um ; bicos de seda e de 9
linho, largos, a 320 e 500' rs. a vara ; 9
chapeos rarsdose de castor, e 1,600, <>
2,000 e 3.000 rs.. cada um ; ditos de n
sol, a 2,800 e 3,000 rs. ; colletes de f
gorgurffn, setim e velludo, a 1,600, 9
2,000 e 2,500 rs. cada corte ; e oulras 9
militas fazzendas : na ra do Crespo, 9
n. 9, loja amarclla. 9
9
999889999999999989
--Vendem-se pecis de madapolSo largo,
com 20 varas, proprio para forro e roupa do
eseravos por ser muito forte, com algum to-
que de mofo.a 2,500 rs.; e varejado.a 140 rs.;
|iecas de chita com algum sujo, a 4,000 : 111
roa larga do Rozario; u.--por.c:ma da pa-
daria do Sr. Vaienca.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassp,
de boa qualidade, em barriszinhoe
pequeos de .quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: nc Itecife,
'ra da Cadeia,armazemn. ia.

Itoni


m
989898889998899999
Vendem-se, por preco commodo, os
seguidles objectos em bom estado, que se
pdem ver no Forte-do-Mattos.pronsa do Sr.
Manoei Ignacio de Oliveira Lobo, e tratar
na mesma, ou na ra do Azcitc-de-l'eixe
armazem n. 13, das 9 horas da aa&Mi '
9 da tarde :
2 versas de gavia ;
2 ditas d.'juanete ;
2 ditas de sobre ;
Pannos de culcllo, carangueija, suriolla,
juba e fuzn, masteros de joanete e nioxo ;
2 camarotes com 4 bexng ;
1 escada de madeira e ferros ;de bronze
para portlo;
1 signo pequeo ;
1 roda de leme com chapas de lato ;
1 cabrestante de patente ;
1 bolinete ;
120 bracas de corrente, juntas ou sepa-
radas,
2 ferros de muito bom tamanho ;
I ancorle;
2 joaleles ;
1 gavia ;
1 hiijarrona;
1 giba ;
1 vela de esta es ;
Cobre velho de forro ;
Cabos Mcalroados para troco, que, pelo
bom estado em que estilo, pJem ainda ser-
vir ;
Panno velho de velas para forro, moites,
cardenies, patullas para ferro, e outros
objectos miudos.
Irados de ferro.
Na fundicSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo- riscado francez de quadros escuras, fazen-
v
f
e muilo barato.
Os propietarios da loja do sobrado
amarello, nos qualro-cantos da ra
doQueimado, 11. 29, desojando ulti-
mar a venda das fazendas abaixo
mencionadas, resolvern! vende-las
i'elos seguintes pregos :
Cortes decalcas de brim branco
de puro lindo a 1,760
Ditos de dito amarello, a 1.440
Ditos de dito de cores, a 1,410
Ditos de hla imitando casi-
mira, a 1,600
Alpaca 1 rola fina, o covado a 900
Cortes de vestidos de chita preta
com 14covados, a 2,000 J
Ditos do cassa de cores, a 2,000 i
Ditos finos, a y,00
Ditos de cambraia de listras de 9
9 cores lizas, a 9,500 9
* Sarja de 13a lavrada preta, o co- 9>
8 vado a 56o 9
"9 Lenr;os de seda de cores, a 640 9
9 Cobertores de algodSo encorpa- 9
9> dos para eseravos, a 640 '4
m 9
9*>& 3e999
\;\ rundo Crespo, n 14,
Joj i de Jos Francisco
Dias, vende-se
dlos.
Novidade,
A l,000rs. o covado.
Bicos baratos'
Na loja-dos barateiros da ra do Queima-
do, n. 17, vendem-so casimiretas de lila,
da muito fina e fiza, pelo barato preco de
/ 200 rs. o covado ; pecas do esguiSo de al-
godlo de 5 palmos de largura e com 10 va-
ras e neis, a 3,200 rs. a peca, e 8 320 rs. a
vara.
Na ra do Quintado, loja n. 19, vendem-
se bicos com tres dedos de largura, a 140
ris a vara: na mesma loja vendem-se
cortes de cassa chita muito linos.a 2,500 rs.:
chitas escurase fizas para cobertas, a 200
rs. o covado; ditas escuras tambem lisas
para vestidos, a 160 rs. o covado, e a 6,000
rs. a"peca ; meias para meninas, a 160 rs. o
par, e para meninos a 60 rs. ; luvas brancas
de algodSo para homcm a 100 rs.
Para quem precisar.
Vende-se um braco de batanea com cor-
rentes e conchas, um terno de pesos de
bronze de meia arroba a meia quarta, urna
halanca com marco para rap, um terno de
medidas para liquido, um dito para seceos,
umcaiz.locom seus competentes vidros,
uns fnttes candieiros, duas pipas que leem
servido de deposito de ago'ardente, 2 bal-
cOes, urna quaitola para azeite de currar-u-
to : na ra daSenzalla-Velha, taberna n. 15-
AGENCIA
Pretal e de cores, proprias para calcas epa- j f,il>./(fJ,fl i niv Ifnni
11 los para homem e meninos, a 1,000 rs. o lA Hllsli\0 IjOW-MOOr,
covado. ,
. RA I>\ SKtsZALT.Ji-INOVA, N. l\1.
Pechllicha para OS bahu-| lNesle .^beiecimento conti-
-- Precisa-so de tres pretas para vende
rom na ra : quem as tiver, dirija-se ao
becco do Sarapalel, n. 7.
Fazendas baratas e sem
deleites.
Vendem-se novas alpacas de cordSo de
Ida com differenles cores e muito moder-
nas, proprias para casacas e palitos, a 800
rs. o covado ; ditas de seda muito bonitas e
bons padies, sendo lambem proprias. para
vrslidode lulo aliviado, a 800 rs. o cova-
do ; ditas pretas de 13a muito linas, a MI
rs. o.rovado ; cortes de lila para vestido,
com 16 covados, a 4,500 rs. ; ditos de lila <
arda, muilo finos e de bom gusto, com It
covados e meio, a 6,M0 rs. ; dilos de chita
chineza muito lina, com ptimo padrOes,
cores lizas e chegados ltimamente, a 3,400
r.; brim pardo trancado de linho para ral-
cas, a 1,400 rs. o corte; dilo de quadros
azues, a 1,000 is. o coi le de calcas ou ja-
quela ; e lodo o sortimento de fazendas li-
nas e grossas por muito commodo preco:
na ra do Queimado, n. 27, armazem de
fazendas de Raymuudo Callos Leite.
JLeiam tambem este.
A propaganda homu:opathica em
Pernambuco, pelo Dr. Sabino Ole-
gario, em um folbeto beiu impres-
io: no pateo do Collegio, loja do
livro azul.
leros.
Vendem-se (hilas proprias para forros de
babspireslarem iracas, a 3.500, 4,000 c
5,5(0 rs. : na ra do Crespo, loja da esqui-
quina ouevolla pera a cadeia.
>-Vendem-se a narras "o lrro: na rus
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Antigo deposito de cal
virgera.
Na rila do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Vende-se um sitio com excel-
lente casa de vivenda cochei-
raqi.eaccommoda 30cavados,
e carros: o sitio he cercado de cerca nati-
va, tem grande eztrnso de terreno pro-
prio para tola e qualquer plantaf.1o, com
150 ps de coqueiros que dito fructo, e mais
aivoiedos utiis, duas cacimbas d'agoa de
beber e mais bemfetloriasquo com a vista
o pretendente se (gradara : no Aterrinho-
do-Ciqui, ii 12S.
Na ra do Caliug, loja de quatro por-
tas, vendem-se I3as de cores para burdar ;
touras e capotinhos de I la, proprios de me-
didos.; chapeos brincos de mola, a 5,000
rs. ; ditos do cures pua meninos; oleados
ricos para mesa.
-- Veiidein-se cigarros de palha de milho,
bons, por pie^o commodo : na ra das Cru-
zes, n. 40.
V( ndem-se 2 bonitos r.retos de 25 an-
nos, muilo bous ganlmdorcs de ra ; una
preta dc25unnos, queuigomma ecozindu
per.'eiian ente, faz doce e coso ; 3 ditas mui-
to mocas, com algumas habilidades, eque
silo muito boas quitundeiras; urna parda de
85 annos; urna preta de meia idade, que se
vende muilo em conta ; assim como outros
mullos eseravos: na ra da Cadeia do IIe-
cife, ii.51, primeiro andar.
Na ra do Cabug, loja de quatro por-
tas, vendem-se gravaluibas de setim para
senhora, a 1,000 rs. ; luvas de torca!, lenes
em Lista; capotinhos de fil de linho ;
bicos de todas as larguras; bicos do Porto '
e lilas do velludo.
todos os taannos,
la a haveium completo sorti-
mento de moen'jias e rucias moen-
tan, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido
o'-tdo, de
para dito.
Na ra do Cabug, loja do quatro por-
tas, vendem-se botes de Pedro II; ditos
amarellosdc bom goslo para casacas; di-
tos para marinda; ditos para o estado
maior; ditos de libr de pagem ; ditospre-
tos de diversas qualidades, por preco mais
barato do que em outra qualquer parle.
-- Na loja franceza na ra Nova alraz da
matriz, tem bonitos jarros de porcellana,
lanteinas de pe do vidro, ditas decasqui-
nha inglezas, ditas fracnezas, caddiciros
para sala, ditos de lalflo para esludaotes,
bengalas de rana, bandejas linas, chapeos
de sol de seda de cores para homem, fundas
para os quebrados, chfeos france7.es de bo-
nitas formas, lencos de seda de 1,000 rs ale
5,000 rs. para seubora e homens, ditos de
morsuliua, c oulras muitsg fazendas ; sa-
patos de duraque de cores para senhora a
800 rs ditos de curo de lustro a 2.000 rs.
Assim como loga eos seus devedores que
Ihe vam pagar, para nao mandar tantas
vezes os seu> caixeiros em suas casas.
Na ra do Queimado,
n. 9,
acha se a venda um completo sortiiento
de manteletes e capotinhos para senhora
ae chamelote ondeado e de listras; hem co-
mo de seda ruita-cores, os quaes vendem-
se por menos preco do que em outra qual-
amoslras aos compra-
quer parle,
dores.
DAo-se
Taixas para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
acaba-so de receber um completo sortimen-
tode taixas do 4 a 8 palmos .de bocea as
quaes achani-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se.
; | ou carregam-keetQ carros sem despezjs ao
comprador.


Vlanoel de Silva Santos ven-
de arroz do MaranhSo a 1,000 ri
cada urna arroba : quem preten-
der dirija-se ao armazem, que fii
do fallecido Braguez, na. ra da
Gadeia, n. 1'|.
-Vendem-se os seguintes livros: missal,
theologia mor!, pelo pudre Monle, diccio-
nario francez, por Fonseca : na praga dt
Independencia, n. 12.
Vendem-se caixas com muito hom sor
timento do aera em velas, farinha de trigo
em barricas o meias ditas, alhos do Porto,
retroz de todas as coros, vinho em barril de
quinto e de qnarto, arcos para barricas, (iu
porrele e pregos, ludo por prego commodo :
na roa do Visarlo, armazem de Francisco
Alves da Cimba, n. II.
Vendetn-se pela quarta parte dos
seus valores.
As obras completas do arcebispo da Rahia
em 3 tomos grandes por 6,000
Ditas ditas do abbale de Mably, em 12
tomos 6,000
i.e ccnseur europeen, ou exame de diver-
sas .questOes de direito publico, o diversas
obras Iliterarias e scienliflcas, por M. M.
Comte, e Dunoyer, em 12 tomos 8,000
Kuvrcs de Picard, em 11 tomos 6,000
Diccionario bistorico de todas as cousas
celebres c de todos os paizes do mundo,
em 4 voluntes 5,000
Aignan, bistoire ilu jury 2,000
Obras de Fontenello em" 5 voluntes gran-
des 6.00Q
Cuvier, quadro elementar da historia na-
tural dos animaes, em 2 grandes volu-
mes 5.000
llistoire Filosopliique du monde primiti-
vo, em 7 volumes 5,000
Portis, droil nalurel 1,000*
No paleo do collegio, loja do livro azul.

ii Manteletes e capolinhos.
Na loja do sobrado amarello, nos ii-
quatro cantos da ra do Queinia lo, U
fn. 29, vendem-se minteleles e capo- %
mili.!.s de chamalote, pelo diminuto
< prego de 25,000 rs,
Chpos.
Na loja n. 2 da ra Nova, atrs da matriz,
vendein-se chpeos francezes para homem,
os mais linos que teem viudo; chai l lo-
dos forrados de selim, proprios para noi-
vos ou bailes; hem como de oultas muilas
qualidades ; assim como chapos de palba e
de tilo abeito para senbora.
Bezerro ie 1, slro fran-
cez.
Colombiez, com loja na ra. Nova, n. 2,
vende be-erro de lustro muito fino, pro-
prio psra calgado de homem e senhora que
criban) calos ; grandes frascos com supe-
rior agoa ue Colonia, a 2. 4, e 6,000 rs., di-
nliciro a vista ; lencos de can.I una de l-
nbo. bordados e com bipo a roda ; ditos
linos de sada ; ditos para grvala:
Charutos de lia va na,
de superior qualidade : vendn-se na ruada
Cruz, n. 10, osa de Kalkamami IrniSos.
Viiilio de Bordea ux,
de superior qualidade : vende-se na ra da
Cruz, n. 10, casa de Kalkinann Irmos
r.iMiuuM ni' s para mu*
sicas.
Vendem-se instrumentos para msicas
militares ; bem como pianos e violes nini
lissi mos ricos : na ra da Cruz, n. 10, casa
de Kalkmann Irmiios.
Cadciri5 de palhiiilia,
e sobas para meninas: vendem-sc na ra da
Cruz, n. 10, rasa de Kalkmann IrmSos.
Burias de Ierro
de nimio boa qualidade, e com segredo pa-
ra as abrir : vendem-se na ra da Cruz, n.
10, casa de Kalkmann IrmSos.
Fontana e SSSF.
Mar.oel da Silva Sanios conti-
na a vender f.rinha de trigo, du*
superiorese bem condecidas mar-
cas Fontana c SSSK ; os prclen-
dentes dirija ni se ao armazem do
Aunes, no caes da Aliandega.
Vende-te a fabrica de charutos do
Aterro-da-Iioa-Visla, n. 43, com boas fre-
guezias : na i ua ib Cruz, n. 62.
Vende-se um pequeo sobrado de um
andar, silo na ra do i'liarol, em Fra-de-
Porlas : a tratar no mesmo 'ugar de Fra-
de-PoiUs, ra do Pilar, n. 123.
Um piano.
Vcmle-se um piano de mngno, cxcellcn-
le para se principiar a aprender, por mdi-
co prego : na ra do Collegio, n. 21, segun-
do andar.
Contina-se a vender boa manteiga
ingloza, a 400 rs. ; bom cha, a 2.000 rs ; ca-
fe ino'nlo, a 200 rs ; cevada, a 80 rs. ; ale-
iria, a 80 rs,; lal'arim, a 200 rs ; arroz
branco, a 80 rs. ; azeilc de coco, a 400 rs. a
garrafa : no paleo do Carino, u. 2, venda
nova.
Vende-se urna negra da cosa mullo
moga, de boa figura e enndurrk regular :
no aterro da Boa-Vista, fabricas de lico-
res, n. 17.
Btalas.
Vendem-se btalas muito boas por prtgo
commodo : na na da Madre-de-Deos, n.
31, ao lado da alandega.
Vende se um terreno, ptimo para se
edificar, por ser de esquina, e licar perlo
ilo i iu, leudo una casa ile laipa, silo na
Baixa-venle do Manguinho; assim como
urna pequea casa ratificada|de novo, con-
fente an mesmo terreno, com camboa no
fundo e orto de embarque : na ra da Pe-
nda, n. I, primeiro an.lar.
Vende-se-urna pequea casa terrea com
sol?", por prego muito commoJo, sita no
aterro dos Afogados, em principio, n. 141,
do kdo do mar: quem u piolouder dirja-
se a ra d Penda, n. 1, primeiro andar,
que se dir quem vende.
Vende-se um sobrado de um andar pela
quantia do 700,000 rs., o qual rende mon-
salmente 10,000 rs. : na ra do Passeio, liga
de fazendas, n. 13, se dir quem vende
Vende-se um sitio boira do rio com
mais de mil palmos de frente, baixa de ca-
pim para mais de 30 feixes por da, com boa
casa moderna, contendo 2 salas grandes, 2
gabinetes, 2alcovas, 3 quartos e cozinha ;
lie porto da praga por ser antes de chegar ao
Pego da Panella : o ar he muito saudavel,
pois nunca ahi penetrou a febre epidmica :
tambero se vende urna casa terrea na Sole-
dade, n. 50, em chaos proprios, com um
terreno contiguo, fazendo ao tolo cerca de
60 palmos de frente, quintal con mais de
300 palmos de fundo, alguna arvoredos e
cacimba, cujo local he proprio para qual-
quer rstabelecimento que tenba de ser
transferido para fra dacidade: na ra de
S.-Amaro, n. 16.
A 1,280 rs.
Vendem se sapatos de couro de
lustro para senhora, a 1,280 rs. :
na piara da Independencia, loja
do Arantes.
O llomoeopathia pura. <>
O Ra do Trapiche, n. 40. O
O Bolicase livros para o trmenla-
O ment dos enfermos pela homosopa- (5)
QJ tbia : acham-sea venda por rnoJi- Q
Q eos pregos. Q)
^ 0 llr. Luz se offererc dar todos q
os esclarecimesnlos necessarios pa-
9 rao melhor uso dos mesmos. *
3 O
|*f^Vende-se urna casa 00 ('.achanga, do
1ilado direito ao entrar na povoagito,
indo pela estrada nova, a primeira que lica
noalinhamenlo da igreja, com commoilos
sullicienles para familia, e estiibaria para
dous cavados : na ra do Livramcuto, n
2, loja.
Farinha de mandioca
nova, de S.-Cathai ina,
a melhor farinha que ha no mer-
cado, vende-se a bordo do Maria-
Prmeint, entrado no dia C do cor-
rente, por preco mais barato do
que em oulra qualquer parte: a
tratar com Machado & Finheiro,
na ruado Vigario, n. lo, ou com
o capitao a bordo.
-- Na ra do Cabug, loja do quatro por-
tas, vendtin-se toalhas de lavaiiulo de bom
gosto, fritas no paiz, por prego commodo.
Vende-se um sobradinlio de um andar,
na ra da Senzalla-Velha, em chios pro*
irios, por 600,000 rs. o qual rendo men-
salmente 10,000 rs ." no arco da Conceigao,
loja ile roupa feita, 11. 6.
Para quem vende obra feita.
Na ra do Queimado, loja do b.iraleiro,
n. 17, vendem-se coi tes de cnlletes de casi-
mira de cores, de bonito' gosto, pelo dimi-
nuto prego de 800 rs. I
Vendem-se duas casas terreas, sitas na
travessa do Peixoto: a tratar na praga do
Comroercio, n. 2.
Vendein-so ricas saca-rolhas do pa-
tente : na ra Nova, n. 20, loja de Jo.to
Feniilcs Prente Vianna.
~ Vende-se boa farinha de mandioca,
em sacras do alqueire, a 3,200 rs. e barri-
cas a 4,000irs. ; arroz pilado, a 11,000 rs. o
alqueire; dito de casca e milho : na ra da
Praia, becco do Carioca, armazem de An-
tonio Pinto Soares.
i

dito que se troca por um moloque quo este-
ja em idade de aprender oflicio : no paleo
da matriz de S.-Antonio, sobrado n. 4, se
dir quem vende.
Na loja de seis portas.
Produt(to dos aloaidet.
Vendem-se corles de vestidos -de' finas
chitas, com treze covadosem diversos pr-
dagos', a 1,920 rs.; meias pretas para senho-
ra, a 200 rs. o par; ditas para homem, tam-
bem pretas, a 120 rs.; chitas pretas a 160
rs.; ditas de cores, a 140 e 160 rs.; e mui-
to finas, a 240 rs. ; algodSo monstro, com
oito palmos de largura, para lenges de um
- panno, ou para grandes toalhas de mesa,
por ser trangado, a 800 rs. a vara; e ludo o
.nais por pregos a fazer conta.
Vende-se um palanquim quasi novo,
por 100,000 rs.; um soph de Jacaranda,
por 60,000 rs.; dous pares de consolos com
tampos de pedra preta, por 100,000 rs.; um
toucador de Jacaranda por 6,000 rs ; um
par de bancas de Jacaranda, por 30,000 rs ;
'ima cama de angico quasi nova e para urna
60 pessoa, por 14,000 rs.; 6 caderas com
assento de palhinha, por 9,000 rs.; um la-
vatorio de amarello, por 3,000 rs.; 112 ca-
pachos por prego muilo commodo ; panno
de linho, o melhor que se pode encontrar,
muilo em conta attendendo a sua boa qua-
lidade : na ra do Sol, n. 9.
9 ... ; I
j \cndem-se os seguintes livros : Dic-
lionaiy do pronoucing; Digesto por- q
q tuguez; Diclionary english ; Cram- .
n inaiiiM franceza por Sevene; Lobilo, q
segundas lindas, 3 v ; OrdenagOes r
do reino, 3 v.; Ceomelria de Eucli- m
X des ; Telemaco; llisloiy of england; z
* Diccionario ingtez por Vieira, 1 v.*
V P. Virgilii,3 v.| Calculo de Bezout, g
0 2 v.; Devoirs de l'homem ; Direito ^
O poltico por Macarel: na praga da In- C
J dependencia, n. 12. C
O o
Sem o menor defeito.
Para man tele tes.
a* Vende-se chamelote de seda prcla,
padrOes bonitos, proprio para man- ?
. teleles, a 2,000 rs. o covado : na lo-
A ja do sobrado amercllo, dos quatro- *
cantos da ra do Queima Jo, n. 29. ?
Xa rt:a do Crespo, n l!fe,
loja de A portas,
vende-se a pataca o covao de chita fran-
ceza de desenlies muito modernos, cores fi-
nas e pannos de. superior tecido ; estas luto
engaiiam, cono tem acontecido em snuuu-
cios fcilos em nutras parios, motivo pur que
"Ses se le'1 lomado do pouco aprego :
venliam os freguezes, que condecerSo a pu-
reza da verdade.
Manteletes^
Ricos manteletes, cada um em seu
cailn, chrgados ltimamente de
Franga : vendem-se na ra do Cres-
po, n. 9, loja 1 ni.) 1 ella.
#& *>* a>o<
Ucr.a propriedade.
Vende-se urna propriedade de tres anda-
res, sita na ra do Pilar, defronte da inten-
dencia, n. 145. a qual, alcm da oplima vis-
1,1 i|ii" il'alli ol' n iv, m' ai-li.i collocada em
bom lugar para conservar qualquer estabe-
lecimenlo : a tratar na mesma ra, n. 111,
comoSr. pslrflo-mr.
Vende-secera de carnauba,
e graxa do Mi-Grande; na ra
da I'raia, n. 3a.
Na loja de st-is portas,
veiidcm-se Yilcs de cassa-chita, padres
escurosque servem para luto, a 1,600 rs.o
corte de II covados.
Vendem-se as Dcadas de
Coulo, em 15 Hornos, por 8,000
rs. a quarta paite de seu valor :
no pateo do Collegio, loja do li-
vro azul.
Vende-se un moleque de eltgante fi-
gura, coro principios de alfaiale, e que co-
zinha ; um dito tauoeiro ; 2 pretas de todo
o servigo; 2 pretos bastante robustos ; um
Vendem-se excellentes chitos azues com
flores amarellas, a 6,000 rs. a pega ; ditas
finas cor de ganga, claras e escuras, a 5,800
rs.; ganga da India amarella de duas lar-
guras, a 1,000 rs. a pega; lengos de ganga
encarnada, a 3,000 rs. a duzia ; cobertoro
dealgododobrados, os melhores, a 1.000
rs. ; fino madapolSo da India, com 21 jar-
das, a 3,200 rs a prga ; modernos chapeo
francezes, a 7,000 rs.; e lodo o mais sort
ment de fazendas finas e ordinarias, por
muito barato prego : na ra do Queimado,
n 27, armazem de fazendas, de Itiymundo
Carlos Leile.
Vende-se um grande sitio na estrada
dos Afilelos, com muilo boa casa para fa-
milia, e rectificada de novo, muilas diver-
sas qualidades de aivoredos bem replanta-
dos, comosejam : umitas larangsiras de di-
versas qualidades, sapolys, paireirs, l'ruc-
la-piio, jaqueiras, coqueiros, mangueiras,
cajueiros e mais mitras diversas fructeiras,
hortalice e grande baixa para capim, que
so com a vista se poder melhor informal
ao comprador : na ra do Queimado, n. 10
-- Vendem-se dual escravas mogas, com
crias, e que silo cozindeiras, e urna dellas
engomma liso; urna dita que faz lavarinto,
plo-de-l. dolo de hacia e varios holinhos 1
todas de bonitas figuras: um sitio na Ca-
punga.com 100 palmos de frente e 160 de
fundos, pouco mais ou menos, com novos *
diversos arvoredos de fructo, um bonito
tanque para banbo, feito a moderna e com
quatro faces, um bom pogo de excedente
agoa de beber, tambera feito a moderna; 1
Ierren na ra do Prazer, por detrs de S.-
Congalo, com 150 palmos de frente, por ba-
rato prego ; um sobrado de dous andares,
no pateo do Paraizo : no Atcrro-da-Boa-
Vista, n. 61.
Vende-se urna vacca (orina,
muilo boa leiteira ; no Hospicio,
sitio n. 8, de porto verde.
Vendem-se pipas de ptima ago'ar-
denle : na ra do Hospicio, n. 9.
Vendem-se os seguintes livros en
francez, com bonita encadernagSo : desu-
ni da historiado Rrasil, Portugal, Ingla-
terra, Dinamarca, llollanda, China, Suecia,
F.scocia, Estados-Unidos e Polonda. da re-
ligiSo e tradiges moraes, foimando a his-
toria de cada um dos estados mencionados
um volume que se vender junio ou sepa
rado, a 400 is. o volume; varias obrrs de
Jeau Jacques Itosscuu, a 160 rs. o volume ;
pequeos romances allemes, truduzido-
lo francez por M. Elise Voiart, 4 v., por
1,000 rs. a obra; Vida de 8. Francisco di
Sales em franc z, 2v. por 1,000 rs.; Misio-
na de Theoilosio o grande, I v. porOO-rs.;
(amhem so trocam por obras do aulas ou
novelas portuguezas; Bulln, a 100 rs. o
folhelo : na ruado Crespo, n. 11.
Cassas francezas a
rs. cada vara.
Na ra do Queimado, n. 8, vendem-se
cassas francezas de cores fixas, dos mais
modernos padres, a cinco tosles a va ja
dSo-se as amostras.
Vende-se urna preta crioula, de bonita
figura, muilo boa engommadeira, cozinhei-
ra, costureira, e com todas as habiliJade-
necessaiias para o servigode tnia .-asa : m
ra larga do Rozarlo, 11. 39, no seguudo ou
leiceiro andar.
Merino t reto de duas
larguras.
Na ra do l.ivramento, n. 14, vende-st
moiiu preto muilo lino, proprio para ves-
tidos de senlioia quo esliver de luto, a 1,800
rs. o covado; casumira u,esclada para pa-
litos 1 corles de casemira de cores, a 2,800
rs.; e outras fazendas a troco de pouco di-
11 he 11 o.
Vendem-se bichas de llamburgo, chc-
gadas pelo ultimo navio, a 25,000 rs o cen-
lo ; na ma do Vigario, 11. 8.
Vendem-se bonitas escra-
vas. pretas e pardas de 18 a 3o an-
uos, que sao engommdeiras, eos
tureiras, cozinlu iras, lavadeiras e
quitandeiras, entre as quaes due?
iniilatiiihasde i8annos, e 4 l)rc
tos mocos de todo o servico : na
ra dos Larangeiras, n. 14, se-
gundo andar.
Vendem-se as seguintes novelas : D.'s-
gragas da inconstancia, 2 v.; Gustavo,
500
v ; Historia de Bonaparte ;'o Judou erran-
te 10 v.: na praga da Independencia, n. 12
'__Vende-se scllins inglezes,
elsticos, cabecadas, e couros de
porco : na ra da Cruz, n. 2, ca-
sa de Geo Kenwoi thy & C.
Vendem-se r'os apparelhos
de mjtal para cli na ra da
Cruz, n. a, casa de Geo Renwor-
thy & C.
__Vende-se bezerro para cal-
cado, chegado pelo ultimo navio :
na ra da Cruz, n. 1, casa de Geo
Kenworthyck O.
Vende-se um piano inglez, em muito
hom estado : na ra do Trapiche, n. 17, ar-
mazem de Jos Teixeirt Baslo.
Vende-se, ou aluga-se um
sitio na entrada da estrada nova,
na Magdalena, com urna encl-
lente casa terrea com muito bons
com modos: o sitio esta bem plan-
tado e olerece todas as vantagens
para quem liver bom gosto: quem
o pretender, irij-se ra do
Trapiche-Novo, n. 10."
A 3,600 rs. a peca.
Vende-se novo madapolSo encorpado,
com quatro palmos e meio de largura, pro
prio para lenges, toalhas de mesa, etc. ,
pelo diminuto prego de 3,600rs. a pega;
lindissimos tapetes com franjas de ISa ma-
tizados com o melhor gosto e diversidades
proprias para castigaos, jarros, lauteruas,
vidros de edeiro, campanillas, etc. i tudo
chegado ltimamente: bem como um com-
pleto sor ti ment de fazendas finas e ordi-
narias, por pregos muito baratos : na ra
do Queimado, n. 27, armazem de fazendas,
de HayinuiiJo Carlos Leile.
Boa farinha.
Na ra do l.ivramento, n. 14, vende-se
farinha muilo boa de S.-alalheus, em sac-
ca, ousem ella, por mais baralo prego do
que em outrs qualquer parte.
Novo sorlimento de fa-
zendas baratas.
Vondcm-se cortes de cassa-chils muilo
bonitos, a 2,000, 2.400 e 2.800 rs. ; riscadi-
nhos do linho, a 240 rs. o covado; dito de
algodSo muito encorpado, proprio para
roupa deescravos, a 140 rs. o covado ; cor-
tes de brim braceo de linho, a 1,500 rs. ;
dito muito bom, a 1,700 rs. ; dito amarello,
a 1,600 rs. ; dito com listra ao lado, a 1,280
rs. ; cassas de cores muito bonitas, a 820
rs. o covado ; riscados monstios com qua-
tro palmse mel de largura, a 260 rs. o
covado ; zuarte furla-cres, a 200 rs. o co-
vado ; pegas de cambraia lisa com 8 varas
e meia, a 2,720 rs.; chitas de bonitos pa-
drOes, a 160 rs. o covado ; ditas muito fi-
nas, a 200, 220, 240, 2G0 e 280 rs. ; lengos
de seda para algibeira, a 1,000 e 1,280 rs. ;
ditos para grvala, 1,280 rs.; eoutras mu-
tas fazendas por prego commodo : na ra
do Crespo, loja da esquina que volta para
a cadeia.
Vendem-se relogios de ou-
ro, com vidro, e sabonete, paten-
te inglez, clicgados agora: na ra
da Cruz, n. a, cesa de Geo
rienjvorthy & C.
Vende se superior fio de al-
godSo, proprio para pavios de ve-
lase para rede de pescara; na
ra da Cruz-, n a, casa de Geo
K.enworthy & C.
Vendem-se lonas imperiaes,
as melhores que ha no mercado, e
brimzSo para velas: na ra da
Cruz, n. 1, casa de Geo Kenwor-
thy&C.
-Vende-se urna escrava robusta e sadia,
sem vicios, de 40 annos, que cozinha o dia-
rio de urna casa, lava bem, e he oplima pa-
ra oservigo de ra: na ra do Queimado,
lado do becco da CongregagSo, loja de fa-
zendas, n. 45.
Na ra dasCiuzes, n. 22, segundo an-
dar, vende-se urna preta de nagSo, muilo
moga, com urna cria de 6 mezes, molequi-
nlio, e com algumas habilidades; urna
crioula de 18 annos, que engomma bem,
cose chito, cozinha o lava de sabSo ; duas
pretas de nagBo, que cozinham, lavam de
sabSo e sSo ptimas quitandeiras ; um mo
lecote pega, de nagtto Angola, proprio para
todo oservigo.
Vende-se urna esciava crioula, de 20
annos, de bonita figura, propria para qual-
quer servico, por prego commodo : na ra
Vellia, na Boa-Vista, u. 33.
--Na loja do Duarle na ra do Cabug,
venlem-sc tesouras para alfaiale, barbeiro,
costura* unlias, ecaivetes finos de diver-
sas qualidades e da mell.or fabrica de Gui-
ma riles.
Vendem-se bustos de gesso represen-
tando fielmonle a rainba Victoria e o prin-
cipe Alberto; relogiosde ouro e de piala,
chegados ltimamente da Suissa : estes re-
logiosqu3 s5o mui bom acabados, se tor-
nan multo rocoinn.eudaves a qualque
particular, e adverle-se que ha entre elle-
algunsque andarn 8 dias sem preciso en
le corda : na ra da Cruz, no Itecife, n. 55
Vende-se um grando sitio no lugar do
Manguinho, que tica defrontc dos sitios dos
srs. Ca neiros, com grande casa de vven-
la, de quatro agoas, grando sonzalla, co-
cheira, estribara, baixa de capim que sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba com
tromba e tanque coborlo para banho, bas-
tantes arvoredos de fructo : na ra da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar
Vendem-se varreduras para poicos: a
1,280 rs. o alqueire : no cies do collegio, a
tratar com Joaquina Jos Catraeiro.
Vende-se um pardinho de 18 annos,
com principios de sapatelro; nm preto de
5 annos, que lie cozlntieiro : na ruado
Itangel, n. 38, segundo andar.
Miiir-.-r-i-rw ------iiTir
J&fCravos Fufduios
Wenseslio, pardo agarapado escuro,
alto, secco, de 18 a 20 annos, quando do en-
genho s.-Antonio-Grande fugio, princi-
piando abarbar ; tom urna cicatriz em um
dos lados do queixo, cabega redonda, ca-
bellos pretos e muito cacheados ; tem olhar
de porco, olhos vermelhos, pernas e bragos
finos, maos e ps grandes ; he tabaquista,
falla alguma cousa fanhoso ; fugio no dia
10 de margo de 1815, para o quilombo de
Vicente de Paula, e d'alli em Janeiro da 1848
sahio para o centro por ter ihe mandado
dar o mesmo Vicente dous Jiros, dos quaes
rnente foi ferido em um "brago : quem o
capturar, .oudelle der noticia nesta praga a
I0S0 Francisco de Alable, e as Alagas,
ao commendador Jos Paulino, de Albu-
querqug Sarment, propietario do engo-
lillo S.-Antonio-Grande, ser recompensado
com 100,000 rs.
Fugio, no dia 28 do prximo pasaado,
0 preto Jos alacei, condecido por este
nome por ler viododaquolle lugar j ha al-
guna annos; lovou camisa de algodfio bran-
co, e caigas do risoado americano; he de
estatura regular ; representa ter 40 annos
pouco mais ou monos; custa a perceber
quando falla, parecendo temoralo ; tem naa
canallas das pernas sigpaea de ferldas; he
segunda vez que se tem ausentado,, nSo
leudo sabido do Itecife, do qual agora mes-
mo se leve noticia 3 dias depois da falla, e
desde enllonSo se pode colher mais noti-
cia algum; julga-se ter ausentado para o
mallo. Koga-se as autoridades policiaes e
capilSes de campo, que o apprehendam e
levem-no ra de Apollo, n. 19.
Urna recompensa.
Acha-se fug:da, desde o primeiro do cor-
rento anuo, a preta Mara da Cruz, de 40 o
tantos annos, cara redonda e enrugada ;
tem um dente falto na frente; he baixa e
um tanto edeia do corpo, mitos e ps pe-
queos ; tero as unhas dos ps re troc las e
muito grossas, tendo nos mesmos alguns
era vos e urna marca de renda em um dos
tornozelos; tem urna caneila quasi toda
foveira proveniente de outra grande fonda
que leve ; d muito cavaco quando Ihe fa-
zem c-uz ; he muito condecida de alguns
ofiiciaes de pedreiro, por ler trabalhado de
servente em algumas obras, e em algum
lempo que venda agoa ; tem sido vista em
1 Huilla e nesta cidade a vender agoa : quem
a pegar leve-a ao Alerro-da-Boa-Visla, n.
17, fabrica de licores, que ser generosa-
mente recompensado
Fugio, no dia 24 de abril, o escra vo Lu-
cas, de estatura ordinaria, chela do corpo,
bastante espadado, olhos grandes, nariz
pequeo, barba radiada, suissas grandes e
rjda chela at o queixo, pernas meias ar-
queadas ; tem na mil o direita o dedo se-
gundo ao mnimo torio para dentro ; levou
urna camisola de estopa al os pos, e cha-
peo de palha ; quem o pegar leve-o a (Hui-
lla, roa da Senzalla. dcfionte de S.-There-
sa, casa com 6 janellas de frente, que seri
recompensado.
GralificagSc de 20,000 rs.
Fugio, no dia 6 do corrente, o preto .'ui-
Iherme, de nsgiio Congo, baixo, com os
ledos mnimos dos p6s defeituoSos ; he
rendido da venida esquerda, onde.traz
sempre urna funda'; e costuma embriagar-
se : quem o pegar leve-o ra da Senzalla-
Velha, n. 68,ou na padaria n. 94, aue rece-
bera a gratibcagSo de 20,000 rs.
Do engendo Jurissaca, sito na fregue-
zia do Cabo, fugio, em outubro do anno
prximo passado, um preto de nome Ale-
xandio, ciinulo, alto, Cdeio do corpo, ros-
to bastante carnudo, muito barbado, de 40
aunos,; tem umaferida quasi chronica em
una das pernas : quem o pegar sera grati-
ficada generosamente pelo reu-oiro do dilo
engendo.
Fugio.no dia 25 de Janeiro prximo
passado, da fazenda Alsgoa-de-Cavallos,
um pardo de nome Antonio Panema, de 22
annos, de cor bastante alvacenta, estatura
baixa, rosto redondoe cheio da sardas;
lum urnas quei 1 aduras de quando foi pe-
queo, oltios grandes, nariz afilado, bogo
de barba ; pode muito bem passar por for-
ro, pelo que avisa-se as autoridades com-
petentes do recrutamento : quemo pegar,
ou der noticia certa ao seu senhor, Manuel
Vicente da Annunciagflo, ser recompensa-
do generosamente |
-Fugio, no dia 27, o crioulo Vicente, na-
tural do Aracaty, de 38 annos, de estatura
alta, grosso, espadado, cabega redonda,
olhos naturaes, nariz chao, bocea grande,
beigos grossose levantados, pscogo grosso,
ps e mflos bstanles grandes ; levou cal-
gas, camisa e chapeo de couro : quem o
pegar leve-o a Olio la, roa da Senzalla, por
detrs de S.-1 heresa, casa com 6 janellas,
que ser recompensado.
Dessnpareoeu, no dia 5 do corrente,
una parda um tanto escura, de estatura
regular, gorda, cara larga ; traz sempre os
cabellos levantados o nadegas saludas para
fra : quem a pegar leve-a a ra do Ito-
zario da Boa-Vista, u. 24, que ser recom-
pensado.
Gralifica-sc bem a quem apprehender
um caba de nome Alhaiiazio, de estatura
regular, grosso do corpo, cabello estirado,
pouca barba, nariz afilado, com falta do
tientes na frente, beigos grnssos ; tem urna
cicatriz nos peitos ; tem falla de dous de-
dos no 1 esquordo ; levou camina de al-
godSo azul, caigas pretas do merino j usa-
das, chapeo pratotamdem usado: este ca-
bra desap, arocoii no dia 8 do abril do cor-
rente anno ; julga-se que elle ande pelos
trapiches do assucar. Itoga-se as autorida-
des policiaes e capules do campo, que o
apprehendam e levem-no a casa dos Srs.
Misquita& nutra, na fundigSo da ruado
liruin, ou na ra Nova, n 35.
Fugio, no dia 12 de margo, o preto Be-
nedicto, crioulo, que representa ter 24 an-
uos, de altura regular, sem barba, cara re-
donda, olhos carrancudos ; tem os ps um
tanto torios e urna-das pernas : este escla-
vo veio do MaranhSo para aqu ser vendi-
do por conta do Sr. Dr. Francisco de Mello
Continuo Viihena: quem o pegaron der no-
ticia na ruada Cadeia Jo Itecife, n. 51, pri-
me 1 andar, ser gratificado.
pgaN. : na -rr?. de u. t. ub Mata. 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQJKPNMHJ_LC60ZH INGEST_TIME 2013-04-24T19:10:37Z PACKAGE AA00011611_06904
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES