Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06885


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI.
Quintil-fe ira 14
*ARTIDAS ROS C0HHI10S.
Goianna e Parahiba, legundaeintai felrai.
nio-r'raode-do-Norte, quintal feiras auuieio-
dia.
Cabo, Serlnhaem, Iiio-Fornioso, Porto-Calvo
e Macelo, tut l.', a 11, e 21 de cada mex.
C.ir.iiihuns e Bonito, a 8 e 23.
rloa-VUta e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintil felran.
Oiiada, todoi o diai.
-my^.Sl sssMslHI I Sil immmmmmmi^^*
iPHimniBM,
- /Miog. a 5. ai ab.* Vi ra. a t.
,,.,,,.. (Nova a 13. j 8h.e57 in. Ha L
(Chela a27, 9h.irrm.dat.
mtimii se BOJ*.
Primeira as 5 Moras e 18 minutos da imnhaa.
Segunda ai 5 hura* e M mimaos da tarde.
mmmmmmmm
de Marco e
M .,;
IftiiCK
:...-. ISSBMta
N. 01
meos DA BCBncaiFQAO.
Por tres me/es fai/i'aniado) 4/000
Por seis mezcs 8/100
Por mu anno
OO0
1*00 j ,7
DI*g DI lti*.
11 Seg. S. Candido. Fer. pi us ncg. f.>rensei.
12 Tere. ?. Gregorio. Aun. ducharte., do J. da I.
v. do clv. e do d" feltoi da Rienda.
13 Quart. S. liufrazi.i. And. doj.dai. v.docivel.
14 Quint. S. Mathildes. Feriado para 01 negocios
foremei.
15 Sexl. S. Henrlque. Feriado parados negocios f-
cente!.
10 Sab. S. Cyrlaco. Aud.da Chae, e do /. da2. v.
do crime.
Don. S. Patricio. ____ ....,,,.,...
CAMBIOS ESI 13 DEMAaOO.
Sobre f.nndre. 28'/, d.-por 1/000 rs. a 80 dlai.
Part, 3i.
. Lisboa, 95 por cento. oarifiO
Oaro.-Onc hespanhoei.........28O00 a nfM
Moedaa de 6*400 velhai.. 6/WO a 16/800
/V.M.-P.tacJbrlMro....... J/M Jg
Pesos coluumarlot....... /" J
Dito uiexlcanot........_f^_.t^'^^f.
M*t OFFiC.AL.
UIMSTEWO.DO IMPERIO.
Comelhot tfimtltat tobre o eomptrtamtnto
que devem obsetvar durante a epidemia.
Pira lFnqnlltir o espirito do povo. a
conrniissSo declara que a fehre amareila,
qqe principia a reimr ei i lemica'mente
nata Cidada, aecnmmetle de prefer'neia as
pessois recem-cliegadas de paizes eslran-
geirns, marinheirof e ootros individons
nSo aclimatados, ou nfio habituado* s in-
fluencias de lemperaiura eout ras especiara
anclima do nono pata : quo cllasedesin-
volve. a bordo dos navios e em Ierra, nos
lugares onde costumam reunir-se e perno!-
larem marinlieiros, como so observa em
certas casas da ra da Misericordia e praiu
del) -Maooel : que as peisoas nacouacse
etramraims j aclimatadas residente
nesi-es ustrinos, a retire apresenta-se be-
nigna e potito caractertsada: que eniflro nSo
hi ejemplo al boje, no hospicio do Bon-
Jesua ebulros lugares em que se ten 1 ni-
trado de (lenles de IWire amareila, que es-
ta so tenha rommunicado s pessoas que
os traa m ou viaitam D'aqui ennelue a com-
migilo.e conoehe toda 1 espe ranea de que
a febre amareila nilo s poupara os habi-
tantes naciunaus e estrangeiros aclimata-
dos, residentes nesta eida le, mas anda
que, se em algn* se manifestar, ser be-
nigna ; e conseguintemenle nenhuoi temor
devara ella nruiir aos cidaaaos brasi-
lerros.
Ri attengo ao esposto, a commissilo
aconaelhs primeiroque lulo s pesoas, e
s familias eslrangeiras rerem-chegailas
esta corte, aos Urasileiros vindos das pro-
vmcias 1I0 sul e do interior, que devem re-
liraf-sedesla cidaJe durante a epidemia,
e ircm residir nu interior da provincia, ou
do municipio, especialmeote nu Tijoca,
Sania Tneieza Pelropolig e oulros lugares
elevados e salubres. Igual recommnndacSo
faz com especialniade os que llabitam pr-
ximo das pesias em geral, n.nru.outc la -
quellhs quo licam visinhas dos ancoradou-
ros, e bem assirn a aquellos que residem
nastuas da Misencorlia, S-Jos, Uinitae
beCCOS adjace.ntt/S. Em geral ludas as f-uii-
liasque po-lrem,-farao bem em transpur*
lars-e para lora da cidade.
Os euidados hygiennicos, t3p uleis em
todos os lempos para a conservarlo da
saile, tornini-se anula mais nccessarios
lias occusiO s de qualqurr epidemia. Anda
queacurnm'SHiloiiilopossa prescrever re-
gras preventivas, nem un rgimen que
coiivtuh igualmente tudos os temper-
mentos e estados de sa le. esta entretanto
convencida que a lodos apioveitar a ob3er-
vaiiciadsseguintes prerellos.
Ihbiucao em lugar espa^osu, onde a luz e
o'ar peeliem fcilmente, consefvand por
algum lempo abei las as portase janellas.que
fommullicaren! cun o ar extmior. Exerci-
fioeut pleno arein lugares elevados, fres-
cose aprasi veis, seropre coru modera;9o e
evianlo a rediga.
Vestuario que abrigue convenientemente
o corpo contra osifT-iios da liuniidade, o
das variatdes atniospliencas. Cuidados mi-
nuciosos de limpeza por meio de banlms
paiciaesnu graes, nao mullo prolongados
quedebililein. Pela manhSa plemos ba-
nlios mt fros, n durante odia e a nuil sera
melhor que sejam tepidos.
I)ever-se-ha dormir quinto baste para
reparar as frcas, no so trocan 1o a nuite
pelo uia, e citar Iotas us occurrcncias que
possam excitar paixOes vilenlas, como a
Cholera, a ti isteza, ele,
licvei-se-ha usar de urna nulrico subs-
tancial, repara lora ede fcil digestilo, e
aquellas peisoasque estiverem habituailis
ao uso do viulio, poderflo b.diC-lo curo 1110-
ilenicno, (]..cr puro, qur cuto agoa, una
vez que s< ja oe muitoboa qualidaJo, e uo
alterado, ou falsifica lo.
.Nao su pode prescrever rgimen algum
especial, nem excluir tambeui as substan-
cias d alimenliicSo ordinaria. Tmbelo ne-
iiliuma ha que deva ser proscripta de um
iio.lo absoluto.
O rgimen habitualmonte seguido, e cotn
o qual se atilia bem qualquer pessoa, lie
sempre bofh, e baveria por cerlo incouve-
iiieuies em muda-lo em lempos de epide-
mia, na e-peranca de adiar oulro mrllior.
Ao medico couhecedor do modo de vida
habilitual das familias pertcnce a indica-
C3o das modilIcacOes mais convenientes
e uteis a adoptar em lies condicOes.
inesnio compre dizer a respeito das
bebidas cujos excessos sao mais de recuinr
do que menino a quaiidades dellas.
Muiio ewi6Ui issipui -u o ienior en-
gerido da epi lumia, bem como as precau-
(,-Oes nreessanas. A caima do espiito, a
coragem, a coiilin?a sflo as dispos$oes
nioracs nms ellicazes para impedir o ata-
que da febre epidmica, liom tomo a tem-
teranca ea rcgulaiidaue.em tolos os hbi-
tos da vida silo as condices physicas mais
favor a veis paia uvi la-la e atleuua-la.
Quandoapparecam quaesquer indispnsi-
cOes ou iiiciimmodu de sa le, cunvira logo
recorrer algum medico, paia que um tra-
ta ni en lo prompto e eDicaz Iboseja imme-
dialatlienle piescriplo, e evitar por esta
forma os aeus progressos e niaior grvi-
da le.
O individuo que se sentir com calafrios,
dOrts de ti beca ( ou sobre os 0II10* alguna
touteras, dores conlusivas pelo curpo, cos-
tas, lotnbos ecaileiras, inapetencia, bocea
pastosa ou amarga, nauseas, vmitos, do-
res na re?.1o do estomtgo ou pelo ventre,
ourina s corregidas e pouca, pMe secca e
quente, e alguma frequenpie ou alteraCKo
no pulso, dever logo, emquanlo no cbo-
gac o medien, despir-se, guar lar o leito e
ailletar-SB, promover a trauspirac.lo cutu-
nea.-'usahdo de limonadas momas, pedilu-
vios quentes, ou synapisados, infus.lo d-'
Casca dfili'nAo, defieres de borrag-un, ou
de sabiigueiro, etc. gasalhando-se e con-
servando-se em repouso do corpa edo es-
pirito.
l'aco da illuslrissima camsra municipal,
aos 13 de fevereiro de 1850 -- Dr Gandido
II'ira't Hontr.iro, presidente ; Dr. Mano'.l de
Valladao l'iminlei: Dr. Jote Pereira Heqo :
Dr.buis Ptctnti Ih-Slmoni: Dr.Antonio r'etix
Vnrti/11 ; Dr. Hobertu Jori/e HaddoKck Lobo :
Dr ioti Mara de Noronha /'eir/.
F.sleve pjesonle ao irabalho o Sr. Dr. Jos
liento da Roza.
MINISTERIO DA FAZEiNDA.
EXPEUIEMTF. DO DI.V 11 DF. FEVEREIRO.
Ao inspector da alfandega, em solu-
co ao que representou sobie a execueflo
do artigo 229 do regulimento, se no caso
de excesso e das liy 1 oilieses do dito arligo
(ica subjeito 1 arrematagilo o total das mer-
endonas existentes no volume despichado
em que se deu excesso ou diminuido, ou
smente a parte da mercadura que faz o
objecto do excesso, se declara qu, dadas
as liypotheses do dito artigo, fie subjeito
arrematarlo o total das mercaduras exis-
1 en leo no volume despachado; por isso que
ah so manda proceder arreinntai^no no
caso de o eonferenle adiar differenca entre
as mercadorias e o despacho (art. 226);
e, a nfio ser assim impossivel fra exerutar
aquella disposifo 110 caso de faltarem em
um volume alguma ou algu-nas das mer-
cadorias aecusadas no despacho.
MINISTERIO DA JUSTICA.
inspeccionado pela junta melico-crnrgica,
hija V. Exc. do o ma dar hojn mesmo all
receher e recolh-lo ao hospital regimental,
aondn V. Exc. o f-ra maiudislauenie ins-
peccionar, rcmellendo-me o resultado'da
inspBCfSo.afm de ver S o dita deserloc r -
de ser enva 10 amanhla pelo vapor Bahiana
ao l'Ain. ministro da guerra.
U1I0.--A0 inareclial de campo graduado
/os Joaquim Coellio, cum-i lime 11 lo ha ver
S. M. oluperador, por decreto 31 de de-
zemhro prximo passado, nomeado a S.
Exc. commaudante das armas da |iahia,e
pura o niesmo exercicio nesla provincia o
periaes marnheirosque, conelulrelo o seu
lempo de servido,quizerem n^lle continuar.
Vejo que a POmmTssSrt prope que se ap-
proveni por |ei alguns dos ariigos do reu-
lamenlo ^lo cor (i; mas mo sei so a sus dou-
trina sulistitue coiivcoienlemenle a da pro-
posta, e desejaria otivir algii'iiss exnlirs-
cOes. Oulro objecto lie o eiignj imcnto de
menores para a companhia des te nome
Sendo eu presidente do Maranhlo reCebl
orden do governo para promov-lo, ee vo bem persuadido de que P'r esto meio
podr-se-hia preparar para seren Miembro*
uleis da s icieda le nimios meninos que va-
marechal de campo graduado, Antonio Cor- gueam pelos povoados e fra dell. s, entre-
reia Seara, que lomou posse hoje.Nesle
sent,lu ollieiou-se ao conimandanle ila pra-
ca, e ao inspector dn pagadoria militar.
Inio.-Ao inspector da tbesouraria da fi-
zenda,.inleiranilo-o de llover S. M. o Impe-
rador, por decretos de 21 e 24 de Janeiro
ultimo, que exislem na secretaria da presi-
dencia, nornealo para diveisos emprenos
da mesilla lli- s in.uia eda mesa do consu-
lado os indi liduos mencionados na rclaclo
que remelle.
RBU(!AO' DOS INDIVIDUOS A QUE SE RE-
FERE O OFFICIO ACHIA.
Meta do consulado.
Por decreto de 21 de Janeiro prximo
pussado IVn-.iin norneados: para segundo es-
criturario 0 amanuense Csetano Gomes de
S ; para amanuense Jos Fratidiseo Martins
de Almeida.
Thcsmirarta de fazenda.
Por decretos de 2i de Janeiro ultimo f-
ram nomemlos : para priineiro escritura-
rio da coiila loi ia o segundo Jos llenriques
Machado; para segundos os lerceims .n-
belino Guedes de Mello, J-is Brasilina da
Silva, e o amanuense Miguel Seralim de.
Castro Nones ; para lerceiros o carlorario
JoiloJos Loiies. Carlos Joo de Snuza Cor-
ris, e o amanuen>e da secretada da tbe-
souraria Jo Maria da Trin lade.
Hilo.Ao inspector da pagadoria militar,
remetiendo, para ler o conveniente deslino,
a guia do alteres do segundo balalhfJo de
3.* Seeeo. Rio-de-Janeiro. Ministe-
rio dos negocios da justlca em 5 de feverei-
ro de 1850.
Para evitar que as cadeiss se arcumu-
lem presos, demorados espera do cum-|Cacadores Antonio.l.uiz da Cunhs.
primele d>suas sellencas, convm adop- Dito.--Ao inspector la ihesourarii da
lar as medidas que frem proprias para'fazenda provincial.enviandorodas do orgs-
que nos Iribun-es superiores (enliarn menta e rondicoes pura continuacio
prompta distribuico e expslicfo ospro-!0t)ia ,|0 caes denominado Ramos, afim de
cessos criu.es quo selles sbem por meio q,ie faca pc em arrematlo a referida
le appellacfo ou recurso, e, a este lmljUbia.--lnteiroii-seo engenbeiro JosMame-
S. M. o Imperador 11 So > manda recom-! de Alves Fencira.
mondar a V. S. que desinvolva lodo o seu I Dito.Ao mesmo, remellen lo as enntas
zelo e actividade afim de quo nesse tribu- da despezas rallas com a obra do aterro da
nal se consiga o melhor resultado, como ponte dos Arrumbados, para que as maule
que examine se ss decisOes do tribunal silo examinar e pagar ao nngenlieiro Jos ala*
transmittidas ao juiz das executoes com a i niede Alves Feneira -.'8,940 rs., em que e<-
necess.na pontualidide, p opondo a esse : cederam as referidas despezas aoorcamen-
respeito as med las queaV. S parecerem to da menciona la obra.-Scientillcou-se o
convenientes, nSo couberem as suas mesmo engeuhero.
atlribuices. Dos guarde a V^S.-Eusebio j Dilo.-Ao inspector do arsenal de msri-
de Queiroz Coitinho Mattotoda Cmara.-Sr. ,,|la, commuiiicandu que segunda consta
Manuel Ignacio Cavalcanti de l.acerda. ; (|e avj0 uo niiiii.-lerio da 11 inha de 28 de
Idnticos se expedirn aos presidentes Janeiro prximo (Indo. 6. i, o Imperador
s mais relacOes do imperio. huuvera por bem conceder a Smc do pri-
meiro do corren le em diante, a gratificacflo
monsal de 100.0:10 rs., que devera sabir da
consignadlo volada para as obras do me-
Ibaramenlo do porto.Intelligei.ciuu-se o
contador de inarinha.
Dito.Ao comniandanle do brigue-escu-
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 13 DE FEVEREIRO
Oflicio.Ao inspector da Ibesouraria da
fazenda, autorisando-n a entregar ao in>-'na Andorinha, dizendo que pode Iszer des-
pertar da pagadoria militar mais a qiiaiilia;ernuarClir ,, brigue-escuna do seu com-
ilc 40:000.000 rs. para as despezas militares ,,! 0 Americano Itobo.t Wilson.que,
do crrenle mez. leudo finalisado oseu engajimenlo 110 oa
Dilo.-Ao inspedorda pagadoria militar: u uu enrente, i3u quer continuar servir.
para qun remella, afim de seren endereca- | |)il0...A engeuhero Jos Mamede AI ves
dosaoExm. presidente da Parahiba que Ferieiri., lemetlendo copia de um aviso do
as requisita, as guias do segundo lenle, misterio do imperio,pra queinforme com
du quarlo batilblode irlilharii a pe Ba/i- .urcnCla qua| 0 ,sijo biu que se ada a
lio de Amorim Uezerra, edo alteres de es- ; obra Q0 .,u\ac\0 j0s antigos governadore
lado-m.ior de segunda classe Joo de Amo- uebU provincia, bem como quaes as despe-
zas a fazer-se con a roncluslo da mesma
obra, e por ultimo rerommeudando baja de
esta des|eza com a que se pode-
coui os reparos do convento do
Carino de Olinda.caso se queira estabelecer
nollea academia juiidlca.
Portara.--Mandandu passar nomeacSo de
segundo commandan^e da primeira com-
panhia do cnipu de polica ao lercriro Mau-
ricio de Assis Sanios Telh s, e para o lugar
rim Uezerra.
HiloAo inspector ds Ihesouraria da fa-
zenda piovnrial, ordenando mande ",'a"-! con"pa"rr
tir mis ao alinnxarife dis obras publicas rl. razer ,
a quantia de 100,000 rs. para conclusflo dos
cuncei los da escuda da cadeia desia cidade,
ti-to ler sido insullicietile a de202,000 rs.,
calculada pelo respectivo urcamenlo.
Dito.Ao cornmaiidanie da coverta /'.'-
eipe, declarando que 1 ode passar guia de
gues a urna vida de miserias e de ocinsi la-
de mas nada pude fazer por falta de lem-
po, c por nilu ler sido aquella urlcmacom-
paunada do crdito necessario para paga-
uienlo dus gratiricac,oesqne o governo im-
perial sulorisou-me a ibilrar. E-te as-
sumpto parece-mn muito digno do consl-
derac.lo; ceio que do engajameuto pud'-
se tifio culher muio hons insultados, logo
que em 11111 regulamento especial e estabe-
lecamcom (oda a precisiloo clareza as con-
dicOes e regras seg indo as quaes deva elle
serl'eilo, e so o nobre ministro da manoln
julgar aiiida necessaria alguma aulorisicfio
do corno legislativo, nfio duvidarei conce-
d-la pela parle que me toca,
llavenho manifesia-lo nestsspnucst p-
lavras u uieu vol sobre a proposla do po-
rexecutivo, pedir, i perniissKo a V. Exc,
Sr. presidente, para dizer alguma cousa so-
bre um uuiro assurnpto, que inleressandol
mais particularmente a miuha pessoa n.lo '"l^do para ser presijent* de Pe-nambuco.
deixa de ser lamben digno da altenco iVlguns foram lembrados p>ra presidentes
nimer/irn" -
slo pedi-lhe edle reeu que despdndo-se de mim o Sr. Costa Pin-
to, qii-iinlo se embarcava para Pornambnco,
011 Um disserttquo obrassn o que enlendns-
se, porque eu ju'gava la ludo perdido. Sr.
presidente,o amor verdade me frca a
ilizerqueo Sr. I'enna enganou-se; talvez
pquivorou-se pnr.jue sei que nos ltimos
dilsSAI quo estiva no ministerio 1111 dos
meus collegas llin fallar pira a presiilencia
da Radia, a que (He recueou-se nSo disse
aoSr. Costa Piulo o que o Sr. Penna dis o co'no podia en ter tido algurr, esquoei-
mento, consnltcian Sr. Costa Pinto, e sua
re O Sr. Costa Pinio nem falln commieo
quamlo S:! despe lio para Peruamhuco : ello
diz que ficou sorprend lo co no quo disse o
Sr. i1, un 1 : sua caita |. le ser lida por toJo
o senado.
Tamben nfio fallei an Sr. Penna para
S"r presidente do Pernumbueo, nem poda
fallar-Ib", pirque, com 1 nniito trulla ellj
qualldales que eu aprecio e respeito, nflo
linlia em miulis OpiniSO as que eujulgav.i
necessarias pura presidente de Peruambu-
SO mquclla qua Ira : sera cu indisculua-
vel se de tal me lembrasse. Est, pos, o
Sr. Penna equivoca'o a este respeito; en-
gauuu-s co-im qualquer p le enganar-se.
Ora, ussi u como o Sr. Ferreira Penna en-
ganou-s, ref rindo um tacto que nfio lie
exacto'facto da minli* conversacflo como
Sr. Costa Piulo, como se ve da carta do di-
to Sr. Cosa Pinto), assim timben pd.'-se
er engaa lo quando disse que cu Iho linha
dista angosta Cmara. Algumas dus propo-
sitos por mim emitidas no debite da res-
pusla 1 falla du llirono Irtram contrariadas
na Cantara vialicia por mancira tul que po-
de preju licar a rnlnha repulac,;1o, eeu relo
de Pernambuco, mas 11S0 o Sr Ferreira
Penna. A sua nomeaC/lo para all em mi-
uha opiniSu seria um erro.
Das mitin is propriaa expressOss que aca-
bo de lr, Sr presi lente, v-se claramen-
que Ujtj taiiibem do interesso des'a cmara l" e a cmara b-m ha de reco-dar-se, que
uuvir as explicecoes qu sou obrigndo
dar para que ella conh- 511 que nlo esluu 110
caso iNa SOSsSo de 23 do crrente, Sr. presi-
dente, tratan lo eu de ref-rir 09 factos con-
cciueiiles a revulla de Pernambuco, dissa
as si guiles palavras que se acliam impres-
sas 110 Jornal do Commercio de 26, cquo pe-
co auSr. laottygrsplio haja agora de trans-
crcvnr UelmeiiUi, ( L )
a I. n dus de juuuu indo eu visitar o Sr.
senador Paula Soaza, enlili presidente do
Com cilio, com qucn nao linha a honra de
ei.ti cu-i iela(,0es [111 liculaiis, mas quesein-
pie resotiiei e reapetle mu lo pelas uobres
quaii la es de seu carcter, disse-me S.Exc.
queugovjruo desej iva minear para l'er-
uainhuco um presideulo que mereendo-
liie luleira canliancri nSo desagrudosse aos
depuladus daquella provincia, mas que
acuava insto muila ililliculdaJe ; que algu-
mas pessuas que pareca m mais iduneas ja
seluviam escusadu; que entre outras li-
1111,1 cu sida lanibein lembradu ; que elle
a respeito do fado de liaver o Sr. Paula
Sotiza declarado que nSo tuiha iustrurcGes
algumiis a dar ao novo presidente de Per-
nambuco, porque nao via meio possivd de
endireitar osnegnciOs daqueila provincia,
etc., eu nada ulli'mei (apoiados); referi-
ine apenas a urna noticia que correu nessa
poca, nflo in liemdo a pessoa ou pessoas
a quein a ouvt; mas o nobre sena lor, gu-
inJo-se certamen la por nf irmaccs de pes-
soas parciaes, e que parecein iii'eress olas
em ver baralliadus os ncoci is esleda a
intriga, apressuu-se a declarar q le eu me
linha cngniiado ou dito uini fulsi la le, a-
pruseutaiido como pTOVa urna carta do Sr.
Costa Pinto. Oque ilir ella? Euesl ima-
rel v-la para dar-lho alguma respusta quo
purventura fosse necessaria, como preien-
uo dar ,1 mu coriesaiidencia quo esse se-
nhor fez publicar no Correio Mercantil do
buje.
O Sr. fasconcellos :- Assim como eu tam-
bein hei de responder.
O Sr. Ferreira l'cnna : Consta-mo que o
eslava persuadido de que eu Satisfara ajSr- Costa Pinta declara na sua carta que
imuieira con iico. masque nao sabia se la"10 "So 'exacto oque eu disse, queul-
Spderiasaiisfazei a segunaa So iimaiiientel1" l10'" levo oecasiSo de conversar como
petihuradopurosia domoiislracfiu de confi-j *"" Paula Souza quando foi desoedir-se ni
desembarque ao segunda marinheiro Cle-desle A,1(0o Boiges Uch0a.~Fzcram-se
moulino de. Paula Souza Malaguels, visto; BS Conveuie.-ii<
1 da alfandega desta cidade. Coiiiinunicou-
" se uu ni.-peilor da thesoureria de fazenda
IMTRiOH.
,..ies coiiniunicacres.
ter elle lindado o lempo de seu engaja- iu....N0meando a Silveno J0S0 Nepomu-
luf.!llu.' j 'ceno liaslos para o lugar vago desuarda
Portara.Ordenando 10 commandantc;
da corveta anuaria remella para
do tingue cscuiii Legaliiade, que segu 1
para a i I ta de Fernando de Motonha, OS sen-
tenciados viudos da Parahiba com deslino
a mesma Iba Feliciano Jos Joaquim, Jos
Filippu Das, Manuil Uezerra Pedrusa, Jos
1:1 cuente dos Santos, Albeilo Jos de Car-
vallo, eJoSo 1.01 rea de Azevedo Costa.
Iiiieiruu-so o comuiandaiite do mencionada
brgue-escuna.
lina.Para que o commandante da cor-
vela Euterpe transpone para a cOitn oes-
cnvfiu Ou bi igue-escuiia Lcgutidade, Manuel
Jos de Andrade e Silva.CoinniuOicuu-se
au inspi elur du arsenal do mantilla.
IUEM DO DA 14.
Offlcio.Ao presidente ds Parahiba, re-
metleudo as guias do segundo lente do
quaito l'.UIIiSo de irtilhana a re HazillO
de Amorini Bezerra, e do alteres do estado-
inaor da segunda classe Joflo de Ainoiim
Uezerra.
DitoAo commandante das armas.
Aclisnd-se na enferinaria da cadeii desta
ciiiade Manuel Joaquim da Cunta que de-
auca uu liuiiradu presdeme du conceda
eu pon,.cre a s Exc. com toda u ingeiiuida-
uequeu miiiiia nunica^o em la -s circuuis
Uncus seria muilu desaceitada; que se
ella huvesse de lealisar-se eu lana lula
quaiitu em niinlias lrC/S CoubeSe para
coriesputider as vistas do gOVOl 110, mas que
uilo poaia ter es^erain;a l,;u 111.1 do agradar
au 1 .,1. o.,, pialen o.
Cuiilinuei u meu discurso cxiouio c-
mara i rascs que eu tuina pala fazerOttl
observac&u ao Se presiduuiti do cunceibo,
declaraiido aicque no me sen lia com tur-
cas pura o deseiiipenho de lau dillicil coui-
uussilo, e entre varias cotisJerai;cs disse
i,iu,he,n u segujnie :
k A'vista du mane 1:1 porque foi iccebda
pula depulu^So praiciru a nuiucacSo do Sr.
Cusa Piulo, rusu tinlia o ministerio de 31
de maiu para c er que anda niio eslavain
vencidas as dilliculuudes ila queslau, apezar
deachar-seaiiiiuado do sincero desejo de
acertar, e isla niesu.u fui conlirniadu pela
noticia que correu do baver declarado o
Sr. presidente do conselbo que nenbuma
lecniuiiiiudai;;iu tinha I la/iT uu novo pre-
vespera da sua partida para Pernambuco;
mas o que prova IstO contra niim ? AfTirmei
eu purventura o tacto Asseverei por acaso
que a declara;3o Bltriboida ao Sr. Paula
&ou/.a fia taita pessoalinenlo aoSr. Cosa
Pililo, e lio momento de Sua despedida :'
Muda disto liz, senhores, e assim bem claro
eats que, se nilo foi exacta esas noticia que
entilu correu, iienliuma responsabili Ja Je
me cabe por t-la nuvido e refer lo como
refeii; mas deva accresccntar que facil-
menie llie lei c edito, que pireceu-m tal
multo natural que o honrado senadora Sr.
Paula Souza, que urdinariarnenie encara o
estado do paz siili um aspecto melancli-
co, OsetSS urna tal declarecSo, quando vio
que liutia desagradado aos dcpulados prai-
eirosT, nu que pelo menos tittlM i ,n reee-
bida com muila fneza a nomeagilo do Sr.
Costa Pinto, com a qual julgava o governo
ler leli/.jieiiioresolvido as dilllculda les da
quesillo. Istu mesmo creio que se pode do-
uozrda parte do relatorio doSr. Costa Pin-
to, em que disse que Ibe era muitu lison-
geiro entregarme a provi acia em estada de
socego, atienta! as apprehensiet que sua -
sidenle, (01 que lito vis meio (ossivel de ''"'f<> causara ao governo imperial e capital
aielhuiar o a.-sustador estado da provincia, [do imperio. ___
leui de evitar a crise, que ll.e pareca 1111- O oulro laclo lie mu.lo mais gr^ve, e eu
vejo-me obngado a darexpliCagOes que ma
resulten) da responsabilidade eu que n-
RIO-DK- JANEIRO.
CAMAP.A DOS SUS. DEPUTAD0S.
SESSlO 00 DU 30 HE JANEIRO.
I'ixardo das Jorcas de mar.
OSr Ferreira Penna: NSo pretendo,
Sr. presidente, impugnar em suas princi-
paes dispusieres a proposla do poder exe-
culivo que lixa as forjas de mar ; estou an-
tes dispisto a concorrer de rnlnha paita
para que o governo lique habilitado coui
ludes os meios que julgar Convenientes
para siti.il'.i/.er as necussidades do sernco
publicu mas ha dous objectus sabr os
quaes desejo nbter anida ilguus esclarec-
mentus, alun do poder dar um vuto mais
consc ocioso um del les he emenda da il-
luslrero.....liSato, pila qual se suppiime a
mnente.
Nu Uia 25, Sr. presidente, ouvi dizer quo
o Sr. senador Paula Souza lluvia desmenti-
do, ou cunlruriado nu sonado estas uiinlias
palavras. Desejei coiniarecer iinniediata-
tiienteua cunara paru dar a respuslu a que
ca obligado mas lulo u liz por duas ra-
scs: poi achar-me enfermo, e porque en-
tend que devia fuzer aquillo que o Sr. se-
nador nflu tinlia Teiin, islo lie. que devia
espetar que appancesse O sen discurso pu-
blicado no Jornal do Oommercio para res.'un-
dei -loe. Eslo discursu de S. Exc. appareceu
impreSSO noyur/mJdehontem; he verdade
que utn puuco diverso daquillu quese mo
linha relendu veibalnieule, e laubom di-
verso de una edicio que appareceu 110
trrelo Mercantil: entretantojulgo quenas
miuliasexplicacOes deveret cingir-uio s-
tnetile as palavras de S. bxe. que se achaui
transcriptas no iotnul do Commercio, por
Ser u que publica ulliuialuieiile us debates
dusenada.
Timando da nomeacSo do Sr. Costa Pinto
para presdeme du Pernambuco, uisse u Sr.
senador Paula Sou2a. ( Li )
c A esle espeiiu uare urna explicarla.
Na camai 1 dus Seuliores deputados, segun-
do li em una fulhi, disse u Sr. Ilurculsiiu
seriara do deposito da Praii-Veruiellia, o. disposic.lo da pioposU que uulunsa o gu-jFerreuu Peutia quo nessa occasiSu eu quiz
qual dizen eslar partilytcu, e couvindo ser] veruo a conceder certas vatilageus aos 1111-' que loase elle o ptcsidenle uuuieado, e que
correiia se tiv.sse com elleilo liavido algu-
ma iiexactid&o de ininha parte.
Em [umeiro lugar ohse.vo que eu nSo
disse que o Sr. presidente do euncelho qui*
que eu fisse o pretidtnle nomeado para Pir-
mnnbaeo, que islo pedio-mt e eu recuse i-me
(ajMtulo* ; appello para a memoria da cnu-
la e pura as minhas proprias palavras, que
apenas referen urna cunversa, na qual eu
fui franco em declarar qun mnjulgava im-
piuprio para tal commissSo ; mus a exis-
tencia dessa mesma conversa he negada pe-
lu nobre senador.
Pulo ser, senhores, que eu commettesse
una falta publicando aqu o assumptodes-
ti conversa sem ler prevenido o honrado se-
nador; mas se assim proced foi porque
pareceu-me que a divulguguo do un nego-
cia lio simples e cumplelaineilte (luda nflo
poda prejudicar o servio publico, nem a
pessoa alguma, alin de ter o exemplo de
liomtns muilu mais pruveclos e versados
uusesiylos parla meu ti res, que nSo duvi-
daui revelar ocurrencias muito mais itn-
po tsuies e meliudr osas quando isso se faz
necessario a juslilieacflo de sua conduela.
Po lere laive/. ser aiguido por tilo me ba-
ver cumpui lado coui luda a deferencia o de-
licadesa dcvi Jas ao nobre senador ietnbj-
Km ixii Ann



ra nSo fos-c n*U a minha 1140980), mas
nunca por ter fallido verdad?.
C>m que vistas, com qoe interesse, se-
ntares, viria ou referir cinara essa con-
versa se ella n3o livosse realmente exisl-
ilo? Pois quando eu tratava de justificar o
governo a respoilo da adminislraclo de Per-
nimbuco, quando cu trntiva de defender-
me das njusins aecusacoes que su mu fa-
zem, quando eu me esmerava em referir
todos os gnecessos com a raaor exaclidao
p i-kivil. levando o escrpulo a pontos de
ocrultar mullos factosecircuinstancias im-
portanles, de que tenho certeza, s porque
11.0 po lia apresentar provas, se me ossem
exigidas,havia de vir referir um ficto 11 -1.
or em, nilo Modo ellj exarto, para.exp -
oa >o r se, a vergenlia de s- r forma I me -
te ilesiui'ii'imi' Creioque os meii- proprios
advcanos, que aquellas nresmas pessoas
queestiverem niais m.Iisposlas a meu res-
peiio nuo podero etlribuir-roe tanta in-
disi-ripc.flo, tanta levandade. (Apoiados.)
Tena eu em vistas inculcar que nessa
poca merec a particular conlianca do mi-
nisterio presidido pefo 9r. senador Paula
Souza ? Pois 11 "10 bastara allegar o fado
de ter sido presidente do Para no lempo
di ministerio de que fez parte, cuino mi-
nistro do imperio, o mesino nnhre sanador?
Nilo bastara allegar esse oulro fado, de
que alias mo fullei, equeS. Ex. agora pu-
blica, de haver cu si.lo convi lado por par-
te do mesmo ministerio de 31 de maio para
a presidencia da Kania e pedido escu.-a ?
[.ApoiaUui). Ser puiventura a presiJencia
da Ka bu menos importante que a db Per-
Mmboeo?
l'ma cus :--S3o iguaes.
OSr. Ferreira l'enna: Mas dir-se-ha :
Se todas estas considerarles militam a
vosso favur, existe de outro lado a negati-
va do Sr. senador Paula Souza, cujas pala-
vras merecem lodo o respeilo e crdito.
nflo iiiivi.lu; mas como poderei entSo jus-
ti(icar-me.' Seeu previsse que isto pude-
ii.i acontecer, uu se nao fosse summauen-
te escrupuloso em revelar unais pequeo
olijecto que se me communique coiifi ien-
cialmente, teria reduzidu desde lugo a es-
cripto o tror dessa conversa com as mais
minuciosas crcumstanrias, ou a leiie.com-
niunicadoa muitisnutras pessoas que oie
viessein buje auxiliar com o seu lesieinu-
11I10 ; mas nilo o tendo felo, que recurso me
rosta ? Referir iquillo que a minha iuemo-
ria 1 ie cunservar. e suhjeitsr-me ao j 1 -
zo ilas pessoas desapaixouadas. A minlu
memuria me diz, scubores, que-essa con-
versa leve lugar entre mim o Sr. Paula
Souza, em uin domingo ou dia santo, re-
si.lindo elle na ra doSabDo; taa.bein me
diz que nesga occasiilo sabio do interior
da casa para a sala de visitas o Sr. Campus
.Mello, a quemS. Exc. pegunlou se nao
quena tic,r para janlar; tambem me diz
queoSr. Paula Souza teveemiiu a bonda-
de decommuiiicar-me que o Sr. Cusa Pin-
toja huta sido convidado para a presiden-
cia de Peroambuco, e se escusara; e que
0 mesmo liavia- felo o Sr. Dr. Franciscu
de Assis e Almeida, deputadu pela provincia
de Minas-Ceiaes, de cuja numeagao eu nao
tinba cerlamente a menur noticia al aquel-
le momento. I'arece-me que lambem fal-
lamos UoSr. Ir. Tiiomaz Gomes dus San-
tos, mas nao tenbo dicto laoperfeila lern-
li jiu'i. Diz, finalmente, a lunilla memo-
ria, senbores, que vista do que S. Exc.
1 v a bondade de commuiicai-me a res-
I eiio da ililliciil.la.le dessa esculla, eu tu-
inei a hberdade de lembrar-lbe tambora o
nomedoSr. Juaquim Fraucisco Alvesllrau-
co Muniz Brrelo, uue era entilo vice-pre-
si.lente da cmara dus Sis. depuladus; e
posto que eu nao soubesse exactamente
o que entre clles se passou, creiu que S.
Exc. nao julguu dessrrasua.la a iiiiuba
lembranca; puis que coucorreudu nos a
esta casa no da iinmedialo, ou em oulru,
0 Sr. Brrelo disse-me, pouco mais ou
nienus: Ora lico-lhe muilo obligado pe-
la lenil ranea. Qusl lembranga ? A de
inilic.ii-ine para a presidencia de Pernam-
bugo Pois V. nao sabe das antigs rela-
1.1*1. s de amizade que lia entre miu, u barSo,
1 Selia.-tiao, etc. e que eu lena de lica
collnca.iu cin posic,ao inulto critica edesa-
gradavel? etc., &c. Seria ludo isto um
.so nbo, senbores i* Se o fui, eu o julguei
urna realidade, porque logo commumquei
a paite mais essencial dt-Tle a um amigo
intimo; istu be, cummuuiquei-llie que al-
guem bavia se lembrado de nmn paia a
presidencia de Peruambuco; mas que eu
mo pudera aceita-la, assim como Ibe com
111 u 111 ou mullos uulros fados da inillba vi-
da, lii-lui-me ao Sr barao de Bjui-Fiii,
h 111111111 que nunca se envolvcu em iu.siTi -
lie-la naiureza, e cujo lestemuuiio cieio
que ulo pode ser recusado, porque be in-
capaz de faltar jamis verdade. ( Apoia-
Jui.) Seira u.. auiibo, mas suas mpies-
ses fOrain Lo duradouras, que aluda em
il'ernambuco e no Mavaiiho eu o cummu-
anquei a alguns amigos meus apoiadui ),
Tdizuudo-lhes quan lo lia o Correm Mercun-
'lit: a Vejara, meus amigo.-, o que lie a
poltica Vej..in como suu lioje uiu i'.i. lo-
san, fule aUca.io peluurgSo d'.quelle mes-
mo paitiduque anua buuiem dizia depusi-
lar em iitim iiilena cuuliaue*! Vejam cu-
ino sao cese ipius e apunados us meus
actos na admiiiisliafiio ue Peruambuco por
aquelles meamos que mais babililadus se
achain paia cuubecer n.iniias verdadeiras
iulences .'
Obr. Jamen do Paco : A mm o disse
muias vezes
OSr. Ferreira Penna : Dadas estas expli-
cacoes, Sr. presidente, eu submeiio-nio a
tuua a sevendade du jui/o desla augusta
cmara o du publico, a respeilo do laclo
em quesidu. Se as uessoasaquem me re-
ru houveiem de confirma-las, como se de-
ve espelar da lealdde de todo u liomem de
bem ; en o Lomado senador o Sr. Paula
Suuz, recordando-se deslas ciicumslan-
cias du faci, bouver de declarar que iil.
nao fui por intu invciiladu, que o esque-
cunenlo ou engao esia da parte de S. Exc,
o que be cortamente inuio possivel, Cunio
ja se vio em urna queslau Je igual ou maiui
impoitancia havida entre elle eobunradu
senador o Sr. Caroeiro LeSo na sessao de
i de agosto de I88, a respeilo de um arti-
go do projecto de le de el en, o. s, eu tica re
salisfeilo sendo assim reparada a olfensa
que as suas palavras possaui ter feilo a mi-
nha reputagaof .
OSr. D. Manoel: Est intacta.
O Sr. Ferrtira ttnna : Mas se todas as
ita
de declarar que nada disto he exacto, que
a minha memoria me lie intelrameute inlirl,
que ludo quanto digo he um sonho. quo
recurso mn restar? Calarme, e esperar
que a provlenca divina, o acaso, ou a
propria conseienc a dos meus adversarios
descubra os rnnios de conbecer-se a verda-
de. ( Apoiadot).
[2'-
ALAGUAS.
Extracto do expediente do Sxm. Sr. preti-
dente Dr. Jas liento da Cuixha Figutirtdo.
11 DE FEVEItEIRO.
Portarla acerca da ajuda de cusi. O pre-
sidente da provincia de rnnformidade com o
rita* segundo da lei n. 143 de iO de outubro
de 1837, arbitra para ajuda de cuita doi depu-
(ados aswinblea geral legislativa na oitava
legislatura, tanto na ida como na volta,
quaiuia Ue um cont de ris. Facain-ie as
cuiiiinuiiicacei necessariai. Comiuunlcou
se a ilieoiir.n ia de faizenda.
Orlicio. Ao commeudador Jos Paulino de
Albuquerqe Sarioeuto. Com inulta lallifa-
co recebl o officio de Vine, em que pateotcan-
do 01 dignos senllinenlos que o anioiain pela
iirdeiii publica olerece seui lervicos e bem
para coadjuvar a defea do ihrono e debellar
os rrbeldes de Pernambuco que ameafaiu Inva-
dir esta provincia, achando-ie J parle dellei
as in.itias de Jaeuipi*. Por este goveruo lera
devidanieute apreciado o olle eeinicni.i que
Vine, acaba de fazer, com leal coailjuvafo
sempre contei desde que clirguei a esta pro
vinti.i, faieudo justica aoi scus mni ordeirui
seniiineiilos, lecunliecendu em Vine, um doi
susleulaeulos da monarchia couiiitucioual que
felizmente uos rege.
Dito. Ao Dr. juiz municipal da comarca do
Penedo, declarando que tendo sido removido
o juiz de Uireito ur. Manoel dos Panol llaplii-
la, e fiudaiido-ae ainaiilia a sua llcenca com-
pre que liga para all alomar cunta da vara
cono aubstilutu,aflu de que uao lique entre-
gue a juici leigos m prejuizo do servifo pu-
blico.
DEM DO DIA 15.
Odelo. Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda, para que determine que o leguujo es-
criturario ua thesouraria Viceme de Mello
VVauderlt-y Maciel Piubeiru cuadjuve ao procu-
rador riscal us trabadlos de que ae acha rile
incumbido coucedendv>-lbe para isso faculda-
de para ir irabalhar eiu casa do menino riscal,
que assiiu requisita.
Dilo. Auiuramo inspector, para queman-
de 1..111-I1/.1 1 a /icarias Curreia de -.raujua
iiuporlaucia de aluguel dir seis cavallos, cada
um a li.iiiiii i*., que cudiizirain ariiiainentu e
carlusaiues para o engenliu Novo de Porto-
Calvo, a que acumpanliou o lente de guar-
das nacioiiaes Ignacio Kerreira Cliavei.
Portara. Ordenando s aulori ladea da
provincia, que auailieui proiuplameiite ao ca-
1.11.1 Jo.io Lene Itodovalho no desempenlio da
coiiimissao em que vai villa de Garantios,
caso elle uccessite des>e auxilio.
Tendo-se espalhsdo que commetteri al-
guns axcessos a partida encarregada de
prender os c.ebresGuedes, o Sr. Amorim
lie/erra a fizara inmediatamente regres-
sar, e mandara proceder a serias indaga-
rles para punir i quom de dlreito for ; prc-
vando dest'arle que o governo se n8o quer
se/vir de tropa que abusa das armas quo
lile silo confiadas para a defesa da monar-
chia e da ordem.
Quanto as Tabres parece certo que v8o de-
clinando na Parahiba, porquanto a Ordem
assevera em seu numero 30 de 28 de feve-
reiro, quedequasi 20 individuos que ellas
accommetleram em trra, apenas suecum-
biram 2 ; e, em o numero 31 de 12 do cr-
renle, diz a este respeilo o seguinte:
A ebre contina-a grassar nesta cida-
de, eja muilas pessoas leem sido accom-
nieiliJas; poim ainda no aprasent.im a
maliguidade com que tanto se notabilisa-
ram ua Baha e Pernambuco. At aqu s
nos con.-tim tres casos filaos. Os esiran-
geiros marujos continuar a ser victimas. O
cnsul briUnnico pedio ao Exm. governo a
suspensao da ida dus empeslados para o
lazareto ; porque, ou por estar all o ar
muilo empregnado de miasmas infectos, ou
oelo desanimo deque se deilavara apode-
rar os enfermos, ltimamente quasi oe-
niiuin vollou llalli. 0 Exm. presidente ad-
heno a este peJido, cunsentindo que os en-
I',-r nos fossein curados nos respectivos na-
vios ; licando, porcm, osles distantes do
p.ii to. >
l_____________.. .. ._jgg
MAl'l'A do movimento do tula-
bclecimentoK de earida-
de nos meten dejaneirt
e reverclro de. 185O.
Grande hospital.
DOENTES.
diario ue i'ERMiiiti:.:.
atcirr, 13 de maikjo sx taso.
Pelo vapor San-Salvador, chegado hoje
dos pollos do noria, recebemos jornaes do
Para al 23 de fevereiro ultimo; bem como
do Maranliao a le 2 do corren le. do Ceara at
7 e da Parahiba al 12.
Para licara tranquillo, e inteiramenU l-
vre do receio de ser accoimnetli lo pela fe-
hre que anda vai reinando aqu ; pois que
tinbam-se estabelecido os seis marujos da
charra Pernamhwana, da enfermidade dos
quaes nos oceupamns em um dus nmeros
passidos, e mo baviain apparecido outros
casos, iii'in em trra, nem no mar.
Maran lifio nada snffi ia quanto a tranquil-
I i comarcas conlinuavam os asssssinaios ei-.
grande escala : s era Caxias suecumhi-
rarn ao punhal ou bacamarte do homicida,
dentro de tres mezes, nSo menos de 2
individuos.
A 1 do corrento o cambio fluctuava, na
prac.a de San-Luiz, entre 28 1/4 e28 1/2d.
por 1,000 rs.
Co-ir gozava de socego ; mas a presiden-
cia lutava talvez com seras dlficullades,
nascidas da divisSo que levara s lucirs
do partido governsta cleicilo que a
se es' prnrelendo para membros da as-
sembla legislativa provincial ; divisSo ISo
pronunciada, que os equilibristas, julgando-
se os verdadeiros partidarios da poltica do-
minante, crearam um peridico com o tilii-
lo .le Suquarenta, em que atacam fortemente
os earanguejos, ao pasio que e^tes nada os
poopam no Pedro II, que, supposlo ainda
se diga fiel sectario da mesma poltica, j
censura alguns artos do administrador da
provincia Entretanto, he slo muito mo
se todos esses homens estiij com effeitods-
postos aadnerrem eapoiarem oaclual gbi-
nete,fazero-lhe s-rvico raais valiozo, che-
gando a um accrdo.e osquecendo pequeas
rivalidades quasi sempre ti!has do choque
de inleresses pessoaes, que nada leem com
a causa publica.
Parahiba eslava prestes a ver-se perfei-
lam- rito tranquilla, porque eslava livre
ios bandos ana'Chicos, os quaes se acha-
vam reduzdos a pequeos grupos que, ho-
msiados nos muttos, empcegi^am-se oa
rapia.
A 24 do passado t i vera lugar a s-'ssio de a-
bertura da assembla legislativa dessa pro.
vncia,convocada extraordinariamente pelo
presidente da mesma provincia. Segundos
Ordem,* assembla nutre as melhores nten-
cfies.e est dsposta a acabar com lodosos
abusos dassuas pred>>cessoras. sendo que j
iniciara, o sem duvida approvar um pro-
jecto do lei que n8o s augmenta a fu rea do
corpo policial, senilo timbera eleva o sol-
do das pracas desse corpo, as quaes, alm
de lerem sido reduzdas a 60, erara minio
Publcaco a pedido.
I1AI.V\<;<) DA RECEITA E DESPEZ DOS
eSTABEUCIMENTOS DE CARiDADE, VE-
RIFICADO NOS MEZES DE JANEIRO E
FEVERF.IRODE l*.r>0.
Itteeita.
Mitras existentes em 31 do
dezamhro prximo psssslo 2:951,945
Decebido da thesouraria da
rateada provincial por coma das
q mtas voladas na lu do ur\a-
menio n. 2it, assber :
Hospital iU- caridade 2:500.000
Dito dos lazaros 1:000.000
Casa dos exposto* 875.000
Casas de albergaras 50V.U00
Hospital Pedro II 4:000,000
Oe Liberato Perera da Costa,
importancia das despezas feilas
na casa dus expostoscom sua ti-
ln por nome Firmna que por
ordem da presidencia se loe en-
iregou 40,000
!>.; Jos Pire* Kerreira, pelo
tralameuto do escravo Filippe no
grande hospital 100,160
Ds loo llenrqiies da Silva,
dem de seu esclavo Gregorio 7,303
De Francisco Augusto da Cos-
ta Guirnares, importancia que
produziram as amostras do as-
sucar extrahido das 364 caix*s
pesadas no trapiche novo.de abril
a dezembro prximo passado 44,622
Du procurador da admiiislra-
(,-aii, i.ii|ii>itaiicia do rendimeiilo
dos predios, srrecadado nesle
mez
2:000,000
14:022,030
pessoas a queui me teubo referido bouverem mal pagas.
Dispeta.
Por saldo a favor do Ihesourei-
roem 31 do passa lo
Pagos ao com manda u te. geral
do corpo de p< licia, importan-
cia da despeza ue fez com o
sustento dos qua o Africanos li-
vres, destinados ao servico dos
estabelecimenlos de caridade
Ao regente do hospital dos la-
zaros, importancia das despe-
zas de novembro
Ao mesmo, dem de dezembro
Ao dilo pela caiac.ao do mes-
mo hospital
Ao dito pela illuminafSo do
dito
Ao tegente da casa dos expos-
tos, jornal da cozinhera em no-
vembro e dezembro p. pastados
Ao dito,'despezas de novembro
p-oxi mi passadu
Ao mesmo, dem de dezembro
Ao reverendo regente do gran-
de hospital, dem em novembro
Ao dito, idem em dezembro
Aos enfermeros e serventes do
mesmo hospital, sejs jornaes
vencidos era dezembro
Aos ditos do hospital dos laza-
rus
Aoi empregados da adminis-
tracao, seus o llenados do oulu-
bro a dezembro
A Jos Antoniu de Souza Quei-
roz, importancia de carne verdo
que furneceu era 1848 1:224,200
Abalimenlo de 10 por
ceuto 122,420
Pagos a JoSo Soura por medi-
camentos que furneceu para i
botica do grande hospital
A setenta e urna amas qua
comparecerm ao acto de paga-
nieulo, suas mensalidades al
dezembro
A Mesquita & Dultra, por um
almof.iriz de brome para a boti-
ca do grande hospital
A Manuel Antonio de Jess, im-
poiUnca do pDu e bolacha que
furneceu aos estabelecimenlos
do caridade
1:339,598
19,200
386 000
967,700
29,920
14,700
25,000
252.810
2>-8,320
552,720
479,070
124,000
139,500
1:360,834
Ledras existentes
Saldo emcaixa
1:101,780
454,680
"67.381
84,210
583,566
8:216,019
2:951,915
9:851,066 5:806,011
14:022,030
Estabelecimenlos de caridade, I.' de mar-
co de 1850. Antonio loU Gomes do Crrelo,
tscrivu. ot Psret ferreira, thtsou-
reiro.
Kxistiatn
Entrara ra
Sahiram.
Mor re ni m
Exstem.
Curados. .
Melhorados. .
au curados..
as 24 h. d'en irada
Depois dessa poca
w
n V
c %m
4> 41
B 23
o 3
X
92 M
91 15
t 2
3 1
2 0
1 0
6 10
92 21
Hospital dos lazaros.
DOENTES.
Existiam..........
Entrara m..........
Curados.....
Melhorados .
Nilo curados. .
Morreram..........
Exstem...........
22
|
0
0
1
I
26
Luaa do exponaos.
EXPOSTOS.
Existiam ............
Entraram...........
Sahiram.............
I as 24 ll. d'entrada
II lepo is desla poca
Exstem...........
Sexos.
110
4
0
o
3
III
126
10
0
0
4
132
236
14
0
0
7
213
Administrarlo geral dos estabelecimen-
los de caridade, 1 de marco de 1850.
O escrivflo, Antonio Jote Gome do Correio.
EXPRESSAO' DOS SE.NTIMKNTOS DE l'MA
MADKINIIA PELA MOIITE PREMATURA
DESDA PREZADISSIMA AFILIIaDA.
Por mais que chame por ti,
Chara Filomena minha,
As vozes iu j nSo ouves
De tus afilela inadrinha.
Anude ests, que meu peito,
Tosaudosoe sem consolo,
J nSo queres abracar,
PenJurada do meu col? !
Onde ests, flor mimosa,
O' celeste seraphira?!...
Oh! que dor!... tu separada
Para sempre ests de ra ra.'
Me parece a cada instante
Ao meu lado que le vejo.
Que t' affago, que te abraco,
Que le imprimo um doce heno.
A cada instante embebida
Em leu tSn doce agradinho...
Ai de mira!... ludo perd.
l'erdtridu-le, meu anpinho.
Qual tenra, qual linda flor
Di*, mais ameno jardim,
O' querida Filomena,
Eu te julgava oulra assim.
Tua face cor de rosa,
leus almelados cabellos,
Feriara de amor meu peito
Que prazer nSo tiulia era ve-Ios!
Quaes dous luminosos astros
Teus ollms erara formi.so. ;
Eras um ceu estrellado! ..
Oh! fados meus desditosos!
Qu'eu j n.lo tenha a ventura i
De gozar dos seus agrado-P
Da sua ducilidade.
Dos seus iaraulis cuidados?!...
Ai de mim, que Filomena
Me deixou desamparada.
Como a rola cuja prole
I)j ninlio Ihe foi roubada!
Como esquecer-me do mimo
Com que ella me trata vi;
Como de lauta bondade.
Dos abraco* que me da va.'/...
Nos tres innos e tres mezes
Que Filomena viveu
Meu co'acSo caplivou:
Desde o berc,u elle era seu.
Partiste, anjo, desle mundo,
P'ra o qual Dos le nao formn.
Gemebunda ma deixaste:
Minha estrella s'eclipsou!
Quanto amava a Filomena
Quem poder conipr'henderf
A diV qu'ora me traspasas
Quem poder descrever.'...
Mss tu, bella e quei ida
Amiga do curie..lo,
Desfr netas hoje as doc,uras
Da celestial Sino.
A tua vida noncentn,
Perdida em Ifiu curia idade,
Preparou-te urna cora
Na feliz tternidade.
Volta a nos, meu seraphim,
Vera t nossa halutacSo,
Vers de tua madrioba
A triste desolarlo.
Ou ao menos compsssiva
Supplica por ella a Dos ;
Para qu'assim se resigne
E adore o decretos seus.
MI ITII AHO
i
VaKIEUiDij).
I.i--.se oo Corrier dei Etati-Unidoe :
Bailn, a cidade pacifica par exccllencia, es-1
ti ha tres din, em profunda craoco, que esie.
i0l ponto de lornar-ar em moilin.
Seita-feira, 23 de novembro, um medico de
Bolln, o Dr. l'arkmaii, laliiudo de caa para>
dar algumai v das, desappareceu sem que ,e
pjdene deicobtir mal vestigio alguutaeu. o>
(ornaei publicaran! um aun inicio que promet-
tia 8,000 peoi de recompensa a quem o dricu-
Uriae, mal isto nao prudu/.iu resultado alguin,
por tres vetee ae suppoz encontr i lo em diver-
sos lugares, mas por outras tantas se fruilou
eita esperaoca, e ao cali de alguns das, per-
suadlo-ie a sua familia que o Dr. linha ildo ai-
sassinado.
Nova recompensa da 1,000 pesos se offere-
ceu enlao a quem Ihe descobriue o corpo.
Apertaodo-ae de alguma tone de dia em dia
o circulo d*a pe.quiza, oteve-ie quail certe-
la de que havendo entrado nocollegio medical,
o Dr nao lahira d'alll mala.
Sabia-ae que um dos prpfenore dcite col-
legio, o Dr. Webner, lite era devedor ha mui-
lo teinpo da quanlla de 450 peoa, cujo paga-
mento ia sempre demorando. 9abia-se tim-
bera que o Dr. Parkmau, caucado destas de-
lougai, quixera embargar os emolumento! do
seu devedor, couta de que Webiter ae mostra-
ra mullo rnt.du. Nodla 23pela rnaatisa, To-
ra elle a caa de Parkmao, e,uao o encontrando,
leura dito que se quera ser pago o procu-
raase em casa depois do inri .-dia
lima penoa que coirhccia rarkman o vira
entrar uo uollegio ; tendo de Taliar-lbe, eipe-
riui que elle saliiue mai nao o vendo nliir,
enfadada retliou ae. As laforinafOes positivas
chegaram, poli, at a porta do collegio ; dalla
para deutro comecava o inyiierio,
lima leuiana completa depon da deiappari-
(io do Dr. Parkman, eapalha-ie de repente no-
ticia lerrivel de que una parte do seu corpo
fra achada no collegU medical em una adrga
periencente a* laboratorio do Dr. Webiter, e
que ene fura preio como Indiciado de asiasai-
uato! Este rumor he ao piinciplo receido
com geral iucredillidade ; mas em breve cir-
culara os promeuore; agglomeraut-if os in-
dicios, seuo aa provas.
Eis-aqui o que havla occorrldo: b guarda do
collegio, r pliraiiu l.iuiceld [cuja parle no a-
couiecimeulo ainda nao eita bem explicada),
tiuha, ao que parece,concebido suspeilas, logo
que adiquuira certeza de que Parkman nao
sahira du collegio depois que all entrara. Tur-
uaudo-se cada vez mais fortes as suas preiump-
cdei, reiolveu-se a entrar por mel de um bu-
raco aberto na parede de divisao, em' um le-
canlo que ficava por balxo do gabinete do Dr.
Webster, e onde ninguno mais entrava : ebe-
gaudo alli, euconlrou urna prrna e um tronco
huuianoa. e correu iiiiinediataiuente a declra-
lo polica. Ella deu eutau um varrjo na la-
bor.nurio do Dr., onde l'oi seu priiueiro cuida-
do examinar ai ciuias dol foruos. Alli deseo-
brio a paite iuferlor de urna queiada liuinaua,
alguns denles, fragmento! de boloes de casaca,
e partculas de ouro fundido que parcelara
provenientes de urna caixa de rrioglo.
' unibiiiarain-se estas descobrrlas Com a cir-
cumslaucia significativa, d Webcr apeuas ha-
ver aahidu do laboratorio noiulliiuoi oitg dia,
e de ter elle de 23 a 25 conservado um fugo to
activo, que lodoi baviam feito este reparo, sem
alias dar-lhe oulra importancia Kuifiin a ei-
pecialidade do Dr. que he chinaco, excluio a
deia de uin cadver conduzido para all para
estudoi anatmicos,
tiles prhueiros indicios decidirn) a prlso
de Wrnter. Todava, a polica, como se re-
cuera aute a sua propria conviico, levecerla:
aiiencOei, e fui iremeudo que poi a mao em
um huuieui ante quem ai suipeitai aluda he-
siiavam. Chamado como para uina simples
eudagaej, so em cautinho fot que o Dr, su-
be que era accuiado. A* esta noticia sollou
queisai e eaclama(6es, entre as quaes diieut
liavrr-lhe escapado urna phraie de fatal ex-
prrasau : Dar-se-ba caso que ene iiiiseravrl me
leuha trahi.lu Seria Uto urna illuso a al*
g ni o cumplir, a um assassluato premeditado?
Os denles descnberlus nal cinzas lraiu ic.o-
nhecidoi como pertencentes ao Ur. Parkmau,
pelo modo porque ritavaui quebrados. Depuii,
descobi irain-se uiesuio uo laboratorio de We-
bster, nutras paites do corpo, escondidas no
fundo de urna caixa, debaixo de una carnada
de palba. ileciinstruido assim o cadver da vic-
tima por pedacos, excepto a cabrea, mos e
pes, licou provada a Ideutldade delle de modo
que mal delaava lugar a duvidar. Na esesda
que la dar ao tal recaulo acbaram-ic inauchas
provenienlri de um acido que se suppe ler
ido empcgado para apagar as nndiai de
sangue.
O povo, ao qual estes desengaos quail sem-
pre ai rastrara a violencias, era todo o ia de
exta-feira uao se arredo.i das portaa e iiuine-
diafijes do collegio medical: por momento* a
sua attitude luuiuu o carcter de aurda amea-
f a, que IV/. recelar se ao eotregasse rile a ce-
gas e terrlveis represalias no pioprio enabele-
ciiiiciitn oudc parece ter-se coiumetlide o is-
saasinato. As cousas foram lio longequea
milicia ful convocada, ainda que felizmente
uo houve neceasldade de recorrer lita pro-
teefo.
Aovas pormenores. _O Otarios de Boston es
tao cbcius de poriuenore sobre ene trgico
aconlecimento, cujo niyiteriu como que se a-
clara a cada iuitaute a una luz fatal para ol)r.
Webster.
Na irata-feira nolte fol elle preio, como
dissenio. Ooui empregados de polica dirI-
giram-se a Cambridge, oude elle morara, fal
o iiiesmo Dr. quem Ibes abri a porta. Depois
de trocaretu algunias palavras, dissrraiu-lhe
que ae bavia resolvido fazer algumas pesqui-
sas no interior do collegio, eque a sua presen-
ca era necesaria, ao que ne.iliuma sorpresa
niaiiifesiou, toiuuu uin palito! e o chapeo e la-
bio com Ol empregados.
A cliegareui prisao he que elle coinrcou a
couhecer a verdade. O que qur lito dlzerf*
Exvlamou ua mala viva agita do. K como se
recuaaiseui a responder Ib.-, iusiitio com de-
icsperado acoento. Sr. Web-ter, respoudeu-
Ibe um dos empregados, j nao precisamos de
procurar o Dr. Parkmau ; e conmute Ibe a
deicoberta que se fizera no seu laboramiio.
Mauifeitou-se enio no preso urna exatlacao
que tocava a demencia. O miieravel, bra-
duu rile, deiiou-me a perder! As palavras:
iruAii^mi! que Ibe aitribuiaiu as prlineiras
versei, nunca laliiram de sua bocea.
Aocabo de alguns instantes ttauquilisou-ie
um pouco, e conforme Ibe fui exigido dirigi-
le ao collegio para alli paitar por urna cun-
froutacao uum o cadver Lcvaram-no por
cuuseguinle ao leu laboratorio, onde se pas-
sou urna aceda, cuja impresso jamis se apa-
gar u'aquelles que a (Otaasaiatlraui, A* vista
Uos resina adiados na sala de balso, viulenia
couvulsao ae apoderou do Dr.: deraia-lhe urss
copo de agua, mas elle repellio-o, oouio se U-
vera um acenso de hydropliobia e, quando
couscguiraiii cbcgar-lb'o aos labio!, nao pude
eugullr a agoa. Asilui llcou por multo leuipo,
proitiado por um estupor chelo de terror, du-
ran le i qual pareca prestes a perder a rasao.
Depois disto lem-se o homem mostrado mais
socegado ; mas aa provas contra elle vao-ie ac-
cumulaudo
O despojos humanos adiados em uina caixa
debaixo du Corno do leu proprio laboratorio,
i ecuiilicecu-se que le adoplavam aoi prn.ii i-
ros drscobrrloi uo recauto luierior. Um lado
dos riui que l'allava achou-se niel > consumido
uas ciuzas. Por ene modo foi reconstruido o
cadver, meuui a cabrea, o bracos dos coto-
vellos para baixo, urna prrna e mu p. Os m-
dicos Jiilgirain estar piovado que nuladoes-
queruo du tronco, meio calcinado, se ttieraiu
duas ftidas cora instrumento cortante, alen-
traubas uao appirccerau.


O que, pnri'iii, irais *fp3* contra o Indiciado
he achada no seu laboratorio de un. tica de
pinta e uuia erra, cujas tuinas llnham man-
chal de sangue, tumi)" fram adiado, ao
nirstnn lempo, nina caifa com o nonie de Dr.
Webster, e qnatro guardanapos igualmente
ensangtientarios. F.nirtu iupnOe-ae conhecer
noassnalho do gabinete vestigio* de sangue
que ae prolongan! pelo laboratorio e eicada
aira na de balan.
L'ni Jury de informaran, convocado aabbado,
recebeu a minio de pequir como e por<|tic
inrloi o corpo suhnictlltjo *o >eu exime rece-
beu a inorte. As investiga roes des te jui y de.
vem coniecar antanlia.
A einnran popular he anda intensa, e bein
que tenlia perdido ossj-inptomas aineacadorcs,
contina a milicia a estar em armas.
(frtssi.)
) ; Diario do II i o de Janeiro.)
COMM&RCIO.
Declsi raides.
'5
ALFANDEGA.
Reodmeoto do da 13,,. .*. 7:466,674
Dticarregam Moje 14.
Patacho tcsncexPrancoii-Xavier merca-
dorias.
Patacho portugus Abreu-I yinho e
cehollia.
Barca pottugueza -- Bracharensc merca-1 reY lomeadosi" habilitados para esse ro-
donas, cebimento, s9o Jos Chrispira de Assump-
-- Pela segrela seccSo da mesa do con-
sulado provincial se annuncia a lodos og
colindados para pazarem o imposto de
12,800 rs. creado de conformidade com n $
14 dn artigo 39 da lei dnorcameiito n. 21V
de 16 de junhode 1849, quo si ot arre-
cadn lo passivamenle pela dita socedlo se-
melhante imposto', desde Janeiro do cor-
rete auno ; e que, finalisado o prazo mar-
eado pelo regulumenlo do Exm. Sr. presi-
dente da provincia de 13 de novembro do
anuo prximo passado, se proceder eje-
cutivamente contra tolo aquelle que nSo
liver saiisIVito dito imposto.
OescrvSo aervindo de administrador
da recebedoria de rendas internas genes
abiizoissignedo avisa a todos os colleda-
dos pelos diversos imposto que silo atre-
cadus pela mesma recebedoria, quo achan-
do-secreadosos.dous cobradores, de que
trata o artigo 32 do regulamento de 15 de
junhode 1814, n. 361, pura receberem ami-
gavelmente no domicilio dos deve lores a
importancia de seus dbitos, a el les pode-
ro pagar, dando por desobriga os recibos
eilrahidos dos talos paca esse fim organi-
sados, assignados pelo thesoureiro, Joa-
quim Mara da Carvalho, e os empregados
que os psssarem, cojos agentes recbedo-
lliato naoional Flor-de-Cururipe Tumo
e charutos.
Brigue nglez Arabtlla-Farbel bacalho.
Brigue nglez F.-A.-Malheus dem.
CONSULADO GERAL.
Remlimeoto do dia 13.
Diversas provincias .
3:804.872
92,622
3:896,694
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do dia 13.
2:513,327
M o vi me uto do "orlo.
Navios entrados no dia 13.
Rlo-de-Janeiro 23 das, brigue nacional
Bnm-Jesns,' de 22.1 toneladas, rpita Jos1
Ferrclra dos Santos, equlpagein 15. carga la-
rinda e mais genero; a Manoel Fraunisco
d Silva. Passageirns, o padre Thomat de
Santa Marbnna de Jess Magalhaes, Ricardo
Jos de Oliveira, Hrasileiros.
jkss 10 dias, brigue nacional Eipirito-Snnto,
de 200 toneladas, capilao Aleandre Jos Al
ves', equlpagein 16, carga sal; a ordem Paa
sageirus. Ca los Antonio de Araujo, Joo Ai-
re de Miranda, Porlugueics, Manuel Alve
Lessa, Juaqiilm Jos da ''.osla Cneulro, Kra-
llelros e don* escravos a entregar.
Para e portos Intennedios 13 dias e 14 horas
e do ultimo porto 9 horas, vapor brasileiro
Sen-Salvailor, coinuiandante Otton, equipa-
Sein 28. Passagriros, para esta provincia: l).
otefa Darroio de Souzn, Antonio do Rei;o
Pacheco e u.n escravo, Jnao Antonio Capote,
o ei-sargrnto Jnaquim Soares Pinto : para o
sul, o Dr. Jos Lourrnco de i.astie..e Silva e
mu escravo,Joaquim Jos declive ira.o capi-
llo Jos Munli i'avares, Antonio delirse
Silva, Chirles de Allencourt, Francs; dua*
pracaa de pret, 35 recrutat e dous escravos a
entregar.
Boenos-Aj-res 31 dias, brigue noroegtiense
Juno, de 990 toneladas, capilao Suiuarg, e-
quipageni 9. ein lastro ; a ordem.Fundeoul
no Laiiiclrno rindo o capitn trra.
Baha 10 dias, diate nacional Am-tia, dr 75
toneladas, capilao Joaquim Jos da Silveira,
equipagiu 7, carga vados gneros; aNuvaes
ti C Passaageiros, 3 negros c 2 cscravas com
una cria.
Navios tahidot no mismo dia.
Macelo Brigue nacional Empresa, capilao
Guilheruie Piulo de Soma, caiga sal e iniu-
dezas.
Rio-de-Janeiro Polaca nacional N.-Sra.-do-
ConciicSo, capilao Jos Hara Felliardo, carga
asaucar.
Slorknlm Brigue tueco Mara, capilao S. A.
Itliodin carga assurar.
Canal Brigue i nglez llarhmqtr, capilao Gcor-
ge Gelgeart, carga assucar.
Observacad.
Levanlaram ferro do Lamelraopara o Mns-
quriro os brigucs Uictula americano, e Falher-
Mathtu inglrz.
*
JEDITAL.
-- O lllm. Sr. segundo escripturario, ser-
vm.lo de inspector da thesouraria da fazen-
da provincial, em cumprimenlo da ordem
do Esm. Sr. presidente da provincia de 14
do coi renie, manda l'azer publico que, nos
dias 13 e 14 de marco prximo vindou
ro, ir a pr*ca, perante o tribunal admi-
nistrativo da mesme Ihesourarit, para sei
arrematada, a quem por menos flzer, a obra
da continuarlo do cara denominado Ha-
mos, sb as clausulas especiaos abaixo
transcriptas, e pelo preco de ll:3i5,ooo rs.
As paasoas que se propozerem a esU ar-
rem*UcSocoinparec* do sobieditu tribunal, nes das cima met-
ciooalos, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constarse mandou aluzar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da Ibesouraria da fazenda
provincial de l'crnamhuco, 15de fevereiro
de 1850. Osecretario, Antonio ferrtiru
d'Annunciacio.
a Clausula* especiars da arrematando.
1.* As obras daconlinuacao do raes de-
nominado Hamos seio feitas de conformi-
dade com a planta e remenlo insuda!
apresintados ao Ksm. Sr. presidente da
provincia, pelo preco do 11:385,000 rs
a 2.* Esta obra sera principiada no pra-
zo de dous mezes, e concluida no de 7, am-
bos conforme o artigo 10 do regulamento
das airemalaroes de 11 de julho de 1843.
S Os pagamentos da arrematado sa-
rao fri ios segundo dist Oe o artigo 15 do su-
pracitado regulamento.
4.' Todos os nialeriaes serlo eiamina-
doa pelo engenheiro antes deerem empre-
gados, e, approvados, lavrar-se-ha um ter-
mo em que assignarSo o engenheiro e o ar-
remtame.
5.' Para ludo mais que nflo estiver de-
terminado as presente* clausulas seguir-
so lia inteiramente o que dispoe o mencio-
nado regulamento de II de julho de 1843
rtecife, 13 de fevereiro de 1850. O en
genheirodo termo do Recife, Jos Mamedt
lves Firreira.
can e Lu/ Gomes Silveno.
Manoel Antonio SimScs do Amoral.
0 Sr. director interino do lyceu manda
fazer publico que, por portarla do Exm. Sr.
presidente da provincia de 8 do crrante
mez, contina a estar a concurso a cadeira
de latim da villa de Nazarelh : portanto, os
cidadSos brasileiios que se quizerem op-
pr a refer la devero comparecer na sal
do palacio da presidente da dta deste a 6o
dias, tendo recolhido i secretaria do lyceu
os seus requcriinonlos documentados 8 dias
antes do dito concurso. Socretaria do ly-
ceu, 9 de margo de 1850 0 secretario in-
terino, Antonio tgidio da Silva, professo>
de geometra.
-- O Sr director interino do lyceu mana
fazer publico que, por po-taria do Ex ti. Sr.
presidente da provincia de 9 do carrete
acha-se a concursos cadeira de substituto
de latim desla cidade : portanto, os ci la-
dosbrasileiros que se quizerem oppor a
referida cadeira, q-i'irain co'nprecer na
sala do palacio da presidencia, pelas 9 ho-
ras da manhia do dia 13 do corrento mez
6!) dias, tendo recolhido a secretaria do ly-
ceu os seus reqtierimenlos'documentados
8 dias antes do dito concurso. Secretaria
do lyceu, 11 de marco de 1850. 0 secre-
tario interino, Antonio Eyidioda Silva, pro-
fessor de geomelria.
-- A repartirlo das obras publicas preci-
sa contratar algoni serventes para a obra
da oseada da esdeia desla cidade, sejam li-
vres ou escravos, paga-se a 610 rs. por dia -
quem se quizer aproveitar compares* a ho-
ra do expediente na mesma repartido.
OBRAS MILITARES.
Precisa-se de 6 ou 8 serventes para se-
ren empregados no servido das obras mi-
litares: paga-se 640 rs. diarios: a Iralar
noarmavm defronle da secretaria de po-
lica-
O* Srs. abaixo descintos queiram com
parecer na admnlslrac,1u do correiu, hojr
as 9 lioras dn manilla, par* receberem >
cartas,- que Ibes vieram dirigidas ltima-
mente do Poilo.
Correio de P rnambuoo. li de marco de
1850. (1 ajudante do administrador, Do
mingos dos fas sos Mi ronda.
Antonio i-'i-nian irs Lima, Antonio Jos
OLveira Braga, Antonio Joaquim Vidal,
Amonio Jos Simos, Anlonio Manoel lla-
mos, Antonio lloilr gues Fernandes Vieira,
Anlonio Teixeira Araujo Cuimarles, Ceor-
ge de Faria, Cuimar.1' s & llenriques, J.
quim Lopes d'Almeida, Joaquim lt l'ontes, lulo Francisco d'/Wanha Junio',
Jos Alfonso Moreira, Jos Antonio Mar-
ques, Jos Borges Mgalhiles, Jos Iluartr
das Nev*. Jos Joaquim Pereira, Luiz Jo-
s de S Araujo, Miguel Esleves Alve, Ma-
noel Jos Martina Ferreira, Manoel Jos Pin-
to Cuimarfles, Rodrigues.
A adminislraclo do correio geral pre-
cisa eiig ros : quem seachar nesta circumstincias,
dirija-sea mesma admmis'rscan.
0 vapor San-Salvador rece-
be as malas para os portos do
sul amanhfla ( 15; ao meio-
dia : as correspondencias que
viereui depois dessa hora al urna pagarao
o porte duplo.
Firmeza : para o resto da carga e
passageiros, ou c>cravds a frete,
(rala-se com o Cdpito, Narciso
Jos de S.-Anna, is i praca do
Commercio, ou a bordo, mi ra
da Gadeia, n. 4o, terceiro andar.
Vendo-sea escuna brislleira Kuropis'a,
de lulo de 116 I mila Ins. forrada de cobre e
prompla com todos os perlenoes para fa-
zer vi*igem : quem a pretender p le ir exa-
minar a bordo, a qul se acha fondeada de-
fronte do Passeio-Publico, e trata-se ron
Auiorini IrmSos, na ra da Cadeia do Re-
cife, n. 39.
Com deslino a illia de San-
Miguel.
Est a ebesar do Rio-de-Janeiro o brigue
portogiie Oliveira, j com a tnaior parte
do seu carregamenlo, e receber ueste por-
to o restante para abarrotar: quem nelle
pretender carregar e ir de passagem, so en-
tender com Jnao Tavares Cordeiro, na ra
do Vigario, n. 8.
rara n Ass pelo Touros segu, al 15
do correte, o brigue Condescendencia:
quem quizer carregar, diiija-se a Joilo
Franci.-co da Cruz, ra da Cruz, n. 3, ou ao
capilnoabordo
-- Para a Bahia he, em poneos dias, o
hateSan-Jo&o : quem no mesmo quizer car-
regar ou ir de passagem, enten la-se com o
diestro a bordo, ou com Novaes&Compa-
nhia, na ra do Trapiche, n. 31.
Veode-se o patacho ameri-
cano Romp, de lote de i iQ> tone-
ladas americanas, forrado de co-
bre, milito veleiro, e prompto pa-
ra spguir quolquer viagem : os
pretendentes, dirijum-se aos con-
signatarios, Denry Torster &
Companbia, na ra do Trapiche,
n. 8. %
paz, e d dador & sna oon lucti, para um de-
so"
Cruz, padaria n. 6.
psito de po o bolacha: no paleo da S.-
A visos diversos.
- Jos Soares de Azevedo, professor de
lingo* franceza no lyceu, tem aberto na
ru* do Queimado, n 29, sobrado amarello
pr m iro andar, um cu'so de PIllLOSOPIII \
eoutrode LLNCdA FRANCEZA. As pessoas
que quizerem estud disciplinas pdem ditigir-se ieferi sidencia todos os dias uteis, desde as 7 ho-
ras da manhila at a-10, e desde o meio-dia
at as 6 horas da tarde.
Hnmreopathia. g
^ 0 consultorio honieopathico j
^ de Fernumhuco, na ra da O
Cadeia de Santo-Antonio, J*j
n. ai, dirigido por J. B.
Ca.anova, estar aberto O
todos os dias, desde s 6
horas da manhai al as 6
da larde.
Os (lenles sero vi/ilalos lodos os
dias, n3o sendo muilo longo.
A pobreza receber nssorcorros-da CJ
hoir.ccopalhia giatuilamenle. *>
9
i
I
&
O
O
<>
O
o
o
o
9
9
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro sahe, com a
maior brevidado possivel, o brigue nacio-
nal Srm-Par para o reslo da carga, pas-
sageiros e escravos frelo, trala-se com o
capitSo, Jos Joaquim da Costa, na prarja
do Commercio, ou com Novaes t Compa-
nbia, na ru i do Trapiche, n. 34.
Para o Rio-de-Jneiro .
segu, com muila brevidade, o brigue bra-
sileiro S.-Ivs, por ter parte de seu carre-
gamenlo prompto para a aua complel
carga: quem quizer carregar, ou irdepas
sagem, e embarcar escravos a frete, dirja-
se a Csudino Agostinho de Barios, na pra-
cinha do Corpo-Santo, n. 66, ou ao capilao,
Jos llamos de Souza, a bordo.
Para o Ceaia segu viagem o hialr
Kovo-Olinda,deque he meslre Antonio Jo-
s Viautia, por ler ja tratado parte de seo
carregamenlo: os pretndeme* a rarya <
passageiros, dirijam-se ao mesmo melie.
ou a ra da Cadeia-Vellia, n. 17, segundo
andar.
Para o Rio-(irande do sul seguem com
brevidade o brigue brasileiru Juno e o pa-
tacho Astrea : quem nos mesmos quize:
carregar, ou ir de passagem, para o qui
tem hon coromodoa, e mesmo para escra-
vos a fele: trata-ae com Amoiim Irmos,
na ra da Cadeia do Recife, a 39.
- Para Porto-Alegre pelo Rio Grande d<
sul segu, em posteo*dias, o brigue Flores
s recebe passageiroae escravo* a frele, pa-
ra o que lem bons com modos: trala-s
com o capilao a bordo, ou com Aaiorin
rmiios, na ra da Cadeia do Rcife, u. 39
Para o llio-de-Janeiro sahe
no dia 15 docorrenle, a intnto co:
uhecida e velciid barca nacional]
--Precisa-se de um amassador para um"
padarin : na rus da SenzallarV'elha, ti. 96.
Casimir Garniel vai a Franga, por isso
roga as pessoas com quem tiver contas de
Ihes presentar tiestas oito las.
Agencia de passaporteg
Tiram-se passapones para dentro fora
ilo imperio, e corram-se folhas para prelen-
oiios : na luado llangel, n.57.
--Precisa-se de um caixeiro de 12 14
anuos : na roa da Senzalla-Nova, n 9.
Precisa-se de serventes do pedreiro :
no armazem doSr. Toircs, no porto das ca-
noas da ra Mov. .
-- Precisa-se alugtr um* ama que sai ha
cozi bar e engomo ar : na ra estrilado
Kozario, no primeirn andar do subrado,
passando a b tic* do Sr, Pfranhos
Aluga-seum preto possante para ven-
der fazendas na ra em um taboleiro : quem
tiver, dirija-se rua do Queimado, u. 46.
Precisa-se de um capello p genho S. liosa, ollen ceu lo-so mesa, Ou sem
ella, e bom ordenado, com a rondic.lo de
acabar de ensinar um pt queno : na ra Au-
gusls, no segundo sobra.io dos do Muuiz,
a enlender-se com Joilo Bapiisla de S
--Alaga se um* casa terrea na ra do
Cano. n. 4: a tratar com Jos Cyprwnno
de Moi ais, no largo da Assembla, n. 8
Na rus Nova, n. 58, loja, se dir quem
ds a premio 300, 400, 500 e 600,000 rs., com
hypolhecaem casa terreas. IVa nieama loja
vende se urna carioca pata boi.
iillerece-se una ama para casa de ho-
mem solteiro, ou do pouca familia : na ra
da Praia, n. 3, confronte a ribeira do peixe.
Aluga-se um moleque bom coziulieiro
para casa de um hoineni solteiro, ou es-
i ra ngeii o de pouca familia : na ra das Cru-
zes n. 10.
Segunda-fera, 18 do correnle, s 4 ho-
ra da laido, na prao.i do doulorjuiz de o -
(hilos, so ha de airemalar a taberna que foi
lo finado Manoel Vilgues, na Ponte-de-
Ucha : os |m domicilios unti cipuJou ni.
pdem ver os fut ios que a mesma leal pe
lo escriplo em po:r uo porteo.
(j *r. Lzequiel de Souza Ca-
valcanle queira dirigir-se ra do
Vigario, n i9, visto nao se sabe
as horas de ser encontrado em
Segn la feira, 18 do correnle, vilo
praca, porta do Sr. Dr. juiz de orphos,
os trastes e escravos pnrtencentes a heran-
5a jicen'e da Gabriel Coocal ves l.ombi.
Iiesappareceu, da rui da liniSo, um
carneiro mucho, todo hranen, com a ore-
In esqucrila golpea la, e a direits com um
recorte, com a lila curta, por ter sido tos-
qneaJa ha pouco e muilo bem tratado : gra-
(ifica-s) a quem der noticia, ou levar o dito
carneiro a dita ra, na ultima Casa do lado
do norte,
-- Aluga-se um moleque para o servico
de Casa, o qoal sabecozinliar o ordinario:
na piai; 1 da Independencia, n. I.
Precisa-se de urna ama forra ou capti-
va para todo o servQo.de umi casa do pou-
ca familia : na rui estreita do Rozaiio,
n. 37.
- Joaquim Marlins Moreira vai a Portu-
gal
O Sr. Manoel Pereira de Castro tem
cart-s, vindasde Portugal, na ra do llan-
gel, n. T.
Fr. Jo.lo Capistrano de Mendonca lem
aberto, na ra das Crozes, n. 18, primeiro
an I r, um curso de geog'aiihia, chronolo-
ia e historia, e nutro ile rhetorica e poti-
ca : as pessoas que quizerem frecuentar
qualqoer desla fa cu Ida les, poilei.lo diri-
gir-se mencionada casa a quilquer hora.
A mesa regedora da 'mandado do Se-
nlior Rom Jess dos Passns, nlo pudendo
vencer todas as difciild-ides que tem sobre-
vindo. por causa da fehre reinante, resolveu
transferir a proriss.lo do mesmo Senhor,
que devi* ler lugar a 15 do correle, para o
dia 22.
Joaquim Lopes da Cruz pretenondoreta-
Ihar os gneros e utensis de sea taberna na
piara da lioa-Vista, junto a botica do Sur.
Moura, domingo, 17 do correte, s 9 lloras,
convida a lodos os seos creJores e alguus
Srs que prelendercm a'gdns dos gneros,
para seacharcm em dila taberna, no sobie-
ililo dia.
O Sr. reveremlo franciscano, que, ahija-
do 9, vio um piano, pode vir husca-lo pelo
prego que oflereceo : na praga da Inde-
pendencia, n. 19.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14
auno, priferindo-so dos ltimamente che-
ga ios da cida le do Porlo : na roa da Ca-
deia de Santo Antonio, 11. 2, primeiro an-
dar, rhai rom quem Iralar, desde o meio
dia a as 6 horas >ia tarde.
Manoel Jos Soledade embarca para
fra da provincia sua escrava Urasiliana,
crioul*.
(UTerece-se um rapaz Drasileim, o qual
d fiador de sua conducta, para caixeiro de
alguma casa do negocio: no paleo do Toreo.
11. 23.
Precisa-se de doOs amassa lores que
sejam peiilos em seo ofiiciu : paga-se hem,
agradando : em Ulinda, psdana do Vara-
dooro.
Joaquim Francisco Huarte, tahelliHo
[nlerluo das hypothecas, mudou sua resi-
dencia e ca torio da ra Formosa paia o fim
da da Uo 1 ilo, ulimo sobrado.
O sitio da Ponte-de -UehOa, contiguo*
otaiii denominad S.-Pedio, precisa deum
feilorsem familia e idoso : a tratar no mes-! :
mu sitio.
Ljnaeio do Si Lo es Frrnandes vai a
Portugal tratar de sua sa le.
Precis-se alugar tres ou qualroescra-
vos para Irahalhaiem de enxsila uum sitio ;
quem os tiver 1 'e appaiccer no principio
d estrada dos Afilelos, pi imeira casa ter-
rea do lado esqueido, para Iralar do a-
jusle.
aa*aMssMsaWs^^
Aluga-se um sobrado na ru* da Uuio,
com excellentes comino los para dua* fa-
milias, vista para b>rra, grande quintal
murado, cacimba, o tolos os mais commo-
dos desejaveis em urna casa, sendo alm
dislo bastante Iresco : os pretendenles di-
rijam-se a ra da Aurora, n. 4
Precisase alugaruma preU que saibi
lavar, engommar e coser, para urna casa
eslrangeir : na ra do Torres, 11. 34, das
II horas al s 3 da tsrde. Na mesma casa
lamheui se precisa alugar u.n preto que
emenda do servico interno, e saiba tritar
de cavallos.
O O
O Alugam-se evendem-se as verda- eVj
deiras bixas de Hamburgo napraga q
q da Independencia, n. 10, ao voltar {j
n para a ra dasCruzes. q
0 O
OOOtSOOOOOOOOO t&oooo
jfe Chapeos de sol.
Ruado Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente om rico
sorlimeiilode.sl.es ohjelos do todas as C-
rese (| 11 -i I i les, tanto de seda como de
panninho, por presos commodos ditos pa-
ra senhora, de hom gnsto : estes chapeos
silo feilos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mesma
casa se acha igual sortimenlo de seda o pan-
ninhos imitando sedas, para cohrir ar-
inai oes servidas : (odas estas fazendas von-
de-i-se ein port;.1o e a retalho : tamben* se
conceria qualquer chapeo de sol, tanto de
hasleas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por preco
commodo.
Pedro Carlos da Costa Cabral, dottor
em n cdirina, chegado recntenteme isla
capital, reside na roa da Conceicllo, so-
brado n. 8, onde i lo ser procurado a qual-
quer hola do dia, dando consultas gratis
aos ponos pela manhila.
Ovis do scrlao
He chegado algons pires deste etcel-
leute pelisco : na ra do Queimado, loja de
ferragens, n. 14.
Precisa-se de um pequeo de 14 a 16
anuos ,,aia caixairo de urna venda, o qual
de fi idor a sua conducta : em Fra-da-Por-
tas, n. 86.
Procisa-se alugar um preto para botar
sentido a urna pequea casa de campo : na
ra ilo Trapiche-Novo, n. 10, casa do Jones
Paln & Compatible.
Cnsul lorio I.oohl'o-
pathico.
Ra do Trapiche, Hotel-
Francisco,
DirisiJo pelos doutores Sabino 0. I,.
Pinho, J. A. Luz, e C. Chidloe.
c
r"
*
Todos nsdiss, desde as 7 horas da
manhSa at as 3 da larde, pdem ser <-'
procurados qualquer desles Snrs. *
As consultas srrSo recehidis ^por ^
qualquer dos tres mdicos quo se
adiar no consultorio.
As pessoas neossitadas conlinoa-
rSo a receher gratuitamente, todos
i> ossoccorros de que precisaren!, a
^> qualquer hora do d>a ; adveriinlu

OS
o*
que, serSo soccorridos com prefe- ^
>
*" rencia, aquelles que logo no princi- *
pin da ni o I osiia recorrerem abo- *S

--Precisa-se alugar um preto para andar1 i n.oripaibia. sem haver tomado re-
com taboleiro oe fazen las na ra venden-
do em companhia deum bomem : a tratar
na ven la da ra da Cadeia do Itccife, o. 25,
defronle eo Recen-Largo.
OITerece-se una ama branca para cria-
medio algum allopalhico.
OAA*ib&Js4AAAAaS*!ftl.)*A*0
Precisa-se de um Portugucz, com pre-
ferencia a filho das ilbas, quesaiha traba-
o.ao do urna enanca, a qual lem bastante,1 litar em sitio, para trahalhar em um no lu-
ieite e he desemyedida por llie ter morrido. gar do Remedio : quem esliver nestas cir-
a o; i.inra e.im h .lias de nascida : prefore-sej rumstancias dirija-sc ra do Crespo, ti.
casa agtrangeia) no Aterro-da-Boa-Visla, 14.'erceiro andar,
fabrica de cal e c.iocolale.
Bltloiicl.
casa.
Na ra do Rangel, venda n. 11, preci-
sa-se alugar um preto, ou prel* que saiba
cozinhar o diario de urna casa. Na mesilla
ven ie-s manleiga frauceza, 240 rs. po
pi i a para lempeiiu.
- l'iruiiiio Jos Machado dcixou de ser
caixeiro de Francisco Sunes da Silva Ma-
l'radesdeo dia 7 do correnle.
Precisa-sede una preta que saiba re-
finar assucar : na ra da Alegra, n. 42.
Precisa-se de um caixeiro que sej* ca-
Mubilias de
Alugam-se cadeiras para bailes e oflicios.
tamhem se alugam mobilias a voutade do
alugador ; na ra Nova, armazem de tras-
tes, dol ouio da ra de Santo-Amaro, n. 59
Precisa-sede una ama delettefona
ou captiva: na tua da Aurora, n. 44, se-
gundo andar
Quem precisar de urna ama para o sor-
vico interno de urna casa de homem soltei-
ro, dirija-se a ra da Concordia, lenda de
marcenara.
O Sr. dos Afogados que offereceu J30/
rs. pela canoa grande, no fim da ra da
Aurora, n. 4, sendo que anda queira, pode
ir lomar conla della.
Precisa-se, a bordo da bar-
ca ranceza Leonie que segu via-
gem para o Havre, de um criado
para o servico da cmara, anda
que spja de cor, com tanlo que se-
a fono : os preteidenles diri-
jam-se ooescriptoiio da consignu-
Liiin, viuva Lssserre, na ra da
Senzalla-Velba, n. 1.38.
Urna pessoa que tem de ir
a Macei, c cuja conducta be as-
saz condecida, encarrega-se de co-
brar as dividas que poivenlura li-
vereni na provincia das Alagdas
as pe.-soas aqu residentes. Diri-
gir se loja de Jo Peres da
Cruz, onde se dir quem be.
No p*leo da matriz de Santo-Anlono,
sobrado n. 4, tiram-se passapo les para
denlro e fora do imperio, despaciiam-se es-
cravos e correm se fulhas rom a manir bre-
vidade possivel, e por diminuto preco.
Precisa-se de um fetor que
entenda de arvortdos, bortalice e
jardiin : na C'apunga, sitio ao p
do porto, a fallar com a viuva
Lasserre.
-- Precis*-se de prel*s que vendim pilo,
pagando-se a vendageiu que se convencio-
nar : no Forte-do-Iil*ltos, rus do Burgos,
u. 31, padaria.
Compras.
Compra-se um relo que tenha de 20 a
25 annos, que saiba cozinhar o diario de
urna casa e que se afiance a sua conducta:
naga-se bem: na ra da Cadeia do Recife,
uo escriptorio do conclu- Oliveira, se dir
quem precisa.
Compram-.se 1 ou 2cachorros pequeos,
srndo dos de fila : quem os liver para ven-
der, leve-os ao principio da estrada dos Af-
ilelos, primeira casa Ierres, do lado es-
q uerdo.
Compra-se loda a qualidade de trastos
usados, e tamhem se irucam por novos : na
ra Nova, armazem do trastes, defronle da
ra de Sanlo-Amaro, n- 59.
Compra-.-e um roqoele de esguio ou
hrctautia muilo lina, de lavarinlo, ou do
oulra qualquer fazen la fina, mas quo seje
hordado eobra de bom gusto: na ra No-
va, n 35, se dir quem compra.
-- Comprim- se diarios ou outra qualquer
qualidade do panel deembrulbo : uo pateo
do Terco, n. 13.
Compra-se um preto de nacSo, com
t inlii que nao soja do mallo, emhora Seja
de oulra provincia : na ra da Senzalla-Ve-
Iha, n. 96.
Compra-se um par de brincos de ou-
ro, sem fcilio : quem liver annuncie.
-- Compra-so um preto canoeirn : na ra
do li-um, casa da esquina por detrs do ar-
si o .1 de mal iiiha.
Compra-se o uro e prata sem feitio: na
na ra Veilia, n. 54.
Compra-se uuia canoa de carreira, de
um s pao, usada, mas em bom estado, e
que seja mancha, de modo que qualro lio-
mens a possam transportar par* qualquer
parte : quem liver aunuucie por esta l'olli*.
Compram-se duss rotulas: nesta ty-
pographia, ou na pr*ca da Independencia,
livr.sria na. 6e8.
Vendas.
Oleo de un mona.
Yende-se oleo de mamona,
a i,44o rs. a gana, e em poreo a
1,380 rs. : na ra das Floros,
n. ai.
Vende-se a obra de moral por Monte :
na ra do Fugo, n. 13.


Vendem-sc queijos do reino, os mais
novos possivel, a 1,120 rs. : na ma Direita,
n..U.
Vendem-se relogios de ouro
e prata patentes para algibeira ;
panno azul para capoles de tropa,
por preco multo em conta : em
casa de Russell Mellon & (*om-
panhia, na ra do Trapiche, n. II.
~ Vende-seo novo mapoa geographico
de Portugal, em granito frmalo, gravado,
dividido por provincias, districlos, admi-
nistrativos e concclhos, conforme a ultima
le da diviso do territorio, o cotendo a
demarcarlo dos paizes vinhsteiros no Uou-
roe Bairmla, as estradas militares, todas
as Ierras elugarts nolaveis, cnm designa-
cao daquellas em que ha correio ordinario,
a escaladas distancias ilas trras princi-
par entre si, o roaipa dos concclhos e iin-
rrorosdos fogos de que se compile cada
districto administrativo, conecto e me-
ltrado em todas as suas espf cialidade*.
segundo as alteracOes que tem havido al
hoje : na ra da Cadeia-Velha, loja de l-
vros, de Carduzo Ayres.
Vende-se um pianrio inglez em boa
estado, por preco commodo : na ra Nova,
n. 35.
Vende-se urna burra ingleza, porf re-
co commodo: na ra do Trapiche, n. 14.
Vendem-se os nielhores charutos ch-
gados da Ilahia, ha poucos dias : na rua da
Cidria do Itecife, n 48, casa de Augusto S.
Corbalt
--Vendem-se dous lindos escravos, sen-
do um moleque de 18 an.ios, e o outro he
hom canoeiro ; una linda mulaliniia reco-
Ihi-'a, ptima para servir a nina familia, por
saber coser, engonunar e f.zer lodo o mais
servicocom peifeifo : na rua do lUngel,
n. 57, sobrado.
^a la doAragilo, n. 4, tenda de mar-
ceneiio IMhan, vende-se urna armaefio de
pinho, toda enviitracada, propria para iniu-
iiczas, por prr co muito cod modo.
Xarope do bosque.
CASO DEUM P.FGOCIANTR DKSTA PRACt.
Eu abaixo assignado (o certificado original
disto moslra-se a qualqtier pessoa que qni/.t-r
chegar rua do Hospicio, n. 40, Rio-dt'-Jarwi-
ro, verlcado perante o (abelliao Cauro) cora
casa de negocio, declaro que lia viole r dnui
' .nuil i r 111- padeca de una palpitaco do cora-
cao ; (-i.i palpilaciio era liio forle i|ue, quaiidu
me alai .iva, prnlia os senlidos, e a rrspiracao
de tal forma, que as petaos! que pretciicinvam
neitas occatlAes rsperavain acuque que ea uc-
cumbisse em alguns desles terrirell alaquia ;
todus os recursos da medicina quantos me f-
raui prodigausados nunca serviam mais que
para nestai occasiea diminuir Iiiii trrrivcl nic-
leilia ; port'iii nunca pude oblcr tnellioia al-
gnnia. Alni desla mnli'Slia sobicveio-me nina
outra : qn il bavia ella ser? a leriivrl plnliisi-
ca, causada por nina constipadlo; c l.in rpi-
da Je decLirm, que suppunlia o mcu milco re-
medio ser a morte : o sauguc que continua*
mente tleilava pela bocea, a palpiacfio, a toa-
se, o faslio, os suores nuile a febre couli'uua,
tudo istn fcz-nie perder tuda as opcian-
cas, e eslava bi'in persuadido que era iinpossi-
vel poder liviar-me da morte. .V bia dcplura-
vel clise, eiilri-guc Iristcia, e vendo que li-
jiha gaslado nao pequea quanlia e sem ne-
iiliuiii proveito, fui quando de rolla das Laran-
geiras, onde eslava icsidindu, por felui-
dade uiiiih ino-traram-me um annuncio em
um jornal que na rua dn Hospicio, n. 40, se
venda o jarope dos bosque, remedio i|iie j
linha feito admratela curas na America do
norte; rraolvi-me e fui comprar na dila casa
urna garrafa. Principici a lomar, como declara
o autor ciifcun papel que acoinpnliacada gar-
ra ; fui a luinlia salvncao este poderoso reme-
dio : em menos de oilo dias de uso j era ou-
tra pessoa ; desappareceram o sangue pela boc-
ea, o faslio, a loase e os sumes de nuile con-
tiouel a tomar, e frain desappareeeudu to
coriaideravetineute todos os meus solh intentos
de tal forma, qu todos os meus amigos e co-
nbecldos seailiniiav.ini de ver-nie to rpida-
mente mrlhni ai : boje o que me resta de unios
os meus sollriinentns be de dias a dias me ap-
parecer a palpitarlo ; porin vcjo*i:ie de tal
inauelra que j me nao da cuidado, porque
inuitas veies Icm sido sumcieiite um cupo de
agoa para faer desapparecer, ou tunando urna
colher do xarope do bnsi]ue desfeilo em urna
11 -< i < .-11 .i porcao de agoa: Uigo que nunca pa
aei taobein de saiidc duraule vinte e um aunos
de molestia como agora ha sete para olio me-
zes, depois que principie! a tomar o xarope do
bosque, pin.pie eu recuperei o que julgava
perdido, i|ur Coi a nimba sade, se nao perfri-
ta, ao menos quasi perfeila. Mao fui s cu em
mlnlia casa que fu uso desle poderoso xarope ;
tive militas occasies de o applicar em prsson
de ininlia lamilla em esos de coustipaedes e
tosse, e iniMiii. tenbo dado desle xaiopc a al-
gumas i essoes do nuil ciinbccimcnto, c anda
em ni iiliuma occasio falbou de produ2ir ad-
miraveis rlleitus; porlanto, recummendo a
todas as pessoas que he o mais excellenle re-
medio para as molestias que o aeu aulor re-
coinmenda sem exageraban porque ningucm
pud i.i dizer nielhor o que he este remedio do
que eu mesino.
Tudo quanto cima tenho declarado he a
pura verdade debaho de niinha palavra de
honra, o que jurarei se neerssario fr,
e justificare! com quanlaa pesioas loreiii
uecesseiias as que me viram duenle, eme
estao rendo agora no estado ciu que me
acbo ; e quab|Uer pessoa que melbor se qm-
aer informar pode diriglr-se rua do Hospicio
ii. 40, ijiie o ali.iixo assignado Ihe relirir im-
inensos casos em os quaes o excrlleule xarope
do bosque lini feiio seus extraordinarios ef-
feiloi.
Esta minha dcciarac.o mande! l'a/i'-ia e as-
signei de minha livre vontade, e cun o nico
iuleresse de prestar um scivifo rjumaniuade
lie que a fiz para ser mostrada aquem quizer
saber o que he o xarope do boque do I)i.
Blulis.
Itio-de-Janrlro, 4 de Janeiro de 1848.
Veude-se na rua dos emanis, u. 12.
A tt.OOO rs. o par.
Sapntos de cou'O de ijit>o para senhora
de muitu boa qualidade, despachados hon-
tem, a 2,000 rs. opar;dilo de Cordavfio, a
1,440 is e para meninas a l.ouo rs.: no
Ateiro-da-lloa-Vista, luja n. 58.
Dcztri'o frunces.
No Alerro-da-lloa-Visla, loja n. 58, ren-
<)e.e hezerru francez, nuitn grande.de mui-
to ba qualulaila, a 3 520 rs a pelle ; e
coiimi de iii.-ti o .le u[( i ioi quali me,
Vendem-se uvas blancas muito boas :
lia rua da ( oikeicilo da lloa-Visla, n. 58.
--Vende-se um i-it.m. | i o.i, de |h un-
ios de linde, pardo e Com diversas habili-
dades : na rua da Cruz do bairio do Itecife,
n. 56, primeiro andar. Ka mesma casa ren-
de-se urna canoa decaneira de um -o pao,
Inin feta eque carrega de seis a oilo pei-
soas.
'4
Vcncfciiji-sp, na loja de
.lloreira & Yellozo, na
rua \ova, n. 0,
sapalos de conro do lustro pan senhora,
pelo liaralissimo preco de 2,000 rs. o par.
Farinha de mandioca.
Vendem-se pennas deema ; muito boa fa-
rinha de mandioca : ludo por preQO com-
modo : na rua do Queimado, n. 14.
Vende-se a taberna da roa
do Padre-Florianno, n. 72, com
poucos fundo?, e que regula 10 a
13,000 rs. por dia : a tratar ni
alfandrga, das 9 I-oras da munliaa
as 3 da tarde, com Joaquim Fran-
cisco Franco.
Rua doCollegio, n. 9.|
LOTERAS DO B10-DE-
JANE1B0.
20:000^000
|| 12.' DAS MATIUZES. i
'i; 1
Pelo vapor S.-Sibmtio, saludo do !_t
g Hiode-Jaiieiro em 16 do passado fe- p
vereiro, ebegaram bilbelese caulelas ^
desla lottria, que devia exlrahir-se jfe
no dia 22 do mesmo mez.
I
Ans Srs. jurisconsultos.
Na rua do Tiapiche-.Novu, n. 6, vendem-
se as MguinlM obras de direilo, chegadas
ltimamente, por preco commodo :
l.obo, olas de Mello;
llorgea Carneiro, direilo civil;
Coelbo da llorha, dito;
l.iz Tcixeira, dito ;
tarvalho, lindasorfanologicas;
Correia Telles, dlgesto purtuguez ;
OrdenacOeado reino;
Mollii. op-ra.
Vende-se um bonilo cscra-
vo, que l>e mullo bom liabalhador
de campo, pelo baralo preco de
35o,000 rs. o motivo por que se
vende se dir ao coniprdor: no
Hospicio, ra. Thomazia da Conceicao Cunba.
M lliearile, modista franceza, na rua
Nova, n. 32, receben pelo ultimo navio viu-
do de Franca, um rico sorlimento ile cha-
peos ile seda de ludas as cores ; trancas de
Ipoililo; capill'S de (lmes para balese
casamento!; .arja Bcliainalolada dn pura
seda; fin acopa |ara chai eos; enfeiles
e miud z*s para caneca, muito ricos e no-
dernos baleita* para vestidos ; csparlilbos
de tnlas i'S qualidiles, de molas 6 sem cos-
turas, de tima nova inveiun e muito com-
ninilo ; blonde e lemlasde lili lio ; e outras
muitiis Colisas de hom costo, que se \cn-
dem muito em conta. Tamtem sempre se
fazem nu ollinio gusto vestidos para bailes
e casinientos, diios de montana, mante-
letes, eapotinhoi e viiltaa, de padies
n.uito modernos e anda ufio vistos aqu.
Df posilo da fabrica de
Todos-os-Santos na Itahia
Vende-se en casa deN.O. liieler.A. C.
aa rua da Crut, n. 4, alundSo trancado
da mella fabrica, muito proprio paraS'accos
dassucar, ron pa de escravos e To pronio
para redes de pescar, por prtf;o muito com- quem lem para vender urna prela de 20 a
modo. 22 anuos, de bonita vista, a qual ro/inha o
Cbegaram novfmmle ruada Sen- diario de urna casa, com algum principio
zalla-Nova, r. 42, 11ilogoa de curo e prata de engommaro lavar ; bem como urna par-
da de 25 anuos, que engomma, lava e cozi-
iiha ; um pardo de 10a 18 annos, de boni-
tr Kura, propiio para pagem, por ser n.ui-
lo esperto.
Koarmazem de molha-
dos do Meno da Iloa-
Vifta, ii. *1A,
vendem-se por menos preco do que em
outra qualquer p-i e os seguintes gane-
n s : queijns londrinos ; ditos de pialo;
conservas de lodas as qualidades, sal refi-
nado ; lijlos para limpar faers ; latas com
sarditihas; cha ; cevadinha ; araruta, tan-
to em farinha con o em bolacbinha ; e cu-
tios muito gneros novos e com muito as-
seio.
-- Vende-se cera em velas do Rio-de-Ja-
neiro, muito hom sortimento, em caixas
de 144 libras, por piteo muito commodo :
a tratar com Novaes & Companhia, na rua
do Trapiche, n. 34.
Vcndem-se dous pianos te-
crnlemenle ebegados, por pieco
muito commodo, para liquidar
conlas, visto o dono re tirar-se pa-
ra lora : na rua da Cruz, arma-
/fin n '|H.
Vende-se um bonilo caval-
h, emuilo bom, por preco com-
modo : no Hospicio, casa de D.
Francisca Tbinazia da Concei-
cao CnnH*
Vendem-se resmas de papel almaco
perlino de | riueira qualidade, branco e
azul, ditas de peso branco : na prafa da In-
dependencia, n. 4.
Vendem-se 4 lindos moloques ; 1 par-
diiiho de 16 anuos, boa copeiro ; 3 pelas
de todo o mi'vioi de casa ; 1 dila para o
campo ; 1 1 reto de 25 anuos, muito lid a de
boa conducta : no paleo da matnz de San-
to-Antonio, sobrado n. 4, se dir quem
vende.
Vende-se um prelo moco, robusto, de
bomla figura, sem vicio algum e hbil para
qualquer seivieu : na rua do Uueimado,
loja 11. 21.
-Vende-se resina de angico, ai librase
em porcllo :.na rua da Cadeia, loja de JoHo
Jos de Carvalho Moraes.
Novo sorlimenio de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampean.
Vende-se cassa-chita muilo na, de bo-
nitos padrOes, cores fixas e com 4 palmos
de largura, pelo barato preco da 320 rs. o
corado ; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; rlscadinho de lis-
Iras de linho, a 240 rs. o covado,- brim de
a I codito de cures com listra ao lado e de bo-
nitos padrees, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas vaiase urna quarta ; cassa prela com
ramagem branca, para loto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarlede cOres, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 900 rs. o covado ; risca-
do moiistro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrocs e cores fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de larlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
A bordo da brigue S.-}oi, chegado
prximamente, vende-se farinha de man*
dioca de superior qualidade, e por menos
preco do que en outra qualquer parte: os
pretendentes dirijam-se a bordo do dito
brigue, fondeado defronte do arsenal de
guerra, ou ao Itecife, rua da Cruz, n. 66.
Vende-se superior farinba
de niillio em porcSes e a retalho,
tendo de todas as qualidades a
vontade do comprador, e porpre-
tra qualquer parte.- na rua do
Bium, n. s8.
A i.yooo o corle.
Vendem-se corles de cassa-chita, fina, de
bonitos padiOes e com 6 varas e meta, pelo
diminuto preco de 2,000 rs. o corle : na
rua do Crespo, n. 6, loja ao p do lampeSo.
Farelo novo a 5,500 rs.
Vendem-se saccas grandes com 3 arro-
bas de farelo, chegadas no ultimo navio
dellamhurgo: na la do Amorini, n. 35,
casa de J. J. Tisso Jnior.
Os melhores charutos de
S.-Felix.
SSo ebegados os melhores charutos de
S.-Flix : na rua do Queimado, n. 9, loja.
Ovas do serlo.
Vende-se este excellenle petisco na rua
do Queimado, n. 14, loja de ferragens.
Vende-se vinho do Porto muito supe-
rior, em haris de quarto e quinto ; farinha
de trigo de lodas as qualidades _e em meias
barricas; relroz do Porto, prime ira qusli-
dade : panno e meias de linho ; arcos para
barricas ; farinha de mandioca em saccas
grandes e a gnela bordo da sumaca V-
S.-lo-Carino : l'udo por preco commodo :
na rua do Vigaiio, n. II, primeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cunha.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
A rados de ferro.
Na fundicSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
Na rua do Queimado, n. 14, se dir
patente inglez, para bou em e senhora.
AGENCIA
da fu 11 di cao Low-Moor,
BA DA SI NZALT.A-NOVA, N. q2.
Neste estabeiecimento conti-
na a haveium completo sorli-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenbo ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tumanhos,
para dito.
-- Vende-se a propriedado do Rollo, na
fieguezia de TracuiihSem, com ocia legua
em quadro, capaz de levsntar-se um gran-
i'e engenlio, por seren Ierras de grande
pioiiui (,'fn> de toda a lavoura, com bous lo-
gradoures, no lias e ptimos partidos: a tra-
tar com o capilSo Jos de llanos Cavalcan-
le Maranho lalcflo, no engvnho da Barra,
comarca de Nazarclli.
Vende-se una caixa de tartaruga, to-
da encasloada de ouio, piopiia para pie-
sente : na rua Velha, 11. 54.
Vende-se una canoa iber-
ia que correga um milbeiro de li-
jlos, por baralo preco : no Hos-
picio, casa de L). Francisca Tho-
mazia daConceic3o Cunba.
-- Vendem-se amarras o rro: na rua
Ja Senzalla-INova. 11. 42.
Vende-se 1. m 11111 lu i ntu> de 11 annos;
un o oleqiu' da nesn.a darle, nmito s.dio,
e que he propiio para qualquer cilicio: lu-
do barato, |or ser dd un a pessoa que tem
necessidade de liquidar : na rua taiga do
llozario, n. 35, loja.
---Vendem-se gnafas com rap rolio
hamburguez ; luvasde inrcal de seda, pre-
lase biuucis, |ara senhora e uirninas;
meias de seda pi ca de 1 e.-n para senhora,
e para pailres, muile encorpadas ; rreas
de seda para homeai, curtas o da mesma
qualidade ; luvas de seda prela com buira-
ch ao puiiho ; meias para meninos e nie-
1 inas, de algodo, a 120, 160 e 200 rs. : na
rua da Cadeia do Itecife, n. 15, loja do
bourgard.
de flores para loucas; ramos de lluros
pennachospara chapeos de senhora; ar-
macOes de chapeos de lodas as rfiit, para
ehapeosdeseda e crep, a 4,000, 1,200 o
1,600 rs. cada um; luvas de pellica para se-
nhora ; luvas pretas de rede com palmas
decores; camesinhas com golas de cam-
braiadelinho bordada, muilo finas, para
senhora; camisiuhas e vesUdinhos para
baptisarcriancas; lencos de seda pretos e
de cures para grvala; ditos de al gibe ir
para homem ; lindos lencos de garca para
senhora ; lencos de mao, bordados e com
bico de linho verdsdeira rm roda ; man-
teletes ecaiolinhos de sarja preta guarne-
cidos de franja e requif-s do retroz, pata
senhora, a 12..I4 e 16,000 rs. cada um; seda
cor de rosa, azul e branco para chapeos
~ Vende-se a v tibor agurdente de
Franga (1 ale Brandy ) que lem vindo a es-
te mercado, em caixa de urna duza : na rua
da Cadeia do Itecife, n. 48, Casa de Augusto
S. Coi lit'lt.
Vcudem-se ptlulas vegetaes de James
Manson, j bem condecidas nesla provin-
cia : na rua da Cadeia do Itecife, n. 48, ca-
sa de Augusto S. Corbett.
-- Vendem-se garrafas com agoa de la-
bt 1 roque, recenten.ente chegadas: na rua
da Cruz, n. 48, armazetn.
mtmsmmamamgmmmmammgamm
Efcravos Futrido*
Taixas nara enerenho. irf,oc<> d "!' nooii; uma grande por-
'V K r g i d Ua de chapos de ralba da lUlia, arrenda
Na fundicSo de ferro da rua do Brum, dog e fechlldo8> el)feitldoi e s.m enf'
-.caba-se de reeeber um completo ">rl.men- pirt e mfninM .oucg "".
lo de t.ixas de* a 8 mimo*-de hoce, a* ts.dos de meninos; meiss de sed. p rPa
qu.es ach.m-se^a vei.da por Pocom- crianc-s; pennachinhos para enfeilar }''.
Z&rl^E?^*XgZZ S"J*A-# 'empinas; r.Jn,os
comprador.
Tecidos de algodSo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na ruada Cadeia, n. 5,
vendem-se por atacado duas qualidades,
propriss para saceos de assc.r e roupa de
escravos.
PoUssada Bussia.
Vende-se superior potassa da Itussia, da
mais nova que ha no mercado, por preco
commodo : na rua do Trapiche, n. 17.
Farinha nova de S.-SWa-
ihcus, por prego mu
lo commodo :
vende-se a bordo do patacho na-
cional jimizode- Constante, entra-
do reccnlemente daquelle porto,
e Tundeado em frente da escadi-
nha do Collegio, ou a tratar com.
Macbado ck Pinbeiro, na rua do
Yigario, n 19, segundo andar.
Deposito de Potassa.
\ende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em bairiszinhot.
pequeos de qttatro arrobas, por
preco baralo, como j ha muito
lempo se nao vende: no lU-cie,
ruada Cadeia, a rmazem n. 11.
-- Vendem-se bons queijos londrinos
ditos de prato muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos porluguezes para p.nella. Utas
com 2 e4 libras de m.rmelada, ditas com
bolacbinha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
las com hervilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vindos do Cea-
r, por baralo preco, maulas de loucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
ouiros nmiios genero9 de boa qualidade :
na rua da Cruz, no Itecife, n. 46.
Moendas superiores.
Na fundicSo de C. Starr 4 Compendia',
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de caima, lodas de ferro, de um modelo
conslruccflo muito Isuperior.
Vendem-se relogios patentes, tanto de
ouro como de prala ; trancelius de ouroe
prata; atinis de ouro; peonas de ouro
com canelas ile prata ; abotoaduras de ou-
ro ; ranetas uc prata : tudo por precu com-
modo : na rua uo Trapiche, 11. 44, arina-
zem
Vendem-se pecas de msdapohlo com
20 varas, com algum toque, a 2,500 e 2,600
rs. e linpo a 2,800 is. ,e varejadoa7 e8
vinlens ; pecas de chitas, \ roprias para es-
cravas, a 4,200 rs. ; ditas de algodozinho
com 20 jardas, a 2,240 rs.; um fule de ro-
jear furmigas : por deltas do ttiralro ve-
Ilio, n. 2, primeiro andar.
Vende-se, na rua da Unifio, n. 1, por
preco commodo, orna duzia de cadeiras de
oleo, quasi novas, urna mesa de meio de
sala, un lavaloiio, urna commoda deja-
caranda com gu.ida-louc*,"duas cadeiras
de balauc'i.
Vende-se nm. .111 cao dn armazem
de molhados, em nina d do itecife: a listar na la da Cruz, n 7.
Tambem se vende orna porcSo de lelhas
novas, alguns caibros, ect.
Vendem-se velas decarnaba, chegadas
111limmente do Aracaly, sendo estas as
mais aupe ores, pea sua duracKo e boa
luz, a 320 is. a libra : na rua estrellado
llozario. n. 8.
Vende-se um bonilo escra-
vo, bom canoeiro ; duas escravas
de bonitas figuras, que lava ai, en
gommam, cozinbam e cosern : uo
Hospicio, casa de D Francisca
Ihomaziada ConceicSo Cunha.
Sardnhas recenlcmen-
tc chegadas.
Vendem-se barricas com 600 a 800 sar-
ditihas grandes, tor como odo preco: no
caes da Alfaudega, 11. 7, armazem de Fran-
cisco Dias le lena.
Vende-se, para fra da praca, ,um mo-
lequcde nac.'o, de bonita figura sem acha-
ques, e com principios de cozinheiio : o
motivo por que se vende se dir .0 compra-
dor : na |>r*c,a da Indeieiidencia, n. 26.
Vende-sera t de Lisboa, em frascos:
no largo da Assemble, n. 4.
Vende-se tima venda com pouecs fun-
dos, em urna das principaes ras dos Afo-
gados: a tratar no aiesmo lugar, no pateo
da l'.z, escola de meninas
--Veude-se um cavallo ruco, andador de
baixo at meio e muito toreante, o qual ser-
ve iara carro, por ser muilo ardigo : na rua
da Cadeia do llicie. n. 38, loja de cambio.
Vende-so banha de porco den elida, a
360 rs. a libra : na rua do fUngel, 11. 21.
Carlos Ilatlv, omives,
11a rua nova, n 54,
acaba de reeeber de Franca um so ti ment
de obres de ouro da le, lmeos esmalta-
dos de hom (tost paia meiiinnt, do preco
de 4 i un at 8 000 rs., proprios para a ida.le
de 4 at 12 anuos ; e para sm.huia, a 9,000,
10,000 e 12,000 rs. ; anin-is n.uiio moder-
nos, para senhora. esmaltados e abertos a
boril, a 4,000, 5,000 e 6,0d0 rs.; de casinna
com diamante, a 7.000 rs. ; de brilhante, a
11.000 rs ; aileiecn e me ios h de leos,
que se vendeni pelo custo, por se querer
acabar com o negocio de ouro, por isso
os freguezes devcui-sn aproveilar desla boa
Vendem-se saccas com milito de boa------
'qualidade: ua rua da Senzalla-Novs, n. 22.1 sebo cui rama de superior qualidade.
A bordo da escuna Santa-Cruz, ancora-! occasi.lo para compraren! baralo. Ma mesma
da em fenle do caes do Collegio, veude-se'loja tem-se recebido os
mais ricos chapeos
I de seda, eufeilados com bico de bloud j o
Fugio, no dia 7 do correnle, o mole-
que JoHo.de nacSo Itenguella, altura re-
gular, secco do corpo, ps grandes e os ile-
dos des n fsn os ron | ndos; lem urna eos
tur. em um dos bracos, proveniente de um
gancho; levou calces de brim branco mui-
lo rolas, can isa de algodSozitibo, cb|o
de palha pequeo ; beacoslumado a ven-
der frurtas do sitio rm um labolfiro, telo
queja tem dissoalguma falla d cal ellos
na cabeca ; tem 1S annos pouco mais pu
menos. Iloga-se as autoridades poliriaes,
lano desta praca como fra della loda a
vigilancia nos combois, por hsver descon-
fiancas que elle tenha aahido em algum,
por ser i ara isso seduzido : quem o levar
rua da Cadeia do Itecife, n. 25, ser gene-
rosamente recompensado
Km a iioiiede8do prximo pastado,
fugio, da povoacSo doMonteiro, da csa da
residencia de Manoel Antonio da Silva An-
lunes, a prela M.lia, do gento de Angela,
moca, de estatura e corpo regulares, cor
preta, losto abuceilado, falla bem o tulgar;
tem os | -, um lano glosaos : qurm a pe-
gar leve-a i rua da Cadeia-Velha, n. 24,
que sei gratiFicado.
Fugio, no da 10 do correnle, o prelo
Jos, de nacfm Camundongn, de 20 annos
pouco miii.-ou menos ; levou calcas dedu-
raque azul e camisa de algodflo. Itoga se as
autoridades policiaes e capilSes dec.mio,
que o apprehgndatn elevem-no a Fra-de-
l'oitas, taberna n- 145, que serlo gratifi-
cados.
--Fugio, de bordo do brigue nacional
Sem-Par, vindo do Itio-de-Janeiro, um par-
do de i.orne Sabino, que representa 20 au-
nos pouco mais ou menos ; levou calcas do
algodfio azul e camisa da mesma fazenda, e
bonete encarnado : quemo pegar leie-o a
casa de Novaes & Compcnhia, pa rua do
Trapiche, o. 34, que ser bem recompen-
sado.
Fugio, no dia 11 do correnle, 9 reo-
Icquc-, ei ionios, sendo um de nouie l.odge-
ro, de idade de 12 anuos, bem feito do
corpo, olhos grandes, tem urna pelladura
de li'i'M'o na cabe;. ; levou vestido cami-
sa de riscado de algodflo, calcas de urna
fazenda j bastante deshelada; e o ouiro
de nome Bernab, de 14 anuos, baixo, ebeio
do corpo, olhos um tanto esbraitquicados,
meio cambado ; levou calcas de ganga asul
de eniar, camisa de liscado: consta que
tnmaram a estrada dos Abogados : quem os
pegar leve-os a ma d. Cadeia do Itecife, n.
51, primeiro andar, que seta tem recom-
pensado.
Fugio, no dia 4 do correnle, um mula-
11nlio de nome Ihomaz, com tiDfcio de
marceneiro, baixo, clieio do corpo, cabello
cacheado, io>m cortado: quem o pegar
leve-o ao Alerro-da-lloa-Visla, n. S4, ler-
ceiro andar, que ser recompensado; assim
como se protesta contra quemo tiver oc-
culto.
-- Fugio, no dia 4, o pardo Tbomar, de 18
annos, com oflicio de marcene ro. baixo,
Cheto do corpo, cabellos cacheados, mas
cortados, rosto redondo, olhos grandes e
panliis. nariz afilado, bocea grande, I.ci-
eos encarnados, cenes largos ; tem UO |C
esquerdo um dedo rollado, junto ao mni-
mo, ps chatos ; tras as miles sempre su-
asdo tintado maice.neiro; quandu Iraba-
Iha tifa a camisa ; lem una pannos pelas
costas e pescoco ; cosluma mudar de no-
me. Tede-se ao Srs. caphses de barcos M-
so elle esteja traba litando em algum barco
que o mandem agarrar, e nao o deixem
embarcar, puis o dilo pardo anda duendo
que he foaro. Esle pardo he perlencenleao
casal do fallecido teio nle-cuonel Jo- do
llego lurros. dueni o pegar leve-o ao Ater-
ro-ila-Uoa-Visla, n 34, lerceiro andar, a sua
senhora, D. Antonia Floiinda Pessoa de Mel-
lo ; assim como se protesta contra quero o
tiver oceulto.
Kugn, no dia 10 do crrante, do en-
genlio Omccicao, a crioula Cal harina, do
30 anuos, alta, corpo regular, cor fula, bem
fallante ; levou saia dealgodSo *."Jl < mais
algoina roupa. Esta esersve veio para o Ite-
cife cun urna prela bocetera, aonde foi
vista, sendo seu seuhor, Manoel Antonio
Uezeira, morador no mesmo engenho. Ilo-
g<-so a lodas as autoridades policiaes e ca-
pilaes de campo, que a appreheudam e
levem-na ao l'asseio-l'ublico, a Firmiano
Jos Rodrigues Ferreira, ou ao dito enge-
ubo, que ser5o gra lilicados.
-- Fogio.de borlo do patucho Nott-Luz,
um escravode nome Jutquim, crioulo, du
25 anuos pouco uiaisou menos, com pouca
barba, cabellos grandes ; levou calcas e ca-
misa branca, ciiapo prelo de Braga, e urna
trouxa com loupa : qu-'iii o pegar leve-o
praca do Cumniorciu, u. 6, que sei recom-
pensado.
bbn. :* Pp. mu i. rAtu.;-1860


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E84BK03QJ_YMVQ6J INGEST_TIME 2013-04-24T17:35:02Z PACKAGE AA00011611_06885
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES