Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06884


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
Anno XXVI.
Quntra-feira 15
ABTIDl DO* COBBIIOI.
Coi.inna e Parahiba,' segundas notas feiraj.
Rio-Graude-do-Norte, quima feiras ao melo-
da.
Cabo, SerlnhScm, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
< Macei, no K", a II, e 21 de cada tncz.
Garaniuns e Bonito, a 8 c 23.
Boa-Vista e Florea, a 13 e 28.
Victoria, s quintas feiras.
Ulinda, lodos os dial.
irHWIBIBU.
Miog. a 5, s oh.edbm.dat.
Nova a 13, s 8 h. e57 m. da t.
Cresc.al2,s I li. .38 m.da m.
Obela a 27, s 9 n. e 7 ui. da t.
mtiBiB BI BOJ!.
Primelra as 4 horas e 30 m i mitos da tarde.
Segunda as 4 horas c5-i uiinutoi da inanhaa.
de Marco de 1850.
N. 60.
vacr/Ol DA DBSCRirCllo.
Por tres meies
Por seis uieze
Por mu anno
s(adianladoi) MMOJie Sab! S. tyri
10/VUHj 17 D0,. S. Patricio.
DAS da icmaita.
11 Seg. S. Candido. Fer. pan os neg. forenses.
12 Tere. !*. Gregorio. Aud. doclianc., do J. da 1.
v. do civ. e du dos feilos da hienda.
13 Quart. S. Enfraila. Aud. do J. da 2. v. docivel.
14 Ouint. S. iMuthildea. Feriado para os negocios
forrnses.
15 hest. S. Hcnrique. Feriado para os negocios fo-
renses.
iaco. Aud. da Chae, e do i. da 2. v.
CAMBIOS EM 12 DBMABQO.
Sobre Londres. 28'/, d. por 1/000 rs. a 60 das.
. Pars. 3*8.
. Lisboa, 95 por cento.
Ouro.Oncas hespanhoes......... 28/000 a 28f>0a
Moedasde6400velhas.. I0J6U0 a luJ/SlO
de 6#4 novas.. B^IOO a lt#lii
de4/000........... 9/100 a 9/3nn
Prala.Patacn brasileiros...... 1/:h3h a 1/s.Ko
Pesos coluiiioarios....... l/jOO a W980
Ditos mexicanos.......... 1/800 a l/bio
sw.i1 an, i ;
PARTE OFF8C1AL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Temi ou vi lo o parecer da rom misario
encarreftada de propor-mn as pessoas por
quem devia ser distribuida a subscripe.lo
agenciada na corle em favor das viuvas e
orpliflo* desque pereceram no-la provincia
comhatendo em prl da ordem e da cons-
titnicao, e dos invlidos e alr-ijados pelo
mesmo motivo, resolv repartir por em-
quanto a quantia de dezsseis cotilos de res
que deve ser distribuida pelas pessoas do-
claradas na relacio inclusa, assignada pelo
ofiiciel-maior da secretaria da preside' ca;
e.porlantn.rogo a V. S. lisia de pagaras re-
feridas pessoas as quanliis indic mencionada relacio, (Icantlo na inlellaen-
cia de que os pagamentos devem ser feilos
s proprias pessoas, ou a seus bastantes pro-
curadores, e sendo menores seus tutores
ou curadores, ou aos procuradores desles, e
que pela i ni prensa devem ser publicados os
ditos pagamentos declarando-se as pessoas
a quem foratn feilos.
Dos gurde a V. S. Palacio do governo du
Pernaml'uco. 4 de Janeiro de 1850.Hono-
rio Hermlo Carneiro LeJo.-Sr. thesoureiro,
Francisco Antonio de Oliveira.
Prinuin rtlacgo.
Ilelacoes das pessoas com quem se faz a dis-
Irlhuico provisorh, de parte da subs-
cripclo agenciada na Corta a favor da*
viuvas e orpli&os dos que pereceram nesla
provincia, na defeza da crdem puhlica,
iissim como dos invlidos e aleijados,
pelo mesmo motivo.
Anna do Beso Barros, viuva do tenente
da guarda nacional Manuel Joaquim do Re-
g Barros, 300,000; seus filhos, 300,000;
Francisco Claudino de Almeida Ferreira,
soldado do primeiro batalho da guarda na-
cional do Recite, baleado no braco dire-ito,
200,000; Francisca do BeisCampello, viuva
do canitflo Ignacio dos Beis (impeli,
300,100; seus filhos. 300.000,' Paulo l.eitiio
I.oureiro de Albuquerque, pai de fallecido
Venceslao Candido Leitilo, 100,000; Ber-
nardo de Mallos, guarda nacional do pri-
meiro batallitlo do Becife, baleado no braQO
direito, 200 000; DollTna Gnilhermina de
Oliveira Paredes, viuva de Antonio Manuel
Hias Paredes, 200,000; Leopoldina Eugenia
de Preilas, viuva do alfcres do sexto bata-
lho da caca lores Jos Eugenio de Jess,
590,000; urna sua filhs menor, 500,000;
Mana Epifana de Araujo Pantoja, viuva do
tenente do sexto balalh.lo de caladores lio -
berlo Moreira Carduza de Oliveira Pantoja,
500,000 ; si-ii filho. 500 000; Mara do Car-
ino, viuva ile l.uiz de Lomos, guarda nacio-
nal de Ipojuca, 200,000; seus lilhos,150,000;
Aodr da Costa Monleiro, voluntario da
conipauhia dos Afogados, 200,000 ; Luiza
Mara, viuva de Alexan Ir Ueos Thettorio,
300,000; Jos Mara de AlbuqUTque Mara-
nliflo, baleado no braco esquerdo, 200,000 ;
Juliana Mara Francisca, viuva de Manoel
Francisco de Morca, 200,000; seu filho
50,000; Francisco lla/ilio de Aranda, vo-
luntario baleado,200.HOO; JosefaSeverinada
Penha, viuva de Kranci-co Antonio da Silva,
200,000; seus llios, 150,000; Umhelioa da
Cunta Soares Cumsraes, viuva de Pedro
Alejandre Pereira, 200.000; seus filhos,
100,00 ; a viuva do canillo Andr Pinto l)u-
arte da Costa Pereira, 600,000; Jos Fer-
reira Ferro (.uahiraha, baleado na espadoa
Cyprinn Correia Lima, amputado do braco
direilo, 200,000 ; Antonia da ConceicJIo Al-
buquerque Bello, viuva do cadete do sexto
batalho de cardadores Jo'io Cavalcante de
Albuqucrqfe Bello, 300,000 ; Mara Joaqui-
na-de Araujo, viuva de JoSo dos Santos e
Araujo, 200,000 ; seus filhos, 100,000 ; Can-
di.la Mara da Concmclo. viuva de Fran-
cisco Jos Nones, 200,000; seus filhos,
l.iO.oon ; Francisca Severina Pereira, viuva
de Antonio Panthaleilo, 200,000 ; Josefa de
Oliveira Cavalcanto, viuva de Si mil o Anto-
nio Freir, 200,000; seus filhos 250,000;
Anna Maris INobrega, mfli do voluntario
llayinundo Ferreira Nolirega 100,000;
Francisca Mara Caa, viuva de Francisco
Penetra da Silva Jnior, 200,000; saus fi-
lhos, 100.000 ; Margarida Boza do Espirito
Santo, viuva de Francisco Pereira da Silva,
200,000; sua lilha, 50,000 ; Clara Mara da
Luz, mili do finado Manoel Thoni de Jesus,
200.000; Francisca Candilada Araujo Cu-
nta, viuva do capitflo quartol-inestre, do pri-
meiro I) ilalli.Vi de cacadures Ame rico Fer-
nandos da Cumia, 500,000; seus filiaosa
500,000 ; Bita Joaquina do Ahnoi la, viuva
do segundo tenente de snilliara Narciso
Bahiense dete de fuzleiros invalido Manuel Fran-
cisco Soares, 150,000 rs.
Secretaria do governo de Pernambuco, *
de Janeiro de 1850. No imnedimenio do
ollicial-maior, Jos Ignacio Suare de ,'ducedu.
Da subscrpco agencala mi corte etn
favor das viuvas e orplulos dos qu i pere-
cern) nesla provincia, combaiendo em
piol da ordem c da consiituigo, e dos
invlidos e aleijados pelo tuesnio motivo,
resolv repartir por einquanto a quantia
de Ires conlos e cem mil ris qu deve
ser distribuida pelas pessoas declaradas
na relacio inclusa, numero 2, assignada
pelo secretario nterin'); e portadlo rogo
a V. S. baja de pagar as referidas pes-ois
as quantias indicadas na mencionada rela-
(flOj .Mii lo 11 inteligencia d que os d-
los pagamentos devem ser feitos as propris
pessoas, ou a seus bistantes procuradores.
(tirarle Mariano, tutor de cinco menores I tos de consumo, de IB pcrjis de cabo de, veis o tribunal e as gateras a todos os innil-
PXS- ,0'- '-" nio quii, Sr. presidente, que se dls-
filhos do falecido Snvorlno Mirques da Sil-
va, guarda nacional de Una, morto no ata-
que de Birreiros, P'ir dsparho dn 8 de
marijo de 1850. 250,000; Theresa dej-sus
mili de Flix Ferreira Caldoso, voluntario
ila terceira coinpsnhia, mnrlo no dia 2 dn
foverciro. por despacito de 8 de marco do
1850. 100 000 ris.
Secr.-iaria do governo de Pernamlmco,
H de ma/co de 1850. Amonio Francisco
l'ertiradt Carvalko, secretar o interiiio da
provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 11 DE FEVEItEIBO
Olllcio. -- Ao coin mandante da praea. en-
van lo cia do aviso ilo ministerio da gii'T-
ra de 3 de deienliro ullimo, alim de que
remeta a nrormaciio que alii se exige acer-
ca do delicio por que esla preso o soldado
do quarlo bacalho dearlilhu ia a p Manoel
Anlomo.
Dito. Ao inspector di lliesnuraria de
fazeuda, recommendaudo que remeta com
to la a brevidade as seguiiles inforniaces
que, em cumprimunt > do aviso do mina-
te o da fazeuda de 10 de ouluhro ultimu,
IIim li'irain exigidas em ollicio de 29 do mes-
mo mez, asalier: 1*. que quantidade de
fumo estrangeiro sedespicln pela alfan le-
ga dt'sli provincia ; 2 ', que numero de fa-
bricas de tabacos exist na mesmi, 3.',
i| lanas de charuto ; e 4.a, que poreo de
tumo ca la urna dellas consume, sendo pos-
sivel com a declaradlo do nacional e estran-
geiro.
Dito. Ao mesmo, communicando ter
sido ind.'i'erido o icqnerimento, em que Jo-
s Joaquim de Alm ida Quedes pe le a S M,
0Imperador a g'aca do entrar para cssa
lllesour da em pi e-l;i ,6 % con as So m mis
que arrecadou como lliesoureiro de varias
loteras.
Dito. Ao inspector da pagadoria mili-
lar, para que mande iudeiiinisir ao arsenal
de tuarinna, a vista da cunta que remelle
por dup icala, a quatitia du 11,174 rs. que
se despendeu com o lr..t .111 :nto do piuiei-
nani'li i e qualro ditas do
lentes naqunlla alfaii(lega, e
conpradas pelo insoector do
marinha ao capullo da galera
nila. Scentificou-sc no mencionada
pretor.
D'to. \o inspector da lhsouraria da fa-
ll chino injusta, porque fol fundada na cou-
lissiio dos rus fundada coi documentos as-
lign.i os pelo proprio punho dos reos; fund
tema provincial --T.nlo-me a Cmara U1 c,,t iilcrroguorlos, nos quaes os reos tira-
mmiicipal desta cidalo representado sobro Mmgjort" '.. s.ingue que liuhain derramado
a in.possibill ia,lc di conliausco econcia- ,""'" ?D,"I""lr<"""">.* 1 V'ST
_, (o ikjsso pin. Mus, fui eu une intpirei esta de-
snuda obra do calcamento dos pateos do\eia BOyury ? Aqlli e Pl pVrnamUco tfm.e
(.armo e 8 Pedro, e cnnstrucQii d' lim procura lo altrilinlr-me o facto de eu lerentra-
aqueduclo, an'es de cbagar a estaco inver-
nosa, em consequenca don'irt pedio, que
por esta llicsouiaria se llie (izesso um C n-
prestiaioda qiiaulia de 8.l)P0,0i)0 rs., or-
deno Vine. qu empreste .dita cmara
a quaniia pedida, a qutl devem ser por ella
paga dentro de um anno, a contar du !. de
[ulna fnturo em distilo em prastagO js men-
saes de OliiGCO rs.-- Cominunicou-se a dita
cmara.
Dito.--Ao juiz municipal da primeira va-
do na sala da conferencia : mas corre impresso
nos jornaes de Pernambuco c desta eiirteuui
alicatado de iodos os jurados com excepcio de
um ou dous, alguiis dos quaes pertenceules i
opinlo poltica opposta, os quaes dorm tes*
leuiiiiiho de lian se ter passado esse facto ar-
gido. I .o pertloo, desprezo uiesiiio o concei-
lo to trille que fu de iiiiui o nobic deputado,
suppondo-iiie oapaa de ser instrumento ou a-
geme de perseguicoes contra o reo ; mas di-
rei ao nobre deputado que as pessoas que me
coiiliecedi, me julg.ii'aiii incapaz de ser iostiu-
e sendo menores seus tutores ou cura-)
M ro lenle do segundo balallio de arlilha-
dores, ou aos procuradores destes, e que i [' l,!- dro Al,Susl" Alcntara a-
pela imprensa devem ser publicados 04; buco, que falleca n enlermana do ni-s-
pagamentOS, declarando-se as pes-' ", ars*l- lnleirou-se o inspector do to-
quen, lram feitus. i ferido arsenal. ......
di o i
soas a que...
Dos guarde a V. S. Palacio do governo! I>"". 7 Ao mesDo, inteirando-o de haver
de Pernambuco, 9 de marea de 1850 n*>Jldo pas,ageui para a provincia das
Honorio Htrmto Carneiru L,o. -Sr. FttO-'^^g*^!0!!Ke/?.d.'!!r?,"?!'?,9doWer'
cisco Antonio ue Oliveira, thesoureiro
cito Antonio de Moraes l'imeutel.
Dito.Aodirector do arsenal de guerra,
aulorisaiidii-o a despender a quania de
87,000 rs. com a compra dj limas surtidas
para os trabdlhosdas olliciuas deferreiro e
serralheiro do dito arsenal. Intellig._
ciou-seo ins ector da pagadoria militar.
Dito. Ao inspector do arsenal de mari-
nha, para que man le entregar ao cnsul da
repuidica l'iaiic;za, a vista da follia assigna-
Jollo Pedro da.SiIveira, voluntario da ler- da pelo co.i.nian Jante do vapor r*# veiicimentosde que deis ou de ser pago co-
mo primeiro anchinista do menoiouado va-
por o subdito daquella nuco 1 Julia Joanel,
quefaileceu nodia 3 do correte. -- Neste
sentido olli ion -e ao contador de marinha.
Dno. Ao commaiidautedo brigue-escu-
11a Leqaltdade. llupresentaudo-me o co 1-
tador de m iilnlu, euuillieio di; 8 do COr-
Scijunda Ulac&o.
Relacio das pessoas com quem se faz a
dstribuQIo provisoria de psrto da subs-
enpeo agenciada na cuito a favor das
viuvas e orphflos dos que pereceram e
ficaram aleijados na delc/.a da ordem
publica.
Jolo Pee-
ceira companhia, alcijado do lirado direito,
por despacho de 21 de Janeiro de 1850,
100,00!); Anna Joaquina de Jess, viuva
do voluntario da quinta companhia, Jos
Jos Juliilo Camello Lias, unirlo em combale
no dia 2 de fevereiro, 2OJ.00O; uma sua
liiha de nonie lligina, por despacho de
16 de Janeiro de 1850, 100,000 ; Jos
Julifio do Nascimento, soldado da segn-'^to,'qmohw79^TtMdMMbriaua
da companhia do corpo do polica, uiuli- Icontm uma duvida que nao foi satisfacto-
hsado pelo rerimenlo grave que rtcebeu'rigmenlB explicada pelo actual cscrivflo,
no da 2 de fevereiro, por despacho de 1 |azenJo-se por isso necessario queo ollicial
de fevereiro de 1850, 100,000 j Bernar- quo servio ll0 escrivo nos meses de novein-
1I1111 Mara da Coneeicd'i, viuva de Ma- jj(.0 0 de/embro do
ra dfWta cid.de, para que remella ao C un- "'I'"1" asada p 11.1 essa peiseguicao- ( ipuhs.)
mandante da i I ha de Fernando, pelo brigue f'."1." ''''' waoapelto, porque entend que
escuna Legalidad!, que seyuea mantilla para i
all, as guias dos sentenciados que, vie-am
Ja provincia da l'aruhilia com destino
rnes'na ilha.
Dio. Ao juiz municipal supplenle da
segunda vara intuirn lo-o de que. durante
impedimento do Dr. Manoel Jo-e da Silva,
Neiva, deve S. me. substitui-lo como juiz
privativo dos Africanos livres; e declaran-
do que nesla intelligenca mande lavrar o
termo de entrega to Africano livre, que
Ihcfoi remet ido pelo dief--de polica, i I).
Mara Augusts Cosa Ferreirn, medanle o
salario de 12 000 rs. mensaes.
Por lar i a --Ordenan lo ao coinmanilante da
crvela Eule'pc, que, em cuiiiprimenlo de
ordem mparial, siga com a Ctfrvela do seu
Coimnaudo para a cirlc, a uianliiia 13 do
corrale, depo s que livor recebido a corres-
pondencia ollicial.
INFERIOR.
traliiri.i o .lien dever. A d.lTereoca de onlnlao
poltica ni ( me in h ii.Mii iv 1 para aer jiiif, a
menos que se 11.10 estabele(a o principio de
que cada partido deve ter seus juizrs. Darei
tois uma rasiio para me nao considerar SUI-
peito : algunl dos reos que comparecanla bar-
ra do tribunal, qoatido eu era jni< do civel da,
comarca do Recite, tioliam promovido as su.11
lU'maiidas peranle iiiiin, havendo alias outro
jui do civel da sua parcialidade, e pnis elles
iiiesmos recoiilieciam que por causa da dille-
renca polici 11*0 era eu suspeito,
U Sr. Au:j. Franco : Eu so fullci na Incom-
petencia.
USr. Sabutn : Falln na in'o da presiden-
cia ; o que quer diaer isto senao que .a presi-
dencia havta Influido nojurv?
O ir. Aous Franco: Crea que nao o disse :
a qiicslao he da competencia.
O Sr. Sabuco :I) nobro deputado di/.
qu a quesillo be da competencia do jurj
do Becifj ; mas nao nos al>resenlou um so
argumento para provaresta incompetencia,
a excep(flo da coinpelencia queo nobre de-
putado deca 1 on que liuli 1 na materia, com-
petencia que eu respeito muito. Eu teme-
ra arrostrara co apetencia e autorlade do
nobro deput ido se mo livesse para contrn-
por Iho oulra auluridade em que o mesmo
nobre depula lo s > louvoii, a do Sr. Hono-
rio llormeio Carueiio LeSo ; porque fazon-
do o mus alto concito des dista, o nobro depula lo disse que, seoSr.
Carneiro LeSo nSo ti vase cho-ado quando
os edilaesja eslavam allUados, e desig iado
o dia e lugar do julgaumnlo, o Sr. Carnei-
ro l.clo uo cousetiliria no jiilgamcnto.
Maso Sr. Honorio tomou posse em Sdeju-
Pascoal Piulo, 200,000 ; seus lilhos, 2u0,000;
Mamede e Cenerosa, filhos do finado Manuel
Francisco Bandeira, i u,o;)0 ; Mara Candi-
da de Almeida, mia do finado sargento
Antonio Francisco Bapliata de Almeida,
100,000; Julio dos Sanios lie/erra, baleado
e nl-ijado do brai;o esquerdo, 200,000 ;
Francisco Antonio Xavier, aleijado da mSo
esquerda, 200.000; Izabel Francisca de Oli-
veira, imI do finado cadete 7.icarias Fran-
cisco Alve da Silva, 200,000; Benla Mara
da Ci.iici-ii.ilo, mili to lina lo Antonio Fran-
cisco da Silva, 100,000; Candida lio/a de
Jess, viuva do fallecido Januano Francisco
liczen a, oldado de polica, 200,000; Mano-
el Ferreira Lopes, balea lo na coxa da perna
esquerda, 200 000; Jos Joaquim I mura-
do, tai do finado Luiz Antonio Dourado,
100,00; Francisco Soares da Fouceca, solda-
do 00 Corpo de polica, 100,000; Jos,da Silva
Moura, soldado do corpo de polica,100,000;
Jo io Ma noel de Mallos, soldado do corpo de
polica, 200,000; Joao Bautista de Freilas,
sol lado do corpo de polica, 100,000 ; Cae-
tano Soares dos Santos, soldado do corpo de
polica 100,000; Pedro Marlins, guarda na-
cin.I do quinto baulhao,baleado ni perna
direila, 100,000; Anua Joaqun* do Sacra-
mento, viuva da Antonio l'nxeira de Miran-
da, 200,000 ; Cicilia Joaquina Muuteira da
Costa, mu de Jolo Moreira da ('.osla ,
200,000; EluianollgnodosMartyres.baleado
no hombro eiquerdo, 200,000; Tito eJoilo,
lilhos legtimos do tinado lente da guarda
ntcioual du Olmda, tutelados do Luiz Jos
onzaga, 200 000 ; Luiza e Bicarda, liliias
do (nado Manoel Antonio do Amaral,
200,000; Antonia Mara de Souza, mu do
liuado Anlouio hodngues de Souza, 100,000;
za, guarda nacional do baialhiio de
Muribeca, aleijado pelo ferimenlo que
leve no ataque do Biacho-d'Aulas, por
despacho de 18 de fevereiro de 1850,
100,000 ; Mara Francisca de Jesus, viuva
do cabo ilo segundo batalho de arlilliaria,
Cosme de Snoza Carnauba, murilo com-
bate de 11 de foverero do correnre anno
lio lugar do Brejflo e S -lenlo, por olli-
cio de 19 do mesmo mez o auno
150,000; Mara Francisca da Conceicr, viu-
va do inspector do quarteirilo Francisco
Gomes Alves Pinto, moto em S.-. Amaro
de Jaboato, deixaudo sete filnos, por des-
pacho de 8 de mar^o de 1850, 300,000 :
Candido Pita de S>, operario do arseua
de guerra, aleijado do braco esquerdo, fe-
rido no co 1 lale do da 2 de fevereiro,
por despacho de 8 do marco de 1850,
100,000; a viuva Mari Jo> da Bocha, mili
do Manoel Cavalcanti Pacs I!,1 reto, moito
no combate do eogeuho Caraumi, por des-
pacho de 8 de marco de 1850. 200,000; Cae-
lano Soares dos Santos, soldado do corpo
de polica, aleija lo no naque do Catuca,
por despacho de 8 de marco de 1830,
100.000 ; Bodrigo Lopes da Cunta Meneze,
alteres do oilavo balaltlilo de caladores,
invalido pelo ferimenlo grave que soHYco
110 alaquo do Cousseno, por despacho de
8 de marco de 1850, 300,000; Francucs
da Pureza deOliveira e Silva, viuva do at-
ieres Antonio Generoso da Silva, mono
na ilha de llamaraca, pur despacho de 8 de
ui.iico de 1850, 400,000; Tiiumizia Mara
da ConceicAo, viuva de Joa Francisco de
Alququerque, guarJa nacional do batalho
de Una, 1m.1to em Birreiros, por despa-
cito de 8 de mateo de 1850, 200,000; Joao
inspectur do arsenal de marinha.
Portara. -- Ordenando ao commandante
da corveta Euttrpe receba a seu bordo e con-
duza para a corle, a dsposic.o do Exm.
ministro da guerra, o primeiro ca lele do
segundo b.ilalinio dd arlilharia a p,Manoel
Ignacio de Carvalno Jnior. Inleirou-se
ao coinmandaiite da praca e ao inspector da
pagadoria militar.
Dita.Para que o couimau l,,nlu da cor-
veta Eulerpe, receba e couduza para a corte
a dispusiere do Exiu. minislro da guerra,
o cadete Joaquim Jos Luiz da Souza, que
leve passagem para o primeiro balallulo de
arlilliaiia a p -- Coiniiiutiicou-so ao com-
man laule da praga.
Hila. -- Orden .11 do 10 commandante da
coi veta Eulerpe, receba e transporte para
a coi te o padre .Manuel Caetallo do Almeida
e Albuquerque.
Dila.Deuiitlindo do cargo de promotor
publico da Comarca do l'ao do-Albo, o ha-
chare! Ilemeterio Josu Velloto da Slveira,
o ao delegado do mesmo termo Silvestre
Antonio de Oliveira Mello. Fizeram-so as
convenientes couuiiuiiicacOes.
DEM DO DIA 12.
Olllcio.--Ao commandante da prac/s, di-
zcnlo baver concedido a licenQa de tres
mezo-, que pedio o lenonle-coronel com-
maiidaule do 8." bala Hio de caladores, pa-
ra tratar de sua sai) Je lora desla capital.
Dito. -Ao inspector da alian lega, para
que, na forma do 3." do arl. I. do reguia-
meiito ti.' -js de agosto de 1849, mandado
exacular pelo decreto n. 033, da mesma
dala, cousinta uo despacho,sen odosdiroi-
UIO-DE-JANEIUU.
CAMAltA DOS SUS. DEPTADOS.
SP.SS**) 1)0 lili 4 DE 1 i.-vi iirili 1.
l'ixacao das forras de mar.
O Sr. NaUuco: Fai nao pretenda lomar
parte nesla diacutiSo, poique reconhefo-ine
iucompettMite Ina tpotudot), eu quera tleisar
aos talentos e es pee i lldade de que acamara
abluid 1, o rspaco que eu poderla individaiiieu-
te oceupar; mas o nobre depuudu do Para que j ||,0| oj oditaes forsm afliailns em 18. o
consiuue a opposiv-ao destaeasa.no seu discur- j|gamentO foiedi 17 de agosto, o Sr. Ilo-
V.T.r ', "' 3 '"".ul'fl.! 'Iuc ,e l,rat; um io. puis, apoiovou a competencia lo
nao se conleiitou, como a has fuera no voto de K .. .____,. j.
gracaa. em considerar o tur do Bec.fe. que\iur* \ ail'" Ulu osediUes c o nob-e de-
cotide.n.iou os canecas de rebelliao simiente pUtsU. pule ver se he exacto 0 qua CU dl-
cotiii' lllegal e incompetente o nobre depila- go. Quando o nobre deputado alllillicnu a
doo aciiimmi de feiiur.i, de co.....linio do go-1sus competencia na materia pteaceu-me
veruo. Vejo-tne, puis. obrlgado a repellir a que piul'uu lana a quesillo ; mas cllidisso
exprestio do nobre deputado. que me importa Jyup nilo vinhi para a questosea cdade do
urna injuria porque se he verdade que J'JfJf! Ilecife SO lillba rebella lo. Ora, he esta a
do ilecfe f.d uma comuossao do (joven,... /"' quesillo, rorque be desSO ficto que dejen-
fritur.i do governo, lie evidente que eu fui o }" ', H 1. 1
conimissario, o lu.lrilineolo de que o governo a jualific So do CriniC ;
ae servio para esse fin. A cmara, poia, n.ao I O Sr. Moraet Sarment:Vio teollO du-
se deve enfadar comingn, porque u.ii son eu vi la algum* acerca da incompetencia do
que Inlroineilo naaia dlsousaaode forv-as iiavaea llrv ,, ,eClf,. ue qucsla0 de diieto quo
o jury do Hccic, que nao leiu aiinalogia com .Uhatlda
ella; mas como Toi iraaldo para este terreno, UM9J Midcbtua.
nelle inesuio darei a resposta. o .Sr Sabuco :-Bem : emprazo O nobre
Nao me causa eairauheza que o nobre depu-. d(1 ,,.,,, pariMM discussito.
eonml'. ;"aie""S' '' JT2 i.'! QUill,1, ,u e"' uro aparte redi ao nobre
coiniiiissao do eoveroo: nisio se musir elle H ,. L ,
coherente con, o sistema do seu partid ., para deputado que nos dsS as rasOeS da llicom-
qiicni a cmara dos drpmadns s be leglilma, I Patencia do jury, oll'dizia dog nalicamen-
aa nstiuico-s someiite s.-iu boas, o guveino s te a le be clara, onde tiverippareci lo re-
he governo quand 1 esse partido esta no poder. I bellio, nao piulo liaver | o'-:a .nenio, n:.1S
(Apoiadoi ) Se o jury do Iteeife tivesse c>iis.i-o que lie rebellilo ? sera um fogo, um cm-
bale, urna aceito? Veramos. Quan lo o
grado o principio de que as balalbas siio os
procesaos, e a viclorlaasenteiica.se deixasaer-,,!,,^ jCputad,; falln sobre o votodogia-
ir. ou 11.1/ para su.is casis os cabrrat da icbe- _,, .- ... __ .
lulo, os humen. ,,u,- ilahain .Ido causa de tan-' C. OornUileii a competeacia do jury, con-
los h trrores, de tanto sangiic derramado, o 110
bre deputado e seu partido consideraran! o
jury dn Becife como a cipresillo do pas ; con-
sideraran! como conilderaraill o de Minas, o
paiz coiidciini ando a poltica do governo. [A/ioia-
do*.) Mis, seuliores, eu darei de uuio ,1 esta Ia-
ualidailc para pedir ao nobre diputado, niio
t|uc nos de provas, mas ao menos que apresen-
te os fados pelos quaes elle emende que o jury
do Becife fui urna cninmissio, urna fritura du
governo. Eu desafio o nobre depuiado para
esta discussao, qur em relacio coiuinissiio
do jury, qur em relacio Itberdade da del'e-
sa, e iiiesmo em relajo ao jolganieolo Oju
ry do Iteeife foi urna cooimis;io do governo
mas, entretanto, foi filho da urna, foi lillio do
orteaiuent. O jury do Iteeife leve esla cotu-
posi^ao : 24 sorteado e 12 chamados. Nunca
co aeaao alguuia o juiy do Hccifc Iraballiou
com uiaior numero de sorteados (apniiidusj ; o
jury foi uma feitura, urna comuiissao dogo-
veruo ; mas o promotor publico leve neces*i-
stade de recusar oilo jues de fai:lu, e nao obs-
tante estas recusas, anda houvc no |ury dous
joi/.es que seinpie se prouuuciaraiii a favur dos
rebeldes. (Apoiadoi ) lio protesta .lilimente
cunta a iilr-ia que.o nolire dcpuladu iocnlcoii.
Onanlo a liberdade dj defesa. rasiio leve oSr.
ministro da juslica quaudu disse que aiuda no
Miasil nao ludia liavido jory to icgiilar. Km
verdade, Sr. presidente, as galeras onde havia
iiidividuos, alguiis dos quaes li.ihain perdido
seua pais, seus lillios, seus prenles a seus aun-
gos, victimas do punhal c do lu/.il dessas bor-
das selvagens i|ue us 1 eos que comparecan!
barra do tribunal acularam e coudiuiram con-
tra o Iteeife, as galeras, digo, apelar da aui-
mosidade de que deviam estar douiliiadas na
pi esene.1 dos autores de tantos males, guarda*
rain sempre um religiosu respeito e acalauen-
lo ao tribunal. Para provar, scuhores, a li-
berdadeda detesa que huuve nojuiy do Iteei-
fe, a cmara se ha de recordar do protesto que
fui lido peraute essejuiy. Nesse protesto abuii-
d.iv.i -ii insultos a tiiim como presidente do tri-
buual, aos juites de faci, ao promotor e ao
elude de polica; mas entreunto l'ram impas-
siJeran lu-ii fondada no arl. 213 do regu-
la liento as p.ilavras : a rehellilo estiver
em acto ; mas esto argumento fui um cas-
tello que O nobre deputado alevanlou para
combaicr: nem eu como presidente do ju-
ry, e nein o liibunal d 1 relacio decidimos
a quesillo relo art. 213 do rngulamenlo,
porque a decisiTo por esse artigo suppc a
existencia ds rebelliilo no Recite ; em ver-
dade eu cuten 10 quo o arl. 93 da lei de 3
dedezembro do 1811 prevenio uma hypo-
these diversa daquidla que faz ohjocio do
artigo do regulamento. a quesillo s pode
ser resolvula pelo arl. 110 do co ligo crimi-
nal : o arl. 93 da lei de 3 de deoinbro de
1811 n.lo quer qm baja julgamenlo onde
livor appareci lo rehcllio, mis n que he re-
belliilo? Vamos ao arl. 110. (L.) Em vis-
ta desie artizo, rehollino ser qualquer
ajuiitameiilo de pessoas physicas armadas *
no; Ciuioqueo nobre deputado rulo da-
r este seuli.lo ao artigo ; em franca he que
um grupo, um bando armado, nnlit iriiien-
te orgaiiisalo paca o lio) entre oulros do
lest uir a lu ni 1 de governo, con.tune este
erme. r.-di.dlian ser a reuniSo de vinle
mil pessoas armadas? N"o, porqoe entilo
o leg:slidornilo usina desto circunloquio
reuna lo-sa uma ou mais povoacoes que
comprcheadam todas mais de vinle mil pes-
soas -, dira como diz-se a respeito do cri-
modesedigao e insurr. ieo, ajuntando-se
uas de vinte : dado este sentido, nunca
houve o nem baver rebelliao no Brasil,
nilo liouve em Minas, em S.-Paulo, liio-
II 1111 le, I'ara, Maranhilo : O legislador le-
ria legislado um absurdo, um fado impos-
sivel, ic: 11 punido um crime quesomeule
>e dara quando o governo fosse o vencido,
o criminoso ; sana um absurdo que se lixas-
se para constituir a rebelliilo um numero de
pessoas armada* uiaior que aquello que teto
_AR ENCONTRADO


:-****-
mas-a
sido sempre fixado para a frca publica do
paiz. Contra este sentido protestara mui-
ios actos legislativos e do poder esocutivo,
sb n influencia das diversas opniOus f.oti -
ticas, reconhecendo e quallificando rebel-
lifloessas de Minas, S.-I'aulo, llio-Crande
d > sul, Haba, Para o Maranliflo. A cmara
ti-m noticia us reunida discussflo havid..
nestacasa por occasiflo da rebelliilo de Mi-
nases -l'iulo, ent.to loda a quesillo versou
sobro o fim que esees movimonlus tiveran.
11 vistas, mas nunca se eiigo para cons-
truir rebelliilo u numero de yinte mil pes-
soas. He visto que a reuiiilo que o legis-
lador exige para constituir a rebeiliflo lio a
do ente moralpovoacyo--, que o numero
depessuas que rilo lis he para graduar a
importancia das i.ovucOcg e a mlluencia
que o uiovimento deve ler na ordem publi-
ca ; sea reuu8oqu9o legislador rxige he
a do ente morsipovoacto-. he Uiubem
claro que essareuuiao nlople ser physi-
ca purimpossivel, nas rila querdierauhe-
silo, aecruo, pronunciamenlo; a gravi-
dade, opongo, o alarma dosierrime con
slste na adhesflo ou pronuncame nto de
urna ou mais povoagOrs, cuja mpoitmcia
be de vintemil pessoas.-ecertamtnteqiun-
dn urna ou mais povoacOes d*ta mportau-
cii se pronuncian! contra a forma d gover-
no ella se deve considerar ameagaJa a
esse estado extraordinario corresponder
pela constiluigau e leis ein vigor medidas
exiraordinaiias, como a siispcnsilo de ga-
rantas, o juigamtnto ria dessas povoa-
ces rebellad-s, porque entilo sa supi-oe
3ue lodos os habitantes estau empreguados
jsideiasda rebelliao.
ALAGOAS.
Bilraclo da expedienta do Exm. Sr. preti-
Sendo assim, se para se dar o crimo de
rebelliSo nos termos do cdigo crimioul
nflo se exige a reumSo de viole mil pes-
Boas em armas, masa adhesflo, o pronun-
ciamenlo das povoacOes, islo he, do ente
moral, povoagflo, lie da maior evidencia
que uio houve rebelliilo no Hecife.
l'm Sr. Heputwlu : Entilo nao se deu cm
parta uenbuina de P. rnambuco.
O Sr Sabuco : Eu direi os lugares em
quoclla louve : mas nflo houve no Itecife,
porque alguns ou muitos individuos do
Itecife nao silo a povoncflo do Hecife ; u
combale do Hecife mo caiactensa lebel-
Iilo, para a qual, segundo o cdigo, era es
. sencial o pronuiiciaiiiento do Itecife : um
combate nflo caracterial a rebeiliflo, por-
que os combates plom ser cooiinunsa
sedigilo, rebeiliflo a qualqur criuie po-
ltico, nflo lioiiva rebeiliflo no Hecife (ur-
que a |.ovocilo do Hecife e lo las as povoa-
Cdes que com oVm o lermo dollrcifea sa-
ber: Poco da l'anella, Jabuatflo, A'-Luu-
rengo, Muribeca repelliram sempre os re-
beldes ; alia autoridado legitima sempie
imperou, dispz da aclivulade e recorsos
dessas povoagui-s ; ellas resistirn) victorio-
sas nvasflo das liordes rebulles; na-
hoove rebelliilo em l'ernambueo poique as
rovoagoes de Croangy. Goianna, Iguarass,
Nazareth, Agoa-I'rela e Unjo-la-Aiei ad-
he>rmeso pio^iunciaram, auxilian lo os
rebeldes, deixando sem resistencia suecum-
bir a tutoridac publica, e arvorar-sa a
bandeira da rebelliilo, prestando gente,
muinces, viverra e aquarteaiuento ao=
rebt-ldes; em algumas dessas povoag-s a
autoridade publica ainda eslava no poder
dos bonjens da paicialidade praieira, e Ba-
ses collocaram-se frente dessas povoa-
cOes, eadheriiam lebeliiflo : certainmlr
nito se pile negar qua urna povoaco ajue-
re e se pronuncia quandoella seui opposi-
gflo deixasuecumbir a autoridad publica.e
arvorar-sea bandeira da rrbrlliflo, e inulto
niaisquando cssas povuac.es nao s au
resiitem niasauxiliam.
O nobre deputado pelo Pai vendo obs-
tculo para a sua opimilo na lilira do arl.
110 docodigo criminal, a vista do qual lio
houve rebelliAo no Recifo, ito he, pronun-
ciamenlo do Hecife em favor da rebeiliflo,
prevaleceu-se lo espirilo do arl. 93 da le
de 3 de dezeinbio--liaviaoi vencedores e
veiiciJos.Joguojulganienlo n:lo poda ler
lugar no Ri cife. Ala.-, seniiores, a disposi-
(,iio do ait. 93 da le de, 3 de dezemb o lie
una dispusigflo exee; Conal s limitada aus
duus Casos uerebelliilo e sedigflo -- a ic-
gra geral, o principio jurdico be que o leo
dexeser jugado no stu Uoniicilio, ou no
lugar do delicio, no seu domicilio aoude
be elle conliecidue estilo osseus paie-, no
lu(>ar do de icio, porque ah he que huuve
o alauna, e deve l.aver o exemplo : essa
diapoiielOVta le de 3 de dezembru he una
exce,cao que me parece peCiliarao nussu
pai?, e tmlo he umaexcpcao que esaa lei
a nflo Bdniillio para o crimo de insuireic.lo
eoulrosciimes politicos, os quaes pdum
manifeslar-se por combales, e liaverem ven-
cedores e vencidos.
Senbores.se o espirito de purtido f jsse par-
to ou inlluisse jara a quliflca(ao do u,on-
mento de l'ernambuco.esic crime sena qoa-
Micado no arl. 85, 86 e oulros, os quaes
postoque fulminan, urna pena menor todava
nilu fa/.i-m a dislincgilo de caberas, e cerlo
agradara maisao parlidoinvolverecompru-
nieller a lodos, e uo a um pequeno nume-
ro : o espirilo de paili. o exigira, pois, urna
criminalidado universal, e u3u iflo limita-
da. Ess< qusIificac,lo, se errada fui, he an-
tes devida ao es^u ito de huu.anidade, a po-
ltica do que ao espirito de partido rujo
desejocomo he naluial sena compreheu
dei o maior numeio : es.a qualiliiai;ao de
rebeiliiiosmeiileseiia exigida pelo espi-
to de partido no caso de sus,.eiisao de ga-
rantas, mas esta suspeuso nao liouve, e,
pois, siria disctssaria se nao losse justa e
eohiica.
denle Dr. Jv liento da l mha Figueiredo.
\i DE FKVEriEIRO.'
OITicio. -- A' Louronijo Cavalcante de Al-
buqueri|ue Miraim.l, conoiniiiciui lo para
seu cooliecimento e rx^cnco, quo por avi-
so do mmstiTio da marinha, com dala de
31 de Janeiro uliimo, se determina qun se
compb tai o limde julho prximo futu-
ro, o numerj dos paos que ainda faltam
dos contratados para as ossadas dos tre*
brigues, e que nao o fazendo nosle esp o.-,.
de lempo, lique sem eflVilo 9 s ni contrato
celebrado rom a Intendencia da uiarinlia da
coi le, em julho de 1847.
Dito.Ao director do lyiceu, para que
remella com urgencia um mappa das au-
las publica*, tanto piimarias como secun
daras da provincia, com declarado do nu-
mero de alumnos de um e utr sexo que
asfiequeutarain no auno nroximo passado,
d.-vi'iido esse trabalno achar-se na secre-
lara da presidencia at o dia 16 do corre-
le, allm de ser enviado em lempo t secre-
tara de estado dos negocios do imperio,
como determina o aviso da 17 de Janeiro ul-
timo.
Hilo. Ao delegado do termo da Impe-
ratriz, declarando qua lica nteiralo das
noticias que d em ollleio de 8 do correle
e determinando que empregue sempre to-
da a actividad sobre o socego do mesm"
termo, e caso os rebeldes pretendam enva-
di-lo, 06 todas as providencias de cumhi-
nacSocom o capitilo J080 Bapllata de Sou-
ta Braga, afnn de que nao possam elles en-
contrar apoio algum nos seus fiis habi-
tantes.
Ditos Ao inspector de fazenda, decla-
rando que. para aatisfazer a oncoinuiend<<
que acaba de fazer o l.xm. presi lente da
piovmcia da Babia, em ullicio de 8 do cor-
rate, cumpre que por meios de eddaese
com audiencia do c.ipitSo 1I0 porto, proce-
da a compra da madeua constante das snas
relacOaj, que por copia se. remetlem, a cju.l
lein de ser para all remetuda com urgen-
cia, aiin de ser empregada na con.>truc;.1u
do brigiiH Tolerancia, sacando a mesm
thesouraria pela imporlancia da madeia
sobre a intn 'enca daqu<-lla provincia, e
reco.....leudando lo lo o /elo e UsCalSa(3o
em seiiH Ihanle compra.
Coinmunicou-se ao capio do por'o.
Hito. Ao inspector da alfaiidegs, de-
clarando que, para cumplimento do aviso
do ministerio do imperio, com data de 81
dr Janeiro prximo pascado, remella com
urgencia os mappas da importancia desta
provincia no ex.-rcicio du 1848 e 1849, do-
veiido acliarem-se na secietaria da presi
delicia al o dia 16 do correle, para seren
enviados pelo priuieiro vapor que paitar do
norte, aliin de cm-garem ao lempo determi-
nado na secretaria daquelle ministerio.
Dio. Ao inspector de fjenla, tians-
inilin 10 por copia para seu Coonecinieuio e
exi i.-u(,o na parle que llie loca o aviso do
iniuislei'io da maliiiha, com a data de 13
do Janeiro plOXIOtO passado, deli-rmiu.iiido
que l.oureneo Cavalcuno ae Alliuquerque
Alaranllo, complete .Ir n lim de jollio p-o-
xiino futuro, o nU'iiCi'o uos paos que con-
unon p ra a conaliUccSo de tres biiguea,
e 1180 o lazi-nd-i neste es,iai,'ode tem^o, li-
que sem ell'eilo o respectivo contrato.
Oo.i muuicou-seau capitSo do poilo
Hito. Ao alteres Manuel Joaqoiin Bel-
lo. Siga V. Me. para a povoai,-iu do l's-
so-de-taiuarigibu, e lomando contl do
deslacamenlo de 30 prat*is que all devo
continuar, obiara de accordo com o dele-
gado e subdelegado respectivos, para que
se conserve iualteravel o socego publico,
auxiliando as diligencias policiaca : e 110
causodeque luja certeza de accomnielli-
111-nio i.-os rebiiursque se achain as mal
as, augmentara V. Meo dito deaUcauCU-
lo reou|Btalldo ao lente coi onel .Manuel
Kausiiuo do Hegu Barros as pravas du guar-
das uaciunaes que precisas lrem,daolo,iin-
111 ed 1 a;,i me01 paiiea este governo de lu-
Jo quanto obrar, e de qualquer oceu.leu-
ca que aill apparet'er.
Cuuiiiiuiiiiuu-seaosubdelegado do Pas-
so-de-camaragibe.
Hilo. Ao leuente-coronrl c subdelega-
do da Lage-do-Cauhulu, dizeudo tm res-
posta aos seus ofliClOa de 8 r. 9 do Con ente.
que lica iiilenadu das noticias que oa acer-
ca dos acoulecimeulos das matias de iacui-
po ; e que espere que, sempre atiento e vi-
gilante acerca do socego do disliiclo de
su 1 juiisdicgo, euipregara lodosos meios
q ie esliver ao seu alcance, para que os re-
beldes nao poSSiin adiar apoiu entre os po-
Vos desse lu^ar, e sejain icpelndos, caso
lenlein invadir esse termo; e ;de qualque
occurrencia ou ncvidade que all ap^are-
cer tara logo communicar ao capiUo Ma-
nuel l'ereira ueSouza Burili no ponto d
lialliu-do-Meio.
lo. e a Um de que lhe dem de iua parle a de-
vnl.i publii'idaile.
Ilieo. A cunara mnnlclpel da villa de Por-
(o-Calro. Tendo ttdojulgados legilliiioi pe-
la cmara doi depuladoi na asemld?a geral
legisl.ii!vaos eleliores ullimainenie clcllot nes-
se municipio, como coma do respectivo pare-
l'i'i-ili'CMinoiiss.'in approvado rm 19 de deirin-
liro de 1849, e me ful coiumunicad por aviso
du niiuisterio 1I0 imperio com dala de 16 de Ja-
neiro prximo lindo i assiin o laco cunslar a
Vuics para lhe dcciu de sua parle a devida publicidade
Du mismo tcor a camarade Portu-de-l'edrai,
l.opf i.ilri/., Alalai.i, Asseir.bla, Norle,Alagoas,
An.idia, Penedo, Pnxini c Porlo-da-FulDa.
Dito. Ao chefe de pulicia, para que cm
cunirirlinenlo d >ayisa do ministerio do impe-
rio, datado de 17 de Janeiro ultimo, remella
com urgencia um mappa da populado da pro-
vincia cuoi daclaraco das pratoas livres e e-
cravas ; ficaudu autorisado a rcquinlar de to-
das as autoridadea os rsclarrciuieotus e auxi-
lios que precisar para a coufec(o desse tra-
badlo. .
Dilo. Ao juii de direito da comarca do Pe-
nedo, 1.1/rodo cou-ilar que por decreto de26
de Janeiro prximo lindo, houve por bem S. M.
o Imperador reniove-lo do lugar dejuixdc dl-
rcil'i da comarca do Peucdo para o da com rea
1I0 Nalal e chefe de policia da provincia do Rio*
Grande do norte. Cuinmunicou-se a Ibesuu-
raria de faienda.
Dito Ao inspector d.i tliesourana de fa-
ienda, Iraiismiltliidu para aua iulelligeocia e
execujiio na parte que lhe toca a copia do avi-
so du ministerio da mariuha com data de 19
de Janeiro ultimo, que manda reeeber, coma
coudiccao abi declarada, os paos de construc-
'.ao que te acliam separados 110 deposito de Ja-
ragua prupiios para crvelas e fragatas, per-
tencenles a Loureuco (Javalcaute de Albuquer-
que Maranbo.
Do inetmo leor ao capilao do porto, inululi'i
muliinJis.
Dilo. Ao inesmo. N. 59. Illin. Sr.
feudo sido declarado pelo aviso do ministerio
da juslica com data de 28 de Janeiro prximo
lio ao, c constante da inclusa copia, que'a des-
pea do susieulo c curativo dut African >s ap-
pi i-lien dolos uesla provincia deve ser feita por
cuuU du iiinn-.il 11.1 da laieuda, assim Hi'o
comuiunico para seu cuohecinieuto, preveuin-
do-o de que uesla data me dirijo ao Kxm. >r.
ministro da faeuda rogando-Ule a remcssi da
su < autorisac.io sobre a reteilda despeza.
PE NAMBCO
Canal, polaca Austraca Cndor, de 290 tone-
ladas: omlo/. o arguinte:
3,920 saceos com 19.600 arroba de atsucar.
dem, brigue iuglrz llaibengir, de 284 tone-
ladas : conduz o srguiute:
4,000 saccot com 20,000 arrobas de assucar.
CtXNSULAUO PROVINCIAL. ,
llenillmento do dia 12..... 850,756
aHBBHP'^^rWBBBSmat
.?loviinentu do A"orlo.
Navio tahido no dio 12.
Canal Polaca austraca Candor, capilao A. N.
Hadossuilc, carga anucar
KD1TAES.
CLNICA IIOMOEOI'ATIIICA.
.\o dia 20 de fevere'o p. passado fui cha-
ma lo para visitar um filho do Sr. I.uiz Gon-
calves Asra. mora-lor na ru< da Cailpja de
Santo Antonio, n. 34, que se acliavt doen
te da fei e leinnnte, desde o dia 12, cque
Ilhha si lo tratado pela allopathia, poicm
sem resultado.
Ossymptomas eram ossegnnles :
Cor amarella, dir de nhija, bocea
amarga, llngua suja decdr prela e basian-
|e asp'-ra. imilla >o le, goto de mo Cllei-
rn, vomito prclo o sanguneo. Scnsibili-
il ule batanle gran le no estomago e no ab-
domen a ponto de nilo sunnorUr nmiium
leneo, felire consunte (130 pulsaedns por
11111111I0., mais oulros symptomas de me-
nor Importancia.
O t aumento que lhe prescrevi foi urna
dse homccopailiica para lomar de 3 em 3
lima- urna coilier de .opa i no da seguin-
te leve mellior, os vmitos tiulnin cessa-
do : aduiiiii'lrei-lne nutra dse, e ossymp-
tomas imam diminoindo a ponto de o
lenle se achar boje peifeilamenle resta-
blecido, coiitoruio o prova a sua carta que
me dirigi.
Consultorio homreopathico, ruada Cadeia
de Sanlu-Aiitouio, 11. ii1. II. Caianova.
O lllm. Sr. inspector da theaouraria
da fazenda provincial, em cumprimrnto da
ordem do Exm Sr. presidente da provincia
de 6 dn correte, manda fazer publico que,
nos das 18, 20 e 21, ir a praca, peranle o
tribunal administrativo da mesir.a thesou-
raria, para sor arrematado a quem por me-
nos fizer, a obra dos concerlodo caes do
Passeio-I'ublico e no do llamos,- sb as
clausulas especiaes abaixo transcriptas, o
pelo prego de 1:980,000 res
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematado comparecam na sala das sesteas
do sobredilo tiibuual, nos das cima men-
cionados, pelo meio-dia, compelenlomenle
habilitadas.
E para constar se mandn aflixar o pr-
senle e publicar pelo Uiari,.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de l'i na 111 buco, 7 de margo de 1850.
-- O Secretario, Antonio l'entira da Auuun-
ciardo.
a Clausulai ttpeciaei da arrematacSo.
1.' As obras do concert do caes do Pas-
seio-Publico, e no do Hamos serSo feilos
de conformla le COin O orgailieuto uesla
dala apresentado ao Exm. Sr. presidente da
provincia, pelo prego de 1:980,000 rs.
2* Esta obra ser principiada no prazo
de um mez e concluida no de cinco mezes,
ambos contados em conformdade do artigo
iodo legulamento das arremalacfies de II
de julho de 1843.
3 a Todos os maleriaes sern examina-
dos pelo engenhero antes de seren empre-
gados, e appiovados lavrar-sc-lia um termo
4.' O pagamento da arrematarlo sera
feito conforme determina o arligo 15 do
suplantado regulameiilo das arremata-
rles.
5. Para ludo que nflo esliver determi-
nado as picseutes clausulas, seguir-se-ha
mieilamente o que dispOe o regulameuto de
11 de julho de 1843.
Hecife, 28 de fevereiro de 1850. O en-
genhero do termo do Itecife, Jos Mamede
loes herrelra.
0 Sr. director interino do lyceu manda
fazer publico que, por portara do Exm. Sr.
presidente ra provincia de 8 do coi rente
mez, contina a estaca concurso a cadeira
le latirn ja vil'a do Nazareth : portanto, os
cidadflos brasileiros que se quizerem op-
pra referida deverflo comparecer na sala
do palacio da presidente da data deste a 60
dias, lendo recolhido secrotra do lyceu
os seus requer rentos documentados 8 dias
antegdodito concurso. Secretaria do ly-
ceu, 9 de margo de 1850 O secretario in-
terino, Antonio h'gidio da Silva, professor
do geometra.
O Sr director interino do Ijrceu manda
fazer publico que, por porliria do Exm. Sr.
presidente da provincia de 9 do correle,
acha-sea concurso a cadeira de Substituto
dnlatim desta cdade : porlanto, os cida-
dflos brasileiros que se quizerem oppOr a
referida cadeira, qu> iram comparecer na
sala do palacio da presidencia, pels 9 il0_
ras da nianha do dia 13 do correte mez a
60 dias, tendo recolhido a secretar do ly-
ceu os seus requeriroenlos documentados
8 dias antes do dito concurso. Secretaria
do lyceu, II de margo de 1850. O secre-
tario interino, Antonio Egiiio da Silva, pro-
fesso' de geometra:
A repartirlo das obra publicas preci-
sa contratar alguns srvenles para a obra
la escuda da cadeia desta cidade, sejam li-
vres ou escravoj, paga-se a 610 rs. por da :
quem se qulzer aproveitar Comparece a ho-
ra do expediente na m>*ma repartlcSo.
(HUAS MILITARES.
Precisa-se de 6 ou 8 serventes para se-
ren empregados no servico das obras mi-
litares: paga-se 640 rs. diario: a tratar
no armazem defronte da secretaria de po-
lica-
Avisos martimos.

I'ara o llio-de-Jineiro
segu, com muila brevidale, o brigue bra-
sileiro S.-los, por ter parle de seu carre-
gamento prompto para a sua completa
carga: quemquzer carregar, ou irdepas-
sagem, e embarcar escravos a fret, dirja-
se Gaudino Agostando de llanos, na pra-
cinha do Corpo-Santo, n. 66, ou ao capitilo,
Jos Hamos deSouza, a bordo.
Para o t'.eaia segu visgem o' hitle
A'om-Olinda, de que he meslro Antonio Jo-
s Vianua, por ler j tratado parte'de ten
carrega ment : os pretenden tes a carga e
passageiros, dirijam-se ao mesmo me&tre,
ou t ra da Cadeia-Velha, n. 17, segundo
andar.
Para o Rio-Grande do sul teguem com
brevidadeo brigue brasileiro Juno c o pa-
tacho Aslrta : quem nos mesotos quizer
carregar, ou ir de passagem, para o que
tem bous co.-iimodos.e mesmo para eacra-
IDBM DO DIA 13.
Agora, Sr presidente, leudo defendido a
con.petriicia do jury do Hecife, ou ao me-
nos (llamado a qi.eatao paia o -.eu ponto
p eciso. cumpre-me proleaUr contra uuia
ui'upusii-Su uo uobiu drpuUdo pelo P^ra
islo he, que a inaiuria da provincia delVr-
naiiibucoyii.pailiiaavacomaiebrlliao.
U Sr.SounaFr,inco:-V,a digo que maioria
de l'ernambuco he das ideas da oji osieflo
eoppoe-sea poltica actual. Eis o que dis-
te, digo, e bei de explicar.
O r. Sabuco. Ento aguardarei a ex-
plicado do uobre depuiaflo. Tcliho inutvi
a, oiiiiiiiientos subios negnos do l'er-
nambuco, mas ja deu a hora, ea Cmara
nao uuvua teni enfado duus discursos se-
guidos no mesmo sentido.
Ofllcio. Ao contador da thesouraria de f.i -
/.noli, couimuiiicaudu que acbandu-se iinpot-
sibiluado por dueuie o iusprctor da mesma,
como participa em ufficio de boutein, lome S,
me cunta da reparlirao excrceudo as ailiibui
cues daquelle cargo seguudu o seu estado de
aadelbe prrmlltir.
Dito. A cmara municipal de Macri.
Tendo sido jolgados legtimos pela cmara dos
depolado na asseiubla geral legislativa us
1 P iiorrs ltimamente cleilus nesla provincia,
lenos nscoiislautes da duplicata da l'reguezia
de San Miguel, organisada sb a presidencia du
ni/ de paaauppleuie Jua Curreia de Araujo,
teu-'o preferida aeleleflo aque presidiu o pii-
mriioj ii de miz Uiuuiio Rodrigue de .Mello
Casiru; (cando por cuiiseipjeucia approvado
apio n ni geral frita por casa cmara muni-
cipal, cuino ludo CoUsla du respectivo parecer
de cimiuiissu, appiuvadu em 19 de driembro
ar 1849, e me fui cumiuuiiicado por aviso du
inioisieriu du imperiu cun dala de 16 de jino-
ro prximo lindo : assim ocouimunico a Vnics.
rriiielleiidu-llies a inclusa copia du ilitu pare-
cer, lano para seu cunlirciiiieulo, cuino para
que Ibe dciu de sua parte a devida publici-
dade.
Dilo. A cmara municipal da villa de S.-
Higurl. Tendo sido julgados legilluiot pela
cmara dos depuladoi na asscmblea geralle-
gislaiiva os eleitores conslaules da eleicao a
que ltimamente se prucedeu nesse municipio
sb a presidencia du primeiio juii de paz Dlo-
niiio Rodrigues de Mello ('astro, como consta
1I0 resprclivo parecer dr comiiiiisau.approvado
em 19 de deiembro de I84'J, e me fui coiuoiu-
uieado por aviso du iniuislrilo do imperio com
data de 16 de Janeiro prximo lindo; assim o
faco constar u V mes., reniellendo-lhes a ioclu-
ta copia do dilo parecer para teu coubcciiuea-
( lllm. Sr, Dr. Casanova --S. C, 8 de mar-
co de 1830.O recmilieciment em quo me
deixou para com V. S. o curativo appljca-
do a met lilbo, que infalivelmeiile suc-
cumbiria aos nitores das fehres pestilen-
cie<, se piiiveiitu a nflo tivese eu a f-li/
lemtianca de recorrer a pro Iigiosa cfllca-
ciados meios hornee ipaihicos com os quaes
elleol'teve sen completo restahelecimento,
l '/ com que pela pie-ente eo a V, S. um
ti'st'-smuniio do uiuito que 111.- -ou devedor
pela acertada pplicaCao desses meios,
q ue agora couside o como os mus promp-
tos para romhaier a epeuimia que grassa em
uossa provincia ; tanto mais pelo estado
em que se achava o dilo meu (Uno, que
leu lo feito duramente 7 dias uso da allo-
patliia infiuctireramente eslva j resolv-
do a um mortal abatimento com vmitos
incesMinles pretos u sanguineos.
: a hemos quanto a humanidade necessi-
la dos poderosos auxilios liomceopalhicos c
por isso deixo a deliberagilo de V. S. fazer
constar ao publicu esse fado que muito po-
dera uliiisar,
Desejo que V. S. esteja na 'ruicilo da
mais peileila saude para dispor do diminu-
to preslimo dette que muito preza ser de V
S oh.igadssimo u criado.-ij 6'oaraJret
Agr.
vosa fete: Irata-se com AiiiO'icn Irmflos,
-- (j llm. Sr. segundo escripturario, ser- > -"" Cadeia do Recie, n 39.
viudo de inspertor da thesouraria da fazen-1 l'r Lisboa segu Com brevidade, por
ler parte da carga prompla, a barca portii-
gueza Ugeira, de que t.e capitilo Antonio
Joaquim Rodrguez : quem quizer carregar
ou ir de passagem, falle Com o mesmo ca-
pitilo, 00 cun Kiancisco Seve iano Rabel-
lo& Filho.
- Para Porlo-Alegro pelo Rio Grande do
sul segu, em poucot dias, o brigue Floree :
s recebe passageiros e escravos a frete, pa-
ra o que tem bons commodos: liata-se
com o capitilo a bordo, ou com Aniorirn
irmos, na ra da Cadeia do Hecife, n. 39.
ruta o Kio-de-Janeiro alie,
no dia I 5 do jrrente, a rouito ro-
nhecida e veleira barca nacional
Firmeza
lOMMEMiO.
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 12..... 8:309,014
beiearregam hoje 13.
Patacho francezfrancoit-Aie/er merca-
dorias.
Patacho porluguez Abreu-l i !cm.
Birc*. ingleza Ararat gigos de lour;a.
Brigue inglez AraMIa-Furbet bacalho.
Hule nacional l'lor-de-Cururipe fumo
e charutos.
IMPORTACAO.
Arabtlla-Farkrtt, brigue inglex, vindo de
Terra-Nova, entrado 110 crreme mez. comig
nado a Me. Caluiuut & C niaufeslou o se-
guinle :
2:.'iX barricas com bacalho ; aot meiinos
cousignalariot.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 12.....2:142,719
Diversas provincias...... 215,645
9:358,364
EXPORTACAO.
Oes pachos mar i limos no dia 12.
Macei, brigue nacional Empresa, de 104 to-
neladas: conduz o segu 11 le :
I carro 1 relicario, 1 par de brincos, 1 a
sao coui 389 oitavat de prala.
da provincial, em cumprmenlo da ordem
do Exm. Sr. presdeme da provincia de 14
do cm rente, manda fazer pobbco que, nos
dias 13 e 14 de margo prximo vindou
10, ir a i"uSa, peranto o tribunal admi-
nistrativo da mesma thesourarii, para ser
arrematada, a quem por menos fizer, a obra
da coiiliiiuac,9o do caes denominado Ra-
mos, sb as clausulas cstieciaes abaixo
transcriptas, e pelo prego de 1l:3s5.000 rs
As pessoi.s que se propozerem a esta ar-
remalac.flo comparecam na sala das sessoes
do sobiedito tribunal, nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constarse mandou afiliar o pr-
senle e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda
provincial de l'ernambuco, 15de fevereiro
da 1850. O secretario, Antonio ferreira
d'Xnnuneiaciio.
1 Clmiiuliis especiaes da arremataco.
1.' As obras da rminuiago do raes de-
nominado Hamos seiio feilas de conform-
dade com a plaa e orcamenlo nesla data
apresentados ao Exm. Sr. presidente da
provincia, pelo p eco de 11:385,000 rs.
2.* lista ulna sera piinriplada no pra-
zo de dous mezes, e concluida no de 7, am-
bos conforme n artigo 10 do regulameuto
das atreuialages ib-11 de julho de 1843.
3* Os pagamentos da arrematarlo se-
rio fritos segundo dispe o artigo 15 do su-
pracitado regulameuto.
4.a Todos os mati liaes serflo examina-
dos pelo engenhero antes deserem empre-
gados, e, approvados, lavrar-se-ha um ter-
mo em que assignarflo o engenhero e o ar-
remtame.
a 5.a Para tudo mais que nSo esliver de-
terminado as presentes clausulas seguir-
se-ha 1 nimiamente o que dispoe o mencio-
nado regulamento de 11 de julho de 1843.
lenle, 13 de fevereiro de 1850. O en-
genhero do termo do Recife, Jos Mamed*
Alvts Femira.
Deca ra;6es.
cu-
Pela segunda seccSo da mesa do co -
sulado uroviucial ae annuncia a todos na
collecftrilos para pagarem o imposto d*
12,800 rs. creado dn conformdade com o $
14 do artigu 38 da lei dn orcamenlo n. 244
de 16 de junbode 1849, quo se est arre-
-'-- 'opassiv-.menle pela dita secr;3o se-
melhaute imposto, desde Janeiro do cor-
rete anuo ; e que, linalisado o prazo mar-
cado pelo regulmeulo do Exm. Sr. preti-
deiite da provincia de 12 de novembro do
auno prximo passado, se proceder exe-
culivaiueute contra todo aquella que ufio
tiver salisfeilo dilo imposto.
--O e.scnvilo seiviudo de administrador
da recebedoria de rendas internas geraes
abaixo assignado avisa a lodos os conecta-
dos pelos diversos impostos que silo ai re-
cados pela mesma ncebedoria, quoachan-
do-se cieadosos dous cobradores, de que
trata o ai ligo 32 do legulaiiienlo de 15 de
jonlio de 1844, n. 361, para receberem ami-
gavelmente 110 domicilio dos deve lores a
importancia de seus dbitos, a elles pode-
r3o pagar, dando por desobliga os recibos
txtrahidos dos lalOes para esse lim organi-
sados, assignados pelo tbrsoureiio, Joa-
quim Mana de Carvalho, e os empregados
que os passarem, cojos agentes recebedu-
res iioinuados e ti- lo litados para e-so re-
cebiuiciilo, sao Jos Chrispim de Assump-
eflo e I.uiz Gomes Silveno.
Manoel Antonio SimUei do Amurul.
para o resto da carga e
passageiroi-, ou escravos a frote,
trata-se com o capitSo, Narciso
Jos de S.-Anna, na praca do
Conimei ci, 011 a bordo, ou ra
da Cadeia, n. 4o, le ce i ro andar.
Vendo-sea pacuna brasileira Furoplsia,
de lote de 116 toneladas, forrada de cobre e
prompla com lodos oa perlences para fa-
zer viagem : quem a pretender pode ir exa-
minar a bordo, a qual aeaoha fondeada de-
fronte do Passeio-I'ublico, e trata-se rom
Amor im Irmflos, na ra da Cadeia do Re-
cife, n. 39.
om destino a Cha de San-
SJiguel.
Est a cliesar do Hio-de-Janero o brigue
porluguez Oliveira, j com a maior parte
do seu carregamenlo, e recebera neste por-
to o retanle para abarrotar : quem nelle
pretender carregar e ir de paasagem/ae en-
tender rom Joflo lavares Cordelro, na ra
do Vigario, n. 8.
i'ara o Ass pelo Touros segu, at IS
do correte, o brigue Condescendencia:
quem quizer carregar, diiija-te a Joflo
Francisco da Cruz, ra da Cruz, n. 3, ou ao
capitilo a bordo.
-- Para a Baha sahe, em poucos dias, o
hiate&n-Jctto-quem no mesmo quizer car-
regar ou ir de passagem, enten ia-se com o
meslie a bordo, ou com Novaos ex Coaapa-
uhia, na ra do Trapiche, n. 34.
Vende-se o patacho ameri-
cano lioirif), de lote de ia6 tone-
ladas americanas, forrado de co-
bre, muito veleirn, e prompto pa-
ra seguir qualquer viagem 1 oa
pretendentes, dirijam-se aos con-
signatarios, Ilenry Forster &C
Companliia, na ra do Trapiche,
n. 8.
Leilo.
0 corretor Oliveira far] lellflo, por or-
dem e em presen;a do Sr. cnsul da rep-
blica franceza, da nnibilia e mais objectoi
do finado Joflo liobois, suhliio fraucez ,
Consistilo em carteiras para esniplorio,
mnchns, aparador, commoda, banquinhas,
dita com asanle, cadeiras de Jacaranda^
sopba, marqueza, 1 jogo de pistolas, espin-
gardas de cuca,-tiijadroa, lelogio de cima
le mesa, serpentinas (Inoradas, castigaes a
eolheres de prala, por^flo de livros, e ou-
lros muilos Hijuelos assaz necessarios:
i| liarla -le. ra, 13 dO correte, as 10 lloras da
mantiSa, no sobrado de um andar, n. 8 da
I ra dusQuarles.


Avisos diversos.
- J.mquim Marlins Moreira vti a Portu-
gal.
-- O Sr. Manuel Pereira do Castro tom
carUs, viudas da Portugal, na ra do Ran-
go!, n. 7.
I'r. Joilo Capistrano do Memlnnca lem
abeito, na ruadas Cruzcs, n. 18, primeiro
andar, um curso do geographia, chronolo-
giao liitoria. eoutroderlieloriea e poti-
ca : as pessoas que quizerem frequeittar
qualquer desta faculdndes, poderilo ur-
gir-se a mencionada casa a qu*|quer luir.
-- A mesa reiiedora da 'mandado do Se-
nhor Com Jess do Passos, nao pudendo
vencer todas s d illicu Id dos que tem sobre-
viudo, por causa da febre reinante, resolveu
transferir a prorsslo do mesmo Seuhor,
que dtvia ter lugar a 15 do crrante, para o
da 39.
Joaqun) I.opcsda Cruz pretendendoreti-
Jhar os gneros e utensis de su a taberna na
praija da los-Vist. junio a botica do Snr.
.Moura, domingo, 7 do correte, s 9 horas,
convida a lodos os seus credores e alguna
Srs. que pretenderen) atguns dos gneros,
para so acharen) em dita taberna, no sobro-
dito dia.
JJ Sr. reverendo franciscano, que, sabba-
do vio um piano, pode vir busca-lo .ci
preco qua ofTereceo: na pnce da Inde-
pendencia, d. 19.
Precisa-so de'um caixciro de 12 a 14
nno, prrferindo-se dos ultimamonie che-
ga los da cidade do Porto : na ra da Ca-
deia de Santo-Anin o, n. 8, primeiro an-
dar, achara com quem tratar, desde o meio
dia at > 6 horas .Manoel Jos Suledade embarca para
lora da provincia aua escrava Brasiliana,
crioula.
--A ir mandado do SS. Sacramento da
freguezia dos> Atogados, em obiirvaucia ao
seo comprimido, ten Jo de concertar Ires
moradas de casas do son patrimonio, con-
vida a quem qu' ira emnreiiar as referidas
obras para asfozer, subjeitando-se ascon-
dices que a mesma apresentar om um ter-
mo, dando-se a preferencia,a quem por me
nos fizer os referidos cuucertos : quem i iv-
tender.dirija-se ao ju2 da mesma, na povoa-
(3o dos A logados.
Prtcisa-se de dous amassa lores que
sejacn peritos em seu oQiciu : paga-so bem,
aeradando : em linda, pidaria do Vara-
douro.
Joaquim Francisco Duart, lalielliilo
interino das hypolhecas, mudnu sua resi-
dencia eca>lorio danta l'ormosa para o Um
da da Umita, ultimo sobra lo.'
p sitio da Ponte-de -UchOa, contiguo a
ola'ria denominada S.-Pedo, preoisa de um
feilor sem familia e iduso : a tratar no mes-
mo sitio.
II>je, 13 do corrente. porta do Sr
Dr. juit municipal supplenle da segund.
vara, se lia do ai remalar por ser a ultima
praca a parle de um sobrado sito no Alerro-
ilos-Afogado.-, j-enhorada a viuva e heidei-
ros de Joflo Baplisla Ih-rbsler, por oxecu-
cSodeAnlr Wlmer.
Ixnacio de Si Lopes Fernandes vai a
Portugal tratar de sua sale.
Precisa-i* alugar tres ou quatroescra
vos para traballtaicm de enxada oum sitio :
quem os tiver i le. appaiecer no principio
da estrada dos Afilelos, primeira casa ter-
rea do ado esqueido, para tratar do a-
juste.
Precisa-so alugar um prelo para andar
com laboleiroue fnzendas na ra vonden-
do em companhia de um Itomem : a tratar
na ven la d ra da Cadeia do llccife, n/25,
defronte ao lleco..-Largo.
para continusrem a merecer a sua confi-
anza.
Denles artifciaes,
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peilavel publico que conlii.a *a exercer a
sua profisso, na roa estreita do Itozario,
n. 16, primeiro andar.
jjsug^Ssf^
DAURORA
mu %
gia, com dala'd qjIo correnle, ao|do porto, a fallar com a viuva
Sr. Torres, morador ni ra das Lasserre.
i5

C. Starr & Companhia teem a honra de
avisar aos seus fregueses, | ao publico em
geraj.quea sua grande fundico em S -
Amaro, almdo sortimenlo que constan-
temente lom acha-se de novo provida de
muilas mnendas de caona, e de varios ta-
maitos .tollas no mesmo eslabelecimenlo
pelos mais peritos officiaes, e com o maior
cuidadoe perfeicilo; tanto assint he, qus
osannunciantosse ufanam em garanti-las
pelo primeiro anno. As moendas inicuas
todas de ferro construidas as oflieinas
dos annunciantes, sita omito superiores a
quaesquer oulrasda tnesiua nattsreza que
at aaora teem sido aqu olTerecidas, pois
aquellas encerram em si cerlos e importan-
tes inelli.iramcnlos resultado de mais de
-20 anuos de experiencia e pratica do paiz.
OfTerece-se gratificar com generosi-
I le e prompti liio a quem levar na asa
sita na heira do rio do Poco-da-Panella, ou
na praca do Commercio, a Jos Antonio de
Araujo, um escravo da Costa, que desappa-
i'i'i' mi .tu furo- Ja-Piuellu, no dia 7 do cor-
rente mareo, as 4 horas da manhita ; sup-
pOe-se ter tomado a directo da estrada
nova, enfeoho do Cordeiro, etc. ; tem 20 a
2-2 anuos, filia ponei, por ser bruto, altu-
ra e corpo regulares, Cira comprida, olhos
grandes, heicus grossos, barba pouco cres-
cida, e .helio corlado a moda de fra le, pel-
lo sacado, om o qual tem urna costura de
um lalliu ali.-tixn da clavicula, hombros pa-
ra tras ; anda com o corpo para um e ou-
tro lado, sendo este andar natural; temos
pschriosde bichos; chama-se All; le-
vou chapeo de palha qu mam a fazer, camisa do algodo america-
no de lislras brancas e azuo de mangas
cumpriJas, pormsern punhos, calcas do
mesmo sendo feilas com pregas e boleos ao
lado, ceroteas de algodito americano a/ul,
sendo estas curtas, bem largas e de andar,
um leiii.'nl de 2 pannos de algodilozmlio li-
so; cu -turna andar n da riuluia para cima
o trazendua camisa, ora sobre os hombros,
ora vestida sen alminar o collerinho, e ora
uorcinia das calcas ou ceroulassinplis-
mente.
-- Oftorece-se urna ama branca para cria-
ra., dd una enanca, a qual tem bastante
leile e he desempedida por I he ter. mnrrido,
a crianca com 8 lias de nasc la : prefeie-so
easa eslrangoira : no Aterro-da-Boa-Vista,
fabrica de caf o cnocolate.
BOW.MAN de MC. CALI.UM, engenhei-
ros machinialas e fundidores do ferro, mu-
respeitosammita annunciam aos Senltores
proprietanos deengeiihoa, fazendeiros, mi-
nejros, uegocianles, fabricantes e ao ros-
peilavel publico, que o seu estabelecimento
de rerro movjjo por machina de vapor con-
tinua em effeclivoexerciciu,eseachacom-
pletamente montado com apparelhos da pri-
Jieira qualidada para a prrfeita confoc^ao
das maiores pocas d machinismo.
Habilitados para emprehander quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callunft
desejam mais particularmente chamar a
atlencao publica para a aseguintes, por
terem dolas grande sortimenlo japrompla,
as quaes construidaa na sua fabrica pdem _
compohr com as fabricadas em paiz es- OOO^OQ^QOOOOOO^^O
MuLilias de aluguel.
Alugam-se cadeiras para bailes e,ofiicios,
tambem se alugam nobilias a vonlado do
alogador; na roa \o,a, armazem de tras-
tes, defrnnle da ra de Santo-Amaro, i. 59
O abaixo assijjnado. como administra-
dor de sua mulher, sobiinha e hurdeira do
flnado tenente-coronel llenrique PoppeCi-
rflo, torna a fazor Miente que, cor.stando-
Ihe haver urna leltra na circulac'io da quau
lia de 1 886520 rs. que so diz ser aceita
iilo ditu Cirilo ; por isso quem possuir a
dita letir, trete de jusliliea-la i* envon-
larlo dos hensdo referido Cirilo que pro-
segue pelo jui70 municipal davilla de 1^-ua-
r .i-su... ti iii Ue cotil ccer-se de sua veraciuade
eseparar-sc beus para seu pagameiito, que
exisle a dita leltra l.e unta vcr.lade, porque
se acha atontada e piolestada peloSr.es-
crivflo dos protestos, mas s ella he vorda-
deiin. he o qoe resta saber-se quando fr
iustilica-la. () mesmo abaixo assignsdo
desde ja previno ao respeitavel poblico,
que todo o qualquer mal que possa sof-
frer o mesmo abaixo assignado, nesla ci-
da le, ou fura della ;serj por causa do mes-
mo abaixo assignado estar pelos tnhunaes
pugnando pelos direilos de sua mulher
non o Ihe cumpri; e por isso partir Mmen-
le, daquelles que teem querido delapidar, c
que esl.lo de posse da fazenda de sua mu-
lher, visto qi.e oUtros iniuiigos o abaixo
assignado nao lem, como he publico e no-
torio.
MurcelUno Jos Lope*.
Flores, n. id : quem -aeliou, que-
rendo restitu-la ( o que nfi-> lie
ino, porque pcderr.orrer da febre
amarella, e n5o tendofeito nesle
mundo esta reslituicSo ir para o
inferno) diiiia-se a" meeina casa 7"'^'"..cacimlia, o todos os" mais c
, j i?i r- ''os desejaveis cm urna casa, sendo
da ra das flores, n. if>, que da disto bastante tresno : os prctendent
mcsina quantia icceber jo,000
rs. pelo adiado.
O Sr. dos A togados que ofTereceu 30/
rs. pela canoa grande, no lint da ra da
Aurora, n. 4, sendo que anda qaeira, pode j tambem se precisa alugar um prol
ir lomar conta della. ontenda do servico interno, e saiba
-- Na ra do Vigario, n. 19, deseja-so sa-
ber a morada dos Srs, padre Jos Luiz Al-
ves Freir, Domingos de Almeida Passos e
I). Mara da Conceicito Vieira.
Cesar Kruger faz urna viagem a Euro-
pa, levando em sua companhia sua se..ho-
ra e um tiln, menor.
Precisa-so de um fritorparao servido
de campo em um engenho distante desta
praca 6 legoas: na ra do Crespo, n. 15,
primen., andar.
Aluga-se, por pouen lempo, o segundo
andar do sobrado n. I, do pateo do Colle-
gio : a tratar no mesmo andar.
Aluga-se o segundo andar o solflo do
sobrado da ra da Penba : a tratar na ra
do Cabuga, loja n. 1 C.
Precisa-se, a bordo da bar-
ca franceza Leonic que segu via-
gem para o Havre, de um criado
para o servico da cmara, anda
que seja de cor, com tanto que se-
ja fono : os pretendentes diri-
jatn-se ao escriptciio da consignu-
taria, viuva Lusserre, na ra da
Senzalla-Velba, 11. t.'38.
O Sr. Kxequiol de SOUU (la va lea ule
gueira dirigirse ra do Vigarfo, 11. 1,
visto nilo se sal) r huras certas de se encon-
trar em casa, a negocio que lite diz res
peito.
Lotera da matriz da Boa-
Vista.
O respectivo thesoureiro, Manoel Conca-
vel da Si'va, pretende u.lo Iludir a expec-
larfio do piihlii-o rom Himuiicios importu-
nos do andamento das rodas desta loteriar
esforear-se-ha quanlo couberem sual for-
Caspara com I possivol presteza annuncia ;
Precisa-sede prelas quo vendsm pTo,
pagaudo-se a vendagein que se convencio-
nar : no l'orte-do-JIallos, ra do Burgos,
n. 31, padaria.
-- Aluga-se um sobrado na rua da Unifto.
com excellentes comino los para duas fa-
milias, vista para Dirra, granito quintal
commo-
ii
pretendentes di-
rijam-sa a rua da Aurora, n. 4
. Precisa se alugar urna preta qui saibi
lavar, engommar o coser, para urna casa
ostrangeira ; na rua do Torres, n. 34, das
II horas at s 3 da tardo. Na mesma c-si
to qti
trtlar
docavallos.
^ Alugam-se e vendem-se as verda- Q
,;.j deiras htxas de llamburgo : 11a praca s
q da Independencia, n. 10, ao voltar /r*
n para a rua das Cruzs. -^
O O
Alfonso Jos de Oliveira. profesor ju-
bilado na raleira de geographia e historia
do lyccu desla cidado, lem Mierto sua aula
parliC'ilar de prinieiras leltras eg-amm.iti-
ca latina : as pessoas quo de seu presumo
se qqizerem utilisar, polen procura -lo na
rua Direila. 11. 120, segundo andar.
5fe Chapeos de moI *r
Rt'.a do Passt'io, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimenlo desles objuclos do todas as co-
res e 1111 -i 11 lades, tanto de seda como de
panuinhi), por procos comino los; ditos pa-
ra senhora, de boin gusto : esles OhapOl
silo feitos pela ultima moda ;. seda adamas-
cada com ricas franjas de ivlioz. Na ines'iia
casa se acba igual sortimenlo lie Soda o pan-
IIinl)<>s i i liando sedas, para Oobrir ai-
macOes servidas : todas estas faz-nda,s ven-
dc n-se em porcSo o a retalho tamben- ae
Coucerla qualquer Chapeo de sol, lano de
hasleas do lerin como de baloia, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludu por pic^o
comino.lo.
I'elro Carlos da Costa Cabial, doulor
em n edlcina, ebegado recentimeiil a esla
capital, reside na rua da Coiiceicflo, so-
brado n. 8, onde | i'i le ser procurado u qual-
i;u r hola do dia, dando Consultas gratis
aos poin.'s pi.-ia manhSa.
Ovas do serlao
lio cli'-gado alguna pares desle excel-
da
rita Nova, armazem de trastes, dofrontu
rua de Santo-Amaro, nt 59.
Couipra-seouroe prata sem feitio : na
na roa Velba, n. 54.
Compra-so urna cabra ( bicho) do lei-
le : paga-so bem sendo boa : na rua de S.-
Itila, II. 85.
~ Compra-so urna canoa da carreira, do
umspao, usada, mas em boni estado, o
que seja maneiro, de modo qoe quatro bo-
rneas a possam transportar para qualquer
parte : quem liver annuncie P'jr esta folha.
-Compram-so duas rotulas: nesta ty-
uograpbi a, ou na praca da In Jopen Juncia,
ns. 6e8
Vendas.
o
&
o
o
trangejro. tanto em preco como om qua-
lidada da materias primas o mo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstruccSo
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos oa tamandoa, movidas a vapor por agoa
ouanimaos.
Rodas d'agoa, moinbos da vento e serra-
aa.
Manejos independenles para cavados.
Rodas dentadas.
AguilhOes, bronzesochumaceiras
Cavillies oparafusos de todos os tama-
nhos.
Taixas, paros, crivos e boceas de toma-
ina.
Moinbos de mandioca, movidos a mSo ou
por animaos, c prensas para a dita.
Chapas de fogSo e tornos de familia.
Canos de ferro, torueiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repuebo, mo-
vidas a inflo, por ammaei o i vento.
Cuindaates, guinchos o macaros.
Prensas hydraulirss e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e"obras pu-
, blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas o sellar.
Camas, carros do mao e arados de ferros,
etc, etc.
Aloi da superioridade das suas obras, j>
geralmonle reconhrcida, Jiowinan & Me
Callum garaiitern a mais exacta coiifiiimi-
dado Com OS moldes o dezenhos reuieliido
pelos senlinres que se di.'tiaivui de fazer
llies encoiniiieiidas, aproveilando a occasiiT
para agradecureui aos seus numerosos a.Hi-
gos e Irtgitezes a pref. rencia com que teeo
sido por elle honrados, e asseguram-lhe
que nflo pouparSo esfurcos o diligencia;.* do por linio de \ eras, que diri
& 0
2 Homoeopa thia.
0 U consiillono liomoeopathico q
O de Pernambuco, na rua da O
Cadeia de Santo-Antonio,
n. ii, diiigido por J. ]! S
Casanova,. estar aberlo O
todos os das, desde s t ^
boras da maaba* at as 6 %
d larde. o
Os doenles serto vizitados lodos os O
V dias, nflo sendo muito longn. O
O A pobreza rrceber ossoccorros da &
O houiccopalhia gratuitamente. <>
Prrcisa-se de una ama -deleite forra
ou captiva 1 ua rua da Aurora, n. 44, se-
gundo andar.
Precisa-so de urna pessoa quequeira
entrar do socio la.lo em una bulica com
fundos iguaes: annuncie para ser procu-
rada.
Quem precisar de urna ama para o ser-
vico interno de urna casa de homem soltei-
n>, dirija-se a rua da Concordia, leuda de
marceneria.
-- Olferece-se uma ama para casa de pou-
ca familia, pr. f. inido-se casa estraugeira:
..lianca a conducta : na rua do Rosario lai-
ga, por rima do armazem de louca.
I'erdeu-se a quantia de to$
rs. em cdulas amurellAs de ao,ooo
rs. unidas em um bilbeie firma-
lem demorado o andamento das nossxs lo-
teras ; por isso limita-se por ora a annit'i-
ciaravenda dos bilhetes, e a extrabi-los
com lodo o empeiilni, a,fm de poder asse-
gorar aos compradores o dia em que deve
r ella impreterivelmente cor'or.
A vantageni do plano ja publicado o o fin
religioso para q..0 foi esta lotera concedi-
da, convida o sedal os tentadores da sorte
a coiicorrerem sem demora para a compra
dos nmeros que lites preparam a suave
ncquisiciio .le bens da fortuna, sem risco
do grande capital, e com o importe smen-
te da diminua quantia do 5 ou 10,000 rs.
por poneos das.
Desde j achar-se-ho os bilhetes : no
Recite, lujas do tbosourciro e do Vieira
cambista ; em S.-Antonio, botica de Joilo
Moreira Marques, no pateo da Alatli/, e de
Francisco Antonio das Chagas, ua rua do
L.vramenlo ; loja de lleinardiiio Jos Mon-
teiio, prarinha do Livraniento, u 44 ; no
Aterro-da-ltoa-Visla, lujas de Guimarfles,
n. 44. e de liuarte"Uorges dafilva, n. 18.
DEPOSITO GEIAL
do superior rap areia-pmta 9
da fabrica de Gantois Fa- :'.j
Ihet&c Companhia, na Ba- J*
tas, n. 86.
Precisa-se alupar um prelo para botar
sentido a urna pequea casa de cmipo : na
rua .lu Trapiche-Novo, n. 10, casa de Jones
Patn & Companhia
Consultorio homoeo*
). thico.
i do Trapiche, Hotel
lu
V
ranetsco
Dirigido pelos doutores Sabino O. I..
Pinho, J. A. Luz, e C. Chidloe.
< -
i :
Todos OSilikS, desde as 7 horas da
inanlia alcas 3 da tarde, pdem ser fri
procurados qualquer .lestes Snrs. <"
As consultas sero recelud s por *
qtial'iuer dos tres medicas que so *?
acbar no consultorio.
As pessoas necssiiadas conlinua- j2
rito a receber gratuitameuto, to los
> ossoccorros de qo.i precisaron!, a * qualquer hora do dia ; alveriin lo ig
que, serSo soccorridos com prole- <5
roneja, aqoellesque logo nn princi- &
pin da molestia recorrerom a lio-^
imu .patina, som haver tomado re- *
muiiio'al'uui allopalbico. .
| Domingos Alves Matheus, agente da 4 0ft$,M ft****^ -' .'bA^^^A^A*
IJ> fabrica de upo superior rea preta Z Qu^m laecisaT^ uma ao,* e"a ,ar.
" o meio grosso da Baha, tem aberlo o g)
seu deposito na rua Cruz, no Recito |
n. 5'2, primeiro andar, onde so achara *>
sempre leste excelieutc e mais aero- -4
ditado rap que ale o presente se tem fy
fabricado no brasil: vende-se em bo- 3
les de uma o raeia libra, por preco .4
o servico de uira casa do homem lollciro,
dirija-so ro paleo do Teicn, 11. 137.
Precisa-sede urna ama de leile: no
Alerre-da-Hoa-VisI, n 48.
Precisa-se de um Portuvuez. com pre-
ferencia lilho .las ilhas, qoe saiba traba-
lhareni sitio, para trabalbareni um no lu-
mais commodo do que emoulra qual-*% gurdo Remedio: quem ealiver nestas cir-
quor parte.
^****.4**i*****4,<
O bacbarel formado Jo.lo de Barros
Falcfio de Albuquerqiio Maranhito conlinua
a advogar na rua estrena do Ruzario, 11.
20, primeiro andar.
--Joaquim l'ereira Arantes vai a Lisboa,
e deixa por seos bastantes procuradores,
encarregados de seus negocios, em primei-
ra lugar a sua mulher I>. Anna Joaquina l'e-
reira, em segundo o seu caixeuu juteres-
sado Antonio Augusto dos Santos l'orto e
em terceiro o Sr. Jos dos Santos Nevos.
lima pessoa que lem de ir
a Uacei, c cuja conducta be as-
saz conbecida, encarregase de co-
brar as dividas que porvenlura ti-
verem na provincia daa Alagas
s pessoas aqui es-identes. Diri-
gir-se loja de Jos Peres da
Cruz, onde se dir quem be.
No paleo da matriz de Santo-Antonio,
sobrado n. 4, liram-se passapo.trs para
dentro o tora do imperio, despachain-se es-
cravos e curi em se tolhas com a maior bre- j
vidade possivel, e por diuiinoto preco.
A publicado do IM/a-floteal tempo-
rariamente suspensa. Aquclles dosSrs. as-
signantes quo pe lenco, em ao mediocre
numero dos que j satislizeram a assigna-
tn 1 1, o i)ue uo quizere.il esperar, 1 o tem
mandar reerber o numerario que se Ibes
resla ua casa do redactor.
I'rccisa-se de um feilor que
entenda de arvortdos, bortalice e
cumstancias dirija-so rua do Crespo, n.
14, terceiro andar.
Knubo.
Na noila de 6 para 7 do passado, foi fur-
tado 11 um prelo que venda fazendas, uma
grande I>ta o um cartilo com diversas fa-
zendas finas; pois lendo o mesmo prelo,
por motivos de cmbriauez*chatnado um
ganhadorpnra carrregar a fazenda, o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gunt dinheiro que carregava. Roga-se, por-
tento, a polici.-i ou a qualquer pessoa quo
tenba milicia do occorrido, do dirigir-se a
rua da C-ideia-Velha 11. 2t, casa de Manoel
Antonio da Silva Antunes, quo ser gratifi-
cado com 100.000 rs.
Antonio Jos Pedro Gon^alves embarca
para o Itio-de-Janeiro o seu escravo Joilo,
de nacilo.
Na rua Direila, sobrado n. 120, segun-
do andar, precisa-se logar unta ama que
saiba cozinhar, engommar e facerlo lo o
mais servico interno de uma casa de fami-
lia.
*aapaaaaaaMaaaBaaMaaaaaaaaaBaaapaFaai
Oleo d m mona.
Vende-se <>leo de mamona ,
a i,44o rs. ngana, e era porco a
1,280 re. : na rua das Mores,
n. al.
Salsa-parrilba de Sands
para remover o curar radicalmente todas
as enfermidados que proceden) da impu-
reza do sanguo, 00 habito do systema.
Ksta me tirina Pst Operando constante-
mente curas qnasi incrivei* de molestias
que p' ocedem da impureza do sanguo. A
infeliz vicl'nia do molestias hereditarias,
rom glndulas indiadas, ervos incoldidos
e os ossos meio arruinados, ficou restabe-
IrOida com toda sua sade e f.\rcas. O duen-
le escrofuloso, roberlo de chacas, causan-
do nojo a si mesmo, o a quem o servia, li-
cou perfeito. Centenares de pessoas que l-
nhaiii soffrido t por anuos n poni do deses-
peraron, da sua soite molestias cutneas,
glndulas, rh"umitismo ehronieo e muitas
nutras enfeimi.ludes procedentes do desar-
ranjo dos orgftos de secreQue da circula-
cao, loom-sc eigniio quasi milagrosamen-
te do letlo da morte, c boje, com conslilui-
efles regeneradas, eom praxer aileslam a ef-
licacia desla nesdimavel prrpara(ilo.
Coi qi.auto tenhum ai parecido grandes
curas at aqui produzidas pelo uso desta
eslmiavel medicina, comtudo a experien-
cia diaria aprsenla esultados mal no-
taveis.
Ncw-York, 22 de abril de 1848. A
Srs A. B. c I). Sands. Julgando ser
um dover para com vosco e para com o pu-
blico em peral, renietio-vos este cerlifica-
do das grandes virtudes da vnssa salsa-par-
rilha, para que uniros que hojo eslilo sof-
riendo eslabelecaiii n)olhor a sua confian-
ca e fa(am sem demora uso da vossa medi-
cinn.
Vi-me perseguido com uma grande to-
nda no trnetelo, que se esleudia pola ca-
nda cima al an jnelho, laiiQ.iva giande
porcao de nojenta materia, com condenos
que me pnvawiin minias noiles do mou des-
canco, e eram 11 11 i lo penosas desupporlar.
o O Sr. I'iogotl. Connel, quo havia sido
curado com a vossa sala-parrilha, recom-
niendou-me que cu fizesse uso della, o dc-
pois de haver tomado cinco gairafas fiquei
pe feitamente curado.
a Tenlio demorado um anno mandar-vos
esto certificado, para roubecercom certe-
za sea cura era pcrinanenle, o lenbo agora
a maiorsaliafa(floni declarar, que nflo te-
nbo visto, ncm sentido cousa alguma du-
rante lodo este lempo, o acho-me perfeila-
n.enlo restabekcido. Son vo.-so, ele.
a Snrah M. Inlire.
210, rua Delancey.
Nesta provincia o nico agente desie ma-
ravilboso remedio he Vicente Jos de Brilo.
Vende-se um grande sitio no lugar do
Mnnguinho, que lica delroutc dos sitios dos
Srs. t'.ai lenos, com giande casa de vi ven-
da, ile quatio atoas, gande Sentida, co-
chcira, estribarla, baixadecaplm que sus-
tonta 3 a 4 cavallos, grande cacimba com
loniha e lauque cubeito para biinbo, bas-
tantes ai \orc.los de fruclo : na rua da Co*-
coruia, primeiro sobrado novo .le um andar.
011 feitos de Clis,
e cont de laclo do ferro, : 1 trovado pela
academia de medicina de Pars, confor-
me o parecer de urna commiss.lo compon-
la dos Srs. Bouillaud, Fouquier eBailly.
As pi'eparaeocs ferruginosas se conlam
no numero dos medcamentns, cujas pro-
priedades nilo se pdem por em duvida :
com ell'eito lia poucs pieparar;Oes medicas
que ten ha m sido estudadas com tanto es-
nieio por observadores sabios.
Os mdicos nais aciedilados rocoilaram
estes contoitos com muilas vanlagens, de-
pois de terem analysido sua composifSo.
U benvolo acoln.nenio que esla prepS-
raeilo oblevo da escola de medicina do Pa-
rs nos dispensa de fazei seu elogio.
IMi". conleiliis -un empregadoscuill gran-
de surcesso na clorosis ou palliJas cores,
as inflamn.aroes chrouicas do estomago
e dos intestinos, na falta do appetite, as
amciiorrbeas, ou suppress.lo de menslrus,
as enfermidades escrophulosas, e inconti-
nencias das urinas, provenientes da d.'hili-
dade da bexiga : ua leucorriiea ou flores
ahincas, opilarSo, abatmento de torcas,
no esciohuto, em lodos os casos de enfra-
queciu-entu do organismo, na animya, vul-
go Irialdade, na hydiupesia, consrquencia
destas n.i.l. siias, on.fim em todos os casos
em quo ha alteracflo na composi^o do
sanguo.
A espeilo da dse que se deve tomar,
baslam tres confeilos pela manhSa, e ou-
lios tres do tarde, e o mais distante possi-
vel das boras da comida, augmentando pro-
gressivamento at G de auiauliSa e 6 de
larite.
Relalvamente aos meninos, as doses vs-
riam cunfoimo a idade; mas lomando o
Compras.
jardim : na Capunga, sitio ao pe
Compra-so um preto quo lenlia do 20
25 anuos, que saiba cozinhar o diariod
uma casa e que se afiance a sua conducta:
paga-so bem: na rua a Cedria do Recito,
no esciiptoiio do conelor Oliveira, se diri
quem precisa.
Con piam-se I ou 2cachorros pequonos,
sendo dos de fila : quem os tiver para ven-
de', lveos ao principio da estrada dos Af-
ilelos, primeira casa terrea, do lado es*
querdo.
--Compra-so toda a qualidade de trastas
usados, e tambem sa trocam por novos : ua
termo modn, se darflo de 6 a 8 todos os
das, ua idade de 6 a 12 annos, c 4 aos mais
jovens.
Em as princi aes cidado* da Europa ao
aciiam os depsitos dos ditos confeilos, em
Pernambuco na bulica do Sr. I'aranbos, na
rua estreita do Rozarlo, 11. 10, e no arma-
zem de mogas e tintas da rua da Cruz, no
Recito, deboute da loja do Sr. Padre Ig-
nacio.
Vendem-se uvas brancas rmuito boas :
na rua da (.ouceicilo da Boa-Vista, n. 58
Vende-se um escravo prca, de 18 an-
nos de idade, pardo e com diversas habili-
dades -. na rua da Cruz do bairro do Recito,
n. 56, primeiro andar. Na mesma casa ven-
de-se urna canoa do carreira de um s pao,
bem fetta o que carrega de seis a olo pes-
soas.


4
<*
Vendem-se bustos de gesso represen-
tirnilo fielmente a raioha Vicloiiae o prin-
cipe Alberto ; relogios de ouro e de praia,
chegados ltimamente da Suissa : estes re-
logios que silo mui bem acabados, se tor-
nnm muito recommendaveis a quilquer
particular, e advcrte-se que ha entre elles
alguna que andam 8 dias se ni precsarem
de corda : na ra da Cruz, no llecife, n. 55.
Agencia de Kdwin III a w.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
njont&Companhia.acha-se constantemente
un grande sortimento de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar asaucar, bem
como taixas de fero coado e balido de tlif-
terentes tamanbos e modelos, moendas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vapor de frca de t cavados, alia
pressdo, repartideiras, espumaderas, etc.
de ferro estanhado. Na mesma ageuria adia-
se un sortimento de pesos para balanzas ,
escovins paia navios, (erroem barra, tanto
quadrado como redondo, salra para errei-
ro e uma porciio de tinta verde em latas:
tudo por barato preco.
Aarope do Ixjsque.
A introduccao do tarop do bosque em o Braall
foi animada por surersso neiii igual noa Ksta-
dos-Unidos, ende drpoia de sete annos de e-
periencia e uso fui elev-do a Io alio mrito,
Vendem-se dous efcravng carreiros ;
4 escavas mocas de bonitas figuras; 4 ne-
grotas que engommam ; una parda pio-
pria para lodo o servico de una casa ; 2
realejos, sendo um proprio para igreja, por
ler varias legasde msicas decentes para
esse liiu : na ra Direita, n. 3.
Vcndein-se, na loja de
Moreira & Vellozo, na
ra Nova, n. 8,
sapalos decouro do lustro para senhora,
pelo baralissimo preco de 2,000 rs. o par.
Farinha de mandioca.
Vendem-se vennns deema muito boa fa-
rinha de mandioca: ludo por preco com-
modo : na ra do Queimado, n. 14.
Vemlc-sc a taberna da ra
do Padre-Florianno, n. 72, com
poucos fundos, e que regula 10 a
12,000 rs. por da : a tratar na
all'andrga, das 9 boras da mrtnhaa
as 3 da larde, com Joaquim Fran-
cisco Franco.
-- Vende-se urna preta muito boa cozi-
nlieira, que lava muito bem e
ra, da qual se adanca
vende na
conduela ; uma
<|uc as vries a* exigencias eicediain inuilo 'dila por'picco CommoJo ; nina mulatinho
quantidade que se podia manufacturar. I je )5 nnos niuilo lindo para papem, e que
No principio de sua ntroduccao aqui nao s1 serve a uma casa : un moleque de 14 an-
pde logo asscvrrar o seu nimio nesle clin a ; prelo bom cozinheiro ; um diio
mas as iiimiensas prnvas une os aecnlcs rece: r ___ n__i .
bem dlailaurnte as curas n.aravilhosa. que I bom lol.cuo I na ruado ColleglO. II. 21,
rile produi os liabilila a certificar que o xaro- <5 d ira quem vende.
v do bosque lie urna cura certa para a phihisica tttfc|&^.|Rti*i;.l M&J&alflH&S
gltua doCollegio, n. 9.
I LOTEI.ASD0 1.IO-DE-
em 1 odus os seus.dillrientes gios, qur moti-
vada por consiipatcs, tosse, coi|ueluclie,
pleuriz, aslliuia, bronchilcs, palpiuienu no co-
ra(o, drde costado e prilo, escarns de san-
gue, dor na garganta e todas as molestias dos
orgaos pulmonares.
Iicpbis de tantas provas do seu inerecimento,
como oulrosim depois de se lestemunbar um
firme augmento da venda desle remedio, como
igualmente a accumulaco de lanos tactos que
comprovam o seu bom successo durante a es-
periencia de 24 meses, os agentes nao arrio
aecusados de terrm imposto sobre o publico,
rccoiiiuicndando 11111 remedio de um valor in-
certo, ou de exigir de qualquer invalido que
fixeassuas esperabas de eura por um all vio
imaginario. uso principal do xarope do bus-
que leni sido frito nicamente na cidade dn II io-
. de-Janeiro e suasvizinhaucas mas, agora c|ue
assiiaa virtudes se pdem ceiiscienciosamrnte
asseverar, os agentes o ollereccm ao publico
coma 111.111 segura confianca, e que em qual-
quer caso se adiar um remedio de iufallivel
mrito como de felii successo.
lia casos destas molestias, quando por ne-
gligencia se deita que a moleslia tome coipo
sobre a substancia dos bofes, ate que os esius
destes fiquem insuficientes se a sua declina-
cao poder ser reprimida) a poder furnecer o
sangue aos elementos necessaiios vida de
urna pessoa, e seinellianteH casos sao e seao
sempre alm do conbeciiueiuo da assisiencia
humana, e be prior que charlarlo aquille que
quizrr eugauar a al|;uein com esperanzas fal-
sas de cura ; mas lia mimos casos que apparc-
ci ni seiu < 'Spcranjas, mas pdem ser curados
com remedios proprioa.
( nni alguns a leiidenca para estas molestias
vein de pas pan filhos, e por estes be nova-
mente iransiniltidassuas descendencias. Isio
be geraliiientc conliccido por plitbisica cons-
tiln ioii.il lu sen.filiantes rasos a doeuca
apparece geralmeute na mesma familia rm
urna cri ta idade, e familias inteiras fallereiu '
proporcaoque vu (llegando quelle periodo.
Como dissemos cima, icmedio algum pode
1. mei.i w esles casos, onde uma longa moles-
lia se acha aireigada, e por conseguiule lem
consumido lodos os recursos da vida, mas lie
pilo uso de seinelhanle remedio como oj.im-
pe do bosque, e o muilo cuidado na saude, que
estes periodos rrilicos se pdem pa ir, e a vi-
da se pode pnlougar al urna idade avancada.
Km caso de moleslia de boles, occasionado
por exposicao ou negligencia, a molestia ap-
proxiina-se por diilcicincs formas, mas quer
110 lircu I11..I ou asllimaliea, as membranas sao
JANEIRO.
a
20:000^000
12. DAS MATRJZES.
Pelo vapor S.-Sebst'ilo, sabido do 'M
} Ilio-de-Janeiro em 16 do la'sailo fe- &
vcreirn.chegaran hilhetese rau'elas |
ii desta loli ra, que devia extiahir-se g)
i'j' nouia22 do mesmo mez.
Aos Srs. jurisconsultos.
Naruado1iapidieNovo.il. 6, vendem-
se as segundes obras de direilo, rhegadas
ltimamente, por preco commudo :
l.obSo, olas de Mello
Borg I Carneiro, direilo civil;
('oelhoda Rocha, dilo;
l.iz Teixeira, dilo ;
tarvalbo, liuhasorismolgicas;
Co'reia Telles, digesto polluguez ;
OnleiiBciS do reino;
Jlollii. opra.
Vende-se um bonito escra-
vo, que be muilo bom traballiador
de ccttnpo, pelo burato preco de
35o,ooo rs..- o motivo por que se
vende se dii o coirpredor: no
Hospicio, casa de l). Francisca
Tbomazia da ConceicSo Cimba.
M Tliearde, modista franreza, na ra
Nova, n. 32, recdien peloullinio navio viu-
do de Franca, um rico soriinienlo de cha-
peos de seda de todas as rWes ; trancas de
algodfio; capeles de flmrs para balese
casa metilos ; sarja adan ahitada de pura
seda ; l'ru a-copa para rhaios; enfeiles
e miudezss para eabeca, muilo riros e n o-
all'ectadas cas suas secrrces Improprias oh demos baleias para vestidos i esparlilbos
mal que excitadas fa/cm logo lemlreuiie de lod fBqui||daile, de molaeem coa-
symplomas-que nao se devciao desprezar;
uma constipaban piule prodmir uma iiillamma-
(o as delicadas membranas que guainecem
os tubos broncliiars, rsta iri llacioprodUl urna
tossr, r rm sru turno a losse augmenta a in-
llnminaco ; r, se se drspreza, as meinbiauas
dus bofes lornau-se seiiielliaiilemeiite allecla-
das, e por fim a mesma subilancia destes be
atacada. He veidade que ihuioh bofes sao bas-
tante lories, s vejes, para resistir ao primriro
curso, se este nao fr muito forte ; mas nin-
quem escapa de urna maueira fcil, uma re
que |. nlia padecido moleslia que teuliaatacado
ageites. Ue porlanlo que elles precisan! de
algum remedio seguro para ajudar o systeiua,
alim de corrigir as secrcces e restaurar frca
aos orgaos pulmonares ; em casos como estes
o xaiope do botque lein-ae lomado iufallivel. e
nao be s 11" pi iucipio como na forma simples
destas molestias que este remedio be urna (tira.
Teeui j bavido muitos esculpios em que a"sa-
dse lem restaurado a pessoas que baviam si-
do abandonadas pelos seus mdicos e amigos
O lampe do boique nao se oll'errce como um
remedio para qualquer drica, mas siin be
ofl'erecido com uma perfrita coufian;a como o
inais til remedio ate aqui descobertu para as
moleslias de garganta e dos boles, o qual lie
composto nicamente de regalara, e que se
pode tomar sem aquellc cuidado .111 pltica
qui'r na dieta ou no exercicio
O publico deve-se lembrar que cada garrafa
lem dous letieiros com a propria assiguatuia
dos agentes II. C Yaies e toinp., um ua garra
fa com todas as dirececs para uso, e um no
papel de fra.
Pode ser rnviado com toda a srguridade
para qualquer parte do imperio, e as ordena
acrao pontualuirule rxrcuiadas.
\ 111 I 1-1,1- nuil .iineiiie na botica do Sr. Jos
Maria Goiiralvet llamos, ra dos Quarteis,
0.12.
Vende-se um mulatinho de II anuos;
um moleque da mesn.a idade, mnilosadio,
e que he propiio para qualquer oflirio : lu-
do barato, 1 or ser de una tessoa que lem
nccessidae de liquidar : 11a ra laiga do
Ilozaiio, 11. 35, loja.
Vendem-se gsrrafas com rap lolflo
batriliurgiiez ; luvasde tunal de .ma. 1 ir-
tas e biancss, para senliura e nieniuaa
meias de seda pela de peso para enboia,
e para padres, muito encornadas u.eas
de seda para homeui, curias c da mesma
qualidade; luvasde seda preta com buira-
cha no punho ; meias para meninos e me-
ninas, de algndo, a 120,160 e 2u0 rs. : na
ra da Cadeia do Recife, 11. 15, toja de
Bourgard.
Vende-se,'para fra da praca, um mo-
leque do nacflo, de bonita liguia sem acha-
que*, e com principios de cozinheiio: o
motivo por que se vende se dir ao compra-
dor : na prc,a da Independencia, 11. 26.
Vende-se um sellini com muilo pouco
uso, por comniodo preco : na ra de llor-
tas, o. 138.
--Vende-se um pardo de 20 annos, ro-
busto, e proprio para qualquer servico : na
ra do Crespo, n. 1S, primoiro andar.
Novo sorlimenio de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. 6, ao p
do lampea^.
Vende-se cassa-chita muilo fina, de bo-
nitos padrfies, cores ixas e com palmos
de largura, pelo barato preco de 330 rs. o
covado; rassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o corado; rlscadinho de lis-
tras de linho, a 240 rs. o covado brim de
algodo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 ra. o corte de
lilas vara e uma quarta ; rassa preta com
ramagem branca para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuarle de corea, com palmos de
largura, a 200 rs. o corado ; dito azul com
rara de largura, a 200 rs. o corado ; "sca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cores fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de larlatana, a 500 e
800 rs.; cobertores de algodSo america-
no, muito superiores, a 640 ra.
--A bordo da brigue S.-Joie', chegado
prximamente, vende-se farinha de man-
dioca de superior qualidade, e por mno*|
preco doqueemoutra qualquer parte: o
prelendenles dirijam-se a bordo do dilo
brigue, fundeado defronte do arsenal do
guerra, ou ao llecife, ra da Cruz, n. 66.
Vende-se superior farinba
de milbo em porcSes e a retalbo,
tendo de todas as qualidades a
vontade do comprador, e porpre-
qo mais cemmodo do que em ou-
Ira qualquer parte; n* ra do
Brum, n. a8.
A !t#000 o corte.
Vendem-se corles de cassa-chila, fina, de
bonitos padiOcs e com 6 varas e meia, polo
diminuto preco de 2,000 rs. o corle : na
ra do Creapo, n. 6, lojaao f do lampeSo.
Farelo novo a 5,o00 rs.
Vendem-se sacras grandes com 3 arro-
bas de farelo, (llegadas no uliiniu navio
de llamburgo : na la do Amorim, n. 35,
rasa de J. J. 1 asso Jnior.
Os mclhores charutos de
S.-Felix.
So rhegados os melliores charutos de
S.-Felix : na ra do Queimado, n. 9, loja.
Ovas do serian.
Vende-se este excellenle t elseo na ra
do (inn inado. n. 14, loja de Terrajen*.
Vende-se viulio do Porto muito supe-
rior, rm birria de quarlo e quinto ; farinba
de trigo de todas as qualidades e em meias
barricas ; relroz do l'nrto, prlmeira quali-
dade : panno e meias de linho ; arcos para
barricas ; farinba grandes e a garnel a bordo da sumaca S.-do-CarwiO: ludo por preco rnmmodo :
na ra do Vigaiio, n. 11, piimeiro andar,
casa de francisco Alves da Cunha.
Antigo deposito de cal
vinrem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
A rados de ferro.
Na fundicSo da Aurora em s.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos
turas, de urna nova invenc&n e muilo com-1 -- ti ra do Queimado, n. 14, se dir
modo; blonde e nulas de linho ; e nutras quem lem par vender uma preta de 20 a
muilas cnifas de bom Boato, que se ven- j 2 anuos, de bonita visla, a qual ro?inhao
dem muilo rm cunta. Tsnilem sempre se I diario de uma rasa, com algum principio
fazem no ulliino gosio vestidos para bailes de engommare lavar ; bem como urna par-
e cas*mentos, ditos de montara, maule- da de 25 annos, queengomma, lava ecozi-
leles, capolinhos e viiilag,
n.uilo io:enios e anda nflo
de padits
vistos- aqu.
ola ; u 111 pardo de 10a 18 annos, de boni-
u figura, proptio para pagem, poner mui-
lo esperto.
No armazem de motila-
dos do Ateiroda-Boa*
Visla, 11. !4,
vendem-se por menos preco do aue em
para ledes de pescar, por prego muito com- outra qualquer pane os segu.ntes gtne-
tB0O Deposito da fabrica de
Todos-os*Sai,tos naltahia
Vende-se em casa de ^. O. Hieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, aluodSo trancado
daquella fabrica, muilo pioprio para?arros
deassucar, roupa de esrravos e fio proprio
oluas rompletas de CaiiiOes, da iiltin-a e
nuis ntida ediro, 3 v., por 5,000 rs. : no
AUno-da-lloa-Vista, n. 14, foja.
AGENCIA
da fundico Lovv-Moor,
Rui Da si:nzalt.a->ova, y. 4a.
seo.
Vende-se cera em velas do no-de-Ja-
neiro. muilo bom sorlimenlo, em caixas
de 144 libras, por preco muito commodo
1 tratar com Novaes c Compaiilna, na ru
do Trapiche, n. 31.
Vendem-se dous pianos ic-
crnlcmenle ebegados, por preco
Neste estabelecimento conti- muilo commodo, para liquidar
iia a havrrum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ierro batido e
..do, de todos os tamanhos,
para dito.
Vende-se a [ropriedade do Rollo, na
fregU'Zia de Tracuiihflem, com 11 eia legoa
em quadro, capaz de levaniar-se um gran-
de rngenho, por seren Ierra de glande
prndurcSu de loda a lavoura, com bous lo-
gradoures, nsitas e ptimos partidos: lia-
lar com o capitiio Jos de llanos Cavalcan-
le Marauhno Kalrilo, noengenho da barra,
ruinaren de Nazurelll.
Vende-se urna caixa de tartaruga, lo-
da encastoada de ouio, propiia paia pre-
sente : na ra Velha, u. 51.
Vende-se uma canoa iber-
ia que carrega um milbeiro de li-
jlos, por barato preco : no Hos-
picio, casa de D. .Francisca Tbo-
mazia da Conceico Cunha.
Vendem-se amarras ue rarro: na ra
Ja Seuzalia-Nora, o. 42.
conlas, visto o dono rclirar-se pi-
ra lora : na ra da Cruz, arma-
zem n. 48.
Vende-se um bonito caval-
I'), e muilo bom, por preco com-
modo 1 no Hospicio, casa de D.
Francisca Tbomazia da Concei-
co C1111)'
Vendem-se resmas de papel almaco
perlino de primeira qualidade, branco e
azul, ditas de peso brauco : na praca da In-
dependencia, 11. 4.
Vendem-se 4 lindos moleques ; I par-
dinbo de 16 annos, bom copeiro ; 3 pelas
de lodo o servico de casa ; 1 dila para o
campo ; I prelo de 25 annos, muilo hcl e de
boa conduela : no paleo da 1n.1l 1/ de Sau-
lo-Antouio, sobrado 11. 4, se dir quem
rende.
Vende-se um 1 reto moco, robusto, de
bonita figura, sem vicio algum o hbil 1 ara
qualquer servico : na ra do Queimado,
loja 11 21.
--A bordo da escuna Sanla-Cruz, ancora-
Taixas para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de.receber um completo sortimen-
to de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, a*
quaes achani-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-ee,
ou carregam-ieem carros sem despezas ao
comprador.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na ra da Cadeia, n. 8*2,
rendem-se por atacado duas qualidades,
propriaa para sarros de as.ucar e roupa de
eacravos.
Potassa da Russia.
Vende-se superior potassa da Ruasia, da
maia nova que ha no mercado, por preco
commodo : na ra do Trapiche, n. i".
Farinha nova de S.-Ma-
theus, por preco mui
to commodo "
vende-se a bordo do patacho na-
cional jmiade- Comante, entra-
do recentemente daquelle porto,
e Tundeado em frente da escadi-
nha do Colleglo, ou a tratar com
Machado & Finheiro, na ra do
Vigario, n. 19, segundo andar.
Flores.
Vendem-se caixinhas ferentes qualidades de sementet
de llores, com urna minuciosa no-
ticia de onde sao uriundas, e
maneira de preparara trra para
a sua semenleia, rousahrm curio-
sa c interessante : na rus da Cruz
n. 9, escriplorio de Oliveira lr-
mos fk (ompanhia.
Vendem-se acedes da com-
panhia da Fernambuco c Farahi-
ha: no escriplorio de Oliveira ar-
maos & ('. na ra da Cruz, n. 9.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinhob
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ba muilo
tempo se nao vende: nc lenle,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
-- Vendem-se bons queijos londrinos
ditos de prato muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos portuguezes para panella, Utas
com 2 e4 libras de marmelada, ditas com
bolachinha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
tas com hervilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha viudos do Cea-
r, por barato preco, maulas de toucinho
iuglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.e
outros muilos gneros de boa qualidade :
na ra da Cruz, no Kecife, n. 46.
Moendas superiores.
Na fundicao de C. Starr & Companhia ,
em S.-Amaro arham-se i venda moendas
de caima, todas de ferro, de um modelo
con.-1 nicrlo muilo (superior.
Vemlem- se relogirs pali nles, lanto de
ouro como de | rala ; tranrclir.s de ouro e
piala; aunis de ouro; pumas de ouro
com canelas de prata ; abotoaduras de ou-
ro 1 canelas de piala : tudo por prefo com-
modo : na ra do Tiapiche, 11. 44, arma-
zem.
Vendem-se prcas de madapolilo com
20 varas, com algum loque, a 2,50;) e 2,600
rs. elinpo a 2,810is. ,e varejdoa7 e8
vinlens ; pecas de chilas, | loprias para es-
cravas, a 4,200 rs ; ditas de algodaozinho
com20 jardas, a 2,240 rs. ; um Tole de fo-
lear formigas: por detrs do theatro vc-
Iho, n. 2, 1 rmieiro andar.
Vende-se, na ra da Unido, n. 1, por
preco commodo, uma duzia de cadeiras de
oleo, quasi novas, uma mesa de meio de
sala, 1 ni laviilui 111, urna commoda de ja-
c, renda com guaida-louca,oduas cadeiras
de bataneo.
Vend -se uma armacSo de armazem
de n ulliados, em uma das melhores ras
to liecile : a Irritar na la da Sruz, n 7.
Tambem se vende uma porcSo de ledas
novas, alguns raibros, ect
Vende-se uma casa de 3 portas de fren-
te, quintal cacimba e portso, em chfios pro-
prio, sils no largo de N.-S.-d-Tcrco, por
pre^o commodo : na ra de Hurtas, n. 64.
- Vende-se resina, de angieo, aa librase
em poredo : na ra da Cadeia, loja e Joflo
Jos de Carvallio Moraes.
Vende-se urna taberna bam afregueza-
la, tanto para a Ierra como para O mallo,
com pouros fundos, e com quintal, cacim-
ba e cuininndos para familia : as Cinco-
l'onlas, II. 34.
Vendem-se velas decarntba, chegadas
ltimamente do Aracaty, sendo estas a>
mais superiores, pea sua duraedo e boa
luz, a 320 rs. a libra : na ra estrellado
Ituzario, 11. 8.
Vende-se para engenho, ou para fra
da provincia, uma escrava de nacilo, de 20
anuos, de bonita figura, quo engomla liso,
ensaboa bem e faz lodo o servico de casa :
na travessa do Veras, u. 9.
Vende-se um bonilo escra-
vo, bom canoeiro ; duas escravas
de bonitas figuras, que lavam, en-
commam, cozinbam e cosem : no
tlospicio, casa de I) Francisca
'lhomaziada Conceico Cunha.
Carlos Hardy, ourives,
na ra nova, n. 54,
acaba de recebar de Franca um sortimoeto
de obras de ouro .de le, brincos esmalta-
dos de bom gosto para menina, do preco
de 4 f 00 al 8 000 rs., proprios para a idaiie
de 4 al 12 annos ; e para senhora, a 9,000,
10,000 e 12,000 rs. ; aunis muito moder-
nos, para senhora. esmaltados e ahertos a
buril, a 4,000, 5,000 e 6.000 rs.; de casinha
^om.dl">ai.te, a 7.000 rs. ; de brilhanle, a
11.000 rs.; aderemos e meios aderemos,
que se vendem pelo custo, por se querer
acabar rom o negocio de ouro, por isso
os freguezes devem-se aproveilar desia boa
occas.Sopara comprarem barato. Na mesma
lojatem-serecebidoos maia ricos chapeos
de seda, enhilados com blco de blonde e
Troco, da ultima moda; uma grande oor-
efio de chapeos de ralha da Italia, arrenda-
dos e fechados, enfeitadoa e sem enfeites,
para senhoras e meninas; toueas para bap-
tisados de meninos; meias de seda para
enancas ; Mnnachinhos para enfeitar tou-
eas e chaposzinhos de meninas; reminhos
de llores para toueas; ramos de flores e
pennachoapara chapeos de senhora; ar-
mares de chapeos de todas as rAres, para
rhaposdeseda e crep, a 1,000, 1,200 e
1,600 rs. cada um ; luvasde pellica para se-
nhora ; luvas pretas de rede com palmas
de cOres ; camesinhas com golas de cam-
nala de linlm bordada, muito finas, para
senhora; camiaiuhas e estidinhos para
baplisar enancas ; lencos de seda prdos e
de cores para grvala ; ditos de algibeira
para homem ; lindos lencos de "gar^a para
senhora ; lencas de mo, bordados e com
bico de linho verdsdeiro em roda ; man-
teletes e capotinhos de sarja preta guarne-
cidos de franja e requif.-s de relroz, para
senhora, a 12, 14 e 16,000 rs. esda um ; seda
cor de rosa, azul e branco para chapeos.
Vende-se rap da Lisboa, em frascos:
no la i go da Assembla, n. 4.
Vende-se uma wenda com poucos fun-
dos, em uma das principaes ras dos Afo-
liados: a tratar no mesmo lugar, no pateo
da |>z, escola de meninaa.
Vende-se um cavalloruco, andador de
baixo al meio muilo toreante, o qual ser-
ve para carro, por ser muilo ardigo : na 10a
da Cadeia do llecife, n. 38, loja de cambio.
Vende-se bauha de porco denetida, a
360 rs. a libra : na ra do llangel, n. 91.
t CiaVOS FlJpi-GOft
Sardinhas reccnlcmen-
Ic chegadas.
Vendem-se barricas com 600 a 800 sar-
diulias grandes, por comuiOdo | reco : no
da em fenle do caes do Collegio, vende-se, caes da Alfandega, n. 7, armazem de Fran-
sebo un rama de superior qualidade. cisco Dias r'erreira.
Fugio, no dia 7 do correnle, o mole-
que Joflo.de naedo Itengudla, alltna re-
gular, serr do corpo, es glandes e os dc-
dos ds n f.nos ron | rdit; um uma, ees
tura rm um dos bracos, proveniente de un
gancho; levou calcas de b>im branco mui-
to rolas, can isa de algodSozinbo, chairo
de palha ptqueno ; I e trosli msdo a vei-
der frurlas do sitio rm um laLoleiio, i elo
queja lem dissoalguma falta de cal ellos
na cabrea ; tem 18 annos pouco mais ou
menos. Roga-se as autoridades puliriaes,
tanto desta praca romo fra della loda a
vigilancia nos combois, por haver descon-
liancas que elle ti liba sabido em algum,
por ser i ara isso seduzido : quem o levar
ra da Cadeia do llecife, n. 25, ser gene-
rosamente recompensado
Km a noiiedeasdo prximo passado,
fugio, da povoaedo doMonteiro, da casa da
residencia de Manoel Antonio d< Silva An-
tunes, a prela Maiia; do gento de Ang la,
moca,de olaiuia e coipo legulares, cor
preta, rosto aboceilado, fulla bem o vulgar;
lem os ps um tanto grorsos: qurm a | e-
gar leve-a i ra da Cadeia-Velha, n. 24,
que sn gratificado.
Fugio, no dia iodo correnle, o prelo
Jos, de nacflo Camundongo, de 90 annos
pouco maisou menos ; levou caifas dedu-
raque azul e camisa de algodlo. Iloga jie as
autoridades policiacse capitOes decampo,
que o apprebendain e levem-uo a Fra-de-
Portas, taberna n- 145, que serdo galili-
cados.
-Fugio, de bordo do brigue nacional
Sem-Par, rindo do luo-de-Janeiro, um par-
do de noiiic Sabino, que representa 20 an-
nos pouco maiaou menos ; levou raleas do
algoddn azul e camisa da mesma fazenda, e
bonete encarnado : quemo pegar le\-o a
rasa de Novara & Companhia, na ra do
Trapiche, n. 34, que ser bem recompen-
sado.
Fugio, no dia 4, o pardo Thomar, de 18
annos, com oflicio de marceneiro. baixo,
clieiu do corpo, cabellos cacheados, mas
corlados, rosto redondo, ollios grandes e
pardos, nariz afilado, bocea grande, bei-
cos encarnados, denles largoa ; tem no |
esquerdo um dedo collado, junto ao mni-
mo, ps chatos ; Iraz as mflos sempre su-
jasde tintada maiceneiro; quando traba-
Ida tira a camisa ; tem uns pannos pelas
costas epescoco; costuma mudar de ri-
me. Pode-so ao Srs. capildes de barcos, ca-
so elle esteja trabalhandu em algum barco
que o mandem agarrar, e nSo o deixem
embarcar, poia o dilo pardo anda dizrndo
que he foaro. Esle pardo he perlencenle ao
casal do fallecido lenrnle-coronel Jos do
Reg Barros. Quem o pegar leve-o ao Aler- '
rn-ita-Iiiia-V isla, ii 34, lu re ro andar, a sua
senhora, D. Antonia Floiinda l'essoa de Mel-
lo ; asaim cumuse protesta contra quem o
tiver occullo.
Fugio, no dia II do curenle, 2 r> o-
lequcs crioulos, sendo um de nonie l.odge-
ro, de idade de 12 annos, bem feito do
corpo, olhos granees, tem una pelladura
de fresco na (abefa ; levou vestido cami-
sa de ri-cado de algoddo, calcas de tima
fazenda ja bastante desbolada; e o outro
de i lime lernab, de 14 annos, baixo, cheio
do cornil, olhos um lai-lu esbriiiiiiined(is.
ni i' i o i ambado ; levou calcas de ganga asul
de enfl.ir, camisa de liscat'o: consta que
tomarum a estrada dos Afogados : quem os
pegar leve-os a ra da Cadeia do Krvife, n.
51, primeiro andar, que ser bom rtcotn- .
pensado.
Fugio, no dia 4 do correle, um mula-
tinho de lime Thomaz, com oflicio de
maiceneiro, baixo, cheio do corpo, cabello
cacheado, poim curiado: quem o pegar
ieve-o ao Alerru-da-lloa-Visla, n. 34, ter-
ceiro andar, que ser recompen sado ; assim
como se protesta contra quem o tiver oc-
cullo.
PbHN. : n Pire. Uta. r. LE r*au. 18t>0
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EI4ILKT82_K2TGTV INGEST_TIME 2013-04-24T19:46:26Z PACKAGE AA00011611_06884
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES