Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06819


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXVI.
Sesrunda-feira 25-
MHTIDAI IX OOSLUIOB,
Goianna e Parahlba, segundas e mus feir.ii,
Ilio-Grande-do-Norlc, quintas fciras aomelo-
da.
Cabo, Serlnhlem, nio-Formoso, Porto-Calvo
e Maclo, no I., a II, e31 decadamez.
Garanhuos e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista a Florea, a 13 e 28.
Victoria, f quintal fciras.
Olinda, lodo* o diaa.
PnASES DI LDl,
IHIEMtBIDCI.
Mtog. a 3, s 10 h.eii9in.dat.
Nova al!, s 4h.e 9 m. da in.
Cese, a I, s 5h.e52m.dat.
Chela a 2u, a 9h. elm.da tu.
fHIMia HOJB.
Primeira a 3 horas c 42 minutos da Urde.
Segunda a 4 hora* e S minutos da maiihaa.
de Fevereirode I8S0.
N. 40.
pnzgos da snnsoainjio.
Por tros mczcsjdianlodo) 4/000
Por seis mozce 8^HW
Por tiia anuo 15/000
di\ da icuat.
26 Seg. S. Curto'. Aud. do J. orf. e do in. da I. v.
20 Tere.. I*. Turt|u.ilo. Aud. dochanc, do J. da 1.
v. do .-iv. e do dos feitos da (aleada.
27 Quart. S. Leandro. Aud. do J. da 2. v.docivel.
28 yuint. S. Itouio. Aud. du J. dos orf. e du ni.
dal.T. ...
1 Seat. ti. Adri.io. Aud. do J. da 1. v. do clr. e do
dui felloa da rateada.
2 Sab. S. Simplicio. Aud. da Chae, e do J. da 2.
r.do crlme.
3 Uom, S. llemeterlo. _____
CAMBIOS EN 2S DB VEVEIIEIBO.
Sobre Londres. 28'/, d. por 1/000 rs. a 60 da.
. Pars, 3(15.
> I Uho.i. 9.'> por cento.
Ouro.-OnVhe,panhoe, ..... M|00 l wOm
Moedadcb>i00velhas.. luj-filO a 18/800
. de 6/4.* noca,.. 16/100 a 16*300
. de 4^100.......... 0/100 a W3Ji
fVato.-Palac.Sesbrsilciro....... 1/ a 80
Pesos coluinnarlos....... J/*0 M*
Ditos mexicanos.......... J/oOO Vzu
PARTE OFFICIAl.
RELATORIO
da r/pnrllco d.ii nrqcint A* j$tcn. HNMMt a
au*tWi feral ligiil(ili" bi prinairn unilo rfa
11t.irn lfK/ntvra a 1850 tf rtiptetivo minie.
iio irrreitriotle fiado Euicbio de Qmirot Con
tinho A/ai/oio da Cmara.
(ronlinuaco do n. 45.;
JUI/FS MUNICIPAES.
A instituieo dos juizes municipaes nSo
he livre de inconvenientes: niTo e p le
cumtudn negar que, n circumstancias ac-
tuacs, nSo siria fcil dispensa-]*. As co-
ma-cas por extensas esigm alm dos jui-
7i's de direito magistr dos, queodWpQam
algumas garantas de ihtelligencia e iln res.
pnnsahilidade. ao menos par o preparo dos
piocessoscvefs, e formacilo da culpa mis
p-ncesaoa crimes. Estes magistrados alio os
juizes municli'aes. a respeilo dos quaes tem
o gnverno procurado eslabeleccr regras. qtio
n liiralmetilpsededuzem da lei de sua crea-
(:1o: assim, dentro doquatrienmonlo tem
sido removidos sem que naturalmente se
deduzem da le de sua creaQIo: assim, den-
tro do quatriennin uo tem sido removi-
dos, sem que o ppgam, sendo apenas desta
regn exceptuados aquellos que, durante a
lula na provincia de Pcrnambuco e na da
Parahiba, se lornaram por seu comporta -
nunlo perigosos ordem publica. Nestes
casos e outros semelhsnles, couveritque
por |e se procuraste conciliar a perma-
nencia dos juizes com os inlaresses do ser-
vido publico.
O decreto n. 649 de 21 de novembro de
1849 flxou a regra da substituices. Ja
uo se pdenlo preencher vagas, nem al-
terar a ordem da nomeac/o dos substitutos,
conforme as necesidades do momento.
Os substitutos urna vez nomeados sei vem
por quatrn annos collocados sempre as
iiiesinas posicOcs
Os vencimeolos dos juizes municipaes
tilo excessimenle limitados, e logo que as
nossas circunstancias o permiltam, convir
tlcva-los.
Parece, que a allribuicflo de pronunciar
e mesmo a formacSo da culpa nascidades,
oti villas de suas residencias, podo ra com
vuntagem ser-lhes cnmmettidas ; ficando
aos delegados* subdelegados ai collentjlo
das piovas, a descoberta dos dilinqtieules,
i'S cor pos de dilielo, e mais atthbuicoes de
uatureza policial ; limitaudo-se to civel
sua jurisdicco ao preparo dos processos
poderian os juizes muuicipacs prestar n3o
i cqueno servieo ao paiz
AiminUIrafSo dajuilifa civil.
Quanto adminlitracrio da justica civil, urna
das necessidades mais |nlpilante he a de um
cdigo do commereio. que lire essa iinportan-
tissiuta parte da legislaco do chaos, cui que
ate' a{ora tem calado. As imincnsas lacinia.
que a IrgislacAo patria sufre era materia
mercantil ohri.am a recorrer.na forma do
9.0 da lei do 18 de agos o de 1779, ao sub-
sidio das leis das tiaeOes clin.-laas, illuini-
nad-se polillas; e-la dispnsifo alias sa
que Ibes caussm as detraen forenses Ai
formulas devem ser as garantas do direito
e a salvaguarda dos interesses legtimos,
mas no actual estado de cousas, ellas ser-
vem numerosas vezes para fazer escurecer
o direito, e protelar a salisf<;3<> dos inte-
resses por lempo infinito. Nos falacs das
appellacAns, por oxemplo, seis mezes tem o
appellaiite para atempar, -e outros seis para
apres'mtar a appellacSo na superior ins-
tancia.'
He verdade que a lei marca os meios de
fazer oncurtar esses termos, mas nlo so
rpidos nem he justo ileixar dependente da
v niti ie de procuradores inleressados na
di'longa o meio de a evitar, l'ma resolu-
qii, poja, que diminuisso os prasos fataes
da .ippelUQo sena de incontestavel mc-
Ihoramenle.
Uutra mndida, que no ouso pronor-
vos, e que apenas subjeilo' vossi mcditi-
(llo, seria estihelecdr prazn, q ie os julga-
duresn.iii possam exco ler sem dar seu vo-
to ou sentenga.
KeconheQii, que nSo he sem inconve-
nienies, mas cumpre no esquecer que os
juizes s;io liomens, e que frequentes so
os exeinplos de ler um juiz guardados
processos som os deci lir por longos mezes,
e at por annos! 10 no abusaram alguns
desse ilimitido arbitrio que hoj tem?
Eniroou'ros beitericios, que devemos
lei de 3 de di-zembro de 1811, heum o do
restituir-nos despidos das antigs prole-
UfOes, os aggravos de petigilo, e inslru-
iiiento, que tantas vezes einhara^am e evi-
tara gravissimus transtoruns, que a igno-
rancia, ou ma volitad-) dos juizes inferiores
tillo poucas vezes occasionam. Parece-nre,
porm, Je necessi lado alterara clasiiflca-
fSo dos casos, i'in i] io pdem ser em,ire-
gados, ja para sanar algumas ommissOes
tinporlanls, j para corlar algumas duvi-
das e iucerlesas, que no foro se tem susci-
tado.
Soria tambom conveniente elevar asal-
tadas, tanto'dos j'ii/ei de paz como dos
municipaes. Os recurso! e as demoras t-
zem, que muitas vezes se deixe de promo-
ver a execuQiio de muitas obriga^Oes, que
por diminutas seriam absorvidas p.ilas des-
pezas, em que importam esses recursos
equando as quaulius silo pequeas os plei-
tos lotigos no fazem senio alimentara
chiesna dos procuradores, ou o capricho
dos contendores.
Igualmente be in lispensavel, quo ordo-
neis a organisagilo de um novo regiment
de custas. O de 1774, que ora so esecilla,
nem esta em relatlo con o estado actual
Jo meio circu mo, nem enmprehende tnui-
tos actos o termos que a nova legislac3o
tem oril -na lo.
D'ahi tem prvido nmeros abusos, que
reclaman! prompla providencia. Um re-
giment de cusas no he ohra que deva ser
feta ptlo corpo legislativo : seria conve-
niente aulorisar o governo a faze-lu e
man la-lo execular, (cando dependente de
SUa appiuvaejo.
Supremo tribunal de justica.
Sobre a organisnc.lo e attrihuig0"S do su-
premo tribunal de josliea minias vezes j
perii.rs frtjas desse tribunal. Era 1846
despacharam-se nella 1692 eitos, sendo ap-
pelHco'S civeis929; em 1817, 1372; em
1848,1279 feitos, sendo 738 appellacocs ci-
veis.
Em lo cesci lo numero de processos os
desembargadores ou accnmulam os foilos
demorando a adminisiratjlo dajusiica. ou
n3otem otempo necessario para estndaras
tiupslrtes. Os dous extremos se tocam; a
falta do processos e a sua suierabundincia
prejudicam o estudo da jurisprudencia : he,
pois, indispen'avcl dar quanto antes remo
dio a PSte estado de cousas.
A dividi em seccO.'s j foi nrescripta pc-
lo deceto de 23 de junlio de 1834; a expe-
riencia, porcm, mostrou, que nHo pro loria
grande resultado.
Parece-meque ama nica med la rene-
diaria efficazinenle estes inconvenientes o
seria dividir em doas esta relacjlo ; urna
quo livesse pordislrieloo municipio da Cor
teeoutraas provincias do llio-de-Janeiro,
Minas, S.-Paulo, Santa-Galharioa, Rio*
Grtnda do sul, Espirito-Santo, Goyaz e Mal-
lo-Crosso. .
Un digno dp notar-seque so o municipio, 0 com csse nu-ncro iicaria, seo uesemnar-
iii corle fornece relacilo motade de leu Igador Abata Lima nflo aolicittsaea remo-
expediente. Nos annos proxmameniepas.' c3o, ao menos temoorarii. para essa rea-
salos foi mui sensivelesle facto a rcsp-ilo; ?Jo, allegando motivos tacs, que Dfio seria
das causas do municipio da corle. [justica negar-liVa.
Assim, divididos os districtos, as provio- Entretanto nlo foi prvido o lugar que
cas mo penleriam as vantageus, que llies deixou na relago de Pernambuco para de-
foniere o (oro da Capital do imperio; as' pois resolver-so Esta relaelo do Pernam-
causaslcriam andamento mais rpido, pois buco lie a tnica em qu-o numero dos des-
lio evidente, que as duas relacoiJ>'po le'iam j embargador.s mo exceda aos quatorze do
dohrar o expediento, que faz umJartual- regulainenio : tem o governo procurado s-
mente ; e cada um dos desembarcles po-, "" conserva-la : boje tem trezo pela ra9ao
deria applicr ao estudo das causase do cima pspusts.
direito mais lempo do que agora. as re-1 A rehujlo dnMaranhSo qnn linha quinze
vistas concedidas po loria haver a vanta- j est redutida aos quatorze. Mas, em
geni de no sr nccssirio fazer viajar ns consequencia de nao haverem am la dtitra-
processns, obrigando os litigantes a despo-. do em etercido Ctoeo, apenas Conta nove
zas, trahalhos e perigos deescolh r novos em servido
lirocuradoros em provincias remotas, como
hojo i| iii'j'i so desiguam para a revisfio de
tomis importar a n'cessidadn de um nu- fronteiras do Rio-C.rando devo ser subjeita a
meromaior e cnnsequmitomenle de maior algumas ds:iosicops cxcepeionae9 e vana-
despeza. Dos sess-nta e sete desembarga- veis, conforme as diversas circtimstancias.
dores quo existen, achm-se em commis-I Parece-mo de urgente necessidade, que
so seis, a saber : no ministerio tres, na di- autoriasil o gnverno a dar-lhn nessi pro--
nlomacia um, em presidencia de provincia vincia a oruanisacSo, que parecer coive-
um, n< polica da ro te um. II i s*ie que I alent, subjeitando-a vossa ap-rovacSo.
linda nflo liveram exercieio as rclacOes lio 1:1o ohvia a utilidad! desta medida, qie
para que ((Vara nomca les. [nilojulso neces-ano daxonstra-la.
O relalorio ultimo, que vos foi prsenle! A assenb'a provincial mineira, apez.ir
em 1818, vosommiinieava aclureoi-se iio-jde sua manife>ti incomplcncia por ella
mea los sessent.1 o seis desemhargadores. I m-snu ha pouco reeonhemda, volott a le
Oesses ftlram promovidos pira o supremo
lribnn.il dous, aposentado um c falleceram
dona,
FNm, porem, nomeados seis e o seu nu-
mero actual lie asenta e sete.
A relien.! da Baha lio a que tem. dppois
da du liio- la-Janeiro, milor numero il fei-
tos e ns quatorze desemhargadores dniuel-
la relicflo n.'i.i dovem do ler mii Exislcm nella desasseis, o governo pro-
cura reluzr esto numero aos quatorze do
rtigulamento, mas desoja faztJ-lo sem rc-
proviucinl de 3)dn setembro do IS18.il.
967, que o ex-presidanie daqaMIa provin-
ca- nfio duvidou laaccionsf. Por eU l.i
o governo da provincia se adiara na noecs-
lidadn de conservar no eommando e direc-
Cilodaforc pubci os mais extremosos
adversarios de sua rolilira, algons dos
qoaos nSo Ih' podan inspirar n menor con-
fi.nc no c so de ser a ordem publica por-
turliada.
Nis rJlrcuiistancias melindrosas em que se
achava o paiz, huleado am urna das mais
importantes provincim do im erio o pon-
mocos. A p'omocn do concidhciro Cor-,,importantes provincias no un erio o pon-
neho Ferrelri Fianca j o reduzio a quinze d;1o di rovolta.e quando em outras as m.-no-
diligencias se empregavam para se-
causas das provincias do sul, as relajos do
Guarda nacional.
A necassidlde do reformar a guarda nacio-
nal e especialmente na parte relativa q-
res
guir esso csexplo, mal conhecena o go-
verno seus deveres, so besitasse em sus-
pender a cxecuto d'.'ssa lei inconstitucio-
nal e perigos*. Elle, pois, niio hesitoit em
aconselhar a me lida, que, de aecrdo com
o parecer do conselbo d'esUda, foi adop-
tada peh imperial resoluclo de 24 deja-
noiro del1*!!.
Asmesm.s rasOcs diclaram a r.'solurjilo
imperial de 27 de maio do 1819 suspenden-
do anloga legislaco na prouincia de S.-
Paulo.
Pelleta dncrtt.
A secretarla da polica eompoe te de 12 em-
preados que sao: um ollicial-oiior, dous of-
liclaes c sete amanuriises rllectivos, dos quae*
um serve de ihraoureiro da reparlicao, um
pnrlriro e um continuo. Alm destes cmpir-
gados ha mais quatro amanuenses supianu-
inerarios sem veuciiiienlo Kste numero ex-
cede ao marcado no regulamento. c apenas
ho nem mais activo. E nota-se que o *0g- ment oecupldo a alienlo da cmara dos
melo da despeza mo seria equivalente ao Srs. depuladosnadiicussfio da um projec-
de urna nova relac3o em oulra provincia, t >, que pende de seu exanie e deliberado.
pois, sem fallar em casa emitios objectos (Jnando de.-ta materia vos oecupardes torei
que ooleriam ser commuus, basta ponie- a honra do expr-vns a minha opini'io. uo
rar que a
acl
res
soal desunido ao servieo cxlerno.devendii lem-
hrar-vos que o relatorlode IS48declaroii exis-
lirein entre alcalde, ollieiaes de eipedieuie e
pedestres 93empregados, numero superior ao
marcado, mas de ceno nao exagerada, cor-
al permanente deseumeiilia C"Ul
rqnea relar.no do Itio-de Janeiro lem gd sobre a O'gailisac da guarda nacional !" inunicipal permanente -.',*''* "V* cVasi.ii-
cliinlmeiile vintee quatro desembaigado-e do melbor meio de utilisar do gervic.0 3i""tonw*a"nortm qiia par ioaalora-
es e nem p le ler menos. I que presto so estajo, como das disposit0as M pireceiu inaUproprlatiepedeitre, 032
A nova relapso ohrigaria, pois, a nomcar Uo proiocto a que tiie retiro, rffertivos sao. portante, insufllclente para o
somente quatro. ou antes tres, po que tam
lio.n na Babia haumjui7.de mais. Oulra
lularematteiico aos motivos, que acn- lem oceupado a vossa atlenco. limitor-
selharain, deixa grande vago o arbitrio no! me-bei, poi*. a informar-vos, que pela ano-
modo de regulare decidir as quesles mor- loulailnna do neu presidente o concelh.iro
caulis, que i.ssini licnn merc da inlel-
ligencia, ou vontode dos julgadores.
O projecto que existe ueato casa he um
dos que leem sido mais cuidadosamente
elabralos, Paaso'i pelas piovas da dis-
t'usso em ambas as cmaras, e ora pendo
da rpprovaeSo, ou regei(9odas emendas.
Para elle coiicorrerain Irgiatas, negocian-
tes, homens desratice e llieuria,. que se
oxlur quikiii por vencer todas as difliculJa-
des, que sempie oUVrecem obras destss na-
tureza. Entretanto quein ous.-ir* alliriuar,
que elle no cmienlia erros o imperfei-
coes ." Em trahalhos to vastos e compli-
cados, o exaino.mais profuudo iiflo be suf-
liciemc garanta.
Itt'Ctiheeu que imme.iisos males pJe
acarrelar ao paiz qualquer descuido, qual-
quer medida menos aprupriada a suas cir-
cumslancias; mas por oulro todo forzoso
be confessar, que adiar por estos recelosa
udopeo do cdigo seria prolongar o esta-
do actual, que uo pode ser peior, caes
rendo, que por mais que se estudee re-
IIi< t, bu sempre objecto to miliudroso
um cdigo, que teo de regular relajos lo
extensas, impoiUntes e vanadas como as
comineiciaes, qu< iiiiiguem se desvanecer
de o poder fazer sem errse defettos.
Seria lalvrz prudente adoptar o cdigo
cominercial tal qual o approvou o senado,
e ao iiiesmo lempo habilitar por una lei ao
governo para, nos pnineiros dous ou tres
annos, fazer-lhe, ouvido o conselho de es-
tado, as modilicacoes, que a pralica fr
acnnsclhando sendo o mesmo goveruo
obligados logo apresenta-las, ejustifica-
las ante o corpo legi.-laiivo. A experien-
cia tem mostrado, que estas aulonsa^oes
so iudispeiisavcis mullas ve/.es ; eem ma-
linas, como tsta, que nada leem de pol-
ticas, parece, que uo ha perigo, aules
vanlageiu granoe oni admilli-las.
Nfio me lrevo a propr-vos a organisa-
co de um cdigo do piocesao civil: o en-
saio de una lei dessas seria demasiado pe-
rgoso e imprudente ; nada, porem, em-
barga que remediemos ileoitos geralmen-
te conhecidos.e obre os qmrs no-tia a me-
nor conlestaciio. No Iclual processo civil
umdos defeitos, que mais queixumes ex-
cilam, he a tonga duraco de qualquer
pleito; muitosdireilos e Interesses aban-
donara os cidados pacficos pelo recelo.
Jos Bernardo de Eigueiredo, que ha mais
de quarenta annos de bom s rvieo reuna
i lado maior de setenta anuos, passou a ser
o tribunal presidido pelo eoncclheiro l'rau-
|*Cisco oe Paula Pereira Uuarle. O seu pes-
soal e-la completo : a vaga deixada pelo fal-
lec ment do cincel heno Francisco Jos de
Freitas, foi preenchida com a uomeaco do
desembargador Eoruelto Ferrcira l-Yauca e
para a vaga quedeixou o concelheiro Jos
Bernardo de Figuetrodo foi nomeado o coti-
cellieiro Candido Jos de Araujo Viauna.
Foi aposentado no supremo trihunal do jus-
tica com o ordenado de desembargador, o
concelneiro da estado Jos Cezano de Mi-
randa Itibeiro.
Rclarots.
Quanto a* relceles a constiluic.lo no rs-
tabelece, quo as haja em cada provincia,
como do artigo 163 algunstem concluido,
ella o expressaria assim un artigo US; ( se
tal fosseoseu pensainento ) mas pelo con-
trario ah se determina que hujaoi as que
fdrem necessarias para a commodiJadedos
povos. O numero, pois, depende da apre-
ciaeo, que (izerdes de sua necessidade.
O eslabelecer urna retaceo em cada pro-
vincia exigiria urna grande redcelo no nu-
mero dos membios dellas o o simples bom
senso moslra o quo se deveria esperar do rc-
laQdcscom juizes sempre certos, limitados
a mui diminuto numero de causas e por
consecuencia sem a pralica, verdadeiro
mestre do direito civil e especialmente do
iifnC'Sso. Mal consultara porcerto a com-
um lid.ulo dos povos, quein tal determi-
na ssc.
Crear relacoes em algumas provincias das
que actualmente as no tem e dar-Ibes por
districto outras vizinhas, seria de certo pre-
judicar a estas, porque em verdade as cotn-
mn i aeil s sflo mais facis, os advogados
o procuradores em geral mais habis e em
maior numero as qualro grandes cidadrs,
em quo actualmente estilo as rclac s, do
que em outras, que se escolhessein ; e as-
sim quando mcamo, mais prximas, pre-
fern'iamos povos ler de defender seus di-
reitos as antigs rolacoes, a flzt-lo as
novas. Pens, poitanto.qoe, em ve? de crear
novas relaertes em outras provincias, nos
Jevemos limitar a providenciar sobre o
andamento dos processos na relacilo da cor-
le, onde sua alllueucu he demasiada e su-
vantagem, im ns importante na apparen- saQ.lo, lem prcslado valiosos servicus por
ca, porem, que aflodeixa de merecer has- to la i paite em que tenisiJo necessario in-
lanto iltencfio, sena a de obter effecliva yocar 0 seu auxilio.
residencia dos desemhargadores na re-i as desordena de Pernambuco obrgaram
laco. [ o governo i coucentar nesla provincia to-
Salvas poucas excepcfes toiios desejam das as folias de India, que exisliam nal que
paililhar as commodidades, que oiTe'i'CC | ti<; fi -avam prximas: (iciram estas por-
esta imi orlante capital, entretanto que das tanlo desguarn odas In'eiramente; mas
outras, muitos procu'im niu larse. | por isso uo aolT'Ou o servieo. que foi lodo
Ha s is desembargadores qu uo lem i lo Pe 11 pela guarda nacional inclusivo na po-
para as suas i. In Oes e he p'ovav, I que qu- pulula capital da provincia o Babia ; e por
si todos,se tivessu-u asentn em urna relueo toda a paite se mantuve inalterada u tran-
que aqui funccionasse, noiivsse assim :quilidade publica. a provincia daa Ala*
praticado Dos 24 membrol que tem a rea- : g/>.s o oxemplo de um dosebefes da guarda
(o do Ido- le .Jan -i' o apenas falla um C i'SSO i nacional e os esforCO! dos CX-doputadoS de
mesmo uo deixa do vir ; o Maranho tem Pernambuco, um dos quaes pouco antes
quatorze desembarga totes e conta cinco'havia sido all presidente, uo poderam nr-
qoe ain la la uo foram. A mesroa de Per-'refeccr qsbiios da guarda que, pelo con-
iiau,lineo sent suas faltas. I trnrio, tendi ao reclamo do gO-Verno para
O que devenimos esmerar das outras ca- (sitiar e comlialer os rebeldes, que entilo
pitaes que uo leem relacoes ? Ilcroiilipco' cune iil'avam suas COrcas nasraias das dua
que esta raso uo p lo ser se mo auxiliar,' pruvincial.
Aguarda nacional, qumlo bem com- tervifo que pesa sobre riles. Convela que
mndala, apezar de sua defeiluosn organi- autorisatsel o governo elevar este nitinero
mas sempre que pd^ligar-se como licui
do servieo a conunodidade do servidor, o
inteicsse publico pede que se conciliem.
Em selombro de 1848 contava a relaeo do
llio-de-Janciro viiileeum desembargado-
ros, iniiiiero excessivo em qualquer oulra,
mais insuficiente nesta, cojo expodicnte ho
immenso, como labeil e priuciealmenle ai -
leu leudo -so a que dess-'S um era conce-
lheiro de estado e senador, doos era m se-
nadores e lodos sabom qon em tima relaeo
pouco servieo pdein prestar. Dos desoito,
tres estavam em commissOes imporiantps
e assim apenas havia pa-a lodo o immenso
servieo quinze desembargadores, numen)
de corto iiisuflicieute, quando mesmo al-
guna uo fossem cnlermns e no p'nb'?> ni
ler ouiros impedimentos Foran-i, pos, cha-
mados para a relaeo do llio-de-Janeiro quil-
tro desembargadores das outras e promo-
vido um, allut de sedar o possivel expedi-
ente.
Desses cinco apenas o desembargador Jo-
s Marianni, uo compareceu ; sei, porin,
quo deve de chegar hrovemenle.
Os outros quatro entraran! iinmedintamen-
te em exercicioe lem prestado nlo pequeo
auxilio. Actualmente esta relaeo conta
vinlo c uiiatro desembargadores, dos quaes
tres em commissflo, alen do dous nesla c-
mara, um no senado e oulro que anda nlo
chegou, o quo reduz seu nuineio a desasse-
le. Se no, fossem, pois, os qualro ltima-
mente chamados, exlsliriam arenas, entre
promptose impedidos, Ireze, cornos quaes
a relaeo de ccrlo nSo po lena dar expedi-
ente ao despacho dos fottos.
Se creasteis a reli-co do municipio da
cOrte, conviria prohibir expressamente que
se nomeassem mais de quaturze desemhar-
gadores pan cada relaeo. Esse numero
ne su Ilicin te para qualquer das mitas eo
seria lambem para a do Itio-Je-Janeiro, lo-
t.o que se admttlisse a dltisflo. A nomea-
<3o de tres desembargadores completara
o quadro, e qualquer oulra deliberado que
O governo, para melbor babilta-la a de-
fender a ordem fez distribuir pela guarda
nacional de diversas provincias lodo o ar-
mamento, que aclioo, maisalgum que com-
prou, e estera da Europa oulro especial-
mente eiirommendadn para o mesmo lim.
A guarda nacional, couveiiienlomcule ar-
mada, he una garanta de ordem no inte-
rior, e um elemento de ftVc* no exterior.
Na provincia do Para contina anda a
guarda policial, quo leve, como sabis,
ongern no cerni do 22 de selembro de
1833 art. 3. Essa guarda, cuja existencia
devia ser temporaria, tem continuado at
buje ; porque para restaurar uaquella pro-
vincia a guarda nacional seria nec ssinio
orgainsa-la rom o svslema da legislaco
de 1831 e 1832, islo lie, com odiciaes clei-
tos pelos guardas etc sylema geralmente
coiidemnado, que foi alterado etn todas as
provincias do imperio, e no municipio,da
coito por diversasdisposgOes dopoJr le-
gislativo geral edos proviuciaes.
Ora, e.-t.ndo ja em discusso um projec-
to que unifurmisa aguaid* nacional em
lodo o imperio, mais prudente paicceu es-
pe iir Ma pulditaeo, que arriscar, cm Io
iiojoMidiiu; iiiinien.i, um i ulgauis^o d
guarda ja condemnada, ou adoptar algum
oulro arliilrlo sem fundamento as lei.
A gualda nacional no municipio da for-
te, que por tantos anuos supporura o pe-
sa ii servieo de guauii(9o, foi delle alivia-
da, ese a uecessidadu ubngou nesles lti-
mos ias a cii.iiii.i-ia do novo, espe o que
em lireve poaaa o governo dispensa-la, pa-
ra que, em vez uu um servieo puramente
oneroso, d mais algum lempo a exeici-
cos militai es, em que se habilite melbor
para o hm oe sua instituirlo.
A guarda se acha na edite perfeitamenle
eiiiiiin.il hu. i, com excedentes uniones, e
luda ella animada dos inelhores seunmen-
los. Apresenta-se com um garbo e luzi-
inetiio, que nada deixam a desojar.
A orgatisac,3.o da guarda nacional uaa
ate eem, pagos pela consignavao votada para
o enrpo de perm uienles uo caso de nao aer ele-
vado ao estado completo. A experiencia tem
mostrado que lie mais fcil obter bonicos para
0 servieo de pedestres, apeiar d> menor ven-
tmenlo, do .jue para o corpo municipal per-
manente.
Dos llvrol desta reparlicao consta que, ooiiil.ro de 1818 a fuu de sclcuibro de 1840 en-
traran noportodacapit.il 13,115 estrangei-
ros, r lahiiam9,219, dol quaes 7.805 que ape-
nas ai riliiram ; e assim dos 13,115 que culra-
rain, apenas lieaiam 3 8'.hj. i
Para fra do Imperto despacharam-se, alem
dos 1,414 que flcam referidos, 220 brasileiros.
Para as provincias derain-se passaporlcs a
,978 etr ngeiros e a 118 brasilciros.
No mesiiio espaco de lempo tirar.im titulo
de residencia 2.20b cstrangelros.
Diversas medidas tem tomado a policia da
corte COIII o lim do iililidadc publica, e nao
puncas diligencias ha feito, c.iridas de fo-
li/. snccrsso, sendo devida ao xelo do magistra-
do (|iie est lesla della a descolarla de cri-
uics impoitantes e a prisao dos criminosos.
Corpo municipal peemanentt.
Este coi po que contina a prestar os bonse
Importantes servtool que desde a sua creacao
Ihc deve a ordem e a iranquiliidade publica,
anda nao pode coniplelar-se, apezar das dili-
gencias que se tem fcilo. Sobremodo pesado,
o servieo a que est elle destinado, mal tt po-
de fazer com lio poiica frca em una cidade
capital do
gas
que tem, e a dillicldade de appareoer quriu
iiucira alistar-ac. Accresce a necessidade de
uo aceitar quanios se aprcsentain. Um corpo
de policia exige em suas prajas condicoe que
sio dispensaveis na tropa de linha.
Niio estando appmvado pelo corpo legislativo
o regulamento n. 191 do primeiro de jullio de
184;, conviria que auloriaasseis o governo pa-
ra l'.uer-llie as alterace que a experiencia te-
lilla demonstrado necessarias, lauto para llie-
llior orgauisa(p c economa do corpo, como
para facilitar o alislaiiicito de voluntarios,
Lcinbro-vos que est pendente da delibera-
cao desta enmara um projecto de resoluco ini-
ciado em 1847, regulaudo a reforma dos odi-
i i.ies ilo corpo municipal permanente. Adop-
tada esta medida, seria de rigorosa jusilla am-
plia-la s praeas de prel, que te iuulilisasscili
uo servieo publico.
(Continuar- st-ha.)
tilo populosa elocxicnsa como a capital
iuipeiio D'ahi as poucas ou nenliiimas folg
INTERIOR.
AI.ACOAS.
Extracto da expedienta do Exm. Sr. oretl-
dtnte Dr. Jos liento da Cunha Figueiredo.
19 DE JA.M'Ilitt)
Olliei.__Ao inspector da Iheiouraria de fa-
.elida, para mandar satisfacer ao pratico da
costa Joo Francisco a quantia de 12,000 rs por
que foi juila pelo capilao do pono a viageui
que fez o iiiesuio pratico em comiuistao do ser-.
vico publico a bordo do vapor L'runia.
Dico. Ao chele de policia, reineilendo-Ihe
o nlticio do eoiniuunanlo da guaruicao tiesta
cidade com data de 17 do correal'-, acoiupa-
uhado de oulros do leoente-curouel e do uia-
jor do liaiallio da guarda nacional da cidade
das Alagoas, para que yiaU do cou'tcdo do


roesmoaofflclos. d com'urgencia m providen-
j LVLVWY ',:ncrdi,,",n,d n<>iv.i..o
h3. "* gUarda Oo dUo ba,a
ll.!?- ~,A'M',,,5o',0POflo. transmltlindo-
lhc por cpu,, para jru conhrrlmf nlo, o. vi-
sos do ministerio da marinha datados de 31 de
.li' .Mo, e 18 de detrmbro do nnno pasando ierr-
bkcifc, u de rtvintmo de isso
'Tenconava-mos rscrever algumas nhas
sobreest fobre que ahi esl reinando, r
que, apezar de todos os esforcos e cuidados,
vai ceifando algumes viJas, se bem que em'
escala muilo menor do que a apregoada pe-
los timoratos, ou pelos que eslSo liabitua-
dos a exagerar ludo ; mas, tendn-nos o Sr
Dr. Joaquim deAquino Fonseca obsequiado
com o relalorio que, na qualidado de presi-
dente do conreino peral de salubridade pu-
blica, dirigi ao El Oh Sr. concellieiro de
estado e presidente da provincia acerca i)t
apparirflo da iresma febrr, seu drsenvolvi-
rar-nos a semelhante trabalho, e drxarque
falle subre a materia o boinem proftsso nB
sriencia que diz respeito, e que, mcllior do
que na, poder disserlar sobre ella.
Quanto a nos, o precitado relalorio Iip
bastante curioso, e est bem elaborado
Ei-lo :
IlhH.t F.xm. Sr. Com a rhegada do
navio francez Alcyon, viudo da Rabia, o en-
trado real" porto, sm que fofsaiubmftii-
do n qm rentr na, live de observaros |r-
meiros casos >l febre piden ira que reina
nquella provincia .- um dos doenles, trena*
pnriado de bordo desse navio para a rasa do
ofucial de sade Ca.-nnova, foi viMo por
iw'm logo depoisdesua recepeflo; e recejan-
do qi um foro de inft cello quo. rrsdandn-se, jila
communirnr o nal as familias viziuhas. e
. propaga-lo tola cidade, recorr sem nerda
le tempo ao subdelegado da freguezia de
S.-Antonio, que fez logo transportar este
doentft para bordo do dito navio, onde suc-
cumbio horas depois.
Arieiciido que abusos semelhanles se
pnderiam dar, dirigi-me provedoria da
sado do porto, e all, mostr'anJo algiiina
sorprera, por se tir deludo communicar
coma lena um navio que linba viudo de
porio Inferlado, reconmiendei que es.se na-
vio frase removida rio lugarem quesearla-
va para outro ni qun feria conservado so-
lado ; e para melhor cautelar esta cidade
pn.curei o 8r. ebefe de polica, e friendo
VW o perigo que resulta va de seren trans-
portados par torra doenles de febre, pe li
que se ordenasse s autoridades policiies
que niio pcrinitisseiii o.seu transporte.
l'r.iced. n lo por < sle modo, s inlia em vis-
tas preservar esta cidade da invssflo do mal
e pedifldo o isofrnienlo do navio Alcyon,
prorurava evilarque a epidemia se propa-
gaste peles tripolacdes dos na vi* s surtos
reste porto : lembrandoas autoridades pn-
liriaes e a cmara municipal medida* que
leniiiam a fa/er desapparecer alguns leos
deexhslarOes n i>-smalcasquc, apezar das
reiteradas represenlacOes, existem nu c lu-
de; eslava persuadido que o cuncclhu gem
de stlubr idade publica, de que sou o gao,
seni ooaojuvado em s.us COi^aHta esfor-
cos, empregados em preservara pioviuna
de qualqu.r epidemia ; mas o navio Al-
cyon, em vez de ser remuvidodo lugar en.
que se acliava contiguo a oulros, alli per-
inanrceu alsua partidadeate porto; uias
depois live de fazer remover para o navio
fianccz Achiles um marujoque deseu bordo
liavia sidu reci bido pataMtjh Casanova ; e
continuando a seren trazi.ios pura trra
doentes que erara acomiiicliidosM bordo, te-
ve a popubefiu espavorida de ver os cani-
veles dt-ssrs doenles transportados em ple-
no dia, e petas ras da Cidade, para as ale-
jas, onde lam sersopultados.
A cidade. que al a chegada do navio Al-
ryon eslava livre das febres que reinam qna
si sempre pela ostacHo calmosa, principiou
n sr atacada; e a popularan, que j *e
acliava aterrada pelas notirjas viudas da Ra-
bia, nao deixou de altrihuir a esse navio
a causa do desnnvolvimenio da febre. O
hairro da Ba-VisJa, quo por sus siluacffo
vantajosa parec que seria o ultimo inva-
dido, se nflo foi o primeiro, fo logo ao mes-
Oa lempo que os nutros ; mas em iienhiim
anda se tem notado lito rpida propagarlo
como neste : familias inteiras leem sido
atacadas; todava a febre apresenta-so bo
nigna ; porquanlo, raros a3o os casos de
terminc3o fatal, e csses niesmoss leem
sido de pessoas anda nflo aclimatadas, ou
que, pelo abuso de comidas e bebidas de
mi n dureza, lelndcsprezo do ml, ou pe-
la miseria, 11*10 poderam ser soccorridos a
lempo, ou fram 13o fortenicnteacronimot-
lidns, que nenbuin resultado deram os
meios therapeulicos empregados. He ver-
dade que enlre esses casos de terminadlo
'alai ha um ou outio que tem apreseulado
cortos symplomas perniciosos, semelnnte
aos da epidemia de bordo ; mas, mesmo s-
sim, o mal nflo se tem propagado com o
mesmo carcter, o pessoas accoinmetJas
depois lias mesillas Casass leern tido febre
benigna. Nos oolros bairros da cidade o
nial vai em progr'sso ; mas sempre com a
.g.
ment e progresso, entendemos dever for- m-sma heignidae;'e "' campo. j s
sendo invadido.
A populacho, que sempre procura dar
causa ao desenvolv ment das epidemias,
est persuadida que a (ebre que se desen-
volver no bair-u da Ra-Vista, se propa-
gara da enfermara inglesa, que he situada
na ra do Aleo a cmara municipal, em
um ollicio que me diriga ltimamente, pa -
lece | aililbar esta opmi3o ; mas o3o creio
que baja n uila rusHo para assim pensar.
He fado InConliaUVel que tiesta enferma-
ra hiiuveraui |e-soas di>eules de febre, e
quealgumas surcumhiram ; mas n-in esta
provaiio que o bairroda D6a-Vista fosse o
dViineirn atacado, nem tflo pouco a febre
oeste bairra .-e aprsenla cum caracicr ma-
ligno : se nelle tem perecido um qi out'o
doente, o mesmo tem succcJido nos outros
hairos, e na mesina proponjflo.
A febre que reina ge> alente em trra
nflo he ilo mesmo carcter que a de bordo:
queipa Dio apresenta a gravidade de symp-
lomai que esla. A observaclo que trullo
frito no hospital piovi-orioda ilha do No-
gueira. me ha convenc duquM a febre que
(em cvi iiiiiieln.il) as tnin.laco s, lia a que
os palhulogistas denominain arnarella ou
nosucumial : seos symi lomas silo seme-
lhanles, sendo os meamos descriptos, por
O/enan, em sua exrelleule hiatont das
jjnolislias epidmicas e Contagiosas; en-
lielanlo que a de le ra he inteirauenle bi-
lloSO-gatlrica, seiiiclliantes que por esta
esiacSo sempie su observarn aqu com
niaiur ou menor nlcnsidade, com mais ou
menos giavidadc. Nflo me he possivel aure-1
sentar agora a V. Re, a proimrcflo exacla f
da moitalidade, e lalvez nunca iiiesejaper-l
em poucosdias, e os da Pcrnambueana i a ni
mellioranJo.
Enlrelanto, a presidencia, a polica e a
repartico da saleeratn incinssves em
providenciar, aflra que a peste se n3o com-
municasse tos habitantes da provincia, dos
quaes, isto nao obstante, alguns linham si-
do salteados por fe brra ainda benignas, e
que com facilitada cedirfbi ao tratamento
ordinario.
Entre as medidas tomadaa a favor da sa-
lubridade publica, figura a da designacSo do
lazareto na pnnta norte da ilha de Coliju-
i.a para hospital dos individuos das tripo-
larjOes dos n avos mercantes ou da armada
que frem affectados da epidemia.
Durante o mez de Janeiro ultimo a alfan-
dega e msa do c.nsula do paraen ram7l 855,705 rs.;a mesa de rendas inter-
nas, 835,<63 rs.; a recebedora provincia]
I7:24*,067rs.
Km AfuranbSo gozava-se de paz.
O fado delerem adoecido deembaracos
gstricos o capitSo, o piloto e quatro ma-
rinheirosda escuna hamburgueza Fortuna
que, procedente de Hamburgo, demandara
o porto de San-Luiz, derramara o susto por
entro a populacSo dessa capital, que se sup-
poz logo a bracos com a febre reinante nes-
ta provincia e na da Rabia. Este susto tornou-
se por demais intenso depois quesedvul-
gou a noticia da morte do referiJo capitSo;
mas, consultada a respeito a medicina, de-
clarou que tanto o frllecimento como a do-
enea tinha provindo do uso immoderado
le fruetas da provincia, com as quaes og
enfermos e o finado n3o estavam acostuma-
dos. Esta declarcSo como que restabele-
rora a conlianca publica.
A 3 do crenle um escravo do Sr. ata-
nor! Carina Codinho, aquem este tentara
cstgar, Iho abrir num dos bracos urna
ferida com um compasso, da qual talvez
resulte aleijilo, e, tendo sido perseguido
por um soldado de polica, feri-o tambem
quasi no vatio; mas cerlocamarada da se-
gunda victima, descarregou-lhe 13o forte
cacetada sobre a cabera que o deitou por
Ierra. EutSo, orscravo reconhecenJo que
litio poda escapar-se, crava no proprio
peito o mesmo compasso com que, pralci-
ra os dous frrimentos, e quasi moribundo
he conduzdo para o hospila! da miseri.
rordia.
No correr de Janeiro ultimo a alfandega
maranbense rondra 9j:002,68; eo res-
F.ate vrio baleado era urna peroa, porque
elle e sena compar^ai fea fugo sobre a tropa,
do qual reaultou o ferhneoto leve de uiu sol-
dado, aendo correspondidos por cata.
Agora nos convencemos de que cita deban-
dado o grupo.
O citado peridico publica no referido
numero a seguinte carta, escripia nacida-
de do Natal a 10 do corrente :
* A provincia tica em pai; os revoltosos
de Goi.iiiiiinli.i e Serra de .San liento, com
a presenta do enrgico chele de polica
naqueileapontoa abandonarain suaa eaprlun-
caa, e corre de plano que clao em limlUea
desaa provincia; portanto, aeria bomque a
polica dali tlvesse o ullio vivo.
I- ugio do estado inaior o grande Virginio,
quedizeui ser crimlnoao de morte nr.ua pro-
vincia, e o que deu lugar a escandaloaa fu-
ga fui (rnenle o relaxamenlo demasiado, e In-
subordlnafo requintada da companhia flxa
desta provincia, cujn enmmando eati confiado
a um liomeni, que olha Unto para Isao, corno o
bol para palacio! Apoi eale acconlecimrnto
fugiram mais dous calcetas, que eatavam rn-
tregueaao cuidado do lal coinmandanlc. For-
te unseria !.....
Da carta suppra|verao noasoa leitorrs que
no Rio-Grande taiiibein ha doa toa se, po
rm, o cninmandanle houver de entrar em
coucellio de inveatigacao e fallar presidente,
podem inanda-lo buscar' c, que tem um ta-
Ihado molde para perdoar as fraquezaa do
prosimo.
Na madrugada de 20 do corrente foi a pi-
que, dentro do mosqu>iro desle porto, a
barca brasiloira Tentativa -Felis.
Segundo se diz, eslesinistro fdrt causa-
do por um rombo que msndaram fazer na
proa da barca alguns individuos que se
chocaram com a preferencia ltimamente
dada a esse navio para urna viagem at Mos-
ssmedes ; sendo que olio j linha parle da
carga abordo.
Ilontem a note ardeu paite do brigue
A mira! que eslava ancorado em frente do
caes do Hamos, afm de ser arrematado.
SSo seis horas da tarde, e informatn-nos
que as frbrrs cada vez se v.to tornando
mais benignas ; asseverando-se nos que
mui poucos casos fataes se teem dado oes-
tes ltimos tres das.
mii.i.lofazc-lo'peliinexacl.diio dos'.la'dos peClVlhesouru Pt,blic" Provincial, desde
a primeiro de jullio at 31 de dezembro fin-
dos, ris 101:611.707.
Em Cear nada novo occorrera.
O t|ue de mais nolavrl acontecer na Pa-
rabiba consta dos dous arlgos que abaixo
vamos transcrever. publicados pela Ordem
em o numero 28 ,|.. oo do corrente :
i. \s r.-ln i-s cnntiiiiiain anuiente abordo. J
estapromptoo la7areto doTiriri e com doen-
Gracas a actlvidade do goveruo, e incan-
do teneule de engeuheiros desta
'loje rslveram sem agoa os chaftrizes
desta cidade, que apenas foi abastecida des-
le artigo de primeira necessidade pela cai-
xa d'agna, sita na ra do Pires; sendo que,
segundo nos iuformam, cada balde d'agoa
chrgou a ser vendido no bairro do llecfe
por 320 rs.
Do navio Alcijon se foi propagando a
epidemia pelos oulros Tundeados em suas
inmediacoes: o navio sardo Jotephina, e
depois o lrncez Achiles, foi logoacommel-
tido l'oricineute ; sendo diveisis as virti-
las; mas ainda assim haviam espeancas
de ronccnlrar o loco de lllfrccfis, e comba-
l-lliS pelos meros adrquaoos. ti COllCOlllO,
procurando cliegar a este resultado, Oin-
in-se a V. Exc pediuuoque mandassees-
lahelecer.na ilha doNogueira um lazaiclu,
onde fossem recebidos lodos os doentes de
bordo, e V. Exc, tecedendoau pedidu, mu
frz a honra de encurn gai-mo da direcefio
drs^c hospital, i..,'..,.,!;,,,,,:,, o coucelho uoi
livrar da commuiiicacrro Oo mal es liipofr-
(,.'.es iins oulros navios, eslava persuadido
que todos daiiam gracas ao ceo pela adop-
C30da medida 13oaltamente reclamada, so-
breludo os doentes, em consequencia Jo
n eiiioiaiin nto que i rn ter em seu trata-
ment ; porquanlo, de lugares iiiimuudos
e insalubres, fallos de luiio que a liygiene
t ie. um o.enda t;ni laetcaios, passariai a um
lugar excell ule por sua BHuacflo, o serian
poslos em salas alejadas, onde leriam o>
cuidados que se coaluma daretn eaUlwM-
cnienlos desta ordem ; mas, po, alndo-
se talvez adrede, a noticia do que no laza-
reto da Rabia lodos os doenles naviam SUC-
cutiibido, eueontrou o concoilio grandissi-
nia repugnancia em que fossem lornoviuos
para a ilha os dctiles que exisliaui a Uor-
do. Vetio que a detno a no liausporie doa
duenles i.a na ero resultado u piopagacuo
da epidemia, e augmento de seu ioco, re-
corr a V. Exc, pedtndo que so uingisse
Boaconaulea residentes tiesta cidade, para
queordenassm aoscapites dos navios da
iiacOrs, cujusiuteiesses romiiieiciis elle
r.-pre:etitam,o transpone dos doenles; mas,
se as ordena fram lidiisuiillidas ,elos cn-
sules, ellas nflo liveaw extcutojpoiqu.n
lo,aluda luje perri.aileceiu a bordo di: uiv. r
sos avius uoeutea, pelo que ja me dirig a
hr. cuele do polica inlertlio, expondo-luc
O peiigoque cunea po.i. lar,flo ; o O mal
queso aditiva limiiauu a lies ou quatro
navios, se lem propagado de muo que os
ii..ciiiii.ii s (.-1 ui lu^ui-e q..c, ale unl.io li-
lil III taludo preael Vado, ja leem sido a-
fc'iiiinttiidos, moliendo tnie elles al-
guus.
eale I ist iCOS j todava nflo jolgo ser exage-
rado dizondo que a morlalidade da febre d
bordo he de mais de metatle. enlrea'nto
qii-i a re Ierra esta em propoig.lo tAo dimi-
nuir, que nem mesmo me parece ser de
um sobre cen; porquanlo, se alguns casos
rata es se tem notado, ou n3o silo inirira
mente dovidos intensidade da f^b'e, ou
s:"io em tal propoico qrre p lou ser consi-
derados como raras exc'pi,,!S.
Dous ou lies dias depois de ter escriplo
este relaloiio, se fram repelindnas lermi-
nacus fataes. Km proporeflo dos accom-
meliidos, poucos nacionaes teem suecum-
bido ; mas, pelo contrario, diversos asirn-
geiros teem sido victimas, apresenlando
symplomas perniciosos, semelhanles a s
dos doenles de bordo, Ilutados no hospital
provisorio da ilha do Nogueiri; donde In-
firo, quo a febre que reuava ale enlo em
trra, ou pela irradiaeo dos miasmas que
linham por loeo o aururadnuro, ou pela
r.i i iiiuirc-ii; o i|i,e, por inainres e.-fucos
que liz, nunca me fui r ossiv.l vedar, ten lo
miidilicado seu carcter, loriiou-sc mais
grave, transformando em arnarella. Ao
principio nflo tuppuz que ella passtssa urna belioso-gasinca, como se obseivaem
quasi t idos os veres Cum inaior ou menor
propagarlo; mas, reprodutindo se os fo-
cos de infi-CCO, sendo por cons-quencia
i... rn- a exalaaj|lo de miasmas, e continuan-
do rada vez mais a cummuiiicaco com os
navios e o liaos, orle de doenles para a ci-
dade, foi-se ella revest n lo dos symplomas
bre arnarella que boje reina em Ierra; apre-
senian o-Mi smenle com niaior ou menor
benlgoidadr, inaqr ou menor gravnlade ;
rielan.lo-se, todava, em lodos cerlossyinp-
lonias caracieristicos dessa febre. Nada se
lem observado em lena, que se nflo cuco i-
tie perfeita, minuciosa e melholiceo ente
descriplu porOzanam; e duvido que baja
quem, buido sua obra, exite em dizer que
a febre que lavra em Ierra he a amarell.i.
Em lempo opporiuno pretendo escic-
ver urna historia abreviada de la epidemia;
ee nlo apresentaiei toda corresponden-
cia ollical do Concelno, que I he he relativa,
alim de que se veja quauos estoicos fram
eu.pregados para vejar sua InVasflU.
lie o quo posso rli/cr a V. Exc avista
do pouco lempo que leu lio para Silisfazer a
ordem de V. Exc dirigida em ollicio dula-
do do hoje, e lecebnla alarde.
lieos guarde a V Exc. Sala do conce-
Iho, 11 de fevereiro de 1830. IIIm. cExm.
sr. cuocelbsiro rio estado Honorio Uerinlo
Carneiro LeOo, presidetile da provincia.__
Juoquim de Auuido /'onceen, piesidenlC do
coucelho.
les
savel tel
provnola,
Parece que os faceioaosetlflo vrdadeiramen-
le deban.lados ; pois alt-iii de no coualar sua
i eniii.in rin ponto algii'ii da provincia, as cou-
lis-nes dos presn o tem couliruiido.
t) general Antonio Joaquim, e brigadeiro
Pouteiro ...i.t un em peregrmacao, talve Cora
o producto dos espolios de suas batalhas, dig-
nas de taes Kuerreiroa.
Os Caianaa e Guedea, aos quaes j se leein
UnMa outros nprendi7.es ro......un, a estar no
A: nde d.-M.tio, acollados por uuf porlugnet
Antonio Kerreira e acu cuuliado C'nsiur de tal.
A olllcina deste Diario tambem foi visita-
rla pelas ebres na mor parte dos seusem.
pregadot, ellas ot teem accominetlidos em
IflO grande escala, que, a n3o serom tflo nu-
merosos, talvez que nao podessemvs ter
publicado regularmente o mesmo Diario.
A'esla circuinstancia, inleiramenle inde-
pendenle denossa vontade, devem ser ai-
tribuidas algumas faltas havidas na entre-
ga do jornal.as qtn.es esperamos que serflo
relevadas pelos nossos leitores.
Cumiuunicado.
povo entorpecido pela ignortucia, perver.
tido pelas paixrs e exemplos dos gran les,
e smente lisongeado em tua phanthasia
pelo apparalo e pompa dis f sias, nflo dei-
xe adormecer em seu corceo os sentimen-
tosdeconfanca, de submissilo e reennhe-
cimento, o todos os mais que constituem
o culto interno llovido a um D.-os, era quem
reconhecemos rima providencia. -
Estas considerado s suggividas pelo es-
pectculo tocantn.qoe nos oITereceu a nnito
do dia 90 do corrente, serlo por crio des-
tituidas de otilidade para os tabios e dnn-
lores do tempo, mas nflo sera talvez assim
P,pa o poo, cuja manr parte ignora as
mais simples verdades do nossi catheeis-
mo, sendo por isso que noe juigamos con-
veniente faze-|as preceder ao pouco que
segu com applicacflo.
Todas as vezes que o pnvo, engolpha lo
as desordena e as miserias da vi la, ha
sido assslts'to por flagellos e calamidades
geraes, ou horrorisado ile-seus crimns ima-
gina vera vinganca de Daos sobre suas ca-
becea, o seu prodigioso instincto o tem le-
vado a procurar remedio a devastaeflo doa
dagellos, ou aos tormentos d'alma, alli nnt
sac-ilicioa, o mais a quem ms preces publi-
cas e prncissors de rocaees e penitencia.
Tanto o balsamo saluhr da rellgilo he ne-
cetssrlo ao trale coraeflo do bomem.
Perc.orre a historia e veris na ida.le pa-
gfla Kpimeneiet curando os males atas per-
turbaros da ronsciencia do criminoso eo-
vo de Alhenas com s edflcacflo de templos,
e com s olTerenJa de innmeros sacrificios;
e veris no V seculo S. Uamert aa procis-
so s de rogaefles para fazer curar oa tremo-
res da ierra, os incendios e oulros flagellos
que des ilavam a sua diocese de Vienna, e
s. Gregorio no seculo seguinte, sauccio-
nan lo com malor pompa o seu exemplo,
uor occasiflo da peste que devastava Roma,
e, ilah em diante, a vulgarisaclo deste pie-
dosn costume na igreja cliristfla.
Hoje que o povo pernambucano, oppres-
so por uma serie de males incalculaveis,
ve-se assaltadn por uma epidemia que a lo-
dos ataca e alguns anniquilla, sem recur-
sos em sua tribualo, porque a aciencia
dos homens em taes casos ostenta sempre a
sua im Dolencia a par da sua vaidade, oque
farra elle para fazer ceder ou mettgar aus
males, se nflo recorrer as preces publicas e
orocisses de penitencia ? Sem estas praii-
ras piedosas, dignas de uma religiflo santa,
devem ser sempre repetidas, porque, ao
passo que recordara ao bomem a imperioai
necessda le de respeitar a Hagestade Su-
prema, d sehmeiter se aos seus decretos, e
manjfcstar-lhe o j-econhecimento e conlian-
ca que Hie s3o devidos, concurren eflicaz-
mente, come no-lo prova a historia, em au-
xilio da f, para abrandar a justrea divina,
e obler a cessacSo das calamidades que
sobre ello pesam.
Continuemos, pois, a mostrar-nns doceii
voz do Salvador, que pela bocea do evan-
gelista nos prometi o mesmo reino dos
cos se (izer.nos penitencia ; e as nessat
preces serflo attendidas.
Homens descridosque em excessos de im-
piedade ludo chamis phanatismo e supers-
tieflo, rerolhei-vos dentro om vos m-smos,
eatteudei so menos aa patarras de um c-
lebre escri.tor prophano (a) quando diz
(|ue o pnate obscuro que consola o des-
granado he mais ulil a humanidad do que
o livro do phiinsopho, que nflo poderia en-
xugap uma lagrima.
xugar
Correspondencia.
0 vapor Imperador, chegado boje dos
poriosdo norte, Iroute-nosjoreaes do pa-
ra ale (i, do llaraiili.'.o ale 14, do Cear ate
18 e da l'anhiba at 20 do corrente.
I'ara nada solfria quanto a tranquillida-
de publica ; mas eslava amcacudo de ser
aecoiniiiellido pela febre quo ora reina
aq..i, a qual fra lavada para la pelo brigue
dinarnarqut'Z PvHux, e pela ciiarra Per-
n'imbucuna, procedentes desle porto, para
onde, como he sabido, foi ella Irazida pelo
brigue francez Alcyon, viudo da Babia;
sendo que dous niarinheiros do Pollux, a
que o tu a I assallou, tui.cuuibiram dentro/
que se lites dei larain prolectorea, depois da
ausencia de outros oais importantes.
Aqiielle acude que fica na freguezia do Tal-
p, seinpie foi celebre pela reuuiao de faci-
rioras.
Urna familia de pardos com os quaes est
aparentado o tal Fcrreira, reuue e encapa
qnantos malvados se Ihe querem unir, com
tanto que os Sl.iritabiu, como sao coulie-
Oidos, sejiin respritadot pelos iilnhoa ; r de
faci o leen, sido, al pela juslica, cujos ofli-
Clart nao poucas vezes foram maliralados em
'Ulisencias, que alli iam executar, t nao pe-
qurnaa pstruihai leraui corrida, e deband i-
das pelos M .rilub u e seus a.seclas. e bstanles
tiros teem sido dcsti ibuidos, com toda a i m pu-
n la.le: porque elle leem cus padriidio!, i
este neoewllaiU de n ni vi ven o de l'aquit jS e
earrulores rlesu.i justica.
lie inerlvel, port'm certa tanta impunidade
() indill'ercnlisuio de nossas autoridade
o patronato ao sua cauaal.
ITj- ahuiB alvergue melhor podiam encontrar
o ( i iii.i-, (mi, .les e en... n,i i,i,i.i, que teem ad-
quirido ni i iclebridade horrorosa, e rodea-
do seus hediondos mimes de um tal terror, que
ninguna ousa, alada pessoas importantes, iu-
correr em aeu desagrado procurando captra-
los, ou persegui-los.
rste receio, pnico lalvez.tem augmentado
a audacia rlesses malvados, e de. muros que os
cercaoi a ponto tal que j estiveram em nu-
mero de trate, dispusios a assaltar as casas ri-
cas, o que n.o poseraru em exrcueao, porque
dse.>bi iran outro meio menos perigoso.
Nandaju canas as pessoas mais importantes,
arbitraudu-llie urna quamia purumoU, e cada
um procura aalislazrr a feraa pata nao provo-
c-las I anibein sahem cngruparlo e arma-
dos, e vao pedir nmofi, encontrando sempre a
caridad em seu favor ; porque aa anas armas
sao ptimo estimulante. Coinpraiii oque Ihe,
apria, arbitrando o precoque boho hedesup-
l'or, sempre he menos de um lerco do real
Vflior.
O Exm. presidente ordenou ao coroorl Is-
:: i,-j... em ifuauto esilvcsse cum a sua colum-
na eui observarn procuissac capturar estes
pubrrs lao onerosos a caridade publica. Cons-
ta-nos que o coronel fez cercar o auno dos ti
gres : pureili matreiroa como sao e protegidos
loiam ,iv, su Im e tomaram aa maltas.
Ileiiaiido-ae as tropas elle vollarain a con
timiar na iiicetada caneira, e talvez a exercer
alguma vn.-anea.
l'-mqu.iiiiu existir n coito dos acudes do mal-
lo, "onuirue Marimba, os Quedes, e quando
nfo estes, outros acuario proteico e auxilio.
Noilciaienios o resultado da diligencia
Lhegou hoje (llij preso e escoltado por urna
lu9a cuiuiiiaiidada pelo coronel llmael da t.rui
(.orive 1 um dos cabecilnas d. faccio.os desta
provincia, Aiilouio Joaquim Xavier Uurge, as-
alm como unidos do seu sequilo, que coustava
AS PROCiSSO'ES DE PENITENCIA.
Km todos os lempos as formalidades e
plticas religiosas teem sido consideradas
pelocommum dos homens com a verdadei-
ra pedade, e pelos fundadorra das reli-
giOescomo un meio absolutamente neces-
sario a sua inslituicfln, e ao mesmo te.npu
nmaisricaz pira adquirir prozelytos, e
para mauler e fortificar nos nimos dcsles
os sentinientos c ideias, quo uma vez abra-
caran). Estes phenomenot dignos de con-
siderarlo representad! na historia dos po-
vos e de suas religies uma singular mis-
tura de verdade e de erro, de bem e de mal.
Sem duvida as cerimonias e formalidades
do cullo exterior nflo comlituem a solida
devocao, a verdadeira pedade : asluzese
a virtude, os senlimentos e as accOes eis os
seus nicos elementos; po'iiisria des-
eonhecer altamente a ualureza humana o
pretcnter desterrar so orillantes manifes-
t'Coes, porque sem ellas aquellrs aeuli-
menios u i ieas.iillcilmenle nasceriam na
inaior parle dus hoinens, e mesmo nflo du-
rariam sem o auxilio dos signara exterio-
res, pois que suestes pJem causar uma
impresaad viva eduravel: nos somos mais
feridos pelo exterior, diz Leibutiieo ntei-
no pede .uma discusslo de que 1 oucos tflo
csfiazes.
Por oulro lado be evidente, que sem o
cullo exterior a religiSo licari- reduzda a
um t nlimeulo puramente individual, que
deixan lo de ter a expressflo completa da
naturezt religiosa do homem nflo seria ca-
paz 'le os reunir e ligar em uma associac.lo
permanente e apta para receber as lasdaa
la moral e as doces insprateos da frater-
iiidiide, a mais alta expressflo deuuia civi-
liscfio futura.
Mas, se o cullo exterior em vez de con-
sistir em formalidades proprias pra expri-
mir e manler as verdades que imiiam, de-
genera em uma sene de symbolos e de
signaes ridiculos, absurdos e inleiramenle
faltos de signifcacflo, como 110 pagmis-
mo ; se em vez de ser srmplesmenle urna
liajfio constante de moral, que reiorde aos
homens os seut deveret para cun Deus,
para com os seu atineiliantes, uma sebe
viva para afaslar-nos do vicio, e turnar-nos
a viriude familiar, elle aduiiile e tolera
cet tas prslicas vexaloriat e exlorsivas, que
poe o povo em uma contribuirlo quasi
Toreada, eulSo longe, de ter puramente
urna verJade o um bem, bu um erro e he
um mal. E aqu se distingue eminente-
mente a mais o clartcida e a mais au-
gusta das religies : com effeito vos o .0
encontrareis nu (bristianisiuo em sua
pu.e?a uma cenmonia, que se uflo as-
semelhe uma areflo virtuosa, nem um
formulario, que nflo seje urna sombrada
verdade dos seus dogmas, alaior mal, po-
lem, o inaior perigo anda he, que a pe-
dade nflo seja sullocada por csses exterio-
res, que lem por hu maule-la; e que o
Srs. Redactores. Como aeja geralmonis
con herida a immensa vastidflo C'>m que ain-
da continuara a grassir entre nos as febres
epidemcis, quo teem essilado a nossa po-
putaeflo. e eu acabo de reconhecar por ex-
periencia propria quanto he eflicaz e po le-
mas contra ellas a salutar medicina homoeo-
pathica, administrada pelo Sr. Francisco
de Paula Carneiro l.e.lo; um auave o doce de-
sejo de dar a este digno Ivrnainhucuro ura
ouhlico lestemunho do meu profundo re-
conhocimenlo, do muito que Ihe devo pela
promptidflo, com que se dignou acudir ao
meu chamado, e admiravel rapidez com
quesalvou das ditaa febres muilia muito
presada mulli-r, e ltimamente a mim mes-
mo ; e de concorrer ao mesmo lempo para
que se vulgarise s iuteressaute noticia da
summa promptidflo c maravilhosa susvida-
ib com que nperam contra' aa ditas febres
os medicamentos bomre.)patlicos,adminis-
Irados pelo mesmo Sr. Francisco de Ps 11 la
Carneiro l.eflo. alim de que informados dea-
ta verdade possam recorrer a Ifl salutar
medicina quanlo se achtrem. ou virrem a
ser accomtccttilos das referidas fiebres;
me obriga a rugar-Ibes o especial favor de
darom publicidaJe pelo seu jornal a breve
exposiclo dos fados por mim observados,
que passo a fazer.
Depois d ter sido arcomraeMidodas men-
cionadas ebres quasi loda a minha fa-
milia, Isto he,,os meus nova lilhot, que
estflo sh meu patrio poder, uma criada li-
berta e um moleque, leudo cada um del-
lessoffriJo ardenl ssirra febre, eg>avlssi-
mes i ncoiumodos por quatro ou cinco dias ;
foi filialmente a'rcommetiida da mesma epi-
demia a tema mili de meus (ilhos, eent.lo
|i rguiiia ndo-lhe se quera ser Hala la alio-
palluca oujlion a-opalhiciinei.te, ella, quo
tinha visto a promptidflo efacilidadc com
quo linham sido salvos pela homecopathia
assim a sua nobre amiga, a lllma. Sra. do
coronel Jos re llano*, romo este mesmo
Sr. e outras pessoas da sua familia, res-
pondeu-me que quera ser tratada homoeo-
palliicameute pelo mesmo Sr. Paula q,,,. U-
uhasalvado a sua nobre amiga.apez.r de ser
urna seuhora ja oelogenara, assim como a
:u marido o Sr. coronel Jos de llanos,
om cuello, neodimio logo o Sr. Caula ao
chamado, e applcaudo a minha mulher no
espaco do primeiro e segundo dia uma dso
no.'i.aMpalhica, ella chou-so inleiramenle
hvre da febre, e, ao fim rio 8 horas, j esta-
va, boje, completamente restahelecida.
Depois de minha mulher fui ou accotn-
metlido das niesmas febres, acompanha-
dat de violenlttsima dr iu masta cere-
bral, o que limito me fez recejar pela Bailaba
existencia ; mas nflo obstante, o resultado
dus medicamentos homceopathicos apphca-
dos pelo Sr. Paula foi 13o nromplo, como
o linha sido em minha mulher ; eo mesmo
acaba de acontecer a respeito de meu ami-
KO, compadre e viziuhu, o Sr. Dr Pe Iro
Autran da alalia Albuquerque, sua seull-
(a; Chateaubriand.


i
r alguns outros roe rubros da sua familia,
alero de nutras militas pessoas destn ra ila
sa le, tralad's palo mesmo 8r. Prsnclsco
de Paula Carneiro Lefio. Digna-a*, poii, este
Sr. acnlher benignamente es'e publico tes-
lemn ho do meu acriaolado reconliecimen-
to da obrigscfio, em que Ihe estou, pela
nimia hondada eprnmplidSn, cun queso
prestou ao meo pedido, e palo zelo e ac-
curado acerlo,' cotn que ae houve ni eseo-
llia dos medicamentos homoeopaihicos mais
accommodados 4 natureza equalidade da
molaatia, issirq quantn, a minha mulher,
como a reapeito de mim mesmo. E possa
lamhem esta fiel exposcao aproveitar hu-
manidade solTredora, j> sorte que, nao
deixe de recorrer a medicamentos que a-
presentim tilo maiavillmsos multados,
por Ihe seren estes desconhecidoa, cu por
elTeilo de preconoeitos, que devem d'sap-
parecer d'entre um povo militado Judi-
cioso, vista de Untos e tilo repetidos fac-
toa demnstrateos da excelleneia da lio-
mceipathia.
D'gne-se, portaoto, Srs redactores, de
dar ptihlicidade a estas linhas, pelo que
Hies ficar summamente ohrigado o seu ole.
Dr Lourenfo Trigo de Luurttro.
' Fiecifa, Ui de feveriio de IH'nt.
COMMSEBCIO.
J. P. Jamen, o qu.il morreu, e val em lugar
delle o capitio "eterson.
Bucnos-Ayrrs Bri((-i escuna dinamarqus
Iniao, capitn C. M. S., carga asiucar.
Navios sahidoi no da 24.
liaabrdoes Brigue Inglez Fufar, eapltio W.
T;i v I rir, em lastro,
Falmnuth Gallla hanoverlana JoKana-Ssoni,
cupii.idI. S. Hangar, carga aiaucar.
aVHESBMnMMajMSaBa^HsaaanS
3
EDITAES.
ALFANDEGA.
Rendimento do da 23. .... 8:739,892
beuarreaam hoje 25.
Brlgue portuguez San-Manctl I mer-
cauorias.
Brigue nacional Santa-Maria-Boa-Sortt
|ii|>as vazias.
Brigue nacional Emulacdo coros.
Brigue inglez Corintia bacalhao.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 23.....4:368.887
Diversas provincias...... 43,414
4:412,331
EXPOIITACAO.
Despachos martima no dia 23.
Gotemburgn, brigue sueco Zephei, de 283 to-
nelailas I conduz n seuiota :
500 colima salgadas cnni 502 arrobas e 13 li-
bras, 4,000 taceos com 20,000 arrobas de as-
aucar.
Canal, brlpue banoveriann Juhana-llroni, de
'Mi toneladas: conduz o srguiole:
285 calzas, 3 telaos e 104 saceos co.n 9.6-21 I i
arrobas deassucar, 30 couros seceoscoin 41 Ii2
arrobas.
Marsrille, barca franrna Franer, de 307 to-
iirlvlas: conduio seguinte :
4.050 saceos rom 20,''50 arrobas deassucar.
Ilha de darbedoes, litigue Inglez Frilui, de
222 toneladas: comlu o segiiime .
70 toneladas de lastro de arela.
O Illa). Sr. inspector da Ihosounria
da faznnda provincial, em cumprimento da
nrdem do Exm Sr. presidente, da provincia
de 8 do correte, manda fazer publico que,
nos das 26, 27 e 28, ir a praqs, pera rito o
tribunal administrativo da mesma Ibes m
raria, para ser arrematado a quem por me-
nos fizer, o concert da ponte do Varadou-
ro em ('linda, sb as clausulas especiaes
abaixo transcriptas, e pelo preco de ris
1:031,000.
As pessoas que se propozerem a esta ar-
remataefio comparecam na sala das sessoVg
do sobredito t< ibuoal, nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constarse mandou alllxar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da Ihesonraria da faz>>nd.i pro-
vincial de Pernambuco, 23 do fevereiro de
sidente desta provincia.- Jos Nicolao Re- ido fallecido Jos Pereira Texeira, reque-
gtttira Cotia.
m
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro sahe o mais bre-
ve possivel n brigue Minerva, por lera bor-
do mais de dous tarpus ile seu carregamen-
to: quem quizer carregar o resto, mandar
eseravos a freteou ir de passagem, cnlen-
da-se com o capitlto a hordo, ou com o seu
consigna
na
reu para fazer arrematar para seu pagamen-
to os ohjectos das hijas de feragens de
caldeireiro, quando msbs ohj-elos estSo,
como oulros hen*, litigiosos, em conse-
quencia da demanda in'enlada pelo ahaixo
assignado, sobro a societaria que neseses-
tabelpcimcnlos tinha com o dito fallecido ;
demanda pela qual'oabaixo assignado ja
Obtevcduassenlencas, que reconheceram
" existencia da sociedade e o direilo do
- -- -- i- t" ; <> arwi or i'ii i is i ti u .i< u i la -----
asignatario, Francisco Alvcs da Cunta, :aDal* assignado, nao so ao capital con
i ra do Vigario, n. 11, primeiro andar. I"e Para elu ">lrr'i, como a amelado dos
-Para Lisboa sahe imprelerivelmente, ''O, na conformidade da escriplura so-
no dia 27 ilt corrento, porlermaior parle
de seu carragamento prompto, o hrigua
portuguez Novo-Vencedor : anda recebe al-
guma carga a frete e passageirns para o
cial; sendo que por isso torna-se claro, que
ni smis I,cus du sociedade n.lo plts ler lu-
gar a pretendida arrematarlo para o Sr.
Joaquim Antonio dos Santos Andrade na-
que olTerece excellentes'commorios: os pre- f'-8e da rtm la particular ,|0 sohredno
tendentes poleriio tratar comlhomaz de! ""culo, sem se ter liqui la loa sociedade.
Aquino Fonsecafli Filho. na ra do Vigario.1 E porque o abaivo assignado lum indis|iu-
carga e eseravos a frote (rata-se enm o ca-
pililii. Jnaquini Jos Marlins, ou com Jo3o
Francisco da Cruz, na ra da Crol, n. 3.
Vende-se a polaca N.-S.-da-C.once^ao,
rhegatia recentemeute de Santa-Calhariua,
Turrada de cubre e prompia a navegar:
1850. -O secretario, Amonio i'errtira da iucm a pretender, p le mandar examina-
n. 19, ou com ocapilllona praQa do Cum-
mercio.
Para o Rio-de-Janeiro segu com bre
vi lade, por ter parte da carga prompla, o a'""e*e'' arrematar os ditos bens, por-
briguo Cdncen>Ienca : para o resto da r jue. al)aix, a.ss.gnisdo protesta usar tavel oireilu a obst Sr. Andrade. por isso faz publico o rxpos-
lo, para que n3o iniih'c: i|ue aUuem se
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 23.....2:201,753
PRAGA DO RECIFE. 23 DE FEVEREIRO DE
1850. AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
. Cambios Houve saques a 28 l|3 d.
por 1,000 rs; mas, para
o lim da semana aflrouxou
um p neo.
Assucar- Vended-fe de 1,000 a 1,050
9 rs. por arroba sobre o ferro
do enraizado ; de 1,950 a
2,600 rs. doemharricado e
ensacado branco; e de
1,600 a 1,650 do mascava-
do.As entradas frama-
buudantes.
AlgodSo-- F.nira'sm 718 saceos.-O
de primarirfl sorte vnden-
se a 5,0"0 rs. e o de segn -
da a 4,600 rs
Cooros salgadas Os precos continuaran! a
too ris por libra.
Uacalhio--------Da cinco carregamenlos
que livemos esta semana,
um seguio para as provin-
ciasdo sul, oquatro fram
aqui vendidos a preco oc-
culto. Exislem em de-
posito nesla data cerca
15,000 llarris. tendo-se re-
talharo de 9,000 a 9,300 rs.
por barrica.
iarne-secca O deposito anda por 3,00.'
arrobas. Retalhou-se 0
800 a 2,400 por arroba do
do Rio-Grande, e 1,500
rs. da de lluenus-Ayrcs
Earinha de trigo O consumo foi limitado, e
os precos os meamos da se-
mana antecedente.
I'im. da India Vendeu-se a 180 rs. a li-
bra.
Ficaram fundeados94 navios, dosquaes
silo 6 americanos, 9 austracos, 41 brasi-
leros, 2 dinamarquezes. 4 francezes, 1
bamburguez, 1 hanoveriano. 1 hespanliol,
19 ingleips, 1 napolitano, 4 portuguezes, 3
sardos e 9 suecos.
duniiicncd'i.
Clausula! esperiaes da arrematando.
1.* Os concerlos da ponte do Va'iadou-
ro sai no feitos conforme oorcamento anre-
sentsdo nesta data a approvacSo do Exm.
Sr. president da provincia, sendo a impor-
tancia d 1 031,000 rs,
2* Oa'rematante comecara obra no
prazo de um mez e acabar no de tres, am-
bos contados na conformidade do artigo
iodo regula ment das arremataras de II
dejulho de 1843.
3.' O pagamento da arrematarlo r.-ali-
sirse-sj-ha do modo determinado no artigo
15dopracitado regulamento.
4.a Todos os mateiiaes sern examina-
dos pelo engenheiro anies de seren empre-
gados, e approvado lavrar-se-ha um termo
5.' Para ludo o mais que nilo estiv<-r
delermmadn as presentes clausulas, se-
guir-se-ha iuleirameute o que dis,ui i o re-
gulamento mencionado de 11 dejulho de
1813.
Recife, 7 de (vertir de 150. O en-
genheiro to termo do Recife, Jos MamtUe
Alces h'erreir.
Declarares.
TRIBUNAL DA KELACAO'.
Hoviineniu do 4#rto.
Nacios entrados no dia 23.
Pari e mala portos 13 das e 16 horas, e do
ultima porta 0 horai, vapor brasllelro/m; raoor,de450 toneladas, comuian l.iiua o pri-
nietro tenante I. B. lavara.. ei|iiipageui 3.
u!?1?>r,?*' ',*r* e,u Provincia- o Allem.-io
n. U. Kalkiuaiiii, Joo Joaquitn Vieirt, Dr
ll.nn. a., a ..f i .. '.
Por molestia da mor parte dos Srs. des-
emhargadoras, nos dias 16, 19 e 23 do cor-
rente, nSo houveram sessoes.
O Sr. Dr. juiz dn direito, chefe de po-
lica interino, manda fazer publico aos de-
zoilo eslrangeiros, constante da relacilo
abaixo transcripts e por mim assignada,
que, no dia 26 do crrante, pelas II horas
da manh.la, compareceram nesta reparti-
rlo, sob pona de desobediencia.
Secretaria da pnhcia de Pernambuco, 23
de fevereiro de 1850.Antonio loii de Frei-
las, primeiro a .unnucuse.
Retaceo qu: te refere a declarando suppra
Antonio Jos K'ues, Luiz Gomes, Anto-
nio de Snuza Maya, Francisco Jos'l.opes,
Manoel Con es Villar, Jos Joaquim de
Abreo Cardozn, Antonio Rento deAraujo,
Jos Pinto, Antonio Vieira Marlins, Fran-
cisco Concalves Draga, Manoel Antonio dos
Passns Oliveira, F.nwird Fenlon, Manoel
FranciscoDuarte Portuguez, Domingos An-
tonio de Oliveira Portuguez, Manoel Ma-
chadb, Jos Tcixeira da Silva Magalhfles,
Feliciano l'erry Vidal, Jos Maris da Silva.
Pela inspectora do arsenal de mari-
nha se convida a lodosos individuos livres,
at o numero de cincoenta, que se quise-
rem empregar como serventes na obra do
mesmo arsenal, e as do melhorameniodo
porto, a se entender! com o respectivo
inspeclor, o qual, em vi i tu le das ordens do
Exm. Sr, presidente da provincia, Ihes ga-
rante a inseucSo do recrulamenlo, em
quanlo se empregarem eflectivamente nes-
sns obras.
CQ\SULAD0 DE PORTUGAL EM PER-
NAMBUCO.
Sendo muito necessario que nesle con-
sulado hajam inforniacoes exactas res-
peitodos subditos porluauezes quo infeliz-
ote le tecm fallecido da epidemia da l'ebre.
roga-te aos prenles, amigos', ou pesoa.
inleressadas dos meamos fallecidos, quei-
ram comparecer nesle consulado, alim de
d.irem ns esclarecimentos precisos.
Consulado de Portugal em Pernambuco,
aos 21 do fevereiro de 1850.
Joaquim Bapllsta iloreira,
Vice-cnsul.
Pela subdelegada da Varzea fui preso
o preto vallio de iiome Jofln, nacSo Qui(a-
m, expressa-se mal e diz ser escravo de
Joflo Carlos, morador na ci lade de Olinda
Acli.i--.se na cidade do Recifti : quem a elle
ti ver direito, recorra a mesma subdele-
gada.
Carlas seguras existentes na adminis-
Inirfiu do correio para os Srs. Antonio Jo-
s de Sant'Anna, Antonio Marques de Fa-
rm, Bernardina de Sena c Silva, liernardino
T-ixeirade Araujo, Bernardo Antonio da
Cruz Piulo, padre Francisco Antonio da Cu-
nta Pereira, F. Taques Albino, Joaquim
Dominguesde Souza Filho, Jo.1o Francisco
I -defrnnle cha tundeada, e para tratar com Manoe
gnacio de Oliveira, na poca do commer-
io, n 6.
-- Para o Rio-de-Janeiro S"gue, em pou-
ns dias. o patacho nacional Industria, novo
' forrado de cobre : tem parle de sua carga
>rnm|ita : para o resto, eseravos e passsgci-
OS, para oque Imn escolenles Com modos,
ra(a-se corrt Machado & Pinboiro, na ra do
Vigario, ti. 19. ou rom o capilo na praqs.
Para o llio-de-Janeiro sahe, na presen-
te semana, o b'igue nacional Dous-Amigos .
tem linda lugar para pouca carga nnuda,
'.asssgeiros e eseravos a frele ; quem pre-
tender embarcar, procure o seu consigna-
lario, Manoel Ignacio de Oliveira, na praca
loCommercio, n. 6.
Para o Porto sahir breve o brigue por-
tuguez Uaria-Felii, capilao l.ourenco Fer-
iandes do Carino, forrado eencavilliado de
cobre, e da primeira marcht: quem no
mes-no quizer carregar ou ir de p^ssagem,
ara o que tem muilu hons commodos, 1ra-
cnnsignalario, Antonio Joaquim do Souza
liilieu- i, na ra da Cadeia, casa n. 18.
Para o Aracaiy tem do seguir viagem
O hiate Nuvo-Olinda, do qual he mestre An-
tonio Jos Viaiina : os preterulentes a car-
regar, se entenderlo com o mesmo meslre,
ou na ra da CadeiaVelha, n. 17, segun-
o andar.
Alanos Antonio de Soma eu'm escravo, "ho.| Leililo," padre JoUo Jos do Espirito Santo,
Br"&blM%|,^.ri,^M|,^,lJffie,S,,,,,' l^oncio J ll>boza, Manoel Francisco
ur. saltillo Ulegarlo Ludgcro Pinito ruin
Avisos diversos.
O Iir. em medicina, Manoel Adriano dn
Iva Pontos, nomeado pelo Exm. Sr. presi-
lenlc da provincia para tratar os enfermos
indigentes atacados da febre reinante as
ireguezias de San-Jos AITogados, iluran'e
a enformidado do Sr. Ur. Nery da Fons'ca,
avisa aos habitantes das mesmas fiegiezias
que o icltaro smpro prompto para pres-
lar-ihes os soccorros de sua prohaafio a
qoalquer hura do dia e da noite no S'ginlo
ailar da casa da ra larga do Rosario que
faz esquina para a ra estreila do Rosario,
em frente a ig'cja.
Joo Pacheco de Queiroga arrenda a
>oja do sobrado do Aterro-da-Hoa-Visla, n.
78, coin ai'inac;ri ou sem ella, podendo-se
lar mais fundo a diu Uiji) no caso do que o
arrendante o esija : a chave aclia-se na se-
gn la loja do mesmo sobrado, para quem
a quizer examinar.
Alugam-seas seguintes casa? : o pri-
meiro andar do sobrado, n. 4, do Alerro-
la-lloa-Visiii. com multoS hmis roinino los
ora grande familia, por 300.000 rs. an-
nuaes ; o terceiro andar do sobrado, n. 6,
la mesma ra, sendo muilo fiasco o com
grandes commodos, por 250,000 rs. an-
nuaes ; urna pequea casa ierres, na ra
las Saudades, por 10,0^0 rs. ineusaes ; 'e a
luja do sobra lioho, n. 14, paleo da Santa-
Cruz, por 5,000 rs. nensaes : os pretnden-
os dirijam-se ra da Aurora, n. 26, es-
crip'ono de F. A. de Oliveira.
--Quem precisar de urna passoa capaz
nnra cobrar dividas, tanto nos serios des-
a provincia como em qualqucr parle desie
'mperio, queira annunciar por esta folln,
u dingir-se ao Atetro-da-lloa-Vista, loja
-lo mu le/as do Sr. CuiinarScs, para avisar
oannuiiciante.
-A mesa regadora da irmandadede S.-
Itila-de-Cassia, atlvogada dos impossivels,
tem resolv lo expiar em sua mesma igre-
ja a santa imagem de sua padroeira ve-
uenic.io Idos innmeros devotos della, o
quej leve principio na noite de sexla-fei-
', 22 do crreme, e continuara por estes
lias, para que os inesmos seus devotos pos-
-am, pelo valiuienlo de tilo estrenua advo-
gada, conseguir de Dos, o termo da peste
e mais flagellns que tanto leem vexado aos
na tu imites desta nossa provincia, digna do
inell.or surte.
direito que Ihe competir. Recife, 23 de fe-
vereiro de 1850.
Antonio II tel ha Pinto de Mese/m'ta.
--Desappan ecu, no da 23 do corronte,
da ra llireila, um cavallu a la lo. com cli -
as desci las, frente aberta c i om urna f-
ri la na peina direita roga-se a q-iem esti-
ver de posse delle, ou a quem delle livor
noliria, de diriir-se ra Direita, n. 93,
ou (ao engento Vcloi a-de Cima, na co-
marca da villa do Cabo, quo se l.ie pagara
o seu I raba i h i,
Trocase nma imagem de Chrislo, que
entenda do servico Interno, e siiba tratar
de cavados.
Precisa-sede urna ama forra, quo su-
ba cozinliar, e ,engommar, para servir de
portas a dentro a urna familia de duas pes-
soas : na ra larga do Rozario, n. 26, ter-
ceiro andar.
I'reciss-sealugsr um prelo para botar
sentido a urna pequea casa de ctmpo : na
ra do Trapiche-Novo, n. 10, casa de Jones
Puton i Compauhia.
Lotera da matriz da Boa-
Visfa.
O respectivo thesoureiro, Marfoel Gonca-
vc| da Si'va, pretende n.lo illudir a excer-
taQ.lo ilo publico com annuncios importu-
nos do andamento das ro las desta lotera ;
esforcar-sn-ha quauto couberem sus f caspara com a po-sivol pesteza annunciar
o dia, alcm do qual nin devera passar a es-
persnea dos compradores ; porque entend;
que a cssa illusao em que al^yns teem por
vezes deixado o respeitavel publico, se de-
ve essa especie de descrdito, que tanto
tem demorado o andamento das nossas lo-
teras ; por isso limita-se por ora a annun-
ciar a venda dos bilhetes, o a extrahi los
com lodo o cinpenho, alim do podi>r asse-
.'icar aos compradores o dia em que^ deve-
r cita imprelerivelmenle corier.
A vaniagem do plano j publicado e o fm
religioso para q te foi esla lotera concedi-
da, convi la e seduz os tentadores da sorte
a concorrerem sem demora para a compra
los nuni-ros que Ihes preparam a suavo
"Cquisico de heos da fortuna, sem_ risco
de gran Te capital, c com o importe smen-
----i'...(i.'l. Illll.i lilin^i ni lllll.lllljlll. UUU ... nnn m ,
regule de um palmo pira cima : na veu.la Ite da ''minuta quantia de 5 ou 10,000 rs.
da esquina da ra do Ra.igal, de Jos Ro- P'Poucodias.
drigues Coelho & Companhia. I,efs,le .1* cntr-M-hao os bilhetes: no
escravo, Antonio Fernandas Lima. Mannrl
de Almeida Pastos Joaquim Ignacio Perrira
Joaquim Jos de Ollvrii Jnior, o pres
Aulouio Joaquim Xavier Porgrs, desertor
I r ce ruta a eseravos a entregar: para
sul, Augusto Ce/ar de Almeida, Joo Luii
de Oliveira Pinto, inajor Jos Frlii Uaudeira,
taiienie Claro da Costa Mauricio, o segundo
tenante de artilheria Haziltode Aiiiorim Ue-
zerra, 20 recrutas e dous eseravos a eulreg.r.
i erra-Nova 30 dias, brlgue inglez /Uargtret-
Itnllry, de 184 toneladas, caplio Aleaander
St.itea, rquijtageiu 13, carga 2,400 barricas
de bacailto ; a Me. Calmoit ti <'..
Sjh-mJiluiii i: dias, patacho brasileiro A
misadi l'onslunlc, de lu toitaladas, capitao
Joao Trllrs de Carvalho, equipageiu 12, car-
ga fallaba a Machado & Piuheiro.
/Vacio sahido no mesmo dia.
l'jr.iliiua. Hiate braiilciro fiirufiiduno, eapllo
Mivulo Frauclsco da Costa, carga varios g-
neros.
Siukfaoliu -i'.ucUo sueca Tsrfickor, coapitas
Coelho de Oliveira e Manoel Jos Lopes.
MaT*.
Kcparlicao da polica.
Illm_ e Exm. Sr.Segn lo s parles ho-
je recebidas nesla repartirlo, fram mi-
nha ordem poslos em custodia no quaitel
do rorpo de polica, para averiguacoVs :
os Portuguezes Francisco Pereira e Anlo
uio Joaquim d'Araujo, por terem vindo da
cidade do Porto sem passaporles; e piesos
ordem do subdelegado da fieguezia de S -
Fr.-Pedrc-Concalces. Joaquim J. s Rsra-
cho, poi embriaguez; e a a Ireguezia da Varzea, o prrio Joilo, que
liz ser escravo e Jo.lo Carlos, porauuai
fueido.
Dos guarde a V. Exc. [Secret-ria da
polica de Pernambuco, 23 de fevereiro de
1850.lllui e Exm. Sr. Honorio Hermto
Curuuiro Lefio, concelheiro de estado, pi s-
0 thesoureiro da irmandade do Sr. Rom
Jess dos l'assos avisa a todas as pessos que
leem rapas da mesma irmandade, princi-
palmente as que passatam recibo que,
qunntii antes, hajam de as levar ao mesmo
tnesoureiro ; do contrario, lerAo de ver
seus nomes por extenso nesta folha.
Pirciaa-se alegar um molaque, que
soja fiel, para o servico interno e compras
de urna pessoa ; qu< m o ti ver annunie por
este Diario par ser p/ocurado.
Ilesappareceu, no da 23 do correnln,
lo mu i/ein de D. Joanna a e a ponto da
Magdalena, um cavallu ruco-pe Ir/, info-
lio dns dous quadriz, com urna fstula no
nlho oquerdo, pelo qual sempre esta cho-
rando, castrado e com cariego baixo obri-
gado : roga-se a quem o adiar, de o ir en-
vegar no Alerro-da-Roa-Viata, venda do
Maia, que se recompensar.
Precisa-se lugar um sitio ou mesmo
casa, queseia perlo do rio, nos lugares do
Puco, Caldeireiio, Monteiro ou Apipueos,
em qua qurr urna dessas parles convm :
queui a tiverannuncie por esla follta, ou
lenlia a hondada de apparecer na ra da
Cadeia do Recife. b>ja de Joaquim Ribeiro
Pontes, que se lira negocio.
Constando so abaixo assignado que o
Sr. Joaquim Antonio dos Santos Andrade,
a titulo de ler pago muitis dividas do casal' tambem se precisa augar m proio 'qua
Pierisa-so de 600.000 rs a premio,
danio-se por bypolheca um sobrado de um
andar: a pessua que quizer fazer esle ne-
gocio, annuncie.
Quera liver um bilhir com todos os
seus | ei tem es para alugar, duija-so esta
lypugraphia, que achara com quem tratar.
Precisa-se de um Poitu^uez, co'n pre-
ferencia a filho das Ibas, quosaiba traha-
Ih.ir i'ui sitio, para traballiar em um no lu-
gar do Remedio : quem estver nestas cir-
ciimslancias dirija-se ra do Crespo, n.
14, terceiro andar.
Pede-se porcaridade aoHIin. Sr. Dr.
chefe de pulida, que, emi|uanlo durar a fe-
bre i-, maule i esla cidade, di> as suas ter-
minantes ordens para que as ras desta
mesma cidade n3o tranzitcm carros e car-
rinhos, etc e nem tilo pouco os carregados
le vergas de ferro, visto sersshido queas
pessoas que leem solTrido a dita febre, he
todo o seu mal o aiaitun nacahiga: ora,
quem asslm est snreudn, ven lo a inorte
por momentos, como podar fiear com
i rovo na de um c.iiio ou carroca ? Pois as-
sim obrando o Illm. Sr l)r. chefe de poli-
ca, lera niilharus de agr lecimenlos, nSo
s de mim, como dos mais padeceules.
0 negociante ou oulra qualqucr pessoa
de.-ti praQa que precisar de um procurador
idneo, activoe cu az do conseguir f-.cil-
ment", taiitn qualquer cobranza, como de
promover oulros quaesquer negocios fo-
renses na villa do Rio-Forrr.oso e na deSe-
rinhUem, dinja-se ra do Livramcntn,
n.6, qiieahi sedaia conhere que n nes-
Ise.silias tam de (tara all partir, ja encaiTc-
1 gado do iguaes negncios.
1). Candida Senliorinha Vi-
eir l.asserrc, viuva de Bernardo
t.asserrc ?c Compjrihia, por si e
como tulora de seus fillios, resol-
ven conlinuai tolas as operaces
comnicrciaes de sua casa no mes-
nio peerja mesma sorte que ellas
eram dirigidas pelo finado seu
marido, teudo nesta data aulori-
saJo Mr. Leliman par agenciar,
comprar, pagar e tratar todos os
negocios em seu nome, deb-uxo
da rasao commercial de Viuva
Lasserre .
O abaixo assignado, como administra-
lordesua mulncr, subnnlia'e herdoira du
finado loninle-coronel lleorique Poppe Ci-
nto, faz sciente que, constando luivi r urna
hllra na cirrulae.m da quanliadel 886,520
rs. que se diz ser aceita pelo dito Girflo
quem possiiir dila le Ira, baja dcjustilieai
no inv-'iiiiino dos bous do referido Cirilo,
que prosigue Pelo juizo municipal da vil-
la de IguaraSsU, alim de conhecer-se da sua
veracidade, e separar-se bens para seu pa-
ga manto. Nurcetlmo Jos Lopes.
Precisa-se de urna ama para servir em
casa esrangeira de pouca familia: na ra
do Rrum, sobrado d Sr. F. A. da Cunta, no
segundu andar.
Precisa se alugar urna preta para o ser-
vico de urna casa estrangeira de duas pes-
soas, que saiba eiigoinin.it: na ra da Con-
cordia, u. 8.
--Prccisa-se de 1:400,000 rs, a premio
pnr lempo de dez mezes, offerecendo-sc
para garanta 4ou 5escravaspor meiu dr
urna liypotheca : a pessoa qun quizer dar,
dirija-se a ra do Passeio-Publico, loja n.
9, que achara com quem tratar.
Precisa-se de uot pequeo *de 14 a 16
anuos paia ca-xairo de urna venda, o qual
I d fi idor a sua conducta : cm Fra-dd-Por-
tas, n. 86.
OSr. Jos Joaquim de S Pogadoquei-
ra ter a hunda le de vir ou mandar pagara
quantia de 3o,960 rs, da qual he devedor
na loja de calcados da pra^a da Indepen-
dencia, ns. 13 e 15
Arrenda-se um silio em Santo-Amaro,
com boa casa, fi uteiras e com comino lo pa-
ra dez vareas : quem o prelouder, procure
na ra da Gloria, n. 70.
AlTonso Jos de Oliveira, professor ju-
bilado na cadeira de geographia e historia
do lyceu desta cidade, lem aherto soa aula
particular de primeiras lellras e gramma ti-
ca latina : as pessoas qua de seu presumo
se quizerem utilisar, pode ai procura-lo na
ra Direita, ii. 120,segundo andar.
Precisa-se de urna ama de leite, que
nilo tenlia lillio : na ra da Cadeia de S.-
Autouio, llotcl-Coiiiincicio.
Precisa se alugar urna preta que saiba
lavar, engommar e coser, para urna casi
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, dat.
II horas al s 3 da tarde. Na mesma casa
Recite, lujas do thesoureiro e do Vieira
cambista ; em S.-Antonio, botica de Joilo
More ira Marques, no pateo ta Matiiz, e do
Francisco Antonio das Chagas, na ra do
L'vrameuto ; loja de RernarJino Jos Mon-
teiro, prarinha do Livramento, n. 44; no
Alerro-da-Roa-Visia, lujas de Guiawrdea,
n. 44. e de Imane Borges da Silva, n. 18.
I)a-se diuheiro a premio sb penhores
de linio ou prata : na ra do Sol, n. 9, se
dir quem da. Na mesma cass tambem. se
vendem duas mulatiiilns muilo lindas, as
quacs ja sabem coser muito sotrrvel, ten-
do de i lade urna 9 anuos ca outra 6 para
7, leem muilo iio'ii modo e por isso muito
proprias para urna familia as possoir.
I'recisa-sc de tima pessoa
que se encarreguc de dirigir o ser-
vico interno dj^iospitol proviso-
rio da illia do Nogueira : quem
quizer procure o presidente do
concelho geral de saltilnidade pu-
blica, na na Nova, n. \'\, das tres
as cinco horas da tarde.
O &
0 Alugam-se e vendeni-se as verda- 0
Q deiras hixas ile ilainhurgo : na praga q
0 da Independencia, n. 10, ao voltar f
n para a ra das Cruzes. q
O O
O0t&OOOOOO>K>O0^S>&O
i


Modo asseiado e econmico fe
para allumiar urna sala. -v
II i reconhacido que o caz hydroge- f>
neo liquido de lodos oscombuslives
.. que seemprcgaramatiloje para atu-
fe itiiar-se, he o mais econmico, mais
@ asseiado, cque d a luz mais btilhun-
. Ip. Osananjns iluscandeiros de gaz
fe >o mu simples, e uo seonconlram
Jj nelles os inconvenientes que a cada
> instante apresentam os de afeita. Os
? ama lores do gaz achar.1o sempre cm s?
ti quanlidadesufiideule, o de boa qua- #>
fe lidade, na destllaeflo franc.-za da ta- *>
H vessa da Concordia. fe
? *^ a* ********* **
Uoubo.
Na noilo de 6 para 7 do correnln, foi fur-
tado a um prcto que ven gran le I-la e um carillo com diversas fa-
lten las finas ; pois lendo o mesmo preto,
por mutuos do emhiiagupz, chamado um
ganhadur para carrregar a fazen la, o mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
um diuheiro que carregava. Roga-so, pon-
anlo, a polica ou a qualquer peisoa que
lenha noticia do occorndo, de dirigir-se A
ana da Cideia-Velha n. 21, casa de Manoel
Antnuio da Silva Antunes, que ser gratifi-
cado com 100,000 is.
9
>
0
>
9
$
0
Consiillorio
J
liomxeopathico
em l'ernambuco, ra da 9|
Cadeia de Santo-Antonio, %
n. as* O
As pessas que se quizerem tralar O
& pela homcc.ipaliiia, podem dirigir-se Ql
"'; ao mesmo cousullorio a qualquer 0
0 hora do da. f?
Compras.
~ Compra-se urna canoa de carreira, da
um sopan, usada, mas em bom estado, e
que seja mantira, de modo que quatro ho-
mens a possam transportar para qualquer
parte : quem tiver annuncie por esta folha.
Compra-se um sellin grande inglez, mo-
derno, que esleja em bom estado : na ra da
Praia, n. 94.
Compra-se urna escava "engommadei-
ra : na ra da Cadeia, o. 14.
Compra-se um tanque de madeira pa-
ra niel : na ra Nova, n. 32, segundo andar.
Vendas.
Vende-se urna morada de casa terrea,
sita no bairro da Boa-Vista, ra do Coto-
vello, n. 17 : a tratar no pateo de Sin-Jos,
a. 45.



cado
Taixas para engenho.
Na fundiqSo de forro da ra do Brum,
acaha-se do receber un completo Bortioien-
tode taixas de 4 a 8 palmos da>bocca, as
quacs acham-se a venda por preco com-
modo e com prnmptidao embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Tecidos de algodo Iran-
da fabrica deTo-
dos-os-Sanlos.
Na ruada Cadeia, n. 52,
vendem-sa por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Polassada lltissia.
Vende-se superjor potassa da Russia, da
mais nova que ha no mercado, por prtco
commodo : na gia do Trapiche, n 17.
Vende-se a 3,500 rs. a sacca grande
de milho moarmazemdefronleda escadi-
iita da alfindeg.
Deposito de Potassa.
Yende-se milito nova potassa,
ile boa'qualiade, em barriszinhot.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se nao vende: nc rlecife,
ruada Cadeia, armazem n. is.
--Ven-le-sc vinlto do Porto muito* supe-
rior, em barris de quarlo e quinto ; familia
de trigo de ludas as qualiiiades e em meias
lian iras; retro? do Porto, | i'lmuia quali-
ilado : panno e meias de linho; arcos para
bairicas ; familia de mandioca em sacras
grandes e a gamela bordo da sumaca <>.-
S.-do-Carmo : ludo por preco commodo :
na ra do Vigano, n. 11, primeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cunda.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
FarnSia de mandioca.
Na ra do Queimado, n. 1*, loja de fer-
agens, ainda lia algumns sacces da boa
rariuha de mandioca, muito alva e bem tor-
frada ; bem como urna porco de pennas de
ema, proprias para espanadores.
Farinha de trigo.
Vende-se superior farinha de trigo fran-
cesa do Provenea, edegada ultiniamente de
Marsi-lha : cm casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amoriin, n. 35.
Xnrope do bosque.
CASO DEIIM NEGOCI.YNTK OBSTA PR'CA.
En aballo assignado (o certificado original
disto inoslra-se a qualquer pessoa ijiic qnizer
t'hegar ra do Hospicio, 11. Ai), Rio-de Jaiiti-
10, vrrilicado peranle o (abellian Castro) com
casa de negocio, declaro que lia vinle e d us
anooaqtie padecde urna palpltaco do cora*
ao : 1 palpitando era lao forte que, quaodo
nieatarava, perdis ia sentidos, r a respirarn
de tal forma, iieitas occasies esperavam sempreque eu suc-
cutnbisse em alguns destea terrireis ataques ;
todos os recursos da medicina quantos me l-
rain prodigalisados nunca serviain mala que
para nestas occasles diminuir io lerrivi I m -
esla ; porm nunca pude obter inelliora al-
:: 11 mi. Alm desta molestia soliieveio-inr nina
outra : qual havia ella ser? a tenivel pblhUI-
ra, causada por tuna constipando | e uo rpi-
da se declarou, que suppuolia o meii unien re-
medio ser a niorle : o saugue que continua-
mente ileitava pela bocea, a p.i lidiaran, a tos-
se, o fastio, os suores noile a lebre contfnua,
iiiln lato fez-me perder todas as esperan-
c.is, e eslava bem persuadido que en impossi-
vel poder livrar-uie da inorle. Nesta dr-plura-
vi-l crise, entregue i trale, e vendo que ti-
nha gastado nu pequea quanlia e sem ne-
Dbuui proveitii, fui quando de voltarias taran-I
grima, onde eslava rcsldlndo, por felicl-l
daile iniiln mottraram-me mu annuiicin rm I
um jnrual que na ra do Hospicio, 11. 4(1, se
venda o jarope dos bosque, remedio que j 1
tinha feito adiniraveis curas na Amrrica do'
norlr ; reiolvi-mr e fui comprar na dita rasa
una garrafa. Principie! a lomar, como declara
o autor em um papel (ue acomprnilia cada gar-j
rafa ; fol a minlia salv icflp esle poderos reine- 1
dio : rm inrnus de oltu das de uso j era u-
ta pessoa ; desapparreeram o Mugue pela DOC-1
ra, o fastio, a losse e os suores de imite con.
liuuc a lomar, e fram deiapparccendo tu
coiisideravelineiile lodos os mciis solli melos
de tal forma, que todos os incus amigos r eo-
nhrcidos se adiuiravaiu de vcr-uie to rpida-
inriitc mrllioiar : hoje o que me resta de todos
os rural aoUrlnieutoa he de dias a dias me ap-
parrrrr a p .Ipilacio; poriu vrjo-me de tal
inaueira que jame nao d cuidado, porque
limitas ve/es lein sido sufl'uienle um copo de
agoa para lser drsapparrcrr, uu tomando nina
ollirr do aropr do bosque desleito em nina
pequea porcSode agoa: oigo que nunca pa
sri titobrIII dr sadc durante viole r um anuos
dr molestia como agora lia aete para oilo nie-
les, depois que principie! a lomar o lampe do
bosque, porque eu rrruprre! o que julgava
perdido, que foi a inhiba sade, se 11:10 prrfei-
ta, ao menos quasi prifeita. Nao fui s ru rm
miaba casi que fi7. uso drste poderoso xaropc ;
Uve militas occasirs de o applicar ein pessoas
de iiiinha familia rm esos dr constipares e
tossr, c un sino trullo dado drste xaiope a Sl-
gumas 1 essoai do mru conhrciniento, c anda
cm ni 11I111111 1 occasio falliou de produzir ad-
iniravris rll'eiloi; podanlo, reciuniurnilo a
todas as prssoas que he o mais excrllrnte re-
medio para as molestias que o aeu autor ie-
coiiiineuria sem exageraeo poique ningiirm
podrr di/.rr mellior o que be este remedio do
(ni' en nirsino.
* 'linio 111 mili cima trnhn drelarado lie a
pura verdadr drbaixu de niinlia palavra Ir
honra, o que jurarri se nrcrssarlo fr,
e jnsiilicarei com qiiamas pessoas lorriii
nccessvrias as que me viram doenle, c me
lao vendo agora no estado rm que inr
aclio ; e qualqiier pesaoa que mellinr se qui-
zer informar pode dlrigir-ar ra do Hospicio
n. 40, que o abaixo assignado llie n liiira 111-
inensip casoa em osquars o rxrrlleiile xaiopr
do bosque tcm feiio aeus extraordinarios rl-
feilos.
Ksta niiiiha declara5o niandei .ui -!a r as-
si"iiei de ininlia livrr vonlade, r rom o nico
interesae de prestar um servico humanliiade
lie que a fiz para aer mostrada aquetn qui/er
. iiii 1 o que he o xarope do bosque do Dr.
fllotts.
liio-de-Janriro, 4 de Janeiro de 1848.
Veude-sc na ra dos Quarteis, n. 12.
-FfBSSSStm
--Vende-se um muito bom alambique do
robre, que o caldeira lova 50 caadas de li-
quido, com urna serpentina de estando fino
que pesa 300 libras, o qual serve para des-
tilar garepa, o tambem fazer espirito a'
40 gro, por preco commodo, por ter-se de
mudar de lugar em que se acha montada :
no Aterro-da-lloa-Vista, n. 17, fabrica de
licores.
Arados de ferro.
Na fundicBo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
.- vendem-so amarras a i.'rro: na rus
Ja Senralla-Nova, n. 42.
Vendem-se bons quijos londrinos
ditos de pralo muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos portuguezes para panejls, latas
com 2 o 4 libras de marmelada, ditas com
boWchioha de l.isba, ditas de sardinha, di-
tas com liervilhas, frascos com conservas
inglezas, queijnsde qjialha vindos do Cea-
r, por barato preco, maulas de tourinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
outros muitos gneros de boa qualidade :
na ra da Cruz, no Itecifc, n. 46.
Moendas superiores.
NafundicSodo C. Starr & Companhia ,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna. Indas do ferro, de um modelo e
construccio muito 'superior.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Bahia
Vende-se em casa deN.O. Uieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, alcodao trancado
daquella ladrica, muito pioprio paraisacens
deassucar, roupa de escravo e To iTOcrio
para leJes de pescar, por pre?o muito cum-
modo.
--Vende-se um escravo peca, de 20 an-
nos : na ra do Crespo, luja da esquina que
volta rara a cadeia.
--Chegamm novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, telogiosde curo e prata
patente inglez, para homem e senhora.
Velas de cera.
Vendem-se caixas com cera em velas, fa-
bricadas no Rip-de-Janeiro, sortidas ao
gosto do comprador e por pieco mais esm-
mododoqueem onlra quiili|uer parte : a
tratar com Machado &PinlieJro, na tua do
Vigario, n. 19.
AGENCIA
RA DA SI'^ZAI.T.A-KOVA, N. 4^.
Reste estabelecimento conti-
na .a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, pata engento; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
toado, de todos os taannos,
para dilo.
Vende-se champanha da
marca cometa G & (J, chegada
iilnmamentc pelo ultimo navio
tic Franca: na ra da Allandega-
Vellia.n. 5.
! olha de Fiandres
Vende-se de superior qualidade, por pre-
co mais cnmiuodo do queem nutra qual-
qurr parto : na ra Nova, luja de ferugens,
n 25.
Vendr-se urna armaco de armazeni
de molhados, em una dxs meldores ras
dn llecife : a Iralar na ra da Cruz, n. 7.
Tambem se vende urna porejio de ledas no-
vas, aljjuns raillios, i le.
Vendem-se hlalas de superior quali-
dade a 40 is. a libr e a ISO rs. cada canas-
Ira : na roa Direita, n, 14.
Vendem-se queijos de .Minas a 480 rs. :
na ra HiieiU, n 14.
Vendrm-se sapalfles de cnuro d les-'
tro para homem do 4 a 7.000 rs. ; boizc-
guins de duraque de 4 a 7,'iOD rs.; sapa-
mes de liizeiro, a 2 "to ; ditos inglezes, a
5,000; diios deNnntis, a 5,000; ditos do
Aracaty, a 1,000 ; hrozrguius para senhora,
a 4,1 OU; ditos decores e pretos, a 5,010 ;
a|i i' ivni n i'e n-ti n |i:i a aenhors, a
1,600; ditos de nn-uoquim, n 1,410; ditos
deitiiraque, a 1,000 ts ; pelles de lustro
haiiiliurguez ; dho franrez : msrroquinsde
(mas Bs cores ] chai eos france'/es ; ditos
deso; lencos de giavsta c perfumaras,
i ni' |'i'. i'i s comnioilos : na piai;a da lude-
pendenciu, n. 15, luja do Arantes.
A ello que he pechincha.
Vende-se fumo de corda cm barris, mui-
to pronrio pata rigarros ; charutos sollos e
rm Paisas, viudos ullimomente da Rabil,
iiiml em niili e a volitad* dos cumpiado-
res : na ra da Cadeia du llecife, n. 31, pli-
meiru andar.
Traca da Independencia,
loj a, n. 5.
Ilechegadoa esto esUbelocimenlo um
coniuleto surliineuto de Curdas o bordes
para violas, rab Cas e rabeclo, papel pau-
lado para msica : ludo da inelhur quali-
dade possivul e chegado uliuuuieiile de
Franca.
Ka: c novo.
O excedente rap Palo C.ordeiro, fabri-
cado no Rio-de-Janeiro, e chegado no ulti-
mo vapor do sul, aeda-sr a venda na ra
ds Cadeia ilo llecife, n. 10 ; rua do Vigario,
n. 13; Alcrro-da-lloa-Visla, casa dos Srs.
Estima i liamos ; e na rua do Queimado,
loja de Jos DiasSimOes.
Atrs do theatro, armazem
junto a mar, vendem-se twboas
de jiinho da'Suecia de todas hs
grossurss, larguras e comprimen-
tos, assitn como americanas, al
tres palmos de largura e urna por-
cao do mestno de reftigo, por lo-
do o preco : approveitem-se, fre-
guces, da baiateza.
Vende-se urna prcta moca, de bonita
figura e que faz todo o servico do urna ca-
sa : ni rua Direita, sobrado n. 12.
4'
Novo sor timen to de fa-
zendas baratas, ny^ rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampeSo.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores fizas e com 4 palmos
de largura, pelo barato preco de 320 rs. o
covado : eaesa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadioho de lis-
Iras de linho, a 240 rs. o covado; brim de
alsodSo de cores com listra ao Isdo e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado; brim
pnrdo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varas o urna quarta ; cassa preta com
ramagem hranei. para lulo, a 140 rs. o co-
vado; zuarle de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covsdo ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covsdo ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado ; chitas de
bonitos padroes e cores fixss, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
A bordo da brigue S.-Joie', chegado
prximamente, vende-se farinha de msn
dioea de superior qualidade, e por menos
preco do queem outts qualqiier parte: os
prelendenles dirijam-se a bordo do dilo
brigue, fundeado defronte do arsenal de
guerra, ou ao llecife, rua da Cruz, n. 66.
Vende-se superior farinba
de milho em poredes e a retalho
tendo de todas as qualidades ;
vonlade do comprador, e por pre-
co mais commodo do que em ou-
tra qualquer parle: na rua do
Brum, n. 38.
A '#000 o corte.
Vendem-sc cortes de cassa-chita, lina, de
bonitos padics e com 6 varas e meia, pelo
diminuto piec<> de 2,000 rs. o corle I na
rua do Crespo, n. 6, loja ao p da lampeSo.
Farinha de mandioca.
Vende-so a I-ordo do patacho Industria,
chegado de San-Matheus.Tundeado defronte
da escailiuha do Collrgio, a melhor fari-
nha que ha no mercado, por ser muito no-
va, eto grandes e pequeas porcOes, e pur
preco mais coaniiodo do que em outra
qualquer parle i trala-se a bordo do dito
barco, ou na rua do Vigario, n. 19, com Ma-
r-kilo cV l'mlii'iro.
Q Chapeos franecz. {
Na loja do sobrado amare lio nos Jj
''-' quatro-cantos da rua do Queimado, ~r
n. 29, veiulc-se um grande suilimen- 9
O lo de chapeos franci-zes de formas da fj
O ultima moda, a 6,500, 7,000 e 8,000, O
Fardo novo a 5,500 rs.
Vendem-se saecas grandes com 3 arro-
bas de farelo, chegauas no ultimo navio
de llamhurgo : na iu do Amoritn, n. 35,
casa de J. J. Tasso Jnior.
Chitas de asscnlos escu-
los, cores fixas, a 100
rs. O covado.
Vendem-se as melhores chitas de cores
escuras e fixss a nove vinlrns o covado:
na rua do Queimado, u. 8, lula dofioule da
botica.
-- Vendem-se saecas com muito boa fa-
rinha de mandioca, a 2,500 rs. cada sacca :
na rua da ('ailia du llecife, ao p do arco
da (louci-iC'lo e junio a botica do Sr. Amo-
nio Pedro das Neves.
--Vende-se una preta de nac/io, de 20
annos, que cozitllis, coze bem, e com urna
cria de 11 me/es : o motivo por que se ven-
de se diia ao lomprador : na rua do l'as-
scio, n 5.
Os melhores charutos de
S.-Felix.
Sao edegados os meldores charutos de
S.-Flix : na rua do Queimado, o 9, loja.
Vendem-se pecas de madapolDo largo,
iiinilii encordado, com 20 varas, a 2,500,
2,60.0 e 2,810 is.; ditas de chitas, a 4,20o
rs. ; ditas de algodSozndo, boa largura,
cun 2o jardas, a ac te pataca; el fule de
lotear lu migas: por Irs do tdealro veldo,
ll. 20, primeiro andar.
Confeitos de Clli,
e cont de laclo de ferro, approvado pela
academia de medicina de Paria, confur-
ir.e o patecer de orna coinniisslo compos-
la dusSrs. Kuinll.iu.i, Kouquier eUailly.
As prnpataces ferruginosas se cutam
no numero dus medicamentos, cujas pro-
|ir.edades nlo se pdefti pftr em duvida :
ruin i-IlVitii lia pon-as picparaijocs medicas
quelenham sido esludadas com tanto es-
mero por observadores sabios.
Us mdicos mais acroditados receilarap)
estes confeitos com muiUs vanlagens, de-
pois de lerem aniilysado sua composicflo.
U benvolo acolui.nenio que esta prCps-
rac3o obleve da escola de medicina de Pa-
rs us dispensa de fazei seu elogio.
Esle-s confeitos >Bo einprcgados cum gran-
de lUCCesSO na clorosis ou paludas cores,
as mil inmae.i'ies chronicss do estomago
e dos intestinos, na falla de sppelite, as
aineiiuriheas, ou suppressflo de menslrus,
as eufennidades escropdulosas, e inconli-
neociasdas urinas, provenientes da deblli-
ade da bexiga : na leucoirliea ou flores
adrncHs, uplIaC/So, abaliment de torcas,
noesciobulu, em todos os casos de enlia-
i|ueeii. eniu do organismo, na animya, vul-
go trialil.nie, na hydropesia, cousirquenri
destas molestias, einlltn em todos us ctsos
em quo ha allerac-lo na composlcto do
sangue.
A nspeito da dse que se deve tomar,
'basta ni ires confeitos prla mandila, e ou-'
tos tres de larde, e u mais distante possi-'
vel das horas da comida, augmentando pro-
gtessivamunto al 6 de atnauhiia e 6 de
tarde.
Ilelalivameute aos meninos, as dses va-
riaui cunformn a idade; mas tomando o I
termo medio, se darSo de 6 a 8 lodos us
dias, na idade de 6 a 12 anuos, c 4 aos mais
joveus. i
Em as principses cidsdes da Europa se
acharo os depsitos dos ditos confritos, en
Peina md neo na botica do Sr. Psrsuhos, us)
rua cstreila do Rozarlo, n. 10, e no arma-
zem de drogas e lilas da rua da Cruz, no
llecife, defronte da loja do Sr. Padre Ig
naci.
A 7,000 rs. *

a) Vendem-se excellentes chapeos
as) pretos de massa, chamados azs de
m mosca, de linissima seda e do oais
I moderno gosto, pelo commodo pre-
:a> co de 7,000 rs.: ns rus do Crespo, n.
i 11, loja de Antonio Luiz dos Sanios
& Companbia.
Vendem-se velas de csrnauba chega-
das ltimamente do Aracaty, pelo preco de
320 a lilira, sendo estas superiores as usu-
aes pela duraefio, e bda luz; na rua do Ho-
zarlo esireia n. 8.
Est a venda o bem condecido fulhelo
Verdade sos meninos obra nova e de
muito interesse para os mesmos; na rua
do llozario e.-ireila, n. 8, pelo preco de
200 rs.
Vcndem-se 2 lindos moleques perfei-
loscozinheiros, de 18 a 20 anuos, sem vi-
cios ; 1 dilo bom bolieiroe de boa condue-
la ; 8 pretos de 20 a 30 annos, bons para to-
do o servico ; urna parda de 24 annos, mui-
to boa costuieira e engommadeira ; 1 dita
,de 12 annos, com piincipins de habilidades
e muito carinhusa para meninos ; urna pre-
ta de efrganle figura, de nac)o e sem vi-
cios, perfita quitatiilcira e cozinheira ; tres
ditas com alguinas habilidades, de 14 a 20
anuos ; urna dita de meia idade ; assim co-
mo oulros muilos escravos por precos mui-
to rasoaveis : ns rna da Cadeia do ftecife,
n. 51, primeiro andar se dir quem vende.
Yinho de Bordeaux,
das mais superiores qualidades ; bem como
viudo de Champanha da nova marca estrel-
la, j muito apreciado, tanto aqui como na
Europa : vende-se em casa de Kalkmann
ti mao-. na rua da Cruz, n. 10.
Farinha de $.-Catharina.
Vende-se, a bordo do bergantim */-
ria-Libania, fundeado perlo do caes do lla-
mos, a muito boa farinha de mandioca, em
porfBo e a retalho, sendo a mais nova que
chegou a esle porto ismbem se trsla na
rua da Cadeia do Recife, n. I i.
Vendem-se.bustos de gesso represen-
tando fielmente a rainha Victoria e o prin-
cipo Alberto ; relogios de o uro e do prala,
edegados ltimamente da Suissa : estes re-
logios que silo mu bem acabados, se tor-
nan) muito recommendaveis a qualquer
particular, e adveite-se que ha entre ellos
algunsque andam 8 dias sem precisaren)
de corda : na rua da Cruz, no Recife, ti. 55.
Farclle-s.
Vendem-se farellos em saecas muilo
grandes, a 3.500 rs : na rua da Cadeia do
Recife. armazem junto a botica do arco ds
ConceicSn.
Vende-se, por precisflo, ums escrava
crioula, de 12 a 13 anuos, a qual sabe en-
gommar liso, lavar de sadilo e cotinhsr o
da i i. i de una casa : na rua do Lollegio, n.
10, primeiro andar.
Vende-se urna vacca muilo boa leitei-
ra com un bezerro de um mez, por pret;o
commodo: na Passagem- da- Magdalena ,
venda amarella, entre as dus pontes.
Aviso ao publico.
A IIOMOI-OPATIin.
J nSo he um elxir spregoado pelos chsr-
lalflesem lacrados pap-is pintados ou djpu-
rados vidrinhos, com o nome de Monsr>ur
de tal..., mas he a horravipailiia, cada vez
mais aliancada por centenares de Tactos
que de dia em dia augmentam, drbaixo dos
odos do sabio e do ignorante I iNo he a
ciencia do miiagre e do prodigio, por que
s Reos peitence, e que, proclamada
lelo homem como sua, he um charlata-
nismo impio, um pedantismo insupporla-
vel e urna loucura diablica, mas he o co-
nhecimento exietlmental das Jis da natu-
reza human*, examinado, reproduzido e
Sin- ch'-Rou a dsr um grande passo para o
esenvulvimento do espirito humano a
homoeopalhia Vantsgom, n8o de um dis
soioe oiiiru da, mas de um seculo sobre
outro seculo! Ib-je, n ais do que nunca,
nesseccifar penoso e triste de ums febre
assoladors, quesppsrecdia entre mis, ella
ha provadu com admirad-fu) a sua ellleaci.i e
exellencia sobre a velha medicina dos al-
Inpatlns Simples e fscil ells lis vencido
essa repugnancia e co.tciliado essas com-
plicscoes do corpo humano, offerecendo
como seu menor resultado, ao menos en
t e no-, nflo o valimcnto dos grandes e am-
biciosos, mas urna profunda ei enea popu-
lar. O seu re non verba se vai verificando
lodos os dias, e o povo a procura porque s
quer vrr e sentir. Pelo riue offer cemns ao
respeitavel publico um sorliuienlo de bo-
ticas liomoeopslhicas com o competente
Iraladodeseu autor, viudas ltimamente
du Rio-de-Janeiro ; pudendo por este mo-
do o homem hbil, applicado e expeliente
vira curar com vanlagens, como acontece
com o Sr. Paula Carneiro i.eflu, digno
de elogio., por se nao poupar ao re-
clamo oessa mnliiiliii que u procura, mais
por huinsnidade do que por interesse. A-
clism-se s venda na loja de fazendas, na
rua do Crespo, n. 10, da viuva l-'reilas Cui-
mares.
Vende-se urna parda de 20 annos, de
bonita figura, recolhida e muilo geitosa pi-
ra vestir urna sendora, a qual cugomuia,
C07inha odiatio e cosealguma cousa : af-
liim; 1-se a conducta ; no tem molestias e
vende-se por ptec commodo: ns rua ds
Cadeia de Santo-Antonio, no segundo an-
dar do sobrade da esquina do Ouvidor.
Na caa de modas francezas de mda-
me Buessard Millocliau, Attcrro-di-Boa-
x isla, n. 1, ha para a quaresma riscas mau-
las debidoprilo;ob-tjOesde tico prelo;
sedas pelas ; liivas com dedos; ditas sem
dedos de malha lina venladeira ; lencos de
seda de relroz para pescoco do senhoras;
manteletes de sena n de luco prelo ; cha-
peos de todas as qualidades e de lulo.
Venid m-M- 4 lindos moleques de 10 a
18 anuos; 2 mulalinhos de 18anuos, pti-
mos para pageos o de muilo boas conduc-
tas ; 4 uegmihas de 18 anuos, com princi-
pios de engommido e costura ; 6 ditas de
lodo o servico : na rua Direita, n. 3.
Vende-se, por preco commodo. urna
vacca muito boa lelteira com um bizarro
novo i a tratar na venda amarella, entre ss
duss pontes da Passagem.
Vendem-socsnsstrss de balstas esco-
lladas a 480 rs. i no Forle-do-Mattos, pren-
sa de algodflo, de JoSo Baptisls Miranda.
Farinha de mandioca,
Vende-se farinha de Santa-Calhsrin,
muito superior, por preco commodo, a bor
do do tingue Conccicao, fundeado na volta
do Forle-do-Mattos: a tratar com Manoel
Alves Guerra Jnior, ou na ruada Cadeia
do llecife, n. 38. *
Capsulas de oleo de ri-
cino purificado.
Vendem-se na botica de Morei-
ra & Fragoso, rua do Cabug, n.
11, a i ,?.Ho rs. cada caixt.
Vendo-se um mulalmho mui lindo, de
II annos ; um moleque, de 16 annoa : lodo
em conla, ejalivre das febies andantes;
na rua larga do Rozsrio, loja n. 35.
hicravos Fugiaos
m
Fugio, no dis 12 do crranle, om mo-
leque, de nome DamiSo, crioulo, de 14 a
15 annos, escravo de JoSo Nepomoceno Ac-
cioli. com os signaes seguidles : baixo,
heleos grossos, olhos grandes, falla gaga e
csra lisa ; leveu calca de algudo riscado,
carniza de algo laoziiido, maisalguma tou-
pa e chapeo de paliia ; foi esersvo do pro-
fessor de l-ora-de-Porlas : pulanlo, pede-
se as autoridades pulieiaes, ou a qualquer
pessoa e cap tiles de caniuo, que o appre-
hendam e levem-no ao lugar de boa-Via-
gem a seu senhor, que serio assaz recom-
pensado.
No dia 21 do correle mez fugio uro mo-
leque de nome JoSo, nacjlo Benguelia, allu-
regular, socco do corpo, ps grandes, dedos
dss unios compridas ; lem urna costura em
um dos bracos, proveniente de uro gancho
de fecro que Ihe cshio; levou calcas de luim
hranro muilo rotas e esmisa de algodSo-
zinho; foi vender fruas de um sitio, e he
acostumadoa vend-las em taboleiio, por
ja terdissoalguma falla de cabellos na ca-
beca ; tem de idade 18 aooos pouco mais
ou menos : rogi-se a todas as pessoas en-
carregadasda polica, principalmet.te dos
districtos fra desta capital,;cabos dequar-
leirSo que fscsm todas as pesquizss nos
con boios que satiiretn desta i idade pira o
centro, pois bs desconfianca que elle leuda
sabido emslguns, por ser pata isso sedu-
tido : s pessoa que o levar rua da Cadeia
do Recife, n. 25, teri urna repenss genero-
sa, alem da paga do costme.
-Na noile de 19 do corrate fugio!do
deposito geral desta cidsde um escravo do
nome Francisco, de nscSo Angola, baixo,
cheio do corno; levou esmizs de riscadi-
ndo e calca branca de brim ; este escravo
existia no mesero deposito pelo arresto e
penhora que nelle fizera Anna Joaquina da
Silva llar reto a seu devedor Theotoiiio Fra-
goso da Silva ; sendo que o depositario ge-
ral lem suspeitas que o escravo fra man-
dado seduzir pelo senhor, que he morador
emterrss do engenho Lapes, da coma'ca
deSanlo-Anlilo : quem o app'eheirder le-
veo-o a rua de llortas, n. 140, que ser
gratificado.
Fugio, no dia 16 do correnle, da casa
do abaixo assignado um moleque donme
Joiio, o qual diz a algiimas pessoas chsmar-
se Constantino, de 19 a 20 annos, altura re-
gular, corpo secco ; levou camisa branca e
c." lea de brim trigueiro j usada ; lem una
belide noolhodireito, uro dentecavalgado
eincima do outro e urna marca em qua-
dro ns p direita, proveniente de um caus-
tico: roga-seis autoridades policiaca e ca-
pil'ies de campo queoapprchendan ele-
vem-no a rua dasTrinclieiras, por cima do
carlorin do Sr. Cuilherme Patricio.
Rufina Joti t'mandts de Figueiredo.
Fugirsm de bordo do paiai-h Aslrea,
e do patacho Dout-dt- Mareo, a 13 e 14 de
fevereiro. dous esersvos msrinheiros sen-
do um de nome Joaqun), cholo, e o outro
de noir.c Miguel, de m-cSo Mina, esle da e-
quipagem do ultimo patacho, de rt preta,
estatura regular, cheio dn corpo, de 30 an-
nos, cum roupa de slgodflo usada ; e aiiuel-
In da^quipagem do Ailrea ; he alto, bar-
bado por baixo doqueixo, bexgoso, cheio
do corpo ; levou calca e carniza axul, cha-
peo slcochoado e reprsenla ter 40 anuos.
Roga-se aos eapilfles de campo, e pede-se
a Indas as suloridades policiaca a sua cap-
tura, cerlo de que teconlu cendo-se os | ro-
pros, quem os spprehender, ou delles der
noticias vindicas, e os levar a bordo dos
dilos navios, ser generosamente gratifi-
cado polos mostees dos mesmos, ou pelos
seus consienslaros, Amorim Irmfios, na
rua da Cadeia do Recife, n. 39.
Figiram do engenho Novo do Cabo, os
dous escravos segbiates: Msnoel, ctioulo,
carpira e mestre de sssucsr, baixo, pouca
barda, cabello ja bstanle ralo ede 30 an-
uos pouco mais ou monis; e Benedicto,
crioulo, de20 anuos, boa estatura, nsiiz
bastante chalo e pes grandes: quero os pe-
gar levo-os so referido engenho, que ser
bem i ccompensado.
Fugiram, na madrugada do dia 19 do
crtente, dous esersvos, sendo um pardo,
de nome Faustino, de 32 annos, estatura
regular, boa presenes, ps e rollos peque-
as, cabellos encarapinhados, rosto iegu-
lar, dama na pona do queixo, boa denta-
dura ; levou camisa de hamburgo, siroula
comprida dealgodSo com boleos e bonete
de panno; tambem levou comsigo urna
preta de nome Maris, estatura regular, fu-
la, lo-tii bem feito, olhos grandes, fallam-
Ihe os denles da frente: ambos fram sur-
rados, tendo esta urna cicatriz as costas,
junto as uadegas. O pardo llavera 10 me-
zes que fui pegado no lugar VsrjHo, estan-
do fgido perlo de 3 anuos e existindo com
esersvos du Galdinn Jus ue Aguter, o qual
o vendeu ao anuunciaiite ; he de picsumir
que techa ido para o mesmo coulo: ro-
ga-se s sutoridsdes policiaes desse distr ic-
io, e mesmo por onde possam os dilos pss-
sar, a sua sppreheusao, e os cspiUes de
esmpo que o levarem a seu sondor, Gsspar
da Silva l-'roes, na rua da Roda, n. 17, sero
bem recompensados.
Pki-m. : ka Tvr. de u. t pe rau. 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERTVGV30D_TXYJ4M INGEST_TIME 2013-04-24T17:03:35Z PACKAGE AA00011611_06819
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES