Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06815


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVI.
rinfiDAS dos cominos.
lima una c Parahlba, segundas rsnii feira.
Ilio-Grandcdo-Norle, (ininlas feiras ao mu...
da.
Cabo, Serinhaem, Rlo-Fonnoso, Porto-Calvo
e Macelo, no I., a II, e 21 de cada mez.'
C, ii.inliinn e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Viata e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas reirn.
Olinda, todos os dias.
. ^JagjiBUV.^afcqpggSg
Piuses o i ha.
uartri-fe.ra 20
miiBEniDEs.
/MIng. a 3, as 10 h. 59 m. da t.
I Nova a 12, s 4h.e 9 ni. da m.
jCresc. a Ki, as 5 h.e52ni.dat.
(Chela a 2, s U h. c 41 in. da m.
IIIHMAB DE BOJ!.
Primelra as 11 horas 42 minutos da manlii...
Segunda as 12 horas ti minutos da tarde.
i xsa.s.iasw-VeaTaJts.
de Fevereirode IGijO.
N. 42.
pbecios da sraacaipr/io.
Por tres 111e7.es adianludos) 4/000
Por seis meies 8/000
Por mu anuo >i 13/tKMl
DAS DA KISAIVA.
18 Seg. S. Tlieotoiiio. Aud. dn J. or', e do m. I. v.
19 Tere. (*. Conrado. Aud. do chae, do J. da I.
v. do civ. e do dos (Vitos da Calenda.
20 Quart. S. Eleutcrio. Aud. do J. da 2. v. do clvel.
21 (,1111111. S. M >\iiiii.uni. Aud. do J. dos orf. e do
111. da I. v.
22 Sext. S. M 1 ruar i da. Aud. do J. da 1. v. do civ.
e do dos fcitusda faienda.
2.3 Sab. S. Laiaro. Aud. da Chae, e do J. da 2.
v. do crime.
24 Doiu. S. Maihias, apostlo.
OA3BIOJIM 19 DIPTBEmO.
Sobre Londres. 28'/, <>. Pr 1/>00 rs. a 60 dias.
. Paria, 31b.
Lisboa, 95 por certto.
Ouro.-Oncas hespanhies......... 2W00 a 3MM0
Moedas de 6^400 velhas.. lOjfidO a IfiSuO
de G4n novas.. IWiOO a lfDO
. de 4/000.......... 9/200 a 9/400
Prala.Patacoes brasileiros...... 1/WW '/'V
Pesos conmnanos....... 1/1'O a 1/9KIJ
Hilos incxIc.iioS.......... 1/800 a 1/820
1 lili Sllllll IIIMi lili II1 lHIHHi !IIHI.1 i ""_...
INTERIOR.
RIO-DE-JANEIRO.
CAMAMA DOS SnS. DISPUTADOS.
srss*0 EM 93 di mheiko db 1850.
Presidencia do Sr. Gabriel Mendtt dot Sanios.
OflDEM DO DA.
Discutido do profeca de retpoita falla
do llironn.
( Contnuaco do u. U.;
O Sr. Ferreira Petina :Olanlo aos pro-
cesaos que se diz terein sido instaurados
contra pessoas innocentes, eu j refer o que
' se passou na conferencia que tive com os
depuj'dns no di 26 de outuhro, e creio que
iitn so faetn se lian po lera apnntar que seja
nterinr i revolta para justificar suas quei-
xas.. Entretanto apregento, para mais con-
firmar o quo tenho dito, duas ceitiloes
conlendo os nomes de lodos os individuo!,
livres e escravos, narionaps e eslrangeiros,
que fram recolhidos i ca lea do Recite a
pristo do quaitel de polica, desdo a mi-
rilla posta at o di 1 7 de novembro, ain que
comecnu o inovimeiiio na ci.lade de Olin 11.
iVin Sr. Depiilado :Ser bom mandar
i mor-las.
O Sr. Ferrtira Penna :Rtl as deptiSitarei
sobre a mesa para que sejim oxaaiinads
pelos Srs depulados, ou impressss. Ellas
declarain o motivo da prisflo de cada indi-
viduo, isto he, aquelles crimes que lodos os
dias te commettem em una ciilade populo-
sa : nenhuma ahi appareci que possa st
ai ti iliiiiiia a causas poltica. Se, porn, o
manifest se refero a prses feilas depois
da revolta, direi que algumas hoiive, nflo
(antas lalvez como conviesse. Diz-scquo
os individuos i'iitao presos eram innocert-
tes : 111; 111 oulra cousa se podi esporar dos
autores do manifest ; mas as autoridades
compentetes assim nflo entendern!, e a
mosma relacflo negou habeai corpui a mui-
tos de 11 es.
Quanto ao recrulamento, que tamben)
tem sido allegado como um.i das principie*
causas da revolta, ditei que me nflo lomhro
dn bavrr feito remessa alguma de recrulas
para a coite anteado romi>imnto ; mas, so
a ilz, i.eni fui grande a remessas delles, netn
passou isso de un facto nimio ordinario e
conforme asordaos em vigor, sendo aleda
miulia nlencflq, como j disso, mandar
suspender o recruUmeulo pur occasiflo das
eleicoesinuiiicpaes.
Dapois da revolta nao poda deixar de
crescer muito o numero dos individuos re-
cnilalos, poisque a maior parte dos que
ira' presos com as armas us mans ou em
g'-rvico do- rebeldes uilo mi poda dar outro
destino ( apoiuiot); mas, anda as.-im, eu
tiatava de examinar as circuinstancias de
cada mu delles, para que nao fossem lo los
indislinctamenle remeilidos pira a corte,
como consta docxt'acto que passoa le. de
tima carla dirigida aoSr. ministro da just-
t,'ii em dala de 4 de do aqui nvenla e t utos individuos aprisio-
nados 1 elas 110*849 lineas nos com bal dees
Mnssupinho a Nzre(h, e sea in 69 deiiiie
el les muito proprios para recrulas, lomei a
delihrracflo de- os fazer sabir lioutcui no
vapor Pcrnambiicumi para seren entregos
ao presidente da Haba, e dahi conduznlos
em alguma occasiSo opiortuna para a cor-
te, do que dou coula ao Exm. ministro da
guerra.
Ve-se, pois, que anda durante a revolta,
qliando po i un ser perfeiumente justilica-
Oas medidas mais rigorosas que o govor-
no 1 orvenlura en.preiiassu contra os rebel-
des, eu allendia as circumslancias daquel-
les mesmosquee'aiu aprisionados em com-
bale, isenian o do terruiamenio todos os
que me parecan! inrspazes do servico das
armas ; mas nao bavia modera^flo, nao I1.1-
via jn>.iit;:i que batasse para chamar ra-
slo os apaixonados autores do matiiresto.
Queixam-se finalmente de terein sido cer-
cadas as casas de sens nn-lbores amigse
varejadas sem as fotmaldaoes da lei, refe-
rinde *o a algumas diligencias que fez a
polica para apprelieiider as munigOee ar-
mas que c.inslav.i estarcm depositadas na
casa de Jos llygino do Miranda, e outros ;
mus eu mo mu demoia ci em explicar es-
li s facloa, poique creio que iiinguoin lia
que drsconheca o rigoroso dever que linha
a uulurida lo de assiui proceder. (Apolaios.)
A casa do depulado Lopes Neltn snll'reu
tambem una busca, que uilo tralarei de
ju&tilicar poique elle mesmo se cncarto-
gou disso, leudo a adiiuravel fiauquexa de
declarar qu iiliam lidu o Liii.venienie destino as mulli-
ques que existalo em sua casa. Ksle facto
lie muito notorio no llecife, econslauedi-
veisas pefas ollieiaes. (Apoiad;$ )
K-e. e/eiiiln ao Sr. inun.-li o da j'ostica em
28 de novembto.eu llie remelti o manifest
dos depulados, e declare a 8, Kxc que,
pondo de parle as injuiias de que ou era
victima, muito eslimava a | 11 ni tal documento, poracbar-ino sssas ha-
bilitado para explicar lodos es relos de um
nodo slisl'.cioiio, desfazundo lo ntrozes
calumnias e falsidadus. Julgo, senbores,
ter cumplido a minba promessa e o meu
dever {apoiadus), c se nao desc a urna ana -
iysa anida uns minuciosa dessa peca, lia
borque recelo abusar demasiadamente da
benevolencia com quo a cmara me ouve.
I'assarei agora a fazer algumas refi.xes
sobreooulio documclo, a que me leferi
no principio do meu discurso, isto he, um
folbeto que ahi corre iuipresso, e que lein
por titulo ApreciacA'i da revnlto praieira-em
Pernambuco por Urbano Sabino Petsoa de
Mello.
Seu autor declara que paraniJo cahirem
erro limita-so a referir os relos de que
tem nutiria conscienciosa, e esta decla'a-
Cflo lem para mim muito valor, porque
creio que avista das exelicacOes que cu
houvesse de dar ser fcil cmara e ao
pul.lie,1 decidir de que lado esl a boa fe <
avenlade. Seeu tivesse lido occasifo de
vorofolhetn durnntua minha ultima esta-
da no Itecfe, poderia lalvez apresenlar
a.'nra mais completos esclarecmeutos so-
bro algons pontos ; m>s ali eram mu raros
os 1 xenu Itcs, e ouv iLzee que s linhan
sido remeltdos aos desembirgadorcs, lal-
[.vez por onlen len 1er o autor quo estando
na corle poda informa-loa mcllior dos soc-
cessos qoe occorrfiram dante Je seus pro-
prios olhos.
Comece a sua leitura notando escrupu-
losamente o que me pareca inexacto, para
poder explicar cerlos fictos, e especialmen-
te os que pericn;ni a minha administracSo;
mas logo vi, seuhores, que seria necessario
notar o livro todo. (Miadas.)
O Sr. Figutira de Mello :~lle urna serie de
mentiras e falsidades.
OSr. Paula Foneeea :lie como a historia
da revolucitode Minas, pelo pa ir Mariano.
O Sr. Ftrnira Penna: Adiando se repro-
ducios no liillieio os inesuios faetos allegados
no inanifeslo, procurarei nao abusar da pacien-
cia da cmara repetindo o que ja disse a res-
pelto delles, e limitare! inhibas rellexdes aos
que me parecein mais iiipoilmtes,comeando
por observar que o aulor leve por principal
objecto de seu cuidado, confundir as datas dos
aconteciinentos de inaneir tal que o publico I
pndesse semprc considerar como causas josti
ao paquete, nao posso saber exactamente o dia
em quo sal in do Mecife, mas consta que' da ba-
rda irouxe 7 dias; enllanto ao brigue, tani-
beiu consta que tocando em Pernambuco fze-
ra a sua viagem para aqui em lidias, oque
bem musir que nao pudiam trar.er noticias
mais recentes que as do vapor. Qual seria,
pois, o navio que trouxc ao Itio-dc-Janeiro un-
tes de 4 de novembro as cartas que o Sr Urba-
no afrina ter em sen poder? Qual ser a sua
data que elle nao declara?
OSr. Morsas Sarment: As cartas podiam
ser recebidas depois.
O Sr. Ferreira l'enna: Sim, admllto a pos-
sibili lade de seren as cartas aqui recebidas
pelo Sr. Urbano depois do dia 4, mas note-se
que elle diz mili claramente que o desembar-
gador Nunes Mai hado parti em consequencia
do aviso ou convite que se Ihe dirigi combi-
nando-se os fados e as datas, ver-se-ba que is-
so nao era possivel.
Se o desemhargador Nunes Macha lo foi
para Pernimbaco para eviiar a revolts, co-
mo se assevera no folhelo, enlato forcoso lio
concluir quo ja liaviam lomado a delhe^a-
c dimentodo presidente, e que depois arre-
penderam-so.
OSr. Soma Franco:--Nito he assim.
O Sr. Ferreira Penna : -- Se nRohs isso.
en rogo ao nobradepuU loque queira ex-
pliearo faelode onlra maneira.
N80 duvido quo a revolta apparefesse no
da em que appareceu, contra a ooiniflo do
ifes.'tiiliaigiilnr Nones Machado o de algons
de seos amigos; uilo duvido qoe fosse co-
mecada poralguus homons mais impruden-
tes e reprovada por outros que nilo liveram
bstanlo cor-igen para estor^n-la: ouvj
const intrnenle ilizernuo o mesmn ilesetn-
bargadorchegando aMaceie sibendo do
_. r imi'i'iieti'o semos'rra ipai^onailissimn,
ncatlvas da revolta os seus proprios etl'eltos.
(.4 po 1 a dos J
No primeiro capitulo tratara elle de provar
que a revolta nao eslava lias iuteiic>s, nein
nos interesses da praia, e eu nao me demora-
rei milito sobre este ponto, porque o publico
j tem miII'uaenie conheclmento dos fictos pa-
ra formar o seu julio, A isto responden! uit;-
Ihor do que eu o poderia fazer os discursos pro-
feridos Beata cmara pelos deputidos de Per-
nambuco, e principalmente pelo proprio autor
queixan lo-sa amargamenta to seus ami-
gos por havercm rom pido sem motivo, sem
rasan alguma ; mas que aquelles que dese-
javim vcHo compromtildo na lula, co-
nlieeen In o sen genio lizeram ttltlo quanto
panceu proprio par conseguir que o en-
lliosiasmo o denunciusse mais que o seu
suntimenln da amor i ordetn : todas estas
explicaQoes sito aJmissives mas o que eu
trato agora de provar be quo elle nflo poda
bordo de um dos navios de guerra. Senho-
eet do ministerio! Ve le que Pon a mb tico
tem brios e que eai suas veias circula 0 san-
(?ue dos herfies tle Guararaoes
Nilo lando a menor noticia dcsti ficto,
oassei logo a exigir utorinacO 'S, como se ve
do seguinte ofTicio :
lllm Sr. Hitando o Diario-Novo do
boje publicado ri'ie un tuhjeito chmalo
Marcolno, sobre, regado de numerosa fa-
milia, eiilrra di; ensaca nesla cjilade, lis
dous dias. amarrado com curdas p cercado
de soldados e que fura logo mandado para
00'do de unidos navios do gierra ; n nilo
ten lo eu nenhuina oulra nolleia (leste fac-
to, torna-s necessario que V. S. 111 inlur-
me com o que Ihe constar a resi-cito tlclle,
deelarando-me, a s ir vei idied, qual o navio
en que se ae'ia aqnelle un.vi luo e a auto-
ridade que o remellen.
I) 'os guarda a V. S. Palacio do govorno
da Pernambuco, 13de novembro de 1818--
Hercui'ino Ferreira Pruna Sr. oipitflo de
fragata J.n.juim Jos Ijriiacio, conimindan-
lo ilas fOrcas navaea.a
A resposla dada pt;|o Sr. .1.1:1 |ni 11 Jos
I n ci, dlli -1 :iI dillincto por sua bravura e
prnl.id ule {apeadas ),intoirametile iric.i:iz
de in verter u 11 facto onde faltar a ventaje
( apoiados), be 1 que nasso a ler :
H. 8 lllm. Exm. S-. -A nolicia
dada pelo Diario-Novo da hoje aflirnisn lo
que um tal M.rcilino, sobrecarregado de
numerosa ramilla, que ha dous dias linio
"iiralode casaca nesla cMa-le prPaoe a-
murradocom codas, ron logo di mesnia
forma manda lo para borlo deum navio da
guerra, heinteirameuiofalsa,parquea bor-
do to nenliijiii dos navini do (|ijosa com-
p6*( esta forca naval foi receb 10 duranle o
hampo do mou roinmundo recruta algum
mandado por V. Exe. OU por qtialquer nu-
tra auiiii 1 1 ule da provincia, excepto qus-
tro Miarnheiros que a capitana do porto
recrulou, nm por desoba liencia no respec-
tivo ra.:ililo, e tres para a guamiQO do
brigue-escuna Legalidad*, qjja tentl 1 a
honra de oaiiicipara V. Exc. em resposla
ao seu ofiicio de-ta dala. Daos guardo a
V. Exc Burdo da fragata Ciiniliiuirao, sur-
di..qief%OPp6i80^^i^\.Ti'wdVl,,e,1'. esnquanioaeiiroiiiivaiiioiieracao, to.eran- fl cn
do jolgou indispeiis ivel dcsapassa-los de algu-. ', ,. .;,.., f~, B"*"> < 'm nan unid.
mai posicoes ollieiaes. etc. et. c'a' Mi u i">r l" lo '!'" I quando Publicados esles .dllcios na folhl ofllc'al
O inleresse de vencer a eleicao de vereadores s proinellia a conservaQo da cmara tem- ,, que pensis, genllores. que Liria o Ihario
c juies de paz que se deveria ter feito a 7 de j potara e apellas se ia Tazendo a reaccilo em jNuvo, qoe o anlor do follieto reeorihen; co-
mo orgo do s"u punido? Lnnles-arii po'
setembro he um dos pretextos que o aulor do pequea escala o seinpre sh es sombras do
foiheto descobre para calumniar o ministerio mtiiisleiio, la marcliava o exeic'.o e nave-
queseorganisou 110 dia 2u, iinpulaiido-llie in-:K,va a marnha para a conquista do infeliz
tenfdes e actos capazes de provocar a revolta |rnambucano, que alias se achava em per-
~^fl?:-J?22f. fS.'jm&OOZi.* fala pal. E anas. 31 1 Entretanto ara
correspondencia ollicial talve. se reconheca, 'c,l P- K P8- 3 : Knireanlo para
que no dia da sua organUacao uem o rallilsta- **, dfl paz o C onc irdia lev va (o
rio poda saber com serleza se a eleicao eslava presidente ) comsigo a per.suasno de millia-
leia, ou para quando teria sido addiada, em res de bayonetas e caubeg.
asan das irregularidades que se nolarim na j Aflirmo, sonliores, que no levei commj-
qualificaciio S depois quecbegn i ao ecife g0 um S Soldado, nenl O governo fez mar-
bequesoubequesehaviadesignadoodial9de pngrfrca a|g,na para Pernambuco anles
novembro; e he cer.o que desde logo appbquel;(Ja ,,, ^ para que viosse 0
toda a nuil lia'al encao a este objecto, nao dando _.. |i._ ,.,, ? >"'. '
o menor passo a favor de un. partido, ...a, pro-, corpo luo do Leara, mas piflrora Mm 0
is meios a meu al- sexlo balalhnu de cacadores e se elle nilo
iniiflensivo vgaro, rujas vestos gacerdotaeg
fiiram vilmente ultrajada!, nSo obstante
sua ilude avanca la e orespeiloe estima
de lodos os seus freguozes.
h>codo-me, Sr. presidente, tle haver
ehegado preso ao n^cife, dbrantea revo't,
um padre do Muribeca, e nilo dnvilo quo
fosse esta mes no que aqui se menciona ;
nflo me lenTbro, DO'e n, das circunstancias
do seu crime, o muito menos de haver ex-
pedido ordenl a I- un 1 a sai respeilo, in-
eliuau lo-inc por isso a crer que fui ocho-
fe de polica qiiem lomoo conhermento
o caso mira dar-lhe o devdo de-tino.
Quanto ao coronel Jos Carlos, nssevero
eamtra que nilo foi preso, nem remetti lo
para o lecife em meu lempo. (Apoiados. J
,\o me le i,brii.lo de haver receido no-
ticia alguma da prisHo de um homcm to
notavcl no partido praieito, o julgan lo in-
fiel a miiihi memoria, pe.li informaQiio a
algiins de nossns collegas de Pernambuco
q ie uqui so arhim presentes j ellos lam-
I>> r 11 me 1 sseveram que Jos Callos foi pre-
so no lem ;o do meu successor, e recolhido
nflo a cnleiu, uem a una nresiganga, masa
u 11a fortaleza, por ser nlli-nldo exercto.
( Apoiadus. )
Comparados estes lacios com a n.irracflo
dofolhelo, bom rlaro fiea quanto ho elle
viridiro eco>seitu?io t iei que .o Diario Noui n. 250 de 17 dn no-
vemh-o, tratan lo de vanaj prisOes fetas *
na Muribeca, concille assim o Seu artigo :
Em eonseqieneia dess ltenla lo o povo
se reuni esolt<>U nflo s ao Sr. Ilftan-
conrt, como aos mais cidtdflos ntre-
la n lo fran lulos recoUli los as ci leas e
prosigan gas do Itecfe por orlem do prc-
sldente Penna!.'
t) combata de Paje-de-Flores nos dias is
c 19 de novembro, .do qual resultotl mui-
ins fer i montos e morios, aloi da prisflo do
famoso Nogueira Paz. que o havia provo-
cado, como consta das partes ofcisos, be
relatado no consciencioso fo Hielo como
um plano c envela lo pelas novas aulori li-
des para privar o mesmo Nogueira Paz do
ejercicio de juiz de paz pres dent da elei-
eflo municipal! Foi esta urna das iiinoceti-
les victimas da perseguieflo do governo;
mas o .Diaria Novo n. 272 de 15de dezem-
bro innunciou aos habitantes do lleeifo o
de lo lo o imporio, como un motivo de ge-
ral regosijo, que odislmcioe ViUntecain-
peflo esta va a frente das fdreas lber jes .' !J!
A pag ote 35 diz o autor do folbeto que,
seeu fosse bem intenciona lo teria seguido
o ese.11 do doSr. Piras da Molla, que adun-
de novembro ;
Com elfeto esse Marcolno de que tra-
tamos aiile-hoiilem nflo enlrou aqu amar-
rado, mas fui efectivamente amarrado no
Ubnleiro luda noite do dia antece lente
quelie em que aqui entrn, e s no dia de
sua re essa para essi c ade he quo Ihe
tiraram as cordas ; mus elle conserva ess.is
curdas que as uioslra a qoe,u as qoer ver
como osignal de seu mar I y rio, ele etc ..
curando prevenir por lodos os nicios a meu al- sesio oaiaiiiiio ua va^aaorea, e se ene lino Temos assim respondido ao Diarlo de Per-
cance a perturbaco da ordem publica a que quizesse sinceramente preferir os mpms, hambwu de hoot-m, unipriolo acen scen-
muita gente se uiostrava recelosa. Rompen- conciliatorios, nflo tena levado a cnntem-j|ar g,l(, posto que nflo fosse linda
ventora (|iiu tinli 1 si lo mal infrmalo? E's! do lambein a provincia etn geralalsrn, o
1 resposla que elle den no seu 11. 2l8del5.os praieros em armas, por liiv,-r o Sr.
Souza Teixeira demilido virios emprega-
sc me nvjiuisnii poueria maiiuj ia,.t,-i. cu ai- j Antes ei
guns lugares que eram iub trmenle domina- 'nu-.i%r
dot pelas lrcas legalistas 1 mas isto litio acn- iiovouiiiio,
U iCoelho, foi ct
do a revolta, foi indispensavcl addiara eleicao^ placflo para com os seus adversarios a pon
at que a tranquillid.ule se reslabelecessc ; Fto do abandonar a lembraiica de nomer i>
se o governo tivesse as sinitlras iuirnces que g,.nera| Seaia, Como ji secxplirou ( Apoia-
5,,_r^e.!5^M!f,!?.,,**?*?!lr!*-.?>'*??.*'T'i.?!?!- dos. ) Antes e depois da revolta al o dia 23
om que ChegOU O general
conservado 110 commando das
cste estado de geral desespero (sao pala-'armas o coronel Itosado : be .um bomem
vras do foi luto, descreyendo a conferencia de I leal 10 governo, roas u oppnsicfln tambem
\\ de iinvembrnj snnberam 01 depulados que o nn0 t mili rasflo alguma a allegar contra cl-
presidente tinhaorganisado einsegredo mais |e> 0 g|C pareca estima-lo.
completa reac-io, entregando a autoridade a j iam|,em nflo levei rrtrrja alguma de mar,
hoinens cuja nomcacao era urna aiiie.cagal aulor do folhcto qu-r fallar d
rr.%::crr;i^eua^.tir
observacaesjudiciosas a respeto; pedira.n-lhe eonduzo jara irem servir nos n.viosja
que nao nomeasse cerlos individuos, e csco- jexistooles no norte cujas goamicoes se
Ihesse quaesquer outros de sua ionli mea poli- aditiva 111 muito desfalcadas. Tu lo islo de-
tica ; apenas resppudeu-lhrs que baria de no- vo constar dos registros ollieiaes ; mas o au-
mcara quem Ihe pareeesse. t,,r do Col helo allirma o contrario, pela ma-
Koi em taes circunstancias que os depu | nBra uo ge .. de Vero anula diz-uos
tado.escrevrra.n para o Jto-d^anriro. 1- i 0 f f d t ,od
giudo a ida do nosso presado amigo Nunes Bla- i~
rhado; conservamos em nosso poder as suas
para
bordo de navio do guena o referido Mir-
colino. romtiido tem do ter esl.- destino,
nflo obstante ser rgo tle mu olbo I
llavera meio algum, seuhores, dn con-
vencji- adversarios que assim procedeni ?
A pag. 3te3sju aecusadode haver fei-
to a liiveraSoom segiedo, entregan lo em
nio aos llameados os seus litulos e as de-
dos policiaes, souhe coulenla-los edes ma-los, demitliiido mal do/11 desniisini-
OijgoS! mas que cm vez de seguir essa
exeoiplo uom e os mesmos individuos que
elle havia deuiittido, e ouiros ai 11 Ja peto-
res!
Declaro, senhoies, que fico o mais alto
Cnnceito do saber o carcter do Sr. Vicente
Pires di Molla, que Ihe tributo muito ros-
peilo, e estimtire ter mil occasioos do se-
guir os seus cxemplos ; nns dovo lamben
observar que anda que fosse menos sus-
peito >io que be o conselho que agora me la
osprectador .la revolta praicira eu nflo pn-
derei adopla-lo. O Sr. Pires di Molla era
delega lo de u ti .niuisicrio que apenas len-
ta/.i susvisar uiapouco o violento domi-
nio to na1 tillo praieiro, e que venJo-se
logo em crise nflo pola execut r exacta-
mente o seu programma; eu achei-mo
misses de seus antecessores, de manelraleollupadoem clroumstanelas mu diversas.
cartas. O desespero he geral, c cm visla do
que o Penna val fazer, a peraeguictio se torna-
r insupportavel, nao tereinos lalvez frcas
para comer tantos adiados importantes, amea-
(ados em suas vidas : veulia ajudar-nos a evi-
tar as consequenci ,s de urna lula desesperada.
certeza
Principiou na capital e seus suburbios
( diz o l'nl'.eiua paginas 32 )l mais infreno
nersegincflo : recrulamento cm massa pelas
ras e catas sem atlencflo a sen^es legaes;
prisoeg em vasta escala, processos a esmo.
Os presos entravam pelas ras da ctdade aia-
a ac.ulelar os elloilos da iudiguacao do l'ovo;,.- j j apupadas da
venha salvar a provincia e o partido que o .ao* 4-'"" '<"' -iJITtLZ .
perde-se com a revolta a que o procura..! ar- gente das tavernas, como o c.ladlos Mar-
cellino Antonio Pereira e Marcolno Ferreira
rastar.
O liuado Nones Machado, esse nosso amigo
o mais dedicado e de mais pura lidelidade, so-
bre cijo tmulo seinp.e verteremos amargas
como 5
da Cosa ; outros encorrentado.
teniPliidos de Cni nina.
A respeilo tas prisOes o recrulamento, j
lagrimas ; esse coracu nobre, generoso e mag- apr,.sei.ei documenlos quo provam a falsi-
nauii.o, esse ty,.o do mais elevado patriotismo, Jg U(, M 8r,. ma. y ja,lto a0 facto de
" entraren! presos amarrados com cordas,
inn-ii aivi o que se passou.
O Sr. Iloraes Sarment : lslo ho cos-
tme, em tolo a paile : nflo ha outro
nieio.
O Sr. Ferreira Penna : lie bem Sabido
que em toda a paite do brasil sflo encorren-
lados ou amarrados com cordas os presos
que teem de ser conduzidos de um lugar pa-
ra outro o eu nflo lalo de fazer agora re-
llexVs sobre isto, mas desejo explicar
mais um facto dos quo refere o aulor do
folhelo, visto que elle cilou um nomo pro-
prio.
O Diario-Noto de 13de novembro (dia
posterior ao lompimenlo da revulla ) mon-
cionou a prisflo de Marcolno Kerrelra da
Costa nos termos seguintes : (lendo) O
Sr. Marcolno, sobtecarregado do numero-
sa familia, enlrou de casaca nesta cidade,
ha dous das, amarrado com cordas e cer-
cado de soldados e logo foi amarrado pin
buco, confiado em sua luimensa e merecida
iulluencia e popula''dade, ele, etc.
Ora, seuhores, sendo eei lo. como ja moslrei,
que at odia 28 de outubro o pioprio Lopes
V im diaia cm sua arta dirigida para Mara-
iiboque o partido praieiro eslava atisf.ito
coiiiin go, e nao linha raso alguma de qoeia ,
sendo certo qoe al o dia 2 de novembro nada
de novo havia 01 coi riJo, e que s no dia 3 de-
pois da conferencia zeraiu os depulados a
111.111ife-.iae. 10 de sua hnslilitlade, por suspeiu-
ii'in que cu pretenda fazer, ou j linha feito
em segredo essa to fallada iuverso ; sendo
liiialiinme certo que u desemb.igador Nui.cs
Machado nardo dcsla corte 4 Ue nove.i.bro,
como seta pos&ivcl couceber tudo i%to con. as
asserces do autor do lo helo que acabo de l>?
Note-se mais que o vapor Uahinna sabido de
Pernambuco 110 dia 18 de outubro, Imuiedialo
ao da ininli posse, chegou ao Itio-dr-Jauei.o a
30, e que al o di< i de novembro iic.ibum ou-
tro naylo aqu citrn (como se pode vr das
parles publicadas nos Viarioi) alui do paque-
te ingles cVniif que eutrou no mesmo da 30, c
do bngue dinaiuarqucz Fdwnrd a 31: quauto
qu nada consta va ni secretaria, nula se
publicava na folhl nllic al, nada so cominu-
nicava asesinaras muiiicpaes o tribunacs,
nem mi s no aos demitnlos. Anda quan lo
eu tivesse feito a grande iuversflo de qoe se
Ma, nflosei de lu alguma que me obri-
gasse a fazer publicar immediatamente na
capital todas as iwii:cat,' \s o demlsses ; e
al creio quo usara de um direito, que se
nflo pode negar ao governo, se recominen-
dliaeto.lo o segredo emquauto ellas nflo
chegassem ao seu destino, se assim o exi-
gissetn as circumslancias dos dstrictos.
Nflo lendo, portn, feito tal inversflo, haven-
dojaproVdilo que nem inlencflo llalla de
faze-la, pouco ou nada me resta a dizer
sobre esto ponto. Quanto falta de for-
malidades o dascom.nunicacYs quo se de-
veiiun fatlP, appello somonte para os re-
galos das coa.pct-nies repartir/es; se o
proprio autor do folbeto as consultar, co-
nhecera quanto se lem engaado. Em tal
caso lio provavel que diga, comoj lem di-
to, que ca.-s iran ,-e os ttulos expedidos,
mu i.iiam-se dulas; mas isto nflo merece
resposla alguma.
11 Em Uuribpcca ( diz o folhelo a pag. 3SJ ;
quas io ia as iuiluencias praieras nflo .
adiict 11 aui a 1 evnlta : assim mesmo o dele-
gado ptendeu se tu nenlium motivo ao juiz
municipal do l.moero o l)r. Joflo Francisco
Coelho liitlncourl, ao coronel Jos Callos
Teixeira, ao rcspeitavel vigario Jos das
Candeias e Mello, aos ollieiaes da guarda
Nacional Miguel Arcbanjo Lopes da Fon-te-
ca o Francisco Jos Ludovico, o a minios
oulros eidadflos, todos agarrados Pin suas
casas, onde se achavam pacifieameuta. Fd-
ram os presos remeiudos para o Itecfe, ira-
lados com grosseria e insolencia, entretanto
o coronel Jos Carlos pelas ras da cida-
de c 11 jaqueta de dula e chin.-los f pois
que nem Ihe consintiram o vestir-se) Cer-
cado com os ouli os cu 111 pan he i ros de infor-
tunio por urna escolla de banlidos que os
cobriam dos maiures improperios. A lo-
dos mandou o mansueto Peona recolber as
prises e presigangas, sem exceptuar o
A'ii la assim respaile! quauto foi possivel
seus arlos, centre os proprios en prega los
de polica poderei apouUr algum como o
l)r. (Jaldas, delegado do 1. oan 1.1 que,
nom 'ado por elle, foi demiltido pelo seu
antecessor e por mtn reinlreg.d)
Nflo fram as demisses dos euprega-
dos policiaes (diz o folheto) quo proiuzi-
rain a revolta, pos quo os praieros nflo
ambicionan! laes emaregos, netn delles pre-
csam ; mas sim as nomeijoes quo recihi-
ram em bomensde preceleutes horrives.
Como, pois, se revoltaram taiibein contra o
Sr. Souza Toixeira, quedimiltio o 11.T0 uo-
meou ?
- Em o anno de 1818 (diz tamben o fo-
lhelo) o vico-presidente Souza Teiseira foz
urna inversflo completa otn todas as posi-
t'os ollieiaes, nflo deixandoemoregado um
s praUifb*. \)s Srs. Pires da Milla e Costa
Pinto liem poucas reparuc/.es fizcratn: por
bonseguinta niloxeram mullos os praieros
rcvoslidos de autoridades. Entretanto
assavera-se que o presidente Penna fez de
novo urna completa Inversflo etn toda a pro-
vincia. C lino concili ir estas diversas as-
sereflo? Quereri o autor do folheto confes-
sar inte fi'iratn tambem por mim demiitidos
muilos empregados que nflo silo praieros?
Ecomo, senhores, auima-se o autor do fo-
Ihoio a ecusar-mc por nflo haver segoido o
Oiempla do Sr. Pires da Motti, de quem
elle e seus amigos tanto se queixaram ? pos
* foi o Sr. I'eivoto da Brilo que na sua
caita dirigida a Mor.es aeons lli'.u a seus
amigos quo rcsistisseiii com armas a esse
presdeme'! Nflo foi o mesmo Sr. Urbano
quem profer nesi 1 casa 0 discurso que
ai.iiia lujo i, declarando que oSr. Pues da
Molla era guerreado por ambos os partidos
da pro /ine 1 a ? Nflo foi ello mesmo quem na
sessflo de 23 de maio de 1818 aecusou o Sr.
Pires da Molla como aulor das molidas mais
rigorosas lomadas em 18*J durante as re-
voluces do Minas eS. Paulo, descreven-
do-o como muilo capaz de executar 11.n pla-
no da maiscompljla reaceflu ?
Debais, pensara o Sr. Urbano que toda a
MIITII ADO


*
P^M
genio ignora alguns dos meios a qu o hon-
rlo Sr. Pires ta Motli so vio lalvez na
"fogosa necessidado de recorrer para conse-
guir o seu principal empenho, isto he, o
reslibelecimenlo da Iraoquilldada da pro-
vincia, que os prni'iros lnviam perturba-
do ? Nflo se lembra que corre impresas urna
carta, que algiima cousa revela sobre os
meios que se empregararo para que so dis-
persaste < reuinflo do Catuca .'
OSr. Muraes Sarment : Eu ouvi dizer
quesetinha dado dinlieiro : nlo sei.
O Sr. Ferreira Penna :,\ carta uqui osla
oiprcssa no hilador de 3 de agosto de Ii48.
nflo lie uoi segredo que estou revelando :
ella faz al muila honra aos senlimentos do
seu autor.
O Sr. Morats Sarment :--Quem he o au-
tor?
O Sr Ferreira I'enna :-0 fallecido Nurfes
Machado. Elle dizia uessa c>rta escripia
da corle a um amigo de l'einimbuco, A-
gora mesmo se ospalham aqui boatos vergo-
nhusns, eaflirma-sequeexistom documen-
tos o'llciaes duendo que o (iesarmameulo
do psrtc de nossa genio custra diohelro.
Ura, isto he que he a infamia das infamias,
velo augmenUr aindr mais os embaracos
com que lotavamos, etc.
L'm Sr. deputado :--Nflo era possivel que o
Sr. Pirra da Holta tal lzessa.
OSr. Ftrreira I'enna Nem eu tambem
otiflirmo; refbo-mesimplesmcole carta,
edigo que nflo julguei possivol empregar
tsles meios.
Sr. Maraes Sarment :De cerlo: so meios
inuitoiepiovados.
[Conlauar-M-ha.]
ALACOAS.
Extracto do expeditnte do Exm. Sr. presi-
dente Dr. Jos Denlo da Cunha Figueiredo
15 DE JANEIRO
Oflicio. Ao inspector da ihesouraria de
fazenda, para mandar fuinecri ao hospital re-
gimenlal dncomingente do segundu batalliu
de arlilhrrla a p os ubjecti-s consumes da re-
lacoqur ge Ihe remelle.
Porlaria. Demittindo do posto de capilflo
da segunda coiupanhia do pruneiro balalhu
da guarda nacional do P.nim a Jos Filippe de
Azevcdo, por assmi o liaver pedido. Com-
nunicou-se ao chefe de legiSu respectivo.
" Oflicio. Ao capilflo Berutnfa Aleixo Tel-
aieira de Mendonca, declaraiido-lhe que leudo
sido (derrogada anrtiueacao do segundo ins-
tructor para a guarda nacional do municipio
de San-Miguel, cumpre que elle e instruccao
a ambos os balalbes como d'antcs.
Dito, Ao l)r. diere de polica, declarando-
lhe que tendo-se olliciadu em data de 17 de ou-
tubro .o anuo lind-i ao seu antecessor, orde-
naudo-lhc>|ue Acesia todas as pesquisas c iu-
dagacrs sobre o facto acontecido no Puco-de-
Caiuaragibe, narrado em um olliciu do vice-
cnsul d<- S. M lirilanuica,' qaie por copia se
lhe reuielleu com o sobrdalo dalo, e que
nflo leudo al agora tido solueo a tal respeuo,
infonne presidencia se j l'raui dadas as
providencias ordena Jas, c un que estado se a-
chaial negocio.
Uiio. Ao lenente-coronel da Mala Grande,
Pedro Vieira Jnior, acensando a recepcao de
seus oflicios de 3, 4 e (i do correle, e declaran-
dn-lhc que bem proerdeu eni pies lar as 50 pra-
vas pedidas pelo subdelegado de Agna-liranca
para augmento do respectivo deslacamcnlo,
devendo rriiiar csse reibreo lugo que cessem
as circumsiancias precisas acerca da Irauquil-
lidade do lugar. E qoc ao Exm. presiden!* de
Pe iiaiubucu j se vlciou para mandar postar
mn deslacamentn rui Tacaral, aliui de obstar
aqualquer reunio de rebeldes.
Dilo. Ao lenenie-coronel cominandantc do
baialliu do Porlo-da-Folha, ordenando-llie
que euvic ao tenenlc Sevrriano Mariins da
Funseca, coiiimaudante do dcslacanieulu de
Agua-Branca, o ciruela do balalhao do seu
coiniiiaudo, alim de ser all empregado noiei-
i ico, como actualmente se faz luialer.
Dito. Ao inspector da lliesouiaria de fa-
lemla, approvanlo a tabella das elapes c lu
rageus do semestre iIp Janeiro a juuho do cor-
reme ejercicio de 8-19 a 1850.
Dito. Ao niesmo inspector, eoininunicau-
do-lheqnepor portara de 10 de detembru pro.
juno pascado fura reinoviilu o bacharel Amo-
nio de i .ii v.ilhu Kaposo de proinolor publico
da comarca da Al .lu para a de Anadia, e qur
li.vendo boje prestado o juramento do esivlu
lhe mande salisfazer os ordenados que houver
vencido.
Dito Ao niesmo inspector, para qisc na
inesina conformidade do ollicio de 7 do correu-
le, mande satisl'aier ao capilflo Jos Antonio
Ferreira Adriao as quaulias de l'.'S.ll.'li rs. e
28,280 rs. comanles das duai comas por elle
assiguada, que se lhe remetlem. importancia
d.i- despeas fritas cun o sualcnlu e outros ob-
ji'clos para os Africanos em deposito no quar-
ii'l militar no mez de dezeiubro prximo pas-
sado.
Cortarla. Ao aluioxarife, ordenando-lhe
que pague a Sacavem Itarbosa A I. a quantia
de 2.160 rs., imporiancia do embarque de sele
calatea de armainento e ires cunbetes de car*
luxos para bordo do brigue Cuno/io.
Eis o ollicio que nos referimos em prin-
cipio :
Um. a Exm. .Sr.Em meu oflicio de 12
do correnteinteirei a V. Exc. los moviaien-
ins do inimigo, o das disposicfi'S da nossa
Torga. Com elTeito marchou a frca n mi-
n'ifla do dia 11 para S -Benedicto, qu aehou
abandonado peos rebeldes, os quaes se
retiraram para o BrejSo, logo que soube-
ram da approtimacilo della ; mas o tenento-
coronel JoloCuilherme de Bruce, disposto
a ataca-los, conlinuou a sua marcha para o
Brejflo, onde entrou pouco depois das duas
horas da tardo, tendo havilo fortis tirolei-
rosnts entradas do Brejflo, e mesmo den-
tro dello, priaieiro que o inimigo abando-
oasse o sen acampamento e fugisse para as
mallas, deixando seis morios no campo.
A nossa f-ija leve dous morloi e do-
ze feridos, como V. Exc. ver da relacSo
junta.
Ella pernoitnu no Brejlo, e no dia 12
seguio para S -Benedicto e d'ahi para Pa-
nillas, onde chegou a 13, e donde o seu
conimandinle me deu parid do occorrido, e
i.'/ seguir para esta villa o sngunJo bala-
lhao (le artilharia a p com o feridos, para
ae refazer de muidlo e trocar algum arma-
mento.
Para que a forca do governo podt>sse
Mor senhora do acampaiii"nto do Brejlo.
foi misler tomar urna gr '^e trincheira e
laucar ns roln'lil-s para fra de treze osas
pequeas; de duas cngenlioras de fazer,
urna asoleare oulra farinha ; de urna gran-
de casa di! vivenda, e de um cannavial.
Ao chegar a S.-ltene licto, achoo aquel-
lo nimmu lano o suli lelegado de Qn papa
com uns cuto e viole pusanos mal arma-
dos e municiados ; e, couvencionando con
o mesmo subdelega lo ser necessario dei-
xar de trinta a quarenla hoijiens afim de vi-
giar a puvoa;3o, forneccu-lho viute massos
de cartuxos para acnhar de muniriar aquel-
las pravas, assim como por igual motivo
deu ao suh lelegado de Panellas 28 massos.
ic Consta que o Vicente do Paula est con-
tcnlissimo com a derrota do sou antagonis-
ta Cusi no, cuja perda n3o se deve luoilai
s au- seis moitos : h muilo provavel que
elle livesse igualmenie feridos etc.
U imu'o de batedores, que tinha mar-
chado para Cajueiro, lalvez por mo encon-
trar tambem aIIi o inimigo, sigui para
Barra-la-Jangada'; e, segundo dizem, (.or-
que nflo quero aQaoQar iiolioiaa, por cuja
veracidade n mi possn tirar J b.it u all os
rebeldes; mas noile voltaram olles ao
nonio, ini.i vr muilo I i.:n e iior inn iii^n ,'nn
ancioso espero a coiumunicagilo paia lva-
la ao conhecimenlo de V. Exc.
se bem, e o cominandaiile lhe rende seus
elogios.
n Dos guarde a V. Exc. Quartel-gAnerd
do commun lo das armas na villa do Boni-
to, 15 de f.ivereiro de 1850Ulm. o Exm.
Sr. cjucelheiro Honorio lirmelo Carneiro
l.eflo, prosiJenloda provincia, lote oaqutm
Cocino.
Piiblca$ad a pedido.
21
BMBIU HE PBBN1BC1
axcirc, 19 de riviREmo os laso.
Os rebeldes continuam a provocar o der-
rmenlo do sangue brasileiro, c a recebar
provas incontrastaveis do denodado valor
das tropas governislas.
n (iMi ni que abaixo vamos transcrever,
dirigido relo Exm. marechal Jos Joa-
quim Coelho ao Exm. concelheiro de estado
presidente da provincia com dala de 15 do
correle, pora os eleitores ao correte da
bravura com que as mencionadas tropas, ao
mando do valcnle leninle-coronel Joio Cui-
thernU de Bruce, rebellina u anarchisus
do BrcjSo, e os forgaram a embrenhar-se
as maltas, depois de Ibes haverem tomado
urna grande trinrheira, treze catinhai, duas
engen/iocas, urna grande easa de viienda e um
cannavial, obriganJo-os a dcixar sobre o
campo os cadveres de C dos seus compar-
sas.no entretanto que nos apenas livemos de
lamentar 2 mortes o 12 ferimentos.
Ilomens endurecidos noerinu-, ellcs per-
sisten) no malvolo intento de medir as ar-
illos fratricidas com as da legalidade ; e,
depois do terem rejellado a clemencia im-
perial, ou abusado della em grande escala,
IH>M PROPAGANDA.
I.VIII.
Asno 2.
Finia venit, venit finis !! !
{Kzichiel, cap. 7. vv. 2. e3.,
Dr. Lu* e J. V. Mariins-
FI'BURS iiiimntks
urentes curados pelo tratamento da homa-o
palia.
On ne p.-ouve que par la slalislique. >
(llouilloud )
An>a cheio de amarguras aentill lo vi-
vamente as calamidades desastrosas por
que pastamos no luctuoso anno de 1s49
principiamos no novo auno do 1850 rng indi'
a ll-us urna melhor sort para a popul C:V
da Babia, e Implorando de sua infinita hon
dade c saliedoii todo 0auxilio para levar-
mnsaeircitoa ailnpco gerel da homwopt
tkln por todas a-|familjase povodestacidad>
--como a medicina salvador, a nica ew
Indo superior ao uso vulgar do receituarin
allopailiico pela pharmacia enliga.
Mais de urna vez t-mo< nos publicido os
medicamenlos e seo modo de a iminlslraefln
mais prolicuo no tratamento das febresrei-
nanleaaflm de que possain os enfermos de
principio logo usa-lus, e. nos Casos triviae-
dispensar mesmo nossas visitas; mais rtf
urna vez temos j publica lo a relaQo dos
DOStOl doentes curados, mencionando-o>
casa por casa, ramilla por familia, etc. etc.,
e romquan'o o numero de 120 al hoje por
I i i i i i i i i i I I .' i rtRrm ....>.!.. n kb 1 .. u ^ .1 _
dem, casa do lllm, Sr. francisco Eze-
quiel Meiracomprehenden lo sua familia
--escravos, caixeiros eaggregados41 di-
tos.
I Icm, o Sr. Antonio Jos Monteirocom
casa de mareineria neala ra, e um seu hos-
pede2 ditos.
dem, oSr. escrivQo, e o Sr. commissa-
rin--anilins ofllciacs da fragata brasileira
Paraguassu' estacionada nesto porto2 di-
tos.
dem, casa do Sr. Ignacio Bernsrdino
dos Santos, comprehendendo aua familia,
escravos, aggregados e maisquatro pessoas
doentes da familia do Sr. Joflo Claudio dos
Santos (da villa de Itaparica.l que en de-
zambro p.p. ahi estove nesta cidade26
ditos.
liem, oSr. Ilenrique Cuilherme Coelhe,
e seu lillui o Sr. Carlos C. C. aqui bem co-
nhecidos nesta ra 2 ditos.
dem, o Sr. Antonio llaphaelgenro do
fallecido liaphael Baptista GoucalvesI dito.
dem, casa do Sr. Jos i'ereira Sariiva
urna tiln menor, e urna cria escrava do
mesmoS ditos.
dem, a cibra Lucina, um lillio menor,
e o crioulo Marcellino que habita as lujas
la casa do lintureiro fraoecz deata rua--3
dilos.
dem, oSr. Aniceto que trabalha de sa-
pateiro, e a cabra Alaria Antonia residentes
as lujas da sasa do ca torio do Sr. escri-
v3o da subde|egacia2 dilos.
I.adeira da Pregoica, a Sra doSr. piloto
Joilo Chris'istomo, costeiro, e um seu cu-
nhado2 dilos.
IJem, o Sr, capilflo 'nutico) Jos Fran-
cisco Dultra e seu cunhado o Sr. capilflo
Antonio de Souza Travassos--tambem nu-
tico2 dilos.
dem, a Sra. do Sr. capilflo Gadtda
carreira do Ido-Grande do sul, um escravo
cozinheiro, e cinco marinheiros de seu bor-
do7 ditos.
Ba do Fugo, o Sr. Manuel Lopes Velloso,
e2llnos menores3 dilos.
Bairoqiiinha, a Sra. do Sr. Joaquim T.
P. de Melloempregado d'all'an lega e urna
escrava--2 ditos.
I.argo do theatro, o Sr. Joaquimcai-
xeiroda venda do Sr. Braga, as casas no-
vas da rdem Benediclina-I dilo.
Ilu i dos Capitfles, mais duas Hlhas do Sr.
Antonio Jos Correia da Costa2 ditos.
I.aigo de Sania Barbara, a pequea Leo-
poldina, lilha-doSr. Thomaz Mauricio da
Bocha, deno do llolel-Cojimercio--l dilo.
Portas da Bibeira, urna filha menor do
Sr. sargento encarregado das galles1 dilo.
Nomina total d*sta relam >-120 doentes,
que com os outros 120 ja apresentados f#-
zuin i lo e aqui licamos para nflo mais nos
e-li'ii-lcimus Imji', deixando os 3* escravos
de diversas pessoastratados nas enferma-
ras de nn.i-ii casa de saude e mais 18 pessoas
livres, e mais setenta e lanos doentes exter-
nos que haveoios tido at esla data cura-
dos da fehre epidmica, para publicarmos
detalladamente logo que a allopatia nos
acceile o convite feilo.
Casa de saude e consultorio na Preguica,
i de Janeiro de 1850. Dr. Luz.
(Coireio Mercantil da Baha.)
bao,: barricaa com 8 arrobas e 3 libras de ai-
iucar.
Babia, patacho nacional ianla-Cra, de 101
toneladas e 3|4: cundiu o irguinte :
900 barricas bacalho, 10 laceas erra-doce,
2 caixas fazendas, (j barricas pregot.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendlmento do dia 19.....2620,002
Pavimento do Porto.
Natos entrados no dia 19.
Rio-de-Janeiro Urlguc-escuna ingle de
guerra Gri/fon, coininaudaule o icnente
I hnrber.
dem 28 das, briguc brasileiro Snala-JWaria-
llaa-Sorte, de z00 toneladas, capilo Joaquim
Dias de Aievrd, equipagein |3, em lastro;
P. Dias dos Nanlos. Passageiros, Gaspar
da Silva Proel.
Mar-I'acilico, leudo sabido deSag-Habor a 28
metes, galera americana lllenuii, de 413 to-
neladas, capiao Daniel Jaggers. equipagem
24, carga azeite de peixe; ao capilio.
Navio sahido no mesmo dia.
Genova Barca sarda Brialasi, capiao Cban-
tel em lastro.*
EDITAES.
nos apreseutado nflo exce la a um terco do-
nossos doenles curados, todava paro ia is-
to bstanle signilirativ para persuadir aos
incrdulos da cfficacia do Iralamenlo pelas
doses mnimas, e estimular aosSrs, Cillc-
gasalo; alas a fazerem igual publirato pa-
ra melhor e com os factos provar-se qual o
melhodo de cuiar que mais lem aproveila-
do no tralamen'.o das fehresacluaes.
Novamento os convidamos a urna tal pu-
bliccflo em que nos declarem o Iralamenlo
por elles seguido esua relativa mortali.lade,
esc por ventura MU nflo lorem extrmo
maiorcomparativamente a alguns casos
funestos que a homceopatliia deplora, n*
nos ciiiil'.-s.-aiiins vencidosaqui do alio da
impr. nsa, o por urna vez desistimos de nos-
sa misado de propagador da homaiopalhia--
abdicando para sempre nossos direitos de
medico, lie assim que vos laucamos a lu-
va, Srs. das grandes dses, he assim que
eppellamos para a virdade, para os lacios
-que debalde vos pretendis escurecerne-
gaodo-os, pervertendo-os, o at Oaluaini-
ando-nos!
Continuemos, pois, con a nossa relajo
dos curados ainda por hoje, e s prossegui-
remos logo que qualquer.dos Sis. alloputas
acceile nosso convite para contestar-no*
com a mesma franqueza e lealdade.
Doenles curados
Ba da Preguica, casa do Sr. Jos Fer-
nandos.Eslc Sr. e una ciiuica, neto do
do niesmo2 doentes.
I lem, c isa ilu ir. Ignacio Aotunes Sua
Sra., ."< ti i to menores, 4 escravos, eo dilo
Sr.- 10 ditos.
dem, oSr. Joaquim Gomes Fernandes da
Ocla, t-uro do fallecido Baphael Baptisla
Concalvcs o um escravo do mesmo2 dilus
dem, o sobrinho mei.or do Sr. Antonio
ALEANDECA.
Reodmento do dia 19. ... ll:966,98g
Detcarregam hoje 20.
Birca ingleza Bonita mercadorias.
Brig le americano Balherst ideal.
Brigoe oglez Testal bacilhio.
Iliale americanoAbegailidem.
Barca americana l'runcklin l'arinha e
laboado.
Barca hamburgueza-Maranno-botjas vazaa
IMPORTAfAO.
Cornelia, brgue Inglez.'vindo do llalfix,
en Irado ueste mez, consignado a Me. (.'al-
ai init & C manifestou o seguale :
1607 barricas e 142 meias ditas bacalho;
hn consignatarios.
Ahigail, Inste Americano, vinJodeTer-
ra-Nova, entrado uesle mez, consignado a
M Calmont & C, manifestou oseguinto :
1600 banicas bacalho, e 1140 palaces;
aos consigiialarios.
CONSULADO GERAL.
B-'inlimenlo do da 19.....5:357,02*
Diversas provincias...... 121,775
como que se afanam por aniquilar-se ...jde Souza Dultra, e3escravos do mesmoSr.jrica 30quarim
Dos os iilumioe '' 14 diloa. 'coiu 52 caada
5:478,799
EXPORTACAO.
Despachos martimos na dio 19.
Araraty, hiate nacional Ouvidoio: conduz o
seguiuie :
lio barricas farinba de trigo, 21 ditas baca-
lho, 7 fardos c2l caixas fazendas, 2 ditas cli,
cndete l'rrragens, I braco de balauca, 10 gi-
gos btalas, I safra de ferieiro, 1 forno dilo, 1
caixao niiiideas, 2 fardos papelan, 1 caixa fa-
zendas, 1 pacote ditas, 2 caixas ditas e iniude-
zaas, I sacco pimentas, 2 barricas genebra, I
i'.n x.iii cravos e mais objectos, 1 caixa cha, 2
barricas serveja, iO ditas graixa, I caixa iniu-
dezas. 2 feixos tulla de ferro, 2 caixas e Z pi-
cotes fazendas, I caixa miudeas. 1 fardo pupr-
iii, I barriltiiiho peixe salgad-i, 1 caixao e 1
pacotc fazcudas, 3 caixas, 3 fardos e 1 pacole
fazendas 1 caisinha 'niudeas, 1 picote Tlen-
las, 2 latas tima. 1 arroba de oci, 4 broclias,
10 barricas bacalho, 10 sciliuhoi batatas, 2
meios barris mauleiga, 1 saojuinho cravo, 1
amarrado canrlla, 2 barricas cevada, 2 ditas
serveja, 1 pacolinlio miudezas, 1 barrilinhu
liuguicas, 4 barris mauleiga, 5 barricas lan-
uda, 10 canastras batatas, 10 caixas sabo, 7
(os lousa, 1 barril vinbo, 1 dito manteiga, 1
caixao mangas de vidro, I dilo medicameulos.
I diio louea, 3 barricas enxadas, l meta dita
miudezas, 1 caixao dita, 2 lardos e 3 caixas fa-
zendas, I barrica genebra, 2 barris uianteiga,
1 sacco pimeula, 2 caixas cha, I laceo canella
e mais ubjoclos, 1 caixa litra, 1 embrullio pa-
pel, 2jacazes batatas, 2 caixas miudeas, 3 bar-
ricas cuchadas, 2 barricas pregos, I eaixote li-
mas, 5 fardos e 2 caixas fazendas, 1 paco te
chapus, 2 caixao miudezas, 2 manga* de vi-
li-o. '. i i-.in-.li-,, 10 caixas com lOarrobasde
sabo, 1 caixao com 5 libras de rap, I dito
com 4,800 charutos, 2 barricas com 88 garrafas
de licor, I dita com 7 ariobas e 14 libras de
Manear, 2 caixas com 70 libras de sabo, 1 pe-
dra de lillrar agoa, 3 barricas com 21 arrobas
e 20 libras de assucar, 1 dita com 6 arrobrs e
27 libras dito refinado, 1 barrica com 17 l|2 ca-
adas de espirito, 10 caixas com 300 libras de
sabo.2saccas com 3 alqueires de arroz, 1 bar-
""has, 5 calas sabo, 2 barris I
me! de furo, 1WJ caixiubassa-'
O lllm. Sr. inspector da theaouraria
da fazenda provincial, em cumprimeuto da
ordemdoKxm. Sr. presiente da provincia
de8 do correte, manda fazer publico, que,
nos das 20 o 21, ir a praca, purante
O tribunal administrativo da mesma tho-
souraria. para ser arrematado a quein por
menos fizer, o concert di ponto do Vaia-
liiiii'*) em o; ma, sb as clausulas especlaes
abaixo transcriptas, e pelo preco de 1:031/
As pessoas que se propozerem a esta ar
remalacflo comparceam na salla das sessVs
do sobro Jilo tribunal, nos das cima men-
cionados, pelo meio-dia, compelentcmcnte
habilitadas
E para constar se mandou aulxar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda po
vincial de Pemambuco, 9 de fuvereiro de
1850. 0 secretario, Jntonio Ferreira d'Jn-
nunciurilo.
a Clausulas especiaes d'arremalaco.
1. Os concerlos da ponte doVaradouro
serflo feitos conforme o orea ment apresen-
lado nosta data a approvacflo do Exm. Sr.
presidente da provincia, sendo a importan-
cia 1:034.000
2 O arrematante comecar a obra no
praso de um mez o acabar no de tres ma-
zos, ambos contados na conformidade do
art. iodo regulamenlo das arrematados de
II dojulho de 1843
3. O pagamento d'arrematacflo realisar-
se-ha do modo determinado no art. 15 do
supracitado regulamenlo.
4. lo los os materiacs serflo examina-
dos pelo engenheiro antes de serem empro-
gados, e approvado lavrar-se-ha um termo.
5. Para ludo o mais que nflo esliver
determinado nas presentes clausulas, se-
guir-se-ha inteiramentc o que dis, o o re-
gulamenlo mencionado dol dejolho de
1843.Becife, 7 de fevereiro de 1850.O
engenheiro do termo do Becife, Jos Mame-
de Alve* Ferreira. i>
O lllui. Sr. segundo escriplurario, ser-
vi ii.lc dn inspector da thesouraria da fazen-
da provincial, em cumprimento da ordem
doExm.Sr. presidente da provincia de 14
do correnle, manda fazer publico que, nos
dias 12,13 e 14 de marco prximo vindou
ro, ir a praca, peanle -o tribunal admi-
nistrativo da mesma ihesourari para ser
arrematada, a quem por menos fizer, a obra
da conlinuaeflo do caes denominado Ra-
mos, sob as clausulas especiaes ahaixo
transcriptas, e pelo preco de 11:395,000 rs
As pessoas que se propozerem a esta ar-
remalacflocouipai-ecam na sala das sesses
do sobredito tribunal, nas dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou adixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda
provincial de Pcrnambuco, 15 de fevereiro
de 1850. O secretario, Antonio Ferreira
d'Xnnunciacto.
Clausulas especiaes da arrematado.
i.' As obias da c.nii i miacao do caes de-
nominado Ramossero feitas de conformi-
dade com a planta e orcamenlo nesta data
apresentados ao Exm. Sr. presidente da
provincia, pelo p ei,u de 11:385,000 ra.
2* Esla obra sera piincipida no pra-
zo de dous mezes, o concluida no de 7, am-
bos conforme o artigo 10 do regulamenlo
das arreroataces de 11 dejulhode 1843.
3.' Os pagamentos da arrematadlo se-
rflo feiloa segundo dispe o artigo 15 do su-
pracitado legulamento.
4* Todos os materiaes serflo examina-
dos pelo engenheiro antes descrea eropre-
gados, e, approvados, lavrar-se-ha um ter-
mo em queaasignarflo o engenheiro e o ar-
remalaole.
5.* Para ludo mais que nflo estiver de-
terminado nas presentes clausulas seguir-
se ha inteirainente o que dispOe o mencio-
nado rogulamenlo de II de juiho de 1843.
Recife, 13 de fevereiro de 1850. O en-
genheiro do termo do Recife, Jos Mamedi
A Ivs Ftrnira.
esta reparticSn, consta terem aido presos :
uiinha ordem, Luiz, escravo de I). Josefa,
por andaV fgido ; Maria, escrava, por bri-
ga ; e Pedro remandes da Conceicflo, re-
manido pelo chefe de polica da Parahiba,
pela morte feita em Joaquim Jos de Sana-
Aona no eiigonho liba da comarca do Cubo :
a ordem do subdelegado |da freguezia do
S.-Frei-Pedro-Goncalvcs. Paulo oscravo,
requerimento da respectiva aenrmra : or-
dem do subdelegada da freguezia de S -An-
tonio, Maooel ,\evos da Silva, Antonio lla-
mos, Filipps Santiago e Florencio Jos
Quarcsma Osrlioxa por brga : i ordem do
subdelgalo da freguezia deS.-Jos, a par-
da puncian*. escrava do Manoel Carneiro,
por andar fgida.
O delegado de polica do tareeiro distric-
to desle termo, e igualmente o subdelegado
da freguezia de JabottSo, parcipara-me
por ollicio de 16 do correnle quf, no dia 15
pelas II huras da noite, fra assassinado na
dita povoavoacflo o ex-inspector daquello
lugar Francisco Gomes Alvos Pinto, e qua
al aquella dala senSo tinham deacoberto
os auliioies deste alicatado, presumi do-so
terem sido cateado numero daquellesre-
beldes, que outr'ora o prenderam no men-
cionado lugar.
O delegado do termo de Iguarass part
cipou-me por ollicio da mesma data que no
lugar denominado-Ciifla-do-Estevao bou-
vera urna inuite, cujo autor coasta ter aido
preso em Apipucoa pelo respectivo aubdele-
gado.
O delegado de polica do termo de l.imo-
eiro prlcipou-me por oflicio de 9 do cor-
rete que, ao seguado disiricto de Bom-
Jarditn no logarMatta-Viigem--Mnno.il da
Bocha disparara um espingarda sobre Eli-
siario Ramos, do que resuliou imaieliali-
mente a morte desle, tendo aquelie deixa-
do de ser proso por se haver logo evadido.
leos guarde a V. Exc. Secrettria'da
polica de Peruanibuco, 18 de fevereiro de
1850.lllm e Exm. Sr Honorio Mrmelo
Carneiro Leflo, concelheiro de estado, pre-
sidente desla provincia. -Josi Mcolo-Re-
guara Cosa, elide de polica interino.
lllm. e Exm. Sr.Das partes hoje recibi-
das nesta roparticiio, simiente consta ter
sido preso: a ordem do subdelegado da
freguezia de S.-Frei-l'edro-GonQalvea, o
preio Domingos, escravo de Manoel Pereira
Caldas, a requerimento do respectivo se-
iihor.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da
polica de Pernambuco, 19 da fevereiro de
1850.lllm. e Exm. Sr. Honorio llermto
Carneiro Leflo, concelheiro de estado, pre-
sideole desla provincia. Jote Nicolao *i-
yueira Cosa, chefe de polica inturino.
Avisos maritimos.
Declarares,
Pela inspectora do arsenal de mari-
nha se convida a todos os individuos livres,
al o numero de cincuenta, que ae quise-
rem emprega-r como serventes na obra do
mesmo aiseoal, e lias do mclhorameiito do
porto, a so enlenderem com o respectivo
inspector, o qmil, em vi i tu le das ordens do
Exm. Sr presidente da proviuco, Ibes ga-
ranto a inseneflo do recrulameuto, em
quanto se empregarem (Teclvamenle nes-
sas obras.
O vce-consul de,S. M. o rei de Sarde-
nha nesta provincia, ordena ao marojo An-
tonio Massone da polaca sarda Engenio, que
fugio de bordo depois de morrer o seu ca-
pilflo e piloto, baja do se apreseotar neste
consulado no decurso de tres das, a coatar
da primen,! publicacSo do-te ; alias, ser
considerado desertor, o como tal punido
com tolo o rigor da le,
Kcpaiiicao da polica.
Para o Rio-de-Janeiro sabe o mais bre-
ve possivel o brigue Minerva, por lera bor-
do mais de dous tercos de seu rarregamen-
ln : qnem quizer carregar O resto, mandar
escravos a frete ou ir de passagem, onteo-
da-se com o capilflo a bordo, ou com o seu
consignatario, Francisco Alves da Cunta,
na ra do Vicario, n. II, primeiro andar.
Para Lisboa sali imprtlcrivelmente,
no dia 27 di correnle, por ter maior parte
de seu carregamenlo promplo, o brigue
portuguez Novo-Vencedor : ainda recebe I-
gumi carga a frete e passageiros para o
que ofTerece excedentes commodos: os pre-
lendentes pdenlo tratar com Thomaz de
Aquino Fonseca & Filho, na ra do Vigario,
n. 19, ou com o capilflo, Antonio Jos dos
Santos Lapa, na praca do Commercio.
Para o Rio-do-Jaaero saln, no da 21
do correnle, o patacho nacional Tlenle:
para alguma carga miuda, passageiros, e
escravoa frete, trata-se com Noveea' & C,
na ra do Trapiche-Novo, n. 31.
Para a Baha sabe, oo dia 20 imprete-
rivelmente, o patacho Stnta-Cniz : para
alguma carga e passageiros trata-se ao la-
do do Corpo-Santo, n. 25, loja da massa-
mes.
Para Loanda com escala
por llossamedcscBcn*
guclla
A barca Tentaliva-Felis segu para todos
estes pintos, e se acha prompta a recber
carga e passageiros : ascommodidas que a
mesma oflerece j sSo bastante conhecidas
nesta praca, e para mclbor desengao, oa
prutendento* poderflo ir bordo da mesma,
que se acha Tundeada defronte do Trapiche-
Novo : Irata-se na ra da Madre- le-Deos, n.
3, com Silva & Grillo, que pretenden! fje-
la seguir al-o fin do crrente.
Para o Rio-de-Janero sabe, na presen-
te semana, o brigue nacional Dous-Amigot:
tem ain-la lugar para pone* carga miuda,
passageiros e escravos a frete : quem pre-
tender emhaicar procure n sou consignata-
rio, Manoel Ignacio de Olivera, na praca
do commeico, n. 6.
Para o Miraohflo sihe.no dia 21 do cor-
rete, o veleiro hiate nacional Aguia-Brosi-
leira, forrado e pregado de cobre : os pre-
tendeotes carga ou passagem, dirjam-se
com antecedencia ao escriplorio de Manoel
i;oncalves da Silva, na ra da Cadeia do Re-
cife, ou ao mostr a bordo.
Para o Bio-de-Jaueiro segu com hre-
vi lade, por ter parle da carga prompta, o
brigue Cndescendencia ; para o resto da
carga e escravos a frote Irata-se com o ca-
pilflo. Joaquim Jos Martios, ou com Joflo
Francisco da Cruz, na ra da Cruz, n. 3.
illm. e Exm. Sr.Participo V. Exc,
qua das parles lioutem boje dirigidas a
mi mi Ann
Avisos diversos.
-- Fraocscc Goocalves de Moraes, Dr. em
medicina, sendo nomeado pelo Exm. Sr.
presidente da provincia para tratar das pes-
soas indigentes da freguezia do Recife a-
coiomellidas das febrea reinantes, avisa a
estas mesmas pessoas, que precisarem de
sua assisleacia, que o podem procurar na
ra dn Cadeia-Vrlha, no primeiro andar do
sobrado n. 59, ond mora.
- O Dr. Pedro Doruellas Pessoa, ten Id
sido nomeado pelo Exm. presidente da pro-
vincia pira prestar oa auxilios mlicos aos
indigentes do hairro da Boa-Vista, que fo-
rero asssltadosdas febres reinantes, deca-
is que pndei ser procurado, dis 7 as 9 da
manhfla, no grande hospital da candada, e
nas mais horas na casa do sua residencia,
na ra Nova.
Precisa-sedeurna cozioheira forra ou
escrava: a tratar na ra Cruz, a. 3.


--Anlonio Jos Kabollo GuimarBos rel
r-se para fr di provincia com sua U-
milla.
Da-seqoalrncentoa e otenla rs. pelo
Diario do da I4de margo de 18*9 ; quem o
liver leve-o a ra do llangel, n. 21, onde re-
cebera en importe.
d'au r o r a
G. Starr & Companhia teem a honra da
avisar aos seus freguezes, e ao publico em
geral.quaa sua grande fundigfio em S.-
Amaro alm do sorlimento que constan-
temente tom aclia-se de novo prvida de
muitas moendas de canna, e de varios ta-
manhos feilas no mesmo eslabelecimento
pelos mais reritos olTiciaes, e com o maior
cuidadoe perfelgfio; tanto assim he, que
osannuncianlesae ufanam em garant-las
pelo primeiro anno. As moendas inteiras
todas de ferro', construidas as officnas
dos annuncianles, silo muito superiores a
quaesquer oulras da mesma n tu reza queL
at agora teem sido aqui offerecidas, pois
aquellas encerram em si certose importan-
tes mellioramcntos resultado e mais de
20 annos de experiencia e pratica do paiz.
Denles arlificias,
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peilavel publico que contina a exercer a
aua proflssSo, na ra estroila do Itozario,
n. <6, primeiro andar.
Fabrica deAsphallo, em
Fra-dc-Portas, em fren-
te do chafan/, da ra
doBrtim.
Chama-se a attengfio dos Srs. proprie-
tar ios para que entre no conhecimentodes-
ta massa. quo poderflo ver as amostras de
dilferentes cores, na ra do Guararapes, ca-
ga que da fundo para o chafara cima men-
cionado. Essa massa he de grande uiilida-
de, por ser contra a formga, copim e ralo,
e ser propria para ladiilhar calcadas de
ras, ariuaxens, casas terreas, igreja, ter-
racos, tanques, corredores : ludo do mais
tiono gosto em proporeflo da obra, e em
particular, por ser muito saudavel: trata-
se no lugar cima
Pede-se ao Sr. Francisco Antonio de
Britn, capilfin da primeira companhia do
segundo hatalllfio <1j guarda nacional des-
ta cidade, o favor de ler o seu livrode re-
gistro das ordena do dia de seu halalhfio, se
este otem, ese o nSo tem leia o numero5
leste Diario de 7 de Janeiro do correnle
anno, que nelle encontrar publicadas as
or leus da presidencia e commandanto su-
perior ida guarda nacional, relativa aos
guardas oacionaes que se ali3taram no cor-
po de voluntarios, atim de dar as suas or-
den para que os inferiores do sua compa-
nhia deixem de chamar para o servico da
mesiraos guaras nacinnaes voluntarios,
por assim terom determinado os seus su-
periores. O voluntario avisado.
OSr. padre Caspar, de Fra-de-Portas.
queira mandar buscar urna carta na livra-
ria da praga da Independencia, ns. 6 e 8.
Quem precisar de um forneiro, dirja-
se ra larga doUozario, n. 21, venda que
volta para a polica.
OfTerecc-so um rapaz brasileiro para
caixeiro de aromen de assucar, o qual
tom bastante pralica : quem precisar, oiri-
ja-se roa do Calman, loja da esquina, jun-
to a botica do sr. Moreira.
Precisa-sede urna preta forra ou cap
Uva para servir em urna casa de pouca fa-
milia : na ra da Concordia, casa terrea
junto ao sobrado em que mora o Sr. Jofio
dos Santos Porto.
Deseja-se alugar um preto ou'mole-
que captivo, que seja de boa conducta e
liel, para o servigo de copeiro do urna fa-
milia estrangeira : na vonda junto a apel-
la inleza.
Iloje, 20 do correnle, porta do Sr.
Dr.juii docivel da segunda vara, ir a pra-
ca. para ser arremata la, umi canoa grande
volha, avaliada em 30,000 rx. penhoreda
por execuco de Domingos Das dos San-
tos contra o p Arrenda-seum sitio em Santo-Amaro,
com boa casa, fruleirasecom commolo pa-
ra dez vareas : quem o pretender, procure
na ra da Gloria, n. 70.
O 0
0 Aviaa-seao reverendo Fr. F. deS. Q
0 T. religioso, qoe no prazo de 3 das Q
0 v pagar a quanlia de 25,000 rs. a j
r-x pessoa que nfio ignora, pois foi di- ^
*I nlieiio de emprestimo para s arran- \:
SJ jar, alim de ir selebrar fra da pra- w
Q (a as missas do Natal, e se o nfio l V
& zer nos ditos tres das, lera de ver o O
O seu Dome por extenso nesla folha. Q
O &
Precisa-se de una ama para todo o
servico de urna casa de hornea) solt i ro :
na ra da Cruz, loja n. 49.
Precisa-so de um forneiro que aailia
desi-miu'iihar bem a sua obrigacSo : na ra
da Sentatla-Velha.n.96.
Moje, 20 de fevereiro, na praca do lllm.
Sr. r. juiz da agunda vara, se tifio de ar-
rematar duas tabernas, umaescrava e va-
rio ubji-clo da casa peiihorada a Jolo Jj-
cintho Moreira, por execugilo de Joaquim
Piolet o Jacome eoulroscredores, escnvfio
Molla: lie a ultima praca.
Precisa-se do um caixeiro para venda :
ua ruado l.ivramenlo, n. 30.
Aluga-se o primoiro andar da casa, n
44, da ruado Amorim, com poucos com-
modos, propro para homem solteiro : a
tratar no mesmo sobrado.
Precisa-se alugar pelos para serven-
te de pedreiio, pagaudo-se 640 rs. por
dia: noarmazem de madeiras do Torres,
na ra da Concordia.
Oabaixoassignado, morador na tra-
vessa do Queimado, n. 3, faz sciente a to-
das as pissoas que teem penbores em seu
poder de ouroe prat, lenhain a bondade
de resgata-los no prazo de 30 das, conta-
do da dala do prsenlo annuncio, (cando
as mesmas pessoas certas de que, (indo este
prazo, os vender para seu pagamento, de-
vendo repor qualquer quanlia que porven-
tura faltar para solucOo de seus debito.--
Gabriel Anlonio de Castro Quintis.
Precisa-fe de urna negra alugada pa-
ra o servico interno e externo de una casi:
no paleo de S.-Concalo, n. 32.
Precisa-se alugar tres pretos : na ra
da Concordia, n. 8, relloagfio franceza.
A' casa da residencia do Dr. Loureneo
Trigo de Loureiro.no bairrod Boa-Vista,
ra da Saudade, defronte do Hospicio, po-
den dirigir-so por carta, ou pessoalmeulc,
atofim do mez de fevereiro prximo fu-
turo, todas as i'Cssoas, que quizerem ser
assignanies do novo compendio de pratica
do processo adoptado pela congregado dos
lenles do curso de sriencias sociaes e ju-
rdicas de Olinda para a segunda aula do
3mulo auno, sendo cinco mil riso prego
a assignatura de cada exemplar; e em to-
do o lempo as que o quizerem ser do inte-
ressanlissimo ndice chronologico da le-
gislagilo brasileira que lia di conter em
oito volumes infolio, ou pouco mais, toda
a legislado brasileira vigente desde 1822
at 1848, a qual, com a que est revogada e
a que tem cabido em desuso, cnmponas
colteccOes actuaes vinte o t mos grossos
volumes, e cusa para mais de 150,000 rs,
entretanto quo o prego da assignatura do
referido ndice he a pequea quanlia de
31,000 rs. paga ao receber o i.* e 2.' volu-
mes, de quo j existem varios exemplares
em poder do annuncante e brevemente sa-
hir a luz o tercero volunte. Na loja de
livms do Sr. reveren lo padro Ignacio Fran-
cisco dos Santos na ra da Cruz do Iteci-
fe, enado Sr. Miinoi'l Figueiroa de Fari
na praca da Independencia, pode tambem
assignaro seu nomo quem quizer ser s-
signanlede qualquer das refer las obras
ii.i Srs. asspnanles que j receberam o pri-
meiro volume do indico chronologico, ''
nem-se mandar buscar o segundo u cas jo
annunciante.-
Pede-se a cmara, a salubridade ou a
quom competir naja por caridaile e alten-
cSo ao lempo mandar remover o grande
numero de taixas de ferro que estilo posta-
das na praia confronte ao Becco-I.argo, no
nociTe, pois que se nfio pude respirar por
aquelle lugar.
Precisa-se de urna ama de leilo, que
seja parda, para acabar de criar urna meni-
na : no Aterro-da-lla-Vista, n. 80.
Precisa-se de um feilor para um sitio
perto da praca : a tratar na ra da Cruz, mi
mero 2.
Na loja de Antonio Joaquim Vidal; na
ra da Cadeia doltecife, deseja-Srt fallai
com o Sr. Manuel Anlonio Nogueira, ou
pessna por elle, a negocio de interesse
Quomso julgar cree>r do finado Jos
Ferreira da Silva l.eitc, aprsenle suas coti-
las na ra Nova, n. 3.
Precisa-se de urna ama para todo o ser-
vico de urna casa : na praca da Indepen-
dencia, loja n. 3.
A irmandatle do Sr. Bom-
Jesus dos ['rissus da matriz do
Corpo-Santo, bem convencida de que os
males que actualmente pesam sobre esla
ciiadesfio effeilos da justica divina, irr-
lada por nossos crimes, equenenhum ou-
tro meiu nos resta para acalma-la se nfln
implorar a Divina Misericordia com aclo-
de verdadeira penitencia e ardente carida-
de, tenciona transportar em procisso de
penitencia para a matriz da Una-Vista, no
dia quarla-feira, 20 do crrenle, pela h
horas da ncte, a imagem do Senlior dos
l'assos, a qual tem delicar depositada na
sobredila matriz, at ser rcconduzda em
pr.msMl./ solemne para a sua igreja na sex-
ta-feira de Passos, como he do cosime : I
para que se pratique com mais fervor este
acto de piedade, lem empreado os rucio
alim de quo baja sermilo ao sabir da piocis
silo, e na matriz de Santo-Antonio, e au
recolher na matriz da Boa-Vista. Portantu
ron aos fiis, que fervorosos concorram a
este piedoso acto, onde, supplioando cada
um por si e por todos, consigamos corn-
mover a aquelle l'ai de Bondade, que ja-
mis so nega a quem contrielo o procura.
--O arsenal de guerra precisa deuui bom
ferreiro, pagndo-se ?,000 rs. polo dia de
trabalho, o dous carpidas pelo prego que
se convencionar : a tratar no mesmo arse-
nal com o ajudsnte do director.
Aula de primeiras ledras.
Oabaixoassignado, ainda mal reslabe-
lecido das febres que o atacaram, participa
aos pas de seus alumno, que os exercicius
de sua aula, poressa causa interrumpidos
continuim como dantos regutarmooto do
dia 19 do crrente mez em dianle.
Jote Xavier Faustino Ramos.
Precisa-se de pretas e moleques para
venderem pfio, mediante a paga que se con-
vencionar : na ra larga do Hozarlo, pada-
ria, n. 48.
I'icclsa-se de um amaggador : na ptda
ra defronte da fortaleza da Cinco-Pontas-
Na mesma tambem precisa-se de um fornei-
ro, que qurira ir para o mallo, distante
desta praca duaslegoas.
Precisa-se de urna ama de leilo : na
ru estreita do llozaro, n. 2, tercero
andar.
Oabaixoassignado avisa ao respeita-
vel publico, que ninguem contrate com Se-
verino Jos Filgueira de Menezes a compra
do engenlio San-Severino; porquaulo as
trras desle engenho peilencem ao vinculo
de Santo Andr, de quo he administrador
o ahaixo assignado, o qual pretende reinvi-
dica-las pelos mcios cotnpelenles,a vista dos
ttulos claros que possue.
Antonio de S t Albuquerque.
-Na loja de fer'gens do Antonio Juaquin-i
Vidal, ra da Cadeia do Itecife, deseja-se
saber das inorabas ou fallar-so com os abal
xo inscriptos ou alguem por olles a nego-
cio de interesse de ambas as partes : os se-
nhores Antonio Jos Pinto; Jofio Francisco
Coriolano; Jos Juo, caixeiro quo fui eni
tlliuda em 1837; Vicente Ferreira do O'; Jo-
s Fernandes da Silva; Joaquim Mandas,
pintor que ha pouco lempo morou na ra d
Calcada ; Manuel Francisco da Cruz; Jos
Ignacio da Silva Itogvou, msico : assim
como se faz qualquer negocio com urna
letra que he devedor l.ivio Lope Caslel-
lo Branco Silva, da quanlia de 8j,073 ven-
cida cni selembro de184l.
Uualquer sonhor deengenho que rre-
cizar de um houiem brasileiro para ad-
ministrar, ou felorfsar escravos, annuncir
para ser procurado, ou dirija-se na ra da
Cadeia, o. 17.
'5
Desappareceu, no dia i. do correnle,
da praga do Corpo-Sanlo um quarto ala-
sfio-caboclo, bem novo, frento aborta, cal-
gado dos dous pos ate os joelluis, urna das
orelhas com a pona rachada : quom delle
souher e quizer dar noticia,dirijn-sa as Cin-
co-Ponas, n. 82, que ser bem recompen-
sado.
0 Sr. Jos Cocino da Silva e Araujo tem
2 cartas na praga do Corpo-Santo, n. 2, vin-
das de AlagOas
Joaquim de Quriroz Monteiro retra-
se para Portugal a tratar da sua saude.
Precisa-se de urna ama secca : na ra
Velha, n. 98.
-- OITerece-RO um menino brasileiro de
i lude de 13 a 14 anno, para caixeiro de lo-
ja : quem o pretender dirija-so au pateo da
Itibeira, n. 3.
Ainda est para se alugar o segundo
andar do sobrado da ra larga do Ro'.ario :
a Iralar na ra do Mundo-Novo, n. 30.
_ Precisa-se de ofilciaes de sapateiro, as-
sim como tambem se admitlem aprendizes
forros ou capitivos : na travessa da ra do
Vigario, loja nova.
Alfonso Jos de Oliveira, professor ju-
bilado na cadeira de geographia e historia
do lyceu desta cidade, lem aberto sua aula
particular de primeiras letlras egrammati-
ca latina : as pessoas quede seu prestimo
se quizerem ulilisar, poden procura-lo na
ra iDireila, n. 120, segundo andar.
t
i Casa de commissao
de escravos.
3* Recebem-se escravos de ambos os
1 sexos para so venderem de comrnis-
* silo, para a provincia e fra delta,
6 garantindo-se toda a seguranga aos
av inesmos, como se prova : na roa das
?> l.irangeiras, n. 14, segundo andar.
i
Precisa-se do una ama de leile, que
nfio tenMa filho : na ra da Cadeia de S.-
Antonio, llotel-Commercio.
MoreiraMarques.no pateo da Matri, e de
Francisco Antonio das Chagas, na na do
L'vramento ; loja de IternarJino Jos Mon-
teiro, prarinha do Livramonto, n. 44; no
Aterro-da-Boa-Visla, lujas de GumarSes,
n. 44. e de Duarle Borges da Silva, n. 1S.
Na ra Direila, padaria n. 26, dase
pfio de vendagem a pretas sobre a respon-
sabilidade de seus senlioies.
DEPOSITO GEIIAL
do superior rap areia-prsta
da fabrica de Gantois Pai- '$
Ihet&c Companhia, na Ba- 9
z. _
na. $
Domingos Alves Matheus, agente da '4
A fabrica de rap superior areia prcta $
if e meio grosso da Bahia, tem aberto o .}
fe1 seu deposito na ra Cruz, no Itecife 4
% n. 52, primeiro andar, onde se achara
$ sempre desle excellentc e mais acre-
a> ditado rap que at o prsenle se lem
fe fabricado no Brasil: vende-se em bo- "^
( tes de urna e meia libra, por prego J)
fe' mais commodo do que em outra qual- S
fe^ quer parte. 4
V #
Precisa-so alugar um prelo para botar
sentido a urna pequena casa de CdOipo : na
ra do Trapiche-Novo, n. 10, casa de Jorius
Patn ii i.c inp.iiilini.

docarneiro 1 na ruaNovi. defronte da'igre- '
ja dos miliares, n. 28, loja de sellmro.
Compra-se urna canoi da carrera, de
um so pao, usada, mas em bom estado, o
que.se>a maneira, de modo'que qaatro ho-
inens a pnisim transportar para qualquer
parte : qom uvera inuncie por esta fplha.
Vendas.
m
Modo asseiado e econmico
para allunuar urna sua.
# Ha reconhecido que o eaz hydrnge- (
fe neo liquido de lodos oscomtiustives #
r que seeinpregariim at hoje para alo- .
(e miar-se, be o mais econmico, mais fe
fe asseiado, equeda a luz mais Inillian- (4
fl le. Osarranjos dosC'indieiros de gaz fe
9 silo mu simples, e nfio seencunlram fe
t' nellos os inconvenientes que a cada fe
V instante apresentam os de azeite. Os
amadores do paz acharilo sempre em %
quantidadesufllciente, o de boa qua- i
# lidade. na deslilaco fruuceza da ta- '<
*' vessa da Concordia. y
i
I
lloubo.
Na noite de 6 para 7 do correnle, fo fur-
tado a>um preto que venda fazendas, urna
grande lita e um cartilo com diversas la-
/.enias finas; pois temi o mesmo prol,
por motivos de embriaguez, chamado um
ganliador para carrregar a lazenia. n mes-
mo se evadir com todas as fazendas e al-
gum dinbeiro que carregava. I!uga-se, por-
lanlo, a polica uu a qualquer pe.isoa que
lenlia noticia do occoindo, dj dirigir-se
ruada Cideia-Vollia n, 21, primeiro an-
dar, que ser gratificado.
G O
) Alugam-se e vendem-se as verda- q
0 deiras hixasde llamburgo : na praga q
fi da Independencia, n. 10, ao voltar n
q para a ra da Cruzes. n
O o
Chapeos do sol.
Ra do Passeio, n. 5.
Ntsta fabrica ha presentemente um rico
sorlimento destes objectos do todas as co-
res o quslidades, tanto de seda como de
pinniilio, por pregos comino los ; ditos pa-
ra senhora, de bom gosto : estes chapeos
silo fetos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de rclroz. Na mesma
casa se aclis igual soitimenlo des"da e pan-
niulios iuiilnndo sedas, par-a cubrir ai -
inagOes servidas : lodas estas fazendas ven-
doi-seem porgo o a relallio : tamben- se
concerla qualquer chapeo de sol, lauto de
hasteas de ferro como de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejas: ludo por prego
commodo.
Precisa se alugar urna preta que sai ha
lavar, engommar e coser, para urna cana
eslrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
11 hora al s 3 da tarde. Na mesma casa
tambem se precisa alugar um preto que
en leuda do servico interno, e saiba tratar
de cava I los.
Lotera da matriz da Boa-
Vista.
O respectivo lliesoureiro, Manoel Conga-
vel da Si'va, pretende nlo illudir a expec-
taglo do publico com annuiicios importu-
nos do andamento das rodas desta lotera ;
esforgar-se-ha quarilo coubereni suas fr-
gaspara com a possivol presteza annunciar
o dia, a lem do qual nfio devera passar a es-
pciMKii dos compradores ; porque enlende
queaessa illuso em que alguns teem por
ve/es detxado o respeilavel publico, se ne-
v essa especie de descrdito, que lauto
lem demorado o andamento das nosss lo-
teras ; por isso limita-se por ora a annin-
ciaravenda dos bilheles, e a extrahi-los
com todo o empeitho, afim de poder asse-
gurar aos compradores o dia em que deve-
r ella impretervelmenle correr.
' A vaniagem do plano j publicado e o fin
religioso para que foi esla lotera concedi-
da, convida e seduz os tentadores da surte
a concorrerem seui demora para a compra
dos nmeros que lli.es preparam a suave
acquisgfio de beu da fortuna, sem risco
de grande capital, e com o importe semen-
t da diminua quanlia de 5 ou 10,000 rs.
por pouco das.
Desde j achar-se-h8o os bilheles: no
Becife, lujas do thesoureiro e do Vieira
BOWMAN & MC. CAI.I.UM, engenhei-
ros machinistas e fundidores de ferro, mil-
respeilosamente aniuinciam aos Senhores
proprietarins deengenhos, fazendeiros, mi--
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peilavel publico, que o sen estabelecimento
de ferro movido por.machina de vapor con-
tina em efTeclivo exercicio, ese aclia com-
pletamente montado com apparellios da pri-
meira qualidade para a perfeita confecgfio
das na unes pegas de machinismn.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
desejam mais [larticulaimento chamar a
attengo publica para a sseguintes, pnr
terem deltas prando sorlimento j prompta,
as qnnes construidas na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
Iranseiro, tanto em prego como em qua-
lidade da materias primas e niiio d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconslrucgao.
Moendas de canna para engenhos de lo-
dos os tamaitos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Bodas d'agoa, moinhos de vento eserra-
as.
Manejos independentes para cavallos.
Bodas dentadas.
AgnilliOes, bromes e chumacoiras.
-- Venlon-s? velas de carnauba chga-
das nlliin-iiiionle do Ar-caty, pelo prego de
320 a libra, sendo estas superiores a* usu-
aes pela duraglo, e boa luz ; ni ra do Bo-
zario es'reita n. 8. -',.
Rsti a venda o b-m conheci lo foineto
- Verdad aos meninos obra nova e do
pinito interesse para os inesmos; na ra
do Itozario estreita, n. m, pelo prego de
200 rs.
? .,... ,-.-:>
iVu i do Collegio, n. O.
LOTEIUAS DO RlO-DE-
JANlilBO.
\os 20:000,000 ris.
. 52." DA MISERICORDIA.
( extrahir em 10 do corrente.)
Pelo vapor .S.-Salvador, sahidn do Rio-
de-Janeiro em 2 do corrente, recebemos bi-
lheles e caut"las desta lotera ; bem como
as listas da i.'de S -Jo/lo n 2* da Gloria
2?* Os bilheles e caulclas quo se ven-
dem nesta casa, silo marcados com nma
Chancella, que Indica o local da venda--
afim de oflerecerem todas garantas aos
compradores-tornando o vendedor assim
mais cffectiva a sua rcsponsalidadepois
quo se obriga a pagar promptamtnle qual-
quer premio dos bilheles e cautelas que
tiverem a sua Chancella, com as condigOes
que j pulilicou, e se achain patentes na
porta da sua loja.
(.lo,mo aos bilheles o .cautelas com pre-
mio que llie frc-n apresentados snm a dita
Chancella, smente os recebe em Iroso, ou
papa rom o descont que secoavencionar.
Nfio se permit'e a separagilo de bilheles,
aenfio por 84 horas, e.isto lie at dous das
antes da ebegada presumivel do vapor,
porque Pnln he inleirameule ve lada. SO'
SE VENDE COM DINIIKIItii A" VISTA.
*^-~m***t'1!?*il Vende-se milho e farinha em saccas,
pelo prego mais commodo do inercaclo : na
ra do Co lornz, n. 8, venda de francisco
Jus da Silva Macieira.
Vendom-se chniutos doputadps, caval-
leiros, repalia, saquarema* o amadores,
fazenla muito boa ; assim como vinlio do
Porto, dito moscatel de Selubal e azeite-
doce engarrafado, proprlo para botica : na
ra da Cruz do llecife, n. 43.
-- O arrematante das aferigOes desle
I municipio do Itecife ven le as mesmas afe-
rigO-s da frepuezia de Santo-\maro-Ja-
i boa I fio o da fieguezia de Muriheca por pre-
CavilbOes e parafusos de lodos os tama-
itos
Taixas, parees, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a nio ou
por a ni limes, e prensas para a dita.
Chapas de fogfio e frnos de farinha.
Canos de ferro, torueiras de ferio e de
brnnze.
Bomlias para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mfio, oor animaes o i vento.
Guindastes, guinchos o macacos.
Prensas hydrauliras e de parafu-o.
Ferrageoa para navios, carros e obras pu-
blican.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do infio e arados de ferros,
etc etc.
Alm da superioridade das suas obras, j j
pertilmento reconliecidi, Bowman & Me.
Callum garanten a mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos rcmeltidos
pelos senhores que so dignaren! de f.izer-
I go commodo, pois l.e do interesse para
quem as pretender, principalmente ino>an-
do em qualquer ilas ditas fieguezias : q'iem
as pretender, dirija-se a casa da mesma afe-
ngiio, na roa do muro d< Penha, u. 4.
-- Vendem-se 2 lindos moleques perfei-
los eozinbeUos, de t8 a 20 anuos, sem vi-
cios : 1 dito bo n bolieiro e de boa conduc-
ta ; 8 pretos de 20 a 30 anuos bous para lo-
do o lervigo ; um parda de 2V anuos, mui-
to boa costure ra e enaomuiadeira ; 1 dila
de 12 annns, com principios de habilidades
|e muito cirinbosa para nieninns ; urna pre-
ta de t-l-eante ligma, denagilo e sem vi-
cios, perfeita qoilandcira e coznheira ; tres
ditas com algumaf habilidades, delta 20
anuos ; urna dita de meia i lade ; assim co-
mo oulrns muito escravos or pregos mui-
to rasoaveis : na ma da Cadeia do Becife,
n.5l. primeiro andar se dir quem vende.
-- Vende-se ou tioca-se urna cscrava de
meia i la.le por urna dila de 10 a 12 anno,
propria para se educar, ou por um mole-
quede bonita figura, vnllamlo-se oque se
convencionar : na ra do Sol, n. 9. Na mes-
Ihesencommendas, a:>rnvcitandoa OCCaSiSoj ma casa so dir quem d dinbeiroa preoiio
para ngradercrem aos seos numerosos ami- s.'di penhores do ouro ou prat*.
pos e freguezes a pref rencia com que teem Vendem-se capsulas de oleo
de mamona, desulphato qoinnino,
silo por elle honrados, e assegoiam-lhes
que nilp pouparilo esforgos e diligencias
para coiitiuuarern a merecer asuacon-
anga.
O Dr. Ignacio Nery da Fonseca, encar-
regado i elo gnveino da provincia de visi-
tar os eniermos indigentes da freguezia de
San-Jos desla cidade, que, sendo atacados
das febres reinantes, rulo tiverem os meios
necessarios para se proverem de medica-
mentos e pagarem ao ficultativo, annuncia
que deve ser procurado a qualquer ho-
ra na casa de sua residencia, ra Direila,
n. 31.
ODr. Francisco Antonio Vital de Oli-
veira faz sciente aos balitantes da frepun-
zia de Santo-Antonio que se cba nuineado
pelo l ah. presidente da provincia para tra-
tar dos eniermos pobres desta frepuezia,
pudendo ser procurado a qualquer boia na
casa de sua residencia, na iub do l.i w men-
lo, n. 20.
*BBB-eWSS-ai!-S-aajBBP
Compras.
--Comprase um missal e seis colheres
de prata para soupa : ludo em bom uso :
na ra do Queimado, n. 7.
Compra-se um cabiiolct com cober'a,
nu ura carro de 4 rodas para 1 eavallu,lcndo
boas molas, emliora cstcji velbo : quem li-
ver annuncie.
Conipra-se um sellin grande inplez, mo-
derno, que este ja em bom estado : na ra da
Praia, n. 24.
--Compra-se um bom cavallo : pga-se
bem : na casa das aferiges, ua ra do mu-
io da Penha, n. 4.
('ompram-se escravos de am-
bos os sexos de bonitas figuras,
com habjlidade e oillcios, de da-
de de ia a a5 annos, para fra da
provincia c para trra : pagam-
se bem se agradaren): na ra dus
Larangeiras, n. 14, segundo an-
dar.
Compra-se 13a de frecha barriguda a
| cambista; em S. -Antonio, botica de Jofio | 6,000 rs. a arroba : tambem compra-se Illa
de pos contra vermes, de oleo do
ligida de bacalbo, de dito dito
de Traa, de quinna anidrclla, de
ruibarbo da China, de oleodecu-
paiba com gnmma quinno, idem
de dito por lieral, idem por lla-
quiti, ebegadas prximamente : na
botica da praca da Boa-Vista, nu-
mero 24.
-- Vende-se urna negrjnha de 10 a 12 an
nosdeidade, bonita figura, sabncozersof
frivelmente e muito esperta ; e bem assim
um molequiuho de idade de 6 annos, sadio
e de bonita figura; na ra da Mangueira,
casa terrea, n. 18, do lado dos agougues.
Os mclhores charutos de
S.-Fex.
Sao chegados os melhores charutos de
S.-Flix : na ra do Queimado, n. 9, loja.
-- Vendem-se pegas de madapolfio largo,
muito encorpado, com 20 varas, a 2,500,
2,600 o 2,800 rs.; ditas de chitas, a 4,200
rs. ; ditas de alpodozinho, boa largura,
com 20 jardas, a sele patacas ; el fule de
folear formigas : por Iris do ihealro vclho,
n, 20, primeiro andar,
Vendem-se seis lindo9 moleques de 12
a 18annos; dez pretos de 20 a 30 annos,
sendo um ptimo sapateiro ; quntio pardo
e oulio co/inheiro ; tres pardas de 14 a 20
annos, com habilidades ; qualro pretas de
18 a 20 anuos, temi urna bom leile com
urna ci ia de 8 mezes ; e mais algumascom
habilidades : na ra do Collegio, n. 3.
Vende-ae a casa tere, n. 25, da ra
dos Pescadores, concertada de novo, a qual
rende 10,000 rs. mensaes : o prego he com-
modo : na ra da Cruz, n. 64
Ob que pechiocha !
Nfio pode haver cousa mais barata do que
lengos de pura seda a 800 rs. por cada um,
na loja nova, n. 18, no aterro da BOa-vista.
atan


ISBB^*>
-- Vende-se, pura pagamento, um es-
cravo peqa, de bonita Apura, sem vicios
nem achaques, e que he. ptimo cozinhei-
ro : na ra da Cadeia-Velhn, n. 41, loja.
Rom p barato.
Na roa do Qucimado, vindo do Rozario,
ngund loja, n. 18, vende-so sarja do seda
Iiospanhola, pelo commodo proco de 2.0H0
rs. o covado : as amostras serSo francas ao
comprador, com ocompetenle penlior.
Vendo-se um moleque crioulo, de 16
annospouco maisou rh^nos, de bonita fl-
Rura, liciii sailio e muilo esperto: na ra
da Cruz, no Ftecife, n. 49, primeiro andar.
Vende-se um milito bom alambique de
cobre, que a caldeira leva 59 caadas de li-
quido, corn urna serpentina de estanto fino
que pesa 300 libras, o qual serve para des-
tilar garapa, e tambem fazer espirito al
40 graos, por preco commodo, por ter-se de
mudar do lugar em que se acha monlada :
no Aterro-da-Roa-Vista, n. 17, fabrica de
licores.
AGENCIA
da fundico Low-lfoor,
BA DA SKNZAIXA-OVA, N. l\1.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo serti-
i> ento Je moendas e meias mocn-
fas, para engenho ; machinas de
vapor, e tedias de ferro batido e
o^ilo, de todos os tamaitos,
j-ara dilo.
Taixas
Arados de ferro.
para engenho.
Na fundicSo de ferro da ra do Brum,
>i;.ha-sc de receber um completo sortimen-
(ode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quacs acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
i.u carrcgnm-seem carros sem despezas ao
comprador.
Teridos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-osSai)tos.
Na rua da Caricia, n. ><2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Polassa da Russia.
Vende-se superior polassa da llussia, da
inais nova que ha no mercado, por (neo
commodo : na rua do Trapiche, n 17.
Vende-te um mulatinho de 15 annos,
muito lindo (ara pagem, e ptimo par ser-
vir a urna casa, por ser de muito boa con-
ducta : na rua do Collegio, n. 21, primei-
ro andar, se dir quem vende.
rechine.a.
Na rua do Queini8do, vindo do Rozario,
segunda leja, n. 18. vendem-se cites de
collete de setim preto lavrado, a 2,000 rs. o
corte.
A ellas.
Vendem-se luvas de pellica prela, ponto
ingiez, as melhores que trem vindo a e.le
mercado; bem como meias pintadas pa-
ra ir eninos do lodos os tamaolios; na rua
do Queimado, n. 9.
-Vende-se a 3,500 rs. a sacca grande
de iiiillin : no armazem defronle da eieadl-
nha da alpindega.
Na fundido da Aurora em S.-Amaro ,
vondem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
.-Vendem-se amarras ae >rro : na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
Chocolate de saude.
De todas as substancias alimentares, que
sendo em seu principio consideradas como
cousas de luxo, tornam-se pelo lempo adi-
ante de um uso peral, o chocolate pode sem
conlradiesSo, oceuparo primeiro lugar.
Kffectivamente. quantas pessoas n.lo ve-
mos nos preferir boje ao uso do quente caf,
o uso db chocolate e nisto seguir opiniSo
dos mdicos mais celebres, que de com-
mum aecrdo, sobre suas preciosas quali-
dades, o indicam como um dos nossos me-
Ihoies estomalicoa aquellas pessoas, cuja
sau'deho dbil e delicada !.. I'rescrevem-
no aos seus doentes, 1 conselham-no aos ve-
Ihos eo recommendam s milis de familia
para seus filhos. Em urna palavra, o con-
sumo verdaderamente extraordinario que
Indas as classes da sociedade fazem desle
alimento, he o mais bello elogio que nos
Ihe podemos fazer. Chegou do Maranhilo,
aonde he fabricado, um novo soitimenlo
desto chocolate ja bem condecido nesla ci-
dadn por militas pessoas quclemfeito uso
delle, econstanteinento se vende no mesmo
lugar j annunciado, na venda da rua da
Cadeia do Recife, n. 25, defronte do Becco-
Larfro, a 480 rs. a libra de n. 3 ci.lre fino, e
a 640 rs. o de n. 4 lino.
Vendem-se hons queijos londrinos
ditos de pialo muilo freseses e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos porluguezes para panella, latas
com 2 e4 libras de marmelada, ditas com
bolacbinba de Lisboa, ditas de sardinha, di-
las com bervilhas, frascos com conservas
inplezas, queijos de qualha viudos do Cea*
r, por barato preco, mantas de loucinho
ingiez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.e
oulros muitos gneros de boa qualidade :
na rua da Cruz, no RcCifc, n. 46.
^Hiendas superiores.
Na fundicSode C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
do raima, todas de ferro, de um modelo e
consIruccSo muito superior.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Rabia
Vende-se em cesa de iV 0. Hieber & C.
a rua da Cruz, 11. 4, alpodSo trancado
daquella fabrica, muilo profiri paralceos
de assucar e roupa de escravos,
--Vende-se um escravo pec,a, de 20 an-
nos : na rua do Crespo, luja da esquina que
volla la'ra a cadeia.
~ Chegaram novamrnlc a ruada Scn-
ZSI la-Nova, n. 42, relogiosde orno e prala
patente ingiez, para bomem e senhora.
!4
Novo sor timo si lo de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampe>.
Vende-se cassa-ebita muito fina, de bo-
nitos padrops, cores" lilis e com 4 palmos
de largura, pelo barato preco de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; rlscadinho de lis-
Iras de liuho, a 240 rs. o covado,- brim do
aleodflo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte do
duas varase urna quarta ; cassa preta com
ramagem branca para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuarle de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dilo azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrees e cores fizas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodfio america-
no, muito superiores, a 640 rs.
A bordo da brigue S.-lot, che gado
prximamente, vende-se familia de man-
dioca de superior qualidade, e por menos
preco do que em nutra qualquer parte: os
pretendenles dirijam-se a bordo do dito
brigue, Tundeado defronle do arsenal de
guerra, ou ao Recife, rua da Cruz, n. 66.
-Na rua do Crespo, n. 15, loja de Joa-
quim de Oliveira Maya Jnior, ha, alm das
fazendas j annunciadas, e de mitras mili-
tas por barato proco, um sot lmenlo de lin-
dos chapeos de sol, de panninho estampa-
do, muito proprios para os meninos e me-
ninas que tndam na escola, e mesmo para
assenhorasque ainda estilo no campo, pe-
lo preco de 2,000 is.
Vende-se superior farinlia
de milito em porcoes e a retalho,
tendo de todas as qualidades a
vonlade do comprador, e porpre-
90 mais commodo do que em ou-
tra qualquer parte; na rua do
Brum, n. 28.
A 2^000 o trte.
Vendem-se cortes de cassa-chita, fina, de
bonitos padres e com 6 varas e meia, pelo
diminuto preco de 2,000 rs. o corle : na
rua do Crespo, n. 6, loja ao re do lampeo.
Familia de msnriinca.
negociantes nacionaes e estrangeiros: na
ruadCadeia, n. 45.
Chitas de assentos cscti
ros, cores fi\ s, a 180
rs. o covado.
Vendem-so as melhores chitas de cores
escuras e lixas a nove vinlens o oovado :
na rua do Qucimado, n. 8, lofa defronle da
botica.
S Vendem-so urna mulatinha de 14*
annos, muito linda, a que cose bem; j|
jz urna moleca de 16 annos, que cose, <
^ engomma e cpzinha bem; um mo- ^
p> lequode 9 annos, muilo esp rtoe ^
5a- bonito, e que he ptimo para apren- > der qualquer officio; um preto de 4g
Sa> nacilo, de 25 annos, bom compra- | dor, muilo diligente, sem vicios, e 4i
2j por isso ptimo para o tervico de *
7 urna casa ; e mais alguns escravos: "*
^ na rua das Larangeiras, n. 14. 2

QAA&AMAMAtAAAAQ
Vondem-se suecas eom muilo boa fa-
rinha de mandioca, a 2,500 rs. cada sacca
na rua da Cadeia do Recife, ao p do arco
da Conceiciloejunfoa bolica do Sr. Anto-
nio Pedro das Nevcs.
velas de cera.
Vende-se a bordo do patacho Indvslria,
chegado ile San-.Matheus,tundeado defronle
da escadiuha do Collegio, a melhor fari-
nlia que ha no mercado, por sor muito no-
va, em grandes e pequeas poredes, e por
preco mais commodo do que em outra
i|nali|i,i r parle : irata-se a bordo do dito
barco, ou na rua do Vigaiio, n. 19, com Ha-
chado & Pinlteiro.
Vende-se a venda n. 79 da
rua do l'tdre-Floiianno, com pon-
eos fundos, poim com bastante
Ireguezia para trra, regulando
por dia de lo a ta,ooo rs : a Ira-
lar na liavessa da Concordia, so-
brado n. 5, dfis 6 s 8 Loras da
manliaa e das 4 M 6 da larde.
-- Vendem-se cortes de cambra ia de c-
Vendemsecaixas rom cera em velas, fa-
bricadas no Rio-de-Janeuo, sorlidas ao
gosto do comprador e por pieco mais com-
uodo co queem outra qualquor parte: a
tratar rom Machado &l'iiiheiro, na rua do
Vigaiio, n. 19.
Aiioz a 50rs a libra e 1,400 rs. a
arroba, sendo em sacca anda por menos ;
espirito de 87 graos a 1,000 rs. a caada:
no patio do Ikspilal du l'araO. venda
n. 20.
Xarope do bosque.
GRANDE CURA.
NSo poilrndodc ouira niaui ira faier mais pu-
blica a miaba gratidfio |ielu bom resullnilu ipii'
oblive de em poueo lempo e debaixo afUipre
di- ama m cslacao, como a que (1111 (idu osles
ulliums mc/rs, lempo cid que pi incipiei a cu-
rar-uic de nina eiiferinldade bastante grave
queja a mais de nove Hieres n solliia
Una iioperliui nte toase que lea-uifl passar
bastantes noiles sem quaii poder rrconciliaro
Minino : nao obstante que leiupreradrrae em como o millior especifico al boje couheci-
u*o le remedios mine-pude ver-ine livre de do. Chegou do MaranbSo, aonde hefabfi-
PI1AI1MACIA FRANCESA.
Xarope peilural aricante da fomma de angico
preparada por Luit Uottentuit & C. boti-
cario chimico du etrollu especial il$ Varis.
A com na de angico he cotibecida e em-
bregada ha muilo teuif o pelos habitantes do
interior do brasil, como um exeolleulj) re-
medio para as molestias de peito ; mas em
um estado lal d'impunsa, con leudo cornos
eslranbos, que u mas vezes impedindo
seus cffi'itos, loinavam suipeltas suas pro*
I riedades, e obiigavam o dorle alomar
urna porcn de maleriaseslranhas, nio obs-
tante que inertes, mais que noentanto dif-
lieullava o Seu USO.
Moje, enfin, esta gomma he pomos le-
vada ao mais alto grao de puresa, c assim
com ella preparamos o nossu xarope tilo a-
pradavel e fcil de tomar comopromptoe
eficaz noi seus resultados, lis mdicos du-
la cidade e uniros muitos que leem obser-
vado seus efl'eitos. provam su superiorida-
deabsolula para a cura das iiiflammacOes do
peito, toces, defluxos, Catarros, 1.-ca ros de
salgue, etc. ;e applicam aos seus doentes
tidos de senhora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra cal?as, a 500 e 600 rs. ; lencos de algn-
do e seda rom franja, a 600 rs. ; crt s de
collete de velludo, a 1,600 e 2.500 rs. ; cas-
liisie sttuacao poueo esperaii(osa, ouvi fallar, fronte do llecco-l.argo, a I#000 Cada garra-
e fui acoiisrlliado que lomasse n xarnpe lo Iros- linha, acotlipailhando 11111 rece]luario do seu
que que le vende na ruado Hospicio, n. 40, autor,
nao live lugo inuiln desejo de o lainar, qult 1
primeiro ouvir o consrlhu le algum prolrssnr, '
Vende-se urna porefio de bi-
sa-cnita, a *oo is a vara; gaica de s-da, e dlrlgl-inea um bem arredilado nesia corte, xas de muito boa qualidade e nl-
rs. I cxpiu-llie o eslado de miaba molestia, ouvio- 1 '
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560
o covado, e outras muitas fazendas por
barato preco : na rua do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de Oliveira Meya Jnior.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potass*.
de boa qualidade, em b.irriszinho;
pequeos de qttatro arrobas, por
preco borato, como j ba muito
tempo se nao vende: nc ivecife,
rua da Cadeia, armazem n. 12.
Vende-se vinbo do Porlo muito supe-
rior, em barris de quarln e quinto ; familia
de trigo de todas as qualidades e em meias
barricas; relroz do l'orlo, prlmeira quali-
dade: panno e meias de linho; arcos tara
barricas ; familia de mandioca em sacias
grandes e a gamela bordo da sumaca \.
S.-do-Carmo: tudo por preco commodo:
na ruado Vigario, n. 11. piimeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cunta.
Antigo deposito de cal
virgen).
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgen de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Farfulla de mandioca.
Na rua do Queimado, n. 14, loja de fer-
ragens, ainda ha alpumas saceal da boa
familia de mandioca, muilo alva e bem tor-
rada ; bem como urna poreflo de pennas de
ema, proprias pata espanadores.
Farinha de
Vende-se su
ceza de Provenca
A/arselha : em cas
rua do Amorim
, tiuvio- .- I
me, edisse-mciiueo meii mal necesiiiava ser UOIMBeOW CllCgatas, por preCO
curado com baslaulrcuidado, porqueeia mo- ronilllflilo na run (la S....II.
lestia ,ue leem poueo lempo se tornara n.ul-' I.U0 "* "" 8 ^"lla-
lo mais grave, pergunlellic o <|iie ulzia do xa-', Velba, n. lOO.
rope do bosque se sera bom, respondeu-me '
M PA DAC.AIIKIA l)U IIKCIKE, N 24,
LOJA DECAJIUbi HA VIUVA VIEIHA
& runos.
Lotera dultio-dc-
Janeiro.
Aos 20000,000 d rs.
Telo vapor San-Salrador entrado neste
porto, no dia 13 do crrente, recebemos os
muitos afortunados hilhetese mcios ditos
da 52." lotera a beneficio da Santi-Casa-da-
Misericortlia ; e lambem recebemos as lis-
tas da pruneira lotera de S.-JoSo, e da se-
gunda de N.-S.-da-Cloria.
Btlhetes vendidos na meama loja, da |. lo-
teiia de S.-Jo3o, com os premios :
145 10:0.10,000
1.373 1:000,000
2.932 400,000
4*9 400,000
4,072 200.0C0
1,320 100.000
1.139 100,000
1.1M 40,000
5,338 40,000
Vende-se ou aluga-se in sitio : na rua
Nova, n. 46.
Vendem-se superiores bixas do llam-
burgo, assim como lambem se alugam por
prerjo commodo : no Aterro-da-Iloa-Vista,
venda que fui lo Maya, n. 42.
Vende-se urna preta de nacilo, de 20
annos, que coinli, coze bem, e com uoia
cra de 14 nezes : o motivo por que se ven-
de se lira ao romprador : na rua do l'.is-
sein, n 5.
-- Vendem-se tres canoas de carreira no-
vaste que poder conduzir al 6 pessoas
cada urna : por tros la nbeira de San-Jos,
no eslaleiro do Sr. loto de Brilo Correia.
Ferreira & bastos, com loja na rua la
Cadeia do Itecife, n. 19, leem para vender,
por mdicos prego, o que h i de bom e ne-
cesario em miudezas, alm de mu linas
perfumaras, om ricos vasos de porcellan,
fingindo fruas e figuras, lindos vasos de
cliryslal com finissimos extractos, como se-
jam palhyoly, fantona de !>. Francisca,
miel, mbar, mil-flor s, monsuliue viole-
ta, proprios para presento de Vaya ; a ver-
dadeira e mui apreriavel agoa do tingir 0
cabello esuissas; opiat e pos inglezes para
deles ; novissimas iuvas de peilica e seda
para senhora ; ditas de poni inglez para
homem ; tesouras finas ; tinleiros da mola ;
lilos com a figura de NapoleDo ; e outras
muilas fazendas por pre;os com modos.
Escr&vos Fugi ios
que fuesse usodrl|e, poli quejulaava o muilo
coiiveiiienle para minha cur ; i-mr im-
medialamenie sobrcdila casa da rua do Ilo-
piclo, o. -0. compre! nina garrafa do Jilo xa-
rope, assim que cheguei minha casa lomri
Ulna liiie drsie aeinpre precioso rriiiedlo, por
mesmo na cas do prufeatur ter dritado eiu mi.i
preienca nina porjta langue, c minias ve-|
Zes live esles ataquen nas mas e em casas ir -

Chapeos franecz.
O
o
Na loja do sobrado amarello nos 9
quatro-canlos da rua do Queimado,
ii. 29, vende-se um gran le sortimen- O
to de chapeos francezes le formas da }
lava mais tangiic pela lincea, a |..se j era! yei
muito menos, j poda dormir sotliivilmenie,' ,
cunlioiiei semprc a u.ir do xarope, mi preci- ,.
sei mais do que duas garrafas desle precioso
estatura regular, ebeio do coi pn, de 30 an-
uos, com roupa de algodilo usad ; e aquel.
lo la equipagem do A Urea; he alto, bar-
bado por baixu do quetxo, bexigoso, choio
lo corpo ; levou caiga e carniza azul, clia-
|o alcochoado e re| rsenla ter 40 annos.
Itogi-se ansrapilles de campo, o pede se
a todas as autoridades policiaes asna cap-
tura, cerlo do que recouhecen lo-se os pro-
prios. quem os appreben 1er, ou delles der
nolicias viridicas, e os lovar a bordo dos
ditos navios, ser generosamente gratifi-
cado pelos ircslres dos mesmos, ou polos
seus consignatarios, Amorim IrmQos, na
rua da Cadeia do Itecife, n. 39.
Oa casa do abaixo assignado desapa-
recen, no dia 17 do crrenle, um prolo, de
non e Antonio, de nacilo Angola, que re-
pcenla ter 26 annos, alto, (heiu do corpo,
com os pes grossos nos torno;rlIos o falla
bem desembaracado ; levou calca e comiza
lh,t Vende-se a bordo do berganl.m Ua- branca, he beu, conierido por ter sido e"
suidore. do xarope ,1o bos.p.e.para ser publica"- SfSJtt.^i2S l'm T7" f ,m"it0* 8""S;, ,"aJf0. Cer'l,to
da da manet.a que Ibes co/.vier.Par. que l..daa porclo retadl?o sen k, a m i! A'llo,"1'la Roa. morador que fo, na P.S-
de .olT.e- Zr.?, Jl J^.S.el ." ?."*'" n':V". uue I s ^"'-'a-Magdalena, e boje do abaixo as-
algui.s dos meus'amieos que se adii^ra,", 9 U' como eu anda poda vver com srinrlliaiitc' ^* Q
molestia: eonlloarl a tomar eom a gro;a de C'<30<30)OJOOOOO<3GO Dos, eo bom elleilo <|iie produtlo o xsrnpe -, i ,..,.,
do bosque, cm menos de oilo das ja mi le- 1* ai'CIO 110VO I ,}IO TS
lava maissaiigue pela bocea, a ,...se j era! Vendem-se saecas grandes com 3 arc-
le farelo chegaoas no ultimo navio
emburgo : na la do Amorim, n. 35,
remedio pira ver-me peifi it imenle b'uiu sem casa de J. J. Tasso Jnior.
o menor inroiiimodo, e reslabelecido ao meu A a fWWl c II
amiun eslado de sade do que pouras esperan-] ** d,UUU S. I PCIlC
eeailaha da recuperaclo delle, o que agora j Vende-secouio de lustro," a 3,000 rs. a
Fugiram le bordo do patacho Aslrea,
edo patacho Dous-di-Marco, a I3e14 de
fevereiro, dous escravos marinlieiros, sen-
do um de nnme Joaquim, crioulo, o o Otllro
de iinii i' Miguel, de naco Min
Fugiram, a 5 defevereiro desle anno
do sitio Piranga, districto dns Afogados, 9
escravos, Indo ambos armados, um j foi
preso em Po-d'Alho e o outro pflde eva-
dir-se; he crioulo, de :is anuos, cheio do
corpo, eslalura regular, falla grossi, olhos
avermelhados, chama-se Miguel; foi escra-
vodoSr. Antonio Bernardo da Cunha ; fa-
zem 3 annos que andou fgido, o esteva em
Nazar-elh, Limoeiro, Itrejo-de-Cuarabira,
ei.genho Tab, engenho Novo, em Goian-
na, dondeveio preso: roga-se a qualquer
autoridade ou capitflo de campo de o ap-
prebender ondo quer quer elle appareQa e
remetilo ao mesmo sitio a seu aanhor, ou
no engenho Paraizo, freguotia da Escada,
ou no engenho Inhatnao, disdrictode Igua-
rassu, que ser generosamente recompen-
sado.
-Fugiram do engenho Talvoros segun-
tesescravos, pertencentes a Ignacio de Mel-
lo da Silva GusmSo: Manoel, crioulo, de 33
annos poueo mais ou menos, sem barba
apenas principia a bucir. do boa estatura^
um poueo fula e bem parecido ; urna escra-
va, mullier do mesmo preto cima, de nomo
Mara, bem alta, de bom corpo, bonita fi-
gura e de 22 para 23 annos ; um pardo cla-
ro, de nome llaymuudo, de boa estatura,
de 32 a 24 annos poueo mais ou menos,
bem apessoado, cabellos pegados e sem bar-
ba ; e um cabritilla de nome Casimiro, de
r14 annos, cabellos bem pegados, olhos
grandes, bstanla rsperlo, cara larga e um
tanto acangalha lo das pernas : lodos esles
escravos fugiram do eiugenho cima ao
amanheccr do dia 14de fevereiro de 1850 :
quem os pegar ou delles der noticia ser
gratificado.
-- Funio, no dia 10 do corroole, do enge-
nho Pintos, freguezia de Santo-Amaro-Ja-
boa Ido, o crioulo EJua'do, de estatura mais
que regular, bastante f. io, grusso do cor-
po e com urna falta em urna das or.-lbas:
consta frequentar, no lugar du Ciqui, um
cazebro contiguo a urna nimia velba : quem
oapprehcnderser generosamente gratifi-
cado, levando o ao mesmo engenho, ou
rua Direita, n. 121.
Fugio um pardinho captivo, de nome
Joilo, de 7 annos, a 16 do correte s 4 ho-
ras da madrugad 1, comossignaes seguin-
tes : levou baieta com travesseiro, carniza
le chila ; he alvo, e est amarello por est
bastante docnte, pernas indiadas e queima-
das le sanaptsmo : roga-so s autoridades
policiaes, ou a quem o pegar que o leve
rua lo Fugo, por baixo do sobrado da Sra,
I). Auna, ao sabir no pateo de San-Pedro,
que se gratificar a quem o trouxer,
Fugio o escravo Jos, crioulo, de cor
fula, baixo, ehriu do corpo, |se pernas
finas, sem baiba.de 22 anuos; tem lodos
os denles ; tem urna pelladura atrs da ca-
beca, procedida do ferro que Irazia ao pes-
coco ; tem urna ferida junto da bocea que
parece bouba ; j foi surrado, por isso an-
da tem as marcas ; he bem fallante : quem
opegarleve-o rua da Cruz, n. 66, ou ao
engenho Cuimbuca, freguezia de Agoa-
Prela, que ser recompensado.
-Fugio, no dia 21 de Janeiro do corren te
anno, do engenho Miranda, romaica de
Coianna. o escravo Joao, do nacilo Congo;
foi do Acarac, no Cear, no lugar serra da
Itiruoca ; he de altura legular, cheio do
corpo, reprsenla ter 40 anuos, rosto' re-
iondo, testa grande ; quando olha cai-lho
ossobr'olhos; tem una corda na checa,
falto de denles na fenle, cor fula, pernas
um tanto finas em proporefio ao corpo ;
lem pouea baria, levou um beh de Flan-
dresjavelho, chapeo de couro, mais oulro
de 1 ello ileutrod urna caixa de papel3o :
quemo pegar leve-o ao dilo engenho, ou
aoSr. Mr noel Concalves da Silva, nacida-
de do Itecife, que lecebera 60,000 rs., seu-
locnnduzido de pequea distancia, e se
fr de lugar longinquo ser generosamen-
te gratificado.
Fugio, na segunda-feira passada, una
rrela de nacilo Angola, le nome Catbarina,
estatura regular, rheia do corpo, nariz
chato, bejeos grassos e o hombro esquer.to
levantado ; tem orna marca preta no dedo
maiorde urna das mos ; levou vestido de
chita azul c panno da Cesta ; anda venden-
do laranjas pelas bandas da Solcdade a
Magdalena, e costuma rerolher-se a noite
tara o porto velbo das canda no ilcito:
quem a trouxor casa de seu senhor, na
ruado Trapiche, sobrado n. 17, receber
as alvicaras.
Figiram do engenho Novo do Cabo os
dous escravos scgi. i hl.-s: Manoel, cimillo,
carpina e mestre de assucar, baixo, pouca
barba, cabello j bastante ralo e de 30 an-
uos poueo mais ou monis; e Benedicto,
crioulo, de 20 annos, boa estatura, nrtiz
bastante chato e ps grandes quem os pa-
gar levo os ao referido engenho, que ser
bem recompensado.
- Fugio, 110 dia 13docorrente, urna pre-
ta crioula, de nome Igniz, de 20 annos.
.io Miua, este dae-|rom os 'gaes seguintes: bonita figura,
quipagem lo ultimo patacho, de cor preta, bracos grossos, niiios pequeas ecom sig-
l-.-i.i riiiiitia declararan fui fiila de minha
muito livre vonlade. e oflereeida aos Srs
as pessoas que liurcni a ufrlidadc 1
chegou a este porin : lamber
rein o que eu snlt'ri, (aberem aonde lio de .
acbaroallvo de seu. mal. assim como eu 'rU" ''f. ('a,d("a o necie. n. 14.
achei. | -- vendem-se.buslosde gesso represen-
riiodc-laneiro, .'ideouiubro de 1848 Rua lando fielmente a rainha Victoria e o prin-
de laita-Cavatios, n. IG4. I. J, Poieiia. cipe Alberto ; relogios de ouro e de prala,
Vende-sc na rua dos Quarteii, n. 12. chegados ltimamente da Suissr: estes re-
s trata na signado: roga-se s aulori iades policiaes,
capitilesde campo que o ap. relieudam o
lveir.-noao Alerrn-da-lloa-Vista, n. 14.
Joaquim Jos Das Vertir.
No dia 15 do fevereiro dcsapareceu da
padaria da rua Iteal, no Manguind, n. 51,
, ----*------- fTO"P mi jiiiu l'aunill
por machina, proprio para tsenptorios de gauerosameule recompensado.
naes de boxigaa ; levou panno da Costa
azul ja usado e urna trouxa com roupa : a
preta he lilha de llamaiaca, para onde se
suppOi! 1er fgido : recommenda-se a quem
a pegar que a levo rua da Cadeia do Iteci-
fe, loja n. 51, que se recompensar gene-
rosamente.
Fugio, no dia primeiro do correle,
nma mulatinha, de nome benedicta, dol
annos poueo mais ou menos, magra, cor
um tanto alva ; levou sala de madapolilo
com babadoem baixo, e camisa com ren-
das nos assentos j suja : quem a pegar
leve-a rua da Cadeia do ftecife, n 51, pri-
meiro andar, quesera bem recompensado-
assim como se protesta contra quem a tiver
occulla.
- Fugio, em novembro do anno provimo
passado, o preto Fortunato, crioulo, de 18
a 20 annos poueo maisou menos, alio, sec-
co, belcudo; tem duas fistulas no qoeixo
inferior, urna dcada lado, cauelludo, bra-
cos compridos ; j foi visto na fioa-VUta,
junio aocliafariz por pessoa que, perguu-
t.ndooque andava elle all fazeudo, elle
cortera, procurando a roa Velha, a vista
disto julgu-se estar por ahi acoilado. O do.
no do mesmo csrravu. protesta impfir as pe-
nas da le a aquella pessoa que o tiver oc-
culto.: u Jilu escravo fugio do engenho Pin-
dobiiiha do norte : quem o apprebender
diiija-sea mesmo engenho, ou no lugar
Cmara, comarca de INazaielh, caa de An-
tonio Courengo Tavares de |Albuquerque,
senhor do dito escravo, qua sera recom-
pensado.
Pian. : Mi TON DE ai. DE FaIA. -1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2XK682LG_KFXRI8 INGEST_TIME 2013-04-24T17:40:27Z PACKAGE AA00011611_06815
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES