Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06805


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r*
Anuo XXVI.
Sexta-fe ira 8
rnrivA nos oohbkmm.
Goian na e Parahiba, segondaa e sextas fe i ras.
Hlo-Grande-do-Norle, ijiiiulaa fciras ao meio-
dia.
Cabo, SerlnhSrm, Rio-Fortnoso, Parto-Calvo
e Macelo, no I.*, a II, e 21 de cada me z.
Garanhuns e Bonito, 8 e 23. '
Hoa-Vista e n.res, a 13 e 28.
Victoria, s quintal feiraa.
Olinda, todo* os diai.
r- -.;..-TS-
PHimaiDii.
Ming. a 3, ail0h.ea9m.dat.
Nova a I'.1, Creac.alO.a 5 h. e52 ni. da t. -
Chela a 26, s" 9 h. c 41 tn. da m.
IBX1IUB BE HOJB.
Primeira as 2 hora 6 minutos da larde.
Segunda at 2 hora 30 minutos da manliaa.
SPr>KR.5.
de Fevereiro N. 52.
ME9O3 DA SUBIOBIP9I0.
Por tres inees('(id4Blado) 4/000
Por seis mezes 8^1)00
Por un. anuo 15/000j
DI* DA HABA.
4 Seg. S. Avcntno. Aud. do J. dos orf. e m. 1. v.
5 Tere. i\ gueda. Aud. da chae., do S. da I. v.
do i-iv. e do dos IVi tos da fawnda.
0 Quart. S. Dorothea. Aud. do J. da 2 v. civel.
7 Quint. S. Romualdo. Aud. do J. dos orf. e do
in. da I. v. .
8 Seat. S. Juio da Mntt.i. Aud. do J. da 1. v. do
civ. e do dos fritos da faicnda.
9 Sab. S. Apollonia. Aud* da Clianc. e do J. da 2.
v.do crime.
10 Don. S. Escolstica.
cambio n 7 di rivmtiBO.
Sobre Londres. 23'/, S. por 1/000 ri. a 60 das.
. Paris, 316.
Lisboa. 100 por cento.
Ouro -Oncas hespanhoe.......... 28/500 a 29/000
" MoedaideVoOvelbas.. 17/000 a '"
. de 6/4uO novas.. Ib/200 a
. de 4/000........... 9/m*
Pr*U. Pataces brasileiros...... |/W a
Pesos columnarlo....... Sn
Ditos/djeiicanos.......... '#
17/200
161400
9/400
figo
1/080
1/820
PARTE OFFICUl.
a ii n
PROPOSTA E RELATORIO
apremiados n assim ble'a giral legislativa na
prmeira sesillo da oitava legislatura, pelo
ministro e Hcrttario de estado dos negocioi
da finen da, Joaqun Jote Rodrigues Torret.
( Conlinuafflo do n. 31. I
Dlreilos diferencian.
Pelo decreto de 4 de maio de 1849, foi re-
yogado o do primeiro de oulubro de 1847,
oqual prescreva que do primeiro dejulho
de 1848 em diante, nao s o direito da an-
roragem sobre os navios estrangeiros seria
augmentado com mais un lerco doque de-
ven pagaren cada un dos casos especifi-
cados no decreto de 20 de julho de 1844,
mas ainda sugmentava na mesma raso os
direilos sobre as mercaioras Importadas
nos referidos navios.
Se os direitos dfTerencaes sito indispon-
saveis para proteger navcgQIo'nacional
de longo curso, contradictoria seria a dis-
posi?o do argo toreciro do decreto do pr-
roeiro de outubro, que exceptuava dos di-
reitos diiTorencioes os navios daquellas na-
cdos que j tratassem ou convencionss-
sem comnosco tratar nos scus respectivos
portos como aos proptios os navios brasi-
leiros.
Se. com essa disposicffo, porcm, n8o se le-
vav outro filo sen3o conseguir a igualilade
de direilos para os navios brasileiros, ocio-
so era o decreto, porque o mesmo resultado
se roderia oblcr da legislncio anterior, a
qual tinha do mais a vantagem de nlo obri-
garo governo imperial a dar a sus adheso
a ajustes e convences que o inhibiriam do
reservar para os Brasileiros o commercio
indirecto, no caso que se entendesse til
esta medida.
Accresce que o decreto do primeiro de
outubro havia ja sido por duas vez.es proro-
gado ; e a coi.tinuac.8o desle arbitrio equi-
vala a declara-lo inexequvel. Cumpria,
pois, revog-lo definitivamente.
Em I8l"i, dizia um dos mcus Ilustrados
antecessores ao corpo legislativo : Ja en
meii relatorio do anno passado vosdisse a
mlnha opni3o a respeito dos effeitos pro-
duzidos no nosso morcillo em o anno pas-
eado pela elevado do imposto de ancora -
gen a 50 ris por tonelada as embarcarles
que navegam para portos fra do imperio,
isto he, escassez ile navios, alta nos freles e
finalmente baixa nos procos de nossa ex-
porlacSo, munido alias algum partido po-
deriamo* ler lirailo da nao commum pro-
cura que delles houvera no dito anno. Nos
sete mezes que leem decorrido depois da-
quella poca nada chegou ao meu couhe-
clmento que me podesse fazer mudar do
opioiao, antes pelo contrario tudo tende a
fottificar-me ainda mais.
no primeiro dos referidos annos cobrou-se
o sello dos despachos das alf indegas. con-
sulados e mesas do rendas, que foi abolido
pela lei n. 3G9 de 18 de setemb'ro de 1815.
Convencido de que este imposto deve ren-
der milito mais do quetem ellectivi.mente
entrado para os cofres pblicos, e da difli-
culdsde de fisealisar convcnientcmet.te sua
arrccadacjUt, afim de evitar que parte delle
seescoe pelas mosdos exactores, incum-
bi o governo s seeQes de fazenda o jus-
tica do concelho da estado a revisan do re-
gulamentode26 de abril de 1844, que foi
mandado executar provisoriamente por de-
creto da mesma data.
As duas secges acordaran em que so
adoptarse a venda do panel sellado para to-
dos os ttulos om que fr possivel empre-
gar este syslema ; mas, para facilitar a exe-
cuc.ao delle, ser nocessario reduzlr a urna
s as duas tabellas relativas aos papis da
primeira e segunda classe. E como estas
coulrasalteracosque sejulgim uteis nao
poden ser effectuailas sen autorisaco du
corpo legislativo, virei pedirvo-la em occa-
siio opportuna.
Apezar das providencias dadas pelo de-
creto n. 418 de 15 de junho de 1845, que atl-
ditou oj mencionado regulamento do 26
de junho, tem continuado a ser defraudado
o sello das cartas de. jogar. Para reconhe-
ce-lo basta lancar os ollios para o mappa
n. 25. Delle se v que este imposto s pro-
duzio na lecehedoria da corle no annofi-
naneeiro de 1814- 45, 79.-200 ; no de 1843-
40, 301,020: no de 1846-47, 874,240; no
de 1847 48. 4*8,330 o nodo 1848-4?,
1618,160; devendo ainda observar-so qun
a maior renda do ultimo anno foi devida
spprehensao feita pela alfandega. de varios
volumesen que vnha oceulta grande por-
eflo de baralhos de carias do jogar.
I'eco-vos, pois, que tomis em considera-
rlo a proposta quo em 1845 foi presentada
a esta augusta cmara por um dos nieus I-
luslrados antecessores, para o lim de tornar
exclusivo en todo o imperio o fabrico e
venda das cartas de jogar.
J'errenoJ (iumniiliii i.
A lei n. 374 de 24 de seteinbro de 1845, nilo
foi anda executada na provincia de Minas-Ge-
raes seno na parle onerosa fazenda publica,
sto he, naque dil respeito uomeacnde em-
pregados e pagaineutode seus respectivos ven-
clmentos; e forcoso he reconhecer que,_aliu
de vcialoria e oppressiva para a populaco dos
terrenos diamantinos, nenhuuia vanlagem re-
siili.ina de sua execucao para os cofres nacio-
naes. A representacao da cmara municipal
da cidade Diamantina (documento l>;, com que
depare! entre os papis que existen no tliesou-
ro, e versan sobre esta materia, conten pon-
derac5>s de tal sorte judiciosas, e Lo conclti-
dentemente demonstra quanto essa lei he
iiiciequivcl, que nao posto esquivar-nie ao de-
ver de tuoiiiette-la consideracao do corpo
leg'slalivu.
Pelo que toca aos terrenos diamantinos da
provincia da liahia, he verdade que Ihes nao
.. 'J___ _~~ ...II..J.. I.......... .I..- ..II..,, ,. ...l-
Se com effeito fram taes os resultados pdem ser applicadas alguinat da't allegacct
ilo augmento do imposlo.de ancoragem om da referida representacao ; mas lamben he b-
iima poca em que os nossos productos, vio : IA que a dlsposlcao do art. 9." da supra-
erm muilo pocurados, claro se v quo citada le, renovando a legislacao amiga sobre
nociva ter-nos-hia ido a execuQ5o do de- propried.de dot terrenos d.aman m.-sj. les-
creto do pr.me.ro do outubro no meo de ffu^TSSa7!^a,. 2, que
urna enseque lamanhos prejuizos havia ja i llSo ,c,.,IConLando os diamantes cui forma-
causado nossns agnciiltores, empalando-'tor, continuas c uniformes, mas accidenlal-
lhes a venda de seus gneros, e reduzindo1
consideravelmente os prejos que tinham
em1844-
lio para mim muito duvidoso quo as dis-
posic0?s do decreto a que me lenho refer -
do, fossen sullieientcs parajroinover a nos-
sa ravegacSode longo curso, mas ain-la no
caso aflirmalivo, teria eu muita repugnan-
cia em dar-lhe exccuc.no. Nao desconheco
quanto conven dar impulso navegado
nacional, inascumpre faz-lo sen pr.-jn i-
caraunica fonte de producQ que temos,
e concorrer para destruir os capitaes em-
pregados nos nossns eslabelecimentos ru- lalllilia |ljra cobrirasde.pezas della, e rect
rses. Os meioa indirectos, posto que lentos \ n|ieccr-sc- ha que a revogay-fio da le de 24 d
aeleuibro he acoiiselhada pelos proprlos Inte-
nente sollo em cantadas que variain muito
quanto riqueza deste precioso mineral, pou-
cas pessoas se aventuraran! a arrendar, como
prescreve a lei, determinadas poicOes de ter-
renos, a no ser por prejo niiniaiuciilc baixo;
3.*, que para arrecadar o imposto dos falsea-
dores que se espalhaui por lao vasta exlensio
de icrreoo inculto, e quasi deserto, l'raui in-
dispensaveis tantos exactores, vigas e guardas
que absorviam todo o producto do imposto.
AJunte-se a isto a de.preciacao que leem lido
os diamantes, para produzir a qual bastara a
circuinslancia de terein deixado de ser objecto
de estanco nacional, c a Insulliciencia do que
actualmente se arrecada na adiuinislra(o dia-
reco-
e
em scus resulta Jos, silo no meu conceito os
mais proprios para evitar a lula de ulerea-
ses oppostns, que sera suscitada pela crea-
c'io dos direilos dilferenciacs a favor dos na-
vio* brasileiros.
lienta r do remtame uto os marinheiros
empregados eiTectivamenlo as embarc-
resses do fisco.
Carnloret.
O art. 21 da lei u 317 de 21 de outubro de
1843 subjeitou a um dircilo de patente annual
touos os que eiercerem o omcio de corretores.
Cumpla, pois, para dar-lhe inteira execucao.
toes mercantes, salvo nos casos da guerra o regular as all ibuiedes c deveres desses agen-
do servic.0 da guarda nacional, os operarios tes comuierciaes, por quemdeviaui ser nomea-
de constuccio naval; reduzir considera-! dos, e as garantas de probidade e bomdcseiu-
Vtlmenlc os direilos de importacSo sohio penho de suas fuuccea que deveiu dar aquel-
os obi.clos destinados ao armamento dos.JV* rvng>anaeu importante miu.sicrio.
os uiiji tiu urauuuu. ir.,i._.- ma Com esse fin, pon, foi publicado o regulamen-
nanos;suppriiniralgumasalf3iidegas me- u 10 de deiembro de 1849, cuja justifica-
_--'_____. .1.-1.. -r,a n.AIn,! MOA AIIIIOrill. f "
nos importantes, sflo meios quo concorre-
riam para alentar o commercio da pequea
egraude cabotagetn, e crear os elementos
para o de longo curso.
Fallei na suppress.lo das alfandegas; e
quando se reflecto que a quasi tolalidado
das nossas provincias produzem gneros
cao se acha amplamcnte desenvolvida na con-
sulla da secefio de faxenda do concelho de es-
lado, que tib a Icltra A ajunto este relatorio
Obra:
Na lei do orcamento, que est em execufo,
consignarain-sc 93lili9,000 para a construecao
a primeira cm Scrgipe, a
idnticos que nilo pdum ali iieutur o com-' de tres alfandegas,
lliercio entre ellas e quo as cnmmiiliicacOos! segunda na cidade do Desterro, provincia de
directas do cada um dos nossos portos Com Santa-Cntharina. e a terceira em Jaragua, pro-
o ertrangelro, ho de en. breve dar cabo do>'; *?_AJH*S ."2rLJ^!2
nao S COI1I0 elemento da tlefesa do estado, conservar seinelhantet esiabeleclmentos.
niis ainda para dar oCi'ClipnQ.lo vantajosa a | Na provincia do Para aulorisou-se a despea
inuitos dos nossos compatriotas, e crear lio- de 12:564,000 para acabar-se o concert do pa-
vas fonles de liuue/a nacional ; quando,', lacio da presidencia; a de l:03t>,OH0 para re-
digo, se pensa seriamente nesla matoria, he P"" d" "<>"'" "V1*^!
, "* v .. ......,.,___'___nara nina ponte e trapiche de conleiencia e
licitoduv.dar que tenha sido vanlajoso para \ 'uo, 0,'de exportafo, e lagea-
o ras.l abrir ao commeicio estrangoiro 13o rlUO da, co,ia, ,u ifandega.
grande numero de seus portos. ^., a Uaranhao mandou-se proceder s
[obras mais urgentes na ponte da alfandega,
legulamtnto do tilo. [ consignando se a quanlia de 6 095/ por que f-
I rain contratadas.
O imposto do sello produz.o no anno fi-| r;m pernambuco autoritou-sc a despeza ne-
nanreiro de 1814- 45, 669:036,590 rs.; no de cessaria para acabar a |ionie, concertar e la-
184546 630000,000 rs; e no do 1846-47, gear os armazens, e repararos telhados do
631 ;000,OO. Cuinpre, poro, observar que edificio da alftudega, alm da consigna;ao que
se deu para concertar o trapiche do algodao,
cuja obra foi oreada em 2:403/.
Contina a edlficafao da ponte nova e mura-
Ihas da alfandega da Baha, para cujas dctpe-
zas appllcou se a quantia de 00:0001 em cada
um dos annos l'inancelros de 18481849 e 1849
1850. Das ultimas nformacesrecebidas sobre
este objecto consta que al o Ultimo de marco
proxlmn pasadoestavam concluidas aponte,
urna murallia do lado do sul, que ha de encon-
trar o caes do arsenal de inarlnha, outra mura-
Iha perpendicular a esta pira unir a ponte nova
com a anliga, duas cscadas com 48 degros de
pedra, e 400,000 ps cnblcos de aterro. Des-
penderam-se 215:433,300, sendo nesta quantia
incluido o cusi de dous guindastes para a
ponte nova, e de 8,000 palmos quadrsdos de
lagedo j preparado Reslava fazeruma mu-
ralha do lado do norte, lagear a ponte, e o es-
paco enlre ella e o edificio da alfandega, fazer
dous milhdes de palmos cbicos de aterro, co-
brir o semicrculo da ponte, e construir um
trilho de ferro que conduzisse d'ahi aos arma-
zens da alfandega. Orc.ava-sc a despeza destas
obras em 131:200,000.
Insstem os inspectores da thesouraria e da
alfandega n neeessidade de haver a fazenda
publica os trapiches do Sal c da Ponte, que f-
cam dos dous lados, e quasi contiguos i alfan-
dega, pnrque, demollndo-os, nao s (icaria
este edificio mais isolado, e iscnto dos perlgos
de incendio que possa apparecrr as casas vi-
zinhas, seno aiiibem Ihe dara mais belleza
e coimuodidadc para o servido. Segundo o ins-
pector da thesnuraia, podcr-sclia comprar o
primeiro pela quantia de 80:000,000, e permu-
tar o segundo por proprios naclonael de igual
valor que desnccessjrios sejam paraoservico
publico.
Pelo que toca alfandega do llio-dc-hinciro,
fez-se no anno linanceiro prximo passado a
rcedificaco do teelo e da abollada da sala da
abertura, que estavam arruinados; coticen-j
ra>!i-sc varios armazens e coxias ; fez-se um .
aruia/.eni provisorio, deu-se coineco cous-;
truejao de um trilho de ferro para faciUar o
transporte dos voluntes que salicm da alfande-1
ga. c edifteacan de um grande arinazem na
estiva, flespendeu-se com estas obras a quan-
tia de 54:451,730.
No anno linanceiro correnle Picaran as-
senladas 324 bracas de trilho de ferro que
custaram I2:000,000/s., incluido o prego de
30 carros; finalisou-se onovoarmazem da
estiva, cuja despeza monta a 10 575,220 ;
come^aram-se oulros dous armazens nevos,
para os quaes so encommendaram pegas de
ferro, que devem ser ompregadas na arma-
Clo em lurar de made'.ras. e principios
assenlar nutro ramal do Uillio ha do ler 52 bracas e quatro palmos de des-
envolvimcnlo.
Aoengenl.eio Joo Placido llaldy, era-
pregado na fabrica da Ponla-de-Areia, in-
cumb de examinar o apresentar-me o pla-
no e orcamento das obras quo convm fa-
zer para evitar os sierros que se vilo for-
mando junios s pontos da alfandega, e que
por (ni as inulilisariam. P,opr-me quo se
construa um caes que faca estender o Ierre-'
no fronteiro referida alfandega at o pro-
longamenlo da liona tirada do caes do lar-
go do Pago extremidade da ponte grande,
o na extremidade delle, quatro ponlilhdes i
llucluantes.
A realisaco deste plano dar ainda nl-
fandega espago sulliciento para edilicar to-
dos os armazens de que precisa, visto como
nSo tcm ella a capacidade que requeren o
commercio e imporlacao considerivel desta I
cidaJe. Logo que estoja concluido o esta-
do do referido projecto, e me resolva aj
adopta-lo, virei pedir-vos meios de dar-lhe j
execuefio.
inspector da alfandega do Pernambuco
raoUmava instanlemente urna emliarcaciio
quo servise de vf?;ia vela naquella provin-
cia. Knviei-lhe para itSO a escuna Lindoya,
que havia sido conslruiJa (ara idntico sor-
vico na alfandega desta corle: econlratci
com a fabrica da l'onta-de-Areia a conslruc-
C,io de outra embare-c-lo pura substituir
aqu a Lindoya.
Na provincia do Espirito-Santo autorisou-
se a despeza de 5:000,000 rs. para concertar
o palacio da presidencia ; e na de San-Pau-
lo a de 2:196,000rs. para reparos do elilicio
do curso jurdico e do da alfandega de
Santos.
(Continuar- se-ka,)
GOVERNO DA PROVINCIA.
0 presidente da provincia, toado em vis-
ta o que dispe o art. 211" 10 do regula-
mento de 31 de Janeiro de 1842, determina
que as substituicesdos juizcs de direito
do crime, civel o foitos da fazenda so obser-
ve a arden, seguinlo :
O juiz de direito da primeira vara do cri-
me seta substituido: primeiro,pelo juiz mu-
nicipal da segunda vara ;segundo, pelo juiz
municipal da primeira vara ; terceiro, pelo
de Olinda; e quarlo.ico de Iguarass.
(i juiz de direito da segunda vara do cri-
me sera substituido : primeiro, pelo juiz
municipal de Olinda ; segundo, pelo da pri-
meira do llecife ; terceiro, pelo da segun-
da ; o quaito, pelo de Iguarass-
O juiz de direito do civel desta cidade ser
substituido: primeiro, pelo juiz municipal
da primeira vaia do llecife ; segundo, pelo
da segunda; letceiro, pelo de Olinda; e
qu-rlo, polos suppleutes a primeira vara
municipal desta cidade.
O juiz dos folios da fazenda ser substi-
tuido : primeiro, pelo juiz do civel ; se-
gundo, pelo da primeira vara crimo; ter-
coiio, pelo da segunda vara crime ; quar-
lo, pelo juiz municipal da primeira vara ;
quinto, polo da segunda ; sexto, pelo de
Olinda; stimo, pelo de Iguarass ; oitavo,
pelos supplentes do juiz municipal da se-
gunda vara do llecife.
Dando-se o caso do accuoiulacilo de varas
incoa'pjl.vcis na pessoa de algum juiz mu-
nicipal, a ultima, cujo ejercicio le locar,
passar ao juiz a quem Ihe competir subs-
titui-lo, segundos ordem cstabelecida nos-,
te regulamento.
O juiz municipal da segunda vara do Re-
cife, seri o preparador dos processos que:
leem de sor presentes ao jury.
O juiz do direito da comarca do Bonito
ser substituido: primeiro, pelo juiz mu-
nicipal de f.aruai ; sgund, pelo do llo-
nito ; terceiro, pelos supplentes do juiz mu
niripal de Caruar, segundo sua or lem
O juiz de dircilo da comarca da Boa-Vista
sera substituido : primeiro, pelo juiz mu-
nicipal da villa da Ba-Visla ; segundo,
polo do Outicur, antes Ex; terceiro, pelos
supplentes do juizes municiraes da Ba-
Vista.
O juiz do direito da comarca do Ito-For-
mozo ser substitu lo : primeiro, pelo juiz
municipal do llio-Formozo ; segundo, pelo
d'Agoa-Preta : terceiro, pelos supplentes do
juiz municipal do Rio-Fortnoio.
as comarcas onde houver um s juiz
municipal, empedido osle, substituirn ao
juiz de direito os seus suppl ntes, o esgola-
dos esles, os dos lormos annexos.
Palacio do governo de Pernambuco, 28
de Janeiro de 18">0.
Honorio lermlo Carneiro UCw.
EXPEDIENTE DO DI V 25 DE JANEIRO.
Oflicio. Ao comm-indanle da praca,
mandando por en liberdade oalferes Gui-
Iherme Marques de Souza.
D to. Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda, Irnsniitlinlo a filia?ll) do_corneta
Francisco Claudio Itczerra, que foi engaja-
do para servir no terceiro bilalhflo da guar-
da nacional deste municipio, afim de qfle
Ihe mande abrir o competente assentamen-
to de praca. Inleirou-sc o respectivo com-
mandantc superior.
Dito -- Ao inspector da pagadura nuli-
lar, communleand haver S. M. o Impera-
dor determinado que sejam empregados
nesta provincia os lonentes Jos Joaqun de
Souza, Antonio Caelano Travassos e Benc-
I dicto los de Barros.
Dito. Ao juiz de paz do primeiro dis-
Iricto da freguezia de Santo-Antonio. Em
' resposta ao sen oflicio data lo de boje, em
! que entra om duvida so deve, como juiz de
(paz do primeiro districlo desta fie^ue/ia,
assstir ao cono Um de qualiflcacSO da guar-
: da n conal, em virludc do arligo 14 da lei
de 18 de agosto de 1831, visto que o aviso
> de 4 da abril .'j 1813 declaran que nao p-
j de entenderse revogada esta le sem quo a
i assembla geral legislativa expressamente
, assim o drelurasse, entretanto que a lei de
| 14 do abril de 1836 no arligo'19 derrogou
1 essa disposieflo, tenho a deolarar-llie que,
sendo esta lei posterior aquella, c deter-
minando a de 12 de maio de 1810, que as
Icis provinciaes que fnssem oppostns s n-
tcrpetracOesdadas nos arligos precedentes
da mesma le nilo s entenderan revogados
sem que expressamente o fossem por actos
do pod' legislativo geral, he fra de duvi-
da estar em vigor a JisposloSo do artigo 19
da mencionada le de 14 de abril de 1S36,
sem quo obste 0 aviso de 4 do aluil de IH43,
que se d.-vc entender ppliearel as provin-
cia anude por lei provincial anterior a in-
lerpelrnclo do acto addcional nao foi re-
vogada a citada lei le 18 de agosto de 1831.
Dito. -- Ao juiz de paz de Msr.:nguapo. -
Pelo seu ollicio de 22 do correnle, (ico sci-
cule de nao se ter reun lo na matriz dessa
freguezia a junta qualilieadra em a tercei-
ra dominga de Janeiro correnle, por ter
deixado do compaiecer o juiz de paz mais
votado, o nflo o ter en lempo participado a
Vine, como o seu i inmediato : vista do quo
toulio a ordenar-llie, que di as devidas pro-
videncias para que impretetivelmenlo se
rena a referida junta na primeira dominga
do fevereiro.
Portara. O presidente da provincia,
em coulormidade do ailigo 40 do regula-
mento do corpo de policia de 31 de maio de
1845, nomcia para formar o concelho cri-
minal, que tem de julgar o lente quailel-
uiestro do mesmo corpo, Joo de Brito Sal-
gue.ro, aos ofliciaes abaixo mencionados:
'ara presidente. O major de cavallaria
Sebastin Lopes Ouimares.
Vara auditor. O promotor publico in-
terino bacbarel Joaquim de Souza llois.
I'aia vogaes O capitaes do corpo de
polica Antonio do- Albuquerque Maranho
eKiriiiinoTbeolonio da Cmara Santiago,
o os lenles do mesmo corpo Joo Chri-
sostomo Kerroira dos Sanios, Francisco de
Paula Meira Lima eJoo deSiqueira Cam-
pello.
r.omuiaiidi) da pr>^. i.
Qiuirtel da commando da prora na cidade do
llecife de l'ernambuco, 4 de fevereiro de
1850
Fm consequencia da ordem do dia do
Exm. Sr. general, commandante das armas,
n. 3,de 23 do p.p.,passo o comtnaudoda pra-
Ca o lllin. Sr. coronel Manoel Muniz Tava-
res, que para esse lim se acaba de recolher
capital : agradece, pois, a todos os Srs.
commandanios de corpos, contingentes,
companhias e fortalezas, a proinplido e
activi lade.com qucjios poucos das de meu
commando souberaui grangear ininba es-
tima.
Parliculariso, porm, aos Srs. alferes Ale-
xaulio Augusto de Fras Villar o Antonio
Maltozo de Andrade Cmara, aquelle aju-
dante de ordens e este secretario militar,
por que incansaveis cumpriram seus tleve-
res, lornaudo-se dignos de minha conlian-
ca uamizade, e creio que o digno oflcial
quo me v.n succeder, podera descancar
uelles.
Ficam sollos lo los os presos de corree-
CSo, assim considerados a minln ordem.
Assignadn, Franeitco Jacinlho Pereira,
coronel de segunda linha, commandante da
p-aca.
INTERIOR.
ALAGOAS.
Extracto do expediente do Exm. Sr. preiidtn
te Dr. Jos liento da Cunhi e Figucircio.
24 DE DEZEMBi'.O.
Olido. -- Ao coronel Jacintho Paes do
Mendonca, para que sirva-so do mandar re-
colher na villi do Porto-Calvo o armamen-
to que l existe, e de recelior o que trouxe-
de Porto-de-'.'cdras o alferes Paulino Nery
da Fonseca, devendo ereriar para a capital as
armas que estiverem arruinadas, alim do
serem ronsertadas.'
Dito Ao mesmo. -- Peto brgue-eseuna
Canopo, que em qualquer destes dias toca-
r em Porto-dc-Pedras. vira remclli lo a V.
me. 8.000 cartuxos, 200 armas do adarme
17, IdO correantes, outras tantas patrn is e
cenlurdv.s e 300 peJras de ferir, que tudo
conservara Vine, em boa guarda na villa de
Porto-Calvo, para ficar assim habilita lo a
fornecer o armamento o mimico que Ihe
rcqulsitar o director geral dos Indios, Joso
llodrgues Loite Pitanga. Corto do seu pa-
triotismo e nunca dosmentda lideldade aos
principios de ordem, volto boje para a ca-
pital, mu seguro do quo Vmc. continuara a
sustentar a paz deste municipio e a prestar
a sua valiosa coadjuvaco em guardar as
fronteiras desta provincia, o mesmo do sa-
lisfazer as requisicoos que Ihe forem feilas
pelo commanlanle das frca* de Pernam-
buco na villa do Agoa-Prela: para o que
compre que Vmc. conserve sobre-aviso os
dous hatalhOcs de guardas nacionaesdeste-
municipio, de modo que cstejam promplos
a marchar primeira ordem. Sirva-se,
pois, do dar as suas ordens, para que sejam
desembarcados o armamento e municoque
cot.duz o Campo, o qual vem com ordem
de n "io se demorar.
Dito. Ao lenlo Joo Carlos Duarte,
para que siga para Jacuip* e apresente-se
ao director geral dos Indios Jos Rodrigues
l.eilo Pitanga, afim de ser all empregado
como mellior c *nver ao dito director.
Communicou-se ao tenonle-coronel Jos
Ignacio de Mendonca-
PEr.NAMBUCO
THESOURAill DA FAZENDA PROVINCIAL.
Itemonstraco do saldo existente na caixa
do exercicio de 1847 o 1S48 em 31
de Janeiro de 1850.
Saldo cm 31 de do-
zemlirop. p. 4:011/341
lleceila no correnle
mez........ / 4:OII#341
Despeza no correlo
mez....... 1:887/98
Saldo. 2:723/352
Em cobre .
> notas. .
/352
2:723/000
2:723/352
No mpedimenlo do Ihesoureiro, o fiel,
Tluimai Pereira Pinto.
Sntonio Cardoso de Queiroz Fonseca Jnior.
o
I
i
?3
o
r-rr m
3 3
"328
< r- o-
O 9 2
* ^"

a o
o ^
III
o o
S XI
.I
a
c.3
' 3 u
rs
l8"
2 a-
8
i 7
N3
o
M
8-
a
4* W W
-> o OS 00
w o Si 2
9IOO*
00 (O
9> i-
e
-4
f o
W O
5"
a.
o
3
o
1*1
-,
oso

*!
o*
- 8-
?> -
x w q
II -*
tO tm gn
00 to w-
o
I i I
I --
I <"\ *
I W| IX
a
tn OO
e
s


^-
Pnblicagati a pedido.
Offerecido ao meu amigo, lllm Sr. coronel
Jos Pedro Fellozi, da Silveira.
SONETO.
Povos do mundo, pranteai a morte
De Habi eximio, cidadao prestante,
Que em defesa da patria e do imperante
eu alma a I)eos nos campos de Mavorte.
Seu nome voar do su I ao norte
as asas do prego altisonante:
O sereno Danubio, o Tejo ovante,
lambern cultos dar3o ao liomem forte.
Saudoso Amaragi, exulta ufano
Que Fabio nao mUrrerl .. a grala historia
fiara reviver deanio em anno.
Deoses penates, decantai a loria
o genio que transcende o grao de humano,
Aoj vmdouros legando alta memoria.
Por Joaquim Pinto de Campos.
Offerecido a lilma. e Bxma. Srn. D. Marta
Honorio Vtllozo da Silveira.
SONETO.
Do sagro fogo a mente alvoracada,
l.m si nSo cabe o joven esperanzoso ;
A patria que o contempla prestinioso
Seusesforcos reclama altribulada.
tOO saceos farello, 1 pao deassucar, 1 lata
bolachinha, a caixas chales; a C. J.Astley
1 caixa litas do seda, 1 dita com bordados,
1 dita napolitana. 300 saceos farellos, 1 dita
obras de prala, 1 dita diferentes partes de
um carrinho. 2pcoles brdese pertences,
7 caixas lonas, t dita brinquedos para me-
ninos, 1 dita carteiras, 2 ditas taboinhas,
3 ditas chapeos; 10 barricas alvaiado, 1 cai-
ta didacs de lat3o, cordss para piano e
suvelas, 2 saceos patacfjes; a N. 0. Dieber
O \j-
i caisa chapeo de palha e palhinha, 1
jila com papelSo e obreias, 30 ditas razen-
das de algod.lo, I dita fitas, 52 barricas
pregos, 12 feixos barras de ferro, 100 barris
chumbo, 10 rolos ds chumbo, 1 caixa cor-
das de co, 1 barrica verrumas, 12 caixas
fazendas para calcas, 4 ditas obras de vidro,
I dita fazenda 'de soda, seda e algodSo ; a
G. Kalkmann.
5 caixas bixas, ditas oleo de amendoa ;
a : Tegetmeier.
fila, brigue inglez, vindo de Terra-Ho-
v, consignado a He Colmont & C, mani-
frstou o seguinte:
1,851 barricas de bacalho; aos mesmos
consignatarios.
CONSULADO CERAL.
Rendimento do da 7 ..
Diversa provincias *
2'
Rodrigo Theodoro de Freitas, olllcial da im-
perial ordem da Roza, ca.valleiro da de
S.-Rento de Aviz, condecorado com a
medalha da restaurado da Uahia por oc-
casiio da independencia, capitSo de mar
e guerra d'armada nacional e imperial,
inspector du arsenal de marinha, capi-
t8o do porto desta provincia de Pernam-
buco, por S. U. o Imperador que Dos
guarde, etc.
Faz saber a quem convier, que lem desig-
nado para aocoradouro das a'
lanchas
~^~r
4:014,405
43,236
Ao echo desta voz doce o sagrada
Depoj os livros, corre presuroso,
E, Iravnndo do gladio radioso,
Oosfaz as hostes da faccao dainada.
Emtanto que o here prosegue ovante ;
A sorle, do seus louros invejosa,
Scu astro eclipsou if um breve instante!
A patria entilo alllicta e lacrimosa
Implora ao mundo todo que decanto
I>o grande Kabio a morte gloriosa.
Por Joaquim Pinto di Campos.
Offerecido ao meu amigo, o Sr. Cario/ano
f'ellozoda Silveira.
SONETO.
De genio hilador, volado fama
Os perigos arrolla bellicoso;
,E, qual raio que Tere o tronco annoso,
labio polcja pela patria que ama.
Sua alma accesa em fulgurante chamma
i'rodfsfoa vibra no conflicto umbroso: *
Mas ah que de repente o desditoso
Sorcutnbe aos guipes do mais baixo trama)!1
l>o pello lacerado o sangue salla
Da palria murmurando o nome charo
Nome que Fabio, expirando, exulta:!...
?ssjmdau aosmorlaeso exemplo raro
T)e valore constancia ; e cuja falla
11 s-niira com pranto am,Tr*o !
KQMWtnxMK
4:057,611
EXPORTACAO.
Despachos martimos no dia 7.
Liverpool, galera ingleza Columbus, de
411 3|4 toneladas: conJuz o seguinte :
1,290 suecos e 1 barrica de assucar com
6,454 arrobas e 3 libras, 1,056 saccas de al-
godito, cobre em tulla com 4,915 libras, di-
to de picgcs com 99 libras.
CUNSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 7..... 1:772,708
vanrengas,
e mais embarcares que se em.
pregam no trafico do porto.no servico dia-
rio das cargas, e descargas dos navios, a
parte do Mosqueiro, pelo lado de trra, que
medeia da segunda barca de vigia da alfan-
Jega para o sul al a pdpa da terceira barca
da mesma nlfanlega, tirando amarradas de
maneira que nfio embaracem o transito das
embarcares que tenham de seguir para o
norte e sul do mesmo Misqueiro ; e para
ancoradouro daquellas daacitadasembarca-
efles que n3o se empregam constantemen-
te em laes servicos a parte do dito Mosquei-
ro que (ica ao sul do ancoradoro dos navios
em descarga, em seguimento do canal que
vai para a barreta, o a que oxiste nos undos
do arsenal de marinha, pelo la.do da mar
pequea, para o norte at a praca publica
projecta pela cmara municipal na ruado
Brum, conforme j se declaruu em edilal
desla capilania de II de setemtro de 1847
Capitana do porto de Pernambuco, 25 de
Janeiro de 1850.Rodrigo Theodoro de trci-
tas, capitSo do porto.
Lista dos cidadaos qualilicados pela junta
revisor, avisla das listas dos delegados
doprimeiro, segundo e terceiro distnc-
los, edos que julgou a junta qualilcar
para serem jurados neste corrente anno.
( Continuado do n. 28.)
S.-Antanio.
O arsenal de guerra precisa comprar
urna porefiodo sola curtida : quem seme-
llianle gener tiver da melhor qualidade e
quizer vender, comparecer* na sala da di-
rectora do mesmo arsenal, com su pro-
posla e ultimo preco.em carta fechada, no
dit 9 do crreme. *
0 escrivSo, servindo de administrador
da recebeJoria de rendas internas geraes
abaixoassignado, avisa allos osSrs. the-
soureiros das irmandades das corporacOes
de mao-morta.abaixo transcriptas,para que
comparecam no'prazo de 30 das, a pagar o
segundo semestre do anno lindo de 1847 a
1848, o anno de 1848 a 1849, e o primeiro
10 corrente de 1819 a 1850, que se acham
dever. -Manoel AntonioSimdes do Amara!.
Irmandadc du Santissimo Sa-
cramento do llecifu
Dita dita de Santo-Antonio
Dita dita da Ba-Vista
Dita dita dos Afogados
Dita dita do Poco *
Dita dita de Beber be
Hita dita deJahuatSo
Uta dita deS.-Jos
Dita das almas do'Recita
Dita dita de S.-Antonio
Dita do Rozario dos pretos de S.-.
Antonio
Dila dita da Ra-Vista
Recnlhimeolo da ConceicOo de
Olinda
Dito da Gloria '
S de Olinda
Seminario de Olinda
Patrimonio da mitra
Ordem terceira de S.-Francisco
Dila dita do Carino
Mosteiro dos Beneditinos
Capella dos Prazeres do dito
Mosteiro
Senhor Bom-Jezus das Portas
Dito dito das Dores
Dito dito dos AlHictos de S.-Jos
328,050
304,911
95,760
23,920
18,900
27.000
19,440
4.320
405,990
21,276
133,920
28,080
31,320
156.870
66,600
71,280
30,672
958.212
595,260
263,610
Francisco Jos Prates, ou com Manoel \a.
naci de Oliveira, na praca do Commerco
n. ti, primeiro andar. '
Para Lisboa pretende sabir com a rniior
brevidade possivel o brigue' porruguoz /V0-
vo-fencedor, por ter grande parte de sen
carregamentoprompto : para o restante a
passageiros, para o que oerece cxcallentes
commodos, trata-se com os consignatarios
Thomaz de Aquino Fonseca & Fillio na"
ra do Vigario, n. 19, primeiro andar, o'u o
capiiao, na praja do Commerco.
. "/"/V Ara.c,ly he "mprelerivelmen-
tea8 defevereiro a sumaca nacional Car-
lota, mestre Jos Goocilves Simas: para o
resto da carga e passageiros trata-se com
LuizJose de 8a Araujo, na rut da
n. 33.
Jos Narcisi Camello, Jos Carlos de Sou-|,r'nndade do Senhor Bom-Jezus
222,300
30,420
58,320
18,900
>lovimento do Porto.
AI.FAMtEGA.
Itundimento do dia 7. .
Iiescarregam hojt 8.
Patacho inglez Hywnlium -
e laxas.
Nafta entrados no dial.
Mar-Pacifico, lendosabido de New-Redford
ha 29 mezes. galera americana Washing-
ton,^ de 374 toneladas, capitao Bejamin
F. Cebbso, equipagem 36, carga azeite de
l'fixe; ao capitao.
dem, leudo saludo de New-Lon Ion ha 3-;
mezes, galera americana Rengo!, de 304
toneladas, capitn I. Ilempoload, equi-
psgem 31, carga azeite de peixe: ao ca-
pitao.
Rio-de-Janeho 23 dias, polaca sarda
Dous-lrmdos, de 170 toneladas, capitao
Jacome Barboglata, equipagem II, em
lastro; a ordem.
za Lobo, r. Jos Moreira Brandao Cistello
Branco, Dr. JoSo Domingues da Silva, Dr
Jos Francisco de Paiva, Dr. Jos Antonio
de Figueiredo, coronel Jos de Brilo ing|iZi
Dr. Jos Eustaquio Gomes, lodo Francisco
Bastos, l>r. foto Ferreira da- Silva, Joaquim
Jos de Abreu Jnior, Joaquim Jos de Mi-
randa, Jos Ignacio Xivier. Jos Francisco
Martina, Jos Soares de Azevedo. Joaquim
Jos Das Fernandas, Jos da Rocha P4ra-
nhoa,Joaquim Francisco do Albuquerque
S. Tiago, fofo dos Santos Porto. Jo.lo Ran-
lista de Araujo, Joan Maria de Albuquerque
" iveira, Jon Francisco de Oliveira. JoSe
Rabello Padilha, Jos Innocencio Pereira
da Costa, Jos Alejandre Bibairo, Dr. Jo.lo
Floripis Dias Brrelo. Dr. Jos do i Anios
Vieira de Amorim,.Dr. Jos Bernardo Gal-
v3o Alcanfora lo, Jos Francisco do Reeo
Uangel.Jos Lniz Pereira. Dr. Joiquim de
Sanios--12dias, brigue sueco Fry, de 300U^uino Fonseca, JoBo Fernandes d
^oneladas^cauUao C. C.Alberg, equipa-|Jo,lo Hermenelgido Burgos Muniz. tofo Bi-'
12:055,693
mercaduras
Barca hamburgueza Marianna merca-
duras.
Brigue sueco Rapid taboado.
Ilrigue austraco Uir papel.
Patacho brasilero Valtnle toucinho
fumo e sah.io.
Urigue inglez fila bacalho
Patacho inglez Caroline dem
IMPORTACA.
Marianne, barca hamburguoza, vinda de
llamburgo, entrada no corrente mez, con-
si-iiadaa Aslley, manifestou o seguinte:
ti caixas iirinqucdus para meninos. I vo-
luine com 1,200 pataces, 215 barricas s-
menlo, 7 caixas couros de lustro, 14 barri-
ca*16 80 caixas ferragens, 1 caixa obras de
folhas de I-landres envermsadas. 1 chxu pa-
pel e pcrleuces para escriptorio, 9 caixas
miudezas, 1 dita conservas, I farJo rapelBo
2 canas leixes de taboinhas, 1 caixa ence-
rados, 2 farJos papel ordinario, 10 ditos pa-
pel, I caixa lesouras, 2 caixas drogas, 156
costos cerveja, 3 barricas bacas de laUo: a
ordem. '
4 caixas couros de lustro, 1 barrica fruc-
tas seccas, 2 barris conservas, 1 caixa coei-
ros, 1 dita fazenda para rhapeleiro, 1 volu-
mo vidros; a A. L. Slraus.
1 caixa obras de ouro, 4 caixas ferragens
ordinarias, 10 barricas laxas para sapateiro
8 barricas com 1 seringa, 2 baldes^ fan-
elas ue algodao, I caixa filas de alfjodao, 1
dila peroias de vi Jro, 5 ditas espedios 1 di-
la bolfl, I dita agulhas ; a Wolpliopp & C
1 caixa rclogios de ouro ; a J. Robe.
10 volumes drogas, I caixa brinquedos
para meninos, 4caixas vidros para botica,
1 "lita vidros, lOdilasvilrosgrossos, 4cai-
xas espoletas or linarias, boles de madre-
perola e didaes do laiao, 20 pecas franjas de
nlgodao; a C. Kruger.
gem 16, em lastro; a N. O Bieber&t.
Kio-Grande do sul -- Patacho brasilero
Domi-de-Marco, de 109 tonelada, capitao
Antonio Monteiro do Almeda,equipage;ii
12, carga carne; a Aroorim & Irm.los.
Passageiro. Luiz dos Santos II. Monteiro.
Da eoinmissBo vapor brasleiro de guerra
Urania, commandan'o o primeiro lenen-
te Ju,1o Joaquim da Silva Cuimar3es.
Camaragibo 2 das, hiato brasiieiro Feliz-
Destino, de 24 toneladis, capitao E. Ri-
beiro.
\avi*s sahidos no mesmo da.
Liverpool Galera ingleza Columbus, cipi-
tlo Daniel Creen, carga assucar e algo-
dao.
Rio-de-Janeiro Patacho americano Justi-
na, capitao B N. Besuvck, em Ivstro.
Rahia e Rio- le-J.ineiro Paquete inglez
Peguin. comman lante o tenante Leslie.
New-Bedford Calera amurcana Bragan-
V,eapit8o WDcvol, carga a mesma que
trouxe.
I.u-
dos Marlyrios
Dita do Senhor Bom-Jozus da Via-
sacra
Capella da Conceigaoda ponto
Irmandade da Conceicaodo Col-
lego
Dita de Sant'-Anna do Recife
Dila de Santa-Anua di Conceicao
dos militares .
Dita dita da Santa-Cruz
Dita dita do Cabo
Dita S.-Tidgo
Dita de S.-Benedicto de S.-Fran-
cisco
Dila de S -Domingos de GusmSo
do Rozario de S.-\ntonio
Dita de S.-Jos de Riba-Mar
Dita deSanta-Luzia da freguezia
do Recifd
Dita de Santa-KUlgenia do Rozario
ile S.-Antonio
Dita de Nossa-Senhora do Terco
Dita da Senhora do Bom-Parto
beiro da Cunha, Jacome Gerardo Maria ,
machi do Mello, Jos Mana Seve, Jos Igna-1 Mti de Nossa-Senhora do Amparo
coSoares de Macelo, Jos Domingues Co-11'1' do Nossa-Senhora du Livra-
< iceira, JoSo Ignacio do Reg, Jos Bernar- I ment
uino do Sena, Joaquim Flix Machado, Jos
Pereira, JoSo Moreira Marques
46,440
68.040
84,2(0
11.250
27,000
12,420
36,720
41,040
218,160
12,960
71,i-80
34,560
17.280
8.640
24.192
30,210
EDITA ES.
Juaquim
Jn5o Concalves dos SntosV'jacinTho^Mo.'
reir Severiano da Cunha, Jjao Mano-I de
Siqueira, Joilo Theodoro da Crur, Jos Ma-
na da Cruz, Jos Correa L>al, JoV> Alha-
nasio Botelho, Dr. Jos Flix de Brito Ha.
cedo. Joso Tavares de Soua,, mior Jo,0
Va'ontim Villela, Dr. Joaquio, Edu.rdo Pe-
reira.
tifio; a C. Kru
1 caixa fazenda dealgoJ3o; a Schaphei-
tlin a Tobler,
16 caixas espelhos, I dita lidiase suvelas
1 barrica laxas, 1 dita suvelas ; a Brander a
Brindis & C
7 caixas lazendas .le algo 13o, 4 ditas fa
zendas de 13a, 2 ditas faz-n Jas de 13a e se-
. da misturadas, | dila couros de lustro ; a
J. Keller. '
I caixa couros de lustro, 1 lata bolachi-
iiha, I p3o du assucar; a Manoel Joaquim
llamos e Silva. '
JLaTUr c lo.ooo botijas de genobrs; a I. Soum.
100 barricas gonebra, 6 caixas brim 6 di-
tas espelhos, 500 garrafes, 6 barricas fari-
nha, 3 oaixas meias, 1 dita bsteles a F
Jl Lutlkens. '
1 caixa papel, 100 ditas vi Iros, I dila com
1 piano, 1 dilaler/agens, 120 pecis de ca-
bos, 10 gigos garrafas vasias, 3 cwxas len-
tos du algoJao, l dita brim, 24 ditas e dous
fardos lazendas, de algodao, 1 dila litas de
seda, 100 ditas velas, 5 ditas chapeos de sol
100 ditas queijos, 1 dita fazenda de IcodJo
e seda para vestidos, 4 ditas clavinotes. 2
ditas agulhas, 1 pacole e 4 pegas de panno
(*; Allude-se malta espessa, onde te-
ve lugar o logo, em que pereceo a illustre
victima que ora churumos.
A cmara municipal desla cdade faz
publico que ella fez. e o Exm. presidente
da provincia approvou, a seguinte postura
addicional.M qual passa a ter inteiro vigor,
como nella se conten:
Postura a Idicional. -- Artigo nico.
Ficam prohib Jas no interior da rida le i
casas desiJe, informarlas ou lazaretos
As existentes serSo removidas para os luga-
res que a cmara municipal designar no
mayo de 30 das, contados da publicacao
da presente postura. Os donos, administra-
dores ou directores le taes casas, que as
n3o mudar no prazo mrcalo, ou que as
situar fra dos lugares designados, pagaran
trnla mil ris do multa, c, no caso de rein-
cidencia, alm da multa dobrada, solTie-
'3o seis dias de pris3o.
Paco da cmara municipal do Recife,
em sessflo de 25 do Janeiro de 1850. Fran-
cisco Antonio de Oli-eira, presidente. 4Ja-
nnel Caetano Soares Carneiro Monteiro.
Francisco Concrftret de Moraes Angelo
tlenriqu:* da SLa. Jos Pires Ferreira'.
Approvo. Palacio do governo de Pernam-
buco, 31 de Janeiro de 1850. Carneiro
Uo. Conforme. O oflicial-maior, Jos
Moreira frandia Gaitello-Branco.
E para que chegue ao conhecimenlo de
quem convier semanJon puhlicir o pre-
sente. Paco da cmara municipal do Reci-
fe, em ses*3o ordinaria de 6 de feverciro de
1850. Francisco .Momio de Oliveira, pre-
sidente. Manoel Ferreira Accioli, secreta-
rio interino.
- A cmara municipal desta cidade faz
publico que tem designado os logaros se-
guiiles. para onde devem sir removidas as
Casas de sade, enfermaras ou lazaretos,
actualmente existentes no interior da cida-
de : ra Nova de Santo-Amaro ; rua do Hos-
picio, do sitio denomnalo Le3o-d'Ouro
por diante, procurando a direccSo do nor-
te ; lius da rua da UniSu, ao lado do norte ;
eSoledade, da igreja para o centro, deven-
do taes estabelecimentos se collocsr nos
edificios que mais solados se acharem em
referidos lugares, com previa licen^a da
mesma cmara.
E para constar se mandou publicar o pre-
sente. Paco da cmara municipal do Reci-
fe, em sessoo ordinaria de 6 de fevereiro de
1850. Francisco Antonio de Ulineira, pre-
sidente. Manotl Ferreira Accioli, socrets-
rio interino.
San-los.
Joaquim Jos de Souza Serrano, Joaquim
Francisco dos Santos Miranda, Jos Veris-
simo dos Aojos, Julio de Allemao Sisnelro
Ignacio Francisco da Silva, j030 Francisco'
Regs dos Anjos, Jo3o Diniz e Silva, Joa-
quim Francisco de Azevedo, Joaquim Lucio
Monteiro da Franca, Jo3o Manoel Migues
Jos Lopes Rosa, JoSo Moreira de Mandon-
es, Jos Lourenco Bastos, Joilo Biptists
Ferreira da Annunciuc3o, Jos Antr de
Oliveira, Jos Marcellino da Rosa, Jos Fcr-
inandesda Cruz, Dr. Jos Antonio Pereira
Ihiapina, Jo3o liaplista deS, Jos dos San-
tos Lagos, Jos Egino do Souza Peixe, Jo
Martina da Cruz, Joaquim Pedro doj San-
tos llezerra, Jo3o Rodrigues da Silva, Jolio
Ignacio deCarvalhoMenlonga. Jo3o Manoel
Ribeiro deCouto, Joaquim Antonio de Cas-
tro Nunes, Joaquim Pereira,Bistos, Joa-
quim Maria de Cmalho, Dr. Joaquim Klvin
deMoraes Carvalho, Jos Maria de Castro
Nunes, JosGneJesSalgueiro.
Recife.
Dr. Jos Baymundo da Costa Menees
Jos Baptista da Fonseca Jnior, Jos Fran-
cisco Mamede de Almeida, Jos Antonio Car-
neiro, Jos Jeronymo Monteiro. Jos Car-
valho da Costa, Jos Epifanio Durilo, Jos
Vellozo Soares, Jos Pedro (Jo Reg, Jos
Paula da Fonseca, Jos Carduzo Ayres, Jos
Comes Leal, Jos Rodrigues Pereira, Jos
Diogo da Silva, Jos Antonio Pinto, Jos
Joaquim Ribeiro Pimenta, Jos Faustino
Porto, Jos Estv3o de Oliveira, Jos da Sil-
va Mendonca Vianna, Jos Concalves Tor-
res, Jos Francisco Ribeiro, Jos Bernardo
de Souza, Jos Antonio Bastos, JoSo Mar-
ques Correa, JoSo Baptista Fragozo. Jo3o
Baptista de Oliveira. Jo3o Francisco Teixei-
ra, Joilo Francisco Pardlhas, JoSo Jos Al -
ves. Jo lo Pedro Maduro da Fonseca, Jlo
Nepomoceno Barrozo, JoSo Antonio Perei-
ra da Rocha, JoSo CarJozo Ayres, Joilo Al-
ves de Carvalho Po to, JoSo Jos Pinto, JoSo
Vieira Lima, JoSo da Costa Lima Jnior,
Jo3o Migunl da Cosa. Jo3o Antonio da Sil-
va Grillo, JoSo Francisco Pontos, Joaquim
Francisco du Alm, Julio Francisco de Mi-
randa, Joaquim Alves da S Iva, Joaquim de
Souza Pinto, Joaquim Ribairo Puntes, Joa-
quim Jos Alves de Albuquerque, Joaquim
Csrdozo Ayres. Jojo Lopes da Almeida, Ja-
cintno de Abren Reg, Jos Joaquim de
Oliveira, Jos Alfonso Moreira.
206,280
17.210
56,160
120,996
Dila de S.-Jos da Penha
Dita de Santa-Rita
Dita deS -Pedro
Dita-do Senhor Bom-Jezus dos
l'assos do Recife
Recebedoria de rendos internas geraes"
26 de Janeiro de 1850.
Cruz,
Para Marseille pretende se-
guir, al odia la do corrente, a
milito vel ira barca france/.a Frail-
ee i recebe passageiros smente,
para o que tem excedentes com-
modos : a tratar com o capitao, ou
com os consignatario*, B. Lasser-
re & Gornpanhia, na rua da Sen-
zalU-Velha, n. i.38.
Para Lisboa prelen le sabir com brevi-
dade o brigue porUiguez ConceicSo-Flor-
de-l.isbi, podendo inda admiltir algu-
ma carga da praga : tem commo los para
alguns passageiros : quem pretender carre-
garou ir de passagem, pode enlender-so
com o capitao, JoSo Borges Pamplona J-
nior, ou com os consignatarios, Amorim
IrmSos, na rua da Cadeia, n. 39, primeiro
andar.
Para a Bahia sahe, com a maior brevi-
dade possivel, o hiato S.-oAa quem no
mesmo quizer carregar, ou ir de pissagem,
dirija-se a Novaes & G., na rua do Trapiche.
n. 34.
~ Vende-se o hiate S.-Jodo, promptoa
navegar, para examinar defronte do Tra-
piche d algo 13o: a tratar na rua Bella,
n. 30, ou na rua do Trapiche, n. 34.
Para o Rio-de-Janeiro sabe, com a
maior brevidade possivel, o patacho nacio-
nal fatente: quem no mesmo quizer car-
regar ou ir de passagem, dirija-so ao capi-
tao, Francisco Nicolao de Araujo, na praca
ilo Comroercio. ou a N >vaes & Gornpanhia,
na rua do Trapiche, n. 34.
Leiles.
68,760
PRESEPE
no theatro de S.-Francisco.
C i.ide e variad^ diverlimento pastoril.
IIOJE, 8 DE FEVEREIRO DE 1850.
DICIM4 E ULTIMA EPaBSEMTACArJ.
Depois de executada pela orchestra urna
das meihores symphonias. representar-se-
ha o novo e mui insigne drama sacro em
5 actos
AAPIIESENTACA DO MESSIAS
00
TEMPLO DEJEauSiLRM
OU
a degolacio dos innocentes.
Aclo I.--A circumcsSo no templo de je-
rusilem
Acto II Disputa de llero les com o sum-
lo sacerdote a respeiio du Mess'as.
Actolll.-Fugid de Jos o Maria com o
mu i no ; s ibre a burrinha) para o Es val o :
os pastores e pastoras, etc.
Aclo IV.Marianna a o ministro.
A lo.V.Tyraunias de llerodes : morte
dos i nnocontos.
Ter uinai a u espectculo com o brilhante
e mui applaudido novo aclo
DA UAItAJ VOVO' E SUAS NETAS,
composto de onze arias e tres coros.
Principiar o diverlimento s 8 e meia
horas da noite, com chegada das autori-
- Kalkmann IrmSos farSo leilSo, por in-
tcrvencSo do corretor Oliveira, de grandd
sorlimento de fazen las de seda, 13a, lnho.
ede algodSo, as mais proprias do merdado:
sexla-feira,8 do corrente, s 10 horas da
manhSa em ponto, no seu armazem da rua
da Cruz.
- N. O. Bieber & C. farSo leilSo, em pre-
sen?a do Sr. cnsul de Hamburgo, por in-
lervencSo do corretor Oliveira, e porconta
e risco de quem pertencer, de 25 a 30 caixas
de assucar mascavado,para do seu producto
occorrer aos gastos com a galiota holande2a
Carl-Adolph neste porto, onde arribou, e
fui legalmentecondemnada na sua recento
viagem procedente de Maroim com desti-
no ao canal Inglez : sabbado, 9 do corre-
le, s II horas da manliSi em ponto, no
trapiche do Angelo.
Avisos diversos.
ifa des.
Theatro de ^.-Francisco.
Gran lee extraordinaria representado pe-
la companhia franceza, sb a direccSo da
viuva Berleaux.
Esta representadlo ter lugar quinta fei-
ra, 14docorenle, e sar composta de pas-
sagens da lilToroiileg generjs : os annun-
cios do dia farSo mencSo especial do deta-
Ihe desta espectculo.
Avisos martimos.
- Na rua Direila, n. 61, se dir quem
compra u -na casa terrea, sen lo em boa rua,
o estando em bom estado.
Piecisa-se de um forneiro e de um ama-
cador.quo sejaro peritos na sua proflss3o. na
padaria da rua do Rozario, n. 13.
A pessoa que precisar de um rapaz
brasiieiro, que sabe bem ler, escrever o
contar, e com umita actividade para cai-
xeiro de loja, dinja-se rua do Hangel, n.
75. Na mesma casa precisa-se de alugar um
preto.
DEPOSITO GEKAL S
9 do superior rap areia-pnta x
a) da fabrica de Gantois Pai- a
Ihet&c Companhia, na Ba- 9
S hia. %
Domingos Alves Matheus, agente da #
S fabrica da rap superior areia preta 9
e meio grosso da Bahia, tem aborto o A
P seu deposito na rua Cruz, no Recife, a*
i n. 59, primeiro aodar, onde se achara
f sempre deste excellento e mais acre-
B ditado rap que al o presente se lem
B fabricado no Brasil: vende-se em bo-
I tes de urna e meja libra, por proco
K mais commododoque em oulra qual-j
quer parte.
( Continua.)
Deca raides.
- Brovomentc se Ii3j de aflixar elitaes
do concurso s freguezias vagas desta dio
cose. iteciro, 7d fovereirode 1350. O
padre Francisca Jos Tavares da Gama.
- O arsenal de guerra compra sola da
Malta, e pedra de ferir fogo : quem taes g-
neros tiver e quizer vender, comparecer
na sala da directora do mesmo arsenal, no
dia 9 do corrate, trazendo sua prnposta
com seus ltimos precosem carta fechada
o amostras.
pa-
rta
O patacho Fortuna nSo parte para a
Rahia como tinha annuncudo, no dia H i|n
corrento, por I lie terein faltado com parte
la carga que eslava engajada, com a que
co-nplelavao cirregamentn, por consequen-
cia recebe ainla alguma carga a frute : tra-
ta-se com Firinino J. F. da los i, rua da
Senzalla, n. t, primeiro andar.
Para o porto sihir breve o milito ve.
leiro brigue portuguez Maria-Fetiz, capi-
tao Lourenco Fernandes do Carino, por ter
part da carga prnm ila : quem no mes no
quizer carregar ou ir de passem, para o quo
lem bons commodos, tratem com o consig-
natario, Antonio Joiquim de Souza Bibei-
ra, ou com o mencionado capitSo na praca.
Para o Rio-de-Janeiro segu com bre-
vidade, por ter parte da carga prompta, o
brigue nacional Dout-Amigos : quem no
mesmo quizer carregar, ir de passagem ou Ido Rozario, segundo andar por cima di lo-
embarcar egeravos, hile com o capitao, I ja de louca.
Manoel Antonio de S.-Tiago Lessa re-
melle o seu escravo crioulo, de nome
Eduardo, de 30 annos, a scu mano, Joaquim
Antonio de s.-Tiago Lessa, que se acha no
engenho One*, freguezia de Una desta pro-
vincia.
--Lino Pinto Leal retira-se para Portu-
gal a tratar do seus negocios
Manoel do Almeida Lopes declara a
quem convier, que est prooedendo o in-
ventario do seu casal, por morte de sua li-
na la esposa, D. Vicencia Maria de Jess Lo-
pes ; e posto que certo de nada dever rela-
tivamente ao mesmo casal, todava roza a
qual juer pessoa que se julgue sua credora,
de apresenlar sua cuita para ser attandMa
no mesmo inventario, at o dia 8 dj cjr-
rjnte fevereiro.
Precisa-se de urna ama
ra casa de pouca familia; na
do Hangel, n. 52.
Quem precisar de um caixeiro para co-
branzas, ou outra qualquer arrumaco, di-
rija-se rua de S.-Francisco, n. 33.
-- DSo-se cinco conloa de ris a premio
sobro boas firmas, pentiores de ouro, orate,
ou hypotheca em bons de raiz : na rua es-
treita do Rozario, n. 30, segundo andar, se
dii quem d.
--Precisasecopiar varias msicas soca
assejo e pro npLi 13o : quem quizer incum-
bir-sedesso tralho, dirija-se rua larga


V

4
Hoje, pelas quatro horas da
larde, pcrantc o jiiiz de paz res-
pectivo, liarer rio largo do arse-
nal de marinlia, a r rema I a cao de
porcos, apprehendidos pelo com-
petente fiscal: quem quizer arre-
matar compareca na indicad j
hora.
Aluga-se o sobrado de dous andares,
na prara da Roa-Vista, n. 6: a fallar na bo-
tica do mesmo sobrado.
- Precsa-se de um forneiro : na ra Di-
reita, n. 129.
Atlenco.
Os protectores do glorioso S. Gonqalo de
Amarante, erecto oa groja deN. S. da Boa-
Vtagem, scientilicam aoa dorlos do mes-
mo Santo que, no da 10.do crrante, ser
solemnisado coin a devida pompa a Testa do
referido Sanio e Ihes roga que, para maior
realce da festividado, hajam de concorrer
ao dito lugar, ondeacbarfi para tranquillos
estareai ludo quantonecessario for.
Por causa de molestias o nSo poder o
seu proprietario eiercer o sen officio, por
issoquem quizer arrendar o dilo oflicio de
escrivBo deorpbilosda villa provincia das Alegas, dirija-se a ra da
Cruz, n. 6 que alii achara com quem tratai,
ou na cidade de Macei, aoSr. Dr. Fernan-
do AiTonso de Mello, que se acha autorisado
para o dito ilin.
Aluga-seo prlmeiro anJar do sobrado
amaiello, nos quatro-cantos da ra do Quei-
maJo, n. 29 : a tratar na loja do mesmo
(obrado.
Oflerece-se um rapaz solteiro para
caixeiro de qualquer eslabelecmenlo, o
qual dallador i sua conduela: quem de
sen presumo se quizer ulilisar. dirija-so
ra do Hospicio, casa do Sr. I.uiz da Veiga
Possoa.
Pelojuizoda segunda vara do civel, se
hilo de arrematar na ra Nova, na porta da
residenciado Sr. doulurjuiz municipal e
civel, Joflo Floripes tlias, dous escravos e
mais objectos penhorados por execucilii,
cujo rrematacSo ser* feita no dia 9 do cor-
rele, pelas 3 horas da tarde.
Quem precisar de urna ama para o ser-
vico do orna casa, dirija-se ao bteco con
Ironle ao do Carcereiro, n. 1.
-- llavendo muito cuidado com o habili-
doso que chupa o azeile da illuminacito pu-
blica, evila-se eslarem os lampe Oes da cida-
de do Oltnds, quasi se apagando apenas
silo II horas da noite. .
A esputara da alfandega das
fazendas precisa de mais trahalha-
dores, mas que sejam mocos e ro-
bustos : quejn se quizer subjeitsr
a esse servico, diiija-sc porta
da mesma allandega s horas
da manhaa. Na certeza que ga-
nliarao por dia G4o rs.
/. T. C. Quaresma.
Consta so abaixo assignado que o seu
preto Jos, o qual he de estatura regular,
cor fula, seccodo corpo, de nac3o Angola,
quo andava vendendo fazendas em um
grande lata, a qual tinha por cima um car-
tilo de papelito) chuto, por motivos de em-
briaguez deixara furlar dita Uta e carillo
com que andava; por isso roga a polica,
oii a qualquer pessoa que lenha noticia, nlo
s do preto como da fazenda, de drig-r-se a
ra da Cadeia-Velha, n. 24, primeiro an-
dar, que generosamente recompensara.
Manuel Antonio da Silca Anlunes.
O abaixo assignado faz scienle a todas
as pessoasqueleem penhoies cm s-u po-
der, leos irresgatarno praao de 30 dias;
do conliai in, seirio vendidos para seu paca-
ment. Paulo loiGomei.
Dao-se 380,000 rs a juros
de um e meio por cento, sobre
hypolheca ou firmas a conteni :
na ra Direita, n. 102.
-- A' casa da residencia do Dr. I.ourenro
Trigo de Loureiro, no bairroda Ra-Visl,
ra da Saudade, defronto do Hospicio, p
dem dirigr-se por orla, ou pessoalmeiiic,
aleoflm do n ez de fevereiro prximo fu-
turo, todas as icssoas, que quizerem ser
assignanles do novo compendio de pralica
do processo adoptado pela congregado dos
lentes do curso de sricncias socaes e ju-
rdicas de Ulinda para a segunda aula do
quinto auno, sendo cinco muris o preco
da assignaturadecada i-xomplar ; e em lo-
do o lempo as que o quizerem ser do inle-
ressantissimo ndice chronologico da le-
gislarlo brasileira que lia dt conter em
oilo volumes in folio, oa pouco mais, toda
a legislacflo brasileira vigente desde 1822
ai 1848, a qual, com a que est revogada e
a que (em cahido em desuso, compenag
colleccOes actuaos vinte o Unios grossos
volumes, e cusa para n ais de 150,000 rs.,
entretanto que o preco da assignatura do
referido ndice he a pequea quanlia de
31,000 rs. paga aoieceber o !. e2.' volu-
mes, de queja exi-tem varios exemplares
em poder do annunciante e brevemente sa-
hir a luz o lerceiro volume. Na loja de
livrnsdoSr. reveren !o padro Ignacio Fian
cisco dos Santos na ra da Cruz do Reci-
fe, e na do Sr. Manoel Figueiroa de Fari
na praca da Independencia, pdc tan liem
assignaro seu nome quem quizer ser as-
signante de qualquer das refer.las obras
Os Srs. assignanles que j receberam o pri-
meiro volume do ndice chronologico, dig-
nem-se mandar buscar o segundo casa do
annunciante.
--Aluga-se o tertfeTfo andar do sobrado
n. 18 da ra do Vigarib, ptimo para morar
familia, por ser muito fresco, por preco
commodo: a tratar no primeiro andar do
mesmo sobrad, ou nt praca da Indepen-
dencia, livraria ns 6efl\.'
-- Sabbado, 9 do correnle, porta do Sr.
Dr juiz do civel da segunda vara, se ha de
arrematar urna canoa velha, avaliada em
30,000 rs ponhorada por execuc,3o de Do-
mingos Dias dos Sanios contra o preto Ju-
lio Alves da Cruz.
Houbo.
Na noite de 4 para 5 do corrente.tendo os
abaixo nssignados pernoitado no Poco-da-
Panella, fra roubada de sua casa.na ra do
Collegio, n. 8, primeiro andar, os seguinles
objectos : 250.000 ra. en, dinheiro, sendo
urna ola de 100,000 rs. e tres de 50,000rs
um alfinete de.perto, urna luneta de ouro
com trancelim de cabello, um annelSo, um
annel, seis botOes de ouro de abertura,
um chapeo preto do cabeca, um par de gapa-
lees de couro envernzado, o tlguma roupa
branca, 2 bilheles de lotera, sen lo um in-
teiro'da matriz da Roa-Vista, de n. 4037, e
umquarto da lotera do Rio-de-Janero (da
Misericordia de S.-JoBo-d'EI-Rei) n. 3534
Os ladrOes estiveratn bastante lempo, pelo
que se tem collegido, enlraram das 10 para
11 horas da nollo, quando eslava a porta da
ra aberta.e sahiram, segundo diz um es-
cravo do Sr. Theodoroo Silva que c'ostuma
dormir no corredor da escada, e sentir
pelas 4 horas da manh.la desccrem dous
homens com urna luz, e quando percebe-
ram o preto moxer-so, apagaramna, e
brindo 'porta da ra evedram-se, tendo
arrancado uina Iravessa da cancella e ar-
rumbado a oulra porta que vai para a sala
da frente, as fechaduras dosbas, gavetas,
guarda-roup, ele.: roga-se, portanlo, as
autoridades policiaes todas as pesquizas.
aliin de so descohrircm os ladtfles, assim
como s pessoas particulaies a gralificacio
de 100,000 rs. se o descobrirem.Dr. os
Gondalves da Silva, los Goncalves da l'or-
aunfula.
--O abaixo assignado faz sciente a quem
intoressar que, tendo annuncado para ser
aprehendida urna escrava de Manoel Ma-
ri rio, do nomeEleuteria, mofador no en-
genho Po-Santo, freguzia do Cabo, acon-
tece que no dia 31 de Janeiro prximo pas-
sado Ihe foi entregue urna escrava do mes-
mo nome, que andava tambem fgida, e
dizia ser escrava do dito Manoel Marinho,
emviilude do quo lomei conta. avisando
ao mesmo senhor para vir tomar conta, e
porelle'mo foi ditu nlo ser a dita escrava
aua passan lo a averiguar, me foi confes-
Sido pela dita escrava ser do sonhor Fran-
cisco Manoel de Paula, tendo appellido de
Pillo, residente nacidade da Parahiba do
norte, na roa do MaU-Negro : por Isso ro-
ga-se ao mesmo senhor de a mandar rece-
her na residencia do abaixo assignado, na
rua do Collegio, n. 1, pagando todas as des-
pezas que o mesmo tem eito : tambem ad-
verle que se nlo responsabilisa por qual-
quer acontecimento que possa ler a mesma
escrava, e muito menos pela fuga.
Ualhias de Azevedo Yillurouco.
5
gando-se o que se ajuster: no pateo do
Carmo, venda n. 1.
O 0
O Alugam-se e venden-se as verda- $
Q deiras blxas de Hamburgo : na praca (S
q da Independencia, n. 10, ao voltar n
q para a rua das Cruzes. X
- o
Precisa-so alugar um ou dous prelos
para carregarem fazendas pelas ras : na
rua doQueimado, loja do miudezas, n. 25.
O abaixo assignado faz publico que
traspassou-sua venda, sita na rua da fruz,
n. 36,aciSrs. JoifoJnt Rodrigues Mendes
e Antonio Lopes Braga, ficaodo os mesmos
Srs. desonerados das dividasque a mesma
deVe a praca, e o abaixo-assignailo raspn-
aavel pela liquidacSo das mesmas; e para
clareza faz o presnte annuncio. Recife, 6
de fevoreiro de 1850.
Joaqun* da Silva Pinto.
-- Precisa-se comprar urna eserava que
seja perita engomn-adeir, entenda de co-
zinhae do mais arranjo de urna casa, pre-
ferindo-se com cria de 6a 8 mezes : na rua
larga do Rozario, n. 1,39, taberna da esqui-
na, ou no primeiro andar por cima da dita
taberna.
D-ge dinheiro premio sobre penho-
res de ouro ou prnta, em pequeas quan-
tias: na rua drs Trincheiras, n. 18, sobra-
do de um andar.
Precisa-se de urr a pessoa para traba
Ihar rm um sitio : na rua Nova, n. 46.
Precisa-se alugar urna sala que tenha
umquariopara morar um bomem solteiro:
quem tivcrannuiicie.
Reseja-se saber quem he nesta praca
procurador do Sr. JoSo dos Santos Nune
de Oliveira, para se Ihe fallar.
Piecsa-so de urna ama de leite, que
mo tenha cria : na rua do Qucimado. n.
32, segundo andar. '
fumwai mmmmmmmmmmmmhn
Lotera ta matriz da Boa-
Visla.
O respectivo Ihesourero, Manoel Conca-
vel da Si'va, pretende n,lo illulir a expee-
tacHo do publico com annuncios mpoitu-
nog do andamento das rodas desta lotera ;
esforcar-ge-ha quanto couberem suns Tor-
cas para com a possivcl presteza annunciar
o da, alcm do qual nSo dever passar a cs-
peranca dos compradores ; porque entende
queaessa illusflo em que alguns teem por
ve7eg deixsdo o respetavel publico, se de-
ve essa especie de descrdito, que tanto
tem demorado o andamento das nossas lo-
teras ; por isso limita-se por ora a annun-
ciar a venda dos bilheles, o a ex Irahi loa
com todooempenho, afim do poder asse-
guraraos compradores o dia em que deve-
r ella imprelerivelmente correr.
A vanlagem do plano j publicado e o fim
religioso para que foi esta lotera edneedi-
da, convida o seduz os tentadores da gorte
a concorreiem sem demora para a compra
dos numiros que Ihea preperam a suave
acquisicSo de bans da foituna, sem risco
de grande capital, e com o imrorte semen-
t da diminuta quanlia de 5 bu 10,000 rs
por poucos dias.
Desde j achar-se-bSo os bilheles : no
Recire, lujas do thesoureiro e do Vieira
cambista; em S.-Antonio, botica de Joflo
MoreiraMarques.no paleo da Matriz, e de
Francisco Antonio das Chagg, na rua do
Livramento ; loja de llernardino Jos Mon-
teiro, pracnha do Livramento, n. 44 ; no
Aterro-da-Boa-Visla, loja de CuimarSes,
n. 44. e de Duaite Borges da Silva, n. IS.
Modo asseiado e econmico i-
para alumiar umi sala
lie reconhecido que o gaz hvdroge- ^!s"rins' c
; neo liquido de todos os combuslives :| |mesmos.
lindos padrOes, modernos; dila branca,
muilo fina; dila encarnada; merinos ; brins
de dilTerentes qualidades; riscados; sellns;
sarja hesranhola ; o nutras muitas fazen-
das. Na megma luja vendem-se charutos de
llavana, finos, vindos da l;iha, um farda-
mento comjilelo para guarda nacional e
um par de adragonas para odicial subal-
terno.
Umbelina H'anderlev Peixoto, itm sua
aula no segundo andar d"o sohrailo na es-
quina do Ouvidor, defronle do Hotel Com-
mercio, recebe pensionistas, meias pensio-
nisias ( externas : prometi toda a activi-
dade afim de desempenhar bem a impor-
tante tarefa que neumbe-se. Ensina a ler,
escrever, contar, arithmetica, grammatica
nacional, bordar o marcar do todas as qua-
lidades.
Na rua Drela, padaria n. 26, d se
plo do vcuilagem a prelas sobro a respon-
sabilidado de seus senhoiei.
Precisa-se de ofTiciaes de sapaleiro. as-
sim como tambem se admittem aprendizes
forros ou capilvos : na travessa da rua do
Vigario. loja nova.
Alfonso Jos de Oliveira, profossor ju-
bilado na radeira do geographia e historia
do lyccudfSlaciilade, tem alierto sua aula
particular do primeiras ledras e grammati-
ca latina : as pessoas que de seu presumo
se quizerem ulilisar, pode ai procura-lo na
rua Direila, n. 120, segundo andar.
A mulhcr parda que se offereceu para
ama da casa do estrangeiro da rua do Tra-
piche, n 14, queira voltar mesma casa pa-
ra so justar.
Na rua da Cadcia-Vnlha do Recife, n.
51, segundo andar, ensina-se Islm, rlielo-
rica e pbilosophia, com todo desvelo e per-
feijSo, por possoa dealgum merecinienlo,
que soolfcece a quem queira.
lludanca.
JoSoVignes, fabricante de pianos, parti-
cipa ans seus freguezes, que mudoii asna
residencia da rua doQueimado para a do
Rozario larga,primeiro andar da casa n. 28,
onde morou o Sr. >)r. Nctto, aondo aclia-
rilosenipre piano superiores qualida-
des. cordas, e toi avianientos neces-
casmusici ,s modernas para os
S

que se empregamm al boje para alu-
miar-se, he o mais econmico, mais .
S asseiado, e que d a luz mais bri- *
I litante. Os arranjns dos candieiros %
I de gaz silo mu simples, e nSo se en- fcf
i; coiitram nelles os incunvenientes f
I quo a cada instante apiesentam os de ^
1; azeile. Os amadores do gaz acbaiilo
tt seniprecmquaiitidade sullicente, e
gj de boa qualidade, na destilac.ilo fran-
ijj ceza da iravessa da Concordia.
i;
-- No dia 9 do correnle, as 4 hoias da lar
de, aporta do Sr Dr.juiz do civel da se-
gunda vara.se hilo de arrematar dous es-
cravos, pcnhoiados a Jos Rui le & C. por
sera ultima praca, por oxecucilo de Ma-
IheusAustin & Companhia, escrivio Bap-
tisla.
t!m bomem quo se quoira incumbir do
desleitar vaccas, e trazer o leite para a
praca, procure, para fazer-se o ajuste, ou
na Torre, fallar com Augusto Xavier de Son-
za Fonseca, ou no sobrado dos expuslos, na
rua da Roda, rom Jos llernardino.
Desappareceram, da rua da Auror, n. i
24, dous carneirog brancos com a frente!
prela, muilo mansos e castrados : quem os
achou queira mandar entregar na mesma
casa, que ser gratificado.
Denles artificiis,
I. A. S. Jane, dentisla, participa ao res-
petavel publico que contina a exercer a
sua nrofiss3o, na rua estreita do Rozario,
n. 16, primeiro andar.
Na rua das Cruzes, n. 40, taberna de
; fiomingns da Silva Campos, ha superiores
) bixas de lUmhurgo, que se vendem e tam-
bem so alugam, tanto em porg;1o como a
Irelalhn, por preco commodo.
Alugam-se escravas qnitandeiras: na
I rua do Collegio, n, 13, das 10 horas da ma-
-nhflas 3 da larde.
-^Precisa se alugar urna preta quo saiba
lavar, engonimar e coser, para urna casa
cstrangeira : na rua do Torres, n. 34, das
II horas al s 3 da tarde. Na mesma casa
tambem se precisa alugar um preto que
entenda do servico interno, e saiba tratar
de cavallos.
DBo-ae 400 ou 500,000 rs. a premio com
hypolheca em alguma casa terrea sita nes-
ta cidade : na rua do Scbu, n. 8, a qualquer
hora do da.
--Perguiila-so ao reductor do Brailoda
Raido se j acnboil a publicarlo do referido
peridico : slo deteja saber Um Irgalitta.
Rccebe-s um menino pura se Ihe en-
sillar o ollicio de ourives, tciiilo bous cos-
luinos na rita i'o Cahug, loja n. 9.
JBPJHBPMP-a-M>aM49!^aHBp
Compras.
DAURORA
Precisa-sede um rapaz, ou menino de
intellgcncia a quem se encarrogue diai j-
menle da servir de andar com papis, pal-a
ajudara outra pessoa da mesma occupacli,,
pagamlo-se mensalmente : na rua estreita
do Rozario, n. 30, segundo andar, sa dir
quem precisa.
A abaixo asignada faz sciento a quem
livor feto hypothcctgao fallecido Francis-
co Joaquiui Anlero, qua nilo paguo as mes-
mas, por haver qucalJo em juizo a respeiti
desta heranca, ab pena de pagar duas ve
Zas. lonquina Uaria do Kspiritn-Sanlo.
Precisa se do urna ama de leite, forra,
ou captiva : na Boa-Vista, travessa do Ve-
ras, o. 7.
Precisa-se de um amasiidoi': ni rua
larga do Rozario, n. 48, padaria.
Chapeos de sol.
Itmi do Passeio, n. 5.
Ntsta fabrica ha presentemente um rico
orlimento destes objectog do lodas as co-
res o qualidades, tanto de seda como de
panninbo, por precog commodos; ditos pa-
ra senhora, de hom goshp : esteg chapeos
ano reilos pela ultima moda; seda adamas-
cada com ricas fraojas de retioz. Na meama
casa se acha igual soi lmenlo de geda e pan-
ninhos imitando sedas, para cobrir ar-
macOes servidas : lodas estas fazendas ven-
dem-se em porcle e a relalho : tamberr se
concerla qualquer chapeo de sol, tanto de
basteas de ferro cunto de baleia, assim co-
mo umbelas de igrejag: tudo por i reco
commodo.
Casa de modas francezas.
Bncssard Miociiau.
RUA DO ATERRO DA-ROA-VISTA, N. 1.
Pelos iillimos navios francozes. ebegados
do Havre, recebeu-se grande soitmenlo de
modas, taes como : chapeos ricos de seda e
de patha ; lilas ; bicog de blond e de linho ;
cassas brancas o pintadas; manteletes de
seda de lodos os modelos; flores; cabe-
c0es;camun|,s; gollinbas bordadas de
filo e cambian ; lencos de rno, de todas as
qualidades; luvas de pellica o de malfta
Iberia ; transas e franjas para veslidos ; fi-
los ; cambraias; meias de seda ; e multas
outras fazendas que se farflo patentes ao-
compradores: ludo por preco muito cm
conta e gosto verdaderamente francez. Na
mesma casa fazem-se vestidose chapeos e
ludo o mais de loilelto das senhoras. '
Precisi-se de duas prelas, que sejam
iicis o capazos para venderem na rua, pa-
C. Starr & Companbia teem a honra de
avisar aos seus freguezes, a ao publico em
geral.quea sua grande fundicilo em S.-
Aiiniro, alm do sorlimenlo quo conslan-
lemenle tem acha-se de novo provida de
mulas moendasde canna, e do varios ta-
maitos fetas no mesmo eslabclecmcnto
pelos mais peritos oflicaeg, e com o maior
cuidadoe perreicao; tanto assim he, que
ns nnunciantegse ufanam em garant-las
pelo primoiro anno. As moendas inleiras
todas de ferro", construidas as ollcinas
dos annunciantes silo muilo superiores a
quaesquer outras da mesma nalureza que
at agora teem sido aqu ofTerecidas, poig
aquellas ncerram em ai cortse importan-
tes melhoramentog regultado de mais de
20 annos de experiencia e pralica do paiz.
Os abaixo assignados fazem scienle ao
publico que compraran) ao Sr. Jnaquim da
Silva Pinto a su venda sita na rua da Cruz,
n. 36, (candil es abaixo assignados desone-
rados das dividas que mesma venda te-
nha conlrahido at boje. Recife, 6 de feve-
reiro de 1850. Joao Jos Rodrigues Mtn-
la. Antonio Lopes Braga.
Em odia 9 docorrente mez rfloimpre-
tciivolmcntea praca, para seren arrema-
tados perante o Dr.juiz do civel da primei-
ra vara, varios movis novos, por execucilo
de C. Carnicr contra os berdeiros do falle-
cido Joflo Baptista Herbster : as pessoas
que quizerem lancar nos referidos bens,
dignem-se comparecer pelas quatro horas
-- Compia-sc calcado feilo na torra, para
bomem, senhora e meninos, de todas as
qualidades: defronle do nixo do Corpo-
Sanlo, na oia nova sita na esquina da Ira-
vessa que va para a rua do Vicario. Na
mesma loja se vende a relalho sola, mar-
roquins, bezerro, couro de lustro, couros
de cabra cm branco e linios, e lodosos
mais preparos para o officio de sapaleiro.
Compra-so urna canoa de carreira, de
um si'i pao, usada, mas em bom estado, e
que seja maneira, de modo que qualro ho-
mens a pnssam transportar para qualquer
parte : quem liver annuncie por esta folba.
-- Compra-se Chcrnoves, livio de medi-
cina : na rua Ttircita, u. 14.
Compra-se duzia e meia de cadeiras
ilc assenlo de ralbinlia, de qualquer qua-
lidadedo inadcira, com lano quo es teja m
em bom uso ; c um toucador em meio uso :
quem liver annuncio.
Compra-so, |ara u.ma encommenda,
escravos de ambos os sexos, do 10 a 40 an-
nos : ni rua do angol, n. 57, sobrado.
Compra-so um sellim inglez usado,
com iivsenlo grande, bordado: na rua da
Cadeia do Recife, loja n. 50, do Cunba &
Amoriin.
Compra-sc urna solera de pedra de
Lisboa, de 7 o meio a 8 palmos de comori-
do ; 3 ou 4 pedacos do bombreias tambem
de pedia do obras antigs, e que" tenham de
5 a 7 palmos de altura ; urna porta de tua
feita de aotarello, costadinlio, ou assoalho
reforcado : quem liver tudoou parte, dir-
ja-se rua Nova, loja franceza, do Sr. Ro-
beito.________________
Vendas. i
urna porc.no de maleriaseslranhas, nflo obS'
tanle quo inertes, mais que no entanto dif-
ficultava o seu uso.
Hoje, emfim, esta gomma be pontos le-
vada ao mais alto grao do puresa, e assim
com ella preparamos o nosso xarope tilo a-
gradavel c fcil de tomar como promptoe
eficaz nos seus resultados. Os mdicos des-
ta cidade e outros muitos que teem obser-
vado seus efleilos, provain sua superiorida-
deabsolula para a cura das inflammaces do
peito, tuces, defluxos, catarros, escarros de
sangue, etc. ; e applicam aos seus doenlcs
como o melbor especifico at boje conheci-
do. Chegou do Maranbflo, aonde he fabri-
cado, urna quaiilidade deste xarope ja bem
conhorido nesta cidailo por mullas pessoas
que ilcllc lein usado: constantemente se
vende no mesmo lugar j annuncado, na
venda da rii." :'" Cadeia do Recite, n. 35, de-
fronte dollecco-LaTjrS.aJ*000 cada garra-
liol.a, acompanhando nm ft*'tu"'o do seu
autor.
A a ropo do bosque.
A inlroduccao do xanpt do boiqut em o Rrail-
foi animada pur succenso Hein igual nos Ksta-
dus-1'iiiilns, ende depois de sele annos de ex-
periencia e uso fui elev.-do a lao alto nimio,
que s veies as exigencias exeedian muito
r ii i ii 11 l.i I. que se podia manufacturar.
Vi principio de sua inlrodu'-cao nqni nao se
pode logo asseverar o seu nirrilo ueste clima ;
mas as immensas provas que os agentes rece;
bem diariamente da< curas maravilhnsas que
ello produi ns habilita a eerlmoar que oinro-
v do boiqut he una cura certa para a pliihisica
ein l oilos OSteUI dilleienles gios, i|ii('r moti-
vada por consiipacurs, tone, cuqurlurhe,
plriii i/, aslluna, lirnucliiles, palpilaciio no co-
raclo, dor de coslado e pello, escarros de san-
gue, ili'n na garganta e todas as molestias dos
orgaos pulmonares.
I'epcisde tantat provas do seu inereciinnto,
como ontroallll depois de se trsleinunhar v)
lirine augmento da venda deste remedio, couitf
ignaluiriile a accuniiilacao de lanos factus que
comprovaiu o sru liuiu surcesso durante a ex-
periencia de 21 ineies, os agentes nao Ifrita
acensados de lenni imposto sobre o publico,
ri'coiuineiidand'i um remedio de um valor in-
serto, OU de exigir de qualquer invalido que
llxeassuas rsprrancas de cura por iiuiallivio
Imaginarlo. Outo principal do xarope dolmi~
que tem sido feiln uiiicaiucnte na cidade di lUo-
ili--l.iin un i- suas vizinhancas ; mas, agora que
aaauaa virtudes se pdeiu consciencif>samentc
asseverar, os agenles o ofl'crecein ao publico
com a inail segura conanca, r <|iie ein qu;il-
quer caso se adiar un remedio de infallivel
mrito rumo de feliz successo.
lia rasos deslas molestias, quando por ne-
gligencia se delxa (pie a molesiia tome coi po
sobre a sulislaiicia dos bofes, al que os restos
destes uqucm insiiRlcienles (se a sua declina-
cao poder ser reprimida) a poder furnecer o
sangue aus elementos nrccssaiios vida de
nina pessoa, e semelliantes cusos sao e senlo
srmprr ali'ni do coiilircimeiuo da assisleneia
humana, ehepeinr que chailato aipiojle que
quizer engaar a al-ueni com e^peranras (al.
sas de cura ; mas ha muitos casos que appare-
cem sem eaperawaa, mas podem ser curados
com remedios proprios.
<"om alguns a tendencia para estas molestias
vem de pais para fillios, e por estes he nova-
mente Iranstnittida s suas descendencias, lsto
lie geralinente conherido por plithisica cons-
titucional Km sementantes caaos a doenea
apparece geralnirnle na mesma familia em
urna certa idade, e familias inleiras fallecen]
proporcoque van rheganilo quelle periodo,
('orno dissemos cima, remedio aigiint pode
remediar estes r.i-u onde Mina longa moles-
lia se acha aireigada, e por couieguinlc tem
consumido todos ns recursos da vida, mas lie
pelo no de srmelhante remedio como oaviro-
/" i' i botque, e o muito cuidado na sai'ule, que
estes periodos crticos se pdeui pausar, ca vi-
da se pode prolongar al urna idade avafteada.
Km caso de molestia de bofes, occasinnado
por exposifo ou negligencia, a molestia ap-
proxiiua-se por diflerenlrs formas, mas qnr
no brochial ou astliinalica, as membranas sao
alli-cladas e as suas secreces improprias ou
iiais que excitadas fazeni logo senlirent-se
syuploinas que nao se deverao desprezar;
una cvnAipa(o pdc produiir unta iiiflaiuitia
cao nas delicadas membranas que guarnecen!
os tubos liniinlii.il s. esla iriitaruprodus urna
tosse, e em seu turno a tosse augmenta ain-
II imuiaco i e, se se despreza, as membranas
tos bofes tornam-se srineljiautemeiite allcta-
das, e por lim a niesuia substancia destes be
atacada. He verdade que muitos bofes sao bs-
tame fortes, s vetes, para resistir ao primeiro
curso, se esle nao (r muito forte mas nin-
gmiii escapa de tuna maneira fcil, uina ve*
que teulia padecido molestia que lenha atacado
qurlles. lie portanlo que ellcs iirecis.nn de
algiiin remedio seguro para ajudar o aystema,
alim de corrigiras sccrcccs e restaurar fdre
aos orgaos pulmonares ; ein casos como estes
o xaroyi dn boique lein-se tornado iufalliyel, e
nao he s un pi incipKi como na forma simples
dcstas molestias que este remedio lie una cura.
Teem j havido muitos exemploi em que a mi-
de se tem restaurado a pessoas que liaviam si-
do abandonadas pelos aeus mdicos e amigos.
O jcarnpe du boique nao ae oll'errce como um
remedio para qualquer doenea, mas sim he
ofierecido com uina perfeita conlianca como o
in ns ulii i mirtilo at aqui descoberto para as
molestias de garganta c dos bofes, o qual he
eiimpiisio nicamente de vegetaes, e que se
pode lomar sem aquellc cuidado em prtica
qur na dieta ou no exercicio
O publico deve-se leinbrar que cada garrafa
tem dous letreiros com a pro|iria assignatura
dos agenles II. C. Yates e Comp., um na garra-
fa com todas as dirrcccs para uso, c um no
papel de fra.
l'de ser enviado com loda a seguridade
para qualquer parte do imperio, e as ordena
Von.i. ,._. j i lero ponlualmeute executadas.
.r,;.;^;'o..U?1t P.rS10da >urinhos.le Veude-,e nicamente na boti
da tarde no Atorro-da-Roa-Vista, n. 27, on-
de ser elfeiluada a prac,a, visto assim ler
promettido ojuiz deexecueflo, a requeri-
menlodos exocutados.
Na rua Nova, n. 18, loja de M. do A.
Caj, ha para vender-se um completo sorti -
ment de obras feitas, sendo casacas do dif-
ferentes cores e qualidades ; sobre-casacas
o palitos de merm, de panno fino e do
meias cexmiras, propras para montar a
cavallo por serem escuras; ditas de brim
ariscado calcas e jaquetas de dillerentes
qualidades; colletes do setim maco, de
velludo, de fusldo, do so la (na, de gorgo-
rSoedugeda ordinaria; rola-hambre ; ri-
cos cortes de colletes, proprios para bailes
ou casamentes; chapeos de seda ; lencos
cabra de sollrivel qnalidadc : na rua da Ma-
dre-do-eoa, loja n. 34.
Oh! que bella i ecbn>
cha!
Vendem-se lingoicas do porco, do ser-
illo, a 320 rs. a libra ; figos da commadre,
a 120 rs. : nos quatro cantos da Roa-Vista,
esquina de San Goncalo, venda n 1.
Anda ha p"ra B vender peixa salpre-
so e seceo, viudo da Itahia-da-TraicSo ao
lado do Ro-Crando do norte, por pre^o
commodo : na rua das Cruzes, n. 40.
Para senhoras.
Vendem-se manteletas prelas de gorgo-
rito, pelo diminuto preco de 18,000 rs. ca-
da um : na rua do Queimado, n. 17, loja
dos birateiros.
PIIARM*CI,V FRANCESA.
Xarope petoral adocanle da gomma deangico,
preparada por Luis llollentuit it C. boti-
cario chimico da escolia especial de Parit.
A gomma de angico'he condecida e em-
pregada ha muilo lempo pelos habitantes do
interior do llrasil, como um escolente re-
medio para as molestias de peito ; mus em
um estado tal d'impuresa, cometido cornos
estranlios, quo muitas vezes mpedindo
ca do Sr. Jos
rua dos Quartela,
para grvalas pannos finos de dilforcmes seus clfeitus, tornavam suspeilas s
qualidades; ricos corles de cazimira, de tpriedados, e obrigavam o doeute alomar
MI ITII a r\m
M.ii i.i (iiine.ilves llamos,
n. 12.
Vinlio de Bordeaux,
das mais superiores qualidades ; I em como
vinho de Chanpatina da nova marca estrel-
la, j muilo apreciado, tanto aqui como na
Europa : vende-se em casa de Kalkmanu
I Intuios, na rua da Cruz, n. 10.
t^encia de Kdwin Maw.
Na rua de Apollo armazom n. 6, de M. Cal-
monl&Compatibia, acha-se constantemente
um grande sorlimenlo de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como taixas de ferro coado e batido de dif-
iranles tamanhos e modelos, moendas
do dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vapordefrca de 4 cavadle, alta
presslo, repartideras, espumadeiras, etc.
de ferro estanhado. Na mesma agencia acha-
se um sorlimenlo de pesos para bataneas ,
escovins paia navios, ferro cm barra, tanto
quadrado como redondo, salra para errei-
ru e unta pnreilo do tinta verde em latas :
tudo por barato prego.
Nj fabrica do caldeireiro da rua No-
va, n. 24, irri-l i'ii-si' mu completo sorti-
metilo do vidros para vidiajus, que se ven-
de por prec,o commodo.


-- Vende-se a taberna da ra do Vigario,
1). 15, com poneos fililos : vende-so por
sen dono rclirar-se a tratar na mcsma ta-
berna.
Velas de cora.
Vendem so caixas com cera em velas, fa-
bricadas no Rio-de-Janeiro, serilas ao
gosto do comprador e por prego mais com-
modo do quo ein outra qualquer parte : a
tratar com Machado & Pinheiio, na ra do
Vigario.Jn. 19.
--Vende-se um escravo pega, de 20 an-
nos : na ra do Crespo, loja da es,juina que
volla para a cadeia.
Pol.as.sa nacional.
Vende-se potassa nova da fabrica nacional
do Rio-de-Janeiro ao baratissimo preco de
180 rs. a libra. Os senhoresde engenho de-
voro todos mandar comprar desta potassa
aHni de animar a fabrica que ovil. J.nios
sacrificios se estabelecjei -e fa a'Causa de
baixar a este pre<) na prac, j0 Commer-
cio, n. 6. prime'iro andar, escriplorio de
,anC Ignacio de Oliveira.
ff


m
Cassas e cambraias.
Vendem-se cambraiasde cores, d
mais de vara de largura, a 240 e ano _.,
rs. o rovado ; cassas de coros, a 200, ^g
240 c 320 rs. ocovado; lencos de seda, <^
a I.OOOrs. ; ditos grandes, proprios ?
'-> para hombros de senhora, a 1,280
dilos com franja, a 1,000 e 1,280 rs ;
rucias para meninas, a 120 rs o par;
e oulras muitas fazendas por mela-
do Je sou rusto: na ra do Crespo,
n.9, loj*.
c;
<


m
- Ao barato
Panno da Cosa, com 8 palmos de largu-
ta, a 320 rs. o rovado, proprio par? pannos
do prclfes, cobtrase qualquer obra de es-
rrovos : na la du Cadeia do Recife, n. 20,
luja.
Vendem-sc i!\ ac^ors da
roinpanhia de Beberibe ; na ra
do Kangel, n. (',, se dir quem
vende.
Chegaram novamenle ruada Sen-
-zalla-Mova, n. 42, relogiosde ouro c prala
patente nglez, para'homem e senhora.
No riigenho Paratibe, distante dosla
prae i 3 leguas, vendem-se 30 quarlos o
bostas mans s de iu la, 3 vaccas muilo boas
de leite, 14 bois mansos decano: Ludo COI
born oslado.
Vendem-se 16 escravos, sendo : um
pardo de elegante figura ; una preta de 14
anuos i urna dila com urna cria de uilo nie-
zes; 2niolequesde bonitas figuras; una
escrava cum 3 crias ; 2 prelas pura o ser-
vico de campo ; um mulatnho de 17 ati>
nos, proprio para pagem ; 2 pretos do na-
gflo, pioprius para urmezem de assucar :
do pateo da maliiz de S.-Antonio, se dii
quem vende.
Vendem-se saccas com muito boa fa-
nnlia de mandioca, a 2,500 rs. cada sacra :|
na ra de Cadeia do Recife, aup do neo'
Vendem-se cortes de cambraia de co-
re, pelo barato preco de 2,000, 2.500, 3,000.
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs. : meias para meninas, a 160 rs.; 13a
rom listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
/nlia propria para roupa de meninos e ves-
tidos de. senhora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra ralc.as, a 500 e 600 rs. ; lencos de algo-
d3o e si ila rom franja, a 600 rs. ; cortos de
rollete de velludo, a 1,600 e 2.50 rs.; cas-
sa-chita, a 400 rs a vara ; gurga de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado e outras muitas fazendas por
barato preco : na ra do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de Oliveira Maya Jnior.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potasse,
de boa qualidade, embarriszinhot.
.pequeos de quatro arrobas, por
preco barato," como j ha muto
tempo se nao vende: nc Kecife,
ra da Cadeia, armazem n. ia.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Farinha de mandioca.
Na ruado Queimado, n. 14, loja de fer-
ragons, ainda ha algumas saccas da boa
farinha de mandioca, muilo alva e bem tor-
rada ; bem como una porreo de pennas de
cma, proprias par estaadores.
--Vende-se vinho do Porto muito supe-
rior, 1 111 barril de quarlo e quinto ; farinha
de trigo de todas as qualidados e em meias
barricas; retro? do porto, prlmeira qusll-
dude : panno c meias de linho ; arcos para
barricas ; farinha do mandioca em sacras
grandes e a garnel a bordo da sumara >.-
S.-lo-Cormo: ludo por prego commodo :
na ra do Vigario, n. 11, primeiro andar,
rasa de Francisco Alves da Cunda.
Farinha Jrigo.
Vende-se superio, hade trigo tran-
cla de Provenga, clieglda ltimamente de
Maiseiba : em casa de J. J. la-so Jnior, na
ra do Amorim, n. 35.
Arados de ferro.
Na fundic3o da Aurora em S.-Amaro
vendem-se arados de ferio diversos
dlos.
Cal virgem. #
ni.hu & Amorim, na ra da Cadeia, n.
50, continuam a vender barris com cal de
Lisboa, da mais nova que ha no morcado,
por isso n ais barato do que em outra qual-
quer parte.
-- Vendem-se amarras ae urro: na ra
da Seie/all-Nova, II. 42.
Vende-se um escravo da Costa, megn,
bom trabalhador, muilo diligente, elpor isso
proprio para o servigo lo un.i cusa e ga-
libar na ra : na ra Dlrcitl, n. C9, pudario
de Antonio Alves de Miranda Cuimai.Vs.
4
>
mo-
na ii;ii;ii;-i.iiiii nt tur, mu un uu tuv ,, ,- ,., m *i m n m~\ r-i -> m
da ConceigSoe junto a botica doSr. kMa-\&W91999999*99999
Dio Pedro das Neves.
Potassa da ltussia.
Na
O
Vndese supoiior potassa da llussia, daQ
mus nova que ha no mercado, por prego
commodo : na ra do Trapiche, u 17.
Vende-se nina ecrava de Angola, que
lava, engomms, cozinha e vende na ra : na
ra de S.-Amaro, n. 16.
-- Veudem-se duas pretil ciioulas, sem
virios nem eduques, urna de 1i annos, e a
onlra de 25 : naiuu doQueimi.do, n. 2, su
dir quem vende.
-- Vcndem-so2 crrenles para tenhera,
urna dita para relogio, dous relogios do
ja do sobrado amarello, nos q
qufelro-cantoi da roa do Queimado, n
n. 29, vende-se um grande torli- J
ment de novas cassa-ctillus de co-
res lixas e bous pudines, p< lo dimi- *
nulo prego de 400 rs. a vara : fazen-
da que se tom vendido a 800 rs., e
quo se vende por tilo haixo prego,
> por se ter erando purg3o.'
&
Chocolate de sonde.
lie toilas as substancias alimentaros, que
J ===========
- Vendem-se pegas de madapolflo com 20
varas, o cun algum loquede urvuria, a 2,560
e 2,600 rs. e limos a 2,800 rs. j pegas de al-
godSozinho muito encorpido com 20 jar-
das, a 2 240 rs.; pegas de chila com algum
toque de avaria de chuva, a 4,200 rs.; um
.noleque bom rozinheiro: atrs do Ihea-
tro velho, n. 20, primeiro andar.
Novo sor limen to de fa-
zendas baratas na ra
do Crespo, n. 6, ao p
do lampeao.
Vende-se csssa-ctaita moito fina, da bo-
nitos padrees, cores lixas e cum 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
rovado ; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
tras de linho, a 240 rs.o covado; brim de
Bijjoie-rJeeorescomlistra ao Isdoe de bo-
nitos puilros, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarla ; cassa preta com
ramagem branrt. para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarle de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOese cores lixas, a 160 e 180
rs. ocovado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muito suronoies. a 640 rs.
A bordo da brigue S.-Joie, chegado
prximamente, vende-se farinha de man-
dioca do superior qualidade, e por menos
prego do que em outra qualquer parle: os
proiendenles dirijam-se a bordo do dilo
brigue, Tundeado delimite do arsenal de
guerra, ou ao Itecife, ra da Cruz, n. 66.
-Na ra do Crespo, n. 15, loja de Joa-
quim de Oliveira Maya Jnior, ha, alm das
faendasj nnunciadas, e de oulras mili-
tas por burato prego, um sortimento do lin-
dos chapeos de sol, do panninho estampa-
do, muilo proprios para os meninos e me-
ninas que tndam na escola, e mesmo para
as senhoras que ainda estilo no campo, pe-
lo piego de 2,000 rs.
Rap Paulo-Cordciro, a
1,900 rs. cada libra :
vende-se na loja de Antonio Joa-
quim Vidal, na ra da Cadeia do
liecife.
Vende-se superior farinha
de milhoem porcoes e a re taino,
tendo de todas as qualidades
vonlade do comprador, e por pre-
co mais commodo do que em ou-
tra qualquer parle; na ra do
Brum, n. 28.
A Vondom-sc corles de cassa-chita, fina, de
bonitos pudines o com 6 varase meia, pelo
diminuto prrgo de 2.000 rs. n corto na
ra do Crespo, n. 6, loja ao 1 do lampeSo.
Farinha Fontana.
Vende-se a mais superior fari-
nha fontana que tem viudo a e>le
metcado, clwgada ltimamente :
a tratar com Wanocl da Silva San-
tos, no aimazeni do Aunes, no
caes da Alfandega.
&OOOOOOOO0OOOOOOOt>
Na loja do sobrado amarello nos O
jj quatro-cantos da ra do Queimado,
q n. 29, vende-se, por pregos rasoa-
s veis, sarja de seda preta, -
deira hespanhola, '
Moendas superiores.
NafundigSode C. Starr & Compairhia,
em S.-Amaro acham-so vend moendas
de ranna, todaa de ferro, de um modelo e
consIrucgSo muilo superior.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Bahia
Vende-se em Casa de N. O. Bieber & C.
aa ra da Cruz, n. 4, algodSo trangado
ilaquella fabrica, muito proprio para.saceos
de assucar e roupa de escravos.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Na ra da Cadeia, n. ,'*!,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
vmmmmmmmm mmmmmmm.mm
j Fazendas modernas.
Na rus do Crespo, n. 9, vendem-se,
I por commodo prego, lindas fazendas
I modernas, tanto pura homem como
I para senhora, como sejam cortes de
I seda fuita-crescom barra para ves-
m lido ; cassas ; cambraias de barra;
8 chales; mantas; manteletes; len-
9 eos; luvas sarjas; chapos trance-
f$ zes modernos ; casimiras pretas e de
fti cores; cohetes de velludo, setim,
9 sarja e fustSo; brins brancos e Oe
Q cores ; lengos para grvala ; suspen-
B sorios; cambraia de linho muito fina.
twmw#mmm9#m*mmmmwm
... Troca-se urna imsgem de N. S. do Cal-
mo, obra de l.ishOa, de pedra marmore,
cousa muilo rica e asseiada : na ra de Hur-
las, n. 120.
a
bavendo
verda-
varias
qualidades para se escolher; setim
ra estrella do Itozario, n.28, segundo an- mos nos proferir boje ao uso do quente caf,
dar. Na mesma casa se dir quem d di- o uso do chocolate e insto srguir a opinifio
nliciio a premio. dos mt dices mais celebres, que de coni-
, f S.'fVf 14 i mum arcrdo sobre suas preciosas quali-
AWl^l\aJi^k I dudes, o inHcam como um dos nossos nio-
(lr fmiflir'n I (kW-lInnr 'lno,es csiomalicos aquellas pessoas, cuja
US lili.ll^ctO t-OW-LOr, gau,(|c |l(! dtbi, lle,cadll ._ proscrevem-
hVK V>K 8BALT.*.-HOVa., N. 4^. o aos seus doente, tconselham no nos ve-
(3 1 ..!_: _. Ibes co lecommendam s milis de familia
este estabelecimento conti- ptn seus nill0> Em umi pilam, o eoo-
na a haveium completo sorti sumo verdadeiramenlcexiraordinario que
menlo de moendas e meias moen.; fttritftSW!
das, pui a e rigen no ; machinas de Ihe podemos fazer. Chegou do MaranliSo,
VSnOr e tedias Af Ierro l>ntiHo 'sonde he fabricado, un novo soitimento
deste Cliocolut" ja bem COlihrcido insta ci-
OS tamantlOS, dude por mpitas pessoas que tem fe i lo uso
. dclle, eciinstaiitoiiioiilc se vende no mesmo
. lugar j annunciado, na venda da ra da
eilgeil lio. Cadeia do Itecife, n. 25, dofrontedo llerco-
Nl fundiglio ie ferro da ra do Brum, l-'"-'.a 80 rs. a libra de n. 3 eolre lino, e
raba-se de receber um completo sorlimen- 6i0's- de n. 4 fino. .....
todo taixas de 4 a 8 palmos do bocea asi \endom-se bons queijos londnnos
quues acham-se a venda por prego com-' dlt0.s e prato muito Trescaos e de superior
modo e com promplidSo embacam-se,' iulidade, presuntos inglezes para liam-
ou carregam-seein Carros sem despezas ao l're, ditos pnrluguezei para panella, latas
c impiaiior. i com 2 e 4 libras do mermelada, ditas com
',' 1 bolichiiibn ile l.i.-bu, ditas de sardinha, di-
CaOIIinia (le en^Omtliar. tas com homilas, rruscos com conservas
Vcndom-so saccas com muilo superior nglezas, queijos dequalha vindos do Cca-
goninia de ngon.inar, a 9,000 rs. cada sac- re, por barato preco, mantas de tourinho
ca : na ra do Amorim, u 35, casa de Tas- ',r'<'7 de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.e
so Jnior. Joulros muslos gneros de boa qualidade:
"V .. .nadnCaili! Voll. na rua da Cruz, no Itecife, n. 46.
J3 ril* tld Vdllliil-l L Illa, Vende-se um escravo de bonita figu-
11 1 7 l/iifl 'n iiiiiilr'-'.. ra.de 18 a 20 anuos, sem vicios nem aeha-
II. 1 / K'ja LC IIIIIKU/.JS, qilM!ll,tll,d, coeia de S.-Antonio, n.
vciubni-se saccas rom millio muito novo, a 13 se dir quem vende.
*'80'!-t___m .. r ,, I009009909999909999
--Vende-se um ravallo rugo.com todos
co-ti: de todos
para dito.
^axas para
O desenhos, fazenda superior ; meias
9 dsela de poso ; um completo sor- O
O tmenlo de pannos pretos linos, pro- '<}
O va de limSo, havendo urna qualida- O
O apparecido; rasim^-a preta clstica O
de diversas qualidades ; solim preto C
os andires, bastante gordo e sea achaques:
na rua Queimauo, n. 39, casa do Cusmo.
Golletes. g
--Vende-se nina piida rom 3 (Ibas, com v Vendem-se gorgurito de seda, a^
as nlades e prendas scguinles, aquella com 1,600 rs. o corte ; ditos a 2,000 rs. ; O
JOunnos.qi e cozinha o diaiio de urna casa, <2 velludos de lindos padroes, a 5,000 f>
rose muilo bem, tanto toupa de homem O is. o corle :.na rua do Crespo, n 9. O
como de senhora, engomma solTiivel, k Q {>
muilo boa rendeira; tem muito bom genio,' OCOOOCOCOCOOOOOOO
por issoThuilo boa parao interior de umaj Vende-se umu escrava criouli de 14
1 asa a que ella osla acoslumada ; e.sts arillos, de linda figura, ptima para muca-
lerm deidlde, una 8 annos, outra 5 para mu, | or ser rocolhida e ler algumas hab- W-Ikor ; Magnum Lexicn; ligos de litio-
0 aunse a ultima 6 meses, ai duas mais lidadeii na ruada lloda, 11. 16. | roture et de Mrale ; e oulras muitas obras,
vi Ibas ja cosem solfrivol muito bem, e silo Veudem-se 3 sellius com assento de.'por prego comn.odo: na praga da Inde-
u.uiio galantes : veodem-ae por precllo, o volludo, proprios para criang andar em pendencia, 11.12.
que se fari verlo comprador: na la du carneiro : na rua da Concordia, ultimo ar-j ~ Vende-se um moi'nho de pedra de
CA de Maco, muilo superior ; chspeos ;_._;
0 francezes de superior qualidade e da rfj
q\ ultiioa moda ; e oulias fazendas li- Aj
f.y as: ludo por piego de agradar ao q
comprador. ^
OO00O000O<3O00j)C5O0
Farinha de mandirca.
Vende-se a Lordo do patacho Industria,
chegado de San-Malheus,fuudeado deTronle
ila rscadinha do Collegio, a melhor fgri-
nhu quo ha no mercado, por ser muilo no-
va, em grandes e requenas porgos, e por
preco mais cotumodo da que em outra
qualqurr parle : liata-te a bordo do dito
barco, ou na rua do Vigario, q,. 19. com Ma-
chado & Pinheiro.
\u nntizein do baralciro,
Silvb Lopes, na porta da alfande-
ga, vende-se farinha franceza no-
va, da melhor que vem a esle
mercado, e de oulras qualidades
du l'hiladelphia.
-- Na rua das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 6 escravos, sendo : um pti-
mo escravo para o seivigo de campo ; urna
parda de 20 huios, com algumas habilida-
des ; 3 prelas quo eozinham, lavam e ven-
dciu na rua ; um moleque de 13 annos.
Vende-se urna preta boa rozinheira e
lavudeira ; una dita boa ven.ledeira de um
ludo, o que se alianga ; duas escravas ; urna
ne(.i uiha de 16 anuos, com principios de
habilidades; un pelo de 20 anuos, bom
roziiihciro ; um dilo bom bolieiro e cupei-
ro : na rua do Collegio, n. 21, se dir quem
vende.
-- Vendem-so os seguinles livros Dic-
lionary en-li.-li por Necyra; Digetlo poilu-
guoz; liirtioiMiy de pronouncing por
tioi, o. 9, se dir quem vende.
, inuzein de madeiras junto a punlczinlia. j moer millio : na rua lu pena I, 11. 39. I rua Uireita, 11. 3.
Bom negocio.
Vende-se a mitiga fabrica de ca-
f, que perlenceu ao finado Anto-
nio Vas de Oliveira, sita na rua
do Amorim, ns. 4o e 4?, com to-
dos os pertences ; tambem se alu-
gam ao comprador os dous'pe-
qiienos armazens em que estSo
collocados o loga o e mais perten-
ces da mesma fabrica : quem a pre-
tender, di rija-se ma do Amo-
rim, n. 3G, a tratar com Antonio
Joaquim Vidal Se C'ompanhia,
Proprios para a qtia-
resma.
Na rua do Queimado, vindo do Rozarlo,
segunda loja, n. 18, vende-se panno fino
prova de limflo sarja preta hespanhola;
setim proto de Mario, muito bom e proprio
para vestidos, por sor muito nucid ; cha-
malote de strus ; los pretos, grandes a 7/
e pequeos a ty ; e oulras muitas fazendas
por commodo prego.
Rom e barato.
Na roa do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja, 11.18, vendem-so luvas pre-
las torgal para senhora, a 500 rs. o par;
di1 .- Je pellica ingleza para homem, a mil
r- ; bons coitos de cassa-chita para vesti-
dos, a 2,000 rs.; chupos de sol, de seda
para meninos, a 2,500 rs.; e outras mui-
tas fazendas por prego commodo.
Vende-se urna csdeia novada arruar,
eom coi tinas bordadas, e que ainda esta
encaixotada tal qual chegou da Bahia: na
rua da Aurora, n. 24, segundo andar.
Vende-se um lindo escravo de 18 an-
nos, de boa conducta, e que he ptimo pa-
ra todo o'sorvigo; urna ptima mulatinha
recolhida, com habilidades : na rua do Han-
gol, n. 57.
Vende-se a posse de um teireno no
lugardaCspungi.ema rua Real, com li-
jlo dentro para SO edificaren! duas Casi-
nlias, e as madeiras quasi todas appare-
Ihadas, como sejam: grades, portadas,
perlas e janellas : ludo muilo em conta, pa-
ra quem tiver bom gosto: na rua da Glo-
ria, n. 95.
Aviso a< s senhores fu-
mantes.
Na fabrica da rua estieita .do Rozario, u
45, chegou ltimamente um soitimnlo dos
melhoies charutos finos, feitos na Bahia,
das qualidades seguinles : regalia de S.-
Kclix, fama da Babia, bayonetas, imperiaes,
cigarros de manilha, senadores, depulados,
quem-fumar-saber, lanceiros, venus, etc.,
etc.: os quaes se vcnderSo por prego muilo
commodo.
-- Vende-sn a relinago da rua Direita,
n. 22, bem afreguezada, tanto pira a lena,
romo para o mallo, com dous peritos ne-
gros da mcsma ollicina, ou sem elle-, por
seu dono se queier retirar para fura : a tra-
tar na mesma 1 qualquer hora.
Vende-se, por piego commodo, rolim
para rmpalhar ca deiras, em poicos : no
e.-criploiio de Novaos vCoiiipanhi.1, na rua
do Trapiche, 11. 34.
Vendem se 8 escravos de bonitas fi-
guras de 20 a 30 anuos bons para lodo o
servigo, sem vicios ; um molequinho de 12
annos bom para pagem ; urna bonita parda
de 24 annos, boa rostureira e engoinma-
deira e de todo o servigo ; 2 prelas muito
boas quitandeiras e de bonita figura ; 3 di-
tas com algumas habilidades ; assiin como
oulros mullos escravos: na rua da Cadeia
do Itecife, n. 51, se dir quem vende.
Vendem-se quatro cabellei-
is muito bem fcilas, sendo duas
para senhora c duas para homem :
na rua do Crespo, loja n. a A, se
dir quem vende.
Veudem-se 3 mulalinhos de 15 18
unos; 4 moleques de 10 a 18 anuos, para
lodo o servigo ; 2 escravos carreiros ; 4 ne-
grinhas de 15 a 20 annos; urna parda de
muilo boa cunducta, por isso oplinia para
todo o servigo do urna casa de familia : na
Vende-se um relogio patente auisso,
por muilo bsrato prego : na praga da Inde-
pendencia, n. 3, loja de miudezas.
Vndenle 6 elqueires e 3 queras do
Ierras (quinla evinhaj, na ilha de 8.-MI-
guel, reino de Portugal, no lugsr do Rabo-
do-Peixc, freguezia da llibcira-Grande; pias
do filtrar agoa : na rua da Praia, serrarla
do Cardial.
-- Arroz a 50 rs a libra e 1,400 rs. a
arroba, sendo em sacca ainda por menos ;
espirito de 37 gros a 1,000 rs. caada :
no paleo do Hospital do Panizo, venda
n. 20.
5V- Vendem-se 5 apollces da compsnhia do
Beberibe: na rua da Cadeia do Recie, ar-
mazem n. 64.
Na rua da Cadeia-Velha,
n, 17, loja de miudezas,
vendem-se ricas luvas de torgal, prelas e
de cores, pelo diminuto preto de 2,400 rs.
cada par; loques de papel da ultima moda,
1 4 o 4 50(1 rs.
Vende-se nm cavallo gordo com todos
os andares, o qual ho esquipador sem se-
gundo: na cochejra do Pessoi.
BATATAS.
No atmazem de Francisco Dina
Ferreira vendem-se superiores
btalas a Goo rs. a arroba.
Na botica da rua estrella du Rozario,
n. 10, e no armazem de drogas e tintas da
rua da Cruz, no Recife, defrunte da loja do
Sr. padre Ignacio, vendem-se garrafas de
muilo bom oleo de ricino ou mamona, a
800 rs. e mais pequeas, 1 500 rs.
Escravos Fgidos
14 annos, maisbaixo, reforgado do corpo,
cor fula, cahega pequea e comprida para
tras, olhos 11 Hncenlos, pomas grossas, por-
folio de pos e mSos ; be muito callado ; le-
ven urna camisa e urna caiga de chila azul,
e outra camisa e outra caiga de algodlo
azul usado : quem os pegar leve-os ao dito
engenho, ou no paleo do Carino, taberna
n. 1, que ser gratificado.
Desappsreceu, no dia 2do correle, as
7 horas da imite, o preto Manoel, 01 ionio,
que fui compiado ao Sr. Antonio Ricardo
do llego, que mora na rja do Collegio, :i.
3, ha 10 das pouro mais ou menos ; he de
bea estatua, corpo grosso, bem emperna-
do, cor preta n3o retinta, fallas mansas;
Irs um rozario branco so pescogo; foi e-
cravo do sertSo ; levou camisa e caigas de
1 >eado azul ; quando desappareceu disse a
um parceiro que se acbava bastante doente,
isto na eccasio de estar descarregando urna
canoa de areia, e foi para a Ierra, e aleo
presente nSo ha noticia doli. Roga-sc as
autoridades policiaes e espides de campo,
que o apprehendam o leverg-no a casa do
dilo vendedor, Antonio Ricardo, ou no prin-
cipio da Casa-Forte, a seu sonhor, Antonio
dos Santos Ferreira.
Fugio, no dia 5 do corrente, da fundi-
glio do Mosquita & Dulra, o preto Antonio,
de nrgio Calduda, oflicial de caldeireiro ;
representa ter 40 annos ; he bastante rhrio
do corpo, muito cabelludo 111 s peitos; le-
vou raigas e camisa de algodSo ; mas he
natural que Icnba mudado de roupa, a qual
he raigas o jtquela de ganga azul: quem o
pegar leve-o a dita fabiica, na rua do Brum,
n. 28, que aei recompensado.
Fugio, no dia 27 do prximo passado,
a parda Isabel, baixa, mal leila de corpo,
loicoos grossos, andar muilo trpico : quem
a pegar leve-a a la da Cadeia do Itecife,
n. 56, loja do ferragens do Antonio Joaauim
Vial, que recompensara ou na l'arahiba,
ao Sr. Cypriano Antonio Rodrigues, a quem
foi com rada.
Fugio, na tarde do dia 27 do passado,
de S.-Amaro, um rrioulo marinbeiro de
bordo do litigue Dvvi-Amigot; levou cal-
gas brancas, camisa de riscado azul de 25
a 30 annos pouco maisou menos, de esta-
tura regular; tem aa orclhas comprlas:
quem o pegar leve-o a praga do Commer-
eio, u. 6, escriptorjo de Manoel Ignacio de
Uliveira, que ser recompensado.
Fugio a preta Mara Jurinlha, de 40 an-
nos, estatura ordinaria, meia fula, de na-
gflo Mogun.hiquu ; tn O boico superior fo-
rado e as juntas dos pos indiadas; levou
vestido de chila preta deshotada e panno da
Costa. Roga-se as auloiidades policisos e
ca rtaos de campo, que a apprehendam e
levem-na a rua do Rozario, n. 1, que serio
gratificados.
Desappareceu, no din primeiro de Ja-
neiro, um moleque de uome Antonio, da
nagao Congo, de 20 annos pouco mais ou
menos, de estatura regular ; tem na face di-
reita urna cicatriz de lalho, e esta parle um
lauto luchada ; j appareceu as Cinco-
Pontss ; poim loinou a fugr; tem sido
valo na Boa-Vista, as ras da Conceigiloe
Piros : quem o pegar leve-o rua do Ca-
linga, n. 16, que ser recumpenssdo.
- Fugio, dosia cidade, na noite do dia
31 de Janeiro do corrente anuo, um pardo
de 30 annos, de estatura regular, grossura
proporcional.cdr parda, nanz chalo, ore-
llias pequeas, cabello carapinbado ; anda-
va calcado e vestido de jaqueta e caigas;
he oflicial de alfaiale ; consta que embur-
cara para Olinda, em coinpanhia de urna
niulher branca : quem o pegar levo-o a sua
senhora, l). Isabe Itibeiro Pires Ferreira,
na rua do llangel, n. 60, que gratificar.
-- Fugio, nudia primeiro do crrenle, a
escrava Josupha, de 15 annos pouro mais
ou menos he baixa, com cara cumplida,
cabello cortado quasi rente; levou vestido
azul com listras e roto nos pellos : quema
pegar leve-a a rua luiga do Itozario, no ler-
ceiio andar do sollado por cima da loja do
Sr. Thomuz de Aquino.
Uesapparectu.do Recife, no dia 3 do
corr uto, u escravo JoSo, crioulo, de cor
fula, baixo, bastante grosso do corpo, ca-
ra redonda, com um signal no meio da tes-
ta, modo hisonho ; levou caigas de algo-
dilo biauco, can I .a do chila rouxa, chapeo
prtlo, alcui desia roupa, levou mais caigas
e camisa de algodao com listras azues ; foi
acompaiihado de urna preta de nou.e The-
ic/ii, a qual levava urna trouxa de roupa
nacabega: quemo pegar leve-o ruado
Apollo, armazem de assucar, de Antonio
llenriquu Rodrigues, que recompensar.
Pb-n. :N*
i ve. VE *. i > KAM*. 1.O0
mi mi Ano


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERQZAFRRL_BIVTHL INGEST_TIME 2013-04-24T19:12:57Z PACKAGE AA00011611_06805
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES