Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06804


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVI.
Qiiinta-feira 7
C

-
FinTIDAl SOS COBBSIO.
Golanna e Parahlba, segundas eseitas feiras.
Rio-Grande-do-Norle, quintas fcnas ao melo-
da.
Cabo, Scrlnhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no I.", a 1 i, 21 de cada mez.
Garanbuns e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vlstac Flores, a 13 c 28.
Victoria, ns quintas (Viras.
Olinda, todos os das.
j r.- iinhi i mymitaBMxmaammBBmmmammmmamm
srHcaixRiozs.
MIng. a 3, aa 10 h. e !>9 m. da t.
Nova a 12, ia 4h.e 0 in. da n
Cese, a 19, as 5 h.e52iu.dat.
da m.
(Chela a2o,a 9 b. cllm.da ni.
rniiiua BE HOJB. .
Primelra a 1 hora 18 minuto da larde.
Segunda a I hora 42 minutos da manliaa.
^^_^m^mnaMBBaaiaaiBaaini'aiiiaiifKii ieme*ajr.at*<
d Fevcrerode I850.
REIJOS DA SBSCaiFOiO.
Por tres inezes(adn Por seis inezea i
Por o.ii auuo i
das da SBnaarA.
4 Seg. S. Aventino. Aud. do J. dos orf. e m. 1. v.
j Tere. S. gueda. Aud. da chano., do J. da 1. v.
do civ. e do dos fritos da fazenda.
(i Quart. S. Dorolhca. Aud. do J. da 2 v. clvcl.
7 yuint. S. Romualdo. Aud. do J. dos orf. e do
m. da I. v.
8 Seat. S. Juo da Malta. Aud. do J. da 1. v. do
civ. e do dos feitosda faienda.
9 Sab. S. Apollonia. Aud. da Chano, e do J. da 2.
. v.docriiue.
1j/000|10 u^,, s Escolstica.
--------------. uooo
N. 5!.
______ ______1____
CAMBIOS EM 6 DE fV ItEIllO.
Sobre Londres. 23'/, '. por '/"0" 60 dl"
Pars, 3i6.
Lisboa, 100 por cento.
OrjM -Oacas hespanhoes......... 28/iOO a 29/IHM
Moedasde^OOvelha... 17/000 a 17/200
. de 6*4.10 novas .. luV200 a llijfiOO
. ,1c 4/000.......... 9/200 a 9/400
Prdffl.-Patacoes brasileros...... 1/860 a 1/..80
Pesos coluinarlo....... I/-*" jgj
Ditos mexicanos.......... 1/800 a i/o2t'
a
eraiuaErBKtttS3J!SViaSaC2S3S0~3' ^'asSSJiUJacr.'iaKaX WMi
PARTE OFFICIAl.

PROPOSTA E REMTOMO
apremiado a asttmhle'a gtral legislativa na
primeira suido da oilava legislatura, polo
ministre e secretario di ttlaio dos negocios
da fntenda, Joaqun* ot Rodrigues Torres
( Continuscflo do n. 30. )
Alfandegas e consulados.
Faxia-se de longo lempo ao regulamento
de 22 de junhode 1836 a Imputaeo le por
estorvos fscilidado e presteza que exigem
09 despachos das mercaduras mportadns c
reexportadas por va das alfandegas, o de
nSo dar sulTicienles meios de exacta arreca-
(liicilu dos din-i tos nacionaes; por isso, e em
virtule da disposieo do art. IG da lei de
18 do nulnliro do 1818, nomeou o govemo
imperial urna commisso presidida por un
doa nossos nuiis Ilustrados estadistas, a
qual incumbi a reviso do referido roguls-
meiiln ede proi'or as alterarles e reformas
acooaelhadas pola pralica das nacales com-
merciaes e por nos*ss circunstancias pe-
culiares. E porque Climpre obrar caulelo-
snmotiic quaiulo se trata de regular servi-
cos que, como este pdem affectar Lio di-
rectamente os intoresses commerciaes do
pajz, acurdou-so ora que os trabadlos da
commssSo fossem, afiles de serem delinti-
vamenie approvadns, submeltidos ssne-
(So da experiencia as duas alfandegas,
cujo p 'ssoal mais segranos po lia dar de
que seriam elles bem exccuiados.
Em virio le, pois.dessa i'eliberacHo, entilo
sendo ensaisdOs s as alfandegas do Rio-
de-Janeiro e Rabia os regulamenlos de 27
de IVvcieiro de 1849 sobre despicho! por
factura, sobre os consumos e sobre averias
e da unios das mere 'dorias e em tolas as -
faiidegasdo imperio os que regulan) o des-
pacho livre e prohibido, o abatimento das
taras e quebrase o dos despachantes das
alfandegas. A commissiio contina a oceu-
par-so da penosa tarefa de que foi incumbi-
da o espero desoas luzes, zelo e patriotis-
mo qu<4 a concluir do modo mais vantajo-
so aos interesses do imperio.
Aguardando a reforma do regnlamento
das alfandegas, tem-se abatido o gorerno
do usar da autorsac&o que Ihe foi concedi-
da peloart. 29 da suprameneionada lei pa-
ra augmentaros ordenados dos guardas Jas
alfandegas e consulados, e dar-lhes urna
l>orcuiitagem razoavel; porqusnto, aimla
que reconhece a mesquinrie* dos orlenados
dessesenipregados, entende queso visl
do numero e das funeces que Ihes marca
o novo regulamento poder arbitrar os ven-
cimentus que devem ter.
Os balanfosle 1841-15, 48*546 e 1846-
47 quo vos h5o de ser apresenlados nesta
sessilo e os documentos que existem no
lliesouro relativos aos exereicios de 1817
48e18i84?, dito o resultado seguinte no
que toca s rendas do importaeflo :
Annoi. Rinda.
1844-45 14,812:156,000
184546 15.807,258,000
1816-47 16.449 730,000
1OT7--48 14.200:086 000
1848-49 15 325 404,000
V-se, pois, que a renda das alfandegas
crosceu progressivamente de 1844 -45 at
1846--47, que no exereicio seguinte soffreu
una diminuidlo de -2,949 contos, ou oais
le 13 por cento relativamente ao anno an-
terior, tornando a elevar-se no de 184849,
cuja ronda exceden do anno ant"cedcnte
na quantia de 1,125 contos. (litTorentes re
Bullado, porm.se olitei o comparando en-
tre si os rendimentos de eada urna das mais
importantes alfandegas do imperio, como
se v da tabella seguinte :
RF.NDIMF.NTOS.
Anuos Rio-de-Janeiro. Rabia. Pernambuco
1845-46 8,437:S36| 3,218:355/ 1,954:954/
1846-47 8,261:108/3,303:283/ 2,252:170.
1817-48 6,995:828/ 2,766:091/ 2,072654/
1848-49 8.827:007/2,296:511/ 2,251:540/
Assim aue, ni do Rio-de-Janeiro a ren-
da decresceu progressivamente desde os an-
uos de 181546 al 184748, elerando-se,
i orm, no seguinte a urna snmma superior
n de qunlqucr dos annos anteriores : na la
llnhia le ii a renda diminuido cnnsideravcl
menle desde 1816 -47 al 181849 ; na de
Pernambuco, porm, a deste ultimo anno
igualou qunsi de 1816-47, anno do m-
ximo rendimenlo_. Deste* fados s nare-
c.'iii i- r urna expl ic i;o obvia e legitima os
qu ili/em respeito alfandega da Rabia.
l>evo Inmhean chamar a attcncn do cor-
po legislatifo plru outro facto que revelam
os algarismns das dins tabellas a que me
tenho referido. Resulta del le* que, subin-
do o producto das rendas das 20 alfandegas
do imperio no exereicio prximo passado a
15,325 000 000, pertence As do llio-de-Ja-
iieiro, Rabia e l'ernumbueo a quantia de rs.
13,375:000,000. no prefazendo, portanlo, a
loiaiul.iile das rendas de todas s nutras 17
alfandegas reunidas a quantia de 2,000
contos.
Anda mais: dos 850 contos que se des-
penden com a* 20 alfandegas, cabem 466
as tres que primeiro mencionei, e 384 s
oulras 17. Assim, o termo me lio das des-
pezas da arrecadc,o as alfandegas do Rio,
Badil o Pernambuco mo chega a 3 l|2 0,o,
quando alias as oulras provincias excede a
10 ,0.
Sei quens alfandas das 17 provincias ar-
recada in tamhein as rendas de exporlaciio
cque, portanlo, para ser precisa a lingoa-
gem dos algarismos, cumpre iddicionar s
das tres primeiras as despezas dos consula-
dos das respectivas provincias : mas anda
assim, a relami entre os meios termos das
despezas dos ilons grupos de alfandegas
quefigurei seria inferior a 4 1|2 : 19.
Estes fados revelam um vicio no nosso
syslema de arrecadacilodas rendas de ini-
porlnco e seriam sufllcentes, quando mes-
mo uo houvessem oulras consideraQes
do maior gravd de, para fazer-nos exami-
nar se eonvm quo continu a existir essa
mulliplicidado do alfandegas que temos
crea lo por todo o litoral do imperio. Del-
tas ha cujas rendas nem sequor chegam pa-
ra pagar as despezas que fazem.
Cabo aqu communcar-vos quo por le-
en lo de 21 de abril do anno prximo pas
aado foi revogado o de 24"de agosto de 1844,
na prlo quesuspenleu os despachos por
bal le uo ou reexporta,'So para portos den-
tro do imperio sem previo pagamento de
diretos de consumo. NO podendo avallar
_s rnsoes que aconselharam essa me lida ni
occisioem que foi adoptada, he para mm
obvio que no poda olla deixar de tolher
o nosso j 13o mnguado comni-rei > de ca-
botagem, que n3o tem por ora outro meio
dealimentar-sc scnilo o transporte do char-
que do Rio-Grande, e a reexportarlo das
merradorias eslrangeirasde urnas para ou-
lras provincias. Nem me parece que a re-
exportaeflofeita sem previo pigamento de
diretos de consumo possa dar lugar a m.i ti-
res oxtravios do que a reexpo:tac3o com
ca tas de guia. A ter de adoptar exclusivi-
meuto um dos dous meios, antes prohibi-
ra eu o ultimo do que o primeiro.
l)3vo todava acjrescaniar quo a permis-
so dos despachos som previo pagamento
de diretos foi acompanhaja das seguinles
providencias : primeira, que completo o
despacho e embarcada a mcrcadoria, se pas-
saiguia dell, que ser enviada ao admi-
nistrador do consulado para junta-la vis
do manifest, qoedove ser romcitid de-
baixo de sobrescripto alfandega ondea
mercadura deve sor despachada para con-
sumo, averbando-so essa circunstancia na
nota do despacho: segunda, que essas guias
sejam cuidadosamente conferidas com o
manifest : tercoira, que no so d desem-
barco s embarcacOes nacionaes vindas
le outros portos do imperio com mercado-
riasestrangeirassem que se condram seus
manifest!, na parle relativa as mesmas
mercadorias. pelo melholo seguido a res-
peito das etnbarcacoos estrangeiras.
Pelo que toca s rendas de exporlaco dos
annos a quo airas me referi, realzou-so o
maior producto no de 1815-46, devendo to-
dava ohscrvar-seque a diflerenca entre es-
te o o dos outros annos he de pequea im-
portancia ; oque indica quinto he punco
prospero o oslado da nossa industria agr-
cola. Nao se pode contestar que de 1841 pi-
ra c tem crescido o numero dos estahele-
cimentos ruraes; que maior somma de ca-
pitaes tem sido ompregada na agricultura ;
o entretanto o valor da mas n dos produc-
tos desse importante ramo da industria na-
cional tem-se conservado estacionario.se-
no diminuido.
Para se avahar a mencionada decadencia
hasta comparar os algarismos seguintes
que mostram a quanti Jade e valor dos g-
neros exportados nos dez annos decorrnlo
do 1839 a 1849.
algodaO.
Quantidndf. Valor Inlil.
697.9R5 arrobas 3,894:425,000
srt do que lhe dirigir a cmara municipal da
villa de Formigas a respeito das fleicoes le
juics de paz da dita villa, que nao foram fei-
tas na 'poca marcada por lei, como da re-pos-
ta que V Kic deu : e. o mesmo augusto Se-
nhor, confnrinando-se, por sua inmediata re
solucao de 17 do corrente, com o parecer da
seccao do cnncelho de estado dos negocios do
imperio, emiltido em coimilta de 10 de Janei-
ro ultima, ha por bem approvar a deciiiio que
V. F.xc. deu, mandando proceder aquellas clei
tai s mi di i 14 do referido tnex de Janeiro,
declarando pie ellas deviain ser presididas
pelo juii de par mais volado do piadi ii-nnio
lindo eta 1848, visto ouc, sendo isto o que de-
via faier a cmara, lhe competa a presidencia
da masa nos termos do ari. 110, combinado
i'tini o 03 da lei regulaiiienlir das clecoca. O
que cuiuiminico a V. EXC. para seu oonliecl-
inciili) i' govemo
Oeos guarde a V. Ble. Pitronde de Mont'-Ale-
gri.Sr. presidente da provincia de Minas-
craei.
Declara que, nao obstante a dissolufo da c-
mara dos dcpJktados, deve proseguir-se no
traballio da qualicaeao dos votantes, pro.
ci'di'ii l.i-sf segunda reunlao da junta
qualilicadora, e do coucelho municipal de
recurso.
Primeira secf.o.Ro-de-.Ianelro. Miuiste.
rio dos negocios do imperio, em n de marco
de 1819.
lllin. e Ftm. Sr Devendo, nao obstante a
dlssolucao da cmara dos deputados, prose-
guir-sc uu trabalho da qualilicacao dos volan-
tes, a que na forma do art. 20 a lei n. 387 de
9 de agosto de I84b\ se den comeco na lercei-
ra dnuiinga do corrente anno, procedeiirto-ie
no prazo da lei nio s segunda reuniao da
junta qualilicadora para decidir na forma do
art. 22 sobre quaesquer quci&as, reelamaces
ou denuncias que apparecam, como lambem i
do coucelho municipal de recurso que na for-
ma do art. 30 se deve iustallar na terceira do-
minga do mea de abril prximo futuro: assim
o coiiiinunico a V. I-.m. para seu couliecimento
c cecu5o.
Dos guarde a V. F.xcSr. presidente da
provincia do Rio-dc-Janeiro.
Declara ao juiz de pai actual de Jacarepagu
que lhe uo compele a presidencia da junta
de qualilicacao na seccao que tem de deci-
dir sobre as rcclamaces c denuncias iuter-
postis das decisoes da inesiua junta, mas
sim aojuil de paz do districto mais villano.
Primeira sereno__P.io-de-Janeiio. Ministe-
rio dos negocios do imperio, cin 13 de abril
de 1849.
Sua Magestade o Imperador manda declarar
a Vine, para sua inlelligencia c em solucao
din id i qu prnpoc em ofnclo de 4 do correte,
que niio compete a Vine, a presidencia da jun-
ta de qualilicacao na seccau pie tem de cele-
40 para c j e de tal modo que nos dous l-
timos annos, para obter-s* um valor lado,
sera preciso oroduzir dobrada quantdade
de algodao. e 50 por cento mais de caf do
quo fora suHicient^ dez annos atrs.
A ago'srdenle e fumo no solTreram tanta
depreeiaco, porqunnto no anno de 1848-
49 valia cada medida da primci ecada arroba do segundo miis 783 rs. do
que en 1839-40; mas. ainda assim, met-
tendo em conla a dilTereriQi do cambio,uo
deixa de haver dminuicflo no prejo desses
mesmos productos
Se ao que ll?a exposto ajnntar-se a cres-
cente cscacez de bracos, ou carista do tra-
balho que augmenta cada vez mais as des-
pegas de produceflo, seremos forr;dos a rn-
couhecer qus nao he lisongeiro o futuro da
nosst ndu>tna agiicola : ame icam -a pro-
juizos gravissimos. Compre, pois, acudir-
Ihe com remedio apropriado ecdlraz.
Tenho reQeelido seriamente sobre ohjec-
lo de tanta magoitu le, e neulium meo des-
cubro de favoreceros principaes gneros do
nnssa lavourn,seiiao reduzir gratloalmenle,
ate abolir de todos os direilos de exporta-
do.
Dir-se-hs que, se o tratalho agrcola he
tflo pouco productivo, devem auplicar-se os
capilaes e bracos qus elle oceupa em outro
que o seja mais. Seria sem llovida csso o
remedio mais decisivo e radical; mas he
urna verta le quo nem se deslocamos capi-
laes fixos, sem destruir grande parte dellcs,
uom se me ar.lolha qual seria oemprego
vantsjoso e prompto que so I lies pode-
rla dar.
N3o desconheco que a cxtinccSo dos di-
reilos de exportarlo ha de desfalcar a ren-
da do estado ; mas uo receio que possa
pro luzir deli que comprometa o thcsoiiro
publico, se for rcalisada gra lual e lenta-
mente. Kstou convencido deque essa me-
dida ha de provocar augmento do importa-
Q1o, e altenuar assim o inconvcnienlo quo
delle poderia resultar.
Reinis, os agricultores, cojos productos
sSo consumidos no Brasil, estilo de melhor
p.ntilo do que aquellos quo exportamos
sous para pazosestrangeiros ; os primeros
s pagam como con-uini lores ; os outros
como consumidores e productores. Os prin-
cipios de jusIqb e os da sciencia econmica
exigem quo se acabo semelliaule desigusl-
dade.
Nflo bast>, porm, abolir os diretos de
exporlacSo quo fazem parte da renJa (eral:
lio preciso lambem estender esta medida
quola los mesmos direilos que perleucem
as provincias.
Se o corpo legislativo lites dsse animal -
mente urna quantia igual ao termo medio
dos diretos de exportacao quo ellas teeni I nr para decidir sobre a's relamaces, |ue-
arrecadado nos ulliinostres annos,passando 'xas, ou denuncias interposlas das decisoes da
do Castro e Araujo por senJo ter at o pre-
sente apresen'ado a brigada.
Assignado, Manat Mus Tavares, coro-
nel cajudanlc-general
Quarlel general do commamlo das armas de
Pernambuco, no engenko Rebingudo, 22 de
Janeiro de 1850.
0RDEM 00 DA.
Pa F.XC. o Sr. general eommaitiianto
das armas manda fazer publico, para co-
nhecimenln do todas as frrjas de seu com-
mando, que velas parlicipaijoes ollieiaes
quo receben (lo Sr. tenente-coronel Feli-
ciano Antonio Faleflo, enlo commandaote
da colon.na ara Hipada lio engenho Verlo
Flor-de-Una, O bem quo se portn a fdren
estacionada no ni:enbo Pndcraca, ao
manilo do cipifio Jos Texeira Campos,
'lii.'ii if, :a madrugada de 17 do crrente,
foi atacada em sua IrTnchciras pelos rebel-
des, qin deixa am 9 morios no nosso acam-
pamento, o cnt'e ellesS dosseus mais no- i
lavis comniiiihuiles, Joo Flix o Joo
Tiot ; pela bravura e dieiplina rom quo so
portaran) os nossos cantaradas: o mesmo
Exm. Sr. gen ral dirige a sobre.lla (orea os
seus agradecimentos
Assignado, Munotl -Vuniz Tarares, aju-
ilante-gencral.
Assigna lo, Francisco Jacinlho Percira,
coronel de segunda linha, coinmandanle da
praca.
mesuia junta, mas sim ao juiz de paz do dis
trelo mais vizinho do qaa Iriennio passado,
unta ret que estelara impedidos todos os ju-
691.875
639 580
685,149
814 21>
826,445
645,345
606,882
639,288
349.416
ASSUCAR.
5,540,974 arrob. I0.ts87:44i,000
3 919 997,000
8,223 959 000
3,452:174,000
3,649 675,000
3,976774.000
2,917:209,000
3,160:147,000
1,980 570,000
2,212:217,000
Annos.
1839-40
184841
1841-42
1812-43
1843-41
1844-45
184546
1846-47
1847-48
1848-49
1839-40
1810-41
1841-42
1842-43
1843-44
1814-45
184546
18(647
1847-48
1848-49
183940
1840-41
1841-42
1812-43
1813-44
181445
1845-16
185647
IK47--4K
181849
Para comparar os precos dos producios
cima mencionados nosditlerenlea annos a
que tenho Iludido, reduzi-os ao cambio de
1839-40, como se v no quadro seguinte :
ilnnoi. C.mtiio /'recodo Dilodo Ditodo Dito do
medios, algdo. caf, auuear. orroi.
Arrob. Arrob Arrob. Arrob.
1839-40 33,48 5,579 3,571 1,964 1,265
6.698 391
4,817,577 a
5,209.721 a
5,682,980 *
7.47.286
7.110.804 a
6,963.960
7,(09 343
8,K0l,til6
CAFE'.
5,648 801
5,059,293
5,565.325
5,897,565
6,^94.281
6,229,277
7.034,582
7,947,753
9,307.292
8 354,8(0
11,892:221,000
8,373:271.009
9 9S8.575 OJIO
10,313 485,000
14.325:662,(10')
15,859 6M),000
14,5(3 278,000
13.131:266,000
15,091:827,000
20,176:363,000
17 801:438.000
18,295 991,000
17,091:231.000
17,981 816,000
17,508:153.000
21,31(6 716,000
21.971:112,000
24.529 9 19,000
20,9i8 313,000
3363 1,747 1,315
3.175 1,679 1.361.
2,596 1,662 1,159
2,360 1,500 1,696
2,318 1,580 875
2.632 1,938 1,253
2,451 1,853 1,136
2,334 1,605 798
1,975 1,349 533
Donde se collige que os precos dos nos-1
sos principaes productos de exporlaco:
teem decrescido progressivamente de 1839-]
1840-41 3o 5,575
1811-42 29,45 4,869
1812-43 26,4 4,363
1813-44 25,18 .3,702
18(4-45 25 15 3,964
1815-46 26,5
1816-17 27
1817-48 27
1818-49 24
3,922
4,612
2.744
2,050
novamenle essa quota a fazer parte da ren-
da geral, uo s habliiar-se-hia para pro-
teger cllicazmenlo a agricultura, mas anda
faria um beneficio, mesm
quaes licariam alliviadas
causa a arrecadac,o e liscal
reilos.
Escuso de dizer quo ua approvaria a di- sea.Sr. juiz de paz actual da freguezia da Ja
minuieSo ou a extinceo total dos diretos carepagua
de exportacao se esla medida nSo l'ssea-
companhada do providencias que inhibis-
sem as assemblas .provinciaes de legislar
sobre este objecto.
(Continuar-se-ha.)
MINISTERIO DO'IMPERIO.
Approva a ildibcracao do presidente da pro-
vincia da Rio-de-Janeiro declarando que no
curato da Cacara nao pode praticar-sc acto
algum eleiioral, por nao ter sido o dito cu-
rato anda reconhecido pela asscmbla pro-
vincial.
Primeira nata. Rio-de-Janeiro. Mini-
teriti dos negocios do imperio, em 13 de feve-
reiro de 1849.
Illin. e Exm. Sr.Foi presente a Sua Mages-
tade o Imperador o seu olRcio de 12 lo corre-
te, acomp.iuhando a copia da portara por V.
F.xc. dirigida cmara municipal da villa de
S-Joo do Principe, na qual lhe commuiiici
lerein sido annulladas pelo governo imperial
as clricdes de vereadores e juizes de paz da
freguezia lo Passa-Tres, e do curato de San-
Jos da Cacara, e marca o dia 25 de marco
prximo futuro para se proceder a novas elei-
fdes na dita freguezia smenle : e o misino
augusto Similor de ludo iuteirado houve por
bem approvar a dcliuera(;o que V. Exc. lo-
nioii quanto ao curato da Cacarla, declarando
referida cmara que nao pode nelle praticar-
se, como abusivamente se [.-ni l'eilu, acto al-
gum eleiioral, visto que, eiubnra creado pelo
bispo diocesano para as funcedea puramente
espi' iliia.'s, nao foi ainda reconhecido pela as-
semblt'a provincial, como he indispensarel
pira que aemrtliante creafo possa produzir
eili'iin-i rivis e polticos. O que communico a
V. Kxc. para aeu cuuheciiueulo, e em respos-
(a no rilado officio.
Dos guarde a V. Exc. Viieonde de Moni'A-
legre. Sr. presdeme da provincia do Ilio-
dc-Janciro.
Approva a decisao dada pelo presidente da
provincia de Minas-Geracs, mandando pro-
ceder na villa de Formigas s elelfdes dj
juizeade paz no dia 14 de Janeiro deste anno,
visto nao se terem fcito na poca marcada
portel, e declarando que ellas devam ser
presididas pelo juiz de pai mala volado do
quadi rnnio de 1848.
Primeira lecco.Rio-de-Janeiro. Ministe-
rio los negocios do imperio, em 23 de fevere-
ro de 1849.
llliu. e Exm. Sr.Foi presente a Sua Ma-
gestade o linpfiad.ii o ollieio de V. Exc. de li
le d cseinbro do anno pastado, com copla nao
Commantlo da pr.ici.
Quurtel do commandoda praca na cidade do
lltcife de Pernambuco, 28 de Janeiro de
1850
ORDEU DO DIA N. 2.
O Sr. coronel conmaml me .la praca faz
publico a guarnidlo as ordens do dia do
Exm. Sr. general coinmandanle das armas
abaixo transcriptas :
a Quarlel-general do commando das armas de
l'ernambuco no engenho Rebingudo, 20 de
Janeiro de 1850.
ORDEU DO DIAADDICIONAL.
0 Exm. Sr. general commanJante das
armas manda fazer publico, que os Srs. ofli-
ciaes abaixo declara.los passaram a servir
no corpo de baledores desde o dia 17 do
correnle, em que foi o dito corpo organisa-
do, devendo os Srs. commaudantes da pri-
meira o segunda brigada mandar, que se-
jam considerados jtos respectivos corpos,
como em deligenca : primeiro !> .1 I mu dr
cacadores.o altores Domingos Alves Branco
Munz Brrelo; segundo da mesma arma,
o alferes'Culherme l.uz Bernardes ; quin-
to da mesma arma, ueapiiii Jos Ignacio
Teixeira da Fonceca, lenle l.uiz Hilario
Seluhal, alteres Antonio Carduzo l'eretra
de Mello, dito Diogo de Sanla-Rila Brto;
oilavo da inesiua a rn i, tenenle Andr Ac-
cioli Pinheiro, alferes l.ouieueo do Vascon-
cellos ; terceico batulhlo de artilhiria, pri-
nieno-ienenie llermes Ernesto da Funseca,
alteres Maximiano Joaquim do Almeula
Pinto.
^ Uulrosim, determina mais aos Srs. com-
maudantes da primeira e segunda brigada,
que mniitieni apreseular ao Sr. ntajor Fran-
cisco Vctor de Mello e Albuquerque, 8 cor-
netas para servirem*no referido corpo da
maneiia seguinte : primeiro baialoo de
cacadores I, segundo dilo 1, quinto 2,oita-
vo 2, leiceiro balalhao de arulhaiia 2.
O mesmo Exm. Sr. general lem nomea-
do para sorvir de mandante do corpo de ba-
ledores o Sr. caplSo Jos Ignacio Teixeira
da Fonseca, e autorisa ao respectivo com-
mandanle para nomear o ajudante e o
quartel-mesire do mesmo corpo.
Sua Exc. o Sr. general approvou a no-
mearlo que o Sr. commandaitle da segunda
brigada fez de ajudante de campo, o Sr. at-
ieres Antonio Eloy da Cunt Mello, licando
seui etTeilo a do Sr. alferes Manoel Porfirio
TRIBUNAL DA ELACAO .
5F.SSO DE Ti DE FEVRRI.1UU DE 1850.
it: -iiiim'H DO EXM. slNilini
r i : l.lllH'.o AZEVEDO.
A's dez horas da manba, achando-se pre-
sentes os Srs. desembargadores llamos, as-
ios, Lelo, Souza, rtcbrllo, l.itna Freir e Tel-
Ics, faltando cora causa ns Srs. desembarga-
dores Punce e Villares, o Si. presidente deca-
rou aberla a aesso.
M I i,.MEMOS.
O processo de responsabilidade do juizo muni-
cipal da villa de Anadia provincia de Alagas
em que be reo Antonio de H Cavalcante, ex-
juiz le direlto interino.Foi julgado proce-
dente a denuncia, o r 1,V1 do cdigo criminal c obrigado a livra-
mento ordinario.
Recursos crimes.
Rccorrente, o juze ; recorrido, Jos Luiz da
."ilva Gomes.
Itecorrente, o juizo ; recorrido, Pedro Ferrci-
ra Lelte.
Rccorrente, o juizo; recorrido, o Ur. Jos Ray-
mundo da Costa Meuezcs.Foram os despa-
chos coullrmados.
Appillaclli crime.
Appcllanle, o juizo appellado, Jos Antonio
da Silvcira Prci.
desionjcSes.
Foi assignado o primeiro dia ull para o jul-
gamento dos recursos crimes em que sao :
Recrreme, o juio ; recorrido, Antonio Go-
mes Pesso.i. ,
Recrreme, ojuiso; recorridos, Joao e Jos,
prelos libertos.
Appellaco civel.
Appellanle, Francisco Jos Cardse ; appella-
do, Francisco Fcrrcira da bilva.
lEVItOB!,
Passaram do Sr. desembargador Souza au Sr.
desembargador Rcbcllo as appellacoes civeis
em que sao:
Anpellantes.Joao Pcreira Lagos e outros; ap-
pellado Harlholoiiteu Francisco de >ouza
ir nrllmies,os adminstradore do hospital de
Varidade; appellada Hita ^*\*':
Appcllanle, Anua Jacinlha de Soma braga ,
appellados, Jones Pailn & C. e outros.
O recurso crime em que sao :
Recrreme, o juizo; recorrido, Marcos de Oli-
veira Gcs.
PassaYam do Sr. desembargador Rcbcllo ao
Sr. desembargador Luna Freir as appellacoes
civeis em que sao :
Annellanle, Antonio Bernardo Kerieira, admi-
nsl'ador de sua n.ulher; appellado, joaquim
JX^SS Tavares Rodovalbo; ap-
pellado, Joaquim Pereira Hornera.
Passou do Sr. desembargador Luna Freir ao
Sr. desembargador Telles o recurso crune era
que sao :
Rccorrente, o juizo ; recorrido, Joaquim Bap-
tista.
Passou do Sr. deaembargador Telles ao Sr.
desembargador Ramos o recurso crime era
que sao :
Recrreme, o juizo; recorrido, Paulo Jos
Francisco.
As appellacOes civela em que sao :
Appellanle. Joi Antonio Bastos ; appellado,
Vicente Jos de Brilo.
, eflantc. o bacharel Manoel Jos Pereira de
Mello; appellados, Joao de Barros Brandao
pepelinle. Manoel Jos Soarc. de Arelar ;
appellado, Domingo Jos Marque.
DISTBIBIICES.
Ao Sr. de.em_bargador Ua.lo a appellacJes
civen era que sao :
Appellanle. Nuno liarla de 8sili appella-
do, De Gouascncourt.
Annellanle, M. O- bieber | appellado, Jo. Dia.
da Silva. .
Ao Sr. deaembargador Souza a appellacao
ApprianrB^oloraeu Francisco de Souza ,
appellado, Gabriel Antonio
Levantou se a sessao a 1 bora da tarde.


DIARIO DE PBRNAIBDCO.
!2!
nccire, 6 de rtvimmo os isso
Pela onlem do din ilo colimando das ar-
mas, dala la de30 do mez passado, o publi-
cad no numero 30 deste Diario, eslflo os
nossos leitores informados do que na ox-
plorag.lo feila no acampamento do Cossei-
ro, depois do comhnte de 26, so descohri-
ram (i cadveres de inimigos morios no re-
fprido combate ealguns papis do impor-
tancia.
NSo podemos obler copia de tolos rasas
papis, e smenle obtivomos do algnnsde
menor importancia, quo abaixo transcre-
vemos.
O primeiro lio urna especie do diario fei-
o por l.aurindo Justiniano de Alexandria e
Mello.
Entro as varifs noticias que di esse dia-
rio, ncha-so a descrpgSo do combato de
onderaca, cuja importancia se deve ava-
lar, niJospela perda doinmigoem mo'-
lf"* o feridos, mas principalmente pelo
'"sanimo que produzio em suns fileiras, oc-
casionando muitas desergOes, o que lio
confesando pelo proprio autor desse diario.
Depois desse diario segue-se urna peca
de versos de fabrica do mesmo autor, que,
ia desanimado pelos resultados do comba-
t'do Pcnderaca, nfio pilo concluir a sua
nbrinlia. por ser interrumpido pelo com-
bato d 26.
Sepue-se urna circular dq, intitulado ajo-
danto eral Bernardo Luiz Ferreira Cezar
de l.oureiro, as costas da qual est escrip-
ia a noticia dos ferimentos do pai de Pedro
Ivo.
I'llimamente publicamos a ordem do da
do mencionado caudilho que tem o nume-
ro l.edeixamnsdt publicar as de ns. 2 a 3
Torjlerrm sido inseridas nesto Diario,
Cuaderno dedifferentesass-nlamentos.--
lio pertenoenle a l.aurindo Justiniano de
Alejandra e Mello. Quarlel do quarto
batalhSo na rtarra-do-CQUSseiro, 18 de ja-
ne;rode 1850.
Parli do engenho de Siliir-da-Ssrra,
no dia tldenovemhro de 1849 as 7 horas
da noile, cheguemos no Riachln no dia 12
do correlo ao meio-di, e alii nos acam-
pemos, lie este lugar ( ptimo ponto J com-
pnslo de elevadas serras, cujas eirciiUmo
pequeo planicio do acampamento,na fren-
te deste corre um rio de fria o cliristali-
na nsoa fazendo este dous bracos, um que
corre para o r<" da sorra na frente do quar.
tel, o oulro directamente dividindo enUIn
um peiueno plaido na frente do mesmo
quarlel.
Cheeuemos na Btrra-lo-Coussiro no
dia 16 do corrcnteasll boras e meia do
dia.
He este lugarbello, tanto pela seguranza
cnirio pela commodi'ade, tcni na frente um
bello rio correrte, ( Una he o sen none ) na
margem do mesmo sobre a rabanceira for-
tes Irincheiras de arpa o una de madeira na
bailadas mesmas, as barracas eumquar-
tel dos olliciaes cobertode telha, aehi-se
esta u;va 1:vi lula por varios pontos: pri-
ineiro commandado pelo cacito JoSo dos
Santos lima Ponte Brixa; segundo pelo ca-
pitSo ii, i mi mi JosTavares da Costa Pe-
ndi; terceiro pelo c.ipit.lo Sehastio Alves
di Silva; quarto pelo ma'or Miguel Alves
de l.ima; quinto pelo quinto batalhlo de
contingentes do serlfi, sendo o seu respec-
tivo cemmandante o Sr. JoSo Tiota de Ome-
na: c o sexto pelo sargento Jos Joaquim.
Marchemos para Japarandobi no dia 2
de dezembro de 1849, be este punto com-
mandado pelo teripntc coronel Caetano Al-
ves da Silva, sendo a trinchelra do mesmo
de madeira. Aloi deste ponto commanda
mais Piranji, LimSo e outros muitos que
nSo sei seus nomos
o Partimos de Jararatidoha no dia 3 do
correle para a povoacSo de Cnpoeiras e
foi esta por nos atacada no dia 4 do corren*
lo as 3 para 4 da manhKa. Foi abandona-
do cobardemente nelns inimigos como pelo
in ligno cap t So Tristito Pi dos Santos com-
manle dos dspotas e cobardes nim'gos,
este commandanle cotou, deixando to lo o
seu fnr.lamento e evadi-so em mangas de
camisa, como tambem otenenle que lan
coii-se ao rio, e deixou tambem o farda-
mento.e um primeiro cadete a farda. Mes-
la tomada perdeu o governo 6 morios e um
presioneiro, o de nossa gente nem o menor
ferimenlo, tomemos uma carga de cunbe-
tescontendo em si 2,000 e tantos carluxos
e 4 bois.
o Foi este ponto lomado por ritos a cu-
jos nSo poderam resistiros inimigos niio
nodondo dar de 8 a 10 tiros, p is(n mor"o
foi o piquete na entrada da povoag.fo. He
este lugar circula lo de serras, na entrad
corre um rio quo faz sua dirrccSo pela re-
taguarda ila roa que Pea o correr da ca-
pilla, tem tres estradas, a primeira por
onde entremos, a segunda para Alagas-
dos-r.atos ea trceir para a Cangallia. A
fuga dos inimigos foi pela estrada dcAla-
gnsdos-Gatns por ser esta a ordem que
den o commandante das frcas o Sr. tenen-
te-coronel Jos Ferreira do Aznvedo em um
cilicio reservado, cujo se acha em poder do
nosso general Pedro Ivn.
Foraro presos pelo I)r. Fabio, (fllho de
Jos Pedro das l.ages) 110 dia 28 de dezeni-
liro de 1849 os Srs. major Jos Gabriel Pc-
reira de Lira o Jos Porfirio Teixeira, no
eiigenho da Itaiz as 2 horas da tarde : li-
vemos noticia por Jos Itibeiro, por este
ter-se escapado das unbas dos inimigos. Ti-
vemos noticia da soltura dos meamos no
dia primeiro de Janeiro de 1850.
Chegou o Sr. Miguel Alfonso com "0 a
80 homens, e bagagem.
Deserlaram da spgunnda companliia do
quarto balalhSo, 17 pravas, todos no dia...
de Janeiro de 1850.
Chegou do centro o Sr. major Bernardo
I.uiz Ferreira Ozar de l.oureiro com 80
liomens, 110 dia 12 de Janeiro de 1850, sen-
do estes de Paje, Tacait, JuremaeAI-
JinNh
A presenta ram-so do segundo de fuzi-
leiros, vindos de. Amarag, duas pragas sem
armamento e eorreiame, sendo os seus 110-
mes Manoel Marques Matheus e Joaquim
do O'.
M Vieram de Vicente Ferreira de Paula
11 homens, todos no dia 27 de abril de 49.
Foi batidas frca de Caxoeira-d'Ania,
por ter-se encontrado com urna pequea
da Silva, no dia 15 do Janeiro, e foi tala
lula que perdeu o governo asoldados n1
ferido, e da brava tropa liberal non um
com o mais leve ferimenlo.
. Foi por nos atacado o ponto do Pende-
raca na manhSa do dia 17 do cerrento s2
para as 3 boras da manhSa, o foi tal a lu*
que durou al is seis para sete horas
da manha, fazendo noste meio pausa
de duas horas. Tomemos a primeira trin-
chelra, o engenho c a segunda trinchei-
ra, que depois de nos termo-nos apossado
dellas, Tomos pelos inimigos empellidos,vis
lo ser sua resistencia forte e nos circularen)
com fortes lindas, apezar de ser a nossa re-
sistencia fortissima.embora os nossos com-
panheirostivessem-nos abandonado; porm
assim mesmo cedemos na ultima extremi-
dade por nos vrmos com a retaguarda cor-
tada por urna forte linba,que depois de ter-
mos feito a nossa retirada, seguiram-nos
distancia de cem passos, deixando nos seis
morios, (Vistos) desapparecram 4, trouxe-
mos feridos 14 (note-se que vieram 15, po-
rm morreu um).
a Tivemos noticia de ser prisioneiro o
major commandanle do primeiro balalhSo
Joo Pelix de Mello no dia 13 do corrente.
Foi atacada pelo segundo batalhlo, de
quem he commandanle o major Miguel Al-
ves ile l.ima, que se achava na guerrillia pa-
ra defeza de nossa retaguarda, no dia 17 a
frca do major Vctor, perdendo elle um
lente denominado Rodrigues e asolda-
dos, e feridos 10 ; edo nossa gente um ca-
bo de esquadra levemente no pescoco por
um perdegoto.
Mortos --Major commandante do quinto
liatalnilo Joilo Teol de Omena, lente
JosPereiraCauo 'desapparecido), solla-
dos Bernardino, Joilo Uaplista e Jos Ro-
drigo.
o Feridos.Joaquim Jos Guabiraba, Mano-
el Antonio Flix, Joaquim Jos de Azcvcdo.
o Aprcseuloii-sp 110 dia 18 Joao Itibeiro.
r Primeiro bainthao.
ii Morios.Major coninmidjejlP, JoSa Feli
de Mell, desapparecido Henriques Francisco,
fcriilo Sebasliao Alves da Silva, capiliio inan-
daote.
Quarto bnlnlho,
. Morios.Manoel Antonio, Joaquim Vicen-
le M.o-Vprdc.
Denuncia. Desapparecidos, Alexandre.
capiliio bernardo de lleinlo Coellio, Bernar-
do Jos Domingos, Comaga, Antonio .tos'-
Xixi.
o Sem balalhao deslinado, Jos Ignacio.
" Inimigos prisionriros 2, passado I cabo do
8." de caladores Seralim de Sena Pereira.
No dia de Janeiro cabio u'iiina guerrllha
do Kaliio o 1. sargento do quarlo balalhao da
lerceira companhi.i Vicente Ferreira de Cam-
pos, deixando morios 2 t Cerillos i.
111 i \ ii un o ponto no dia 19 de Janeiro de
1850 O Srs. tcnente Mannel Jnaqnini de S.-An-
ua, alferes Thomai de I.um Freirc eFausl no
Jos ila Roxa, l. I>uizGomes de Luna, cabos
Miguel dos Alijas, Joslgnacio da Silva Mann-
el, soldados los Seg, Amonio l.igeiro, Do-
mingos da Silva, Jos Duarle c Jos li >i illi i,
e ouiros muitos i|uc nao eslou Icuibrado dos
nomes.
a No sinto perder no campo
A doce vida presada,
(i Sij sinto ver perseguida *
A'chara patria'adorada
Nao temo dos inimigos
n 0< seus prezadis grillides,
m Nao lenio ser devorado
. Por seus iiiedonhos cauhoes.
Sao temo gciner nos ferros,
h Nem as niedonlias prisdes,
ii Mlinio ver como escravos,
Brasileiros, eidadaos.
> Nos campos da liberiladc,
Nao temo a inorle ivranna,
S qupro ver vingnda.
A patria pernambucana.
Ah ril j nao posso,
Npjtps campos mais pennar,
Vein a ten charo Laurindo,
1 ni su InitanU ajudar.
Nrstcs campos s hahitain,
Infelices e desvalidos,
Os que vivem pela patria,
Dos lyranos perseguidos.
S se ouve nestes mallos,
o Retumbar os sons dos tiros,
. Ou as sandosas troiubetas,
Tocar de seus retiros.
Circularlos de inimigos,
F.sl nosso acampamento,
Sem poder para nossa frr;a
Entrar mais o suppriinenlo.
' J eslio abandonados
Nossos campos lo queridos
Os inconstantes soldados
F'racos c esmorecidos.
n Por una lula pequea,
E perder alguus soldados
i' No dia 26 do corrente g, as 8 horas do dia
appareeeii-nos un grupo de 30 a 30 e linios
soldarlos do 5.* de cae adores, retiram-se sem
menor incnuiiuodo por niio haver ocm um s
tiro.
CIRCULAR.
la companha, a qual sora creada logo
que se rena mais contingentes.
Para tenente-coronel commandante, o
Sr. tenente-coronel Pedro ios Alves Cor-
rea.
Para major, o Sr. major Jos Gabriel
Pereira de Lira.
-Para ajudanle, o Sr. tenonte Laurindo
Justiniano de Alexandria e Mello.
Para quarlol-meslre, o Sr. lente Ma-
noel do Nascimenlo Porto.
Para capitito da primeira companha, o
Sr. capiUq JoHo dos Santos Lima.
Para capiliio da segunda, o Sr. Capitfl >
Bernardo Allemfto Coelho.
Para caaitSo da lerceira, o Sr. capitflo
Jos Bernardo da Cmara.
Para tenenfes, os senhores Agostnho
da Silva CuimarHes Jnior, Manoel Careta
Machado, Manoel Joaquim de Sant'Anni.
Para alferes, os senhores Faustino Jos
da Rocha, Manoel Jos Correa Carapoba,
Thoinaz de Luna Freir.
Os senhores olliciaes cima nomeados,
devem quanto antes entrar no exercicio de
seus postos.
Pedro Ico Fe/ioio da Silveira,
' Itriga leiro e commandante.
RELAfJAO- DOS OFFICIAES QUE PER-
TENCEM A FORCA LIBERAL.
Suas graduaron, nomet e obiervacBu.
Commandanto em chafe Pedro Ivo Vel-
lozo da Silveira.
Major ajudanle de campo Bernardo Luiz
Ferreira Gozar l.oureiro.
Dito Laurindo Jusliniano de Alexandra.
Coronel Miguel Alfonso FerreiraEm
serviQo fijia do acampamento.
Tenente-coronel Caetano Alves d* Silva.
Dito Manoel Coriolano dos Santus.
Major Jofto Flix de Mallo.
Dito Jos Gabriel Pereira de Lira.-Doen-
te fra do acampamento.
Dito Szisnando Sergio dos Santos Sals
Dito Miguel Alves de i.ima.
CapitSo Antonio Esteves Teixeira Mar-
reci.
liilo Sebasliilo Alvos da Silva.
Dito FilipnoJoseda Exaltaco Maniva.
i Dito Luiz Thom.
Dito Jo.lo dos Santos Lima Ponte-Baixa.
Tejiente Francisco Fausto Jasmim.-Con-
vallecendo.
Dito Joaquim Jos Tavaresda Costa Pe-
nedo.
Dito Agostnho da Silva Cuimarfies J-
nior.
lilil .1 isr lliln-iro.
Alferes Jos Francisco Lins.
Dito Ramillo Soares deSouza.
Dito Rraz Correa dos Santos.
Dito Jos dos Santos.
Dito Antonio Joaquim.-Quartel-meslre.
Dito Manoel do .Nascimenlo Porto. *
ner por urna deputaQSo nomoada pelos
amigos da ordem de Pars. Em um lado
da folha la-se a seguidle inscripc,So em
Ictlras de ouro: Ot defensora da ordem ao
general Changarnier, o no outro a seguinte:
16 de abril i 1848; 29 deymiro ende u-
ano de 1819. Os copos represantam a figu-
ra da ordem subjngando a anarohia, e'sflo
ornados com dous brilhantes collocados no
centro de um grupo de esmeraldas e rubins.
Odlas, 16 de abril de 1848, 29 de Janeiro e
13 de junlio de 1849 lao aquelles em que o ge-
neral salvuu a populado de Pars dos horro-
res da anarchia; isto he, a 16 de abril de 1848,
quando elle reuni a guarda nacional e ron-
lio felizmente ao ataque meditado pelos socia-
listas sobre o llotel-de- Filie; a 29 de Janeiro de
iS'i'.i, quando prevenio um levantamento pela
celeridade de seus iiioviuieulos ; e a 13 de ju-
iilm. quando derrotou oa socialistas as ras
de Pars.
Allemanhn i Perita.
Na Allemanha tudo flera tranquillo, sumen
le causava alguma Inquletacao a concentrafo
de uiu corpo de tropas austracas nai frontei-
ras da Saxonia.
O re de Wurteinberg dlssolvra recentemen
te adieta daquelte reino, allegando que a con-
ducta da inesina se tinha tornado desarrasoa-
da, dciordeira e intelramenle anll-conititu
cional.
O Diario de Constantinopla de 15 de dezem-
bro prximo pastado refere que uin levanta-
mento ttvera lugar em Ispanhan, na Persla, e
que o governador daquella cidade, cujo pala-
cio os re vo I msos atacara ni e escalaran!, fra
morto com 30 dos individuos que o cercavam
COMMEftCIO.
ALFAMiF.GA.
Hend ment do dia 6.....21:482,569
CONSULADO CERAL.
lien limentii do dia 6.....4:119,611
provincias...... 271,586
4:391,200
Diversas
lllms. Srs. De ordem do Sr. hrigadei-
ro, commandante em chefe, communicoa
Vv. Ss., que d'ora em diante, por motivo
algnm deixarSo sahir praca dos pontos, das
seis horas da tarde as 12 da man hila, salvo
s que liverem do vir reoeber raQes, para
quj niio acn teca o immgo adiar os pon-
tos sem rca, e ser-lhe fcil o ingrcssn em
nossss Irincheiras: o que nos ser muito
doloroso.
lio o que tenho communicar a Vv.
Ss, para suas lotelligencies e prumpto cum-
primpnlo.
Dos guarde a Vv. Ss. Quartel-gcne-
ral noCapim, 21 da Janeiro do 1850 Srs.
commandantes dos Pontos.
O major e ajudante-gencral,
Uernardo /". (,'. Lourtiro,
Foi levemente baleado na barriga da
perna com tres tiros o tenente-coronel Pe-
dro Antonio pai do leme Pedro Ivo noa
25 de Janeiro, morrendo nicamente o ca-
vallo.
Quarlel do commanio das frcas em ope-
races ao sul da provincia no lugar do Ca-
p ni, I.* de Janeiro de 1850.
Ordem do di i n. 1.
O commandante da lrca determina o
stguiute:
Fica nesta dala creado o quarlo bata-
lhSo organizado dos contingenlos da fre-
guezia da Escada ostra composto de qua-
aorluia do leiieiue-coronel Caetano Alves (tro compauhias, (cando para crear ajquar-
Pelo paquete inglez Penguin, chegado
boje de Falmouth, recebemos o Time de 2
ai 4 de Janeiro prximo passado, eoque
de sua leitura co'hemos he o seguinte :
Inglaterra e Portugal.
Nada de extraordinario havia tido lugar
no primeiro destes dous paizes, o qual con-
I unava a gozar do paz esocego
Em Londres os coniols fiearam, de 96 3|t
a 96 78 ; as apolices do banco, de 203 112
20tl|2; ns fundos brasileiros a 88 ; osqua-
tro por cento porluguozcsa 36 3|4.
As noticias de Portugal chegam ate 31 de
dezembro.
O naiz to lo ficra em socego, tendo-se j
nnlilicado o programma do ceremonial que
devia s"r observado na abertura das cortes
pela rainha no da 2 de Janeiro.
Corra que o conde de Thomar pretenda
desaliar os seus detractores na cmara dos
Pares, e que entretanto varios deputados se
preparavam pura apresentar na cmara, de
que fazem parte, urna accus.icio formal
contra elle.
>a-se que, se o gabinete do conde nfio
calnsse em virtude de um voto contraro
las cortes ( o que niio era provavel quo ti-
vesse lugar), urna nova revoloco rohenta-
ria sem falta no paz, o que neste ciso a co-
ra correra grande ri^co.
Segundo allirma o correspondente do Ti-
mu, o rei da Blgica escrevAra ao rei D. Fer
nnn lo, o marido de D. Maria II, represen-
lando-lhe isto mesmo, e al se asseverava
em Lisboa que o prncipe Alberto, o mari-
do da rainha de Inglate'ra, e varios outros
memhros da familia Coburgo tinham avisa-
do o dito D. Fernando do risco que corra a
cora nnrtugueza pela conservado do con-
de de Thomar frente do gabinete.
O duque de Saldanha chamara a respon-
sabilidade o Eitandaile de21 de dezembro,
por havC-lo aecusado de se ler ligado com
os inimigos da rainha, para promover a
anarchia e fazer neeessarios os seus servi-
qos no campo, como um meio de receber
mellnir e mais regular paga.
NSo obstante,porm, situarlo hostil do
duque para com o gabinete, os comman-
dantes de corpos e os otltroi olliciaes do
exercito, o curpprimcnlaram no dia 22 de
dezembro, anniversario da victoria por elle
alcancada em Torres-Ved ras, sobre as Tor-
cas da junta i!o Porto, de um mo lo calcu-
lado para mostrar os bous scntimenlos de
que se acham animados para com elle.
O duque de Pal mella acha va-so j um
pouco melhor, porm, crta-se que nSo po-
llera presidir a abertura dos debates na ca-
niara dos Pares.
Tlnham-se descoberto novas frauJes na
alfandega das Sele-Casas em Lisboa,
/'ranea.
Todo esto paz ficra tranquillo.
Nos ltimos das do mez de dezembro
prximo passado, a assemhla nacional oc-
cupou-socom a importante quesiSo dos ne-
gocios do naia. a commiss.to encarrega-
da de examinar os documentos relativos a
estaquesto, declarou-se contra o trata lo
negociado pelo vicc-almiranto Le Pidour,
e mostrou disposices guerroiras. A maio-
ra apoiou o parecer da comiirssu, nSo
obstante a opiniSo do gabinete expressada
pelo ministro da guerra, a qual era toda pa-
cifica.
Depois de urna calorosa discussSo a as-
semblea approvou por 315 votos contra 312
a seguinte emenda apresenlada por um de
seus memhros, Mr. Rane :
Fica aberlo aos ministros da guerra e
mariuha um crdito de 10,000,000 de fran-
cos para o lim desustenlarrm pelas armas,
i.e oucrssano fr, as negociafcs entre as
repblicas franceza e argentiua.
.u i.r.i'i r.ii .. iiiuluii l .!, ooniiptl Chlnour.'
EXPORTAfAO.
Despacho maritimoi ni dia 6.
Liverpool, galora ingleza i7rnoriev,dc 366
toneladas: coilduz O Seguinte :
350 barricas e 923 saceos de assucarcom
7,386 arrobas, 3 barricas de assucar, 1 cai-
xa com seis latas de doce de calda, t dita
amostras de issucar, i ,017 saccas de algo-
dSo com 5,667 arrobas e II libras.
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimento do dia 6..... 2 137,378
vlovmento do Porto.
Naviot enlradoi no dia 6.
Terra-Nova 35 dias, brgue inglez Viola,
de 139 toneladas, canillo Tho naz Times,
equipam 10, carga 1,854 barricas de ba-
lalhao; a Me. Cal moni & C
Ho-de-Janeiro -- 23 das, galera franceza
Amelia, de 310 toneladas, captSo J. Cal-
Unge, equipagem 15, em lastro ; a Cro-
co & C
Sajti-Catharina 50 lias, brgue brasile-
roConeei>jo, de 192 toneladas, capiliio
rFuctuoso Jos Pereira Dilra,equipagem
10, carga farnha de mandioca; ao pro-
pietario Manoel AUes Guerra.
Salem49 dias, patacho americano Romp,
de 126 touoladas, cantSo R. Knox, equi-
pagem 7, carga l.irinln, bacalho, fi7.cn -
dase mais gneros ; a II. Foster & C.
Terra-Nova 35 dias. brigue inglez Caroli-
na do 186 tonelada-', camino \V. Nant,
c: iagem 11, carga 1,976 barricas de
I' a linio e 55 niias d'tis de dito, e 100
b nicas de firinlia de trigo; a Me.
Calmnnt&C.
Rio-de-Janero 30 dias, patacho brasile-
ro Valtnle, de 130 toneladas, capitSo
Francisco Nicolao Araujo, equipagem 9,
carga varios gneros ; a Novaes & C.
Passageiros, Luiz Concalves Bastos e 4
escravos a entregar.
F.iluiouih, Madeira e Canarias --30 dias,
paquete inglez Penguin, commandanto
o tcnente Leslio.
Navios sakidoi no mesmo dia.
Parahiba ~ Polaca brisileira N.-Sra.-do-
Carmo, capitn Manoel Antonio da Silva
Lobo, carga farnha de mandioca e trigo.
Bio-Crande dosul pelo Ass Rrgue bra-
sileiro Principe-D.-Kff'onso, capilflo Fran-
cisco da Silva Avetada, em lastro ,
Gibr"altar Polaca sarda Providencia, ca-
piliio Si mlo Morteo, carga assucsr.
Assii -- Brigue brasil iro Espirito-Sanio,
capilSo Alexandre Jos Alves, em lastro.
LisboaPatacho portuguez Maria-loaquina,
capitSo Manoel da Cosa e Silva, carga as-
suca r. Passageiros, Fernando loaqum de
Mosquita Henriques e Jos Mara da Costa.
Liverpool Barca ingleza Genovieve, capi-
lilo Cooper, carga assucare algo 15o.
EDITAES.
0 Illm. Sr. Inspector da thcsoursris da
fazenda provincial manda fazer publico que,
do da II do corrente mez em diante, pa-
ga m-se os ordenados o mais despezas do
mez do Janeiro prximo passado.
Secretaria da thesouraria da fazonda
provincial de Pernambuco, 5de fevereiro
de 1850. O secretario, Antonio Ferreira
d'Annunciacio.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or -
demdoExm. Sr. presidente da provincia
de 24 lo corrente, manda fazer publico, que
nos dias 5, 6 c 7 de fevereiro prximo vm-
douro, irSoa praca, pera ule o tribunal id
uiiiislralivo da iiirsiii thesouraria, para
sor.'m arromatados a quem por menos li-
zer, os eoncertos do jardim Botnico de
Olinda, sb as clausulas especiaos abaixo
transcriptas, e pelo preco de 76,4O0
As pessoas que se propozerem a esta ar-
rematac,8o comparocam na sala das sessOcs
do sobredto tribunal nos dias cima men-
cionados, pelo mcio-dis, competentemente
habilitadas.
Opara constar se man Ion afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 26 de Janeiro de
1850. O secretario, Antonio l'itrreira d'4n-
nunciaclo.
Clausulas especiaes da arrematado.
1." Os irabalhos e obras para os eoncer-
tos do jardim Botnico de Olinda serSo fei-
no orcamento, apresentado nesla dati a ap.
prova?So do Etm. Sr. presidente, pelo pre-
go do 726,io0
2.* As obras principiarSo no prazo do
um mez, e acabanlo no de quatro, ambos
contados em conformi lado do artigo lo."
do regulamento das arrematares.
3.* 0 pagamento do importe da arre-
matadlo realizar--e-ha depois das obras to-
das concluidas e examinadas pelo enge-
nheiro.
4.' Psra ludo o mais que nSo esta de-
terminado polas presentes clausulas seguir-
se-ha integramente oque dispOe o regula-
mento das aruiatacOes de tt de julho Je
1843.
Gabinete dos engenheiros das obras pu-
blicas, 12 ife abril do 1849. Oengenhei-
ro, J. L. Vctor lieuthier. a
A cmara municipal desta cidade faz
publico que ella fez, o o Exm. presidente
da provincia approvou, a seguinte postura
ad.licionsl, a qual passa a ler inteiro vigor,
como nella se conten:
Postura addicional. -- Artigo nico. -
Ficam prohibidas no interior da cidade i
casas de sade, mermaras ou lazaretos.
As existentes serSo removidas para os luga-
res que s cmara municipal designar no
prszo de 30 dias, contados da publicacSo
da presente postura. Os donos, administra-
dores ou directores de taes casas, que ss
nSo mudar no prszo marcado, ou que as
situar fra dos lugares designados, pagar.to
trila mil ris de mulla, o, nocaso de rein-
cidencia, alm da multa dobrada, solfre-
rSo seis dias de prisfio.
Pago da cmara municipal do Recifc,
em sessSo de 25 de Janeiro de 1850. Fran-
cisco Antonio de Oliveira, presidente. Ua-
noel Caetano Soares Carntiro Ifonlelro.
Francisco Confuire de Maraes Angelo
Henriques da Silva. Jos Piru Fer'eiru.
Api rovo. Palacio do governo de Pernam-
buco, 31 de Janeiro de 1850. Carneir
Ledo. Conforme. O oflicial-maior, JnU
Moreira frandio astello-llranco.
E para que chegue ao couhecimento de
quem convier se mandou publieer o pre-
sente. Paen da cmara municipal do Reci-
fe, em ses 1850 Francisco Antonio di Oliveira, pre-
sidente. Manoel Ferreira Accioli, secreta-
rio interino.
A cmara municipal desta cidade faz
publico que tem designado os lugares se-
guintes, para onde devem ser removidas as'
casas desnude, enfermaras ou lataretos,
actualmente existentes no interior da cida-
de : ra Nova de Santo-Amaro ; ra do Hos-
picio, do sitio denominado LeOo-d'Ouro
por diante, procurarfdo a direcefio do nor-
te ; fins da ra da UuiSo, ao lado do norte;
h Soledade, da igreja para o centro, deven-
do taes eslabelecimentos se collocar nos
edificios que mais solados se acharem em
referidos lugares, com previa lcenca da
mnsma cmara.
E para conslar se mandou publicar o pre-
sente. Pago da cmara municipal do Iteci-
fe. em sessilo ordinaria de 6 de fevereiro de
1850 Francisco Antonio de Oliveira, pre-
sidente. -- Manoel Ferreira Accioli, secreta-
rio interino.
Pela administrsglo do consulado de
Pernambuco se faz saber que, no dia II do
corrente mez, se hflo de arrematar ora has-
la publica, a porta da mesma, urna caixa
com assucar branco do engenho Retiro da
provincia das Alagas,marea M. R. n. 9, ap-
prebendida pelo guarda Franciaco das Cha-
gas Ribeiro, por nSo estar exacta a tara:
cuja arrematarlo he livre de direitos.
Mesa do consulado de Pernambuco, 6' de
fevereiro de 1850. O administrador, Zade
Xavier Parneiroda Cunha,
Declara^des.
uifica foi apreseutada ao general Changar-1 tos pela forma e *0b as condigfles indicadas
o Sr. juiz dedireito chefede polica
interino da provincia, orlena aos 19 estran-
geiros, constantes da relagSo abaixo trans-
cripta, e por mim assignada, que,pelas 9 ho-
ras do da 8 do corrente, comoaregam m-
preterivolmente nesla repar'igao, sb pona
de desobediencia.
SoereUria da polica de Pernambuco, 6
de fevereiro de 1850.Antonio Jos de Frel-
tas. primeiro amanuense.
He/ardo de que trata o edital cima.
Joaquim Baptista de Araujo, Jos Francis-
co de Andrade, Joaquim Teixeira da Silva,
Joaquim Ferreira da Silva Jnior, Antonio
Jos de FreilasCuimarSes, Jos Lopes Fer-
nandos, Domingos de Castro Miia, Joaquim
Francisco da Silva Silles, Manoel Dias Pi-
nho, Augusto Ozar de Abreu, Antonio Ma-
noel Ramos, Jofio Alexandre Vieira, Joo da
Silva Lote, Francisco Antonio Pereira Rra-
ga, Antonio Oomingus Alves, Luiz Jos
IViseir, JoSo Jos Mondes, Justino Gui-
marSes Villar, Francisco Comes.
Parante o concelho da adminislragSo
naval tem de coutratar-se a compra .le cen-
to e cincoenta alqueires de farnha de man-
dioca, medida anliga, para fornecimento
dos navios, armadas o hospitaes do mn-
nha : portanto convda-se a todoa aquelles
a quem convier fazerem seuiolhanlo vonda,
a comparecerem as 12 horas da manliS do
da 7 do corrente. na sala das sessOe do
mesmo concelho, com as amostras e pro-
poslas .
O Sr. director do lyceu manda fazer
publico que o lyceu desta cidada se abrir
no dia 13 do corrente : portanto, os senho-
res que quzerem applicar-se as faculdades
quenellese ensinain, pdem desdo j tra-
tar de maliicular-sc.
Secretaria do lyceu, 4 do Nverero de
1850 anuario Alexandrino A Silva ta-
bello Caneca, professor dedesenho e secre-
tario
A capalazia da alfandega precisa de
mais 20 homens livros, robustos o propros
para o trabalho da mesma : quem 60 quizer
contratar, apresente-se ao porleiro da al-
fandega s 8 horas da manhSa.
O arsenal de guerra precisa comprar
urna porcSode sola curtida : quem seme-
ntante genero tiver da meH.or quali lade o
quizer vender, comparecer ns sala da di-
rectora do mesmo arsenal, com sua pro-
posta e ultimo prego em caria fechada, no
dia 9 do corrente.
CORBEIO CERAL.
O paquete de S. M. Britannica Penguin re-
cebe as malas para o Rio de Janeiro e Ba-
ha hoje, 7 do corrente, s duas horas da
tarde.
~ No consulado britannico fecham-se ss
malas do paquete l'woun para o Ride-o-



i
neiro e iMhia hoja, 7 do crrante, s 3 ho-
ra da lardo iropreterivelmenle. %
TheatrodeS^Fracisco.
Crandee extraordinaria representacUo pe-
la companhia franceza, sb a directo da
viuva flerteaux. ....
Esla representadlo tera lugar qumla-fei-
ra, 14 do corrente, e aera composta de pis-
sagens dedifforonteg generoa: o* annun-
rios do dia farfio menco especial do dela-
Jhedeste espectculo. .
Keparlicao da polica.
illm. e Exm. Sr.Segundo as communi-
cacoes por mini hoje recebida, fdram hon-
tem presos: ordem do subdelegado d
freguezia de S.-Frei-I'edro-Concalves, o
Francez Oliveira Pedro Francisco, por assyn
o haver requisilado o respectivo cnsul ; e
Francisco das Chagas de Jezus, por correc-
c0o : a ordem do subdelegado da freguozia
de S.-Antonio, o l'ortuguez Francisco Bazi-
lio de Meiiilonc.a, por desobediencia : a do
subdelegado do piimeiro dislricto da fre-
guezia dos Afogados, Candido Benicio de
lana, por crime de Turto.
Heos guarde a V. Exc. Secretaria da
polieia de ivrnambuco, 6 de fevereiro de
1850.Illm. e Exm. Sr. Honorio Mermlo
Carneiro Leflo, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.--Jote Nicolao llc-
yucira Costa. Chele de polica interino.
Avisos diversos.
Pessoas hoje despachadas com passaporte por
esta repartilo.
ParaoMaranhflo, o prelo Lourenco, 88-
cravo de Jos Baplista da Fonceca Jnior.
Rara o Rio-firande do sul, o l'ortuguez
Domingos Filippe Ferreira Campos.
Secretaria da polica de Pernambuco, 6
de fevereiro de 1850.Antonio Jos de Frei-
tas, priraeiro amanuense.
Avisos martimos.
O patacho Fortuna no parle para a
Rabia como tinha annunciado, no dia 8 dn
corrente, por Ihe terein faltado com parte
da carga que eslava engajada, com a que
coniplntav o carregumenln, por consequen
fia recebe anda alguma carga a Trate : tra-
ta-ge com Firmino J. F. da liosa, ra da
Senzalla, n. 42, primeiro andar.
Par o porlo sahir breve o muito ve-
lero brigue portuguez Uaria-Feliz, capi-
13o l.oiircneo Fernandea do Carino, por ter
parlada carga prompta : quem no mesmo
quizer carregarou ir de passem, para o que
tem bonscommodos, traten) com o consig-
natario, Antonio Joaquim de Souza Itiliei-
ra, oh com o mencionado capillo na praca.
Para o Itio-de-Janeiro segu com bre-
vdade, por ter parle da carga prompta, o
brigue nacional Doui-Amigos: quem no
mesmoquiler carregar, Ir de passagem ou
embarcar eteravos, falle com o capililo,
Francisco Jos Prates, ou com Manuel Ig-
nacio de Oliveira, na prac. do Commercio,
n. 6, primeiro andar.
Para Lisboa pretende sabir com a maior
brevidade i o-sivil o brigue porfuguez Ao-
jo-Vencedor, por ler grande pule de seu
carregamenlo prompto : para o restante e
passageiros, para o que ouerere expelientes
commodos, trata -se com os consignatarios,
Thomaz de Aquino Fonseca & Filho; na
ra do Vigario, n. 19, primeiro andar, ou ao
capililo, na praca do Commercio.
Para o Aracaty saha imprelerivelmen-
te a 8 de fevereiro a sumaca nacional Car-
leta, meslre los& t.oiiQilves Simas: para o
resto da carga e passageiros Irata-se com
i iiiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz,
n. 33.
I'ara Marseille pretndese*
guir, ate o da la do corrente, a
muito veleira barca franceza ['ran-
ee : lecebe passageiros siente,
para o que tem excellentes com-
modos : a tratar com o capitao, ou
com os consignatarios, B. Lassrr-
re& Companhia, na ra da Sen-
zalla-Velha, n. i38.
-- Para Lisboa preten e sabir com brevi-
daile o brigue portuguez Conceieo-Ftor-
de-Lisba, podendo inda admittir algu-
ma carga da praca : tem commo los para
alguna passageiros : quem pretender carre-,
garou ir de passagom, pode entender-se"
com o capitao, JuSo llorges Pamplona J-
nior, ou com os consignatarios, Amorim
limaos, na ruada Cadeia, n. 39, primeiro
andar.
Para a Babia sahp, com ajnaior brevi-
dade possivel, o ltale S.-loto : quem no
mesmo quizer carregar, ou ir do passagem,
ilirija-se a Novaes & C. na ra do Trapiche,
n. 3*.
Para a Babia partir infallivelmente o
patacho Fortuna, sexta-feira, 8 do corrente,
por ter seu carregamenlo engajado : pode
sement receber alguma carga miuda ou
passageiros : os rrctendentes tralem com
Firmino Jos Flix da Hoza, na ra da Sen-
zalla, n. 42.
Richard Royle fai leiln.por interven-
efin do corretor Oliveira, de um grande
sorlimenlo de hiendas iuglezas, todas de
Ici : quinla-feira.T do corrente, ag lo horas
da manhfia, no seu nuazem, ra da C-
llela do Recite.
. Kaikuiann irmitoa farflo leilflo, porin-
tei veneno do corretor Oliveira, do grande
sorlimenlo de fazendag de seda, Ifla, linho,
e de algodilo, as ir.ais propriaa do merdado:
sexla-fi-ira, 8 do corrente, s 10 horas da
manhSa coi ponto, no seu armazem da ra
da Cruz.
N. O. Bieber & C. farlo leilffo, em pre-
genca do Sr. consol de llamburgo, por in-
lei ventilo do corretor Oliveira, e por COllta
e risco de quem pertencer, de 25 a 30 caixaa
de assucar inascavado,para do seu produelo
occorrer ans gastos com a giliota holandeza
Carl-Adolph ueste porlo, onde airibou, e
Toi Icgalmenlecoiidemnada na sua recente
viagcm procedente de Maroim com desli-
no ao canal luglez : sabbado, 9 do corrrn-
te, Aa i I horas da manhfla em ponto, no
trapiche do Angelo.
Na ra Direila, n. 61, se dir quem
compra urna casa terrea, sen lo em boa ra,
e estando em bom estado.
Piecisa-se de um Torneiroede um ama-
cdor,que sjam peritos na sua profissilo: na
padaria da ra do Rozario, n. 13.
A pessoa que precisar de um rapaz
brasileiro, que sabe bem ler, escrever e
contar, e com muila actividade para cai-
xeirodeloja, dirija-ae ra do Rangel, n.
75. Na mesma casa precisa-se dealugar um
preto.
Ao sitio de Jos Francisco Rilieirode
Souza, em Santo-Amaro d'Agoa-Fria, Toi
ter um preto de nome Fortnalo, que diz
pertencer ao Sr. Jos de Azevedo Pinto, se-
nhor do engenho Cajueiro-d'Antes, afim de
o comprar : roga-se. pois, ao dito senhor
venha ou mande ver dito escravo, corto de
queoabaixoassignadose nSoresponsabeli-
sa pela fuga ou oulro qualquer incidente.
Jos Francisco Kibeiro de Sonsa.
Quem annunciou querer comprar urna
escrava perita engommadeira, que entenda
de cozinha, e do mais arranjo de urna casa,
dirija-se -ra Augusta, n. 1, primoiro an-
dar, onde encontrar urna com todas es-
tas qualidades exigidas.
Manuel Antonio de S.-Tiago Lessa re-
melle o seu escravo crioulo, de uome
Eduardo, de 30 annos, a seu mano, Joaquim
Antonio deS.^Tiago Lessa, que se acha no
engenho Une <, freguezia de Una desta pro-
vincia.
-- No dia 8 do corrente, pelas 4 horas da
tarde, na ra das Flores, se ha de arrema-
tar um escravo de meia idade, na praca do
juizodocivel da primeira vara, por exe-
i'ucio de ii. r.atharina Francisca do Espi-
rilo-Sanlo contra Joaquim de Albuquerquc
Fernandos dama, escrivilo Cunha.
--Lino Pinto Leal relira-sa para Portu-
gal a tratar de seos negocios.
Manual de Alenla Lopes declara a
Ilion convier, que est prucedendo o in-
ventarlo do seu casal, por morte de sua li-
na Ja esposa, D. Viceucia Mana de Jess Lo-
pes ; e posto que certo de nada dever rela-
tivamente ao mesmo casal, todava roga a
qualquer pessoa que se julguesua credura,
de apresentar sua cinta para ser attend'da
no mesmb inventario, al o dia 8 do cr-
rante fevereiro.
Precisa-se de urna ama pa-
ra casa de pouca familia: na ra
do Itangel, n 52.
Quam precisar de um caixeiro para co-
branzas, ou outra qualquer arrumarlo, di-
rija-se ra de S.-Francisco, n. 33.
Iiau-se cinco conlos de ris a premio
sobre boas urinas, penliores do orno, prata,
ou hypottieca em bens de raiz : na ra es
treita do Itozario, n. 30, segundo andar, se
dii quem d.
I'recisa-se de um rapaz, ou menino de
intelligencia a quem se encarregue diaria-
mente de servir de andar com papis, para
ajudira outra pessoa da mesma occupac.ilo,
pagando-se mensalinente : na ra eslreita
do Rozario, n. 30, segundo andar, se dir
quem precisa.
O secretario da irmandade de N. S. da
Conceico dos militares, pela terecira e ul-
tima vez, avisa aos irmSos da mesma, parf
que no da 7 do corrente, s 4 horas da
tarde, comparecam no consistorio da dita
irmandade, afim de so proceder a eleicSo
do presidente que devo servir no corrronte
auno.
A abaixo assignada faz sciente a quem
tiver feilo hypolhecjsao Tallecido Francis-
co Joaquim Anlero, que nflo pague as mes-
roas, por haver queslio em juizo a respeito
desta heranca, sb pena do pagar duas ve-
zes. Joaquina Maa do Espirito-Santo.
Precisase do urna ama de leite, Torra,
ou captiva : na Boa-Vista, travessa do Ve-
ras, n. 7.
Precisa-se de um amas-ador: na ra
larga do Rozario, n. 48, padaria.
Aluga-seo terceiro and ir do sobrado
n. 18 da ra do Vigario, ptimo para morar
familia, por ser muito fresco, por preco
commodo: a tratar no primeiro andar do
mesmo sobrado, ou ni praca da Indepen-
dencia, livraria ns 6 e 8.
Sabbado, 9 do correnle, porta do Sr.
Or. juiz do civel da segunda vara, so ha de
arrematar urna canoa velha, avahada em
30,000 rs penhora la por execu(3o de Do-
mingos Dias dus Santos contra o preto Ju-
lio Alves da Cruz.
--Precisa-secopiar varias msicas com
asseio e promptidilo : quem quizer incum-
bir-sedesso trado, dirija-se a ra larga
do Rozario, segundo andar por cima da lo-
jadelouca.
Clara Nobris retira se para a Babia.
Aluga-se, ou vende-so una canoa que
carrega para mais de 1,200 lijlos : a tratar
na ra de S.-Francisco, casa apalacada.
--Precisa-se de duas pretia, que sejam
fiis e capazes para venderem na ra, pa-
gando-se o que se ajustar: no pateo do
Carmo, venda n. 1.
o c
0 Alugam-se* venderx-se as verda- Q
Q deiras bixas de llamburgo : na praca q
q da Independencia, n. lo, ao voltar q
n para a ra das Cruzes. q
O O
)OOOOOGQQ>OGO QG600
-- Precisa-se alugar urna sala que tenha
umquartopara morar um homem solteiro:
quem tiver annuncie.
Mara Theodora Vianna do Carvalho
participa ao respoitavel publico que abri
a sua aula no dia 4 do corrento.
-- Deseja-se saber quem he nesta praca
procurador do Sr. Joo dos Santos Nuiles
do Oliveira, para se Ihe Tallar.
Precisa-sede urna ama de leite, que
nilo lenha cria: na ra do Queimado, n.
32, segundo andar.
-- No dia 9 do corrente, s 4 horas da tar-
de, porla do Sr Dr. juiz do civel da se-
gunda vara, so hao do arrematar dous es-
cravos, penhora Jos a Jos Burle & C., por
sor a ultima praca, por exccucSo do Na-
IheusAustin & Companhia, escrivSo Bap-
lista.
O proTessor publico de grammatica la-
tina do bairro do ReciTe declara que tem a
sua aula aberla desde 4 do crranle mez.
U:ii homein que se quoira incumbir de
desleitar vaccas, e Irazor o leite para a
praca, procure, para fazer-se o ajuste, ou
na Torre, fallar com Augusto Xavier de Sou-
za Fonseca, ou no sobrado dos exposlos, na
ra da Roda, com Jos Bernardino.
Desappareceu, da ra da Auror, n.
24, dous carneiros brancos com a frente
prela, muito mansos o castrados : quem os
achou queira mandar entregar na mesma
casa, que ser gratificado.
I). \V. Raynon, cirurgiao dentis-
ta, na ra do Trapiche-Novo, n.
14, respeitosamente informa ao
publico que, pelos seus muilos afazeres, se-
r obrigado a demorar-se mais algum lem-
po nesta cidade, antes de sua relira Ja para
os Estados-Unidos, e offerece seu preslimo
para toda qualidade de opemr,es denlaes,
para ponientes novos, tanto singelos como
dentaduras iuleiras, chumbar denles com
(Miro e piala, confu me as Ultimas deSCO-
berlas nesta tera.
Os abaixo assignadoi fazem scienle ao
publico que compraram ao Sr. Joaquim da
Silva Pinto a sua ven la sita na ra da Cruz,
n. 36, Meando os abaixo assigna los desone-
rados das dividas que a mesma venda te
nha conlrahido at hoje. ReciTe, % de feve-
reiro de 1850. Joto Jos Rodrigues tien-
de. Antonio topes fraija.
Em o dia 9 do corrente mez irflo impre-
terivelmente praQa, para seren arrema-
lados peanle n Dr. juiz do civel da primei-
ra vara, varios movis novos, por exeriiQo
de C. Carnicr contra os hordeiro* do falle-
cido JoltO Baptista ll-rlistor : as pessois
que quizerem tancar nos referidos bens,
dignem-se comparecer pelas quatro horas
da larde no Alerro-da-Boa-Vista, n.'27, O'i
de ser efTeiluada a prac, visto assim ter
prometlido o juiz de execuen.), a requeri-
mentodos oxeculados.
-- Precisa-se de um caixeiro para venda,
que tenha pratica da mesma e que de fiador
a sua conduela : na ra do Livramento, nu-
mero 32.
Umbelina JKanderley Pcixoto, l-s.-n sua
aula no segundo andar do sobrado nacs-
i|nina do Ouvidor, defronte do Hotel Com-
mercio, recebe pensionistas, meias pensio-
nistas e externas: prometa lo la a activi-
dade afim de desempenhar liem a impor-
tante txrefa que incu iibe-se. Ensina a ler,
escrever, contr, arittwnelica, grammatica
nacional, bordar o marcar de Iotas as qua-
lidades.
Precisa-se alugar urna casa commo la
para grande familia, em boa ra do bairro
de S.-Antonio, ou da Boa-Vista : quem li-
ver, dirijn-se ruada Cadeia do ReciTe, n.
20, primeiro andar.
Roga-soaoSr. Padre Silvestre, que mo-
rou na ra da Paz, baja de ao menos entre-
gar ns chaves de dita casa em que morou,
e a quinze dias se mudou, pois que he sufli-
cienteo aluguel de mais de um auno que
sua reverendissima deisou de pagar, com
os seus venha logo.
- A pessoa que annuciou querer com-
prar urna prcta moca, sem vicios nem acha-
ques, e que sai ha cozinliar eengommar,
querendo urna que issosabe, dirija-se a ra
da Trompe, n. 48.
Na ra Direila, padaria n. 26, d-se
pilo de vendagem a pretas sobre a respon-
sabilidade de seus seriliores.
Preeisa-se alugar um preto padeiro :
na ra Direila, padaria n, 26.
-Prccisa-scalugar um ou dous prelos
para carregarcm fazendas pelas ras : na
ra do Queimado, luja do miudezas, n. 25.
O abaixo assignado faz publico que
traspassou sua venda, sita na ra da f"ruz.
n. 36, aos Srs. Jofio Jos Rodrigues Meudes
e Amonio Lopes Braga, Picando os meamos
Srs. desonerados das dividasque a mesma
deve a praca, e o abaixo assignado respou-
savel pela liquidacSo das niesmas ; e para
clareza faz o presente annuocio. Recite, 6
de fevoieiro de 1850.
Joaquim da Silva Pinto.
Precisa-se comprar urna escrava que
seja perita engomo>adeirg, entenda de co-
zinha e do mais arranjo de urna casa, pre-
Terindo-se com cria de 6 a 8 mozes : na ra
larga do Rozario, n. 139, taberna da esqui-
na, ou no primeiro andar por cima da dita
taberna.
D-se dinheiro a premio sobre penho-
res de ouro ou prata, em pequeas quan-
ias: na ra das Trincheiras, n. 18, sobra-
do de um andar.
Precisa-se de urna pessoa para iraba-
ihar em um sitio : na ra Nova, n. 46.
BOWMAN & MC. CALI.UM, engenhei-
ros machinislase Tundidores de Torro, mu-
respeitosamente annunciam aos Senhores
proprielanos deengenhos, Tazendeiros, mi-
neiros, negociantes, Tahricantes e ao res-
peitavel publico, quo o seu estabelecimento
de Trro movido por machina do vapor con-
tina em cffect i vn exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparVIhos da pri-
meira qualidade para a perTeita conToccSo
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arle, Bowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar a
atlenciio publica para a sseguinles, por
terem dolas grande sorlimenlo j prompta,
as quaes construidas na sua Tabrica pdem
competir com as Tabricada.s em paiz es
trangeiro, lano em preQo como em qua-
lidade da materias primas e mio d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melliorconstruccHo.
Moendas Je canna para engenhos de to-
dos os tamaitos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento e serra-
ras.
Manejos independeates para cavallos.
Rodas dentadas.
Agulhfies, bronzesechumaceiras.
CavilbOes e para Tusos de todos OS I a ma-
nilos
Taixas, pares, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a mfio ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogo e frnos de farinha.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
brome.
Bombas para cacimba e de repuebo, mo-
vidas a mo, por animaes oo vento.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicaa.e de parahuso.
Ferragenapara navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portos.
Prensas de copiar cartas e sellar.
Camas, carros do mflo e arados de ferros,
etc., ele.
Alm da superioridade das suas obras, j
geralmente reconhecida, Bowman & Me.
Callum garantem a mais exacta conTormi-
dade com os moldes e dezenhos remeltidos
pelos senhores que se dignarem de Tazer-
Ihesencommendas, aproveitandoa occasiilo
para agradeccrem aos seus numerosos ami-
gos e Treguezes a preTerencia com que teem
sido por riles honrados, e assoguram-lhcs
que uo pouparSo e-fon;os o diligencias
para continuaren! a merecer a sua confi-
anza.
O Sr, Theodoro Tavares Jnior queira
ler a hunda.le de ir a luja de fazendas da
ra do Passeio, n 21, pagar a quantia de
39.681, saldo de sua lettra ; do contrario,
lera de ver o seu nome nesta tulla al que
pague esta quantia.
O Sr. Jo3o Comes Pessoa ha ja de ira
loja de fazendas da ra do Passeio, n. 21,
para se Ihe entregar urna encominenda.
Precisa-se de dons^anoeirns forros ou
captivos, mas que sejam diligentes em suas
obrigaces, para andareni em canoas de
lijlo, do Remedio para o llecife : na ra
larga do Rozario, pilen, D. 18.
Lino Jos de Castro Araujo embarca
para fra da provincia o pardo .Mximo, por
ordem de seu senhor, Antonio Carlos Pe
reir de Rurgos Ponse de Len.
Arreuda-sc um excellento sitio na es-
trada que vai para o Lupia, com casi no
correr da estrada: a tratar no niesmo sitio,
n. III, por preco commodo.
Roga-se ao Sr. Dr A. J. de S O., mo-
rador na cidade de 01 Inda que lenha a bnn-
dade de ir a loja de fazendas da roa do Pas-
seio, n. 21, pagar a quantia de 137,121 rs ,
saldo da lettra que V. S. nilo ignora, islq
no prazo de 3 dias; do contrallo, se far
publico seu nomo por extenso, at que pa-
gue.
Precisa-se de nfficiaes de sapateiro, as-
sim como tamhem se admittem aprendizes
forros ou capitivos : na travessa da ra do
Vigario loja nova.
Alfonso Jos de Oliveira, profesor ju-
bilado na cadeira de geographia e historia
do lyceu desta cidade, tem alierto sua aula
particular do primeiras Icllras e grammati-
ca latina : as pessoas quede seu prestimo
se quizerem ulilisar, pde.n procnra-lo na
ra Direila, n. 120, segundo andar.
A mullier par.la que se offereceu para
ama da casa do eslrangeiro da roa do Tra-
piche, n t, queira voltar mesma casa pa-
ra SC a juslar.
Na na da Cadeia-Volha do Recite, n.
51, segundo andar, ensina-se latim, nieto-
rica c pelos.i| lea, com todo desvelo e per-
feifjSo, por pessoa dealgum inerecimento,
que so offe'ece a quem queira.
Hurlan ya.
Joo Vigncs, fabricante de pianos, parti-
cipa aos seus freguezes, que mudou asna
residencia da rua do Queirriado para a do
Rozario larga,primeiro andar da casa n. 28,
onde morou o Sr. Dr. Nutlo, aonde aclia-
rilo sempro pianos de superiores qualida-
des, cardas, e todos osaviamentos neees-
Sarios, o as msicas mais modernas para os
mesmos.
Na rua das Cruzes, n. 40, liberna de
Domingos da Silva Campos, ha superiores
bixas de llamburgo, que se ven lem o Um
bem se alugam, tanto em porQ.lo como a
rctalho, i or |>reco commo lo.
Alugam-se escravas quitandeiras: na
rua do Collegio, n. 13, das 10 horas da ma-
DbflaisS ltanle.
Precisa se alugar urna prcta que saiba
lavar, engommar e coser, para urna casa
ostrangeira : na rua do Torres, n. 34, das
II horas al s 3 da tarde. Na mosma casa
tambem se precisa alugar um prelo .que
entenda do servico interno, e saiba tratar
de cavallos.
Urna parda moca e robusta se offere-
ce para lodo o servico interno de qualquer!
casa .quema pretender diiija-se rua da]
Scnzalla-Nova, n. 18. loja.
Carlos Claudio Tiesse, fabricante
de igaos erealejos, na rua das!
Flores, n. 19
Avisa o rcspeitavel publico que concerta
orgSos e realejos, pOu marchas modernas
(leste paiz, concert planos, saraflna, cai-
xas de msica, acordons e qualquer instru-
mento que appareca ; tambem Tai obras no-
vas e afina pianos em casas particulares. Na
mesma casa se fazem caixas para guardar
joias. por preco commodo.
~ J)io-s 400 ou 500,000 rs. a premio com
hypntheca e,n alguma c-i-a lerrea sita nes-
ta cidade : na rua do Sebo, n. 8, a qualquer
hora do dia.
#"HPSH
Vendas.
Lotera do Bio-dc
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na praca da Independencia, n. 4, ven-
dem-se bilhetes, meios equartos da segun-
da lotera daCloria.
Para senhoras.
Vendem-se manteletas prelas de gorgu-
rflo, pelo diminuto preco de 18,000 rs. ca-
da um : na rua do Queimado, n. 17, loja
dosbarateiros.
BATATAS.
No armazem de Francisco Dias
Ferreira vendem-se superiores
btalas a Goo rs. a arroba.
~ Na botica da rua eslreita do Rozario,
n. 10, e no armazem de drogas e lilas (Ir
rua da Cruz, no Recife, defrontc da loja do
Sr. padre Ignacio, vendem-se garrafas de
muilo bom oleo de ricino ou mamona, a
800 rs. e mais pequeas, a 500 rs.
Xarope do bosque.
GRANDE CtlilA.
Nao podendo de onlra maneira f.ixer mais pu-
blica a minha graUdto pelo buin resollado (pie
nbiivr de 1 ni puii u tempo e debaixo ncnipre
de una in esl iciio, como a que lem ido mea
ultinios mc/rs, lempo cni que principie! a CU
rar-inc de nina enfermldada basUnM grave
pie ja a mais de nove llieiei a soll'ria
Uina iniperlinciilc lossc nue fci-ine pasgai
bastantes nuiles sem ipiasi poder reconciliar o
uiiiiui ; nao otislanlo ua semprc egtegac em
ino de remedios DUIMa pude vci-me livre de
lao ifBloilva molestia, a loniimiacan da tosse
acarreiou-me onira moleatla, que juntas cau-
gavailt'iue tanlussoIlViinentos, a tal puulo que
julguel umitas vees D (alai termo de minha
exislcncia, que era na occasiau da IOIM vl-
reiii-ine voiuilos de sangne ; vendo-nie nesga
Irlslc liluaclo pouco espera ticosa, ouvi fallar,
e fui acouselliadu (jne lomasse o Xxrope do tios-
que que se vende na rila do Hospicio, n. lO,
nao live logo muito desejo de o tomar, qnir.
primeiro onvir o consrllio de algnm professor,
dirigl-me a mu bem acreditado nesta corle,
expii-llie o estado de minha molestia, ouvio-
uie, e clisse-iue (|ue o men mal neeessilava ser
curado com bastante cuidado, porque era mo-
lestia que de cm pouco lempo sr tornara mul-
to mais grave, pcrgiiulci-llic o (pie ili/.ia do xa-
rope do bosque se seria bom, respomlcu-me
que fi'essc usodcllc, pois quejulgava o muilo
conveniente para minha cura ; dirlgl-ine ini-
ui( dialamenle sobredila casa da roa do Hos-
picio, n. 40, cniipri'i una garrafa da dito xa-
rope, agllill que ( hi'^m 1 a minha casa lonu'i
urna d(ize deste aempre precioso remedio, por
mesmo na casado professor terdeil.ido em sua
presenca una porcao de sangne, c miiilas vc-
zes live esles ataques as ras e cm casas de
alguns dos meiis amigos que. se .-idmiravam
conio eu ainda podia viver com sciudliantc
niolestia ; conlinufi a tomar com a graca de
Dos, e o bom clleito que prodtnio o xarope
do bosque, em menos de oilo dias ja nao dei-
tava mais sanguc pela bocea, a tosse j era
muilo menos, j poda dormir solli ivfluirnti ,
couliiiiiei semprc a usar do xarope, nao preci-
se! mais do que duas garrafas dcslc precioso
remedio pira ver-mc peifeitiinente bom srin
o menor incommndo, e rcslabrlccido ao incu
anligo eslado de sade do que poncas esperan*
cis lintel da rcciiperarao didla, o que agora
posso di.er sem lisonja, (pie o xarope do bos-
que he um insigne remedid contra as moles-
tias do neilo nl, ..... ... 1. ^ ii.. i.i. .1. II.. i'.i.T.
lo peito, pois que antes do uso d( lie com
ncuhtim dos que i......i aclie o menor allivio,
porm com o xarope do bosque aclici o que
julgava perdido, que era minha laude.
Ksta ininlia dcclaracau toi feila de minha
muito livre vontade. c oll'erccida aos Srs. nos-
suidores do xarope do hos(|iie,paia ser publica-
da da tnaueira que lhes convier.para que lodas
as pessoas (pie liverein a infelidadc de soQ'te-
rem o que eu soll'ri, taberem aonde lio de
adiar o allivio de seus males assim como eu
Compras.
Compra-so calcado feilo na Ierra, para
homem, saohora e meninos, de todas as
qualidades : defronle do nixo do Corpo-
Santo, na loja nova sita na esquina da tra-
vessa que vai para a rua do yigario. No
mesma loja se venda a retalho sulla, mar-
roquins, hezerro, couro de lustro, couros
de cabra em brinco o tinlos.e todos os mais
P i'; aros para o ullicii) (le sapateiro.
--Compra-se urna canoa d carrera, de
um s pao, usada, mas cm bom estado, e
que seja maneira, de modo que quatro ho-
mensa po-sim transportar para qualquer
parle : quem tiver annuncie por esta folha.
- Compra-se Chernoves, livro de medi-
cina : mi rua Direila, n. 14.
Compra-se duzia e meia tlu cadeiras
de nssenlo de palhiuha, de qualquer qua-
lidade do madeira, com tanto que estejam
em bom uso ; e um loucador em meio uso :
quem liver annuncie.
Compra-se, para urna encommenda,
escravos de ambos os sexos, de 10 a 40 an-
uos : na rua do Rangel, n. 57, sobrado.
Compra-se um sellen mglez usado,
com atsenlo grande, bordado: na rua da
ladeia do Recife, loja n. 50, de Cunha &
Amorim.
Compra-so urna soleira de pedra de
Lisboa, de 7 e meio a 8 palmos de compri-
lo ; 3 ou 4 pedacos de hombreias tamhem
de pedra de obras antigs, e que tenliam de
5 a 7 palmos do altura ; urna pul t 1 de i na
Teita de amarcllo, costadinho, ou assoalho
reTorcado : quem liver ludo ou parte, diri-
ja-se rua Nova, loja Tranceza, do Sr. Ro-
berto.
achei.
Rlo-de-laneiro, 5.ridentiiubro de 184S. Rua
de Matia-Cavallos, n. 101. /. J- Poittta.
Vende-sc na rua dos Quarlcis, n. 12.
Cbaruosde Ha va na
ve ni a de i ros :
vendem-se em casa de Kalkmana IrmSos-,
na rua da Cruz. n. 10.
Vendem-se bustos de gesso represen-
tando fielmente a rainha Victoria e o prin-
cipe Alberto ; relngiosde ouro e de prata,
chegados ltimamente da Suissa : estes re-
logios que sao mili bem ae ha.'us.se |ur-
nam muito recomnieodaveis a qualquer
particular, e adverte-se que ha enlreclles
alguns que andam 8 dias sem precisirem
de corda : na rua da Cruz, no Recife, n. 55.
PHARMACIA FRANCESA.
Xarope peitoral adorante da qomma detangico,
preparada por Luis BotUhtult & C. boti-
cario chimico da escolla especial di Pttrit.
A gomma de angicu he contienda e em-
pregada ha milito tempo pelos habitantes do
interior do Rrasil, como um escolenlo re-
medio para as molestias de peilo ; mas em
um estado tal d'impurrsa, conlendo cornos
eslranhns, que muitas vezes impedindu
seus cffeilos, tornavam suspeias suas pro-
pnelaios, e obligavam o donnte alomar
urna porrjilo de materias estranhas, no obs-
tante que inertes, mais quu no entauto dif-
ficultava o seu uso.
Hoje, emlim, esla gomma he por nos le-
vada ao mais alto grao de puresa, e assim
com ella preparamos o nosso surope tilo a-
gradavel e fcil de tomar como prompto o
eficaz nos seus resultados. Os mdicos des*
la cidade e mil ros muilos que teem obser-
vado seus effeitos, provam sua superiorida-
deabsoluta para a cura das inflammaroes do
peilo, toces, drfluxos, catarros, escurrosde
sangue, etc. ; e applicam aos seus doentes
como o int'llior especilico al boje cor.heci-
do. Chegou do MaranliQo, aonde he fabri-
cado, urna quanlidade desta xarope ja bem
contiendo nesta cidado por muitas pessoas
que delle tem usado: constantemente se
vende no mesmo lugar j annunciado, na
venda du rua da Cadeia do Recife, n. 25, de-
fronte do Recco-Largo, a 1#0U0 cada garra-
linha, acompanlrando nm ruceiluario do seu
autor.
Vendc-se um grande sitio no lugar do
Manguind, que lica defronle dos sitios dos
Srs. Carnoiios, com grande casa de viven-
da, de quatro aguas, grande soiizulls, co-
cheirn, estribara, baixa de capiro quo sus-
tenta 3 a 4 cavallos, grande cacimba com
liomlia e tanque coberlo para banho, bas-
tantes arvoredos d fruclo na rua da Con-
cordia, primeiro sobrado novo de um andar


-- Arroz a .10 rs a libra e 1,400 rs. a
arroba, sendo em sacca ainda por menos ;
espirito de 37 graos a 1,000 rs. a caada:
no paleo do Hospital do Paraizo, vend a
n. 20.
Vela de cera.
Vendem-sc caixas rom cera em velas, fa-
bricadas no llio-dfl-Janeiro, sorldss ao
gosto do comprador e por prego mais com-
modo do que em ontra qualquer parto : a
tratar com Machado &Pinheiro, na rua do
Vigario, n. 19.
Vende-se um cavallo rugo, com todos
os andares, bastante gorto e sem achaques :
na rua do Queimado, n. 39, casa do Gus-
mSo.
Ni fabrica de caldeireiro da rua No-
va, n. 24, recebeu-se um completo sorti-
niento de vidros para vi dragas, que so ven-
de por prego commodo.
Vende-se um escravo pega, de 20 an-
nos : na rua do Crespo, leja da es uiuu que
volta para a cadeia.
Potassa nacional.
Vende-se potassa nova da fabrica nacional
do Itio-tlc-Janeiio ao baratissimo prego de
1S0 rs. a libra. Os senhores de engenho de-
vem todos mandar comprar desta potassa
alim de animar a fabrica que com tantos
sacrificios se estabeleceu e foi a causa de
bailar a este prego : na praga do Commer-
cio, n. 6, primeiro andar, escriplorio do
Manoel Ignacio dcOliveira.
w
Casses e eambraias.
Vendoni-se eambraias de cores, de j
mais de vara de largura, a 240 e 300 S
is. o eovaiiu ; ctssas de coi es, a 2no, <:
> 240 o 320 rs. o covado; longos de seda, 2
, > a I.OOOrs.; ditos grandes, proprios ;
jf para hombros de senhora, a 1,280 ;
i* ditos com franja, a 1,000 e 1,280 is ;
* meias para meninas, a 130 is opai;
iy* e outras militas fazendas por niela-
v de de seu custo: na rua do Crespo,
i> n.9, loj..
y
i>
Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato prego de 2,000, 2,500, 3,000.
3.500 e 4,000 rs.; cambraia do seda, a 3^
rs. : rocas para meninas, a 160 rs.; 18a
com listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
7inha propria para roupade meninos e ves-
tidos de senbora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra caigas, a 500 e 600 rs.; lengos de algo-
dfio e seda com franja, a 600 rs. ; cortes de
collete de velludo, a 1,600 e 2,500 rs. ; cas-
sa-chita, a 400 rs. a vara ; garga de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado, e outras mula9 fazendas por
barato prego : na rua do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de Oliveira Maya Jnior.
Deposito de Potassa.
Vndese mnito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinhot.
pequeos de qtiatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: nc tlecife,
rua da Cadeia, armazemn. 1%
Anligo deposito de cal
virjgem.
Na ru do Trapiche, n. 17, ha
milito superior cai virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Farinha tic mandioca.
Na luado Queimado, n. 14, loja de fer-
ragens, ainda lia algUIMI saccas da liua
fariiiha de mandioca, muito alva e bem tor-
rada ; bem como una porgiio de peunas de
caa, proprias para estaadores.
Vcndc-se vinho do Porto muito supe-
rior, em barris de quarlo e quinto ; faiinha
*
<:
*
<=:
<
C
*
<:
Ao barato
Panno da Cosa, com 8 palmos de largu-
ra, a 320 rs. o covado, | roprio par pannos
de prelas, cobi rtase qualquer obra de es-
cravos : na rua da Cdeia do Rccife, n.20,
loja.
Vendem-sc i!\ acces da
rompaiibia de BcberiLe : na rua
Jo Ltangel, n. 04, se dir quem
i'ende.
Chegaram novamenle ruada Sen-
zalla-Nova, n. 42, iclogios de ouio e prata
patente inglez, para honicm e senhora.
JVende-se um moleque de 9 anuos,
muifl) bonito ; t par,nal o de 11 anuos, de
bonita figuia : anibos para liquidsefio : na
rua larga do Itozario, 11. 40, primerio an-
dar.
No rogenho Paralibe, distante desta
P'aga 3 legua?, vnnlem-se 30 quartos c
bostas maus'Sde roda, 3 vaccas muito l'oas
de lelte, 14 bois mansos de cano : tudo em
bom estado.
--Vendem-sc 16 escravos, sendo : um
pardo de legante ligura ; una | n la de i4
anuos ; urna oia com urna cria de oilo ine-
zes ; 2 moloques de bonitas (guras; urna
escruva com 3 ciias ; 2 pelas para o ser-
vido decampo; um mulatinho de 17 an-
uos, prop o para pagem ; 2 prt-los de 11a-
gflO, pioprios para armazeni de assucar :
110 palio da matriz de S -Antonio, se dir
quem vende.
Vedem-sc7 lindos molequesde 12 a 18
anuos ; 9 prrtos de 20 a 30 anuos, sendo
um delles ptimo sapaleiio ; 2 pa'dos de 16
a 20 anuos, sendo UDl delles bom COZinhei-
ro ; 3 pardas di-14 a 20 anuos, com hulida-
de; 6 pretas com habilidades, e quo sao
proprias para lodo o tervico: na rua du
Col lee io, 11. 3.
\cndcm-se saccas com muito boa fa-
milia de mandioca, a 9,500 rs. rada sacia :'
na rua da Cad"ia do Ittcil'e, aoi do aico
da ConceigAoe junio a botica do Sr. Anto-
nio Pedro das Meves.
A 200 rs.
Vendem-se riscados del nbo a 200 rs. o
covado cuitesde casta-CluUS linas, a 2/;
pegas de Irelanha de algodSo com 25 va-
ras a 8,900 rs. ; chitas escuras, a 120 rs ;
Citas linas, a 160 rs. o COVado; o outras
muitaa fazendas por prego commodo: na
rua du Crespo, 11.16.
Potassa da Itussia.
Vende-se superior polassa da llussia, da
- Vendem-se pcg9 de madapolo com 20
varas, e com algum loquede arvaria,'a 2,560
e 2,600 rs. e liir.pos a 3,800rs.; pegas do nl-
godSozinho muito encorpado com 20 jar-
das, a 2 240 rs.; pegas de chita com algum
loque de avaria de chuva, a 4,200 rs. ; um
.uolequc bom cozinheiro : atrs do thea-
tro velho, n. 20, primeiro andar.
Novo sor limen to de fa*
/nulas baratas, na rua
do Crespo, n. 0, ao p
do lampea>.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores fizas e com 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado ; eassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; rlscadinho de lis-
Iras de linho, a 240 rs. o covado ,-brim de
algodSo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarla; cassa preta com
ramagem branck para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarte de cores, com palmos de
largura, a 200 rs. o covado; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cores fizas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de larlatana, a 500
800 rs,; cobertores de algodflo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
A bordo da brigue S.-Joi, chegado
prximamente, vende-se farinha de man-
dioca de superior qualidade, e por menos
prego do queem outra qualquer parte: os
pretendentes dirijam-sc a bordo do dito
brigue, Tundeado defronle do arsenal de
gueira, ou ao ltecife, rua da Cruz, n. 66.
-Na rua do Crespo, n. 15, loja de Joa-
qun! deOliveira Maya Jnior, ha, alcm das
de trigo de tudas as qualidadcs e em roelas] lazendas j annunciadas, e de outras mui-
bairicas; retroz do Porto, prluieira quali-tas por barato prego, umsorlimento de lin>
dade : panno e niciasde linho ; arcos para dos chapos de sol, de panninho cslampa-
bairicas ; farinha de mandioca em saccas do, muito proprios para os meninos e me-
grandes o a gamela bordo da sumaca 1>.- ninas que ndam na escola, e nCSfllO para
S.-do-Cormo t ludo por prego commodo: as seuliorasque anda estilo no campo, pe-
na rua do Vigario, n. II, primeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cunts.
Farinha de trigo.
Vende-se superior farinha de trigo fran-
ceza de Provnca, chegada ltimamente de
Maiselba : em cas' de J. J. Tasso Jnior, na
rua do Amuritn, n. 35.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, em S. -Amaro,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
Cal virgem.
Cimba & Amorim, na la a Cadeia, n.
50. rnnlinuam a vender barris com cal de
.islida, da mais nova que ha no mercado,
por laso n ais barato do que em outra qual-
quer paite.
Vendem-se amarras ue rro: na rua
Ja Seii7.-i||a-Nova, n. 42.
Vende-se um escravo da Cosa, mogo,
bom trabalhador, muito diligente,elpor isso
proprio para o scrvigo de urna casa e ga-
nliarna rua : na rus Dircita, n. 69, padaria
deAiituiiio Alves de Miranda Cuimai.les.
O
0 Na leja do sobrado amarello, nos j
qiiatro-Ci.iitus da rua doQui imado,
n. 29, vende-se um grande forli-
nieiito de novas cassa-chllas de c<"i-
ies lixus c bous padrOOS, p< lo diini-
iilo | reg de 400 rs. a vra : fazcli-
V..'
M
VV
o
f "),.....,>.....- ...._.....,..
V da i|ue se lem vendido a 800 rs., e y
O que se vende por iflo baixo prego, Q'
Q por te ler grande poi'gfio. O
Chocolate de snude.
De toiliis as substancias alimentares, que
sendo emseu principio consideadas como
cousas de luzo, loruam-se pelo temp
ante de un uso geral, o chorol.ile pi
o piegode 2,000ts.
Rap Paulo-Cordciro, a
1,1280 rs. cada libra :
vende-se na loja de Antonio Joa-
quim Vidal, na rua da Cadeia do
Becife.
Vende-se superior farinba
de milboem porcoes e a retalbo,
tendo de todas as qualidades a
vonlade do comprador, e por pre-
co mais commodo do que em ou-
tra qualquer parte: na rua do
iiiiii, n. i$.
A *1$\00 o corte.
Vendom-sc corles de cassa-chita, fina, de
bonitos padrOes e com 6 varas e meia, pelu
diminuto prego de 2,000 rs. o corte : na
rua do Crespo, n. 6, loja ao i do lampeflo.
Farinha Fontana.
Vende-se a mais superior fari-
nha fonlana que lem viudo a e>le
meicado, clugada ullimnmenle :
a (rolar tom Manoel da Silva San-
ios, no arnoazem do Aunes, no
caes da Alfundega.
o o
m Na loja do sobrado amarello nos
ja quatro-caiilosda rua do Queimado,
0 n. 2.9, vemlc-se, por pregos rasoa- 0
,..,, veis, sarja de seda preta, a verda- q
~J deira hespanhola, l.avcndo varias q
,, qualidadcs para se escoiher; selim ~
ioadi- i reto de Maco, muito encorpado, ^-j
le seni' "> lll!i,r"s" e se,n nomina, proprio para S
Moendas superiores.
Na fundigSo de C. Starr & Compendia ,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canoa, todas de ferro, de um modelo e
conslrucgflo muilo superior.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos nallahia
Vende-se em casa de N. O. Uieber & C.
aa rua da Cruz, n. 4, algodSo trangado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Sa utos.
Na rua da Cadeia, n. i$!,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Fazendas modernas.
BSW^^"?J8P***L'i|iiM|111 na.. y^
Jannos; 4 moleques de 10 a 18 annos, para
' lodo o servigo ; 2 escravos ca reros; 4 ne-
grinhas do 1"> a 20 anuos; urna parda de
muito bou conducta, por isao oplima para
lodo o servigo de urna casa de familia >. na
rua Dimita, n. 3.
--Vendem-se duas prelas erioulas.'sern
vicios ncm achaques, urna de 14 annos, e a
outra de 25 i na rua.do Queimado, n. 2, so
dir quem vende.
Vendem-se 2 correntes para seDhora
uma dita para relogio, dous relogios do'
ouro, sendo um patento inglez, 1 Irance-
lim, medalhas, co'rdOes, tnnelOes, cruzes,
1 corago, e outras obras de ouro, 6 colhc-
res do prata para che, e -um coco para as-
sucar, um piano proprio para aprender : na
rua eslreita do Itozario, n. 28, segundo an-
dar. Na mesma casa se dir quem da di-
nheiro a premio.
r- venuem-se os seguintca livros : lc-
ti*naiy english por Necyra; Digesloporlu-
guez; Dietionary de pronouncing por
Walker; Msgnum Lexicn ; ligos de lilte-
ratureeldeMorale ; e outra muitas obras,
por prego commodo: na praga da Inde-
pendencia, n. 19.
I* vestido ile senhora; lindos los pre- g
superior ; meias J^
tos bordillos de seda c com lindos
o aos seus doenloa, jc nselbam no aos ve-
llios eo ecomniendan s mSis de familia
p>ra seus fillms. Km una palavra, o con-
sumo verdadeiramente extraordinario que
I todas as classes da sociedad* fazein desle
alimento, he o mais bello elogio que nos
Ihe podemos fazer. Chegou do UaranhSo,
aonde he fabricado, um novo soit'menlo
mais nov*a que ha no mercado, por | ngo desle chocolata j bem condecido nesta ci-
commodo : na rua do Trapiche, u 17. dade por muitas peasoaa quo lom feilo uso
Vendem-se 18 cai'xOes que fOram do. dclle, ecoiistanleiiiento se vende nu mesmu
assucar, em bom estado do se tornarcm a lugar (i annunciado, na venda da roa ca
encher: na praga lo Corpo-Sanlo n. 2. i Cadeia do Recite, n. 25, defronle do Hecco-
contradicgSo, oceuparo primeiro lugar. \ q\
l.llertivinit-nle. quunias pCSSOBS nilo ve- ~
mos nos i referir boje ao uso do quente cal,! ^ desenl.os, azenda
o uso do chocolate e nisto sogo.r a opiniflo g desoa de p.so ; um completo sor
dos medicos mais celebres, que do con.-' g lmenlo de pannos pretos linos p o- O
mum aecrdo, sobro suas preciosas quali- va de liinHo, havendo urna qualda- O
dades.o inJicam comoum dosnosaoa me-<3> efl"J|^m.,.i?,?0.^.^.l..?? S
Ihoies eslomalicog aquellas pessoas, cuja
sau'deho dbil a delicada!.. Prescrevem-
GI iNCIA
ia fundir;ao Low-Sfoor,
KOA 1>A SEKZALT-A-KOVA, N. !\1.
Neie estabelecimento conti-
na a ba\eriim completo sorti-:
Diento de moendas e meias rooen-
das, para en^enhoj machinas de j
vapor, e taclias *-. trro batido t,
condo, de todos os tamanhos,!
para dito.
engenti o.
! <:ni
Lareo. a 480 rs. a libra de n. 3 enlie tino, e
a 610 rs. o de n. 4 lino.
Vendem-ae bons queijos lonlrinos
ditos de prato muito frescaes e de superior
iiualidadc, presuntos inglezes para liani-
bre, ditos portuguezis para panella, latas
COBl S e 4 libras de inarmelada, ditas com
i i! i m 1.1 a de Lisboa, ditas de sardiidia, di-
las com hervlliag, frascos com conservas
inginas, queijos de qualda vindosdo Coa
ra, por barato prego, mantas de loucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadaoma,c
outros mullos gneros de boa qualidade:
na rua da Cruz, no ltecife, n. 46.
Vende-se um esclavo de bonita figu-
ra, de 18 a 20 anuos, sem vicios nem aeliu-
quea: na tua da Cadeia do s.-Antonio, n.
para
Na fuodicflo de ferro da rua do Brum,; lj./ diraq-jem vende.
scaba-se de receber um completo sortimen-j 'cvJGO^GG'O'n'W
tode laixas de 4 a Spalmos de bocea as Q
quaes aciiam-se a vend por prego com- (}
modo e com promplidao embarcam-se, j ou carregam-seeffl carros sem despezas ao
oomprador.
tiomma decn^ommar.
Vendem-se saccas com muito superior <
lu Vi KJ Vi VIW w VJ
Collclcs.
G
5 appaiccido; casimira preta elstica 0
(A de diversas qualidades ; selim preto 0
Q de Macao, muito superior ; cliafos 0
g francezes de superior qualidade e da >
i ultima moda ; e oulias fazendas li- \
% as : ludo por prego de agradar ao m
> comprador. .,
Na ius do Crespo, n. 9, vendem-se, P
^ por commodo prego, lindas fazendas
modernas, tanto para liomem como x
| para senhora, como sejam cortes de i
Mi seda furla-ceires com harrj para ves- |
9 lido ; cassas ; eambraias de barra ; S
< chales; mantas; manteletes; len- |
fgos ; I uvas ; sarjas ; chapeos trance- W
zes modernos ; casimiras pretas e de g
ty. cores; colletes de velludo, selim, J
sarja e fustflo; brins hrancose do
1$ cores| lencos para grvala jsuspen- 3r
$jl sorios; cambraia de linho muito fina. ;j
(iiS!rw:*w mmmmmwwmm
Troca-se urna imagem de N. S. do Cal-
mo, obra de Lisboa, de pedra marmore,
cousa muilo rica easselada : na rua de Hur-
tas, n. 120.
Bom negocio.
Vende-se a antiga fabrica de ca-
f, que perlenceu ao finado A nto-
nio Vas de Oliveira, sita na rua
do A morim, ns. 4o e !\i, com to-
dos os pertences ; tambem se aln-
gam ao comprador os dous pe-
queos armazens em que estSo
collocados o fogao e mais perten-
ces da mesma fabrica : quem a pre-
tender, dirija-se ma do Amo-
rim, n. 36, a tratar com Antonio
Joaquim Vidal & C'ompanhja,
Proprios para a qua-
resma.
Na rua do Queimado, vindo do Rozarlo,
segunda loja, n. 18, vende-so panno fino
prova de limito sarja prcla hespanhola ;
selim preto de Maco, muito bom o proprio
paia vestidos, por ser muito macio ; cha-
malote de listras ; los prelos, grandes a 7/
e pequeos a k/f', e outras muitas fazendas
por commodo prego.
Bom e barato.
Na rua do Queimado, vindo do Itozario,
segnndi loja, n. 18, vendem-se luvas prc-
la torgal para senhora, a 500 rs. o par ;
dil ^ Je pellica ingleza para homem, a mil
r.-. ; bons cites de cassa-chita para vesti-
dos, a 2,000 rs. ; chapeos do sol, de seda
para meninos, a 2,500 rs.; e outras mui-
tas fazendas por prego commodo.
Vende-se urna cadena nova de arruar,
com coi linas bordadas, o que ainda est
encaisotada tal qual chegou da Ilabia : na
rua da Aurora, n. 24, segundo andar.
Vende-se um lindu escravo de 18 an-
nos, de boa conducta, e que he ptimo pa-
ra todo o servigo; urna ptima mulatinha
recolhida, com habilidades : na rua do Kan-
gel, n. 57.
Vende-se a posse de um terreno no
lugar da Capunga, em a rua Real, com li-
jlo dentro para so edificaren) duas casi-
nhas, e as madeiras quasi todas appare-
Ihadas, como sejam: gradee, portadas,
portas e j:.nellas : ludo muito em conta, pa-
ra quem livor bom gosto: na rua da Clo-
na, n. 95.
senhores feo
VW&0000000000000Q
Rap lau!o-( ordeiro.
No deposito de charutos linos da Rabia,
ua ron da Ciuz, no Kecife, n. 49. veodem-
o alni das boas qualidades de charutos,
o muito acreditado rap Paulo-Curdeiro,
Gasse giosso, meio grosse, lino e oulras
qualidadcs : tudo por prego commodo.
-- Venderh-sc, muilo em coul, dous re-
logios patente, sendo um de ouro, e o ou-
Iro de prata dourada :_na rua do Queima-
do, n. 10, loja.
No irmazem do barateiro,
Silva Lopes, na porla da alfandc-
ga, vcndc-se fiinba franceza no-
vii, da un lliiu' que vem a esle
mercado, e de unirs qualidades
de l'biladclpbia.
Na rua das Ciuzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 6 escravos, sendo : um pti-
mo escravo para o teivigo de campo; urna
parda de 20 annos, com algumas iialulid .-
les; 3 pretas que cozinliain, lavam e ven-
ded! na rua ; um moleque de 13 anuos.
Vende-se nina preta boa rozinheira ei
lav ideira ; una dita boa veuJedeira de um
ludo, o que se aliiiiga ; duas escravas ; urna
annos, com principios de
NA RUA DA CADEIA DO RECIPE, N 24,
LOJA DKCAMIIIi) DA VIUVA VIEIRA
& FILIIOS.
Lotera do Rio-de-
laneiro.
Aos 20:000,000 de rs.
! Pelo vapor Imperador recel emna as listas
da 12.' loteiiado tteatro de Nirtheroy eos
muito afortunados hilhctes e meios ditos
da primeira lotera concedida a beneficio da
santa casa da Misericordia da cidade deS-
Jolo-d'KI-Rei, qual devia ter andado no
dia 19 do mez passado, e da segunda de N.
S. da Gloria, em 31 do mesmo mez.
Farinha de ni ndinca.
Vende-se a bordo do patacho lndv,iria,
chegado de San-Malheus,tundeado defronle
'la escadinha do Collegio, a melhor fari-
nha que ha no mercado, por ser muilo no-
va, em grandes e pequeas porgos, e por
preco mais commodo do que em outra
qualquer parte : Irata-se a bordo do dito
barco, ou na rua do Vigario, n. 19, com Ma-
chado APinheiro.
Vende-se urna morada de casa terrea,
no largo do Terco, em i hitos proprios. por
r-reco commodo : a tratar na la do lientas,
n.64.
msmBasBSSmmjssmmmagm
Kseravos Furun*
Aviso aos
mants.
Na fabrica da rua estreila do Rozario,
45, chegou ull una mente um snrtimento dos
mellioies charutos finos, feitos na Rabia,
ds qualidades seguintes : regala de S.-
Kcliz, f.m i da Rubia, bayonetas, imperiars,
cigarros de manillia, senadores, deputados,
quem-fumar-saber*, lanceros, venus,ele;,
ele.: os quaes se vndenlo por prego muito
commodo.
Vende-se, na rua Nova P. 21, urna ar-
magao toda de vidragas, em meio uso e
inulto propria para luja de miudezas : quem
pretender, dinja-sc ao Senlior llenriques
ilarins, marceneirc, na rua da Autora.
Vendc-se a relinagSo da rua Direita,
n. 22, bem afreguezada, tanto para a Ierra,
como para o mallo, com dous peritos ne-
gros da mesma oflicina, ou sem -lies, por
seu dono se queier retirar para fra : a tra-
tar na mesma a qualquer hora.
Vende-se, por prego commodo, rotim
para empalhar c-deims, em porges : no
escriptoiio de Novaes iCompanliia, na rua
do Trapiche, u- 34.
Vendem-ae 8 escravos de bonitas fi-
guras de 20 a 30 an.ios bons para lodo o
servigo, sem vicios ; um molequnhode 12
annos bom para pagoin ; urna bonita parda
de 24 anuos, boa rostureira e engomma-
deira o de todo o seivigo ; 2 prelas muito
Vendcm-so gorgurflo de seda, .
O 1,600 rs. oc!to; ditos a 2,000 rs. ; O
0> velludos de lindos padrOes. a 5,000 O
0 is. o corte : na rua do Crespo, n 9.
0 1aderngomniar,a9,OOOrs.'cadTsac-:!COOO-''<30O^OOOCt> !ve"dC;
a ruadorAn.or,u., 35, casa de Tas-1 .\a rua do Sol, ... 9, vendem-se .re- Vende-se um escravo de nc ;1o Ango-
so Jnior. I moja, toalh.s gandes e ptque.us para la, "ol'usl) e/.Lt'"'_lrLl;!!'. .*:.. !!",',.. ras multo bem felas, sendo duas
Dt'L I 1 nli;i if 16 a Win ui IIIUIIIIU9 UO ,
habilidades ; um preto de 20 anuos, bom bol quilandeir.se de bonila figura ; 3 di-
cozmheuo s um Ato bom bol.e.iO e Copel- las con. algumas habilidades ; asa m como
Vendcm se quatro cabellei-
I'ul'o, no dia 5 do crrente, da fundi-
gSo do Mesquita & Dutra, o preto Antonio,
de nag.to Cabnda, ofilcial do caldeireiro;
representa ler 40 annos ; he bastante rhcio
do corpo, muito cabelludo nos peitos; le-
vou caigas e camisa de algodSo ; mas he
natural que lenlia mudado de roupa, a qual
he caigas e jaqueta de ganca azul : quem o
pegar leve-o a dita fabrica, na rua do Brum,
n 28, quesera recompensado.
Desappareroram.no dia 20 do prximo
passado, do engenho Arariba do Pimentel,
na fregue?ia do Cabo, dous moloques rom
os si;, unes seguintes : Joaquim, por antho-
nomazia Mutuca, do genlio de Angola, do
15 a 16 annos, secco do corpo, pomas linas
e conipi idas, pes um tanto grossos, cor pre-
ta, rosto comprido, olhos muito vivos ; le-
vou urna camisa de algodilo azul, oulra de
riscadinbo lambem azul, ceroulas de algo-
dSozinhocompridas, chapeo do palha usa-
do : Malinas, do genlio de Angola, de 13 a
14 anuos, mais taino, reforgado do corpo,
cor fula, cabega pequea e romprida para
tras, olhos fumacenlos, peinas grossas, per-
l'eito de pes o mutis; lie muito callado ; le-
vou urna camisa e urna caiga de el.la azul,
e oulra camisa e outra caiga de algodilo
azul usado : quem os pegar leve-oj ao dito
engenho, ou no pateo do Carino, taberna
n.-1, que ser gratificado.
Desappareceu, uo dia 2do correle, as
7 horas da noile, o preto Manoel, crioulo,
que foi comprado ao Sr. Antonio Ricardo
do Reg, que mora na rua do Collegio, n.
3, ha to das pouco mais ou menos ; lie de
lea estatura, cOrpo grosso, bem emperna-
do, cor preta nilo retinta, fallas mansas;
lisum rozario franco ao pescogo; fui es-
cravo do seitflu ; levou camisa o caigas de
riscadu azul ; quanlo desappareceu disse a
um parceiro que se achava bastante doenle,
isto na occasio de estar descurrepando urna
canoa de ai ca, n foi para a Ierra, o at o
prsenle niio lia noticia delle. Roga-se as
autoridades policiaca e capillos do campo,
que o apprehendam o levem-no a cusa do
dito vendedor, Antonio Ricardo, ou no priu-
riij io da Casa-Forte, a seu senhor, Antonio
dos Santos Per reir.
-- Pugio, no dia primeiro do corrente,
urna mulatinha de nome Renedicla, de 11
annos pouco mais ou menos, magra, cor
um lano ulva ; levou saia de madapohlo
ro n buhado em baizo e urna camisa com
renda nos asseutosj suja : quem a pegar
leve-a ama da Cadeia do ltecife, n. 51, i li-
me ro arnhtr non ser recompensado : as-
sim como se protesta contra quem a tiver
occuila.
-- Desappareceu, do Reclfe.no dia 3 do
correnlo, o escravo Joflo, ciioulo, do cor
Tula, baixo, bstanle grosso do corpo, ca-
ra redonda, com um signal no meio da tes-
ta, modo hisonho ; levou caigas de algo-
dito blanco, camisa de cinta rouza, chapeo
prelG>al e camisa de algodSo com listras azues ; foi
aconipanhado de nina prela de nome The-
reza, a qual levava urna trouxa de roupa
nacubega: quemo pegar leve-o rua de
Apollo, orniazem de ass'jcar, de Antonio
llenrique Rodrigues, que recompensar.
l'BN. : NI TTP. DE V. f DE
AiBV 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9T1R23SI_YV51A0 INGEST_TIME 2013-04-24T17:15:10Z PACKAGE AA00011611_06804
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES