Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06801


This item is only available as the following downloads:


Full Text
!
A mo
XXMl
So>uiif!a-i'eira \
"

AETir! POS OOH1U5IM.
Goiannae Psrahllm. scg.indas asesta* felras.
ll"o Grande-do-Norte, quinta fciras aomc.o-
r.lin'serlnhaem. Wo-Formoso, Porto-Calvo
Macelo.-no I.*, a 11. e 21 de cada me*.
Garanhuns e Bonito, 8 e 23.
lina-VUta c Flores, a 13 e 28.
Victoria, ns quimas 11'iras.
llnila. todo os dias.
..^..MpancsaEg
PlItSKS Da U.
IPr.EMCr.IBE3.
,' Mlng. a 3, t 10 b, e 59 m. da t.
Nova a I?, iis 4 h. e 0 in. da m.
Cft*C, a 19, s ;'i h. e 52 m. da t.
L'hcia a 20, s n h. e i i m. da iu.
nZlMAS DZ BOJ!.
Priineira at 10 doras c 54 minutos damanha.
Segunda as 11 horas c 18 minutos da tarde.
de Fe ver i rod 1850.
N. 28.
asau
FBECOS DA SrjnSOniPOO.
Portrosiiic/.psjai/ianlai/oi) 4/000
Por seis iiiezcs 8000
Por uhi anno 15/000
4K
das da sxmaka.
4 Seg. S. Aventino. Aud. do J.dos orf. e in. I. v.
j Tere. S. gueda. Aud. da chae, do 1. da I. v.
do cl. e do dos feitus da fazenda.
(i Quart. S. Duioihr.v Aud. do J. da 2 v. civel.
? uiit. S. Uoiniialdn. Aud. do J. dos orf. do
m. dal.v.
8 Sext. S. Jufio da Malta. Aud, do J. da 1. v. do
civ. e do dos fritos da faicnda.
9 Sab. S. Apolliini. Aud. da .lianc. c do J. da 2.
v. do rime.
10 Dom. S. iSscolastica. ._________.
-^.T-^JUvl.f I IIM MI I llljBS^gU
OAMBiea en 31 d janrean.
Sobre landres. 88'/, d. por 1/000 rs. a 60 dias.
. Pars, 310.
Lisboa, 100 por cento.
flHro.-Oncas hespanhoes......... 28/500 a 29/001
Moedas di. 0/100 velhas.. 17/000 a 7/ 00
de G/4o0 novas.. Ib/200 a Ib/-I0ti
, de 4/000........... 9/200 a 9/10O
PMta.-PataeSes brasilclro...... 1(> #!>
Pesos columnarlos....... g **>'
Ditos mexicanos.........._JgL1^82*
rwTMTi-fi i iiiii nbii" i'riw b wiiiiTii *" n ni rr~in T-n rrr~
PARTE OFFICIAL.
TRIBUNAL DA KELACAO".
o
SESSAO to I. DE FF.VEUF.1RO DE 1850.
PRISIDRNCU DO EXH. SENIIOR
CONCELHEIAO A7.KVEKO.
A's des horas da manila, achando-se pre-
sentes os Srs. deseinhargadores liamos. Has-
tos, Lefio, Souza, Rebello. Luna Freir e Tel-
les, faltando com causa ng Srs. desembarga-
dores Ponce e Villares, ful aberla a srssiio.
O Sr. presidente apresentou em mesa un of-
ficlo a elle dirigido pelo F.xin. Sr. coneelliciro
de estado presidente da provincia em data de
hnniein, renieltendo-lhe varios nmeros do
Diario de l'trnnmburo, contendo avisos da
secretaria de estado respectiva, acerca da?,
elcifdes.
Dicisei.
^Recursos crimti.
Recorrenle, o lulo y. recorrido, o baeharel
Jos Itavinaiid da Costa Mejie7;es. Poram
conlimiados os despachos recorrido .
Recorrenle, ojuiso; recorrido, Filipiic Nery.
Fol ronliru ado n despacho.
Recorrenle, o juiso; recorrido, Martoel Jos
Pcirlra,Foi contlrmadu o despach o.
Appellafei erimss.
Appellante, ojuisoj appcllados. Ja o Antonio
Nolasco Lavor c outroJulgou-se improce-
dente a appellacao.
Appellante, Ponclano Jos da Lu; appellado,
ojnizo.Foi mandado a novo Jury.
Denuncia de Josefa Epifana da fonscca con-
tra o julz de direito da segunda vara d>s-
t eldade Custodio Manoel da Silva Guima-
ifies.Foi remeltida ao iiiesmo juiz jiara
responder em 15 dias.
DESlONiCSO.
Fol asslgnado o prlmelro da til part o Jul-
gainento da seguinte appellacao crime :
Appellante, o ur/.o ; appellado, Jos Antonio
da Silvrlra Prei.
SEVISdES.
Passou do Sr. desembargador Ramos a Sr.
desembargador Bastos a appellaciio crime m
que to :
Appellante, o juizo ; appellados, .Ioo e. Jos,
prelos libertos.
Passaram do Sr. desembargador Basto ao Sr.
desembargador Leao as appellacde* rimes
.-ni que sao :
Appellante, o juizo ; appellado. Mano. I Fer-
relra da Silva.
Appellante, Joo da Rosa ; appellado. o juizo.
Passaram do Sr. desembargador Lefio an Sr.
desembargador Souza as appellacde s clvels
rin (]in' sao:
Appeliantes.of administradores do hospital de
caridade; appellada, Rita Mara do Carino.
Appellante, Anna Jaclntha de Souaa braga;
nppellados, Huno Mara de Scixas n outros.
Appellantes.Jofio Pcrelra Lagos e outros; ap-
pellado Paribolomeu Francisco de Souza.
A appellacao crime em que afio :
Appellante. o julio; appellado. Marcos de
Oliveira Goes.
Passaram do Sr. desembargador Souza a., Sr.
desembargador Rebello as appellaces civeis
em que sao:
Appellante. Francisco farneiro da Silva ; ap-
pellado, Joao A Ivs de Cnrvalho Cezar.
Appellante, Agostinho Tarares Rodovalho; ap-
pellado, Joaquim Pcrelra Homem.
Appellante, Antoio Bernardo Ferrclra, admi-
nistrador de sua multicr; appellado, Joaquim
Rioeirode Brito.
Appellante, Antonio Gomes Villar ; appellado,
Domingos Fraucisco Tavares.
Appellante, Joaquim'Antonio do Forno ; ap-
pellado, Manoel Francisco da Silva.
Passaram do Sr. desembargador Luna Frei-
r au .sr. desembargado- Tclles as appellacdes
civeis em que so :
Appellanle, Manoel Jos Soares de Avelar ;
appellado, Domingos Jos Marques.
Appellante. Jos Antonio bastos ; appellado,
Vicente Jos de Brito.
Vassnii do Sr. desembargador Tclles ao Sr.
desembargador Ramos a appellaciio civel em
que so :
Appellante, Jos Goncalves Torres ; appclla-
dos, a viuva e berdeiios de Joo da. Silva
Santos.
DISTRIBCICOES.
Ao Sr. desembargador Rebello o recurso cri-
me em que sao:
Recorrenle, o juizo desla eldade ; recorrido, o
baeharel Jos Kayimuido da Costa Mcuczes.
A appellafo crime em que sao:
Appellante, o jury da villa da Arela ; appella-
do, Jos Joaquim Ferrira Jnior.
Ao Sr. desembargador Luna Freir o recur-
so cruiie em que su :
Recrreme, o juizo de direito de Estrenaos ;
recorridos, Domingas Rebello Lefio e outros.
A appellacao crime em que sao :
Appellante, o jury do Ico ; appellado, Joa-
quim Haptilta.
Ao Sr. desembargador Telles o recurso cri-
me em que sao:
Recrreme, o juizo desta cidade; recorrido,
Pedio Perrera lelte.
A appellacao crime em que sao :
Appellante,' o jury de Nazarelh appellado,
Paulo Jos Francisco.
Ao Sr. desembargador Souza a appellacao
crime em que saoi
Appellante. o jury do Sobral; appellado,
Francisco Antonio rerreira.
Levantou se a sessao a 1 1|2 boia da tarde.
INTERIOR.
ALAGOAS.
Extracto do expente do Kxm. ****
te r. Jos liento da Cunha e hguetredo.
17 he i)f:/.emb!'.o.
OuV.o. Ao pir.o do porlo Irsns-
miUiodo-lhe, para seu conSiecitnento, copia
da provisto do concelho supremo militar,
com data de 23 de ouluhro ultimo, cometi-
do varias dis.pn-.ic/ii-s acerca dos cnncelhos
de disciplina das pravas de imperiaes na-
rinheiros e fuzileiros nsvaes.
Dito.Ao inspector de fazenda, pnra man-
dar pagaran armeiro, PelerDenTelt, a quan-
tia de Sl.f.OO rs. constante da conta que
se Ihe remelle em duplcala, e provinienle
do co-.icerto de 195 armas do deposito de
artigo! bellicos.
Dito. Ao mesmo inspector, pira que
rnand'! pagar ao marreneirn, Joliam Ciu is-
tiao Kogt, a qunnlia le 30,000 Ti, consien-
to da cOnta que se Ihe remelle em duplica-
l'., imporlancia de 5 caixoes grandes que
fez, | aro uso do deposito de arligos bel-
licos,
Dito. Ao inspector provincial, para
que mande pBgar ao porteiro da secretaria
do governo, a qiianlia de 19,800 rs. impor-
tancia do concert que se fez no quarto da
secretaria da dita opartieflo.
Ollicio. Aocapilfio do porto.--Tcndo
mandado pagar a conta, que V. Me. rc-
nietteu-me das despezas citas com a obra
do Iclliciro do Jaragus, tifio ohstanto as
observacesapresentadas pela Ihesourario,
assitn lito o communico, tendo a dizcr-lhe
que menos justo me parece o rosentimenlo
queV. Me. musita por haver o contador
daquella ropnrtiQo feilo algumss reflexOes
a respeito de certas nddi^es, acerca das
quacs julguci conveniente man la-lo ouvir ;
poro,iiantn, sendo da rigorosa obrigatjflo dos
agentes liscaes o examinarem minnciosa-
mentrtocomo se dispendom os dinheitos
pblicos, nenliuit) encarrcga-lo de obras,
por maiur que seja a sus probidaile, so lle-
ve escindilisnr quaudo lite sfio pcilidos
quaesqui-r esclarecimenlos, que muitas ve
zes servem do ronlirmat' o bom cnnceilo,
que elevo merecer o etupregadn honrado.
4'urtanlo es.ero que V. Me. hern longo de
tomara m part as reqoisiees da thesou-
raria pedindo esclarecitnunlus, se preste a
todas ellas com prodigalidade.
Dito. Ao juiz de direito interino da co-
marca de Anadia, declaramlo-lhe que, ten-
do sido romovido, por portara de 10 do
corrente, o promotor pAlico da inesma
comatca, baeharel Jofio Rodrigues da Sil-
va, para a da Atulaia, Ihe intime que siga
para alli quanto antes a entrar em eserci-
ci, e nouteie quem sirva intcrinameulo o
lugar at se apreseutar o promotor para ah
romovido, baeharel Antonio Garvalho Ra-
poso ; devendo esse nomeado interinamen-
te prestar previamente o devido jurstnenlo,
que Ihe delirr.
Dito. Ao primero stipplenlc do juiz
municipal eorphfios do termo de Anadia,
declarando-lhe que adiando se elle jura-
mentado perantu a presidencia, cumpre
que passe immediatamentu a esercer a va-
ra de juiz de direito da respectiva comarca,
por Ihe competir essa inlerinidadc na for-
ma da Ici.
Dilo. Ao segundo supplento do juiz
municipal eorphfios do termo d-- Analta,
declarando-lhe que. tendo na conformida-
de do aviso de II dq.abril do corrente au-
no, prestado juramento, por s-!U procura-
dor, peranle a presiduncia, o primeiro sup-
plentedo mesmo juiz municipal o orphiios,
JoSo Kerreira da Costa Imhuseiro, assim se
Ihccommunica para que inmediatamente
liic entregue a vara respectiva na Turma da
lei.________ _____
peTmbucq
IIYCIE.NA PUBLICA.
Rtflextei tabre ai principne.i cantal de intalu-
bruladr tt'tt eidade, aposentadas ao con-
cilio geral de satubridade publica pelo me-
dico do municipio.
Tendo apresontado na sessfio psssada al-
gumss medidas de hygiena privada, que
me pareceram propras para evitar a propa-
ii,'jii das fbres reinantes, e devendo-se ao
mesmo lempo pdr em axecuefio as medidas
de hygiona publica, que me parecem de
grande impoilancia nesta occasifin, olTert'co
a este concelho asseguiutes reflexoes, para
que, se as julgar uteis, as Taca chegar no
cnnli-ciinenio da ciniiaia municipal, e as
publiquo pelt imprensa. Muitas destas me-
didas ja se acham consignadas as posturas
munieipaes ; mas, nfio obsta tile as repeti-
das reprcsenlacOes do concelho pedindo a
observancia das mesmas, e a resposlas li-
snngcirasque lem recebido, a mesma falla
deexecuefio tem conlinusdo, o actualmen-
te as prnias cst.lo cheias de lixo, tendo sido
de ni-niiutn ell'eilo a coadjuvaefio que ella
nos havia pto necessidade que ha de Sinar estes miles,
que inuilo pdem concorrer pura o desin-
volvimenlo, propugaefio e gravidade da f-
bres acluaes, propontto que se represente
com u niaior urgencia cmara municipal,
l'azendo-lhe ver que, se alguna abusos p-
dem ser tolerados em lempo ordinario, o
mesmo nao uccede as orcasies extraor-
dinarias; equo espera que ella so dignar
de acceder nos vplos do concelho.
I'rineipaes causas de nsalubridade da
cidade do Iteafe.
Vm itss piiucipies causas do nsalubri-
dade desla cidade lio a sua cdic&(flo sobre
um solo baixoequasi ao nivel das maros
Cbeiss, donde resulta quo,nilo pudendo ha-
ver um esgun fcil daa agoss das clmv.se
dos chafarizes, ellas se tornam inipossa-
das em inultos pontos da cidade; e, ajuu-
tando-se em alguna deatva lugarea uiversss
substancias vegetaes ou aniniacs, eslasen
J tram em fermeniacfio com o calor do sol, e
rlalii provm o desinvolvimenlo de mits-
mas que causan as febres intermitentes, re-
mitentes, e mesmo continuas, que costtt-
mam apparecer no verfo.
Urna oulra causa de insalultridado, de
manr importancia pela sus permanencia,
he sem duvida o despejo que se faz no lito-
ral desta cidade : toda qualidade de lixos,
mmundices e agoas infectas, fezeseani-
niaes morios sSo lancados mi niargens do
mar ou do rio, e muilas vezes as ras e
bercos, e em grande distancia d'agoa : estas
materias,soiTrendo a decomposiefioque Ibes
heprnpria, exhalam gazrs que corrompem
a pureza da Blmosphera.
As urinas a agoas ojal que silo deposita-
das em alguinns esquinas ou ras, cerlos
quintaos que servom do despejo de mmun-
dices e agna de lavagem, ou em que se
criam porros, etc., tambem concorrem para
o mesmo fim.
Otitra causa de insalubridado, que junta
as outrns cima numeradas cnnstitue um
grande foco de Infenoflo, he o maladotirn
publico das f.inco-l'ontas, o qual Compde-
se de um tellieiro, urna cata de guardar car-
ne e.os corraes para deposito do gado. O
telheiro, que serve para debaiso matar-sc
e esqnarlejsr-.se as rezes, he demasiada-
mente acanhido, tem urna parede na frente,
bastante alia ; o pavimento be Ingenio com
marmnre, c tem un cano que dello parle
at a beira mr. l-.sUudo designadas pelas
posturas munieipaes as horas que durante
0 da deven sor empregadas no trauco da
malanca, acontece que ella se uno pode
fazer debaixo do tclheiio por nfio estar em
propo'Cfio a sua cajiaci lado com o numero
das rezes que nestas horas silo moras e
esquarlcjadas, donde resulta que o tatlgue
daquellas que sSo moras fra.ou muito
pe tu das margens, r!er ama-se sobre a tr-
ra circunvizinh, esparg-se sobre a parnde
da l'renleeahi decotnpOe se. ladiilho,
comquanlo seja de pedra, lo Isva nemas
suas jnioras sfio tomadss com cimento,
nem tetn baslnto nclnaefiu para o esgolo
do sangue c agoa de lavagem ; accrescendo
mais que o cano he muito esticito eallo,
mal bnsendo, o acha-se em completa ruina,
laltaiido-lhe urna braQa pura chegar a bei-
ra do mar, pelo que parte do sangue se ron-
serva estagna lo dentro, e outra parte der-
rama-se sobre a trra.
A casa do deposito da carne nfio he ladri-
llia-ls, os ganchos em que ella lie suspensa
nilos-i coa-ervam limpos, e o mesmo seda
com as paredes. Os curiaes quasi nunca se
limpam ; c no lempo de invern tornain-
sc immundns.
Comquanlo ns posturas munieipaes tives-
sem marcado que as carnes fossem comlu-
zidas em carroeas liOlMI ecobertis com
pannos branens e lavados, todava Continua
o aboso de cobrirerr.-so as carnes com pini-
nos iminuudos e inpregnados de sangue ja
corrupto.
Junto ao matadouro so faz o despejo dos
intestinos, se fnrventam os mesmos, pOe
so a seccar o sebo ; licando sobre 0 solo di-
versos ossos frescos, ele donde procedein
emanarles de pessimo chero.
Tres casas ex'Stcm as Cinco-Pontas em
que sfio silgados os couros; dua*juntas
ao matadouro, e una na ra do mesmo no-
mo. Estas casas exhalam um chero iiisu-
portavel; e o mesmo acontece com os cou-
ros, que depos de salgados sfio estendidos
na ra petlo destas casas.
Outras casas nlo tilo infectas,mas que ne-
cessiiain do urna vigilancia especial, sfio as
das tripeiras ; as pessoas qoe so d;o a essn
trauco costumam guardar sebo e conservar
ossos para extrahitem o oleo ; assim cuino
ponas e outros despojos de rezes, o que
produz nio chciio e incommda os vi-
zinhos,
As tojas de couroe de calcado tambom
respiram mo cheiro, e necessitam de me-
Ihoramenlog.
Duas orden de eslalielecimenlos loem
sido at aqui considerados como nocivos a
saude publica, e por isso diversas posturas
os obrigaram a permanecer em certas ra;
mas, nlto devendo a lei fazer exceptes d.*
pessoas, pouco importa que estas casas de
commercio estejnn nesta ou squella ra;
porqusnlo, sendo todas ellas habita las, he
iniliirerenlo quo cnusem mal a esta ou
aquella pesso : lano mais, sendo evidente
que os focos de infecQfio causam lano
maior damno, quanto ell-s sfio msis cxlcn-
sos, e seachsm rcunidns om um so ponto.
A vista disto, nfio se | de cunceher como ti
vessem sido constrangidos os donos dos
ncougucs e armazens de c .rne secci a mora-
rom em urna roa oceupan lo todas casas: pois
urna lal medida, alm de lornar-se onerosa
para o con.mercio, o especulativa para cej-
tos pro|Tietaiii'S.nfiotraz vanta-getn.1 sui-
do publica ; epelo contrario, sendo fado
provado que um pequeo foco de infeccil
rudimento so discrsa c aniquila estando
separado, equeuiuitos reunidos tornam a
sua influencia nociva e. perigosa, e que he
quasi impossivel extitigi-los. Osacougues,
por urna deliheracao bom entendida, frain
mais espalhadus, devendo observar-sn que
elles tifio silo de nenhuma forma nocivos
laude, umn vez que Icnbam a limpeza e
asseio que divo exsstir tiestas casas ; e
pelo contrario vemos mis outros Balsea,
que as emanacOea dos acougues dfio vigor
e frca eos caruicciros, o que ningtiem mo-
Ihor do que elles gozum dos altribulos do
urna excellenle cumpleicfio. Kmqoanto
hos armazens do carne secca, nenliuina du-
vida ha que silo nocivos a wde, princi-
palmente estando situados a leste do balrio'von abeitos desdo as nuco lioias da nia-
de S.-Antonio, donde sopram de ordinario nliaa ale as sele para esgoto das agoas que
os ventos que leem depassarpela cidade. \ liveiem fassa Jo a uoile dentro dos canos, e
A agoa potavel, esto genero do primeira
necesssidade, e que lodos esperavam ter de
melnorqnalida le com o estabelecimonto do
oncnnamenlo tlcngoasdo l'rata, nfio tom
correspondido expectativa publica ; e
muila gente ha qtiesequeixa de ter peio-
rsdo de sorto. A agoa dos chafarlzAl he to-
da mais ou menos ferrugnosa, porm dei-
xando-a ficar em repouso por vinle equs-
tro horas perde o sabor do ferro, o torna-se
em geral agoa polavcl ; mas o mesmo nfio
acontece em todos OS c'i!ifarizi>s, bem co-
mo nn ila ra Imperial, cuja agoa lio tfio
ferruginosa, que, alm de nfio prestar para
beber, nfio s'-rve pan certos usos domsti-
cos pela granle quantidade de ferro que de-
posita. A agoa do Prata desde n sua toma-
da val recebando o calor do solo quo I lie
commnnca os canos, os quaes, sondo de
ferro, sfio encllenles conductores; dissolve
suroessivamento os xidos por Intermedio
do calrico, que se faz mais sentir om cer-
los nonios em que os canos se acham na su
perlicic da tena, o traz outras partculas
ferruginosas om suspensfio ; do que resulta
queoschafarizes mais novos, queso acham
no liiiile do enea menlo, sfio os quo leem
poior agoa ; e esta impregnada de ferro nfio
pledcixardo ser nociva a saude publica,
prncipalmenloem lempo de calore s pes-
soas sanguneas.
Ulcdidas que ennvent absolutamente lomar para
extinguir, au ao menos di minuir estas cau-
sas de insalubridad!.
i Incumbir a um engenheim o nivela-
ment deata cidade, e fazer c instruir c tos temporarios ou perinanenles para eva-
cuadlo das agoas das chovas dos Chafarizes
ou outras, tendo-se muito cuidado, em que
ans mesmos esgotos se nfio ajunlein llxoi
ou corpeiscstranhos quo embaracem a pas-
sagem de. agoa, e venham a d- compr-so e
exhalar miamas.
2. Fazer pioles de pedra l8g>s-las, e lo-
madas as junturas com cimento, em todos
ns pontos marcados para despejo publico,
para -le cima ilellas lanear-sc n'agoa as fezes
e maioriss excrementicias ; e, cmqiianto as
ponles do pfldra se nfio terem, se construi-
rfiodn madeira.
3. Tirar com to la a brevi lado todo o lixn
quoex'stn nn litoral desla Cidade, e aquclle
que se fdrlancando nos lugares mareados.
*. Estibelecer guard-s rondantos para
obrigarem a fnzer-se o despejo nos lugares
designados.
5. Haver grande vigilancia para que so
nfio lance urina e aguas immundas na rita,
assim como em alguns quintaos, o isto por
meio de visitas de sa lo as casas em que
houver suspeitas do existir mmundices.
6. Augmentar o telheiro das Cinco-Pon-
las para o lad i de leste atea beira-mar, o
qual s-r construido pela msneira seguin-
le primero, sori l'geadocom mirmore, c
as junturas unidas por meio do cimento: se-
gundo, se fari urna rampa de pedra que en-
trar urna braca pelo mar : terceirn, seu pi-
vmenlo ter um declive suflicient pir.i es-
goto do sangue n das agoas da lavagem:
quarto, para esgoto dest-s lquidos se co is-
iruir um reg que deve-a slravessnr de
l'este ao oeste quasi lodo o pavimenta do te-
lheiro, fazenio-o em rampa de um e outro
lado, o qual dever ler una braca de largu-
ra na parto superior, c meia na inferior em
toda extensfio, osen lo bastantebaixo para
onlrarem as aguas as mares obelas: quinto,
haver urna porta de agoa na entrada di ro-
go l o de obstar, quandose quizer, a in-
lrodoc;flo d'agoa do mar: sexto, para obs-
tar que as chovas penetrem no interior do
telheiro, se aentarfio portas sobre esloios,
deven lo ficar abertas duranto a nofte,
7. Fazercaiar e ladrillara casi do deposi-
to da carne, raspando osesleiosc n que se
acham pregados os gancho*, edeilando-se
loalhas limpaa nos lugares em que liver do
encostai a carne.
H Haver mais vigilancia enm a con liic-
Cfioila carne, olu gando ns pessoas quo dis-
to se enearregam n forrtr as carrosas noni
pntio liranco e linipo, e a cobrir as croes
do mesmo mo lo.
9. Ser pe-Irado o chito dos curraos, ten-
do os donos do gado obriga^flo de limpa-los
pela ni iiiliria.
10. Fazer o despejo dos intestinos das re-
zes denl'o d'agoa, prohibindo-se deitar os-
sos foscos na \ i/iiilianea da m.itan(;a, e sec-
car sebo, ele jdevendo ser enterrados aquel-
les ossos que nfio tiverem extruccfio.
11. Itcniover para fra da cidade as sal-
gaderas de couros, e n desecncllo, csco-
lliendo se para i-to um lugar espacoso e
pouco povoado, bem como a l'irnnga ou a
Tacaruna.
12. Fazer fumigaroes de chloro dentro
dessas casas em que existem as salgaderas,
em qunnlo nfio sio removidas ; o que deve
ser i'eito immcdiatamente.
13. Visitar frequentemento as casas das
tripeiras, as lujas de cual o, o de comesti-
ves, propondo quem as examinar aquellas
metidas que froiu reclamadas pela salu-
briilade publica.
14. Kxaniiuar amiudadas vezes os sqou-
gues, i iiponoo aos donos a obrigaefio de
rasparcm o balefio, limpar as balaucas e
instrumentos, e trazer ludo rom asseio : to-
madas estas medidas, poduifio ser estubule-
ciilos onde bem quizeiein.
15. Fazer com que baja limpeza nos ar-
mazens de carne secci, podendo ser dis-
persados pelas ras menos frcquenUdas da
cidade, e quo esiejam om seus limites.
16. Obrigar a quo os chafarizes se conser-
BBBVs*^
o mesmo se fara tolas as vezes que a agoa
tornar-se muito ferruginosa.
Sala das s's*ocs do concelho geral do sa-
lubridade publica, 2V de janairo de lo1).
BAI.ANCO D\ RF.CKITA E IMBPRZA DV C-
MARA MUNICIPAL DO RECIFF. i\0 MEZ
DE JANEIRO 1)E 1850.
Itcctita.
Imposto de 2,000 rs. sobre ms-
cales o bocelaira, ns. 38 a 80 8G.000
Cor leaces o licencas, ns. 36 a
46 122,600
Afericfio n. 1 2;900.fitm
Tasa das me lidas de farinhs n. 1 200,0.10
Aluguel das loj.is da praca da In-
dependencia ns. 32 a 38 333.G03
Dila da praQa do mercado da fre-
guetia de S.-Jos n. 2 200,000
Dita da casa da Soledade n 1 50,000
Foro n. 9 iW>
Mullas por nfraccOes, er eca-
dadas pela sulilolegacia do Ite-
cife ns. 1 a 3 OO.rtiio
Dila pelo fiscal da dita ns. -_>S a 17 1*2,0 10
Dita pelo dilo de S.-Antonio ns.
61 a 68 14,000
Dita pelo dito de S -Jos ns. 31
a *i 50,000
Dila pelo dito d,a Roa-Vista ns.
19 3 20 60,000
856,490
llalanco em 31 de dezembro p. p. 40G.49I
Ris 4:6G2,98t
feipe^a.
Ordenados e commissao do mez
de dezembro n. 4. 823,4-V
Expedienta ns. 3 a 54.300
\liiguei do naco da cmara n. 1 200,0i(i
Jury e ele'nfles ns. 3 a 5 1;073 320
l.uxes para a cadeia n 1 193,880
Limpeza das ras ns. 29 a 41. iso.ono
E ven tus es ns.7e13. 79,740
Calcamento do paleo do Carmo
ns. 9 a 24 445.88>
Ponte da rus da Aurora n. 1 200,0 JO
Extraordinaria fpagamentos de-
creta loa na lei do orcamento
por contal ns. 3 a 5
Dizima da cluneellaria n. i
Calaneo 8 favor da receila
826,000
27.920
4 109.164
553.517
Ris.
4 662,981
----------1
Contndom da cmara municipal do Ite-
cife, 31 de Janeiro de 1850.
o contado',
Manoel Gregorio da Silva.

asen hniiii m iiiins Si lisas
Cornmuiiiciiclo.
NEGROLOCIA

Antonio Jos Frer.', -- primeiro lente
'armn-la porlugiie/.a, cavalleiro das or-
dens d'Aviz e ossa Senhora da Coneeicfio
de Vilfa-Vicpsa, filho de Joflo l.uiz Freir
o del). Genoveva Maria da Luz, msceu
em Lisboa em innho do 1800, prncpiou
o curso do marlnha no collegodos nobres
em 1817, o durante os dous primOIrOS annos
fui premiado pela sua capacid ule intellec-
lual, bom comporlanvntn o n*s luidade :--
concluidos ns estudos em 1820 embarcou
como voluntario .na fragita l'erola; em
1S21 foi logo promov lo a segundo lente,
e continuou no servico a bordo dos navios
de guerra pottuguezes no brasil, na India
e China, e na costa d'Africa, onde servio em
tres diversas estaques, sendo agraciado pe-
los seus bous servicos nesta ultima parle
enm a quelle habito da Coneeicfio. Era do
um comportamento exem;-lar, austero na
disciplina militar e severo as sussobriga-
efles, milito econmico o regular; pelo
que.se alguma cousa tinlia, o devia smente
a si. Era dotado de nimia forca d espiri-
to, e do urna coragem impertubavel, do
que deve muitas provas durante o lempo
do seu padecimento. Ilivia servido por
varias vezes de immedialo em alguns na-
vios de guerra; c, leudo sido es -olhido lti-
mamente pelo governo d S. M I-'., como
oflicial de cofianca e muila prtica, para
o msmo lugar a bordo da crvela D -Jode,-
l'rimeiro, que sabio de Lisbda nos filis do
outubro do anno pnssado, para cslt por-
tu, Rio-de-Janeiro, India e China,em riagenu
de insli ucgfio, foi atacado do um pleuriz a
6 de novembro, Occorrendo circumstan-
cias quo peioraram o seu estado, quando
aqui chegou a corveta a 23 de novembro,
ja era este mui pouco lisongeiro, porque a
molestia bavia Jeito grandes estragos. Ten-
do desembarrado a instancias do seu bom
amigo e commandanle do bngue de guerra
porluguez Douro, fui para urna casa parti-
cular, onde n nada se l'iltou que po.less
concorrer para o seu salvamento Todos os
csforc,os,porm, lrsm improGcuos;e, tendo
ti.10 diiVereutes l-4 ist-s na sua molestia, a-
presenlou sempre demasiado espirito o f
robusta. A 13 de dezembro confeisou-se e
s-crniiieniuu-.s ; e, durante tolo este so-
lemne acto, do lal forma se huuvo, que lo-
dos os assislentes o julgavam salvo : lal era
a lirmeza e f com quo recilava as oracOes
sem ajufla do sacerdote. A 99 de Janeiro
pedio segunda conlissfio,o urna nova conci-
lidCfio ; e foi ung o, o a 30 pelas 11
lloras da uoile deu a ulma ao Creador com
toda a sarenidide;e, tendo antes chamado
um dos criados de quem se despedio, loe
MI mi ADO


'*
B5M
rogou houvesse de convocar tola a gente
do casa para o mesmo fim ; mas, quando
chegaram cabeceira do moribundo, i o
estertor o suffocava.
Apesar de todo os martyrios de tSodo-
lorosa molestia, descia s mais pequeas
particularidades, taes como fazer a barba,
dar corda ao relogio, ele, etc.
Foi enterrado com toda a solemnidade
nu igreja do Corpo-Santo pelas 7 c meu ho-
ras da uoite de 31, lendo sido acompanhado
o corpo de bordo do brigue de guerra
Douro, onde foi depositado, pelos comman-
dantes e oITleiaesdos navios de guerra r.a-
cinnaes e eslrangeiros surtos no porto, al
o desembarque no caes do arsenal de ma-
rinha, e d'ahi al n igreja por todos os mais
convidados que se achavam naquelh lugar,
e por urna guarda de dons ofliciaes e qua-
rmta homens desembarcados do Douro,
com msica militar de uia dos corpos de
trra, cuja guarda den ao lancar-se o corpo
a sepultura as tres descargas do costume,
IMHIO ante?, ao sahir de bordo, dado aquel-
le brigue o->;iros que competiam patente
do finado, com o intervallo do estylo.
Na igicja haviam mais convidados que
ah esporavam pelo corpo, que foi carrega-
do por seis marinheiros do Douro, pegando
aos seis cordes que desprendiam do cai-
XBO quatio cammandantes de navios de
guerra brasileiros, e dous odlciaes da cor-
vota ingleza Twcd.
i ,
Mu blicayafi a pedido.
PARA "ONIIrTlMF.NTO X)F. UNS E
DESENGAO DEOUTROS.
iRFVF. DO BU. INTKII-Iiwr.io APOSTLICO A FA-
VOR DA ORDBM TRRCBIIU DO cutun IU
CIOADE DK PIRKAIIBUCO.
Antonias Vieira Rnrqei, Ntoeitioritm Snncliv Seilis
ni Imperio llratilienii desler Delenatus ail inte-
rine, l'rolonotariui ApoHolUut, ele., ele fe,
Expos tuin Nobia et pro parte Sodaliiun
Tcru Ordinis Koala* alarbe Virginia de Monte
Drmelo Civitatii Prrnatnburana*, quud vopu-
toa liiirm facer contestalonibus rt perturba.
tiiinilma a longo leinpore nter eos, ot Reve-
rendo^ Paire Urdinis Carinrlltaruiii cjusdeui
Civitalll cxislcnlibua, m quiltua orla lunt ea
acaudala, ut frigisconte aod aliun pielale lau-
dabilia eormii eaercilra ail nihilun redigalur,
et ipaa lOdallUl pene iliaaolvalur, el quoil me.
mores acrvirndiiin Den rsae non in conten-
tione. acd inainorc fraterniniis, charilate, et
pifate non ficta, admodiim unioneni cun
eisdoui Patribus Carinililis, snb quorum regi-
niinr, cura, atipic jurisdctione seniper fue-
lint, a Nobia peCeriint ut novos artleiilm in
libello ano Nobia oblato, magno telo Exmi ac
Eral P.piacopi Deoceatnl, Junio Exmi Internun-
tii Caetanl Bedlnl Noairl Antecessor! peiio-
neni formalus, npprol-.irc dignareinur; Nos
visa, ai que rei gravitatc inature perprnaa,
Auctnritaie Apostlica qua sulliili aiinins, a
RSid." Dn." Nr. Po Divina Pruvidenila Papa
IX, Nobia apecialltcr delgala, uinnea quibiia
ha' I.illono Caven! a'quocuiiiquc excoinnnlca-
tionia vinculo absolventes, el absolutos fbre
cnsente, npprobamua, et Conflraiainu pro*,
falos artculos, at que eos mandari prfficipl-
trn. et etlain ad omne xlaaniuin lollcndum,
iniuici bominia oper.ioi, eii dein sodalibn
gratiain roncediiniis, ut in mnibus coruui
II iilms solomiiibiis, ut tolt-nt lia' sodaliatia,
crocem sii.im ferr ame se, el cum habltibui
hus aepellre possint (ara ndales, quam soda-
lilatil sorinei si'cundiim arbilriiiiu suim;
pra'terea tndem de muiiere actiiiiiu religlo-
sornin in porta rjiisdem Ordinis f.iciendorum, |
juhemus observauduiii cuse quod decido
jiidieiall nnciluin fuliset in ejdein libello
\obis expsito. Confedimus arles, alque in
petn lionain addiuiniur, fiiturum, lain ex
pule lodalium, quam ex parle l'.ini Patria
Provincial! aclualis Ordinis Carinelitarum el
rjiisdeiii auceeaioruiii, bree Nosua Sententla
ililellter ubaervetur. Inte rea lamen Jubemu
ul. |t qua- diibilationes insiiper o anuir, Pa.
iiuin F.xini. ao Rinl. Episcopi Deooesani ahu-
tiaque parle pro regula habe tur, doee venial
Decilio Snela-Sedis, ad quam recurren* de-
iienl. Non obttanlibiis constilulioiiibus cccle-
siaslleia, Statnlli, aliisque iu onntrarluin fa-
t ientibus. quiln, in pia'sentie sur, Apostlica
AuelorilatederoqueiiiiH. DatuiuiiCivtati Flu-
ii.in.'osi eiOdibiil Nuotlaturn? Apostlica* bar
die XXVI Octobrli anuo MDCCt XI.IX. P.uui-
provincial actual da ordem dos carmelitas,
e dos seus successores, esta nossa sentenca
seja fielmente observada. Entretanto*, po-
rm, mandamos que, se todava nlgumas
duvida.s se originaren), se observe como re-
gra, de urna e do oulra parle, a deliberarjilo
do uxcellenlissimo e reverendsimo bispo
diocesano,atoa deciso da Sinta-S, a quo
devem recorrer.
Nflo obstanlo as constiluicOes eeclesiasli-
cas, estatutos o outras quaesquer disposi
Cfles em contrario, as quaes no presente
caso por autoridade apostlica derogamos.
Dado na cidado do Ilio-de-Janeironanu -
cialura apostlica aos vinteeseis de outu-
bro de 1819, auno quarto do pontiicado do
sanlissimo paare om Christo por divina
providencia papa Po IX.
Antonio fieira Horijit.
iains sSiui. inCnrlato.PatriaacOni.Nrl, l'i
Divina Provdinla Papa IX auno quarlo.
^Bioniu Vieira Uorgei.
TRAnucctO.
%
Antonio Xieira Borget, delegado interino
encarrer/ndo los negocien dn Santa-Se no
Imperio do Bratit, protonotario apostli-
co, ele etc., etc.
Sondo-nos exi da ordom te'Ceira de nossa senhnra dn .Mon
le do Carmo d ciliado de 1'ernambuco, que,
ilesejando prtr termo s coiitestacfies e per-
turbargi'iosquo ha muito existem entro elle*
e os reverendos padres da ordom dos car-
melita-ida mesma cidado,do que team resul-
tado taes escndalos, que, estriando a pie-
dade dos i< miles, os seus louvaveis exer-
cicos possam vira reduzir-se a nada, e a
mesma ordom corra o risco de disolver-
se ; IoiiiIh ailus de que devem servir a Dos,
niln em contenda, mas em amor de fraicr-
nidade, caridade e sincera piedude ; e de-
sojando a uoiflo com os meemos padres car-
melitas (Ab cujo rgimen, cuidado e juris-
dicco sempre estiveram, nos podiam que
nos dignassemos de aoprovar os novos ar-
tigosque nos fram nfferecidos na sua pe-
lico, organiaadtx com grande zelo pej(i
escellenlisalmo o reveiendissimo bispo dio-
cesano, conforme a requisicHo do V.xm
Internuncio Caelano llediui, nosso anlecos-
soi : vista por nos e maduramente ponde-
rada a graviladedo negocio, pola auloii-
dade apostlica de que estamos munidos,
anos delegada especialmente pelosanlis-
simo padre, por divina providencia, l'io IX,
absolvendoe dando por absolvidos de qual-
quer vinculo de excominuuh.lu a todos a-
quellesa quem estas ledras favorecen*, a-
i rovamos e conlirmainos os sobreditus ar-
tigos, e ordenamos que sejam observad'i*;
e lambem para arrancar toda a zizania,
oblado hometn inimigo, concedemos aos
mesmos irniSos a gra^a de podrem em lo-
dos os seus actos solemnes, como coala
mam as outras ordens, levar a cruz adiante
le si ;e de podrem sor sepultados com os
Cushabilos, lano i'S muaos como as ir-
mas da ordem, segundo a sua vontade ;
linalinente acerca da contribuicilo dos ac-
tos religiosos, que se hourerein de fazer na
igreja da mesma ordem, mandamos que i.c
observe aquillo que por decreto judicial foi
slabelecilo na indina pelicSo quinos foi
n.iivsonlada. Cuntamos lirmemente e te-
mos a lisonj-eifa osperanca de que para oi
futuro, nao s da parle dos irmilos, mas
COWWERCIO.
AUTANDBGA.
Ilen-'imento do dia 1..... 7:6IO,i62
Descarregam hoje 4,
Barca ingiera -- Pritcilla mercadorias e
* ferro.
Barca ingleza ~ IHonarch idem.
Barca franceza ~ l.eonie-- idem.
Barca franceza l-ranee vinho. .
Briguo porluguez Aar/a-e/i; idem e
ceblas.
Briguo sueco Zephie laboado.
Brigue suero Rapid dem.
Brigue austraco Mir familia.
CONSULADO ftEKAL.
Rendmento do dia t.....6:466,782
Diversas provincias...... 538,856
7:005,638
EXPOIITACAO.
Despachos martimos n t dia 2.
Babia, brigue-escuna nacional tura, de
163 toneladas : con.luz o seguinte :
100 caixas saho, 800 barricas de farinha
de trigo com 4,800 arrobas, 50 ditas haca-
llin, 3 fardos erva-doce com 14 arrobas e
23 libras, 12 caixas papel de machina azul
de 24 resmas cada urna, 15 balas papel al-
mai*' de 20 resmas cada urna, 300 balas de
papel pardo de 12 resmas cada una, 1 caixa
com eaixas de buxo, 80 caixas espermacete,
40 ditas com vinho moscatel, 10 saccas er-
va-ioce.
Ilaliimore, navio americano Julieta, de
212 imiela.I is: con Iu/ o seguinte :
300 barricas o 2.6)0 saceos de assucar
com 15:332 arrobas e 4 libras.
Trieste, brigue austraco fraf-Appony,
de 344 tunla das : coinluz o soguinle:
4,800 saccas de assucar com 21,000 arro-
bas.
Gotemburgo com escala por Uicei, bri-
gue sueco l)ona-T/iere;a, de 333 toneladas :
ciin.i u/ o seguinte :
1,540 saceos de assucar com 7,700 arrobas.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendmento do dia 1..... 2 912,050
PRACA DORFXIFE, l. DE FEVEREIRO DE
1850. AS 3 HORAS DA TARDE.
Revitla semanal.
capitSo Antonio Ferreira da Silva Sanios.
- carga varios gneros. Passageiro, os 9
pretos forros de nomes Joilo e Jos
Rio-Grande do sul Brigue brasileiro Fe-
lis-Destino, capililo Antonio Martina Das,
carga sal e assucar.
Pesca Barca americana Veri, capitilo E.
Russell, carga a mesma quetrouxe. i

DITAES.
O lllui. Sr. inspector da thesourarii da
fazenda provincial, em cumprimentn da or
demdoExm. Sr. presidente da provincia
de 21 lo correte, manda fazer publico, que
nosdias 5. 6 o 7 de fevereiro prximo vin-
douro, irfloa prar}a, porania o tribunal ad-
ministrativo da mes na thesouraria, para
serem arrematados a quem por menos II-
zer, os colicortos do jardim Botnico de
Olinda, sol as clausulas especiaes abaxo
transcriptas, e pelo preco de 726,400
As pessoas que se uropozerem a esta ar-
remataclo comparegam na sala das sessoes
do sobredi lo tribunal nos das cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou aflixar o pre-
sente o publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 86 de Janeiro de
1850. O secretario, Antonio Ferreira d'An-
nunciaclo.
a Clausulas especiaes da arrematara.
ti.* Os traballios e obras para osenneer-
tos do jardim Botnico de Olinda serSo jei-
tos pela forma e sOb as condices indicadas
no nrcament, apresentado uesta dat> a ap-
piiiv.u-.lo do I-am. Sr. presidente, pelo pre-
go de 726,40o
a 2.a As obras principiaran no prazo de
um mez, e acabaro no de quatrn, ambos
contaJos em conformilade do artigo 10."
do regulameiilo das arrematacOcs.
a 3.*1 O pagamento do importe da arre-
matadlo realizar-sc-ha depois das obras to-
das concluidas e examinadas pelo enge-
nheiro.
4.* Para ludo o mais que nilo est de-
terminado pelas present-s clausulas seguir-
se-ha nteiramenleoquo dispOe o regula-
m.'iiio das arinatagOes de 11 de julim de
1813.
* Gabinete dos engei.heiros das obras pu-
blicas, 12 de abril dn 1849. Oengenhci-
ro, 1. L. Viciar Lieuthier. s
na Lindla; quem quizer contratar remetta
as suns propostas a mesma roparticiio du-
rante as horas do expediente.
Pela delegada do termo de Olinda se
fazscientea todos os eslrangeiros nelle re-
sidentes, que, no improrogavcl praso de 15
das, osquemorarem dentro da cidade> e
no de 30 os que morarem fra, doverflo ti-
rar os ttulos de residencia, ou reformar os
que estiverem vencidos na forma da le, sii
as penas comminadas no artigo 98 do regu-
la ment n. 120 de 31 de Janeiro de 1842.
Tlieatro de S.-Francsco.
JJOJE, 4 DO COHRENTB,
seriexecutado um bello espectculo pela
familia Berleaux, artistas extraordinarios,
que, lendo annunciado para a represeHta-
cilo prece lente a paixilo de Nosso Seohor
Jesus-Christo, e nilo bavendo podido leva-
la n scena em consequencia de prohibii,*ilo
das autoridades, envidaratn lodosos esfor-
cos por nSo desagradar aos habilaules dos-
la capital.
A viuva Be'teaux espera nilo perder a
euiiliaiica dos espectadores do Pernambuco,
subslituinlo a representacao de quima-
feira pela de segunda, 4 do crrente, cujo
programo he o seguinte:
Grande danta de corda por todas as se-
nhoritas da familia Berleaux, e a bella
polka nacional sobre duas cordas por ma-
demoisella Berleaux e o Sr. Gaudot.
Os cinco Gtiinezes, danga muito graciosa.
Exercicios de agilidade pelo Sr. Gaudot,
primeiro gymnastico da Franca.
Os jogoa cara tubas por tres pessoas da fa-
milia Berleaux.
Um pantomima mui bello omdous actos,
denominado Arlequim raorto e vivo.
Terminar o espectculo pela cordoaria
franceza pelos cinco irinos Berleaux, e pe-
la viagcm aos antpodas pelo Berleaux mais
velno.
Quem quizer prover-se do bilhetes pode
dirigir-se ao tliealro, residencia da familia
Berleaux.
O espectculo come?ar s 8 horas, ch<*-
gada de todas as autoridades.
me
ves : para carga e passageiros, trata-ae com
Francisco Maitins Ferreira, no largo do
Terco, n. 139.
Para Marseille pretende se-
guir, at o dia la do corrate, a
muito veleira barca francesa frun-
ce : recebe passageiros smente,
para o que lem excelienles com-
tnodos : a tratar com o capitao, ou
com os consignatario'), 15. La ser-
r & (-ompanlna, na ra da Sen-
zalla-Veiha, n. i.'J8.
--Para Lisboa pretende sabir com brevi-
dade o brigue portuguel ConeeicOo-Flor-
dt-Lls.ba, pdenlo inda admiltir algu-
ma carga da praga : tem rommo los para
alguns passageiros : quem pretender carro-
garou ir de passagem, pode eniender-se
com o capil3o, JoSo Borges Pamplona J-
nior, ou com os consignatarios, Amorim
Irmilos, na ra da Cadeia, n. 39, primeiro
andar.
Leiloes.
Kcparti^o fia polioi t.
Cambios -
Bacalhao -
Houvo iliiran : a semana
trans iccil 's diminuas a 28
e 28 11*2 d. por 1,000 rs.
A esle ultimo preQU ha let-
tras olTerecidas.
Assucar- Nos primeiros das da se-
mana os procos fram os
mesmos da antecedente ;
mas para o fin alTrouxa-
ram algum tanto.
Algodo-- Entraran* 655 saccas. As
vendas regulaiam de 4,900
5,000 rs. por arroba do do
primeia sorle ; e de 4,500
a 4,600 rs. do do segunda.
Couros .... Nao houve vendas.
- lo lalluui-se de ris 9,000 a
9,500 por barrica.-.-O de-
posito lio ni reduzido a
7,500 bai ricas.
Garne-secca- A nova vundeu-sa de 2,600
a 2,800 rs. por arroba ; mas
a vclha variou muito de
preco, por ser de m qua-
lidade, chogando ate a ven-
der-su urna por(:1o delta a
prego diminulissimo. A
existente monta a 65,000
arrobis, por ter chegado
um carregament.
Farinha de trigo Os presos fram os mes-
mos da semana anteceden-
te. -- NOO llouve entradas.
I.mieii ingleza- Vendeu-sede250a 260 por
cont de ilion,ni sobre a
factura,cambio ao par. .
Ficaram nopoito 95 embarcacoes, a sa-
ber : 2 americanas, 4 austracas, 35 biasi-
leiras, 3 dinainarquezas, 4 fraucezas, 1 bol-
lando/a, 3 hanihurguezas, I hanuveriaia,
18 inglezas, 1 priissiana, 5 poiluguezas, 5
sardas e 13 suecas.
Rodrigo Thooiioro de Freitas. ofllcial da im-
perial ordem da Roza, cavalleiro da de
S.-Rento de Aviz, condecorado com a
medalha da rostaoraQ.lo da Babia por oc-
casio da independencia, capililo de mar
e guerra d'armada nacional e imperial,
inspector do arsenal de marinha, e capi-
llo do purto desta provincia de Pernam-
buco, por S. >l. o Imperador que Dos
guarde, etc.
Faz saber a quem convier, que lem desig-
nado para anroradnuro das alvanrengas,
lanchas e mais embarcares que se em-
pregam no Iralicodo porto,no servico dia-
rio das cargas, e descargas dos navios, a
parle do Mosqueiro, pelo lado de trra, que
medeia da segunda barca de vigia da ill'an-
ilega para o sul al a popa da lercoira barca
da meama alfandega, ficando amarradas do
inanpra que nilo einharacem u transito das
embarcacs uue tenham de seguir para o
norte e sul do mesmo Mosqueiro ; e para
ancoradouro daquellas dascitadasembarca-
oes que mo se empregam constantemen-
te em taes serviros a paite do dito Mosquei-
ro que fica ao sul do ancoradoro dos navios
em descarga, em seguimento do canal que
vai para a barreta, e a que existe nos fundo.-
do arsenal de marinha, pelo lado da mar
pequeiia, para o norte al a praca publica
projecla pela cmara municipal na ruado
Iruin, conforme ja so declarou em edilal
tiesta capitana de II de setemtro da 1847
Capitana do porlo de 1'ernambuco, 25 de
aliono de 1850.Rodrigo Tlieoioro de Frei-
tas, capitSo do porto.
>!ovmento do orlo.
\aoios sahidos no dia l.
Maranhilo Brigue inglez Eirl-of-Dathou
se, capitn Aicliibald Primorosa, em
lastro.
Para por Maranhilo Escuna hrasileira E-
milia, capito Antonio Silveira Maciel J-
nior, carga assucar e mais gneros. Pas-
sageiros, o padre Antonio Xavier de Gas-
tro e Silva COm 1 criado, JoSo Antonio,
J i.io Marreliino Bastos o o alferes Joaquim
Jos da (lliveira com ana familia.
Navio entrnilo no dia 2.
Mar-Pacifico, lendo sabido de New-Bedford
ha 40 1/2 mezes, galera americana Bra-
ijanzn, de 470 toneladas, capililo William
lleyol, oquipagam 22, carga azeite do
peixe ; ao cipilai).
Navios sahidos no mesmo dia.
Terra-Nova Itrigue inglez Cyathia, capi-
lo W. Godwui tny, em lastro.
Ilamhurgo Brigue inglez Active, capitSo
S. II. Sinilli, carga assucar.
Selubal \lngae sueco Adolph, capililo E.
P. Wikslrom, em lastro.
Idem Brigue sueco Preciosa, capillo C.
F. I>alii, cm lastro.
Navios sahidos na dia 3.
Lista dos o i lailaus qualilicados pela junta
revisora, avista das listas dos delegados
do primeiro, segundo e terceiro dislric-
tos, o dos que julgou a junta qualificar
para serem jurados neste corrente anno.
( Continuado do n. 27.)
San-Jos.
Francisco Serfico de Assis Carvalho,
Francisco Baptista de Almeida, Francisco
Antonio das Chagas, Francisco Lucio de
Castro, Francisco Jos Vianna.
Boa-Vista.
Francisco de Lemos Duarte, Francisco An-
tonio Gavalcante Cousseiro, Francisco Ser-
gio de Mallos. Francisco do Paula Goncal-
ves da Silva, Francisco de Paula Lopes Res,
Francisco de Sales do Albuquerque, Filip-
pe lu.o te I' reir.i, Francisco Martius Rapo-
so, Francisco Antonio Vieira da Silva,
Francisco Luiz Maciel Vianna, capililo Fir-
in i no Theotonio da Cmara S.-Tiago, Fran-
cisco Rodrigues Lima o Silva, Francisco
Rodrigues Cardozo de Barros, FranciaCO Xa-
vier Carne i i o da Conlia
Terceiro dislrlcto.
Capitn Francisco Cavalcanto de Souza
Lilo, mjor Francisco de Paula Paes Br-
relo, tenente.coronel FrancinCO Antonio
Pereira da Silva, Dr Francisco do Reg llar-
ros Brrelo, cominandanie superior Fran-
cisco Jacintho l'creira, Francisco de Paula
Corroa de Araujo, capito Francisco de Pi-
nito Borges, Francisco Pedro Soares Bran-
d.io, Feruaudo Francisco de Aguiar Mon-
larroys.
Recife.
Caudino Agnslinbo de Barros, Gaspar Jo-
s dos Reis, Guilhenne dos Sanios Sazes,
Guilherme Jos Pereira.
.Si/n-Joia.
Concalvo Lopes Lima.
, Boa-Vista.
Gustavo Jos do llego.
I erceiro d'itricto.
Major Ilenrique Manuel Malbciros de Me
lo, llerculauo Alves da Silva.
( Continua.)
I Un. o I Aiii. Sr.Das partes hoje recebi-
das nesla reparticilo, consta smenle ter
sido bontem preso : ordem do delega-
do do segn todistrictodeste termo, o pre-
to Joaquim da Silva, por desobe tiente.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da
policia do Pernambuco, 31 da Janeiro de
1850.lllm. eExm Sr. Honorio Hermto
Ca ncini Lelo, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.yoie Nicolao Be-
gueira Costa, chefe de policia interino.
lllm. e Exm. Sr.Participo a V.Exc. que,
segundo as communicacGes hoje derigidas
a esta repartirlo, fram honlem presos :
minha ordem, um Inglez, cujo tiome se ig-
nota, e o preto Jos rsrravn, por se lorua-
ii'in suspeitos; o preto Jolino, escravo de
Andr Bezerra. para averiguacOes policiaes:
a ordem do subdelegado da fieguczia de S.-
Frei-Pedro-Goudves, o pardo Mximo,
escravo da Antonio Pereira de Burgos, por
assim o lia ver requisilado o respectivo se-
nlior : a ordem do subdelegado da fregue-
Zia de S.-Joso, Luiz Francisco Monten o e
Joaquim Gavalcante de Albuquerque Mara-
iilifio, para averiguar;Ops policiaes: a do
subdelegado da fieguezla da Boa-Vista,
Juana Baptista de Oliven a, por correcQlo.
D--OS guarde a V, Exc. Secretaria da
polica de Pernambuco, 1 de fevereiro do j
1850.--Illu) e Exm. Sr. Honorio Menucio
ii-i'iro Leito, concelheiro de oslado, pie-
gil iu desta provincia.Josi Nicolao Re-
gu i a Costa, chele de policia interino.
Russell Mellon & C. farSo leililo, por
intervencSo do corretor Oliveira, de grande
surt monto de fazendas inglezas, as mais
proprias do mercado : segunda-feira, 4 de
fevereiro, s 10 horas da maiihfla, no seu
armazem da ra do Trapiche-Novo.
Joaquim Ferreira Mondes Guimariic*
fara leiblo, por intervencTo do corrotor Ol -
veira, 0111 presenta doSr. consol de Portu-
gal, e por conta e risto de quem pertencer,
do brigue porluguez Anna-Adelwde, capi-
tSo Ignacio Jos de Araujo, arribado a esle
porto, anude foi log lmente condemnado,
depois de haversihido do mesmo, carrega-
do de assucar e mais gneros, com desuno
a l,i.lula : quarta-faira, 6 do corrente, ao
meio-dia em ponto, porll da a-soriacilo
commercial desta praca. Adverte-sa que o
casco do dito brigue, sua mastreae,:1o, pm.
no o apparelho completo, inclusive a lan-
cha e dous botes : ludo lal qual os preten-
denles piem antecipadaniente examinar
no ancoradouro dofroiitedu trapiche di al-
godflo, se vender cm um nico lote O res-
pectivo inventario acha-se, por copia, tanto
a bordo, e em caso do vendedor, como no
escriptorio do referido corretor,
11 "-..... l-J.
Avisos diversos.
Deca raexes.
A cmara municipal desta cidade faz
sesso extraordinaria buje, 4 do corrente.
ivl.i ios i-rtuna da alfandega conlra-
ta-se o furneciinenlu do carne verde e secca.
lmbemela parte do reverendissimo padre I Babia Brigue escuna brasileiro Laura, IpSo, touciubo, caf, ele., ole, para
a cscu-
Pessoas hoie despachadas com passaporle por
esta repartirlo.
Para a Babia, os pretos libertos Joaquim
e Francisco.
Secretaria da policia de Pernambuco, 1
de fevereiro de 1 Sj.--Antonio Jos dt Frei-
tas, primeiro amanuense.
----- III .....=55=g
Avisos martimos.
Para o Rio-Grande do sul sabe, at o
dia 7 do correle, o patacho Dous-lrmdot:
recobe alguma carga escravos a frete, e
lem con modos para passageiros : a tratar
ua ra do Trapiche-Novo, u, 6.
Para o Rio-de-Janeiro sane commuita
brevidade o brigue nacional Minerva, para
o que tem grande parte do carregamento
prompta : quem no mesmo quizer carregar
ou ir de passagem, dirija-se ao seu consig-
natario, Francisco Alves da Cunta, ra do
Vigario, n. II, primeiro andar.
Para o Rio-de-Janeiro segu com bre-
vidade, por ter parle da carga prompta, o
brigue nacional Dous-Amigos : quem no
mesmo quizer carregar, ir de passagem ou
embarcar esciavos, falle com o capilfio,
Francisco Jos Piales, ou com Manuel Ig-
nacio de Oliveira, na praca do Commercio,
n. 6, piimeiro andar.
Para Lisboa pretende sabir com a maior
brevidade possivel o brigue porfuguez A'o-
vo-Venctdor, por ler grande pule de sen
carregamento promplo : para o restante e
passageiros, para o que ollerere oxcellentes
commodos,irala-se com os consignatarios,
Tiloma/ de Aquino Fonseca & Filho; na
>ua do Vigario, n. 19, primeiro andar, ou ao
capililo, na praca do Commercio.
Para Luanda com escala por Mossamedes e
Benguella
a barca hrasileira T'ntaliva-Feliz segu para
lodos osles porlos, eso aclia prompta a re-
ceher carga e passageiros : as cummodida-
lesiiiu. a mesma olerece, ja s.lo bastante
conhecidas nesla praca, e para meltior des-
engao OS pretendemos podero ir a ho'do
da mesma que se acbe tundeada defronte
do Trapiche-Novo, e para tratar, na ra da
Madre-de-Deos, u. 3, com Silva & Grillo,
que preteudem faze-la seguir ate o lim de
fevereira prximo futuro.
Para o Aracaty sabe impreterivelmen-
te a 8 de fevereiro a sumaca nacional Car-
ila, mestre Jos Gonr-ilves Simas: para o
resto da carga e passageiros Irala-se com
Luiz Jos de S Araujo, na ra da Cruz,
n. 33.
Para a ilha do S.-Miguel segu via-
gom com brevidade por ter parle de sen
carregamento promplo, o brigue nacional I
Fspirilo-Sanlo, capito Alexandre Jos Al-1
O capito de fragata, Vicento Jos dns
Santos Murena Lima, com manda nt,* do bri-
gue de guerra Porluguez Douro, nilo pden-
lo pcssoalmente agradecer aos seus canta-
radas, coiiipntiiotas, amigos e a todas as
mais pessoas quo convidou e se dignaran)
fizer-lhe a honra de concorrer ao funeral
do seu presado amigo o primeiro-lenente
la armada porlugueza, Antonio Jos Freir,
que se deu sepultura na mul de hnutem ;
oede a cada um dos mesmos senhores, quo
aceilem por este meio o seu oternoreco-
nhecimeuto pela bondadn com que aceiti-
ramoseu ennvile, delicadeza e prompti-
dilo que pitentearam, prestando-se a esle
aclo de carida le e rePgiflo, tanto no acum-
pa ni i a in en lo dos restos ni oitaes, como na
assistencia s oraches fnebres na igreja do
Corpo-Santo. E a todos aquellos sentiores
que, por esquecimento flhu de i.1o desagra-
vel occasi.lo, nao foram lembrados, pede
desculpa.
Recife, 1 de fevereiro de 1850.
!!inaiiiiiiiiiririartiiaTiaii i-ninirira
- Pedro Baptista do Santa-Rnsa, director
do theatro de S.-Francisco, avisa ao respei-
tavel publico desta cidade que o novo dra-
ma sacro intitulado
APRESENTACAO DO MESSIAS
no
1TMIM.0 DR JKnLSlLIV,
ou
A degolaco dos innocentes,
promettido para r quatro ve/es scena, s
ir duas, em virtude dos trabalhos da com-
panhia franceza. A primera recita deste d'to
drama he na quarla-feira, 6 do corrente,
acompanhado do acto da VELHA,a pe-
di lo de muitas pessoas ; ea ultima ser na
.-exia feira 8 do mesmo. As pessoas que
assignaram para dozo rpcitas e queja paga-
ram, receberilo do mesmo director as duaa
recitas que faltam a completar as dze.
Aluga-se um moleque que seja capti-
vo, p trangoira com pouca familia : ua ra do
Trapiche-Novo, n. 8.
Na cavallarice, junio ao Hotel Com-
mercio, alugam-so lions cavallos para pas-
seios e viagens assim como tambem se
vendem alguns. No mesmo ha para vender
seiiins inglezes, francezes o da trra, si-
Iboes para senbora, lano em usn como em
meio uso, com aneius ou som el es.
- A arreuiatacSo da loja de li-
vros do pateo do Gollegio, n. a,
annunciada para odia3i do mei
prximo passado, ficou transferi-
da, por inconveniente, para o dia
5 do corrente, pelas 9 horas do dia,
podendo as pe.-'soas comparecerem
no mencionado dia.
Besappareceu do sitio da vio va d JoSo
Baptista llerbsler, na Gapunga, domingo,
27 de Janeiro, um bateblo, concertado de
novo e forrado de cobre na pOpa e proa :
quem souberon In o'le existe eo entregar
11 referido sdio, ou participar na ra do
Trapiche-.N'ovo, n. II, ser gratificado.
JoSo da Cunha Soares Guunares vai
aos portos do sul.
~ O preto liberto Joaquim da Costa reli-
ra-so para a provincia da Babia.
Precisa-sede um preto para venJer pQo
na ra e faier o servico de casa : na ra do
Pires, n. 41, padaria.
- Aluga-se urna boa casa na ra da Man.
gueira, por ni 1.......la precio : a tratar na
ra larga do Rozarlo, n. 38.
ba-se pilo de vendagem a pretas e mo-
leques, fazeudo-se maior vantagem do que
i*iu oulra qualquer parte; na padaria de-
limtela forialoza ilasCiueo-l'onlas.
(iRerece-se um moco |iaia caixeiro de
taberna, ou de oulra qualquer oslabeloci-
iiicnto : na ra Direila, 11. 76.
-- Precisase de urna ama para casa de
pouca familia na ra do Itangel, n. b.

J
MI ITII


~OSr. Msrcollino Jos de Sonta, que
morn na rus ilo llortas em 1847, queira
annunciar tua morad, quo se Ihe toseja
fallar.
Preeisa-sa comprar urna osera va, quo
seja porita engommadoira, entenda algu-
m cousa do cozinha o si i ha tratar do mais
arranjo do urna casa ; quem tiver annuncie.
Casa de modas francezas.
Buessard Mitlocliau.
HIJA no ATERRO-DA-IIOA-VISTA, N. 1.
Pelos ltimos navios francotes, chegados
do Havre, rorcheu-se grande sortimanlo de
modas, taps romo : chapeos ricos de seda e
cassas brancas o pintadas ; manteletes de
si-.1.1 de todos os modelos; llores; cabe-
coes; caroizitrhas; gollinhas bordadas de
lili'i c oambraia ; lencos de nulo, de todas as
qualidaries; luvas de pellica o do malha
a hera ; transas e franjas para vestidos ; fi-
los ; camhraias; meiss da seda ; e multas
outras hiendas que se farlo patentes aos
compradores: tudo por prego muito em
cont e Rosto verdaderamente francez. Na
mesma casa azem se vestidos e chapeos, e
ludo o mais de toilette das senhoras.
Antonio Joequim Tavares avisa ao res-
peitavel publico, que, lendo de ira Portu-
gal, ailiB de tratar desua sate, deixa
nesta cidade encarregado de seus negocios,
como seu bastante procurador, ao Sr. Li-
no Jos de Castro Araujo : portento, roga a
todos os Srs. que silo seus devedores de sa-
tisfazerem ao mesmo Sr. com a possivcl
brevidade. O annunoante, julgando nada
dever, aprovoila esteensejo para declarar a
qualquer quo porventura so julgar ainda
seu cre.lor de apresenliir-lhe a conla, aliai
de ser nvnedialamente pago.
ChristoviloGuiltiermo Hreckenfel I pro-
vine que nflo tem autorisa lo |iessoa algu-
mi para comprar em sou nomo, e s se res-
ponsabilisa pelo que elle proi>rin comprar.
A miilher parda que se offereceu para
ama da casa do eslrangebo da roa do Tra-
piche, n 1*, queira voltar mesma casa pa-
ra so ajustar.
Desappareceu, no (lia 2 do correle, da
ponte da lina-Vista alo a prac* da mosma,
itu cavallo bstanlo gordo, com os signaos
segumos: ruco peilrcz, bastante sellado,
cliuasirctase cortadas bstanlo rento ; lo-
vou o dito cavallo dous pares de ancoras o
cauxalha : roga-se a quotn o livor pegado,
ou delle souber noticia, dirigir-seso Aler-
ro-Ia-Ba-Vista, n. 43, que ser recom-
pensado.
Aluga-se o segundo andar do sobrado
da roa la iva do llozario, n. 40, conseriadu
e pinta lo de novo : a tratar na ra do Mun-
do-Novo, n. 30, a qualquer hora do dia.
Ulysses Droz retira-so para os porto
do sul.
--Quem precisar de um caixeiro brasi-
lero para qualquer arrumarlo, dirija-so c
ra do Codorniz, n. 8, que achara com
quem tratar.
Um senhora casada precisa de urna
mulber parda ou prela, domis de 40annos,
para Ihe fazer companhia : quem nostas
circumslancins osiiver, dirija-se a run atrs
da Matriz da boa-Vista, n. II.
I lio.ilro do Apollo.
O primeiro secretario da S. A. T. faz
sciente aos socios assgnala'ins, aos bailes
do carnaval, 9 e II do crrante mz, < j 11
os carlOes distriltuem-so nos dia 4 e 5, e a
ap'i-ovaco s procostasde convidados no
da 6 tanto urna como outra cousa, das 11
as 3 horas da larde im| retcrivelmente, no
sal.lo do mesmo theatro; cojos dias pas-
sa los, nenhuma distribuIcSo, ou proposta
se Cara e aceitar.
-- Em cump imento do titulo quinto, ar-
tigos ilmn e tres das posturas da Cmara
municipal, obleve Joaquim Lobato Ferreira
para ellllcar casas ni ra projecla la do
Caes, na inarzem do rio Capibanbe, paral-
lelo a ra da Concordia, para o fim de col-
locaj osen estabelecimenlo da de-ul ic.i i :
porfsso faz ver pelo presente annuncio a
to los os compradores d i gneros de desli-
lacil, que smn embargo da mudanca dos
alambiques, quo lera lugar logo depois do
dia 4 do correlo, o deposito dos gneros de
ileslilacilo, lici s>mDre oxistindj na mes-
illa casa da ra da Senzalla-Velha, n. 110.
-- Paulo iiailing Vcilch, subiitods S.. M.
Itritannica, retirarse para a Europa.
A rasa de sor ve tes do I'as-
seio-Publico rontini'ta a fazer o
costumaJosorvete a aoo rs. o co-
po pagos logo, e para poder con-
lindar espera-se a concurrencia
dos freguezes.
Mudanca.
Jo3o Vignes, fabricante de pianos, parti-
cipa aos seus freguezes, quo mu.Ion a sua
residencia da ra do Queimado para a do
Unza i o larga,uriinciro an lar da casa n. 28,
on lo morou o Sr. I)r. Netto, aonde acha-
rilo sempre pianos de superiores qualida-
dcs, curdas, e todos os aviainentos neces-
sarios, o as msicas mais modernas para os
nos nos.
.Manoel d'Almeida Lopes declara a
quem couvier, que esta procederilo o in-
ventario do seu casal, por inorle desua fi-
nada esposa l). Vicencia Mara de Jess
Lopes ; e pusto que certo de na la dever re-
lativameutu ao mesmo casal, loJavia roga
a qualquer pessni que sjjulgua s-r credor,
de eiirusenlarsua conta para-ser altentida
no mesmo inventario, al o dia 8 do cor-
rete feveeiro.
-- liomingo Filippe Ferreira Campos,
subdito portoguez, vai ao llio-Crande do
sul, levan lo em sua companhia o seu escra-
vo liento, de iiacAn Angola.
-- Prt:cisa-sc de urna casa peno da Roa-
Vi -ta, para um estrangeiro sem familia : na
lUa do Trapiche, n. 14.
o e
<-J Alugam-se e vendeoi-se as verda- 0
f, deiras bixas de llamburgo : na praca q
0 da Independencia, n. 10, ao voltar q
q para a ra das Cruzes. 0
o
05>(&t&000>>OCt> tSOOO
-- Aluga-so um escolenle sobrado do um
andar, n!lo pela sua archilectura que lie um
punco antiga, massiin pela localidade em
quosvadna situado na Solcda.le, e dentro
do sitio do Sr. Ilerculauo Alvos da Silva,
leudo urna excellcnte vista por todas as
qustro frentes, sendo muito fresco a mili-
to Radio, o que se prova com vinle e"tantas
familias que alli toem ido restabolccer seus
doonles om muito poneos anuos, com per-
da anonas de urna senhor i que, pela sua
a vanea l_ idade, nilo pode resistir gravi-
dadeda morostia : este solirado aluga-se
por commodo preco mcnsalmente, ou como
couvier aos preleu.lentes, os q na os se po-
doro dirigir ao mesmo, onde acharo com
quem tratar.
--Quem quizar fornecer dlariamento duas
arrobas de capim, mandando por porta,
dirija-se a ra da matriz da Boa-Vista, n. 7,
para ajustar, ou annuncie.
OITcrece-se um hornero, natural desta
provincia, parn feilor, ou administrador
da qualquer sitio : quem de seu presumo
sequizer ulilisar annuncie.
--Aluga se urna excellento escrava, fiel,
que sabe cuidar no asseio de urna casa, ves-
tir urna senhora e tratar de crianzas com
toda caricia: quema precisar, dirija-se
ra do Hospicio, sitio n. 8, junto da viuva
liorna.
Precisa-se alugar urna oscrava cozi-
nheira, para um estrangoiro sem tamilia :
na ra do Trapiche, n. IV
Na ra das Cruzes, n. 40, taberna de
Domingos da Silva Campos, ha superiores
bixas de llamburgo, que se venden) o tm-
hem se alugam, tanto om porcSo como a
retalho, por preco commodo.
Precisa-sede um hornero para I raba
l liar e ser feilor de um silio aqu na prrea
na segunda casa passaudo o quartel do Hos-
picio.
-- Na ra do Fogo, n. 32, precisa-se de
urna ama capaz, para una casa de pouca
familia.
0 abaixo assignado relira-se para Por-
tugal a tratar de sua saude, e deixa nesta
praca por seus procuradores aos Srs. War-
1 imlomeu Francisco de Souza, Antonio Ro-
drigues di Cruz 0 seu irmo Joaquim An
tonio Pereira, ao qual dou sociedade no seu
eslabeleci.nenio di ra larga do llozario.
n. 28, cujo ostalielecinieulo fica gyrando
sb a firma de Silva & liman.
Antonio oaquim l'ereira da Silva.
0 Sr. Antonio Gomes de Frailas,
filho do negociante, o Sr. Jos Antonio de
Freilas, e da Sra. I). Anua Casemira de Fre-
las, da cidado do Porto, do reino de Portu-
gal, h rogaJo para ai.parecar nosia lypo-
grapliia para dar noticias suas, as quaos
devem ser communicadas a seu irm.to
Francisco Comes de Frailas, existento no
Hio-de-Janeiro ; o se alguem do mesmo Sr.
tiver noticia, queira ter a bondade de com-
municar ondo existe, que muito se agra-
9)mmmm&.mmmmwMmms-.mM
1 -i
Vi Modo asseiado e econmico |>
para alumiar urna sala
file reconhecido que o gaz hydroge- H
neo liquido de todos os comiustivos -t
i que se eir,pregaram al boje para alu- j
miar-se, he o mais econmico, mais ;';
1 asseiado, e que d a luz mais bri-
; i; Ihante. Os arranjos c* candieiros 9
: de gaz silo mui simple nSoso en- !B
8 eoiilram nclles os inconvenientes &
-!: que a cada instanteapresenlam os de ^
f$ uzeile. Os ama lores do gaz achar.to x,
y sempre,cui quanlidaJe sullicienle, ji
^ de boa quutidadc, na deslilaco fian- ijj
-^ cesa da travessa da Concordia. |
mwiwwwwmww wmmu
Alugam-se oscravos quitandeiras: na
ra do Collegio, u. 13, das 10 horas da ma-
ndila s 3 da larde.
Na ra da Cadeia-Velha do Rocifo, n
51, segundo andar, ensina-se Istia), rlioto-
rica e philosophia, rom todo desvelo e pe -
fricilo, por pessoa dealgum merecimento,
que so offerece a quem queira.
Lotera ta matriz da Boa-
Vista.
'5
0 respectivo thesoureiro, Manoel Gonca-
vel da Si'va, pretende nilo illudir a expec-
tacflo do publico com anuuncios importu-
nos do andamento das rodas desta lotera ;
esforcar-se-ha quanto couberem suss for-
ras pana com o possivel presteza annunciar
o dia, alem do qual nSo devera passar a es-
peranza dos compradores ; porque entend-
que a essa illusao em que alguna teem poi
ve/es deiX'idu orespoilavel publico, se de-
ve essa especie de descrdito, que tanto
lea) demorado o andamento das nossas lo-
teras ; por isso lirnita-.se por ora a annun-
ciar a venda dos bilhetes, e a extrahi-lo
com todo o empenho, afim do poder asse-
gurur aos compradores o da em que deve-
r ella imprelerivelmente correr.
A vantagem do plano j publicado e o fim
religioso paia que fui esta lotera concedi-
da, convida a seduz os tentadores da sorte
a concorrerem sem demora para a compra
dos nmeros que Ihos preptram a suave
acquisicilo de lieos da fortuna, sem risco
de grande capital, e Com o importe rnen-
lo da diminuta quanlia de ou 10,000 rs
por poucos dias.
Desde j.i achar-se-lio os bilhetes : no
Recite, lujas do thesoureiro e do Vieira
cambista ; em S.-Antonio, botica de Joflu
Moreira Marques, no pateo da Matriz, e de
Francisco Antonio das Chagas, na ra do
I.1 entnenlo ; loja de lieinai Jino Jos Mon-
teiro, pracinha do Livramento, n. 4i ; no
Mei in-,1 .-lina-Visla, luja* de (iui ni.ii ,ics,
n. 44. o do liuarte Rorges da Silva, n. 18.
Precisa se alegar urna prela que saiba
lavar, engommar e coser, para urna cas,-
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, da>
II horas al s 3 da tarde. Na mesma casa
lambem se ""precisa alugar um .prelo qu>
eutendadoservco interno, a saiba tratar
de cavallos.
Urna parda moca e robusta se offere-
ce para todo o servco interno de qualquei
casa :quem a pretender dirija-se ra da
Sonzalla-Nova, n. 18, loja.
Carlos Claudio Ti case, fabricante
de orgaos e realejos, na ra da.s
Florea, n. ir,
Avisa o rospeitavol publico que concerU
orgSus e realejos, pOu marchas moderna.'
deslc paiz, colicorta planos, saraliua, ca
xas de msica, acordons o qualquer instru
monto que appaieca ; lambem faz obras no
vas e alma pianos em casas particulares. \
mesma casa so fazem caixas para guarda
juias, por prec.0 commodo.
-flercce-sc um 'juxeiro para padaria,
do que j leve r-ratiea, do i la.le de 12 an-
uos, e que d fiador a sua conduele : quem
precisar dirija-se ra di Se'nzalla-Velba,
n. 96.
DJQrse 400 ou 500,005 rs. a premio com
hypotheWa e.n algumn cna torrea sita nes-
ta cidade : na ra do Solio, n. 8, a qualquer
hora do dia.
Passaportcs.
Tiram-so passaportes para dentro e fra
do imperio, correm-se folha, despacham-
se escravos e liram-se ttulos de residen-
cia para sempre : para este flm, procura-se
na pracada Independencia, livrarians. 6 o
8, e na ra do Queimado, n. 25, loja de miu-
DEPOSITO GERAL
do superior rap areia-prta i
> da fabrica de Gantois Pai- '+
9 Ifiet&c Companhia, na Ba-
> f"'a. ($
f> Domingos AlvesMalheus, agente da '<)
> fabriea da rap superior areia prcta A
>. e meio grosso da Rabia, tem aberlo o ($
t>> sou deposito na ra Cruz, no Recife <$
n. 52, primeiro andar, ondese achara
# sempre deste excellento e mais sere-
te ditado rap que al o presntense tem
t fabricado no Brasil: vende-se em bo- }
j> les de urna e meia libra, por preco )
>'. mais commodo do que em outra qual- -j
9S quer parte. ,)
4r
Precisa-se alugar uina casi terrea na
freauoziaileS.-Anlonio.coni quintal e ca-
do nojo a s mesmo. e a quem o serva, fi-
cou perfeito. Cenlenare.s de pessoas quo li-
nham solTriJo ( por anuos a ponto de deses-
peraren) da sua "sorte ; molestias cutneas,
glndulas, rheumatismo chronio o muitas
outras enf.-ruiil ules proc.lentes do desar-
ranjo dos igaos de socrcQo o da circula-
<;flo, leem-se ergu lo quaii milagrosamen-
te do loito da morie, c hoja, com constitu
ces regeneradas, com pru/.er allestam a of
Reacia desta inestimavel proparaco.
Comquanto tenliam npparecido grandes
curas aj aqu prjduzidas pelo uso desta
estimavel medicina, conatudo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no-
taveis.
NOW-Tork, 22 de abril de 1818.
Srs. A. B. e I). Sands. Julgando ser
um dover para con) vosco e para com o pu-
blico em geral, remetlo-vos este certifica-
do das grandes virtudes da vossa salsa-par-
rilha, para que outros quo hoje estilo sof-
frendo oslabeleQain molhor a sua confian-
za e facam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande fe-
rid.-i no lornozelo, que te eslendia pela ca-
nda cima al so jnelho, 1-1 tic-ivi grande
porcilo do nojent.i materia, com comidios
que me privavam muitas nuiles do meu des-
canco, e eram muito penosas desupportar.
OSr. Pingo M. Connel, quo havia sido
curado'com a vossa saUa-pirrilha, recom-
mondnu-me que cu fizesse uso dclla, de-
pois de haver tomado cinco garrafas fiquei
pe feilamente curado.
Tenlio demorado um anno mandar-vos
oslo certificado, para conhecercom certe-
za se a cura era permanente, e tenho agora
a maior satisfacRo em declarar que nilo te-
nho visto, npm sentido cousa alguma du-
cimha : na ra do muro da Penlia; casa dts ranle todo este tempo, e cho-me perfeita-
afericOes.
l'm moco casado que entende per fei-
lamente a lingoa frnnceza, pela resi len-
cia do muitos annos que fez em Franca, se
prope n ensina-la liem cuino marcena-,
ria, de que tem grande conhecimento nm I
qualquer cngcnlio : quein de seu preslimu
>a quizar ulilisar, dirija-se a Cimboi-ilo-
(ara o, n 8, d-is 6 horas da mantilla s 6 da
tarde. '
D'iiUs artficiaes.
J. A. S. Jano, dentista, participa ao res- \
peitavel publico que conliita a exercer a
sua nrofissSo, na rua estreita do lio/ario,
u. 16, primeiro andar.
IS otra tos.
Cincinato Mavignier, retratista, temi
merecido sempre do benigno puhlro toda a
prolec<;3o, pretende em signal de minia
gralidao continuar a relralar com lo in o
esmero possivel aquellas pessoas que a esse
lim se proposcrom, prometiendo a boa exe-
cuco em tudoquauto se requer, para apro-
v.ii.-."n geral do mesmo publico, a quem ser
eternamente grato. U Anunciante declara
quo vai abrir una grande aula de desenlio
i pintura a pedido de mulos de seus ami-
gos, e para esse lim, aquellas pessoas que
se quizerem ulilisar de seus Traeos ensillos,
poderao dirgir-so a travessa do Carino,
n. 1, segundo andar, das 10 horas da ma-
iiha s 4 da larde.
9999*99*999999999999
# tt>
*>, IIOMOEOPATIIIA. i % fe
/> O consulloriu homccopalhico de <
% Pernambucoesl aberlo iodos os dias t
Ir desde as 8 horas da maiibu at as 4 %
>,- da tarde. ;>
t Adverte-se as pessoas que quizo- %
<^ rom usar da bomooopalhiu, dediri- v-
^ gir-se nornesino consultorio o enten- >
der-so com o director Joo Baplista
Casanova.
.M-'uns curiosos andam as casas
particulares olTerecendo administrar
a homccopalhia em nome do consul-
torio, estes curiosos facam as especu-
larles como melhor o eutendarom,
m
mente restabelocido. Son voso, ele.
a Sara/t M. Inlire.
210, rua Delancoy.
Nesta provincia o nico agente desie ma-
ravilloso remedio he Vicente Jos do Brito.
Vendem-se corles da cassns pretas, em
bom estado, com 13 covados, a 500 rs. ;
loncos do se la, a 500 o a 1,000 rs. ; luvas
de seda para senhora e monillos, a 20) rs
o par; merino decores, com palmos de
largura, 500 rs. o covado : na rua do Crea*
po, loja n. 10.
Familia de mandioca.
Vende-se a borlo do patacho Industria,
chogado de San-Ma Uieus, funden do defionlo
da eseadinha do Collegio, a melhor fari-
nha qup ha no mercado, por sor muito no-
va, em grandes o pequeas porcoes, o por
preco mais commodo do que om outra
qualquer parte : trala-se a bordo do dito
barco, on n' rua do Vigario, n. ti), com Ma-
chado & Pinhero.
Na rua Nova, n. 18, loja de M. do A.
C., ha para ven.er-se um completo sorl i-
ment de obras feitas. sendo casacas de de-
ferentes coros e quididades ; sobre-casacas
o palitos de merm, de panno fino e de
moins eaflmiraS) propriae para montar a
cavallo por serom escuras; ditas lie brim
,e risrado ; calcas e jaquetas de dillerent-s
' (pa 11 hule- ; rolletes de sel i'n maco, de
' velludo, ele fuslilo, de so la lina, de gorgo-
! rilo o do seda ordinaria; robehamhre ; ri-
eosco'tea dacolletes, prop/ios para bail-s
ou casai.onins ; chapos de seda ; loncos
' para grvalas ; nanuns finos da dillcrcnies
I quali.lados ; ricos corles de cazimira, de
lindos pul roes, molernos; dila branca,
I muito fina; dila encarnada; merinos ; biins
de dilTVrentes quali Jadea ; riscados ; setlus ;
lairja hospanhola ; p outras muitas fazen-
I das. Na mesma loja vendem-se charulos de
| liavaiia, finos, indos da Rabia, um farda-
monto completo para guarda nacional o
um par de adragonas pura ullicial subal-
terno.
Vende-se a melhor raz.onda de gado do
sertilo de Carory-de-l ora, com meia legoa
de Ierras em quadro, se:ilo parte dclla la-
, vradia, duas casas de lellia, urn Casal de
mas nilo se sirvam do nome do con- *i; escravos ptimos vaqu-iros, agoa perma-
sullorio, porque no consultorio nilo ffi, nenie, 100 cabecas de gado vaccom, sendo
existen) ageiiies nein cacheiros, vis- 9 50 vareas e 50 narrles a gamitas : osla a
loque, a medicina nflo seadminis- 30 leguas dist-nte desta prarja, a margem
ira por meios de agentes ou cacbei- $\ dorio Parahiha, e seis leguas distante da
ros. Consultorio homccopalhico de Per- H;com seu proprielmio, Joaquim Alvares Cs-
namhuco, >>a da Cadcii de Santo- <[ mello de Aiaujo Pereira, en seu eugentio
o, jjka
Q Antonio, uTi
'4
i
AffonsoJos de Olivera, profossor ju-
bilado na cadeia de geographia e historia
do he desta cidade, propOe-se a ensinar
grammalica latina, rliotorica e^eograptiia :
as pessoa que de seu presuma se quize-
rem ulilisar, poden procura-lo na rua i-
reila, n. 120, segundo andar.
Compras.
Compra-se um violilo : quem tiver an-
nunale.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos, de 10 a 40 annos : pagam-se bem :
atrs do theetro-velho, n. 18, primeiro
andar.
-- Compra-se calcado f^ilo na trra, para
hoinem, senhora e meninos, de to las as
qualidirdcs: defronte do uixo do Corpo-
Saulo, na loja nova sita na esquina da tra-
vessa que vai para a rua do Vigario. Na
mesma loja se venda a relalbo sola, mar-
roquins, bezarro, couro de lustro, couros
de cabra em brancoa lintos.e tolos os mais
preparos para o cilicio de sapaleiro.
Compra-so um cavallo com andares:
na rua da Pcnha, casa das i fericOes.
Compra-se urna canoa de carreira, de
um s pao, usada, mas em boin estado, o
que seja maneira, de modo que quatro ho-
iiiensa possam transportar para qualquer
paila : quem tiver annuncie i or esta folha.
Compra-se Chernove, livro de medi-
cina : na rua liiieia, n. 14.
Machado, na comarca do l^uarass.
Vendem-S'! 38 arrobas do fumo velho
em folha, chegado da Rabia : os Sis. fabri-
cantes de charutos quo o pretenderen), diii-
jam-se rua cslieta do llozario, u 22,
que acharan com quem tratar.
Vendem-se cassas e cambraias pintadas,
fruucezas, com 4 palmos do largura, a 200
rs. o Covado ; luim pardo liso de linho,
com um pequeo toque de avaria, a 120 rs.
o rovado; dilo trancado pardo e branco, a
1,000 rs. o corto ; ua rua do Crespo, loja
n. 10.
cera.
Vendas.
Salsa-panilha de Sands
para remover e curar radicalmente todas
as eufermidades que proceden) da impu-
reza do sangue, ou habito do systema.
Esta medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis de molestias
que procedein da impureza do sangue. A
infeliz vietin.a de molestias herediiarias,
com glndulas indiadas, ervos incoibidos
.-os ossos meio arruinados, ficuu restabe-
lecida com toda sua sade e Micas. O iloen-
te escrofuloso, coberto do chagas, causan-
Velas Veiideni-se caixas com cera em volas, fa-
bricadas no llio-de-Janeiro, sortidas ao
goslo do Comprador e por preco mais com-
modo do que em outra qualquer parlo : a
tratar com Machado & Piuhoiro, na rua do
Vigario, n, 19.
lom negocio.
Vende-se a antiga fabrica de ca-
f, que perlenceu ao finado Anto-
nio Vas de Oliveira, sita na rua
do Amorim, ns. 4 c 4?> cm" ,0~
dos os peitences ; tambetn se elu-
t;aiii no comprador oa deus pe-
quenos^arinozens em que esto
coliocados o ngao 6 irais perten
ees da mesma fabrica ; quem a pre-
tender, dirija-se rua do Amo-
rim, n 36, a tratar com Antonio
Joaquim Vidal 8c Companhia,
Troca-se urna imagem de N. S. do Car-
ino, obra de Lisboa, de podra iii-ii-iii-.i e,
cousa muito ricaeasseadu na rua de Hur-
tas, n. 120
Veude-se urna armaco envidracada,
com toilos os uleusis i erlencoutes ao olli-
co de sapaleiro : na rua do Amorim, por
irs da casa u. 27, a fallar na mosma loja.
Vende-se um sitio a beira do rio, com
mais de mil palmos do frente, baixa de ca-
pim para mais do 30 Teixes por oa, com
-v.in.le casa moderna, contend) duas gran-
des salas, dous gabinetes, duas alcovns,
tres quartos ecosinha ; hep'rtoda praga
a he antes de ch-gar ao Paco- la-Panella : a
fallarna rua deS -Amaro, casa n. 16
Vende so peixo silpres) eser.co, mui-
to fresco, fabricado na Bahii-da-Traicrfo.
orovlncia ta Parahiha, por preco co-nmo-
lo : na rua das Cruzes, n. 40.
\os genitores de engcnlio.
Vendem-se cobertores de pura lila, a rs
1,440; ditos de algodo americano, nimio
encornados, a 609 rs. ; algodo tranca lo,
azul, a 120 rs. o covado : na rua do Crespo,
loja n. 10.
PMVRM*CI\ FRANCF.SA.
Xarnpc peiloral adorante preparada por Luis llntt"ntu''t h C. boti-
cario ehimico da eirollu eipenitil de Parii.
A gomma do angico he conhecda o om-
pregada bi muitolenipn polos habitantes do
interior do Rrasil, c imn um exccllonlo re-
moJiopara as molestias de peito ; mas em
um estado tal d'impuresa, contendocorpos
eslranhos, quo muitas vezes rmpedindo'
seus efTetos, tornavam suspeitas suas pro-
priodades, e obiigavam o doente a tomar
urna porcilo le materiaselranhas, nilo obs-
tante que inertes, mais que no col nilo dif-
licultava o seu uso.
Hoje, cmlim, esta gomma he por nos le-
vada ao mais alto grao de puresa, o assim
com ella preparamos o nosso xarope tilo a-
gradavel e fcil de tomar como promptoe
ficaz nos seus resultados. Os mdicos des-
ta cidade o outros mutos que teem obser-
vado seus effeilos, provam su superinrida-
ieahsolula |mra a cura das inflammacffes do
peito, toces, defluxos, catarros, escarros de
sangue, etc. ; e appllcam aos seus doantes
como o melhor especifico al boje couheci-
lo. Chegou do Maranhilo, aonde he fabri-
cado, moa (iii-iiii i la le desti xarope i i bem
conheeido nesta cidade por muitas pessoas
(|iie delle tem usado : constantemenle so
ndo no mesmo lugar j annunciado, na
venda da rua da Cadeia do Recif.', n. 25, de-
frnnte do Hecco-l.argo, a ludo oadasgarra-
lioha, acompaiihundo ninruceituario do seu
autor.
NA|t|!\ DVCAlitCIA DO RECIPE, N 24,
LOJA OECAMRIu HA VIUVA VIEIRA
& FILHO!*.
Lotera do l&io-dc-
fanelro.
Aos Pelo vapor Imperador rocehmos as listas
da 12 lolO'ia do thnatro deNictheroy eos
mullo al' nlona los bilbctes e meios ditos
da primeira lolerii concedida a lieuelicio da
sania casa du Misericordia da cidade de S -
J lilo-u'F.l-llei, a qual devia ter andado uo
da 10 do crrenle mez.
pntgos
Bilhetes 22,000
Meios 11,000
OuarlOS 5,500
Oilavns 2,800
Vigsimos 1.3)0
PRF.MIOS VENDIDOS DE DUEItAs .0-
TERIAS.
11 .* lotera das mil/rites.
Na. 2412 4O0.C00
2134 20 ni n,i 00
975 IdO.OiiO
4377 100,000
21 lotera do II on te-Pi.
2220 4:000.0(10
2li9fi 2()0.0t'0
4PS9 io) ooo
2149 100,000 .
51.' lotera da Miiericnrda.
4S3 4:000,000
2459 200,000
1205 100,000
6.' lotera do thetouro.
39 4:OC0,000
12." do Iheat.-o de Nictheroy.
4123 1:000,000
5313 2.000,000
2036 400,000
1860 100,000
18s4 200,0110
557* 200,000
694 40,000
Chocolate desnude.
De todas as substancias alimentares, qoe
sendo em seu principio eonside cousas de luxo, toruam-se polo lempo adi-
ante de um uso geral, o chocolate pode sem
Contradiccffo, oceuparo p-imeiro lugar.
I-llerliv.imenle, rioautas pessoas nilo ve-
mos nos preferir boje ao uso do quente caf,
o uso do chocolate e nisto seguir a opinifto
dos mdicos mais celebres, qou de com-
mum accrirdo sobre suas preciosas quali
dades, O n licam como um dos nossos tne-
Ihoies estomticos nqiiellas pessoas, cuja
sau'de lio dbil n delicada !.. Pre.-crevem-
no aos seus doenlos, rconselliam no aos vo-
ltios eo recommendam s milis de familia
para seus liIhos. Em urna palavr.i, o con-
sumo verdaderamente extraordinario que
todas as classes da socie >ade fazem deste
alimento, he o mais bello elogio que nos
Ihe podemos fazer. Chegou do Maranho,
aonde he fabricado, um novo sortimenlo
Jeste Coocolati j bem conheeido nesta c-
lado por minias pessois qunloiifeilo uso
delle, c con-t int.'mente sa vende no mesmo
lugar j anniinciado, na venia di ruada
Cadeia do Recife, n. 25, defr.inte do Recco-
Ltko, a 480 rs. a libra de n. 3 entre lino, a
a 640 is. o de n. 4 lino. *
Vendem-se bustos de gesso represen-
tando fielmente a rainha Victoria e o prio-
cipe Alberto ; relogios de ouro e de prala,
ciiegados ltimamente da Suissa : estes re-
logios que silo mu bem acabados, so tor-
nan) multo lecniimen,lavis a qualquer
particular, o advcrle-se que ha entre ellos
algunsque andam 8 dias sem precisarem
de corda : na rua da Cruz, no Recife, n. 55.
Vende-so um cavallo rodado, grande,
novo, um tanto descamado e com lodos oa
andares :*na rua do Crespo, loja d esqui-
na que volt para a cadei.
Ano


I. -d*taat*-t*Ki*w
^BtSJg*
No Atcrro-da-Boa-Vista, sobrado n. 5,
vende-se urna eollecgo d exemplares de
escrita, completa, eomprehondendo diffe-
rentes caracteres do lettrus, acomnanhada
de um methodo muito claro e explicativo
dos diversos ejemplares e eslampas collcc-
cionadas. Esta obra he mu conveniente
aquellas pessoas que se empreeam em ap-
plicar a mocidade a instruegilo primaria.
No mesmo sobrado vende-se muito supe-
rior o bem fabricada Unta de escrever
Pechincha.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja, n. 10, anda resla urna pe-
quena porgllo dos ricos corles de vestidos
desetim preto lavrado, pelo diminuto pre-
go de 1 .".,000 rs.
--Vende-se urna mulatinbade 19 annos,
de muito linda figura para mucama, e com
bons principios de habilidades ; um preta
por prego muito commodo ; um prelo co-
znheiro; um dito bom bolieifo ; 2 m&le-
ques, um de 12 annos, e o oulro de 16 ; um
prelo velho, bom para servir a urna casa,
por 150,000 rs.: na ra do Collego, n. 21,
primeiro andar.
Vendem-se relogios de ouro e prata
de patenlo : em casa d* Russell llellors &
Companhia, na ra do Trapiche, n. 11.
Na fabrica de raldeireiro da ra No-
va, n. 24, rerebeu-se um .completo sorli-
mento de vidros para vidragas, que se ven-
de por prec.n commodo.
Vendem-se cnmmendas de ofllcial
da llosa ; ditas de Chrislo ; urna dignitaria
da Rosa; habilos de Chiisto o da liosa,
randes e pequeos : ludo isto lie da n.e-
lior qualidade e posto : avista do objecn
se dar o prego : na ra do Crespo, n. 12.
Farclo de arroz.
Vendc-sc esla ja tilo conhecida quanto
til substancia elementara para o susten-
to decavallos, em barrics de quatrn arro-
bas para mais. pelo diminuto prego de 2# a
barrica: nos armazens do Onofre, na run
da Madro-de-Deos, e no defronlo do chafa-
riz da ponte do Recife.
Vende-se um escravo peca, de 20 an-
nos : na ra do Crespo, loja da esquina que
volta para a cadeia.
Potassa nacional.
Vende-se potassa nova da fabrica nacional
do Itio-de-Janeio ao baratissimo prego de
i 180 rs. a libra, os senhores deengenho de-
vi'in todos mandar comprar desta potassa
afim de animar a fabrica que com lanos
sacrificios se estabelereu e foi a causa de
baixar a este prego : na praga do Con.mer-
ejo, n. 6, primeiro andar, esrriptorio de
Manoel Ignacio de Uliveira.
->
3-
Cassos e eambraias


Vendem-se rambraas de cores, do J
maisdevarade larguia, a 240 e 300 2
is. o covado ; cassas de coies, a 2i'0, S
g 240 o 320 rs. ocuvao; lencos de seda, *$,
> a 1,000 rs.; ditos grandes, proprios <;
>> para hombros de senhora, a 1,880 ; diloscnni franja, a 1,000 e 1,280 rs.;
meias para meninas, a 120 is o par;
e oulras muilas fazi ndas por meta-
de de seu cusi: na ra do Crespo,
n. 9, luja.
a>

Ao barata.
Panno da Cosa, com 8 palmes de largu-
ra, a 320 rs. o covado, proprio pan pannos!
de pretas, cobi rase qualquer obra de es-
cravos* na ra da Cadeia do Recife, n.20,
loja.
Ycndeni-se 24 actes da
companhia de Beberibe : na ra
do ltangel, n. >4, se dir quem
vende.
Canoas.
Vendem-se duas canoas grandes, de mui-
lo boas madeiras e novas : a tratar no sitio .
#do Hospicio, n. 6, ou na ra da Cadeia de 1 e'os
Sanlo-Anloiiio, 11. 9.
--Chegaram uovamenle ruada Sen-
rua larga do Rozario,
dar.
Pecas com SO covados a
2,800 rs.
Na roa do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja, n. 18, veudem-se pegas de
meiim verue, azul e cor de caf, com 20 co-
vados, por 2,800 rs. : fazenda muito pro-
pria 1 ara vestidos de preas, por ser escu-
ra ede multa duragao.
Cal virgem.
Vende-se superior cal virgein pm pedra,
cm barnsde4 arrobas e meia, chegada no
eorrente mez do Lisboa, pelo tingue Iovot
Vencedor : na ra da Moda, armazem n. 5.
--Vendem-se duas parles de urna casa no
baino da lioa-Vista, em limadas melhores
ras, a qual existe com venda ; e tanibein
urna pane de um terreno annexo a mesma
casa ; um outro terreno na malta da Tor-
ra, com 3QJLpalmos de frente e 600 de fun-
do, prximo ao rio Capibaribe : tudo por
pi cu commodo : na travessa da CoDcur-
dia, 11. 5.
No engenho Paralibe, distante desla
praga 3 legoas, vendem-se 30 quarlos
Pesias manis de icia, 3 vaccas mimo boas
ile leite, 1 bois mansos de carro : tudo cm
bom estado.
Vendem-se 16 escravos, sendo: um
pardo de elegante figura ; una preta de 14
annos ; urna oia rom urna cria de oito nie-
zes ; 2 molequesde bonitas figuras; urna
escrava com 3 ciias ; 2 pelas para o ser-
vido decampo; um mulalinlto e 17 au-
nos, proprio para pagem ; 2 pretos do na
<;lo, pmpnos par armazem de assucar :
un palto da maliiz de S.-Antonio, se dir
quem vende.
Na ruado Cabuga, n. 3, lija de sellei-
111, vendem-se liulMI de Oeiras brancas e
j'ii tus, u.iiusupeiioics, por menos piego
do que em 01.Ira qualquer parte.
Vende-se una bonita escrava mofa,
mu vicios, e quccozinlia, lava e ciigoin-
111a na ra Relia, n. 21. .
-- Na ra da Cruz, armazem, n. 33, de S.
Araujo ha para vender um restantede frascos
de rapde Lisboa de meia libra; assim como
couros miudos, sola, calcado do Aracaly,'
tanto ordinario, como de luslro; caixas para 1
rap, e saccas com feijSo ordi/inrio ; tudo se
vende para liquidacflo de contas.
Novo sortimento de fa*
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. 6, ao p
do lampean.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, c6res fixaa o com 4 palmos
de largura, pelo barato preco de 320 r. o
covado; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; rlscadinho de lia-
Iras delinho, a 240 rs. o covado; brim de
algodSo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte duas varas e urna quarla ; cassa preta com
ramagem hranet. para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarlo de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cores fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de lailatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, mniti superiores, a 640 rs.
A bordo da brigue S.-ioi, chegado
prximamente, vende-se farinha de man-
dioca de superior qualidade, e por menos
preco do queem outra qualquer parte: os
preiendcnles dirijam-se a bordo -lo dito
brigue, Tundeado defronle do arsenal de
guerra, ou ao Recife. ra da Cruz, n. 66.
-amado Crespo, n. 15, loja de Joa-
quim deOliveira Maya Jnior, ha, alem das
alendas j annonciada, e de oulras mui-
las por barato preco, um sortimenlodo lin-
dos chapeos de sol, do paunlnho estampa-
do, muito proprios para os meninos c me-
ninas que mdam na escola, e mesmo para
as sciiliorasqne anda esUio no campo, pe-
lo preco de 2,000 rs.
Vendem-se, na ra da Cr>iz, n. 62 gar-
rofas com oleo de momona, a 90 rs. a gar-
rafa.
rentes de tartaruga pa-
ra prender cabello.
Vende-se a melhor qualidade do pentes
por preco mais commodo do que em ou-
tra qualquer parlo : na ra do Queimado,
n. 16, loja de miudezas.
Rap PauloCordeiro, a
1,1280 rs.cada libra :
vende-se na loja de Anlonio Joa-
qnim Vidal, na ra da Cadeia do
Recife.
Vende-se urna farda, espada, talim,
banda, hsrretiio : tudo novo pata guarda
nacional: na ruado Rangcl, venda da es-
quina, de Jos Rodrigues Coelbo & Com-
panhia, se dir quem vende.
Vende-se superior farinba
de milito etn porcoes e a retalho,
leudo de todas as qualidades a
vontade do comprador, e por pre-
co mais commodu do que em ou-
tra qualquer parte; na ra do
l!i un, n. 28.
Arroz a 50 rs. a libra e 1,400 rs.
arroba, sendo em sacca ainda por menos ;
espirito de 37 graos a 1,000 rs. araada:
no paleo do Hospital do l'araizo, venda
n. 20.
A <2#0OO o corte.
Vendom-sc cortes de cassa-chita, fina, de
bonitos padiOcs e com 6 varas e meia, pelo
diminuto pi ico de 2,000 rs. o corte : na
ra do Crespo, n. 6, loja ao p do lampeo.
Farinha Fontana.
Vende-se a mais superior fari-
nha fontana que lem vindo a este
mercado, chegada ltimamente :
a tratar com AianoeI da Silva San-
tos, no armazem do Aunes, no
caes da Alfandego.
O O
:', Na loja do sobrado amarello nos O
<:'l quatro-cantos da ra do Queimado, }
0 11. 29, vende-se, por precos rasoa- Q
rtj veis, sarja de seda preta, a verda- q
,-S deira hespanbola, l.avenilo varias q
qnali Indi s pi.ru se rscother; selim a
? rrelo de Maco, muito encorpado, 5
r lustroso e sem gomma, proprio pafr ?
J* vestido de senhora; lindos los pre- *
y tos bordados de seda c com lindos ?
O desenhos, fazenda superior ; meias j?
O de seda de pego ; um completo sor- O
O timenlo de pannos pretos finos, pro- O
O va de limo, haveudo urna qualida- O
(;J de que he o mais fino que aqu tem y
4> apparcrido ; casimira preta clstica O
0 de diversas qualidade ; selim preto f
aj de Hado, muito superior ; chapeos Q
q francezes de superior qualidade e da A
m ultima moda ; e oulias fazeodas fi- q
% as: ludo por preco de agradar ao n
^ comprador. *;
Vendem-se, e lamben) se alugam supe-
riores bixas de llamhurgn, por prefo com-
modo ; tamhem se vende clioui n;u de Lis-
ba, a 400 rs. a libia; supeiior manteiga
ingleza, a 6(0 rs.; superior cha, a 2,000 e
2,210 rs. ; queijossui eriores, a 1,200 rs. :
no Aterro-da-boa-Visla, taberna que foi do
.Maya.
Vciidcm-se saccas com muito bol fa-
rinha de mandioca, a 2,500 rs. cada sacca :
na ra da Cadeia do Recife, ao p do arco
da ConceicHo e junio a botica do Sr. Amo-
nio Pedro das Neves.
Farinba de S.-Catharna.
Vende-se, a bordo do berganlim Ua-
rla-I.ibania, Tundeado perto do caes do lla-
mos, a muito boa farinha de mandioca, em
des; 6preUs com habilidades, e quo sao poreflo e a retalho, sendo a mais nova que
proprias para lodo o lOrvifOl na ra dojchegou a eslo porto: tainbem se traa na
Collegio, n. -J. I ra da Cadeia do Recife, n. 14. i
Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato preco de 2,000, 2,500, 3,000.
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs.: meias para meninas, a 160 rs.; ISa
com lislras de seda, a 600 rs. o covado; ln-
zinha propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; 1,1a superior pa-
ra calcas, a 500 e 600 rs. ; lencos de algo-
do e seda com franja, a 600 rs.; cortes de
collele de velludo, a 1,600 e 2.500 rs.; cas-
sa-chita, a 400 rs a vara ; garca de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado, e oulras n.uias fazendas por
barato preco : na ra do Crespo, r. 15, loja
de Joaqulm de (Hiveira Maya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhadoa
atrs do Corpo-Saoto, n. 66, por preco com-
modo, velas de carnauba, sendo azues
cor deroga e lustrosas, as quacs se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de espermacete,
e nSo fazerem morrBo.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-de-
leos, n. 36, est de novo eslebelecido de-
baiio das mesmas condi^es, ofTerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa,
1,300 rs. a caada, a de vinho I.raneo de Lis-
boa por 220 rs a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho do Rordeaux por 160 rs.
garrafa levando o casco. NSo se admircm
os fiepuezes do bailo pre^o por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o enligo pre-
co, embora este genero tenba subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examincm os
amantes a qualidade para reconhecimento
la verdade e continuac.flo da anliga fregue-
zia.Epara mo haver usuras, est.1o promp-
las garrafas lacradas e com o compltenle
rotulo, assim como barril de diversos la-
nianhos para provislo do prximo Natal.
O proprielario conla com a concurrcnci
do contrario, tornaro os preces do reta-
lho a primitiva de240e 280rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende se muito nova potasas,
de boa qualidade, em barriszinhot
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se nao vende : nc Recit
ruada Cadeia, armazem n. 12.
Antigo deposito de cai
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Farinha de mandioca.
Na ra do Queimado, n. 14, loja de fer-
ragens, anda lia algumas sacras da boa
farinha de mandioca, muito alva c bem tor-
rada ; bem como urna porc^o de peonas de
ema, proprias pata espantadores.
Vende-se vinho do Porto muito supe-
rior, em barra de qunriu e quinto ; farinha
de Irigo de todas as qualidades e em meias
barricas; retroz do porto, irlmeira quali-
dade: panno e meias de linho ; arcos para
baiiicas ; farinba de mandioca em saccas
grandes c a garticl a bordo da sumara 'V.-
S.-ilo-Carmo i ludo por preco commodo:
na roa do Vigario, n. 11, ptimeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cunha.
Farinha de trigo.
Vende-se superior farinha de trigo l'ran-
re7.a*de Provenga, chegada ltimamente de
Maiselha : em casa deJ. J. Tasso Jnior, na
ra do Amorto, D. 35.
Arados de ferro.
Na fundic3o da Aurora, em S. -Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
Novo trem de coziiha.|
Vendem-se chalelras, fregldeirag, panel- \
las o escarolas do ferro forradas de poiccl-
lana ; bules e cafeteira de metal; machi-
nas para fazer caf :na la Nova, n. 16, lo-
ja de Jos Luiz Pereira.
0 O
# Na loja do sobrado amarello, nos 0
<3 quatro-cantos da ra do Queimado, ^
X n. 29, vende-se um grande sorli- q
na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
Vende-se um lindo moleque de Han-
nos, de boa conduela, e. que be ptimo pa-
ra pagem : o motivo por que se vende se
dir ao comprador : na ra do Rangel, n.
57, sobrado.
Vende-se urna muilo linda mulalinlia
de 16 annos, reculhida, que engomma e co-
se com perfeiclo, c he de excellent con-
ducta : na ra do Rnngcl, n. 57, sobrado.
Vende-se um e>cravo da Cosa, mogo,
bom trabalhador, muilo diligente, clpor isso
proprio para o servico de unta casa e ga-
nharna ra : na ra Dircila, n. 69, padaria
de Antonio Alves de Miranda Guimar.1es.
Facas para mesa.
Vendem-se facas e garfos de cabo de ba-
taneo, un 1 Un''o marlim, e de muito boa
qualidade, por prego mais barato do que
em outra qualquer parte : na ra do Quei-
mado, n. 16, loja de miudezas.
Vende-se um sitio na entra-
da da Estrada-Nova, na -Magda-
lena, com una excellentc casa ter-
rea com muito bons commodos :
o sitio est bem plantado^ offe-
rece toda as vantageispara quem
tiver bom gosto ; negocia-se em
conta : quem o pretender, dirja-
se roa do Crespo, n. 9, que se
Ihedato as informeedes precisas.
Vendem-se duas vaccas que dflo diaria-
mente quatro gm ralas de leil cada um, e
affeitasao pasto: as Cinco-Ponas, ao p
do Terco, 11. 141, se dir quem vende.
Vedem-se 7 lindos moli-ques de 12 a 18
annos ; 9 pretos da 20 a 30 annos, sendo
um delles uptimosapateiro ; 2 pa'dos de 16
a 2o annos, sendo um delira bom cozinhei-
10 ; 3 pardas de 14 a 20 annos, com hali.la-
X metilo de novas cassa-chitas de co-
% res iixas e bons padrOes, ptlo dimt-
2 uto prego de 400 rs. a vara : fazen- ^
O da que so tem vendido a 800 rs., e g
O que se vende por tilo baixo prego, ^
0 por se ter grande porgDo.
Moendas superiores.
NafundigSode C. Starr & Companhia',
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, lodas de ferro, de um modelo e
construcgHo muito superior.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Bahia
Vende-se em casa de N. O. Rieber & C.
ai ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daquella fabrica, muilo proprio para.saccos
de assucar e roupa de escravos.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na ra da Cadeia, n. Si,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
esersvos.
Tafeas para engenho.
Na riMiilic.no de ferro da ra do Brum,
icaba-sc de receber um completo sorlimeo-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
C Mil prado l'.
Chd brasileiro.
Vende-se che brasileiro no armazem'de
molhjdos, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excellente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo a este mercado, por
prego muito commodo.
Batatas.
Vendem-se batatas a r,ooo rs.
a arroba : no armazem da roa do
Azeite-de-I'eixe, n. 14, defronte
da ]\ladre-de-l)eos.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de pralo muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos porluguezes para panella, latas
com 2 c4 libras de marmelada, ditas com
holtcbiaha de boa, ditas de sardinha, di-
las com herv s, frascos com conservas
inglezag, queijos de qualha vindos do Cea-
ib, por barato preco, maulas de lournho
nglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.c
otilros muslos gneros de boa qualidade :
a nrua da Cruz, no llecfc, n. 46.
/es fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor .vindo do sul, superio-
res charutos s.-lYlix, e de oulras muilas
qm 'ludes que se venderSo mais barato do
i; .v r.n outra qualquer parle : bem como
. .r. 111 ilhos hespanlles ditos de palha de
milito, que se eslo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
Vende-se um escravo de bonita figu-
ra, de 18 a 20 annos, sem vicios ncm acha-
ques : na ra da Cadeia de S.-Anlonio, n.
13, se dir quem vende.
%mmmmmmm *futfttt
i
I Fazendas modernas.
1 Na ra do Crespo, n. 9, vemlem-s -, i
^ por commodo prego, lindas fazendas |*
I modernas, tanto para homem como
I para senhora, como sejam corlea de I
S seda fuila-cOrescom barra para ves- I
% lido; cassas; cambraas de barra ; !)
3 chales; manlts; manteletes ; len- W
i gos ; luvas ; sarjas ; chapeos liance- i.
^ zes modernos ; casimira* pretas e do il
m cures; colletes de velludo, selim, '(
8 sarja e fustAo ; brins brancos e de
i cores; lencos para grvala jsuspen- jjji
v sorios; cambraia de liuho muito lina. ^
wmmzammmm xwevmmmm
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
HUA DA SKNZALT.A-NOVA, N. 4a.
Nttite esLabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
rncnlo de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
No armazem do barateiro,
Silva Lopes, na porta da alfandc-
ga, vende-se farinha franceza no-
va, da melhor. que vem a este
mercado, e de oulras qualidades
del'hiladelphia.
Gomma de engommar.
Vendem-se saccas com muilo superior
gomma de engommar, a 9,000 rs. cada sac-
ca : na ra do Ainoriai, 11 35, casa ce Tas-
so Jnior.
Vendem-se pegas de madapol.lo rom
20 varas, muilo encorpado o com alguin
sujo, a 2,700 e 3.000 rs. proprio para for-
ro de altataie: airas do lliealro-vellto 11. 20,
primeiro andar.
Vende-se bolacha do millio. a 2,000
rs. a arroba, e a 80 is. a libra, ptima para
escravos : na ra eslreila do Itozario, n. 13.
Vendrm-ge queijos de superior quali-
dade pelo diminuto prego de 1,000 rs us
rita de S.-Jos, esquina que volta para abo-
boda da Penha,venda de qualro portas n 2
Golletes. o
JL Vendem-so gorguro de seda, % "
1,600rs. ocite; ditos a 8,000rs.; O
O velludos de lindos padrOes, a 5,000 <>
O rs. o corto: na ra do Crespo, n. 9. (-
Escravos Fugiuo
Fogto, no dia primeiro do eorrente, a
escrava Joscpha. de 15 annos pouco mais
ou menos ; he baixa, com cara comprida,
cabello cortado qutsi rente"; levou vestido
azul com lislras e roto nos paitos : quem 1
pegar leve-a a ra larga do Rozario, no ter-
ceiro andar do sobrado porcina da loja do
Sr Thomazde Aquino.
Deaappateceu, no dia primeiro de Ja-
neiro, um moleque de nomo Antonio, do
nagio Congo, de 20 annos pouco mais ou
menos, de estatura regular; tem na face di-
reita urna cicatriz de talho, e esta parle un
tanto luchada ; ji appareceu as Cinco-
Pon tas ; noini tornou a fugir ; tem sido
visto na lli a-Vista, as ras da Conceicfo e
Pires : quem o pegar leve-o ra do Ca-
bug. n. 16, que ser recompensado.
Fugiro, do engenho Malto-Gicsso, co-
marca do Cabo, na oito do primeiro do
eorrente, o escravos liento, pardo, bas-
tante claro, baixo, feicOes regulares, pnuca
barba, cabellos castanhos, denles limados,
peritas grossag e um tanlo arqueadas ; teve
bexgas ha pouco tempe, por isso esti rnni
a cara marcada ; tem aparencias de maii-
uheiro e quer passar por forro ; nao he a
primeira vez que foge ; foi preso no anuo
prximo passado no Urejo-da-Areia ; levou
camisa de algodSo, eeroulaa e chapeo de
palha; reprsenla ler de 24 a 25 annos;
foi visto em Coianninha, onde diase que ia
procurar una lenda de sapateiro para tra-
balhar : quem o pegar leve-o todito enge-
nho, ou no ReciTe, cata de Jos Tbeodoro de
Sona,que rccompensaii.l
rugi, no dia 21 do passado, do sitio
Agoa-Fra, do engenho Apipucos, a rsert-
va cabra, de nomo Mara Ihertza, altura
regular, s< cea do corpo; lem no rosto urnas
pintas prelas de sarda e um denle lrado na
frente da mandbula inferior ; lem na ca-
bega urna pellodura de um tumor que leve
ha poucos dias; levou vestido de riscadi-
tiho de lsttasazues e panno da Coala. Ro-
ga-se as autoridades policiaca e capiteles de
campo,que a apprrhendam e levem-na a seu
senhor, liento da Rocha Wanderley l-ios, do
mesmo sitio, que recompensara.
Fugio, na tardedodia 87 do pasudo,
de S.-Amato, um motilo marinheiro de
bordo do brigue Dum-Amigos; levou ral-
gas brancas, camisa de riscado azul, de 25
a 30 aunes pouco maisou menos, de esta-
tura regular ; lem as nclitas compridas :
quem o pegar leve-o a praga do Commer-
cio, n. i!, e-i ii| torio de Manuel Ignacio de
Oliveira, que ser recompensado.
--Fugio, no dia 29 do passado, ummu-
latinho fechado da cor, de neme Antonio,
de 20 annos. corpo regular; lem os denles
limados, olhos queluados e encarnados,
maguas do rosto alias, de bonila (gura, ps
redondos com os dedos grandra aberlos ;
be muito treloso ; intitula-se forro, fuma
charuto ; he muilo alegre. Rega-so as au-
toridades policaca e capitiWs de campo,
que o apprehendaoi e levem-no a estrada
nova, a Jeronymo Rodiigues Campello, ou
na ra da Cadeia do Recite, a Joilo Vieira
de l.ma, que gratificar.
Fugio, no da 14 do passado, da pro-
priedade je S.-Joaquim-de-Larangeiras,
freguezia de Nazareth, o escravo Manuel, de
estatura baixa*, gordo, roslo redondo, nariz
chalo, res um pouro chatos e torios para
fOra. Itoga-se as autoridades policiaca a
capiliies de campo, que o apprebendam a
levem-no a dita piopriedadc, ou no Forle-
do-Mattos, n. 12, que serlio recompensados.
_ Fugio, no dia 10 de dezembro do au-
no passado, a preta llosa, do nag.to, de 50
annos pouco mais ou menos; foi vista em
Morillees, onde j foi moradora, por t< r sido
escrava do lllm. Sr. coronel Agostinho llr-
zerra, ou de um do scus parentea ; lie bai-
xa. chela do corpo, nadegas empinadas, ca-
ra redonda e lustrosa, fuigOcs amacacaas ;
tem a pille dos bragos enrugada e cinzenta,
ps pequeos, andar cambaio, por ter urna
eslrepada na sola do p direito, e urna f-
tida no dedo pequeo do p rsquerdo e os
dedos grandes ruidos de bexos, cora falta
de denles na frente do lado inferior, falla
queso percebe; levou camisa de algodSu-
zinho com mangas de madapolSo, sala de
ciiiiacpai.no da Costa azul ludo velltu:
quem a pegar Ice-a a ra ta Praia, arma-
zem de carite, Ignacio Luiz de tirito 'l'a-
borda, que gratificar.
Fugio, em dezembro de 1847,0 pardo
Jacob, de 18 annos, secco do corpo, cabello
estirado; tem falla de um denle 11a fenle e
um pequeo talho na magSa no roslo. liste
escravo ja eslevo fgido un 1844 na ilbade
llamaraca, para onde se desconfa fosse no-
va mente, o se enteja intitulando de forro;
lem um signal muilo visivel as costas por
causa de um caustico: quemo pegar, ou
delle der noticia, dirija-.se a Jos l.uiz Pe-
icira, na tua Nova, que gratifcala.
-, Fugio, no dia 29 do passado, do filio
de Jos Francisco Itibeiro de Souza, em S.-
Amaro-de-Agua-Fria, um pardo escuro, de
18 a 20 anuos, de mime Jos, de estatura
regular, corpo c feigOes regulares ; levou
camisa e caigas de algo Jilo-da lorra, cha-
peo de couro a serlanejo ; lia descuiiliatigas
quo siy 11 i.-m: em cumpan.lia de algum coin-
ttoi para o scrlAo do llio Grande do noria ,
em Herido, ou fazenda das Cobras, ou suas
iminediagOes, donde he natural. Itoga-se a
todas ns autoridades policiaca e capit9es de
campo, que o apprebendam e levem-no ao
mesmo sitio, ou 110 trapiche, da alfiiidega-
vellia, que, altn das despezas, so gratifica-
la geiieosauenle.
Fugio, no dia fcgunda-fera, 21 do
passado. um moleque de 16 anuos, do no-
mc Paulo, bem prelo, com um signal no
queixoesquerdo, e 3 gulpies na p^rna es-
querJa ; Uvou camisa do madapolSo e cal-
gis de rusento : quero o pegar leve-o ra
Nova, n 46, loja, que sera gratificado.
Prn. : N TTP.
DEM, DBPAal*. Wf
MI ITII


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPZUIGQK0_3J9SPI INGEST_TIME 2013-04-24T18:11:29Z PACKAGE AA00011611_06801
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES