Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06768


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXVI.
Sexta-fon 23
- *
vartedAs sos connuoj,
Goianna e Parahlba, segundas estilas felra*.
IUo-Grande-do-Notle, quintas (Viras ao incio-
dia.
Cabo, Serlnhiiem, Rio-Kormoso, Porto-Calvo
e Macei, no 1., a II, e2l de cada mcx.
Garanhuns e Bonilo, a 8 e 23.
Hoa-Vista c Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas felras.
Ollnda, todos os das.
Pmir.il d> UM.
IPHBIRIDrS.
Mine, a s Bh.e 18 m. da ni.
Nova a 13, s 9 h. da manhaa.
O esc. a2l,s 7h. e 2 ni. da m.
Cln-ia a 27, t 10 h. e 3(im. da t.
tBIlHAB DI SOJB.
Prlmelra as 2 horas e M mimaos da larde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manhaa.
de Janeiro de 18*50.
muir it ir ~nsjl~~ *t 9
PREC08 DA SUBSCI\IP0AO.
Portresinezes(adinl(los) 4/000
Por seis mezcs HfWM
Por mu anuo
SIAS SA SIUH.'M.
21 Seg. S. gnea. Aud. do J. dos orf. cilom. l.t.
22 Tere.. S. Gaudencio. Auil.da chae, do J. da I.
v. do civ. e. do dos (titos da Caiendai
23 Quart. S. Ildefonso. Aud. do J. da 2 v. civel.
24 Quint. S. Themoteo. Aud. d,. J. dos orf. e do
ni. da I. v.
25 Seit. S. inanias. do dos (Vitos da i'.ii'ihI.'i.
26 Sab. S. Pollcarpo. Aud. da Chae, cdn i. da 2.
do criine.
15/000127 Uoill- s. JoSo Chrisostomo.
CAMBIOS M 24 O
Sobre Londres, 28 por 1/000
Paris, 3i0.
n Lisboa, 1110 por ceuto.
Ouro.Oncas hespanhoes.......
lloedaa de rMOO velhas
de fi/4'Hl novas
dc-fllOO.........
Praa.Paiaertcs brasileiros....
Pesos columuarios.....
Ditos mexicanos........
ttt------:-wirnnrr t^aaaMBB*aw*38K*~* i.igssi
N. 21.

jASmao,
rs. a G0 dias.
28f>o0 a 99/000
IT/OilO a 17/200
lr20O a HMO
j/Oii a /200
1/!i50 a 1/""0
l/liftO a l/WI
1/300 a 1/820
HfARIO BE PIMAIWClr.
BICirE, 2 BZ JANEIBO DE 1850.
A causa da ordem e da monarchia acaba
deobter mais um triumpho" sobra a ds re-
belda. Foi no dia 16 do correnta que as
bravas e leas tropas imperiaes provaram a
esseshomens perseverantes nocrime, que
la eslflo as maltas do sol da provincia pro-
vocando o derramamento do mangue bra-
sileiro, que silo baldados lodos os esforcos
que fizerem poreonservsr-se nessa alt i lu-
de hostil, sempre injustilicavel, e aind
mais depoisque o governo, por niuilos e
repelidos actos, demonstrou que se achava
disposto a perdoar erros pastados, o a pro-
curar reunir em um s corpo todos os bons
fasileiros, sem atteiic,So a bandeira poli-
tica sb que oulr'ora tivessem militado.
Os documentos officiaes que abaixo
trsnscrevemos provatn exuberantemente,
niio s quo as fr^a legalistas se portaran!
comlouvavel corngcm, apezsr de baverem
sido sorprendidas, como tambem que os
rebeldes se n8o limitavam a consarvar-se
na defensiva corno se tere procurado fazer
crer, mas que, ao contrario, proparavsm-
so para aggredir os defensores da legaliJa-
de, e que, tenilo-se-Jhes antolhado occa-
silo propicia do realisar o projecto, pro-
curaran! leva-lo a effeit.i por maneira bem
desleal o insiilio-a.
Permita Dos que .nais esta perda farja
coro quo abram os olhos rasffo, e retroc -
dam da m* carreira em que v3o, alguns
a denominadlo debatslhcsdo operares
Nesta dats fica credo o quinto bsta-
Ihilo composlo do contingento do sertilo, e
a sua organisaQo he do qoslro companhias,
finando por agora crealas.ipri.meirae.se-
gunda, e opporlunamente se fariloas outras
organisacOes.
.Para officiaes do referido batalhilo os
cidadftos ahaixo declarados .*
Major o commandante, o Sr. Joilo Thio-
t Ornen*. '
AJudante", o Sr. Juliflo Francisco de
Paula.
Capilao ila primeira eompanhia, o Sr.
Francisco Xavier de Paula.
Tenente da mesma, o Sr. Joaquim Tei-
xoira de Barros.
Alferes, o Sr. Claudio Jos d* Silva.
Para capitfio da segunda eompanhia, o
Sr. Jos l.auronlino de Azovedo.
Tenenle, o Sr. Jos Pereira Leile Cosme.
ii Alferes, oSr. Lino Rodrigues da Cosa.
u 2."--EslB(lo-maior:
Ajudante-general, o Sr. major Bernar-
do Lins Ferreir Cezar Loureiro,
Capiles-ajudantes de ordens, os Srs
Francisco Fausto Jasmim e Miguel Bezerra
Cavalcante.
Secretario, o Sr. Joao da Silva Vi-
inna
Quarlel-mestre-gonoral, o Sr. capito
Antonio Estevilo Teixeira Marrcca.
O Sr. brigadeiro commandante das for-
ts ordena aos genitores officiaes, cima
mencionados, entrem quanlo antes no exer-
cicio de suis funcefles.
3 Fica interinamente prohibido o
(buso de sahirem dos pontos sem licencia
dos seus respectivos commandantes, *8>m
como o grandioso costumo de dispararem
armas sem ronsenlinicnlo dos sentiores
commandantes, sb pena de serem os in-
fractores presos na guarda da fronte por 3
dias.
4.* Ossenhores capilflcs-commandan-
tcs das trincheiras da frente il'or* em lij-
ante terao na guarda do quartel um infe-
rior, ou alvorailu, tres pravas para a cou-
homens Iludidos e de boa f que porven-
lilil uu aiivmuui u vj |'iov"" i"11" <* vvn
tura se achem ligados aesso louco que os gerVic3o(|as ordens nos pontos, onde dev-
arrastra para o precipicio. r"l>, effectivamente ter urna sentinell. As
Eisos documentos a que nos referimos 'guardas cima mencionadas deverilo serre-
acim, e que nos dispensara de mais re- focadas as seis horas la tarde com cinco
pravas, para da mesma hora em diante cun-
fleafies
lllm. e Ex. Sr.--Tenho a honra de
communicar i V. Rtc. 'quo na noite do 1g
deste mez foi o ponto de Pindprca, prxi-
mo ao Verde, alaeado ror dous iniitulados
batailhOes rebeldes, priineiro o qulnio, um
ao mando do major Joilo Flix da Silva, e
outro, o quinto, sftb o commando do major
Juiio 'Huilla de Ornen*. Como o Maque
fosse das 2 par* 3 horas da madrugada, o
riles so chegassem s duas trincheiras sem I
ni ii ii Thhhii i"i i1 'iiiiiinmr '
dp||es lira lo lodosos paris e ohjeelos de
valor, dissfi-lhes o eapitio Funt"s que na-
vogiva lfiitamnte. e.nmo acihavam di ob-
servar, o exici'i delles a nr^8enUi}8o do
documento que n auloiisava a aq'iellp
exame o busca, na f'ma dos *;; I o 3 do
art. BOffundo do tratado de 3 de julho de
1812 entre Portugal e a Gria-Bretanlia (I). A
resposta foi que o Le-lo era hna prua, vi-to
. sendo a caixa do sen fo
pretexto algum falti tima s praca, at que
recebam do ajudantogeneral o santo que
tem de ser distribuido pelos differentes
ponise guardas.
Ossenhores officiaes d'ora em diante
jmnisdeixarilo sem molivo insto de com-
parecer na formatura d sous b .talhes.
u O Sr. brigadeiro commandante, nesta
ordem espera de toda a grnlCSo o seu de-
vido cumprimento. -- A fez o lenente-se-
crelario, Jnn'o da Silva Tianna.
lllm. amigo t Sr. mijar Joo Flix.Rata
madrugada quero atacar Pinrterae.i, e para
Isso preciso que V. !. venha com oJuoziuho,
e toda a gente que por ahi houvcr : j nao d-d
o ataque boje, por nao ter viudo honleiii o
Inaiitinlio, como Ihe dei ordem ; e, se por aca-
so ha algum motivo que os prive de vir iiojc
ati! as 4 horas da larde estiren aqu, enluo
dig.i-inc o que he, para eu dar lignina provi-
dencia.Sen am g e obligado. l'cdro lo
Vtlloto di Siloeira.
1,-in ji .i ii ...........!!;
Cotnmuiiic^do.
II.IIA DO FOCO, 28 f)E NOVEXIBUO DF. 1819.
Os factos passados com o patacho portu-
guez Jo, delido arbitrariamente pouco
olm deste archipilago na sua viagem li-
cita do Trieste para o Kio-de-Janeiro con
escala por PomambuCO, vlolando-se cscan-
dalosa^ente a jetl rae espirito dj trata lo de
3 de julho do 1812 enl'C as duas Cordal de
Portugal e da Inglaterra : as violencias o
iMprozoi platicados com o seu capililo Ma-
rumulo do desrpspeito, foi aberto umdos
matufestos jlo terJo.qu-.fionformn o reaula-
nientii das alfandega.sdo imperio do Brasil,
vinha fechado, nlinram-se varias cartas do
capito, lo sobrecarga, e rnesmo as'da
mal; o, como requinte do insulto, nm o
tastttinento deste ultimo, ape/ r de tola a
sua inviiilabili lede, esespou s inos polu-
tas de.-seorgnlhoso filho da primeira Dlfj
do mundo!!:
Qut maisfa'ia um falsarioi'li
Oivi lo poloco-nmindanlo do vapor o re-
latnrio do s-u ofQcial, fez o capitil.t do 1*0.0
que, sendo a caixa do sen lo^jilo te ta.iiauio
mais que ordinario, (por ter sido esle navio
empregado niconducclo de passigeiros do
Porto para o lio-le-J inciro ) cnlretinhnm
desconfia ocas de lnver no porflo por l.iixo a MMlIfl mn>M 0b8erc quclwv *
il.sh.rriens com Urlnha detiino wa'tal-lj eito a este, e, sendo novameiuo dea*t-
gum indicio: a-te nen/mw autoriiafOo (f-|tendldo pelo commandanlo que .leu tam-
nhant a nproenlur, c. que o vas,, a que por- ; bem 0 palacllO co.m/ oa presa, dcclarou-
tenciam era o vapor da marnUia do S. M llheo CapilSu que protesta**- portal violeu-
Itrianica Phenix. co'mman lante Georgelcia, por tflo arbitrarlae illegal detenso,e
Wo Icliousc. l",r todas as suas conspquencias, A nada,
i; em seguida man'ou o primeiro dosjporm, semoveu e nerode orgulho, o,
quatro nlliciaes, que se lovanUsse no tape jftinJo voltaro ca Uto .ara nor lo do seu
gran ledo patacho a handuira hMiandicico-1 ni vio, onde (icn smenle com o sobre-
modo prez, e orlenou qu- tantooapai.eisjcarga, oco n um moqo que pedio par o seu
do navio, como os mili que foraru ennon-, serviro sendo aulistHuida toda a maisequi-
irados, e tudo aquillo de quo s.) haviamlpagemi que M C"nduzida para bordo do
apoderado foss* langa lo n'um dos escale-1 Phenix, por gente e tropa deste ultimo,
res para bordo do V lunfa, para onde segu o } leu suas or cus para qu o patucho segus-
com o captluo do l.-t- se em SU l enns-tv.i para Serra l.oa.
Antes, porm, idiservou o sobrecsrgsl Convm aqu notar que, nSo contentes os
oaqulm da silva Usa* ao oapitSo de pieza |Maf/eaiaiiiJoaVi( Ha"* com as espoliagos ja
ueentre aquellos obiectos mndados con- feitas, carregaram no ultimo escaler,que
Antes, porom.
Jo* i
que entre aquellos o''j
duzir para o vapor eslava um sacco ron
farinhi de trigo, dentro do qml hava ou-
. i
largou do Lelo para bordo do Phenix com o
mais que apeonara.*! levan loa bandeira o
a
s
serem percebidns, no primeiro arrojo,
que foi atrevido, ficaramsenhnres dallas, o
ebegaram al ao engenho, onde so refu-
giaran! os piquetes do indios de Cimbres,
que s giisrneclam : trOpa de linka es-
tendeu linhas, econserou-se quieta, por
no ser posslvel engajar-se o cnnih^ite
naquellas horas, pois n.to se ilifforengava o
amigo do inimign ; logo, porm, que rom-
peu o dia, com elle rompeu o fogo de um e
outro lado, masnin breve foi o'combale dar
ri liiln : os reovldes fugiram em debanda-
da vergonhos*, deixando morios dentro do
acampan fj to nove
os majnres commandantes cima d tos,
Joflo Flix e Jofo Thiol, o tenente Joa-
quimTeixeir* de Barros, eosalferes Clau-
dio Jos da Silva eJoSu da Silva Nery, fl-
rando um prisinnoiroeferi Jo. No seise
ellos tiveram mais morios; porm feridos,
pelo menos 6 posso asseverar a V. Exc. que
ao acampamento do Caetano Alves, antes
de saber deste aconteciment deu-me a
noticia (lidie, tale qual consta das parles
agora recebidas, e l vio os seis feridos que
cm redes eram levados para ilm doPrata,
fin deserom curados : ras vestes dos nlli-
ciaes morios se acharam os qualro docu-
mentos que por capia tenbo. a honra de
presentir V. EfC.
tvs tiveiiios 6 feridose 3 prisioneiros,
sendo 3 indios e I soldado; mas t dos pri-
sioneiros j pede fugir, e declarou que Pe-
dro |vo msndnu fuziar o outro indio, e
poupou o soldado, na esperanza de se uti-
lisar delle.
O c 'pililo Jo- Teixeira Campos ennsa-
ine que se poitou muilo bem em o ataque,
c a forca desempcnliou a sua tarefa de ma-
neira que nada deivou a desejar.
Heos guarde a V, Exc. Quarlel-general
do rommanJodasarmas no engenho Iteliin-
gudo, 19 de Janeiro de 1 H.M> 111 ni. e Exm.
Sr. coneeibeiro Honorio llermlo Carneiro
Lefio, prrsulente da provincia. Jos oa-
quim t'nelho.
lili, amigo Cljuiino.Quarlel-general, 14
ile Janeiro de I8fi0,--E>tlinu que teulia passado
felizmente d'houtrm parar, eos mais coui-
]ianhrirns. Teneionav Ir hoje risita-lo ; po-
ri'ui nao posso por estar oceupado no servicn.
Sendo V. S. lenlia alguina fuga, d porc un
passeio, que desejo ve lo ; e, quaudo vollar,
vai a cavallo. Remello quatrocentos rls que
ped. A roupa inda se uo baleu por falla de
servaren! duas se ni mellas, a saber, urna no
alto da trincheira, e ouira as armas, de-
fronte iln quartel, sendo esta resino-svcl
pelas armas c utensilios que estejam no
qtlaitel, e aquella para seguranza da '.rin-
cheira. As guardas declaradas, depois de
feceberem o sinto s sis horas da tarde,
lem do ser rondadas pelo Sr. ajudante-
gcneral o aju lante de ordens, o pelos se-j
nhores commandantes dos pontos.
5 O inesmo Sr. hrigadeiro espera da
rou*puniic.Saii,siu.iiB" <*' MUiio-icO-s do trata o, violada a proprie-1 monicavols o c-puno, siorecarga e mais
se para serem con lelos o^ecataido JJ J Q fi>( n>otqaln,..... i,ipolac.nodo ra'acho. prometiendo noiSS
publico, porque nclles esla a ol m^,i ,la ni- cU doclarsco do uuo Por-loccaaiHo commandante do l'flni* au.<
cionalidade, o desanimo do comm.-rcro o a J'~"' em^droiro qu s HiTcu'r.l flouti primeims offlriaes que fizeram a presa
ruma da propr.edade. are obedecor?" 600 pesos se fosse julgada 60.1, psra os aco-
namos em seguida a relaco .leas-a factos |i f^ ew4M0 ,, njag,e da rqcoar na busca a quo se hia prneader no
como nos fflrain rommunicados pelo dito -,'*, ,,, ,-., ri,,|.:'! [Uio, estlmul 11 lo-os tssim pelo interesse
sobrecarga e depois pelo DspilSo- dos, ^rdo fio Phtntx M novamenle ex*- a faieren alguma p-llulica paraqueona-
qu-cs recebemos rgualmen o as coplas quo I commandant (, e.para '. vio fosse condemn ido. Lego depois de
vno adrante. Km vista delles decida o ,. 11- >"'"-'" 1 f,,,, ;..,,! 1S 0 vipor e o ; aticli', fui pela gen-
tlico sella ou niTo'ra*no desobra para so j m ^-....i I la laquelle dad* n. sie urna ri alpar em Portucal e no Brasil om grito de, ^ mAr,|C|c 24, First.-ltshallneverbeexercl-'asuacarga, por enlreaqual iirm fram
ICd ( rigKt nf searrh ) Pteept by vecls of enc .(redas mai'a que barricas COm farinll.1.
geral iiidiguac,1o cnnlr* os autores de taes
CoiphecamosPorliigu^zeseBrasileirosas ^T^'^.^_Vi,e"c....in.a..dir of ancli hlp'of
us ambiciosos calculo*, hurlado* os dous
briosa Inrc/i do seu c.imman> cumprimento em lodos os arligos da pre-
sente ordem.
O tenente-secretario, Joo da Silva Yi-
anna.
QUASTFI. DO COMMASDO DAS f6**S EM OPFA-
cOes ao BOL oa rnoviNciA "O lugar do ca-
PIM, 14 DE lAM'.IKI l)P. 1850.
i( Ordem do d'a n. 3.
OSr. brigdeirocommandante das Tor-
cas faz scicnte a to las as pessoas da colum-
na, que, tendo ficado em casco o primeiro
1 incluidos asegundo balalh0es,fic*ni boje novan,on-
' te orgamsdoscoli quatro companhias ca-
duas
Fernandes de Araujo, negociante rsolen'e j't'.1^11'J"hs"r.inU" iu 1I10 naval service "f his rados!
na cidadedo Podo, navega lo leiiularmci- ,.0lll|t7v, and ihe ame of ihe ahlp of warj n ,|ia seguinle ao da ebeg ida fi desa-
te conformo as leis da naci i quaperlen-j vrhleh he comnianile* ; and tlii< ceninraie tl,in|)r,, j fj conduzido deli.ix 1 de prislo i
da um, creando-sex-a^priinciro com .
companhias, ci.mi-ostaa primpira dos ha-;
hitantes de Boliingudo, Formigueiro e Ora- |
vat, ea segunda do contingente dcpri-j
meira linha e dos habitantes de Agoas-Prc-.
tas, e alguns dos referidos engennos, que.
por circunstancias, nSo pdem servir na
primeira eompanhia.
O segundo balalhflo fica nesta dala
creado com tres,companhias: a primeira
com posta dos hmens do Verde, Ca-me-
vouzinhi, Ca-me-vou e Mutu:is; a segunda
dos habitantes da Mulalinh* e Ug-Graii-|
de; a terceira dos habitantes de llibeirilo,
Massaranduha, Pellada e sohradinho.
. Primeiro batalllo.
Major commandante, o Sr. Jofio Fclixde
Mello.
Para tenente ajudante, o Sr. alferes
Jofio Baplisla da Silva Nery.
Para capito da primeira eompanhia, o
Sr. capitfiO Sebastian Alves da Silva.
t Para capito da segunda eompanhia, o
Sr. tenente Joaquim da Costa Pereira.
Segundo batalhao,
M ijor-cniiuiHiidaiile, o Sr. major Mi-
guel Alves de Lima.
Para tenente-commandante da primei-
ra eompanhia, o Sr. alferes Damio Soares
Quiiililo.
Pora alferes o sargento Andr da Costa.
Para tenente commandante da segunda
campanilla, o Sr. alfeics Braz Corris.
Para cpilfio eommeodetiie da terceira
eompanhia, o Sr. tem ule Jos Bibeiro.
Pdra tenente, Scvcrino Marques
Silva.
Alferes, o sargento Manoel Gomes.
Ficam vagos os postos dos subalternos
que fallam completar nos referidos bata-
Tendo arriba lo Corsega por deas vezesIcrugeri 'i.is nnt thc Oiimander thereof,) \ lamsnlia subtilea, que muitoespin-
em virtude de mar e lempo, seguio depois 18UC|, 0n\CPr hall procced strielly m ihe saine i^ou o capito', respnndeu este que no era
su* derrota fil aquella su. piimeira escala ; ,., as If he wer "be Coi.....ander, nllerj j,s ,.SilC|0;.. conlm lo ao governador tu lo
r, ondecheguu om o primeiro de navlng prevlously exhlblted to Un- Coi.itiii. ofi (]ti;in| |||vj., jucca (1|0t reqUereu a apio-
de Gihralta
da
^^U^t^^^oTK^ie'loZ lho>a. t quo as c.rcum.tanci.. permit-
]>ito I.aui i'..luid ; e V 8. em particular acei-
te a amizade sincera do seu nuiigo amante e
limito seu obrigado.Joy da Silva Fianna. .
QUARTEL 110 COMMANDO DAS FnCAS FM OPE-
RACES AO SUL DA FROVINC.A SO LUGAR DO
CAPIV, 13 DE IANSIRO DE 185U.
.( Ordtm do dia n. 2.
* O Sr. commandiinle da fOr^a publica,
para coiiberiniento da mesma, o.anda pu-
blicar o seguinte:
1. Os balalbOes da forca liberal terfio
tu ni se preenrham.
O mesmoSi. brigadeiro commandante
da loica oideua ossenhores olliciaes, ci-
ma mencionados, entrem nos excrcicios dos
seus poslos.
< O mesmo Sr. brigadeiro muilo recom-
menda aos senhores commandantes dos
corpos que tenliam em vistas osaitigos 3."
e *.* da ordem do ala n. 2, assim como del
ora em Oanlo devem ter todos os sciihor-;.:
comn.andantesdoscorpor a sua genteTor-
mada s seis horas da Urde, sem que por i
se afamando nella do rumo a mvegar, co-
mo Ih'o pcrmittam os ventos; passou vis-
ta das Ibas do Sal, Ba-Visia e Maio, ea
leste dcllasnanoitodeiS do dito mez do
agosto. No dia seguinto, seriam 10horas
da manhaa, estando o l.cn em calma, e a
pouco menos do um grao ao sul das ilhas,
na latitude N. 14-0"-e longitud" a O. de
Greenwicli 2-5-, apparcceu 11 m vapor de
guerra, com a bandeira ingleza iQada.eso
dirigi para o/.do. Chegaoo a falla, orde-
nou o segundo commando do vapor ao ca-
pito do Ledo que mandasse arreara bni-
deua poriugueza, que esle com anleceden
cia tull* innd.doaivor..r,f, leudo o capi-
tfio negado-se ao cuinpriuiento dessa or-
dem insolente, insisti nella aquello segun-
do comniandaule. o anda assun nilo foi obe-
decido senfio quaudo, man landu-se do vapor
laucaran mr dous escaleres cada um com
dous officiaes e gente armada, o capi.no do
Ae.o com receio de outro maior Insulto or-
denou que fosse arreada a bandeira.
A muilo chepa a arrogancia desses Brc-
les, s fortes com osfracosl! Seria a ban-
doira portuaue7 oescoiihecida ao cruza-
dor, ou precisara de. iicunra brilunnica para
navegar livremente?i
Que mais se faria com um corsario.'!!
Ilavendo atraca lo ao LeaO os dous escale-
res armados do vapor, a primeira exigencia
que, depois do p-rcm o pnoconve/, li'.e-
lam dous dos olliciaes, foi a a presentadlo
do diai i.1 nutico e dos documentas e mais
papis do navio, passamlo im'iioJ ita;neule
os ouirosdous e agente arma la a varejarciii
a cmara, rancho, porflo, e sohrelu lo a dis-
pensa cujo exame era indiipcnsavH. Lxa-
minados por aqui.llesos oespaclios do na-
vio que estavaiii em devida forma, e por
estes lodos os agasaliiados do navio, on nilo foi encontrado Indicio algum que tur-
nasse suineilo o Lena do so empregar no
prohibido transporte de negros, e depois de
lurein aberto lodos os batis e caixas, e
10 malte tlicaearch, llialofibe crulzcr in wbich
lie s,iU. and Ihe object of llie searcli as
ha) been alreadv laiil doiiu.
Ifltappcar.fro.n ibc sear.b Ibd Ihe pa-
perxofthe vessel are 111 regular order, aud;;1
that ihe veasel Is employed Por lauful purpo-
seiei, ihe oraecr sball enter Id ibe log-book
(d'lbc vessel, lliat llie searcli lias been mide
in persuanseof llie aforesaid pcclal order,
and llie vesseish di be Ict at liberly to pursuc
her voyage.
Tertin. Todas as veics que a busca em una
emli ircac.io fr dada por um navio de guerra,
o coniuiandante (leste navio de guerra, iinnic-
dialaincule chegada a bordo oa eniliarcac'o
ue esl para ser visitada, eanles que principie
busca, apresenlara ao conini iiiOanU- da dita
eiiibarcac.o o documenta pelo qual he devi-
daiucn.e aulorisa.lo a dar liusca, e entregara
ao niesuio coniiuandantc da embarcacao que
e por elle iues.no declarando o seo posto no
servleo naval (lo sen pal*, e o no.nc OO navio
de guerra que cnniiiian.la ; c esla ccrlidao de-
ver 1 .nbeni declarar que o nico objecto da
visita he averiguar Be a embarcacao que deve
ser vi-il'da ce aclia empreeada em (t.mspnr-
i.ir negros, 011 onlros afnu de serem redu/.i-
dOJ "escr.ividao ; ou se ella esqnipjda pira
esse li.11. Oiiandu a blISC tur dad* por 11111 'irfi-
ial do crutador, que nao seja o uoimnandante
delle. proceder u nicsino oftlclal slriclaniente
como se o fiir.i ilepuis de ter piciiiincnle aprc-
senlado ao capilao da embarcacao que fr visi-
tada um copia do documento aolm* referido,
istlguado pata coniiiianilanlc do cruzador ; de-
vendo do nii'sino modo cnlrcgar una OfrUdao
asslgnada por elle, ouique declare o seu posto
ni iMiiinba real,o noute docutninaadaotepor
cuja ordem procede a dar buaea, o do cruzador
en. (ue anda embarcado, e o objecto da visita,
como j se dase. Se pela visita se coubecer
que u* papel* da cinbarc.ic-o estn en. de-
Vld* foi.ua. e que a embarcacao anda emprega-
d 1 en. iicg ciajoes licitas, di-vera o ollicial de-
clarar no diario da derrotada embarcacao, que
a vlsitS l'oi feita en. execucao das ordens espe-
ciaes acuna me.ici .nadas deixando a embar-
cacao em llbcrdadc de proseguir a sua via-
geiii.
ou Hngia ter sido illudido, equea bandei-
ra do patacho, traiids para bordo do vapor,
tiuba sido sumida, podio llcenc* ao gover-
ir a bordo do >cu navio, onde
haviielle escondido por Cautela, com re-
ceio deste destecho, urna nutra bandeira
que no fji encontrada pelos varejadores,
a qual a presen too ao governador para mais
prova da naoionalidade do navio.
Desmoronado por esta forma 0 castello de
embostes que lvi mi formado aquelles se-
nliiiics, dissen governador SO capito que
o paladio ia ser jnlgado pela commissffo
mixta de Loauda, para oude o faria seguir
mmediitainenle.
No dia 7 procedeu-se na cmara do /.e>
nova busca feita por 15 marinheiros ingle-
zes.que nilo encontrando cousa algutna que
podesse servir para n condeninaco do navio,
trataram de absolver o capito de culpa e
pena, -- urna nova e ultima provisSo de 53
onc is de ouro.a correte o chavo de relogio
lamban de ouro que Ihe perteuciam, e que
lia ia 11 anda sido encontrados no seu
bal. 11.
Coabeca o inundo lodo, em vista de taes
actos, qu" alguna dos cruzadores inglezes,
longti oe cumprirem com o seudever, das-
llonram a farda que vestem, e s tralam de
locupletir-so a "si e aos seus. Que motivo
plausivel, a n4o serem os desejos iuimode-
rauosdepossuiro alheio, p le justificar es-
la ultima buaea, quandoja o navio delido
eslava destinado para ser devolvido una
couunissiU) mixta ?! !
A 8 do setembro sabio a barra de Serra-
LeOa o vapor l'henix que acompanhou o
Ledoatv peiuena disiancia.seguindo depois
antro rumo, No patacho, alm docapilflo
de presa e da guarnicao ingleza, seguio s-
menle o ca pililo .Manuel Joaquim do Puntes,
o ura mariuheiroe doua mocos da sua equi-
pagem, flcando o sobrecarga, piloto e lo-
dos os mais dola eoi Serra-Lsa, entregues
&R ENCONTRADO


an abandono e a miseria n'um clima moril-
lero, raltando-se assitn mu de proposito o
imprmenlo .lo artigo *. das inslittiices
milU?XS ao dito tratad de 3 do julho de
1S2, sb a letlra A (i) o, o que lie mais a?
grvenle, a todos os deveres da liuoiani-
la le!!!
Doixemos por um pouco o patacho, seu
capilao e os (res homens que o acompanhs-
rnm, por certo menos infeliz em sua der-
rota que o sobrecarga, piloto e mais equi-
pagem, deixados em Serra-Lea, nessa in-
hspita colonia ingleza; evamos trat r dos
sollnmciitos destes ltimos.
0s tros dncumenlos que seguem forram-
nos poreu.qiianto mais pequea observa-
;fio : ellos dilo luz mui clara sobre o estado
un que se viram estas viclimas la prepo-
tcnra ingleza.
Ei-los:
lirguerimcnlo dirigido no governador da Ser-
ra-Lea.
lllm. e Exm. Sr. governador. [)z Ro-
drigo Curial da Cruz, segundo piloto, eos
iihaixoassignados, tripolantes do patacho
portuguez denominado Ledo, que, indo os
supplicanlrs seguindo sua viagcm legal pa-
ra o Brasil, riam aproados pelo vapor de
guerra Phenix de S. M. Uritaimica, demo-
rando-os o commandante Ceorge Wodehou-
86 a huilo do dito vapor dp>de o din 29 do
l'ara no molestar a attenrrio de V.
Exc., como o meu protesto prova a legali-
dade de minhas operares, eo tratamenlo
ilegal e injusto que rccebi da parle de um
ollicial da marinha deS M. Britannica, me
limito a supplicara V. Exc. tome na oihs
seria e enrgica considercSo os toctos que
porsi mesmo dizem mais do que todas as
participaccsquu poderia escrerer, pois as-
saz demnnstam que o commercio martimo
foi por esta vez opprimidoe atropellado por
maneira to inslita, que s a bandeira in-
glcza o poderia fazer, arrogando a si um
commandante inglez o diroito de perder
um pacifico o honrado negociante, son no-
mee seus ulereases, violentando a liber-
dade de um pavilhoMm outra regra que a
dcseuorgulhosocapmmo, e cuja ambicSo
( desculpe-me V. Exc estas consideracos,
por que, sendo en subdito hras'leiro, e de
minlia propriedade o carregamento do ,'-
lacho portuguez Ledo, aprezado, vsi nellas
interessado o commercio do Brasil) nunca
poderia eremos mos trBlamcntos pessoaes
quesoffrido commandante George Wode-
house do vapor de gnerra inglez Phenix,
que, por una especie de graca, me man lou
entregar a roupa para vestir, guardando
(odavia ludo que era de valor, e que mo foi
tirado a bordo, como uno micas do ouro e
900 meias doblas de 4 oilavas cada urna
agosto ate 7 de sclembro em que os lancou lamhem de ouro, e beiu assiin relogio e ca-
aqui em torra ao desamparo, si m prolcccfio deia do mesmo metal : notando a V, Exc
nein recursos de qualidade alguina para
podrem viver.
lis siipplicantps levam, poi tanto, ao co
i licrhi,etilo iic V. Exc. o estado lamentavi-l
Cltiquesc acham, e supplkam a V. Exc se-
jrsciridd de os remcller para onde foi ser
julgado o dilo patacho Vio, como prisio-
neiros .lo mismo, ulim deserem entregues
a auturidade que es deve julgar.e o mesmo
lempo supplicam a V. Esc seja servido
mandar dai -Ihos os nit ios para seus alimen-
tos ; perianto, peden) i V Exc. se sirva a-
zeraoa supplicanles a justici que espenun.
Serra-I.roa, 14 deselcmbro de 1619.
Assignado pelo piloto o cinco pessoas nmis.
O governador.depois deconeivar por tros
das em suas mfloi este requerimento que
vRoJ'tpachou, digSO rerbulrneiitc que nada
un ha com os i cquerenles a respeito dique pe-
t'inm.e timo commandante do vapor l'lienixl!
Ilijuiiiarao insulto o escarnco !.' Falte-
so mui expressamenic ao arl. 4." do annexo
A do tratado de 1842, licuando ficar em
Serra-I.ea a maior paite patacho,que devia acomianhai sempre oseu
navio, e negando-se-lhe ao depois os mciut
inditpentarrii para a sua conserraca, dizen-
In-se que pe lenco esse provimento uo com
mandante do vapor Mus de que nos admiramos 17 Nfio teein por-
vontura o gnverno inglez e as suas autori-
dades ralici.lo u.odernamenln muito pelo-
rea actos, augmentando os ntigos delictos
que minea prescrevem ?.' Assim fui tratada
a Iripolcflo lo patacho que tulla sido
ale ubi, e coiiliniiou a ser sustentada tela
caridadedealgumas pes-oas, e pelo sobre-
carga l.essa, o qual se vio obligado a ven-
der a sua roupa para esse fin, e a valer-se
do cnsul hespanhol e deoutraa pesaos*
pliilanlropiras; assim foi tratada, repeti-
mos, a Iripolcflo de um navio de Cimmer-
cio licito, sen io-o muilo peior que as dus
navios negreiros, as quaes andam nos ban-
dos em Scrra- a. e tcem, posto que mos-
quinlia. urna recito de que Ibes he necessa-
j.i> vender parte para pagar 0 aloja monto! !
A iini prisionelro que se achavaemSer.'a-
LeJa, por nome Manuel do -Sacramento Suu-
7.a, natural da Babia, de 18 anuos de dude,
e que,segundo a sua declararan,era orpho,
e sustentara no sen paiz a tros irmaos, en-
Coulrou-o O sobrecarga l.essa moiibuudo,
quaai n c enmend Isrsnjae verdes i
Temi sido aban louado pelo cnsul h asi-
le i ro-, (Inglez de nacao) ja bavia sido soc-
Corrido pelo cnsul hes.panhol cum algum
Imlieiro, e o foi nesta ocCasiOo pelo sobre-
carga do /.ew'i com roupa e Calcado, nicas
Causas que Ibo poda dar.
Vcm a proposito dizer-se tquiqueogo-
veruo hriUnnico, para osteniar-se protec-
tor philantiopico da humnnidade africana,
faz pregar em Serra-I.eiia gente de cor
por missionarios pelos, sous as^alari^dos,o
odio que leu. a escravidflo, em Cujo talic'o,
dizcm cites, andam semiente involvidos oi
liasileiros, liespanhes, l'ortuguezes e ltu-
iianos .'
Por esta moio honesto lem frito crear tal
iiverso aos csiraneiros que all apor am,
que lodos, sem txcepro, sao olliados e re-
p> Huios com despiezo!! Que bella eedili-
canle moral!!
as linas pareipacAVs que seguem, feitss
pelo sobrecarga do patacho aos ministros
du Brasil O de Portugal em Londres, dllu
coma do oaisaucceildo em Serra-I.ea.
> lllm e Imii. Sr. Tenho a honra de
por debaixo dos olhos de V. Exc. acopia
le unas di clamcO.'S e protesto que liz p.
ranteo vice-ronsul do Brasil uesta colunia
de Serra-LedSi
(9) o- uf "llie cari;, or of lite slavss found in
board llie vraael selaed, sball be wiilidraun
fiiiin II, nniil ilir s.iiil vessrl sh.iil have bren
drllvrred over i<> oneot ihe tli.sceds Couiuiis-
suik, 11111. s -. llie Iransfer of lite wliole orparl
of ilie rifw or paxrnarri, or f ibewbo-
le or pan i filie llares fuundou board, thould
be citiisiilinil i,rrcaiv. eilher t preserve
ilu ir lives, or l'or any oilier lo preserve llieii
livis, or l'tir anv olber huuiaiie coiisideralloii,
ir for llie safelvnf (lie peniuns cbaiged wilh
llie i'i.mlu i iifhf vessrl afler ils srlzurr ; iu
ubich case llie(.'uiiiinandrr oflhe ciuizer, nr
lie ollirer chaiged wilh Ihe saiil srized vessel,
tball draw mu arrituicale In wliicb he shall
declare llie reasuns nfilie said transfer ; um)
ilo- iniiiii.initer.s, sallors, or pastengrri, idus
lansi'iiiiii ihallbrcsiiductcdlolbe same pon
as llie vesseland lis cargo.
Arl. 4. I arle aiguiu la iripnlafo ou d
passageiros, mi da carga, ou dos escravos aeha-
tiiH a liordo da eiiibarcacau aproada, ser tira-
di di II i, al que a dila eiubarcaeCo traba sido
entregue limadas coinuiistOes mlxias, satro
se a transferencia de toda, ou p rte da tripola-
fo, ou dos passageros, oo do lodo, ou pane
do ecravos achudos a bardo, se julgar iiecen-
sii i.i, qiir seja para lhe conservar a vida, ou
por qualquer omra consiileraco de liiiinaiiid i-
de, qurseja para ieguran;a dan pessoa- ene ir
regada de condutlr a eiubarc.i(ao drpoiv da
sui detensao ; em o rtual 'aso o ciiHiiiiaiidanie
do cruzador, ou o ollicial encarregado da dili
eiubanacao detida, laviar um lerino em que
declare as rasdes da dita transferencia; e o>
coinmandanies, *mannbelras, ou passageiros
/ -: j i transferidos serio coi.duzido^ ao mesmo
porto aonde for a eiubarcacao e carga.
quealcm disto perd ismbem o carrega-
mento de farinha de trigo, que est toda es-
tragada, arhando-me por isso na ultima mi-
sena e desamparo nosta trra, onde mo te-
nho recebi lo auxili.i algum, e neni ao me.
nos apoto da i arte do vice-consul de S. Jl
o Imperador do Brasil.
lio de cerlo mui penoso para mim ter
dcqueixar-mo a V. Exc. do inexplicavel
comportamento de un agente commercia|
de S. Mageslade, de urna autoridade a
quem desojara, segundo os principios que
me hei imposto e seguido sempre, olliar
com todo o respeiloe considoracilo que Ihe
lie devula ; porm, ftido em miuha honra
e iileresses, enllocado em ruinosas cir-
cumstancias, sej-me permitlido assegurar
que neiiliuma sltencllo, nem mesmo a do
dever que Ihe impunba a sua posiQlo olTI-
cial, e a minhl quali lado de subdito brasi-
lero, o moren a empregar-sa em minha
dofesa, Icndo chegado aqui a 3 de setem-
bro, e estado a bordo incoinuiiinicavel, co-
mo llie liz certo por urna carta que Ihe es-
crevi.
Desembarcando do patacho, meapra-
sentei a ee para fazer as niinhas declara-
Ces e protesto ; c, lendn ido no lia 7 do
passado cnmiiigo a burdo do vapor l'henix,
com cujo commandante fallou, este Ihe sequo ludo qusnto se bavia apprehendido
a bordo do/.rao eslava dehaixode sua rci-
pansabitidude. ElllflO liz 8 eXpOS(flO do SUC
cedido, deque o roiiimandaule era tesle-
miinha ollicial ; mas, como o vicn-consul
nilo flzessemenfOono meu protesto de al-
^iiiis fados mais notareis o escandalosos,
apezar de lodos os meus rogos, pro;>uz-aie
a esrrerer-lho at obter rosposla sua, e de
ludo olfereco copia a V Exc.
O rapor l'henix esleve ncsla baha al
ao dia 8, e, nfio obstante todas as minhas
rogativas e e.-furfos para que o comman-
dante fossa intimado a i .ce do meu protes-
to, nada pude conseguir do vico-cousul,
oreando-meassimnoros e grandes emba-
races ; a em la I desespero me collocou, que
n.e ri na dura necessidsde de di/er-lbe:
Que se me nao toinava as minhas decla-
rsfdese protesto como lli'os razia, recor-
rera a algum dos cnsules das naques nllia-
das vi ii lo s assim a obter a fegalisacSo
do protesto no dia 13. cinco das depoia do
aptezador ter sabido desle purlu 1 Este vice-
cnsul lie Inglez de iiisciineuto, negocian-
te ncsla colonia o lilno de um dos juizes d|
commssfio britannica ; mas eris V. Exc
que, be ni longe do mim esta a ideia de
querer deprimir o crdito ollicial desle em-
pregado, s poique teni elle estes acciden-
tes ; tenho, potein, sulliciente rasfio paia
qiieixar-mu, e lie de certo calamitoso que
encoiilrasse eu urna autoridade qu-, b^m
longe de me proteger, fez lodo o possivel
por diminuir osarlos justificativos de um
seu Compatriota, o cumm*ndanle do va-
por; que me seriam bstanle necease ros
I para a miuha icclamacflo. lie, Cunceda-me
'V. Exc. que odijja, lie.u triste que livess.v
eu do tratar com um funecionario, bem
que '.onrado, sernos sollicienies cunheei-
meulos que a sus posieflo demanda, para
defender em tilo graves circiiinstaucias os
direilos de um subdito ludibnado da na-
(fia que elle aqui reprsenla
a Nao harendo aqui agente da najflo por-
tugueza, debaixoda cuja banleira navega-
ra eu legaluienle como sobrecarga do pa-
tucho Leo, cuja propriodado, Cipitflo e tri-
polacflo sflo p.iiliiguezes, para poder recla-
mar este n ivio ; O coiiimaii.lauto do rapor
l'henix levou-o cumsigo, dzen-mc que na
ra Luanda oulros que para Santa-Helena,
para ser julgado pela rommisiflo Mista, Me
liecesserio que note a v Exc. que nesie
porto loiam f.itas ao /.do buscas rigoro-
sas, Sendo at dosearregado, sem que fosse
encunliada cousa alguma que il.nuiicias.e o
navio como etnpregado no Ilcito Iralico de
cscravos.
Posso afrmara V. Exc que nilo abrigo
o mais remoto temor de um tribunal reto
e impurcial, porque tenho a cuusciencia de
nilo haver oll'endido as leis, e nem desmen-
t lo o comportan cnto honra lo em i|uc Ii -i
primado at aqui, como he fcil saber V.
Esc. mandando proceder nidagacOes na
cidadedu Porto, onde resido ha anuos e te-
nho piopriedades ruraes e urbanas, sendo
minha pesaos u nome cotilleados do com-
nieicio dessa cldade, e em IVrnambucu,
Biode-Jaiiciro e Bio-Crande do sol, onl
residi e retire estahelcci.to por muilo lem-
po, rouiiuuando sempre minhas rcla<;0. s
commeiciaes. Higa o commercio Icssas
pmcasse em todo < decurso de nrnba car-
reira comuiercial liz negucio do escravos,
como injustanioiilu li'ffle arge o deita em
rosto I
Nfio posso mandai V. Exc. mais pa-
pis a'guns, porque o cooiiiiin.laiilc do va-
por l'henix n3o s lomnos que eran olli-
ciaes do navio, com os meus pariiculaies,
entre os quaes foi o testamento, cojo segre-
do violou !
lenta conducta, detonsfloe anrisionamento
do commandante Ceorge IKodehouse do
vapor do S. M. Drittanic* Phenix.
Paralbado completamente o meu com-
mercio, despojado da melhor pirle dos meus
trastes erestidos, sem auxilio algum pecu
niario, virendo n'um do mais mortfero?
climas do mundo, e degradado da minha
posiefio. nfio tenho. outro recurso que o de
sppellar psra o amparo e justica de V. Exc,
de quem sou com o mais profundo res
peito.
lllm. o Exm. Sr. ministro plenlpolon
ciario deS. M. o Imperador do Brasil na cor-
te de Londreo mais humilde creado.Joa-
quim da Silva Letta.
Serra l.eoa, II deoutubro de 1819.
P.S. Ilaqui he mpossivel transportar-
me ao Rio-de-Janeiro, porm um cspllSo
americano, lastimando as minhas circuins
tancias por j sabor de todos os meus sof-
frimontos, mo offereceu paisagom gratuita
em sou navio para Caho-Verde, ed'alli per-
tendo seguir ao Kio-dc-Jsnniro, onde ten-
ciouo fazer minha mira lia em casa de Joa-
quiui lliheiro Lopes da Silva, o represen-
tar ao governo do S. M. Imperial, fazen-
do-o sciente queja d'aqui participe! o oc-
corrido V. Exc.
lllm. e Exm. Sr. Tenho a honra de por
na presenta de V. Exc. a copia de um>s de-
clararles e protesto que fiz aqui. Ile-me
forcoso molestar a V. Exc., pois que em pro
priedade portugueza, subditos portuguezes
dobaixo de seu pavilhfio, navegando regu
larmente com licilo commercio e docu-
mentos em forma, como se declara no meu
protesto que, he a prova da legalidade de
minhas opiniocs na qualidade do sobrecar-
ga do patacho pnrlugtiez rao, injusta e ar-
bitrariamente detidnc aprezado, aquellos
e eu recebemos um tratatnento bem in lig-
no da parto do commandante de um dos na
viosda marinha real de Sua Mageslade Bri-
tannica.
o Sendo eu subdito do S M. o Imperador
do Brasil, nesta mesina data me dirijo ao
seu Exm. ministro nessa corte, dando-lhe
parle lo nern do; edesia participado,
assim como dos p pois que mais lh remet-
i, lomo a liberda.le de enriar aqui copia,
para que V. Exc. fique de ludo inleirado
pois uelles se encermm mais alguns es-
clarec tnentos a respeito desta violenta
prest.
Permilla-me, porm, V. Exc. que sup-
plique a aitencito de V. Exc. para com os
subditos portuguezes qu<*, fazendo parle da
Iripolcflo do dilo patacho, navegando pa-
cilicamente, fram testemuuhas da injuria
que frOhVeu o sen pavilhfio som outrn regra
mais que a do arrogante capricho de um
commandante de navio da guerra inglez, te-
quioso doalheio.
Consiiiia-mo V. Ex. que stipplique por
esses desgranados, laucados nesta colonia
dimos margem, porque ellese eu fmos
violenlanienle esbulbados do uossos direi-
los e nteressos, e espoliados dus trastes de
uso, como V. Exc. ter occasito de ver nos I
mes nos papis que remello, sen lo-me ti-
ra las seiscentas on^asdcouroe novecen-|
las mcias doblas lambem de ouro de qus-
tio oitavascada una, cujo dinheiro leravs
para o meu commercio de preferencia lo-
lia de cambio, pelo muilo risco que ha hoje
nos pagamentos em vutude ta pouca con-
lalica.
' Ten lo comprado em Trieste um csrre-
gsmenio de farinlia de trigo, que osla per-
dido e estrujad i pela demora da viagem, e
ava i.is ijue soffieu, tioha lencionado veu-
d-lo em Pernambuco, ou Rio-de-Janeiro,
e com o seu producto e dinheiro que levava
passar-me ao Rio-Grande do sul, on.lo es-
tivo o.mo lempo, c abi fazer de proiuptn o
mouemprego n'uma espoculacao do couros
para o consumo do Trieste, que espera-
va me fossso van'ajosa, pois levava modelo
psra sua vista se prepararein e estaquia-
rem.no que, utilisando cu, lucrava igual-
inenle a navegaefo e commercio, pois linh.i
0 Din do eslabeleccr urna carreira do Itio-
i.runde ao Purio, e ao Porto, a Trieste.
> Agora, poim, que ludo se me bal lou,
acho-me entregue i miseria, s indigencia
e ao desamparo nesta trra mortfera, cer-
cado de p'ivages a que nilo estou costu-
ma lo, vendo todos os dias o segundo ofli -
cial e cinco pessoas da equipa geni do Ledo
1 imeiilarem commjgo osteus o meus solri-
meutos. nfio se nos dando cousa alguma pa-
ra as principaes necessidades da vida tra-
tados anda peor quo criminosos. Sem
apoio nem pessoa que por ellos e por mim
represente, leulio-os supprido cum as mi-
nhas roiipas que vendeni por punco mais
de nada para se remediarem, estando eu
reduzidu a pouca roupa mais do que a in-
diapensavel para restir e o nico lenitivo
que temos no est/j lo aflOictlro em que nos
adiamos, longeda patria, dos prenles e dos
amigos, be ciiir.n in is em commum os nos-
sos males.
Tcntei quo esse 6 hiinens requoressem
ao governador e os guiei nessa pelic.to
mas este nfio quiz aliendcr sua peticil
que nSo despactiou, e disso rerbalmento de-
pois de 3 dias, que nada era com elle, e sim
Com o apnzidor, c miman lana do rapor
l'henix, queja havia saludo desta baha no
dia 8
U ttl peliefio ofTereQO lambem junto
copia V. Exc.
Emfim, depois de todos os esforQos da
rfTinha parte para nilo ser testeniunha da
sua miseiia e agona, pude consoguir quo
sdcssea esses nomens ltimamente urna
meaquinba relo cum que passum anda
fume, porque Ibes be uecessario della ven-
der caila um tanto qusnto basta para pagar
pacnilliuga do alugueldo seu alojamento.
He desta forma que se acham 6 suh litos do
S. U. ., innocentemenle opprimidos, em
avordos quaes reclamo de V. Exc. toda a
proteceflo e jusiica ; e, como he impossivel
quclo cedo cheguem a Portugal noticias
nossasedo navio, que pertenco a praca do
Porto, e que tilo necessarias so para o pro
prielario do patacho e para as nossas fami-
lias, tomo a liherdado de juntar aqui urna
caria para sor dirigida aquoila cid le pela
benigna inierveiiQilo de V. Exc, c alii se an-
uunciar o nossu estado.
Supplico perdio por haver molestado
tanlo a atteiiQflu d
ditos portuguezes, que hei do consolar e
animar.
Nfio se i se me ser possirel conduzl-
los a Cabo-Verde, porque nem par mim te-
nho porm, se all Tr, annunciarei ao seu
gorerno circumslaneiadamente e dahi farei
por passar-me ao Ro-de-Janeiro' onde r-
virei em casa de Joaquim Kibeiro Lopes da
Silra, como j digo na minha parlicipagflo
ao Exm. Sr. ministro do lliaail.
Poucos dias drpots deltas participares, nao
puliendo o aobrecarga Lesia aproveitar-se do
generoso ofTereclinenlo do rapitao americano, I
arranjou passagein para si e seus cotnpanhel-
ro n um balel, onde fram mal accommoda-
dos, bebendo pessima agoa, e comeado loucl-
nho do norte, bolacha cotn bichos e em peda-
eos, e ervilIU furada, unlcoi ininlhnenlos que
Ibes havia ivandado dar o governo de Serra-
I.roa ; e assim e dMglram para Binan, inor-
rendo nesse trajelo de 3 graos 2 daquellei
O hoinrns, victimas da prepotencia e do ini-
qu e drshiiiiiano lialuneiilo ingle Depois
do succedido fallara s a morir, e, para irais,
a morte velo cercada do uiartyrio da Icnlido !!
Seri preciso diier mais cousa alguma ? Jul-
go que nao: os comiiiruios aqui sao escusa-
dos ; o fado por si s dii tudo.
Cbegados a Bissau os 5 bonicos que restavam
do sacrificio, fram soccorridos porfa pelo
governador porluguc e pelos habitantes, c
logo depois embarcados para esta ilha no pata-
cho portugus Sabino, de propriedade de Joo
de Barros, residente em bissau, e natural
d'aqui, o qual Ibes dru passagein gratuita,
sendo os inaotimentos furnecidos por ordem
do governador. .
Chrgados ha dias, elle abi esto espera
de ensrjo para se transportaren! ao llrasil, on-
de esperam saber noticias, do patacho, do ca-
pllao, e dos 3 bonicos que trrin raidei para
crr all Irao dar, porque conliam que o navio
ser julgado m preza.
O pai'cbo portugus /.ci que, como disse-
mos, Ii i sabido de Serra-I.ea, com destino,
segund.. diza, para Loanda, ou ^anla-Hena,
srguio p.ii .i a din de S.-Nicolu desle archipe-
lago, .como ao cabo de 2 dias de derrota obser-
vo c soube o seu capitaoque havia sido rnga
nado no sen proprin destino. E depois de 37
das de viagem, mais tonga c penosa anda en
rasan dos veames porque a giiarnicau ingleza
o fez passar c aos 3 homrns. constantemente
vigiados, oppi imldos e subjeilos a perigos pela
inexperiencia e pouco cuidado dos omciars in-
glezes, chegou aquella Ilha a 15 de outubro.
Nao ser ocioso notar aqui que, ao entrar no
lugar chamado Tarrafal, mandando o capito
de preza icar a reiprcliva bandeira do reino-
unido da Gr-llretanha e Irlanda, cahlo esta
ao mar, e por nao haver outra foi substituida
pela bandeira portugueza. Pena de Talio: a
bandeira que se havia mandado insolentemen-
te arrear, c que o foi por mos portuguezas,
arvoraram-na no mesmo navio e quasi uo
mesmo lugar nios inglesas !!
Tendo o capilao de prea dado conta da sua
missau aos dous couimissarios inglezes que
abi se achavam, receben os a bordojno dia 19,
e cam elle seguio para a ilha da Ha-Vist,
onde eitavam os dous commissarios portugue-
zes. Chegados a 21, entregou o ollicial o na-
vio a coinmissao mixta a Ib, c nesse mesmo
dia fram couduzldos sua prrseuca o capito
e os 3 boinens, aos qu es noiiflcou para no-
ineareni advngado que os defendesse peanle
ella. Kscolhido o advogado, que fot Antonio
Ignacio Lamas, seguio o processo o seu curso
regular; e, provadas.todas as irregularidades t.
violaces do dreito das gente, e do tratado
de 1842 nos artlgos j citados c no 9., bem
como no Io, 2." e 3 do annexo A. (3) fram
capilao e tripolacao absolrldos.e o navio julga-
do m preza a 3 de novembro.
e V. Exc de quem con-
isso *er com o mais profundo respeito.
lllm. e Exm Sr. ministro plenipoten-
Supplico a \. txc. queira lomaros meus | ca no de Sua Mageslade Ki le ssima na cr-
intereaset em considc/acfio, para que nflo
smenle se meresiitua a minha p'0;irieda-
de, como se me ndemntsc dosdaniuos e
ptejuuos que meacarretou a injusta e ri-
te de Londreso mais reverente criado.
ioaijuim da Silva /, >. Serra-Lea, 11 da outubro de 1849.
a /'. S, Tcuciouo ii Ju despararan os sub-
(3) Oart. 'J" do tratado define os indicios que,
sendo encontrados a bordo de quaiquer embar-
caco portugueza ou britannica que for visitada,
logiiiioaui t sua detensao; devendo, se acaso al-
uma das cousas mencionadas for encontrada,
ser mandada ou cnnduiida perante una das
coiiimisses mixtas c sia Iniciadas coi conse-
quencia das estipulaces delle.
Uloy laufully be dclainrd, and moy be enl or
liroiighl befare one oflhe Mixtd Comminiom, el
Inblitbeil in punannre o/ l/i proeision thereof. if
mi/ uf ihe Ihings hereinnfler mentioned smil bt
found in her nnlpt or equipment.
K in-s-.es indicios nao est mencionada aeii
xa do fujilo, que pode por isso ser tegalmenle
maior se assim for conveniente, ou aprouverao
proprietario do navio. A respeito de cozinha
dii i.'[ > '.iln ditoartigo:
8. Eighlly. Aboiler or otbecooking appar.i-
lus of aniinusiial si/.e, and larger, or fitted for
belnginadr larger, Ihau rrquisitc for the use
of the ere w of the vessel as a merchanl vessrll;
nr more ihan on boiler or other cooking.ap-
par.ilus nf llie nidin.ii v size.
Oitavo. Um caldeiro ou outros apparrlhos
de cozinlia. de extraordinario tamanho e maio-
res. ou adaptados para se tornarcm niainresdo
que be uecessario para uso da tripolacao da
embare-icao como navio mercante, ou mais de
um caldeiro ou outros apparelhos de cozinha
de tamanho ordinario.
Annexo A anide l^1, The Coinmander of
any Ship belonging lo the Hoyal Portuguese
or Ki iibsh Narj, te/l ihalt btfurnilhed teilh Ihiw
initrucliont, sliali have a right to vislt, search,
an letnin..........................
and sucli Oiniinaiider sball, ihrrrupou, brig
or send kucIi vessel, as snon as pnssible, for
judgement brfiirrth.-it one of the Mised Com-
iiiUsioiis established in virlue of the 8"' ar-
licle oflhe said Tiealjr, which sball be the
nearest M the place of detention, or wliich
surh Commander shall, upon bis owu resnon-
ibiliiy. judge can be souneit reacbed from
sucb place.
Arl 1. O i- i ni i n .nid inte de qualquer navio
pertencente marinha real portugueza ou bri-
tannica que esliver mimiifo rfMtaf inilmri'n.ter
dircilo de visitar, dar busca, e deter..............
devendo em cousrquencia o dito commandan-
te conduzir ou mandar a niesmi embarcaran,
o mais breve possivel, pira ser julgada peranle
una das commisses mixtas, estabelecldas em
vinude lo arl. 6 do dito tratado, que or a
mais prxima do lugar da delenco, ou aquella
* que o dito eoinm-Hilante, sub sua respnnsa-
billdade. julgar que se poder cliegar com mais
brevidade.
A nicle 2". Whcnever a Ship of elthrr of
the Boyal Navies, duly anthorisrd as afore,
said, shall mu a vessel Hable to be visitrd
under the provisions of the said Trealy, the
search shall be conducted in the uiildest man-
ner, and wilh every nttrntion which oughl
to be ebserved belwecn llled and friendly Na-
tions.........................................................
Cinco dias antes j o seguudo ollicial e "
guarnlfo ingleza tluhain seguido para Srrra-
i.i'i'.a n'um vapor que havia passado na n.'n .
\iia, Meando, lomete alii o capilao de preza
II. Hawhe, como neeeuario para os termos d
processo,o qual nio deixou de dlzcr coin-
missao que a gente do Lelo tinha lloado arran-
jada em Serra -Lefia t!
Els-aqui a senlenca que o recto e imparcial
tribunal da commissiio mixta luso-britannlca
da Ilha da Boa-Vista proferio :
. Somos de opinlio que, pelos depolmentos
da diversas,testemunhasiiuvi4as nesta causa,
e os papel que teem Ido apresentados.provain
sem duvida alguma que o patacho portuguec
IrAo.aa occaslo em que fra tomado pelo bar-
co de vapor Phenix de S. M. Ilritannic i.euipre- .
gava-s* em viagem licita, e qud o dito nvio.
nao tinha a bordo quaesquer dos objectos
mencionados no'art. 9 do tratado, que consti-
luisse a prima (ocie prova de se einpregar no
trafico daescravatura, e outrosim, que o apre-
tador nao fra Indusido a erro por qualquer
falta cominettida pelo inestre do navio. F.m
eonl'.iriuulade, pois, ordenamos a restituifo
do navio e carga, como he reclamado por "Ma-
nuel Joaquina de Fontes, inestre do dito navio,
cotn todas as cusas, perdas, daino c deipe-
za que porventura tenha (offrldo pela sua de-
tensao, o que communicamos ao secretario
desta commisso para avahar o Importe das
mesmas.
l'rouunciando'a nossa senlenca nesla cau-
sa, julgaiujas'do nosso deyer fasera seguinles
observa(ojKabre a conducta do aprezador :
i.1, que o patacho /.nio fura tomado na Lat.
1348n., e longitud 20-540; ;4) e, conlie-
cendo-se ser sem duvida alguma navio porlu-
guez, em contravnco do tratado entre a Gra-
llreanba e Portugal -fra Coudutldo Serra-
Lea aonde o aprezador deveria saber que nao
havia coinmissao peranle a qual o navio podes-
se sei jomado ; 2.*, que o aprezador smente
inandou peranle esta coinmissao quairo da
doze pessoas que estavam a bordo ao lempo
em que o navio fra dolido, e os cotnmisaarlos
san deopinio ue o commandante uo fe di-
ligencia alguma para cumprir com o art. 4."
do anaexo A, em mandar a este porto o res-
tante das pessoas que licaram em Serra-Leoa,
urna das quaes era o sobrecarga 3 ", que.em
cuniraveiir.au do art, 3. do annexo A, o apreta-
dor coufiou ao cuidado de um ollicial que nao
era anda lente na marinha o conduzir o na-
vio detido esta commisso, cujo official ao
lempo da tomadla era menos anda que lereei-
ro em eliminando no navio aprezador. i'.m
conclusao temo a observar que a declarffo
do aprezador, en que niosira o estado eui que
achou o navio delido, he to incoherente,
em alguma partes (ugiudo to claramente da
vcfdade, que se toi na quasi intil como evi-
dencia.
Sala das scsses da commisso mixta luso-
britannica na ilha da Boa-Vista, 3 de novem-
bro de 184 Est conforme.Jtib Antonio
Martin', secretario.
Em vii imlc desta senlenca o capilao tratou
de formalisar a sua conta de perdas e dainos,
que i ni pin mu em 5:173,720 rs.j mas, sendo-lhe
glozada pela commisso mixta,so foi attendido
em 3:597,000 rs., de cuja quantia passou esta
o competente titulo, na forma do art. 7do anne-
xo II ao dilo tratado de 1842.
Nesta importancia, porm, l eilao inclui-
das 000,000 rs. como iudeinniacao pela ararla
da carga, quaado ella est toda estragada; e
que ha lugar de dircilo ao resarciinento desle
prejuizo, ninguem que seja de boa f o con-
testar.
E as nnfas, as prcas, o relogio, a correte,
etc., devero perd-las srus dono, so por-
que nao estavam manfcitadatcom se allego, e
porque o couimandante do l'henix nao inan-
dou fazer inventario dessas miuJeiaiJ l :
He-i -intu acailn o capilao, Iratou de tomar
mais gente para a tripolaco do navio, c ap-
paielha-lu a seguir o seu destino, o que fez sa-
l indo da ilha da Ka Vista a 26 do correte.
Passando hontem ,i vista desta ilha, foi o pa-
tacho couhecido dla sobrecarga, e pelos qua-
iro homens da equipagem ; e, sobreviudo cal-
ina, fram estes a bordo com licc.-.ca d'alfan-
dega. Sati.fcitos os que estavam a bordo, e
os que ian de Ierra vista desle casual eucon-
tro, que nuv mieiiie os reunia, apenas se apro-
ioiarain a bordo, ahracaram-se mutuamenle,
dando anda assitn mui tos pa rabeos sua for-
tuna, que Ihes nao tinha, sido de lodo aressa.
O capilao mandou laucar anchura ao rilo,
vcio a torra, e, informado de ludo pe sobre
carga, la"ai hoje com esle e com aquello
para o seu deslino de Pernambuco e Itiu-dc-Ja-
neiro Quebao co que os venios Ihes sejaiu
propicios, e que na sua travessa nao sejam en-
contrado por novo l'henix, que Ihe faca re-
liasen os tormentos.
COMWIESCIG.
Art. 2. Todas as vezes que um navio de qual-
3in r das niai mil renes, devidamente auturisa.
o. como cima fiea dito,encontrar umaembar-
cacin que esteja no cato de ser visitada, na fr
mi d a. esiipul -ie<> < du dito tratado ser a vial-
la feila com a maior moderarn, e cum toda a
llenfoque se deve observar entrenaedes ami-
gase a I liadas.
ii iu leii.'.i Me.sball deiiver to the masler of
the detained vessel a signrd errtificate of the
papers seized on board the same...................
Whcii ihe Commander of the cruizer shall
not think projierto tke upon himself lo carry
iu and deliver up ihe detained vessel, he sholl
not enlrusl that duly to an olTicer beluw tbe
rank of Lientenanl in Ihe Navy, unless II be
lo Ihe Olcer who al tbc time shall not be
lower lliau ihird iu coiuinand oflhe deuinina
hlp........................................................"
*'.t......,.,......, ,,,,,.....,.!.....*..,,..., I
ALFANDEGA.
Itendimetilo do dia 2t.....10:911,768
Deicarregam hoje 25.
Barca ingleza Precilla fazendss.
Barca ingleza Genevieca -- dem.
Barca ingleza Calumbas idem.
Patacho inglez llitanliem taizaa.
Barca ingleza Monarchancoras o ferro.
Brigue inglez Earl-of-Dolhonsea fer-
i u bruto.
Barca francezt Jeune-Raumond farinh.
Brigue americano uliet^ idem.
Patacho dina marque/. -- Unido alcalrilo.
Brigue sueco I-fti tabosdo.
Brigue inglez Cynlhia bacslho.
Brigue dinamarquez --Skandinavo ta-
boado.
Iliate Novo-Olinda gneros do paiz.
IMPOBTACA.
Synlhia, brigue inglez, viudo de Terrs-
Mova, entrado no correte mez, consigna-
do a Me. Cilinoiit & C, mainlVslou o se-
guinte:
2,680 barricas com bacalho; aos meamos
consignatarios.
Monarch,barca ingloza, vinda de Glasgow,
entrada no corrente mez, consignada a Rid-
gway Jsmeison o, C manifestou o se-
guinte :
120 toneladas csrvo de podra, 238 barri-
cas cervoja, 15 feixos e 318 barras de ferro.
22 ancoras, 2 correles, 3,869 potes de ferro
fundido, 21 caixas fazendss de algotido, t
Art. 3. O eammandunte dever entregar ao
inestre da embarcarn detida urna cerli ao as-
signada dos papel apprehendido a burdo.....
y ua mili o commandante dn cruiador nao Jul-
gar dever tomar obre >i o conducir entre-
gar a embarcac.i detida, nao cuna- este
sei viro a nenhuiu ollicial de patente inferior i
de lente de rn.li inll l, salvo su for a IgUIII ol-
licial que a esse temqo nao sija inferior ao ter-
ceiroem coiniuandodu navio aprezador.....
(1) Lalitude c longltude dada palo apreza-
dor.
MFI HOR FXFMPL


*dL
*
k
*
\
y
caixa fnzon.la de 13a e algodSo; os mosmos
consignatarios.
1 207 liarras de ferro batiJo, 1, caixa roupa
feila ; a ChrUtopher Starr & C.
15caixas queijos, 1 embrulho roupa feila,
13 caixas fazendas de algodo ; a Adamson
llowie& C.
Paulina, brigue hollandez, rindo de An-
vers, entrado no corrento mez, consignado
Le Itreton Schrainm & C, manifestouo
seguinte :
150 caixas vidros para vidraca, 5 ditas li-
cor ; a J. Keller Si C.
160 caixas vidros para vdragas, 5 barri-
cas pregos ; a V. O. Bieber & C
7 caixas espingarda; a F. H Lullken.
6 caixas espingardas, 1*0 ditas pregos," 1
dita asninas ; a Brander a Bran lis & C.
4 caixas papel, 1 dita livros e papel; a
orden,
1 fardo e 1 caixa fazendas de algod.loe
linho ; a Kalkmann Irmfios.
137,30o killogrammas de carvffo de pe-
dra, 60 gigos batatas ; ao capillo.
Zampa, barca francoz*, vinda do Havre,
entrada no crrente mez, consignada a B.
J.assorre & C, manifestou o seguinte :
1 caixa cora daguerreotypo, 30 cestos
cliampnlia, 1 caixa objeclos de moda, 1
i xa chapeos de senhora, 5 ditas ditos de
homem, i dita ditos de sol dealgodo, 42
ditas queijos, 90 barris e 10 meios ditos
maute.ga, 20 caixas velas, 40 barris er, 125
barricas familia de trigo, 30 barris ago'ar-
denle cognac, 1 barril ahsinlho ; a ordem.
1 caixa pellcs preparadas ; a N. O. Bieber
&C.
1'caixa plumas, 1 dita polles preparadas;
a A. L. Strauss.
1 caixa papel pintado; a E. B. da Silva
1 caixa objoctos de mola ; a Millochou
1 caixa fazendas de seda, 50 cestos chain
panlia a C. J. Astley & C.[
2 caixas fazendas de algodSo, 2 ditas ditas
de seda; aj. Keller & C.
3 caixas fazendas de seda e algodSo, 1 di-
ta dita de seda, 13 ditas ditas de algodSo ;
a kalkmann & Irm.Yos
2 barris e 6 caixas drogas, 1 caixinha fa-
llas de ouro; a Bartholomeu Francisco de
Souza,
1 caixa roupa faila; a lo.lo Pinto de I.e-
mos &F.lhos.
1 caixa fazendas dealgodo; a E. Bolly
1 caixa f.zendas de seda ; a Schapheitlin
& Tobler.
1 caixa obras de ouro e prata, e relogios;
a C.f.arner&.
145 caixas queijos ; aj. Roulier.
2 caixas bataneas, 8 ditas drogas, 1 dita
livros o drogas, 4 barricas caparosa, 1 Caixa
oleo de vitriolo, 6 nSes de breu ; a J. Soum.
45 barris e 30 meios ditos manteiga ; a F.
II. Lullkens
800 gigos o 1 4 saceos batatas; a Uidier
Colombie'z & C.
6 caixas tecidosdiversos, 2 barricas latan,
5 caixas papel, 1 dita papel pintado, 1 dilH
vidros para candieiro, 3 ditas vidros, 1 dita
vidros e obras de falla, ,1 dita obras de pa-
peleo, 2 ditas meiase varios tecidos, 1 dita
artigos de pariz, t dita afeites, 6ditas cha-
peos, 2 ditas ditos deso, 1 dita obras de
falla, 1 dita Titas, t dita cachimbos, papel e
Kvellas, t dita aviamentos para chapellciro,
1 dita pellcs pintadas, 6 ditas pe fumarias.
1 dita ervas, 1 dita acido sulfurico, 1 dita
bijouteaias ; a JoSo Pedro Adour & C.
Harbinglr, brigue ingle/., viudo de Liver-
pool, entrado no corrente mez, consignado
a M. J. llamos e Silv 1, 111.1 nil'e.stuu o se
guinte:
269 toneladas de carvo de peJra ; sos
mes nos consignatarios,
ZsaV, brigue sueco, vindo de Goteiiburg,
entrado no correte mez, consignado a Me.
Can otit i* C manifestou o seguinte :
1,1X5 barras de ferro, 103 caixas ac,o,
:i-j.1'huas taboados ; aos oicsmos consig-
natarios.
CONSULADO GEBAL.
Rendimento do dia 24. ... 3:715,120
Diversa provincias...... 289,692
'.tersoa;.
toneladas, capitSo A. P. Patersc-ris equi-
pasen. 13, carga taboado; a Me. Calmont
&C.
Parahiba 10 horas, vapor de guerra bra-
sileiro Th'lii, coromandante o lente
Antonio Francisco Pereira.Conduz os
revoltosos presos, Antonio Joaquim llon-
riques de Miranda intitulado o tenento-
coronel commandanle da columna do
norte, Manocl Gpngalves Wanderley inti-
tulado ollicial e ni ns 4 da mesma fi'irca.
Navios sonidos no taisiiui dia.
Liverpool Brigue inglez Middlelon, capi-
tilo C. M. Wake, carga algodflo.
LJLrfu. Declarado-es.
O Dr. juiz de direito cliefe de polica
5
te, duas ditas de espirito de. vinho, 18 ditas
vazias com o competente funil, bomba, me-
didas, ole : sexta l'e.r.i 25 do corronte, s
10 horas da manliSa, na ra do Brum, eni
Fra-do-Portas, cas contig'ia a fundicSo
de Bowman & M. Callun.
- Iticliard lioyle far leil,3o, por inter-
vencao do corretor Oliveira, de avultido
sorlimenlo de fazendas. inglezas, todas
proprias do mercado : segunda-fairaja>28 do
correle, asIO horas da manhSa, no seu
annazoin da ra da Cadeia.
Avisos diversos.
-- Precisa-se de um caixeiro de 20 annns
de idado para tomar conta de um detjpsito
de bolacha por balando, afianzando sua
,..,- ,. ,. '- """""^ I "' II llllllt .1, II lili 1 I I ,1 II I
Interino da provincia, querendo regular.- conducta : na ra da Florentina, n. 3.
Car AU ru \i\ un' < .i. ,< .m.,,.i -! ,*! ....... 1 .. .aja
aaros trahalhos desta reparticSo, manda
fazer publico que os estrangeiros chama-
dos pelo edltal de 11 do corrente, so devom
comparecer na mesma para o flm de apre-
sentar seus ttulos de residencia, nos dias
uteis, das 9 horas al as 11 da manhSa.
Secretaria da polica de Peronmbuco,
23 de Janeiro de 1850 Antonia Jos de Frei-
las, primeiro amanuense.
Pela subdelegada da freguezia da Se
se fax publico que se acha recolhido a ca-
deia um preto que diz chamar-se Uomin-
'.'ns, e ser escravo do un sujeilo do nome
I0S0, morador as Alagoas d'onde O mes-
no escravo veio fugiJo.
Itcpartcao da polica.
Illm. e Exm. Sr.--Fram hontem presos
1 miniia ordem os guardas naconaos Balbi-
>io do S Cavalcaola e Hiogo Soares do Al-
buquerqoe, por deixarem fugir o preso Cy-
,niaii-i Pereira de Souza Peres, que foi rc-
mettido a esta reparticSo, pelo subdelegado
lo primeiro districloda freguezia dos Afa-
mados : do subdelegado da freguezia de
S.-Frei-Pedro-Goncalvos do Kecife, Minocl
la PaixSo 1I0 Monte e Manoel dos Santos
Iteis Jnniir, por estarein embriagados.
O subdelegado de polica do termo do
Rio-Formozo, por officio| le 3 do corrente,
narticpou-mo que, no dia 24 para 25 de de-
zembro prximo passa lo, andan lo de ron-
da o inspector de quarleirSo da povoaQ.lo
do Abreu, fra assassinado rorcertus indi-
viduos de aecrdo com parle da ronda, os
|iiaes, apezar das diligencias empregad;S,
un la au po.1er.im ser capturados.
Dos guarde a V. F.xc. Secretaria da
policia de I'tu imliui'1, 2 4 d) Janeiro de
1850Illm. e Exm. Sr. Honorio Hermto
Carneiro Lc3o, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.--Joi Nicolao lle-
gueira Costa, ctiefe de policia interino.
I'tnnut hoie despachadas com pastaporte por
esta rrpartic3o.
Para a lialiia, o suuilo Porluguez Anto-
nio Jos Soares.
Para o Bio-GranJe do sul, Jos Ribeiro
da Stlva, Portuguez.
Secretaria da policia de Pernambuco. 24
de Janeiro de 1850.Antonio Jos de t'rcilas,
primeiro amanuense.
avisos martimos.
4:004,812
KXPORTAC\0.
Despachos martimos na dia 2 V.
Babia, sumaca nacional Plr-ngelim, de
99 toneladas e 3|l, manifestou o seguinte:
2 caixas com 2duzias de garrafas de az-i-
te doce, 8 ditas com 8 ditas ditas, I dita
com diversos objeclos, 1 barrica ditos ditos,
1 barrica com 5S garrafas de vinho,33 pipas
abatidas, 5 mllios de arcos de ferro, 5 cai
xas diversos objeclos, 1 Cixfiocoro atlOdu-
zias do caixas de colxeles, 1 dito com 200
mansas deviJro, 100 barris com manteig,
100hirricas com bacalho, 50 caixas com
1,600 libras de velas.10 ditas com 500que
jos, 50 ditas com 1500 libras do velas, 3 ha-
lis com roupa, 1 dito con miudezas, 1 dito
vasio, 1 caixflo com ubcelos para cozinlia,
1 di 10 01:11 miudezas 1 dito Cum um orato-
rio, 1 dito con imagens, 1 dito com man-
gas d vidro, 1 dito com um apparclho de
prata, 1 taixo com una baci. de lat3o, 1 ga-
mela de pao, 44 garrafas com sevadinha e
ervilhas, 1 caixilo com fazendas, 1 dito dito,
1 dito com 1N inassns rom pilulas, 2'ja i xas
com fazendas, 263 barricas, 60 ineias ditas
com farinna, 5 Mitas con fazendas, 1 dita
cum muid.'Zas, 4 pites com 4 arrobas 0 t2 li-
bras de assucar retinado, um caixSo com
miudezas, 8 barris com 79,500 pregos, 2 di-
tos com 20,000 ditos, 2 ditos com 28,000 di-
tos 1 dito com 10,000 ditus, 106 barricas
com ramilla de trigo, 30 barra cora Cal de
l.isluin, 1 Caixa com relogios de ouro e pra-
ta, 2 caixas com 22 arrobas de assucar bra ri-
co, 8 barris com 148 caadas de azeite de
canapato, 1 presunto com 15 1|2 libras
(sem effeit",/, I barrica com 3 arrobas e 31
libras de assucar branco, 2 hcelas com 29
libras de doce, 3 caixas com 130 libras de
velas, 1 dita com 3 arrobas de velas de car-
nabJ.
Liverpool, brigue inglez lUeddleton, de 415
toneladas, mauifeslou o seguiote :
1,518 saccas dealgodo com 8,265 arro-
bas e 13 libras, 1 canoa de ossos com 400
arrobas.
Canal, barca dinamarqueza Preciosa, de
414 toneladas, manifestou o seguinte:
3,500 saceos de assucar com 17,500 ar-
robas.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 24.....1:863,360
.viovimcnio do 'orlo.
O correto Oliveira far leilo, por or-
dem e om presenc do Sr cnsul da rep-
blica franceza, do heos do linado Lois Vc-
tor llesenclos, subdito fr.-ncez, consistilo
ecn mobilia, inclusive artigos de escrito-
rio o machina de copiar cartas, trem de co-
ziuha, instrumento de agricultura, falo
calcado, livros, dous excellenies relogios
I de ouro, un cum a competente crrente,
3 depsitos d'agoa, proprius para jardim,
um par de pistolas, 23 pipas de ago'ardeu'
Para o Ro-Grande do sul sabe inipre-
terivelment', no dia 27 do correlo, o pata-
cho nacional Euterpe, capit.lo Manuel Luiz
dos Santos : pode recebor tilo so mente Bi-
suntas miudezas, passageirosn escravos a
frete: trata-.ie com o capit.lo, ou com Luiz
los ilaSa Araujo, ni ra da Cmiz. n. 33.
Para o A'acty prcten le sabir om pou-
cosdias a sumaca Carlota, por se adiar
com tres partes da carga a bordo : para o
-estante-la carga o passageiros trata-se
com o mpstre, Jos Goni;ajves Simas, ou
com Luiz Jos do S Araujo, ra da Cruz,
n. 33.
Para Lisboa, com escala pelo Porto, se
lispOe a recuher carga o hem conhecido
brigue porluguez Conceico-t'lor-de-Lisboa,
e a sabir breve, para o que ten engajado
urna parle do carregameuto : quem 110 mes-
uvi quizer carregar, ou ir de passagem, p-
le entender-se com o capitSo, Ju.to Bnrges
'a iifl'iiia Jnior, ou com os consignata-
rios, Amorim Iranios, na ra da Cadeia,
11 39.
Para o Maranh3o el'ar
sahe mpreterivclnienlc no dia 25 do cor-
rente a veleira escuna nacional Kmilia, ca-
pitSo e pratico Antonio Silveira Maciel J-
nior : para carga e passageiros, trata-se ate
o dia 21, com o ca pililo na praca do Com-
incrcio, ou na ra da Cruz, armazum n. 13
-- Compra-se um navio, pataclio, brigue
ou polaca, sendo de boa construccAo e
prompto a seguir viagem, devendo carre-
gar para cima de 2,500 saceos, e que nio
lemandemais do 15 palmos punco mais
ou megos : a tratar ao lado do Coipo San-
to, luja de cabos, de Miguel Antonio da Cos-
ta e Silva. 1
Para o Rio-de-Janeiro partir, com
muita brevida le, o patacho brasileiro For-
tuna, de lote de seis mil arrobas : tem me-
lade de seu carregamento engajado : para
o restante trata-se com l'irmino Joso Flix
da llosa na ra da Senzxlla, 11. 42.
Para a ilha de S.-Miguel segu via-
gem com brevidade por ter parle de seu
carregamento prompto, o brigue nacional
Kspirito-Santo, capilSo Alexandro Jos Al-
ves : para carga e passageiros, Irala-se com
Francisco Maitins Ferreira, no largo du
Terco, n. 139.
Para o Porlo sahr muito breve o bri-
gue poiluguez Mara-Feliz, capit.lo l.ou-
lenco Fi mandes do O 1 mu, por ter a n aioi
parle da carga prompta : quem no mesmo
quizer carregar no ir do passagem, Iraiem
com o consignatario, Antonio Joaquim de
Souza Ribeiro, ou com o dito capitu na
praca.
Aluga-se o segundo andar da casa n.
24, sita noAterro-da-Boa-Vista : a tratar no
11 ir-111 Aterro, loja de fazendas, n. 18-
A refinaria franceza da ra da Concor-
dia precisa de tres escravos possantes para
trabalharem na mesma.
Aloga-so um sobrado de um andar,
com commodos para grande familia, bom
quintal e cacimba, silo na ra das Ti in-
cheiras : quem o pretender alugar, falle na
ra da Cadeia do Recife, defronle do Bec-
co-Largo, n. 25.
No dia 31 do correnle, depois da audi-
encia do juizo dos orphos, tem de ser ar-
rematada, a requerimentoda viuva de Luiz
Ignacio Ribeiro Roma, a loja de livros e ar-
mac.lo, sila no largo do Collegio, 11. 2, no
valor de 7.797,890 rs.-, para pagamento dos
credoresde seu casal : os licitantes compa-
recen na dita loja no dia indicado
Arremata-so por venda, 110 dia 26 do
corrente, um sobrado le tres andares,
mei.i agn, Mo na travessa do Encantamen-
to : a piafa lera lugar na porla do Dr juiz
municipal da segunda vara,
S. II T.
AdireccSo da S. II. T. avisa aos socios
signatarios aos bailes do mascaras, qoo de-
vem ter lugar no carnaval do prsenle an-
no, que pertencendo-lhes dois carlfles para
cada um dos ditos bailes, osendoalgum
dostes para convite de familia, apresentem
em carta fechada, al ao dia 28 do corren-
te, ao primeiro secretario da direCQiio, ra
da Cruz n. 9, as suas proposts, afim de Ibes
serem ministrados con anlicipafilo os res-
pectivos carlOes, adven indo, porm, que
por familia se entiende o chele e as senhoras
quelhes dii respeilo.
-Aluga-se urna escrava mofa, de bonita
figura, que engomla hem, cozinha e faz o
mais srrvifo de lima casa cot prestesa b
perfeieo : quem a pretender dirija-se
ra de S.-Jos, 11. 2, taberna de 4 portas.
Tundo fallecido nesta provincia de Per-
nambuco Manuel Ribeiro de CtfVslho 011
Manuel Ribeiro Jnior, que era natural da
freguezia de San-Juflo-Evangclista do Nes-
preira, lugar denominado Carvalho, naco-
marca de Penaliel e concclho de Looza la
no reino de Portugal, o qual consta ter fal-
lecido no Varadouro da cidade de Olinda
cm o mez de Janeiro de 1849, mulo so dc-
seja saber se falleceu com testamento ou
sem elle, ou com algurr.a nutra dispusicftu
relativa au que pnssuia em Portugal; por
issu se pede u qualquer pessoa, que sobre o
mesmo liui |ossa dar algum esclarecimcn-
to, o favor do o participar 110 Aterro-da-
liiia- Vi-ia, venda i). 2, ou anuunciar por es-
ta falla.
Iloga-sa encarecidamente uosSrs. olli-
ciaes da guarda nacional do terceiro bata-
Ihiiodc San-Jos M. A. V. e L. F. M. 8. e o
sargento F. do I*. I!, o favor de irein o man-
dar pagar, as CiiiCo-Pontas, n 13, as bar-
retinas e niais objeclos que coinpraram ha
3 para 4 aunus ; do contrario, passarao pelo
desgoslo de ver os seus nomes por extenso
nesta falla c seren judicialmente execo-
tados.
Casa de commissao de
escravos.
Na ra Direita, sbralo do 3 andares,
defronle do becoi do S.-Pe 1ro, n. 3, rece-
nem-sn escravos de ambos os sexos para se
venderom de commissao, nJo se levando
por este trabalho innis do que 2 por cento,
esem se levar cousa alguina de comado-
rias, offeiccendo-se para islo tola a segu-
ranza para os ditos escravos.
liites artifciaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peitavel publico que contina a excrcer a
sua profissSo, na ra ejtreila do llozario,
n. 16, primeiro andar.
Furlaram, no dia 21 do corrente, da
ra Nova, n. 33, um relogio patento inglez,
todo lavrado, faltan lo-lhe o ponleiro dos
oslanics, ecom trancelimde borracha. Bo-
fa-se a qualquer pessoa, ou relojoeiro que
Ihe for olTerecido para botar o ponte.ro dos
estantes, quo o apprchenda e manda lva-
lo a dita casa, que se Ihe pagar a despeza,
e se Ihe (cara agradecido.
Antonio Joaquim da Costa faz sciente
ao respeilavel publico que de boje en lian-
te se assignara por Antonio Joaquim da
Cosa e Silva, por haver outro de igual
nome.
O Sr. que por engao tiriu do Corroio
urna car ti pertencente a Justino Antonio
da Silva, sendo que queira reslilui-la, pfj le
manda-la entregar na loja do ina^aincs de
Braga &C., ra do Vigano, n. 1, que so
Ihelicar agradecido.
Quem qu>/.ercomprar um relogio de
ouro, bom regulador, entnnda-se com o
Sr. Rarlhuloiicu l'ra csC,i de Souza, que
tem ordem do dono para o mostrar e ne-
gociar.
-- .No Aterro-daBoa-Vista, n. I, precisa-
se de nina preta para o servido de casa.
Na casa do raslo di na do Codorniz,
n. 18, bairro do Becife, se faz comida mili-
to be n feila. O sen propietario se ene irri-
ga de mandar a com la para as pessoas que
se queiram justar por mez, por mdico
prego. \n mesma casa haver sjmpro de
larde muilo hem fetO caf.
Aluga-se o sguo lo andar e sotiTo do
sobrado ao entrar do Livramento para a
ra Direita, n. 12, com bastantes comino-
dos: a t'at r na rua estrella do llozano,
n. 35, loja de encadernadur.
Uma genlinra Casada, professora parti-
cular de primeira leltras, qui se achava es-
tahelecida ni rua do Razano da Boa-Vista,
m ni.i i su i residencia pira a prac,a do dito
bairro, sobrado de um au lar n. 12, por of-
ferecer mais commodila lo e precisa de-
cencia as suas aluinnas. A mesilla ptofes-
sora recebera em aua aula meas pensionis-
tas, e OOinpromOte-Sfl a trata-las rom lu lo
o esmero. Em sua aula ensina-se, aln das
primeiras leit'.is. Qoulrna, grammalica
porlugueza, coser, bordar, marcar c fazer
lavaiiuto. A dila professora espera conti-
nuar n merecer o conceito que ai agora se
Ihe tem depositado.
Theatro de Apollo.
A commissiTi administrativa da cimpa-
nina de accionistas avisi a estes
Srs. qii". achuMlu-s* prumplas as
ilr segundo em prest mn para a e
do mesmo theatro, lem lulorisado
primeiro secretario para a competente en-
trega desses tilulos, a qual lera principio
boje, 21 do corrente, continuando lo los os
dias uteis at 9 de feverero futuro, desde o
meio-dia as 2 horas da tarde, na c isa n. 6,
defronle du Trapiche-Novo ; e s ra feila s
proprias uessnas a quem aquellas devereii
pert'iirer, envista dos respectivos docu-
mentos que comoroyem a sua proprie lade.
O Sr. Jos Brazeli'.o di Silva queira lera
bondade de vir ou mandar pagar o impone
de sua lettra que se acha vencida, o niiu
ignora a quem.
Precisa-se de urna preta captiva para
ama de urna casa estrangoira, que Saiba
na rua do Trapicho, armazem
ltimos
Bfiolicos
lilicaoio
ao ai o
Compras.
Nos abaixoassignados fazemos scien-
te ao respeilavel publico que Jos da Silva: ena"mmar
Guimariles deixuu de ser nosso caixeiro n.'4.
di-sdoo da 23 do corrente, e por isso estaj
desonerado dos servidos de caga o de rua.j
Victorino i (uimariles.
.Nedia 21 do correlo fai faltado por-------,
um prclo, de uma casi da ruadas Cinco-! Gompram-se esCravosde ambos os se-
Ponlas, defionteda fartaleza, junto a la.lxos, de 10 a 40annos: pagam-se bem : no
hricado papelilo, um bahiiz.inlio do na-'Paleu do C.arnio, n. 18, primeiro miar,
deira, pintado de verde, u qual tuina dea- Compra-se toda : qtii.liita-
Iro urnas ciroulas de aJgodaozinho, duas do de trastes usa b s. e (ambem se trocan
ras, a qual existe com v n 11; e lafflbam
uma parto de um terreno aunexo a mesma
casa ; um outro terreno na malta da Tor-
ra, com 300 palmos de frento o 600 da fun-
do, prximo no rio Capibarihe : ludo por
pre^o comniodo : na tnvessa da Concor-
dia, n. 5.
Vondem-so as segnnles obras em
muito bom uso:
Novo tratado de medicina e cirurgia do-
mestica adaptado a intelligencia de toias
as classes do povo, com os a tigos especias
sobro as molestias epidmicas, cholera,
rebrea e tiphodes com 64 estampas.
Cu ligo ili ir naceulico de Agostinho Al-
batfo, ultima edicto, eom a lisia alphaheti-
ca de todas as plantas medicinaos da Euro-
pa e America, sua eolhelta, conserva^fo,
uso e virlu les, com 18 estampas.
Vademcum do cirurgiilo, coa o diccio-
nario dos ler.-nos da arle, ilnrmacia-cirur-
gica, oai que se descreva o uso, virio le e
dse dos remedios, obra multo interessan'e
a lodos os fazen leiro*, com um tratado de
cirurgia forense para todos os autos da vis-
turas.
Diccionario ola fico e miUicologico.
Prozodia. v.icabiilarjin belingue, la ti-
ra uini et Imitanum,
OrdonacSo do reino, livro primeiro.
Fbulas de 1.1 Fon tai ne, 2 ,
Aria potica, principios cloaicn'.ar.'s da
veroli'Mcflo portuguoza
<.ou.liluic.Topoltica d i imaerio, !oi do
busca, dos guardas lunuicipies e coligo
criminal do imperio, diminuto volunte por-
ttil para os Sis. jurados.
Etheca de Job, quinto lloralii Flacci em
latim o p irtuguaz, 2 v.
Fbulas del'lielro em lili n 0 porluguez;
M. Tullii ci Tonis; Pedro Caldern de la
Barca, 3v.; Victorino menino da Salva,
3 v.; segredo da natureza ; ll-volnco do
Pernambuco; Limitas le CamOes, 2 v,
Na rua estrila lo Rozano, n. 2, loja do
encadnrnaQflo d 'Jos Bit ir > S"n '> -s
-- Vende-se inilho de superior qualidade:
no ar-.a'om que fui do fiilecido llriguez,
e na quina alo Becco-I.argo.loja de fazendas.
Vende-se una poreflo de sulla muito
superiurje por pieco co nn.odo : no BeCCO-
l.ngo, n. 1, segn lo and ir.
Na rua da C'iiz, armazein, n 31. de Sa
Araujo lia para ven le um reslantede f ascos
de rap.le LisbO i da meia libra; assun como
couros mi.I ai, sulla, calcado do Ar.-ealy,
tanto ordinario, como de lustro; caixas para
rap e saccas co n f.ij.lo ordi.ia. io : tu lo so
vende pira liquidactio do C Mitas.
-- Vendem-se jo.) barricas de farinha, va-
zias, em perfidia estado e entre e.stau esis-
tem 200 qnefo aui de l'iriiina franCOza, as
quaessevenderSo por340ra cala Urna, o
sendo to las se fu lodo o negocio, nfi n do
desncciinar-se o lugar Jell is : na rua larga
do Rozarlo, padaria n. 18.
--Vendem-se 30 escavos, sendo 2 car-
reiros, do bonitas lisuras; 4 linios mule-
lii.'-.. de tu a 16 anuos; 2 mulatintios, do
IS anuos ; ;i negrotas o de muito boa conducta ; 9 escravas de lo-
do o serVlCO na rua It.reila, n. 3,
Vende-seo bolequint hespanliol da rua
da Sei'zalla-Vclha, n. 12S, o qual se acha
bem montado e da >se com grande abale por
lerom seus donos do so ratirarem : almiar
no mesmo.
-- Vendem-se,na rua do Crespo, n. II,
os seguinteslivros paia as aulas: lriooano
porluguez, france/:e inglez; I diloda pro-
nuncia; Alias de Simencourt; 1 Dicciona-
rio brasileiro, com seu altas, 2 v. ; Escrip-
luras sagradas, novas ; Horacio ; Tito Livio;
Virgilio ; Salustio; CorneliO; Fbulas; No-
vo m'tiiodo;Sintaxo de Daolrs; Cicero ;
Ovidio; grammalica latina ; dita porlugue-
za] Eulropio; Selecta; Historia sagadi;
Fbulas de la l'onlaine ; Talemac i ; Gram-
matica franceza ; Theorica e pratica ; Elo-
quencia nacional ; Gharnea, memorias his-
tricas, novas, 4 v.; Systems social; Car-
vaiho, historia da theotogia; Historiado
Brasil; Mestre ingiez; Grammalica dita ;
Grammalica de Sevene : estas obras se ven-
den! 25 a 30 por cento mab barato do quo
em oulra qualquer parte.
Leilo.
camisas de mada, olilo, urna camisa e 1 ves-
tido de menina, u oulras per;as de costuras
e 3 ca ivoles: qu na suuber ou der uti-
era na referida casa, sera recompens.-nfa.
I. Cb. Keller llordoif, Undo do retirar-
se para Frauda, o nao podendo despedr-se
pcssoalinente uo lodos os seus amigos pela
brevidade. da viagem e os seus muitosufa-
zeres, por isso liles roga o deseulpem des-
ta falla involuntaria, eollercce o seu limi-
lado prestimo, no s em Frspcs, como em
mili o qualquer lugar da Europa, aonde se
possa adiar.
Oabaxo assignado, subdito porluguez,
retira-se para Portugal. Joan Mara da
Cotia.
Sextu-feira, 25 do corrente, por ser a
ultima praca, se ha de arrematar a porla do
Or. juiz do civel da prinieha vara, a renda
do engenho Barballio, com seus accesso-
rios, mocle o crrente, por execucilo de
Paulo Caetano de Albuquerque, contra
Ju.lu Bapiisia Pereira Lobo.
-- Jos Gomes dos Santos Pereira de Bas-
tos embarca para o Bio-dcJaneiro as suas
duas escravos croulas, Firmina e Sima
Precisa-se de un amassador qu? seja
pe ti'iin : paga-se bom ordenado : na rua
estrella.do Binario, n. 13.
OSr. Targino Comes Pereira queira
fazer o favor de annunciara sua murada
por esta falla, ou dirigir-se rua do Boza-
rio larga, n. 34.
por iiovus: na i na Nova, arinazeni de tras-
tes, d< fronte da rua de Santo-Amaro, n. 59.
Mi roa larga do Rozario, taberna n 46.
compra-se urna preta que saiba bem cozi-
nhar e engonimrr.
Compra-se um e cozinheiro, e qoe tifio tcnlia vicios nem
achaques: e.u Ponle-do lleiioi, casa de
Francisco Antonio de Oliveira Jnior.
Vendas.
AI ni tu |v
Carlos Claudio Ticsse, fabricanlc
de orgaos e realejos, na rua das
Flores, n. ig
Avisa o respeilavel publico que concerta
DOS
OFFICIXES DA 1 CLASSE DO F.XEBCITO :
vende-se por 2,500 rs. cada exemplar : na
lvraria ns. 6e 8 da praca da Independen-
cia. '
Livros em branco.
Vendem-se livros em branco, de 1oO a
300 fallas, de ptimo papel, milito fortes
e com as po.llas chapeadas de m'tal ; na
praca* da Independencia, lvraria ns 6 e 8
O
'i-
Q
i
9
':

f Collelcs.
*5* Vendem-se gurgurito de seda, a
** 1,600 rs. o corle; ditos a 2,000 rs.;
V velludos de lindos padrfles, a 5,000
'y is. o corte : na rua do Crespo, n 9.
OOOOt OO094990OQ9OS
Na rua dasCiuzcs, n. 22, segundo an-
dar, veniiem-sc 6 escravas, sendo : urna lin-
da crinla do elegante figura, de 20 aunus,
cozinha, lava,
AR ENCONTRADO
que cii-onima, cozinha, lava, c que nfio
orgSos e realejos, pOe marchas modernas lem vicios nem ach .ques; duas nielas u,
deslepa.z, conecta planos, sarahna, ca- nacao, ptimas quitan.leiras j um ptimo
xas de mus.ca.acordonse qualquer insl.u-'escravo para o servico de campo ; urna uar-
menloque *ppaiea ; tanibein faz obras no-da de 20 annus.com alpumas habilidades-
vas e alma pianos em casas particulares. Va un. mulatinhu de 13 unos, muito rspoi lo'
mesma casa se Nzem caixas para guardar e que he proprio para aprender ollc.u, ou'
joias, por prego commodu. I ptrl piguol moleque )lc M a11()j
-A pessoa que aniiunciou querer urna) -tende-seum preto bom pelciro: no
senhora para cnsinar uma menina em Icr-i lim da ma da Aurora, n. 4.
ras do Ipojuca.dir.ja-seao pateo de S.-Pe- -Vendem-se duas parles do uma casa no
uro '* i bairro da Boa-Vista, em uma das melhores
--------
NA RI'V incxhl-.u I) l;|.| III- \ 84,
LOJA DECAIIBK! DA Vil A VIICIUA
Lotera doliio-de-
lanciro.
Aos 20:000 000 de rs.
Pelo vapor Kah>ana, NCebemOS ns milito
afortunados liilhetele ai'eiosditos da a*
lotera a beneficio do tuca tro de NiClhAroy,
cujas rodas deviam andar no dia 8 do cor-
rete.
PP.IC0S
Blhetes 22,000
Meios 11,000
O'iTlos 5,500
Oilavus 2,800
Vigsimo 1,300
Confronte ao oitSo do Livramenlo,
taberna u. 4. v o'e se un a mol- ma do 16
a 18 .imiis, om principios de irngom.nar,
ensere enzi..liar hem, propria s para ser
recolhida. Na mesma taberna precisa se
alugar urna preta, mesmo de idade, para
cum, i .ir e co2..har.
uvas de pellica a 1,000
rs. o par.
Vendem-se luvas de pellica de muilo boa
qualidade para senhora, a 1,000 rs. o par-
igualmente para boiliem, brancas,a 1000rs ;
e de cores a 1,500 rs. : na rua do Queimado!
loja do miude/as, n. 16.
iiieas fitas.
Vendem-se as melhores qualidades e pa-
drOes de fitas lavradas, proprias para enfei-
tes do chapos, ilo siiiloirns ndo gravatas
paia senhora : na rua do Uueiinado, faja de
miudezas, n. 16.


-------
iiu BaiMniiHnMnMi
Vcnoe-se nm pao do embono do cedro,
i uilo liom : no Forte-do-Matlos, pura o
ver, oti na ra do Amoriro, n. 33.
Ba talas.
Vendcm-se btalas a 1,000 rs
a arroba : no armazem da ra do
Azcitc-de-1'eixe, n. iq\ defronle
daMadre-de-Deos.
Vendem-se bons que i jos londrinos,
ditos de pralo muito frescaes e de superior
nualidado, presuntos ing'.ezcs para liam-
< .c, ditos porluguezes para panella, Utas
com 2 e4 libras de marnir.lada, ditas com
holachinha de Lisboa, ditas de sardiuha, di-
tas com hrrvillias, frascos com conservas
inglezns, queijos de qualha vincos do Cea-
r, por barato prego, mantas de loucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
outros muitos gneros de boa qiialidade :
a nrua da Cruz, no Recite, n. 46.
Cortes de cassa para ves-
tidos com 16 covados
por 5,500 rs.
Venderr-se corles de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
eovados, a 1,760 rs. ; pegas de cambraia li-
sas com rilo varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de linho muilo fino, a 480 rs. a vara : na
roa do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Taixas para engenho.
Ka fu n di cito de ferro da ra do Rrum,
i!
Vendem-se cortea de cambraia de c-) Vcndem-se pecas de madapolflo com
res, pelo barato preco de 2,000, 2,500, 3,000 20 varas, rruilo encorpado e com algum
3,500 c 4,000 rs.; cambraia de seda, a 8/
rs. : meias para meninas, a 160 rs.; Ifla
comstrasdeseda, a 600 rs. o covado; lan-
linhi propria para roupade meninos e ves-
tidos de senbora, a 240 rs.; lita superior pa*
ra caigas, a 500 e 600 rs.; lencos de algo-
dflo e seda com franja, a 600 rs. ; crt s de
rollete de vellido, a 1,600 o 2,500 rs. ; cas-
ss-chita, a 400 rs a vara ; garfa desuda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado, e oulras muilas fazendas por
borato prego: na ra do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de diveira Maya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, ho rmazem de molhados
atrs do C.orpo-Saolo, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornfcm
recommendaveis pela sua superior qualida-
sujo, a 2,700 e 3,000 rs., proprio para for-
ro de alfaiale : no pateo do armo, n. 18,
primeiro anclar.
Os mais modernos cor-
les de cassa-chitas, a Vfl
ca(|a iim:
vendem-se na ra do Queimado, loja n. 8,
defronle da botica.
A !f# Venrlom-se cortes de caasa-chita, fina, de
honitns padrOes e com 6 varas e meia, pelo
diminuto preco de 2,000 rs. o corle : na
ra da Crespo, n. G, luja ao pedo lampeSo.
Wnde-se um preto da Cosa, anda
moco, muilo sadio, ptimo para lodo o ser-
vido de urna casa, ou para ganhar na ra
de c aturaremmaisqueos deespermaceteffpor ser muito diligente: na ra Direila,
e n5o fazerem morrflo.
Aviso importante
Beneficio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo eatabelecido de-
baixo das Diestras condiges, ofTerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa,
1,300 rs. a caada, a de vinho liranco de Lis-
boa por 220 rs a garrafa, c 1,600 rs. a ca-
ada, a ile vinho de liordeaux por 160 rs. a
tarrifa levando o casco. No se adoiirem
os fieguczes do liaixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
acaba-so de receher um completo sorlimen-, proprielario querer sustentar o enligo pre-
toilc taixas de 4 a 8 palmos de bocea as go, embora este genero tenha subido o me-
quaes acnam-se a venda por prego com-1 Ihor de 30,000 rs. por pipa. Examinem os
modo e com promptidflo embarcam-se, amntese qualidado para reconhccimenlo
mi carregani-seem carjos sem despezas ao da verdadee continuagflo da antiga fregue-
ferro batido e
os tamaitos,
comprador.
AGENCIA
da funtficao Low-Hoor,
ra' da sfnzalta-nova, n. 4a.
Feste estabelecimento conti-
na a ha venina completo sorti-
menlo de mcendas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e taclias de
CGsdo, de todos
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vendc-se em casa de K. O. Pieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, aleodflo trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Chri hraseiro.
Vendo-s cb biasileiro no arrrazemde
uioltadcs, anas f"o Corro-Sanio, n 66 o
maisoscellenle cha prodii7,i0 rm s-Piu-
lo que lem vindo a este mercado
pre?o muilo commodo.
Moflidas superiores.
Na fnndiCode C. Starr A fon-paa-tia*,
eni S.-.Mnnro acham-se venda rroerdas'' ,
de .auna, iodos de ierro, ,(e um moMo j iungo de todasaaqualidadeaa em meiM
conslrucco muilo superior, barrica; relroz do porlo, prluieira quah-
. ilnde: panno e meias de linho ; arcos paro
4cs Ivnmntes re bom gosfo. barricas ; brinda de mandioca em sacias
No armazem de molhados atrs do Cor-'grandes e a garnel a bordo da sumaca 'V-
po-Sanlo, n. 66, ha pora vender, Chegados' S.-do-l.'nrmo : ludo por prego commodo:
prlo ultimo vapor .viudo do sol, superio-j na ra i!o Vigano, n. 11, primeiro andar,
res charutos S.-Flix, e de (Mitras muilnc ^ casa (ic l'rancisco Alvos da Cunlia.
quaiidades nuese vendeiSo mais barato do 17,irlka #l/ I io,
que em oulra qtialquer parte : bem eoiiio
ciarrilhos hesponbes ditos de palba de
i ill.o, que se esto vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cenlo.
Cortes de brim de cores
rom listrf sao lado, a
1,20 rs.
Vcndem-se corles de brim de cores com
lislros ao lodo, a 1,280 rs.. ; riscado de el-
podito americano, proprio para escravos.
n. 60.
Chegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n.42, relogios de ouro e prala
patente inglez, para homem e senbora.
Novo sor limen to de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampea \
Vende-se cassa-chita muito fin, de bo-
nitos padrees, cores fiza e ci>m 4 palmo
de largura, pelo barato preco de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de qadros, muito
lina, a 260 rs. o covado; riscadinlio de lis-
Iras de linho, a 240 rs. o covado; brim de
algodflo de cores com lislra ao ladoe de bo-
nitos padrees, a 320 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corle de
iluas varas e urna quarla ; cassa preta com
ramagem branct. para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarle de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dilo azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padres e cores fizas, a 160 e 180
rs. o covado ; chale* de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodflo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
t\a rua do Passeio, n. ft.
vpndem-se chapeos de sol da marca mui-
to grande, proprios para senhores efeitores
de engenho : estes chapeos sflo muito bem
construidos e muitos fortes.
-- Vendem-se pecas de aigodilo'/inho com
20 jardas e com toque de avaria, a 610,
1,280 e 1,760 rs. e limpo a sete i otacas;
pecas de chitas de bons pannos, a 4,500 rs. ;
o diccionario de Moraes da quarta edigflo,
quasi novo, ror 20,000 rs. ; 1 fole de folear
formigas: no ptteo do Carmo, n. 18, pri-
meiro anduv
A bordo da brigue S.-Joe, chegado
proximamenle, veude-sp farinha de man-
dioca do superior qualidade, e por menos
preco doqueem outra qualquer parteros
lireirndenles dirijam-se a bordo -lo dito
brigue, fondeado ilefronto do arsenal do
guerra, ou ao Itecife. rua da Cruz, n. 66.
Gaz liydrofi;eneo liffido:
vende-se na des) ilacffo da travessa da Con-
cordia, nonde os ai'a lores o acbarSo sem-
pre c sem internjpcSo, em quantidade uf-
ficienle e de boa qualidade.
^a rua do Crespo, n. 15, loja de Joa-
quim deOliveira Maya Jnior, ha, alm das
fazendas ja Snnunciadas, e de oulras mili-
tas por burato preco, um sortimenlo de lin-
dos chapeos de sol, de panninho estampa-
do, muilo proprios para os meninos e me-
niriBS qu andam na escola, e mesmo para
as senhoras q. e anda asilo no campo, pe-
lo preco de 2,000 rs.
-- Vende-se a vida de Malli.lo, 4 v., por
4.0P0 rs ; Saint Clair Monlhei, 3 v. por
4,0011 rs. ; os Amores de Camfies, 2 v., por
2,100 rs. ; um Colocho por Paulo de Koke,
por 1.50O rs ; Gabriel Lamben de Alexan-
NalundiQo da Aurora, em S.-Amaro dio Dumis, | or 800 is.; r. Amigo do cas-
e arados de ferro diversos mo-, lello, 1 v. por 1,280rs ; Cyprrano.ou a his-
loria de nm menino orpbSo, por 1,000 rs. ;
Cal Viri'eill. Ilistorudeom piolbo, I v., por 800 r.: na
o 'na Nova.n. 42.
Cuiiba & Amorim, na rua da l.odea, n. \
zia.Rpara nohaver usuras, es(3opromp-
las garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como harris de diversos ta-
annos para provlsfio do prximo Natal.
O proprielario conta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os preces do reta-
Ihoa primitiva de 240 e 280rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinbot.
pequeiios de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se nao vende: nc rtecife,
rua da Cadeia, armazem n. 13.
Anligo deposito de cal
virgem.
Ka rua do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgen) de Lis-
boa, por pceo muito commodo.
Farinha de mandioca.
Na rua do Queimado, 11. 14, loja de fer-
rogens, ann.'a ha algumos' saccas da boa
r farinha de mandioca, muilo olva e tu di tor-
rada ; bem como urna porfo de pennas de
emo, proprios pina espanadores.
Vende-se vinho do Porto muito supe-
rior, em harris de quarlo e quinto ; farinha
^MiM^^^^MM^aBBMaB^^aw^ai^aaBB^^^w^^w^^^^a^>M^r^^r^^r^a^^^^a^pafrjwgatyjp.tgafc^t ..~^a
de 16; urna preta pra quitandeira, por; -Vende-se urna negrinha de 14 annos
preco commodo: todo estes escravos se de multo linda figura, bem prendada com
drio muito em conla : na ru do Collegio as habilidades precisas do urna casa ; lem
n. 21. primeiro andar, se dir quem vende, bom genio, e be muito carinhosa para'me-
OO$OQ<4>'*O00<3<3Q<3CKDins: o motivo por que se vende so dir
0 0 ao comprador: na rua do Cotov.ello, n. 31
q Na loja do sobrado amarello, nos rj
j quatro-cantos ds roa do Queimado, 0
j n. 29, vendem-se cortes de calcs de ^
brim amarello, depuro linho, a 1,4*0 /
Owiiiii aitinif iiw, iwi un. 11 n n\j, i,iu /n
. rs.; ditos de dilo de cores, a 1,440 ^
S? rs. ; ditos de dito branco de lislra, ~*
fazenda superior, a 1,800 r.; ditos
de caicas de casimira de core, a O
O 5,000 rs. havendo grande sorlimen- O
O to de padrOes para escolha ; risca- O
O dosmonstrosde quadros, e de urna O
0 s cOr, a 220 rs.o covado ; e oulras Q
0 muilas fazenoas muito em conta. q
O 0
' Vede-so urna duzia de cadeiras de Jaca-
randa, urna commoda, umfoannap, urna
marqueza de o'eo, urna mesa propria para
alfaiale, d.ias ditas de sala, duas camas de
armaeflo, e mais alguns objeclos perln
cenes a urna casa, por prefo muito em
conla: na rua das Larangeiras, n. 21, se
dir quem vende.
Aos amantes do bom
gosto."
A loja de charutos da rua Nova, n. 56,
acha-se preparada e asseiada de novo para
receber bem 0 com todo agrado a todos os
freguezesquea procuraren!, onde acliarflo
um grande e variado .sortimenlo das mo
Ihorea quaiidades de charutos quem teem
vindo a este mercado, eontendo neste sor-
timenlo as quaiidades seguinle:
Populados,
> nlores,
S^.,uarenias,
Liberaes,
S.-Kelix verdadeiros,
Archeiros,
Cacadores-da-Bahia,
Cavalheiros,
Venus,
Quem-fiimar-saber,
A fama va,
Yaya,
e oulras mais quaiidades de charutos que
serfio patente aos freguezes e se vendero
conforme suas quaiidades.
Cassos e cambraas. <1
? Vendem-se cambraias de cOres, de j
0, mais de vara de largura, a 240 e 300
rs. o covado ; cassas de cores, a 200,
Na rua Nova, n. 69,
casa decomestives.
i
i
a
i
Farinha de
Vende-se superior fkrinha de trigo fran-
cesa de Provenga, ebegada ultimamenxe de
Marselba : em cara de J. J. Tasso Jnior, na
rua do Amori'i, n. 35.
Arados de ferro.
dlos.
cn>
-'"".....--ir^i-;' f.i a i. ni na i\ .111 ni un, na i na ,1a I.inicia, n. ( V7 i I i
140rs. o covado: na rua do Crespa, loja da 50, continuar* a vender bar ris com cal de1 > c'dem-se relogios de Oll-
esquina que volta para a cadeia.
Ti-ridos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-^antos.
Na rua da Cadeia, n. 3*2,
vcndem-se por atacado duas quaiidades,
proprios para saceos de assucar e roupa de
escravos.
r 2i4* is, o coi c ; c ris-
cado monstro a 1220 rs.
Vende-se zuarte de furta-cres muito
encorpado c com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado
.sboa, da mais nova que ha no mercado, ro sabonete, palenle inglez:
qTerXtT8 ,'ar'"0 d0 qUe em Ul"' """'"j "sa de Geo.^Kenwot thy & Coni-
--Vendem-se amarras uo ,rro: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
Pcncener, ou lunetas de dous vidros :
estas lunetas fechados parece de um s4 vi-
dro, mas logo que se toca em urna mola,
Iransforma-se em um par de oculos de can-
gallas, os quaes se pOem iixos no nariz
esta descoberta be modernissima e a favor
panliia, rua da Cruz, n. a.
Vende-se nm escravo de nacilo, moco,
de bonita figura, oque ho hbil para todo o
servido, por ser possanle e nUo ter vicios
ncm achiques i na rua do Liviamenlo,
n.19.
Vendem-se 6 lindos moleques de 12 a
18 annos ; 8prclosde20 a 30 annos, sen-
da humanidade, porque una luneta de grao do um deles ptimo sapaleiro ; um pardo
e que he
de 16 a 21
ila de 20
applicada por muilo lempo a i.insolho es-' de 16 anuos, oplimopara pagem, i
tiaca avistado oulro olho: vendem-se na, bom coziuheiro; duas pardas dt
rua larga do Hozario, n. 35, loja de iniu-' anuos, cun habilidades; urna d
j ris-
cado nionslro muito bom a 220 rs. o cora-
do : na rua do Crespo, loja da esquina que
\olta oarr a cadeia.
Vende-so una parte dos sobrados de
tres andares, os. 14 e 16, siles na esquina
da rua da Cadeia, defronle do tbeatio de
San-Francisco: a falla roo primeiro andar
do-, dilos, com Joaquim Teiseira Peixolo.
Veiidc&c larinli. de 1, 1
temor e rliiladetphia,
muito boa para bolacha, a 12,000 rs. cada
barrica a tratar no caes da Alfandega com
JoSuTavares Cordeiro.
Cortes de vestidos de cas-
sa a 2,000 rs. cada um.
Vendem-se cortes de vestidos de cassa, de
muilo bom goslo, e com 11 covados : na rua
do Crespo, loja da esquina que volta pira a
cadeia.
Potassa nacional.
Vende-se potasas, nova da fabrica nacional
do llio-de-Janeiro ao baratissimo preco de
180 rs. a libra. Os senhores de engenho de-
veru todos mandar comprar m-Ij potassa
afim de animar a fabrica que corn lanos
sacrificios se eslaheleceu e fui a causa de
bailar a este prego : na pra^n do Cotnmer-
co, n. 6, primeiro andar, escriptorio de
Ala noel Ignacio de Oliveia. I
dezas.
Ilap Paulo-Cordeiro
Acaba de chegar do Itio-ile-Janeiro, pelo
vapor Uahiuna, ao deposito da rua da Ca-
deia do Itcrif'-, luja de Antonio Joaquim
Vidal,o superior rap Paulo-Cordeiro.
Vende-sn um mulatlnho muito honitp,
proprio para so mandar ruinar um ciflicio,
ou dar-se d'! fesU a qualquer (ilho, de II
anuos, o que he vendido por necessidadu :
na rua larga do Hozario, n 35, luja.
Altenco!
Na rua do Queimado, n. 22, loja de cha-
peos, de U. F. Itamalho, acaba-se de rece-
ber tioi soi tmenlo de chapeos sem pelloc
de copa haixa ; ditos allos do ultimo gos-
lo; ditos de palha da lialia, de 2,500 al
4,000 rs. ditos do Chile ; rtos de mass.
Irar.'Ceza do ullinio goslo; ditos fe i tos nu
erra, dp tintas as quaiidades ; eslojos de
barba ;jogos de vsperas; bonetes para ho-
mem e meninos : ludo por prego mais bara-
to do que em outra qualquer i arle.
Lcite puro a 'JOO rs. a
garrafa.
Vende-so Icile puro todos os dias : na rua
da (.ni?, a porta ila casa de pasto, n. 18.
Vendem-se duas escravos Ciim algumas
tu-bilnladt s, sendo nina de naC/Ao C outra
Crioula : na rua da Praia-de-S.-IMa, no pri-
meiio an lar do sobrado de 3 ditos.
Vcnde-se Uin mi.;ule ja seivido, mas
em bom estado: na rua airas da matriz da
boa-Vista, u.24.
-- Vende-se urna linda cscrava de 14 a 15
annos, muito sadia, e que co/inha, engom-
me a faz lodo o servico de urna osa, por
prego commodo : na rua do Crespo, n. 11.
I Fazendas modernas. 1
I Na rua do Crespo, n 9, vendem-s |
por cominodo prego, lindas fazendas
modernas, tanto para homem como
para senbora, corno sejam cortes de
soda fuita-c6re$corn barra para ves-
lido;casSas cambraias de burra;
chales; mantas; manteletes ; len-
gns ; luvas ; sarjas ; chapeos france-
ZCS modernos ; casimiras prelas o de
cores; colleles de velludo, setim,
i sarja e fuslfioj urina brancose de
'r cores; lencos para grvala suspen- g
S: senos; cambraia de linho muito lina. g
f.
Nesla cass reclieu-so ltimamente
de Franga um variado sortimenlo de
conservas de superiores quilidades,
com sejam: latas com cepes, ditas
com caroltes, ditas com asperges,
ditas com saucisses trufte, dilas com
aloule, ditas com becasse, ditas com
becassine.ditas com cuilles, ditas com J
J perdrii, ditas com grive, ditas com J
artlchaux, ditas com carotles au jus, w
ditas com chous (leurs, ditas com na- *
t do l.ievre, ditas com perdrix truff,
ditas com juliene, ditas com perdrix
saos trufTs, saucisses dauhes, pe- *
litspois, sorJinnes; taoJiem ha vi- 9
nhosde todas s quaiidades ; licores ?
muito finos; ahsinlh verdadeiro do 9
Suissa ; kersche; cognac vieux ; ver-
mouth ; marrasquinho; .champanha, #
o mais superior que lem vindo a es- (s>
te mercado ; conservas em vinagre ;
ditos de huelas em calda; e outros #
muitos gneros; bem como os supe- 9
ores charutoj regala de S.-Flix, a>,
regalos de lia vana e outros, que a vis- *
9 la dos freguezes ludo se vender por S
tf. um prego rasoavel. ?
Pcchi lidia igual nao ha.
Na rua do Queimado, vindo do nozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se ricos corles
de, sel un preto hivrado para vestidos, com
12 covadose meioe mais de 4 palmos de
largura, pelo baratissimo prego de 15,000
rs. : esta fazenda torna-se recommendavel
poreslarmos prximos da .iuaresma.
Novos riscados escoce-
zes, a oitn patacas o corte.
Vendem-se modernos rscados escocezes,
de quadros e com qualro palmos de largu-
ra, a melhor fazenda para vestidos, tanto
pela variedade de padrOes como por screm
de cores lisas, a 2,560 rs. o corte : na rua
do Queimado, n. 8, loja defronle da botica.
Vende-se superior farinha
de milbo em poredes e a retalho,
tendo de todas as quaiidades a
vonlade do comprador, e por pre-
co mais commodo do que em ou-
tra qualquer parle; na rua'do

240 o 320 rs. ocovado; lengos de seda, ?
w a 1,000 rs.; ditos grandes, proprios '& para hombros de senbora, a 1,280 ;
ditos com franja, a 1,000 el,280 rs ; *5
j*| meias para meninas, a 120 rs o par; **
ST e outras muilas fazendas por meia-
{> de de seu cusi: na rua do Crespo,
a> n. 9, loja.
5
*><
Vende-se um grande tsiso proprio pa-
ra refinaglo, por 26,000 rs. ; urna grande
I orncira'de ferro dtioito pul legadas d'agua,
de, chave, por 10,000 r.; outra de bronze,
lem defeilo, por 4,000 is.: na rua estrel-
la do Roiario, n. 2, loja de encadernagfio.
I Vende-se urna canoa para mais de
!,2O0 lijlos : quem a quizer comprar p-
e ir v-la que se acha virada e se calafe-
Sindo no porto deUanocl Firminn Ferrei-
a, cuja canoa ha mais de 3 annos que nlo
inha sido virada, e ora muito de suppr
ue estivesse toda picada do biso.mas agora
se v quo nSo lem furo nenhum, por isso se
torna a canoa o melhor possivel, porque
bode andar por mais 3 annos, sem precisar
le obra : na rua do S.-Francisco, casa apa-
ngada.
Vende-se um sellim
novo com lodos os arreios
fio Queimado, n. g.
qoast
na rua
asertivos FufrTt&os
rum, n. i
8.
annos, com dous (llhos, um de 5 annos e o
oulro de 1 ; 5 pretas de 14 a 20 annos, com
algumas habilidades : na rua do Collegio, fi
Vendcm-se caixinbas com cem qua-
iidades difTercnles de sementes de llores
muito novas e escolhida das mellones
quaiidades, acompanbadas de urna noticia
exacta de onde silo uriurrdas, o a que fami-
lia pe lenccm, bem como a maneira de pre-
parar a Ierra para a sua semenleira ; cousa
bem curiosa e interessanle para quem lem
bom goslo, e he apaixonado das flores : na
ruada Cruz, n. 9, escriptorio do Oliveira
IrmSos & C.
> a ruado Rangcl, n. 46,
vende-se arroz bronco pilado; dito verme-
velho ; dito de cisca ; mi 1 lio pela medida
velha ea retalho, por prego muilo borato.
~ Vende-se manteiga inglesa, a 240, 100
c610rs.; queijos novos, a 1,280 rs. ; cb,
a 1,920c 2,240 rs superiores velas de car-
nauba, o 2P0 rs ; d'tis de espermacete, a
'mu, rs. ; bolachiuha ingleza, grande e pe-
quena, a 240 rs. ; passas a 220 rs. ; farinha
e.Maranhlo, a 80 rs.; dita de ararula, a
^mmmmmm'mmiiSW60 rs r"ri,,,,a ,,e" S.-Calharina, muito
** Vendem-se 8 escravas ; urna dita de rs. ; cerveja muito boa, o 440 rs. c meias
muito boa hgura, que cose, engomma eco- garrafa a 210 rs. ; esleirs de pirpiy,
zinlia, ludultem feto; um escravo mogo,' grandes, a 320 rs. ; ditas pequeas, a 160
biim offioial de pedreiro ; um dito bom co- rs. ; vinagre de Lisboa, a 100 rs. a garrafa ;
linhairo do diario de urna casa; um dito, vinho, a 200, 240e280rs. Pul; maiSai e
bom ollieial de sapaleiro de cortar e fazer loJos os mais gneros muito em conta: na
toda obra ; um dilo de meia idade, por rua Augusta, n. 96.
150,000 rs. ptimo para trabalbar e botar | Vende-se urn monho de moer milho ;
.sentido a um sitio, ou servir urna casa;'urna cadeira de rebugo : na rua Imperio
|duus moleques, um de 12 anuos, e o oulro n. 39.
:-s
Fugiram dous pardos, um de nome
Amaro, claro, de 40 annos ; he alto e sec-
n, pernas finas, ps palhetados, .rosto
compridoesecco, com faltas de denles no
lado superior; lem a bocea lorta devalo ao
ar de vento, e pouca barba : Thomaz, tri-
gueiro, nflicial de pedreiro, de estatura re-
ular, cara redonda e descorada, pouca
arba, de 24 annos; ambos desspparece-
ram no da 13 do corrente; levaram ca-
misas e caigas de algodflo liso, e chapeo de
palha ; jutga-secstarem pescador, por tc-
remj exercido esta profissSo : quem os
pegar leve-os ao engenho Novo, de JoSo de
Fre tas INogueira, que ser recompensado.
Fugio, no da 21 do corrente, do en-
genho Po-Santo, freguezia do Cabo, urna
parda escura, de nome Fleuteria, de 20 a
25 annos, de baixa estatura, chela do cor-
po ; lem em urna dasorelhas falla de car-
ne arroncada, falla bm e he bstanle ladi-
na ; tern os beigns bastante grossos ; levou
saja de algodflo azul trangado j usada, ca-
misa de algodflozinho liso j velha, e um
lencnl de algodSoiinho liso : quem a pe-
gar leve-a ao dito engenho, ou nesla pre-
ga, na rua do Collegio, n. 1, que ser re-
compensado.
Fugio, no dia 1" do correntp, de Ierras
do engenho Tumbador, da freguezia da Rs-
cada, o escravo Severino, mogo; secco do
corpo, cOr prela ; levou chapeo oleado:
quem o pegar leve-o ao dito engenho, a
seu aenbor, Flix Martina Pimentel, ou nes-
ta proga, no pateo do Carme, venda n. 1,
quesegntlficor.
Fugiro, do engenho Matto-Grcsso, co-
marca do Cabo, na noite do priireiro do
corrente, o escravos Denlo,' pardo, bas*
tanle claro, haixo, feigOes regulares, pouca
barba, cabellos csslanhos, denles limados,
nenias grossose um tanto arqueadas; teve
bexigab ha ponen lempo, por isso esla com
a cora marcada ; tnm aparencias de mai i-
nbeiro e quer passar por forro ; nflo he a
primeira vezqne foge ; foi preso no anno
prximo passado no Urejo-da-Areia ; levou
camisa de algodflo, ceroulas e chapeo de
palha; representa ter do 24 a 25 annos;
foi visto em Coianninha, onde dfcse que ia
procurar urna tenda de sapaleiro para tra-
balbar: quem o pegar leve-o ao dito enge-
nho, ou no Recife, cass de Jos Thcodoro de
Nona,que recompensar.
- Fugio no dia 10 do corrente pelas 6 ho-
ras da tarde um molequinbo, de nome Lud-
gerio, de 12anr,os de idade, bem prelo,
olhos grandes, lem em um pe um dedo,
que levanta por cima do oulro, levou vesti-
do carniza de riscado e caigas de brim lizo :
quem o pegar leve-o na rua da Cadeia do
Itecife, n. 51, que ser recompensado.
30,000 rs.
Fugio, no dia 19 do corrente, pelas 6 ho
ras da tarde, o escravo Joaquim, de nacilo
Costa ; hesito, cheio da> corpo, rosto re-
dondo, com 3 laidos de cada lado das faces
emcomprimenlo dellas e muilo sahides
para fora ; he picado das bexigas, edr pre-
la, com principios de barba, de 24 annos
pouco mais ou menos; lem um dos psal-
guma cousa grosso que pouco se differen-
g ; tem em cima do tornozello urna marca
de frula que ficou sisura branca ; levou
camisa e ceroules com ridas de algodflo
trancado americano branco; talvez nfio aai.-
ba dizero nomo de seu senhor, ou n.esmo
porque nflo queira dlzer : quem o pegar
leve o ao pateo da S.-Cruz, na Boa-Vista,
padarian.6, que recebar a quantia cima.
--Fugio, no dia 10 de dezembro do an-
no passado, a preta llosa, do nogUo, de 50
anuos | ouco mais ou menos; foi vista em
Marrueca, onde j foi ir oradora, por b r sido
escrava do lllm. Sr. coronel Agnstinbo Be-
zerro, ou de um de scus psrentea ; be boi-
x, cheia ifo corpo, nodegas empinadas, ca-
ra redonda e lustrosa, feigOeS amacacadas ;
lem a pelledos hragos enrugada e cinzenla,
ps pequeos, andar cambaio, por ler urna
eslrepada na sola dop direito, e urna fe-
rida no dedo pequeo do p rsquerdo e os
dedos grandes ruidos de besos, com falta
de denles na frente do lado inferior, falla
queso percebe; levou camisa de algodflo-
zinho com mangas de madapolflo, aaia de
chita e panno da Costa azul tudo vilho:
quem a pegar leve-a a rua da Praia, arma-
zem de carne, de Ignacio Luiz de Brito Ta-
borda, que gratilicar.
> PMN. : NA Til'. DE Mr f. VE FARM. 1850
IV A
i i lor}
\/iriv.4r>i /


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV72396BI_FGQWCZ INGEST_TIME 2013-04-24T16:44:42Z PACKAGE AA00011611_06768
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES