Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06762


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVI.
Sexta-fe ira 1(5
miitidai dos ooBBKioa.
Goianoac Parahlba, segundase sextas felras,
Rlo-Grande-do-Norle, quintas felras ao mcio-
dia.
Cabo. Serlnhaem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
e Macelo, no l.', a II, e 21 de cada mez.
r..irnniiiiin Bonito, ilf 2'1.
loa-Vista 6 Florea, a 13 e 28.
Victoria, iquintal feiras.
Ullnda, todos os das.
lHOlIRIDtl.
Ming. a 6, s Ob. el8.m. da m.
Nova a 13, s 9h. da manhaa.
P.uses o, i.n. }0mt a21iai 7h-e 2,.dam.
Chcia a 27, s 10 h. e 3 ni. da t.
rnctif BE hoje.
Primeira as 9 horas e 18 minutos da tarde. _
Segunda as 9 horas e M minutos da manhaa.
de Janeiro N. 15.
pkecos da anBscaipgio.
Por tres mezes (adiantodos) 4/000
Por seis mezos O00
Por un auuo 15/000
Jjr:mxm.^!atx.'.-xaaastisswaKmM-iSa*^'i^^y^-
DAS DA SXMAHA.
14 Srg. S. Flix. Aud. do J. dos orf. c m. 1. v.
l Tere. .s. Amaro. Aud. da chanc, do S. da 1. v.
do eiv. C do dos l'ellos (la fazcuda.
10 Quart. S. Mer.irdo Aud. do J. da 2. v. do civel.
17 Qnlal. S. Antao. Aud. do J. dos orf. edo m. da
l.v,
18 Seat. S. PriseaAud. do J. da I. v. do civ. e do
dos feitos da fatenda.
19 Sab. S. Canuto, Aud. da Chae, c do J. da 2. v.
do crime.
20 Dom. O Sanlissimo Nomc de Jess.
CAMBIOS XM 17 Di JANEIRO.
Sobre Londres, 273/, a 28 d. por 1/000 rs. a
Pars, 3 (i. .,
. Lisboa, 100 por cento.
uro.Oncas hc.spnnhocs......... JSS
Mocdaa de 15*400 vclhas.. IWWO a
de 67400 novas .. 16/200 a
. de 4/000........... *
Prata.PalacOes brasileiros..... JSn a
Pesos coluinuarios....... 1/UjO a
Ditos mexicanos........._________
:gBasta
60 dias.
29/flOO
17/100
16400
9/4(10
1/980
1/970
^raicrorr*rB^-'.i;iiC.i ^ i ii a11iT m i^a
PARTE OFFICIAl.

MINISTERIO DO IMPERIO.
Declara que a deslgnaco fella no acto da apu-
racao llnal da mesa parochlal entre os elci-
torca ou supplentea que obliveram igual nu-
mero de votos, subsiste, e he por ella que o
juis de paz tein de guiar-se na convocarlo
que tem de fazer para elcicao de vereadore,
v jnizea de paz.
I,' SecfSo. Rlo-de-Janelro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 29 de agosto de 1348.
Illni. e Exm. Sr.Coin o ofncio de V. Exc.
n. 97 de & do corrente, fui presente a Sua Ma-
gestade o Imperador a copla do que a V. Exc.
dirigir o juis de pas presidente da junta qua-
lificadora da freguesia de Passe, no qual, em
consequencla de ler de fazer a convocacao dos
eleilore e mpplentes da mesiua freguezia, em
ciimprimento do art. 92 da le regulamentar
das elcicoes, pondera nao so que os eleitores
Antonio de ( astro Alvares e Antonio Marques
de Carvalho leem Igual votacao, o que pode
obstar ao conhecimento do menos votado da
rlinelra turma, e mal votado da segunda :
jas tambi'in que, aendo dea eleitores, e de-
endo u.n igual numero ser convocado, tem o
Jecimo volaca igual a do decimo-prltnelro, e
por isso pergunta se deve chamar estes onie
supplentes ; accrescentando que, como fes vr
'a V. Exc., julgando a mrsa parochi.il de sua
atlribulcao, quando se proceden eleico dos
eleitores e supplentes em vista da di do art. 115 da citada lei, explicado pelo decre-
to n 480 de 24 de outubro de 1846 4., o de-
cidir logo, no empate dos eleitores, nao so
qual deveria preceder para a designio das
turmas, como qual dos suppleutes deveria li-
en em dcimo lugar, foi este sorteio annun-
ciado por edital, e felto com as formalidades
da lei : e o inesmo augusto Senhor, de ludo
inteirado, houvepor bem declarar que V. Exc.
procedeu com acert, respondendo quelle juis
de pax que a designado fella pela mencionada
mesa parochlal no acto da appurafo final en-
tre os eleitores ou supplentes que obliveram
igual numero de votos, subsiste, e he por ella
que o inesmo jult de pas deve gular-se na con-
vocacao que tem de fazer em observancia do
sobredito art. 02 ; visto que fura eectuada
por autoridade competente, e guardadas no
sorteio as formalidades precisas, de conformi-
dade com a dlsposicfio do indicado art 115,
como ja foi decidido pelo aviso de 5 de julho
prximo passado, expedido ao presidente da
provincia de S -Paulo. O que coiniiiunico a V.
Exc. para seu conhecimento.
eo guardea V. ExcJoiiPedroDialdtCar-
valtw.Sr. presidente da provincia da Bahia)
Approva a decisao do presidente da provincia
de S,-Paulo, declarando ao jult de paz mais
votado da freguezia de S.-Joao da Boa-Vista
que, por elle estar dcotro do seu quadrien-
nio, Ihe perteiice fazer a convocaco deter-
minada no art. 4.' da lei regulamentar das
eleicOes assim como presidir aos trabalhos
da junta de revisao.
1.a Seccaa. Rio-de-Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 10 de outubro de
lllm. e Exm. SrSendo presente a Sua Ma-
gestade o Imperador o ollicio de V. Exc. n. 121
de 26 de seleinbro prximo passado que acom-
ponha oque Ihe dirigir ojuiz de paz mais vo-
tado da freguezia de S.-Joao da Boa-Vista, con-
sultando, se, em consequencla de Hadar a sua
jurisdiccan em Janeiro do anne prximo futu-
ro, deve fazer a convocacao determinada no
art. 4. da lei regulamentar das elcicoes, ou se
deve ser feila pelo juiz eleito em 7 do dito se-
tembro ; assim como por qiiem devem ser pre-
sididos os trabalhos da junta de revisao que
teem de verilicar-se em o referido mez de Ja-
neiro : houve o mesmo augusto Senhor por
bem approvar a decisao de V. Exc. declarando
quelle juiz de paz que, por elle estar dentro
do seu quadrlennio, Ihe pertcnce fazer a men-
cionada convocacao ; assim como, em virtudc
do disposlo no art. 110 da citada lei, presidir
aos trabalhos da sobredita junta de revisti.
O que coiiununico a V. Exc. para seu conhe-
cimento.
Dos guarde a Y. Exc Ficontt de Montle-
are.Sr. presidente da provincia de S.-Pvlo.
Declara que deve proceder.se elcicao na villa
da Estrella com a qualificacao do auno passa-
do, e bem assim que, estando a fregueiia de
Inhomerimem lugar ermo, se faca a elcicao
na capci la que est dentro da povoacao.
1.' Seceo. Itio-de-Janeiro. Ministerio dos
negocios do imperio, em 16 de uovembrodc
1848.
lllm. c Exm. Sr.Fram presente a Sua Ha.
gestade o Imperador, com os olficiosde V. Exc.
de 15 do corrente mes, sb ns. 25 e 26, os da
cmara municipal da villa da Estrella datados
de 10 e 11 do dito mez, com todos os docu-
mentos que os companharain ; collcgindo-sc
dos meamos documentos :
1.a Que nao est ainda terminada a qualifl-
caeo deste anno no municipio da villa da Ks-
li i lia, em consequencia das irregularidades
occorrldas na formaco e trabalhos do conec-
Ilio municipal de recurso, donde resullou a
falta da rrmessa para o archivo da mencionada
cantara, tanto do livro das actas daquelle con-
celho, como do da qiialillcaco dos votantes da
freguezia da Guia que penda da decisao do
dito concelho em recursos interpostos por al-
gnns cidados daquella fregueila.
2.a Que a igreja que actualmente serve de
matriz ua freguezia de lnhomerim est longc
do centro da villa em lugar quasi ermo, onde
na eleico que prximamente tem de proco-
der-se nao poder guardar-se a urna com a
necessaria seguranza, e debaixo da vigilancia
doa votantes entretanto que ha dentro da po-
voacao urna cape lia, onde poder fazer-se a
elcieo com toda a seguran? e multo maior
commodidade, circunstancias que tem indu-
sldo acamara municipal respectiva a solicitar
J pela terceira vez a iiiudanca da matriz para
a dita capella.
E inteirado o mesmo augusto Senhor de todo
o expendido, houve por bem declarar;
1.a Que alm das irregularidades com que
foi feila, nao estando ainda terminada a qua-
lincac-o deste anuo na villa da Estrella, se deve
proceder elcicao que all tem de fazer-se no
da 17 do mez prximo futuro com a qualifi-
cacao do anno anterior, devendo nesta confor-
mldade proceder-se convocacao e a todos os
mais actos do mesina eleicao, como em caso
anlogo j.foi decidido pelos avisos expedidos
aos presidentes das provincias de S,-Paulo c
Pernambuco em 5 de julho e 15 de setembro
deste atino.
2.a Que visto estar a matriz da freguezia de
lnhomerim em lugar ermo, distante da povoa-
cao, e que por taes eircuinstancias uenhuma
seguranca oiTerece guarda da urna, se faca a
referida eleicao na capella que est dentro da
povoacao; cumprindo que islo se declare nos
editaes da convocucao dos votantes, afim de
que ellcs tenliam toda acerteza do lugar a que
devem concorrer para votar. Oque tildo com-
inunico a V. Exc. para seu conhecimento, e
para que nesta conforinidade expeca as neces-
sarias nrdens.
Dos guarde a V. ExcVtseonde di Moni -Alt-
re,Sr. presidente da pcoviocia do Rio-dc-
Janelro. ^__^^________
Comniando da prae-i.
Quartel do commando da praca na',cidade do
llecife de Pernambuco, 16 de Janeiro de
1850.
ORDEM DO DIA N. 3.
Faca) publico, para conhecimento da guarni-
cao, e devida execncao da parte de quein per-
tencer, que, por oflicio do Exm. Sr. presidente
da provincia datado de hontein, me foi com-
iiiunieadii haver S. M. o Imperador por bem,
por decreto de 22 de dezembro prximo fndo,
conceder demissao que pedio do lervico do
exercito ao Sr. alferes do sexto batalhao de ca-
tadores Mannel Cavalcante Lins Walcasser, o
que foi commuuicado ao mesmo Exm. Sr. em
aviso da reparticoo da guerra de 31 do referi-
do me e anuo
Outrosim, em oflicio da mesma data, que S.
M. o Imperador houve por bem mandar dar
baixa do serviyoao prlmciro cadete do primei-
ro batalhao de fuzileiros addido ao segundo da
mesma arma Pedro Jos Vlelra. o que foi com-
muuicado em aviso da mesma reparlciio de 31
do mes de deiembro prximo passado.
Assignado. Josi Vicente de Amorim Becer-
ra, commandante da praeja.
ORDEM DO DIA ADDICIONAL A DE N. 3.
O lllm. Sr. coronel commandante da praca
manda declarar,para conhecimento da guarn-
{So, que annuindo a requesico fella pelo Sr.
Dr. Alexandrc de Souza Pereu-a do Carino, en-
carregado do hospital regimenlal a cargo do
segundo batalhao de artilliaria a pe, ler Ho-
rneado o Sr. Dr. Manoel Adriano da Silva Pon-
tes, clrurgiao-ajudante do referido segundo
batalhao de artilliaria ora addido ao segundo
de fuzileiros, para o coadjuvar no servico do
mencionado hospital.
Outrosim, que o ir. capitn do segundo ba-
talhao de catadores Francisco Amonio de Sou-
za Camisio, obtivera por portara do Exm. Sr.
presidente da provincia de 14 do corrente,
dous meses de licenca de favor para ir a corte.
Assgnado.--^/exan(ire Jugutlo de Friat
filiar, alferes ajudanto de ordena.
Ora, pJe uma assembla provincial sup-
primir um juizado de paz o tima capella fi-
lial curada? Ao menos he contra a resolu-
cflo de 11 de setembro de 1830.
O Sr. Cartalho Moreira : Essa resoluco
he antorior ao neto addicional.
O Sr. Taques EnlBo as assemblas pro-
vinciaes podem acabar com os juizados de
paz ? Quando se transferio a frcguezii para
Maran, Angicnsficoii senJo uma capella fi-
lial, a portanlo devia ler sen juiz de paz, da
mesma sorteqnoa parochia.
Senhor presidente, as informaQfles ine-
xactas suggeridas pelo espirito departido
teem fcito com quo aq'iellc canto do Im-
perio tenlia dado bascante que faier ao go-
vorno ; e por este motivo be quo me tenbo
demorado um poueo a seu respeito
Senhor presidente, agora oecupar-me-hei
da eleico da freguezi i da Serra-do-Martins
na cidadeda Imperatriz. Aqu devo dizer
ao honradoTcInlor dn commisso de pode-
res que nfio se trata do duplcalas, trata-so
de acta falsa e acta verdadeira : eu me ex-
plicaren Distingo, senhor presidente, por
duplcalas a divisan dos parochanos de
uma freguezia no acto da eleic,o, de modo
quo cala lado forme sua mesa e sua elei-
co; i ni em na freguezia da Serra-du-Mar-
tins houve uma acta verdadeira cuma acta
falsa : em lugar, pois, de approvar essi elel-
?Io phantastica, parece-me que a nobre
commissao devera recommendar ao go-
verno imperial Dzesse punir os autores de
tilo grande attentado. Que a eleico da fro
guezia da Imperatriz he falsa, eu provarei
fcilmente, sem olhnr para papel algtim ;
bastam duas consideraQoes : a primeira be
que sendo a enmara munic'pal do mesmo
partido dos autores da acta falsa, no a re-
mellen ao presidente da provincia, niio obs-
tante ler eu exigido todas asadas para as
mandar ao governo imperial ; remclteu sim
a acta de MUS contrarios, e noa de seus
amigos: aqu est o oflicio dessa cmara.
Ora, haver cantara alguma que temi em
seu poder a acta da eleico de seus amigos,
remeta a de seus contrarios? Esta consi-
derado basta para provar que essa neta era
falsa, forjada post faetmn. A segunda con-
sideraco he que, compondo-se o collcgio
eleitoral em sua maioria de coreligionarios
daquelles que fizeram a acta falsa, tomot
em separado como nullos os votos de>se"3
eleitores, e como vlidos os votos de seus
adversarios, estigmslis&ndo aquelles desta
maneira : ora, a cmara dos lenborea depu-
porque nesle negocio no mo anima outro
desojo senilo o de informar cmara para
podrella votar sobro esta eloigo como
devido criterio.
Permitta-mc V. Exc. na. Ha uma elei-
co em que so diz quo fora chamado para
a mesa um individuo eleitorda legislatura
passada na Talla de eleitores da legislatura
actual Ocio que he um recurso conformo
coma lei quando no comparece nenhum
eleilor, nenhum juiz do paz para compor a
mesa, algum recurso devo haver; no so
ha de deixar que o partido qun esta as pii-
sicOei olliciaes faca com que no baja elei-
co, deixando de Comparecer na matriz O
governo imperial tem decid lo que na fal-
ta das autoridades competentes seenten-
dam prorogados os ro l-es das autoridades
que exetcernm as mesmas funccOes. As-
sim. os poderes dos eleitores actuaos sn
prorogados para as qualilicicfies vindou-
ra<; o mesmo acontece aindiadas as eloi-
COes intiniripaes; me piroce tamboinque
no comparecen lo para a mesa osoleilores
netn os juizesdepat, o mcio mais regular
para supprir esta falta he chamar eleitores
da legislatura pastada. Este arbilrio me
parece tanto mais feliz quinto tem em son
apoio um aviso do governo imperial, o de
n. 114 de 28 de abril de 1819, expedido ao
presidente da provincia du llio-de-Jdiioiro.
(' li oavito.)
l'orlanto nesta eleico no se fez mais do
que oumprir O aviso do governo, e com mais
algdina regularHade, porque no se eba-
mou fomente um eidadiocomas qualida-
des de eleitor, mas que filfa eleilor.
II'! o que cu titiha a dizer etn abono tiesto
acto.
O .Sr. Maraes Sarment : Sr. presidente,
no obstante j estar approvada a eloicSo da
maioria dos collcgios da provincia do Rio-
Grande do norte, no obstante estar eu re-
comiendo debutado por essa provincia, e
porianto na > se poder suppor que soja o in-
teresse pessoal quem ma move a tomar
palavra nesta discusso, comtudo COnfeSSO
a V. Exc. que be com o maior acanhamento
que vou oceupar a attenco di cmara nos-
la occaso ; acanbamenio, Sr. presidente,
filho daminha poaic&o para com o nobre
deputado pela provincia da Baha, quo aca-
ba de fallar. Ainda est tifo viva a mgoa
queme causou a administricSo desso no-
bre deputado na provincia do Rio-Orande
lo norte, quequizera tneno achar envol-
vido om uma discusso com elle: talvez
que apear do meu proposito de me concer-
tados pretender conscienciosamnnte ju
gar-so mais bem informada sobre csse no-|Var dentro das mais restrictas raas da tro-
gocio do queosclci'ores que se retiniram jdcraco a respeito desso nubro deputado, o
no collcgio da Imperatriz, eleitores que no andamento da discossfl > me levo a alguma
saneconaram os interesses de seus amigos? demasa, aalgtnn exeoso. que eu realmon-
i'jcertoqueno. tedesejava evitar, no entrando em lica
A'corcada eleico da Imperatriz, mandoijcom o nobre deputado; mas ja queolle 88-
oceder a uma invesligaco pelo juiz de sim oquer, no ha remedio senflo tomara
INTERIOR.
proced
direto, o qual a fez com tela a minuciosi-
dade e foi transmillida ao governo impe-
rial. Varios documentos se encentram en-
Ire os papis relativos s elcicoes da pro-
vincia do Rio Grande do norte, pelos quaes
sevO que aquella eleico fui falsa c entre
ellos ha uma juslificaco em quejurou o
RIO-DK-JANEIRO.
CMARA DOS SRS. DEPUTAD0S.
DCIMA SKSSAI) PBBFARATOaiA DA OITAVA LEGIS-
LATURA, FM 28 DR DRZEMBnO DE 1849.
Presidencia do Sr. Gabriel Mendei dos Santos.
A's 11 horas menos 10 minutos da ma-
nba abre-se a sesso, l-se e approva-se a
acta da antecedente.
ORDEM DO DIA.
EI.RIV0SS D0 IIIO-GIIANDI! DO NORTE.
( Continuaco do n. 14.)
OSr. Taques (continuando ) :
Agora ainda sobro essa eieico aventa'ei'
ulna pequea questo : Qual era o juiz
de paz competente para presidir eleico
da freguezia de Angiccj? Por uma lei pro-
vincial do Rio-Crende do norte os jtiizados
de paz de todas as freguezias fram redo-i
zidos a um no dstrctoda psrochia; no
havia entre osles o do Blaro, quando ainda |
no tinba sido approvada a lei que lrans-1
ferio a matriz e-a villa para Maco ; depoisi
dessa lei de transferencia foi suppimido o
dislricto de paz deAngicos e incorporado
ao de Macan.
A vista da nossa legislaco, me parece
claroqtitta eleico feita para a freguezia de
Angicos nSo poda continuar, que se devia
fazer uma eleicao nova para os dons dis-
trictos reunidos, porque o juiz de paz de
Maco no pode estender a sua jurisdicco a
toda a parochia, pola qual no fui eleilo,
mas somonte por uma parte. O meu ante-
cessor julgoii o contrario, estendendo a ju-
risdicco do Jfliz de paz de Maco a toda a
parochia, e eu temi subineltida esta ques-
to au governo imperial, nSo rocebi deci-
so alguma ;entretanto julgo quede direi-
lo nao se pode julgar o juiz de Maco com-
petente para o dislricto de Angicos. O c-
digo do processo, as inslruccOesdc 1832, e
varios avisos assim o decidem claramente.
Agora passarei a aventar uma outra ques-
to : poda a assembla provincial do Rio-
Grande do norjo supprimiro dislricto do
i paz de Angicos? l'ara explicar cmara
a duvida que tenbo a este rospeilo lere
.un artigo da lei que transferio a fiegue-
!zia para Maco ; ella be de 2 de outubro de
' 47. ( Li. )
A villa e parochia de Angicos passam a
[ ler sua sedo na povoaco de Maco, (cando
'considerada filial capella de S.-Jos de
[Angicos.
palavra. Poco, pois, a V. Exc. Sr. pnst-
detite, e casa, que, atlendendo n lodos es-
tes motivos
rar-me com
cleseulpar-nie se um ou outra vez eu me
nao bouver com a moileraco que anhelo.
Devoras, Sr. presidente, causou-me a
escrivoda mesa parocbal, o qual diz quelmaior sorpresa quando soulm que o nobre
no conheceu nem os mombros da mesa
com quem funecionou ; o bem assim de pes-
soas que dlzem que nfloviramtal eleigo,
que no volaram. Foi presento a esta c-
mara uma represeiitafu do povo reunido
na igreja matriz na cidado da Imperatriz,
decla'ando queo juiz de paz linha deserta-
do da eleico, e pedindo providencias no
goveno; ao principio o primeiro juiz de
paz recusou comparecer na matriz, e adiou
a eleico; mas tendo apparecido o de Por-
talegre, declarou o segundo juiz de paz que
o acto do primeiro, que havia adiado a elci
Co, era um acto nullo e contrario a lei o
que por consequencia elle fana a elejco.
Os mesmos que haviam adiado a eleico,
vendo que ella eslava perdida, visto quo o
juiz de paz de I'ortalegre era o eompetenlo
na lrma das instrueces do governo, for-
jaran! actas de tima segunda eleico, que
liguraram como feita na matriz ; entretanto
que na matriz seachava reunida a mesa
presidida pelo juiz de paz de I'ortalegre.
Seria um desdouro para a cmara dos se-
nhores depuladosapprovar seinclhnte elei-
co. Qualquor que soja a decisoda enma-
ra a este respeito, eu nao posso reconhecer
justa outra deciso que no seja mandar
responsabilisar as pessoas que concorreratn
para a acia falsa, porque est provado com
documentos que a acia he falsa. No pos-
so deixar de fazer um protesto milito so-
lemne nesta Hihuna contra essa eleico, e
peco a casa que por honra do paiz, por hon-
ra da cmara, lecommonde ao governo que
proceda com o maior rigor contra os falsi-
ficadores dessas acias.
Agora me record que se diz que existe
entre os papis da commisso um ollicio da
cmara municipal, remetiendo essas actas
falsas. Phinca tive noticia desse ollicio ; es-
te ofiicio no foi rocebido nem dirigido por
mim ao governo imperial. ( O orador pfle
de parlo o papel a que se refere ). 0 msu of-
ficio ao goveino Imperial cobio as acias
verdadeiras.
Eu desejava, senhor presidente, fazer a
casa a letlura de um oflicio do juiz de di-
reilo da comarca de Maioridade, porque
nelle encontram-sc muilas informacOes re-
lativas eleico da cidade da Imperatriz
que tendem a provar a falsidade dessa acta,
mas os documentos que acompanharam es-
sa informaco esto sollos, e no encontr
o oflicio desse juiz de diretto.
Senhor presidente, eu cstou fatigado c
por isso ficou aqu: espero quo a cmara
dos senhoies deputados me faii justicia,
degutado se quera declarar nesta casa con-
tra a eleico de cortas frcgtiezias da provin-
cia do Rio-Grande do norte. Eu pensava,
Sr. presidente, que o nobre deputado devia
estar contente com os esforcos que foz.com
as diligencias que cmprogoualim deque nes-
ses pontos a elcicao fosso, no no sentido
da maioria dos seus respectivos habi-
tantes, mas no sentido dos desojos dos
amigos do nobre deputado; todava en-
ganei-me, porque o nobre dopulado no
satisfeilo com islo ainda se aprsenla nes-
ta rasa pleiteando a causa dos ditos seus
amigos. Felismente, porm, Sr. presiden-
te, o nobre deputado aqui oceupa. uma po-
sico minto dilVcronte daquella que oceu-
pou na provincia do Rio-Grande do norte ;
aqui sua autoridade no far com que a
vi rdade seja desfigurada, com que a raso
e a justica sejam supplantadas.
l'rincipiou o nobre deputado a impugnar
o parecer da commisso de poderes pelo col-
lcgio do Apody, que se ootnpe nicamente
dos eleitores da freguezia do niosmo nomo.
Eunosoi, Sr. presidente, como o nobre
dopulado ple por em duvida a nullidado
desse collegio Uastavaque 0 nobre dopu-
lado considerasse que a elcicao dessa fre-
guezia foi feila por votantes indevdamenle
qualificados para concluir quo a eleico no
poda prevalecer. No se havemlo feito qua-
lilicaco dos volantes dessa freguezia no
lempo marcado na lei, csim um mez de-
pois, no era possivel reformar a mesma
qualicacilo senodepois da poca em que
apparcceu o decreto da dssoluco da c-
mara. O nobre deputado como presidente
da provincia duvidou se pedera determi-
nar essa reforma, e cunsullou o governo
imperial ; o qual, coherente com a doulrt-
ua que havia seguido para lodo o imperio,
Ihe respondeu que a sua consulta no era
materia de duvida, e que elle deveiia ler
ordenado que a quajidco fosso reforma-
da, no obstantetersido acamara dissol-
vida ; accrescentando que como a imperial
deciso no podesso chegar provincia se-
nodepois da eleicao, fossem os votos dos
eleitores da mencionada freguezia lomados
ei:i separado, para quo, nulloS como eram,
no contaminassem os demais do mesmo
vicio. Pens que he islo pouco mais ou me-
nos o que seconlm no filado aviso, cuja
letlura passo a fazer, alni du que a casa
possu licar cabalmente informada sobro a
eleico do Apody. ( li,)
Primeira se.eein. Rio-Jo-Janeiro.
Ministerio dos negocios do impeiio, em 31
de julhd de 1819. lllm. e Exm. Sr. Sen-
do presente a S. M. o Imperador o oflicio de
V. Exc. n. 39 de 6 de junho prximo passa-
do e copias que o a.;ompanharam. relativas
a COOVOCSCffO da junta de qualiflcaco da
freguezia da villa do Apody, feita pelo juiz
de paz ilo actual qu8triennio em 7 de Janei-
ro do correte anno : ha por bem o mesmo
augusto senhor mandar declarar-lhe que
em rasSo deixou V. F.xc. de mandar refor-
mar a qualificaco folla por aquella junta,
para que estava nutorsado pela* deeisOes
do governo imperial em casos idnticos, e
p ira o que havia tempo sufficiente, segun-
do so deprehen l da data da communicaco
de urna tal oceurrencia. e essa presidencia,
visto que netn a boa f com queprocede-
ram 0 dito juiz de paz e a cmara respecti-
va, nem o tacto de nao influir jio resultado
da eleico semelhantes irregularidades, de-
viam justificar a procedencia de uma quali-
ficico nulla pola InfraCQSo de formalida-
de quo s!o (lesna subslancs, taos a convo-
cacao, e a presidencia da unta por juiz com-
petente, e aguarda do inlervallo entre a
tn 'sma convocacao e a nstaUaco da junta.
A reforma, porta uto, da referida qualici-
Co era de absoluta necessidade para que le-
galmente so fiz'sse a eleico aprazada para
o dia de agosto prximo vindouro, para a
qual deveria lanctr-M mo da quilificaco
do anno passado,quando no houvesse tem-
po sullcienle para a concluso da deste an-
no: mas como ao temoo da recenco deste
aviso ja estar concluid i a sobredita eleico,
e nada ha a providenciar por parle do go-
verno imperial que possa sanar a nullidade
de quo olla ser afTeclada, asuarda o mes-
mo governo occasi) o.iporluna parasub-
metter esto negocio no poder competente;
cumprindo, porm, para que o d-feito na
eleico do9 eleitores da mencionada fregue-
zia do Apody no affecte de modo algum os
votos dos dentara eleitores que concorram
ao mesmo collegio, que sejam os da sobre-
dita freguezia tomados em separado. O quo
ludo commnico a V. Exc. para sua iulelli-
gencia e execuco.
Reos guarde a V. Exc. Visconde de
tlont'Alegre. Sr. presidente da provincia
do Rio-Grande Jo norte
Eis a rasSo porque a commisso de poJ-
res considerou nulla a eleico do Apody, e
foi por haver sido feita por uma qualiliea-
Co que o governo imperial, depois do ou-
vir a seccSo respectiva do c incclho de esta-
do, julgou nulla por falla da formalidades
que o mesmo governo qnalificnu de ess'ti-
ciaos. Ora, se no houve qualificaco va-
l la pelas rases expressas no aviso impe-
rial, como podo a eleicao da freguezia do
Apody prevalecer f Crcio que este ponto he
da maior clareza O nobre deputado dovia
ter mandado reforjar essa qualificaco,
para o que estava autorisado pela doulrina
consignada om muilas decises do governo.
OSi. Taques: -No me julguei compe-
tente para isto. .
O Sr. Maraes Sarment : O governo fot
quem disse que o nobre deputado era com-
petente : so o no era, avenha-se V. Exc.
com o mesmo governo, com quem ho a
questo. .
Mas, Sr. presidente, so a optnio quo o
nobre deputa Jo ha pouco sustentou lio a
verdadeira, cnto todas as eleicOes no im-
perio estilo nullas, porque o que o governo
declarou acerca do Apody foi o mesmo que
preceituou para todo o paiz ; e nesta con-
formidad!! lem sido ja approvada as elei-
cOes do quasi todas as provincias. Assim,
pois.be fura de duvida que a cmara no
lia de, reprovando a doiitiina do governo e
fa/.on lo una excepco aos s^us preceden-
tes, esposar a inlelligencia do nobre depu-
tado S'.-bre a eleico do Apody.
OSr. Carvalho Moreira: Seria urna aber-
rado de ludo quanto se tent feilo.
O Sr. Maraes Sarmtnlo: Cortamente,
como aoabei do ponderar, e se collige do
aviso que ha pouco li. Mas, Sr. presidente,
dissi o nobre deputado quo as eleie-s da-
quella localidale deviam ser atiprovadas,
apezar do vicio de qualificaco, porque,
sendo ni I i co npaclo o partido donorte, fos-
s". qual fosse a qualificaco, as eleicOes se-
riam as mesmas que fram. No sei como
se possa acreditar no que disse o nobre de-
putado, uma vez quo nao pro luzio argu-
mento ou documento algum, contentando-
so apenas com aventurar uma proposico.
Mas perguntnrei ao nobre deputado, seo
seu partido, fosse qual fosse a qualificaco
no Apudv, no temia perder a eleco, por-
que rasfio nao mandou elle reformar essa
qualificaco ? Porque raso no seguio a
doulrina do innumeraveis avisos do gover-
no que havia a semelhante respeito, e quiz
que prevalecosse essa qualificaco que pelo
mesmo governo foi ao depois declarada nul-
la ? Se no havia perigo para o partido do
nobre deputado, porque motivo no fez o
nobre deputado aquilio que deveria ter fei-
to? As respostas a estas perguntassSo ob-
vias ; Sfio como to iuquestiotiavei a tiuiii-
dade da eleico do Apody, sobre a qual na-
da maisdirei, porque eslou persuadido que
continuar a tralar della fura, como diver-
sas vezes disse o nobre deputado, abusar da
paciencia de V. Exc. e da cmara, o que de
modo algum farei.
Passarei elci^o de Touros. O nobre
dopulado reconhecc que houve alli duas
eleicoes, una feila pelo partido nortista, e
a outra pelo partido sulista : so estas as
denominacOesuos patliuos no Rio-Grande
do norte. Disse que a favor da eleigo do
partido sulista ha so uma raso, e he ler si-
do folla na igreja. O nobre deputado enga-
nou-se inteiramente, esta setn duvida as-
queado do quo so passou por occaso da


eloijflndaquella villa. Para despertar, pois,
a su lembranca passarei a ler os documen-
tos que lenhn acerca das oceurrencias que
ilii sw doram por occasifln da mesma elei-
co : i vista dilles a caar* decidir qual
lasduasclcicods ha a verdadeira e leg-
tima.
Constituida a mf sa paiochial no dia 5 de
agosto, fui tralmllmndo, ule que no torcei-
ro di;:, desconfiando lliaioril deilnfque
ora compost do partido DortltU ) quo o
seu partirlo perda a eleicjto, descnnlianca
sla nasCida da quantdade do cdulas icce-
bidas, a qual se poda hem avallar, porque
Mi os partidos escroverain os seus votos aa
papi I de diversa cor; desconfiando, iligo, a
mainra da mesa deque o sol lado perda a
clccflo, ai resentou-so na igreja no dia em
quodevia principiar a apuradlo antes di
hora designada, abri a urna, ccomecou a
trocar as Cdulas ... N'cslo cmenos Chega
a igreja o nico sullsta que era inembroda
mesa, ecom raslo estranhou aos seus col-
legus seinclhanlo procoJi-r, dizendo-llus
<';c elles nilo dovam ler aborto a urna em
Ma ausencia. Itesponderam-lho aquellos
i|ue no linham proced lo com dolo nem
iiiiii malicia, sendo o seu nico proposito
adianto o Irabalbo. O sulista nilo se tc-
c ni moilou coa tilo rniseravel evasiva, o
conlnuou a susteular quo so nflo havia
irocudido regularmente.: dahi orignou-se
urna discussSo calorosa, cojo resultado foi
declarar o jo i i do paz cus seu eoieligio-
i,arios meinbro* da inesa que eslava sus-
punsa aelectto, rellrando-seda matriz. Ao
buscar sua casa o quinto votado : o mem-
hroda mesa quo llcou na igreja e o povo
fram que o re:iustaram : nesta parto o
chele de polica nflo fo exacto, assn) como
o nflo foi a outros respelos. Inrelizmcntc
nflo posso achar agora essas documentos
entre a multidflo dclles que aqu tenlio ;
mas os esbibirei so neccssjiio f'.
A' vista do quo tica ponderado e provado
com documentos, perguntarei qual das
illas elecoes devo ser considerada vli-
da ? Sen) duvida que a que foi feita na ma-
triz : prlmeiramenla porque foi feita no lu-
gar para ondosa tinba feito a convocar;!!
dos elcitores e supplenles ; o cm segundo
lugar porque loi o resultado das cdulas
quoj so haviam tecebido : que culpa ton
os povos do Touros de que o juiz do paz mais
votado e os outros mesatios seus amigos,
nflo podendo levar avante n treca das ce-
dulas recebidas e o rouho da urna, se reli-
rassem da igreja, por forma alguina qui-
zess.'m continuar na eleigo ? O que se lia-
va fazer a nflo ser o que se fez f Um mem-
bro da mesa e o povo que fizeram barreira
aos criminosos intentos do juz de paz e
dos seus amigos deveiam deixar a eleicflo
burlar-se n permittirem que a fraude, a tra-
paza eocrimo ficassom triumphantes ? Eis
o que succedera so nlo cb.iuiassem, como
chamaran! o quinto juiz do paz no i ni pedi-
mento dosoutios mais volados, a nilo fi-
zesieol tudo o mais que regular o legal-
iiiente fi/eram.
O nobre depulado disse que a elegflo era
nulla por ter sido presidida puf um quinto
ogo o mal pelos meios que a medicina a- lneiro de 1850.Pelo esrrivao, Jo$ Caval-
conselha ; dovondo qualquor no fazer uso \oante de Albuquerque.
losses meios, quo a especulacflo tero feito
apregoar como preservativos, evitando as
aspiracOcs de camphor un de qualquer ou-
Ira substancia que, se mal no fazem, nilo
preservan da febre; podendo apenas usar
dealgum laxante no caso de ter o ventre
embaracado.
Sala do conceibo, 47 de Janeiro de 1850.
IMIlll)
i
PRjimBDro.
inesmo tempo o juiz de paz com muilos dos: juiz de paz. Nilo sei eoin-que rasos o no-
scus compailidarios l*ugam inflo da urna cI bre diputado sustenta esta sua opiniilo.
mais papis que se achavaoi sobre a mesa,|Poso quinto eidado votado juiz de paz
e querem lovar cooisigo. Aislo se Oppfle O inflo lie na filia dos qu ilro primeiros com-
sulisln meinbroda mesa e os seus amigos,! pelote para funecionar ? Seria incompe-
ii que fez apparocer urna lula que lio impos- lenti cs'o quinto juiz de paz se o nobre ile-
sivcl deserever, mas fcil de conceller. Dls-I puta lo livesse provado que outros mais vo
lo leve noticia o Sr. Joflo da Slveira uoi-, lados so acluvam desempedidos ; mas islo
ges,delegado de polica, bomein muilo pa- nflo fez o nobre depulado. Accrosco que a
cifico, mu sisado e mu honrado
O Sr, U. Manoel:l'crfeito boinem do
be ni.
OSr. Moris Sarment :...escm detenga
voa igri-jii, econsegue acalmar a desor-
den! o o derrama ment de sangue. que se-
ria nf.illivcl soo ilislinclo delegado, des-
Iir.-,indo o perigoque correu, nflo houvcs-
se desenvolvido, u par da maior prudencia,
'a ma'or corase ai e sangue-frio.
Itestal el cal.i a o ilion sem o emprego de
um s meto violento, o sem que correase
una s gota do sa ligue, disse o nolire dele-
fiado eo juiz do paz que poda continuara
OlefcSo; nns sc nilo quererdo \ollara
niatriz, lidtuu ilcfjzir, ou de figurar feita
na ca.sa en que se mellen, a eleicflo que
rereccu a appiovacflo do Sr. deputulo pela
llubia. .Nessus coijecluras o sulisla niem-
bro da mesa eo povo reuiiKio cbamain no
impediuiento dos mais votados o quiolo ci-
d.nllu eleilo juiz de paz, quo sendo jura-
mentxlo pelo referi !o delegado, que tain-
hen era primero supplento em exercieio
de juiz municipal, lumou a presidencia ila
oleietlo, a qinl se concluio com a maior
calma e regui.ridado. quo acabo do ter
a Honra de expender a esla augusta cmara,
Sr. presidente, consta do ollico queoSr.
Siiiera Borges eoderecou au presidente
da provincia, que passo a ler :
lllm c xm. Sr.-Julgo do meu dever
CODimunicara V Kxc. um pequeo inciden-
te que liontem occoireii resta villa, oque
poderia liazer serio compiomeltlmonto da
ordem publica, a no seren as providencias
|ue do prompto dei para evitar funestas
con&cquencias que necesssriamente leriam
ile apparecer. Sendo llontcm o dia marca-
do para a rleicflo pri.dara, constiluio-se a
mesa parochial, e no correr dos seus traba-
ldos suicitlram-se duvidas que levrsm
por (Im a exaltacilo .10 animo ito povo i|ue
so acbava reunida na matriz desta villa para
0 acto da eleirflo. Ea quanto permsn caui
laes cunt-sUr^cs, e tenJo-su ja uadoconie-
cfo ii'Cibiineiiio das cdulas, urna grande
arle do nc.-mo povo, com o Juiz d i paz
l'ieaideule dnm-sa, lancam m3o da urna,
dos livn s,e mais paprisque se achavam So-
1 11 a misa, alim ile os aublrabir da matriz
A'vila deaemelhante procoJimenlo, urna
outra piule do pino se llie oppoe lomando
s poitas da matriz, c trava-se urna lula en-
tre Unios, quo seria dellicil qui dcscrever.
Nesto iuterim apreseutei-me no condc-
to, Uz desarmar os que se schivam arma-
los.e consegu por fin pacificar os nimos >.
aor icslabt lecu o sucego, leiuJo a maior
t>alisfa(So de poder assegurar a V. Kxc. que
se nflo derramou urna s gota de sangue,
tCOdO apenas bavido empuxes violentos0
alguns murros entro ts ic.~suas dacl.sse
ii.ais inferior. ItestabelOcido assim o socrgo,
Jistituida niiSji a urna, livros e mais ps-
ji. is, continuaram os trabilhos da eleicflo
i'om (oa a regulaiidade e liberdade, sendo
lujo concluidos sb a presidencia do quin-
to volado para juiz de paz do tlislrictoda
ni.luz dfita villa, ocaiiio Antonio Jos
ilorrea, por ter o juiz de paz mus votado,
.Miguel Fereiia dos Alijos l'u, abandona-
ilo a mesa, e zcharcin-se irn.cdiJus os 3
suppientes, assim coiro ausentes osjuizes
de paz do distrelo viziubo, havendo apenas
um presente, Jacintbo da lloclla Silva lu-
mia, mas que por fazer paite da mesa par.o-
filial na qualidade doclcitor se acliava im-
pedido de proai lir a eliii.no
Dos gujr.ie a V. Exc Di legaca da
villa doTouros, 6 de agosto de 1849.-lllm.
oExm. Sr. lienvenulo Augusto de Magalbfles
Taquis, presidente desia provincia.--yudu
ila iltirt Harija, delega o de polica
Noto V. Exc, Sr. p/esideiito, que esta nsr-
i.'ir.ui ha coiiliuiiaJa pelo chele oe polica,
que loi inmediatamente mandado em com-
imssfio villa de Touros para lomar conbe-
cimeitto das uceurrenrias all bavidas. Eis o
que cus disse no cilicio quu endere$ou
presidente da pruvuica.
camira j approvuu cloii;0es presididas por
supplenles de juiz de paz muilo mais rein-
las, vistas as circunstancias cm quo fram
el les chamados. Qual o motivo por que ha
de reprovar a eleicflo da villa de Touros
presidida pelo quinto votado para juiz de
paz, una vez que os outros esta va m ausen-
tes ou impedidos ? !
U nobro depulado disse tnmbem que elle
uojulgava licito ao governo 111 verter as
leis, tirar sltlibubjdea de uns funccioinrios
o da-las a outros, e pois que entenda nflo
poder 0 governo autonsar quo qualquer au-
toridade deferiste juramento ios juizesde
paz chamados de repente a fui'CConar as
eleicOes. Eu nflo enirare na questflo de sa-
bor se o governo pode ou uo determinar
o que deteronou as suas inslrurc.'os. O
quo digo be quo por essas ieslruceOes qual-
quer aulondade juliciaiia ou policial be
aulorsada para isao.
Sr. Taque : Creio que est engaado.
[Cuntinu'a.)
BKCirr. 17 DE JANEIBO DE 1880.
A barca Co/u-i&u, c'.iogada boje de Liver-
pool, trouxo-no gazetas nglezas o fran-
cezas, slcaucando estas a 6 de dezembro
prximo passjdo, e aquellas a 8 do mesmo
oez ; porm como j no nos seja possiyel
dar no prsente numero todas as nolichs
que as referidas gazolas encontramos, por
nos lerein sido ellas entregues muilo tarde,
reservar-nos-hemos para o numero seguin-
te. Tolavia sempre diremos aos uossos
leilores que lodos os paizes do vellio mundo
coutinuam em paz ;
Que o padre sanio ainda se aclia ausente
da cidada eterna;
Que na Hespanha os amigos da monarebia
estilo cheius do jubilo por se ter dignado a
Providencia do fazor cessar a esterildade
da lainha Izabel, a qual, segundo fra offl-
calmentd coinmunicado, so acba boje, ere-
mos quo no seu quarto mez ;
Quo ao passo que a familia real da Des-
patilla vai ser augmentada, a da Inglaterra
perdura um dos seus membros mais pree-
minentes.
Com elteto a rainha Adelaide, viuva do
re r.nilherme IV, e lia da rainha Victoria,
a qual, segundo j annunciraot, se achava
gravemente enferma, fallecer no dia 2 de
dezembro prximo passado, na idade de 57
para 58 annos.
Esta princeza era lilba do duque reinan-
te de SBxe Meinengen e de urna princeza]
da casa de llolienlolie Langenburgn. Os In-
glezes od gcral choraran) amargamente a
sua murte, porque a augusta (nada era ex-
cessivamemte caritativa.
Finalmente diromos que em Londres os
consol ilearam a 97 : e os fundos brasilei-
ros, de 88112 a 89.
COIV9MEHCIO.
Mcclaracoes.
P::^A^SUC)
.....'I iii-i o proersso sobic o occorrido
em Touros, c condec que leudo l.avido
urna questflo (rogo a V. Exc. Sr. presidente,
ea casa queso oignem altender bem para
este trecho do ollico do chile de polica do
Itio-Grandu do norte) entre pessoas da me-
sa, sustentada por Manuel (iones t'allieiios,
o povo nella mtci viera, c o juiz de paz se
retir arfa com tres dos msanos, dizemlo
adiava a cli'i(So : disto tfvou-se urna hita
sobre n urna..... Soobe mais quo o delega-
do man lando buscar ucidadflo votado em
quinto lugar para juiz de paz, o juiamenta-
ra e com elle Diera nina eieicfto na igreja,
I'.i7.'ii lo o juz de paz a sua em casa
l.u i nlpj i.'uVumentoscom quo posso pro-
var que o delegado de polica no maudou
C0NCE1.IIO CF.RAI, DE SALUlilllOADE
PUBLICA.
Me li:la* tanitarias que tletem ser obtervada*
para evitarse a propagara da febre reinante.
Sendo fado provado.que cm todas as epe-
dimlaa a Talla ile asscio, a iulomperanca, as
comidas o bebidas de m qualidade ou inli-
gesias, as privi(oes, a miseria e os excos-
sos corpreos de qualquer nalureza sfloas
causas quo mais pro lispOem para a invasilo
do mal e sua propagaeflo, gravidadeo ler
minacSo, o muilo influem sobre o tratimen-
lo, cumpre empregar lo.lns os esfor^os em
fazer desapparecer estas causas auxiliares,
urna vez que lie desconli'Cid i a primitiva
ou efiicienle ; e por islo o concelbo gcral de
.lo : I ele publica recoiiimciida os segnin
les meios que a hygicne aconsellia:
I a Ter muilo cuidado no ssseio das casas,
fazendo caiar as paredes, lavar oslo e ti-
rar dos quinlaes todo o XO, lama, excre-
mentos, malerias vegelaes e animaes em
pulrefaccSo, limparas cacimbas e dar esgo-
lo as aguas ; nflo conservando nos mesmos
quinlaes poreos ou outros animaes que os
loruein iminuudos com sous excrementos e
ui inas, ou revolvama Ierra,fazendo exhalar
mas.as ; e, quando n s quinlaes existan)
estribarias, l-lss limpas, tirando urna ou
duas vezas por dia os residuos e csgolando
as urinas.
2." Ter abcrlas, pelo menos poralgumas
huras durante o dia e noli", todas as jancl-
ias e portas das casas para que a vintilafflo
seja fcil, conservando sempre assim as por-
tas do interior ; leudo sempre bem tapados
os vasos de despejo, o fazendo ilcsappare-
cer o mao clieiro que por qualquer circuns-
tancia so desenvolvs, pralicaiuld para sio
fumegaQOesde chloro, ou a|iplicando sobre
os lugares infectos agoa do l.abarraque.
3" Ter todo O asseio no corpo, voslindo
milpa limpa, e mudando-a mais ou menos
frequeiilo:i ente, segundo o estado e' prolis-
sflo d cada individuo; devendo a roupa
ser feita COIU fasOodas, quo por sua qualida-
de ou quahdaOes nflo privein a transpirado
e contacto do ar; nem tilo ligeirai que nflo
sejam sullicientes para | r o corpo a abrigo
das ifcriarOes atbmosphoricas.
4. Usar de banhos fros ou tepidos, mais
ou menos frequenles, segundo es necessi-
dades da pvssoa, sua consliluieflo e pro-
lissflo.
5." Nflo dormirem muilas pessoas em um
mes un quarlo, principalmente e.n casas
nflo forradas ou em lujas de sobrados ; sen-
do necessario evitar u grande calor ou bu-
midade.
6.* Continuar na alimentadlo ordinaria,
com (no cada um se d bem ; evitando to-
dava o excesso na comida ou li dnd i; as
carnes salgadas, ardidas ou de poico: os
peixos salpresos; as comidas indigestas,
como as feijoadas, mariscos, ostras; os ali-
mentos preparados com muilos adobos ou
pimeula; as frutas, como a manga, melflo,
Dolencia, auiiana/, caj, mangaba, etc., e
em geral todas que nflo estiverein bem ma-
duras.
7." No ter receij de esUr em contacto
com os dorles atacados pela febre, porque
esla nflo be de nalureza contagiosa; cum-
pi nulo todava nflo acumular muilos doen-
losem lugar acaudado, hmido ou mico
arelado, uo s porque estas condieoes p-
deiii aggravar o mal, senil o servir do uieio
do propagac.80 para lugares vizinhos.
8." Liiomar facullalivo apenas sentir-se
incouimodado, porque esle poder atacar
ALPANDBGA.
Itendimenlo do da 17.....17:209,528
Deuarregam hoje 18.
Rrgue brasleiro San-Jos mercadorias.
Ilrigue brasilciro Minerva idem.
Urigue inglez Earl-of-Dbl/iantea idem.
Itrgue inglez-- Ceorye Robmson bacalho.
Uarca americana -- New-World-- idem.
CONSOLADO GERAL.
Rendimo'ito do dia 17.....4:199.921
Diversas provincias...... 3,817
4:203,738
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimenlo do dia 17.
2.324,83(1
>fiovmento do Porto.
Navio entrado no diail.
Salem --36 das, tingue americano Ver-
muid, de 186 toneladas, capitSo E. A. Up-
lon, equipagem 9, carga farinha, fazen-
das e mais gneros ; a Deane Youle & C.
Liverpool -- 39 das, galera inglcza Colum-
DUt, de 390 toneladas, capitflo Daniel
Creen, equipagem 21, carga fazendas e
mais gneros do paiz ; a Me. '..>Imonl &
C. Passageiros, F. II. Lullkins, Fredcrick
Corteelt. /
Itio-de-Janeiro 20dia, polaca austraca
ilrme/iu.capililo Slefmo llademine, equi-
pagem 12, carga carvflo de pedra ; aoa-
genle dos vapores. Segu para tlara-
nliflo, ao agente.
Santa-Calharina --23 dias, brigue brasilci-
ro Uaria-Ubania, do 193 toneladas, capi-
Iflo M ii.o.d Jos Figueiredo Siabra, equi-
pagem 14,carga farinha do mandioea ; i
Jos l'creira da Cunta.
S.in-VI lineas 17 dinS, patacho hrasileiro
ndurtria, do 120 toneladas, capitflo Pe-
dro L. do Mursa Lonro, equipagem II,
carga farinha de mandioca ; i Machado
i, Pinbeiro.
Navio sahidu no inesmo da.
Arncaty Barca ingloza Cherokee, capitflo
James Caldwell, em lastro deareia.
ED1TAES.
-- Pela inspectora da alTandega se faz
publico que se ha de arrematar, em hasta
publica, a poita da mesma, no dia 21 do
crlenle, depuis de oieio-dia, o seguinio :
.1 latas de ollia com calda de lmales, ava-
lladas a 320 rs., total 960 rs. ; I barrilinho
com 9 medidas do vinbo, avaliado por
3,600 rs. ; i sacco com 20 libras de uozes,
por 2,000 rs.; 1 bote ero bou estado.com 21
palmos de co uprimeolo, 6 ditos de largu-
ra e 2 e meio de pontal, avaliado cm res
50,000: tu lo a ieii. u.lulo na conformida-
de do artigo 284 do rcgulamcnto de 22 do
jonbo do 1836, pelo guarda Jos de Santa-
Auna sendo o ariomatacfio livre de di-
reilos.
Allandega de Purnamhuco, 17 de Janeiro
do 1850.O inspector, Luis Antonio de Sam-
puio I launa.
O Sr. Dr. juiz de dir lo chef Hn poli-
ca interino manda fazer publico que todos
os estiangeiros que obtiveram titylos de re-
s lencia por esla repartieflo, os devem apro-
sentar para cerla averiguar^ilo, no impror-
rogavel prazo de 30 das, contados da pu-
blcacio deste.sb as penas da le. Se-
cretaria da polica de Pernambuco, II de
Janeiro do 1850. Antonio Joti de Freita,
primeiro amanuense.
Pelo consulado provincial se ha de
arrematar em o dia 22 do correle, a urna
hora da tarde, urna sacca de caf em casca,
conlcudo 3 arrobas e 10 libras ; nina lata
de dilo moido, com quatorze libras, avalia-
do aquello a 2,500 res a arroba, o osle a
4,000 IS. : apprehi'lidid.is pelo liel Miguel
Jos da Silv : sen lo a arrematado livro de
despezas.
--OescrivSo, servindo de administrador
da recebedoria de rendas nlcrnasgeraes,
avisa a todos os devedores do imposto de
tojas abenas, seges, carrnho e barcos do
interior, dos bairros do Re'cifo, S.-Antonio'
itoa-Vista e Afogados, para que comparo-
cam apagar oque estiverem a deves dos
ditos impostos rlativn ao correte anno l-
nanceiro de 1849 a 1850.
Francisco de Paula e Silva, segundo
escriturario da segunda secQflo do consu-
lado provincial, faz sciente aos propieta-
rios dos predios urbanos do bairro do Iteci-
fe. que principiou a fazer o laiiQimeuto da
decima do dito bairro do anno correle, no
da 14 do correle mez.
(I Sr. director do lyceu desta cdade,
em cumprniento a (portarla do Exm. Sr.
presidente da provincia de 2 deste correte
mez eanno, manda fazer publico que a
cadeira de primeiras leltras de llan.arac,
para o sexo masculino, est a concurso :
portanto os cidadSos brasileiros que quita-
ren) oppr-se a referida cadeira doveiflo
comparecer ( da data dele a 60 das ) na sa-
la do palacio da presidencia, pelas 9 horas
da inanbila, leudo remedido a secretaria do
lyceu, oito diaa antes do dito concurso, os
seus requerimenlos documentados segun-
do a le. Secretaria do lyceu, I4de Janeiro
de 1850. anuario Mexandrino da Silva
Habcllo Caneca, professor de desenlio e se-
cretario.
PRESEPK
no theatro de S.-Francisco.
NOVO ACTO DA VELHA COM SUAS NETAS,
cuja parte ser desempenhada pelo Sr. S.
Rosa; este acto be composto de onze arias
e tres coros.
IIOJE, 18 DE JANEIRO DE 1850.
sexta nEpassiiNTAcaO.
Grande e variado diverlimenlo pailoril.
Depois de executada pela orcheslra urna
das niel dores symphonias, represen la r-se-
ha o mu insigne drama sacro em 5 actos,
OS MACOS DO ORIENTE,
(indo este segue-se o acto
DA MAMAl VOVO'.
Terminar o espectculo com urna nova
contradanza campestre.
Os Srs. assignantes e mais pessoas, que
pretenderem bilbeles de camarote e platea,
plem mandar receber os carios na casa
annoxa ao theatro, residencia do director,
onde se ellos acham venda pelos precos se-
guintes:
Prmelra ordem.
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignanles de 6 recites, cada urna
3,500 rs. 21,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 7,000 rs.,
para assignantes de 6 recitas, caja moa
5,333 ris, 32,000 rs.
Segunda ordem.
Camarote de lado 6,000 rs.
Para assignantes de 6 recitas, cada-urna
4,500 res. 27,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 11,000 rs
Dilo para 6 recitas, cada urna 8,000 ris,
48,000 rs.
Tercelra ordem.
Camarote de lado 4,000 rs.
P>ra assignantes de 6 recitas, cada urna
2,500 r.s, 15,000 rs.
Dito de trente da mesma ordem 5,ooors.
Dilo para 6 recitas, cada urna 3,500 ris,
21,000 rs.
Avisos martimos.
Para HsbOa sahe, no da 20 do corren-
le, o brigue portuguez A*a-delaidt, ca-
pilSo Ignacio Jos de Aranjo : recebe carga
e passageiros, para o que trata-so com o
consignatario, Joaquim Ferrera Mondes
Guimares, na ra da Cruz, n. 49, ou com
o rele ido capitflo na praea do Commercio.
A escuna nacional Emilia, capitSo e
pratico Antonio Slveira Maciel Jnior,
transferio a ana viagem para o Maranhflo e
Para, deixando por consequencia de fazer a
escalado Cea, o que se avisa as pessoas
que se dignaram offerecor carga para este
porto : recebe al goma para o Maranhflo o
miudrtzas para o Par*, a passageiros para
ambos os | orlos : trata-se com o capitSo
napraea do Commercio, ou na ra da Cruz,
armazem n. 13.
Para Lisboa, com escala pelo Porto, se
dspoa a receber carga o bem conhecido.
brigue portuguez Coneiclt-Flor-dt-l4iboa,
e a sshir breve, para o que tem engajado
urna parte do ca-regamenlo : quem no mes-
lo quizer carregar, ou ir de paasagem, po-
de cuten Jer-se com O capilflo, JoSo Borges
Pamplona Jnior, ou com os consignata-
rios, Amorim lrm&os, na rus da Cadeis,
n. 39.
Para o Rio-Grande do sul segu viagem
nesles das o patacho nacional Eulerpe, ca-
pitSo Manoel .uiz dos Santos, por ler o seu
carregamento prompto, podando tfio fo-
mente roceber algumas miudesas, passa-
geiros e esoravos a freta: trata-se com l.uiz
Jos de S Araujo, na ra da Cruz, n. 33,
ou na ra de Apollo, armazem n. 14.
Para o Cetra salta o date iairo,forra-
do e pregado de cobre, na presente semana,
por j so acnar com seu carregamento enga-
jado: para o reato e passageiros trata-se na
ra do Vigario, n. 5.
O brigue nacional Adamas-
or segu para o Bio-de-Janeiro
domingo, ao do corrente: recebe
carga miada, escraves e passagei-
ros, para os quaes tem bous com-
modos : trata-se com Machado &c
l'inheiro, na ra do Vigario, n.
19, ou com o capitSo na praea.
Leiles.
JoSo Keller, nSo Ihe sendo possivrl
vender melado dos objectos em seu leilSo
de 15 do corrente, pela multiplcidade dos
objectos. continuara o mesmo, por inter-
vcncSo do corretor Oliveira, sexla-feira, 18
do correnle, s 10 horas da manh&a, na
mesma casa em que mora, no Manguind,
sitio do Sr. Cox, com entrada pela estrada
defronte do siliodoSr. ex-mspector da al-
fa 11 dega. Adverle-se que ficaiam por ven-
der os carros, cavallos, um rico piano 01 i-
sontal com caixa de relevo, trem de cozi-
nda, leitos, guarda-roupas, toucadures, es-
tantes, secretarias, '.commodas, lavatorios,
bancas de jogo, e tudo quanto orna o pri-
meiro andar da referida casa.
Russell Mellors Se C. farflo leilSo, por
intervencSo do corretor Oliveira, de grande
vai iedade de fazendas inglezas, para fechar
caitas conlas: sogunda-feira, 1 do cor-
rate, s 10 horas da manbSa, no seu ar-
mazem da ra do Trapiche.
Luiz Bruguiere continala, por inter-
vencSo do roi'ctor Oliveira,o seu leilflo'de
fazendas franeezase inglezas,consislindoem
mantas e chales de seda, lencos, caasas,
corles de seda para vestidos, cuteles, se-
tine, chapeos de sol, de seda e de algodSo,
litas, luvas, raeias, perfumaras, merinos,
sTii'letes de platea para 6 recitas 5,0001 sarjas, cambraias. bicos, etc.: terca-feira.
Camarolinho do bocea para G recitas, 22 do correnle, as 10 horas da mauliSa, no
seu armazem da ra da Cruz, n. t.
2,500 ris, 15,000 rs.
Varanda, 300 is.
As assignaturas sorflo pagas adiantadas,
exliibindo recibo a direccSo.
O theatro estar decentemente .ornado.
Principiar o diverlimenlo s 8 e meia
horas da noite, com a chegada das autori-
dades.
ReiKtrtit^iio da polica.
lllm. e Exm. Sr.Segundo as partes bo-
je recebidas nesta reparticSo consta lerem
sido postos em custodia : minha ordem,
os Portuguezes Joaquim da Costa, Jos da
Silva, Augusto Cardozo, Manoel Vieira da
Silva, Custodio Soarese Joaquim dos San-
tos, para.averiguacOoj policaes; e preso, o
pardo Marliubo, escravo de Jos Ferrera
de Mello, como rebelde : do subdelegado
da freguezia de S.-Frei-Pedro-Gonclves, a
parda Maris dos Prazeres, por disturbios.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da
polica do l'n lumnico, 17 de Janeiro de
1850 lllm. e Exm Sr. Honorio llermto
Carneiro Leao, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.--Jote Nicolao lle-
gueira Cotia, chele de polica interino.
QU AI lito DEMONSTJtATIVO
da importancia das multas impostas a di-
versos estrangeiros por infraccSo dos arts.
98, 99, 107 e IOS do regulamento n. 120
de 31 de Janeiro de 1842, e recolhidas aos
cofres da municpalidade, durante o tem-
po quo tem exercido o cargo de chele de
polica desta provincia o Sr. dezembar-
gador Jeronymo Martiano Figuera de
Mello.
i'-- iNPOITiNCU
DITAS KM QUE FOilM IICO- M asa
LHir.AS S Multas. 9 MULTAS.
Em 26 de feverciru de 1848 30.000
< 10 de marco 12 171,000
26 22 138,000
a 11 de abril 7 73,000
23 10 93,000
9 de maio 13 128,000
19 de junho i 17 85,000
10 de jlllho 23 221.000
9 de agosto 1 20,000
lOdesetembro 41 230,000
5 de outubro 1 37 247,000
22 de dezembro 34 803,000
Somma 219 1:739.000
Secreiaria oa polla 110 l'eiuaninuco, 24 e
dozembio de 184!. Antonio Joside treitas,
Meta do consulado provincial, 17 do ja- jpriuioiro amanuense
Avisos diversos.
A pessoa que annunciou querer saber
onde mora JoSo Machado MagalSes, dirja-
se ao pateo do Terco, sobrado, n. 1, primei-
ro andar, onde tera todos os esclarecmeu-
tos a rcspeito.
l)escja-se saber se he vivo,
e onde mora JoSo Machado de
Magalliacs, e caso seja limito,
quacs os seus herdeiros, e onde
residem.
DeseJA-se saber onde inora
JoSo Jos de Miranda.
-- Alugam-se os primeiro e segundo an-
dares do sobrado na roa'Direita, n. 43, rom
excedientes commodos o multo frescos, a
tratar com o barbrird, quo mora na loge do
mesmo sobrado.
Aula (fe primeiras leltras
Policarpo Nuues Correia pajlicija ao res-
peilavel publico e especialmente aos pas
de seus alumnos, que no dia 10 do corren-
le mez atrio as suas aulas de meninus o
meninas 111 mesma casa de sua residencia,
na ra da Alegra, n. 9, onde pode lamben)
receber alguna meninos pensionistas me-
danle urna mdica remuneraeflo. O annun-
cianle espera do respeilavel publico que as
suis aulas continuem a gosar do mesmo
crdito e conllanca como at aqu.
A poca.
Aos senhores assignantes deste jornal se
faz certo e igualmente ao respeitavel publi-
co, quo acaba de ebegar de Lisboa a conti-
nuadlo dos nmeros deste jornal al o nu-
mero 52 ; e como lenham etiegado difieren-
tes colleccOes completas, coiivdn-se aos
amantes da inslruccflo a concorrerem para
a sua exlracc&o, visto como be este jornal
de tanta importancia.
Assigna-se na ra da Cadea do Recfe,
lojd de ferragem de JoSo Jos de Carvalbo
Moraes.
O prego da assigilatura lio :
Por um anno, dinhero a vista 6,400
Por seis mezos, di Jo dilo. 3,2u0
Precisa se lugar urna preta que saiba
lavar, engommar e coser, para urna casa
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
II horas at s 3 da tarde. Na mesma casa
tanibem se precisa alugar um prclo que
entuma do sei vico interno, e saiba tratir
de cavallos,


so
Quem precisar da umi ama para cass
de homcmsolteiro estrangeiro, dirjase ac
largo do Pilar, n.13. '
Aluga-aeo terceiro andar do sobrado
da ra da Beflzalia-Velha, n. 70, com bas-
tantes commodos: a tratar no pnmeiro an-
dar do mesmo sobrado.
-*-No paleo do Carmo, n. 10, precisa-
de ama ama : pega-so bem.
JoSo Francisco da Cruz remelle para
o'llio-de-Janeiro o escravo Pedro, a entre-
gar a ordem do seu senlior, Bornardino
Marlins de Andrade.
No botiqun da ra larga do Itoiario,
n. S7, precisa-se alugar um moleque para o
serrico do mesmo botiquim. ,
D-se dinheiro a premio sobre pe-
nhores de ouro, prala, liypotnecaseei casas
terreas, ou boas (Irmas: na ra ealreiU do
Hozarlo, n. 30, segundo andar.
Moje, (8 do crrante, i porta do Sr. Dr.
juii do eivel da prlroeira tara, se ha de ar-
rematar, por ser a ultima praga, a casa ter-
rea sita na Soledede, pertencentea Joaquim
Xavier da Maya, avahada em um cont e
duzentos mil rs.. por eiecugao de Anto-
nio da Silva Gusmfio.
--Aluga-se um sobrado de um andar,
com commodo bastante para familia
e grande quintal com cacimba, na ra das
Trincheiras : a tratar na ra da Cadeia do
Recife, n. 85.
Manoel Francisco da Silva Coito, com
loiade faiendasnacidade da Parahiba do
norte, faz publico que em data de 18 do de
zemhro do anno prximo passado, dealigou
a JoSo Joaquim de Araujo da sociedade que
com o mesmo tinha no dito estabelecimen-
to, sb a firma de Cotl & Araujo, Picando
oannunciante na liquidaco da entnela
firma e nico gerenta as traiisaccOes com-
meiciaea. ,
-O abaixo aaaignado, no intuito de
transmitir tenra mocidade seus medio-
cres oonheeimenlos, offerece aos Srs. pas
de familia quede seu preslimo se quizerem
utilisarasuaaula particular do primeiras
lettras eiti casa de eu pai, na ra da As-
sumpco. n. 38, ah est proposlo a ensi-
nar tambem arilhmetica e dar nogues de
arammaticaportugueza.com todo o esme-
ro e desvelo ; e conscio da benevolencia
com que cssa classe de amadores das scien-
cias preliminares, costuma tratar seus con-
cidados, espera que o auxiliara no prin-
cipio de sua carreira ; o anda mais, atien-
to n mdico estipendio sobre que esta pro-
posto a onsinareoexcellente tralainento
que promelte dar sos seus alumnos.
Jos rcenle Ferreira Barros Jnior.
-Aluga-se um silio na estrada nova,
comease de vivenJa, cacimba d'agoa de
beber, bom pomar, e bastante terreno para
plantacfles : a tratar To mosmo silio com
Maiioel Francisco Schefler.
JoSo Jos de Miran la mora na ra Di-
reila, n. 61.
- Aluga-se, por proco commodo, a casi-
nha que foi acougue, sita ao sahir do piteo
doJCarmo, par* as rus do Rozarlo e Trin-
cheiras, muito propria para o mesmo ne-
gocio, pelo bom local: a Tallar no pateo do
Carmo, n.l, venda.
Aluga-se urna casa de um andar na rus
da Una, com excellentes commodos para
grande familia, e boa vista para a barra:
os pretndante dirijam-se a Manoel Alves
Guerra.
Alugam-sc por pre90 rasoave
0 sobrado e loja da ra dos Quar-
teis, n. 10 : a tratar no Mondego
com L. G Ferreira
Aluga-se ou arrenda-se urna campia
na Estrada-Nova, denominada do Luco
, propria para pasUgem do gades,. ran-
chos, ou qualquer plantagao que se quei
ra: a tratar na ra do Vig'trio, n. 7, pri
meiro andar. ,
O abaixo assignado como administra-
dor de sua mulher, herdeira do finado Hcn-
riquePQppeGirao, faz cerlo que o mesmo
finado deix'ra em seu testamento a cada
um dos seus anillados, que apreseotaren
certidoes de seus respectivos parenos de
boa conducta, o legado de cem mil ris em
moeda correnle; e como se esteja na villa
de Iguarass procedendo a parlilha, quei-
ram apresenlar-se emdila villa, munidos
dos documentos, devendo,rrquererem ao
juizo. O mesmo abaixo assignado adverte
a todas as pessoas, a quem o dito finado
deixou legados queosdevem icquerer.elim
de nSo licaremencravsdos no casco do en-
geubo d'ago, pois ha bens movis para pa-
gamento dos meamos, productos de safras,
icndasde propriedades edinheiros.
Ilarcellino Jos Lupes
Antonio Joaquim Vidal fz sciente ao
publico que elle autorisa a Joaquim Flori-
do Fernandes l.ima, para |> tceber qualquer
coifta que se llie deva.
IJiijjommadii,
Kngomma-se toda a qualidade de roupa
cuii inuiia perfeic&o : na ra da Cadeia do
Recito, n 11, pri meiro andar.
1 rinandade fie S. Jo d Agona.
O secretario da referida rmau-
dade Ui cerlo aos Srs. irmos, que
m actual mesa regedora tein mar-
cado odia ao do corrente, pelas 9
horas da mauha, aliin de qu,
reunidos em mesa geral, passem
a discutir os ai ligos do novo com-
promiso, que se achara presente
pela commisso cncarregada ; em
coui.eque.icia de que convida aos
u sinos irmos de comparecerero
no consistorio competente, s ho-
ras indicadas.
Na ra Nova, loja n. 58, se dir quem
d a premio a quaulia de 400,000 rs. com
hypotheca em casa terrea. Na mesma loja
vende-se uma carroca para boi.
Aluga-se as seguimos casas : o te'rcei-
ro andar da casa n. 6 do Merro-da-Boa-Vis-
la, com slito e muito bous rommodos para
gran le familia por 950,000 rs. annuaes ;
uma casa terrea na ra da l'niflo, cora quin-
tal e grandes commodos para familia, pnj
ItOOOrs. mensaes; a loja do sobrado n
1 i do pateo da S.-Cruz, por 6,000 rs. men-
saes : os pretendentes, dirijam-se i ra da
Aurora, n 26, escripturio do F. A. de Oli-
veia.
l'recisa-se de um mixto para
curarsardas : quem tiver annun-
cie.
0 primeiro secretario da S II. T, faz
sciente que a actual direcgfio pretende dar
como divertimentoextraordinario dous bai-
les de mascaras, no carnaval do presente
anno, equo para isso os socios que quiza-
rera subscrever, dirijam-se ao saino do
theatro at odia 18 do corrento, das 3 s 6
horas da tardo, sonde scharao a commi3s3o
encarregada receber assignaturas : ad-
vertindo, porm, que estes bailes sSo em
costumeou sem elle, como a cada um jhe
prouver; bem como que he permittido
aos socios fazerem uma ou msis assigna-
turas.
Antonio Joaquim Tavares tendo ven-
dido a sua venda sita na ra da Cadeia do
Recife, numero 1, ao Sr. Lino Jos de Castro
Araujo em o 1.* do corrente, roga a todas
as pessoas que sejulgarem seus redores
de apresentarem suas conlas no prazo de
15 dias ao Sr. Vicente Ferreirr da Costa.
Precisa-se de um homem
que seja bom refinador, para lora
da provincia : na ra Direita, nu-
mero 69.
--Aluga-se uma ama de lelte, livreou
escrava: no largo doTergo, n. 141, segundo
andar.
. Os herdeiros do finado V'gario Braz
Manoel Machado avisam aos seus credores
que apresentem as suas contas justificadas
at odia 22 do correnle, para serem atten-
didas as partilhas de bens.
--Quem se julgar crei'or da administra-
cao da venda do Antonio Joaquim Tavares,
queira apresentar suas contas ao abaixo as- ]
signado no praso de tres dias, para serem 1
pagas: o mesmo abaixo assignado uo lie
responsave' por qualquer conta que dcixe
de Iheser apresentada no monciona praso,
e nem por qualquer divida que depois ap-
pareca.-Como admnstrador,;Fo/e Fer-
reira da Costa.
Dezeja-se saber se he vivo ou morto o
Sr. Manoel Marlins de Carvalho, natural de
Santa-Mara de Nine, lugar da Fote-Cova,
a negocio de seu interesse : na ra diMn-
dre-de-I)eos, n. 3, escriptorio de Silva &
Orillo.
Offerece-se um pequeo de 14 a 15 an-
uos, de boa condula, para qualquer esta-
belecimenlo : quem precisar annuncie.
I111 orlante descoberta
para os denles
M. S Uawson, cirurgiao dentista, chega-
do ha pouco de Inglateira com destino aos
portos do sul, pelos poneos das que lem
de demorar-saaqui, offerece seu preslimo
a aquellas pessoas que precisarem dos soc-
corros de sua arte: para o que pode ser
procurado no Hotel-Francisco.
-- Caetano Mendos da Cunha Azevodo en-
carrega-se de comprar e vender escravos,
mediante uma commisso rasoavel, epara
cujo fim promolto empregar toda activida-
de no melhor dcsempenlio dessa tarefa : os
pretendentes o acbarSo prompto em casa de
sua residencia, na ra da Alegra, n. 26
balrro da Ba-Vista.
\\ ickstrom, rapito do hrigue sueco
Ilrilliant, faz publico quo se nSo responsa-
bilisaporcousa alguma que a sua tripola-
cSo tome em seu non e, ou do mesmo hri-
gue.
Precisa-se de um bom cozi-
nheiro para a galera Francesa
A chilla, prompla a seguir viagem
|>ara Marseille: a tratar com o
capitSo, 011 com B. Lasserre & C.,
consignatario da mesma.
O Sr. Dr. Antonio Joaquim de Figuei-
redo Siabra tenha a bonlade de ir ou man-
dar pagar sua leltra da quantia de 82,180;
rs. vencida a 27 mezese9 dias, por nSo
se poder mais esperar; bem como o Sr. Ma-
noel Joaquim de Figueiredo Siabra 43,870
rs., contrahida de 1844 a 1847, na ra Na-
va, 11. 18
-- Precisa-se de uma ama : na ra do
Rangcl, n. 25.
I'recisa-se de urna mulher
de boa conducta, e que seja capaz
de encinar bem as piimeiras let-
tras a urna menina, em um engo-
lillo na freguezia de Ipojnca, onde
achara todas as commodidades e
excedente tratamento : a pessoa a
quem convier este negocio, an-
nuncie sua morada para ser pro-
curada.
Deseja-se fallar aos Srs. Bernardo Da-
niiao Franco e Manuel do Nascimento Bas-
tos: na ra Nova,n. 16.
Angelo Frailesco Carneiro embarca pa-
ra o Itio-de-Janeiro o seu escravo crioulo,
de nome feliz.
D. W. Baynon, cirurgiao dentis-
ta, na ra do Trapiche -Novo, n.
14, respeitossmente informa ao
publico que, pelos seus muilos afazeres, se-
r obrigado a demorar-se mais algum lem-
po nesta cidado, antes de sua retirada para
os Kstados-IJnidos, a offerece seu preslimo
para toda qualidade de operaces dentaes,
para por denles novos, tanto singlos como
dentaduras iuleiras, chumbar denles com
ouro e prala, conforme as ultimas desco-
bcitas nesta tera.
Pede seso Sr. fiscal da freguezia do
S.-Jos que lance suas vistas para a traves-
a du Poein lio, que uo se pode passar por
causa de uma pnrcSode lijlos que toma ni
o transito.-pois j lem havido algum pre-
juizo. -- Um prriudicudo.
Na porla do doutor juiz da segunJa va-
ra municipal, se ha de arrematar em hasta
publica, no da 19 do corrente, um quarto,
por execucSo do Francisco Jos Rodrigues
contra Jos Nunes Blanco.
Achando-se o abaixo assignado a li-
quidar as conlas do llotel-Cominercio, por
lar de retirar-so breve para Portugal a tra-
t ir de sua s.'de, avisa a seus devedores di) |
iram resgalaros penhorea que existem emj
cu poder, apresenlando as cautelas que'
Ihcs passou, sh pena de serem vendidos'
cara seu pagamento, lindo o prazo de 30
dias.-- Francisco Simts da Silva Uafra.
Antonio Mximo de Barros Leite, pro-!
.3
fessor jubilado na primeira cadeira publica
de primeiras lettras da cida lo de Gojanna,
faz sciente ao respeitavel publico que se
acha presentemente mudado para esta ca-
pital, e a sua residencia he dentro do Re-
cito, na ra da Cadeia, n. 40, primeiro an-
dar, onde vai conlinuar no mosmo magis
terio ; porm particular, e por da a todos os Srs. que quzerem educar seus
filhos, que nSos receber alumnos exter-
nos como tambem internos.
fj) HOMOEOPATIIIA. i
^ 0 consultorio homosopathico do %
# Pernambuco est aberto lodos os dias
f) desde as 8 horas da inanhSa at as 4 <$.
da tardo. #
# Adverte-so as pessoas que quize- ^
# rem usar da homoeopathia, de diri- v
9 gir-se nomesmo consultorio e enten- t
^ der-so cum o director JoSo Baptista %
% Casanova. #
9 Alguns curiosos andam as casas fe
..( particulares offerecendo administrar %
9 a honiocopathia em nome do cnsul- %
a) tono, estes curiosos fagam as especu- fe
-.# Incoes como mellior o entendeiem, (fc,
9 mas uo se sirvam do nome do con- <
t% sultorio, porque no consultorio n3o fe.
? existem agentes nem cacheiros, vis- ft
toque, a medicina n3o se adminis-
tra por meios de agentes ou cachei-
ros.
Consultorio homocopathicode Per-
nambuco, ra da Cadeia do Santo-
Antonio, n. 22.
O abaixo assignado, propietario do
llotel-Commercio, tendo breve de retirar-
se para Portugal a iralar de sua saule, por
conselhosde seus profesares assistenles,
tem resolvido entregar a administrado do
ditoestabelecineiito a alguma pessoa in-
telligente e zelosa, e que garante a sua pro-
bidades abaixo assignado nao lera duvi-
da de vender o referido eslabelecimento a
dinheiioou a prazo, com responsabilida-
de idonia, seporventura n3o houver quem
pretenda administra-la com lucro vaiita-
joso. De presento o estabeleciinento conta
de assignatura mensal de comodonas para
mais de 1:500,000 rs. e excedera se con-
viesse nSo regeitar mais numero de assig-
nantes : quem pretender a administracao,
ou compra do referido eslabelecimento, di-
rija-se ao abaixo assignado a qualquer ho-
ra do dia.--/'Vancin-u SimSts da Silva Uafra.
S.-Sebasliao.
Na ra Nova, n. 63. existe uma grande
porc.fo de resistos da milagrosa imagem de
S.-Sebastio advogado, contra a peste;
igualmente S.-Braz, advogado da garganta;
enutras militas qu 'li la les do diiVersntes
i magaa.
--Precisa-se alugar urna pretl para ven-
dornarua, sen lo das 6 limas da nianlia
at as!4da larde: a tratar na rua Bella, 11.
45, a qualquer hora.
0
<5 Alugam-se evendeai-so as verda- fj
Q deiras bixas de llamburgo : naprac.a ti.
C da Independencia, n. 10, ao vollur {.}
n para a rua das Cruzes. <'!
o i
Affonso Jos de Oliveira, professor ju
hilado na cadeira de geographia e historia
dolyceudestacidade, propOese a eHsinar
grammatica latina, rhotoricae geographia :
as pessoa que de seu preslimo se quize-
rem ulilisar, podem procura-lo na rua Di-
reita, n. 120, segundo andar.
Dao-se200/rs. a premio de 2 por cen-
to ao mez sobre penhores de ouro : na rua
Augusta, segundo sobrado no fim da rua,
indo dos Marlyrios, lado do poenle.
Compras.
Compra-se um prelo, que
sej* bom refinador, sem vicios e
que tenha bons costumes : paga-
se bem : na rua Direita, n. 69.
-- Compra-se um ou dous violOes e urna
clarineta em segunda m&o : na rua da Co -
ria, n.95, ou annuncie.
Compra-se un pao do rede e seus per-
tenct-s novos ou usados: no pateo do Car-
mo, n. 1 venda.
Compra-se uma preta que seja peifeita
costureira, engommadeira e que saiba fa-
zer vestidos, se agradar paga-se bem ; uma
dita que saiba engommar e cozinfiBr e que
n3o seja viciosa, ambas sao para fra da
provincia: na praga do commercio, n. 6,
primeiro andar.
-- Compram-se, efectivamente, garra-
fas e botijas vasias : na restilagao da l'raia-
do-S.-Rila.
Vendas.
A 5'JOris.
Vende ai-sc potes de sal refina-
do inglez : na rua do Cabug, lo-
j do iniiilczis, n. 1 l).
Vende-se a exccllente obra Annuario
politico, histrico e ocelesiastico do Brasil,
011 verdadeiro archivo nicional, em dous
volumes, por diminuto prego : na praga da
Independencia, ns. 6e8 ; na rua da Cadeia-
Vet.'ia.lojado Sr. Cardozo Ayrcs ; na rua
da Cruz, loja do Sr. padre Ignacio.
(i corretor Oliveira contina a ven 1er,
por pregos rasoaveis, oplimo vinho do Por-
to, em barris do quarto, stimo, oilavo o
em pipa, proprios para mimos; cobre c
pregos correspondentes pura forro de na-
vio ; bem como tem na alfandega, para o
oiesmo fim, chumbo em lengol, e de muni-
cBo ltimamente chegado de Inglaterra .
os pretendentes dirijam-se ao mesmo cor-
retor Oliveira.
Vendem-serelogios de ou-
ro sabonete, patente inglez : em
casa de Geo: Kcnwotlhy & Com-
uanhia, rua da Cruz, n. 3.
-- Vende-se superior familia de milhn,
pelo diminuto preco de 60 rs. : lias C:nco-
Pontas, n. 152, venda delronle da fortaleza.
Vcnde-se, na loja de Fernandes da Luz
rlrrml, na rua do l.ivramento, 11. 10, al-
goilo da trra muito superior, por menos
prego do que em outra qualquer parte.
Na rua Nova, n. S,
vende-se um casal de escravos com uma
cria, sendo a preta perfeita engommadeira
e costureira ; 3 moloques de nago, de lui-
das figuras ; um preto de 2-2 anuos, perito
oflleial de sapateiro ; um dito de 22 nnnos,
de linda figura, n i|iie he proprio para ca-
deirinba, por ser bastante alto; um pardo
nfficial denlfaiate; um mulatinhnde 15 ali-
os, proprio para pagem ; um dito de II
anuos, proprio para aprender cilicio, por
ser muito esperto e ter bon memoria; um
moleque de 18 anuos, oflicial de alfaiate;
uma preta de 20 anuos, boi cozinheira ;
uma dita da.16 anuos i uma mulalinlia com
principios de costura e engomma.lo.
Vende-se, por muito commodo prego,
um carro do carregar effnitos da alfandega,
em boro estado do poder trab-lliar ; na rua
Direita, 11. 70, a tratar com Jos Joaquim
do Ahreu.
Vende-se um alimbique francez, de
c.ibre e coro pouco uso, levando a caldeia
50 caadas, com muito boa serpentina de
eslanlio, a qu.lpega 300 libras o liahalhi
por dous sy.-t'mas, um para a garapi o ou-
tro pira resillar ago'ardento, para este tem
tajes relilicadores, os quaes azem com qu
oalcoolsia sem chairo, muito superior
o;n grao e muito simples para qualquer
pessoa poder trabalharj aena-se montado
e prompto a traballiar paia o comprador
ver, por [ r^g commodo: no Alerro-da-
Boa-Vista, n. 1", fabrica de licores.
Cal virgem.
Ven le-sc superior cal virgem em pedia
em barris de 4 arroba e nieia, chegada no
corrente mez do Lisboa, pelo briguo Novo-
Vencedor : na rua da Moda, armazem n. 5.
--Vende-seo generoso vinho de caj,
com 3 anuos de engarrafado, proprio para
mimo de fra da provincia: na reslilago
da Praia-de-S.-Ha.
Vcndem-se 6 arrobas de sebo de hoi,
superior, a 3,810 rs. : 111 dos Quarteis, 11.
5ou 8, a fallar com Joo Dubois.
"Veniie-S" urna mulatlnha de 14 annos,
de linda (gura, ptima para se fazer uma
dadiva, por ser ainda douzella ; 3 pretil
milpas com algumas habilidades; urna par-
da ile 30 anuos, que engoinma, cose e cozi-
nha ; um moleiiue de 10 annos, mullo lin-
do, e que he oplimo para aprender algum
ofileio; um pardo sapateiro ; um preto bom
marinheiro ; un dito oplimo oleiro ; o ou-
tros escravos do servico de campo : na rua
das l.arangeiras, n. 14, segundo andar.
Na rua estreita do Itozario, n. 4, ven-
dem-se os seguinles livros, por prego com-
modo : Diccionario jurdico de Pereira e
Souza ; dito po'lugurz de Constancio ; Or-
deuacos e leis do reino de Portugal, pri-
meira edicflo ; T. Livio em francez e latim,
2grossns volumes; dilo em latim, 6 v. ;
Obras completas de Ouvidio, 4 v.; Diccio-
nario francez e latim de lloeast, I v. ;
Grainmeiro des grammairis ou anulyse;
Ralaonoe desmeilleures traites sur la lan-
gue fraileis, 2 crossos volumes ; uma por-
g3o de livros inglezes sobre religiflo, com-
mercio e navegaeo, por muito diminuto
prego.
Vende-se um sobrado de um andar,
em chitos proprios, sito as Cino-Poiilas :
os pretendentes diiijam-se a rua da Cadeia,
segundo andar do sobrado da esquina do
Ouvidor.
Vende-se um negro de dado do 30 an-
nos, pouco mais ou menos, para todo o ser-
vigo : na rua da Praia, armazem, n. 18.
Vende-se um bom ca"vallocarregador
baixo al mei.i, bem como todos os arreios
novos ou sem eles: na rua da Praia, arma-
e por prego commodo: Vanguervo Pralica
Judiciaria; Caminha de Libellis; Disserta-
gOes Jurdicas, sobre a inldligeiicia de al-
gumas ordenagOes, em supplemenlo ao Ma-
nual Pralfco, por A. C. Comes; poderes
obrigngOesdojury. por Carlos Cont ; pri-
meiras nogOes de direito positivo por Loba-
to ; Direito Natural, por Fortuna ; Eusaio
sobre as garantas iiidividuaes, por Dan-
nou; Diccionario porttil, portuguoz e fran-
eez: llesumo da historia do Brasil e das
Guienas, em francez. por Femando Diniz.
Vendom-se n taberna da praga da Boa-
Visla, junto i botica do Sr. Manoel Elias de
Moura, muito alreguezada para a trra : a
tratar com o Sr. Jos Francisco do Teive, na
rua do Itozario da Boa-Vista, n. 2- __
vi
Na loja do sobrado nmarello, nos {>
quatro-cantos da rua do Queimado, 0
n. 29, vendem-se cortes de caigas de q
brimamarello, depuro linho, a 1,440 ^j
rs.; ditos de dilo de cores, a 1,440
rs. ; ditos de dito branco de listras,
0
0 fazenda superior, a 1,800 rs.; ditos g
O de caigas de casimira de cOros, a J>
0 5,000 rs., havendo grande sorlimen- V
0 to de padrOes para escolba ; nsca- G>
0 dosmonstrosdequadros, e de uma <>
J s cor, a 220 rs. o covado ; e outras 0
rt muitas fazendas muito em conta. 0
S 2
O00000000O00OOO000
Vende-se uma negrinha de 13 a 14,
annos propria para mucamba por sor reco-
Ihida ; coze x3o e faz lavarinto, o todo
arranjo Jo umi casa de familia : atralar
no forte do Mallo, n, 10.
Vende-se urna negra moga, que sabe
bem cozinhar o diario de uma casa, engom-
mar, cozer, fazer ronda, e he tambem sapa-
teira : na rua da Praia, armazem, n. 18.
Venle-se uma parda muito boa cozi-
nheira, doceira e engommadeira : o motivo
por quo se vende se dir ao comprador : na
rua da Cruz, n. 50.
Vinho generoso.
Na rua do Cresoo, loja n 8. e defronte da
ribftin do peixe, n. 3, vende-se o superior
vinho engarrafado, chegado ullinvicenle
do Porto, a 12,000 rs. a duzia.
Vinho de Bordeaux,
das mais superiores qualidades ; bem comir
vinho de Clumpanha da nova marca estrel-
la, ja muito apreciado, tanto aqu como na
Europa ; Vende-se em casa de Kalkmann
Irmos. na rua da Cruz, n. 10.
zem, 11.18.
Almanak
DOS
OFFICIAES DA 1 CLASSE DO EXERCITO :
vende-so por 2,500 rs. cada exemplar : na
livraria ns 6 e 8 da praga da Independen-
cia.
Loieria do lftio-de
Janeiro.
Aos 20:000,000 de-rs.
Na praca da Independencia, n.
4, vendem-se bilhetcs, meios,
quartos, oilavos e vigsimos da
la.* loteria a beneficio do theatro
deNicteroy: a elles que j tem
poucos. Na mesma loja se mos-
tram as listas da sexta do thesou-
ro c oitava do theatro.
,-Cnntiniiam-se a vendor btalas, a 60
rs. ; figos novos, a 120 rs.; queijos, a 1,200
e 1,400 rs. ; superior cha, a 2,000 rs. : no
paleo do Cara.o, 11. 2, venda nova.
Ns rua da Cruz, n. 22, segundo andar,
vendem-se 7 escrayos, sendo : 2 escravos _
de20 a 24 anuos, do elegantes figuras ; 2 pretender annuncie por esta Toltia. ,lua ,,a prlnceM dos tajueiros 118.- Vicio-
molequesde 13 a 15 annos; Spretasdona- -- Na loja, 11. 21, da rua do Queimado, rio lynacio Camillo.
eflo, ptimas quilaudeiras. I vendom-se os seguinles livros oui bom uso
l'aritiha de miliio.
~ Vende-se farinha de milbo m porgOes
e arretalho por prego commodo, na rua do
Brum, n. 28; sendo del.*, 2." e 3.'sorte
Arroz a 50 rs. a libra e 1,400 rs.' a
arroba, sendo em sacca ainda por menos:
espirito do 37 graos a 1,000 rs. a caada ;
no pateo do Hospital do Paraizo, venda
n. 20.
Vende-se a casa n. 3, cita na rua do
llom Sussego em Olinda por commodo pre-
go 1 na rua de S. Francisco, rasa n, -.'-i,
de fronte da venda do Nicolao, se dir quem
vende.
Vende-se uma taberna sita na travessa
da rua do Vigario, n. 3. pe linenle a Ma-
cieira t Cuimariles : esta taberna vndese
porque am dos socios deseja-se retirar para
fra da provincia : a tratar na mesma ta-
berna, ou no Forte-do-Mattos, Casa de Fran-
cisco-Jos da Silva Macieira.
Vende-se urna taberna em muito bom
lugar, bem afreguezada, com poucos fun-
dos, muito propria para um principiante,
por ter commodos para morada, e a arma-
gao ser muito em cunta : vende-se ;or seu
dono se que'er retirar, por isso se offerece
grande vantagem ao comprador: quem a
NA HIJA DA CADEIA DOKF.CIFE, N 24,
LOJA DECAMItlll HA VIUVA V1E1RA
& FILHOS.
Lotera du Eto-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Pelo vapor Haitiana, recebmosos muito
afortunados bilhctese meios ditos da 12.*
loteria a beneficio do theatro de Nictheroy,
cujas ro las deviain andar no dia 8 do cor-
rente.
PRECOS
Bilbeles 22,000
Meios 11,000
Quartos .51500
Oitavos 2,800
Vigsimo 1,300
-- Vendem-se 6 lindos escravos de nag3o
ecrioulos, de 18 a 30 annos, sem vicios,
nem molestia, um pardo de24annos, p-
timo para tratar de cava los, e se d muito
em conta ; 6 pretas de 16 a 25 annos, com
algumas abelidadcs, sendo algumas muito
boas quilandeias esem viaio ; uma negri-
nha de 12, muito linda ; urna molalinhade
12 annos.com principio de habelidades e ca-
rinhosa para ii>gninos~: uma preta dmela
idade ; assini romo oulros muilos escravos
por pregos commodos, na rea da Cadeia do
Itecife, o- 51, primeiro andar, se dir quem
os vende.
Xa rape do bosque.
UMA OUTRA GRANDF. CURADA ASTHMA.
Seria urna irreparavcl falta de ininha parte
dcixar em silencio o que acaba de acontecer
commigo, e que passo a relatar para que o pu-
blico seja sabedor.
Nos priineiros noves do anuo de 1842 em
una noite de muito calor, dirlgl-ine ao mar
para tomar um banho, e com etteito tomei-o;
voliei para osa srnll-me constipado, e como
j era tarde nao pude cuidar em tratar-me, no
outro dia aenti-ine milito mal da garganta e
dopcilo, umita tosse, dores de cabeca, fros e
febree oulros ncommodos que sempre acoin-
I1.111l1.no as constipafdes ; ueisa noite toinel
um suador, nn dia seguinte comecei a tratar-
me c d'ahi em diante com dill'crriitrs remedios
unsapplicadns por professore, uniros que me
ensiiiavam algumas pessoas ; de nenhuin tirei
pruveilo continua tosse que me alHIgia ; por
lim ilci Un ii-sr-nir em astlima : quatro annos
fui victima dcsla lerrivel molestia queso quem
a lem ou leve he que sat>e os soffriinentos por-
que passa o que tem a infelicidade de ser por
olla accoinmettido; hoje porm com orgulho
posso il i/ai- que aci.ei um remedio que zombou
da astlima ; foi o xarope do bosque que se ven-
de na rua do Hospicio, n. W ; pois julgava-me
incuravel, porm nao succedeu asilm : logo
que priocipiei a tomar o sobredito xarope na
precisou mais do que poucos dias para eu co-
nhecer que o meu mal com este precioso leioe-
dio poderla ser completamente curado, e nao
me enganei, porque acbo-me completamente
livre de todos os incouunodos que al o priu-
cipio do inei de julbo deste anno, poca em
que principie! a tomar o xarope do bosque,
nao lid s em ininha pessoa que este bom re-
medio prodigalisou seus beneficios, tem lam-
Ih-io prodigaiisadu em outras pessoas do meu
conhecimento, que vendo o bom ell'eito que
me ia fazendo resolreram toiua-to para outras
diOereules molestias do poito, e os que expe-
rimentaran! acharam o desojado olleilo. Res-
ta-ine, porlanlo, a satisfaco de dizer que es-
lou restabelecido comploumente da asuma,
ainda digo, terrivel molestia.
llio-de-fanciro, em 2 de selembro de 1848.
Vende-se na rua dos Quarteis, u. 12.
a
' -


^"'-
-- Vende-se um mulellnho muito bonito,
I roprio par so mondar rnsinar um officio,
ou dar-se de festa a qualqucr filho, de 11
innos, n que he vendiito por necessidade :
na ra larga d Itozario, n 35, loj.
--Na rua do Vigario, n.7, primeiro an-
dar, ha para vonder-sci duas prclos, sendo
urna moga e oulra j de idade.
Rata tas
Vendem-se batatas a 1,000 rs
a arroba : no armazem da roa do
Azeite-de-Peixe, n. i4, defronte
da Madre-de-Deos.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de prato muito frescaes t* de superior
qualidndc, presuntos inglezes para Ham-
bre, ditos portuguezes | ara-panells, IhtBS
cnm 2e4 libres de mermelada, ditas com
bolachiDha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
las rom hervidles, frascos com conservas
inglezas, queijns de qualha viudos do Cca-
r, por barato preco, mantas de toueinho
n'.'liv de fumen o,de 7 a 8 librascadauma.o
o litros muitos gneros de boa qualidade :
a nrua da Cruz, no Recite, n. 46.
Cortes de cassa para ves-
tidos com 16 covados
por 5,500 rs.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com ir. rovados, a 3,500 rs.; dilos com 8
covados, a 1,760 rs, ; pegas de cambraia li-
sas com oilo varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de linho mullo lino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Taixas para engenho.
Fio porretc.
Vende-se superior 'fio porreta, o me-
Ihor que lem vindo ao mercado; bem co-
mo o superior fio de vela, por menos pro-
co do que em outra qualquer parte : na ra
da Cadeia, n. 56, loja do ferrangens, de
Antonio Joaquim Vidal.
Os mais ricos mantele-
tes e capotudos.
Vendem-se os msig asseiados mantelete:
e capotilhos de chamelote de seda e gor-
gurflo, os mais ricos que leen) apparecido s
na ra do Queimado, n. 9.
Ferro ingle/.
Vende-se um completo sorlimenlo de fer-
ro inglez, por mdico preco na ra da| Ca-
deia, loja do ferragens, n. 56, do Antonio
Joaquim Vidal.
-- Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato prego de 2,000, 2,500, 3,000
3,500 c 4,000 rs.; cembraia de seda, a 3/
rs. : meias pare meninas, a 160 rs.; 13a
com listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinha propria para roupade meninos e ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; lila superior pa-
ra caigas, a 500 c 600 rs. ; lencos de algo-
dflo e seda com franja, a 600 rs. ; crt s de
collcle de velludo, a 1,600 e 2,500 rs. ; cas-
sa-ebita, a 400 rs a vara ; garca de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda.a 5C0 rs.
o covado, e outras muilas fazendas por
barato prego : na ra do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de 01 i ve i ra M* ya Jnior.
Yelas de cores.
!4
Vende-se superior fio de al- dellesptimo
godSopara parosle velas: em J.'dTi ap^
Vendem-se, no armazem de molhados
airas do Corpo-Sanlo, n. 66, por prego rom-
modo, velas de cornalia, sendo azues,
cor de rosa eluslrosas, asquaes se lornam
Na fundigSo de ferro da ra do Rrum, lccommendaves pela sua superior qualida-
acaba-se de receberum cumple o sorUmen-; de e urarem Diajsflue as deespermacete,
tode taixas de 4 a 8 palmos de hocca as 5o hierem morrg0. p
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidflo embarcam-se,
ou carrepam-seem carros sem despezas ao
comprador.
AGENCIA
da fundiejio Low-rMoor,
BA DA SI.NZAI.T A-NOVA, T. 4*.
v Ncste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para cnpenbo; macbinas de
vapor, e taclias d ferro batido e
cojdo, de todos os tamanhos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Ssotos na lia'iia
Vemle-se em cesa de V. 0. Iiielier & C.
a ra da Cruz, n. 4, alt.-od.1o Irangado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
deassucar e roupa de escravos.
Cha brasileiro.
Vende-se cha biasileiro no armazem de
moldados, alias do Con n-Sanlo, n. 66, o
mais excederle cha prnilnzjdo em S.-Pau-
lo que lem vindo a eslo mercado, por
Prego muilo comn odo.
Moendas superiores.
Na fundigSo do C. Starr & Companha|,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canoa, todas de ferro, de um modelo e
conslrucg.lo muilo superior,
4os filmantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, ebegados
pelo ultimo vapor vindo do sol, superio-
res charutos S.-Flix, e do outras muilas
qualidades que se venderlo mais barato do
que em oulra qualquer paite : bem como
(iparrilhos hespanhrs ditos de palba de
millo, que se eslo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cenlo.
Corles de brim de cores
rom lifitrssao lado, a
1,280 rs.
Vcndem-se corles de brim de cores com
listrasao lado, a 1,2*0 rs. ; riscado de al-
godSo americano, pioprio jiara escravos, a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeia.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Sa utos.
>'a rtia da Cadeia, n. >2,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
/liarles de furla-crcs a
204* rs. o cov ro c ris-
cado monslro a 220 rs.
Vende-so zuarte de fnrta-cres muito
encorpado e com 4 palmo de largura, pro-
prio para escravos a.200 rs. o covado ; ris-
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem enligo da ra de Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estebelecido de-
baixo das mesmas condigOes, olferecendo
a deliciosa pinga do viuho da J/igueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, de vinho branco de Lis-
boa por220rs a garrafa, c 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Hordeaux por 160 rs.
carrafa levando o rasco. Nao se admirem
os fieguezes do haixo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o enligo pre-
go, embora este genero tenha subido o me-
Ihor de 30,000 rs. por pipa. Examinen) os
amantes a qualidado para reeonheeimento
da verdade e contintiagflo da enliga fregue-
zia. E para 1180 haver usuras, esiflo prome-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barris de diversos l-
mannos para provisfio do prximo Natal.
O proprielario conla com a concurrencia;
do contrario, tornar.lo es pregos do reta-
dlo a primitiva de 240e 280 rs. a garrafa.
Deposito de JPotassa.
Vende se milito nova polassBj
de boa qualidade, em bairiszinbot paracorreiamo;
pequeos de quafro arrobas, por
preco barato, como j ba muilo
tfmpo se nao vende : nc lccife,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
Anligo deposito de cal
virgeni.
Na ruado Trapiche, n. 17, ba
muilo superior col virgen) de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Farinha de mandioca.
com algum furo, a 3,000 rs. cada
urna : no caes da Alfandega, ar-
mazem de Francisco Dias Ferreira,
~ Umversalmente hoje he reconhecido
que na presenga de um par de oculos lixos
apropriadoseogro da vista do paciente,
lira inutilisado ludo quento os diversos au-
tores desde llippocrates al Itaspailhe teem
escripto em medicina, tendente a curar
vista curta ou cansada, e tanto isto he cer-
to que elle* mesmos usam delles, em con-
srquencia quem os quizer, at mesmo com
o antidoto das canelladas, trambolh'ae, ca-
hegadas o mais cataslrofos, dirija-se ra
larga do Rozario.n. 35, 'loja de miudezes.
--Vende-se um mulatinho de 16 annos,
bom bolieiro e copeiro ; 4 moleques de
elegantes figuras, sendo dous delles corta--]
dos na melade deseu valor; 2 pretas com
elgumas habilidades; 2 p re tos de 30 a 40
annos, sendo um delles bom-canneiro, e
vende-se por muito commodo prego pera
NquidagSo : no pateo da matriz de S.-An-
tonio, se dir que vende.
--Chegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e pnta
patente ingle/., para homem e senhora.
Novo sortimento de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. 6. ao p
do lampen''.
Vende-se cassa-chita muilo fina, de bo-
nitos padrOes, cores fizas e cum 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de quadros, muito
lina, a 260 rs. o covado ; riscadinho de lis-
tras delinho, a 240 rs. o covado; brim de
algodflo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varas e urna quarla ; cassa preta com
ramagem branc para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuarte de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monslro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padres e cores lixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodflo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
A 520 ris.
Vendem-se]cl.itas francezas, largas, mui-
to linas, lixas, muilo miudinhas, cor de
rosa e rouxas, pelo barato prego de 320 rs.
o covado : na ra do Crespo, n. 14, Iflja de
Jos Francisco Dias.
I\a ra do Passeio, n. >.
vendem-se chapeos de sol da marca mui-
to grande, proprios para senhores efeiiores
de engenho : estes chapeos sflo muito bem
construidos e muitos fortes.
Vndese panno azul
proprio para fardamento;
sola envernizada

Na ra do Crespo, ao p do arco de S.-
Antonio, loja de miudezes, de Joaauin
Na ra do Queimado, n. 14, loja de fer- llcnriques da Silva, sapalos de couro de
ragens, anda ha algumas saccas da boa lustro para senhora, a 2,000 rs sanates
farinha de mandioca, muito alvaebim tor-; de couro do lustro, a 6,000 rs ailos de
tle trigo de todas barricas; relroz do Porlo, prlmeira qua!i-| com co.rentede ouro ou sem ella : na
I Chfeos do Chile |
9> de superior qualidade. 9
^ Pelo ultimo vapor rereberam-se
9 mais cha 1 ns do Chilo de superior
* qualidade, que continan) a vender-
a se ( a pregos mais commodos do que
em'oulra qualquer parle) na ra do
t> Collcgio, n. 9.
cado monslro muito bom
Farinha de trigo.
Vende-se superior fr.nha de Irigo fran-
a 220 ra. o cova- cez8 je Provenga, chrgada ltimamente de
do .na ra do Crespo, loja da esquina que: |fl,seiba : em casa dej. J. Tasso Jnior
volta Dar, a cadeia. I ra do Amor.m, n. 35.
na
Para (juein (ver bom
Vendem-se saccas com lare-
gOSfO. i lo, pesando 9G libras, e ditas com
Vendem-se redes de cores muitn grnds feijSo rajadinlio e branco: ludo a
dr0es' .!..? 1,el!T0.r l{'| 5,oob rs.'a sacca : no caes da Al-
andega, armaiem doBacellar.
arados de ferro.
NafundigSoida Aurora, em S.-Amaro,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
Cal virgem.
Cunha & Amorim, na ra da Cadeia, n.
50, continan) a vender barris com cal de
Lisboa, da mais nova que ha no mercado,
I por isso mais barato do que em outra qual-
, <] ni-r parte.
Folha de la la o.
Vendc-sc folha de lalo de todas as gros-
suras, em porgilo e a relalho : na ra da
de.a, n. 56, loja de fc/ragens, de Antonio Cadeia, n. 56. loja de ferragens, de Antonio
Joaquim Vidal, /Joaquim Vidal.
tem apparecido ueste mercado: na rua'du
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
Vendem-se amarras ue >arro: na ra
da Senzella-Nova, n. 42.
Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, lis. 14 e 16, sites na esquina
da ra da Cadeia, defronte do Iheatro de
San-Francisco: a falla roo primeiro andar
ilos dilos, com Joaquim Teixeira l'eixolo.
Trem para cozinha.
Vendem-se panellas, cagarolas, chaleirfs'
e fregideiras torradas de porcellana; e lam-l
bem o mesmo sortimento do louga france-
za eslanhada, e um completo soi tmenlo de I
bules e eafeleiras de metal; na ra da Ca-
Para porcog.
Vendem-se saccas com feii3o ^
casa de Ged : Kenworthy & C. ,
na ra da Cruz, n. 1.
Ao bello madamismo
se ciTerere transparentes e iindiasimas cas-
sasda mais moderna exposigSo de Pars,
corles de 10 varas, pelo rasoavel preco de
7,000 rs. : na loja de Antonio Luii dos San-
los i C., na ra do Crespo, n. 11.
Polnssa ni ci na I.
Vende-se potassa nova da fabrica nacional
do itio-de-Janeiro ao haratissimo prego de
180 rs. a libra. Os senhores de engenho de-
ven) todos mandar comprar desta potassa
alioi de animar a fabrica que com tantos
seerificios se estabeleceu e foi a causa do
haixar a este prego : na prag do Com mer-
ejo, n. 6, primeiro andar, escriptoro de
Manoel Ignacio de liveira.
Na loja da rtia do Cres
po, 11.14, de los Fran-
cisco Dias,
vendem-se riscadinhos muito finos, rou-
xos. encarnados ecr de caf escuro, mui-
to lisos, pelo barato prego de 200 rs. o co-
vado; cassa-chilas francezas, muito fizas,
a 480 rs. a vara ; chitas largas francezas, a
360rs. o covado; brim de linho azul liu-
do para (aqueta, 440 ra. ; brim amarello
ciitrangado e de puro linho, 1.600 rs.;
meias para meninos, a 200 rs. ; ditas ham-
burguezas, muito cncorpadas, fazenda mui-
to superior, a 400 rs.; picote muito encor-
pado, fazenda de muita duragSo e propria
para escravos, pelo diminuto prego de 200
rs. o covado; cortes de brim de listras e
quadros, a 1,120 rs. o corle; dilos de qua-
dros e lisia ao lado, fazenda muito encor-
pada, pelo barato prego de 1,400 rs. o cor-
le; e outras muilas fazendas por barato
prego.
"Vende-se a loja de livros,
com todos os seus pertences, que
foi do bacbarel Bernardo Jos Vi-
eira Coutinbo, sita na esquina da
ra do C'ollegio : os pretendentes
dirijam-se ruado Vigario, 11. 7
primeiro andar.
OV9VVVfV7VvfVVf9Vo
<
l Atoalhado de linho. %
* Vende-se atoalhado de puro linho,
\> com 8 palo os de largura, a 3,500 rs. t
a vara ; dito com 9 palmos, a 4,000 ^
rs.; guardanapos finos de puro li- *
nho e adamascados, a 10,000 rs. a *
> duzia; um completo sortimento de "S
f> toalhasda mesma fazenda, de varios 2
'* tamanhos e de differentes pregos; ^1
t> na loja do sobrado amarello, nos ^
> qualro canlos da ra do Queima- jp
Jo, B. 29. _
QM***M*$
Vende-se, no fim da ra da Aurora, n.
4, umlurnode tambores com aguilhOes e
rodetes, por 320,000 rs,; ternos de carretas
solas, por 20,000 rs ; urna canoa de car-
reira, deums pao; urna dita grande do
1,200 lijlos, e que precisa de obra no
fundo.
Vendem-se ricas toalbas de
lavarinto : na ra da Cadeia do
llecife, n. 9,loja.
-Vende-se um cavallinho, proprio para
montara de menino : na ra da Aurora,
venda por baixo do sobrado prximo a ce-
pella dos Inglezes, se diri quem vende.
No sitio da Trempe, sobrado n. 1, que
tem venda por baixo, vendem-se ps de
parreira muscalel, a mais doce que ha. No
mesmo sitio precisa-se singar homens para
(rabalharem, e de pretas para venderem na
ra.
Dome barato.
Na ra do Queimado, vindo do Itozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se corlea de
cassa para vestidos, a 2,000 rs. ; ditos de
casimira elstica e de bons padrOes, a 4,500
rs. ; panno fino muilo bom, azul e cor de
azeilona, a 3,000 rs. ; longos de seda, a
mil rs. ; riscados francezes, a 160 rs. o co-
rado ; corles de caigas de brim pardo Iran-
gado de linho, a 800 rs. ; ditos de brim par-
do liso, a 800 rs o corte ; e oulras muilas
fazenilas por commodo r reg.
Vende-se superior caf modo em por-
gilo, para vendas, elambem a relalho; dito
de cevada; superior gegibirra ; farinha de
trigo: na ra de Moras, n. 52, venda pin-
tada de amarello.
Vende-se urna escrava, do 22 annos,'
boa cozinheira, lavadeira, engommadeira,
ptima para o arranjo de urna casa, e com
urna cria de 3 para 4 annos : na ruj da Ma-
dre-de-Deos, n. 36.
Vende-se genebra da llollanda em fras-
queras; ago'ardente de Franca; vinho
Claret em caixa de urna duzia ; charutos da
Babia : ludo muito baralo: na ra da Al-
fa ndega-Velha, n 5.
Para quem quer ser bem
servido.
Vendem-se 3 bonitos moleques de 17 a
18 annos-; umescravo de 30 annos, para lo-
do o servigo ; um dilo de meia idade, opti-
timo para tratare feilorisarum litio; urna
escrava de nagflo, insigne cozinheira e en-
gommadeira ; urna dita para todo o servi-
go ; urna dita do meia idade, por 150,000
rs.; a parte de um sobrado na principal
ra do liairro do S.-Antonio : todos estes
escravos se vendem por prego mais em con-
la do que em oulra qualquer parte, e com a
particularidade de se afisngaras suas ven-
das e boas qualidades: na ra de Agoas-
Verdrs, n. 46, se dir quem vende.
Vendem-se pies de ledra pare filtrar
agoa, muito uleis para agoa do encanamen-
lu : na ra da Piaia, serrara do Cardeal.
Gaz hvdrogeneo liquido:
vende-se na deslilagfio da travessa da Con-
cordia, aondo osan.adores o acharflo sem-
pre e sem interruigSo, em quanlidade suf-
liciente e de boa qualidade.
Vendem-se 6 lindos moleques de 10 a
phos-
cnbre
para caldeirciro e para forro ;
couro de lustro
phoros de Ilamburgo
cui caixas forradas de zinco ; um sortimen-
to completo de copos, clices, garrafas, etc.
do vidro e do cryslal: na ra da Alfandega-
Velha, n. 5.
Calcado franeczinteira-
mente novo.
sapateiro; 1 mulatinho do
imo para pagom ; doaa par-
20 annos, com habilidades ;
urna dita de 20 annos, com dous lilhos.
urna de 5 aunse outrode 1 anuo; 6 pre-
tas de 12 a SO unos, com habilidades, e
que sao proprias para (odo o servigo: na
ra do Collegio, 11. 3.
~ Vendem-se chaleiras, fregideiras, "pa-
nellase (acarlas de forro forradas de por-
cellana ; bules e eafeleiras de metal : na
ra Nova, n. 16, luja de ferragens, de Jos
Luiz Pereira.
Vende-se um violo de Jacaranda: na
ra Nove, n. 16.
Vende-se urna casa terrea mei'agoa.
de pedra* cal, bam construida, no lugar
do Ciiclho, ra do Jasmim, com quintal, 3
janellas de frente, e'com caminos, por pre-
co commodo : na ra do Collegio, n. 16,
segundo andar.
Vendem-se pegas de algodSozinho corn
20 jardas e com toque de ararla, a 640,
1,280 e 1,760 rs. e liinpo a sete patacas;
pegas de chitas de bons pannos, a 4,500 rs. ;
o diccionario de Moraes da quera edigfio,
quati novo, por 80,000 rs. ; 1 tole de Totear
formigas : no pateo do Carino, 11. 18, pri-
meiro andar.
Vendem-se 8 escravas; urna dita de
muito boa figura, que cose, engomma e co-
zinha, ludo bem feito ,- um escravo mogo,
bom ofilcial de pedreiro ; um dito hom co-
zinbeiro do diario de urna casa; um dito
bom ollieiol de sapaleiro de corlar e fazer
toda obra ; um dilo de meia idade, por
150,090 rs., ptimo para trabalhar e botar
sentido a om sitio, ou servir a urna casa ;
dous moleques, um de 12 annos, e o outro
de 16 ; urna preta para quilandeira, por
prego commodo: todos estes escravos si
dSo muito em conla : na ra do Collegio,
n. 21. primeiro andar, se diri quem vende.
Vende-se um bom carailo com lodos os
andares de redea sola, muito manso e man-
leudo, por prego commodo : na ra do Col-
legio, n. 16, taberna.
Pechineha igual nao ha.
Na ra do Qneimado. vindo do Itozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se ricos corles
de setim preto lavrado para vestidos, eom
12covadoae meio e mais de 4 palmos de
largura, pelo haratissimo prego de 15,000
rs. : esta fazenda loma-so recommendavel
por estermos prximos da ,|i-aresma.
Novos riscados escoce-
zes, a oilo patacas o corte.
Vendem-se modernos riscados escocezes,
de quadros e com qualro palmos de largu-
ra, a melhor fazenda para vestidos, tanto
pela variedade de pariroes como por seren
de cores lixas, a 2,560 rs. o corte : na ra
do Queimado, n. 8, loja defronte da botica.
Vcndem-se 3 lindos mulalinhos de 14 a
l" annos ; 3 escravos carreiros, de 20 a 24
annos ; 4 ditos Dar todo o servigo ; 4 mo-
lecotesde 10 a 16 annos; Snegrinhas com
principios de cozinha, e que tambe.n en-
gommam ; urna linda mulatinha recolhi-
da, boa engommadeira, e que tamben) co-
se : na ra liireila, n. 3.
Vendem-se duas escravas, urna do-
cetra e outra de menor idade : na ra da
Senzalla-Velha, n 14..
Vende-se urna egulha de marear, fei-
ta (oda de melal : na ra da Cruz, n. 64.
r landres de superior qualidade, em porgilo
e a relalho: na ra da Cadeia, n. 56, loja
de feragens, de Antonio Joaqum Vidal.
Bracos para balanca do
autor Iftomfio&C.
Vi ndem-se os excellenles bragos para ba-
langa, do mcihor aulor Itom.lo, j hem co-
nhecidos pela sua boa qualidade : na ra
da Cadeia, n. 56, loja de rerracens, do An-
tonio Joaquim Vidal.
Vemle-se um sitio na entra-
da da estrada nova, na Macdale-
* _____11__.
attscrfevos Fiipioos
na, com excedente casa terrea,
com muito bons commodos, eal
bem plantado, e que offerece to-
das as vantagens para quem tiver
bom gosto : negocia-se em conta :
quem o pretender, dirija-se ra
do Crespo, n. 9, que se Ibe daiSo
os info/macoes.
-- Vende-se urna porgo de madeirs, pro-
pria paraenchimcnlo do casas de taipa n
quai foi lirada para este fim, o existe jun-
io ao embarque, no fim do Becco-Largo no
llecife, ondetoi tanque d'agoa.
Na rua Nova, n. 10, ven-
dcm*c encerados novos,
muitobons.de todas as larguras o de bo-
nitos padiOrs, por prego muito commodo.
-Vende-se urna escrava de nagfio, moga,
propria para todo o servigo; urna cabra
que cozinha o diario de urna casa, engom-
ma solTrivel, o he boa ensaboadeira : de-
fronle da ribeira do peixe, n. 3.
Vende-se um lerno de medidas de pao
para sneco, e gigos com balates ltimamen-
te chegadas, a 1,280 rs. o gigo : a fallar
com Carvalliol'orlo.
Fugiram, do engenho Mallo-Grosso,
comarca do Cabo, na noite do primeiro do
corrente dous escravos : liento, pardo, bs-
tente claro, baixo, feigOes regulares, pouca
barba, cabellos castanhos, denles limados,
pernea grossss e um tanlo arqueadas ; leve
bnxigas ha pouco lempo, por isso est com
a cara marcada ; tem aparencias de mari-
lieiro e quer passar por forro ; nflo he a
primeira vez quefoge ; foi preso no anno
prximo passado no Brejo-da-Areia ; levou
camisa de algodSo, ceroulas e chapeo de
palha; representa ler do 24 a 95 annos;
Joo, preto,de nagflo Cabinda reprsenla
25 annos, ladino, beigudo, barbado, corpo
e tamanbo regulares; tem parte da cahega
pellada ; esl um tanlo emarellado ; Wram
juntos : quem os pegar leve-os ao dilo en-
genho, ou no Hrrife, casa de Jos Theodo-
rode Sena, que se recompensado.
-- Fugio no dia 10 do frrente pelas 6 ho-
ras da tarde um molequinho, de nomo l.ud-
gerio, de 12annos de idade, bem preto,
olhos grandes, lem em um p um dedo,
Jue levanta por cima doontro, levou vesti-
o carniza de riscado e caigas de brim liro:
quem o pegar leve-o na rua da Cadeia do
llecife. n. 51, que ser recompensado.
- Fugio, no da 14, la 7 horas e meia da
noite, urna preta crioula, de 20 annos ; le-
vou um vestido de chila azul, camiaa deal-
godfio fino e pao da Costa ; tem na mflo di-
re i ta urna ferida no dedo proveniente de
lima espetada que deu com um garfu, una
Fqueimadura no biago direito, e urna marca
de ferro no tornozelo do p direito : quem
a pegar lave-a rua Nova, n. 33, que ser
bem recompensado.
Fugio, no da 31 de dezembro prximo
passado, um escravo pardo claro, de 55 an-
nos, de boa altura, grosso, espadando, ca-
bega calva e pintando de branco, falla fina,
anda meio carcunda ; foi escravo de Jos
da Rocha de Carvalho, morador ni fregue-
zia'de Tigicupapo, onde o dito escravo
nesceu e tem prenles ; quando foge res-
uma ir para o dilo lugar ; ha noticia que
elle tem andado vendando palitos 4o fogo :
quem o pegar leve-o ao paleo do Carino,
venda n. 1, ou ao sitio Lamcirflo, ao p do
engenho Cordeiro
Anda contina a eslar fgido o pardf-
nho de nome Francisco que desappareceu
no su libado, 12 do corrente, ten lo vindo ao
lenlo entregar Icite, como se lem annun-
ciado por esta folhe, apparecendo o c.ival-
luem l-'ra-dc-l'orlas; consta que o mu-
latinho andar na cnla la de Olinda, no do-
mingo, por isso he de suppdrque ande por
l, ou que esteja occullo em alguma casa,
o qual lem ossignaes soguintes : de 12 an-
uos, cabellos grandes e bem sollos, cor al-
guma cousa descorada, vesgo de um ollio,
falla lina ; levou chapeo de palha, camisa
de ciiiia azul, caigas de algodflo Irangado
tambe azul: quem o pegar leve-o rua
Direila, vende n- 61, ou nos Remedios, si-
tio que foi do fallecido Joflo de narros, que
se recompensar.
18 annos; 8 pelos de20 a 25 annos, sende( Finn. : ni typ. de h t lis mu. 1650


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJ4MU7Q15_3X61T5 INGEST_TIME 2013-04-24T15:51:40Z PACKAGE AA00011611_06762
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES