Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06758


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXVI.
Segunda-reir 14
pinnoAi dos connr toe.
Goiannac Parahlba, segunda escita felrai.
llio-Grande-do-Norle, quintal foi ras aoincio-
dia.
Cabo, Serlnharm, Rio-Formoa, Porto-Calvo
e Macelo, no l., a II, e2l de cada mez.
Garanbuns e Bonito, ase '23.
Hoa-VUU c Floj-e, a 13 c 28.
Victoria, s quintal feira.
Olinda, todos os dias.
PlUIE* DA IA.
e&idxs.
Ming. a 6, s 6 b. c 18 m. da m.
Nova a 13, s Q h. da maiiha.
C-esc. a 21,4 7 h. e 2 ni. da m.
Cheia a 27, s 10 h.e30m.dat.
rnctMAH SE BOJE.
Primelra ai 6 horAs e 6 minutos da tarde.
Segunda ai G boras c 30 minutos da manbaa.
(fe Janeiro de !8i>0.
N. II
PHECOS DA 9UB9CB.!PgAo.:
Por tres mci.es adiantadoi) 4/000
Porselsn1e7.es 8/000
Por un anuo
das da semana.
M Sec\.SL.Fclje,_Aud...dQ.J...(|ri.s orf. c m. 1. v.
If) Tere. B. Amaro. And. da rhanc.do J. da 1. v.
do civ. e. do dos folios da fazonda.
Ili Quart. S. herardo Aud. do J. da 2. v. do civcl.
17 Quint. S. Anlo. Aud. dj J. doi orf. e do m. da
l.v.
18 Sext. S. Prisca Aud. do J. da I. v. do civ. e da
dos folios da faieoda.
19 Sab. S. Canuto, Aud. da Chae, c do J. da 2. v.
do rrime.
15>000|20 1)0ln Q anll,silll j011. ,,,, Jcsll,
CTa CAMBIOS KM 12 DE JANEIRO.
Sobre Londres, 27'/, d. por l/UOO ti. a 60 dias.
- Pars, 3I.
Lisboa, 100 pdreento.
Ouro.-Oncai liespanhops......... 2i>#>00 a 29/500
Mocdasdefi/IOOvcllias.. IlipjOU a 17/I0O
de C00 novas .. lti/200 a HiJlOO
. do 4/1)00.......... 9/S00 a 9/40(1
/rata.-Palae.ocs brasileiros...... I/MI a 1/V80
Pesos oolomnarfoi....... j/'.vi a l/7o
Ditos meslcanoi.......... 1/850 a l|870
iii lliISSWIMIII lian il II IIIii i I 11 llr_Hllimi
PARTE 0FFIC1AL.
Coi limando da praca.
Quarttl d commanio da praca naeidade do
de
fecift
Pernambuco, 11 de Janeiro de
1850.
OUDEM DO DA N. 2.
O'llln. .Sr. commandsnlo da praca man-
da fazer publico pera conbooimento da
licirnicSn <| lem nmeado os Srs. olli-
ciaes abaixo declarados, para servil em no
< roncelho de g tierra a que tem de respon-
der o artfices de fago Antonio Jos da Silva,
t>eIo crime congi'anto do concelho do in-
vostigaeflo:
l'r.'idetiie, o Sr. najor Sergio Tertuliano
Csslelhranco.
Avdictor, o Sr. Dr. audictor do guerra
Manoel Jos da Silva Neiva.
Vogaet, os Srs. primeiro-lonento Joffo E-
vagelista Ncry da Fonceca, aJferes l.iandro
Jos Cavalcanle, dito JoSoGuillierme Ma-
ris t, dito Joaquim Jos de Magalhfles, e
dito Jos Procopio Tavares.
Assignniio.Alexandre Augusto da Friai
Villar, i fe res ajudantc de ordens.
Quariel-general d conmando da praca na
cidade do Red fe, i 2 de Janeiro de 1850.
0R0EM DO DA N. 3.
O Ulm. Sr. coronel coromandanle da pr.-i -
$a manda declarar para conhecimenlo da
guarnirlo que havendo so apresentado co-
mo prompto da liconca que obteve para
tratar de sun sade o Sr. a I fe res da segunda
classedoestado-maorajudanteda fortaleza
do lirom passe a oiercer as funcefis do seu
emprego; continan Jo ali n servicocomo
pertencente a guarnic.no da mesma forta-
leza, por assim o haver reiuisitado o Sr.
tenente-coronel cnmmandante.o Sr. alfares
tambem ds segunda classe do estado-ma-
or Joao do Amorim Bezerra.
Assignado.Alcxandrc Augus/o de Fras
Villar, alfares ajudanle de ordens.
TRIBUNAL DA RELACAO'.
i
8ESSO DE l DE JANEIRO DE 1850.
MMIDKNCIA DO EXM. SENHOB
COfCBLHEIRO AZEVEDO.
A's dei horas da manbaa, achando-se pre-
sentes o Sr. desembargados Itaino, l.eo.
Souza, Rcbello, Luna Freir e Telloi, l'r.l tnndo
coni cauta o Srs. desembargadores l'once.
Villares e bastos, o Sr. presidente der-.larou
abena aseisao.
JULOtHSNTOt.
Aggravoi di ptticfiti.
Aggravante, Manoel Lucas do Santos e Oll-
veira ; oggravado, Manoel Ferrelra da Silva
Ramos.Negou-e provlmento.
Aggravante, Policiano Lourenco da Silva ; ag-
gravado, Domingos Pires Ferrelra.Deu-ie
provluiento.
Apfellaco crime.
Appcllaiito, LuizRoberto Laurentlno do F.pt-
rito-Santo appellado, o julzo.Julgou-se
improcedente.
Recurtoi crimit.
Recrreme, o juio ; recorrido, Joao Gomes
Pesioa.Julgou.ie Improcedente.
Recrreme, o juio ; recorrido, Ar Ionio do
Barros Lclnla.Julgou-se Improcedente.
jippellaco eivel.
Appellaote, Nuno. Mara de Srixas; appclla-
dos, o credores dcceiidentcs do mesmo.
Fui confirmada.
IEVISOE.
Paisaram da Sr. deseiiibargador Leao ao Sr.
desembargador Soma as appella^ocs civeia em
que sito :
Appollantc, Joaquim Antonio do Fdrno ; ap-
pellado, Jos da Costa Guinarae*.
A;:;:'!!'!!'.". Antonio Rermauo das Nev : ap-
pellados, Me. Calmont ft C.
Passaram do Sr. desembargador Rebollo ao
Sr. desembargador Luna Freir ai appellacOc
civeis em que sao :
maceuticos, droguista;, parteiras, sangra-
dores, e donlislas, que cumpriram com o
preceito do artigo 20 do titulo segundo das
posturas municipaes.
Medico.
Dontores Jos Eustaquio Comes, Simpli-
cio Antonio Mavignir, Pedro Dornellas Pes-
soa, JoUo Jos Pinto, Joaquim da Aquino
Fonceca, Joflo Ferreira da Silva, Ignacio
Nery da Fonceca, Jos Joaquim de Moraes
Sarment, Alejandre Pereira do Carmn,
Cosme de S Pereira, R. Arl.uckli, Manoel
Duarle de Farins, Antonio Gomes Tavares,
Gaelano Xavier Pereira de Brito, Francisco
Goncalves de Moraes, JoHo Jos Innocencio
l'ogge Jnior.
CirurgiOea.
Joiln Francisco de Oliveira, Miguel Feu-
do da Silva, Manoel Pereira Tcixeira, Jos
Francisco Pinto Guimaries, Francisco Jos
Rodrigues, Francisco Jos da Silva, Francis-
co Jos Cyrillo Leal, Joaquim Jos Alves de
Albuqueique, An li Peroira da Almeida,
Jos Afllui.io Marques.
Pharmaceulico.
Jos Luiz Innocencio Pogge, Jos lligino
de Souza Poi.se, Ignacio Jos de Cont,
Ignacio Nery da Fonceca, Antonio Pedro
das Nevesi C.ypriano l.uiz da Paz, Joj
Alexanilre Ribeiro, Paulo l.citito l.ourei-
ro de Alhuquerquc, Jos Maria Goncalves
llamos, loaquim Jos Pinto Cuimar.les,
Manoel Luiz lo Abren, Jo3o Cancio Pe-
reira Freir, Manoel Antonio Tone*, Ma-
noel Filippe da Fonceca Candi, Joflo Mo-
reira Marques, Jos Maria Freir Gametro-,
Sobas'.iilri de Jos de Oliveira Macedo, l.uiz
Pedro, das Neves, Francisco Antonio das
Cha gas, Jos da Rocha Paranhos, Manoel
Itoiuflo de Cnrvalho,.Joflo Baptista dosC.ui-
ma.riles Peixolo, Antonio Jos Teixeira Cas-
tro, Viconto Jos de Brito, Joito Soum,
Veitcli Bravo & C, Antonio Joaquim Dias
Medronba, Manoel Peixoto da Silva Jnior,
Joaqu'm Jos Moreira, Joaquim Mariinho
da Cruz Correia, Braulio Rodrigues Tei-
xeira.
I'arleirai.
Ilrcula Msrtinha das Virgens, Thereza Ma-
ria de Jezus, Jeronima Tboreza de Jezus,
Celrudes Rodrigues Collaco.
Sangradores e dentistas.
Joaquim Antonio Carneiro de Souza Aze-
vedo, Franazio Pinto Ozorio.
Paco da cmara municipal do Recife, om
12 de Janeiro do 1850.--Conforme.--O se-
cretario interino, llaneel Ferreira Xcciole.
DIARIO DR PIRIUBDCO.
IECIFE, 13 DE JANEIRO DI 1850
Em o Diario n. 288 de 24 de dezembro ulti-
mo, procuramos nos desvanecer a impressao
3ue om grande parte dos habitantes desta ci-
ado haviam folio cortos boatos que davam
como drslnvolvida aqu a poste que, condeci-
r na Hahia por pnlkn, conttituinli-, ou california,
tinlia salteado all mulla gente : agora que
ossos boato tcem continuado a correr, oceu-
par-nos-hemos aluda de semelliante objoclo,
e no felicitaremos do nosso trabalhn, so, con-
cluido elle, tivermos conseguido tranquillizir
os nimos.
C'omecaremo porassegurar aos leitoros que
nao tivoram a febre por causa os dous falleci-
monto que de actc-lionteiii para c tooni ser-
vido de tiloma s convera(doa dos que, por
malignidade, ou porinqualicavcl simpllcida-
de, ah e esfor^am por fazer crerque ella rei-
na entre nos co'm o inesmo carcter que na-
quoll.1 provincia : estamos informados que um
deases fallecimentos foi consoquencia de eri-
sipela, e o nutro proreio de nina apoplcxia.
He verdade que, lia alguns dias, toem appa-
recldo tiesta capital vario casos de febre ;
nina n< aeu svniptnmna nao sao laes que justi-
fiquen) os receiol dos timoratos, nem os boatos
que nos referimo em principio ; ao contra-
rio, indlcam que ella lie da naturoza da que
nos visitn em Un de 14-18 e principios de
1849. e sobretudo em lins de 1817 e principios
alarma ; sabemlo-se qu semprc as epide-
mias o susto d intensidade fao mal.
O concelho, recorrendo ao passado, nel-
le encontra a historia de febres quo tcem
reinado epidmicamente nesta provincia,
sendo bem nntavel a intensidade que muitas fram as victimas
votadas morte; ma*, nao se lendo (lado a
coincidencia do haverem-se dcsinvolvi lo
epidmicamente em outra provincia febres
semolhantes con carcter pernicioso, a po-
pulacho pouco se assustavn. Isto, porm, n
gora se Ja : a populacflo, j despertada pe-
las noticias do cholera-morbiis, que te.-n
reinado na F.uropa, eslava predisposti para
receber impressO'.'S tristes assusladoras ;
eos propal?dores do ms novas se tcem en-
carregadu Je espalhar o terror. Quasi sem-
pre por esta estatu as felires bilioso-gas-
tricas fazem estragos, porquo enlflo lulo
concorro para dar-lhes desinvolvirnento e
i''r.'i estas tomam maior intensidade om
eertos annos ; mas, so se deve crer em al-
gumas informarOes que teem vindo da lia-
hia, falta aqui um elemento que dicen ler
sido causa do pparecimento e inlonsidade
da epidemia, que lavra por aquelle provin-
cia; isto he, o impoitacflo ni grande esca-
la de Africanos, chegniulo alguns j ncom-
metlidos por febres, quo sao endmicas as
costas d'Africa.
O concelho, sompre solicito peia silu-
bridadeda provincia, drsJe quo chegou a
noticia da epidemia da liihia, nfio se tem
descuidado um s instante dn que pode op-
pr-seao dcsinvolvi ment do nial, sun pro-
nagaofioe intoujidade, se infelizmente nilo
fr pussivel evila-lo. A cmara municipal
Ihe promelle Mil ooadjuvago em ludo que
para isto possa concorrer, executando as
meJidas que Ihe teem sido lumbradas, e o
F.xm. Sr. presidente <1 provincia n3o dei-
xar do prestar lodos os meios necessarios ;
mas isto nflo he ludo : convem que os fa-
cullalivos dcsti cidade coadjuve.m tambem
scus esforgos, c por isto o concolho Ibes ro-
ga que l'ieaui chegara seu conhecimenlo
todas as obssrvsgAos que colherem, lem-
brando-lhe meios que possam lite ler esca-
pado.
Sala do concelho em sess3o extraordi-
naria, 12 de Janeiro de 1853.
Dr. Joaquim de Aquino fonceca, presi-
dente.
Sito palavras do ehefe de urna corporaefo
medica, oqual falla em nome de tola elli
esta cidade, fC3ndo cada um incumbido ds
urna das freguezias.
i< 3, Cada urna' destas oommissfios nro-
por s autoridades policiacs as medulas
que julgarem ronvenicnics para mclliora-
rem o eslado sanitrio da cidade.
4 Que naja todas as segutblas-foiras
urna sessfio extraordinaria para se conror-
darem qnesquer mitras molida*, e olite-
rem-se as parliripaco.is das cnmmisses.
o5. Qiies>! ofliciei cunara municipal c no
ehefe de polica pedindo-lhss qun pelos
scus agentdl haiam do prestar scontmis-
s5?s todo o auxilio para o bom desempenho
do suas furreces.
6 Quo se faca publicar pela imprensa
os meios, que toda a populacflo llovera em-
pregar pira evitar n mal; c, no caso dove-
rilcar-se o seu dcfinvolvimculo, os meios
do que dever servir-se.
7. Quo as commUsOes tcnhnm em vista a
impe/a c asscn) d is ras, praias, qui ntaes,
cmesmo certas casas; o e\ iininein osuli-
mentos, hebi las, ole.
i Sala do concelho en sessio ox'raordi-
naria, 12 de Janeiro de 18J0.
u l)r. Jnai) Ferreira dn S/ra, medico do
municipio.
Concluindo diremos que o concolbo de s.i-
liibridado, aliu de haver conseguido das au-
toridades policiacs o fizerom voltar pronipia-
moiito para bordo do navios aquellos indivi-
duos que, toiidoabi adoocida, baviani sido rece-
bidos em diversas riifeiinarias particulares,
requisiloii ooblovo doSr ebefe de polica a de-
llgoaela de um lugar Dir da cidad_cj(;ira se-
pultura dos lino f.illecer<'in nos meamos iii-
vlos, bem como a expediciio das convenientes
ordns alim de que estos nao coininuniqucm
com a tena seuipie que conliverem rnfeianos
de febre.
Obscquiaram-iins com quatro cxcinplarrs do
Diario do tlo-de-Janelro, tlatadoa a 18, 19, 20 e
?l de de/.oinbro ultimo.
Nrlles vimos registrados o Irabalhoi da c-
mara temporaria desde 17 at 20 desie mez,
dos quacs consta que fram declarados depu-
t.tilos
Por Alagoas os Srs :coronel Antonio Nuiles
de Agular, Dr. Francisco Joaquim Gomos l\i-
beiro, Dr. Manoel Joai|Um de Mendonca Cas
tollo Uranco, Dr. Francisco Ignacio de Cam-
ino Moreira e o reverendo couego Alfonso de
Alliuquerquc e Mello.
Por Kspirito-Santo, o Sr. Dr. Luiz Pedreira
de Cont Ferrai.
Pelo Itlo-Grande do sul os Srs.:Pedro Ito-
drgurs Fcrnandea Chavos. Joao Evangelista
Por Santa-Catliariiia, anullida a rlcican da
fioguo/ia de Nossn-Senliora do-Desterro, o Sr.
Joaquim Augusto do l.ivrainonto.
A 15, o instituto histrico e geograpblco
brasileiro inaugurara a sala nova que Stia Ma-
- ,-......, ,.*, -w.w... uv. um, ; nrasileiro inaugurara a sala nova que Ma Ma-
ra que se desvanece o susto de que gestado o Imperador mandara preparar no pa-
pessoas se teem deixalo possuir,' f n da cidade para as sossoes daquella associa-
recc haver-se tomado mais intensii cao. lis o quo di/, acerca desta ceremonia o
sobre materia do sua prolssfln; e falla de-1 de "Negrelro SaySo Lobato, Jos'' Martina da
pois de haver observado os fjelos, depoislCruz Jobim, Luiz Alvos Leite de Oliveira Bel-
d ter combinado as suas observaQes com .' Joaquim Jos di Criz Secco
as dos collegas, depois de as ter disculido
com a calma e attenefloque devem de pro-
sidir aos trabullios de urna repartiefloscien-
tilica i essas palavras, pois, devem de con-
correr pa
algumas
e que parece naver-so tornauo man intenso cao. lis o q
depois que so soube que a borlo de eertos] Diario que Oca citado :
navios estrangeiros surtos no porto a febre Nfloera smenln a l.enignidadc inporial
tem sido ojieiios benigna que em torra, o nd: que llnham os socios do instillo de agra-
prazodeoito diasceifra algumas vidas; decer naquella occosiflo. S. U. o Imperador,
tanto mais quanto he certoque, sendo ac-; saliendo da inaugurarlo da sala, dignou-se
nhado o mesmo porto, e estando em con-] honrar a sessflo con sua preseoca 0 anda
tacto quasi immedinto com tacs navios 35 mais, para mostrar que a magostado nflo
embarcares nacionaes e 6 porluguezas, o est fra do seu lugar quando so assenta
mal se nflo commiinicnu a nenhuma del las,: entre os sabios o os homens de esludo, hon-
e quando podemos assegurar que, em vir-jrou esta mcmoravel sessfio enmasuapre-
tude de representac.flo doSr. presidente dolsidencia. Era espectculo minio para vr-
Concelbo goral de salubridade publica, es-]se: o Imperador, sentado cahecoira da
tflo dadas as precisas providencias para quo mesa, communicando com os socios do os-
os mencionados navios se ponham ao largo.
Appellante, Joaquim VlelraC^ Sr C8deme-
Hygino.de WUajMta ;_PPelld.,i"_'"j'''-|concelho ger.l de salubridade publica no do-
traco do rstabcleciincnio de caridade desta
cidade. ...
Appollanles e appelladoi Jos Joaquim Bcier-
ra Cavalcantc e liento Jos da Costa.
DismraucE.
Ao Sr. desembargador Luna Freir a appel-
lacao civcl ruque 3o:
niinenio que inserimos em seguida :
Tendo-se espalhado pila popularlo noti-
cias assusladoras acerca da febre que se
tem desinvolvido ltimamente, e que al-
guns pretendem que aprsenla um cortejo
do syn plomas semelhante ao da epide-
mia que reina na Babia, o concelho ge-
Appcllantc, o julzo c Manoel Joaquim Soa- ral do salubridade publica julga dever de-
rc ; appellado, Lalliam & liibci t.
O recurso crime em que sao :
II eeorrriuo, o julio ; recorrido, Henrique J-
le Cavalcante,
Ao Sr. desembargador Telles a appcllaco
civcl cm que ao :
Appollantc, Anselmo Goncalves Pereira ; ap-
pellado, Joaquim Carocho Leal.
Ao Sr. deiembaigador Ramo: o recurso cri-
me ciuquesSo :
Recorrenle, o bacliarel l.uiz Paulino Caval-
cante Vello de Guivara e outros ; recorri-
da, a justica.
1 Ao Sr. deicmbargador Rcbello a appcllacao
etime do Po-d'Alho em que ao :
Appellanl, Ponciauo Jos da Luz appellado,
o iuiz de direilo.
. l.evauoii-sc a essao niela hora depois de
mcio-dia. .
N. B. fioo bouve mai julgamentos por ha-
ver faltado a sesso os >rs. descinbargadorc
llaslose Villares.
PERNAMBUCO
CMARA MUNICIPAL D RECIFE.
Rely3o dos mdicos, ciiurglOe, phar-
clarar que Ihe parece imprudente que noti-
cias tacs se profaguem, sem quo baja
ii,huro conhecimenlo dos casos observa-
dos ; tanto mais que daquella provincia an-
da nfio veio urna descripQflo medica mi-
nuciosa da dita febre. Desde alguns dias,
he verdade, teem appareciilo diversos casos
de febre da nalureza daqnella que foi ob-
servada em ins de 1818 <* principio dn 49,
e sobre ludo em (ins de 1847 o principio de
48; alguns desses casos so teem revestido
de symptomas mais graves, predominando
a cephalalgis, delirio e sensihilidade nnta-
vel naregio epigstrica, mas at boje
niuitos dos individuos accommeltidos so
vilo restabelecendo. O concelho nflo du-
vda que o carcter pernicioso do mal, dt-
vido por certn a circunstancias particula-
res, como a falta do recursos, o uso de
comidas indigestas e de m qualidade, pou-
co cuidado no tratamenlo desde o seu des-
involvirnento, etc., concorra' para que os
esforcos mdicos se tornem inelicazes ; mas
nflo Ihe parece isto razflo para'que se dedu-
za imprudentemente quo essos casos sflo
da febre epidmica da Baha, o anda me-
nos, quando mesmo houvesae fundamen-
to, para quo se derrame pela populacflo o
Heais, sempre solicito pelo hem-estar
da populacflo pernamhucana, o l.\ui Sr.
concelheiro de estado e presidente da pro-
vincia trata de establecer um tatareto na
lilia do Nogueira, para onde devem ser
transportados os que, atacados de febre,
demandarem este porto; e, concilladas as-
sim a luz da .ospitalidade com as quo nos
impem o dever de conservar a propria
existencia, poderemos berasar lodosos
soccorros a esses infelizes, sem o risco de
expormos a capital aos estragos da mesma
febre.
A ilha do Nogueira tem as necessarias
propones para um bom lazareto o, logo
que se elle tenha ah estabelecido, (o que
suppumos se verificar dentro em punen.
passarflo para l os enfermos que anda
restarem nesses navios de que tratamos
mais cima ; removendo-se dest'arte a cau-
sa nica que, ao nosso ver, justificara al
cerlo ponto os recejos dos timoratos.
Esta providencia, que, por si s, lio de
grande alcance, e demonstra que o governo
da provincia oceupa-se seriamente da sorte
dos seus habitantes, tem de sercoadjuva-
da pelas seguidles me lulas propostas pelo
Sr. medico do municipio ao concelho geral
do salubridade publica, e adoptadas por
osle em sessflo extraordinaria de 12 do cor-
rento:
Devendo o concelho geral do salubrida-
de publica procurar por lodos os meios
seu alcanco prevenir o dcsinvolvimonto da
febre maligna, que actualmente reina no
sul desto imperio, e que parece querer
acommetter esta provincia,pruponho asse-
guinles medidas, que, se nflo poderem ve-
dar a gcneralisaciio do mal, torflo todava
por iim calmar o animo da populacflo, que
se acha bastante assuslada :
1. Que o concelho se dirija a todos os fa-
cultativos destu cidade, rogando-llies que
so dignem de rcmetler-llie as observarles
dos Ocenles que forem tratando tendo os
symptouias das febres graves que iipprc-
ceram na Babia, fazendo acerca dolas as
rcflcxOes quo julgarem utis.
2." Quo cada um dos membros do con-
celho so encurregue da commissflo de cui-
dar nos meios sumanos que necessitar
titulo como um delles, clieio de affabilida-
de, palrnlcan lo seu amor s sciencias,
sobretudo dando a seus subditos a pro va do
ajfreco em que ten o mereciineiilo e os tra-
balhos titeis.
O F.xm. Sr. Candido Jos do Aran jo Vi-
annu, digno presidente da associacSo, in-
terpreto dos senlmentos que dominavam o
espirito de cada um dos mcmbios presentes
do instituto, dirigi a S. M. I. o seguinte
discurso:
Senlior.0 instituto histrico e geogra-
phico brasileiro, em acto solemne o no dia
o mais fausto aos Brasileiros, deu j, pelo
orgSo do seu orador vico-presidente, pu-
blico testemunho do profundo reennheci-
menlo pela merc que s a impulsos da
imperial munificencia, o do mor das let-
tras, aprotivo a V. si. I. fazer-lhe, designan
do no paco imperial c mandando entregar-
Ihe prompta e convt-nicnlcmcnte nlfaiada
esta sala para as suas sessO'S ordinarias o
para a bibliotheca o archivo. Agora, se-
nlior, o instituto, honrado com a presenta
augusta do V. M. I., que para cumulo do fa-
vores, se digna de assistir esta primeiru
sessfln aqui celebrada, ren le por tflo pon-
deroso motivo novas gracia a V. M. I.
Muitos sflo os beneficios que da libe-
ral mfo do V. M. I. tem re cbi lo o insti-
tuto ; e todos do subido quilate; mas o que
V. M. I acabado outorgar he, no mcucon-
ci'ilo, de um alcance extensissiino a pro!
dos esludos histricos o gcngrapliieos, o a
prol la I vez dos de lo tn a I litera tQTl lirasi-
eir, que o instituto poJer nbrangur un
dia, alargando no futuro o circulo de suas
investigaces.
* Em verdade, senhor, esta romo filia-
CSo que V. M. I. faz do instillo em sua
imperial casa, a honra, cuja repetiefio elle
rrspeitosamento supplica, de ver testeniu-
nliado em sessfio ordinaria e de perlo apre-
ciado por V, M. I. o procedimento dos asso-
ciados no desempenho dos deveres a que se
ligaram, nflo pdem ser alavanca poderosa,
qued movimeuto extraordinario patrio-
liea empreza
mos
empreza f que nos comprometto-
Eu assim o espero ; os membros do ins-
tituto histrico e geographico brasileiro,
continuando os arduos trabalhos, tifio de
requintar em zelo, para de algum modo
corresponderem s paternaes inlencOes do
V. M. I., e soliciludo com quo V. M. I. in-
cessmtemcnte pro'iiove ludo quanto con-
corre para a prjspcrilado c esplendor da
nacfio.
S. M. I om tom natural, desembar
orno quem houvesse*passado
nicio das assemblas publicas,
responder rom o seguinte discurso :
Senbores. Penhorado sohremaneira
dos sontimentos do dedieac.no p rospeitoso
rucoiihecimcnlo que me manifestis, por
intermedio do vosso presidente, anda em (
sjgnal de minba gratidfio o como primeiro
socio o primeiro ioteressado no progresso
do instituto, nfio posso deis ir de fallar-vm
um pouco desto estaholecimento, ou antes
desua revista, indeclinavel testemunho do
quo houverdes feilo a bem da historia o
geographia do Brasil.
Sen (i ti vi la, senbores, que a roiga pu-
blicac.o trinensal tem prestado valiosos
servicos, mostrando aovelho mundo o a-
l'i'eoo que tambem no novo meracem as ap-
pliCiQOea da intelligoncia ; mas, para quo
osso alvo so atlinja perfeitamente, ho de
nister que nfio srounaisos trabalhos das
generes pascadas, so quo vos tendea dedi-
''11 lo quasi que nicamente, como tumben)
pelos vossos propriOS tornis aquella, a quo
perlcnco, ilifina realmente dos elogios (Ja
poslcti lado : nfio divid pois as vossas fr-
J'is, o amor da seieticia he exclusivo, e '
eoncorrondn tolos unidos para tflo nobre,
til e ja diflicil eupreza, erijamos assim um
padrfio de gloria icivilisaQfio da nossa pa-
trii.
Congriitulanlo-me desdo j convosco
pelas feli7.es ciinsei|iiencias do emponho,
quo coiitrahis, reunindo-vos cm meu pala-
cio, recomnendo so vosso presidente que
me informo sompre da marcha das conimis-
sOes,assim como me aprsente, quando Iho
ordenar, uiua lista, que espero ser l geral,
ios sinos que bem cumprem conos seos
doveres; comprazendo-mealiassm verifi-
car por in i ni proprio os vossos esforcos, to-
las s vezes que livor a satisfieo de tomar
parte en vossas lucubraQdes.
a Ardua bes Urofa queemprehoiidestes,
senbores; mus,por moioderossaconstancia,
aloincareis a palmada victoria, e as recom-
pensas devidas nos amigos "das lettras, co-
raudo tantas fsdigas, despertarflo anda
mais os vossos bros, a
Este discurso que causn profndale vi-
svel sensiQSo no mimo dos circunstantes,
en que admiramos o alio pensamento do
elevara geraefio presente c reeummenda-la
a posteridade, nfio pode deixar de excitar
os brios da assooiaolo, quo certo adoptar o
sabio conselho que Ihe foi dado.
Os Srs.Porto Alego e Lagos propozeram
logoqii', cm testemunho e para memoria
da boma que rocebra o instituto, so la-
vra sse urna acta solemne assignada por to-
dos os membros presentes, que fosse col-
locada na sla das sessoes. e igualmente
que so uzease gravar u>na medalha que per-
pcluasso o acto do Monarcha na memoria
publica. I'o unnimemente approvada a
proposta.
LeU-se o expediente. S. M. informou-
se do estado liiianceiro do instituto, ere-
cebemlo do Sr. Araujo Vianna as questes
ja approvadas, fez dellas a seguinte distri-
buQfio :
Ao socio Sr. Dr. Antonio Concalvos Dirs:
Comparar o estado pbysico, intelleclual
e moral dos indgenas da quinta parle do
mundo com o estado pbysico, intelleclual
o moral dos indgenas do Brasil, conside-
rados uns eonlrus na poca da respectiva
dcscoberta, e deduzindo desta comparaQflo
quaes oilereciam nessas niesmas pocas
nielhnres prohabilidades empreza da civi-
lisa(flo.
Ao socio oSr. concelheiro Duarle da
Ponte liiheiro :
Que usos, costo mes e phrasos dos n-
colas do Brasil andam boje no trato uoui-
mum da socedade pulida dos Brasileiros ?
Ao socio o Sr. Francisco de Paula Me-
nczes :
0 esludo e mitaeflo dos poetas romn-
ticos promove ou inpede o desinvolvirnen-
to da poesa nacional ?
A i socio o Sr. Joaquim Norborto de Sou-
za o Silva :
Odescohrimenlo do Brasil por Pedro
Alvares CahmI foi dovido a um mero aca-
so, ou teve ello alguns iidi-jios para isso ?
ullcpois suspendeu-so a sessfio S. M. pra-
ticou imilla por algum lempo com diversos
socios, o relirou-so s 9 horas o meia da
noile, sendo acompanbado at a porta por
lodos os socios.
Acompanhuvam S. M. I. os semanarios
e os Sis. ministros do imperio o da jus-
lie.i.
fram nomeados : juiz de orphSos do
lornio do Itecife, o Dr. Antonio Francisco
Pereira do Carvallio : -- iuiz municipal e de
orpbflos do termo do Atracaly, na provin-
cia do Ceara, o Dr. Ilerrulauo do Araujo
Salles; commaudante superior da guar-
da nacional da capital da l'arabiba, Jos
Teixeira de Vasconcellos.
Por decreto de 15, houvera S. M. o Impe-
rador por bem conceder serventa vitalicia
do oflcio do escrivflo de orphSos a Florian-
no Corroa de Bi ito e Gregorio Francisco Tor-
no do Vasconcellos ; esle para o termo de
Caruar, eaquelle para o do Itecife.
O cambio licra a 27 3p4.
Pelo vapor San-Se&ail/ao, chegado hoje
dos portos do norte, recebemos jornaes do
Para at 22 de dezembro; bem como do
Maranho at l do correnlo, to Geera at 5
eda Parahiba atoll.


t-t- arn-
Em Para nada occorrcra de extraordi-
nario.
Durante o mez do novembro prximo
passado, o tliesouro pulilico provincial tna-
ranhense arrrcidara ris 13:697,837.
Maranhfo fcra cm plena tranquilli'ladc.
A assembla legislativa dessa provincia
ja linha encerrado stias sessOes.
C.ear tambem tirara em seceso ; mas
conlinuavam a apparreer ah alguns roubos,
se bem quoainda em menor escala do que
era outra poca.
A assembla legislativa cesrense ultima-
ra a 20 de dezombro os scus tiahalhos do
anno tlnJo, lendo approvado na sessSo de
13, a requerimento do Dr. Tristno, urca
censura ao presidente da provincia pelo
modo por que a tem administrado. A nin-
gn m deve esto facto.sorprunder quando be
sabi.loque a maioria daquclla assembla
representa as ijcias da poltica decabida, e
oSr. Fausto be delegado do actual gabi-
nete.
De Parabiba nada temos a dizer senSo
que a maioria da rcs.ectiva populacho con-
tmuava a dar provas de (irme adhesSo a
cusa da ordem e da nionarcbia sendo que
o corpo do voluntarios i se acbava organi-
sado, esb o commnd"o do alferes de pri-
meira linha reformado Alfonso de Almeida
e Albuquerque ia prestando servicos va-
liesni.
e algod.lo; a James Crabtreo & C. Passa-
geiros, Antonio BrandSo da liocha, Ma-
iii I Carlos Teixeira, Manoel Francisco da
Silva Carrilho, Juaquim Flix da llosa
Portugueses e Antonio Xavier de Noro-
nba, Brasileiro.
Navios tahidot no metino dia.
Genova Polaca sarda Constantino, capitflo
F. Pelr, carga assucar.
Marcoille--Barca franceza Klcyon, capitilo
Chamicl, carga assucar.
liba de Fernando Transporte naconal'/'i-
rapama, commaiulante o piloto Gamillo
de l.ehs Fonseca. Passageiros, o lenle
Manoel Claudino de Ulive ira cora sua fa-
milia.
m
EDITA L
O lllm. Sr. Inspector dn thesouraria da
fazonda provincial manda fazer publico que,
dodiatdo corrente mez em dianto, pa-
gam-se os ordenados o mais despezas do
mez do dezembru prximo passado..
Secretaria da ttirsouraria da fazenda
provincial de Pernambuco, 10 de Janeiro
de 18.50 O secretario, Antonio Penetra
d'Xnnunciaco.
Declaracoes.
ALFANDEGA.
Ilendimenlo do dia 12.....11:618,338
CONSULADO PIIVINCIAL.
P.endimeiito do dia 12.....1949,108
PIUCA DO KECIFE, 19 DE JANF.IRO DB
1850, AS 3 HORAS DA TARDE.
Reviila scmur.tit.
Cambios- Os saques da semana regu-
laram a 27 3|4d. tor l,ooo
rs. e alguns a 28.
Assucar---------Foi menos procurado esof-
l'rcu alguma baixa, apezar
das entradas lerem sido
menos numerosas que as da
semana antecedente.
Algodo---------F.nlraram nicamente 252
saccas, c foi procurado ios
pircos de5,450 a 5,500.s.
por arroba de primeira
sorte.
Azeite-doce Vendeu-sea 2,300 rs. o ga-
lao do de Portugal,
liacalbo As vendas a retalbo conti-
nuaran) de 8,100 a 8,200 rs.
pur barrica. Ficarain em
ser 7,000 quinlaes.
bolachinba Vendeu-se a 4,300 rs. por
barriquinba.
Carnc-sccca- dem de t a 2,600 rs. por
ai roba conforme a qualida-
de. Ficaram em ser 80
mil arrobas.
Dila salgada- dem a 22,000 rs por bar-
ril da de vacca e 24,000 rs.
da de porco.
Carvo de pedra Idcm de 9 a 11,000 rs. por,
tonelada.
Farinba de trigo Itetalliou-se a 19,000 rs.
por barrica a de llicbmond,
de 13 a 14,600 rs. a de Ha 1-
timore, de lia 16,000 rs.
a de Philadelphia, de 19
20,000 is. a de Trieste SSSF
a 17,500 rs. a franceza
Baiifio. Ficaram cm ser
12,000 barricas, inclusive
um carregamento de 1,100
barricas entrado esta se-
mana.
Mant. do porco- Vendeu-se a 230 rs. a libra.
Toucinbo dem a 8,000 is. por arroba
do do Lisboa.
Vinbos- dem de 130 a 140 rs. por
pipa do de Lisboa marca
Pili!; ea 120,000 rs. do de
outios autores.
I ea i a ni no porto 94 emba cacees, a sa-
ber: 3americanas, 1 austraca, 35 brasilei-
ras, 3 dinamarquezas, 2 fiancezas, 2 ham-
burguezas, 1 bonoverianua, 16 ingleza*, I
prussiana, 6 poituguezas, 11 sardas e 13
suecas.
Movimento do *orlo.
Naviot entrados no dia 12.
Babia 11 das, barca ingleza Endeavone,
de 156 toneladas, capitiio Janns Smitb,
equipagem 13, carga laslro ; a Richard
Bayle & C. Passageiio Iticbard lloyle.
Navios sahidos no mesmo dia.
nio-de-Janeiro Itrigue brasileiro Bom-
lesus, capitSo Joflo Ventura da Silva, cir-
ga assucar, agoardente e madeira. Pas-
sageiro Fr. 'iliuinnz de Sania Marianna
de Jess Magalhiios e Manoel Joaquim de
Santa Auna, Brasileros.
Labia-- Calera belga Jeannelle-.Ilaria, capi-
tilo Martin Piensobke, carga parte da que
trouxe.
Amslerdam escuna kinepausiana Neplu-
ne, capitSo J. Peler, carga couros.
Canal lirigue sueco Amen, capitilo Klin-
getcdt, carga assucar.
Maranhfo e Para Transporte brasileiro
Pernambucana, commandantu o capitSo-
tonente Achiles l.acombe.
Navios entrados no dia 13.
J'ar 15 dias, e 8 horas da Painhiba, va-
por brasileiro San-iebastiilo, de 300 to-
neladas, conimamlante o primeiro len-
te Antonio Xavier de Noronha TorrezSo,
equipagem 29. Passageiros para esta
provincia, Manoel da Cunba Cuin arfies,
Antonio Joaquim Seve, Francisco Jos
radceo, Joaquim Domingues da Silva,
Porlugez, Dr. Antonio Manoel de AragSo c
Mello, Manoel Marques Camacho, Victo-
rino I cu na M.na e um escravo, l'ran-
cisc Ferreira de Xovaes, porluguez, lli-
card llogers, Jnglez e 10 presos Para o
sul, o capitSu-leiieiile Joaquim Alves de
Caslilhos e um escravo, Manoel Vicente
de (.ni v lllm |', nna, Caetano de tirito Sou-
ZS Gajoso, Manuel Dias Pinheiro, Eduar-
do Teixeira de Fie i las, 18 recrutase um
escravo a entregar.
Terra-Nova ~ 33 dias, brigue inglez Rucie-
my, de 200 toneladas, capitiio Samuel
Proewe, equipagem 13, carga 2,500 bar-
ricas com bacalhao; a James Crabtro &
Companhia.
,ilna por .Macelo 2 dias, galera ingleza
Imperador, d 368 toneladas, capitflo Edu-
ard J'Tiend, equipagem 15, carga assucar
OSr.direclor dolycu manda fazer publi-
co,que emeumprimento a portara do Kxm.
Sr. presidente da provincia de 5 desle cor-
rente mez eanno, est a concurso a cadei-
ra de latim da villa de Nazarelh perianto,
os cidadflos Drasileiros que se quizcrem op-
pdr a referida cadeia deverSo comparecer
lila dala desle a 60 dias) na sala do palacio
da presidencia pelas nove horas da manhfi,
lendo remettido a secretaria do lyceu (oito
dias antes do dito concurso) os scus reque-
ri entos documentados.
--Oescrivfio, servindo de administrador
da recebedoria de rondas internas geraes,
avisa a todos os devedores do imposto de
lojas aberlas, segos, carriuho c barcos do
interior, dos baiiros do Recife, S.-Antonio'
Boa-Vista e Afogados, para que compare-
tama pagar o que estiverem a deves dos
ditos ini| o-lo-; relativo ao corrente anno li-
nanceiro de 1849 a 1850.
smalas, que tcem de con-
duzirovapor 6'. Sebasliao pa-
ra os portos do sul, prinri-
piam-se a fechar buje 14: al
boia da tarde, e al as 2 horas recebe cor-
respondencias com o porte duplo.
I'RESEPE
no theatro de S.-Francisco.
NOVO ACTO DA VELIIA COM SUAS NETAS,
cuja parte ser desempenbada pelo Sr. S.
llosa ; este acto be cumposto deonze arias
o tres coros.
TEItCA FEIRA, 15 DE JANEIRO DE 1850.
QUINTA BEeESKNTACA0.
Grande e variado diverlimento pastoril.
Depois do execulada pela orebestra urna
das melbores syinphonias, representar-se-
ha o mu insigne drama sacro em 5 actos,
airula nfio visto tiesto llieatro
OS MACO DO ORIENTE,
(indo este seguo-se nm pasdedeux dancado
por duas Pastoras das mais jovens ; no lim
do mesuio pasdedeux, segue-se o aclo
DA MAMAl VOVO\
Terminar o espectculo com urna nova
contradanza campestre.
Os Srs. assignantes c mais pessoas, qup
pretenderem bilbetes ile camarote e piales,
I lein mandar receber os carines na casa
anticua ao llieatro, residencia do director,
onde se ellos acbain a venda pelos precos se-
guintes:
Primeira ordem
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignantes de 8 recitas, cada urna
3,333 rs., 26,664 rs.
Dito para 6 recitas, cada una 3,500 rs.,
21,000 rs. .
Dito de frente da mesma ordem 7,000 rs..
Para assignantes de 8 recitas. Cada urna
5,000 ris, 40,000as.
Dito para 6 recitas, caJa urna 5,333 ris,
32,000 rs. *
Segunda ordem.
Camarote do lado 6,000 rs.
Paia assignantes de 8 recitas, cada urna
4,166 icis, 33.328 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 4,500 ris,
27,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 11,000 rs
Dilo para 8 recitas, cada una 7,500 ris,
60,000 rs.
Dilo para 6 recitas, cada urna 8,000 ris,
48,000 rs.
Terreir ordem.
Camarote de lado 4,000 rs.
Para assignantes de 8 recitas, cada una
2,166 ris, 17,38 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Dilo de frente da mesma ordem 5,000 rs,
Dilo para 8 recitas, cada uina 3,333 ris,
20,661 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 3,500 ris,
21,000 rs.
Os I ilhctes de platea para 8 recitas 6,000
Ditos para 6 recitas 5,000 rs.
Camarulinho do porca para 8 recit.as
cada'urna 2,000 ris, 10,000 rs.
Dito para C recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Varanda, 500 rs.
As asignaturas scro pagas adiantadas,
exhibindo recibo a drecc.3o.
O theatro estar decentemente ornado.
Principiar o divert metilo s 8 e meta
horas da noitc, com a chegada das autori-
dades.
N.II.Durante as mencionadas oito reci-
tas so repreaentarlo os muito appliudidos e
ricos dramas pastoris que tanto cmbel-
lezaram'as represenlne,0es da sociedade
.Ni.ldlcn.se; sendo intermediados de novas
dancas campestres, grupos, pas-dc-deux,
arias, entremezes paslors, etc.
*------
> ...............
mr
tacho portuguez Maa-Joaquina, para car-
ga oii passageiro trata-se com os seus con-
signatarios F. S. Rabello & Filbo ou como
capitiio Manoel da Cosa o Silva na praca do
commercio.
Vende-so o patacho americano Justina,
do superior marcha, Torrado o encavilhiulo
de cobre, o prompto para seguir viagem
para qualquer parle : os prctendentes p<>-
dem dirigir-se eos consignatarios, Deane
Youlet & Companhia, na ra da Cadeia.
Para as illias de S.-Miguel,
Tcrceira e Fayal saliir brevemen
le a encuna porlngueza Favorita^
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de Mcdeiros; pa
ra carga e passageiros, trara-se
deronle do Irapicbe novo, n. 6,
com Tbomaz de Faria.
Para a Babia sahe no dia 15 do corren-
to com a carga que tiver a bordo a suma-
ca Fldr-do-Anqelim, mestre Rernardo de
Souza : quem na mesma quizercarregarou
ir de passagem pode entenderse com o
iiiesnio mestre ou com Luiz Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
Para o Rio-de-Janeiro sahe infalivel
mente no dia 15 do corrente a polaca na-
cional Sociedade-Felis : para alguma carga
que anda !". Ii e passageiros, trata-secom
os seus consignatarios, Oliveira IrniSos &
Companhia : na ra da Cruz, n. 9.
Para i.isbda sahe, no dia 20 do corren-
te, o brigue portuguez Anna-Adelaide, ca-
pitiio Ignacio Jos 'le Aranjo : recebe carga
e passageiros, para o que trala-sc com o
consignatario, Joaquim Ferreira Mondes
Cuimarfios, na ra da Cruz, n. 49, ou com
o referido capitflo na praca do Commercio.
A escuna nacional Emilia, capitSo e
pralico Antonio Silveira Maciel Jnior,
ransferio a sua viagem para o MaranhSo e
Para, deixando por consequencia de fazer a
escala do Cear, o que se avisa as pessoas
que se dignaram offereccr carga para este
porto : recebe alguma para o MaranhSo e
miudezas para o Para, e passageiros para
ambos os portos : trata-sc com o capitSo
iiiipiaen do Commercio, ou na ra da Cruz,
armazem n. 13.
--Para Lisboa, com escala pelo Porto, se
dis|0 a rccdber carga o bem conheeido
brigue portuguez Conceico-Flor-de-l.iiboa,
e a sabir breve, para o que tem engajado
uina parte do caTCgamenlo : quem no mes-
mu quizer carreg8r, ou ir d passagem, po-
do enten ler-se com o capitiio, Joiio Borges
Pamplona Jnior, ou com os consignata-
rios, Amorim Irmflos, na ra da Cadeia,
u. 39.
para o Rio-de-Janeiro sahir, na pr-
xima semana, o brigue Uafra, capitiio Jos
Joaquim Dias dos Prazcres ; o q'jal recebe
nicamente escravos de passagem: quem
pretender pode contratar com o sobredito
capitSo, ou com Amorim IrmSos, na ra da
Cadeia, n. 39.
Para o Rio-de-Janeiro.
O brigue nacional Adamastor, capitSo An-
tonio Coelho llibeiro, segu para o Rio-de-
Janeiro at o dia 18 do corrente : recebe al-
guma carga cniuda, passageiros e escravos
afreto: trata-se com Machado & Pinheiro,
na ra do Vigario, n. 19, segundo andar, ou
com o capitflo ni praca.
Fazcm-so jantares diariamente, con- internas e externas por mdica mensali hi-
sislindoemsopa, cozdo, assado e arroz,
por commodo prc;o ; tambem se fazcm as-
sa los, mas vis de carne e peixe, pastis de
carne, de gallinha, de natae de oulras qua-
lidades, leito crome, podins, bollos de dif-
ferenlesqualidades, bollinholos, armam-se
han lejas para bailse caza tnen tos : ludo .seu ilho Ricardo da Silva PavBo
com muito asseio, prom;itidfioe preso com- cravo d nacSo, do nome Cerem1
Le i loes.
Avisos martimos.
Para a Figueira, com escala por Lisboa,
pretende sabir at 18 do corrente mez o pa-
L. Rruguiere far leilflo, porinteiven-
efo do corretor 01 iveira.de grande sortimen-
to do fazendas franeezas, einglezas, sendo
mantas de seda,chales do dito,lencos,cassas,
cortes do seda, colletcs, selins, chapeos do
sol, lilas, luvas, incias e perfumaras de
todas as qualidades, mirin, sarja, cam-
braias, bicos etc., etc. : quarta feira, 16
do coi rente, s lOhoias da manbSa, no
seu armazem, ra da Cruz, n. f.
Joiio Keller, leudo de retirar-sc para
fra da provincia, farleilSo, por interven-
efo do corretor Oliveira, de toda a ninbilia
c mais perlences da casa de sua residencia
no campo, consisiindo em ricas mesas re-
dondas, ditas para cha, consolos, sophs,
cadeirns, ditas do balanco, tanto de Jaca-
randa Mas na trra com a maior perfeicSo{
como de ferro, e oulras americanas, um
ptimo lustre de bronze com 4 luzes e vi-
drosdo sobrcsalente, globos do cima de
mesa, ditos de corredoies, palmatorias, lan-
ternas de metal lino com mangas, leitos iu-
glezcs de ferro com todos os perlences an-
da n.lo usados, lavatories grandes, guar-
da-vestidos, aparadores, secretaria, arma-j
ros, s. n.lo um dellcs riquissimo e feilo em
llaniburgo, tipeles, esteiras de sala, jelo-
sias, cortinados, cxeellentes vasos para flo-
res, relogios de pareda e de cima de mesa,
urna machina galvnica, mascaras e mais
perlences para aprender esgrima, a mais
linda o aimiravel colleccSo de qadros
existento nesta cidade, tanto a oleo como
em gravuras finissimas, representando as
sumptos historeos os mais ntercssantrs,
Linca de pm rellana e do USO, apaielbos de
cha, garfos, facas, colheres e salvas de me-
tal lino, copos para vinho, ditos para cham-
panba e para agoa, cryslaes diversos, um
completo tiem do cozinha, um carro de 4
rodas com arreos, 3 cavallos de carro, 1
dilo desella proprio para menino por ser
muito pequeo, dous pianos mui superio-
res, outrus muilos objectos uteis, e que
seria desnecessario innumerar, basta aflir-
mar-se serem bem tratados e quasi novos,
feitos com perfecSo c dos gostos mais mor-
dernos todos os artigossupraniencionados,
coja venda ser inlubitave'mentfl effectua-
dasem lmites cm proco: terga-feira, 15 do
corronte, s 10 horas da inanlifia em pon-
to, anda que poucos licitantes lenham
comparecido a tal hora, na primeira das
duas rasas novas ltimamente edificadas no
sitio do Sr. Cox, seu propretario, na estra-
da de JoSo de Barros, quasi deronle do Sr.
rx-inspector da alfand^ga.
Leilflo de urna partida de 200 socc8
de farinba de mandioca, na porta doarma-
lem do Bacellar, no caes da Alfandega : ter-
Ca-feira, 15 do corrente, s 10 horas da ma-
nbSa
-- O lello dos bens do finado Lois Vc-
tor Desenclos, annunciado para odia 14
do corrente, (iea nor ora sem t-lfeilo.
Avisos diversos.
- Amorim IrmSos embarcam para o liio-
Crunde do sul a escrava Raquel.
mo !o : no oitSo d.Penba, n. 2. Na mosiv:a
casa tambem se fjzem doces de calda, sec-
co, de caj e de todas asfructas para ss-j
fim emfim, tudoquanto he pcrlcncento a
cozinha se faz em dita casi.
I ni i orlante descoberta
para os denles
M. S Mawson, cirnrgiSo dentista, ebega-
do ha pouco de Inglaterra com destino aos
portos do sul, pelos poucos dias que tem
de demorar-seaqui, offerece seu presumo
a aquellas pessoas que precisaren! dos soc-
corros de sua arte: para o que pode ser
procurado no Hotel-Francisco.
Antonio Maximode Barros Leite, pro
fessor jubilado na primeira cadeira publica
de prinieiras lettras da cidade do Coianni,
faz sciente ao respeitavel publico que se
acha presentemente mudado para esta ca-
pital, e a sua residencia he dentro do Re-
cife, na ra da Cadeia, n. 40, primeiro an-
dar, onde vai continuar no mesmo niagis
lerio ; porm particular, e por isso convi-
da a todos os Srs. que quizerem educar seus
(litios, que uo so recotn a alumnos exter-
nos como tambem internos.
JoSo Jos Innocencio Poggi, Dr. em
medicina, faz publico que tem fixado sua
residencia no Atorro-ila-Boa-Vista, sobra-
do, n. 3, onde o acharSo prompto para
exorcer sua arte, curando gratuitamente os
pobres.
-- Alugam-se dous sitios na campia da
Casa-Forte e uni ontro na ra da mesma po-
voacSo, com muitos arvoredos e ptimas
aecommoda^fles ; bem como vaia casas
pequeas, proprias para se passar a festa :
a tratar na ra do Amorim, n. 15.
Alugum-seas lojas do sobrado da ra
da Penha, n. 6, e da ra Augusta, sobrado
amarello, proprias para qualquer esla>
belecimento : a tratar na ra do Amorim,
n. 15.
-- Jos Valentim da Silva, bem conheeido
por ensinar latim ha 14 anuos,o ter a felici-
ilade de seus alumnos serem sempre appro-
vados na academia, avist a quem convier
que abri a sua aula a 7 do corrente mez
na ra da Alegra (na Ba-VislaJ n. 38, on-
de recebe alumnos, tanto externos, como
pendonistas. Tambem ensjna em horas
reservadas aos que nSo podrem frequen-
tar as horas da aula.
D. W. Baynon, cirurgSo denis-
n29t ta, na ra do Trapiche-Novo, n.
^XlO 14, respetosamente informa ao
publico que, pelos seus muilos fazeres, se-
ra obligado a demorar-so mais algum lem-
po nesta cidade, antes de sua retirada para
os l'.'sia.los.i'in los, o olTerece seu prestimo
para toda qualdade de opcracOes denlaes,
para por denles novos, tanto singelos como
dentaduras inleirjis, chumbar denles com
ouroeprata, conforme as ultimas deseo-
bertas nesta lera.
A' casa da residencia do Dr. Loureneo
Trigo de Louroiro, no bairroda Ba-Vista,
ra da Saudado, defronto do Hospicio, p-
dem dirigir-se por carta, ou pessoalmenlc,
atofim do mez de feverciro prximo fu-
turo, todas as pessoas, que quizerem ser
assignantes Jo novo compendio de pralica
do processo adoptado pela rongregacSo dos
lentes decurso de ciencias sociaes eju-
rdicas de otind.i para a segunda aula do
quinto auno, sendo cinco milrso proco
da assignatura de cada exemplar; e em to-
do o lempo as que o quizerem ser do inte-
ressantissimo ndice chronologico da le-
gislado brasileira que ha de conter em
oito voluntes n folio, ou pouco mais, toda
a legislacSo brasileira vigente desde 1822
al 1848, a qual, com a que est revogadae
a que tom cabido em desuso, compehas
colleccOes actuacs vinle e Untos grossos
volumes", e custa para mais de 150,000 rs ,
entretanto que o proco da assignatura do
referido ndice he a pequea quanlia de
34,000 rs. paga ao recjber o I. e 2.' volu-
mes, do quoj existem varios exemplares
em poder do annunciante e brevemente sa-
hir a luz o terceiro volume. Na loj.i de
livros do Sr. reverenJo" padro Ignacio Fran-
cisco dos Santos na ra da Cruz do Reci-
fe, e na do Sr. Manoel Figueiroa de Faria
na praca da Independencia, pode tambem
assignar o seu nome quem quizer ser as-
[signante de qualquer das referidas obras.
Os Sis. assignantes que j receberam o pri-
meiro volume do ndice chronologico, dig-
nem-se mandar buscar o segundo casa do
annunciante.
-- Na ra do Sol d-so dinhero a premio
sobre penhores de nuro ou prata: na mes-
ma casa vende-se tsalhas de mesa e guarda
apos, fabricados em GuimarSes, capachos
redondos e comprlos, e pecas do trimoia.
Aula de primeiras lettras
Policarpo Nuncs Corroa participa ao res-
peitavel publico e especialmente aos pas
de seus alumnos, que no dia 10 do corren-
te mez abri as suas aulas de meninos e
meninas ni mesma casa de sua residencia,
na ra da Alegra, n. 9, onde pode tambem
recebar alguns meninos pensionistas me-
danle urna mdica remuneracSo. O annun-
ciante espera do respeitavel publico que as
sui-s aulas continen) a gosar do mesmo
crdito O cnnlianea cono at aqui.l
Aluga-seuro sitio cum bom sobrado,
j-iiiliin, cacimba, tanque para hanho, po-
mar de larangeirase ntuitas fructas de di-
versas qualidades, na Solidado: na ra do
i Insi'ii io, n. 21.
Quarta-feira, 16 corrente, he a ultima
praca, em grao do adjudrac,3o, da casa n.
1 da travessa do Queimado, por exccuc^lo
pendente no juizo da segunda vara, leudo
lugar a praca as horas do costume.
Alugt-seum preto para o servco de
urna casa de pouca familia: na ra do Tra-
piche, n. 8.
OfTerece-se urna pessoa para caxeiro
de toja, armazem, venda, ou para outra
qualquer occupa(o, e.mcsmo para algum
sitio ou eiigcnbo : quem de seu prestimo
se quizer utilisaranuunrie.
I/aliel Mara da ConcecSo participa ao
respeitavel publico quo abri sua aula de
primeiras lettras no dia 7 do correnle, no
becco de Joflo-da -Costa, n. C, primeiro an-
dar, em cuja disciplina adaii'.le alumuas
o: quem quizer ulilisar-se da proficua
educaefio a suas lilhas, dirija-so ao mencio-
nado lugar de sua residencia
Retira-so para o Aracity o cidadSo bra-
sileiro Marcellino Antonio da Silva PavSo,
sua mulhor Francisca Nunes das Chagas,
e um es-
ias.
Quem tiver par* alugar urna casa ter-
rea com com modos suficientes para una
familia, e que tenha cacimba e bom quin-
tal, sendo as seguintes ras : Praca, Con-
cerno, Velha, AragSo, S.-Cruz e .Rozario,
dando-so 19,000 rs. mensaes, annuncie.
A negocio de seus ntereasea desejam-
se noticias dos Sis. Francisco Luiz da l'a-
lliao,.!, dos silios da Barrada, districlo de
Coimbra, em Portugal; sabe-so que esleve
aqu oceupado na fabrica das caracas, do
Sr. JosJanuario Soares Ferreira, aobriuho
do fallecido padre Antonio Soares Ferreira,
casado com a Snra. D. Ignacia Joaquina de
Jess Ferreira : A pessoa a quem interessar,
ou fizer o favor de dar noticias, dirija-se ao
Recife, airas do Corpo-Santo, na ra da
Cruz, n. 66.
Jos M aria de Figueiredo,
pr. fessor particular de primeiras
lettras, scientiica ao respeitavel
publico que a i5 do corrente,
abre a sjia aula, e contina a eu-
sinar por principio a grammatica
portugueza, latina e franceza, ad-
utitlindo alumnos internos e exter-
nos i quem de sen prestimo se qui-
zer ulilisar,dirija sea ra ila Ca-
deia-Vellia, n. i3, terceiro andar.
Na ra Imperial, n. 165 precsa-se alu-
gar duas negras ou moloques para vende-
rom na ra : paga-se bem, e nSo se duvida
adiantar alguiS dinheiro por coota do alu-
guel.
K loja de charuteiro do Alerro-da-
Boa-Vista, n. 5, precisa-so do ofDciaes do
mesmo oflicio
precisa-se de um forneiro : na ra lar-
ga do Rozario, o. 48, padaria.
Ensino de primeiras
lettras.
Jos Xavier Faustino Ramos, com aula de
primeiras lettras no Aterro-da-Boa-Vista,
sobrado n. 5, previne aos Srs. pas de seus
alumnos e as pessoas que delle quizerem
confiar a educa^iio de seus lillios, q io 09
exorcicios da mesma aula se acham em ef-
fectividade desde o dia 7 do correnle ; as-
segurando que pelos novos arranjos e me-
Ihora montos que ha introduzido no seu es-
tabelecimenloe no respectivo regimem, se
acha hbilitdo.para recebere leccionar um
mais crescido numero de alumnos. No
mesmo estabelecmenlo, separadamente e
soba diioccfo de urna illu do anuuncian-
te, convcnientenionte habilitada, se acha
em exercicio urna aula para meninas, onde
si ensina a lar, escrever e contar correcta-
mente, grammatica da lingoa nacional;
bem como a fazer todo o genero de costu-
ras, bordados e lavarnlos : ludo com zelo,
carinhoe disvelo. -
Pede-se enca'escidamente a polica.
O abaixo assignado, morador em Cruan-
gy, termo da cidade de Goianna, lendo ven-
dido ao lente Jos Correia de Oliveira
Jnior, senhor do engenho Paraizo, comar-
ca de Nazarelh, dous escravos, Paulo e Joa-
quim, aquello cabra e esle pardo, e na oc-
casiSo de os entregar se evaporaran na noi-
tc de 18 para 19 de junbo prximo passado,
com dous cavallos de estribara o oulros
objectos de valor, sendo seduzidoa e con-
duzidos por Jos Ignacio da Silva, lio da
Paula, par a freguezia deS-Jos-deBe-
zerros at a casa do ex-subdelegado da
mesma freguezia, Joaquim Jos da Silva
Viera, e sabendo-so da direccSo que to-
niaram o mandando-so em procura dos
mesmos bens, rcmelleu dito Viera a Paula
e um cavallo, dizendo que o Joaquim linha
fugidp com o outro cavallo, cojos signaos
s3o os seguintes : Joaquim pardo, bastante
pequeo, de vinle e tantos anuos, cabellos
corridos, bam parecido, olhos avermelha-
dos, falla pouco, sonso, bebe ago'ardenle e
cachimbo : o cavallo ho ruco-cardfio, gran-
de, anda baixo, com 6 para 7 annoa, com o
ferio Me. Ble; he castrado. Pede-se enea res-
cidamentea autoridades policiaes e mais
pessoas, pue o approhendam e levem-no
aodi'o Concia de Oliveira, nodiloenge-
nho aciata, que urbanamente gratificar aos
conductores. Padre Filippede draujo Pi-
nheiro.
Na ra Novavn. 58, loja.se dir quem
di a premio a quanlia de 400,000 rs. com
hypotheca em casa terrea. Pa mesma loja
vende-se urna carroca para boi.
Precisao.
Precisa-se de ofllcaes de funleiro ; na
ra Nova, n. 38, defronte Ai Conceicflo. Na
mesma casa tambem so vende um moleque*
Precisa-se de um bom forneiro,
quem se pagar com generosidade : na ra
da Senzalla-Velha, armazem n. 106
Precisa-se de urna mulher para rozi-
nhar a um homem solleiro : na ra Nova,
n. 42, loja de fazendas,
Precisa se alugar urna preta que saiba
lavar, engominar e coser, para urna casa
estrangeira : na ra do Torres, n. 34, das
II horas at s 3 da tarde. Na mesma casa
lanibein se precisa alugar um preto que
enieudii (lo sei vico interno, e saiba tratar
de cavallos.
O Sr. JoSo Cypranno Rangel queira
ter a bondade de apparecer- na ra da Ca-
deia de S.-Antonio, pra decidir sobre cer-
ta conta que S. Me. recebeu.
A poca.
Aos sentimos assignantes dest jornal se
faz corlo o igualmente ao respeitavel publi-
co, que acaba de chegar de Lisboa a conti-
nuatSo dos nmeros deste jornal al o nu-
mero 52 ; e como lenham chegado difiran-
les colleceOes completas, convidase aos
auiaulesda instructfio a concorrerem para
a sua exIraccSo, visto como he esle jornal
de tanla importancia.
Assigna-se na ra da Cadeia do Recire,
loja de ferragein de JoSo Jos de Carvalho
Sloraes.
O preco da assignatura lie :
Por um anno, dinheiro a vista 6,400
Por seis mezes, dido dito. 3,20o


1


Sahbado 12 do correnle desappareceo
um molatinho", lendo vindo ao Recite en-
Ircgarjeitafm um cavallo russo migco,
por nfcmc Francisco, idade 19 annos, levou
carniza azul acalcas de algodfio trancado
tambem azul chapeo do palha, o millior
si"n por onde pode ser conhecido lio ser
vesgo de um ollio : quem o pegar leve-o a
na Dreila, venda n. 61, ou ao Remedio,
sitio que foi do fallecido Joflo de Barros,
que sera bem recompensado.
Alugam-ee os primeiroe segundo an-
dares do sobrado na ra Uireita, n. 43, rom
encllenlas commodos e nimio frescos, a
tratar com o barbeiro, quo mora na logu do
mesmo sobrado.
Deaeja-se fallar com o Sr. Joiio Raplis-
ta Correia, na ra da Cadeia do Recie,
n. 3*;
Precisa-so saber da morada da Sr.* D.
Senhorinha Mara da CooceicSo par nego-
cio de interosse.
A -Irmandade de Nossa Senhora da So-
ledade do bairro da B6a-Viala previne ao
publico, que a casa terria e sitio de Joa-
.iuim Xavier da Maya, que anda em praca
tor execiiqo de Antonio da Silva GostnSo
Ihe he devedora da quantia de quinhenlos e
nuarenta mil cent e vinte ris importan-,
na de foros vencidos do chao, era quo ae
acha edificada e quo protesta haver dita
quantia de quera quer que lcar com o pre-
dio.
Fugio no dia 10 do correnle polas 6 ho-
ras da tardo um molequinho, de nomo Lud-
gnrio, de lannos de idade, bem prelo,
clhoa grandes, tem em um pe u:n dedo,
quelovanta porcimadooutro, levou vesti-
do carniza do riscado e caigas de brim lizo :
qiiem o pegar leve-o na ra da Cadeia-do
Recite, n. 51, que ser recompensado.
Ulysso Droz, prviens Phonorable pu-
bli'c do l'ernanbouc qu'il vina d'aniver de
la Suisse, avec un b< I assortiment de mon
tresd'or, argent plaqu d'or, argent dore
el boles metal florees, des quelles il ga-
rante la bont dos raqvemeuls ; il so chargo
cgalemenl des chabillages de monlres et de
pendulcs, et remet les cadrans d'argcnt i
neuf, des quels il peut garantir la bicnfac*
ture de son ouvrage. II prviens aussi Mrs
les horlogers el bijoutiers de l'endroit qu'il
a un bel assortement de fournitures pour
horlogerie et bijoulerie. I pose guale-
mentloutessortesde verres mis montres
II espere d'apr la bienfaclure dcsontra-
vail mriter la cnfiance de Phonorable
jiublic.
9
(4

i
i
i
HOMOEOPATHIA.
G consultorio homceopathico de
Pernambuco est aberto todos os das
desde as 8 horas da manhSu al as 4
da tarde.
Adverte-se as peasoas que quize-
rem usar da homceopathia, de diri-
gir-so nomeamo consultorio e enten-
der-so com o director JoSo Baptista
Caaanbva.
Algnns curiosos andam as casas
particulares offerocendo administrar
a homceopathia em nome do consul-
torio, estes curiosos facam as especu-
lares como melhor o entenderem,
mas tillo se sirvam do nome do con-
Hiltorio, porquo no consultorio nflo
existem agentes nem cacheiros, vis-
to que, a medicina nSo so adminis-
tra por meios de agentes ou cachei-
ros. -
Consultorio homccooathicode Per-
nambuco, ra da Cadeia do Santo-
Antonio, n.22.
Lotera da matriz da Boa-
Vista.
<). i I he les desta lotera acham-se a venda
na loja de cambio do Sr. Vieira, na ra da
Cadeia do Recite; na botica do Sr. Joo
Morera Marques, pateo da matriz do S.-Au
ionio | e na botica do Sr. Francisco Anto-
das Chagaa, na ra do l.ivrmiinlo. (he
soureiro lenciona brevemente marcar o an-
(lamento das rodas, e por Uto pede a quad-
juvacSo do publico para osle din. s apai-
xonados deste jogo que tilo i roligamente
concorrenr o.n sociedado para a compra de
billietes las loteras do Rio, em nada su-
perior a esta, concurran! com seus capilaes
para a extracto rpida desta lotera, cu jo
plano he oaeguiule :
Piano
do meia lotera, comprehenden lo a segun-
da e lercciraquartas parles da terciajfcu
invM
ao-
va loleria conroJida pela le provirvWF n
100 do 9 de maio de 1812, beneficio das
obras da matriz da Biu-VUia.
5,000 bilhetes a 10,000
Beneficio de 12
porcenlo C.000,000
Imposto de 8
F orenlo 4:000,000
lo de 150 rs.
por blhctu 750,000
50:000,000
10.750,000
39.250,000
1 bilhete 10:000,000
l dito 5000,000
4 ditos. 900,000 3:600,000
8 ditas 500,000 4:000,000
10 ditos 200,000 2:000,000
12 ditos 100,000 1:200,000
20 ditos 50,000 1 000,000
40 ditos 20,000 800,000
1,154 (Irlos 10,000 11:540,000
2 ditos (1. 0 2.
brancos; 55,000 110,000
1,252 premiados 39:250,000
3,748 brancos -
5,000
N. B. Os dous premios grandes estilo
subjetos ao descont de 8 por cento do im-
posto eral queseraexlraludo no aclo do
pagamento. -- Conformo. -- O oflicial-
uiaior, !'loriun.no Correia de Brilo.
Aluga-se urna casa de 3 andares no Re-
cfo, ra do Amorim, n. 13, por preco com-
modo : tainbcm so alugaa loja da casa do
Aterro-da-Roa-Vista, n. 22, ptima para
qualquer estabelecimonto : quem preten-
der, drja-se a Manuel l.uiz da Vciga, que
dir quem aluga. .
Antonio de Souza o Silva, caixeiro do
Sr. Jos Alejandre Rbeiro, declara qus ha-
vendo outro nome igual ao seu, (ica do hoje
coi (liante chamdndo-so Antonio Jesuno de
Souza e Silva.
Xarope do bosque
para cura de pluhisica em todos ot seus difle-
rcnles graos, qur motivada por constip*-
{flrs, tosse, astluua, pleurli, escarro de aan-
gue, dr de costado e perlo, palpitado no
corafao, coi|ueluchc, brouchite, dor na gar-
ganta c ludas as molestias dos orgaos pulmo-
nares.
Uc todas as inolelias que por licraufa licarn
ao corpo humano, ncnhuuia lia que mais des-
tructiva tenha sido, ou que tenha zombado dos
esforco dos liomrn mata eminente em medi-
cina do que aquella que he gcraliiiente conhe-
cida por i molestia no bofe. Em varias poca
do aeculn pascado Iriu-se oflerccldo ao publico
difireme remedio com altestadoa da eura-
ordinariaa curas que elle teem feito, porni
quasi que em todos os casos a illusao tem sido
apenas paisageira, e o doenre toma a recahir
em peior eUdo do que c achava antes de ap-
pllcar o remedio tao recomruendado : outro-
tanto cao acontece com este extraordinario .ca-
mpe do bosque.
O proprictario ao principio fol Induzidb a of-
ferecer este xarope ao publico, depois de ter
ellcctuado em ti meimo una cura permanente,
e depois de ter a opiniao do primeiro medi-
co da Europa e dos Estados-Unidos, de que
cu estado j nao dava eperanca de melhora,
era como segu. No armo de 1837 apanhei
urna grunde constipacao que me atacou o pel-
lo, e todos os sjrinplomas de phthisica pulmo-
nar logo se seguiraru. Eu liaba urna tosse con-
tinuada com dor no pello, salivava urna den-,
madura c alguinas vcie misturada com san-
gue, urna febre tica, uores de noite, orna-
greci rpidamente, e em pouco tempo liquei
eduzido .i i-Mcroii debilidade.
Os meus medico (entre os quae liavia al-
gn do prlncipacsdos r.slados-Unldos) junta-
mente com uien amigos pcrderain toda a e-
peranca de nieu mellioramento, c esperavarn
Neste estado de molestia por casualidadc en-
contr! com urna antiga receita dos Indios, e
rrsolrl-ine com o consrntimrnlo dos meus me-
dico a experimenU-la, visto o estado dese
perado do mea caso.
Qual nao seria a admiracao do mcua medi-
co, c o inca contentaincnto vendo que desde
que principie! a tomar o xarope, conhecl logo
una mudauca no mcu systema, e pela conti-
nua(ao do uso a molestia madurou, os mino-
re formaram cabrea e arrebentaram laucan-
do grande porcao de sanguc c rnat-ria. Depois
de ter continuado pelo rsparo de 3 mezes com
o remedio, a minha molestia cessou inteira-
mente, e acbei-me restabelecrdo de perfeita
siii.le, o bofe desde aquellc tempo tem conti-
nuado sem a menor alectacao de enfennida-
de. Nesta circumstancia he que me resolv
ao principio a otl'erecc-lo ao publico, fieme
mente convencido de que he o nico remedio
que se tem descoberto, no qual se pode ter
coniianea para a cura de phthisica pulmonar,
f'urou onde todos os nial remedios linhain fa-
Ihado, c, c fr tomado eanplicado segundo as
director, poucasvezes deixar de produzii
uina cura radical.
O eu principio de operar he fcil de expli-
car : (uavia e acalma a incmiuoda tosse,
amadutece o abscesso, facilita a saliracao, e
em pouco tempo livra os bofes da materia que
se retine no tubos de ar. llegula as funccOes
usuaes em necetsidade de oulra qualquer me-
dicina, fortifica o cystema e purifica o sangue
Piao conten, nem mercurio, opio, ou outro
qualquer ingrediente venenoso, e he fello ni-
camente de rail e hervai. Tein-ie usado ha
mal de nove annos, e he univeraalinegtc con-
siderado como o grande c nico remedio para
esta horrorosa molestia. Os seus el'eilos sao
em todo os lugares o mesmo, admratela *M
umphantes !
Como medicamento preventivo e antidoto
contra a tendencias do clima paraa phthisica,
he de grande valor, e nao d,segundo fax qual-
quer medico ou conhecedor de droga, porni
emquanto se cata paliando com estas engttnotas
mistara!,!.} doente Vfl rpidamente cinpeioran
do, c cada dia mais e mais colloca o seu caso
fura do alcance de eeneranfae! .' Ko auccede as-
s i ni com esta preciosa medicina. He sempre
alutar, e seus ruellos nunca s&o damnosos.
Nao he opitica;, nao he tnica, nao he um me-
ro expectorante, nao tem por objecto afagar o
doente para ter urna /iifataroiiraitra. lie um gran-
de remedio, urna grande composico curativa,
o grande e nico remedio que a scic.ncia e o
conheciinento medico teem at hoje produsido
para o tratamento desta molestia, ate hoje In-
co'nqulstavel.
Em urna palavra he o melhor remedio rio
mundo, e nenhuma pessoa tocada com este da
gello da /airi'fa mona aera justo para si e para
eus amigos, se descer sepuliura sem alica-
tar ua qualidade virtuosas Iluta nica gar-
rafa quasi que em todo os cato produzir
urna ciiuvideravel miid.inca no citado de qual-
quer dnenca, trjn ella qunl for.
Tem curado caso que se suppunham supe-
riores ao poder medico. Tem levantado doen-
te como que da sepultura. Tem curado de -
pois que j lodos o ou ios iyftemas, medica-
mentos e methodos de tratamento teem falha-
do. Em urna palavra, deicobrio-ie o ugredo, a
phlhiica cura-se.
A anllga opioiao de que? phthisica nao po-
da curar-se tea* desapparecldo desde a intro-
duecao drsia milagrosa medicina. A phthisica
pela descoberta iesff npitlenmento cha-e
despida de metde dosbofrores que causava.
Em lugar de se entregaren! ao desespero quan-
do estavam seguros de que a phthisica Ihe ti-
uha laucado a inai garras, rnilhares de pea-
soas teem recorrido a este iufallivcl remedio, e
com prater e regoijo eonliniiam desfructando
aanlc neste seclo que produzio tal beneficio
r.i a humana.
Lrmbrem-se todos aquelles que se acham to-
cados de molestia pulmonar, qur por tosse.
conslipacca, asthma. bronchltes, plcuri. r-
carros de sanguc, dr de costado e no peito,
palpitaciio no coracan, dOr de garganta, c to-
das as mais molestia do orgao pulmonares,
que o nico remedio seguro he o xarope do
bosque.
Lembrar-e-ha o publico que cada garrafa
tem dous papis com a propria assigualura dos
agentes lt. C. Yates e Comp., um na garrafa
com una perfeita dlrrccSo sobre o melhodo
de usar dellr, e outro no papel involtn.
Pode ser mandado com loda a seguridade
para qualquer porte do imperio. As orden
executam se puntualmente.
Vcnde-e na ruados Quarteis. n. 12.
Alfonso Jos de Olivcira, professor ju-
bilado na cadeira de geographia e historia
dolycoudeslacidade, propOe se a ensinai
grammalica latina, rhotorica e geographia :
as pessoa que de seu prostimo se quize-
rem utilsar, pdeai procura-lo na ra Ui-
reita, n. 120, segundo andar.
Charutos.
A' nova fabrica de charutos do Aterro-da
Roa-Vista, n. 77, junto a matriz, acaba de
chegar um completo sortiinenlo dos me-
ntores charutos que teem vindo a osta pra-
Qa, de entre osquaes rivalisam em superior
qualidade os feguinlcs : senadores, dipu-
tados. Venus, beija-llor, regalos do Havana
imperiaes, queai-fumar-sabera, regalos t
aiimos do yaya, cavalheiros, mela-regalia,
populares, inlegriJade,archeiros, llumiuen
ees, lanseiros, regala do S.-Felix, impe-i
&
riaes-archeiros, com cspccialidada recom-
mendam-se aos fuanles do bom go.sto
f^ abram e vojam ^3 vin los pela pri-
meira vez a esla prafa de/, caixas para
amostra ; convidain-se, pois, os apreciado-
res da boa lomara a concorrerem mencio-
nada fabrica, onde acharan), alin destas
qualidades, oulras muitas por mais bara-
to pregado que em mitra qualquer parto.
Manoel l'ereira La mego embarca para
o Rio-de Janeiro aipariM de nome Rernar-
-- Distante desta praa 9 logoas precisa-
se do um pr ifessor para eusiaar as primei-
ras lettras, latim o francez : preforo-so lio-
mom casado com pojea familia: a tratar
na ra do QueimaJo, n. 7.
% Chapeos de sol.
a ;:
R
na do Passcio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento destes objectos do todas as c-
da perlencenle a Antonio Jos Coelho da ; reg o qualidades, tirulo do seda corno
Rocha, residente na corto
Fugio no dia 9 de Janeiro do 1850 da
Roa-Viagem um cicravo crinulo do nonio
Joo, do idade de 21 ;i 25 annos com os sig-
naes seguintes : baixo o grosso do corpo,
o'clhas pequeas n redondas, ho des.lenla- ,. pamiinhos imitando sedas, para cobrir ar-
do e tom urna costura de talho em cima do nracOes servidas : todas estas fazen las von-
nariz; levou um cavallo mellado com una dem-se a porcilo oarealho: concertam-se
orelhn mais larga do que a outra, com nial quaeaquf chapeos do sol, tinto de basteas
de
panuin'ho, porprer; rscommolos dilos pa-
ra senhoras, de bou) gosto estes chapos
g0o feitos pela ultima moda; tediada tas
eada com ricas franjas de re'lroz. Na mes-
macasa so relia igual orlimonto da sedas,
de hesta pegada ao quadril, o ca vallo he do
mesmo dono doescravo : quem o pegar le-
ve-o ao seu senhor, quo he Seralim l.eil.i
l'ereira, que sera bem recompensado.
Aluga-se a casa terrea do Aterro-da-
Boa-Vista; n. 73, a qual por sua sitoacSoe
commodos pode servir, tanto para negocio
como para morada : a tratar nu prac,a da
Boa-Vista, botica n. 6.
A vniva do tercoiro matrimonio do
fulleci lo Jos da Costa Mogucira avisa aos
credores do son casal, quo tendo do proce-
der a inventario pelo juizo du orphlos do
l'o-do-Alho, tlevem ellos juslificarem seus
ttulos al o meisilo do correnle Janeiro,
alim de serem attondJos ni partilha de
bens : e para prevenir qualquer omisso,
faz o prsenle nnnuncio.
Na na da Cadeia de Santo-Antonio, n.
13, no primeiro andar, se dir quem tem
um negro do 30 a 35 anuos sem achaques;
muito robusto, o propro para tervico
braeal.
Alugatn-se por preco rasoavel
de ferro como de baleia, assitn como umbe-
las de greja : ludo por prego comino lo.
Novo melhodo prticoe
theorico da Hngoa IVan-
ceza, ou arle faciHma
do aprender com perfeiclo e em pouco tem-
po a fallar, tratluzir e fserever o francez.
Ninguem pjoder negar a utili lado ra
lingos francoza, porquanloque sen lo ella
hoje universal, reun'em si urna maviosida-
de inaudita, tima exc -llencia que llio be
propria ella he abracada sem a menor exi-
ta(:lo por lodosos povns do mundo COlibe-
cido, por isso os grandes homens do secu-
to presente teem envidados os seus exfor-
Qosalim de que olla faca longevos sobre I
lerrn, e para prnva de urna tal BS8er(So
muito bem disse o sr. SevcnO inlis en-
tavel a muitos a Imgoa fran za ho de
summa ulilidade para lo ioj. ~
As pessoas, pois, que reconhecendo estas
grandes vantageiiSi c Dito estando em posl
quemquizeraricnJar o dito ofilcio de es-
crviloile orphios da villa da Anadia, na
provincia das Alagoas, dirijS-ie a ra da
Cruz, n. C.qun ubi achara com quem tratar,
ou nacida ledo Macei.aoSr. I)i\ Fernan-
do AiTonso do Mello, que se acha autor isa-
do para o dito lint.
i ii iil m ii
Compras.
Compra-sc urna casi terrea as se-
euintes ras: Praca, AragU, Conceicfio,
Roznrio, s.-cruz e VeHia, suido do utn con-
toeduzenlos mil rs., a gradando ao com-
prador dar-sa-ha mais:,quem tcr au-
nuncie.
Co npra um laclm gran le do cobre, em
bom uso : ni ra Imi/erlal, n. 165.
Compra-sc um ou dous caixoes para
deposito de asquear : na roa da Cadeia do
Reeife. n. 50, loja de Cunha & Amorim.
Compra-se u'na pequea morada do
casa terrea, depedra acal, queeatejaem
mtiilo bom estado, o que s-ja na freguezi
do Santo Antonio, rio escedendo seu valor
s c Mito e cincuenta mil rs.; quem a tiver e
qnelra vender, r.ntuiticie Tara ser proou-
'-'comnrani-selO a 15 milheros do li-
jlos de alvenaria, sen lo de muito boa qua-
(idadeo bastantes grossos ; una roto de
arrastn de nilha dn ramarHo no Alerro-
da-Bon-Vista, n. 17, fabrica de licores.
Cotnpram sr, elJectivamenU, botijas o
garrafas: na rin do Rangcl, n. 5t.
Compra-se urna preta que sej.i perfeita
costincir i, engommadeira e que saiba fa-
ser vc-ti los, seagradtr paga-sa bem; una
.lila que saiba engo amar ecozinnaaeque
nOo seja viciosa, ambas sa> para ton di
provincia: na praei di coumorcio, n. n,
prime1!'-) :n i.'.r.
o sobrado e loja da ra dos Quar- caode subjetarem-se ao tirocinio escho-
i 1 i.i, \i,i.,. laslico, sem duvida (lesi'j:irao cncoMlrrr um
teis, n. io: a tratar no Mondego melof(ce, Commo.lado para ronsfgul-
com L. G. Ferreira-
Urna pessoa habilitada e quo por mui-
r nr esla inslruccflo, poupando d'cst'arto
fastidiosa tarefa do
studar d-1 cor verbos
tos anilos se tem dedicadoaoonsinii da mo- e significado*, q'ial a da grammUica do
cidade, propOe-sc a ensinar grammalica la- Sr. I.oiz Antoniolljngaim, dada a luz ulli-
tina, dando duas liqOes por dia, e perce-i msmenle no Rlo-de Janeiro, o de que mu-
bendo a gratilicacSo mensa I de 3.000 rs.jto elevad )Conceito Taz o imsso excetlente
por oda alumno: lamben) leccionara rhe- professor, oSr. doutorJoso
lorica e geographia porcehendo a gralifica-
c:io de 4,000 rs. : na ra Uireita, n. 120, sc-
undo andar..
Nova loja de fazendas e modas
crancezas, no Jterio-da-Ba-
Pi$ta,n. 12.
vedo.
Avisa-se, porlanto, os amadores da men-
cionada lingos quo ditas grammaticas se
acham a ven la na praQa do Commorcio, n.
2, pri io i ro andar
Aluga-sc ou arrenda-se urna campia
na Estrada-Nova*, denominada do Luce:
I propria para psstagam do gados, ran-
liladama Ancelle acaba de esla-'dios, ou qualquerplautac.So quo se
belecer-se no Aterro da-IJa-Yis-';8^1^^ ,'a lta ,,u Vl-',i"' 7- '"'
>
Vendas.
Cae tao Mendos da Cunha Azrv doon-
carrega-sedecoriipr.il- e vender escravos,
nodianlo urna co.mtnissSo rasoavel, o para
cojo (ni prometi emrregar loda setivi la-
do no melhor dosenipenho d- ssa t.iel'.i: os
ta, n. 12, com iinia loja le fazen-
das e modas franeczas, na qual os
compradores encontrarao o que ha
de melhor e de mais apurado ^8-,
i t; t pretendeules o aciaiio iironrplo ci casa de
to nsqtielle genero. Ali acha-Kuaresi,,enca> a ruada AUgria, ... 28
tao o mais rico soriimeiit* del bairro da Ila-Vista.
Lapdo.de seda, de palha, **\^%^^^S
rece a qualquer senhor dr engonho para tul
niistor, declarando quoensin i a lr, escre
ver, contar, doulrina chrislSa e coser liso,
pronii lien lo erupregar todo o es nei o para
o bom aprov itamento de sues alumnas: a-
quelle quede seu prestirooquizer ulilisar-
se, prorure-a na ra do Cal leireiro, casa,
n. fi.
Precisa-se alocar um tIo
para carreenr um patiac de pao
e para o mais servico de casa : pa-
ga-se bom altigucl por mez : na
padaria di Passagcm-da-M gda-
lena.
Josqiiiui Vieira do Anuda propof-sea
ensinar piimeiras lettras, grammalica da
lingos nacional o arithmclicaem sua casa,
na roa da Palma ; ssiin como lambed) le-
rionacm casas particulares por mo 'ico pre-
go : as pessoas que se quizerem ulilisar do
seu presumo (lein procura-!o na ines-
ma ra, ou annunciem suas,ora las. O an-
nunclante julga-so para tnl habilitado,por
ser todos os preparatorios e a prlica de do-
te minos de ensiiio.
lisses Droz tem a honra de participar
aos habitantes tiesta provacia chegado ha pouco da Sussa, trouxe comsi-
go um excedente sorlimenlodrelog'os de
algilieira, djouro o prala dojr.da, cha-
peados de ouro, relogios de prata o do cai-
xas de motril ilourados, dos quaes so garan-
to a sua regularidado lambem se enoar-
rega de concertar relogios ti i algibeira e
pen-lul.is, pfle vidros nos meamos, 1 impa os
mostradores do prata, gnraotindo-se a su-
perioridade de todas estas obias. s Srs.
rclojoeiros e ourives acharan em sua casa
na ra da Cruz, n. 40, segundo andar, um
completo sorlimenlo de inslruineiilos (les-
tes officios. Kilo espera que avista do sen
trabalho conseguir merecer a confiartca do
respeitivol publico.
llores ou peonas para senhoras t
liivas de pellica, seda elinho, tan-
to para homens como para senho-
ras ; ricos manteletes ; litas pura
chapeos ; lencos de cassa bnrda-
dos j chapdos e bonetes de monta-
riay collarinhos e pttnhos paro
montaa ; manteos de cassa bor-
dada e de rendas preias c bran-
cas ; blondes de seda ; rendas e
bicos de linho ; (micas para bapti-
zados ; lencos de carobraia de li-
nho bordados e com vinhetas; ri-
cos aventaes de seda ; vest dos de
cassa oriental ; ditos de arca pa-
ra bailes ; franjas e enfeites para
vestidos e manteletes lencos dt?
seda para homem ; grvalas pretas
e de cores ; a mais escelhida per-
fumaria ; vasos e outros oljcctos
de porcellana do mais elegante
costo ; esponjas ; cscovas ; pen-
tes; cspelhos; ricas meias pura
homem ; meias para meninos ; ca-
rnizas brancas e de cor ; bonetes
para homem e meninos ; ricos co-
frezinhos para perfumaras ; orna
tos para luto, de muito bom jjosto :
chicotinhos de montara, tanto pa-
ra homem como para senhora ;
bengalas de unicorne e de outras
qualidades ; ricos suspensorios ;
chapelinhos deso para senhora,
do mais apurado gosto ; e oulros
muitos objectos. Todas estas fa-
zendas sao chegadas pelos ltimos
navios francezes Na mesma loja
se fazem chapeos de todas as qua-
lidade e loda a especie de ornatos
para senhoras ou meninos : t tul o
isto segundo o melhor e ultimo
gosto, visto como a sua proprieli-
riaengajou niadas mr.s perilas
modistas, chegadas ltimamente
de Parla. As pessods que para taes
objectos ella se dirigirem serao
servidas com a maior ptomplidao
ede manera a ficarem satisfeitas.
<3 S
r.y Alugam-so o vende t-se as verda.- Q
& deiras bixas de llamburgo : na praca j
q da Independencia, n. 10, ao voltar (>
''> para a ra das Cruzas, Q
Parinha de tnillio.
.. Vande-se farinhi demllho 'm porreo*
e arretal'.o or preco commoJn, amado
Brum, n. 2S; sondo de I.*, 8." o 3 so-te.
-. Veado-jouma mui Una rajlalinha do
id annos com todas as qualid ules aprecia-
das para mocambt, ale n il que, engoma o
cuzeperfeitamente; dir-so-lu o motivo di
venia, na ra do Rangel sobrado, n. 57.
.. Venle-se un lindo molequ, chama-
do p'^ca, do 17 ."linos, de illibada con luc-
ia, ecomo tal, prefero-se para dentro da
cidado, por se aii innr su i conduela, na
r:, doRangel, n. 07.
.. Arroz a Ors. a libra e 1,403 rs. a
iuei_ arroba, sndo em sacci anda por menos:
Mpirilode87graos a 1,000rs. a caada;
no pateo do Hospital do l'araizo, venda
n. 20 .
Vendo-se a casan. 3, cita na ruado
Bom Sussec,o em Olinda por comino lo pre-
eo; na ra de s. Francisco, casa n. 24,
'efronte da ven la do Nicolao, se dia quem
ven le.
-- Venden) se f> lindo escravos de nacao
eerioulos. de isa 30 annos, sem vicios,
nem molestia, um parlo de 24 annos, op-
limopara tratar decavallos, esed muito
emeonta; 8 pretas de 16 a jannos, mm
algumas abflli la les, sendo algumas muto
boas quilandei as e smi vicio ; urna negri-
nha de 12, muio linda urna molatinha de
12 Bnnos.com principio do banalidades e ca-
ri nhosa para meninos; urna preta de meia
Idade; assim como oulros muitos escravos
p ir procos commodos, na roa da Cadeia do
;: cifi, n. 51, primeiro andar, so dir quem
OS VCIlde.
-- Vende-se urna negrlnha de 13 a 14,
annos propria para mu camin porserreco-
Ihnli ; coze xii e faz lavaiinlo, o lodo
arranio de ama can de familia: a trotar
no forte do Mat o. n. 10. '
Vendom-se 3 methodos para violSo,
sondo 2 do nuctor Canilla, o um da 6 edi-
580, na ra do Vigarin, n. lOnaloje.
Vendem-se relogios de ou-
ro sabonet, ptente inglez : em
caso deCeo : Kenwt).ithy &: C. ,
na na da Cruz, n. 2.
Vondem-88 duas moradas do casas ter-
reas, 011 ca la um-i do per si, nu bairro do
s.-l', urna rende 0,"00 rs., o a outra
5,001 rs. : na ra da Cloria, n. 6, ou an-
ouncie'. .
Venden-Se 163 palmos e meio de tr-
ra, com urna cacimba, arvo.es do frueto,
murailoecorn alicorees para osas, ehios
proprios, 110 boceo das Barrojras, perto do
rio, e com mais de 50 palmos do fundo,
ptimo para qualqiior cstabelecmento, ou
trnpa-sc (or casas terreas 011 escravos sem
vicios nem achaques: ua ra da S.-Cruz,
n. 60, defronte di ribeira.
Vede-su un par de brincos, urna me-
Jalhn com diamante, um laco do filagrana,
um annel com dous diamantes : na ra do
Crespo, 11.19, loja.
Vendem-se pagas do algodoznho com
20 jarlas o Com toquo do avaria, a 610,
1,980 e 1,76) rs., o litnpu a soto patacas ;
pecas de dulas de lions pannos, a 4,500 rs. ;
o diccionario d'! Moraps da quarta ediclo,
quasi novo, por 20,000 rs. ; 1 foledn folear
rormig'S: no pateo do Carino, n. 18, pri-
meiro andar.
Ka loja do sobrado nmarello, nos c-%
qualro-cantos da ra do Queimado, .y
11. 20, vendem-se cortos de caifas de
C. Slarr & Companliia teem a honra de
avisar aos seus freguezes, o ao publico em
geral.quea sua grande fundicflo em S.-
Amaro alm do sorlimenlo que constan-
temente tem acha-se de novo provida de
muhas inoendasdo canna, e dn varios la-
niaiilios feitas no mesmo eslabolccincnto
pelos mais peritos olUciaes, e com o malo:
cuidado e per feco ; lauto assim he, qui
os anmmcianlcs se ufanam em garant-las
pelo primeiro anno. As moendas'inleiras
todas de ferro', construidas as ofli in,s
dos aiinuncianles sao milito superiores a
quaesquer oulras da mesma natuieza que
al agora teem sido aqu ofTerecidas, pois
aquellas encerram em si cerlos e importan-
tes melIlumnenlos resultado ao mais de
20 annos tto experiencia pratiea do pas.
Por causa de molestia e no poder o seu
OOOOOOOOOCOO(&00<'lproi)r,,;Unoexorc,'roscu llicir. P ?
- de raleas de casimira do cores, a O
5?. 5,000 rs., havendo grande sorlimen- O
0 to i!e padrOea para esculla ; risca- 5
2 cus rnoiistrosdo quadros, e de urna
v^ so cor, a 220 rs. o covado ; e outras O
.-i i.iuilas fazendas muito em cotila. '.'>
> <;
Vende-seum escravo do 30 a 32 annos,
upttno vaqi.iMio, o qoe he propro para o
servico do campo : na ra da Madre-de-
Deos, ti. 34, luja de fazendas.
(al de Lisboa.
Vendem-se larris com cal vrgem de Lis-
boa de superior qualidade, per preco eom-
modo : na ra da Cadeia do llecifc, n. 50.
UFGIVFL



ti-"
__t____
~ Na run do Vigario, n.7, primciro an-
dar, ha para vender-se duas pretas, sendo
urna mora c outra j de dade.
Batatas
Vendem-se batatas a
i.
ooo rs
n arroba : no armazem da ra do
Azeite-de-Pcixe, n. i4 defronte
da Madre-de-Deos.
Vcnde-se urna bonita cscrava, de 1* a
15 anuos, que cozinha, eugomnia e Taz to-
doomais servido de urna casa: vcnde-se
para fura da provincia : na ra do Cres-
po, n. ti.
Vcndem-se bons queijos londrinos,
dilos do prato muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, lilos portuguezes para panella, lhlas
ooen 2e* libras de mermelada, ditas com
bolacbioha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
tas com bervilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vindos do Cca-
r, por barato preco, mantas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
oulros mullos gneros de boa qualidade
a nrua da Cruz, no Recife, n. 46.
Corles de cassa para ves-
tidos com 16 covados
por 5,500 rs.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com 10 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
rovados, :i 1,760 rs. ; pecis te cambraia li-
sas com oito varas e meia, a 2,720 rs. ; pan-
no de liiilin muito fino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, leja da esquina que volla
para a cadeia.
Tafxas para engenho.
Na fundic.io de ferro da ra do Rrum,
araba-se de receber un completo sorlimen-
lodo taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quacs acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se
cu carregam-secm carrossem despezas ao
comprador.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RA DA SEeZALTA-KOVA, N. [\1.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver un completo soi t-
menlo de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
cendo, de todos os taannos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vcnde-se em casa de N. O. Ilieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodiio trancado
(aquella fabrica, niuito ptnprio para[saccos
de assucar e roupa de escravos.
Cha brasileiro.
Vende-se cb brasileiro no armazen.de
nioltiados, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
ruis excedente cha produzido em S.-Pau-
lo quo lem vindo a esto mercado, por
preco muito comniodo.
Moendas superiores.
NafundigSode C. Starr & Coiiipanhia',
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de ranna, todas de ferro, de um modelo e
conslruccflo muito superior,
4cs fuanles de bom gosto.
No armazem de moldados atrs do Cor-
po-Sanln, n. 66, ha para vender, ebegados
pelo ultimo vapor .vindo do sul superio-
res charulos S.-Flix, e de outras militas
qualidades que se vendero mais barato do
quo em onlra qualquer paite : bem como
fiparrilbos hespanhes, ditos de palha de
milho, que se esto vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cento.
Corles de brim de cores
com li&tra sao lado, a
1,200 rs.
Vendem-se corles de brim de cores com
lislras ao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
podn americano, proprio para escravos, a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeia.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na ra da Cadeia, n. 5*2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
prnprias para saceos de assucar e roupa de
escravos,
Ruarles de furta-crca a
*H\ rs. o cov c'o e ris-
cado monslro a 220 rs.
Vende-se zuarte de furta-cores muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monstro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volla Darr a cadeia.
Para que ni liver bom
gosio.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padres, e o melhor que
ten apparecido neste mercado na ra do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
-- Vendem-se amarras ue i*rro : na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
4
Vcnde-se calcado de marroquim para J Vendo-sc banha de porco muito noval Vende-se, por preco commodo, um par
senhnra.a 500 rs. o par, marroquim, be- o bem Iva, em barris, em latas, aslilras e de adragonas para atieres'. na ra do Tra-
"""; piche, n. 9, armazem de assucar.
-- Vende-se um molecole de 25 annoa, sa-
ilioede bonita (lgura; urna mulalinha do
zerro, de Franca, (vetas, franjas, e outras
muitas fazondas para calcado das melhores
que ha no mercado, por*barato preco, sen-
do a dinheiro avista : na ra do Livramcn-
to, n. 11.
Os mais ricos mantele-
tes e capotilhos.
Vendem-se os mnis asseiados mantelete:
c capotilhos de chamelote de seda o gor-
gurilo, os mais ricos que teem apparecido s
aa ra do Queimado, n. 9.
Potassa da Russia.
Vende-se a verdadeira potassa da Russia,
desembarcada agora, em barris pequeos
em casa dos Srs, Itolhe & Bidoulac, ra do
Vigario, n. 4.
Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato preco de 2,000, 2,500, 3,000.
3,500 e 4,000rs.; cambraia de seda,
rs. : meias para meninas, a ICO rs.; la
com lislras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinha propria para roupa de meninos e ves
tidosdesenhora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra cjlcas, a 500 e 600 rs. ; lencos de algo-
do e seda com franja, a 600 rs. ; crli s de
collele de velludo, a 1,600 e 2,500 rs.; cas-
sa-chita, a 400 rs a vara ; garca de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado e outras muitas fazendas por
barato preco : na ra do Crespo, n. 15, loja
de Joaquini de Oliveira Maya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Santo, n. 66, por preco com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor do rosa e lustrosas, asquaes se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturaren) mais que as de espermacete,
e nSo fazerem morrSo.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antlgo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baixo das mesmas condigocs, offerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho hranco de Lis-
boa por220rs a garrafa, el.COO rs. a ca-
ada, a de vinho de liordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. NSo se admirem
os freguezes do baixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o anligo pre-
C0, embora este genero lenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinem os
amantes a qualidade para reconhccimenlo
da verdade e continuago da antiga fregue-
zia, Epara no haver usuras, esto'promp-
las garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barris de diversos ta-
annos para provlsiio do prximo Natal.
O proprietarioconta com a concurrencia;
do contrario, tornarlo os precos do reta-
dlo a primitiva do 210 e 280 rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassaj
de boa qualidade, em barriszinhot
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende : nc Itecife,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Farinha de mandioca.
Na na do Queimado, n. 14, loja do fer-
ragens, anda ha ulgmnas saccas da boa
farinha du mandioca, muito alva e bem tor-
rada ; bem como urna porgo de peonas de
cia, proprias para espanadores.
Vende-se vinho do Porto muito supe-
rior, em barris de quarlo c quinto ; farinha
de trigo de todas as qualidades e em meias
barricas; relroz do porto, prlmeira quali-
dade: panno e meias de linho ; arcos para
barricas ; farinha de mandioca em saccas
grandes e a garncl a bord da sumaca V -
.-ilu-Cnrmo: ludo por preco commodo:
na ra do Vigario, n. II, primeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cimba.
fe m
I Chapeos do Chile ]
f
i
i
i
a relalhn, a 240 rs. a libra I na ra Impe-
n. 37. 1
Vende-so um preto moco, bom oflicial]
rial,
da

de superior qualidade.
Pelo ullirro vapor receberam-so
mais chapeos do Chile de superior
qualidade, que continuam a vender- '>
se ( a pregus mais commodos do que #
em outra qualquer parle ) na ra do <
Collegio, n. 9. ,f
Saccas com farelo novo,
de 80 a 90 libras, a &?:
vendem-se no armazem de Antonio Annes,
no raes da Alfande^a, e no de Vicente Fer-
reira da Costa, na ra da Madre-de-Ueos,
chegadas ltimamente- de Lisboa e de
I ranea.
Vcnde-se urna parte dos sobrados de
Iros andares, ns. 14 c 16, siles na esquina
da na da Cadeia, defronte do II.cairo Je
San-Francisco: a falla rno primciro andar I vendern-so
Jos ditos, con Joaquim Teixeira i'eixoto. idelos.
Superiores chapeos do
Chile.
Vendem-se chapeos do Chile em porgues :
na praga do Commercio, n. 6, primeiro an-
dar, sao muito bous e muito claros.
Familia de S.-Calharina.
Vende-se a borJo do brigue Doui-Amigo/,
fundeadu defrodledo caes do llamos, on
na praga do Commercio, n. 6, irimeiro an-
dar, farinha de S.-Catharina.
Farinha de trigo.
Vende-se superior frinba de trigo fran-
ecza da Provenga, dictada iillinianiente de
Marselha : em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amoriir, n. 35.
Yendetn-se saccas com lte-
lo, pesando ij libras, editas com
leijito'rajadinlio e branco : ludo a
5,000 rs. a sacca : no caes da Al-
fandega, armazem do Dactilar.
irados de ferro.
Na fundigo da Aurora em S.-Amaro
arados de ferro diversos mo-
de pedreiro : na ra do Collegio, n.2l, pri-
meiro andar, se dir quem vende.
Para porcos.
Vcndem-se sancas com>feijao
com algum furo, a 3,'ooo rs. cada
urna : no caes da Alfandega, ar-
mazem de Francisco Dias Ferreira.
Vende-se
urna mobilia de Jacaranda quasi nova, sen-
do duas bancas, um soph, urna mesa de
meiodc sala, Ucadeiras, sendo duas de
bracos, urna cama de angico, de armago ;
no pateo do do Carino, n. 13, sobrado dn
varanda de pao, esquina do becco
bomba,.
Sola para scllcros.
No Aterro-da-Doa-Vista, n. 58, loja
sapatos, vende-se sola grande, grossa
bastante alva ; sap&loes do Aracaty, a mil
ris.
--Umversalmente hoje be reconbecldo
que na presenga de um par de oculos fixos
apropriadosao grao da vista do paciente,
lica inutilisado tudo quanto os diversos au-
tores desde Ilppocrates at Raspailhe leem
cscripto em medicina, tendente a curar
vista curta ou cansada, e tanto isto he cer-
lo que elles mesmos usam delles, em con-
sequencia quem os qu;zer, al mesmocom
o antidoto das canelladas, trambolhOes, ca-
hegadns o mais calaslrofos, dirija-sc ra
larga do Rozario n. 35, loja de miudezas.
-^rende-se um mulatinho de 16 annos,
bom bolieiro e copeiro ; 4 moleques do
elegantes lisuras, sendo dous delles corta-
dos na nictade de seu valor; 2 pretas com
tlgumas habilidades; 2prttos de 30 a 40
annos, sendo um delles bom canoeiro, e
vende-se por muito commodo prego rara
liquidagSo : no pateo da matriz de 8.-An-
tonio, se dir que vende.
Chegaram novamente ruada Sen-
zalla-.Nova, n. 42, relogiosde ouro e prata
patente inglez, para homem e senhora.
Novo sortimento de fa-
zendas baralas na ra
do Crespo, n. 0, ao p
do lampea >.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padres, cores fixas e cum 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
tras de linho, a 240 rs. o covado; brim de
algodo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padres, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarta ; cassa preta com
ramagem branca para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuartode cores, com 4 palmos de
argura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
varanle largura, a 200rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOese cores fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodao america-
no, muito superiores, a 640 rs.
SSSF.
Manocl da Silva Santos vende
farinha de trigo superior da marca
cima mencionada e chegada a es-
te mercado no ultimo navio vindo
de Trieste: qoem pretender, pode
dirigir-se ao armazem do Aunes,
no caes da Alfandega.
--Vende-se urna porgilo da melhor agoa
ardente de Franga ( pal Kroudy) que lem
vindo para este mercado, em caixas de urna
dii/ia cada urna : na casa de Augusto Cor-
l'i'li, na ra da Cadeia do Recife, n. 48.
Vende-se genebra de llollanda, em
frasqueiras ; ago'ardente de Franga ; vinho
de Claret em caixas de urna duzia; charutos
da liabia : tudo muilo barato: na ra da
Alfaudega-Velha, n. 5.
A 520 ris.
Vendem-se chitas francezas, largas, mui-
to linas, fixas, mbito miudinhas, cor de
rosa erouxas, pelo barato prego de 320 rs.
o CO-vado : na ra do Crespo, n. 14, loja de
Jos Francisco Dias.
Contina-se a vender bolacha de fari-
nha de midi, a 80 rs. a libra : na ra larga
do Itnzario, n. 48, padaria.
Vcnde-se cera em velas fabricada no
Rio-de-Janeiro, sortimento a vontade do
comprador, por prego commodo : na ra
do Vigario, n. 19, segundo andar.
Vendem-se 4 escravos, sendo : 2 ne-
grinhasdu 16 a 20 anuos; urna prelt da
Costa, de 30 annos ; 5 molecotes de 10 a
18 anuos, crioulos ; 2 pardos de 18 annos ;
3 escravos mogos, sendo dous carreiros;
dous ditos de meia dade : todos por prego
commodo : na ra Itireita, ni. 3.
la ra do Passeio, n. $.
vendem-se chapos de sol da marca mui-
to grande, proprios para similores e feitores
de engentio : estes chapeos s3o muito bem
construidos e muitos fortes.
Vcnde-se panno azul
proprio para fardamenlo ;
sola nivel nizada
para conciamo;
cobre
para caldeireiroe para forro ;
couro de lustro ; phos-
phoros de Uamburgo
cui caixas forradas de zinco ; um sorumen-
to completo de copos, clices, garrafas, etc.
do vidro o de crystal: na ra da Alfandega-
\ i|li;i, n. 5.
Cera de carnauba.
Vcnde-se superior cera de carnauba, che-
gada lia punco do Aracaty : na ra da .Mue-
la, u. 21, su dir querr vende.
Vende-se um escravo relinador: na ra
das Cruzes, n. 40.
Vende-se urna escrava de meia idade,
com habilidades : na ra Veilia, n. 71.
1" anuos, com bons principios d airanjo
de urna casa ; um cabrinha de 10 a 12 an-
nos, de bonita figura muilo esperto, e por
isso ptimo para pagem : vendem-se bara-
to por ser para liquidagflo de contas : no
Uecco-Largo, no Recite, n. 1, segundo
andar, se dir quem vende.
Vendem-se bixas do Porto, pequeas,
de 50 para cima a 100 rs.: na ra das Cru-
ze?, n. 40.
Cal virgem.
CubIi& Amorim, na ra da Cadeia, n.
50, continuam a vender birris com cal de
Lisboa, da mais nova que ha no mercado,
por isso mais barato do quo em outra qual-
quer parte.
Vendem-se 26 portas de louro e al-
gumas de amarello novas, de 4 e meio a
palmos de largura, e 10 a 11 de altura, por
prego commodo : no Recco-I.argo, no Re-
cife, junto as taixas de ferro, onde teve tan-
que d'agoa.
Vende-se a principal taberna alta na
ra da Aurora, n. 56: vende-se por seu do-
no se querer retirar para (ora do imperio
a tratar na mesma taberna.
Calcado franeex inleira
mente novo.
. Na ra do Crespo, ao p do arco de S.-
Antonio, loja de miudezas, de Joaquim
Manriques da Silva, sapatos de couro de
lustro para senhora, a 2,000 rs.; sapa loes
de couro de lustro, a 6,000 rs. ; ditos de
duas e tres solas, a 5,000 rs. ; sapatos de
couro de lustro de una sola para homem.
a 4,000 rs ; borzeguins gasc-eados para ho-
mem, a 7,000 rs.
Na luja da esquina do Decco-Largo da
ra da Cadeia do Recife, vendem-se saccas
com superior milho, por prego mais barato
do que em outra qualquer parte.
Vendem-se 150 barricas.vasias que
fOram de farinha, por prego commodo: na
ra larga do Rozarlo, padaria u 48.
Vcnde-se um escravo bom cozinheiro :
Da ra do Collegio, n. SI, primeiro andar,
se dir quem vende.
Na loja da ra do Cres-
po, n. 14, de Jos Fran-
cisco Dias,
vendem-se riscadinhos muito finos, rou-
xos, encarnados ecr de caf escuro, mui-
to fixos, pelu barato prego de 200 rs. o co-
vado ; cassa-chitas francezas, muito fixas,
a 480 rs. a vara ; chitas largas francezas, a
360rs. o covado; brim de linho azul miu-
do para aqueta, 440 rs. ; brim amarello
cntrangado e de puro linho, a 1,600 rs.;
meias para meninos, a 200 rs. ; ditas ham-
burguezas, muito encorpadas, fazenda mui-
to superior, a 400 rs.; picote muito encor-
pado, fazenda de muila durago e propria
para escravos, pelo diminuto prego de 200
rs. o covado; curtes de brim de lislras e
quadros, a 1,120 rs. o corle; ditos de qua-
dros o lista ao lado, fazenda muito encor-
pada, pelo barato prego de 1,400 rs. o cor-
te; e outras muitas fazendas por barato
prego.
Vende-se urna armag3o, caixfies e me-
didas que foram de urna taberna: na ra
do S.-Amaro, n. 10.
Vendem-se, na ra do Crespo, loja n.
Il.osseguintes livros, para as aulas : Ro-
quete, dictionaire portugais frangais ; Mag-
num Lexicn, edigao de Pars; Diccionario
do composigo ; Dictionaire porttil; Mar-
tina, direito natural; Diccionario inglez
por Vieira; Manuel des bains de mer ; Dic-
cionario brasileiro com os jseus mappas;
diccisnario classico; F.ntick senglih latini;
Dictionary ; Atlas por Simoncourt; dito por
llalbi; dito por Mixelot; Ideia de uin per-
feito parodio instruido as suas obrigages;
Doutrina da constiluigilo synodal; a Soli-
d.to, romance de N. S. dos Guararapes;
Horacio, Virgilio, Salustio, Tito l.ivio, La
Fonta ine, Carlas de Cicero, the iliad of Ho-
mero; Systema social por Holhack ; Histo-
ria sagrada ; Geometra de Eucldes ; Fbu-
las de Esopo ; Renlant, theoria das penas ;
Obras de Camoes ; Crammaticas nglezas de
varios autores; Telemaco; l.acroix ; Ele-
mentos de direiro natural ; Geograpbia por
Caulier; Cousin, Felice, Tompson, os l.u-
ziadas, Arte potica de varios autores, Ora-
tiones, Cicerones ; a outros inmensos li-
vros, lodos em bom estado, |e por prego
mais commodo do que em outra qualquer
parle.
Pos galvnicos para
pratear.
Na ra do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem objectos
prateados e que tenham perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisados, teem nestes pos um excellento
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho moldado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinha contendo quantidade suf-
ficiente para pratear mais de 40 palmos
quadrados cusa a mdica quantia de
mil rs.
Agencia de 'tlwin Ufaw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
montea Companhia, acha-se constantemente
um grande sortimento de forragens inglezas
para eneenhos de fabricar assucar, Jiem
como taixas de ferro ruado e balido de dif-
terenles lamanbos e modelos moendas
.de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vaporde frga de 4 cavados, alta
pressSo, repartideras, espumadeiras, ele.
de ferro eslanhado. Na mesma agencia adia-
se um sortimento de pesos para balangas ,
escuvins pina navios, ferro cm barra, tanto
quadndo como redondo, salra para ferrei-
ro e urna porgilo de tinta verde em latas :
tudo por barato prego.
Vende-se a loja de livros,
com todos os seus pertences, que
fui do bacharel Bernardo Jos Vi-
eira Gotitinho, sita na esquina da
ra do Collegio : os pretenden tes
dirijam-se ra do Vigario, n. n ,
primeiro andar.
Charutos de HaVana
verdadeiros :
vendem-se em'casa de Kilkmann IrmSos,
na ruada Cruz, n. 10.
Polassa nacional.
Vendc-se potassa nova da fabrica nacional
do Rio-de-Janeiro ao haratissimo prego do
180 rs a librados serjhores de engenho de-
vem todos mandar comprar desta potassa
afim de animara fabrica que com tantos
sacrificios se estabeleceu e foi a causa do
baixar a este prego : na praga do Commer-
cio, n. 6, primeiro andar, escriplorio de
Manoel Ignacio de Oliveira.
Vende-se a taverna da casa, n. 65 na
ra nova I a tratar na mesma.
Vende-se urna preta muito
boa para engenho, ou servico de
campo, moca, de bonita figura e
barata: no Aterro-da-Bj-Vista,
n. lo.
Vende-se um bom moleque
offcial de alfaiate : na ra do Quei-
mado, n. 9.
Ao bello madamismo
se oflerece transparentes e lin lissinms cas-
sasda nnis moderna exposigilo de Caris,
corles de 10 varas, pelo rasoavel prego do
7,000 rs. : na loja de Antonio Lua dos San-
tos & C., na ra do Crespo, n. 11.
Vende-se urna rica commenda da or-
ilem de Christo, a qual anda nio foi servi-
da e se c' mais enconta do que em outra
qualquer parte: no pateo do Ter^o, n. 1,
segundo andar.
Aloalhado de linho. ^
Vende-se aloalhado do puro linho, <;
com 8 pal o. os de largura, a 3,500 rs. 43
a vara ; dito com 9 palmos, a 4.C00 <3
rs.; guardanapos finos de puro li-
nho e adamascados, a 10,000 rs. a
0
duzia ; um completo sortimento de 5j
toalhas da mesma fazenda, de varios JI
tamandoa e de diflerenles pregos: ^
na loja do sobrado amarello, nos 43
quatro cantos da ra do Queima- ^ '
do, n. 29. ^
9t.................. 1
Vende-se superior fio de al-
godSo para pavios^de vela: em
casa de Geo : Kenwrlhy & C.,
na ra da Cruz, 11. u.
Escravos Fupioos
Fugio, no dia 10' de dezembro do an-
uo passado, a preta Rosa, do nagSo, de 50
annos pouco mais ou menos; foi vista em
Muribeca, onde j foi moradora, por U r sido
escrava do lllm. Sr. coronel Agoslinho lle-
zerra, ou de um de seus psrentes ; be bai-
xa, cheia do corpo, nadegas empinadas, ca-
ra redonda e lustrosa, feigOes amacacadas ;
lem a pede dos bragos enrugada o cinzenta,
ps pequeos, andar ramhaio, por ter una
estrepada na sola do p direito, e urna fe-
rida no dedo pequeo do p tsquerdo e os
dedos grandes ruidos de nexos, com falta
de dentes na frente do lado inferior, falla
que se percebe ; levou camisa de algodfio-
zinho com mangas de madapolSo, stia de
chita e panno da Costa azul tudo velho :
quem a pegar leve-a a ra da Praia, arma-
zem de carne, de Ignacio Luiz de Brito Ta-
borda, que gratificar.
Fugiram do engenho Frexelra, fregue-
zia de N-S.-da-Escada, na imite de quarta
para quinta-feira dos dias santos de festa
do natal, um preto de nome Luiz e sua run-
diera cabra Maris, ambos de idade j aran-
gada ; levaram urna cria fillia dos mesmos,
tambem cabra; suppOe-se que estes escravos
linham vindo para esta praga, ou se te-
nham dirigidopara as partes do serillo de
onde j fOram, e que digam serem forros,
poisquea cabra Luiza lem isso por cosa-
me. Pede-se, portento, as autoridades po-
liciaesecapitfles decampo, que os appre-
hendam o levem-nos a Seu ligitimo enhor,
Josa de Sena Santos, no engenho cima
mencionado, ou nesta praga, a Cunda &
Amorim, na ra da Cadeia do Recife, n. 50,
qnoJfci.igarflo todas as despezas e so gra-
tificirT
No dia 7 do correle, desappareceu da
casa du abaixu assignado, morador na ra
da Concordia, na quarta casa, passand a
pontezinha, do lado esquerdo, o seu escra-
vo Joaquim, de nagflo, que representa rer
40 annos pouco mais ou menos; levou cal-
gas de algodSo azul com coz de enfiar, ca-
misa de algodSo branco, bonete preto na
cabega eum lengol de algodSo ; o qual he
bem conhecido, por ter sido escravo do pa-
dre Thom da Silva CuimarSes, e ler ser-
vido deservente de pedreiro com diversos
mestres ; tem estatura regular, e um dos
calcanliarrs dos ps gretados que parece
principios de aristim : quem o pegar le-
vo-oem dita rasa quo spr recompensado.
Jote Antonio Cor'reia Jnior.
No dia 2 do correte desappareceu da
pevoagSodo Rom-Jardim, comarca do I.-
nioeii o, um escravo de nome Januario, de
26 annos pouco mais ou menos, altura re-
gular, cor vermelha, sem achaque algum ;
conduzioum cavado preto-rugo pequeo,
capado, muito novo, com cangalha o um
par de ancoras grandes : quem o pegar le-
ve-o a dita povongo do Bom-Jardim, a seu
senhor, Minoel deFariaMaciel, que recom-
pensar generosamente.
Fugio, no principio de novembro do
anuo prximo passadi1, o pelo Antonio, de
nsgo Kenguclla ; tem urna Pilma noolho, e
una f, nda grande na canda da peina di-
reila ; lem um dedo do niesmo 1 junto ao
grande cortado ; suppoe-seque estoja oc-
culto em algum sitio ou casa particular, a
poristose protesta com todo o rigor da
lei contra quem o liver occulla. Itoga-se a
todas as autoridades | oliciaes e eapitSea de
campo, que o apprebcndain e levem-no.
1 ua da Solidado, n. 29 ou ra do Queima-
do,n. 20, que serSo gratificados.
Pkbn. : ni ttt. de h r. b au. l*50
t
1% \


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8QKW85VQ_6T7T49 INGEST_TIME 2013-04-24T15:39:39Z PACKAGE AA00011611_06758
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES