Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06756


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anua .XXVI.
Sextn-feira 11
l
i?
i
!
1
PARTIDAS SOS COBBEIO.
Ooiannn c Parahiba, segundas esextas fcirai.
ltlo-Grande-do-Noile, quintas feiras aomeio-
dia. ,
Cabo, Serinharm, Rio-Formoso, Porto-Calvo
r Macelo, no I.', a 11, e 'I de cada inez.
Oaraubuns e Bonito, a 8 e :!'!.
Iioa-Vlsta e Flores, a 13 e 28.
Victoria, as quintas feiras.
Ollnda, todos o> dias.
Bnaiiwt,
/Mlng. a 5, s 6 b. e 18 ni. da m.
n I Nova a 13, s 9 h. da maiihaa.
Piusesda ms. )0ftc>a2|,as 7h.c 2m.dam.
(Chcia a 27, s 10 li. c 36 ni. da t.
vas AMAR SX HOJF..
Primeira as 2 horas e .'i 1 minutos da tarde.
Segunda as 3 horas e 18 minutos da manha.
de Janeiro de 18150.
N. 9.
uxmam wm
PBEIJ03 DA SI1SCIIIFCAO.
Portresmezesfau'anlddo) 4/000
Por seis iiiezcs 8^1)00
Por mu auno 15/000
.**KBf!i,riCsi:iaBB:."
DAS DA SEMA A.
7 Seg. S.Thcodoro. Aud. do J. do* orf. c m. 1. v.
8 Tere, S. Lourenco Jusliiiiano. Aud. da chae,
do J. da I. v. do civ. o do dos feitol da hienda.
0 Quart. S. Juliao. Aud. do J. la >. v. do civil.
10 Qulat. S. Paulo, priinelro eremluu Aud. do J.
dos orf. o do ni. da I. v.
11 Scxt. S. ilygiiio. Aud. do J. da 1. v. do civ. e
do dos feltos da fareiula.
12 Sab. S. Satyro. Aud. da Chano, c do J. da ?. v.
do criine.
13 Doin. S. Hilario.
CAMBIOS EM 10 DE JANEIBO.
Sobre Londres, 271/, d. por 1/000 H. a 60 da.
Paris, 316.
> Lisboa. 100 or cento.
OlUJK'tafShMi.........2^)00 a MffOO
Moeda.d6M00velha.. 16/900 a 17/100
... de (#400 nova.. 16/200 a lt>*Ri
. de 4/000... ....... Hr* 9/40O
/,rala.-Patacebrai,leros...... 1/060 a I/98U
Pesoscolumnarios....... 1JM0 a W"
Ditos mexicanos.......... 1/8j0 a I87U
*t*> . MBBU
PARTE OmCIAt-
Comniaiido da pracn
Qunrtel-general do commando da iraca na
cidnde do Recif de Pernambuco, 10 de .
Janeiro de 1850.
ORDEM DO DA N. 1.
Nomeado commandante da praca, pela
nrdem do dia do commando das armas da
9 do corrente, he de met devor fazer publi-
co a guameflo que o servico contina a fa-
zer-se pela maneira ja estabelecida, fican-
do em pleno vigor todas ss ordens anterior-
mente dadas pela Exm. Sr. general com-
mandante das armas.
INumeio para servir de nicu ajudante de
ordens o Sr. alferes do eslado-msior de se-
gunda classe Alexandre Augusto de Fras
Villar, passandoa subslitui-lo no exercicio
o Sr. alfoces tambem do estado-maior de
segunda classe JoSo de Amorim Uezerra.
O Sr. segundo lente do quaito bata-
lhilo de artilharia a p, Joaquim Fabricio
de Mallos, exercer as fuucc.es de secreta-
rio desle commatdo.
Assignado, Jos Vicente de Amorim Bezer-
ra, commandante da praca.
Quurtel-general do commando das praca na
cidad do lieelfe, 10 de andr de 1850.
ORDEM ADDICIONAL A DO DIA.N. 1.
O lliix. Sr. coronel commandante da pra-
c,a n amia publicar para ronhecimento da
guarneflo, que um oflicio do Sr. capitiTo
ajudanlo do ordens do commando desar-
mas, datado de tiontein llie fui communica-
do de ordem do mesmo Exm. Sr. general
seja desligado do segundo bataiho de ai ti -
Ihsi i a p a que foi adido por nio ser por
ora necessario seus servidos o Sr. capitn
da quarln classe do eaercilo Anlonio Uene-
dicto de Araujo Perrambuco.
Assigrrado, Klexandre Augusto de Friat
Villar, alteres ajudante do oidens.
EXTEcOK.
QUESTAO romana.
Assembla legislativa de Franca.
Sesslo de 19 de oulubro.
(Conlinuoco do n. 8.)
OSr. general Cavaignac rede licenca para
fazer inmediatamente algumas ohserva-
coes acercado que fura dito sobre a con-
ducta do seu governo relativa ment aos ne-
gocios da Dalia.
Mulita vozes :Fallo.
OSr. general Cavaignac :--Quando eu li-
iilu a honra do presidir o concclho, fui in-
formado por um agente snballerno da re-
pblica franceza que o papa, prlsionero
cm seu palscio, procurava evudir-se, ou
houverem de adoptar no interesse da mis-
sflo, que he especialmente confiada a M. de
Corcelle, e que lem por fim a segranos
pessoal do padre santo. Nflo ha duvida, que
esse accordofc mantera entre elles; porm,
se porvenlura um dissentimonto viera ma-
nifestar-se, como a unidade de acedo he es-
sencialmente necessaria para alcan^ar-se o
din proposto, neste caso M. de Corcelle lo-
mar mi a direceflo dos negocios, e decidir
em ultima instancia tudo o que fr da sua
missflo, a qual anda o repetimos, he man-
tera seguranca pessoal do pap. Assim em
caso de dissentimento, M. de Corcelle s, o
sb sua responsabilidade dir ordens, en-
lalilai, e concluir negociares ; conser-
vando sempre M.de llarcourt o titulo, e as
fuilCCes de embaisador |< n a OS negocios
ordinarios, estranhos missflo puramente
temporaria de M de Corcelic.
O orador entra aqui na spreciadlo da po-
sicto do papa em face das populacOs ro-
manas. Elle exprimo o pensaniento de que
ha opposicflo entre o eslabelecmenio pon-
lilical, e o principio da soberana popular,
declara que cutnpro que a situado do papa
seja subordinada em presenta da soberana
popular, e que cedo, ou larde a questo do
governo temporal do papa (cara, dispo-
-ii;jo do povo romano.
O orador explica depois de que mo lo en -
carra desde o principio a quesillo romana
Elle diz,que quando soube que o papa recu -
sava regressar para liorna, comprchendeu
logo quo os romanos rstabeleceriam om go-
verno indepondenle do papa. Conipre-
heudeu, que se esse governo fosso tima re-
pblica, a Franea so acharis em presento
dest-4 trplice alternativa iguslmento lasti-
mavel:
Ou deixn.inoj que a repblica romana
fosse destruida por urna potencia qualquer,
oque poderia compro "netter a nossa influ-
encia. Ou attacaraios.ns uies'nos.essa rep-
blica, o que teri sido essencialnicnle con-
trariu ,ms principios da existencia do nosso
governo. Ou defeudertnos essa repblica,
o que teria sido contrario, nio nossa hon-
ra, nem uos nossos praeipiOSI porm aos
nossos interesses-
A' vista deste triple perigo, diz o orador,
teria sido conveniente que tomasseinos nos
negocios de liorna urna allitude activa,teria
sido til que nterviessemos activamente ;
quero dizer : teria sido preciso que nter-
viessemos no ponto de Vista do mlercsse do
povo romano, e que nos aprescntassenios
'"iii um ni iiiiahini, o qual estivessemos
decididos a sustentar. Este ultimtum de-
veria exigir : um governo secular, urna re-
presentado seria, e lil'eid ules municipaes.
Agora, cidados, permilli que diga urna
palavra sobre o relatorio da rommsslto.
Eu nelle encontr esla phtasc: A consti-
tuieno defeituosa em mais de um ponto...
tima os direila i *Hi OOlTOl muitos. 1 dignada esses selvagens auxiliares, esses
f Hilar Hade longn, inlcrrupcHo ). Rndclzkis e esses llaynaus....^oo app/au-
O Sr. general Cavaignac :Passo As con- ios noi bancoi da Vontanha), que razom
clusOesdacommissno. que me parecem es-
tar om opposQ.Io manifest como docu-
mento que hontem foi citado. E um anno de reserva quasi completa me te-
r ailqueridooilireilodo fallar de um dos
actos do senhor presidente da repblica.. ..
Mr. Desmousseaux de Givrc : --PcQO a pa-
lavra.
T^ .-^. ..i uMPafKvmHl fflll iHM II %tS*^
civlisc3o a injuria de defend-la pelos
meios da barbaria. ( JVot'os applausos na ex-
trema eiquerda).
0 orador chaga aqu poca da noss. en-
trada em liorna. I.ogo que entramos na
cidade eterna, diss"ello, o papa foi restau-
rado, t governo clerical apoderou-se ou-
travez de liorna. I!m Iriumviralo lbali-
O Sr aeneral Cavaignac.-Sem que nin- tuio a outro. Nao quero enumerar OS actos
em miipossasupporsentiiiientos e pen- dessfl novo Iriumviralo, pois seria misler
gera mu po--.
sanenlos que nao tenho. He-me mui f-
cil fallar desto documento, por quanto
aeho os sentimentos quo nelle sSo ex-
pressados perfetame:U<) dignos, nao dire
do grande mime, que temo senhor presi-
dente ; porque outros ja se oncarregaran
de diz-lo antes do minio porm do paiz
raracterisK-los com sever lailo. Ser-me-ha
bstanle dizer que os actos dos tres card-as
ferran lodos os coraces. Passarei caita
do prcsdenloda repblica.
M. Peimontseauz de Givr :--l'cco a pala-
vra. [Risada*.)
Mr. V. lugo :Eu leria preferido caria
que llie deu os seus suffragios. ( Sxgnaes de um acto do gov'rno ..
approvapdo) rondo pois ulna completa lio- Mr. esniussmux de Givr :--0 Sr. nfio cor-
mon.igem caita do senhor presidente. responde io meu pcnsimento (Vorn ri-
Agora, por occasiao desle documento, sudas. )
tein-so feilo supposic.o"S a respeito das Mr. V. //w/o:-Essa carta, tul qual lio, foi
quaes nao creio, que seja possivel guardar- i um facto decisivo o consideravel. Porque ?
seosilencio. Porque nao era n.ais do que a traluc(ilo
Sniores, a responsabilidade do nres- da opinilo, porque dar um desabafo ao
lente da repblica anda nilo foi dilTini I pensainento nacional, porque fazia a lodo
por urna le, porm so ella he como a com- j o mundo o nervino de dizer em voz alta o
prehendo, nho p> le Irazer o menor emba- ] que todo o mundo rlizia em vo. haixa, por-
razo o menor eslorvoaojogo constitucional jquodava nina bascas negociacOes, e ao pa-
tios grandes podroa da repblica. Acons-lpa conselhos uleis. Ella iracava ao papa,
tituieflo he precisa ; ella deelarou claramen- ao qual lizemoa o servido, demasiadamente
le que, assim lio que be relativo aoeitetjgronde talvez, de reslaura-lo som esperara
rior, como no que be relativo ao interior, a jiippellac.no .le seu proprio povo; ella tracava
aasembla lom a drecefio suprema dos ne-|aopapa, digo, o plano de um governo de II-
gociosdo paiz. Ella nio a ImiUio, n.lo pie-' bardado ; ella, repilo, Iradu/.ia fielmente o
vio a possibilidade de tuna lula entre os isenlimonto do paiz. Poucoadiasdepois^da
lous podr.'S, porque nilo toda bavc-la.!apparic.no deuta caita, o governo clerical.
Ese por acaso so produzisa da parte -lo.quo los deveasua existencia, publicou a
poder execulivo um acto quaeslivesseomjsua rosposta; osla rraposta beomo/u pr,-
opposiljiio formnl rom a polilioa da assein-!pn, c a amnista comopost-scriplum.
bla, labi s poderia resultar urna cousa,] Oqueheowottpropr/o?
um golpe moral desastroso para o proprio! Mo fallarei >!o cnefo da christandst
iijvo. I nao com um profundo respecto
ta palavra lula, p lo por venlti-' daquelles que saularam com prazer a sua
icada cariado sonbor preai-} oxaRagO j presentemente um senlimento
nso que nBo. O ministerio li- de compaixlto se msalura cn miro com o
Mr. Thiers iEu expliquei isso, rererindo-' ta com o governo do papa. O governo
meao queso liana coustitigao relativa-'cura fazer. prevalecer asna volitado,
golpe
poder execntvo.
Porm essa
ra ser appl
denle ? Pens q..
nha declarado nesla tribuna : no%vamosa reapatlu O papa esta restaurado, porm
liorna para prover msnutencflo d i nossa "r' ps|a livrc. Nao Ihe impulo nm acto in-
influencia e ao roslabelecimenlo da libenla- qualilicavel, o lio s de romana, o a carta do presidente nao con- lodo o mi u ensarnen 10 a respeito do mou
lem outra cousa. Se pois, por InfoHcidade, o proprio.
vol da asseml.la nao toase conforme com Esl poca tem duas aces | o la lo politi-
eslacarta, edahi resul^sse, como j disse, 00, e o lado Caridoso e curistfio. Pelo lado, 0,.,
um golpe moral no poder lo presidente, eu poltico, ella cotice le pouco ; pelo lado I
nao imputara n esto a responsabilidade Cbrislfio, Concodo anda menos. Por meio
disso. (lUovimentosems'itiiloidiversos.) dosta pega, o papa proscrevo realmente|
O orador sustenta depois que a carta l)So' *'j* tm somonte a boudade do dar a pros-
est em harmona cum o mo/u proprio, com crip^lo o nome le amnista,
o qual todava a com missflo se declara la-1 Eis a resposla do governo clerical a carta
lisfeita. tem vejo, continua elle, que a.00 presidente.
nossa influencia he prepcnderanle em Ro-I "o bispo colobre disse : O papa lom duas
ma ; mas vejo tambem que oslamos em |u-'mios sempre abarlas ; -le urna corre inees-
jiro- sanlemeiilo a Ibordado, da outra corre in-|terse convm que a Franca estrja noCapito-
cessantamente a misericordia. Pois bem.' lio, e reci ba alo a sanba do partido clerical.
vivificador do Evangelho penetre e quebr
a lettra morta de todas essas Instituices
barbaras ; releva que o papa arvore noble-
mente tima bamieira com esla dupla pro-
messa secularlsacflo c naciodalidade. Re-
leva que elle se defenda do peior inimigo,
o esse peor inimigo nio he o espirito re-
voluciona'io, he o espirito clerical.
Qu.into anos, senhores, o quo devenios
fazer be adoptar a caria lo presidente e re-
pellir o motu proprio. Adoptando a carta,
damos as negociares urna (rtja immensa.
( Humores, inttrrvpqSo ', bem se que so dir
que isso he constranger o papa. Constran-
gor o papa Oh cerlamente se se tratasse
do conslrangu-lu com elTeilo, de encerra-lo
no castello de Sanio Angelo.,..(Vova inler-
rupedo) a objeceflo aeria seria; porm ao
meu ver, lio impossivel constranger o papa.
Em mirha opinio, ha duas cousas mposs-
veis : a oppre.-sao lo um papa, a compres-
sao de um povo.
Mas entre opprmir o papa, e mpor-llie
una conducta generosa, til para s mesmo
e para o iiiun lo ha grande dilTerenQa. A'i .'
senhores, por ventura a asseinbla impora
a sua vniiia.li" ao pipa ?
L'ma voz dirtila :^ao !
M. V. llago:Dallareulao que searmrm
loicas as pr.icisle Roma? (/nlerrupfo )
Militas rnits : -Trate da jueslao !
M, V. //113o : Nao, nao aceito a palavra im-
prudente que escapou a um I01 Srs.; amrmo,
apezar da luterrupcSo, que os Srs. exigbrio a
aiuiiistia...
Poto RHnitroMi :Nao Nao .
M. V. llaga:Os Srs. exigirao a amnistia.
(.Vio mi!) Se a au exigirein, ul a exigirc-
inol ; mis com' aligeremos o papa, eonviinos
ntasa. [Vmosla', vim-'/!)
Senhores, temos em Roma uin interesse ca-
pital, um interesse da primeira ordem, e este
lie, sabir de la o ninis cedo posslvel. Vejara
que Hernia nao veulia a si r para a Franca uiua
especie de Algesia (oh! oh !) com lodos os in-
convenientes da Algeria sein nenliuma de
lias vaiiiagens. Novo susurro) Logo que a
Austria tiver evacuado ttolnnha, cuinprc que o
rxercito francs evacu Roma. Mas para isso
qual lie a primeira COOdlcSo .' He eslarmos se-
guros de nao deixaraios aira?, de nos urna re-.
Yol.UcSo leirivel.e o que lie preciso paw que a
revoliicn nao renasca atrai de DOS? termina-la.
Ora como se termina una revolucio? (W-
sulas.) t
Muflas ees**!Diga I digii Desejamos mul-
lo saber isso. (.\ovas risadas )
M. V. Hayo :(> malaproprio, e a pretendida
amnistia satisfieram, porvenlura, as popula-
llein louge dis gnaeio geral. Amanliaa, se deixassemos Ro-
ma, logo que se l'eehasse a porta depois da sa-
hida do ultimo de nossos soldados, nova reyo-
iuefio rebentaria mal* terrivel que a primeira-
\ ssseinbla bem o v : o meio do governo
clerical he mo ; ella deve, prtanlo, adoptar
outrn mellior, isto lie, aqticllc que o senlimen-
to publico aconselha. Ella deve ver se est de
humor, e se lem lorca para maiiter no exteri-
uiu estado de sitio permanente. Ella deve
mas
nitsmo te tinha eva lido, e so di
Cvita-Vecchia, afim de reclamar _
la franca. Esta informado, repito, foi- propria consliluir,ao
nos dada por um agente secundaiio, porm visQo.
nalureza tal, que nilo po-
mente'sua reviso. I ella nao prevalece. E quanto ao quo diz issembla o ve, o papa fechou j suas
OSr orneral Cavaignac :0 honrado se- r-speto liberdade romana, declaro qne. dua* mSos.
'ecvihs.i-: Quero eipor-VOS, senhores, a situacao,
riaira Darafnhor Thiers observa-me que a sua issercilo 'julgsria fazer injuria ao estado d
o soccorro'he justificada pela circumstancia de ler !?flo das populaQOes romanas, se c.
consideras- ella est to ia noslns doas lacios; a carta.
provisto a sua re-
I
ella era do urna
diamos deixar de oceurar-nos iminediata-
niente de urna eventualiJade possivel.
Naoencaraiei aqu questao no ponto de
vista poltico, mas smenle no ponto de
vista rcligezo.
"Para nos Irntava-sa nicamente de expri-
mir um senlimento sympathico, de dar urna
resposla expedila o um homem rrspeitavel,
querecUmava o soccorro da repblica fran-
ceza. {Longa cstrondosa interrupi;do ) NSo
sei se exprim bem o meu pensamento. Eu
quiz dizer que a nossa resoluc,3o fura dicta-
da por tima simples rasflo de hummiidade,
pela necessidade de responder a umaappel-
lacao fii*B em cucumslancias tflo aper-
ladas.
M. de Corcelle fui encarregado de nina
missflo junto do padre santo. Um exercito
foi posto istia dsposifflo para vigiar que
nao se fizesse nenliuma offensa pessoa do
padre santo. Explicares fram dadas por
mini na tribuna. J li as nsIrugOes remet-
tidus a M. de CorcclJ-, nio as tornare
portanto a lr aqu, porque tenho que com-
municar a assembla um documento equi-
valente.
Se me fosse preciso provar que asnossas
n solinjcs nio linliam outro fim que a se-
guranza individual do pdre santo, bastar*
nie-bia mencionar este simples faci: quo
M. de Corcelle, lendo sido informado que
o papa eslava em seguranza, parti logo
para Cela, e nfl levou consigo us tropas,
porque j Ihe eran iuuteis.
Assim tudo indica, que a nossa resolucflo
de entilo s se applicava ao fado especial,
de quo acabo do fallar.
Tem-se fallado do inslrucQes secretas,
tem-se dit) quo tinhauos diminuido na
apparencia a nossa expedieflo, porm quuo
nosso senlimento tinha mais exleusflo.
Declaro que lelalvamciite as in*lruc<0es
secretas, una smente foi dada a M. de
Corcelle. Peco a alambica, me permita
l-la. Peco a Sr. presidente do concclho,
conalnta nisso, certo de que nao lera de
que airender-se. Es o documento, que
acabo de annuuciar :
tlnslruccOes secretas para M.de Corcelle no
momento de sua partida para a Italia,
Pars, 27 do novembro de 18*8.
M. de llarcourt, emblixador da repbli-
ca junto da santa s, e M. de Corcelle, en-
viado extraordinario junio do mesmo go-
verno, deverfio pr-se plenamente de acor-
do e combinar culto si as medidas, que
tem I Se um membro da assembla vies-
so dizer nesla tribuna, que a consliluico
era defeituosa, tilvez cu nao visse nisso
urna inconstiluconalidade, porm vera
sempre um perigo. Este perigo seria mais
grave, se esta opinio fosse enunciada por
um homem tflo consideravel, como Mr. Tii-
ers.
(iiiauto a rabil, cstou convencido, que a ex-
pedicao de Itoma foi couiecada conj uin fim
l.invavel, e eomplelainente digno de approva-
cao. A assembla nao lem senao uina s ina-
neii-a de provar |UC a ConstIInicSo nao foi vio-
lada pela expedieflo de Roma, a he, maniere
se que esse estado nflo lio mais adiantado e o moiu proprio. Por maiaque facaSo para
do que as doias represeutadts pelas con- atenuara carta, ou para alargar 0 Mo/u /"'o-1 sal vara liberdade do povo roraaqo. Nos deve-
cosses fetas al o presente. Nao ado Priu< entre urna e o outro um ntervullo '
que o motu proprio d essas liberdades mu-,'"'menso: urna dizsm,ooutrodiz nflo.
nicipaeseprovincaes, que se pretende, que. A assembla lem quo escolber entro o
d largamente. | sime o nao. Segundo a esculla que fuer,
Em resumo, se deve sabir desta discos- a upinio se separar della, 011 se unir a
so um programma do novas concesses, 1 clla Nolai senhores, que o molu proprio pa-
quo devein ser pedidas o oblidas, e so este.rtfceu POjCO liberal at ao proprio gabinete
programma fr conforme com as minhas austraco, o cunipro que tomamos vord.iJei-j ,|a,|C puiliica. Nao be possivel que n5o aaia
ideias. volarei Dolos projectos, no caso con- 'anunto moSlrar-UOS mais SaUsfeitOS do l aiigue que temos derramado, ncmuindi-
-rUemberg. (reilo, nem um perdo. Nao be possivel que as
" 'do.
mol deixar em Itoma, quando nos rctirarmos,
nao mesquiulias imiuunidades municipaes.
senao a liberdade vcrdadiira, seria e verdadei-
raiuente propria do seculo XIX (.ippfatiioi nos
bancos ila A/oiilin/ia) a nica que pode ser di-
gnamente garantida por aquelles que se cha-
man! o povo trancar, aquelles que se cha-
mara o povo romano; cm mu t palavra a lber-
a compom
Nflo creio que em nenhuin caso urna com
missflo possa fazero que a propriaassembla
nflo pode azer. (Interrvpcdo). AconsliluiQ.lo
previo sabiamente a uecess'dado da sua
revso ; ella fez bem cm faz-lo, e aquel-
les, que a rodigiram sabiam, como nos, o
queaconlecoa urna consliluico que pre-
lendo ser immulavol ; mas a consttuieflo
levou a sabedora at ao f in ; ella disse em
que lempo e de qu; forma seria rovista.
lie incontestsvel que a assembla legisla-
tiva, nflo podenJorevei'aconstiluiQflo, nflo
pude discut-la. Ora o que a assombl 1 in
lena nao tem odireto de fazor, muito me-
nos o pode fazer urna das suas commisses.
A assembla nflo deu comaiS;flo um po-
der quo ella nflo tinha, e por conseguinle
esla nilo pudo autorisar o seu relator a de-
clarar ursta tibuna, que a constituido era
defeituosa. ( Rumores diversos ) Se insisto
tanto sobro este punto, he porque, tendo-se
lito ruitas \ezos nesla tribuna que o povo
franco/ ainuu nio so liOba penetrado bem
do respeto devido le, quero mostrar que
somos nos quo vimos reclamar que o poder
da opiniflo nflo soja tirado lei suprema da
repblica.'
Pe^o.pois ao senhor relator, que chamo
a utlencfio da comu issflo para as observa-
ces qua acabo de submetier considera-
c90 da assembla, obse vales que lz, nflo
com o-fimde boslilisar a coromissAo, mas
porque nflo quero quo urna commissflo crio
um precedente, ao meu vor, imprudeiite.
Repito" pois, que espero que a commissflo
lomara em considerado as minhas obsr-
vameos.
Mr. Thiers :l'osso sssogurar que a com-
1; iisflo fui ctisultada sobre o relatorio.
Mr. Anlong Thouret -.-Oque he defeiluoso
na cou>tituc,o be o artigo o.
das risadas da assembla qual delies lera CuldaJe.sflo as quJ Ihe VOOin a travs da glo-
primeiio a palavra. O senhor Viclor Hugo rl*
allega asna inscripeflo. O senhor llesmous-i
Reconciliar Roma com o papa, fazorque
Slr. V. Hugo ; lie de mou dover por tanto :Ju Sl mesmo; importa que elle compre-
fazer com que elle a tetilla. I beoda o seu secu o, e laca linalmo.ile cessar
Mr. Desmousseax do Civr decide-se i osso isolameuto do pontincado 1.0 meio das
deixar a tribuna. I 'd;, modernas. Queris, senhores. quo
Mr. V. Hugo :-Senho:es, urna palavra do VOS diga o que ho a administrarlo clerical.'
senhor ministro dos negocios eslraugerus, 'orna lem por legislado nflose, que canos
u qual Interpretrou mal, ao meu ver, os VO- < leis '-udaes e nionacaes.que produzem a
los da constitunte, me obriga a restabele- i bsrbsridadj doajuizes cnuimaes, o a vena-
cor os facise os preceientos da questflo.! '"i"lJu Uus iu'zu Cltfli- .. .
Em uma questflo Iflo grave, importa doler- Em Roma ha qualorzo tribunaos de tx-
niinarbemo+onlodo partida para mellior.'cepces permanentes. Oanle lestes tn-
iulgar daqueiio a quo so tem ebegado. i h"''J" h Pra ninguem nenbuma ga-
' taulia de qualquer genero que seja. Jui-
O orador rccorJa a primeira pbaso da : ecclesiasl.cos sflo ui/es das causas loi-
questflo, repioiluzaspalavrasproiiiinciadas ncssOSS leiuas
pelos senhores do l.an.or.cicro o Barrol, ,B i u7n, confuaSo inaudita do clero u-.is-
Jellas conclue. que a cxped.cflo levo lugar | Ui| l poltica.
para proteger a liberdade romana epara
defender, diz elle, os liomens compromet-!
As
recebedoras dos dinheiros pblicos
tw7na7epT>nc7Vmnrc "O O coritas ao Ihesouro, ( be essi a sua
a qual na guerra que laza revolucflo, eos- regra), seno a Dos smenle. DUaaCensu-
tuna deshonrar suas victorias, so lio que a I" pesam sobre o pensamento : urna con-
isso so pode chamar victorias, por iuqualif- 'suru P'dittca, e uma cepsura clerical. Urna
cavis indignidades. ( Signan de apprwacJo conslrange a opinino, a outra a araima. A
esguerda). .censura, nomo horrive!! e a sombra, de
' .. .. ,. um mo nome, nflo nodo havor senflo cou-
Essas indignidades tem sido cstigmatisa- '
das pr la tribuna ingleza, e nflo he possivel .
aue a tribuna franceza (quo muda depois Se queris senhores, que se faca uma ro-
dsso. Sm, essas extursOes de diuheiro, es- eonc.liacflo entre o papa o o seu povo...
ss execucOes do liomens heroicos, es-; *>r- >eimouscaux de Gtvre :-Pego a pala-
sas pauladas dadas em mulherrs....(4p/>ro- ^t [Risadas)
vacuo.) Sim, toilas eslas infamiasdeslon- Mr. f. luga:Se queris, sonhores, uma
rain os homons, quo as coiiiinoitem e os reconcilia(flo sincera, releva primeira que
p'in no poloutinlio da Europa. [Apptutltos esSO estulo monstruoso do cousas acabe,
r.os bancos dn Muntunha ) Quanto a tnitn, re- releva que o poullticado coiiiprelieuda o
pillo coui todas as fic,asda uiinliu alma in-, seulimenlo popular ; roleva queo espirito
>.io he possivel que a Franja tenha prodlgall-
sado o seu sangue, lenha prodigalisado seus
tlicsouros. e nao consiga senao cobrir-se de
vcrgooha! i\ovosaplausos na xlriim nquerda.)
(Continua.
\ :-:
ALAGOAS.
Extracto do expediente do Exm. Sr. presiden'
te Dr. Jos liento da Cunha e Figueiredo.
C DE DEZEMBRO.
Olido. Ao capitflo do porto, transmit-
lindo-lhe a representagflo da contadoria de
fazenda e as follias da obra do telheiro, pa-
ra quo a vista laquella responda e d as na*
eessarias explCttoes relativamente a estas.
Diio. Ao chufe de polica, remetiendo
a sua dispoenjSo o pardo que se aehavaa
bordo do brigue Canopo com o mime de Ma-
noel lo I ivrament, que consta soreseravo
u so chama Doziderio.
Dito. -- Ao mesmo chefedo polica, para
que informe porque r.rsIo nflo tem proposto
adomissflo do subdelegado de San-Miguel-
dos-Milagres, depois que por alli passou m-
punemenle o rebelde Pedro Ivo, prouondo
para o mesmo lugar pessoas quo fsscm
mais vigilantes na manulengflo la ordem
como pela presidencia Ihe foi verbalmonto
indicado.
Portara. -- Nomeando alguns cdadflos
para os pos'.os vagos deolDciaes do primet-
ro halalliflo de guardas nacionaes de Ana-
dia. Conimutiicou-se ao respectivo com-
mandante.
oflicio. Ao inspector la thesouraria
provincial, dizendo-lhe em aesposta ao seu
quicio do honlem sb numero 16, queli-
cjni d'ora em liante oxcluidos das despezig


evenluae as gratificaQOes de 200,000 rs. an-
imaos, ao professor de lalim ila cidade das
Alabas, o 10.000 rs. mensaos ao porteiro dn
s'crel.ina do governo, v ,1o n3o seren da
.ordem das imprevistas e de momento, e de-
penderem, portanto, do medida legislativa
que ser reclamada pelo governo rssem-
lili-a provincial.
Dito. Ao inspector da thesouraria.de fa-
zenda, para que remella quanto antas urna
nformacao minuciosa Acerca do estado ac-
tual da rcparticio a seu cargo, no s quan-
to ao pessoal o econmico, como a respeito
das medidas que convenham adoptar-se pa-
ra sua inteira regularidado.
Do mesmo leor aos inspectores da alian-
dega, da tliesouraria provinciule inspeccilo
do algodito, administrador do consulado e
do correio.
Dito. Ao mesmo, para mandar abonar
no administrador da mesa de rendas do Pe-
nedo a quanlia de 3,040 rs. quedespendeu
com a conduc;no dos Reneros aprehendidos
no hiale Uoa-Sorlc-Feliz.
o
Correspondencia.
Senhor redactor. Vi em a noite de 8 d
corrente, a quarta representacSo do drame
-- O Vascimenlo dt ilissias que por estr
biario tem sido annunciado pelo directo
do Diestro de San-Francisco ; o confesso-
1 lie que a execucio de Ul drama, a cujo en-
redo presidio o bom gosto. excedeu al cer-
to poni a minlia expectativa, nilo olislan-
le alguns
quelle quem coube figurar de Lucifer, cu-
ja voz me pareceu por demais fraca, bem
como do urna ou duas pastnrinhas que no
cantavam com o devido enlhusiasmo o gra-
cias arias que Ihes couberam, todos como
que fdram tildados para os papis que Ihes
dislribtiio o director; merecendo seria at-
lerQSo duas meninas cujo nomes ignoro, e
que graagearam por tal forma as sympa-
thias dos espectadores, que rncebram co-
ras de flores ao caniarem as arias que Ihes
tocaram no penltimo aclo ; coras justa-
mente merecidas, o que seni duvida, contri-
buirn para quo so ellas tnrnem aindH me-
lhores.
O scenario esteve muilo bem preparado;
e, a n!Jo serem alguns grilos descompassa-
dos docontraregraem uro dos autos, nada
houvera que dizer acerca desta parte da
funcQSo.
Reinou a melhor ordem na plaleia, gra-
Deo guarde a V. S. .' campamento em Agoa-
Prela, lile Janeiro de 1850.llhn. Sr. major
Joaquim Rodrigues Coelho Kelly, comman-
dante Interino do primeiro batalbao de cac.a-
dores. Dr. Manoel Adriano da Silva Ponfo, c-
i ni :i.io-.-ijiiti.uii<- do argundo batalhao de ar-
lllharia a p.
... i -----------' a. lllI3S.it, Ul [M
Qas u boa ndole dos espectadores, e avigi-j mndame de
lancia da polica, cujo chefe estove pre-
sente.
Os camarotes estiveram todos oceupados ;
sendo quo as familias honestas, do certo se
nlo terilo arrependido de terem Jo all ^as-
sar urna parte da noite, ltenla a maneira
como foi desempenhado o espectculo.
Continu, pois, o Sr. Sania Roza a prepa-
rar divertimentos somelhantcs, que, altn
de lucrar, proporcionramos habitantes des-
ta capital interessantes intreteniojentos,
que os distraan! dessa monotona desgrana-
da que eslSo elles condemnados a alguns
mezes. Espero pela execucSo do drama dos
fei'i e do da CircuncisAo; o se ella correspon-
lllin. Sr.Tenho a satlsfacSo de aecusar o
n i ibimento do omcio de V. S. dehoje datado,
acoinp.iiihado do inappa estatistlco las prac.ai
do batalhao de mru interino commando, que
li'.i .un tratadas nesta villa, b a digna direc-
;ao de V. S., dc9dc G de novembro at 31 de
dczeuibro, tildo do anno prximo pasaado.
Por etta ineam.i occasio cabe-me a honra
de agradecer V. S. sua tao louvavel attenc.io
para cominlgo, e de igualmente ageadccer-lhe
as suas delicadas e sinceras eipressOc
Eu ciunpro um dos mala sagrados deveres
em fater sciente V. S. que te por acaso nao
llii- prestei com a devlda promptldao minha
cooperaran para o bom desempenlio da com-
misso, de que S. Eic. o S
Vende-so o patacho americano Justina,
de superior marcha, forrado e encavilhado
de cobre, e prompto para seguir iagem
para qualquer parte : os pretendentes p-
dom dirigir-se aos consignatarios, Deane
Youlet o Companhia, na ra da Cadeia.
Para o Bio-de-Janeiro
gue em poucos das o
cional Adamaator:
armas o enea
se-
brigue a-
para o resto
da carga, passageiros e escravos a
IVole, trala-se coni Machado &
Pinlioiro, na na do Vigario, n.
iq, segundo andar, ou com o ca-
pito na praca.
Yende-se a bonita barca
franceza AJcyon, de lote de 18o
>r. marechai com- toneladas, de presente ancorada
irregou, deseulpe- i j i
defronte do trapiche do Angelo,
lado do norte. Esta barca foi cons-
truida em 1847 e he de urna mar-
cha muilo superior, sendo por ta-
so propria para qualquer especu-
requeira promptidSo,
io\r.
pequeos defeitos que Ihe notei,
e que ao dianle aponlarei.
Osjovens actores (meninos e meninas de ''"Vd,f?" dfe,r?u1e'C,,,0.dr tr'Ur' aPressar-
nmi tenra tdade) cstavam mui bem ensaia- me-"' a refer,-l ao UB|,C0-
dos, e vestidos a carcter; e excepto da-1 .Um dos espectadores
VIVAHU \0 \ PEDIDO.
Ir'A-lMFil e*latixiico do hospital do acampamento da villa lie t1goa-
i'reta, a cargo ro primeiro batalhao ele calcularen, desdi
o dia O de noremhro. em que tomei a dircc^o, at :i l de
dezembro de 1849.
me, ceno de que, se porventura alguma falta
houvr de ininli 1 parte, foi ella devida aos ineus
nao pequeos irabalhoa; assim como tambein
cuinpre-ine dizcr-lhe que o disvelo einpregado
por V. S. 110 Iratanieuto dos doentet mostrou,
que a arte medica fot com todo aeu rigor satil-
feita,nao s como bom medico, como caridoao,
que nao s empenbou todos seus eiforcos para
o tal restabeclineuto dos enfermos, como mea- lacAo que
1110 enipieeou toda a caridade que tanto real-_______...._____
c.em sua digna pessoa : e eu, portanto. pe- 'PP estar prvida de UD1 tudo e Se
iiborado por toda a consideraces cima, adiar ni OIII lita a Seguir para qual-
cer(itico-Ibe de que scuiprc me achara promp- | r- j
-"----" aub >b >| 111 Ji iiiiii > 1111. .".lili il mwiii|i 1 ._ ^ _
topara o cooperar em qualquer outra com- i quer porto. Us pretendentes diri-
missao de que seja Incumbido cm qualquer lu- am.p an rnnilrt a'hnrrln a a
gar em que eu me acbe, nao s no que dlsser Jdm 8e ao capiiao a DorOO, OU a
casa dos consignatarios, B. Las-
serre & Companhia, para tratar do
ajuste.
!>-ra M has de S.-Miguel,
Terceii a e Fayal sahir brevemen-
te a es runa portugtteza Favorita,
gar em que eu me acbe, nao s no q
respeito ao scivico publico, como no particu-
lar de v.-s
Sel por certo que se os enfermos militares
eustcnies nesta villa, tiverem a felicidade de
encontrar na pessoa de seu digno successor
jn que supponlio)qual oulro V. S., com verda-
dc terao de melborar em suas molestias, se-
gundo presencici, do incansavel dever de suas
obriga;es.
Oeos guarde a V. S. Quartel do commando
Dos guarde a v. 5. <.>u.ii t. -1 do commando jj r .
interino do primeiro batalhao de cacadores torrada (.' pregada de CObl'C, C8pi-
em Agoa-Pret, 2 dejaneiro de 1850.-Illm.Sr. .sn Antnnin lns.-dp MpHppa* na.
I)r. Manoel Adriano da Silva Pontea.-Joaquim ld0 nionio JOSe ae JICQeiroS. pa-
llodriguei Coelho
interino.
Kelly, major commandante
NOMKNCI.ATIRA lAS MOLESTIAS.
OBSE11VA90ES.
Ahcesso........-.......
Abcessode (gado---------------------------
Amygdalito...........
Anemia-----------------------------------------
Broncbitoa......--------------
llubes sy(ihiliticos-----------------------------
Cancros venreos --------------------------------
Clica----------------------------------------------
Contusoos------------------------------------
ContusOes por castigo-------------------------
Dartroa lyphillticos---------------------------
Diarrhca-------------------------------------------
Uidymite ---------------------.--------------
Dores funreas---------...------------
Dysenteria.....-.....-------------
Dysuria-----------------------------------
Erysipela-------------------------------------
l'.icrophulas----------------------------....
1 ebres intermitentes----------------------
'criJss d'armado fogo---------------
Feridas por instrumento cuitante -
Feridaspor iuslrumenlo peifuranle -
Fractura do liumcrus---------------------------
I lieiras--------------------.-.------
l'urunculos----------------------------------
aslrit'c----------.....-......
liaslro-splenitc-chronica----------.-
II.....un hu I is----------------------------------------
llepalile chronica--------------------...
Hernia ingumol do lado direito-------------
Ictericia .................
Odontalgia----------------------------
Ozcna---------------------------------
I'.inariri----------------------...------
l'leurite..........-......
Pneumona -------- .---..
Ilhcuinalismo...........
Sainas -.......----------------------------
Syphllia.........-.........
'tubrculos pulmonares----------------------
Ulce*M syphiliticas------------.-.-...
I'nheiro -------------------
Uretbrite------......-......--
Vaiioloide---------------------------------------------
Em ol-i-i vacHo---------------------------------.-
1
\
1
1
li?
9
5
5
SOMMA
1
h
4
21
6
1
5
a
r
i
i
4
I
2
2
7
1
1
2
1
1
t
I
3
i
i
7
8
I
2
|0
1
3
1
I
1
I
10
3
4
4
2
7
3
4
14
4
I
5
6
18
t
3
184 129
1
i
i
1
12
9
5
S
2
7
1
4
4
21
C
I
5
'
7
8j
1
4
I
2
1
71
I
I
Prjliquci a autopsia,
e enconlrei um extra-
ordinario foco purulen-
to na parto concova do
ligado, com grandes as-
tezencias aos orgSos
circumvizinhos.
U)MME*CIQ.
. AI.FAMIECA.
Retid i metilo do dia 10.....13:850,500
CONSULADO GEIIAL.
Rendimento do dia 10. *. 3:402,684
Diversas provincias...... 149,069
3:551,753
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 10.
6 354,505 S
soseos
i>ovimento to orto.
54
i-i
N. B. Deslcs doenles 70 pertencem ao primeiro bnlalhrio de caladores, 80 ao se-
gundo, 19 ao oilavo da mesina arma o 15 ao contingente de arlilharia.
Acampamento em AgOI-Preta, 1. dejaneiro de 1830. I)r. Manoel Adriano da Sil-
va l'onle.i, cirurgiao-ajudanle do segundo balalhHo de attilltaria a p.
ttavh entrado no dia 10.
Terra-Nova 54 ilias, barca americana
Kfw-World, de 230 toneladas, ca|>ilfio Da-
vid llainillon, cquipagem 10, carga 2,800
barricas com bacalhao; a James Crab-
tree.
Navios saludos no mesmo dia.
Genova pelo Para Galera dinamarqueza
Pallar, capitSu }. Jcverson, Cirga varios
gneros.
Barcelona Polaca hmpanhola Nina, capi-
t:1o Gabriel Pa, carga assucar e algodilo
Sanios lirigue brasilciro ero, capito
Manoel Joscllibeiro, carga sal e cocos.
Observando.
A manija da barca sarda Alexandre, que
li(Hile 111 sahira para a Rahia, 11.01 quiz vol-
tar para aquelle pe lo, e obrigou o res-
pectivo capio a fazer a quarenlena no La -
meiro. _________________
mmOBmooBommooMmmmmmBmmoo^om
EDITA L
O lllm. Sr. Inspector da lliesouraria da
fazenda provincial manda fazer publico que,
do dia 14do corronte mez em dianto, pa-
g.iiii-se os ordenados ornis despezas do
mez do dezembro prximo passado.
Secretaria da Ihesouraria da fazenda
provincial de Pcrnambuco, 10 de Janeiro
le 18.50 O secretario, Antonio terreira
d'Knnunciaco._________________
DeclaraQes.
ORDEM DO DIA N. 2.
Faco publico para oonheclinento dos corpos
que pertencem as lic.n desle commando, que
tica ennirregado d<. hospital deitc acampa-
mento o Sr. segundo cirurgino u Dr. Francis-
co Alve Ponto, licando desonerado drste ser-
vico, e devendo, depois de ihni.1.1 rela(O dos
objiclus f siento? no dito hospital, marchar
para a capital o Sr. cirurgian-ajudanlc Manoel
Adriano da Silva Pontes, ao qtial agradeco o
j'ln, actividade c bas disposices em que dei-
3Cou eileesUibeleciinento, visto as ciriunistan-
1 i.is .un es : declaro que licain adddos ao
primeiro batalhao de cacadores os cabos Adria-
no Jos dos Santos, Agostinho Manoel de Al-
iiicKl.i, e o soldado Leandro da Tiindade e Sil-
va, todos porteucentes ao segundo batalhao de
fuiileiros, e n soldado (.ustodio Aires dos San-
ios no primeiro da inesina arma.Manoel Ma-
ns Tarares.
Antonio Mara r Snutnt nffcial da* imp*mn nr.
dtns do Cruieira e Hoza, rarnlleiro da militar
de S lenlo de Avis, rnnderitiln rmn a* midalhas
das eamianhni Peninsular e dosul, lenente-co-
ronil commandante doseijundo batalliiio de cafa-
dores de linha, por S. M. o Imperador.
Attesto, cm virtude do despncho retro, que
o Sr. Dr. Manoel Adriano da Silva Pontos, ci-
ruigio-ajiid -ntc do segundo batalhao do arli-
lharia .1 pe, e ex-encarregado do hospital deste
acampamento, atratou no mesmo hospital 11.10
pequeo numero de pracas do batalhao aOb
meii commando, algumas das quaes feridis
gravemente de baila, e felizmente nenhuina
drlljs fallesceu, si'iu duvida devido Isto ao
grande interesse, telo e assiduidade com que
o iiiesmoSr. Dr. se empregava no curativo d 1.
I'in;,i. inferiras no referido hospital ; dcsein-
penhandn desparto, meu ver, satisfactoria-
mente a coiiimissao de que foi eucarrogado.
as- mi mus alleslo que, teudo o mencionado
Sr. Dr. estado addido ao batalhao sb meu
caminando, ajiresentou sempre una conducta
civil c militar em ludo digna de louvor.
He quanto uit cuinpre diier eui abono da
verdade ; em firmeza da quid mandei passar o
presente que vai por inlin assignado
Acampamento na villa d'.inoa-Preta, I." de
Janeiro de 1800.Jnlonio Mara de Sousa.
Joaquim Uodrigues Coelho h'clly, official da impe-
rial ordem da llosa, cavalleiro da militar de S.-
Uenlu de Aviz, conderad rom amedalha da ret-
tturafio da linhia em 1823, major do primeiro
Dilatado rfe cacadores de linha, e commandante
interino do mesmo batalhao, tudo por S. M. o
Imperador que Veos guarde, etc., etc.
Atiesto cm prrscnca do despacho do lllm.
Sr. coronel commandante geral das frps,
rxar.ido no presente requerimento, qucoSr.
Dr. Manoel Adriano da Silva Puntes, desempe-
iiIiih satisfatoriainente, c com grande zelo, a
commissao de que lr.i encjirrgado pelo Exm.
Sr. marechai commandante das nriiimi, do tra-
i.iiiieuiu dos iluentes do hospital deste acam-
P iineiitu desdo (i de novembro ate 31 de de-
7''mbro do anuo prximo passado; outro sim,
atiesto que d'entrc as pencas deste batalhao
que se acbavam no referido hospital, qoaitdo
o inesuio Sr. Dr. loinou conla, apenas fallrceu
o soldado da quinta companhia, Vicente Ker-
reira de Jess, lie quanto posso atlestar em
fe do posto que oceupo.
Agoa-Prea e acampamento do primeiro ba-
talhao de cacadores de linha, I." dejaneiro de
1850__Joaquim Rodri,ues Coelho Kelly.
Ti ribo a honra de oll'erccer V. S. o incluso
mappa estatislicu dos lenles do hospital que
esteve a meu cargo, perlencrnte >o primeiro
batalhao do comiiiaiidode V. S.
i.alie-nie aqu agradecer V. S. a coopera-
cao que me prcstoii no deseinpenho de ineus
deverea mdicos ; roslando-me, por. 111, o sen-
timento de nao h.ivor preonchido minha coni-
iiiiss.io, como desejava, para o que se ni, tu-
lliente faltava-ine capacidado, sobrava-me a
vontade de bem servir o governo e a humani-
dad!'. Dcixo um digno successor que corrigir
todos us ineus defeitos, c com o qual Picar o
hospital mu bem servido.
-- Pela segunda sereno do consulado pro-
vincial se faz publico, que os 30 das uteis
pira a cobranza a bocea do cofre, da dci-
ma dos predios urbanos do primeiro semes-
tre do corronte anuo iinanceiro de 1849
1850, s.i lindan] no dia 10 do corrento mez
eque lindo semelhaiite prazo, ineorrern os
respectivos proprietarioi na mulla de tres
por centii sobre .'cusdbitos : assim como
tambem lorrrbrn-so aos donos dos dilTeren-
tt'S 1 I iliel' e !! enlus que | I Ssllelll ( ais l'o
2:000,000 rs. que j so deu principio a co-
branza do imposto de 12,800.
O Sr. directur do lycu manda fazer publi-
Cii.que emcumpriniento a portara do Exm.
Sr. preaidente da provincia de 5 deste cor-
rente mez o anuo, esta a concurso a ca lei-
rn de lalim dn villa de Nazaroth ; porianto,
oscidadfios brasileiros que se qutzerern op-
ptir u referida cadeita dever.lo comparecer
(da dala deste a GOdias) na sala do palacio
da presidencia pelas nove botas da manhSa,
leudo remellido a sccreUria do lyccu ('uilo
dias antes do dito concursoj os seus toque-
rimenlos docunienlados.
Salvador llenrique de Albuquerque,
juiz de pt-z supplento otn exercicio da fre-
guezia do Sati-I'edro-Martyr da cidado de
Olindn; dar aiuliencia as quinlas-feiras
dcada semana, que nflo f*)rem dias santos,
as novo horas da manliSa, na casa de sua
residencia, ra de Malhias-Kerreira, n. 6.
Jos Joaquim de Oliveira juiz de paz
do primeito districlo da freguuzia de San-
Frei-Peilro-Gonoalvos do Rectfo, faz publi-
co que tem mudado as suas au liencias pa-
ra os das quartaa-feiraa osabbados, nio
sendo das santos, na casa de sua residencia
ja aiinunciada.
ra carga e passagetros, trata-se
defroDte do trapiche novo, n. 6,
com Thomaz de Faria.
Para o Rio-de-Janeiro sabe com a
maior brevidade possivel, por ter paite de
seu carregamento prompto, o brigue na-
cional Ijgtiro: quem no mesmo quizer car-
regar, ou ir do passagem, para o que tem
excedentes commodos, dirija-se a Antonio
Alves de Mu amia Guimares, ou a Novaes
& Companhia, na ra do Trapicho, n. 34,
Para a Babia sabe no dia 15 do corren-
te com a carga que tiver a bordo a suma-
ca l'lOr-do-.inqelim, mestre Bernardo de
Souza : quem na mesma quizer carregarou
ir de passagem pode entender-se cooi o
mesmo meslre ou com Luiz Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
Para o Rio-de-Janeiro sahe infslivel-
mente no dia 15 do crranle a polaca na-
cional Sociedade-Feli: : para alguma carga
que anda falla e passageiros, Irata-secom
os seus consignatarios, Oliveira IrmSos &
Companhia : na ra da Cruz, n. 9.
Vende-se o muilo veleiro e
bem conhecido brigue-escuna a-
mericano R.-P.-Loper, de supe-
rior marcha, forrarlo e cavilhado
de cobre, e prompto a seguir via-
gem para qualquer parle : os pre-
tendentes (litijaiii-se a Muleus
A listn & Companhia, ra da Al
andega-Velha, n. 36.
Para Lisboa sahe, no dia 20 do corre-
le, o brigue portuguez Anna-Adelaidt, ca-
p Un Ignacio Jos de Aranjo : recebe carga
e passageiros, para o quo trata-se com o
consignatario, Joaquim Ferrcira .Mendos
GuimarSes, na ra da Cruz, n. 49, ou com
o referido capilflo na pratja do Commercio.
A escuna nacional Emilia, capitSo e
pralico Antonio Silveira Maciel Jnior,
transferioa sua viagem para o MaranhSo e
Para, deixando por consequencia de fazer a
escala do Gear, o que se avisa as pessoas
que se dignaram offerecer carga para este
porto : recebe alguma para o MaranhSo e
miudezaspara o Par, o passageiros para
ambos os porlos : trata-sc com o capilfio
napraoa do Commercio, ou na ra da Cruz,
armazem n. 13.
da de Joilo de Barros, quasi defronte de
ex-inspector da alfabdega.
O Corretor Oliveira far leililo, por or-
dem e em presenta do Sr. cdnstil da rep-
blica franceza, dos bens do linado Lois
Victor Reselos, subdito" francez, con^is-
lindo em mobilia, inclusiyeartigns de es-
criptorio e machina de copiar cartas, tretn
de cozinba, instrumentos de agricultura,
falo e calcado, livre-s, dous excedientes rc-
logios de ouro, um com a comptenle cor-
rente, 3 depsitos d'agoa, proprios para jar-
dim, um par de pistolas, 23 pipas de agoa-
ardenle, ditas de espirito de vinho, 18
ditas vasias com o competente funil, bom-
ba, medidas, etc.: segunda-feira, 14 do
correte, as 10 horas da mandila, na ra do
l'.t um, em Fra-de-Portas, casa contigua a
lutidicno de llowman & M. Callum.
S-- N. O. Bieber & C. farSo leilSo por in-
torvenQfio do corrector Oliveira, em presen-
ta do Sr. cnsul de tlamburgoe por ennta e
risco de quem pertencer, da porcSo de me-
tal de forro vellio lirado da barca hambur-
gueza Syria, arribada a este porto na via-
gem que rccenlemente fazia com destino ao
de Calcuta: sabbado, 12 do correnle, ao
melo-da em ponto, no Trapiche do Angelo
Avisos diversos.
Leiloes.
Avisos martimos.
Para a Figucira, com escala por Lisboa,
pretende sabir at 18 do corrente mez o pa-
tucho portuguez Mara-Joaquina, para car-
ga ou passagetro trata-se com os seus con-
J0S0 Kellev, tendo do retirar-sc para
Tora da provincia, far leililo, por interven-
go do corretor Oliveira, de Inda a mobilia
o maisperlencesda casa de sua residencia
no campo, consisiindo em ricas mesas re-
dondas, ditas para cha, consolos, suplas,
cadeiras, ditas de balanco, linio de Jaca-
randa feitas na trra com a maior perfeifSo,
como de ferro, e oulras americanas, um
ptimo lustre do lirouzp com 4 luzes e vi-
deos do subrcsaleiile, globos de cima de
mesa, ditos de corredores, palmatorias, Lin-
ternas de metal lino com mangas, leilos in-
glezcs de ferro com todos os pertences an-
da iio usados, lavatories grandes, guar-
da-veslidos, aparadores, secretaria, arma-
rios, sendo um (Liles riquissimo e feito em
llamburgo, tapetes, esteiras de sala, jelo-
sias, cortinados, cxcellentes vasos para flo-
res, relogios de pareda o de cima de mesa,
urna machina galvnica, mascaras e mais
pertences para aprender esgrima, a mais
linda o admiravcl coecrjflo de quadros
existente nesta ciJade, tanto a oleo como
em gravuras llnissimas, representando as
sumptos histricos os mais interesantes,
lou;a de porcellana e do uso, aparclhos de
ol a, gatfos, facas, rolheres e silvas de me-
tal lino, copos para vinho, ditos para cham-
panha e para agoa, crystaes diversos, um
completo trem de cozlnha, um carro de 4
rodas com arreios, 3 cavallos de carro, 1
dito desella proprio para menino por ser
muilo pequeoo, dous pianos mui superio-
res, es oniius muitoa objectos uteis, e que
seria desnecessario innumerar, basta allir-
miir-se seren bem tratados e quasi novos,
feilos com perfeiclo e dos gostos mais mo-
dernos todos osarligossuprsmenctonados,
cuja venda s da se 111 limite cm proco : lerfa-feira, 15 do
corronte, s 10 lloras da mandila em pon-
to, aiiela que puncos licitantes tenham
comparecido a tul hora, na primeira das
signaiarios F. S. Ilabello Fillio ou com o
capilflo Manoel da Cosa e Silva na praca do I duas casas novas ultimatnento edificadas no
commercio. j sitio do Sr. Coz, seu propietario, na eslra-
Francisco Antonio de Oli-
veira, thesoureiro da comtnissSo
encarregada de distribuir a snb.s-
cripcSo agenciada na corte a favoi-
das viuvas e orphos dos que pe-
receram em defesa aa ordem pu-
blica nesta provincia, contina to-
dos os dias uteis, das 11 horas da
manhaa a 1 hora da tarde, em seu
esbriplorio, ra da Aurora n. ai,
a fazer os pagamentos a todas as
pessoas contempladas na relacao
da distribuicao provisoria de 4 do
corrente, na conformidade das or
dens do Exm. presidente da pro-
vincia.
Im orlante deseo berta
para os denles
II. S Mawson, cirurgio dentista, ebega-
do ha pouco de Inglaterra com destino aos
porlos do sul, pelos poucos dias que tem
de demorarse aqui, offereee seu prestimo
a aquellas pessoas que precisarem dos soc-
corros de sua arte: para o que pode ser
procurado no Hotel-Francisco.
- Alugam-se dous sitios na campia da
Casa-Forte e um oulro na ra da mesma po-
voacilo, com muitos rvoredos e oplin\aa
accommodafiies; bem como varias casas
pequeas, propriaspara se passar a festa :
a tratar na ra do Amorim, n. 15.
Alugam-se as lojasdo sobrado da ra
da Penha, n. 6, e da ra Augusta, sobrado
amarello, proprias para qualquer esta-
belecimento : a tratar na ra do Amorim,
n. 15.
Sexla-feira, 11 do correnle, porta do
Sr. do doutor juiz do civel da primeira vara,
e por ser a ultima praca, so ha de arrema-
tar urna casa terrea sila na Solidade, ava-
llada em 1:200,000 rs., pertencenle a Joa-
quim Xavier da Maya, por execueno de An-
tonio da Silva Gusmflo.
-- Deseja-se saber a morada do Sr. Felis-
berto Pereira ilabello para se Ihe ooteegar
una encommenda viuda da Rahia,
Antonio Mximo de Rarros Leile, pro-
fessor jubilado na primeira cadeira publica
de primen us le tras da cidado de Coianna,
fazscienle ao respeilavel publico que se
arda presentemente mudado para esta ca-
pital, e a sua residencia be dentro do lle-
cifo, na ra da Cadeia, n. 40, primeiro an-
dar, onde vai continuar no mesmo magis-
terio ; porm particular, e por isso convi-
da a lodos os Srs. que quizerem educar seus
filhos, que n3o s receber alumnos exter-
nos como tambem internos.
Jos Valenlim da Silva, bem conhecido
por cnsinar lalim lia 14 annos.e ter a felici-
dade de seus alumnos serem sempre appro-
vados na academia, avisa a quem convier
que abri a sua aula a 7 do correnle mez
na ra da Alegra (na Boa-VistaJ n. 38, on-
de recebe alumnos, tanto externos, como
pendonistas. Tambem ensina em horas -
reservadas aos que n8o porfrem frequen-
lar as horas da aula.
I'as si portes.
Tiram-se passaportes psra dentro e fra
do imperio, correm-se folhas, Aspacham-
sc escravos c tiram-se ijulos de residencia
para sempre : para este,fim procura-se na
primada Independencia; livrai in ns. 6 e 8,
e na ra do Queimado, n. 25, loja de miu-
dezas.
Precisa-se de um ou dous aprendizes,
forros ou captivos, e de boa conducta para
aprenderem o oflicio de latoeiro ou funilei-
ro : na ra das Cruzes, loja n. 33.
Deseja-se alugar um ptelo de boa fi-
gura : pags-sc bem : quem o tiver annun-
cie, ou dirija-so ao Aterro-da-Boa-Visla,
11. 39, segundo andar.
Antonio Huarque de Cusmfio embarca
para o Rio-de-Janeiro, por ordem de Joa-
quim Jos dn Mello Puliente!, o uiolequa
Rulino, para l ser vendido.
-Aluga-se o terceiro andar da casa da
ra da Madre-de-Dcos, n. 3 : a tratar na ra
da Cadeia do Recife, com JoSo Jos de Car-
valhn Moraes.
Precisa-se de um foitor: no sitio da
capella da ConceiQito, estrada do Jotlo-de-
Barroa.
Aluga-se o segundo anda/ e soto do
sobrado ao enlrar do l.ivramento para a
ra Uireila, 11. 12, com bastantes rommo-
dos : a tratar na ra estreila do Rozario,
n. 35, loja de enea lernaJor, de Joaquim
Jos Thonioteo Pinto.
--Aluga-se urna casa tenca na rut do
Padro-Florianno, n. 41 : a tratar na ra
larga do Rozario. n. 39, segundo andar
-- Virlorio Antonio Martina, ora passan-
do a festa na Torre, defronto da olaria de
S.-I'odro, appareceu ha das em sen porto
urna canoa grande, bastadle arruinada;
por isso avisa a quem lr seu dono, de ir
tomar corita da mesma, po:s 11S0 se respon*
sabe.lisa por nada que possa acontecer.
Antonio Jos Soarcs retira-se para a
Babia a tratar de seus negocios.
I


mmL.

f

l'recisa-selogar tim preto
para carregar um panac de p5o
c para o mais servico de casa : pa-
ea-se bom alague! por mez : na
padaria da Passagem-tla-Magda-
Icna.
Joaquim Vieira de Amida propOe-sea
ensillar primeiras lettras, grammatica da
lingoa nacional e aritlimelica em sua casa,
na ra da Palma ; nssim como tambem Ic-
ciona em casas particulares por mdico pre-
^o : as pessoas qun so quizerem ulilisar do
sen prcslimo plein procura-!o na mes-
ma ra, ou annunciera suas moradas. U au-
nuncianle julga-se para tal habilitado, por
ter todos os preparatorios e a pralica de do-
se annos de ensino.
Fazem-se jantares diariamente, con-
sistindo emsopa, cozdp, assado e arroz,
por commodo prego j tambem se fazem as-
sados, massas de carne e peixe, pastis de
carne, de gallinha, de natae de outras qux-
lidades, leite crome, podins, bollos de dif-
ferentcs qualidades, bollinholos, armam-se
bandejas para bailes e cazamentos: tudo
com milito asseio, promptidfloe prego com-
modo : no ni tro da Peona, n. 2. Na mesma
casa tambem se fazem doces de calda, sec-
co, de caj e de todas as fructas para essc
fim ;emtlm, tudoquanto he pertencente a
cozinha se faz em dita casa.
-- Aluna-so ou arrenda-se urna campia
na Estrada-Nova, denominada do l.ucca
, propria para pastagem du gadcs, ran-
chos, ou qualquer plantacHo que se quei-
ra: a tratar na ra do Vigario, n. 7, pr-
mciro andar.
-- onVrece-seum rapaz portuguez para
caixcirode venda, que venda para o matto,
ou mesmo paraarmazcm de mol hados, do
queja tem pratica : quem precisar annun-
cie pa,ra ser procurado.
Ca tao Mendes da Cunha Azevedo en-
carrega-se de comprar e vender escravos,
mediante urna commissilo rasoavel, epara
cujo fim promello empregsr toda aclivida-
de no mellior dcsempenho dessa tarefa : os
pretendentes o acharSo prompto em casa de
sua residencia, na ra da Alegra, n. 26
balrroda Boa-Vista.
-- Urna scnhora maior de 40 annos, leudo
longa pratica de ensinar meninas, s offe-
rece a qualquer senhor deengenho para tal
mistcr, declarando que ensina a lr, escre-
ver, contar, doutrina clinslSa e coser liso,
prometiendo empregar todo o esmero para
o bom aproveilamento de suas alumnas : a-
quelle quede seu prestimoquizer ulilisir-
se, procure-a na ra do CalJeireiro, casa,
n. fl.
AO PUBLICO.
A natureza do homem lie tfio perversa, o
scu coragito he t.lo impenetravel, que, fa-
zerconfulencia dequein nos lem engaado
urna vez, hecousa muilo perigosa. Tal he
a posigoem que a minlia nimia boa fe me
ha enlloca.lo para com meu sogro Manocl
llomeiro de Couveia ; porque tendo-o por
um ^instrumento publico aulorisado para
real isa r a recepto de alguns dinhoiros que
so me deve, e por elTeito desla delegado de
nieus poderes lendo elle logo recebido res
1:500,000 do Sr. major Jos Flix da Cmara
Pimeiitt-I, e feitouma transacgilu com o Sr.
l>r. Ignacio Nery da Fonseca, que Ihe pis-
sou una lettra pagavol em maio do corren-
te anuo da quantia de 250,000 rs., sueco le
que at hoje luija negl'genciado o cumpri-
niecto das suas obrigagos derivadas da na-
tureza do mandato de sorte que tem metli-
do em si nSo so a quanlia recebida, como
tambem a lettra passada pelo Dr. N^ry da
Fonseca, sem ao menos intelligeuciar-me
respeilo; a tudo isso acrescenJo haver-se
tornado meu iuimigo por motivos tilo frivo-
los'que cusa a crr quo achassem guarida
i.o cerebro de um velho! E, pois, como o
meu mandatario conculcando todas as ra-
mi's que nos identifican), haja illaqueado a
minha boa f de um modo indigno ; como
n!To esteja resolvido servir de pai a meu
sngro, declaro formalmente ao publico que
de boje avante flcam cassados todos os po-
deres conferidos naquella procuragSo, na
consideracSo de que qualquer negocio ulte-
riormente contralado por elTeito della_ ser
ipso fado lido por mim como um acto inva-
lido e lesivo do meu direito, les.lo esta con-
tra a qual (i realisar-sej desde ja protesto
proceder na forma da lei.
Previno ao Sr. Dr. Nery da Fonseca, que
a nenhuma outra pessoa, senio a mim, pa-
gue n lettra por S. S passada, ainja mesmo
i| .i.nulo Ibe seja apresentada, qur por meu
sogro, qur poroutrem.
Jos Antonio le Souia Crrela.
No transporto" da bagajem* do quinto
1> iialhao de fuzleircs, em marcha da po-
v i i,.lo da rispada ao engenlio Aramaragi,
desappareceu umquartio melado, pequeo,
cun pintas de nodrez, tem um carrego bai-
xo, idade de 8 a 9 annos, com este fer o
It sobre a anca direila que apozar de nilo
estar muito visivel, todava bem se conde-
ce ; pertencente ao propietario senhor do
engenho Frecheiras na freguezia da mesma
lascada Jos Rodrigues de Sena Santos, o
qual pedido do tenante-coronel Jos Ma-
ra Idclfonso, commandanto interino do
ni miiii balalho, havia-lhedado para odito
trans.orte: pelo que o mesmo tenenle-co-
i oui'l n com mciida e pede a quem souher
do dito quarto, e mormente a qualquer au-
turidade policial, que sendo na mesnia fre-
guezia o mande levar ao dito Sr. Seria, e ca-
so seja mais prximo a esta capital ao mes-
mo lenciile-corunel que recompensar ao
portador na seu quaitel na ra do Hospicio
No dia 10 do corrente desappareceu
do sobrado da ra do lio-ano estreita, n. 1,
segundo un i. r, um bauzinho de tai taruga,
leudo dentro uns papis e juntamente um
titulo de esidciicia pertencente a Jos Ja-
cnlho Barbosa : roga-se a quem fr ofTerc-
cido dito bauziuho de o appretvender e le-
var ao dito sobrado.
*
Iloubaran da abaixo sssignada mora-
dora no beeco da Viracflo, casa, n. I, os se-
guintes objectos : cinco pares de brincos de
ouro, sendo um de ramo de caf com dous
diamantes, com o peso de tres e meia oita-
vas ; ou tro de lilagran com tres e meia o-
lavas, oulro liso com diamantes as rozetas,
com qualro oitavas e cinco graos; oulro
com iiiiz diamantes cada brinco, com o
peso de qualro oitavas; outro de pedras de
agoa muinlias rravsdas em prnta ; um par
de argolus de lio de ouro, com o peso de
oitava o meia; um par de rozetas lavradas
com dous diamantes, ambas ; um ci uz lisa
de ouro rolica ; um par de pulreiras lisas,
com duas o meia oitavas; dous pares do ata-
cas do pedras cravadas em prata ; tres an-
ncis, sendo dous trocidos o um. con urna
pedra, tres pares de clchelos de ouro, on-
zegrampas de prata, um alfineto de ouro
com pedras dogrizolita para homom; urna
camisa para scnhora com urna sedula de
200,000 rs. do estampa branca cozida na
nosga da mesma, sendo a mesma do mada-
polilo com as lettras C. I. C.; cinco camisas
da madapohlo para senhora ; tres jaqueles
do esguiSo, urna feita e duas por fazer; qua-
lro camisas para homem, duas fcitas e duas
por acabar; duas mantas de seda, urna pre-
(a desetim de Maco com franja e bandada
de rotror de cOres, a outra de'nobreza ro-
cha furia-cores rom listras pretas ; um len-
to do seda encarnado com palmas brancas
as mesmas lettras ; dous lenges de panno
de I i 1111 o do tres pannos cada um, com pou-'
couso; um dito de madapolao com baba-
dos largos, um corte de vestido de cam-
braia doquadro azul com t,000 rs. dentro
do mesmo; um par desapatos de couro de
lustro, duas conxinhas de vidro, urna rocha
e outra azul com espelho na lampa ; dous
cortos de caiga de menino de brim pardo de
listras; urna cambadinha de chaves, enria-
das en urna corrente de prata.
A' vista, pois, de tal roubo, roga-se as au-
toridades policiaes hajam de verse desco-
brem, pois faz gran le falta a abaixo sssig-
nada, ese alguma pessoa souher poderflo'
ir ao mesmo lugar cima que ser bem re-
compensado. Constancia Rosa dos Santas
--Na loja dd charuteiro do Aterro-da-
Boj-Vista, n. 5, precisa-so do olllciaes do
mesmo placi
Precisa-se de um forneiro : na ra lar-
ga do llozario, n. 48, padaria.
Ensino de primeiras
lettras.
JolTo Xavier Faustino Ramos, com aula de
primeiras lettras.no Aterro-da-Boa-Vista,
sobrado n. 5, previne aos Srs. pais de seus
alumnos o as pessoas que delle quizerem
confiar a educagilo de seus filhos, que o-
exercicios da mesma aula se acham em ef-
feclividade desde o dia 7 do corrente ; as
segurando que pelos qovos arranjos e me
Ihoramentos que ha introduzido no seu es-
tabelecimentoe no respectivo regimem.se
ai lia habilitado para recebere leccionarum
mais crescido numero de alumnos. No
mesmo estabolecimento, separadamente
sb a direcQo de urna filha do anuuncian*
le, convenientemente habilitada, so acha
om exercico urna aula para meninas, onde
se ensina a ler, escrever e contar correcta-
mente, grammatica da lingoa naciona
bem como a fazer todo o genero de costu-
ras, bordados o lavarintos : tudo com zelo,
carinho e disvelo.
Precisa-so de urna ama para o servico
interno o externo de urna casa de muilo
pouca familia : n ra das Cinco-Pontas,
n. 22.
Pede-se encarescida mente a polica.
O abaixo assignado, morador em Croan
gy, termo da cidade de Goianna, ionio ven-
dido ao tenenle Jos Correa de Oliveira
Jnior, senhor do engenho Paraizo, comar-
ca doNazareth, dous escravos, Paulo e Joa-
quim, aquelle cabra e este pardo, o na oc-
casiTo dos entregarse evaooraram ni noi-
tede 18 iara 19 de junho prximo passadn,
com dous cavallos do estribara o outros
objectos de valor, sondo seduzidns e con-
duzi Jos por Jos Ignacio da Silva, lio d
Paula, para a freguezia deS -Jos-Je-Bn-
zerros at a casa do ex-subdelegado da
mesma freguezia, Joaquim Jos da Silva
Vieira, e sabendo-so da direcglo que to-
maran! o mandando-se em procura dos
mesmos hens, rometleu dito Vieira a Paula
e um cavallo, dizendo que o Joaquim tinha
fugido com o outro cavallo, cojos signaos
s3o os seguidles : Joaquim pirdo, bastante
pequeo, de vintee tantos annos, cabellos
corridos, bem parecido, olhos avermelha-
dos, falla pouco, sonso, bebe ago'ardentee
cachimbo : o cavallo he ruco-cardan, gran-
de, anda baixo, com 6 para 7 annos, com o
ferro Me. Ble; he castrado. Pede-se encares-
cidamente ai autoridades policiaes e mais
pesfoas, pue- o apprchendam o levem-no
ao dito Correa de Oliveira, no dilo enge-
nho cima, que urbanamente gratificar aos
conductores. Padre Filipptde draujo l'i-
nheiro.
-- O Sf, que annunciou, no Diario de
9 do corrente, a venda de um formidavel
caldeirilo com fumabas de cronometro,
( carrega moleque ) queira apparecer na
ra do Feria, n. 406, a fallar com o Sr. Ma-
chado que tara todo o negocio, visto cons-
tar que a pega he rica e propria para o que
se quer.
Na rua Nova, n. 58, loja, se dir quem
d a premio a quanlia de 400,000 rs. com
hypnlheca em casa lerrea. Na mesma loja
vende-se urna canora para boi.
Precisa-sede urna mulher que saiba
cozinhar bem, engommar e coser alguma
cousa i quem esliver neslas circunstan-
cias, dinja-se ao largo do Corpo-Santo, ar-
mazem n. 4, que se dir quem precisa, sen-
do pessoa capaz.
Precisa-se do urna ama para o seivico
inteino do urna casa de homem. solleiro i
na rua Nova, n. 43.
Precisao.
Precisa-se do ofliciacs de funileiro ; na
rua Nora, n. 38, defronleds Concei;3o. Na
mesma casa lambcm se vende um moleque.
Precisa-se de um bom forneiro, *
quem se pagar com generosidade : na rua
da Seuzalla-Velha, armazem u. 106.
--O procurador da igreja de S.-Amaro
dasSalinsfaz publico que a festa do pa-
drooiro llca transferido para o dia 27 do
crrante.
Precisa-so de urna mulher para cozi-
nhar a um homem solteiro : na rua Nova,
n. 42, loja de fazendas,
-- Precisa se alegar urna preta que saiba
lavar, engommar e coser, para urna casa
estrangeira : na rua do Torres, n. 34, das
II horas al s 3 da tarde. Na mesma cas
t.vi bu n se precisa ulugar um prelo que
entenda do servico inlemo, e saiba tratar
Je cavallos.
O Sr.
>3
firma Oliveira |nil5os rk Gompa-
nliir o Sr. Jos de Oliveira e Mel-
lo, hoje resilente em LisbAa. Pe-
ni m bu cu, 3t de dezembro de
i84g Oliveira rmelos &c C
Preciss-s9 de um homem que queira
foilorisar escravos em um engenho distan-
to dcsta praca 10 legoas: prefere-sa Por-
tuguez : na rua Direita, n. 93.
A poca.
Aos senhores assignantes deste jornal se
faz corlo e igualmente ao respeitavul publi-
co, que acaba de chegar do Lisboa a conti-
nuadlo dos nmeros deste jornal at o nu-
mero 5-2 ; e como tenham chegado diferen-
tes colleccOes completas, convids-se aos
amantes da instrucefio a concorrerem para
a sua extraceflo, visto como hoste jornal
de tanta importancia.
Assigna-se na rua da Cadeia do Itecife,
loja de ferragem deJo3o Jos de Carvalho
Hoza es.
O prego da assignatura lie :
Porum anno, dinhoiro a vista 6,400
Por sois mezes, dido dilo. 3,200
O
O Alugam-se e vendex-se as verda- S
Q deiras bixas de Hamburgo : na praga Q
Q da Independencia, n. 10, ao vollar n\
A para a rua das Cruzes. q
O>>OOOO>> t>0
O Dr. Joaquim de Oliveira o Souza en-
sina a traduzir, fallar e escrever a lingoa
franeeza : no Aterro-da-lioa-Vista, n. 82.
Mteiico.
No dia sabbado, 22 de setembro do anno
prximo passado, o abaixo assignado en-
tregou um bilhete a sua escrava Maria Jos
para procurar quem a quizesse comprar, o
como at o presente ainda nao voltasse, e
consta ao abaixo assignado que esta sua
escrava fra vendida em Pelras-Je-Fogo,
por um homem morador em Maneota, o
abaixo assignado protesta contra a pessoa
aonde fr capturada dila sua escrava para
Ihe pagar todas as despezas causadas por
essa sua ausencia c das de servico, o mes-
mo abaixo assignado loga aos lllms. Snrs.
encarregadosda polica do Pedras-de-Fogo
e de outro qualquer lugar para que a mau-
dem prender e remolle-la a seu ligitimo se-
nhor que he o abaixo assignado, que paga-
r as despezas ; assiincomo por meio des-
te encommeiida a todos eapilaos de campo
para empregarem o cuidado preciso para o
mesmo llm cima mencionado. Os signaos
desta escrava silo os seguintes : estatura
regular, crioula, fula, representa Icr 24 an-
nos de idade, cheia do corpo, rosto redon-
do, nlhns vivos, bem feita de corpo, muilo
conviveme; he casada com um cabra de
nome Cimillo que o abaixo ISSignadn igno-
ra quem he seu senhor hoje : esta escrava
.Maria Jos nasceu para as bandas de Maria-
l'arinh i, i' quando raparguinha fugio da
casa desto senhor on.le nasceu, para o en
genho Cinpapo, a senhora deste engenho
comprou-a e casou-a com o lito Cimillo,
e viudo dita scnhora do engenho Ginipapo
de Iguarass, I). Ambrozia de tirito Bezerra
a esta praijs no mez dii majo vender dita
escrava Maria Jos a 24 do mesmo mez ao
abaixo assignado : quem aprehende la
conduza-a, ou maule runduz-la rua No-
va, n. 49, casa pegada a torre da igreja de
\. S. da Conceic,5o dos militares, que ser
recompensado por o annuneiante.
tauti francisco Coimbra.
Ensino de primeiras let-
tras.
No Atierro da Roa-Vista, sobrado, n. 5,
ha urna pessoa subeijamente habilitada,
queso propo a dar por casas particulares
e com perfeic3o, lc.0es de primeiras lettras
e grammatica da lingoa nacional: as pes-
s'oas qun se quizerem ulilisar do seu presti-
mo du ij. un --se a dita casa a qualquer hora
do dia.
na rua Nova, n. 6", quesera bem recom-
pensado.
Aula de navega cao,
Agostinho Fornandes Catando de Vas-
concellos ensina navegac.lo pratica, e a teo-
ra neeessaria para o conlieciinento e de-
m mslracao do origem malhematic.i, em
que se hascam as regras praticas : no largo
da Asscmbla, casada esquina da rua da
l.apa. no segundo andar.
-- Precisa-se alugar urna casa terrea ou
sobrado, quo nfio exceda de 10,000 rs. men-
saes, sondo as ras das I.arangeiras, Trin-
cheiras, Flores, airas dos Quarteis, puteo
do Paraizo, Roda, Mundo-Nvo, San-Fran-
cisco eCruzcs : quem livor annuncie.
~ Desappareceu, da rua do Cabug, da
loja de miudezas, n. 4, urna caitcira con-
tendo varios papis, entre os quaes qualro
vigsimos da lotera do thoatro de S.-Pe-
drode-Alcantara do Rio-de-Janeiro, ns.
456, 1,907,3,360.3,418, os quaes estavam
assignados pelo* socios Manuel Joaquim
liil ciro e Antonio dos Santos Cordcirn; por
isso roga-se aos Srs. vondedores do biine-
tes o obsequio de os observar.
Antonio Euzebio (tabello, Brasleiro,
vai a UsbOa tratar da sua sade.
No dia 12 do corrente, pelas 4 horas da
tarde, na praQa do juizo do civel da segun-
da vara, na rua Nova, se ho de arrematar
quatro escravos de ambos os sexos, penho-
rados por execueflo de JoBo Kelles i: Com-
panhia contra a viuva Cunha e Cuimarites,
escrivo Santos.
Man or de A lii.ru! i Lopes
est fazendo o inventario de sen
barata
n. lo.
no Atcrro-da-Ba-Vista,
o inventario
casal pelo juizo dos orphaos : quem
se jnlgar credor do mesmo casal
aprsenle suas cotilas no prazo de
oilo diat.
Furlaram, no dia C do corrente, de 5 s
6 horas e meia da tarde.de una das salas da
casa ilc Candido Jos de Sales, no Mangui-
nd, iim relogio de ouro de repitilo, autor
Job Pdttger Kauffinau, n. 187: pede-se a
qualquer Sr. relojoeirn, ou outra qualquer
pessoa a quem dito relogio seja offerecido,
baja deo tomar, ou declarar o autor da gra-
Qa, qun ser bem recompensado, participan-
do ao mesmo Sales, na rua da Cadeia do
Recito, n. 46, ou a Frederico Chavos, no
Aterro-la-lioH-Visla, n. 17.
Aluga-sc a casa terrea do Aterro-da-
Boa-Vista, n. 73, a qual por sua situac^In e
commolos pode servir, tanto para negocio
como para morada : a tratar na prar,a da
Roa-Vista, botica n. 6.
Joio Carneiro da l.ima Rrito que tem
examelalm, francez n mais preparatorios,
propoe-se a ensinar a lingoa nacional e os
preparatorios em casas particulares, envi-
dan Jo seus exforcos para adiantamento'de
seus iiliimiios.do que disto j tem dado pro-
vas, tanto nesla pra<;a como fra della :
quem o pretender,dirija-se rua estreita
do Rozaro, em casa de Jos Anacleto, don-
lista e sangrador.
A viuva do terceiro matrimonio do
fallecido Jos da Costa Nogucira avisa aos
oredores do seu casal, que leudo do proce-
der a inventan pelo juizo do orphilos do
l'o-do-Alhi), devem ellos justificirem sus
litlos ateo melado Jo corrente Janeiro,
afim ilc serii Hendidos ni parlilhi de
hens: e pan prevenir qualquer omisso,
faz o presente anniincio.
Na rua do Aguas-Verdes, dolado de
S.-Pedro, casa terrea n. 13, cose-so o en-
cia, ns. 1.1
vendem-se sapaloes
Joilo Cyprianno Rangel queira
ter a bondade de apparecer na rua da Ca-
deia de S.-Antonio, p ra decidir sobre cer-
ta cunta que S. Me. recebeu.
Os abaixo assignados scien-
tilican ao commercio desta prac
(pie, desde o t."de jaueir. de I85i
em diante, deixa de ser socio da.
Novo methodo prticoe
theorico da lingoa lian
ecza, ou artefacilima
de aprender com perfeico e em pouco lem-
po a fallar, traduzir e escrever o francez.
Ninguem poder negara utililade da
lingos franeeza, por quanlo que sondo ella
boje universal, rene em si una maviosida-
do inaudita, urna excedencia que Iho he
propria:ella desbragada sem a menorexi-
lacflo por lodos os povos do mundo conde-
cido, por isso os grandes homens do seril-
lo prsenle tecm envidados os seus exfor-
cos afim do que ella faga longevos sobro a
Ierra, e para prova de urna tal asfbrgflo
muito bem disse o Sr. Sevene indispen-
cav.'l minios a lingoa franeeza he de
summa utilidade para todos.
As pessoas, pois, que reconhecendo estas
grandes vantagens, e nilo estando em posi-
gao le suhjoitarem-se ao tirocinio escho-
lastico, sem duvida drsejarSo encontrar um
meiofacM ea comino lado para ronsegui-
rem esta instruegito, poupa-ndo d'est'ario a
fastidiosa tarefa de esludarde efir verbos
e significados, qual a da grammatica do
Sr. Luiz Antonio Rengaim, dada a luz lti-
mamente no lini-ii.! Janciio, o de que mui-
to elevad) conceito faz o nosso excellcnte
professor, o Sr. doutor Jos Soares de Aze-
vedo.
Avisa-se, portanto, aos amadores da men-
cionada lingoa que ditas grammalicas se
acham a venda napraga do Commercio, n.
2, piimciro andar.
Deseja-se fallar ao Sr. Jos da Cunha
Bezerra parase Ihe entregar una encom-
menda, viuda do Aracaty na escuna Maria-
Firmina : na rua da Cadeia do Recife, cs-
criptorio de Jos Antonio Basto.
-- No dia 2 do corrente desappareceu um
escravo crioulo, de nomo Joaquim, quo re-
prsenla 24 annos de idade, boa estatura,
cheio do corpo, com ^ bugo eir. baixo do
qucixo, pernas linas, ps apalhelados, mili-
to pequeos, a ponto de ser defeituoso ; es-
te escravo de muilo condecido nosta praga
por ter sido escravo do Dr. Tederge, dopois
passou para o Bernardino, e este o venden
a Pedro Alexaudrino Comes, por ter ido
em praga o anno prximo passado ; de co-
zinheiro, e vivia trabalhando em armazem
Je assoi-ar* no Rerife roga-se a todas as
autoridades e capitfles do campo que o ven
do o mandein pegar e levar a seu scnhtir,
gornma-se rom todo o esmero e perfeigao
lllysus Droi ncenlemenlo chegado da
Suissa tem a honra de prevenir aos ourives
e rclojoeiros que lem u:n sortimento de
ferramoiitagprnpriaspara qualquer desses
olcios. I' lem dirigir-so casa do sua re-
sidencia na rua da Cruz, n. 40, segundo an-
dar, casa do cnsul da repblica Helv-
tica.
Precisa-so do um feilor que saiba tra-
tar do borla, pomar e cnchertar : na Magda-;
lena, estrada da Torre, n. 78.
Distante desta praga 9 legoas precisa-1
se do um professor para ensillar as primei-
ras lettras, lalim o francez
mem casado com pouc
na rua do Queima lo, n. 7.
Precisa se alugar um preto idoso, que
sirva para tratar de um ou dous cavallos e
tomar conta de urna pequea casa de cam-
po : na rua do Trapiche-Novo, n. 10, pri-
ineirn andar.
-- Na rua da Ca leia de Santo-Antonio, n.
13, no primeiro andar, se dir quem tem
um negro de 30 a 35 annos sem achaques,
muito rubuslo, e proprio pura servigo
bragal.
no Mondego
-- Arrenda-se annualmcnle o excellcnte
sitio da viuva do Burgos, na estrada do Ar-
raial, com elegante casi, o todos os mais
arranjos precisos para commodidade de
urna grande familia : a tratar com Lino Jos
de Castro Araujo, na praga do Corpo-Sanlo,
n. 2.
Alugam-se por preco rasoave
o sobrado' e loja da rua dos Quar-
teis, n. io : a tratar
com L. G Fcrreira
-- O hachare! Antonio Annes Jacomo Pi-
res propOe-se a advogar, c recebe as pes-
soas que so dignarciii procura-lo a qual-
quer hora, no primeir andar do sobrado
n. 14, no pateo da matriz do S.-Antonio.
-- Urna | essoa habilitada e quepormui-
los annos se tem dedicado ao ensino da mo-
cidade, propOe-se a ensinar grammatira la-
tina, dando duas ligOes por dia, e perce-
bendo a gratilicag3o mensa I de 3,000 rs.
por cada alumno: tambem leccinnar rhe-
torica e geograpliia percebendo a gratifica-
cao de 4,000 rs. : na rua Direita, n. 120, se-
gundo andar.
m
Vende-se UDI bom moleque
ollicial de alfa'iate : na rua do Quci-
mado, ii. 9.
Vende-se fl loja de livros,
com todos os seus peitences, que
foi do bacbarel Bernardo Jos Vi-
eira Cotilinbo, sita na esquina da
rua do C'ollegio : os pretendentes
dirjau-se ruado Vigario, 11. 7,
primeiro andar.
Na ruado Vigario, n.7, primeiro an-
dar, ha para vender-se duas pretas, sendo
urna moga eoulra j de idade.
Batatas
Vendem-se batatas a 1,000 fk.
a arroba no armazem da rua do
Azeitc-de-I'eixe, n. i4> defronte
da 31adre-de-eos.
-- Vende-so urna famosa propriedade
com grande quintal, cacimba, e com dif
ferentes qualidades de arvoredos, duas ta-
ladas de boas uvas, alm de outras duas
ainda novas, um jardim de flores e cantei-
ros de hortalice : adverte-so que a proprie-
dade tem \ qiiarlos, sala adiante e atrs,
cozinha fra eesl muito interessante por
selerfeilo obra, oque he muito propria
para recre'n, sita em Olinda, na rua da Boa-
llora, n. 25 : a iratarna mesma casa.
Na loja do Arantes, na
praca da Independen-
elS,
de couro de lustro, a
.), 11 e 7.11 ni rs.; biirzcguius para homem, a
4 e 7,000 rs. ; stpatOes do bezerro, de pala
ede costura a ingleza, a 5,000 rs. ; sapatos
de lustro para senhora, a 1,600, 2,000 e
2,-240 rs. ; ditos de marroquim, a 1,440 rs.;
sapaloes do Aracaty, a 1,000 rs. ; pelles de
couro do luslio francez e hamburguez de
superior qualidnilo; ditas de marroquim
do todas as cores ; chapeos francezes da
ultima mo la ; cortes de tapete para sapa- -
tos; lengos de seda para grvala; e muilo
ricas perfumaras, por prego commodo.
Vende-se una escrava de meia idade,
com habiliiladei: na rua Velha, n. 71.
\o bello 111 idaiiiisini)
se offereco transparentes e lin lissimas cas-
sas da mais moderna exposig.lo de Pars,
cortes de 10 varas, pelo rasoavel prego de
7,000 rs. : na loja de Antonio Luil dos Ssn-
tos&C., na rua do Crespo, n 11.
Xa rape do bosque.
MA OUTRA GRANDE CORA DA aSTHMA.
Seria um 1 irreparavel falta de uiiiiha parle
deixar om silencio o coininlgn, e que passo a relatar para que o pu-
blico lejanabedor.
Nos priinciros mezes do anuo de 1842 em
mu DOite de muito calor, dirigi-ine ao mar
para tomar un l.anho, c com ell'cito toinei-o ;
rol (el para casa senli-mc constipado, e couio
j era (arde nao pude cuidar em n aiar-me, no
oulro dia sruii-mc muilo nial da garganta e
do pelto, milita tosie, dores de cabeca, frioj e
febre c oulros iiicoiniiii-dos que seinpre acotn-
paoham as uonslipai;es ; nessa noilc toinei
mu suador, un dia scguinle comecei a tra(ar-
ine e d'alii em dianlc com di lie re n (es remedios
unaappjicados por professores, oiKrosque me
ensinavam algmnas pessoas de mu um (irei
provello a continua (osse que me allligii; por
IIin di 1111 cu-s. -1.....ni isiiiini: qualro annos
fui victima desla lerrivel molestia qucsiiqueiri
a (em 011 leve he que slicos soll'rimentos por-
que pansa o que tem a infclicidadc i^e er por
ella accommettido; hoje portmi com orgulbo
posso dizer que acliei um remedio que zomboii
da a-Hiiii 1 ; foi o xarope do bosque que se ven-
de na ruado Hospicio, 11. 40 ; pois julgava-me
incurave!, porui nao succcdcti assim : logo
que principie! a tomar o sobredito xarope nao
precisou mais do que poucos das para eu co-
nhecerque 11 ineii mal com este precioso leme-
dio pollera ser couiplelamen(e curado, e nao
ICl^"'7raferA^aeTbo-1 Sf" *Bil porque acho-me compIelaiurn(e
f ... IiviciIi (ndos os iucominodos que at o prin-
a lamilla 1 a tratar cipiu |0 mei de julho desle anno, poca em
que principie! a tomar o xarope do bosque,
ii.id foi s em minha pessoa que este bom re-
medio prodigalisou seus beneficios, tem tam*
bem prodigalisado em outras pessoas do meu
conheciinento, que vendo o bom elteito que
me ia i.i/imdn resofveram toma-lo para outras
dillercmcs moleslias do poilo, e os que expe-
rimentaram acliaram o desejado elleilo. Re-
ta-me, portanto, a s.ilisfafao de dizer que es-
lo'ii n .-t.iludci i.|.1 comple(amcn(e da asdima,
ainda digo, terrivel molcslia.
. i; iii-ili-- l.ui, i 1,., cm 2 de selembro de 1848. '
Compras.
-- Compra-se um scllim inglez j usado, e
com todos os arreios: na rua da Cruz, n. 64
Compra -se um escravo mogo de boni-
ta ligura, leudo qualquer ollicio : na rua
doNogueira, n. 39, sobrado.
Compramse, cllectivamenle, botijas e
garrafas : na rua do llangel, 11. 54.
Vendas.
Vende-se una preta milito
boa para engenlio, ou servic;o de
campo, mora, de bonita figura e
Ruada Princeza dos Cajueiroa n. 118.Victo-
rino lynacio Cantillo.
Vende-se na rua dos Quartelt, n. 12.
-- Vende-se urna rica commenda da or-
dem de Christo, a qual ainJa nilo foi servi-
da e se da mais enconta do que em outra
qualquer parle: no pateo do Tergo, n. 1,
segundo andar.
I's galvnicos para
(> ratear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem objectos
praleados e que tenham perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisados, teem uestes pos um excedente
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho niolhado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinha contendo quantidade suf-
iciente para pratear- mais de 40 palmos
quailrados cusa a mdica quantia de
mil rs.
~ Vende-se, na rua do Trapiche, n. 42,
ptimo lio de vela, o mellior possivel para
coser saceos, e por prego commodo.
- Na rua do Trapiche n. 42, em casa de
Adamson Ilowie & Companhia, vende-se
um restante do muito excedente cha preto,
por prego rasoavel, em caixas de 50 libras.
--Em casa de Adamson Ilowie & Com-
panhia, rua do Trapiche n. 42, vendem-se
-ellnis inglezes da mellior qualidade, as-
sim como mantas de 13a para os mesmos,
cabegadas e estribos d'ago: tudo por pre-
gos commodos.
Charutos ce I la va na
vordadeiros : *
vendem-se em casa de Kalkmano Irmtos,
na rua da Cruz, n. 10.


4
--Ven 15 annos, que cozinh, engomma e faz to-
dooimis servigo de urna casa: vende-so
para lora da provincia : na ra do Cres-
po, n. 11.
Vondem-se 8 duzias de cuslarto de
madeiradp lo'uro, sondo alaran 2* tra-
vos de varias qualidades: lude por prego
commodo i no neceo do Carioca, segundo
armazem de duas portas, que achara com
quem tratar avista da madeira ; bem como
tambem se vende arroz de casca.
-- Vemle-se urna preta crioula, de 20 an-
uos, de elegante figura, sem vicios nem
achaques, o que he propri j para todo o ser-
vico : na ra do Amorim, n. 35.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos do prato muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos portuguezes para psnella, latas
com 2e4librasde marmelada, ditas com
holichinha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
tas com hervidlas,-frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vindos do Cea-
r, por barato preco, manas de toucinho
iiiglezde fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.c
oulros muilos gneros de boa qualidade :
a urna da Cruz, no Recita, n. 46.
Cortes tidos com 16 covados
por 5,800 rs.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
covados, a 1,760 rs. ; pecas ue cambraia li-
sas rom oilo varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de lii.ho muito fino, a 480 rs. a vara : na
na do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Taixas para engenho.
Xa furidico de ferro da ra do lirum,
acaba-sc de receber um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quacs acham-sc a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou earrepam-seem carros sem despezas ao
comprador.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RA DA 8KNZALT.A-KOVA, N. l\1.
* Neste estabelecimepto conli-
na a havfrum completo sorti-
menlo de moemias ruciad moen-
tlas, paia engenho; machinas de
vapor, e taclias de ferro Latido e
coado, de todos os taannos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Sntos na Itahia
Vende-se md casa de N. 0. leJier & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
Jaquella fabrica, muito pioprio para.'MCOO
de assucar e roupa de escravo>. j
Ch brasileiro.
Vende-se cb hiasilelro no armazn.de
moldados, alnis do ('or n-SanlO, n. 66, o
mais excedente chi produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo n este mercado, por
pre^o muito commodo.
Moendss superiores.
Na fundiqSode C. Starr & Coropanhia ,
emS.-Amnro, acharo-sea venda rroendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcco muito superior.
4cs fumantes de bom osto.
Noaripazem de molhados atrs do Cor-
po-Snl, n. 66, ha para vender, dragados
pelo ultimo vapor viudo do sol, superio-
res charutos S.-Flix, e de oirtrns mudas
qualiilades que se venderio mala bando do
que em nutra qaalaoer parle bem como
eigarrilhos hespanhes, ditos de palba de
nilhn, que se est?o vendendo pelo diaiinu-
to pre?o de 500 rs. o cento.
Corles de briol de cores
com listrasaolado, a
1,930 rs.
Vendem-se corles de brim de cores com
listrasao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godSo americano, proprio para escravos, a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volta para a cade8.
Tecidos de algodo frail-
eado do8-os-Sai)JS.
>'a roa da Cadeia, n. 2,
vendem-so por atacado duas qualidades,
proprias para saecus de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de feria-odres a
*H\i is. o efil Me ris-
eado roonstro a 90 rs.
Vende-se zuarte de furta-.cores muito
cncorpado e com palmos de larguia, pro-
prio para escravos a 200 rs. 0 covado ; ris-
cado monstro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volta pare a cadeia.
Para quem livor bom
goslo.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padrees, e o melbor que
tcm apparecido nesle aereado : na ra do
Crespo, loja da esquina quu volta para a
cadeia.
.- Vendem-se amarras ue rro : na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
Saccas com farelo novo,
de 80 a 901 oras, a 5.?:
vendern-so no armazem de Antonio Armes,
no caes da Alfandega, e no de Vicente Fer-
reira da Costa, na ra da Madre-dc-Heos,
chegada* ltimamente de Lisboa e de
tranca.
Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, os. 14 e 1C, sites na esquina
-- Vonde-se calcado do marroquim para
seuhora. a 500 rs. n par, marroquim, be-
zerro, de Franca, fivelas, franjas, e outras
mudas fazendas para calcado das melhort-s
que ha no mercado, por barato preco, sen-
do a i!lidien i avista : na ra do Livramen-
to, n. II.
Os oais ricos mantele-
tes e capotudos.
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capotilhos de chamalote de seda e gor-
gurilo, os mais ricos quo teem apparecido s
na ra do Qucimado, n. 9.
Potassa da Russia.
Vende-se a verdadeira potassa da Russia,
desembarcada agora, em harria pequeos :
em casa dos Srs. Itoihe & Bidoulac, ra do
Vig8rio, n. 4.
-- Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato prego do 2,000, 2,500, 3,000
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs. : meias para meninas, a 160 rs,; 13a
com listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinlia propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senbora, a 240 rs.; 1.1a superior pa-
ra calcas, a 500 e 600 rs. ,- lencos de algo-
dilo e seda com franja* a 600 rs. ; crb s de
collelo de velludo, a 1,600 e 2.500 rs. ; cas-
sa-chita, a 400 rs a vara ; garca de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado e outras muitas fazendas |or
barato prego : na ra do Crespo, n. 15, loja
de JoaquimdcOliveira Maya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhados
atrs do Cerpo-Saoto, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarern mais que as de espermacelo,
e nao fazerem morrSo.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo eslabelecido de-
baixo das ir. es mas coudgoes, oITcrecendo
a deliciosa pingado vinbo da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a cariada, a de viiihohranco de Lis-
boa por 220 rs a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de ISordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. Nffo se admiren!
os fieguezes do baixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o antigo pre-
CO, emhoia este genero tenha subido o me-
lbor de 30,000 rs. por pipa. Examinen! os
amantes a qualidade para reconhrcimenlo
da verdade e enntinuagito da miga fregue-
zia. Epara tifio haver usuras, esto promp-
las garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barril de diversos ta-
manhns para piovisiio do prximo Natal.
O proprielario cenia com a concurrencia;
do contrario, lornaro os preces do reta-
dlo a primitiva de 240 e 280 rs. a garrafa.
Deposito tic Potassa.
Vende-se mnilo nova poliissaj
de boa ijualidade, em borriszinlio,
pequeos de cjnnlro arrollas, por
preco barato, como j na limito
tempa se nao vende : nc liccife,
ra da Cadeia, armaiem n. 11.
Antigo deposito de cal
virgen).
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
nmilo superior cal vil geni de Lis-
boa, por pceo muilo commodo.
Na 111a do Amorim, ns. 56
c 58, vendem-se furelos cm sac-
cas grandes | or pceo commodo :
a elesentes que seacabem.
Familia de mandioca.
Na ruado Queimadn, n. 14, loja de fer-
ragens, ainda ha algumas saceos da boa
familia de mandioca, muito alvaebtm tor-
rada ; bem como urna porgfio de peonas de
ema, proprias para apaadores; urna es-
crava de 20 anuos, propria para lodo o ser-
vico ; nutra dita que se vendo barato, por
ser de mais idade, e que he boa para ven-
der na ra, e sabe muito bem lavar roupa ;
urna parda moca, do honda vista ; saccas
de gomma de engommar, muilo alva ludo
se vende ha ral o.
?*e@ &
Chapeos m
de superior qualidade.
0
t
Pelo ullino vapor receberam-so ?
mais chafos do Chile de supciior C?
qualidade, que continuara a vender-
" se a rn ros mais commodns do que Sf
&, em 111.11:1 qualquer parle ) na ra do *"
Collegio, n. 9. m
Sujcriores chapis do
Chile.
Vendem-se chapeos do Chile em porgues :
na praga !> CoRimerCio, n. 6, pnmeiro an-
dar, sao muitn bous e muilo claros.
EMrinlia de 8.-C:itharna.
Vonde-se a bordo do brigue DouiAmigu,
fundeado defroiilc do ears do llames, 011
na praga do Comuiercio, n. 6, priineiro an-
dar, faiinha de S.-Calharina.
Farfolla de Irigo.
Vende-se superior ffrmha de trigo fran-
ceza de Provenga, chegada ulliniamente de
Marselha : em casa '! J. 1. TasSO Jnior, na
1 na do Amorim, n. 35.
Veilde-te urna prela moca, de boa fi-
gura, que cose, entornilla e cozuiha, ludo
muilo bem; urna dita quo lava e vende na
ra, por i'Tego r. uito commodo; a a ola-
(|uts, um de 12 anuos c o outro de Ifi, p-
timos para o que se quizer aplicar ; um pre-
a ra do Collegio, n. 21, primeiro andar
se dir quem vende.
-- Vendem-se chap.oszinhos ricamente
cnfeitados para meninos e moninas do um
a tresannos: no Aterro-da-Uoa-Vista, n. 1.
--Chegaram novamente ruada Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogiosde ouro e prata
patent inglcz, para homem e senhora.
Novo sortlmeoto de fa-
zendas baratas, oa roa
do Crespo, o. 6. ao p
do lampean
Vende-se cassa-chita muito fin, de bo-
nitos padrOes, cores fixas e com 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado; cassa francezade quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
tras de linho, a 240 rs. o covado; brim de
algodSo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corle de
duas varase una quarla; cassa preta com
ramagem branca para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuartode cores", com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cores Dxas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tai le tana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
SSSF%
Manocl da Silva Santos vende
faiinha de trigo superior da marca
cima mencionada e chegada a es-
te mercado no ultimo navio vihtlo
de Trieste: quem pretender, pode
dirigir-so ao armazem do A mies,
no caes da Alfandcga.
.-Vendem-se chapos de todas as qua-
lidades, para senhora ; linos manteletes e
capotinhos do chamalote, tafet e bico; lu-
vasde pellica, de seda e de rede ; chapeos-
ziidins ricos, para meninos e meninas : no
Alerro-da-Boa-Visla, n. 1, casa de modas
francezas.
Vende-so urna prela muito boa coz-
nheira, que engomma e cose, e por isso
propua para ama de casa, mesmo de ho-
mem solteiro, alteiidendo a sua boa con-
ducta : na ra larga do Itozario, n. 35, lo-
ja de miudezas.
Vendem-se pegas de algodflozinbo
com 20 jardas, com loque de avaria, pro-
prio para escravos e pannos de cozuiha, a
1,280 rs. ditas de-chitas de bons pannos
e com tuque de arvaria de cliuva, propria
para prelOS e fonos de hahs, a 4,560 rs.;
Historia da America ingleza em portuguez;
por 5,000 rs ; Guarda-Livros modernos, por
6,000 rs ; Salustio traduzidoso | 'a let-
tra, por 5,000 rs ; Diccionario de Moraes da
quarla dgito qnasi novo, por 20,000-rs.;
unilole de folear formgas; no pateo do
Calino, D. 18. primeiro andar.
-- Vendeu.-se boasssecas com bom mi-
di, por prego commodo: no caes da Al-
fandega, armazem de Dias Ferreira.
Vendem-se 8 lindos moieques de 10
18 anuos; 8prctosd20a 25 annos, sen-
do um delles ptimo sapateiro ; um pardo
de 16 annos, ptimo para pagem, e quo he
bom cozinheiro ; 3 pardas de 16 a 25 an-
uos, com algumas habilidades; una dita
de 20 annos, com habilidades, e com 2 II-
Ihos, um de 1 auno, e outra de 5 ; 6 pretas
de 14 a 25 annos, com habilidades, e que sSo
iroprias para todo o servigo; na ra do
Collegio, n. 3, se dir quem vende.
--Vende-se um trancelim para relogio,
um baliuzinho de tartaruga todo appfre-
l'.ado de prata lavrada, proprio para me-
ninas que vito para a escola, meia duzia de
colheres de Milpa, meia dila para cha, todas
sem eslirem servidas; um terreno entro a
matriz nova c a fabrica de vinagre ; urna
casa na ra de Motocolomb nos Afogados,
n. 16; urna parle de una casa na ra da
Gloria, n 2>: a Iratar as Cnco-I'ontus,
ll. 32
Vendo-se un molcouede bonita figu-
ra, sem vicios nem achaques, proprio para
todo o servigo, e mesmo para especulago
de negocio : na ra Direita, n. 93.
Batatas.
Vendem-se gigos cooi muilo boas bata-
tas, por prego commodo : no armazem ao
peda bolica do aico da Conceig9o, c no
caos da Alfaiidega. no piimeiio armazem
defrunte do chalar;/.
AlllOS.
Vendem-so canastras com albos, a 30 rs.
cada maco : tambem se vende muito boa la-
mina de araruta : no becco do Azeile-de-
l'eisearniazeni n. 16
Vende-so vinho do Porto muilo supe-
rior, em harria de quarto e quinto ; farinha
de trigo de todas as qualii'adrs e em meias
barricas; retro2do Porto, prlmeira quali-
dade : panno e meias de linho ; arcos para
barricas farinha de mandioca em saccas
grandes e a garnel a bordo da sumaca *l.-
S.-do-Curmo : ludo por prego rajnuriodu :
na ra do Vigano, D. 11, primeiro andar,
casa de Francisco Alves da Cunha.
irados de ferro.
NafunJigSo da Aurora, em S.-Amaro,
vendem-so arados de ferio diversos mo-
delos.
Vcndc-se urna porgo da melhor agoa
ardeute de l'ranga ( pal llroudy) que lem
viudo para este mercado, em ca xas de urna
duzia cada urna : na cesa de Augusto Cor-
belt, na ra da Cadeia do Itecife, n. 48.
-- Vende-se una crrenle de ouro com 2
sineles para relogio, por 20,000 rs.: na
ra laiga do liozaiio, u. 22, loja Victorino
l\ (.111111.11 fil'S.
Vende-se um engenho sito
na ftcguezia de Serinbriem, com
meia legoa de trra de frente e ou
lio tanto de fundo, com mulo
boas obras, e txc .lente moeiida
d'ugoa, sendo altn disso de muito
boa pioducrao : na ra da Guia,
n. 5,ou na ra-do Crespo, n. 17
Cera de carnauba,.
un iik 111 .eKWfcflBae*. **
picote muito encor-
--Vcnde-seummulatinho de 16 annos, to superior, a 400 rsJ.picote muito
..om bolieiro e copeiro ; 4 moieques de pado, fazenda de mUTla duragao e
elegantes figuras, sendo dous delles corta- para escravos, pelo diminuto prego de
. .?,. i____ ____a ,,..1.1 onm ^o nnnuo.in- eiirtp iIb hrim de lislr
propria
200
dos na mefade de seu valor; 2 pretas com
algumas habilidades; 2 pretqs de 30 a 40
annos, sendo um delles bom canoeiro, e
vrnde-se por muito commodo prego para
liquidacSo : no pateo da matriz de S.-Au-
tonio, se dir que vende.
-- Na ra das Cruzes. n. 20, vende-se vi-
nho engarrafado, tinto e nranco, domis do
6 annos, e da melhor qualidade que boje ha
no mercado ; bem como os mais superio-
res queijos que existem lia venda ; mantei-
ga ingleza da melhor qualidade: ludo por
prego mais commodo possivel.
Sola para sclleiros.
No Aterro-da-Boa-Vista, n. 58/ loja de
sapalos, vende-se sola grande, grossa e
bastante alva ; sapalOes do Aracaly, a mil
ris.
Avista faz f.
Vendem-se 2 escravos do Angola, sendo
um canoeiro, e outra iavadeira de varrella
e desabito, que cozinha o diario de una
casa, trabadla no campo em qualquer ser-
vigo, e he boa traladeira de criangas, e s
para que nSo servo he para vender na ra,
o que ludo se abane, por barato prego em
Oliuda, ra da Doa-llora, casa de funileiro,
se dir que vende.
Vende-se urna casa do sobrado de um
andar e sol0o na ra Augusta ; um preto
cozinheiro o caiador : na ra de S.-Fran-
cisco, casa apalagada, ondo tambem se ven-
de um alambique pequenoem bom uso.
Na loja de quu tro portas
da-roa do Crespo, o. 12,
vend -?c cortes de riscadospara vestidos,
com c i o escuro, lavoures lecidos, e de
muita durago, a 3,000 rs. ; cortes de cam-
braias escuras, a 2,800 rs. e claras a 3.500
rs. ; cortes de vestidos imitando lanzinh,
propriospara amasdeetsa por sccm es-
curas, a 3,200 re.; calcinhas de fil d* li-
nho para criangas, a 320 rs.; cortes de col-
letes de ISa, boa fazenda, e que j se ven-
derem a 3,000 rs., a 1,280rs. ; ditos muito
bons para meninos de escol, a 400 rs. ;
renda lisa, a 80 rs. a vara; chapeos par
meninas, de cambraia, a 1,000 rs. e de se-
da, a 2,500 rs. restando ainda alguus dos
afamados chapeos de castor, a 3,000 e
3,500 rs
-- Umversalmente boje he reconliecido
que na presenga de um par de oculos fixos
apropriadosao grao da vista do paciente,
lira inulilisado tudo quanto os diversos au-
tores desde llippocrates ate ilaspailhe leem
escripto em medicina, tendente a curar
vista curta ou cansada, e tanto isto he cer-
to queelles mesmos usam delles, cm con-
sequencia quem os quizer, ate mesmo com
o antidolo das canelladas, irambolhOes, ca-
begadas e mais catstrofes, dirija-se la
larga do Itozario, n. 35, loja de miudezas.
Ca ra do Passeio, o. 3.
vendom-se chapeos de sol da marca mui-
to grande, proprios parasenhores oledores
de engenho : estes chapeos sito muito bem
consliuidosc mudos fortes.
Vende-se cera para limas de
cheiro, a mil rs. a libra t na ra
do '.ngel, n. 52, sobrado.
Vende-se urna bonita oulalinha de 17
annos, recolhida, de um excedente genio,
por isso propria para mucama : na ra lar-
ga do Itozario, n. 48, segundo andar.
Os mclhorcs chapeos do
hile qoe se vcudeo no
mercado.
Acabam de ebegar fabrica de chapeo
deJoaquim de (liveira Maya chapes do
Chile muito finos, por prego commodo.
-- Vende-se banba de porco muito nova
e bem alva, cm barris, em latas, as libras e
a retadlo, a 210 rs. a libra ; na ra Impe-
rial, n. 37.
Vende-se um pelo mogo,, boin ofltcial
de pedreiro : na ra do Collegio, n. 21, pri-
meiro andar, se dir quem vende.
Na praga da Independencia, n. 12, ven
dem-se os seguimos livros : Diccionario in-
gle/, por Vicira ; Diccionario francez-por-
luguez por Fonseca, 2 v.; ligOes'de hile-
ra tura e moral; Historia llomana ; Gualtier,
geohraphia e alias; Litterary scrap-bock ,
Complete Book of frades; Magnum Lexi-
cn ; Discursos religiosos ; llislory de En-
gland ; Guarda! ivros moderno, 3 v ; Wan-
ders of iialmoart; Diccionario p. e inglez,
2 v. ; llors da Semina Sania; Thompson;
Macare!, direito poltico ; U'eslre inglez ; e
outras muitas obras, por preco commodo.
Calcado fr&oceziuleira-
mete oovo.
Na ra do Crespo, ao pe do arco de S.-
Aiitonio, loja de miudezas, de Joaquim
lleuriques lu>tro pura senhora, a 2,000 rs.; sapalOes
de couro de lustro, a 6,000 rs. ; ditos de
duas e lies solas, a 5,000 rs. ; sapatos de
cuuro de lustro de uina sola para homem.
a 4.0C0 is ; borzegunsgaspeados para ho-
nieni, a 7,0v0 is
Na loja da esquina do Be eco-Largo da
roa da Cadeia do Itecife, vendem-se suecas
com superior milho, por prego mais barato
do que em outra qualquer parle.
Na ra dos Copiaes, u. 22, vende-so
urna cama de angico, ainda em bom estado,
por preco com modo.
Vendem-se 150 barricas vastas que
fiamde farinha, por prego commodo; na
ra larga do Itozario, pidaria u 48.
Vende-se um escravo bom cozinheiro :
na roa do Collegio, n. 21, primeiro andar,
se dir quem vende.
Na loja da na do Cres*
o o, o. 14, de Jos Fran-
cisco Dias,
vendem-se riscadinhos muilo finos, rou-
xos. encarnados e cor de cal escuro, mui-
to fixos, pelo barato png d* 200 rs. o co-
vado ; cassa-clulas franco/as, muilo fifis,
a 480 rs. a vaia ; chiles largas francezas, a
300 rs. o covado; hniii do ludio azul miu-
do paia jaquda, 440 rs. ; biim amarello
rs. o covado; cortes de brim de stras e
quadros, a 1.120rs.ocVle; ditos de qua-
dros o lista ao lado, fazenda muito cncor-
pada, pelo barato prego de 1,100 rs. o cor-
le ; e outras muitas fazendas por barato
prego.
\ entiese panno azol
proprio para faldamento ;
sola envernizada
para correiamo;
cobre
para caldeireiro o para forro ;
couro de lustro ; phos-
plioros de Hamburgo
em ca izas forradas de zinco ; um sort i men-
t completo de copos, clices, garrafas, etc.
de vidro e de crystal: na rus da Alfandcga-
Velha, n. 5.
Vende-se genebra de Hollanda em
frasqueiras; ago'ardente de Franga ; vinho
de Claretem caitas de urna duzia; charutos
da Baha : tudo muilo barato: na ra da
Alfandega-Velha, n. 5.
A 5<0 ris
Vendem-se chitas francezas, largas, mui-
to fins, (ixs, muito miudinhas, cor de
rosa e rouxas, pelo barato prego de 32. rs.
o covado : na ra do Crespo, n. 1, loja da
Jos Francisco Dias.
-- Contina-se a vender bolacha de Cjir-
nha de milho, a 80 rs. a libra : na ra larga
do Itozario, n. 48,padarra.
Vende-se urna ai inagSo, caixOea e me-
didas que foram de urna taberna: na ra
do S.-Amaro, n. 10.
Vendem-se, na ra do Crespo, loja n.
II, os segundes livros, para s aulas : Bo-
quete, diclionaireportugaisfrangais; Mag-
num Lexicn, edigo de Paris; Diccionario
decomposglo; Dictionaire porttil ; Mar-
tille, direito natural; Diccionario inglez
por Vieira; Manuel des baina de mer; Dic-
cionario brasileiro com os seus mappas ;
dceisnarJo classico ; Enlick senglih latini ;
Dictionary ; Atlas ror Simencourt; dito por
Balbi dito por Mixelot; Ideia de um per-
fecto parocho instruido as suas obrigtgOes;
lioutrina da conslituig.1o synodal; a Soli-
dflo, romance de N. S. dos Guararapes;
Horacio, Virgilio, Salustio, Tilo l.ivio. La
nula me, Carlas de Cicero, the iliad of Ho-
mero ; Systema social por llolhack ; Histo-
ria sagrad* ; Geometra de Euclides; Fbu-
las de Esopo; Benlant, theoria das penas ;
obras de CamOes ; Crammaticaa inglezas de
varios autores; Telemuco; Lacroix ; Ele-
mentos de direiro natural; Ceographia por
Gautier; Cousin, Felice, Tompson, os LU-
ziadus, Arle potica de varios sutures, Ora-
tiones, Cicerones ; e outros immensos li-
vros, lodos cm bom estado, e por prego
mais commodo do que cm outra qualquer
parle.
Vende-se urna escrava de meia idade,
com habilidades : na ra Veiha, n. 71.
Vendem-so 2A poitas de louro e al-
gumas de amarello novas, de 4 e meio a 5
palmos de largura, e 10 a 11 de altura, por
prego commodo : no Becco-Largo, no lle-
ude, junto as (aixas de ferro, onde teve tan-
que d'agoa.
Vende-se a principal tiboi na sita na
ra da Aurora, n 56 : vende-se por seu do-
no se querer retirar para fura do imperio."
a tratar na mesma taberna
'Vende-se um molecolede25 annos, sa-
dioede bonita figura; urna mulatinha do
r anuos, coro bons principios de airanjo
de uin.'i casa ; um rab inha de 10 a 12 an-
nos, de bonita figura muilo espeilo, e por
isso ptimo para pagem : vendem-se bara-
to por ser para liquidagSo de contas : no
Becco-Largo, no Itecife, n. J,; segundo
andar, se dii quem vende.
Vendem-se bizas do Porto, pequeas,
de 50 para cima a 100 rs. : na ra das Cru-
zes, n. 40.
Use ratos Fgidos
!lus ditos, com Joaquim Teixeira l'eixoto.
Vindc-se superior cera de carnauba, che- cntrangado e de puro linho, a 1,600 rs. ;
por ; um mum.uno ue io aq.i"d poncodo A.acaty : na .dada Aloe- meias par, '!fj s0- L^K"':
i nos, mudo esperto para.crv.r a urna casa: Ida, u. 21, >o di.a quea veude. (burguesa!, mudo cucorpadas, fazenda mu
da ra da .Cadeia, defrunte do (heatro deltovelho, ptimo para fervir a urna casa, Vrnde-se super
SlMm: a falla rao primeiro andar I por 200,000 rs.; um muTat.uho de lo an-jgada ha prnicodo A.acaty : na ii!a da Moc-jinea par, n.cn.nos.a
Desappareceu, no dia primeiro do cor-
rente, um moleque de 20 tnnos pouco mais
ou menos, de nagfio Conco, de nome An-
tonio, de estatura regular; lem urna cica-
triz na face direita de um taino que solTrcu
por musa de urna espinia, ficando cssa
parte um pouco indiada : quem o pegar
leve-o iu.i do Cabug, n. 16, quo ser re-
compensado.
-No dia 2 do corrente desappareceu da
povoagSodo Bom-Jardm, comarca do I.i-
moeiro, um escravo de nome Januario, de
26 anuos pouco mais ou monos, altura re-
gular, corvermelha,sem acMque algum ;
conduzioum cavado preto-rugo pequeo,
capado, muito novo, com cangilba e um
par de ancoras grandes : quem o pegar le-
vc-o a dita povoagSo do Bom-Jardim, a seu
senhor, Mr noel do Faria Maciel, que recom-
pensar generosamente.
Fugio, no da 20 de oulubro do anno
prximo passado, a preta Josepha, que re-
presenta ter 26 a 30 annos, de nagSo Congo,
altura regular, testa estreila e batida, ros-
to rodondo, quexo grande, pescogo lino e
coninr ido, luacos lucios groSSOS, feanclio-
n, com falta de dous denles na fente, sue-
ca do corpo; lem signaes de chicle as
costas; be bastante preta e bem conheci-
da nesla praga por ter andado vendendo
pOo com um preto fo.ro airas ; tambem be
bom conbecida i or j ter andado com um
ferro no pescogo; levou vestido de ganga
azul, e panno da Costa com stras miu-
das Boga-seas autoridades policiaes ca-
pittes de campo, ou outra qualquer pessoa,
que a appreheiidam e levem-na ra larga
do Itozario que vai pra palacio, n. 18, se-
gundo andar, que sero bem recompensa-
-- Fugio, no principio de novombro do
anuo prximo passado, o pelo Antonio, do
nago Beuguella ; lem um tulida no odio, e
uina r, rida grande na canalla da perna di-
reita ; lem um dedo do mesmo pe junto ao
grande cortado ; suppOe-seque estoja oc-
culto ero algum sitio ou casa particular, e
por isto se protesta com todo o rigor da
le contra quem o liver oceulta. Boga-se a
todas as autoridades policiaes o capitnea de
campo, que o apprehendain e leveni-no
ra da Sohdade, n. 29oua ra do Quei.na-
do,n. 20, que serSo graldicados.
Prn. : N
tvp. uta t. ue pama. l*. *


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9EK3CAZF_F2CRJC INGEST_TIME 2013-04-24T17:33:41Z PACKAGE AA00011611_06756
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES