Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06753


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
r
/
/
i
Amioxxvr.
Tercn-fefra J
PARTIDA DOS COEREIOS.
Coianna eParahiba, segundase sextas felras.
!'. ....c,i 111 il<-- iln "S. i le, j 11 i 11 (is li ii as ao inrio-
dia.
Cabo, Seiinhaein, Rio-Fo'rinosa, Porto-Calvo
c Macelo, lio 1., a 11, e 21 de cada mez.
Garanbuns e Bonito, a 8 e '.''i.
lloa-Vlsta c Flore, a 13 e 28.
Victoria, squintas (Viras.
Oliuda, lodos os (lias.
*>.. .->jaj*Kl-|g-::'jy.?aamui i
PlUSES O
XPOEHXBISES.
,Ming. a 5, s b.e 18 m. da m..
(Nova a 13, as 0 h. da manliaa.
* "" letc.aSI.aa 71.e tin.wm.
fClicia a27, asl0h.e3Gni.dat.
FI1UMAB S BOJE.
Primeira
Segunda
aoi 30 minutos da unir.
aos 54 minutos da manliaa.
de Janeiro do !J>0.
n
N. 6.
vacos da suBscaivoAo.
Portrcsiiiczes(adianiadlOi) 4/000
'ni si i un ... (yooo
Por uui anuo 15^000
DAS DA KEBSABfct..
7 Seg. S.'fheodoro. Aud. do J.d.iorf. c m.l. v.
8 Tere. 9. I.ourenco Justiniano. And. da chae,
do J. da I. v. do civ. c do dos Cellos da faionda.
fl Ouart. S. Juliao. Aud. do J. da i. V. do civcl.
10 Uu'lit- S. Paulo, prlineiro ereuiila. And. do J.
dos orf. e do ni. da 1. v.
11 Sext. S. Ilygino. Aud. do J. da 1. v. do civ. e
do dos (Vitos da faicnda.
12 Sab. S.Satyro. Aud. da Chauc, cdo J. da 2. v.
do crime.
13 Don. S, Hilario.
. w. u... ........ ., | jjoin, a. iniar.. ______
CAMBIOS EM 7 DE JAWEiaO.
Sobre landres, 7/,*d. por 1/000 rs. a 60 das.
Pars, 346.
Lisboa, 100 por oento.
flurn.-Oncas bespanhoes......... WJW00 a 2J/.HH)
Mocaos de (5*400 relhas.. !(>/>"> a 1//IU0
. de o>0 novas.. IgjgOO iWJW
.l,-4ll00........ StfiOll a D/4"1'
fwi-iaU*......seg? $;
Pesos coluuinarioj....... ^ a fi
m.n. n.lMBM.A....... Q880 ^'g*
r*u. *rfaaarraBts
Tiuffl.-llflg
PARTE 0FFIC1M
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DIA 20 DE DEZEMIIRO.
Cilicio. Ao inspector da thesouraria da
fazenda provincial, remetiendo copia do
orcamento das despezas a fazer-se com os
reparos de que precisa a ponte suspensa do
Caxanga, ali.n de que faca por eni arrema-
tadlo os mencionados reparos.
Dito. A administrarlo do patrimonio
los orphlos. para que mande indemnisar a
thesouraria da fazenda provincial da quan-
tia do douscontos dotis, que, por ordem
da presidencia de 27 de fevereiro ultimo,
hcH abonatla por empreslimo pela refe-
rida thesouraria. Scentifc>u-se o ins-
pector da mencionada reparticSo.
Dilo. A adminUlracno dos cslabeleci-
mentosde caridade, dizendo que pode en
tregar Liberato 1'ereira da Costa a expos-
la Firmina, sua filha, depois de haver elle
paito as despezas, que lrem do direito.
Dito. Ao administrador das obras pu-
blicas, remetiendo a conta do que se des-
penden coma conclusAo da segunda parte
do nono lauco da estrada da Victoria de 2 a
8 do corrente, na importancia do 8,1C0 rs.,
alim de quemando acreditar o engenheiro
Milell na dita quantia. -Inteirou-se ojmen-
cionado engenheiro.
Dito. Ao mesmo, communicando lia-
ver concedido o arrematante dos concer-
tos da estrada do sul, Joflo llypolito de
Itleira Mima, dous mrzes de proiogacflo pa-
ra o acabamento dos referidos cotcenos.
Dito. Ao provedor da sau le, dcvolven-
doa carta de sade da barca Alcyon, vinda
da Rabia ;e dizendo que, sejulgar conve-
niente, rodo por de quarentena a referida
barca, hem como outros navios quo chega-
rem daquellc porto.
DEM DO DIA 21.
OfOcio. Ao commandanto das armas,
communican Jo que, por aviso de 21 de ou-
tubro ultimo, 8. M. o Imperador dignra-
se de nomear ao tenenle do segundo bata-
Ihlo de ca?adores, Manoel ClauJino de Oli-
veira Cruz, para com.nandar o destacamen-
to da ilha de Fernando, e que por aviso de
2* de novembro Ondo liouve por bem o
mesmo augusto Senbor determinar que II-
casse sem effoito a dita nomeaeflo.
Dito. Ao mesmo, dizendo que pode
aceitar o oflbreciincnlo que fez o a.lifice de
f..go, Caetano Francisco Antonio Ferreira,
para continuar a servir no exercilo, e pre-
vcnindo-o de que lem arbitrado ao men-
cionado arliflee a gralificaslo de cem mil
rs. Scientificou-se o inspector da paga-
doria militar.
Dito Ao inspector da thesouraria de
fazenda, para que mando indemnisar a fa-
zenda provincial da quantia de 2:420,580
rs., proveniente do suppri.nenlo que a-
quella thesouraria be obrigada a fazer para
pagamento do culto publico Inteirou-se
o inspector da thesouiara da fazenda pro-
vincial. ...
Dilo. Ao inspector da pagadoria mili-
tar, communicat.do ter arbitrado a giat-
cacflo de cincoenta mil rs. a David Alves
dos Santos Cavalcante, que assenlou pwtja
voluntario no segunJo balall.ao de arlilha-
ria a p.
Dilo. Ao inspector do arsenal de mari-
nha, scienlifioando-o deque, por despacho
de honlein, deforio a preloneilo do porle-
ro do mesmo arsenal, Jeronymo Melqua-
des Ferreira, na qu.. pedia Ihe f.isse abo-
nada, desde o dia de sua nomeaeflo, a gra-
lilicacilo. que por oflicio de 6 de selembro
ultimo foi concedida ao seu predecessor.
Inteirou-se o contador de marinha.
)g_ a ncarreg.iilo das obras mili-
tares-, ordenando quisa vista do orcamen-
to que remelle por ci'ia, mando fazer os
reparos de que ncessit o quarlel do hos-
picio. li.lelligencioii-se o comniaiidanlc
das armas co inspector da pagadoria mi-
litar.
Dito. A cmara municipal do I.imoei-
ro, declarando quenenbua.a incompatibi-
liddc existo cm exercer o cargo de segun-
do supplenle do juiz municipal o proessor
publico de primeiras leltras, SeveiinoAlo-
XMii.lre VilTarim.
Portara.Ordenando ao inspector do
arsenal de marinha, que convoque enge-
iiheiros macliinistas para examinaren) o es-
tado em quo teacha a calJuira do vapor
(.rama. Communicou-seaocommandan-
tj do mencionado vapor.
DEM DO DIA 32.
Ofllcio. Ao inspector da thesouraria da
fazenda provincial, mandando abonar ao
administrador das obras publicas a quan- Ullioio. o iuucwt u*""" v
satisfoi- fzenla, para mandar pagar ao palrno-mrtr
visto que, segundo consta de seu ofllcio
Jcsta data, andaram em praca por tres das,
e foi gmente o mencionado coronel quem
sobre a avaliacuode 22,000 rs. por cada um
liinoni milis cem rs.
Portara. Mandando odr em libordade
o bacharcl Joaqun Antonio de Faria Abreu
e l.iiiin.
BU 24.
Olico. Ao commandante das armas,
communicando que S. M. o Imperador bou-
ve por bem prorogar por tres metes li-
cenga de favor, com que se acha o alfares
do oilavo batalhiio de racadores Francisco
do Assis Guimaraes. Inteirou-se o inspec-
tor da pagadoria militar.
Dito. -- Ao mesmo, dizendo, quo pode
mandar imprimir 200 ejemplares do regu-
lamrnto dos hospitaes para seren distri-
buidos pelos corpos desla giiarnigilo..
Dito. Ao mesmo, declarando que podo
engajar para continuaren! no servido do ex-
ercilo o cabo Apolinario Jos Ferreira e o
soldado Manoel Ferreira, pertcncentes ao
oilavo batalhHo decacadores, o prevenin-
do-o do que lem arbitrado a cada um delles
a gratificacio de 100,000 rs. -- Inlelligen-
ciou-se o inspector da pagadoria militar.
Dito. Ao mesmo, inteirando-o de haver
arbitrado a gralilicaQ.lo de 100,000 rs. aTho-
maz Pereira Pinto deOliveirn, solJadoag-
gregado companhia decavallaria litado
primeira linlu, por torell* voluntariamen-
te assentado prar;a no primeiro regiment
de cavallsria ligeira da corto.
Dito. A' Rento Jos Alves de Oliveira --
Em resposta ao seu oflleio com data do pri-
n oiro de dezembro, em que, como arrema-
tante dos dizimos e impostos municipaes
do Caranhuns, pede-mc soluciio a duvida
que tem acerca da arrecadacSo da taxa de
80 ris por carga defnrinba o legumes, jul-
gandoa palavra legumes, de quo usa a lei,
comprehensiva de todos e quaesqner pro-
ductos agrcolas, que venham ao mercado,
tenhoadeclarar-lheque o referido impos-
te s-nenie dove recahir sobre as cargas de
farinha e productos de grito, como milho,
feij3oe outros que se costomam medir, o
que, portauto, a expresso legumes nilo lio
tflo ampia como Vmc. a entende, e a sua
ideia acba-se muilo bem (xada no paragra-
pho 10 do artigo 22 da lei n. 251 de 22 de
junho docorrente nnno, qunndo tratando a
tal respeilo, impOe as cmaras a ohrigacCIo
de fort.ecer aos vende.lores ou donos do
tacs gneros as competentes medidas.Ile-
mi'i t.-u-se por copia o ollicio cima a cma-
ra municipal deGar8nhuns.
Portarla.Ordenando ao commandante do
vapor D.-Afomn, que couduta para a corle
di-piisn. .io do Ex.n. ministro d guerra o de-
sertor Manoel Rodrigues da Nascinicnto.Sci-
entilicoU'SC o coinuiandante das armas.
Dita.Nonieadoan.auuensc do consulado ge-
ral a Jos Francisco Marlins de Almeida.
Dita.O presidente da provincia, aitenden-
do a que Ciiilherme Jos da Mlvcira Barros,
uomeado para exercer interinamente o cargo
de csc iv:o e labeileu de notas do termo do
Eit't, boje Ouricury, comarca da lloa-Visla per
proviso do governo provincial, datada de 10
de abril de 1S1G, nao obtivera a confirmacAo
do governo imperial, c teu al... disto coni-
...ciiiil.. irregularidades no ejercicio do dito
eu.prego, resolve desoncra-lo do referido car-
go, nomcado iotcrinamenle para subslitui-lo
u Rufino Jos da Cunta, que dever solicitar
desti secretarla o seu competente titulo' para
entrar en exerciclo__Nesle sentido lizeraiu-se
as convenientes cominunicaccs.
Dita__Mandando passar uoincaciio de guar-
da da mesa do consulado a Joaqun Mileto
Hara,
DEM DO DIA 2(5.
OiTicio.Ao inspector da thesouraria .de fa-
zenda, remetiendo copia do decreto de 14 de
novembro ultimo, pelo qual S. SI. o Impera-
dor liiii.ve por bem demillir a Gustavo Jos do
n,n ga desta cidade.
Dito.Ao mcsino, communicando, alini de
que faca constar ao inspector da alfandega,
que acaba de cliegar i este porto a escuna
.inrfoyil pan ser cn.prcgad* como barca de vi-
gi.i vela.
Portarla.Ordenando ao conunandante da
charra J'trnamtiuc/ina, entregue ao Inspector
do arsenal de marinha os qualio paos de cons-
11 tu .-no que traz a sen bordo para esta provin-
cia, e uina machina de descarocar algodao que
se destina a do Kio-Grande do norte.Scienti-
lioou-te o inspector do referido arsenal.
do Porto-da-Folha Jos Demetrio Tavares,
para continuar no mesmo magisterio em-
quanloassm Ihe convcr, percebenlo a ti-
tulo do graUlicacao a melada do respectivo
ordenado, aloro dos mais vencimentos quo
Ihe compolirem. ,
Oflicio. Acamara do Porto-Calvo, d-
teriiiinando-lhe que spm per.la de lempo
remella a authenlica da acia da eleiQSodo
oleitores da respectiva freguezia de Porto-
Calvo, afim de ser transmtlida a assembla
geral legislativa na forma da lei de 19 do
agosto de 1840, sob pena de se Ihe itnpor a
mulla queestabelecc a mesma lei.
Dito. Ao commandante superior da
guarda nacional da ;comarca de Maceio,
eommuniondo-lhe a demissao que pedio
decapito da primeira companhia do se-
gundo batalhiio da guarda nacional de Por-
to-Cal o.
Dilo. Aa commandante do patacho Pi-
rapnma, delerminando-lhe quo regresse pa-
ra l'einanibucocom ocirregamenlo de ma-
lili RIO m PIINIBCCO.
BECirE, 7 DE JAWEinO DE 1850.
Nao nos ten Jo sido possivel dar hontem
lo lo o extracto dad noticias que encontr- j
mosnas g.zetas portuguezas qu? nos trou-'
xe o brigue N<-o-Vencedor vindu de Lisboa,
vamos conclui-lo no presente numero.
l'ra(;a.
Aoquo hontem dissemos d paz,
aerrescontaremos mais o seguinto :
O novo prefeito de polieia de Pars, Mr.
Carlier, dirigi tambem a Begulnte allocu-
qo aos liabitiin'i's daqiif lia cidade :
Habitante de l'urit .' A alta contiaiica j
do presidente da repblica acaba decunfir-j
mea pn feitura de polica.
Gr.in.ie honra be para mm o ser jnlga-
Jo digno de auxiliar nestas delica las func- J
COes a |iollie*franc.i e nobre, comecada pe-
deiras que recebeu a bordo do patacho do los actos o ileclaracOes du cabeca do eslado-
seu commando, fazendo entrega do nflcio I Peco meus concilladlos o seu auxilio,
que se Ihe remeti ao Exm. presidente da-I prumeltendo-lhes em cambio zelo e caer,
quella provincia. | Bia Os homens passificos de lo las as clas-
Dito. Aoiuizde direito t'a comarca da!ses acliaro compre em nnm um amigoj
ataia, declarando-lhe que leudo havdolp.rquantosoii, es'rc senpre, n:1o inimigo.
satn na relaco nuc pela secretariado maisconslanle adversino dos perturba lo-
.. f -i.___-m..:. .1.. o n. ,1. n.j. n onar nlloc suijlll phePi> nn
goverrio Ihe foi enviada com ofllcio de 21
de selembro prximo passado, quanlo a or-
dem dossupplenles do juiz municipal e de
orpliHos do termo da Imperatriz, Iransmil-
le-so-lhe agora a copia da portarla que se
acha em vigor c que repula a dita ordem.
PEiiNAIV
C
THESOURARIA DE FAZENDA.
Extrcicw de 1848 a 1849.
Aos dous das do mez de Janeiro do 1850,
na casa dos cofres Ja thesouraria da fazen-
da desta provincia, estando prsenle o lllm.
Rr. inspector JoSo Goncalvcs .la Silva eos
Srs. contador Jos Victorino de Lmos e
procurador-fiscal interino Antonio Epanii-
nondas de Mello, proceden se ao balanco
da receita o despeza da mesma Ihesouraiia
do terceiro semcslro do exercico de 1848 a
1849, sendo tbesourero o Sr. Domingos Af-
fonso Nery Ferreira, confer los lodos os
documentos de receita de n. 50 a n 34, o -
tomm den. 3V3 an.4:i7com olivro causa de todas as familias e de todos os In-
caixa esea suiitlares, dandu-se dous gol-1 teresses. Reanimemo-noa com seg_urana
res da ordem, ou quer ellos sejam chefes ou
instrumentos de desordena.
Prolec?o i rellgiBo, no Irabalho. fa-
milia, a pr.ipricdaile, 8 boas IntencOe, e
al ao arepen lmenlo. Vigilancia o vigor
contra o socialismo, immoralidade, escrip-
los sediciosos, c pertinacia (ios rebeldes.
Guardas naclonses, urtistas, paes do fa-
ml8, commerciantes operarios auxila-mo
para conseguir tilo louvavel lint. Aos bous
cidadBos pertence a iniciativa de facilitar a
accSo das leis e da autoridade. A discipli-
na interna das familias c dasofficiiiiis lio o
mais poderoso auxiliar da polica do estado.
A nossa cans ho n mesma. Vos queris
Uro poder protector, e nos queremos urna
prudente liberdade. A nii.derac.ilo npoiada
na frca domari as ms palxOes. Ja passa-
ram os dias deprovteflo, mas hebo.n mo
dormir sobre os primeiros triumpitos. Na-
da se tem feito etnquatilu restar alguaia
cousa que fazer cm prol da ordem ou segu-
ranza.
Habitantes de ParU! Trata-se boje de
urna lig i social contra o socialismo. --Illa
resdeeeirto e vinte 0 sc'te cotilos quatro-' ranea. -Temos direito o conUr unscom
INTERIOR.
A LAGO AS.
Extracto io expediente do Exm. Sr. presiden-
te Dr. Jos liento ia Cunka e Figueiredo.
3 DE DEZEMRI'.O.
Cilicio. Ao inspector da thesouraria de
centos e sess.-nta c um mil o noventa o seis
ris, (127461,09PJ san'do centoecincoenta
mil tiezenlos e dezesete ris (150,317; cm
moda de cobre; sete contos e trila eum
mil res (7:031,000; em notas; e cincoenla
contos quinhentos e Cincoenla mil e ot. il-
la e quatro ris (50:550,081; em leltras a
vencerateo lim de junho prximo vinduu-
ro; e sessenta o nove contos seteceutose
viuto e nove mil seiscenlos e novenl e cin-
co mil ris (G9:729,695) em letras a vencer
nos a unos linanceiros de 1850 a 1851 de 18G5
a 1866 quo passou cm debilo do dito Sr.
tbesourero paraoniez de Janeiro de 1850.
K para constar eu An Ionio Luiz do Amaral e
Siva ollicial da secretaria, servindo de se-
cretario no impedimento do ollicial-maior
escrevi o presente termo cu que lodos as-
signaran : Jodo Gonpalies da Silva. Jos
Victorino de Lemot. Antonio Lpuminondas
de Mello.
CLNICA IIOMOEOPATIIIGA VI.
Caridade e beneficencia.
No dia S de oiitubro prximo passado fui
chamado para visitar a Sr.' I). II nvinda
Can lida do Araujo, moradora na na das
Trincheiras, quo se acliava ducnte de con-
vulOes nervosas, (histeria) depois detres
mezes.a pontode nao 1er nem ditas horas de
descanco enlre os repetidos alfaques, e ti-
i.lia ja tomado varios remedios allopallu-
cos receitados por alguns facultativos ; mas
'tiuenfio linham produzido melhoia ulgu-
m..
No mesmo dia, depois de ter examinado
a doente llie prescrov um remedio homoio-
psthico para tomar em tres dias umi colher
de cha cada noile, e oilo dias depois tirilla
desaparecido todos os symplomas, e a
doente se acliava perfeilamcnte boa, con-
forme o prova a sua caria aqui junta.
Consultorio homcBopatlnco, ra da Ca-
deia de Santo-Antonio, ti. 22.
Casanovn.
lllm. Sr. Dr. Catanova. Faltara an
mais rigoroso dever, o da gratidflo, so doi-
xasse de iribular V. S. os meus sinceros
lia de 112,001) rs. para que sejam miDim-,-------. r--
tas as fciias dos Irabalhadores empregados Jos Mara do Sacramento a quantia e ^jedmentos, por mo ter livrado de una
nosconcertos das pontea-do Recife o Roa- 70,440 rs. constante da relacloom duplica- pernic0sa molestia, comoseja a deata-
Visla.-Scienllicou-se o reerido adtni- la que se Ihe remelle, proveniente da des-
nstrador Pezo 1ue s foz eom carregamento de ma-
na
qua
CS
co pas -
jeclosseluzem necfssanos para a obra da
camba dos Arrombados. Inlcirou se o
mencionado administrador.
|,j10 Ao mesmo, remetiendo a cont.i
de dous lampeOes comprados por ordem da
presidencia na iinpoilancia de 91,130 rs.,
ulim de mandar pagar a Amorini & Irmiius
a mencionada quantia.
Dilo An inspector da pagadoria mili- as ohn-s publica,
lar bien.lo que pode entregar ao coronel Portarla. Nomcandp na forma dale,
Jos Pedio ve loso da Silveira os cavallos provincial u. 12 de 6 dcabnl de 184J, o rro-
inuti iHdoa di comptnl. do cavallario.f^or jubilado de primeiras leltras da villa
rubricada pelo secretario e ollicial-maior,
proveniente do despezas feilas com objec-
los do expediento da mesma secretaria no
mez prximo passado.
Dilo. -- Ao mesmo, aulorisando-o para
celebrar con o respectivo proprctario o
contrato do alugucl do armazcni onde se
achaiti depositados os objictos pertencenUs
ques nervosos e uterinos : os quaes a des-
peito da energia alpata, desenvolvan! de
'dia em dia o seu germen do estragos, o is'.O
por espaco de tres mezes.
Faco votos ao Todo Poderoso pela con-
servaeflo da existencia de V. S., para que
possa continuar a ministrara aquelles que
jazem no l'ilo da dor, os potentes soccor-
ros desla scioncia flllia do co (a homaJopa-
thia 1
Digne-se, pois. V. S. de aceitar o mcu
eterno reconliecimeiito.
t Tributo a V. S. eslima, respeilo e grali-
dilo. Do V. S. a mais humilde serva
.i lienvinda Candida de Araujo.
* Sua casa, 13 do dezembro e 1849.
os outros : Contai coinnugo.
< Visto e ai provado O ministro do in-
terior, Femando Uarrot. O perfeito de po-
lica, /'. Carlier.
O Contlilucionnel publica o segu'iite arti-
go Acerca da quesillo de Marrocos :
Os iiussos leitoies cnnbreeni j i as causas
que trouxerem o dtllnlllvo rompimenio da
Franca com o imprradtr de Maocos. Sabein
tambem que cm viitude da recusaefia formal
de Abderahman, de dar ao DOSto paiz ajusta
reparacSn que elle .viga pelo insulto leito ai.
seu representante, se expedir orden para que
dtUtl cnibauaces do estado percnriesseiu lo-
dos os pontos do lilloral tnarroquino alim de
recnlhei rui a bordo os nossos agentes consu-
iarrs, e os nossos compatricios. Kslc estado de
cousas ninda que grave nao fecbava a porta a
qual(|uer negociaco, nem lio pouco desafia-
ra lutmedialai hoslilidadca. Porm o brbaro
procediiuriito do pacha de Mog-idor, e os indi-
gnos tratainenlos que elle ataba de fazer sof-
l'rerao noaso consol exigen piompta e rxem-
piar repressao. Estamos eertos de que a Fran-
ca pela sua lignidade, c honra i!c seu noiue
gravemente ultrajado peante poros euvl-bar-
baros. Ibes far en breve cunhecer que iiin-
guciii nos all'rnnia Impunemente.
EJs-anul algumai particularidades destes
novos iii. ideutes que adiamos n'uina carta es-
erlpta de Oibraltar no dia 29 de outubro, c re-
metllda ao fouvellitte por urna casa de coin-
roeroio .1. Mariellia :
....Mr. Iti-aumier, chanciller do consulado
de Franca em Mogador, achando-se em Tn-
ger con licenca, velo de passagein no Uauphin,
quecoill a Pomanc, levava antorisacSo para rc-
ceber a bordo os nossos compatricios. A mis-
sao de Mr. Braumicr era fazer com que o em-
barque se reallsasse sem grandes enibataeos.
O liau hin dlrlglo-ae a Mogador para receber a
bordo Mr. Vallat nosso cnsul e sua familia,
bem como os fianceies all residentes. A'sua
chrgada dirigio-se Mr. Vallat i rmbarcica
para saber a bordo quaes cram as InltruCCOei
do seu governo. Por.n o pacha givernador
Ihe fes observar que nao era uso ir o cnsul a
bordo do> navios, cque para saber o que que-
ra Ii.isi iv .i mandar Uin agente secundario.
Vendo Mr. Valalo pacha resolvldo a sustentar
com a ftea as snas bservaces, resigiou-se
pa.a nfio dar pretexto a ;a manlfestaeSo que
vili|ii'inliassc o seu carcter ofllcial.
Tendo, Bnalinente cocheoimenlo das lns
Iruccocs que llic eran di.igidas tratou Mr.
Vallat de resillar o seu embarque ; puriu
foi-llie i>so vedado, sen. embargo de o haver
elle declarado ao pacha que l.avia paja laso re-
cel.ido orden positiva do seu governo. O go-
vcriiador uppun!.a-sc duendo, que tendu Mr.
Vallat viudo residir em Mogador com autorisa-
ciio do imperador nao poda sabir desta cidade
leoiocoina ordi'i do mesmo. A violencia to-
mara euiao um carcter iuiquo, e avlU(So
do dfreltO da gentes por parte da autoridade
marroqiilna era mauifesta. .\.to passava islo
do preludio das indignas all'routas que o nosso
cnsul la recebar,
Mr. A'allat obi gado a ceder, deu a sua pa-
lana de honra de que j niio tralava de embar-
car, c couseguio, com d.lltculdade, autorisa-
(an para o en.barque de sua familia. U iinni-
maullante do nu/i/iiu, ollereceu o braco a Ma-
llame Vallat, a quem lamben. acoHmauliava
lr. Mcrcl, cnsul em Tnger, o qiYaJcom
cusi logrou embarcar. No lugar do embar-
que, aoudc se acliava a lancha do jVauuhi'u pos-
taran os inouros 300 homens, tendo ana
frente o pacl.. O nosso cnsul, querendo fal-
lar sua familia e despedir-sc della, vio-se
agarrado por um soldado que o empurrou bru-
talmente. Suspeudeu-se o embarque. Mr. Me-
rel corren a casa do paella para protestar con-
tra o insulio feilo a Mr. Vallat. c pedir o casti-
go do soldado. O noso cnsul julgando-se en-
tilo desobrlgado de qualqucr promessa, a vista
dos insultas que Ihe (oabaVain deaer feltoa, e
do proceder mais suspeilo do pacha, tratmi
de embarcar, mettendo-se para isso na lancha.
Porm os inairoquinos pie Ihe vigiavam os
pasaos, mandaran contra elle 40 soldados. Os
uiarlhelros da embarcacao luctaram por mili-
to lempo para all o conservaren, mis as tor-
eas eran designaos. Mr. Vallat foi horrivel-
inente arrastado, e ferido, c depois conduzido
ao consulado, aonde se acliava vigiado por jfl
l.i.n.rns que o nao dciiam sabir.
. O aapMi niio pudendo mais eneaimenle
proteger o nosso ie|iresenlaute lerantou ferro
e se fe/, de relia para Mogador, levando a bor-
do M.ideme Vallat e Mr. Mcrcl. cujo procedi-
inento nestas clrcumttancias foi muito digno.
Mr. Beauraler houve.se con. vigor pouco com-
intil
o I inmediatamente a chegadadeste vapora
Tnger recebeu orden a Pumnnr, que ah esla-
va Tundeada de partir para Mogador afn de
reclamar all o nosso cnsul, c desc apossai-
delle empregando at a frca, te tanto fosse
necessario. 'A Piimonetcn 44 pefas, ebOO bo-
ineni de typulacao ; e o Oauplim coma apenas
100 e 2 pecas de artilbarla.
- Ciimpie referir um caso singular. Sem-
pre que o governo marroquino suscita asi
mesmo ombarac,os eom qualauf potencia
cslrangeira, n.lo deixam as tribus do inte-
rior do aproveitar i occasitio para se sublo-
varem. Assim aceonteceu durante a espe -
.licito do principe doJoinville, e o que hojo
ser-pete antes do commecadas as hostili-
dades. Ao passo que asseenas que acabo
de cscrever se passavam cm Mogddor, cer-
cavam os cabylaa esta cidade, obstando ah
a entrada de viveres.
.. Mr.de Charlcau chegou a Gibraltare
vulla amaiih.la Tnger para se informar
dosacotilccimentos.
Ilelgica
Este paiz licira perfeilamcnte tranquillo.
No .lia 14 do novembro o rei em pessoa
abri a sessilo da assembla legislativa,
pronunciando do alto do throno a s-guin-
le Talla :
Stnhoret :--0 estado do paiz continua a
..presentar o mais avoravei aspecto. A
tranqtiillidade Je que elle gosa mostra o
excellonb, espirito que anima opovo, eo
valor de nossas inslituiqoes.
a A Ilelgica livro e socegada mantem
honroso lugar entre as nac6>s ; e os gover-
nos estrangelros dam-nos incessautes.pro-
vas de ciiliancja e sympalhia.
i. As collieitas'fram no presente anno
mais abundantes do que nunca, c assogu-
ratn s nossas olaSSCS laboriosas as benQos
do urna rommoda manunlencBo, habiliUo-
do do nifsno teirpo os nossos lavra lores
para exportaren grande parto dos produc-
tos. O espirito publico ltenla agora com
renovado ardor psN os progessos da agri-
cultura. .
t As diversas providencias tomadas pelo
moii governo, auxiliado pelos esrorcos da
adminislracno provincial c mercantil, o
eorporacSo das associarOcs c individuos
particulares hito do necessaramente exer-
cer na agricultura a mais benfica influ-
encia.
O estado das nossas fabricas he, em
geral, satisfactorio; eo valor das nossas
manufacturas em mercados distantes he
tal, quo nos deve induzir a sustenta-las,
nugmentando-as.
Os distiicios fiainengos que muilo sor-
ficriin team agora sentido grandes melho-
ramentoa. A recente cxposic-lo em Canta
denunciou a grande capacidade o energa
Ja sua pnvoaciio.
< por muilo felizes nos damos em poder
.. n ._-- rt Fpct.llsilnq <"* co loAm itlean-
L.l.l... Il.i s>J IkAUliiUUd T-- -- -----------------
cado.
O avlenla postal, que adoptastes na
vdssa ultima sessilo lem al aqui corres-
pon li.lo nossa expectativa.
As novis convencOes postaos que cele-
bramos con diversos paizes estrangeiros, e
as que oslamos a ponto de rcalisar h3o de
ostndor o beneficio ua diminuigao e uni-
formidade doa portea.
i. Ascssiio que val abrir-se sera digna,
senhores, t!o comparar-e com oulras que a
preeederam. ReinarBo o mesmo zelo e pa-
Iii.Isiho no csnine dos negocios quo vos
crio apresentadoi. Fecliou-se a ultima
Besado con a approvaQJo da lei sobre ins-
iruc^o superior. N-.s partes e.n que esta
li i foi posta em execucao bao sido profi-
cuos os seus resultados. O lempo nos le-
vara a cada vez mais apreciaros melhora-
meiitos que ella cncerra. Completareis a
vossa obra, seuhorea, approvando as leis
jii Minunciadas sobre outros ramos de ins-
iiuico.
a nosso systema penal requer, ha al-
gtim lempo, varas modifica(0es em har-
nionia com os costumes o espirito do secu-
o. Espero quo anda nesla sessilo possacs
liat.rda modificacodo lYro primeiro do
nosso cdigo penal
a A pena da marca deve ser expellida]do
nosso cdigo, e para este fim ser-vos-ha
presentado um projecto. A prxima termi-
natiio do prazo concedido para os privile-
gios da nocicdade geral, as condQes a que
est subjeilo este estabelecimeuto, o a obri-
gaciio imposta pela le do conlabilidade, de
organisar o livro do estado antes do anmei-
ro Janeiro prximo, requerom proviiencias
que occiipam agora a atlei^o do mmi go-
verno.
i, Ser-vos-hio apresentados alguns pro-
jectos sobre caixas econmicas* crditos
senhoriaes. O ltimos tornara mais uo


gente o exame do projecto sobro reforma
lo syslcma liypolhecario, que vos fo sub-
mellido ni ultima sessDo.
Tsmbem v^s recommeildo o mais serio
exima do projerlo de le relativo aos ban-
cos deemprstanos as cjasses jornaleiras,
eujo bfin moral racional demindam tilo
justamente a nossa solicitudo.
O exercito eonliua a mostnr-so dig-
no da n.ieao que defende, pela sua discipti-
na.-illustragiioefealdade.
A guarda cvica, pela sua boa organisa-
cip, esentimentos queaanimam, be um
novo penhor de seguranga.
Tlve, no presente anno, occasiSo de vi-
silar diversas provincias nossas.-Fui em
toda i parte recel.ido eom demonstrares
de leildade e aleieilo, das quaes seniora
bi com ternura. Por muito fe-
baixador inglez jujear a presenta dcsla tor-
ca neressaria em Constantinopla. Nodia
26 tambem o generffl Aunick teve urna con-
ferencia com lleschid-Pach, ministro dos
negocios estrangeiros, a quem assegurou
que o governo francez daria auxilio arma-
do Turquia, no caso de-urna invasilo rus-
sina e que a esquadra commandada pelo
almirante Parseral Deschenes cooperara
com as frcas do SullSo no caso do urgen-
cia. O general Aupick tambem daclarou,
que a paz era mais desejada pelo seu gover-
no do que.a guerra ; accrescentando que a
allianga'da Fringa continuara em quanto
a Porta obrasse no mesmo sentido que at
aqu em semelhante quesillo; mas que se
a Turqua izesse alguma provocacilo vio-
lenta a Itussia, nesse caso o governo da re-
publica se considerara aulorisado pan Ihe
!2!
Movimento- do Porlo.
----------- **. mi wi ii ic- r"*Mn*.a ev "ii.tu- i ,i i ni aii i vi iiiiuu lia i a nit
nz me contemplo em poder aqu proclamar retirar o seu apoo.-Anda que se vejam
^'"."l^exislc entre o governo e.npercebimentos pira a guerra, o set.ti-
o paz, e a feliz harmona que se encontra,
em todos os poderes do estado. iaqui V
rtva a nossa [principal frga presente e
prestar aomeu gover-
mento do paz be o que mais domina entre
os povos.
dem 4.
Continuando
noavossa leal cooperacSo, contribuiris lernll"anIem"e os uoaiosqucmviam c<
senhores, para a manutengito de um svs' rido s0,,re mo tralan"nl0 Que s<> da
tem que allanga os dircilos e inleresses *
le todos, pelo que fres juz a novos ttu-
los do gra 11 Jilo da nacSo, e estima dos es-
trangeiros.
Russia e Turqua.
O jornal de Constantinopla desmentindo
terminantemente os boatos que haviam cor-
va
aos refugiados hngaros expressa-se do se-
guinte modo:
l.'ssa voz foi espalhada com damnada
iiitcnc.au. A verdade he que os refugiados
fdram e silo tratados pela sublime Porta
com toda a iltoncflo que prescrevem os de-
.?isl!'Lu RS I01'.''?' da RMI que d a Pa-1 veres da hospitalidade ottomana ; o longe
de se exigir dos refugiados que abjurassem
da sua religiSo, n declarou aos que espon-
tneamente o quizessem fazer que sera
muto do agrado do governo que elles apra-
sassem o seu pedido para quinido a sua si-
luago, proveniente do um direito claro,
nilo deixasso de appareccr, uem por um mo-
mento no mundo com todas as condgOes
da honra edigndado
Accrescenta o referido Diario quoquan-
do a Poita souhe que tinha chegado a Wid-
din um general austraco pan fazer pre-
sente aos olliciaes e empregados, que po-
diam voltar sua patria, logo so prestou a
isso, e Me oflereceu tola a casta de auxi-
lios, exiginio porr.m a promessa porescriplo,
de que lodos os refugiados leriam amnistiados.
Una carta de Wid-Jin remetida ao lor-
nal de Constantinopla accrescenta que o go-
neral auslriaco (zera com effeito essa pro-
messa nos termo; pedidos a Omar-bach.
O mesmo Diario diz o seguinte :
As gazetis inglezas publicaran) urna
carta dirigida por Luiz Kosnith, de Widdin-
a l.ord Palmerston, com data de 20 de sce
tembro. Esta carta conten assercOes qu-
ofTendem a honra da Porta. O governo im-
perial julga dever seu declarar que os refu,
giados nada soffreram por parle da Porta,
que fsse contrario a liberdado deconsci-
encia.
Disse-se, portanto, equivocadamente
trie, as quaes sao todas favoravcU a pai :
* Oicgou um correio de Pars no da 13 an-
nunciando que as ordens dadas as esquadras
ingleza e Irancea cram resultado de um equi-
voco, anteriores noticia que ttepois clirgou
de ter Fiiad-Lleiidi sido receido pelo Ciar
lieclai ou este que coinprehendia as rasoes
coudas nos olTicios, porcm encarregou ao
inclino lempo Mr. de IVrsscIrodc de faier saber
a resoluciioem que seacliava ao enviado lurco
Se eslou brin informado eis-aqui o sentido
desla contiiiunicacao.
k O imperador nao admita que potencia al-
guma se myolra nassuasdesiutclligencias com
a Porta, assim as que dizeiii respeito aos re-
fugiados, como no tocante Moldavia c Vala-
chla. i Hiissia nao tem mira alguma de ainbi-
cao pessoal sobre esm duas provincias, o que
o Czar trin a conviccao de haver provado at ri
evidencia, bondo este o faci, os meios adop-
tados no Interesse das inesmas producas nao
devem estar subjeilos a fiscalisacao das pten-
selas occidentaes. Quanto aos refugiados, pede
o Czar que elles sejam iuternados, na ilha de
Canda, ou noulros pontos do territorio turco
aonde >eja fcil vigi-los. Se alguns delles nu|!
ereiii ir para Franca, ou Inglaterra, e os del-
xarcm partir, o Ciar fechar a isso os ollios.
A'ao dcsconliece que lia um perigo, se elles f-
rera para alguin daquellcs palzes, pois qiu?
nunca cessaro de preparar nova possibilidade
de urna revolucio
i. lie iit-t-e~-.il ni excrcitar especial vigilancl_
nos polacos, a que o Czar denomina subditos
. rebeldes.
- Os que d'entre estes abracaram o eslamis-
ino serao causa de que se suscitein embara-
cos ; porque o imperador qurque sejam tra-
tados como prlsionciroi, e que sob pretexto
sejam activamente empregados.
" lima condicao mullo grave, o que n:io pa-
rece todava encontrar graudes obstculos lie a
relativa necupaeo da Moldavia e Valacliia
."abe se que o tratado de L'alta-I.iman nao per-
niille que o (zar tenlia mais de 10,000 lioniens
iicstas provincias. A nota di que no presente
invern subir aquella frca a 40,000 bonicos.
7$ guariiirjo de Bucharest lia de contar,
10,000 de infaiaeria, c 8,000 le cavallaria. A
vanguarda do corpo do exercito. ruaflaoo
aquai telada na essarabia subir at a linba do
l'ilili. Jassy ser oceupada com llucliarest,
por urna fnrle guarnico que provavel.nenie se
reunir ao corpo de exercito que se acha na
1 essarabia.
Como cmper.saco desles actos excepcio-
naes e transitorios, poder a Turqua augmen-
tar pela una parte as guarniedes das inargcns
do Danubio, desde Widdm al Silistria.
u Tal he o resumo das condices imposias.
Jiilgo que o cmbaixadorrs das diversas poten-
cias tem j deltas coiibecimento.
ii A diplnuiacia ingleza nao oceulta o sen
drsgoslo. O ministro de Franca be mais reser-
vado, n
A res;rito da Turqua o Times publica a
seguinte correspondencia escripia era Cons-
tantinopla no prmoirode novembro.
A fragata Dragn, que checou aquina
manbfla de hi ntem, trouxe ofh'cios do al-
mirante para sirStraford Canning.
A frota brilannica est agora aucorada na
baha de Besica, aonde se conservar at
rheguiia do corrciode S-Pctersburgo com
a resposta do imperador cominunicacSo
de l-'uad Effendi, enviado do Nuil jn. Se a
respo?U do Suli.1ofr hostil, dirigir-se-ha
a escuadra a Constantinopla. As furias na-
vaesquese acham actualmente om Ucscia
silo a Caledonia, Vainha, Havre, Bellopho-
rontc. Principe Itegente e o vapor llosamond.
No dia 20 clicgou aqu, em treze das, de
Londres o tenente-coronel Towulay, cr-
relo de gabinete. Alravc-sou o espaco de
Belgrado a Conslautinopla a ravallo, nilo
gastando mais do que cinco dies. :'.:c ;c
oxtctanienle meladedo lempo que os tr-
taros disrendcin. O terento- coronel Town-
li y be portador de mu importantes ofli-
riosdo governo de S. M. Pouco depois da
sua rliepada cnibaixinia britannira diii-
i-'io-se sir Slraford Canning residencia do
Reschid Pacha, g Navios entrados nodia 7.
Lisb6a 33 das, brigue sueco rrectoia, de
230 toneladas, capitilo C. F. kan!, equi-
pagem 12, em lastro ; a Aslley & Compa-
nhia.
Ildhia 1* dias, brigue inglez Pekn, de
388 toneladas* cipilSoRobert Criusford,
equipagem 14, em lastro ; i Deane Youle
& Companhia.
fark aljds t?e wmo dia.
Em cominN 3 < Vp i bri si'eiro de guer-
ra Urania, L-ouiuiaudanle o primeiro l-
ente Jolo Joaquim da Silva Cuimarfes.
EDITAES.
na dita caita que 5,000 christSos se linham
visto obrigados, par salvarem as vidas, a
abjiiraremda sua religiilo
L'ma carta do Cairo, de 29 deoutubro,
transmiltida ao Jornal de Constantinopla diz
reinar a maior trinquillidade em lodo o
Egypto, c que o crescimento animal do Ni-
lo j se tinha verificado, annunciando-se,
por isso', boa colheita
Diz urna carta do Alhenas a um peri-
dico de Constantinopla que, o governo rus-
siano dirigir una nota muito enrgica, o
ate ,- menea lora ao gabinete grego queixau-
do-se do recebimento que se lazia na
Creca aos refugiados polticos.
Italia, Austria e Inglaterra.
Em aples, Toscina e Roma nada de ex-
traordinario havia occorrido.
No Picmonte poim urna nova crise mi-
nisterial tinha tilo lugar. O general Itava,
ministro da guerra ; Galvsguo, ministro do
inierior ; e o bario de l.aniargheria, mi-
nistro la gragae justica tinbain dado a sua
(li'niissio.
E^ta crise, segundo urna carta de Turim,
fura devida aos planos de reforma que o ge-
neral liava pertendia introdozir no exerci-
to, e que nilo podiam ter elleito sem que
nlo fossem destituidos una porco de olli-
ciaes, o que promoveu conlra o dito gene-
ral grande desgosto; alm deque tinha
conlra si o duque de Genova, o principo de
Carinan eo general l.a Marmore.
Na cmara dos depulados houva nodia 3
de novembro urna sessilo bastantemente a-
calorada por causada demissilo de lava.
Muilos depulados quizeram saber os moti-
vos desla demiss.lo, mas a cmara passou
ordem do dia.
Fdram nomeados ministros da guerra, o
das obras publicas, o general de La Mar-
more e o Sr. Paleocapa.
A Austria tirar,i em paz.
Segundo o l.olyd, peridico austraco, em
urna das conferencias que ltimamente ti-
veri lugar i respeito das execucoes na
Hungra, o general llaynau volara par que
continuassein, allegando us grandes perda
que os excrcitos imperiacs linham tido as
quaes, na sua opiniflo, chegavam a 60,000
liomens, e quee.stes dc\iim ser vingados.
Grandes corpos de tropas cstavain mar-
chando dos difl'ercnles pontos do
Pela inspectora da alfindega se faz
publico que no dia 9 do crrante se hilo de
arrematar em hasta publica, e na porta da
niesma depois do meio-dia, 84 pecas do
pao do-ulgodio cru liso, vindasde Liver-
pool na galera ingleza Suordttch, a reque-
i imenio dos consignatarios James Crabrett
&C, por.se icharem com aviria geni, na
frmtjler ? do art. 263 do regulamento,
sendo a arrematacilo livre de direitos ao
arrematante.
Alfandeg de Pernimbuco, 7 de Janeiro
de 1850.O inspector, Luiz Antonio de Sam-
paio J'ianna.
--Pela inspectora da ilfan Jeg se faz pu- {
blico, que no dia 9 do correte se hado ar-
rematar em hasta publica, o na porta da
mesma depois de meio-dia, 12 boleas de
ajo pira dinheiro, a 400 ris cada urna,
4,800 ris ; 4 pares da meias de algodSo or-
dinarias para meninos, por 666 ris; 4 pa-
res de sapatos de borraxa por 1,000, 17 bo-
nolsde panno a 1,200 rs., 20,400 rs.t 12 sa-
bonetes pesando 2 Ibs. 2,000 rs., 4,000 rs. ;
1 calsa de casimira por 4,000 rs.,1 coleta de
panno por 2,000 ris, 2 lensos de chita com
urna vara quadrada por 466, 1 charuteira
por 1,000 ris, 1 caixa de louca por 1,000
ris, 5livros impressos a 1,000 ris, 5,000
res, 1 quadro por 8,000, 9 estampas a 300
res, 2.700 ris, 1 carteira por 1,000 ris, 1
ligura de lout}a por 1,000 ris, 5 pecas de
litas lavrada, com 57 varas a 300 ris, 17,100
ris, 3 capachos pira castices a 400 ris,
1,200 ris, 1 bote por 40.000, total 115,332
ris? apprehendido pelo guarda Cominia-
no de Azevedo Mello, na forma do irtigo
284 do regulamento de 22 do junho de 1836,
sendo a arremalagao livre de direitos ao ar-
rematante.
Alfandeg de Pernambueo, 7 de Janei-
ro de 1850.0 inspector, Luit Antonio di
Sampaio Sianna.
Pela inspeotorii da ilfandega se faz
publico quo no dia 9 do corrente se hSo de
arrematar em hasta publica, na porta da
mesma depois de meio-dia, umanel deou-
t nessas obras ; sendo o jornal a
dar-se de 64o rs. por dia.
Jos Francisco | Marinho acha-se no
exercico de juiz de paz do segundo distric-
to da fr'eguezia de S.-Fr.-Pe Iro-Concalvcs ;
dar audiencia na casa de sua residencia na
rui da Senzalli-Velha, a. 140, segundo an-
dar, em todas as tercia e sextas-feiras da
semana, que nSo forem diis santos, polas 4
horas da tarde, e despachar em todos os
dias uteis.
Rufino Jos Correia de Almeida, juiz
de paz do segundo inno e do segundo dis-
trito di freguezia da Boa-Vista desta cida-
de, faz publico que se acha em exercicio, e
d audiencia as segundas e quintas-feiras
de todas as semanas, sendo dias uteis, na
casi de sus residencia, ra da S.-Cruz. n.
78, e despacha lodos os dias que n.to forem
impedidos.
Antonio Mximo de Barros Leite, pro-
fessor jubilado ni primeira cadeira publica
de primeiras ledras da cidade de Goianni,
faz sciente ao respeitavel publico que se
- Para o Rio-de-Janeiro she
por estes;, dias, por ler a maior'
parte do seu capregamento promn-
ta, o bem conhecido e veleiro bri-
gue nacional liom-Jesus : para
carga e 'passageiros trala-se com o
capilar no caes da Alfandega, ou
na ra da Madre-de-Deos, n. 3,
terreiro, andar.
Para. a Baha san?, em poucos dias, a
sumac-jL Flor-do-Kngtlim, mestre Bernardo
deSo'jta, por ter a miior pirle di carga
prompU: para o restante e passageiros
trata-se com o mesmo mestre ou com Luiz
Jos 4e Si Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
Sabe para Lisboa nodia 11 do corren- i
teojbrijfueportuguezS.-Oomnfloa, capilflo
Ma noel Goucalves Vianna : linda recebe al-
guma carga c passageiros : a tratar com o
consignatario, Joaquim Ferreira Mendes
'uimares, na ra da Cruz, n. 49, primeiro
acha presentemente mudado pira estaca- indar, u com o referido capitfio na arica
pital, e a- sua residencia he dentro do Re- j0 Cornmercio.
cife, na ra da Cadcii, n. 40, primeiro an-
dar, onde vai continuar no mesmo magis-
terio ; porm particular, e por isso convi-
da a lodosos Srs. que quizerem educar seus
filhos, que uo s receten alumnos exter-
nos como tambem internos.
ro com um coral encastoado por 8,000 ris,
2 feichaduras de lato para carteira, de urna
2
volta por 1,000 res; 6 navalhas para bar-
ba, de cabo preto, finas, por 6,000 ruis; 3
caifas, ou estojos em que eslSo as ditas na-
valhas por C00 ris; 2 duzias de carreteis
de "
r,
nepero, por 8,000 ris; um chapeo de seda
lo espaco de algumas horas en. conferencia ^a" Bohemia"" mper'
com S. A., e com Ali-Pach, ministro dos Cartas de Pe:
negocios estrangeiros. Sir Slrslford- Can-
ning fez salier aos cabec*s do governo tur-
co a boa ntelligencia com que o governo
britannico tinha unnimemente rcsclvido
formar urna allianca defensiva com a Por-
ta, no raso de alguma tentativa de invaso
rutsiina no territorio oltomano. Ao mes-
mo tempo fez Ibes oembaixadur britanni-
co claramente saber, que o seu governo ti-
nha o maior desejo de que se conservasse a
paz e que faria quaesquer c^forcos, corrpa-
liveis rom a dignidade do imperio turco,
. para resolver amigavclmcnle a presente
quesillo ; que se nilo d*ria psu algum que
provocasse hostilidades ; e que a Porta es-
perarse tranquillamente o resultado da con-
ferencia de Fuad-EfTendi com o imperador
Nicolao; masque ao mesmo lempo se to-
massem todas as precauces para evitar
qualquer movimento hostil por parto da
llussia, se por ventura o Czar abracasse
urna politica hostil. SirSlralford Canning
fallou da chegada da esquadra liritannica
ao Archipelago, e do effeito que tal detmins-
tracSo produzira no animo do imperador.
Parece que Resta conferencia se tratnu tam-
bem da viuda a Constantinopla da esqua-
dra do mando de Sir \V. Parker, eque este
passo foi approvado pelo Sultflo Diz-se
que se expedio um fuman ao almirante au-
iurisando-o a passaros Dardanellos com to-
da I
eslh annunciam que so publi-
cara ltimamente naquella cidade um de-
creto, ou acia constitucional para o reino
da Hungra, na qual esto leinohc consi-
dcrido como um oslado da coia aus-
traca.
A Inglalerra ficara tranquilla, com quan-
to a Irlanda continuo anda em agtalo.
A rainha tinha adoccido de bexigas dou-
das, porm j so achava inteiramenle res-
tabelecida ; entretanto sua tia, a viuva de
Jorge IV tem estado e est anda gravemente
enferma.
O cholera tinha acabado de lodo naquellc
reino. Km Londres houvo no da 15 de no-
vemb'o urna grando solcmnidade religiosa
em aceito de gracas por tncessado tao ler-
rivcl flagello.
(;Ot^MEiCli>.
le h tilia de algodito.rom 2 mil varas.por 800
s ; um frasco com 4 libras de oleo de ju-
lepero, por 8,000 ris; um chapeo de seda
para senhora, 16,000 rs.: apprelienddo pelo
ajudar.te do guarda-mr Florencio Jos
GarneiroMonleiro. na forma do art 155, do
regulamento de 22 de junho de 1836, a bor-
do da galn ingleza llonita, sendo a arre-
miUcJO livre de direitos ao arrematante.
Alfandega de Pernambueo. 7 de Janei-
ro de 1849. O inspector, Luis {Antonio de
Sampaio Vianna.
Olllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia,
de 20 do corrente, manda fazer publico que.
nos dias 8, 9 e 10 de janeiio prximo vin-
douro irio prac, perante o tribunal ad-
ministrativo da mesma thesouraria, para
seiem arrematados a quem por menos lizer,
os concerlos da ponte do Caxang, sb as
clausulas especlaes abaixo transcriptas, e
pelo prego de 419,320 rs.
As pessoas que se propozerem esta arre-
mataeflo, comparecam na sala das sesses
ao sobredito tribunal nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente'
habilitadas.
E para constarse mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambueo, 27 de dezembro de
1849.O secretario, Antonio Ferreira da An-
nunnaco.
CLAUSULAS ESPECIAES DA ABB.E-
MATACA.
1.' As obras do concert da ponte do Ca-
xang seriio feitas de conformidade com o
orgaiento a provado pelo Exm. presidente
da provincia, e pelo prego de 422,240 rs.
2." As obras principiaran no prazo de dez
dias o seriio concluidas no de ti ma dias,
iinliiiiiic determinan) os arts. loe II d
regulamento das arreinataces de II de iu-
lhodo1813.
3.* Todososmaleriaessci.lo previamen-
te examinados pelo engenbeiro; e, approva-
dos, lavrar-se-ha um termo.
4." O pagamento do importe da arremata-
dlo realisar-se-ha der oisde concluida toda a
obra.
5." Para ludo mais que n3o eslivor deter-
minado as presentes clausulas seguir-se-
lia inteiramenle o que dispe o regula-
mento das arrematacOes de 11 de iulho do
1843.
Itccife, 24 de dezembro de 1849.O enge-
nbeiro do termo do Itecife, Jos Mame de Al-
ces Ftrreira.
ecaratjoes.
I'BESEPK
no theatro de S.-Francisco.
NOVO ACTO DA V1|LHA COM SUAS NETAS,
cuja parte ser desempenhada pelo Sr. S.
Rosa; este) acto l.e composto.de ooie arias
tres coros.
.KliE, 8 DE JANEIRO DE 1850.
i.il AL TI REeBKSESTlgAO.
Grande e variado divertimiento pastoril.
Depois de executada pela orcheslra urna
das melhorcs symphonias, representar-se-
ha pela ultima vez o mui insigne drama sa-
cro em 5 actos
O NASCIMEMTO 1)0 MESSIAS,
lin ilu este segue-se o grupo dos diabos, e
um solo dangado por urna Pastora das mais
jovens ; no lni do mesmo solo, ssguc-se o
acto
DA MAMAI V0VO*.
Terminar o espectculo com una nova
contradanga campestre.
Os Srs. assignanles e mais pessoas, que
pretenderem bilhetes de camarote e platel,
pilem mandar receber os carlOes na casi
annoxa ao theatro, residencia do director,
onde se elles acham a venda pelos pregos se-
guintes:
Primtira ordem.
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignanles de 9 recitas, cada urna
3,333 rs., 29,997 rs.
Dito pira 6 recitis, cada urna 3,500 rs.,
21.000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 7,000 rs.,
Para assignanles de 9 recitas, cada urna
5,000 ris, 45,000 rs.
Dito pira 6 recitas, caja urna 5,333 ris,
32,000 rs.
Segunda ordem.
Camarote de lado 6,000 rs.
Para assignantea de 9 recitas, cada urna
4,166 res, 37,494 is.
Dito para 6 recitas, cada urna 4,560 ris,
27,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 11,000 rs
Dito pira 9 recitas, cada urna 7,500 ris,
67,500 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 8,000 ris,
48,000 rs.
Tercelra ordem.
Camarote de lado 4,000 rs.
Para assignanles de 9 recitas, cada urna
2,166 ris, 19,491 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 5,000 rs.
Dilo para 9 recitas, cada urna 3,333 ris,
29,997 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 3,500 ris'
2l,000rs.
Os bilhetes de platea para 9 recitas 7,000
Ditos para 6 recitas 5,000 rs.
Camarolinho de bocci para 9 recitas,
cada una 2,000 ris, 18,000 rs.
Dito para C recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Varanda, 500 rs.
As asignaturas seriio pagas adiantadis,
exhibindo recibo i direcgo.
O theatro estira decentemente ornado.
Principiar o diverlimenlo s 8 e meia
horas da noite, com a chegada das autori-
dades.
N.U.--iiuraiiie as mencionadas nove reci-
tas se representarlo os muito ipplaudidos e
ricos tres dramas pastors que lauto euibel-
lezaiam as represntateles da sociedade
Nalalense ; sendo intermediados de novas
dangas campestres, grupos, pas-de-deux,
arias, entremezes paslors, etc.
Para o'Cear.
O hiale Ligeiro, pregado e forrado de co-
bre, por j ter parte de seu carregamento
engajado, para o resto trata-se na ra do
Vigario, n 5.
Vende-se o brigue sueco ohn-Johntton
de primeira marcha, forrado e encavilhado
de cobre, e prompto a navegar para qual-
quer parte, de lote de 210 toneladas e de-
manda 13 ps, carregado: quem quizr: r
dirija-se a bordo ou a fallar com os Consig-
natarios C. J. Asltoy & C.
Para Alarseille pretende sa-
bir ale o dia i5 do corrente a mui-
to veleira barca fronceza Achule :
recebe pnssageiros smente, jnra
oque lem exccllentes commodos :
os pi ofendentes dirijam-se a< a
consignatarios da mesma, ti. Las-
serre & Companbia.
Vende-se a bonita barca
franceza stleyon, de lote de 18o
toneladas, de presente ancorada
defronle do trapiche do Angelo,
lado do norte. Esta barca foi cons-
truida cm iH47, e be de urna mar-
cha muito superior, sendo por is-
so propiia para qualquer especu-
larn que requeira promptido,
por estar provida de um tudo e se
adiar prompta a seguir para qual-
quer porto. Us pretendentes diri-
jam-se ao capilo a bordo, ou a
casa dos consignatarios, fi. Las-
serr & Companhia, para tratar do
ajuste.
Para as Ibas de S.-Miguel,
Terceira e Payal saldr brevemen-
te a escuna portugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de .\Icdeiros; pa-
ra carga e passageiros, trala-se
deronte do trapiche novo, n. 6,
com Tbomaz de Faria.
* Pira o Rio-de-Janeiro saho com a
maior brevidade possivel, por ter paite de
seu carregamento prompto, o brigue na-
cional Ligeiro : quem no mesmo quizer car-
regar, ou ir de passsgem, para o que tem
excedentes commodos, dirija-se a Antonio
Alves de Miranda l.uiuiailes, Ou a Novaes
& Companhia, na ra do Trapicho, n. 31.
Para a Babia sahe no dia 15 do corren-
te com a carga que tiver a bordo a sumi-
ca Flr-do-Anqelim, mestre Bernardo de
Souza : quem na mesma quizer carregarou
ir de passagem pode entenderse com o
me-mo mestre ou com Luiz Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
Leilo.
Avisos martimos.
I'ara o Bio-de-Janeiro se-
gu em poucos dias o brigue na-
cional Adama tur ; para o resto
da carga, passageiros e escravos a
lele, trala-se com linchado &
Pinheiro, na rna do Vigario, n.
ALFANDEGA.
Itendimento do dia 7.....17:412,916
CONSULADO GERAL.
Itendimento do dia 7.....3:568,672
Diversas provincias...... 121,863
3:690,535
CONSULADO PROVINCIAL.
a frca do seu coaimando, quau^-'-em-jltendlmeto do dia 7 .. 4.022,2871 quanto se occuparent elTectivanien-
Pela inspecloria do arsenal
de marinha *e convida a todos os
individuos livres, ate o numero de
5o, que se quizerem empregar co-
mo serventes as obras do mesmo
arsenal c as do mclhoramento do
porlo, a se entendercm com o res-
pectivo inspector, o qual, em vir-
lude de ordens do Kxm. Sr, pre-
sidente da provincia, Ibes gamite
isenro do recrutamento, em-
'9> segundo andar, ou com o ca-
pitSona praca.
- Para Figueira, com escala por Lisboa,
sabe com brevidade o muito veleiro pata-
cho portuguez aria & Joaquina, do qual he
capitilo Jlanoel da Costa e Silva : para car-
ga ou passageiros trata-se com os seus con-
signatarios, Francisco Severiano llabcllo&
l'ilho, ou com o mesuro capilo na pnga-
Para o llaranhao, com escala pelo Cea-
r, segu, dentro em poucos ias, a veleira
escuna nacional Emilia, [ez-Fanella icap-
ISo Antonio Silveira Maciel Jnior : recebe
carga pira ambos os porlos : trata-se com o
capitSo na praga do Cornmercio, ou ni rui
da Cruz, irmazem n. 13.
Para o Aracaly sahe impreterivelmen-
te no u 10 de jineiro a sumaca nacio-
m\ Carlota, mesireJos Gongalves Simis,
por seachar com a maior parte di car-
gi prompti: pin o restante e passageiros,
trati-se com o mestre, ou com Luiz Jos
do S Araujo, na ra da Criu.n. 33.
Machado & Pinheiro farSo leil:to,por
contado quem pertencer: quarta-feira, 9
do corrente, no caes da Alfandega, porta
do armazem do Bacellar, de sessenta e tres
jacas:s com toucinho, vindos do Itio-do-
Janeiro no brigue nacional Condescendencia,
on ira do neste poito em 22 de dezembro
prxiiiiu passado.
.
Avisos diversos.
A professora Joaquina l.ourenga deLu-
ni, que reside no primeiro andar di casa
nova no pateo do Carmo, tem a honra de
communicar aos dignos paes desuas alu ni-
nas c os deinais quo quizerem confiar a edu-
cagto de suas filhas, prompta se*acha para
abiir a sua aula nodia 14 do corrente; o
tambem faz ver aos dignos paes de familia
que tencionarem a bular suas filhas hajam
logo de procura-la para nilo haver duvi Ja
no numero das quo 1 0,1 o ensiuar, em rasSo
da mesma professora. se adiar na instruc-
gflo do odioma francez e nilo poder ter gran-
de numero de alumnas por muilo se inte-
rosar no adianlameiito das inesmas.
I111 orlante descoberta
*
para os denles
M. S .Mawsun, cirurgio dentista, chega-
do ha pouco de Inglateira com deslino aos
portos do sul, pelos poucos das que tem
de demorarse iqui, offerece seu prestino
a aquellas pessoas que precisaren! dos soc-
corros de sua arte: para o que pode ser
procurado no Hotel-Francisco.
Os abaixo assignados dissolveram 1-
migavelmente a sociedade que linham na
relinago da ra de Hoilas, n. 7, no dia 3
de Janeiro de 1850, 1 qual gyravasobrea
lii ina de Manuel Juaquiui Miiheiros, Miando
o socio liento Alves da (ruz obrigado por
toda a liquitago da misma firma, lano
do passivo romo to activo contrahido al
esta data. Uanoel Joaquim Miiheiros. --
Denlo Alinda Cru:.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
i- piatica de venda : na ra do Pilar, euiF-
I ra-de-poi Us, n. 80.


MJfa
- ^
'"'
r
i

' ~ Jos Soaros de Azavodo, professor de
lingoa franceza no lyceu, tem aberto om
snu cava, na larga do Rozrio, n. 36, 83-
gun.lo andar, um curso de CEOCRAPIHA K
HISTORIA e oulro de RIIF.TORICA E POTI-
CA. As pessoas quedesejarem estudar una
u nutra destas disciplinas pdem dirigir-
se indicada residencia a qualquer hora.
--Precisa-sede uma ama para cozmhar
em casa de um homom solteiro : na ra da
Cruz, n. 49, loji.
-- Precisa-se de urna ama secca para todo
o servico de urna casa de pouca familia : na
ra do Vigario, n. II, terceiro andar.
Desappnreceu do da 7 de Janeiro do
segundo becco da Camboa-do-Carmo um
molequinho forro de nascenca, de idade do
qualro para cinco annos com os signaos sc-
guinles: rosto comprido, e lera um arra-
nhiio fresco no nariz; levou vestido camisa
de madapoIBo com mangas compridasa qual
tinha algumas nodoas o adiar poder fazer o favor de o mandar
levar ao mesmo becco cima, casa n. 3, que
ser pago do sou trabalho.
--.Manuel de Souza Cordeiro Simoes faz
sciente aos pais de scus alumnos que abri
a sua aula particular de|l."lettras hoje,8,do
correte mez de Janeiro, no mesmo lugar
de sua residencia, na ra eslreita do Roza-
rio, n. 23; como lambem avisa ao rcspeita-
vel publico que contina a aceitar meni-
nos, e a ensinar grammatica poitugueza e
msica aos que dea'arte lamban se quize-
rcm ulilisar; e promelte ser assiduo no
rumpiimenlode seus deveres, e exerceras
funcces de seu magisterio com a maior
braudura qua I lie fr possivel.
Urna senhora solteira que vive ein
companhia de seu pai pretende abrir aula
de piimeiras leltras, na ra de S.-Thereza,
n. 23, devendo ter principio n > dia 14 do
corieute em dianlc, prometiendo desve-
la r-su no adiantamento de suas alumnas, e
o faz por proco commodo.
O Sr. Dr. Vascurado tem urna carta na
ra do Vigario, n. 15, lerceiro andar.
D.'scja-se saber a morada do Sr. Felis-
beito Pereira Ka bel lo para se I lie entechar
una cncommenda vm la da Rabia.
Precisa-se de um rapaz que queira
praticara arle de pharmacia : na ra larga
do Rozario, n 36.
Una Direita, n. 5.
Agosliiibo Ermcs, chegado da corto do
Rio-do-Janeiro, faz sciente ao respeitavel
publicooue doura e praleia todas as quali-
dades obras metlicas, caixas de rolo-
gios, caixas de rap, obras lisas e lavradas,
de filagrla, casticaes e s .Ivas de casquinha,
a pparelhos de oratorio, cruzes e resplaSi-
dores, etda e qualquer obra que appare-
cer : ludo com hrevidade e prego commodo.
- Apolinario Jos dos Santos Andrade
deixou de ser caixeiro de seu irmao, Joa-
qun) Antonio dos Santos Andrade, desde
o dia 6 de Janeiro de (850.
Flix Kerrcira de Mallos retira-sc para
fra da provincia.
O abaixo assignado, administrador da
imperial capella da Assumpco na Estancia,
avisa aos Srs. devotos da mesnia Senhora
que, nodia 2de fevereiro prximo futuro,
pretende fazer a festa da mesma Senhora na
su igreja como be do custume, nilo com
toda a pompa como requer este santo e re-
ligioso acto, por estar a igreja em obras,
nas ao menos como for possivel, cumprin-
do assim com o dever, pela graca que recc-
hmos da mesma Senhora, quando nesse
dia nos libertou do jugo dos llollandezes.
Franciieo Jos de Mella. ,
. O abaixo assignado, Hebrard; scienli-
lica ao publico que, desde odia 22 de de-
zembro prximo passado, deixou de sor so-
cio com o Sr. Alberto Tallone no assnguo
silo na ra dos Tanoeiros. Recife, 7 de Ja-
neiro do 1850. Hebrard.
Tara as pessoas que tencionam
seguir viagem.
A bem conhecida agencia de passaportes
da ius do Rangel, n. 9, contina a tirar
passaportes para dentro e fra do imperio-,
a despachar escravos e correr folhas : tudo
com a mesma brevidade e coinmodidade
nos ajustes, conforme a exuberante prova
que tem dado no decurso de oito anuos.
-- No dia 2 do correnle desappareceu um
escravo crioulo, de nome Joaquim, que re-
presenta 24 anuos de idade, boa estatura,
cheio do corpo, com buco en-, baixo do
queixo. pernas finas, ps apalhetados, rabi-
lo pequeos, a ponto de ser defeituoso ; es-
te escravo he muito conhecido nesta praca
por ter sido escravo do Dr. Teberge, depois
passou para o Dernardino, e este o vendeu
a Pedro Alexandrmo Comes, por ter ido
em praca o anno prrmmn piJo j he ce
zinheiro, e vivia trabalhando em armazem
de assucar no Recife : roga-se a todas as
autoridades e rapilflcs de campo que o ven-
do o mandein pegar o levar a seu senhor,
na ra Nova, n. 67, que ser bem recom
pensado.
Precisa-se de um homem que saiba mu-
gir leite e o vender: a tratar na ra do
Hospicio, lado direilo, quom vai para dun-
da, junio a travessa do l'ombal.
O padre Joflo Jos da Costa Ribeiro a-
hiea sua aula de latim e fraucez no dia 14
do correnle, e contina a receber pensio-
nis'as : na ra do Queimado, n. 37.
Nova loja de Jazendas e modas
francezas, no 'Aleno-da-Ba-
Pista, n, 12.
Madama Ancelle acaba de esta-
belecer-se no Aterro da-Ba-Vis-
ta, n. 12, com urna loja de fazen-
das e modas francezas, na qual os
compradores encontrarao o que ha
de iiu'llinr e de mais.apurado gos-
to naquelle genero. Ali adia-
ra o o mais rico sortimento de
chapeos de seda, de palha, com
flores ou pennas para senhoras ;
luvas de pellica, seda elinho, tan-
to para homuns como para senho-
ras ; ricos manteletes ; filas para
dada e de rendas pretas e bran-
cas ; blondes de seda ; rendas e
bicos de linho ; toucaspara bapti-
sodos ; lencos de cambraia de li-
nho bordados e com vnhelas; ri-
cos aventaes de seda ; vestidos de
cassa oriental ; ditos de garca pa-
ra bailes ; franjas e enfeites para
vestidos c manteletes loaros de
seda para homem ; grava tas pretas
e de cores ; a mais escolhida per-
fumaria ; vasos e outros objectos
de porcellana do mais elegante
goslo ; esponjas ; escovas ; pea-
les ; espelhos; ricas meias para
homem ; meias para meninos ; ca-
rnizas brancas c de cor ; bonetes
para homem e meninos ; ricos co-
frezinhos para perfumaras ; orna-
tos para luto, de muito bom gosto:
chicotinhos de montara, tanto pa-
ra homem como para senhora ;
bengalas de unicurne e de outras
qualidades ; ricos suspensorios ;
chapelinhos deso para senhora,
do mais apurado gosto ; e outros
iniiilos objectos Todas estas fa-
zendas sao chegadas pelos ltimos
navios francezes Na mesma loja
se fazem chapeos de toda as qua-
iidade e toda a especie de ornatos
para senhoras ou meninos: tudo
isto segundo o melhor e ultimo
gosto, visto como a sua proprieta-
ra eng jou timadas mais perita*
modistas, chegadas ltimamente
de Pars. As pessoas que para taes
objectos ella se dirigirem serao
servidas com a maior promplidao
e de mandril a flearem satisfejtas.
Precisa-se alugar uma prela para o ser-
vico interno e externo de urna casa de pou-
ca familia, dando-se-lhe o sustento,-o que
seu senhor se responsabilisc pela mesma :
na roa do lloitas, n. 51. Na mesma casa
vende-so nina caldeirade folha que pega 6
arrobas, propiia para derreler sebo, e una
Irempe grande de ferro : ludo por preco
commodo.
PREMIERE SOCIE' PHII.ANTROIiQUE.
(FKMF.LLE.J
Premiare souscripiion.
I.esdames fian^aises, desireuses de mon-
trer leur gralilude du genreux procde
envers elles de la socit (hilantropique
( nile J, et voulant y repondr par la m-
me procde, so sont aussi rassembies en
socit du memo litro, ot pnur proceder
avec plus de justisse et de vrile, (quoi-
qiie femmcs ) sur 11 voritable mrito de di-
luido la dile socit qui elles devait dc-
cernerune medaille, elles ont noinn.ce une
coinmission d'enquettu pour lirer les ren-
seignements et los preuves les plus veri-
diques alin de n'clrepas lacheesd'injuslice:
eprsle travail de celte commission qui
pour plus de surt puis los preuves du
rapport qu'elle a l'ait dans les procs ver-
bnaux de certaines arcliives, ce qui no peut
lasser aucun doute do la veril, a propose
de dcemer ( l'homme du bien ) une me-
daille d'or, ainsi concue:
Effigie de la medaille.
.Sur la face une poulenoire poudant dps
ruis d'or, dont elle a deja une certaine
quantil, el ecrit en lejende (Je lo lesa-
mass ).
Sur le revers le chapn de la dile pou-
le, d'autant plus reconnaissable qu'il a un
orgOt d'une palle decoupe, et indiquant
de l'autre au has do lui ce-quatrain qui,
quoique vieux, n'en est pas moins voridi-
que, surtout celui a qui il est adrcsse :
De quelque maniere quo vient lo bien
Et n'importe coinment ii vient;
l'onr l'ininime peu delicat
C'est loujours du bien.
S. Cette proposition de la com-
5
urna moilalha d'oiiro, rujo programrha lio o
seguinto :
. Effigie ila med'illia.
Na face urna gallinha prela pondo ovos
d'ouro, dos quaes ja tem corta paiciio, com
a seguidle legonda : Ka t'o$ amonlo.
No verso ocapo da dila gaiiinha, bem
notavel por ter cortado o espurio de urna
das pernas, indicando com o outro a se-
guinto quadra, que so l por biixo, a qua
ainda que vellia, nSo he menos verdadeira,
principalmente para aquello a quem se ap-
plica :
Venha o bem de onde vier,
Sempre he hom hav-lo, goza-lo:
Para o homem pouco delicado
Tudo est em saber conserva-lo.
/'. S. E--ta proposta da commissilo fui
adoptada unnimemente com acclamaces
de alegra e reconheciment, ea medalha
conferida ao verdadeiro mrito. EntSo ie-
vantoj^se a sessfio, tendo a sociedade vota-
do agralecimenlos commissSo de inqui-
ricHo, e encarrega'do-a de proseguir em
scus trabadlos acerca de outras medalhas
que olla ainda se propOe a ofTorecer, recom-
mendando-lhe tenha sempre em vistas pro-
vas colhidas de fonte pura.
Assignadas muitas senhoras francezas
que desejam guardar o anonymo, e rogam
aos senhores francezes que se jaclam de
briosos, que para o futuro hajam de basear,
com ellas, em provas veridicas e positivas
-eus actos de philantropia, declarando-lhes
desdej que, procedendo como acabam de
fazer nesse acloque publicaran! com tan-
to enphase, bem longe de se furtarem ao
reconhecimentodessassonlioras, iucorrerSo
no desprezo publico, nica recompensa que
se deve impostura. Urna dai que fizeram
parle da coinminilo de im/uiriro.
I .i: I). i ii ii Wanderley Peisoto avisa aos
pais de suas alumnas e a quem convier quo
no dia 14 do corren te estar aberta a sua
aula no .segundo au Jar do sobrado da es-
quina do becco do Ouvidor, na ra da Ca-
deia. Pelo bom acolhimenlo quo tem (ido
a sua aula, e pura progresso do suas alum
as, pretende dar urna nova forma ao seu
estabelecimento, ensinando-se nilo s a
ler, escrover, contar, arilhmelica e gram-
matica da lingoa nacional ; bem como ha-
ver meslres de danija, msica vocal c pia-
no, geographia, francez edesenlio; promel-
te se toda aclividade, tanto para adianta-
mento do ditas ili.-c plinas, como adminis-
trando as suas discipulas urna educarlo
fundada na moni, e assim inspirar-Ibes a
pralica das virtudes inherentes us suas ida-
des. Recebem-sc pensionistas, meias-pen-
sionistaso externas ;as pensionistas ensillo
do primeiras ledras o comedorias 20,000
rs. mensaes; meias-pensioiilstas 10,000 rs.
e exlernas 2,000 rs. As pessoas que quize-
rem matricular suas fillias pdem entende-
rem-secoma mesma professora no dia 12
do rorrete : os estatutos esUro patentes.
l'assa portes.
Tiram-sc passaportes para dentro e fra
do imperio, correm-se folhas, despacham-
se escravos e tiram-se ttulos de residencia
para sempre : para este lini procura-se na
praca da Independencia, livraria ns. 6 e 8,
e na ra do {jueimado, n. 25, loja de miu-
dezas.
_ Precisa se alugar um preto idoso, que
sirva para tratar de um ou dous cavallos <'
lomar conta de urna pequea casa de cam-
po : na ra do Trapiche-Novo, n. 10, pri-
meiro andar.
Na ra da Caduia de Santo-Antonio, n.
13, no primeiro andar, se dir quem tem
um negro de 30 a 35 annos sem achaques,
muito rubusto, e propiio para servico
bracal.
Jos AJaria de l'igueiredo,
professor particular de primeiras
lettras, scientiflea ao respeitavel
publico e aos pais de seus alum-
nos, que a 15 do correnle abre sun
aula e contina a ensinar por prin
dpios a grammatica portuguesa,
latina e franceza, admitlindo a-
himnos internos : quem de
rem a dar suas licOes no dia 10 do corrente.
--Nara do Queimado, n. 14, segundo
andar, so dir quem d dinhriro a premio.
Na mesma casa se vendem varias obras do
ouro.
J. P. da Silva relira-se para fra do
imperio.
Jfe Chapeos dfi sol. tffe
Rtia (lo Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento desles objectos do todas as co-
res e qualidades, lauto de seda como do
panninho, por preces commodos ; ditos pa-
ra senhoras, de bom gosto: estos chapeos
sSo feilos pela ultima moda ; seda adamas-
cada com ricas franjas de retroz. Na mes-
ma casa se acha igual sortimenlo de sedas,
e panninhos imitando sedas, para cobrir ar-
macOes servidas : todas eslas fazendas ven-
dem-se a porcSo oaretalho: concerta ni-se
quaesquer chapeos de sol, tanto de basteas
de ferro como de baleia, assim como umbe-
as de igreja : tudo por preijo commodo.
DEPOSITO GEUAL m
S do superior rap areia-vmta j
da fabrica de Gantois Pai~ i

*
l/iet&c Companhia, na Ba-
ha.
Domingos AlvesMalheus, agente da
(f fabrica de rap superior arcia prela
?; o meio grosso da Rahia, tem aberto o
m seu deposito na ra Cruz, no Recife ,
? n. 52, primeiro andar, onde se achai j
fr: sempre deslc excelleutee mais acre- ^
> (litado rap que at o presente se tem "i
aj ralo ii'iiiln no Rrasil: vende-se em bo-
f' les de urna e meia libra, por preco
\f\ mais commodo do que eqi nutra qual-
'j quer parte.
Modas francezas.
Madama Theanl, com loja de modas, ra
Nova, n. 32, recebeu um sortimento muito
rico de chapeos de seda, de cscoinilha, do
dina, de (il e de palha, todos de muiln hom
gosto ; chapeos de palha para meninos e
meninas, de moda muito nova ; mantele-
tes ; capolinhos ; visitas muito ricas ; tran-
cas de muitas qualidades ; bicos delinhos ;
fitas muito ricas e dos ltimos padrdes ;
capella! de dores para bailes e casamentos ;
lloros muito linas ; e muitos outros enfeites
para senhoras. Mamada Theanl faz sempre
enfeites com muito gosto, o na ulliuu moda
vestidos para bailes e casamentos ; cha-
peos; bonetes de montana ; roupOes; palito
de meninos; vestuarios de meninos, e to-
dos os enfeites para senhora.
Jos Ruarte relira-se para fra do im-
perio.
T. W. A. Tuppcnbeck relira-se para a
provincia do Para.
Adolphe Mcthlinl retira-se para a
Franca.
Jos Valenlim da Silva, bom condecido
por ensinar latim ha 11 ncos,e ter a feliri-
d3de de seus alumnos serem sempre appro-
vados na
Engomma-se
na ra de S-Francisco, casa de um andar
de varanda de pao, n. 20, por cima de un
marceneiro.
Por causa do molestia e nao poder o sen
proprielarioexerceroseu ollicio, por isso
quem qtlizer arrendar o dito ollicio de'es-
crivodo orphos da villa da Anadia, na
provincia das AlagOas, dirija-re a ra da
Cruz, n. 6,que ah achara com quom tratar,
ou na cidade de Macelo, aoSr. I>r. Fernan-
do Alfonso de Mello, que se acha aulorisa .
do para o dito fim.
N. G. Rez vai para o Rio-de-Janeiro.
-- O abaixo assiguado faz sciente ao res-
peitavel publico quo desde o dia 6 de Ja-
neiro do correte anno deixou do ser cai-
xeiro do Sr. Antonio Joaquim de Souza Ri-
beiro, e ao mesmo lempo aproveita a occa-
s3o de llie agradecer o bom tratamento
que do mesmo Sr. receben durante o lem-
po em que na sua casa osteve.
Mttncel Antonio de Souza Ribeiro.
Ensino de primeiras lettras.
No Atierro da Boa-Vista, sobrado, n. 5,
ha urna pessoa subeijamente habilitada,
que se propo a dar por casas particulares
e com perfeico, licoosde primeiras lettras
e grammatica da lingoa nacional: as pes-
soas que sequizerem ulilisar do seu presti-
modirijam-se a dita casa a qualquer hora
do dia.
Precisa-S9 do um homem que queira
foitorisar escravos em um ongenho distan-
te desta praca 10 legoas : prefere-se Por-
luguez : na ra Direila, n. 93.
Urna pessoa que em poucos mezes e
com feliz resultado tem conseguido ensinar
a liaduzir, fallar c cscrever correctamente
o inglcz, Iraiiceze poituguez, deseja adiar
occupAcilo em algumas casas que tenham
i de 9 alumnos para cima: quem pretender
informar-so ni botica do Sr. l.uiz Pedro das
Noves, no Recife, no largo do Carmo, n. 11,
segundo andar, Roa-Vista, botica do Sur.
Joaquim Moreira.
-- U l)r. Joaquim do Oliveira e Souza en-
silla a tradu'/ir, fallar e escrever a lingoa
franceza no Aterro-da-Roa-Vista, n. 82.
-- Jos Joaquim Lopes Pereira Cuimarffes
recebe alumnos em sua aula de primeiras
lettras, aritluuetica e lingoa nacional, a
mil rs : nn ra do Caldeireiro", n 14.
Precisa-so de um caixeiro para entre-
gar pao na padaria do pateo da S -Cruz, n. 6.
O padre Manuel Adriano de Albuquer-
que Mello f.iz sciente ao publico que abre a
sua aula du primeiras leltras, sita na ra
do J.irdim, n 43. boje, 7 do corrente janei-
ro, c contina a receber alumnos como
dantas.
The annual meeling of tho subscribers
to the l'.iitish Mechanics' Library & Instilu-
tion, wiil be luid ou Tucsday the I51U inst.
at 7 o'clock P. M. al their rooms ra da
Aurora, Santo-Amaro.
Ry orderofthediroctors.
Josephe Reeve,
Seerelary.
A poca.
Aos senhores assignanles deste jornal se
faz corto e igualmente o respeitavel publi-
co, que acaba de cliegar do Lisboa a conti-
aradenua avisa a quem convier i lluarilo dos nmeros deste jornal at o nu-
missioo ful adopt runanimit-avee d
acclamalions de joies et de reconnaissance,
el la medaillo lu doerne u vrai mri-
le. Seance tenante, et la socit votta des
remerciements de felicitation la commis-
sion uenquetle, et la chargea do pnursui
vre son travail pour d'autrcs mJailles
qu'elle se proposait encor de voltermais
loujours avec des preuves Urces de source
pur.
Signes plusieurs dames francaises qui
desiront garderranonime,en priant les mos-
sieurs Francais se disanl tres gallauls.d'ap
puyer l'avenir leurs actes philantropique
coiiimo elles de preuves positivos et ve
ridiques, les prevenant d'avance qu'en agis
sant comme ils ont fait dans Pacte qu'ils
publient avectant d'amphase, loin de se
derober ii la reconnaissance de ees dames,
ilsso livrent d'eux mCmos aux mpris pu-
blic, scule recompense que l'on doit a lim-
posture. Une dei dames fciant partie de la
commission 4'enquetle.
PRIMEIRA SOCIEDAHE PIIILANTROI'ICA.
( FEAIEA. )
Primeiro subseripglo.
As senhoras francezas, desejosas de de-
quem e seu
prestimo se quizer ulilisar, dirja-
se a ra da adea-Velha, n. i3,
terceiro andar.
Roga-se ao Sr. Pedro da Silveira Ca-
valcante, morador em Maria-Farinha, que
v resgatar a Ictlra quo so acha vencida,
na ra da Cuia ; do contrario, se usara dos
di reilos.
Os Sis que devem loja de
jTiiudezas da rna dos Queimado, n.
a4, que perlencia a Joao da Cos-
ta Domado e administrava Joao
Chrbostomo Lima Jnior, que-
ram vir dentro de 3o das da data
deste pagar na loja do pateo do
Collegio, n. 6, visto que vend a
mesma loja, e passado os 3o dia.s
serao chamados pelos seus nomes
por esta folha.
Ojuiz da irmandado deN. S. da Boa-
Viagem participa i o nmios da mesma ir-
maudade que, na forma dos ailigos 14 o 15
do seu rompromisso, hajam de compare-
cer mpreterivclmente no consistorio da di-
ta irmandade, nos das 13 e 20 desto mez
para em mesa gcral se proceder a cleic.lo do
juiz e mais funcionarios da mesa regedora
que tem de servir no corrente anno.
Trapassa-se o arrendamiento d
que abri a sua aula a 7 do corrente mez
na ra da Alegra (na Ra-V'istaJ n. 38, on-
de recebe alumnos, lauto estenios, como
pendonistas. Tambera ensina em huras
reservadas aos que nSp podrem frequen-
tar as horas da aula.
Aluga-se um sitio na Suledadc, com
bom sobrado, jurdim, cacimba, tanque
nara banho, pomar de lirangeiras e muitas
fruleiras de diversas qualidades : na ra
Jo II ispicio, n. 21.
O Sr. Jofo Cyprianno Rangel queira
ter a bondade de apparecer na ra da Ca-
dcia de S.-Antonio, pira decidir sobre cer-
ta conla que S Me. receben.
Charles Chapront, relojoeiro francez,
ra Nova, n. 32, conceila relogios do tolas
as qualidades rom muo cuidado e muita
perreieflo, assim.como vende relogios pa-
lentes, muito superiores.
099909000900900000
O O
J Alugam-se e vende i;-se as verda- g>
Q deiras hixas de llainburgo : na praca f]
q da Independencia, n. 10, ao vollar Q
para a ra das Cruzes. q
O o
0900000000000 $>$OQ
--Obacharel Antonio Annes Jacomc Pi-
res propOe-sc a advogar, c recebe as pss-
soasqne se dignaren) procura-lu a qual-
quer hora, no primeiro andar do sobrado
n. 14, no pateo da malriz de S.-Antonio.
-- Urna pessoa
mero 52 ; e como Icnhnin chegado dilTeren-
tos colloccoes coniplola, convidt-se aos
amantes da initruccjio a concorrerem para
a sua r\i iari;"n, visto como he este jornal
de tanta importancia.
Assigna-se na ra da Cadeia do Recife,
loja de ferragem de Julio Jos de Carvalho
Mora es.
O preco da assignatura he :
Por um anno, dinheiro a vista 6,400
Por seis mezes, di lo dito. 3,200
Compras.
Compra-se um sellim inglezj usado, e
com lodos os arreios: na ra da Cruz, n. 64.
-- Compra-se um escravo moro de boni-
ta figura, tendo qualquer ollicio: na ra
doNogueira, n. 39, sobrado.
Compram-se ps de parreiras de mer-
gulhosque o seu tamanhochegue a lutada:
quem os tiver, v ra da Cadcia-Vellia, n.
40, loja.
Compra-se o lerceiro numero do Pro-
gresso ; a Farpeieida ; e os nmeros seguid-
les do Rriuco das Damas : 2 ns. do primei-
ro, 1 dito ao segundo, e 2 ditos do quarto:
quem livor annuncie.
Compram-se, efectivamente, botijas a
garrafas : na ra do Rangel, n. 54.
Compra-se urna carroca para um ca-
vallo, a qual estej em bom estado : na ru*.
ahuilada e que por mui- '. da Cadeia do Recife, n. 60.
monsirarem seus sentimentos de gratidSo! engenho perto desta praca, com safra de
pelo generoso procedimento da sociedade
chapos ; lencos de cassa borda-
dos ; chapeos ebo-ietesde monta-
lia; ciillai i o lies e punho.s para
montara ; manteos de cassa bor-
philantropica ( macha ) para com ellas, e
querendo corresponder-lite com toda a
igualdade, reuniram-se em sociedade sb
o mesmo titulo; e, resolvidas- a procede-
rom com mais just iea o verdado a pozar de
serem mnlheres ) acerca do verdadeiro m-
rito do membro daquella sociedade ao qual
lesejam ofTorecer urna medalha, nomeaiam
urna commissilo de inquiricio para colher
aceica delle as informaQOos o as provas as
mais veridicas, alim de nlo incorrerom na
pecha de injustas: aps os trabalhos de
semelhanle commissilo que, para mais se-
-iiiiinca, fui desentranhar dos processos
verbaes exislenlos em certos archivos os
documentos que serviram do baso ao seu
iiarecer, e que nilo pdem ileixar duvida al-
guma sobrea justeza du seu juizo, propoz
ella que se coufu-risso (ao human do bem)
900 a 1,000 pilos, 20 a minaos de roda, 4 bois
mansos : quem esto negocio pretender, en-
tenda-se com Joaquim Carneiro Machado
II ios.
Arrenda-se animalmente o excellente
sitio da viuva do Burgos, na estrada do Ar-
raial, com elegante casa, e todos os mais
arraujos precisos para commodidado de
urna grande familia : a tratar com Lino Jos
de Castro Araujo, na praga do Corpo-Santo,
i. 2
Fr. Joo Capistrano de. Monlonca en-
silla em sua casa na ra das Cruzes, n. 18,
primeiro andar, o seguinle : rhelonca, geo-
graphia, theologia, moral dogmtica e his-
toria ('eclesistica : as pessoas que quize-
rein frequenlar eslas materias, o poiero
procurara qualquer hora.
Jos llernardino de Sena convida a
scus discpulos pailicularcs paru priucipia-
tos annos se tem dedicado ao ensino da mo-
cidade, prope-sc a ensinar grammatica la-
tina, dando duas licOes por dia, e perce-
bendo a gratilicarSo mensa I de 3,000 rs.
por cada alumno: lambem leccionar rhe-
iorica e geographia percebendo a gralifica-
eilo do 4,000 rs. : na ra Direita, n. 120, se-
gundo andar.
Os abaixo assignados scien-
liicam ao commercio desta praca
que, desde o i." de Janeiro de 185o
em diantc, deixa de ser socio da
firma Oliveira Irmaos 8c Cotnpa-
nhir o Sr. Jos de Oliveira c Mel-
lo, boje residente em Lisboa. I'er-
nambuco, 3i de dezembro de
I84Q. Oliveira rmelos &c C'
Alugam-se por preco rasoavel
o sobrado eloja da ra dos Quar-
tes, n. 10 : a tratar no Mondego
com L. G. ten eir
Prccisa-se de uma secca, forra ou cap-
tiva para urna casa de pouca familia: na
ra do Mondejo, 11. 8.
Francisco Antonio de Lima vai para o
Rio-de-Janeiro.
--lia una ama muito rapaz e sadia que
se propOe a aniamentar a'guma crianca,
smenle por espasso do seis mezes, porque
para o lim desse lempo est j contratada :
quem a pretender, dirija-se a ra da Cadeia-
Velha, luja n. 5, que atii te tratar do ajus-
te, e se liliiiiicaiii as mencionadas qualida-
des da ama.
Jos Ribeiro da Silva, Poituguez, reti-
ra-se desta piovincia.
A 1 cunara franceza da ra da Concor-
dia, precisa de tres prctos robustos para
Iraballiarem.
Compram-se ossos
dia, retinara franceza.
na ruada Concor-
Vcndas.
Vende-se uma crioula do 20 annos do
idade pouco naisou menes, lava, engom-
111.-i, e rosinha o diario de uma cas : quem
a pretender dirija-re a ra do Torres; casa
11. 18, segundo audr.
Padaria.
Vende-se uma padaria muito
boa e com lodos os seus perten-
ces, prompta a trabalhar : na ra,
Direita, n. v.6, se dir quem
vende.
Vendem-se dous pretos de nicSo An-
gola, de 18 a 20 annos, de bonitas figuras,
por preco commodo : na ra Nova, n. 39,
segundo andar.
-- Vende-se uma mesa de angico Tpara
meio de sala, por preco commodo: na roa
do Jardim, n. 43.
Vende-se a taverna da casa, n. 65, na
ra nova : a tratar na mesma.
Vende-se, na ra do Trapiche, n. 42,
ptimo lio de vela, o melhor possivel para
coser saceos, o por proco commodo.
-Na ra do Trapiche n. 42, em casa de
Adamson Howie & Companhia, vende-se
um restante do muito excellente cha preto,
por pceo rasoavel, em caixas de50 libras.
Em casa de Adamson Howie & Com-
panhia, ra do Trapiche n. 42, vendem-se
-ollins inglezesda melhor qualidade, as-
sim como inanias de 13a para os meamos,
caliccadas o estribos d'aco : tudo por pre-
cos commodos. .
Vende-se um escravo moco ceftn ollicio
de cozinheiro e padeiro: na ra Augusta,
sobrado junto ao vivoiro do.Muaiz,


~ fontinn-sea vender bolacha de fari-
nha de milito, a 80 rs. a libra.
~ Vende-se urna preta crioula, de 20 ali-
os, de elegante figura, g'ern vicios nem
achaques, e que he proprii para todo o ser-
vido : na ra do Amorim< n. 35.
Na ra da Crur, armazem
n. 33, de S Aratijo, vende-se su-
perior rape de Lisboa cm frascos
de meia libra, chegado pelo Tri
gue Maa-Jos.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de prato muilo frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos porluguezes para panella, li>tas
com 2 e4 libras de marmelada, ditas com
bolachioha de Lisboa, ditas de sardiuha, di-
tas com hervidlas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vin los do Cea-
r, por barato prego, mantas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.e
outros muitos gneros de boa qualidade:
a urna da Cruz, no Itecife, n. 46.
Corles de cassa para ves-
tidos com 116 corados
por 5,500 rs.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
covados, a 1,760 rs. ; pecas de camhraia li-
sas com cito varas c meia, a 2,720 rs.; pan-
no de linho minio fino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Taixas para engenho.
Na fundido de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
tode tainas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptid.To embarcam-se,
cu carrepani-seem carros sem despezas ao
comprador.
AGENCIA
fia ftmdicao Low-Moor,
BA-DA SKNZAI.T.A-NOVA, N. ^7.
Ne.ste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
.ment de moendas e meias morn-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
coado, de todos os taannos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Tndos-os-Santos na Itahia
Vende-pe rm casa de N. O. Pieher & C.
Na ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
laquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar o roupa de escravos.
Cha brasileiro.
Vende-se cha I lasileiro no armazem de
mellados airas do Corro-Santo, n. 66, o
mais excellcnle cha produzido em S.-Pau-
lo, que tem viudo a este mercado, por
preco muito commodo.
Moendas superiores.
Nafundigodc C. Slerr & Compaiihia*,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
de caima, todas le ferro, de um modelo e
construcciio muito superior,
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de moldados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. CC, ha i ara vender, chegados
pelo ultimo vapor .viudo do sol, superio-
res charutos s.-Flix, e de outrai multas
qualidades que se'venderio mais barato ;o
que em oulra que.lquer paite : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
niilho, que se eslo vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cepto.
Corles de brion de cores
cen Ibtn sao lado, a
I.2I0 rs.
Vcnderc-se cortes de brim de crtres com
listras ao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godSo americano, pioprio para esclavos, a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeiav
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os* Santos.
Na rua da Cadeia, n. i>2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Cuartee de furia-cor es a
9I rs. o (ov f ) e ris-
cado monstro a 20 rs.
Vende-se zuarte de furta-cores muito
.! >i .11 c com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monstro muito hoin a 220 rs. o cova-
do : na rua do Crespo, loja da esquina que
volta parr a cadeia.
Para quem (ver bom
gosto.
VenJem-se redes de cOres muito grandes
o muilo bonitos padrOes,
qualquer servico de una casa .- na
rua da Cadeia do llecife, loja de
Joo da Cimba Magalhaes, n. 51.
Os mais ricos manlelc-
tes c capotilhos.
Vcndem-seos mais asseiados mantelete:
e capotudos de chamalote de seda e gor-
gur3o, os mais ricos quo teem apparecido s
na rua do Queimado, n. 9.
Potassa da Russia.
Vende-se a verdadeira potassa da Uussia,
desembarcan i agora, em larris pequeos :
em casa dos Srs. ftotho & Bidoulac, rua do
Vigario, n. 4.
Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato preco do 2,000, 2,500, 3,000.
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de soda, a 3/
rs. : meias para meninas, a 160 rs.; ISa
com listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinha propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; Ifla superior pa-
ra calcas, a 500 e 600 rs.; lencos de algo-
dSo e seda com franja, a 600 rs. ; corte s de
collete de velludo, a 1,600 o 2,500 rs.; cas-
as-chita, a 400 rs. a vara ; garca de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
0 covado, e oulras minias fazendas por
barato prego : na rua do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de liveira Maya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhados
airas do Corpo-Santo, n. 66, por preco com-
u odo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tonuim
recommendaveis pela sua superior qualia-
do e turarem mais que as deespermacete,
o u.o fazerem morrSo.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O aimazem antigo da rua da Madre-do-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baixo das mesmas cundieres, offerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figucira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por 220 rs a garrafa, e 1,000 rs. a ca-
ada, a de vinho de llordcaux por 160 rs. a
Carrafa levando o casco. N3o se admirem
os fieguezes do liaixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o antigo pre>
co, embora este genero tenha subido o me-
lior de 30,000 rs. por pipa. Examinen), os
amantes a qualidado para reconhecimento
da Tardada e conlinuago da antiga trague*
zia.Epara no haver usuras, esli promp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como narria de diversos ta-
manhos para piovlsiio do prximo Natal.
O proprietario conla com a concurrencia;
do contrario, lornarSo os pregos do rela-
Ihoa primitiva de 240 e 280 rs. a gar.-afa.
Deposito de Potassa.
Vende se muito nova potassa,
de boa qmlidade, em barriszinbot
pequeos de quatro arrobos, por
preco barato, como j lia muito
lempo se nao vende: no itecife,
rua da Cadeia, armazem n 12.
Antigo deposito de cal
virgen).
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muilo superior cal virgen) de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
JNa rua do A morim, ns. 56
e 58, vendem-se fardos cm sac-
cas grandes por preco commodo :
a elies antea que scacabem-
Faiinha de mandioca.
Na rua do Queimado, 11. 14, loja de fer-
ragens, ainda ha algumas sacctts da boa
Tai inda de mandioca, muilo alva e brm tor-
rada ; bem como urna poreflo do peonas de
can, proprias para espauadores ; urna es-
crava de 20 minos, propria para lodo o ser-
vico ; oulra dita que se vende barato, por
ser de mais idaile, e que lie boa para ven-
der na rua, e sabe mullo bem lavar roupa;
urna parda 1)10(8, do lunilla vista ; saccas
de gomma de eugommar, muilo alva : ludo
se vende barato.
4
na rua do Collegio, n. 21, primeiro andar
se dir quem vende.
~ Ven'dem-se cdaposzinbos ricamente
enfeitados para meninos e meninas de um
a tresannos: no Aterro-di-Boa-Vista, n. 1.
--Chegaram novamente rua da Sen-
zalla-Nova, n.42, relogiosde ouro e prata
patente inglez, para bomem e senhora.
de fa-
Cn a 1 eos co Chile
de superior qualidade.
fi-
0
9
9 Pelo ultimo vapor receber.im-so
@ mais chapos do Cbilo de auperior $/>
'& se ( a procos mais cummodos do que &
(t) em oulra qualquer parle ) na rua do
fc) Collegio, 11. 9. $
Superiores chap s do
Chile.
Vcndem-sfc chapeos do Chile em poredes :
na 1 ra ;,i doCommercio, 11. 6, primeiro an-
dar, sS muito bous e muito claros.
Novo sor timen lo
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampean.
Vende-se cassa-ebita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores fixas e com 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado; cassa francezade quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; rlacadiobo de lis-
tras de linho, a 240 rs.o covado,- brim de
algodSo de cores com listra ao ladoe de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,'600 rs. o corte de
duas varas e urna quarta ; cassa preta com
ramagem branca, para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarto de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cores lisas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de larlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muilo superiores, a 640 rs.
Manocl da Silva Santos vende
familia di: trigo superior da marca
cima mencionada e ebegada a es-
te mercado no ultimo navio vindo
de Trieste : quem pretender, pode
dirigir-se ao armazem do Annes,
no caes da Alfandega.
-- Vendem-se chapeos de todas as qua-
lidades, para senhora ; finos manteletes e
capotinhos do chamalote, tafet e tico ; lu-
vas de pellica, do seda e de rede ; chapeos-
zinbos ricos, para meninos e meninas : no
Aterro-da-Boa-Vista, n. t, casa de modas
francezas.
Vende-se rape rolio ham-
burguez em garrafas; na rua da
Cadeia do Recite, n. 15.
Vende-se urna preta muito boa cozi-
nheira, que ngomma e cose, e por isso
propria para ama de casa, mesmo de bo-
mem solleiro, altendendo a sua boa con-
ducta : na rua larga do Itozario, n. 35, lo-
ja de miudezas,
Vendem-sc 1,000 barricas vasias de fa-
rinha de trigo, por proco rasoavel, para
desoecupar-se o lugar dellas, recehendo-se
o seu producto em as3ucar: na rua do Ito-
zario larga, padarian. 18.
Oculos patente.
Na rua do Queimado, loja do ferragens,
n 37 A, vendem-se excedentes oculus de
verao longe, por preco commodo.
-- Vendem-se pecas de algodSozioho
com 20 jardas, com toque de avaria, pro-l|
prio para escravos e pannos de co2uha, ai
1,280 rs.; ditas de chitas do bons pannos
jrf com toque de arvanu du cliuva, propria
para prelos e fonos de dalis, a 4,51)0 rs. ;
historia da America ingleza em portuguez;
por 5,000 rs ; Guarda-Livros modernos, por
6,000 is ; Salustio traduzidoao p da let-
Ira, por 5,000 rs.; Diccionario de itloraes da
quarta odicHo quasi novo, por 20,000 rs. ;
imitlo de folcar formigas: no paleo do
Carino, n. 18, primeiro andar.
Vende-se urna escravu crioula, de 20/e
tantos anuos, parMa do 15 das, com mui-
lo bom Icile,e com algumas habilidades:
na rua Augusta, n. 52. .,
-- Vendem-se duas toaldas e dous lencos
de lavarinto, obra de bom gosto e bem le i -
ti ; 12 saccas de gomma de eugommar;
300 couros liudos: na rua estreita do Ito-
zario, n. 13
Vende-se um escravo possante, pro-
prio para armazem do assucar i a fallar com
deorge Mcsbilt, na rua do Trapiche, n. 42.
Vendem-so 8 lindos moleques de. 10 a
18 anuos ; 8 prelos da 20 a 25 anuos, sen-
do um delles ptimo sapaleiro ; um pardo
de 16 anuos, ptimo para pagom, e que tic
bom coziaheiro ; 3 pardas de 16 a 25 an-
uos, com algumas habilidades; una dita
de 20 anuos, com habilidades, e com 2 II-
Ihos, um de 1 anno, e oulra de 5 ; 6 prelas
de 14 a 25 anuos, com habilidades, e que sao
proprias para todo o servigo ; na rua do
Collegio, n. 3, se dir quem vende.
Veiide-se um trancelim para relosio,
um bahuzinho de tartaruga todo appre-
l'.ado ile prala lavrada, pmjirjo para *!)-
uiuas que vilo para a escola, meia duzia de
collieiesdosoupa, meia dita para cha, todas
se'ni talaren) servidas j um terreno entre a
matriz nova o a fabrica de vinagre; una
casa na rua c Molocolouib nos Afogados,
n. 16; una parlo du urna casa na rua da
Gloria, n 29 : a tratar as Cinco-I'ontas,
grandes e a garnel abordo da sumaca T-J Vende-se um mulatinho de.16 annos,
S-do-Cartno: ludo por preco commodo : bom bolieiro e.copeiro ; 4 moleques de
na rua do Vigario, n. 11, primeiro andar, elegantes figuras, sendo dous delles corla-
Farinha de S.-Calharina.
Vendu-sea bui'.o do brigue Duui-Amigos,
e o melhor que
tem appareeidu iicalc cercado: na rua do
Crespo, loja da esquina que volta para a fondeado defroJte do caes do Hamos,*on
cadeia. I na praga do Commcrcio, n.C, piimeiroau-
-- Vendem-se amarras ue rro : na rua'
da Sunzalla-Nova, n. 42.
' dar, I.n ii,lia de S.-Catliarina.
Fnriiiha de Irigo.
Vemlc-se superior ftrinha de trigo h.ni-
ecza do Provenca, chegaiia ull'imaiuente de
Marsellia : em casa de J. J. T'asso Jnior, na
rua do Aun riii-, n. 35.
n. 32
--Vende-se ummolcque de bonita figu-
ra, sem vicios nem achiques, proprio para
lodo o sorvico, e mesmo para especuladlo
de negocio : na rua Direita, n. 93.
Batatas.
Veudem-seglgos com muito boas bata-
tos, por preco commodo : no armazem ao
p a boca do arco da Coi>ccif Ho, c no
cacada Alfandega, no piimeiio armazem
lici'i ontu do clialanz.
Alhos.
Vendem-se canastms com albos, a 30 rs.
cada m.i;o ; laiiiiicm so vende muito boa fa-
milia de ai,u uia : no becco do Azeite-de-
l'eixe, armazem n. 16
Vendem-se queijos londnnos, presun-
tos de Wcstfalia, batatas inglezas a gaiuel,
clu-gadas pela galera ingleza Indus do Li-
verpool ; lambein da na mesma casa roldas
mullo superiores para eugairafar vinho,
casa do Francisco Alves da Cunda.
Vende-se grasa em bexigas
c urna canoa de carreira nova :
na ruada Fraia, n. 3a.
Na rua estreita do Itozario, n. 4, ven-
dem-se os seguintes livros: Primeiros
constituicoes sinodaes do arcebispado da
llallis, 1 v. em folio; Esboco do um diccio-
nario Jurdico por Pereira e Souza, 3 v.; S.
Biblia em portuguez, I v.; dita em hes-
panhol, 1 v.; Memorias histricas de Per-
nambuco, 4 v ; Quadros histricos de Por-
tugal 1 v. ; Diccionario da marinha, 1 v.;
T. livtoem latim e francez,2 v.; PhilosoT
phiade Cousin, 3 v. ; Chrooica de Gume
por Gomes Eannes de Azurara, 1 v. rica-
mente impresso ; Pratica criminal, 1 v.. e
tambem se trocam por'.oulros, quaesquer
deslas obras.
Vende-se, por preco muilo em conta,
Jacaranda muito superior, no caes da Al-
fandega para examinar; redes do Para; cha-
peos de palha do Chile; bandeiras nacio-
naes ; farinha de mandioca : nos armazens
de nas Ferreira.no caes da Alfandega, n.
1, on na rua do Trapiche, n 34, a rallar
com Novaes & C.
x- Vende-se um escravo bom cozinheiro :
na rua do Collegio, n. 21, primeiro andar,
se dir quem vonde.
Vende-se um escravo moco, proprio
para o servico de campo : na rua da Cruz,
n. 28, a tratar com Lima Jnior & C.
Vendem-se 10 a plices da companhia
de Iteberibe, as quaes eslSo em da com a
companhia ; na rua da Cruz, n. 64.
Sola para selleiros.
No \!rro-da-Boa-Vista, n. 58, loja de
sapali vende-se sola grande, grossa e
bstanle alva ; sapatdes do Aracaly, a mil
ris.
Vendom-se figos de comadre, a 100 rs.;
batatas inglezas, a 60 rs.: no paleo do
Carmo, n. 2, venda nova.
Avista faz f.
Vendem-se 2 escravos do Angola, ssndo
um canoeiro, eoutra lavadeira de varrella
edosabSo, que cozinha o diario de una
casa, trabalha no campo em qualquer ser-
vico, e he boa Iratadoira do enancas, e s
para que nilo serve he para vender na rua,
o que ludo se allane*, por barato prego : em
Olinda, rua da lioa-llora, casa de funileiro,
se dir que vende.
Vendcm se, muito em conla, dous re-
logios patentes, sendo um de ouro e outro
de prata dourada : na rua do Queimado,
n 10, loja.
Vende-se urna casa de sobrado de um
andar c slito na rua Augusta; um pido
cozinheiro e caiador : na rua de S.-Fran-
cisco, casa apalacada, onde tamben) se ven-
de u ni alambique pequeo em bom uso.
--Vendem-sa superiores navalhas da Chi-
na, caivetes do duas Toldas, lesouras de
unas e de costura, o mais fino possivel: na
pnioi da Independencia, n. 5, loja.
Vendem-se duas esclavas proprias pa-
ra todo o servigo, sabondo urna dellas en-
gommarsolirivel, cozindar o diario de urna
casa e coser cliilo: defronte da ribeira do
peixe, n. 3.
Vende-se um sitio beira do rio, com
bastante terreno para plantacOes, baixa de
capim, grande casa moderna, com duas
sulas grandes, dous gabinetes, duasalcovas,
lies quaitos e cozinha ; de perto da praga ,
(>or ser antes ddchegar o Poc,o; na rua de
S.-Amaro, n. 16.
- Vende-se urna venda com pnucos fun-
dos, com cummodos para familia, com
grande quintal, proprio para rancho e com
porliio para o fundo : na rua do Aragflo,
n. 14.
dos na melade deseu valor; 2 prelas com
algumas habilidades ; '2 pretos de 30 a 4o
anuos, sendo um delles bom canoeiro, ,
vende-se por muito commodo preco para
IlquidacSo : no pateo da matriz de S.-An-
tonio, se dir que vende.
N rua das Cruzes. n. 20, vende-se vi-
nho engarrafado, tinlo e branco, demais do
6 annos, e da melhorqualidade que boje ha
no mercado ; bem como os mais superio-
res queijos que existem ha yenda ; mantei-
ga ingleza da melhor qualidade: tudo por
preco mais commodo possivel.
Acham-se a venda todas as qualidades
de charutos finos da Babia : na rua da Cruz,
no Itecife, deposito a 49.
Saccas com fardo novo,
de80a 90libras, a i*./:
vendem-se no armazem do Antonio Annes,
no caes da Alfandega, e no de Vicente Fer- Vendem-se sipatOes do couro do lus-! maulas de oiicinho de fumoiro, conservas,"
reir da Costa, na rua da lladre-dc-Dcos, Iros, obra bem feila, a 3,000 rs. : na rua do! loios para liwpar facas, curiutes para po-
chegadas ltimamente do Lisboa e de Cabug.n. !. fdins, viudos de diflerenles qualidades, agoa
jfiiCa. I Vende-so urna preta moca, de boa fi-! ardente de Franca, e outros muitos objoc-
Vende-se urna paito dos sobrados de gura, que cose, c-n^oniiua o cozinha, tudo lus ll0r prego com modo : na rua do Trapi-
tres andares, ns. 11 o lt, sites na esquina muilo deni ; una dita que lava vende na c''e, n. 34, armazem de Itaymond Si 0.
da rua da Cadeia, defronle do thealro de rua, por preco muito commodo; 2tr.olc- Vende-se vinho do Porto muito supe-
Na loja de quatro portas
da rua do Crespo, n. Jl,
vendoiu-se cortes de riscados para vestidos,
com campo escuro, lavouros tecidos, e de
muita duraeflo, a 3,000 rs.; cortes de cam-
braias escuras, a 2,800 is. e claras a 3,500
rs.; coi les do vestidos imitando lanzinba,
proprios para mas de osa por seren es-
curas, a 3,200 io. jcalcinhas de fil de li-
nho para criancas, a 320 is.; corles de cop-
leles de 13a, boa fazenda, o que j se ven-
derein a 3,000 rs., a 1,280 rs. ; ditos muilo
bous para meninos de escola, 400 rs.;
renda lisa, a 80 rs. a v.ra ; chapeos para
meninas, de cambraia, a 1,000 rs. e de se-
da, a 2,500 rs. restando, ainda alguns dos
afamados chapeos do castor, a 3,000 c
3,500 rs.
Na rua das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 10 escravos, sendo: duas
escravas mofas, que epaomxnamu cosem
chfid, coai.iham e lavam de sab3o ; 3 ditas
ptimas quitaudeiras ; 3 escravos de ele-
gantes figuras, prop ios para o servico de
campo ; dous moleques de 14 a 15 annos,
de bonitas figuras.
Umversalmente hoje be reconhecido
que na presenga de um par de oculos lixos
apropriadosaograo da vista do paciente,
dea inutilisado ludo quauto os diversos au-
tores desde llippocrates al llaspailhe loem
esciipio em medicina, tendente a curar
vista curta ou cansada, e tanto isto he cer-
loqueellesmcsmos usam delles, em cou-
quencia quem os quizer, al mesmo com o
anudlo das cauelUdas, trainbolhOes, ca-
begadas o mais catstrofes, dirija-se rua
larga do Itozario, n. 35, loja de miudezas.
Vende-se um excellonie cavallo, bom
andador eseui achaques: na rua do Quei-
mado, n 9.
Vendem-se boas saccas com bom mi-
lito, por prego commodo: no caes da Al-
fandega, i nciii lie Uias l'cneiia.
Vende-se um can indo de duas rodas;
dous cav.llos de sella, um delles serve
tambem para carro : os cavallos pdem-se
ver ua cavallarice do Sr. David, na rua du
Apollo, eo carro no armazem do Sr. Bolli-
edard, na rua Nova; este se vende barato,
por carecer de algum cuncerlo, e junta-
mente os cavallos, ou como meltior convid-
aos fieguezes, senjo por prego commodo.^
Vendem-se 5 vaccas do leite o 4 tie-
zenos, todos de boa taga, sendo que 4
das vaccas etUo agora piedeiis o a oulra
dando loile: para ver, uu sitio do Sr. Ca-
valcanlel'essoa, no caininbo defionle da
jbseravos Fgidos
Em 16 desetembro de 1849, fugio do
sitio da Solidado, do abaixo assignado, a
prel* Maria Angica, lavadeira, de 50 anuos
ponen maisou menos; tem acara retalla-
da de ambos os lados, marca de sua Ierra, o
tem anda fra desteaignal um carago no
pescogo do lado esquerdo, bem visivol, que
parece lobinho, cujo carago ella traz sem-
pre escondido para nflo ser vislo ; he do es-
tatura baixa ; (em as pernas grossas e tor-
tas ; costuma a lavar roupa em Apijiucos*.
Pogo e Beberibe ; consta que est acoilada
em algum mocambo do engenho Apipucos :
quem o pegar leve-a rua Direita, sobrado
do abaixo assignado, que tem na porta o-
nlcho de Jess Maria Jos, ou na Solidado
em seu sitio, que ser recompensado com
20,000 rs. --- rranchcQ Antonio Rabillo de
Carmino.
No da 9 do correnle desappareceu da
povoagSo do Bom-Jardim, comarca do Li-
moeiro, um escravo de nomo Januario, de
26 annos pouco mais ou menos, altura re-
gular, crvermelha, sem achaque algum';
conduzioum cavallo preto-rugo pequeo,
capado, multo novo, com cangalba o um
par de ancoras grandes : quem o pegar le--
ve-o a dita povoigSo do Bom-Jardim, a seu
sentior, Mhnoel de Feria Maciel, que recom-
pensar generosamente.
Fugio, no dia l. de Janeiro do corren-
to anuo,da casa do abaixo declaradodo.o es-
cravo Seleslino, crioulo de 23 annos, cor
preta, corposecco, altura regular, cabega e
orelhas pequeas, olhos salientes, rosto
descarnando, mriz grande, pes seceos, pou-
ca barba, cose um pouco de alTaiale, com
urna cicatriz as costas um pouco fvanla-
da da parte esquema ; costuma Tazer o
cabello levantado na frente ; levou urna ja-
queta de merino prelo j usado, chapeo
preto de mola ja velho, 4 camisas de ma-
dapoln, urna dita de algo I3u iraugado com
listras, 4 calcas, sendo urna de brim j ve-
nia de quadros azues, outra dita do brim
listras, outra de algod3o com listias cOr de
caf, e outra de algodSo com litras rouxas :
quem o pegar leve-o a Jos Ferreira Hari-
nho, querecoin|>ensar generosamente, na
rua do Amparo, u, 7, em ulinda.
100,000 rs degrali'
cacri.
Fugio, no da 1G de dezembro, pelas 4
horas da tarde, um preto da Costa, chega-
do ltimamente da alna, que mal sabe fal-
lar edizer quem he seu senhor; tem um
grande golpe por cima de urna fon te e um
pedago de orelha de menos; levou camisa
de algodflo branco Iraugado e caigas de al-
gojo riscado americano : quem o. pegar
leve-o a praga da Independencia, ns. 6 e H,
que icceber a gratificagSo cima e se Ido
licari agradecido.
Fugio de bordo do patacho Nicthtroy,
e o principios do mez de outubro, o prelo
Vicente, de iiago, de 30 a 40 annos, de es-
tatura baixa, magro: quem o pegar K-ve-o
atrs do Corpo-Santo, casa n. 66, que ser
recompensado.
Fugio no dia 21 dopsssado mez de de-
zembro, de bordo do brigue brasileiro Ir.ea,
um clmelo de nome Manoel, o qual repre-
senta ler deidade 35 a 40 annos; tem fei-
gSo de branco, e be bastante escuro, j com
alguns cabellos brancos na barba; levou
vestido camisa e caiga de algodilnzinho, bo-
nete maruja : quem o pegar pode leva-lo
atrs do Corpo-Santo, casa n. 66.
No dia 3 do corrente mez, fu-
gio da casada rua do Crespo, n*
lo, urna escrava de n6 a 28 an-
uos, de nome llaymunda, de esta-
tura regular, muito gorda e fula,
cara redonda, bons olhos e bons
denles, pv muito direilos, mas
muito cheios, dedos muito finos ;
levou urna pequea trouxa com 2
camisas e 2 vestidos, sendo um de
assenlo branco com riscas encar-
nadas e cravos encarnados, e ou-
tro novo azul com urnas listras e
olliinliis pretos, um panno da
Ja rua da Cadeia, defronle do tdealro de rua, por preco muito commodo; 2 mole-}
San-Francisco : a falla rno primeiro andar ques, um do 12annos eooulro de 16. op- rior.em bariis de quarlo e quinto ; lamilla [casa giaude dor. Viegas que val para os
dos ditos, com Joaquim TeiX'ira Peixolo. timos para o que se quizer aplicar ; um pie-, de trigo do todas as quali adese em meias Itemedios, ua .Magdalena ; vendem-se bara
, Vciidc-st" lima escrava Cli- '" Vl''"0> "pumo para servir a urna casa, barricas; retro/ do Porto, prlmeira quali-i lo, | or su uo precisar mais dellas, e para
. .. por 200,000 rs.; um mulatinho de 10 an- dade : panno e meias de lindo ; arcos para t ajustar, na rua do Trapiche, 11. 14, seguudo
OUia., Loilira JJguia, propria para nos, muito esperto para servir a urna casa : Iban cas ; lanuda de mandioca em saccas andar.
Costa azul ; levou vestido urna
saia de ramagem de coberta, e
uin camisa branca com babados
n&s mangas: quem a cncontiar
queira leva-la 111a do Crespo,
n. 1 o, pi'imciiu andar, que ser
b^m recompensado.
Fugiram, no dia 2 do corrente, dous
escravos, um de nomo Candi lo, de estatu-
ra regular, com um U atravessado cm cima
de o ni dos peitos; he bem fallante que pa-
rece crioulo : o seguudo de nome Pedro,
giosso do corpo, com urna cicatriz na ma-
Cadobrago: ambos canoeiros: quem os
pegar leve-os rua da Praia de-S.-llit*, ca-
.-a de Manoel Jos Dantas, que recompen-
sar.
Fugio, no dia 26 de dezembro, um pre-
to de Angola, de nome Blum, de 40 anuos
pouco mais ou menos; tem alguns cabel-
los rancos e manqueija de um p ; levou
calcase camisa do liscado j um pouco ro-
las : quem o pegar leve-o rua do Sebo,
n. 20, qud sera recompensado; suppe-sctn-
dar mesmo pela cidade ganhando [ara o
lado das Cinco-Ponas.
Pean. : na tvp. de m, t. de
FAMA. 1850


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E67JL3CS0_11CJW0 INGEST_TIME 2013-04-24T17:43:49Z PACKAGE AA00011611_06753
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES