Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06752


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Amioxxvr.
Secunda-fe i ni 7

>*
%>

partidas sos conaxioi.
fioianna c Parahlba, segundas escutas felraj.
Rio-Giaiide-do-Norlc, quintas feiras aomeio-
dia.
Cabo, Seiinhaem, Ro-Formoso, Porto-Calvo
c Macelo, no 1., a 11, e 21 de cada me/..
Garanhuns e Bonilo, a 8 e 23.
Roa-Vista e Flores, a 13e28.
\ clona, iquintal reirs.
(Milicia, todos os das.
MMMSH
ZFREMEBIDES.
,Mine, a 5, a 6 h e 18 m. da m.
(Nova a 13, s 9 h. da manlia.
Piusksd. in. 'Crc 2I, 7h.e 2m.dain.
(Cbcia a 27, asl0h.e3bm.dat.
rnEAMAB D* HOJE.
Primelra as H hora e 42 minutos da manhaa.
Seguuda t 12 boras e 6 mluutos da tarde.
de Janeiro de 180.
N.
MflBBeSCgBP1
rasos ba suBSoairoAo.
Portresme/csfiiiianiado) 4/000
Por seis meies 8/WH1
Por uiu anuo 15/000
l mu ggBgssBgsisBgpMga
das da skmama.
7 Seg. S. Thcodoro. Aud. do J. dos orf. e m. t. V-
8 Tefe. S. I.ourento Jusluiano. And. da cliauc.,
do J. da I. v. do civ. <- do dus feitos da hunda,
0 (Juart. 8. Julio. And. do J. da 2. v. do civel.
10 Ouiit. 8. Paulo, priinriro eremita. Aud. do J.
dos or. i- do ni. da I. v.
11 Sext. S. Hyglno. Aud. do J. da 1. v. do civ. e
do dos feitos da faienda.
12 Sab. S. Satjro. Aud. da Chae, e do J. da 2. v.
ilo crinie.
13 Dom. S. Hilario.
'** -'.;.":.[
CAMBIOS, EM S DI JANEIBO.
Sobre Londres, 271/, a. P' I^ao ri- B0 dla5'
. Paris, 8.
> Lisboa, 100 por cento. :___,.
W-Oncas kespanhoes......... 2!)/n00 a 29/.-0.
Moedasde6>l00velhas.. UtfiH a tWK
de ^4li novas.. lb7200 a lljfll
. de 4/U00........... 9/200 a 9/4110
Prata.-Pataces brasileiros...... j/Jp a 80
Pesos columnarios....... 1/M a 9,
Ditos mexicanos.......... 1/850 a 14870
PAUTE OFFICIAL.
GOVERN DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 1DE DEZEMBRO.
OfBcio.Ao marecbal eommandante das ar-
mas, remetiendo copia do aviso do ministerio
da guerra de 24 de novembro ultimo, aliui de
2ue, Intclrado de quanto nelle se determina
cerca dos ofticiaes da extlncta segunda Mi.lia,
que vencem sold, cxislcntei nesta provincia,
os mande inspeccionar, marcando-lhei para
esse flin o prazo de 30 das, e remella o resul-
tado da inspeceo acnmpanhadn do juizo de
S, F.ic. sobre o presumo de cada um dos re-
feridos olliciaes.
Dito.Ao inesmo, declarando que S. M. o
Imperador detcrmlnouqueo alferes da compa-
nliia tlxa da Parahiba, Bellarmino Corra da
Silva, venha servir nesta provincia, ncando
addido ao primeiro balalhao de cacadolcs.
Communicou-se ao inspector da pagadoria
militar. -
Dito.Ao inesmo, inteirado-o de haver S.
M. o Imperador, por sua nincdi ita e Impe-
rial resolucSo de 10 de novembro prximo pas-
sado, concedido passagem para a tercelra
classedos offlclaes do excrcil a Simio Anto-
nio Alves, capito do quinto batalho de fuxi-
leiros.Sclenlificou-se o inspector da pagado-
ria. militar.
Dito.Ao mesmo, cominunicando que S. M.
o Imperador, segundo fol participado etn avi-
so de 3 de novembro ultimo, dignra-se de
conceder quatro inczea de licenca ao capiliio
do tercelro batalho de arlilharia a |i Pedro
Alfonso Ferreira.Inteirou-se o inspector da
pagadoria militar.
Dito. Ao mesmo.Na copia Inclua remel-
lo V. Exc, para scu conhecimento, o aviso
circular de 22 de novembro proxi.no lindo,
ein o qual me foi communcado que S. M. o
Imperador, por sua inimc.ii.iia c imperial fe-
soluco de 4 do referido mez, tomada sobre
consulta do concelho supremo militar, houve
por bcui declarar que o padre Francisco Perei-
ra de Moraes Jardini, capello do corpo fxo
de caradores da provincia de Matlo-Grosso,
nao t.'iu dlreito ao respectivo sold seojo de-
pois dodia pin queentrou em exerciclo (lo re-
ferido posto, licando esta deeiso como regra
piraos casos Idnticos__Officiou-se ueste sen-
tido ao inspector da pagadoria.
Dito.Ao inspector da pagadoria militar,
remetiendo copia do aviso do ministerio da
uerra datado de 24 de novembro ultimo, aflm
que, inteirado de quanto nelle se conten,
remella com urgencia as les de rnelos dos of-
flclaes da extlncta segunda licba que vencem
sold existentes nesta provincia.
Diio. Ao mesmo.Havendo approvado em
data de lionleni a tabella que Vine, me enviou
com o seu oftlcio de 7 do correte para regula-
riza da elape da tropa de prhnelra liuha nesta
provincia no primeiro semestre do anno tro-
xlmo vindouro ; assiui o comiminico a Vine,
para sua intelligeucia, enviando-lhe copia da
referida tabella aiini de ser observada nessa
reparllcao.Ofnciu-se ao eommandante das
armas ao inspector da thesouraria de fazen-
da remetiendo copia da mencionada tabella.
Dito Ao administrador das obras publicas,
para mandar fazer, de conformldade com o or-
i,menlo que se Ihe reuietie. os concertos de
3iip neccsslta a cadea da cidade de Olinda.
ommunicou-se ao elude de polica
Portara.O presdeme da provincia tendo
em vista as disposices do regulamento n. 122
de'.! de fevereiro de 1842, c atlendendo a im-
portancia do municipio de Caruar, que pela
lei provincial n. 212 de 10 de agosto de 1848
passou a ser a sede da comarca do Bonito, re-
solve : A jurisdiccao municipal e de orprnios
que era ejercida pelos substitutos do art. 19 da
lei de 3 de dezembro de 1841 ser d'ora cin di-
anle por um juiz municipal letrado, o qual
exercer tambeiii a jurisdiccao de juiz de or-
pbos, e ter o ordenado que for marcado
pelo governo imperial.
Dita.O presidente tendo em vista a porta-
lia com data de boje, pela qual ordenou que
as jurisdiredes municipal c de orplios do ter-
mo de Caruar.qiie crain exercidas pelos subs-
titutos da lei de 3 de dezembro de 1841 o fus-
sem por mu jni. municipal letrado, que aecu-
mularia ambas as jurisdejle: resolve nomo
ar para exercer intciiiiainenlc as referidas
fonecoel de juiz municipal c orphos do mu-
nicipio de Ci.in.irii o bacharcl Lourcnco Fran-
cisco de Almeida Calando, que perceber o or-
denado que fr marcado pelo gove'rno impe-
rial, devendo o nomeado solicilar desta secie-
tarla o competente titulo para entrar em exer-
cicio.Ficram-se as comuiuuicaces do es-
tylo.
Dita.-O presidente da provincia, tendo em
lista a proposla do procurador fiscal da the-
souraria da i i/i ma provincial, datada de 15
do crreme, resolve nouiear para ajudantes
dn mesmo procurador fiscal na comarca do
I.imoeiro o bacharrl .los Francisca da '.'osla
Gomes, e na do Po-d'Allio o promotor publi-
co bacharcl llemclerio Jos Vellozo da Silvei-
ra ; e ordena que pela secretaria da provincia
se facam as conveniente* parlicipaces.Fic
ram-se as coniiiiuiiicaccs do esiylo.
Tendo ovvido o parecer da commisso
A curregada de propOi'-mo as pessoas por
,;uem i'evia ser distribuida a subscripciio
agenciada na curte em favor das viuv.s, e
orpMoi dos que perecern! nesta provin-
cia conbatendo em ptol da ordcni e da cons-
lituicilo, o "dos invlidos, e aleijados | co
mrsmo motivo, resolv repartir por em
quanlo a quauliu de 16:000,000 res e que
tleve ser distribuida pelas pessoas decora-
das na relaciio inclusa ssiguada pelo ofli-
cial-tnoior da secretaria da presidencia ; e
porlanlo rogo a V.S. luja de pagar as referi-
das peMOtfl as quantias indicidas na men-
cionada relHt,1". licando nn iulelligrneta da
que es pgamentos devem ser feitos as
proprias pessoas, ou a seus bastantes i ro-
curalores, e sendo menores seus tutores
ou curadores, ou aos \ rocuradores dcsles ;
eque pela imprenta dever publicados os
diios pagamentos dcclarando-se as pestoas
a quem fiViiin feitos.
Deus guarde a V.S. PalsCio do governo
de Peinambuco, de Janeiro de 1H50.Ho-
norio llmelo Carneiro Ado,--.Sf. tlicsourei-
io, Francisco Antonio do Oliveira.
RelacSo das ptstoai com quem se faz a distrt-
buic&o provitori.i, depart dasubipcricBo,
agenciada na corle a favor dat viuvat eor-
phdos'do quepereceram nieta provincia,
na deftia da ordem publica, ain'm doi inv-
lidos e alejado, pelo meimo motivo :
N. 1 Anna do Rogo Barro,
viuvi.do lente da guarda
nacional Manoel Joaquim do
Rcgos Barros '0.0
Seos filhos 300,000
N. 2. Francisco Claudino de
Almeida Ferreira, soldado do
primeiro batalho da guarJa
nacional do neci.e, baleado
no braco diteito 20<>-
N. 3. Francisca dos Res
Campello, viuva do capiliio
Ignacio dos Reis Capillo 300.000
Seus lllhoi 300>000
N. 4. Paulo l-eito l.oureiro
de Albuquerque. psi do fales-
cido Venceslao Candido Leito 100,000
N. 5. Bernardo de Mattos,
guarda nseional do primeiro
batalhilo do Recifo, baleado no
brarjodireito 200,000
N. 6. Dellina Guilhermina de
Oliveira Paredes, viuva de An-
tonio Manoel Dias Paredes 200,000
N 7. Leopoldina Eugenia de
Freitas, viuva do alferes do
sent batalho de cacadores
Jos Eugenio de Jess 500,000
Urna sua fillia menor 500,000
N. 8. Mara Epifana de A-
raujo Pa'.toja, viuva do len-
te do sexlo batalho de caca-
dores Roberto Moreira Cardo-
zo de Oliveira Pan toja 500,000
Seulilho 500,000
N. 9. Maria do Carmo, viuva
de Luiz de Lemos, guarda na-
cional de Ipojuca 200,000
Seus filhos 150,000
N. 10. Andr da Costa Mon-
teiro, voluntario da eotppa-
nhia dos Afogados 200,000
' N. II.Luiza Maris, viuva do
Aloxaudre de Dos Tenorio 200,000
N. 12. Jos Mara de Albu-
querque Maranho, baleado
no braco esquerdo 200,000
N. 13. Juliana Maria Francis-
ca, vuvj de Manoel Francisco
de Murca 200,000
Seu lilho 50,000
N 14. Francisco Bazilio de
Aranda, voluntario baleado 200,000
N. 15. Josefa Severina da
Penha, viuva de Francisco
Antonio da Silva 200.000
Seuslilhos -150,000
N. 16. Umbeiina da Cunta
Soares CuimarSes, viuva de
Pedro Alexandre Pereira 200,000
Seus filhos. 100,009
N. [17. A viuva do capilo
Andr Pinto Duaito da Costa
Pereira 600,000
N. 18. Jos Ferreira Ferro
Cuabiraba baleado na espadoa
direita 100,000
N. 19. Thereza Maria de Je-
ss, viuva de Manoel Jos de
Almeida 200,000
Seus fllhns 200,000
N. 20. Joaquina Maria, viuva de
Joo Francisco da Silva 200,000
Seus filhos 200,000
N. 21. A os filhos do fallecido ca-
nitiio Jos Moreira de Larvalho
Castro Gouvin 200,000
N. 22. Josefa Ayres de Almeida
Freitas, viuva do desembargador
Joaquim Ayres de Almeida Kieitas 300,000
N. 23. Flix Jos da Rocha, or-
pbo c irmao do fallecido Francls-
co Honorato da llocha 50,000
N. 24. Paula Maria do Espirito-
Santo, viuva de Pascoal Pinto 00.000
Seus filhos 200,000
ti. 25. Mamcde e Gonerosa, n-
llios do finado Manoel Francisco
Bandeira 200,000
N. 26. Mara Candida de Almei-
da, ii mu i do finado sargento An-
tonio Francisco Baplista de Al-
meida 100,000
N. J7. Joo dos Santos Bezerra,
baleado e alejado do braco es-
querdo 200,000
N 28 Francisco Antonio Xavi-
er, alrijailo da inao esquerda 200,000
N. 29. Izabel Francisca de Oli-
veira, i i ai do finado cadete Zacar-
as Francisco Alves da Silva 200,000
N. 3o. lienta Mara da Concei-
ca'o, inai do finado Antonio Fran-
cisco da Silva 100,000
N 31. Candida Roza de Jess,
viuva do fallecido Januario Fran-
cisco lleserra, soldado de polica 800,000
N. .'la. Manoel Ferreira Lopes,
baleado na cxa da perna es-
querda O.UO
N. 33. Jos Joaquim Dourado,
nal do finado Luiz Antonio Dati-
lado i00-00"
N. 34. Francisco Soares da Fon-
seca, soldado do corpo de polica 100,000
K. 35. Jos da Silva Honra, sol-
dado do corpo de policia 100,000
N. 30. Joio ManoeLlJc Mallos,
soldado do corpo de pSIlcia 200,000
N. 37. Joo Baplisll de Freitas,
soldado do corpo de policia 100,000
V 38. (aciano Soares dos San-
ios, soldado do eorpo de polica 100,000
N. 30. Pedro Martins, guarda
nacional do quinto batalho, ba-
leado n.i perna direita 100,000
N. 40. Anna Joaquina do Sacra-
mento, viuva de Antonio Telxeira "
de Miranda 800,000
IV. 41. Clcllia Joaquina Monlel-
ro da Cc.-ia. mai de Joao Moreira
da. Costa 800,000
N. 48. Elir ano Higino dos Mar-
ty res,baleado no hombro esquerdo
N. 43. Tito e Joo, filhos legti-
mos do finado tenente da guarda
nacional de Olinda, tutelados de
Luiz Jos Gonzaga
N. 44. Luiza e Ricarda, lilhas
do finado Manoel Antonio do
Aiiiaral
N. 45. Antonia Maria de Sousa,
mal do finado Antonio Rodrigues
deSouza
N. 46. Cyprlano Correa Lima,
amputado do braco direlto
N. 47. Antonia da Conceicao Al-
buquerque Bello, viuva do cade-
te do sexto batalho de catadores,
Joao Cavalcanlc de Albuquerque
Bello
N. 48. Maria Joaquina de Arau-
jo, viuva de Joao dos Santos c
Araujo
Seus lilhos
N. 40. Candida Mara da Con-
ceicao, viuva de Francisco Jos
Nunes
Seus filhos
Ji. 50. Francisca Severina Perei-
ra, viuva de Antonio Panthaleao
N. 51. Josefa de Oliveira Caval-
canlc, viuva de Simao Antonio
Freir
Seus lilhos
N. 52. Anna Maria Nobrega,
mal do voluntarlo llaymundo Fer-
reira Nobrega
N. 53 Francisca Maria Gala, viu-
va de Francisco Ferreira da Silva
Jnior
Seus filhos
N. 54. Margarda Rosa do Espi-
rito-Santo, viuva dc-Francisco Pe-
reira da Silva
Sua lilil
N. 55. Clara Maria da Lu, mai
do finado Manoel Thoiii de Jess
N. 56. Francisca Candida de
Araujo Cunha, viuva do capilao
qiiarlel-iueslre do priinriro bala-
lhao de cacadores, Amcrico Fer-
nandos da Cunha
Seus filhos
N. 57. Rita Joaquina de Almei-
da. viuva do segundo lente de
artlharla, Narciso Ualiieuse de
Almeida
N. 58. Segundo cadete de Jini-
leiros invalido, Manotl Francisco
Soares
16:000,000
Secretaria do governo de Pernainbuco, 4 d
Janeiro de 1850 No impedimenio do olTicial
maor, Jote Ignacio Soatet de Maeeio.
imasMiian fnmmiisii' n--------r t- ----------"-**~ *-1---
durante a administraco
200,000
200,000
200,000
100.000
200,000
300,000
200,000
oo.ooo
200.000
150,000
200,000
200,e00
250,000
100,000
900,000
100,000
200,000
50,000
200,000
500,000
500,000
500,000
150,000
PEr.NAMBUCO
mmhbh
de V.
Iguel (IcSI'liie ra.majoi Ailionm quaraqum u h''"
Jo Azevedo Baplista, Joo Fcr- jto ilelicada questo.
do, cajiito Umbelino Francisco Senliores: v i da 18
THESOURARIA DA FA/E.\D.V.
Exercicio de 18*9 a 1850.
Aos dous dias do mo'z de Janeiro do 1850,
na casa dos cores da thesouraria da fazen-
da d'esti provincia, estando presentes o il
luslrissimo Sr. inspector Joo Gnncalves da
Silva o os 6enhores contador Jos Victorino
do Lemos e procurador-fiscal interino An-
tonio Epaminondas de Mello, procedeu-se
un balanco da ieceta e de.-peza da mesm i
thesouraria do primeiro seineslio do exer-
cicio do 1819 a 1850, sendo Ihesourciro'o
Sr. Domingos AlTonso Nery Ferreira, n con-
feridos todos os documentos de receits do
numero um a numero 119 c de despeza de
numero um a numero 179 com o livro caixa
o seus auxiliares, danlo-se dous cortes dn
thesoura nos documentos de despeza pro-
porco, que se fram adiando legaes, bem
como os saldos com assommas existentes,
se acbou ludo exacto, sendo o saldo elTecli-
vo conforme os ditos livros caixa e seus au-
xiliares de seiscentos e sessenta rontos cen-
lo e quarenta a oito mil quatrocentos e
dous risf 660:148,402), sendo dez mil Irj-
zentos eoitoris ( 10,308 ) em moeda do
cobr : tnnla e nove conlos quatrocentos e
oitenta e oito mil ris ( 39:488,000 ) em no-
tas ; seiscentos e vinto contos quatrocentos
noventa e nove mil cento e setenta-e quatro
ris ("6'O 499,174 ) em bilhetes dealfande-
ga ; e cento e cincoenta mil novecontos e
vinto ris (150,920 ) em leltras ; que passou
para a receita do segundo semestre do mes-
mo exercio.
E para constar eu, Antonio iMis do Ama-
ral e Silva odlcial da secretara servindo de
secretario no impedimento do ollicial-maior
lavrei o prosenle termo, em que todos as-
signara m. Joo Goncalvet da Silva. Jos
Victorino de Lemot.Antonio .Ipaminondas
de Mello.
COMARCA DE FLORES.
Mu. e Exm. Sr.--Levoa respeitavel pro-
sema de V. Exc. que, lendo sanido desta
villa em 29 do prximo psssado mez de no-
vembro, do marcha para a serra-Negra, de-
pois de fazer todas as indagaces necessa-
i as sobro o estado de deesa e frca d'a-
qucllo ponto, alaquei no dia 11 desto pelas
8 horas da manha, resultando depois de
seis horas de fugo a lomada da mesma Ser-
ra pelas 2 horas da tarde, leudo de lamen-
tar a peda de -quatro pracas moras o no-
ve ditas retidas.
Informando pcis, da ngromidade da es-
trada da dita Sorra pelo lado do Leste, con-
cert! de plano com o delegado desta co-
marca o coronel Manoel Pereira da Silva ati-
car pelo lado de (leste, lugar mais fcil de
subida, apezar de se adiar bastantemente
fortificado cuja aceflo enipenhada resullou
i victoria ds a:mas imperiaes e satisfaco
do sabio e justiceiro governo de V. Exc.
Compro-me, pois, rogar a V. Exc. a per-
missOo de confessar, quo este acto de mi-! tes providencias puiu que seja dito missio-
uba vida militar, d< que me ufano, tives-Juario apartado daquella povoacSo.
se lugar
Exc.
Finalmente tendo hoje recolhido-mo a es-
ta villa da referida marcha, cinjo-ms ao
que cima mencionei, reservando-me para
em oulro nlTIdo expr os oceurrencias da
marcha, seus tronceos c por ultimo o estado
actual dos rebeldes.
Dos guarde a V. E*c quartel do com-
mando geral -das frcas em Paje-de-Flo-
res, em 22 de dezembro de 1849.
Illm e Exm. Sr. concelheiro de estado
Honorio Hermto Carnoiro Leo, pre desta provincia.--Izidoro ioti Mocha do Bra-
sil, capito eommandante geral
Illm. e Exm. Sr. Tonho a honra de par-
ticipar a V. Exc. que havendo eu acompa-
nhado as /frcas sol o commandn do capi-
to Izidoro Jos da Rocha do Brasil as 8 ho-
ras da manha do dia 7 do corrente solfee-
mos ao sabir da Tazenda Pipipam um fogo
da emboscada, do qual resullou a morto de
um gusrda nacional e o ferimenlo do se!",
deixando o inimigo o campa precipitada-
mente.
No dia 10 tendo o capito eommandante
general aproximado-se a Serra-Negra, de-
pois que commigo cnsul ton, ordenou o ata-
queda mesma para odia seguinto No dia
II, pois, hincando mo o eommandante ge-
neral das forensquose achivaiu sftb sua di-
recco den o ataque, que lerminou as 2
horas da tarde, depois de 6 horas de um
vivissimo fogo.no qual pereceram quatro
pracas e nove feridos, inimiso desalojou
a Serrn em completa debandada o com a
maior precipitaco, deixan to no campo di
aeco muitos vestigios de teren lido perda
de gente. Tendo sido a S-.-rri explorad i nos
dous dias snguintes por fortes partidas e
no Inven lo nada mais a fazer-sc, depois
de inutilisar-so as forlificacoes, seguimos
para a povoaQo da Floresta, ondo nada en-
contrando, recollioram-se as frcas esta
villa no dia 22 da correle, visto no haver
mais alimento para sustenta-las naquellas
paiagens.
Cumpre derlarar-se a V. Exc. que o com-
mandante general preslou-sesemprea lem-
po a todas as minhas requesicoes o ih ac-
qo com muita bravura; sssimeomo o t.
nenie Jos Aurelio do Moura commandaiile
da guarda avancada, que alm de sustentar
o fogo a pcito ieicoberlo por espaco di 6
boas, porlou-se sempre com una eora-
gem, bravura c pericia do um verdadeiro
militar.
O tenenle-cornnel Siropliclo P.-reira da
Silva cxeculoii calialnienle a misso de que
se encaregou ; por que atravcssanlo os de-
serlos c penhasros da Serra, prtleas 2 ho-
ras da larde achar-se na retajuar.la do ini
migo com 28 paisano-i, c isto b.istou para
que olitivessemos 0 fim d.'snjado ; o ossim
mais todos os senliores olliciaes que bem
desempeiibaram os seus deveres. De milita
eonsideracSo Mram os trricos presta los
pelos alferes Anido Nunes de Magalhes que
commandando urna linda defendeu com a
maior bravura a retaguarda da nossa frca-
Os servidos prestados pelos tenente-coronei
Fraiici-ci) Miguel deSi-jue ra, uijoi Antonio
Bernardes d
reir do I'rad
Nogueia de Carvalho, major Clirislovo Jo
s de Campos Barbosa, major Pedro Pesso
de Siqueira Campos e Antonio Simplicio
Pereira da Silva, que com os seus amigos e
prenles so prestaram para semelliaito
mardi i, trocando as delicias do repouso pe-
las fadigns da guerra, so memoraveis ; poi-
que tu lo sacrifica rain em prol do restabole-
cimenlo da ordem publica. A frca do Ala-
goasqueV. Exc. por sua s.tbia deliberaco
mandou estacionar cm Tacaral, com quan-
to fi.i assislisse ao ataque, todava milito
nosutilisou, em consequencia de terdeal-
guina forma dilIiculUdo os mcias rcbsl a,
e por um incidente apena-i pode reunir-sc
nos dous das depois d acco. No tendo
silo |.os-ivel caplurar-se os faccinorosos
que se ac'ia.am na ncpo Francisco Barbo-
sa Nogueira Paz, los Rodrigues de Moraes,
Jos Antonio Pereira e outros por se terem
evadido; julgo do meu vigoroso dever pon-
derar a V. Exc. queso torna inlispensavel,
quo em Tacaral continu a destacar urna
lrca, como a que veio de Alagas, para a
perseguirlo dos mesmos, nn caso de que el-
les poraOM ImedacOesapparcQo, como be
dcsup|(*ir; e eu sflanco a V. Exc. que screi
assiduo em persegui-lus em qualquer parte
desta comsrea onde me conste ellesesle-
jam, o que no fiz quando em ddigonci-
pela raso dse lor acabado todo o mantia
ment, e terem cansado quasi todos os ani
maes.
Levo finalmente ao conhecimento do V.
Exc, que das iniedinc^es da provincia do
Cear com as desta marciaram 40 homeiis
capitaneados por Fortunato Je tal guarda
costa de Fr. Caclanode Gralirri Misionario
Itarbadinlio na povoaQo de .Milagros pro-
vincia do Cear o por Francisco Brasil os
quaes tocando no lugar denominado Penha
distante da Floresta 9 a 10 legoas e saben lo
da debandada dos facciosos da Serra-Negra
a favor do quem se dergiam para o termo
de Tacaral se liouveiam de dispersar. Es-
te revoltoso religioso desobediente aos cha-
mados dos Exms. presidentes antecessores
de V. Exc, aos do Exm. hispo diocesano e
aos do seu proprio prefeito acha-se ein re-
feridas imediacGos, pregando doulrinas In-
fernas ao governo legal, eilludindo os in-
cautos. Informado estou que sobreditos
homons so inderessavam a aquello termo
em soccorro dos rebeldes por InsinuacJJo
delie : entre lamo rogo a V. Exc. terminan-
neos guarde felizmente a V. Exc. delega-
tura do Flores, 24 do dezembro de 1849.
Illm. o Exm. Sr. concelheiro de estado
Honorio Hermto Carneiro Leo, presiden-
te da provincia.Vannel Pereira da Silva.
illtin DE reIMUDCO.
acetre, 6 de Janeiro di IS&O.
Peto brigiiRVot'o-Fenreno;' chegado hoje
de Lisboa recebnos varias gazetas portu-
guezas, as quaes alrancam a 30 de novem-
bro do ann i prximo passado.
Portugale llespanha.
Estes dous reinos liciram em perfeito so-
cego. Em ambos linliam-sectTeituado com
regularidade e na melllur ordem as cleicOes
municipaes, saliinlo tiiumplianto por to-
da s pule a chapa moderada.
ti governo porluquez ia empregan lo pa-
ca vez mais assiduamente a sua attenco
nos negocios da nd ninislraco e fazenda.
O tribunal do tliesouro publico tinlia sido
reorganisadd, asninas euhlicas toem rece-
hidoalsum impulso c finalmente O crodlto
vai mellioran lo.
O concelho desande publica de l.isbi
or meio de un cdital fez saber que eram
havidos ptrjifcion'idns do cholera os portn
las ilhas deElba o Corsega c que ermn con-
siderados swpeitos lodos os pnrtos de Italia, comorehciididos entre a Franja o
o reino de .\' A sessSo das cotes hespanholai fra de-
clara la bberta no dia 30 de outobro.
Ni sessfio do senado do da 31 do mesmo
mez, o senador Penna Aguayo, oblendo a
pal v a diese:
o Stnhorcs: D'pois dos incomprohen-
siveis ncontecimoiitns da noite do 18 para
19 do crrente mez no lem cessado os boa-
Ios de crise ministerial, repetidos no s
na imprensa, como tambera nasconversi-
coes parliculares, pondo ludo em estado de
desasocego tul, que pode dar logara gra-
ves consequencias. A" vista do que. e a-
clian lo-s -i ibertas as cama.is, enten lo qua
o governo devera apressir-se aded-irarso
ot ditos boato* lem alguin fundamento, ou
se, pelo contrario, so obra da malevolen-
cia, ou taires, empregados como arma do
partido. -- .\este CUSO o unimos socega-
riam s^ soubessem que os ministro-i da co-
ra conliiiuivain a merecer a confian? de
S. M. Se o governo nao lem inconveniente
ilgum em responder a esta pergunta, dar-
me-hei por salisfeilo de concorrer para a-
ea | ni ara inquietacn publica.
O duque de Valencia, presidente do con-
celho de ministros, diese :
.Senliores: --l.cvanto-mo com o maior
prazer para ter a satisfaco de responder
iiiterpellacodoSr Penna Aguayo. Jul-
go que me no so.- preciso oecupar por
muilo lempo a allenfSo do senado, para
que S. S. fique satisf ilo, e lodos os demais
senliores senadores, e Umbem para acal-
mar essa nqiiietacn ceral a que se refero
o senador mierp'-liante, e lazer cessar
quaeaquer dovidis que possa haver sobre
do corrente houve
bem fundados moiivos para crOr que o go-
verno nSogozava daconfianca deS. M. Jul-
guei logo do meu dever convocar os meus
dignos collegas, para concordar no modo
orno deviamos proceler, porquo todos os
que formamos o gabinete temos a convic-
cin seguimos o principio de que no go-
verno lopresenlativo no se pode governar
scni n omnimo da confianca o o decidido
apoiodeS M. Fndalos nesta crentja re-
solvemos unnimemente entregar nessa
mesma occasio as mos da rainlia a de-
misso dos cargos de que estavamos incum-
bidos.
i Uirigimo-nos, portanto, a camarade
S. M., o e'tieijamos respeitosamonte as
suas reaes mos a nossa demisso. S. M.
dignou-se aceita-la, o usando di sua real
pierogativa nomeou o ministerio que Ihe
approuv. Estes successos so de todos co-
ubecidos. O que a imiii me cumpre dizer
agora lie que no dia 20 ti ve a honra da ser
chamado por S M. que so dignou manifes-
tar-me o desojo de que me encarregasse no-
vamente de organis ir o ministerio a que eu
tivera a boiua do presidir do mesmo modo
que se schava constituido. Ti ve eoto a
honra de dizer a S M. que Ihe agradeca
ein nome de todos os meus collegas, porm,
que Ihe supplicava chamasse outros ho-
mens dignissimos que a na cao conta, para
formar um novo gabinete, pois que eu es-
lava convencido de que os ltimos aconte-
ciroenlos tinham enfraquecido o ministerio
quo S. M. queria outra vez encarregar da di-
recco dos negocios pblicos.
S. M. insisti cm que se reunissem ou-
tra vez os anligos ministros, e posto que
novainentp'lhe expozesse a conveniencia de
chamar parle d parla-nenio, ou mcrecesseiii por
qualquer motivo a conlianca dacora; e
Ihe nianifestasse que achando-se dentro
em pouco abortas as cmaras, teria S. M.
ocrasij) de nomear um gabinete que valio-
samente servisse o\throuo promovendo os
interesses do paii. ]S. M. tornou a insistir
em que se constituirse novamente o minis-
terio a que eu tivera a honra de presidir.
Julguoi desde entilo que no devia instar
por mais lempo no meu pensamenlo, at-
lendendo terminante volitado de S. M.. ao
estado do paiz, e aproxima abertura das
cmaras. Convindo tambein os meus col-
logas as rasos que ac^bo de expender,
concordamos em ollerecer os ossos ser vi-
cus a S. M., dccluraiido-lti que eUvuuio*-
K/lPTi unP PYF^/IPI AR FMrnMTRAno


sempro promptos pora emir o tlirono, e
promover os inte.resses na nacfio. S. M.
rom visiveis demonstraces de jubilo, ru-
bricou os decretos, nonisprido os ministros
uno lem a honra de so adiar no senado,
llonve depois, senhores, o ioatos a que al-
indo o Sr. Penna Aguayo. O governo teve
noticia deilcs, e firme "no proposito do nao
dirigir o le me do ostadosem conlai com a
completa conlianca da cora, seapresen-
lou honlem noile aS. M. para llio mani-
festar que nos, os ministros, mies de apre-
sentanros aos corpos legislativos os traba-
llios que lindamos preparados, desejavamos
ouvir dos seus reaes labios palavras que
nos assegurassem que S. M. continuava a
ter-em nos conlianca, mas que no caso con-
trario, se S M. entendessr que oulros
quarsquer homens podia.n servir melhor a
causa publica, ou de sua augusta pessoa,
so dignasse nomea-los, porque nos Ihe pro-
metamos, os que somos senadores no sena-
do, eos que somos deputados na cmara
popular, apoiar o gabinete qne houvesse
por bem noniear, para que elle podesse
com o nosso fraco auxilio satisfazer aos fins
a que 8. m. se propunba.
A rail.ha se dignou di/er-nos repetidas
vezes que tinba toda a ronfianca eni nos ;
quedesrjava quo ronlinuassemos a estar
lenle dos negocios lo estado; e que as-
siin o podiamrs ssseverar iin loda a parle,
e no pioi rio senado. Fram tilo gratos pa-
ra nos os signaes de apreco quo de S. M.
recebemos', e liio manifesias as demons-
traces que devenios ao seu maternal alTec-
lo, que tslamos cellos de que quaesquer
homens, |or mais melindrosos que fssem,
dirimo como nos agora o dizemos, que pos-
suimns a coiiflanca da rainlia
Nestepie>uposlo, ecom to grala con-
vicio nos apiesentao.os s corles, e rugi-
mos lano aos senhores senadores, como
opporlunac ente o taremos os senhores
eputados, que ponham de lado qucsIOes
asiereis, para lixarem a altenciio as quis-
lOes graves que o governo vai apresenlar,
e que seriio > objecto dos trabalbos da ac-
tual legislatura. [fem! mwlobtml apprn-
rarSo geral.',
OSr. Tenna Aguayo: Dou-mc por
satisfeilo com as declararles do Sr. presi-
dente do roncell.o de ministros; e muito
Oais (erque eslou bem cerlo de que 0 psiz
e congratular ao saber que existe boa ar-
nonia entra os elevados poderes 8o estada
Na Otarla de Madrid l-se a seguinle nolicia:
O governo de S. M. recebeu a f xposico se-
guinle :
Denhora Os abaixo assignndos. chefes e
tilliciacsdo exercito, separados das lileiras por
dillereule causas poliiicas, filhas dos distur-
bios c cuininucors i|ue deigraeadamente teem
aguado o pala em diversas pocas, sincera-
mciitc desejosos de servir a causa de V. M. e
di nossa patria apressaino-nos a oficrecer o
ii.iii.lio da nossa lealdade a V. M- c ao seu
governo.
ii Nos, scnhoia, nao queremos ser causa de
dissideucias polticas, ncm de oppnsico ao go-
verno ; desrjinos siui a revalidadlo de nossas
patentes, e voltar ao servico, una vez que dis-
to |xissa vir provrilo ao tliiono de V. M. e aos
interesar! da naci, mas por meios legaes, e
uo pela exigencia de partidos, contra a qual
nos apressmus a protestar J be lempo, se-
nbura, de nos deixarmos de polmicas apaixo-
n.iil.-i-, Nata queremos drver a este genero de
Itiestocs : tildo espern/os da bondade de V.
Al., e do modo como uo.s queira considerar o
VQSto Ilustrado governo.
Sabemos j que a lei do soldado he o exac-
to e ponlual cumplimento du regulamento mi-
litar, r a cega obediencia ao legitimo governo
de sua patria. Esta vereda, apoutada pela
honra, e pela nossa inslilui;ao, lie a que que-
nos seguir, sein que tenham frca para nos
ncawqaa
. Agora que os processos acabaran), e
que as sntencas silo j condecidas de todos,
iifm deixar de causar inlcresse o saber-se
que rfleilo produzio este acontecimento no
animo dos habitantes de Paria. Gcralmen-
le fallando posso rsseVerar-vos que o son-
Imu niu aqui mais dominante he o dain-
differenca. Umesmosucccdeu durante to-
do o processo, sendo o que mais se desejava
quo esto quanto antes acabasse. Omaior
inieiessc que so notou foi na aproximaco
do dia em que se devia pronunciar a sen-
tenga. No parecia haver aqui grande du-
vida sobre qual seria a dreisflo do jury, mas
ninguem julgava que o tribunal tivesse a
suflicientecoragem para impura maior pe-
na da lei a homens que n.to linham queri-
do del'ender-se. He muilo de crr que os
reos se persuadissem de que a sua recusa-
do intimidara o jury, ou que Ihe excitara
escrpulos, modilicando-lho ossentimentos
a ponto, seno de os absolver, pelo menos
por t i ni destruir a ordem social, devo ser
mais activa a parte que nellas tomem as
autoridades administrativas, o mais inten-
sas e imperativas as suas operaces. Silo
ellas entilo os primeirossoldados di orJem,
que Ibes cumpro defender com energa,
procurando mante-la com intelligencia e
ussiduidade. A resistencia its tentativa da
anarchia n3o he a reaccSo contra o progres-
so; lio pelo contrario conservar-llie aberta e
desempedida a estrada, e encaminlia-lo ao
seu verdadeiro lim, A poltica do governo
da repblica tem duas condicOes essen-
ciaes, (iimesa na execucilo das leis, e pru-
dente.-Ilustrada prnlecco a todos OS in-
leresses.
iaa
JoJo de 44 toneladas, capillo Manoel Jos
llaptisla, equipagomO, carga varios g-
neros ; a Novis & C. Passageiros, 8 es-
cravos ladinos a entregar, Claudio Falcfio
Das, Miguel da Costa Dourado, Antonio
TaVares de Mello.
EDITAES.
seguiris formar a identida de miras e ten-
dencias que Ifio necessaria se tornam 4
obra da defensa e sal vacilo que estamos en-
de Ihesdarem um triumphn d im tro gene- estregados de levara cabo. A activa e vi -
Pela inspectora da alfsndega contra-
tase a encomenda de 30(i libras de zinco
em folba, para coberta do terceiro lanco da
ponte da mesma alfandega : as pessoas que
quizerem contratar dirijam-se a sobredita
He por'meio de uleise patroli- repaitcioas horas do expediente, al odia
eos esforcos, taes como os que exijo do vos-[ 8 do correnlo.
so zelo, que allisUres as bandeiras dol Alfandega de Pernambuco, 4 de Janeiro
governo lodos os amigos da ordem, e con-|de 1850.O inspector, Imz Antonio de Sam-
ro sobre o tribunal o o governo
O jury proceden com coragem e honra.
.Noiihtiii.ii dissedenca botive nelle, e a sua
dccisn assentou em Tactos evidentemente
provados. Olhou elle os reos, mo como
hroes e marlyres dos principise descul-
paveis pelo seu mal entendido patriotismo,
mas como criminosos incorrigives e obrou
neste sentido.
i. Comodisse, a curiosidade do publico s
se despertou na occasifio em que se pronun-
ciou a sentenca Pelo amor a ordem e
paz l o,\ e grande satisfazlo em ver quo o
governo tiuha bastante torca para assegu-
rar a execuc3o das leis. As classes mais in-
gilanle cooperarlo que eu confiadamen-
te espero de vos, exigiris vos tambem
de todos os fuiccionarios quo estilo sdb
vossas ordens. Alcanzareis isto, Sr. pre-
feito, de lodos os bons cidadSos, quando
o amor da patria, e o dos seus proprios in-
teressesos collocarem em torno da aulori-
dade foates e vigilantes. He necessario que
o impulso seja geral, enrgico, e bem sus-
tentado para.produzir bom effeito. Temos
para isso exemplo no procedimento do ca-
beca do governo que tilo' alta e firmemente
tem mostrado que senflb esquece de uma s
das obrigafOesquelhe impOo o seu manda-
to popular. A vereda quo elle nos indica
le mil s dopovo estao avesadas a olharos com seguro inslinclo do patriotismo he a
reos, o particularmente os julgados por!me",or: n3 hesitemos em a seguir como
causas polticas, como victimada oppres- e"e-. Acha-lo-hemos sempre corajoso e
sflo. Achoque o senlimenlo que mais pre- perseverante. O nosso maior premio sera
desviar uo nosso ruino as paixes que infeliz-
mente se aecenderam na nossa patria.
u Icos iidssos serviros tem alguiu valor nos
campos de batalha, det'endendo o tlirono de V.
II. c as iiistitu.crs, se algtitna cousa vale a
sinceridade da nossa resoluto, dignr-se V.
II, accrita-la com a maternal beuiguidade, .-i
qtul nunca recoririn em vo os lirspanliocs.
Aoude quer que o socigo publico se veja
llUlcacado, aonde quer que se conspire contra
o governo de V M. abi voaremos como bons
hespaiihors, desejosns de nos acredil.irinos na
huta d.i ordcn lonlra a anarchia 1,'c boje
vaute nao bavea dissences entre hespaiihoes;
nein c.'ilainidades ou desgracas, e nein tao
pnuco sirvamos de objecto de reeeios era de
esperancas. Servir bem c liomad.iuiente o
ihrono de V. M. uo posto que o governo nos
designar he a nossa nica au.li <;..(.__No en
lauto viveiemos alaslados doi disturbioitr agi-
tacoes da poltica, cuino compre a homens que
abracaran! a nnbre e honrosa carreira das ar-
mas. Oceo, senhoia, guarde a preciosa vida
de V. M. por dilatados anuos, para bem da mo-
narehia.Madrid, em 10 de novembro de
iS-40(Segueiu-se ltjb' a-signaturas )
i Km cunst-queiiria disto, des'-jando o go-
verno evitar quaesquer equlvocacoea, ordeoou
ao capito-geiirral de Castella a Nova que reu-
nase os offuiaes ijne assignaram aquella expo-
sico para se informar da exai tidiio das firmas,
e saber o que den causa mcsina exposicao.
K teudo-o este general assim cumprido, con-
cluida a leitura do documento, todos os indi-
viduos a^sigllados nelle declararalit uu.-iiiiiuen-
tr estr.tein cuufornii-s com o sen conliifudo,
disejaudo prestar patiia os servicos que po-
dereui para a uiaiiutencao do tbrono da rai-
nba, c des interesses naeionaes. iapilaoge-
ndal mandan lavrar dito a coiiipctcnlc acta
(segue-sea acta).
Km vista do que botive a rainha por bem
resolver que dos olliciaes que assignaram esta
exposicio, os que loraui eli'ectivaiiiente desli-
gados por motivos siinplesmeiite polticos, li-
queni desile ja declarados aptos para eulra-
reln nas Oleiras, e de posse dos posto e em-
pregns que Irgitimamenle exerciain noexcrci
tu, ou na reserva quando occorrerain os snc-
cessos polticos a que se refeiem ; cumprindo-
iln i operar na dUpouibilidade ciu que le
acham a sua collocacao no exercito. Pelo que
ll respeito ansque tendo assignado a exposi-
cao so acham ein il i i rente caso, toinar-se-hao
n-ii'i t li. s a* cuiivciientes providenciai. ;;
Franfa.
Nada de extraordinario havia occorrido
ueste paiz.
O tribunal de Versalhes havia concluido
os seus trabalbos no da 13 de novembro.
rOiaiu cnndeniiiailus a degredo os seguin-
tcs individuos acensados pelos aconcci-
mentoi de junhojChiprun, Andr, ufelix,
Napolen Lebon, Ungois, Paya, Daniel La-
nui/ire, sargento commissano ( represen-
tante do poro ;, Maguo { idem ), Pilhes
dem), Fargin Kuyolle (dem;, Boch fidenij,
Vautier (dem), evillo ( dem ), Gambon
dem ), liuinard ; coronel da guarda nacio-
nal e Sclunit. I'ra.ri cotdemnados a cin-
co anuos de priso os seguintes; Suchot ( re-
pruseulan'e do povo ), JUooib o Krambou-
tel lie Chalandar. Unze fram absolvidos.
I.io que, segundo o Mario do Governo,
se II a respeito Ueste julgamento no Tima
valcce he do temor. Todos veem que o go
verti, assim como no receou persegur ho-
mens taes como Cunard, e seus compa-
hhoiros, cujo caiacter de representante do
povo os inio subtrahio ao devido castigo,
muito menos rercar de adversarios-de
mais balso cothurno.
Dntreosdo partido ultra-vcrmelhoo so-
Cialisla- -reliquias dos comliatentes de ju-
nhude 1848 ha um prazerselvagem de ve-
rem homens como Cuinard e outros agora
punidos, lendo-os antes combalido nas bar-
ricadas. Tant pU pour uiil a Cien meril
he como seexpressava um homem vesti-
do de camisola, que eslava honlem, junto
aporta de silo-Mu linbo e que fallavu com
outros da sua laia que o cercavam. Cum-
pre ter piesente que Cuinard foi ferido na
cabera nas bairicadas de junho.
Foi esta a mpressSo que o processo cau-
sou.
ntreos presos ha alguns como Cuinard
e l.ebon, por exemplo, que nSo he a pri-
meira vez que apparecem ante o publico
nessaqualidade. Qualquer mrito que te-
nham homens que por longo lempo apren-
deram a arte de conspirar ', e nilo ha dtivida
de que ronsideram este acto meritorio) ,
pode ser por clles reclamado Codefroy Ca-
vaignac irmao do general) Cuinard, Ar-
mand Marras!, Lebon, Vigucrti, l.andolphe,
Cliilman. Granger e Picbotincr, s.lo bem
conbecidos como pessoas quo fguraratn no
procesto monslro de abril de 1833, julgado na
cmara dos pares.--Enl3u, como agora suc-
cedeu, protestaiam conlra o serom oflicial-
mcnlc defendidos por advogedos nomeados
pela justica, visto no desigaaiem elles pa-
ra sua defensa homens de profissiio o habi-
litados pela leiA sua fuga em muio do
un siini auno e qnando o processo anda no
eslava concluido, nflo he o incidente menos
dramtico que a Uiiloria dos Dez Annos
nos record.
Vou agora dizcr-vosalgumaspalavrasso-
bre o futuro deslino dos presos. O bil so-
bre degredos apresentado pelo ministro de
u-tic.i na segund^-feira ultima a assembla
nacional declara, uo 6 artigo, que a lei
no lera effeilo retroactivo. resultado he
que a 11lia d.- Mayolte, ou qualquer outro
presidio prximo, mencionado no decreto
ii.'io ser o destino para os actuars presos.
I'ala-se poim em mais de um ponto desig-
nado para recluso delles, como Purto-
l.ouis, lllaye e Claimux.--Port-Louis he
um pequeo e bem conlieciiln deposito mi-
litar ou cidadella, que defende a entrada da
t iloresca baha de l'Orieute no Morbihao,
na costa occidental da Franca.--A posi;3o
he muito ap.i-.dav..I, oclitna muito sadio,'e
o sitio ameno. L'Orient he obra da com-
panbii das Indias Orieiitaes. Blaye, no
Caronna, distante algumas leguas de Br-
deos, he bem conheciJa por conter o cas-
leil i aonde a duqueza de Berry esteve pre-
sa depois da sua apprchens.toem Manes,
sol) a guarda do fallecido tnarechal liuge-
aud.
Clairvaux he celebre uo mundo pelo
seu famoso mosteirs de benedictinos, do
qual S. bernardo foi o primeiro atibado.
I.sla situado n'um \alle prximo a um bos-
que. Os edificios que formavamesU abba-
dia estao hnje con vellidos em prisfl'.'s.A
cidado apenus conlm uns 1,000 habitantes,
e dista tres leguas de Bar-sur-A'.ibe, cabeca
dedistiieto. lie todas estas pracas, a que
tem maisprobaliilidadede serescolhida he
Purt-I.ouis.
*A sentenca do tribunal a respeito dos
reos fgidos, pronuuciar-se-lia amantiila.
Dizem-ine quo baver a formaliilado que se
praticou no tribunal superior de llourges.
Mr, Ledru Holln, sargetito lloichot, o ou-
lros que fugiram do Conservatorio no da
l3dejunhode 1848, nada teiflo que inve-
jar gloria quealcancaram Mr.Louis-Ulanc,
Canssidiere, etc., cujos nomes serio expos-
tos no pelourinbo publico na prac,a de pala-
cio de Justina. A cxposicSo venlicar-se ha
provavelmente por toda esta semana.
0 Uoniteur publica a seguinle circular
em dala de II de novembro dirigida pelo
ministro do interior aos prcfeilos depar-
tamentos
Sr. l'refeilo.--\\o do dever do governo
exigir de lodos os fuiccionarios a quem
presta confianza, a mais enrgica e sincera
devocjio causa da ordem. A ordcni faz
rc.-p. ilar em loda a partea auloridadu, d
seguranga as pe-soas, Iraballio, proti-cffio,
c nlianc-i no tullir", e liberdade dentro dos
lmites da lei. Em lempos bonanzosos,
em que as cuusas seguem o seu ordinario
curso, podem as autoridades administrati-
vas, revestidas de elevado poder, olliarcom
uma especie de neulralidade para as lulas
polticas, comanlo que as ideas eduutritias
se esponham pscilicament>'. Porcn nos I
lempos de grave convulsOes em que estas
coiivin;."io de haver cumprido com os
nossos diilicieis e imperativos deveres, e a
gralidiio de uma sociedade cujos adversa-
rios augmentan) em numero e violencia,
na ras&o da flaqueza lie.sitac.3o dos que
governam. Ficai cerlo, Sr. prefeito, que
as provas que der-des de devoco causa
da patiia seriio linlmente enumeradas, ao
presidente da repblica, que muito aprecia
es servicos prestados Franga, senlindo
sincera alegra quando se Ihe oUerece oc-
casiSo de os premiar, desejo quo me deis
conliecimento, no mais curto prazo possi-
vi i,da vossa opiinao sobre o estado das cou-
sas no districio que governaes, das neces-
sidades quo se tem manifestado, e das pro-
videncias que julgacs necessarias para for-
talecer a autoridade.e proteger a ordem tilo
tiecessurta liberdade o prosperidade do
paiz. Iterebei, Sr. prefeilo, os protestos
da ininlia conciderac^to.Fernando barrot.
COtifflEKC.O.
ALFAISUECA.
Hendimento do dia 5.....
CaNSULAO GEBAL.
Rcndimeqto do dia 5.....
Diversas provincias......
9:G58,6I0
1:916,024
41,682
1:957,706
CONSULADO PROVINCIAL.
Hendimento do dia 5.....1:339,203
PIIAQA DO ItECIFE, 5 DE JANEIRO DE
1850, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios As Iransacces da semana
foram diminutas, e conti-
nen a 27 3|t d. por 1/ rs.
Assucar- Vcndeu-se de 1,950 a 2,600
rs. por arroba lo branco
eusaccado e embarrica'do;
e a 1,600 rs. o masca vado;
O etica xado nao leve preco.
A entrada do ensaccado
foi regular, e do encaixa-
do apenas tivemos 18 ca-
xas.
Algodilo-- Os presos fram os mesmos;
"nao leudo ha vi,lo entrada
em cousequencia dos dias
festivos.
Bacalho Relalhou-se de 8 a 9,000 rs.
por barrica, e llcaram por
vender 7/rs. por barricas.
Girne-secca- As vendas fram diminutas,
e os presos fram os mea-
mos da ultima rcvisla, sto
he, do 1,600 a 2,600 rs. por
arroba. Ficaram em ser
90,000 arrobas.
Farinha de trigo O mercado est sulcienle-
ni.ule prvido, por quanto
Pica hoje em ser I2,5i>0 bar-
> ricas. Os precos vacila-
ra m ile 14 a 20,000 rs con-
forme a qoadade,
Existem no porto 97embarcaces, a sa-
ber: 2 americanas, 1 austraca, 40 brasi-
leas, I belga, 4 dinamarquezas, 3 france-
sas, I hcspanhola, 2 hamburguezas, 1 ha-
iioveriana, 1 kenupausiana, 1G ingle/as, 1
prussiana, 5 portuguesas, 10 sardas e 9 sue
cas.
.t o vi me uto do ikorlo.
Navio mirado no dia 5.
Antuerpia 46 das, barca ingleza F.liza,
de 241 toneladas, capitilo John Domadle,
equipageiti 12, carga lastro ; a Le Bretn
Sctiranun & C.
Aito sahido no mismo dia.
Cenova polaca sarda Telgrafo capillo
Joan laptista UoniTigo, carga assucar.
Baitimore Patacho americiino Virginia,
capiUo ICdward Cooper, carga assucar.
Pluladelphia Barca americana ttnvral-
Jeseij, capiltlo William B. Tisher, carga
assucar.
favios entrados no dia 6.
Lisboa34 dias, briguo poituguez Novo-
\enctdor, do 164 toneladas, capililo Anto-
nio Jos dosSaulos Lapa, equipagemi3,
carga vinho o mais gneros; a Thomaz
de Aquitio Fonseca & l-illio. Passageiros,
Joaquiui Mauricio Wauderley e seu criado,
Jo.ui Francisco Carneiro Monteiro, Jua-
quim Silverio de Souza, Joaquim Fran-
cisco da Rocha, Cregorio Paz do Amaral,
Jos Izidoro Pureira dos Res e seu ir-
m.io Francisco Mximo Pereira dos Rois.
Rio-de-Janeiru 22 das, tingue sardo Ca-
tharina, de 203 toneladas, capi(2o Angelo
Cello, equipagem 12, caiga lastro;
paio Harina.
Olllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia,
de 20 do crrenle, manda fazer publico que,
nos dias 8, 9el0 de Janeiro prximo via-
douro irio praca, perante o tribunal ad-
ministrativo da mesma thesouraria, para
serem arrematados a quem por menos li/er,
os concertos da ponte do Caxnng, sb as
clausulas especiaos abaixo transcriptas, e
pelo preco de 419,320 rs.
As pessoas que se propozerem i esta arre-
matarlo, comparecain na sala das sesses
ao sobredito tribunal nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constarse mandou allixar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 27 de, dezembro de
18490 secretario, Antonio Ferreira da n-
nunciacio.
Cl JAULAS ESPECIAES DA ARRE-
MATACA0.
1.' As obras do concert da ponte do Ca-
sanga seriio feitas de conformidade com o
ornamento aprovado pelo Exm. presidente
da provincia, e pelo preco de 422,210 rs.
2.a As obras principiarSo no prazo de dez
dias e seriio concluidas no de trinta dias,
conforme determinan! os arts. loe II do
regulamento das arremataces de II de ju-
lhodel843.
3.' lodosos materiaes seiilo previamen-
te examinados pelo engenheiro; e, approva-
dos, lavrar-se-ha um termo.
4.a O pagamento do importe da arremata-
{So realisar-se-ha depoisde concluida toda a
obra.
5.' Para tudo mais que nSo esliver deter-
minado nas presentes clausulas seguir-se-
ha interamente o que dispe u regula-
mento das arremataces de 11 de jullio do
1843.
Ilecifo, 24 de dezembro de 1849.O enge-
nheiro do termo do Recife, Jos Itamede Al-
ves Ferreira.________
BM ------
Declara^oes.
Pela inspectora do arsenal
demarinha se convida a todos os
individuos livres, at o numero de
5o, que se quizerem empregar co-
mo serventes nas obras do mesmo
arsenai e nas do melhormenlo do
porto, a se en tendere ai com o res-
pectivo inspector, o qual, em vir-
tutle de ordens do Kxm. Sr, pre-
sidente da provincia, llies gamite
a iseneao do recrutamento, em-
quanto s oceuparem electivainen-
te nessas obras ; sendo o jornal a
dar-se de 64o rs. por dia.
Jos Narciso Camello, juiz de paz em
exercicio do primeiro districlo da fregue-
zia do SS. Sacramento do bairro de S.-An-
.tonio desta cidade, conliuuar a dar au-
diencia nas tercas e sexlas-feiras de todas
as semanas, sendo das uteis, na casa do
coslume, pelas duas horas da larde, e est
prompto a despachar todos os dias que f-
rem de trabalho, das 8 horas da manbSa as
4 da tar-'e, na casa de sua residencia na ra
da Cadeia do S.-Antonio, n. 15.
-Jos Francisco Marinho acha-se no
exercicio de juiz de paz do segundo distric-
lo da freguezia de S.-Fr.-Pedro-Goncalves ;
dar audiencia na casa de sua residencia na
ruadaSenzalla-Velha, n. 140, segundo an-
dar, em todas as tercas e sextas-feiras da
semana, que nSo forem dias santos, polas 4
horas da tarde, e despachar em todos os
dias ubis.
Antonio Maiimo de Barros Lsite nro-
fessor jubilado na primeira cadeira pblica
de primeiras lellras da cidade do Goianna,
faz sciente ao respeitavel publico que se
acha presentemente mudado pjra esta ca-
pital, e a sua residencia he dentro do Re-
cife, na ra da Cadeia, n. 40, primeiro an-
dar, onde ai continuar no mesmo magis-
terio ; porm particular, e por isso convi-
da a lodos os Srs. que quizerem educar seus
filhos, que nSos recebera alumnos exter-
nos como tambem internos.
onde se ellos acham venda pelos precos se-
guintes :
l'rimeira ordem.
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignanles de 9 recitas, cada uma
3,333 rs., 29,997 rs.
Hilo para 6 rccitis, cada uma 3,500 rs.,
21,000 rs..
Dito de frente da mesma ordem 7,000 rs.,
Para .signantes de 9 recitas, cada uma
5,000 ris, 45,000 rs.
Hito para 6 recitas, caa uma 5,333 ris,
32,000 rs.
Segunda ordem.
Camarote.de lado 6,000 rs.
Para assignanles de 9 recitas, cada uma
4,166 ris, 37,494 rs.
Dito para 6 recitas, cada uma 4,560 ris,
27,000 is.
Dito de frente da mesma ordem 11,000 rs.
Dito para 9 recitas, cada uma 7,500 ris,
67,500 rs.
Dito para 6 recitas, cada uma 8,000 ris,
48,000 rs.
Tereelra ordem.
Camarote de lado 4,000 rs.
Para assignanles de 9 recitas, cada uma
2,166 ris, 19,494 rs.
Dito para 6 recitas, cada uma 2,500 ris,
15,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 5,000 ri.
Dito para 9 recitas, cada uma 3,333 ris,
29,997 rs.
Dito para 6 recitas, cada uma 3,500 ris,
31,000 rs.
Os bil heles de pa lea para 9 recitas 7,000
Ditos para 6 recitas 5,000 rs.
Camarotinho de bocea para 9 recitas,
cada uma 3,000 res, 18,000 rs. "rjs
Dito para 6 recitas, cada uma 3,500 ris,
15,000 rs.
Varanda, 500 is.
As assignaturas socio pagas adiantadas,
exhibindo recibo a direccOo.
0 theatro estar decentemente ornado.
Principiar dverlimenlo s 8 e meia
horas da noilo, com a chegada das autori-
dades.
N.II.Durante as mencionadas nove reci-
tas se represenlar&o os muito applaudidos e
ricos tres dramas pastora que lauto embel-
lezaram aS representases da sociedade
Natalense ; sendo intermediados de novas
dancas campestres, grupos, pas-de-deux,
arias, entremezes pastoris, etc.
Repar(i$o da polica.
Illm. e Exm. Sr.Participo V. Exc. se-
gundo as communicaces hoje dirigidas
esta reparlicilo, que fram hontem presos :
ordem do delegado do primeiro districlo
do termo desta cidade, o prelo Luiz, escra-
vo de Joo Stuart, por assim o haver pedido
O respectivo senhor: a ordem do subdele-
gado da freguezia de S.-Antonio, Cuillier-
me Lopes das Neves, por correcc5o ; o es-
cravo Jos, sem que o motivo me tivsse si-
do declarado.
O mesmo subdelegado me particirou,
que tendo denuncia do que haviam arrom-
Indo o primeiro andar, em que mora Jos
lleudes Rodrigues Campello, na ruada Pe-
nha, e dirigiudo-se para ali verlicot estt-
rem todas as gavetas das mezas, e commo-
dis anodinada-, masque nio existindo na
dita casa os seus moradores nao poda sabor
quaes os objectos, que dellas fram lira-
dos, do que todo se fez a competente visto-
ra, para se proceder contra o autor dcste
attenlsdo, que al o presente ainda nao foi
descocerlo apezar das diligencias para esse
lim empregadas.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da po-
lica de Pernambuco, 4 d Janeiro de 1850.
Illm. e Exm. Sr. Honorio llermto Car-
neiro Lefio, cuncelheiro de estado, presi-
dente desta provincia. Joe Nicolao lleguei-
ra Costa, chefede nolicia interino.
a or-
dem.
lutai so ua maior parte vilenlas, e teom ICamaragibe -- 16 diis, tiiate brasileiro $.-
rUESEI'K
no theatro de S.-Francisco.
NOVO ACTO DA VELHA COM SUAS NETASf
cuja parte ser desempenhada pelo Sr. S.
Rosa ; este acto be composto de onze arias
e tres coros.
TERCA FEIRA, 8 DE JANEIRO DE 1850.
ni:.\HTA REPaltSKrrAC>.
Grande e variado diverlimento pastoril.
Depois de execulada pela orcheslra uma
das melhores symphonias, represen la r-se-
ba pela ultima vez o mu insigne drama sa-
cro em 5 actos
O NASCIJIEUTO DO MESSIAS,
lindo este seguo-se o grupo dos diabos, e
um solo dancado por uma Pastora das mais
jovens ; no lim do mesmo solo, ssgue-se o
aclo
DA MAM Al VOVO'.
Terminar o espectculo com urna nova
contradanza campestre. -
Os Srs. assignanles o mais pessoas, que
pretenderen bilbetes de camarote e platea.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro se-
gu em poneos- dias o litigue na-
Adamaatot: para o resto
cLgnal
da carga, passageiros t escravos a
lete, trala-se com Machado &
Finheiro, na rna do Vigario, n.
19, segundo antiar, 011 com o ca-
pitSo na praca.
~ Para a Figueira, com escala por Lisbs,
salie com brevidado o muilo velen o pata-
cho porluguez Varia & oaguina, do qual he
CapiUo Manoel da Costa e Silva : para car-
ga ou passageiros trata-se com os seus con-
signatarios, Francisco Severiano llabello &
Filho, ou com o mesmo capitilo na praca.
Para o MaranhSo, com escala pelo Cea-
r, segu, dentro em poucos dias, a veleira
escuna nacional Emilia, (ex-Fantr/a) capi-
tilo Antonio Silveira Maciel Jnior: recebe
carga para ambos os portos : trata-se com o
capitilo na praca do Commercio, ou na ra
da Cruz, armazem n. 13.
Para oAracatysahe impreterivetmen-
te no dia 10 de Janeiro a sumaca u.o-io-
nal Cwli'ia, mestreJos Connives Simas,
por se adiar com a maior parte da car-
ga prompta : para o restante e passageiros,
Irata-se com o mestre, ou com Luiz Jos
de S Araujo, na roa la Cruz, n. 33.
Para o Hio-ile-Janeiio sahe
por estes dias, por ter a maior
parta do seu carregamento pr
ta, o Lem coithecido e veleiro bri-
gue nacional Bom-Jcsi: para
carga e passageiros trala-se com o
capilo no caes da Alfandega, ou
na ra da Madre-de-Dos, n. 3,
terceiro andar.
Para a Babia sahe, em poucos dias, a
sumaca Flor-do-\ngelim, raeslre Bernardo
de Souza, por ter a maior parte da carga
prompta : para o restante e passageiros
trata-se com o mesmo mestre ou com Luiz
Jos de S Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
Sahe para Lisboa no dia II do corren-
te o bigue porluguez S.- Dominaos, capitilo
Manoel Co oca I ves Vianna : anda tocebe al-
guma carga e passageiros : a tratar com o
consignatario, Joaquim F'erreira Mendes
Cuimares, na ra da Cruz, n. 49, piimeiro
plom mandar receber os orlos na casa I andar, ou com o referido capitSo a praca
anuoxa ao theatro, residencia do director,' do Commercio. *
K
I I la^M-^
vy
* m


-,"


^

y
Para o Cear.
O liiate tji'roi-prgado e Torrado da co-
bre", por ja ter parlo de seu carregamento
engajado, para o resto Irala-se na ruado
Vigario, n. 5.
Vende-se o brigue sueco ohn-Johnttnn
de primeira marcha, forrado e encavilhado
de cobre, e prompto a navegar para qual-
quer parle, de lote de 210 toneladas o de-
manda 13 ps, carregado: quem quizer yr
dirija-se a bordo ou a filiar com o consig-
natarios C. J. Astloy & C.
Para Marseille pretende sa-
bir ale o dia i5 do correle a min-
io veleira barca franceza Achule :
recebe pnssageiros smente, para
oque tcm exccllenles commodos :
os prclendenles dirjam-se aos
consignatarios da mesona, B. Las-
serre ck Companbia.
Vende-se a bonita barca
franceza Alcyon de lote de l8o
toneladas, de prsenle ancorada
defronte do trapicha' do Angelo,
lado do norle. Esta barca foi cons-
truida em 1847 e be de urna mar-
cha muilo superior, sendo por is-
so propria para qualquer especu-
ladlo que requeira promptido,
por estar provida de uin tudo e se
ochar prompta a seguir para qual-
quer porto. Os pretendentes diri-
jam-se ao capito a bordo, 011 a
casa dos consignatarios, B. I.as-
serr & Companbia, para tratar do
ajuste.
Para as Ibas de- S.-Miguel,
Terceira e Fayal sabir brevemen-
te a escuna portugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
to Antonio Jos de Mcdeiros: pa-
ra carga e passageiros, traa-se
defronte do trapiche novo, n. 6,
com Tbomaz de Faria.
Para o Rio-de-Janeiro sali com a
maior brevdade possvel, por ter paite de
seu carregamento prompto, o brigue na*
cional l.igeiro: quem no mesmo quizer car-
regar, ou ir de passagem, para o que tem
excellentes commodos, dirija-se a Antonio
Alvesde Miranda Guimares, ou a Novaes
& Companbia, na ra do Trapiche, n. 31,
- Cara a Babia sahe no dia 15 do corren-
te com a carga que tiver a bordo a suma-
ca l-ldr-ilo-Anqelim, mestre Bernardo de
Souza : quem na mesma quizer carregsrou
ir de passagem pode entenderse com o
mesmo inestre ou com Luiz Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
<
Le
oes.
-- O capitio Andrea Prev continuar,
por intervencSo do corretor Oliveira, em
presenta do Sr. cnsul sardo, e por conta
e risco de quem pcrlencer, o leilSo dos sal-
vados da barca sarda Giuiscppna, encalhada
no lugar, denominado Mara Farinha, con-
sistindo no veame embom estado, masta-
ros, vergas, bote, lancha; o de mais arligos
da dita barca, os quaes nao poderam ex-
por-sea venda em 3 do correte por falta
de lompo : segunda-feira, 7 do correlo, As
is 10 lloras da manhSa, no trapiche da Com-
panbia.
Machado & Pinheiro faro leilo, por
conta e risco de quem perlencer, segunda;
feira, 7 do correle, no caes da Alfandega,
portado armazein do Bacellar, de63 ja-
cazes com loucinho, vindos do Itio-de-Ja-
noiro no brigue nacional Condescendencia,
entrado neste porte em 22 do dezembro
prximo passado. ,
Avisos diversos.
A professora Joaquina Lourenc,a de Lu-
na, que reside no primeiro andar da casa
nova no pateo do Carino, tem a honra de
communicar aos dignos paes de suas alum-
nas e os demais que quizerem confiar a edu-
carlo de suas lilhas, prompla se aclia para
abrir a sua aula no dia 14 do correte ; e
tambem faz ver aos dignos paes de familia
qoe lencionarem a bular suas filhas hajam
logo de procura-la para nilo haverduvida
no numero das quo | I c cnsinar, em ramio
da inesma professora se adiar na instruc-
c'io do i'ilio'iia francez e nfio pod.- ter gran-
de numoro de alumnas por muilo se inte-
re-sur no a lantamentotlas.mesmas.
-- Pergunta-so a.queni entender e quizer
responder, se vista das ordena abaixo-
transcripta*!, pdem os commanJantes dos
corpos da guarda nacional, chamar para o
servico dos seus enrpos os guardas nacio-
naes que estilo alistados no balalhSode vo-
lunlarios.
lllm. Sr. Attcndendo a representadlo
que V. S. dirigio-me em dala do 27 de 110-
vembro prximo passado, tenlio expedido
nesta data a couveniento ordeni no comman-
dante superior da guarda nacional do mu-
nicipio do Recife, para que consiuere des-
pensados 1I0 trrico dos corpos sobre seu
commando os ofllciaes e mais praess que se
tiverem oil'erceido como voluntarios, de-
vendo V. S. para esse lim enviar-lhe una
relacHo nominal dos individuos quo se a-
charcm nessas circiinistancias.
Dos guarde a V. S. Palacio do govemo
de Pernambiico, 3 do dezombro de 1848. --
ilerculano Ferreira l'inna. Sr. leneiite-
coronel comman Jante do corpo de volun-
tarios.
Urdftn da legio de 19 de dezembro de 1818.
, c Diz quo sejim considerados temporaria-
mente despensados do servigo.os individuos
guardas nacin es constantes da relafSo
annexa, emquanlo os mesmos so acharem
om servido no corpo de voluntarios, onde
fram alistar-so.
lllm. Sr. -- Pode V. S. mandar chamar
para os corpos a que perlcncem os indivi-
duos da inclusa rilaco, os quaes so acha-
vam servindo 110 corpo do voluntarios ; ou-
tro sim, queira V. S. mandar por en hber-
dade o guarda uacioual Mauoel Jos Mendos
co-
So de
I quo se lona preso na fortaleza das Cin
Pontas, por ainda pertoncor ao balalhao
voluntarios, na qualidade do segundo sar-
gonto, fazondo ver a V. 8. que nao poder
chamar para o servico os guardas nacio-
naes que ainda esliverem no corpo (Invo-
luntarios, sem quo primeiro receba ordem
deste commando superior, para por este
meio por lim aos abusos quo lem appare-
Dos guarde a V. S.. 17 de setembro do
189. -Sr. Domingos Alfonso Nery Ferreira,
chefa da segunda logiflo. Francisco Jacn-
tho Perelra, commandante superior.
Precisa-se alugar urna prola sem vicios
que sirva para vonder na ra : quem tiver
annuncie.
Os abaixo assignados dissolvram a-
migivelmonte a sociedade que tinham na
rofinai;iloda ra de Hortas, n. 7, no dia 5
de Janeiro de 1850, qual gyravasobrea
Arma de Manoel Joaquim Milheiros, finando
o socio liento Alves da Cruz ohrigado por
toda a liqui laco da mesma firma, tanto
do passivo como lo activo contrahido at
esta dala. Manoel ioaquitu Uilheiros.
Denlo Alvii da Cruz.
-- Precis-se de um caixoiro que tenha
pratica de venda : na ra do Pilar, en F-
n-de-Porlas, n. 86.
Fugiram no dia 25 de novembr prxi-
mo passado, dous escravos de nomes Maria-
no e Domingos; Mariano de idade de 20 an-
uos, alto, sem barba, ps grandes, ten do
um dedo maior do que o outro, macTos al-
tas, nariz afilado e corpo banzeiro; Do-
mingos, 16 annos. baixo, bonitole, testa
arando e arregazada, olhos grandes, he es-
pigado do corpo, ps pequeos, dedos cur-
tos e abortos: quom os apprehender queira
leva-Ios Ba-Viagem a Serafn Ldte Perei-
ra que ser generosamente recompensado.
Aulas de primeiras tettras do Atierro da
Ua-vista, n. 5.
Jos Xavier Faustino Ramos participa aos
senhores paes de seus alumnos, e a aquellas
pessoas que delle quizerem confiar a educa-
cio de seus fllhos, que a aula por elle diri-
gida commecou hoja os exercicios do pre-
sente anno : tenilo a satisfacao de certificar
que aquellos de seus alumnos dados por
promptos nns anuos anteriores, o fram
depois de subjeitos a exame publico no ly-
rudcsta cidade.
Fnsino de primearas lottras.
No Atterro da Boa-Vista, sobrado, n. 5,
ha urna pessoa subeijsmcnte habilitada,
que se prrO a dar por casas particulares
e com perfeicio, licOcs do primeiras lottras
egrammalica da lingoa nacional: as pes-
soas que se quizerem utilisar do seu presti-
modiiijam-se a dita casa a qualquer hora
do dia.
Precisa-se de um bomemque queira
foitorisar escravos em um engenho distan-
te desta praca 10 legoas : prefere-se Por-
tuguer :' na ra Direita, n. 93.
Urna pessoa que em poueps mezas e
com feliz resultado tem conseguido ensinar
a traduzir, fallare cscrover correctamente
o inglcz, francrz e portuguez, deseja adiar
oceupaedoem algumas casas que tenham
de 2 alumnos para cima: quem pretender
infornar-se na botica do Sr. I.uiz Pedro das
Naves, no Iteciffl, no largo do Carmo, n. II,
segundo andar, Boa-Vista, botica do Sur.
Joaquim Moreira.
O Dr. Joaquim de Oliveira e Souza en-
sina a traduzir, fallar o escrovor a lingoa
franceza : no Alerro-da-Boa-Visla, n. 82.
Jos Joaquim Lopes Pereira Guimanes
recebe alumnos om sua aula do primeiras
lettras, aritlmietica e lingoa nacional, a
mil rs.: na ra do Caldeireiro, n 1*..
-- Perdeu-se, no dia 26 de dezembro, da
Trompe at ao sabir no pateo da S.-Cruz,
um alfincto do brilhantes : quem o achou,
querendoentrega-lo, dirija-so ra Nova,
n 32, que ser generosamente recompen-
sado.
Precisa-se alugar urna preta, sabendo
lavar, engommar, o cozer, para urna casa
cslrangoira : na ra do Torres, n. 3t, das
11 horas al as 3 da tarde. Na niesma cas
precisa-so tambem alugar um prelo que
ontenda do servico interno, o sabendo Ira-
tarde cavallos.
__precisa-so de um caixeiro para entre-
gar pilo m urna freguezia, com um prelo:
na padaria do pateo da S.-Cruz, n. 6.
-O padre Manoel Adriano de Albuquer-
que Mello faz sciente ao publico que abro a
sua aula de primeiras lettras, sita na ra
do Jardim.Ji 43, boje, 7 do correntc janoi-
r.', o contina a receber alumnos como
dantes.
The annual meeling of the subscribers
lo llie British Sechanics' l.ibrary & Institu-
tion, wl lio luid on Tuesday the I5lh inst
at 7 o'clock P. M. at their rooms ra da
Aurora, Santo-Amaro.
y order of the directora.
Joiephe lieeve,
Secretary.
. Jos Biboiroda Silva, Portwguez, reli-
ra-se desta provincia.
A refinada franceza da ra da Concor-
a, precisa, do tros prctos robustos para
Iraballiarem.
Engomma-se
,,a ra do S -Francisco, casa de um andar
de varanda de pao, n. 20, por cima de um
larcenetro.
por causa de molestia e no poder o sen
proprifttario exercer o seu officio, por isso
quem quizer arrendar o. dito nfllcio de es-
crivflo do 01 -plians da villa da Anadia, na
provincia das Alagas, ilirija-so 4 ra da
Iruz, n. 6,que a ti achara com quom tratar,
,u na cidade de Macelo, aoSr. Dr. Feman-
do Alfonso de Mello, quo se acha autorisa
do pura o dito lim.
N. O. Bez v;i para o Rio-de-Janriro.
O abaixo assignado faz sciente ao res-
peitavel publico quo desde o dia 6 do Ja-
neiro do correnlo anno deixou do ser cai-
xeiro do Sr. Antonio Joaquim de Souza Bi-
heiro, e ao mesmo lempo aproveita a occa-
sio de Iba agradecer o bom tralamcnlo
quedo mesmoSr. recebeu durante o lem-
po cm que na sua casa csteve.
Mantel Antonio de Souza ltibeiro.
Precisa-se de urna secca, forra ou cap-
tiva para urna casa de pouca familia: na
ra do Mondego, n. 8.
-- Boga-sc a certa pessoa que por casua-
da lirou do boleo da.caspca do abaixo assig-
nado urna carleira com duas cdulas de
liOOOOrs 4 de 20,000 rs. 1 de5,000 rs.
o urna latir do valor de 76,000 rs., baja de
a entregar ; dj contrario, passar pelo des-
costo do ver o seu nome por extenso nestu
folha o urocedei os meios judiciaes.
Jtauuim MtlU&o do Ampral.
0
Francisco Antonio do I.ima vaipara o
llio-de-Jmeiro.
Ha umaa'iia muilo capaza lidia que
so propo a amamentir a'guma crianza,
smente'por nspassi) do seis inezes, porque
para n lim desse tempo est ja contratada :
quom a pretender, dirija-so ra da Cadeia-
Velha, loja n. 5, quo al so tratar do ajus-
te, e se aliancam as mencionadas qualida-
desdaama.
Altencilo.
No dia sabhado, 22 de setembro do anno
prximo passado, o abaixo assignado en-
tregou um bilhotoa suaescrava Maria Jos
para procurar quem a quizesse comprar, o
como al o presente ainda nilo voltasso, e
consta ao abaixo assignado que esta sua
escrava fora vendida em Pedras-de-Fogo,
por um homem morador em Mancla, o
abaixo assignado protesta contra a pessoa
aondefr capturada dita sua escrava para
Ihe pagar todas as despezas causadas por
essa sua ausenoia e dias de servico, o mes-
mo abaixo assignado roga aos lllms. Snrs.
eocarregados da polica do Pedras-db-Fogo
e de outro qualquer lugar para quo a man-
dem prender e remolle-la a seu ligitimo se-
nhor que he o abaixo assignado, que paga-
r as despezas ; assimeomo por meio des-
te encommenda a todos capitSos do campo
para empregnrem o cuidado preciso para o
mesmo lim cima mencionado. Os signaos
desta escrava s3o os seguintes : estatura
regular, crioula, fula, reprsenla Ic'r 24 an-
nos de idade, cheia do corpo, rosto redon-
do, olhos vivos, bem feita de corpo, muito
conmento; he casada com um cabra de
nome Cantillo que o abaixo assignado igno-
ra quem he seu senbor boje : esta escrava
Maria Jos nasceu para as bandas de Maria-
l'arinh 1, e quando rapariguinha fugio da
casa deste senbor ondo nasceu, para o en
genho Gintpapo, a senhora deste engenho
comprou-a-e casou-a com o dito Cantillo,
e viudo dita senhora do engenho Cinipapo
de Iguarass, D. Ambroziade Brito Bozerra
a esta praqa no mez da aiaio vender dita
escrava Maria Jos a 24 do mesmo mez ao
ahaixo assignado: quem apprehcnde la
conduza-a, ou mande conduzi-la ra No-
va, n 49, casi pegada a torre da igreja de
N-. S. da ConceicHo do militares, que ser
recompensado por o annunciante.
Manoel Francisco Coimbra.
O advogado Ibiapina con-
tina a ter o se.11 escriptorio na
niesma casa da ra do Caldeirei-
ro, n. iu, primeiro andar.
Precisa se alugar um preto idoso, que j
sirva para tratar de um ou dous cavallos e
tomar conta de urna pequea casa de cam-
po : na ra do Trapiche-Novo, n. 10, pii-
meiin andar.
Na ruada Cadcia de Santo-Antonio, n.
13, no primeiro andar, se dir quem lem
um negro do 30 a 35 annos sem achaques,
muito rubusto, o proprio para servico
brical.
- Desappareceu um cabra por nome Car-
los, de boa estatura, cheio do corpo, Hade
gumas espiabas pelo rosto, e este umpou-
co coaiprido e bastante sobranceiro na falla,
tendo um signal no dedo mnimo da mfio
esquerda, loado a unha natural e uolra
mais cima que espera sobres natural e dos
lados do mesmo dedo secalrzados de urra
pizadela grande que solfreu, da qual sohrc-
veio as duas iinlias no mesmo dedo; e em
um dos ps ten buraco de cravo j sccatri-
zado, levou vestido camisa de madapoino,
jaqueta de riscado com quadros roxos o cal-
(,'i branca e listas da niesma fazenda e cha-
peo de baeta preta de copa ovada com bor-
las: o cscravo tom principio de padeiro, e
foi cria da casa de Joilo Zurique. Boga-
se a todas as autoridades policiaes o as pes-
soas particulares por- quem possa ser en-
contrado, o mande prender e entrega-lo na
padaria de Manoel Antonio de Jess, ra
dos Quarteis, n. 18, onde so compensar
com generosidade todo o trabalho que o
mesmo der para sua seguranza.
Jos Alaria de l'igueircdo,
professor |rarlicular de primeiras
lettras, identifica ao respeitavel
publico c aos pas de seus alum-
nos, que a i5 do correte abre sua
aula e contina a cnsinar por prin
cipios a grammatica portugueza,
latina e franceza, admiltindo a-
111 unios internos: quem de seu
nrestimo se quizer utilisar, dirja-
se a ruada Cadeia-Velbj, n. i3,
terceiro andar.
Roga-se ao Sr. Pedro da Silveia Ca-
valc'anle, morador cm Maria-Farinha, que
v resgatar a lellra que se acha vencida,
na ra da Guia ; do cunt ario, so usara dos
direitos. ,
Os Srs que devem loja de
miudezas da nudos Queimado, n.
24, que pertencia a Joao da Cos-
ta Domado e administrava Joao
Chrioslomo Lima Jnior, quei
rain vir dentro de .3o das da dala
deste pagar na loja do pateo do
Collcgio, n. 6, visto que vendi a
inesma loja, e passado os 3o dias
sciao chamados pelos seus nome;
por esta folha.
A pessoa que levou as amostras de fi-
tas da-Joja da ruado Cabuga, n. 1 C, do
Duarte, queira lera bondade do as ir res-
tituir.
lloga-se ao Sr. Antonio Lo-
pes Fereira de Carvalho o favor
de comparecer na rui da Cadeia,
n. 35, a negocio que Ihe diz res-
peilo.
--- Ojuiz da irmandade de N. S. da Boa-
Viageni participa ao inultos da mesma ir-
mandade que, na forma dos arligos 14 o 15
do seu compromiso, i.ajam de compare-
cer impreterivclmente no consistorio da di-
ta irmandade, nns dias 13 e 20 deste mez
para cm mesa peral se proceder a cleir;3o do
juizemais funcionarios da mesa regedora
que tem de servir no crrenle auno.
lose Valeulim da Silva, bom conhecidu
oor cnsinar la lim ha 1 4 annos,e ter a felici-
ladodeseus alumnos serem sempre appro-
vados na academia, avisa a quem convier
que abro a sua aula a 7 do presento Janeiro
ni ra da Alegra (na Bda-VislaJ n. 38, on-
de recebe alumnos, tanto extornos, como
pendonistas. Tambem ensina em horas
reservadas aos que no pudrem frequeu-
tar as horas da aula.
Novo mctliodo prlicoc
Ihcorico da lingoa fran-
ceza, ou arle facilima
do aprender com perfeQIo e em pouco lem-
po a fallar, traduzir o escrever o francez.
Ninguem poder negar a utiliJade .1
lingoa francoza, porquanloque sondo ella
lioje universal, reno em si urna maviosida-
de inaudita, urna excellencia que Iho he
propria: ella he jbrarada sem a menor exi-
taco por todos os povos do mundo conhe-
cido, por isso os grande? homens do secu-
lo prsenle teom envidados os seus exfor-
cosafimde que ella faca longevos sobre a
Ierra, e para prova de urna tal assenjo
muilobeindisseo Sr. Sevene- inJispeu-
cavel muitos a lingoa franceza lio de
Sumira ulilidade para todos. --
As pessoas, pois, que reconhecendo estas
grandes vantagoiis, e nSo estando em poli
C1odo subjoitarem-se ao tirocinio esciio-
laslco, sem duvida desejario encontrar um
meio fcil e a commolado para consegui-
r m esta instrucefio, poupando d'est'arlu a
fastidiosa tirefa de esludarde cor verbos
n significados, qual a da grammatica do
Sr. I.uiz Antonio llengaim, dada a luz lti-
mamente no Rio-de-Janeiro, e de que mul-
to elevad > conceito faz o nosso excellonte
professor, o Sr. doutor Jos Soares de Aze-
vedo.
Avisa-se, portanto, aos amadores da men-
cionada lingoa que ditas grammalicas se
ucham a vend na praca do Ciimmeicio, 11.
2, primeiro andar
Trapassa-se o arrendamento de um
engenho perto desta praga, con safra de
900 a 1,000 p8e8, 20 animaes de ruda, 4 bois
mansos : quem esto negocio pretender, en-
lenda-se com Jojquim Carneiro Machado
Itios.
Arrenda-se annualmenle o excellonte
sitio da viuva do Burgos, ni estrada do Ar-
raial.com i-legante casa, o todos os mais
arranjos precisos para commodidade de
urna grande familia : a tratar con Lino Jos
deCaslroAraujo, na praca do Corpo-Sanlo,
n. 2.
Fr JoJoCapislrano de Mendooca en-
sina em sua casa na ra das Cruzes, n. 18,
primeiro andar, o seguinte : rhetorica, geo-
grapltia, theologia, moral dogmtica e his-
toria ecclesiastica : as pessoas que quize-
rem frequentar estas materias, o pdenlo
procurara qualquer hora.
1 Jos Befnardino de Sena convida a
; seus discpulos particulares para principia-
ren! a dar suas licfles no dia 1C do correntc.
-- Na ra das Cruzes, n. 35, segundo an-
dar, cnsinam-se meninos e meninas a lr,
esr-rever, contar, arilhmetica, grammatica
da lingoa nacional: prometo-so a maior
actividad, tanto para o progresan de ditas
disciplinas como para a pratiei ilu bons
Icoslumes. Na mesma aula lamben se rc-
1 cubem pensionistas.
1 Aluga-se para ama secca urr.a preta
1 moc.i, a qual sabe fazer o servico interno
de nina casa, preferndo estraugeira : na
ra da Cadeia do Recife, n. 24.
Na ra do Queimado, n. 14, segundo
indar, Na mesilla casa se venden varias obras de
ouro.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca familia : na ra do Bangel, n. 52, so-
brado.
J. P. da Silva relira-se para fra do
imperio.
Jos Pilarlo relira-se para fora do im-
perio.
T. W. A. Tappenbeck relira-se para a
provincia do Para.
Adolphe Mclhlinl relira-se para a
Franca.
-- Vende-so na ra da Cadeia do Recife, a
verdadeira rezina de ansien : na loja de
ferragem, 11 53, do Joilo Jos de C. Moracs.
Antonio Mximo de Barros l.eitc, pro-
fessor jubilado na primeira cadeira publica
da primeiras lf tiras da cidado de Coianna,
faz sciente ao respeitavel publico, que saa-
cha presentemente mudado para esta cajii-
tal, e a sua residencia he dentro do Itecife
na ra da Cadeia, primeiro andar, n. 40, on
de vai continuar no mesmo magisterio, po-
rm particular, c por isso convida a todas
as pessoas quo quizerem educar seus lubri-
que n.lo s iccebera alumnos externos, co-
mo lambem internos.
-- Alugam-so dous sitios na campia da
Casa-Forte e um oulro na ra da inesma po-
VOicno, com muilos arvoredos e ptimas
accommodaQOcs; bem como varias casas
pequeas, proprias para se passar a fosta :
a tratar na ra do Amorim, n. 15.
Alugam-seas lojasdo sobrado da ra
da Penha, n. 6, e da ra Augusta, sobrado
ni mello, proprias para qualquer csla-
belecimento :a tratar na ra do Amorim,
n. 15.
--Precisa-se deum ou dous aprendizes
forros ou captivos, de boa conduela, para
aprendeiem oofliciode laloeiro ou funilei-
ro : quem pretender, dirija-se ra das
Cruzes, loja n. 33.
Precisase de offlciaes de alfaiale : na
ra Nova, n. 18. Na mesma casa vende-se
um par de adragonas para ofllcial da guar-
da nacional.
Precisa-se alugar urna ama para o ser-
vido 1 ii 1-1 no do 11111,1 csa o cuiprar; na
ra do Queimado, 11. 46.
Jos Auloiiiode Farias Coulo, l'oriu-
guez, vai a cidade da Babia.
Aluga-se melado do arm&zem do pri-
meiro becco da Camboa-do-Carmo, pelo
preco de 4,000 rs. mensaes: a tralar no
mesrroarmazem.
Aluga-se um siliu na Soledade, com
bom sobrado, jardim, cacimba, tanque
para banho, pomar de la.-angeiras e militas
fruteiras de diversas qualidades : na ra
do Hospicio, n. -2\.
O liarlnnTl Antonio Aunes Jacome Pi-
res prope-se a advogar, e recebe as pes-
soas quo se dignaren! procura-loa qual-
q uer hora, no primeiro andar do sobrado
11. 14, 110 paleo da matriz de S.-Antonio.
(actai:!) Mendcs da Cunlia Azevedo en-
carrega-se do comprar e vender escravos,
mediante urna eotnmissfio rasOavel, pura
cujo lim piometluenipregar toda uclivida-
Je no n.ellior desempenlio dessa tarar : os
pretendentes o acharilo prompto na casa
lesna residencia, na ra da Alegiia, n. 2i,
no bairro da Boa-Vista. ,
Aula de, primeiras
lettras.
Vicenle Fnrroira ila Cruz declara ao res-
peitavel publico, o cm particular aos pas de
seus alumnos, que a sua aula de primeiras
lettras e grammiloa portugueza acha-se
aberla do dia 9 do correnlo om vante, na
ra Velhn, 11 33, onde o podero procurar.
Perdeu-se no dia 26 de dezembro, da
Trempj al ao sabir no paleo da Santa-
Cruz, um a-lfinclo do brilhantes: quemo
achou, querendo entroga-lo, dirija-se ru
Nova, n. 32, que sera generosamente re-
compensado.
Uina (.essoa habilitada e que>por mui-
tos annos se lem dedicado ao cnsino da mo-
cidade, propOe-sc n onsinar grammatica la-
tina, dando duas tiques por dia, e perce-
bendo a gratificac,3o mensa 1 de 3.000 rs.
por cada alumno: tambem leccionar rhe-
torica e geographia percebemlo a gratifica-,
i;an de 4,000 Ti. : na 1 na Direila, 0.120, se
gundu andar.
Os abaixo assignados scien-
lificam no coinmercio desta praca
que, desde o i. de Janeiro de 185i
em diante, deixa de ser socio da
firma Oliveira Irniaos & Compa-
nhir o Sr. Jos de Oliveira e Mel-
lo, boje residente em Lisboa, l'er-
nimbuco, 3l de dezembro de
1849. Oliveira Irmos & C
Alugam-se por preco rasoavel
o sobrado e loja da ra dos Quar-
teis, n 10 : a tralar no Mondego
com L. ( Ferreira
DSr. Joilo Cyprianno Bangel queira
ter a bondade de apparecer na ruada Ca-
lda ileS.-Antonio, pra decidir sobre cer-
ta conta que S Me. recebeu.
-- Charles Chapront, relojoeiro francez,
ra Nova, n. 32, conceita relogios do toda
as qualidades com muito cuidado e muila
perreicflo, assim como vende relogios pa-
tentes, limito superiores.
3 >
J5 Alugam-se. evendem-se as verda-
S deirtfs biXal 'le llambiirgo : na praQa Q
-j da Independencia, 11. 10, ao vollar q
-.i paran ra das Cruzes. Q
* O
990999009000tOOOO
Jos Soares de Azevedo,
prolessor da lingoa franceza no ly-
ceu, tem aberto em sua casa, ra
do Uozario larga n. 3( segundo
andar, un curso de 1'hii.osophm e
oulro de Lingoa Fbanceza. As
pes iiioiilra desias discipliins, podem
dirigir-ae in-Jicada residencia a
qualquer hora.
Agencia de passaporlcs.
Tiram-se passaportes para dentro e fura
1I0 imperio, por commodo prego, e preste-
za : na ra do Bangel, n. 57, sobrado.
Compras.
Compran-se, ciTectivamenie, botijas e
garrafas : ni ra do Itangel, n. 54.
Compra-so urna carro; para um ca-
vallo, a qual Miela em bom eslaJo : na ra
da Cadeia do llecife, n. 60.
Compram-se ossos: na ra da Concor-
dia, refinada franceza._________________
Vendas.
Folliinhas para 1850.
Na livraria ns. 6 e 8 da pra?a da Indepen-
dencia, vendem-se as b?m conhecidas fo-
lliinhas impressas nesla lypographia, das
seguinles qualidades:
FOI.IIIVIIA DF. POllTAcontcndookalen-
dario, tabellas de friados, dias de audien-
cia c resumo de pocas nacionaes e geraes.
hir\ lili AI.CIBKIRA contando o mesmo
cima, um resumo de chronologi, a qual
lambem il preamar, e tem urna colleccjlo
le remedios esegredos uteis para uso do-
mestico.
DITA DF. DITA com o alminack dos em-
pregados civis, ecclesiasticos, militares, id-
ininistrativos e anomcnclatura de todos os
estabelccimentos fabris, mercantis o indus-
iriaes, ao qual se adicionou um resumo es-
talisttco da cidaile do Itecife ; a demonstra-
co das freguezias, termos o municipios das
comarcas da provincia e finalmente a tabel-
la donascinienlo e ocaso do sol pBra regu-
lamcnto dos relogios, organisada pelo ei-
eellenle pillo Portugal, de saudnsa lem-
branca.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na praca da Independencia, n. 4, ven-
dem-se hllhetes, meios, quartos, oitavoi e
vigsimos da 8." lotera a beneficio do thei-
tro de San- Pedro-de Alcntara. Na mesma
loja se musir a lisia da 51.a lotera da Mi-
ericordii.
Vende-se urna crioula de 20 annos de
idade pouco mais ou menos, lava, engom-
ma, ecosinba o diario de urna cas : quem
a pretender dirija-se a ra do Torres; casa
n. 18, segundo andr,
Vende-se urna mesa deangico rpara
meindesala, por preco commodo: na ra
do Jardim, u. 43.
Vende-se a (averna da casa, n. 65, na
ra nova*, a tratar na mesma.
Vende-sesera de carnauba de superior
qualidade, reto diminuto preco de 5,000 rs.
a arroba; assim como muilo bons couros
de cl>ra, viado e parco : na ra da Praia,
n. M.
Vrndem-so dous pretos de nar;So An-
{o de 18 a 2<> anuos, de bonitas figuras,
por prec,o commodo : na rua*Nox*, n. 3,
secundo andar.


1

Cal de Lisboa.
Vendem-se barrls com ca4 virgem de Lis-
boa do superior qualidade, por prego com-
modo : na ra da Cadeiajlo Recife, n. 50.
Queijos de Ulnas.
Chegaram pelo ultimo vapor viudo do
sul destes superiores'queijos muito fres-
caes, dos melhores que leetn viudo a este
mercado : vendem-se por prego commodo,
no armazem de motilados atrs do Corpo-
Santo, n. 66.
Vendem-se hons queijos londrinos,
ditos de prato muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos porluguezes para panella, Mas
com 2e4 libras de mermelada, ditas com
bolacliiuha de Lisba, ditas de sardinhi, di-
tas com hervillias, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha viudos do Cea-
por barato preco, mantas de toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
outros muitos gneros de boa qualidade
a nrua da Cruz, no Kecife, n. 46.
Corles de cassa para ves-
tidos com J16 covados
por 5,500 rs.
Vendem-se cortes do cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
covados, a 1,760 rs. ; pegas de cambraia li-
sas com oilo varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de linlio muito fino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Taixas para engenho.
Na funriicSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de reeeber um completo sorlimen-
t de taizas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
ou carrepam-seem carrossem despezas ao
comprador.
AGENCIA
da fundico Low-lloor,
RA DA SENZALT.A-NOVA, N. fo.
Neste estabelecimento conti-
na a lia ver u m completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os lmannos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Rabia
Vende-se em casa de S. O. Iiicber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daquella fabrica, muito propriu para saceos
de assucar e roupa de escravus.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem'de
molhados, atrs do Corpa-Santo, n. 66, o
mais encllente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem vindo a este mercado, por
preco muilo commodo.
Moendas superiores.
Na fundigSode C. Starr & Companhia',
em S.-Amaro acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
conslrucgiio muilo superior,
des fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, ebepados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se vender3o mais barato do
que em oulra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que seesISo vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cenlo.
Corles de brim de cores
com lis tras ao lado, a
1,880 rs.
Vendem-se curtes de brim de cores com
listras ao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godao americano, proprio para escravos, a
140rs. ocovado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volta pura a cadeia.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na na da Cadeia, n. 52,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saecus de assucar e roupa do
escravos. *
Ruarles de furia-cores a
200 rs. o corneto e ris-
cado monslro a 220 rs.
Vende-se zuarte de furta-cres, muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio paia escravos a 200 rs. o envado ; ris-
cado monslro muilo bom a 220 rs. o cova-
do : na ra ilo Crespo, loja da esquina que
volta narr a cadeia.
Para queni (ver bom
gostp.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muilo bonitos padrees, e o melhur qu
tem npparecido neste n.croado : na ra do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
- Vciiiiriii-Mo amarras ue urro : na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
qualquer servico de urna casa : na
ra da Cadeia do Horife, loja de
Jooda Cunha Magalhaes, n. 51.
Os mais ricos mantele-
tes e capotudos,
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capotilhos de chamalolc de seda e gor-
gueo, os mais ricos que teem apparecido s
na ra do Queimado, n. 9.
Potassa da Russia.
Vende-se a verdadeira potassa da Russia,
desembarcada agora, em barra pequeos :
em casa dos Srs. itolhe & Bidoulac, ra do
Vigario, n. 4.
-- Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato preco de 2,000, 2,500, 3,000.
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs.: meias para meninas, a 160 rs.; lila
com listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinha propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senbora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra caifas, a 500 e 600rs. ; longos de algo-
iliin e seda com franja, a 600 rs. ; cortes de
oolloio de velludo, a 1,600 e 2.500 rs. ; cas-
sh-cinta, a 400 rs. a vara ; garfa de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado e outras muitas fazendas por
barato preco : na ra do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de Oliveira Maya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Sanlo, n. 66, por prego rom-
nodo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e alurarom mais que as de espermacete,
e nao fazerem morrSo.
Aviso importante.
Beneficio pubfico.
O armazem antigo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baizo das mesmas condices, offerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por220rs a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Bordeauz por 160 rs. a
garrafa levando o casco. N3o se admirem
os fieguezes do baizo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o antigo pre-
go, embora este genero tentia subido o me-
Ihor de 30,000 rs. por pipa. Ezaminem os
amantes a qualidado para reconheciment
da verdade e continuagilo da antiga fregue-
zia.Epara nSo haver usuras, esto promp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como harris de diversos la-
manhos para provisto do prozimo Natal.
O proprietario conta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os pregos do reta-
Ihoa primitiva de240e 280rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinhot
pequeos de quatro arrollas, por
preco barato, como j ha muilo
lempo se nao vende : nc lecilc,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Vende-se superior vinho dt
Champanhe : na ra do Trapiche,
n. i3.
Na ruado Amoro), ns. 56
e 58, vendem-se Trelos cm sac-
cas grandes por preco commodo :
a elles antes que se acabcin.
Vende-se um banheiro de folha de
(landres, grande, muilo bem envernizado,
com lomen a para despejo das agoas e cy-
lindro com todos os pelences para accen-
der o fogo ; assim como se adverte a queni
o pretender quo anda esl novo conforme
se comprou, porque nilo foi necessariu ser-
virse delle ; tambera se vende um caizote
com diversas ferragens proprias para qual-
quer um mo.-iio de marceueiro ; urna por-
g3o de (landres vasios que frain de agu-
lias : ludo por prego commodo : na ra lar
gado Itozario, anligamcnte dos Quarteis,
loja de Victorino & CuimarSes.
,M
fe

Saccas com trelo novo,
de O a 90 libras, a 5,?:
vendem-se no armazem de Antonio Annes,
no caes da Alfandega, e no do Vicente Fer-
reira da Costa, na ra da Madre-dc-lleos,
etiegadas ltimamente de Lisboa e de
Franca.
Veodc-se urna purte dos sobrados de
Chapeos do Chile
9
de superior qualidade.
Pelo ultimo vapor receberam-so
' qualidade, que conlinuam a vender- 5
si so a pregos mais commodos do que ff
* em oulra qualquer parte ) na ra do S
j>, Collegio, n. 0. >*
Superiores chapeos do
Chile.
Vendem-se chapeos do Chile em porgOes :
na praga doCommercio, n. 6, pnmeiro an-
dar, s3o muito bous e muito claros.
Farinia de S.-Ca (harina.
Vendo-se a burdo do brigue Dous-Amigot,
tundeado defrodtodo caes do liamos, on
na praga do Commercio, n. 6, primeiro an-
dar, laimlia de S.-Calliarina.
Farinha de trigo.
Vende-se superior farinha de trigo fran-
ceza de l'rovonga, chegada ultirnariieiite de
Mai sol ha : em casa de J. J,Tasso Jnior, na
ra do Amoriin, n. 35.
Farinha de mandioca.
Na ra do Queimado, n. 14, loja de fer-
ragens, ainda ha algumas saocas da boa
farinha de mandioca, muito alv e bem tor-
rada ; bem como urna porcSo de pennas de
ema, proprias para espanadores; urna es-
crava de 20 annos, propria para todo o ser-
vigo ; outra dita que se vende barato, por
ser de mais idade, e que he boa para ven-
der na ra, o sabe muito bem lavar roupa ;
urna parda moga, de bonita vista ; saccas
de gomma deengommar, muito alva: tudo
se vende barato.
-- Vendem-se cbaposzinhos ricamente
enfeitados para meninos e meninas de um
a tres annos: no Aterro-da-Boa-Vista, n. 1.
Chegaram novamente ruada Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogios de ouro e praU
patente inglez, para homem e senbora.
Bons queijos do sertao.
Na ra do Queimado, loja de ferragens,
n. 14, vende-se este ezcellente petisco, por
prego commodo.
Novo sor timen to de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. 6, ao p
do lampeo.
Vende-se cassa-ebita muilo fina, de bo-
nitos padres, cores fizas e cum 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadiuho de lis-
tras de linho, a 240 rs. o covado; brim de
algodSo de cores com listra ao lado e" de bo-
nitos padroes, a 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarta ; cassa preta com
ramagem branct. para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuarte de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monslro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padres e cores fizas, a 160 e 180
rs. ocovado ; chales de larlitana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
SSSF.
M a noel da Silva Santos vende
farinha de trigo superior da marca
cima mencionada e chegada a es-
te mercado no ultimo navio vindo
de Trieste: quem pretender, pode
dirigir-se ao armazem do Annes,
no caes da Alfandega.
--Vendem-se chapeos de todas as qua-
lidades, para senbora ; Tinos manteletes e
capotinhos de chamalote, tafet e bico; lu-
vasde pellica, de seda e de rede ; cbapos-
zinhos ricos, para meninos e meninas: no
Aterro-da-iioa-Vista, n. 1, casa de modas
francezas.
Na ra dos Guararapes, n. 7, em Fra-
de-Portas, vende-se urna negrinha crioula,
de 9 annos, de muito bonita figura, e com
principios de costura.
Vende-se rape rolfio ham-
burguez em garrafas; na ra da
Cadeia do Recife, n. 15.
Vende-se urna preta muito boa cozi-
nheira, que engomma e cose, e por isso
propria para ama de casa, mesmo de ho-
mem solteiro, ai temiendo a sua boa con-
ducta : na ra larga do Itozario, n. 35, lo-
ja de miudezas.
Vendem-se 1,000 barricas vasias de fa-
rinha de trigo, por prego rasoavel, para
desoecupar-se o lugar dellas, receliendo-se
o seu produelo cm assucar : na ra do Ito-
zario larga, padarian. 18.
Oculoav patente.
Na ra do Queimado, loj de ferragens,
n .17 ,\, vendem-so excedentes oculos de
verao longe, por prego commodo.
Vendem-se pegas de algodSozinho
com 20 jardas, com toque de avaria, pro-
prio para escravos e pannos de co2nha, a
1,280 rs. ; ditas de dulas de bons pannos
fe com toqu de arvaria de ebuva, propria
para prelos e fonos de babs, a 4,500 rs. ;
Historia da America ingleza em portuguez;
por 5,000 rs ; Cuarda-Livros moderos, por
6,000 rs ; Saluslio traduzidoao p da let-
tra, por 5,000 rs.; Diccionario de Moraes da
quarta cdigfio quasi novo, por 20,000 rs.;
umfole de folear formigas; no paleo do
Carino, n. 18, primeiro andar.
Vendem-se 6 lindos moleques de 12 a
20 anuos ; 4prelos bons para todo o servi-
co, sendo umdelles bom bolieiro ; um par-
do de 20 annos; um mulalinno do 10 an-
nos, muito esperto; urna mulatinha de 7
annos, com principios de habilidades; urna
dita de 12 annos, muilo desembarazada ;
12 pretas com habilidades e sem ellas, e
quo s3o boas quilandeiras, de 12 a 25 an-
uos ; duas ditas de meia idade, que se ven-
den muilo em corita ; e outros muitos es-
cravos : na ra da Cadeia do Itecife, n. 51,
primeiro andar se dir que vende.
Vende-se urna preta moga, de boa fi-
gura, que cose, engomma e coiinha, ludo
muilo bem; urna dita que lava n vende na
ra, por prego muito commodo ; 2 mole-
ques, um de 12 annos e o outro de 16, p-
timos para o que se quizer aplicar ; um pre-
tovelnu, ptimo para servir a urna casa,
por 200,000 n.; um inulatinbo de 10 an-
uos, muito esperto para servir a urna casa :
na ra do Collegio, n. 21, primeiro andar
se dir quem vendo.
-- Conlina-se a vender bolacha de fari-
nha de milho, a 80 rs. a libra.
!-- Vende-so urna escrava crioiria.de 20 e
tantos annos, parida de 15 dias, com mui-
to bum Icile, e com algumas habilidades:
na ra Augusta, n. 52.
Vende-se urna preta crioula, de 20 an-
nos, de elegante figura, sem vicios nem
achaques, e que be proprii para todo o ser-
vico : na ra do Amoriui, n. 35.
J\a ra da Cruz, armazem
n. 33, de S Araujo, vende-se su-
perior rap de Lisboa em frascos
de meia libra, ebegado pelo bri-
gue Alaria-Jos.
Vendem-se sementes de abacachy; no
Vondern-M'si| atos do 001110 de lus-
tres andares, ns. He 16, sites na esquina Iros, obra bem fela, a 3,000 rs. : na ra do
da rua da Cadeia, dtfronio do Ihealro de!Cabug,n. 9.
San-Francisco : a falla rno rrimeiro andar' -- Vendem-se 4 molecoles de 14 a 18 an-1 l'asseio-Publico, n. 23, casa de sorvet'es.
dos ditos, com Joaquim Teizeira l'cixolo. nos ; 2 Jilos de 22 annos, de bonita i ligu-1 --Venue-se um prelo muito possante.Je
Vende-se tima escrava cu- 'as, e com olliciodecarreiro; 5 negrinhas; 25anuos, |>roprio i>ara sitio, ou para enge-
- i ":i~ r -de 16 a 20 anuos, que chcoiuuiaiii e cuzi-'"bo, porser bom trabaliadordoeuzada : na
OUla, bolilla Iiguia, piopria para.nhim: na rua Diroila, n. 3. 1 rua do Queimado, u. 44,
Os Srs. bahuleiros teem um
sortimento de couros espichados
as Cinco-l'ontas, n. 91, que se
venden) cm conta, e em pequea?
porc5es.
Vendem-se duas toa I lias e dous lencos
de lavarinto, obra de bom gosto e bem fei-
ta ; 12 saccas de gomma de engommar;
300 couros miudos: na rua estreita do ito-
zario, n. 13.
Vende-se, para fra da provincia, um
pardo de bonita figura, ollicial de sapatei-
ro, de 25 a 26 annos; um habito de estame-
nha para terceiro de s.-francisco, em
bom uso : tudo por prego commodo : na
rua das Cruzes, n. 1.
O barateiro da rua do
Crespo.
Vendem-se cortes de brim de linho de
cOres, a 1,440 rs.; ditos de brim pardo es-
curo, a 800 rs. o corte; guardanapos de li-
nho adamascado, muito linos, a 10,000 rs.
a duzia ; ditos mais inferiores, a 7,500 rs.;
cortes de fustSo para colletes, a 500 rs.; e
outras muitas fazendas : na rua do Crespo,
n. 21.
Vinho de Bordeanx,
das mais superiores qualidades; bem como
vinho de Champanha da nova marca estrel-
la, j muilo apreciado, tanto aqui como na
Europa : vende-se em casa de Kalkmann
Irmfios. na rua da Cruz, n. 10.
Vende-se um escravo possante, pro-
prio para armazem de assucar : a fallar com
George Nosbitt, na rua do Trapiche, n. 42.
Vendem-se 8 lindos moleques de 10 a
18 annos ; 8 protos de 20 a 25 annos, sen-
do um delles ptimo sapateiro; um pardo
de 16 mnos*. ptimo-para pagem, e que he
bom <> inheiro; 3 pardas de 16 a 25 an-
nos, c. ni algumas habilidades ; urna dita
de 20annos, oom habilidades, e com 2 li-
nios, um de 1 anno, e outra de 5 ; 6 pretaa
de 14 a 25 annos, com habilidades, e que sSo
proprias para todo o servico; na rua do
Collegio, n. 3, se dir quem vende.
Vende-se um trancelim para relogio,
um bahuzinho de tartaruga todo appare-
ll.ado de prala lavrada, proprio para me-
ninas que vSo para a escola, meia duzia de
colheresdesoupa, meia dita para cha, todas
sem estarem servidas; um terreno entre a
matriz nova e a fabrica de vinagre ; urna
casa na rua de Motoculomb nos Afogados,
n. 16 urna parle de urna casa na rua da
(.loria, n. 29 : a tratar as Cinco-Pontas,
n. 32. --
Vende-se ummoleque de bonita figu-
ra, sem vicios nem achaques, proprio para
lodo oservigo, e mesmo para especulagflo
de negocio : na rua Direita, 11.[9.1.
Batatas.
Vendem-se glgos com muilo boas bata-
tas, por prego commodo : no armazem ao
pe da botica do arco da Conceigilo, e no
caesda Alfandega, no primeiro armazem
defronte dochafariz.
Albos.
Vendem-se canastras com albos, a 30 rs.
cada mago : tambem se vendo muito boa fa-
rinha de aramia : no becco do Azeite-de-
l'eize, armazem n. 16.
Vendem-se quoijos londrinos, presun-
tos de Westfalia, batatas inglezas a garnel,
chegadas pela galera ingleza Indas de Li-
verpool ; tambem ha na mesma casa rolhas
muito superiores para engarrafar vinho,
mantas de toucinho de fumeiro, consorvas,
lijlos para 1 rapar facas, curiles para po-
dios, viudos de differentes qualidades, agua
ardente de Franga, e outros muitos ohjoc-
ios por prego commodo : na rua do Trapi-
che, n. 34, armazem de Raymond & C.
Vende-se vinho do Porto muito, supe-
rior, era liareis de quarlo e quinto ; farinha
de trigo de todas as qualidades e em meias
barricas ;".retroz do Porto, prlmeira quali-
dade: panno e meias de linho ; arcos para
barricas ; farinha de mandioca em saccas
grandes e a garnel a bordo da sumaca A.-
S.-do-Carmo: tudo por prego commodo :
na rua do Vigario, n. 1L primeiro andar,
casa de Francisco Alves daNCunha.
Vende-se um lindo moleque de 18 an-
nos, de ezcellente conduela : o molivo por
que se vende se dir ao comprador : na rua
do Itangel, n. 5', sobrado.
Vende-se urna bonita mulatinha re-
colhida, de 16 annos, propria para moca-
ma porteras qualidades precisas: na rua
do Itangel, n. 57, sobrado.
Vende-se, a loja de calgado da Ierra,
na rua do Livramento, n. 25 : a tratar na
rnade llnrtas, 11. !, primeiro andar, das 3
horas em diante
Vende-se a taberna sita na rua da Lin-
gota, n. 6, com poneos fundos: a tratar
con: l.iiu Correia da Conceigo, na rua do
Vigario, n. 6.
Vende-se grxa em bexig3s
c urna canoa de carreira nova :
na ruada l'raia, n. 3a.
-- \a rua estreita do Itozario, n. 4, ven-
dem-se os seguintes livros: Primeiros
constituigoes sinodaes do arcebjspado da
Babia, 1 y. em folio; Esbogo de um diccio-
nario Jurdico por PiToira e Souza, 3 v. ;" S.
uiblia em portuguez, 1 v.; dita em lies-
panhol, 1 v.; Memorias histricas de Per-
nambuco, 4 v ; Quadros histricos de Por-
tugal, I v. ; Diccionario da marinha, 1 v. ;
T. livio em latim e fraucez, 2 v.; Philoso-
phiade Cousin, 3 v. ; Chronica de Cum
por Comes i: unios de Azurara, 1 v. rica-
mente impresso ; Pralica criminal, 1 v.. e
tambem se trocam por .outros, quaesquer
deslas obras.
-- Vende-se, por prego muilo cm conta,
Jacaranda muito superior, no caes da Al-
fandega para ezaminar ; redes do Para; cha-
peos de palha do Chile; banJeiras nacio-
naes; farinha de mandioca : nos armazens
de liias Forreira, nooaes da Alfandega, n.
1, ou na rua do Trapiche, n 34, a fallar
com Novaes & C.
Vende-se um escravo bom cozinheiro :
na rua do Collegio, n. 21, primeiro andar,
se dir quem vende.
Pos galvnicos para
pratear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem ohjeclos
prateados o que lenham perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisados, teem nostes pos um excedente
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como uovos sendo o pro-
cessn para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho molhado em sgoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caizinha contendo quantidade suf-
ficiente para pratear mais de 40 palmos
quadrados custa a mdica quantia de
mil rs.
Vende-se um escravo mogo, proprio
para o servigo de campo : na rua da Cruz,
n. 28, a tratar com Lima Jnior & C.
Ai,
Jtiscravos Fgidos
Fugio, no dia 15 de novembro prozi-
mo passado, um escravo crioulo de nome
Amaro, que representa ter 40 annos; des-
confia-se ter sido seduzido : quem. o ne-
gar leve-o ao eogenho Coqueiro, ou no Re-
cife, ruada Cruz, n. 43, que ser bem re-
compensado.
Fugio, ha 8 dias, oescravo Jolo, de 30
annos; he alto e nflo muilo cheio do corpo,
alguma cousa fulo; temoflicio de pedrei-
ro Este escravo quando foge costuma an-
dar peloPogo-da-Panella, Casa-Porte, Man-
guinho, e tambem pela praga Irabalhando
pelo oflicio : quem o pegar leve-o rua das
Larangeiras, que ser bem gratificado.
Fugio um prelo de nomc Antonio' Joa-
quim, de 20 annos, altura regular, cheio
do corpo, bem feito de ps e mSos, o de
bonita figura; fugio ha 3 tres mezes, e
julga-se ter ido para o leer, por ser do l na-
tural : quem o pegar leve-o ao seusenhor,
J0S0 Francisco Xavier Paz Brrelo, ou na
rua das Larangeiras, n. 14, que ser recom-
pensado.
100,000 rs. de gratn*
cacao.
Fugio, no dia 16 de dezembro, pelas 4
horas da tarde, um prelo da Costa, chepa-
do ltimamente da aliia, que mal.sabe fal-
lar edicer quem he seu senhor; ternura
grande golpe por cima de urna tontee um
pedago de orelha de menos; levou camisa
de algodSo branco trangado e caigas de al-
Rodo riscado americano : quem o pegar
levo-o a praga da Independencia, ns. 6 e 8,
que 1 cochera 1 gratificag&o cima e se Ihe
licar agradecido.
-- Fugio, no dia 15 de dezembro prozimo
passado, o prelo Bernardo, de 40 annos
pouco mais ou menos ; he sapateiro, de al-
tura regular, ps bem fcitos, caneUas finas,
anda com passos miudos e ligeiros ; (em
urna gomma no peilo junto ao pescogo,
maior que um ovo e j querendo arreben-
lar, o cabello j pinta, falla bem claro;
quando so embriaga he muito tallador e
quer ser valente ; lem cravos em um p ;
levou caigas de riscado azul e camisa de
madapolo grosso. Itnga-sea todas as au-
toridades policiaes, inspectores do quar-
teirflo, commandantes de destacamentos e
mais pessoas de justiga que o encontraren!
ou delle lenham noticia o apprehendam e
levem-no rua da Cadeia do Recife, defron-
te do Becco-Largo, n. 25, ou na Trempe, n.
1, sobrado com venda por baizo; assim
como se roga aos Srs. capitSes de navios
que conduzem escravos para fura ezsnu-
nem escrupulosamente os que se Ihes apre-
sentar, n3o seja este um delles que se quei-
ra evadir, e no caso de o encontrar se Ihes
pede o favor de mandar entregar na men-
cionada casa cima, onde ser paga loda a
despeza que se liver feito, e ao mesmo lem-
po se protesta contra qualquer pessoa que
o tiver em casa delido, ou apoiar a sua fu-
ga, com a qual se usar rom todo o rigor
da lei.
.Fugio do bordo do patacho Niclhtroy,
em principios do mez de oulubro, o preto
Vicente, do nagSo, de 30 a 40 annos, de es-
tatura baiza, magro: quem o pegar leve-o
atrs do Corpo-Santo, casa n. 66, que ser
recompensado.
Fugio no dia 21 do passado mez de de-
zembro, de bordo do brigue brasileiro Inca,
um Caboclo de nonio .Manuel, o qual repre-
senta ter de idade 35 a 40 annos ; lem fei-
go de branco, e be bastante escuro, j com
alguns cabellos brancos na barba; levou
vestido camisa e caiga de algodflozlnho, bo-
nete manija : quem o pegar pode leva-lo
atrs do Corpo-Santo, casa n. 66.
No dia 3 do corrente mez, fu-
gio da casada roa do Crespo, ti-
lo, uuia escrava de 36 a 28 an-
uos, de nome Uayinunda, de esta-
tura regular, muito gorda e fula,
cara redonda, bons olhos e bons
denles, p> muito dircitos, mas
muito cheios, dedos muito finos ;
levou urna pequea trouxa com 1
camisase 2 vestidos, sendo um de
assenlo branco com riscas encar-
nadas e cravos encarnados, e ou-
tro novo azul com urnas listras e
folbinhas prctas, um panno da
Costa azul ; levou veslido urna
saia de ramagem de cobcrla, e
urna camisa branca com bahados
as mangas: quem a cncontiar
queira leva-la tua do Crespo,
n. io,primeiio andar, que ser
bem recompensado
Fugiran, no dia 2 do corrente, dous
escravos, um de nome Candi Jo, de estatu-
ra regular, com um O atravessado em cima
Je umjios peitos; he bem fallante que pa-
rece crioulo: o segundo de nome Pedro,
grosso do corpo, com urna cicatriz na na- -
gfla do brago : ambos canoeiros : quem os
pegar leve-os rua da Praia-de-S.-ltita, ca- "
sa de Manoel Jos Dantas, que recompen-
sar.
Fugio, no dia 26 de dezembro, um pre-
to de Angola, de nome Blum, de 40 anuos
pouco mais ou menos; tem alguns cabel-
los brancos e manqueija de um p ; levou
caigas e camisa do liscado j um pouco ro-
las : quem o pegar leve-o rua do Sebo,
n. 20, que ser recompensado; suppoc-sean-
dar mesmo pela colado ganhandu para o
lado das Cinco-l'ontas.
i
Pbk. : ni fw, de n. t. he mu. o
MFI HOR FYFMPI AR FNrfjMTRAnn


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUNC01TZK_WJ8IYR INGEST_TIME 2013-04-24T19:27:14Z PACKAGE AA00011611_06752
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES