Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06748


This item is only available as the following downloads:


Full Text
^
Quarta-feira 2
Kolanua r Parahiba, srg
Hio-Ciandc do-Norte, qui
ala.
La'.-, 1 InhSenr, Rio-Ftii
t Maccip, no 1.", a 11
Garaihiins c lloDilo, a
^)Ij e Flores, a 13
doria, as quintas lefra;
luda, todos os das. rt

idas csextas fdras.
[las teitfls ao meio-
pioso, Porto-Calvo
de cada im .
!3.
tPEEMIElBIS,
Miog. a .'>, s Oh. 18 m. ila in.
Nova a 13, ,-is 0 h. da inauhaa.
Cese. a2f, 7h. m.daiu.
.Clicia a 27, is I0li.c3oiu.dat.
a DE BOJE.
ii eia s 7 lloras c -12 ni ionios da man)ia.
1 dV s 8 horas c 0 minu'.os da tarde.
de Janeiro do.I8S0.
V&EQOS DA 8DB3CB.I**C0.
Por tres inezes (adianlad'o*) 4/000
Portis nicz.es 8/WUu
Por un auno l/OOO
. DAS DA 3SMACA.
31 S.g. S. Silvcslrc
1 Tote. >Jfi>J Circulncisao do Senlior.
2 Quart. S. l-idor > Feriado para os negocios fo-
' s-ciucs ate o dia l.
3 Ouint. S. Aprigin.
I Sext. S. Tilo, discpulo de San Paulo.
fi Sab. S. Somefio Kstcllila.
Uoni. Os Sanios liis Magos.
..-:'. HiassasTifs^^'_5
CAMBIOS EiV
Sobre Londres, 27'7t -l-\o
Pars, 3 (i.
Lisboa, lO por ccri
Ouro.Oncaa lii-pan!ries....7
Mocdasdety-fODvellias..
i de 8/iiiii uovas..
dc4/oO........
/'roa.-Palacoes brasilciros.....
Pesos columbarios.......
Ditos mexicanos..........
JUSH Jall II I w
-
N. f.
ZEHBaO.
. a li i das.
vrfitmo a 59/501
16/9011 a 17/100
II20O a 10*400
9/560 a 9/40
1/h'lii a 1/W!
fJltO a 1/970
1/850 a I.{870
SSBW:*:
Encelando o seu XXN
Diario de
mambuco nuo soltar isses solutos pelos
mes o jornalismo f< iscieieioso, c que
be os males que *J'n resultar do exci-
menlo das paixOs p >ularel com calma
em afdimento mani >ta o >cu pr/.ar por
r os destinos do pala oufiaitos a bonicos
e, disfarcados com roupafcem dnesla-
>tas, mssinleiramet 8 bal los das quali-
dcs essenciaes a aqfclles a nemeabo
ncllianlo epitheto,. esempeahansWalla
ssaodcque immer idamente seaclum
cariegadosile mane a a^qinpromettor o
loro do mesmo pai e A cufrajueccr os
ilus do macbinisiiio social do modo a
ovocarem o scu desiantelamentn ; nas
mbem uo figurar imperio n'um leito
rozas, e-sem *ue n da tenha a deseja
ra acreditar-so na circumstancias de
rrer pan Ibas com i nuis felizes nacrtes
mundo. Nfio ; qu fora isso um erro
osseiro, palpavelme .o demonstrado pela
uacfio olorosa a qt nos reduzio o phre-
g dos partidos, e gerado ao ponto de
ndir-nos etn dous andos de inimigos,
i dosquaes, ao dosi r du poder, decidio-
cessem de contribuir em ludo para o seu
engrandclimenta.
V. em veldade, de todas as alicantinas com
f)ue os amljiciosos procuran) afronxar a ca-
lleja rorqiasiiivcrsasparlesiloimperiodo
Brasil se a da ni libadas eolio si, mo he esta
a menos peiicosa,-aquo menos de frente ferc
a oonstiluicNp, a que menos funesta pode
serem seus\^sultados. Erig em principios
S dessa doulrinn subversiva
ubordinados cstarem em di-
nca de pureza das inteiir
lirigem, quo pfle em cunti-
r a frca motora dn ma-
tes diversas prcas ; e veris
iir-i se despedaca, C fica re-
govcrnallvol
que manda i\
urna desconi
cues des que]
nun reacefio i
china social al
como essa mu.
a lanzar nifio dat
inda us conserva en
"litos desta prt>vin
cuja falta tnnlo S
linda atrasadissima
laudo vidas de que
s dando, ciiiliin
'iiiico e snleiniic d
que lein de icadquk
ras, a posiQ.lo em i
>tro, e qno nflo sou
r.oniqoanto, poten]
<.''!'(conheca asdifl
armas, e contumaz
nfio monos do dous
a, estragando bracos
rsenle nossa nova
gricultura ;malba-
ependem muius ou-
iini lestcmunho au
tibenliuma esperan-
ir, pelas vus ordi-
c csieve durante unt
e conservar.
o Diaria de l'ernam-
uldades em qoei-ssa
laver^onhosa esaiuinaiia ha constilui-
ttual gabinete c confjsse que ellas
.ini-i nulo gra demente pata quo o
imperial nfli tenha podido desin-
1-UHVi llll-llll'lll
ilo a poltica quo se
>2 o encarregariso da nobro e ilifiici"
a ilc crrigir os Viros dasadininslra
i-passadas ; todaw oumprebende que?
ell ante enibanicoinno he invinotvel, o
apparecer der.lrolem' \ite\e, so'u ad-
iiisliaQflo continan a ter por baso os
--mus principios poique se ha regulado
iiqu
Jim; persista o govtrno om premiar o
i'lto, sein consideracto a essas mesqui-
e/.as quo outr'ora luniavam deponiente
s caprichos das parciPdailes a sorte du
ladSo biasilinro, por iiais que se elle es-
casse por cqllocar-sa s^ib a proUcgSo
s lea, csluhin lo tiiidadosiiiionle os
ios de lu i ilion i.-ar coiji ellas o seu proce-
ncnlo; prosiga ca castigar o crime,
alquer que seja o iirdividuo qiio o tenha
iiiuieltiUo, lenhn esta^ou aquella cor a
indeira poltica com qte te/|uaji/a aco-
rtar j --nflo so cause de eslender niilu
1 Uciora ao desvalido1 qe, rgido oliser-
or dos picceitos da virtude e vergan lo
aixo do peso da miseria, em v9u:arfa-
Ijuoti.iiauainento por desnredar-se de
piessi vis prTaqOes, porqu Iho fiHartam
l'Ous grucis das inllui-ncias do dia ; --
da arrefeca no louvavel zefn Cun quo vai
llioian jo os varios ramos de adiuinilra-
j publica, sem intportir-s com os quei-
mea quo contra tais meihoramentos lo-
:ilam aquellcs cujos juleresses privados
feridus por elloj; ~ piuvoiluiido devi-
iiu-nlo a circunialuncia de ter decidida
ioiia no parlamento, Irale de dirigi-la
mcucira que ella proceda na legislarlo a
uellas itfoiinaa qu o bom senso o a ex-
ienca acoiisclliuni^nSo esquece, do cs-
codigo do ci .ni :n icio, em i quo so iri^ba-
i I a Imitos anuos, e i,u sem duvnla poia
furluna dos negocqjntes honrados eco-
rlo dos desfalques que qiia.-i diaiiaiiicn-
soirrcm com as banca-rotas fraudulent is,
c ah s.u sucedom co,n extraordinaria ra -
lez;-- e os cabecilhas, e essas entidades
e sacricum ludo a um sonlio de futuro
>spero, que nao trepidam em immo-
cenleuas ecenleuas de conciJadaos aos
is clculos audaciosos o egosticos, bao
uiflo. prciexlo.i |Bia t.busar da ba-
ilu inciiuto povo, nflo poder.to com fa-
idade coiinzi-lo ao maladouro sb o l.:l-
ruudameulo duque olevain a senJa du
jsperidado.
)o feilo, quando por urna serio de fados
linii.eos do | ovo so conveucereiu deque
govcino cuida serisiiieutc do porvir da
rilo e se nao olvida de melliori.r-lhcs a
le, nala poder.to cunta sua aceflu b-
lica esses ardis com que as $uppustai'
ieminenciusildi parcialidadel buscamcon-
ri-o, j liguiando-os Cercados de gra-
i males a queasseguram remedio p.omp-
o elca/, pura jamis prup irciouaieui-
j accenaiido-llies com inudilicijes
Ibis deem inlluenria u ais. direcia no
r pata nunca iculisarein (.romessa tan-
niais falUz, quaiilo be sabiiJu qus os po-
ico imurovudos, logo qiiegalgum p.'Si-
es uiiioitanus, lialam de dillicullar
Iros os uieios do que se servirn para
le-ias, recelosos de que este so apresasen
i preci|.il"-l"S lili o nado de que saliiram
iho por magia; j, finalmente, eiplo-
i. i.i e.-si iiiina do lidiculo e cxagera-lo
ovincialismo, inda es^uecendo quetor-
ntuia toMa cooj.ctar para fazer cir .-.os
experienlM quo a eOrte, quaesquerque
iuin os principio pulilicosquo ladomi-
>Wiii, f-nwi sopor amesquiuliar as proviii-
/& -jue est se le curvem, e tuo
todos os seus
Mas loucuras ;
Santa-C'U7, de
todas as perip(
cbia, .acabar i
Itilliclam se-
apostlos dcssi
aevncotn calm
cfTeilosquecll
car reir, e par
que ard.ni clli
cor denlre as b!
bu o esta nd arl
su, ti emula ei
Mas, nao: i
de scontecej.
l^tiirfTOs 15 ir.
bem com nube
du niognaiiinio
I-oupal por ad(
seus Sllll'lkuS,
convence-los da e;
veinativo, coja s
lifje, e haveaios
dia ; alii estflo
viudas cidadaos
que, desinvolve
ministerial, h3o
tos lodos os eml.i
dnzda a uin'Uuino de ruinas, ptimo
painel para aqljlles que S no meio dolas
aabem e p lef vivor. Demais, supponde
queseme!ban| doutrina be adoptada com
lodos os seuslorollarios. oque acontece-
r ? Moje as nvinciaa recalcitrarflo con-
tra a corte, qilero dclor-lhea lei, por
conaeguinlc slpnipctiharflo para que sn ve-
rifique o casol ser a cabecu governada po-
la cauda ; lanhSa as comarcas, estimu-
ladas por tilo lllo exemplo, e igualmente
desejosas de cjservarem auas franquezas,-
su.is imniuUades, reagirflo .contra is
capitaes das pnV'iiciiS, e se esforcro por
impdr-lhesseu.prichoa, suasvonta.li-
nhasde inoflieil ; aodepoisos munici-
pios so erguerafionlra as sedes das respec-
tivas coniarco|u por igual lutanlo com
ellas ale Torca
a acouipanhare,3i-os em
svaneios, era lodas as
e, desl'arle, o imperio da
is do haver passado por
s da desordem e da anur-
aniquilar-se.
nenio sobre tudo islo os
lulrina excntrica ; pen-
moderacilo nos temvois
de produzir, o arripiem
|na propaganda ; a mcucs
ejosdeverem dcsspparc-
eirasdas na (Oes do til o-
ri-verdo, qu;;, orgolho-
Bllll.
ande desgraca nos n.'o ha
ko/it!i a lesta dos negocios
ro patritico, e que
j as vistas palernacs
i-( lia brasiftiio, na
ntTOdo
lidu do manoira
le'ncia do sysieina go-
ira temos vivido at
'prosperar do dia para
iresiiiencias das pro-
slaiites o dedicados
1 lielineute a poltica
Jesl'.izer por seos C-
com que os innova-
dores Iratam do d' :one.eituar lal systen.a ;
ahi est a ini|tusa sensata do paiz,
prompla a eaclarir u opiniHo publica, o
a p-l%de atalui/onlra osopbismas com
que pretende .l(fairs-lu a outr> monos
escrupulosa, i-mios conscia da ntagnilu-
do de seu sacenKio. K, portanlo, -jiiovu
moraludo; o paiy. ha re ser
ha do se
governo inonarchco-
nuuu'-u.
a graU'SperaiiQa quecntretem o
i*ernmfc'-ao eoiuecar a larda
legetR-rii-io B--
coiistiliicional-rercsonlativo lia de ter em
cada um dos lirasciros um defensor extre-
nuo e denuda o.
Tal he
Diario de
do auno do tSO.'urahto o qual nflo econu-
misarasacrilinopor continuar a merecer
dosloilfes o um acolbimentn com que
al agora u tecoHos renliorado.
Possuimo-nosle obre orgull.o srtnpre
que temos occHodei ver apreciado devi-
damenle pelo -angeiroo mefilo dequa -
nuer cihdflu m'"lo-no imperio do Brasil ,-
e jamis nos ,:inoiaiemos em coucorre,
para quo u-nli'M puMicnlade Igurn
SoMuTraUi qu.frf*"^'" l--"da a toniar
conhcciJo doscitores um patricio ncNsn
que, conduzid.a Urraa dalom-mar pelo
amordascic.ici. dpelo mo fado, purle-
se ahi de man* *erecer sinceros enco-
mio II,. nor-so qoe nos apressamosa
o ,i.i.k,llimo ns soguiules linlius
em Madrasta foram assalta.las por urna mu- Continan !o sua marcha para o norte,
lestia semelhsnte no esnarjo de um mez ea cheRou a Cantflo em 1820, assoloui i e-
f.000 homens cahioim doonfs; alguna su- kin em 1821, c depois do ter devastado a
ciimbiram dentro do urna hor' oulrosex- Ctiina por nlguns nnnos, passou agrando
piraram em convulsii.-s horrorosas depois miiralha cm 18-27 eospalliou-se no imperio
de uHi oii dous dias de padec metilos, e do Mongol. K opiniBO do quo esta doenca
mni poucos rOram os quo recubraram a se dirige constantemente para o oeste, pos-
sado. l0 ""o seja commnm, e ate tenha servido da
Em 1783 esla cstranha doenc rebontou baao n wm syrtBma de propagacllo choleri-
no meio dos peregrinos em Ilurdwnr, e ca, nflo be portanlo verdadeira.
malou rielo menos a 20,000 deos ador*- A corrento occidental percorreu *00 mi-
dores da clebre reliquia. Pela rtnsma. Hus no paco de tres nvezes e ora dj-s-
poca um pran.lo numero de habitantes-rtV truindo. oa poiipaodO as ci.lades e villas
India rOram atacados desta cruel epidMHf, que onconlravn em sua marcha, cliegou no
n q-ual osMoslens dennmiiiaram Moidechim. principio do novembro ao acampamenlo do
Pessoas que eonheciam o francez mdlior do esoreito ingle?, n is margeos do Scinde. o
qu o pora allTarania nalavraMorde- Campo foi de r.-ponte transformado em los
chim-epronuncinram-iia Mor deehien. Os pital. 9,000 homens pereceram en urna
svmplo.-rns du or dechitn fram descri- semana. Ac.mteceu muitis vezes que. sen-
tos por Mr. Curts, que :icsse lempo fura tcsteriimlia do varios casos occorridos em soldad. quo a substitua no mesmo pusto
Madrasta e Cevllio; essea symplomaa sflo era Umbom I-rilo, ealgumas vezes urna
idnticos aos do cholera spasmodico. tercena, o urna guara sontinolla pereca
Nfio so i ole fazer remontar om certeza a anlesde lindas as duas hons do quino,
oiig-m du cholera a um- poca mais rem-
la. He- venlade que os livros dos liramines
indicam vagamente que urna doenca qun-i
semelhante tinba reinado na lo li i em t.-iu-
o paiz tanlos roubos como actualmen-
le. Quadrilhas de salteadores infeslant to-
das as provincias da repblica, o al na
propria capitil elles so tcem lomado ex-
traordinariamente ousa los.
Um lonente-coronel de cavallaria.c'iama-
do I). Faustino Villalva, levanlou ltima-
mente oeslandarle da revolla em Cocula,
jjjntn de Iguala, proclamando S.-Anna ge-
nenl om chefo do excrcito regenerador do
Mxico; porm, como nflotivessocomsigo
mais que cincoenta soldados, o general Pa-
lacios alacou-o,e,disuja>andoa partida por
elhrotoirr.aii'ladii. conWauio fazO-lfrprisio-
neiro^B iufeliz Villalva licra para ser exe-
CUtado.
Quiroz, o callees principal da ultima in-
surreic.o de Sierra Gorda.temi sido appre-
honildo, fui espinganlado, e seocorpo foi
levado para Xchu, afim de ser alli exposlo
em publico.
Hu.)lea$ao u ppdidn.
Sr. rtdactor: Tendo apparecido em um
dos seus Diarios um aviso do Kxm. Sr. mi-
nislro da guerra ao Exm. Sr. concelheiro
presidente desta provincia, ordenando que
se descontarse por inleiro dos metis venc-
menlos a importancia dos sidos dos mezr-s
do maio, junlio ejulho do correte atino,
que cu havia recelndo em duplicla ; vis-
ta do semdhante pilnlicacfld, eii.so cono
devo de minha repotncHo, rogo-lhe a im-
pressflo do presente documento, poli su des-
ta sorte licar o publico conliecendo quo
uma'tal Indignidad.! uo praliquei.
Satisfazendo o meu podido, scnbo r re-
dactor, muito obsequiar ao sou constan-
te loitor.
Kccifo, 29 .lo dezembro do 18S9.
O capitn Joilo P'rancisco Catete.
lllm. e Exm. Sr. concelheiro presiden-
te da provincia. Joilo Francisco (tlete,
Capilflo dote'C-iro batalhflo de nrlilliarn a
p.precisa para bem de sen dircito que pela
pagadoria militar desta provincia ilic seja
declarado: primeiro, se os soj.los do sup-
pliciinlo pertencontes aos mozos de maio,
junhoejulho ilo"presonto auno, fOr'ain por
elle oh por seu procurador nqui recehidos :
segundo, s a l'aze/idt ja so ada indemn!-
aarJa.eWede quando: terc/irn, liniilmpnle,
apn'il n eneiniistaiicia quei nintiviiu-S"nm-
Muilos sollados, ao cirre;aroin aeua rama-
ra.las otra o hosoiial, Caban alocados de
iiorriv.-s cenvulsoen.
Ja nflo havia* lempo, j fiIUvam mesmo
pos mui remotos; eonlio, mlico de lia- os bracos pira enterrar os morios, oscada-
tavia, descreveo, ha 200 anuos puoco mais veres eram laucados as COTAS vizinhas.
oii menos, debaixo do nomo do citolera orna Us campse as estradas em distancia do
doenca biliosa quo a/ia entila grandes os- iniiit-s rnillms esla va m juncados dos cor-,
tragos no i'Slabi-lecimcnlo quo os llollan-' | os daqu.-lles qoo lin'iiin outilmente pro--1
de/, s tinhain fundado em Jova. Para pro- curado sui saivaeo l'ugindo, e finalmente
vara anligurdtde do cholera,teem-se citado quando o general em ehea se decidi a
possages do lllppocrates, deArelceus, de buscar urna siiuacfip meatosatoentiJ, a es-
Jos:plio e de Zacuto de l.isb. Al se tem Irada que o exercito percorreu, pareca ser
suposio que foi o cholera que no lempo do um Campo dubalalha.
rei Ezequiaa atacou o exercito sssyrio ej U cb-lera nOocomecou a diminnir.senfo
malodcm una nuile 180,000 homens"; mas, quando o exeicilo chegou s alturas de
con.o qurnueseja, nflo pulemos deieroii-, Itrich, 50 mjlhas diiUlile da primeira es-
nar com certeza se essas antigs doencas! lacAo, nflo longo das margena do lieiwah.
pcalillonciaes fram ou nfio o cholera apa-] No espaco do um auno, iaalo na, em
mdico. Naos.- encofllrem traeos precisos agosU>de 1818, acorrente occidental, con-
de sua existencia antea da nvasBodomorl-jtinuaiido sua marcln ao longo das hordas
de-chien; o esla doenca nflo tiuha iiiicj do Ganges o do Jemna, clgou a lU-hli, e
passado as fronleiras ra India. eslendcu-so tamben* para Sarahampore e
mort-de-ebien rebontou emlKolah, ridadessituadas nos limites ao oes-
2 ('edezemhioU'."10,
que elle Irado*'
28deselemhroc
que l'rain escripias em
l
Tricomaleo (i
de 1849 :
O Sr. Cari
brasileira, g
uno llatli'i'Pt
Fragata Ceu
Funj, alim d
uavegacSo
O Sr. Car]
mrito Irans
no cumprlm
respeiladd n
Por ler
jlaitiiiaiio
,ia ra I cor I
de> Cevlao.) a 7 de agosto
i,i Ixflo, oflicialda armada
t,viO para estu estaeflo na
.le soi ve a nove mozes na
', foi trasjuTeridn para o
dar o vapaj- applicado a
.o Lefio lio um ollicial de
en le,.le singular exac'tido
dos seus |doveres, e multo
auadra.
gera
i.-uisl
poli.'i* I"1
Se iireilo Jj
Oat.R
novocarg.
Sf, .ljembargador Jeronymn
'idieira de Mello do seguir
,.,ii,,i depulade assembla
iyi foi nonea lo chefe de po-
no tiesta provincia o Sr. juiz
.ii'olo Iteguelra Costa."
ieir*Cesta tumou possedoaeu
no ia 29 do dezembro ultimo.
I'lo pabehoamericano Justina, vindo
C ialtiinwe.rci'bOinos o Ualtimore 'alnnt
. Ci.mmeit.- .1/ li'-iie de 23 de novembro
j.^nuo praxionlljodo, e dello nflo consta
,,,d houvesso ocioTdo nada de exiraordi-
,,rio nos osla los lo que se compOea Uuiflo
MI. I. '.lu
Asimilen-- pem, do Mxico iflo sfio
n iiadasalislacljas. O Uatitmort Vutriul | taes
.lianle djgtiJicata. K cotno 6 po possa obter,
sem respeilau-l despaclm do V. Exc, porjP
is.so.--J'. a V/Exc. se digno assim o mandar. Je_
do que E 1131.
Para, 23 de na^embro do 1819. JoSo
Francisco Catete.-
A lagadoria militar certifique Pala-
cio do governo da provincia do Para, 23 de
novembro de 1819. -- Cee//io.
a Cun.pra-so o despacho relro do Exm.
Sr. presidente da provincia. Pagadoria mi-
litar do Para, 20 de rlombro de 1819. U
inspector. -- Utllq,'
i. Certifico om observancia do despacho
Supra, que os sidos quo se abona ra m ao
supplicaiitc as fulhas de pagamento dos
vencimentos que osollciaes do quarlo ba-
talhflo de cacadores do primeira linha live-
ram nos mezes de maio, junho ejulho do
cadente auno, a cujo corpo foi mandudo ad-
dir por se adiar com lie.-i-.-1 na cOrto do
imperio, na occasifio de o balalhflo a que
perlence marchar para I'ernamliuco, nfio,,
fram recebi los por elle, tiem por seu pro-
curador, segundo o que abalxo s< declara ;
quea'fazenda publica esta iiideinnsad i da
impoipincia dos mosmos sidos desda l do
oulubro ultimo, cm que o coronel gradua-
do comranndanlo du mencionado batalhflo
quartode cacnuures fez della enlroga nesta
ropartigflo, como consta da guia data-la a
10 do referido miz ; e que, vista da com-
munlcacfio Certa pelo ijipclor da pagado-
ria das tropas da dita cOrte em ulllcio de 21
dcjulho ultimo, receido aqui cm agosto,
a duplcala do pagamento dus aolilua dos
dlos mezes proveio de o supplicante ter,
em consequencia do ordem expedida aquel-
la reparti?flo em aviso de 8 de junho, come-
gado a recober ahi seu sold de maio em
(liante, sem que primeiramento se fizesse
dissosciente a*esta pagadoria militar,
lie quanlo lem-se a certificar acerca dn
quo o supplicanlo requer. E para constar
so passuu a prsenle, que vai por mira fcila
e iissiguada. ""
.. pagadura militar de Par, 10 de dezem
ln-o de 1819.
Xartinho larciano Dantas,
Amanuense.
HISTORIA DO CIIOUCUA-MOIIIIO,
Seu itinerario e seus pmgretses.
Pelos lias do sceulo passado, Uto he, em
b auno de 1781, um corpo do trupas do
5,000 homens aquarteladoo.-ii[(>anijam,cida-
(io situada as hordas do golpho de llenga-
ia a 535 milias ao nordeste de Madrasta,
foi repentinamente atacado por urna doen-
ca de u..i genero al enlflo descouliecidoe
de uma malignidad.; Iflo lerrivel, que os
buincns em peri'eila s.ni.le inoiriaiii .sbita-
mente as dalias. Alin dos qoe lyra.n as-
sim feridos de morte, mus de 5u0 soldados
cabirain doentes duraiiie o dia, e a inaioi
parle (dellcs no li tas de uma hora linbam
denudo do viver. No da seguinte u mal
ciiilinuou com a mesilla inlcnsidade que
u piimeiru, e ao teiceiio a melado do ex- ,... ^., llu
eicilo linha perecido, ou jazia nos hospi-Jcosla OCCideilll
Em 1817 o
Bengala com una fOrca cxiraordiiiria
mas com carcter mudado. F.llo nflo per-
iii.iiicc.-u mais oalacionario debaixo do tro-
pie, e percebou-se que se estn lia rpida-
mente para o oeste Observaiido-so sua
marcha, comeeou-se a presentir que breve-
mente invadira o continente da Europa.
At circumstaucias de.-ta desastrosa iirop-
! pefio e a cfrigem do Qagello quo decima ho-
noasaa poiiilacoes merecem una alien-
cao particular. As IrasbordacOes do Can -
ges excedom algumas vez-s a siluro das
niiindacOcs annuaes que submergem as la-
g08S vizinhas. As villas e as cidades pare-
cem enlflo como illias no meio dessenovo
ocano, .que he soleado por innumeravejs
ca:iii.-i3,Ve. Todo 'o.pai/. quo coica Jcssoic lica coberto
d'agpa, c as lagas meio inuiidadase corta-
das ijelas QumeroSM coi rentes que formara
o Delta do Ganges, oxhalam em urna at-
mosuhefa hmida c calma miasmas ptri-
dos c quelites.
Debaixo da influencia de urna tal tempe-
ratura, cuja corrupeflo era ain la activada
pelos calores do mez de agosto, o niort-de-
cliicu apparecetl pela piimeira vez era Jes-
soie. 4 epidemia estcnieu-so com rapi-
dez entre a populaffio, o fez os maioras es-
tragos na casta.dos Parias,desgranados que,
por um trsbolho excessivo dobaixo do um
sol abrazador, nflo ganham seuflu 25 ccati-
mos (qu: tro viutens puuco mais ou meaos]
por din, habitara casebrea infectse hmi-
das, situados nos b.iirros os mais immuu-
dos da cidade. Deulio de poucas semanas,
10,000 individuos, islo ne, o sexta paila .la
populacfio, liuli>n) perecido- s tibunaea
so lecharam, as transaegoes fiara suspen-
sas, e as pessoas ricas fugiram om mulli-
dflo para longo do paiz. Um mez depois
a doenca rebeulou era Calcula, matando
209 pessoas por dia ; mas soaa dovastacOes
torna rain-so logo terrivais. E;n poucas ae-
manaa ella percorreu e destruio as cidades
e as villas siluaas na imincns su.. crlicie
do teiieno coinpreheiiilida onlre Sylliet a
sto e Cuttacli a oeste, as boceas do (au-
ges e o confnenle deste rio com o Jemna.
Pai lindo deste ponto central, o cholera
(lividio-se etn tres correles : uma dirigi-
se para o sudocsl-), ao longo da cosa de
Coromandel na direccffo de MiJrasla; a
outra para o su leste, aj longo da cosa o,i-
posta do golpho de Bengala, na direcco de
Atracan, e da pennsula do UlaCJi a U-r-
ceira pura o oesle, ao longo do \allj do
Canges, na direcQi"io de llundicuud, onde
um exercito de 10,000 comb-ilenles so aclia-
va reuuidu s ordeus do marquez do llas-
lings. a*
A correlo do sudoeste gaslou do/.o me-
zes para chegar a Madrasta ; sois mezes
ni,i>; i ri.' ..I i atravess ).i o estrello d -
l'alk, inuudou rapiddiiieiilo a illia de Cey-
Iflo, c sondo importadada de la pelafragaii
Topa:>:, a cruel epidemia appareceU lia lilla
Mauricio em novembro de 1819.
A ccente do su leste viajou mais lenta-
mente, dio levou doze mezes para chegar a
Arrancan, e ootrus doze pora peicorrer a
costo al Malaca. No eslobelecimeolo in-
lez da illia do Penang ella destruio os tres
quarloa da popolacflo. lie Ueucimiiihou-
e'atnivi's de Sumatra, Java, o illias do
.Sonda at-Ti mor, seu exlromo limite ao
sudeste; depois, ronionl n 10 para o norte,
"lia atacou as ilnas l'liilipiuas, onde dcci-
'.oii as tribus barbaras que mataram os
Europous e Ubinezea, aoeuaaodoros de ma-
n. Em l'onliuah, le,loria hollaudeza na
le Horneo, a-guaruicfio pe-
No anuo seguinte, om 1782, as lio-jrecou toda, o suiienle um soldado esca^ou
lliz quo jaoMui' commetteram. naqul-lp'as cdminaudadas por SirJohu urb'oyuoa epidemia.
te da lacia dcslcs dous rios. A epide-
mia foi embora(a cordilbeir das montanhas, mi quaea nasce
o Ganges; entrotanto ella linha atacado
a provincia de Nepaul, situada sobro o de-
clive meridional dos montes llymalaias, os
fuaes se oppnzoram durante alguns annos
ios paegressqS da epidemia na Asia central.
Ao mesmo lempo esla correle avancou
para o sol na diroetjfio de hombaim.ondo o
cholera Piareceu em agosto de 1818, e de
la, seis mezes depois. dcsceu a Trivan Irum
esohreacosti do cabo Comorim, o ponto
mais meridional da India.
Assim, durante os de;.oilo meses que se se-
guiram sua primeira IrrupeSo, esta doenca
epidmica percorreu u>da a pennsula ludia e
coi su marcha para a Europa clirgou ar s
nionnii!. i- que limitaiii ao oeste a hacia do
Gniges e do Jemna, Batas inoniaulias, com-
i|iimi" sen declive oriental llvcssc sido devas-
tado pela epidemia qsnl un anuo inleiro,
Cnibaearam-na em sua marcha ; o-,.hai.ii.uiles
do ChlUore e dos oulrbs paites sitirdoi sobre
o declive occidental se alegraran! com este re-
sollado e crerain-se preservados da iov.i-.ao do
leiiivel Inhnlgo, que se havia apossado do
declive opposlo. Sua alegiia, porm, f.d de
curta dpracnTo ; porquanio em julho de l819o
povo de Ci.Hiore soubc com conileroacio que
o cholera linha siiliitamenle rebentado epi
OUdeypose, capital do principado, que tinha
invadido o palacio do soberano, linha atacado
proprio principe e morlo o primeiro ministro
dentro de poucas horas. Nesla cidade, bem,
como cm- Ajmeerc em algiimas cidades vl'i-
nh-is, a epidemia causou grandes estragos, de-
pois do que fez nina alia, a qu il durou dous
auims. A cordilhcira de moiiianlias, c os de-
serto! ardcutei que se Aieudem ao oeste do
lliudoslao parec un Icr-lbc impedido a pas-
aagem.
F.m julho de 1821 elle apparcccu com ume
extrema violeneia cm Mscale, llushire e Bus-
soi-ah,os iret purtos prineipaes do golpho pr-
sico. Km llaaeate l.nOO pessoas perecern!
vi.iiinis du Qagello ; cm llushire as casas o-
r.iin abandonadas, os bazares se lecharam c as
nas lic.irain eululliadas de cadveres ; em
lliissorah 18.00J pessoas, o terco d.i popula-
cao, iiiurreraiii em on/.e dias. Eotretanto que
devasliva assim as buidas do golpho prsico, o
bolera parti de llussorah, situado na embo-
i.l na .! i Tiure.para eslender-se rpidamente
obre a vasta baca formada por esse rio e pelo
Eufrates. Bul um mes elle chegou a llagdad,
cnla.i sitiada pelos Persas, e destruio inultos
milliares de pessoas, tanto entre os sitiantes
como entre os sitiados.
Durante o Invern desse auno (1821}, o fia-
gcllo diminuio de intensidade. No esli se-
guinte, islo be, em I8'2j, che tornou a tomar
sua marcha para a l'.uropa, seguindo o Tigre
at VI. po, m fallales al l'.r/eroun, na Arme-
nia. Elle devastan esla ultima cidade, quan-
do o exercito dos Persas, j delle infectado,
avancou cm numero de 30 a 40,000 bomens
para combater o exercito turco que conlava o
mesmo numera de soldador, e se ochava acam-
pado as alturas de Kr/.eioum. Os Turcos 1*6-
ram nao smente derrotados, senao tambein
atacados |,-la epidemia d.aiitc a balalha. Os
vencedores c os vencid is cahiraiu aos milliares
debaixo dos golpc3 desic inimigo invisivel.cein
vetes mais terrivel do que um exercito nimi-
Ko. II ou 4,01)0 Persas pereceram ; o resto das
tropas chelas de um terror pnico debanda-
rain se, c dcixaram em sua iiiarclu uma mul-
l l.i i de cadveres. Os Turcos fugiram a mar-
chas Costadas at Hakon na praia occidental do
mar Caspio, semeando cm sua passagcui o ve-
neno de <|uc c.tavam Inlectados.
lio i .une o auno de 1S o cholera fez poitco
progiesso. Elle eMiaguio-se no oeste, desde
Alepo at -,mu.|in.i,,- cm alguns uniros portos
.i cosa ao oesle do Medilerianeo. De llaltou
elle dlrigto-ac para o' norte ao longo das mar-
geos do mar Caspio e chegou a Astrakaa, por-
to russo na embocadura do Volga mas nesta
cidade smente 14-i pessoas iiiorrtram, depois
do que o H.igelPj poz termo iateira.u seus estragos,
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO MUTILADO


qtiarenlcna ngomsa. A cidade foi cercada
de cordes sanitarios ; os doenlos eram de-
s. p <-i's .la me; te arrancados de seus leitos c
transportados pura um hospital apartado
de toda a habilaeflo; os mdicos oercor-
riam as ras, cobeilos desde os ps at &
cabeca de saceos de encerado, aos quaes
>inhnm sido adoptadas vidros na altura dos
olhos. Estas medidas espantosas excitaram
Diante o seis iddo que fe paasaram dea-
do 1844 at 1830, o cholera fe/ alta 1:05 confina
il.i Europa, e rnlrrlanto as frarenunas mi ae
tornaran, maia jerras. O/vlf iantei me che-
li.ivi.rn de pairavf infciad/s. contin.1ar.11n a
er recebidos nf orsteaeijf difliculdadc. Apea-
te pareca eslat rsK.ua approximacan b::r& Tusado se desvaneceram
'f'-'Vo m pf'g fui e*Iue-''do. Durante o ealiu
.i lbii'J o cholera den nnvos signara dr sua
existencia, devastando coin furor os limites
.rcidrntara da Europa. Elle rruentou em
Oreinburgo, cidade fronteira da Tartaria, si-
mada as margena do Uralquc corre do norte
aoaul ese lauca no mar Caspio, cujas bordas
tintiain sido devastadas pela epidemia em 1823.
:\a cidade de Orcinburgo e na provincia que a
cerca, um dcimo da populaco fol atacado
pelo cholera, c um quarto doa doentes perece-
rn!. Esta segunda noticia reiinvuu os temores
la Europa ; mas nenhuma medida foi tomada
para resistir a invaaao do llagello ; e os Eur-
peua recahlram emana apatliia logo que per-
.eberamque o invern liarla posto lim aos es-
irag is da epidemia. Nenhuns esforcoa se lizc-
rain para (anear as cidades, nein para alliriar
a miseria das populacea aglomeradas que,vl-
vendo em possilgas Infectas, respirando um
ar impuro, j dcclmadas pela febre, e pelas
cnnaequenclas de urna constiluifao viciada,
rain una presa de antrinan designada para
sevaro furor do terrivel llagello que amearava
invadir Europa.
Em 1830, durante os calores do esto, o cho-
lera appareceii de novo na Persia, e, percor-
rendo aluda aa bordas occidrnlaes do uiarCaa-
plo, invadi Salianla na embocadura do Kur,
Astrakao na embocadura do Volga, e alguinas
( i.Lides intermedias. Ao incamo lempo elle
avancou parao oeste ao longo do valle do Mr,
ntacou Fittia.c devastou esta cidade por espaco
le um inei; elle penetrou entre os poros du
Caucaso, seguiudo o curso do Terek e do Ru-
ma. De Astrakan passoii eire no espaco de
vlnte um diaa para SaratolT, cidade situada a
40u imillas da embocadura do Volga. e l no ropa central e ganhar a Inelaterra
lll*rilrn (IP lilla iitni Forin rls ...... Ol** a?-- ..___ 1 1 P
>2'
I63S no Pie monte, em Genova a Florrnca, situado a 8,000 ps cima do nivel do mar.
quos Alpes linham sem duvida.preserva- Em tbrallar, a epidemia foi to fatal aos
lo at enlao, e ehegou a Na; oles em 183G c homens acampados as alturas de W'n.l-
em-llnma em 1837. \ mili e sobre o rochedo deBuena-Vilta, co-
De balde so estabeleceti em pales urna mo *os soldados quartelados no interior
da ciJade. 0 cholera he igualmente in-
constante emsnas relaces cotn os pheno-
menos meteorolgos, comqoanto muitn se
lenha fallado na pretendida induencia que
ascondicO-s eletricas da atmosphera exer-
cem sobre seus progressos. Elle rebentou
em S.-Pelersburgo em seguimento de uina
tempestado, e este anno depois de uma tem-
pesladeseus estragos dimnuirarn,em Paris.
um terror liio grande.qtio em pouco lempo E'1' Madrasta, sua apparicSo foi preeodid
30,000 habitantes fuRlram ; a populacho, do um tremor de trra ; em Daccas e Chit-
persuadida que os alimentos estavam on-: tagong, sua invaso leve lugar durante uma
venenados, comecava a suhlevar-se, e o re I inundaeflo ; em Nagpor e Saugor, elle aug-
pra aplacar o tumulto passeiou peas ras j mentou de furor, entretanto que urna teni-
as mais Infectadas, comeu publicamente do | pestade violenta varria as mas. Finalmen-
pio, cuja qualidade era suspeila, e suspen- le cJa me* do anno, desde Janeiro at de-
deu as medidas sanitarias a que tinha sub-
geitado os Napolitanos. Urna correnle re-
trograda invadi em 835 Marselha e Tou-, India.
zembro, fornece una data para a rrupcffo
do cholera as cidades da Europa ou da
decurso de um uiez ferio de mortc a 2307 pea-
oaa. Elle conlinuou i remontar o Volga para
Moscou, onde a H de selcmliro de 1830 dous
011 trea casos se declararan!.
O imperador da Muala ficon enlao aisuila-
10, e mandou estabelecer um ci rdiio sanitario
em roda de Moscou, assim como nina quaren-
tena severa nos poitos da cidade, c ordenou o
Isolaincnto completo doa doenlea atacados do
bolera. Sem embargo destas medidas, a epi-
demia creaceu conl rapldei, atacando sobre-
ludo os mlseravris habitantes das ilhas panta-
nosas formadas pelos dous bracos do Moskown,
reunidos por um cual.
Em seis semanas 3,000 pessoas inorreram.
.Durante o paroxismo do terror, cmquanto
a cidade eslava estrictamente Isoiada e o cho-
lera era geralinente considerado como uina
doenca contagiosa, o imperador veio a Moscou
para animar os seus vassallos, provando-lhea
por aua presenca que nao tema compartilliar
seus perigos Eiitretanio parece que o aut-
crata lian fez uso de seu poder para alimpar os
curraes dr Augias. cujas perniciosas exhala.
(OH elle lio aiiiinosamente ..ll'routava. O lla-
gello cniliiiuou a subir parao norte eeslen-
deu-se tao promptamente do mar Caspio at
ao llaltico, que, se nao tiresse relaxado a sua
marcha, poderia rni iros 1ne7.es ter invadido 1
Europa toda inteira. O temor se apoderou dos
espiritas, e todava alo se cuidou ainda em
sanear aa grande cidades, ncm em melliorar
a sorte do poro. Os resultados deata negligen-
cia no lanlou muito que rao apparecessem.
Entretanto que o cholera remontara assim o
Volga at Moscou, e de la ganhava .S-Priers-
burgoc as margens do Bltico, segua I milico,
o curso do 1 >cim al ao mar Negro, e coreara a
Odeasa lia embocadura do Danubio lugo de-
pois de sua rruprao em Moscou. O llagello pe-
netrou enlao airares do continente por cor-
rente parallelas. Uina drllas, s guindo o ral
le do Danubio, eslendeu-se at Vienna, onde
ehegou no mez de agosto de 1831.
Anuir, partlndo de S.-Petersburgo, percor-
reu aa margena do bltico, Riga, Stcttin e ap-
parrecu em l'erlim no incsinu auno. Una cr-
reme intermediaria invadi Varsoria,Cracovia;
e ilrva,t..o multas cidades da Polonia. Dizem
que o Iluisos coinmunicaram esta doenca
contagiosa ao exercilo polaco durante una ba-
talha, do mrsmo modo que antcrloriuente os
Turcos linham sido infectados do veneno,
conibatendo os Persas.
Colll o so. corro destas correles principara
a epidemia rspallu.u-se atravrs da Austria,
da Hungrb, da Allenianha, cehegou al llain-
burgo durante o outonno do anuo de 1831.
Na uiesma poca o Kgrpto foi invadido pelo
cholera ; o flagello foi importado no Cairo pe-
los peregrinos que voliaram da Meca, cidade
|ue tinha sido infectada por viajantes partidos
dos p.a ios da Peisia t da India. Ka Meca 20,000
peregrinos inorreram em qualro dias. f*o Cai-
ro a morulldade foi tao tenlrrl, que os mdi-
cos pereceram lodos, e os desgracados api-
nhoadoa nos hospitaes inorrrraiii sem soccor-
tos. Constantiuopla tinha sido atacada dous
meies antes por uina correte pestilencial que
se tinha dirigido para o sul, separndose da
correnle principal, cuja marcha temos Iracado
ao longo das iiiaigcns do mar Negro r da hacia
do Danubio.
O cholera tinha rebrillado em llainhurgn
nos piMoriros dias da outubro dr 1831. A (i
do mesino mea rile deelarou-seem Siindirlaud
na costa oriental da Inglaterra, onde foi intro-
luiido dizem que por um navio partido de
Hamburgo.
Nesta poca, fseto asss extraordinario !
a Franca, bem como a Italia e a pennsula
ibrica anda nSo linham iJo accoinmclti-
das do flagello. Pouco depnia do sua ajpa-
ricao em SundcrlanJ, o cholera rebentou
em Londres entre os mu inheiros estaciona-
do obre o Tamisa, 1 oslo que nenhuma ci-
dade intermediaria livesso sido atucada pe-
la epidemia. Qualio mezes mais tardp, ialo
he, cm fevereiro de 1832, elle invadi Edim-
burgo, o puucas semanas depois declarou-se
m Dubhn. Elle percorreu cnliio a Cran-
llielanhaoa Irlanda, e deslruio pulo de
30,000 pessoas. Calais e Pars foran simttl-
lancanif ule atacados pelo cholera 110 mez
de marco de 1832; lo, todava, como era
para teticr-ic, em coiisequct.cia de urna
correnle pestilencial sabida da Allemanha
o que seguase as margens do tllicuo, mas
pelo elfetn de urna crtenle retrograda,
partida da Inglaterra. Oestes dous centros
de epidemia, o llagello arrojou-so airares
la I rauca, algutnas ve/e- prnpagando-so de
cidade em cidade, e mais irequentemei.t-
anda atacando punios apartados sem atacar
as localidades nter 110 das. A mortalidad)-
lu maiordoque as ilhas britannicas Patis
sopor si petdeu para cima de 18,000 hab-
tame* ; tres mezes mais tarde, islo he, em
junlio ce 183-2, o cholera declarou-se cm
Uuebec.
Na mrsma poca elle invadi New-Yoik,
e,esUndeiido-se com rapidez, exerceji ous
estragos em toda > supetficio do continente
americano Enlretauto que a correnle pes-
tilencial qut se tinha dingido paiao oeste
acabava assim do | crcorrtr a ciicumferen-
ria do gliilro. urna coi lente secundaria,
inarchano\j mar lenlainenlo para o sudes-
te, parti .le Inglaterra, ehegou a Lisboa e
.Madrid un 1833, llrsVM*ad0 a Pennsu-
la durante oyiiuo de 1831, decnnou a guar-
uico itv'eza de Cilbralar, penetrou em
Ion que o llagello tinha potipado; dopois
elle atravessou o Mediterrneo, ehegou
Algerqtte devastou em 1837, e de l espa-
Ihou-se sobre a costa septentrional da rti-
ca. No mrsmo atino elle rebentou com vio-
lencia na ilha de Malta, aqual perdeuem
doze semanas 3,78i habitantes, sendo sua
populacilo somonte de 103,3*1 almas. De-
poli disso o mal pareceu desapparecer.
Esta rpida exposicilo demonstra que o
A rapidez terrivel com que o cholera des-
troosuas victimas, eos symptomas espan-
tosos que o acompanham, lein cheio os ho-
mens de terror, e lem-lhes inspirado o mais
vivo desejo do conhecer as causas deata
epidemia os meios de desviar os seus ef-
feitos. Deque modo se g/ra o cholera?
Como he que elle se propaga ? Que influen-
cia sublil alravessa a atmosphera,o que BU-'
vena infectas pairam sobre a torra, quando
Expediente-de 5*,. dos gneros
com carta de guia........
Dito do meio por cento dos gene-
ros do paiz............
Armnzcnagem de t por cento das
mercadorias...........
Premio dos assignadoa de meio
por cento .............
Multas calculadas nos despachos
Ditas diversas,como do livro a II.
Emolumentos de certidoes co-
mo do livro a II.........
Impostos dos despachantes ge-
raes, como do livro fl. .
Feilio dos titulos dos mesmos,
dos caixeiros despachantes o
. juilatiles ditos..........
Tasa doullo dos mesmos. .
331:428,1
rVd.s- teguinlet ttptciu :
Assignados......189:408,149
Diuheiro ......142:019,971
Rendimento do mez de dezem-
bro de 1848............ISi
ia 4d
'orto, de
imscht. eqniv
s, ferro,
Me. Calmont'
tas. galeota belga! Janel\
toneladas, eapitfio>
jgem 11, cargt geneb^
,'azeiidas e mat*1 ''V.osi;'
'& CorAi^ahiHfjr-'
a Me. Caimonii blrca ngieza ?ee, de
Baha 10 dias,|.pti,0 w Payne, equina-
253 toneladas, i ro., |0 |trelon Schria|'ro
gem 11,em tasia-rentena. ,
ficou .le quibriguo su eco l-reh-Un f
Lisboa 52 das,! ^..;..-, ,...,'***.*
184 tonelada]
I.ndborn, equn
lley & Compaw
A'avics sal
Em commissilo
commandanle"
Francisco Per
dm Vapor"
dante o prim^
da Silva Cuimi
/
-i
capito Cari
-*e\T VCTgasal
la.
rfoa no Mismo da.
vapor brasileiro TI.:.
capitSo tenenle Anl
dleiro Urania, comn
' leoente Joflo Joaq
IOS.
Differenca para mais em 1849
cholera de 1817 em sua marcha para a lo- militares de homens cahem feridosde mr-
ula le 1 a leve tres periodos do aclivdade.-c-, lo j>ela epidemia? Eajes problemas silo ina-
TIcl
parados porduas pausas. Elle gastou dous
aonos para devastara India; oulros dous
ara alr.vessar a Persia e o mar Caspio;
finalmente outro dous para percorror a Eu-
ropa central e ganhar a Inglaterra. Elle
fez unta alta de dous snnos sobre os limites
do llindostilo, e dormio por espaco de seis
annos sobre as fronleiras orionlaes da Eu-
ropa, vinte annos depon da sua irrupcito
em Rngala, este terrivel flagello tinha ki-
lo o gyro do mundo.
Depois de baver laoguido por deus ou
tres anuos em cada paiz que havia invadi-
do, o cholera tornou-so endmico ; lodos
os annos elle reappgrece e desoa essas re-
gules durante mutos mezes : todos os an-
nos suasapparirO.'s periolicas fazem temer
que, rompend.) as barreiras que parece ter-
se imposto a si mesmo, pf rcorra anda urna
vez o mundo iuleiro, e entretanto nada so
tem leito para prevenir urna segunda inva-
sSo, ou para combaler este flagello so por-
ventora se tornar a apresentar. Estprovado
que o carcter do cholera he o mesmo que o
dolypho. Estas dual molestias atacam mais
si ecialmente os individuos enfraquocidos
cesstveia inlelligerRia humana. lital
colloca-|os no numero dos mvsterios m
netraveis da nalureza.
lev
pe-
Todos os systotnas
inventados at hoje para explicara causa
do cholera, repousam sobre urna base fr-
gil- Os limites deste artigo no nos per-
uittem que tratemos este assumpto com a
estensSo que merece.
Comquanto a causa do cholera escapea
niissas investigacOes, as condicOrs de sua
existencia sflo conhecidas e verificadas,
Suas relacOes com a idade, sexo, a b y gime,
a diettica, certos orgos do corpo huma-
no, e cortos agentes medioinaes teem sido e
stoaitida o ohjecto de observacOes escru-
pulosas, s resultados das nvesligacOes
feitas at ao presente, demonstram que a
epidemia he mais perigosa para os meninos
e para osvelhos do que para os homens
que estao na forca du idade; que ella ataca
os dous sexos em urna proporcSo quasi
igual; que exerco principalmente seus es-
iragos as classes pobres e mal nutridas;
quo ataca raras vezes as pessoas ruhuslas,
menos que excessos, ou urna irriticu in-
testinal enfraquecam accidentalmente sua
our un trubalho excessivo, 011 por um sus-' orgauisajiJo. Todava, o veneno possue
tent insulliciente ; os individuos que vi- utnaaccJola'
vcn imonloadoi em habitacOes cstreitas,
doentlaS eque no espiram por conseguin-
te senfio um ar mephilico. Por toda a parl-
as habilacoes infecas do pobre tem sido a
sede principal du epidemia. Isto he verda-
d para Londres lano como psra Moscou,
S.-Pelersburgo, Berlim, Vienna, Paris, Lis-
boa, Madrid e liorna, por toda a partea
apathia e a negligencia tem succedido ao
temor logo que o flagello desapiareco.
Hojea Europa sollro as consequencasde
sua negligencia, o cholera he chegado de
novo ; elle tem seguido quasi a mesina
marcha que em 1817; porrn lem marcha-
do com motor vt-locidade, e f-sre com majs
violencia. Algumaa cidades, tacs corno S -
l'clersburgo e Berlim, foram atacadas em
1847 na mesma estaco e no mesmo mez
que em 1830. As ras e as casas que fram
mais maltialadas precedentemente so an-
da as mais maltratadas actualmente.
Comquanto as parlicularidades que te-
mos referido, estabelecatn una lei posiiiva
de delfusilo do virus cholenco, todava a
marcha desta doenca mysteriosa tem sido
assignalada por anomalas que escapam
toda a lei regular de ptopagaefio, o toda
a inlerpretacao ih tica. Assim no espaco
do um anno, o cholera alravessa a pennsu-
la da India, o gasla seis para ir do Londres
a liorna. Unas vezes elle radia em todas
asdirecefies 1 laes loiam as consequencias
de sua piimeira irrupcito omJassore; ou-
tras vezes viaja por correles bem dislnc-
tas: taes fram as coi rentes que segtiiram
o"cursodoCanges, do Tigro edo Danub o
Oulias vezes amia exerce seus estragos o n
urna so margem dos ros. O coronel Itowles
reino que um navio ancorado na eseada
de Madrasta foi invadido pelo cholera,
que mutos marinheiros niorrerain ; mas
tmenle do uina parto do navio : tolos a-
.lUellos quo dormiam no lado opposto nfio
f jiam atacados pela epidemia. Tinas v zesa doenca percorre com unta marcha re-
gular e progressiva as provincias, as cida-
des e as ras, outras veses ella fere ao ara-
so, correndo por exemplo de Suilerlaud a
Londres, sem alacar ascidades inlermedia-
riis. (Juando o cholera rompeu em Ben-
gala mu 1817, c quando se estendeu sobre
as bordas do Ganges para o acampamento
do exercilo inglez, poupou Banda, Allaha-
bad, Baares e varas outras cidades quo
I he lcavam 110 raminho; mas voltou no
anuoseguinte, e devastou lo !as estas ci-
daJes.
Mootshedabad, um dos valles miisinsa
Inlues de Bengala, c situado no foco do
contagio, foi inteiramente preservado. E n
sua passagem altavs da Europa, a epido-
11, i a 11.01 invadi ludos os paizrs. Em Hi-
o v re, per exemplo, a cidade de Luxem-
burgo foi a nica que mi por ella atacada
O estado sanitario da Corinlhia e do Tyrol
nao experimentou nenhuma modiricicSo
desagradavel, posto que estas provincias se
achassem no centro* ue paizes infectados.
Leipsick, Dresde e us principaes cidades da
Saxonia fram igualmente l'ivorocrdas, e
todava esta excepcao no pode ser altrbui-
la a melhores coudicos do salubn la.lu c
biii-est r.
Os pantanos, os calores e a humidade
provoca.n ordinariamente a expani.'.'io do
cholera ; mas esta regra est longo de ser
gcral. t;ciado em Bengala durante os calo-
res de um esli tiopical, o cholera devas-
tou 5 -Pelersgurgo e Archangel nocoraco
do invern, entretanto que urna nevoa es
pessa cobria o solo Ua Itussia e o thermome-
tro marcava 35 graos abtixo de zero. Elle
fui taaibem violento em Delhi e Meerul du-
rante a cslac/10 de tima secura ardenle. El-
le ataron fortes construidos sobro alturas e
ni..i.i.ii.lias soladas, tais como llhotass,
Adjegh'ur e killengur, e ao mesmo teinpu
decnnou os habitante das planicies quo se
eslviidem ao pe destas uiontanhas; final-
mente elle aUcou o hospital de audour,
atente que excede raras vezes a
tres das e nao passa nunca alm de urna
sema 11 a; tanto que depois desto interrallo
u na pessoa que se acha exposta ao contagio
no corre mais perigo O cholera pode
coexistir coa outras enfermidades; a plhi-
sic.i, a siphlis, o typho, a bexiga nilo ga-
laueni a ninguein da epidemia, lio raro
que o cholera ataque duas vezes o mesmo
ni nvnluo, posto que alguns casos tenham
sido observador, o as recahi las sejaa fre-
quentes durante a convalescencia.
A mo taliJado varia confu 1110 os perio-
dos da epidemia. Quando ella rebentou em
Moscou pela primeira vez, os nove decimos
dos Ca'sos eram mor laes ; mas aV mortes
fram diminuntlo gradualmente,'de sorte
que mais tarde os nove decimos dos doen-
tes recobravam a saJe A s4e orgnica
da doenca pareco ser a membrana que in-
volve os intestinos, membrana que, depois
da mortc, sempre seeiicontra maisot me-
nos desorganisada; porrn esta desorden!
local he acompanhada de violentas contrae
ces nervosas, semelhantcs as que po lu/
a absorpcodeuma dsa forte de arsnico
Nao se conhece antidoto contra o viiuscho-
lerico. t)s narcticos mais poderosos, os
asiringentes eos estimulantes, o fugo e o
gelo, o galvanismo, as puucces, os diver-
sos gazes respiraveis, todos os saes noutra-
li.-a ios, lodos os accidos e os lcalis, lodos
os venenos mineracs o vigetaes,teem sidoex-
pcrimeniados sem tienhum successo. Vin-
te modos do tratainentos diHerenles fram
empregados em 20 hospitaes o.n Moscou, e
a mortalidade por toda a parte foi a mesma.
Ja que os mclliodos p.llialivos ou curati-
vos so nefficazes, nosso nico refogio con-
siste em recorrer as medidas prev^ulivas.
Sobre este ponto, as perplextdades scienti-
icas so d.svanecern ; oprobenla pralco
eslacoropUtamenlo resolvido. lie fura do
dunda que a genle se pJe preservar de to-
da a es, ocie do epidemia.
enfiaquccimenlo dos orgos, qur elle
resulte dircctimente de privaces, qur de
urna reaccDo produiida por excessos; qur
dependa da insuficiencia, qur da alloracfio
da comida, da agua ou do ar ; qur resulte
para o pobre de um trabalho excessivo, qur
para o rico de urna inaliviladedebilitante
qu." tenha por causa solTrimentos physi-
co-, qur moraes, esto enfraquecimento be
acoudicao principal da ioasflo dasdoeu-
cas epidmicas ; urna populacfio bem u-
t ida e bem vostida.que habite casis acceia-
dasearejadas, subjeila a um trabalho que
no exceda as fteas humanas, pode oslar
ce. ta de quo no ser atacada pelo cholera.
Importa, porianlo, pdr- inaos a obra, a
mortalidade que desoa hoje nosso paiz de-
va ser a ultima expiarlo de uossa negligen-
cia. Esperaremos acaso pata sanear nos-
sas cidades e melliorar a condiciio dos po-
bres quo daqui a 10anuos a pesio venlia de
novo aterrare decimar nossas populacfles?
Enlre a vida o a morte a esculla no hu du-
vidosa. Obremos bem, como o exigem a
saude publica o a humanidade.
fiaaiMSt)
Iteceita extraordi-
naria pertencente
aooxercicio cor-
rente ........
Dila extraordinaria
pertencente ao
exerciciolindo..
Depoijiot
Em bslaiico no ulti-
mo denovembro.
Entradas era dez-
embro.......
1(4,000
El
[TAL
Olllm.V^
fazenda provin
dm do Exm.
de 20 do correr!
nos dias 8, 9 1
do uro iro a
ministrativo di
seren arrem,il|
os concertos 1
thesourar
8:051 J
10.912,1
Sabidas........1
Saldo'...... 4:991,
Vi ieguinlts up\
Em diuheiro. 1:1)17,
Em letlras...... 3 07:
AlTandega de Pernambul
bro de 1849. O escrivuo,
nandtl lia/rus
CONSULADO G|
Rendimento do dia 29.
Diversas provincias .
dem do dia 30.
RENDIMENTO NO MEZ j
E 1849.f
Consulado dsete por
cento 64:7
Dito de 1)2 por cento
Ancoragem para fra
do imperio. 7:3 155
Dita para dentro do
imperio ? 302
eclor
em cu
'residente dnTprovi
.lanu. ..iJ^SMMfl
10 de Janeiro prximo vi
ac.peranto O tribunal l
rtisma thesouraria, pr
dosa quem por menos liz
a pnle do Caxang, sb
clausulas especia abaixo transcriptas,
pelo prego do419,S0 rs.
As pessoas que sfpropozerem esta ar
mataco, cortiparSiam na sala das sesst
ao sobredityi/tribukl nos dias cima me
cionados, pelo mej-dia, competentemet
habilitadas/
E jira constarsimandou aflixar o p
sent e publicar pe Diario.
Secretaria da thekuraria da fazenda pt
vincial do pernainhco. 27 de dezembro
1849O secretario^/iiosn'o Ferreira da A
nunciaflo.
clausulas eskciaes da arre-
maTvcaO.
1.' As obras do concert da ponte do (
xang serilo feitas dt conformidade com
orcamenlo aprovadflpelo Exm. presidet
l Aderan.- d provincia, e pelojrecode^22,240 rs.
2 As obras prinopiarflo no prazo de d
dias e serSo concludas no Jo trinta dit(
conforme determina os a rls. loe II f
regulamento das arrjnataces de II de jl
Iho.lo 1843.
S." Todos os materaes seilo prevtamen
te examinados pelo Ngenheiro; e, appro*
dos, lavrar-se-ha uui.erino.
4.' O pagamento d importe da arremat*
;ilo realisar se-ha de )isde concluida lodi
obra. ...
5.* Para ludo mai que nao esltver delt
minado as presente clausulas seguir-s
ha inteiramente o fuo dispoe o regu
ment das airemataiOes de 11 de jullio
1843.
Recife, 24 de dezeobro de 1849.-0 eng
nheiro do termo do Itocife, Jote Mamede a
t>*a f'nrrelra.
en lo loi t'tr
9:033,901
105,187
2:139,088
2:1.81,551
ZEMBRO
64:794,438
/
Sello fixo
Ditos do titulos
Certidoes ^
afzaTlo a por cento -
Dita de 15 por cento
Capalazia
Multas
Dicertat f.
Dizimo doalgodiloda
Parahiba
Dito dito do Rio-Gran-
de do norte
Dito do assucar das
Alagas 2:1
--- *.. 7:732,957
)10
000
961,04')
17,480
100,000
833,500
601,270
366,250
75:414,935
DecUiacao.
/
insjclona
se on\ da
1 ncio.3.
[.20,269
, 2.20^
i 2,694
I------- 2.5*5,167
77:980,102
Depsitos sabidos
Ditos existentes.
1:119,084
3:114.818
O administrador,
Jodo Xavier Carntin da Cunha.
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 29..'. 4:411,196
M o vintenio do *orlo.
lOMMbmJU.
AI.FANDECA.
Rendimento do dia 29.....5:325,970
dem do da 31.........1:429,053
III..Nil.Mi:.M 11 NO MEZ DE DEZEMBRO DE
184.
Rendimento total......331:897,279
Iteslituices........ 4U9.159
331:428,124
Ii re los de consumo........323:770,679
Ditos de I por cont dereexpor-
tacilo para os portus eslan
geiros................
Ditos do I por cento doreexpor-
taco para os portes do im-
perto................
57,008
Naoios enlradot no da 29.
Rabia 10 dias, barca sarda Catharina, de
204 toneladas, rapit<1oJoIoBaptisla Con-
selheiro, equipagem 13, em lastro; a
Joiio Pinto de Lemos. Ficou de quaren-
tcna.
dem 10 dias, brigtie inglez ladij-Sa'U,
capilSo D. Young, carica assucar e mais
gneros ; a Johnston Patn. Em conse-
quencia de Ihe ter morrido o piloto na
viagem receheu outro aqui, nflo quiz fa
zer quarenlena e seguio para Londres.
Baltimoro 31 dias, patacho americano
Justina, de 147 toneladas, capito Benja-
min VVilijnn Beswick, equipagom 7, car-
ga 833 barricas de farinha. e mais gene-
ros ; a Deane Youle & Compauhia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Londres Brigue inglez Lady-Salt, cap tilo
D. Young, carga a mesma fl|ue trouxo.
Lisboa liiigtie porluguoz
Antonio Pedro de Fguir1
sucare mais gneros.
dem Barca portuguesa f'
Jo.lo Sil veno Itonuino, car,
Cenova Polaca sarda AVa'l
Pedro 1-anzano, carga ass
Nucios taidos no di
MaranhSo Escona brasilei
Pela inspicloria do arse
Jemrinha se/on\ ida a todos
individuos livrep, at o numero
5o, que se quueremempregar ct
mo serventes rus obras do mesr
arsenal c as do mellioramento t
porto, a se entanderem com o ret
pectivo inspector, o qual, em vi
lude de ordenando Kxm. Sr, pr
sidente da provincia, lites gami
a iseticao do recrutamento, en
quanto se oceuparem eircclivamei
te nessas uliras ; suido o jornal!
dar-se de i^o rs. por dia.
I'RESEHK
no theatro de S.-Francisco.
18,280
\loz, capilSo
carga as-
l'.', capito
1 assucar.
Ylde, capito
ir ecouros.
i.
Maria Vlr-
mina. capito Jo9o Berna .la' Boza,
carga assucar e mais g'enedn'. Passigei-
ros, B-rnardo Antonio de Ca.valho e Jo-
s l.tiiz dos Santos.
Rio-de-Janeiro Patacho porluguez Mo,
capillo Manuel Joaquim de fonles, car-
ga farinha de trigo.
Lisboa p 11 ilha do Fayal Escuna pnrlu-
gueza Mulheiro-I'rlmeiro, capiilo Jos Ri-
beiro Rucha, carga sssurar.
. Natos entrados no dia 31.
Ass 12das, patachofbiaileiro Amlu-
dt, de 100 toneladas, cj; Jtr.ii J .lo lia ma-
cen j Araujo, equipagem 10. cirga sal 'e
palha ; a Joaquim PinlMr Jacomo. Si-
gui para Marin
Cenova ardas, briguo sueco N.-S.-da'
Gra(a, de 172 tonelaJas.i capito Antonia
Caporro, equipagem 11, em lastro ; a Le
Bretn Schramu k Coupaubu.
NOVOS E AI.'JMI-NI'AI.IIS |\ I II VII.MIS l'KI.A M
SBIRt sia.nvi 1: :
QUINTA-FEIItA, 3 DE JA.MCIIIO DE 1830.
ThBtKIIIA nEl'llKSKM-ACA.
Grande e variado diverlimcnto pastoril.
Depois de etecutada pela orchestra urna
das melhores symphonias, representar-se-
lia o mu insigne drama sacro em 5 actos
O NASCI.MEMTO DO MESSIAS,
ACTO I.
Audiencia de Lucifer, eo esbravejamen-
to de todas as furias. No lint drste acto
segu se um engracado-- Pat dedeux
dancado por duas das maisjuvena meni-
nas.
ACTO II.
A apptricflo do anjo annuncian.lo o nas-
cimenlo do Mtsstas.
ACTO III.
O alteulado da furia mallogrado.
ACTO IV.
A embriaguez de Facundo e a vinds da
todas as pastoras.
ACTO V.
As oHVrtus das pasloras.
Todo o drama ser preenebidocom arias,
coros, e dancas.
Terminar o espectculo com urna con-
tradanca campestre, anda nao vista.
Os Srs. assignantes e mais pessoas, quo
pretenderem bilbeles de camarote e platea,
podoin mandar recober os carles na casa
Hua ao theatro, residencia do director,
onde se ellos acbam i venda pelos procos se-
gu ntos:
Primelra ordem.
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignantes de 10 recitas, cada urna
3,333 rs., 33,330 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 1,500 rs..
21,000 rs. r
Dito do frente .la mesma ordem 7,000 rs.,
Para assignantes do 10 recitas, cada una
5,000 ris, 50,000 rs.
Dito para 6 recitas, caja uma 5,333 ris,
32,000 rs.
Segunda ordem.
Camarote do lado 6,000 rs.
Para assignantes de 10 recitas, cada uma
4,166 ris, 41 ico rs.
Dito para 6 recitas, cada uma 4,500 res.
27,000 rs. 1
I
4
MELHQR EXEMPLAR ENCONTRADO i MUTILADO


i.
I
L,
&
Dito de frente da mesma ordem 11,000 rs.
Dito para 10 recitas, cada urna 7,500 ris,
75,000 rs.
Dito rara 6 recitas, cada urna 8,000 ruis,
?8,000 rs.
Ttrcelra ordem.
Camaroto de lado *,000 rs.
Pra assignantes de 10 recitas, cada urna
S,tMrois, 21,060 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Hilo de frente da mesma ordem 5,000 rs.
Dito para 10 recitas, Cada umu 3,333 r,
33.330 rs. ?
Dito para 6 recilas, cada urna 3,500 ris,
21.000 rs.
Os bilhetes de platea para 10 recitas 8,000
Ditos para 6 recitas 5,000 rs.
Camarolinlio de bocea para 10 recitas,
cada urna 2,000 ris, 20,000 rs.
Dito para G recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Veranda, 500 rs.
As nssignaturas sorfio pagas adiantadas,
exhibindo recibo a direcefio.
Idea tro estar decentemente ornado.
Principiar o divertimento s 8 e mcia
horas da noito, com a chegada das autori-
dades.
N.H.Durante as mencionadas dez reci-
tas so repreienlarSo os muito applaudidose
ricos tres dramas pastoris que tanto embel-
lezaram as representarles da sociedade
Nataleuse; sendo intermediados de novas
dantas campestres, grupos, pas-de-deux,
arias, entremezes pnstoris.^tc.
N
Publicacao litterari
i.
A un in ALDA.
Peridico dedicado s
damas.
Publicou-se o primoiro numero deste in-
teressante jornal, cunlendo fnlroducro
o cometo de um romance a freir,
Revista do Recifc, e l'oezias.
Espera-s a cnadjuvai;3o do sexo amavel
para osla publicafo, era que as suas virtu-
des e bellas quali Ja Jes silo o principal ob-
jeclo.
Acha-se venda na livraria do Collogio,
numero 9.
Avisos martimos.
Para o Kio-de-Janeiro se-
gu em poucos das o brigue na-
cional sldamaatot: para o resto
da carga, passageirose escravos a
frete, trata-se com Machado &
Finheiro, na ma do Vigario, n.
19, segundo andar, 011 com o ca-
pilSona praca.
Para n Figneira, com escala por Lisboa,
saho com brevidado o muito veleiro pata-
cho portuguez Marta & loaquina, do qual he
rapillo Manuel da Costa e Silva : para car-
ga 011 passageiros trata-se com osseus con-
signatarios, Francisco Severiano ltabello&
Filho, ou com o mesmo capilflo na pra^a.
Para o Maranho, com escala pelo Cea-
r, segu, dentro em poucos das, a veleira
escuna nacional Emilia, (tx-Fanella) capi-
tulo Antonio Silveira alacie! Jnior : recebe
carga para ambos os portos : trata-se com o
capilflo na p'afa do Commercio, ou na ra
da Cruz, armazem n. 13.
Para o llio-de-Janeiro sahe, no dia 2
de Janeiro, o brigue Josefina : s recebe car-
ga niiuda, escravos a frete o passageiros.
Os Sis. carregadoreshajnm de levaros co-
nhecimentos no primeiro andar da casa da
ra do Trapiche, 11.4, bu dos Tanoeiros,
armazem n. 5.
Para o llio-de-Janeiro vai sabir com
muita brovidade, por ler a maior parte do
carregamento prorr>pla, a polaca Sociedade-
Felis queni na mesma quizer carregar,
dirlja-sc aos sen consignatarios Oliveira
Ironlos & Companhia.
Para o Aracaly sahe impreterivelmen-
te no dia 10 de Janeiro a sumaca nacio-
nal Ca'lola, mrstre Jo-c CoiiQalves Simas,
por searliar com a maior parte da Cor-
ra prompta : para o restante e passageiros,
trata-se com o mestre, ou com l.uiz Jos
de S Araujn, na ma da Cruz, n. 33.
Para Lisboa sahe impreterivelmente
por lodo o correte mezo brigue poilu-
guezS.-Domingos, capilflo Manoel Contal-
ves Vianna : para o resto da carga e passa-
geiros, trata-so rom o consignatario, Joa-
quim Ferreira Mendes Guinarcs, na ra da
Cruz, n. 49, primeiro andar, ou com o refu-
ndo capitulo, na praca do Commercio.
Para o Riu-de-Janeiro sahe
por estes das, por ler a maior
paite doscu carregamento promp-
ta, o bein coi.herido e veleiro bri-
gue nacional liom-Jestts : para
carga e passageiros trala-se com o
capitn ni) raes da Alfandega, ou
na ra da Madre-de-Deos, n. 3,
ter. eiro andar.
Para a Itahia sabe, em poucos dias, a
sumaca flor-do-Kngelim, mestre Bernardo
de Souza, por ter a maior parte da barga
prompta : para o restante e passageiros
IraU-MCom o mesmo mestre ou com l.uiz
Jos de S Araujo, na rna da Cruz, 11. 33.
Para as Ibas de '.-Miguel,
Terceira e iVaya-l sal ir brevemen
te a escuna portuguesa Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de Mcdeiroa pa-
ra carga e passageiros, trala-se
deronte do trapiche novo, n. G,
com Tho'maz de Faria.
Vende-se a bonita barca franceza Al-
ejan, de lote do 180 toneladas, de presen-
te ancorada defronleo trapiche do Ange-
lo, lado do norte. Ksla barca foi construi-
da em 1817, e he de urna marcha muito su-
perior, sendo por isso propri para qual-
quer especulac/lo que requeira promptidflo,
poreslar 1 rovida
s?rre &Comp?nliis, para tratar do ajuste
da mesma.
'3
Leilao.
O capilflo Andrew Peve fr leilSo, em
presenta do Sr. cnsul sardo, por cotila e
risco de quem pertencer, e por intervencSo
do correlor Oliveira, de correles, ancoras,
mastaros, vergas, panno, cabos, bolinete,
guioxo, lancha, botes e mais salvados da
barcAsarJn Giutsephina, encalhada no lugar
di'nBjiuado Mara Farinha, na sua icccnte
viagwi com destino a este porto: quinta-
foiro, 3 de Janeiro, s 10 horas da manhfla,
no trapicho da Companhia.
a
Avisos diversos.
de um ludo e se achar
Aluga-se um sobra lo de um andar, si-
to na ra do Seve, com comino,los para nu-
merosa familia, estribara para cinco 011 seis
cavados, cocheira, quartos independentes
para criados, cacimba, etc., etc. :- tambem
se aloga na mesma ra urna pequea casa e
silio com parreiraes, algumas arvo/es de
fructo e baixa para capen : a tratar na ma
de San-Francisco, rasada Viuva Sova 1 Fi-
Ihos, confronte o theatro publico, ou com
a F.xnia. marqueza do Itccife.
Oiabaxoassignados dissolveram ami-
gavelmente a sndale que linham as
ilnas vendas na ra da Lingoeta e na ra da
Senzalla-Velha, no dia 28 de dezembro pas
sado, asquaes gyravam debaixo da JiflaS1'
de Costa & Itocha, (cando o socio Mffi<
obrigado por toda a liquidaclto da meXns
lirma. tanto do passvocomo do activwcon'-
trahido al esla data. Bernardo Rodri-
gues Gramoso e Costa. -- Juaquim Soares da
Rocha.
Precisa se alugar um preto idoso, que
sirva para tratar de um ou dous cavallos e
tomar conta de urna pequea casa de cam-
po : na ra do Trapiche-Novo, n. 10, pii
ireiio andar.
Precisa-se de um caixeiro para ven-
da, de 1-2 a 14 annos, o qual d Piador sua
conducta : prefere-so do mallo : na ra de
Dorias, n. 54, fabrica de velas, se dir quem
precisa.
Precisa-sede urna criada nacional, ou
cslrangeira, do lina conducta, que queira
servir em urna casa de familia, qie saiba
engommar e vestir urna senhora ; bem co-
mo de urna mulhcr do bons costumes que
queira encarregar-so do criar duas crianzas
j desmamadas : na pra^a da Boa-Vista, n
32, segundo anclar.
Aluga-se urna preta para o scrviijo in-
terno do urna casa : no pateo do Terco, n. 8
Engommado.
Engomma-so toda a qualidade de roupa
com muita perfeigflo : na ra da Cadeia,
n. II, primeiro andar.
-Offercee-se gratificar com generosila-
de e promptidflo a quem levar na casa sila
na beira dorio do Poco-da-Panella, ou na
praca do Commercio a Jos Antonio de A-
raujo, um escravo da Costa, o qual desap-
pareceudo Poco-da-l'anella no dia 31 de
dezembro do anno prximo passados 5e
meia horas da manha, Rimando a direcciln
para o sitio do Dr Lopes Nelto, caminho do
Arraial, etc., etc.: o escravo lem os signaes
seguintes : 20 a 22 annos, Talla punco e lin-
da, he bruto, altura ecorpo regulare^ cara
comprida, olhos grandes, beicos grossos,
buco sahindo com grande frca, peilosac-
cado, em o qual lem una costura de un
talho ao pe da cavicula, hombros para tras,
anda com o corpo para um la lo e para ou-
tro, sen lo este andar natural; tcm lambem
no corno alguns restos de sarnas seccas ; o
preto chama-so Ali, 0 os signaes da rnupa
silo os seguintes : chapeo novo do palha fina
e branca,desles chapeos quecustain duas pa-
tacas a dous cruzados, chamados chapeo.-
da America, o qual lem na aba urna no loa
parda, carniza de algodiozin'.o branco, sen-
do esta nova porm laiada e coa as man-
gas rompridas esem pulidos, caiga nova de
algodilozirihodelislr^s branca e azul, la-
vada, sondo esla calca feita de pregas e
com boleo solado; talvez lambem traga
comsigo um cobertor branco de algodilo-
zinho grosso. A frn.a de tiajar he a se-
guinto: andar n da cintura para cima,
trayendo a carniza ora sobre o hombro, ora
vestida sem aboloar o collarinlio e ora por
cma da calca.
A ressoa que pretender alugar um se-
gundo andar e sold de um sobrado sito na
ra da l'oiha, dirija-se a ra do Cabug,
lija de miudezis do Jos Alves da Silva
G limarnos, que achara com quem tiatar.
Costa & Albino, com loja de fazendas
sita na ra do Qurimado, n. 42, fazem sci-
cnle ao respeitavcl publico, ecom especia-
lidade o corpo do commercio, que leein
aniigavelmento dissolviilo a sociedade que
linham em dito pstibelecimcnto at tins de
dezembro prximo passado, Meando o se-
gundo socio com a casa, e ambos obrigados
pelo pnssivo conlrahido at aquella dala.
Recif, 2 de Janeiro de 1850.Jor Joaquim
da Cosa.--Albino Jos da Silva.
O abaixo assignado faz scionte ao res-
peitavel publico, o com especialidade ao
corpo de commercio, que tem associadoa
sua luja sita na ra do Queimado, 11. 42, ao
seu caixeiro Silverio Jos Pereira Ilorgcs,
sendo a lir ma gyrantc do Albino & Silverio.
Recite, 2dejaneirodo 1850.
Albino Jos,du Silva.
O Dr. Loure-OCO Trigo de Lourciro abri-
r na rasa da sua rosidenesa, no bairro da
Uda-Vislu ra da Saudade, defronle do Hos-
picio, um curso de pralica do processo, logu
que tenham concn i lo dar-llic os seus
nomos pelo menos dez alumnos. Har tres
lices por somana, sendo cinco mil res
gratificarlo incusal do cada alumno.
-- A' rasa da residencia da Dr. I.ourenco
Trigo de Lourciro, no bairro da lia-Visla,
/ua da Saudade, defronto do Hospicio, p-
dem dirigir-so por carta, ou pessoalmenle,
alolim do mezde fevoreiro prximo fu-
turo, todas as pessoas, que qui/.ercm sei
!issisi.i, s ,|0 novo compendio de platica
do procsmtu adoptado pela congregarlo dos
lentes do cur0 j0 scicncias sociaes o ju-
rdicas de OIlMmnura a segunda aula do
quinto auno, sendo cinco mil ris o prego
da assignatura de cad rwip|i,r e em to-
do o lempo as quo o quizer,, gl.r do jllle.
ressanlissimo ndice cliroiiolUgco l)a |e.
gislacHo brasilea que ha di Miur Ul:
oito volumos infolio, 0.1 pouco mWl^j]
collecgOes actuaos vnle c linios grossos
volumes, e custa pera 11 ais de 150,000 rs ,
entretanto que o prefO da assignatura do
referido ndice he a iflquena quantia de
31,000 rs. paga ao eeeber o 1. e2. volu-
mes, de quoj exi.-tem varios exemplares
em poder rio annuncianlee brevemente a-
hir a luz 6* terceiro voluroe. Na loja de
livrosdoSr. reverendo padro Ignacio Fian-
cisco dos Santos na ra da Cruz do Reci-
f>', e na do Sr. Manoel Figuciroa de Farin
na praca da Independencia, ipdc lambem
assignaro seu nomo quem quizer ser 88-
sigiiantcdc qualquer das referidas obras
Os Srs. assignantes que j receberam o pri-
meiro volume do ndice chronologico, dg-
nem-se mandar buscar o segundo casa do
annunciante.
Na ra da Cadeia de Sanlo-A.itonio, n.
13, no primeiro andar, se dir quem lem
11 ni negro de 30 a 35 annos sem achaques,
muito robusto, e propro para servido
brazal.
D. W. liaynon, cirurgiSo dentis-
ta, na ra do Trapiche-Novo, n.
14, respetosamente informa ao
publico que, pelos seus muilos Cayeres, se-
r obrigado a demorar-se uiais algum lem-
po nesta cidade, anles de sua retrala para
os Kslados-IirHjo-, e offerece seu preslimo
para loda qualdade de operares deutaes,
para p6r denles novos,' tanto singlos como
dentaduras inleiras, chumbar denles com
ouroeprala, conforme as ultimas deseo-
bertas nesla (tira.
'-Precisa so de um fcitor para lomar
conta de urna ilha ao p dos Afogndos: quem
eslivor neslas cireunistaiic.ias, dirija-so
ra da Cadeia do Kecife, loja n 54 Na mes-
ma vende-se urna pon;fio de tahuas de assoa-
Iho de amarello.
n
Chapeos de sol ^
na do Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha. presentemente um rico
sortimentodestesobjeclos de todas as co-
res e qualidades, tanto de seda como de
panninho, por precoscommoJos ; ditos pa-
ra s nlinras, de bom gosto: estes chapeos
silo feilos pela ultima moda ; sedi adamas-
cada com ricas franjas de relroz. Na mes-
ma casa se acha igual sortmenlo de sedas,
e panninhos imitando sedas, para cubrir ar-
maQes sorvidas : todas eslas fazen las ven-
dem-se a porc3o oare'-alho: conccrlam-se
quaesquer chapos de sol, Unto de basteas
de ferro como de baleia, assim como umbe-
las de igreja : ludo por preco commodo.
Francisco Antonio Vital de Oliveira, Dr.
em medicina, medico consultanlo do hos-
pital de mariiihi desta provincia, acha-se
residindo na ra do Livramenlo, n. 20, on-
de pode ser procurado a qualquer hora do
da ou da nole para exercer a sua prolis-
sflu ; curando aos pobres gratuitamente.
Manoel Ignacio da Silva Tcixeira par-
ticipa aos seus freguozes quo llie fazem o
obsequio de man lar buScar o pilo no seu
de. osito na tr^vessa da Madre-de-Doos, n.
5, que tom resolvido manda-lo todas as ma-
ntillas com um portador a entregar as ca-
sas daquelles que assim o quizerem, puden-
do mandar dizer no referido deposito as
suas moradas e qualquer cousa que quize-
rem ali'.n do pilo ; como srja bolacha, bo-
lachinha de agoa o sal, doce, regala e caf,
que Ihe ser fornecido pelo mesmo porta-
dor, sogundo suas enconi'nendas.
Precisa-se de urna > ma de leite, captiva
ou forra quem pretendor, dirija-se ra
do Vigario, n. 5, primeiro andar.
OSr. Joflo Cyprianno llangel queira
lera bondade de apparecer na ra da Ca-
deia de S.-Antonio, jifia decidir sobre cer-
la c: ntv.uue S. Me. recebeu.
f. DEPOSITO GEHAL 1
| do superior rap areia-pr*ta 9
m da fabrica de Gantois Pai-
l/iet&c Companhia, na Ba- jj*
% hia. k
% Domingos Alves Matheus, agente da %
% fabrica de rap superior arcia preta 4
s> e meio grosso da llahia, tem aberto o
% seu deposito na rua Cruz, no Recife,
f> n. 52, primeiro andar, onde se achara
% sempre desie excellentc e ma i s aero- )
\) ditado ra| que al o presente se tem )
^ fabricado no Brasil: vende-se em bo- 4
> les de urna e meia libra, por preco ?
ti mais commodo do que em outra qual- ^
(r quer parte. '?
a seguir para qualquer porto. Os a legislacflo brasileira vigente des k ,
i.relondeiilcs diiijam-su ao capitao a bur- at 184S, qual, com a que esta rovoga 'a
ilo ouaa' *dos consignalarlos, B. Las-|a que tem calado.em desuso, compOenas
Aluga-se urna casi no Carhang para
se passar a festa, com esliiharia e cocheira,
por preco commodo : na rua Nova, n. 63
Na rua das Cruzes, n. 35, segundo an-
dar, cnsinam-se meninos o meninas a lr,
escrever, contar, arithmetica, grummalica
da Imgna nacional: promctln-se a maior
actividadr-, tanto para o progresso de ditas
disciplinas, coojO para a pratica de bons
costumes. Na mesma aula tambom se re-
cebem pensionistas.
Precisa-se de urna ama de leite forra
ou captiva : na rua Direila, n. 76.
A lpoca.
Aos senhores assignantes deste jornal se
fazcertoe igualmente ao respeilavel publi-
co, que acaba de chegar de Lisboa a couli-
nuacao dos nmeros deste jornal at o nu-
mero 52 ; e como tenliAm chegado differeu-
los rollec(0es completas, convidi-se aos
amantes da instrucc,o a concorrerem para
a sua extraccSo, visto como leoslo jornal
do (aula importaucia.
Assigna-se na rua da Cadeia do Recife,
loja de fflrragnm de Joflo Jos do Carvalho
Morae's.
O prego da assignatura he :
Por um auno, dinheiro a vista 6,400
Por seis mezes, dido dito. 3,200
Manuel Ignacio da Silva Teixeira, dono
Ja mitiga paitara de urna soporta, acha-sc
agora na luja debaixo do sobrado junto a
mesma padarin,n, ion, tendo fechado aquel-
la porta, aonde coiiliuun a fabricar,alm do
escolenle pilo do forma autiga e Provenga,
iiol'i-lia furada de difTerentes tamanhos, lio
laclnha de agoa e sal, u doce intilulada re-
gala, ludo da melhor farinha, bolachas de
larinhas mais baixas para vendas e para o
multo pelos piceos correles, caf muido, o
inelhorque he possivel e sem mistura, ce-
va la lorradu o eai grao, caf em grflo, lioni
cha hysson, assucar reoado c em carolo
tu jo o incliior possivel o prego commodo
Precisa-se de um cozinheiro escravo
Foiiitfias para 1050.
Na livraria V 6 o 8 di jiraga di Indepen-
dencia, vendemise as InV coniecida- fo-
Ihnhas mpress ncslajrj-pograplii, das
igninles qualidades:
FOIIHM1A DE PORTAconlcndookalen-
dario, tabellas da friido, dias do audien-
cia o resumo de pocas nacionaes e geraes.
DITA DE AI.GIBF.IRA conteulo o mesmo
cima, e um resumo de chronolog, a qual
tamben, di preamar, e tem urna collafrao
de remoJios e aegreJos utcis para uso do-
mestico. ._
DITA DE HITA com o almanaek dos em-
pegados civis, eclesisticos, militares, ad-
ministrativose a nomenclatura de lodosos
eslalHccimontos fabris, mercantis e indus-
tries, ao qual se adicionou um resumo es-
talistico da cidade do Recife ; a demonslra-
eflodasfreguezias, termos e municipios das
comarcas da provincia e final mente a label-.
la do nascimcnlo e ocaso do sol para regu-
lamcntodnsrelngios, organisada pelo en-
cllenlo piloto Portugal, de saudosa lem-
branca. ^^^^^
<^"?<. ?-???^???^??^**
u


ai

Id i
> :
<
|s ?*
> o #
< J ?
JT #
- tj i
i
<
U i
u *
Wtf
para urna casa estrangera : no Trapiche-
Novo, n. 16.
I'gio, no dia itr-do corren
te, pelas rjuatro horas da
um preto% Gosla, chegado
mmente da Babia, rjue ma
di/erquem he sen senhor, e lem
os signaes segtlinles : um grande
golpe por cima de una ionice um
pedacode urna orelha de menos ;
levou camisa de algodao branco
Iranrado e calcas de algodao ris-
cado americano : a pessoa que o
pegar ou dclle der noticia, diriji-
se praca da Independencia, n.
68, que ah se dir quem he sen-se-
nhor, e ser bem recompensado.
Modas franeczas.
Madama Theard, com loja de modas, rua
Nova, n. 32, recebeu um s.lilimente muito
rico de chapeos de seda, de cscoinilha, de
eluia, de li e de palha, todos de minio bom
gosto; cha|oS de nalha para meninos e
meninas, de moda muito nova ; mantele-
tes ; capolinhos ; visitas muito ricas ; tran-
cas de militas qualidades ; 1 icos de lindos;
filas muito ricas e dos ltimos padrOes ;
capellas de flores para bailes o casamenlos ;
llores milito lio is ;.e muilos outroseufeiles
para senhoras. Mamada Theard faz sonipre
enfeiles com muito gosto, e na ultima moda
vestidos para bailes e casamenlos ; cha-
peos; bonlesdo moulaiia ; roupOes; palilo
de meninos ; vestuarios de meninos, o lo-
dosos enfeiles para senhora.

BOW.MA.V & MC. CAI.I.UM, engenhei-
ros machinislas e fundidores de ferro, mu-
respeitosamente anniinciam aos Senhores
proprielanos de engeridos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res.-
peitavel publico, quo o seu cslabelecimcnto
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em effectivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade-para a perfeita confec^ilo
das mainres pecas Je machinismo.
Ilabilitados'para emprehender quaesquer
oliras da sua arte, Ilowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar a
atlenQio publica para a sseguintcs, por
terem dellas grande sortimentoj prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
Irangeiro, tanto em prego como em qua-
ldade das materias primas e inflo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhor construcgilo.
Moendas do caima para engenhos de lo-
dos os tamanhos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento e sorra
lias.
Manejos independentes para cavallos.
Roilas dentadas..
AguiiluVs, bronzes e chumaceiras.
CavilhOes e parafusos de todos us tama-
nhos.
Taixas, pares, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a m3o ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogflo e frnos Je farinha.
Canos de ferro, tomeiras de ferro e dci|uVas de pellica, seda elinho, tan-
hr(Ui7P i
Bombas para cacimba e de repucho, mo- lo Pa''a bomens como para scnlio-
vidas a mlo, por animaes ou vento.
Cuindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
Lli.ias.
Columnas, varandas, grades e porloes.
Pretinas de copiar cartas e de sellar.
Camas, carros de inflo e arados de ferros,
&c. &c.
Alm da superiorade das suas obras, j
Lotera do llio-de-
Janeiro.
gAos 20:000,000 ders.g
>; .Pelo va or Paraense, entrado no dia 4
fe. 27. recebmosos muito afortunados 4
> hilhetesemeios ditos da otava lo- (+
fg teria a beneficio do thealrn de San- (4
. Pedro-de-Alcantara, cujas rodas de- (^
viam correr 2Sdo moz prximo pas- D
ff sado. Estarflo a venda na dita loja, k
# lodos os dias, das 8 hoias da ma- >4
9 nhfla s 6 da tarde. $
*
Vendem-se 1,01)0 barricas vasias de fa-
rinha de trigo, por proco rasoavel, para
desoecupar-se o lugar dellas, recebendo-se
o seu producto em assucar: na rua do llo-
zario larga, pallara n. 18.
Oculos patente,
Na rua do Queimado, loja de ferragens.
n.37A, vendem-se excellentes oculos de
ver ao longe, por prego commodo.
Nova loja de Jazendtts e modas
francezas, no Aleno-da-Bda-
'Pista, ii. 12.
Madama Ancelle acaba de esta-
beleccr-se no Aterro da-Ba-Vis-
ta, n. i 2, com nina loja de fazen-
das e modas (trncelas, na qual os
compradores encontrarlo oque ha
de melhor e de mais apurado gos-
to naty&elle genero. Ali acba-
rao o mais rico sortiment de
chapeos de seda, de palha, com
llores ou peonas para senhoras;
ras ; ricos manteletes \ lilas para
chapeos ; lencos de cassa boiJa-
dos ; chapeos ebo-ietrsde monta-
ra,- collarinhos e punhos para
montara ; manteos de cassa bor-
dada e de rendas pretas e bran-
cas ; lil,miles de sed ; rendas e
geralmenle reconhecida, Bowman & Ale. jbicos de buho ; loucas para bapli-
Callum garanteina mais exacta conformi- |nrft Ap ram|)rai,i de li-
dadocomos mldese dezenhos remcllidos sa'los len?os ae camuraia uc H-
pelos Senhores quo se dignarem de fazer-1 uno bordados e com vinhelas n-
lhesencomiiiendas,aproveilandoaoccasflo!cos aventacs de seda ; vest.dos de
para agraileccrein aos seus numerosos ami- ,. ',
gose freguezes a preferencia com que teem cassa oriental ; ditos de garca pa-
sidoporelles honrados, e asseguram-lr.es! ,a [,ailes ; franjas e enfeites para
que nflo pooparflo esforgos e diligencias, ,. i i j
- 'vestidos o manteletes lencos de
seda para hotncm ; grava tas prets
c de crc.i ; a mais escolbida per-
fumarin ; vasos e uniros objectos
de porccilaua do mais elegante
gosto ; esponjas ; cscovas ; peo-
tes ; cspclhos; ricas metas para
homem ; meias para meninos ; ca-
para eonlinuareni a merecer a sua confi-
an(a.
-- Charles Chapronl, relojoeiro francez,
rua .Nova, n. 32, conceit relogiosde todas
as qualidades com muito cuidado e muita
perfeicflo, assim como vende relogius pa-
tentes, muito superiores.
o o
QJs Alugam-so e vendex-se as verda- rt)
( deiras hixas do llamburgo .-na praca Q
0 da independencia, n. io, no volUr $ mizas brancas c de cor ; bonetes
f Para a rua das Cruzes. g pa|.fl homem g mennos rcos C(l.
O>O0OOl&5OOti>&d>>|frctinhos para perfumaras ; orna-
Ma rua de Agoas-Vi riles, n. 26, engom-1 tos pal a luto, de milito bom gosto :
ma-seelava.se toda a qualdade de roupa | rl,irn|nl,n, ,1 mnnlaria tanto na.
com lodo nsselo, promptidflo e por prec |c,,|Colln,<,s (,e montana, lano pa-
mais commodo do que em outra qualquer ra homem como para senhora ;
|)arleA____-......,, ,, bengalas tie unicurn e de outras
-- Quem precisar do um homem para ad- P- ,
ministrador de engerido, o qual tem co- qualidades ; ricos suspensorios
nhecimentos theoricost
lar, dirija-se ao J
venda.
i ',muilo.s objectos Todas estds l.i-
Conipras jzendas saochegadas pelos ltimos
^ navios francezes Na mesma loja
-- Compra-se um soph, duas cadeiras r i j l j
de bnlanco e um par de consol.>s : ludo de se lazem chapeos de todas as qua-
oleo e em segunda mu : na rua de Hurtas' lidade e toda a especie de ornatos
casa tenea com a frcnlo pintada do azul. I i j
s dir quem compra. u Jiu''| para senhoras ou meninos: tudo
ultimo
I cngUIIO", U (UBI leill CO- I ^""">'^l n^a .Hi.'|aii."Mii.i ,
leorleosci praticos de de.i-chapeiinhos deso pora senhora,
iAterro-da-lloa-Visla.n.80, r.
' (do mais apurado gosto ; e ouiros
Vendas.
i- j isto segundo o melhor e
i gosto, visto como a sua nroprieta-
_ j lia eng.jcn niadas mais peritas
rolllinhaecclcsiastica n00"'*138' chegadas ltimamente
para o hispa,!,, de l'ernambuco : vende-se Ii]e} II. As pessoas que para taes
na praca da Independencia, livrariasn 6 e 8. objeclos ella se ilil'i-lfci'lll srrO
VINDK-SI una coiniiieuda da orJcm' i ^- i
deCImsto: no palto do Teico, ii 1%gu" iCl v,d >S CVU a !"a,0r proni|Uld5tt
do andar. c de oaneirft a licarem natislieiUs*


Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de prato muita frescacsfe de superior
qualidade, presuntos ingleLes para Ham-
bre, ditos portugrezes par panella, Utas
ciiiii 2 o \ libras el mermelada, ditas ciim
holachinha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
tas com licr. .Illas, frascos com conservas
iuglezas, queijos de qualha vin los do Coa-
r, por barato prego, mantas do toucinho
ingle/ de fumniro.de 7 a 8 libras cadauma.e
oulros mullos gneros de boa qualidade :
a nana da Cruz, no Kecifc, n. 46.
Corles de cassa para ves-
tidos com S6 ovados
por 5,500 rs.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com 16'covados, a 3,500 rs.; ditos com
covados, a 1,760 rs.; pecas de cambraia li-
sas com oito varas e meia, a -2,720 rs.; pan-
no de linho mullo fino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, loja da esquina que volla
para a cadeia.
Taixas para engenho.
Na fundigflo de ferro da ra do Brum,
araba-so do receber um completo sortimen-
t de taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
cu carregam-se em carros sem despezas ao'
CJinprador.
Cassa s e cambraias.
Vende-se um sortimento do caasas, cam-
braias, cintas, ciscados, chales de seda,
ditos de 15a, luvas, me i as, bieos de linho,
brancos e relos: tudo o mais barato pos-
sivel, por seren fazendas fra da moda : na
ra do Crespo, n. 9.
Irados de ferro.
Na fundirlo da Aurora em S.-Amaro ,
veiidem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fuidicao l.ow-Moor,
RUA DA SENZALT.A-NOVA, N. &?
Neste estabelecimento conti-
na a harerum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos naltahia
Vende-se em casa de N. O. liieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodfio trancado
aquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Chd brasileiro.
Vende-se rb brasileiro no armazem'de
moldados, alias rio Corpo-Santo, n. 66, o
mais eicellente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem vindo a este mercado, por
prego muito commodo.
Moendas superiores.
Nafundigode C. Starr & Companhia ,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
ile carina, (odas de ferro, de um modelo e
construcc.no muito superior,
4cs fumantes de bom gosto.
Noarmazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha ara vender, chegados
p-'lo ultimo vapor viudo do sul superio-
res charutos S.-FeliX, e de outras minias
qualidades queso venderSo mais barato do
que em outra qualrjuer parle : bem romo
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
miilio, que se estilo venciendo pelo diminu-
to pre^o de 500 rs. o cento.
Cortes de bi im de cores
com listtasaolado, a
1,980 rs.
Vcndem-se corles de luim de cores com
lislrasao lado, a 1,280rs. ; riscado de ul-
godSo americano, proprio para escravos, a
140 rs. o covado na ra do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeia.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-5an tos.
Na rua da Cadeia, n. i*!,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de fin la-cores a
200 rs. o cot do e ris-
cado monslro a 220 rs.
Vende-se zuarte de furia-cores muito
enrorpado e rom 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado mt.iistro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na rua do Crespo, luja da esquina que
volta parr acaJeia.
Para quem (ver bom
posto.
Ven Jem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padroes, e melhor que
lem apparecido ueste Oiercado : na rua do
.-o, lujada esquina que volta para a
l.'r
eadei
-- Veiidein-se amarras ue i?rro: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
8aceas com farelo novo,
de80a90 libras, a V:
vendem-se no arrnazem de Antonio Aunes,
no caes da Alfandega, e no de Vicente Ftr-
reira da Costa, na rua da Madre-dc-Deas,
eliegadas ultimumente de Lisboa e de
Irania.
- Vendc-seuina p:.rto ds sobrados de
tres andares, ns. 14 o 10, iltci na esquina
da rua da Cadeia, defroute do ihealro da
San-Francisco : a fulla rno primeiro andar
dos ditos, com Joaquim Teixeira Peitoto.
Vende-se tima escrava ci-
oula, Unila figura, piopria para
qtialquer servico de urna casa : na
rua da Cadeia do Hecifc, loja de
Jo3oda Cunta MqgalhSes, n. 51.
Os mais ricos iHanlclc-
tes e capotudos.
Vendem-se us mais asseindos mantelete:
e capotilhos de chamalote de seda e gor-
gurflo, os mais ricos que teem apparecido s
na rua do Queimado, n. 9.
Vende-se superior farinha a bordo da
polaca N.-S.-do-Carino, Tundeada defronle
do Passeio-Publico, por commodo prego, e
em saceos : na rua do Vigario, n. 11.
rotassa d Russia..
Vende-se a verdadeira potassa da Russia,
desembarcada agora, em barris pequeos :
cm casa dos Srs. Itothe & idoulac, rua do
Vigario, n. 4.
Vendem-se cortes de cambraia de c-
re, pelo barato preco de 2,000, 2,500, 3,000
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs.: meias para meninas, a ICO rs.; 13a
com lislras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
ziuhapropiia para roupa de meninos o ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra caigas, a 500 e 600 rs. ; lencos de algo-
dfo e seda com franja, a 600 rs. ; cortes de
collete de velludo, a 1,600 e 2,500 rs.; cas-
sa -cinta, a 400 rs a vara ; -ai ca de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 5G0 rs.
o covado e outras muitas fazendas por
barato proco : na rua do Crespo, n. 15, luja
do Joaquim de Oliveira Muya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no arrnazem de molhados
atrs do Corpo-Saoto. n. 66, por preco com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes %e tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturaren) mais que as de espermacele,
e nao fazerem morrSo.
. Aviso importante.
Beneficio publico.
O arrnazem antigo da rua da Madre-dc-
Deos, d. 36, est de novo estabelecido de-
baixo das mesmas cundieres, offerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Fig'ueira pe-
lo limitado [uceo de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por 220 rs. a garrafa, c 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de liordeaux por 1G0 rs. a
garrafa levando o casco. NSo se admiren)
os fieguezes do baixo prego por que se ven-
do a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o antigo pre-
go, embora este genero tenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinen*) os
amntese qualidado para recoiihecimento
da verdade e contiiiuago da anliga fregue-
zia. E para nilo haver usuras, esio promp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como harria de diversos ta-
manhos para provls3o do prximo Natal.
O proprielario cunta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os pregos do reta-
Ihoa primitiva de2i0e 280rs. a garrafa.
Vendem-se sapa loes de coti-
lo de lustro pelo baralissimo pre-
co de 3,ooo rs. ; ditoi superiores
e de ponto fixo,a 4?ooo rs. ditos
de lustro para meninos ditos do
Aracaly paiahomem : na rua du
Cadeia do Hecife, lojan ci.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinhos.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tefnpo se nao vende: no (cafe,
rua da Cadeia, arrnazem n. I a.
Andigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo,
Vendc-se superior vinho de
Cbarnpaiihc : na ruado Trapiche,
n. 1 .'i.
Na rua do A morim, ns. 56
e 58, vendem-se farelos cm sac-
cas grandes por preco commodo :
a elles antes que se acbeos.
Calcado francez
s iliiJo da alfandega ha dous dias, sendo sa-
patos de ceuro do lustro para senlioia, a
2,000 1 s. ; ditos Je nina sola para lioiueu),
a 4,000 rs. ; ditos de beierrc do Mants, so-
la grns'sa e lina, a 5,0u0 rs.; sapatOOS de
couro de lustro, a C,00!> rs.; burzeguins
gaspeados, a 7,000 rs. : na rua do Crespo,
ao 11; 1I0 arco, loja de miudezns, do Joaquim
llenriqoea da Silva.
'4
gada prximamente de [tichc-
mond : na rna da Senzalla-Vclha,
arrnazem de Matheus Austin &
Companhia ou na rua do Tra-
piche, n. 36.
Agoa do Ungir os cabellos etuissas.
Conliiia'-se a vender a agoa de Ungir os
cabellse suissas: na rua do Queimado,
n. 31. Omethoilode applicar a dita agoa
acompanha os vidros.
Farinha de mandioca.
Na rua do Queimado, n. 14, loja do fer-
ragens, anda ha algumas saccas da boa
farinha de mandioca, muito alva e bem tur-
rada ; bem como urna porgSo do pennas de'
orna, proprias para espanadores ; urna os-
crava de 20 annos, propria para lodo o sor-
vigo ; outra ditaque se vende barato, por
sordemaisidade, e que he boa para ven-
cer na rui, e sabe muito bem lavar roupa ;
urna parda moga, do bonila vista ; saccas
de gomma de engommar, muito alva: tudo
se vende barat,o.
Velas* de espermacele
em caixas de 30 libras, o da melhor quali-
dade que ha neste mercado :^endem-se na
rua do Trapiche, n. 8.
Chapeos de palha
muito finos e superiores: vendem se na
rua do Trapiche, n. 8.
-- Vendem-se chaposzinhos ricamente
cnfeitados para meninos e meninas de um
a tres annos: no Aterro-da-ltoa-Visla, n. 1.
-- Chegaram novamente ruada Sen
zalla-Nova, n. 42, relogiosde ouro e prala
patento inglcz, para homem e senhora.
Bons queijos do sertao.
Na ruado Queimado, loja de ferragens,
n. 14, vende-se este excellente petisco, por
prego commodo.
Novo sortimento de fa*
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao pe*
do lampea >.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores lixas e com 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
lras de linho, a 240 rs. o covado; liiim de
aliioilfio de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, 320 rs. o covado; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarta ; cassa preta com
ramagem branrt. para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarto de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrdese cores lixas, a 1G0 e 180
rs. o covado ; chales de larlatana, a
800 rs,; cobertores de algodflo am
no, muito superiores, a 640 rs.
ioo e
icrica-
W

Chapeos do Chile
superior qualidade.
de
m Pelo ultimo vapor receberam-so
& mais chapos do Chile de superior
i qualidade, que eoutinoam avender-
*i SC ( a nrecos mais coinmodns do que
v i-ui outra qualquer parsJ na rua lo
5 Collegio, o. 9.
Superiores chapeos do
Chile.
Vendem-se chapeos do Chile cm porgos :
na praga do Commercio, n. 6, primeiro an-
dar, silo muito bons o muito 11 i os.
Farinha de S.-Ca I harina.
Veiidc-se a bor.'o do brigue ll< u$-Amig:>i,
fundeudo defro lio do raes do hamos, 00 j
aa praga do (jonunerejo, n. 6, piiuieiroao-
!. r, l'.iriima i.'c Si.-Catliarina.
Vendem-se meiis barricas
I f : ii I-
SSSF.
Manocl da Silva Santos vende
!iiiinlia ilc trigo superior da marca
cima mencionada c chegada a es-
te mercado no ultimo navio vindo
de Trieste : quem pretender, pode
dirigir-se ao arrnazem do Ajines,
no caes da Alfandega.
Agencia de Kdwia llaw.
Na rua de Apollo arrnazem n. 6, de Al. Cal-
mont&Companliia, acha-$e constantemente
um grande sortimento do ferragens iuglezas
para engaitos de fabricar assucar, bem
como taixas de fero coado e balido de dif-
terenles tumanhos e modelos, moendas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vaporde frga de 4 cavnllos, alta
pressao, reparlideiras, espumadeiras, etc.
de ferro eslauiado. Na mesma agencia adia-
se um sortimento de pesos para balancas ,
escovins paia navios, ferro cm barra, tanto
quadrado como redondo, salra para terrei-
ro e urna porgio de Una verde cm latas :
tuto i or barato prego.
Chogou novamente loja de Maya Ra-
mos & Companhia nina c illi'cao de retra-
tos ly'ographados das principaes persona-
gens de Portugal, distinguindo-se do entre
es os retratos da rainba de Portugal, I)
Fernando, L". Miguel, conde de Thomar far-
dado como ministro, duque de Palmella,
duque da Terceira, conde das Antas, gene-
ral Cucdes, Vasco da Cama o oulros: tam-
bem se-vendn na mesma leja urna collecgflo
do vistas das margens do Honro, collecg.1o
dos sucessos de I). Ignez de Castro, um pa-
norama de Lisboa, e outras vistas mais que
na indicada loja cima ha para so vende-
r) por pn-gos muito rasoaveis.
-- Na loja du Maya llamos & Companhia
ha urna inleressaiite obra, intitulada Ma-
nual animarlo da sale, ou menicina e
pharmacia domesticas, contendo todos o
conhecimciilos llieoricose pralicos neces-
sarios para cada um sabor preparar orr
picgar por-si Diestro os niedicamentus, i
com pouca despeza, da maior parte da<
doengis curavois e procurar um all vio qua-
si equivalente a sale as doengas iucu-
ravcise cluonicas, por F. V. Haspaif. Como
lioJeroi eu cliamar-me doutor quaudo to-
doi vilo ser, sem muito trabalho, tflo dou-
tos como eu?
X jiopc do bosque.
CASO DEtttl NEGOCIANTE DF.STA ta*Ct.
Eu abalxu assigiuila (o ccrdcado original
ilisli) nii>slra-sc a i|i)ali|iicr |>es$o-i que 11ui7.1T
chegar .1 rua do lloipleio, n. -10, llio-de-Jaiii i-
ro, verldcado peranle o labcllio Castro) com
casa tic uegocio, declaro que lia vi 11 le c duus
tnnoiqna padeca de uun palpitae^a do cura-
rao ; esla p il|iiiaeao era l.io forte i|uc, qu.-indo
luealacava, perda iissculidos, e a respiracao
de lal forma, que as pessoas que peesrnci.ivniii
i is oecaildea esperaran) aegipreque cu iuc
tudo isto fc/.ma perder todas a> esperan-
ca, e eslava bem persuadido que cm impossi-
vcl poder livrar-me da uiortc. Nesla dcplora-
vetcrlse, entregue a tristew, e vendo que 11-
nlia easldo nao pequea quanlia eiem nc-
nlmm proveito, foi quando de yolia das Uran-
gelras, onde eslava rciddlndo, por lellcl-
dade mlnh 1 mnilraraiu-nie um annuncio cm
um jornal que na rua do Hoiplclo, n. 40, se
venda o sarope dn bosque, remedio que ja
tinha feito admlraveis curas na America do
uorte : resolvl-me e fui comprar ua dita casa
urna garrafa. Principie! a tomar, como declara
o aulorem um papel que acompanha cada gar-
rafa ; foi a niinlia alvaco este poderoso reme-
dio : em menos de oito dias de uso ja era ou-
tra peaoa ; desappareceram o sanguc pela boc-
ea, o faflio, a tosse os suorea de noite : con-
tinu! a tomar, c fdram desappareeeudo ho
consideravclmeiile todo os mcus soUruuento
de lal forma, que lodos o mcus amigos eco.
nhecidoi ae admiravam de ver-nie tao rpida-
mente melhorar : hoje o que me resta de lodos
os meus sorlrlmenlos he de dias a dias me ap-
parecer apalpitaco; porm vejo-r.ie de lal
mam-ira que j me pao d cuidado, porque
muitas vcies tcm sido sumeiente um copo de
agoa para farnr desapparecer, ou tomando urna
eolher do aarope do bosque desfeito cm urna
pequea porcao de agoa: digo que nunca pas-
tei tao bem de tade durante viotc e um annos
de iiuili sii.i como agora ha aetc para oito nie-
les, depois que principie! a lomar o xaropedo
bosque, porque eu recupere! o que julgava
perdido, que foi a ininlia sadc, se nao perfel-
la, ao menos quast perfeila. Nao fui s eu cm
minlia casi que fiz uso deslc poderoto sarope ;
Uve multas occasies de o applicar cin pessoas
de niinha familia em casos de conotlpacSe 'e
tosse, e Hirsuto tenho dado deste xaiope a al-
gumas 1 essoas do mru conhecimento, c aioda
em nenhuma orcaiio falliou de produidr ail-
uiiraveis ell'eilos; portanto, recommeudo
todas as pessoas que he o mais excellente re-
medio para as molestias que o seu autor re-
comnirnda sem exageracao porque ninguem
poder di/.er melhor o que he este remedio do
que eu inesmo.
Tudo quanto cima tenbo declarado he a
pura verdade dcbaixo de minha patavra de
honra, o que jurare! te neceaaario^ fr,
e justificare! com quantas pessoas loreiu
necessarias as que me viram doente, e me
cstao vendo agora no estado cm que me
acho e qualqurr petsoa que melhor se qui-
er informar pode dirigir-se rua do Hospicio
n. 40, que o abaixo assgnado Ihc rclirir int-
iiieiisus cases em os quaes o excellente xarope
do bosque tcm fel.o seus extraordinarios ef-
fello.
Esta minha declaraco mande! fa/.-la e as-
iignei de minha livre vontade, e com o nico
inleresse de prestar um servico humauidade
he que a ti/, para ser mostrada aquein quizer
saber o que he o xarepe do bosque do Dr.
Motts.
Rio-de-Janeiro, 4 de Janeiro de 1848.
Vendc-sc na rua dos Quarteis, n. 12.
- Vende-se urna preta mufto 'moga, e de
bonita (lgura, e urna parda acaboclada, am-
bas l'a/eui alguma cousa; dous prelos ci mu-
los ; um pardo : loJos muito mogos, de bo-
nitas figuras, j comalguma pratica de ar-
rnazem de assucar; sao muito possantes e
por Uso srvem para todo o servigo : na la
da seu/a Ha Vi-lha, casi terrea, 11. 64.
Lotera d > iiio-dc-
Janeiro.
A os 20:000,000 de rs.
Na praga da Independencia, n. 4, ven-
dem-se bilhetes, uieios, quartos, oitavos e
vigsimos da 8.' lotera a henellcin do thea-
Iro de San- Pedpo-de-Alcantara. Na mesnin
loja se moslra a lista da 51.' lotera da Mi-
soiicoTdia.
Farinha de trigo.
Vende-se superior fannha de trigo frail-
een de Provenga, chegada ltimamente de
Maisellia : em casa de J. J. Tasso Jnior, na
rua do Aiorim, n. 35.
Vendem-se 200 barricas vasias: na tra-
vessa da Madre-de-l)eos, n. 5.
Vende-se um brago de bdlanga grande,
com cundas de pao e cabos, e um temo de
pesos do duas arrobas at meia libra : na
ga, loja de miudezas de J. J.
Lody.
Livro iitdfapensavcl a lo-
dos os escriptorios in-
glczes.
j4n Encyclopccliu of Geo"rn-
phy : compnsipg a complete des-
criplion of the Eartli, physical
slalistical, cvil,and poitic&I ex-
hibiting itsrelalion tolhe hcaven-
ly bodies, ts physical structuie,
the natural hiotory of eacli conn-
tiy, and llie industry, commcrce,
pnlilical nslilulions, at:dciviland
state of all nations, by Uuh
Muiray, illustrated by eighty-
two Maps.
He umvolnmedemaisde i,5oo
paginas, e vende-se na ruado Ro-
zario larga, loja de miudezas de J.
J. Lody.
Vende-se rap: rolio ham-
burguez em garrafas.* na rua da
Cadeia do Uccife, n. 15.
Vende-so urna preta mjto boa cozi-
nheira, que engomma e fose, e poriso-
propria para ama de casa, meywio'dno-
iiiein snlieirn, nitendendo a sua boa con-
ducta : na rua larga do Itozario, n. 35, lo-
ja do miudezas.
do sobrado 11. 106.
Vendem-se 50 varas de lages de Lisboa
a 3,20(1 rs. cada urna ; urna canoa do ima-
rell), propria pata abrir barcaga, com 58
palmos du comprido e muito sila : na rua
da Praia, serrara do Cardeal.
scravos Fgidos
~ Kugio do bordo do patacho Nicthtroy,
em principios do mez de outubro, o preto
Vicente, do nag3o, de 30 a 40 annos, de es-
tatura baixa, magro: quem o pegar leve-o
atrs do Corpo-Santo, casa n. 66, que ser
recompensado.
I'ugio no dia 21 do passado mez de de-
zcmbto, de bordo do brigue brasileiro Inca,
um caboclo de nome Manoel. o qual repre-
senta ter de idade 35 a 40 anuos ; tem fei-
gflode branco. e he bastante escuro, j com
alguna cabellos brancos na barba; levou
vestido camisa e caiga de algodlozlnho, bo-
nete manija ; quem o pegar pode leva-lo
atrs do Corpo-Santo, casa 11. 66.
Desappareceu, no dia 4 de novembro
prximo passado, o preto Jos, crioulo, de
25 annos, estatura regular, cor fula, ca-
bellos pichaim, pouca barba, ou quasi
nenhuma, rosto bastante liso, caliera um
pouco compiidii; tem por baixo do queixo
um signal preto como que fosse de bexiga,
ps grandes e com os primeiros dedos tor-
ios para dentro ; foi visto no engenho Sal-
gado no caminbo do Recife : quem o pe-
gar leve-oao seu senbor, Francisco Rodri-
gues Villela, morador em sua propriedade
llha-iCraiide, em Serinb3em, quo recom-
pensar.
Fugio, no dia 15 do correle, pelas 2
horas da insulina, um molequinbo do no-
me l.uilgeto, crioulo, que representa ter 17
annos, bem preto, olhos grandes ; tem em
um brago urna esfoladura de urna chicota-
da ; levou. camisa de chita muito miudi-
nha com dous clcheles no coli rinho, cal-
gas de olgodao azul de eoflar o sem co7, bo-
nete azul sem pala c j usada quem o pe-
gar leve-o rua da Cadeia do Itecife, n. 40,
que sei recompensa.lo.
--Fugio, no dia 7 do passado, do engo-
nho Pintos, o crioulo Eduardo, alio, fro,
tem urna falta na parto superior de urna
das orelhas; consta achar-se nesla cidade,
no lugar do Giqui.em urna casa junio de
praga da Santa-Cruz, na padaria debis. urna Olera : quem o pegar levo-o a rua Di-
CUinbiSSe un alguus drslrs terriveis aiaques ;
com superior arinlta gallega, ch-JK,0fMuo,on
|ud"S os rreursos da medicina quanlos ure
rain prodigilisailos nunca srrviam maraque
para nestas occasiVi diminuir tao terrlval iu- -
Irstia ; porm niiiira pude oblcr uirlliOra at-^
tiiii 1. Alin il'^ii 111 -11 s 11.1 sutil i vi iu -ou unta
outra : qual bavia ella ser? a terrivel plilltisi-
i-.l, causada por unta cnnslipaciio ; e l.io i.ipi- j
da ie deelarou, que sujquinha o nien nica rr-
niedlosrr a morte: osaugue que cuiniiiua-,/nuie ni o.", iradcrnacao ineleiB.
deltava pela bucea, a paliiiaco, a tus-1 / 1 j 1? 1
suoiic a lebrecoutuuj,' Vende-se na rita do itozario lar-
Queijos de Alinas.
Chegaram pelo ultimo vapor vindo do
sul dcstes superiores queijos muito fres-
caos, dos melhores quo teem vindo a este
mercado : vendem-se por prego commodo,
no arinazeni de molhados atrs doCurno-
Santo, n. 66.
\ &
Hua do Collegio, n, 0.1
LOTERA DO RIO-DE-
JANE1RO.
20:000^000
8.' do theatro de San-redro.
tmwrmwt' *
Vendem-se chapos de tolas as qua-
liiliides, para senhora ; linos manteletes e
capotinhns de chamalote. tafet e bico ; lu-
vas de pellica, do seda a de rod ; chapos-
zinhos ricos, para meninos e meninas : no
Aterro- la-Uoa-Visla, n. 1, casa de modas
francezas.
-- Jia rua dos Cu irarapes. n. 7, cm Fora-
do-Portas, vendc-se urna negrinha crioula,
de 9 annos, de muito bonita ligura, o com
principios de costura.
-- Vende-se una boa padaria com lodos
os seus petences epronipU a trabalhar, na
rua Dircila, n. 26 : lia mes ni a padaria se
dir quem vendo.
-- Vendem-se luvas de torga! de seda,
prelas o brancas, com lin 'a renda para se-
nderas o meninas, meias do algodo para
meninos o meninas, u 1 0 rs., ICO rs e 200
rs.: na rua da CaJcia-V. Illa, n. 15.
Para
todas as profissps
do mundo.
.Arte de Fittar, pelo padre
Antonio-Viin, rcimpressa ctii-
dadosajfi.c/rfe e:-:i Londres, com o
retrato do aulor frente. Um vo-
reita, n. 121, quo ser recompensado.
Fugio, no dia 16 de-outubro de 1849,
umescravo cabia.de nome Tlremoleo, offi-
cial de carpinlelro, de estatura alta, ma-
gro, zambro das prrnas; tcm falla de um
dedo em um p, denles podres, e um sig-
nal de um pequeo talho na pona do na-
riz ; lio bem parecido de rosto, cem prin-
cipio do batba; levou boa caiga de brim
azul, caotisa branca e gndola I ranea lina,
cujo escravo foi do lllm. Sr. Aflbuso de Al-
buquerque e Mello, da provincia do l'ar,
por ordem de quom foi vendido na corle
pelo Sr. capitito de fragata Jesuino (.aniego
Costa ; consta queso intitula forro a todos
aquellos que o uflo conheccm, e bem o per-
suade por saber ler, escrover e contar, ea
quem o cotihece diz a uns que anda por or-
den) do sen snhor a procurar quem o ctm-
pr,o a cutios que anda cm procura do
obra para trabalhar : o que se previne nos
lllms. Srs. ofllciaos do exercilo e armada,
para que o nilo recrulcm ; capitales de na-
vio, para que o u3o rccebam a sou bordo a
pretexto al;Miin ; mestres de obras, o nflo
admitan) as mesmas ; aos Snrs. encarre-
dos da vizila dos navios o nflo deixem sa-
bir em navio algum, qurseja nacional,
quer cstrangeiro : e a lo las as pessoas em
geralserngao nflo icoitem, nflo s para
evitar o procedimetito criminal, mas tam-
bom de pagar o jornal do 1,600 rs. diaiios
desde que o niesmo (ver fgido, que he
lauto quanto sn protesta liavir daquella
pessoa que llie der coito : para cujo (im se
faz o prsenle annuncio, para que ninguem
se chame a ignorancia e sedaiflo hoas alvi-
garasaquemdo mesmo der noticias Olida
xi-le, ou o levar a rua do S.-I.uzia, n 48,
na.corle, ou nesla praga. a Francisco Alves
da Cunt, r> rua doVigaiio, u 11.
No dia primeiro de selombro do an-
no prximo passado deaapparecau du nii-
nha casa, em Olioda, a cabra do nome Rs-
tliea, dos si.-iiaes seguintes : baixa de es-
tatura, cabellos negios, ps e nios peque-
os, leudo os doJos dos pos a maior paito
de/lea sem mili, s por causa das bexigas, das
quaes ella lem a cara muito marcada, pedos
pequeos de pelle, deufrs alvos o aliertos,
olhos afurriagados, bstanlo latina, do boa
liiigoagn.n. O abaixo assignaUo, seiihor
delta, ruga a todas as autoridades policiaes
c ca'j-ules de campo que llies presten) todo
auxilio neressario para qu.-a dita seja p-
prebeildida, gralilicunioa quem a liouxer
a agradoNudo ao sou icui foitur,Antonio
Aavitr de Curvalho lenduiifa.
t
l'm.v. : NA TVP. b. U, t. DE
s i-^M
"11


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENFSFKMF5_BUSPP7 INGEST_TIME 2013-04-24T17:52:21Z PACKAGE AA00011611_06748
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES