Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06746


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AfHH
^
Anuo XXV.
PARTIDA* DOS COBBSlOa.
- ... .parahiba,segundas esextas-feira.
fgEvSSSSX quin.a.-feira, ao mel-
n.bo?Ser..hem. Rio-Formo.o, Porto^alvo
fS no IA a lie 21 de cada rae..
Cara..huoelionUo,a8eW.
Soa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, as quintas-feiras.
Olinda, todos os dias.
[Ter.ca-'feira 25
IPHEMIBIDES.
Fhsbs d la. Mlng. a 6, s 4 h. e 33 m. da t.
Nova a 14, 1 h. c 18 m. da t.
Cresc.aM, as5h.e2l m.da ni.
Chela a 29, 11 h. e 41 m. da m.
VBEUUB DE BOJE.
Primeiraa 1 hora e 18 minutos da tarde.
Segunda a 1 hora e 42 minutos da manh.
de Dezembro N. 280.
PBECOS DA SUBSCRIJF0O.
Por tres mezes [odianlao) 4/000
Por seis mczea 8/otnl
Por um anno 15/000
das DA EMA1IA.
24 Seg. S. Gregorio. Feriado para os negocios lo-
25 T^**taMtaMM de Nosso Senhor Jess
26 Qwr'l?** I.' Oitava. S. Estcvao Protomarlyr.
27 yuint. %\' Oitava. S. Joo apostlo e evan-
28 slt"* 3.'Oitava. Os Santos Innocentes.
29 Sab. S. Thoutaz.
30 Dom. S. Sabino.
CAMBIOS EM 2t DE DEZEMBRO.
Sobre Londres, 271/, d. por 1/000 rs. a 60 dias.
. Pars, 316.
> Lisboa, 100 por cento.
Oaro.-Onca hcspanliocs......... 29/000 a 29/500
Moedas de 6/400vclhas.. 16/900 a 17/IW
> de 6#400 novas.. 16/200 a 101400
. de 4/000........... 9/200 a 9/400
Pra!a.-Patacoes brasileiros...... J#K>0 a 1#U80
Pesos coquinarios....... 1/950 a 7
Ditos mexicanos.......... 1/850 a 1#870
u>**KZS
PARTE 0FFEC1AU
"mIisterio do imperio.
Relacno cretaria de estado dos negocios do impe-
rio no fauslissimo dia 2 de dezembro de
1849, aniversario natalicio de >. o
Imperador.
CORTEE CASA IMPERIAL.
Ilonrat de grandtM. Burilo do Fiaes.
Titular tem grande:a.-\Unoc\ do Souza
Teixeira, harflo de Capibaribe.
Titulo de concelho.-O desembargado!- che-
fe de tolicia, Antonio SimOes da Silva.
V'ador honorario.-BarBoda Antomna.
Fidalgos cavalleirot.-^on.o de Paula
Souz LeSo, marechal de campo grada, o
jo Correia Sera, Jos Joaquim Teixeira Vieira
1,eK'/i ORDIM IMPERIAL DO C.RUZKIR0.
Grdo-Crtii.-Oconcelheiro de estado Ber-
nardo Pereira de Vasconcelos
Cavalleirot.-O primeiro-tenento da arm a-
da Antonio Jos Pereira Leal, tenente Jos
Loll Teixeira Lopes, dito Segismundo Ne-
mezio Marreiros de S, tenente Claudino
Jos de Mello, capitSo Firmino Theotonio
da Cmara S.Tiago, major Jgnacio de Se-
queira I.eBo Silva Cruz. (6).
ORDEM DE S. BENTO PE AVIZ.
Commendador.-O marechal de campo gra-
duado Antonio Correia Sera.
ORDEM DE CIIRISTO.
Gr3o-Crut.0 concelheiro de estado vis-
conde Olinda. .
CommenaWorfi.--Angelo Momz da Silva
Feraz, Ananias do Oliveira e Souza, Anto-
nio Clemente Pinto, Manoel Gomes de Car-
valho, Antonio Barroso Pereira, conego Jo-
s Rodrigues Barbota, coronel Jos Flix de
Almeida Proenga Campos, l.uiz Antonio de
Sampaio Vianna, Antonio de Sequeira Ca-
valcante, iloutur Francisco Diogo Pereira de
Vasconcellos, chefe de legiiio Carlos Baptis-
ta Machado, Ignacio Gomes Midoes, desem-
bargador Caetano Silvestre da Silva, tenen-
le-coronel Antonio (ornes Leal, Custodio
Alves SerrBo, monsenlior l.uiz Marciano da
Silva. Jos Francisco Bernardes, Manoel Lo-
pes Pereira Babia.
Catalleirot. Felisherto Ferreira Brant.
Antonio Jos Pacheco Penna, Joflo Antonio
da Silva MourSo, Dr. Lucindo Pereira dos
Passns, Dr Joaquim Marcos de Almeida Re-
g, Dr. Joaquim Manoel Gaspar de Almeida.
Dr. Antonio Jos Goncalves Fontes, Jos
Hermenegildo Xavier de Martes, Jos Joa-
quim Ferreira, Alejandre Jos da Nobroga
Leal, Antonio Francisco Coelho Pereira Gui-
maraes, Jos Leocadio de Aguiar, Jos R-
beiro da Silva Leflo. Sabino da Silva Naza-
reth, Agotinlio Jos Coelho, Jos Francis-
co de Paula e Silva, Francisco de Olive;ra
Guitriarfes Jnior, Venancio Jos da Coa
vigario Antonio Caetano Itibeiro, Joaquim
Carneiro de Santiago, Jos Lourengo de
Castro e Silva, Manoel Venancio Campos d
Paz, Joiio Leite Barbota, Dr. Francisco Ho-
norato de Moura, Miguel Francisco das Cha-
gas, Claudio Jos Machado, Francisco Leme
da Cunha Nogueira, Dr Joaquim Pinto Por-
to, Dr. Manoel Rento Guedes de Carvalho,
Fra> cisco Antonio Goncalves dos Santos,
JoBoFrancisco Junqucira, Dr. Jos Elias Pa-
checo Joi dno, Sebaatip Jos Xavier da Un-
to, ca itilo Manoel de Toledo da Silva, Dr.
Vicente Ferreira da Suva Bueno, padre An-
tonio Joaquim de Mello, Beoto Jos de An-
drsde e Silva, Francisco Pereira Mendes,
Antonio Vaz de Almeida, Antonio Correia
deMoraes, Dr. Francisco Antonio de Almei-
da Mello, Joaquim Jos Loureiro de Almei-
da, Manoel Alfonso Pereira Chaves, Francis-
co de Paula Ferreira Ribas, Manoel de Ol-
vena Franco, Antonio Jos de Faria, capi-
tSo Joao de Souza Carvalho. Isidoro Jos da
Bocha Brasil, Luiz Antonio Meirelles, Fran-
cisco Joaquim Rodrigues Lima, Manoel Cae-
tano de Oliveira Macado, Justinano Duarte
de Oliveira, primeiro lente da armada
Antonio Joaquim Carvalho d'Avila, dito
Joaquim Lucio de Araujo Jnior, Dr. Tho-
maz Antunes de Abreu, Dr. Luiz Faivre,
JoBo Luiz de Azeredo Coutinho, Joaquim
Machado de Abreu, padre Antonio Garca de
Oliveira Durilo, major Manoel Alves de Gus-
mBo, alteres Francisco Baphael de Mello Re-
g, tenente-coionel Jos Pedroso Duarte,
tenente Jos Aurelio de Moura, Joaquim Nu-
nes, Pedro Jos Pinto Cerqueira, Pedro Can-
dido Carlos Garca, Luiz de Souza Lobo,
Antonio de AraujoGomes, o vigario Joaquim
de Santa-Mana Magdalena Duarte. Jos Bar-
boza Meirelles, capilBo Atitonu das Ne:
ves Teixeira Piulo, dito Francisco Jos
Alves Silva, Bernardo Francisro da Rocha
Tavares, Antonio Xavier da Rocha, Manoel
Connives Pereira, Jos Pereira de BuIhOes
Carvalho, Francisco Pereira de Bulhoes Car
valho, Jos Leandro de Souza, Jos Antonio
Airosa, Joo Jos de Sa Cherem, tenenle-co-
ronel Joaquim Jos Ferraz de Oliveira. An-
tonio Marianno de Amorim Carrao, vigario
Francisco Fernandes de Oliveira e Silva,
Francisco de Paula Gomes Barroso, Dr. Joflo
Bazel, Manoel Teixeira de Souza Jnior,
p*rd Jos Ferreira dos Santos, Joaquim Pe-
reira dos Santos, JoBo Antonio Monteiro,
llallhazar Caetano Carneiro, Olinto Paes de
Oliveira, Manoel de Souza Dias, Bento Jos
Gomes, JoBo Jos de Sequeira, Jos BoniBo
Pinliciro, Antonio Joaquim Goulart, Jos
Pedro da Silvs, Jos Joaquim de Oliveira,
llorianno Correa de Brillo, Jos Ignacio
I Soares de Maculo, Dr. Francisco Xavier Paes
Barreto, Dr. Antonio Coelho de Sa Albu-
querque, Silvestre Antonio d Oliveira Mel-
lo, Caetano Pinto de Veras, Dr. Luiz Rodri-
gues Dutra Bocha, major Antonio Luiz Fer-
reira, chfe delegifio Pacifico Jos da Cu-
nha, dito Joaquim Pedro Vidigal de Barros,
tenente-coronel Joaquim Jos Alves S.-Tia-
go, major Francisco Antonio de Lentos, dito
JoBo Evangelista de Msgalhfles, dito Silve-
rio Pereira da Silva Lagos, vigario Quinli-
liano Augusto de Lima, dito JoBo Custodio
Pereira da Rocha, conego Joaquim Louren-
go Dias, padre Ignacio Antonio Fernandes,
vigario Agostinho Jos de Souza e Oliveira,
padre Bernardino de Souza Caldas, Louren-
go Xavier da Veiga, F.stevBo Ribeiro de Re-
sende, Jos dos Reis Silva, Joo Rodrigues
de Macado, Jos Antonio de MagalhBes, Bel-
chiordePontesBego e Figueiredo, Jos Es-
teves de Andrade Botelho, JoBo Cordeiro
Valladares, Jos Teixeira Lopes GuimarBes
Jos Luiz Rodrigues de Moura, JoBo Gon-
calves Gomes, Joaquim Caetano da Silva
Campolina, Jos Joaquim de Araujo Soares,
Antonio Jos de Brito Coelho, Jos Ferreira
da Silva, Diogo Antonio Pereira de Vascon-
cellos, capitBo Hermenegildo do Albuquer-
que Portocarreiro, o primeiro tenente Mer-
mes Ernesto da Fonseca, tenente Antonio
Feliciano Nunes Bel Iba, capitSo Jos Bento
Alvares, Fernando Antonio Peroira de Vas-
concellos. Dr Jos da Lilva BraodBo, o ma
jor Luiz da Costa Portocarreiro.
ORDEM DA ROSA.
Commmdadorts. Jos Pedro da Molla Saiao,
Jos de Soma Breves. Joaquim Pinto Neto dos
Reis, Jos Luiz Gomes, Jos Come da lonse
ca Parahlba, Joo Leite Torres Gallindo, ba
rao do Sabara, coronel Venceslao Alves Bello,
Jos Mara Lopes da Costa, Manorl Antonio
Guiniar.es, Antonio da Cunha llarbosa Guma-
O/peiaei. 4>nentc-coroncl Egas Muniz
Brreto de Arago, Francisco Ezequiel Meira
Antonio Flix de Carvalho, Marcelino Alves
de Souza, Dr. Jos Vieira de Faria Aragao
Alalliba, Dr. Antonio Policarpo Cabral, Dr.
Manoel Ladislao Aranha Dantas. Joao Jos
Da < amargo, Manoel Fernandes Beguengo,
Antonio Jos de Souza, Jos Ribeiro de Almei-
da, joaquim Jos Soares, Policarpo Jos Al-
vares de Azevedo. Joo Pereira da Cruz, lose
Antonio Barroso de Carvalho. Filippe Bernar-
des Dias, Jos Pereira da Silva Manoel, major
Antonio Rodrigues do Couto, tenente-coro-
nel Salvador Furtado de Mendonca, dit. An-
tonio Joaquim de Sena, Zozimo Ferreira da Sil-
va, Antonio Jos de Moura, Joao Nepomuceno
Banllsta Pereira, tenente-corouel Francisco
Jos dos Reis, Manoel Pereira da Silva, Fran-
cisco Paes/Jarreto, Pacifico Lopes de Siquel-
ra, Francisco Alves Cavalcanli Camblo.,, Dr.
Joaquim Viiella de Castro Tavares, Jos Pires
Ferreira, Joaquim Jos da Costa, Dr. Antonio
Kantista Gitirana, Custodio Ferreira Vianna
llandeira, Manoel Pinto da Rocha, chefe de
legio Damazo da Costa Pacheco, dito Manorl
Annanias de Assis Junqueira, dito Serafini
Jos de Menezes. dito Francisco Roberto San-
ches Brandan, dito Jos Justino Ribeiro de
Carvalho, Manoel Teixeira da Costa, Bernar-
do Jos Carneiro, liento Ferreira Carneiro,
Dr. Pedio Caetano Sanches de Moura, Anto-
uio Felisberlo Nogueira. Vigario Herniogenes
I asimirode Araujo Itrunswik, Manoel da Cu-
nha llarbosa, Dr. Roberto Jorge Haddok Lo-
bo, Dr. Luiz da Cunha Feij, Joaquim de
Paula Souza, Manoel de Aguiar Valini, Ma-
noel Jos Ferreira Penna, Francisco Leme
Barbosa. Francisco Honorato Honiein de Mel-
lo, Candido Concalves Gomide, Pedro Anto-
nio llaptista de Paiva, Joao da Silva Karauna,
Joao Baptista Ferreira, Francisco Joaquim
Pereira Lobo, Dr. Jos Augusto Cesar (Sabu-
co de Araujo, Irlnco Evangelista de Souza,
Dr. Francisco Ignacio de Carvalho Moreira,
major Francisco Victorde Mello Albuquerque,
Desiderio Pereira Guinaraes, Francisco An-
tunes Macollo, Joaquim Hypolito de Almeida,
Joao da Silva Miranda, Juao llaptista de Cas-
tro e Silva, Raphael Archanjo Galvao, Jos
Joaquim Ribeiro, Leandro
Catalleiroi. Venceslao da Costa Vidigal,
Caetano Jos Gomes, Bernardo Francisco Jus-
tioiano. Joaquim Jos Goncalves de Moraes,
Joao Nunes Duarte, Malhias Goncalves de Oli-
veira, capitao Manoel Jos Pereira, Joaquim
Manoel de S, Joaquim Ignacio do Nasclmcn-
Guimaraes, Manoel Pereira dos Santos UN,
Jos Luiz dos Santos Teixeira, Filippe ae
de Barros Crrela. Jos Antonio Domingucs,
Francisco Jos Goncalves da Silva, Joaquim de
Almeida Brito, Luiz Augusto Cezar, Candido
Antunes Castriolo, Jos Antonio de Barros m-
beiro, Ricardo Antonio Rodrigues, Fernando
Antonio de Almeida, Jos Carlos de iouza C-a-
marinha. JoSo do Araujo Coitinho Vianna.
Luiz Francisco da Silva, Antonio Mana Soares
de Lima. Antonio Goncalves da Silva, Jos Go-
mes de Oliveira. Antonio Luiz Marlz Sarment,
Estado Mara da Costa e Abreu. Francisco An-
tonio d.V Costa Xavier, Elias Antonio Lopes.
Manoel Jos da Rosa. Luiz Jos da Costa, Jos
de Almeida lardoso. Jesuino Teixeira de i.ar-
valho, Jos lustinianj ltancourt, Joaquim
Jos Vieira de Carvalho. Joo Pedro da Silva
Cruz. Jos Joaquim Florindo e Silva, Anto-
nio Ferreira da Silva Jnior. Luis Antonio Pe-
reira, Manoel Jos de Morara, Dr. Hermano
Domingurs do Couto. Dr Antonio da Costa
Filho. Tilomas Moran, Thomaz Rodrigues
Ferreira, capitao Jos Ignacio Teixrlra da
Fonseca, tenente Jenuino Olympio do San-
Paio, tenente Manoel Leonel de Alencar, ca-
pitao Generoso entorno de Moraes Cambara,
dito Antonio Peixoto de Azevedo, dito Luiz
Ribeiro de'Almeida Raposo, primeiro tenente
Manoel Alves Pereira da Motta, Or. Luiz Rie-
dell, Jos Esteves da Cruz, Alexandre Jos
Ferreira Braga, primeiro sargento Antonio
Gomes Tadeu, primeiro tenente Thomaz Pe-
reira Pinto, capitao de voluntarlos Joaquim
de Albuquerque Cavalcanti, tenente do mes-
ino corno Antonio Januario Paes Brrelo, te-
nente Manoel Joaquim do Reg Barrlo, dito
de voluntarlos Joaquim Cavalcanti Ribeiro de
Lacerda, alferes do mesmo corpo Francisco
do Rogo Barros Lacerda, dito Joao li do Reg
Barros, dito Dr. I hom Fernandes de Castro
Madeira, dito Mariano de S Alququerqoe, di-
to Francisco Soares da Silva, o primeiro aar-
gento do mesmo corpo Manoel Sartunino da
Cunha, o torcoiro commandante do corpo po-
licial de Pernambuco Manoel Ferroua de Es-
cobar. Joao Cavalcanti Mauricio de Wandor-
lev. Joao da Costa Honriques, Joao da Cunha
Ferreira, Francisco Antonio de Oliveira J-
nior, Elias Ignacio de Oliveira, Antonio bou-
calves Dias. ( 140. )
Secretaria de estado dos negocios do impe-
rio em 2 de dezembro de 1849. Josa' ne
Paita MabalhXb Caltr.
iiimaiimi l----------*""*'*
tcmbrodelMI.e regulamento de 3i de ja- estas propriedades e applicar os fondos pre-
neiro de 18, concluindo com pedir esclare-
clmento, dignou-se deouvir a jeccao do .con-
cisos para sna manutenc.Bo. As eventuali-
dades polticas requerem tambem um or-
cclho de estado que pertencem os negocios ^ p8r8 proteger os interesses que dentro
da justica ; e, conformando-se com seu P"e*. aa confe lera<;Bo nasceram dos tratados de
cer na parte relativa aos aggravos e appella-, lgJ5 preSftemenle nflo ha nenhum po-
t^-^Z^^^^n^ "^P^ em. vi tude destes tratados
tomar conhocimonto para resolver segundo Nflo devemos esquoerr tambem o relo m-
seu mrito : porquanto, sendo ollas recopile- portante que a antiga confederado lem
cidasnalogislacao anterior disposicao pro- umaposicBo internacional na Euroia, a qual
visoria(ord liv. 1, lit 80, llv. 3. tit. A ).sena, n1(, p0U(1 spr .atena,ia, nem por nenhum
necessario que osla ou outra le posterior as meh)r iM\. solada,nente, nem por al-
citado conigo. E, alm disto, quando inesinoTopS.e conhecora qlial o pongo da continua-
- 'g
a extincco dos aggravos de peticao e iniiru-
inento impnrtasse adascaitastestemurmaveis,
a lei de 3 de dezembro restaurando ejses ag-
gravos no ait. 120 expresamente declarou
a em vigor a legislarlo anterior que aao lor
opposta. Ora, a que rcgulava as cartas teste-,
munhavois, bom longe de oppr-so, fazn o
complemento daqnellos aggravos, sondo cor-
to que ellas naoconstiluem um recurso espe-
cial e dislinclo dos outros, e apenas urna pro-
videncia e mel de os fazer eflectivos.
Dos guarde a V. ElC Eozkoio de (v>uei-
oz Coutinho Mvttoso d CaMiftAr. presi-
dente da provincia do Cear^
EitTRSOR.
MINISTERIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DIA 6 DE
DEZEMBRO.
A' thesouraria da provincia da Babia, de-
ferindo ao requerimentn de Francisco Jos
M Abreu, pedmloa restiiuq.To da impor-
tancia por quei foram arrematados ou gene-
ros de export'Qno quo foram apprehendi-
dos por terem sido encontrados em seu ar-|
mazem depnis de ter este sido desilfnnde-
gado, se declara que, se pela orlem de 4
de Janeiro de 184C se tinha declarado pro-
cedente a apprehensBo feila em gneros en-
trados no arnta/.om do supplicante por nBo
estar competentemente airandegulo, o a de
Sidnjulhodo mesmo anuo, deelarando-a,
decidi snSopodrem ser recolhldos em
armazens que nBo sejam alfandeg.idns os
gneros subjeilos a direitos .lo importacBo,
bem se deduz a consequencia de que a ap-
prehensBo que a primeira se referia s To-
ra procedente a respeito dos gneros de im-
portarlo e nBo aos de esportacBo, cuj im-
portancia o supplicante reclama.
MINISTERIO DA JUSTICA.
1 Seccdo. Rio-de-Janeiro.Ministerio
dos negocios da justica, em 8 do marco de
1819. L ,
lllm. e Exm. Sr.-- A recebedona do mu-
lle direito, quando
A QUE8TA0 ALLEMAA.
Discurso pronunciado pelo cai'aihciro lia-
dowitz, conminara do governo.na lemilo da
cmara dos d'putailm da l'russia a 24 de
oulubro prximo pastado.
Senhoros. o govcrnn, respond^ndo in-
terpellacBo do Sr. deputado BecUerath, foi
obrigado a resorvar para urna occasiBo
futura una declaradlo mais decidida; o
momento ile fazer esta declarncBo lio agora
Chegado. Fazendo-a, expor-M cmara em
pooeas palavras qual o estado da quesillo.
aQuando fallei pela ultima vez nesta casa
explique! quaes as intongOesdo governo, c
posso assegurar que ellas san ainda as mes-
mas. Elle er que a Allemanlia reclama
urna constiticBo collectiva, adaptada
plurslidado deseus esta 10J e a unidade de
son povo. A unidade deve ser mantida no
governo pela presidencia do imperio, a DI
reprcs'iilaf;3o pelos volk'haus ; n pluralida-
de pelo conreino de principes no governo, e
pelos slaalinhans na ropresentacBo. Esta
he a constituigBo que satisfaz averdadeira
nocessidade da Al'omaliha.
Fallando do futuro, liguei com elle as
esperances e as proposlas lo governo prus-
siano. llevo agora declarar que suasespe-
raiiQas de unir toda a Allemanha debaixo
d una constiticBo nBo fram realisadas;
porm que suas inteocOes do trabalhar para
a coosecufBo desto flm permanecem sem
alleracBo. [Appliiusot) Procurando alcan-
i;ar o objecto que se propoz, o governo tem
sido exposto a muilas suspeilas. Todas as
paiiOes teem sido excitad is para su Ihc fa-
zer opposicBo, inlerrupcoea o obstculos
teom sido postos em sua marcha; porm to-
das estas cousas nBo o teem impedido de
proseguir em sua larefa al aos limites da
possibilidade, at linha trarjada pela hon-
ra poltica. (Applauos.) Tenho, portanto,
quedarconta acamara, nBo do lint em si,
mas do modo pelo qual o governo lem pro-
curado attingi-lo.
A cmara sabe bem quo a Prussia pro-
curou formar a Allemanha em urna redera-
eflo, assim como estabeleccr urna uniBo en-
tre esta federarlo e a Austria. 0 governo
(DI obrigado a abandonar esle projeclo, por
:a- Dr- expresso no artigo 153 da constituido do
LuiI i imperio. Pode ser inundado de um para ou-
Keliciano Cionca ves, troK|ua, mas a roudanr;a O
de5.u"" Y?re-k.,., ono Tin or ssoouenao Un
to Faria, tenente coronel Justino Jos Pereira,
major Silvano Antonio d* Silveira, Dr. Jos
Fructuoso Rangel, Narciso Jos Martins, major
Jos Domingnes de Oliveira Maya, BernardoGo-
mes ftraga, Dionisio Jos de >an-Tiago. Luiz
PereiradeCastro, Joo JosDorr.iogucs, Miguel
Rodrigues Ferreira, Luis Pedro Tavares, Ma-
noel Jos Cardoso, Dr. Antonio de Paula Ra-
mos, Antonio Pinto Coelho de Barros, Joaquim
Comes Jardim, Ladislao Jos da Fonseca, Dr.
Jos Joaquim Pereira de Souza, Dr. Luiz
Carlos de Paiva Teixeira, Feliciano Goncalves; "r,"" mas a mudanca nBo lio nomea-
Piogroiros, Jos Ignacio de Souza Vernek. Jos, |ie Dr isso que nBo tira carta quan-
Francisco Coelho de Magalhaes, Joao Lopes
Martins, Padie Cesario Gomes Lirio, Jos
Fernandos da Costa Pereira, Pedro Jos Tra-
vesos, Miguel Bibeiro da Motta, Francisco Joa-
quim de Souza, Francisco Figueiredo de An-
drade, Manoel Teixeira ile Mello, Jos Esteves
Penna Firme Filho, Paulo Emilio de lloura
Brito, Manoel Jos Martins Ribeiro, Joaquim
Teixeira Peixot", Francisco Mamede de Almei-
da. Jos Rodrigues Pereira, JoBo Valcntlin
\ ilhi.i. Manoel Jos Teixeira Bastos, Francis-
co Carneiro! da Silva, JoBo rcenlo Barbota,
commandante superior Bernardo Xavier Ra-
bcllo, tenente-coronel Jos Goncalves de Oli-
veira Vllela, dito Antonio Jos Rodrigues Bar
nicipio exige dos juizes t
rrmnvidns de urna para outras comarcas, o ,Vi # .....- ------
acHo nropordoMl aos respectivos ordena- que a Baviera.o Wurtemberg o lesse-llom-
".-1.!!"'.-.7JSJ*m litlos de no- burgo recusaran, fazer parte da federac.no, e
a Austria nBo quiz consentir na uniBoque
Ihe foi proposta. Depoisitarei sobre a me-
sa a correspondencia que leve lugar a este
respeito.
Em consequencia destas desgranadas
eircumstancias, o governo v-se obrigado a
fundar urna inetropole poltica dentro dos
limites lerritoriaesd.i confe lera<;Bo germ-
nica. A tarefa que elle se prope he orga-
nisarpaia este pequeo bund urna consti-
iiiiABn nun uBo viole os tratados de 1815, e
dos, como se se tratasse dos ttulos de no
meacBo de qu flla a lei de 21 de oulubro
de 1813, art. 12, Io V. Exc., porcm, sabe
perfeitamenlequea nomearjBo e remocSo
Bo actos muito distinctos : a primeira sup-
pOe urna graca em beneficio do nomeado.e
a segunda nBo he merc ao removido, e so
se funda em titilidade publica.
Lmar o imposto proporcional ao orde-
nado de um empregado oue nBo adquirede
novo, e que as vezes aoffre nelle dimmui-
cBo, seria um verdadeiro absurdo, que nBo
podia caber as intenqOes da citada le, as-
sim como nBo cabe em suas palavras. O ba-
charel, urna vez nomeado juiz do direito,
adquire um emprego perpetuo, como he
__- i i .!.. rtn nel i
do decreto. Parece, pois, consequente e de
rigorosa justiga declarar-se a recebedona
domuiiicioioqueas disposicOes do artigo
12 1. da citada lei de 21 de oulubro de
1813 nBo comprehendem osjuizcade direi-
to senBo quando oblem a nomeacBo para
entrar na carroira, e nBo quando depoisde
nomeados sBo removidos do uns para ou-
tros lugares.
Deus guarde a V. Exc. -- Euzebio de Quei-
roz Coutinho alattoso da Camena. Sr. Joa-
quim Jos Rodrigues Torres.
boza, dito Jos do Egypto Campes, dito Joseter-
nandesAvclino, dito Francisco Jos da Silva
Ha iros, dito Honorio Hermto Correia da Cos-
ta, major Manoel de Magalhaes Gomes, dito
Jos Joaquim Fernandes Ue Paula, dito Ceta-
rio Jos i.oitinho, dito Joaquim de Paula Sou- I qUem [ui prseme um ofli
a, capilo Domingos Francisco Ferreira, al-^ ,ie |g48. no qual o jui de i
feres Joo Jos Dias Pinhcir i, Beginaldo Alt* vara crime dessa capital co
tonia Pereira da Costa,
Jacinlho Alves
varo Jos de Fi|
Nicolao Lobo
AVISO SOLVENDO DUVIDA SOPRE CARTAS
TESTEMUKHAVEIS ^0 C1VEL.
Rio-de-Janeiro, em\o 1." de selembrode 1849.
lllm. e Exm. Sr. = S. M. o Irnpeaador, a
ci de 27 de mar;o
dircito da primeira
com m nica haver es-
Joo Alves Ferreira,' crUpulisado tomar conheciinenlo de una car-
ilucio que u3o viole
ao mesmo lempo provOrque cm urna reor-
ganisacBo da oonfa leracBo germnica na-
da possa occorrer que torne imuossivel o
pequeo estado confederado.
AconfederagBodel8l5recebeu umor-
gBo executivo provisorio, ate que a sua ve-
llia constiluigBo seja definitivamente reor-
ganisada. O eslabelecimento de um tal or-
gBo pJe causar recelos no espirito de ho-
mens bem dispostos e patriotas, e pode fa-
z-los desojar que a Prussia nBo livesse.lo-
mado parte em sua creagBo. Compreheii.lo,
senhoros. ambos estes sentimentos, port-m
nBo posso recouhecer como justas as conse-
quencias que f>e teem inferido de sua poli-
tica. Pego licenga cmara para por de
parte o conledo do ajuste que foi conclui-
do, e pergontar-lhe agora se era ou nBo do
dever da l'russia concordar na formagBo in-
terina de um tal orgSo ? Sim, o governo era
obrigado a laz-lo por um direilo indubiU-
vel, por urna necessidade pratica c pelo dc-
tamo de urna poltica elevada. NBo pensa-
mos do nenhum modo quo o anuo de 1818
nBo tenlia produzdo nenhum elioilo sobre
a coufcderagBo, porm julgamos que una
gBo le m lal eslado de cousas para a Alle-
manha.
O governo prnssiano. creando um po-
der central provisorio, foi tambem guiado
pelo desejo de preparar o caminho para
urna Intelligencia mais esperangosa com a
Austria. D.'vo leniluar cmara que o go-
verno prnssiano tem sempre sentido que,
entre as condicoes de urna solugBoreale
foliz da quesillo da constituigSo da Alle-
manha, um acrordo sincero com a Austria
he urna das mais importantes. Nos bem
sabemos que a posigSo dos dous governos
em referencia i reconatruiclo da Allemanha
nao lio a mesma ; conhecemosos deveres e r
as consequencias que resultam desta difTe-
renga ; porm nBo podemos deixar de em-
pregar tolos os nossos esforgos para alcan-
garao mesmo lempo aqinllo que fr real-
mente ventajoso para a Allemanha o para o
estailo imperial,
Quando, portanto, o governo prus'iano
respoildeu pela allirinativa nu"-tBo preli-
minar, so um lal orgflo interino d-iveria ser
oreado, toriiou-so uocessa^io tratar dos fins
ospeciaes para os quaes este orgBo devia ser
o-labelecido. Tivemos que vigiar que nBo
aoontecesse aquilln quo uns desejavam e
outros temiain, istohe, que o novo execu-
tivo nBo se toriiasse um obstculo positivo
para a formagBo do pequedo bund.
Pallo aqu dos obstculos positivos. A
Prussia nao quor tirar agora, assim como
nSo o quiz em abril, nenhuma vantagom
los perigos o difliculdades quo a de>truigBo
da constituigSo trouxo comsigo. Na bala-
I lia contra o egosmo solado temos regeita-
do o apoio de dous gumes da revolugBo.
( Applausut.) Temos comprimido a rebel-
llflo, mesmo ondo ella feria o inimigode
nossa obra do uniBo, ou brevemente o tena
ferido. [Applausos.) Nos bem sabiamos quBo
aguda era a arma que assim quebramos;
sabamos que ella seria capa/, de corapellir
varios governos a fazer um sacrificio, ou a
cumprir os deveres que tiiihant contrahido;
porm nBo nos dallamos, nem nunca nos
deixaremos soluzir pala detestavel mxi-
ma. -- O inimigo de meu inimigo he meu
amigo [applautot); obraremos smenle
pela convicgBo que temos de quo o poder
da venale he o melhor allindo da Prussia,
e nBo a desordein e o terror. {Grande applau-
so.) Qianlo mais seguro Mr o estado da Al-
lemanha, e quanto mais a ordena legal nella
reinar, mais puro sera o resultado final,
comqnanlo actualmente o anligo jogo do ce-
g ciume possa ser renovado. Os obstculos
positivos qu'> pilem resultar deste executi-
vo interino sBo mu distinctos destes inpo-
limenlos; os principaes sBo essas usurpa-
gOes sobro a constituigBo definitiva, assim
do grande como do pequeo bund Nem
urna cousa nem outra pode ser permitlila.
O ajuste feito entre as duas potcnciis ser
apresontado acamara. Nao quero anticipar o
juizo que olla far sobre elle ; porm devo re-
oommendar-lho que nao perca de vista as dit-
licon c delicadas relavos com que tivemos que
tratar. Se a cmara lirar da medida a mesma
concluso que o governo, isto he, que urna tal
instiliiico he a nica que pode salisfazer as
mais prximas c mais incvitaveis necessidade,
c doixar todas as outras intactas, nao negare
oue he posslvcl tirar-se della urna tmpressao
moral dosvantajosa ; porque pode parecer que
n cslabeleciiiiento do um estado federal real he
por ella deferid, ou proposlo para um futuro
incerto ; mas tudo o que filr calculado para re-
mover um tal leccio ser feito.
O governo prussiano, pois, tora declarado
ao da Austria que na commissodo poder cen-
tral corisidora- uniao, e que, obrando pelos inleresses geraea
da Allemanha, mantera sempre urna intima in-
teligencia coinseus .illi idus immediatos. Esta
consiiloraro lova-me segunda parte da inter-
neUaein. Agora que as parte coutratante c-
lao dolinitivainente certas de que a acecsao
da cidade de Frankfort sobre o Meno he o ni-
co ponto nao regulado, o governo prustiano
tem apresrntado aos alliados suas outras pro-
postas. Propozemos que a eleicao para o pri-
meiro parlamento do oslado federativo alle-
mo couiorar cm toda a parte a 15 de Janeiro
de 1850, e que o parlamento se reunir em
Erfnrt. As modificacoes que o esboco da cou-
tiliiico fez uecossarias, seroencontradas no
documentos ; ella se referen! a vario nome
e ttulos ; mas o outros governos pdein pro-
pr ainda as que julgarem conveniente.
i, O Hanovre apresenlou urna objeccao a or-
ganisaco do pequeo ound ; porm nem desw
objeccao, nem da declaraco daSaxonia contra
a coiivocacuo de um parlamento pode resultar
iiciihuina rasao para deixai mo de adoptar es-
ta grande medida que he com justica desojada
or todos os amigos da uajo germnica.
1 f Tines.}
lislinccSo se deve fazer entre aquillo que
illSlIlICCilU se "C>o n"i """7----i-------T.,
tem preservado sua validade legal e aquillo
que tem ou totalmente porecido, ou requer
urna completa reqrganisagao. (Jpplautos.)
aA necessidade pratica pareceu-nos igual-
ante. A confederagBo do 1815 pos-
somma consideravel cm suas for-
ucleo de mu armada ; um exe-
CAMAHA MUNICIPAL DO RECIFE.
SESSA EXTRAORDINAAI DO 1." DE DEZEMBRO
DE 1849.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, Ma-
tSStRSi l&ttinSb K;S3K'=^^ Mor.eseV,.nn., faltando coa
?iNM.BUCO
MUTILADO


o
causa os demais Srs., abrio-se a sessfio, c
foi lilla oapprovadaa acta da anlecedenlo.
Com'pari'cpu depois oSr. Barata, e. pe-
rantea ramara, dcclarou que, om vista da
lisposiciui combinado rom o decreto n. 429 de 9 de
agosto de 1845, nilo podia por ora lomar
parte nos trabalhos da municipalidade, por
se adiar no exercicio do subdelegado
freguezia dn Santo-Antonio. ,
O secretario fez a leitura do seguinte ex-
pediente :
L'm odicio do Exm. presidente da provin
cia, remetiendo 4 exemplares do peridico
da Jnduitria Nacional, publicados na corte,
os mezes de abril a julho do crrante an-
uo. Que se srcusasse a recepeflo.
Outro, | i-i imitin lo que a cmara mande
fazer por administracSo o calcamento dos
pateos do Carmo e San-I'edro, bem como
os eoncertos d que precisa a pontezinha
da ra da Aurora, visto nfloterem apparec-
do licitantes a essas obras. Inteirada.
Outro, designando a matriz da freguezia
de Santo-Antonio para a reuniflo do colle-
gio eleitoral desta cidade. Inteirada, por
ja se haverem dado as providencias.
Outro, convidando a cmara a assistir o
cortejo do dia de amanlifia ; 2 i do corrente.
Inteirada.
Outro do presidente do concellio de sa-
loh ine mandado proceder pelo mesmo conce-
llio na soja do Hoza rio do bairro de Santo-
Antonio, afini de que a cmara providen-
cie sobe os roellioratnentos indicados em
dito relatorio. Que se ordenasse ao fiscal
o cumplimento das medidas lembradas, e
se respondesse ao presidente do concelho
que firavam dadas as providencias ao al-
cance da cmara, e se llie remeltesse o re-
latorio.
Outro do rapito do porto, respondendo
ao que a cmara Ihe dirigir, relativamente
a pretencfio de Joaquim Antonio de Castro
^uiies. Inteirada, o despcbou-se a pe-
ticSo.
(luiros do fiscal da Varzea, relativamen-
te a queatSo de Bernardo Antonio de Miran-
da. Que fossem remellidos a commisso
lomeada para tomar conbccimento desle
negocio.
Sendo lida urna petico de llerculano Al-
ves da Silva relativamente a demolicSo do
sen muro, sito na Soledade, nflo pode en-
trar cni dJMUHlo, por se ler dado de sus-
peito o Sr. voleador presidente, e nflo ha-
ver numero legal para discuti-lo, por ser a
cmara de cinco meinliros.
Foi approvado um parecer da enmmissilo
de sadesnbre a preti-nrSnde CuslodioAlves
da Cunha, c no sentido delle despachou-se a
peticilo do mesmo Cunha.
Mandou-se chamar o vereador supplente
Jos .Marques da Costa Soares para servir
durante o impedimento do vereador Karata.
liesp.ncliaiani-.se as petices de Antonio
dos Santos, de Antonio Moieia Iteis, de An-
tonio Jos de Souza Cousseiro, de Arma
Joaquina da Silva Feixo, de Anna Joaquina
de Oliveira Maciel, de Antonio Jos Comes
doCoireio, de Anna Hila de Mello, de Can-
dido Jos de Salles, de Custodio Alves da
Cunha (2), de Frcderico Hobilliard, de Fran-
cisco Jos Cyrillo Leal, do Francisco desel-
les de Albuquerque, de Joaquim Antonio
de Castro Aunes, de Jos Antonio Percira
Ibiapina, de Jos Claudino.de Jos Comes
de Souza, da irmandade da Soledade, de Jo-
s Francisco Ferreira Clao, de Joaquina
Maria l'ereira Vianna, de Jo3o Borges Alves,
de Jos Concalyes Ferreira, de Jos Comes
Horeira, de Jote da Silva Mendonca Vianna,
de Jos Concalves da Cruz, de Manocl An-
tonio Concalves, de Manuel Ignacio da Sil-
va Teixeira, de Manoel l.uiz Cuncalves, de
Manoel Antonio da Silva Hios, dos morado-
res e propiielarios da Capuiiga,o levanlou-
8H a sess.lo.
F.u, Manat l'trrtim Accioli, secretario in-
terino, a c.-crevi. Oliveira, presidente.
Barros. Alamede. Vianna. Muran.
DMRIO IIE KIRUKGO.
BECIFE, 24 DE DEZEMBBO SE 1849.
Temos vista peridicos paralbanos que
alcanf .110 a 20 do corrente.
Parabiba eslava i ni perfidia tranquillidade.
O presidente dessa provincia tinha dado exc-
iiii'.m ao aviso da secretaria de estado dos ne-
gocios estrangeiros de 29 de novcinl>ro ultimo,
em que se Ihe coiiimunicra que S. M. o Im-
perador bourera por bem cassaro beneplcito
em vlrtude do qual Francisco Alves de Soma
Carvallio eicrcia alli o lugar de vice-consul
de Portugal.
Podemos obler um exempUr do Cotreio da
Tarde de 3 do correte, en que vem a relaoao
dos despachos que se publicaram na corte no
dia 2, anniversario IV1 i/, do naseimento de Sua
Magestade o lmperadoi.
Desejoto de que os leitores fiquem quanto
antes inli'irados de taca despachos, de,no-nos
pressa em inserir a sobredlta relacio neste nu-
mero, que deve ser considerado como extraor-
dinario, visto que pelo nosso programma nao
lavamos obrigadoi a d-lo. F.ntretanto, como
ha grande dimeuldade em reunir compositores
durante os dias-santos do natal, declaramos
aos subscriptores que com o Diario de 29 com-
pletaremos a serie do* que deveriamos publi-
car ctte anuo.
V\RIEl)VDfi.
REVISTA INDUSTRIAL E AGRCOLA
DE ABRIL.
Meio de atilitar as agoat subterrnea.
Conhccm-se os principios segundo os
quaes se deve procurar, n'uma regiSo cuja
estructura geognostica he coohecida, as
agoas que gyram as regios mais ou me-
nos profundas da superficie da trra,quando
se trata de fazer jorrar estas agoas por meio
de pocos furados. Existem, porm, como
vamos moslra-lo, em mu tos lugares agoas
que se movein pequea distancia da su-
perficie, e que se vSo perder sem utilidade
alguma para os habitantes; cuinludo, por
meio de trahalhos pouco dispendiosos, lio
fcil faze-las correr para fra debaixo da for-
ma de Lscenles. Este processo i>de ser
tanto manto mais til no Brasil, que em
muitos lugares, onde ha seccas excessivas
moilo nocivas sado dos habitantes e
agricultura, acha-se agoa a alguns ps da
superficie do solo.
/inmediatamente depois da trra vegetal
existe frequentemenle, mesmo nos lugares
onde inflo ha nem alluvies propriamente
ditas, nem correles d'agoa, fragmentos de
rochas de forma angulosa, pouco coheren-
tes, cuja natureza he a mesma que a do ter-
reno subjacente. Por isso, as pedreiras en-
talladas, qur nos terrenos esdratilicados,
qur nos n3o esdratilicados, nilo dflo geral-
mente pedras massissas, islo he, pedacos de
pedras volumosos, sen3o urna profundeza
de alguns decmetros, e s vezes de alguns
metros, lie no cume dos valles, e em ge-
ral as concavidades do solo, que os frag-
mentos angulosos de que fallamos, despren-
didos da posieflo primitiva soba influenci
dos agentes atmosphericos.fram aecumula-
dos com mais profusflo. Esta accumulacflo,
anda que continu, em alguns pontos, a
augmentar lentamente pelo desmorona-
mento ou pela aceito das agoas silvestres,
parece remontar, pela maior parte, a poca
em que se achou acabada a forma da super-
ficie do solo. Pde-se dar a este deposito o
nome de deposita motel superficial.
Quando a cliuva cabe n'uma reguo, una
porc&o das agoas. depois le inlilirar-se por
baixo da trra vegetal, corre no deposito
Diovel .superficial, que, em geral, he mais
permcavel que o solo inferior, sem descer
mais profundamente. Acontece ciilflo, a
alguns metros de profundeza, as superfi-
cies concavas do solo inferior, o mesmo que
se v na propria superficie da trra depois
de urna pancada de chuva. Como a forma
desto solo inferior he, gerulmente, quasi
a mesma que a da.superficie, o exame do
relevo interno hasta para determinar assaz
epproximativamenteolugardoajuntamento
das agoas da carnada movcl. As agoas su-
perficies convergen! para O fundo do funil
que forma a nascanle da dcpresso, islo he,
a origetn da linha de maior declive singular
chamado tlialueg. He n'um ponto colloca-
Uo verticalmente, pouco mais ou menos de-
pois desle ultimo, que se ajunta urna parte
das agoas de inliltraeflo. No fundo do de-
posito movcl ellas resudam gradualmente,
secundo o thalweg subterrneo do valle,
ale enconlrarein um regalo onde se infil-
tram, sem comtudo deixar sua marcha ou
direceflo oceulta. Faz-se, pois, o movimeo-
lo das agoas de inliltraeflo da carnada movcl
pouco mais ou menos, paralelamente ao
das agoas silvestres que currem na superfi-
cie, porm com esta dilfcrenca, que este he
minio rpido, emquanto o movimeuto sub-
terrneo, enfraquecido com o altrito, dura
semanas depois da chuva que ocausou. Se
sesuppozerinna meiacircumferencia de ter-
reno em declive, leudo smenle urna exten-
sau de 500 metros, onde cabe animalmente
uina carnada de 60 centmetros, no deposito
movcl, na qual so infiltra urna terca paite
dessa quanlidade de agoa, o termo medio
do volumc, que ha de passar durante um
auno ao nascetite do thalweg, ha de
ser de um litio dous por scguudo, isto
he, o que sabe pouco mais ou menos d'um
nascente pequeo. Porm o deposito mo-
vcl nSo conim smenle as agoas forne-
cidas pela infiltroslo de agoas meteoro-
lgicas ; he militas vezes, almdisso, ali-
mentado por verdadeiros nasecntes. Com
eficilo, nos terrenos de qualquer natu-
reza, he justamente no cume dos valles o
as pequeas deprcsscs do solo que se v
surdir a maior parle das uascentes. Para
chegar a superficie,tcem,pois, eslas uascen-
tes que atravessar uina certa espessura do
deposito niovel; por isso, durante este
transito, pdeiii perder-se em parte ou to-
talmente. Neste ullimocaso, a agoa des-
tas nescentes, assim como as agoas de iulil
IracOes, segu o thalweg subterrneo at
mislurar-se, pela infiltrac.iio.com algum re-
Pilo prximo.
Segundo o que acabamos de dizer, v-se por-
que existe agoa, a alguns metros de profundeza,
em umitas depresscs privadas de tontea appa-
rentesede regalos. Esta agoa subterrnea re-
velarse multas vezes porebeias que sobreveem
no momento da encbrnle das fontes, pela pby-
siouomia aqualica da vcgelaciio que se desiu-
volve as pregas do terreno. Pde-se tmbelo,
para descobrir os lugares onde gyram estas
agoas, usar das outras indicares menos segu-
ras, empregads pelos cugenheiros italianos na
indagaran das fontes : laes como a formacao de
vapores visiveis por cima do lugar.de manliaa,
de noite; a presenca de mosquitos voando em
columnas c ticando i pouca distancia cima do
solo, coutros caracteres tambem falliveis.
A inda que o relevo do solo e scus caraclcrcs
supcrliciaes oll'erecam apparencias bastantes
importantes para screm examinados, deve-sc
comtudo ter tambem em Muta a composico
do solo c ver particularmente se he eminente-
mente impermcavrl, como argila, ou, pelo
contrario, se he fcilmente permeavcl at cer-
ta profndela. Logo que a presenca da agoa
no deposito movel superficial he quasi certa,
he fcil enlo dar sabida esta agoa, como se
fosseem nasecnte. basta collocai-se no tmi-
do valle, no lugar apoutado mais cima, onde
o anneis da agoa se ajunlam ao nsscenlc do
thalweg. Prali'ea-se, perprndicularmenle li-
nda do thalweg, urna valla transversal do com-
primento de 8 a 10 metros, e da largura de 2
metros, dcstiuada a recolher todas as agoas
que descem no solo inferior ; cava-se esta val-
la al formaren! uina queda ao menos de al-
guns celiti metros as agoas que correin nella :
poucas'vczcs he necessario dar-se urna profun-
diza de mais de -I a 5 centmetros. O fundo da
valla deve ser dobradamenle em declive, para
que os jorros de agoa que nclle all nem se ajun-
no mesmo ponto. Sendo a foute asslm di-
rtCIBO.
ALFANDEGA.
Rondimento do dia 24.....4:507,088
IMPOKTACA.
Cat/tarina, polaca sarda, vinda de Geno-
ve, entrada neste mez, consignada a Jos
Saporiti, manfeslou o seguinte :
44 caixas e 35 fardos papel branco, 23 vo-
lumes drogas, 2 caixas essencla, 100 ditas
passas, 224 halas papel de embrulho, 55
arrobas de castanha, I porfSo d'alhos, I
hcela fazendas de seda ; ao consignatario.
Ilrilhante, brigue sardo, vindo de Trieste,
entrado n-'Ste mez, consignado a N. O. Bie-
ber& Companllie, manifestou o seguinte:
2,000 barricas familia de trigo, 150 sac-
eos furelos ; aos consignatarios.
Terpesichore, patacho sardo, vindo do Lis-
boa, entrado neste mez, consignado a N. O.
Bieher & Companhia, manifestou o se-
guinte :
190 miosdesal; aos consignatarios.
CONSULADO GEHAL.
Hendimento do dia 24.
Diversas provincias. .
3:424,476
332,347
3:756,823
CONSULADO PROVINCIAL.
Hendimento do da 24.....2:348,557
EDITA L
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 27 do corrente, depois
do meio-dia, se ha dn arrematar em hasta
publica na porta da :::esina urna caixa com
23 duzias e meia de baralhos de cartas de
jogar, no valor de 94,000 rs., adiadas de
mais na conferencia do manifest do bri-
gue francez Faber,.< apprehondidas em con-
formdade do artigo 155 do regulamento de
22 de junho de 1836 : sendo a arrematadlo
livre de direitos.
Alfandega de Pernambuco, 24 de dezem-
1)M> de 1849. O inspector, Luis Antonio de
Snmpaio f ianna. ___
Declarares.
Dilo para 6 recitas, cada urna 3,500 rs.,
21,000 rs.
Dito de frente da mesma or.lem 7,000 rs..
Para ssguantes do 12 recitas, cada urna
5,000 ris, 60,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 5,333 ris,
32,000 rs.
Segunda ordtm.
Camarote do lado 6,000.
Para assignantes de 12 recitas, cada urna
4,166 res, 50.000 rs.
Dito para 6 recitas, cada una 4,500 res,
27,000"rs.
Dito de frento da mesma ordem 11,000 rs.
Dito para 12 recitas, cada urna 7,500 ris,
90,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 8,000 ris,
48,000 rs.
Ter cetra ordem.
Camarote de lado 4,000 rs.
Para assignantes de 12 recitas, cada urna
2,166 ris, 26,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 5,000 rs.
Dito para 12 recitas, cada urna 3,333 ris,
40,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 3,500 ris,
21,000 rs.
Os bilhetes de platea para 12 recitas 9,000
Ditos para 6 recitas 5,000 rs.
Camarotinho de bocea para 12 recitas,
cada urna 2,000 ris, 24,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Varanda, 500 rs.
As asignaturas scrSo pagas aJiantadas,
exhbindo recibo a direccno.
O theatro estar decentemente ornado.
Principiar o divertimento s 8 e meia
horas da noite, com a chegada das autori-
dades.
N.K.--llorante as mencionadas doze reci-
tas se representado os minio applaudidos e
ricos tres dramas pastoris que lauto embol-
lezaram as representacOes da sociedade
Natalense ; sendo intermediados de novas
dances 'campestres, grupos, pas-de-deux,
arias, entiemezes pastoris, etc.
Pela segunda scelo da mesa do con-
sulado provincial desta cidade se avisa aos
Srs. propietarios de predios urbanos, sub-
jeilos ao pagamento da decima, que do 1.*
do andante mez so principian) a contar os
30 dias para o pagamento de aemelhante
imposto do primeiro semestre do auno de
1819 a 1850, e que, lindo esse prazo, incor-
rem os que nao pagarem na multa de 3 por
cento sobre seus respectivos dbitos; e
i.-in iissim que do 1.* de Janeiro prximo
futuro, principia a cobranca do imposto de
12,800 sobre di versos'estabelecimentos que
possuem mais de 2:000,000 rs., segundo
dispOo o rcgulamenlo da presidencia da
provincia, de 12 do novembro do correte
anuo, dado a semcllianle respeito.
Oabaixo assignado. cnsul do S. M.
Brilannica nesta provincia, requisita o
apontamento do todos os subditos britan-
nicos qualificadns pelo acto do parlamen-
to 6. Geo. 4 cap 87 como volantes, no con-
sulado britannico no dia sabbado, 29 do
corrente, ao meio dia.
Consulado brilaonico, 21 de dezembro de
1849 I. Augustus Cowper, cnsul.
Fel inspectora do arsenal
de marnha se convida a todos os
individuos livres, at o numero de
5o, que se quizeremempregar co-
mo serventes as obras do mesmo
arsenai e as do mclhoramenlo tio
porto, a seentenderem com o res-
pectivo inspector, o qual, em vir-
Kcparticao da polica.
Illm. e xm.Sr.-Segundo me foi hoje com-
municado consta terem sido presos : mi-
nha ordem. Amaro de Souza Barboza e Pe-
dro Jos Ma iia, por correec,So : ordem do
delegado do terceiro dislricto do termo
di sta capital, o pardo Monoel Vicente, por
ha ver loriado uina carga de assucar: or-
dem do subdelegado da freguezia de S.-
Frei-Pedro-Goncalves, o marujo Portueuez
Joaquim Camacho, por correccSo ; o preto
Manoel Thom, cscravo de Agostinho da
Silva Guimares, por suspeitajde andar f-
gido : do subdelegado da freguezia de S.-
Anlonio, Domingos Ferreira Lima, por in-
fraceflo de postura da cmara municipal;
Francisco Querno Nunes, por correcco ;
Jos Pedro Marques, por se adiar pronun-
ciado.
O delegado de polica do termo do Cabo
acaba de communicar-me em ofliciodel5
do corrente, que no da 26 de novembro ul-
timo fra assassinado na povoaQflo de Naza-
reih Dionisio Alves Pereira, sem que se te-
" podido saber quem foi o assassino
Para Lisboa sahe impreterivelmenle
por todo o corrente mez o brigue portu-
guez S.-Damingot, capitSo Manoel fioncaU
ves Vianna : para o resto da carga e passa-
geros. trata-se com o consignatario, Joa-
quim Ferreira MendesGuimarIcs, na ra d
Cruz, n. 49, primeiro andar, ou com o refa-
rido rapito, na praca do Comtnercio? *
Para o Uio-de-Janeiro sahe
por estes dias, por ter a maior
parte lo sen carregamento promp-
ta, o bem conhecido e veleiro bri-
gue nacional Bom-Jesus: para
carga e passageiros trala-se com o
capiiaono caes da Alfandega, ou
na ra da Madre-de-Deos, n. 3,
Ierf ciro andar.
-Para a Babia sabe, em poucos dias, a
sumaca Flor-do-XngeUm, mestre Bernardo
de Souza, por ter a maior parte da carga
i.rompa : para o restante e passageiros
trata-se com o mesmo mestre ou com l.uiz
Jos de S Araujo, na rna da Cruz. n. 33.
Para as ihas de S.-Miguel,
Terceira e Fayal saldr brevemen.
te a e.cnna portugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de Mcdeiros: pa-
ra carga e passageiros, trata-se
deronte do trapiebe novo, n. G,
com Tliomaz de Paria.
Vende-se a bonita barca franceza Al-
cijon, de lote de 180 toneladas, de presen-
te ancorada defronte do trapiche do Ange-
lo, lado do norte. Esta barca foi construi-
da em 1847, e he de urna marcha muito su-
perior, sendo por isso propria para qual-
quer especularan que requeini promptido,
por estar provida de um tudo e se achar
prompta a seguir para qualquer porto, ns
pretendenles dirijam-su ao eapitSo a bor-
do, ou a casa dos consignatarios. B. Las-
serre & Companhia, para tratar do ajuste
da mesma.
Leiiao.
nha
que no dia 28 do mesmo mez tambem o fra,
no lugar de Tapugi de haixo, Loureii^co Go-
mes da Silva pur Pedro de tal, que se po-
dra evadir; que no dia 5 do crrenle fra
roubado Antonio Ferreira Bailar, senhor do
engenhor llha-das-Cobras; que na fregue-
zia de Ipojuca Joilo Francisco sofTrera algu-
mas estocadas que Ihe dra Manoel Ale-
xandre, que infelizmente escapara de ser
preso.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da po-
lica de Pernambuco, 21 de dezembro de
1849.Illm. e Exm. Sr. Honorio Hermto
Carnero Lefio, concelhciro de estado, pre-
~ LeilSoquefaz o capitflo Andrea Prev
da barca sarda Giusitppina, em i reseen
do Sr. cnsul sardo, por con la e risco de
quem pertencer, e por inlervencfio do cor-
retor Oliveira, do casco da mesma barca o
cobre de forro que se Ihe adiar, a qual se
acha encalhada no lugar denominado Ma-
ria-Farinha, onde o arrematante delta to-
mar conla; sabbado, 29 do corrente, ao
ineio-d la em ponto, porta da associacfio
commercial.
Avisos diversos.
tuile de ortlens do Exm. Sr, pre- sidenle desta provincia.Ochefe de poli-
cia. Itronymn ilartiniano h'igueira de Mello.
Illm. e Exm. Sr.Participo V. Exc. que
lorain hontnm presos nesta capital: or-
vidida c reunida, cava-se, desde o regn :ran>
versal, seguindo-se o eixo do valle, una valla
cun queda lumcienle para o fluxu das agoas.
Esta qut'da que lie mui fraca (sto he menua de
0 ni. 002), he feralmente inulto menor que o
do fundo do valle ; o fundo do valle encontra-
r.pols,a superficie do tolo em mn ponto onde
a agoa ha de correr por ti mesma fura, forman-
do Ulna verdadeira nascente.
No reg transversal, onde te ajuntam ai
agoas, I'ai-se uina sargenta de pedras seccas 0
ni. 30 de largura, e outros tantos da altura,
deriois de que se enlulha, a principio com pe-
dras angulosas, com dous metros de eapeisu-
ra, depois com trra qualquer. < ollocam-se
em primeiro lugar os materiaes penneaveis,
para que a agoa, se exceder o volume presu-
mido, se derrame no entulho, e, alen, disso,
para que, no caso de desuioronamento da sar-
genta, nao lique impedida a circulacau da agoa
no fundo do valle. Desde o reg da recepeo a
agoa he conduzlda no reg longitudinal por
canos de inadeira. O volume da nascente aug-
menta mui tas vezes depois de alguns mezes.
(Do Auxiliador da Induiitia Nacional.)
sidente da provincia, Ibes garante
a isenco do recrutamento, em-
quanto se oceuparem eiTcctvamen-
te nessas obras ; sendo o jornal a
dar-se de C^o rs. por dia.
Pela subdelegada da freguezia de S.-
Anlonio fram pegados dous cavallus:
quem se julgar com direito aos meamos,
c: mi p i eea em dita subdelegada, que, pro-
vaudo perteucer-lhes, Ihe serilo entregues
PRESPK
no theatro de S.-Prancisco.
QUINTA-FEIBA, 27 DE DF.ZEMBItO DE 1849.
l'RHIEIll* SEI'RItSKSTAftO.
Grande e variado divertimento pattoril.
Depois de executada pela orcheslra urna
das melhores symphonias, reiiresentar-se-
ha o mui insigne drama sacro em 5 actos
o nascmemto no messias,
para o qual o Insigne artista brasileiro, o
Sr. Andr Alves da Fonseca, se acha pitan-
do una vista toda nova, que representa
urna sala de audiencia de Lucifer.
ACTO I.
Audiencia de Lucifer, e o esbravejamento
de todas as furias.
ACTO II.
A appi iieao do aojo auiiunciando o as-
cimento do Messias.
ACTO III. 1}
O atlentado da furia mallogrado.
ACTO IV.
A embriaguez de Facundo e a vinda de
todas as pastoras.
ACTO V.
As olferlas das pastoras.
Todo o drama sera preenchido comeras,
coros, e cianeas.
Os actores ser3o 24 meninos e 12 meni-
nas, pertencenles a familias honestas que,
inteiradas da vigilancia e cuidado que pre-
sidem aos ensaios, nflo duvidaram confa-
los ao director.
Terminar o espectculo com una con-
tradanca campestre.
Os Srs. assignantes o mais ressoas, que
pretenderen) blliietes de camarote e platea,
pdem mandar receber os carles na casa
annexa ao theatro, residencia do director,
oode se ellos acham venda pelos precos se-
guintes:
Primeira ordem.
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignantes de 12 recitas, cada urna
3,333 rs-, 40,000 rs.
de ni do subdelegado da freguezia de S.-
Frei-Pedro-Goncalvcs, o Americano Joilo
Gamba, por correcco : i ordem do subde-
legado da freguezia de S. -Antonio, o preto
Joaquim Jos de Santa Auna, sem que o
motivo me fosse declarado ; Josefa Maria da
ConcecSo, por estar pronunciada : do
subdelegado da freguezia de S.-Jos, o par-
do Mauricio Jos da Luz, por crme de es-
tupro.
Dos guarde a V. Exc. Secretara da po-
lica do Pernambuco, 22 de dezembro de
1819.--Illm. e Exm Sr. Honorio Mermlo
Carnero Leo, concelheiro do estado, pre-
sidente desta provincia.O chefe de poli-
cia, leronymo ilartiniano h'igueira de Mello.
Avisos martimos.
Para Lisboa
sahe impreterivelmento no dia 29 do cor-
rente o brigoe porluguez Veloz, capitflo An-
tonio Pedio de Figueiredo : para o resto
da carga ou passageiros, trata-se com os
seus consignatarios, Oliven a IrmSos k Com-
panhia, ra da Cruz, n. 9. ou com o sobre
dito capitilo, na prac do Commercio.
Para o llio-de-Janeiro segu, nesles
seis dias, por estar com o seu carregamen-
to engajado, o brigue nacional ottphtna i
anda recebe alguma carga miuda, escra-
vose passageiros : trata-se com o consigna-
tario, Domingos llodrigues de Andrade, na
ra dos Tanoeiros, armazem u. 5, ou com
o capitflo na praca.
Para Lisboa sahe com a maior brevida-
de possivel a escuna porluguez Malhtiro-
Primeiro, capitflo JoSo Bibeiro Pal lia para
carga Irata-sc com seus consignatarios, Oli-
veira IrmSos & Companhia, Ou com o re-
Joflo Francisco de Araujo Lima vai aos
portos de -ni
-- l'recisa-se de um homem capaz para
caixeiro de casa de purgar de um engenho:
quem esliver nestas circumstancias, diri-
ja-se ra da Cruz, n 64, casa de l.ouren-
eo Jos das Nevos, para tratar do ajuste.
Desappareceu.no dia 22 do corrente, s
8 horas da noite, uina parda de nome Jus-
tina, de 24 anuos pouco mais ou menos,
com os signaesseguintes : levou vestido de
chita rouxa ; estatura regular e um tanto
clarada cor; ha de querer inlitular-se por
forra ; tem um dente quebrado no queixo
de cima ; o immediato do dudo grande dos
ps he mais pequeo : roga-sa s aulorida-
des policiaesou ouira qualquer pessoa que
a apprehender que a conduzam Capun-
ga, ao sitio de Joflo Lcite do Azevedo, ou ao
Ftecife, loja de cabos, defronte do Corpo-
Santo, n. 17, que generosamente se recom-
pensar de 50,000 rs. para cima.
Secondic-tne socit pbilantropi-
(jue (mle )
Troisime Souscriplion.
Plusieurspersonnes, sachaol qu'unedeu-
xiine souscriplion roulat, pour un deu-
zieme acto dit de benfaisance, proposent
une troisme souscriplion pour faire frap-
per une mdailled'or, mi i'honneur des co-
lillons pliilanlropes donl les vertus si die
tingues ont plus d'une fois excit la charit
de leurs comnatriotes.
ttffigit de la midaille.
_ Sur la face une fenime reprsentant la V-
rit dans snn costumo nalional, etsorlant
de la boucho d'un puits artsien.
Sur lo revers ce qualraiu qui, quoiqua
vieux, n'en est pea meilleur:
Saint Paul disait aux Corinthiens
Faites des aumones, mesfires,
Car la charit, des chrctiens
Des trois vertus, est la premire.
Sign, Plusieurs Francais tres galants,
qui pourge drober la reconnaissance de
ees dames, dsirent garder l'anonyme.
dXrora
com
ferido capitSo, na praca doComn-.ercio.
Para o ltio-de-Janeiro vai sabir c-.
muita ^brovidade, portera maior parte do
carregaljilento prompta, a polaca Sociedade-
relt~ quem na mesma quizer carregar,
oirlja-se aos seos consignatarios Oliveira
IrmSos & Companhia.
Para o Bio-de-Janeiro segu viagem
com n.uito brevidade o patacho S -Joao-
Vencedor : anda recebe cargan escravos a
frele. para o quo trata-se com Francisco Al-
vos da Cunha, na ra do Vigario, n II.
Para o Aracaty sahe impreterivelmen-
teno da 10 de Janeiro a sumaca nacio-
nal Carlota, mestreJos Goncalveg Simas,
por se achar com a maior parle da car-
ga prompta : para o resiento e passageiros,
trata-se com o mestre, ou com Luiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, n. 3
C. Slarr & Companhia teem a honra de
avisar aos seus freguezes, o ao publico em
geral, quo a sua grande fundieflo em S.-
Amaro, alm do sortimento que constan-
temente tem acba-so de novo provida de
muilas moendas de canna, e de varios ta-
mandoa fcitas no mesmo eslabelecmento
pelos mais peritos oleiaes, e com o maior
cuidado e perfeico; tanto assim be que
os annunciantes se ufanam em garant-las
pelo primeiro anno. As moendas inteiras
todas de ferro construidas as officinas
dos annunciantes, sao mnito superiores a
quaesquer outras da mesma natureza que
al agora teem sido aqu offerecidas, pois
aquellas encerram em si re: ios e importan-
tes iiielhoramentns resultado de mais de
20 annos d; experiencia e pralica do pa*^.'
--Aluga-se a cusa terrea da ra Augusta,
n. 30, com commodos para urna familia:a
tratar na ra Iaiga do Hozario, n. 18.
Precisa-se alugar um preto para car-
regar um panicum de pilo e fazer o servico
do casa : na ra do Pires, n. 44
Quem se julgar credor da casa de Jo-
nes Patn & Companhia, queira apresentar
as coutas at o tiui do mez para ser pago.


Carlos Hardy, ourives,
na ra fc-ova, n 52,
-coba da reccber"de Franca um sortimento
Xas de ouro de le, como sejam ade-
cgos, meios ditose rulseiras : l"'
cehou um grande sortimento de charcos de
fcrtnte odres proco* j chapos do pal..
Rila, ditos multo Unos, abarlos o fe-
chados ;.macJes de chapeos de toda as
AresI multo ficis de se cobr.rom; OtMJ
Sores; penachos ; peonas P hpos ;
camisnhas de cambraia para senhora, mui-
Kno bordadas luvasdesedacom dedos
palmas de cores; touoasde lila para se-
nara e meninas ;meias de sed. para n.e-
nnal cass franceza muito fina : tudo se
Vende mal barato do que en outra qual-
^--Nam de Agoas-Verdes, n. 26, engom-
m-se e lava- se toda a qualidade de roupa ,
rom todo asselo, promptidHo e por prego
m.is commodo do que em outra qualquer
OueuinSo pdecom o lempo nao inventa
moda.
rtoga-se ao Sr. J. F. V. tenha a bonda-
de de ir ou mandar saldar sua ennta do
13 600 rs. a quem bem sabe, proveniente de
um reloglo e cadeia que comprou ; quando
niio.tcr de ver o seu nome por extenso nes-
ta folha.
Precisa-se alugar um prelo que enten-
da iio coilnha, Siiba comprar e lazer o ser-
vico de urna cas de pouca familia: na ra
do Trapiche, n. 6, primeiro andar, ou an-
nuncie.
AVISO.
No di. 27 de maio do corrente, fugiram
do engenho Agoa-Claras do Urucu', da
comarca de S.-Anliio, da viuva de Burgos
& Filhos os escravos seguintes: Vicente,
pardo.de 26 annos, altura regular, cabel-
los croscldoi e um pouco carapinhados,
Cesta sobre-sBhida olhos pequeos e upa-
Sos"," nariz chato tomador de tabaco, ros-
ta descarnado e com cspinhss sem quasi
barba alguma ; gosta de vestir-se a serta-
neja ; foi escravo do finado SebastiSo Jos
da lloara da fazenda Venera distante 8
legoasdeS.-Antflo; acomp.nhava aos co-
bradores da cas. quando iam as cobranzas
dos sertes do poenle ao sul, donde he co-
nhecido; levou um c.misa de inadapo-
Ifln 1 caiga de casimira usada, 1 jaqueta de
bretmiha, t bonete de velludo azul usado,
1 chapeo de alba, 1 dito prelo de pello :
Juaquim, crioulo, bastante prelo, de 38 an-
uos alto, secco, cara pequea, bem suis-
sado ; costuma levar a inflo a barba quan-
do falla ; ho bastante gago, andar comps-
Hado milito amigo do dito Vicente; di-
gan) ter pni em Gameleira alm do rio Ipo-
juca ; gosta de andar com chapeo de couro;
levou 1 chapeo prelo de pello, um dito de
couro, 2jaquelas brancas, 1 calca debrim
pardo 1 dita de riscado i camisa de ma-
dapolflo 2 ditas de algodo da trra e ce-
roulas; foi escravo do capitlo Leandro
Bandcira de Moura do Patu', em Apody, da
provincia do llio-Grande-do-Nortc o qual
presentemente acha-sc em llananeiras per-
todo Brejo-de-Areia da provincia da Parahi-
ba. Conslou que estes escravos estiraran)
nos suburbios desta cidade do llecife, mas
presmese que, se nilo partirn) para o la-
do de l'ajahu', ou Camileira dita ncm pa-
ra os seitOes desse lado, seguiram com mais
probabilidade para a Paiahiba, ou Itio-
Grande-do-Nort;, onde ha muilos prenles
dos ditos Mouras, de alguns dos quaes tai-
vez cslejamsendo protegidos.passando mili-
tas vezes por forros, ftoga-se a todas as auto-
ridades policiaes, pessoas particulares e
capililes de campo quo os apprehoud.m e
levem-os ao dito engenho ou no Recife,
praca do Commercio n. 2, ao Sr. Lino Jos
de Castro Araujo, que serflo generosamen-
te gralificados por maneira de licarem
summamente satisfeilos.
-- Alugam-sedous sitios na campia da
Casa-Furto e um oulro na ra da mesma po-
voagflo, com rnuitos arvoredos e ptimas
accommodnges; bem como varias esas
pequeas, proprias para se passar a festa :
a tratar na ra do Aniorim, n. 15.
Deutes artiiciaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peilavel publico que contina a exercer a
su. proflssflo, na ra estreila do Itozario,
n. 16, primeiro andar.
Joio Jos Innocencio Poggi, l>r. em
medicina, faz puhlico que tem fixado sua
residencia no Alcrro-da-lloa-Visla, sobra-
do, n. 3, onde o acliar&o prompto para
exercer sua arte, curando gratuitamente os
pobres.
Alugam-seas loj.sdo sobrado d. ra
da l'eulia, n. 6, e da ra Augusta, sobrado
amarello, proprias para qualquer esta-
beleciineulo : a tratar na ra do Amorim,
15.
DEPOSITO GEUAL *
do superior rap areia-preta 9
da fabrica de Gantois Fai- *
lliet &c Companhia, na Ba-
hia.
Domingos Alves Malheus, agente d. #
{ fabrica de rap superior arcia preta O
? e meio grosso da Bahia, tem aberto o $
*5 seu deposito na ra Cruz, no Itecife C n. 52, primeiro andar, onde se chara .$
ir sempre deste excellentoe mais acre- <
$ ditado rap que at o prsenle se tem ?{?
$' fabricado no Brasil: vonde-se em bo- >
6 les de urna e meia libra, por prego 4
< mais commodo do que em oulra qual- ;.$
4$ quer parte. Cf
9
#$,,av*< <
-- Ha-se dinheiro a premio sobre penho-
res de ouro, prala e hypolhec. em esa
terreas, ou mesino em algum silio : na ru
estreila do Itozario, n. 30, segundo andar,
se dir quem d.
l'ugio, no dia i6do corre
te, pelas qudro horas da larde,
inrelo da Costa, chegado ulli-
^/^mente da Balda, que mal sabe
dizerquem lie seu senlior, e lem
os siguaes seguintes : um grande
golpe por cima de urna Tontee um
pedacode urna nreiha de menos ;
levou camisa de algodao iVanco
trancado e calcas de algodao ris-
cado americano : a pessoa que o
pegar ou delle der noticia, dirja-
se praca da Independencia, n.
68, que ah se dir quem he seu se-
nhor, e ser bem recompensado.
Quem precisar de um homem pira ad-
ministrador de engenho, o qual tem co-
nhecimentos theoricoso praticos de desti-
lar, dirija-se ao Aterro-da-Boa-Vista, n. 80,
venda.
Charles Chapront, relojoeiro francez,
ra Nova, n. 32, concerta relogios de todas
as qualidades com muito cuidado e umita
perfeicflo, assim como vende relogios pa-
tentes, muito superiores.
O
<> Alugsm-se e vendern-se as verda- }
Q deiras bisas de Ilambiirgo : na praca (J
0 da Independencia, n. 10, ao voltar Q
q para a ra das Cruzes. q
Aluga-se una casa no Cacbanga para
se passar a festa, com estribara e cocheira,
por prer;o commodo : na ra Nova, n. 63
O Sr. Joilo Cypri.nno llangel queira
ter a bondade de app.recer na ra da Ca-
deia de S.-Antonio, para decidir sobre cer-
ta conla que S. Me. recebeu.

'5
BO\VMA.\ & MC. CAI.I.UM, engenhei-
ros machinistase fundidores de ferro, mu-
respeitosamente annunciam aos Senhores
proprietanos deengenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, quo o seu estabelecimento
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em effectivo ejercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeita confocgao
das maiores percas de machinismo.
Habilitados par. emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowm.n & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar &
atiendo publica para a sseguintes, por
terem dellas grande sorlimentoj prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em preco como em qua-
lidade das materias primase inflo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhor construyo.
Moendas de canna para engaitos de lo-
dos os lmannos, movidas a vapor por agos
ou animaes.
Bodas d'agoa, moinhos de vento e serra
rias.
Manejos indepondentes para cavallos.
Rodas dentadas.
AguilbOes, bronzesechumaceiras.
CavilhOes e parafusos de todos os tama-
nhos.
Taixas, pares, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a m2o ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fog.lo e tornos de fariiujta
Canos de ferro, torneiras de feVro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repucho, mo.
vidas a mflo, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blioas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas, carros de m3o e arados de ferros,
&c, &c.
Alm da superioriade das suas obras, j
geralmente reconhecida, Bowman Me.
Callum garanten) a mais exacta conformi-
dade com os mobles e dezeuhos remettidos
pelos Senhores que se dignaren) de fazer-
Ihes encommendas, aproveilando a occasiflo
para agradecer) aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que leern
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que nflo pouparilo esforcos e diligencias
para continuaren! a merecer a sua confi-
anca.
~() Dr. I.ourenco Trigo de Loureiro abri-
r na casa da sua residencia, no bairro da
Itoa-Vista ru da Saudade, defronto do Hos-
picio, nni curso de pratica do processo, logo
que teuliam concn i Jo dar-llie os seus
nonios pelo menos dez alumnos. Dar tres
he os por semana, sendo cinco mil ris a
gratilicacflo mcnsal de cada alumno.
A' casa da residencia do Dr. I.mi ronco
Trigo de Loureiro, no bairro da lida-Vsta,
na da Saudade, defronte do Hospicio, p-
dem dirigir-se por carta, ou pessonlmentc,
atolim do mez de fevoreiro prximo fu-
turo, todas as pessoas, que quizerem ser
assignanles do novo compendio de pratica
do processo adoptado pela congregarlo dos
lentes do curso de sciuncias sociaes e ju-
rdicas de (Huida para a segunda aula do
quinto anno, sendo cinco mil ris o preQO
da ssignatura dcada exemplar; e em to-
do o lempo as que o quizeiem ser do irile
ressanlissimo ndice chrouologico da le-
gisla^flo brasileira que ba de conter em
oito volumes infolio, ou pouco mais, toda
a legisla^to brasileira vigente desde 1822
at 1848, a qual, com a que est revoga'ia e
a que tem cabido em desuso, compOenas
collec^Oes adunes vinle o tantos grossos
volumes, e custa para mais de 150,000 rs.,
entretanto que o prego da assigoatura do
referido ndice he a pequea quantia de
3t,0u0 rs. paga ao recebor o 1." c2." vulu-
Ittes, de quo j existeui vanos exemplares
em poder o anuunciantee brevemente sa-
lina a luz o terceiro volume. Na loja de
Irnos Jo Sr. revelen !o padre Ignacio Fian-
cisco dos Sanios na ra da Cruz do lleci-
fe, e na do Sr Manoel Figueiro. de Fari
na praca da Independencia, pode tamben)
assiguaro seu uuine quem quizer ser as
signante de qualquer das referidas obras.
Us Srs. assignantes que ja receheram o pri-
meiro volunte do ndice chrouologico, dig-
nem-se mandar buscar o segundo casa do
innunoianle.
Modas franeczas.
Madama Theard, com loja de modas, run
Nova, u. 32, recebeu um sorliinento muito
rico do cha| eos de seda.de e.-comilha, d.
cima, de lii o de palha, todos de muito bou.
gosi"V- chfeos do uallia para meninos e
meninas, de moda muito nova ; mantele-
tes; capotiahos ; visitas muilo ricas ; tran-
cas de muilas qualidades ; lieos de linhos ;
chitas muito ricas e dos ltimos padres ;
capellas de flores para bailes o casamentos ;
floro3 muito finas ;e rnuitos outrosenfeites
para senhor.s. Mamada Theard faz sempre
enfeitos com muito gosto, e na ultima moda
vestidos para bailes e casamentos ; cha-
peos ; bontesde montara ; roupOes; palito
de meninos ; vestuarios de meninos, e to-
dos os enfeites para senhora.
Precisa-se de um cozinheiro escravo
para urna casa estrangeira : no Trapiche-
Novo, n. 16.
D. W. Baynon, cirurgifio dentis-
ta, na ru do Trapiche-Novo, n.
1*, respetosamento informa ao
publico que, pelos seus muilos afazeres, se-
r obrigado a demorar-se mais algum lem-
po nesta cidade, antes de sua retirada para
os Estados-Unidos, e offerece seu prestmo
para toda qualidade de operares denlaes,
para por denles novos, tanto singelos como
dentaduras inteiras, chumbar denles com
ouroeprata, conforme as ultimas desco-
bert.s nesta lera.
Na ra do Sol, n. 9, se dir quem d
dinheiro a premio sobre penhores de ouro
ou prala. Na mesina casa vendem-se pegas
de tremoia, toalhas e gu.rdanapos'. tudo
fabricado em Guimarfles: tambem se ven-
den) capachos grandes e pequeos, redon-
dos e comprlos, por prego cominotlo.
-Na ra do Sebo, n 10, aluga-se um mo
leque bom comprador, cozinba soffrivel. he
fiel e nflo tem vicios. Faz-se negocio com
urna hvpotheca na casa da ra da Gloria,
n. 77, pela quantia de 600,000 rs. Vende-se
urna boa carioca para boi.
Sorveie.
No principio da ra da Aurora, ao p da
ponte, no armazem da porta larga, se acha
prompto e com asseio para todas as pes-
soas que quizerem tomar sorvele, pois nflo
so acharflo bom sorvele, como bom licor
marrasquino e superiores charutos, pois
sSo cous.s muito proprias para depois do
sorvete; lodos os dias, das seis horas o meia
da tarde em dante.
Ireeisa-se de urna rapariga soltcira
que se queira subjeitar a servir a urnas se-
nhoras honestas, ou mesmo alguma mulher
j idosa e de boa conducta, dando-se o sus-
tento, vestuario e pagando-so-lho alguma
COUSa conforme o ajuste : muilo se estima-
r se a rapariga solteira fr orphfla na ra
Bella, sobrado da esquina, no segundo
andar.
--Precisa-so alugar um primeiro andar
de sobrado com quintal e cacimba, e que se
ja perto da mar, e com commodos para
grande familia, ou mesmo urna casa terrea
com as mesmas commodidadesj mas que
nflo esteja desconcertada para o que se da-
r fiador a contento : quem liver annun-
cie.
Compras.
Compra-se um soph, duas cadeiras
de bataneo e um par de consolos : ludo de
oleo e em segunda mib> : na ra de llortas '
casa terrea com a frente pintada do azul,
se dir quem compra.
Xarope do bosque
para cura de pblhisica em todos os seus difi-
reme* graos, qur motivada por constipi-
cors, tosse, asinina, pleurii, cscarros do san-
gue, dr de costado c pello, pa]|>lac.ao no
coracao, coqueluche, bronchite, dr ua gar-
ganta c todas as molestias dos orgaos pulnio-
narei. .
De todas as molestias que por rieran?.! Iicam
ao corpo humano, nenhuma ha que mais des-
tructiva tenha sido, ou que tenha zombado dos
esforcos dos bomens mais eminentes cin medi-
cina do que aquella que lie geralmente conhe-
cida por., mcleslia no bofe. Em varias epocas
do secuto pascado tem se oflerecido ao publico
diftercntci remedios com altestados das extra-
ordinarias curas que elles teem feito, porin
quasi que e'm todos os casos a illusao tem sido
apenas passageira, e o doenle torna a recahir
em peior c.tado do que se achava antC3 de ap*
plicar o remedio tao recommendado : outro-
tanto nao acontece com este extraordinario xa-
rope do boique.
O proprietario ao principio foi induzido a or-
ferecer este xarope ao publico, depois de ter
ell'ectuado mi iamo urna cura perinauente,
e depois de ter a opiniao dos priineiros mdi-
cos da Europa e dos Estados-Unidos, de que
seu estado ja nao dava esperanjas de melliora,
e era como segu. No anno de 1837 apanhei
urna gruiide constipacao que me atacou o pei-
lo, e todos os svmptomas de phthisica pulmo-
nar logo se seguiram. Eu tiuha urna tosse con-
tinuada com dor no peito, salivava urna fleu-
ma dura e algumas veses misturada com san-
gue, urna Pebre tica, suores de noite, ama-
grec rpidamente, e em pouco tempo fiquei
reduzido extrema dcbilidailc.
Os meus mdicos (entre os quaes liavia al-
guns dos principan dos Estados-Unidos) junta-
mente com meus amigos pcrderain toda a cs-
peranca de ineu mclhoramento, e esperavam
que en brevemente succinnbiria.
Ncstc estado de molestia por cnsiialidadc en-
contrei com urna antiga recelta dos Indios, e
resolvi-me com o consentimrnto dos meus m-
dicos a experimenta-la, visto o estado deses-
perado do meu caso.
Qual nao seria a admiracao dos meus mdi-
cos, e o meu contenlamcnlo vendo que desde
que principie! a lomar > xarope, conlicci logo
una inudanca no ineu systema, cpelaconli-
iiuacao do uso a molestia maduroii, os lamo*
res formaram cabeca c arrcbentaraiu linean-
do grande porcao de sangue e materia. Depois
de ter continuado pelo esparo de 3 tiiezcs com
o remedio, a ininlia molestia cessou Inleira-
mente, e achel-me restabelecido de perfeita
sade, o bofe desde aquellc lempo tem conti-
nuado sem a menor all'ectacao de enfermida-
de. Neslas circunstancias he que me resolv
ao principio a oll'erccc-lo ao publico, l'uinc-
nicnic convencido de que he o nico remedio
que se tem descoberto, no qual se pode ter
i ouiiaii. i para a cura de phlliisi.a pulmonar.
Curou onde todos os mais remedios liaban) ta-
lludo, e, se for tomado c applioado segundo as
direcedet, pnueas ve/.cs dcixar de producir
una cura radical.
0 seu principio de operar be fcil de expli-
car : tuavisa e acalma a incmmoila tosse,
amadurece o abseesso, facilita a salivacao, c
em pouco tempo livra os bofes da materia que
se rene nos lubos de ar. Regula as funecoes
usuacs sem necessidade. de oulra qualquer me-
dicina, forlilica o systema e purifica o sangue.
Mo conten, nein mercurio, opio, ou outro
qualquer ingrediente venenoso, ebe feito ni-
camente de roiirs hervai. Tein-se usado ha
mais de nove anuos, c he umversalmente con-
s
Theologia do homem casado, 1 v., por
Pauto Cock.
OsSete Peccados Moraos, a nveja ou
Frederico Basten, 3 v., por Eugenio Sue.
ASoberba, romance, 4 v.. por Eugenio
Sue.
Ensaios do critica e lilteratura, 1 v., por
A. P L. de Mendonga.
Historia aos tres das da revolugflo de fe-
vereiro do 1818, por Eugenio Pelletan.
OCavalheirod'llarmental, 4.y., por Ale-
jandre Humas. '
Obras poticas de I). Leonor do Almeida
Portugal Losne e Lencastre, m.rquez. de
l.osna, condessa do Assumar c d'Ociuhau-
seu. conheciJa ntreos podas porluguezes
pelo nome de Alccepe, 6 v.
Portugal piloresco ou a descripeflo hist-
rica desto reino, 4 v. por'Fernando Uiniz.
Collecgiio de pensamentos, mximase
proverbios,! v., pelo concelheiro Bastos.
Leitur.s populares por Alvaro de Azeve-
do, um folheto.
Dos o quer, opsculo cscripto em fran-
cez pelo visoonde de Arlincourt, seguida
da relagSo de seu processo no tribunal do
polica correcional, o do seu discurso pe-
runte o jury.
Obras do concelheiro Almeida (;arret,
7 volumes.
O Cavalheiro da casa vermelha por Aie-
3 T.
Vendas.
VENDE-SE urna eommenda da ordem
iia Christo : no pateo do Torco, n. 1, segun-
do andar.
-- Vende-se urna preta muito fmoga, e de
bonita figura, e urna parda acaboclada, am-
bas fazem alguma cousa; doOJ pretos criou-
los ; um pardo : todos muito mogos, do bo-
nitas figuras, j com alguma pratica de ar-
mazem de assucar: sao muito possantes (
por i>so srvem p.ra todo o servico : na ra
da Senzalla-Velha, casi teirca, n. --
Farinha de Irigo.
Vende-se superior farinha de trigo fran-
ceza de Provenga, chegada ltimamente! de
Marselha : em casa de J. J. Tasso Jnior, na
ra do Amorim, n. 35.
V.endc-se una eommenda
dedirnilario da l'osa, dita de oiTi-
cial de dila, ditas de Christo, h-
bitos da liosa eChristo: na ra do
Crespo, n. I7.
Vendcm-so luvas de torgal de seda,
prelas c brancas, com linda renda para se-
nlioras e meninas, meias de algodio para
meninos o meninas, a 120 rs., 160 rs e 200
rs.: na ra da Cadcia-Velha, n. 15.
Obras de ouro
Vende-se um par de brincos, urna meda-
Iha com diamantes, um lago do lilagrana,
um annel rom dous diamantes, um bozio
enrastoado : na ra do Crespo, n. 12, loja.
Agencia de Kdwia aw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
mont&Companhia, acba-se constantemente
um grande sortimento de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como laixas de ferro coado e batido de dif-
terenles tamanhos e modelos moendas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vaporde frga de 4 cavallos, alte
pressSo, repartideras, espumaderas, ele.
de ferro estanhado. Na mesma agencia adia-
se um sortimento de pesos para balangas ,
escovins paia navios, ferro em barra, tanto
quadrado como redondo, salra par errei-
ro e urna porgflo de tinta verde em latas :
tudo por barato prego.
-- Cliegou novanicnle loja de Maya Ra-
mos & Companhia urna collego de retra-
tos ly'ographados das principaes persona-
gens de Portugal, distinguindu-se do entre
elles os retratos da ralnlia de Portugal, D
Fernando, L". Miguel, conde de Thomar far-
dado como ministro, duque de Palmella,
duque da Terceira, conde das Antas, gene-
ral Guedes, Vasco da Gama o outros : tam
bem se vende na mesma loja urna collecgiio
de vi>tas dasmargensdo Douro, collecgae
dos sucessos de D. Ignez de Castro, um pa-
norama de Lisboa, e oulr.s vistas mais qui
na indicada loja cima ha para se vende
rem por pregos muito rasoaveis.
Vendcn.-se barricas com maguas vin-
das debaixo do gelo, pelo baratissimo pre-
go de 4,000 rs. : no Alerro-da-Uoa-Vistj,
11. 24, venda.
Vendcm-so leilOes de espeto, muilo
gordos : na ribeira da Boa-Visla, 11. 3. I
xandre Humas, 6 v.
A Salamandra, romance martimo,
por Eugenio Sue.
O Monasticon por Alexandre llorculano,
1 volume.
OAnte-Chrislopor Julio da Tonrnefoit,
2 volumes.
O loido, romance original portuguez
por Collares Leal.
A desmoralisagflo e o seculo, fragmen-
tos por S J. Ilibeiro de S.
O Bom menino, conlos moraes de un
profe-sor a seus discpulos.
Itapbael, paginas do vigsimo anno por
Lamartine.
Cartas di'Olindaa Alzira, 1 folheto; l-
timos dias de Pompcia, 2 v.; o Sptico, ro-
mance philosoidiico, 1 v.; e outras muilas
obras que por falta de espago nflo se publi-
can) seus ttulos, mas quoest.rflo patentes
em urna relagflo que na mesma loja have-
r, e promelte-se commodidade de prego.
Folliinhas para 1850.
Na livraria ns, 6e 8 da praga da IndepeO*1
dencia, vnmlem-se as bem conhecidas fo-
lliinhas impressas nesta typographia, das
seguintes qualidades:
FOI.HIMIA HE POHTA contendo o k.len-
dario, tabellas de fri.idos, dias de audien-
cia o resumo de pocas nacionaos eger.es.
DITA DE ALGIBEIRA contendo o mesmo
cima, eum resumo de chronologia, a qual
tambem di preamar, e lem urna collergflo
do remedios e segredos uteis para uso do-
mestico.
DITA DE DITA com o almanark dos em-
pregados civs, ecclesiasticos, militares, ad-
ministrativosea nomenclatura de lodosos
estalx-leciinentns fabrs, mercanlis e indus-
triaes, ho qual se adicionoii um resumo es-
iderado como o grande e nico remedio para t;,tstico da Cda.le do Becil'a ; a demonstra-
esla horrorosa molestia. Os seus elleilos sao i flo |)1S frej,Uezias. termos e municipios das
em todos os lugares o mesmo, admiraren e In-1 Cl)n,arca< ,, pri)Vii,cia e finalnienle a label-
"TrnTrndicainenlo preventivo e antidoto | a ^S^S^^^SitCSX
contra as tendencias do clima paraa pblhisica,' lamento dos relog.OS, o gansada pelo ex-
licdr grande valor, e nao d.seg.mdo fai qual- cellente piloto Portugal, de saudosa lom-
ara l'cr nina falal eguranra. He um gran- Pars, em nclez e CO.n estampas, por 8,000
fio, urna grande composicao curativa, rs. ; Historia de Napnloiio, escripia em m-
Ic e nico remedio (pie a .ciencia e o moras por elle mesmo e publicada por Cal-
quer medico ou conliccedor de drogas, porin
einquanlo se est paliando com estas enganotas
miituras,o doenle v i rpidamente enipciurau-
do, e caila dia mais e mais colloca o seu caso
ft',m do alcance de uperancas Niio succede as-
sim com esla preciosa medicina. He sempre
alular, e seus rll'rilos nunca sao damnosus.
Nao he opitica, uao he tnica, nao he um me-
ro expectorante, nao tem por objeclo o/ diente p
de remed
o grande .
conlieciinento medico teem ate boje proiluiido
para o tralainento desta molestia, ate lioje in-
conquislavei.
Em una palavra be o melhor remedio no
mundo, c nenhuma pessoa tocada com este fia
e
seu .
lar suas qualidades virtuosas Una nica gar-
rafa quasi que em todos os casos .prbduzir
nina consideravcl mudanca no estado de r/uni-
quer d"cnca, tija ella qual /r.
Tem curado casos que se suppunham supe-
riores ao poder medico.
branga.
Atfcncao.
Em Olinda.ao sallar no Varadouro, segun-
da venda a esquerda, vendem-se em muito
bom estado, que o comprador ver, e pelos
diminutos pregos deste anniinco, as excel-
leotes obras quo se seguem : Mysterios de
los 4 v. em port., por 4,000 ; Corint ou
a Italia, obra prima de M. de Stael, 2a v. ,
por 6,000 rs.; Theoria do governo repre-
sentativo por Guisot, linda encadernagflo,
1 v. por 3,000 rs. ; Godwin's polilicle jus-
ello da familia humana ser jnslo par si epara >
cus amigos, se descer scpul.nra sen. altes- t>ce, obra mteressante 9 v por b 000 rs.
Gouvernement civil de l.ocke, 1 v. por
les como que da sepultura. Tem curado de
pois que ja todos os ou:ros systemas, medica-
mentos e methodos de tralamento teem falla-
do. Em urna palavra, dcscobrio-ie o tegredo, a
jihlbitica cura-se.
A antiga opiniao de que phthisica nao po-
da curar-sc tem desapparecido desde a iutro-
dueco desia milagrosa medicina. A pblhisica
pela dcscoberta deste medicamento acha-sc
despida de metade dos horrores que causava.
Km lugar de se entregaren! ao desespero quan-
do estavam seguros de que a phthisica llie ti-
uha lancado as suas garras, milhares de pes-
soas teem recorrido a este infallivcl remedio, e
3,000 rs.; ArnoH's Phisic, 2 v. por 5,000
rs : Dreilo publico por Itamon Salas, 1 v. ,
por 2,000 rs.; Grammatica da academia
franceza de Levsac, 1 v., por 2,000 rs. ;
'"n." Talesof tbe prcat, and brave by Fraser
Tyther, I v., por 2,000 rs.; a Formosa don-
zella de Perlh, romance de W. Scotl, por
2,000 rs. ; Instituliories juris natura?, et
genlium, por Fleischcr, 1 v., por 2,000 rs. ;
The llad, trad. de Pope, por *,000ts. ; Ar_
metica do Besout em francez, 1 v. por 3
rs, ; CompenJio de la historia grega por
Goldsmilb, 1 v., por 1,000 rs.; Methodo
racional de aprender a lngoa latina, 1 v.,
por 1,000 rs.; Quintiliano em latim, 1 V.,
por 2,000 rs. ; um Magnum Lexicn, por
5,000 rs., e muilas obras elementares como
com praicr e regosijo continua"! desfruclandoj Virgilio, Horacio, SalustlO, IthClonca, Pite
sade neste seculo que produiio tal beneficio
r na humana.
Lembrein-se todos aquclles que se acham to-
cados de molestia pulmonar, quer por tosse,
constipaces, asllima. bronchites, pleuris. es-
carros de sangue, dor de costado e no peito,
palpilacao no coracao, dr de garganta, e to-
das as mais molestias dos orgaos pulmonares,
que o nico remedio seguro he o xarope do
bosque.
I.embrar-sc-ha o publico que cada garrau
tem dous papis com a propria assignatura dos
agentes 11. C. Yates e Coiup., um na garrafa
com urna perfeita direccao sobre o melhodu
de usar delle, e outro no papel invollo.
Pode ser mandado com toda a seguridade
para qualquer parle do imperio. As ordens
execuuuu se poiitualinente.
Vndete ua ra dos Quartels, n. 12.
Maya llamos &C.
com loja na run IVova, n. G, aca-
li.'uti de receber de Lislia um
soi (ment de livros com as de-
nomiuacoes seguintes;
O Mongede Cisteroua poca de D. Joan
I por Alexandre llerculauo, 9. v. em brocb.
Historia da revolucflo franceza porThers,
6 v. ornados ue estampas linissimas.
Historia do grande Napoleflo, 4 v. por
Norvins, e Iraduzido em porluguoz por..,.
O Secretario .unversal portuguez, ou me-
thodo de escrever toda a especie de cartas,
seguido de um formulario de memoriaes,
i oque rmenlos e cartas do commercio por
H. A. S.
A vrgem da Apolonia, 1 v., pelo conce-
lheiro Bastos.
MeditagOts ou discurso religiosos, 1 v.,
pelo uiesuio concelheiro.
MUTII ADO
dio, Cornelio, thelhird bookof reddiDgleS'
sons : tudo desta forma.
Quem quer bom c ba-
rato?
Azeite de carrapato a 240 res a garrafa;
queijosdos melhores que boje se pdem en-
contrar, a 1,250 rs. ; azeite doce de Lis-
ba, a 460 rs. a garrafa; vinagre dito, a 70 rs.
a garrafa ; tourinhode I islia, a 180 rs. a
libra ; vinho do Porto, a 240 rs. a garrafa ;
caf primeira sorle, a 130 rs. a libra ; ar-
roz do Maranlulo, a 60 rs. a libra, e a
cuia a 360 rs. ; superiores velas de carnau-
ba, 260 rs. a libra ; manteig. franceza da
melhor que ha, a 500 rs. a libra ; banba
muito alva, a 300 rs a libra ; farinha do
Maranhao, a mais fina e alva que pode ap-
parecer, a 100 rs. a libra ; letra, primeira
sorle, a 220 rs a libra; bolachinh. doce,
a 180 rs. a libra, a ingleza a 220 rs. ; as-
sucar refinado muito alvo, a 100 rs.; mas-
cava lo a 60 rs. ; in anco muito bom a 90 rs.;
cha hysson, primeira sorle, a 1,920 a libra;
carne do serto, a 220 rs. a libra ; bules
grandes pintados, a 480 rs. ; dilos brana
eos, a 400 rs. ; pr.tos, 1,050 rs. a duzia ;
serveja a melhor que ha, a 360 rs. a garrafa;
SabSo amarello e prelo, a 120 rs. a libra ;
genebra de llollanda a 300 rs., eda Ierra,
230 rs.; fumo superior, a 300 rs. libra ;
vinho branco de Lisboa, a 220 rs. ; alnos-
uin riiolhoM rs. ; e tudo muito bom, por
barato prego: na ra de S.-Jos, esquina
quo volla par. a abobada da Penhn, venda
de 4 portas, n. 2.
Vende-se um lindo moleque de boa
conducta ; urna bonita mulatinna recolhi-
da, com habilidades precisas para mucama;
ua ra do llangel, u. 57, sobrado.


Casimiras a 3,5oo rs.
Vendem-se cortes do ninas casimiras de
bonitos gostos, com tros covados e meio,
pelo barato prego de 3,500 rs. o rrte ; ca-
simiras superiores, tanto em padrOes como
em qualidade, a 4, 5, 6e',000 rs. o corte:
na ru do Collegio, n. 1, loja da ostrella.
Cortes de cassa para ves-
tidos com 16 covados
por 3,500 rs.
Vendem-se cortes de cassa p. ra vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
covados, a 1,760 rs. ; peras de cambra i a li-
sas com oito varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de Un lio muilo lino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Tareas, para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Brum,
acaba-se de receber um completo sortimen-
t de taixas de* a palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptid.lo embarcam-se,
cu carregam-seem carrossem despezas ao
comprador.
Cascase cambraias.
Vende-se um sortimento de cansas, cam-
braias, chitas, riscados, chales de seda,
ditos de 13a, luvas, meias, bicos de linlio,
brancos e pretos: tudo o mais barato pos-
sivel, por serem fazendas fura da moda : na
ra do Crespo, n. 9.
Arados de ferro.
Na fundigo da Aurora, em S. -Amaro,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fundcao Low-lfoor,
BOA DA SENZALTA-KOVA, N. fa.
Neste estabelecitnento conti-
na a havpium completo sorti-
mento de moendas e metas moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
coado, de todos os taannos,
J>ara dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na lahia
Vende-se em casa de N, O. Kieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, aleodilo trancado
aquella falirien, niuilo proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro noarmazem de
moldados, alias do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excellenle cha produzido em S.-Pau-
lo que lem vindo a este mercado, por
prego muilo commodo.
Vinho de BordeauXa
das mais superiores qualidades ; bem como
vinhode r.hampanha da nova marca estrel-
la, j muilo apreciado, tanto aqui como na
Europa : vende-se em casa de Kalkmann
IrmSns. na ra da Cruz, n. 10.
Batatas novas a 800 rs.
o gigo:
vendem-se no armazem deJ. J. Tasso J-
nior, na ra do Amorim, n. 35.
Para quem tiver bom
g-osto.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padrOes, e o melhor que
tem apparecido neste mercado : na ra do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
Vendem-se amarras ae lrro: na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
Saccas com farclo novo,
de 80 a 90 libras, a 5#:
vendem-se no armazem de Antonio Annes,
no caes da Alfandega, e no de Vicente Fer-
reira da Costa, na ra da Madre-de-Deos,
chegadas ltimamente de Lisboa e de
Franca.
Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, ns. 14 e 16, sites na esquina
da ra da Cadeia, defronte do theatro de
San-Francisco : a falla rno primeiro andar
dos ditos, com Joaquim Teixeira l'eixolo.
>4
Vendem-se saccas com farelo, muito
grandes e boas, por 4,000 rs. : na ra da
l'raia.n. 20.
-- Vendem-se, por preco commodo, duas
ricas toal.'ias de lavarinlo : a tratar no Ater-
ro-da-Boa-Vista, armazem de louga da Ba-
ha, de Cosme Jos dos Santos Callado, onde
se acham para quem quizer v-las.
~ Na ra do Livramento, n. 11, vendem-
se sapatos de maxroquim|preto e rouxo a
500 rs. o par.
Vende-se um preto do 25 anuos pou-
co maisou menos, sem vicios nem acha-
ques, de bonita figura, e que he olllcial de
marceneiro : na ra do Vigario, n. 23, se-
gundo andar.
Vendem-se vassouras americanas, por
preco commodo: no becco da Madre-de-
Deos, n. 17, armazem do Candido.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antfgo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baixo das mesmas condigOes, offerecendo
a deliciosa pinga do viuho da Figueira pe-
lo limitado pre?o de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por220rs. a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Bordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. NSo se admirem
os freguezes do baixo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, esim da audacia do
proprietario querer sustentar o antigo pre-
go, embora este genero tenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinen) os
I amantes a qualidade para reconhecimento
de metal fino de gostosos mais modernos
para cha, apparelhosde metal contendo ca-
feteira, bule, roanteigueira, tigela, assuca-
reiroeleiteira, colliercsde metal do prin-
cipe, para cha esoupa, jarros e barias : lu-
do por prego commodo.
I Chapeos do Chile |
de superior qualidade.
9) Pelo ultimo vapor receberam-se w
mais chapos do Chile de superior #
# qualidade, que continuam a vender- %
$ se ( a mecos mais commodos do que
* em outraqualquer parte) na ra do
* Collegio, n. 9. *
. i,.-, .....,;,. 1 .. I__-__-. I flllIBlItrs H UUiUUIOIIU lima iciunrn i-imrinu
~ Vendem-sequehoslondrino, Preun-,d d d ^ da antiga Trege-
los muito Irescaes, frascos com mostarda,1
Aloe mas superiores.
Na fnndigSode C. Starr it Companhia ,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
de caima, todas de ferro, de um modelo e
conclrucgo muito superior.
4cs fumantes de bom gasto.
Noarmazem de motilados airas do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor .viudo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, e de outras umitas
qualidades que se vender9o mais barato do
que em oulra qualquer parle : bem como
cigarrilhos hespanhes, ditos de palha de
tnilho, que se eslSo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
Cortes de brim de cores
cem .tetras ao lado, a
1,280 rs.
Vendem-se corles de brm de cores com
1 istras ao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godSo americano, pioprio para escravos a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeia.
Os mais
ditos com fructas, b.otijas de corinlhos, fias-
quinhos de molho para carne, e oulros
ohjectos : tudo chegado ltimamente de
Liverpool na galera Seword-Hih : na ra da
Cruz, n. 7, armazem de Davis & C.
Ultimo gosto.
Vendem-se os melhores chapeos de mas-
sa franceza que teem vindo este anno, tan-
to em forma como em boa qualidade: ha
para rabega bastante pequea, a 7,500 e
8,000 rs. : na ra do Collegio, n. 1, loja da
estrella.
Vende-se um cabriolet mui leve e ele-
gante em bom uso, por prego commodo:
na ra do Hospicio, n. 9.
Vende-se urna escrava cri-
oula, bonita figura, piopria para
qualquer sei vico de urna casa ; na
ra da Cadeia do Kecife, loja de
Jooda Cimba Magalhaes, n. 51.
Novos gambreSes a 2,000 rs. o
corle.
Vendem-se superiores cortes de caigas de
gambreSo, com 3 covados e meio, pelo di-
minuto prego de 2,000 rs. o corle, esta fa-
zenda torna-se recommendavel pela sui
boa qualidade ja bem condecida, de boni-
tos padrOes : na ra do Collegio, n. 1, loja
da estrella,
Os mais ricos mantele-
tes e capotilhos.
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capotilhos de chamalole de seda e gor-
purSo, os mais ricos que teem apparecido s
na ra do Queimado, n. 9.
Cassa-seda moderna. .)
Vendem-so cortes de vestido de 4
cassa-seda transparante.padrOesmui- +
>. to modernos, e fazenda a mais su- l
perior possivel, tanto em gosto como ><>
# em qualidade: na loja do sobrado 4
it' amarello, nos quatro cantos da ra (i)
>: do Queimado, 11. 29. a
zia. Epara n.lohaver usuras, esto promp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barra de diversos ta-
annos para provtsflo do prximo Natal.
O proprietarioconta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os pregos do reta-
Ihoa primitiva de 240 e 280rs. a garrafa.
Vendem-se sapa toes de cou-
10 de lustro pelo baratissimo pre-
co de 3,oco rs.; ditos superiores
e de ponto fixo,a 4,000 rs. ; ditos
de lustro para meninos ; ditos do
Aracaty parabomem : na ra da
Cadeia do Kecife, lojan. 9.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa
Pannos finos.
Vende-se encllente panno fino cor de ca-
f, pelo diminuto prego de 3,500 e 4,800 rs.
o covado; dito preto, a 3,000, 3,500, 6,000,
7,500e 8,000 rs. o covado, prova de limSo:
na ra do Collegio, n. 1. loja da estrella.
Superiores chapeos do
Chile.
Vendem-se chapeos do Chile em porgues:
na praga do Commercio, n. 6, primeiro an-
dar, silo muito bous e muito claros.
Farinha de S.-Catharina.
Vende-se a bordo do brigue out-Amigo$,
fundeado defrodte do caes do Ramos on
na praga do Commercio, n. 6, primeiro an-
dar, farinha do S.-Catharina.
Vendem-se meias barricas
com superior farinba gallega, che-
gada prximamente de Kiche-
mond : na rna da Senzalla-Vclha,
armazem de Matbeus Austin &
Companhia ou na ra do Tra-
piche, n. 36.
Vinho generoso.
Na ra do Crespo, loja n. 8, vende-se su-
perior vinho engarrafado, chegado ultima-
mente do Porto, a 12,000 rs. a duzia.
Agoa de Ungir os cabellos e uissas.
Conlina-se a vender a agoa de tingir os
cabellos e suissas: na ra do Queimado,
tate of all nations, by //
Murray, Uustrated by eiglitv'
two Maps. '"
He um volume de mais de 1,50o
paginas, e vende-se na ra do R0.
zario larga, loja de miudezas de j"
J. Lody.
SSSF.
M a noel da Silva Santos vende
farinha de trigo superior da marca
cima mencionada e chegada a es-
te mercado no ultimo navio vindo
de Trieste: quem pretender, pode
dirigir-se ao armazem do Annes,
no caes da Alfandega.
fcscr&vos Fu pinos
de boa qualidade, em barriszinho* tS,!tSSSStL ^^ d'a 8g"
modernos cor-
tes de cassa para vesti-
dos a oito patacas e
meia o corte
Vendem-se modernos cortes de cassa pa-
ra vestido, com 7 varas, a 2,720 rs. o corte :
na ra de Queimado, 11. 8, lija confronte a
botica.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Kan tos.
Na rna da Cadeia, n. 5*2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
/.liarles de Curta-cores a
2U rs. o covado e ris-
cado monstro a 5220 rs.
Vende-se zuarte de furta-cOres, muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monstro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volta parr a cadeia.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de pralo muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos portuguezes para panella, latas
com 2 e4 libras de marmelada, ditas com
bolachinha de l.i.-l a, ditas de sardinha, di-
las com hervilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vindos do Cea-
ra, por barato preco, mantas de toucinho
ingle/ de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma.e
outros muilos gneros de boa qualidade :
a urua da Cruz, no Kecife, n. 46.
Vendem-se figos de comadre novos, a
100 rs ; btalas inglezas, a 60 rs. : no pa-
teo do Carmo, n 2, venda nova.
Vendem-se 4 molecotes de 10 a 15 an-
cos ; 5 escravas mogas de bonitas figuras ;
3 uegrinhaa de 16 anuos ; 4 escravas de bo-
nitas figuras : na ra Uireila, n. 3.
\ende-se, para rra da provincia, um
pardo oflicial de sapateiro, do 25 a 26 au-
no : na ra das Cruzes, u. 1.
Vende-se lio porrete do Porto, de mui-
to boa qualidade, em pacole de quatro ar-
robas : na ra da Cruz, n. 3.
Mantas de seda.
Ainda existe um resto das mantas de se-
da que se teem annunciado, a 7,000 ra.: na
ra larga do Rozarlo, padaria n. 48.
Vende-se superior farinha a boido da
polaca N.-S.-do-farmo, fuodeada defronte
do Passeio-I'ublico, por commodo prego, c
em saceos : na ra do Vigario, D. 11,
Vendem-sesaccas com Tre-
los de 94 libras cada urna : no ar-
mazem de Hacellar, no caes da
Alfandega.
i'otassa da Bussia.
Vende-se a verdadeira potassa da Russa,
desembarcada agora, em barra pequeos :
em casa dos Srs. Itolhe & Uidoulac, ra do
Vigario, n. 4.
-- Vendem-se cortes de cambraia do co-
res, pelo barato prego le 2,000, 2,500, 3,000
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs. : meias para meninas, a 160 rs.; lita
COm iistras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
znha propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; IHa superior pa-
ra caigas, a 500 e 600 rs. ; lengos de algo-
dSo e seda com franja, a 600 rs. ; crli s de
colletede velludo, a 1,600 e 2.500 rs.; cas-
sa-chla, a 400 rs. a vara ; garga de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado, e outras muilas fazendas por
barato prego : na ra do Crespo, n. 15, loja
de Joaquim de Oiiveira Maya Jnior.
Vetas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Saoto, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de esperinacele,
e nSo fazerem morrSo.
l'ara se acabar.
Vendem-se superiorea cortes de cam-
braias finas antigs, pelo barato prego de
2,500rs,o corte; bem como novos corles
de cassa-chita, de lindos gostus, a 2,800 e
3,000 ra. o corte : na ra o Collegio, n. 1,
loja da estrella.
l'echincha.
Vendem-se corles de caigas de meia casi-
mira de lila, a 1,600 e 2,000 ra. o corte, bas-
tante encorpado; bem como meias para
senhora, a 200 rs. o par, e a duzia a 2,000
ra. : na ra do Collegio, u. 1, loja da es-
trella.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se nao vende: no liccile,
ra da Cadeia, armazem n. ia.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Macas.
Vendem-se as mais superiores
em barricas, vindas no gelo, a rs
5,ooo cada urna : na venda da ra
da Cadeia do Kecife, n. 25, defron
le do Boceo-Largo.
IVr ('bincha.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se luvasde pel-
lica inglezas e muito novas, para homem e
senhora, a 1,000 rs. o par; panno fino,
muilo bom azul e cor de azeitona, a 3,000
rs. o covado ; crtesde fustilo branco, a 500
rs.; lengos de sedado cores para algibci-
1 a, a 1.000 rs.; ditos de setim para grvala,
a 1,000 rs. ; e outras muitas fazendas por
commodo prego.
Vende-se superior vinho de
Champanhe : na ra do Trapiche,
n. i3-
Na ra do A morim, ns. 56,
e 58, vendem-se farelos cm sac-
cas grandes por preco commodo :
a elles antes que se acabem.
Attencao!
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha chegado pelo ultimo
navio de Lisboa eLiverpool, superior mar-
melada, (frutas em hcelas frascos de or-
chala, hoiOes com geleia de marmelo, latas
com holachinhas de Lisboa, chocolate,
paios de lombo, queijos londrinos, presun-
to para fiambre, conservas, potes com sal
refinado, latas com biscoutinho iuglez.
cha,- tudo do mais superior que tem appa-
recido neste mercado: assim como um
completo sortimento de escelleules > unos,
proprios para o tempo de fe si a, o que tudo
se vender por menos do que em outra
qualquer parte.
Calcado de 1,280 a 1,600
rs., no Aterro-da-Boa-
Vista, defronte da bo-
neca.
Sao chegados sapatos francezes de couro
de lustro para senhora, a 1,280 e 1,600 rs. o
par; borzeguins para homem, a 4,000 rs.:
bem como um completo sortimento de cal-
gado de todas as qualidades, lauto para ho-
mem. como para senhora e meninas; sapa-
tOes brancos do Aracaly para homem, a 1/
rs ; ditos de couro de lustro; pelles de cou-
ro de lustro hamburguezas e francezas ; di-
tas de marroquim ; botes de seda para ca-
saca : tudo por prego commodo.
Calcado francez
sabido da alfandega ha dous das, sendo sa-
patos de couro do lustro para senhora, a
2,000 rs.; ditos de urna sola para homem,
a 4.000 rs. ; ditos de beierro de Nantes, so-
la grossa e fina, a 5,0(10 rs.; sapalOes de
couro de luslro, a 6,000 rs.; borzeguins
gaspeadoa, a 7,000 rs.: na ra do Crespo,
Farinha de mandioca.
Na ra do Queimado, n. 14, loja de fer-
ragens, ainda ha algumas saccas da boa
farinha de mandioca, muito alva e bem tor-
rada ; bem como urna porgo de pennas de
ema, proprias para espanadoros ; urna es-
crava de 20 annos, propria para todo o sor-
vigo ; outra dita que se vende barato, por
ser de mais idade, e que he boa para ven-
der na ra, e sabe muito bem lavar roupa ;
una parda moga, de bonita vista ; saccas
de {omina deengommar, muito alva: ludo
se vende barato.
Velas de espermacete
em caisasde 30 libras, e da melhor quali-
dade que ha neste mercado : vendem-se na
ra do Trapiche, n. 8.
Chapeos de palha
muito finos e superiores: vendem-se n
ra do Trapiche, n. 8.
. -- Vendem-se chaposzinhos ricamente
enfelados para meninos e meninas de um
a tres annos: no Aterro-da-Boa-Vista, n. 1.
Para todas as proGssops
do mundo.
Arte de Furtab, pelo padre
Antonio Vieira, rcimpressa cui-
dadosamente em Londres, com o
retrato do autor frente. Um vo-
lme in 8., encadernacao ingleza.
Vende-se na ra do Rozario lar-
ga, loja de miudezas de J. J.
Lody.
Chegaram novamente ra da Sen-
zalla-Nova, n. 42, relogiosde ouro e prala
patente inglez, para homem e senhora.
Bons queijos do sertao.
Na ra do Queimado, loja de ferragens,
n. 14, vende-se esto excellenle petisco, por
prego commodo.
v ovo sortimento de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. 0. ao p
do lampeo.
Vende-se cas^a-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores lisas e com 4 palmos
de largura, pelo barato prego de 320 rs. n
covado ; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadiuho de lis-
tras de linho, a 240 rs. o covado,- brim de
algodSo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 ra. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varase urna quarla ; cassa prela com
ramagem branct para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuarto de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e coi es fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
Livro iudispens ivcl a to-
dos os escriptorios in-
glezes.
Jn Encyclopcedia of Geogra-
phy : comprising a complete des-
cription of the Eartb, physical,
stalislical, civil, ond political ; ex-
hibiting itsrelation tothe heaven-
ly bodies, its physical structuie,
ao pdoarco, loja de miudezas, de Joaquim the natural hiutory of each coun-
llenrique da Silva. J
--Na ra Nova, loja de ferragens, de Joa- 'T' Bnd lhe 'ndustry, commerce,
qmm da Costa Maya, receberam-se | urnM|polilical institulions, and civil and
/
Fugio, no da 17 do corrente, o preto
Caotano, de nagSo Angola ; he olllcial de
sapaleiro, bastante ladino, por ter vindo da
sua trra de tenra idade; he bem f>lante
de estatura baixa; he mogb ; lem muit
pouca barba ; levou caigas e jaqueta bran-
cas, chapeo preto de pello: quem o pe-
gar leve-o ao Aterro-da-Boa-Vista, n. 9, *
seu senhor Francisco da Silva Santiago
que gratificar generosamente.
-- Fugio, no dia 15 do.corrente, pelas 2
horas da manhSa, um molequinho de no-
me Ludgero, crioulo, que representa ter 17
annos, bem preto, olhos grandes ; tem era
um brago urna esfoladura de urna chicota-
da ; levou camisa de chila muito miudi-
nha com dous clcheles no colerinho, cal*
gas de algodSo azul de eoliar c sem coz, bo-
nete azul sem pala ej usada : quem o pe.
gar leve-o ra da Cadeia do Kecife, n. 4o,
que ser recompensado.
Moa gratifica cao. *_
Fugio, no dia 3 de novembro do crrenos
anno, um cabra de nome Ildefonso, dees,
tatura ordinaria, cabellos desandados,
olhos grandes, beigos grossos, com um
denle de menos na frente ; serve-se coma
a inflo esqu'Tda ; he cuntite ; tem dous de-
dos de menos em um dos.ps, o minimo e o
vizinho; leva urna carta com sobscripta a
Flix Antonio de Brilo, senhor que o ven-
den ; he morador em Alaga-Crande-do-
Pao, provincia da Parahiba do norte. Boga-
se as autoridades policiaes, capitles de
campo, ou outra qualquer pessoa, que o
apprehendam e levem-no ao capitSo Vi-
cente Cavalcante de Albuquerque, no enge-
nho Gameleira, comarca de Nazareth, ou
nesta praga a Francisco Cavalcante de Al-
buquerque, na na do Livramento, n. 14,
que ser3o gratificados.
Fugio, no dia 7 do corrente, do enge-
nho Pintos, o crioulo Eduardo, alto, feio,
tem urna falta na parte superior de urna
das orelhas; consta achar-se nesta cidade,
no lugar do Ciqui, em urna casa junte de
urna olaria : quem o pegar leve-o ra Di-
reita, n. 121, que ser recompensado.
Fugio, no dia 2 do corrente, dos Afo-
gados, um moleque de nomo Amaro, de
nagflo Angola, de 16 a 18 annos, estatura re-
gular ; tem os denles da frente argos e com
flta de um ; lem urna perna torta, pscoin-
pridose apalhetados; tem urna queimadu-
ra em unidos bragos : quem o pegar le-
ve-o rna larga do Rozario,n. 32, quese-
ra recompensado.
"Desappareceu, no dia 4 de novembro
prximo passado, o preto Jos, crioulo, de
25 annos, estatura regular, cor fula, ca-
bellos pichaini, pouca barba, ou quasi
nenhuma, rosto bastante liso, cabega um
pouco comprida; tem por baixo do queixo
um signal preto como que fosse de bexiga,
ps grandes e com os primeiros dedos tor-
ios para dentro ; foi visto no engenho Sal-
gado no caminho do Recife : quem o pe-
gar leve-o ao seu senhor, Francisco Rodri-
gues Villela, morador em sua propriedade
llha-Grande, em SerinhSem, que recom-
pensar.
Fugio do poder de Francisca Mara da
Conceigflo, no dia 21 do corrente, pelas 8
horas da manhila, a escrava Ignez, crioula,
de 20 annos, com marcas muito recentes de
bexigas ; levou vestido branco e panno da
Cosa ; foi comprada no dia 19 do corren*
te a Snra. I). Anna Joaquina Llns Wauder-
Icy ; a vista do que a annunciante pede que
ninguem faga tralo de qualidadealguma
com dita escrava, que ha dias tinha vindo
de Itiiiuai' ica para o poder da dita Snra. II.
Anna : quem a pegar levo-a ra do Hospi-
cio, casa do Sr Thomaz de Aquino Fon-
seca, que lecompeusar generosamente.
Fugio, no da 16 de oulubro de 1849,
um escravo cabra, de nome Themoleo, ofli-
cial de carpinleiro, de estatura alta, ma-
gro, zambro das pernas ; tem falta de um
dedo em um p, denles podres, e um sig-
nal de um pequeo tal lio na pona do na-
riz ; he bom parecido de rosio, com prin-
cipio de barba ; levou boa caiga de brim
azul, camisa branca e gndola branca lina,
cujo escravo foi do lllm. Sr. Aflunso do Al-
buquerque e Mello, da provincia do Para,
por ordem do quem foi vendido na corte
peloSr. capilSo de fragata Jesuino Lamego
Costa ; cousta q'jo se intitula forro a todos
aquellos que o nilo conheccm, e bem o per-
suade por saber ler, escrever e contar, e a
quem o ronhece diz a uns que anda por or-
dem do seu senhor a procurar quem o com-
pre, o a oulros que anda em procura de
obia para trabalhar: o que so previne aos
lllms Srs. ofllciaes do exercilo e armada,
para que o no recrulem ; capites de na-
vio, para que o n3o recebam a seu bordo a
pretexto algum; mestres de obras, o nflo
admiltam as mesmas ; aos Snrs. encane-
dos oa vizita dos navios o nflo deixem sa-
bir em navio algum, qur eja nacional,
qur estrangeiro : e a todas as pessoas em
geralserogao nSo acnitem, nSo s para
evitar o procedimeulo criminal, mas tam-
bem de pagar o jornal de 1,600 rs. diarios
desde que o mesmo tiver fgido, que he
tanto quaulo se protesta haver daquella
pessoa que lheder coito : para cujo lim se
taz o presente annuncio, para que ninguem
se chame a ignorancia e se darao bua#-lf-|
garas a quem do mesmo der noticias onde\
existe, ou o levara ra do S.-Luzia, n 48,
na corte, ou nesta praga. a Francisco Alves
da Cunta, na ra do Vigario, it.
PHatl. i A TTP. DE kW I.
DBFAal*. H49


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOT6SWQXS_0K1RNP INGEST_TIME 2013-04-24T15:48:23Z PACKAGE AA00011611_06746
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES