Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06744


This item is only available as the following downloads:


Full Text
I
Auno .XX*
Siiblmdo 2
PARTIDA 0S COKbViOS.
- .Paiahlba, segunda esixtas-feiras.
r,hoaSe.inhem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
C" Macano l., a Me21 de cada mex.
r.araiihunie Bonito, a8eW.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-leiras.
Ouda, todos os dias.
..'..BJuaB
EPHEHIBIDES.
Phases di lo. Ming. a 0, s 4 h. e33 ni. da t.
Nova a 14, 1 h. c 18 ni. da t.
Cresc.a 22, as5h.e21 ni.da ni.
Chela a 29, 11 h. e 41 m. da ni.
FBEiMAB SE HOJE.
Primeira as 10 horas e 54 minutos da manh.
Segunda as 11 borase minutos 18 da larde.
ile Dezejubrode 1849.
N. 287.
precios da susacaiPcAo.
Por tres mezes (adianlado) 4^000
Por seis mezes 8^000
Poruuianno 15/000
DAS DA SEMANA.
17 Seg. S. Harllinlomeo de S. (ieminiano. Aud. do
J. dos orf.c do ni. da 1. v.
18 Tere. Nossa Senhorado '. Aud. da chae, o
J, da 1. r. do civ. e do dos feitos da fazenda.
10 Quart. S. Fausta. Aud. do J. da 2. v. civ.
20 Quiut. S. Uoiningo de Silos. Feriado para os
negocios forenses at 31.
21 oext. >)f S. Thom.
22 Sab. b. Honorato.
23 Dom. S. Servulo.
CAMBIOS EM 21 DE DEZEHBaO.
Sobre Londres, U*/k d. por 1/000 n. a 60 diaf.
Pars, 316.
Lisboa, 100 por cento. -_,,,,
Ouro.-Oncas licspanlioes......... 2'.1^00 a 29/800
Moedasdeb>400velhas.. 1(1/800 a 17/UO
de 6/400 uovas.. 16/200 a 160400
. de 4/000........... 9/200 a 9/300
Prata.Pataces brasilelros...... 1/1)50 a J/B70
Pesos columnarios....... l/*.)40 a l/WW
Ditos mexicanos.......... 1/860 a 1*8/0
ijci
GVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DI A. 13 DE DEZEMBRO.
Oulcio. Ao inspector da lliesouraria da
fazenda provincial, pr mandar pagar a
i0s6 de Md!o Cesar de Andrada a quantia
Je 28,800 rs. que despenden o delegado de
Olinda com o sustento dos presos pobres da
ca.leia daquella cidade. Commuiucou-se
ao rhefe de polica.
Dito. Ao mesmo. Tendo sido encam-
oadaaobra da ponte dos Arrombados, e
tendo mandado proceder a um orcamento
.las .Jespezas feitas pelo arrematante Joflo
Francisco do llego Maia.afim >? er ndem-
nisado, veriflcou-se dever-se-lhe 860 000
rs a qual quantia o nutoriso a despender,
afimdefazer-seerfectiva a referida Indem-
nisacflo.-Fizeraoi-seas convenientes com-
municacOes.
| Dito. Ao engenheiro Jos Mame Je Al-
^s Ferreira, ordenando que faca com ur-
ncia o ornamento dos concertos de que
^"cessitarem as pontes do Recife e Dua-
lista. Inteirou-se o administrador das
opras publicas. .
\Portaria. O presidente da provincia,
considerando vago o posto de tenente-co-
ronel chee do balalhflo de guardas nacio-
nes do Po-d'Alho, por se haver mudado
[parafiada comarca Jeronymo de Alhu-
querque Mello que o exercia, tem resolvi-
do nomear para oceupar o referido posto ao
cdadao Antonio Gongalves Carneiro de Al-
buquerque, e para o de major do mesmo
hatInflo a Francisco Correia de Barros.
Dita. Nomeando a Zeferino Pinto da
Molla Nunes para 0 post de major da le-
ciflo da guarda nacional do Po-d Alho, e
a Antonio Carneiro de Barros para de ma-
jor commandante do esqualrflo de eavalla-
ria da referida guarda nacional. Fize-
ram-seasnecessarias communicages.
BISPADO DEPERNAftBOCO.
D. Joo da Puricacdo Marques Perdigdo,
conego regrua Je Santo Agoilinho, por
orneo de Dos e da Sania S Apostlica, his-
po de l'ernambuco, do concelho de S. M. I.
A todos os habitantes das cinco provincias
da diocese pernambucana saJe, paz e ben-
dito.
Mui prximo est, dilectos diocesanos, o
magnifico e brilhante dia 25 de dezembro,
no qual por divina dispensadlo anhelamos
celebrar solemnissimamente o nasciment
do Salvador do mundo, vidamente deseja-
do, ancosamente esperado e por tilo dila-
tados seclos supplicado pelos santos pa-
triarchas e prophetas, que o mencionaran
para redempgao de Israel.
Goimos a ventura de no dia 2 do corren-
te vos dispr e preparar para solemnisardes
pamente o festivissuno dia, que ora vos an-
nunriamos, como convem a honra e gloria
do Messias realmente presente as angus-
tias de um presepio, por etTeito de sua mais
sublime caridade, incompreheusivcl loda
a intelligoncia e capacidade humana.
Agora, porm, igualmente nosconvemre-
cordar-vos o dever indispensavel de medi-
tar no excessivo amor que o Itedemptor do
mundo demonstro!] por meio de sua real
presengacm forma corporal, prodigio inau-
dito e smenle proprio da increada sabe-
doriadeum Dos, que poderosa e suave-
mente ludo dispoe para satisfagflo de seus
eternos designios, favoravois a geiacflo hu-
mana.
Occorrendo.pois, a este dever, do qual vos
julgamos credores, e de cuja omjssflo resul-
tara ao nosso ministerio consideravel vi-
tuperio, nos vos insinuamos a piedadeor-
thodoxa, o terno alTeclo, o sinrero reconhe-
cimenlo e a mainfesta correspondencia,
com que ne mister festejar tflo grande so-
lcmnidade.
O mesmo regosijo carnal, que o orbe ca-
tholicogeralmenle manifesta no nasc:men-
lo de Jesus-f.hristo, seja indicio nflo equi-
voco do prazer espiritual que dove reinar
nos corages dos verdadeiros fiis, prove-
niente da verificagflo d'aquella liberdade,
que nos isentou docativeiro, cm que eter-
namente jazeriamos, ae urna clemencia
inexhaurivel, e urna benignidade que nflo
Sufl're limites, nos nflo constituisse salvos.
Nflo censuramos os lcitos cnlrctenimen-
tospropiosdestessa.jralissimos das sen-
limos, porm, a conducta daquelle nossos
diocesanos que, esquecidos deprevemrem
seu espirito co.n a medilagflo sobro tflo ine-
fsvcl misterio, se entreguem nicamente a
dvertimenlos exteriores, pudendo o deven-
do conciliar a refeigflo do espirito com os
sentimenlos que o publico contentamenlo
manifesta.
Proslremo-nos, pois, aos pos de Jesus-
Christo recemnascido, reconliecendo com
a maior submissflo o beneficio da redemp-
eflo. Protestemos eterna gralidfloe ingenua
correspondencia aquella paternal piedade,
que o fez descer do co ierra.
Jamis retiremos nosso pensamento do
adoravel presepio de llelem, destinado par
repouso de animaes irracionaes, entro os
quaes devia nascero rei de eterna gluria,
va"ra se realsurem as propheca escripias
\>r*;ca desle myslcrio, digno da mais seria
^(n-dagAo.
Contemplemos o a mabilissimo Salvador
collocado ueste lugar, o mais improprio an-
da para una grande personasen! do mun-
do, destinado, porm, pra nelle se cum-
prirem os irrevogaveis decretos da Omni-
potente Providencia, cujos arcanos jamis
pdem ser investigados pela mente huma-
na ; e, longe de imtarmos a perfidia judai-
ca, para a qual fui escndalo o msyterio da
cruz.e inteiramente alheiosda opiniflo gen-
tilica, quereputou loucura este prodigioso
acontecimento, reconhegamos que o agra-
ciado he tanto mais devedor ao bemfeitor,
quanto este se digna ser mais prodigo na
prestagflo dos beneficios, principalmente
quando tributados com arduos sacrificios
da parte daquelle que os proligalisa.
A incredulidade daquelle* e a obstinada
infidelidade destos corroborem nossa f, pa-
ra constantemente acreditarmos os myste-
rios por Jess Christo prsticados para fa-
cilitar a salvagflo de nosgas almas, e nos
constituir firmes na crenca de que a segun-
da pessoa da Santissima Trindade nasceu
em um lugar o mais humilde que so pode
imaginar, para confundir o humano orgu-
Iho, e nos ministrar luminosos exemplos de
humildade, de paciencia, de mansidflo, de
resignagflo coma vonlade de seu eterno pai,
e das demais virtudes, com o designio de
reprimir as desordenadas paixOes que as
trevas da ignorancia geram.
AfTetcoemo-nos cordialmenle a Mara e
Jos, primeiros adoradores de Jesus-Chrisio
sobre a trra, cuja singularissima preroga-
liva gozaram sorprendidos com prazer
celestial por aquella dignado, qual o uni-
gnito fillio de Dos julgou necessana para
exercer os a Un bu tos do reconciliador e
mediador entre o co o a trra, cujos habi-
tantes jamis podiam serlivresda servidflo,
resultante da culpados proloplastes, nos-
sos primeiros pais, so Jesus-Christo nflose
humanasse, padecesse e morresse, derra-
mando seu precioso sangue, sem cuja eflu-
sflo nflo ha redempgflo, diz o apostlo aos
ll.breus.
Penetremos, quanto nos seja possivel, os sen-
tiinentos de Mara e Jos", a quem o pai eterno
confiou a guarda de seu primognito lilho. Que
pura ternura'. Que niaravilliosos anelos 1 Que
reapeitos os mais profundos para com aquelle
que era o mais charo objecio de sua venca-
cao, respeitosa adoraco, e amor sem igual!
Recordemos qual seria a purcia deconsciencia
de que estavam ornadas auas almas, venturo-
sas pela exacta observaucia das lels, para nos
convencermos de que a poslergacao dos pre-
ceilos.que nosforam iinpostos, necessarlamen-
te deve occasionar a maior amargura, dima-
nante da falta do zelo pela honra e gloria de
Dos, do amor do prximo, e da salvaco das
almas.
Estes castissimos esposos, superabundanle-
mente adornados com a f, esperanza e carida-
de que possuiam cm eminente grao com as de-
mais virtudes que os designaram dignos de
seren escolhidos para lao sublime dignidade,
(iiieiram interceder por nos, obteodo-nos ur-
gentes auxilios, pelos quaes sejamos denomi-
nados seus perfeitos imitadores. Oh! Estar
prxima a rirme resolucao de seguirmos Lio il-
lustres e nobres exeinidos, que nos facam go-
zar eternamente a presenca dos santissimos
o iginaes que no-Ios prestaram ? Quando pos-
suiremos a ventura de celebrar con as devidas
disposices o portenUio mysterio, exordio de
nossa eterna felicidade !
Para rite fnn mandamos publicar estas no9-
sas leltras. elevando nossa dbil voz, c espe-
rando que a Divina llcnignidade inova os cora-
efies dos que a esciitarem, e por oujo toque os
faca Ingenuamente gratos, e puramente reco-
uhecidos com perpetua correspondencia ao ex-
cessivo amor de Jesus-Christo para com os ho-
ineni, ja aclentes de que o Messias, tres vezes
santo por natuieza. divinamente prometlido,
e benignamente concedido, he o niesino que,
no lempo decretado pelos concelhos da cierna
sabedoria, ha de virjulgar e sentenciar o ge-
nero humano, nao na humiliacSo do presepio,
no qual pela f o consideramos reclinado,
como salvador aplacavel ; mas na magniliea
qualidade de juiz severo c inexoravel, cercado
daquella brillianlissima magestade que lliehe
propria, para remunerar o mrito, e coiidcin-
nar o demerito.
Atienta esta inegavel verdade, supplicainos.
e obsecramos em nome do na9ciuento de Je-
ss-1 hristo a devida consideraeo doulrina
evanglica, que fielmente narra este glorioso
nascimento, e auas oceurrentes circumstan-
cias, cuja pia rccordafo pode suavisar o justo
temor do que nao estilo dispostos para cele-
brar convenientemente o dia Jt de dezembro,
aos quaes dizemos com S.-Leiio papa :Exulte
o santo prximo a receber a palma do trium-
pho : regosije-sc o peccador, a quem, pela
previa penitencia, est prometlido o perdao :
anime-se o gentio, chamado para a vida eter-
na pela perfeila conversao.
Se, pois, nos couvm apparecer na presenca
de Jesus-Christo (como juii recllssimo) com a
necessaria disposicao para recbennos a deci-
sao de nossa eterna venturosa sorte, previos-
inos esle espantoso momento pela disposices,
com que devenios santificar seu admirayel na-
cimeiito, convencendo-nos de que, nao exis-
tindo cm nossos ani.nos a conveniente prepa-
racSo para o tolemnisar pela prtlca da vir-
tudes, concorrendo a extincao das paltes,
nos expciinos ao evidente perigo de termos
sorprendidos pela repentina hora, em que
deve ser julgado o nosso procedimentouom in-
dignacao, qual he mister prevenir no lempo
cm que o recurso a Jesus-Clirislo reclinado no
presepio nos he possivel.
A publica e solemne apparicao do Salvador
no dia 0 de Janeiro, qual devenios celebrar
com o maior fervor do nosso espirito, excite
em nossos coraces aquclles sentimentos de
que igualmente devemos estar ornados, para
Ihe ser grato o nosso rcconhecimcnto, jucun-
da nossa correspondencia.
Nao nos constituamos mais devedores Divi-
na Justica Nao accumuleinos s faltas coin-
ineiiid:i. eutras que nos facam mais pesado o
termo de nossa precaria existencia, niais dif-
ficiillosa nossa responsabilidade. Nao Inulili-
semos por propria culpa os esforcos pralicados
por Jesus-Christo cm prol de nossa salvajao.
A benciio do re pacifico, involto cm pursi-
mos pannos no diloso presepio, seja com lodos
os habitantes do universo, ao qual se digne
conceder a paz e trauquillidade que imperava
no lempo de seu portentoso nascimento.
Palacio daSoledade, 20 dezembro de 1849.
Joo, Idspo dioecsauo.
Commando das armas.
Quartel-general do commando das armas na
cidade do Recife. 20 de dezembro de 1849.
ORDEM DO DIA.
Nflo sendo as provas de nobreza as ni-
cas quadsdes necessarias para poderem
servir no exarcto como cadetes aquelles
quo a sso aspiram, e sim que a estas ajun-
tem os pretendentes as de seren pessoas
moralisadas, porquanloos costumes silo es-
senciaes a todo o que se quer habilitar pa-
ra um dia desempenhar os deveres de um
bom oflieial, determino aos Srs. comman-
dantesdoscorpos que, qusndo endereza-
rem a este commando peticos de seme-
Ihante natureza, declarom na informaijao
qual a conducta e capacidade do prelen-
denle.
Assignado, Jos Joaquim Coelko.
Quartel-general do commando das armas na
cidade do Kecife de Pernambuco, 20 de
dezembro de 189.
ORDEM ADDICIONAI. A DO DA.
S. Exc. o Sr. marechal do campo gradua-
do, commandante das armas, manda fazer
publico, para conhecimento da guarneflo,
queporoillcosdoExni. Sr. presidente da
provincia, de 19 do correte datados, Ihe
foi communicado que, segundo constou do
aviso do ministerio da guerra de 15 de no-
vembro ultimo, S. M. o Imperador, por sua
immediata e imperial resolucSo de 10 do
mesmo mez, tomada sobre consulta do
concelho supremo militar, houve por bem,
em deferimento a supplica do Sr. caplflo
do quinto balalhflo de fuzileiros Simflo
Antonio Alves, conceder-lhe passagem pa-
ra a terceira classe dos odiemos do exercito,
o que por outro aviso do mesmo ministerio
de 3 do mesmo mez so dignara o mesmo
imperial Senbor conceder quairo mezes de
licenQa de favor aoSr. captflo do terceiro
balalhflo de artilhara a p Pedro Afloiiso
Ferreira, actualmente na corte.
Oiitrosim.qne pelo aviso circular abaixo
por copia, de 22 do supracitado mez, lora
participado ao mesmo Exm. Sr. presidente
que S. M. o Imperador, por sua inmediata
e imperial resolucao de 4do referido mez,
tomada sobro consulta do concelho supre-
mo militar, houve por bem deelarar que o
padre Francisco l'ereira de Moraes Jardim,
capollflo do corro lixo de caladores da pro-
vincia de Matto-Grosso, nflo tem direto ao
respectivo sold senfio do da om que en-
trou em ejercicio do referido posto, (can-
do esla decisao como regra para casos Jen-
ticos.
K 1.' Sec?ao. Circular. lllm. o Exm.
Sr. llavendo por bemS. M. o Imperador,
por sua immoJiala e imperial resoluQflo de
* do correnle, lomada sobre consulta do
concelho supremo militar, manuar declarar
que o padre Francisco l'ereira de Moraes
Jardim, capcllflo do corpo lixo de cacadores
da provincia do Mallo Grosso, que pedir
lho osse abonado o respectivo sold desde
a data do decrelodesua DOmeacflO, so ten)
direito ao dito sold desde o dia nm que en-
trou no exeicicio do referido posto, sendo
deste modo indeferida a sua prctenQflo ; as-
simo communico V. Exc. de ordem do
mesmo augusto Senhor. signiicando-lhe
que esta decisao estabeleco a regra que se
deve observar em casos idnticos; o que
V. Exc. cutnprira.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do ftio-
de-Janeiro, em 22 de novembio de 1849.
Ulanoel Felizardo de Souza e Mello. Sr.
presidente da provincia de Pernambuco.
Cumpra-se. Palacio do governo de Pernam-
buco, 18 de dezembro de 1849.- Carneiro
Ledo. Conforme. O oflicial-maior, Jo-
s Moreira tranddo Castello llranc
Finalmente, o mesmo Exm. Sr. manda
fazer constar que Ihe foi communicado ha-
ver o Exm Sr. presidente approvado a ta-
bella demonstraliva das etapese forragens,
que tem de servir no semestre do primeiro
de Janeiro vindouro a 30 de juntio, que Ihe
foi apresenlada pelo Sr. coronel inspector
da pagadoria militar, e, sendo ella confor-
me a do semestre actual, determina, por-
lanlo, que continu om vigor 11 dita tabella.
os Pedro Heitor, ajudanie de ordens in-
terino.
Quartel-general do commando das armas na
cidade do Recife de Pernambuco, 21 de
dezembro de 1849.
OIIDEM DO DIA.
Ordenando S. M. o Imperador, em aviso
circular de 24 de novembro lindo, que se-
is DI remettidas secretaria da guerra as
iuspec(0es sanitarias dos ofijuiaes da cx-
lincla segunda linha, que vencem sold,
existentes nesla provincia, iei.hu marcado
o dia 20 de Janeiro prximo futuro para a
reuniflo da junta qu deve inspeccionar
os Srs. ofilcaes cima ditos;aos quaes, por-
tento, cumpre que se achem s 9 horas do
dia, j indicado para tal lm, na secretaria
do commando das armas.
Assignado, ios Joaquim Coelho.
Quarlel-general do commando das armas na
cidade do Recife de Pernambuco, 21 de
dezembro de 1849.
ORDEM ADDICIONAI, A DO DIA.
S. Exc. o Sr. marechal do campo gradua-
do, commandante das armas, manda publi-
car, para conhecimento da guarneflo, o
alim de que surta o duvido efleito, que des-
de o primeiro de novembro lindo est no
commando do contingente do oitavo hata-
Ihflo de caladores que existe nesla capital
o Sr. caplflo do mesmo baUlliflo Antonio
LJos de oliveira Fragata.
Joti Pedro Heitor, ajudanie de ordens in-
terino.
EXTEROK
OS DEMCRATAS E A ITALIA.
Dfir-ii, 4 de novembro de 1849.
Oartigo seguidle nos foi remedido por
um homem poltico, cujas corresponden-
cias acerca dos negocios italianos temos ti-
do militas vezes orcasiflo do reproduzir. A
apreeiacflo da actual siUsatfO do Pemonto,
que ho o objecto deslo artigo, atrahr s-m
duvda a altencflo das pessoas que. investi-
gan! qual o papel que a Sardenha lie desti-
nada a representar na reconstitugflo moral
o poltica da pennsula itlica.
Quando nos remontamos s causas das
desgraQBS que pesam hojo sobro a Italia,
somos obrigados a lanQar a responsabilida-
de dellas sobre os horneas de m fequeteem
abusado das novas liberdades conslilucio-
nats para hiimilharcm os diversos gover-
nosda pennsula de.baixo do jugo de urna!
multidflo que obedece faceflo nia/.iniense. j
Urna grande parto desta responsabilidade
recahe tamhem sobre certos homens poli-
ticos, os quaes, bem que honestos, deram, i
logo que subiram ao poder, urna falsa n-,
terpretaQflo aos direitos assiin como s
obrgaQOas que o novo rgimen consllu-;
cional SOabava de crear para elles.
a lima nobre luta de generosidade entre1
todos os soberanos da pennsula tinha im-
pellidoa Italia da inercia para o progresan,
do progresso para a reforma, e desta con-
quista para o rgimen constitucional. pre-
ludio da guerra de independencia. Urna1
coincidencia Miz de sucressos, colloca.ndo
a tiara sobre a caber 1 de Po IX, tornava a
poltica das grandes potencias maissympa-
tliica com o movimento italiano ; a questflo
allemfla ao norte, ea hngara ao sol do im-
perio austraco poa" asseaurar por sua
CODlbinacfto o estabelecmeiito de urna sa-
bia liberdade em to.la a Europa ; mas a vio-1
lOiicia, a inveja, a na fe de que os dem-
cratas usaran para com os governos do
Roma, aples c Toscana, e a duplicidade
que mostraran) em seus discursos e ac'os
iieutralisaran logo esta grande impulsflo ;
elles nflo conseguirm seno semear des-
conriancas e sutTocar as mais bellas espe-
rancas.
Como qur que .1 grande empresa da '
regeneracSo tenha s lo essitn mal suceedi-
da, nflo sflo mais as vfl.is smea^as de urna!
Iota temeraria que puderflo reconduzir a
Italia a esses das favoraveis de que ella nflo
soubeaproveilar-se; um trabalho mais ar-
duo, mais lento, Ihe esta reservado para um
dia poder vir a ser forte e livre ; releva que '
1 n 1 -11 i. em suas popularO.'s por meio da \
educagflo poliliea esse verd.nleiro amor da '
patria quo impe silencio s paixOes bei
xas e aos clculos srdidos, e essa uniflO!
dos espiritos que he smente quem poder
apagar todas as dissemelhaaQSS entre as:
provincias e os estados : lal deve ser a ooe-j
raeflo preliminar da regeneraQflo italiana!
Resta ain la um palt livre na Italia:!
esse paiz be o Pie.nonlc. Seu joven e va-:
loroso soberano, e o< hotnens por elle cha-1
mados para dii'igirem os negocios pblicos
estflo certamente em estado de justificaras
esperances de todo o espirito imparcial e
esclarecido, e de promoverem o pensamen-
lo patritico de elevar sua nacflo a um tflo
alio grao de independencia e de forga, que
nflo Si'ja mais o ludibrio da politica estran-
geira, iiem um objecto de do para seus pro-
pilos Millos.
Piomonte nada tem que temer, nem
dos vermelhos, nem dos communistas : a
grande desmembraQo da piopriedade ter-
ritorial o pe ao abrigo de todo o perigo
desta paite, e elle pode oppr reaceflo ab-
solutista a inmensa maioria de sua popula-
gflo, a qual professaedefende os principios
de urna sabia liberdade debaixo da monar-
chia constitucional. O governo piemontez
acha constantemente apoio e soccorro no
senado do reino, na guarda nacional, no
exercito, e na opiniflo sympatbica das
massas.
Cm pequeo numero de apostlos da
pretendida igualdade fraternal, campeOes
hypocritas dos direitos do povo.tein.he ver-
dade, obldo por um momento as ncjla-
maeoea de alguna mercenarios e de um
certo numero de homens abusados ; mas
esses camlenos democrticos teem perdido
lodo o prestigio no PiemonU, os successos
osteem domascarado.
Democracia.' Foi com este grito repeli-
do por vozes que ignoravam o seu verda-
dero sentido, foi com o som desta palavra,
augmentado desmesuradamente por urna
mprensa desenfreada, que oscoriplieus de
urna politica subversiva, empregando arti-
ficios indignos, teem por duas vezes arran-
cado o poder das mflos mais leaes e mais
habis dos homens conslituconaes. Que
li/.oram elles com esles triumphos ?
As iliscences intestinas de Muflo, as
hesitacOes do Veneza, a desuniflo das poten-
cas italianas, a indisciplina em que procu-
raran! laucar o exercito durante a campa-
nha de 1848 : lodos estes altos leilos fram
completados debaixo da influenciados de-
[mocralas que presidian! nosta poca aos
destinos do Piemonte, e o assm que pre-
pararan! desde o principio, e consumma-
ram depois o sacrificio da independencia no
tempo da retirada do exercilo sardo nos
falaeadias de Mililo.
! Para reparar as dosgracaa deste grande
desasir o rei de Sardenha tornou a chamar
para o lemo do estado os homens que li-
..uiiaui sido dello expulsos em o nome da
democracia. I.ogo as chagas do paz fram
ccatrsadas, o exercito foi reorganisado,
os espiritos os mais desanimados recobra-
rain a esperanca; porm os demcratas tra-
taram a prudencia do novo ministerio de
inercia, seu bom senso poltico de baixeza,
e seu verdadeiro amor da palria de traeflo.
Foi pelo meio desta armaeflo de calumnias
odiosas que conseguirn! oulra vez apnde-
rar-se das pastas. Entflo, sem so embara-
Qirem com a situacBo do exercito e du tiie-
souro, sem calcularen! a superori lade dss
frcas da potencia contra a qual lam em-
prebender una segunda luta, sem tomarein
em oonsideraeRo a Ma de enthusiasmo
das populaces piemontezas pai a esta nova
guerra, s-m allenderem aos conselhos e
censura das potencias vizinhas, os minis-
tros demcratas apressuraram-se cm de-
nunciar o armisticio, em entrar em campa-
nlia, eem monos de tres dias afogaram no
sangue italiano debiixo dos muros de No-
vara a vcllia gloria das armas piemontezas.
300 mlhOes arrancados em poneos dias das
entranbaa do urna populacflo de 4,300,000
almas, a iuvasao do ten torio, a c ssflo
momentnea da fortaleza de Alexandria,
una paz asslgnada debaixo da orJem cx-
pressa de imperiosa necessidade : tal he o
balauco poltico dos ministros demcra-
tas do Pemonto.
0 revez era mui sanguinoso e mu rude,
o nflo podiadoixar dederribi-Ios dopolerr'
elles cihiram pois; mas, como insultadores
obstinados, continuaram a serie de suas ca-
lumnias contra os homens do partido cons-
titucional ; elles aecusaram-os .le terem
feito mallograrem-se os seus projectos. Po-
rm, se estes homens desprovidoa de todos
os meos de aceflo que o poder d, tinham
realmente bastante fdr?a, bstanlo genio e
habilidade para pudciem dirigir, posto qua
simples cidadflos, os destinos do Piemonte,
que fazieis entflo vos, dcmocratas.privan-
do vosso paiz do concurso activo de homens
que podiam ser tflo ules a sua palria as
provas pelas quaes tinha le passar ?
a Demcratas, vsfo-les, por ignorancia,
por amhicSo 011 por o lio de partido, os ni-
cos autores das dores 0 das liumilhacOes dn
Italia ; entretanto Rinda tenais os vossos
meios ordinarios da m ntira e da calumnia
para engaar as populacOes piemonlezes 6
para induzi-las a conli n -vos anda urna vez
o repouso, a boina e a liberdade de vosso
paiz ; mas felizmente o bom senso he a he-
ranca do povo o dos soberanos do Piemonte.
A invasflo estrangers e t escravnlflo,
qual o phanatisinu dos demcratas, som du-
vda noniiuma os liavia deconluzir, sflo ex-
tremidades mui crueis, e elles, portento,
nflo pdem oulra vez correr este risco.
Os gritos de alguinas gazetas da oppo-
sigflo o a exageraQflo dos radicacs da cmara
dus deputados poderiam talvez causar al-
gum cuidado ao governo piemontez, se elle
nflo conhecesso bom quflo superficial he es-
sa efervescencia, e quanto as populages
de todo o reino suspiran pela ordem e tran-
quillidade ; entretanto importa que um tal
estado de cousas cesse quanto antes. Se
at ao presente este ministerio tem emprc-
gado exclusivamente os meios de persuasflo
para chamar os espritus a conciliaco, he
porque numerosos interesses materiaes o
polticos do Piemonte Ibes faziam disso um
dever; ho porque toda a serie dos ensaiqs
deve ser esgolada antes que a nica consi-
deradlo da salvacflo da patria possa conci-
liar os principios constilucionaes jurados
pelo rei e por seus ministros com oempre-
go das medidas as mais enrgicas e as mais
ellicazes
1 Os nielhoramentos que o governo sardo
reconhece indispeusaveis em o rgimen
constitucional quo elle quer consolidar em
seu paiz, resumem-se as leis orgnicas
que devem completar o estatuto. O minis-
terio sardo empreara lodos os seus cuida-
dos para obter em favor de seu paiz esses
nielhoramentos pelo concurs do lodosos
poderes do estado, salvse urna tflo til re-
forma fr contrariada pela opposicflo da c-
mara dos deputados; mas, se esta por urna
opposiQflo tflo insensata, quflo pouco mere-
cida, quizesso por em perigo a ordem, o
paiz o a sociedade, a r.eniium dos homens
que coiistiluem hoje o governo de Turim
faltara a coragem necessaiia para cumprir
o seu dever para com a cora e a nacflo.
a Nflo he nem urna ambiguo mesquinha,
nem urna eonsideracBo de inleresse parti-
cular quo retem o ministerio actual no po-
der; porm urna intima e profunda convic-
eflo. Desejoso de reconciliar comosyste-
ma da mouarchia constitucional lodosos
homens de boa le que actualmente estflo em
desliarnionia com o governo,elle foi induzi-
doa chamar ao poder nin novo ministro em
lugar do Sr. Piuelii. Este ultimo,com a ge-
nerosidade que ho propria aos espiritos ele-
vados, iiio hesitou (liante de um sacrificio,
e cedeu ao seu successor a honra de conti-
nuar urna lula que elle suslentava para a
salvasao do seu paiz, e a qual tem consa-
grado toda a sua vida ; mas seria grande
Uluafio considerar alguem a retirada deste
ministro como urna concessSo feita essa
democra'cia que s procura minar o poder;
nflo so deve ver nella senflo um acto de sa-
bia poltica ; sem que se transija em nada
sbreos principios, os homens leaes e ho-
nestos sflo poslos em eslado de apreciar a
veidadeira siluagflodo Piemonte e da Italia.
Por seu coucurso, o governo piemontez g-
ndara una maiorTica e urna maior liber-
dade de aegao para defender os direitos, os
interesses e a liberdade do reino.
(Constitutiontt.)
MUTILADO


2
>
i
INTERIOR.
AI.AGOAS.
Extracto do expediente do Exm. $r, presiden-
te Dr. Jote fenlo da Cunha e Figueiredo.
28 DE NOVEMBRO.
Oflicio Ao engenheiro inspcclor das
obras publicas, transmittindo-lbe a copia
do ollcio do Kxm. presidente ti provincia
to l'ernanibuco, para que exija do enge-
nheiro civil Pedro Jos de Azevedo Scbram-
liack os instrumentos niathemalicos, nello
declarados, para seren remettidos para a-
11 ':.!.i provincia.
Dito.Ao mesmo engenheiro cima, para
que examine a cochia dos cavallosda com-
panhia da polica, e mande proceder aos
concert* de que ella precisa e requisita no
oflicio que se llie remelle o respectivo pri-
meiro enmmanaante.
MARIO DE PER\AHBL'CO.
BECIFE, 21 DE DEZEMBRO DE 18(9.
Temos a vista peridicos da Parabiba que
atrancam a 15 do corrente.
Em a noite de 9 fugiram da cade a da ca-
piliil, levando enmsigo o respectivo carce-
reiro Antonio Galdino Cavalcanti de Vas-
concellos, os seguinte? presos:
Manocl Jos dos Santos l.eal, indiciado no
crime cos mezes na prssoa do infeliz doutor'fra-
jano Allipio Je llollanda Chacn;
liento Josa Ferreira Ponteiro, pronuncia-
do por ler felo parle das pravas revoltosas
ii.i Ti;.ni que liouvera lugar na cidade a
Arein;
Antonio Jos da Silva, condcinnado por
homicidio.
Por ter deixaJo de cumprir com a devida
pXaclidOo as ordens da presidencia relati-
vas seguranza da cadei, e haver-so por
conseguinte tornado suspeito de conniven-
cia na Tuga dos mencionados presos, fra
suspenso, c i entrar em coucelho de inves-
tigado u major graduado, commandatite
<'ji companhia (xa de linda, Jos Flix lian-
deira.
A polica parahibana esforcava-se por dcs-
cobrir todos os autores e cumplices de se-
melliRiite trama; e havia rases para crer
quo seria liern succedida.
En Piaiic, uin grupo de assassinos des-
carregra varios tiros sobre o Sr. Estanislao,
sobre mulher desle e urna d da, em occa-1
siilo em que essa familia encamiuhava -se
igieja para ouvir missa. O Sr F.slanisla
licra levemente frrido, c livera a desven-
tura de ver sua chara filha varada por urna
bala.
Apeznrda situado dolorosa quetalsce
na oredlizio, podo elle perseguiros assas-
sinos, e conlieceu-os.
lie em verdado rara laslimar a maneira
como os assassinalos se vSo reproduzimlu
na l'.-.raliida. muo grado a promptilo com
que a autoridad" publicase apressa em fa-
zer capluiar e perseguir os individuos que
os coniinilteni : parece que aquella trra
se vai bardal ando, c que nina grande par-
te do seus habitantes, mais confiando no
liacainarte e no puntal do que na cllicacia
ilas leis, trata di; vingar-se porsiinesma
das offensasque recebe, ou suppOeter rece-
ludo de alguem ; parece que os apostlos da
sanguinaria doutnnu, que faz depender lu-
do do direilo do mais foite, hilo careado aln
bastantes sectarios, o Ifio bem dispostos
que no recunm uciii mesmo ante a inno-
cencia de urna virgen) que, em companhia
de seus pais, busca o templo de Dos para
cumprir um dos preceiios da nossa reli-
giilo!.. Entretanto isto he contrislador,
smo diiirivel ; o a no apparecer amis
severa repressno, ai dos Parahibanos paca-
tos c honestos Elles sero victimas do ca-
nibalismo.
Terminramos aqu, se no tvessemos
de rommunicaraos leiiores um grave acon-
teciniei to,r< feriilo Ordem por seu rorres-
iou den te do Itio-Crande do norte.eque.com-
binado com aquello de que nos occuimos
em principio,revela a existencia de'.um pla-
no para arrancar das mflos da juslifa todos
es indiciados no assassinio dodoutorTra-
jano, e dest'arte priva-la de descubrir os
autores e cumplices daquelle crime.
A pin milas diligencias e pesquizas, o dele-
gado de (ioianninha contegura capturar e re-
colhera priso publica daquella villa a Anto-
nio 1 '-i.pl, que se suspeilava ter frito parte da
malta que assassinou o mencionado Dr. ; e,
haveodu reerbido denuncia de que preieu-
diain tira-lo da priso, requisitra pur vi /es
ao coiiiinandante gar, fizesse ffbrear por praras de seu coin-
inaiidii a guarnidlo da casa que all serve
de cadela : estas rcqiiisi(es, porm, forain
deattendidas, e s 3 horas da madrugada
de i do crrenle, l.ui/. de Mello, Arsrnio, Ga-
viao e outi os scrlerados, assaltaram a cadeia;
fuzilarain queima-roupa a senlinella ;apu-
nlialai aiu alguns soldado* que, fatigados por
coDlinU'das vigilias, rrpousavam por um pun-
co ;rspingardearam o sargento Camura e o
cabo IMacicl, que, despertados pelos gritos dos
cantaradas, teularam resistir ;atiraram so-
bre uin pobre hoineiu que, morando em fren-
te da prisao, abrir a janella de sua casa, para
observar o que se passava; e, comnifttidat
tantas atrocidades, arrumbaran! as portas do
<|uario fin r|ne CStavain lleij, Anionio Fian
cisco e uniros, poteram-oa em liberdade, e
condiliiraui os como em triuinpbo para o eu-
genho Limoal !...
Eis mais uin ellrito dessa terrivel doutrina
de que fallamos mais cima. K se nao se casti
gar severamente aquel les queaprgam, ese
nao tirar-se-lhes os rocos de continuaron na
propaganda, onde iremos parar, e qual ser a
nossa sorle? Digam-no todos quantos, pela ex-
(iri inicia do passado, trein aprendido a ler no
futuro.
O correspondente da Ordem accrescenta que
instaurra-se processo sobre esse crime, e dii
que do interrogatorio consta quaes as pessoas
que o premeditaran: e circularan!.
m
Corresponde i :cia.
Senhoret redactte!. No lando eu co-
iibrrimenlo algum da materia de direilo ci-
vil patrio, e muilo principalmente do can-
nico ou ecclesiaslico, e morando nesta fre-
guezia de San-liento de Porto-Calvo, em
distancia de 30 legoas do asiento iU s epis-
copal, e observando a manen a irregular pe-
la qual pt ocede o meu parodio o Rv. Manoel
Mari de MorisAccigly no cuiaprimanto*
COftlMEtttlu,
ALFANDEGA.
Itetidimento do dia 31.....
CONSULADO GEHAL.
Rendimento do dia 21.....
Diversas provincias......
7:235,558
3:691,525
57,921
3.719,446
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do'tlia 21.....3.014,995
Moviiuenio do *orto.
Navio* entrado! no dia 21.
Genova por Gibraltar 45 dias e do ultimo
porto 23, polaca sania Catarina, de 179
ilns seus doveres, tifio s na parte episcopal,
como tambero na temporal, na exigencia
dos benezes ornis emolumentos que po-
sain sobre os sous freguezes tomei a li-
berdade de offerecer estas poucas linhas, a-
(iii de por ellas dar publicidad alguns
actos pralicados pelo dito parocho, e desta
forma ver se apparece alguma providencia
que o faca corrigir, quamo no exp-lo
censura do publico, juiz imparcial que jul-
ga do nosso mrito ou demerito as socie-
dades,e nos faz credoresda estima geral,ou
total desprezo dos homens.
Vejo.Srs. redactores, que.exigindo e rece-
hendo em outro lempo os prarochos desta
freguezia por urna prlica e coslume antigo
a quantia de 320 rs.por cada um baptisado a
titulo de olTerta.hoje seexigeml.OOOrs. pa-
gos adiantados, se ni o que uo se faz o bap-
tizado na igreja aquellos que por sua nimia
pobreza no teem aquella quantia, e que
por isso vem a morrer pago algum prvu-
lo ; sendo em casas particulares sobe a mul-
to maior quantia, j tambem porgenerosi-
dadedos pais ou padrinhos. Via e obser-
vava que nenhutn casamento se celebrava
na igreja,sem quenQo se exigissem 2,000 rs
e mais 400 rs. para o sacristo, e juntamen-
te 320 rs. para o vigario de recaber os ba-
ndos, oquetudo antesera urna gallinha,
ou 640 rs. para o vigario, e 80 rs. para o
sacristo; e agora no tem preco corto, sim
pelo que se pn le ajustar por 10, 16e 20,000
rs.; ose fr fra da igreja monta a muilo
mais, principalmente se a dispensa de pro-
clamos ou proclamas; e.sea nubentuhe rap-
tad, se exigem do mais a mais 6/ rs. a ti-
tulo de multa; e,se o casamento deponde de
alguma justiflcacfia de ululo, casa-os peren-
bendo as costas da mesma justiliraciio sem
a proceder regularmente por escripto, e
com julgamento, na confurmidade da le. O
que me ilizem,sendo o casamento de paren-
lesco que percize despenca ? Leva pela in-
formadlo 16 e 20,000 rs.
Vejo e observo que. devendo residir nclle
o espirito de caridade evanglica, pelo con-
trario constantemente se nega, exigindo
os direitos parochiacs das almas indigentes,
recusando o direilo de sepultura a pobres
desvalidos ; exige nos enterramentos a fa-
brica da matiiz, metiendo em si toda a im-
positicia del la sem que empreguc a
mesma fabrica as obras e reparos da mes-
ma matriz, accrescendo mais ter 100 rs. de
orago o 20 rs. do Santissimo, inclusive na
desobriga, constituido pelos nutros paro-
dio etn falta de irmandade; isto mesmo
nega-so a entregar nova irmandade agora
erecta, que tem reedificado a igreja, sem
que elle tenba a nada concorrido.
Arrecada constantemente a quantia de
10,000 rs. a titulo de um officio chamado
parochial, como por ohrigaco, basta que o
defunto deixe quanto chegue, e este mesmo
ollirio julgo nflo se celebra: verdade ho que
vale-so da ignorancia dos miseraveis fre-
guezes, quo por laes ha minio sao victimas,
e agora mais exaltados por ser elle parodio
bacbarel, que com qualquer amcaco lodos
se ri'ii lein; e lauto prova que ha pnucos dias
fez um casamento a peso de dinheiro: rap-
tada a mora de noite, n'oulro dia casou-
os; e como o miseravel pai levasso a mal
rom justa raus, ellcvigano no terceiro
na foi pessoalmente distante duas legoas
cSB do dito pai, e lauto fez, que o deixou
BltiafeitO ; ficando por isso desgranada urna
mulher leu la pelo raplorja com filhos, sem
impedimento para rasarem.
Deixa fin Imente de celebrar na matriz,
um setn numero de domingos e dias santos,
missa conventual pro populo, sahindo a di-
zc-la fra onde llie olferecem dinheiro, e
mesmo na malriz celebra em horas incer-
tas, de maneira quo muitos ja deixa,n de ir.
e outros constantemente perdem-na,por ser
as 7, as 8, as 9 e as vetes as 10 horas ; mas
chega a ponto de celebrar as duas e as tres
horas da tarde quando ha festa a 16 a 20,000
rs., e mais. Sendo elle um sacerdote, a quem
he privado advogar no crime e mesmo no
civel se o iirrnr,!, apuzar de ser hachare!
em sifiinas jurdicas e sociaes, tifio du-
vida em comparecer perante qualquer au-
londade criminal a fazer accusaqes aos
reos de rrimes na formarlo da culpa, tor-
nando-se por isso carrasco, em vez de de-
fensor da humanidade. Finalmente se tor-
na dispensador dos direitos nacinaos da
fazenda publica; porque.concedendo licen-
cas de casamenios e baptizados fra da ma-
triz em diflereules lugares e capellas de sua
freguezia a diversos sacerdotes della, iio
paga o sello, assim como dispensa de pro-
clamas, e despensa de parentesco, etc., etc.
Por ludo isto que observo tiesta mall'ada-
da freguezia, e mais elle parodio ter lira-
do urna moca donzella da companhia de
sua mi de noite, e no outro dia a miii a ir
buscar e leval-a quasi por frca, quorendo-
a casar, elle negou-se a informar pelo pa-
rentesco de alinidade, oppondo-se ao casa-
mento. E desta forma esta em tal augmen-
to pelo que percebe om direitos parociiiaes,
e mais extremoso nadevogacia, sssisliudo
a processos de acrusacoes a 50, a 100 ea
250,000 rs., que faz admirar, o mrmente
sabcudo-sc o quu possuia quando para aqu
veio, e cliegara a uiaior apuro tanta gran-
deza havendo COntlnoacBo, principalmente
so subir o partido que elle perteuce,
que d motivo a prisoes, perseguices, e ac-
cusacOes romespecialidade a Porluguezes.
Valha-nosa boa ordem e urna nio baulei-
lora que reprima Untos males!!!
Srs. redactores,queiram lera tiundadedo
inserir estas poucas linhas, que Ihe ser as-
sus grato o muilo seu respeilador
O Ignorante
Xiiestfl 48 dias, brigu sueco Brilhant, i As assignaturas serfio pagas adiantadas,
de Utoneladas, capit3o> John P. Wiks-|exhibindo recibo a direccSo.
trom, equipagem 10, carga familia ; a N.
O. liiebr iv Companhia.
Camaragibe 5 dias, biata brasileiro No-
n,-Destino, capilo Estev3o Ribeiro, o-
quipagem 4, carga assu car ; a Jos Ha-
noel Marlins.
Navios tahidoi n mesmo dia.
Rio-Grande do sul Briguo brasileiro In-
ca, capitn Malinas Ferreira Braga, carga
assucaresal.
dem pelo Ass Rrigue brasileiro Leo,
capito Joaquim Concal res Rodrigues,
em lastro. Passageiro, Joit Manuel Fer-
nandes, Brasileiro.
Dinamarca Briguo inglez lavonia, capi-
lo A. N. Campbell, em lastro.
I
O theatro estar decentemente ornado'
Principiar o divertimenlo as 8 e meia
horas da noite, com a chegada das autori-
dades.
Publica ao lerarii.
A GKIXALDA.
Peridico dedicado as
damas.
O primeiro numero desle interess.nte pe- "*ZTs Sle^o dPrl!;1.COvis iodico satura i luz a manha, domingo, 23 '",r,J" ,e 80 A''-.-Boa-Vila. n. ^
~, Sr* i0."0."" do Santos Azevedo sn
gro do Sr. Viegas, queira mandar pac,;,-'.
rs. que deve ha mais de dous annos na o.
na dos Coelhos: se n3o o fizer, chamar i.
ha a juizo.
Sorvete.
Na Capunga, casa n. 53, do lado direilo
quem entra pola ponte, acha-so este esu'
belecimento com o maior asseio possiveU
bastantes commodidades al para familias
esUr aberto todas as vesporas de dias san'
los e nestes, das 6 ho'as da tarde em diante
Quem precisar de um homem para ad
ministrador de engenho, o qual lem eo-
EDITAES.
Pela admisnitracao da mesa do consulado
se l'a saber que, a 22 do corrente, a I hora da
tarde, e porta da mesma, te ha de arrematar
um barril com carne de porco salgada, pesan-
do 200 libras, no valor de 200 rs. a libra, ap-
prchendido pelo guarda Geininiaano de Ase-
vedo Mello, por ir sahindo para fra da barra
em una lancha sem despacho; cuja arremata-
cao he llvrc de direitos.
Mesa do consulado de Pernainbuco, 21 de
ilc/eiiibrn de 1849.O administrador, Joo Xa-
vier Carneiro da Cunha.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que no dia 22 do corrente, depois do
mcio-dia.e na porta da menina se liao de arre-
matar em hasta publica 3 duiias de cortes- de
botins para senhoras com todos os seus avia-
mentos, uina dtiia 14,000 rs total 42,000 rs.,
impugnadas pelo amanuense Goncalo Jos da
Costa e s.i, no despacho por factura idb n.
lei-'i de 19 ilo corrente. sendo dita arrematadlo
subjeita ao pagamento dos direito.
Alfandega de Pemambuco, 20 de dezem-
bro de 1849. O inspector, Luiz Antonio de
Sampaio f'ianna.
Ileclaraces.
Pela segunda seceo da mesa do con-
sulado provincial desta cidade se avisa aos
Srs. proprietarios de predios urbanos, sub-
jeitos ao pagamento da decima, que do 1.'
do andante mez se principian! acontar os
30 dias para o pagamento de semelhante
imposto co primen o semestre do anuo de
1819 a 1850, e que, lindo esse prazo, incor-
rem os que nilo pagarem na multa de 3 por
cont sobre seus respectivos dbitos; e
bem assim que do 1." de Janeiro prximo
futuro, principia a cobranza do impesto de
12,800 sobre di versos 'estabelecimentos que
possuem mais de 2:000,000 rs. segundo
dispOe o regulamento da presidencia da
provincia, de 12 de novembro do corrente
auno, dado a semelhante respeito.
Oabaixo assignado, cnsul de S. H'
BHlannica nesta provincia, requisita o
apoulainento do todos os subditos britan-
nicos qualificados pelo acto do parlamen-
to 6. Geo. 4 cap 87 como volantes, no con-
sulado britannico no dia sabbado, 29 do
corrente, ao rueio dia.
Consulado britannico, 21 dedezembrode
1849. A. Auguttus Cutoper, cnsul.
A administrarlo do crrelo precisa eu -
gajar 4 liomeiis bous raminliriros, para lu-
yeren! viagem para diffeieules parles: quem
estiver nestas circiirnslancias, queira com-
parecer na mesma administrado.
rio
do corrente, contendo Introducc-loo co-
moco de um romance a Freir,Revista
do Recife,e Poesas.
Espera-sc a coadjuvaco do sexo amavel
para esta publicaco, em que assuas virtu-
des e bellas qualidades sao o principal ob-
jecto.
Estar venda na livraria do Collegio,
numero 9.
PRESEPE
no theatro de S.-Francisco.
QUINTA-FEIRA, 27 DE DEZEMBRO DE 1849.
PKIMEIRi REPRKSKfmC.lO.
Grande e variado divertimenlo pastoril.
Depois do execulada pela orchestra urna
das unidores symphonias, representar-se-
da o mu i insigne drama sacro em 5 actos
O NASCI.MKMTf) DO MESSIAS,
para o qual o Sr. Andr Alves da Fonceca
se acha pilando urna vista toda nova, que
representa a sala de audiencia de Lucifer.
Todo o drama ser preenchido com arias,
coros, e dancas.
Os actores scro 24 meninos, e 12 meni-
nas pertencentes a familias honestas que,
inteiradas da vigilancia r cuidado que pre-
siden! aos ensaio, nao duvidaram confa-
los ao director.
Terminar o espectculo com urna con-
tradanza campestre.
Os Srs. assignantes e mais pessoas, que
prelenderem bilbales de camarote e platea,
pdom mandar receber os carines na casa
anticxa ao theatro, residencia do director,
onde se elles acham venda pelos precosse-
guinles:
Primeira ordem.
Camarotes de lado 5,000 rs.
Para assignantes de 12 recitas, cada urna
3,333 rs., 40,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 3,500 rs.,
21.000 rs.
Hito de frente da mesma ordem 7,000 rs.,
Para asignantes de 12 recitas, cada urna
5,000 retei 60,ooors.
Dito para 6 recitas, caja urna 5,333 ris,
32,000 rs.
Segunda ordem.
Camarote de lado 6,000.
Para assignantes de 12 recitas, cada urna
4,166 ris, 50,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 4,500 ris,
27,000.
Dito de frente da mesma ordem 11,000 rs.
Dito para 12 recitas, cada urna 7.5 90,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 8,000 ris,
48,000 rs.
Tercelra ordem.
Camarote de lado 4,000 rs.
Pura assignantes de 12 recitas, cada urna
2,166 ris, 26,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 2,500 ris,
15,000 rs.
Dito de frente da mesma ordem 5,000 rs.
Dito para 12 recitas, cada urna 3,333 ris,
40,000 rs.
Dito para 6 recitas, cada urna 3,500 ris,
21,000rs.
Avisos martimos.
Para Lisboa
she impreterivelmento no dia 29 do cor-
rente o brigoe portuguez Velo:, capitn An-
tonio Pedro de Figueiredo: para o resto
da carga ou passageiros, trata-se com os
seus consignatarios, Oliven a IrmSos k Com-
panhia, ra da Cruz, n. 9, ou com o sobre
dito capilo, na pracr do Commercio.
Para o Rio-de-Janeiro segu, nesles
seis dias, por estar com o seu carregamen-
to engajado, o brigue nacional osepkina :
anda recebe alguma carga miuda, escra-
vos e i -sageiros : trata-se com o consigna-
tirio, i-omingos Rodrigues de Andrade, na
ra dos Tanoeiros, armazem n. 5, ou com
o capilo na praca.
Para Lisboa sahe com a maior brevida-
de possivel a escuna portuguez Ualheiro-
Prlmeiro, capilo Joflo Ribeiro Falla : para
carga trata-se com seus consignatarios, Oli-
veira Irmos & Companhia, ou com o re-
ferido capito, na praca do Comnsercio.
Para o Rio-de-Janeiro vai sahir com
milita brovidade, por ler a maior parte do
carregamento prompta, a polaca Sociedade-
Fcli: : quem na mesma quizer carregar,
dirija-se aos seus consignatarios, Olivcira
Irmos & Companhia.
Para o Rio-de-Janeiro segu viagem
com limito brevidade o patacho S-Joo-
Vencedor: anda recebe carga e escravos a
frele, para o quo tratase com Francisco Al-
ves da Cunha, na ra do Vigario, n. II.
Para a Baha segu, com a maior bre-
vidade possivel, o hiate Ligeiro, forrado e
pregado de cobre : para carga e passagei-
ros Irata-se na ra do Vigario, n. 5.
Para o Aracaty sahe impreterivelmen-
te no dia 10 de Janeiro a sumaca nacio-
nal Cu-Iota, mestrejps Gongalves Simas,
por seachar com a maior parle da car-
ga prompla : para o restante e passageiros,
trata-se com o mestre, ou com Luiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, n. 33-
Para Lisboa sahe impreterivelmenle
por lodo o corrente mez o brigue portu-
guez S.-Domingos, capito Manuel Concal-
vrsVianna : para o resto da carga e passa-
geiros. trata-se com o consignatario, Joa-
quim Ferreira MendesGuimares, na ra da
Cruz, n. 49, primeiro andar, ou com o refe-
rido capito, na praqa do Commercio.
Para o lAio-de-Janeiro sahe
por estes dias, por ter a maior
parte do seu carregamento promp-
ta, o bem condecido e veleiro bri-
gue nacional Bom-Jesus : para
carga e passageiros trata-se com o
capito no caes da Alfandega, ou
na ra da Madre-de-Deos, n. 3,
terceiro andar.
Para a Babia sahe, em poucos dias,
sumaca Flor-do-Xngelim, mestre Bernardo
deSouza, por ter a maior parte da carga
prompta : para o restante e passageiros
trta-se com o mesmo mestre ou com Luiz
Jos de S Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
' Para as ilhas de S.-Aiiguel,
Terceira e Fayal sabir brevemen-
te a e.cnna-portugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, espi-
tao Antonio Jos de Mcdeiros; pa-
ra carga e passageiros, trata-se
deronte do trapiche novo, n. 6,
com Tbomaz de Paria.
Para o llio-de-Janeiro
O brigue S Uanoel-Augusto seguo viagem
no dia terca-feira, 25 de dezemhro : quem
no mesmo quizer embarcar escravos pode
levar os conhecimentos a casa de Manoel
Ignacio deOliveira, na piara do Commer-
cio, ii. 6, primeiro andar.
A barca portugurza i7or/?nea sahe car-
legada do Mosqueiro, e de volta larga para
LisbOa no dia 29 do corrente, o que se com-
munica as pessoas que na mesma prelen-
derem ir de passagem.
venda.

BOWMAN & MC. CALI.UiM, engenhel-
ros machinista.se fundidores de ferro, mu-
respeitosamente annunciam aos Senhores
proprietarios deengenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peilavel publico, que o seu estabelecimento
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em efTectivo exercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeita confecco
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
desejam mais particularmente chamar i
attenco publica para a sseguintes, por
terem dolas grande sortimenloj prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir com as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
lidade das materias primas e mo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstrucc.;
Moendas de caima para engenhos de t'
dos os tamauhos, movidas a vapor por ago'
ouanimaes. '
Rodas d'agoa, moinhos de vento e ser
rias.
Manejos independentes para cavallos.
Rodas dentadas.
AguilhOes, bronzesechumaceiras.
CavilhOes e parafusos de todos os tama-
nbos
Taixas, pares, crivos e boceas de forna-
iha.
Moinhns de mandioca, movidos a mo ou
por Hiiiinaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogo e frnos de farinha.
Canos de ferro, lorneiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mo, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos e macaco.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portes.
Prensas do copiar cartas e de sellar.
Camas, carros de mo e arados de ferros,
&c, &c.
Alm da superioriade das suas obras, j
geralmenle reconhecida, Bowman & Me.
Callum garantem a mais exacta conformi-
dade com os moldes e dezenhos remettidos
pelos Senhores que se dignarem de fazer-
Ides encommendas, aproveitando a occasiSo
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos o freguezes a preferencia com que teem
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que nao pouparo esforcos e diligencias
para continuaren) a merecer a sua confi-
anza.
0 O
0 Alugam-se evendem-se as verda- )
;vj deiras hixas de llamburgo i na praca q
q da Independencia, n. 10, ao voltar n
q para a ra das Cruzes. ~\
o o
1 Precisa -se alugar urna ama forra ou
captiva, que saiba engommar e cozmhar
para urna s pessoa : na ra larga do Hoza-
rlo, no primeiro andar do sobrado, passan-
do a botica do Sr. Paranhos, indo para a
ra das Trinrheiras.
wf 2 o 6
- "2
I
= 5 2-0 5
"" m C tfl y s
c
2 S:
3
O O 3-
- -r.
_ O
OD
~ t a.
> S..5 = o-;
OJ
Leilo.
Os tullirles de platea para 12 recitas9,000
Ditos para 6 recitas 5,000 rs.
Camarotinho de bocea para 12 recitas,
toneladas, capilo Manoel Masoni, equi-1 cada una 2,000 ris, 24,000 rs.
pagem 12, cargas papel.drogas e mais ge-1 Dito para S recilas, cada urna 2,500 ris, preco commodo": lia rua^do'Range.n. 57,
eros Jos Saponti. 115,000 rs. j sobrado.
N- O. Bieber & Companhia farBo leilo,
por intervenco do corretor Oliveira, por
conla e risco de quem pertencer e em pre-
senta do Sr. cnsul de llamburgo, de 200
bariis de aicalio em lotes vontade dos
compradores, desembarcados da barca ham-
burgueza Syria. prximamente arribada a
este porto em seguimento da sua viagem
para Calcuta : sabbado, 22 do corrente, s
ll horas da manha em ponto, no arma-
zem de Motta, no porto das canoas anligo.
Avisos diversos.
Antonio Corris Maya retira-se para a
corte do Rio-de-Janeiro.
Quem precisar de um sacerdote para
celebrar missas nos dias santos de festa, di-
rija-se a loja tle JosMorcira Lopes & Com-
panhia, na ra do Queimado, n. 29.
Agencia de passaportes.
Tiram-se passaportes para dentro e fra
do impeli, e tambem para escravos, por
- ~ r s
*S-4
z
4)
CJ= 3
: .= 5 cr
i. o a ,..-
o-ooo
= e
V V
3 A
oo Z
o i t a
'^ o
. C-l
"
o .
. 6 9 =
5 =
= S-5
= a.
. o -^ 3 O V!
*|S?
'er
en s
2 = 60 O -
CS o- io m C u
.ig:jl,"
2> ..:= -'-*u>
E 8(3 B 5
-^J .30W"S3
** "So ag e
5 S
= 23. f <- f
u o- I ^ .t-^
o
o
a c
Q.-3 b o-
o o
ii
a. o C
Sociedad ella r ilion ico-
Theatral.
O primeiro secretario avisa aos socios
que os bilhetes para a recita extraordinaria
de 22 de dezemhro do corrente anuo se dis-
tribuem no salodo theatro, nos dias 20 e
21, das 3 horas da tarde em diante, e no dia
22atao meio-dia, em o qual se achara
reunida a direcco para aurovaco de con-
vidados. A direcco previne mui positiva-
mente que, excedendo o numero do pessoas
sos dos bilhetes, ser-lhe-ha prohibido o
ingresso : outro sim, se edverte que as se-
nhoras devero ser portadoras de seus bi-
lhetes, aflm de obstar duvidas, e o ingres-
so para as galeras, em as imites de espec-
tculo ser das 7 horas e meia em diante,
achando-so aberto o salo desde as 6 horas.
Para clareza faz-sescienle o artigo 21 do
regulamento da sociedade, a sabor :
as galeras s tero entrada, viudo
com bilhetes, as senhoras e os socios cs-"i
dos ( ou solteirosque sejam, ou represen-*
tem os chefes de familia ) que as acomV^
nhem, o sem bilhetes os membros do con-
celhoe da direcco, e os empregados as
inesinas. Todava nos entre actos, e so-
mente pelo lempo quo durarem, sera per-
mittida a,entrada aos convidado* que oolla
tenliaiu familia.


A violeta n. 0
acha-se hoje a venda ao meio-dia na loja do
largo do Colegio, n. 6.
Gratificado Pechincha !
Do dia 16 para 17 do corante
desapparecen um escravo, de no-
me Simio, chegado ha dous para
tres mezes lo Aracaly, oqual tem
oa signaes seguintes : cor acabo-
ciada, porm tem cabellos carpi-
nhados, um tanto baixo, meio son-
so e falla um tanto fina ; levou
vestido camisa fina de madapolo,
calcas debrim de quadros j des-
botado e chapeo de palha j ve-
Iho nacabeco ; foi visto no dia 17
na estrada de Santo-Amaro, tai-
vez para seguir para Pedras-de-
Fogo : roga-se polica e aos ca-
pitaes de campo, ou a qualquer
pessoa que o capturem, que se pa-
ff^rao todas as despezas e se gra-
tificar, entregando-o na loja da
rua do Queimado, n. '46 a Aze-
vedo &c Trmao. O escravo ecima
ha l(id 1 a certeza de que anda
nesta praca. Quem o pegir tem
direito a 10,000 rs. que rece-
lar na occaslao da entrega.
Charles Chapront, relojoeiro francez,
rua Nova, n. 32, concerta relogios de todas
as qualidades com muito cuidado e muita
perleicfto, assimeomo vende relogios pa-
tentes, muito superiores.
Modas trancozas.
Madama Theard, cum loja de modas, rua
Nova. n. 32, recebeu um sortimento muito
rico de chapeos de scda.de escomilha, de
dina, de lil < de palha, todos de muito bom
gosto ; chapeos de nalha para meninos e
meninas, de moda muito nova ; mantele-
tes; capolinhos ; visitas muito ricas ; tran-
cas de mullas qualidades ; bicos de linhos ;
chitas muito ricas e dos ltimos padrOes;
capellas de llores para bailes e casamentos ;
lloros muito finas ;6 mullos outrosenfeites
pura senlioras. Mamada Theard faz sempre
enfeiles coni multo gosto, e na ultima moda
vestidos para bailes e casamentos ; ch-
leos; bonetes di' montara ; roupOes; palito
de meninos ; vestuarios de meninos, e lo-
dosos enfeites para senhora.
Domingo
e todos os mais das santos de Testa haver
bom soverle das mais saborusas frutas, por
preco commodo, ilas duas horas da larde
em diante, na povoaclo do Monteiro.
Quem se julgar credor da casa de Jo-
nes l'aton & Companhia, queira apresentar
as contas at o lim do mez para ser pago.
Na rua do Sol, n. 9, se dir quem d
dinheiro a premio sobre penhores de ouro
ou prala. Na mesm 1 casa vendein-se pegas
ilu tremida, li>llms e guardanapos: ludo
f.bricado cm Cuimares : Urubeni se ven-
dem capachos glandes e pequeos, redi.n
dos e compr idos, por prego commodo.
Aluga-so a casa terrea da rua Augusta,
n. 30, com commodos para urna familia : a
tratar na mi larga do lio/ario, n. 18.
-- Precisa-se alugar um preto para car-
regar um pauicumde pfloe fazer o servido
do casa : na rua do Pires, n. 14
U Sr. Jos de I'r citas Bar-
boza tenha a bondade de appare-
cer na casa de Novaes & Compa-
nliia negocio de seu interesse.
OSr. Manuel Alexandre Gomes de Mel-
lo tem urna carta na casa de Novaes & com-
panliia.
Joo Francisco de Araujo Lima va i aos
I "i tus ile -ni.
j? Gravuras e impressoes de
* todas as qualidades.
r Mr. I.ion tem a honra de prevenir
^ ao respeilavel publico que mudou
j^j sua residencia para o caes do llamos, 2
;*. 11. 2, primen o un lar. K'
k> fi A A & .5, fe 4 A ft "" *: .t & "1 i 5i i o
Na ni do Sebo, u 10, aluga-se uiu mo-
lequc bun comprador, cozinba snll'i ivel, 1 e
fiel e nfio tem vicios. Kaz-se negocio com
urna hypotheca na casa da rua da (.loria,
D. 77, pela quantia de 600,000 rs. Veude-se
una boa carrosa para bui.
Precisa-sede um carpina que enten-
d de fazur trapiches, para seencarregar de
urna obra por empreitadu, dando Dador ao
dinheiro que receber adiuutado : na rua do
Itangel, n. 9.
Jos Florencio Concalves, subdito por-
luguez, rctira-se para Lisboa.
Sorveie.
No principio da rua da Aurora, ao p da
punir, iioarmazem da porla larga, se acha
I rompi e com asseio para tudas as pes-
soas que quizereui lomar sorvete, pois nOo
s acharSo bom sorvete, como bom licor
niarrasquino e superiores charutos, pois
silo cousss muito proprias para depois do
sorveie; tolos os das, das seis horas e meia
ua tarde em diante.
Precisa-se de urna rapariga solteira
que se queira subjeitar a servir a urnas se-
ihoras honestas, ou mesniu alguma mulher
j idusa e de boa conducta, dando-se o sus-
tento, vestuario e pagano-stf-lhe alguma
cousa couiorme o ajuste : muito se estima-
r se a rapariga aolleira fr orphOa : na rua
Helia, sobrado da esquina, no segundo
andar.
Precisa-se alugar um primeiro andar
de sobrado com quintal e cacimba, e que so-
ja pertu da mar, e com com modos para
grande familia, ou mesmo urna casa terrea
com as mesillas com mullid des, mas que
nao esteja desconcertada para o que se da-
r liador a conteni : quem tiver annuri-
cie.
Il-se dinheiro a premio sobre penho-
res de ouro, piala e hypotheca em casas
terreas, ou mesmo em algum sitio : na rua
eslreiu uo Hozano, 11. 30, segundo andar,
se dir quem d.
~ Thereza Concalves de Jess Azcvedo
embarca para o Rio-de-Janeiro os seus es-
cravos Domingos e Flix, de nacflo Angola.
~ Aluga-se o segundo aodar do sobra-
do n. 120da rua Direita : a tratar no pri-
meiro andar do mesmo sobrado.
Fugio, no dia 16 do crten-
te, pelas quatro horas da tarde,
um preto da Costa, chegado lti-
mamente da Baha, que mal sabe
dizer quem he seu senhor, e tem
os signaes seguintes : um grande
golpe por cima de urna Tontee um
pedacode urna orelha de menos ;
levou camisa de algodo branco
trancado e calcas de algodo ris-
cado americano : a pessoa que o
pegar 011 delle der noticia, dirja-
se praca da Independencia, n.
68, que ahi se dir quem he seu se-
nhor, e ser bem recompensado.
O Dr. I.ourenco Trigo de Lourearo abri-
r na casa da sua residenesa, no bairro da
Boa-Vista rua da Saudade, defronte do Hos-
picio, m curso de pratica do processo, logo
Que lenham coocorrido dar-lhe os seus
nomes pelo menos dez alumnos. Dar tres
lices por semana, sendo cinco mil ris a
gratificado mensa! de cada alumno.
-- A' casa da residencia do Dr. I.ourengo
Trigo de Loureiro, no bairro da HOa-Vista,
rua da Saudade, defronlo do Hospicio, p-
ili'in dirij.ii -so por carta, ou pessoalmentc,
aleo lim do uiezde feverciro prximo fu-
turo, todas as 1 essoas, que quizerem ser
assignanles do novo compendio de pralicu
do processo adoptado pela rohgregacflo dos
lentes do curso de sciencias sociaes e ju-
rdicas de (Muida para a segunda aula do
auinto anno, sendo cinco muris o preco
a assignatura de cada exemplar; e em to-
do o tempo as que o quizerem ser do inle-
ressanlissimo ndice chrouologico da le-
glslac.lo lirasileira que ha de conler em
oito volumes infolio, ou pouco mais, toda
a legislado brasileira vigente desde 18-22
al 1848, a qual, com a que est revoga la e
a quo tem cabido em desuso, compe as
coliecces adunes vinte o tintos grossos
volumes, e cusa para mais de 150,000 rs
entretanto quo o preco da assignatura do
referido ndice be a pequea quanlia de
34,000 rs. paga ao receber o 1." o 2." volu-
mes, de quo j existem varios exemplares
em poder do annunciantee brevemente sa-
hir a luz o terceiro volume. Na loja de
livros do Sr. reverendo padre Ignacio Fran-
cisco dos Santos na rua da Cruz do Reci-
te, e na do Sr. Manoel Figueiroa do Paria
na praca da Independencia, pode tambem
assignaro seu nome quera quizer ser as-
signante de qualqutU* das refer la- ulnas.
Os Srs. assignanles queja" recebera m o pri-
meiro volume do ndice chronologico, dig-
uem-se mandar buscar o segundo casa do
annuncianle.
N. B No salSo'do thestro s terio in-
gresso os convidados que lenham o com-
petente h i I hete de plala.
Precisa-se de urna ama para casa de
um liouu'iii solteiro: na rua da S.-Cruz,
n. 66.
- Precisa-se de um bom forneiro: no
Aterro-da-Bua-Vista, n. 80.
Precisa-se de urna
ele le te :
paga-se bem : na rua larga do Rozario, n.
39, defronle da igreja, segundo ou terceiro
andar.
{Roga-se ao Sr. P. J. F.. V. I., que
a bondade de mandar remir a sua
que tem em urna venda em Ulinda.
Precisa-se de um feilor porluguez que
entend de plantarles de arvorodos de fruc-
to, de flores e verduras,para tomar conta de
um pequeo sitio : no Alerro-da-Boa-Vis-
ta, 11 26, segundo andar.
Benjamn Jones, subdito inglez, reti-
ra-se para fra da provincia.
0 Sr. Jo.lo Cypnanno Itangel queira
tar a bondade de apparocer na rua da Ca-
deiadeS.-Antonio, p:ra decidir sobre cer-
ta conta que S. Me receben.
O O Dr. Alexandrde Souza >
O Pereira doCarrno, medico, mudou- O
Q se para a rua Nova, sobrado de um V
s andar n. 56, onde roorou o gene- <3
<5 ral Seara. O
Na rua do Queimado, n. 14, segundo
andar, se dir quem d dinheiro a premio.
Aluga-se, a quem quizer passar a fes-
ti, urna casa na malta da Torre, pelo bara-
to preco de 25,000 rs.; a tratar na rua da
Aurora, n. 48.
o <&
0 Qualquer pessoa que tiver boa let- 0
q Ira, e escreva cerlo, querendo se en- j
t\ carregar do urna pequea escriptu- *
5f rabilo,appare^a na rua da Cruz.na bo- ,;1
** tica de l.uiz Pedro das Neves, para J
O ajustar-se. Adverte-se que a hora O
& ser marcada vontade do escriptu- Q
f> rano. 6>
com toque de avaria de chuva, a 4,600 rs. ,
ea 120 rs. o covado ; historia de Gil Rraz
em bom uso, por 5,000rs.; historii da
America Ingleza em portuguez, por 5,000
rs.; Salustio em portugus o lalim por
5,000 rs. ; Diccionario de Moraes da quarta
edico, quasi novo e limpo, por -2.1,000 rs. ;
Guarda-Litros moderno, cm bom uso ; um
fole de folear formigas, por 5,000 rs. : no
pateo do Carmo, 11. 18, primeiro andar do
finado Joilo Peixe.
A sirope do bosque.
A Introduce ao do .Tarop dn bosque em o Braail
foi animada por suecesso em igual nos Ksla-
do>-llnidos, onde depoia do sete anuos de ex-
periencia e uso foi elev-do a ta alio mrito,
que s veiea a< exigencias eteedlam muito
i|iiai,liil.1.Ir que se podia manufacturar.
No principio de sua introducciio aqu nao se
p/'de logo asseverar o seu mrito neste clima ;
lj as iminensas provas que os agentes rece-
bein diariamente das curas innravilhosas que
elle proiltiz os habilita a certificar que oxaro-
v dn botqni he una cura certa para n phthisica
em todos os seus ditlercntes graos, qut'r moii-
vada por constipates, tosse, cuqueluche,
pleuriz, astlima, broncliites, palpitado no co-
rajao, dOrde costado e pello, escarros de san-
gue, dr na garganta c todas as molestias dos
orgos pulmonares.
Depois de tantas provas do seu incrccimeiito,
como outrosim depois de se testeinunhar um
firme augmento da venda desle remedio, como
OQ&6Qft'&OQQClQOQeG'3 igualmente a accumulao de tantos factos que
~^t cninprovaiu o seu bom suecesso durante a ex
Compras.
ama
tenha
lellra
fe
m
i
fe
fe
H
DEPOSITO GEHAL
do superior rap areia-prtta 9
da fabrica de Gantois Pai- }
IhetSc Compartida, na Ba- #
hia. (4
Domingos AlyesMathcus, agente da i
fabrica de rap superior arcia prcla ?
e meio grosso da Bahia, tem aberto o -
seu deposito na rua Cruz, no Itecife $9
11. 52, primeiro andar, onde se achara ft#
sempre desle encllente o mais acre- ditado rap que at o presente se tem $
fabricado no Brasil: veude-se em bo- ?4
tesdeumae meia libra, por prego '4
mais commodo do que em outra qual- |
quer parte. :$
Compram-so efectivamente diarios'
a 3,200 rs. a arroba : na rua larga do Roza-
lio, n. 15.
Compra-se urr.a bomba para cacimba
na tua Direita, n. 17.
Compra-se urna parda, ou erioula.
moga, que cosa bem, engommo e cozinhe :
defronte da riheira do peixe, n. 3._______
Vendas.
Arrcada-se um sitio na estrada do lie
lm, com casa de vivenda, bastante trra
para plantado de mandioca, 011 pasto para
oito vaccas, boas bailas para plantaces de
c.Tpim o hortalice, com 500 ps do laran-
geiras, 15 ditos de mangueirss, 7 ditos de
pilombeiras, I dilo desapoty, 1 dito de p-
nheira; 30 e tantos ps de coqueiros, 100
ditos ditos de cajueiros : a tratar no mes-
mo sitio, que extrema com o do Sur. Dr.
Pe tosa.
Ama de le le.
Na praia do Caldeireiro, n 8, precisa-se
de urna ama Turra ou captiva, que tenha
leite com abundancia.
--Simn lleiman, Francez, retira-se para
as provincias do sul.
Aluga-se urna casa no Cachang para
se passar a festa, com estribara e coebeira,
por preco commodo : na rua Nova, n. 63
i'rccisa-se urna ama de lei
te forra ou captiva, sem cria; na
rua do Padre-Florianno, por ci-
ma da venda, u. 72.
-- Precisa-sede urna ama secca que sei-
ba engommar : na Boa-Vista, rua da Santa-
Cruz, n. 38.
--Jacob Cahus, subdito francez, retira-
se para o Para.
Jos Mana da Silva, subdito porluguez,
retira-se para o Rio-de-Janeiro.
Loleria to Ro-de*
Janeiro.
Aos 20:000.000 de rs.
Na praca da Independencia, n. 4, ven-
dem-se bilhetes, meios, quartos, oitavos e
vigsimos da 6.* lotera do thesouro. Na
mosma loja recebem-se bilhetes do Guada-
lupe premiados em troca dos do Rio
Quem quer bom c ba-
ra to?
Azeite de carrapato a 240 ris a garrafa;
queijosdos melhores que boje se pdem en-
contrar, a 1,250 rs. ; azeite doce de Lis-
boa, a 4fi0 rs. a garrafa ; dito dito a 70 rs
a earrafa ; toueinhodo I isha, a 180 rs. a
libra; vinhn do Porto, a 240 rs agarrafa;
caf primeira sorte, a 130 rs. a libra ; ar-
roz do Uaranhfio, a 160 rs. a libra, e 1
cuia a 360 rs. ; superioies velas de carna
ba, a 260 rs. a libra ; manteiga franceza da
melhor quo ha, a 500 rs. a libra ; banha
muito alva, a 300 rs a libra ; farinha do
Maraubio, a mais fina e alva que pode ap-
parecer. a 100 rs. ( libra ; letrw, primeira
sorie, a 220 rs. a libra ; boUchinna doce,
a 120 rs. a libra, a ingleza a 220 rs. ; as-
surar refinado muito alvo, a 100 rs.; mas-
cavado a 60 rs. ; branco muito bom a I0 rs
cha hysson, primeira sorte, a 1,920 a libra;
carne" do leitSo, a 220 rs a libra ; bules
grandes pintados, a 480 rs. ; ditos brana
eos, a 400 rs. ; pratos, a 1,050 rs. a duzia
serveja a melhor que ha, a 360 rs. a garrafa;
sabiln amarello e preto, a 120 n. a libra ;
genebra de llollanda a 360 rs., oda Ierra,
230 rs.; Tumo superior, a 360 rs. a libra ;
vinhu branco de Lisboa, a 220 rs. ; alnos-
um niolho 90 rs.; eludo muito bom, por
barato preco : na rua de S.-Jos, esquina
que volta para a abobada da Penha, venda
d 4 portas, n 2.
Vendem-se luvas de torcal de seda,
pretas o brancas, com lin la renda para se-
nlioras e meninas, meias do algodo para
meninos e meninas, a 120 rs., 160 rs ,e 200
rs.: na rua da Cadeia-Vilha, n. 15.
Obras de ouro
Vende-seum par de brincos, urna meda-
Iha com diamantes, um laco do lilagrana,
um annel com dous diamantes, um b"Zo
encastoado : na ruado Crespo, n. 12, loja
Vende-so um joo de gamito : na rua
da Praia-de-S.-Rila, defronte da ribeira,
ns. 10 e 12.
Vende-sn um cavallo bom andador
baixo, por pre^o commodo : na coebeira
da rua da Florentina.
Vinho generoso.
Na rua do Crespo, loja n. 8, vende-se su-
perior vinho enganafado, chegado ultima-
mente do Porto, a 12,000 rs. a duzia.
Agoa de lngr os cabellos e suissas.
Contina-se a vender a agoa de Ungir os
cabellos e suissas : na rua do Queimado,
n.3t. o meilio lo de applicar a dita agoa
acompanha os vidros.
-- Vendem-se chaposzinlios ricamente
enfeitados para meninos e meninas de um
a tresannos: no Alerro-da-Boa-Vista, n. 1
Vendem-se figos de comadre novos, a
100 rs ; batatas inglezas, a 60 rs. : no pa-
teo do Carmo, n 2, venda nova.
I'ara paSsar festas.
Vende-se una porgo de dilTerentes
obras dn ouro de lei, em separado; ou, por
junto, se liaran muito em conta : na rua an-
tiga dos Quarleis, n. 8, ao pe da botica do
Sr. Jos Mara.
Vende-se na rua larga do Rozario, n.
22, um grande banheiro de folha de Flan-
dres, bem feito, envernisado, com carrinho
de mover com tres rodas, torneira para
despejo das agoas, e juntamente um ci-
lindro bem feto, que serve de accender
o fogo para esquenlar a agoa dentro do
mesmo banheiro : tambem so vende um
caixao de ferragens proprias para marce-
neiros; tres livros francezes em mo esta-
do, i'iiju titulo se ignora; urna porfo de
(landres, niaiores e pequeos.
Pannos tinos.
Vende-se excedente panno fino cor de ca-
f, pelo diminuto prego de 3,500 o 4,800 rs.
o covado ; dilo preto, a 3,000, 3,500, 6,000,
7,500 e 8,000 rs. o covado. prova de limfio:
na rua do Collegio, n 1- loja da estrella.
Vendem-se pecas do algodSozinho di
20 jardas e com algum toque de avaria, pro
pno para cscravos e pannos de cozuiha, 1
1,280 rs. ; pegas de chita de boas pannos ej
periencU de 14 metes, os agrilles nao serao
aecusados de lereni imposto sobre o publico,
reoommendando um remedio de um valor to-
carlo, ou de exigir de qualquer invalido que
fixeassuas esperanzas de cura por 11111 allivio
imaginario, uio principal do xarop do boi-
r/u tem sido feito nicamente 11.1 cidadedo Itio-
de-Janciro e suasvizinhan;aa ; mas, agora que
assuas virtudes se pdein conscicnciosaineiite
asseverar, os agentes o oli'ereceni ao publico
com a mais segura confanca, c que em qual-
quer caso se achara um remedio de infaliivrl
mrito como de felii suecesso.
Ha casos drstas molestias, quando por ne-
gligencia se deixa que a molestia toniccoipo
sobre a substancia dos bofes, at que os restos
(lestes fiquem iiisulficienles (se a sua dccliua-
cao poder ser reprimida) .1 poder forneeer o
sanguc aos elementos necessarios a vida de
una pessoa, e lemellianles casos sao e serao
sempre alcn do conhecimenio da assistencia
humana, c he peior que charlatn aquelle que
quizer eugauar a alguein com esperanras fal-
sas de cura ; mas ha inuilos casos que appare-
cem sem esperancas, mas pdem ser curados
com remedios proprios.
1 oni algn) a tendencia para estas molestias
rem de pala para fllhoi, e por esles lie nova-
mente Iranainlttida as anas descendencias. Isto
lie feralmente conhecido por pliiliisiea cons-
(itucioual. Km semclhanles casos a doenra
appareee geralinente na inesma familia em
tima certa idaJe. e familias inteiras falleccm a
proporcaoque vo chegaudo juelle periodo
Como dissemos cima, remedio algum pode
r 'ni,'. iar esles casos, onde una louga moles-
tia se acha arreigada, e por conseguinte tem
consumido todos os recursos da vida, mas he
pelo uso pe do botque, e o muito cuidado na saiide, que
estes periodos crticos se pdem passar, ca vi-
da se ptide prolongar atiima idade avaucada.
Km caso de molestia de bofes, occasionado
por exposico ou negligencia, a molestia ap-
proxttna.se por dilleremes formas, mas qur
110 brochial 011 asthmalica, as membranas sao
allectadas e as suas srcreces improprias ou
mais que excitadas fa'/.em logo seniireni-se
symptoipai que n<> se devero desprezar;
nina constipaeai) pode prodiuir urna inflainma-
co as delicadas membranas que guariieceiu
os tubos broilchiaes, esta irritacoprodtu una
losse, e em seu turno a tosse augmenta a in-
ll.iuimac.io ; e, se se despieza, as membranas
los bofes tornainse srinclliaulcuic ote alecla-
ilas, e por lim a mesilla substancia drstes he
atacada. He verdade que miiitos boles sao bs-
tanle fortes, svc curso, se este nao fr muito forte ; mas nin-
guno escapa de urna uianeira fcil, urna vei
que tenha padecido molestia que tenha atacado
quelles. lie pnrtantn que (lies precisan! de
algum remedio seguro para ajudar o systenia,
alim de corrigir as sccrecoes c restaurar frca
aos orgaos pulmonares; em casos como estes
o xnrope fio bosque leui-se tornado infallivel, e
niio he s un principio como na forma simples
deslas molestias que este remedio he nina cura.
Teeinj havido muitos exemplAs em que a saii-
de se tem restaurado a pessoas que liaviain si-
do abandonada! pelos seus mdicos e amigos
O xari.pe do botque n.'io se ollerece como um
remedio para qualquer dnenca, mas simhc|
oflerecido com una perfeita confanca como o
ni.o. ulil remedio at aqui dcscoberto para as
molestias degargauta c dos bofes, o qual he
composto nicamente de vegetaes, c que se
pode tomar sem aquellc cuidado em prliea
qur na dieta ou no excrcicio
O publico deve-se lembrar que cada garrafa
tem dous lelrciros com a propria assignatura
dos agentes R. C. Yates c Comp., um na garra-
fa com lodas as direcfoi'S para uso, c um 110
papel de fra.
l'de ser enviado com toda a seguridade
para qualquer parte do imperio, c as ordens
serao puntualmente cxeculadas.
Vende-se nicamente na botica do Sr. Jos
alaria Goncalvcs llamos, rua dos Quarleis,
11. 12.
Folhinlias para 1850.
Na livraria ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia, vendem-se as bem conhecidas fo-
Ihnhas impressas nesta typograpba, das
seguintes qualidades:
l'OI.HINIIA DF. PORTA contemlo o kalen-
dario, tabellas de friado, dias de audien-
cia o resumo de pocas nacionaes egeraes.
HITA DE AI.GIBEIRA contendo o mesmo
cima, e um resumo de cbronologia, a qual
tambem d preamar, e tem urna collecQo
de reme lios c segredos uleis para uso do-
mestico
DITA DE HITA com o almsnack dos em-
pregados civis, eclesisticos, militaros, ad-
ministrativos e a nomenclatura de lodos os
estabelecimeotos fabril, mercanlis e indos-
triaes, ao qual so adicionou um resumo es-
! tatistico da cidadfl do Rccie ; a demonstra-
Qilo das fregucziis, termos e municipios das
comarcas da provincia e finalmente a tabel-
la do nascimento e ocaso do sol para regu-
lamento dos relogios, organisada pelo es-
cellente piloto Portugal, de saudosa lem-
luaiira.
Ultima moda.
Vendem-se ricos manteletes de chamalo-
te, de tafet e do bico ; lindos chapeos do
seda par senlioras; luvas de pellica bran-
cas, pretns c deeres; luvasde malha fina
pretas ; e cortes de camliraia lina imprimi-
das, cligados pela Minerva, ultimo navio
vinlo do llavie: no Aterro-da-Boa-Vista,
luja, n. I.
<
':<
1-
1*

$
9 2
SI
< _
s-'4
a
Lotera do Itio-de-
m
f
m
i

$
i
$#l?ff@f #
fe* i
J Chapeos do Chile 1

de superior qualiiiaJc. @?
Pelo ultimo vapor receberam-so
mais chapeos do Chile de superior #
qualidade, que continuam a vender-
i se ( a i>ri eos mais cornmodos do que
O em outra qualquer parle ) na rua do >
^ Collegio, n. 9. ?
Vende-se urna parda inotja de bonita fi-
gura, que lava e engomma soffrivelmente :
na rua Direita, n. 2, se dir quera vende.
--Vende-seum moleque bom cozinhei-
ro: nr> rua da Alfandega-Velha, n. 9, no
Hotel-Francisco.
Vende-so urna parda de 22 annos, de
bonita figura, e que faz todo o servico de
urna casa : o motivo por quo so vendo se
dir ao comprador: na rua do Crespo, n.
10, primeiro andar.
Calcado francez
sahidoda alfandega ba dous dias, sendo sa-
lalos de ceuro de lustro para senhora, a
2,000 rs.; ditos de urna sola para hornem,
a 4,000 rs. ; ditos de becerro de Nanles, so-
la grnssa e lina, a 5,000 rs. ; sapatOes de
couro de lustro, a 6,000 rs.; borzeguins
gasneados, a 7,000 rs. : na rua do Crespo,
ao pe do arco, loja de miudezas, do Joaquim
llenriques da Silva.
Vende-se urna rarroca em bom esta-
do, que serve para ser puxada por cavallo
ou boi: na coebeira da rua da Roda.
Janeiro.
AOS 20:000.000 de rs.g
Pelo wpor S.-Sebatti.io, sabido do
M Rio-de-Janeiro no dia primeiro a lar-
$ de, recebemos as lislss da 21." lotera
do monte pin c da 11.' a beneficio das 0
coestriiccoes r reparos das mati i/es :
S> tambem recebemos os afurtunados
@ bilhetese meios bilhetes da 6.* lo-
M liria do thesouro do Rio-de-Janero,
>; cujas rodas deviam andar no dia 17 #
< do correte.
?
f^ ?**^'<** ^ *
Vinho de Bordeaux,
das mais superiores qualidades ; bem como
vinho de Champan!) da nov i marca estrel-
la, j mullo apreciado, tanto aqui como na
Europa : vende-sn em casa de Kalkmann
Irmaiis. na rua da Cruz, n. 10.
Para tifias as profissoes
do mundo.
Artk de FurtaB, pelo padre
Antonio Vifira, rcimpressa cui-
dadosamente em Londres, com o
retrato do anlor frente. Um vo-
lume n 8., cncadernacao ingleza.
Vende-se na rua do Rosario lar-
ga, luja de miude/.as de J. J.
Lody.
-- Na rua Nova, n. 40, defronte da Con-
cateno, vende-se manteiga ingleza, a 560 e
610 rs.; dita para bolo ou tempeiro, a 280
rs. ; espermacete, a 800 e 840 rs.; touci-
nho, a 180 rs. ; tapioca muito boa, a 120
rs. ; cevadinha do Fringa, a 240 rs. ; cha, a
2,400 rs. ; presunto o melhor que ha no
mercado, a 400 rs. ; ameixas, a 240 rs. ; e
outros muilus gneros pueagradaro, tan-
to em qualidade como em prc?o
Novo sor lmenlo de fa-
zendAs baratas, na rua
do Crc>po, n. 6. ao p
do lampea.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores fixas o com 4 palmos
de largura, pelo barato preco de 320 rs. o
covado; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado ; riscadiubo de lis-
tras de linho, a 240 rs. o covado ,-brim de
algod.lo do cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado; brim
pardoclaro.ii 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varas e urna quarta ; cassa preta com
ramagera branci. para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuartede cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dilo azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cores fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de tarlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodSo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
Livro p.dispeiis ivcl a to-
dos os escriptorios n-
glezes.
Jn Encyclopcedia of Geogra-
phy comprising a complete des-
cription o( the Earth, physical,
slalislical, civil, and politicsl ; ex-
iiibiting itsrelation lo llie heaven-
ly hodie.x, its physical structure,
I lie natural liistory of each (omi-
t v. and i he industry, commerce,
p lilical institutions, and civil and
State of .11 nations, Ly Hngh
Murray, illustrated by eighty-
two Mapa.
lie um volume de mais de t,5oo
paginas, e vende-se na rua do Ro-
zario larga, loja de miudezas de J,
J. Lody.
MUTILADO .


Taixas para engenho.
Na foniticAo de forro ila ra do Brum,
aeaha-so de rerelier nm completo sortimen-
to do taixas de* a 8palmos de bocea as
quaes acham-so a venda por prego com-
modo e rom promptido embarcam-se,
oii earrpeani-se ein carros sem despezas ao
comprador.
Cascas e cambra as.
Vende-re um sortimento de caases, cam-
braias, chitas, riscados, chales de seda,
ditos de 1.1a, luv'as, meias, bicos de linho,
brancosepretos: ludo o mais barato pos-
sivel, por serem azendas fra da moda : na
rua do Crespo, n. 9.
Vende-se um lindo moleque de boa
conducta ; urna bonila mulatinha recolhi-
da, cora habiliJades precisas para mucama:
na na do Rangel, n. 57, sobrado.
- Vende-se urna cama nova, de madeira
envernizada, com armacHo e prompta de
colches e travisseiro : ludo novo e que
inda nSo foi servido, por prego commo-
do : na ra do Pires, n. 9.
No armazem do barateiro
Silva Lopes, na porta da alfande-
ga, vende-se farinha de trigo de
l'hiladelphia muilo nova e a mais
super or qtie tem no mercado ; e
liarris com figos de comadre, mui-
lo novos.
Arados de ferro.
Na fnndicjjo da Aurora, eni S.-Amaro,
vendem-se arado de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fiinriico Low-lfoor,
RA DA SKKZAtT.A-NOVA, 4?.
INeste estabelecimento conti-
na a haveium completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
roado, de todos os tamanbos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em rasa deN.O. Hieher & C.
a ra da Cruz, n. 4, alcod.lo trancado
daquclla fabrica, niuilo proprio para sarcos
de assucar e roupa de escravos.
Chr brasileo,
Vende-se cha biasileiio no aimazein de
molliados, altas do Corro-Santo, n. 66, o
uiais exfolente cha produzdo em S.-Pau-
lo que leni viudo a este mercado por
prec.ii aiuito commodo.
Mnrndas superiores.
Na fundigSode C. Starr & Cornpanliia,
ein S.-Amaro, acham-.se venda moendas
de raima, lodas de Ierro, de um modelo e
conslrucc.no muilo superior.
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanl", n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor viudo do sul superio-
res charutos S.-Flix, e de outras muitas
qualiilades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
cgarrilhos hespanhes ditos de palha de
n ilho, que se estilo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cenlo.
Corles de brim de cores
com lislrssaolado, a
1,20 rs.
Vcndem-se corles de brim de cores com
lislrasao lado, a 1,260 rs. ; riscado de al-
godSoameiicano, piopro para escravos, a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, toja da
esquina qiic volta para a cadeia.
Os mais modernos cor-
tes de cassa para vesti-
dos a oito patacas e
meia o corle
Vendem-se modernos cortes de cassa pa-
ra vestido, com 7 varas, a 2,720 rs. o corte :
na rua de Queimado, n. 8, loja confronte a
botica.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Saiitos.
Na rua da Cadeia, n. S2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de fuila-crcs a
200 rs. o coludo eris-
cado monstro a 220 rs.
Vende-se zuarte de furta-cres, muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 r. o covado ; ris-
cado monstro muito bom a 220 ra. o cova-
do : na rua do Crespo, loja da esquina que
volta parr a cadeia.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de prato muito l'rescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos portuguezes para panella, Utas
com 2 e4 libras de mermelada, ditas com
bolachioha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
las com hcrvilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha viudos do Cea-
r, por barato prego, mantas de tourinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
oulros muitos gneros de boa qualidade :
a nrua da Cruz, no Recife, n. 46.
V"niho do duque.
O mais superior que neste genero tem
viudo do Poiio este mercado, em barr
de oitavo ; salsa-parrilha chegada do Par
no ultimo vapor; barris com oleo de cupa-
hiba muito velho ; fechadurvs surtidas para
portas; sola muito grande e de muito boa
qualidade, em pequeas e grandes porgOes i
na rua do Trapicha, a. 26, casa do Manoel
unirte Rodrigues.
--Vendem-se saccas com farii iba muito
boa e hem torrada, por preco coo imodo : no
armazem do finado llraguez: na rua da Ca-
deia. ao p do arco da ConceicSo n. 6 0, ou
a fallar na loja de JoSo Jos di i Carvalho-
Moraes,eno mesmo|armazcm.
Para qitem tver bom
g-ORtO.
Vendem-se redes de cores mi jilo grandes
e muilo bonitos padres, e o melhor que
tem apparecido neste mercad' > : na rua do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
Vendem-se amarras ao imo: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
Saceos com farclo novo,
de 80 a 90 libras t, a 5#:
vendem-se no armazem de A ntonio Annes,
no caes da Alfandega, enod*> Vicente Fer-
reira da Costa, na rua da M adre-de-Deos.
chegadas ltimamente de Lisboa e de
I ranga.
Farinha de trigo ame-
ricano.
Vende-se farinha de trigo americano, da
marca Brand-Wine, chegada ltimamente,
por prego commodo : em casa de J. i. Tas-
so Jnior, na rua do Amorim, n. 35.
- Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, ns. lie Id, siles na esquina
3,000 rs. o corte : na ruado Collegio, n. i,
loja da estrella.
Pecbincha.
Vendem-se corles de caigas de meia casi-
mira de lila, a 1,600 e 2,000 rs. o corte, bas-
tante encorpado; bem como meias para
senhora, a 200 rs. o par, e a duzia a 2,000
rs. : na rua do Collegio, n. 1, loja da es-
trella.
Casimiras a 3,5oo rs.
Vendem-se cortes de meias casimiras de
bonitos gostos, com tres covados e meio,
pelo barato prego de 3,500 rs. o corte ; ca-
simiras superiores, tanto em padrOescomo
em qualidade, a 4, 5, a e'.ooo rs. o corte :
na rua do Collegio, n. 1, loja da estrella.
Cortes de cassa para ves-
ti (I os com 16 covados
por 5,500 rs.
Vendem-se cortes de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos com 8
covados, a 1,760 rs. ; pegas de cambraia li-
sas com oito varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de linho multo fino, a 480 rs. a vara : na
rua do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Vendem-se chapeoszinl.os, ricamente
ca rUr daiVr.ilTnJZ, l enfeitados, para meninos e meninas de um a
San-Francisco: a falla rno primeiro andar,, ,nno," oAierrn-da lla-Vist n 1
dos ditos, com JoaquimTeixeiraPeixoto. "^"nos. no Alerro-da-UOa-Vista, n. 1.
Vendem-se queijos londrinos, presun- J^| |*ua 1N OVa ti. S
tos muito frescaes, frascos com mostirda, .. ... ? ,.
ditos com (rucias, botijas de corinthos, Tas' vendem-se dous lindos mulalinhos de 15 a
quinhos de molho para carne, e oulros'J6 nnos, ptimos para pagens, e um del;
objectos: tudo cl.egado ltimamente de l"Mbebeni bolear, e he bom cope.ro; 1
Liverpool na galera Seword-Hsh : ua rua d. Il,ndo moleque do nagflo, de linda figura ;
Cruz, n. 7, armazem de Davis & C. um "'de eraros de lindas figuras, com
' iii urna cria, a negra engomma cose, laz la-
UltlUlO goslo. varinto e marca ; 2 prelas com habili-
Vendem-se os melhoies chapos de mas- dades; urna mulatinha de 14 snnos, muito
sa franreza que teem vindo este auno, tan-1 linda, com principios de coser e engor-
lo em forma como em boa qualidade: ha; niar ; 4pretos bons trabalhadores de en-
para cabega bastante pequea, a 7,500 e xada ; um pardo bom ollicial de alfaiale;
8,000 rs.: na rua do Collegio, n. 1, loja da un molecote odlcial de alfaiate de toda
estrella. I obra urna parda de linda figura.
-------4
Para se acabar. [ro de lustro pelo baralissimo pre- mond : na rna da Senzalla-Velha
Vendem-se superiores cortes de cam-'co de 3,ooo rs. ; ditos superiores armazem de Matbeus \ustin V
^Tco-^^ de P"l fixo>a V> r*' J .Companhi. ou na rua do T,,.
de css>-chita, de lindos gostos, a 2,800 e de lustro para meninos ; ditos do piche, n. 3o.
Aracaty parahomem : na rua da
Vende-se, na cocheira de Miguel Su-
ger, um bom carro de duas rodas.com sr-
reios para um e dous cavados : na rua da
Aurora, n. 48.
Acaba de cheg r, e vende-se com o se-
gundo, o primeiro lomo do Annuario Poli-
tico histrico e estati.-tico do Brasil, por
prego commodo, na praga da Independen -
Cadeia do Hecife, lojan. 9
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa
de boa qttalidade, em barriszinho;,
pequenosjde quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende : no rtecife,
roa da Cadeia, armazem n. 13.
Antigo deposito de cal
virgera.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
lac-ans.
Vendem-se as mais superiores
em barricas, vindas no gelo, a rs
5,ooo cada urna : na venda da rua
da Cadeia do Hecife, n. a5, defron
te do fiecco-Largo.
Pecbincha.
Na rua do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se luvas de pe -
lien inglezas e muito novas, para hornero e
sen! -, a 1,000 rs. o par; panno lino,
mu. !>om azul e cor de azeitona, a 3,000
rs. o covado ; crtesde fusto branco, a 500
rs.; lengos de seda de cores para algiboi-
ra, a 1.000 rs.; ditos de setim para grvala,
a 1,000 rs.; e outras muitas fazendas por
commodo prego.
Na rua do Amorim, ns. 56
e 58, vendem-se farelos em sac-
cas grandes por preco commodo
a elles antes que se acabem.
Vende-se superior vinho de
Vendem-se os Diccionarios grandes de
Vieira, inglez-portuguez o porluguez-jn
glez. obra rara, pelo prego commodo di
25,000 rs. : na rua da Cadeia-Velha, lorrt
Sr.CardozoAyrcs. J'Uo
Na rua Nova, loja da ferragens, de J0
quim da Costa Maya, recobcram-se urni
de metal fino de gostos os mais modernos
para ch,apparelhosde metal contendoej.
feteira, bule, manteigueira, tigela, assuca-
reiroeleiteira, colheresde metal do prin-
cipe, para cha e soupa, jarros e bacas tu-
do por prego commodo.
Vendem-se sapatOes de couro de lus-
tro, obra moderna e bem feita : na rua do
Cabug, n. fl, loja.
Hscravos Fugiaos
Vende-se um cabriolet muileveeelo- cia, loja, ns. 6 e 8; na rua da Cadem-Velha, I Champa tibe : na rua do Trapiche,
gante ein bom uso, por prego commodo: loja doSr. Cardoso Ayres,ena rua da Cruz,[n > '
na rua do Hospicio, n. 9. loja dos senhores Santos & C. u* IJ'
Vende-se una escrava cri- f-scusado he tecer encomios esta obra, Alientan!
oula, bonita figura, propria para
qualquer servico de urna casa .- na
rua da (.adeia do Hecife, loja de
Jooda Cimba Magalhcs, n. 51.
Novos gamhreoes a a,000 rs. o
corle.
Vendem-se superiores cortes de caigas de
gambreSo, com 3 covados e meio, pelo di
oiinulo prego de 2,000 rs. o corte, esta fa>-
zenda torna-se recommendavel pela mu
boa qualidade ja licni conbecida, de boni-
tiispadies: na rua do Collegio, n. 1, 1 aja
da estrella,
Os mais ricos man le e-
les e capo 1 iJhos.
Vendem-se os msis asseiados mantelete:
e capotilhos de chamalote de seda e gor-
guro, os mais ricos que teein apparecido s
na rua do Queimado, n. 9.
Na rua da Cadeia do Hecife, n. 56. luja
de ferragens.de Ponles &Sampaio, vendem-
se sele uzas de taboas de ouro para as-
soalho, por prego commodo.
( Cassa-seda moderna.
f) Vendem-so corles de vestido de
+ cassa-seda transparante.padrOes mui-
# lo modernos, e fnzenda a mais su-
i> perior | ossivel, tanto em gosto como
% em qualidade : na loja do sobrado
fe amnrello, nos quatro cantos da rua
fe do Queimado, 11. 29.
Veude-se fio porrele do Porto, de mui-
to boa qualidade, em pacota de quatro ar-
robas : na rua da Cruz, n. 3.
llantas de seda.
Anda existe um resto das mantas de se-
da que se teem annunciado, a 7,000 rs.: na
rua larga do llozario, padaria 11. 48.
Vende-se superior farinha a bordo da
polaca N.-S.-do-Cartno, tundeada d fronle
do Passeio-Publico, por commodo prego, e
em saceos: na rua do Vigario, n. 11.
Garrafas vastas.
Vendem-segigos com gnalas
vasias, no armazem do Armes, no
caes da Alfandega a tratar com
.Manoel da Silva Santos.
Vendem-se potes de sal in-
glez refinado com o peso de urna
lilnii, proprio para mesa, a 32o
ra. : na rua do Cabug, loja de
miudezas, n. 1 D.
Sola para selleiros.
Vende-se muito superior sola,
al va, grada e bem cortida : no
Alerro-da-Boa-Vista, loja de cal-
cado, n. 58.
Fabrica de licores da rua
Direit, n. 17.
Neste estabelecimento vende-se por pre-
go mais baralo do que em outra qualquer
parte ago'ardcnte do reino, genebra, aniz,
licores de todas as qualidades, espirito de
vinho, ago'ardenledecanna : tudo a voli-
tado do comprador.
Vendem-sesaccas com fare-
los de 94 libras cada urna : no ar-
mazem de Bacellar, no caes da
Alfandega.
Vende-seum pretode 25 a 30 Minos,
proprio para agricultura : na rua do Cabu-
g, loja u. 1 C.
que he um verdadeiroe inleressanto archi-
vo nacional, porquanlo o publico j reco-
nhece o son mrito; eogoverno tem pro-
curado coadjuvar a empieza.
Batatas novas a 300 rs.
o gigo:
vendem-se no armazem de J. J. Tasso J-
nior, na rua do Amorim, n. 35.
Novo trem de cozinha.
Vendem-se cagarolas, chaleiras, f'egi-
deirase panellas de ferro fornidas de por-
cellana ; u aeliinus para caf; bules e ca-
feteuas de metal: na rua Nova, n. 16, loj
de ferragens de Jos Luiz Pereira.
I'otassa da Hussia.
Vende-se a verdadeira potassa da Russia,
desembarcada agora, em barril pequeos
em casa dos Srs. Itothe & Uidoulac, rua do
Vigario, n. 4.
Vendem-se cortes de cambraia de cu-
res, pelo barato prego de 2,000, 2,500, 3,000,
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a
rs. : meias para meninas, a 160 rs.; liia
com listras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
/1iih.i propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; 13a superior pa-
ra caigas, a 500 e 600 rs. ; lengos de algo-
dflo e seda com franja, a 600 rs. ; crt s de
collele de velludo, a 1,600 e 2,500 rs. ; cas-
sa-chita, a 400 rs a vara ; garga de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado e outrus muilas fazendas i or
barato prego : na rua do Crespo, n. 15, loja
de Joaquimdcliveira Mya Jnior.
Velas de cores.
Vendem-sc, no armazem de molhados
atrs do Corpo-SaDlo, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de espermacele,
e nao fazerem morrS.
FoEha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres:
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnnior.
Vende-se um preto de 25 {anuos pou-
co maisou menos, sem vicios nem acha-
ques, de bonita figura, e que he ollicial de
marceneirn : na rua do Vigario, n. 23, se-
gundo andar.
Vendem-se vassouras americanas, por
prego commodo: nn berco da Madre-dc-
Deos, n. 17, armazem do Candido.
Aviso
importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da rua da Madre-de-
Deos, o. 36, esla de novo estabelecido de-
baixo das mesmas condigOes, ofierecendo
a deliciosa pingado vinho da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por 220 rs. a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de liordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. NSo se admirem
os fieguezes do baixo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o antigo pre-
go, embora este genero lenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinen) os
amantes a qualidauo para reconheciment
da verdade e continuagao da amiga fregue-
zia.Epara nSohaver usuras, esao promp-
Has garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barris de diversos l-
mannos para provlsflo do prximo Natal.
'O proprielario conla com a concurrencia :
do contrario, tornarSo os pregos do reta
Ihoa primitiva de 240 e 280 rs. a garrafa.
h Na rua do Queimado. n. 22, loja
I de chapeos do Hamalho, vendem-
^^^ se chapeos de palha da Italia, pelo
ipreco de 2,500 ale 4,000 rs.; ditos do Chile-
e bonetes para meninos. '
-Vendem-ae sapatSes de cou-
MUTIL Ano
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha chegado pelo ultimo
navio de LisbOa eLiverpool, superior mar-
melada, (frutas ein bocetas frascos de or-
chata, boiOes com geleia de marnelo, latas
com bolachinhas do Lisboa, chocolate,
palos de lombo, queijos londrinos, presun-
to para fiambre, conservas, potes com sal
refinado, latas com biscoutinho inglez, e
cha; tudo do mais superior que tem appa-
recido neste mercado: assim como um
completo sortimento de exceilenles viuhos,
proprios para o tempo do fesla, o que tudo
se vender por menos do que em oulra
qualquer parte.
Sft rua Nova, n. *15,
acaba-sede despachar um completo sorti-
mento de fazendas fiancezas escolhidas por
Mr. Poudra e chegadas no ultimo navio
francez a este porto, lodas proprias para o
luxo da fesla, as quaes conta-se um rico
sortimento de chapeos de palha para senho-
ra chapeos de pello de seda muito finos
para homem ; luvas de seda preta maia de
rede e com dedos ; um grande sortimento
de bonetes de panno lino e de palha para
homeme meninos; luvas de pellica com
bolotas para senhora ; ditas pesponladas
para homem; leques muito modernos;
bengalas; um grande sortimento de chico-
tes para carro c para montara ; llores de
seda de todas as qualidades ; pennas de ma-
rab para chapeos de senhora : adverte-se
que tudo se vende muito em conla, por se
ter recebido direclamenle de Franga.
Calcado def,!H0 a 1,600
rs., no Aterro-daBoa-
Vista, dchonte da bo-
neca.
Sao r llegados sapatos francezes de couro
de lustro para senhora, a 1,280 e 1,600 rs. o
par; borzeguins para homem, a 4,000 rs. :
bem como um completo sortimento de cal-
gado de todas as qualidades, lauto para ho-
mem, como para senhora e meninas; sapa-
tOesbrancos do Aracaty para homem, a 1/
rs. ; ditos de couro de lustro; pelles de cou-
ro de lustro hamburguezas e francezas; di-
tas de marroquim ; buldes de seda para ca-
saca : tudo por prego commodo.
Mapaiocs do Aracatva
1,000 rs.
No Atcrro-d-Boa-Vs(a, n. 58, vendem-
se sapatOes muito bem feitos, a 1,000 rs. o
par.
Desapparecpu.no dia 4 de novembro
prximo passado, o preto Jos, crioulo, d
25 anuos, estatura regular, cor fula, ca.
bellos pichaim, pouca barba, ou quasi
nenhuma, rosto bastante liso, cabega um
pouco comprida; tem por baixo lo qucixo
um signa! preto como que fosse de hexig,
ps grandes e com os primeiros dedos tor-
ios para dentro ; foi visto no oyigenho Sol-
gado no caminho do Recife: quem o pe.
gar leve-oaoseu senhor, Francisco Rodri.
guesVillela, morador em sua propriedada
llha-Crande, em SerinhSem, que recom-
pensar.
Fugio do poder de Francisca Mara da
ConceigSo, no da 21 do corrente, pelas 8
horas da man lia, a escrava Ignez, crjoula
iie 20 annos, com marcas muito recentes d
bexigas; levou vestido branco e panno da
Costa ; foi comprada no dia 19 do corren,
te a Snra. I). Anua Joaquina Llns Wauder-
ley ; a vista do que a annunciante pede que
ninguem faga Ira lo de qualidade lignina
com dita escrava, que ha dias tinha vindo
de I la marica para o poder da dita Snra U.
Anua : quem a pegar leve-a a rua do Hospi-
cio, casa do Sr Thomaz de Aquino Fou-
seca, que recompensara generosamente.
Fugio, no da 17 do corrente, o preto
Caotano, de nacau Angola ; he ofllcial de
sapaleiro, bastante ladino, por ter viudo de
sua ierra de lenra idade ; he bem fa'lante,
de estatura baixa; he mogo ; lem muito
pouca barba ; levou caigas e jaquela bran-
cas, chapeo preto de pello quem o pe-
gar leve-o o Aterro-da-Bua-Visla, n. 9, a
seu senhor Francisco da Silva Santiago,
que gratificar generosamente.
Fugio, no dia 15 do corrente, pelas :<
horas da manhSa,um molequinho de no-
mo Ludgero, crioulo, que representa ter 17
annos, bem preto, olhos grandes ; tem em
um brago urna esfoladura de urna cincela-
da ; levou camisa de chila muito miudi-
nha com dous clcheles no colerinho, cal
gas de algod.to azul de enfiar e sem coz, lo-
ncte azul sem pala ej usada : quem o pe-
gar leve-o rua da Cadeia do Recife, n. 40,
que ser recompensado.
Mantas e chales de 1
seda.
Na loja do sobrado amarello, nos J
quatio-cantos da rua do Queimado,
n. 29, vende-se um completo sor-
tmenlo de mantas chales de seda, 2
j^ de gostos muilo modernos e por pre- 7s
gp, gos muito em conta. S
Superiores chapeos do
Chile.
Vendem-se chapeos do Chile em pergOes':
na praga do Commercio, n. 6, primeiro an-
dar, sSo muito bonse muito claros.
Farinha de S.-Catharina.
Vende-se a bordo do brigue Doui-Amigoi,
fundeado defrodtedo caes do Ramos, 011
na praga do Commercio, o. 6, primeiro an-
dar, faiinha de S.-Cathariua.
Vendem-se meias barricas
com superior farinha gallega, che-
gada prximamente de Ltiche-
lioa gratifica cito.
Fugio, no dia 3 de novembro do corrente
anno, um cabra de nome Ildefonso, de es-
tatura ordinaria, cabellos desandados,
olhos grandes, beigos grossos, com um
dente de menos na frente ; serve-se com a
a inao esquerda ; he canhoto ; tem dous de-
dos de menos em um dos ps, o mnimo e o
vizinho ; leva urna carta com sobscripla a
Flix Antonio de Brito, senhor que o ven-
deu ; he morador em Alaga-Graode-do-
Pao, provincia da Paral)iba do norte, boga-
se as autoridades policiaes, capilfies de
campo, ou outra qualquer pessoa, que o
apprehendain e leveiu-no ao capilflo Vi-
cente Cavalcante de Alhuquerque, no enge-
nho Gameleira, romaica de Nazaretb, ou
nesta praga a Francisco Cavalcante de Al-
buquerque, na rua do l.ivrainento, n. 14,
que serao gratificados.
Fugio, no dia 7 do corrente, do enge-
nho Pintos, o crioulo Eduardo, alto, feo,
tem urna falta na f arle superior de una
das oreltias; consta acnar-se nesta cidade,
no lugar do Giqui, em urna casa junte de
urna olaria : quem o pegar leve-o a rua Di-
reila, 11. 121, que ser recompensado.
Fugio, no dia 2 do corrente, dos Afo-
gados, um moleque de nome Amaro, de
nagSo Angola, de 16 a 18 annos,estatura re-
gular ; tem os denles da frente largos e com
falta de um ; lem urna perna torta, pscom-
pndoseapalhelados; tem urna queimadu-
ra ero um dos bragos : quem o pegar Ic-
ve-o rua larga do Rozario, n. 32, que se-
r recompensado.
Do abaixo assignado, morador em
uina das casas do arsenal de marinha, fu-
gio, em o dia 8 do correte, pelas nove ho-
ras do dia, um moleque crioulo, de nome
Lino, de 19 a 20 anuos, cor fula, nariz gros-
so e chato : tem um dente da parle supe-
rior arrancado e urna marca de queimadu-
ra sobre um dos olhos, pernas arqueadas,
corpo grosso : levou camisa de algodflozi-
11I10 e caigas de panno azul : adverte-se que
elle cosluma a mudar de roupa e andar pe-
los suburbios da cidade, Ponle-do-Uch,
Passagem-da-Mgdalena; e como seja elje
muilo conhecido, roga-se, pois, aos ca i-
taus de campo e aquellas pessoas que delle
souberem, de o apprehenderem e levarem
ao seu senhor, ou enlSo communcarem o
que souberem a tal respe i lo, que serao ge-
nerosamente recom pensado.s
Tkom 'trnundci Madeira it Castro.
Fugio, no da sexla-feira, 14 do cor-
rele, um noleque lula, de nomeSeverino,
crioulo, de 16 annos pouco mais ou menos,
levou caigas e camisa de algodio azul; lem
uma marca de urna escaldadura na cara quo
ja seacha cicatrizada ; he meio zambro da
pernas ; lalvez se inculque forro, por ser
muilo esperto. Roga-se as autoridades po-
liciaes e ca pitaes de campo que o appre-
Iiendam e levem-no rua da Cruz, no Re-
cife, n. 33, que serio generosamente re-
compensados.
Fugio a preta Luiza, de nagiio Moga-
bique; he cega de um olho; he muito
couliecida as estradas que vad para Uebe-
ribe, por ser lavadeira; levou vestido de
chita rouxa com palomillas: quem a pe-
gar leve-a ao Recife, rua da Cadeia, n. 1i
quesera gratificado.
PkSN. : NA TTP. DB U- F. DI FAMA.
-184


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETU9XI92N_MS7B0E INGEST_TIME 2013-04-24T17:16:14Z PACKAGE AA00011611_06744
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES