Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06741


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Mft*W*l DOS COBBIIOS.
ssaaassssisssfc
Victoria, as quintas-leiras.
01 inda, todos os das.
IPHEMERIDIS.
Puisr.s d loa, Ming. a 6, s 4 h. e 33 m. da t.
Nova a 14, 1 h. c 18 ni. da t.
Creica 22, as5h.e'21 m.da m.
Chela a 29, 11 h. e 41 in. da ni.
FBIAMAB DE HOJE.
Prlmelra as8 horas e 30 minutos da aianh.
Segunda as 8 horas e 54 minutos da tarde
gv m-m
do Dezembro de 1JM9.
N. Wi
PHEIJOa DA SUBSCBIPOlO.
Por tres incits{adianlados) 4/000
Porseis metes SjWUO
Por um a i: no 15/000
DAS da ikmaxa.
17 Seg. S. Ilartlinlomru de S. Geminiano. Aud. do
J.dos orf. e do ni. da 1. r. .
'18 Tere. Nosa Senhorado \ Aud. da chanc..o
J. da 1. v. do civ. e do dos feitos da fazenda.
19 Quart. S. Fausta. Aud. do J. da 2. y. c.v.
20 Quii. S. Domingos de Silos, leado para os
negocios forenses at 31.
21 ext. S. Thomc.
22 Sab'. H. Honorato.
23 Don. S. Servulo.
CAMBIOS TH 18 DD DEZEMBB.O.
Sobre I.nndrri. 87V, d. por 1/000 rs. a 60 dias.
. Pars, 310.
Lisboa, 100 por cento. .
Ouro.-Oncas hespanhors......... 20/000 a 29/S00
JloedasdetylOOvelhas.. I(>f800 a IttDOO
de 640 novas.. 10/200 a 10*400
. de 4/000........... l>/200 a #0
rVoa.-Pataces brasileiros...... I/M0 WgJ
Pesos columnarios....... 1/940 a UJW
Ditos mexicanos.......... I/80O a lf70
- mii'<
Sifii5iSoei55t4^:'^
PARTE OFFICUU
MINISTERIO DA FAZENDA.
DECRETO N. 648 DE 10 DE NOVEY1DRO
DE 1849.
Manila execular o regulamento tobrt corretn!
Hei por hem. tendo ouvido a seccao da fa-
tenda doconcelho.de estado, ordenar que se
execute o regulamento sobre corretores. que
comesle baixa.assignatlo por Joaqulm Jos Ko-
drimies Torres, do meu concerno, senador ao
imperio, ministro e secretarlo de estado dos
negocios da (alenda, e presidente do tribunal
o ibesouro-publico nacional, que assun o te-
lina entendido e faca executar. Palacio do 1110-
rlc-Janelro, em 10 de novembro de mil oilo-
centos e quarenla e nove, vigeiino-oitavo da
independencia e do Imperlo.-Com a rubrica
de Sua Magestade o Imper-dor.Joaquim Jos
Rodrigues Tnrr/.-Cnmpra-se. Rio, ein 24 de
-uvembro de i849.Rodrigue Torres.
REGULAMENTO PARA OS CQRRETOnES, QU8
SE REFERE O DECRETO OBSTA DATA.
TITULO NICO.
Dos corretores.
CAPITULO I.
Da nomeaciia, flanea, imposto, lutpemo e demis-
tio dos tamtorci.
Artigo. 1. Pdem ser correlores toda as pea-
iias em quem concorrerem conjuoclamenie
osseguintes requesilos:
1. ldade maior de 25 annos.
2. Residencia por mais de um anno na pra-
ca em que pretenderen ser corretores.
3 o Prtlca do coinmercio por sua conta, ou
na qualidade de socio gerente, 011 pelo menos
de guarda-livroi de algumacasade coinmercio
de grosso trato, ou de caixeiro de algum cor-
retor.
Art. 2. finco annos depoisjla data do pre-
sente regulamenlo nao poderao ser nomeados
corretores os estrangelros uBe naturalisados.
Art. 3. Nao pdem ser corretores :
1.* Os que nao estiverem uas circunstancial
do art. 1.
2." Os que nao pdem sercommerciantes.
3 As mullid es.
1." Os queja tiverem sido demittidos du of-
flcio de corretor.
5.* Os negociantes fallidos, nao rehabilitados.
Art. 4 A pellcao do Impetrante devera ser
apresentada, na corte, ao ministrada fazenda,
e as provincia ana respectivo! presidentes,
e ser instruida dos seguiun documentos :
1. Documento pelo qual mostr a ldade.
2. Documento que certifique sua residencia
no lugar por mais de um anno.
3. Documento peloqual se mostr habilita-
do com os precisos conhecimentos e prtlca do
coinmercio, segundo o disposto no 3., art.
1., e S 5. art. 58 deste regulamento
Art. 5. O ministro da fazenda na corte e os
presidentes as provincias mandarao passar
patentes de corretores aos que julgarem habi-
litados para o deseinpenho desse cargo, pres-
tada previamente a lianca do art. 7, e pago o
imposto do art. 14.
Arl. 6. llavera nesta corte tres elasses de cor-
retores, a saber : I.*, de fundos pblicos ; 2.",
de navios ; 3.*,jdc mercadorias. Nao exceder
de dez o numero dos da primeira classe: o das
outras ser por ora indeterminado.
as capitaes das provincias do Rio-Grande
do tul, Hahta, Pernambuco, Para c Maranho,
e as outras cidades maritimas, haver os cor-
retores necessarios.
Os corretores das provincias poderao inter-
vir em todas as tiansacccs e actos comuier-
ciaes.
Art. 7. Cada um dos corretores de fundos
publicos nesta capital prestar uina caucan ou
banca de 10:000.000 rs. ; os de mercadorias de
5.000,000, e os de navios de 5:000,000 rs.
Os corretores da Ualiia preslaro flanea ou
caiico de 4:000,000; os de Pernambuco de
3:000,000 os do Maranho, os do Para e Rio-
Grande do sul de 2.000,000 e de 500,000 os
das outras cidades maritimas.
Aquantla desta llanca poder ser alterada
quando convier.
Art. 8. Os corretores que nesta corte se oc-
cuparem de dousnu tres ramos de corretagem,
mencionados no art. (i, serao obrigados s fian-
cas que o artigo antecedente exige para cada
um dos ditos ramos de corretagem.
Art. 9. A flanea ser prestada ua secretaria
da rommisso da praca do commcrcio.
Art. 10. Em lugar de flanea serao admltli-
dos os Impetrantes a depositar no thesouro pu-
blico, os da corte, e as thesourarias os das
respectivas provincias, a importancia della em
dinliciro, ou apolices da divida publica pelo
valor real que estas tiverein ao lempo do depo-
sito na capital do imperio, ou as das provin-
cias onde se fizerem transfeiencas, qual del-
las estiver mais prxima : das apolices recbe-
nlo os dividendos, e do dlnheiro o juro animal
de 4 por uento, pago seinestralmente.
Art. II. A flanea sera conservada effecliva-
niente por inteiro, e por ella serao pagas as
inultas em que o corretor inenrrer, e as in-
demnisaces que fr obligado, se as nao sa-
tisfacer iinmedialameute que nellas fr con-
demiiado.
Arl. 12, No caso do artigo antecedente, ou
no de un,1 ic, rellnela, ausencia, ou desone-
racao legitima de lianca, ser suspenso o cor-
retor se nSo reforcar a lianca, ou prcencher o
deposito dentro de 24 huras, contadas da cm
que Hi'o for ordenado. K se nao reforcar a fl-
anea, ou na 1 prcencher o deposito dentro de
tres mezes contados da data da suspensao, ser
demittido.
Art. 13. Ocorretor de fundos publicos pa-
gar nesta curte o imposto animal de 5U0.000
rs., o de mercadorias de 300,000 rs. e o de na-
vios de 200.000 rs.
O corretor que accumular o servico de todos
t os tres ramos pagar o imposto animal de
s^8H/rs ; oque se oceupar de dous o que
para cada um delles he marcado ueste artigo.
Os corretores da Rahia pagaro o imposto
animal de 500,000, os de Pernambuco de 400/,
os do Maraulio de 300,000, os do Para e Rio-
Grande do sul de200,000, eos das outras cida-
des mal limas de 200,000.
Arl. I i. O Imposto do artigo antecedente
ser pago adiantado.e o corretor j em exerol-
clo, que o nao saiislizer al o ti 111 do tereciro
incz do auuo ftnanceiro, ser demittido.
Art. 15. Antes de exercerem quaesquer actos
proprios de seus cargos prestarlo juramento
de os bem servir, na corte as macis do mi-
nistro da faicnda, ou do inspector geral do
thesouro, e as provincias as maos dos seus
presidentes.
Art. 16. Os que exercerem o officio de corre-
tor, ou de algum dos seus ramos, sem que te-
nhani cumprido o disposto neste capitulo so-
bre flaneas, imposto, oujuramento, soflieriio,
ali'Mi da pena imposta pelo art. H8 do cdigo
criminal, urna multa de 30,000 a 200,000 rs., e
os eus aclot nao terao mais frca que os de
simples mandilar ios.
Art. 17. Os corretores serao vitalicios; pode-
rao, porm, ser suspensos ou demittidos dos
seus cargos :
1. Por sentenca, nos casos em que as lels
geraes Impdein a suspensao ou perda do empre-
go aos que couimetterem os crimes as mes-
mas referidos.
2. Nos casos expressos neste regulamento.
Art. 18. O corretor que por qualquer moti-
vo nao poder exercer por algum tempo suas
funecoes, poder encarrega-las a outra corre-
tor da mesma classe.
O corretor substituto asslgnara os actos que
em nome do impedido praticar, coma seguin-
te declaracaodiirant a ausencia ou tnolesttu de
F\ 1 F.
Art. 19. Se algum corretor quizer deixar o
eu officio, poder, de aecrdo e com informa-
cao da junta de que trata o art. 58, solicitar a
nomeacao de seu successor,, ao que o ministro
da fazenda poder anuuir se o julgar conve-
niente. .
Annaou nto o ministro da razenna ao
pedido, poder retirar-se o correlor, enlre-
gando-lhe a cau?3o que tiver depositado na
forma do artigo seguinte.
Arl. 20. A cauQao ni! ser entregue an-
tes dedous mezes depois de publicada na
prat;a, e em urna folha mercantil o annun-
cio de que delsou de ser corretor. e de apre-
sentada certidOo do que no pende recla-
maco alguma contra elle.
Art. 21 Vagando algum odloo de corro-
tor, o secretario da referida junta reclamar
uimediataincnto de seus herleiros, texta-
menteiros, da nutoridade competente, ou
de quem us tiverem seu poder, os livros e
papis pertencentes ao officio que assim va-
gar ; e bem assim r*r inventario dos mes-
moslivros e papis, que guardar na secre-
taria da junta, e de ludo dar parte ao pre-
sidente da mesma.
Art. 22. Ainda antes do inventario, no
msmo acto em que o secretario da junta
o recebar, proce lera ao exame nos sobre-
ditos livros em presenca das part-s intnres-
sadasse comparecerem, e de duas testemu-
nbas externas, para se conhecer e constar o
seu estado.
CAPITULO II.
Das funccei doi corrttorei.
Art. 23. Aos corretores de fundos publi-
cos competen] as seguintes oporagoe*:
1. Compra, venda e transferencias de
quaesquer fundos pblicos nacionaos ou es-
trangeiros. .
2.' Negociarjoes de letlras de cambio e de
quaesquer emprestimos commerciaes.
3 Compra e venda do tnotaes precio-
sos. .
Art. 2*. As transaccOes mencionadas no
artigo antecedente s terSo valor legal se
rrem feitss por intermedio dos respectivos
corretores, exceptuam-se :
l.o Asoperaioesde que tratamos Jjl.e
2 quando feitos de ordem do governo, ou
pelas proprias partes.
2.o As negociacOes em metaes preciosos,
as quaes poderao ser Taitas tambem pelos
corretores de mercadorias, menos a verifi-
cacao do preco corrente, que lie da exclu-
siva competencia dos de:fundos publicos.
Art. 25. Os fundos publicos nacionacs ou
cstrangeiros, bem como as aceces de com-
panhias reconbecidas pelo governo, pode-
rao ser negociados vista, ou a prazos, com
tanto que a operario seja real, eopraao
n3o exceda de 60 dias, pena denullidadee
mulla de 100,000 200,000 rs. aos corre-
tores.
Art. 26. Ser considerada real a transac-
cao, se ao tempo em que for feita pertcnce-
rem ao vendedor os ttulos que Hieren o
objecto d'ella.
Este dominio se provar pelo deposito dos
ttulos ou polo de documentos, que eviden-
cien! que ao menos ao tempo da entrega
lormavam propriedade do vendedor.
Art. 27. As transaccOes feitas pelos cor
retores (lvenlo ser roalisadas na praca do
Coinmercio as horas que frem marcadas
no seu regulamento interno.
Art. 28. Aos corretores de mercadorias
compete a compra e venda de quaesquer
gneros e mercadorias e a colegio dos seus
presos.
Art. 99. Aos corretores de navios com-
pete :
l.o A compra c venda dos navios.
2. Os l'retamenlos e a cotacSo dos seus
precos.
> A agencia dos seguros de navios o seus
carregamentos.
i.o Servirom de interpretes dos capitaes
de navios perante as autoridades.
5.0 A tradcelo dos maniTestos e docu-
mentos que os mestres de embarcarles es-
trangeiras tiverem de apresentar as alfan-
degas do imperio.
Kstas traduccOes tern fe publica, salvo s
partes interessadas o direito de impugna-
as, quando inlieis, inexactas, ou incomple-
tas frem.
Art. 30. Aos corrolores de navios, que as
tradueces de que trata o artigo anteceden-
te coinmetlerem erro ou falsidade de quei
resulte damno s partes, incumbo indemni-j
sa-las dos prejuizos que d'ahi Ibes resulta-1
rem ; e sei-lhes-ha imposta a multa de 200/
rs.,esuspeiis por 3a 6 mezes. j
Art. 31. Os corretores ao responsaveis J CerlidOes
pelas transaccOes que fizerem quando mo
seja notorio o crdito dos seus committen-
tes, ou d'elles n3o erigirem precedente-
mente caucan para son aeguranca ; deven-
do e.n tal caso, alm da reparatjao do dam-
no que causarem, pagar a multa de 100**a
200/.
Art. 32. As transaccOes que compelem aos
corretoros de mercadorias e navios, n3o se-
rSo vedadas aos proprios donos, ou consig-
natarios e seus eaixeiros.
Art. 33. Oa~*n*tore8 sSo obrigados a
asistir a entrega das cousas vendidas por
sua intervenido se alguma das partes o exi-
gir, sb pena-de urna multa de 200# res, e
de responder por perdas e dainos.
Art. 3*. Os corretores ao responsaveis
pela veracidade da ultima firma de quaes-
quer papis do crdito por seu interme-
dio negociados, e pela idenlidade das pes-
soas que intervierten nos contratos que el-
les celebrarem. .
Att. 33. Guardarao os corretores intoiro
segredo nasnegociaQes dequeso encarre-
garem, mas serao obrigados a declarar os
nomes do seus commltentese 11 substan-
cia dos contratos nos livros que Ibescum-
pre escripturat-.
Se os corretores revelarem o sogredo que
lhas r pedido e d'ahi resultar prejuizo, se-
rio obrigados indemnsac8o, condemna-
dos perda do officio, e multados ora 200/,
provando-so Jlo, ou fraude.
Arl. 36. Os corretores ser3o obrigados a
dar cada urna das parles contratantes co-
pia fiel do assento da transadlo por clles
assignada no mesmo da, ou logo que a le-
nham ultimado se possivel fr, pena de
perda da commissao ou corretagem, e da
,tidemnisac3o do projuizo que dessa falta
resollar.
Art. 37. He prohibido aos corretores :
1.* Toda a especie de negocincaoou tra-
fico directo ou indirecto, em seu ou alheio
nome ; contrahir sociedade mercantil oe
qualquer denominagau ouclass-i que seja ;
ter parte ou quiohfio em navios ou em sua
carga; pena de perda do officio o do mull
Art. 40. as outras capitaes e cidades
maritimas, continuado os corretoros a
perceber a mesma corretagem que atoo
prsenle vencern, emquanto senSofizera
alloraiao. que fr necessaria, face das m-
rormnces dos respectivos presidentes e ne-
gociantes.
Art, 41. Nenhum correlor podara aug-
mentar 011 diminuir as com,niss6os marca-
nas no artigo 39, soh pena do um a seis me-
zes de suspensao imposta pe'a junta.
Art. M!. Ocn-nmerciantequeonlregarao
coiretor os conhecimentos 011 notas de g-
neros para vender.ou incumbir-so de quaes-
quer outros negocios, ligando-so por lem-
po determinado a prego e condigoes, n.10
poder realisar os mesmos negocios con
outra pessna som tor dccisSo do corretor
com quem tratou, sb pena do 50 a 200/ rs.
Art. 43. Quando quslquor commerciante
recebar da mao do corretor os conl.ocimen-
tos ou a nota de quaesquer gneros, letlras
ou fundos, que lhe proponlia comprar ou
vender, ou afretamontos.e o negocio se nao
decidir promptamente, mas que depois ve-
nha a realisar-se particularmente entre os
mesmos conlrabeutes ha vendo dolo para
raudar o corretor, este ter direito a rece-
bar a corretagem que fr devida.
Art. *t. A incumbencia de qualquer ne-
gociac.1o feita 11 um corrotor entende-sa fin-
ita no mesmo dia, silvo convenci em con-
trario.
Art. 45 Ocorretor (leve fazer assento de
todas as operaces, em que intervier, no-
tando cada urna dellas, apenas fr conclui-
da, em um caderno manual paginado.
Art. 46. Os ass intos do artigo anteceden-
te serao numerados seguidamente pela or-
dem em que as transaeces frem celebra-
das, o devero designar o nome das pessoas
que nellas intcrvierem.asqualidades, quan-
tiiiades e precos dos effeitos que fizerem o
nbjeclo da negociacSo; os prazos e condi-
eiVis dos pagamentos, e lo lase quaosquer
circumstancias oceurrentes, que possam
servir 1 ara futuros esclarecimenlos.
Art. 47. Osassentos do caderno manual
devoran ser langa ios diariamente em um
protocot'o por'copia lillera!, por extenso,
d.> MOf.
1 .\iii.....ir em contrato ou negoriacao,......,.._ ,
me'rcanfilTit. porgue inlervengao ; pna sem brancas, ^^JSStiSSjtt
de nullidade e multa de 200/. posiges, guardada a metma nutne.ag.io uo
de_.
3 Encarregar-so de cobrangas ou paga-
! montos por cunta albeia.
4. Adquirir para si ou para pessoa de
sua familia cousa, cuja venda Ibes lr in-
cumbida, ou a algnjn "ulro correlor, anda
mesmo que seja a pretexto do seu consumo
particular; pena de suspensao, ou perdi-
miento do officio e de urna multa de 80. a
16/.
Art. 38. as disposiges do artigo prec-
danle nao se
pagamentos
por cfTeilo do .
intervindo, nem a conlitiuagilo das socieda-
des actualmente existentes para ouerages
de corretagem, al que linde o tempo por
que fram conlrahidas.
Art. 39. Os corretores d'osta capital co-
bra rao de commissao o seguinte:
manua.
O protocillo ser numerado. rubncaUo,
aborto e encorralo por um olucial do tne-
souro ou da theaouraria, que os respectivos
inspectores designare n, o lera as lormali-
dades exigidas para o livro doscommer-
ciantei, sb pena de multa de 100 a 200,000
ris.
O referido protocollo ser exlubivel em
juizo a requerimenlo do qualquer interes-
1 comprebendeinas cobrangas e I sado, o mesmo oflicialmenlo para os exaint
, que fizerem aos committentes I necessarios nos casos, o pela forma em que
le iransacges em que tiverein o sao o< livros dos commerctanles.
Appolices da
divida pu-
blica.-. .".
Acges de
companhias
Metaes. -
Lettras de
Cambio .
Ditas de des-
cont at 4
mezes
Ditas de dito
para mais
de 4 ditos
Gneros de ex-
portar lo.
Assucar .
Caf.
1|8 0lo 1|8 0[0
1/000
llSlo
1#000
llf0|0
1|8 0|0
1,8 0(0
l|2 0|0 1l2 0[0
lOrs. por
arroba.
Sobre o valor
elTeclivo.
Cada urna.
Sobre u im-
p o r lancia
en notas
Dito.
Conforme
c onvengo
mutua.
Subresua ini-
poitaucia.
Couros. .
Outrosquaes-
quer gene-
ros .
C en eros de
importag3o
Vendas de na-
vios ....
Fr o l a metilo
do ditos.
Agencia de
seguros.
'I'ra.lo/ ir ma-
nifestos ,
1|2 0|0.
1)2 010
Dito.
Dito.
Dito.
Dito.
Pa go polo
pioprictario
ou consig -
nalmio su-
bte o valor
do frote
l'ago pelo se-
gurado.
I'agos pelo
p r oprieta
ou consi
tariopor.
uina da
primo'
tinas
rs. p^Fcada
11 ni .alas se-
L'uintos, nun-
ca cxeedi'iido
a importan-
cia total a
mais de 40,y
rs.
2/oO Cada urrra.
situagno dos mesmos, o seus livros de re-
gistrnos casos cm quo devem ser exhibi-
dos os dos negociantes.
2.0 Segundo a gravidade dos casos, cen-
surar, e mesmo susponder ate C mezes os
corrotores que conlravierem as disposi-
ges da lei, remetiendo ao juiz do com-
merco as queixas reduzidas a escrpto, o
assignad.is pelos lesa.los, ou quaesquer in-
formagoes oblidas sobre o faci.
3." I'i-icalisar que nenhum individuo sem
titulo legal se inlromella au funcges de
corretor; os que asim obrarem ineorre-
r.1o cm uina mulla da 10#a i:o/;appl'ca<1
para as despe/.as da praga, finando a cargo
da junta promover perante a competente
autor-iailo a elTectividado do pagamento
dcssi mulla
4. Decidir as conlcstagos que so sus-
ci.tarcm entre os corretores, relativamenlo
ao exerciciojlegal de suas funcges. Se os
interessados no quizerem! acqnioscer, a
docisnosora do juiz do coinmercio respec-
tivo.
5.0 Motivar o seu voto sobro os candida-
tos presentados ao governo para os luga-
gares vagos de corretor.
6.0 Assgnar curso ollicial, contando-os,
aos novos effeitos quo apparecorem na pra-
ga, qtisndo obtivera certeza queaemissao
desles valores di luara transacgOos serias
e frequenles. sondo preciso que es>s nc-
gociages reunam qiialidados tiecessariasn
para produzir um prego e curso verdadeiro,
o tal que o publico no possa sr induzido
em erro sobre o valor real dos novos ef-
feitos.
Art. :.9 ('.llegada a hora de ecliar-sa a
praga, so reunir.1g o corretoree com os
membros da junta para venflcarem ecola-
rem os precos das transaccOes do da.
Art. 60. Estes pregos devcr3o ser langa-
dos em livro proprio para esse effeito, com
declaracao do nuximo.; mnimo. O lan-
gamento sera aseignado pelo presidente o
secretario da junta, e 0111a copia autbenlica
della ao publicar e.n utiw das Moas mer-
cantil do dia seguinte. No lim do anno
ser o livro guardado no arcuvo da com-
missao de praga.
Art. 01. O presidente remetiera semanal-
menteo bol-tim do curso dos cambise
fundos pblicos ao prest lente do thesouro
publico nacional. O tbesoureiro arrecada-
r ni multas e emolumentos, e entregara o
producto delles no fin de cada me/, ao llie-
soureiro da pinga do commercio (artigo 89).
Art 62 A junta, posto que encarregada
de verilicar e colar o curso dos elle)loa p-
blicos, nao garante o seu valor, nem a sol-
vabilidado do devedor, mas be responsavel
pela exactidffo dos pregos colados.
Art. 63. Pelas certides que passarem os
corretores e secretarios da junta, percebe-
rao os primeiros oara si, e os segundos para
as despezas da praga, os emolumentos
marcados no artigo 39.
Art. 6. Ajunu no tem direito de co-
nhecer o julgar as reelamages que tercei-
ros losados fizcicm contra qualquer dos
corretoros, mas devela intervir no caso do
artigo s-guinte.
Art. 65. As reelamages dos committen-
tes contra os corretores sero apres-ntadas
primeiramente a junta, quo desvelara em
comp-los : e s no caso em que se oppo-
nbam a deliberacSo da junta poderao re-
correr a justiga compleme. O proprio
coiretor nunca o poder fazer contra qual-
quer decisSo da junta.
Arl. 66 As certides pedidas dos differon-
les pregos de registro serao paseadas pelo
o seu producto applicado para
Art. 48. O correlor, cojos livros frem a-
cliados sem a regularidado e formalidades
especificadas no artigo antecedente, ou com
falta de deelaragao de alguma das indivi-
duages dos arts 45, 46 e 47, sera obrigado
a inilemnisar as partes dos prejuizos que
d'ahi Ibes resultarem, multado na quantia
de 50 a 100,000 rs., e suspensopor tres a seis
me/es; no caso de reincidencia ser punido,
com multa de 100 a 200,000 rs., o perder o
officio.
Art. 49. Os livros dos corretores quo se
acharen) sem vicio nem defeito, e escritu-
rados regularmente, como lica prescriplo,
lerdo f publica
As certides exlrabidas dos mesmos li-
vros com referencia a folha o.n que se acha-
rom escripturadas, sendo pelos mesmos cor- lscd,c^7;st(1 rectores subscriptas eass.gnadas, InfpMf. r v
ga de escriptura publica para prova dos con-
tratos respectivos.
O corretor que passar certidao contra o
quo constar de seus livros, incorrer as
penas do crime do falsidade, sera demitti-
do e multado na quautia de 200,000 rs.
Art. 50. Nenhum corretor podera dar cer-
tidao senflo do que constar do seu protocol-
lo, e com referencia a elle ; c smente at-
istala o que vio ou ouvio relativamenlo
aos negocios do seu officio por despacho da
autoridade competente; pena do mulla de
10a 50.000 rs.
Art. 51. As quebras dos corretores se prc-
stimem sempro fraudulentas.
CAPITULO III.
Junta dos corretoret.
Art. 5>. Ilavor urna junta composta de
cinco membros, dos quaes tres, pelo me-
nos, perlencerSo a classe dos fundos pbli-
cos. Esta junta sor nomeada pelos cor-
rclores do tudas as elasses por maioria ab-
soluta dos que so acharen! presentes, com
o lim marcado nos artigos seguintes :
Ait. 53. A primeira eleicSo da junta sera
presidida pelo presidente da commissao da
praga do commercio, a as posteriores pelos
presidentes das mesmas juntas dos corre-
lores.
Art. 54. Na sua primeira reuniao elegerao
os membros da junta dentro si o seu pre-
sidente, secretario e o tbesoureiro.
Arl. 55. A junta servir por um anno,
mas os seus membros poderao ser re-
eleitus.
Ait. 56 As decisOes da junta serao toma-
das pela maioria absoluta dos votos de
seus membros.
Ar. 57. A primeira junta que fr organi-
sada rara o seu regulamento interno, que
submettea apprcvac3o do governo
Art. 58. Competir a junla dos corre-
tores :
1. Exercer vigilancia sobre todos os cor-
retores para que se conlenham nos limites
Je suas ruucges lgaos. Podera, porlaulo,
examinar, quaudo o julgar necessario, a
ges do presente regu-
lamentoSo sero alteradas sem previa in-
fonnacBo da junta.
CAPITULO IV.
Da praca do commercio.
Art, 68. Os correlores reunir-so-bao na
mesma casa quo serve agora de praga do
commercio, cujo rgimen econmico e po-
licial continuara b cargo da commissao da
mesma praga, na forma do seu regulamen-
to interno. .
Art. 69. Alm das subscripges annuaes
pagas pelos assignantes, percebera mais a
commissao da praga para suas despena:
primeiro. 300 rs. por cada annuncio de 111-
teresse particular, que se allixar na praga ;
segundo, a importancia das multas que pa-
g.roni os- corretores ; terceiro, os emolu-
mentos das certides que passarem os se-
cretarios da junta dos corretores (arlt-
\rl *70. O presente regulamento ter in-
teira execugao ne-ta praga do primeiro de
Janeiro de 1850 em dianle ; e sera appltca-
do s outras com as modilicages que exi-
girem as circumstancias locaes de cada
una dellas. .
Art 71 Os reglamentos internos das
nracas do commercio das provincias, e as
nodificages que devem ser feitas nos da
corte nao podrHo ser execulados sem ap-
provago do governo imperial.
Ait. 72. Ficam revogadas todas asdispo-
sicestm contrario.
Rio-de-Janeiro, 10 do novembro de 1849.
-JUn?um Jos Rodrigue Torres.
TIUWJNAL DA LtELACAO'.
N. sessao de 15 de dezembro do corrente
anno ri ulgado o habeas-corpas de Antonio
Uuai te Leiie pelo accordam seguinte:
Accordam en, relacao, etc. Que deixam de
deferir a soltura do paciente, a vista das infor-
males de f c f. por jruar o mesmo solt,
como declaran o carcereiro em cumprimeiun
i,oi Uiria do chefe de polica, e seta junta aos autos; adveriemao mesmo
-ADO
ni



rarcrreiro que nao pude soltar presos que ti-
vrein em seu favor ordrin de habrai-coipus,
por mandado de quaesquer autoridades que
liverein decretado a prlsno, por fearem entio
alenos ao superior que Id es conceden a refd-
i ida ordem de /lo/ii'os-rorpM, r, como se nao
ni.ui (Vil,i evidentemente desobediencia, ou
reluctancia eui apresentar o queixoso, e antes
se 11 n 11 i ignorancia de sua pertr, o relrvam
por esta vei da responsabilidade etn que po-
derla ter incorrido.
Herife, 15 de dezembro de 1R49.Aterido,
presidente. Itebello.llamos, votel procedl-
inento de responsabilidade.Bollos.Ledo.
Souta, vntei pela responsabilidade do carce-
reiro.Tiln.Ksl.i conforme.O secretario,
Ferriir:
Nao foram julgadns os feltos com dia assig-
nado, por haverem faltado osSrs. desembar-
gadores Villarese Luna Freir.
a^mtsmstm^mssaaaBaa
Correspondencia.
Sr$. redactores. Assim como a insegu-
ridade e o sobresalto caracterisam o Iio-
mem brbaro e cruel, ohsecado pelo crime,
6 que parece sentir o effeito da cabeca de
Medusa, a cujosepecto os coraefies muda-
va tn-se etn rochedos ; a viitude, pelo con-
trario, Inicio da experiencia e da reflexflo;
sitnpies e sem atavos, como a propria na-
tureza ; ingenua, como a palavra de Dos,
conslittic o rrais nobre exercicio da raso
Ihhi ni ii, e msis se sublima proporcflo
que diffunde sobre a humanidade os seus
beneflcios, dos quaes lamben compartidla.
Se a i'icdade, como ludo o prova, lie mili-
to rara no mundo ; porque o mundo est
clirio de intiuineraveis seres insensiveis as
desgiacas de '-'iis semelhantes ; porquanto
em mis este sentimento no existe, em ou-
tros, lie tSofraco, que o menor interesse,
a menor paixflo ea mais ligeira phantssia
s.lo capazes de extingui-lo; de quanta glo-
ria nio ser credor o homem virtuoso, que
emprega todos os cuidados em salvar a
existencia de urna mi de familia, pobre,
desvalida, rodeada de seus innocentes li-
Ihinlios! Sim, senhores redactores, qual
nSo seria o meu regosijo ao ver mmha
consone, pejada o com tim cancro na boc-
ea, que j I he 11 nliii corrodo as gengivas, e
pouco fallava contaminar-ltie a garganta,
livre de to horrivel enfermidade / Foi o
lllm. Sr. Dr. Guilherme May quem arran-
cn minlia mulher das bordas da sepultura,
'M'siiiuiiiio-a a seus lilliinlios desvalidos,
I .mi dignos de seus desvelos Muito deseja-
va no ser um pobre prol'essor de msica,
natural de urna nacoto ingrata e mes-
quinha para os seus artistas, afim de re-
compensar o meu protector e o meu santel-
mo na ii aun tormenta, de que fui 1,1o in-
felizmente Multado. Podesse eu, ao me-
nos, insciever por sobre o prtico desse
alheen, onda o Sr. May adquiri i.'io uteis
eniiliei ii.enios: Gloria eterna ao piednso e
distincto amigo da humanidade, opbilan-
tropo Cuilhertrie May, que to prestante
'em sido a Pernambuco.
Tambem silo dignos do meu prorundo re-
onliecimenlooslllins. Srs. Drs. Jos Eus-
iaquio Comes, Caetano Xavier Poreiri de
linio, JoJo Kerreira da Silva, Jos Joaquim
de Moraes Sarniento, e oSr. Januario Ale-
xandrino Itabello d> Silva Caneca, quo es-
poillalieamcillu eoailj Masivo! operac,o. Recile, 1S de dezombro
>!' IH'.'J. Manuel Vleirn le Jess.
blico Jota Athanazio Botelbo, negociante
Francisco Dranco, lir. Angelo Henriques da
Silva, alfercs Caetano Jos Mendes, nego-
canleJoiio da Costa Dourado, padre Jos
Ildefonso Rodrigues da Silva Dutra, botica-
rio Joilo Pereira da Silveira, negocio Geral-
do Concia Lima, alfares Antonio Josc Ro-
driguesdeSouza Jnior, ompregado publi-
co Caetano Gomes de S, artista Bartholo-
meu Cuedes de Mello, rr.ajor Luiz Antonio
Alves Mascarenhas, negocianto Francisco
Jos Pereira Braga.
SUPPLENTES
lis Srs. Major Jos lligidio Ferreira, ad-
vogado Jos Narcizo Camello, proprietario
Manoel Alves Guerra Jnior, empregado
publico JoSo Hermenegildo Borgcs Deniz,
commendador Vicenta Thomaz Pires de Fi-
gueiredo Camargo, escrivo Flotianno Cor-
rea de Brillo, major Rento Jos Fernandes
Barros, alfares Jos Alves Guerra, Dr. Igna
co Nery da Fonseca, Dr. Francisco Carlos
Itrando, empregado publico Antonio Pe-
dro de Figueiredo, major Antonio Jos de
Uliveira, empregaao publico Francisco 81-
mes da Silva, empregado publico Joilo
Baptista do Araujo, capito Firmino Jo>
de Uliveira, coronel Jos Bento da Costa,
negocio Jos Ribeiro Simoes, negociante
Antonio da Silva Gusm.to Jnior, negocio
Joaquim Francisco de Torres Gallindo, al-
feres Mauricio de Assis Santos Telles, ne-
gociante Antonio de Oliveira Mello, Jos
Mendes Guimarfles, capito Joaquim Tei-
xeira Peixolo, escrivo Luiz Francisco Cor-
rea de Brillo, lente Caetano de Assis
Campos, lente Joaquim Delinques da Sil-
va, escrivSo Antonio Ignacio de Torres Ban-
deire, padre Vicente Ferreira de Siqueira
Varejo, major Antonio Francisco te Mou-
ra, capito Francisco de Paula de Quei-
roz Fonseca, negociante Prxedes da Sil-
va Cusmo, negocio Miguel Carneiro da
Cunta, negocio Joaquim Antonio de Car>
albo.
Os quaes todos (lvenlo comparecer im-
preterivelmente s 9 horas da mandila, li-
cando os que deixarem de o fazer sem escu-
as legitima subjeilos mulla comminada no
artigo 127 5. n. 2. O que para constar
mandel azer o presente edital quo ser af
lixado nos lugares mais pblicos desta fre-
guezia, e publicado pela imprensa.
Primeiro districtoda freguezia de Santo-
Antonio do Recil'e, 19 de dozembro de
1849. Eu, Joaquim da Silva Rogo, escri-
vo, o escrevi.
Jodo Valentim Filela.
E para que cheguo noticia de todos
mandei lavrar o presente, pormim assigna-
do, que ser aflixado nos lugares mais p-
blicos e publicado pela imprensa.
Primeiro districto da freguezia do Poi;o-
da-Panella, em 17 de dezembro de 1849--
E eu, Jeronymo do Regp Barros, escrivSo o
escrevi los Camello do llego Barros.
Declaracoes.
COgMErtll.
ALPANDEGA.
Reudimento do dia 18.....12.299,639
CONSULADO GERAL.
Rcndimento do dia 18.....3:064,231
Diversa provincias...... 129,879
3:194,110
CONSULADO PROVINCIAL.
Reudimento do dia 18.....2;544,362
MiaWBMJH-l------1.1-JLI-----!l1______Lina_--
Movimemo do Porto.
Navios sahidoi no dia 18.
Emcommissilo B.igua-escuna de guer-
ra brasileiro Leyalvlade, conimandante o
capitn-tenente l.ou renco da Silva Arau-
jo Amazonas.
Rio-de-Janeiro por Babia Vapor de guer-
ra brasileiro D.-Pedro, commandaute o
capitilo-tenente Jos Maria Nogueira.
Conduz21 recrutaseos passageiros Joa-
quim Ayres de Almeida Freilas. Pedro
Eunapio da Silva Deir, Aprigio Teixeira
Comes e criados.
EDITAtS.
O major Jo.'w t'alenlim FHiela, juiz de paz do
primeiro dislriclo da freguezia do SS. Sa-
cramento do huirro de Santo-Antonio da ci-
dude do Hecife, provincia de l'ernambuco,
em virlude dn le, ele.
Fac saber que, emeonformidade do ar-
tiglo do capitulo 2 ila lei n. 387 de 19 de
agosto do anuo de 1846, e ordens da presi-
dencia que me fram transtnittidas pela c-
mara municipal, convoco os cidados abai-
xo declarados, os primeiros na qualidade de
eleilores e os segundos na qualidade de
snpplentesde eleilores de toda parocliia
desta freguezia de Santo-Antonio do Iteci-
fe, para que na tercena dominga (" 20) do
me/ de Janeiro prximo futuio compare-
can no corpo ds igreja matriz desta dita
Ireguezia, afitn de proceder-so fonnaco
da junta qualilicadora para rever a lista ge-
ral dos cidados que teem direito do volar
na eleico de cleitores, juizes de paz e ve-
readores.
ELEITORES.
Os Srs. Commendador Venancio Henri-
ques de Reseude, commendador Antonio
Joaquim de Mello, lenenle-corouel l)omin-
gos Alfonso Nery Ferreira, lenente-coronel
Rodolplio Joo Barata de Almeida, Dr. Joa-
quim Jos da Fonseca, Dr. Joo Jos Ferrei-
ra de Aguiar, capito Claudino Benicio Ma-
chado, lenente-coronel JoSo Podro de Arau-
jo e Aguiar, lenle Caetano Pinto de Ve
ras, Dr. Manoel Jos da Silva Neiva, padre
Joo Jos da Costa Ribeiro, coronel Fran-
cisco Joaquim Pereira Lobo, empregado pu-
blico Francisco de Paula Machado, slferes
Joo Antonio de Paula Rodrigues, major Se-
baslio Lope Cuimarfies, proprielario Ma-
nuel Antonio de Jess Jnior, alteres Fran-
cisco Lucas Ferreira, empregado publico
Joaquim da Molla c Silva, negocio .Manoel
Aurbei Ip Jorjje Goucajves, empregado pu-
O coronel Francisco IHamede de Almeida, juiz
de paz presidente da junta qualifcadora da
freguezia de San-Fre-l'edro Goncalves, em
virlude da lei, ele
Faco saber, em observancia do artigo 4."
da lei de 19 de agosto de 1846, que, tendo
de formar-se a junta qualilicadora desta
freguezia, para darse execuco nos artigos
25, 26 e 27 da mesma lei, convoco por isso
aos eleilores c supplentcs abaixo declara-
dos, iilim do compan-cerern no dia 20 de Ja-
neiro prximo futuro pelas 10 horas da ma-
nha na respectiva matriz, afim de poder
ser instaurada a referida junta, e desl'arte
dar-so inti-iro cumprimenlo aos citados ar-
tigos, si'ili as penas da mesma lei.
BLB1TOHE8.
Os senhores. Antonio Gomes Leal, An-
tonio llenrique Mafia, JoSo Francisco Tei-
xeira, Jos Francisco Maiinho, Jos Paulo
da Fonseca, Francisco Mamede de Almeida
Jnior, padre Francisco Jos Tavaresda Ga-
ma, FirminoPessoadaGama, Manoel Gon-
calves da Silva, Dr. Joaquim Jos do Souza,
Jos Rodrigues Pereira, Joo Marques Cor-
ris, Joo Baplista Fragoso, padre Primo
Feliciano Tavares, Manoel Estanislao da
Costa, Joaquim Alves da Silva, Jos Ribeiro
de Bnto, Elias Ignacio de Oliveira, Domin-
gos Soriauo Goncalves Ferreira.
SUPPLENTES.
Os senhores. Antonio Joo da Ressur-
reic&o e Silva, Jos Joaquim de Oliveira,
Antonio Jos de Castro, vigario Francisco
Ferreira Barrlo, Jeronymo Joo Pinto,
Luiz de Franca e Mello Jnior, Luiz Anto-
nio Vieira, Dr. Cosme de S Pereira, Manoel
Antonio da Silva Anlunes, Jos Joaquim de
Lima, Joo Cardozo Ayres, Domingos Alves
Matheus, Bernardo Cardozo Ayres, Joaquim
Cardozo Ayres, Manoel Caldas Brrelo, Sa-
lustiano de Aquino Ferreira, Luiz Antonio
do Siqueira, padre Ignacio Francisco dus
Santos, Antonio llenrique Mara Jnior, Jo-
s Bernardes de Souza.
E para constar mandei passar o presente
que sera publicado pela imprensa, ealixa-
Uo no lugar do costme.
Freguezia de San-Frei-Pedro Goncalves,
15 de dezembro de 1849. E eu, Manoel
Joaquim da Silva Ribeiro, escrivo o es-
creve.
Francisco Mamede de Almeida.
Pela inspectora do arsenal de mari-
iiha se convida a lodosos individuos livres,
at o numero de 50, que se quizerem em-
pregar como serventes as obras do mes-
mo arsenal e as do mellioramentodo por-
to, a se entenderem com o respectivo ins-
pector, o qual, em virtude de ordens do
Exm. Sr. presidente da provincia, Ihos ga-
rante a isenco do recrutamento, emquao-
to se oceuparem efleclivamente nessas
obras; sendo o jornal a dar-se de 640 rs.
por dia.
-- Perante o concelho de adroinistracSo
naval tem de contratar-se por arrematacSo
o fornecimento dos gneros seguintes, por
tempo tilo smentede tres mezes, para os
navios armados e hospital de marinha:
ao'ardente, bolacha, carne verde, carne
secca, cs moido, familia, feijSo, lenha,
pflo e sal; pelo que convida-se a quem con-
vier fazer semelhante fornecimento a com-
parecer s 12 horas da manhia do dia 21 do
correte, na sala dassessoesdo mesmo con-
celho, munido da proposla em que declare
o ultimo preco e o nome do fiador, que se-
r para essefim pessoa habilitada: decla-
ra-se que as propostas devem vir assigna-
das, eque os concurrentes devem-se achar
presentes no acto da arrematscSo, s6b pe-
na de no serem aceitas as mesmas pro-
postas.
PAGADORIA MILITAR.
Em cumprimente da ordem do lllm. Sr.
inspector, e da do Exm. Snr. concelheiro
presidente, de 15 do corrente roez, annun-
cia-seque perante esta mesma pagadoria se
aircuiatarflo em hasta publica 17 cavallos
que pertenceram a companhia fixa de ca-
vallaria, principiando no dia 18 deste pre-
sente mez a primeira praca asi I horas da
nianha, o continuara as citadas horas nos
seguintes dias 19 e 20. Os pretndanles p-
dem ir ver na cochia da predita companhia
os ditos cavallos.
O agente da provincia das
Alagss reside presentemente no
segundo andar da casa da ra da
Praia, n. 35
gunda dita 2,000 rs. terceira dita e platoia
1,000 r. *________________
lieparlicao da polica.
lllm e Exm. Sr. Das parlicipacOes que
me fram dirigidas do dia 8 at hoje,consti-
terem sido presos: minha ordem, Fran-
cisco da Silva Novaos, por haver sido en-
contrado comfuma faca de ponta : i ordem
do juiz municipal de urna das varas desta
cidade.a prela Margarida Josefa.como indi-
ciada em criroode morte: ordem do sub-
delegado da freguezia de S.-Frei-Pedro-
Goncalves do Recife, o pardo Concalo Flix
de Souza,por se achar pronunciado; Manoel
dos Santos, por crime de furto : ordem
do subdelegado da freguezia de S.-Antonio,
0 Porluguez Ignacio de Brito Taborda, por
andar armado ; os escravos Lourenco e Fe-
1 icidade.e urna preta forra que nilo quiz de-
clarar o nomo, por correcco ; e os escra-
vos Joaquim, o Venancio, sem que me fosse
communicado o motivo : a ordem do sub-
delegado da freguezia de S.-Jos, o preto
Manoel Funco, por ebrio : ordem do sub-
delegado da freguezia da Boa-Vista, o es-
cravo Joaquim, por haver espancado um
cabo de primeira linlia : do subdelegado
do segundo districto da freguezia dos A to-
gados, o escravo Jos Olegario Coleta, sem
que o motivo me fosse devidamenle com-
municado.
Na madrugada de hontem se evadiram da
cadeia desta cidade.os presos Manoel Lean-
dro de Souza Foitoza,Filippe de Santiago da
Cunba, Francisco Ferreira, Raymundo Jos L^Jnwo"
geiros. trata-se com o consignatario, Joi.
i| ni ni Ferreira Mendes Cuimarcs, na ruad*
Cruz, n. 49, primeiro andar, ou com o refi.
rido capito, na praca doCommercio.
Para Lisboa sahe Impreterivelmente
no dia 29 do corrente o brigue portuguez
Coneeicao-de-Maria: para o resto da carga e
passageiros, para os quaes offerece excel-
lentes com modos, trata-se com os consigas.
tarios.Thomaz de A. Fonseca & Filho.na ru
do Vigario. n. 19, primeiro andar, ou com
o capito na praca do Commercio.
Para o Rio-de-Janeiro sahe
por estes dias, por ter a maior
parte do seu carregamento promp.
ta, o beni conhecido e veleiro bri-
gue nacional Bom-Jesus : para
carga e passageiros trala-se com o
capitao no caes da Alfandega, ou
na ra da Madre-de-Deos, n. 3,
terceiro andar.
Para a Baha sabe, em poucos dias, a
sumaca Flor-do-kngelim, mestre Bernardo
de Souza, por ter a maior parte da carga
nrompta : para o restante e passageiros
trata-se com o mesmo mestre ou com Luiz
Jos de S Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
Para o Rio-de-Janeiro segu, em pou-
cos dias, o brigue nacional iouphina : quero
no| mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gein, dirija-seao consignatario, Domingos
Rodrigues de Andrade, na ra dos Tanoei-
ros, armazeni u. 5, ou ao capito a bordo
Joia* Camello do llego Barros, juiz de paz do
primeiro districto da freguezia do l'oro-da-
l'anella, em tirtude da lei, etc.
Oevendo procedei-se reviso da quali-
ficacodos votantes desta freguezia na ter-
ceira domitiga de Janeiro viudouro, na con-
rormidade do art. 25 da lei regulamenlar
das eleicoes; convoco em observancia do
art. 4." da citada lei aos senhores eleilores
o supplentcs da mesma freguezia abaixo no-
meados, para que comparecan no referido
da 20 de Janeiro vindouro pelas 9 horas da
uianha no consistorio da igreja matriz a-
iim de se formar a juma qualilicadora.
ELEIIORES.
Os Srs. Antonio Lins Caldas, Francisco
de Paula do Reg Barros, Francisco Jote
Alves Gama, Joo Francisco do Reg Maia,
Sebaslio Antonio do Reg Barros, Jos Ig-
nacio Pereira da Rocha, Francisco Muniz
Tavares, Joaquim Jos Carneiro Monlciro,
Jos Francisco Carneiro Monteiro, Jos
Tlieodoro do Sena, Florencio Jos Carneiro
Monteiro, Manoel Caetano Soares Carneiro
Monteiro, Pedro Jos Carneiro Monteiro,
Joo Leite Rodovalho, Jos Francisco do Re
go Barros.
SUPPLENTES.
Os Srs.-Flix RamosLiouthier, Joo So-
verino do llego Barros, Miguel Joaquim do
Reg Barros, Sebastio Jos do Reg Bar-
reto, Bento da Rocha lian lerley Lins, Jos
Lopes Cuimarcs, Joaquim Jos de Amu-
nm, Joaquim Tavares Rodovalho, Joo Pi-
res Ferreira, Joaquim de Albuquerque Fer-
nandes Gama, Francisco Cezario de Mello,
Antonio Flix Muciul, Manuel Joaquim do
Reg Barros, Joaquim Jos Gavalcante,
Joaquim Tiburcio Ferreira, Jos Feliciano
l'ortella.
THUATKUDE AFOLLO.
QUINTA-FEIRA, 20 DO CORRENTE.
I'litjsica experimental etn tres aclot.
Depois que urna grande orchestra tiver
desempenliado lindissima overtura dai
principio o seguinlo:
I ACTO.
Quadros de nutens.
1. As duas faces do globo.
2. O templo d'ApollinopoIes, no Egypto.
3. Baalhec, visto pelo lado do rio.
4 As pirmides da Esphinx, no Egypto.
5. Abhotsfard, na Irlanda.
C. A mgica.
7. Alexandria, na Turqua.
8. Iliiiti, na Suissi.
9. Um moinho d'agoa.
10. O interior da sala do senado, no pala-
cio do dogo, em Veneza.
11. O interior do mosterio de Santa So-
phia, em Conslantiuopla.
12. Naufragio de urna galera.
13. Entrada de um vapor etn um porto
da Turqua.
14 Systama dos planetas.
15. Diversos grupos de figuras humanas.
Intervallo de 20 minutos.
II ACTO.
{tundras de nuvens.
1. As montauhas da loa, Tycho e Aristte-
les, como vio lord Ross's pelo seu grande
telescopio.
2. aples e o Visuvio visto de dia.
3. dem dem visto noitede la.
4. O templo de Memnon, em Tlibas
5 Baalhec, visla de dia.
6. A i onte da Seyhs, em Vienna.
7. O templo do llolv ora em Edinburgo,
visto noile de la.
8. Urna parle da estrada de S.-Bernardo,
nos Alpes.
9. o exterior e interior do sepulchro de
N. Sonhora, em Jetuzalem.
10. O interior da cathedral, em Lyon,
com a eapella de S. Luiz.
11. Lisboa, pela Almada.
12. OTivoli na Italia.
13. olago delzolablla, na Italia.
14. Um moinho por vento.
15. Um ciminho de forro, na Inglaterra.
16. Diversos grupos de figuras humanas.
Intervallo de 20 minutos.
lll ACTO.
I. Do/e diversos coros do chromaleopes.
Principiara s 8 horas chegada de S.
Exc. e lindar s 10 pouco mais ou menos.
O director tem a honra de fazer sciente
ao respetavel publico que desta vez em lu-
do estar mais brilhanle o espectculo, por
seren melhures as vista* e ter-se preveni-
do para que saia ludo com toda a claridade
necessaria
Os bilhetes acham-se a venda na ra da
Cruz, n. 15, al s6 huras da tarde, e daui
por diante na porta do theatro pelos precos
seguimes: primeira ordem 1,500 rs., se-
llamos, Joo Baptista da Silva .Joaquim Jos
Alves, Manoel Ferieir de Araujo, Adrin-
no, escravo de D. Francisca do Rio-Formo-
zo, e Joo, escravo de Podro da Costa, ten-
do-se dita fuga verificado pelo cano da la-
trine, que deita para o mar. Segundo se
deprii. ideda communicacSo docarceroi-
ro.os presos,leudo arrancado a taboa da co-
berta da latnna, passaram a serrar urna das
grades que tapam o mesmo cano, eevitam
a fugida|dos presos;e porque|me parece que
este Ira bal do no se poda ter effectuado
em urna so noite.e portanto que a lampa da
latrina ja eslava despregada ha mais tempo,
tenho nesta data oflciado ao juiz de direi-
to da segunda vara desta capital afim de
que proceda contra o carcereiro pelo des-
leixo que tivera em no empregar toda a
vigilancia o cuidado, pela segranos dos
mestnos presos.
Dos guardo a V. Exc. Secretaria da po-
lica de Pernambuco, 10 de dezembro de
1819.-lllin. e Exm. Sr. Honorio Hermto
Carneiro Lefio, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.O chefe de poli-
ca, Jeronymo Martiniano Figueira de Mello.
lllm. e Exm. Sr.Fram hontem presos -.
i minha ordem,o estrangeiro Carlos Jos de
Barrps Muhter, por no haver tirado o seu
titulo de residencia na forma da lei : or-
dem do subdelegado da freguezia de S.-
Fre-Pedro-Goncalves, os Porluguezes Se-
bastiSo Vaz e Joaquim Antonio Leite Gui-
mares, por crime de roubo : ordem do
subdelegado da freguezia de S.-Antonio, o
preto Roque, escravo do Dr. Manoel Mendes
da Cnnlia Azevedo, por assim o haver re-
querido o respectivo dono: i do sohdele-
gado O fmguezla ilc s -Jos, Domingos de
tal, por suspeito de crime de furto.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da po-
lica de Pernambuco, 14 de dezembro de
l.Hl.lllm. e Exm. Sr. Honorio Hermto
Carneiro Leo, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.O chefe de poli-
ca, Jeronymo Martiniano Figueira de Mello.
Para o Bio-de-Janeiro
sabe at odia 20 do corrente mez o brigua
nacional S.-Manoel-Augusto : para alguma
carga e passageiros, para o que tem excel-
entes commodos, trata-se na praca do Cor-
po-Santo, n. 6, primeiro andar, ou com o
capito Jos da Cunta Jnior, i bordo. _,.
Para ao ilhas de S.-Miguel,
Terceira e Fayal sahir brevemen-
te a escuna portugueza Favorita^
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de Mcdeiros: pa-
ra carga e passageiros, trata-se
defronte do trapiche novo,
com Tbomaz de Faria.
n.
6,
Leilo.
-Manoel Francisco da Silva far leilo,
por inlervenco do corretor Oliveira e por
conta e risco de quem perteocer, de 30 bar-
ris de carne salgada da Palagooia, vindos
pelo brigue-escuna Olinda em agosto pas-
sado : quarta-feira, 19 do correnle, is 10
horas da manhfia, no armazem de Manoel
da Silva Santos, ra do Amorim.
Avisos diversos.
Avisos martimos.
Para Lisboa
sahe impreterivelmente no dia 29 do cor-
rente o brigue portuguez Veloz, capito An-
tonio Pedro de Figueiredo: para o resto
da carga ou passageiros, trata-se com os
seus consignatarios, Oliven a Irm&os k Com-
panhia, ra da Cruz, n. 9, ou com o sobre
dito capito, na prac do Commercio.
Para Lisboa sahe com a maior brevida-
de possivel a escuna portuguez Mulhtiro-
Prlmeiro, capito Joo Ribeiro Palha : para
carga Irata-se com seus consignatarios, Oli-
veira Irmos & Companhia, ou com o re-
ferido capitfio, na praca do Comrr.ercio.
Para o Itio-do-Janeiro vai sabir com
mu la brevidade, por ler a maior parte do
carregamento prompta, a polaca Sociedade-
Pelis : quem na mesma quizer carregar,
dirlja-se aos seus consignatarios Oliveira
Irmos cV Companhia.
Para o Para e Ufaranho
Segu viagem impreterivelmente no dia 21
do corrente para o Para com escala pelo
MaranhSo o patacho Joiephina, com excel-
lenles romtiiodos par passageiros; os pre-
tenden tes dihjam-seao capito, Jos Maria
da Silva Pona, ou a Jos Baptista da Fon-
seca Jnior, na ra do Vigario, n. 23, se-
gundo andar.
Francisco da Silva Molta Jnior, capi-
to do bergantn! porluguez Gralidi; pre-
cisa tomar a risco n aritimo at a quaolia
de 2:500,000 rs. pouco mais ou menos, em
moda corrente, sobre hypotheca do casco
o apparelho do dito brigue, e, sendo neces-
sario, sobre a carga que conduz, para paga-
mento das despezas feitas com o concert
do navio, e oul'as pela arribada Toreada
que Tez a este porto na sua viagem do Rio-
de-Janeiro para a cidade do Porto : os pre-
tendentesqueiraro dirigir as suas propos-
tas em carta fechada ao consulado de Por-
tugal nesta provincia ( casa n. 6, defronte
do Trapiche-Novo) at ao dia 21 do corren-
te, pelo tneio-dia.
Para o Rio-de-Janeiro segu viagem
com muito brevidade o patacho S.-Joo-
Vencedor : anda recebe carga e escravos a
frele. para o quo trata-se com Francisco Al-
ves da Cunha, na ra do Vigario, n. 11.
Para a Babia segu, com a maior bre-
vidade possivel, o hiate Ligeiro, forrado e
pregado de cobre : para carga e passagei-
ros trala-se na ra do Vigario, n. 5.
Para oAracatysahe impreterivelmen-
te no dia 10 de Janeiro a sumaca nacio-
nal Carlota, mestre Jos Goncalves Simas,
por se achar com a maior parte da car-
ga prompta : para o restante e passageiros,
trata-se com o mestre, ou com Luiz Jos
de S Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
--Para Lisboa sahe impreterivelmente
por todo o crrenle mez o brigue portu-
guez .-Domingos, capito Manoel Goncal-
O escrivo interino do juizo municipal
da primeira vara mora na ra Augusta,
n.66.
Jo.io C. Keller Rordorf rctira-se para
fra do imperio un aun esposa, res flllio
menores e urna criada.
Ignez Joaquina Pessoa Itabello faz
sciente a quem convior que ella pretende
vender alguns escravosdocasal de seu finado
marido, Joaquim Jos Rabello, afim de li-
quidar cotilos o mais breve possivel com
os credores do mesmo casal, a quem pede
segunda vez hajam de apresentar suas coti-
las no lempo ja marcado no primeiro an-
nnuucio : as pessoas que pretenderetn ne-
gociar ditos escravos pdem comparecer
na travessa da l.ingota, na venda que foi
do mesmo Gnado.
Aluga-se, por prego commodo, urna
propriedade de pedra e cal, no lugar da Ca-
sa-Forte, junto ao Sr. major Vilella, por
Testa ou annualmente ; a fallar na ra do
Brum, ns. 6,8 e 10, fabrica de machinas
fundico de ferro.
Na ra do Sebo, n. 10, se faz negocio
com urna escripturade hypotheca j feita
em urna casa terrea na ra da Gloria, pela
quantia de 600,000 rs.
JoSo Leonardo Hangee sua familia re-
tiram-se para fra do imperio.
llenrique Munzel, subdito allemo, re-
tira-se com sua familia para fra do impe-
rio.
--Thonias Purceii, mbdito inglez, reli-
ra-se com sua familia para fra do imperio.
Na ra da Cruz, n. 3, existe urna car-
ta para o Sr. Francisco Morena da Costa.
Aluga-se una casa terrea na Soleda-
de, n. 17, com bons commodos para fami-
lia, quintal grande, todo murado : a tratar
no pateo du Carino, ti. 17, com Gabriel An-
tonio.
Precisa-se de um preto muito hom co-
zinheiio : na ra do Torres, n. 34, das 11
horas da manhua al 1 hora da tarde.
Aluga-se um molcque para o servico de
casa : quem o pretender, dirija-se praca
da Independencia, n. 3.
Precisa-se de um bom forneiro; no
Aterru-da-llon -Vista, n. 80.
Aluga-se urna casa no ('.achanga para
se passar a Testa, com estribara e cocheira,
por preco commodo : na ra Nova, n. 63.
Frccisa-se una ama de lei-
te forra ou captiva, sem cria: na
ra do Padre-Florianno, por ci-
ma da venda, n. "ji.
No dia 19 do correte, s tres horas da
tarde, se ha de arrematar em hasta publica
do Dr. juiz municipal da segunda vara urna
taberna, sita no paleo do Paraizo, arresta-
da a Luciano Magalhes Ribeiro, a requeri-
mentode Luiz Antonio Rodrigues de Al-
meida.
Precisa-se de dous contos de ris a pre-
mio de um e um qusrtoao mez, sobre se-
guranza em predios : quem quizer dar an-
nuncie.
Milito se deseja fallar com o
Sr. Joao de Lima Bastos, morador ^
no lugar do Barro, freguezia dos
Afogados, para negocio que muito
odeve interessar : na esquina da
ra do Queimado, loja de fazen-
das, n, a.
, Precisa-sede urna ama de ieite : na
vesVianna : para o resto da carga e passa-1 ra Direlta, u. 58, primeiro andar.


.. Para habilitar-SA a cumprir ordena su-
periores, o escrvflo interino dos orohjos do
'fcrmod Recife precia saber qualdos
Srs negociantes desta praga he Pdr'"
K menores Antonio Pinto Bezerra o JoBo
janueiio Pinto Bezerrn, fTIhos de Marta
leopha dos Serafina Bezerra. recolhidos
o collegio doa orpMos deOl.nd.e, po>.
fi I los de
Cleopha
aocollogio uu mt"v;.....-
oga ao mesmo Sr. Laja de mandHne a
competente decl.rago ao seu escr.plorio
rua das Cruzas, sobrado de un andar, nu
mero 29. .
Altencao!
OSr.que olTerercu 330,000 rs por um
moleque que foi ver na ra do Sebo. n. 29,
lenia a bondade de dingir-se a mesma ca-
a, par ra.ar-se sobre o mesmo oegoc.o.
Gratificaco! Pechincha!
Do da topara 17 do corrente
desapparecen um escravo, de no-
me Simo, chegado ha dous para
ires meiesdo Aracaty, o qual ten
os signaes segnintes: cor acabo-
ciada, porm tero cabellos carapi-
nhados, um tanto baixo, meio son-
so e falla um tanto fina ; levou
vestido camisa fina de madapoln,
calcas de brim de quadros j des-
botado e chapeo de palha j ve-
Jho na es beca ; foi visto no dia 17
na estrada de Santo-Amaro, tai-
ve para seguir para Pedras-de-
Foeo: roga-se polica e aos ca-
pitaes de campo, ou a qualquer
pessoa qne o capturen, que se pa-
garao todas as despetas e se gra-
bar, entregando-o na loja da
ua do Qneimado, n. 46 a Aze-
vedo& Irmo.
Bernardino Pinto de Menezcs relira-se
para Portugal.
A pessoa que guardou um enibrulho
contendo varias pegas de roupa, sendo
urna toallia de lavarinto em roda e de es
guillo ; uma dita de bretanha oom lavarin-
to as pontas; una saia de panno de linho
de lavarinto estreito; duas fronhas peque-
as com lavarinto no centro; dous panni-
nlius de meninos tambem de lavarinto ; 4
camisas de madapolflo com bahados, de se-
nhora, que por acdente um preto desampa-
mii na ponte da Boa-Vista, em occasiSo de
passar um matulo que langou por trra um
panicum em que iam as ditas pecas que to-
das eram novas ; e bemassimum appare-
lho de cha que ficou lodo em pedagos, ro-
ga-se a esta pessoa, ou a quem der noticia
destes objeetos, de dirigir-se ra do Co-
dorniz, n. 8, no Forle-do-Matlos, que ser
gratificada ; do contrario, em qualquer
parle que so encontraren! algunas destas
pegas,serflo tidal como furto,por serom bas-
tante conhecidas.
-- Fugio, no domingo, 17 do corrente, do
sobradu n. 40 da ra da Senzalla-Velha,
um fiii/iHfiiio, rom as guiaa das azas apara-
das ; consta ter voailo para as bandas da
ra -lo Apollo : roga-se a quem o achou de
restitu-!o,. ou annunciar por esta folhu,
que, sendo neepssario, se recompensar.
-Liiiz Antonio do Sampaio Vianna remet-
te|para a Baha o escravo Severino, de nac3o
Nag.
Precisa-se alugar uma preta escrava
que faca lodo o servido de urna casa: no
Forte-do-Mattos, ra do Codorniz, n. 3.
Avis aux amateurs.
TIB AU l'ISTOUCT.
Situ daa une des plua belles positions
des alenlours de la viile et la porle de
tour les promenrurs qui dsirent passer le
moment des fsles la campagne pour ou-
blier lea ennuis de la vil le, c'esl au tir qu'il
l'-'Ui aller, c'est un exercice nouveau ou
j'amour propre des amateurs est mis 011
jeu pour ejercer leur adresse. Les amateurs
sont pris de venir visiter cet lablisse-
menl ou les proprietaires s'empresseronl
d'lre en toul agreables au publie qui y
(rouvera d'excollenles armes, tous les jouts
des ftes et les dimanchus de midi a 9 usu-
res du soir.
Ce tir est situ a lendroit appel Chora-
Menino, au commencenment du chemin qui
va au Passage-de-la-Magdeleine.
Precisa-sede um liomem que queira
encarregar-se da distribuigfloe cobranga de
um peridico 1 na ra do llangel, n. 42.
A um cerlo Sr. que mora pouco longe
do becco indo do Livramenlo at o Palacio-
Vellio, para evitar 111 a ores incommodos, se
pede que queira saldar o seu engajamento
do 30 de j u litio pasaado por I lira refor-
mada, u Sr sabe uonde est a dita let-
Iras, por 483,730 rs. vencida no primeirodo
mez, e no se dimite inais demora.
Precisa-sede uma ama para casa do
pouca familia: na ra da Cruz, n. 53, loja
de barbeiro.
Precisa-se de uma ama de leite, forra
u captiva : na Boa-Visla, travessado Ve-
is, 0.9
Precisa-se alugar uma ama forra ou
captiva, que saiba engommar e cozinhar
l>ra uma so pessoa : na ra larga do Roza-
rio, no priiueiro andar do sobrado, passan-
do a botica do Snr. Paranhoa, iudo para a
ua das Trincheiras.
I'ede-se ao Sr. director do collegio dos
orplifiua que, por esniola aos moradores da
ciuado de Olind.i, se digne ordenar aos f-
mulos do mesmo collegio, que tenliam le-
chada a porta do banbeiro, para que se no
isgole pur ella as agoas do rio, e lique o
ovo bobendo lama.
OSr. v. A. C. S. queira responder as
parlas que su Iho Icin escriplo.
Autouio l'ureira da Silva Slartins, lira-
eiro adoptivo, relira-se para lora do im-
>erio.
Precisa-se de uma ama para o servico
le urna casa de pouca familia ou uma ca-
rava para o mesmo servico : na Iravessa do
orpVSanto, 1. 27, segundo andar.
A pessoa que quer fallar com Joaquim
Ferreira, dinja-ae tub Nova, n. 43.
--Aluga-se, a quem quizc-r passar a fes-
. uma casa na malla da Torre, pelo bara-
l'ivco de 25,000 rs. : a tratar na ra da
""""a, 11. 48.
" Precisa-se de uma ama secca que sai-
aeiigumuiar : ua Boa-Vista, ra da Santa-
ru, n. 38.
I'recisa-sa de um caixero para tomar
contn de uma venda por balanco o qual d
fiador a sua conducta, e tenha qualidades
nocessarias para negocio: quem csliver
neslas circunstancias annuncie.
Ali>ga-se o segundo andar do sobrado
n, 24, da ra da Aurora : a tratar no pri-
me i r o andar do mesmo sobrado.
O Sr. Barata ( guarda da alfandega)
queira vir cocheira da ra da Florentina,
afitn de pagar a quanlia de 7,000 rs. de alu-
guel de dous cavallos; do contrario, ser
chamado a juizo.
Sorvete.
Excellente sorvele: no pateo do Colle-
gio, a 200 rs., com muito asseio.
No sitio da Trompe, sobrado n. 1, en-
traram uma porgflo de porcos e alguns
carnelros, dos quaes se evadiram alguns,
mas inda ficaram outros: quem fr seu
dono pode ir ao referido sitio para os re-
ceber, e pagar o damno por elles causado
no dito sitio, e as despezas que teem feito.
Aluga-e ama casa terrea, sita na ra
da Conccico da Boa-Visla, n. 29 : a tratar
na praga, n. 6, botica.
Aluga-se a casa de 2 andares, na pra-
ga da Boa-Vista, defronte do chafariz, a qual
lem commodos para grande familia, com
quintal e cacimba : quem a pretender diri-
ja-se a ra do Trapiche, armazem n 19, de
Domingos Soriano Goncalves Ferreira.
--Alugam-se dous sitios na campia da
Casa-Forte e um ou tro na ra da mesma po-
voagflo, com muitos arvoredos e oplimas
accommodagoes; bem como varias casas
pequeas, proprias para se passar a festa i
a tratar na ra do Amorim, n. 15.
DCntes a 1-ti (i ca es.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peitavel publico que contina a exercer a
sua proissflo, na ra estrella do Bozario,
n. 16, primeiro andar.
Carlos Hardy, ourives,
na ra CU ova, n 52,
acaba de receber de Franca um sorlimento
de obras deourode lei, como sejam ade
recos, meios ditos e pulseiras : lambem te-
cebeu um grande tortimento de chapeos de
setim e gorgurSo do ultimo gosto e de dif-
^jj>rentes cores e precos; chapeos do palha
da Italia ; ditos muito finos, abarlos e fe-
chados; armacOes de chapeos de todas as
crea, muito facis de se cobrirem ; fitas;
flores; pennachos ; pennas para chapeos ;
camisinhas do cambraia para seuhora, mui-
to bem bordadas ; luvasdeseda com dedos
e palmas de cores ; tou^asde lila para se-
nhorae meninas ;meies de seda para me-
ninas ; cassa franceza muito fina : ludo se
vende mais barato do que em outra qual-
quer parte.
Joo Jos Innocencio Poggi, lir. em
medicina, faz publico que lem ilxado sua
residencia no Alcrro-da-Boa-Vista, sobra-
do, n. 3, onde o acharo prompto para
exercer sua arte, curando gratuitamente os
pobres.
0. W, Baynon, cirurgiSo dentis-
ta, na ra do Trapiche-Novo, n.
14, respetosamente informa ao
publico que, pelos seus muilos afazeres, se-
ra obrigado a demorar-se mais algum lem-
po nesta cidade, antes de sua retirada para
os Estados-Unidos, e oflerece seu prestimo
para toda qualidade de operaces deulaes,
para por denles.oovos, tanto singlos come
dentaduras intelras, chumbar denles com
ouro e prata, conforme as ultimas deseo-
bertas nesta lera.
Gasa de modas franco zas
Buessard Alillochau.
RA DO ATERRO-DA-BOA-VISTA, N. 1.
Becebeu-se pelo ultimo navio, vindo do
Havre, um grande sorlimento de chapeos de
seda para senhora, ditos de palha para se-
horas e meninos, ricos man te I le tes e capo-
tinhosdt; seda e fil, camiiinhas, collari-
nhos, romeiras o cabecfjes bordados, lindas
fitas, luvas do pellica, ditas de seda, ditas
de malln ibertas, transas, franjas de seda
de cores para enfeitar vestidos, capellas e
caixoa de flores linas, cortes de cambraia
bordada, filos, longos de cambraia de linho
bordada, ricas fitas de velludo, transa lina
de linho para enfeitcs de vestidos, bicos de
linho do todas as larguras, ditos de blond,
cambraia de linho, bonetes de montara,
plumas para chapeos, e mais outras fazen-
das de moda. Fazem-se sempro vestidos de
casamento, de baile ed montara, chapeos
de senhora, vestidos de baptisado, etc.,
ele., da ultima moda, e por prego mais
commododoque em oulra qualquer parte.
Precisa-se de uma ama de
na ra da Cadeia do Reci-
leile
fe, n. 4o.
Osabaixo assignados rogam ao lllm.
Sr. chefe de polica de no dar passapotte
aoSr llenrique Munzel, subdito allemSo,
sem que este tenha pago aos mesnios
quantiade 36,940 rs.
lltbrard & Companhia.
Na noite do dia i5 para iC
fugio, da casa de sen senhor, o
pardo Laurentino, de 18 annos,
altura regular, cheio do corpo,
bem parecido; mo se pode men-
cionar a roupa com que foi vesti-
do por ter levado toda quanto pos-
suiu ; passou na cidade de Oiioda
bem vestido, de tamancos, meiase
avala ; foi visto no engenho Pau-
ta, e he de presumir que, nao
c
Joo Cavalcanlo do Alhuquerque faz
sciento ao Sr. Antonio Viefra do Souza, que
se acha fgido o escravo Virginio, quelite
havia comprado em tu de juuiio de 1848, e
como foi coma condigSo de que, se o referi-
do escravo fugisse no prazo de dous annos,
elle so obrigaria a entregar a quanlia por
quanto vendeu, para qne nflo allegue ig-
norancia, se faz o presente annuncio.
( Qualquer pessoa que tiver boa let- Q
^j tra, e escreva cerlo, querendo se en- q
q carregar de uma pequea escriptu- a
7; racflo.apparecanirua da Cruz.na be- .^
J? tica de Luiz Pedro das Neves, para J*
O ajustar-se. Adverte-se ^ue a hora
O ser marcada vontade do escriptu- O
O rano. O
0
Compras.
Compra-se um bom cavallo : na casa
da aferieflo, na ra do muro da'.Penha, n. 4,
a fallar com arrematante. ______
Vendas.
ficando por alli, siga para o enge-
nho Abreus, donde foi e tem nii
e irma : roga-se aos senhores
dos mencionados eugenhos, auto-
ridades policiaes e mais pessoas
que delle tiverem noticia, de o
mandar tu conduzir ou dar parte a
seu senhor, na ra Imperial desta
cidade, n. 167.
Na ra do Queimado, n. 14, segundi
andar, se dir quera d dmheiiro a premio
Precisa-se de um rapaz boliciro, 00
que tenha habilidade para aprender est< (
ollicio, o qual d fiador a sua conducta : na I _,,
ra do Livramenlo, n. 33. 1 ?ado, n. 58.
Loteria do Itio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na praca da Independencia, n. 4, ven-
dem-se bilhetes, meios, quartos, oitavos e
vigsimos da 6.a loteria do thesouro. Na
mosma loja recebom-se bilhetes do Guada-
lupe premiados em troca dos do Rio.
A 1,000 ris.
Vendem-se superiores queijos do reino,
muito frescaes, e dos mais modernos que
ha no mercado, pelo barato prego de mil
rs.): no pateo do Carino, n. 13.
Vendem-se dous prelos possantes e
robustos, de bonitas figuras, sendo um de
24 annos, e o outro de 40, ambos canoei-
ros: em Oiioda, no Varadouro, a fallar com
J0S0 F.steves da Silva.
Vende-se uma escrava de Angola, de
20 a 22 nimos, sadia, sem vicio algum,
que lava, cozinha, lem principios de en-
gommar, e he muito fiel: o motivo porque
se vendo he por seu dono retirar-se para
Portugal : as Cinco-Pontas, n. 71.
Vende-se um bom sellim com lodosos
perlences, e pouco usado : no Aterro-da-
lla-Visto, n. 10.
Boa compra.
Vende-se, por 400,000 rs., uma escrava
crioula, moga, de bonita figura, quo cozi-
nha, lava, e he muito boa quitandeira, a
qual vcio do mallo para um pagamento : no
Aterro- da-Boa-Vista, n. 10.
Na loja de maya Ramos
& ('., na rii4 Nova, n.6,
ha um lindo sortimenlo do sapatos de cou-
ro de lustro para senhora, forrados d>: ca-
murga e da mclhor qualidade poaaivel, pe-
lo diminuto prego de 2,000 ra. o par: tam-
bem so Venden) na mosma loja chapeos d
mola de merino prelo, e chaposzinbos
hraucos enditados para meninos : ludo por
pregos que nflo deixarSo de agradar aos
compradores.
Na ra do Queimado, n. 22, loja
de chapaos do Bamalho, voudem-
_ se chapos de palha da Italia, pelo
prego de 2,500 at 4,000 rs.; ditos do Chile;
e bonetes para meninos.
VendeiD-se irascos de
vidro
de bocea larga e com rollia, grandes o pe-
queos, em porgflo e a retalho : ua ra da
Cruz, armazem n. 48.
Vende-se um tanque para deposito de
mel.oqual leva 8 cargas, todo forrado de
chumbo, chapeado de ferro, de amarello e
estando em bom eslado, por prego com-
mndo:na praga da Independencia, n. 3,
loja.
Vende-se, de orna pessoa que se reti-
ra para fra da provincia, uma porgflo de
louga fina azul, sem ainda ter servido, e
outra com algum uso : na ra Imperial,
n. 39.
Macaas.
Vendem-se as mais superiores
em barricas, viudas no gelo, a rs
5,ooo cada uma : na venda da rus
da Cadeia do Hecile, n. s5, defrou
te do Becco-Largo.
Vende-se uma marqueza em bom es-
tado : no Atcrro-da-lioa-Vista, n. 76.
Vendc-se um prelo de 25 anuos pou-
co maisou menos, sem vicios nem acha-
ques, de bonita figura, e que he official de
marceneiro : na ruado Vigario, n. 23, se-
gundo andar.
Vendem-se vassouras americanas, por
prego commodo: no becco da Madre-de-
Deos, n. 17, armazem do Candido.
Vendem-se bicos de fil de linho, de
um a oito dedos de largura, de lindos pa-
ilroes, por prego barato; giozas de bolOes
do madre-perola, lisoe lavrados para ca-
misas : na p:aga da Independencia, n. 4.
Sapa loes do Aracaty a
1,000 rs.
No Alcrro-da-ltoa-Visla, n. 58, vendem-
se sapalOes muito bem feitos, a 1,000 rs. o
par.
- Vendem-se, por'mdico prego, os se-
guinles livros novos e recientemente che-
gados : Genios do Christianismo por Cha-
leaubriaul; Biblia sagrada, traducgSo por-
tugueza do padre Antonio Pereira, com o
texto latino da vulgala ao lado, 7 v.; um
Horacio ao p da leltra; um Tito Livio
traduzido : na ra dn Sol, n. 23, segundo
andar, defronte do porto das canoas.
Vende-se a lista geral dos bilhetes pre-
miados da lotera de N. S. do Guadalupe
na livraria da praga da Independencia, ns.
6e8.
-- Vendem-se sapaWes do couro de lus-
tro, obra moderna e bem feta : na ra do
Cabup.n.9, loja.
--Vendem-se os mais finos sellins, for-
radoscom couro de porco ; cabega las n-
glezas, chatas o roligas: ludo por prego
commodo ; na ra larga do Rozano, n. 30.
Na ra do Trapiche, n. 42, vendem-se
muito em conta os seguintes objeclos ja
usados, porm de muita utilidado: duas
burras dn ferro muito seguras e em bom es-
tado, sendo uma grande e outra pequea ;
uma carteira de duas faces para esenptorio;
um balcflo de amarello com gavetas ; um
armario com papeleira, tambem de amarel-
lo ; duas camas para meninos ; um fogflo
de ferro pequeo ; o uma machina para la-
var roupa.
Vendem-se sapatoes de cou-
ro de lustro pelo baratissimo pre-
co de 3,ooo rs.; dito superiores
e de ponto fixo,a 4,ooo rs. ; ditos
de lustro para meninos ; ditos do
Aracaty para liomem : na ra da
Cadeia do ttecife, loja n 9.
Vendem-se duas toalhas de lavarinto
com bieo em roda, dous lengos de lavarin-
to, 300 couros miudos, 14 saceos de gomma
de engommar, um lavatorio de angico, uma
meia commoda e um cannap : na ra es-
treita do Rozario, n. 13.
ParaasSras docciras.
Vendem-se temos de becetas do pinho
para doces com 6 bocetas, por 1,200 rs.: no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 48.
-- Contina-se a vender manteiga, a 200,
400, 480 e 720 rs.; cha, a 2,000 e 2,240 rs.;
aletria. a 240 rs., talharim, a 200 rs.; tou-
cinhode Lisboa, a 280 rs.; dito de Santos,
a 160 rs. : espermacete, a 880 rs. ; carnau-
ba de6,7e 8 em libra, a 280 rs.: caf, a
140rs.; farlnha do MaranhSo, a 100 rs. ;
passas, a 210 rs.; figos, a 120 rs. ; rap
Mcuron, a 1,040 rs.; arroz de casca e mi-
lito, a 120 rs. a cuia; feijflo mulalinho, a
2We 400 rs, ; dito preto, a 360 rs. ; bola-
chinha ingleza, a 240 rs.; dita deararuta, a
S20 rs ; queijos flamengos frescaes, a 1,200
rs.: no pateo do Carmo, n. 2, ve"da nova.
Sola para sllenos.
Vende-se muito superior sola,
alva, grada e bem curtida : no
\ ierro da-Boa-Vista, loja de cal-
MIITII AHO
Nesta loja vendem-se pegas de brim liso
fino com muito pouco toque de avaria, a
6,000 rs.; ditas de algodflo Irangado no
mesmo estado, a 3,500 rs. : tambem se Tn-
dem meias pegas : he a melhor das pechin-
chas que teem apparecido em tolo o an-
uo de 1849. A ellas, freguezes, que esto s
acabando,antes de lindar.
llantas de seda.
Ainda existe um resto das mantas de se-
da que se teem annunciado, a 7,000 rs.: na
ra larpa do Rozario, padaria n. 48.
Vende-sc superior farinha a bordo da
polaca N.-S.-do-Carmo, Tundeada defronte
do Passeio-Puhlico, por commodo prego, e
em saceos : na ra do Vigario. n. II.
Vende-se caf de niansirioba em grflo,
muito bom: na ra larga do llozario, n 29.
Vende-se, a tordo da sumaca liella-Ar-
f/elinn, fondeada em frente do caes do Col-
legio, farinha a 2,400 rs. o alqueire da me-
dida velha.
Vendem-se 8 lindos moleques de 10 a
18 annos ; 8 prelos de 20 a 30 annos, sendo
um delles ptimo sapateiro, e dous dos di-
tos para 'iquidar contas, um por 400,000
rs., eoutro por 350,000 rs. ; um pardo de
16 annos, ptimo para pagem ; 3 pardas de
16 a 20 anuos, com habilidades ; uma dila
de 20 annos, com habilidades, e com dous
filhos, uma de 5 annose outro deum anno;
6 pretas de 14 a 25 annos, com habilidades
e proprias para todo o servigo : na ra do
Collegio, n. 3.
Calcado de 1,280 a 1,600
rs., no Aterro-da*Boa-
Vista, defronte da bo-
neca.
Sao rhegados sapatos francezes de couro
de lustro para senhora, a 1,280 e 1,600 rs. o
par; borzeguinspara liomem, a 4,000 rs.:
bem como um completo sorlimento de cal-
gado de todas as qualidades, tanto para ho-
mom. como para senhora e meninas; sapa-
lOes brancos do Aracaly para liomem, a 1/
rs ; ditos de couro de lustro; pelles de cou-
ro de lustro hamburguezas e francezas ; di-
tas de marroquim ; bolOes de seda para ca-
saca : ludo por prego commodo.
Vende-se um parda de 14 annos, de
boa figura e morigerada ; uma* cabra de 17
annos ; um dito de 22 annos; 4 quartos e 1
poldro, este de primeira muda, de glande
figura, passeiro, com principios de carrego
baixo, e que he ptimo para carro, por ser
de cor roslho de alazflo, e aquelles dous
carregadoresdebaxo a meio, para o ser-
vigo de sella, e os dous decangalhss: em
S.-Amaro, ra da Fundigflo, defronte da
fortaleza do Brum, na quarta casa doquar-
tarflodas pertencentesao Sr. Antonio Jos
Gomes do Correio, das 6 as 8 horas da ma-
ntilla, e das 4 as 5 da tarde.
'Vende-se, para fora da provincia, um
pardo official de sapateiro, de 25 a 26 an-
nos : na ra das Cruzes, n. 1.
Vende-se um bom preto, bstanle mo-
go, boa figura, ptimo trabalhador de en-
xada, fouce, machado,taixeiro e caldeireiro
de engenho : ao comprador se dir o moti-
vo por que se vende : na ra da Cadeia-do-
Kccife, loja de ferragens.n. 59.
Cal de Lisboa.
Vendem-s barris com cal virgem de Lis-
boa de superior qualidade, por prego com-
modo : na ra da Cadeia do Recife, n. 50.
> ovo sortimenlo de fa
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. O, ao p
do lampea.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores filas e com 4 palmos
de largura, pelo barato prego do 320 rs. o
covado; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 ra. o covado; riseadinho da lis-
Iras de linho, a 240 rs. o covado ; brim de
algodflo de cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado; brim
pardoclaro, a 1,500 o 1,600 rs. o corte de
duas varase uma quarta ; cassa preta com
ramagem branct para luto, a 140 rs. o co-
vado; zuarto de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas do
bonitos padroes e cores fixas, a 160 e 18u
rs. o covado ; chales de (arlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodflo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
Lotera da matriz da
ttoa~Vista.
Esta loteria principia boje a exlracgo
dos bilhetes, os quaes se acham venda em
casa do Sr. Vieira cambista, na ra da
Cadeia do Recife; na do Sr. JoSo Moreira
Marques, na ra do Cabug, em S.-Anto-
nio ; e na botica do Sr. Chagas. na ra do
Livramenlo : da qual vai abaixo publicado
o plano que foi approvado pela presidencia-
PLANO
de mea loteria, comprehendendo a segun-
da e terceira quartas partos da ter'eira
nova lotera concedida pela le provincial
n. 100 do 9 de maio de 1842, a beneficio
das obras da matriz da Boa-Vista.
5,000 bilhetes a 10,000 50:000,000
Beneficio de 12 % 6.000,000
Imposto de 8 |0 4.000,000
Sello de 150 rcia por
bilhete 750,000
10:750,0ai) 39:250,000
1 bilhete 10:000,000
1 dilo 5:000,000
4 ditos 900,000 3:600,000
8 ditos 500,000 4:000,000
10 ditos 200,000 2:00,o0
12 ditos 100,000 1:200,08
20 ditos 50,000 1:000,000
40 ditos 20,000 800,000
1,154 ditos 10,000 11:540,000
2 ditos (1.* e 2 b.) 55,000 110,000
1,252 premiados 3,748 brancos 39:250,000
5,000
N. B.Os dous premios grandes estSo
subjetos ao descont de 8 por cento do Im-
posto geral, que ser exlrahiJo no acto do
pagamento.
Conforme. ~ O official-maior, I'lorimno
Correa de Brillo.
Vende-se fio pnete do Porto, de mui-
to boa qualidade, em pacote de quatro ar-
robas : na ra da Cruz, n. 3.
w
B
w
o
Q-,
i 2j
i
S
os
<
z
4
OS
*
5S -Ji
>o i
H i* #
* a
es
* < ?
u *
WD
t
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
fAos 20:000,000 de rs.
9i Pelo vapor S.-Sebtuti/lo, sabido do
Rio-de-Janeiro no dia primeiro a tir- m
de, recebemosas listas da 21.' lotera #
do monle pi e da 11.'a beneficio das
. construeges e reparos das malrizes: #
tambem recebemos os afortunados #
bilhetes e meios bilhetes da 51.* lo- 0
** tera a ;beneficio da S.-Casa-da-Mi- 9
f> sericordia, cujas rodas deviam an- *
dar no dia 7 do corrente.
PBECOS DOS BILHETES. Inleiros 22,000 9
Meios 11,000 4
Quartos 5,500 <
Oitavos 2,750
Vigsimos 1,300 J
w 9
**?**
Folhinhas para 1850.
Na livraria ns. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia, vendem-se as bem conhecidas fo-
lhinhas impressas nesta typographia, das
seguintes qualidades:
FOLIIINHA DE PORTA contendo o calen-
dario, tabellas de friados, dias de audien-
cia e resumo de pocas nacionaes e geraes.
DITA DE ALGIBEIRA contendo o mesmo
cima, e um resumo de chronologa, a quai
tambem d preamar, e tem uma collecgflo
de remedios e segredos uteis para uso do-
mestico.
DITA DE DITA com o almanack dos em-
pregados civis, ecclesiasticos, militares, ad-
ministrativos e a nomenclatura de lodosos
estabelecimentos fabris, mercantis e indus-
triaes, ao qual se adicionou uro resumo es-
tatislico da cidade do Recife ; a demonstra-
gflo das freguezias, termos e municipios das
comarcas da provincia e finalmente a tabel-
la do nascimenlo e ocaso do sol para regu-
lamento dos relogios, organisada pelo ex-
cellente piloto Portugal, de saudosa lem-
branga.
Ultima moda.
Vendem-se ricos manteletes de chamalo-
te, de tafet e de bico ; lindos chapeos de
seda para senhoras; luvas de pellica bran-
cas, pretas e de eres; luvas de malba fina
pretas ; e cortes de cambraia fina imprimi-
das, chegados pela Minerva, ultimo navio
vindo do Havre: no Aterro-da-Boa-Vista,
loja, n. 1.
Pannos finos.
Vende-se excellente panno fino cor de ca-
f, pelo diminuto prego de 3,500 e 4,8e0 rs.
o covado ; dito preto, a 3,000, 3,500, 6,000,
7,500 e 8,000 rs. o covado, prova de limito :
ua ra do Collegio, n 1. loja da estrella.
Vendem-se dous carneiros proprios pa-
re carro, por serem grandes e mansos: na
Passagem-da-Magdalena, entre as duas
poules, n. 12-


*
Taixas para engenho.
Na fiindif.'o eaba-sa de rccelier um completo sortimen-
t i!o taixas le* a 8 palmos de bocea as
qasng acham-se a venda por prego rom-
modo e com promptidflo embarcam-se
oii carregam-scem carros sem despezas ao
comprador.
Cassas e cambraias.
Vcndo-sc um sortimento de cansas, cam-
braias. chitas, riscados, chales de seda,
dito de lila, luvas, meias, bicos de linho,
brancoseprelos: tudoo mais barato pos-
sivel, por serem fazendas fra da moda : na
ra do Crespo, n. 9.
Vende-se muito superior fa-
rinlia gallega em mcias barricas
na ra da Cadeia do Recife, es-
criptorio de Deane Youle & C.
ou no primara armazem do becco
do Goncalves.
No armazem do barateiro
Silva Lopes, na porta da alfande-
ga, vende-se familia de trigo de
l'hiladelphia nmilo nova e a mais
super or que tem no mercado
Larris com figos de comadre, mili-
to noves.
Arados de ferro.
NafiindicBo da Aurora, em S.-Amaro ,
vendeni-se arados de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fiindicao Low-Moor,
RA DA SKNZALi A-T.OVA, N. 4a.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenbo ; macbinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
en ..lo, de todos os tamanhos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Snntos na Babia
Vende-se em rasa de V. O. Hielier & C.
a ra i!n Cruz, n. 4, alpoil.lo trancado
aquella fabrica, muito proprio para saceos
de assnear e roupa de escravos.
Cha brasileiro,
Vende-se cli I lasileiro no armazem de
moldados, alias do Corro-Sanio, n. 66, o
mais excedente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo a este mercado, por
preco muito commodo.
Moendas superiores.
NafundigSo.de C. 6tarr & Compaubia,
em S.-Amaro, acham-se vemla moendas
de caima, lodas de ferro, de um modelo e
construcgflo muito superior,
4cs fumantes de bom gosto.
Noarma7em de moldados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e do outras minias
qualidades (|uese venderSo mais barato do
que em oulra qualquer parle : bem como
ciparrilhos hespanhes, ditos de palha de
milho, que se estilo veudeudo pelo diminu-
to proco de 500 rs. o cento.
Corles de bi m de cores
rom lislrpsa<>lado, a
I,2a0rs.
Vendeni-se corles de brim de cores com
lislras ao lado, a 1,980 rs. ; riscado de |-
gOdSo americano, proprio para esclavos, a
140 is. o covado : na ra do Crespo, luja da
esquina que volta para a cadeia.
Os mais modernos
tes de cassa
dos a oito
--Vendem-se saccas com farinba nuilo
boa e bem torrada, por prego commodo : no
armazem do finado llraguez: na ra da Ca-
deia, ao p do arco da Conceicfio, n. 6 0, ou
a rallar na loja de Joo Jos de Carvalho-
Moraes.eno mesmoarmazem.
Para que ni ti ver bom
g-osto.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padrOes, e o melhor que
tem apparecido neste mercado : na ra do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
-- Vendem-se amarras ae i*rro: na ra
Ja Senxalln-Nova, n. 42.
Vendem-se 4 pipas que fram de azei-
le de carrapato : em Olinda, ra dos Qua-
tro-C.antos, n. 1.
Vendem-se caixas rom cem charutos
de superior qualidade, a 1,200 rs.: no pa-
teo da ribeira de S -Jos, o. 5, venda.
Saccas com lardo novo,
de 80 a 90 libras, a 5#:
vendem-se no armazem de Antonio Annes,
no caes da Alfandega, e no de Vicente Fer-
reira da Costa, na ra da Madre-dc-Deos,
clienadas ltimamente de Lisboa e de
Franca,
Farinha de trigo ame-
ricano.
Vende-se farinha de trigo americano, da
marca Brand-Wine, chegada ltimamente,
Yinho generoso.
Vendem-so barris com 12 caadas de vi-
udo generoso do Porto, com 20 unios, per
ser da cclheita de 1830 : este delicioso licor
de muito apreciado nos tostes, e por isso os
amadores devem aproveitara occaaiSo : o
preco he commodo : no armazem de Dias
Ferreira, no caes da Alfandega.
l'ara se acabar.
Vendem-se superiores cortes de cam-
braias finas antigs, pelo barato preco de
2,500 rs o corte; bem como novos cortos
de cassa-chita, de lindos gostos, a 2,800 e
3,000 ra. o corle : na ra do Collegio, n. 1,
loja da estrella.
l'erbincba.
Vendem-se corles de calcas de meia casi-
mira de lila, a 1,600 e 2,000 rs. o corte, bas-
tante encorpado; bem como meias para
senhora, a 200 rs. o par, e a duzia a 2,000
rs. :na ruado Collegio, n. 1, loja da es-
trella.
Vende-se farinha de man-
dioca muito superior de Santa-
Catharina nos armazens de Fran-
cisco Dias Ferreira, n. i, no caes
da Alfandega : a tratar nos mes-
mos, ou com Novaes 8c Compa-
nhia, na ra do Trapiche-Novo,
n. 34-
Casimiras a 3,5oo rs.
Vendem-se corles de meias casimiras de
por preco commodo : em casa de J. J. Tas- bonitos gostos, com tres covados e rneio,
so Jnior, na ra do A mor m, n. 35. | pC|0 Dral0 preg0 de 3,500 rs. o corte ; ca-
simiras superiores, tanto em padrOes como
em qualidade, a 4, 5,6 e",00O rs. o corte :
Vende-se urna collecco de
ferros de cirurgia, indispensaveis
a todo o operador. Na ra do Ro-
zario larga, n. 36, segundo andar.
Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, ns. 14 e 16, sites na esquina
na ra do Collegio, n 1, luja da estrella.
o t o
2 Fazendas modernas. <
da ra da Cadeia, defronte do theatro de; Na ra do Crespo, n. 9, loja de Joo O
cor-
para vesii-
patacas e
meia o corle
Vendem-se aodernos cortes de cassa pa-
ra vestido, com 7 varas, a 2,720 rs. o corte :
na ra de Queimado, 11. 8, leja confronte a
botica.
Teeidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Na rua da Cadeia, n. i$2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de furta-eres a
300 rs. o covado e ris-
cado roonstro a 220 rs.
Vende-se cuarta de furta-cres, muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monslro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na rua do Crespo, loja da esquina que
volta par; a cadeia.
Vendem-se liona queijos londrinos,
ditos de pralo muito frescaes e de superior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, ditos portuguezes para panella, latas
coui 2 e4 Itlirasde mermelada, ditas com
dolaedinda de Lisboa, dilas de sardiuha, di-
tas com hervidlas, frascos com conservas
ingle/as, queijos de qualha vindos do Cea-
ra, por barato preco, mantas de toucinho
iuglez de fumeiro.de 7 a 8 libras cadaunia,e
omos mullos gneros de boa qualidade :
a urna da Cruz, no l:< cite, n. 46.
loin e barato.
Vendem-se aapatos sabidos hohtem da
alfandega, de couro de lustro para senho-
ra, a 2,(100 rs. ; dilos de sola e vira para ho-
mi'iii, a 6,000 rs.; ditos do urna sola, a 4,000
rs. ; ditos de sola e vira, chamados de Plan-
tes, a 5,000 rs. ; meios bolina gaspeados
para hoinem a 7,000 rs : na loja de miude-
zas de Joaquina lleuriqucs, juuloao arco de
S.-Aatouio
San-Francisco : a falla rno primeiro andar
dos ditos, com Joaquim Teixeira Peixoto.
Est no resto.
Vende-se farinha de araruta de superior
qualidade e ltimamente chegada a este
mercado em barriquinhes de arroba e meia,
pelo diminuto preco de 3,000 rs. a arroba :
no becco do Azeito-de-1'eixe, armazem de
Francisco Antonio da llosa,.
Vendem-se queijos londrinos, presun-
tos muito frescaes, frascos com mostarda,
ditos com inicias, botijas de corinthos, fras-
quinhos de moldo para carne, e oulros
objectos: tudo chepado ltimamente de
Liverpool na galera Seword-Hih : na rua da
Cruz, n. 7, armazem de Davis & C.
Altencao a o barato.
Na rua do Livramento, n. 14, vendem-se
ricos corles de vestidos de barra de todas
as cores; cambraia de seda de superior
qualidade ; cassa-chila de ricos pudines;
|. neos de luido ; panno azul e prcto para
palitos ; o oulras multas fazendas baratas.
-- Vendem-se lingoigas de porco do ser-
tilo, a 320 rs. i libra ; ca ne do serillo, a 240
rs. ; queijos do reino, a 1,400 rs. ; feijo
ni i: lu indo, n :i'2(l rs acola; ec litros mui-
los odjeclos : tudo de boa qualidade : nos
Quatio-Canlos-da-Hoa-Vista. esquina doS-
GoiiQalo, por baixo do sobrado n. 1.
Nao j Je haver maior
pecbincha.
Na rua do Queimado, vindo do Rozario,
segunda toja, u. 18, vendem-se cortes de
casimira pelo baratissimo preco de 4,500
rs. o corle.
Ultimo gosto.
Vendem-se os melhores chapeos de mas-
sa francesa que team vindo este anno, tan-
to em forma como em boa qualidade : ha
para calma bastante pequea, a 7,500e
8,000 rs. : na rua do Collegio, n. 1, loja da
estrella.
Vende-se espirito de 37graos, a 1,200
rs. a caada, e 160 is a garrafa na rua da
l'raia-de-S.-ltita. n. 1.
- Vende-se una preta de nagSo, de 20
anuos, de muito boa figura, que cose, en-
gomma, cozinha, tudo bem feio ; urna dita
com urna cria de 10 mezes, a qual cose e faz
lavarinto ; 3 escravos mocos, de muilo boas
figuras, bous para todo o trabalho; 2 mu-
I itindos de 10 annos, bous para servirem a
una casa, ou para aprenderem um cilicio ;
um preto bom ofiicial de sapateiro e bom
pagtm : na rua do Collegio, n. 21, primei-
ro andar, se dir quom vende.
Vende-se um cabriolet inu leve u ele-
gante em bom uso, por preco commodo
na rua do Hospicio, n. 0.
Velas de edres.
Vendem-se, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Saoto. n. 66, por pregoi com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, asquees se lornam
recommendaveispela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de espermacele,
e nfio fazerem morro.
Folha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flndres:
na rua do Amorlm, n. 35. casa de J. J. Tas-
so Jnior.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da rua da Madre-de-
Deos, d. 36, est de novo estabelecido de-
bata) daa mesmas condicOes, olTerecendo
a deliciosa pingado vinhoda Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garra la, e
1,300 ra. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por220rs. a garrafa, el,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Bordeaux por 160 r. a
farraa levando o casco. N8o se admirem
os freguezes do baixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o antigo pre-
co, embora este genero tenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinem os
amantes a qualidade para reconhccimenlo
da verdade e continuadlo da antiga fregu-
zia. E para n3o haver usuras, eslSopromp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barris de diversos ta-
manhos para provisflo do prximo Natal.
O proprielario conta com a concurrencia; excellente traduccao de Lisboa
do contrario. tornarSo os nrecos do reta- _._.____ n '
do contrario, tornarSo os precos
Idu a primitiva de 240 e 280 rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa.
de i qualidade, em barriszinhot.
peque nos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: no rtecife.
outn
aBBBBBBBBBBB^aBB**E.Ul!! wwR-a,-.; ^
navio de Lisboa eLiverpool, superior rus
melada, (frutas em bocetas frascos da w
chata, boiOes com geleia de mrmelo, ||iT
com bolachinhas de Lisboa, chocoln'
paios de lombo, queijos londrinos, presa'
to para fiambre, conservas, potes com
refinado, latas com biscoutinho inglz
cha; tudo do mais superior que tem in'
recido neste mercado: assim como L
completo sortimento do excedentes vinhos
proprios para o tempo de resta, o que [J'n
se vender por menos do que em
qualquer parte.
JVa rua Nova, n. 25,
acaba-se de despachar um completo sorti.
ment de fazendas francezas escolhidas n0,
Mr. Poudra e chegadas no ultimo n0
francez a este porto, lodas propriBS pan
luxo da resta, |nas quaea conta-se um rico
sortimento de chapeos de palha para senho-
ra ; chapeos de pello de seda muito fino,
para homem ; luvas de seda preta maia d
rede e com dedos ; um grande sortimenlo
de bonetes de panno lino e de palha pi
homem e meninos; luvas de pellica coa
bolotas para senhora ; ditas pesponlada
para homem; leques muito modernos-
bengalas ; um grande sortimenlo de chico-
tes para carro e para montara; florea d
seda de todas as qualidades; pennas de ma-
rab para chapeos de senhora : adverle-se
que tudo se vende muito em'conta, por se
terrecebido directamente de Franca.
Para presente de festa.
Mathilde, por Eugenio Sui
9 A. G. GuimarSes, acha-se um lindo O
0 sortimenlo de fazendas modernas de O rua da Ladea, armazem n. I a.
O bom gosto, chegadas pelo ultimo na- Q
y vio de Frauca, como sejam : sedas Q
0 brancas, pelas, de cores e com bar- Q
f\ ra chalesdeseli n tas de seda; lencos; luvas cassas ; q
cambraias ; parisienses; casimiras; _\
i Chapeos do Chile de
1 superior qualidade.
ts m
Na rua do Collegio, n. 9, recebeu-se %
um lindo sortimenlo desles lao apre- ;i_
H ciados chapeos, que se vendem por :j
U pi e(,-o commodo. |J
m i
mmmmmmnm wwmvtmwuimt
Vende-se urna escrava cri-
oula, bonita figura, piopria para
qualquer servico de urna casa .- na
rua da Cadeia do IW-cilc, loja de
Joo da ( viiilia Magalhacs, n. 51
Novos gamhreSes a 3,000 rs o
corte.
Vendem-se superiores cortes de caltas do
gambreSo, com 3 covados e meio, pelo di-
minuto preto de 2,000 rs. o corte, esta fa-
zenda torna-se recommendavel pela sua
boa qualidade ja tem condecida, de boni-
tos padrOes : na rua do Collegio, 11. 1, loja
da estrella,
Os mais ricos mantele-
tes e capotilhos.
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capotilhos de chamalole de seda e gor-
gurflo, oa maia ricos que leem apparecido a
na rua do Queimado, n. 9.
Na rua da Cadeia o Id ciie, n. 56, loja
de ferrageoa.de l'onles&Sampaio, vendem-1 o covado, e outras mu las fazciidasVor
sesete duzas detaboasde ouro pura as-j barato prego : na rua do Crespo n 13 loio
oallio, por prego commodo. | de Joaquim de Oiiveira Maya Juior '
O tos de cores para grvala ; e outras
O inultas fazendas : ludo por prego ^
O commodo. O
Q Q
Cortes de cassa para ves-
tidos com Mi covados
.or 5,500 is.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs. ditos com 8
covados, a 1,760 rs. ; pegas de cambraia li-
sas com oito varas e meia, a 2,720 rs.; pan-
no de linho muilo fino, a 480 rs. a vara : na
rua do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Vendem-se, para fra da provincia, 2
pretos pegas e muito mogos: a rallar com
Manuel Luiz da Veiga,que dirquem vende.
Vendem-se cdapeoszinl.os, ricamente
enfeitados, para meninos e meninas de uin a
tres annos: no Alciro-da-lla-Vista, n. 1.
Vende-se um escravo de bonita figura,
de 26 a 27 annos, proprio para armazem de
assucar : oa rua da Cadeia do Recife, n. 56,
loja de ferragens de 1'ontes & Sampaio.
Ireguexia.
Vende-se vinho da Figueira, pinga su-
perior, a 1,280 rs. ,e a garrafa a 160 rs.
lanuda de mandioca, a 2,500 rs. a sacca,
medida a 100 rs. a cuia caculada, e todos os
mais gneros de boa qualidade, por preto
mais commodo do que em oulra qualquer
parle : no paleo do Tergo, venda n. 7.
Na rua iSova, n. 5,
vendem-se dous lindos mulalinhos de 15 a
16 annos, ptimos para pagens, e um del-
lessade bem bolear, e he bom copeiro; I
lindo moleque do nagilo, de linda figura ;
um casal de escravos de lindas figuras, com
urna cria, a negra engomma cose, faz la-
varinto e marca ; 2 prclas com habili-
dades,-urna mulatiuha de 14 annos, muito
linda, com principios de coser e engotn-
mar ; 4 pretos bous tradalhadores du po-
sada ; um pardo bom ofiicial de alfaiate ;
um molecote olllcial de alfaiate de toda
obra : urna parda de linda figura.
Vendem-se capadlos redondos e com-
pridos, a 560 rs.: na rua larga do Hozario,
n. 26, loja de miudezas.
Venue-se doce novo, secco e com calda,
muilo bem leito, por preto mais barato do
que em oulra qualquer jarlo : tambem se
troca um escravo mogo |oruma pietacom
cria : em Fra-dc-l'ortas, rua do Pilar,
n. 131.
Batatas novas a 00 r s.
o gigo:
vendem-se no armazem de J. J. Tas-o J-
nior, na rua do Amor i m, u. 35
Novo trem de cozinha.
Vendem-se cagarolas, chaleiras, rregi-
deirase panellasde ferro feradas de por*
cellana ; machinas para cal; bules e ca-
feteras de metal: na rua Nova, n. 16, loja
de ferragens de Jos Luiz Pereira.
Potassa da Uussia.
Vende-se a verdadeira polassa da Russia,
desembarcada agora, em barris requenos
em casa dos Srs. I'.olhe fi Uidoulac, rua du
Vigario, n. 4.
-- Vendem-se cortes de cambraia de co-
res, pelo barato prego de 2,000, 2,500, 3,000.
3,500 a 4,000 rs.; cambraia de seda a 3f
rs.: eneiaa para meninas, a 160 rs'.; lila
com I,si ras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinha propua para roupa de meninos e ves-
tidus de senhora, a 240 ra.; 13a superior pa-
ra caigas, a 500 e 600 rs. ; lenges de alo-
d8o e seda com franja, a 600 rs. ; crt, s de
collete de velludo, a 1.600 e 2.500 rs i cas-
sa-chita, a 400 rs a vara ; g.rga des-'da, a
ra. o covado; cambraia de seda.a 560 rs
MUTILADO L
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Vendem-se dnas pretas mogas.de bo-
nitas figuras: na rua da Cadeia do Recife,
loja n. 53, se dir queni vende.
Luvas de pellica a
640 rs.
Vendem-se luvas de pellica preta para
meninas, a 640 rs.; ditas brancas para se-
nhora, a 1,000 rs.; ditas de cores de supe-
rior qualidade, a 1,600 rs.; ditas para ho-
mem, a 1,500 rs. ; ditas bordadas para se-
nhora, a 2,000 rs.: na rua do Queimado,
n. 16, loja de miudezas.
llicas franjas para cor-
tinados.
Vendem-so ricas tranjas para cortinados,
com bolotas brancase de cores e sem ellas,
por prego mais commodo do que em outra
qualquer parte: na rua do Queimado, n.
16, loja de miudezas.
Ricas fitas.
Vendem-se ricas fitas de setim lavrado e
de sarja, proprias tamdem para grvalas de
senhora : na rua do Queimado, n. 16, loja
do miudezas.
Pechincha.
Na rua do Queimado, \indo do Rozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se luvas de pel-
lica inglezas c muito novas, para homem e
senhora, a 1,000 rs. o par; panno fino,
muito bom azul e cor de azeitona.a 3,000
rs. o covado ; crtesde fusliio branco, a 500
rs.; lengos de seda de cores para algibei-
ra, a 1,000 rs. ; ditos de setim para grvala,
a 1,000 rs.; e outras multas fezendas por
commodo prego.
Na rua do Amorim, ns. 56
e 58, vendem-se farelos em sac-
cas grandes por preco commodo :
a elles antes que se acabem.
Vcnde-so a venda do Becco-Largo, n. 1,
com os fundos vontade do comprador,
propria para um principiante, por ser o alu-
guel muito commodo e por vender muito a
retalho : a tratar na mesma.
Vende-se superior vinho de
Champanhe : na rua do Trapiche,
n. i3.
Vinho de Bordeaux,
das mais superiores qualidades ; bem como
vinho de Champanha da nova marca estrel-
la, ja muito apreciado, tanto aqui como na
Europa : vende-se em casa de Kalkmann
Iranios, na rua da Cruz, n. 10.
Vende-se a padaria do Corredor-do-Bis-
po, n. 8, com lodosos utensilios, prornpta
a traballur: quem pretender dirija-se a
Cambda-do-Carmo,li>ja de marcenoiro, n. 8.
Acaba de chegar, o vende-se com o se-
gundo, o primeiro lomo do Animar o Pol-
tico histrico e estatifico do Brasil, por
prego commodo, na praga da Independen -
cia, 0J8, ns 6 e 8; na rua da Cadeia-Velha,
loja doSr. Cardoso Ayres, 0 na rua da Cruz,
loja dos sendoies Santos & C.
F.scusado he tecer encomios esta obra,
quo he um verdadeiro e interessanle archi-
vo nacional, porquanto o publico j reco-
nhece o seu mrito eogoverno tem pro-
curado coadjuvar a empreza.
Vendem-se superiores abacaxis, pro-
prios para mimos : na rua do Uangcl, n. 8,
ou no Passeio, n. 23.
Vende-se, na cocheira de Miguel Su-
ger, um bom carro de duas rodas.com ar-
reios para um e dous cavallos : na rua da
Aurora, n. 48.
Arroz gratdo de vapor :
vende-se por prego mais commodo do que
em outra qualquer parle : no armazem que
foi do fallecido Braguez, ao p do arco da
ConccigSo.
Altencao!
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 16, lia chegado pelo ultimo
por Mendonca e Mello : 8 vo|r
mes in 8."
He este sem contradicco o pri-
meiro romance d'Eugenio Sue,
muito superior ao Judeo Krrante
e aos Mysteros de Pars, por-v*^
importancia moral.
Vende-se na rua do Rozario
larga, loja de miudezas de J. J,
Lodi.

0 Cassa-seda moderna. }
*>< Vendem-so cortes de vestido de I)
#w cassa-seda transparante.padrOesraui-1
10 to modernos, e fazenda a mais su-1
?>,) perior possivel, tanto em gosto como j
> em qualidade: na loja do sobrado i
*>.' amsrello, nos quatro cantos da rua j
a do Queimado, n. 29. f
4 4
,,,>*****!****>'*
Vende-se unta preta muito boa coz.-
nheira, que entornilla, cose, lava, e he pro-
pria para ama de casa, mesmo de .homea
solteiro, por ter excellente conducta : 111
rua larga do Rozario, n. 46, primeiro andar
Lsersvos Fuligos
Fugio, no dia segunda para lerga-le
ra, 18 do corrente, urna escrava crioula, di
noni'' Mana, de 25 anuos pouco mais 01
menos, de altura recular, corpo roforcaA,
beigos grossos, rosto e olhos carnudos, t
um tanto largse grossos, mlos e pona
das orelhas grossas e estas um tanto viradu
para cima; te-e bexlgas ha pouco, cuju
maicas esliio visiveis ; levou vestido declii
ta preta salpicada de pequeas flures bian
cas. Esta escrava ha poucos dias que prin-
cipiou a vender agoa ; he muilo amiga adjuntos, e acautela-so quando acha quera
a acoite. Quem a pegar leve-a rua de llnr-
tas, n. 114, mi na rua da Praia, n. 14, que
sera recompensado. O mesmo pede-sea po
licia emcujo lugarapparegaa dita escrava
--Fugio, 110 dia sexla-feira, 14 do cor
rente, um moleque lula, de nomeSeverino,
crioulo, de 16annos pouco maisou menos,
levou caigas e camisa de algoiiio azul; tem
urna marca de urna escaldadura na cara que
j se acha cicatrizada ; he meio zamLndii
pemas ; lalvez se inculque Torro, por ser
muilo esperto. Roga-se as autoridades po-
liciaes o capitfies de campo que o appre-
hendain e levem-no rua da Cruz, no lle-
cife, n. 33, que serio generosamente re-
compensados.
Fugio, no dia 15 lo correle, pelas*
horas da malilla, um molequinho de ri-
me Ludgeio, crioulo, que reprsenla ter 1i
annos, bem preto, olhos grandes ; tem em
um brago urna esfoladura de una cincela-
da ; levou camisa de chila muito iniudi-
nha com dous clcheles no cokrinlio, cai-
gas de algodao azul de enfiar e sem coz, bo-
nete azul sem pala e j usada : quem o pe-
gar leve-o rua da Cadeia do Itecifc, n. 40,
que ser recompensado.
Boa gratificarlo.
Fugio, no dia 3 de novembro do correal
anno, um cabra de nome Ildefonso, de es-
tatura ordinaria, cabelles desandados,
olhos grandes, beigos grossos, com "i"
denle de menos na frente; serve-se com
a inilo esquerda ; he canhole; lem dous de-
dos de menos em um dos ps, o rninlmo e o
vizinho ; leva urna carta com subscripta r
Flix Antonio de Brito, seuhor que o ven
deu ; he morador em Alagoa-Crande-uo
Pao, provincia da Parahiba do imite lio?'"
se as autoridades policiaes, capites
campo, ou outra qualquer pessoa. qu*
apprehendam e levem-no ao capilao Vi-
cente Cavalcantede Albuquerque, no enge
nho (.amelena, comarca de Nazarelh, ou
nesta praga a Francisco Cavalcante de Al-
buquerque, na ruado Livramento, n. 14,
que sern gratificados.
--llcsappareceu, no dia 11 do correnle.
um mulatinhodenome Miguel, do 10 an-
uos pouco mais ou menos, cheio do coriio
cabeca e odos grandes, denles largos, n
riz chato, pernas grossas; lem o corpo
cheio de signaa pieUis, cor um Unto p-
lida, levou camisa de riscadinho ja veino.
Roga-se as autoridades policiaes e cspitiM
decampo, que o apprehendam e levem-ao
aopaleodoTergo.il. 8, sobrado.
Fugio, no dia 7 do correnle, do a>f
nho Pinto, o crioulo Eduardo, alto, fro.
tem urna Taita na parle superior de um
das orelhas consta achar-se nesta cid"*'
no lugar do C.iqui, em urna casa junte >>
urna otaria : quem o pegar leve o a rua 11
reita, n. 121, que ser recompen ado.
.A.-1**
PaW. : K I, DB M f. UE F*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7GM52E9O_M5GYGQ INGEST_TIME 2013-04-24T15:30:10Z PACKAGE AA00011611_06741
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES