Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06740


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Terca-feira
PARTIDAS DOS CORE.E109.
Goi.mna eParahiba,secundas escxtas-feiras.
Rio-Graude-do-Norle, quintas-feiras ao melo-
Cabo, Scrinhaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macei, no l., alie 21 de cada mei.
Garanhuns e Bonito, a 8 c 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s qulntas-feirai.
(Jlinda, todos os dias.
IPlItmEBIDIS.
Fhses d lh. Ming. a 6. s 4 b. e 33 m.da t.
Nova a 14, 1 h. c 18 m. da t.
Cresc.a22, as5h.e21 m.da tai.
Cheiaa29, llb. c 41 u. da ni.
niilUB SE BOJE.
Primeira as7 horas-e 42 minutos da manh.
Segunda as 8 horas e 6 minutos da tarde
FB.ECOS DA DBSCRIVOAO.
Portresmezes(adianlaioi) 4/000
Por seis mezes 8/000
Porumanno 15JOO0
T
de Dezcmbro (Se 1849.
das da semana.
17 Seg. S. liartlinloineo de S. Geminiano. Aud. do
J.Oos orf. e do m. da 1. V- .
18 Tere. Nosa Senhorado O'. Aud. da chae., do
J. da 1. v. do civ. e do dos feitos da ficuda.
19 Quart. S. Fausta. Aud. do J. da 2. v. civ.
20 Quint. S. Domingos de Silos. Feriado para os
negocio* forenses ale 31.
21 sext. 4f S. Thoinc.
22 Sab. S. Honorato.

23 Dom, S. Servulo.
N. 285.
CAMBIOS EM 17 DI DEIEHBaO.
Sobre landre,. 27'/, d. por 1/000 rs. a 60 dias.
. Paris, 310.
Otro.J^S&g.....! ffig
. de 4/000........... 9/200 a 9/00
*<..-P.Ucoe.braTileiros...... 1*30 a gQ
Pesos conminarlos....... J/30 a J*
Ditos meiicanW.......... 1/&H) a 1#8/
PARTE OFFICIAL.
MINISTERIO DO IMPERIO.
1 SeccSo. Rio-dc-Janeirn -.Ministerio
dos negocios do imperio, em 22 de novem-
bro Illm. e Exm. Sr.--Tendo sido ouvida a
spcc.Io dos negocios do imperio do conce-
Ilio de estado sobre o oflicio de V. Esc. 10 desetembro ultimo, que acompauhou
a representaeflo documentada de LuizJos
ile Oliveira, denunciando irregularidades
as eleicOcs de juizes de paz e vereadores
que liveram lugar em 7 de setembro do an
no passado na freguezia de Surtihy, muni-
cipio de Mig: houve S. M. o Imperador por
lien), por sua immediata resolueflo de 21
do corrente, tomada sobre consulta da re-
ferida seceno di- 17 do mesmo mez, decla-
rar millas aquellas eleQfles, por isso que se
provou plenamente, nflos que a mesa foi
incompetentemente presidida pelo terceiro
juiz de paz Francisco Gomes da Cunha,
quando competa a presidencia ao segundo,
no caso de estar impedido o primeiro; mas
tambem que lora preso o representante no
acto de escrever algumas listas para aelei-
eflo, e no mesmo da della, n3o obstante ser
eleitor, facto quo, com o do fechamento*de
algumas casas de commercio e retirada de
diversos moradores, indica queseempre-
garam meios de inli.nidacSo para arredar
das urnas os votos contrarios aos influen-
tes, e para resolver os tmidos e dubios. O
que communico V. Exc. para sua iatelli-
gencia, e para que hq quanto antes pro-
ceder nova eleicflo de vereadores e jui-
zes de paz na sobrndita freguezia ; deven-
do entretanto funecionar os do quatrienio
lindo.
lieos guarde aV Exc.--Feonrfe de }frnt'
Alegre.Sr. presidente da provincia do Rio-
de-Janoiro.
MINISTERIO DA JUSTICA.
DECRETO N. 651 l)E 2* l)E NOVEMBRO
DE 1849.
Revogao or. 32 doregulamento n. 120 rfe 31
de Janeiro de 1842.
Ilci por ho(ri, usando da attrihulcflo que
meconfere o art. 402, 12 da constituidlo,
e tendo ouvido a seceflo do meu cnncelho
de estado, a quem pertencem os negocios
da jusiicn, decretar o seguinte :
Artigo nico. Fica revogado o art. 32 do
regulamenton. 120 de 31 de Janeiro de 1842,
nu parte que permitle reunir smente at
tres municipios debaixo da jurisdiceflo de
um so juiz municipal.
Eu/ebo de Queiroz Coutinho M"tt090 da
Cmara, do meu concelho, ministro e se-
cretario do estado dos negocios da juslica,
o lenha assim entendido e faca executar.
Palacio do Rio-de-Janeirc, em 24 de novem-
bro de 1849, vigesmo-oitavo da indepen-
dencia e do imperio.Gom a rubrica de S.
M. o Imperador.--Euzebiode Queiroz Couti-
vho Matloto Ua Cmara.
DECUETO N. 652 DE 24 DE NOVEMHRO
DE 1819.
Rene na provincia do Rio-trande do norte,
debaixo da jurisdicedo de um juiz munici-
pal e de orphSos, ot termos da capital, S.-
Goncalo, Eitremoi e Touroi.
Ilei por bem decretar o seguinte:
Artigo iinico. Ficnm reuni-os debaixo da
jtirisiiccio de um juiz municipal, que ac-
cumulara as funeces de juiz de orphflos,
na provincia do Rio-Grande do norte, os ter-
mos da capital com os de S.-Goncalo, Es-
tremoz o Tonros. revogado nesta parte o
decreto n. 221 de 6 de setembro do 1842.
Euzebio de Queiroz Coulinlio Mattoso da
Cmara, do meu conceibo, ministro e se-
crelario de estado dos negocios da justica,
o lenba assm entendido e faca executar
Palacio do Rio-de-Janeiro, em 24 de novem-
bio de 1849, vigesmo-oitavo da indepen-
dencia e do imperio.Com a rubrica de S.
Al. o Imperador.Euzebio de Queiroz Couti-
nho Mu toso da Cmara.
Rio-de-Janeiro.Ministerio dos negocios da
justica, em 29 de niaio de 1849.
Illm. e Exm. Sr.Tendo falto presente Sua
Maiicslade o Imperador o ofliclo n. 24 que V.
F.xc. me dirigi em dala de 7 de marco prxi-
ma passado, coiiimuiiicando ter moneado pro-
viso! menle o bacharel Ambrosio Leilao da
Cunlia, jul municipal da capital, para exer-
ccr, como rmprego de mera comiiiisso, o lu-
gar de inspector da tliesouraria provincial,
sein perder por lato o din lo an seu cargo de
magistrado, o mesmo augusto Senhor, consul-
tando a <,eccao do concedi de eslado que per-
tencem os negocios da juslica, houve por bem,
por sua immediata resoluto de 27 do confu-
te, mandar declarar o seguidle : Que o art. 14
da li i de 3 de dezcmbro de 1841 he multo posi-
tivo em determinar que os juizes muuicipaes
servir pelo tenipo de qualro anuos, lindos os
quaes podr ao ser reconduzidos ou Horneados
para oulros lugares por oulro tanto lempo,
comlsnlo que tenham bem servido. Que lie
claro que, segundo as cxpressOes da le, o ser-
vito que devem prrstar os juies inunicipacs
por eapaco de quatro annos para podrem ser
rrcoudutidusou despachados paraoutros luga-
res refrre-ae especial c exclusivamente an do
exercicio dos cargos de juizes muuicipacs, e
nao ao desempeuho de outrns empregos nu
coininissoes alheias da magistratura. Que,
alm de ser este o sentido obvio e natural das
palavras da lei, accresce que a rasao da mes-
illa le, estabelecendo os lugares de juies mu-
nicipars, fol abrir una especie de grande con-
curso por me lo do iiual podesse o goveruo es-
Cttlhtr, cun garantas dr acert, Juites de di-
reilo que as oUcrecesscm de iuletiigeucia e
probidade na udiniuislracioda juslica, segua
do-se incontcstavelmente que.se o juizes mu-
nicipaes podessem contar os quatro annos de
servlco em etnpregos ou commisses estranhas
magistratura, tei-se-hia contrariado o fim da
lei, e frustrado a somma de vantagens e bene-
ficios que ella se propoz na institulcao de taes
juies. Que a disposicao do art. 14 le de 3 de-
zembro de 1841 se acna reproduslda no art 36
do regulamento n. t20de3l de Janeiro de 1842,
o qual especlca alm disto que snente os
juizes munielpaes pdem delxar os seus luga-
res se frem nomeados juizes de direito, se l'-
rein removidos para outro lugar a requeri-
mrnto seu, se pedirem demissSo e o governo
Ih'a conceder, se forem privados do lugar por
sentenca. Que asslin demonstrado por urna
parle que o servico que Ues juizes devem
prestar para adquirirem direito a recondueco
ou despacho para outros lugares, he nica-
mente o que consiste no exercicio do lugar de
juiz municipal ou de outros de magistratura
cuja substituicao Ihes pertenca por lei, e pela
outra parle que a especlalldade deste servlco,
sendo decretada por lei,nao pode ser subroga
da por autoridade da governo, ainda mesmo
que concorram o aecrdo e contenllmento des
juizes munielpaes, evidente he que, se estes
juies aceitarem empregos ou commisses
alheias da magistratura, deve subeotender-se,
ou que renunciaram os lugares de juizes mu-
nielpaes, ou que voluntariamente se subjeita-
ram i perda de todo o tempo por que se con-
servarem dlstrahldos nesses outros empregos
ou commisses, competindo ao governo a al-
ternativa segundo as circunstancias que oc-
correrem. Que desla regra smente se excep-
tuatn os cargos de metnbras da assembla ge-
ral e provincial, nao s porque estes cargos
sSo electivos, e a lei de 3 de deiembro de 1841
apenas prescreve que os juites mnnicipaes,
com o fim sem duvida de conservarem intelra
independencia, nao posiam durante o quatrl-
ennio ser distrahldos para empregos ou com-
misses da Bomeacgo do poder executiyo, mas
tambem porque a cleicao para os referidos car-
gos involve o exercicio de direitos polticos, do
qual na falta de una lei de incompatibilida-
des devem sem restriccao alguina participar
os juites munielpaes com oscidadaos, coman-
lo que reunain as condlces de elegibilidade,
requeridas pela constituicao do imperio O que
manda communicar a V. Exc para seu conhe-
cimenlo, e bem assim que, applicada a dou-
miis distinetos membros da assembla, os
Srs. Thiers, Mole, de Broglie e Montalem-
bert, flguraram em tal commisso, a qual
escolheu o Sr. Thiers para relator. Seu tra-
balbo esuas rcsolucOcs fram submettidas
cmara a semana passada. Propoe o re-
latorio do Sr. Thiers que se conceda ao mi-
nisterio os fundos que elle pede para fazer
face s despezas relativas occupagilo d
Roma al o primeiro de Janeiro; e que por
conseguinte a assembla approve os actos
do governo.
Al ahi nada do melhor; mas o hbil re-
lator hsvia deixado de fallar na carta es-
crila pelo presidente ao coronol Ney, e
tinha plenamente approvado o motu-proprio
do papa. Vmc. conheco essas duas pocas,
das quaes ja Ihe fallei. Ora o presidente
esta aferrado sua carta, e pouco salisfetto
do edito paoal.
Elle fico escandalisadismo do relatorio.
No primeiro impeto quiz exhalar seu desa-
bor ; e por pouco nflo manda, de autorida-
do propria, una nota ao Nonittur, a qual o
poria em guerra aberta com a maiora. Ob-
teve-se a muito custo que elle adiasse esta
esplusSo colerici; e negociares activissi-
mas entre os amigos da presidencia e .al-
guns membros influentes da commisso
acarearan) urna reconciliagflo. Prometie-
ra m corrigir, no correr da discusslo, esta
omissSo que o presidente levara a mal; e,
quanto ao essencial da quesillo, deram a
entender que a maioria, quo estima o pre-
sidente, o tem grandissimo interesse em
poupa-lo, nao embarazar a poltica que
tende a obter do papa novas e matares con-
cessoes. .
Foi em taes circunstancias que se abri
o debate anlehnntem. O ministro dos ne-
gocios estrangeiros expoz os factos e o es-
tado das negociacOes. Elle se esforcou por
estsbelecer quo a carta controversa do pre-
sidente appnas era o fiel e enrgico resumr
das notas diplomticas, precedentemente
dirigidas aos nossos negociadores. O.mi-
nisterio nflo desapprovou de modo algom
esta caria, apezar de no ter ella carcter
O aclo ac V. txc,peto quai owiiitu" wjm* **-: coasita u niio'ur(i-, ^ .,-- -
niclpal da capital o bacharel Ambrosio Leilao i j, (je que eu j fallei a Vmc.) deve alargar-
da Cunha para exercer o euiprego de inspector : ge sjf,gUiarmenle.
da tliesouraria, e que consequentemeniedevc j Esse progr8mnl0 d0 ministerio pareceu
IIMIMI.il Mili' .UTILCIIi COK *.***- ------------ ------------------------- O I'' I II mn
cias de V. Exc. e sb piomcssade ser-lhe con- Ja liontem um orador, o Sr. Vctor lingo,
servado o lugar de magistratura, para n qual qUe esia queslu se separou da maioria,
deveria vollar quando cessasse a inesuia cun- prnunciou a respeito um discurso incen-
uiissao.
Dos guarde a V. ExcEutfOi'o de (hieiroi
Coutinho Matloio da Camara.-Sr. presidente da.
provincia do Para.
Rio-de-Janeiro.Ministf rio dos negocies
dajustic, em 22 de agoslo de 1849.
Illm. Exm. Sr.Sendo expresso no artigo
18 da lei n. 514 de 28 de outubro de 1848
que aos juizes muncipaes portence o orde-
nado dos juizes do direito a quem substi-
tuem quando o substituido deixa de per-
ceber o que lhe compete e sendo tambem
. I>J _^ >i 'ii 1.. 4*3 A,, en-
diario, que Iho grangeou pplaiMM phre-
noticos da llonlanha. O Sr. Vctor Hugo
he um dos nossos maiores poetas; e
os grandes poetas rara vez teem senso
commum. Ninguem levara em conta suas
oxageracOes emphalicas e seus loucos ata-
ques contra o papalismo, se se no sou-
besse que, mombro da maioria da commis-
sHo. elle foi mui ofagado nesles ltimos
lempos pelo presidente: s so tema que
suas vagas declamtiQoes fossom o echo,
mais ou menos fiel, do que se
diz no
expresso no art. 40 da lei n. 39 de 18 de se- E|ySu.
tembro de 1845 que os magistrados removi-l gsle negocio de Roma esta cheio de peri-
llos vencem os ordenados dos lugares que gos> e 0 concurso de todos os homens sen-
dexaram.sem interrupcilo.se se apresentam stos io seria bastante para resolve-lo se-
nos novos lugares nos prazos marcados pela i gund0 as estlidas comprelienses que nos
le ou pelo governo, he claro que ao juiz
municipal quesuhslitue um juiz do direito
removido s compete o ordenado deste,
mostrando que com efleito o perdeu pelo
fado de no so ter apresentado cm tempo
no novo lugar que lhe foi designado. E como
algumas lliesourarias leem abonado aos
juizes muncipaes ordenados de juies de
direilo removidos sem que se verifique a
circunstancia cima indicada, resultando
duplcalas de pagamentos que a le nflo leve
em vista, vou rogar a V. Exc. se sirva de ex-
pedir suas ordens para que cesso om toda a
parte essa prlica Ilegal. Convem oulro-
m.ii declarar que aos juizes du direito re-
n vidos nSo se deve abonar o ordenado
seno depois que mostrem haver prelien-
chdo a condcao Jo art. 4 da citada le.
Dos guarde a V. E\cEuzebio de Quei-
roz Coutinho Mattoso da Cmara. -- Sr. Joa-
quim Jos Rodrigues Torres.
MINISTERIO DAl'WZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 13
DE NOVEJIBRO.
A'thesoursria da llallis, em resposta ao
ofltcio de -29 do niain, a respeilo de se scha-
rem alguna armazens nao alfandegados re-
celando gonerol subjeilos a direitos de re-
exporUCaO, se declara que subsiste a dispo-
>icilo da ordem de 24 de julho de 1846 quo
declarou quaes os gneros subjeilos n di-
reilos que no podiam s-r rccolhtdos a
> lossem alfandegados.
mazelis que lian
termmdo sua tarefa, apparece a acclo re-
presM'a do verdugo, A Austria tem por
sysleoa ferr a reb-Ho na cabeca: olla
desenlia e osquece os erros dos pequeos ;
ma> ho implacavel para com os erros dos
grindes.
Os iribunaes militares trabalham, pois, o
,erem implacavelinenio Urna do suas pri-
meiras victimas Toi o conde Bathiony, o qual
foi ministro do archiduque Estevflo, palati-
no de Hungra Condemnaram-no forca ;
mas foi degolado, ou se suicdasse na ca-
deia, ou recebes o golpe do carrasco.
Outras ejecutes seguiram-sea esta; e
todas as victimas pertencem classedos
magnatos. Annunciam-nos hojequea Aus-
tria derramou bastante sangue, e que sua
Justina est salisfeit*.
Em toda a psrte o socego est roslabele-
cido, o nada annunca acontecimentos gra-
ves. O Piemonte debale-se contra os de-
magogos da cmara electiva ; mas, nflo obs-
tante sua audacia," lies comegan a ter me-
llo, e mostram-se IPUltO menos arrogantes.
O papa ainda no est em aples. O re
da Hollahda quer sempre reconstituir
seu ministerio ; e o re da Prussia contina
sua diHicil obra da reconstituido de sua
Allemauha unitaria.
sessOes a palavra cidadso : era urna tradic-
co da repblica, que os nossos republica-
nos da vespera se tinham apressndo a aco-
Iher, e que os momos republicanos do da
seguinte rejeitam com ardencia. Isto he
lanto mais bem feito.quanto o publico nun-
ca poder hahituar-sea essalingoagem quau
romana, ohstinando-se a chamar senhor a
quem o Moniteur chama va cidad/to.
Procesto de Xersnlhes Ha oito das qi
o supremo tribunal est reun lo om Ver*-
Ibes. Vmc. bem sabe que he esse um.tnbnai
supremo, creado pela constitmcao.-J <)
julga soberanamente os crimes e WPinj-
ces polticas que lhe defere a "ml>1"
nacional. O dito tribunal occupM-s pn-
meiramente de um negocio qu- nao lora
levado aocnnhecimento dosuprm" jurj ue
Rurges. Elle julgou o condemiP" II"D"'U'"
dosautores da insurreicSo de-. mesmo que havia, proclama* n\}n*a\
dissoluco da assembla '*c,0",'-| *,p"n'
de morte est supprin.Kla em m ter a P<)-
litica;e a pena que se fulm.nou a Haber
foi a deportac.flo. .. .
O processo dos olores e cmplices da
insurreicflo de juiflo comecou depois. Ha
olo dias queelt dura, e talvez anda se
prolongue tros manas. A violencia dos
aecusadose de ajbl advogados eslendem 10-
defliiidamente t debate, se mmais eonwgQl-
rom doque aigmentaro tedio e tndigna-
ciloque essef homens inspram. Oulro-dta,
um d'esses advogados atreveu-se a dizer,
fallando dr um onirial (que loaban dode-
pr) que'He nilo mereca trazer farda. Es-
te, cadendo sua justa ira, voltou-so para
os advogados eaceusados. e vibrou-lhes a
seguito injuria : Vosses sflo todos uns
birbantes, nenhum de vosses me diria issoa
sos. He incrivel a algazarra que essas vo-
zesprovocaram : os aecusados crgiioram-se
como para se arrojarem testemunlia ; mas
elles bem sahiam que seus gunrdas os de-
terlam. Os advogados gritaran) : emlim o
tribunal pz termo esse tumulto com um
sisudo aresto, o qual excusa a injuria em
rasioda provocando ,e ordena se cuntinnem
os debates. En referirei a Vmc. os inciden-
tes serios se os houver, bem como o resul-
tado do processo.
Fados diversos. Estnu embarcado para
communicar Vmc, no meta das preoecu-
naces polticas, algumas uovidades hiblio-
ffraphicasesci.-ntiiic.is. Na.la se lom pu-
blicado no correr d'esla quinzena, que me-
re-a mencionar-so. Toda lilleratura ac-
tual est nolhealro; e este mesmo auxi-
ia-se com a poliliea. Na Porta de San Mar-
tinlio n peca, quo su intitula liorna, servio de
capa i manifesltces dos vermclhos, os
quaes nssobiaram o uniforme francez. O
ministro do interior mandou prohibir osla
peca. Os broncos, no theatro de Vaudcville
tomaran) logo sua desforra, e applaudem
miiilissimo outra peca assasengenhosa. tn-
tluUdao/e/ra rfnsrfems.aqual flugella a re-
pubci eseutriple doma, liberdade,tgual-
dade, fiaternidade.
Entretanto Paris volve a seus hbitos de
trabalho : quasi lodos os ob-eiros estilo oc-
cupados: al liramos induslriaes quo ca-
r-cem de bracos. Em nossas grandes cida-
des mnnufactureras, a acliviJade substi- 0 Ve^-lfntei sf>ja "tnas poderoso do que o
tuioa languidez. Excepto as grandes ror- [{tote-u 01l uue eroeaao de necessi.iade
A MUDANCA DO MINISTERIO FRANCEZ.
Nflohenosss ntengilo investigar as^au
sas da crise, estamos dispostos a esperar
pelos resultados do nosso system* pori-tn
observaremos simplesmente que mullas
possoas da maioria enganaram-se, quando
creram quo podiam examinar com descan-
so seo ministerio era ou nflo pereasmen-
te conformo com as ideias da maioria, as-
sm como quando impugnaran) a presera
de tal ou tal ministro no gabinete. Entilo
e-a necesario que o ministerio oxpressassa
opiniiio.da maioria ou que fsso mouihca-
do. Daqui a importancia que sedava s hos-
tilidades pessoaes; porm presentemente
nflo tomos mais tempo para dar expansflo
aos nossos primeiros deeitos. o a maioria
nflo esqueeor quo nflo foi ella que dern-
bou o ministerio que varias vozes procura-
ra abalar.
Ella merece o crdito de pru lente, pois
resisti a tenlacflo; olla pode exprohrar-so
suas duvidas e sua impaciencia, pois dei-
xou por vezes que fssetn vistas ; porcm so-
bre todo ella deve applicar a si esta liofio
que ja nflo diapoe absolulamente do minis-
terio como o fa/.ia na moiiarchi.i constitu-
cional.
Um novo systems cometa, systema obs-
curo e oheiO de dlir-uldades, o systema da
constituieflo do 1818, o sysiema da presi-
dencia responsavel da assembla indisso-
luvel. Temos vivido at ao prsenle nos
hbitos d> monarcha constitucional, e de-
venios observar alm disso que aquellos que
mais aferrados sao a esles hbitos, aquelles
que as circumsuncias aciu-es dsputam
com a maior vehemencia o direilo do presi-
dente a ter urna poltica pessoale a regular-
se por ella na escolha do seus ministros, silo
exactamente os republicanos antigos, eat
os proprios autores da constituirlo de 1848.
Elles clamam que he cousa inauditi que
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAM-
BULO.
Paris, 20 de outubro de 1849.
A nossa assembla legislativa cha-se
conselham. Ha certeza de urna perda di-
plomtica, e possibilidade de urna guerra
boje que a Austria tem a aCQflo hvre. e que
vela altentissima sobre oque se passa na
Italia. Eu communicareiVmc. o resulla-
do do debate. _U,1
No excosso de suas vises, a assembla
legislativa oceupou-se do algumas ques-
lOes que moiecem rpida mencSo Nflo obs-
tante os estorcos da Montanba que un a co-
lrica quando se lhe falla de principes o
princezas, ella decidta, a pedido do gover-
no, que o thesouro publico pague a senbo-
raduqueza de Orlcans os 300,000 francos
de arras que certa le lhe abonara. He um
comedido acto de justica, do qual se devem
agradecimenlos repblica A somma era
bem devida; mas as repblicas so inquie-
tan! mais da nalurcza do devedor, que da
legitimidade da divida. Alem de que, no
debate que leve lugar, o ministro das buan-
casannuncioii que a nleiicflo da princeza,
segundo lhe dera a entender o respectivo
procurador, era mandar distribuir esse di-
nheiro aos pobres e hospicios de Pars.
So nos resignamos a pagar aos Orleans o
que Ihes he devido, nossa repblica nflo se
sent ainda assaz lorie para os revocar,
netn tflo pouco aos llourbons do ramo pri-
mognito. Urna proposla, tendente a esta
dupla revocagflo.e que alm disso pedia a
soltura dos transportados de junho, fot a-
presentada ptlo primo do presidente, o Sr.
Natmleiio Uonaparte, o qual nSo perdo oc-
cas'iflo de vexar seu primo. Cntaram de to-
dos os lados contra esla odiosa assimila-
eflo que collocava na mesma linha princi-
pes, cujo nico crnrie para com a repbli-
ca consiste em lerem nascido Ues, e a
certos miseraveis que, de bom grado, fizc-
iam correr sangue poi tres dias em nossas
ras. A proposla foi, pois, desvaJa ; mas o
joven Uonaparte nflo descoicoou : elle di-
vidi os pedidos, eos apriweiilou boje em
jas metalrgicas, ludo tornou quasi ao an-
tgo eslado normal ; mas durara isto ? Eis
o qu se pergunta ; com a nslabilidade
republicana, com o sulTragio univernal,
quo, n'u m dia de loucura, pode entregar a
Franca aos vermelhos, lodos receiam que
nSo.
Constnntinopla. San-Pet'.rsburgo. Urna
formidavel questflolque mui bem pode mo-
tivar urna conlagraeflo europea ) resurge
no Oriente. Eu ja partielpei a Vmc. quo o
C/ar e o imperador da Austria haviam exi-
gido do sullflo a entrega dos rebeldos hn-
garos e polacos, refugiados em seus esta-
dos. Osultflu recusou-a paremptoriamen-
frmade tres requeriinenlos separados, lid
urna das mais cmbaraco*as questOes em que
se tem enredado a maioria, que aniulia no
fundo docoracflosympatluas monarchicas,
te ; e aguardamos de dia em dia a resposta
do imperador Nicolao nota que lho an-
nuncia ei-U recusa Lord Palmerston, avi-
sado por ser Straltford Caniung, preoecu-
pou-se muito d'esso negocio, e resolveu lo-
mar acerca d'elle energtssimo attilule.
Alm disso, o nosso presidente esta deci-
dido a nflo consentir que o tal negocio sir-
va de pretexto Russi* Pru realisar seus
usurpatorios planos acerca do imperio olto-
rr.ano. A nossa esquadra recebeu, pois, or-
dem para apparelliar-snjedinge-se agora
a Esmirna, onde a esquadra ttiglcza nflo
tardar ii se lhe reunir.
O czar persistir cm seu intento r^ Nflo
ocreio. As manifeslacOes da Franca e da
Inglaterra moderar-llie-hflo talvez a cole-
ra, eo ohrigarflo a esperar outro ensejo do
marchar sobre Constanlinopla. Elle nflo
le.n rasflo. O pretexto da sua contenda
com o divn be odioso ;e se devo aniquilar
o mpe o turco, nflo convem que a usurpa-
eflo leja inesclada de vergonba. Du outra
parte, os trata.los do 1810 e 1841 o obri-
gam, como as outras potencias contratan-
te, a protegerla integridade das pussesses
do sullflo u lhe prohiben) entrar o Estrel-
lo dos Dardamellos, quo elle mesmo se fe-
chou. Creio que, se ella o passasse, pro-
vocara urna guerra geral que arruinara
toda a Europa.
Hungra.-Austria. O imperador da Aus-
iriajii nflo loen em seus vastos estados um
adversario que llio resista.
MI
reuden-so depo> de Vene. Sua capilula-
Cflo, oblida pelo general Klapka, aulorisa-3,
masuistiuclase contrarias quinto as pes- u bem assim u seus ollictacs, a letirarcm-se
agora empenhada u'um grave debate. Eu
ja disse a Vmc. que o ministerio linha apre-
tentado diversos | rojcclos do le. cujo ob-
iecto em pedir crditos relativos cxpedi-
SodeRom., e es, ccialtnente provocar o mas uisiidci.. .........h......- y"^"-^^., 0concede.os soldados
juizo da assembla acerca do proced.mento soas i|iC|llellles parlamentares pon-oito dias, o aos ofllciaei um mea de sold.
Ii.vido a respeto. | Jf^nmuto pura Vmc. ; o s ...encio- A quesillo de guerra l.ndou ; mas, quanto a
Foi,,orneado utr.a cnrnnusno para evt. .o ^" "^ (/r,k,m ,,u presj. AuSi,a que te... suas antigase implacaye.s
nK%^^mS-fSiaM^mci& dssitradicoes, quando a
minar as qu.slOes politi'
que se ligam a cases projeclos
oile possa Cliegar ao ponto de dispensar a
assenlimento da maioria da assembla, sen-
do assim o resultado da repblica ter o paz
um Eu. verdade lulo isso hecstranho, tudo
isso he contrario ao governo parlamdntar,
contrario at ao governo republicano, se re-
publicano quer dizer liboral: porin tudo
isso he conforme com a nossa constituieflo
di 1848. _
Na monarchia de julho o re Luiz rilippe
foi aecusado de governar pessoalmente.
Ilespondendo esta aecusaeflo, dissemos va-
rias vezos que era absurdo querer-se que a-
quelle que era mais interessado no governo
fsso o que livesse nclle menos parte, o que
a ccSoda irresponsablidade do re lhe ti-
rasse om realidade todo o poder. Oque dis-
seramenlflo os nossos adversarios? Pois
bem.' sedesejais quo o re governe, fazei-o
responsavel.
Os acontecimontosteem provado que o re
sempre foi responsavel defacto, senflo de le-
ge, e que foi sobre ello e nflo sobre os seus
ministros que cabio a injusti^a popular.
Logo que livemos urna constituieflo repu-
blicana, um presidente responsavul fotelei-
to, pois julgou-se, Dos nos perde, que o
presidente seconleria mais facilmonle em
cons-quencia de sor responsavel. O con-
traro aconteceu e dovia acontecer. He por
sua responsabilidade que o presidente tem
assumido o poder sobro o parlamento ; he
por ella quo elle he independente e quer
que sua poltica domine sobre a da assem-
bla ; he por ella quo ello noma os minis-
tros quo lhe convin.sem se embarazar mui-
to com o goslo da maioria.
A mudanc de ministerio que o presiden-
te acaba du fazer, he, portanto, permita-
mente legal; e,se tem causado admiracao.he
porque he conforme com a constituicao de
1848, com a qual a generosidade do puvo
anda esla pouco acostumada.
Qual ser o resultado destas mudancas t
Qual sera a nova poltica que o presidente
quer inaugurar? A este respeilo seguire-
mos o cxemplo da maiora ; esperaremos
pelos clleilos do novo systema para poder
julga-lo; presentemente diremos simples-
mente em poucas palavras quaes as opi-
niOcs que temos sobre osle ponto, e de-
terminaremos claramente o novo estado de
couss.felto por ello para a maioria e para o
. partido moderado,
epressao militar tem \ Depois de fevereiro de 1848 temos leste-
MUTILADO


>2<
munhido muilos acontecimontos cxtraor- t .. j.r.
dina. os. Km toda a parte em quo temos onicio. -- Ao capilflo Manoel Jos de.1:*-
rensii.lo ver urna iutcnco de orden) e mo- i pindola, aecusando a rececho de sen omcio
dcraco, temos ospressado nossa opinio de 11 do corrento, e dizen.io-Ino que lica
aun he do dever de todo o homem honesto i scionte de j se adiar em Tacaratu promplo
anima-la e sus'enla-la. O que temos feito a comhinar com as torgas de PernamDuco;
e que, no convindo demorar as eperacoos,
deve atacar o grupo do Serra-Negia se por-
pelo governo i i proodeu de partidos,
com os quaes mo linhamos nenhum gene-
ro de ronnexo, faremps anda de mcihor
vontadespor um governocomo o actual,que
procode do partido moderado, e proclama a
intenco de permanecer ligado a elle.
Venios, portanto, com prizer quo a maio-
ria lie firmemente opposta alanQardiflcul-
dades na marcha do novo ministerio. Esto
ministerio he tirado de seu seV>, posto que
losejade sua escolha.
Ella nfo deve, portanto, fazer-lheopposi-
c.io. Mr. I ni/ lionaparleem sua niensagem,
no smente protesta seu respeito cons-
tluico, seno tambem expressa Culra vez
sua profunda c sincera anlipathia N anar-
chia. No haveru, pois, nenhum acWeci-
menlo extra-constitucional, nonhumi con-
cesso anarchia revolucionaria: este; silo
os dous lmites dentro dos quaes o p'-si-
denle deseja conter-se, e he tambem denVo
destes limites que a maioria da asscmblta
esta encerrad.
Insidanos sobre esto douspnntl; porque'
tomos liberacs vellios, e antipathisamo* com
tildo oque aineaca a liberdade parlamentar,
qurr tejain golpe* de estado, qur anarchia
revolucionaria. Temos (ido a felicidade de vi-
ver 30 auno drbaiio de um governo que per-
uiillioa prosperidade publica c particular, a
r|o<|iii'iicia. a philosophh, a littcralurae a d-
cus.'ii" ; e em TOl alia proclamamos a nosa
predilecto por um tal governo. Conheccnios
lieni os seus drfeitos, cimi(|uaiilo rile nao ca-
liissc cin couseqtiencia deslU fallas; porm,
como qur que teja, amamos este governo que
t.u honra ao espirito humano, e desejainos
conservar dclle ludo o que fr tolerado pela
constiluire actual.
Temos, portanto, mrdo de ludo o que pode
contribuir para cnfraquer-lu; de ludo o que
pode tender allcrnativamriiie, qur para a
dictadura, qur para a anarchia; de ludo o que
pode tirar ao pau a lirrediiposico de seu dea-
lino, do qual elle he senhor eniquanto um (fu-
verno parlamentar fr llrlmente prallcaao;
temos uirdode ludo o que pode Involv-)0 em
guerra, quando file deseja a paz, ouodnier-
var-lhe a paz, guando ua honra exige/* guer-
ra So porque o governo |>roprio tan sido mi
em algoina cjrcumstaiicias, nao ha rasan para
querer c-,c "ao bala mala governo. Preferl-
_.t.~oinn rrgras de conducta, a experiencia
e oarrrpeiidiiniiitocrcdulidaile, ou ao deses-
pero lia um ponto que comiderainoa justo
observar tambem. O partido moderado tciu si-
do senhor da siiua;ao por espaco de um auno ;
elle tcui dhpusto assiin do poder ejecutivo
eo.no do legislativo, e por conseguinte pode
ser censurado pela conducta do governo, se
ella he inj l'ela nnssa parte que em geral a
temos adiado boa, he ao partido moderado, a
seus Ilustres cheba, c ao presdeme da rep-
blica que por ella mili promptamente elogia-
mos; porm nesie elogio neuliuiiia frcco
particular do partido moderado leve urna par-
le especial e distincla. Toda as fraccri fdrain
confundidas na iiiesma ideia todas l'raui re-
presentadas no ministerio. Fram seus rnais
illuslres cheles, Mr. Mole, Mr. de lirnglie, Mr
llarrot, Mr. 'finis, Mr. herryier e Mr. Ilcsfau-
re, que eslivcran em scena crin frente de to-
das as medidas, posto que todos niio livessem
um nonio nflicisl.
Esta situaco he j passada ; he necessario,
portanto, examina-la e apreciar plenamente
anas consequencas.
A primeira deitat consequcicias lie que o
partid.....oderado acha-se presentemente livre
de una parte da rcsponiabilidadeque o estado
do negocios tinha sobre elle laucado. A' pro-
porcjto que o presidente val-sc tornando mais
responsavel, segundo a leltra da constitujcao,
a responsabilidade da grande massa do partido
moderado val-te tornando menor. Iiizcmos
menos ; porm niio dizcmos nulla, porque isso
erla um roinpimrnlo.
A segunda consrquencia que desejamos de-
terminar he que se todas as fraccoes do parti-
do moderado j nao gnvernam decorcerlo, he
anda urna fiaecao, e tuna fraceo importante,
que obra, pois que est toda personificada no
presidente da repblica Ksta fraccao do par-
tido moderado deve governar debaixo da d-
reccao do presidente, e he ella que com elle
ser responsavel pelo manejo dos negocios ;
porm seria para mis mu grande motivo de af-
Ilico e esta marcha distincla de urna fraeco
da maioria se torna9se urna causa de separa-
(3u, lsto serla um grande enfraquecinicnto
para o partido moderado, um graude revez
para a ordein, una grande occaslao de Iriiiin-
pho para o partido radical e socialista.
Nao eaqiieeamos, nem nos que governamos,
nem nos que vemos os outros govemarem, que
o partido socialista no est vigiando. Ao pri-
meirodrtiueinbrainento que tiver lugar as li-
leiras do partido moderado, elle atacai oulra
vez a tociedade, e so Dos sabe que esforcos
sero necessarlos para rrpelli-lo. Nos todos
marchamos lias bordas de um abysmo ; nao
no empurremos un aos outros dentro dclle,
porque cnlo todos iremos ao fundo
[Journal des Debat.)
ventura se julgar com torca sulTicienlo para
o fazer com bom xito.
Dito. Ao administrador da mesa de ren-
das do Penedo, para satisfazer as despezas
que se fizerem com o transporte de urna
porcBo de armamento e correiame que nesti
data se ordena ao commandante superior
daquella comarca, que remeta para o por-
to do Armazcm disposico- do tenente-co-
ronel Pedro Vieira Jnior, devendo enviar a
conta para sn Ihe mandar abonar. Por esta
occasio se Ihe communica, que se deu or-
dein thesouraria de fazenda para abonar
os 65,600 rs. que despendeu com a conduc-
ho da tropa.
Dito. Ao Dr. chefe de polica, para que
informe cerca da mudanca de priso que
pode no requerimento que se Ihe remelle o
bacharel Jos Angelo Marcio da Silva, preso
a bordo do brigue Canopo, leudo em vislas
s a informocSo que vai junta do crurgio-
H..M- rtaymundo JosdeSouza Netto.
^ Dito. Ao commandante superior da co-
ifrca do Penedo, determinando que,apenas
esta, receber, remella para o porto do Ar-
io a/. m disposico do tenente-coronnl Pe-
dro VSeira Jnior 50 granadoiras das mc-
lnores\ie liver a guarda nacional dessa ci-
dade, ind)> promptas com suas bayonotas e
o correiatte correspondente, alim de quo
possa odiiotenente-coronel armar os guar-
das do seu balalnflo para o cumprimento
das ordeus de>.ie governo.
23.
(illlcio. ~ Aoinspectorda thesouraria de
fazenda, dizendo-lheque approva a arrema-
tadlo feita porl'euio Alexandrino deSouza
de TOOcaibros e t.tto ripas que se fazeo
precisas para a obra d> mercado.
Kilo. Ao inspector irovincial, transmit
lindo-lhe o atlestado deslacidade, alim de qu% Ibe de o compe-
tente destino.
Dito. -- Ao mosmo insrector, para man-
dar pagar a Jos Dominguei Alexandra de
Uliveira a quantia do *0,00t>rs. con.-tanle
da guia do subdelegado desla 6dade e pro-
veniente do uluguel de oito Civallos que
ciiiiiluzirum armamento daqui nv a barra
de Saiilo-Antonio-Grande.
hito. Ao commandante superar desta
cidade de Macei. Em resposla ao seu of-
licio de -JO do crrente, acompanhado de
oulro do teneiite-coronel commandantQdo
balalhlc da guarda nacional desla cidade,
leulio a dizer a Vine, para o fazer constar
ao mesmo tenento-coronel, que na confor
m idade do arligo 25 do decreto de 25 de ou-
tubro do 1832, alrn dos che fes de reparli-
cde.s, so iseutos do servcoda guarda na-
cional os empregados pblicos sobre os
quaes houver ordena de dispensa,emanadas
do governo imperial ou da presidencia da
provincia ; e quaulo aos empregados que,
sendo ofliciaes da dita guarda,nSo cunu.ri-
rem os seus deveres, ou nao esliverem
fardados, deven elle propor a sua substitui-
eflo, pois que laes pustos s por utilidade
publica sao concedidos, e nSo por mera vai-
daiie pessoal.
Dito. -- Ao commandante superior Salva-
dor Pereira da llosa o Silva, declarando-llie
que. vista do oflicio que se Ihe remelle do
Dr. chefe de polica, cumpreque mande pu-
nir o guarda nacional destacado Manoel
Juiquim Tinrica, pelo facto que praticou,
cunsianto do mesmo ollkio e parle a elle
junta.
DIARIO HE PINMIDCO.
cas de bacalho ; a Me. Calmont & Com-
panhia.
Glasgow 43 das, brigue inglez Zenobia,
do 327 toneladas, capitn Joo Slwart,
equipagem 14, carga carvflo de pedra ; a
Johnston Paler & Companhia.
Gersey 38 das, brigue inglez Rabecca-
lae, de 215 toneladas, capito Peter Le
Mcasurer, equipagem 12, em lastro; a
Me. Galmont & Companhia.
Babia 11 dias, barca franceza Aleyon, da
181 toneladas, capito Chainel, equipa-
gem 9, em lastro; a D. Lasserre & Com-
panhia
Navios sahidoi no metm dia.
Em commisso Vapor do guerra brasi-
leiro Urania, commandante o primoiro-
tenente Jo3o Joaquim da Silva Maga-
I hiles.
MaranhSo Brigue inglez Zenobia, capilSo
John siwart, carga a mesma que trouxe.
Wesl-lndus Corveta sueca Naadem, ca-
pito o msjor lliljehook.
Rio-de-Janeiro Brigue inglez Lady-Falk-
land, capito M. Gallecham, carga a mes-
ma que trouxe.
Philadelphia Patacho americano Thomas-
Walttr, capito Charles Marohanan, car-
ga assucar. ^^_____ ______
Declara^oes.
INTERIOR.
ALAGOAS.
Emtraclo do expediente do F.xm. Sr. prttiden-
ll Dr. Jote Unto da Cunha e l-'igueiredo.
21 DE NVEMBI'.O.
Portara. Nomeando para supplente do
respectivo juiz municipal < prphQoa do ter-
mo de Anadia a Joi'o Ferreira da Costa lm-
buzeiro. em lugar do Antonio de Jess Eira
que be fallecido, e dundo nova organisaciio
a ordem dos suppleiiies. Commiitiirou-se
acamara municipal e aos luppleutra rs-
ped ivos.
Oflicio. Ao cirurgio-mr lUymundo
Jos de Souza Mello, i ara que passe a bordo
do brigue-eaeuna Canopo o proceda a um
exsme de s.ide no preso o bacharel Jos
Angelo Marcio da Silva, nfim de ronliecer
se Ihe tic ou no possivel continuar naquel-
la prisflo seni risco de vida, dando parto do
que exactamente observar.
Dilo. Ao Dr. chefe de polica, decla-
ra mo-Ihe que, niio sei viudo para o ser vico
da marinhu o recruta Manoel Jos do Nasci-
inenlo, como afh'rma o comiiiundanle do
brigue-escuna Canopo, cumpre que procu-
re con igi-lo obrigando-o a .signar termo
de hem \ ver.
Dito. Acamara da capital, communi-
cando-lhe, para seu governo, que se acha
complelamente concluida a parle do edifi-
cio da cadeia desta cidade, destinada para
as H'Ssrs da mesma cmara.
Dilo.-Ao inspictor da thesouraria de
fazenda, paia mandar entregar ao palriio-
mr Jote Mara do Sacramento aquantiude
315,860 rs impoi taucia das duas lolhas om
uophcsta que se Ihereuielleui, processadas
ua capitana do porto.
RECIFE, 17 SE DEZEHBRO DE 1849.
Comqtianto a carta do nosso correspon-
denle de Pars, que inserimos neste nume-
ro, seja de dala mais antiga do quo a lti-
mamente publicada, todava conlm alguns
pormenores que n5o deixaro de inters-
saraos lelores, e por Isso a damos ao prlo.
ALFANDEGA.
Bendimento do dia 17.....14:489,186
IMPOItTACA.
fraf-Apporujt, polaca austraca, vinda
de Liverpool, entrad neste mez, consigna-
da a N 0. Bieber C., manifeslou o se-
gu nte !
310 toneladas de carvo do pedra ; aos
consignatarios.
Svllon, brigue inglez, vindo do (aspe, en-
trado ueste mez, consignado a Me Calmont
& Comiiaiilnii manifeslou o seguinte :
2,468 tinas e 50 caixas com bacalho ; aos
consignatarios.
Venus, brigue brasileiro, vindo de Bue-
nos-Ayres, com escala pelo Jtin-de-Janeiro,
entrado ueste mez, consignado a Caudillo
Agnstinho de Barros, manifeslou osegmnle:
7,875 arrobas de carne secca e 60 couros
seceos; ao consignatario.
Virginia, patacho americano, vindo rio
Baltiniore, entrado neste mez, consignado
Deane Youle & C., manifeslou o se-
guinto;
60o barricas com bacalho, 788 ditas e 60
meias ditas faiinhi de trigo; aos con-
signatarios.
CONSULADO CEBAL.
Bendimento do dia 17.....5:482,567
Diversas provincias...... 423,370
5:905,937
0 commandante do enrpo de
voluntarios, o Sr. concelheiro Se-
bastio do Kego Barros, convida a
todos os Srs. ofliciaes do Latalho
e das companhias additlas a compa-
recerem amanhSa, 18 do corrente,
pelas 11 horas do dia, na casa de
sua residencia, ra d'Aurora.
Ilecife, secretaria do coniman-
dezembro de i84g. O secreta-
rio do corpo, A. i*, de Oliveira.
Pela i.nspectoria do arsenal de mari-
niiii se convida a todos os individuos livres,
ateo numero de50, que se quizerem em-
pregar como serventes as obras do mes-
mo arsenal e as do melhorttnentodo por-
to, a se entenderem com o respectivo ins-
pector, oqual, em virlude de ordens do
Exm. Sr. presidente da provincia, lhos ga-
rante a isrnco do recrutamento, emquan-
to se ticciiparem efTectivamente nessas
obras; sendo o jornal a dar-se de 640 rs.
por dia.
Perante o concelho de adminisiracio
naval 1 ein de contratar-se por arrematado
o fornecimento dos gneros spguintes, por
\empo to smenle d>i tres mezes, para os
navios armados e hospital de marinha :
a^o'ardenlp, bolacha, carne verde, crnc
secca, caf moido, farinha, feijo, lenha,
pRo e sal; pelo que convida-so a quem con-
vier fazer semelhante fornecimonto a com-
parecer s 12 horas da manhSa do dia 21 do
correte, na sala das sessOes do mesmo con
ceibo, munido da proposta em que declare
o ultimo preco e o nomo do fiador, que.se-
ra para esse fim pessoa habilitada : dela-
ra-se que as propostas devem vir assigna-
das, e que os concurrente* devem-se achar
l>resenles no acto da rremataco, sb pe-
na de no screin aceitas as mesmas pro-
postas.
PAGADOBIA MILITAR.
Em cumprimento da ordem do lllm. Sr.
inspector, e da do Exm. Sur. concelheiro
presidente, de 15 do corrente mez, annun-
cia-seqne perante esta iresma pagadura se
a irciii:-laio em hasta publica 17 cavallos
que perlenceram a companhia fxa de ca-
vaaria, principiando no dia 18 desle pre-
sente mez a p'imeira pruca s 11 horas da
man lia, o continuara as citadas horas nos
seguintcs dias 19e20. Os prelendentes p'i-
dem ir ver na cochia da predita companhia
os ditos csvallos.
Pela segunda sccc.no da mesa do con-
sulado provincial desla cidade se avisa aos
Srs. proprielarios de predios urbanos, sub-
jeitos ao pagamento da decima, que do 1."
do andante mez o principiam acontar os
30 dias para o pagamento de semelhanle
imposto do primetro semestre do anno de
1819 a 1850, e que, findo esse prazo, incor-
rem os que niio pagaren) na multa de 3 por
cenlo sobre seus respectivos dbitos; e
bm ssim que do 1.* de Janeiro prximo
futuro, principia a cobranza do imposto de
12,800 sobro di versos "estabelecimentos que
possuem mais de 2:000,000 rs., segundo
dispon o regulamento da presidencia da
provincia, de 12 do novembro do corrente
anno, dado a semelhanle respeito.
Para llossa ruedes
As pessoas que quizerem fazer parte da
segunda expedico para Mossamedes so
convidadas a coiiipiiri'i'ereni no consulado
de Portugal nesla cidade todos os dias
uteis, desde s 9 horas da manhSa al s 4
da tarde.
CONSULADO PROVINCIAL.
Bendimento do dia 17.....3.269,249
r-uu m ^nirmmnmmmm_______
Movimemo do *orlo.
Navios entrados no dia 17.
|iverpon| 36 dias, brigue.inglez Flint,
de 306 toneladas, capito J. C. Wighl,
equipagem 14, carga fazendas; a Me.
Calmont & Companhia.
Iltlifax 42 dias, brigue ingle/. I.ariy-Fulk-
lund, de 159 toneladas, capito M, Galle-
chtin, equipagem 10, carga 2,160 barri-
2. 0 templo d'Apollinopoles, no Egypto.
3. Baalhec, visto pelo lado do rio.
4. As pirmides da Esphinx, no Egypto.
5., Abhotsfard, na Irlanda.
G. A mgica.
7. Alexandria, na Turqua.
8. Thun, na Suisss.
9. Um moinho d'agoa.
10. O interior da sala do senado, no pala-
cio do doge, em Veneza.
11. Ointerior do mosterio de Santa So-
phia, em Constantinopla.
13. Naufragio de urna galera.
13. Entrada de um vapor em um porto
da Turqua.
14. Systema dos planetas.
15. Diversos grupos de figuras humanas.
Intervallo de 20 minutos.
II ACTO.
Quadros de nuvent.
1. As montanhas da la, Tycho e Aristte-
les, como vio lord Ross's pelo seu grande
telescopio.
2. aples e o Visuvo visto de dia.
3. dem dem visto noitede la.
4. O templo de Memnon, em Tnbas.
5. Baalbec, vista de da.
6. A ponte da Seyhs, em Vienna.
7. O templo do lolyrora em Edinburgo,
visto noite de la.
8. Urna parte da estrada de S.-Bernardo,
nos Alpes.
9. O exterior e interior do sepulchro de
N. Senhora, em Jeruzalem.
10.O interior da cathedral, em Lyon,
com a capella de S. Luiz.
11. Lisboa, pela Almada.
12. OTvoli na Italia.
13. O lago delzolablla, na Italia.
14. Um moinho por vento.
15. Um caminbo de ferro, na Inglaterra.
16. Diversos grupos do figuras humanas.
Int Tvallo de 20 minutos.
III ACTO.
1. Do. o diversos coros de chromaleopes.
Principiara s 8 horas a chegada de S.
Exc. e lindara s 10 pouco mais ou menos.
O director tem a honra de fazer sciente
ao respeittvel publico que desla vez em lu-
do estara mais brilhante o espectculo, por
serem melliores as vistas e ter-se preveni-
do para que saia ludo cois toda a ciaridade
necessaria.
Os bilhetes acham-se a venda na ra da
Cruz, n. 15, at s 6 horas da tarde, e dahi
por dante na porta do theatro pelos precos
seguintes : primeira ordem 1,500 rs., se-
gunda dita 2,000 rs. terceira dita plaleia
1,000 ra.
Avisos martimos.
Frtncisco da Silva Motta Jnior, capi-
to do bergantn) porluguez Gratiddt, pre-
cisa tomar a risco martimo at a quantia
de 2:500,000 rs. pouco mais ou menos, em
moda corrente, sobre bypotheca do casco
e apparelho do dito brigue, e, sendo neces-
sario, sobre a carga que conduz, paia paga-
mento das desbezas feitas com o concert
do navio, o outas pela arribada forjada
que fez a esto porto na'sua viagem do Rio-
de-Janeiro para a cidade do Porto : os pre-
lendentes queiram dirigir as suas propos-
tas em carta fechada ao consulado de Por-
tugal nesla provincia ( casa n. 6, defronte
do Trapiche-Novo ) al ao dia 21 do crran-
te, pelo rneio-da.
Para o Rio-de-Janeiro segu viagem
com n.uito brevidade o patacho S.-Joo-
Vencedor : anda recebe carga e esrnvos a
lete para o que trata-se com Francisco Al-
vesda Cunha, na ra do Vigaro, n. 11.
Para a Baha segu, com a maior bre-
vidade possivel, o hiato Ligeiro, forrado e
pregado de cobre : para carga e passagei-
ros irata-se na ra do Vigario, n. 5.
Para o Riu-de-Janeiro sahe imprete-
rivelmente no dia 10 de Janeiro sumaca na-
cional Ca'lola, mestre Jos Concalves Si-
mas, por se achar com a maior parte da car-
ga prompta : para o restante e passageros,
Irata-se com o mestre, ou com Luiz Jos
de Sa Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para Lisboa sahe impretervelmente
por todo o corrente mez o brigue portu-
gue^.s.-fio/n/nau, capito Manoel Coucal-
vesviann : para o resto da carga e passa-
eero8, trata-se com o consigpatario, Joa-
MUim Ferreira MendesGuimares, na ra da
Cruz, n. 49, primeiro andar, ou com o refe-
rido capito, na praca do Commercio.
-- Para Lisboa sabe Imprelerivelmente
no dia 29 do corrente o brigue porluguez
Conceicio-de-Uaria : para o resto da carga e
passageros, para os quaes oflerece excel-
lentes cummodos, trata-se com os consigna-
tarios,Thomaz de A. Fonseca & Flho.na ra
do Vigario. n. 19, primeiro andar, ou com
o capito na piuca do Commercio.
I'ara o Hio-de-Janeiro sahe
por estes dias, por ter a maior
parte do seu carregamento promp-
ta, o bem coiihecido e veleiro bri-
gue nacional Jiom-Jesus : para
carga e passageiios trala-se com o
capito no caes da Alfandega, ou
na na da Madre-dc-Deos, n. 3,
terreiro andar.
Para a Babia sahe, em poucos dias, a
sumara tlor-do-\ngelim, mestre Bernardo
de Souza, por ter a maior parte da Carga
nrompta : para o restante e passagoiros
lrta-secom o mesmo mestre ou com Luiz
Jos de Sa Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
Para Lisboa sabe com a maior brevida-
de possivel o brigue porluguez Pelos, ca-
pito Antonio Pedo de Figuejredo : para
raiga ou passageiros Irata-se com o sobre-
dito capio, ou com seus consignatarios,
Oliven a Irinos h Companhia, ra da Cruz,
n. 9. '
geiros Irata-se naTua da Cadeia do Uecief,
escriptorio de Jos Antonio Basto
Para as ilhas de S.-Miguel,
Terceira e Fayal sahir brevemen-
te a eeenna portugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
to Antonio Jos de Mcdeiros: pa-
ra carga e passageiros, trata-se
defronte do trapiche novo, n. 6,
com Thomaz de Faria.
Leiio.
-Manoel Francisco da Silva far leilo'
por intervenco docorretor Oliveira o por
cotila e risco de quem pertencer, de 30 bar-
ra de carne salgada da Patagonia, vindos
pelo brigue-escuna Olinda em agosto pas-
sado : quarta-feira, 19 do corrente, s 10
horas da manba, no armazem de Manoel
da Silva Santos, ra do Amo'rm.
Avisos diversos.
Ainda ae precisa de um amassador
branco que saiba bem desempenhar o seu
lugar : paga-se bom ordenado: na padaria
di Passagem-da-Magdalena.
Prvcisa-se de um feitor poituguez para
tomar conla de um pequeo sitio, o qual
saiba tratar de plantacOes de frutas, flores o
verduras: no Aterro-da-Boa-Vista, n. 26,
segundo andar.
Precisa-se alugar urna 8tna
de leite, que o tenha em abun-
dancia, seja bem sdia e de hons
costumes. Paga-se bem Dirigir-
se ra do Kozario larga n. 36,
segundo andar,
-- Precisa-se de um forneiro: na ra lar-
ga do Rozarlo, n. 48, padaria.
-r O eacrlvSo interino do juizo municipal
da primeira vara mora na ra Augusta,
n. 66.
Joo C. Keller Rordorf retira-se para
fra do imperio com sua esposa, tres fillios
menores e urna criada.
--Precisa-se de dous caxeiros de 12 a
14 anuos, para venda : na ra da Senzala-
Velha,n.46.
Ignez Joaquina Pessoa [tabello faz
scienleaquem convier que ella pretende
vender alguns escravosdocasal de seu Qnado
marido, Joaquim Jos (tabello, alim- de li-
quidar conlas o mais breve possivel com
os credores do mesmo casal, a quem pedo
segunda vez hajam de apresentar smis cun-
tas no lempo ja marcado no primeiro an-
nnuucio : as pessoas que pretenderen) ne-
gociar ditos escravos pdem comparecer
na travessa da l.ingola, na venda que foi
do mesmo finado.
-- Aluga-se, por prego commodo, urna
propriedade de pedra e cal, no lugar da Ca-
sa-Forte, junio ao Sr. major Vilella, por
fesla ou niiualmeiile ; a fallar na ra do
Brum, ns t, 8 c 10, fabrica de machinas e
fuildico .le leu o.
Iloga-soao Sr. quo levou do oito da
casa do Sr. Jos Higino 7 travs queira di -
rigir-so ra do rjueimado, n. 9, primei-
ro andar, alim de desfazer una duvlda; e,
assim o fazendo, ^evitar a publicado de
seu nomo.
-Na ra do Sebo, n. 10, se faz negocio
com urna escritura do hypotheca j feita
em uina casa terrea na ra da Gloria, pela
quantia de 600,000 rs.
Joo Leonardo llangee sua familia re-
liram-se para fra do imperio.
Ilenriqui! Munze|, subdito allemSo, re-
lira-se com sua familia para f'a do impe-
rio.
Thomas Purcell, fubdilo inglez, reti-
ra-se para fra do imperio.
-- Na ra da Cruz, n. 3, existe urna car-
ta para o Sr. Francisco Morena da Cosa.
Aluga-se urna casa lerrea na Snleda-
de, n. 17, com bons commodos para fami-
lia, quintal grande, todo murado : a tratar
no pateo do Carmo, n. 17, com Gabriel An-
tonio.
* [Va casa de sorvete do Pas-
seio ha cosmorama em pon-
0. to pequeo gratis para quem j
j tomar trrete a a4o rs. o <|
copo, e para os mis loo rs. 5
jj por pessoa. ^
Precisa-so de um prelo muilo bom co-
znheiro : na ra do.Torres, n. 34, das II
horas da manha at 1 hora da tarde.
Aluga-se um moleque para o servido de
casa : quem o pretender, dirija-se praca
da Independencia, n. 3.
Precisa-se de um bom forneiro: no
Aterro-ila-Boa-Vsta, n. 80.
Aluga-se urna casa no Cacliang para
se passar a fesla, com esliibaria e cocheira,
por preco commodo : na ra Nova, n. 63
TlliATKUK APOLLO.
QUINTA-FEIRA, 20 DO CORRENTE.
I'lujiica experimental tm tres aelm.
Depois quo urna grande orcheslra liver
desr-.npnnliado lindissiina overtura dar
principio osegulnlo:
I ACTO.
Quadrot de nurens.
i. As duas faces do globo.
-Para o Rio-de-Janeiro segu, em pou-
cos dits, o brigue nacional loiephina : quem
no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem, dinja-seao consignatario, Domingos
Rodrigues de Al.drade, na tua dos Tai.oei-
roa, armazem 11. 5, ou aocapilo a bordo
do mesmo.
I'ara o ftio-de-Jaiiviro
sabe al o da 20 do corrento mez o brigue
nacional _.-Manuel-Augusto : para alguma
carga e passageiros. pam o que tem excel-
entes commodos, trata-se na praca do Cor-
po-Santo, o. 6, primeiro andar, 011 com o
capiiilo Jos da Cunta Jnior, i bordo.
-- Segu viagem para Marauhu e Para a
eacuna Utria-iimina : para carga e passa-
_| Na ra Nova, casa de co-
2 mestives, n. C9, h&ver to-
fe dos os das, das 6 hores da
?> tarde em diante

srveles e m
^ relrescos de todas as quali-
dades. %
^ Chapeos de sol. ^fe"
lina do Passeio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimenlo de chapeos do sol, de seda de
todas as cores as mais lixas que teem appa-
recido, para lioiueiu e sonb.ora, o que se
vetrlciii inuito em conta ; ditos de ptnni-
nbo imitando seda ; ditos muilo grandes, e
de panno e armarles muilo fortes, pro-
prios psra scnbores e fotores de engenhos :
la-nbem se vende fazenda de seda e de pan-
ninho imitando seda para se Cobrirem ar-
maroes. Na mesma fabrica seCunccrta qual-
quer chapeo do Mi, com muita brevidade,
o por preco mais commodo do quo em ou-
lra qualquer parle, e veudem-se baleias
para vestidos.


Precisa-se de una ama de
leite : na ra da Cadeia do Reci-
fe, n. 4o.
Precisa-se urna ama de lei-
te forra ou captiva, sem cria : na
ra do Padre-Florianno, por ci-
ma da venda, n. 73.
-- No dia 19 do corrente, s tres horas da
tarde, se ha de arrematar em hasta publica
do Or. juiz municipal da segunda vara uina
taberna, sita no pateo do Paraizo, arresta-
da a Luciano MagalhflesRiheiro, a requeri-
mentode l.uiz Antonio Hodrigues de Al-
meida.
Precisa-se de dous contos de ris a pre-
mio de un eum quartoao mez, sobre se-
guranza cm predios : quem quizer dar an-
nuncie.
Muito se Heseja fallar com o
Sr. Joo de Lima Bastos, morador
no lugar do Barro, frcguezia dos
j\ Togados, para negocio que muito
o deve interessar : na esquina da
ra do Queimado, toja de fazen-
Precisa-sede urna ama de ieite: na
rua Direita, 11. 58, primciro andar.
Sr. cliefe de1 polica de nilo dar passaporte
ao Sr llenrique Munzcl, sem que este tenha
pago aus mesmos a quantia de 56,940 rs.
Hebrardii Companhia.
Na noite do dia 15 para iC
ftigio, da casa de seu senhor, o
pardo Laurenlino, de 18 anuos,
altura regular, cheio do corpo,
bem parecido; nao se pode men
cionar a roupa com que foi vesti-
do por ter levado toda quanto pos -
sufp; passou na cidade de Olinda
iim vestido, de tmnancos, meias e
grvala; foi visto no engenho Pau-
li.-la, e lie de presumir que, nao
ficando por all, siga para o enge-
nho Abreus, donde foi e tem mai
e irma : roga-se aos sen 1101 es
dos mencionados eugenhos, auto-
ridades policines e mais pessoas
que delle liverem noticia, de o
niandarnn conduzir ou dar parle a
Mii senhor, na ra lmpeiial desta
cidde, n. 167.
Na ra do Queimado, 11. H. segundo
andar, se dir que.u da dinheiro a gremio
I 'nulo npparecido una pergunta no
Diario do 10 do corrente ao cumniandarite
da quaria companhia do batallio da Boa-
Visia, esto responde que nSo consta dos
iissciitos,que existem no poder do mesmo, J0S0 Guilherme Dias ser gur ia nacionafiA
dita quaila companhia. o podo o autor <1h
dita pcrgunlu, quando liver de l'jzer segun-
da, de pri ffleiro informar-se.
Precsa-s-f de um rapaz bolieiro, ou
que tenha hnbilidade para aprender este
1.lucio, o qual dC fiador a sua conducta : na
ra do Livramenln, n. 33.
O O
Q Qualquer pessoa que tiver boa le- q
q tra, e escreva certo, querendo se en-
gv carregar de una pequea escriptu- .-''
P, ragflo.apparega na ra da Cruz,na bo- jX
tica de l.uiz Pedro das Noves, para **
O ajustar-so. Adverte-se que a hora
O ser marcada vontade do escriptu- O
rano. O
3 O
Joflo Cavalcanie do Albuquerque faz
scienle ao Sr. Antonio Vieira do Souza, que
sr cha fogido o escravo Virginio, que Ihe
bavia compiado eni 16 de jiintio de 1848, e
como foi com a condicSo de que, se o refer
do escravo fugisse 110 prazo de dous annos,
elle so obrigaria a cnlregr a quantia por
quanto vend u, para qoe nao allegue ig-
norancia, se faz o presente annuncio.
Precisa-se de urna ama para o servgo
de uina casa de pouca familia 011 urna os-
era va para o mesmo servico : na travessa do
Corpo-Santo, n 27, segundo ailar.
A pessoa que quer fallar com Joaquim
C. Keneira, dirija-se ru Nova, n. 43.
--Aluga-se, a quem quizer passara fes
la, urna casa na malta da Torre, pelo bara-
to prego de 25,000 rs. 'a tratar na ra da
Aurora, n. 48.
-- Precisa-se de urna ama secca que sai-
bu engominar : na lloa-Visla, ra da Santa-
Cruz, n. 38.
Precisa-si de um caixeiro para tomar
ronta de urna vonda por balando o qual i'O
liadorasua conducta, e tenha qualidades
neC''Ssrias para negocio: quem cstiver
tiestas ciicuinstancias annuncie.
Da-se dinheiro a premio sobre penho-
res de ouro ou prata : na ra do Sol, n 9.
.\i mesma casa vendcin-e toadlas de Gui-
mares para mes, guardanapns, petas de
Iremoia, panno dii linho, capachos redon-
dos o compridos, relogios de prata, patente
ingles:
O abaixo assignado previne ao Sr. the-
soureiro da lotera do Guadalupe, cujas ro-
das correram no dia 14 do corrente, que
nilo pague o premio que houver de ter sa-
ludo no iiu'io hilliete numero 2u03 s-nflo ao
10 aba so assignado, visto ter-se-lhe desen-
caminhado dito meio billute, quo prome-
te aprsenla lo achundo-o, ou justificar
perlencer-lhe, caso se realise dito desappa-
ri cimento
Slanotl Zacaras da Silva Braga.
Alnga-so o segundo andar do sobrado
n, 24, da ra da Aurora: a tratar no pii-
in- 11 o andar do mesmo sobrado.
-- O sr. Karata ( guarda da alfandega )
queira vir cocheiru da ra d Florentina,
aliin de pagar a quantia de 7,0(!0 rs. de alu-
fuol de iiuus c.ivullus; do contrario, ser
llamado a juizu.
Sorvete.
mas inda ficaram outros: quem fr sen
dono pude ir ao referido sitio para os re-
ceber, e pagar o damno por ellos causado
no d'o sitio, e as despezas que teem feito.
~ O abaixo assignado, tendo de retirar-
se para tora do imperio, faz sciente aos seus
llovedores que o Sr. Domingos Garca Para-
mio fica aulorisado por procurado bastan-
te para receber suas dividas, as quaes per-
tenecen ao sou bastante procurador.
Manat Joaquim Lena.
D-se dinheiro a premio sobre penho-
res de ouro ou prata : na ra larga do llo-
zario, n. 48, segundo andar.
OOOOO^OCJOO 00000000
O O
<) Alugam-se evendem-se as verda- t
Q deiras hixas de Hamburgo : na praga t
0 da Independencia, n. 10, ao vollar Q
m para a ra das Cruzes. q
Q O
OOO&OOGGOaGOfc 00000
Aluga-se o segundo andar o sotao cor-
rido do sobrado amarello da ra Augusta :
a tratar na ra do Amorim, n 15.
- OSr. J080 Cyprianno Rangel queira
ter a bondade deapparecer na ra da Ca-
deia de S.-Antonio, pura decidir sobre cer-
ta conta que S. Me. receheu.
J. O. Elster retira-se para fura da pro-
vincia.
OSr. alteres M. tenholhe feito todas
as vontades, agora se me n3o mandar pa-
gar a quantia de 23,000 rs. que mo deve,
publicarei o seu mime por extenso com to-
das as suas promessas e tudo o mais que se
fr passando. Antonio Branddo da Hacha.
Qualquer Snr. de engenho que preci-
sar de um sacerdote para dizer as missas do
natal, dirija-se ra da Cadeia do Recite,
n. 51, loja de fazendas de Joilo da Cunba
Magalhoes, que achara com quem tratar por
mdico prego.
'5
Excellente sorvetc : no pateo do Colle-
gio, 1 200 rs., com muito asseio.
-- No sitio da Tromp, sobrado 11. I, en-
DEPOSITO GERAL
' do superior rap areia-pnta
$ da fabrica de Gaais Pai-
lliet &c Companhia, na Ba-
hia.
^ Domingos Alves Matheus, agente da
^, fabrica de rap superior arcia prola
|0 e meio grosso da Babia, tem abtrto o
^ seu deposito na ra Cruz, no Recife ,
f n. 52, primeiro andar, onde se achara
(?i sempre desie excellente e mais acre-
ditado rap que at o presente se tem
fabricado no Brasil: vende-se em bo-
les de urna e meia libra, por prego
mais commodo do que em outra qual-
fe- quer parle.
i
i
*
Advertencia.
O abaixo assignado scientiRca aos credo-
ri'*4e sua inTii 1 Snra. D. 1.117.1a Caetana
Isabef de Mello, que para seus interesses
dignem-se presentar as suas conlas den-
tro do prazo de 15 dias da publicagSu deste
ao mesmo abaixo assignado, sb pena de
nilo sorem attenditos depois do referido
lompo: ainda mais previne que o annun-
cmiiic acha-se legalmenle aulorisado para
intervirom todo o contrato que sua mi
telilla de i'azer com os seus hardiiros; ou
com outra qualquer pessoa, e sem o seu ex-
presso consentimenlo nenhum negocio -de
iioje em diante poder ter validade; e por
isso adverte qne iiinguem chame-se a
ignorancia para o futuro, e nin se queixe
das consequenciasqne d'ahi pdem resul-
tar. ioo ilarqutt llacalho.
miwiwiiiiiwn *** Hntr%
Sorvetc.
U eslabelecimento de sor- m
vetes da ra do Rangel loi |
transferido para o Passeio- 1
Publico, n. a3, onde contt- 9
na os seus trabalhos com
lodo o asseio. A casa est ;j:j
tt bem preparada para receber 9
S familias ; assitn como tam- |S
! bem liaver um cosmorama t
g em ponto pequeo, que con-
I tiniiar a ser visto de do- |
mingo cm diante: haver |
I diariamente duas quahda- |
| des de sorvetes, e sorvelei-
6 ras de 6 e 10 sorvetes, pro- |
prias para qualquer encom- |*
menda.
mmmmmmmmmm mmmmmw^mm
Casa de modas fraiicczas.
Buessard Millochau.
RA DO ATERRO-DA-BOA-VISTA, N. 1.
Hecebeu-se pelo ultimo navio, vindo do
Havre, um grande sorlimento de chapos de
soda parasenhora, ditos de palha para se-
horas e meninos, ricos maule leles e capo-
tamos de seda otil, camuhilias, collari-
nhos, romeiras o cabetes bordados, lindas
lilas, luvas do pellica, ditas de seda, ditas
de malha aberlas, transas, franjas de seda
do cores para enfeitar vestidos, capellus e
ctixos de flores linas, corles de cambraia
bordada, lils, lengos de cambraia de linho
bordada, ricas fitas de velludo, transa lina
de linho para enfeites de vestidos, bicos de
linho do todas as larguras, ditos do hlund,
cambraia de linho, bonetes de montara,
plumas para chapos, o mais outrns fazen-
das de moda. Fazem-se sempre vestidos de
casamento, de baile e de montara, chapeos
do senbora, vestidos de baptisado, etc.,
ele., da ullma moda, e por prego mais
commodo do que em outra qualquer | arte.
Aluga-so urna casa terrea, sita na ra
da Conceigo da Boa-Vista, n. 29 : a tralai
na [11 iiga, n. 6, botica.
precisa-se saber quem he aqu o cor-
respondente dos Srs. II. C. Yates & Compa-
nhia.: roga-se-lhe do annunciar su 1 mo-
rada.
__Aluga-so a casa de 2 andares, na pra-
ca da Boa-V'sla, delronle do chafariz, a qua
tem cominoos para grande familia, con
quintal e cacimba : quem a pretender diri
Xo Hot I'Commcrco,
contina a haver sorvetc das 6 s 10 horas
danoitc, eha atlM separadas para fami-
lias.
OOOOOOOOOOOOOOOOOO
O o
O O Dr. Alexandredc Souza O
O Pereira do Carino, medico, mudou- O
O se para a ra Nova, sobrado de um O
O s andar n. 56, onde tnorou o gene- O
O ral Seara. O
O o
OOOOQOOffOOOOOQPffOQ
Compras.
Compram-se os discursos de Demoslhe-
nes em (rancez : na ra estreita do Rozario,
n. 22, primeiro andar.
Compra-seum hom cavallo : na casa
da aferigo, na ra do muro da)Penha, n. 4,
a fallar com o arrematante.
Vendas.
Loleria do Kio-de
Janeiro.
Aos 20:000,000 de rs.
Na praga da Independencia, n. 4, ven-
dem-se bllheles, meios, quartos, oitavos e
vigsimos da 51." lotera da S.-Casa-da-Mi-
saricorJia. Na mesma loja se mpstram as
listas da 21. primeira lotera do monte) pi
e da 11.a dasmatrizes.
Yendem-sesapat5es de eoli-
to de lustro pelo biratissimo pre-
co de 3,ooo rs. ; dito superiores
e de ponto fixn, a 4\ooo rs. ; ditos
de lustro para meninos ; ditos do
Aracaty parahomem : na ra da
Cadeia do Kecife, loja n 9.
Vendem-so duas toalhas de lavarinto
com hicoem roda, dous lengos de lavarin-
to, 300 couros iiiiiidiis, 14saceos de gomma
de engommar, um lavatorio dcangico, urna
meia commoda e um cannap : na ra es-
treita do Rozario, n. 13.
Para as Srag doceiras.
Vendem-se ternos de becetas de pnho
para doces com 6 hcelas, por 1,200 rs.: no
Aterro-da-Boa-Vista, n. 48.
Continn-se 11 vender manteiga, a 200,
400, 480 e 720 rs. ; cha, a 2 000 e 2,240 rs.;
aletria, a 240 rs. taMiarim, a 200 rs.; tou-
cinhode Lisboa, a 280 rs.; dito do Santos,
a 160 rs. ; espermacete, a880rs. ; carnau-
ba de 6, 7e8 em libra, a 280 rs.: caf, a
140 rs.; farinha do Mamihilo, a ion rs. ;
passas, a 240 rs. ; figos, a 120 rs. ; rap
Meuron, a 1,040 rs ; arroz de casca o rrii-
Iho, a 120 rs. a cuia ; frijto mulatinho, a
240e400rs. ;dilopreto, a 360 rs. ; bola-
chinha ingleza, a 240 rs.; da de aramia, a
320 ra ; queijns flamengos fiescaes, 3 1,200
rs,: nopateo do Carmo, n. 2, ve da nova.
traram uina pirgflo de porcos e alguna! ja-se a rua do T.aj iolie, iirniazemu 19, di
e.a menos, dos quaes se ovadirain alguns, I Domingos Suriano Gougalves Ferreira.
Nesta loja vendem-se pegas de brim liso
lino com muito [ouco toque de avaria, a
6,000 rs.; ditas de algodilo trangado no
mesmo eslado, a 3,500 is. : tan,bem se ven-
dem meias pegas :hea mcllior das pechin-
chas que teem apparecido em tolo o au-
no de 1849. A ellas, freguezes, que estilo se
acabando,antes de lindar.
Mantas de seda.
Anda existe um resto das mantas de se-
da que se teem annunciado, a 7,000 rs. 1 na
rua larga do Rozario, padaria 11. 48.
Vende-se superior farinha a bordo da
polaca N.S.-do-Carmo, tundeada defronte
lo Passeio-Publico, por commodo prego, e
em saceos: na ruado Vgario, 11. 11.
-- Vende-se caf de mangirioba em gr.fn,
muito hom : na rua larga do Rozario, u 29.
-- Vende-se, a bordo da sumaca lella-Ar-
gelinn, tundeada em frente do caes do Col-
legio, farinha a 2.400 rs. o alqueire da me-
dida V. Iba.
-- Vendem-se 8 lindos, molequos de 10 a
18 annns ; 8 proles de 20 a 30 annos, sendo
um delles ptimo sapaleiro, e dous dos di-
tos para 'iquidar conlas, um por 400,000
rs., eoulro por 350,000 rs.; u:n pardo de
16 anuos, ptimo para pagem ; 3 pardas de
16 a 20 annos, com habilidades; urna dita
de 20 annos, com habilidades, o com dous
filhos, urna de 5 aunse outro de um anuo;
6 pelas do 14 a 25 annos, com habilidades
e pioprias para todo o servigo : na rua do
Collegio, n. 3.
Calcado de 1 ,20 a t ,000
rs., no Attrro-da-Boa-
Vista, delronle da bo-
neca.
S5o chegados sapalos francezes de couro
do lustro para senhora, a 1,280 e 1,600 rs. o
par; borzeguins para liomem, a 4,000 rs. :
bem como um completo sorlimento de cal-
gado de todas as qualidades, tanto para lio-
mem. como para senhora e meninas; sapa-
ti-s brancos do Aracaty para honiem, a 1/
rs ; ditos de couro de lustro; pelles de cou-
ro de lustro hamburguezas e francezas ; di-
las de mu roqun! ; boles de seda para ca-
saca : ludo por prego commodo.
Vende-se um parda de 14 anuos, de
boa figura e morigerada ; urna cabra de 17
anuos ; um dito de 22 annos; 4 quanos e 1
poldro, este de primeira muda, do grande
figura, passeiro, com principio! do cariego
baixo, e que he ptimo para carro, por ser
decArrosilho de alazlo, e aquelles dous
earregadoresdobaixo a meio, para o si;i
vico de sella, e os dous de cangallus: em
S.-Amaro, rua da FundigSo, dcfronle da
fortaleza do Brum, na quarla casa do quar-
tairo das pertenceules ao Sr. Antonio Jos
Comes iio Correio, das 6 as 8 horas da ma-
nhSa, e das 4 as 5 da tarde.
Vende-se, para fra da provincia, um
[larJouflicial de sapaleiro, de 25 a 26 an
ios : na rua des Cruzes, n. t.
Vcnde-se um bom prelo, bastante mo-
go, boa figura, ptimo trabalh8dor do en-
xada, fouce, machado.taixero ecaldeirero
do engenho: ao comprador se dir o moti-
vo por que se vende : na rua da Cadeia-do-
Recife, loja de ferragens, n. 59.
Attenco
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 16, ha chegado pelo ultimo
navio de Lisboa e Liverpool, superior mar-
melada, (frutas em bocetas frascos de lor-
chata, hoioi's com geleia de marmalo, latas
com bolachinhas de Lisboa, chocolate,
paios de lombo, queijos londrinos, presun-
to para fiambre, conservas, potes com sal
refinado, latas com biscoutinho inplez, e
cha; tudo do mais superior que tem appa-
recido neste mercado: assim como um
completo sortimento de excellentes vinhos,
proprios para o tempo de festa, o que tudo
se vender por menos do que em outra
qualquer parte.
Na rua Nova, n. *i5,
acaba-se de despachar um completo sorti-
mento de fazendas francezas escolhidas por
Mr. Poudra e chegadas no ultimo navio
francez a este porto, todas proprias para o
luxo da festa, (as quaes conta-se um rico
sortimenlo de chapos de palha para senho-
ra ; chapeos de pello de seda muito finos
para humero ; luvas de seda preta maia de
rede e com dedos ; um grande sortimento
de bonetes de panno fino e de palha para
liomeme meninos; luvas de pellica com
bolotas para senhora ; ditas pesponladas
para homem; jeques muito modernos;
bengalas ; um grande sortimento de chico-
tes para carro e para montara ; flores de
seda de todas as qualidades ; pnnas do ma-
rab para chapos de senhora : adverte-se
que ludo se vende muito em conta, por se
terrecebido directamente de Franca.
Vende-se, na cocheira de Miguel Su-
ger, um bomcarrodeduasrodas.com ar-
reios para um e dous cavallos : na rua da
Aurora, n. 48.
Arroz gratulo de vapor :
vende-se por prego mais commodo do que
em outra qualquer parle : no armazem que
foi do fallecido Braguez, ao p do arco da
ConceigSn,
JeSL'S CilItISTO PERANTE O SE-
cur.o, por Bosellyde Lorgues, ex-
cellente traduccao portugueza, i
volume.
Lffiz he CahSbs, obras comple-
tas, ntida ediciio em 3 volumes,
empreliendida por liarreto Feio,
em flamburgo.
Vendem-se estas 5 obras mui
bem encadernadas na rua larga do
Kozario, loja de miudezns de J.
J. I.iulv.
Urna caixinha contendo quantidade suf-
Gciente para pratear mais de 40 palmos
quadrados custa a mdica quantia u
mil rs. _-
-- Vendem-se superiores abacvi- pro-
prios para mimos : na rua do Rangel, n. 8,
ou no Passeio, u. 23.
Lotera da matriz da
Boa-Vista.
Esta lotera principia boje a tracco
dos bilhetes, os quaes se aclum a venda em
casa do Sr. Vieira cambista, na rua da
Cadeia do Recife; nidoSr. JoSo Moreira
Marques, na rua do Cabug, em S.-Anw-
nio ; e na botica do Sr. Chagas, na rua do
l.ivramento: da qual vai abaixo publicado
o plano que foi approvado pela presidencia.
PUNO
de meia lotera, comprehendendo a segun-
da e tercera quartas partes da terceira
nova loleria concedida pela loi provincial
n. 100 de 9 de msio de 1842. a beneficio
das obras da matriz da Boa-Vista.
5,000 bilhetes a 10,000 50:000,000
Beneficio do 12 0(0 6:000,000
Imposto de 8 |o 4.000,000
Sello de 150 ris por
bilheto 750,000
--------- 10:750,000
ay Caisa-Mda mouerna.
6 Vondem-so cortes de vestido de
$> cassa-seda tiansparanti'.padrOesmui-
/5 lo modernos, e faten la a mais su-
i perior pOBilvel, tanto em gosto como
i cm quiiliiltide : na luja do sobrado
i amarello, nos qualro cantos da rua
ftS do Queimado, II, 29.
39:250,000
1 bilhete 10:000,000
1 dito 5 000,000
4 ditos 900,000 3:600,000
8 ditos 500,000 4:000,000
10 ditos 200.000 2:000,000
12 ditos 100,000 1:200,000
20 ditos 50,000 1:000,000
40 ditos 20,000 800,000
1,154 ditos 10,000 11:540,000
2 ditos (1.*e2. b.) 55,000 110,000
1,252 premiados 39:250,000
3,748 brancos
5,000
N. B.Os dous premios grandes cst&o
subjeitos ao descont de 8 por cento do im-
posto geral, que ser extrahido no acto do
pagamento.
Conforme. -- O olUcial-maior, Florianno
Correa de Britlo. .
- Vende-se fio pnete do Porto, de mai-
to boa qualidade, em picote de qualro ar-
robas : na rua da Cruz, n. 3.
m
m
^

u
es
o
o
u:
5 .
n
X
Veiide-su una preta muito boa cozi-
nheira, que engomma, cose, lava, o he pro-
pri.-i para ama de casa, mesmo de homem
solleiro, por ter excellente conducta : na
rua larga do Rozario, n. 46, primeiro andar.
Garrafas vastas.
Vendem-se gigos com garrafas
vasia.s, no armazem do Anuos, no
caes da Alfandega a tratar com
Manuel da Silva Santos.
Novo sortimento de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6. ao p
do lampea >.
Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
nitos padrOes, cores (xas e com 4 palmos
do largura, pelo barato prego de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
Iras do linho, a 240 rs. o covado; brim de
algodilo do cores com listra ao lado e de bo-
nitos padrOes, a 320 rs. o covado ; brim
pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corle de
duas varase urna quarla ; cassa preta com
ramagem branci. para luto, 8 140 rs. o co-
vado; zuarte de cores, com 4 palmos de
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risen-
do monslro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrOes e cures fixas, a ICO e 180
rs. o covado ; chales de larlatana, a 500 e
800 rs,; cobertores de nlgod.lo america-
no, muito superiores, a 640 rs.
Para presente de festa I
Mathu.de, por Euoe&tiO Sue, !
excellente traduccao de Lisboa, i
por Mendonca c Mello : 8 volu-l
mes in 8."
He este sem conttadicco o pri-1
meiro romance d'Kugenio Sue,
muito superior ao Judco barrante
c aos M v.-tei ios de Pars, por sua
importancia moral
Vende i-e na rua do Hozario
larg'i, loja de miude/as de J. J.
I.o'di.

i
u
w
a
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
i
i
i
i
?

jgAos 20:000,000 ders.|
Pelo vapor S.-Sebailiao, sabido do
k% Rio-de-Janeiro no dia primeiro a tar-
S de, recebemosas listas da 21.'lotera
# do monte po e da 11/ a beneficio das
% coustrucgOes e reparos das matrizes:
W tambem recebemos os afortunados
bilhetes e meios bilhetes da 51.* lo-
# teria a beneficio da S.-Casa-da-Mi-
?i sercordia, cujas rodas devam an-
0 dar no dia 7 do corrente.
m
m PRESOS DOS BILHETES.
# Inteiros 22,000
< Meios 11,000
Quartos 5,500
Oitavos 2,750
Vigsimos 1,300
i
i
i
i
i
i
Tos g-al van icos
para
pratear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que pnssuem objectos
prateados e que tenliam perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisados, leem nestes pos um excellente
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novus sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do quo estregar com um panno
de linho molhado em agoa fria c passado
nos mesmos pos.
Vende-se superior vinbo de
Cbampanbe : na rua do Trapiche,
n. i3.
Pannos finos.
Vende-se excellente panno lino cor de ca-
f, pelo diminuto prego de 3,500 e 4,800 rs.
o covado ; dito preto, a 3,000, 3,500, 6,000,
7,500 o 8,000 rs. o covado, prova de limSo:
na rua do Collegio, n 1; loja da estrella.
Charutos de Ha va na
verdadeiros :
vendem-se em casa de Kalkmann IrmSos,
na rua da Cruz, n. 10.
Vendem-se oito escravos mogos, de bo-
nitas figuras, sendo 2cnrrciros, 1 dito de
meia idade cozinheiro, 4 negrinhas de 15
annos e 3escravas mogas : na rua nireita,
n. 3.
Vende-so a padaria do Corredor-do-Bis-
po, n. 8, com todos os utensilios, prompla
a trabalhir: quem pretender dirja-se a
Camba-darCarino.loja de marceneiro, n. 8.
Na ruado Amorim, ns. 56
e 58, vendem-se farelos em sac-
cas grandes por preco commodo :
a riles antes que se acabem. .
Vende-se urna hoa casa terrea na rua
de Santa Sicilia, n. 16, com quintal mura-
do e cacimba de boa agoa de gosto : quem a
pretender procure Jos Antonio Correia J-
nior na rua da Concordia, que dir quem
vende.
Vende-se a venda do Becco-Largo, n. 1,
com os fundos vontade do comprador.
propria para um principiante, por ser o alu-
guel muito commodo e por vender mulo a
retalho : a tratar na mesma.
Acaba de chega r, o vende-se com o se-
gundo, o primeiro lomodo Annuirio Pol-
tico histrico o rstalii-tco do Brasil, por
prego commodo, uu praga da Independen-
cia, loja, ns 6 e 8; na rua da Cadeia-Velba,
loja doSr. Cardoso Ayres, e na na da Cruz,
loja dos senhores Santos & C.
Escusado lio tecer encomios esta obra,
quo he um verdadeiro e inleressante archi-
vo nacional, pnrquiiiito o publico j reco-
nhece o seu mrito; eogoverno tem pro-
curado coadjuvar a empieza.


Tafeas para engenho.
Na fundigo de ferro Ja n.a do Rrum,
acaba-se de recebcr um completo sorlimen-
tode taixas do* a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidSo embarcain-se,
oii carreem-secm carros sem despezas ao
comprador.
Cassase cambraias.
Vcnde-se um sorlimento de cansas, cam-
braias, editas, riscados, diales de seda,
Jilos de la, luvas, meias, bicos de linho,
brancas e prelos: tudo o mais barato pos-
sivel, por seren fazendas fra da moda : na
ra do Crespo, n. 9.
__ Vcnde-se milito superior fa-
rinlia gallega em meias barricas :
na roa da Cadeia do Becife, es-
criptorio de Deane Youle & C ,
ou no primeiro armozem do becco
do Goncalves.
No armazcm do barateiro
Silva Lope?, na porta da alfande-
ga, vende-se farinba de trigo de
l'biladelpbia milito nova e a mais
super or que tcm no mercado ; e
larris com (igos de comadre, mili-
to novos.
Arados de ferro.
Na fundicfio da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fundico Low-Moor
RA DA SKNZAI.T A-NOVA, V. ^7.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver o m completo sorli-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido
coado, de todos os tamanbos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa de P.O. Hieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, alcodilo trancado
dsquella lubrica, muito propriu para saceos
de assucar c roupa de escravos.
Cha brasileiro.
Vende-se rb brasileiro no armazcm de
moldados, alias do Corpn-Santo, n. 66, o
mais cxcellcnte cha produzido em S.-Pau-
lo quo lorn viudo a este mercado, por
prego muito commodo.
Moendas superiores.
Na fundigo do C. SUrr & Cooptnhii,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de raima, todas de ferro, de um modelo e
conslruccHo muito superior.
4cs fumantes de bom gosto.
No armazcm de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chocados
pelo ultimo vapor vindo do sul superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muilas
qualiilades que se vendeiUo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estilo vendeudo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cenlo.
Corles de brim de cores
com Hslrasao lado, a
l,20rs.
Venderr-se corles de brim de cores com
listrasao lado, a 1,2K0rs. ; risesdo de a|-
godflo americano, pioprio pata cscravos, a
14(1 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volla para a cadeia.
Os mais modernos cor-
tes de cassa para vesti-
dos a oito patacas c
meia o corle
Vendem-se modernos corles de cassa pa-
ra vestido, com 7 varas, a 2,720 rs. o corle :
na rna de Queimado, n. 8, lija confronte a
botica,
Tecidos de algodo tran-
cado dos-os-Santos.
Na ra da Cadeia, n. >'2,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de furla-crcs a
200 rs. o covado e ris-
cado monstro a 220 rs.
Veude-se zuarlc do furla-cres, muito
encorpado e com 4 palmus de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monstro muito hom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volla nar a cadeia.
Vendem-se bons queijos londrinos,
ditos de pralo muito Irescaes o de superior
quslidaJe, presuntos inglezes para ham-
bre, ditos porluguezes para panella. Utas
com 2e 4 libras de marmelada, ditas com
bolichiuha de Lisboa, ditas de sardinha, di-
tas cum hcrvilhas, frascos com conservas
inglezas, queijos de qualha vimlos do Cea*
r, por barato preco, mantas do toucinho
ingle?, de fumeiro.de 7 a 8 libras cadauma,e
outros mullos gneros de boa qualidade :
a nina da Cruz, no Itecife, n. 46.
lom e barato.
Vendem-se sapatos sabidos honlem da
alfandega, decouro de lustro para senho-
ra, a 2,000 rs ; dilos de sol* e vira para lio-
mem, a 6,000 rs.; ditos de uina sola, a 4,000
rs. ; ditos de sola e vira, chamados de San-
ies, a 5,000 rs. ; mcios bolins gaspeadus
para liii.in ni, a 7,000 rs : na loja du miude-
zas de Joaquiui lleuriques, junto ao arco Je
S.-Aulonio.
*-
i
M
Chapos e bo-
netes.
Na ra do Queimado. n.
58, loja de chapeos,
vendem-se superiores chapos francezos,
chegados ltimamente e do mais moderno
gosto na grande cidade do Parla; bem co-
mo chapeos de palhinha da Italia, para me-
ninos, os mais modernos e elegantes que
aqui teem vindo at o presente ; bonetes
para meninos, os mais superiores que aqui
lecm apparecido, tanto em qualidade como
emgosto, ede outras mais qualidades por
prego commodo.
Cera em velas.
Vendem-se caixas com cera em
velas fabricadas no Rio-de-Janei-
ro em urna das melhores fabricas,
sorlimento ao gosto do comprador,
c por preco mais barato do queem
outra qualquer parte: a tratar
com Mochado & Pinheiro, na ra
do Vigario, n. lg, segundo andar.
Vendem-se saccas com farinha muito
boa e bem torrada, por prego commodo : no
armazn) do finado llraguez: na ra da Ca-
deia, ao p do arco da Conceiglo, n. 6 0, ou
a fallar na loja de Joiio Jos de Carvalho-
Moraes.eno mesmoarmazem.
Para quera tiver bom
gosto.
Vendem-se redes de cores muito grandes
c muito bonitos padrOes, e o melhor que
tcm apparecido Delta mercado : na ra do
Crespo, loja da esquina que volla para a
cadeia.
Vendem-se amarras ue i-rro: na ra
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Vende-se a taberna n. 9, com poneos
fundos, sita entre as duas pontes da Pas-
sagem-da-Magdalena : a tratar na ra da
Cruz. n. 28
Vendem-se 4 pipas que foram de azei-
te de carrapato : em Olinda, ra dos Qua-
iro-Cantos, n. 1.
Vendem-se caixas com cem charetos
de superior qualidade, a 1,200 rs.: no pa-
lco da ribeira de S -Jos, n. 5, venda.
Saceos com fardo novo,
de 80 a 90 libras, a 5$:
vendem-se no armazem de Antonio Annes,
no caes da Alfainlecn, e no de Vicente Fer-
reira da Costa, til roa da Madre-dc-Ueos,
ebegadas ltimamente de Lisboa e do
tranca.
Farinha de trigo ame-
ricano.
Vcnde-se farinha de trigo americano, da
marca Brand-Wine, chegada ltimamente,
por prego commodo : em casa de J. J. Tes-
so Jnior, na ra do Amorim, n. 35.
Vende-se urna collccco de
ferros de cirurgia, indispensaveis
a todo o operador. JNa na do Ro-
znrio larga, n. .36, segundo andar.
Vcnde-se urna parlo dos sobrados de
tres andares, ns. 14 e 16, sites na esquina
da ra da Cadeia, ilefronte do Ihealio de
San-Francisco : a falla rno primeiro andar
dos ditos, com Joaquim Teixeira Peixoto.
Est no resto.
Vende-se farinha de araruta de superior
qualidade e ltimamente chegada a este
mercado em barriquinhss de arroba e meia,
pelo diminuto prego de 3 000 rs. a arroba i
no becco do Azeilo-de.-Peixe, armazem de
Francisco Antonio da llosa.
Vendem-se queijos londrinos, presun-
tos muito Irescaes. frascos rom mostarda,
ditos rom frucias. botijas de coralillos, fias-
quintios de molho para carne, e outros
ohjeclos: tudo chegado ltimamente de
Liverpool na galera Seword-Hih : na ra da
Cruz, n. 7, armazem de Davis & C.
Allencao ao barato.
Na ra do l.ivrameiilo, n. 14, vendem-se
ricos corles de vestidos do barra de Indas
aseares; cambraia do soda do superior
qualidade ; cassa-chila de ricos padrOes ;
lengos de linho; panno azul e preto para
palitos ; o outras muilas fazendas baratas.
Vendem-se dous carnciros propriol pa-
ra carro, porsercm grandes e mansos: na
l'assagem-da-Magdalena, entie as duas
pontes, n. 12-
Vendem-se lingoigas de porco do ser-
lio, a 320 rs. a libra ; carne do serillo, a 210
rs. ; queijos do reino, a 1,400 rs. ; fcijilo
mulatinho, a 320 rs a cuia ; e iitrna mui-
lii ohjeclos! ludo de boa qualidade: nos
Qiiatro-CBitos-da-ltoa-Visla, esquina do S -
Colgalo, por baixo do sobrado n. 1.
Nao | le haver maior
bincha.
Novos gamhreScs a 2,000 rs o
corte.
Vondem-se superiores cortes de caigas de
gambreSo, com 3 covados e meio, pelo di-
minuto prego de 2,000 rs: o corle, esta fa-
zenda torna-se recommendavel pela su
boa qualidade ja bom conhecida, de boni-
tos padrfles: na ra do Collegio, n. 1, loja
da estrella,
Os mais ricos mantele-
tes c capotilhos.
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capotilhos de ehamalote de seda e gor-
guro, os mais ricos que teem apparecido s
na ra do Queimado, n. 9.
Vinho generoso.
Vendem-se barris com 12 caadas de vi-
ndo generoso do Porto, cm 20 anuos, per
ser da colheita de 1830 : este delicioso licor
he muito apreciado nos tostes, e por issoos
amadores devem aproveitar a occasiflo : o
prego he commodo : no armazem de Dias
Fcrreira, no caes da Alfandega.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de San-Ma-
thetis a mais superior que ha no
mercado a bordo da sumaca Bella-
Argelina, fundeada defronte do
caes do Collegio, ou na ra do Vi-
gario, n. 19, a. c andar, a tratar
com Alachado & Pinheiro.
pech
Na ra do Queimado, viudo do Rozarlo,
segunda loja, 11. 18, vendem-se rnes de
casimira pelo baralissimo prego du 4,5t0
rs. o corle.
I llillin gosto.
Vendem-se os melhores chapeos de mas-
. franceza que teem vindo este auno, lan-
o em li'n ir.a como em boa qualidade : ha
para cabrga bastante pequea, a 7,500 e
8,000 rs. : na ra do Collegio, u. 1, loja da
estrella.
Vende-se espirito de 37graos, a 1,200
rs. a caada, u I(i0 rs a garrafa na ruu da
|>raia-de-S.-llila, n. 1.
-- Vende-so una ( reta de nagiio, do 20
anuos, de muito boa ligura, que cose, en-
gomnia, coziuha, ludo bem feio ; urna dila
com lima cria de 10 natal, a qual cose e l'.z
lavarinto; 3 cscravos mogos, lie muilohoas
figuras, bous para lodo o trabalho ; 2 mu-
I tullios de 10 anuos, bous para servircm a
una rasa, ou para apreuderem um officio ;
um pelo bom oflicial de sapateiro o bom
pagem : na ra 1I0 Collegio n. 21, primei-
ro andar, so dir quem vende.
Vendem-se luvas de pellica para se-
nhora, a 1,280 rs. o par: na ra laiga do
Itozario, 11. 26, loja de uiiudeas.
Vende-se um cabriole! mui leve e elo-
ganlo u 111 Ihjiiiu.su, por prego con.modo :
na ra do Hospicio, n. 9.
I Chapeos do Chile de

i superior qualidade.
& Na ra do Collegio, n. 9, recebeu-se
fi. um lindo sorlimento deses ISoapre-
a| ciados chapeos, que se vendem por
6 prego commodo.
W^^^eWKK> PWWSS(IE
Vende-se urna escrava cri-
oiiln, bonita figura, prpria para
qualquer servico de urna casa : na
ra da Cadeia do Recife, loja de
Jo3o da Cimba 31agalhSes, n. 5!.
Para se acabar.
Vendem-se superiores cortes de cam-
braias Tinas antigs, pelo barato prego de
2,500 rs o coi te; bem como novos corles
de cassa-chita, de lindos gostos, a 2,800 e
3,000 rs. o cile : na ruado Collegio, n. t,
loja da estrella.
l'echincba.
Vendem-se cortes de caigas de meia casi-
mira de lila, a 1,600 e 2,000 rs. o corte, bai-
lante encorpado; bem como meias para
senhora, a 200 rs. o par, e a duzia a 2,000
rs. : na ra do Collegio, n. 1, loja da es-
trella.
Vende-se urna flauta de bano, apra-
relhada de prata, com 4 chaves ; um sellim
inglez em meio uso : na ra do [encanta-
mento, u. 11, armazem.
Vende-se farinha de man-
dioca muito sujerior de Santa*
Calharina nos arniazcns de Fran-
cisco Dias 1'erreirn, n. 1, no caes
da Alfandega : a tratar nos mes-
mos, ou com Novacs & Compa-
nhia, na ra do Trapiche-Novo,
11. 34.
Casimiras a 3,5oo rs.
Vendem-se cortes de meias casimiras de
bonitos gostos, com tres covados e meio,
pelo barato prego de 3,500 rs. o corte ; ca-
simiras superiores, tanto em padrOes romo
em qualidade, a 4, 6 e'-,000 rs. o corle :
nu 1 na do Cullegio, n 1, luja da estrella.
Ao ultimo itiii.
C Acaban do ehegar loja de chapeos
de J. de O. Maya os cxcellentes e
desejadoschatosde castor e onfei-
tados para meninos, de ludas as cores e p-
timamente apparelhados, e lambem para
hornero;chapoi da Italia parahomem e me-
ninos, os mais ricos que (cem vindo a esle
mercado; os melhoics chapeos de seda
l'rancezes que ha em seda a formas para to-
das as medidas.
f Fazendas modernas, g
Na ra do Crespo, n. 9, loja de Joilo O
9 A. C. CuimarSes, acha-se um lindo O
O sorlimento de fazendas modernas du O
( bom gosto, <$ vio du Frauga, como sejam : sedas Q
(; brancas, prclas, decores e com bar- .l
,tj la ; chales do seli tas 1I0 soda; longos ; luvas ; cassas ; ;.>
(.'.j cambraias ; parisienses ; casimiras; g
(." brins; chapeos; um sorlinienlo com- m
' pelo do fazendas de linho; cor- p
^* les de velludo bordado para colleto ;
O ditos de selim ; ditos de fiisto ; leu- 5!?
O gos de cores para grvala ; e outras S
Q muilas fazendas: ludo por prego
O commodo. O
9 O
Cortes de cassa para ves-
tidos com (O covados
por 5,500is.
Venden,-se curies de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; dilos com 8
covados, a 1,700 rs. ; pegas e cambraia li-
sas com oiio varas e meia, a 2,720 rs. ; pan-
no de linho mullo lino, a 480 rs. a vara : na
ra do Crespo, loja da esquina que volta
para a cadeia.
Vende-se urna secretaria anda nova,
com boas ferragens e mnanos para roupa,
por prego commodo : na ra da Cuia, n. 7,
loja.
--Vendem-se, para fra da provincia, 2
pretos pegas e muito mogos : a follar com
Manuel Luiz da Veiga,que dir quem vende
-- Vendem-se chapoogzinl.os, ricamente
enfullados, para meninos e meninas de um a
tres tonos: doAleiro-da-Ua-Vista, n. 1.
Farinha de mandioca.
A melhor farinha que se scha no merca-
do vende-se a bordo da garopeira fundea-
da defronte do Passeio-Publico, a prego de
2 700 rs. o alqueire da medida velha, e sen-
do em porgOes se tratar com quem se acha
a bordo, que poder vender por menos.
Velas de cores.
Vendem-so, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Saoto, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, asquees se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de espermacete,
e nSo fazerem morrao.
Folha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres:
na ra do Aroorlm, n. 35. casa de J. J. Tas-
so Jnior.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baizo das mesmis condigoes, offerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por 220 rs. a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Bordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. NSo se admirem
os fieguezes do haixo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o antigo pre.
go, embora este genero tenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinem os
amantes a qualidade para reconhecimento
da verdade e continuagSo da antiga fregue-
zia.Epara nSo haver usuras, est3opromp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rol' 'o, assim como barris de diversos la-
mai 1 1 para provlsSo do prximo Natal
O pu iietarioconta com a concurrencia;
do contrario, tornarlo os pregos do reta-
Ihoa primitiva de240 e 280rs. a garrafa.
Deposito de Potassa..
Yende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinhot.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempa se n5o vende: no rtecife.
ruada Cadeia,armazemn. 13.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por piren muito commodo.
Vendem-se dous capados bons para *
fesla : na ra da Praia-de-S.-Kita, n. 31,
rasa terrea do lado do mar.
- Vendem-se duas pretss mogas.de bo-
nitas figuras: na ra da Cadeia do Itecife,
loja n. 53, se dir quem vende.
Luvas de peluca a
040 rs.
Vendem-se luvas de pellica preta para
meninas, a 640 rs.; ditas blancas rara se-
nhora, a 1,000 rs ; ditas de cores de supe-
rior qualidade, a 1,600 rs.; ditas para ho-
mem, a 1,500 rs. ; ditas bordadas para se-
nhora, a 2.000 rs.: na ra do Queimado,
n. 16, loja de miudezas.
Ricas franjas para cor-
tinados.
Vendem-se ricas franjas para corlinados,
com bololas brancas < de cores e sem ellas,
por prego mais commodo do que em outra
qualquer parte: na ra do Queimido, n.
16, loja de miudezas.
Ricas fitas.
Vendem-se ricas lilas de selim lavrado o
de sarja, proprias lambem para grvalas de
Mintiera i na ra do Queimado, n. 16, loja
do miudezas.
Pechncha.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se luvas de pe -
lica inglezas e muito novas, para homem e
senhora, a 1,000 rs. o par; panno fino,
muito bom azul e cor de nzeitona, a 3,000
rs. o covado ; corleado fusto branco, a 500
rs. ; lengos de seda do ctlres para algibei-
ra, a 1.000rs. ditosde setim para grvala,
a 1,000 rs.; e outras muitas fazendas por
commodo prego.
Batatas novas a 300 rs.
o gigo:
vendem-se no armazem do J. J. Tasso Ju-
rior, na la do Amorim, n. 35
Novotrem decozinha.
Vendem-se cogarolas, chaleiras, fregi-
deirase panellasde ferro forradas de por-
cellana ; machinas para caf; bules e ca-
feleiras de metal: na rus Nova, n. 16, loja
de fvrragens de Jos Luiz Pereira.
-- Na ra da Cadeia do Itecife, n. 56, loja
de ferragens.de Pontes &Sampaio, vendem-
se sete duzas de laboas de ouro para as-
soalho, por prego commodo.
Vende-se um escravo de bonita figura,
de 26a 27 anuos, proprio para armazem de
assucar na ra da Cadeia do Recife, n. 56,
loja de ferragens de Pontes & Sampaio.
Freguezia.
Vende-se vinho da Figueira, pinga su-
perior, a 1,280 rs., e a garrafa a 160 rs.;
farinha de mandioca, a 2,500 rs. a sacca, e
medida a 100 rs. a cuia caculada, e todos os
mais gneros de boa qualidade, por prego
mais commodo do que em oulra qualquer
parlo : no pateo do Tergo, venda n. 7.
Na ra Nova, n. 5,
vendem-se dous lindos mulatinhos de 15 a
16 anuos, ptimos para pagens, e um del-
|es sabe bem boiear, e lie bom copeiro; 1
lindo moleque do nagiio, de linda figura ;
um casal de cscravos Oe lindas figuras, com
uina cria, a negra engnmma cose, faz la-
varinto o marca ; 2 pelas com habili-
dades; urna inulatinba de 14 anuos, muilo
linda, com principios de coser e engoin-
mar ; 4 prelos bous irabalhadores do en-1
xa da ; um pardo bom ollicial de alfaiale;'
um molecote oflicial de alfaiale de toda
obra urna parda de linda figura.
Vendem-se capachos redondos o com.
pridos, a 560 rs.: na ra larga do Rozario"
n. 26, loja de miudezas. '
Venue-se doce novo, secco e com caldi
muito bem feito, por prego mais barato do
que em outra qualquer parte : lambem se
troca um escravo mogo por urna preta com
cria : em Fra-de-I'ortas, ra do filar
n.131. '
Potassa da Russia.
Vende-se a verdadeira potassa da Russia
desembarcada agora, em barris pequeos '
em casa dos Srs. Rothe & liidoulac, ra do
Vigario, n. 4.
Vendem-se cortes de cambraia de co-
re?, pelo barato prego de 2,000, 2,500,3,000,
3,500 e 4,000 rs.; cambraia de seda, a 3/
rs.: meias para meninas, a 160 rs.; ma
com Ostras de seda, a 600 rs. o covado; lan-
zinha propria para roupa de meninos e ves-
tidos de senhora, a 240 rs.; lita superior pa.
ra caigas, a 500 e 600 rs.; lengos de algo-
dSo e seda com franja, a 600 rs. ; corteada
rollete de velludo, a 1,600 e 2,500 rs.; cis-
sa-chita, a 400 rs a vara ; garga de seda, a
500 rs. o covado; cambraia de seda,a 560 rs.
o covado e outras muitas fazendas por
barato prego : na ra do Crespo, n. 15, loj
de Joaquim de Oliveira M.ya Jnior.
Vendem-se 24 casaes de pombos, por
prego commodo : lambem so vendem a re-
talho : na ra de S.-Francisco, n. 18.
Vende-se urna porcHo de sebo refinado:
na ra do Hospicio, n. 4.
lscr&vos Futios
I'ugio, no d a 15 do corren le, pelas ;
horas da manhaa, um molequinho don-
me Ludgero, crioulo, que reprsenla ter 1]
annos, bem preto, olhos grandes ; tem em
um braco urna esfoladura de urna chinda-
da ; levou camisa de chila muito miudi-
nha com dous clcheles no colerinho, cal-
gas de algodilo azul de enfiar e sem coz, b-
nete azul sem pala e j usada : quem afft.
gar leve-o ra da Cad eia do Recife, n. 44,
que ser recompensado.
Boa gratifica cao.
Fugio, no dia 3 de novembro do corrente
anno, um cabra de nome Ildefonso, dees
tatura ordinaria, cabellos desandados,
olhos grandes, beigos grossos, com um
dente de menos na frente ; serve-se com
a mo esquerda ; he canhote ; tem dous de-
dos de menos em um dos ps, o minimo e o
vizinho; leva urna carta com subscripta
Feliz Antonio de llrito, senhor que o ven-
den ; he morador em Alagoa-Crandr-do.
Pao, provincia da Parahiba do norte. Roga-
se as autoridades policiaes, capites da
campo, ou oulra qualquer pessoa, que o
apprehendam e levem-no ao cspito Vi-
cente Cavalcantede Albuquerque, no enge-
nho Cameleira, comarca de Nazareth, ou
uesta praga a Francisco Cavalcante de Al-
buquerque, na ruado l.ivramento, n. 14,
que se rao gratificados.
Fugio, na noiledo dia 12 para 13 do
coirente, o preto Joaquim, crioulo, offlciil
de sapateiro, por ler roubado ao seu senhor
que he Francisco Antonio dn Mello, mora-
dor na ra Direila, n. 11, e levnu perlo d
100,000 rs em cdulas e um olfincto de re-
(o de ouro esmaltado e com pedras a rroda,
o qual (em os signaes seguintes : de 30 fi-
nos pouco mais ou menos, estatura regu-
lar, crosso do corpo, bem prelo c barbado
rom suigas, rosto redondo, falla lina, anda
ralgado ; levou caigas e camisa brancas ; ha
natural do Rio-Grande do norte, e foi com-
prado nesta praga ao Sr. Jnliilo Portella di
Silva. Itoga-se as autoridades policiaes,
capitiles de campo ou outra qualquer pes-
soa, que o apprehendam e levem-no a dila
casa, que serflo generosamente gratifi-
cados.
--Desappareceu, no dia 2 do coirente,
o pardo Flaviar.o, de 18 annos ponen mais
ou menos, de estatura regular, bem pare-
cido, cabellos algum tanto rarapinhados,
imberbe, olhos grandes, queiso fino ; le-
vou caigas brancas de algodSozinho tianga-
do, camisa de dito liso ; consta que anda
permanece nesta cidade, pelo que roga-se
as autoridades policiaes e capitiles de cam-
po, que o apprehendam e levem-no i ra
da Cadeia de S.-Anionio, casa de Francis-
co Joaquim Cardozo, ou no engenho de S -
Francisco da Varzea, que seiSo gratificados.
Desappareceu, no,dia II do corrente,
um mulatinho de nome Miguel, de 10 an-
uos pouco mais ou menos, cheio do corpo,
cabega e olhos grandes, denles largos, na-
riz chato, pernas grossas; tem o corpo
cheio de signacs pelos, cor um tanto p-
lida, levou camisa de risCsdinho j velbo.
Roga-se as autoridades policiaes e cspilHas
de campo, que o apprehendam e levem-no
ao pateo do Teigo, n. 8, sobrado.
Fugio, no dia 7 do corrente, do enre-
nho Pintos, o crioulo Kduardo, alto, feo,
tem urna falla na tarto superior de urna
das orelhas; consta achar-se nesta cidade,
no lugar do Giqui, em una casa junte de
urna olaria : quem o pogar levo o ra lli-
reita, n. 121, que ser recompensado.
Fugio, no dia 10 do corrente, a preta
Rosa, do nagiio, de 50 anuos pouco mais ou
menos, de cor preta, caa redonda e lus-
trosa, fcigoes amacacadis, baisa, nadegas
empinadas, andar camhaio, (s pequeos,
com urna estrepada na sola do | direito o
urna ferida no dedo pequeo do pe esquer-
do, e os dedos gra -dis ruidos de li\ns;
tcm a pello dos bracos enrugada e sinzenta,
com falta de denles na frente do lado in-
ferior, falla que se percebe ; levou saia do
chita, camisa do algodSozinho com man-
gas de madapolflo e panno da Costa azul,
ludovelho ; fui encouiraiia no Aterro-dos-
Afugados: quem a pegar leve-a a ra do
Raugel, casa de Luiz Marques da Silva Mel-
lo, que gratificar.
-- Fugio, na madrugada do dia 13 do cor-
rente, o prelo crioulo, de nome Jos, hai-
xo, cheio do corpo, olhos sfumagados, | es
a mitos grandes ; foi escravo do coronel
llemiqucs de Lucena, cujn o vendeu ao Sr.
Francisco das Chagas Saipuciro, e como li-
vesse fgido diversas vezes do poder doSr.
Salgueiro, estu o botou na casa de annun-
ciaute para o ven er de commissilo, d'ond.
pode evadir-so por uina corda. Koga-su
autoridades policiaes o capitiles de campo
que o apprehendam o levem-no ra I
relia, n. 3.
n- {
,101
l'BRK. : Ni TVI\ DE M UK FARIA.
-1849


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENESZQONK_G539QR INGEST_TIME 2013-04-24T19:40:57Z PACKAGE AA00011611_06740
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES