Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06738


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A mi o\XV.
Sbb;lo
lis
PARTIDAS SOS COKHElOa.
fioianna eParahlba,segundas c tcxtat-fciras.
n,o-Graudc-dc-!Sorlc,quintas-feirasaomelo-
Cabo, Serlnhem, IUo-Forinoso, Porto-Calvo
Macci, no 1., a 11 c 21 de cada inci.
OaranIiuDt e bonito, a 8 e 23.
Boa-Vitta e Floros, a 13 e 28.
Victoria, quintas-fcirat.
Oiinda, todos os das.
......-aMSKaras:
EPHEMEIUDES.
riuss o, ixs. Miug. a G. as 4 h. c33 m. da t.
Nova a 14. 1 h. c 18 in. da t.
Cresc.a 22. as !i h. e 21 m.da ni.
Chela 89, 11 h. e 41 m. da m,
niaMa D HOJE.
Prlmeiras5 horase 18 minutos da mana-
Segunda as 5 huras e 42 minutos da tarde
de Imeipbro rftf 1849.
vnxqos da suBsoairclo.
e
15 Sa
do
10 "D.
Portresme7.es(adijntado) 4/000
Por seis meics K/tWO
Por um anuo 15/rtXK>
DIA8 DA SZMAWA.
10 Seg. S. Melquades. Aud. do i. dos orf. e do m.
11 Terj. S. Damazo. Aud. da chae, do J. da 1. v.
do civ. e do dos leitos dafazenda.
12 Ouart. S. Justino. Aud. do J. da 2. T. el.
13 Ount. S. Luzia. Feriado paraos neg.forenses.
14 e|t. S. Agnello. Aud. do J. da 1. v. do civ.
dos fenos da fazenda.
8. F.uscbio Verselense. Aud. daUanc. c
;. il.i 2. v. do criuie.
S, Ananias, Azarlas c Mlzael
.^-j^itit
N.
CAMBIO XM 1 0B ",MBO'
Sobre T/.ndres. V, 28- P" 'Z000 ri' dil'-
Pars, 310.
Lisboa, 100 por cento. ,,,,,,nn oonAO
" de 4*000 .i. !00 W*1
rVaa.-Patarorsbra.ilriros..... I #g
Pesos columnar.os....... g $-
Ditos mexicanos.......... 1/b.iu aiff<
. "ll lUgljgjj'l" :**-*S?*t S
PARTE OFFICUL
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 5 DE DEZ.F.MRRO.
OITlrio Ao inspector da Ihosouraria da
fszrnd., para qu'informe acerca do reque-
riiventn que rernette, no qual o tenent. I
qiiart classe do exercito, Mano? 1 Soaresdo
Figtieiredn, pede an governu Imperial o pa-
gamento de sidos atrasados.
Dito.Ao rom mandunte do vapor Urania,
ilizendo que podo desembarcar do mesmo
vapor o primejro marinheiro Antonio Jos
que finalisou o tempo por que era obrigado
a servir.
Portara.Momeando a Jos Miguel de
l.ira para o lugar de guarda da alf.ndesta,
(lile so acha vago pela passagerh de Tilo
Aveiino de Barros para a/nesa do consu-
lado.Fizeram-se as necessarias communi-
carOes.
DEM 1)0 DA 6.
nfllcio.-Ao marechal comciandante das
armas, declarando que pode mandar alistar
em qualquer dos corpos da guarnicSo os
paisanos Bonedito da N.clividade, Antonio
Iliogo Rodrigese Jos Mara do Nascimen-
lo, quo se oflereceram para servlr.no exerci-
lo.e communicando-lhe que a cada um dos
referidos paisanos arbilrnu a gralificarjilo de
rem mil rs.. na forma do decreto e regla-
mento de 18de novemb'O do anno prxi-
mo passado.- Inleuou-se a pagadoria mi-
litar. / J ''
Dito.Ao- commandante do vapor D -/*-
ira, dizendo-lhe'que pode fazer desembar-
car o praticoda Costa Manoel Jos Martms,
visto ler elle finaliaado o. lempo por que To-
ra engajado pelo Exm. presidente da Babia
para servir no dito vapor.
Dito.Ao segundo lenle encarregado
1 A ilba de
Rousseau. Perdida a esperanq, recorreu
ao suicidio Talvez que setis onvidos et -
vessem familiarisados com a bem conhec-
da copla:
Quani on a lout perdu,
Quand il n a plus d'etpoir,
La vie esl vn opprobre,
La mort est un devoir.
Ora eii-me no vicio das cilscfies, que
sempre silo de mo gosto, principalmente
em idioma estranho! Alguns dos laitores
que ignorarem o francez, com toda a rasno
me hSo de mandar ana perros : mas oonlen-
la-los-hei; para cases darei urna traducc.no
meia sdruxula, s para elles, o por amor
lcitos -.
Quando ludo se ha perdido
Sem mais esperanza haver.
Torna-so a vida um opprobno,
Na morte v-se um dever ,
eis-me tambem no vicio de querer ser
poeta Decididamente julgn-me com di-
rcito urna carta de charlatn : lenho ffito
as provas que me parecem suflicientes
Volto a reprsenlaro papel donoticiador-
Est nomeado novo director para a ac
demia deOlinda, he o visconde deCoian-
na, que oqcupaVB o lugar de administrador
da caixa da amortisacHo, para cojo lugar
fui nomeado o concelheiro Joaquim Fran-
cisco Vianna, deputado pelo Rlo-.Ie-Janei-
ro ex-minislro da rzenda no gabinole de
20?de Janeiro, e ex-inspeclor do thesouro,
donde Tora demitlido pelo Alves Branco,
por assim o haver pedido.
Tambem por haver o Dr. Agostmho Mar-
ques de Perdigilo Malheiros pedido demis-
s3o do tugar de bibliolbecario do curso ju-
rdico de S.-Paulo. foi nomeado para o su-
bslituiro bacharel Jos Pedro de Azevedo
Segurado
Tem continuado anda a reforma do pes-
soal da airandega da corte, e fram lti-
mamente nomeados os seguintcs embre-
gados :
Ajudante do escrlvo da descarga o se-
das obras mililare para que v* mfm.......
ttamarar. e examine os concei tos de que| gUdo escripturano l.uiz Conzaga (Ib Mou-
carere o fnrle da mesma ilba, ptocedenle ra -segondos escriplurarios
a orcamenlo das despezas a fazer com os re-
jero o resultado Qnal da eleicilo : eram co-
nhacilosos collegios da capital, Jaragua.
Meia-Ponte, Bom-Fim, Santa-Cruz, Catal-
lSo, Sanla-Luzia. Trabirase Villa-Fonnosa,
em os quaesobtivera o presidente 170 vo-
tos e o D Jos 158. Faltam ainda cerca do
uns90 eleitores.
De Malto-Crosso diz a folna olTicial o se-
guinte: .
No dia 8 de setembro tomou posso da
presidencia da provincia o Sr. Jolo Jos da
Cunlw Pimentel, tendo ebegado carit.l
no dia anlecedonte.
Do ItiuOrande nada con^ta de interesse.
Constava alli que na usencia do SaySo Lo-
bato servira do chefe de polica o juiz de
direto da comarca de l'iratinim, Figuoire-
do Bocha Tudiam ap:iarecido na cidade
algumas sedlas falsas
0 Rio-Grandinse de 8 do corrento relerc o
o seguinie factu :
llontem demanha appareccu mora na
ra do Carrao uina menina rec(;m-nasri la,
enforcada em um lenco, e com o corpinho
mettidon'um barril cheio de immundici".
lim tal successo merecer por cerlo todas
as.necessarias nvostlgaso, allm de casti-
gar aqueles sobre quem pesa urna tilo e-
norme respousabilidado 1 Os pais desta cri-
anca, lalveza*aados ocrime, no trepi-
daran! em abandonar a expectaijSo publica
ocorpodesua filha, e menos duvnlaram,
para maior escarnalo, o encobrir esse
mesmo corpo com os mais ptitri los mias-
mas, o a mais hedionda e nojenta imn
dicio.
As noticias do Bio-da-l'rata tambem nao
olTerecem inleresse algum Em Buenos-
Ayres o que havia occorrido de mais curio-
so era urna ola dirigida pelo ministro in-
glez Southemao ministro Arana e a res-
posta deste. TraUva-ie do saber, so os es-
trangeiros residentes naquelle paiz deviam
ou n3o prestar sua asignatura uina rn-
preseutarjlo que se tinba de dirigir a Ro-
sas, pedindu-llie que Uzease o doloroto .*a-
crificio de nfio resignar o governo do esta-
os amanuen-
ses Jos dei Si Beze'Va e Jos Alexandre For-
tuna :amanuenses, o amnnuense prati-
cante Ricardo Alves Villeta Jnior, e os
feridos concerlos.
1 menos ti*aaora. Oque tem dado motivo
mencionados na reUeSo que remolle. ~" eommerc.al tem
pito. Ao commandanle superior
tremoz e Touros ; rovogando-se nvsta par-
te o 'ecreton. 221, de fi de setu
1842.
Em oflicio dirigido ao presidente do Para
;S:SK SXt^ i ** ,a, *> ,. o governo .r-
- ticamente se apodorou o governador o.
ira de racun poricnceoupertenceu jamis aquel-
i |, provincia, o sm as duas provincias da
ari de'Cnnfcderar;ao Argentina, Corrientes e M.s-
lleajlecidopelalei e pela voz publica.
Ira elle ; pois que tem feito degenerar o seu
seguico injusta. E sobretudo tem niuito

do, e aceitar a eleic.^ que a sala dos ro- carB ,|r ,e (rm despachado ueste i.orto
presentamos ia proceder e devia recahr
nello : para nHo tirar ao leitor a sorpreza e
esiranheza que naturalmente leve causar-
llie a loilura deasas duas oeras. quando o
'O/aroaslranscrover, no nota'e o quede
leviano ha em tuna, e de estlido na oulra.
Deizu aosque liverem as mais leves.noces
de direilo das gent- s. ou de principios mu
comezinuos de dircito internacional, que
apreciem a theorla esiabelcci la e desenvol-
vida pelo enr Arana : quanlo a M. Sou-
lliern, que s levo em vistas, ao quo pare-
ce, evitar urna calamidade. sempre trans-
creverei qui o snguinte dilemma que lile
propoz o Correio da tardn :
. Se he urna desgraca que o general llo-
sas se retiro dos negocios pblicos, se nello
encnntrain OS eslrangeiros proteccao lios-
pitali lade, por que ras.lo fol elle IBo ca-
lumniado no parlamento inglez por minis-
teriaes e oposicionistas? Se, porein, be
verdade, edmn se disse no parlamento m-
zembro nao os inhibe disso, como laiiinrui v hnmens turbulentos quo procu-
envoiver a e.eicao o exercicio de direlto. poM- ^,u**" (l, A,rorica os mes-
"CNafolha omcla. de honte.n .se : Consta-' K scand .los com y.Wrt^lWtogWlM
, que a p..licia acaba de liar batea um al- ,, Eur,,H moU l...| aq icllo .bemisp ie
guias rasas de prelos minas, e ^jiie achara r)f S1.,,0 j-,,,., d.-s.'|0< subsliluir aos pnn-
cri-tns livros com caracteres arbicos e hiero-1 ci|,os e|ein< da juSUC o la ord-m Uou-
glyphos. t.ontina a polica cm suas diligeu- trjnil< Sedicoss e subversivas de ludo
das. .'' In.,.,,,10 log-lm-nto s achaoslabelecido, e
alais um suicidio : h'.ntem Jos Mana 1 ere-; H sor |e8do demagogismo
IS S S3S. mJS2 -1SSS 8..... -s,onsaveis,es,.be-
una das casas da chcara de Floic.ta.
quadra driles.
O director da escola de medicina da coi te, o
Dr. Jbin, dirigi una representacao ao gover-
no, aconipaubada de documentos, contra a
pratica e tolerancia da escola honeopatluca. A
guerra encarnicada que ejilre nos tem a ve-
Iha allopathia declarado nova meoiciiia he
certaiiieute a causa do maior desenVolymcn-
to desta : seria melhor que os sectarios da-
qut-lla dessem de nio sua birra, e c.dessem
evidencia dos fados. Negar hoje que a hu-
nirenpalhla srja mu recurso iherapeutico mul-
lo poderoso, e de graude llicacia uis moles-
tias agudas, he negar a luz ao sol que todos
v>m : o que he certo, sim, he que ella nao
he a medicina absoluta que posa excluir a 011-
lia, e vicr-versa ; mis tem inconteklavelmcn-
te a vautageui de nao ligar aos softriuientos da
inob'Slia omartjrio dos visicatorios, bixas e
sangras. .
O nosso mercado pouca alteracao tem rei-
to ; os supprimentos tem.sido regulares, e
assim tambem a exportacao, excepto a do cafe
que angmentou um pouoo cm virtudc de um
carregainento que pan New-Orleans fez a casa
de Coleman UiiI|iii < <" na galera americana
Columbio, a qual sahio deste porto no da 2.),
levandj 14,000 tarcas desse genero de nossa
cxpoitaco, ou 1,000 toneladas inglezas ; oque
importa em 350 contos de res. He a maior
nba, tara que mande desembarcar o
llier aos
ul7^TUTl^7:^p7m'' "linnuencia Ha bem poucos oas ..eu-so um- ^""', .,, Rosas he um carrasco,
oraris-TemloJonodos Santos Por- j.olomic. bem ret bul a e^K'^J "icomTeq.mo Sr. Southern desmoto as
lo renunc .do o oflicio de escrivao de or- jorn.es, entre elle e a casai de w.'***?n I asser^es dos estadistas de sua nacfld ?
no do Itocife, par que fra & FWAo., em a qual P'O" es X este dilemms respndese fcilmente
-ro governo brilanniro e
ni-se bem pnuco com
se com a juslica devida
nacOes, importam-se
meicio, e em oasa de ne-
A allandega da corte rendeu no niez que
huiitem liodou 984:471,237 ; o consulado ren-
den 213:882,041. O0
Ocainbio sobre Londres esta a U .l|4cl*
sobre Pai i de 345 a 348. Al apolices da divida
publica esto a 8S l|2 e 8'J.
As ultimas dalas que temos de Lisboa san
de 20 de mimbro ; as de Londres sao de 19, e
de Paris de 18 do ineimO mes.
Falla-se cm despachos amanhaa.
"llHIII j pgi?\isiiio.
RECirE, 14 DE DEZEMBRO DE 1849.
cipages. i fllciou-se n
juiz de orpbSos.
INTERIOR.
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAM-
ItUtO.
Itio-de-Jantiro, 30 rft noMmftro de 1849. .
O Tacto mais nolavel, por ser triste, que
porc temos heosuicio duum tlSr. v-
licissimo Bernardo Xavier, que rom rasflo
ousem ella' (ian.bem isso nflo be de nossa
rontaj julgou conveniente soccorrer-se a
um taraco pra per termo a urna existencia
quo devia ser-Me bem cusios de sotirer,
para o levar a tal extremo. Se foi apenas
algum excesso de romantisino germnico
queosrraatou a imitar aquello amanto de
(mmedia, que, no recohendo resposta a
sua primeira epstola, ameacava, a bella de
recorrer urna pistola, cuj. bala, mais ge-
nerosa, saberia por termo aot das que ella
havia envenenado: ou se, pelo contrario,
ho'uve ahi algum motivo serio e caso de
honra, he segredo que com elle subi a cor-
da, e com i lio desceu a sepultuia: a polica
nada pode saber.
Tciibo notado, e geralmente az-so ssa
observacSo, quo pelo verflo he que silo
mais Dequeiites ososo* de suicidios: be
simpio durante os qualro mezes do mais
calor que se elles oilo. Tambem nflo ha
mullos das que urna moca, na ra da Lapa,
cansada de esperar pelo dia em que devia
serconiuzi-la igreja para receber a milo lana da justic.,
pnmei
formula geral que convemem taes casos
o publico ajuizar Por ler a discnssSo to-
mado lato limites, tocando emfactos di-
versos que diziam respeito a muilas outras
casas, foram os artigo* lidos com lalinte-
re-se e avidez, que s quem esta em reta-
eSo com a'praca do Rio-de-Janeiro pode
juizar. E ainda aqui se nota a Influencia
que a exerce a publicidado dos fados, quer
pblicos, ou particulares. A pardos ma-
es que algumas vezesnos causa a nnpren-
sa. devenios apreciar o agradecer-lhe esse
bem.
Por decreto de 10 do corrento mandou-so
observar o regulamenlo organis.do pelo
ministro da f.zenda sobre os correlores.
Compoe-se de 72arls. mn 4 capits no pri-
meiro dos quaos lrat-se de nomearjao, b
anca, imposto, suspensSo e demtssilo dos
correlores ; no segundo das 'nceles dos
ditos: no terceiro--d junta ; no quaito
da piaca do commercio. Aqu-lles que
cotislanleniente clamam que he nocessano
nacionalisar certo genoro de commercio,
para excluir a concurrencia estrangeira,
devein flear s.tisfeilos comS Exc. o Sr.
torres, qu-neste regul.menlo faz-Iba* urna
valiosa concessao ; o artigo segn lo diz :-
Cinco annus dopois da data do prsenle
regulamenlo n3o poderao ser nomeado*
correlores os eslrangeiros n3o nturalisa-
dos. I'aulatim cbogaremos um da ao que
se desejaj n3o se pode fazer tudo de um
Por decreto n 619, expedido pela secre-
coui data Je 21 do corren-
por que so dove
gocianle o inleresse be a mota real que jnfra :
O vapor S -Se/KMfiVio.chegudo hoje Jospor-
tos do sul. trouxe-nos jornaes fluminenses
atl.ebahUnos at 10 do correte; bem co-
mo as duas curias do no-so correspondente
da corle, que inserimos no lugar compe-
tente, e s quaes temos de accrescentar o
seguinie :
Tinham sido nomeados : felor-con-
ferenle da alfaudegt da cftrte', o Sr l.uiz
do Souza Lobo;-lbesoureiro da mesma
reparlicito, o Sr. Jos Francisco Ber-
nardos.
t) Jornal do Commercio do 29 do passado
transorevo do Hio-Grandcnse de 8 o artigo
tss; aSssrsfft^t feflS^^Meg -
oito mezes a fazia esperar sem
suas protneasas, com urna garrafa de gaz
de caudieiro puz fin a
ida.
reulU.r uizes municipae*
nos Hilo podo.oser d mitli los. nem sora
alterada a ordem e - cima esliverem impodidos. Ho
,. urna concessloziU que se faz; he
ou .lepo.".'q'ue o tomoo, lizesse"un, mortal'urna arma de menosque fie. n.s nuiosdo
liydrogeeo-c^rhoretado nao
que sua cflu. fko 13o prompl, que em liearein
luir e n.eia, Lulo foi o lempo que ella du- tambern una
faz trabilh.ra machina.
Por fallar no gabinete de Buenos-Ayres.
refirirei aqui algumas circumstancias que
acom,-anhaiam a demissSo do vic-consul
argentino em Pernambuco, que eu Inteira-
mente ignorava, e que lOram agora revela-
das ao publico pelo Americano, ( folha que
he aqu sustentada com odinheiro de Ro-
sas ] queren lo provar as boas dsposicOes
cm quo se acba o governo do dictador
para com o do Brasil, e as provas que tem
dado de sua sincera amizade; coucluindo
dahi que he sui.msmenle calumniosa a im-
pulacflo que Ihe til una folha franceza, o
Contliiulioiiel, do premeditar e promover
urna nsuireicSo de escravos.em nosso paiz.
b o vicc-consul do Pornambuco, diz o
artigo a que me reliro, s porque havi.m
susueitas de haver favorecido a revolta
dessa provincia, nem s foi demiltido dessa
cargo cuno aeclarado inhbil para exercer
qualquer oulro da confeoUracao : qo decreto
dessa demis-ao foi declarado que maior cas-
ligo ndo era imposto, porque n3o eslava nal
m\os do governo da confederacio faze-lo.
Es>a ultinla parle he seria, he mesmo lin-
go.gem do governo de Rosas '. De boas cs-
ctpou o Sr. Seixas ; felicidade sua foi nao
ser cidadSo argentino!.....
' dem, de I desembro.
Pouco acroscentarei o que bontem disse.
S A o principe imperial estevo ha dia* do-
ete; mas felizmente ja so ada bom. Nao
deixa du cusr seu cuidado ess i inoletia
pela coincidencia do achar-se de semana o
oiesmo medico que tambem estava de se-
mana quando morreu o Sr. D. AITonso, e
coinecar a inoloslia pelos mesmos sympto-
mas.r convulses : desta vez, porm, o dig-
no Esculapio foi mais feliz.
Por decreto de 19 do passado foi removi-
do o juiz de direilo Ainaneio Jos Percir de
Andra ie, presidente de Sergpe. da Coftiarc
dVu-i^ PPor'decrtode22docorrcnte foi nomea-
se.^topsi, do Antonio Joaquitn de A me, G- es
I entregar a alma o Creador !
que a por(So que beb.'ii fui tal
i .cilot-^r ^r:god*!qu^ ;=i Acfo.do f^s^<ss.
tal, que. ti:olba..do-8o um torcida nclle, e' do superior da guarda nacional a
. No dia 5 do crreme, s 8 horas da ina-
nhaa, sublevou-se na cidade de Pelotas, em
casa do negociante benito MaurelL um escra
vo, que depois de haver allroulado seussenho-
res com os mais injuriosos epilhetos, arniou-
se de nina cavadeira para corar o seu intento.
Os caixeiros do Sr Maurrll com algumas pes-
soas arinaram-te c cercaram o escravo, que,
mo grado tamanha resisiencia, conseevava-^e
sempre e.n uina desesperada defensiva. No
embate que se travou, unidos caixeiros foi fe-
rido cm urna mo ; aprovelou-se o escravo
dcsia circunstancia que nao deixou de incutir
algum reoeio no animo dos que ojierseguian,
abri caiiiiulio por entre elles e precipitou-se
no pateo, onde ainda uina ve leularam segu-
ra-lo. Om escravo seu parceiro quiz agrra-
lo, mas recebeu inopinado golpe n* cabrea,
que para logo o proslrou. Todos j haviaui re-
trocedido quando o malvado ainda vollou so-
bre o escravo que tentara agarra-lo,e o deixou
crivado de punhaladas. F.nlao.vendo-se quasi
abandonado, parti a correr pelas ras di ci-
dade, e s conseguirn! apanha lo na Varzea,
e abi o ainarraraui levando-o depois para casa
de seu senhor, allm de que este Ihe dsse o
destino que lhecouviesse.
O mencionado Jornal, aecusando datas
de Buenos-Ayres de 3 do novembro, diz o
seguinie :
O governo argentino, nao ten lo rece-
hilu resposta do governo austraco ao pro-
teto que aeresentara em principios do au-
no passado contra o reconliecimenlo por
parlo d.qucll* govonio da independencia
do Paraguay, reconhecimonlo que. diz a
nota do governo argentina, fr. oblidu por
intrigas da diplomacia brasileira, dirigi em
19 do passado oulra nota ao gabinete aus-
traco, na qul encontramos os seguinie*
trechos:
O governador do Paraguay lovantou
um-armaincnto injusliflcavel para aggravar
a rcbelliao, insultou no* nos a bao leira
argentina, apolero-*e da importante
Valeca, na taiia ; edestajilha do Apip no centro do rio Paran, 6
As n.d.s dos Srs. Southern Arana sobro
a rcpresent.Co relativa a niln-rehrada do
llosas do governo, citadas pelo in.so cor-
respondente em urna de suas cartas, sno as
que abaixosavolr:
Buenos-Agm, 23 de<.utubro de I89.
t Senhor. Julgo acertado communicar
V. Exc. quo alguns subidos brilannicos
residentes om Buenos-Ayres se me dirigi-
rn! pan. salieren! conducta que deviam
ler cere, assignar a pclicao quo a nonul-Q-ln desla
C.pit quer.presenlar sala dos represen-
taulcs, sflm le pedir quelle honrado cu-
po emnreguo os seus e-forijos para conse-
guir que S. Bxc. abamlone a mlenc,5o de
renunciar a suprema auloiiladc Coito go-
vernadorda provincia, encar'e^ado das W-
laefles exteriores da Conf.lorafiHO Argenti-
na a pretexto de nao permitlir o deteriora-
do estado de sido de S. Etc. qu resista ao
pupilos negocios e responsibili la le quo
diariamente so a(cuiiiuliii sobre elle.
(i conselho quo del a essos cav.lbeiros
foi o seguinie: -que co isi lerava S assig-
nalura do urna pelico legi,lalu-a sobro
o.ibiectoom queseo como um actideci-
dadao, no qual s citadnos linnam direilo
do tomar parte ; oque, alcm disso, tmlia
por principio g^ral e o* subditos brilau-
ncos residentes em paiz que n.to soja o sou
dovem tomar a menor parte possivel nos
assuosdos dj poltica interna dessep.iz,
lmitando-sa obediencia resae.tosi d.S
suas leis o regulamenlo* administrativos.
Ao mesmo lempo que julgu mcu dever exprimir osla ouimo as pessoas
que m'a pediram, concebo fcilmente que
muitas dcllas.cujos interesses eslSo ligados
prosperidadeetraniiuillidade deste paiz,
desegcmiiaturalmenie manifestar se.issen-
limeiilosem uina occasiHo de Wo vital im-
portancia corno a presente, pois que consi-
dero que nno pode haver dillerenca de opi-
oi.1o sobre o ponto de que o abandonar S.
Exc. o Sr. governador a direcc.no deste par/
seria em quaesquer circunstancia*, e espe-
cialmente nasaciuies, a maior calamidade
que poderia cber-lhe emsorte.
Nenhuma classe de pessoas sentina o*-
ta calamidade mais severa ou dolorosa-
meule do que os numerosos estran;?eiros
residentes em Buenos-Ayres, os 10V*9-
vem a mais profunda divida do fnUtUO*
S E\c o general Bosas, sb cuja illustrada
adminislraco teera prosperado, e aguar-
da! ainda maiores beneficios, e o qual e n
todas as circumslancias, por arduas que
fssem, tem sido extremo protector dos
seus dlroilos, inleicsses e seguranM pos-
soal, livraiido-os, mesmo em poca* de ex-
cilamento popular o de sentimento ihcio-
nal. dosroeeios dos insultos, ou de inqute-
tacio. Aproveilo, etc.
tllenry Southern
"^^ 8"i0BS,k>'""
-I
Confidencial.-Buenos-Ayres, 2* de outu-
bro do 1849.Ao honrado cavalheiro D.
Manrique Southern, ministro plenipoten-
ciario do S. M. B. nomeado junto da con-
feJcraQlo argentina.
ii O abaixo assignado levo a honra do le-
var ao supremo conliecimento do Exm. Sr.
governador a csiimavel nota de V. Exc.
de 23 do concille, cujo teor he como se-
gu :
( O mini.-tro Iranscreve aqu a nota do Sr.
.Southern que fica publicada.)
O Exm. Sr governador leu com grande
satisfago a nota cima de V. Exc, que S.
Exc. muito aprecia, eordenou ao abaixo as-
signado rospondesse V. Exc. o que agora
llio Im grato oxpr:
,. lio un principio que S Exc. se. com-
prazde reconhecere deapplicar orticamen-
te, como de primeira conveniencia par. as
na'cocs, que os estiaugeiros nHo devem ter
ingerencia de cid.dflo*do paiz em que re-
idero, o devem limitr-se a observancia
espcitosa das suas leise rogul.mentos.
Este i' ncipio de nenhuma maueira se-
ria cmpromctlido pelo fado do assigna-
rem os eslrangeiros una pelic,lo que os c-
iladSoS de urna naQSo dirigissem ao poder
depositario da soberana sobre assumplos
que elles julgassein ser de inleresse vital
naia o seu paiz. Pelo contrario, esse faci,
sondo praticado espontneamente pelos es-
lrangeiros o conse iti lo lo igual molo pe-
los cidadilo*. com permissilo piviadaau-
lon lado execuliva, uina vez que o senti-
meoto do paiz fosse universalmen'e uni-
forui.! sema menor divisilode partido po-
s nenhuma classe, dara forra ao
lo principio, porque entilo os es-
ro*. mostranJo mais o seu respeito
grados deveres quo Ihes impOo este
nao faltaran! As leis sem a neu-
yuando os cidad3os, com previa per-


HBeM
\Qt\
m
ma
n,i-srm no governo, prnmnteii da mi) mn-
|,i leji -.1 o nutricio (|n ibreio de po qI
.ni issumplns que eons.d- rain la mido1
rxravidsdr importancii ; qnando se nol1
inqui UcSo em lodos os cid dS'.s. c qu n
i] o eslrn g iros p.-r!ic pain dcsle sen
ment por sin cnnsnoncia o di"n a lo pr >
pri', n I i m de iilo t Mostraren) isi'iilos de
jus'tca ilo grniid'io, por cnnsidciarcm
lamben) quito assumptn poden i alT- rima
ostebilidado das garanlias em favor deseus
inleresses pessoas, assim cuino as relu-
ches du sru liopc-lo e pacifico commercio ;
quanlo os cidados se moslram agradeci-
dos poressa demonstrado sensata dos ea-
ii angeirns mn fovor dan conveniencias eoi)-
niuns, pdem 01 eslrmigeiios, se laso Ihcs
lie perihiltdOi afliai suas assignaturas,
iln li-iib.iri.ia.lc. A victima deixou una viuv*
or r-t.i di i ni i han. que htln>am a nerdade uiuex-
ireiniK ei| oso c lao tom pai.''. Chora o ii
mu o iii'in liiulo, o aini-.o o amigo leal, <
nii'li genie desn villa o f-omem que, nin vi
veiid'i n.i abuudmola qin d a r qu'/.i. era u
ocuifeilor .' Possa este rxrmpl.i triste e hor-
roroso prevenir a lano nutrot lavradorrs in-
cauloi, que, como aquellc, nao levain para o
servieo unta arma, pms que llie nao servio .le
garanta o ni castigar escravos. e ante dar-
llies o ni. l!i ii Iraiainenlii, como declararan!
no proresso os proprios seus escravos I >
No Comi Mercantil do 2V do passado vi-
mos o seguielc :
u Pora adiado lionlrm no tanque do engr
nho da Coirceiriin o cadver de una moca, de
cor branca, idade de 2& anifot, |iie ah pere-
cra asphyxi ida : procedido o corpa de delicio
Itil)lctifao a pediilo.
oom llllldade g*Tal, na enunciada peliclo P'l" reapotlvo subdelegado na frrgueiia de
dos cidadfloa, sem quo c.im tora compro-
meltam da nenhutna m neira n sua respec-
tiva nacionalidado. Nes'e e,iso ns suas as-
signaturas seriam meramente tim lesiemu-
nlio Isvoravcl IOS MUS inleresses ejusiifiea-
tivu da exaclidilo dos lacios que a elle.sse
i'.I'ercm na exposie.no dos chUdflS.
< \e*lc estado e nestas circumstancias as
asignaturas dos e-trangeiros nfloImpor-
ta m, iieni podiam imporlar, o ejercicio do
djretto de peliefin. l'.-lo tarto de assigmi-
iyiii a pilieilo nfiu pdem privar-S''de nc-
iilniin dos seus dueitns, nem adqui'ir o di
ivil.i de colado, qtie.si'gutiilo pi leis de cada
paii, >|iule ohler-sc por nnlralisaclo le-
ga| oo i or carta de cidadfio.
I om ratas manif sUcoes concordan) as
leis d> repblica eas das domis naques,
que, em cortos casos, conce.lcm tos es-
trnsenos vaiiaa facilidades, sem quo por
i-so lites impuiiham nj direilos e deveres de
eidadflo.
S Kxc. entra de bnamenle neslas ex-
plicac/les pata corresponder As do V E0.; e
julja pelo exi'Oslo que o acto deassiglM-
rn osestraiigeiids, nActrcunislanclas re-
l'eridas, nina lulico dos ci ladflos, no be
iini aelo cvico, nem priva em lempo alr
m, nem oceasiilo, ne.n para elTeilo algutn
iilloifor, nos eslrangelros signatarios da
>iia nieionslidade nrm da sua rosi{tu
neutral.
'i S. Rxc. so mesmo te .upo so compra/
em manifestara V. Ese, que agradece alia-
mentea inrorma^Bo que V. Exc. se servio
,iran Jo por V. Esc. a lespeito da poltica e pio-
i'ediniento de S. Kxe. para com os estran-
geiros ; tcsiemunlio que, tanto por sua ele
vada orlgeni, romo por sua joslica o liene-
lica tendencia para os inleresses nueionaes
o eslrangelros em goral, sera ti Jo sempre
por S. K\c. em disliurlo npreco e gratare-
.nrd;ie"io.
u lieos guarde a V. Exc. mullos anuos.
i l'flippe Arana.
Eoi ainda no ililo Jornr.t que deparamos
com ns seguintes noticias, extraliidas de
gazelasde Boston com dala de II de outu-
liro pro\in:o passado :
ii odia Iiouve desordena eoi Philadel-
pliia por causa de urna eleicflo, doquore-
miIIouorna mol, evini ferimenlos. -Va
manhSa seguinte os desordeiros deitaram
rrtgo a virios casas, e foi preciso recorrer
lrc.a armada e aililbaria para por termo
a desordom.
Corra o boato de que o Sr. Andiew
Slwail lia vil sido nomcado ministro junio
H corto do llrasil.
Tinha chegadodeChagres a New-Orleans
o vapor Fnlcm com o valor de 70,000 pesos
de nuro entr OFnlcon trouxe dalas Ue
S.-Francisco al o primeiro do seleiiibro. ,\
convenci rara lormarrio da eonslitiiieao
reunio-se em Uonterey no dia .11 de agos-
to. JulgHva-so que a assenilda legislati-
va estara eleita no primeiro de novemhro.
No di 22 de agosto rbegoii iIh S.-Fraa-
c seo a l'main o vapor Panam com tneio
milbiln de pesos de nuro em po.
n Checnram a S.-Francisco durante o me/.
de agosto 3,800 homens e 87 mullteres,
pela mor parte americanos.
Terminando aqui o exilado dos peridi-
cos do llio-de-Jaiieiro, pasaremos a dar
coiila do que. Vimos DOS di lliliia.
Tinha se desenvolvido neaaa provincia
tima lerrivel fi-lue, acompanbada de vmi-
tos negros, qual i:i deciniando as f,milias,
: oliiigaia o nnlropolilaiin a mandar cele-
brar preces na respectiva s em os das 9,
10 o ti do torrente polas |0 horas da ma-
nilas, e ns mais igiej-s nestesou n'oulros
dias segundes ; ordenundu ao mesmo lem-
po que, diii.inlc aquello periowo, se ieei-
lasse na nussa a omtfHj-Prn quacumque Iri-
hulaiioiicvm lugar da que anteriormente
se dula/'ro 'opa.
O Mercantil do 29 de noveoibro, annun-
ciando o assatsinslo do capillo Josquim
l'irea Pe.lreira por um seu cscravo, publica
a caria infra, em que se mencionam os por-
menores de sen rlhante acnnieciineiito :
.. No dia 22 d6 coiirnte inri de novembro
do meiii-dia, muco mais ou iiirnos, ns 3 horas
da tarde, loi cruelmente assassinado o capilao
Joanalin Pires Prdrdra por um seu cscravo de
uacao Nag, de noine Alndelo, acbando-seein
un rocado que eslava fa?eodo em malta das
iinincdiacoV da villa de Jequiric. A Infeliz
victima sabio da villa deiiianbaa levando com-
si^o alguns escravo. para abilr uina roja ua-
.]lidies mallos, e ai S oras da larJc clirgarain
os escravos, menos Adelo, dando a noticia
de eslar seu senbor aisatsiuado a talbos de foi-
ce, .nuil que i i ni mu levadnos escravos, qn.in
do furaiu para o servico. Diversa prasoas par
liram imiiiediameiiie para aquelle lugar, onde
n har un a desgrarada viedma cabida debru-
co, como craueo lodo partido no bigarda nu-
a, c diversos golpes piofundos pela cabera,
que alraveisavam o cianeo, aldm de inultos
uii o golpes pelas costas, fellos por instru-
mento ;;i i.svi e cortante, e sobretudo islo ain-
da bav un estocadas pelas pcrn.s, que se sup
poeiu fritas coiu espeto de pao, talvez para u
ministro roubecer se efl'eeiivaaienle a victima
ainda rrsplrava!! Ilygloo Pires Ooiue.s, in-
C- nsolavel innao da victima, prrnleu limne-
di.ltanirnte todos os escravos que le acbavau
naquell* servico, c os entregou justic:, c
ue. aecusador rm julio lem envidado iodos
os seus esl'orcos alim de descobrlr e existe
counivencia entre o aisastinn e os presos;
nada, pnrio, tem-sc podido colbcr a esse res-
pciic ; pois apeuas dein os presos que seu
' nluir no dia 21, anterior ao do assasslnato,
lera rin Adelo algumas sipnadas por faltas
no servico, e que no dia 23 o mandara traenr
eapini para o civnllo de sua nionlad:., em cujo
i'.i, ii se demorara lauto, que o sdihoro fra
piocurar, nao voliaudo mais, at que liara de
largar o aeivico enconlraram seu senbor mor-
io, nao appareccodo Adelo, que tinha sabi-
do com a l'uicr quando t'bi'lrararo capiui. Ily-
gino J -1 r i *... 111. s, mesmo emrc as acerbas do-
res rjne dilaceiam seu coiacao, lem tomado
caes medidas, que nao lie posslvel u assassino j
capar, e CU breve ajustlcaviogar taina-1
.Saiito-Autoliin, com faeoll itivos, iienhiiina
conluso, ou onVnsa physlca enconlraram el-
les, que dcinonstrassc a causa da inorte :
sabe-se apenas que era ella ha pnueo tempo mo-
radora no sino a K9trada-das-lliiadas, em
couipanbia de um eabodo, seu ainasio, oque
bontem seu cadver appareccra no dique, ou
tanque do dito engenbo, e o cabnclo afugen-
1111... 11 s 11. i morada: procedra-se aindagacocs,
o lidia se coiiliiiiiain conliecer-sc a causa e
n modo de lal f.illeciinenin, se lia amores des
te infeliz acaso que beni contristar de vea liu-
iiianidade, civilisac.io e pollela, para ser
punido com as penas e a severi.lade da lei
qneiu commcltdra (o bediondo criine,
Pelo briguc frnneez feaujru,chegado boje
lo Havre, receliemni garcas Inglexas e
franeezi's, alcan(aiiilo eslasa 9 de novem-
bro prximo passado.
Na l'i'.ii.ea nada de exlraordinrio bavia
OCCorrldo depois da mudaiiQa ministerial
qun iillimamenie nnliciamns; todavia em
l'aiis coriiam ns mais singulares boatos.
I'ns asseguram que l.uiz Napoleilo esl de-
terminado a dar a sua tiemissffo de nresi-
liente da repblica; ntitros, poiem, dizem
que sua itilene*io lie fazor-seseelamar impe-
rador, e que, sendo a sua ideia lixa, depois
do da lOdezembro, que smenle a guerra
I ti o pode daro prestigio quo Ibe falla para
substituir dignamente a seu lio, a posieio
que acaba Je tomar sbitamente peranle a
asamblea, oncaregando-S3 pessoaluienle
da presidencia doconcelho de ministrse
da alta direccSo dos negocios, be da mais
alta grvida.le em mu momelo em que
as relaces diplomticas com a Itussia c a
Austria tomam tima faco nflo salisfictoria.
As rclueies da Franca com o imperio de
Marrocus estilo longa da ser amigaveis pa-
rece que brevemente ronper3o as bostill-
dades enl ro estas duas nacOdS.
Na Algcria rontiuia a guerra entre as tro-
pas francezas e una das tribus indgenas ;
em um ataque que ltimamente leve lugar
os Fiancezes fiiram repellidos : a lula tem-
Ibcs custado ja .i perda de SOOJiotnens nior-
los e 500 feridos.
0 general d3 divisQe faragiiay'-d'llilliers,
representante do povo, foi Horneado com-
man.lante em cliel'e do exercilo expedicio-
nario ao .Mediieiraneo em lugar do gene-
ral de llaul-poul, nomeado ultiinaniente
ministro da guerra, (i mesmo general foi
tambem nomeado ministro oxtraordinario
o ministro plenipotenciario da repblica
franreza junto santa s em substituic.loa
Mr. de Corcelles. que exercia este posto.
0 p.o Lmenlo ingloz foi oulra vez adiado
pata o dia 16 du Janeiro.
Quanlo quesillo da Turqua com a Itus-
sia, eis-nqui o que so le om um dos nme-
ros da Patrie:
llontem fallamos ,1o urna nota ener-l
gica que o imperador da Ruasia mandn di-
rigir a Inglatena, quiuido foi informa lo'
das orden.i dadas frota ingle/<.
Nesla nula o imperador protesta contra I
asta duioiist.racflo hosiiiem plena paz, e'
contra o direilo qua a Inglaterra se arruga
do iutroineller-so em um negocio que nao i
inleressa setiilo a Itussia o Sublime Porta.
(Juanlo s dillieuldadcs a que este ne-,
gocio podo dar lugar, a iiiterprelacflo do
tratado existente entre eslas duas poten-
cias nao perleure sengo a ellas meslas, e a
Inglaterra dove licar perieitameute estra-
nlia a isso.
Talbeem substancii o fundo da nota. I
o Podemos accre*contsr esta noticia as
RelrcSo das fa/emlns e movis quo levou
em casamento Manoel de Altneida Lopes,
slm do vab r .'c 2:M 00 is une loeou
sua nml n. r ViCi ncia Mar do Jess por
parto da rallicidai.ua mili Mana de Jess.
A saber:
Coma de fzends compradas ao
Sr. HpolitoS i ii t .Malln, eqne
consta da cunta com recibo em
meu poder, documento n. I. 67,280
dem so Sr. Manne'l Antonio da
Silva Anltines, documento n. 2 10,960
dem ao Sr. Antonio Ferreira da
Costa [trusa, documento n. 3 30,000
dem ao Sr. Manoel Cardoso Ayres,
documento n. 4 10,47*
I lem ao Sr. Manoel Antonio da
Silva Animes, documento n. 5 32,800
I lem ao Sr Fereira ''ascilo, do-
cumento n. 6 63,280
Ido o ao Sr. Sebsliio Jos Cor 11)0
do Rosario, documentan. 7 30,000
dem ao Sr. Manoel Antonio Pinto
da Silva, documento n. 8 413 280
660,270
Ris.
Somma. Salvo erro.
Sr. Redactor do Diario di! Pernambmco : -
Rogo a Vine, o favor de mandar publicar no
-eu Diario a precedente relarao que foi ex-
traltida de oilo cotilas com recibos que Ii
Can em meu poder, de fazen las e mobi-
lis justa por Manoel de Almera Lopes par
seu uso e mais de sua mulber, sendo ludo
pago por mim com o meu diuheiro, etc.
Faco osla ueclaraeio para que os amigos
do dito Lopes e mais pessoas a quem este
tem feito ilo mas ausencias de mim, (ac-
<' e-eiMi.lo, dizer que o sngro foi tilo ridi-
culo que nada deu a lilha quandu se easouj
e para que possam lodos acreditar que o til
Manuel de Almeida Lopes be um perfeito
Cliefe do mentiras, e pres iileme.nie leude
teni a 11 vas.conio consta dos documentos que
se teem publicado nos Diarios de Pernam-
buco ns. 228, 215, 251 e 259 do corrente an-
uo. Assim como mente face do publico,
querendo persuad-lo com a pubiicacSo da
sua desorieotada e mal fundada replica,que
foi meu socio em negocios, en ves de dizer
quo eu nunca quiz negocios com elle, por
lera caheca muilo desorientada, com ludo
sempre lite emprestei sem vencimento de
juros 1:200,000 rs que vim a receber em
parcelias e gneros sobreesrregados; (por
isso se diz que quem empresta nunca me-
mora) e, sequer que o publico o acredite,
faca serlo o quo diz por documentos como
eu i.'nho feilo face do publico : tem-se
jactado, edisse ao Sr. Thomaz Fernandes
da Cunta, que comprou um sextante para
dar ao cumiado Manoel Joaquim Lobalo;
faca serlo a queni o comprou, e mostr o
recibo de quem |be vendeu, etc., ele, etc.
Cidade do lenle, 13 dedezembto de 1849.
Joaquim Lobato Ferreira.
SSSSSSSSSSSSSSSSBSMSSSSISSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSSl
COWMERCIO.
Xavier Jnior com I criado, Manoel Lobo
lie, Miranda llenriques, Virgilio Silvestre
Faria, Manoel Jinuario Reze-ra, o cnsul
hamburgcoz Frolerico Gu'tzon, o Fran-
Lourenco em favor da dita Thereza, podra
prender ao assassino daqdo-lhe qualro i',,'.
ca tas, quando j bavia soffiido um Uro.
Dos guar,- a V. Exc. Secretaria de po.
cez Simn ilaymon, o Allemio Davi I La- lcia de l'ernambuco. 13 de dezembro ,|e
/a i o, IOpraQ.isdepret e 2 escravos a en-.
tiegar : par o norte. Candido Marlins
Santos Vianna Jnior, Fr. Gregorio Roe,.
3 prar;as de pret e I escravo a entregar.
Rallimore 44 'tas, patacho americano
Virginia, de 137 toneladas, capil.lo E O
Cooper, cquipagem 7, carga farnb 0 ba-
cslho ; a Iteaiie Voulc & Compn iliii.
Rio-de-Jsneiro 22 dias, brigue brasile-
ro Venus, de 155 toneladas, capitao Lu
Antonio Rolrigues, equipsgom II, carg
carne ; aGattlitio Agoslinho de Rarr-s
dem i9 dias, btiguo brasilciro Floree
de 147 toneladas, capitSo Antonio Eva
risto da Rocha, equipagem 11, crgatcat
ne ; a Amorm Irmos.
dem 16 dias, brigue brasilciro N.S.-
do-Carmo, de 195 toneladas, ca pililo Jos
Fernandes Lesea, equipagem II, carga
farinha e mais gneros; a Francisco Al-
ves da Oiinlia.
Navios sahidoi no meeme dia.
Nanluckel Calera americana Enterprise,
capitSo Samuel Wyer, caiga a mesma que
trouxe.
Cibraltar Polaca porlugiieca Bom^Fim,
capillo Joilo Mrndes, carga ssucar.
Roslon Patacho americano California,
capitSo W. Iliebborn, carga assucar.
Ueclaracoes.
ALFANDECA.
Ilendimento do dia 14.....26:959,335
CONSULADO GEHAL.
Itendimento do dia 14.....5:788,790
Diversas provincias...... 59,796
5:848,586
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 14.
3 745,360
Rin-DE-JANF.IRO.
C.VMSIOS NO DIA 30 lie SiiVEMIino.
Cambios sobre Londres ^
Paria. .
Ilambiirgo .
Mclaes. Onras liespanhlas .
" i> da patria .
Pecas de (i/400, vclhas.
Pesos bespanhes. .
da patria .
o PatacAea ....
Apolices de G por cento .
provinclaes
27 3,4 a 58
345 a 348
630
30/000 a30/;.00
29/500 a 30/000
!7/l00 a 17*800
If.m a 2^000
1/930 a 1.935
1/930 a 1/935
88 Ii2 a 89
88
-- Pela segunda secco da mesa do con-
sulado provincial desia cidade se avisa aos
Sis. piopr ietarios de predios urbanos, sub-
jeitosan pagamento da decima, quo do 1."
do andante mez se princtpiam a roniar os
30 dis para o pagamento de sem.lhanie
imposto do primeiro semestre do anno de
1819 a 1850, e que, lindo esse prazo, incor-
rnn os que uo pagaren) na multa de 3 por
cento sobre seus respectivos dbitos; e
bam assim que do 1.* de Janeiro prximo
futuro, principia a cobranza do imposto de
12,800 sobre di versos 'ests bel er i m en tos que
possuetn mais de 2:000,000 rs., segundo
dispj o rcgulamcnto da presidencia da
provincia, de 12 de novembro do corrente
anno, dado a semelhante respeito.
Para IIossaruedes
As pessoas que quizerem fazer parte da
segunda expedieflo para Mossamedes silo
convidadas a comparecern) no consulado
le Portugal nesla cidade lodos os dias
uteis, desdo s 9 horas da manhSa at s 4
da tarde.
~ Cartas seguras existentes na adminis-
trarlo do correio, viudas do su I pelo vapor
San-Sebatliao em 14 de dezembro de 1849 :
Dr Alono dos Santos S, cadete Ricardo
Jos de Kilancouit l.eiie, Antonio Carlos
Franco da Silva, Eduardo Firmino da Silva.
O vapor S.-Sebaetiao recebe
as malas para os porlos do
norte hojef!5)a urna hora
da tarde : as correspondencias
que vicrem depois dessa In ra pagar.lt> O
porle duplo at as 2 horas.
I I 'L I
KcparlicaoVIa poliri i.
1819--Illin. e Exni. Sr. Honorio l|^r.i.iu
Carneiro Lelo, concellteiro de esta lo, pie.
sidenle desta provincia.--O chefn de poli,
ca, Jeronymo Marliniuno Figueira de Mell '
o
iaas-
AVisOS martimos.
Para a Rabia sabe, em poucos dias, a
4umaea Flor-do-AngeHm, meslre Rernardo
leSouza, por ter a maior parte da carga
rompa : para o restante e passageiros
r-ta-se cpm o mesmo meslre ou com l.uiz
os de Sa Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
J'ara o i (Jornal do Commercio.)
Pars
nominal.
nsp'v..
hcapanhca
iiiCMeanos.
seguintes parliculari lades.
O imperador sigiriiieon a Finad-F.(fendi, 'l?,,bu,"B
que po lia considerar como terminada a.sU4 ,'ISBrtil c ,orlu
missojuntoapessoa do mesmo; que sua o |lpilll,o,,i"K" ." ugOO
pre.ena em SanPetersburgp era urna vio- / hiealeaMa .... 30*00
lacao de utna coiiveneo cstabelecida en- Pecas de 6/400.....171500
tiea Porta ea Russia, secundo a qual osul- novas......11>/500
tilo niloiodia enviar ombaixadorextraor- Modas de 4/000.....9/500
dinario a San-Petersburgo sem ter previa- Paiacoes brasileiros. .- 1/960
mente informado disso a di. ne. lian i russa.'
" Qie elle, imperador Mcolao, por um
scniimenlo deamizadu e boa vizinhaii;a,li-
nha-se dignado fechar os olbos esta iu-
fracc.ilo,e conceder urna audiencia de honra
o enviado extraordinario do sultn; mas i
que, como esto tinha julgado dever appel-
lar para a intervenro da FranQa o da lugla- i
ierra, suas boas disposices para com a Su-
blime l'orla deviaiu tialuralinenle ser mu-
dadas, e que para o futuro as communica-
tesdo enviado turco com elle niio teriam
mais lugar len&O pelo intermedio de seu
ministro dos negocios estrangeiros.
1/960
1/940
ilereanlil.)
IIAIIIA.
cMinies no di* 9 de Dezimsro.
Londres. ....... :C 112 a >' :\ 1 nlums pii-ieipou-me em ollieio do primei-
n ni ii na I *mn J. *____.._________#________;. a_ ._ ._
Illm e F.xm. Sr. -Segundo as communi-
cacoes hnji! dirigidas esta repiirtieilo, fo-
ram Imni-on presos : ordem do subdele-
gado da freguezia de S.-Antonio desta cida-
de, os prelos Joaquim, escravo de Manoel
Antonio do Jess ; Jos, escravo de Anto-
nio Alves Vello/o ; Venancio, escravo do
Anlonio Jos dos Sanios ; Loorenca, esera-
va il l/idro Pereira da Cunha : Jo.lo Paulo
Jusliniano, e Julia forra, por correcQ.to; o
pardo l.oureiieo Justinianno, para averigua-
efles policiaees : ordem do do sub 'ciega-
do da freguezia da Roa-Vista o pardo Jos
escravo ; ordem do subdelegado do se-
gundo districlo da freguezia dos Afngados,
Jo.lo Dimaceno, sem que se mo decs rasse o
motivo: do subdelegado da freguezia de
Muribeca, Francisco Basilio Cabral, por cri-
na de ferimentos.
O delegado de polica do termo de Gara-
Movimento do Por lo.'
Corresponde ncia.
Sr redactor. Solicito ao chamamento
de Vmc. sobre a atloncflo que merece o es-
tado da pon le do lenle, posso ceil^ica-lo
que a repailicilo das obras publicas niio
lem sido somnolcnta sobre este assmnplo.
A 7, e a 12 do Correte: sa bem informado
estuti ) lizeram-se as necessarias parliei-
pacoes representando a urgencia de um re-
paro geral na ponto, mxime no lugar onde
algmt cava/toe hiu ileslocado ae pernos ; e
nao s cavallos, dizem que lamben! ho-
rneis. Incumbio-se ao engenheiro encar-
regsdo das obras dcnlro do Recite de se-
cundar os reclamos : entretanto mandn
a reparliQSo ja por duas vezc atafuthar es-
se buraco, he quanto ella pude fazo/ I
Sabe Vine. pois tem rasSo para o saber,
que a repaitico uo pede proceder ao me-
nor concorio, a menor despeza, sem auto-
rlsac.loespecial : portanto digne-so de ser
indulgente com essa dama impedida, que
boje de publica s lem o titulo; mas nao
os amigos fados. Sou, etc.
Vm d'ella.
.i
Navio entrado no dia 14.
Havre 33 dias, brigue franrez feaujeu,
de 133 toneladas, capitn E. F.vers, equi-
pagem 13, carga fazendas ; a II. I.asser-
rc & Coinpanhia. Passagciros : para esta
provincia : l.iyne Droz, Charles Georges
Klab, Charles Daloncour, agente do con-
sulado francez ; e 3 para o Maranho.
(aspe 30 di.s, brigue itiglez C.-T -Sut-
ton, do 197 toneladas, capitlo John Le
Rrun, equipagem 12, carga 2,551 barri-
cas com bacalhao; a Me. Caimont &
Companbia.
Rabia 18dias, ba'ca prussiana Wilkemi-
ne, de 429 toneladas, capito T. S-ridl,
equipagem 18, em ltiro ; iN.O. Rieber
& Coinpanhia Pnssageiios, C. F. Mcyer
com sua senbor* e urna lilha.
Rio-.ie-Janeiro, li-hiae Macei 13 dias e
12 horas e do ultimo porto IG lloras, va-
por brasilciro S.-Sebastido. de 240 tone-
ladas, comoiandanle o primeiro lenle
Torrezo. Passageiros : para esla provin-
cia, os lenles do arlilbaria Itraziho de
Amorim Rezerra, Jos Francisco Csst o
Leal c Jos Cerqueira bima, o alferes Be-
Isrmino Cor rea da Silva, OS guarda-mar i-
nbas Const ititino do Amaral lavares o
Manoel Anlonio Viegas Jnior, o aspiran-
te guarda-marinha Manoel Marliirs de
Araujo Castro, os cadetes Jos Ferreira
de Azevedo e Tfiomaz Pereira Piulo de
Oliveira, o Dr. Caelano Vicente do Al-
meida Jnior com 2 escravos, o Dr. Jos
Gamillo l ei reir Rabello, Manoel Peres
Campillo jacouie, Caelano Aureliano
l analiio Coulo. Joo AlveS llouo io lie
/erra du Menezes com 1 escravo, Joo
ro do corrente, que na freguezia de Agnas-
Rellas haviam sido ca turados seis reos de
diversos crimrs, pelos quaes estilo pronun-
cionados; que na freguezia de PapacaQa
fra assassinado por cinco facinorosos, vin-
dos da provincia das Alagos, Manool de
Mendon^a que lamben) viera da mesma
provincia, por se achar all intrigado; que
no lugar denominado Paimeira lora assas-
sinado um individuo, de quem ainda igno-
ra o nome, assim como o do assassino; e
I que no primeiro districlo do respectivo ter-
mo tivera lugar o assassinalo de um Indio,
commeltido ooroutro Indio, no lugar Fia-
mongo, sem que declare os nooies do reo e
da victima.
Dos guardo a V. Exc. Secretaria da po-
licia de Pernambuco, II de dezembro de
1849.Illm. e Exm. Sr. Honorio Mermlo
Carneiro Leso, concelheiro de estado, pre-
sidente desta provincia.O chele de poli-
ca, Jeronymo Hartiniano Figueira de Helio.
Illm. e Exm. Sr.Fram honlem presos :
miuha ordem, Justino Manool Corris Vi-
anna, para averiguar-oes policiaes : i ordem
do subdelegado da freguezia de S.-Frei-Pe-
dro-Concilves, o pardo Jo3o de lal, por
miTccco; a pret Thereza escravs, sem
que me deelarasse n motivo; do subdele-
gado da freguezia da Ba-Visl* o pardo An-
tonio, escravo de Antonio Lino da Silva,
por haver bontem pelas niio horas da noile
assassinsdo com urna lacada o sru parceim
crioulo, de nomeVensncio.
O delegado do termo de Garanhuns com-
municou-nie em ollieio de 4 do corrente
que, tendo dado ordem ao ins quarteiiuo Antonio Flix para quo fosse
prender a 2 rosda quadrilha do l'oco-Curu-
prido, acontecer que a palrulha sb o
conimaudo do dito inspector soffresse al-
guus tiios de urna guernllia quolinham
aquclles collocado na estrada, e que por
isso Sabissein moi tos, da>pairulha loaquim
Jorge, e do Isdo. dos resistentes Joaquim
Ferraz. reo condemnado a gales, e Jos da
Silva Vianna, assim como feridos seis dos
piiun iios. -
O degado do termo do Brejo parlicipou
em ollieio de 31 du outub.-o ultimo que
Francisco do Carino, quo com Antonio Pi
auby entrara em casa do Therora do lal,
ussassmaia a esla dandu-lho diversas faca-
-iie com toda a brevidade, por ter
grande parte de seu ca recmen-
lo prompta o brigue nacional A-
damastori forrado e pregado de
cubte, e de excellenle marcha:
quem no mesmo quizer carregar,
ir de passagen. ou embarcar es-
cravos, entenda-se eflm osconsig-
natirios, Machado & l'inlieiro, na
ra do Vigano, n. 19, segundo
andar, ou com o capitao, Antonio
Coclho liihciro, na prnca.
Para Lisboa fallir dentro de poneos
dias o brigue portuguez Maria-loi, deque
he capillo) Joaquim Jo> Mesquila : para o
resto da crga e passageiros, trala-se com
Prancisro Severiano Rabello6t Filho.
Para Lisboa sabe com a maior brevida-
de posstvel o Irigue portuguez Fetos, ca-
piflo Antonio Ped o de Figueiredo ; para
carga ou passageiros trata-se com o sobre-
dito capitSo, ou com seus consignatarios,
Oliven a Intuios k Companhia, ra da Cruz,
n. 9.
Para o Rio-de-Janeiro segu, em pou-
cos dias, o brigue nacional iosephtna : quem
no mesmo quizer carregar ou ir de passa-
gem, dirija-seao consignatario, Domingos
Rodrigues de Andrade, na ra dos Tanoei-
TOS armazem n. 5, ou ao capil.lo a bordo
do mesmo.
Para Lisboa sabe, com a maior brevi-
dade possivel, o brigue portuguez Concei-
rn-ile-Mari, por lera maior parte da car-
ga prompta : para o resto o passageiros,
paca oa quaes offerece excedentes commo-
ilos, trata-se com os consignatarios, Tho-
maz de Aquiuo-Fonseca & Filho, na rna do
Vigario. n. 19, primeiro andar, ou com o
capitSo ua praca do Commercio.
--Para o Potto aahe, impreterivclmente
no dia 16 do coi rento, o brigue portuguez
Fenlura-Felis, forrado, pregado eettcavilha-
do de Cobre, capitSo Zeferino Venturados
Sanios : para o resto da carga e passagei-
ros, para os quaes offerece encllenles cotn-
modos, (rala-se com o consignatario, Joa-
quim Ferreira MendeeCuimaru'es, na ra da
Cruz, n. 49, primeiro andar, ou com o le-
forilo capitSo na praija do Commercio.
Para as Ibas de S.-Miguel,
Terceira e Fayal sal ir brevemen-
te a escuna porlugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de Medeiros.* pa-
ra cjrga e passageiros, trala-se
deronle do trapiche novo, n. 6,
com Thomaz de Faria.
Para o Rio Grande do sul
o brigue Inca, capito Malinas Ferreira Bra-
ga, segu uestes oilo dias: pode receberal-
gutna carga e escravos a frete : quem con-
vier, dirija-so a Gaudino Agoslinho do Bar-
ros, ou ao capitSo.
Para o l.io-de-.laiitito
sabe al o dia 20 do corrente mez obrigue
nacional S.-Manoel-Augusto : para alguma
carga e passageiros, para o que tem exced-
ientes commodos, trata-se na pra;a do Cor-
po-Santo, 11. 6, primeiro andar, ou com o
capitSo Jos da Cunha Jnior, s bordo.
Para a Rabia segu o biate Ligeiro:
quem quizer ir de passagen), dirija-se ra
do Vigario, 11. 5.
Segu viagem para MaranhSo e Para a
escuna Mara-Firmtna : para carga'e passa-
geiros Irata-se na ra da Cadeia do Recife,
cscriptorio de Jos Antonio Basto.
Le loes.
Mara Sevc com t escravo, Ignacio Firmo I das,.e,que depois, bavendo apparecitlo JoSo
Ocorretor Oliveira, por ordem do|juizo,
a requerimiento de llen-y Gibson, com ac-
crdo do Edward Wilde, capitSo da escuna
ingleza Fanella, far leilSo da mesma escu-
na, panno e mais pertences, para pagamen-
to de dinbeiros adiantados para seu concer-
t, cosleio, soldadas da tnpolacSO, epara
011 tras despezas necessarias : es pretenden-
tes iiinjani-sc a bordo da referida escuna
para o competente exame do seu estado, e
quanto ao panno dirijan.-se ao mesmo cor-
rector que Ibes indirai o lugar em que o
pdem ver e examinar ; devendo in-Hivel-
mente a arremalscSo ter lugar slibado, 15
do correle, ao meio-dia em ponto, porta
da ssociacilo commcrcial.
O crretor Oliveira far leilSo, por or-
dem do capitSo da esenna ingleza Fanella-
Eward-Wild, eporcontao risro de quem
pertencer.de 6 inagnilicos relogios, pio-
prios para reparticOes e saldes de casas
particulares, t-2 millieiros de. lousa para
tediados, 20 varas quadradas de lagedo.N pi-
pas de raclica,t0 bariilinhos de cevadnha,
6 barricas de assucar teHnado,20aigocon-
tendo louca para mesa e para cha, jarros e
bacisa, chingas o vasos para llores :tu-
do para orcorrer ao pagamento dos direi-
los ila alfandega pagos sobre estes objectos,
e mais despezas com o cosleio, etc. da dita
escuna Oeste porto srgunda-feira, 17 do
corrente, as 10 horas da ruanhSa, no cscrip-
torio do dito corretor, rus Ua Cadeia.'
SJBjsajBBjassaasssiiasassbssmsmmmmmmm
Avisos diversos.
Rogi-soaoSr. J0S0 ilernardin Mues
llibeiru, morador 110 Ribeiro-Fundo, co-
marca do Liinoeiro, que vS pagar una let-
tra venca ha qua si dous anuos, 110 Aterro-
da-Boa-Vista, 11. 10, primeiro andar, sa nSo
quizur que se diga mais alguma coma.


VI
.-Carlos Munleiro Teixera relira-se pa-
ra portueal
O ab-ixo ags>gnado, tendo do residir
nest prc por alguns mezes, e n.lo podon-
o pcssoalmcntc desp -dr-se dotados os
seus amigos fi conheriilns da Vic.loch e su
tprmo, pede degr.ulpi desta sua amissfl').
oUVerendo-S" nesla cidade, na ra do Pas-
f o, loja, n 17, cnm aquello zelo do cosiu-
me. Outro sim, scjentiiica a en devdores
que icmutnrisato a seu fllho Pedro Cn-
m-g Santiago, com loja do. fazendas naquol-
| ritile, para receber suas dividas provo-
nirnt'S de fazondas, cavaos, a|ugues de
rasas, foros, etr., qu com recibo do dito
seu lillio levar em co l.
Filippe'Gomei Snliaao.
\inda se. precisa de um, amassador
brancoque saha brm dosempenhir o seu
lunar : paga-se bom ordena'o : na padaria
da Paa*aeei-da-Mgdi;ona.
Hoje, As 4 borasda tarde, na ra Nova,
na prca d-> juiz municipal da segunda va-
ra, se ho de arrematar 4 esrravos do am-
bos os sexos ior execucao de-Jo2o K-ller &
Crm *nbi contra a viuva Cuuba Guima-
r0>-*, Mcrivlio Santos.
D-aeja-ne filar rom o Sor. Joaquim
Candido Ferreira :annunc SU momia.
J. (i. Klster retira-se para fra da pro-
vincia.
OSr. alferai M. tenho Ihe feito todas
as vontades, agora se m nlo mandar i>a-
gara>|Uantia de 23,000 rs. uue mo dove,
puhlirarei o sea nome por extenso com to-
das as sitas prorarsiaa e tudo o oais que a*
I'rtr passan lo --Anton'o Brandto da Hucha.
0 abaixo assignado, tendo dado em se-
tembrode 1819 ao Snr. Antonio Malheus
l .-11 tr -1 duas I tiras para promover a co-
branza "lo saldo das tr.esmas. uiia da quan-
tia de 5<>8.0O0 rs venc la om 97 de Janei-
ro de 184/1, c oulra d quanlia de 900.000
rs. vencida em 19 ir. tevereiro do mesmo
auno: ambas sacadas pelo abaixo asaigna-
do e aceitas peo Sr. Jos Cypriano de Ma-
raes Lima, e como ba supposigoes que as
iiit'smas se tenbam desencaminhado, ae faz
publico para constar em todo lempo que as
ditas leltraa nfio teem maia valo*. visto que
oSr. Jos Cypriano em 9 de julbo do cor-
rente anno, ajustou auas coalas, dando o
o saldo das ditas letiras. Manosl os Soa-
rn de A ve I lar.
-- O Sr. Augusto Carlos de l.emos Pa-
checo queira dar cumplimento ao que
mandou dizer em sua carta na ra da A'e-
gria, u SI.
QualquerSnr. de engcnho que preci-
sar de um sacerdote para dizer as missas do
natal, dirija-se ruada ^adeia do Recite,
n. 51, loja de fazendas de Joflo da Cunba
Magallifies, que achara com quem t atar por
mdico preco.
Precisa-se algar urna mulher forra,
que uno scja mofa, para ama de urna caga
de familia : na Passagem-da-M n. 27, entre as duas pontes.
Il"ji', 15 do corirnle, se va proceder a
leilSo judicial, emprcaenca do doulor jux
municipal < no paleo do Paraizo, arrestada a Luciano
Magalhfles Ribeiro, a requerimonto de seu
e e.ior, Luiz Antonio Rodrigues de Almei-
da : os preteodentes comparecam
O Sr. Antonio Clemente Estoves de Lar-
ras, oo alguem por si queira pagar o impor-
te da execucao que deve por alugueis do
rasaqua sllancou ao seu amigo, Jos Fran-
cisco do Souza MagalhUes, ou esleSr. quei-
ra pagar, pois bast.ule lempo se tem espe-
rado, A nao-querer yer sempre publicado o
presente annuncio.
O abaixo assignado, tendo do retirar-
se para tura do imperio, faz acieiuo aos seus
deve lores que oSr D mingos Garca l'a ra-
mio Mea auto isailo por procurai;,1o bastan-
te para receber suas dividas, as quaes per-
tcnceui ao sou bastante procurador.
Manoel loaqulm Lena.
Aviofia ii.
achar-se-ha hoje a venda :.o meio-dia na
loja do largo do Collegio, H 6 ; no Aterro-
d-Ba-Visia, n. 58; eem mito dos distr-
buidoiet,
D-gedinbero a premio aobre penho-
resde ouroou prala : na ra larga do Ro-
zario, n. 48, segundo andar.
-Quem annunciou precisar de500,000
rs. a premio sobre hypotheca em predio,
dirija-se ra larga do Kozario, n. '48, se-
gundo andar.
-- Precisa-sode urna mulher capaz, par-
da ou criuula, para fazer compaubia a urna
senbora, sendo que aeja em tudo desim-
pedida, dando-se-lhe casa-, gstenlo e al-
gum vestoario : a tratar na ra da Glora,
n. 83, quaai cliegando aos qual'o-canlos.
No dia 12 correrle veto preso por uns
capilaes de campo da cdaJc de Olinda, um
moleque de nene Manoel, de nacSo Congo,
dizen io que pertencia aO tenenlc-coronel
Francisco Antonio lian leira senhordoen-
genho Carrapalo, fregueziado Rio-Formo-
so, doqual moleque lomei conta por sor
t'jrrcs. ondenle daquelle aenbor do enga-
nho, sucede que depos de tor tomado con-
ta do dito moleque e pago aos capilfles de
campo e estos rotiradoa, declara de novo
dito escravo que n3o pertence ao mencio-
nado Itandeira.e que be doengenho Chan-
gi, e que leu senbor chamase Barros, por
isso avisa-te a este Sr- Barros, ou ao seu
correspon lente nesla prBra ae dirijam ao
abaixo aaaignado, aflm de lomarem conla
do dito eacravo. certo de-que o abaixo as-
signado nao se responsablisa pela fuga do
dito esciavo. JoSo JUalheus .
Precisa-se alugar urna preta que sirva
para ven.ler fazendas con oulra pessoa :
paga-se bem : no Hospicio, lado esquerlo,
casa terrea junto aosobraJo novo de Tlio-
">/- de ao,i.iuo Fonseca.
O
y Alugam-se evenden-se as verda- O
Q deiras hixas de llaniburgo : na pra(a t
0 da Independencia, n. 10, ao vollar Q
;rj para a ra das Cruzeg. 0
Q O
-- Manoel de Souza Guiniores, morado<
na ra do llangel, faz publico que se reti-
ra no lim desla semana para a povoar9o de
Apipucos; e quem quizer com elle Iratai
qualquer negocio, dirija-se A tua do l.ivra-
enlo, a fallar com Jos Das da Silva Gul-
a riles.
Ai renda-ge o sobrado silo na ra do Sc-
Ve, mide esteve o collegio S -Antonio, co
encllenles commodos para familia nume-
rosa, e um abundante viveiro : a tratar lia
mes na casa a qualquer hora.
Antonio Jos do Fretas Gnimarries, so-
cio na venda do Varadouro em Olinda com
Ignez Francisca de Moura, Ur. ver ao res-
peitavel publico que a dila se acha fechada,
e convida; por meio tlegte, a todas as peg-
soas que frem crecieras para apresenta-
rom suas coutas legalsadas no prazn de
tres dias, contados da publicaco dcgte.
01 mi i. 12 de ilezimbro de 1849.
Na ra do Queimado, n. 14, aegundo
andar, so dir quem compra urna casa de
(priralo.
No bnliqiim da ra larga do Itottrio,
. 27, precisa-ge de um fornecejor de lei-
teque do orna caada de leite, sendo li-
quido o viudo sedo.
Xo Ilot I-Commcrcio,
contina a haversorvele das 6 As 10 horas
da uoito, e ha salas separadas pa a fami-
lias.
Precisa-se de ofeaea de funilero : na'
ra Nova, drfronte da (tonceicilo.
Aluga-se oTia casa le rea na Soleda-
de, n. 17, com bons rommolos para* fami-
lia, quintal gran le, todo murado : a tratar
no pateo do Carino, n. 17, com Oabriel An-
Imio.
O
O O Dr. Alexanrlre J feouza O
O Pe oir do Carmo, m-dico, mudou- O
^ si para a ra Nova, sobrado de um C?
O si) andar n. 56, onde inorou o gene 3
& ral Seara. O
O O
Aluta-so urna casa terrea na ra do
Sebo, n. 95 : a tratar na ra da Gloria, n. 91
Alu-iC urna casa terrea, sita na ra
da ConceicAo da Boa-Vista, n. 99 : a tratar
na prac, n. 6, botica.
Precsa-se saber quem lie aqu o cor-
respondente dos Sra. II C. Yates & Compa-
nhia : roga-se-llie do annunciar sin mo-
rada.
Precsa-se alugar urna preta para ven-
der fructas de um sitio : paga-se bem no
caso de agradar : na ra Nova, n 33.
Precisa-se de um caixeiro que tenha
pratlca de venda na Litigela, n. 1.
Furtaratn um relogio de ouro, com re-
peticSo, composto por M. Borquin, cujo no-
mosovt> na caixa que cobre a machina,
mostra a hora em um registro: a pcoporc3o
que o pnnteiro faz o curso de 60 minutos a
bora sa vai apresentandosucessvamente;
no botao que prende a argola tem um R ,
c juntamente urna crreme de ouro com
pe'tu tle 4 a 5 palmos de comprimento e
com colchles para prender : quem der no-
ticias ser recompensado ese Ihe guardara
segredo se o exigir, e entregando-o ser
immediatain-nte pago do importe por que
o tiver comprado, podendodirigir-se A ra
do Collegio, n. 3.
-- Precisa-so contratar com qualquer
mestre pedreiro ou carpina a factura de
lima obra.oqtml d todo o necessario pa-
ra a mesma obra e a entregue protnpta,
dando fianza ao trato que se fizer : atrs do
theatro, armazem n. 16.
--lleniy Christophers com sua familia
retirain se de Pernambuco edo Imperio.
--Joaquim Jos Ferreira Gumaraes re-
iira-se para fra do imperio.
Aluga-se a casa de 9 Andares, na pra-
ca da Boa-Vista, defronte do chafariz, a qual
tem commodos para grande familia, com
quintal e cacimba : quem a pretender diri-
ja-se a ra do Trapiche, armazem n 19, de
Domingos Soriano Gongal ves Ferreira.
-- Precisa-se de um sacerdote para cele-
brar as missas de festa de Natal em um en-
genho na freguezia' de Nossa Senbora da
Kscatla : na ra da Cadea do Recife, loja
n. 50.
-- Aluga-se, por anno, ou para se passsr
a festa, umasoffrivel casa de pedra e cal.
envidracada, com eatribaria para 5 caval-
los, crrale campia para vaccas de leilo,
no lugar dos Remedios : a tratar no mesmo
lugar com o Macambira.
Precisa-se de um forneiro : na ra lar-
ga do Rozario, n. 48, padaria.
~ Precisa-se alogar urna escrava para o
servido externo de urna casa de pouca fa-
milia : na ra da Roda, sobrado dos ex-
poslos.
-- Itoga-so a pessoa que achou um meio
bilheteda 21." lotoria do monle po geral
do Rio-de-Janeiron. 3,133, baja de o resti-
tuir na ruada Cadea do Recife, n. 24, que
gerA gratilicado ; esl com o nome de An-
.lero, para melhor conhecimento : avisa-se
dosdej a pessoa que o fr cobrar, tendo
algum premio a ser pago, n3o se'r aceito
pelo thesoureiro da mesma, no1 Rio-de-Ja-
neiro.
Precsa-se de um eitor portuguez para
tomar conla de um pequeo sitio, o qual
saiba tratar de plantacoes do fruas, llrese
verduras: no Aterro-da-Boa-Visla, n. 26,
segundo andar.
I'rocisa-sc alugar uin.i ama
de leite, que o tenha em abun-
dancia, scja bem siiia e de bons
costumes. Paga-se bem Dirigir-
se _rua do Kozario larga n. 36,
segundo andar.
Precsa-se de urna preta para urna casa
estrangcra, que saiba lavar de varella :
quem livor, indicando a apa casa no escrip-
torio do Sr. K. Bidoulac, ra do \ gario, se-
ra procurado.
I ariiiha de mandioca.
Vendem-se sarcas com farinha de man-
dioca, de mulo boa qualidade, por ser fa-
bricado na gerra Meruoca, perlo da ci lacle
de Sobral, por preco commodo: na ra do
Queimaio, n. 14, loja de ferragena.
Aluga-ge o segundo andar o solSo cor-
rido do sobrado amarillo da ra Augusta :
a tratar na ra do Ainorim, n 15.
Aluga-se una casa no CacbangA para
se passar a festa, com esliibaria e coebeira,
por pre^o commodo : na ra Nova, n. 63.
-- O Sr. Jo3o Cyprianno Rangel queira
tara bondade deapparecer na ra da Ca-
dea de S.-Antonio, p-ra decidir sobre cer-
ta conla que S. Me. recebeu.
omina de cngoininar.
Vendem-se saccas com gpmma de en-
gominarmuitoalva na ruado Queimrdo,
n 14, loja de ferrageng.
--Francisco Jos Gcrmann, relojoeiro
suisso, ltimamente ebegado da Kuropa,
avisa ao publico que breve abrir urna lo-
ja ua ra Nova, n. 21, e que emquanlo se
a-----
n3o aprnmpta dila loj, se ada provisoria-
mente estabeleciilo no l'.ocife. ua ra da
(.ni/, n. ii, piimriro andar, nondesurn-
carreg .!e todo e qualquer Concert, fa-
nricaQo de qualquer peej oun seja preciso
fazer de novo, tatito para ceiogios de pre-
le como do mega ou l>it>e:-a. o ah o< con-
currentes acliarao tamhem um complel.)
gortimentode relogios de todas as qual-
deg.
Vicente Ferreira da Coala,cnm armazem
na ra da Madre-de-lKOS, precisa comprar
um esrravo de nago que scja boro padeiro :
paga bem. ^_____________
Compras.
--Comprrm-se 6ca.iciras em bom uso,
menoadejacarano : quem Uver, annun-
cie.
Gompram-ge pataedes mexicanog e
cruzados novos : na esquina do l.i vi amon-
io, loja de 6 portas.
--Conpra-se o manual do destilador:
na ra doSsbo, n 90.
Compra-seo quarto volume do? Lan-
ces da ventura, ou mesmo luda a historia :
na ra do Queimado, n 24.
Compram-se uniformes militares.-usa-
dos,sendo tle ouro ou prala: na ra do Quei
mado 19, pnme.iro andar.
Na ra Nova luja de funileiro, defron-
re da Coneegai), compra-so toda a qualida-
de de metal velho, a saber: zinc i, cham-
bo, latSo, cobre, estanto, bronze, vest.ule,
etc.
Vendas1.
Na ra estrellado Kozario, n. 1, ta-
berna do Pocas, vende-se vinbo do Porto
muito wlho omel'ior que p le haver, a
640 rs. a garrafa, e a caada a 4,000 rs ; vi-
nagre pagao, a 81)0 rs. a cauada, e a 120 rs
agarrafa; presuntos pa a fiambre, a 400
rs. ; eoulros muitos gneros bons e bara-
tos.
Vendem-se 200, ou pouco mais lijlos
de cacimba : na casa terrea da ra da Con-
ceicAo da Boa-Vista, onde se poderA ver, a
fallar com o donoque he o propietario do
mesma, Jo3o Leite Pita Urtiguera.tna ra
da Cruz, n. 12.
*mmmmwmmim mmmmwm&t'&m
i
|Rua do Collegio, n. 9.|
LOTE HA DOMO-DE- I
JANEIBO.
20.000^000
i
Bilhetes, e cautelas da lotera 51.a. A
da Misericordia. 9
--Vende-se urna armac3o propria para
qualquer estahelerimenlo : no Attoiro da
Boa-Vista, n. 70.
Adamson llowie & Companbia na ra
do Trapiche, n. 42, acabam tle receber de
Inglaterra um excelente sortimento de sel-
lins da melhor qualidade ; bem como lindas
mantas de casimira, cabecadas, estribos de
ac-: tudo se vender por procos rasoaveis.
Acaba de ejiega-r loja ?
Maya Ramos <"(!*,
um lindo sortimento de papis para forrar
galas, acompanhado de riquissimas barras
e bellas guarnices : ludo da melhor qua-
lidade possivel e gostos os mais modernos:
aquellas pessoas que quizerem forrar suas
galas com asseio e goslo, dirjam-se A ra
Nova, n. 6, na indicada loja cima que se
Ihes promette eommodidade de preco.
Pechincha.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario,
segn la loja, n. 18, vendem-se luvas do pe
lica inglezas o muito novas, para horneo) e
ten hora, a 1,000 rs. o par; panno lino,
mulo bom azul e cor da azeitona.a 3,000
rs. o covatlo ; crtesde fuat&o branco, a 500
rff. ; lencos de gadado cores para algibei-
ra, a 1,000 rs.; ditos de selim para grvala,
a 1,000 rs. ; e oulras multas fazendas por
commodo preco.
Vende-se superior vinho de
Gbarnpanbe : na ra do Trapfehe,
n. i3.
-- Vende-se um preto crioulo, novo e de
bonila figura : na ra do Queimado, loja de
ferragens, n. 14, se dir quem vende.
Pannos finos.
Vende-se excellente panno fino cor de ca-
f, pelo diminuto preco de 3,500 e 4,800 rs.
o covado ; dito preto, a 3,000, 3,500, 6,000,
7,500 e 8,000 rs. o covado, prova de lini3o :
na ra do Collegio, n 1. loja da estrella.'
I3s g-alvanicos para
pa tea r.
Na ra do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem objectos
prateados e que tenham perdido a cOr ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
liligadoa, teem negtes pos um excellente
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
ceaso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linhii moldado em agoa fra e passado
nos mesmos pos.
Urna caixnha contendo quantidade suf-
ficiente para pratear maia de 40 palmos
quadrados cusa a mdica quanlia de
mil ra.
Vende-se urna preta muito boa cozi-
nbeira, que engomma, cose, lava, ehe pro-
pria para ama de caga, mesmo de humen
solleiro, por ter excellente conduela : na
ra larga do Rozario, n. 46, primeiro andar.
Charutos de lia vana
verdadeiros :
vendem-se em casa de Kalkmano Irmos,
na ra da Cruz. n. 10.
Ultima moda.
Vendem-se ricos manteletes de chmalo-
le. de fela e tle bico;-lindos chapeos de
seda para sinboras; luvas de pellica bran
cas, pretas e de cores; lu vas tle malln fin
pretas; e corles de cambraia fina imprim
.las, rhegados pela Minerva, ultimo navit
vinlo do llavie: no Aierro-da-Boa-Vigla
loja, n. 1.
Xirope do bosque.
OSO DE AI NEGOCIANTE DF.STA PBAC4.
Ra aballa astlgnade (o certificado aylfln.il
dlto inntra-se a qualquer peatoa que quizer
chegir ii ra do Ho.picin. n 40, IUo-.> Janei-
ro, verificado peranie o taliellia Caalro) com
casa ae negocio, declaro que lia vinte o d"U
aonoaque padeca de nina p.ilpltaco do cora-
co ; esla palpllacin era tiio forte que, qiiamto
lo.- ni i. iv i, perda na enlidoi, e a rrspiragao
de tal (orma, que aa pessoas que presi nciavam
net'HOi-eaies rsperavain empreque cu auc-
ruiiibltae em algum dcstej terriveis ataque ;
tndoa o reeurso' da medicina qnantus me l"-
r.un prodlgallaadoa nunca arrvlam mala que
para ue.t.i. orcaaidea diininulr lio lerrivel ino-
lettia ; potm nunca pude obler mi-Inora al-
guina. Aliu deati tnnleslia aob'evelo-m lima
oulra : qual hvla ella ser ? a lerrivel pliihis.
ca, ramada por nina constipaciio; e tan rpi-
da te declanm, que auppunha o met nico re-
medio er a morte : n singue que continua-
mente ilcitava pela bocea, a palpitaran, a toa-
ac, o fiaiio, oa auores nnite a febre coniinua,
tudo lto Tez-ine perder todas aa caperan-
caa, e eatava bem perauadido qiieer. Imposil-
vel podar lirrar-mr d morte. Neala deplora-
vel rrlse, entregue irUtea, e venan que ll-
nha gastado na" pequea quanlia e em ne-
nhiim provelto, fni qnando d- vnlladas W>
geirai, onde eslava rcairtiudo, por feliti-
dade minlii ino Iraram-ine um annuncio em
um jornal que na ni do Hospicio, n. 40, e
vi'inlia o lampe dos bosque, remedio que ja
I tinha feito admlravels cura na Ameilca do
norle ; resolvi-me e fui comprar na dita casa
ma garrafa. Principie! lomar, como declara
0 autor em um pap'l que aeompnna cada gai -
nf; fnianiinha aalvicao este poderos reme-
dio : em inennf de oito dias de uso ja en ou-
ir peoa ; desipparcceram o singue pel boc-
el, o fialio, a low e o auores de noite : con-
linnel a tomar, e foram deiapparecendo t.o
onslderavelmente todos os incus sollilmenlos
le lal forma, que lodos oa nicua amigos c co-
nheciilos ae adiniravini de vr-me to rpida-
mente melliorar : hoje o que me reata de lodos
ns mena sollrimenios he de diaa a dias me ap-
parerer ap'lpitic-o; porrin velme de tal
minelra que Ja me nao da" cuidado, porque
mullas veies tem Ido aulnciente um copo de
agoa para faier deiapparecer, ou minando uuia
colher do xaropc do bosque desfeito em urna
pequea porfa de agoa : digo que nunca pas-
tel taobem de tadc durante vinte e um annot
de inoleslia como agora ha setc para oito me-
zea, depois que principie! a tomar o jarope do
bosque, porque eu recupcrel o que julgava
perdido, que foi a ininha sade, se nao perfei-
ta, ao menos quaal perfeila. o Tul s eu em
ininha casa que flz uso dette poderoso xaropc ;
tlve mullas occasics de o applicar em pesaoaa
de ininha lamilla-em caaos de constipocoes e
tosse, c inesino tenho dado deste xatope a al-
gumas i essoai do meu conhecimento, c anda
em nenlinina occailo falhou de produzlr ad-
miraveis ell'eilos perianto, recoinmendo a
todas as pessoas que he o mait excellente re-
medio para as molestias que o aeu autor re-
coinmcnda sein exageracSo porque niuguem
poder dizer melhor o que he este remedio do
que eu mesmo.
Tudo quanlo cima tenho declarado lie a
pura verdadr debaixo de ininha palavra de
honra, o que jurare! se necessario fr,
e jualificarci com quantas pessoas frem
neressarias as que me virain doenlc, c me
estilo vendo agora no catado em que me
acho ; e qualquer pessoa que melhor se ant-
ier Informar ptide drigir-se ra do Hospicio
n. 40, que o abaixo assignado Ihe rellrir im-
menans casos em os quaes o excellente xarope
do bosque tcni felto scus extraordinario! cf-
feito.
Esta Rifaba drclaraco ni m I-i fa/-la c as-
signri de minha livre vontade, r com o nico
interrssr de prestar um trrica humaniade
he que a liz para ser mostrada a quem quier
saber o que he o xarope do bosque do Dr.
Motil.
Rio-dc-Janrira, 4 de Janeiro de 1848.
Vcndc-sc na ra doi Quarteis, n. 12.
Bom e barato.
Vendcm-go sa-patos sabidos hontem da
alfandega, deeouro de lustro para senbo-
ra, a 2,000 rs ; ditos tle sola e vira para ho-
mem, a 6,000 is.; ditos de urna sola, a 4,000
rs. ; ditos de sola e vira, chamados de Anu-
les, a 5,000 rs. ; meios botins gaspeados
para ho.nem a 7,000 rs : na loja de miuJe-
zag de Joaquim llenriqueg, junto ao arco de
S, -Antonio.
Maya llamos &( .
com loja na ra Nova, n. G, aca-
bam de reteber de Lisboa um
soi lmenlo de livros com as de-
nominares seguintes:
(iXIongcdeCisterouapoca de Jo.lo
1 por Alexandre llerculano, 2 v. em broch.
Ilislo'ia da revolucilo franceza porThiers,
6 v. ornados tie estampas linissimas.
Historia do grande NapoleSo, 4 v. por
Norvins, e tradtizda em portuguez por....
O Secretario universal portuguez, ou me-
thodo de escrever toda a especie de cartas,
seguido de um formulario de memoriaes,
requer montos e cartag do commercio por
M A. S.
A virgem da Apolonia, 1 v. pelo conce-
Iheiro llaatos.
Meditacrjes ou discursos religiosos, I v.,
pelo mesmo eoncelheiro.
Theologia do homem casado, 1 v., por
Paulo.Cock.
Os Sete Peccados Mortaes, a nveja ou
Frederico Raslen, 3 v., por Eugenio Sue.
A Soberba, romance, 4 v., por Eugenio
Sue.
Knsaiog de critica o litteratura, 1 v., por
A. P V. do Mendouca.
Historia aos tres dias da revolucSo de fe-
vereiro de 18(8, por Eugenio Pelletan.
O Cavalheiro d'Harmenlal, 4 v. por Ale-
xandre Humas.
Obras pjjpliras de I). Leonor de Almcida
Portugal l.oane e .encastre, marqueza de
l.osna, condessa de Assumar o d'Oeinhau-
seu, conhecida entre os poetas porluguezes
pelo nome de Alrcepe, 6 v.
Portugal pitoregeo ou a descripcSo hist-
rica desln reino, 4 v. por Fernando Diniz.
CollerQlo de pensamentos, mximas e
proverbios, 1 v. pelo eoncelheiro llastos.
l.eturas populares por Alvaro de Azeve-
do, um Miirio
lieos o quer, opsculo cscrpto em fran-
cez pelo visoonde do Arlincourt, seguida
da rclacodoseu processo no tribunal do
polica correconal, o do seu discurso p"
ranle o juiy.
Obras do eoncelheiro Almeida (arret,
7 volumes.
O Cavalheiro da casa vermelba por Ale-
xandre Humas, 6 V.
A Salamandra, romance martimo, 3 v.,
por Eugenio Sue.
O Slona^icon por Alexandre Herculano,
1 volume.
O Ante-Chrslo por Julio da Tournefoit,
2 volumes.
O DnMo. romance original portiiijue/
por Collares Lal. .
A deamoraliweSoa o secuto, fragmen-
tos or s J. Ribeiro de SA.
O l'.nm menino, contos uiorao de un
pmfesnra seus discpulos.
Itaphae{, |iuiiiis do vigsimo anno por
Lamartine .
Cartas de Olinda a Al/ira, 1 folelo; l-
timosdasdePompeia, J v ; o Sentico, ro
manee philo.-o hico, 1 v.; e unirs multas
o! ra que por falta de esoaco nfto se publi-
cun seus ttulos, mas que estarlo patentes
cm una relacSo que na mesma loa have-
l, c prometle-secomniodidadde preco.
Garril'as visias.
Vendem-segigos com gnalas
vasta, no arinazeii) do Annes, no
caes da Alfandega : a tratar com
Manoel la Silva Santos.
a> Na loja do sobrado amarello nos ^i
" quatro-rantos da ra to Qtiei nado, ^
* n. 29, vend-se um grande sorlimen- ^g
2 lo de casimiras el.siica* d-i cores o .*
Z bons padres. a5;e J/J00o corta ; ^
S> cortes de calcas de 1.1a llnxi-i i< ca- -S
|S> snnira, a 1,800 rs. ; dms do brim ^
trancado decores, a 1,440 rs ; di- <^
e* los' ie dilo amarello, do puro linlio, ^
* a 1,410 rs. ; '!il"S tletlilo branca, a J|
P i.ooo rs. ; e oulras militas fazendas ^
j baratas. *
VVnie-SB urna preta crioula. de 30 ali-
os pouco mais ou menos, quo cozinha O
diaiiude urna casa, lava e trabalha nem do
enxada, por ter sido do mallo : na ra No-
va, n. 28.
Arroz grfido de vapor :
vende-se por preco mais commodo do que
em oulra qualquer parte : no armazem que
foi do fallecido Draguez, ao p do arco da
Conceic^o.
Esl no resto.
Vende-se farinha de araruta de superior
qualidade e ltimamente chegada a este
mercado em barriquinhasdea/roha e meia,
pelo diminuto preco de 3,000 rs. a arroba:
no becco do Azeite-de-Poxe, armazem de
Francisco Antonio da llosa.
A 7,000 rs.
Vendem-c chapeos francezes da ultima
moda ; na ra doQueii.iado, n. 1. loja no-
va. Na mesma loja ha, alein tle nimias fa-
zendas modernas, de bom gasto C por pre-
co commodo, luvas de pellica de cores para
homom e senhora, mulo baratas, pannos
finos do cores o preto, a 5,000 rs.
Jess Christo peraute o se-
culo, por Hoselly de Lprgnes, ex-
cellente traduccao portuguea, i
volume.
Lu/ de C'amoes, obras cumple-
tas, ntida edicao em 3 volumes,
eiiiprebcndida por Barreto t'eio,
em (laml)tirgo.
Vendem-se estas a obras mu
bem encadernadas na ra larga do
llozario, loja de tnitidezas de J.
J. Ldy.

49
f< Cassa-seda moderna. (*>
ij. Vcndem-so cortes de vestido de (
*>i) cassa-soda transparante.padrflesmu- %
0 lo modernos, e fazenda a mais su- '?
- perior possivel, tanto em gosto como m
0 em qualidade : na loja do sobrado #
amarello, nos qualro cantos da na #
a> do Queimado, n. 29. a)
S9SS)^99##fSrH##a##*4V *
Vendem-se manleletes de
cbamalote preto, o melbor possi-
vel, ^)or barato preco : na ra do
Queimado, loja n. 17.
Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, ns. I4e16, siles na esquina
da roa da Cadea, defronte do theatro de
Saii-Francaco a falla rno primeiro andar
dos dlos, com Joaquim TeK-ira Pexoto.
Cbegaram ltimamente as
melhores macSisem barricas, bas-
tante frescas, grundes e bonitas, e
vendem-se por commodo preco,
tanto em barrica, como a retalbo:
na arcada da Alfandega acliarao
com quem tratar.
Vendom-se queijos londrinos, presun-
tos muito frescaes, frascos com mostarda,
ditos com fructas, botijas de corinthos, fias-
quinhog de mollio para carne, e outros
objectos: tudo chegado ltimamente de
Liverpool na galera Seivord-Hsh : na ra da
Cruz, n. 7, armazem de Davis & C.
Vcnde-se urna colleccao de
ferros de cirurgia, indispensaveis
a todo o operador. Na ra do Ro-
zario larga, n.36,segundo andar.
Vendem-se 10 lindos moleques de tO
a 18annos, sendo dous dos quaes cozinhei-
ros ; 8 pretos, sendo um delles sapateiro;
dous ditos para se liquidar contas, um por
400,000 rs., e o outro por 350,000 rs., to-
dog de 20 a 30 anuos ; um pardO de 16 an-
nos, proprio para pag- m ; 3 pardas de 16 a
20 anuos, com habilidades ; una dila de 20
annog.com habilidades ten 10 dous filbos,
um de um anno e oulra de S annos; 8 pre-
tas de 14 a 25 annos, com habilidades, e
que sfio proprias para lodo o servico: na
ra do Collegio, n. 3.
-- Na ra Nova, n. 38, vende-se um mo-
loque, de 12 a 13 annos, muito bonito, sein
vicios nem achaques.
Vendem-se bustos de gesso represen-
tando fielmente a rainha Victoria e o prin-
cipe Alberto; relogios do ouro e de prala.
cegados ltimamente da Suissa : estes re-
logios que silo mu bem acubados. 90 tor-
nain muito recommendaveis a qualquer
particular, e adverte-se que ha entre elle
alguusque andam 8 dias se ai precisaren*
de corda : na ra da Cruz, no Recife, n. 53.


Vendem-se sapatoes de couro
de lustro para liomrm c meninos ,
Utos de liezcrro francei j ditos
brancos par lionipm e meninos,
onceados liontem : na ra da Ca-
lida doUecife, loja n. 9.
Cascas e cambraias.
Vende-se um sortimento de raass, cam-
brri'ns, rliitns. rispados, diales de seda,
ditos de ir.a, luvas, meias, bieos de linlio,
brancos c pretos : tudo o mais barato pos-
.sivel, por srem razendas fra da moda na
ra do Crespo, n. 9.
Vende-se milito snperiot la-
rinlia gallega em meias barricas :
na roa da Cadea do Hecife, es-
criptorio de Deane \oiile Si 0. ,
011 no primeiro armazem do becco
do (oncalves.
No armazem do baratpiro
Silva Lope-, na poiia da alfande-
ga, vende-se farinba de trigo de
'biladf Ipbia muito nova c a mais
..uper o'r que tem no mercado ; e
barra com figos de comadre, mu
lo nuvos.
Arados de ferro.
n.i fun Ih;.hi da Aurora, eni S.-Amaro,
vendem-sc arados de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fundieao Low-Woor,
ra pa si nzai.t a-nova, n. 4a.
Neste cstabelecimento conti-
na a liaiertim completo sorti-
mento. de moendas e meias moen-
das, para engenbo ; macbinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
coa do, de todos os tamanbos,
para dito. .
De psito da fabrica de
Todos-os-Sanlos na Rabia
Vemle-se em casa de >. 0. llieher & C.
a ra da Cruz, n. 4, alcodilo trancado
dnquella fabrica, muilo pioprio para arcos
de iMuetr o, roupi de escravos.
Cful brasileo.
Vende-fe cha hrasileiio no armazem de
moldados alias do Con o-Sauto, D. 66, o
mais excellente cha prmluzidn em S.-Pau-
lo quo lem viudo a Me mercado, por
prego muilo commodo.
Mnf ndas superiores.
Na Tundicto de C. Slarr i Companhia,
em S.-Amaro cham-se venda moeridas
de caima, lodas de ferro, de um modelo e
conslruc^Ho muilo superior,
4os /tunantes de bom eoso,
\o armazem de mnll.ados airas do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor, viudo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, e de nutras umitas
qualidades que se vendeio mais barato do
que em nutra qualquer rarle : bem como
eiparrilhos hespanhes dilos de palha de
milliu. que seeslSo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cenlo.
Corles de bi im de cores
com lislrasaolado, a
1,280 rs.
Vendem-se corles de lirim de cores com
lislrasso lado, a 1,2K0rs. ; riscado de al-
god.lo americano, pioprio para escravos, a
140 rs. ocovado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volla para a cadeia.
Os mais modernos cor-
les de cassa para vesti-
dos a oilo patacas e
mcia o corle
Vendem-se n odrrnos coi tes de cassa pa-
ra vestido, com 7 vaias, a 2,720 r o cile :
na i na e Quemado, n 8, li ja confronte a
botica.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Na rua da Cadea., n, JSit
veudem-so por atacado duas qualidades,
propnas para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de fin la cores a
200 rs. o covado e ris-
cado monslro a i*2() rs.
Vende-se zuarte de furia-cores muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio paia escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monslro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na rua no Crespo, loja da esquina que
\ulla uar a cadea.
Vendem-se cortes de cambraia de ctY-
res pelo barato prego de 2,000, 2,400, 3,000,
3,500 o 4000 rs. ; ditos brancos com baria a
:>,000 rs. ; ditos de cambraia de seda a 3,000
e 5,000 rs. ; ditos de bnlsemirus do cores
a 1,600 rs. ; meias para senhora a 280, para
menina a 160e para menino 100 is ; eou-
iras muitas fazeudas por barato prego I ira
rua do Crespo, loja u. 15, de Joaquim do
nlivena Maya Jnior.
Vendem-se bous queijos lonirinos,
dito de pralo muito frescura e de sup. rior
qualidade, presuntos inglezes para fiam-
bre, dilos porluguezes para panel u, islas
com 2e4 libras de marn.el.ida, ditas rom
holachiiiha de Li.-bOa, ditas desardinha, di-
tas cum hervillu-s, Irascos com conservas
inglezas, queijoa de quallia vin ios do Cea-
la, por borato prego, mantas i!c toucinho
inglez de fumeiro.de 7 a 8 libras caduuma.e
ouiros muilus gneros de boa qualidade :
a. urua da Cruz, do rtecifo, o. 46.
Taiv.ss para ongonho.
Na fundieao le ferro da ron do lirum,
ieaha-s de receber um completo sortimen-
lode taixas do 4 a 8 palmos de bocea as
quses acham-se a venda por preco com-
modo e com promplidSo cnibarcam-se,
ou carrefiani-secm carros sem despezasao
comprador.
Cera em vc^as
Vendem-se caixas com cera em
velas fabricadas no Kio-de-Janei-
roem urna das melhores fabricas,
sortimento ao gosto do comprador,
c por proco mais barato do queem
outro qualquer parte: a tratar
com Machado & Pinheiro, na rua
do Vigario, n. lg, segundo andar.
Vende-se arroz a .'incenla res a li-
bra, sendo a arroba anda por menos : no
paleo do Hospital do Paraizo, venda n. 20.
--Vendem-se saceos com farinha multo
boa e bem torrada, por preco commodo : no
armnzom do finado llraguez: na rua da Ca-
deia, ao pe do arco da (onceicflo, n. 6 0, ou
a fallar na loja do Inflo los de Carvalho-
Moraes.eno mesmoarmazem.
Para quem livor bom
posto.
Vendem-se redes de cores muilo grandes
e muilo bonitos padrOes, e o melhor que
tem npparecido nesle mercado : na rua do
Crespo, loja da esquina que volla para a
Csdeja.
.-Vendem-se amarras Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Cera de carnauba.
Vende-** ce,a ^e carnauba de superior
qualidade, chegada prximamente : na rua
daModa, n. 21, primeiro anJar, se dir
quem vende. .....
Vendo-se urna mohna de Jacaranda
feita a moderna e com um pequeo uso,
sendo 18 rade iras duas dilas de bracos, um
par de consolos com lampos de pedra, urna
mesa de meio de sala com lampo tamhem
de pedra, c um soph : na rua da Cadeia de
S.-Antonio, n. 18.
-- Vende-se um piano inglez de mes, e
de mor; no, em meio uso, encordoado de
novo, com muito boas vo/es, e por preco
commodo : na rua do l.ivramento, u. 27.
Arma cao.
Vende-se a armago da loja do Aterro-
da-l!oa-Vist,n. 78, por preco commodo :
a tratar na mesma na, n. 58, loja.
G% Na na do Queimado, n. 22, loja
BStf de chapos do Domingos Francis-
iflK llamalho, vendem-se chai eos de
ralba da Hafts, pelo diminuto preco de
2,500 f t 5.000 rs. A elles antes que se aea-
bem. Tamhem lia um sortimento de cha-
peos pnlns para hoinem emeninos; bo
netesparaos ditos; litos para militares,
tanto de linhacomo de guarda nacional ;
um sortimento de jogos de visporas ; esto-
jos para barba ; dilos para costura i ludo
por mais barato preco do que em oulra
qualquer parte.
Vendem-se caixas com cem charutos
de superior qualidade, a 1,200 rs.: 10 pa-
teo da ribeira de S -los, n. 5, venda.
Saceos com fardo novo,
de 80 a 90 libras, a &#:
vendem-se no armazem do Antonio Aunes,
no caes da Alfandeca, e no de Vicente Fer-
nira d Costa, na na da Madrp-dc-Deos.
cliegadas ltimamente do Lisboa e do
Franrja.
Farinba de trigo ame
ricano.
Vende-se farinha de trigo americano, da
niaica Brand-Wtae,chegada uliinumente,
por |ire;o commodo : eui casa do I. J. Tas-
so Jnior, na rundo Amorim, n. 35.
Vrnde-seum grande banheuo de fo-
Iha de Flandres, bem feilo, envemizado,
com carrinbo de mover, con, 3 rodas e toi-
neia para despejo das aguas, c juntamente
tem um cybndro bem relio que serve de ac-
cenderfogo para esquentar agoa dentro do
mesmo bsnheiro: tamhem se vende um
cxixflo com ferragens propiias pam mar-
ceneiro ; 3 livros em francez em mao esta-
do, por barato pre;o una porrillo le II m-
dres d.' follias grandes e pequeas : quem
quizer apnuncie.
Na rua do Sebo, n. 10, vende-se urna
can i i;a para boi, ri.oiin em cunta. >'a mes-
ma casa aluga-sc o bem conhecido mole
que lonas, muito fiel, bom comprador, sof-
frivel cozinheiro, e nflo tem victos uem
achaques.
-- Vendem-se lngni;as de poico do ser-
tio, a 320 rs. a |i| ra ; carne do serto, a 210
rs. j queijos do reino, a 1,400 rs. feijflo
mi.laiiiilin, a 320 rs a cuia ; e c oros mui-
lusobjeclos: ludo de boa qualidade: nos
Quatro-Canlos-da-lloa-Vista, esquina do S -
Coucalo, por b^ixo do sobrado n. 1.
ift | 5c Haver maior
pcebincha.
Na rua do Queimado, viudo do Rozarla,
sepoinla loja, n. 18, vendem-so corles de
casimira pelo baralissimo preco de 4,500
rs. o corte.
Ultimo goslo.
Vendem-se os melbores chapos de mas-
sa franceza que leem viudo este auno, lan-
o em forma como em boa qualidado : ha
para cabe;a bastante pequea, a 7,500e
8,000 rs. : na rua do Collegio, n. 1, loja da
estrella.
~ Vende-se espii ito de 37 g ros, a 1,200
rs. a caada, c 160 rs a garrafa : na rua da
Praia-de-S.-ltita. n. I.
Vende-se una prcta de nt$3o, do 20
anuos, de muito boa ligura, que cose, en-
gomma, Coziuha, ludo hem feio ; orna dita
com urna crin do 10 mezes, a qual cose e f z
lavarinto ; 3 esclavos n ocos, de muito boas
figuras, bous para lodo o trabalho ; 2 mu-
I tullios oe 10 anuos, bous para servirern a
urna cusa, ou para apreuderem uai cilicio ;
um preto bom oflicial de sapateiro e bom
pagem : na na lo Collegio n. 21, primei-
ro andar, se dir quem vende.
Vende-se una cscrava de nnjio Cosa,
de 35 anuos: no pateo du ribeira de S. -Jo-
s, u. 5, venda.
Notos gambrecs a 2,000 rs o
corte.
Vendem-se superiores corles de calcas de
gamhreflo, com 3 covados e meio, pelo di-
minuto pi'Ptjo de 2,000 rs. o corte, esta fa-
zenda torna-so recommendavel pela su*
boa qualidade ja bem conhecida, de boni-
tos padrOes: na rua do Collegio, n. 1, loja
da estrella,
Os mais ricos mantele-
tes c capotilbos.
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capolilhos de chamalote de seda e gor-
gurllo, os mais ricos que leem apparectdo s
na rua do Queimado, n. 9.
Vnho generoso.
Vendem-se b'arris com 12 caadas de vi-
n'ho generoso do Porto, com 20 annos, per
ser da cclheita de 1830 : esle delicioso licor
he muito apreciado nos tostes, e por uso os
amadores devem aproveitar a occasifio : o
preco he commodo : no armazem de Dias
Ferreira, no caes da Alfandega.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinba de San-Ma-
tbeus a mais superior que ha no
mercado a bordo da sumaca Bella-
Argelina, fundeada defronle do
Farinba de mandioca.
A melhor farinha que se acha no merca-
do vende-se a bordo la garopeira fundea-
da dcfionle do Passeio-1'ublico. a prego de
> 700 rs o alqueireda medida velha, e sen-
do em porches se tratar com quem se acha
a bordo, que podera vender por monos.
Velas de cores.
Vendem-se, no srmszom de motilados
atrs do Corpo-Saolo. n. 66, por preco com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturaren) mais que as de espermacele,
e n8o fazerem morrBo.
Folha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flsndres:
na rua do Amorim, n. 35, casabe i. i. Tas-
so Jnior.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da rua da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baixo das mesmas condicoes, ofTerecendo
a deliciosa pinga do vinhada Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinhobranco de Lis-
boa por220rs a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de llordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. N80 se admirem
os fieguezes do baixo preco por que se ven-
1 a* _____ ^^ k!^ A* .ihI.aIh ,l.i
caes do Collegio, ou na rua do Vi- de a deliciosa pinga,esim da audacia do
_ ;. ,n O snllar n tratar' proprietarioquerer sustentar o antigo pre-
gano, n. 19, 1. anar> a tratarr;o,embora este genero tenha subido ome-
com Machado & Pinheiro.
Cbapos do Chile de
superior qualidade.
16 Na rua do Collegio, n. 9, recebeu-se
.jj um lidosortimenlo desles Ifioapre- ^
jj ciados chapeos, que se vendem por |
preco commodo.
mmtmmmmwmm
__ Vende-se urna escrava cri-
oula, bonita figura, piopria para
qualquer servico de urna casa ; na
rua da ("adeia do Kecife, loja de
JoSoda Cunha Magalhes, n. 51.
*. Vende-se um rico e novo adereco com
seus brincse alfineles, lodos de diaman-
tes da seprmetadedoque cuslou ; urna
correle com 42oilavas; um cordfio gros-
so com 48oitavas ; um trancelim de lila
grana com 24oilavas, e aIgunsanclos com
bullanles: na rua antiga dos Quarteis,
n.8. ,
Vende-se um muito bom carro de 4
rodas, pouco usado, para um ou dous ca-
vallos, capaz de levar sete pessoas, e de p-
timo gosto, com todos osrarrelos completos,
e que he muilo proprio para urna familia :
no Hecife, cocheira do Sr. Augusto, 110 ar-
co do llom-Jesus.
-- Vende-se urna por(Soda melhor agoa-
a ril en le de Franca (pal brandy) que tnm
viinio a este mercado, em caixas de urna
dima ; e igualmente muilo bous charutos
d Pabia, por preijo muilo em corita : na rua
da Cadeia do Hecife, n. 48, casa de Augusto
S. Corbett.
Para se acabar.
Vendem-se superiores corles do cam-
braias linas antigs, pelo barato preco de
2,500 rs o cile; l>em como novos cortes
d'ecassa-chita, de lindos gostos, a 2,800 e
3,000 8. o cile : na ruado Collegio, n. I,
loja da e-tl ella.
Pechincha.
Vendem-se corles de caifas de niela casi-
mira de lila, a 1,600 e 2,000 rs. o corte, bas-
tante encorpado; bem como meias para
senhora, a 200 rs. o par, e a duzia a 2,000
rs. : na la do Collegio, n. 1, loja da es-
trella.
Vende-se urna flauta de bano, apia-
1 -ciliada de pinta, com 4 chaves ; um sHliin
inglez em meio uso : na rua do ICncanta-
nieulo, 11. II, aimazem.
Vende-se farinba de man-
dioca muito superior de Santa-
Calbarina nos arm^zens de l'ran-
ci.scoDias Ferreira, n. 1, no caes
da Alfandega : a tratar nos mes-
mos, ou com jNovaes Se Coinpa-
nhia, na rua do Ta piche-Novo,
n. 34.
Casimira a 3,5oo rs.
Vendem-se cOrtes de meias casimiras de
bonitos gostos, com tres covados e meio,
pelo barato prego de 3,500 rs. o c te ; ca-
simiras Superiores, tanto em parOcscomo
em qualidade, a 4, 5, 6o"',000 rs. o corte:
uu rua do Collegio, n 1, luja da e-trelU.
Vender um rico presepe, um piano
de Jacaranda quasi novo, urna mesa de jan-
lar com abas, ouas bancas do Jacaranda,
duas oitas de amarello de columnas, um
umioi iu com imagens, 4 mangas de vidro
com caluugas degess, 4 quadroscom ima-
gens, um relogio de metal para cima de
mesa, urna cama de Jacaranda, una estan-
te, mi candieiro, um diccionario de Cons-
tancio, a msica da Norma: na rua Nova,
armazem de trastes, defionte da rua de S.-
Ainaro, n. 59, sed ira quem vende.
. Vendem-se qualro lindos ioncenles de
18 a 20 annos sem vicios ; seis prelos bons
para todo o semen, le 20 a 30 annos; um
casal de escravos muito mogos, com um li-
Iho de 16 me/es, e que silo de boa conducta,
u que se aanca; urna prela com um (libo do
10mc2es,a q> alengouima, coziuha ecose
perfeitamcnte; urna lida mulalinha de 12
anuos, ruin algumas habilidades 0 de boa
conduela; duas dil. s com lodas as habilida-
des uecessanas para urna casa; urna prela
de nagAo muito boa cozinheira, quilandei-
ra o lavadeira, com urna lilha de 12 annos,
Ibor de 30,000 rs. por pipa. Examinen) os
amantes a qualidado para reconhecimenlo
da verdade e contiuuago da antiga fregue-
zia.Epara nSohaver usuras, estSo promp-
tas garrafas lacradas o com o competente
rotulo, assim como harria de diversos ta-
manhos para provisio do prximo Natal
[o proprietarioconta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os pregos do reta-
Ihoa primitiva de240e 280rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa.
de boa qualidade, em barriszinhot
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
lempo se nao vende: no liccife,
rua da Cadeia, armazem n. i a.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, .por preco muilo commodo.
S >
0 Na loja do sobrado amarello nos Q
$ quatro cantos da na do Queimado, ^ n. 29, vendem-se cortes de vestidos
@ de seda do cores com 22 covados a 25, q
{ -2H e 30,000 rs. cada corte ; cassas- r\
r'\ chitas as mais modernas o do cores ';',
fixas, a 800 e 900 rs. a vara ; chitas i*
5? francezas largas e muito bonitas de
desenhos, a 340, 3C0 e 400 rs. o co- O
vi vado ; um completo sortimento de.
O mantas e chales da seda para diff.i- O
& rentes pregos ; chapeos francezes da
O ultima moda; lengos brancos de l
O cambraia de linho e oulras muitas O
O hiendas de gosto: ludo por prego de 0
Q agradar aos compradores. ,-:j
O
<30C50>e(&(&l&l&OC5><&00
ptimo petisco.
Vendem-se sardinhas em calda, vindas a
primeira vez a este mercado, e o exceden-
te peixo ruivo : na rua larga do Rozario,
n. 25.
I.uvas de pellica a
640 rs.
Vendem-se luvas de pellica prela para'
meninas, a 640 rs ; ditas Inanes i para se-
nhora, a 1,000 is ; ditas de cOres de supe-
rior qualidade, a 1,600 rs. ; ditas para lio-'
mem, a 1,500 rs. ; ditas bordadas para se-
nhora, a 2,000 rs.: na rua do Queimado,'
n. 16, loja (Je rniudezas.
Ricas franjas para cor-
tinados.
Vendem-se ricas franjas rara cortinados,
com bolotas brancase de cores e >em ellas, I
-por prego mais cummododo que em oulra j
quaiquer parle : ni rua do Queimado, n.
IC, loja de rniudezas.
Iticas fitas.
Vender-se ricas lilas de setim lavrado e
de sarja, proprias tamhem para grvalas de
sonbora : na rua do Queimado, n. 16, loja
de rniudezas.
Attencao ao barato.
Na rua do l.ivramento, n. 14, vendem-se
ricos cortes de vestidos do barra de todas
aseares; cambraia de seda de superior
qualidade; cassa-chila de ricos padiOea;
lengos de linho; panno azul e preto para
palitos ; o outras muitas fazendas baratas.
-- Vende-se um'cavalloalazSo, em boas
carnes c com carrego, ou troca-se por ou-
tro que seja de carro : na rua da Koda, co-'
cheira do Miguel.
Queijos do serian.
Na ma luQu.imado, n. 14, loja de fer-
ragens, vendeni-se muito bons queijos do
st-rlfio, por menos prego do que em oulra
qualquer parte; hem romo 3 cuinos de on-
ga e um do lonlra ; urna porg.lo do couros
miudos: ludo se vende muito barato.
-- Venden -se cbapcoszin'.os, ricamente
enfeitados, para meninos e meninas de um a
tres tunos: no Aterro-da-fla-Visla, n. I.
--Vendem-se relogios de ouro e prata, i
[latentes Ingleses: na ruada Senzalla-No-
!!SP
sagom-da-Magdalena : a tralar na rua da
Cruz. n. 23 "
Vendem-se 4 pipas que fram de azei-
le de carrapalo : em Olinda, rua dos Qua-
tro-Cantos, n. 1.
^gr Cbpos e bo- <&*%
^^ notes. ^^
Na rua do Queimado. n.
58. loja de cbapos,
vendem-se superiores chapos francezes
chegados ltimamente e to mais moderno
gosto na grande cidade de Paris; bem co-
mo chapeos de palhinha da Italia, para me-
ninos, os maia modernos e elegantas que
aqui teem. vindo ato o presente ; bonetes
para meninos, os mais superiores quo aqu
teem apparecido, tanto em qualidade como
em gosto, e de outras mai$ qualidades por
prego commodo.
Ao ultimo tonn
Acabam de chegar lojade chapeos
1 duJ.de O. Maya os excdlento e
-^^^^desejados chapos de castor e enfei-
lados para meninos, de lodas as cies e op-
timunienleapt>areliiadoa, e Umbem para
homem;chap('os da Italia parahomememe-
ninos, oe mais ricos que teem viudo a este
mercado ; os melbores chapos de seda
franceses que ha em seda e formas par* to-
das as medidas.
& O
Fazendas modernas.
Na rua do Crespo, n. 9, loja de JoSo "v*
V ,\. C. CuimarSes, acha-s" um lindo 9
O sortimento de fazendas modernas de O
O bom goslo, cliegadas pelo ullimo na- O
Q vio de Franga, como sejam : sedas Q
0 brancas, prelas, de cores e com bar- Q
q ra ; chales de setim liordados;-mao- 0
n tas le seda; lengos; luvas ; cassa* ; q
isienses; casimiras; y
X cmbralas; paris...
X brins; chapos; um sortimento com- n
. pemelo de fazendas de linho; cor- ^
^ tea de velludo bordado para colle te
O ditos de setim ; dilos de fnsUo ; len- X
O gos de cores para grvala ; e outras T
O muitas fazeudas: ludo por prego J?
O commodo.
o o
JOG>O0OOOOOOO
Cortes de cassa para ves-
tidos com H6 covados
por 5,500 rs.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
com 16 covados, a 3,500 rs.; ditos- enm 8
covados, a 1,760 rs. ; pegas de cambraia li-
sas com oito varas e meia, a 2.720 rs.; pan-
no de linho multo fino, a 480 rs. a vara : na
rua do Crespo, loja da esquina que volla
para a cadeia.
-- Vendem-se luvas de pellica psra se-
nhora, a 1,280 rs. o jar: na rua larga do
flozarin, n. 26, loja de mintiezas.
Vende-se una secretan* anda nova,
com boasferragensc t'rmarios psra roupa,
ror prego con modo : na rua da Guia, n. 7,
loja.
Vende-se, para fra da provincia, dous
pretos pegas e muilo II ogos : a fallar com
Mauoel l.uiz da Veiga.que dir que vende.
Vende-se a taberna da esquina da rua
doAlecrim.com poucos fundos: tambero
se vende com o que agradar ao comprador:
a tralar na mesma taberna.
Vendem-se dous capades bons pra a
festa : ha rua da Praia-de-S.-ltila, n. 31,
casa terrea do lado do mar.
Vendem-se duas ptetas mogas, de bo-
nitas figuras: na rua da Cadeia do Hecife,
loja n. 53, se dir quem vende.
fseravos futrado*
n. u i tu luida e com alguuia habilldade ; tres I vk, n. 42.
dita com algumas habilidades e muilo mo-1 --Vendem-se dous carneiros proprios pa-
gas ; duas ditas de u.ea idade, assim como r* carro, por sercm grandes e mansos: na
giros muito* escravos: ua ruada Cadeia do I'assagem-da-Magdaleua, entre as duas
l|ecife, ni. 40. j pontes, n. I2:
-- Vende-se urna escrava ciioula do 18 a Vcndem-se cautelas da luteria do Gua-
t'J anuos, sadia e seui vicios, bem vistosa,' dalupe, cujas rodas andam no dia 14 do cur-
a,qualcose engomma. cozinha e lem urna rente: na rua llireita, n. 7.
cri mulalinha de meze meto : na ruadas) Veudc-se a liberna u. 9, com poucos
Cruzes, sobrado n. 16, i fun Jos, sita entre as duas pontes da Pas-
Fugio, na madrugada do dia 13 do cor-
rete, o preto crioulo, de nome Jos, bai-
xo. ebeio do-rorpo, olhos fumagados, es
e miios g'andis; foi escravo do coronel
llmi iqncs de Lucen*, cujo o vendeu ao Sr.
Francisco das Chagas Sslgueiro, e como ti-
vesse fgido diversas vezes do poder do Sr.
Salgueiro, este o botou na cssa de annun-
ciaiitepam o venier de enmniissSo, d'omie
pode evdir-so por urna corda. Iloga-se. as
autoridades policiaese capil3es de campo
queoapprehcndam e lovem-no rua Di
reita. n. 3.
--Fugio, na roitedo da iodo frrente,
urna preta crioula, de noma Maria llcneilic-
ta, natural da Parahiba.de 25 annos pou-
co mais ou menos, de bonita figura ; levou
vestido de chita escura, panno preto e s-
patos; suppe-se estar escondida mesmo
nesta cidade, visto nflo ler o habito de sa-
bir a ma : qoem a levar rua do Seto, u.
20, ser recompensado.
Fugio, no da 10 do correte, a prcta
Ros, de nagSo, de 50 minos pouco alais uu
menos, de cor preta, cara redonda e lus-
trosa, fetgOes amacacadas, baix, nadegas
empinadas, andar camhaio, i s pequeos,
com urna eslrepada na sola do p direilo o
urna fefida no dedo pequeo rio pe esquer-
do, e os dedo? grariib s ruidos de bixos ;
tem a pelle dos bragus enrugada e sinzenl,
com falla de denles na frente do lado in-
ferior, falla que se percebe ; levou sai* do
edita, camisa de algodflnzinl.o com man-
gas de madapotflo e panno da Cosa azul,
ludo velho ; foi encontrada no Alerro-oos-
Afugados: quem a pegar leve-a a rua do
Han'gel, casa de l.uiz Marques da Silva Mel-
lo, que gratificar.
Iiesappareceu, nodia II do correnle,
um niulatiuho de nome Miguel, de 10 an-
uos pouco mais ou menos, cheio do corpo,
cuheg* e oliios glandes, denles largos, n-
r|z chalo, pernas grossa; lem o corpo
chelo de signaes petos, crtr um lano p-
lida, levou camisa de risadinho ja velho.
lloga-se as autoridades policaca e csplIScs
do campo, que o apprchMidam o leveiu-no
ao pateo do Terco, n. 8, sobrado
Fugio, no da 7 do correte, do enge-
nlio Pintos, > eroulo Kduardo, alto, feo,
tem una filia na parle superior de una
das erelhas; cousla achar-se nesta cidade,
o lug.r ilo Ciqui, eill una Cusa junte de
urna olaria : quem o pegar leve o a rua lli-
reita, n. 121, que sera recompensado.
Pial. : H* TlT. DE
t. de WU.-1W9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2T5QGKLP_5AQFOS INGEST_TIME 2013-04-24T18:17:59Z PACKAGE AA00011611_06738
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES