Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06736


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV.
Quinta-fcira 15
PARTIDAS DOS CUHHEIOI.
Golanna e Parahlba,segundas esexias-felras.
p,ic-Graude-do-Norte, quintas-feiras o melo-
da.
Cabo, Serlnhcra, Rlo-Formoso, Porte-Calvo
Macelo, no 1., alie 21 de cada mei.
G.iranhunt e Bonito, a 8 e 23.
Boa-VIsla e Flores, a 13 e 28.
Victoria, f quintas-feiras.
Uiioda, todos os dias.
IPHEHHllDEI,
Fuhej D lu. Ming. a s 4 h. c 311 ni. da t.
Nova a 14, 1 h.c lHm. da t.
Cresc.a 22, asf)h.c21 m.da ni.
Chela a 2'J, a 11 li, e 41 m. da ni.
rSIlMAB BE HOJC.
Prlraelra as 3 horas e 42 minutos da Urde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos damanh.
ile Dezembro ele 1849.
N. 270.
PRItJOS BA BDBSOBIvqAO.
Por tres mezes(adianlado>) 4/01)0
Por seis niezes K/iiiki
Por un auno 15^000
das ba semana.
10 Seg. S. Melquades. Aud. do J. dos orf. e do m.
da 1. y. ,
11 Tere. S. Damazo. Aud. da chae., do J. da t. v.
do clv. e do dos feltos da fazenda.
12 Quart. S. Justino. Aud. do J. da 2. v. clv.
13 Quint. S. Luila. Feriado para os neg. forenses.
14 aext. S. Agnello. Aud. do J. da 1. v. do clv.
e do dos l'eilos da fazenda.
15 Sab. S. Euscblo Verselensc. Aud. da Chae, e
do J.da 2. v. docrime.
16 Dom. as. Ananias, Azarias e Mlzael
Mi
CAMBIOS XM l B BEZEMBHO.
Sobre Londres. 27/, a.28d. por 1/000 r. a 60 dias.
. Paris, 3i(.
. Lisboa, 100 por cento.
Oaro.-Oncas hespanhoes......... 2/000 a S/:*"
Mondas de ^OOvelhas.. l/800 a 17/11
. de 8/400 novas.. 1/200 a 10(400
I deioOO.......... 9/200 a 300
Prat.-Palacdesbrasleiros...... 1/930 a MTOU
Pesos columnarios....... MJMJ a l#ww
Dito, .noticios.......... ]***&
^^^i^s^s^^^pjis^^BMPaMMWsMs^Wspa"^i>
DIARIO DE
PARTE 0FFSC1AU
TRIBUNAL DA KELACAO'.
SF.SSAO DE ti DE DEZEMBRO DE 184.
MRSinP.NCU DO EXM. SFNI10R
COHCM.HEiaO AZEVHDO.
A'f des horas da manilas, achando-se pre
srntes os Srs. deiemhargadores Ramos, Bas-
tos, l.eio. Souza, Rebello, Luna Freir e Tel-
les, faltando coin causa os Srs. desembarga
dores Ponce e Villares, oSr. presidente decla-
rou aberla a sesso.
DXCIS0IS.
/ipptllactiti ttveii.
Appellante, D. Raquel Caetana Alejandrina
de Mello; appellado, Joaqulm Pedro do Re-
vo Cavalcante.Foi confirmada a sentenca.
Appellante. Jos Joaquim Uinbellno de Miran-
da j appellados, a vluva e herdelros de Fran-
cUco nernardo Alves Ferrelra.Foi confir-
mada a sentenca.
Appellante, Dent Jos da Costa; appellado,
Jos Joaquim bezerra Cavalcante.Nindou-
se descer os autos aojuizoa ouo para se ava-
llar e averbar a dizima quanto recoii-
veneo.
Aggrata.
Aggravante, Ignacio Jos Velho Brrelo.Ne-
gou-se provimemo.
DESIGNARES,
Foi assignado o prlmelro da til para o jul -
jmenlo das segulntes appellacoes elvei :
Appellante, Alfonso Jos de Albu^uerquc Mel-
lo ; appellada.a irtnandade das almas do Re-
cife- ., ,
AppeUact erime.
Appellante, Jos Mara dos Santos Cavalcan-
te ; appellado, o juiso.
1EVISOES.
Passaram do Sr. desembargador llastos ao
Sr. desembargaaor Leao as appellacfles clvels
em queso :
Appellante, Ignacio do Reg Mcdeiros ; appel-
lado. o coronel Henrique Pereira deLucena.
Appellantes, Jos Vleira daCunha e outros ;
appellado, Francisco Jos da Costa.
Arpillantes, os herdelros de Francisco Jos
da Costa GuimarSea; appellado, Jos Joa-
quim Bezerra Cavalcante.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr.
desembargador Soma as appellacoes criines eiu
qoe sao:
Appellante, Antonio Mues Vleira ; appella-
do, Antonio Martins Pedrinha.
Appellaule. D. Florencia de Andrade Kezcrra
Castro; appellado, Joaquim Ferrelra de
Souza Jacaranda.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Souza
as appellacoes clvels em que sao :
Appellante, Joho Goncalves Valenle ; appella-
do, Antonio Ferrelra dos Santos Caminha.
Appellante, Manoel de alineida Lima ; appel-
lada, liarla Joaquina dos Aojos.
Appellante, a vluva l'rito t Filhos ; appella-
do, Bartluilomeu Francisco de Souza.
Appellantes, Antonio Los Caldas e Mara Can-
dida de Magalhaes ; appellado, Antonio re-
dro de Mcndonca Cite Real.
Passaram doSr. desembargador Souza ao Sr.
desembargador Rebello o dia de apparecer em
que sao:
AppelUntes, Jos Francisco Helin e outro ;
appellado, Luiz Antonio Goozaga.
Appellante, Joo Ferrelra dos Santos ; appel-
lado, Jos Joaquim de Mesquila.
Appellantes e appellados Jos Joaquim Bezer-
ra Cavalcante c liento Jos da Costa.
Passou do Sr. desembargador Rebello ao Sr.
desembargador Luna Freir a appellacao ci-
vel em que ao i
Appellante, Jos Feij de Mello; appellado, Jo-
s Gabriel de Moracs Maver.
Passou do Sr. desembargador Luna Freir ao
Sr. desembargador Telle a appellacao clvel
em que sao :
Appellante, Nuno Mara de Sclxas; appella-
dos, os credores deceudentes do mesmo.
Passou do Sr. desembargador Telles ao Sr.
desembargador Ramos a appellacao clvel em
que sao :
Appellante. Francisco Joaqulm da Concelcao ;
appellado, Pedro Jos Pereira dos Santo Al-
varenga.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Ramos
a appellacao crime ein que sao : _
Appellante, Luiz Roberto Florente do fcspiri-
to-Santo; appellado, ojuizo.
Levantou-se a sesso depois de 1 hora.
N. B. Deixou-se de julgar as mais causas
que'esta va ni coin dia assignado pela falta do
Sr. desembrgador Villares.
Rito. Ao mesmo agente das barcas de
vapor, para que mande dar passagem par
a corte no mesmo vapor ao cadete Pedro
Joaquim Nones de Mesquita.
Dito. -- Ao mesmo agente, para mandar
receher no vapor Bahiana, allm de erem
conduzidos para a corte, os nove recrutas
constantes da relaco que se Ihe remelle.
Dito -- Ao mesmo, para mandar recober
no mesmo vapor, afirn de ser transportado
para a cdrte,o sargento ajodantede primei-
ra linha Jo3o Pedro Xavier.
Dito. Ao director do lyccu, declarsn-
do-lhe que no artigo 35 do estatuto do ly-
cu, de que se Ihe enva copia, ach-se re-
solva a queslo que propOo em omcio do
hoje. .
Dito. Ao inspector provincia., para
mandar satisfazer ao Dr. chefe de polica a
quantia de 60.000 rs., importancia de um
cavallo que comprou para a companhia de
policia.
Dito. Ao mesmo, para mandar despen-
der a quantia de 22,300 rs. que exige no pe-
dido que se Ihe remello o primeiro com-
mandanle da companhia de polica para
fardamento de dous cornetas da mesma
companhia.
Dito. Ao capitSo do porto, commum-
cando-lhepaiaseu conhecimento que cons-
ta pelas particpacOes da policia achar-se
preso* respondendo a processo na cidade
das Alagdas o secretario da mesma capita-
na nolino Tavarcs de Macedo.
Portara. Nomeando para subdelegado
dodstricto do Pilar a Joaquim Pereira da
Rosa, propotoem primeiro lugar pelo l)r.
chele de policia, Picando eionerado Jos
Antonio de Mondones Jnior.
Dita. Demttindo de segundo supplen-
te do subdelegado do mesmo districto do
Pilara Marcos Pereira de Faria Pinlietro. --
Communicou-se ao chefe de polica.
dlcio. Ao inspector da thesourana
provincial, delerinnaiido-lhe,fc vista do que
informa em seu offico de 12 do correle, o
que deve proceder acerca do sui-pi miento
da obra da cadeia da cidado das Alagoas.
PARA.
Iteiumn hiitorico o acontecimento de Mr. Martut
Porli, naturalista franeet. aggregnilo a com-
miitia coonlodoro do IVantiru, ticrtplo por
elle meimo.
Sabendo eu que opratico Aroerico tinba fal-
lado e brindado aoa gentos Cupcinbos. e pa-
receudo-ine suas noiiclas inexactas efilhas da
Taita de conhecimento desla gente, cresceu
rrn mim o desejo de visitar estes selvagens,
e me embarque! no primeiro combol que con-
du/io una parte dos colonos de Assacutn
para o Remansan, levando commigo r.lguns
bjecios para brindes, e no quinto dia de via-
eem de manhfia me apartei do combol. e che-
eui'i a aquellrs gentos ao melo-dia daquelle
mesmo dia Do porto os chame! por ineio de
gritos, aos quars elles logo acudiiam, dndo-
me slgnaes para me encostar cora toda a mi-
ALAGAS.
Extracto do expediente do Exm. Sr. pretiden-
U r. Jos Vento da Cunha e Figuetredo.
15 DE NVEMBRO.
omcio. Ao inspector da thesouraria de
fazenda, iransmillindo-lhe por copia, para
sua ititelligencia e execcSo.o aviso do mi-
nisterio da juslica com data de 29 do outu-
bro ultimo, em que exige certas informa-
cOes acerca da tabella enviada ao dito mi-
nisterio em virtude do aviso do primeiro de
setembro antecedente.
Dito. -- Ao mesmo inspector, para man-
dar abonar ao administrador da mes de
' rendas da cidade do Penedo a quantia de
65,(100 rs., que despendeu com a conduc-
c3o de urna porclo de tropa em diligencia,
como declara nn oflloio queao Ihe remelle.
Dito -Aoagenlo das barcas de vapor,
para que mande dar transporto para a llahia
no vapor Bat'onna ao ex-soldado Lbano
Jos.
mente gente do combol, mande! entre elles
dividir quatro alqueirea de farinha, e llies
perguntei por meio de gestos, que elles bem
enlenderam, se querlam que eu ficasse com
elles, no que ellos pareceram no conssmlir.
Quiz dep6is dar-lhes algumas facas e outros
mimos, mas procurando-as nao as achei ; r>or
que elles m'aslinham j furlado, quando com
elles estive em tena, deixando-me nicamen-
te dous tercados e uiua porcao de comas, o
nuaes primelros ainda Ihes del. Para melhor
couhecer seus desejos fiz retirar a cnoa, pon-
do-a de miio para acudir ao meu chamado, e
pcrguntel-Ihes de novo se querlam que eu n-
asse, ao que elles me riteram entender que
niio, e me conduziram ao porto para que eu
chamarse minha canda, oque fiz; porem tanto
que encostou minha canoa, loinaram-me elles
pelo braco com inulta alegra, e inc quizeram
novainente conduzir para a sua choupana, a
culos afagos forjados nao me submetti, e dis-
se a minha gente que nao encastasse, porque
elles a pretenda! roubar por detras de intm,
co.no j tinham felto, e Ihes manifestel pela
terceira vez o desejo de flear com elles. aoque
elles fingiram annuir, toinando-me outra ves
pelo braco com multa alegra para me condu-
sirem para seu rancho. Nisio, um soldado de
minha equipagem me perguhtoii se eu hcava ;
ao que, eu conhecendo a alegra dissimulada
deale gentio, respond que ficava, porem que
elle dlssesse ao pratico e ao sargento que n ou-
tro dia demanhaa me mandassein buscar, e
mandando entfio encostar a canfla fis desembar-
car um alqueire de farinha, duas maos de mi-
Iho, algumas comas e una rede demaqueira,
delxando Ir na canda os demals objccios de
nue me pretenda servir, se com elles me de-
morasse, como pretenda, tile me trataran!
com muita alegra al as quatro horas da
tarde, quando passou todo o combol, e logo
depois o seu tuxua deu alguns signaes de en-
colerisado, apenando os labios como rosnan-
do e fallando entre ai; vindo todava detar-se
Jaoprdo sol me appareceu da parte
do porto o tuxaua, que n5o havia muto
tetnpo tinha estado commigo deitado na re-
de, e fazendo sahir da minha rede outro
Indio que enifn eslava commigo, tomou o
seu lugar na minha mesma rede, encostan-
do-e minha cabeceira outro ripaz que
me pareceu de mas animo, emquanlo ou-
tros assentados em urna esleir juntos de
nos fingam admirar minlms calQis e mi-
nhas pernas, o que me fez desconfiar de que
estes me deviam prender as pernas, e aquel-
lo ajudar de alguma maneira o golpe que o
tuxaua me pretenda descarregar.
Encarando assim a morte, quiz arasta-la
por na alguns momentos, valendo-me da
arma, sobre a qual disse linha lanzado mi-
nhas vistas porm j m'a tinham roubado
bem subtilmenle; porque, fazendo um della
assento, oulroa puxou pordelrs, eassim
me deixou aquella boa gentinha at privado
daquelle pedaco de pao. As mulheres to-
das desappareceram, como que nao Ibes
pertencesse esta solemnidaJe, (lcando so-
mente urna escondida detrs de urna arvo-
re.d'onde como mais privilegiada preten-
da ser espectadora daquelle acto que me
devia costar a vida.
Finalmente trouxoram dous paneiros ys-
siosquesuppuzmedeviamservirdeesquife,
onde depois de minhas exequias se me cou-
duziria ao tmulo a fome; eu, porm, que
obsorvava seus mentiros movimentos, mais
medispunha a frustar-llics sua caridade:
ontao um mocinho dos que me admirav >
me offereceu urnas castanbas, asquaes, nSo
querendoeu aceitar, me obriuou a metter
na minha albibeita, ao quo o tuxua fingin-
do suppor que por falta de farinha as nilo
tinha querido comer, fez vir um pacar com
farinha, e m'o poz debaixo da rede para
delle comer, sendo costume al all conser-
vado na mSo emquanlo eu coma. Esta no-
va rortezia fortalceu maisminha convic-
Qilo, que tanto mais me fazia fugir aseos
lacos quanto mais elles se esmeravam na
arte de prepara-lo.
J eu tinha quasi subido ao cad.ifalso, on-
deos bon8expiam seus crimes, quando urna
bulla de ferrse fez ouvir em minha rel
ou melhor, por unir os fios do minha rede,
e ao meu primeiro movimenln segurei-me
ao braco do tuxaua, o levantando-o mo fiz
senhor de urna faca que ello empunhava,
com a qual elte por dolras de inim, quando
me abaixasse para tirar farinha do acar,
me pretenda malar; sentenca que de certo
seria executada se eu nilo me permillisso o
direitr de appellacao: ent3o levantei-rne
da rede, e, passeaudo com faca na mSo
sem parecer escandalisado, nfim de ilesf^r-
cadamente ver se achava algiim pao ou ou-
tro objecto que me podase servir de arma,
era sempre acompanbado multo de perto do
tuxaua edooolio que na cabeceira da mi-
nha rede pretenda ajudar-ine a bem mor-
rer, e, approxiiiiando-niea velha que so li-
nha escondido, mostrei-lhe a faca, a qual
la exigi de mm logo rindo-se muilo o
tilia equipagem, o que fis, e sallando em trra pus exigiu uo inim ivsu nmiu-a "
com um pennacho dos seus, dado precedente- com muita alegria, como so ella nilo fOsso
._ 1 ...... .1., ,.^,..li.,i mnnilpl entre elles ... .I..- i..mnl.. ..< ln > Huui'i dnr rianllllll.
um dos tmulos oudeeu devia ser sepulta-
do; eu, porm, dissimulamlo-me tambem
muilo Ih'a neguci,cujo entretenimento que-
rendoo tuxaua aproveitar, mandou vir um
arco quo um velho encostou a urna arvoie,
sem que eu souhcsse o que aquillo era, co-
mo quo Indo buscar all urna esleir. Ven-
do eu quo o tuxaua se avancava na direc-
rjilo daquolla arvore, lendo-me al aqu nao
deixado mais, sallei diante dellena mesma
direccSo, o fui i arvore, onde achei o refe-
rido arco ja armado e tres Trechas, o com
elle na mflo encaminhei-me psra o porto,
evitando com aiiieac,ag da minlia arma no-;
va quoqualquerdelles seretirasse, afim de]
que so nao fssem armar, nem so atreves-
sem a approximar de mim pata me garra-
lem, comodizia o tuxua que fizessem, e
assim foi-me possivol ohegar ao porto e sal-
tando n'agoa com o arco e frerhas e a faca,
para impedir que elles viessem atrs de
mim, nade para cima de urna pedra, onde
para atravesiar um canal muito crreme me
desp, e oeixei as calcas, levando em urna
mflo o arco e Trechas, e n'oulra a camisa,
que por me impedir muilo dexei cahir n'a-
goa, e assim s com o meu arco nadei para
outra pedra, ondo via e observava aquelles
gentos, e onde me resolv a ficar por ser
quasi noite.
pelas 9 horas da noite ouvi tocar tor e
cantar, porm esta cantiga nSo me pareceu
de alegra, o quo me fez desconfiar que el-
les aproveilassein ala paraseremembora.
Esperando eu a montara n'outro da rrunhaa, julguei ler assim salvado a minha
vida sem precisar brigar com aquelles gen-
tos, nem matar a algumdelles ; algumas
reilexdes, poim. me fizerara desconfiar que
lancei ao rio, e indo de pedra em pedra,
que aqu eram Trequentes, com intenc^o de
apanhar alguma ilha, onde podesse encon-
trar algum pao, do qual podesse fazer urna
especie de jangada, e fiz em urna daquellas
ilhas, para onde minha nteneflo me condu-
zio, e, apoiado sobre um grande pao. con-
tinuei a descer o rio por todas as suas ca-
clioeiras, at que s 6 horas da tarde, tendo
passado as cachoeiras do Arapari, encalhei
minha nao em um lugar secco, donde me
encamiohei para urna ilha perto, para as-
a? a nole, e onde tive por leito as folhas
de um paneiro. quena nossa passagem all
haviamosdeixado; nao me sendo, porm,
possivel deitar -por causa da areia que me
fazia muito mal s quemaduras do sol, de
que tinha cheio o enrpo.
Aqu esperei naturalmente com muita
impaciencia o outro dia, a cujo amanhecer
fui logoembarcar-me na minha nao, isto
he, continue minha viagem seguro urna
cordinha que titiha pros na minha barca,
para nflo ser tao maltratado das mitos, e
sempre pelos maiores canses para evitar as
picadas das arraias que por all abunda-
vam;divisei s 10 horas do dia a grande
praa que se estendo desde as cachoeiras
do Tuciimanduba at Assacutn, para a
qual quiz logo arribar, refleclndo que se
nalla pisasse tinha salva a minha vida ; po-
rm, temendo perder a burea da minha sal-
vaco, sem que podesse aleancar aquella
por causa da muito forte correnle daquel-
las cachoeiras, naveguei aimla por algumas
horas at que me fui dado dn'melhor lugar,
mais perto, anhar a nado aquella piaia, e,
deixan lo o lenlio exposto s ao ludibrio da-
quellas agoas. pisei na desejada praia.
Aproveitei logo odia que enlo_eslava
nubla lo, at que ao meo-dia me vi obri-
gsdo a metter-me no mallo defronte das
cachoeiras do Cuariba, por causa do muito
sol, que duas horas depois me permillio
conlinuasso minha marcha, aoroveitando a
sombra do mallo e as >)ilo horas da noite
cheguei a Assacuina n, queimado !o sol,
chagado e muilo maltratado das mitos.
Est conforme. lUanoet Lourenro de Souza,
secretario da coromissBo. Conforme.
Miguel Antonio Nobre, secretario do go-
verno. ,
( Do Treze de Maio. )
ll'ililll) M PlaNSlBUCll.
commigo na rede de quando em - se tne fallara com a montara, e, afim de
5 hora, da tarde, quando elle., vlr.m o.c... te. d do comboJ se inlerossas.
. _____...I.. ..mi- enrint
scmpic re ulula ___ .,. ,j. .. ____r^; ..,.,,Ir, .mr Imia u oeiitfi iln ruin
com cara ainda mais carrancuda,tirar todos os
trastes de dentro dachoupana, ao que pegun-
tando eu se elles me querlam deixar so, o tu-
xua me deu mullos abracos, e mandou vir
ontra vez algumas redes que amarrara! jun-
tas de mim, conllnuando.se com ludo na cere-
monia da condueco dos trastes ; enlao Ihes
ped urna faca do corlar tabaco, que elles ao
principio me recusaran!, e a mullas instancias
a supprira.il con. urna navalha velha.por ser
que Toi cnivido-por toda a gente do comboi
queseofterecerampara l ir, nflo por me
acudir, Aias pelo desejo de ver os gentos ;
opillo, poim, n3o quiz conceder-lhe.
Ao amanhecer veio um gentio ao porto,
chamou-mc; porm eu, estando escondido
delras de urna pedra, nSo Ino quiz respon-
der ; elle lavou-se edeixou-se ilcar no por-
to 'e iouco a pouco vieram os outros ba-
-iim urna navaina vru.a, |. > tr>i e (.0uco a puucu ricura "> "'
este'istrumentoem poma e menos oflensivo, n|,ar.se( e tambem gritaram por mim.
e por distarca eus designos a lua'"i0,* r"J J eUs, 7 horas do dia. n!to vendo eu Vir
'^k" "rX'lhe6, dar'' entender quo eu ..W.'. monl.ria, e tendo justificado minha des-
T^m^"-^'u^c^ com a vi.- eonlUnca, apparec. aos genl.os, e deUroii.
ualRumi^ c.o que.nepode.se servir de ar-,1(;i.ine a descer a nado pelo no abano ;
ma e s encontre um pedaco de pao lavrado) ,,ori.ue, se cu buscasse salvar-me por tern,
que' servia de cabo aos seus 'ac,';",l0* ''" J?" I no .ii.nr
dra devo notar que em lodo este tempouao
vi arma
puz minhas vistas
,.iineiito em que eu m approximass.
notar que em lodo este lempo uao Ja .)raigf ser8 sempre Trechado; ecom M-|
gu.na desies gemios) sobre o iuai: ^ resolucao, sem masperdade lempo, uitjj
as vistas. *
B.ECIFE 12 OE BEZEMBBO DE 18*9.
A's noticias da las pelo nosso correspon-
dente de Pars na carta quo boje publica-
mos, vamos acora accrescentnr as s>-guintes,
exlrahi las das gazclas que com a mesma
caria recebemos.
No dia 2 do novembro a assemblea nacio-
nal da Franca apresentou um aspecto ani-
madissimo. Os ex-ministros foram recebi-
lo< pelos membros da maioria com muita
benianidade, indo os Srs. tiufaure eToc-
qucvillesentar-se junto do general Cavaig-
nac. Seriam 3 1|2 horas quando os novos
ministros fram introduzidos na sala, eo
general d'Haulpoul, sbindo tribuna, leu
o seguinto documento :
a O programma contido n> monsagem do
presidcnlo da repblica he sufficientemen-
te explcito, e cieio. que p6n fura de toda a
equivocaefio a poltica que nos chamou a
seguir.
Quando elle pedio-nos a nossa coopera-
cao, j tinha julgado proprio usur de sua
iniciativa constitucional. .Nos nao seremos
certamenta inhibidos de procurar nos actos
do gabinete quo nos precedeu mais de um
exemplo de gloriosa dedicaco ao paiz, e do
urna apreciagSo exaltada de seus interesses.
< Na situacSo e.n que fotnos collocados,
toda a sympalhia individual devia ceder,
ou antes devia ser resumida em urna adhe-
s.in a um assignalado e solemne lestemu-
uho de amisade e gralidao.
a O fuluro se ergueu para nos, e ficamos
convencidos da urgencia de prover sua se-
guranza.
> O novo gabinete, bem como nossas
opinioes previas sufilcientemente o indicam,
nao foi formado contra a maioria tiesta as-
semblea Pelo contrario, elle pretende des-
envolver com energa os principios, por
ella reconhecido. Elle nilo tem e nem po-
de ler outros dilTerenies
Nos devemos manter a uniSo de todas
as parcialidades em um partido, porque iie
este partido quo ba do salvar a Franca.
Nos cliegaremos a este resultado por urna
umdaile de ideia, pela confiansa na frca
do poder eleito a 10 de dezembro, susten-
tado pela maioria da assemblea, e filialmen-
te pelo seiiliiuento imperativo despertado
em toda a parlo nos espritus dos funcio-
narios do estado.
o Tal he o objecto que o chele do governo
nos convidou a promover com elle, empe-
uhando, segundo o sou direitu iiobrenienlo
entendido, a sua responsabilidad juma-
mente com a nossa ueste dilliculloso, po-
rm patritico esforz.
< Paz no exterior garantida pela dgni-
dado que convm Franca ; manulencao
enorgica da ordem no interior; urna ad-
miuislraQao mais que nunca vigilante, o
econmica das financas do estado ; tal be o
programma que nos he diciado pelos inte-
resses do paiz, pela coiiliauca desla assem-
bla, c pelas convicgOes possoaes do chefe
do governo.
ii Na primeira or !em de nossos deveres
rollucamos a prolccco ao (rabalho em to-
dos os seus graos e formas, fjuamlo o fa-
zeodeiro e u lavrador frem .cada vez mais
tranquilizados a respeito do futuro.achare-
mosporfim completamente essa conlian-
ca que vai comecando a reviver.
Desejamos tambem que essa seguran-
es se estenda a outras regioes, que reani-
me os Irahalhosda inteligencia, e restau-
re ao capital eao crdito uma energa, ha
demasiado tempo relaxada.
O gabinete, ao aceitar a carga dos ne-
gocios que nao procurou, contou cora a
sympalhia e o apoo desta assemblea : a
vossa exaltada ras.lo e patriotismo, s-mlio-
res, dSo-lho esle direito.
A Jsiemble Nationale annuneia que as
tres corles de Berlim, Vienna n S.-Peters-
burgo. assim como a Confederacflo Germ-
nica, tinham todas juntas dirigido ao gover-
no francez uma nota relativa ao negocio da
Sussa. Estala, diz o correspondente do
Tirne, explica o estado da questo desde
1846, ecouclueexinindo do governo fede-
ral o restabelecimento da soberana da
Prussa sobro o principado lo Neufchatel, a
expulsflo das juntas revolucionarias forma-
das em seu territorio, e arestauracao do
paci federal de 1815. As tres corles convi-
dan! a Franca, como parte no tratado da
Vienna, a cooperar com ellas afim de, por
meio de seu conselho amigavel. salvar n
Sussa da apnlcacao de medidas coercivas.
A cmara dosdeputados do Piomonte, sol
proposta de um de seus membros. o senhor
Itaralis, resolvu conceder o direito de c,
ilalflo sardo aos habitantes da ci la le do
Porto, onde o marlyr da lber lade ita-
liana, o rei Carlos Alberto, havia fallecido.
O general Radelzky, govemador civil o
militar da Loinhariia, dirigi aos habitan-
tes desla parle do imperio austraco a se-
guinto proclamarn :
Habitantes do reino lombardo-venesia-
no, Sua Magostada o imperador dignou-sn
nomear-tiie govemador general do reino
lombardo-venesiano tanto paraos negocios
civis como para os militares. Sua mages-
tadn collocou em minhas mSos esto duplo
poder para o fim do ad licionar a forc e san-
tidade da lei os meios de a cumprir. Vos
mesmos tendes aprendido por experiencia
que o desprezo das leis conduz a anarchia
e ruina do povo. A dominagao de um oo-
dr Ilegitimo ainda por um atino poda
neste cu'to espaco Je tempo causar mais
miseria do que a mas sabia legislacn e ad-
minislraQilo he capaz de reparar em d 'Z an-
uos. Por tanto outra vez vos exhorto a
serdesum dos elos da grande cadeia quo
une o povo de nossa monarchia commum,
cujas instituicOes liberaesasseguram o des-
envolvmonto de vossos interesses e nacio-
nahdade, tanto quanlo be compativel com
prosperiilade do todo.
i Habitantes do reino lombardo-venesia-
no, expclli de vossos coraefles todas as llo-
vidas acerca da sincerida le e pureza das
nleiires de vosso governo, duvida que he
linda entretida, eu o sei, por muitos de co-
re vos. Odesejoea vontadedo impera-
dor, nosso amo, he ver o reino lombardo-
venesiano feliz, e eonlente dehaixo do seu
ceplro, e eu me ufano do ler sido escolhido
para ser o orgilo desta vonlad. Meu cora-
eflo lem perdido toda a lembranca Je qual-
quer offensa pessoal que me lenha sido fei-
ta. Perdflo e esquecimento do passado, tal
boa minha divisa. Cont rom a vossa coo-
perario o confianca, as quaes me s5o ne-
cossarias para poder levar a elTeito os planos
que tenho coocobdo para a felicidade de
um paiz, que considero como minha segun-
da patria.
> Conde Radettky, govemador general.
Para o fim de separar o governo da ilha
da Sicilia do da torra firme, o rei de ap-
les publicou ltimamente o seguinte de-
creto : ...
Arligo 1. A administrado do todos os
negocios relativos ao estado, aos tribunaes
de justca,. fazenda c igreja. nosnossos
reaes dominios alm do Faro, ser dislinc-
ta e seperada psra sempre da dos nossos
reaes dominios desta parte do Faro, com a
condicao, porm, le que as ditas]partes dos
nossos dominios contribuirSo na propor-
Co de um quarto para as despezas ordina-
rias, islo he, as da casa real, negocios es-
trangeiros, ministerio da guerra e marinha
do todo o reino. -^_
. Art. 2 A administracao dos^Bssso
reaes dominios alm do Faro, quando all
nao residirmos, ser confiada a um vice-re
nomeado por nos, o qual ser assistido por
um concelho, composto de um ministro,
secretario de estado, de tres ou mais direc-
tores para os negocios da graeja o justica,
negocios eclesisticos, do interior.uolicia o
fazenda.
Art. 3.9 Nosso vice-ret em nossos reaes
dominios alm do Faro ser ou um princi-
po de nossa real familia, ou algum outro
persnnsgein dUtincto.
Art. 4." Os negocios, que, s-gundo as
instrucces que nos reservamos o direito
do dar para o fuluro, nDo podrem ser re-
solvidusjsem nosso real conseniimento, nos
serlo subiootlidos pelo nosso vice-re com
a opiuiflo de seu concellm, e serao remetli-
dos por elles a nosso secretario de estado,
residente junto de nossa real pessoa.
Art. 5. Todos os nossos ministros e
secrelarios de estado, e o nosso vice-re,
s3o encarregados da execueflo de presente
decreto.
.i aples, 27 de setembro de 18*9.
Assigndos,--/,ernando.--ForfMnai'o.
A cmara municipal de Roma dirigi urna
representacao ao papa, pedlndo-lhe que se dig-
nasse de vollar o mais cedo que Ihe fosse nos-
sivel para o meio de seus fiis vassallos. Uma
deputaeo foi nomeada pan levar esta repre-
sentacao sua saulida e, compostados seguin-
te* membros:o principe Odescachi, e os ci


wivFfmnzt
KtnxaairwKW9KSKaMa
ym
dad.os Belli, IVricoli, Masiin c Scarramucci.
Cria-se que ii papa voli.in i para Roma no
anuiversarin do da em que dclla sabio,istu be,
a 25 de novembro.
Na I Inl I i mi i houve nina mudaba de minis-
terio. Os ministros, excepto smente o da fa-
i-nila, n Sr. Van-Ruase, deram a sn.i demiiso,
(orara substituido!; o do Interior pelo Sr.'
.1. 1 hu lu !>i', o dos negocios etlrangeiros.
pelo Sr. Van-Sonsbck ; o da inarinha, pelo al-
mirante E. Lucas ; o da guerra, pelo general
.1. T. Vdti-Spcngler ; o das colonias, pelo Sr.
C, F. I'ahud ; o da justica, pelo r. J. T. Nc-
dermayer. A administracao dos negocios da
igreja reformada Ibi temporariamente conllada
ao ministro da justica, e a da igreja catholica
ao ministro dos negocios estrangeiros.
Na Inglaterra nada de extraordinario havia
occori ido; rcreiava-se, porein, que hotivessc
alguns disturbios para o norte da Irlanda, co
governo estava concentrando l alguma forca.
Os eontolt fcaram de 92 l|"2 a 92 ,'>|S ; os Fun-
dos :! i-iini os, de 82 l|2 a 83.
Pnblieacao a pedido.
IMHAIT DES MINUTES MJGREFFE DE LA
COUR DE NANCY.
Par incide la cour d'assscs du depirte-
ment de li Mourlhe, sant Nancy, en date
iiu 7 aofil 1835, Joseplt l'oirson, n i Dom-
paire, apalorsde 39ans, perrepicur des
ronlrihutionsdirectes, demeurant Faulx,
le dmanche 28 juin 1835, commis tin lio-
micide volontaire sur la pertoone da Ni-
colas l.liuillicr OU d'avoir volontairomenl
portes des coups el fat des l)lessures qui
onl uccationn la mort de ce dernier, mais
satis inlention de la donner, a l sequil
de l'iccusalion porle conlre lui.
I'oiir extrait conforme dlvr a la roque-
te de Monsietir le procureur general.
Simn.
Nota. Melas l.liuillier avait recti la
mor dan I chambre dla dame l'oirson
dont I tnit l'amant ciprs de laquelle il
s'lait intiocjnil dans l'absence de son mari.
Nancy, le 28 aout 1848. Forel, procu-
reur general.
a Visto no consulado geral do imperiodo
llrasil por legalisacao deste documento que
est revestido de todas as formalidades exi-
gidas pelas leis deste paiz. Paris, 29 de
agosto dfl 1849. Juvencio Macitl da Itocha,
irnsiil geral.
En marge decct document, il si trou-
ve, en premier lieu. Vu nu parquet. Fo-
r$t. En second lieu, est le timbre de la
courde Nancy. En troisiemme, est le tim-
bre du procureur general dla cour de Nan-
cy. El en quatrietnene, est le timbro du
consulal general de l'empire du Brsil en
France, sous le n. 107.
Enrepislr i la cliancellerie du consulal
de la republique francaise a Fernambouc,
le 24 novemhre 1848, f. 128, 118.
n l.e ehancellicr du consulal. Chave
ain.
En vue de cet enregistrement, ordon-
n par Monsieur le cnsul llle, qui le
lendemain en a delivr une expeilitiou en
langua hrasilicntie, a, contrairement I*
vrit, pait celia dame Poirson l'attes-
tatsuivnnt :
Nous, cnsul de la republique francaise
;'t l'ernambiico, declarons et atteslotissur la
demande qui nous en a ot failo par madu-
me Adle l'oirson que jamis il n'est pai-
\ i-n ecl consola), neo qui peut porter
ittemte i la moralil de la susdite reque-
reotft.
a En foi de quoi lui avons pass le pre-
sent certilicat.
Pernamhuco, 28 avril 1849. Aun,-"
Relie, ii
CONSULADO CF.RAL.
Rondimenlo do dia 12.....
Diversas provincias......
CONSULADO PROVINCIAL.
Itondlmcnto do dia 12.....3.796,790
>!ov3menio do *orlo.
Navios entrados no dia 12.
Bahia lOdias, barca ingleza Mary-Queen-
of-Scots, de 256 toneladas, capitao W.
Wilcox. equipigem 13, em laslro ; a Ja-
mes Crabtree & Companbia.
Terra-Nova 31 das, brigue hamburguez
F.aa, de 250 toneladas, capitao John 01-
dry, equipagem 12,carga 2,800 barricas
co'm bacalho; a N. O. Bieber & Compa-
nhia.
Ass 6 dias, brigue inglez George-i-Ri-
chardt, eapiUlo F. II. Nicols, equipagem
10, cirga sal e carvSo; ao capitao. Se-
gu para Buenos-Ayres
Buenos-Ayres 21 dias, barca portugueza
Hor-da-Maia, de 220 toneladas, capitao
Jus de Azevedo Canario, equipagem 14,
carga carne; a Manoel Joaquitn llamse
Silva.
Chile Tendo sahido de Nantucket ha 47
meies a pescada haleia, galera america-
na F.uterprise, de 413 toneladas, capilo
Smuel Wyer; ao capilDo. Vcm refres-
car.
Navios sahidoi no mesmo dia.
Buenos-Ayres Brigue ingjez Geort/e-e-Ri-
chards, capitSo F. H. Nicols, carga a mes-
tna di; sal.
Marseilles Briguo francez Arago, capitao
Claudio Juge, carga assucar.
Trieste Barca austriica Venezia, capitao
It Czar, carga assucar.
Babia lliale brasleiro Flor-do-Curuript,
capiLlo Antonio Duaite Rodrigues, carga
varios gneros.
DITAS7
Para Lisboa sahe com a maior brevida-
de possivcl o brigue portuguez Veloz, ca-
pilo Antonio Pedio de Figueiredo : para por prego commodo : na ra Nov, n. 63.
OSr. Jo3o Cyprianno Rangel queira
ter a bondade de apparecer na ra da Ca-
deia de S.-Antonio, prra deci "
ta conla que S. Me. receben.
Gasa de modas francezas.
Buessard Millochau.
RA DO ATERRO-DA-BOA-VISTA, N. 1.
Recebeu-se pelo ultimo navio, viodo do
Havre, um grande sortimento de chipos de
seda para senhora, ditos de palha para se-
horas e meninos, ricos mantelletea e capo-
tinhos do seda etilo, camitinhas, collsri-
nhos, romeiras o cabecees bordados, lindas
fitas, luvas de pellica, ditas de seda, ditas
de malha abertas, transas, franjas de scda_
de cOres para enfeitar vestidos, capellas e
caixos de flores linas, corles de cambraia
bordada, filos, lencos de cambraia de linho
bordada, ricas filis de velludo, transa lina
de Iinlio para enfeites de vestidos, bicos de
linho do todas as larguras, ditos de blond,
cambraia de linho, bonetes de montara,
plumas para chipos, e oais outras fazeit-
daa de modi. Fizem-se sempre vestidos de
casamento, de baile e de motilara, chapos
de senhora, vestidos de baptisido, etc.
etc., da ultima moda, e por preco mais
commodo doque em oulra qualquer parte.
Chapeos de sol.
Al.FANDECA.
Rcndimento do dia 12.....11:499,212
IMPOItTACA.
Norden, brigue sueco, vinJo de Lisboa,
entrado neste mez, consignado a Asllcy &
C, manifestou o seguinte :
198 moins de sal; ao capitao.
tilia, escuna americana, vinda de llalli-
more, entrada oeste mez, consignada a II.
Forsler & (',., manifestou o seguinte :
32 fardos fazenitas de algodao, 1008 bar-
ricas farinba de Irigo ; aos consignatarios.
Mathilde. polaca sarda, vinda de llalli-
more, entrada ueste mez, consignada a Jos
Saporiti, manifestou o seguinte:
126 barril breu, lio ditos alcatr<1o, 40
barricas bolacha, 400 ditas farinba de trigo,
285 nioedas de ouro. 28 fardse 16 pecas
fazendas de algod.to, 3 saccas lio de dilo, 1
caixa urna touca pira senhora, 8 relogos ;
ao consignatario.
uno, escuna dinimarqueza, v'nda de
llamhurgo, entrada ueste mez, consignada
a Kalkminn e Irmf.os, maiiileslou o se-
guinte:
3 ruixas sab.lo ; a C. I. Asllev & C.
4 caixas couros, 2 dilas chai, eos, 2146 pa-
Aaroes ; N. O. Bieber & C.
1 ajrgu aiateriaei para chapos, 1 picote
papel, 16 canas vidros, 5 ditas palito de
logo ; a I. D. Wolfhopp & C.
3 caixas peonas para escrever: aJ Kol-
ler&C.
2 caixas igoi de colonia; a C. Kruger.
3 caixas couros, 1 dita ferrageus, i dita
mindt-zas, 3 dilas perlences para chai eos,
i. pacnlcs papeiau, 4 ditos niateriaes para
chapos, 39 resmas papel, 1 caixa pnlhinhas
para chapos, 1 dita chupos de palha, 2
ililas .oinma-laoa, 2 dilas papel ; orden).
50barril cimento, 2 caixas cordas de ra-
me, 15 dilas espelhos, 12 dilas hrinquedos,
4 ditas materiiies para escriptorio, 101 ditas
vinlio, 5 fardos pannos, 2 ditos fazendas de
l.', 18 caixas ditas de algodao e linho, 9
barril, 4 caixas e 1 gigo comedorias, I
barril azcite, 4 pecas caruo de fumo, 6 pre-
suntos, 1 caixa escova, 3 ditas medica-
mentos, 2gigos vatios), 1 ciixa instrumen-
tos de msica, 3 ditas ferrageus, 200 ditas
velas de compoiicn, 42 cestos genebra,
13 caixas fazendas de algodao o seda, 5 di-
tas e 1 barrica objectos de cuzinha, 2 caixas
rli, 4 latas bolaciiiuhat, 39 cixis fazendas
de algodlo, 3 ditas couros, editas miude-
zit, 1 embrulho estampas, 55 picotes ca-
bos, i piano, 50 barris alcalrflo, 15 ditos
pixe, 150 gigos htalas, 9 5|6 lastros de
carvflo de pedra, 120 saccas farellos 30 ta-
boas, 18 caixas vidros, 7 gigos garrafas va-
sias, 250 ganafese 40 grrulas vasas: a
Jalkmauu e Innos.
Pela administracao da mesa do consu-
lado se faz saber que, no dia 17 do corren-
te, utna hora da tarde, porta da mesma,
se hfiO de arrematar dous pranxOes de lou-
ro, vindos das Alngas sem guia na liare,i-
ca Conreico-Felii, aprehendidos pelo
guarda Francisco de Paula Alachado : cuja
artoinatacao lie subjeita ao dizimo respec-
tivo. Mesa do consulado de Pernatnbuco,
12de dezemhro de 1849. O administra-
dor, Jod't Xavitr Carneiro da Cunlia.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, na conformidad.- do artigo 263
4.' do regulamenio do 22 de junno de
1836, se ha de arrematar porta da mesma
alfandega, no dia 13 do correte, depois do
meio-dia, um carro de duas rodas com al-
gumas pecas quebradas e em mo estado,
viudo do Liverpool na escuna ingleza Fu-
nda: sendo a arreiiiaticSo livie de di-
reitos.
Alfandega de Pernambuco, 11 de dezem-
hro de 1849. 0 inspector, luis Antonio de
Sampaio Vianna.
Declarares,
-- Pela segunda seccao da mesa do con-
solado provincial desta cidade su avisa aos
Srs. propietarios de predios urbanos, sul1-
joilos no pagamento da decima, que do 1."
do andante rnez so principian! acontar os
30 dias para o pagamento de semelhante
imposto do pruieiro semestre do auno de
1819 a 1850, e que, lindo esse prazo, ncor-
reni os que n,to pagarern na multa de 3 por
ccnlo sobro seus respectivos dbitos ; e
betn assm que do 1.* de Janeiro prximo
futuro, principia a cobranza do imposto de
12.800 sobre di versos 'estabelecimentos que
possuein mais de 2:000,000 rs., segundo
dispe o regulamento da presidencia da
provincia, de 12 de novembro do correte
atino, dado a semelhante respeito.
O presidente da cmara municipal do
Cabo faz publico que o reverendo padre
Bonifacio Antonio Percra de Lentos, pre-
ten en lo fixar o scu domicilio no imperio
do Brasil, i um nesia muncipalidade feito a
declaradlo determinada nu 3 "irlign 1.*
da carta de lei de23de oulubro de 1832: e
pira constar faz publico o prsenle.
Para Uossamcdes
As pessoas quequizerem fazer parte da
segunda eXpedic,ao para Mossamedes s.lo
convidadas a comparecerem no consulado
de Portugal tiesta cidade tolos os dias
uteis, desde s 9 huras da manh3 ate as 4
da larde.
O paquete do S. M. Britannica
l'etertl recebe as malas para o
Rio de Janeiro c Babia buje '.13.)
as 11 horas do dia.
CORBEIO.
A pessoa que hutou na caixa geral urna
caria para Antonio Comes Netto no Rio-de-
Janeiro, dirija-se administracao.
avisos martimos.
Para a Baha salte, em poucos dias,
sumaca Flor-do-XngtUm, mestre Bernardo
deSouza, por ter a maior parte da carga
prompla : para o restante e passageiros
lrta-se com o mesmo mestre ou com Luiz
Jos de Sa Araujo, na rna da Cruz. n. 33.
rara o Kio-de-Jaueiro se-
gu com toda a brevitladc, por ler
grande parte de seu carregamen-
lo protnpta o brigue nacional A-
(Iiuiunlor. forrado e pregado de
cobre, e de excellenle marcha
quem no mesmo quizer carregar,
ir de (lassagcn. ou embarcar es-
cravos, entenda-se com os consig-
natarios, Machado & l'inheiro, na
ra do Vigario, n. I9, segundo
andar, ou com o capitSo, Antonio
Coclho Kibeiro, na praca.
Para Lisboa sahirA dentro de pticos
dias o brigue porluguez Maria-ios, deque
he capitao Joaquim Jo.- Mesquita 1 para o
resto da carga e passageiros, trata-te com
Francisco Severiano Rabellodc Fiiho.
Lei les.
-- Adamsnn llowie & Companbia fir8o
leiltlo, por iutervencao do corretor Olivei-
ia, de varios voluir.es de fazendas inglezas
avana las, chegadas e despachadas recente-
mente : quinta-feira, 13 do co'renle, s 10
lioras da maiiha, no seu armazem, ra do
Trapiche,
O corretor Oliveira, por ordem do juizo,
a requermento de llenry Cibson, com ac-
crdo de Edward Wilde, capitao da escuna
ingleza Fanella, far leilfio da mesma escu-
na, panno e nais perlences, para pagamen-
to de iiinheiros adiantados para seu concer-
t, costeio, soldadas da tripolacao, o par*
outras despezas necessarias : es pretenden
tes i'iirijam-so a bordo da referida escuna
para o competente exame do seu estado, e
quantoao panno diriJHm-so ao mesmo cor-
retor que Ihes indicar o logar em que o
pdem ver e examinar; devendo inallivet-
mente a arremalacfio ter lugar tabbado, 15
do crtente, ao meio-dia em ponto, a putta
da associscao commercial.
Avisos diversus.
--Alugam-so dous sitios na campina da
Casa-Forte e um otitro ni rui da mesma po-
voacil", com mullos atvoredos e ptimas
acronitiiodacrics liem como varias casal
pequeas, proprtaspara se passar a fcsla :
a tratar na ra do Ainoriai, 11.15.
i-arinlia de mandioca.
Vcndem-se saccas com farinba de man-
dioca, de muilo boa qualidade, por ser
4:658,309
99,851 ,
carga ou passageiros trata-se com o sobro-
4:758,160 dito capitao, ou com seus consignatarios,
Olivcii a Inufius k Companhia, ra da Cruz,
n. 9.
Para o Bio-de-Janero segu, em pou-
cos dias, o brigue nacional louphina : quem
no mesmo quizer carregar ou ir de paisa-
gem, dirija-seao consignatario, Domingos
Rodrigues de Andrade, na ra dos Tanoe-
ros, armazem n. 5, ou aocapiao a bordo-
do mesmo.
-- Para Lisboa sabe, com a miicr brevi-
dade possivel, o brigue porluguez Concei-
co-de-Uaria, por ter a maior parto.da car-
ga 1 1 oinpia : para o resto e passageiros
para os quaes oflerece expelientes comino-
dos, trata-se com os consignatarios, Tilo-
ma?, de Aquitto Fonseca & Filho, na rna do
Vigario, n. 19, prmeiro andar, ou com o
capitao na praga do Commercio.
Para Lisboa subir com a maior brevi-
dade possivel a veleira barca portugueza
Hortencia, por ler a maior parte de seu car-
regamento prompto : quem nella quizer
carregar, ou ir de passagem, para o que
tem encllenles commo:los, dirija-se ao seu
capitao, ou a ra da Cruz, n. 45, casa de
Nascimento & Amorim.
--Para o Rio-de-Janeiro sahe?por estes
dez das a polaca nacional Socitdadt-Feliz,
capitao Manoel Antonio dos Santos: quem
na mesma quizer carregar, ou ir de passa-
gem, dirija-se aos seos consignatarios,
Oliveira Irmos & Companbia, na ra da
Cruz, n. 9. _
Para e Maranhao.
O patacho Josefina segu viagenr. para o
Para com escala por Maranhao : recebe an-
da alguma carga e passageiros para os ditos
portos: trata-se com o capitao Jos Mara da
Silva Porto, ou com Jos Baptisla da Fonse-
ca Jnior, ra do Vigario, n. 23, segundo
andar.
Para o Porto sahe, impreterivelmente
no da 16 do corrento, o brigue portuguez
Fenlura-Fetix, forrado, pregado eencavilha-
do de cobre, capitao Zeferino Venturados
Santos : pira o resto da carga e passagei-
ros, para os quaes offerece eicellentes cotn-
mo los, trata-se com o consignatario, Joa-
quim Ferreira Mendes Cuimar8es, na ra da
Cruz, 11. 49, primeiro andar, ou com o re-
ferido capitao na praca do Commercio.
l'ara as lisas de S.-Miguel,
Terceira e l'ayal sahii brevemen'
te a ('Mima portugueza Favorita,
forrada e pregada de cobre, capi-
tao Antonio Jos de Wcdeiros: pa-
ra carga e passageiros, trata-se
deronte do trapiche novo, n. 6,
com Tltomaz de Paria.
Para o Ass, at o dia 14 do correnle,
sahe impreterivelmente o brigue Leo:
quem nelle quizer carregar ou ir de passa-
gem dirija-se a ra da Cadea do Recife, lo-
ja de Joaquim Ribeiro Pontes, ou ao capitao
a bordo, no Forte-do-.Maltoa
Para l'arahiba
sabe impreterivelmente por toda esta se-
mana a lancha nacional Tres-IrmAoi : quem
na mr-iiia quizer carregar, ou r de passa-
gem entenda-se com o mestre Kstavio Men-
dcs da Silva, no trapiche do algodao.
Para o Rio Grande do sul
o brigue Inca, capitao Malinas Ferreira Bra-
ga, segu nestes oito das: pode receber al-
guma carga e escravos a frelo : a quem con-
ver, dirija-so a Caudino Agostnhodo Bar-
ros, nu ao capitao.
A barca S.-Cruz sahe para o Porto m-
pretervelmcntono da 15 do correte: s
recebe passageiros, para o que tem excel-
letites eouimodos. os Srs. carregadores quei-
ra m mandar boje entregar ao consignatario
os conbecmentos para se legalsarem os
manifestos. na ra do Vigario, 11 11, pri-
meiro andar, casa do Francisco Alves da
Cunha.
Iara o Rio-de-Janeiro
sabe al odia 20 do correnle mrz o brigue
nacional S.-Uanoel-Augusto : para alguma
carga e passageiros, para o que tem exccl-
lentes commodos, trata-se na prac;a do Coi -
po-Santo, n. 6, primeiro andar, ou com o
capitao Jos da Cunha Jnior, 1 bordo.
Para a Bahia segu o hiate Ligeiro:
quom quizer ir de passagem, dirija-se ra
do Vigario, 11. 5.
-- Segu viagom para Maranhao e Pira a
escuna liara-Firmina : para carga c passa-
geiros Irata-se na ra da Cadeia do Recife,
esetiptorio de Jos Antonio Basto.
Aluga-se urna casa no Cachang para, O Sr. quo quera comprar urna alar-
se passar a festa, com estribara e cocheira,
RuadoPasseio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimento de chapos de aol, de teda de
todat as cures as mais lixas que teem a ppa-
renlo, para homem e senhora, e que se
veirlem muilo em conta ; ditos de panni-
nho imitando seda ; ditos milito grandes, e
de panno e armaedes muto fortes, pro-
prios pira senhores e feitoret de engenbos 1
tuuibcm te vende fazenda de seda e de pan-
ninho imitando seda para se cobrirem ar-
micoes. Na mesma fabrica se concerta qual-
quer chapeo de sol, com muita brevidade,
e por preco mais commodo do que em ou-
lra qualquer parle, e vendem-se baleias
para vestidos.
OSr.InoocencioXavier Vianna tenha
a bondade de apparecer, para se contratar
certo negocio que S. Me. n3o ignora, na ra
da Cadea de S.-Antonio, n. 13.
(omina de engoinmar.
Vendem-se saccas com gomma de en-
gontmar muilo alva na ruado Queimrdo,
11 14, lojade ferragent.
* Na ra Nova, casa de co- 3
8 mestives, n. 69, haver to-
k dos os dios, das 6 horas da
# tarde em diante, srveles e
* refrescos de todas
m
dades.

as quali- |
n^d t.04rS?c!r",0,,o: na ru,Uo r0iU l,yP"tl'eca, dirija-se i ra ireita,
Uueimado, 11.14, lojade terrageus. Ib. 133.
queza o bem assiui urna cama de armaban
ludo por preco commodo, v ao Recife, ra
da Sanzala-Nova, n. 26.
Precisa-te alugarum prcto para andar
deia de S.-Antonio, p?ra decidir sobre cer- vendendo fazendas na ra em companhia
de um homem: a tratar na ra da Cadeia
do Recife, n. 25, defronte do Becco-Lirgo.
Atisentou-se, no dia 6 do correnle, da
casa de Jos Pedro do Regp, um Africano li-
vre.de nome Manoel, de 10 annos pouco
mais ou menos; levou camisa de algodBo-
znho liso e calcas de algodao azul j usa-
das; falla loo explicado'quo parece criou-
lo, olhos grandes e um pouco abotoa-
dos5para fra he um tanto cambado dos
ps ; costuma trocar o nome pelo de Jo3o;
tem um sgnal no peilo que parece de a|-
garismo (-2); j estove em cata do Sr. Joa-
quim da Silva Rogo : quem o pegar leve-o
ra de Apollo, n. 16, primeiru andar, ou
a ra do Trapiche, n. 13, armazem de as-
sucar.
Precita-te de urna ama branca, parda
ou preta, para todo o servco de urna casa
de um homem viuvo com pequea familia :
ni ra Formosa, penltima cata a ir para o
Hotpicio.
Precita-se de urna ama para o servco
de urna casa de pouca familia : na ra Ja
Cruz, 11. 53-
Alugam-se, para se passar a festa, duis
grandes casas, com muilos commodos e
bom banho, sitas em S.- Anna-de-Dcnt'O : a
tralar no mesmo lugar, com Jolo Venan-
cio.
--O Sr. Antonio Perera Pinto de Faria
mande receber duas cartas 110 Aterro-da-
Boa-Vista, n. 10.
Roga-so ao Sr. J0S0 Bernardno Nunet
Ribeiro, morador 110 Rbero-Fundo, co-
marca do Limooiro, que v pagar unta let-
tra venca ha quati dous annos, no Aterro-
da-Boa-Vista, u. 10, primeiro andar, te nao
quizer quo se diga mais alguma cousa.
Quem precisar de 350,000 rs. a premio,
drija-se ra do Rangel, 11. 3, sobrado
-- Arrenda-se o sobrado sito na ra do Se-
ve, onde esteve o collegio S.-Antonio, corn
escolenles commodos para familia nume-
rosa, e um abundante viveiro : a tratar na
mesma cata a qualquer hora.
Precita-te de um caixeiro que teoha
pralica de venda, de 20 ate 40 annoa : no
largo do Terco, venda n. 7.
Advertencia.
0 abaixo aasignado tcientilica aos credo-
res de sus mai, a Snra. D. Luzia Caetana
Isabel de Mello, que para seus interesses
digoem-se apreseutar as suas contas den-
tro do prazo de 15 dias da publicarlo deste
ao mesmo abaixo issgmdo, sb pena de
nao serem attenditos depois do referido
tompo: anda mais previne que o annun-
ciante acha-se legalmente autorisado para
inlervirem todo o contrato que sua m8i
tenha de fazer com os seus herdeiros, ou
cout outra qualquer pessoa, e sem o seu ex-
presso consent metilo nonhum negocio de
hoje em diante peder ler validade; e por
sso adverte qne ninguem chame-se a
ignorancia para o futuro, e n3o te queixe
das conseqoenciasque d'ahi pdem resul-
tar. Jodo Marques Bacalho.
Sitios para lavradorcs
de caima.
Quem pretender dous expelientes sitios
que oflerecem todas as commodidades pa-
ra lavradores de canna, dirja-so ao euge-
nho Caraba, na fteguezia de Tracunhaem.
Crvete a '200 rs.
Na praca do Corpo-Santo, esquina da ra
do Torres, n. 20, haver sorvele du minliSa,
das 10 horas da nianha em dianle, e de
tarde das 7 at s 9.
Quem se adiar com direto a um mas-
tro que se pegou indo por agoa abaixo,
islo lia 1 mez, pagando a dcapeza quo com
elle se fez, te entregara em S.-Amaro, ao
# p da casa do Sr. Pedro Oas.
Quem precisar de urna ama para todo
o servco de una casa, dirija-se a ra oa
Roda, ll 39.
-- Os Srs. que deram lvrot para enca-
dernarna praca da Independencia n. 12,
tenham a bondade de os mandar buscar na
ra estreila do Rozai io, n. 4.
Precisa se de una mulher livre e da
boa conducta, quese queira eucarregar de
tralar de duas enancas de 18 me/os, ja des-
mamadas: na praca da Boa-Vista, casi n.
32, aegundo andar.
Prccisa-se slugar dous ou tres mule-
ques para trabalharem em vellas de car-
nauba : agradando papa-se bem : na ra da
Moeda, sobrado de um andar, n. 21, se dir
quem quer.
Precisa-se de um feitor para tomar
contado um pequeo sitio, o qual suba
tralar de plantarles de fruclas, flores e ver-
duras : prefere-se Eur.>peu : no Aterro-da-
Boa-Visla, n 26, segundo andar.
Cuznham-so todas as qualidades de
guaras, guizados e assados, para quem
quizer mandar fazer jantares fra, e mes-
roo algumas oncummendas bem como to-
das as qualidades de maesas, bolos boll-
nos, pasleitde nata, de carne, degallinha,
de fulbado e liso, com asseio e commodo
preco: quem quizer,dirija-se ao oilo da
Penha, n. 3.
Jos Gorgonio Paes Brrelo, actual ren-
deiro do engenho Mega-de-Cima, pretuo-
de desistir da renda com as tnesmas con-
dicOes, vislo estar sofl'reudo sua familia
bastante incommodo de molestias ; bom co-
mo vende carros, bois, mais animis e lu-
do quanto existe, que com avala se far
plente todo o negocio: a tratar no mesmo
engenho.
Aluga-so segundo andar do sobrado
n. 19 da ra Nova : a tratar ni loja do mes-
mo sobndo.
Precisi-se de ollieiaei de funlero : na
ra Nova, defronto da Concejero.
Quem annunciou querer 200,000 rs. a
premio sobre liruias, difija-so ra estreila
do Hozarlo, n. 22, loja de alfaiale, qu 80
dirl quem da.
Alugam-se os segundo e terceiro in-
dares da casa da ra da Madre-de-lleos, n.
3, em que moram os Sis. Johnston Pater &
C. : a tratar na ra da Cadeia do Recife com
Jo3o Jos de Carvalbo Moraes.
Aluga-se urna casa terrea na Snleda-
de, n. 17, com bous commodos para fami-
lia, quintal grande, todo murado : a tratar
no pateo do Carino, n. 17, com Cabriel An-
tonio.
Ricardo Royle, tendo de ir pira o tul,
deixa encarregado de sua casa com procu-
rado bstanle Ceorge Ctmdwick.
m
t. ^*^*^A<-;:>a*ai(l*
Francisco Jos Cerniaitn, relojoeiro
suisso, ullimamenle ebegado da Europa,
avisa ao publico que breve abrir urna lo-
ja na ra Nova, n. 21, o que emqiianto se
nao aprompla dita loja, se aclis provisoria-
mente estabelecido no Recife, na ra da
Cruz, n. 44, primeiro andar, aondeseen-
carrega de lodo e qualquer concert, fa-
ln icacao de qualquer peca que seja preciso
fazer de novo, tanto para relogios de pare-
de como de mesa ou algbeira, e ah os con-
currentes aeliario tambetti um completo
sortimento de relogios de todas as quali-
des.
--Vicente Ferreira da Costa,com armazem
na ra da Midre-de-l)eos, precisa comprar
um escravo de nacSo que seja bom padeiro :
paga bem.
% DEPOSITO GEKAL
l do superior rap areia-prsta 9
da fabrica de Gantois Pai- p
Ihet &c Companhia, na Ba- \
^, na. .<>
% Domingos Alves Malheus, agentada ^
(^ fabrica de rap superior areia preta %
9 e meio grosso da Bahia, tem aberto o ?
^ seu deposito na ra Cruz, no Recife, <<4
# n. 52, primeiro andar, onde se achara d
1f sempte desie excellenle c mais acre- ;4
M dilado rap que al o presente se tem #
% fabricado no Brasil: vonde-se em bo- ?
*>, tes de urna e meia libra por preco ?
% mais commodo do que em outra qual-#
M quer parte. %
Prccisa-se de urna preta para una casa
estrangeira, que saiba lavar do varella :
quem livor, indicando a sua casa no escrip-
lorio du Sr. ic. Bidoulac, ra do Vigirio, se-
r procurado.
-- Jolo Pedro Adour & G, deelaram que o
Sr. Luiz Jos Poudr nflo pode vender a lo-
ja de fazendas que tem na ra Nova dosta
cidade; porque, nao lendo aqui outros bens
o mesmo Sr Poudr, e estando obrigado a
varas dividas com sentenca exequi vel como
a divida da que os annuocianles sao credo-
res, est a mesma loja tilingada, ej sub-
jeita ao pagamento dessas dividas.
-- Precisa-so de urna pessoa pira caixei-
ro de venda, que tenha bastante prtci e
que de Oidor a sua conducti, pira o que
da-se-lho bom ordenado: quem se julgar
apto dinja-se a ra da Cruz, o 43, que ah
se lile dir coro quem deve tratar.
O abaixo assignado faz vrr ao respei-
tavel commercio desta praca e ao publico
em geral que desde o dia 27 de oulubro pr-
ximo passado tem estabelecido no largo
do Paraizo, na casa n. 14, urna taberna na
qual tem aduiittido de caixeiro ao Sr Ma-
noel Pacheco de Resende, a quem o abaixo
assignado nao deu e nem d auloridade a
contrahir a mais pequea divida a que lique
subjeita a dita taberna, nem o abaixo as-
signado, possotem autorisado a comprar
genero que Ihe seja precito a dinbciro a vis-
ta; e para que nao apparecam duvidas para
o futuro faz a presente declai acSo. Recife,
10 de dezembro de 1849. Narciso Jos da
Costa.
A pessoa quo tem annunciado querer
200,000 rs. a premio de um e meio por con-
t, por lempo de um auno, sendo queira
280,000 rs. sobre firmas a contento, penho-
1


Caso estupendio!
Furtaram da casa n. 42da ra da Aurora,
peina 9 horas da noite do da 11 do corren-
te, um cavallo nico-pomlm, carrcgador hai-
%o e passeiro, cpm meio corpo ; lie cavallo
de meio, foi de estribara, mas agora tra-
halhava com cangalha, e por isso est pisa
ilo na sarnelha e relado dos lados ; tem urna
reladura abaixo das costellas do lado es-
querdo, de cassuacs, tudo de novo ; he ra-
bio, mas aparado, tpete e cascos grandes
quando furtaram, sellado e enfrea lo com
sellim inglez em bom uso, estribos de latSo
ecabeQadas j usadas' no caso que tenba
sldobifado assim por peca, ou cassuado
pode reco.nduzil-o mesma ra da Aurora,
casa do Sr. Jos Jaointho, pois promette-sa
guardarsegredo, por quanto o que se quer
he o cavallo, cuja falta ao dono he mais sen-
sivel pela necossilade e estima em que o
tem, que pelo valor do importe; bem co-
mo caso tenha sido na realidade ratonado ,
quem o prender pJe leva-lo a mcsma casa,
ou a travessado Arraial para a Casa-Forte,
sil /o que foi do Paulino, que sera gratifi-
cado.
o o
O O Dr. Alexandre de. Souza O
Pereira do Carmo, medico, mudou- O
j se para a ra Nova, sobrado de um O
O so andar n. 56, onde inorou o gene- '$
0 ral Seara. O
O O
-- Os abaixo assiguados fazem scieu te ao
respeitavel publico que no dia 10 do cor-
rente dissolveram aoiigavelmente a socio-
que tinham na padaria da ra do Pires, n.
44, que gyrava debaixo da firma de Aze-
vedo & Silva, (cando daquello dia em dian-
lopertencendoa mesma padaria ao socio
Silva, e este encairegado da liquidacflo e
pagamento dos dbitos contrahidos pela
mesma sociedade, e por isso com ello se de-
ver entender quem sejulgarcredor da re-
ferida sociedade. Recife, 12 de dezembro
de 1849. Antonio Martin de Carvalho Aze-
j jdo.Jos Moreira da Silva.
Aluga-se urna casa terrea na ra do
Sebo, n. 25 : a tratar na ra da Gloria, n. 91.
Ilenry Christophers com sua familia
reliram-se de Pernambuco edo Imperio.
- Quem pegou um papagaio aue fugio no
domingo, com uir.a crrente e una argoli-
nhanoi, leve-o ao Aterro-da-Boa-Vista,
ii. 68, quesera recompensado.
Zeferino Uoreira retira-se para fra do
imperio.
--Joaquim Jos Ferreira GuinurSes re-
lira-se para fra do imperio.

n.

1
Sorvete.
U ef labelecimento de sor-
veles da na do Itangcl loi jj
11an-f'erido para o Passeio-
Publico, n. a3, onde conti- ii
na os seus trabalhos com 1
todo o asseio. A casa est g
bem preparada para receber
familias ; assim como tam- }
s bem haver um cosmorama 2
$ em ponto pequeo, que con- S
j titular a ser visto de do- |
M mingo em diantc; haver |
diariamente duas qualida- \
'I des de sorvetes, e sorvetei- &
h ras de 6 e io sorvetes, pro- p
% prias para qualquer encom- jj
;| menda.
*wmmmwm wmmmmwmm
-'Precisa-se de um caixeiro.que tenha
pratica de venda na l.ingi-cHa, n. I.
Furtaram um relogio de ouro, com re
peticSo, composto pur M. Borquin, cujo no-
mosevu na caixa que cobre a machina,
musir a hora era um registro: a proporcSo
que o pontoiro faz o curso de 60 minutos a
liora si vai apresentando sucessivamentc;
no butilo que prende a argola tem uinlt,
o juntamente urna correle do ouro com
pe. lude 4 a 5 palmos de cumplimento e
com clcheles para prender : quem der no-
ticias ser recompensado ese Ihe guardar
fegredo se o exigir, e entregando-o sera
immediatam ntepagodo importe por que
o tiver comprado, podendo dirigir-se ra
doCullegio, n. 3.
Precisa-se contratar com qualquer
meslre pedreiro ou carpina a factura de
urna ohrn, o qual de loilo o uecessario pa-
ra a mesma obra e a entregue prompla,
dando (auca au trato que se lzer : atrs do
tlieatro, armazem n. 16.
Preciaa-se alugar urna preta que sirva
para vender fazendas con oulra pessoa :
paga-se bem : no Hospicio, lado esquerlo,
casa terrea junto ao sobraJo novo de Tno-
maz de Aquiuo Fonseca.
<) Alugam-se e vendero-se as verda- {)
Q deiras bixas de Hamburgo : na praca Q
q da Independencia, n. 10, ao voltar ^
,-j para a ra das Cruzas. <
o O
I) Mara Joaquina Vianua declara ter
nesta dala constituido por seus procurado-
res nesta praca, a seu mano, oSr. Francis-
co Jos Viauna, e no Ass provincia do
llio-Crande do norte, aoSr. coronel Munoel
l.ius YVnn terley; declara mais nada d-ver,
iiem ter foito doacDo. hypotheca, venda, ou
outro qualquer contrato com pessoa al-
guma, e portento protesta desde j anudar
louoe qualquer papel que possa a i parecer
tiesto sentido, e a rasao da atinnncianie as-
sim proceder he oler prestadado inadver-
lidameiite sua assignatura em uus papis
mu saber o tonte lo delles.
Manuel de Sonza Cuimiraes, morador
na ra do langel, faz publico que se reti-
ra, no Um desla semana para a povoagSo de
.l/uipucos ; e quem quizar com elle tratar
/tA'quer negocio, dinja-se ra do Uvra-
jfenl, a fallar com Jos Das da Silva Gui-
nuriles.
Aluga-se o segundo andar e sotilo do
sobrado do Aterro-da-lloa-Vista, com mui-
lo bon commodos para utna familia : a
tratar na loja do musmo, n. 36.
Lotera do Guadalupe.
AtnanbSa, s 8 horas da ma-
nha, andam mpreterivelmente
as rodas desta lotera, conforme
est annunciado, e o pequeo res-
to de bi I he tes s se vender bo-
je, e amanhaal as horas do an-
damento das rodas na botica do
Sr. Moreira Marques.
Precisa-se de urna ama de leite: na ra
Direita, n 57.
Antonio Jos de Freitas Cuimariies, so-
cio na venda do Varadouro em Olinda com
Ignez Francisca de Moura, faz ver ao res-
peitavel publico que a dita se acha fechada,
e convida, por meio deste, a todas as pes-
soas que frem crednras para apresenla-
rem suas contas legalisadas no prazo de
tres das, contados da publica^o dosle.
Olinda, 12 de dezembro de 1849.
Na ra do Queiinido, n. 14, segundo
andar, se dir quem compra urna casa de
sobrado.
No botiqun) da ra larga do Rozario,
n. 27, precisa-se de um fornecedor de lei-
te que d urna caada de leite, sendo li-
quido e vindosedo.
-- Oabaixo assignado cientfica ao res-
peitavel publico e especialmente aos seus
credores, que no dia 7 do corrente, a ins-
tancias do seu credor Ooofre Jns da Costa,
deu balando em sua taberna da ra da Cruz
do Recife, n. 32, e depois de dado o dito ba-
lanco vio se obrigado a assignar um papel
sem que o lesse, na persuasivo de ser auto-
risaciio para o dito Sr. Onofre vender a dita
taberna e ratear seu producto por todos os
credores; acontece, pnrm, queesse papel,
em lugar de ser a autorisaco, he um papel
de venda da mesma taberna aoSr. Onofre,
no qual Ihe dizem se declara que o abano
assignado recebeu o importe aopassardo
mesmo papel; eporque essa assenjiloseja
falsa,vendo que foi elle obtido obe esubrep-
ticiamente, o abaixo assiguad i se apressa
a fazera presente declaracHo,para que tolos
os seus credores tomem as medidas que
julgarem acertadas, na certeza de ser o que
tem exposto a pura verlad.'.e tem lestemn-
nhas que presenciaram o facto. O balanco
imporlou em oitocentos e tantos mil ris,
como deve constar delle o do dito papel.
Franciico Xavier do Lago
Tendo mandado annunciar no Diario
de 10 do corrente a ap?rehens3o de um
chapeo de sol ser em urna venda no Manguinho, quando
he no Cachang pa.ssando a pontea esquer-
da, venda da viuva de Francisco Xavier,
o qual qualquer dia e hora pode ser pro-
curado, que, dndoos signaescertos.lhese-
r entregue.
Precisa-se alugar urna ama para urna
casa preferindo-se captiva : na ra do Co-
dorniz, n. 3.
Precisa-se alugar urna preta para ven-
der taboleiro de fazendas com outra pessoa:
paga-se bom : na ra do Livramunto, n. 19,
loja de calcado.
Aforam-se bons terrenos na Capunga,
sendo pela maior parte comarvoredos que
dflo frutas : quem os pretender, dirija-so ao
sitio do Dr. Jacobina, no mesmo lugar ci-
ma dito.
Precisa-se de 500,000 rs. a premio so-
bre hypotheca em um predio; quem qui-
zcr dar annuncie.
A o II ol l-Commercio,
contina a haver sorvete das 6 s 10 horas
da noitc, e ha salas separadas para fami-
lias.
Aluga-se o segundo andar e sotSo cor-
rido do sobrado amarello da ra Augusta :
a tratar na ra do Ainorim, n 15.
Para prsenle de festa.
Mathii.de, por Ecoe.vio Sue,
excellente traJuccao de .Lisboa,
por Mendonca e Mello ; 8 volu-
mes in 8."
He este sem contradiccao o pri-
meiro romance d'Kugenio Sue,
muito superior ao Judeo Errante
e aos Mysterios de Paris, por sua
importancia moral
Yende-se na ra do Rozario
larga, loja de miudezas de J. J.
Lodi.
--Vendem-se 16 escravos, sendo: dous
escravos carreiros ; um ptimo moleque
de 15 annos, de bonita figura ; dous mula-
tinlios do 18 annos, ptimos pagens; 3 es-
cravos mocos ; duis negrinhas de 14 a 16
annos ; 4 escravas mocas de bonitas figu-
ras : todos por preco commodo : na ra
Direita, n. 3.
Vendem-se manteletes de
chamalote preto, o melhor possi-
vel, por barato preco : na ra do
Queimado, loja n. 17.
0^f!'ta^ffiMWw
9 w
3
-
o
as
<
3

4
z
i
Compras.
Compram-se patacOes mexicanos e
cruzados novos : na esquina do Livramen-
to, loja de 6 portas.
Compra-se o manual do destilador :
na ra do Ssbo, 11 20.
Compra-se um escravo para lodo o sor-
vico, e se tiver offico desapateiro melhor,
que niio tenha vicios ese afiance a sua con-
ducta : na venda do Alm, se dir quem
compra.
Compra-se o quarta volume dos Lan-
ces da ventura, ou mesmo toda a historia :
na ra do Queimado. 11. 24.
Compram-se uniformes militares, usa-
dos,sendo de ouro ou prata: na ra do Quei-
mado. 19, primeiro andar.
- Compra-se um sellim inglez usado: na
ra da Cadeia do Recife, loja n. 50, ou an-
nuncie.
Compra-se um braco de balanca gran-
de e um dito de dita dehalclo com 4 pal-
mos : na ra da Cadeia do Recife, n. 23. Na
mesma casa, vende-se um terno de medi-
das de pao do padrSo moderno.
No becco do theatro de S.-Francisco,
por cima do botiquim,segundo andar, com-
pra se um moleque cozinheiro.de boa con-
ducta, e que nao tenha vicios nem acha-
ques : paga-se bem : tambem se aluga em-
quanto n3o se acha para se comprar.
Compram-se os ensaios sobro a esti-
lstica das possessOes portuuezas no ul-
tramar, escriptos por ordem do governo de
S. Al. pelo concelheiro J. J. Lopes da Lima:
na ra do Amorim, n. 36, ou annuncie.
Na ra Nova loja de funileiro, defron-
re da Conceic3o, compra-so toda a qualida-
de de metal velho, a saber: zinco, chum-
bo, lal3o, cobre, estanto, bronze, vest.ule,
etc.
Lotera do llio-de- *
S Janeiro. I
Aos 20:000,000 deis.*
^ Pelo vapor S.-Salvador recebemos J
9 a lista da 5.a lotera dos misionarios m
*B capnchinhns, o juntamente os* muito t.
*>? afortunados hilhetese ineos blhetes 9
# da 11.* lotera concedida a beneficio #
W da conslruci.no e reparos das matrizes >
9) do Rio-de-Janciro, cujas rodas de- 9
(> viamandarnodia28domezpassaio, 9
'*" os quaesse achar3o vonda na dita 9
* loja, das 8 horas da manhSa s 6 da 9
** tarde. 9
PRECOSD0SBILIIF.TKS. #
Interos 22.000 *
* Meios 11,000 ?}
9) Quartos 5,500 4
m Oitavos 2,750
Vigsimos 1,300 4
Vende-se urna parte dos sobrados de
tres andares, ns. 14 o 10, siles na esquina
da ra da Cadeia, defronte do theatro de
San-Francisco : a falla rno primeire- andar
dos ditos, com Joaquim Teix-ira Peixolo.
Vende-se urna collecco de
ferros de cirurgia, indispensaveis
a todo o operador. Na ra do Ro-
zario larga, n. 36, segundo andar.
Vende-se um pardo bom cozinheiro, e
queeogorama soffrivelmente; duas ditas
para lodo o servido de ra, por serem bas-
tante robustas ; > moloques bem |.retos, um
de lo anuos o o outro do 20; urna parda
que cose soffrivelmente, e he propria para
tralar de criangase para todo o servido de
urna casa : na ra da Cadeia, n. 32.
Vendem-sequeijos Ion innos, presun-
tos muito frescaes, frascos com mostarda,
ditos com inicias, botijas de corinthos, fias-
quinhos de molho para carne, e outro-
ojectos: tudo chegado ltimamente di-
Livorpool na galera Seword-Hsh : na ra da
Cruz, n. 7, armazsm de Davs & C.
Sal do Ass.
Vendas.
Na ra estrella do Rozarlo, n. 1, ta-
berna do Po^as, vende-se vinho do Porto
muito velho o melhor que pode haver, a
610 rs. a garrafa, e a caada a 4,000 rs ; vi-
nagre pagSu, a 800 rs. a caada, e a 120 rs
agarrafa; presuntos pa a fiambre, a 400
rs. ; e ouiros muitos gneros bons e bara-
tos.
Gbegaram ltimamente as
melilotos iii/icu is em barricas, bas-
tante frescas, grandes e bonitas, c
vendem-se por commodo preco,
tanto em barrica, como a retalbo:
na arcada da Alfandcga acharSo
com quem tratar.
Vende-se a bordo do brigue Sociedade fun-
d ado na volta do forte-do-Mal tos : a tra-
tar com o caplHo a bordo do dito brigue,
ou no caes da Alfandega, armazem n. 3,
com Jos Marcellino da Roza.
Vende-se una morada de casa na ra
de Cotovello, n. 10, com bom quintal mu-
rado por um lado e fundo, chSus e cacimba
proprios : na ra do Queimado, n. 44.
Vendem-se superiores queijos de Mi-
nas a 560 rs. : na ra Direita, venda 11. 18
-- Vende-so, na ra Augusta, venda doi
balxo do sobrado que foi do Jos Mara,
n. 1, muilo superior carne do serlflo, a 240
rs. a libra.
Economa.
No armazem de viudos, na ra da Madre-
de-Deos, n. 36, vendem-se laralijas muilo
doces e excellentos, a 400 rs. o cento, sondo
quando menos 50 por 200 rs., e nada em
menor quanlidade.
Vendem-se duas pretas mofas, de bo-
nitas figuras: na ra da Cadeia do Recife,
loja n. 53, se dir quem vende.
Vende-se, por 450,000 rs. ,
urna negra viuda do matto para pagamento,
moca, de boa figura, e que he muito boa
quitandeira : no Aierrn-da-Boa-Vista, n. 10.
Vendem-se 10 lindos moleques de 10
a 18 annos, sendo dous dos quaes cozinhei-
ros ; 8 pretos, sendo um delles sapateiro;
dous ditos para se liquidar cantas, um por
400,000 rs., e o outro por 350,000 rs., to
dos de 20 a 30 anuos ; um pardo de 16 an-
nos, propriu para pagem ; 3 pardas de 16
20 anuos, com habilidades ; urna dita de 20
annos, com habilidades, tendo dous filhos,
um de um anno e oulra de 5 annos; 8 pre-
tas de 14 a 25 annos, com habilidades, e
que sSo proprias para todo o servco : na
ra doCollegio, n. 3.
-- Vende-se urna parda de 20 annos, com
principios de costura, por preco commodo
na ra do Queimado, 11. 14, se dir quem
vende.
Na ra Nova, n. 38, vende-se um mo
leque, de 12 a 13 annos, muito bonito, sen.
vicios nem achaques.
Augusto Colombier, com loja na ra
bello ; ditos de renda ; remedio ptimo pa-
ra as pessoas quebradas que sSo boas fun-
das de to Jas as qualidades ; bom couro do
lustro fraucez ; bonitos jarros de porcella-
na para flores naturaes ; bonibs loncos de
seda para homem esonhor; sapatos de du-
raque para senhora, a 1,000 rs. ; ditos de
marroquim, a 1,000 rs. ; perfumaras ; ap-
parelhos para cha, de hnm gosto ; lencos de
cambraia de linho bordados : tudo a di-
nheiro a visla.
Xarope do bosque.
GRANDE CURA.
Nao podendo de oulra uianrira faier mais pu-
blica a iniobn gratldo pelo bom reiultado que
obtive de em pouco teinpo e debaiio seuipre
de una in estarn, como a que tem sido csles
ultimoi inezei, lempo em que princlpiel a cu-
rar-ine de uina enfermidade bastante grave
queja a mais de nove ineies a aoffria
Una Impertinente tosae que fe-ine passar
bastantes noites sem quasi poder reconciliar o
iomno ; nao obsta me que sempreestl'ease em
uso de remedios nunca pude ver-me livre de
to alflictiva molestia, a continuaran da tosse
acarretou-roe outra molestia, que juntas cau-
savam-me timos solfriinenlos, a tal ponto que
julguei umitas vezes o falat termo de minha
existencia, que era na occasISo da tosse vi-
reui-ine vmitos de sangue ; vendo-ine neasa
triste situaran pouco esperancosa, ouvi fallar,
c fui aconselhado que tomasse o xarope do bos-
que que se vende na ra do Hospicio, n 40.
nao Uve logo muito desejo de o tomar, quU
primeiro ouvir o conselho de algum professor,
dirigl-me a um bem acreditado nesta curte,
expui-lhe o estado de minha molestia, ouvio-
ne, edisse-me que o meu mal neeessilava ser
curado com bastante cuidado, porque era mo-
lestia que de em pouco lempo se tornara mili-
to mais grave, pcrguntei-lbc o que diiia do xa-
rope do bosque se seria bom, respondeu-mc
que fisesse uso delle, pois que julgava o muito
conveniente para minha cura ; dirigi-tne in-
mediatamente sobredita casa da ra do Hos-
picio, n. -Id, compre! una garrafa do dito xa-
rope, assim que cheguri inhiba casa tomei
urna die deste aempre precioso remedio, por
mesmo na casa do professor ter deitado em sua
presenca una porco de sangue, e militas ve-
zes live estes ataques as ras e em casas de
alguna dos meus amigos que se admiravam
como eu ainda podia viver com semelhantc
molestia ; conlinuei a tomar com a graca de
Dos, e o bom ell'eito que proilutio o xarope
do bosque, em menos de oito dias ja nao dei-
tava mais sangue pela bocea, a tosse ja era
muito menos, j podia dormir soflrivelmente,
continuei sempre a usar do xarope, nao preci-
sei mais do que duas garrafas deste precioso
remedio para ver-me perfeltamente bom sem
o menor incommodo, e restabelecido ao meu
antigo estado de sade do que poucas espernn-
r. is linb 1 da rccupcracao della, o que agora
posso diier sem lisonja, que o xarope do bos-
que he um insigue remedio contra as moles-
tias do peito, pois que antes do uso delle com
neuhun dos que tomei achei o menor allivio,
pore*m com o xarope do bosque achei o que
jnl-ava perdido, que era minha sade.
Esta minha declararo foi feita de minha
muito livre vontade, e oflerecda aos Srs. pos-
suldores do xarope do bosque.para ser publica-
da da maneira quelhesconvier.para que todas
as pessoas que liverem a infelidade de soffre-
11-111 i> que cu soll'ri, sabercm aonde hao de
adiar o allivio de seus males assim como eu
achei.
Rio-de-laneiro, 35deoutubro de 1848.Ra
de U.uta- ivalb.s, n. 161. /. J. Pdala.
Vende-se na ra dos Quarteis, n. 12.
Vende-si urna prrla crioula, do 30 au-
Vendem-so chapeoszinbos, ricamente
enfeitados, para meninos e meninas de utn a
tres annos : no .ueiD-du-Ra-Vist, n. 1.
Vende-se urna porcHo de cobre velho,
igualmente urna porc3o de cavernas do si-
cupira, j servidas o proprias para barcacas:
a tratar na ra da Cadeia do Itecife, loja n.
54, onde igualmente se vendo um molequo
de 8 annos.
Novo sor ti me uto de fa-
zendas baratas, na ra
do Crespo, n. <*, ao p
do laropeao.
Vende-se cassa-chila muilo fina, de bo-
nitos padrOes, cores lisas e cim 4 palmos
de largura, pelo barato preco de 320 rs. o
covado ; cassa franreza de quadros, muito
fina, a 260 rs. o covado; riscadnho de lis-
trasdelmho, a 240 rs. o covado; biim de
alumino de cores com listra ao ldo e de bo-
nitos pa irOes, a 320 rs. o cova lo ; brim
pardoclaro, a 1,500e 1,600 rs. 0 corte do
duas varas e urna quarla ; cassa preta com
ramagem branct. para lulo, a 140 rs. o co-
vado; zuarte de coros, com 4 palmos do
largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; risca-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padrose cores fixas, a 160 e 180
rs. o covado ; chales de laHatana, a 500 a
800 rs.; cobertores de nlgodo america-
no, muilo superiores, a 640 rs.
Pannos finos.
Vende-se excellente panno lino cor de ca-
f, pelo diminuto preQ. do 3,500 o 4,80) rs.
o novado ; dito preto, a 3,00.i, 3,500, 6,000,
7,500 e 8,000 rs. o covado, prova do limSo :
na ra doCollegio, n 1; loja da estrella.
Vende-se urna preta muito boa cozi-
nheira, que engomla, cose, lava, e he pro-
pria para ama de casa, mesmo de homem
slteiro, por ter excellent-) conduela : na
ra larga do Rozario, 11. 46, primeiro andar.
o 9
0 Vende-se um rico vestido de sarja 0
a branca com elegantes onfeiles para jr^
casamento : d-se por proco muito
O commodo : na ra do Queimado, lo- S
O ja n. 7. 9
O 9
~ Vende-so urna magnifica e elegante
casa de campo, sita margara do rio, no
lugar do S.-Anna-de-Dmitio, contigua ao
sitio dos herdeiros do fallecido coinmen-
dador Antonio da Silva e confronto ao si-
tio do Sr. Gabriel, com um terreno de 600
palmos de frente e 800 do fundo, com suf-
licicncia de tercapim para 8 ou mais ca-
vallos, e oulraspUmacoes, que ludo pro-
duzcommuila facilidad1* pela fertilidade
do solo, com excellcnle banho que fica ;i
noiica distancia da casa : 0 ar he muito
fresco e saudavel, com extensa e aprazivel
vista os pretendei.tes para ver, dirijam-
se ao mesmo lugar, cuja entrada he lo-
go adiante da propriedade do Sur. Relem,
dofronte do Sr. Nicolao, a fallar com o Sr.
Joo Venancio; e para tratar, na ra da Ca-
deia do Recife, com o Sr commendador Ma-
noel Goncalves da Silva, ou em S.-Jos do-
Manguinho casa defronle da estrada nova
Vende-se urna medalba com diamante,
um lacodo filagrana, um annel com dous
diamantes, um par de brincos com alguns
brilhantes, um bu/.io encastoado : tudo
proprio para a festa : na ra do Crespo, n.
12. loja.
!> <
^ Na loja do sobrado amarello nos jj
> quatro-cantos da ruado Queimado, s
J n. 29, vende-se um grande sorlimen- 2
."> to de casimiras elsticas da cores e 2
',> bons padres, 5/e 5/500o curte ; ^
i cortes de calcas do lila fingindo ca- > simirn, a 1,800 rs. ; ditos de brim
* trancado decores, a 1,440 rs.; di-
^ tos de dito amarello, de puro linho,
j* a 1,440 rs. ; ditos dedilo branco, a
:* 1,000 rs. ; e oulras minias fazendas
E baratas.
;*
nos pouco mais ou menos, que cozinha o
diario de urna casa, lava o trabalha bem d> j^" CaDliii"''a'
enxada, por ler sido do matto : na riiaNo-( '
va.n. 28 Obras de ouro.
Arroz grfido de vapor :
vende-se por preco mais commodo do que
em outra qualquer parte : no armazem que
foi do fallecido Braguez, ao p do arco da
CooceioSo.
Esl to reslo.
Vende-se farinha de araruta de superior
qualidade e ltimamente chegada a este
mercado em barriquinrns de arroba e mcia,
pelo diminuto preco de 3 000 rs. a arroba:
no becco do Azeito-da--Peixe, armazem de
francisco Antonio da Rosa. 1
Vendem-se chapeos de castor bran-
co, vin los recentemente do Rio-
do-Jaueiro ; excellente sorlimen-
to de chapeos do Chile e da Italia, os mais
linos que teem viudo a este mercado ; ditos
apparelhadus para meninos, do ultimo gos-
to ; surtiineuto de chapeos de seda fran-
cezes, dedifferenles formas e de superior
qualidade; bonetes para humera e meni-
nos a 400 rs. viudos ltimamente, e que
silo ptimos para 11 presente eslaeflo: na
praca di Independencia, ns 24, 26 e 28.
A 7 OOO rs.
Vendcm-sc chapeos franeczes da ultima
moda : na ra do Queiuiado, n. 1". loja no-
va. Na mesma loja ha, alm de minias fa-
zendas modernas, de bom gasto c por pre-
CO commodo, luvas de pellica de cores para
iii'inntn e senhora, muito baratas, pannos
linos de cores e preto, a 5,000 rs.
JesI'S CliltISTO PER ANTE O SE-
cui.o, por Bosellyde Lorgues, ex-
cellente traduccao portuguesa, 1
volume.
Luiz de CamOes, obras comple-
tas, ntida edicao em 3 volumes,
emprehendida por Harreto Feio,
em Hamburgo.
Vendem-se estas 1 obras mu
bem encadernadas na ra larga do
Un/ano, loja de miudezas de J.
J. l.ody.
Na ra estroita do Itozari, n. 4, ven-
dem-se os seguintes livros : diccionario
nortuguez de Constancio, 1 v. ; dito poti-
co por Candido l.uzilano, 1 v.; dito da f-
bula, 1 v. ; 1." c4. volumes da Revista Uni-
versal ; o Iris, jornal publicado no Rio-de-
Janeiro, 3 v.; historia completa das inqui-
sices de Ilesnanha, Portugal e Italia, 2 v.;
Feliz Independenle com estampas, 2 v.;
Cuilherme Tel, 1 v.
Vende-se um prelo crioulo, novo e de
bonita figura : na ra do Queimado, loja de
ferragens, n. 14, se dir quem vende.
Ultima moda.
Vendem-se ricos manteletes de chamalo-
te, de tafet e de bico ; lindos chapeos de
seda para senlioras ; luvas de pellica bran-
cas, pretas e de eres; luvasde malha fina
pretas; e cortes do cambraia lina imprimi-
os, chegados pela Minerva, ultimo navio
m
m
m
Nova, atrasda nialrix, ns. 2e4, venda bo- ..
nitos chapeosfrancezes para homem ditos) vindo do Navio : no Aterro-da-BOs-Visla,
de pallia a herios para senhora ; ditos de ca- (loja, n. 1.
MU Til Ano
QZVA T, ^*iAftft*^Aft !* %*4,.'>
Vendem-se, na ra Augusta, por bai-
xo 1I0 sobrado que fui de Jos Mana, n. 1,
as superiores lingnicas do sertao, sendo dei
sevado, e algumasde vaccu, o melhor pos-
sivel, pelo prego de 320 rs. a libra.
Bom e barato.
Vendem-se sapatos sabidos hontem da
alfandega, de couro de lustro para senho-
ra, a 2,000 rs. ; ditos de sola e vira para ho-
mem, a 6,000 rs.; ditos de urna sola, a 4,000
rs. ; ditos de sola e vira, chamados de Nan-
tes, a 5,000 rs. meios botins gaspeados
para homem a 7,000 rs : na loja de miude-
zas de Joaquim Menriques, junto ao arco de
S,-Antonio.
Charutos de Havnna
verdadeiros :
vendem-se em casa de Kalkmann Irmos,
na ra da Cruz, n. 10.
Acaba de chegar loja de
.Haya Ramos # C.,
um lindo sorlimento de pipis para forrar
salas, acompanhado de riquissimas barras
e bellas guarnieres: ludo da melhor qua-
lidade possivel e gostos os mais modernos:
aquellas pessoas que quizerem forrar suas
salas com asseio e gosto, dlrijam-se ra
Nova, n. 6. na indicada loja cima que se
Ihes promelte eommodidade de preco.
Igencia de Edwin ifaw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
moiit&Cnmpanhia, acha-se constantemente
um grande sortimento do ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como laixas de ferro coado e balido de dif-
iranles tamanhos e modelos, moendas
de dito, tanlo para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vapordefrcade4cavallos, alta
pressflo, repartideiras, espumaderas, etc.
de ferro estanhado. Na mesma agencia acha-
se um sorlimento de pesos para balanzas ,
escovins paia navios, ferro em barra, tanlo
quadrado como redondo, salra para ferrei-
ro e urna porgo de tinta verde em latas :
tudo por barato proco.


*,
Vendem-se sapatSes de conro
de lustro para homeni e meninos ,
ditos de bezerro francs; ditos
brancos para homem c meninos,
chegados Iiontem : na ra da Ca-
deia do Recife, loja n 9.
Vendem-se relogios de ouro e Prat,
patentes Ingle7es: na ruada Senzalla-No-
vs, n. 42. ,
.- Vendem-se cautelas da lotera do Gua-
dalupe, cujas rodas andam no da 14 do cor-
rento : na ra Direita, n. 7.
Vende-se muito superior la-
rinha gallega em meias barricas :
na ra da Cadeia do Kecife, es-
rriptorio de Deane Youle & l. ,
on no primeiro armazcm do becco
do Goncalves.
-- Na ra das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 8 cscravos, sendo 4 pretas,
liias de nacfio e duas crioulas, de 18, 20,
22 e 30 annos, de bonitas figuras, 3 das
quaes engommam bem, cosetn chao, cozi-
ntiam, lavam do sabSo e fazem lavarinto, e
a outra coiinha, 'ava e he ptima quintan-
deira ; duus moleques de 1* a 18 annos, um
dos quaes sabe cozmbar ; dous escravosde
20 a 22 annos, ptimos para o servido de
campo.
No armazem do barateiro
Silva Lope---, na porta da alfaiule-
ga, vende-se farinlia de trigo de
i'hiladelphia muito nova e a mais
super or que tcm no mercado ; e
barra com figos de comadre, mui-
to IIOVOS.
Arados de ferro.
Na fundigSo da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
BA DA SKKZALT.A-NOVA, N. 4a.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver mu completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenbo ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
co^do, de todos os tamanhos,
para dito.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na liahia
Vende-se em casa de O. Ilieher & C.
ni ra da Cruz, n. 4, alcodflo trancado
aquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Clitl brasihiro.
Vende-se cita lirasileiro no armazcm de
moldados, airas do Corpn-Sanlo, n. 66, o
mais excedente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem vindo a este mercado por
prego muito commodo.
Moendas superiores.
Na fundieSo do C. Starr & Companhia ,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
de caima, todas de ferro, de um modelo e
construcgiio muito superior,
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de molbados atrs do Cor-
po-Santn, n. 66, ha para vendar, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos- S.-Flix, e de outras muitas
qualidades que se vendero mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estilo vendendo pelo diminu-
to preso de 500 rs. o cento.
Corles de brim de cores
com listras ao lado, a
1.280 rs.
Vendem-se corles de brim de cores com
listras (o lado, a 1,280 rs. ; riscado de ul-
godSo americano, proprio para escravos, a
140 rs. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que volla para a cadeia.
A 430 e 560 rs.
Vendem-se castas francezas de cores fi-
las e de bonitos padres, pelo barato pre-
cede 480 rs. a vara; chitas largas france-
zas e de listras cor de panga e cor de cinza,
pelo baralo preco de 360 rs.; brim tranca-
do amnrello de puro liuho, pelo barato pre-
co de 640 rs. a vara : na ra do Crespo, n.
14, oja de Jos Francisco Das.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na rua da Cadeia, n. St,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
escravos.
Ruarles de furta-cres a
200 rs. o covucl o e ris-
cado nionstro a 220 rs.
Vende-se zuarte de furta-cres muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monslro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na rua ilo Crespo, loja da esquina que
\olu parr a cadeia.
Vendem-se corles de cambraia de co-
res pelo barato preco de 2,000, 2,400, 3,000,
a,500 e 4000 rs.; ditos brancos com barra a
0,000 rs.; ditos de cambraia de seda a 3,000
e 5,000 rs. ; ditos de balsemiras de cores
a 1,600 rs;; meias para senhor* a 280, para
menina a 160 e para menino a 100 rs.; e ou-
tras muitas fazendas por barato prego : na
ruado Crespo, loja n. 15, de Joaquim de
Oliveira Maya Jnior.
Na porta da alfandega se vendem bar-
ricas de magias, pelo preco de 6,000 rs. a
barrica : esli bem conservadas o perl'eitas.
por ttrem viudo as barritas dent do gelo,
--Vendem-se ricas toncas para baptisados
de enancas: na loja do Francisco Joaquim
Duarts, na rua do Cabug.
Taixas para engenho.
Na faodicfio de ferro da rua do Brum,
icaba-so de receber um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promplidSo embarcam-se,
nu carregam-seem carros sem despezas ai)
comprador.
Cera em vplas.
Vendem-se caixas com cera em
velas fabricadas no Rio-de-Janei-
ro em urna das melbores fabricas,
sortimento ao gosto do comprador,
c por preco mais borato do queem
outra qualquer parte: a tratar
com Machado & Finheiro, na rua
do Vigario, n. 19, segundo andar.
Vende-se arroz a cincoenta ris a li-
bra, sendo a arroba anda por menos: no
pateo do Hospital do Para izo, venda n. 20.
Vendem-se canarios de imperio, vindos
pelo ultimo navio do Porto, por prego com-
modo : em Fra-de-Porlas, n. 131, venda.
Vende-se um relogio de ouro patenle
suisso, por prego commodo: na rua do
I.ivramenlo, n. 25.
Vendem-se diversos escravos,
a saber: um moleque de 14 annos, cozi-
nheiro ; umdito de 12 annos; um mole-
Clto bom remador ; um preto de 26 annos,
que entende de marujo ; 3 pretos para o
servigo do campo ; um pardo sapateiro, e
que he ptimo para pagemjum dito para
trabalhar em um sitio ; urna parda engom-
madeira e cozinheira ; duas pretas; eou-
tros escravos : todos estes escravos ven-
dem-se muito barato, parase fecharen! al-
gumas contBS: na rua das Larangeiras, n.
14, segundo andar.
Vendem-se muito boas bichas dellam-
burRO, o tambem se alugam por prego mui-
to commodo: na rua db Aragflo, na Boa-
Vista, loja debarbeiro de Theophilo Jos
Ferreira de Sampaio.
Vendem-se saccas com familia muito
boa e bem torrada, por prego commodo : no
armazcm do finado Braguez: na rua da Ca-
deia, ao p do arco da ConceigSo, n. 6 0, ou
a fallar na loja do Jo.lo Jos de Carvalho-
Moraes.eno inesmoarmazem.
Para quera tiver bom
fOStO.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padres, e o melhor que
tem appBrecido neste mercado : na rua do
Crespo, loja da esquina que volla para a
cadeia.
A 2,720 rs. cada ti ni
corte.
Na loja deGuimarilcs & llenriques, rua
do Crespo, n. 5, vendem-se novas cassas
parisienses, padres muito modernos, pe-
lo barato prego de 2.720 rs. cada um corle :
esta fazenda se torna muito recommenda-
vcl pela superior qualidade e barato prego.
-- Vendem-se amarras uc ijrro: na rua
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Cera de carnauba.
Vende-se ceia de carnauba de superior
qualidade, chegada prximamente : na rua
daModa, n. 21, primeiro andar, se dir
quem vende.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda
feita a moderna e com um pequeo uso,
sendo 18 cadeirai, duas dilas de Dragos, um
parde consolos com lampos de pedra, urna
mesa de meio de sala com lampo tambem
de pedra, e um soph : na rua da Cadeia de
S.-Anlonio, n. 18.
Vende-se um piano inglez de mesi, e
de mogno, em meio uso, encordoado de
novo, com multo boas vozes, e por prego
commodo : na rua do l.ivraincnto, 11. 27.
Armacao.
Vende-se a armagiln da loja do Aterro-
da-lloa-Vista, n. 78, por prego commodo:
a tri.iiir na mesma roa, n.58, loja.
JRfe Na na do Queimado, n. 22, loja
_MaM de chapeos do Domingos Francis-
^a^ Bamalho, vendem-se chapeos de
palha -Ja Halia, pelo diminuto prego de
2,500 t 5,000 rs. A clles antea que se aca-
bem. Tambem ha um sortimento de cha-
peos pretos para homem e meninos; bo-
netes para os ditos ; ditos para militares,
tanto de linhacomo de goar la nacional ;
um sortimento de jogos ilc visporas ; esto-
jes para barba ; ditos para costura : ludo
por mais barato prego do que em outra
qualquer parte.
Vendem-se caixas com cem charutos
de superior qualidade, a 1,200 rs.: no pa-
teo da ribeira de S -Jos, n. 5, venda.
Vende-se urna marqueza em bom es-
lado : 110 Aterro-da-lioa-Vista, D. 76.
Saccas com farelo novo,
de 80 a 90 libras, a 5,?:
vendem-se no armazem do Antonio Aunes,
no caes da Alfandega, e no de Vicente Fer-
reira da Costa, na rua da aladre-dc-neos,
chegada* ltimamente de Lisboa e de
F ranga.
Xaropc deangico c cho-
colate de sade.
Acaba de chegar do Maranhfio, sonde he
fabricado, um novo sortimelo destes dous
objectos, j bem condecidos tiesta cidade
por muitas pessoas que tectn feiio uso dcl-
es, as quaes confirman! o seu bom resul-
tado : vendem-se no mesmo lugar do cos-
lumc, na venda da rua da Cadeia do Itecile,
n. 25, defronte do Becco-l.argo, pelo mes-
mo prego de mil rs. cada garmfinha de xa-
rope e 610 rs. a libra do chocolate de n. 3,
e 800 rs. o de n. 4.
Farinha de trigo ame-
ricano.
Vende-se farinha de trigo americano, da
marca Brand-Wine, chegada ltimamente,
por prego commodo : em casa de J. J. Ti-
so Jnior, na rua do Amorim, n. 35.
Ycinlem-.se muito bons e frescaes quei-
jos de Minas, com o peso do mais de duas
" libras, a 640 rs. ; muito boa carne de porco
' salgada, a 80 rs. a libra ; bom toucinho, a
160 rs. a libra : no pateo do Carmo, n. 1,
venda.
Novos gambreCes a 2,000 rs o
corte.
Vendem-se superiores cortes de caigas de
gambreflo, com 3 covados e meio, pelo di-
minuto prego de 2,000 rs. o corte, esta a-
zenda torna-se recommendavel pela su*
boa qualidade j bom conhecida, de boni-
tos padrOes: na rua do Collegio, n. 1, loja
da estrella,
-- Vende-se urna escrava de nagSo Costa,
de 35 annos : no pateo da ribeira de S.-Jo-
s, n. 5, venda.
Os mais ricos mantele-
tes e capotilhos.
Vendem-se os mais asseiados mantelete:
e capotilhos de chamalote de seda e gor-
guro, os mais ricos que teem apparecido s
na rua do Queimado, n. 9.
Vinho generoso.
Vendem-se barns com 12 caadas de vi-
nho generoso do Porto, com 20 annos, per
ser da cclheita de 1830 : este delicioso licor
he muito apreciado nos tostes, e por isso os
amadores devem aproveilara occasio : o
prego he commodo : no armazem de Dias
Ferreira, no caes da Alfandega.
= T "1 A n Z
' *s
? ^ ,S 3)1?;
* ?2 SJfil
*- I? .-fftfO
V o em fe
?ce
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de San-Ma-
tbeus a mais superior que ha no
mercado a bordo da sumaca Bella-
Arselina, fundeada defronte do
caes do Collegio, ou na rua do Vi-
gario, n. 19, a.c andar, a tratar
com Machado & Pinheiro.
I Chapeos do Chile de
superior qualidade.
jg Na rua do Collegio, n. 9, receheu-se
% 11 m lindosortimenlo destes tfloaprc-
f| ciados chapeos, que se vendem por
t{ prego commodo.
Vende-se urna escrava cri-
oula, bonita figura, propria para
qualquer servico de una casa : na
rua da Cadeia do Hecife, loja de
Jo5o da Cunha MagalhSes, n. 51.
Na rua Nova, n. 5,
Vendem-se dous lindos mulatinhos para
pagens, sendo um delles bom bolieiro e co-
peiro, e que he muito civilizado ; um par-
do hom Milicia! dealfaiate; um moleque de
nagSo, que he muilo bom cozinli eito e de
boa conduela o quo se alianga ao compra-
dor ; um moleque do 18 annos, bom Mili-
cia! de alfaiate ; dous pretos bons Irabalha-
dotes de enxadas ; duas pretas com habi-
lidades ; urna mulatinha de 14 anuos, enm
principios de costura e engommado ; duas
pardas com habilidades.
Vende-se um rico e novo adereco com
seus brincos e allinetes, lodos de diaman-
tes, d-se por melade do que custou ; una
correle com 42oilavas ; um cordo gros-
so enm 48oilavas; um trancelim de lila-
grana com 24oitavas, e alguna anelOes com
brilhantes: na rua anliga dos Quarteis,
n. 8.
Vende-se um muito bom carro de 4
rodas, pouco usado, para um ou dous ca-
vallos, capaz de levar sete pessoas, e de p-
timo gosto, com todos os[arrelos completos,
e que he muito proprio para urna familia :
uoBccife, cocheira doSr. Augusto, no ar-
co dn Gom-Jesus.
Vende-se urna porgSoda melhor agoa-
ardente de Franca ( pal Brandy) que t< m
vindo a esle mercado, em raizas de orna
duzia ; e Igualmente muilo bons charutos
da Babia, por prego muito em cunta : na rua
da Cadeia do lenle, n. 48, casa de Augusto
S. Corbelt.
Vende-se urna preta de nagilo, de 20
annos, de muito boa ligura, que cose, en-
gomma, cozinha, ludo bem feio ; urna dita
com urna cria de 10 mezes, a qual cose e faz
lavarinto ; 3 escravos mogos, de muito boas
figuras, bons para todo o irabalho; 2 mu-
latinhos de 10 annos, bons para servirem a
urna casa, ou para aprenderem um officio ;
um preto bom oflicial de sapateiro e bom
pagem : na rua do Collegio n. 21, primei-
ro andar, se dir quem vende.
Ultimo gosto.
Vendem-se os tnelhores chapeos de mas-
sa franceZa que teem vindo esle anno, lan-
o em fi ma como em boa qualidade : hl
para cabega bastante pequea, a 7,500e
8,000 ra. : na rua do Collegio, n. 1, loja da
estrella.
Vende-se espirito de 37graos, a 1,200
rs. a caada, e 160 rs. a garrafa : na rua da
Praia-de-S.-ltila, n. 1.
Vendem-se bilheles da lotera de N. S.
do Cuadalupe, que ha de correr no dia 14
do correte; o Inleiros a 8,500 r. e os
meios a 5,000 rs : na rua do Queimado, n.
53, loja deoiiudezrs.
Vende-se um cachorro da ilha, por pro- I
go commodo: na rua da Concordia, pas-'
sando a puntezinha, direita, piimeiral
casa, i
Vende-se cera de carnauba multo su-
perior, a 6,000 rs. a arroba: na rua Nova,
n. 59, loja de trastes, defronte da rua de S.-
Amaro.
Farinha de mandioca.
A melhor farinha que se acha no merca-
do vende-se a bordo da garopeira fundea-
da defronte do l'asseio-Publico, a prego de
2,700 rs. o alqueire da medida velha, e sen-
do em porgOes se tratar com quem se acha
a bordo, que poder vender por menos.
Velas de cores.
Vendem-sc, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Saoto, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, asquees se tornam
recommendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de esperrnacete,
e nSo fazerem momio.
Folha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres:
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnior.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem enligo da rua da Madre-de-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
baixo das mesmas condigOes, oflerecendo
a deliciosa pingado vinho da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por220rs a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Bordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. NSo se admirem
os fieguezes do baixo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o antigo pre-
go, embora este genero tenha subido o me-
lhor de 30,000 rs. por pipa. Examinen! os
amantes a qualidade para reconhccimenlo
da verdade e continuado da antiga fregu-
zia. E para nSo haver usuras, esulo promp-
las garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como barris de diversos ta-
manhos para proviso do prximo Natal,
proprietario conta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os precos do reta
Ihoa primitiva de 240 e 280 rs. a garrafa.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa,
de boa qualidade, em barriszinho!.
pequeos de quatro arrobas, por
preco jarato, como j ha muito
lempo se nao vende : no tecile,
rua da Cadeia, armazem n. 12.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
O >
Q Na loja do sobrado amarello nos <)
0 quatro cantos da rua do Queimado, n
vj n. 29, vendem-se corles de vestidos m
2 de seda do cores com 22 covados a 25, A
. 28 e 30,000 rs. cada corte ; cassas- m
chitas as mais modernaa e do cores f'.,
fixas, a80O e 900 rs. a vara ; chitas *J
* francezas largas muito bonitas de *
desenhos, a 340, 3(0 e 400 rs. o co- O
O vado; um completo sortimento do
O manas e chales de seda para dille- O
G> rentes pregos ; chapeos francezes da
O ultima moda; lengos brancos de >
O cambraia do linho e outras muitas O
y fazendas de gosto: tudo por prego de J
Q agradar aos compradores. ^3
O O
Chapeos de palha e sa-
patns do Aracaty :
vendem-se em poredes por preco
commodo: na rua do Amorim, n.
36, armazem de A. J. Vidal &
Companhia.
Para se acabar.
Vendem-se superiores cortes de cam-
braias finas antigs, pelo barato prego de
2,500 rs o cite; bem como uovos corles
de cassa-chita, de lindos gostos, a 2,800 e
3,000 rs. o corte : na rua do Collegio, n. I,
loja da estrella.
Pechincha.
Vendem-se corles de caigas de meia casi-
mira de bla, a 1,600 e 2,000 rs. o corte, bas-
tante encorpado; bem como meias para
senhora, a 200 rs. o par, e a duzia a 2,000
rs. : na iua do Collegio, 11. 1, loja da es-
trella.
Vende-se superior vinho de
Champanhe e farinha de trigo Ba-
rn : na rua do Trapiche, n. t3.
Vende-se farinha de man-
dioca muito superior de Santa-
Calharina nos armazens de Fran-
cisco Dias Ferreira, n. 1, no caes
da Alfandega : a tratar nos mes-
mos, Ou com Novacs & Compa-
nhia, na rua do Trapiche-Novo,
n. 34.
Casimiras a 3,5oo rs.
Vendem-se cortes de meias casimiras de
bonitos gustos, com tres covados e meio,
pelo baralo prego de 3,500. o corle ; ca-
simiras superiores, tanto em padres como
em qualidade, a 4,5,6 e*',000 rs. o corte:
na rua do Collegio, n. 1, loja da estrella.
Vende-se um rico presepe, um piano
de Jacaranda quasi novo, urna mesa de jan-
lar com abas, duas bancas de Jacaranda,
duas dilas de amarello de columnas, um
oratorio com imagens, 4 mangas de vidro
com calungas de gesso, 4 quadros com ima-
gens, um relogio de metal para cima de
mesa, urna cama de Jacaranda, urna estan-
te, um candieiro, um diccionario de Cons-
tancio, a msica da Norma : na rua Nova,
armazem de trastes, defronte da rua de S.-
Amaio. n. 59, se dir quem vende.
Vendem-se quatro lindos molecoles de
18 a 20 anuos sem vicios; seis pretos bons
para todo o servigo, de 20 a 30 annos: um
casal de escravos muito mogos, com um |-
llio de 16 mezes, eques0o-de boa conducta
o que se alianga; urna preta com um Mboda
10 mezes, a qual engomma, cozinha e cose
perfeitamente ; urna linda mulatinha de 12
annos, com algumas habilidades odehoa
conducta; duas ditas com todas as habilida-
des uecessarias para urna casa ; urna preta
de nacjio muito boa cozinheira, quitandei
ra e lavadelra, com urna filha de 12 annos
muito linda e com alguma habilidado; tr
ditas com algumas habilidades e muilo m0
gas; duas ditas de meia idade, assim como
outros muitos escravos: na rua da Cadeia iln
Becife, n. 4o. uu
Pf chincha.
Na rua do Queimado, vindo do Rozario
segunda loja, n. 18, vendem-se cortes de
cassa com um pequeo defeito, a 800 e 1,200
rs.; panno fino, muito bom azul e cor
deazeitona.a 3,000 rs. o covado; cortes
de fustao branco, a 500 rs.; lengos de se-
da de cores para algibeira, a 1,000 rs.; di-
tos de selim para grvala, a 1,000 rs.
outras muitas fazendas por commodo prego
Vende-se urna escrava crioula de 18 a
19 annos, sadia e sem vicios, bem vistosa,
a qual cose engomma. cozinha e lem urna
cria mulatinha de meze meio : na rua das
Cruzes, sobrado n. 16.
ptimo petisco.
Vendeai-se sardinhas em calda, vindos a
primeira vez a esle mercado, e o exceden-
te peixe ruivo : na rua larga do Rozario
n. 25.
Hecravos Jrutifco*<
Fugio, na noite do dia 10 do rorrete
urna preta crioula, de noma Mari.) Benedic-
ta, natural da Parahiba, de 25 annos pou-
co mais ou menos, de bonita figura ; levou
vestido de chita escura, panno preto e si-
patos ; suppe-se estar escondida mesmo
nesta cidade, visto nSo ler o habito de sa-
bir a rua : quem a levar rua do Sebo, n.
20, era recompensado. .
Do abaixo assignado, morador em
urna das casas do arsenal de mantilla, fu-
gio, em o dia 8 do correte, pelas nove ho-
ras do dia, um moleque crioulo, de nome
l.ino, de 19 a 20 annos, cor fula, nariz gros-
so e chato : lem um dente da parte supe-
rior arrancado e urna marca de queimadu-
ra sobre um dos olhos, pernas arqueadas,
corpogrosso; levou camisa de algodDozi-
nhoe caigas de panno azul : adverte-se que
elle costuma a mudar de roupa e andar pe-
los suburbios da cidade, l'onte-do-Ucha,
Passagem-da-Magdalena.; e como seja elle
muito conhocido, roga-se, pois, aos capi-
tfles decampo eaquellas pessoas que delle
souberem, de o apprehenderem e levarem
ao seu senhor, ou entilo communicarem o
que souberem a tal respeito, que serSo ge-
nerosamente recompensado.!
Thom Ftrmmict Madeira ie Castro.
Fugio, no dia 7 de julho do correte
anno, um esciavo do abaixo assignado, de
nome Antonio, crioulo, de 25 annos, de al-
tura regular, principiando a barbar por bai-
xo do queixo ; tem as maguas do rosto al-
tas e queixo fino, bocea um tanto grande,
heigos e nariz grossos, denles a herios een-
cardidos, ps pequeos ; toca pfano e al-
gum instrumento de corda; he serrador,
telheiro e canoeiro ; tem um irmflo de ne-
me Joaquim, por anthouomazia Saguim, ti-
berio, casado e morador no becco do Quia-
bo. Itoga-se as autoridades policiaes o ca-
pules do campo, que o apprehendam e le-
vem-no ao Sr Joaquim Jos Ferreira, que
gratificar. } si Affonso de Aguiar.
Desappareceu, no dia 10 do corrente,
pelas 7 horas, um mulalinho claro, de no-
mo Emilio, de 10 a II annos ; tem de me-
nos um dedo na mlo esquerda : quem o pe-
gar leve-o rua da.Cadeia do Recife', n. 42,
casa de Vieira & Lobo, que gralificario.
Fugio, em dias de agosto prximo pas-
sado, do engenho Perequilo. um esciavo do
abaixo assignado, de nome Jos, Congo, de
45 annos pouco mais ou menos ; j est
pintando, cOr um pouco fula, bem barba-
do ; he serrador e trahalha de hanqueiro ;
lem as pernas quebradas por ler passado
um carro sobre ellas, sendo urna quebrada
na canda que nioslra grande signal, e a
oulr.i perto do joelho. que pouco signal
mostra, bem como (cao lugar da quebra-
dura grosso ; levou um elavinote ; supi e-
se ler ido para as parles do norte, poi ler
fgido pouco depois de andarem aqui
uns nortistas comprando jangadas: quem o
pegar leve-o ao abaixo assignado, ou tiesta
(iraca, a Joaquim Jos Ferreira, que grati-
ficar. Joao Barbosa Maciel.
Fugio, no dia 2 do coirente, um preto
serrador, bem conhecido nesta piuca, de
nome Joo, de nago Cassange, de estatura
alta, cor bem preta, com pouca barba, meio
(ola ; levou caigas de zuarte azul, camisa
de madapolflo ; ha noticias de elle estar tra-
balhandoem urna seiraria nesta praga, por
se ler visto algumas nuiles passeando :
quem o pegar leve-o ao Forle-do-llalos, rua
do Codorniz, n. 8, a Francisco Jos da Silva
Moreira, que gratificar. .
Boa gralifcacfio.
Fugio, no dia 3 de novembro do corrente
anno, um cabra e nome Ildefonso, de es
(atura ordinaria, cabellos desandados,
olhos grandes, beigos grossos, com um
dente de menos na fente ; serve-se coma
a nulo esquerda ; he candte ; tem dous de-
dos de menos em um dos ps, o mnimo e o
vizinho ; leva urna carta com sobscripla a
Flix Antonio de llrito, senhor que o ven-
deu ; be morador em AlagOa-Crande-do-
l'o, provincia da Panihiha do norte. Itoga-
se as autoridades policiaes, capilHes de
campo, ou outra qualquer pessoa, que o
apprehetidam e levein-no ao capilSo Vi-
cente Cavalcantede Albuquerque, no enge-
nho Oameleira, comarca de Nazarelh, ou
nesta praga a Francisco Cavdleante de Al-
buquerque, na ruado 1,1 vi amento, n. 14,
que serSo gratificados.
Fugio, no dia 6 do passado, o prelo
Benedicto, de nagilo, de 18 anuos, pouco
mais ou menos, sem barba ; levou camisa
de mndapolilu e caigas de tiscado largo o es-
curo ; de altura regular, corpo fornido,
beigos grossos, bocea grande, ps e millo* .
grandes : quem o pegar leve-o rua
treilado Rozario, n. 43, segundo an
que ser gratificado.
I'ra. : Di rrp. os u i. de mu.1549
l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9WIRS4CV_1BMJ0J INGEST_TIME 2013-04-24T20:07:02Z PACKAGE AA00011611_06736
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES