Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06729


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV.
Tftrjpa-ftiira 4
MIHIDAS DOS COBBZIOS.
Oolanna eParabtba, segundas esextas-feirat.
Rio-Graude-do-florte, quimas-feirasao melo-
da. '
Cabo, Serinhiein, Rio-Fonnoso, Porto-Calvo
Macelo, no l., a 11 e 21 de cada mea.
Garanhuna ?Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 18 e 28.
Victoria, s quintas-feirat.
Olinda, todos os das.
XrBEMEBIDES.
Pas.su Di ib. Miog. a 0. s A h. e ;I3 m. da i.
Novaa 14, lh.el8m.da t.
Crao.a22. asSh.el m.da iu.
Chela a 29, 1 Ib. e 4 1 ni. da m.
rauuB DE HOJE.
Primeira a 8 horas e 30 minutos da manh.
Segunda as 8horaseM minutos da tarde.
DIARIO DE
de Dczcmbro de 1849.
N. 72.
FBEOOS DA BUBSOaiFOlO.
Por tres inezes tadismados) 4,
Por seis me/es
Por un anno 1
DAS DA (EMANA.
3 Seg. S. Francisco Xavier. Au e do m. da I.t. .
\ Tere. S. Barban. Aud. da chae, do J. do civ. e do dos fritos da fazenda.
5 Quart. S. de raido. Aud. do J. da 2. v. civ.
8 yuint. S. Nicolao. Aud. do J. dos orf. c do
in. da 1. t. ,
7 aext. S. Ambrosio. Aud. do J. da 1. v. do civ.
e do dos Ccitos da fazenda.
8 Sab. >>t i.onceicodc Nossa Senhora.
9 I)un S. Leocadia.
CAMBIOS SMJBS DBZEMBBO.
Sobre riodl-n. 28J. por l.#000 r.. a 00 dins.
. Paria, 3(6.
. Lisboa, 100 por cento.
Onro.-Oncas hespanh oes......... 2/ 00 a 29/.H1
MocdasdebVit.Ovelhas.. QMW a I/0O
d.- oV-im, novas. 11*21*1 a 101400
, de 4/000......... #* %**
Pr.u.-P.larofibr.sllrlro..... IJJ* ggg
Pesos coliiinnarios....... A* a A'
Ditos mr.tc-.noS-....... >*V*i "S'
-so?
PARTE OFFCIAL.
MIISISTERIO DA JUSTICIA.
DECflETO N. .47 OE 6 S0VEMBI10
l)E 1819,
extinguidlo o lugar de juis de direito rio eivel
da cnpi/ul da provincia da t'arahiba.
I|p por liefi, usando da attnluiicfio que
me Confcre o art. 102 19 da conslitulcflo
n imperio, o om conformidad* da lei de 3
uezemWo do 1811. dar pa extincto o lugar
de juiz de direito d Tara civel da Capital da
provincia da l'arahha.
Euzrbio de Oneirs Gontinhn ahlloso da
Cmara, 'do meu concelho, ministro ese-
crplario de estado dos negocios da justca,
o tenha assim entendido e faca executar.
Palacio do Rio-de-Janero, 6 de novemhro
le 1849,vgesmo-otavo da independencia e
do imperio '>n a ruhrica de S.M. o Im-
perador. Euichio de Queirs Coutinko Mal-
tosa da Cmara.
MINI&TKBIO DA FAZENDA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DA 3
DE NOVES!Hito.
Ao administrador da recebedoria, que de-
ve continuar a pritiea de se cobrar dos vi-
garios collados os direitos de cinco por cen-
to, porque bem se entendern) excluidos da
disposicSo do 3da tabella rerpertiva os
beneficios ecclesiastieos, cojos rendimentos
consistert principalmente em congruas, de
que se faz explcita roencao no 4, para
dellas se pagarem os ditos cinco por cenlo,
bera como se pagam de outros rendimen-
tos foai diieito de perpetuidade, como so
apoSentadorias, pensoes, tengas, reformas e
jubilacfles.
DA 5.
Circular, declarando revogada a ordem
de 28 (le agosto de 1847, expe lida thesou-
raria da provincia de Peroamhuco, em que
se declara va q"e os contratos de arrenda-
mentns e loeacea de predios ou de escra-
vos nflo eslavam subjeitos ao pagamento do
sello proporcional^esCabelecido pela lei n.
317 de SI de outtiliro de 1843.
D't, para execrfco doa>t. 6 do regla-
mento do 28 de agosto ultimo, ti. 633, se
declara que esto aUigo no se refore aos
ol-jeclos queja tiverem sido rocebidns para
usu los cheles das missOes diplomticas
tiesta corte e dos naTios de guerra esiran-
geiros, e sim aos que, lendo sido despacha-
dos livres em vlrlde dos 1 e 5 do art. 1.
frem expostos tend antes de terem tido
aquello de.siitio, caco em que deem pagar
os di i eiios cotiio qaeesquer outros gneros
quu etitram no mercado.
MliNISTKKIUDA MAltlMIA.
DECRETO N. 041 DK 10 OUTUBRO D 1849.
Altera os estatutos pan a academia de mari-
nha, que baiiaram eosn o decreto n. 08o de
19 de levereiro ultimo
H"i por bem, alterando *> estatutos para a
academia de marinha que aattaramcom o de-
creto numero linimientos e lema e seis de
dejanove de feferelro ultiaao, ordenar o te-
gulnte: ...
Art. I. .Na academia de marisma havera um
s connnandaiite que ser oficial de patente
superior i de cpllao de fragata, eWa couh.-
dmento prolissional das materiasqitese ensi-
iiam na academia. _^_
rt. 2" Ao commandante cotilas, alm
das attribuicoea marcadas no araigo asas alo
referldoa estatutos, as que sao designadas no
artigo dcimo, nmeros treaequatro. '
Art. 3. O coiii mandante percebera, aleui
do respectivo sold, a gralificajao nienaal de
duientos mil res, e nilo podera eiorecroutru
cargo, neui accumular inais venciinentos aoa
que se acham aqu marcados; devendo tero
seu quartel no edificio onde existir a acalemla.
Art. 4." Na falla ou impedimento do ooiu-
mandante, fara as suas veies o lente militar da
academia que tiver malor gfaduacao ou for
inais antlgo, e vencer no primeiro caso a
mesiiia gfratiilcncSi do commandante, e no se-
gundo a quinta parte della.
Art. 5. Ficam em vigor, na parte em que
no sfioalteradas pelo presente decreto, as dis-
pusieres dos mencionados estatuios. .
Manoel Vieira Tosa, do meu concelho, mi-
nistro e secretario de estado dos negocios da
marinha, o lenha assim entendido e faca esc-
rutar coiii os despachos neeesiarlos. Palacio
do llio-dc-Jaiieiro, em 10 de outubro de 1849,
vlgeiliiioH>iUvo da independencia e do impe-
rio, (.orna rubrica de Sua Magestade o Impe-
rador. tNumt Tirira Toilo.
Dito Ao desembargador juiz relator da
junta de justica. remetiendo o processo do sol-
dado l.uir. Antonio de llollanda para, depnls
de visto, ser apresen lado ein sessao da inesuia
junta.
Dito.Ao Inspector da pagadorla militar,
esiglndo a guia do segundo lente de artllh
ria a cavallo Miguel Ignacio Leal 'tucc, para
ser enviada ao Kxm. niinislro da guerra que a
eslge.
Dito.Ao administrador do Iheatro, cntn-
iiiunicando-lhe que approvou o contrato cele-
brado com n Ir Wiliner para a pintura do
mesnio Iheatro ; e que ordenou ao Inspector
da thesoiiraria da fazenda provincial man
dase abonar ao referido Wllmer a quantia de
1-820,208, Importancia da primeira presiacao
por que folconiratadaa mencionada pintura
Neste sentido i,fliciou-sc a thesouraria da fa-
zenda provincial.
Dito Ao provincial do convento do Carino
do Recife.Rvin. Sr.Sendo preciso para a
consiruccao de urna cadeia e de varios outros
edificios de publica utilidade o terreno de ma-
inanicipios. Uma le especial regular o
processo oleiloral.
O a ligo quinto promette reformas na or-
dem jii'ciaria.e na legislacRo civil, crimi-
nal Bilminislratlva.
Emfim, o artigo sexto prnmtle u
amnista geral com certas resiricc,0es.
OscarileaesgovernailoreiileRoms lie que
flieram conh cer ao< Romano<, co>n o mol"
proprio papal, as condiefles e reslriccO'-s
impovlas i amnista. Elles aflixTam para
esseefieito uma nroclamacio que he dig-
na de ser cnnlieci'la ; pots nenhuma am-
nista poltica mereceu nunca menos tal
nome do que a que elles mngitiaram.
Notificad i da commiitdo do governo.
Sua Santdade, considerando as circums-
tancas qunalt^nuam para certo numero de
seus vassallos o crimo do terem tomado
parte as desordens polticas qun uliima-
menle tanto? aflliglram os oslados pontll-
rinha n. 65,"pertencenle a ease convento, sou (>ns. e desejoso de mostrar cada voz mis a
a rogar V. Rvin. hja de" fazer rom que elle [,,, ja,ie j,. sflu paternal corceo, usando de
seja cedido a provincia, sob a condiio de dar- geu p|en0 n0dr em prol de tantos estrava-
se de aforamenlo oulro ao m lio. e dos>'8nteg fdUzidos qtie seductores, dig-
nou-so de lomar as itguiites disposicfl-s
iiidemnisar-se-o das despe as que porventura
tenha fello com o referido terreno.
GOVERiN DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA VW NOVEMBRO.
Omclo.-Ao enmmandante da praca, para
que mande rrceber a bordo do vapor S.-Salca-
ior os desertores do4.* balalho de arlllharia a
pe Flllppe Jos Perelra e Maiaqulas Le le Hra-
ga, que Tieram da Habla.Nesie sentido osn-
clou-sc ao agente da companhia dos vaporea
Dito.Ao uiesinn. comniunicando haver con
Coinmaiido das armas.
Quarul-generat do commando das arma na
cidade do Redft de Pernhmbue, i. dt
dezembro de 1819.
HHDKM DO DA.
S. Exc. o Sr. marechal de campo gradua-
do, commandante das armas, manda fazer
publico guaroicHo que, por officin do tilionis he concedido, aor
Exm. Sr. presidente da provincia, de 30'de gencia, o perdilo de qullqner pona em que
nnvembro passado, llie foi communicudoi tenhan incorridoem consequencia dos de-
conforme ao artigo 6. do seu motu-proprio,
datado de aples em 19 do correte.
Em execuciio das ordens venerandas de
sua santidade, damo-nos pressa em publi-
car, de conformidade cora as suas sobera-
nas inlences, a nos transmitidas, as se-
guintes disposictV's i
A todos os que tomaram parte na revolu-
qSo ulliinamente operada nos estados pon-
-" soberana imlul-
que, por aviso do ministerio da guerra,
houve por bem S. SI. o Impera Ior declarar
que o alferes do corpo fixo de caladores do
l'i.uihy Jos Procopio Tarares fique tiesta
lelos polticos, por elle* perpetrados.
Excptua m-se deste perdilo :
Os membros do governo provisorio
Os membros da assemblca constituir
provincia emquanto ffjrem precisos seus que totnaram parte as deliberacOes do
servicos, e que, quando nSo o sejam inais, mesma.
se recolna AcOrte. os cliefes doscorpos milit-in?s.
Joti Pedro Hiilor, ajudante de ordens in- Todos os que, ha vendo goza lo do benefl-
terjno. co da amnista auler ormente concedida
por sua santidade, fa|taram palavra de
honra que tinham dado, tomando parle nos
acontecimentos revolucionarios que live-
ram lugar nos estados da santa so.
Os que alm dos delictns poliltCos se tor-
nara n culpados de outros dolilos.
O presente perdilo nflo garante a conser-
vacilo dos empregos, qnr pblicos, qur
COnRESPONDENCIA DO DIARIO DE PERNAM-
UUCO.
Parts, 9 d outubro de 1849.
,, ... provincia, quiT mininnsMsn m- r-"
lia ilonsdias que a nossa assembloa le- S(Jg eonjucla no8 ,/,, passadosse lorna-
gislativa se acha reunida e anda nflo lenbo rm rn(jiKus destes empregos. Esta reserva
incidente algum parucular que contar a, es,ende.sa ans emi.regados e militares do
Vmc Nossos representantes, cuja ausencia qn^iquer arma
dursnte sms semanas pouco inirortou jH yu,rnal. 18*ile setembro de18t9. --C.
Franca, rto nusaram fazer mnita bulla o; Clrileal |Wla r.na Sormst.'. --I., cardial
vnltarem ; e a propm nionlanha f, exem-1 vannicclli C.asoni. L. cardeal Altieri.
plarnasduassessOesqueacabamde terlu- Esles dllCumeilll) conhecldos em Pars
gar. He certo que nenhuma occas.flo. ne- ha dj c.usaram uma sansaciln tanto mais
nhum pretexto Ihe foi dado ate aqu para vj l(J he8,bdo que iram inmli
f.zer mot.m, porem Iu dous me/os Hla ,., .ciniiJos em Koma. O presi.le.it.. esl
nflo prec.sava de tal para entreKar-se as ma.s nll.jramante decidido a insistir com o papa
desordenadas manifost*Q0-s. Ht, pois. pro-, niiril-n ,im de om>r uma amlli8l,a mas am-
. JH DI O mu uu uiii^i iiuiii !!
gresso em nossos munUnhezes. Vendo que, ;u e refr,ni)S mtH completas.
, mostrain)' A mtiwXt do ministerio (to
a vio'oncia nada Ihes aproTeitava
agora moderado p astucia,
concertar
decidiJos
qual se (..
que as aggrcssoes de seus. advorsarios nflo
IhempOem niaisa lei da uniilo. A tctica
he hbil, e serla nMlvelmente bem succe-
dida, sea monlanha podesse suhmetter-se,
mesmo durantequnze dins, es'a regradi
discusslo e reserva que ses princpaes che-
fes Ihe tracassom; mas, sendocom osla, co-
mo he, de hoineus vilenlos e grosseiros,
rreio que tal nao far Um da a bomba rc-
beiitar, e todo o fruclo d'essa linda mano-
bra ser perdilo.
Antes do honlem a assembla limtou-
a veriOcar por utna chamada nominal,
tjaaes os membros prsenles qu.ies os au-
aates, sendo estes iiliitnosassas numero-
wis ; pots de 750 represeulantes smento
486 responder ni i chamada. O governo
tem que faz-T communici^Oes, o que se
agu-rdaeom suinna impacioncia, puis si-
l/o-se que devom referir-sn a um assumpto
(]ueprooccupa altamente a attoncSo publi-
ca; i.to he. o negocio de Roma.
Esie negocio entra agora em uma, nova
phase. Ja fallei a Vmc. acercada carta-lo
presidente ao coronel N-y : hoje devo refe-
rir-lhe umacto importaniissimo c quofoi,
d'algum modo, consequencia da csrta. Pro*
vocado pela Franca, o papa decidio-se a dar
a seus vassallos o programma das institu-
cOes que pretendoapplcaraos estados ro-
manos. Muito falta para que este program-
ma seja conforme ao que tracou o presi-
dente ; e o acto do papa foi acuihidu pelo
nosso governo com uin vivissimodesconten-
tamento.
Nflo reproduzrei litleralmenlo a Vmc.
asta peca que he lunguissima ; mas eis aua
(lelanalfse.
O ailigo primeiro do mota proprio insu-
de estado, o qual dever
(lOdOS OS 1110:11-
Uilo.Ao mesmo. MiiiiiiiiniraiuuiHiii".- roncelbo
Ss^r Xrr. t ift&ss: -:'". ft z S*AVr# '^SS de.lei
antes de aereo aubmeltidus a suuceao solio-
tratar--------------.....
res Manoel Cavalcinle Lina Walcacer.
Dito.Ao Inspeclur da ihesonraria da fazen-
da provincial, para que Informe se na reparli-
co a seu cargo houve lugar o pagamento das
inadriras que por ordem da presidencia fdram
forneerdas pela admliilatracao das obras publi-
cas commisso administrativa do Iheatro des-
ta cidade.
Dito.Ao mesmo, para mandar adiantar ao
engeuhriro Mil:l a quantia de dous contosde
rs. para com ella occorrer nao s ao pagamen-
artigo segundo institue para as (naneas
uma consulta de estado, a qual dar sua
opiniSo acerca do budgel e dos novos im-
postos : os membros da cutis olla o esco-
lliidos pelo papa sobro pfoposU dos conoo-
lhos provinciaes.
O artigo lercoiro confirma a instituigao
dosconcelhos provinciaes, os quaes serflo
to las ferias dos Iraballiadores emprrgados no' escolhlduS das listasapl'esenlada pelos Con-
12a la neo da eslrsda do Po-d'Alho, mas lam- j (.,.ihS municipafS. ElCS CUlICelllOS Sfloen-
pioinovcrem os inleresses
bem s despeas a saer ssn a obra do 17 lan- .,.,,,. joS Je
eo da estrada da Victoria, sendo um cont de ..rovincias
rs^ para cada u.i.a da. ^^9^-^, ^ d |Ue e|eicao direcl, ,, ..... ..... ------------ .....
Esta lie a rasflo por que o governo qmz que
aquestflo fsse soberiinaiueule elucidada
pnr um voto do parlamento.
Antes de hontem, pols, assim que a cmara
ae reuni, o ministro dos negocios eslraugei-j
ros subi tribuna para apresentar um pedido j
de crditos suppleuieniarlos relativamente as '
negncia(es com o papa. Elle declarou que os j
ministros da guerra e da marinha aprsenla- [
riain lamben! pedidos anlogos para as despe-:
zas l'eitas pelas suas reparlicoes, e pedio as-!
semidea quitesse reinetleros Ircs projectos de
lei uma mesma commissao, a qual fosse en-
carregada de examinar nao smenlc a parte
financeira da questao, seniio tambem a poliii
ca, devendo propr assembla urna solu(o
definiliva.
Tal he agora o catado deste negocio. Pela
minh.1 parte, crelo que nao smento os crditos
serflo concedidos isto he ludubilivel) senao
tambem que a conducta seguida pelo goveruo
ser formalmenle approvada.
Multo ba que dizer acerca desla conducta: se
a Intervenco nos negocios do povo romano he
justificada pela necessidade em que se achava
a Franca de nio deisar que a Austria intervi-
esse s, pode-sc ao menos considerar como
urna alta imprudencia, a publicidade dada
carta de presidente, pols era fazer, de algum
modo, moral violencia ao papa, u espr o
presidente a grandes dissabores, te os conse-
Ihot por elle dados nao fusseui seguidos He
o que pouco mais ou menos aconleceu ; mas a
assembla, que multo estima o presidente, nao
qucrerceriaucnle accrescentar aos inimigos
que llie veem do exterior os inimigos do in-
terior ; ella prestar-lhe-ha o concurso e apoio
de que elle precisa as negociacoes em que
anda esta empenhado. Entretanto o noiso
esercito permanecer em Roma, ao menos le
o l. de Janeiro prximo ; e a presenca de nos-
sos bravos soldados preservera os Romanos de
reaccoes violentissimas. Pens que se oblcr
fcilmente do papa, cujo corafio he chelo de
generosidade e clemencia, o alargar mais c
amnista por elle concedida i nanlo, porcm,
as reformas, ser mais difficll arraucar-lhe
inaiures concesses mas veremos como fuuo-
cionaiii as InStllulccs novas. Minha opinlo
he que o papadeu aos Romanos tanta liberda-
de quanta pode supportar a Inexpvriencia dos
meamos acerca do rgimen representativo.
Na sessao de honlem, a assembla reelegeu
Inleiranienle a sua mesa. Segundo os termos
do rrgulatnenlo, esta eleicu he vlida por es-
paco de tres mezes. O Sr. Duplu oceupouno*
vamente a cadeira presidencial, a qual lan-
gucio melhor que elle leve jus a oeeupar. O
carcter deste cidado he singular. Nuigueni
l'ein mais firmeza e ousadla do qne elle ros
lempos quietos, ou ipiaudo se seule vigorosa-
mente apelado ; mas falla-lbe energa uos un
no sen elemento ; c nlnguem melhor do que
elle aaber completar a derrota da monlanha,
se ella tornar.a fazer aedices. O denodo vol-
veu ao digno presidente desde 13 de junlio ; e
durante as ferias elle acaba de fazer no seu de-
partamento um gyro victorioso, onde baten
ejemplarmente o socialismo, Isto era apenas
urna desforra, porquanto os montanhezes li-
nham lio' fi'ilo spera Riierra no lempo das
elelcfles ; e pouco faltn que nao voltassem
hitelramente contra elle es-es bont eampone-
zoh da Nievre, os qnaes, s Jurando o anuo
passad plii Sr. Dupln. este anuo apenas Ihe
deraui bailantes suflrargios para poder f.uer
parle da assembla.
O pai/. contina em sncogo o commer-
cio Tai-se reaniman lo. os rditos do tho-
souro vflo autrhientanlo e, se ndo fosse a
falta de estahilldade/vlcio incuravel nss ro-
puhlicas; ludo reentrara brevemenln no
estado normal. Algumas leves agiacoes
houve nesla quinzena em Paris ; mas taes
enmmoedes nflo sio sensives. tanto a po-
lica he forte bem organisada Osmnn-
i.nlii-/ s quzoram fazer alguma bulla
com o anniversario da prnclamacfto da pri-
meira repulica (82 de setembro do 1792).mas
s flzeram mi lo sobre q papel ; e a trin
quillidade pul) ca nflo foi perturbada. as
provincias tentara n remediar os obreiros
com questOes d.i salarios. Em (ballet, ci-
dadezinha da Vandea, houve a esse resuel-
to um principio de alvoroco; mas a auto-
rilad n ennseguio apazgua-lo, e os obreiros
so aquietaran!. E'iisuuiina, a Sjluacflo he
boa, comanlo que a assembla nflo venha
estragar ludo.
A imprenca montanlieza parees qnorrer
segur o exi-mplo de reserva discreta, que
agora Inedia oiiposicflo pailamenlar. O fa-
moso Proudhom, que ha Iros mezes eslava
calado, acaba de empunhara nenna afimde
inaugurar um novo jornal a F03 do poco; o
todos licarum sorprosos e satisflos do tom
moderado que elle toma em S''U cometo,
ir ceno qun Proudhom esl preso ; elam-
bom he corlo i|ue despre? grandemente
esta tutba socialista que nflo p le dici-
plinar, e por cuja cansa*se acha encarcera-
lo. Veremos se sabara por longo lempo
desnmbaiarar-so dos lagos do partido, e se
continuar a desdenhar essa falsa popla-
ridade queseganl.a lisongeando as paixfles
vis da miiltidflo. Oulro escriptor ullra-de-
mocralco, o inaior prosnlor da nossa po-
ca, mas a alma mail clieia do foi. mais
odenla, e menos Chrlstif a, oSr. abbaJede
l.anioiiii is, acaba de fa/.er tsmbem sua rn-
entrada n* itnprensa. Elle se acha enear-
regadn Ja redacc.lo em chefe do uin jornal
jacobinaA Refnna-, ao qual impora sem
iinvid urna 'niido,iae;Yi hypocrtla.
Mas, se a op.'ostcflo montanlieza se mode-
ra, so. a un prensa moiitanlic/a ensaia dis-
corr-r em voz do injuriar, que fsrflo as su-
ciedades secretas, cujo tMinuerameuto ca-
rece de oulro rgimen f Eslranha siluncflo
he esta para u partido demaggico! Elle
peide-si pela violencia, "S homens do juizo
recouneceni isso; e se*n a violencia ds-
solve-se.
Os aconlecimenlos que s estflo passmdo
na Europa, oerto nflo sflo le nalureza pro-
pria a dar-lhespossbilidadode sticeesso.Ein
toda a parle a ordem "europea se restabelece
e consolida, smeni na Hungra existe um
nico punto, a cidadella de Comorn, on le
o ospirlo de rovolta anda lula. Co-norn
he uma praca forissima : todos os deses-
perados Hngaros o Polacos l se reuni-
rn; mas, isto nflo obstante, nflo ernoque
esta cidade prolongue por muito lempo
uma resistencia que nao i olera tnr oulro
Rm qiieoderramarem-seriosdesanBiie. Ita-
delli?ky, cojos consellms sio ellgintamen-
te escutadns na ciirlo de Vionm, obteve do
imperador que se ofTori'cesse aos cercados
uma capitulaqUo mu honrosa, modollaiia
pela capiliilaco do Venezs. Espera-se gc-
ralmento quo essas condicOes serflo aceitas.
Os princpaes chefes da rebelliflo Kos-
stith, os dous Puzel, tem, Damtinski, re-
fugiaram-so ( como j a Vmc. disse ) no ter-
ritorio othotnauo, e parece que Kossulli,
que nflo qu ir ser sorpreso, lovou comsga
uma magnifica jola que vale alaiins mi-
IhOes de, francos; isto he, a ooroareal'da
Hungra, A Itussia e a Austria, roclama-
ram logo da Sublime Porta a entrega des-
ses lovoltosos, fundan lose para isso em
um tratado d- 1774,o qual, contra as regras
do direito publico europeu, Ihes da ofeeli-
vamenleo direito do exigir da Porta a en-
troga dos vassallos condemnados pelas
leis, que se livorem refugiado na Tr-
uuia. Esas exigencias fram vivamen-
te combatidas em Constanluoi>la felos
represenlanles da Inglaterra e Franca ; e
o sullflo, vendo-so apenado, recti-a for-
malmente pre>tar-se a ellas ; as ultimas no-
ticias fazetn temer um rom, melo, pois
aniiuoca-se queosseiihores do Ualziwill
Slurtnes embaixadores russo e austraco,
deixaram logo a Turqua. Esto Tacto nflo
he certo, mas pareen certissimo que lord
PalmiTston et resolvido a proteger alao
litis a independencia do sullflo, e a i Tu- em
jogo' se iiecessario fr ) as loicas navoes
da Inglaterra. O nosso governo, de sua par-
te, nflo desguatara de aproveitar a occasifio
que Ihe he offerecida de gauhar populan-
dade, (jrontinciando-se furlemenie conira
a Russia.
Parece-me impossvel que as cousas se-
jam levadas al a ultima extremidade. A
Europa lem-se niaiilnio em paz ale hoje,
apezar de ludas as excitarles dos revolu
cionarios ; o seria grandemente ridiculo
que Kossulh, vencido e fugitivo, podesse
lomar-se um coiii bel ti. i-reio que a Itus-
sia e a Austria nflo inxslirBu em suas exi-
gencias verdaderamente selvticas ; e que,
em lodos o casos, a Turqua achara nieio
de desembaracar-se dos refugiados sera en
trega-los.
En-todn n resto da Europa nilo aconte-
cen cousa imprtame. Durante patada do
papaem aples, parpeoqu" utna tentati-
va .loassa-sinato foi folla, ou c mira sua
pessoa, ou contra ndo re Fernando, (m
tiro de pistola foi lirado em moio de limu
fesla publica, qual assisliam estes dous
soberanos; eignora-sn a qual lio! dnutO
tiro s diriga l'.l'c nflo ferio a n-nsuom.
ious inlvi luos fr mi presos, o um ddles
anda coiiso'vivn una pi-tnla r-eom-des-
carregada. Eslo negocio ho niysloiioso ;
jiinguem er ser i-ate ciiic resullado de
uini atroc ladn solada, e todos o altri-
biiom a essas ab.....itinveis sociedades S0-
crotiis qil" iiifoslam a Italia.
Na llollanda o ministerio acaba do ser
miniado. Ess- rein osla tranquillo o p's-
pero. Ello poto m unemonle dlvertir-ao
bom jogukihos da machina constitucional
Huiro tatito direi da Blgica, a qual acaba
do rel-liiar com pompa o ano versa rio da
revolueflo iue elevou ao Ihrono o re l.eo-
pol lo.____________^_______.'
INTERIOR.
MINAS
ASSKMItl.Ei l'lt()VINCI\l,.
No da liilooulnb'olerminou BUde*S*v
Irosa enrr-ira a assembla legislativa deata
provincia. Nasolda da violencia das tiaX(*>-s,
ella nflo dos nenl'ro non s vez o carcter re
sui m.li : nutrida o educada na escola dos
favores aos amigos e das persee i:cii s ans
adversarios, ella corresponden fielmente s
inspiraces, s doutrinasdeseus pndsgngrrS.
A aeaaffo de ISIS lornou-se memoravel palo
eshaojamento e-can 11 loso dos dinheiros O'i-
blicosnnlrns'us nuisphrenelic is'correligio-
narios, o pelas onumeras dllicul la les 'lo
proposito suscitadas (com a denominadlo do
barrica las ) conira o governo que vinlia de
bastear a bandejra da reconciliado c da
j US tica a Indos. A sessflo do corronto anno'
conlitiliando a dcplornvel poltica dos ds-
perdieios, para alentar !os poneos renles
que ainda restam, cauhou uma c -|eb-id>de
orrvel c misoi'Hvel aosolhos do bom senso
o da honestidad '. .Nasceu esta reunlSO do
patriotas para desm-iiiiro gemura inculca-
do e esncsiniiado principio de economa,
que faziatn ler em seus programma* fe-
inenli los, e morreu dilacerada por paitfles
niesquinlus e ranc.orosas.e amaldigoada po-
los seus propros amigoal! Tanto si exce-
den no rshanj unento do alheio. quimto na
OSlenlacfl) da piracan do IniKis vi igan-
Cas! Hoje he um cadver, deque fogem es-
pavoi'iilos os mesmo]que o eiivenonaram. A
provincia do Minas hnjedeplnra os funestos
resultados da poltica dos cinco annos que
sensleolou barbara nenie violo ilu na con-
quista das U'nis, pura deis r em lgalo
a is que se Iludirn idas suas femonti las
proni-ssi-a pobreza dos cofres piiblicos a
atroci iad de vngan :as taugura tas n i P i-
raiuba do norte, o o desiiauteliimenlo da
adiiiinislraco pola anarchia de suaslcs!.'.'
Man grado dos Catucas da fallecida assem-
bla, chegou o momento de del taran o
campo, para rom rec bor no mesmo lar do-
mestico o mereci lo castigo de seus erros,--
ns pungentes remoraos da conscieocia.--
Ilo impossvel que a provincia uo tenha
registrado lan'os ac os desregrajos destes
procuradores sem f as inslituiQci s do
paz, son respailo as conveniencias pula-
montires, eatsem conhecineuto das re*
gras inais iriviies da urbanidad* para com
o> seus collegas,- de cons leracflo para com
o publico!... Em suas luis fram unicamen-
to consulialos os ulereases dos amigos,
nflo du todos os amigos, mis daquulles
que na votacSu cumpriram s >rvilmeule o
di-crotado no club da Sania Qaitiria. Os
inleres-'S do povo, essa Victima illusl'O dos
embulles pseti lo-lthuraes, fram, segundo
o costil ne, postos do parlo, para so ailonder
s nenie conveniencia individual, nico
alvo de seus dnna los esforcos. A jualles
mesinos correligionarios que nSopoleram
por um resio de pudor subscrever os decre-
tos de exterminio, lavradis p la mflo cor-
rupta no arsenal de marinha, sotTreram em
faca o castigo de sua fraqiiezi; (oh infamia
das infamias!) seos ordenados lora in red -
zidas a meta le nem ao menos o pudor
p le i olivar a i 11 il.it> I ida de d tanta inso-
lencia : o espirito de viugaiic,* dilutou-se
entre as lileiras do commando do un cu le,
cujo baslflo no alio da amizade he repel-
lido pola honra, e pelos lirios da soldades-
ca nlinal indisciplinada, e eujoada de tan-
tos desatiiius e lana mesquiiiiiez. 0 ros-
peito a iu lepen loucia do po leir ecclesiasli-
co.reconhoc la pela piopria consutuicao do
estado, foi motivo de eacarnao, e provocou
o riso sardnico dos piornos patuchos;
chamou-sa o ti leulo sobre a Mil ido/, di la-
cinciuacflo do doputailo ind poiideulo que
nilo siii pseluar i- mi a lurbluncia uos
energmenos.' Cons*jurcou-S6 a honrado
magistrado, do militar e lo sacerdote, que
mis iiam reprovar com seu voto em 5 de
agosto a ,-oila sanguinaria da Cuustituiile.
U sagrado e o profano fram calumniados
pelos acostlos da aoarenia, a cuja baba pe-
gouhenla uo poderam escapar as repuln-
i,-iii's alo aqu ioacessives aos bules da v-
bora do serillo, assauhada pelo rijo golpe
que solliCra no memoravel 5 de agosto.
Nflo cnico I o o.vsa tnaioru de lia Ver falta-
do a ludus os seus deveres, de haver sals-
feto toia as suas vingancas, do ler desa-
creditado a coiisliluigflo e as leis du paz o
de ii-r--e excedido do um modo incrivel no
empiezo do pbrases srdidas o viltiienie
|iix*s, quiz uo da de sua Iiorrivel uiorio


de'xar um testamento qu. svmbolisnssn servigos o governo, imprimias ordens
si.is Ion leticias a ludo desrespeilar Meia |do diretorgcral dos mesmos Indios.qui
\Sk\
hon ant*tde lindara >essio do dia 13, ;-
m lio, <'ca* 2 horas o nicia da tardo, npro-
soiil-sc oro discussilo mu projerto de re-
ir -"nli.'Cftn que he o desenlio mais fiel da
intelligencia e do coraglo do uc a redi-
mi, lie MR amonluado deatrozes ralnm-
iiias c de nfundadiis c revoltantrs acrusa-
i ii's mi soverno da provincia o a lodosos
seusamigos A minora debalde invcaos
prinripiosdo juttica, ossentimenlos do le-
IihOi appella mesmo para a generosida-
i!,' lio s' usadvorsa.ios l Peda, inte por al-
cun lempo, .ilim da poder Icr o HMIo fnmo-
(0 I lie aineacad -i p-la hriiialidade do nu-
mero .' O raugaso da assembla tanto se
inanifcstava que contra o regiment foram
dispensadas as leilurus de muitos e exten-
sos projertns. cuja rcdacc.lo so sppro ur.:.
A minora resignante ao appello p:ira a for-
ra. Mr rea-se uinascssfio extraordinaria pa-
ra 'as (i lioras da tarne. Comegando esla
sesillo as 6 horas, termina um quarto de-
pois do meia-noito. A minora protesta
contra a violencia, guardando profundo si-
lencio. A maioria, como que envergonhatla
de tao inslito e deshumano cnmoorlamen-
to, provoca a minoria com dizer quo rcoeio-
sa da diSCUSBfiO furtava-se nodehate! ....
A minora, apezar do fatigada excessiva-
ment", empenha-se na disrussilo, nlo ten-
do urn lempo para Icr o projecto, e muito
menos para examinar es lacios em que pa-
reca ipoinr-ae. O combate foi renlndo en
tre tanto caneago e lauta deaigualdida de
frgas; mas a minoria conseguio esmngar
rompli lamente seus sdveisarins, pulveri-
sando Indos os seus argumentos Foi um
da do niins assignalado liiiimplio alcanza-
do pelo governo. 0 inimigo ronfe-sou-so
vencido j rendea honensgeo dere.-peiloao
illuslie (hele de polica, quo fallara em ul-
limo lugar; rcliiou lo las as espreMM me-
nos liempciisadas, e que piiiiessem offender
sun siisrepiil'ilaiie, reeoiihcc'u a pureza de
seussentimeiiios. Parece que, sa se podes*
se volar o i roj co, elle nao paaaaria depo*s
de Ido solemnes maniesiaces. Honra au
gnvt rno que sabe mantc sen posto, gllian-
do-sa pelos principios do ju-tiga a toleran-
cia. Eterno oprrohrio torre seus gratuitos
i:i'lu'iiina anda urna vi z eppellaram para buiali-
dade de sua loica imptente. Ilequifscnnl
ir. pace.
( Conciliador.)
ra ah paitio com aulorisaco do formar
companhias dos que se quizerem oceupar
no sel vico i ul'lieo.
I),lo. -- Ao cnpililo dos Indios de Jarnipe,
liizendo-lhe. quo ja so solicilou do F.xm.
Ins o diocesano a nomcagio do capcIISo
i|iio i'hi se acha._________________________
ALAf.OAS.
Extracto do expediente rln F.xm. Sr prrsiden-
le /Ir. Jote lenlo du I unha e ligueirrdo.
5 PE KOVEMBIlO.
Portara Nomeando para oapilfln da
tercei-acon-panli-a do segundo balalhno de
gUO'das naci"iii)i's do niuniciiiio de Porto-
de-l'eilras ao cldadflo Jos Apellinarlo de A-
rauio. -- Cnmniunicou-te ao* respectivos
CO" ni luanle surenor e lenle-coronel
Ofllcio. -- Ao inspi cior do algndiio de Ma
cel, iiiitorisaiido-ii para fazer a despeza lie
cessarli com a mesa c cade'ras que requisi-
liui eni 25 de nuliihio prximo (aturo.
Dito. Ao commatidanle superior da
com-ven de Mace. oommuiiicnii lo-lhe as
demiSsAes, concedidas Jos Joaquim for-
ros e M noel Fr- ncisco do llego, dos poslos
derapiliiu daprimeira e sexta companhia
do si -'un lo haialiiiiu da capital.
Po da guarda nacional do municipio do l'oilo-
de-l'edias ao CapitAo da tercena coitipa-
niiia da mesma guarda Jos Ap(dljnario de
Faria, com a gratificado de 20,000 rs. men-
saes, (cando exonerado o hctual Jos .Mara
de \/e elo Jnior. Coinmunicou-so ao
inspector de fazenda e no respectivo com-
mandanle.
Ofllcio.Ao inspector da thesourara pro-
vincial, reiiielteiio-llic o atleslado dos pro-
fessores do lycu.
luto. Ao inspector do fazenda, para
mandar pagar ao romniandarilc do cmitm-
geuic de aililharia a quantia de lo.fiOiirs ,
importancia dos dous piel* que so Iho re-
mellen!.
Dito. Ao mesmo inspector, remeltendo
n nfurmacfio exigida em seu ullicio do 29
do oiilul.ro.
luto.-- Ao mesmo inspector, para inan-
dar entregbr a/efurino do Kspinto Sanio a
ipi 111 i .i de i; un rs., importancia do alu-
guel de um Cavallu em quo comiuzo pora a
caiutal urna puigfiode armamento.
Dito. 'Ao mesii o inspector, pura man-
dar su tisfazer un palrao-mr Jos Manado
SnCiiimenio a impolaucia das qualro con-
losem iluplicuta que se Iho lemellcm, pm-
venieules das despezas feitas com u ultra do
Iclheiro.
(i.
Ofllc o --Ao cp tilo do i orto, rara que do
as provj encas q .* Ihecoinnetire'u acerca
lo naufragio da snmac.i nacional (nm/mli-
broproxiio fulico. Communicou-sc no
suliilelcgadn de Cururipe.
Dito. -- Ao tenenle-cinoncl do primeiro
halalhao de guarda* nacionaes da Impea-
triz, pa r^ que i emetta o tatonto de pruca do
corneta que eugaiog p.ia o mesmo hm ,-
lhao no prlllioiio iiniii iv ,1.'
luto. lo mesmo uniente-coronel, aecu-
saiido .i entrega de oito recrutas
lino. Ao alf- es de polica Paulino Ne-
ry da l'onseca, aCCuanrdO u recelom uto d
sen i (Ti io de 2 do corrctile, e que qunnin ;,.
piovjdenci s que aconta ja foram adas por
va do dii'ccii r g r 1 dos ludios Jcs Iton-
gues l.i iie l'iiauga.
Diin Ao Ur. cliefo de polica, rommu-
iiean lu-llir que, acnaudo-se pioilunciaJus
I elo juiz de (lucilo da Alalaia por exeasao o
aliUSOdaS funcrO'S do seus em.irecoso Bub
deiCjiado de Queluungillo Aluno I Joaquim
de i.ii/a,c seua sup, lentes Nalliella (.urroia
de Goqueii a o Jo.- Junyuin da Costa, cuoi-
prequeemita sen parvear acerca da n -ees-
si adu da deuibsu do taes empiegados de
polica.
Dito. Ao inspector da thesourara de fa-
zenda, para mandnr pagar o prel que so Iho
remelle da guinda naco.nal do Muiici.
Iiilo. Ao vio-consul portugus, aecu-
sando a recepc.So de seu ullicio de boje, com-
municando a sua viagem a Poruumliuco,
deixaDdU no excrcicio o seu subalilulu Julio
Tcixeua Soarcs.
Hilo -- Ao cu." ni.nula ule dos Indios de Ja-
cuipe, dnendo-lhe quo lira scicuie da
pro i-ptidlo com que leiu auxiliado o com-
JURY DOHEOIFE.
DA 3 DEDEZEMBRODEI840.
Presidencia do Sr. Dr. A. B. dot Res e Silva.
I'ormolnr interino o Sr. Dr. J. de Souza
Reia.
F.scritao o Sr. Alcanforado.
As II hora* o inci.i da manh."(a,ft'ta a cha-
mada, verifica-so estarem proseles 30 se-
nhores juizes do fado.
Relevados da multa alguns senhores por
lerem apresentado escusa legal, e multado
os demais por a nao havorpm iixihidn;
O Sr. ui* /'residente convida os senhores
presentes a escolheiom do livro da matricu-
la iignns senhores que ma.it fcilmente pos-
sam comparecer.
I'eila a escolha.ossenhores juizes presen-
tes approvam que sejam chimados alguns
senho'es
O Sr. Juiz presidente ada para atnanliiia
a sesslo e d'ssolvca leunilo.
lem: se o senhor empregado quer que eu
Iho responda categrica mente sobre todos
os quesitos da sua insole; le. o incivel cor-
respondencia, assigne seu nomo, por que eu
Iho prometi dar a devida resposta, nfio
com mentiras e insultos, mas com docu-
mentos iirefragaveis da sua iosubordina-
cilo e inabilidade de que he dotado o se-
nii empregado
(.lucir, Sr. redactor, ler a bondade de
inrerir estas linhas no seu Diario, que omito
Un-i'gnidcci'ia
Recife, 3 de dezembro de 1849.
Francisco Xavier ('(aleante de Mbuqutrque
li.R.11 ll PERSUMUCO.
RECIFE, 3 DE DEZEMBRO DE 189.
Ilonlem, pelas nove horas da imite, af.i-
gnu-se um Porlugnez, de 30 para 40 anuos,
deesiatura regular,corpulento, suissjdoe
cujo nonie nos he dcs''onhe.'ido.
(i infeliz caminlKva da ra Nova para a
Roa-Vista ; e, soulndo talvez cansaco ou
fraqneza, procurou ariimar-se urna vara
que liaava a grade velha da ponte urna por-
CIo da nova : mas ossa vara nilo eslava pre-
gad, nem ao menos Convenientemente li-
gada a coidas, e, apenas O miseio se lile en-
COStOU, foi com ella mai, que entilo cor-
ra com violencia.
Iiepois de ter lutado por algum lem o,
e de haver em vilo clamado por soccorro,
foi o Po' tuguez leva 'o pela correntez para
as llandas do tln-aiio novo, onde se suluiur-
gio, c dolido foi lirado por alguns canoei
ros. que milito laido correraui em seu >oc-
CUwME*t*.u.
AlaPANDEG.
lien.lmenlo do da 3.....18:324,963
CONSULADO GERAL.
Rcndmento du dia 3.....2:691,905
Diversas provincias...... 82,718
"~2T774,623
CONSULADO PROVINCIAL.
lien.Mnenlo ,| ,||;, :].....1:708,792
"i .. i i i -
>?ovimei]io do *?orto.
Navios entrados no dia 3.
Malaga por C.ihraliai 50 das e do ultimo
porto42, escuna toscana tornlo, de 114
toneladas, capitAo Antonio Desutovich,
equipagem 8, carga vinlio, frutas e mais
gneros do paz. ; 9o cap'lfio.
i; iii ruin c 38 das, patacho americano
Chief, de 150 toneladas, Capilfio J. Ilow-
Ihon, c iiiipagem 9, carga l.n inliii. carne
devacca e mais gneros; a II. Foster &
Companhia.
Ro-de-Janero por Macei 2.3 das e do
ultimo porto 5, patacho hrasileiro San-
Joo-Vencedor, de 148 toneladas, capilfio
Jos l'ranciscii Thomaz do Nascimeiilo,
equipagem 12, carga sabSo e mais gene-
ros ;aO capltilo. I'assageiro, 1 esclavo a
entregar.
J4DITAL
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 4 do crreme, se ha
de arrematar em ha-ta publica, porta da
mes na, 1 (gura de porcellana por 1,400 rs.,
21 caixinhas e cestiiihas, urna 2,000 i*., to-
tal 42,000 rs. ; 5 cliaruleiras e paliteros,
um 1,800 rs. total 9.000 rs.; 4 grupos, um
1,500 rs. toN 6,000 rs. : ludo impugnado
pelo amanuense Concalo Jos da Coala e
corro, e que, ti ndo psemelo que elle ja S, no despacho por factura sb n. 589 de
lio respirava, Coiidiiziram o seu cadver
para as lujas da casa da ra do Sol,ondo re-
silo o Sr. tlias I! plisla.
Ah estiva o Sr presidente do concelho
geral de salubridad.' puhhci, odoulor Joa-
quim do Aquiiiu ldiseca, (|up, iiltralud
lelos gritos do desg ligado, quandn est"
aiuda hrac java cunta as ondas, dirigra-s-
apressadamoiite para aqulla logar, e nol-
le so demorara Com o louvavel proposi-
to de suliniinisll'ar-lho todos os snrcorrns
da arle, logo que o cunduzissem para a
Ierra.
CoadjuVado pelo pharniaceutieo Pinto
Jnior e por n m Franco/., firnecido de lu-
do ii* I i pedir ao Sr F.lias llaptisia, c
arileudo em dosejoa de restituir a vida ao
desventu a 'o, S. S recorren a lodosos ex-
pedientes quo a medicina effi taes casos
acoiisellia { mas, aps tres horas do conti-
nuo e afanoso traba Iho, eja quasieshaustu
lo forcas, reconheceu queeram inuieis to-
das as suas tentativas, e retirou S'i deixan-
do o corpo do Poitngu'Z em po.ier da poli
ca, que o entregou a ce.ita pessoa queo re-
clmala.
28 do mez prximo passado : sendo dila ar-
rematarlo subjeita ao pagamento dos di -
rei tos,
Allandega de Pernambuco, 3 de dezem-
bro do 18190 inspector, Lu Antonio de
.Sumpuio Mimna.
liecMra<;ao.
--0 arsenal de marinha admilte para as
iiias obras e obras do mellioramcuto do
corlo serventes al opumoro de 30, prefe-
rid lo os lvres a e.scravns, sendo o jor-
nal ilaqueiles 640 rs. por dia e Uestes s60
rs : os i relendenles apresenteni-so ao llliu.
Sr. inspector.
Correspondencias.
Srs. eleitoret prrnitmbucanot --Parlo para
a capital do Ifllpcri, encarregado por vos de
nina commissilo d honra, e de v lor im-
nv'iisn. luimi'iisa he, nots, a minha divida
de "raliitio e de reronhecimento para COli-
vosco o para com o poco i cruamhiicanu,
cujo ponsamento cruja yunta le os vos-os
siifTcagios represenlain Inleros silo o
m-us desejos ; mas d< hili-simas so, ou 0
reconliec.o, as iniuhas for|a8 para cahd-
tiiente salisf izer ( s dev-res qu me jmpiin-
des n a iiiincnsa divida de primor pm que
do longos anuos me tOltho VtO penhorado
Qu ndo nina so vez livesso ohti lo Os VOS409
Sulragios, essa un Ca vez lie liio quallicut -
va da vosta estima, tfl demonalrat va da
vossa hoii'lade, que ella s vale mais do que
uiilhares da eleic/irs em CirCUmstanCas or-
dinarias ; essa u'uica vez tem sido ohjecto
da inveja e da imhcQo d" peinainhiicaiios,
de Urasileiros minio n ais valiosos do que
eu Falio-vos da eleicflu p-ra a segunda le-
gislatura. Militares de I goas me sepan-
vam de vos em um desgraciado exilio, > sem
communicaca) com vosco por cinco longos
o pezarosus anuos : dhi mo foram arrancar
os vnssos votos para restiliif-me as delicias
do solo natal e lis hon.as da deputaeo : ca-
d i um pote hein apreciar o valor desle vos-
Sl) lli'll lii I 1
Agora, anda de; os de cinco anuos de te-
nebroso eclipse, novo santelmo v io dessi-
p ir-s trevas, eos vo-ss votos me cubreui
du nova gloria, o mo m poem novo* devo-
res. U.i a ead-ira na cmara dos deput otos
e a | .i.---1 11 1 o .i,- do mil o no senado li-
orna honra multo cima dos meus nnrt>
nienios. o caso he que a minha divnla pa-
ra comvoscoavanza em urna prugressilo in-
liniti ; o, so as mintias f(Veas vilo em pro-
gre>siva decadencia, o meii reconliecimen
io non lem lin le.. I' ni., colisa vos pos*.
atSegu'ar, u he que pal,uta nc no peito um
CoracHo to lo h,railero, porque lio lodo
pernambucano ; ccoui na Senliineiitos que
II.'abriga, nilo me po leiei pOupar a zolo,
a Irahalho algum para cumprir as obri^a-
\flesquome im, ondea. >ao vos prometi
ques-hado fizcr li.do quantu oesejo em
beneficio vnsso; mas empregaiei ludoquaii-
Lo p.i.-so pina o Coks -guir
Adcos, senhores, pur alguns mezes ; fac,n
votos p.-la vossa pa e pela vossa IVIici-
dade.
Venancio Henriques de Htstnde.
Sr. redactor. Leudo o seu D'ario n. 271,
enCoiitet rom urna Coiicsaon lencia c.iiilr-
im e os benemritos em reguos ,ndi-
iwanduiitedo ueslacaaiento daquelle lugar, | gos desta lOparttcilo ; nao mecausou aJrni-
e que espera que continu a presur seus raco alguna, por que cada, um du o que
avaos ijutrituiios.
Para o Porto deve sal ir
com milita brevidade, por ter
grande pnrlc da caiga contratada,
nova e veleira barca portugueza
Sania-Cruz : qi;em quizer carre
gar ou ir de passagem, para o que
tem excedientes commodos, dui-
ja-se ao capilo, Joo de Uliveira
I .rite, a buido, o ao seu consig-
natario, Francisco A Ivs da Cu-
nta, na ra do Vigaiio, n n.
Para a llahia sahe, em poneos dias, a
sumara Flor-do-knyelim, medre Rernardo
de Souza, por tur a maior parte da carga
prompia : para o restante o passageuos
trsta-secom o mesmo mestre ou com l.uiz
Jos de Sa M- mjo, na rna da Cruz, n. 33.
Para o l'nrlo sahira impret rivelmrnte
por todo o mez de dezembro o brigue por-
lugnez Vcnlura-Felit, forrado, pregado, e
encavilhado de cobre, capullo Zeferino
Ventura dos Santos : para o resto da carga
o pasaageirt, ao quaes offerece exeeiM-n-
tos co limo lulados, trala-su com o consig-
natarto, Joaquim Ferreira Mondes Guima-
rAe.s, na ra da Cruz', n. 49 primeiro an-
dar, ou rom o referido capilQ na | rar,a do
Coniiueicio.
Para o Rin-de-Jineiro transferio a
sua sabida para o dia 5 do con ente a velei-
ra escuna tiaranle-Maria : anda po-le rece-
ber alguma c.rga, bem como passageiros
eesciavns a frete, para o que tam bous
cominillos: a tratarcom Silva & Grillo, na
ruado Vigaio, n. 22.
--Para o Ro-de-Janero SPgue viagem
com brevidade o biigue hrasileiro San- Va-
noel-Augusto, capnfio Jos da Cunha J-
nior : r. cebe carga a frete, esc ra vos e pas
sageiros: quem pretender embarcar, enten-
dn-e com o dito Ca pililo, ou Com Manuel
Ignacio de Oliveira, na pra^a do Commer-
co, n. 6, primeiro andar.
(i liiaie Ftor-de-Cururipe sahe imprete-
rivelmenleno da 8 do coi -rente : quem no
mesnio quizer canegar, ou ir de passagem,
dirijj-se a ma da Cruz do Recife, n 62.
I'ara o l(io-de-Jauero se-
gne com toda a brevidade, por ler
grande |>arte de se carregaincn-
lo prompta o brigue nacional A -
t\ forrado e pregado de
cobie, e de exc> lenle marcha :
qncui no mesmo quizer carregar,
ir de passagem ou embarcar es-
cravos, enten'la-se com os consig-
nat.rios, Machado & l'inheiro, na
ma do Vigaio, n. lg, egundo
andar, ou com o capitSo, Afitouio |
Coelho iUbciro, na pratja.
Frela-se a barcaua Conctiedo-de-Maria,
prompta a seguir viagem para qualquer
porto do norte ou sul, preforindo-se o da
Parahiba, para o qual se frotar por menos
um terco do que he du cusidme -pagar-.se:
os pn tendentes etiten am-se com o mestre
a bordo da mesma, fundeada defronte do
trapicho do algodilo, ou com o dono, na
roa larga do Rozarto, n. 18.
Vende-se a barraca Conceicio-de-Uaria,
construida h pouco lempo, e com a maior
seguranza possivel. nlo s pela boa cuns-
t micc"k>, como tambem por ser toda enea-
vilhada de ferro ; e como seu dono loncio-
na fazer urna viagem, por isso a vende a di-
nheiro, e mesmo a prazose assim Ihe cun-
vier o negocio: os pretndanles dinjam-se
ma larga da Rozann, n 18, que acharflo
com quem tratar.
-- Pare o llio-de-Janeiro aegue, com a
maior brevidade possivel, o brigue-escuna
liniin, por se echar quasi prompto : paia
o restante dinjam-se ra do Vigario, o.19.
Leiloes.
C. J. Aslley & Companhia farilo leilSo,
por intervenirlo do corretor Oliveirt, de
parle de om rarrcgamenlo de ptimo ts-
boado de pnbo de diflerentes grossuras e
dimensops, prximamente chegado a este
porto : terQa-feira,* de dezembro, as 11 ho-
ras da mandila em ponto, no seu armazem
por detrs do Ihealro publico, o velho.
C J. Aslley & Companhia farSo lelfio,
por iiitcrvencfio do corretor Uliveira, de
grande vai iedade do fazen ls desella, Ii
nho, 13a e de algodilo, todas proprias do
mercado; quarla-feira, 5 do crrente, s
10 horas da manhla, no sen armatem, ra
do Trsr'che-Novo.
I. ii F.lster, oslando a relirar-se para
fura da y uvincia, fari leilfln, por inlerven-
cHo do corretor Oiveira, de toda a sua mu-
tulla e mata objeclos de casa, conisUndo
em mesas de meio de sala, consolos, sotas,
cadeiras de todas as qualidades, marque-
zas, commolas, loucadores, guarda-roupa,
mesa le jantar, ditas para saletas, espe-
dios e muitos outros objeclos, um .escravo
deservlco, e alguns pieciosos vinos en-
garrafados, conservas, etc. : sexla-feia,1
do corrente, as 10 lloras da manhila, na ra
da Cruz, teiceiro andar do predio ondeos
Srs. Jamos Crablree & Cumpaohia leem o
sen armazem de fzendas
Avisos diversos.
Alienlo.
Os agentes da note dodia 9, dia doan-
nive'.sar o de S. M. Imperial, fizeram (como
ja fizeram puhlicoj todos os esforcoi a seu
alcance afim de ap em tudo digna do seus protectores, porm
estilo seientcs que uo perderam o seu tra-
b .Iho por que, segundo a voz publica, pa-
rece que saino o divertmentu a vuntade do
publico, tioim oh! que pagamento tive-
ram os agentes que, afm da concurrencii
I seus protectores, muito pri'icipnlinonto
dos senhores ofliciaes a quem a noite foi de-
dicada, accresceu o comportamentu.sinceri-
dadc.iiarmnnia o mo leraco co n que assis-
tiram a tudo o espectculo, aecao esta que
pode servir de modello a quem tem sido a
causa das desliarmouias as recitas pas-
tadas : iiiuito agrada tal procedinieulo
as honrosas familias que assistir.m ao
ospeclaciiln, leudo os agentes de pedir ao
m.suio re.-petavel publico desculpa de
qualquer falta que os oiesmus iuvoluuUria-
ineute praticassem.
Aviso.
Oabaxosssignalo fazsciertte ao publi-
co, que no ultimo de nuvemhro prximo
passa-io despedio o l'orluguez Antonio Joa-
quim da Costa de caieiro de sua venda, o
qual de8desetembroa dita dala deu-lhe d>
prejutzo ciucoeiila e tantos mil lis, e dei-
xou liado malsde duzoiitus mil ris, sendo
nais de rento e cincuenta mil ris pela res-
punsahilidade do dito caixeiro ; e como o
ahaixo assignado licatse com tudas as divi-
das, avisa para que uiuguem Ihe pague,
a lem de ter Sido o abaixo assignado roulia-
do publicamente, por dormir fura o dito
caixeiro. Recife, l.'de dezembro de 1819.
Feliciano Rodrigues da Silva.
DEPOSITO GEHAL
do superior rap artia-pr:la
tlajabrica deGantois Pai-
Ihet & Companhia, na Ba-
ha.
Domingos AlvesMalheus, agente da tt
fabrica de rap superior rea prota %
e meio grosso da llahia, tem abertoo H
seu deposito na rua Cruz, no Recife, *aj
ii. b, primeiro andar, ondean achara A
sempre desle excedente e mais acre- <)
dilado rap que al o presente se lem Sf
fabricado no Urasil: vende-se em bo-
les de urna e meia libra por precia
mais commodo do que em outra qual-
#J) quor parle.
I heatro da rua da Praia.
Por pedido de militas pessoas vai t scena
em repcticlo o mudo applaudido drama os
JRStllTAS OU O BASTARDO U'EL-REI,
no qual se empreg.rflo lodos os esforgos pa-
ra que seja mais brilhanlo esla noiie, que
brevemente sera annunciad.' Os bilhetes
de camarote que restam, estilo a venda nu
pateo do l.iviamento, n. 2, deposito le cha-
rutos : a pessnas que quizerem bilhetes
para este lo brilhante espeuculo, queiram
procurar rom antecedencia.
Na rua da Cruz do Hecife, deposito de
rap, n. 17, exiale urna caita pa-a qual-
quer dos hcr.'eiros ( lllhos ) do hnado Andr
Rento Rodrigues : quem sejulgar com di-
reito, pode comparecer que Ihe ser en-
tregue.
Precisa-se alugar um preto que seja
del e diligente, e sirva para trahalhar em
snrvete : na rua do Passeio, n. 83, ou na
rua estreita do Ruzario, n. SO, segundo
andar.
Mr. Alexandre lleps e sua senbora,
l'raticeves, rcilram-so para a Europa.
Precisa-se de una ama para lodo O
sei vico de casa de um homem solteiro : na
AVISO.
No dia 27 do maio do crrente, fugiram
do engnho Agoa-Claras de Urucu', da
comarca de S.-Anlfo, da viuva du Burgos
& l'ilhus os escravos seguiutes : Vicente,
pardo.de 26 annos, altura regular, cahel-
los crescidua e um pouco carapiohadus,
testa sohre-satiida ,olbos pequeos u upa-
dos nariz chalo, tomador de tabaco, ros-
to descarnado e com espinhas sem quasi
barba alguma ; gosta de veslir-se a serta-
neja ; fui escravo do finado SehastiQo Jos
da Moura da fazenda Venera (lisame 8
legoaade S.-Anlao ; acooipnhava aos co-
bradores da casa quando iam as cohrancas
dos serlOes do puente ao sul, dunde he co-
nhecido ; lovuu urna camisa de madapo-
ln 1 caiga lecasimira usada, 1 jaqneta de
bretaiiha, I bonete de velludo azul usado,
1 chapeo de palha, 1 dito preto de pello :
Joaquim, crioulo, bastante preto, de 38 an-
nos alto, secco, cara pequea, bem ama-
sado ; cuslunia levar a mi a barba quan-
do falla ; he bastante gago, andar compul-
sado muito amigo du dito Vicente; di-
zem ler pai em Cameleira alm do rwlpo-
juca ; gosla de andar com chapeo de eouro;
levou 1 chapeo preto da pello, um dito de
couro, 2 j'quelas brancas, 1 caiga de brim
pardo 1 dita de riscado, 1 camisa de ma*
dapuiao 2 ditas de algodilo da trra e ce-
roulai; foi escravo do capilfio Leandro
Bandeira de Moura do Patu*. em Apudy, da
provincia do lUu-Craude-do-Nortr o qual
presentemente aclu-se em Bananeiras per-
lodo hrejode-Aren da provincia da Pai a hi
ba. Constou que estes escravos eativeram
nos suburbios desta cidade do Recife, mas
i resuma-se que, se mo aitiram para o la-
do de Pajahu', ou Ganulr.ira dila nem pa-
ra o* sei lOes desse Ndo, segugyp com mais
probabiltdade para a l'araltnia, ou Hio-
Graude-do-Nort3 onde ha muitos parqntes
dos ditos Mouras, de alguns dus quaes tal-
vez esteja ni sendo protegidos,passando mui-
tas vezes (or forros. Itoga-se a todas as auto-
ridades puliciaes, pessoas particulares e
capiUesdecampo,quo os apprehendam e
levem-os ao dilo engonho ou no Recife,
praga do Conimercio n. 8, ao Sr. Lino Jos
de Castro Araujo, que sero gene rosamen-
te gratificados, por maneira de ficarem
tumma mente aalisfeilos.
ft Chapeos de sol. Jfe
Ruado Passeio, n. 5.
Nesta fabiica ha presentemente um rico
sortimento de chapeos de tul, de seda de
todas as cores as mais (ixs que leem appa-
recido, para homem e senhora, e quo ae
veii-lciii muito em conta ; ditos de panni-
nlto imitando seda ditos muito grandes, e
de panno e armagOcs muito fortes, pro-
prios para senhores e feitores le engenhus :
tauhem se rende fazenda do seda o depan-
ninho imitando soda para se cohrirem ar-
mages. Na mesma fabrica se coucerta qual-
quer chapeo de sol -com muita brevidade,
e pur prego mais comino lo do que em ou-
tra qualquer parte, e veiidem-se hlelas
para veslidus.
9 i
O Bixas. O.
i\a prafa da Jndpen-Q
| dencia, n. IO, g
q ao voltar para a rua das Cruzes, alu-
.-v gam-se e vendem-se bizas de llam- X
^ burgo : tambem vfio-se applicar pa-,5{
j?7 ra coininodldade dos freguezes ; ti- X
v ram-se denles, sangra-se e appli- "
O cam-se venloaas: tudo por prego O
& commodo. O
O O
000 OQOOOO0j>
Vai para o llio-de-Janeiro Antonia da
Cruz Freir l'-droza, levando em sua com-
panhia sua hlna Anua Benedicta Freir Pe-
droza, e urna sua escrava de neme Jotepba,
de nacSo Cabinda.
Piecisa-su de800,000 rj. a premio de
um e meio por lempo de um anuo e sobre
firma : quem quizer dar annuncie.
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Perel-
ra Pinto de Fria ou a algum seu correspon-
dente : no Ati-rro-da-Roa-Vista, n. 10, ou
anuuncie.
Dr. Joaquim de Oliveira o Souza enti-
na em sua cata no Aterro-la-Roa-Visla, u.
82, a tradozir, fallar e escrever a ligoa fran-
ceza, e por casas pailiculares.
Leera do Guadalupe.
Se querein mais claro deitem-lhe
agoa,
A's 8 horasdd manha dodia 4
do correnle mez, no consi.sloiio da
t?reja l'a Oonceico dos militares,
Miidam impreterivelmente as ro-
das desta lotera, sej qul for o
numero dos bilhetes que restem
por vender-se.
Aluga-se a casa terrea da rua
du l'onle-Vellia, n. 94: quem a
ptetender, diija-se rua do Tra*
piche 110 Hecife, armazem de s-
sucar de Domingos Soriano Gon-
calves Ferreira.
No dia II du corrente, se hi de arre-
matar em praga publica do Sr. dnulur juiz
do civel da primeira vara, urna negra com
um (Iho. por execucSo de Amonio Jos Lo-
pes de Alhuquerque contra os herdenusda
Jun Francisco Mindello.
- Joflo Comes Jardim, cidadSodos Esta-
dos-Unidos, retira-se para fra do imperio.
~ O prufessorde latim da freguezia de
S.-Jos, ahaixu assign publico que, durante as fe> ias, da ligOes de
latim e porluguez, na casa de sua residen-
cia, na rua Augusta, n. 54.
Uanoel Francisco Ceitho.
Joo Jos lunocencio Poggi, Itr. em
medicina, faz publico que tem fizado sua
residencia nu Aterro-da-Rot-Vlata, sobra-
do, n. 3, onde o acharflo prompto para
exercer sua orle, curando gratuitamente os ,
pobres. *
Antonio Villacaretira-se para fra da
provincia.
Pracisa-se de um caixeiro hbil para
cob ar dividas na praga, que seja solteiro e
rua da Cadeia do hecife, 11. II, primeiro d fiador sua conducta: na rua do Cret-
audar, 'po,n. 9.


__ Jos Soares- de -Azevedo,
professor delinca franceza no ly-
cen, tem aberto em ?ua casa, ra
do Rozario larga n. 36 segundo
flnd,ii, um curso de Geocrapm.v r
Historia e oulro de HtfETOBtck b
Potica. As pessoas que deseja
rcm estndar qunesquer des la* dis-
ciplinas pdem dirigir-se ..indi-
cada residencia aqualquer hora
-- Muga-se urna boa casi terrea, sita na
roa da Mangueir di lina-Vista, por com-
modo preco : a tratar na na larga do Roza-
rio, n 38.
Alugam-se 9 ou 4 escravos que sejam
bons trabalhadores, para ariHazem de assu-
ear: a tratar na ra larga do Rozario, so-
brado n. 39. ;
O Sr. empegado da inspeccao do aleo
dSohsji d rs. que tomitu na venda d ru de Sin-Jos,
n 2. em efTeitos: Isso no prazo do 3 dlaa ;
do contrario, tara de ver o aeu nme por
extenso nesla fftiha.
Ni rui do Itangel. n. 9, precisa-se de
nm ama, que seja desimpedida, para o
scrvigo interno de una casa de pouca fa-
milia.
.- O curador da heranca jacente do Talle-
cido pintor
Henrqne lelilz
urgentemente pede ans devedoros do mea-
mndefunto que hajim de satisfacer osseus
dbitos al o dia 15 do rorrete mez de
dezembro, visto ser necessano liquidar a
r-is sm nuis demora : no consulado ha-
iinvi'riino, ra do Trapiche, n. 19.
Precisi-se alugar urna pret para ven-
der na ra, pagando-se 80 rs de vendagem
porcada pataca : na ra nireiti, n. 87.
--Piecisa-se de um horneen para traha-
Ihar em um litio entre a Magdalena e os Ite-
mediust que entend de tratar de vaccas e
tirar leite, e de fizer o mais servico de
/lantagoea que houver : quem poder dar
onta de al. pode diriglr-se ra do Trapi-
che, n. 40, oo Recife.
A pessoa que perdeu um lengo novo
cercado le lavarinto, ditija-se a rus de S.-
Ilili n. 85.
Precisa-so de um amassador brinco
e, saben lo bem desempenhar seu lugar,
selhedirbom ordenado: na padaria da
Passigem-ii Magdalena.
Precia-se de um caixeiro com bastin-
te prlica tJe venda e que abone sua conduc-
ti: nfio sn duvida dir bom ordenado se
agradar : na ra larga do Rozario, o. 59,
ven la da esquina confronte igreja. .
:mmmmmmmm mmmmmmmmmm
Na ra do Rngel, dfron-
1 te da Iravessa do lyceu, n.
I 8, exrstem promplos um an- f
dar ioja com todas as com-
iiiodidades precisas para re- |
ceber familias,;iiui de toma- I
rein o bom soi vele de truc- *
tas, sendo cada dia de urna y
3 qualidade e como melhor as- |
'i seio e promplido possivel.

Principia boje [4 )* 5 ho- 5
ras da tarde, e continuar s
1 emqtianto aturar o gelo.
I.
mmmwmmmwm wmmwm-*w*
Os abaiso a-signado-, leudo contrihid >
urna sociedade n loj de fazen.lis da ra
du Crespo H.15, em o primeiro de agosto
de 1848, dehaixo da lirrna de Cunha Cuima-
rfles & ti declarara o respeitavel corpo di
commercio Jesla nraca, que elles teem dis-
sulvido a mesma sociedade na melhor liar
moma e boa f. O mesmo estaheleciment
fui cedido pelo proinelaiio delle, Antonio
di i'untia Suures tiuimaraVs, ai ex-socio
Juaquim d Oliveira Maia Jnior, em conse-
queucia das boas maneiras, honra e probi-
dade rom que so porlou du-anle a mesma
sociedide. Em poder desfe ficam fundos
iufTicienlea para pagamento do dehito pas-
sivo a que a dita extiocta Arma de Cunha
Uuunaiavs & C se ach* onerada em cou-
forixidade (lo tratu que leve lugar em 30 de
novombro ultimo, por ambos firmado em
duplicla. Untiinio da Cunha Soarei Gul-
ror Jm. laaqwm de Oliveira Maia Jnior
O abaxo signado, caixeiro do Sr.
-Manuel Antonio de Jess, faz sciente ao res-
peit vel publico, que o annuncio inserido
no hiurio de 3 do corrente, doSr Felicia-
no Rodrigues iia Silva, no se entende com
o momo, vial nunca tei ti lo negocios com
o dito Sr. Knlonio ioaquim da Cot:
- Ai.luniu Juaquim da Cosa faz scicnte
ao respnlavel publico que de boje em dian-
te se assignara por Amonio Juaquim da
Cusa e Silva.
- A pessoa que levou as amostras de fi-
lfas da luja da ra do Cabug do Duarle,
queira fazer o favor de iraze-las quaulo an-
tes, cois que sao mullo precisas.
Precisa-se de um boni caixeiro para
padaria. abolanlo sua capacidade, e, des-
i'mueiiliaudo bem o seu lugar, se Ihe da-
r bum ordenado : na padsna debaixo do
sobrado da esquina da ra Volha, n. 106.
-Na ra do Pad-e-Klorianno, n. 44. pre-
cisa-aed*uuia cruda de bous costumes e
sisuda.
- Precisa-se fallar ao Sr. Jos da Costa
Albuqueique : na ra do Vlgario, n. 15. Na
moma casa existe urna carta para o Sr.
Vascurado.
- lulo se 980,000 rs. a premio de meio
por cenlo por lempo de um anno : na ra
Inreita, n. 122.
Aluga>se urna casa na cidade de Olln-
da, nos Uuatro-Cautus, n. 4, armada para
ter venda, ecommodus para-morar familia,
cun cacimba dentro, cujo aluguel, he de
8,000 rs. meiisaes : a tratar com Domingos
Jun Alves da Silva, com luja de fazenda ao
p da mesma casa, nu com o seu proprie-
lario, Joau Leile Pita Ortigueira, na ra da
Cruz, uu Itecifd, n. 19
A quem qi.r que tenha recebido um hi-
ele >la quiiuu de 70,000 rs., uagaveis at
u uu'iado do iiu'Z de marco prximo viu-
douro ao Sr. Manuel Doiniuguea de Oli-
veira, o a su i ordmn, e Dniado pelo abii-
Zuassiguadocom dala de 97 de novembru
do corrente anuo, se previne qoe circums-
tancissse detam pira no derer ser.rag tal
quantia, scm primeiro dito Sr. Domingos
corresponder conta que ae Ihe fez de re-
clamo logo no dia 28. Simiao Crrela Ca-
vulcanle Macambira.
Precisa-se alugar ama eacrava para
vender fazendas com outra pessoa : na Ira-
vessa do Veras, defronle da casa do capiUo
Rocha Brasil.
A abiixo assignadi fiz acient* a todas
as pessoas que se conside'am credores ao
casal de seu finado marido, Joaquim Jos
Rabello, que ella vai proceder a inventario,
e por isso devem apresentar suas .contas
correnles no prazo de oito das contados da
dala deate, pra serem examinadas, e de-
noisde conf.-ridas serem admitidas ao in-
veiiiario,:.tm de sflsepirarem hens pariaeus
i-aRamentns. Recifn, 3 de dezembr de
1849. Iguez Joaquina Pettoa Rabello-
Precisa-se de um homem que tenha
verdadeiroconhecimento de fabricar velas
de carnauba : quem se adiar nestas cir-
cumstancias, dirija-se a ra da Senzalla-
Nova, n. 49, segundo andar, a tratar das
coudices de seu trahalho.
Aluga-se, no logar da Casa-Forte, junto
a casa do Sr. major Vilella, unu propriedi-
de depedn e cal, por fasta ou animalmen-
te : a tratar n* ra do Brum, na. 6,8 o 10,
fundico de ferro.
Perante o Sr. Dr. juiz do civel se ha de
arrematar, no dia 4 do correte, a parte de
um sohrailinho silo na Camb'ua-do-Carmo,
e um terreno ni Cisi-Forto, penhondos ao>
neniemos de Bento Antonio Domingues, por
execuc/ln do padre Pascual Corbi.
- Aluga-se metade do sobrado do becco
do Sarapalel, n 19, a alguma senhora ca-
paz que aeja s: a tratar no* mesmo so*
brdo.
Aluga-se urna propriedade na ra da
Madre-de-D-'O', n. 3, de tres andares e ao-
ISo, com quintil e estribara: a tratar na
ra da Cadeia do Recife, com Judo Jos de
CaviHio Moraes.
~ Precisa-se de um pequeo para cai-
xeiro de venda : na ra Direita, n. 4.
BOWMAN & MC CALI.UM, engenhe-
ros machinistas e fundidores de ferro, mui
respeitosimente innunciam aos Senhores
propietarios de engenhos, fazendeiros, mi-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, que o aeu eslihelecimento
de ferro movido por machina de vapor con-
tina em efieclivo exercicio, eseacha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
meira qualidade para a perfeila confec^o
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehonder quaesquer
obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
desejam maia partirularmento chimar a
attenQ.lo publica para a sseguintes, por
terem dellasgrande sortimenlojprompta,
as quies construidas na sua fabrica pdem
conftytir rom as fabricadas em paiz es-
irangeiro, tanto em preco como em qua-
lidade das materias primas e mfio d'obra,
a saber:
Machina de va por da melhor construc; So
Moendas de caima pira engenhos de to-
dos os tamaitos, movidas a vapor poragoa
Oil anmaes.
Rodas d'agoa, moinhos de vento e serra
riis.
Manejos independentes para cavallos.
Rodas dentadas-
AguilliOos, bronzes echumaceiras.
CavilbOes e parafusos de todos oa tama-
nhos.
Taixas, pares, crivos e boceas de forna-
Iha.
Moinhos de mandioca, movidos a mSo ou
por animaes, e prensas para a dita.
Chapas de fogflo e frnos de familia.
Canos de ferro, torueiras de ferro e de
bronze.
Bombas para cacimba e de repuebo, mo-
vidas a m9o, por animaos ou vento.
Cuindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferrageus para navios, carros e obras pu-
bliaas.
Columnas, varandas, grades e portdes.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas, carros de mfio e arados de ferros,
&c, &c.
Alm da superioriade das suas obras, j
geralinente reconhecida, llowman & Me.
Ciillum garantem a mais exacta conformi-
dade cornos moldes e dezenhos remedidos
pelos Senhores que se dignarem de fazer-
Ihes encommendas, aproveltando a occasiSo
para agradecerem aos seus numerosos ami-
gos e fregufl7.es a preferencia com que teem
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que nSo pouparfio esforcos e diligencia
para continuarem a merecer a sua confi-
anca.
- Precisa-se de una preta torra para ven-
der miudezas, pigando-se-lhe vendsgem :
na rus di ConceicSo da Boa-Visti, n. 58.
Tendo desap'parecido, no liin do es-
pectculo, o drama que lem por titulo os
Jetuilai ou o bailarn a"el-rei,q\r fui a scena
no dia 9tdenovembro no Uicatro da ra
da Praia; por isso previno-se que o dito
drama no podor ir a acea em outro qual
quer theilro, sem que a pessoa em cuja
mfio existen) 15 ejemplares do mesmo dra-
ma os ponha venda; por consequencia,
apparecepdo representado o drama cima
m outro qualquer ineitro, protestase pro-
ceder contra a pessoa em cuja mSo se actie
o dito drama, poia foi roubado como cima
se menciona.
Precisa-se
alugar urna preta que aaiba cozinhar, en-
gommar o fazer todo o mais servido de urna
cisa de familia, i qual tenha boa conduc-
ta, toja forra ou captiva : paga-se bem :
tratar no botiqun, junto ao tnealro.
-- OSr. Dr. Honorio Fiel de Sigmaringa
Vascurado queira ter a bondade de appare-
cer na ra do Itangel, n. 19, para pagar o
importe de unu lettra, a qual S. S. nao ig-
nora a quem he deveoor, llcando o dito Sr.
Dr. ceno que, se deixar de apparecer, ser
publicada a manoira por que foi couiiahi-
da taldivda,
lia botica da ra da Cadeia do Recife,
n. 61, se dir quem aluga dous moleques,
dosquaesum cozinha o diario e o outio
he proprio para servico ; sendo para casa
capaz, alugam-se por commodo precu,
-- Aluga-se o segundo andar sotBo cor-
rido do sobrado amarcllo da ra Augusta :
a tratar na ra do Amorim, n. 15.
-- Aluga-se urna preta pira vender frutas,
doces, ele. : paga-sa bem, lesponsibllisan-
do-ae senhor pelas faltas: na ra de Apol-
lo, casa da esquina, segundo andar.
Precisa-se de urna ama forra ou cativa,
para urna casa de pouca familia, que emen-
da de cozinhar e engommar : na ra do
Pilar, n. 79, em Fora-do-Porlas.
Modas fraucezas.
M. Theard seiba de receber de Franca
um lindo sortimento de chapeos para se-
nhnra, tanto de sndi como de palha aberta,
todos moito ricos e de padroes novos ;
manteletes,capotinhos, visitase palitos de
aenhru-a, tanto de chamalote, velludo, gros
de Naples, fil e de blonde, todos da ulti-
ma mo la de Paris ; llores linas ; capellas
de flores para noivas e nutras de cores, pro-
prias para theatros e bailes; enfeites de
uvas; trincas de seda pira enfeites, de
todaa as cores: camisinhas bordadas ; gra-
vatinhis deseahora ; cinto com suas com-
petentes fivelai; cambraia de linho ; fitas,
etc.; e somere contina a fazer vestidos,
toucas e chapeos com toda a promptidflo e
asseio possivel, conforme os ltimos figu-
riuhos .- na ra Nova, n. 39.
Roga-se aos Srs. Manool Comes Bar-
hoza de Araujo Pereira, Jos Patricio de
r. rva Ibo, Julo Pedro da Silva, Francisco das
hagas Muniz, Jollo Capisiranu Torres Cal-
mdo, Alexandre Manoel d Mendonca, Jos
naquim de Hendonca, Francisco Sabino
encalves da Fonseca, Antonio Rodrigues
uracho e Manoel Machado Revoredo, que
lio pagar oque devem no Alerro-da-Boa-
Yiste, n. 10, primeiro andar.
Aluga-se o sobrado da esqui-
na que volta para os Kemedios,
defronte do portSo.de Jos l'erei-
ra da (Jnnha, n, 29, com um gran-
le quintal e banbeirn : a fallar com
Joaquim da Silva Lopes, ou com
o morador da Ioja
-- Aluga-se urna caaa de sobrado no Va-
radouro de Olinda, defronte de S.-Sebas-
liiln, con cominodos para grande lamilla
uassara festa : quom a pretender, dirija-se
a ra da Cadeia do Recife, n 50, ou no Va-
ra,louro, refinacSo de assucar.
Casa de modas fraucezas.
Buessard Millochau.
RA DO ATBRRO-DA-BO\-VISTA, N. 1.
Recebeu-se pel ultimo navio, vindo do
Havre, um grande sortimento de chapeos de
seda parasenhora, ditos de palha para se-
lioras e meninos, ricos manteletes e capo-
iinhos de si'ila e fil, camiiinhas, collari-
nhos, romeiras e cahec,0es bordados, lindas
fitas, liivas de pellica, ditas de seda, lilas
le malha abertas. transas, franjas de seda
ile cores para enfeilar vestidos, capellas e
caixos de flores finas, cortes de cambraia
bordada, filos, lencos de cambraia do linho
bordada, 1 icas litis de velludo, transa fina
de linho para enfeites de vestidos, hicos de
linho do todas as larguras, ditos do hlonl,
camluaia de linho, bonetes de montara,
plumas para chpeos, e maia outras fazen-
lasdemoda. Fazm-se sempre vestidos de
casamento, de baile e de montara, chapeos
le senhora, vestidos de baplisado, etc.,
etc., da ultima moda, e por preco mais
commndndoque em ouin qualquer parte.
Schafheillin & Tobler avismi ao com-
mercio desta pr-ca que o socio A. Schafhei-
llin, tendo de fazer urna viagem a F.uropa,
deixa a gerencia do seu estabelecimonto ao
Sr. J. J.Merki.ao qual para este (lim pas-
aram proruracio bastante.
Os Srs. Caldno Lopes de Oliveira, Jos
Francisco Marlins de Almeida e o acadmico
Lobato Jnior, queiram appirecer na ra
da Cadeia de S.-Anlonio, n. 13.
Jos Paulo Carueiru, cidadlo brasilei-
ro, retira-se para o Rio-Cranile do noite.
Aluga se o segundo andar da casa da
ra da Madre-de-lleoS, n 5. onde moraram
oa Srs. Johnslon Pster & Cnmpauhia : 11 tra-
tar na ra da Cadeia do Recife com JoSo
Jos de Carvaibo Moraes.
Aluga-se urna casa no Cacbang para
se passar a fesla, com estribara e cocheira,
por preco commodo : na ra Nova, 11. 63
OSr. Jofio Cyprianno'Rangel queira
ter a bondade de apparecer na ra da Ca-
deia de S.-Anlonio, pra decidir sobre cer-
ta cunta que S. Me. cecebeu.
OSr. Innocencio Xavier Vianna tenha
a bondade do apparecer, para se contratar
ce 1 to negocio que S. Me. uo Ignora, na ra
da Cadeia de s.-Antonio, n. 13.
Gemina de engommar.
Vendeni-se sarcas com gornma de en-
gommar muitoalva na ruado Queimrdo,
11.14, Ioja de ferragens.
Deseja-ae saber onde resi-
de o Sr. Joaquim de Figueiredo
Lima, ou mesmo quem teja seu
procurador tiesta cidade ou lora
della, para se tratar de negocios
que Ihe dzem respeito: quem sou-
ber annuncie por esta foi lia para
ser procurado.
Farinha de mandioca.
Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca, de muito boa qualidade, por ser fa-
bricado na serra Meruoca, perto da cidade
de Sobral, por prego commodo : na ra do
(jueiinaiio, n. 14, Ioja ue ferragens.
gam-se bem : na ra das Lsrangeiras, n.
14, segundo-andar.
~ Compram-se ossos: na ra da Con-
cordia, n. 8.
Compras.
Vendas.
Compra-se urna enfeteira de prata, que
esteja em bom estado : pago-se bem : nesta
typographia se dir quem quer.
-- Compram-se 19 cadenas e duas ban-
cas de Jacaranda : na ra do Queimado,
o. 14, se dir quem compra.
Compra-so um bastidor ou Ihear para
meuina : na ra larga do Rozario, 11. 35,
Ioja.
Compra-se um sellim ingloz que este-
ja em bom uso : na ra estreita do Rozario,
n. 45, primeiro andar.
Compram-se uniformes militares, usa
ilos, sendo de ouro e prata : na ra do Quei-
mado, 19, primeiro andar.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos, sendo mocos e de bonitas figuras! ya-
FnlhinliAS.
Na livraria di Pca da Independencia,
ns 6 e 8. vendem-se as bem crmhecidas fo-
ihinhas ri.pressas nesla tyuograpliia, tan-:
to de porta como e dalgineira.
ARCIHTECTURA.
Vende-so urna excelente obra de archi-
tclura, a qual tem estampas de toda a qua-
lidade d edificios: na pra$a da Indepen-
dencia, livraria, n* 6e8.
Vende-S" um roleque de 10 pira II,
annos. com princioios de ollicio de-sapa-
leiro : na ra do Sebo, n. 99.
-- Vende-so nu troca-se melado lo' urna
casa torrea, avaliada em oitoeentos mil rs.,
n que rende de aluguel nove mil ris por
mez. ehSos nrop'ios, livre e desombaraQi-
da, sita na Iravessa do Serigado. n. 3, por
um escravo moco, sem vicios, nem achaque
de molestia, que sirva pan todo o servico:
ni rui da Pa,'n. 6, so achira com quem
tratar at As 8 horas da manhila, e das 6 da
tardo em dianto.
Vende-

preco, o lnifii>m Um sirco de reijSo preto o
um dito |ia,linho : em Fra-de-Poitas, do-
fronte do arsenal de marinha, n. 145.
Vendem-se ricis toalhas de
lavarinto: na ru da Cadeia do
Recife, n. 9,
Ven'e-s-i sarja hespanhola superior a
1,600 e 2,000 rs. o envado ; chales de chita
a 800 rs. cada um ; riscadinho francez a 160
rs. o covado ; cnrfs de cassa rouxa a 2,000
rs.: 110 Passeio-Puhlico, n. 19:
Vende-se urna boa sabia da matti:
na rui di Mangueira, n. 9.
Venle-se 1 padiria di ra do Pires, n.
44 ifreguezada em cinco arrobas de po e
qualro de bolacha : o motivo por qne se
vendo he polos donos se acharem doentes :
a tratar na mesma padaria, ou na rua do Ro-
zario da Roa-Vista, n 2.
Vendem-se 200 couros do cabra : na
rua larga do Rozario, n. 25, luja de unu -
dezas.
Vende-se um bonito cavallo com to-
dos os andares, o qual he muito commodo
de sustentar : na rua do S -Rila, n 85,
Vendem-se calieoadas bran-
cas trancadas com redeas por ba-
rato preco : na rua da Cadeia do
Recie, n. 9.
Vendom-so lonetas do grande tom ; cai-
xasdo linh is com 8 novellos sonidos, a 80
rs. a caixa ; o testamento do gallo, di gal -
linda o do cachorrp, a 100 rs cada um ; car-
tas do Salvador para mouinus aprendorcm
a ler a 80rs. na rua do Crespo, n. II.
Vendem-se duas Imillas de lavarinto,
com bico em roda ; 3 lencos de lavarinto ;
seis varas do bico largo : tudo obra lie-n
fcita ; 14 saccas com gnmma de engommar
muito alva, 1 5 000 rs ; 300 couros miudos :
na rua estrella do Rozario, 11 13
Vendem-se sapat5cs de couro
de lustro para liomeni e meninos ,
Jilos de bezerro francez; ditos
branens para liomem e meninos,
chegados bontem : na rua da Ca-
deia do Hecife, lop n 9.
Vendem-se queijos do manteiga e de
qualha, muito ficscaes, e chegados na Ma-
ria-Firintna; esleirs de palha nova, em
porcilo e a rctalho j peixe secco de diver-
sas qualidades ; civalla em barril; chapeos
de palha nova ; caixas com velas de Carnau-
ba brancas e amarellas, superiores ; couii-
nlios e sol barricas com sapates hrancos
o pretos ; ditos de couro de lustro; charu-
tos de S.-Flix ; saccas com feijflo, a 2,000
rs. : na rua do Cruz, no Recife, 11. 24.
Charutos de Havuna
verdadeiros :
vendem-se em casa de Kalkmann Irmflos,
na rua da Cruz, n. 10.
Vende-se superior vinbo de
Champanlie e lariiiba de trigo lia-
ron : na rua do Trapiche, n. i3.
Vende-se, no trai [che do Rarboza, mui-
to bonito o novo inilho, a 3,100 rs. a sacca.
Economa.
No nrmazein de vinlus, na rua da Ma-
dre-de-l)eos, n. 36, lamijas muito doces e
excellentes, a 400 rs. o cenlo, o sendo quan-
do menos 50 por 20*0 rs., o nada em me-
nos quantidade.
Na rua Nova, n. i>,
Vendem-se dous lindos mulalinhos para
pagens, sondo uin delles hom bolieiro e co-
pero, e qoo he muito civli-a lo ; um par-
do hom olliciiil dealfaiate; um molequn de
naQSn, que he mulo bom coznh eiro e de
boa conduela o quo se alianga ao compra-
dor ; um moleque de 18 annos, bom olfi-
cial i'e alfaiate ; dous prelos bous Irabalha-
doies de enxadas ; duas pretas com iiahi-
lidadrs ; un.a mulatinha da 14 anuos, com
principios de costura e engommado ; duas
pardas com habilidades.
> ovo sortimento de la*
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6. ao pe*
do lampea >.
Vende-se cassa-chita muito flns, de bo-
nitos padres, cores fixas e c< 111 4 palmos
de largura, pelo barato preco de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de quadros, muito
lina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
Iras de 11 nho, a 240 rs. o covado,- biim de
algodflo de cores com lislra ao lado e de bo-
nitos tirires, a :i JO is o cova lo; brim
pnrdo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varas e urna quarla ; cassa preta com
ramagem bnnci. para lulo, a 140 rs. o co-
vado; zuirtode cores, com 4 palmos de
lugura, a 200 rs. o covado ; dilo azul com
vara de laigura, a 200rs. o covado; mea-
do monstru, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitos padres e ciVes lixas, a too e 180
rs. o covado ; chales de tai Llana, a 500 e
800 rs,; cobertores de algodlo america-
no, muito superiores, a 640 ri.
A ns 20:000.O0Q de rs.
Na praca da Independencia, n. 4, ven lem-
so bilhetes, meios, q tartos, oilavos e viga
smusda II' lotera a beneficio das ma-
triz* do Rio-do Janeiro. Na mesma Ioja su
mostra a lista da dos capnchnhos.
-- No sitio da Estancia, unto aoengenho
lo Giquiii. vende-se urna carrosa nova de
4 rodas, roita em IngUlern, prnpria para
conduzir grandes pesos, sendo feita para
carregar assucar para o porto do embar-
que, e canoas do cannavil para o enge-
nho : osexos e rodassio da patente e da
urna solidez para resi-tir a to lo qualquer
servico: foi trazla ,c|j'aiinuncia ,ie dt
Inglaterra como adequeds aos servaos dos
engenhos, como as rarrocs de 4 rodas
actualmente em uso eenain"filo nflo sao.
Vendom-se timhom os arroios para oito
civallos'emsotiarado, ou coma carroca, a
qual est arranja la para, trabilhar com ca-
vallos ou bols: os arreiosdo superior qua-
lidadeservem igualmente para cirrocas de
um cavallo, e por isso tamhem vonde-se ca-
da jipparelho em separado: a tratar no
mesmo sitio, ou na rua do Vigaro, n. 4.
Ageocia de Sdwio Maw.
Na rua de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
moiit&Companhia, acha-se constantemente
um grande sortimento do ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como laixas de ferro coado e batido de dif-
iranles tamanhos e modelos moendas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para anmaes e agoa, ma-
chinas de vapor de frca de 4 cavallos, alta
piessSo, reparlideiras, espumaderas, etc.
de ferro estanhado. Na mesma agencia acha-
se um sorlimenlo de posos para balances ,
escovins pina navios. Ierro ora barra, tanto
quadrado como redondo, salra para errei-
ro e urna porgan de tinta verdo em latas :
ludo por barato prego.
-- Na Ioja de Maya Ramos & Companhia
ha urna interessanle obra, intitulada Ma-
nual annuario da sa I, ou menicina e
pharmaca domesticas, conlen lo todos os
conhecimentos llieoricose pratcos neces-
sarios para cada um saber preparar e em-
pregar por s meseo os medicamentos, e
com pouca despeza, da maior parte das
doenc-iscuravcise procurar um allvio qua-
si equivalente a sa le ms doeucas UiCII-
raveisechronicas. por F. V. Raspail. Como
podereieuchamar-me doutor quando lo-
dos vilo ser, sem muilo trabalho, lo dou-
tos como en?
Venilein-se diversos escravos,
a saber: um moleque de 14 annos, cozi-
nheiro ; umdilo de 12 annos; um mole-
rn bom reinador ; um preto de 2(1 annos,
que entende do marujo ; 3 prelos para o
servico de campo ; um pardo sapal-iro, e
que he ptimo pata pagem ; um dito para
trabalhar em um sitio ; urna parda engom-
madeira e cozinheira ; duas pretas; e <>u-
tros escravos : todos estes escravos ven-
dom-se mnitn barato, para se fecnarem al-
gunas contas : na rua das Larangeiras, n.
14, segundo anda".
-- Vende-se nina cama de Jacaranda, cora
cpula ; dous jugos do banquinhas ; um
guanla-loiica ; um liercodo Jacaranda ; 6
caleras de lito ;e mais alguna trastes em
meio uso ; na rua dos ExpostoS, n. 12.
u ____________ 9
u
u
o
23
Cl
<
_
<
2 vi
<
t
a
i
i
1
9
m
m
Lotera do Itiodc-
tlanriro.
4
i
i
i
i
*
i
fAos 20:000 000 ders.#
* Pelo vapor S.-Snhador recebemos
9 a lista da 5.' lotera dos missionarioj 9
9 cap,irhinhos, e juntamente os muito
*>' afurtunadns tilhelese meios bilhetes tQ
?' da II lotera concedida a beneficio #
flft da conslniccioe reparos das matrizes 4)
do Ito-de-Janein, cujas rolas de-
'9 viam andar no dia 28-lo mez passado,
* os quaesse eharfio venda na dita ^
&> Ioja. das 8 lloras da miinhila As 6 da ?
ft tarde. ?
l'RECOS DOS BILHETES. %
i
9
i
ll'l II os
Meios
Quartos
(lilavos
Vigsimos
22.000
11,000
5.500
2.750
1,300
i
%
9
Vonde-se urna caiteira de cendur, de
urna s face, com bstanles repartimentos,
em muito bom estado, e com o seu com-
petente mocho ; urna porta de forno de
padaria, em muito hom estado ; 3 pesos de
arroba ; um dito de duas ditas ; uin dito de
meia diU ; dous ditos de oito libras : tudo
junto ou separado : lia Boa-Vista, rua do
Pires, n. 23.
-- Vendem-se queijos londrinose pre-
suntos muito lie-cacs, assim con,o frascos
de mostarda, fruclas em frascos e botijas
de corinlhos o fiasquinhos de molho para
carnes e outros objectos : ludo chegado l-
timamente de l.iver.-ool na galera Stviord-
l'iih, no armazem da ruada Cruz, n. 7.
--Vende-se um moleque de7 para 8 an-
bos : na rua da Cadeia de Santo-Antonio,
n. 2.
Vende-so a armacSo da venda n. 46 da
rua da Roda, com pesos e medidas, por pre-
go muito commodo : a lratr no sobrado
por cima da mesma venda. Na mesma casa
tambem se alugam bichas hamburguezag
da melhor qualidade que existo no mer-
cado.
Vende-se urna preta de 18 a 20 annos,
de bonita liguia, oue cozinha o diario de
urna casa, lava peifeilaiueiue, com algura
principio de cosluia e de engomiuar, pelo
barato prego de 300,000 rs.: na rua do
Qfleimaiki, n. 14, Ioja de ferragens, se dir
quem vende.
Vendem-se ngoas seccas do Rio*
Crando, muito boas u por prego commodo :
na rua da Praia, armajem u, 20.


Na rundo Crrz, no Rrcife. armazem
n. 33, vemlem-so sapeas rom feljflo, por to-
do preco. per -star principiando a furar:
um porro do raleado do Aracaty, roim>
si'janr 80 r-arrs de sapalOes do couro de lus-
tro, ohrn ben feila o de diversos I a marinos;
sola o couro do cabra; caixas para rai. :
ludo por prege commdo, para fechar con-
S0#99
.
&
Cassas e cambraias.
o
Vende-se cassa rxa, n 160 rs. o eo- (}
.., vado ; cambraias do seda, a 320 rs.; q
g corteada dita do algndo, a 2,000, *>
~~, 2.5T0 e 3,000 rs. ; lencos do seda pa- ^
H ra m.1o, a 1,000 o 1,280 rs. ; ditos A
^i! grandes para pesclo, a 1,600 rs. ; ^
*' ditos de cassa para nto de s^nhora, i,
<3 a 400 rs. ; diales de la, a 2,000 rs.; e J
ft outras militas Hiendas : na ra do fe*
O Crespo, n. 0. j
Vende-se mult stupcnoi la-
rinha gallega etn meias barricas :
na roa da Cadeia do Merife, es-
criploiio de l)eane Youle & 0. i
o no primeiro armazcm do becco
do Goncalves.
> a ruado Cre<*p",loja da
esquina que volla par.
a cadeia,
vendem-seos arredilados brins trancados
trancos de llslrai a lisos, de Imho puro, a
1,500rs o corle) dito an 1.6U0 rs. ; panno fino preto e itul mullo
bun, a 3,200 rs. o covado ; dito milito su-
perinr, a 5,500 rs. ; fnslOes milito bolillos
pira colleli'S, a filo rs o corte ; ditos de
velludo, a 2,500 ra.; di'osile, sciim lavra-
do, a 1,800 rs. ; ditos de gorgiirfin de seda,
a 1,600 rs ; rambrnia fisa, a 2,720 rs. a pe-
ca de 8 varas o niea ; casa prela, a i,lo
rs. o corto ; esc inflo do linho muito lino, a
1,41o rs. a vara ; e oulras militas fazen-
das por precos conmodos.
Tecidos de alftod&o tran-
cado la fabrica de To-

dos-ns-Santos.
Na rua da Cdeia, n. i'2,
vendeni-so por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa do
escravos,
Ruarles de furla-crcs a
200 rs. o covad n c ris-
cado monslro a 22D rs.
Venda-so zuarle do fiirta-rores muito
enrorpido e rom t palmos do largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. n cavado ; ris-
pado nionstro milito lium a 220 rs. o cova-
do : na rua do Crespo, loja da esquina que
volla parr a cadeit.
A (>!<) rs. cada un.
Venileni-se pnlieilores de algodo ameri-
cano, cncnrpndnsc. grandes a duas pata-
cas ; chitas oscuras do bous padroes e co-
les seguras, a meia pataca o covado : na
rua do Crespo, na loja da esquina qiie vol-
la para a cadeia.
. i yus para en Na fundigo de ferro da rua do Rrnm,
acaba-ae do reeeber um completo 8orlim.cn-
todo taisas de i a 8 palmos de bocea as
qunfll acliam-se a venda por preco rom-
modo e com promplido emharcam-se,
i.o caiipoani-seem carrossein despezas ao
omprador,
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazcm anlign da rua da Madre-de-
lieos, n. 36. esta de novo eatabelecidn de-
baixn 'las mesmas cnndlgoea, olTerpcondo
a deliciosa plllgl do villlro da Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa, o
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por920 rs a garrafa, B 1,600 rs. a Ca-
nad, a de vinho de Itordeaux por 160 rs. a
garrafa levando O casco. Pifio se admirem
os fieguazes do baixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, c sim itn audacia do
proprielarin querer sustentar o enligo pre-l
Co, endiora este genero tenba Subido o nie-'
Ibor de 30,0110 rs por pipa. Bxsfflioem os i
amantes a qualiilaile para iceonli- cimento
da ventallee ContiuuagO da enliga fregue-
Zia. K para nao haver usoras, csi.lopion.p-
las garrafal lacrabas e com o competente
rotulo, aaaim como harria ile diferios la-
manilos para pio*tlllo do prximo Natal ,
O pruprii'tariocoDt Com n concurrencia;
do contrario, tornarfio es precos do re le-
lil) a primitiva de840e 280 rs. a garrafa.
Snlia de Flanrlrcs.
Vendem-se caixas com fidba ile Flandrcs:
na rua do Amorlm, n. 35, casa de J. J. Tas-
Mi Jnior.
- Ven tem-seamarras de ferro: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
Velas do cores.
Vendeni-so, no armazem de molhados
airas do fiori o-Santo, n. 66, por prego com-
BPodo, velas de Carnauba, sendo azuea,
cor de losa e lustrosas, as quaes se tornam
tecominendaveis pela sua superior qnalida-
dc c alurarem mais que es di- esperuiacete,
e nao fazercm morrSo.
Deposito de Potassa.
Vende se multo nova potaaw
de boa qualidade, cin b>n i i.szinlio:.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ba muito
lempo se nao vende: no liccie,
rua da Cadeia, armazcm n. 12.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal rirgem de Lis-,
boa, por preco muilo commodo. 1
Vendem-se escravos: 2 moleques;
una pird : lodos de bonitas figuras : na
na da Cruz.noltecife, n. 43.
A rados de ferro.
Na fundigo da Aurora, em S.-Amaro ,
vondem-se arados do ierro diversos mo-
delos.
Chapeos do Ctille.
Vendem-se chapos do Chile superiores :
na prag do 'Commercio, n. 6, primeiro
andar.
-- Vendem-se relogios de ouro e prate,
patentes Inglezcs: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Rixas.
Vendem-so bichas chegadas ltimamente
e de boa qualidade, a 160 rs. cada urna, em
porgilo le 25 para rima : na rua do Amo-
rim, n. 35.
AGI'NCJA
da fundi^ao liovv-lloor,
RUA D\ SF^ZALT A-NOVA, N. 4'*
Neste estiibelccimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
i.o ido, de todos os tamanhos,
para dito.
Pos o-alvanicos para
p ratear.
Na rua do t'ollcgio, loja n. P.
Todas as pessoas que possuem objeclos
praleados e que lenbam perdido a cor ar-
gntea, eslendo poriasoindecentes, ou inu-
lihsados, leem uestes pos um excdeme
eslaurailor e ronservador dos niesmos
objeclos sempre como novos aendo o pro-
pesso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho moldado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinha contando quantidade suf-
ficienle para pratear mais de 40. palmos
quadrados cusa a mdica quantia de
mil rs.
Deposilo da fabrica de
odos-os-Santos na Haba
Vende-se em casa de N. O. Ilieber & C.
.1,-1 rua da Cruz, n. 4, alcodfio trancado-
danuella fabrica, muito proprfo para saceos
do assucar o roupa de escravos.
Chri brasilttiro.
Vende-se cha hrasileiro no armazem de
molhados, atrs do Cono-Sanl, n. 66, o
mais excedente chiprottnido em 8.-Pau-
lo que lem viudo a eSle mercado, por
prei> muilo commodo.
Moendas superiores.
Na fondicode C. Starr & Companhia ,
em S.-Amaro acbam-se a venda moendas
de cauda, todas de ferro, do um modelo e
conslruccflo muito superior,
Novos cortes de cassa pa-
r, vestidos.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
de cores (xas e de hondos padroes, a setc
e oito patacas o corto ; diales de tarMana ,
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs. :
na na do Crespo, loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
4cs turnantes de bom gosto.
No armazem de moldailos atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 06, ha para vender, chegedos
pelo ultimo vapor viudo do sul, superio-
res charutos S.-I'elix, o de outras mudas
qualidades que se venderfio mais barato do
que em oulra qualquer parle : bem como
cigarrilhos heapanhoes ditos de palha de
milito, que se'pstfio vendando pelo diminu-
to preco ile 500 rs. o cenlo.
Corles de bi ni de cores
com lisirasaolado, a
I .i0 rs.
Vendem-se corles de brim de cores com
Slras 80 lado, a I 2M1 I -.. ; M-cielo de ul-
goilfin eineiicano, pioprio para esciavos, a
i luis o covado: na ruido Crespo, lujada
esquina que volla para a radeia.
Vendem-se 3 relogios de ouro c 3 de
prala, 12 annedOes. 12 conloes, trauc-dins,
brincos, hntoesdo camisas, aderecos. 1 de-
dal, crozas, urna Crrenle com *2 o laves, e
oulras militas obras : na rua la'ga do lio-
zario, n. 8.
4

A 430 e 560 rs.
Vendcm-se casias fraucezas de cores fi-
xas e de bonitos pediOes, pelo barata pic-
Qode4K0rs. a vara; chitas largas fcauce-
les e de listias ri de ganga e c6r do riuza,
pelo barato preco de 360 rs.; brim tranca-
do amando de Jiiu IlliliO, pelo barato l ru-
co de 040 rs. a Vara : na rua do Crespo, n.
14, oja de Jos Francisco Das.
Farinha de S. laibcns,
de superior qualidade, vende-se por n enos
|i itui'ii que em uulia qualquer parle : a
IraUr 1 bonlo da .stiinaca llella-Caiolina,
fulleca la dcfroiiledoCollegio, ull ao I*do
do Corpo-Saolo, 11 25, lja de massames.
--Vendem-se superiores pos de I mi par
(lentes, pelo diiiiiiiuto | reg de 160 a
CaiXinlie: na rua Vtfilia, n 54.
Ulan las de seda.
Ainda existe un,a pequea porpao de
mantas de seda, ao prego de 7,000 rs. cada
urna i ara se acabar na rua larga du Itoza-
riu, padana n. 48.
Cera em velas.
Vendem-sc caixas com cera em
velas labricadas no hio-de-Jdnci-
roem urna das melhoies fabricas,
$Ol tmenlo ao gOito rio comprador,
c por preco mus barato do que em
onlia qualquer porte: a tratar
rom Alachado & Pinbeito, na rua
do Yigatio, n. ly, segundo andar. |
qualquer parte; bem como % couros de on-
' r.-i e um de lontra ; urna pnrclo de couros
: miudos : ludo se vende muito barato.
Noarmazem do barateiro Sil-
va Lopes, na porta da alfandega,
vende-se farinha de trigo de Phi-
[ ladelpbia, nova e da melhor qua-
lidade que vem a este mercado.
liolacha de Tarinha de
milho.
Apnareceu emfim novamente a venda a
exeellente bolacha de farinha de milho su-
perior e que so lem fabricado e annuncia-
dn por vezes, pelo acoslumado prego de
80 rs. a libra : na rua larga do IImu rio,
n. 48,-padaria.
Velas de espermacetc.
Vendem-se velas de esperma-
cele superiores, -chegadas agorada
America : em casa de Dea iie You-
le & Companhia, na rua da Ca-
deia, *i. 4
Agua de.lingiro cabello e suissas.
Contini-se a vender a agoa do tingiros
cabe'loi o suissas : na rua do Queimado. n.
31 U inei lelo do applicar a dita ago acom-
panha os vidros.
Vendem-se relogios para ci-
ma de mesas com 3o horas de cor-
da por barato preco, visto a sua
qualidade e boniteza; na rua lo
Trapiche, n. 8.
Vendem-se atrs ]do theatro
laboas de pinho largas e estreitas
por lodo o preco, com o abate de
^5 por cenlo dos precos que al
enio se vendiam, alien de se aca-
bar com a abundancia que ha ; ap-
proveitein-se, freguezes.
Farelo em saccas gran-
des:
vende-se no armazem de Antonio Annes ,
no caes da Alfandega, a 5,000 rs. e sacca.
-- Vende-se Colla do dio Glande do sul,
a 240 rs. a libra ; crva-mtlle, a 320 rs. : na
rua Augusta, n. 94.
Aaiopc dcangico e clio-
col.le de sade.
'Cuba de chegar do Muran bao, aonde lia
fabricado, um novo sor lmenlo desu-s dous
nlijecio-, ja bem conhecidos uesta cidado
por ii, unas pessoas que teein feiio uso del-
les, as quaes coulirinam o seu bom resul-
tado : venden)-se uo meamo lugar do cos-
til na-, na venda da rua da Culi-ia du lucilu,
ii. 25, delroiite do Ueuco-Largo, pelo mes-
ino prec de mil rs. cada g.irralinha de xa-
lope ,e6IOrs. a libra'do cnocolate den. 3,
e N00 rs. o de n. 4.
1 ,tlinh,i de trigo ame
ricano.
Vende-se farnba de trigo americano, di
niaic-i Brand-Wine, cnegada udiinniente,
por preco comino lo : em casa de J. J. Tas-
so Jnior, na rua do Amoi im, n. 35.
Vendem-se Uesciavos, sendo : um op-
tinio molequede 16 anuos ; 2 unos carrei-
ros ,- um dito de8 anuos; urrt lindo mula-
liuho de 16 anuos : 2 escravos de mete ida-
de seudu um delles cozmheiro ; 9 pardas
mouis leudo uuia dell.s bou) leile ; 4 na*
gruidas de 15 a 16 anuos; 2 escravas de
bullas (guras: todos por preco commo-
do : na la Direilu, u. 3.
S .ii liha de mandioca.
A burdo da garopeira Conceitiio-Felis,
Tundeada em frente do caes do Collegio,
vende- ^o f.nnhi de mandioca, a tres mil e
duzenloarisoalqueire da medida vellia,
do muilo superior qualidade.
Vendeui-se dous preloe de 80 ennos, de
muilo bornes figuras, ptimos |para carre-
garem um pulauquim, uu para rebilharom
1 Vendem-se saccas com farinha muito e de boa figura, cquo he bom odlcial de af-
bna e bem torrada, por preco commodo : no pateiro ; 3 mulatinhos muito esperlos para
irmazom do finado-llnguez: na rua da Ca- servirem a urna casi, ou para aprenderem
deia.ao p doareo di ConceicSo, n. 6 0, ou officio ; tima prela de 20 ennos de boa (i-
a fallar na loja de JoSo Jos de Carvalbo- gure, que cosq, engomma e cozinha; umo
Moraes, e no msmarmazem. dita com urna filha de 10 mozei, que cose
n ~..^. :.,,, I... efaxliva'into : narua do Codegio.o. 21,
Para qiiem tlVer UOin ,,-imeiro andar, se dir quem vende.
g-osto.
Vendem-se redes de cores muito grandes
e muito bonitos padroes, e o melhor que
tem apparecido neate mercado : na rua do
Crespo, loja da esquina que volla para a
cadeia.
Na rua do Queimado,
viudo do Rozario, se-
gunda loja, n. ftft,
vendem-se luvas de torcal, pretes e bren-
cas, a 500 rs o par ; meias de seda prelas,
curtan, a 800 rs. o pr; ditas compridas, a
1,500 rs.; e outras muitas fazendas pur
commodo prego.
A'2,7O rs. cada um
corte.
Na loja de Guimarites & llenriques, rua
do Crespo, n. 5, vendem-so novas cassas
parisienses, padroes muito molernos, pe-
lo barato prego de 2 720 rs. cada um cite :
esta fazeniJa se torna muilo recommenda-'
vel pele superior qualidade e barato prego.
Charutos da Babia.
Vendem-se charutos da Baha, chegados
lili i na ment', em porcoes de, 10 caixas para
cima a vootade dos compradores por b-
talo prego : na rua do Trapiche-Novo, n.
18, primeiro andar.
Vende-se espirito de 37 g ros, a 1,210
rs. a caada, e 160 rs a garrafa : na n. da
l'raia-tle-S.-Rila, n. 1.
Queijos do ser tan.
Na rua do Queimado, n. 14, loja de fer-
ngens, vendem-se muito bons queijos do
sertSo, por menos prego do que em outra
Nesta loja vende-se panno fino preto
de cores ; casimiras elsticas, finas e de bo-
nitos padroes ; corles de brim de linho es-
curo, a 700 rs.; cassa lisa, a 320 rs. a vara;
chitas de cOres tlx.s o de pannos muito en-
corpadas, a 140rs. o covado; e oulras mui-
tas fazendas prupriat da fesla, por barato
prego para fechar cintas.
Vende-se, na venda da rua Augusta,
n. 94, o p do viveiro, mantel?! ingleza,
a 320. 480 e 610rs. a lib'a : queijos novoe,
a 1,100 rs. ; cdi, a 2,000 e S,240 rs. do me-
lhor ; passas e ameixas novas, a 240 rs. a
libra ; figos, a 160 >s ; cerveja mudo boa,
a 440 rs. a gxrrafs, e meias dilaa a 280 rs. ;
viniio, a 160,200 e 240 rs. a garrafa ; eepcrr
mcele, a 800 e 900 rs. a libra; velaa de car-
nauba, a 2t0 rs. a libra ; azeile doce, a 480
rs. a garrafa ; dito de coco, a 400 is.; dilo
de carrapato, i 220 rs.; loucinho, a 120 e
2-.0 rs. a libra ; familia de ilarauhSo, a 80
rs. ; dita de aramia, a 140 rs.; esleirs de
pipiry, a 160V.; grexa ingleza, 220 rs. o
pote : amendoas sum casen, a 300 rs.; loo-
ca; e todos os mais gneros muito em
conta.
00

co
o'-'""
i 8.
!

a
9
V
n
t
=
t
to
i*.
O
en
-a
2-
MI M
f 5
O
--
o
3 C o
t
s ee-ost
bC
k
es
3^5 2
.33
2 o S
o '5
"~ M 5
gf
Hu
e l|if
C
.-
c
2 =2
te
3
s
- Q)
.o
o
c
llff 3-II:
liil I2
:EW vaos
o gerente do contrato do rap prince-
za do Lisboa contina a vender o rap vin-
do pelo navio Covceiteo-de-Maria a 3.200
ris cada libra, a dinheiro a "i-t ; assim
como roga as pessoas que ainda devem o
importe de rap, hajam de mandar salisfa-
zer, pnis no tem caixeiros pata mandar
reeeber taes dbitos.
A1M00 rs. %
Baratsimas mantas de cambraia e <*
seda, grandeie de escolhidns gostos, *
para senhora, pelo diminuto prego (f
'deS.4O rs.: |
narua do Crespo, n. II. #
#
Na rua do Vipano, n. 7, primeiro an-
da", vende-se urna irela cozinheira, liva-
den a, enenmmadeira, e que faz o mais ser-
vico de urna casa.
V te 111050, de bonita figura e pti-
mo p.ra (|ti .lipir-r servico, especi-
almente para engenbo por ser bom
trabalbador de enxadn, (once
macbado, e lral) I liar decabJeirei-
ro : ao compiador se dir o moti-
vo por que se vende : na rua da
Cadeia do Hecife, n. 5o.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinba de San-Ma-
ilicns a mais superior que ha no
mercado a bordo da sumaca Bella-
Argelina, Tundeada defronlc do
caes do (jollcg'o, o ti na rua do Vi-
guio, n. 19, i. e andar, a tratar
com Macbado & Finheiro.
att a tik 8 '&& jft tksn 3&M aMUlui 1
pesos de duas arrobis it 1 libra; eonxas
correnlesde ferro ; barricas abatidas; sola
o courinhos de cabra : na rua dos T.nuci-
ros, armazem n 5.
Vende-se urna prela de nago Costa,
de 18 ennos, de bonita figura, multo sadia
e sem defeito algum. com principios de en-
gomma r, lafs, cozinhar, e he muilo pro-
piia para a ra: na rua Augnsls, n. 52.
Vinho generoso.
Vendejn-se birris com 12 cnidas de vi-
nho gepeoso do Porto, com 20 annos, per
sea daclbeila de 1830 : este delicioso licor
he muito apreciado nos loles, o por isso 01
amadores devem eproveitara occasiBo : o
prego be commodo : no armazem de Dias
Ferreire, no cea* Alf.ndega.
Q
Parisiense,
g esta linda e mignidca fazenda, vin- x
X da pelo ultimo navio de Franca, tor- ^
% na-se muito rrconimendavep, jiSo u jj*
qualida- Q
sta nata:
* pelo bom goslo, como pela
Chapeos do Chile de |
superior qualidade. 5
Na rua do Collegio, n 9, recebeu-se %
um lindosortiiiiento desl-s tfloapro- m
ciados chapeos, que se veudein por $$
prego commodo. j
wvwmmwmw wmxvwmwmm
Vendem-se 2 moleques pegas, de 19 a
20 annos, de nago Angola ; umi moleca
muito bonita, com principios de costura :
na rua Nova, n. 39, segundo andar.
Barato e hom
Vende-se feijio mulatinho a
dous lu.slocsa cuia : na ruado l'a-
dre-Moriano, venda, n. 7 a.
Vende-se urna escrava cri-
oula, bonita figura, piopria para
qualcjuer aetvico de urna casa .- na
rua da ( adeia do Itecifo, loja de
JoSo da ( unba Magallies, n. 51.
- Vende-se urna prela crioula de 30 an-
nos, sem vicios, a qual lava e f.z goslo de
ir para o mallo : ne rua dos Tauoeiros, ar>-
mazem n 5.
Vendem-se laboas de pinho de (9 pal-
mos de compiido, proprias para forro ei
lampos de barricas vimes ; aicos para pi-i
pasebliris ; um baldo com gyelas; ar-J
de do (erido, pro|>rio p'ara este paiz :
vende-se nicamente na rua do Crea-
po, n 9, bja de Jofio Antonio Go- O
mea Guimarlles. '-
O &
6<^<&d(&<&> OCt?>*
Chppnu novamente i loja de Haya Ra-
mos & Companhia urna colleg&o de retra-
tos ly'ogr! liados das princpaea persona-
gens de Portugal, distinguindo-aede entre
elles os retratos da ralnba de Portugal, I).
Fernando, C. Miguel, conde de Thomar far-
dado como ministro, duque de Palmada,
duque da Terceira, cont das Aulas, gene-
ral Guedes, Vasco da Gema e ouiro : tam-
ben) se vende na mesma leja urna collecgo
de vistas dos sucessos de I). Ignezde Castro, um pa-
norama de Lisboa, e oulraa vislas mais que
na indicada loja cima ha para se vende-
rem por pregos multo rasoaveis.
Vendem-se. na rua Augusta, taberna
por baixo do sobrado que fui de Jos lia-
rla, soperiores lingnigas do sertao a S20
rs. a libra. /
Panno prelo.
Vende-se panno preto de ourrla branca,
a 4,500 e 5,000 rs o covado ; dito eznl, a
4,500 e 5,000 ; dito cor de rap a 5,000 rs. 1
velludo preto, a 4.500 e 5,000 rs. merinos,
casimiras; e outras muitas fazendas: na rua
lo Creapo, loja n. 9, de Joflo A. G. (iuima-
rles.
Para gravafa.
Vendem-se lengm de seda edesetim pi-
ra grvala,a 1,000,1,500 e 2,000 rs. ; ditos
de cassa, a 500 rs.; ditos de seda pira n So,
1,000 rs. ; ditos muito grandes para se-
nhora a 1,500 rs.; ditos com franj-s, a
1,500 rs.: na rua do Crespo, n. 9, loja de
JoHo A, C. Cnimarcs.
A Vendem-se rjscados francezea de cores
(xas, pelo mdico prego de 200 a 220 rs.:
na rua do Crespo, n. 9, loja.
Vendem-se 8 lindos moleques de 10 a
18 annos; 10 pretosde 20 30 annos, sen-
do um delles oplimo sapaleiro eoulroco-
zinheiro; 3 pardos de 16 a 20 annos, sendo
um bom carreiro ; 3 pardas de 16 a 20 an-
nos, com habilidades; ume d'la de 20 anr
nos, com dona Qlhos, urna de 5 annos o ou-
iro de um auno lendo a perd boas habi-
lidades ; 8 prelas de 16 a 25 annos, coro ha-
bilidades, propriaa.para lodo o servigo : na
rua do.Coegio, n. 3.
Vende-se um *cravndo eentio de An-
gola, muito moco, com officio de serrador,
sabe abrir ierras, e que lie muito diligenie
para um ludo, principalmente para' algum
senhnr de eugcuho, pois quem e comprar
ficar nossuindoum bom esersvo : na rua
da Pri.-dc-S.-Rila, n. at, serrarla.
a* aloes a 500 rs- o par.
NoAlerro-da-Boa-Visla, loja li. 56, ven-
den) sipaiOes do Aracaly, a 500 rs o par.
Cera de carnauba de pri-
rocira qualidade
e em sacras : venue-se na rua da Cruz, no
Reeife, n. 24.
Para o leirpoda festa.
Vendem-se os melhnres charutos ha pou-
co chegados da Caxueira da Babia, e de ou-
tas qualidades ao Alerro-da-lioa-Visti,
n. 47.
fcscravo JPu^ivuh
Fugio, no dii 2 do crrante, urna es-
crava de nago, de 20 annos. de altura re-
gular; tem urna sarna na testa e em um
dos bragos; levou vest lo de chila com lis-
tras encarnadas e panno da Costa. Esta es-
cr.va veio da Bahia ha pouco lempo, e por
iiso nflo pode ler fu y i lo pira minio longo :
quem a pegar leve-a i rua do Hospicio, ca-
sa de Thomaz de Aquino Fonseca, que re-
compensar. _
Desappafeceu, no dia 30 de novembro,
um molequo de 20 annos pouco" mais ou
menos de nago Congo, de nome Antonio,
de estatura baixa, com urna cicatriz no la-
do direito do rosto, denles limados, nariz
demasiadamente chato; levou caigas do
algodo trangado azul, camisa branca de
algod.lo chapeo de couro,e tuna sobre ci-
snea pirda : quem o pegar leve-o rua do
Cabup, n 16
Do-so 120,000 rs. a quem trnuter o
escavo pardo, de mime Malinas, ofOcial de
pedreiro, natural do Ico, o qual le acha
pelos suburbios ou villa doCrato. inliiulado
por forro fugio desta cidade em outuliro
de 1837 ; he bailo, secco do corpo, cabellos
crespos, rosto descarnado e um tanto car-
rancudo, pouca barba ; tem o dedo polletiar
da modireita cortado pela junta da palma
da mo ; lem 22 a 25 annos : quem o pe-
gar leve-o a rua Augusta, n. 94, que reee-
ber* a gralificagno cima.
Fugio.no dia 6 do passado, o prelo
Benedicto, de nago, de 18 annos, pouco
mais ov nienos, ana barba ; levou camisa
de iiiiidapolo e caigas de i iscado largo e es-
curo ,- de altura regular, corpo fornido,
beigos grossos, bocea grande, ps e nios
grandes: quem -> pegar leve-o rua es-> '
treita do llozario, n. 43, segundo andar,'
que ser gratificado.
em um armazem de assucar; um dilo mogo'marios usados; um braco de tulanga coral Pb*n. : na ttp. di m f. DB raau.164 9
'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKS6ESYDY_L94WQW INGEST_TIME 2013-04-24T19:31:05Z PACKAGE AA00011611_06729
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES