Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06728


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV.
S^ffinda-feira 5
PARTIDAS DOS COJABIIOS.
Ooianna e Parahiba, cgunda eseztas-feiras.
Ri-Gratidc-do-Norlc, quintas-feiras ao raelo-
dia.
Cubo, Serinhem, Rio-Formoso, Porlo-Calro
Maceiu, no 1., a II e 21 de cada inez.
Garanhuna-e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-fui ras.
Dunda, todos os das.
EFHEMEHIDFS.
Phzses bi ld. Ming. a 6, s 4 h. e 33 ni.da t.
Nova a 14, Ib. cl8m.da t.
Creso, a ii. as h.e i\ in.il.i ni.
Cbeia a 29, 11 b. e 41 ni. da ni.
prtE*wAn be hoje.
Primeira as 7 horas e 42 minutos da manb.
Segunda as horas e 6 minutos da Urde.
_..,_*.i IIHMIMm
IV. 271.
m
FUEGOS DA subscripoao.
Por tres 1uc7.es faiiantadu) 4/000
Por seis raezes 8/JO0
Por um auno l^VOO
das da semana.
3 Scg. S. Francisco Xavier. Aud. do J.dos orf.
e do in. da I. v.
4 Tere. S. Uarbara. Aud. da chae, do J. da I. v.
do civ. e do dos feilos da fazenda.
5 Quart. S. Geraldo. Aud. do J. da 2. v. civ.
(i QnlOt. S. Nicolao. Aud. do J. dos or". < do
111. da I. v.
7 Seal. S. Ambrosio. Aud. do J. da I. v. do civ.
e do dos feilos da fazenda.
8 Sab. *4> tonecicao de Nossa Scnhora.
0 I) mi. S. Leocadia.
xa
CAMBIO JSM I DE DIUHBBO.
Sobre Londres. 2S'/, a. por 1/00(1 ra. a 60 (lias.
Paris, 3i<>.
h Lisboa, I0 por ocnto.
Ouro.Oncaa hcspanli- ,0s......... 20/000 a 2/.'i0O
Mocdasde(i#i'jOve|has.. lli/800 a 17/OO
de tif |(Mj novas .. 1/2IK) a Ki(40(l
. de 4/000.,........ 9/200 a 9/300
yrata.-Pataccsbr a,iicros..... l/i'3'l a I/m
Pesos colu mnarlo....... I/.I30 a 1/V.">
Ditos 111." .icanns.....,.... 1/850 a 1*870
KatniB."*
MARIO DE
PARTE OFFICIAL.
/
liispado de Pernambuco.
TI. iodo da PuriHeocdo Marques Perdigdo,
conego regru* grifa ii lieos da Sania S Apostlica, his-
po de Pernambuco, do conctlho de S. M. I.
,C &.,&.
A tolos os nossos diocesanos sa le, paz
e benco, em nomo e virtude de Jesus-
Christo.
Dilectas diocesanos, o genero humano
iliysmtdo na profunda ignorancia, e agrl-
Ihoado pelo tenebroso captiveiro em que a
culpa original o precipiten, Iluminado, po-
rcm, e libertado por Jesus-Christo, he o ob-
jecto de nossa presente allocucflo.
O advento assignalado pela esposa do cor-
dairo immacolado para os pastores da g'ey
citholtca esta se dirgiretn, razendo-lha
ver quaesas dispos;coVs com que convm
solcnnsar religiosamente o portentoso
nsseimento do rei pacifico, o arijo do gran-
de concelho, be o irais proprio para sats-
fszermos de boa mente s pinas intencOcs
da santa igreja, a cujas sonoras e melodio-
sas vozes devemos tributar piednsa alien-
to, logo quo esta acariciadora mii convi-
da e exhorta seus filhos a refleclir seria-
mente na misteriosa apparicSo do unignito
fillio deDcos sobres Ierra, qual acreditamos
pela doutrina evanglica, como principio
da redempcSo humana para quedes que
teem a participar do copioso fructo de tSo
sublimee salutfero misterio.
A manifestacode Josus-Chrigto, deseen-
do do eco Ierra, sem que sua divindade
soffresse o meno' detrimento, para, na qua
lidade de salvador, felicitar eternamente os
liomens, be sem duviila a tnaior demons-
tradlo de sua mals reconheeida enmmiae-
racn, digna donosso perpetuo reconheci
ment.
Rea ligada a eterna redempelo, depois .lo
tres annos, consumidos com o maior zelo
na prgacSo do evangellio, posteriormente
promulgado pelos apostlos e annunciado
unnimemente pur seus succossores al ao
li ni dos seculos, lamentamos que o brilhan-
teclarflo u>sia divina luz exisla quasi ex-
tincto entres maior porte dos habitantes no
globo lerreslre, cujo procedimento, contra-
ro i doutrina que professam, he indicio
nao equivoco da f moitu, que n'elles do-
mina.
11. ploramos incessantemente que a paz,
reinante em todo o mundo, quando Jesus-
Christo nasceu, communicwta Com o maior
desvelo por este divino mestre a seus dis-
cpulos, pacem relinquo vobit, pacem meam
do vobi$i Ev. J. c. 14, v. 27 ), e por estes ar-
dentemenle rocnmmendada, como primeiro
(Imn temporal, de que a Providencia nos
pode fazer merc, esteja hoje substituida
pela geral perturbado entre os prenles,
migseconterrneos, por motivos inqua-
lificavi'i*. cojos resultados os maistemi-
veisdevem aitrahira celeste indignaco so-
ram, por meio da oraco humilde e ador-
nada d'aquella viva fe, que Jesus-Christo
particularmento exaltou para nossa cudi-
ello t a do centuriflo Matli. c. 8. v. 10) e a
da Caonea. (Id. c. 15, v. 981.)
Hasta maneara s-> verificaram as divinas
promessas dirigidas a SalomSo no sump-
tuoso templo, cuja construcco este sabio
e opulento principe (Inalisra, o em sua real
pessoa a todos que quizerem gostar quanto
he suave a inlinita bondad.
fleos, apparecendo a Salomfn e prometien-
do prestar attencSo as supplicas que elle
Ihe dirigisse no lugar que o mesmo Dos
destinara para o sacrificio, ouvir e atton-
der benignamente todo aquello que since-
ramente implorar sua piedade pela invoca-
ciio de seu divino nome (1.3. do Par. e. 7 );
porquantn a oraco, prevenida pela inge-
nua conlrico, abre as portas do co, e faz
descer a eterna misersefio.
Polo sacratissimo evangelho, estamos
certos d'esta importante verdade, qual nos
(flanea haver possibilidade na obtenco dos
hens, que nos silo urgentes: Omnia possi-
bilia sunt creilenii ( diz Jesus-Christo ) o S.-
Lucas em seu evangelho (o. 41, v. 9), refe-
rindo as mesmas palavras, que o proprio
fllhndeDeos proferto para nossa inteligen-
cia, igualmente nos diz: Supplicai o rece-
bereis ; procurai e acharis ; batei porta e
esta vos ser aberla. Petite, el aecipieUi;
querile, el invenletlt; plsale, el appertetur
vobis.
Silo truitos, porm, os que vivem anima-
dos d'aquella fe, que transporta os montes
para o mar? (Maree. II, v. 23!Quantos
contamos sensiveis priva(.1o da graga po-
la perpetrando do crime, e determinados a
reparar pela penitencia o perigo de sua eter-
na condemnacfto que a espantosa temeri-
dade Ihes motiva ?
N3o presenceia o povo christo escnda-
los intolcraveis, causados sem o menor re-
morto, depois que a propria voz de Jesus-
Christo profiri a mais terrivel sentenc
contra o escandaloso ? Melhor Ihe Cora que
suspendessem ao seu pescopo urna m d,.
moinho, e o lancassem no profundodo mar!
f.xpedil ei vi stispenilatur mola asinaria in
eolio eu!, et demergalur in profundum maris !
Ai do mundo por causa dos escndalos, pois
he nec ssario que aconteQiii; ai, pnrm, d'a-
quelle liomem, por quem o escndalo he
ocasionado Vie mundo a scanditlis Necesse
esl enim ul veninnt scandaln ; verumlain'H
va homini illi, per quem scandalum veait !
,'\|.itli. c. 18, vv. C c 7.) >1o porque Doos
queira os escandalosos ; mas porque, sup-
Cosla a malicia e cotrupcSo dos homens,
e moralmente impossivel nue os nflo ba-
ja, e cedem em beneficio dos predistina-
dos por disposicSo divina. ( Pcrcira. J
Km preseuca destas verdades evanglicas,
lia ver ainda no inundo quem prosiga em pro-
mover o negro enredo, em fomentar a detesta-
vel calumnia,i|uc dilacera com o maior escn-
dalo a dilccrn fraterna?
K que diremos daquelles que por todo o uni
htmi se exercitam no arlilicioMi manejo da
neniira para inacularem os membros da socie
dade, uo obstante declarar Jesus-Christo fi-
lhos do dlabo (pai da mentira} os mentirosos !
missao celeste, prximamente esperamos ce-
lebrar, Imprima em nossos nimos aquelles
orthodoxos sentimentos deque devemos estar
animados, para santificar nossas almas pela re-
eularidade dos costumes, occorrendo por lo-
dosos meiosaonnsso alcance adissipar quaes-
quer illusnrlos obstculos, a faier cessar sup-
postasdiniculdades, c a repel ir falsos pretex-
tos, que contradizer possam nossa nica im-
portante pretenco (o fructo da eterna re-
dempeo.)
Palacio da Soledade, 2 dezembro de 1849.
J"iio, hispo diocesano.
com os mesmos amigos, logo que nao existe
conformidade nos sentimentos, como se a Ii
bresousciryoheose fautores, responsaveis _
pelastribulacOes.quea inobservancia do se-'(Ev. J. c. 8. v.44.) Acostumadosa negar a de-
gundo preceito da le, quo nos santifica, oc-' vida consideracao ao precedo da caridade do
osiona, poisque a fruicSo da paz entre os prximo, coostituem-se urnas veies inimlgos
irinSos depende da execu<;ao d'cstn novo declarados.outras gravemente desattectosipara
mandamento, mandatum novum do vobis ( Ev.
J c. 13, v. 34). cuja importancia Jesus-Chris- J;Jrd dc pensar e o mesmo direilo nao fos-
tomui particularmente 'ocommendou, oc.ecoininulna lorj0s!
mando vobis, ul diliyalis incicem { id c. 15, V. q, qUC se acclamam llvres, lllusoriamente
1" ), dignandii-se equiparar ao (irlmairo o' preteodem obrigar seus antagonistas aos mes-
segundo preceito dVsta lei, lloc esl m"r-j moa sentimentos, poisque a liberdade jamis
mum, el primtim mnndalum, secundum se pode compadecer com a subjeicao.
nu/.m -./...< huir ,-Mull r 22 v v 381 Raciocinemos, charos diocesanos, de oulra
aulemsmxieest hme. Ualh. c. il. v. v. d I e|ra> ((ara que aJ rr,iexes sejam
, 1 ., ___...,, .unnimes, quando se trata do bem da religio,
Jamis se podo negar, ou conlradizer a di( Mtad0i e'je seus subditos, nicos objectos
existencia d'estes dous precoilOS, posto que. dignos de nossa alteucao, convencidos de que
feralmente postergados por persuasao e; nao pojemos collicr do contrario procedinien-
seductora induccHo do liomem inimigo (o t0 prspero resultado. Altendamos scriainen-
demonio), dissiminaJor da sisaniaf a intri- te aos preceitos que nosligam, por cuja exac-
Ra ) no meio do trigo ( a doutrina evange- cao rnente noshe possivel teste.nunhar .mor
lici). p,r. causar /no ingente depravado, ^^50^: "ft
ate que preocupados os homens pelo om-i fr^51.'lNIi,eerremos 0 uniCo ca.nlnho que de-
nu( a morte), comprela em lempo oppor-, yemo$ tr|bar para con>eguir a eierna felicida-
tuno o semeador do trigo f Jrsus-t.nristo ), jc abominemos principalmente os crimes
ediga aos segadores (osanjosj: Colhei pri- qlle acreditaiiios fon tea originae d'outros,
meiramento a sizania ( significada nos re- cuja fuga cordialmente vos rtcommendamos,
probos) e atai-a em molnos para ser quei- esupplicamos, acreditando que tmente a sua
nada ( no tenebroso inferno ) e congrega! abstinencia nos constituir na expectacao de
na boa Ierra)no 01 cu^^celheiroCoco )(Math. Ji0"er,( dopoU Jque je,us-Christo nosex-
c-13. JcmplHicou com actos da mais profunda humil-
Como se poderfio excusar da observan- dade desde o presepio, em que nasceu. A ava-
cia d'este mais excellctite preceito os seus rPla jmau convem aquelles i quem Jesus-
refractarios, nutridos coma crenca do evan- Chrlsto inslnuou a desaffeicao aos bens peri-
Kelho. no qual Jesus-Christo nos diz : Se tures, para nos afteicoar aos eternos. Alucn-
eu nao descessedo co Ierra e Ibes fal- linencia, de sua natura Ilcita aos que clao
l,sse. nno peccariatri; agora, poroto. nBo p- ^^^Td^ls^o^^ *JS
lem allegar desculpa do squ peccado S, fut0* jalll. C01ivm por em acco,
aon renissim, el loculus futtsem eis, peccalum dfye %tf reprimja |>e|a recordacao dos actos
non hab/rent; nune aulem excutalionem non _ue a extraordinaria mansldao de Jesus-Chris-
to pralicoii, para que sigamos seus exemplos.
A gula, sempre nociva e contraria ao precei-
to da temperanca, deve ser refreada pela re-
llexao de que orno dotados. A Inveja lie gra-
vemente interdicta an que pela doutriua
Comniando das armas.
Quartel-general do commando das armas na
ciilude do lleeifs de Pernambuco, 30 de
novembro de 1849.
onui'M no da.
Tendo de solemnisar-se em o da 2 do fu-
turo mez de dezembro o anniversario nata-
lacio de S. M. o Imperador, conforme me fui
communicado pelo Exm. Sr. presidente da
provincia ; ordeno que os corpos da guar-
da nacional da capital, e primeira linha,
formen, em grande parada no refer lo dia.
iluas brigadas, a primeira ao mando do
Sr. olucial superior da guarda nacional a
quem competir, e a segunda ao mando do
Sr. tenente-coronnl graduado commandan-
te do quarto batalhlo de artilharia a p In-
nocencio Eustaquio Ferreira de Araujo e
estas urna divisflo sb o immndiato com-
inanlo do Sr. coronel commandante sune-
perior da guarda nacional Francisco Jaciu-
tho Pereira; devendo achnr-so toda a frca
as 11 horas da inanla. frmala em linha
na piara da lla-Vi;ta, ficaiidn a direita
junto a matriz, e donde marchar para o
largo de palacio, em cuja praca se achara no
meio-Jia para fazer as continencias do es-
lylo por tan fausto da.
A primeira brigada ser composta de toda
a guarda nacional e de duas boceas da fogo
da compnnhia do artiflees, e a segunda do
duas boceas do fogo da referida cornpa-
nbia, do quarlo balalho do artilharia a p
e do quinto de fuzileiros.
O parque da artilharia da companhia de
artfices ser commandado pelo seu res-
pectivo capililo, icndo por subalternos aos
Srs. seguudo-lenentes do quarto bulallio
de artilharia a pe Firmino 11-rculano de
Mora as Ancora e Jos Nunes Marques, os
quaes se deverSn apresentar hora compe-
tente ao sohredito Sr. capitSo. .
O Sr. major commandante do cavallaria,
mandar apresentar ao Sr. lente-coronel
graduado commandante da brigada de li-
nda utn subalterno e um ordenanca, bem
como outra ao Sr. commandante da brigada
da gurda nacional
Finalmente, convido aos Srs. officiaes das
quatro classes do exercilo, que mo enlram
na grande parada, para se acharen) ao melo-
da no palacio do governo, afitn de asssti-
rem ao corlejo do estylo.
Assignado, Jos Joaquim Coelho.
Dita de Theodoro Marques Vianna. Foi Id'j J0n0 Comrs ItbeifO, tnndo cm vista n
mandado informar o ebefe de polica rom oslr (U0 eXp03 COntadoria eral do marinll.l.
Dito. -Ao inspector da Ifandcga, de-
fu
II.
habnt de peocato suu. (Kv J. c. 15, v. 22 )
DirSo alguns : Jesus-Chiislo nfio veio II-
lunnnar o instruir o homens no cumpr-
mento do seus deveres, para que estes per-
severaron, nvolton,sLrf*" f* 'f.'0""" chrlsta ao obrigado. a e.iim.r e apreciar os
na e peroianeccsscm affeiQoa.los as proT douj e mcrcs colll que a providencia favore-
ts psJsA?., he verdade: poiem nao es- ceo5 teuJ 1)roiegido!. "A prrguicV vicio Insu-
lamus animados d'aquelles sentimentos, de por(avel, porque opposto os designios eternos
que quizeramos estar dolados pranos te- em favor dos homens que deviam grangear e
ti
apto
le
irtu.les, e exlirpacflo dos victos, como esta ^joj- ;n,radlMr' p'or facto esta divina dlspo-
rriplo:VW' ?'" corpora vtslra lemplum g( i como ir,.|izniente acontece, qnan.lo
u'nispirilus saneli, quiin vobis esl? apparece o designio de possuir bens alhelos,
Nos responderemos, assegurando a todos cuj0 dominio a piopria agencia consagra, us-
os lilhiisda santa gieja o direilo do sup- porU o mesmo que pretender, intilmente an-
Vlicar asgracase auxilios necessarios para nullar os decretos da eterna 8abedor,a( para
'trn,ar o seu tranuclo procedimento, osaccommodaras paixo.s humanas,
perando receber a prot:c.ao que i mplo-; O nascimento de Jesus-Cliilo, que, por per-
Quartel-general do commando das armas na
cidade do llecife de Pernambuco, 30 de
novembro de 184*9.
ORDEM DDICIONAI. A 1)0 DA.
S. Exc. o Sr. marechal de campo gradua-
do, commandante das armas, manda fa/er
publico, para conhecmento da guarnic.lo,
que por ollicios do Exm. Sr. presidente da
provincia de 29 do correte Ihe foi commu-
municado :
Primeiro, que por decreto de 30 de outu-
bro ultimo, segundo constou de aviso do
minislefio da guerra datado de 3 do corren-
te, S. M. o Imperador houve por bem con-
ceder passagem para o primeiro. batalhlo
de caladores ao alferes do sexto batalhlo
de fuzileiros Manoel Joaquim llamos.
Segundo, que por decreto de 6 do corren-
te, segundo constou de aviso do mesmo mi-
nistro firmado em 9. S. M. o Imperador hou-
ve por bem promover para alferes do esta-
do-maior da segunda classo do exercilo o
sargenlti-ajudanto do qua'rto balalho do
artilharia tr p J080 de Amorim Bezerra,
para alferes do corpo flxo da provincia do
Piauhy o primeiro cadete do segundo bala-
II.ao de fuzileiros Jos Procopio Tavaros
e para a companhia lixa da Parahiba o par-
ticular primeiro-sargento do referido se-
gundo balalho Antonio Caelano da Silva.
Terceiro finalmente, que S. M. o Impera-
dor por decreto de 7 do corrente, segundo
constou de aviso do ministerio da guerra,
datado da 12, houve por bem couceder pas-
sagem para o primeiro batalhlo de artilha-
ria a p aos primeiros-tenenles do terceiro
da mesina arma os Srs. Antonio Jos do
Amaral e Anlonio Jos Fausto Carriga para
quailel-meslre, e para este batalhlo ao
primeiro-tenente daquelle o Sr. Jos Joa-
quim Ferroira Soulo.
Jos Pedro Hetlor, ajudante de ordens in-
terino.
esclarecimenlos que comprovem a legalldade
da prisao te o da 4 do crrante, e aocarcerei-
ro para apresentar o paciente na essio do ditr,
dia 4.
Dito da Luli fonzaga Catuba.Tcve ig lal
daferimento.
Aggravo dc .Inaipiim Marinho lavalcante
da Albuquerque contra Felicianno Joaquim
dos Santos.Nao teve provimanlo.
Ditos de D. Catharina do Monti- SiRnay da
villa do Cabo Nao liverain provii'.irnto.
Raquerimenlo da Francisco l;i. :.cio l'eiso-
to Flores contra o tula municipal d a cidade da
Parahiba, Manoel Tertuliano Tho maz llenri-
ques.Mandou-se remetter copia anihentica
da peticao ciis papis ella aun exos aojui/
de dircito da mesnia cidade para responaabl-
Usar pelo excesso de altribui(es ao ditojuiz
municipal, c reintegrar ao supplictinte Flores
no olficio amigo da advogado, por ei lar provi-
sionado por autoridade competente.
Jppclliires eiviit.
Appellante. Joo de I arros Wander ley ; ap-
pellado Filippe de Santiago Vieira n'a Cunta.
Mandaram descer ao juiz do civt I para se
averbar a dizima.
Appcllantes. o reverendo guardiao e o syndiro
do convento de San-Francisco appai lada, a
fazenda nacional. Frain desprea-dos os
embargos doi appcllantes.
Appell.intes, Joo dcCarvalho Raposo o jul-
io de ausentes ; appellado, o curador da he-
ran9,i jacentc do fallecido Jos Francisco
Collares.Foi a sentenca appellada confor-
mada em parte, c reformada cm parte.
DRSIGM>CES.
Foi assignado o primeiro dia til para o jul
gaincnto das seguinlas appcllaces civeia :
Appeliantc, Domingos Pereira Mcndanha ; ap-
pelladn, Joaquim Ferraira.
Appellante, Jos Carlos da Silva; appellada,
Mara l.'natodla das Vr>ens.
Appellante, Jos domes Pereira Ribas e oti-
tros ; appellada, a cmara municipal da
villa do Pilar.
Appellante, Antonio Ferreira do Valle ; apprl-
lado, Fugenio Jos de Santa Rita.
Appellante, Jos Comes Villar ; appellado,
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Appellante, Hernardo Duarte hrandao ; appel-
lado, Manoel Joaquim Rcbcllo.
Apptllaeo crimt.
Appellante, o jallo; appellado, Jo Antonia
da Silvcira Prei.
RCVISOKS.
Api"
TRIBUNAL DA liELACAO.
SESSAO DE 1 DE DEZEMBRO DE 1849.
pnesiuRSCiA DO EXM. SENUOn
COMCELHEIRO AZEVEOO.
A's dea boras da manhaa, achando-se pre-
sentes os Srs. desembargadores Ramos, Villa-
res, Haatoi, l.eao, Souza, Rebello, Luna Frei-
r e Talles, faltando com causa n Sr. desem-
bargadorPonce, oSr. presidente declara aber-
la a sesso.
DECISdlI.
labras corpui dc Aulooio Mai lilis de 01 i ve 11 1
Fot denegada a soltura.
Passaram do Sr. dasanihargador Hamos ao
Sr. desanibargador Villares as appell.iroes ci-
veis aui que sao :
Appellanlas, Joiio Jos, Jos Joao, Joaquim
Jos e Jos Henil ; appellado, Lieuticr Lalle.
Appellante, Arseuio Fortunato da Silva; ap-
pellado, Gabriel Antunes Penua.
Appellante, Ignai-I do Reg Mcdeiros ; appel-
la.lo, o coronal Henrique Pereira de Lucena.
Appellantrs, Antonio Lins Caldas e Hara '.'an-
dida de Magalhaas ; appellado, Antonio Pe-
dro de Mciidonr.a Corte Real.
Passaram do Sr. deseinbargador Villares ar
Sr. desembargador Pastos as appellacfle ci-
veis em que sao :
Appellante. Anua Maria da Almeida Castro;
appellada, Joanna Maria de Miranda Castro.
apellante, Joao C.oncalves Vleme 1 appella-
do, Antonio Ferraira dos Santos Caniinha.
Passaram do Sr. desembargador Leao ao Sr.
desembargador Souza asappallarocs civeis cm
que sao : o
Appellante. D. Rarbara Francisca Xavier de
Mallos Moreira ; appellados, Antonio Lins
Caldas e Maria Candida de Magalhics.
Appellante. Alfonso Jos de Albuquerque Mel-
lo ; appellada, a irniandadc das almas do Re-
Appelianle, Jos Feij de Mello ; appellado, Jo-
s Gabriel de Moraes Maycr.
Appcllantes, Rento los da Costa e sua mu-
Iher ; appellados, Jos Joaquim llezcrra Ca-
valcantc e sua iniilhcr.
O dia dc appareccr em que sao :
Appcllinles, Jos Francisco Helni c outro 1
appellado, Luiz Antonio Gonzaga.
Passaram do Sr. desembargador Souza au Sr.
desembargador Rebello as appcllaces civeis
em que sao :
Appcllantes, a santa casa da misericordia de
Lisboa c Anlonio Alves Vianna ; appellado,
o procurador da fazenda nacional.
Appellanles, o padre Scbasliao Antonio de Me-
nczes e oulros; appellado, Luiz Iguacio
de Oliveira Maciel.
Appellante, Antonio Domingos dc Almeida
1*093 ; appellados, Jos Bernardino Leal
e oulros.
Passou do Sr. desembargador Luna Freir ao
Sr. desembargador Telles a appcllacao clvcl
cm que sao :
Appellante, ns herdeiros de Joaquim Ignacio
Correa de Brillo ; appellado, ojuizo da fa-
zenda.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Telles a
appellacao crime em que sao :
Appellante, Luiz Roberto Florentino do Espi-
rito-Santo ; appellado, ojuizo.
Passou do Sr. desembargador Talles ao Sr.
desembargador Ramos a appellacao crime cm
que sao :
Appellante!, Dr. Filippe Lopes Nclto e ou-
lros ; appellado, ojuizo.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador llames
as appellacao civel em que sao :
Appellanles, Fiancisco Jos Barbosa e Juliao
llerengar ; appellado, Anlonio Gomes Villar.
I.evanlou-sc a sesso s 2 horas da larde.
claraodo-llie que s os 12 canivptes-pu-
nhues pcrtencanles a Francisco de Mcira Li-
ma, bem como os ohjcctnsdeque tratam os
parngraphos 3 e 4 do ar!. 7 do regulnmen-
to dc 28 do agosto do corrente anuo, sern
recolhidos no deposito d artigos b.'llicos
at serem regularmente despachados.
Dito. -- Ao Dr. chafo de polica, para pro-
ceder na forma da lei sobra; o facto do des-
apparecimento das duas espingardas de quo
trata nolficio do inspector da fazenda que
se I lio remelle.
Dito. Aoencarregadodo deposito de ar-
tigos bellicos, para receber no deoosito os
ubjectos qua frem para All enviados pela
alfaodega desta cldadn,
Dito. -- Ao commandante do contingente
de artilharia, cnmmuiiirando-lhe que so
mandhi-am pagar os voncimontos da nitores
de coinmUafio at 18 da setambro prximo
pass&do aos cadeles Pedro Joaquim Nunes
de Mesquita e Anlonio Josa da Fonseca, quo
em vi 1 tu la de aviso daquella data deixa-
r. 10 semelhante commisslo
Dito. Aojuiz municipal do termo de
Macei, rccommcndando-lhe, em virtude do
aviso do ministerio ,la jtislir;a da 12 de se-
tetnhro ultimo, o fiol cumprimento do arti-
go 5.n ilo regulamentn de 27 de junhndu
1845 na forma declarada no aviso de 22 de
dezembro de 1847, deque se Ihe remetteh
copia; cumprin looutro-^im que, todas as
vezes que chngar ao seu conhecimpiilo ha-
ver fallecido algum estrangairo no districlo
dasiiajorisdicalo,!) coiniiiiiniquade promp-
to, o antes da Romear curador a heranca, ao
respectivo vice-consuladO| o na falta deile
ao dito ministerio da juslica por intermedio
da presi leticia.
De igual teor a todos os juizes municiones
da provincia.
INTERIOR.
ALAGOAS.
Extracto do expediente do Exm. Sr. presiden-
te Dr. Jos Denlo da Cunha t Figueiredo.
31 DF.GUTUBRO.
Oflicio. Aocapiu'o do porto, para in-
formar o requerimcnlo que so Ihe remelle
2 DE NOVKMRI'.O.
Ofticio. Ao commandante superior da
coi.iarca das Alocuas, dizcndo-lhe em res-
posta an sen oltrin do hoje, acnmpanhado
ile um do capililo Manoel Soares de Albu-
querque e nutro do lente Manoel Joaquim
dadista a iliaca, que remeta os guardas
naciouaes Nicolao Paes Sarment o Fran-
cisco de Paula l.isha como recrulas para o
xadrez do quartel da tropa d^ linha, visto
ser 11 de tno Dito. --Ao inspector da lltesouraria do
fazenda, para mandar satisfazer a Antonio
da t'.osta o importe do uluguel da san ra val-
lo de que trata o recibo que se Ihe remelle.
Dito. Ao mesmo inspector, para man-
dar pagar ao alfares Francisco Xavier Cor-
rail da Couceico a quautia do eslylo pala
cavalgadura que Ihe competo na marcha en
que vai de orden) da presidencia ao lugar da
Uarra-G ande.
Diio. Ao inspector da alfandega.com-
municando-lhe a demissfio concedida a Joa-
quim Anlonio de Almeida Ciispim do lugar
ila guarda da inesma alfandega.
Portarla. Nomcando para alferes da se-
gunda companhia do lialalhio da guarda
nacional do municipio de Santa-Luzia do
norte a Francisco Antonio do Paula Pindai-
ba, em lugar de Elias Constancio HrandSo
que sa acha mudado do municipio. ~ Com-
municou-seuo commandante do respectivo
batalhlo.
DitoAo tenente-coronel do primeiro ba-
talhlo de guardas nacionacs do municigio
deS.-Miguel, para prestar 4 pravas do mes-
mo balalho para o destacamento da dita
villa.
Dito. -- Ao lenenlc-coronel commandan-
te do primeiro balalho da guarda nacional
do municipio da Imperatriz, para que par-
ticipe o actual astado do mesmo municipio,
acerca do qualquer recaio de perturbando
da ordem ou soccego publico, o proste aos
dous cidados que ora para alli se dirigem
os esclarecimenlos e auxilio de que necessi-
larem.
Do mesmo teorao tenente-coronel do se-
gundo batnlho do mesmo municipio.
Dito. -- Ao capil.lo Joaquim Aureliano da
Gus'-no l Vh.a, declarando-lbe que lira in-
te rail o dos Icaes sentimentos quo o animam
a favor da ordem e tranquilizado publica,
a alian au in n a bem do servico.
Dito. Ao coronel de legiflo do munici-
pio da Imperatriz, para quecommuniqtte
com fidclidada qualquer occurrcncia ou re-
cejo de perturbadlo da Iranquillidade pu-
blica, quo poi ventura appareca no mesmo
municipio u seus limites pelo lado das mal-
tas de Jacuipe ou da provincia de Pernam-
buco, o preste aos dous cidados quo para
alli se dirigem os esclarecimenlos e auxilio
que requisilarem. .
Dito.--Ao subdelegado da Barra-Grande,
recommendando-lhe que, de aecrdo com o
alfares Francisco Xavier Correia da Cqncei-
co.dc to lasas providencias que julgar pre-
cisas a bem da conservaeflo da ordem e Iran-
quillidade publica no mes no districto, pre-
venindo odesembarque de armamento, pl-
vora e oulras municOes de guerra, bem co-
mo de qualquer genoro de contrabando.
Dito. Ao commandante do segundo ba-
talhlo de guardas naciouaes de Porto-de-
l'edras, dizendo-lhe que faca voltaros guar-
das naciouaes que entregara ao inspector
de quarteiro da barra de Santo-Antonio-
Grande para o-servico permanente da poli-
ca, por ser irregular semelbaote procedi-
mento.
Dito. Ao commandante superior da
gualda nacional da commarca de Macei,
comniunicando-lhe quo por despacho de 30
de oulubro prximo pnssado frain conce-
didas as demisbOes de Florencio do BomGni
m
ILEGIVEL


*
*


99SPB
Kspni!o|| e de Anton-o Mara lo Agr.iar,
osle do alfcres e aqnelle de capitflo, todos,
do primeiro hatalhflo d'sta capital.
Dita -- Ao coronel de legklo da guar 'a
nacional de Porto-Calvo, para mandar des-
tacar no po. to ila Barra-Oraiide 20 pracs*1
de pret da mesmn guarda, entregando-as ao
alteres Francisco Xavier Concia da Ooncei-
cflo que ora segu para all alim de rom-
mandar esso destacamento.
Diin -- Ao toucnte-corooel commandan-
ic do primeiro batalhflo do Penedo, dizcn-
dn-Hieque i vista do desanimo quo inani-
l'eslou na occasiflo em que o govorno mais
nocessitava do seu auxilio, nao podendo fa-
yer seguir com o capil.lo Manoel los de F.s-
pindola as 50 pracas da guarda nacional quo
se I he ordenara que com promptidflo fizes
se marchar, hilo pode o ni si o governn
contar com a boa vonla le dos guaras do
seu commando, e por isso os dispon-a da
marcha determinada, ordenando com ludo
quo faca punir severa nenio com os mnios
lgaos os que deserlaram depois de reuni-
dos 11 ra o destacamento.
PEaNAMBUCO
VOTACAO PARA DOl'S SENADORES.
COLLKGIO l>0 njO-PORMOSO.
OS SBS. VOTOS.
Jlnrflo .la Roa-Vista CG
Antonio Joaqun de Mello Ct
Venancio llenriques de Iteren lo 50
Manni'l lunario Cavalcante de Laceria 56
Monsenhnr Francesco Muniz Tavares 51
Manoel Vieira Tosa 42
Manoel de Souza T ixeira 37
.1 is J > : 111 in COClbO 15
Sebastian do llego Rarros 12
Antonio Carnriro Machado Rios 8
Antonio Peregrino Maciel Monteiro 7
Domingos Malaquita ile A. P. Fcrrcira
Jeronymo Mariniano F. de Mello 5
Francisco Jacinilio Percira 1
Visconde de Gnianna 1
DIARIO DI mftilKft.
BCCirE, 3 DE DEZEMBH.0 DE 1849
lloje, anniversaiio nalnlicio do Sua til
gestado o Imperador, estiveram embandei-
radas e salvaran, nflo s as fortalezas, ge-
nio tambnm as embarcacrlcs de guerra sur-
tas no porto : linuvo parada, e cortejo a
eligiedo mesmo augusto scnhor.
Correspondencia.
Sr. nrdac/or.-I'dem causar dcerlos em-
pregados da reparteflo de reodas internas
geraes desta provincia, por terem um che-
fe fl um esrrivflo misernvois, tanto por sua
estupidez, romo pelo grande orgulho do
primeiro, e demais por esta rem on treges
a um triunvirato dentreos antigos empre-
gailos : ( dizem ser por particulares quo os
complicam) o assini parece, porque, londn
desobedecido um desses empreados ha pou-
co lempo a urna ordem do'escrivno.o esta n-
limada em norne do inspector, nao foi sus-
penso, chegando a lano, que o empregado
passou a mflo ao chapeo, e sabio da repar-
tidlo sem o menor envaro, e dizem que To-
ra urna commiss.lo por parte do mesmo es-
rrivio arommodnr ao dito empregado, que
no ouiro da voltura repartiefio, e Rearam
enmaradas coiro d'antes. qiiandn so lem
suspendido a oulros por menos, so diri-
gen insultos tolos os diaa aos que nfio
pertencem ao dito triunvirato, ese os trata
como seus escravos ; porni isso h pro-
pno de toda a pessoa orgulhosa o estpi-
da ; sssim considcro-nie eu um dos que
deve cansar d, porque me nio lenho que-
rido subji'itni' a elles, e mesmo por nflo ter
visitado a esso chefe de alma t.io p>-qiirnua,
e nem |pr-ti>e dirigido a elle quando ir
apnsentoii na repaiticflodepois de sua mo-
lestia, rorro se quelxou a urna pessoa de
minha amizade, para insensa-lo romo li/e-
ram esses que todos os diaa silo distinguidos
denlre os oulros pelo administrador sem
guan tro decoro e aquella d i gnidade que Ihe
d ve ser prnpri; cm IIm,senborrs.se as auto-
ridades competentes nflo laucaren, suas vis-
tas sobre esta rciarti<;flo Iflo importante,
infeliz della, c de alguns empregados. Un
rhi fe que semprc ronservou a reparlicflo no
mesmo que se aclia presentemente (lie ver-
dado que unidor alguma cousa. honra seja
feita o esciivilo (llivcira) quer agora no
fin da sua vida, romo grita, meluora-1,
quando senflo Ihe conhece essa capacidades
porque a nica melhora deque ella precisa
he de um administrador e um escrivlo que
bem saibam din deciaOea cm duvidaa que
todos 08 diaa apparecem, e llflo.como se ve,
que andern os papis do administrador para
o i srrivo, e as *>czrs para alguna do ti un*
virato, ale que va i ao Sr. inspector para
decidir quesles tilo triviaes que admira.
Teve esse mesmo administrador o arrojo
dedizera um dos empregados por achiles
ros oulros que, se elleconlinuasse no mes-
mo expediente, que deveria pass^r a ouiro
na dislribuicflo do servido ; romo se pudera
suportar a esse grosseiro chefe, sendo i ssa
dislrihuicau do dever do esciviloi1 Porm
deixa de rumprir os seus deverc*,e s cuida
em apandar as mais pequeas cousas que Be
passain entre os empregados, e em parti-
cular faze-las patentes ao mesmo chelej
nieso be ello granue, o bem desempenha
es.as funccOes : ludo tem fin, e vira lem-
po que se possa ser empregado do sello,
quando to menos a Divina Providencia olhar
p.ia ella,
Esperarei para melhor occasiflo.
I m empregado.
CUmMtnUO.
Itendimtnto da mesa da recehedoria de rends
internas ijtrae no mes de norem'jro prxi-
mo finan. A taber :
Siza dos bens de raiz 3:58i,758
Diretos novos o velhos c do
chenccliaria 1:015.609
Dizinia de chancellara 160.272
Cartas de hachareis 96.000
Legitimacdes 22.400
Sello fxo e proporcional 4:016,210
Premios dos, depsitos pblicos 48,924
emolumentos do cerlides 8,280
l.aulcmios 21,000
Imposto de lojas aberlas 4:l36,6uO
Dilo de seges o carrinbos 178.000
Taxas deescravos 78,000
Imp-stode modas 200,000
Segunda decima das corpora-
les do inflo-morla 186,300
Rs. 14:085.473
A taber :
Henil i melo peilen-
cento ao corrente
anno 9:415,373
Dito arrecauacflo da
divida activa 4:640,100
14:085,473
Reccbedoria, 1. de dezembro de 1849.
O escrivilo, Manoel Antonio Simct do A mural.
PIUCA DO RF.CIFE, 1.* DE DKZEMBRO DE
1819, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios Sacou-se sobro Londres a
28 d. por 1,000 rs.
Assucar- Do ensacado houve mais
cidradas do que na semana
anterior; mas o numero
dfscaixas vindas ao mer-
cado nflo excedeu a 23.
Vendeu-se de 1,900 a
2,500 rs. porarroba do en-
barricado e ensacado bran-
co; e do 1,550 a 1,600 rs.
por arroba do mascavado.
O encaixado an la nflo
leve preco.
Algodilo-- Entranin 1,055 saccas.
Foi mais procurado a ris
5,200 por arroba.
Couros----------Vendeu-se de 88 a 90 rs. por
libra dos salgados.
Alfazema-------dem a 2.800 rs. por arro-
ba da rouxa.
Alpista----------Mem a 21.000 rs. por bar-
rica.
Azeite-iloce dem a 2,000 rs. por galflo
do de Portugal.
Bacalhao Tivemo dous carregamen-
tos esta semana quesegoi-
ram para o sol. As ven-
das a rctalho efTectuaiam-
se do 8,000 a 8,500 rs. por
barrica, (raudo por ven-
der-se 6,000.
Caalas----------Vender.n-se a 1,000 res
porarroba.
lolaxinhas dem a 4,100 rs. por harr-
quinha.
Carnc-secca- dem de 1,600 a 2,600 ri-
porarroba da do Rio-Gran-
de do sul, e a 2,240 rs. da
de lluenos-Ayres. Fica-
ramem ser 88 OilO arrobas
Erva-doco dem a 8,50o rs. por ar-
roba-
Farello dem de 4,000 a 4,200 ris
porsarca.
FI. de Flandres- dem do 21,000 a 23,000 rs.
por caixa.
Familia de trigo Chegou um carregament
com 3.000 barricas. Os
precos fram os mesmos da
semana anterior.
Vendeu-se de 215 a 230
por cerno de premio sobre
a factura.
Mantciga dem de 400 a 420 rs. por
libra da inglezs.
Usases---------- I 'em a 4,500 rs. por ar-
roba.
I'assas ----- dem a 4.500 rs. por caixa.
Queijos---------I lem de 900 a 1,000 rs. por
cada um dos fl (luengos.
Sabflo---------- Idcmdo 100 a 105 rs. por
libra do nacional, e de 200
a 210 do do Mediterrneo
Vinlios- dem a 120,000 rs. por pipa
do da Figueira, c a 90,000
rs. do de Cello linio.
Velas----------- dem 700 rs. por libra das
de composicAo.
Existen) no porto99embarcac/Ses, a sa-
ber : 6 americanas, 1 austraca, 44 hrasilei-
ras, i diiiamaiqueza, 5 franceziis, 1 hes,ia-
nimia, 2 hamburgurzas, 1 hollandeza, 1 ha-
noveriana, 14 inglezaa, 9 poituguezas,
saldase 3suecas.
Liverpool -Galera ingleza Serafina, capitflo
John Gelhine, carga assucar o algodn >.
Passageir4,Eward lloum, D. W. Rowman,
Thonas Merdealf, o capitflo do brigue
naufragado llope e 3 roarinheiros.
Gihraltar Brigue-escuna inglez Pany, ca-
pitflo Alaixo Lombardo, carga assucar e
mais gneros.
nio-de-Janeiro Briguo americano IKr-
Witch, caoitflo Jose,.h Eonio, em lastro
"EDITA L.
ALFAMIECA.
Rendimento do dia 1.* 13:826,165
COXSULADU CERAL.
Rendimento do dia 1.. 1:331,656
Diversas provincias......' 38,842

1:370,498
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento
do d
ia 1.0
924,641
--Pola inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 3 do crreme, se nao
de arrematar em hasta publica, a porta da
mesma, depois do meio dia, 3 loucados,
um 10,000 rs., total 30,000 rs.; 4 manti-
Ihasdefil de linbo. um 16.000 rs.. lotat
64,000 rs.; 20 mantas de (lo de Itnlio, urna
5,000, total 100,000 rs. ; 7 toucas de RIO,
urna 2,000 rs., total 14,000 rs : ludo impug-
nado pelo feitor e conferente Gustavo Jos
do Rgo, no despacho por factura n. 22 do
l. do corrente: sendo a arrematado sub-
jeita aos direitos.
Alfandega de Pernambuco, 1. de dezem-
bro de 1849.O inspector, Luis Antonio dt
Sampaio \ianna.
JJeclarncfto.
Compnnhiadc Beberibc.
Aadministracflo da companhia de Rebe-
ribe manda fazer publico que vai substituir
sSapolicesde ns. 131 a 135, perlencen-
tesaoSr. Justino Marlyr Correia de Moli,
do poder de quem so desencaminharam,
como fez certo por annuncios publicados
nos peridicos desta cidade. Se itasapo-
lices se conservan! em poder de alguma
pessoa que lenlia de reclamar contra a subs-
tituido, dirija-se .ao escriplorio da com-
panhia dentro do prazo de 30 das, conta-
dos desta data; nudosos quaes, se far a
substituieflo, o serflo consideradas millas as
primeirasapolicesdos referidos nmeros*
l.ouca -
>ovimenio to Porto.
Navios entrados no dia 1 "
l'lnl del diia :u .lias, patacho americano
rAowins-ll'a/lon, do 149 toneladas, capitflo
P. Marsliman, equipagein !l, carga farin'ia
de tr'go, bolacha e mais gneros; a II
I -le & Companhia.
Roston 41 das, patacho americano Cali-
fornia, de 181 toneladas, capilflo W. Ilicli-
born, equipageui 7, carga gelo, n>acflas e
mais generas ; a II Fosler Comp-nbia.
Londres 42 dias, brigue inglez Scliee, de
16S toneladas, capitflo J R. Smith, equi-
pagem II, carga plvora e mais gneros ;
a Me. Calmont& Companhia,
Kavios tahidut no mesmo dia.
Parahiba Mate brasilero Tret-lrmtkos,
capilflo Eustaquio Mondes da Silva, carga
varios gneros.
dem lli'te biasileiro Varahihano, capi-
lflo Nicolao Francisco da Costa, car^a va-
rios gneros
dem llial.' brasileiro Conceirao-Flor-dat-
II riinles, c,'i| iTi'i Id i do Rozario, carga
Varios generus.
Maranhflo sumaca hespanhnla Ilomano,
capitflo Thomas Oliver, em laslro.
Genova lUrca sarda latila. capilflo Do-
mingos Un/ano. carga assucar.
Itio-Crande do sul Rrigue orasile'uo Es-
peranto, capilflo .loa. 1 Percira de. Maga-
Ihfles liaslos, carga assucar.
Navios suhidot 110 dia 2.
Rio-Grande do sul Patacho brasileiro
Kiclherotj, capilflo Antonio Jos de Arau-
jo,carga ago'aidcnte e assucar. I'assa-
geiros, Antonio Comes Miranda Leal e
Anaslacio Jos Machado.
lie par tica o ta polcia.
Illm o Exm. Sr.-Parlicipoa V. Ese. que
fram hoiitem presos tiesta capital 1 nii-
nlia ordem, o escravo Gonzalo, por andar
fgido : ordem do subdelegado de polica
da freguezia de S.-Frci-Pedro-OoncMlvos,
a pieta Luzia, escrava de Francisco de tal ;
e Mara do l.ivramento, para averiguaco-s
policiaes : e os marojos Diogo, Joo, e ller
de MuceiTel, Inglez, e Antonio da Silva,
Portuguez, por correceflo.
O delegado do polica do termo de Igua-
rass rommuiiicou-mc em olllcio de 21 do
cor/ente, quo havia sido preso um indivi-
duo condecido por Manoel (alio, em conse-
queucia de se I lie imputar um crime de ho-
in ei li 1 oque na occasiflo do se offectuar
essa diligencia sofTrcra o preso um tiro,
pela resistencia que lizera.
D.'os guarde a V. Exc. Secretaria da po-
lica de Pernambuco, 29 de novc'nhrode
1849.Illm. e Exm. Sr. Honorio llermto
Cirneiro Lcflo, concelheiro de estado, pre-
sidente desla provincia. Ochefe de poli-
c.a, ieronymo Martiniuno l'iaueira de Mello.
Illm. e Ex n. 'ir. -Fram hontem presos
nesta capital: arordom do delegado do pri-
meno dislricto, a pxela Simila, por andar
fgida : 'ordem do subefegaf?) Ta fregue-
zia de 8 -Antonio o proto Joflo da Cruz, por
crime de ferimeuto ; e a preta Mariatiua,
por ser don la: do subdelegado do pri-
meiro dislricto da froguozia dos Afogados,
o prelo Antonio, escravo de Filippe Nery
dos Sanios, por andar fgido ; e Joaquim
Jos do Lira, e Rernardino do Souza Vieira,
sem que o mulivo me fosse devidainenle
commtiiiica lo.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria da po-
lica do Pernambuco, 30 do novenibro de
1819.- Illm. e Exm. Sr. Honorio llermto
Cariioiro Leflo, coucelheiio do estado, pre-
sidente desta provincia.-() chefe de poli-
ca, Jeronymo lUartiniano t'igueira de Mello.
Illm. e Exm. Sr.--|)e conformidade com
as parl-s Itojo dirigidas esta repartlQao,
cominunico a V. Exc. que fram iuitem
presos : minha ordem, o par lo Raphacl
Alcntara do Souza Lima e a preta Mari,
por estarem brigando: ordem do subde-
legado .lo primeiro dislricto dos Afogados,
o pardo Manoel Jos Lourenco e Loorcuco
de Barios Henriqucs, por uso de faca de
poiila; Joflo Bipiisu e Pedro Celo-lino,
para reculas : do subdelegado da fregue-
z a da Varzoa, Manoel Ben o, para averi-
guaces policlaes; e o pardo Joflo, | or sus-
pcia do sor escravo.
O subdelegado da fregoezia de Agoas-
Bellaa particpou 1110 em olllcio do 3 do 110-
venibro ultimo, que alguns Indios-c leralos
e criminosos haviam sem motivo algum
espingardeado a um homem que audjva
em bSOa'de um seu civallo, masque a vic-
tima se aclis escapa do ferimento que rece-
bla, e quo osdilos Indios infelizmente se
|m ler.un 1 r en fuga.
Dos guarde a V. Exc. Secretaria do po-
lica de Pernambuco, 1 de dezembro de
1819 Illm e Exm. Sr. Honorio ller,neto
Carneiro LeflO, concelheiro do estaJo, pre-
sidente desta provinca O chefo de poli -
cia, Jeronymo Vnrlininno l'igueira de Mello.
Avisos martimos.
Para o l'orlo deve sahir
com milita breviade, por ler
grande parte da carga contratada,
a nova c veleira batea porlngueza
San ta- Cruz : quem qnizer carre
gar ou ir de passagem, para o que
tem excellentes cominodos, diri-
ja-se ao capito, Joo de Oliveira
Leite, a bordo, o. ao seu consig
n3lario, Francisco A Ivs da Cu
tilia, na ra do Vigario, n. 11.
Para a Rabia sabe, em.poucos dias, a
sumaca Flor-do-\nelim, meslre Bernardo
de Souza, por ter a maior parte da carga
prompla : para o restante e passageiros
ir t i-s" (mu o mesmo meslre ou com Luiz
Jos de Sa Araujo, na rna da Cruz, n. 33.
-Para o Porto sahna impretorivelm'cnte
por todo o mez de dezembro o brigue por-
tuguez Tenlura-Fellt, forrado, pregado, e
encavlhado de cobro, capitUo Zeenno
Ventura dos Santos : p*ra o resto da carga
o pass*ge!ros, aos quaes ollerece excellen-
to? commodidados, traia-se com o consig-
natario. Joaquim Ferreira Mendes Guima-
rfles, na ra da Cruz. n. 49, primeiro an-
dar, ou com o referido cspitBo na praca do
Commercio. .
Para o Rio-de-Janelro transeno a
sua saluda para o di 5 do corrento a velei-
ra escuna Galante-Maria : ainda pode rece
ber alguma carga, bem como passageiros
eescravos a fre, pira o que tem on>
commodos : a tratarcom Silva o; Orillo, m
ra do Vigario, n. 22.
Para o Rio-de-Janeiro sW
gue no o dia G de dezembro o bri-
gue-escuna Olinda: para o resto
da carga, passageiros e escravos
a frete, trata-se com Machado &
Pinheiro, na ra do Vigario, n.
19, segundo andar, oucomocapi-
15o, Manoel Marcianno Ferreira.
Para as Ibas de San-Miguel,
Tcrceira e Fayal sahir breve-
mente a escuna portugueza Favorita, forra-
da e pregada de cobre, capilflo Antonio Jo-
s Medeiros : para carga ou passagoiros tra-
ta-se defronte do Trapiche-Novo, n. 6, com
ThomazdeFaria.
--Para o P.io-dc-Janeiro segu viagem
com brevidado o brigue brasileiro San-Ma-
noel-Augusto, capitflo Jos da Cunha J-
nior : recebe carga a frete, escravos e pas -
sageiros: quem pretender embarcar, enten-
da-seroino dito capitflo, ou com Manoel
IgiiBCi > de Oliveira, na praca do Commer-
cio, 11. primeiro andar.
O l.i-te Flor-de-Cururipesahe imprete-
rvelmenteno dia 8 do correle : quem no
mesmo quzer carregar, ou r de passagem,
dirija-se a ra da Cruz do Recife, n 62.
Para o l<(o-de-Janeiro se-
gu com toda a brevidade, por ter
grande parte de seu carregamen-
to prompla o brigue nacional A-
damastor, forrado e pregado de
cobie, e de excellente marcha:
quem no mesmo quizer carregar,
ir de passagem ou embarcar es-
cravos, entenda-se com os consig-
natarios, Machado & Pinbeiro, na
rua do Vigario, n. I9, segundo
andar, ou com o capitao, Antonio
Goclbo Hibeiro, na praca.
lempo do festa : tambero contina a amo
Urnas tercas, quintas o sabbados, oseen
carrega do qualquer concert periencnte
ao seu olllcio.
S |)EPSITO GEHAL
(lo superior rap areia-pretu i
% da fabrica de Gahtois Pai~ *
Ihet &c Companhia, na ha- *
% la. %
M Domingos AlvesMatheus, agente da
5 fabrica de rap superior arela preta
E e meio grosso da Baha, tem aberlo o
:seu deposito na rua Cruz, no Recite,
n. 52, primeiro andar, onde se achara m
**) sempre desie excellente e mais acre-
|i) ditado rap que at o presente se lem a
m fabricado no Brasil: vende-se em bo- (k
($ les de urna e meia libra por preco
t>j maiscommododoqueemoutraqual-
m quer parte.
Le loes.
Bichard Royle rara leilflo, por nter-
venQo do correlor Oliveira, de grande e va-
riado sol lmenlo de l'ayendas inglezas, 11 s
mais proprias do mercado : segunda-feira,
3 de dezembro As 10 horas da manh.ta, no
seu armazem da rua da Cadeia do Rerife.
J. O. Elster fatS leilo do seu estabe-
lecmento do vin'nos, conservas e outroa
ohjectos em grande soriimrnto, segonda-
feir, 3 de dezembro, as 10 horas da ma-
ndila, no seu armazem da rua da Cruz,
n. 51
-- C. J. Astley & Companhia Carflo leilflo,
por interveneflo do correlor Oliveira, de
parte de um carregamento de ptimo ta-
boado de pinho de differenles grossuras e
dimcnsOes. prximamente chegado a este
porto 1 lcrr,a-feira,4 de dezembro, s 11 ho-
ras da mantilla em poni, no seu armazem
por detrs do llieatro publico, o vclho.
C. J. Astley & Companhia farflo leilflo,
por interveneflo dd correlor Oliveira, do
grande variedade de azenlas de seda, li-
ndo, Ifla e de algodflo, todas proprias do
mercado quarta-feira, 5 do corrente, s
10 horas da manlifla, no seu armazem, rua
do Trapiche-Novo.
J. O. Elstcr, estando a retirar-so para
lora da provincia, fura leilflo, por interven-
eflo do correlor Oliveira, de toda a sua 1110-
bilia e mais ohjectos de casa, consistindo
em mesas de meio dd sala, consolos, sofs,
cadeiras de todas as qualidades, marque-
zas, comino las, toucadores, guarda-roupa,
mesa de janlar, ditas para saletas, espe-
Ibose muitosoutros ohjectos, um escravo
deservido, e alguns pieciosos vinlios en-
garrafados, conservas, etc. : sexta-feia, 7
do corrente, s 10 horas da manhfla, na rua
da Cruz, lerceiro andar do predio ondeos
Srs. Jamos Crahlree & Companhia leem o
sea araiuzem de fazendas
Avisos diversos.
Aviso.
O abaixoassigriado azsciente ao publi-
co, que no ultimo de novembro prximo
passado despedio o Portugus Antonio Joa-
quim da Costa do caixeiro de sua venda, o
qual do 8 de selembro a dila data deu-lho de
prejuizo cincoenta e tantos mil res, e dei-
xou liado mais de duzonlos mil ris, sendo
mais de cento e cincoonta mil ris pela res-
ponsibilidade do dito caixeiro; e como o
abaixo assignado licasse com todas as divi-
das, avisa para que niuguem Ihe pague,
alm de ter sido o abaixo assignado rouba-
do publicamente, por dormir fra o dilo
caixeiro. Recife, 1. de dezembro de 1819.
Feliciano Rodrigues da Silva.
Kua largado hozario,
o. 14.
Prudines, culiMro e
armeiro,
lem a honra do prevenir ao respeitavel pu-
blico que elle acaba de recebar pelo navio
11 anee/ Socrale um rico snrlimenlo de cu-
lilara lina como tesouras para cabellerei-
ro, costura, alfaialee para unhas ; ditas
muitoTuias para senhora bordar ; estojos
de navalhas mullo ricos ;: caivetes de to-
das as qualidades, com cabos de marlim,
madre-perola c de lartjruga. O annuncian-
te aproveita essa occasiflo para lembrar aos
seus freguezes, que elle tem um bom sorli-
mento de espingardas linas de cano trun-
xado e da masquinauo, das tijolhores fa-
bricas de France, obrs muito boa e muito
segura i proprias para se dlTMUrem pelo
D. W. Baynon, cirurgiflo dentis-
ta, na rua do Trapiche-Novo, ,
14, respetosamente informea
publico que, pelos seus muilos alazores, se-
ra obrigado a demorar-se mais algum lem-
po nesta cidade, antes de sua retirada pin
os Estados-Unidos, e ofTerece seu presumo
para toda qualidado de operaefles deotas,
para por denles novos, tanto singelos como
dentaduras inteiras, chumbar denles com
ouro e prata, conforme as ultimas deseo-
bertas nesta lera.
Carlos llardy, our ve,
na rua fcova, n 59,
acaba de recebor de Franca um sortimenlo
de obras de ouro de ie, como sejam ade-
reos, meios ditos e pulseiras: tamben re-
ceben um grande sortimenlo de chapeos de
sclim e gorgurflo do ultimo gostoe de dif.
I ero ntet cores e precos; chapeos de pilln
da lia W; ditos multo linos, bertos e fe-
chados ; armaQes de chapeos de todas aa
edres, muito facis de se cobrirem ; titas;
llores; pennachog; pennas para chapeos;
rain si unas do cambra ia para son llora, mui-
to bem bordadas ; luvas de sed* com dedos
e palmas de cores ; toucas de Ifla para se-
nhora e meninas; meias de seda para me-
ninas ; cassa franceza muito lina : tudo sa
vende mais btalo do que em oulra qual-
quer parte.
De tes a r ti ti triaos.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peitavel publico que^ contina a exercera
sua prolissflo, na rua estreila do Rozario,
n. 16, pi iineiro andar.
&t Chapeos de sol. -jfe
RnadoPasseio, n.5.-
Nesta fabrica ha presentemente Um rico
sortimenlo de chapeos de sol, de seda da
todas as cores as mais lisas que leem appi-
recido, para homem e senhorl, e que se
venden muito em conta ; ditos de panni-
nlio imitando seda ; ditos muito grandes, e
de panno e armaces muito fortes, pro-
prios para sonhores e fetores de engenhos:
i a m be m se vende fazenda de seda e de pan-
ninhn imitando seda para se cubrir" kar-
macOes. Na inesina fabrica se concerU ,ual-
quer chapeo deso, com mu ila brevidade,
e por preco mais commodo do que em ou-
lra qualquer parle, e vendem-se baleias
para vestidos.
^.
| Bixas. |
N'a praca da Jndpeii-
g dencia, n. i O, 2
q ao voltar para a rua das Cruzes, alu- q
gam-see vendem-se bixas de llam- q
? burgo : lamhem vflo-se applicar pa- \
* ra commodidade dos freguezes ; li- **
W ram-se denles, sangra-se e appli-
O cam-se ventosas: tudo por preco v
O commodo. O
- Fclix Venancio de Cantalice participa
aos seus freguezes que mudou-se da casa
da rua Nova, n. 21, para a rua do Queima-
do, n. 7, aonde os mesmos o acharflo sem-
pre promplo a desempenhar tudo quanto
fr tendente a sua prolissflo.
Vai para o Rio-de-Janeiro Antonia da
Cruz Freir Pedroza, levando em sua com-
panhia sua lilha Auna Benedicta Freir Pe-
dro/..!, e urna sus escrava de nome Josepha,
do nacfloCabinda.
Precisa-so de 200,000 rs. a premio de
um e meio por tempo de um anno esobre
firma : quem quizer darannuncie.
Mr. Alcxandre lleps e sua senhora,
Fmicezes, rellram-so para a Europa.
Precisa-se de urna ama para lodo o
sorvico de casa de um homem solteiro ; na
rua ila Cadeia do liecife, n. 11, primeiro
andar.
Precisa-se fallar ao Sr. Antonio Perei-
ra Pinio de Faria ou a algum seu correspon-
dente : no Alerio-da-Boa-Vista, n. 10, ou
anuuncie.
Da-se pao de vendagem, offerecendo-
se mellior conveniencia do que em outras
partes : na ruando Rozario larga, n. 48.
Ur. Joaquim de Oliveira Souza cusi-
ra em sua casa no Aterro-la-Boa-Visla, n.
8-2, a traduzir, fallar e escrever a ligoa fran-
ce/a, e por casas particulares.
Lovria do Guadalupe.
Seqiterein mais claro dcitcm-lhe
agoa.
Aso liuras dd uiauhaa do dia i (\
do corrente tnez, no consistorio da.
igreja da Concei^o dos militares,
andain impreterivelmente as ro-
das desta lotera, sej qual fr o
numero dos bilbetes que restein
por vcuder-se.
Aluga-se a casa terrea da roa
du l'onte-Vcllia, n. 94 .* quem
pretender, dirija-se na.do Tra-
piche no liedle, armazem de as-
sucar de Domingos Soriano Gon-
calves Ferreira.


Theatro da na da Praia.
Por pedido d muilas possoas va scena
pin renet'glo omuilo applaudido drama os
JRSWTASOUO BASTAHHO U'KI,-Rtl.
no qual se empregirno todos oscsrorco* pa-
ra que spja rnais brilhante esta no i le, quo.
brevemente ser annunciada. Os mneles
de camarote que restam, estoa venda do
pateo do Ligamento, n.2, deposito de cha-
rulos i-is pessoas que quizerem bilhetes
para este Ifio brilhante espolaculo, queiram
procurar rom antecedencia.
QDr. Lourengo Trigo do l.ourciro abri-
r na casa da sua residencsa. no bairt* da
jOa-Vista ra da Saudade, defronlo do Hos-
picio, um curso de pratica doprocesso, logo
que tenham conconido dar-lhc os sous
nomes pelo menos dez alumnos. Har tres
lices por semana, sendo cinco mil ris a
eralificag3o monsaldecada alumno.
-. A' ca* da residencia do Dr. lourengo
Trigo de Louroiro, no bairroda Ba-Visla,
rua da Saudade, defronlo do Hospicio, po-
den dirigir-se por caris, ou pessoalmenlc,
aloflm do moz de fevercro prximo fu-
turo, todas aicssoKS, que quizerem ser
assignanies do novo compendio de pratica
do pxoeesso adoptado pola congregaba dos
lentes do curso do sricncias sociaes e ju-
rdicas de Olind para a segunda aula do
3uinlo auno, sendo cinco mil ris o prego
signatura de cada exemplar; e em to-
do o lempo as que o quizerem ser do inle-
ressanlissimo ndice clironologico da le-
gislago brasileira que ha de conter em
oito volumos in folio, ou pouco mais, toda
a legislarlo biasiieira vigente desde 1822
at 1848, a qual, com a que esl revogadae
a que tem cabido em desuso, compOenas
oliecgo>s actuaes vinte o tintos grossos
volumes, e cusa para mais de 150,000 rs ,
entretanto que o prego da assignatura do
referido ndice he a pequea quantia de
.14,000 rs paga ao leeeber o 1.' e 2.* volu-
me, de quej exi-tem varios exemplares
em poder do annnnciante e brevemente sa-
hii aluzo terceiro volume. Na loja de
livros iloSr. reverendo padro Igrttcio Fian-
ciscodos Santos na rua da Cruz do Rcci-
fe, e na do Sr. Manoel Figueroi de Fari
na praqa da Independencia, pode tamben)
asMgnaro seu noine quem qtuzrr ser as-
signante de qualquer das referidas obras.
OsSrs. assitiianlrs que j receberam o pr-
meiro volume do indico chronologico, dig-
nem-se mandar buscar o segundo casa do
nnonciinte.
. Na rua da Cruz do Recife, deposito de
rap, n. .17. existe urna carta pa'a qual-
quer'dos herviros ( filhos ) do finado Andr
BentoRodrigues: quem se julgar com di-
reito, jde comparecer que lhe ser en-
tregue.
Precisa-se alugar um preto que soja
del e diligente, e iiiv. rara trabalhar de
servente : n rua do l'asseo, n. 23, ou na
rua estreita du llozario, n. 20, segundo
andar.
Joo Jos Innocencio Poggi, lir. em
medicina, faz publico que tem fixado sua
residencia no Aterro-da-Hoa-Viila, sobra-
do, n. 3. onde o achirdo prompto para
exTcer sua arte, curando gratuitamente os
pobres.
Dlemma.
Ou oSr. Manocl Antonio de Azevodo pu-
blica j'por este Diario o nome dos amigos
do Sr. Custodio Jos de Carvalho Cuima-
rilpsaquem su me-ce obuqulou, fez favo-
reit depositan Ilimitada conflanea de que abu-
saran ; bem como a qualidade desses obse-
quios, favores e conlianga : ou o Sr. Manoel
Antonio de Azevedo he um calumniador e
# um basofio muito digno de escarneo e des-
prezo.
O amigo a langue-frio adverte-lhe lam-
ben que ndo continu a gabar-se, como
ofezaoSr. cscrivSo Barros Crrete, de ter
fcito favores que nunca fez, nem pudia fa-
zer por falta de considen-gao. I'or ora isto
s. Um amigo do Sr. Cuitodio que nunca te-
ve relocOes com o Sr. A zevedo.
Antonio Villaca retira-se para fura da
provincia.
y Gasa de modas francezas.
Buessard Millochau.
RUA DO ATERIlO-DA-ltOt-VISTA, N. 1
Rocel>eu-se pelo ultimo nsvio, vindo do
Havre, um grande sorlimento de chapos de
soda para senbora, ditos de palha para se-
horaa'e meninos, ricos mantelleles e capo-
tinhosdeseda e fil, camiiinhas, collari-
- nhos, romeias o cabegOes bordados, lindas
lilas, 1uvas do pellica, ditas de seda, ditas
de roalba abortas, transas, franjas de seda
de cOros para eufeitar vestidos, capellas e
caixos de flores finas, corles de cambraia
bordada, filos, lencos de cambraia de linho
bordada, ricas litis de velludo, transa lina
de linho para eufeiles de vestidos, bicos de
linho delodas as larguias, ditos de blond,
cambraia de linho, bonetes de montara,
plumas para chpeos, e mais outras fazen-
d*s de moda. Fazem-so sempro vestidos de
casamento, de baile e de montara, chapeos
desenlio, vestidos de baptisado, etc.,
etc., da ultima moda, e por prego mais
commodo do que em oulra, qualquer parte.
-- Aluga-se urna casa de sobrado no Va-
raduuro de Olinda, defronle de S.-Sebas-
liio, rom commodos para grande familia
passara festa : quoin a pretender, dinja-se
a rua da Cadeia iio Recife, n 50, ou no Va-
raduuro, relinagdo de asaltear.
Na botica da rua da Cadeia do Recite,
n. 61, se dir quem aluga dous moleques,
dos quaes um cozinlia o diario e o oulro
he proprio para servigo : sendo para casa
capaz, alugam-se por commodo prego.
OTerece-se una mulher de boa con-
ducta para ama de urna casa de pouca fa-
milia, uu de algum tomem solleiro : quem
precisar, dlrija-se a rua de llortts, casa ter-
rea n. 134. .
' No'da 11 docorrente, sena de arre-
matar em praga publica do Sr. doutor juz
docivelua primeira vara, urna negra com
dm lilho, por execugdo de Antonio Jos Lo-
pes de Albuquerque contra os herdeiros de
Jos Francisco Mindello. *
-Julio Comes Jardim, cidaddodos Esta-
dos-Unidos, retira-se pata fura do imperio.
U proessorde lalim da freguezia de
S -Jos, aaixo assigna.lo, faz scienle ao
publico que, duranta as ferias, da ligues de
laliin e pdrlUguez, n casa de sua residen-
cia, na rua Augusta, n. 54.
Manotl Iranaico Cocino
-..Precisa-se de urna preta lorra para ven-
der miudezaa, pigindo-sc-lhe vendagem :
na rua da Conceigao da Uoa-ViBta, u. 58.
.-.Tendo desapparecido, no fi-m do es-
pectculo, o drama que tem por titulo os'
Jnuilai ou o bmlardo d'l-r/(que l'oi scena
n idin 24 de novembro no theatro da rua
da Praia; por sso previne-se que o dito
drama nao poder ira scena em outro qual-
quer theatro, sem que a | essoa em cuja
mdo exislem 15 exemplares do mesmo dra-
ma os ponha venda; por consequencia,
apparecendo representado o drama acihia
em outro qualquor theatro, protestase pro-
ceder contra a pessoa em cuja niilo se ache
odito drama, pois foi roubado como cima
so menciona.
Precsa-sc
ftiugarurna preta que saiba cozinhar, en-
gommar o fazer todo o mais servigo de urna
casa de familia, a qual tenlia boa conduc-
ta, seja forra ou captiva : piga-se bem : a
tratar no bntiquim junto ao thenlro.
OSr. Dr. Honorio Fiel de Sigmaringa
Vascurado queira ter a bondade de appare-
cer na rua do Itahgol, n. 19, para pagar o
importe de urna lettra, a qual S. S. nilo ig-
nora a quem he devedor, (cando o dito Sr.
Dr. cerlo que, se dexar de apparecer, ser
publicada a manoira por que foi conlrahi-
da tal divida.
0 abaixo assignado, tendo passaJo
urna nova lettra da quantia de 90,000 rs. a
FranciscoCongalves da Silva em lugar da
primeira que o scu credor disse haver-se
desencaminhado, avisa ao respeitavel pu-
blico que se por acaso dita letira reappare-
cer, neuhum valor tem, visto como elle j
saliste/, a me.sin i lettra ao dito Sr. Silva.
Engenho Pogo, 1.' de dezemhro -le 1849.
Franciieo Jote Rodrigue da Coila.
Aluga-se urna preta para ven ler frutas,
doce", etc. : paga-sn bem, responsabilisan-
do-s< ->nhor pelas faltas : na na de Apol-
lo, casa da esquina, segundo andar.
OSr. S. A. P. F. hi|* de ir pagar a
quantia que pedio a bordo do brgue Dou-
ro, no dia 9 de fevereiro prximo passado ;
do contrrlo,pa?sar pelo desgosto de ver o
seu nomo por extenso neste Diario.
Precisa-se de urna ama forra ou cativa,
para urna casa de pouca familia, que enten
da de cozinhar e engommar na rua do
Pilar, n. 72, em Fora-de-Portas.
Precisa-sede um feilor: no sitio da
capaila da ConccigSo, na estrada de JoDo-
de-Barros.
D. 1 hereza Emilia de Medeiros Souza,
viuva do coronel Joaquim Jos l.uiz de Sou
znjjloga que nenhuin senhord cousa al-
guma por amostra, empreslimo, o mes-
mo fiado as pessoas de sua casa, sem qU"
preceda carta rogativa por olla assignada.
sem o que no se rcs;>onsablisa por conta
alguma.
Precisa-se alugar um preto para andar
vendendo fazenda pela rua em um tabolei
ro em companbia de um homem : a t' alai
na ven la da rua da Cadeia do Itecife, n. 25.
Modas fraiicezas.
H, Theard acaba de receber de Franga
um lindo sorlimento do chapeos para se-
nhora, tanto de seda como de palha aberta.
todos muito ricos e le padrees novos ;
manteletes, capotinhos, visitas e palitos de
senhora, tanto de chamalole, velludo, gros
de Naplos, fil e do blonde, todos da ulti-
ma moJa de Pars j llores linas ; capellas
de flores para noivas e outras de cores, pro-
prias para tlieajros e bailo*; enfeiles de
uvas; (rangas de soda para enfeles, dr
todas as cores ; camisinhas bordadas ; gra-
vatinhas do senhora ; cinto com suas com-
petentes livelas ; cambraia de linho; fitas
etc. ; e sompre contina a fazer vestidos,
toncas e chapeos o.im toda a promplidflo e
asseio possival, conforme os ltimos figu-
rinhos ; na rua Nova, n. 32.
5
Ama de Icilc.
Precisa-se deiimaama deleite forra.ou
captiva : na rua Hireita, 11.76.
Jos Paulo Carneirn, cidado brasilei-
ro, retira-s para o Rio-Crande do norte.
Aluga-se o segundo andar da casa da
rua da Madre-de-Dos, n. 5, ondo moraram
os Srs. Johnslon Paler & Companbia : a tra-
tar na rua da Cadeia do Recife com J0S0
Jos do Carvalho Moraes.
Aluga-se urna casa no Cachang para
se passar a festa, com estribarla e cocheira,
por prego commodo : na rua Nova, n. 63
-- 0 Sr. Joflo Cyprianno Rangel queira
ter a bondade de apparecer na rua da Ca-
deia de S.-Antonio, para decidir sobre cer-
ta conta que S. Me. recebeu.
O Sr. lnoocencio Xavier Vianna tenha
a bondade de apparecer, para se contr certo negocio que S. Me. nao ignora, na rua
da Cadeia de S.-Antonio, n. 13. "
Gomma de engommar.
Vendem-se saccas com gomma de en-
gommar muitoalva na ruado Qucimrdo,
n. 14, loja de ferragens.
Deseja-se saber onde resi-
de o Sr. Joaquim de Figueiredo
Lima, ou mesmo quem seja seu
procurador nesta cidade ou fra
della, para se tratar de negocios
que lhe diiem respeito: quem sou-
ber annuncie por esta l'olba para
ser procurado.
Aluga-se, pelo tempo de festa, um si-
tio na estrada do Monteir-i, perlo do banho,
com6quarlos, sot3o, estribara, cacimb>
e com bastantes arvorodos de fruclo : a
tratar na rua do Crespo, n.7,primoiro andar
Francisco Xavier, Portuguez, retira-se
para o Itioile-Janeiro, levando em sua com-
panbia urna criada de nome Francisca Fe-
licidad* do Nasclmento.
ACENCIA DE PASSAPORTES.
Tiram-se passaportes para dentro o fra
do imperio e despacham-se escravos: na
rua do Rangel, sobrado n. 57.
Aloga-seo terceiro andar o sol.lo de
um sobrado da ruada Praia por 12,000 rs.
mensaes, o mais commodo possivel :a tra-
tar na rua larga do Rozario, n. 38.
De. npaminhou-se, no dia 2" do cor-
rente, da cabega de um prelo, um bali de
sola preta j usado, enntendo toda loupa
de um oflicial do oilavo batilliao ; bem as-
lim urna caixa de flamlros com una barre-
lina : quem do mesmo souber, duija-su j
ruado Apollo, 11. 22, armazem de assucar
que ser generosa-nicnte recompensado.
Aluga-soa loja do sobrado n. 8 da rua
largado Rozario, por 10,000 rs. mensaes:
a tralar na mestna loja.
O bacliarel A. ti. de Torres
Bandeira, professor adjunto de
rbelorica e geograpbia no lyceu
:lesla cidade, se propoe a dar li-
ces das mesrnas disciplinas, c
bem assim de pbilosopbia c l'rnn-
cez. Quem "de seu prestalo se
qnizer utilisar, pode diiigir-se
rua estreita do Rittario, n. 3i, se-
gundo andar.
Parinba de mandioca.
Vendem-se saccas com furinha de man-
dioca, de muito boa quaiidade, por ser fa-
bricado na serra Meruoca, perto da cdadn
do Sobrar, por prego commodo : na rua do
Queima.lo, n. 14, loja de ferragens.______
carregar assucar para o porto de embar-
que, o caimas do cannavb! para o enge-
nho : oseixos e rodas sflo de patente e de
urna solido/, para resistir a toJo e quilquer
servigo : loi trazida pelo annuneiante de
Inglaterra como adequada aos potvcos tos
engenhos, como as carrogss de 4 rodas
actualmente em uso cortamente no silo.
Charutos da Baha.
Vendem-se charutos da Rabia, f8**
ltimamente, en. porg0o.de 10 ca.MS.p ,r.
cima a vuuUde do* compradores, por ha-
ri"o prego : ru, do Trapiche-Novo, ...
"-"^ Augusta tabern,
ixodo sobrulo que fo. de Jo
Vendem-so tambom os arreios para oito P1" "^{Zutnn^to WW> 3i0
cavallos om separado, ou coma carroca, a \".v
qual Mi arranja la pira irahilhar com ca- ir^lUr(SO.
valida ou hois: os aneios de superjor qua-; \ IllIK geiicr!w.
Vendem-so barris com lacanadas de vi-
>iiM lidadeservrm gual'iiente para cirrogas de
um cavallo, o por isso lambem vende-se ca-
da apparelho em separado: a tratar no
mesmo sitio, ou na rua do Vigario, n. 4.
Ventlem-se diversos escravos,
a saber: um moleque de 14 annos, co/-
nho gen tos do Porto, com 20 ". per
ser da cclhila de 1830 : osle delicioso.licor
lie muilo apreciado nos toles, e por .sao o
amado.es deven, apnnv.lara occaaiSo o
prego he commodj : no armazem de mas
DAURORA
heiro"; unidito"do 12 annos; um mole-.S"l"A%S*!!mlanaaOa*0
cao bom reinador ; um preto de 2G anuos, | S>$<9Q0 VVWVVVV
queonlende de marujo ; 3 prelos para 0|@ ^
servigo de campo; um pardo sapatoiro, e, |><1 l'ISUMiSC,
que he ptimo pata pagem ; um dito para q muifica razenda, vin- X
trabalhar einum sitio; urna parda engom-| ^ esta,|,d aemag m ti ^ ^
madeirae coiinheira ; duas prelas; eou-0 da pelo imo v^ \&Q s O
tros escravos: todos estes escravos ven-, na- c mu ^ r'~mf"u0^ ''uali.ln- O
dem-se muito barato, para so fecharen, al-' g pelo Im.' K"^ ^ra egqu plli, : O
gumas cuntas: na rua das Larangeiras, n. | %*g&Su W rua dtf %* f
14, segundo andar. X ",,u d Antonio fio-
- Vendc-se urna cama de Jacaranda, com g po, n 9,>>ja ue 1. ^
cpula ; dous jogos de l.anqu.nlias ; un guarda-louga : um bergodo Jacaranda ; 6 w,A.rtAAAfl,ft*A>>a
cadeiras do dito ; o n.ais alguna trastes em ^Og^SS^O*?.
meiouso; o m doa Expoatoa, n. 18.
Na rua do Crespo, n. O,
loja de Joflo A. C. Cuimares, vende-se,
por commodo piego, um bello fortimen-
to de fazendas modernas o de gosto, con-
sistin lo em cassas e cambraias dos mais
lindos padres ; casimiras ; corles de ves-
tidos de seda; lengns da India de todas as
cores, em ponto de sarja, o outros ni 11 i los
objeclos para adornos das snhoras : tam-
ben, se vende na mesina loja nina grande
porefio de fazendas que por serem animas
so venderlo a quem ns pret' nder rom 30 a
40 por cento menos do que se [ dem en-
contrar em outra qualquer loja, como sc-
jam: corles do vestidos de seda do milito
boa qualidado ; chulos grande* e menores,
de boa seda com algumas pintas de moro ;
ditos de suda e algo 15o ; cassas e cambraias
de seda o algodo, de lodos os padres ;
crtfS do casimira; brius lisiados e do
quadroa ; brim brango liso e do listras com
deleito, mas de puro linho, e Ira ligado de
400a 1,200 rs.; cortes de rollete de selim-
volludo, lisos o lavrados. prelos e de cores;
ditos de gorguio, lauziulia, etc ror to-
do o' prego; mantas; manteletas; luvas
compridesc curtas, de seda, lisas, borda-
das, e de pellica ; ir.eiasdo soda preta o do !^ ,^^y^^^,.^ ***.-. mWWWl
cores, para homem e aenhora ; lengos de 1 ,, troca-"se r"r oulro um
seda do todas as qiialidados, do 000 l. -- Jf*^"8. C0Pn bons prin-
paracima;chitas Wezaa-e ingleaia, e J""?0," VE&;rofiB eozinha o tr-
ale ni de outras mullas fazondas.uma mude 1 C P 08 1 a man 11 e 1 o u 1
Porcno do chapos uligoa do castor ingle,, vial \^F& pegas, de 19 a
de sed. e inassa franceza con. pello longo ." \^ f ,,ne ^"-.o AlqoU ; urna moleca
e ipado de lodaa aa quilifladea, os quaes """J ,? pnnc.pios do costura:
so venden, pelo prego que o comprador muUo Imana, eom ^^.^
quizer dar. .....
\eiiuo-M: iimi.i |i.i>- ........1---- --..-
do 18 anuos, de bonita ligura. muito id
0 sem def.-ito algum, com principios de en-
gommar, lavar, cozinhar, e he muito pro-
pria para a rua : na rua Augusta, n. 52.
- Vende-se urna preta croula de .10 an-
nos, sem vicios, a qual lava a faz gosto do
ir para o mallo: na rua dos 'lanomros, ar-
uizetn n 5. ., .
- Vendem-se labnasdo pumo de y pu-
mos de comprido, proprias para forro e
lampos de barricas- vinies ; arcos pan pi-
pas e Larris ; um hlelo con. gavetas; ar-
marios usados ; um brago de balauga com
lesos de diia arrobas at 1 libra ; COnMS e
correntesde Ierro barricas abatidas; sola,
e oourinhos de cabra: na rua dos Tanoei-
ros, armazem 11 5.
i Chapeos do Chile de |
* superior qualidade.
i: I
-t! NaruadoCollegio, n 9, recebeu se 9
1 um lindo sorlimento desles tao apre- i
i ciados chapeos, que se vendem por
gjj prego commodo.

Compras.
quizerdar. ''- '"" "->,-- U|
oMMMeMMM9fta| v ^"pcos c; < hi c.
J) ^r i> ___________ >' Vendem-se chpeos do t.tule superi
... BPan^^^^^H -i o iH.ci do Coiiimercio. '' l'n

C. Slarr & Companbia teem a honra de
avisar aos seus freguezes, e ao publico em
geral.quea sua grande fundigilo em S.-
Amaro alm do sorlimento quo constan-
temente tem acha-se de novo provida de
muitas moeiidasdecanna, e de varios l-
mannos follas no mesmo estabelecimcnto
pelos mais peritos olliciaes, e com o maior
cuidado e perfeigilo; tanto assim he, que
osannunciantcsse ufanan, em garant-las
pelo prmeiro auno. As moendas inteiras
todas de forro', construidas as oflicinas
dos annunciantes, SO muito superiores
quaesquer outras da mesma natureza que
al agora teem sido aqui olTerecidas, pois
aquellas encerram em si certose importan-
tes melhoramenlos resultado de mais de
20 annos de experiencia e pratica do paiz
Precisa-sede odcaes de alfaiale : na
travessa do Vigario, no Recife, tenda do
Trajano.
Itoga-se os Srs. Manoel Gomes Bar-
boza de Araujo Pereira, Jos Patricio de
Carvalho, Joflo Pedro da Silva, Francisco das
Chagas Muniz, Jo.lo Capislrano Torres Gal-
lindo, Alejandro Manoel de Mendonga, Jos
Joaquim de Mendonga, Francisco Sabino
Congalves da Fonseca, Antonio Itodrigues
Baracho eManoel Machado Itevoredo, qur
vilo pagar oque devem 110 Alerro-da-Boa-
Vista, n. 10, prmeiro andar.
Aluga-se o sobrado da esqui-
na que volta para os Remedios,
defronle do porlao de Jos" l'erei-
ra da Cnnba, n, 29, com um gran-
de quintal e banbeiro : a fallar com
Joaquim da Silva Lopes, ou com
o morador da loja
Schafheitlin & Tobler avisan, ao eom-
mercio desta prg que o socio A. Schafhei-
tlin, tendo de fazer urna viagem a Kuropa,
deisa a gerencia do seu eslabelecimenlo av
Sr. J. J. Meiki, ao qual para esle liim pas-
>aram procuragflo bastante.
Precisa-se de um caixeiro hbil par.
cobrar dividas na praga, que seja solleiro
de dador sua conduela : na rua do Cres
po, n. 9.
Os Srs. Galdino Lopes de Oliveira, Josi
Fiancisco Maitins de Almeida e o academici
Lobato Jnior, (fueirain apparecer ni rua
da Cadei de S.-Anionio a. 13.
("ompri-se urna prela de nacBo, moga,
robusta e sem vicios, que encomme, cozi-
nhesoirrivolmente e seja desembaragada
para o servigo ile urna casa: na Boa-Vista,
rua da Mangueira, n. 5.
Compra-se um sellini usado : na rua
larga dd ltozario, n. 26, loja do miudezas
Compram-se 12 cadenas e duas ban-
cas do Jacaranda : na rua do Queimado,
11. 14, se dir quem compra.
Compra-so um bastidor ou thear para
menina : na rua larga do ltozario, 11. 35,
loja.
Compra-se vidro grosso de espollio*
avariado ou quebrado : quom tiver an-
nuncie por esta folha.
Compra-se urna ciifelcira do praia, quo
estoja em bom estado : paga-se bem : nesta
typograpliia so dir quem quer.
Compram-so duas gaiolas grandes de
rame, para sabia : quem tiver annuncie.
Compram-se escravos de ambos os se-
xos, sendo mogos e do bonitas figuras: pa-
gam-so bem : na rua das Larangeiras, n
14, segundo andar.
Compram-se ossos : na rua da Con-
cordia, casa de refinaria franceza.

u
a:
o
*t
o
-
~ *
3
ce
4
7.
rores :
prmeiro
c
u
a.oiei i; do ftio-de-
?lauriro.
i
M

|Aos 20:000,000 de rs.$
Pelo* vapor' S.-Snlvador recebemos
9> a lista da 5.' lotera dos nriuionirioa
^* cap'chnhos, o juntamente os muito
afortnalos bilhetese meios buhles
fi da II Intoria concedida a beneficio
da construgflo o reparos das matrizes
% do Rio-de-JanoIro, cujas rolas de-
'4 viam andar no dia 28 do mez passa lo,
* os quaesaeacnaro venda na dita
^ loja, das 8 horas da manhOa as < da
* tarde.
? PIHX.OS DOS BILtlETES.
22,000
11,000
5,00
2,750
1,300*
m Inteiros
% Meios
Quarlos
'? Oitavos
m Vigesim
SBj
i
i*
i
liom.
mu,iiiiiini .1
na rua do Pa-
Veudas.
Folliiulias.
Na lvraria da praga da Independencia,
ns Ce 8, vendem-se as bem contiendas fo-
Ihinhas in.prcssas nesta lypographia, tan-
to de rorla como e dalgibeira.
AltCIIITECTllKA.
Vende-se una excellenle obra de archi-
teclura, a qual tem estampas de leda a qua-
lidade de edificios : na praga da Indepen-
dencia, livrana, ns 6e8.
-- Vende-se um n oleque de 10 para 11
annos, com principios de ollico de sapa-
l ro : na rua do S> bo, n. 29.
-- Vende-se ou lieca-se metade do urna
casa terrea, avallad! em oitocenlos mil rs ,
e que rende de aluguel nove mil ris por
mez, cbflos 1 ropiios, livre e desembaraga-
da, sla na travessa do Serigado, n. 3, por
um escravo mogo, sem vicios, nem achaque
de molestia, que sirva para todo o servigo :
na rua da Paz, n. 6, 66 achara com quem
tratar al s 8 horas da manhaa, e das 6 da
lardeen diante.
Vende-se fejilo muWUBbO por todo o
prego, e lambem um sarco de feijo preto e.
um dito fradinho : em Fri-de-Poilas, de-
fronle do arsenal de marinha, n 145.
No sitio da Estancia, junto ao engenho
deCiqui, vende-se urna carroga nova do
4 rodas, fcila em Inglaterra, propria para
cooduzir grandes pesos, sendo feita para
Vende-se urna carteira de cendur, de
una s face, com bastantes repartimentos,
em mullo bom estado, o com o seu com-
petente mocho ; urna porta de forno de
padaria, em multo bom estado ; :i pesos de
arroba ; um dito de duas ditas ; um dito de
meiadita ; dous ditos de oito libras : ludo
junto ou separado : na Boa-Vista, rua do
Pires, n. 93.
Vendem-se queijos londrinos e pre-
zunlos muito frescaes, assim con.o frascos
de mnstarda, fruclas em frascos e botijas
de cormibos o truquinaos de molho para
carnes e ouiros objeclos -. ludo rin-gado l-
timamente de Liverpool M galera Sexcord-
l'it/i, no armazem da ma da Cruz, n. 7.
Vende-se um moleque de 7 para 8 an-
hos : na rua da Cadeia do Itecife, 11. 2.
Vende-se a aimagfio da venda 11. 46 da
roa da Boda, com pesos e medidas, por pre-
go multo commodo : a trntar 110 sobrado
por cuna da mesma venda. Na mesma casa
lambem se alugam bichas hamburguezas
da milliur qualidado quo existo no mer-
cado
Vende-se urna preta de 18 a 20 annos,
de bonita llguia.auo eozinha o diario de
urna casa, lava pcifeilanienle.com algum
principio do costura e de engommar, pelo
barato prego do 300,000 rs.: na rua do
Queimado, 11. 14, lujada ferragens, so dir
quem vendo.
Vendem-se lingoas aeccas do Ro-
Crande, muito boas e por prego commodo :
na rua da Praia, armazem 11 20.
Ca! de Lisboa.
No Bio-Formoso, em rasa de Julio Jos
Lopes, vendem-so barris com cal vrg-*m
95 na praga do Commercio, n.
Alindar.
| Barato c
Vcnilc->c feijao
ioiisjti.slocs a ctiia :
dre-Floriano, venda, n. 7a.
Vende-se urna escrava cr-
oula, bonita figura, propria para
qualquer ser vico de urna casa na
rua da Cadfia do Recite loja de
Joao da Cimba Magnlbes, n. 51.
Aos 20:000 OOO de rs.
Ni praga da Independencia, n. 4. ven lem-
S blletea, molos, q lartos, oitavos e vig-
simos da 11' loieiiaa beneficio das ma-
tn/esdoltio-deJaneiro. Na mesma loja so
nioslra a lisia da dos capuchiiihos. t
Acaba de elie^ar loja de
Maya Ramos $ V,
iim lindo so'rtimento de pipis pin forrar
salas, acompatinado de riqussmas barras
e bellas guarnigOes: ludo da melnor qua-
lidade possivel e gostos os mais modernos:
aquellas pessoas que quizerem Torrar suas
salas com asseio e goslo, dlnjam-se rua
Nova, n. 6. na indicida loja cima que se
ihes prometi commodidade do prego.
Na loja de Maia Hamos Se
Companbia, rua Nova, n. 6, ven-
dem-se luvas de pellica muito fres-
cas n novas, lano para homem
como para senbora, a ,00o rs. o
par. assim .como para meninos e
meninas aG^o rs. o dita.
I.Novo sorlimento de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampeS-f.
V.-nde-se cassa-chita muilo fin, de bo-
nitos padrOes, cores fina e com 4 palmos
de largura, polo barato prego de 320 rs. o
covado ; cassa franceza de quadros, multo
lina, a 260 rs. o covado; riscadinho de lis-
lias de linho, a 240 rs. o covado; brim de
algndo do cores com listra ao Udoe de bo-
nitos palrOes, a 320 rs. o covado brim
purdo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte de
duas varas o urna quarta ; cassa preta com
ramagem brann. para luto, a 140 rs. o co-
vado ; zuartede cores, com 4 palmos de
laigura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
vara de largura, a 200 rs. o covado ; naci-
do monstro, a 220 rs. o covado; chitas de
bonitas padrOes e cOres lisas, l0 e *'*0
rs. o covado ; chales de larlt"na, a aou e
800 rs,; cobertores de algodao menci-
uo, muito superiores, a 640 rs.
Vinlio de Bordeaux,
das mais superares qualdades ; M0
vinho de (uampanha da nova marca estrel-
I ? ja mu lo'.pfeci.vel, t-nlo.qu.~mon.
Europa 1 vende-se em cas. de kalkminn
Irmilos. na rua da Cruz, 11.10.
vendem-se muito bous bois minios de
go commodo, I rua
I rua do Tergo, q. 3.
MUTILADO




Na ruad* Crrz, no Rocife. arma/em
n. 33, vomlcn sa sanea
.1.1 preco, por rilar princip
um porcflo d calgado do Aracaly,
sejam 80 nares do sapalOcs de cauro i
Iro. obra bem feita a de diversos lmannos;
solaecouro do cabra; caixas para rafal
indo por prege coinmodo, para fechar con-
Vcndcm-so 4 cscravos; 9 moleqiios ;
liComfeiJBo, porto-'uma parila: todos da bonitas figuras: na
i nci piando a furarj ra da Cruz, no Recito, n. 8.
romo -- Vende-se uma i rota crioula, de boni-
clus- ta figura, que lava licm de varrclla e cozi-
diario do una casa : o motivo por
-Vcndem-so saceas" com farinha muilo[9 de boa figura, equo be bom Quicial de sa-
o
(5)
d
O
O
Cassas c cambraias. g
Vende-se cassa roxa, a 160 rs. o co-
vado ; cambraias de seda, a 320 rs.;
cortes do dita do algodo, a 2,000, .-.
2,500 o 3,000 rs. ; lengos do soda pa- fa
ranino, I t,000 c 1,280 rs. ; ditos ~
raudos para pesclo, a 1,600 rs. ; Y
ditos de cassa para mSo do senbora, ,
a 400 rs. ; chales de 13a, a 2,000 rs.; e *
f) outras muitas fazendas : na ra do <3
O Crespo, n. ';'
$Od6Q06&dd$04**0$9
Vende-se muito superior a-
rinha gallega cm meias barricas :
na ra la Cadeia do llccife, cs-
criptoiio de Deane Youle & C. ,
011 no primeiro armazem do becco
do (ioncalves.
Na ra do Crespo, loja da
esquina que volla para
a cadeia,
voil'dem-se os acreditados brins trancados
braucos de lislras e lisos, de linho puro, a
1,500rs. o corte; dito amarello.a 1,500 o
1,600 rs. ; panno lino prelo c azul muilo
bom, a 3,300 rs. o covado ; dito muilo su-
perior, u 5,.ri00 rs. ; fustoes milito bunilns
para collcles, a 640 rs. o corte; ditos de
velludo, a 2,000 rs. ; ditos de setim lavra-
do,a 1,800 rs.; ditosdo gorguriin de.seda,
a 1,600 rs ; cambraia lisa, a 2,720 rs, a pe-
ca de 8 varas e meia ; cassa prcla, a 1,410
rs. o corle; PSgUlflO de linho milito lino, a
1,44o f.a vara; e oulras muitas hien-
das por precos con modos.
Teciflos de algodo tran-
cado Ja fabrica de To-
dos-os-Santus.
Na ra da Cadeia, u. ii'i,
veiulem-se por atacado duas qualidades,
proprlas para saceos de assucar e roupa de
cscrivos.
Ruarles de furla-crcs a
200 rs. o ccivfld > e ris-
cado monslro a '220 rs.
Vende-so zuarto de furia-cores, muito
encorpado e com 4 palmos de largura, pro-
prio para esclavos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monslro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volla par a ra lea.
A 040 rs. cada imi.
Vendem-sc cobertores do SlgOdSo ameri-
cano, enrorpadose gran les a duas pala-
cas ; cliilas escuras de bous padroes e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
'iiv'v-', .itnerro da ra do Rrum,
ia-se de reecbor un completo sorlimen-
tode taixis do* a 8 palmos de bocea as
quaes arham-se a venda por prego com-
ino.lo c com promplido embarcam-se,
i.u eanegani-secni carros sein despezas ao
esmprador.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-de-j
lieos, n. 36, est de novo eslabelecido de-I
bailo das niesm.-fs enndiges, ofTereccndo
a delicila pinga do vinho da Pigueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a canada, a de vinho hranco de Lis-
boa por220 rs a garrafa, c 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Itordeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. Nio se admircm
os fieguezes do baixo pre(;o por que se ven-
de a deliciosa pinga, c sim da audacia do
proprielario querer sustentar o anligo pre-
CO, embora este genero lenha subido o me-
Ihor de 30,000 rs. por pipa. Examinis, os
amantes a qualidado para recoiiheciinento
da verdade e contnuago da antiga fregue-
zia. Ep'ara nflohaver usuras, esto promp-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como harria de diversos |a-
manhoa para provisto do prximo Natal
O proprielario conta com a concurrencia;
do contrario, tornarSo os prego do rete
Iboa primitiva de 240e 280rs. a garrafa.
Eo!lia de Flanrircs.
Vendem-ae calzas com tblha'de Flandres:
na ra do Ainoriin, n. 33, casa do J. J. Tas-
so Jnior.
-- Veudem-seamarras de ferro: na ra
da Serizalla-Nova, n. 42.
nha o diario do urna casa
que se vende so dir ao comprador : na ra
do Crespo, n. 15. loja.
Vendcm-so oculos para todas as nla-
dea, os melhnres que toom vindo a esle
mercado ; uma prcta moga, que eos, en-
gomma.o he boa cozinheira: na ra lar-
ca do Rozario, n. 33, loja.
a raaos de ferro.
Na iundic.no da Aurora em S.-Amaro ,
vendem-se arados de ferro diversos mo-
delos.
A 140 rs. o covado.
Vende se superior riscado de algodSo,
muito encorpado, a 140 rs. o covado: na
ra do Crespo, n. 6, loja junto ao lampeDo.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglezes: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Dias.
Vendem-se bichas chegadas ltimamente
e de boa qualidade, a 160 rs. cada uma, em
porgio de 25 para cima : na ra do Amo-
rim, n. 35.
AGENCIA
da fuiiSicao Low-Woor
RA DA SKNZAJ.r A-KOVA, K. l\1-
Neste estabclecimento conti-
na a ttaverum completo sorti-
meuto de emendas e meiaa nioen-
das, pars engenho ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
co'-ido, de todos os tatnanhos,
para dito.
Pos galvnicos para
p ratear.
Na ru do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoss que possuem ohjeclos
pralendos c que lenbam perdido a cor ar-
genten, estando por isso indecentes, ou inu-
lilisados, leem nestes pos um excellente
restaurador c conservador dos mosmos
ohjeclos sempre como novos sendo o pro-
'craso para so usar delles o mais simples,
nada mais do que esfregar, com um pannoj lidade que vern a este mercado,
do linho molhado cm agoa fria e passado .
nosmesmospos. Btolacua de familia de
Urna caixinba contendo quantidadn suf- ...
ficiente para pratear mais >le 40 palmos IIO.
quadrados custa a mdica quaulia de
mil rs.
10a e hem torrada, por preco conimodo : no
armazom do finado llraguoz: na ra da Ca-
deia, ao p do arco da Concekflo, n. 6 0, ou
a fallar na loja de Jo.1o Jos de Carvalho-
Moraes.eno mesmoarmazem.
Paraquein tiver bom
g-osto.
Vendem-se redes de cores multo grandes
e muilo bonitos padr6es, e o melhor que
tem apparecido neste mercado : na ra do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
Na ra do Queimado,
viudo do Rozario, se-
gunda loja, n. 18,
vendem-se luvas de torcal, nr'etas e bran-
cas, a 500 rs. O par ; meias de seda pretas,
curtas, a 800 rs. o par; ditas compridas, a
1,500 rs.; e outras muitas fazendas por
coinmodo preco. ,
A 2,720 rs. cada um
corte.
Na loja de Cuimares & Ilenriques, ra
do Crespo, n. 5, vendem-se novas cassas
parisienses, padroes muito modernos, pe-
lo barato preco de 2.720 rs. cada um corte :
esta fazenda se torna muito recommenda-
vel pela superior qualidade e barato prego.
A !40 rs. o covado.
Vendem-se riscados de linho, proprios
para jaquetas e calcas, a 240 rs, o covado ;
zuarlecom uma varado largura, pelo ba-
rato de200 rs. o covado : na ra do Cres-
po, ii. 6, loja ao podo lampeo.
Vende-se espirito de 37graos, a 1,200
rs. a caada, e 160 rs a garrafa : na ra da
l'raia-de-S.-Hita, n. 1.
Queijos do serto.
Na ra do Queimado. n. 14, loja de fer-
ragens, vendem-se muito bons queijos do
seriao, por menos prego do que em outra
qualquer parte ; bem como 3 cuufos de on-
ea e um de lontra ; uma pori;3o de couros
miudos : ludo se vende nimio barato. ,
INoarmazem do barate iro Sil-
va Lopes, na porta da alfandega,
pateiro ; 2 mnlatinhos muilo espartos para
servircm a urna casa, ou para aprenderem
olllcio; umspretadeSO annos.de boa fi-
gura, que cose, eognnima e coziQha ; uma
dita com uma lilha de 10 mozos que cose
e faz lavarinto : na ra do Collegio, n. 21,
primeiro andar, se dir quem vende.
- Vende-se uma escrava boa engomma-
deiraJde linda figura ; dous cscravos, sen-
do um molequo de 17 annos e o oulro de 20,
bom taneiro : todos s.10 do boa conduela :
na ra doltangel, sobrado n. 57.
m
vende-se farinha de trigo de Phi-
ladelphia, nova e da melhor qua-
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de motilados
atrs do Corpo-Santo, n.66, por prego com-
irodo, velas de carnaha, sendo azues
ciir de rosa e lustrosas, as qnaes se toruam
recominendaveis pela sua superior qualida-
de e aturaren) mais que as de esperuiacele,
0 nSo fazerem morrOo.
Deposito de Potassa.
Vende se multo nova potassa
de boa qualidade* em bairiszinho:.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como ja ha muito
tempo se nao vende : no itecife,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
Antigo deposito de cal
virgen.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
milito superior cal virgen) de Lis-
hu, por preco muilo commodo.
Deposito da fabrica de
rodos-os-Santos na ahia
Vende-se cm casa de N.O. Itieher & C.
m ra da Cruz, n. 4, algndlo trancado
daoiielln ribrica, muito propriu para saceos
de assucar c roupa de escraos.
Cht brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molbados, airas do Corno-Santo, n.66, o
mais excellente chaproduzido em s.-iau-
Ii qun tem viudo a esto mercado, por
prego muito commodo.
3?oeud s superiores. _(
um o.-Auaro aciiain-se venda moeudas
de (1 una, ludas de ferro, de um modelo o
conslrucgo muilo superior.
Novos cortes de cassa pa-
ra vestidos.
Vendem-se corles de cassa para vestidos,
de COrea lixas e de honilos padrGes, a sele
e oito patacas o coi te ; chales de tarlatana ,
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs. :
na rfla do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
des fumantes de bom gosto.
Noarmazam de molhados atrs do Cor-
po-ttanln, n. 66, lia para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul superio-
res charutos S.-Flix, e do outras muilas'
qualidailes que se venderlo mais barato do
que em oulra qualquer parte : bem como
cigarrilhos hespanhoes, ditos de palba de
milho, que so estilo vciidendo pelodiniinu-
tu prego de 500 rs. o cento.
Corles de brioi de cores
com lislras ao lado, a
1,280 rs.
Vendem-se corlea de brim de coros com
lisliasao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godSoamericano, pioprio para escravos,
14o ra. o covado : na ra do Crespo, loja da
esquina que; volla para a cadeia.
~ Vendem-se 3 relogios de ouro c 3 de
prata, 12 annellOes, 12 cordOes, Irancelins,
brincos, bolOesde camisas, aderegns, 1 de-
dal, cruzas, urna crrenle Com 42 uilavas, e
outras muitas obras : na ra larga do Ho-
zario, n. 8.
DE6W)RTASN0JK
Nesta loja vende-se panno ttno preto e
de cores ; casimiras elsticas, linas e de bo-
nitos padrOes ; cortes de brlm de linho es-
curo, a 700 rs.; cassa lisa, a 320 rs. a vara;
chitas de cores (xas e do pannos muito en-
corpadas, a 140 rs. o covado; e outras mui-
las fazendas proprias da fesla, por barato
prego para fechar centas.
Xa ra cstrcila do Rosa
I.; Movo Compadre Matheus, 3 1
bermeTel, 1 vol ; Diccionario de C
icio, ultima edigSo, 1 vol;Plutarco Bra-
firo. 1 vol.; Diccionario potico, 1 vol.;
1
A 430 e 560 rs.
Vendem-se cassas francezas de rdres fi-
xas c de bonitos padroes, pelo barato pre-
go de 480 rs. a vara; chitas largas france-
zas e de listias cor de ganga o cor do eiuza,
pelo barato prego de 300 rs. ; brim tringa-
do amarello de puro linho, pelo barato pre-
go de 640 rs. a vara : na ra do Crespo, n.
14, oja de Jos Francisco Das.
Farinha de 8. II a I lie us,
de supeiior qualidade, vende-se por menos
piegodoqueem outia qualquer prle : a
tratar a bordo da sumaca lltlla-Curolina,
fuinioada dcfronle do Cullegio, ou ao lado
do Corpo-Sanlo, n. 25, luja de inassames.
Vendom-se superiores ios de limpar
denles, pelo diminuto prego de 160 rs. a
caixinba : na ra Ynlha, n 54.
Maulas de seda.
Anda existe uma pequea porgfio de
mantas de seda, ao prego de 7,000 rs. cada
urna i ara se acabar : na ra larga do lloza-
rio, pa.laria n. 48.
--Vndese um cabriole! muilo leve o elc-
ganle, otn bom uso, por prego coinmodo:!
na ra do Hospicio, a. 9.
Appareceu emlim novamente a venda a
excellente bolacha de farinha de milho su-
perior a que so tem fabricado e annuncia-
do por vezes, pelo acostumado' prego de
80 rs. a libra : na ra larga do Rozario,
n. 48, padaria.
Velas de espermacete.
Vendem-se velas de esperma-
cete superiores, chegadas agora da
America : em casa de Deane \oti-
le & Companhia, na ra da Ca-
deia, n. 4-
Agoa de Ungir o cabello e suissas.
Contina-so a vender a agoa do t6' usj
eabcJluPoo ftpjgsag pp.Ti'jn'l'uHrago'com-'
panha os viJros.
-- Vende-se uma negrinha recolhida, de '
nugio, .le bonita figura, de 12 a 13 anuos,1
que cuse, o gomtna, lava o cozuilia ; he'
muilo sadia, uilo tem vicios, e be propria I
para urna casa de familia, por ser muito
bem educada : na ra da Muda. n. 25, ven-
da da esquina.
Vendem-se atrs do theatro
laboas de pinho largas e eslreitas
por lodo o preco, com o abate de
j5 por cento dos precos que al
enlose vendiam, afun de se aca-
bar com a abundancia que ha
proveitem-se, ireguezes.
Fardo em saccas gran-
des :
vende-so no armazem de Antonio Aunes ,
nu caes da Alfandega, a 5,000 rs. a sacca.
--Vende-se culla do Itio Grande do sul,
a 240 ra. a lihra ; crva-mallo, a 320 rs. : na
ra Augusta, n.94.
Xaropc dcangico e cho-
colate de sade.
Acaba de chegar doMaranhAo, aondo be
lubricado, um novo sortimenlo destes dous
ohjeclos, ja bem conhecidos nesta cidado
I or muilas pesaoaa que teum foilo uso del-
les, as quacs cunlinuam o seu bom resul-
tado : veiidcm-su no mesmo lugar do cos-
lume, na venda da ra da Cadeia do Itccile,
n. 25, dclroute do Itecco-Largo, pelo incs-
ino prego do mil rs. cada garralinlia de xa-
rope e 610 rs. a libra do Chocolate de n. 3,
o 800 rs. o do u. 4.
no, n
Vendem-se por prego commodo osseguin-
les livros : Itecreagao philosopbica pelo pa
dreTbeodoro deAlmeida, 10 vol., por i%
rs ; Feliz Independenle com ricas estampas
2 vol.; Movo Compadre Matheus, 3 vol.;
Guilberme Tel. t vol : Diccionario de Cons-
ta nci
silei _.
Historia de Portugal, 2 vol.; Philosoplua
de (. <;n, 3 vol. encadcmados, por 6,000
rs.; i nal da l'hilosophia pero mesmo, 2
vol, por 5,000 rs.; Lgica pelo mesmo, 1
vol., por 2,000 rs.; obras completas de Tito
Livio com texto francez, 2 vol. in folio,
por 12.000 rs.
Vende-se, na venda da ra Augusta,
n. 9*, ao p do viveiro, mantelga ingleza,
a 320. 480 e 640 rs. a libra ; queijos novos,
a 1,100. rs. ; cha, a 2,000 e 2,240 rs. do me-
lhor; passas e aweixas novas, a 240 rs. a
libra ; figos, a 160 is ; crveja muito boa,
a 440 rs. a garrafa, e meias ditas a 280 rs.;
vinho, a 160, 200 e 240 rs. a garrafa ; esper-
macete, a 800 e 900 rs. a libra; velas de car-
nauba, a 260 rs. a libra ; azeile doce, a 480
rs. a garrafa ; dito de coco, a 400 rs.; dito
de carrapato, a 220 rs. ; loucinho, a 120 e
2J0 rs. a libra ; farinha de MaranhSo, a 80
rs. ; dita de araruta, a 140 rs.; esteirasde
pipiry, a 160 rs.; graxa ingloza, a 220 rs. o
pote : amendoas sem casco, a 300 rs.; lou-
e.i ; e todos os mais gneros muito em
conla.
-- Vende-se um terreno no Aterro-dos-
Afogados, 13o barato que o comprador ad-
mirar-se-ha : na ra larga do Rozario,
n. 38.
O gerente do contrato do rap prlnce-
za de Lisboa contina a vender o rape vin-
do pelo navio Coueti(io-de-Maria a 3,200
ris cada libra, a dinheiro a ista ; assim
como inga as pessoas quo anda devem o
iuipurte de rap, hajam de mandar satisfa-
zer, pois nio tem caixeiros pata mandar
receber taes dbitos.
A 2,400 rs.
Baralissimas mantas de cambraia o
y seda, grandes e de escolhidos gostos,
para senbora, pelo diminuto prego
2. de 2.400 rs.:
na ra do Crespo, n. II.
HJaaB^BBaaaaBB ... .i......_.i wiiuw.^
p
uma prela do nago, de bonita figura, de 16
a 18 annos, com um defeito no braco direi-
lo, a qual vende na ra, taz todo o serv-
go de urm casa, e be propria para tratar do
meninos, por ser muilo carinhosa ; o mo-
tivo por que se vende so dir ao compra-
dor : na ra da Moda, n. 21, sobrado de
um andar.
09
O
CfJ


g
Z. o o
a, n
S"
S > -
fi. = q
5 S o
svrvs t U^K'O.v
ap-
Vendem-se palhas de coqueiro para
banheiros, postas em qualquer parlo que o
compradorquizer : na ra largado Roza-
rio, n. 38, so dir quem vende.
-- Na i ua do Vigano, n. 7, primeiro an-
dar, vende-se uma i rea cozinheira, lava-
deira, engommadeira, e que faz o mais ser-
vigo de uma casa.
Cera em velas.
Vendem-se caixas com cera cm
velas fabricadas no Hio-de-Janei-
roem urna das inelhores fabricas,
soi limento ao go>to do comprador,
c por preco mais barato do queem
outra qualquer parte: a tratar
com Alachado & l'inheiro, na ra
do Vigario, n. lg, segundo andar.
Vende-se um preto bastan-
te moco, de bonita figura e pti-
mo p.ira qiiilquer servico, especi-
k7 ariulia de trigo ame-
ricano.
Ven le-so farinha d8 trigo amoricano, da
maici Brand-Wine, chegada ullim.mente,
por prego cummoJo : em casa de J. J Tas-
so Jnior, ua ra do Amorim, n. 35.
Veudem-se 14 escravos, sendo : um p-
timo moleque de 16 anuos ; 2 ditos carrei-
ros; um dito de8 anuos; um lindo mula-
linhodel6annus: 2 escravos de meia ida-
de, sendo um delles coznbeiro ; 2 pardas
mocas leudo uma dellas boiu leito ; 4 ne-
grinhasde 15 a 16 anuos j 2 escravas de
bonitas figuras : lodos por preco commo-
do : na la Direila, n. 3.
Farinha de mandioca.
A bordo da garopeira Conceicao-Felii,
Tundeada em frente do caes do Collegio,
vende- so familia do mandioca, a tres mil e
duzentosrisoalqueire da medida vellia,
de muilo superior qualidade.
- Vendem-se dous pretos de 20 annos, de
muilo bouitas figuras, ptimos para carre-
garem um palanquim, ou para rabalharom
lmentcpara engenho.por ser bom
trobalhador de enxada, fouce e
machado, e trahalhar de caldeirei-
ro : ao comprador se dir o moti-
vo por qtie se vende ; na ra da
Cadeia do Kecifc, n. 5o
Vendem-se relogios para ci-
ma de mesas com 3o horas de cor-
da por barato preco, visto a sua
qualidade e boniteza; na ra do
Trapiche, n 8.
Vende-se um relogio de ouro, patente
inglez, por 145,000 rs. :afianga-se ao com-
prador : na ra larga do Rozario, u. 8, so-
brado.
Farinha de mandioca.
Vende-se farinha de San-Ma-
thetis a mais superior que ha no
mercado a bordo da sumaca Bella-
Argelina, fundeada defronle do
caes do Collegio, ou na ra do Vi-
gario, n. 19, 1. o andar, a tratar
com Machado fk Pinheiro.
Vendo-sea taberna n. 9, com poucos
fundos, sila entre as duas puntes da Passa-
gcm-da-Jtagdalena, para quiiacSo.
em um armazem de Wucar um^Uo nToc. *- 7%^0 'S^modo,
Desappareceu, no dia 30 de novembro,
um moleque de 20 annos pouco mais ou
menos de nagfio Congo, de nome Antonio,
do estatura baixa, com uma cicatriz no ii.
dodireilodo rosto, denles limados, nariz
demasiadamente chato; levou caigas de
algodSo trangado azul, camisa branca d
algo liio,chapeo de couro, e uma sobre-ca-
saca parda : quem o pegar leve-o a ra do
Cabuya,o 16.
100,000 rs. de gratificago.
Oahaixo assignado ruga aos Srs. de en-
genho Christovo de Dolan.la Cavalcanle,
Francisco de Barros Reg, Francisco Mari-
nlio Wandorley, Francisco de s.-Tingo Iti-
mos, Antonio Jos Msrroqoim, Manuel de
Barros Accioli Mello, Antonio de S.-Tiago
Paz de Mello, Paulo de Amorim Salgado,
Dr. Flix Theotoni da Silva Cusmao e lg-
nancio do Barros Wanderley para que se
dignem mandar ver pelos moradores de
seus engenbos uma escrava de nome Ca-
Iharina, crioula, do estatura regular, ma-
gra, com a barriga um tanto crescida, den-
tes bonitos, sobranaelbas carregadas; le-
vou uma lilha mulatinha, de 3 annos, de
rosto redondo, olbos pequeos ; tem as co-
xas tilo unidas que a faz vollar os ps pan
osladas. Fugio a 11 de oulubro de 1848,
A mu desta negrinha chama-se Jeronynn,
e tem alm desta lilha muitos lilhos, e por
isso se lera feito notar 110 lugar aonde mo-
ra ; he escrava deTliomaz Vieira, morador
no engenho Palma, sitio capivara. Calhari-
na foi cria de Mara Vieira, moradora em
Peroba, sitio Pescinenge, e por morte desti
coube em beranga a Geitrudes, lilha casa-
da com Domingos do tal, morador ncali
prega. Ha toda a certeza della ler estado em
algum destes engrnhos, pornv tem sido
mudada laIvez pelos manos. O abaixo as-
signado offerece a quanlia de 100,000 rs. 1
quema Irouxcrat o (m de dezembro do
corrento anuo, e pretende desse prazo en
diante, fazer toda a diligencia para a deseo-
brir o proceder contra quem a tiver aroi-
lada. (l com mandante do eorpo de poli-
ca, iodo do llego Barros falcdo.
Fugio, no dia 20 de outubro prximo
pado. |.iri:i tn.iMdia, que reprsenla
ler 26 a 30 unos, de nagSo Congo, altura
regular, rosto comprido, queixo grande,
feianchona, com falta de um ou dous den-
les na frente, secca do eorpo ; he bstanle
prela e condecida nesta praga (or andar
vendendo pilo cooi uirr prelo forro atrs; 1
lambem he bem conhecida por ja ter an
dado com um ferro no posengo levou ves
lulo de garga azul e panno da Cosa de lis-
Iras uiiinias. Roga-se as autoridades po-
liciaes, capifles de campo e qualquer ouln
pesso, que a apprebendam e levem-na i
ra laiga do Itozario, que vai para palacio,
n. 18, segundo andar, que serSo recompen-
sados.
Fugio, do engenho Taboca, da fregue-
zia de S.-Lourengo-da-Matta, o pardo Al-
berto, de 24 annos pouco mais ou menos,
de estatura regular, bem barbado, com to-
dos os denles, olbos bem vivos, ps peque-
nos, mf os regulares; levou caigas azues
usadas, camisa de madanolo, chapeo do
pello velho ; fugio indo para o Recifo com
duas cargas de assucar, do rancho do Sr.
Vicente, da eslrada nova ; tem andado do
Pogo-da-Panella para o Recife, aonde foi
comprado : quemo pegar leve-o a ra do
Collegio, casa t'o Sr. Amonio Bicardo do
llego, ou a ra larga do Itozario, venda de
Manuel Pereira Lemos, ou aodito engenho
Taboca a seusinhor, Francisco Congalves
da Silva, ou ao capito l.uiz Jos da Silva,
110 seu engenho da Cruz, que em quaesquer
deslas palles ser gratificado.
D.lo-sc 120,000 rs. a quem trouxer o
escravo pardo, de nome Malinas, olicial de
pedrero, natural do Ico, o qual so acha
pelos suburbios ou villa do Crato, intitulado
por forro ; fugio cesla cidade em oulubro
de 1837 ; he baixo, secco do eorpo, cabellos
crespos, rosto descrnalo e um lano car-
rancudo, pouca lu ha; lem o dedo pollegar
da mito direila corlado pela junta da palma
da man ; tem 22 a 25 annos : quem o pe-
garlevr-oa ra Augusla, n. 94, que rece-
bor a gratificago cima.
Ausanlou-se, na noitedo dia 8 de no-
vembro de 1847, o escravo Horculeno. de
cor lo fula quo parece cabra, cahega pe-
quea, cabellos lalos, olbos pequeos, eor-
po grosso, bastante espada.lo, pouca baiba,
do estatura regular; lem uma cicatriz no
hombro dircilo que | de ter de 3 a 4 pol-
legadas de con pr i monto ; cosluma a em-
bebedr-se e nesle estado imitui-se por
ller culano Jos dos Santos Trauca-ltua; lem
boje 23 annos pouco mais ou menos : quem
o pegar leve-o a cidade de Uliuda, a seu se-
nhor, Jos Ferreira Marinho, na ra da Boa*
llora, que sera recompensado.
--Fugio, no da 6 do passado, o preto
Benedicto, de nagfio, de 18 anuos, pouco
mais ou menos, sem barba ; levou camisa
de madapolio e caigas de riscado largo es-
curo ; de altura regular, eorpo fornido,
beigos grossos, bocea grande, ps e m8os
grandes : quem 1 pegar levo-o ra es-
ireitado Itozario, n. 43, segundo andar,
que ser gratificado.

Pian. : ha ttp. de a 1. de FAau.-Mi9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHWT6U7XD_QFTZMN INGEST_TIME 2013-04-24T17:09:52Z PACKAGE AA00011611_06728
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES