Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06727


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Amn
AnnoXXV.
MI v
Sal.b.rto 1
PARTIDAS SOS COR11E10S.
Goianna < Ha rahilia, segundas e extas-feiras.
Hio^rftndc-doNorU. quiniai-feiras ao melo-
da "*'''* '
Gibo, Serlnhem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Maori. no 1., a 11 c I de cada mea.
f nranhuns e llonito, a 8 e 23.
Ba-V.a flores, a I Se 28.
Victoria. sjquiulas-feiras.
Olinda, iodos o dias.
*?-'
iraEHEHiiin.
Paires di. loa. Ming. a ti, s 4 h. e 33 ui. da t.
Nova al4. 1 h. c 18 m. da t.
Creac.a 22, as j h. e 21 ni.da ni.
Chciaa29, llh. c 41 m. da m.
rasuuit-uvon,
Prlmelra ai 0 horai e, 6 minutos da mano.
Segunda as ti boro e 30 minuto* da larde.
de Dezembro de 1849.
N. ayo
PRECIOS DA SCBSCairOO.
Por tres inez.es (Wdi'aniorto) 4/000
Poraeisinc7.es a 8/UOO
Por un auno liyOOP
DIAt DA SHA.
26 Seg. S. Pedro Alexandrino. Aud. doJ.dosorf.
e do m. da I. v.
27 Tere. Margal ida de Saboia. And. da chae,
do /. da 1. v. do civ. c do dos fcilos da faienda.
28 Quart. S. Gregorio. Aud. do J. da 2. v. civ.
29 Quint. S. Saturnino. Aud. do J. dos orf. c do
ni. da i; y.
30 next. 6 S. Andr Apostlo.
1 Sab. S. Eloy. Feriado.
2 Doni. 8. Bibiana.
I ARIO DE
CAMBIOS EM 30 OB tfOTEtIBB.O.
Sobre T.ondres. 28', .d. por 1/000 rs. a 60 dias.
. Paria. 3(0.
. Lisboa, 100 por cento. ,ann. auaui
0uro.-Onca.bespa^v.....2;pa29^
MocdasdetyluOvclhas
do 6/4' '0 novas
de 4/000......
Prista.PatacOcs braailciros..
Pesos columnarlos....
Ditos inestcanua^j.
\MiW a lC>'-00
9/200 a 9/.0I'
I/I30 a l**T-'>"
[/.'O a l",,
fruir *"* *
IBIOO

PARTE OFFICIU.
MINISTERIO DA FAZENDA.
jnaqiiim Jos Rodrigues Torres, presi-
dente ilii tribunal do thesouro publico na-
rional, lomamlo em considerando a repre-
tada ->m 87 do mez prximo passado, da
qunl consta : primeiro, que asibollas re-
alas as despzas da reparlicflo da euerra
na provincia de San-Pedro do Rio-Grande
jo sul oertenrenles o exercicio de 1814
is'-i rhegram i refer la contadora depois
de estar impressn o. ba laen desse exerebio,
i> que 1'stainlo a prmpto e na iniprensa o
de I8i5 1816 anda nflo rhegaram ao the-
snu i> as tabellas quo deveram t-r sido ha
niuit lempo'remetidas pela mestna the-
...Hilaria para nrganisacflo dente balando, e
que finalmente pelo que Inca aoeietcicio
de 181 fi-'-187 apenas exislem da Ihesou.
raria de San-Pedro os btannos mensaes,
' declarando ella que nflo pode mandar o de-
finitivo ; segundo, que, alm disso, osba-
lancos remedidos pela referida thesouraria
silo extremamente defeiluosos por figura-
reo nelles, como saldos, avulladissimas
rjuantias que alia estilo ja despendidas,
mas nSo levadas despera effecii va pela ra-
s.ln de nfio-estarem classilic.ad.is, dunde re-
sulta nflo poder conhecer-sea despeza real,
nem o verdadeiro saldo; oconvindo por
termo mperfeicflo com que lom sido lei-
los t agora os balamos geraes, ordena ao
Sr. .inspector da thesouraria de San-Podro
quo faca lanear em despeza nfio classiceda
a importancia dos documentos de despoza
que ndo teem.sido liquidados'o que ndo
isenla da responaabilidade os respectivos
pagadores eoollecioresje que aprsente nos
seos btannos o verdadeiro salJo que lcar
ex i-i indo em poder de cada um del les.
E para que a allegada falta de iiisullieieii-
te numero de empreados nflo continu a
apadrinhar lentas irregularidades e omis-
sOes, cuja mor parte ao menos nlo p le
serdevidida sendo a incuria edel-ixo.ia
UiesoU'aria, ordena tambern ao mesmo Sr.
inspector que indique quantos empregados
niaisedequeclasaes lliosilo precisos para
por e couservar em dia os Irahalhos della ;
(cando, pnim, ns niel licencia de que he
desua rigorosa obrigcao representar ron-
ira aquelles que ae teein mostrado negli-
gentes no cumprimento da seus deveres,
fim deserem substituidos por quem me-
llior ssiba desempenha-losj e que final-
mente d6 quanlo antes oxecueflo ordem
que se alte ex pedio em data de 25 de maio
dcsteannorcuja falta de cumprimento nflo
pode ser dosculpada ao referido Sr. ins-
pector.
Tliesouro publico nacional, em 2 de no-
veo bro de 4849. Jnuquim Jote Rodrigue!
Torm. ______________
M1JSTE1U0 DA GUERBA.
EXTRACTO DO EXPEDIENTE DO DIA 13 DE
OtJTUbRO.
Ao presidente da provincia do Rio-de-Ja-
neiro, declarando-Ule que os officiaes do ar-
lliaria nflr/pdcni neindevem serdistra-
li'dos dos servics dos seus corpos para ou-
trosquesflo da competencia dos deenge-
iihciros o eslado-niaior, pelo que nflo devo
continuar oprirceiio teiionte doarlilharia
Antunip Jos doA.maral na comaiissflo em
que se aclia, cumprindo que d execueflo So
aviso de 34 de teiembro lindo.
Comniando da prdipa.
Qiiarttl Jo commando da prafa na cidade do
llecife de Pernambuco,28denotembro de
1819.
ORDEM ADDICIONAI. A DO N. i.
0 lllm Sr. tenente-oronel commandan-
te da pr-ij man ia declaiar, para conheci-
meiilo da guarnieflo, que.tendo-se apresen-
lado a este commando os Srs. slferes David
Ameriro de Urzedo e Manoel Uaplista Ri-
beiio de Fria,o primeiro dooilavo bsta-
Ihao de caladores e o segundo do segundo
de ruzleiros, ordena que os meamos Srf.
esiejam prooiptos para se'guirem a seus
lesiinos.
Asignado, Lua Come Werrtm, alferes
judanie de ordciis.
Quarltl do commando da praca na cidade do
Km fe de Pernumbuco, 29 de notembro de
1849.
ORDEM DO DA. N. 2.
Ollf'm. Sr. tenente-coronel commsndsn-
[ te da prar,a ordena qu* a revista gcral de
motra-se pssse no da 1." do prximo mez
Ide dezembrdrpcla maneira se>.uinle :
I A rompaiihia do guardas nacionaes des-
[tacados eronl'H'Rcnte do segundo balalhdo
|ilecacadoress7 horas, a companhia dear-
|tnr-esas7 1/2, o contingente do quinto bs-
llalliflode fuzileiros as 8. a coinpanlila de
lcavHllna*SKl/. o quarlo balalhSo de
leiiimtfria a p*a9. os coniingcntes do se-
Iguudo liatalhflo de aililhaiia a pe e primei-
|ro batalhflo'ileraQRilores s 10.
' Assignudo, Luis Comes terreira, ajudan-
te il'nniens. ? .
EXTERIOH.
Mas nSo he menos certo que semelhanle
tarefa he militas vez.es anda mais difilrul-
tada pelos proprios que se encarregam
della, querendo tu<'o dever torca ou ao
rigor dopreceito, em vez de procurar de-
.ver mullas cousas ao esfrep da benevo-
lencia.
Em qualquer rircumstsncis em que se
sebe um paiz, ss autnridedes nlo conse-
guirlo fazer-se respeitar o obedecer sem
trilhar o camjnho indicado pela-Justina,
pela honestidade, e p lo amor do hem pu-
blico. Mas, se as dissencOes p.olitiras divi-
diram esse paiz em diversos cmt>os Inimi-
gos ; se nelles accenderam a luet dos odi-
os e rivalidades, eniflo anda mais necessi-
rio, se he po-s'vel, se toma Ss autoridades
squelU caminho, psra obter dos puvosros-
peito e tolerancis.
A discordia dividi desgranada mente
Po'tugsl cm mui oppostos campos. As
lulas, que originou. tearam em lo lo o
paiz um vaslo incendio, em que as paixoes
correram idomilase desenfreadss.
As lulas, porm, acabaram ; as paixOes
vSo-se serenando pouco a pouco; mas, para
que a tranquillida ledos nimos chegue ao
ponto que o paiz reclama como base essen-
cial para a sua prosperidade, nflo s he ne-
cesario que o governo, por todos os meios
de que pode dispor, trato de acalmar es
pslxfles; he indlspensavel lambem quo as
autoridades o auxiliem neste empenho
Com todas assussforeas.
Sea prosperidade dos estados ndo pode
ser obra s dos governos, porque esta de-
pendente da coop*rac,9o de toios os cida-
dllos, lambem nflo baslam os esforcos iso-
"ados daquelles, sem intelra coadjuvacilo
das autoridades.
O governo, como fundamento principal
da sua poltica, tem Udoa peito T-zer dcs-
vanecor nos espirites os vestigios que an-
da reslam ds nossas discordias, afim de
que os pattidos enlrem em.um caminho de
ordem e legalidade, e procurar desinvolver
no paiz a cooperaran de que.se lia mislcr
para a obra da prosperidade publica.
Queasauthoridades teem compreliendi-
doopensamenlo do governo, e que teem
secundado os seus esforcos, mosiram-o os
tactos, pois que as paxOes de da para da
seacslmam.e a desejada cooperr;So diaria-
mente se dcsinvolve e a ugmenia.
Ileum tarto, que folgamos de aqu re-
gistrar, que as autoridades exercem hoje
nos povos urna benellta innuencia, porque
pOem todo o seu cuidsdo em obiO-la pos
meins da benevolencia, pela jusiicadoseu
procoder, e pela nica frca da persuasflo,
empregada a prol dos interesses dos mes-
mos povos.
Continuando a obrar assim, como lodo o
paiz com rasflo espera, hflo de fcilmente
desempenhar-se bem dos pesados deve-
res do seu encargo, torquea ndole boa e
dcil do povo poituguez facilila-lne mu lo
la I desempenho.
Hflo de corresponder plenamente a con-
fianca que o governo nellas deposita, fa-
zendo conhecidas as feicOes caractersticas
da administrando ; taes quaes sflo, pois quo
o povo avalia mais o governo f-elo proce-
dimento ds autoridades, do que pelos,
proprios actos governativos.
A imparcialidade, tolerancia, moderaQflo
prudencia, juslica o amor do bem publico
das autoridades, he que coiisliluein a me-
dida por onde o povo costiima, e so pode
julgar, se o governo possue ou nflo todas
aquellas quslidades.
Dessa arle fazer-se-hflo bem quista e
amadas; e assim, vendo successivamente
augmentar-se a sua influencia, prcslarSo
ao governo a coadjuvasflo da que elle ne-
cesita para que a irauquillidaJe soja man-
tida, para que a oidem so consolide, para
que a violeucia dos partidos se modifique e
cesse, e finalmente para quo a rooperaeflo
de lodos o Purtuauczes se desiiivolv* e
fortifique, comoodemandaiu nflo os inte-
resses desleou daquelte partido, masa fe-
licidadedoiodaa nacflo.
(l>aHodo6dwmo.)
INTERIOR.
f
LISROA. 15DE0UTUBR0.
He mui Jilcil, nao ha duvida, a tarefa
de governar os homens, mrmenle quando
s psiiOes se achila en eflefYescenci.
MABANHAO'.
O EXM. SR. I'ENNA E A SUA ELE1C tO'.
Lemos o Bratil e o Cumio da Tarde n.
508 acerca da clcir-flo do Exm. Sr. Penna
como deptado por esta provincia, e em
verdade deploramos que os collegas no seu
patritico fervor em defender o program-
ma do gabinete quanlo As eleices deste
anno, Iflo desabrida como injustamente
qualificassem a'candidatura do Exm. Sr.
Peona por esta pmvincia.
Sa os collegas pesassem maduramente os
facto, a posieflo em qim so collocou o Exm.
Sr. Penna, f que nflo o acabrunhariam
com Iflo acervos apodos.
Eis o que psssamos a demonstrar.
Vejamos se o Sr. Penna, com a sua elei-
<5 ncte.
t) ministerio, nflo querendo que os seus
delegados fossem o alvo de censuras, as
mais das vezes justas, que teem soffridu ou-
tros por causa da sua iulervencflo as elei-
coes das provincias que governam pundo
em duvida a pureza e validada dells. exi-
gi dos presidentes que nunca por all li-
uhtm oblldo a deputaQao q. SC nflo apre-
eenlassem candidatos, reCommendando-
Ihes que fizessem todo o exorno para nflo
serem eleilos, para que se nflo suppozesse
que era isto urna simplos oroalidade para
embalar o publico.
O Sr. Penna, fiel a esta norma de conduc-
ta, desde os primeiros mezes da sua admi-
nislrac.no, s'emnre que so Iratava de elei-
Coes, e da satisfsciio que teriam os amigos
do governo em conta-ln no numero 'io seus
candidatos, oppunha-se essa i lea expon-
do as rasAes quo o fnreavam a nflo corros-
pondera essa prova dededicQllo e gratidflo
dos seos amigos e da causa governista.
Com o andar do lempos a lembranc da
candidatura de S. Exc. foi creando mais rai-
zes entre todos os amigos do gi.yerno, nflo
obstante a sua opposicfloe as reconunenda-
Cjfles do gabinete imperial, pela maneira
por que o Exm Sr. Penna seh;ue na di-
rectjSo dos negocios desla provincia, admi-
nistran lo juslc a todos, e fazendo'esti-
mar o seu governo pela mode'acflo, inlelli
gencia e energa qu desinvolvia em Indis
as auas medidas, inutilsando em grande
parte os ar lie com que a oppnsitjflo procu-
ra va nod.iar por todos os niemso prnnun-
ciament do voto da grande maimia da pro-
vincia ; nao o demevendo de Iflo acertado
proposito a riosinvoltura da imprensa da
upposicflo, a as loocas vociferanoe* de seus
gratuitos como injustos adversarios, quo
nflo quiz maltratar.
Com a proximidade das eleco>8 o Sr.
Penna, observando que, ndo obstante as
suas instancias, os seus amigns e do gover-
no nflo qtieram desistir dointento de o fa-
zerer r*eger, pubcou a sua primara de-
claraQadlajela imprensa em lempo conveni-
ente, para quo nflo livesse lugar pplo inte-
rior aquillo por que es influentes da capi-
tal faziam decidido empenho, por isso que
a todas as suas rasoes ellos oppunham esla
quo o governo imperial eslava no seu
direito ordenando aos seus delegados que
se nflo apresentassem candidatos; mas que
lambem ninguem poderia contestar-llios o
do escolher a quem julgasscm digno para
representar a provincia. Mo grado a ejie
pronunciamento,o Exm. Sr. Penna nflo des-
espern de balda-lo, escrevendo aos inllu-
entes do interior com q'uom S. Exc. eslava
menos em contracto, eaos commandanles
militares, mus nada conseguio.
. E agoia peguntaremos a nflo ser por
meio de um rompimenlo cen o partido ami-
go do governo, podr-se-hia empegar su-
periores esforr;os aos quo fez o Sr. Penna
psra obstar a sua eleiQflo?
Nflo argumentemos com os abusos, com
a Immoralidado da poca, nem rom o pro-
cedimenlo de um Franco do S, ou Tci-
xeirinhn do Sergipc, que a despeilo ds cir-
cular do Sr. Alves Uranco de 24 de agosto
de 847appresenlaram-se candidatos e tra-
balharam podrosamente para levar aeffei-
lo o que tencionavam ; porquantn dessa
forma nenhum procedimento, por mais ho-
nesto e escrupuloso que seja, poder justi-
ficar-se.
Examine-se s conducta do Sr. Penna nes-
las eleicOes com toda a severidado, pes-
quise-se se elle em particular conlrariou
por qualquer maneira o que publicamente
manil'eslou. sa violentou as eleicOes, se
apoiou fraudes, se as suas decisOes dei-
xou-searrastar mais pelo intoresse da cau-
sa do partido quo o elegeu, ou pela equida-
de e justica. Se nada disto pralicou, como
estamos promptosa sustentar, ej o hemos
feilo, frca he convir que nflo houve cari-
dade, antes precipitaeflo em fazer corlir
desgostos a um cdadflo que tflo bons ser-
vicos ao paiz e ao governo tem prestado
nesla piovincia, e appellamos at para o
juizo calmo e imparcial dos seus adversa-
rios aqui.
O Exm. Sr. Penna entrega a administra-
ndo desla provincia no lim de 10 mezes,
sem que a pessoa alguma hotivesso perse-
guido; Ido bem sesoube elle haver nestas
criscs, que assim podemos appellidar as
pocas de elevos. Se erros commetteu,
como he presumir porque he homem,nunca
parti isso de sua vonUde, pois procurou
acertar e constsntemenle hsrmouisar os
Maranhenses ; mas. se existeni, sflo de tflo
pequen consideranflo que nunca poderflo
maroar os importantes servinos que pres-
tou, equeoMaianhBo nunca deixar em
olvido.
Qual he, pois, o desarque solDe o ministe-
rio com a eleinflo do Exm. Sr. Penna Em
que se mostrou ello desleal ? E alm disto
que prejuizo ter o partido do governo com
esta eleinflo quando o primeiro supplenlo
desla provincia he lambem governUti ? A
eleicflo, poitanto, de tflo dislincto Mineiro
por esta provincia he como se nflo existase,
sendo elle eleilo por Minas: nflo he mais
do que urna prova significativa que o par-
tido constitucional do Maranhflo quiz dar
ao Exm. Sr. Penna da sua consiJeranao, es-
lima e gratidflo.
S. Exc. breve parle para a corte, e prova-
velmente lera de defender se de arguno>s
tdo destituidas de fundamentoe entflo os
collegas, apicciandoas suas rasoes, saberflo
fazer-Ihe a Justina de que S. Exc. se faz cre-
dor, e cahiiflo por trra essas accusacOes
anda mais iniquaa de Talla de conflnnca nos
amigos que se enipenharam pela eleinflo de
S.Exc. em Minas-Ceraes.
( Do Obter tador.)
nhflo, Enelieu-nosdesorprez o modo por
que he all tratado o Sr. Penna, mai:= anda
do que a njustiQa gravsima e immer-cida
qu Ihe faz-m os doiis contemporneos.
S o nresi'entnda provincia so huuvesse
aqui h nlealo com os inimigos da nova or-
dem de cousas; s", trabiiiloa coefianca
que n'olle depositara o governo imperial,
piocurasse aagar as doutrinas subversivas
que caraelcrisam O partido decahido, nflo
sabemos que onlra podia sra lingnagem
dos illustes redactores dos citados joroaes ;
para est'g'at'sar o prncod'm 'nt > di dele-;
gado que ssm Inuvess ilb'di lo as lnlen-j
nrs do govomn. e m nfe riad ios principios da sua politice; porem
sorprenden-nos, ouira ve' o ilizoino*, f*fj
tflo acremente invectivado pe'a iniprensa /
govemisla o cdadflo uue merecer ser hon !
fado pelo gabinete de 29 do selombr com
a iinoor|anlis na o ardua com nissflo do
presidente de pernunt'tieo, dando em tflo
melindrosas circiimstancias sobejas provas
de su dedicando causa da ordem ; o que,
vindo depois para osla provincia, que, alem
de nflo se po 1er coni lerar isenta d-s lavas
revolucionarias, offereria grandes difllcul-
dndes na sua administrando, como entflo
reconheceu o proprio redactor do [Ir-tul,
tem feito, pelo acertado das suas medid is
governativas, reinar inalleravel a paz e o
socego, sem embargo de havermos alraves-
sado a poca sempre agitada de duaselei-
nfles populares.
Portan'o, ainda quando sohrasse rasflo
aos contemporneos pura censura'om o
Exm. Sr. Penna polo fnclo de lor sabido pntado pelo Maranhflo contra a vonlado do
ministerio que nflo do*ejava ver figurar na
chapa dos dopulados lelas provincias os no-
mes dos seus respetivos presidentes, nflo
era por tal modo que ileviam manifestar a
sua d'sappovanflo. Nflo era, enfeixando
tantos docslos,amnntnnndo tantos captu-
los de accusanflo.-revolvendo por modo tflo
aerioionioso e pu"g-nle o nassa lo, ( que
t po' conveniencia do quasi to 'os os nos-
sos homens pblicos so devo respailar ou
antes olvidar ) que devi un reprovar um
acloque, absoltitainniiio considerado, inda
implica com a regulando lo da marcha go-
vernalva, para quo d'elle se lizesse tflo
giaode escarceo.
Isto posto, vejamos" se ha rasflo pira que
sejam Incluidas de jesuticas as doclaraces
que f,-/. oSr. Penna nos perioJicos do Ha-
rniiliflo, e em c gos, do quo nflo queria ser incluido na
lisis dos depuUdos assembla geral.
Mullo antes d'essas declaranos, tratou-
sede um eilebre convenio ( que felizmente
so nflo pffectuou ) com o fim de ser aJmit-
tido na chapa um candidato do um dos
grupos da opposicflo; eninguom ha qu nflo
saiba os extraordinarios esforcos que fez
o Sr. Penna para que esse arranjo tivesss
lugar, e quo, se assim nfloaconteceu, foi po-
las exigencias inconcessivois que lizeram
cortos influentes d'esse grupo. Ora, pela
admissSo do candidato opposicionista fi-
cava sem duvida nenhuma excluido o Sr
Ponna ; ( 1) log onde osla o seu jeiurttsmo
tiabalhando afincadaiuonto para que, so-
gundo osdesejos da cArte, ( mas contra os
interesaose a digoidadedo nosso pan ido i
entrasso o Sr. Joo Pedro Vieira candidato
da opposindo?
^clll se crcia que o Sr. Penna Osera inserir,
opera ronilar, aquellas dcclarafes nos Jor-
nes, eqne particularmente mostrassea qucni
quer que seja desejos em contrario; porquan-
to son.os teste inunha de que elle repetidas
vezes in-luu com ns iiirinhius mais inllucntes
do nartido beiutcvi para que n.io votasacui nel-
lc, dlzeiido-lhcs que, se proinovcssem asna
cleio, longc de o obsequiaren!, Ihe fariam
grande desservifo Desaliamos que appareca
alguem a quem o Sr. Penna desse a mais leve
demonstrado de querer votos para deptado
pelo Maranhflo. As instancias por elle fcitas
junto do Sr. Angelo Muniz, presidente da com-
inlssao central do partido bcmtevi, fram rei-
teradas a lodos os ouiros iiienibros. Em con-
seiiuenei.i disso, rcunirani-se as pessoas mais
Influentes do partido ; e, depois de ventilada
a materia, asseutaram de o incluir na chapa
a em damonstracao do apreco em que luihaia
o ervifoj por elle prestados nesta provincia
a bem da.cSisa do ordem e da inonarchia >
sem embargo da renuncia expressa que S. Eso.
iera da candidatura. Eis como se passaraiu
as cousas,eis a verdade do facto.
Em taes circumstanclaque mais poderla fa
zer o Sr Penna para nao ser votado ? Que mais
provas da sinceridade de auas Inlenjes porfe-
rao exigir aquelles meamos que o censuram ?
Reconheceuios e applaudimos as boas inten-
coes do governo, quando declarou aoa presi-
dentes que verla com dcspraitr as suas candi-
daturas pelas provincias que Ibes estavain en-
tregues ; porm nao demos tanta lat lude a
esses dtujoi que o tacamos cahir no erro equi-
valente de querer obrigar una provincia a nao
eleger este ou aquellc individuo que ella en-
lendc dever Hornear como seu representante.
Tanto Valeria, nesse caso, torear o cidadfloa
eleger este un aquelle dcicrniinado individuo,
ciuii'i inipedi-lu de volar uesl'oulro que merece
as suas synipatliias.
O parlidn beuilevi, votando no Sr. Penna
para deptado asseiubla eral, obrou um
acto de sua milito livre voqtadc;nao ceden a
consideraees orrullas;quii dar tima pror.i
de grallrtao ao Sr. Penna pela sua Ilustrarla
administraran nesta provincia e pela ana dedi
cacao A causa da ordem e da inonarchii: qui/.
ansegurar-lhc um lugar na rrpresentacao na-
cional para elle ah se defender peranle o pai
das injustas argnlcocs que llie Cuchi os c.itu
cas pelos acto da sua administrarlo em Per-
111" llili'u
Somos tflo explielti, porque imgoi-nos em
verdade ver lio injiislamenlc maltratad por
doiiac'iiiprV da iniprensa gnyernlsio um ci-
dadao que lo valiosos servics tem prestido
nesta quadra melindrosa que rolen lemos ser
a da regeneracao da inonarclii.t.-rc tanta mais
injusiainentc,f|ii.inl<> esse seto por qu- elle lie
censurad., nemscquO dependen da% Sua vonla-
de, anles leve a sin formal rcprnv.cau !
Se acreditim os contedporanena que oirtrOl
fdrain os motivos porque nparlido bentevl i Ir-
gen oSr Penna, deveniMas dissnidir-se. por-
que eate partido tem conslanleiu-nte dado pro-
vas de que se nao suliinetic < in/lurncint do
poder quando est lie arbitrario e avesin aos
i n le r esse da provincia; c se nao, h.iji vista
ao inelralliador que, para vencer, teve de re-
correr s bayonetas c ao emprego de meios os
mais infames e violentos de que jmala um go-
verno honesto lancou nio.
Os contcuipnraneos fallam na versalilldadr
poltica do Sr. Penna. Nao seremos nos quem
vamos apretent ir us actos da sua vida preter-
la, procurando defend--los das argulciVs que
Ihe fazcm o llrasii e o Cnrrciodn Tarir. Talvni,
porm, que, se qui/.essemos entrar nesta odio-
sa indagando de revolver o p.\ssado, nos nao
fosse diinc.l mostrar que o Sr. Penna prestar
mi.....bous serviros a pa7. em vlrtude uos
seu* modos pacatos e da sua inansido. K
do mais, aeh.imos impoltico que. na occasiao
em que se trati de regciicrao pala, e em que
um governo IIInitrado proclima principios de
Inlernneii, se vi esquadriohar, em desproveijo
da causa publica, o paasa lo de um cidadao
prestante que, como qur que aervisse sol
dillerenlcs adiiiinistraci'ies, minea fui persegui-
dor,minea scconsliluio inslriiincntocegnd.i-.
ootadi ou capricho de qualquer partido,
mereccnilu por isso como
  • iicii do llra'il, ser acolliido peto ministerio
    de 29 de letcnibro e elevado s poicJrs nial
    liourosas e delicadas. .. I.ouvores sejim dados
    a esse ministerio que tem sabido pelos seus
    actos cnnvcrtrr cm verdades pralicasos Pr,'>-
    elpios do seu prograinmi. Me assim f.w.endo
    que e adquir- jii3 a dirigir o destinos da
    nacao.
    Lastimamos que, tratando desse assiimplo
    sem as netearla informues, nos eolloeas-
    sciii os illustres redactores do B'-ltilt Corrrio
    da Tarde na dura uecessidade de protcstir con-
    tra a injuslip que faictn ao digno ea-presloen-
    ledesta provincia ; mas he isto um dever de
    Ir ildade .1 que nao podemos faltar.
    Os amigos do governo acluil.que milito es-
    pontneamente o elegeram representante du
    naco, nao podcui deixar de resentir-se vendo
    1S0 desligurado e tan Injustiiiienle interpre-
    tado este faci que alia tere oiigem nos sen-
    timenlos mais nulires.
    lileiio como foi lambem pela provincia de
    Min.is-Oeraes, onde teve o seu nasciinento,
    devora o Sr. Peona rcprcsenta-la deisando de
    fier parte da deputacao maranhense na qual
    he substituido pelo nosso honrado amigo e cor-
    religionario o l)r. Jos Thoinaz dos Santos o
    Almeida ; e assim fica redusida una simples
    deinonstracao de estima c conlianca a votnrao
    dada S. tac.
    Nunca pensamos que della nascessem os des-
    gostos que i*. Ec. devem ter causado as in-
    justas e desabridas censuras, de que temos
    feilo menr.flo ; mis,anda assim,estamos cortos
    de que S. Exc. sibera aprecia-la far.eudo com-
    pleta iustica s intenedes dos seus amigos.
    (O Jfrianrfcirf*.)
    Gravitiima irjutlica feila ao rxm. Sr. Her-
    culann Ferreira l'enna por dout peridicos
    oovemitut do Mo-de-Jauciro.
    Em dous jornaes da corte, o Bratil e o Cor-
    reto da Tarde, que merecen! toda a nosss es-
    tima, puxque, cooibalendu as mesmas fi-
    Iciras, suslcnlam com denodo e pericia os
    principios conservailoios da inonarchia
    (constitucional, encontramos um artigo so-
    bre a candidatura do Exm. Sr. Ilerculano
    Ferreira PBn PU provincia do Msra-
    (1 )Em varias conferencias quetiveram
    lugar para so firmar o lal convenio, ao qual,
    dadas certas condic/tes, annuiam os che-
    es do partido bmti vi. s em ^lennflo ao
    Sr. Penna 0 aos desejos manifestados pelo
    ministerio, ouvimos sempre eslas pala-
    vras a S. Exc.: Os senhores me teem
    consUnlemenle dito que desejam votar cm
    mim ; pois cu declaro que nflo aceilo, e
    em meu lugar peno que voteui no nr. Joflo
    Pedro; d.sso modo ficarei satisfeitissimo
    decumprir os desojes do governo, concill-
    ando at certo ponto os interesses dos par-
    tidos,
    ALAG0AS.
    Entrarlo do expediente do Exm. Sr preside'
    le Dr. Jos Denlo da (unha r Figueiredo.
    29 I>E OUTTBItO.
    Olllco. Ao inspector da lliesouraria da
    fazenda, para que exija da alfiin lega desla
    cidade, e remella com brevidado ns mfor-
    manoesdo que traa o aviso do ministerio
    da fazenda com dala de 10 docorrente, que
    por copia se Iho remelle.
    Dito. Ao mesmo inspector, para man-
    dar adiantar ao capitflo commandiinto do
    contingento da guarda nacionil destacada,
    Malhhs (ornes Pereira Jambo, aquanlin to
    2fi0,720 rs. por conla dos vencmentos do
    que tratam os prets que se Ihe remetlou, de
    20 a 31 do corrente, e do primeiro a todo
    seguiute mez de novembro.
    Diio. Ao alferes commandanto do des-
    tacamento de Jacuipe, dizendo-lhe que pa-
    ra all marcha com urna forca o capitflo de
    guardas nncionacs Malhias Gomes Pereira
    Jambo, ao qual (lcar o mesmo alferes su-
    bordinado com o destacameuto do sen com-
    mando
    Dito. Ao capitflo do porto, ordenando-
    Ido que remeita urna copia do ornamento, da
    obra do lelheiro.quc ncompaniiara o seu of-
    cio de 29 de selembro prximo roturo.
    Dito --Ao mesmo, iransniltiodo-llie por
    copia o aviso do tli do corrente. afim de que
    Ihe d de sua parlo a devida execunflo, pro-
    curando engajar individuos para o servijo
    da armada, e remolindoos a piesulcncia
    para Ibes dar o convenienlo destino.
    Dito. Ao mesn.o, para que ue ordem
    que os homens alistados para o servico do
    mar no dislricto de Jungu se prestem
    promplamenle ao chamado do subdelgalo
    do friendo distrieto, afim de serem empre-
    gados nas rondas noturnas.
    luto -_ ,\(i alteres enrairegado do depo-
    sito de arligos bellicos, para entregar ao
    capitflo de guardas nacionacs M ilhias Co-
    mes Pereira Jambo t granadelras, e outros
    tantos ctrreiames o bornees, bem como
    lalOcartuxos e 108 pedras de ferir.
    mo. A cmara municipal da cidade das
    Alagoas, decidinlo o conflicto na musira
    suscitado nas sessoes de 8, 9 e 10 do cor-
    rente.


    (JSM
    "2!
    :io.
    Oficio. Ao alferes encarregado do depo-
    sita ilo artigo bellicos, delerminando-lde
    ciii''di> consumo aos novo barris cilios do
    irein om vez de polvoia, que exitem no
    deposito a sen cargo, como participa em
    i IB ci de liontem. preeedendo uin exa-
    mo peruile a commissflo de ulliciaes, nesta
    dala nomeada.
    Hito --AoDr. chefe de policio, para que
    luja do proemlcr por si o reos di-legados d
    sua juiisd ceo ao engajamentn de menores
    e homeni aoostumados a vida do mar, pa-
    ser viren* na armada imperial, como esige
    o aviso do ministerio da mafiliha com data
    de 16 do corrente, que por copia se Ihe
    envi.
    Dito.-- Ao inspector da thesouraria de
    fazenda, transmit indo-llio por copia o avi-
    so do ministerio da niarinha, datado d 16
    do crranle, qilfl auorisa a despeza de pre-
    mios aos engajados para o seivieo ta arma-
    da imperial, e manda sarcar lettras sobre a
    intendencia da niarinha da corte.
    hito.--Ao inspector da thesouraria pro-
    vincial, devolvendo-lho a infrmatelo da
    'onladoria da mesnia lliognuraria, e aulori-
    sando-0 pra mandar pagar ao padre Fran-
    cisco Antonio Pereira Bastos o que g" lira
    eleve de >eu ordenado con.o eapellAo dcJa-
    C' pe, obrin ndu-se ello por meio de Tune*
    idnea a reslilUT a quaiitia que recelier, no
    caso i'c que a BSSfmhla provincial, a quem
    devora tecoirer, nao he ledra Tavoravel-
    Riente. I>a mesma forma eeom igual cau-
    tela mandara pagar o que so dever eos coad-
    jutores da provincia que Ihe o requereiem
    Dito. -- Ao juiz de orph&osde llacei, pa-
    ra que a vista no aviso do ministerio d tna-
    nnlia do 16 do corrente, que i or copia se
    Iiio remello, envi o numere quepoJrde
    menores para o servido da armada
    lio mesmo teor aos juizes de orphfios da
    provincia.
    luto. -- Ao cepillo do purto, para que
    i'i i v embarcar os praucbOes de amarillo
    que lem no porto desta cidade Manoel Lo-
    pes Machado, visto os haver tirado das mal-
    tas desla provincia em virtude de licenca
    do governo imperial.
    Hito. -- Ao inspector da thesouraria de
    l'a/enda, para mandar entregar ao ex-alTe-
    res do commissffo Antonio Jos da Fonseca
    a quanlia do 301,200 rs., importancia do
    jirel que se Ihe remelle para pagamento do
    i". | rac,as de guardas nacionaea em servico
    na povuac/io de Agoa-liranca.
    i:m
    ALFANDEGA.
    RendimentO do dia 30.....15:431.833
    BF.NDIMENTO NO HEZ DE NOVEMBBO DE
    1849.
    Rendimento total......314:963.391
    HeslituicOcs........ 639.4:.
    314:323,942
    ^ENAMBUC
    BAl.A.NfO D\ RECEITA E DESPEZA l)A CA-
    MAItA MUNICIPAL DO RECIPE NO HEZ
    DE.NdVI MllllODE 1819.
    feceila.
    Imposto do 2,000 rs. so-
    bre mscales e hoeetei-
    ra*, ns. 17 a 24.
    Cordeaces e licencas, ns.
    19 a 23.
    Alugii' I das lojas da pra-
    ?a da Independencia,ns.
    18 a 21.
    Pito da praca do morcado
    da freguezia do S,-Ju-
    s, n 1.
    Foro, n. 1.
    Mi. I la om virlu lodo i."
    da loi de 19 de agosto
    de 146, n 1.
    Dita por itif'accfles de
    postura di freguezia do
    Berilo, ns. 5 a 25. v
    Dita por mTiac iVs de
    posturas da freguezia
    do Sanio-Antonio, ns.
    Ga8
    Dita per itiTrarcAcs de
    posturas 'ta treuup'ia
    do S.-Jos, ns. 12 a 28.
    I)jln por mi iccfles de
    posturas da freguezia
    da Ba-Vista, ns ti
    al*.
    Dita por nfraoQoes de
    posturas da freguezia
    .los Afolados, ns. 1
    a 13.
    16,000
    48,000
    1:631,800
    205,000
    1,980
    100,000
    220,000
    14,000
    213,000
    28,000
    Direitos deconsumo........307:918,284
    Ditos de 1 por cenlo de reexpor-
    tado para os portos eslran-
    geiros................
    Ditos de 1 por cento de reexpor-
    tacHo para os purloi do im-
    perio ...............
    Expediente de 5 0 dos gneros
    com caria de guia........ 453.67*
    Dito de meio por cento dos gene-
    ros do paiz............
    Armnzenagem do i por cont das
    mercadorias..........
    Premio los assignados de meio
    por cenlo .............
    Multas calculadas nos despachos
    Dilas diversas,romo do livm a B.
    Emolumentos de certidoes co-
    mo do livro a II.........
    Imposto* dos despachantes ge-
    raps. como do livro a (1. .
    Fciiio dos ttulos dos meemos,
    dos eaixeiros despachantes o
    ajelantes titos..........
    Tasa do sello dos mesmos. .
    25,920
    69,162
    272,436
    698,261
    3:507.086
    432.356
    816,000
    17,960
    100,000
    12.000
    8U0
    Transporte .20:844.798
    Sello de herancase legados 1:992.547
    Impostas sobre fabricas do chapos 12,800
    lojas de fazondas 38,400
    I in pos tos de 20 por |0 sobre
    agurdente de consumo 765.600
    Multa por nfraccao do legulamento 200,000
    da decima 70,316
    Juros
    Mesa do consulado
    novembro de 1849.Pelo escrivflo, Joti Ca-
    raleante de Atbuqutrqut
    1___I____i_________-- 1----- U.
    Vlovimento do Porto.
    Navios entrados no dia 30.
    grande o inglez Roberto llanca, e Clara
    Joaquina da Conceicflo, por correccJlo:
    do subdelegado do primeiro dislriclo da
    freguezia dos Afogadol, o Porluguez Joa-
    qiiim de Almoida Guedes, o Pedro Selesli-
    iio, por corrccQo.
    O suhtMegado do segundo dislriclo da
    inesina freguezia participou-ino que hon-
    19,889 tom havia encamado no logar da Torrea
    .-. margem do rio Capibaribe un cadver
    23:944,370 quo, visionudo, nada appresentou que desse
    provincial, 30 do indicios de ler sido assass'iido ou toreado
    a sfoga'-se ; asslm como que ao depols se
    reconliecra sor o mesmo cadver de um
    feilor de l.uiz l'ereira Raposo, que se afog
    ra por nto saber nadar.
    Dos guardo a V. Exc. Secretaria da po-
    lica de Periiambuco, 97 de novembro de
    1849.Illni e Exm. Sr. Honorio H-rmlo
    Arscaly 13dias, escun bragileira Hara- Carneiro Lefio, concelheiro de estado, pre-
    Firmina, de 122 toneladas, capilo Jos sidouto dosla |i
    provincia.O chefn de poli
    Uei nardo da Roza, equipagem 10, carga ca,^/eromjmo tlartiniano Figurn di Mello.
    couros. sola e mais gneros; a Jos An-
    tonio Bastos.
    San-\i;.|h, us 17 ilins. sumaca brasileira
    Helia-Carolina, de 89 toneladas, capilo
    lllm e Exm. Sr. I o rain honlem presos :
    miaa ordem,Miguel Concalves de Farias.
    porcorrecc.no: ordem do subdelegado da
    de S.-Frei-Pedro-Concalves, o
    Joaqun, Baptista Pili*, equipagem 7, ^ *,,.,.,. |l,ini9oparll
    as seguintes especiet:
    178:861,965 !u.,29.0
    135:46:.977(J,*,3J'J*-
    l
    145:793,394
    168:530,548
    Em assignados.
    Em diubejro. .
    Kendimcntodo mez de novembro
    de 1848. .
    Dfferenca para mais em 1849
    46,000
    2:523.780
    Bataneo a favor do procurador. 205,114
    Reis 2:728,894
    Detpeza.
    Ao procurador la cmara, saldo
    qup leve a scu favor no halando
    dcoulubro. 18,305
    Ordenados e commissio lo mez
    de outiibro, n. S. 937.094
    Expediente, ns. 1 e 2. 52,540
    Jury, n. 2. lo.nno
    Linipeza das mas, ns. 11 a 20. 157.880
    Eventuaes, n. 4. 14,000
    Extraordinaria (divida psssiva
    pretrita) n. 2. 217,015
    Autoi isad pela presidencia dita,
    n. 1. 1:322,060
    Ris. 2:728,891
    Contadorta da cmara municipal do Re*
    cife, 30 de novembro de 1819.
    O contador,
    Manoel Gregorio da Silva.
    VOTAC'AO PARA DOL'S SENADORES,
    couef.io no pao no alho.
    os sns. votos.
    41
    SS
    38
    :it
    sa
    24
    22
    a
    13
    3
    1
    1
    Manoel Vieira Tosa
    Manoel de Souza Teixcira
    Antonio Joaquim de Mello
    Domingos Mlaquias de A. P. lerreira
    Uonsenlior Franciaco Muniz Tavares
    Barfio da Boa-Vista
    Venancio llenriques do Rezcnde
    Antonio Corroa Seara
    Manoel Ignacio Cavalcanlo le Lcenla
    Antonio Carnciro Machado Ros
    Dr. Pedro Francisco de Paula C. A.
    Hispo Manoel Ilud igues do Monte
    Vigario Francisco Fcrreira Brrelo
    COLLRGIO no seaisvAF.M.
    os sus. VOTOS.
    Bar^o da Boa-Vistn 24
    Manuel de Souza T^ixeira n
    Mai oel Ignacio Cavalcanle do Lcenla 34
    Venancio Delinques ue Btzeiuiu 24
    Antonio Joaquim de Mellu -2i
    .Mousenbor Francisco Muuiz Tavares 24
    Alfandega de Pernambuco, 30 de novem-
    bro de 1849. O escrivSo, liento os l'er.
    nandei Barros.
    IMPOBTACA.
    Laneashire-Witch, barca ingleza, vinJa de
    Livorpool,entrada no mez prximo paseado,
    consignada a R. Royle & C, manifestou o'
    seguinte :
    1 caixa com seis libras de moslarda e seis
    libras de queijo, 1 ancoteta carne. 5 dilas
    liegoas, 3 caixas objectos de botica, 1 caixa
    instrumentos do cirurgia, 1 pacote tuuci-
    nho ; a W. Bravo & C
    7 lenciies de chumbo, 60 caixas fainas de
    Flan Iros ; a Antonio V. da Silva Barroca.
    135 volumes razends*dealgodflo, 1 caixa
    fazendas de seda, 3 ditas dilas de linho, 3
    ditas dilasde lila; a II. Royle & C.
    4 pegas de cabo a Dowsley Si C.
    42 volumes fazendas de algodao, 3 caixas
    fazendas de linho o algodflo, 809 barns
    manteiga ; a B Jameisun S C.
    6 volumes lamidas do linho ; a J. Pater
    9 volumes azendas dealgodao; aKalk-
    iiianii & Irnilos. .
    5 caixas e 7 pedacos de machinismo; a
    J. P. Johnslun cV C.
    8 caixas mudezas, "1 dita pixc, 3 varaes
    para carrinlio ; a II. GibSOO.
    24 volumes fa/enda dcalgodo; a Rus-
    sell Mellors & C.
    38 volumes fazendas de algodilo, 1 Tardo
    cobertores, 1 e ubrullio objectos para es-
    criptoiio; a A. Huwie & C.
    401) barns de plvora ; a Fox Brothers.
    10 loneta las, 17 quintaos, 1 arroba e 20
    libras de ferro, 420 fogareiros, 8 banis for-
    rageus, 15 correntes ; a Junes Paln S C.
    12 fardos luna de algo 13o, 2 inos fazen-
    das de algodAu ; a J. Cmblree & C.
    8 v.duiirs fazendas do algoJu; a D.
    Yuule & 0.
    1 hairil barbante ; a E. II Wyatt.
    ti.n barra manleiga; a o-deui.
    . CONSUI.ADU GEBAL.
    Bendmento do dia 30.....2:239.237
    Diversas provincias...... 262,596
    carga farinhaecafC,; ancapilllo.
    Da 4m,sno ^^9^*5^1^^^,^^^^
    2:501,833
    RENDIMENTO NO MEZ DE NOVEMBRO
    DE 1849.
    Consulado dsele por
    cenlo 22:539,625
    Dito de 2 por cont 77,568
    Dito de 1|2 por cento 1,188
    --------------22:618,381
    Ancoragcm para fra
    do imperio. 4:028,850
    Dita para dentro do
    imperio 285,140
    --------------4:313,990
    Sello fixo 794,480
    Certidoes 17,360
    Caralaza 722.5J2
    Multas 714,458
    I.......-.!!
    29:181,191
    Rcstituices 229,050
    Divertas provincial.
    Dizimo do algodilo da
    Parahiba 847,629
    Dito Jilo do Ro-Cran-
    de-du-Norle 30,516
    Dito do assucar das
    Alagoas 542,676
    28:952,141
    1:447,821
    30:399,962
    Depsitos existentes.
    Dilos sabidos
    974,224
    3021,582
    O administrador,
    Joco Xavier Carneiro da l'unha.
    CONSULADO PROVINCIAL.
    Rendlmenli) ,1o lia 30..... 969,830
    RENDIMENTO DO MEZ DE NOVEMBBO
    DE 1849.
    Direitos de3i0 9:071,427
    Ditos de 5 *|. 3:981651
    Taxa f 727.6HO
    Capalazia 917,160
    Dcima dos predios uibaos 4:io.524
    .Mr i a siza dos escravos l:159.gno
    NoVoS e volhos direitos 120,256
    5,uoo rs. por escravo despachado 55,ooo
    Meio suido e sello dos ttulos dos
    ulliciaes da guarda nacional 183,400
    Entutumemos de passapoiies 7,800
    20:844,798
    nenie Joo Joaquim da Silva Magalllilcs.
    Couduz o Exm. n>arechal de campo
    graduado Jos Joaquim Coelho.
    Maini.fio 7 iiaa, tendo-se demorado no
    Cear 58ho-as para receber carvilo, va-
    por de guerra luasileiro D -Affonto. com-
    mandanle o capil3o de fragata Jezuino
    l.amgo Costa.
    Maranhflo e Cear 19 dias O do ultimo
    porto 9, patacho hrasileiro Josefina, de
    119 toneladas, capilSo Jos Ma'ia da Silva
    Porto, equipagem II, carga viudo e mais
    gneros ; ao capitflo Passagpirns, Firmo
    Candhlo da Silveira Jnior, I!, uto Anto-
    nio Esleves, Joaquim Francisco dos San-
    ios Silva e 7 escravos a entregar.
    Uin-ilo-Janoiro 20 dias, hrigue porluguez
    Gruiidao, de 274 toneladas, capitflo Fran-
    cisco da Silva Mola, equipagem 36, carga
    assucar, arroz e farinha de mandioca ; a
    Nascimcnto& Amoiim. Conduz 6 pas-
    sageiros para o Porto. Arrihou com
    agoa aberia, segua para o Pofto.
    Navios tahidos no meimn dia.
    Canal Brigne iugloz Manj-Hounsel, capi-
    lo John Bker, carga assocar.i)fi|
    l'.niaiiiii Barca ingleza Queen-oj-tke-lstei
    capitflo llcnry Domaille, carga carvflo de
    podra.
    Portos dosul Vapor hrasileiro Pernam-
    Imcana, commandante o primeiro-tenente
    Jo.'ni Mi ii io llemiques. Alm dos pas-
    sageiiosquetrouxe dos portos do norte
    para os do sul lova a sen bordo : para
    Macei, Antonio Jos Marlins e JoSo de
    Almeida Monteiro : para a Babia, Pedro
    de Aratijo de Argolo FerrSo com I escra-
    vo, Francisco Jos da lloclla Jnior com
    1 escravo, Caelano Vicente de Almeida
    Calvfio com 1 escravo, llicardo L. Coller,
    Domingos Jos da Silva Coulo Jnior,
    Balthazar do Araujo Aragilo Bulcflo com
    2 escravos, Joflo Sique>ra Lima, Juflo Egi-'
    dio Oliveira Mendes, i.oni;-> lo Muniz Bar
    reto, Antonio fo Araujo Aragiio Buicflo
    com 1 escravo, Jos Antonio FalcSo Bran-
    dflo, Podespio Marques de Araujo Goes,
    Delinque ,io Oliveira Ahreu. Guilbermino
    Marque* de Souza com escravo, Anto-
    nio Lopes Ferreira da Silva, Pe tro Ei'ifa-
    nio Soares. Luiz Filippe Sampaio Vianna,
    Juflo Ferreira de Moura com I escravo; Se-
    baslio Antonio i.ai iluso com 1 escravo,
    Arcbias Pedro de Meno/es com 1 escravo,
    Ailhur do Espirito Santo Monezes. Joa-
    quim Ferreira Bandeira com 1 escravo,
    Joflo Texeira do Oliveira Jnior, Antonio
    Joaquim Rodrigues, Liandro Ribeiro de
    Siqucira Sobral com 1 escravo, Theophi-
    lo 01-gano de Anlrade Oliveira com 1
    escravo e Joaquim de M-llo Rocha : para
    o Ro-do Junen o, D- Juan Puiggorio Igli-
    nas. ______
    do subde-
    Antonio
    Mara da Silva, sem que o motivo me fusse
    coimniiniciiilo : a do subdelegado da fre-
    guezia de S.-Ios, o pardo Manuel Joaquim
    da t.iinha, por crime de olTensas i hysicas
    O mesmo subdelegado da freguezia de
    S.-Jos coniuiunicou-me que honlem pelas
    quatro huras da larde (Ora giavemento fe-
    rido Manoel de tal com tres Tacadas que
    Ihe dera Appolinario de tal, que infeliz-
    mente p te evadir se.
    Dos guarde a V. Exc. Secretaria da po-
    lica de Poinambuco, 28 de novembro de
    1849.lllm. e Exm. Sr. Honorio Mermlo
    Carn i -'i' Lefio, concelheiro sidenti I-sta proviiicia. (IcheTe de poli-
    ca, ierumjmo Slurtintuno liyueiru di Helio.
    leclaraoes.
    Pela segunda secqflo da mesa do con-
    sulado provincial se Taz publico, que do da
    primeiro de dezembro prximo vindouro se
    principia a contar os 30 dias para a cobran-
    za a bocea do cofio da decima dos predios
    urbanos das Treguezias desta cidade e po-
    vo't.lo dos Afogados, do primeiro semestre
    do corrente anuo Bnanceiro de 1849 a 1850,
    e que, lindo este prazo, (iram subjeiios a
    pagar os proprietarios, alm do principal
    de sous dehitos, a multa do 3 por cento.
    Pela capitana do porto desta provincia
    ennvida-seaos mestres e consignatarios de
    navios mercantes destinados para as pro-
    vincias do Cear o Rio-Grande do no. te,
    quequizerem carregar para aquel'a pro-
    vincia violo luiiris com plvora, e para esta
    douscaixes, a comparecerem com brevi
    dado na mesmacapitania para ajuslarem o
    Tretedesses curregamentos.
    O arsenal de marinha admitid para as
    suas obras e obras do melhoramcnto do
    porlo serventes al o numero de 30, preTe-
    rindo os livres a escravos, sen-lo o jor-
    nal daquolles 6(0 rs. por dia e (lestes560 rs.:
    os pietendeutesaprosenlem-se no lllm. Sr.
    Inspector.
    Companiiiadc Beheribc.
    A adininislracflo da companhia de Bebe-
    ribe manda Tazor publico que vai substituir
    as 5 apolices ue ns. 131 a 135, perlencen-
    tes ao Sr. Justino Marlyr Corris de Mello,
    lo poder de quem se desencaminharam,
    como Tezcerlo por annuncios publicados
    nos peridicos desla cidade. Se ditas apo-
    lices se conservan! em poder de alguma
    pessna queleuba de reclamar contra a sulis-
    tilun;ao, dinja-se ao escrplorio da com-
    panhia dentro do prazo do 30 tas, conta-
    dos desta lata; lindos os quaes, se Tara a
    substituidlo, e serilo consideradas nullasas
    primeirasapolices dos roleridos nmeros'
    Hcparti^ao da polica.
    lllm e Exm. Sr.Segundo boje me foi
    communicado pelas partes diarias, consta
    leroni sido presos : minlia ordem o me-
    nor Manoel dos l'assos, em consequencia
    de ser vadio, e assiru o haver requeridlo sua
    mfli : ordem do subdelegado da freguezia
    lo S.-Frei-I'edro-Cooijalve, o pftlo Nica-
    cio, escravo de Saluslianno do Aquino Fer-
    relra.por lrsiioencontrado com um com-
    passu do ca pina ; o marujo portuguez Joa-
    Gu.ilb.erme, por se .acar com urp caaivele
    Theatro de S.-Francisco.
    DOMINGO, 2 DO CORRENTE,
    Grande galla,
    anniversario de S. M. 1. oSr. D. Pedro II.,
    ter lugar o seguinte espectculo.
    Dcpois de ser execulada urna das moldu-
    res overluras, dar principio o espectculo
    com o
    IIYMNO NACIONAL,
    canUdo peraote a efigie de S M. o Impera-
    dor,a quaI apparecera com a maior decencia
    possivel. Findo oque.representar-so-ha pela
    primeira vezo lindo drama em tres actos,
    vindo do Rio-de-Juneiro, que lem por ti-
    tulo
    O MINISTRO TRAIDOR
    ou
    o Iriumpho da imprima liare.
    Em seguida o Sr. Santa Rosa cantar a jo-
    cosa aria com as moldures e jocosas qua-
    dras
    O MSiCO CIIARLATAO'.
    Dando fin o espetaeulo com a bellissima
    Tarca tamben* vinda do Rio-de.-Janeiro
    O CASAMENTO POR MAGIA
    ou
    o flauta mgica.
    Todo este diverlimento lem merecido os
    mais decididos applausos nos theatros do
    Rio-Je-Janeiro. Os encarregados da imite,
    para darem mtis valimento e realeo ao es-
    pectculo, dedicam a execuefio do drama,a
    briosa oflicialidade de lodosos corpos,. e
    contain com as suas respeitaveis presen-
    tas, para tornar-se mais pomposo o anni-
    versario de S. M. o Imperador.
    A edegada do Exm. Sr. presidente e do
    Exm. commandante desarmas, principiar
    o espectculo, o qual ser annunciado por
    gyrandola de Tugo do ar.
    O theatro estar decentemente ornado, e
    com a niuiiiinaco augmentada.
    N. B. Os bilheles de camarotes ( s res-
    tan) quatro) o platea acham-se venda ua
    Casa do Sr. Santa Rosa
    lo, Manoel Marcianno Ferreira.
    FaraasilliasdeSaji-Miguel
    Terceira e Fayal sahir breve-I
    mente a escuna poriuguoza Favorita, Torra-
    da e pregada (le cusir, eapiliio Antonio Jo-
    s'Medeiros: para carga bu passagoiros tra
    tase defronte do Trapiche-Novo, n. 6, com
    Tpomaz de Fa'ia.
    Para Rio-de-Janeiro soguo viagern
    com tirevidado o (nigua hrsi4oir San-Mu-
    noel-Augusto, capitilo Jos nior : r. cotie carga a froto, escravos e pas -
    sagiros: quem pre-tenter embarcar, onteu-
    da-socomo dito capitno, ou com Manoel
    Ignacio de Ohveira, na praca do Com mr-
    ito, n.6. primiro andar.
    hiato Ftor-de-pururipesaho imprete-
    rivelmeulenodia 8 do corren i e :,quem no
    mesmo quizer erregar, ou ir de passacem
    dmja-sea ra da Cruz do Recife, n 82.
    Para o Hio-de-Janeiro se-
    gu com toda a breviiladc, por ter
    grande parte de seu carregamen-
    to prompta o brigue nacional A-
    datnasior, forrado e 'pregado de
    cobie, e de exc. lenle marcha :
    quem no mesmo quizer carregar,
    ir de passagem ou embarcar es-
    cravos, entenda-secem os consig-
    natarios, Machado & l'inheiro, na
    ra do Viga'io, n. lg, segundo
    andar, ou cos o capitSo, Antonio
    Coelho lUbcito, na prara.
    Le i I oes.
    Bichard Royle fara leilSo, por inter-
    venijo do roneidr Oliveira, de grande e va-
    riado sortimento do fazendas ingleas, as
    mais proprias do mercado : segunda-Teira,'
    3 de dezembro s 10 hora* da mandila, no
    seu armazem da ra da Cadeia do Recife.
    J. O. FJster fai leilSo do seu eatabe-
    lecimento de viudos, conservas o outros
    objectos em grande sortimento, segunda.
    reir, 3 de dezembro, s 10 horas da ma-
    ndila, no seu armazem da ra da Cruz,
    n. 51.
    C. J. Aslley & Companhia Tarso leilSo,
    por iiilerveiiQo do corretor Oliveira, de
    parte de um rarrogamnto de ptimo ta-
    imado de pinho de differenles grossuras e
    dimcnsOes. prximamente chegado a este
    porto : lerga-feira,* de dezembro, as II hu-
    ras da mandila em ponto, no seu armazem
    por detrs ilo theatro publico, o vnlho.
    Avisos diversos.
    --Os encarregados da noite do dia 3 de
    dezembro do theatro de S.-Franciscoavisim
    ao respeilavel publico queaSra. I). Emilia
    far mimo por desempeiihar o papel de pri-
    meira dama, a qual espera do respeilavel
    publico s malor protecQilo no seu desem-
    penho.
    ,vsiutWvkl w
    v^ IDA----=SV l/
    Avisos martimos.
    Para o Porto deve sahir
    com muita brevidade, por ter
    grande parte da carga contratada,
    a nova e veleira barca porlugueza
    Santa-Cruz : quem quizer carre-
    gar ou ir de passagem, para o que
    tetn excedentes comtuodos, diri-
    ja-se ao capito, Joo de Oliveira
    Leite, a bordo, o ao seu consig-
    natario, Francisco A Ivs da Cu-
    nha, na ra do Vigario, n. it.
    Para a Badia saho, em poucos dias, a
    sumara Flor-do-KngtUm, mostr Bernardo
    de Souza, por ter a maior parte da carga
    nrompla : para o restante e passageiros
    Irata-se com o mesmo mostr ou com l.uiz
    Jos de S Araujo, na rns da Cruz, ti. 33.
    Para o Porlo sahir impret-'rivelmente
    por lodo o mez de dezembro o brigue por-
    tuguez Venlura-Fr.lli, Turrado, pregado, e
    encavilhado de cobre, eapito ZeTerino
    Ventura dos Sanios : para o resto da carga
    0 passageiros, aos quaes oQYrece encllen-
    los commodidades, trala-se com o consig-
    natario, Joaquim Ferreira Mendes Guima-
    res, na ra da Cruz, n. 49, primeiro an-
    lar, ou com o referido capilo na praca do
    Commercio.
    Para o Rio-de-Janeiro sabe, no domin-
    go, 2 de dezembro, a veleira escuna Galn-
    te-Mara : ainda recebe alguma carga, Bem
    como passagoiros e escravus a frote, para o
    que tem bous commodos : a tratar na ra
    do Vigario, u 22, com Silva & Grillo.
    Para o Cea ra segu viagem com brevi-
    dade, por ler alguma carga engajada, a su-
    maca nacional Carlota, mestre Jos Goiical-
    ves Simas : para o reatante da ergs a p.s-
    sagoiros Irata-se com o mesmo mostr, ou
    com Luiz Jos de S Araujo, na ra da
    Cruz, n. 33.
    Para o Rio-de-Janeiro se-
    gu no o dia 6 de dezembro o bri-
    gue-escuna Olintla: para o resto
    da carga, passageiros e escravos
    a Ir te, Irata-se com Machado &
    l'inheiro, na ra do Vigario, n.
    1 y, segundo andar, ou com o cjpi-
    BOWMAN & MC. CALI.UU, engenta-
    ros machinstas e Tundidores de, foT>o, mu
    respetosamente annunciam aos Senhores
    proprietarios de engendos, Tazendeiros, mi-
    neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
    peilavel publico, que o seu eslabejecimento
    de ferro movido por machina de vapor con-
    tinua em effeciivo exerejeio, e se aclia com-
    pleamon lo montado com a pnarelhos da pri-
    meira qualidade para a perTeita conTvC(So
    das mainres pecas de machiuismo.
    Habilitados para emprehender quaesquer
    obras da sua arte, Bowman & Me. Callum
    desejam mais particularmente chamar a
    altenco publica para a sseguinles, por
    terem dolas grande sortimento j prompta,
    as quaes construidas na* sua fabrica pdem
    competir com as Tabricadas em paiz es-
    trangeiro, tanto em prego como em qua-
    lidade das materias primas e inflo d'obra,
    a saber:
    Machinas de vapor da melnorconstrucgilo.
    Moendas de caima para engendos do lo-
    dos os lmannos, movidas a vapor por agoa
    ou animaos.
    Rodas d'agoa, moinhos de vento'e serra
    riaa.
    Manejos indepeodentes para cavallos.
    Rodas dentadas.
    AguilhOes, bronzes e chumaceiras.
    Cavilhoes e parafusos de todos os tama-
    itos.
    Tai ias, pares, crivos e boceas de Torna-
    Iba.
    Moinhos de mandioca, movidos a mSo ou
    por animaes, o prensas para a dita.
    Chapas de Togilo e Tornos de farinha.
    Canos de Trro, torueiras de Trro e de
    bronze.
    Bombas paca)cacimba e de repuebo, mo-
    vidas a mSo, por animaos ou vento.
    Guindastes, guinchos e macacoa.
    Prensas hydiulicas e deparafusn.
    Ferrageus para navios, carros e obras pu-
    blbas.
    Columnas, varandas, grades e portoes.
    Prensas de copiar carias e de sellar.
    Camas, carros de mito e arados de ferros,
    4c, Stc.
    Alm da superioriade das suas obras, j
    geralmenle reconliecida, Bowman 4 Me.
    Callum garantem a mais exaeta ennformi-
    dade cornos mldese dezenbus remeltidos
    pelos Seuliures que se dignarem de Tazer-
    ides encommendas, aproveilandoa occasiAo
    para agradecurem aos seus numerosos ami-
    gse freguezes a preferencia com que team
    sido por ellos honrados, e asseguram-lhes
    que lia pup.riv oiorQOo 6 diligencia
    para continuaren a merecer a sua confi-
    an Qa. .
    Flix Venancio de Cantalice participa
    aos seus Treguezos que oiudoii-se da asa
    da ra Nova, n. 21, para a ra do Qurffc-
    do, n. 7, aonde os mesmos o charlo sem- ,
    ore prompio a desempenhar ludo quaub
    fr lendemo a sua prolissao.
    Vai para o Itio-de-Janeiro Antonia da i
    Cruz Freir P-droza, levando em sua com- >
    panhia sua ulna Auna Benedicta Freir Pe-
    droza, e urna sua escravade no me Joiepha,
    de ui^o Cabipda.


    m
    I
    A violeta n. 6
    achar-se-ha hoje a renda ao mcio-dia na
    toja d<< largo do Cnllopjo, n. 6 ; no Aterro-
    Ja-Bna-Vista, n. 58 ; eem inflo dos distri-
    buidores.
    Ppflsa-sfl de 200,000 rs. a premio de
    um e meio por tem o de um anuo e sobre
    flima : quem quizer dar annuncie.
    .- F. enrisco de PauU Pessoa, nflo poden-
    do pessoalmeole d<-spodir-so de todas as
    p.-ssots quf fizeram-D e a honra de visitar.o
    faz i>nr meodeste, oflerecendo-lhes seu di-
    minu" pr'Stimo na capital do imperio.
    precisa-se He odlciaes do alfaialn : na
    travista do Vigario, no Recife, tenda do
    Trajano.
    Roga-se aos Srs. Manoel Gomes Bar-
    lmza df Araujo Pereira, Jos Patricio de
    (rv|ho.'Joo Pedro da Silva, Francisco das.
    f hagas Mnniz, Juno Capistr-no Torres Gal-
    lindo, Alexandre Manoel de Mondonga, Jos
    joaqnim i'e Mendonga, Francisco Sabino
    Concalves da Fonseca, Antonio Rodrigues
    lurachit e Manoel Machado Revoredo, que
    vito pagar oque devem no Alcrro-da-lloa-
    Vista. n. 10, primeiro andar.
    Mr. Aloxsndre lleps e sua senhora,
    France7es, fetlram-se para a Europa.
    pn cisa-se de una ama para todo q
    servieo de casa de um homem solteiro ; na
    na da Cadeia do hecife, n. 11, primeiro
    andar.
    .- Precisa-s fallar ao Sr. Antonio Perei-
    ra Pinto de Paria ou a algum seu correspon-
    dente : no Aterro-da-lloa-Vista, n. 10, ou
    snnuncie.
    Aluga-se o sobrado da esqui-
    na que volta para os Remedios,
    defronte do porifto de Jos l'erei-
    ra da Cunta, n, 09, com um gran-
    de quintal e banlieiro : a fallar com
    Joa<|uim da Silva Lopes, ou com
    o morador da Ioja
    Ama de leile.
    Precisa-se de uma ama de leite Torra ou
    captiva : na ra Direita, n. 76.
    Jos Paulo Carneirn, cidadflo brasile-
    ro, retira-se para o Rio-Grande do norte.
    --Aluga-se o segundo andar da casa da
    na da Medre-de-lieos, n. 5, onde niomram
    os Srs. Johr ston Pater & Compauhia : a tra-
    tar na ra da Cadeia do Recife com Joflo
    Jos de Camino Moraes.
    Schafheillin & Tobler avisam ao com-
    mercio desta prca que o socio A. Schafhei-
    llin, lendo de tazer uma viagem a Kuropa,
    deixaa gerencia do seu estabelecimento ao
    Sr. G. G. Mei |ci, ao qual para esle flim pas-
    saram prneuracflo bastante.
    Fugio uma negra de idadc de 16 annos
    e Icvou vestido de algodflo azul mesclado,
    camisa d algodilozinho e panno da Cosa
    com mtame, chama so .Marianna, he tem
    fallante o suppoe-se andar aqui na cidade :
    quem a pegar leve-a ao pateo do Terco, so-
    brado n. 1, que se gratificar.
    -- Fu>tram, do engolillo Bom-Jesus, no
    dja 25 do prximo passado, um cavallo com
    um'par de ancoras, e um cdula de 20,000
    rs ; o cavallo he rugo-pedrez, o maior sig-
    na! que tem he ler quatro cruzes, endo
    duat bp'm visiveis, in na p direita e ou-
    tr8 noquarlo eaquerdo : qem o furlou foi
    um cabra de nome Jos, morador no enge-
    ndoArataiigi;julga-sa lerido para o nor-
    te: quem o pegar leve-o ao dito eogenho,
    nu so subdelegado da Gloria.
    Precisa-sede um caxetro hbil para
    cobrar dividas na praga, que seja solteiro e
    d fiador sua conducta: na ra do Cres-
    po n 9.
    Lava-e e engomma-se com lodo a per-
    fegfln, aseio e promplido, por prego mais
    commodo do que em outra qulquer par-
    te: na ra de Agoas-Ver des,n. 26.
    Precisa-se de um oflicial de barbeiro :
    a falla com Joaquim Jos Moreira, na pra-
    ca da Independencia, n. 10.
    --Quem precisar de um rapaz brasileiro
    para caixeiro de ra, ou para armazem, an-
    nuncie.-
    Constando ao ahaixo assignado que
    alguem nial intencionado se lem servido
    de seu nome rara com elle deitar annun-
    cros ueste jornal, declara que nunca assig-
    nou nem asaigna annuncio dequalquer na-
    tureza que nem de levo toque em o nome
    de alguem. ioao Alvn deSouza.
    Aluga-se uma esa no Cachang para
    se pastar a festa, com estiibana e cocheira,
    por preco commodo : na ra Nova, n. 63
    Os Sis. Galdino Lopes de Oliveira, Jos
    FianciscoMailnsdeAlineida e o acadmico
    Lobato Jnior, queiram apparecer na ra
    da Cadeia de S.-Aiitonio, 11.13.
    -- O Sr. Joflo Cyprianno Rangel queira
    ter a bondade de apparecer na ra da Ca-
    deia de S.-Anlonio, p?ra decidir sobro cer-
    ta cunta que S. Me recebeu.
    0 Sr. Inuocencio Xavier Vianna tenha
    a bondade de apparecer, para se contratar
    c-rto negocio que S. Me. nflo ignora, na ra
    da Cadeia de S.-Antomo, n. 13.
    --OSr Francisco Domingos Pereira tem
    uma caita na ra do Vigario, n. 19, escrip
    torio de Machado & Pinheiro.
    (.omina de engouimar.
    Vendeni-se saccas com gummis de en-
    gommar muito alva na roa do Queimrdo,
    11. 14, Ioja de ferragens.
    Deseja-Se saber onde resi-
    de o Sr. Joaquim de Figueiredo
    Lima, ou mesmo quem seja seu
    procurador tiesta cidade ou lora
    cklia, para se tralsf de negocio
    que lbe Jiiem respeito; quem sou-
    ber annuncie por esta folba para
    ser procurado.
    --Da-so pao de vendagem, offerecendo-
    se melhor conveniencia do que em outra
    partea.na ru do Rozaiiu larga, n. 48.
    llr. Joaiiuiuide Oliveira e Souza ens-
    na .ni sua esa no Alerru-da-lloa-Visia, n.
    82, a iraduzr, fallar e t-screver a ligoa fran-
    ceza, por Casa pailculares.
    Socedade Ilaruionico-
    I hcalral
    O primeiro secretario avisa aoaSri. so-
    cios que os bilhetes para a recita do 1 da
    dezembro do correnle anno se distribu* m
    no salflu do lliealru nos dias 29 e 30 de 110-
    vi-rni.ro das tres lloras da tarde em dianlr,
    e no dia 1.' al ao meio-dia, em o qual ae
    achir reunida a direcc.Ho para approvagflo
    de convidados. A direrglo previne mui po-
    silivamente que, excednndo n numero de
    pesoas abados bilhetes, ser-lhes-ha pro-
    hibido o ingresso : outrosim (e adverle que
    as senhoras deverflo aer portadoras de aeus
    bilhetes, afim do obstar duvidas, e o in-
    gresso para as galeaiaa em aanoites de es-
    pectculo aera das 7 1/2 boras em dianle,
    achando-se abertn o saldo desde s 6 horas.
    Par clareza se faz geralmante aeieute o
    artigo 21 do reglamento da sooiedade, a
    saber:.
    as galeras s terfo entrada, vindo
    com bilhetes. as senhoras eoa socios casa-
    dos ( ou solteiros quo sejsm, ou represen-
    ten) os cheles dr> familia ) que as aoompa-
    ntiom, e sem bilhete os membros do cun-
    colho e da direccQo, o os empregadot naa
    mesmas. Todava noa eulre-aelos, e t-
    menle pelo tempo que durarem, ser per-
    millida a entrada aos convidados que nel-
    Us lenham familia.
    N. B. No 'salito s terSo ingresso os
    convidados que lenham o compleme bi-
    hete de plleia.
    Lotera do Guadalupe.
    Se querem mais claro deitem-llie
    agoa.
    A's8borasda manhSa dodia i4
    do corrente me/, no consistorio d.i
    igreja da Conceico dos militares,
    andam impreterivelmenle as ro-
    das desta lotera, sej< qual fr o
    numero dos bilhetes que restem
    por vender-se.
    Aluga-se, pelo lempo de festa, um si-
    tio na estrada du Monteiro, perio do banho,
    com 6 quarlos, soto, eslribaria, cacimb
    e com bastantes arvoredna de fructo : a
    tratar na ra do Crespo, n.7,primeiro andar
    Aluga-se, pelo lempo da festa, um so-
    brado na Paasagem-da-Magdaten, juntos
    ponte grande, com 3 salas, quarlos, e as
    lojas com os meamos commodos, feito a
    moderna, com excellente banlieiro 6 duas
    cacimbas, todo murado : a tratar na ra
    Direita, n. 3.
    Aluga-se a casa terrea da rita
    du Ponte-Vellia, n. pA : quem a
    pretender, dirija-se ra do Tra-
    piche no lecife, armazem de as-
    sucar de Domingos Soriano Gon-
    calves Ferreira.
    -FranciscoXavier, Porluguez, retra-se
    para o Rio-de-Janeiro, levando em sua com-
    panhia uma criada de nome Francisca Fe-
    licidade do Nascimenlo.
    AGENCIA DE PASSAPORTES.
    Tiram-se pas'saportes para dentro e fra
    do imperio e despacham-se escravos: na
    ra do Rangel, sobrado n. 57.
    A pessoa que annunciou no Diario de
    29 do correnle precisar de *00,000 rs. a pre-
    mio com boas firmas, pode Jirgir-se ra
    do Sebo, n. 8, qu ahi se Ihe dir quem da
    agradando-Ihe asumas.
    Aloga-se o tercero andar O solSo de
    um sobrado da ra da Praia por 12,000 r9.
    mensaes, o mais commodo possivel : a tra-
    tar na ra larga do Rozario, n. 38.
    Deseneaminbou-se, nodia 2"- do cr-
    renle, da ca beca de um preto, um baln do
    sola preta J usado, contendo toda roupa
    de um odlcial do oitavo b.talhSo ; bem as-
    sim uma caixa de (landres com urna barre-
    tina: quemdomesmo souber, dirija-se
    ra de Apollo, n. 22, armazem de assucar
    quesera generosa-mente recompensado.
    Aluga-se a Ioja do sobrado n. 8 da ra
    largado Rozario, por 10,000 rs. mensaes:
    a tratar na mesma Ioja.
    Aluga-so uma casa terrea com excel-
    entes commodos, sita no lugar dos Coe-
    Ihos, ra doPrazei: a tratar na casa con-
    tigua a mesma.
    Alugam-sn duas moradas de casas em
    S.-Anna-de-Dentro, as mais proprias para
    se passara Testa, por serem prximas ao no
    Capibaribo: a tratar na ra Bella, 11. 28.
    -. Fre J080 Capistrano de Mendonca
    professorde geographia e historiado ly-
    ceu.onsina pelo lempo daa ferias rhetori
    cae potica, geographia e historia, ideolo-
    ga dogmtica, distoria sagrada e ecclesas-
    tca : as pessoas que quizerein estudar es-
    tas disciplinas, o poderno procurar na ra
    das Cruzes, n. 18, primeiro andar.
    Na ra Nova, n. o, preci-
    sa-se de um oQlcial de alluiate pa-
    ra concerlos.
    --Os Srs. Manoel Gomes Ferreira e Jos
    Jacintho Tavaros de Arruda teem Carlas na
    ra do Vigario, n. 7, primeiro andar.
    U bachrel A. H. de Torres
    Bandeira, professor adjunto de
    rlielorica e geographia no lyceu
    tiesta cidade, se propde a dar li-
    coes das mesmas disciplinas, e
    bem assicn de philosophia e tran-
    ce/. Quem de seu prestimo se
    quizer utilisar, pode dirigir-se
    ruaestreita do Hoiario, n. 3i, se-
    gundo andar.
    Acba-se a venda pelo diminuto pre-
    go de 3,000 rs. o muito divertido romance
    Palmiraoua ceguinha biasileira,. escripto
    em sete cantos, pelo doutor Francisco Bo-
    nifacio de Abreu : na ra da Cruz, no He-
    cife, Ioja de livros, n. 56; na praga da In-
    dependencia, ns. 6 e 8 ; uo Aterro-da-Boa-
    Visla, luja, 11 U.
    Pariaha de mandioca.
    Vendem-se saecas com farinha de man-
    dioca, de muito boa quaiidade, por ser fa-
    hricado na serra iMeruoca, perto da cidade
    de Sobral, por prego commodo : na ra do
    Queimado, n. 1*. Ioja e ferragens.
    Precisa-se de um ciixeiro que tenha
    Igns principios de pharmacia : na botica
    do Bartholomeu, ra do Rozario.
    Aluga-se um sitio na estrada dos AIIIic-
    tos, com boa casa e excellente agoa : a tra-
    tar na mesma estrada, com o seu propriela-
    rio, Joquitn do Oliveira e SouZa.
    Precisa-so de umcapellOo para a igro-
    ja da Senhora da Boa-Viagem, ao qual se
    lcasa, faz-sn boa conveniencia, 0 p com-
    ptenle parodio, alm de parlir os benezes
    do meta estolla. gratifica geueroaaoieBW
    a quem convier, dirija-se ao dito lugar, ca
    aa do Ihesoureiro, Joflo Jos de Miranda.
    Na fabrica de charutos do Alerro-da-
    Boa-Vista, n.'5, previsa-se deofliciaes de
    charutrird, pagando-se a 200 rs. ao eenlo
    'de charutos de carregago.
    A pessoa que por engao tirou do
    rorreio duas cartas, vindas da Baha no ul-
    timo vapor para Manoel Jos Congalves,
    tenha a bondade de manda-las entregar na
    roa do Queimado, n. 2.
    Precisa-se de uma ama forra ou cativa.
    para uma casa de pouca familia, que emen-
    da de cozinhar e engommar: na ra do
    Pilar, n. 72. enj.Fora-de-Porta
    Din-se 10,000 rs nv-nsaes de aluguel
    por un-a preta que saiba bem cozinhar, en-
    gommar liso e comprar oaarranjosde uma
    caaa de pequea familia: na ra da Floren-
    tina, casa da esquina defronte do theatro
    novo.
    Aluga-se a caaa do Aterro-da-Boa-Vis-
    ta, n. 84, com mullos commodos para um
    grande estabelecimento e morada inde-
    pendente.
    Jos Soares de Azevedo,
    prolessor delingoa france/a no ly-
    ria, superiores lingolgas do sertilo a320.rua da Cadeia do Refot Ioja df
    rs.a libra. J05o da Cimba MagalbSes, n. 51.
    Maya Ramos & C. Aos -20:000.000 de rs.
    com Ioja na ra Nova, n. 10, ac-, Na priC, j, intendencia, n. *. venlem-
    bam de receber de Lisboa um so bilhetes, meto*, q isrlos, oilavos e vi-je
    , .o ,i simos da M* lotera a beneficio das ina-
    sortimento de livms com as ae-J"" ,.0.je.JllIieiro. lN, nie,,a Ioja t.
    nominacoes seguidles : I mostra a data dadoacaonchmlips^_^a
    O Monge de Cisler ou a poca do D. Joo >^*.
    I por Alejandre llerciilano, 9 v. embroch.^
    HlslO'ia da revoluga.i franceza porThiers, j
    6 v. ornados ue estampas finissimas. |.
    Hstoria do grande ^apoleao, 4 v. por,
    Norvins. elraduzida em porluguez por.... ?
    O Secretario univers! porluguez, ou me- ^,
    thodo de earever toda a especie de cartas, ,
    seguido de um formulaiio de memories, Ifi
    requerimeiitosecarUs do commercio por, ^
    M.A.S. [0
    A vrgem da Apolona, 1 v., pelo conee-
    Iheiro Rastns. >
    MeditagOes u discursos religiosos, \ v,
    pelo mi'smo concelheiro.
    cen, tem aberto em tia casa, ra
    do Rozario larga n 36 segundo
    andar, um curso de Geographia f
    Historia e.ontro de Rhktorica e
    Potica. As pessoas que deseja
    rem estudar qaesquer denlas dis-
    ciplinas pdem dingir-se indi-
    cada residencia aqualquer hora
    DAo-ae 280.000 rs. a premio de 1 o meio
    por cento, por lempo de um anno, com hy-
    polheca era predio livre e desembarazad
    nesta cidade : na roa dol.ivromenlo, n. 34.
    ae dir quem d.
    Prerisa-se do um feitor : no sitio da
    espolia da CouccigSo, na estrada de Joo-
    de- Barros.
    Precias-ce de SoO.OOO rs. a premio com
    hypolhecaem bens de raz : quem quizer
    dar annuncie.
    D. Thoreza Emjlia de Medeiros Souza,
    viuva do coronel Joaquim Jos l.uiz de Sou-
    za, rogaque nenhuyn senhor d cousa al-
    guma por amostra, empreslmo, ou rnes-
    mn fiado as pessoas de sua casa, sem qu-
    preceda carta rogativa por ella assignada,
    sem o que nao ae rcfpoasabilisa por conta
    alguma.
    Precaa-se elugtrum prelo para andar
    vendendo fazenda pe\s /ua em um tabolei
    ro em companhia de-um homem : atraa'
    na venda da ra da Cadeia do Recife, n. 25.
    Modas francez is.
    M. Theard acaba de receber de Franga
    ora lindo sortimento de chapeos panrse-
    i. hora, lano de sada'como de palha aberta.
    todos muito ricos e de padrOes novos ;
    manteletes, capoUnhos, visitas o palitos d>
    senhora, lantodechamalote, velludo, gros-
    de Naplos, fil e de blonde, todos da ulti-
    ma moda de Paris; llores linas; capellas
    de flores para noivas e oulras de cores, pro-
    prias para theatros e bailes; enfeites de
    luvas; trancas de seda para enleilos, di-
    tudas 89 cores ; camisinhas bordadas ; gra-
    vatiuhas de senhora ; cinto com suas com-
    petentes ltelas ; cambraia de lindo ; fitas.
    ele. ; e sempre contina a fazer vestidos,
    loucas e chapeos com toda a promptidflo e
    asseio possivel, conforme os ltimos figu-
    i iiihos : na ra Nova, n.' 32.'
    Compras.
    Na Ioja de encadernagSo da praga da
    Independencia, n. 12; compram-se livroh
    usados, tanto francezes e portuguezes.como
    latino.
    fompra-se uma preta de naclo, moga,
    robusta e sem vicios, que enaomme, cozi-
    nhe solTrivolmente e seja desembsracadB
    paraoservgo deumacasa: n Bua-Vista,
    ra daMangueira, n. 5.
    Compra-se um sellim usado : na rus
    larga do Rozario, n. 26, lja de miudezas
    Compram-se 12 cadetras e duas ban-
    cas de Jacaranda : ha ra do Queimado,
    n. 14, 8edir quem compra.
    Compra-se um bastidor ou Ihear para
    menina : na ra larga do Rozario, u. 35,
    Ioja.
    Vendas.
    Folhmliiis.
    Na livraria da praga da Independencia,
    ns 6 e8, vendem-se as bem contiendas fo-
    Ihinhas impressas nesla lypographia, tan-
    to de (ortacomoedalgibeira.
    Vende-se um moleque de 7 para 8 an-
    bos : na ra da Cadeia do Recife, n. 2.
    Vendi'-se a armagSo da venda n. 46 da
    ra da Roda, com pesos e medidas, por pre-
    go muito commodo : a tratar no sobrado
    por orna da mesma venda. Na mesma casa
    tambem se alueam bichas hamburguesas
    da melhor quaiidade que existo no mer-
    cado.
    Vende-se uma preta de 18a 20 annos,
    de bonita figura, auo cozinha o diario di-
    urna caaa, lava peifeitamenle.com algum
    principio de costura e de engommar, pelo
    barato prego de 300,000 rs.: na ra do
    Queimado, n. 14, luja de ferragens, se dir
    quem vende.
    Vendem-se lingoas seccas do Rio-
    Crande, muilo boas e por prego commodo :
    na ra da Praia, armazem u 20.
    Charutos da Baha.
    Vendem-se charutos da Baha, chegados
    ltimamente, em porgues de 10 caixas par.
    cima a voutade dos compradores por ba-
    tato prego : na ra do Trapiche-Novo, n.
    18, primeiro andar.
    Cal de Lisboa.
    No Rio-Formoso, em caaa de Julio Jos
    Lopp. vendem-se harria com cal virgen
    de Lisboa de superior quaiidade, por pre-
    go commodo. ^*s
    Os mais ricos manile
    . les e capotilhos.
    Vendem-se os mais asseiados manteletes,
    e capotilnos de chamalote de seda e gor
    gurdo, os mais ricos que teem apparecido
    na ra do Queimado, n. 9.
    Vendem-se, na ra Augusta, labern
    por bailo do sobrado que foi de Jos Ma -
    Thei'loKia do homem casado, 1 v., por
    Paulo Cock.
    OsS-ifl-Peccados Mortaes, a inveja ou
    Frederico Basten, 3 v., por Euge do Sue.
    A Soberba, romance, 4 v., por Eugenio
    Sue.
    Ensaios de crtica e lilteratura, 1 v., por
    A. P l. de Mondonga.
    II storia aos tres dias da revolugHo de fe-
    vereiro do 1818, por Eug<*no Pelletan.
    O Cavalheirod'rlariiienlal, 4 v. por Ale-
    xandre Humas.
    Obras poticas de D. Leonor do Almeida
    Portugal Loane e Lencastre, marqu^za de
    Losna, condessa de Astumar e d'Oombau-
    -eu. conbeci la entre os poetas porluguezes
    pelo nome de Alccpe, 6 v.
    Portugal piloresco ou a daseripgSo hist-
    rica d'tn reino, 4 v. por Fernando Diniz.
    Collergo de pensamento*, mximasp
    proverbios, 1 v., nelo concelheiro Raslos.
    Leiluras populares por Alvaro de Azeve-
    do, um Tldelo.
    Dos o quer, opsculo escripto em fran-
    cez pelo viwonde de Arlncourt, seguida
    da relagSo do seu processo no tribunal do
    polica correcional, o do seu discurso po-
    ranleojury.
    Obras do concelheiro Almeida Gsrret,
    7 volumes.
    O Cavalheiroda casa vermelha por Ale-
    xandrn Humas, 6 v.
    A Sulamandra, romance martimo, 3 v.,
    por Eugenio Sue.
    O Mo'nasticon por Alexandre llorculano,
    1 Vllllllll''.
    O Aute-Chrislo por Julio da Tonrnefoit,
    2 volumes.
    O D-ii lo, romance original porluguez
    por Collares Leal.
    A desmoralisagloe o seculo, fragmen-
    tos por S J. Ribciro de S.
    O Rom menino, nudos moraes de um
    professor a scus discpulos,
    Raphael, paginas do vigsimo anno por
    Lamartine
    Cartas deOlindaa Alzira, 1 folhelo ; l-
    timos dias de Pompis, 2 v ; o Sptica, ro-
    maneo pliilosoi'hico, I v.; e outras minias
    obras que por falta de esoago nflo se puhl-
    r i ai scus litlos, mas queeslanlo patentes
    eni urna relagSo que na mesma Ioja have-
    i, e promelle-secommodidade do prego.
    Y tu lio generoso.
    Vendem-se barris com 12 caadas de vi-
    nlio generoso do Porto, com 20 annos, per
    ser da cclheita de 1830 : este delicioso licor
    ne muito apreciado nos lostes, e por isso os
    madores devem aproveitar a occasiflo : O
    oreg he commodo : no armazem de Dias
    l-'erreira, no caes da AlfmJega.
    O &
    Parisiense,
    ^ esta linda e magnifica fazenda, vin-
    JJ da pelo ultimo navio de Franga, tor-
    v na-se muilorecommendavel, au m. S?
    O pelo bom goslo, como pola qualidn- g
    3 de do tecido, proprio para este paiz :
    O vende-se nicamente na ra do Cres- *>
    O po, n 9, Ioja de Joflo Antonio (O* O
    O mesCuimarSes.
    Vende-se uma preta de nagfto Costa,
    do 18 annos.de bonita figura, muito sadia
    o sem defeito algum, com principios de en-
    gommar, lavar, cozinhar, e he muilo pro-
    piia para a ra : na ra Augnsta, n. 52.
    Vende se urna prrta crioula de 30 an-
    nos, sem vicios, a qual lava e f.z goslo de
    ir para o mallo : na ra dos Tanociros, ar-
    mazem n 5.
    Vendem-se laboasde pinhode 12 pal-
    mos de comprido, proprias para forro e
    lampos de barricas- vimes; arcos para pi-
    nas e barril ; um balclo com gavetas ; ar-
    marir usados; um brago de halanga com
    resos 3 duas arrobas at 1 libra ; conxas e
    corremos de ierro ; barricas abatidas; sola
    o courinhos de cabra: na ra dos Tanoct-
    rns, armazem n. 5.
    ?Aos2O:00>000ders
    Pelo vapor S.-Saltador. entrado nea-
    * te porto no di 27, recebemos a lista W
    * da 5.* lotera dos misionarios capu- J
    ^ chinhos e juntamente os muito aor- 9
    *> tunlos lulhetes e meos bilhetr-s da
    (I lotera concedidas b-naflcio da
    W conltrucgfio e reparos das matrizes
    * do Kio-de-Janeiro, cujas rolas dev-
    * rflo andar no da 28 do correte mez,
    * nsquacsseacliarlo a venia na dita
    * Ioja. das 8 horas da mandila is fl da
    ?
    i
    m
    m
    *
    1 Chapeos do Chile de
    superior quaiidade.
    IJt Na ra do Collegio, n. 9, recebeu-se
    um lindosorlimento desls l3oaprc-
    % ciados chapeos, que se veudem por
    prego commodo.
    Vende-se, ou tioca-se por nutro um
    escravo de nagSo Angola, com bons prin-
    ci|os de mariubeiro, e qaie cozinha o tri-
    vial : a bordo do brigue iurcia.
    Vendeni-se 2 moloques pegas, de 19a
    -20 annos, de nagBo Angola ; uma moleca
    mullo bonita, com principios de costura :
    na ra .Nova, O. 39, segundo andar.
    Chapeos do Chile.
    .Vendem-se chapeos do Chile superiores :
    na praca do Coniinercio, n. 6, primeiro
    andar.
    Barato e hum.
    Vende-se feijo mulatinho a
    doustustoesa cuia : na ruado Fa-
    dre-Floriano, venda, n. 72.
    Vende-se urna escrava cri-
    oula, bonita figura, propria para
    -- Vende-se um buhar novo, prxima-
    mente arahadu, enm todos os seos uerlen-
    ces, nu aluaa-se a altzuma pessoa capaz pa-
    ra algum sitio perto da praga, dando fiador
    ou penhor : na ra do Sebo. n. 42.
    Charutos de Havana
    verdatleiros :
    vendem-se em casa de Kalkmann irmSot,
    na ruada Cruz, n. 10.
    Salsa' parrilfia de Sands
    para remover e curar radicalmente to-
    das as enfermidados que procedem da im-
    pureza dosangue, ou habito do systema.
    Esta medicina est operando constante-
    mente curas qusi incrives de molestias
    que procedem da impiirfca do sangue. A
    infeliz victimo de molestias hereditarias,
    com glndulas indiadas ervos incolhi-
    dos, e ns ossos meio arruinados, (con resta-
    belecda com toda sua saudo e forgas. O
    doenlc escrofuloso, coberto de cbagas, cau-
    sando nojo a si mesmo, o a quemo servia,
    denuperfeito. Centenares de pessoas qun
    tindam soffrido ( por annos, a ponto do de-
    sesperen! da sua sorto ) molestias cutneas,
    plan lulas, rdeuniatismo chronco e mullas
    outras enfermidades procedentes do desar-
    ranjo dos orgflos de secrego e da circula-
    gilo. leem-se erguidoquasi milagrosamente
    do leito da morto, e hoje, com conslituicoes
    regeneradas com prazer allestam a clllca-
    ciadesta incslmavel preparagilo.
    Comquanlo lenham apparecido grandes
    curas al aqui produ/.ids pelo uso desta
    oslmavel medicina comludo a experien-
    cia diaria aprsenla resultados mais no-
    laveis.
    New-york, 22 de abril de 1818.
    Snrs. A. B. e I). Sands. Julgando ser
    um dever para com vosco e para com o pu-
    blico em geral rcroptto-vos esle certifica-
    po das grandes virtudes da vossa salsa-par-
    rilha, para que otilros que Hoje esl.lo sol
    frendo estabelegam melhor a sua confian-
    ga e fagam sem demora uso da vossa medi-
    cina. .
    Vi-me perseguido com uma grande ren-
    da no tornnzelo, queso estenda pela canel-
    la cima at ao joelho, langava grando nor-
    glo do nojenta materia, com comichoes
    que meprivavam muitas noiles-do meu des-
    canso, e eram muito penosas de supporlar.
    O Sr. Diogo M. Cunnel, que havia sido cu-
    rado com a vossa salsa-parnlha, recommon-
    dou-moqueeu fizesso uso della e depois
    de haver tomado cinco garrafas fiquei per-
    feilamente curado.
    Tenho domorado um anno mandar-vos
    este certificado para conheccr com corte-
    za se a cura era permanente, e tenho agora
    a maior satisfagio em declarar que nflo te-
    nho visto, nem sentido cousa alguma du-
    rante lodo este tempo, e acho-me perfeita-
    mento restabelecido. Sou vosso, ele.
    Sarah *f, intirt.
    ' 240, ra, Delancey.
    Nesta provincia o nico agente deste ma -
    ravilhoso remedio he Vicente Jos de Brito.
    Novo sortimenlo de fa-
    %"iidas baratas, na ra
    do Crespo, n. tt. ao p
    do lampean.
    Vende-se cassa-chita muito fina, de bo-
    nitos padrOes, cores filas e com 4 palmos
    do largura, pelo barato prego de 320 rs. o
    covado ; cassa franceza de quadros, muito
    fina, a 260 rs. o covado; rlscadinho de ls-
    trasdolmho, a 240 rs. o covado; biim de
    alodflodecOrescomlistra aoldoe de bo-
    nitos ralroes, a 320 rs. o covado; brim
    pardo claro, a 1,500 e 1,600 rs. o corte do
    duas varas e.uma quarla ; cassa preta com
    ramagem hnnefc pra luto, a 140 rs. o co-
    vado; zuarte de cores, com 4 palmos de
    largura, a 200 rs. o covado ; dito azul com
    vara de largura, a 200 rs. o covado ; nsca-
    do moustro, a 220 rs. o covado; chitas do
    bonitos padrOes ecies flxas, a 160 e 180
    rs. o covado ; chales de larlatana, a 500 e
    800 rs.; cobertores de algodOo america-
    no, muito superiores, a 640 rs.
    Vendem-se bustos de gesso represen-
    tando fielmente a rainha Victoria e o prin-
    cipe Alberto; relogiosde ouro e do prata,
    cegados ltimamente da Suissa : estes re
    logiosque silo mui bem ae .hados, so tor-
    nam mu lio recommeudaveis a qualquer
    particular, e adverle-se que ha eutreellrs
    ai gnus que andam 8 dias sem precsireui
    de corda : na ra da Cruz, no Reeife, n. 55.
    qualquer servido de uma casa na | roios, aa ra da Cruz, n. 10
    Viiiho de Bordeaux,
    das mais superiores qualidades; bem como
    vinho de Cbampanha da nova marca estrel-
    11, ja muilo apreciavel, tanto aqui como na
    Europa : vende-se em casa de Kalkmann



    .. Na rus n, 33, vendem-se sirm rnm fejio, por tn-
    ilo proco, pbf estar principian lo a furor;
    1,111 porcflo de calcado lo Araraly romo
    -. ani 80 nares ilo sapales do cmiro le lin-
    do, ulna bem feila o do diversos lanianhos;
    solaecouro le cabra; caixas para raro :
    lodo por proco couimodo, para fechar con-
    3 5 ;- A09Q900&09a
    & <&
    ' C.issas e cambraias.
    i Vende-se cnssa roxa, a 160 rs. o co- 0
    ,'- vado ; cambraias de seda, a 320 rs.; n
    *> ditos de cassa para mhd) senhora, ,
    a ion rs.; chales de l1a, a ,W rs.; e W
    :> mitras muilas fazendas : na ra do <3
    eg Crospo, n. 9. g
    Ven milla gallega em meias barricas :
    na roa la Cadeia do Kecife, cs-
    crikloio de l)ene Youle & l. ,
    mi no primeiro armazem do becco
    do (onc.lvcs.
    Na rua do Crcspo.loja da
    esquina que volta pura
    a cadeia,
    vonilem-Mos arredilados brins trancados
    I.raucos de listras o lisos, de hubo puro, a
    1,300ri o corto; 'lito amareiln, a i.sooe
    1,600 rs. panno fino preto B azul muito
    bom, a 3,200 rs. o covado ; ililo muito su-
    perior, a 5,500 ra.: fustoes muito bonitos
    para rlleles, a 6*0 rs. o corte; ditos de
    velludo, a ,500 re. ; ditos ile setim lavra-
    dn,a 1,800 rs. ; ditos de gorgurflo de seda,
    a 1,600 rs ; eambraia lisa,-a 2,720 rs. a pe-
    ca de 8 varas o meia ; cassa prcta, a 1,440
    re. ncorle; esyuiiln do lintio muito lino, a
    1,44o rs. a vara; o onlras muitas fazen-
    das por precosconmodos.
    Tecidos de algodo tran-
    cado da fabrica de To-
    dos-os-Santus.
    Na rua da*Cadeia, n. Vi,
    vendom-se por atacado duas qtialidadcs,
    proprias para saceos de assucar e roupa do
    aeraros.
    Ruarles de fnrla-crcs a
    200 rs. o coved o c rip-
    eado monstro a i20 rs.
    Vende-se zqsrte ilo furta-cOres muito
    eucorpjdo o com 4 palmos de largura, pro-
    prio pa^a escravpi a 200 rs. o covado ; ris-
    pado monstro muito bom a 220 rs. o cova-
    do : na rua do Crespo, loja da esquina quo
    volla par a cadeia.
    A G40 rs. cada una
    Vendcm-se cobertores de algodio ameri-
    cano, encorpados o grandes a duas pala-
    cas ; chitas escuras, de bous padroes e ad-
    res seguras, a meia pataca o covado: na
    na do Crespo, na loja da esquina que vol-
    la para a cadeia.
    Tafeas para eng-enho.
    Na fundico de forro da rua do Rrum,
    icaba-se de receber um completo SOrt i me-
    lo de tainas de4 a 8 palmos de bocea as
    quaes acbam-se a venda por preco com-
    inodo e com promplidSo embarcam-se,
    cu rarrogani-sebm carros sem despezas ao
    comprador.
    Aviso imporlsinte.
    Beneficio publico.
    O arm.i7em anligo da rua da Madre-de-
    Dos, n. 36, wu do novo estabelocido dp-
    haix.i das mesmas cundieres, otTerecendo
    a deliciosa pinga do vinho da Figuoira pe-
    lo limitado proco de 180 rs. a garrafa, e
    1,300 rs. h caada, a de vinho branco do Lis-
    boa po"830ra a gairafa, e 1,600 rs. a ca-
    nalla, de vinho de llordcaux por 160 rs. a
    garrafa levando o asco- Niio se aitmirem
    os fiegiiozea do baixo proco por que se v-'ii-
    de a Hirise pintea, e sim da audacia do
    propriotarin querer sustentar o anligo pr<-
    C0, endiofa .-si genero tenha subido o ine-
    Ihnrde30,000 rs. por pipa. Examinen] os
    amantes a qualidado para tcconhicirnonto
    da vei'lmlc e continuacilo da anliga fregue-
    y.ia. Epara nilolmver usuras, esOo promp-
    tas nrralas lacradas c com o competente
    rotulo, assini como harns de diversos ta-
    mauhos para proalsSo do prximo Natal.
    O priipni'tarioconla com a concurrencia;
    do contrario, lonmrSo os procos do reta-
    Iboa primitiva de210e 280rs. a garrafa.
    Foha de Flandres.
    Vendem-se caixas com folba de Flandres:
    na rua do Amorlm, n. 35, casa de J. J. Tas-
    so Jnnior.
    -- Vondem-seamarras de ferro: na rua
    da Senzalla-Nova, n. 42.
    Velas de cores.
    Vendem-sc, do armazem de molhados
    atrs do Cor;.o-Saoto, n. 66, por preco rom-
    modo, velas de carnauba, sendo azues,
    cor de rosa e luslrosas, as quaes se toruam
    i,-com menda veis pela sua superior qualida-
    de alurarem mais que as de esperinaccle,
    e n&o fazerem morrflo.
    Deposito de Potassa.
    Vndese muito nova potassa
    de boa qualidade, cm barriszinbot
    penenos de qitatro arrobas, por
    preco barato, como j lia muito
    lempo se nSo vende : no Kecife,
    rua da Cadeia, armazem n. 12.
    Anligo deposito de cal
    virgen).
    Na rua do Trapiche, n. 17, ha
    muito superior cal virgem de Lis-
    boa, por preco muito commodo.j
    -- Vende-so excellente mel para comer,
    a 300 r. a ranada : na rua da Concordia,
    n.8, refinaria franceza
    -- Vende-se urna treta crioula, de boni-
    ta figura, que lava bem de varrella e cozi-
    nha o diario de urna casa : o motivo por
    qu se vendo so dir ao comprador : na rua
    do Crespo, n 15. loja.
    Vendom-se oculos para todas as ida-
    des, os mellmres que loom vindo a este
    mercado; ti-na prota moca, que eos', en-
    gomma, e lio boa enzinbeira : na rua lar-
    ga do Roario, n. 35, loja.
    % rados de ferro.
    Na tundilo da Aurora em S.-Amaro ,
    vendem-se arados de ferro diversos mo-
    delos.
    A 140 rs. o covado.
    Vende se superior nsesdo de algodSo,
    muito encorpado, a 140 rs. o covado: na
    rua do Crospo, n. 6, loja junto ao lampeSo.
    Vendem-se relogios de'ouro e prata,
    palontos inglezes: na ruada Senzalla-No-
    va, n. 42.
    Rifas.
    Vendem-se bichas chegadas ltimamente
    e de.boa qualidade, a 160 rs. cada urna, em
    poroJIo 25 para cima : na rua do Amo-
    rlm, n. 35.
    AGENCIA
    la fiiidicao liovv-lfoor,
    BA DA 8EMZALT.A-HOVA, K. !\1.
    iNeste estabelecimento conti-
    na a hawura completo sorti-
    mento de moendas e meiaa moen-
    das, para engenho ; macbinas de
    vapor, e taclias de ferro batido e
    < o .do, de to ios os tamaitos,
    para dito.
    Pos galvnicos para
    p rateas;.
    Na rua do Collegio, loja n.P.
    Todas as pessoas que possuem ohjoclos
    pratoados o que tenham perdido a cor ar-
    gntea, eslaudo por issoindecentes, ou inu-
    tilizados, leem nrstes pos um excellente
    restaurador e conservador dos meamos
    objectos sempre como novos sendo o pro-
    cesso para se usar clolles o mais simples,
    nada mais do que esfregar com um panno
    de llnho molhado em agoa fria e passado
    nos mesmos pos.
    Urna caixinha contendo quantidade suf-
    ficienle para pratear mais de 40 palmos
    quadiados cusa a mdica quanlia do
    mil rs.
    Deposito da fabrica de
    rodos-os-Snnfos na Itaha
    Vcnde-se rm casa de N.O. Itiebor & C.
    ia rua da Cruz, n. 4, aluodHo trancado
    daquella fabrica, muito prnprio para saceos
    de assucar e roupa de escravos.
    Cha brasileiro.
    Vende-se che brasileiro no armazem de
    molhados, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
    mais excellente cha produzido em S.-Pau-
    lo quo lom vindo a esle mercado, por
    preco muito com modo.
    Moendts superiores.
    Na fundicSode C. Starr & Compai h'a ,
    em S.-Amaro, acham-se venda aioe'mias
    de canna, lodas de ferro, de um modelo e
    construccilo muito superior,
    Novos cortes de cassa pa-
    ra vestidos.
    Vendem-se cortes de cassa para vestidos,
    do coros (ixas e do bonitos pa.lrdes, a sele
    e oito patacas o corte ; chales de tarlulana ,
    grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs. :
    na rua do Crespo loja da esquina que vol-
    la para u cadeia.
    dos fumantes de bom qosto.
    No armazem de molhados atrs do Cor-
    po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegadns
    pelo ultimo vapor viudo do sol superio-
    res charutos S.-I'elix, e de outras muitas
    quididades que se vendorSo mais barato do
    quo em outra qualquer parle : bem como
    ciiiarrillms bespanhes ditos de palha de
    nilho, que se estilo ven.leudo pelo diminu-
    to preco de 500 rs. o cento.
    Corles de brim de cores
    rom lisias a lado, a
    l.'iHOrs.
    Vendom-se curies de brim de cores com
    listras ao ludo, a 1,280 rs. ; ri-cado de al-
    gnd.lo americano, pioprio para escravos, n
    140 rs. o covado : na rua ilo Crespo, lujada
    esquina que volta para a cadeia.
    -- Vendem-se 3 relogios de ouro e 3 de
    prata, 12 annellfles. 12 cordfles, Irancelins,
    brincos, bolo>sdc camisas, aderecos, i de-
    dal, cr.izes, urna crrenlo com 42 oilavas. e
    outras muitas obras: na rua larga do Itu-
    zario, n. 8.
    A 430 c 500 rs.
    Vendem-se cassas francezas de odres .fi-
    xas o le bonitos padiOes, pelo barato pre-
    Cole480rs. a vara ; chitas largas france-
    zas e de I istias cor de tanga c edrde noza,
    p.do barato preco de 360 rs.; brim traiga-
    do aman-lo de puio linho, pelo barato pro-
    co de640 rs. a vara : na rua do Crespo, n.
    14, loja de Jos francisco Das.
    I aiinli de trigo Harn.
    Acaba de ebegara esle mercado urna par-
    tida desla inuiloantigH e acreditada marca,
    a qual pela sua excediente qualidade pro-
    meti renovar o crdito, que algumas par-
    tidas niio lo boas, e anteriormente
    chegadas t'nbam desmerecido : vende-se
    emeasadej. J. Tasso Jnior, na rua do
    Amoiim, n. 35.
    Manas de seda.
    Anda exista urna pequea pnre.lo de
    maulas deseda, ao'precoe 7,000 r.i. cada
    una 1 ara se acabar : na rua larga do lloza-
    rio, padaria n. 48.
    Vende-so um cabriolet muito leve o ele-
    gante, em booi uso, por proco rommodo :
    na rua do Hospicio, n. 9.
    =4
    Vendcui-se, muito-em con-,
    ta, relogios de ouro de patente :
    na rua ^\o Queimado, n. '<>
    Vendem-se saccas com farinlia muito
    boa o heni torrada, por preco cotnmodo :110
    armazom do finado llraguez; na rua da Ca-
    leia, ao p do arco da Conceic5o, n. 6 0, ou
    a fallar na loja de Joflo Jos. de Carvalho-
    Moraes.eno tnesmoarmazem.
    Paiaqueni tiver bom
    gosto.
    Vendem-se redes de cores muito grandes
    e muilo bonitos padrOes, e o melhor que
    tomapparecidoneste mercado: na rua do
    Crespo, loja da esquina que volta para a
    cadeia.
    Na rua do Queimado,
    vindo do Bozario, se-
    gunda loja, n. S,
    vendem-se luvas de torcal, pretas e bran-
    cas, a 500 rs 0 par ; meias de seda pretas,
    curta, a 800 rs. o par; ditas compridas, a
    1,500 rs.; o outras muitas fazendas por
    cotnmodo preco.
    A 2,720 rs. cada um
    ce re.
    Na loja do C.uimarSes V llenrique, rua
    do Crespo, n. 5, vendem-se novas cassas
    parisienses, padroes muito molernos, pe-
    lo Imrato proco do 2 720, rs. cada um cote :
    esta fazenda se torna muito recommenda-
    vel pela superior qualidade e barato piec^o.
    Naccis com milho a
    ',500 rs. e ditas com ar-
    roz de casca a 5,500 rs.:
    ve idem-sn no armazem do llraguez, ao p.
    do arco da Conceicjio.
    A *Aii rs. o covado.
    Vendem-se risCados de linho, proprios
    para jaquetas e calcas, a 240rs, o covado ;
    y liarle com urna varado largura, pelo ba-
    rato deSOOrs. o covado : na rua do Cres-
    po, n. 6. loja ao p do latnpefio.
    Na rua IVova, n. S,
    vende-se um mulalinho de 15 annos, 'pro-
    prio para pagem, por ser de elegante hgu-
    ra ; um molecole de 18 annos, bom cozi-
    nhuro, e he de boa conduela o queseafian-
    ra ; um mulalinho do 8 annos, muito lindo;
    um molecole bom oflicial de alfaiate ; dous
    pelos para liabalharrm de eniada, do lin-
    das figuras ; duas pardas prendadas; duas
    pretas com habilidades ; urna mulatinha de
    14 annos, com principios de costura e on-
    gominado.
    Vende-se espirito de 37graos, a 1,200
    rs. a caada, e 160 rs a garrafa : na rua da
    l'raia-de-S.-ltita, n. i.
    Queijos do serla.
    Na rua do Queimado, n. 14, loja de fer-
    ragens, vendem-se muito bous queijos do
    si-rlfio, por menos preco do que em outra
    qualquer parte ; bem como 3 couros de nu-
    ca e um de lonlra ; urna porcSo e couros
    muidos: ludo se vende muilo barato.
    No armazem do luateiro Sil-
    va Lopes, na porta da alfandega,
    vende-se familia de trigo de Phi-
    ladelphia, nova e da melhor qua-
    lidade que veto a este mercado.
    Uolacha de farinha de
    milho.
    Na rua do Crospo, n. 5, yende-se um
    lindo casal de escravos, sendo om preto po-
    rilo canoeiro, pescador e padeiro, e urna
    parda de 16 anuos, de linda figura, que co-
    se, Taz renda e coztnha.
    DE 6 B0RTASNJ&
    Nesta loja vende-se panno fino preto e
    de cores ; casimiras elsticas, linas e do bo-
    nitos padroes ; coi tea de hrfm de linho es-
    curo, a 700 rs ; cassa lisa, a 320 r8. a varaj
    chitas decores flxaso de pannos muilo n-
    eo rpadas, a 140 rs. o covado; e outras mui-
    las fazendas proprias da festa, por barato
    preco para fechar cuitas.
    Xa rua estrella do Rosa
    rio, n 4.
    Vondem-se por preco com modo ossegoin-
    tes livros : Re creadlo philoso Inca pelo pa
    dre Theodoro deAlmeide, lOvol., por 12/
    rs ; Feliz ludependeiile com ricas estampas,
    2 vol.; Novo Compadre Malheus, 3 vol ;
    Guilherme Tel, 1 vol; I)iccionaio de f.ons-
    Uncio, ultima edirilo, t vol.;Plutarco Bra-
    sileiro, 1 vol; Diccionario poeiicn, 1 vol.;
    Historia de l'oitugal, 2 vol. ; Philnsophia
    de Cousin, 3 vol. encadernadus, por 6,000
    rs. ; Manual da l'hilusophia pelo mesmo, 2
    vol, por 5.000 is ; Lgica pelo mesmo, i
    vol., por 2,000 rs ; obras completas de Tilo
    Lirio com texto francez, 2 vol. in folio,
    por 12.000 rs.
    mmmmmmmmm mmmtommm*
    Rut do Collegio, n. 9.
    Argelina, Tundeada defronle do
    caes do Collegio, ou na rua do \'i.
    gario, n. 19, 1. andar, a tratnr
    com Mochado & Pinheiro.
    Vende-so, na venda da rua Augusta
    n, 94, ao pedo viveiro, nanleiga fngleza'
    a 320. 480 o 640 rs. a libra ; queijos. novos'
    a 1,100 rs. ; che, a 2,000 e 2,240 rs. do me-
    lhor ; passas o ameixas novas, a 240 rs. a
    libra ; figos, a 160 is ; cerveja muito boa,
    a 440 rs. a grrafa, e meias ditas a 280 rs.
    vinho, a 160. 200 e 240 r*. a garrafa ; eapor-
    macole, a 800 e 900 rs. a libra; ? las de car-
    nauba, a 20 rs. a libra ; azeile doce, i 480
    . a garrafa ; dito de coro, a 400 rs.; dito
    ac"r|apalo,i220 rs.; toueinho, a 120 o
    00 rs. a libra ; farinha de Maranhflo, a 80
    rs. ; dita de ararota, a 140 rs.; estotras de
    pipiry, 160 rs.; graxa ingleza. a 220 rs. o
    pote : amendoas sem case, a 800 rs. j lou-
    ca ; e todos os mais gneros muito em
    conta.
    .-- Vende-se um terreno no Aterro-dos-
    Afngadog, (So barato que o comprador ad-
    mirar-se-ha : na rua larga do Rozario
    n. 38.
    O gerente do contrato do,rap prince-
    za de Lisboa contina vender o rap vin-
    do peltf navio Coueti(o-dt-Maria 3 200
    res cada libra, a dinhetro a *i>ta ; assim
    como roga as pessoas que (inda devem o
    importe de rap, hajam de mandar satiafs-
    zor. pois ntfo lom caixetros peta mandar
    receber taes debilos.
    Jf
    LOTERA DO RO-DE-
    JA NE1RO.
    20:000^000 de rcis.
    11/DAS BIATRIZES.
    MEIOS
    QUARTOS
    OITAVOS
    VIGSIMOS
    II'/OO
    S^OOO
    !.900
    1^500
    a
    Appareceu emlim novamente a venda a
    excellente bolacha de farinha de milho su-
    perior a que se lem fabricado e annuncia-
    do |.or vezes, pelo acostumado preco de
    80 rs. a libra : ua rua larga do Rozario,
    n. 48, padaria.
    Vondem-se pecas de chitas limpas ede
    assento coberlo,.a5,800rs. ea retalho a
    ICOrs. ; cassa-chila preta para luto rigo-
    roso e allivado, a 140 rs. o covado; cassa
    lisa, a 3,000 rs. a peca de 10 varas, e a re-
    l*lho a 30rs.; cambraias, um corte para
    rostido 2,500 rs.: ua rua do l'asseio, n. 17, |
    loja.
    Velas de espermacele.
    Vendem-se velas de esperma-
    cetc superiores, chegadas agorada
    America : em casa de Deane ^ oti-
    le & Companhia, na rua da Ca-
    deia, i. 4.
    Auna de tingir o cabello esuissas.
    Contina-so a vender a agua de tingir os
    Cal.ellos e suissas : na rua do Queimado, 11. jila com una lilba de 10 mozos jue eose
    O vapor S.-Sahador, shido do Rio-
    de-Janeiro no dia 16, tmue bilhetes
    e cutelas da lotera cima, designa-
    da 11 ue deve correr de 28 a 30 de
    novombro ; bem como a lista da ex-
    trarcan da 5.* dos ciipiichiuhos ; niio
    tendo anda corrido a 21." do monte
    pi, quo Gcava para ser extrabida de
    16 a 18.
    towwwmwmwtim wmmmvmmm
    Vende-se a taberna n. 9, com poucos
    fundos, sita entre as duas pontos da Passa-
    gein-da-Magdalona, para liquidacBo.
    Vonde-se, por preco muito rommodo,
    urna preta de uncHo, de bonita figura, de 16
    a 18 annos, com um defeito no braco direi-
    lo, a qual vende na rua, taz. torio o servi-
    C') de urna casa, e he propria para tratar de
    meninos, por sor muilo carinhosa : o mo-
    tivo por que se vende se dir ao compra-
    dor : na rua da Moeda, n. 21, sobrado de
    un andar.
    tilicos corles de barra.*
    i** Vendem-se os mais ricos cortes de *
    vestido de eambraia com barra ; cha- *
    ? les de seda, a 8,000 rs cada um : na ^
    ^ rua do Queimado, n. 8, loja cuufron- ^
    a> tea botica. ^
    k>
    v>AAAAaAaAaAAAAJsiAAAinnA 9
    Farinha de mandioca.
    A bordo da gropeira ConceicSo-Feliz,
    Tundeada om frente do caos do Collegio,
    vende- se fnniiha de mandioca, a tres mil e
    .Inventos ris o alqueire da medida vcllui,
    de inuito superio.- qualidade.
    Vendem-se dous pretos de 20 annos, de
    muilo bonitas figuras, ptimos para rarre-
    garem um palanquim, ou para rabatharom
    em um armazem de assucar ; um dito moco
    e de boa tigura, e que he hom official de sa-
    pateiro; 2mulatinhos muilo espertes para
    servirem a urna casa, ou para aprenderein
    llicio ; urna preta de 20 anuos, de boa fi-
    gura, que coso, engnmma e cozinha ,- urna
    i
    C
    "3
    3
    -3
    0 r#
    r. i-
    t S
    P.
    0)

    B
    0 T3 s
    WD
    3
    o =
    "9
    lia
    lili
    = ? -
    BO !
    *- 2 Sr
    ce w
    E ""S *
    s-sJ.2 *
    Stfs
    -33
    O TJ
    > "2
    C"5
    s-as-s
    sSo-u
    ;
    s
    u
    ce
    >
    o
    S5
    a
    |eI1|
    SS-5SS.
    !* ",-
    a>^c* is .
    -ce eoi>
    > t-r- o
    A .,400 r.
    9
    w
    * Baralissimas mantas de eambraia. e A
    (Pj seda, granitos e de escolhidos gustos,
    0 para senhora, pelo diminuto pre^o A
    8 de.OOrs.: |
    41 na rua do Crespo, n. II. *>
    A
    ... Vendom-se palhas de enqueiro para
    banheiros, postas em qualquer parle que o
    compradorquizer : na rua largado Ruza-
    tio, n. 38, so dir quem vende.
    H rua do Vigano, n. 7, primeiro an-
    dar, vcnde-se un.a | rea cozinhojta, lava-
    deira, engommadeira, e que faz o oais ser.
    vqo de urna casa.
    Cera em velas.
    Vendem-se caixas com cera em
    velas fabricadas no rUo-de-Jne-
    roem urna das melliores fabricas,
    sortimento a gosto do comprado/,
    e por prer.o mais barato do queem
    outra qualquer parte: a tratar
    com Machado & Pinheiro, na rua
    do Vigario, n. 19, segundo andar.
    Vendem-se 18 accOes da companhia
    de Beb-ribe: nesta typographia s dir
    quem vende.
    s>

    Itscravos
    tUit't^
    3i o metbodo de appltcar a dita ago acom-
    panha os vj.lros.
    Vende-se urna taberna em bom lugar,
    com poucos fundos, e com com modas pare
    lamilla, no Aterro-da-Boa-Vista, n. 2: a
    tratar na mesuia taberna
    ** Vende-se urna negrinha recolhida, de
    nco, de hoaila ligura, de 12 a 13 annos,
    que cose, e nomina, lava o cozinha ; he
    muito sadia, tifio tem vicios, e he propria
    para urna casa de familia, por ser muito
    he n educa la : na rua da .Mu Ja. n. 25, ven-
    da da esquina.
    Vendem-se atrs [dolheatro
    taboas de pinito largas e estreilas
    por todo o preco, com o abate de
    j5 por cenlo dos precos que at
    enlose vendiam, afim de se aca-
    bar com a abuutlancia que bu ; ap-
    proveilem-se, fregueses,
    I arelo cm saccas gran-
    des :
    vende-seno armazom de Antonio Atines ,
    no caps da Alfandega, a 5,000 rs. a sacca.
    -- Vende-se um cavallo melado com bons
    andares e bastante gordo r na ruada Cani-
    boa-ilo Ciirino, n. \i.
    --Vende-se colla do Bo-Grande do sul,
    a 240 r. a libr ; erva-malte, a 320 rs. : na
    rua Augusta, n.94.
    Vendem-se muilo bons bois mansos de
    carro e garrotes ja bons de amansar : na
    rua do Terco, n. S.

    e faz lvarinto : na ru do Collegio, n. 21,
    pt imeiro andar, se dir quem vende.
    Vende-se una escrava hoa engomma-
    deira, de linda (gura ; dus escravos,. sen-
    do um molequode 17 annos e o oultode20,
    bom tanoeiro : todos silo de boa cornuda :
    na rua doRangel, sobiado n. 5T.
    . Vtnde-se um preto bastan-
    te moco, de bonita iigura e pti-
    mo p,ii;a tju iltjtier servico, especi-
    almente para ettgeiibo por ser bom
    trubalbador de enxada, lotice e
    macbado, e trabalhar de caldeirei-
    10 : ao comprador se dir o moti-
    vo por que se vende .- na rua da
    Cadeia do Kecife, n. 5o.
    Vendem-se relogios para c
    ma de mesas com 3o horas de cor-
    da por barato preco, visto a sua
    qualidade e boiiileza; na rua do
    Trapiche, n 8.
    Vende-se um relogio de ouro, patente
    inglez, por 145,000 rs. : liauca-se ao com-
    prador : na iua larga do Bozario, n, 8, so-
    brado.
    Farinha de mandioca.
    Vende-se farinha de San-Bla-
    ilicns a mais superior que ha no
    mercado a bordo da sumaca Bella-'
    Fogio, do engenho Taboca, da fregua-
    zia de S-Loiirenco-da-Maila, o pardo Al-
    berto, de 24 annos pnuco mais 011 menos,
    le estatura regular, bem barbado; rom lo-
    dos os dontes. nlhos bem vivos, ps peque-
    nos, mlos regulares; levou calcas azues
    usadas, camisa de madapolflo, chapeo de
    pollo velttQ ; fugio indo para o Becifo com
    duas cargas de assucar, -do rancho do Sr.
    Vicente, da estrada nova ; tem simado do
    l'ocn-da-Panoll* Para o Beiff onde foi
    comprado: quemo pegar Uve-o a rua do
    Collegio, casa do Sr. Antonio Bicardo do
    llego, 011 a rua l>rga do Kozario. venda de
    Manuel Pereira l.emos, ou aodito engenho
    Taboca a seusmh'or, Francisco Goncalvis
    da Silva, 011 ao capilo l.uiz Jos da Silva,
    no sou engenho da Cruz, que em quaesquer
    deslas paites ser gratificado.
    Dilo-se 120,000 rs. a quem trhaxor o
    escravo pardo, de nomo Mathias, oflicial do
    pedreiro, natural do Ico, o qual so act.a
    pelos suburbios ou villa do Cralo, Intitulado
    por forro ; fugio desla cidade em oulubro
    de t837 ; he baixo, sacro do corpo, cabellos
    Crespos, rosto descarnado e um tanto car-
    rancudo, pouea ha 1 ha ; tem o dedo pidlecar
    da mflodtreita corlado pola junta da palma
    da mo ; lom 22 a 25 annos : quem 0 pe-
    gar leve-o i rua Augusta, n. 94, que rece-
    bcr a gralificacAo cima.
    -- Ausenliiti-Se, na noile do dia 8 de no-
    venliro d" 1817, o escravo llerculano, de
    c6t tilo fula quo parece cabra, rebeca pe-
    quena, cabellos talos, nlhos ppquenas, cor-
    po grosso, bstanle espada lo, poura batba,
    do estatura regular ; lem urna cicatriz no
    hombro dircito que |de ler de 3 a 4 pol-
    legadas de cop prin.etilo ; rosiu'i a a eni-
    bebedar-se e neste estado intilula-se por
    HercnUnii Jos dos Sanios Ti ai.Ca-ltua; lem
    boje 23-annos pouco mais ou menos : quem
    o pegar leve-o -a ridade de Olinda, sen se-
    nhor, Jos l'erreira Mariubo. na rua da Hoj-
    llora, quo sera recompensado.
    i um inoloque de 20 anuos pouco atais 011
    menos de nacfio Congo, do nomo Antonio,
    de estatura baixa, com urna cicatriz no U-
    dodi'ciiodo rusto, denles lunadoa. nariz
    dcimastadamenie chalo; levou caifas do
    algodilo tranclo azul, camisa branca de
    algo lo cliaie de oouro, o urna sobre ca-
    saca parda : quem o pesar leve-o a rua do
    Cabuga, n. 16. ,

    PlaN, : RA TTP. DI U I, DE FAU. 1819
    AMall


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID ETDQPTGWX_ZFDAEB INGEST_TIME 2013-04-24T19:29:54Z PACKAGE AA00011611_06727
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES