Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06717


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo XXV.
Terrea-fe ira
MBTIDAl SOS COHUElOS.
OolanneParahiba,cgundMeeiUf-fcira.
Rio-T.raudc-do-Norte, quiotas-feiras o melo-
CaboTserinhaera, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
Macoi, no l., a 11 e 21 de cada rae*.
Gnranhtini e llonilo, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flore, a 13 e 28.
Victoria, as quintas-felras.
Dlinda, todos os das.
ZVHEMEBIDSa.
Psis d lo. Ming.-a 7, as Oh. e 3 m. da m.
Nova a M. s 6 h. c .VI m. da t.
Cresc. a 23. aos 5 id. da ra.
Cheiaa30, 3 b. e 5 m. da in:
FBEIHSB DE HOJE.
Prlmeira as 9 horas e 18 minutos da mal.n.
Segunda as 9 horas 42 minutos da tarde.
de Novoinbio de 1849.
N. 2ft0
VRKOOS DA 80BSCHIOO.
l'or tres me/es (adianladoi) 4^000
Por seis mezes a UD00
Por u,m anno 15/KK>
das da semana.
19 Seg. S. Isabel. Aud. do J. dos orf. do c m. I.T.
20 Tere. S. Flix, de Valolf. Aud. da clianc., doJ.
da 1. v. do civ. e do dos feitos da fazciida.
2i Quart. S. Gelasio. Aud. do J. da 2. v. civ.
22 Quint. S. Ccclla. Aud.do J. dos orf. c do m. da
l.v. ,
23 Seit. S. Clemente. Aud. do J. da 1. v. do civ,
e do dos lellos da fazenda.
24 Sab. S. Joao da Cruz. Aud. da Chae, c do J.
da 2. v. do crlmc.
25 Doro. S. Calhrina.
CAMBI9 PM 19 B MOVEMBBO.
Sobre Londres, 28 d. por 1/1)00 r*. a 0 (lias.
. Pars, 8<0.
Lisboa, 100 por cento.
Ouro-Oncas hespanlmes......... 29/bOO a 9W00O
Mocdasde0>100vclnas.. 17/000 a L/iOU
de ONUO novas.. MfiOM MP"
de4/00........... 9/200 a 9/301 >
Prata.-Palaeoesbrn-ikiros...... Iflilo a I/W0
Pesoscolum i-....... 1/140 a /M
Ditos inexn............... #*> l|880
PARTE OFFICIU.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 13 DE NOVEMBRO.
rnelo.Ao commandaote da pracai para
nue mande receber i borUo do vapor Lranit
dous inferiores, uin cabo, uro pifaro. un tain-
bor. um cadete e um desertor, lodos do 4.' ba-
inlhSo de artilharia a p; bem como dous cai
siles com armamento, equipamento e farda-
mento, pertencentes ao mencionado batalhao-
Neme sentido olficiou-se ao"binmandante
no referido vapor- '
Dito.Ao mtimo, communicando-lhe queo
txm. presidente das Alagas participen em
nllito de 11 do crreme que, temi o primei-
ro cadete do *- batalhao de artilharia a p,
Jos l.ibanio d<- Soma, lindado all licenca de
que eslava gosando, o mandara addlr ao con.
tingenle do niesmo corpo, e Ihc conceder
inais 3 meses de licenca para Ir e&rl.-flntel-
rou-se o Esm. presidente da referida provincia.
Hilo.Ao mesmo, para que remeta secre-
taria da presidencia, alim de ser transmitido
ao Esm. presidente das Alagas,o concribo de
disciplina do soldado do 2.* hiaih7n le sni.
batalhao de arti-
lharia a p Antonio fiezerra da Silva.
Dito.--Ao mesmo, communicando haver o
F.xm. ministro da guerra declarado ein aviso
de 3 de outubro ultimo, que vioham para esta
provincia m vapor D.-fmta a lenem* da en-
.jenhelrosFeancIsteteCoelho de Ollvelr* Soares,
c os capitaes doi'itado-maior de prime ira cas
se Pe l ro Torquato Xavier de Brito e M aune I de
Barros Fonseca de Brito bem como que o2
uKiinos pddeiu ser aqui empregadoi como ofti-
ciaesdo estado-malor, ou em commlssao deen-
genharla.Inteirou-se o inspector da pagado-
ri.i militar.
Dito. Ao commandante da praca, com-
munican lo-lhe que, segunJo constou de
aviso do ministerio da guerra, datado de 18
- de outubro ultimo, S. M. o Imperador, por
imperial resolucflo de 13, tomada sobre con-
sulla do'concellKi supremo militar, houve
por bem indeferir orequerimento de Ve-
rdlano de Souza Broxado Jnior, tenente
do oilavo batalhflo de cacadores, pedindo
ser reformado como sold que Ihe compe-
tir,' ou em vencimento algum, visto nflo
ter provado achar-se lilteralmente compre-
hendidonas dispnsices do alvar de 16 de
novemhro do 1790, e apenas constar que
conta 7 annos de praca e que fra julgado
incapaz do servico por sofTrer molestias in-
curaveis.
Dito.Ao mesmo, exigindo, de conformi-
dade com o aviso do ministerio da guerra,
datado de 22 de outubro ultimo, a fdeuffi-
ci do alteres Eduardo da Costa Gama, res
tiva ao lempo em que elle servio como pri-
meiro cadete da companhia fixs decavalla-
ria de-ta i rovmcia, aflm de verihear-se a
sus antiguidade.
Dito.Ao inspector da thesourana da fa-
zenda. transmiltindo, em consequencia de
requisQo do Exm. presidente do Rio-Gran-
de da thesourarja J'aquella provincia partici-
pa ter sacado sobre essa urna ledra de
8:786,680' a favor de Barroca & I'inlieiro
loteirou-se o Esm. presidente Jarcenla
provincia.
Dito.-Ao mesmo, declarando que acerca
de ajuda de rosto para as despezas de ida e
volia aos deputados ltimamente elcilos por
esta provincia para a prxima legislatura,
'bem como aos supplcntes que em qmlquer
poca dalla lverom de ir tomar assenlo ou
voltar, (leve 8,' S. oliservsr quanto se con-
torc noofllcioque se Ihe dirigi em 7de Ja-
neiro de 1x48.
Dito.Ao inspector da pagadoria mili-
tar declarando que, nos termos dodecroto
e insliucces de 18 de novembro de 1848.
arbilrou ao paisano Francisco Ferreirn de
Araujo, que se offereceu pa'a assenlar praca
em um dos corpos daguameflodesta pro-
vincia, a gratificaqflo de-cem mrl ris.
Dito.Ao mesmo,exigindo, para si r en-
viada ao (Exm. ministro da guerra, a gui
do tenente do oitavo halalhflo de cacado-
res Manoel da Cunha Wandcrley Lins.
Dito.Ao mesmo, transmiltiod", para que
lenha o conveniente destino, a guia do alte-
res da quarta classe do exercilo Jorge Ro-
drigues Sldreira.
Dito.Ao mesmo, remetiendo o termo
de entrega e recebimenldos medicamen-
tos o mais objectos, ltimamente remedi-
dos para a ilha de Fernando no patacho
l'irapama ; bem como o conhecimento que
prova ter ficado ludo a cargo do almoxanfe
da mencionada ilha. i,
Dito.Ao commandante da i ha de Fer-
nando, inteirandoo deque o briqueCa/i/ope
leva a seu bordo urna prensa de fazer fari-
nha, que fui requisitsda pelo seu_anteces-
for, bem como M cossueiras depinho d' tres
pollegadas de grossura que deverflo ser a-
proveitadss na factura da caixa da mesma
prensa.
Dito.Ao commanda-nle superior da guar-
da nacioBal de Olinda e Iguarassu, com-
municando que, segn lo constou Je aviso
do ministerio da jutica de 29 de outubro
ultimo,8. M. o Imperador, por decreto de
25, heruve por bem nomear para ajudante de
orden daqelle comn.ando a Joaquim de Sa
Cavalcaiite de Allmquerque; e transaiittin-
do a nota das despezas que tem elle a fazer
com a acquisi?3o da respectiva patente, a
fim de que a mande solicitar na forma
do art. 13 do decreto n. 632 de 27 de agosto
prximo passado.
Dito.-Ao administrador das obras pu-
blica, transmiltindo aconta documentada
4. das despezas feilascom a conlinuacio dos
estudos graphicos da estrada da Victoria, 88 de outubro uKiOiO a do corrente, para
que faca creditar o engonlietro Milel pea
quaulia de 34.080 em que imporU referi-
da conla. Inteirou-se o referido enge-
nheiro. .
Dilo.Ao mesmo, enviando a conla do-
cumentada das despezas feitas de 28 de ou-
tubro ultimo a do corrente com o 16.* Un-
co da estrada da Victoria, alim de que faca
creditar o engenheiro Milet pela quanlia de
65,890 em que importa a mencionada
tonta Scientificou-se o sobredito enge-
nheiro.
Dito.Ao mesmo, remetiendo a conla do-
cumentada das despezas feitas do 28 de ou-
tubro ultimo a do corrento com a obra da
segunda parte do nono lanco da estrada da
Victoria, afim deque faca creditar o enge-
nheiro Milet pela quanlia de 77,800 ero que
importa a sobredita conta.Commumcou-
se ao dito engenheiro.
Dito.Ao agente da compinhia dos pa-
quetes de vapor, para que ordene ao com-
mandante da barca lmpcratrt: que entre-
gue i disposicSo do commandante da pra-
ca tres desertores que trouxe da provincia
das Alagas.Inteirou-se o referido con-
mandante da pra^a.
IV>rtaria.Ao commandante do vapor D-
Affonso, para que receba a seu bordo o Ira ns-
pofle para o MaranhSo o ex soldado a
exercilo Tiberio Augusto da. CunN.
hita.Xo commandante do brigue escuna
Coliope, para que receba do da barca D.-
I'eilro, e conserve a seu bordo disposico
do juiz municipal da primeira var, o roo
JoSo Francisco Nepomuceno. condemnado
a gales perpetuas nn ilha de FernsnJo.-ln-
teirou-se o referido juiz municipal e o com-
mandante do vspor D.-Vetlro.
Dita.Ao commandante do vapor Urania'
par quo faga passar para bordo da barca
Imperatri; a bomba de anegar incendio quo
se deslina a provinoia do MaranhSo, bem
como dous caixot"S com utencilios perten-
centes ao vapor Theiis. -- Communicou-se
ao Kxm. presidente do Maranliilo a remessa
da sobredita bomba, e ao commandante do
Thtlit a dos mencionsdos caixcs.
Sr. dcaembargador Rebello as appellajes cl-
veis em que sao :
Appellante, Joo de Carvatho Raposo ; appel-
lado, o luitn dos ausentes.
Appellantes, Bento los da Costa e sua mu-
lber ; appellado, Jos Joaqulin Bezcrra Ca-
valcante. ,, ,
Appellante, liento Jos da Cosa ; appellado,
Jos Joaqulm Bezcrra Cavalcanle.
Appellante, Joaqulm da Silva Castro ; appella-
do, Antonio Joaquim da Silva Castro.
Appellante, Joao de Souza Lima ; appellado,
Jos Antonip de Souia Lima.
Passaram do Sr. deaembargador Rebello ao
Sr. deaembargador Luna Freir as appellacaes
civeis em que sao : -
Appellante, Jos Joaquim Umbelino de Miran-
da ; appellados, a viuva e herdeiros de Fran-
cisco Bernardo Alves Ferreira.
Appellante, Manoel Jos Soares de Avelar
appellado, Domingos Jos Marques.
Appellantes, Jos Lopes Denie oulros; appel-
lado, Francisco Pcrelra da Silva.
Passou do Sr. dciembargador Luna Frelrc ao
Sr. deaembargador Tclles a appellaco clvel
emqucsiio:
Appellantes, Francisco Jos Barbosa Juiao
llcrenger; appellado, AnlonioGomcs Villar.
Passou do Sr. deaembargador relies ao Sr.
desembargaor Villares a appellaco civcl em
Cf uv ja *) t
Appellantes, o reverendo guardiao e osyndlco
do convento de San-Francisco ; appellada, a
fazenda nacional.
DlSmllI'ICKS.
Ao Sr. desembargador Leo o aggravo de
pellcaoem que sao:
ggravanles, Manoel Pereira Lamego e outros;
ngravados, Rosas Braga st C.
Ao Sr. desembargador Hebcllu o aggravo de
petlco em que sSo I
eeravante, Lourenco Josc dasNevcs ; aggra-
vado. Miguel Aroanjo de Figueiredo.
Ao Sr. desembargador Souza o aggravo de
pe tiran em que ao : -
Aggravante, Juliao Bercnger; aggravado, Jos
Antonio Lourenco
crivol mpresllo de outros. Yuma palavra,
existe a repblica, porm o qu*a esta hele-
cera m nem crem nos delirios humanitari-
os, por ntolliesdaroutraqualificaciln, dos
que (izeram sua patria tal presente. K n3o
se diga que a reacQo he obra de enredos o
manejos, eainda monos de violencia. Os
cidsduos acudirain s armas, e a vonladc
nacional se.expressou do modo mais ter-
minante que se poda imaginar. Seis m-
IhOes dcFrancezes elevarain l.uiz Napoleilo
a cadena da presidencia,nflo ignorando que
o prente do NapoleflO eslava cercado do
liomens que jamis synipathisaram com a
repblica, emuito menos com os delirios
do socialismo. Desla situago, de si ano-
mala, so poden nascer contradicefles de to-
ila a casta.
So t.lo smenle se attender a origem do
governn, e palavras quo inscreveu nassuas
bandeiras, apparece a inconsequcucia de
combaterema repblica os que vivem cm
Franca sobo rgimen republicano ; porm,
se, pondo de lado'exlerioridades, s se at-
tender essencia das cousas, deve conclu-
irse que o proccdimenlo nesta oecasifio ob-
servado pelos governantes he lgico, o con-
forme com as ideias que sempre livera.o, e
com os desejos do paiz, que, dando-lhcs o
seu voto, os sanecionou do modo mais so-
lemne. Enviar excicitos em favor de Maz-
zini fura talvez a polilici de l.edru-ltollin;
mas.apezai disso.muito duvidamos uucou-
sasse- lY/e-lo no Caso de se adiar frente
dos negocios quandu os triumviros com-
plelaraui a ob a dos assassinns de llossi.--
Por em liberdide Pi IX, e, conseguido islo,
deixa-lo leger seus estados como melhor
Ihe parecesse, devia ser a poltica dos que
hojeempiinham as redeas do governo.
Eis-aqui, segundo cniendemos, a explica-
'm dos tactos que exallam u bilis do pseu-
do--progivsso Maldizem du Odillon Iiarrot
>^.'
TRIBUNAL DA itELAGAO'.
SESSO DE 17 DE NOVEMBIlO DE 1849.
PSKSIDRSCIA DO EXM. SEMIOS
ci)--i:fi.iikihii AZEVEOO.
A's des horas da manhaa, achando-se pre-
sentes osSrs. desembargadores Villares, Has-
tos, Leo, Souza, Bebello, Luna Freir c Tel-
les, faltando com causa os Sra. desembarga-
dores Ponce e Ramos, fol aberta a seasBo.
O Sr. presidente apreaente* em mesa um
oHrcio do Exm. Sr. concelhelro de estado pre-
sidente da provincia ein dala de 14 do'corren-
(e, couimunicandoTlhr que por portarla da
mesma data havia dispensado do lugar de ter-
cciro supplente do juiz municipal da segunda
vara desle termo o bacharel Manoel Jote Pe-
reira de Mello por assim o haver pedido.
Oulrn do mesmo, em que remelle copia da
portada de 10 do corrente, pela qual tem Ho-
rneado supplcntes do juiz de orphosdo termo
do Recife aos hachareis Vicente Pereira do Reg
e Manoel Clcmcntino Carneiro da Cimba, e al-
terado a lista dos mesiuos supplcntes.
decisSis.
Appt/afes n'eeij.
Appellante, Antonio Bernardo Ferreira ; ap-
pellado, Joaqulm Francisco Ribeiro de Hrilo.
- Foi confirmada a sentcnca.
Appellantes. os administradores dos hospltaes
decaridade; appellada, Rita Mara do Car-
ino.Mandou-se ouvlr o Dr. curador-geral e
ao Sr. desembargador procurador da cora e
fazenda.
Aggravo de ftUfto.
Aggravante, Cetano Francisco de Barros
Wandcrley ; aggravado, Jos Maria da Cos-
ta Carvalho.Negaram provimento.
DESICNtCdES.
Foi asslgnado o primelro da til para o jul
eamento das seguintes anpellacdea civeis :
Appellante. Jos Das Mocleira; appellado,
Manoel Jos Salgado.
Appellante, Antonio Fernandes Ribclro ; ap
pellado, Manoel Florencio Alve de Moraes.
Appellantes, Bernardino de Sena Das e oulros;
appelladas, D. Joanna e D. Anna Joaquiua
Macicl Monteiro.
Appellante, Carlos Andrcatt; appellado, Ju-
lia Bcrangcr.
Appellante, Antonio Martins Ribeiro ; appella-
do, Lourenco Bastos.
Appellante, Antonio Korges da Fonseca ap-
pellada, a administraeSo do patrimonio dos
orphos desta cldade.
aevisSES,
Passaram do Sr. desembargador Villares ao
Sr. desembargador Bastos as apprllacdes ci-
veis em que sao :
Appellante. Alfonso Jos de Albu.|ucrque Mel-
" lo ; appellada, a irmandade das almas do Re-
cife. .-
Aappellante, Jos Gomes Villar; appellado,
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Passaram do Sr. desembargador Tastos ao
Sr. desembareador Leao as appellacdes civela
em que so :
Appellante, o julio de ausentes ; appellados,
Me. Calinohl C. *?
Appellante, JoSo Ferreira dos Santos appel-
lado, Jos Joaquim de Mesquita.
Appellante, Jos Gomes Pereira Ribas ; ap-
pellada, a cmara municipal da villa do
Pilar.
Appellante, Autonio Domingos de Alenla
Pecas ; appellados, Jos Bernardino Leal e
oulros.
Appellante, Jos Castro da silva ; appellada,
Maria Custodia das Vlrgena.
Appellante, o padre SebaitlSo Antonio de Me-
nezes ; appellado, l.uiz Ignacio de Oliveira
Passaram do Sr. destrfbargador Leo ao Sr.
desembargador Souza aa appellacdes civeis eiu
uue sao: ,
Appellante, Bernardo Duarte Brandao appel-
lado, Manoel Joaqulm Rebello.
Appellante, o bacharel Manoel Jos Pereira de
Mello, curador da parda Rosa ; appellada,
Maria Carolina Ferreira de Carvalho.
Passaram do Sr. diembargador Souu ao
Ao Sr. desembargador Telles o recurso cri- e je pa-|0UXj sem olllSiMD a que.se n Fran-
meemquesao: .. ca eslivesse emliuida lias deias quo Ihe
Recorrente. o julio; recorrido, Manoel Anto- *ppflem D1 elllrtiriam tes personagens
UvanTcfu-s^ a sesso depos de mcio-dia. na escala da politice, pois uo leria passado
JV H. Nao houve julgamentos das appella- pelo pensamento de alguem o oppor-se a
cics que estavam com dia assignado por fal- vontade de mu povo inteirq.-ltentilam mes
taroSr. desembargador Hamos.
EXTERIOR
1IF,PAMIA.
Madrid, de outubro.
No nos engaamos quanlo dissemos
hontcm que o biom proprio de Pi IX ntto sa-
tsfazia osparlidos que seguem opinoes ex-
tremas. Os do progresso qualiflcam-no de
diminuto, e se exaltam contra os Franceses
que vadiram Roma para destruirem a re-
pblica improvisada por Mazzni eos seus,
parorondo-Ihes repugnante inconsequenca
que os que acabavam da proclamar a fra-
lernidade as margens do Sena fossom der-
ramar o sangue do seusirmosnamargem
do-Tihro.tralando agora as concessfes feitas
por sua gantidade por um modo a que cha-
mam pouco liboral o generoso.
Nilo temos por dever defender a lodos os
actos do governo, mas eremos firmemente
que o que presentemente parece inconse-
quenca talvez ache completa juslificagno.
quando, acalmadas as ptixOes da cnse, so
vejam as ronsas luz da rasfo e da justica.
A revoluco de everero veio por em mo-
vimenlo a Europa, proclamaram-sc doutri-
nasjdemasiadamcnle discutidas, esein-
tentou conseguir de golpe que os classes
proletarias enlrasscm na arena poltica em
esquadro serrado. Alguns membros do
governo provisorio, favoraveis a propagan-
da, procuraran) de um modo vergonhoso
levantar a bandeira da rcvoltaem vanos es-
tados do continente, dando ajuda aos aven-
turemos de todas as partes, efacililando-
Ihes meiosdeperturhaiemaordem publi-
ca nos seus paizes. No enlanto, venceu afi-
nal a prudencia, e o celebre manifest de
Lamartine destruo as esperanzas dqs que
entendiam que a Franca so la transformar
n'um acampamento revolucionario, aondo
achariam mcios e recursos para tealisai
seus planos. .
O Ilustre poeja conliava na eflicacia do
bom exemplo, e dava a entender que as
prosperidades que sua patria ib gozar com
as l res palavras mgicas que adoptara por
bandeira, fariam quo as demais naques 1ro-
cassem pela forma republicana a forma de
coverno que at entilo liaviam manlido e
respeitado. 'j .
E por isso, desde o primeiro alvor do no-
vo dia se conheceu que as autoridades do
motira quederribou por so.r41re.za a monar-
cliia eslavam muilo longe de querer por em
pratica a poltica aggressora e hellicosa
por que lnham propugnado durante o rei-
nado de l.uiz Filippe Quando seWiram sc-
nhores domando logo conheceramque a
guerra repugnava a suas ideias, eaoS hbi-
tos do presente seculo, e que, se chegasse a
ser declarada, s rodundaria em proveito
dos bandos demaggico e socialista.
Por cssa consecuencia se tiraram oulras
que nflo enumeramos, porque os aconteci-
mentos sSo modernos e notorios, e porque
pela frca irresislivel das cousas se ctiega-
ra ao estado era que hoje vemos a repblica
franceza. ... .
Por urna parte a influencia e valimento de
que pretenderam desapossar a classe media,
eram por esta novamente recobrados, a
ponto tal que as ideias de ordem leem hoje
maioria o urna assembla eleita pelo voto
nacional. Por ou Ira parte subsistes pala-
vra repblica e as instiloiertes que se forma-
rain na primeira assembla, accrescendo
que os que hoje dirigem os negocios pbli-
cos em Franca sSo os mesmos que tratavam
delles quando imperava o rgimen destrui-
do pelo louco arrebatamenlo de uns e in-
PEP.NAWBUCO
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
5." SESSA5 OaDISA! EU 10 OE SOVFVBrtO
DE 18*9.
Presidencia do Sr. Oliveira.
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, Ma-
mede, Dr. Moraes, Oliveira, Vianna e Pe-
reir, abro-sea sessio. e foi lida e appro-
vada a acta la antecedente.
O secretario fez a leitura do seguinlc ex-
pediente:
Um ollico do procurador, pedindo anlo-
risac.to para fornecer os objectos requisita-
dos pelo juiz do paz do primeiio dstriclo
da fregue7ia do Recife para a eleicflo que
deve ter lugar amanhfla. Qua ge aulori
sasse.
Outro do fiscal do bairrn do Recite, par-
ticipando ser a importnela das mullas do
mez passado de 150,000 rs. ; c pe lindo qui-
se mandaste pagar ao cirurgiSo Josc Anto
nio Marques a quanlia do 6,00 rs. de duas
visitas sanitarias que com elle fez no refe-
rido mcz. Quanto primeira parte ntei-
rerada, e quanto segunda que se pas-
sasse mandado.
Cootinoou a apuraeflo geral par dopula-
dos provinciaes, e anda niio pode ser con-
cluida.
Despacliou-se a petieflode Jos elemento
dos Santos Siqueira, e levanlou-se a sesso.
Ku, ,1/nnoe/ lerreira Accioli, secretario in-
terino, a escrevi. Oliveira, presidente.
Carneiro Monteiro. Yianna. Moraes.
Aiamtilr. i'trreira.
no rti i-iOR-
quinhas as concessOes do pontfice, poique
nflo ulleulam para a siiiiiie.no especial de
Roma, e para os piincipiot que a lal respei-
to o partido moderado sempre sustentou, j
em llespanha, jaalm dos l'yreneos.O ru-
mo quu os aconlecimentos tomaram era o
que realtneiil devam tomar.l-'.slamos,
cointudo.promptos a confessar que nflo foi o
mais propicio realisueSo dos planos e pro-
jectos dos sempiternos inimigos ds ordein
publica edovcrdaleiro progresso.
[Heraldo.

(Do Diario do Governo de Lisboa.}
EI.EITORES 1).\ FRECUE/.IA
MOSO.
os sus.
Jos Antonio Lopes
Manoel llcnrique Wanderlcy
Francisco Rodrigues Selle
Joaquim Francisco Denz
Joflo Antonio Costa e Silva
Lourenco Avellino do Albuquerque M.
Francisco Conculves da Rocha
Caelano Jos da Silva Santiago
Leandro Jos da Silva Santiago
Clemente da Rocha Wanderley
loaquim Cordeiro Ribeiro Campos
Jos Ignacio da Silva
Manoel Mendos Bandeira
l.uiz de Franca Rodrigues Ramos
Antonio Pinhoiro da Palma
Antonio Mendos Ramos
Joflo Comes de Oliveira
INTERIOR.
vosos.
638
(3
iian
ri.iK
(i:ls-
638
ex,
ou
G1;i
(i 10
0f
615
605
ti ilO
con
501
180
ALAG0AS
Extracto do expediente do Exm. Sr. presiden-
te Dr. los Denlo da Cunha e Figueiredo.
1." DE OUTUBRO.
Officio. Ao inspector da tliesouraria de
fazenda, dizendo-lhc em rosposta ao sen of-
ficio de 29 do mez findo, qtie.liavendo a pre-
sidencia porohlcio de 12 do dito mez man-
dado sobr'estar no pagamento dosalferes
decommssflo, lie claro que a ordem para
o ajuslc de contas a um delles Pedro Joa-
quim Nunes de Mesquita se dovo entender
quanto aos vencmentos de cadete depois
do referido.dia 12.
Dito. Ao capitflo do porto, dizendo-llio
que approva o orcamenio e plaa qoe se
loe devolvo da obra do telhero para depo-
sito das madeiras do estado, o recommen-
dando-lhe toda a fiscalisaeflo para que nflo
sefacam despezas maiores que a quanlia
oreada de uove conlos de ris.
2.
Ofiicio Ao inspector provincial, auto-
rsando-o para mandar fazer o pequeo re-
paro de que precisa o palacio da cidade das
Alagas, cujas despezas fram oreadas m
30,040.rs como consta dos"papeis que se
Ihedevolve.
Dito. Ao mesmo, para expedir ordem
ao administrador da mesa de rendas pro-
vinciaes da cidade do Penedo, para fazer o
pagamento dos prels do destacamento e
Agoa-ltrnnca, que alli se apresenlarem as-
signados pelo respectivo commandante o
primei'0 lente Severiano Martins da Fon-
seca.
Dito. Ao inspector do algodflo de Ma-
cei, declarando-lhe que o agente do algo-
dSo da provincia de Pernambuco poder
por as saccas que vierem do centro da
mesma provincia a marca estabelecda no
regularoento daquella agencia de 14 de
inaiode 1847. Participou-so ao respecti-
vo agente.
Dilo.Ao engenheiro inspector das obres
publicas, ordenando-lhe que remeta o or-
ca,nenio da obra que prope de urna esta-
cada sobre o riacho Macei junto ao hospi-
tal da tropa.
Dito. -- Ao coronel de legiflo de Porto-
Calvo, aecusando a recepQflo do seu ofiicio
datado de 23 do mez lindo, a que acompa-
nhou a relacflo dos arligos bellicos que re-
mellen para esta capital, dizendo-llie
quanto ao armamento que declara Picar em
seu poder, queem vez de o fazer distribuir
como prope, o faca logo recolher ao depo-
sito da mesma capital.
Cttilhermo Cavalcanto de Albuquorque '70
Antonio dos Santos Vital
Thom Bandeira del'aria
Clirislovflo de llollanda Cavalcanle
Francisco de Barros Wandcrley
Manoel do Mendonca e Silva
Theodosio Francisco Deniz
Luiz do Macedo Lima
Francisco de Paula Cavalcanle
Carlos Jos Cavalcanto
Filippn Nerv da Silva
Joaquim Fetosa de Araujo cavalcanio
Antonio Machado da Silva S. Santiago
Jos Ignacio dos Sanios
Jos Manoel de Miranda Lima
Manoel alendes Bandeira Jnior
160
450
440
*1(
410
430
i>i
-27
42.'.
430
518
417
i ir
412
410
EI.EITORES DA PREGUEZIA DO LIMOEIRO.
os'sns. VOTOS-
Jos Francisco da Cosa Comes 65-2
Francisco Lopes de Vascoucellos Galvilo 653
Antonio Rodrigues. Rovoredo
Francisco Ferreira da Costa Comes
Francisco Antonio da Costa Cabral
Antonio Gomes da Silva Cumaru
Francisco Jos de Figueiredo
Antonio Francisco Goncalves C.
Rento Jos Goncalves Gumares
Bento Jos de Alhuquerqiie
Joflo Bernardino Nunes Ribeiro
Jos Antonio Pestaa
Joflo Antonio de Oliveira C.oellio
Manoel Ramos da Silva Moreira
Manoel llamos da Silva Moreira Jnior
Sebaslflode Albuquerquo M. Falco
Sevormo Alexandre Villanm
Virissimo Jos d-i Souza l.imeira
Leandro Gomes da Silva
Cosme Teixcra de Carvalho
Jos Ignacio de Figueiredo
l.uiz Francisco Barboza da S. Cumaru
Antonio do llollanda Cavalcante
Lourenco Soares Cordeiro do Mello
Manoel Gomes de Moura e Silva
Manoel Christovflo do Mello
Francisco Corris de Amoro Costa
Francisco Gomes Caldera
Jos Maria Velloso da Silva Azevedo
Jos Rodrigues Revoredo
Antonio l.uiz de Souza
Joflo da Molla Leal
Joaquim de Hollanda Cavalcanle
Jos dos Santos Silva e Medeiros
Antonio Francisco Xavier da Costa.
Manoel Borges Olas
Domingos Cabral da Silva Cupira
Feliciano Pereira de Lira
Francisco Manoel Cavalcanle
Luiz Vaz Salgado
Pedro Soares de Albuquerque
Jos I.eflo Pereira de Mello
652
652
652
C52
i;:.-'
651
051
651
65t
651
651
051
651
651
651
651
650
650
050
650
650
650
650
;',!.
61 i
643
637
637
637
637
022
022
618
016
585
582
581
586
532
332
ELEITORES DA FREGUEZIA
(IMIAI.M.
DF. TRA-
OS sas. VOTOS.
Jos Mai i de Barros Brrelo 525
Jos Francisco Lopes Lima 523
JofloMauricio YVanderley 522
Manoel Jos de Oliveira Mello 52o
Manoel Cavslcante de Albuquerque 518
Joaquim Manoel Vieira de Mello 515
Joflo Fernandes Vteira de Mello 513
I Joaquim Cavalcanto do A. Mello 50o
4o5o Francisco Cavalcanle do A, *9


PBMBMtHMM" -"rvtamtf^wuit mmmmm *xbm m **-y*r>-.-."*y
\&l
Un
OS SUS.
Jo.lo (.'avalranle M. Wanderln
llerculano Froncisco llnndcira do Mt
ir.mri'co Antonio Caiflo
Jonquii Cavalcunfo da It. Wnnderdey
Joflo Antonio Caifio
Antonio asfi do Oliveira Mello
.los Pedro de Oliveira Mello
Mnnoel Thomai de Albuquerque M.
Patricio Jos Itilieiro de Vasconcellos
I i-ic|iiiii Jos alendes do A/cvedo
Francisco do Hurles Vieirs ue Mello
joflo Marques Racalho
Antonio iMjuinel Caifio
A loxandie Corala de Castro
Bernardo Dornellai da Cunha Randcira i
Antonio da Molta Silveira C. ilO
Vl.'l os.
4!ii
90
87
-1 NO
*7
471
466
(63
450
4tS
?44
4:i!)
485
431
QiUimuiiicuciu.
A U.NlAO E 0 EXM. MINISTRO DA MAIIINIIA.
Penna mais hbil que as anteriores redl-
jjio a Inion. I8S na quesillo da senatoria
efli relacfio candidatura do Sr. Tosa: v-
sn por esse numero que houve forte mpe-
nlio em commcller essa melindrosa tarefa
i algum talento que, sustentando o bairris-
iiio, uflo inrorresse na grosseria de menos-
presar o digno candidato dos amigos leaos
que uo dcxm apagar-seem seus peilos
onolire senlimento dograliilflo.
O hbil redactor, lacado pelo Capibaribe
cni iloiM casos de eler;flo que contradi/em
o Tallado provincialismo, respondeu que os
individuos dos ejemplos rilados silo Per-
n.nnibucanos de fado, e silo Pernambucaoos
pimpina Unulo assim o tementendido, inun-
da i/iic se ruin/ira Bem : tamlicm os amigos
I i Sr. Tosa o Silo igualmenie dos dignos
Ires depuladoa i quom se slludc; e por
asonada maia sobra asta especia, smen-
te una rellexfio acerca do Sr. Thoma/, Xa-
vier, e lie que, se esse candidato scnaloria
eni IXti lio lilhn te Peruainhuco, nao devia
a I nifio lomar tanto tniliallio om justificar
a sua randidatora, marcando a poca d'on-
ilo parle o sen nobrs cotnprnmisso, por
amor do uniil f../ rosto i candidatura do Sr.
Tosta : a 'afo eslava defendida s com a
palavraPernambucano, aecrescentadn ao
nomo do digno ministro do supremo tribu-
nal de jusiica ; entretanto, laem suacons-
eicncia nao scha bastante a defesa, e vai por
diante discriminanilo as pocas das dDas
candidaturas, lie esta a primeira vez que
ouvimos dar i1,! na m Ion-.i por trra natal do
Sr. Tilomas Xavier, e tal innovaeflo nilodei-
sar do sorprender a provincia do Riu-
.rando do norte.
Cumpre agora responder ao desprezo com
que O digno redactor falla acerca de umag-
i/regailo infrene e indigesto de palairas lem
romirx'm. fas o'drm esem sentido, que, rom
o titulo decummvnicad nppmeceu no Diario
de Pernambuco, fuiha officiulih governodei3
,/o corrente. Admiramos que o nclito redac-
tor poilesse riunproliendpr em usa agrjregaila
infrene e indigesto de palntrns, semeonn xo,
srm artlrm t sem sentido una Calumnia, un
ull'age.alm de militas descortesas feilas aos
eminentn, poderosos, inrioluveis e sagrados [so
lien que interinos) redactores da Untt->\ !!
Palavrss sem ordem, sem sentido uadaex-
primem ; nem injurias. Sempra vos dire-
mos que vosso nr mofador e de desprezo Coi
de industria escolhido para encobi ir vosso
amor propiio oflendidui vossa causa sem
jes! ira, sem nohreza, sen. lealdade, vLva-
menteatacada, n8o vos constle una pala-
via ile defesa. Fostes ferido pela verdado,
n por ultimo intrinclieiramento tomis o
escarneo no desprezo; mas lembrai-vos
que o desprezo, nlm de nao ser arma mu
segura e de proveito, por vezesexprime vi-
I /.i, injoslifa e inahilidade.
Lamentamos uuc nm escripia i3o famo-
so, tao sublime, um estyio tflo rico e pom-
toso, nilo fsse acompanhado daquclla co-
nciencia lgica qucieclamam os discursos
do nosso muilo iligno compalriuta e corre-
luioiaiio distinclo,oSr. concelbeiro ivrc-
ennlmcimonto e da mlnha ndmiracflo! Eu
Lnstomunhei, senhores, acoragom e o pa-
triotismo desee digno magistrado, dando a
todos o exomplo do valor e da conscieneic
do dever em urna alma elevada; eu o vi ani-
mando aos defensores da ordem, deliberan-
do ii'lleraeel no meio .'o ronflieri} cu o vi
cuidando de ludo, menos de si Era Vanlio
ilefendendo e salvando o capitolio quando as
hostes qaulezas. commnndadas pelo implacavel
llrene, invadirn a cidade eterna !!
Assim pensava o Sr. Maciel Monteirn, no
cnlanto que a Y nido n. 181 diz : a provincia,
sem sanecionar o seu oprohrio. nao pude admil-
tir entre seis o nome do Sr. Tosta !!!
Ainda o Sr. Maciel Munleiro, como mem-
oro da deputacfln quelclicitou o Sr. Tosta,
proferto a aeguinte allociiQflo:
lllm e l'xm. Sr. Ouan.lo um paiz es-
tremecido pelas discordias civis, e ensan-
guentado por urna guerra desastrosa, v es-
lender-sc-llie o brago firme e vigoroso do
governo que o defende e que o salva; o
rcronhecimtnfo do poto para com esse governo
tem tanto de sagrada, como tem de nobre a sua
mam fritaran.
.(.lavo o assustadora era. porcerto, a si-
tuadlo desta provincia, conflagrada em al-
guna pontos pelo acervo de materias inllmi
inuveis que llie depositara noseio urna po-
ltica desregrada e febril, e que ao acceno
do egosmo e da colera rompera-m-orn mo-
donlia exploaflo; ese por um lado os am-
pios recursos do partido da ordem, liio for-
te pela santidade da causa, tiio forte pela
suiieriordadc do numero, aliancavam o res-
tabelecimenlo da paz publica e o Iriumpbo
da ConstiluieSO do estado ; poroulroa mis-
silo de reunir e eiicamiiiiar taes recursos,
assim como de empregar opportunameate
os que inini-ii av,i a biu-a armada que 13o
bem merecen da patria nesta conjectura
suproma, sopo lia ser sabiamente desem-
(iriili.id.i por administrador que, elevndo-
se a' aliara da silunrao', dsse um exemplo
conspicuo e pessoxl de zelo e de dedicarao', de
patriotismo ede cararjein.
Esto administrador, Exm. Sr., a sabedo-
ria do governo imperial no-lo deparou em
V. Esc que tilo hbilmente comprehendeu
a tarefa que tinlia de execular, e tilo feliz-
mente execulou a tarefa que lluvia compre-
hendido !
lloje, porm, que os Pernambucanos, no
remanso da paz e a sombra tutelar das ins-
tiluicoes que sos Ibes permittom repouso e
prosperidades, saborim o fruclo de taes
DdOeficiOi.e contemplara em V. ICxc. o prin-
cipal autor de tflo gjoriosa obra,...(*) a as-
SOinbls legislalya da provincia juljfaria
faltar ao dever que llieimpde s opmiao' do
pniz, se poi ventura, constituindo-se urgilo
fiel de taes sentimentos.nflo oll'ereresse V.
Exc um voto de seu profundo reconheci-
mentul! !...........
vos tambem da dgndade e garanta dos
liomens dotados de ntellgencia que,cbeios
de zelo e da aclividade, s.to as Torcas fitas
do nosso partido; da i-Ibes a ronsciencia
iletsa dignidad1, animando-a, recompen-
sando-a ao menos com o livre uso de BSUS
direilos; n nao dieas nm summa com osse
egosmo ridiculo e smi-orlhodoxo: tSa'o
cites os instrumentos de notsa vontade.cum-
pram c execiilem o rjue temos determinado
da alia regia'o em que gyramos, onde nn'o po-
demos ser alcancudos pelo clamor itesscs rep-
til.....
Lembrai-vos mais que esss a quem cha-
mis reptis silo os mesmos a quem peds,
as confidencias da poltica,lodos os favo-
res necessarios para vos sustentarles la nes-
sas alturas d'nde nm dia po leis cahir, pa-
ra nunca mais vos Invantardes.
O Eleitor Pernambucano.

Correspoiideiicias.
Istodizo Sr. Maciel Monteiro, emquantu
a V/i/'o',por balla. |.or iKv.ria.oii por injus-
ta e ambiciosi, diz : A provincia de Pernam-
buco nao' piule, sem sanecionar o siu opprobrio,
a sua injuria, a tua ignominia, votar no Sr.
Tosa para senador do imperio!'. I
Eis^abi, senlioies da Inian', a vossa cohe-
rencia. Neg iris que o Sr. Moaloiro exure-
mia pera lite o Sr. Tosta, p.'runle a provin-
cia que uoliservava,o senijiniMito da mesma
provincia."! Se, pos, o Sr Monteiro nter-
prsjlou ISo biilli.intenienle o senlimento da
provincia, como ousais lloje dizer que a
provincia repula por opprobrio dar um voto
ao Sr. Tosa?"!!
Eis-vos n'uoi diloma. Ou viissois o orgflo
fiel do pensameuto d^i rovincia oilesmen-
tis oSr. Monleiro, o o Sr. Monteiro era o
genuino representante desse pensameuto;
o ueste caso o povo he o mesmo, a poca
ll:m ha (luir,, o,.lovontio aultjiatil all.la l;ll)
generosos senlimenlos, nilo lio opprobrio
para esso povo, para os Peanambucsuos o
dar um vuto BU Sr. Tosta.
A2t do abril de I8G, o Lidador, depois
ni i i.i baver combatido a eloicilu dos
Sr. redactor.Tendo eu sabido depoit que
ebeguci ao Recife, que cin S.-Antao .se eatava
ipalhando a ideia de ler eu tomado aponta-
incntos as corrcipondenciai inserta no Din-
rio Sovo, e assiguadas por Manoel Gregorio
Rodrigues Campellu, contra as autoridadea de
S.-Antao. apresso-inc em declarar ser falsa tal
i niiui i, i'i, e que he verdade ler Tanocl Gre-
gorio se dirigido a uilin urna vci, nao me pe-
dinilo directamente, mas queiando-se de que
uo achasse uina pessoa que Ihe eicrevesie
nuil corrcspoiulcncia para elle assignar, e
mandar imprimir; cntao, entendendo eu o seu
desejo, rcspondi-lhe nao ser cu pessoa azada
para escrever para o publico; depois do que
tem elle passado pelo ineu engeaho algumat
vczrs, mas nem se tem demorado, e nem me
procurado, exccpcSu de uina ou duas vezes,
para Ihc comprar ou receber urna negrinha
por enipcnho. llevo mais accrescentar, Sr.
redactor, que, ainda quando ru algum da II-
Vesse escripto para o publico cerca de poltica,
(o i|ue nunca fiz, salvo a respeito de algum ne-
gocio particular) assim mesmo nao me incum-
bira (atiento o ineu genio; de escrever, ou
concorrer para desabafo de pai>0cs alheias, e
milito menos de patentear tactos deque nao
litaste i nnvir.a.i, e contra pessoas que nunca
me nH'enderam pessoalmente, tendo at algu-
ii.-i deltas me fcito alguns favores durante a
revolta, nao obstante conhecer a rmeta dos
ineus principios polticos. Desafio o autor des-
sa iinputaco a contentar-me o que aqu ai-
firmo.
Concilio, Sr. redactor, lastimando que as
paitoes polticas tcnhain subido a uina altura
tal, a pomo de f.izcrem com que unas pessoas
me exprobrem pela nimlia frieza e condescen-
dencia relativamente a polticac por eu nao
escrever para o publico,--(ainda em inelhor
quadra do que a presente] c outrat censurein
a mfn'ia iiitervencan, e acrimoniosa interven-
cao em negocios alheios paciencia, tenho a
mi i ii li consciencia tranquilla, u que inuito
aprecio e Miluelild.i
(Jucira Vine, Sr. redactor, imprimir esta
lindas do seu, &c./uo .1. d Soitta Oeltriio de
tranjo Pereira.
Itecife, 19 de nnvembro de 1849.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
rtondimento do dia 19.....17:088.562
IMPORTACA.
I.iroiiiu, brigue inglez, vindo do Glasgow,
entra lo nesle mez, consignado a Adamson
llowie & ('.., manfestou o seguinte :
78 barricas cervejs, 45 volumos fazendas
de algodBo ; a Johnslon Pater & G.
17 volumes fazendas de algodao; a llid-
gwsy & C.
200 bsrricas cerveja, 2 caitas snalos, 194
volumes fazendas do algo'iflo, 1 caita dita
dita e lnho, 1 barrica carvJo, 18 volumes
fazendas de lnho, 3 Tardos fio de tala, 100
barricas farinha de trigo, 500 bsrris polvo-
r ; a Adamson Hnwie & C.
6 volumes fazendas delinbo, 4 ditos dita
de algodSo ; a Kalkmann IrmSos.
100 chapas ferro, 20 feixes ferro em ver -
guinha, 2 pedrs desmoler, 22 toneladas,
3 6 quintaos e.104 libres Trro, 880 bar ras
linguados de Trro : a C. Starr & C.
CONSULADO GEKAL.
len.lmenlo do dia 19.....1:606,090
, .,. 115,027
Diversas provincias
CONSULADO
ftendimento do dia
1:621,117
PROVINCIAL.
19. .
828.959
viovimento do i*orlo.
Navios entrados no dia 19.
Sumatra 66 dias. galera anielicana Cali-
fornia de 369 toneladas, capitn Steven
Woodbery, equipagem 17, carga'pimell-
ta ; ao capillo. Vem em procura de
ordens.
Sicilia e Malta 80 diss o do ultimo porto
68, barca saris Sagrado-Coraca'o-de-
lesui, de 176 toneladas, capitflo Paulo Jo-
s Ceporro, equipagem II, carga sal; a
Lo Bretn Scliramm.
Camaragibe 8 dias, histe brasileiro 'JVo-
vo-festino, de 21 toneladas, capillo Es-
ii'v.in itibeiro, equipagem 4, carga ma-
deira, couros, arroz e assucar ; a Jos Ma-
noel Msrtins.
Buenos-Ayres 32 dias, brigue hespanhol
Pronta, de 165 toneladas, capitSo Goral-
doMarstan, equipagem 12, carga carde ;
a Joflo Pinto de Lomos. Segu para
llavana.
Navios sahidos n* mismo dia.
San-Mithous Patacho brasileiro Constan-
te, capilSo Francisco Aotonio da Silva,
em lastro do arela.
Itoston Galera americana California, ca-
pitflo Steven Woodbery, carga a mesma
que trnuxe._______ "__________________
barcar escrat os, dirija-son Caudino Ages
tinho de Barros, na pracinha doCorpo-Sn,
lo, n. 66. '
--Vende-seo brigue Marcial, dolte k
17! toneleras, com bote, lanche e todos n!
mais pert enees, prompto u> todo o necet
ssrio por a qualquor viagem, forrado e pre
gado de eobre, e de construcojio brasil*ra'
quem o pretender, pode ic cXamina-l ,
bordo, o qual seacliu fundedo no lugardo
Forte- dn-Maltos, o pare ajuniar. com Amo-
rim Ir mflos, ne ra da Cadeia, t. 39.
i'Seguepara o Rio-'ie-Janeiio em pop.
eos J das a escuna Galantt-Baria ; tem
maior parto de seu canegamenta engaji.
do : pareo resto-epssssgeiros, trata-so ni
roa da Moda, n. 11, enmSilva & Grillo.
Para o Hio-de-Janeiro segu
com toda a brevidade o brigue.
escuna nacional Olinda, recente,
menle forrado e pregado de cobre
por ter a'maior parte de sua carga
prompta : para o resto, passagei-
ros e escravo a frete, trata-se
com .Machado & Finlieiro, na ra
do Vicario, n. I9, ou como capi.
tao, Manoel Marcianno Ferreir.
Ohiale Novo largar impreterivelmen.
te para o Arecaty a 26 do correte conu
carga que Uvera bordo, por se echar coqii
maior parte do carregamento tratado: paii
o restante e nsssageiros, trata-se coaio
meslre, Antonio Jos Vianna, no trapiche
do algodflo, ou na ra da Cadeia-Velha, n,
17, segundo andar.
Para o lio-de-Janeiro a polaca bras.
leire Sociedade-Feliz, capililo Manoel Anto-
nio dos Ssntos, sahe com a maior brevidi-
de possivol : quem na mesma quizer carre-
gar ou ir de passagem, dirija-se a seas con-
signatarios, Olvera IrmSos & Companhii.
j::ino, proferidos na assembla provincial; ^rs- Ucrnesto o Chichorro, diz 110 seu nu-
'uinei.lanos tambem que S. Exc. nao se le-
nlia dignadoile duiuir lo melindrosa dis-
CuSsfio, afim do pou,.irnos a ingrata leitura
dessas proposites exaltadas que, invol-
v ndo o nome do Sr. Tosa com a palavra
oppnbio,sfto um impensado deseo ln,descor-
tezia e ulfago. proferidos contra aquelle a
quem lo altamente se tem elogiado.
Convidamos os leitores paia apreciarem a
incoherencia e descrepancia que ha entre
as pecas abaiso transcriptas e asduras phra-
ses e indecentes incisos estampados agora
ns Unido,
Olitda a palavra peloSr. Maciel Monteiro,
e^prinno-se elle assim:
Senhores.'Quando um honrado memoro
de-da assembla, Interpretando (ielmenteo
stnlhnenlo que inflamma 11 populardo inteira
desta prwincia para rom o seu digno presiden-
te, iiitendcu dar a rsse seiiliu enloa ex-
pressflo aulbentica e solemne que elle re-
tJUPr cm sua mocan ; des le logo me pe sua-
liqie nenhumi voz se irgnirla nesle ricial'>
tinao para significar urna adhesa e exprimir
um assentlminto. Eu o pensava assim, se-
nhores; torque depois de pa.-sado o erave
penga a que e.sliveram exposlas a paz pu-
blica e as iiiStituicOes do paiz; depois de
terminada a aterradora concussflo que aba-
lara iodos os alicorees da onlem social e
ameacaia suhverter a provincia em urna-
b5 sino de calamidades, nenhum corando per-
iiambucar.o dcixarii de palpitar de reennheci-
m-nto e degratido pela principal autor da
nossa pncificarihi 1 pelo magistrado catajoso e
ilimitado, que, aju.lado do patriotismo a de-
dicacBO do-. I'ei ii.iuiln.raniis, assim como da
Jidelidadee valenta deludo o nosso i.'Xerci-
lo e un.ri 11 lia, alacuu a tnotiareliia em tudas
os seus intrincheirnmentos, ttnceu-a, e qual
povo Thcscu esmagnu coas seu valeroso braco o
hediondo minolauro, a quem a perversidade
de uns, a ambiefio de oulios, e o delirio de
lautos oTIercciaiii em abommavel holocaus-
to Untas eifln horrorosas hecatombes
Isto d.-se o Sr concelbeiro l'eiegnno,
pieambulando um seu discuiso prolendo
na assembla provincial em sessflude 26 de
abril de 18*!>, quainlu se discuta umu mO-
QflOdO Sr. I)r J.ise liento para dirigjr-se u.n
voto de gratas no Sr. Tnsta. Agora a l'niao n
181 diz: JV-iu vn que a provincia sem sanecio-
nar o seu opprubno.nao pode admillir entre os
seis mimes o nome do Sr Tosta '. !!
Mais adianto diz o orador naquelle estvlo
sublime que tanta honra fz aoseu talento:
Senhores! Ainda me record desse ua
de lucio e de iribulacflo; e, quando em meu
espirito sedebuxam laes record;0es, nflu
mero lui:
O Sr. Anlonio Ca los tinha um nome
brasileiro, e, se pozermos -leparle a negra
transaceflo pela qual a piaia a loplou essu
nome, a su 1 eleirflo n8o envergoiiha a pro-
vincia de IVi n.iu.n.ii .. p
Entilo, senhores da Unirlo, o Sr. Tosta nao
tem um nome brasileiro? Nao ouvistes o
Sr. Monleiro dzer que a Opiniao' do paz un-
punha astmbla desta provincia o dever di*..
Sera que assim o paiz e:a s Pernambu-
cano, ou que Pernambuco uflo era do paiz.'!.'
lllm. eXin. Sr concelbeiro Antonio Pe-
regrino Maciel Monteiro, nos vos conjura-
mos para que venhais um nosso auxilio li-
Vrar O UOSSO Manlio da furia dos Gaulezes
da L'niao'; salvai por vossa ve/, o salvador
do capitolio; como consentiris que com o
nome do Sr. Tosta, do novo Theseu, so li-
guem as bruscas degradantes palavias--
Opprobno, injuria, ignominia? Salvai-
o mis vo-lo rogamos....
Eis-alii, senhores da Vniao', vossa cohe-
rencia !
EmquautO os amigos do Sr. Tosta apenas
se lombiavam do vular em S. Exc, adoptan-
do cinco candidatos da vossa chapa de Tr-
ro, vos atcatela com o tom dogmtico dos
vosios decretos a preteneflo paiticular dus
pouvns amigos de S. Exc. que depsravam
com esta oecasiflo para Ihe ilarem um ver-
iadeiro \oto de ragas e ieis muilo adian-
to dizendo mil nescedades cm VOSSO plue-
nelico baiirismo ; no momento, porm, em
que o brado da auiizade apparoceu pela
iinpicnsa imparcial, e reprochou loite, co-
mo devia, a vossa conducta, eis-vos logo
Concedetldo, 1 nao' morcando a quem quer
queseja de votar coma Ihe parecer justo; mas
n-M conxetinda que algum phrenet'Co intalerun-
t-, no excuso do seu zelo. ousc contestar-ros o
direilo de exprimirles com franqueza, (alias
Krosscria) acerca da candidatura que se de-
bale, vussas couvieces e ro>so principio !
Ora, senhores da Vniao', senhores Hguias.
sem pre sois limito orgulhosos, muilo egois-
las o muilo entusiasmados, e eneris assim
um poueu a pedantes.... Pois vos tendeldi-
leitosque niuguem deve contestar: agora
nos, os eleilores, he que somos os ilotas, os
s.-rvos da gleba, cujos direitos, anida os
mais sagrados, vos podis contestar e ata-
car sem escrpulo e sem reseiva.por serdes
VOS quem sois '. '. !
Belrocedei. Nilo vos peresis lembrai-
(
' J A Unia'o toma a palavra, intcriompe
o Sr. Monleiro, c diz : lie opprnlno, he in-
juria, he ignominia para eises l'ernumbucanus
SKSSfaiiioS^ *"'a "ltador du ''
siuente ua provincia o trbulo do meu re- perio.
O KXTRAVIO DF. 15:000/1)00 RS.
Sr redactor.Nao tendo at eta dala appa-
1. 1 id., a i|ii.iiin.i de 10:000/ rs ipie me fura e>-
travida por mu pardo (aullador, na forma n
iiiinri.iil 1 ueste Diario de 17 lo crreme 110-
vembio, e rxpres9ada na peticao abaixo trans-
eripta que aprsente! ao Sr. Dr. chefe de po-
lica, leudo sido infeli/.mentc frustrneas todas
as iniuli.is investigacoes c diligencias, bem
cuino lodo o eiupenho daquella autoridade r
seus agentes ein dcscobrlr o ladran e a quantia
extraviada vendo-me, portanto, na neccsii-
dade de regressar para a cidade de Maceio, ru-
gn-lhcs a pulilicaco da referida peticao por
COpil, com a declaracSo, que aqui liriiio c rei-
tero, de deiiar por mcus procuradores nesta
praca os Srs. Jos Pereira de Goea, Jos Gon-
falve Malveiroe Pontea & Sanipaio, iito'risi-
dos para recelierrm, lodo '> IHmm, e cada
n,M Je per si, a quantia tobredita de quem
qurquea descubra, seja pessoa publica, ou
particular) c entregarein por mlnha conta a
gratieacao por iiiiiu ollVrecida ao descubridor
de 1:000/rs. Sou, Se.Antonio Panttsleo II,-
zerra Montenegro.
lllm. Sr. desmbisrgadar chefe di polica.--Dii
Antonio Pantaleao lleierra Montenegro, nego-
ciante na cid i le de Macei. e ora nesta praca.
que, leudo reerbidn hoje da rasa ingleza n. 43
da ruada Crin do li tirio do Recife a impor-
tancia de 15:000# rs., e fatendn-a conduzir da
ali, denlro em um bausinho nova e eneourn-
do, por 1:1 pardo com o sigues abaiiode-
'.laradtij, prmriramentc para a casa de cam-
bio na rui da Cadeia du Recife, onde fuera o
troco de 1.000 patafes e srdulaa miiidas. e de-
pois para a casa do negociante Joaqun, Ilibei-
ro Puntes, onde tambem trocara 1:200| em
notas menores, leslemunhando o dito pardo
estas npi-i .i.i-s ou troco e o recolhimeuto de
toda a importancia sobrcditi de 15l0an/rs. no
bausinho que Ihe fdra confiado; acontece que,
aronip nihando o uicsiii i pardo ao supplicante
para a casa do sua residencia, na na Augusta
bairro de S.-Anionio, ao chegar altura do
ineio, pouco mais ou menos, da ra Direita,
ahi dcsapparecera o dito pardo com o men-
cionado bausinho, ao meio-dia pouco mais ou
menas, sem que o supplicante podesse descu-
brir ou cnlligir onde te liavia orcultado. con-
coirendo ta I vez para isto o catado de pertur-
bacao ou confuaoo que se vira imincdiata-
inente o supplicanlc redutido pela instantnea
considerarlo de ver sua sorle e de aua infelit
lamilia arruinada com a jacfUra ou peda ines-
pcraJa de lan avultada quantia pelo que re-
corre o supplicante e requer a V. S. hala de
darquanto ames todas as providencias neces-
aarias, procedendos diligencias e buscas que
precisas frem em ordeni que pnasascr captu-
railo, descoberto e punido o pardo, bem como
qualquor pessoa connivente que porventuraba-
ja, c ao iiipplicantc restituida a refeiida quan-
tia ; c declara o supplicante e se eompromette
a dar a quantia da 1:000, ra. a quem dctcolirir
e lucro supplicante ser restituido ao seu di-
nlieiro desencauinhado e pede a V. S. hala
de astimdeferir e providenciar. K. H M.An-
tonio l'antaleo Huera Montenegro, a
t. Signan..*) conductor do bausinho era ca-
bra, altura regular e chelo do corpo, camisa c
calca branca, e sinto encarnado, chapeo de pa-

EDITA L
Pela inspectora da alfandega se man-
a Tazer publico que se pretendo comprar
300 libras de zinco em folbas para a cober-
tadolerceiro lanceo da ponte da mesma al-:
fandega : as pessoas que as quizerem ven-
dor, dirijain-se a dita repartirlo durante as
lloras do expediente.
AILindoga de Pernambuco, 13 de novem-
bro de 1849. 0 inspector, l.uiz Antonio de
Sampaio Pianna.
Le i loes.
Iieclaraces.
.'oiiijmnliiii de Bebeiibe.
O director da companhia de Beherjbe
cunvida aos Srs. accionistas para que ha-
jam de comparecer no dia 20 do correte,
pelas 10 horas da manhfla, no escriptorio
da companhia, alim do se elfoctuar a reu-
nido ordinaria marcada no artigo 17 dos
estatutos.
Ojuiz do orphflos supplento em ejer-
cicio reside na ra eslreilu do Itozario, nu-
mero 19.
Theatro de S.-Francisco.
QlIl.NTA-FElitA, 22 DE NOVEMRO.
Grandi i variado espectculo.
Depois de execulada urna lindissima pee*
pela Dan-la do msica militar, dar princi-
pio o espectculo com o mu insigue dra-
ma que lem por titulo
D. JOAO' TIIENORIO.
No fim do drama o Sr. Santa Rosa e s jo-
ven Felismins can lar i o o duelo
00 J0GAD0R.

Findar o espectculo com urna farca
O DIIECTANTI.
Os bilhelesacbam-se a venda no lugardo
costo me.
Johnslon Pater & Companhia farflo lei-
Ifl'i. por iiiUiveiic.no do corretor Oliteiri,
de um completo soilimenlo de fazeod
inglezas, todas propriss do mercado : ler-
(a-feira, 20 do corrente, s 10 horas da ma-
nhfla, no seo armazem, ra do Vigario.
Deane Youle & C. farflo leilflo, por in-
tertenQIo do corretor Oliveira, e por con-
ta e risco de quem pretencer, de 238 bar-
ricas de farinha nota de altimore, mar
Rrandywine, a va ra das a bordo do navio
.s'ujii, na sua recente viagem a este porto:
quarta-Teira, 21 do corrente, s 10 horas da
manhfla, no seu armazem do boceo do Con-
colves, no Itecife.
O Sr. cnsul Aug. Helie, estando a reti-
rar-fe em breve para a Europa, fai leillio,
por interyeneflo do corretor Oliveira, da
sua mob'lia, consislindo um mesa redonda,
bancas de jogo, dilas com. abas c outrai
com gavetas, cadeiras, commoda, Isvaio-
rios, msrqucza com colxllo e trstesseiioi
con marroquim, aparadorcam guarda-lou-
(a, mesa de juntar, cabidos, espelhos, qu,i-
dros, lanlernas, camas de vento, mesa par
escriptorio. bibliolgecs de vidrucs, um p-
timo relogio do ouro patente, diversas ohru
escolhidas do litleralura e historia franco-
zae outros ohjeclos : quinta-f i a. 22 da
corrente, s 10 horas da manhfla, na casi
do consulado da repblica franceza.na rui-
do Trapicbo-Novo, n. 10, segando an lar.
Avisos diversos.
Iba, iic. -
Sis redactoresLeudo seu jornal do 19
do corrente, nelle depare* com urna peque-
a correspondencia, na qual Iguem que se
assigna -Matulo Lasa-diz que, entrando
em una luja na rita Nova, ahi se informara
do prestnio e merecimenlo da machina
vilenla, e depois de slgumas iotbrmsces
concluio por T.zer conhecida do publico
esls caldeiraria dirigida por quem inda
ontende do oflicio. Creio, porm, Srs. re-
dactores, que mal andou o itfdiuro Leisa, in-
formando-sc com o logUta quo nada pode
conhecer de machinas, e,se se tivesse infor-
mado com o Sr. Fernandes Thomaz, talvez
eiilflo se desenganasse, que o ubco appsre-
Iho que offereca vanlagens na des'ilacflo be
so o deMr.Oemsno.edesprezaria eolito essa
burla dr machinas tilo violentas como a cu-
be$a do cliailatfloqueas ioventou.
O dtstilador.
BENEFICIO DE UM PARTICULAR.
IIIUMIE RSPECTtCULO,
Domingo, 25 do corrente.
Representar-se-ha o lindissimo drama em
3 actos, quo tom por titulo
O DEVER E NATUREZA,
ou
o soldado amante de seu monarcha;
no lim do qual o actor Pedro Raptista de
Santa llosa e a joven Felisa canlaiflo o
duelo detiominadoo
CAfADOR;
depois lera lugar a mu, jucos* src*
O I'I.NTR A-MWeiOS,
ata
aefunt fingido.
Terminara, pois, todo o lUtertinciUo com
a danca da
CACUUCIIA,
pela joven Felismins.
Os bilheles acham-se a venda no lugar do
cosime.
avisos martimos.
i,i. nbta segu, em poucos dias, o
hiato Lsgaro : quem qu.zer carreg
ja-saan do Vigario, n. 5.
zar, diri-
-"- Para o
Rlp-Cronde-do-Sul o patacho
braMle.ro Nsctheroy, cat-ilflo Anlero Jes de
Araujo, deve seguir infalliveimonto nestes
reg^^
quizer csrregar.ou ir depasssgem e em-ld,ria. g Rozano.n. 48, pa-
-- Preclsa-se fallar com a dona do ultimo
sobrado de dous andares, na ra do Amo-
rim, n. 6, ao p do Sr. Cunta, ou com pes-
soa de sua cps : ns ra da Cruz, botica
franceza n. 82, de Saissel & Companhia.
~ Aluga-se por commodo prego una cu-
sa terrea com um pequeo sitio na estrada
de Santo-a maro,confronte so porlflodoSr.
Cerdoso: a tratsr na ra dos Tanoeiros,
armazem, n. 5, ou na ra do Santo-Amaro,
junto a casa do Sr. Pedro Dias.
ARREMATACAO JUDICIAL.
No dia 21 do correte, pelas A horas da
tarde, na ra das Cruzes, na praca do juizo
to civel da segunda vara, lem de se arre-
matar urna casa ierres, sita na ra do Ilo-
zaiioda Boa-Vista, n. 43, que deila o oitflo
para a ra do Aragflo, avallada em 1:600,000
rs., a requer i ment de Cosme Damiflo da
Silva, como testsmenteiro do fallecido seu
irmflo Luiz Goncalves ds Silva.
ATTENCAO.
Oabaixo assignado, morador as Cinco-
Pontes, n. 4, nflo obstante fazer o seu ajus-
te a retro fechado, com toda e qualquer
pessoa que Ihe empenham objectos vocal-
mente, ou com papel, com ludo, pra que
ninguem possa alegar ignorancia ( que des-
tesha muilos) faz publico aludas as pes-
soas que tiverem objectos emseu poder,
soja qual fr o trato o qualidade do objec-
'.o, hajam do os resgatar no prasode A0
dias, contados da dala deste ; e na Talla o
abaixu assignado passa a vende-los para seu
pagamento, isto muilo constrangidu, por
que s os pode vender por menos de seu va-
lor sem feiiio, o desta forma mais servem
para seus donas, do que para o abaixo as-
signado : o quo pelo presente faz publico
prs sua resal va. -Manoel loaquim Pinto Ma-
chado liuisnardei.
Aluga-se, por preco commodo, urna boa
casa terrea na povoaco do Monteiro, para
se passar a fesla, com 4 quartos, boas salas,
cozinha fra, Cacimba, dous quintaos mu-
rados com poitflo e sabida pura o rio, qliar-
lo para pretos, estribara para dous caval-
los .- a tratar na lina- Vista, travessa do Ve-
ras, n. 15, sobrado.
(Jarlos Claudio Tresse, rubricante
de orgos e realejos, na ra das
Flores, n. 19,
avisa ao respeitavel publico que roncera
orgflos e realejos, 10e marchas modernas
deste paiz, concerta pianos, scraphinas,
caixas de msica, accordflos e qualquor ins-
trumento que appare^a : tambem Taz obra
nova, assim romo caixas de guardar joi'js,
por preco commodo.
--O Sr. Antonio Clemente Esleves deLor-
raz q o tira mandar pajaro importe da exe-
eueflo poralugueis da casa que aluncou
aoseu amigo, Jos Francisco deSouza Ma-
galbfles, pois o lempo he bastante.
Da-sep9ode vendagero, olTerecendo-
ILEGVEL I


Jos Soares. de Azevedo,
professor de lingoa franceza no ly-
ceu, lem aberloem sin casa, ra
do Kozario larga, ti. 36, segundo
andar, un corso de philosophia e
(Hitrod lingoajraneeza. As pes-
soas que qnizeretn seguir una 011
nutra destas disciplinas pdem di-
rigir-se indicada residencia,
qualquer hora.
Da-so pflo de venftegcm, offerecendo-
se melhor conveniencia do que em oulras
partes : na ra do Rozario larga, n. 18.
Aliin-se urna casa para pequea fami-
lia, que fique parto ou margom do api-
pa ribo, ou mais porto ou mais longo dosta
cidade : quom a livor dirija-so ra Nova,
n. 49, que se dir quemaquer.
--Perder m-se, no domingo a noilo, vinte,
mil rs em Ires cdulas: a pessoa que as
arhou, quereudo-as restituir na ra larga
do ftoiario, n. 28, receber 10,000 rs. de
gratificarlo.
Precisa-se fallar com o Sr.
Ricardo Jos Francisco : na praca
da independencia, n 4*
O abalio asaignado Taz sciente ao res-
peitavel publico que tem dissolvido a socie-
dade que tinha com o Sr. Antonio Pereira
Lopes na venda sita na ra da Cruz, n. 31,
si'ili a firma deJoaquim da Silva Pinto.A
Companhia, ficandod'ur* em dianto gyran-
do em si'ii nome o mesmo esta be lee i monto,
assim como que se obriga pela liquidadlo
daque lia firma como o nico responsavel.
Recife, 19 de novembro de 1849 Joaqw'm
da Silva Pinto.
Aluga-se o segundo andar cotilo da
rasa da ra da Cadeia do Recite, n. 11, com
sala e a Ico va adianto e atrs, tendn nu s-
lito sala adianto e alcova atrs, e cozinha,
proprio para pequea familia : a tratar no
mesmo.
Manoel da Costa Pinto, Rrasileiro, re-
tira-se desta provincia.
Alugam-se, para se passar a Testa, duas
grandes usas com mu i tos commodos e bom
.ballllO, em Sant'Aiina-d.'-Dentro : a tratar
no momo lugar com Joflo Venancio.
--Oflerece-se urna mullier parda para
ama de casa do pouca familia, obrigando-
se a lodo o servieo do portas a dentro, ex-
repto o de ra : a tratar na ra do Padre-
r'loi iiiiino, n. 59.
Na ra Nova, loja do ferragens, n. 41, do
i. da Coala Maia, receberam-se ltimamen-
te de Inglaterra urnas de metal fino para
cha. de gostos os mais modernos que teem
viudo ao mercado; apparelhos para cb ;
jarros ebacas de metal: tudo por preco
commodo.
~ O guarda-porlflo do Poinbal responde
aoSr. Matulo Lefia que, apezar do que lile
pane esle emprego deshonroso, sempre
be mais honesto do querer enchota-ciles de
acougue.
OsSrs. Caetano Aureliano deCarvallio
Cont, Joflo Jos de Capistrano, Jos Fran-
cisco Marlins de Almeida, o .acadmico L-
bulo Jonior, Caldillo Lopes Cuimarfles, lle-
meterio velloso daSilveira e Mauoel Joa-
quimdaCunha Carmo, queiram lera bon-
dade de anparecr ra da Cadeia de San-
to-Antonio, n. 1 3, que se Ihes deseja fallar.
OSr JoftoCypranoRangel queira ler
a bondade de apparecer aonde nflo ignora,
para dar a decisflo da quanli que recctx'u
por conta das contasque se llie cnlregaram
para cobrar.
Miguel Archa ojo Pimentel, professor
publico de primciras leltras de Tacaral,
pai ticipa ao publico eao lllrn. Sr. thesou-
reiro da thesouraria provincial que Dea tilo
gmenle por seu procurador bastante nesta
cidade para receber o seu ordenado na
mesma thesouraria o Sr. Diogo Jos da Cos-
ta, tirando sem clfeiio qualquer procurarlo
que outro possa apresentar.
O Dr. l.ourenco Trigo de Loureiro abri-
r na casa da sua residencia, no bairrn da
Boa-Visla ra da Saudade, defronto do Hos-
picio, um curso de pratica dop'ocesso, logo
que tenham concomido dar-lhcos seus
nomos pelo menos dez alumnos. Dar tres
lices por semana, sendo cinco mil ris a
gratificarlo mcnsal de cada ulumno.
A' casa da residencia do Dr. l.ourenco
Trigo de Loureiro, no bairro da Ha-Vista,
ra da Saudade, defronto do Hospicio, p-
dern dirigir-sc por carta, ou pessoalmenle,
atollm do mez de feverciro prximo fu-
turo : todas as pessoas, que quizerem ser
nssignanics dn novo compendio de pratica
do procesan adoptado pela congregarlo dos
lentes docurso.de sriencias sociaes e ju-
rdicos de olind para a segunda aula do
quinio anno, sendo cinco mil ris o proco
dahssignaturadeeada i-xemplar; e eni lo-
do o lempo as que o quizcem ser do inle-
rossanlissmo ndice chronologico da lo-
gi.-laglo brasilea que ha de conter em
oito volumos in folio, ou pouco mais, toda
a legislaban brasileira vigente desde 1822
ate 1848, a qual, com a que est rnvogada e
a que tem cabido em desuso, compenas
col pi-ertp actuaes vinte e lanos grossos
volumes, e cusa para mais de 150,000 rs,
entretanto quo o proco da assignaiura do
referido indico he a requena quantia de
li.OOO rs paga ao ierebero primero volu-
me, de quo j exi-tem varios exemplarcs
em poder oo anuunciantee brevemente sa-
hii'aluzo segundo volume. Na loja de
livrosdoSr. reverenlo padro Ignacio Fian-
cisco dos Santos na ra da Cruz do Reci-
fe, enado Sr Manoel Figueiroa de Paria
na praca da Independencia, pod tambem
as-ignaro seu nome quem quizer ser as-
signanle de qualquer das referidas obras.
Quem annunciou dar 500,000 rs a ju-
ros, dirija-se ao pateo de S.-Pe tro, n. 1,
que se dir quem precisa.
OSr Antonio Pinto de Araujo, quei-
ra dirigir-se a ra do Liviamenlo, botica,
fachinas volcnl.s.
Na fabrica de caldeireiro de J. A. dos
Santos Andrade, na ra Nova, n. 27, fazem-
se machinas conlinnas para destilar ago'ar-
lente, intitulada
violenta,
as quaes niuito aprovam por fazer em cada
cinco minutos urna caada de ago'ardcntc
ile 35 graos, e queima o ultima caxixi, e j
no engenho
llha do Morgado,
a qual se fez npsta fabrica poro risco que o
Sr. Francisco.Fernando Tliomaz nos apr9-
senlou.e poro mesmo risco jase fexoutra
para olllm. Snr. tenenle-corenel Joiquim
Marinho Cavalcanle de Albuquerquo .* os
pretendentes dirijam-se ao dito engenho
llha do Morgado
para verem trabalhara machina
violenta,
ou a esta fabrica que he a nica que at
Una larga dti (tazarlo,
n. 1/g
Pradines, citfiteivo e
presente tem feito ditas machinas, e apro-
veitaram a occasiito de anda aqui verem a
do lllui. sr. tenenle-coronel Marinho que
por estes dias tem deserassenlada em Bar-
reiros.
-- Francisco Ignacio Ferreira Jnior leva
em sua companhia, para o R;o-Grande do
norte, os seus escravos Estanislao crioulo,
de 17 anuos, e Joanna crioula, de 50 annos
- Precisa-se saber aonde mora a Snra.
D. Anua Rita dos Santos Coolho Jnior para
se I he entregar urna carta vinda do Para
polo vapor lliihiiinu, ltimamente ('llegado
daquclla provincia, ou procure na ra da
Cruz, n. 9, a Domingos Antonio de Oli-
veira.
Lotera do Guadalupe.
Desengao.
NO DA 14 DE DEZEMBRO PRXIMO FU-1
luro andam infallivelmenle as rodas de-1
lotera, seje qual for o numero de bilhcu-j
que fique por vender. O resto destes adia-
se nos lugares do coslume, e vender-se-ha
smente nii'o dia i.11 do referido mez, no
qual serSo os bilhetes que anda restaren)
entregues urna sociedade que lem do li-
car com ellos. ,
armeiro,
tem a honra de prevenir ao respeitavel pu-
blico quo ello acaba de receber pelo navio
francez Socrate um rico snrtimenlo do cu-
lilaria fina como tesouras para cabellerei-
ro, costura alfaialee para unhas; ditas
muito finas para senhora bordar ; estojos
de navalhas multo ricos; caivetes de to-
das as qualidades, com cabos do tnarflm,
madre-perola e de tartaruga. O annuncian-
te aproveita essa occasiSo para lembrar aos
seus freguozes, que ello tem um bom sorti-
menlodo espingardas finas de cano tron-
zado e da masquinado, das melhores fa-
bricas de Franca, obra muito boa e muito
segura proprias para so diverlirem pelo
lempo de festa : tamben contina a amo-
lar as tercas, quintas o sabbados, eseen-
carregado qualquer concert perlencente
ao seu oflicio.
Precisa-se alugar um escravo possan-
te para conduzir diariamente na cabeca um
caxflo pelas ras : quem o tiver annuncie,
ou dirija-se ra do Collegio, n. 19, pri-
melro andar, que achara com quem tratar.
Na mesma casa vende-se urna cabra (bi-
cho J parida de poucos das, e que d bas-
tante leite.
Antonio Mximo de Barros Leite, pro-
fessor jubilado naprlmeira cadeira publica
de primeiras lettras da cidade de Goianna,
acha-se de presente residindo nesta capi-
tal, e morando na ra da Cadeia, n. 40,
primeiro andar; e prope-se a continuar no
mesmo magisterio particular, pelo que faz
sciente ao respeilavcl publico que se acha
comaulsjabertana referida casa, onde re-
ceber alumnos, tanto externos como in-
ternos.
Ionio da Silva c confronte ao sitio do Sr. | Ni ra las Cruzes, n. 9, segundo un-
Qahricl, com um terreno do (00 palmos de dar, ven-lem-so 9 cscravos, sendo : 3 escro-
frenlec 800 de fundo, com sufficiencia dojvosniuilo possantos o sadios ; i moloques
ler capim para 8ou mais cavallos o qual-|de 13, 15 e 18 annos sendo um cozinheiro
lucroulra plantacHo.oquo tudo produz com i eos outros para o servio decampo ; 3 pre-
muita facilidadc, pela fcrtilidnlo do solo, Uas para todo o servieo, urna das quaes co-
oom excellonte banho, que fica pouco dis- i zinlia c lava de sabdo.
lanle da casa :oarho muito fresco o sau-
lavcl.com extensa o aprasivel vista: 01
iirelendenles para ver, dirijam-se ao mes-
no liiRiir, cuja entrada he logo adianto da
propriedade do Sr. Belm o defronte da
venda do Sr. Nicolao, a fallar com o Snr
inflo Venancio, e para tratar, na na da Ca-
deia do Rocifo, com o Snr. (commendador
Manoel lioiu-iilvos da Silva, ou cm S -Jos-
lo-Mangpinho, casa defronle da estrada no-
va da Capunga.
Obras de otiro.
. llicinade encadernacSo. 9
BIJA D( tOLLECIO. N. 9.
A ollicina dacocadernnc.no, que es- 3
; lava na praca da Independencia, pas-
sou paia a livraria da ra do Collegio, It
n. 9, por compra feila ao sou amigo iu
propnlario. '\s
Nesla ollicina se contina a receber jjl
quaesquer livroa para encadernar ou U
brochar, ese far9o lodos os esl'orcos ;.
para que seus donos fiquem satisfei- 1
tos, tanto pelo traballio, como pelo
pi ero
a 21.
Precisa-se alugar urna preta que venda
na ra: na roa eslrei la do Kozario, n. 21.
Traspassam-seoaservicosde um preto
Irieano, muito moco e de bonita figura,
pelos ser vicos de urna prela ou moleque ;
"o p.teo do CoJIegio loja n. 6, se dir
|uem taz esle negocio.'
l'recisa-se de um feitor de boa con-
'''i''l i, para um sitio de um estrangeiro :
(iiem estiver nestas circunstancias, an-
nuncie.
~ Precisa-se do uina ama para urna casa
ilpouia familia: na ra da Cruz, n, 53.
O bacharel fio malo Joflo de Barros
Falcflo de Albuquerqr.e Maranbflo lem a
a distincta honra de manifestar ao respei-
IjvoI publico, quo muito llie convm Vlver
degredado na casa onde mora, ra estreila
do Rozario, n. 20, primeiro andar, allinio
squestOns polticas: tolos os seus .tse-
nnos e desvelos sudesompenhar a nobre
proliss'io .lo a.lvoan#aji
aatiiu o numero 6, e est a venda nos lu-
gares do costume, assim como o numero 5.
Precisa-se de 500,000 rs. a premio por
lempo do 6 mezes, faztmdo-se para segu-
ranza hypolheca em una propriedade nes-
ta placa, pela qual ha quem d sciscenlos
mil ris a iliuheiro contado : napadariade
tres portas, na ra do Pillar em Fra-de-
Porta?, so dir quem faz esle negocio.
- No paleo da matriz de Santo-Antonio,
sobrado n. 4, tiram-so passaportes para
dentro o fra do imperio, assim como des-
pacha m-su escra vos e liram-se folhas cor-
ridas,
-- No dia 21 do correnle, pelo juizo mu-
nicipal da segunda vara, vai a praca publi-
ca o terreno denominado Caste, no lugar
doCiqui, por cxecocio de Policiano l.ou-
renco da Silva contra Domingos Pires Fer-
reira.
Precisa-se de uina preta captiva, de
bons costumes, para o servieo interno de
urna casa estrangeira de pouca familia: a
fallar na ra do Bru, sobrado do Sr. Fran-
cisco Alves da Cunha, segundo andar, ou
na ra da Senzalla-Velha, n. 60, primeiro
andar, esquina do becco do'Capim.
Procisa-sedeofllciaesde latoeiro, o de
discpulos para o mesmo oflicio, ou mo-
leques dar oflicio de caldeireiro.
Engomma-se com perfeirao : na ra
daSenzalla-Nova, n. 18, loja.
Aluga-se uina casa terrea na cidade de
Olinda, na ra de Mathias-Ferreira, pelo
lempo de festa, ou por todo auno, a qual
tem excellentes commodos para uina gran-
de familia, alm de oulras vantagens, lican-
do no cent'o da cidade perto do Varadou-
ro e da praia de S -Francisco, onde se po-
do tomar saudaveis banbos salgados : tam-
bem se aluga outra mais pequea imme-
diata a essa : quemas pretender, dilija se
i ra larga do Rozario, botica n. 42.
Precisa-sede urna ama de leite: quem
eslivor nestas circumstancias, dirija-se
rui das Trinenouas, o. 30,ouaununcie sua
morada para so I lio ir fallar.
0. W. Baynon, cirurgiflo dentis-
ta, na ra do Trapiche-Novo, n.
14, respetosamente informa ao
publico que, pelos seus muilos afazeres, se-
r obriga.lo a demorar-se mais alguna lem-
po nesta cidade, antes de sua retrala para
os Estados-Unidos, e offerece seu presumo
para toda qualidade de operacOes dentaes,
para por denles novos, tanto aingelos como
dentaduras inleiras, chumbar denles com
o uro e prata, conforme as ultimas deseo-
bertas nesta lera.
Para urna casa estrangeira de pouca
familia deseja-so alugar um moleque, que,
nflosen lo ptimo cozinheiro, j lenha al-
guma pratica de coziuha : na ra do Trapi-
che Novo, n. 16.
Voou do segundo andar desta lypogra-
phia, na ra das Cruzes, n 34, um papagaio
com os encontros conlra-feitos, levando no
pum pedaco de corrento: lomou para o
lado de San-Francisco: quem oapaubou,
lenha a bondade de o mandar irazer nesta
lypographia, quesera gratificado.
ftlohilias de aluguel.
Alugam-se cadeiras para ofllcios e bailes,
e lanilioui se aluga ni mobilias vonlade do
alugador i na ra Nova, armszem de tras-
tes, defronte da ra de Santo-Amaro, nu-
mero 59.
A pessoa que annunciou querer com-
prar um casal ue burros, dirija-se Olin-
da, na ladeira da biquiuha de San-Podro,
en urna casa nova de mirante, que se Ihe
dir quem vende.
O ollicial de podreiro ou carpina que
quizerincumbir-se de empleitar o concer-
t de pedreiroe carpina que se deve f^zer
em urna casa de um sitio no lugar do Re-
medio, dirija-se ao sobrado, n. 14, terceiro
andar, d ra dn Crespo, das 6 s 8 horas
da mantilla e das 3 s 5 da larde, para ir ao
dilo sitio traanlo ajuste.
ISUTIQL'IM IIESPANIIOL, RIJA DA SENZ VI.-
I.A-VELIIA, N 126.
Nesle estabelecimeuto haver lodos os
domingos c dias-santos mTo de vacca c gal-
linha de cabi.lella, bem como entras igua-
rias; lamhoiii se fanal juntares e nlmncos
para fra : luilo por preco commodo. Este
estalieleciment estar aberto as 4 horas da
mandria em os dias annunciados.
Aluga-se um sitio na Passagom-da-
Magdnluna, junto a ponto grande, com ex-
cedente banho, leudo j feito o banheiro.
com um sobiaJo de um andar acabado de
novo, com tres salas o 'quiltro quartos em
cima, e os mosmos commodos era baixo,
cozinha fra, bastante fresco, todo murado,
oom um excellente portflo de ferro na fren-
te e duas cacimbas : as pessoas que o tire-
lOnUr,., Ofey.-^-* ., nireil. n I
Aluga-se um escravo muito pratico em
armazem de assucar. sabe levantar barricas
abatidas o mesmo fazer meias banicas, pois
he quasi ollicial de tanoeiro : he bastante
sisudo o fiel : na ra da Senzalla-Velha, ar-
mazem n. 106.
Aluga-se o armazem da propriedade
n 49 dama da Cruz, no Recite : a tratar
na ra da Senzalla-Nova, n. 40, primeiro
andar.
Vende-so um par de brincos com alguns
hrilhantes, urna modalha com diamante,
um lago de fllagrfla, um annel com dous
diamantes, um buzioencastoado para pes-
cocodo menino : na ra do Crespo, n. 12,
loja.
~ Vende-se, por preco commodo, urna
preta de 30 annos pouco mris ou menos,
que cozinha, e he boa trabalhsdeira de cu-
nada : na ra Nova, n. 28.
Vende-se a taberna n. 9, com poneos
fundos, sita entre as duas pontos da Passa-
gem-ta-Magdalena, por seu dono retirar-
se para fra da provincia.
Vende-se feijflo de to las as qualidades,
muito novo e muito bom: na ra das Cin-
co-Pontas, n. 134, casa dofroite da for-
taleza.
Continuam-se a vender
na rna Nova, n 19,
chitas francozas do lindos padrotes, a 200
rs, o covado ; cambraiasde cores, a 320 e
400 rs a vara cortes de tarlataua de lis-
tras, a 3,000 rs. ; cortes de colletes de al-
godilo e seda a 600 rs.; alan ISo de listras,
proprio para escaras, a 160 rs. o covado;
e oulras militas fazen las por preqo com-
modo.
Vende-se urna escrava crioula, de 95 a
26 annos, com urna llllia de 3 a 4 annos,
Ornatos para sala dos
amantes do bom gosto.
Mr. Rertrand, que se acha aqu de passa-
gem, avisa ao respeitavel publico quo tem
grande sortment do estampas, Unto sa-
cras como de nutras historias.de diversos
gustos o lamanbos, proprias para so ornar
qualquer sala; a cartas gtnoftraphicts das
cinco parpps do mundo, muito mo lernas o
angosto de Pars: os pretendentes, diri-
jam-se a ra da Cadeia de S.-Antonio, n.
13, das 6 s 9 horas da manilla ede uina s
4 da larde.
Vendem-sc os trastes seguintes :
cadeiras de oleo, marquezas. mesas de meio
desala.de oleo, sophas de dito, jogos de
bancas, camas dn amareo e de hgico,
meias commo las, loucadores de amarello e
de Jacaranda, mesas redondas de dito, jogos
de bancas do dito, um thear de bordar de
triangulo, carteiras de amarello de un i so
lace, umeannap de Jacaranda, 1 duzia de
cadeiras de Jacaranda, um< duzia de ditas
com alguin uso, lavatorios do amarello,
bancas de dito, e outros diversos trestes :
tudo por preqo commodo: ha ra da Ca-
deia de S.-Antonio, n. 18.
Attenco.
Sao cliegadas as verdailciras bi
xas de llambiugo, as qnaes se ven-
dem aos rentos e a rotallio : tam-
bem se a I iiga m .- na na daCrift,
no Hecile, n. /|3, deposito de Joa-
qun) Antonio Carneiro de Soitza
Azevedo.
Vendem-sc duas lindas escravas, um
de 20 annos, de nacflo Costa, que engom-
is e cozinha, c a nutra de 1 i annos, e que
he recolnida ambas de excellonto conduc-
]ual cozinha bem, engomma perfeilamen-11* na ra do Rangel, n 57.
te, cnsaboa c faz lodo o servieo de una ca-
sa : o motivo por qun su ven le se dir ao
comprador: nn rui dos Marlyrios, n. 34.
Vendem-se 3U0 alqueires do sal do Ma-
ranbflo, por prego commodo : na ra da
M ie la, ||. II.
Vendo-so nina lancha rectificada do
novo, que est no Fone-do-Mattos, no osla -
leiro do Santiago : a fallar no mesmo esta-
loiro com Jos de Soua Conlo
Contina-sc a vender manteiga, a 20,
320. 400, 480, 600 e 800 rs ; caf em er.lo.
Vendem-se queijos dos melhores que
hoja pud.'.u haver.oqueoscompradoresnflo
deixaro de comprar avista da qualidade e
.I i diminuto proco do 1,200 rs.; cha hys-
son de primeira qualidade, a 1,920 rs. a li-
bra : na ra deS.-Jos, esquina que volt
para abobada da Penha, n. 2, venia de 4
portas.
Vendo-SQurna escrava crioula, mor;a,
robusta, mu fecunda e com lima cri i de 18
o i .ve -, a | ii.i I cn/inha o diario de urna ca-
sa, lava de varrolla OSBbSo, e Sem virio al-
a 140 rs. ; dito moido, a 180 rs. ; cevada. a P.um ; profero-se para fora da praQa o mo-
Compras.
Compram-5c6 pesos de duas arrobas ;
um temo de una arroba al urna libra, sen-
do usados : quem tiver annuncie.
-Na esquina do Livramento, loja de 6
poitas, compram-se paUces mexicanos.
Vendas.
Aos 20:000,000 de ris.
Na praca da Independencia, n.
4, vendem-se billieles, meios,
quartos, oilavos e vigsimos da
31.a lotera do montepo do Rio-
de-Janeiro.
-- Vende-se um Atlas geographico novo,
por Simencourl ; um diccionario francez
por Constancio; urna fbula de Phedro;
um Thompsom ; um alphaboto ingle/ ; urna
Selecta segunda ; um Salustio ; urna histo-
ria grega : todos por preco commodo: na
ruada Florentina, n. 16.
Vende-se cal virgem de Lisboa ; caixas
vasias; foches e rodas de arcos de pao pa-
ra barricas; pregos de estuque em barris
de 32 a 45 ovlheiros ; pilulas de familia : na
ra da Cruz, n. 49, primeiro andar.
~ Vende-se urna preta de bonita figura,
de 16 a 17 annos, que coziuha, engomma e
cose, tudo com perfeicSo a qual he muito
habilidosa, e nSo lem vicios : na ra Bol-
la, n. 9.
Vcnde-se urna taberna na ra do Pilar,
em Fra-de-Porlas, n. 88, com poucos fun-
dos, e que be bem afreguezada : a tratar na
mesma taberna.
Farelo em sacras gran-
des :
vende-se no armazem de Antonio Anuos ,
no caes da Alfandega, a 5,000 rs. a sacca.
la talas.
Vendem-se gigos com muito boas batas ,
por proco commodo : no armazem pegado
a botica do arco da ConceicSo.
Vendem-se as novas bizas de llambur-
go, as quaes tambem se alugam : na ra da
Cruz, n..j3
Vende-se urna magnifica e elegante ca-
sa de campo margem do rio, no lugar de
S -Anna-de-Deolro, contigua ao sitio dos
berdeiros do fallecido conimendador An-
81 rs. ; cha, a 2,000 e 2.-20 ; arroz, a 60.
70e90is. ; Inlria, a 2i r.*| talharim, a
I90 rs ; figos, a 140 rs. ; passas, a 240 rs. ;
bolacbinha, a 220 rs. ; radnlia do Hara-
nli.'io, a IUO rs ; dita de araruta a 200
rs.; velas de carnauba, de 6, 7 e 8 em li-
bra, a 280.rs.; espermaccle, a 880 rs.; tou-
cinho de Santos, a 160 rs. ; feijflo mulali-
nbo, a 240 c 320 rs. a cuia ; dilo hranco, a
210 rs. ; dito preto, a 280 rs. ; queijos 110-
vos muito frescaes, a 1,200 rs. : no pateo
do Carmo, 11. a, venda nova.
Vende-so um carro bem feito, de 4 ro-
las, levee com coberta, boai para urna fa-
milia, he bastante grando e tem commodos
para 6 ou 7 pessoas : para ser visto, 11a co-
cheiradoSr. Fisker, no arcial de Fra-le-
l'orias ; bem como um apparelho de arreius
Jiilirutliiilr pari.raga oflmmwiln,
-- Vende-se boa champanha em meias
garrafas, muito barato, para fechar contas:
na ra da Cadeia do Recife, 48.
Vende-se urna casa com sitio, com bas-
tantes arvoredos de fructo o boa agoa de
beber, sita na Capunga : quom a preten-
der, annuncie.
Vendem-se velas do carnauba, tanto
em porcSo como a relalho, por pre^o mili-
to commodo, das quaes so alianca a boa
qualidade: no pateo da S. -Cruz, n. 5, ven-
ia junto a botica.
Vendc-se um sellim em muito bom es-
lado, por proco commodo : na raa Nova,
armazem n. 67.
Vende-se um cavallo bastante gordo,
com todos os andares : na ra Nova, arma-
zem n. 67.
ufanas de seda.
Anda existe uina pequea porcSo de
mantas de seda, ao preco de 7,000 rs. cada
urna 1 ara so acabar : na ra larga do Roza-
rio, padaria n. 48.
Vende-se urna casa terre com quin-
tal murado, em cbSos proprios, sita na la
do Caldeireiro, n. 11 : a Ir.lar na ra da
Cruz, n. 36.
livo por que se vendo s< dir ao comprador:
na ra do Hospicio, n. 17.
-- Vendem-se 6 lindos moleques de nar,3o
e crioulos de 12 a 2i) annos, sem vicio*; V
pretos de 20 a 30 anuos ; 3 pardos de 15 a 20
anuos, bous para lodo o sorvtco ; 2 mulati-
nlias de 16 a 20 annos, as quaes so perfei-
las engommadeiras, costureiras e cozinhair.
muito bem; I preta boa lava.leira, cozi-
nheira e quitandeira, com urna (liba de 12
annos, muito linda, com principios de habi-
lidades e que he rccolbidii; 2 negras quitan-
deiras, de 20 annos ; 3 ditas com algumas
habilidades ; 2 ditas de meia idade ; assim
como outros muitos escravos : na 111a da
'"adeia do Recife, n. 40.
Vcndem-sa oito lindos moloques de
10 a 18 anuos ; dez pretos de 20 a 30 annos,
u, ..,.:.,!... aatjtoirn o..pulro ooui
tros pardos do Ifi a ->.> annos, sendo
Na ra Nova, n. S,
vende-se um mulatinho de 15 annos, pro-
prio para pagel, por ser de elegante gu-
ra ; um niolecote de 18 annos, bom cozi-
nheiro, c ho de boa conducta o que se alian-
Ca ; um mulatinho de 8 annos, muito lindo;
um molecote bom oflicial do alfaiate ; dous
pelos para liabalhar. m de cnxada, de lin-
das figuras ; duas pardas prendadas; duas
pi'cas com habilidades Urna mulAtlQna de
14 annos, com principios do costura e en-
gominado.
-- Vende-se urna famosa casa envidraca-
da, em cintos proprios, sita na r ua de San-
ta Cicilia, n. 4 : a tratar na mesma casa.
Vendem-se pipas de ptima agurden-
te por proco commodo : na ra do Hospicio,
n. 9.
Vendo-se um preto do gento de Ango-
la, de 20 anuos de idade, de bonita figura e
proprio para qualquer servido, por ser mui-
to inteligente e robusto : na ra Imperial,
n. 25.
-- Na ra de Moras, n. 33, ha para ven-
der-se varios objectos demarconeiro ese-
pos de molduras tambem para carpinas, as-
sim como varios ulensis de serrolbaria,
movis do casa ede cgzinha, 1 sellim el
silhio : tudo em bom uso e pro presos coju-
modos.
Vendem-sc 12 escravos, sendo: 2pre-
tos de bonitas finuras, ptimos carreiio ;
1 lindo mulatinho de 17 annos ; 1 dito co-
zinheiro e serrador ; 2 negrinhas de 15 a 16
annos ; 1 escrava eugoiumadeiraecozinbei-
111 ; 6 escravas do lujo o servieo ede boni-
tas figuras : na ra Direta, n. 3.
nlieiro,
um bom carroiro ; quatro pardas de 16 a 20
annos, com habilidades; urna dita de 20
annos com dous lilhos, sendo um do 5 n-
imos e o outro do um, tanda a parda boas
habilidades ;oilo pretas do 16 a 25 annos,
com habilidades c proprias para o servieo
de urna casa ou de campo : na ra do Col-
legio, n. 3.
Vende-se o trata lo elementar do geo-
graphia asironomioa-physica histrica ou
poltica antiga emo lerna, pelo seu autor;
I). Jos de Uicullu, 3 volumes, impressono
Porto, a qual est em muito bom oslado :
na loja da ra larga do Rozario, n. 22.
-- Vende-se um preto ptimo cozinheiro :
ao comprador se dir o motivo por que se
vende : a fallar com Ceorge Nerbolt, na ra
do Trapicho, n.42.
Vendem-se 3 lindos moleques de 14 a
16 annos ; 1 mulatinho de 17 annos, muito
bom bolioiroo copero ; 1 preto cozinheiro
e canociro ; 2 pretas de uacao, com algu-
mas habilidades : no pateo da matriz de
Santo-Antonio, sobrado n. 4, se dir quem
vende.
Aos carinhosos pas.
Vendem-so os mais elegantes e modernos
bonetes e chapeos para meninos, do ultimo
gosto do Paris e dos mais superiores quo
toem viudo esla cidade, c ebegados lti-
mamente de Franca na galera Guttavo : na
ra do Queimado, loja de chapos, n. 38.
Yinlio de Bordea ti x,
das mais superiores qualidades ; bem como
vinho de Champanha da nova marca estrel-
la, j liiuilo upieoive!, tanto aqui como na
F.oropa : vende-se em casa de Kslkmann
li iii.'ni-, na ra da Cruz, n. 10.
livas hamburgtiezas.
Na ra estreila do Rozario, n. 11, depo-
sito de Jos de Medoiros Tavares, he chega-
do de llamburgoum ptimo sortimentodo
excellentes tuxas.
--Vende-se um sobrado de um andar
solio, deconstruceno moderna, com mui-
tos commodos para familia, silo na ra das
Cmco-Pontas, por prcQo muito commodo :
na ra lreita, loja de cera confronte ao oi-
tao do Ter?o.
.. Vende-se, por precisilo, um moleque
de 15 annos. de bonita figura ; 1 dito de It
a 12 annos ; um pa'do de 18 annos, que en-
tende de cozinha e cose de alfaiale ; um di-
to ile 24 annos ; urna mulatinha de r an-
nos, que cose, faz renda e o mais arranjo
de urna casa : todos sem defeitos: no Reci-
fe, no Recco-Largo, n. 1, segundo andar,
se dir quem vende.
Vendem-se pesas decassas lisss linas,
com 10 varas, a 3,000 rs. : na loja n. 17 da
ra do Passoio.
Vendo-se ou hypothcca-se um morada
-- \ ei,de-so superior cha do Ass, a bor- de casa terrea cum solilo, sila no becco dos
do da sumaca Carlota, tundeada no Forte-'Burgos, a qual rende mensalmenle dezoi-
dO'Malos: a tratar a bordo da mesma, ou I lo mil flaia tratar ua ra do Codorniz,
na ra da Cruz, armazem n. 33. I venda, n. 10.
MUTILADO


4
.- Noarmazem n. 7 da rus da Moeda,
vende-se sal em grande e pequeas porcoes,
po- prego mais baiflo do que cm outra
qualquer par".
Vcndc-se milito superior 18-
rinlia gallega cm mcias barricas :
n\ na da Cadeia do ecife, cs-
criptorio de Deane \ otile & C. ,
o no primeiro armasen) do becco
do (oncalves.
Superior lio do nlgod&Q
pan pavios do velas: vendem-se om casa
JeGeo Kon'Norlny e C. na ruada Cruz,
ii. 'J.
m
\ 4,000 rs. {
Vcndem-sc ricas mantas de seda pa- m
ra senhora, de lindas cores, e sem o #
? menor defoito, pelo diminuto prego 4
9) de V000 rs. : na ra do Crespo, n. il #
s .#
a
4
Na ra da Moda, n. 7, vendem-so bar-
riada varios tamaitos, rom o mais supe-
rior vinho do Porto que tom vin lo a esle
mercado, sendo alcm da boa qalidade
muilissimo barato.
iSa rua do Crcspo,loja da
esquina que volta para
a cadeia,
vendom-seos acreditados hrins|trangados
lirancos de listras e lisos, de linho puro, a
1,500rs. o corle; dito amarello.a l,500e
1,600 rs. ; panno fino preto e aiul muilo
bom, a 3,'JOO ra. o covado ; dilo milito su-
perior, 5,500 rs.; fustoes milito bonilos
para Golletes, a 6*0 rs. o corte ; ditos de
velludo, n 2,500 rs. ; ditos le setiin lavra-
ilo, a 1,800 rs. ; ditos de gorgorito de seda,
1,000 rs ; cambrnia lisa, a 2,720 rs. a pe-
ca de 8 varas o meia ; cassa preta, a 1,4*0
rs. o corle; PSRUifio de linho muito fino, a
1,**0 rs. a vara; e outras militas fazen-
das por presos commodos.
Tecdos de algodo tran-
eado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
JVa rua da Cadeia, n. iS,
vendem-so por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa ile
SCravos.
Zuarles de furla-crcs a
200 rs. o covad o e ris-
cado raonslro a 220 rs.
Vende-so zuarte de furia-cores milito
encorpado o rom palmos de largura, pro-
prio para esclavos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monstro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na rua volta parr a endeia.
A 6*40 rs. cada un.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bons padroes e co-
res segur*s, a meia pataca o covado : na
rua do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Tafeas para engenlio.
Na fundig.lo de Trro da rua do Rrum,
acaba-se de receber un completo sorlimen-
lode taixas de* a 8 palmos de bocea as
quaes acbam-se a venda por prego com-
iiodo e com promptidSo embarcam-se,
<.u carregam-secm carros sem despezas ao
, jmprador.
Aviso importante.
Beneficio publico.
Oarmazemanligo da rua da Madre-dc-
Heos, n. 36, esla de novo ealsbelecido de-
baixo das mesmas condigOes, ofTerecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garris, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de Lis-
boa por 220 rs. o garrafa, c 1,600 rs.
nada, a de vinho de Itordcaux por 160
garrafa levando o casco. Nflo se
os fieguez.es do liaixo preco por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o anligo pre-
co, embora este genero tenha subido o me-
llior de 90,000 rs. por pipa. Examinen) os
amantes a qalidade para reconhccimenlo
da verdade e contiiiuagio da anliga fiegue-
zia. Epara nSohaver usuras, est.lo promp-
tas garrafas lacrada o cun o competente
rotulo, asaim como harris de diversos la-
manhos para ptovlsio do prximo Natal
' proprielario cunta com a concurrencia;
do cunli ario, tornarSo os preges 00 rela-
Ilio ii primitiva de2*0e 280rs. a garrafa.
I'otlia de Flandres.
Vendem-se caixascom folha de Flandres:
na rua do \ morlin, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnnior.
-- Vendem-se amarras de ferro: na rua
Ja Senzalla-Nova, n. *2.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molhados
atrs do Corpo-Sanlo, n 66, por preco com-
modo, veUa do carnauba, sendo azues,
cor do rosa e lustrosas, as quaes se lornnm
recommemlaveis pela sua superior qalida-
de e aturarem mais que as de espermacele,
e n'io fazerem morrfio.
^ l'iii/ucle-rlt-PeniBtnliwo, fundeados ao p
Ho caes do llamos, bom sebo em rama, por
pre(0 eommodo.
* rados de ferro.
Naiundico da Aurora, em S.-Amaro,
vcii"!cm-se arados de ierro diversos mo-
delos.
A 1-50 rs. o covado.
Vende se superior rispido do algodSo,
muito encorpado, a 1*0 rs. o covado: na
rua do Crespo, n. 6. loja junto ao lampeflo.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglez.es : na rua da Senz.alla-No-
va, n. *2.
Bitas*
Vendem-so bichas chegadas ltimamente
e de boa qalidade, a 160 rs. cada urna, en)
porc1ode25 para cima : na rua do Ami
rim, n. 35.
AGENCIA
da fundido Low-Moor,
RUA DA SRNZALT.A-NOVA, N. 1^1.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
mtiilogostoe chiste do bem conhecido lil-
teralo Carrett. ,, ,. ,
Cortos Ja minha Ierra, bella tradiccBo da
provincia do Minho, pelo excellenle esnp-
tor A. P. da Cunha.
Portugal, rocordacOes do anno de 1842,da
viagem que a ess3 reino fez o principe
Lichnowsky. .
Muuu Piltoreuo ns. 1 a 21, jornal scienti-
lico.contcndo muito boas estampas.
.. No armazem do barateiro Silva Lo-
..cS, na porta da alfandega, vende-seifart-
nha de trigo, nova o de primeira qalidade
que veni a este mercado.
Para quem i ver bom
gosto.
Vendem-se redes de cores muito grande
muito bonito padroes, e o melhor que
tem apparecido neste mercado : na rua do
Crespo, loja da esquina que. volta para a
cadeia. .... ..
Vende-se superior farinha de mandio-
ca, em saccaa : a tratar no eseriptono de
Manuel Concalves da Silva, na rua da Ca-
deia do Itecife. ou no armazem do Araujo,
no becco do Goncalves.
--Vende-se cera em velas, vinda do Rio-
de-Janeiro, em caixas de bom sorlimento,
pors. ra maior parte miuda; pos antibi-
estabelecimento com morada indepen-
denlc. .
--Vendem-se dous escravos pecas, -de
muilo elegantes figuras: um he muito bom
official do sapateiro de toda obra, e o outro
he muito propriopara carregar urna cadei-
rinhae servir a urna casa: na rua do Col-
legio.n. 21, se dir quera vende.
-- Vendem-se o alugam-se bixas de llam-
burgos, por eommodo preco : na rua estre-
ta do Rozrrio, n. 13.
7ul" uc -- ,. osos de Manoel Lopes, por prego commo-
das, para engenho ; machinas de do na pr,ca do Commercio, n. 6, esenp-
ferro batido e
os tamanhos,
ca-
ra, a
admiiem
Deposito de Potassa.
Vende se multo nova potassa
de boa qalidade, cm liani.szinlio.-.
pequeos de qiutro arrobas, por
preco barato, como j lia muito
tempo se nao vende: no ifecife,
rua da Cadeia armazem n. la.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche,
n.
'71
ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo eommodo.
Vende-se a bordo'des tingues Itgeim
vapor, e taclias de
cocido, de todos
para dito.
Pos galvnicos para
p ratear.
Na rua do Collegio, loja n. P.
Todas as pessoas que possuem objectos
praleados e que tenham perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
lihsados, teem nestes pos um excellenle
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho molhado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinha contendo quantidade sul-
ficiente para pratear mais de 40 palmos
quadrados custa a mdica quantia de
mil rs.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Saiitos na Baha
Vcnde-se em casa de N. O. Ilicher & C.
i rua da Cruz, n. *, algodSo trancado
ilaauella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Cha brasileiro.
Vende-so che brasileiro no armazem de
molhados, atrs do Corpo-Sanlo, n. 66, o
mais excellenle cha produzido em S.-Pau-
lo, que lem viudo a esle mercado, por
preco muilo eommodo.
Farinha de trigo.
i. i Tasso Jnior vende farinha de Pro-
venca.chegada no ultimo navio de Marsei-
Ibe, por prc^o eommodo.
Moendas superiores.
NafundicSodo C Starr & Companhia ,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canoa, todas de ferro, de um modolo
construccilo muito superior.
Cal virgem.
Cunha & Amorim, na rua Cadeia do Re-
Clf"f n. ao, veadem ca virgom Je LiahAm,
de superior qalidade, por preco mai ba-
rato do que em outra qualquer parle.
Novos cortes de cassa pa
ra vestidos.
Vendem-se cortes de cassa para vestidos,
de cores fixas e de bonitos padroes, a sele
e oito patacas o coi te ; chales de tarlalana
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs.
na rua do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
4cs fumantes de bom gosto
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor viudo do sul superio-
res charutos S.-Felix, e de outras umitas'
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
niIdo, que se estilo vendendo pelu diminu-
to preco de 500 rs. o cenlo.
Vende-se um jogo de breviarios no-
vos : atrs da matriz da lioa-Vista, n. 22.
Corles de brim de cr< s
com listras ao lado, a
1,20 rs.
Vendem-se corles de brim de cores cotn
listras ao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godSo americano, pioprio para escavos, a
1*0 rs. o covado : na rua do Crespo, loja da
esquina que volla para a cadeia.
Attenco.
Vcndem-se filas de chamelote para os
hbitos do Christo, Rosa, Aviz e Cruzeiro,
chegadas prximamente : na rua do Cies-
po, ao p do arco de S.-Antonio, loja de
miudezas de Joaquim llenriques da Silva.
Farinha de ara ruta
de superior qalidade, recentemente che-
gadn a este mercado, em barriquinhas de
menos .le duas arrobas, pelo diminuto pre-
co do 3,000 rs. a arroba : na rua do Azeite-
de-Peise, armazem do Francisco A Ionio
da llosa.
A os amadores e litleratos.
Na rua do Crespo, loja n. 5 A, de Ricardo
Jos de Kri las, e defronle do trapiche no-
vo, n. 6, vendem-se as seguintes obras, por
pre^o eommodo :
U l'reio, publica,co modernissima que
descreve o estado lamentavel das cadeias.
Ilethla militar, jornal contando minios
ronliccimtMiio.s uieis e novos invenios para
a nobre profissOoilas armas, com as pl.n-
tas e estampas necessarias para a intelli-
gencia do texto.
Historia d cerco do Porto, 2 v. otira mui-
to moderna einteressanto pela narraco des-
te heroico fcilo de nossos dias.e d> outras no-
ticias e pela caria topogrfica das lindas
da dita cidade.
fiagem na minha Una, publicado de
torio de llanoel Ignacio de Oliveira.

PREGOS COMMODOS.
Loteras do Rio-de-Janeiro.
Rua do Collegio, n. 9. *
i Pelo vapor Imperalrl; sahido do g.
T Rio-de-Janeiro em 2 do corrente, re-"5
* ceberam-se bilbeles o cautelas da
O 5.a lotera dos capuchirtlios
^ que ficava para correr no dia 6; J
** bem como da
ai.* do monte po
2 que deve correr no dia 16 : o que S
-, assim se annuncia aos amadores des-
? tejngoquegostam da hrevidade na
noticia da extraccHo, aflm de se pro- W
t yerem quanto antes da lotera dos ca- S
2 puchinhos, cuja lista deve chegar S
* primeiro.
-e.o
o
"3
SI
2

as
1
en
s~
O
O
o

i- '

S o
ao.
o
2
a>


c >n
.5
3 C o
o-oa .o r
^ a c "O 4*
e o) gj *-
-aj g-a a.
-f m
O
>
o
fe
o
o
a>
es
u
s-

( 2 2
^ .S.o-
3 -a u u
U i- o
m O o P.
BO 2 .
"illsl
i s a
,2 o 6 o
3^C
. 3 =
s C do
1
cr o
= "2
E m 8

Cal de Lisboa.
No Rio-Formoso, em casa de Julio Jos
Lopes, vendem-se barriscom cal virgem de
Lisboa, do superior qalidade, (por preco
eommodo.
A 2,720 rs. cada um
corte.
Na loja de Guimares & llenriques, rua
do Crespo, n. 5, vendem-se novas cassas
parisienses, padroes muilo mojemos, pe-
lo barato preco de 2.720 rs. cada um c'te :
esta fazenda se torna muito recommenda-
vel pela superior qalidade e barato preco.
Saccas com milho a
42,SOO rs. e ditas com ar-
roz de casca a 5,1500 rs.:
veidcm-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceicfo.
Vendem-se luvas de seda de torcal,
pretas e brancas, para senhora e meninas :
meias para meninos e meninas, a 120, 160
e 200 rs. : na rua da Cadeia-Velba, n 15.
-- Vrii.irni-i.-i.dous nudos moleques
crioulns. um de 8 annos e o oulro de 5, am-
bos de bonitas figuras : no Aterro-da-Boa-
Visla, n. 26, segundo andar.
No armazem n. 7 da rua da Moda, ven-
dem-se sacciis com suptrior colla das fa-
bricas do Rio-Grandc-do-Sul, por preco em
conta.
A '240 rs o covado.
Vendem-se riscados de linho, proprios
para jaquelas e calcas, a 940 rs. o covado ;
zuarte com urna varado largura, pelo ba-
rato de200rs. o covado : na rua do Cres-
po, n 6, loja ao p do lampeo.
Vende-st urna escrava de 20 annos, de
muito bonita figura, que engomma, cose,
coziuba e serve bem a urna casa ; urna dita
iinii;;i com urna 111 ta de 10 mezes, a prcta
cose e faz lavarinto ; urna negrinha de 8
inos, muilo linda, que faz renda e cose
alguma cousa ; urna preta de 35 annos, pa-
ra fra da provincia, que he coziuheira, en-
goinmadeira, retina assucar e faz doces : na
ruado Collegio, n. 21, primeiro andarse
dir quem vende.
Queijos do serla.
Na ruadoQurjuiado, n. 11, loja de fer-
ragens, vendem-se muito hons queijos do
serlfio, por menos prego do que em outra
qualquor parle ; bem como 3 couros de on-
(;a r mu de ionra ; urna poreflo da couros
miudos: ludo se ven Je muilo barato.
Chitas escuras de cores
fixas a I80rs. o covado.
Vendem-se as melhores chitas de cores fi-
xas e assentos oscuros : na rua do Queima-
do, n. 8, loja confronte a botica.
Calcado de 1,2tt0 a 1,600
No Aterro-da-Boa-Vsta,
defronle da bonfca,
s.lo chegados sapatos francezes de couro de
lustro para senhora, a 1.980 e 1,600 rs. o
par; bem como um completo sorlimenlo
decalcado de todas as qualidades, tanto
para homem como para senhora e meninas;
ssirn como do Aracaty para homcm, a
1,000 rs. pellesde couro de lustro bam-
hurgue/ e francez ; ditas de marroquim ;
tudo por prego eommodo.
A 480 c 500 rs.
Vendem-se casias frincezas de cores fi-
xas e de bonilos padroes, pelo barato pre-
go de 480 rs. a vara; chitas largas france-
zs e delist'aacrde ganga c cOrdecinza,
p-lo barato prego de 360 rs.; brim tranca-
do amar.-llo de puro linho, pelo barato pre-
go de 640 rs. a vara : na rua do Crespo, n.
14, loja de Joa Francisco Dias.
Vende-se a loja de miudezas do Ater-
ro-da-Boa-Vista, n. 81, com um pequeo
fundo de 700,000 rs.; assim como se ven-
den) as miudezas smente, ou a armacilo
e leudo a casa proporces para um grande
h. n o. u <*>
Vendem-se lainhas do Rio-Grande,
muilo novas, por prego eommodo ; um bom
brago de halanga, com conchas e pesos : na
rua da Praia, armazem n. 63.
Vende-se urna preta muilo boa coz-
nheira e engommadeir, muito sadia e ro-
busta, nilo tem vicio alguma, apenas Turna
cachimbo e isso muito pouco : seu prego
he de 480,000 rs. quanto custou : o motivo
de se vender he smenle por dizer que n0o
quer trahalhar em um quintal e querer que
a vendsm.advertindo-se que sendo para fra
da ierra ou engenho da-se mais ora conla :
na rua do Sebo, n. 8. a toda a hora.
Vende-se cal de Lisboa : na rua da Ca-
deia do Recife, n. 20, loja.
Vendem-se pegas de chitas limpas e de
assento coberto, a 5,800 rs., a retalho a
160 rs. ; cassa-chita preta para luto rigo-
roso e alliviado, a 200 rs. o covado; cassa
lisa, a 3,000 rs. a peca de 10 Taras, e a re-
talho a 320 rs.; cambraias, um corte para
vestido 2,500 rs.: ntrua do Passeio, n. 7,
loja. t
Na loja nova da rua do Quei-
mado, n. lo, acha-se um comple-
to sorlimenlo d fatendaa de gos-
to, asmis modernas que ha e por
precos os mais commodos possi-
vais, assim como ha pannos pre-
los e de cAres muito finos, a 5,ooo.
Vende-se um cavallo preto de bonita
corte pelo Si-, capullo do fragata Jesuino
l.amego Costa ; consta que se intitula for-
ro a todos aquellos que o n3o conhecem, o
bem o persuade por saber ler, escrever e
contar, e a quem o conheca diz a uns que
anda por ordem de seu senhor a procurar
quem o compre, e a outros que anda em
procura de obra paca trahalhar: o que se
prefine sos Illms. Srs. odieises do exercito
e armada, pira que o nSo reerntem ; capi-
tSes de navios, para que o nSo recebam a
seu bordo a pretexto algum ; meslres de
obras, o nSo admittam as mosmas; aos Srs.
encarregados da visita dos .navio* o nflo
deixrm shir em navio algum, qur aeja na-
cional, qur eslraiuteiro e a todas as pes-
soas em geral se roja o nilo acoilem, nSo
s para evitar o procedimento criminal,
mais tambera de pagar o jornal de 1,60o
rs. diarios desde que o mesmo eativer f-
gido, qno he tanto quanto se protesta ha-
ver daquella pessoa que I lia der coito : para
cujo fim se faz o presente annuncio, para
que ningnem se chame a ignorancia, e se
noticias onde exista, ou o levar i rua da
Cruz, n. 9.
Fugio, no dia 27 de oulubro' prximo
passado, do engenho ('.arrpalo, freguezla
do Rio-FormosO, o pardo claro, de- nome
Miguel, de estatura alta, barbado, cabellos
crespos, barba um tanto ruiva;tem bis.
tantes cabellos as remas e peilos;' tem
pouco desembarago no fallar ; tem o rosto
um tanto descarnado e nariz um tanto
grande ; tem' 38 anno; "inculcase forro;
entende bastante de ser meslro de assuear,
mas he. bastante preguigoso. Roga-se as
autoridades policiaca e capilHes de campo,
que o apprehendam e levem-no ao dilo en-
genho, quo ser&o gratificados.
Na note do dia 22 d oulubro prximo
pas ,ado, fugio do abaixo assgnado un.a
prela de nome Vicencia, de 40 annos, de al-
tura menos, de marca, cabellos desanda*
dos, cor fula: tem alguiis denles tirados;
he ebeia do corpo, ps-malfeitos ; supj de-
seque esteja oceulta em alguma casa, por
isso o abaixo assignado protesta contra
quema livor oceulta peranlea lei, exigin*
do 480 rs. diarios desde o dia da fuga ate o
dia em que Ihe for entregue: quem a apegar
leve-a ao engenho Curado, freguezu da
Varzea, que ser gratificado. Jote Correia
Leal. >
100,000 rs. de gratMlcsgfio. '
O abaixo assignado roga aos Srs. de en-
genho Christovilo de Molan la Cavalcanle,
Francisco de Barros Reg, Francisco Mari-
nho Wanderley, Francisco de S.-Tiago Ri-
mos. Antonio Jos Marroquim, Manoel di
Barros Accioli Mello, Antonio de S.-Tiago
Paz de Mello, Paulo de Amorim Salgado,
|)r. Flix Theotonio da Silva GusmSo e ig-
nanciodo Rarros Wanderley para que m-
dignem mandar ver pelos moradores de
seus engenhns urna escrava de nome Cu-
figura, com todos os andres o muito man-' tbarina, crioula, de estatura regular, mi-
teudo i na rua de Santa-Rita, n. 85. gra, com a barriga um tanto crescida, den-
Vendem-se sanates de COU- les bonitos, sobranselhas carregadas; le-
... i .- vou urna filha mulatinha, de 3 annos, de
ro de lustro pelos baratsimos pre ros|0 redondo, olhos pequeos; Um as co-
ros de 2,5 oo, 3,ooo, 4,000 e 4,5oo. xas tilo unidas que a fax vollar os ps pan
oslados. Fugio a 11 de outubio de 1848.
A mili desta negrinha chamaco Jeronymi,
e tem alm desta filha mullos tilhos, e por
isso se tem feito notar no lugar aonde mo-
ra ; lie escrava deThomaz Vieira, morador
no engenho Calma, sitio capivara. Camari-
na foi cha de Mara Vieira, moradora em
ivroba, sitio Pescinenge, e por morte deU
coube em heranga a Certrudes, lilha casi-
da com Domingos da tal, morador neiU
prega, lia toda a certeza della ler estado est
algum desles engenho-, porm tem 1M0
mudada tulvez polos manos. O. abaixo as-
signado cierece a quantia de 100,000 rs. 1
quema Irouxerat o fim de deiembro do
correte anno, e pretende desse prazo en
(liante, Inzer toda a diligencia para a desco-
brir e proceder contra quem a Ifrer acei-
tada. O commandante do corpo da poli-
ca, Jodo do Reg Barros Falcdo.
Fugio, no dia 14 do corrente. urna ne
gi in ha de nome Nina, de 14 anuos, de esta
tura baixa, magra, bastante retinta ; le
muito esperta ; usa sempre de sveplal; lc-
vou 3 vestidos de taino francez, sapatos <
meias ; tem o nariz um tanto malhado pe
los lados e urna cicatriz pequea em cima
da pestaa deumolho : quem a pegar le-
ve-a rua Nova, n. 3, primeiro mdar, que
irr gratificado.
Fugio, do engenho Novo da Muribec,
um preto crioulo, de nome Filippe, de 28
annos pouco mais ou menos, com oQlcio de
alfaiale, de estatura alia ; tem os hombros
levantados, delgado da cintura, rosto com-
prido, nariz aquilino, pese mlos grandes
suppOe-ae estar aqui na piaga em alguna
casa de alfaiale Irabalbando no o01cio.ltgi
seaos Srs. meslres das tendas onde o mesmo
preto se achar, ou a outra qualquer pessot
que delleliver noticia de participar ua rui
do Collegio, ao Sr. Antonio Ricardo do lle-
go, que recompensar o favor.
Fugio, no dia 6 do crrenlo, o preto
Benedicto, de nagu, de i anuo, pouco
mais ou menos, sem barba ; levou camiM
de madapolflo e caigas de riscado largo a es-
curo ; de altura regular, corpo fornido,
beigos grossos, bocea grande, ps e mSos
grandes: quera.* pegar levo-o rua e
Ireita do Rozario, n. 43, segundo andar,
quesera gratificado.
Fugio a preta Viclorna, de estatura re*
guiar, oMibb vermellios, beigos cabidos, pe
apapagaidos, seio grande ; tom um ca ro-
go direilo em cima do colovello ; levou un
vestido de chita escuro j usa Jo: quem
pegar leve-a ao major Mayer, que recom-
pensar.
Disappareceu, nodia 16 do corrente.
um mu la linho donme Miguel.de 10 anuos
pouco mais ou menos, cheio do corpo, ci-
beca gruido, ojlios grandes, denles largos,
nariz cinto, pernas grossas; tem o corpa
cheio de signaes prelos, cor um tanto palu-
da ; levou vestido camisa de panno azul,
levou mais urna caixa de tartaruga. IIo-
se as autoridades policiaca e capilaes J
campo, d,ue o'apprehendam e ievem-no w
peUoduTergo, n. 8, sobrado.
-Fugio, nodia 29 do prximo passado
oulubio, do sitio Temarineira, na estrada
dos Afilelos, perlodesla cidade do lleciffi
o pardo Jos alto, grosso, ps grossos, com
. -F. ._ >. ...i,.i,nii.iii mii'
rs. ; ditos lira neos do A racaly pa-
ra homem e menino, a 1,000 rs. ;
ditos de orelltas, a i,Goo rs : na
na da Cadeia do Recife, 11. 9.
Ns loja de 6 portas da rua do Queima-
do, n. 52, se dir quem vende tres luciros,
urna rotula nova, um ferro de fazer hosteas
O UIII" r.*cr vniiint.n uuntu N lliesnll S* (I i I
quera hypoiheca uro moleque por 200,000.
Vendem-se massos de meias de linho
por eommodo prego : na rua do Vigario, n.
11, primeiro andar.
Vende-se urna escrava do meia idade,
boa quitandeira, pelo prego de 280,000 rs. -.
na tus da Roda, n. 16.
Vende-se urna farda para guarda na-
cional, urna banda rica para official, um par
de globos de ouro, canana e talim, urna plu-
ma e um fiel de fio de ouro para espada:
quem pretender, dirija-se rua Direila, n.
70, das 6 s 8 horas da manhfla, do melo-
da s 3 horas, ou noite : ludo se vende
por prego eommodo.
Velas de espermacele..
Vendem-se velas de esperma-
cele superiores, cliegndas agorada
America : em casa de Deane Yon-
Ir- \- Companhia, na rua da Ca-
deia, n. 4*
DE6 PORTAS H2
iNcsta loja vende-se panno lino preto e
de cures; casimiras elsticas, finas e de bo-
nilos padrOes ; corles de brim de linho es-
curo, a 700 rs ; cassa lisa, a 320 ra. a vara;
chitas de cores fixas e de pannos muito en-
corpadas, a 140 rs. o covado; e outras mul-
tas fazendas pruprias da fesla, por baralo
prego para Techar cenias.
- Vende-so um sobradinho em chfios pro-
prios, sito na rua da Senzalla-Velha, n. 23:
a tratar no Passeio-Publico, n. 7, que se Ta-
ra lodo e qualquer negocio.
-- Vende-se um relogio de cima de me-
sa em bom uso e ptimo : na rua d'Agoas-
verdes, n. 100, sobrado de- dous andaros,
delronte da igreja do Tergo.
$eljns inglezes e clas^
lieos :
vendem-se em gasa de Geo : Kenwortliy t
C. na rua da Cruz, n. 8
fescr&vos fille o*
Fugio, no dia 16 de oulubro prximo
passado oescravocabra.de nome Tnimo-
tlieo, official decarninteiro, de estatura al-
ta, magro, zambeo das pernas, com falta de
um dedo em ump, denles podres; temo
stgnaldeum pequeo lalho na ponte do
nariz ; he bem parecido de rosto, com prin-
cipio de barba; levou boa calca do brim
azul, camisa branca e gndola branca lina ;
ctijoescravo foi do lllm. Sr. Alfonso de|
Albuquerquee Mello, da provincia do Pa-I
ra, por ordem de quem foi vendido OMUlP""- tff-
f,U de vista no uho esguerdo :_ quem o
rua
pecar leve-oao dilo sitio, ou na
Seuzalla-Nova, n. 40, primeiro audar, qiH
ser gratificado.
I ai
i. m raau.^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZDIDXMY4_FDSXPL INGEST_TIME 2013-04-24T17:25:54Z PACKAGE AA00011611_06717
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES