Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06713


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Quina-feia f >
PAIITIDAS DOS COBHXIO.
Goianna eParahiba,.clundacsextas-feras.
Kio^raude-doJorte(.tHQ-feiras o roeo-
CaboTscrluhaein, Rio-Formo.o, PortiClvo
Macelo-, n* I.. 11 e 21 de cada me.
Garantais* e llualto, a 8 c23..
D,,a-Vita e Ftorrs, a 13 e S8.
Victoria, s quintas-feiras.
Ollnda.odo o diaa.
xvannmiDEs.
Faina d lo.. -Mina., a 7. > A. e ro.da n
Nova. aH.aa Oo.cWm. da i.
Cresc. a 23. ao* 5 u>. da in.
Chela a 30, i h.e .'iia.dam.
UlIMAB K HO*.
Prlitlelra a 5 horaa e IS minuto* da uiahn.
Segunda aa 6 hora 42 minuto da tarde.
VRI(?OS A SCBSCRIITlAO.
Portrea mece (odian lado) 4jWK>
Por seis mazea 8/HKI
Por Uku anuo 1j/UOO
de NovomiVo DA DA SIMA.
12 Scg. S. Pingo. Aud. do J. dos orf. do e ni. 1. v.
13 Tero. S. Eilgenio. Aud. da chae., do J. na i. v.
do civ. e do'di> feilos da fatenda.
H Quart. S. Clemenlino. Aud. do J. 2. v. Cly.
lo Qulnt. S. uertrudc*. Aud. do J. door. c do
m. da 1. v.
J aexl. S. Cntalo de Lagos. Aud. do .1, da I, v.
do elv, e do do frito da fazenda.
17 Sab. 3. GregorloTtiaumaturgo. Aud. da Chae,
c do J. da 2. v. do crlmc.
18 Dora. S. lluino.
mprrw '"
CAMBIOS CH 1 BB aTOVBMBRO.
Sobre Landre. M d or 1/000 r*. a 00 das.
. Paria, 3<>
otttt/S2&.....mm a mX
ucda,de0^vHha,..^00a.^0O
M3D0
l/!(>0
l/WM
1HS0
a oiiio novas.
dci/UOO..........
rala.Patacoes braslleiro.....
Pciol coliilunarios......
Dilu mexicano.......
licin a
9/2H0 a
l'i-io a
J/>.i-ill a
l/K('i I :i
PAUTE OFFICIM
GOVERNO DA PROVINCIA.
KXPRDIENTE DO DA !) DE NOVEMBRO.
OOloio. Ao presdanle do Para, decla-
raudu-lhe hiiver o inspector da pagadura
militar dosta provincia reuieltido a paga-
doria daquell, em 17 de otitijhro ultimo,
i pula do alferes do quarto halalhfio de
icadnresFranciOollodimiM Ramos.
Circular nos denotados dedos a as-
sembla .aeral legislativa. Tendo sido
V. S. elelto deputa.io a assembla gerai le-
gislativa por eala provincia, segundo me
l declarado pela cmara municipal desla
cidade em Oflicio de 6 du corrente. e cons-
tando de aviso do ministerio do imperio,
dalado de 27 de setembro ultimo, que as
sessOes preparatorias da enmara dos dipu-
tados no primeiro annode cada legislalu-
a devcr3o ter comeco quinze das autos do
lesignado para a rcun3o da mesma cama-
a ; assim o roinmu'iiro a V. S., para sua
nlelligenokei'cuao na prti que llie
tocar. ...
oflicio. Ao inspector da tnesouraria de
zenda, romellendo a filiadlo dos corne-
as Antonio Comes Ladislao. JoBo Cualhcr-
o dos Santos, Joaquim Jos da Tnn lade e
i)3o Francisco do Sant'Anna Urna, que 8?
ilistatam no quinto bat.lhio de guardas
itcionaes drsle municipio, afim do que
nande abrir uaquell repartirlo os necessa-
osafsentamenlos de praca. Inloirou-se
, commandante superior da referida guar-
a nacional. .
Dito Ao inspector da pagadona mili-
ar, declarando haver ordenado que se>a
alistado ero uro dos corpog de linh da
euarncSo desla provincia o paisano Jo3o
Gregorio do Nascimento, a quom arbitrou
a gralificaeilo de cem mil ris, nos termos
do decreto o regulamento de 18 de novem-
bro de 1818. ,
Dito. Ao mismo, para que mande pa-
gar ao cabo d'esquadra Romualdo Jos Ze-
ferino 33.100 rs., importancia do sold e
tapeque vencer.am dez pracas da guaada
uicioiihI que coduziram presos d justica
lo termo do Bonito para esta capital.
nteirou-seo cliefe de polica.
lulo. Ao inspector da tbesouraria da
a/en la provincial, para que mande entre-
ar ao alnioxaiiTado da repatc3o das
liras publicas a quantia de 36.900 rs. em
ue importam as diarias que venceram do
iiimciro iie julho ao ultimo de oulubro do
iiino crreme os Iros calcetas que so acbam
crvindo na referida repaiticjlo. Intei-
ou-se aailministraclodasobras publicas.
Dito. Ao administrador dasobas pu-
licas, transmitlindo as contas documen-
.^lasdasdcspezai feits com a cunlinua-
fcao dos estuilos graphicos da estrada da
Victoria de 14 a 28 do.oulubro ultimo, ntim
de que f.r;a crertitar o engenheiro Milet pe-
la quantia de 137,480 rs. cm que importa-
ran! as referidas contas. Inleirou-se o
mencionado engenheiro.
Dito. Ao mesino, remetiendo as contas
documentadas das despezas Tedas de 8 n 27
|do oulubro ultimo com a obra da segunda
li.arlo do nono lauco da estrada da Victoria,
Blim de que Taca credilar o engenheiro Sli-
|et pela quantia de 186,360 rs. eJl que im-
borlun as mencionadas contas. Scieiui-
[icou-se referido engenheiro.
Portara.Noroeando para segundo com-
nil lantC da quarla companhia do corno
le pocia o terc.iro da segunda Antonio
francisco Xavier da Costa, o para o lugar
Jago pelo accessodcsie o cidadiio Gabriel
lloreira KaigM Jnior. Fizeram-sa as
onver.ienles communieaQoes.
Dita.'horneando obacharel JoSo Flo-
i|.es Dias Barrito para o lutar vago de
iiineiio supplente do juiz municipal do
eguiid.i varados! cidade. -Fizorain-seas
Iroinmunic^Oes do eslylo.
DEM DO DA 10.
Oflieio. A administracSo dos estabele-
rinieido's de candade, declarando (car sci-
enle do ter o ex-lbesourolro Jos lligino de
.Mranla iccolhido ao cofre da mesma ad-
ii.inisfraenoaquanliadc 1:079,979 rs. sal
do de mus contas.
.._. Nomean lo secretario interi-
no desta piovincia oluflnrcl Antonio Fan-
risco Poteira de Caivalho. Communicou-
se a thesouraria de fa/enda.
Hila. Aehandose vago o cargo do se-
gundo sopplonte do juiz do orphflos do ter-
mo do Itecife, o devemlo ser considerado
como tal o de sexto supplente do mesmo
juuu que era ocenpado por Feliciano- Joa-
i|iinKi(isVaidos, oracondemnado pe" eri-
mi'ili^bellifl". O presidente da provincia
resolve nomear par a o primeiio dos men-
cionados cargos o hachare! Vicente l'ereir
du Itogoo para o segundo o bachacel Mauoel
iluieulino Cameiro da Cunba e, usando
da aulorisacSo conferida pelos imperiaes
avisos de 19 donovombru de 1815 e 7dea-
goslode 1848, determina quo uossupplen-
tes do mencionado juzo se guarde a orden
segu nle.:
1. Vicente Peroira do Reg.
2. Hanoel.Clemeiilino Cameiro da Cu-
Al.
3.a Jos Rodrigues do l'asso. f
*. I uiz.Duarte Percira. ^
. s," Antonio da Assunpcao Cabral. "
8.'Jos Antonio de Figueiredo..
Kizcram-se aa convenientes participa-

toes,
------C
TRIBUNAL DA lELACAO'.
. SESSAO DE 10 DE NOVRMBH Dfc 18.
parsinrcit DO BXM. Srniior
COPCKIHKIRO AZBVEDO.
A'a de hora da manhaa, achando-se pre-
ente oaSr.deaenibargadore Ramos, J"-
re, Haslos. Lean, Souza. Rebello, Luna Freir
eTellei, fallando eom causa nSr. desembarga-
dor Ponce, o .Sr. presidente declara abena a
seasao.
bicisoes. -
Appillacfi ertmii.
Apnellantca, Caelano Joaquitn da Cunha. e
Joao, eseravo de Joo da. Silva Rego.-Fol
julgada Improcedente com declaracao quan-
lo .i pena. .
Appellante, o juito appellado, Francisco de
llarros Ferrclra.-Fo julgada procedente a
apprllacSo, c inandaram n novo jolgameuto.
Appellante. o pardo Francisco, eseravo de D.
MarianBade Araujo; appellado, ojuiao.
Julg.iram procedente o recurao.
Appeliarn etvtil.
Appellante, Justlnlanno Antonio da Fonseca;
nppellado. JoSo Keller C.-Fol confirma-
da a senlenea. .
Appellanle, Claudio Dubeux ; appellado. Agos-
linho lleoriqie da s.ilva.-l-6ram dctprea-
dos o embargos do appellado.
Appellanle. Francisco Xavier' Canulro da S.l-
va ; appellado, Antouio da Silvcira Sou.a.-
Foi confirmada a senteirca. ......
Appellante, Anna Goncalve. Vleira emitvai
appellido. Pedro A tve de Araujo Aera.-
Foi rcforuiada a aenleiiea.
Appellai.te, Cario Jos Gome de Oliveira ;
appellado, Pedro Jos Rodrigues.
Appellanle, Gabriel Gennauode guiar Mon-
larrovo c miro ; appellado. Manoel Ferrel-
ra Dculi. Handou-ae ouvlr ao curador-
gcral.
Appellante, Manoel do Reg Barro ar.pella-
do, Seraphlm Lelte Perelra.-Mandadou-e
averbar a dUima.
DESIGNi;OE.
Foi assignado o primeiro da ulii para o jul-
gamenlo das seguiuics appcllacoe civei;
Appellante, Lui Sevcriano Marque l.acalhio;
appellado, Aulonio Jo Marques llacalhao.
Appellante, Manoel de Alinrida Ferrclra ; ap-
pellado, Joao Ferrelra dos Santos.
Appellanle, Antonio -Bernardo Ferrelra ap-
pellado, Joaquitn Ribeiro de Brilo.
EVlSOES.
Passou do Sr. desembargador Ramos ao Sr.
deseoibargador Villares a appellar.ao civcl em
que sao : ,
Aappeli.te. Jos Gomes Villar ; appellado,
Leopoldo Jos da Cosa Araujo.
Passaram do Sr. desembargador Villares ao
Sr. desembargador Haslos a appcllacdc cl-
ves em que o ;
Apnellaiites, o padre Sebasllao Antonio de Me-
ffezes e oulros appellado, J.ulz Ignacio de
Oliveira Maciel.
Appellanle, Jos Cario da diva ; appellado,
Mara Custodia das Virgen.
Appellanle, Jos Gomes Percira Ribas: ; ap-
prllada, a cmara municipal da villa do
Pilar. c
Apnellanles, o jul/.o e Manoel Joaqnim Soares;
app.llads. Me. Calmont fc C e o curador
da heranca de Jos Francisco Collares.
Appellanle, Joao Ferrelra do Santos i appel-
lado, Jos Joaquim de Mesqulla.
Appellanle, Amonio Domingos de Almeida
Pojas ; appellado, Jos Beruardino Leal.
Passaram do Sr. desembargador LeSo ao Sr.
desembargador Sonta as appellaco* civels cm
que sao :
Appellante, Joao deCarvalho Raposo ; appel-
lado, o julio
Appellante, Dernardo de Sena Das e oulros
.ippelladas, O. Anua e D. Joanna Maciel
Monteiru.
Apprllaule, Antonio Fernandes Ribeiro ; ap
.citado. Mauoel Florencio Alves de Moracs.
Passaram do Sr. desembargador Soma ao
Sr. drsembargador Rebello a appellactie cl-
vt'is ciii une sao :
Appellanle, Antonio Korge da Fonseca ; ap-
pellada. a administracao do palrimonio do
orpliaos dcsla cidade.
apellantes, Jos Lope Denlt e oulros; appcl-
lados, Francisco Pcrelra da Silva e sua mu-
Iber. ,, .
.ppellanle. Jos Dia Macuira ; appellado,
Manoel Jos Salgado.
apellante, Jos Joaquim U.nbeltno de Miran-
da ; appellado, a viuva e herdciros de rrau-
clkCn lieinardo. AIvc Fe reir.
Passaram do Sr. desembargador Rebello ao
r. desembargador Luna Freir as appcllaces
civei eui que sao :
Appellanle, Francisco Jos Barbosa e Jullao
liercneer: appellado, Antonio (jomes Villar,
ppcllarttes, os herdeiros de Joaquim Ignacio
Correa de brillo appellado, ojuizn da-la-
senda.
Passaram do Sr. esembargador Luna Frei-
r ao ^r. desembargador Telles a appellaac
civei* cm que lo :
ppelianle, Domingo Perelra Meudanha ap-
lelladu, Joaquim Ferreira.
Appellanle. o reverendo guardiao do conven-
io de Sao-Fraucisco desia cidade ; appella-
da, a fazenda publica. ,.,..
Appellanle, Anna Mara de Almeida Castro ;
apprllaila, Joanna Mara de Almeida Castro.
Apnellantca. Joo Jo$. Josc Joao. Joaquim
Jos e Jos Hort appellado, Luzvcr l.el.
Passaram do Sr. desembargador Telle ao Sr.
desembargador Ramos asappellacos civeis em
que sao :
Appellante. Lourcnco Jos da Nev appel-
lado. Gabrcl.Goncalves Lomba,
pellanles. Joo Vleira da Cunha e oulros ;
appellado, Francisco Jos da Cosa.
Amallante. Benio Jos da Costa ; appellado,
Jos Joaquim Uezcrra Cavalcante.
Disrniuilcci.
AoSr. desembargador Telle a appellajao
civei do Limoeiro em que to :
Appellante, Ignacio do Reg Mcdeiros; appel-
lado, Henrique Pereira d* Ucena.
Al
Ao Sr. deiembargador Ramos a apprllacao
civei desta cidade cm que ao :
Appellanle, a Vluva & Filho'; appellado,
i'.artholomeu Francisco de Soma.
Aggravo do juiso do clvel desta cidade ciu
que sito :
Acgravanlc. Nuno Mara de Sellas ; aggrava-
do, Jos Jeronymo Monteiro.
Ao Sr. desembargador Villares a appellaro
civei desla cidade cm que sao :
AppHIanles, Jos Vleira Brasil c oulros ; ap-
pellado, Jos Fernandes da Cruz.
Ao Sr. desembargador Rallos a appellaro
civei deta cidade etn que sao :
Appellanles, os administradores dos hospftacs
c outros ; appcllada, 'Rila Marta do Carino.
Aggravo do juiso do civei desla em que sao :
Accravanle, llaelano Francisco de llar rus
Wanderley ; aggravado, .loa Uaria da Cos-
ta Carvalho.
Ao Sr. desembargador Leo a appellaro
civei desta cidade em que sao :
Appellanles e appellado Jos Joaquim Bczer-
ra Cavalcante c Benlo Jos da ('.osla.
Pctifao do caplto Joaquim Feriera de Sou-
za Jacaranda.
Ao Sr. desembargador Rebello a appellcao
ctvel desta cidade em que sao :
Appellanle, Manoel Ju Snares de Avelar ;
appellado, Domingos Jos Marques.
Ao Sr. desembargador Luna Freir a appel-
lcao crline do jury desta cidade em que sao :
Appellanles, o Dr. Fillppe Lopes Nctto e ou-
lros ; appellado, o jnizo.
Ao Sr. desembargador Souza a appellcao ci
veldojuizo municipal de Po-d'Alho em que
sao:
Appellanle, Francisco Jos de Albuqucrquc
Pinto e sua mullier ; appellado, Luiz de AI-
buquerque Barros.
Levantou-sc a sesso a urna hora da tarde.
EXTERIOR.
NEGOCIOS DE ROMA.
O molu propria do papa na proclamaTb
dos cardeaes teem sido mu diversamente
apreciados pela imprensa parisiense To-
nho j dado as opinides do IMmit, Cotutl-
lutionml i Patrie, as quaas anda snacham
snlllcicntemente reproduzidis no que se
segu, completaremos esta revista fazendo
as SKgtiiotcscitnr;0es :
Sliek.Vamos reproduzir texlualmcnle
e inatento os documentos que toem moti-
vado ntreos dous principaes orgosdos
homens dos antigos dias a tocante hirmo-
nia, cujo espectculo acabamos de proseo-
ciar A amnista analisada pelo triunvi-
rato vermelho podo ser formulada nos ter-
mos seguintes : Perdoamos a todos aqunl-
les que physica e mnralmonle nao po lemo
punir. (Seguem os documentos.)
Cremos que offenderiamos a intelligen-
cia de nossos leilores, nsislindo sobro o
alcance dos irocumcntos quo cima ficam
transcriptos ; osles documentos n3o apre-
sentam nenhum germen nem traco do re-
gimen representativo. O principo do Roma
escolhe pessoalmento os homens aosquae.s
se comprometi a pe lie, sobro certas ques-
lOos administralivas, consolhos .|ue seu go-
verno nSoseobriga asoRinr. Do baldo o
elemento municipal recebe, isto he, rece-
bar um dosiuvlvimcnto liberal.
Se as municipalidades fi.rem assas fortes
que possam faz"r invas3ona poltica, des-
ti uirSo antes do seis mezes, a obra do 12
do setembro; se n3o tivsrem por apoio ntm
a lbenla le do imprensa nem urna assem-
blaeleita. serflo escravisa.las e por conse-
guido revolucionaras, porquanto nin-
guem cnsente de bnm grado em ser esera-
vo depos de ter gozado da libordade. Na
idado n.cdia as municipaiidatles podiam
mover-sc dentro do circuid de certas fran-
quezas lcaos ; pnrm lioje dobaixo do r-
gimen da unidadegovonumental, o na au-
sencia de um grande corpo delibrame en-
carregado de resolver as queslOes de pol-
tica gcrl, lomamos a diz-lo, as municipa-
lidades ou nada senlo ou ser3o fucos de in-
siirreieiies. .
A questao de soberana temporal foi le-
vantada entro a santa 0 o o povo Klla vol-
tar sempre, o aem a intervcnc3o de urna
frtrea estrangeira ser sempre rosolvida
contra o papa. O espirito humano lie assim
feto. Elle pode no ir ale tal ou tal p >nto;
mas, se urna voz ahi chegou, podemos ficar
certosquo voltar aelleoutra vez.
NapoleBo, que por si s valia bem um sa-
cro collego, imaginen este raciocinio para
confiscar a soberana, donde tirava o Sau
direilo legal ao imperio : O povo he sobe-
rano, cu sou o representante do povo, logo
eo sou soberano. Meu filho reinar como
mesmo titulo que eu, seu titul ser o
mesmo, 0 resto he urna questao do lubili-
dade.a O imperador n3o discurr i mais as
sim quando vcltou da ilha de Elba. Luiz
XVIII e Carlos X adoplsram esta mesmi
theoria, com a diffcrenc que fa.ziam re-
montar a sua data a Hugo Capelo. Todos
sabem a que ponto sto couduzio a restau-
rarlo. Um povo ple consoulir na li mi ti
c9o e al na partillia de sua soberana com
um principe. A Inglaterra tem prosperado
debaizo desla liccBo constitucional, a qoal
loria laucado raizes ou Franca se as main-
res faltas nao tivessem sidocommettidas.
Mas, sem sabir da Italia, o principe de. Ro-
ma leria podido adiar um ozomplo para se-
guir no Piemonte, onde urna constituig3o
francamonte executaJa tem fcito a corOi
popular e a salvar cmquanto urna cerda
pudrser salva na Europa. Se o papa n3o
poder fazer que o sou governo seja bem
aceito dos Romanos, quera ser dello encar-
regado?
Lt Cr'idit.--Tres gazeias publicam hoje o
manifosto pontificio, o qual foi alTIxado em
Roma a 20 desio moz ( setembro ). Estas aa-
zetas silo o Mal, o Cormlittitiotul e o Pays.
Esta ollima quo est mais habilitada que
as oulras para nos azer conhecer a opnillo
do gabinete sobro o molu pmprio de S. S.,
declara quo se abslT por agora, de todo
commenlario. As duas otitras fazem apre-
clac0s mui ezplclas : porm em um sen-
tido diametralmente opposto.
O CnnstUutioiet ada quo o manifest faz
dar um grande passo para a conciliac.lo e
que o papa, obedecen lo dosla vez isins-
piruQoes du'sua conscencia, d j satsfa-
g3o a Franca sobro oais de um ponto. I'sta
gazeta mostra-se alm disso convencida do
que o cabera venerando da christsndado
BiBederi na oxecuc3o as promessas expres-
sas no sen manifest.
O Journal de Dbats, pelo contrario, d iz que
esl dividido onlr.r um sontimento do des-
coiilcntamcnlo a nosso rospeito o de afllic-
C3o a respeilo to papado Ello considera
o manifest pontificio como pouco satis-
factorio para a nossa dignidade, o diz que
nHo dada parte do papado u Ta grande rro-
va de Torca e vilal.la le. Ello annuncia (i-
nalmento que os Romanos o consideraran)
como um cmhaimenlo, o quo rasgaram e
cobriram ilo lama os ejemplares do mesmo
que a commiss3o do governo mandn alu-
zarnos muros da cidade.
A opiniaoezprcssa pelo Constitutioncl faz
presentir que a nova marcha quo toma o
negocio de Roma merece a aprovac3o do
triunvirato Thiera, Mul o Rernor, e isto
moslraquo, sa esta marcha nao fdrdo gosln
lo ministerio, haver Irs elle um novo
gabinete, prompto a desembaraca-lo do far-
do da succossilo ramsna.
Julganlo por nossas proprias impres-
sfles, cromos quo o ministerio n.lo tem no-
nhuma ras3o p-ra pretender um triumpho ;
mas pensamos tambem que n.lo lera rasan
para allligir-so, nem para querer aban Jo-
nar a partida.
tuertamente nunca Imnaromos a Mr*.
Thlers o Mole por arbitros da molida de
dignidade nacional quo convom a nosso
pai/. oa nessa bandeira, Benito debaizo de
to las as reservas possivo'H. Anda nos Inm-
hramnsda famosa nota de 8 de oulubro de
1810 ; anda ios lembramos igualmente da
evaeuacBo ilo \ncona, quo fez tanta bulla
rjebaixo do ministerio do Mr. Molo; mis
n.lo estimaramos adiar-nos ora opposir3o
cerno Debits, esso chofe da glorosi tribu
dos satisleitos no negocio da indemnidade
Prilehard.
A allituJo eximctanlfl o contemplativa
quo esta gazeta affectou du-ante a piiraeira
metida do nosso periodo republicano, esso
tom de marque/, e ossas maneiras do regen-
cia que lomou depos ; essas corresponden-
cias romanas a Mephstopleles, das quaos
complaccntemnte se rozedictora, ludo is-
so nHo denota nella o firmo proposito de
indar cfficaz e lealmcnto a soluc,a.) das dil-
liculdadei do nossa poltica oxtorior c Inte-
rior.
O i/iuiu propo uo he um cmhaimenlo.
tile ule lio a ultima palavra da constitui-
dlo romana ; mas sim urna especio do pre-
facio do conslitug3o, bem cono a declara-
filo de Luiz XVIII, daiada de S.-Ouen. Eis-
aqui os pontos que o papa promolle formal-
mente:
Concelhos mnnicipaes eletos dirocta-
mente p >r eleilores censuarios; concelhos
provinciaes nomeados pelo papa sobre a
apreseiilac,3odas muncinalidades ; consul-
ta do estado, ou cmara de contas o impos-
tos, iionmada igualmente pelo papa sobre
tima lista triplica do candiditos a presenta-
dos prlas assemblas irovinciaes; cenco-
Iho do estado, nomeado pelo papa o encar-
regado do elaborar lodos os projertos de
lei ; concelhos provinciaes, encarregados
de cloger as comnvssovs administralivas
das provincias, equo coucorrenipara a com-
posic3odas Bdniinist'ac.0;s mnnicipaes.
Finalmente a reforma do systoma judicia-
riooda logslagilo civil, ciiiniual o adrai-
distratva.
Isto Diio ho cortamenle um fac-smle
do nossas nslituicoes ; mas ho urna entra-
da be n ass'gnalada ms veredas do rgi-
men representativo", o he o estabeleoimenlo
da adminislraQ3osecular.
Entre esta concesslo ppalo o governo
dcploravel dos tres cardeaes h i um ahysmo.
Entre esta nova poltica da santa s e a po-
liiica tracada pela carta do presidente se-
ra ver ladoiramente diffloil aclur una li-
nda de demarcarlo ben:. marcada.
Sobre a quesl.lo da amnista n differenca
he maiscaracterissda ; porque a carta exi-
ga una amnista gorai e a notificafdo esta-
helecoezcopQOes. Esporaraos, como o C'onj-
litulionel, quo estas ezcopcOes ser3o tempo-
rarias o subjeilas revisao.
De um negocio mo lira-se o que se pu-
do. Lasti inariamos aquelles quo perdessem
seu tempo ora discutir anda so convinha
ir, ou n3o ir Roma. Quando as premts-
sas esl3o estabelecdas o os fados consum-
mados ; u3o be mais perroitti lo escolher
os meras para concluir. Sendo a restaura-
dlo do poder temporal do papa o ponto de
partida, este puJAr indica por si mesmo
nao smente urna forma de inslituicaoquo
n3o pode tur neohuma analoga cora as dos
oulros paizes, semlo tambem urna maneira
lo manifestar-se ezcopcional, como seu
principio.
Senlmo-nos dispostos a n3o nos mos-
trar exigentes, qualquer quo seja a soIuqo
i|uo nos livreda responsabilidade das con-
seqirencias da restaurado papal. Suspi-
ramos por ver o governo e a assembla ap-
isiiaiiniinai
plicados sem distraerlo obra dos melhu-
ramenlos populares; suspiramos por. ve-
los concentrar sobre o Irabalho interior de
nossa propria silvac.3o nnssas frcas, nos
sos recursos e at nossas praoccunac.oes pu-
blicas, too lomcrariamenlecmpenhadns no
nogocio do Roma, per fora de nossas syra-
palias nacionaesede nossos primeros de-
veres.
Prciie. ^So somos; e nunca fainos exclusi-
vos. Coinpreliendcmos lodas as furnia de go-
verno com loda'as oonscqiicncia que Ihc.s
su inlicic.iitcs; comprehendemos a nionare i*
tao bem como a repblica, e a repblica to
bem cuino a mouarcbia, debaiso comente da
reserva que a mouarcbia. seja a inoaarchia, e
a repblica seja a repblica. Coujprebeode-
inos perfeltamente que o pipa, o qual repr-
senla cm sua mais alta expressa) n principio
daaiiC ridailr, anda quando o e*erce soineii
le cm qnalidade de principe temporil', lenhn
ideias dilleienles das que corieni nos paizes
onde reiuama libordade de tribuna e a lber
de de iuiprensa. Que 0 padre sanio n 1 i quei-
ra liberdade. de iinptcina. nem liberd.ide de
tribuna, nem assembla legislaiiv i. nem sul-
fragio universal ; que Jvlgue que nao deve
coiicedet- o penlo ao audaciosos que sealre-
veram a cubstltiil-lo no ejercicio do poder
temporal, c nao temer.un mudar a eondices
cssencaes do mesmo, ludo comprchendcuios
sem esforco; mas o que nao podemos com-
pichender he que una gazeta francei.a se avlt-
lasse lano a seu proprias olhos, que chegasso
a publicar o tcgtiiiile artigo juntamente com
a proclatnacSo de Po IX datada de aples
aos l"2 de setembro e a nollficaco do Quirinal
de 18 do mesmo mes.
Depois do artigo do t'ninli'lud'oiuifl seguido
dos dous lamosos documentos, a Prette conti-
na : couiprehendcmo a Inllexibllida le do o-
Oi-i ano poiililice ; na* nao comprchendciiios
o avlllaueulo du OmslUutinnntl, o qual chega
a achar que os documento que deixamos
transcripto permlitcm dar utn grande passo
para a conciliafao '
Que passo.'
l" .ii i a ni ni .na que nao amnistia a iiinguem,
he porvenlura urna amnista f Pela honra do
papa tcrianios preferido que elle livese recu-
sado loda a aniiiisiia, cm vez de conceder
una que nao qiifilificamo* pelo respeito que
cDiisagranios ao cabera da ebristandade.
Nao somos apaixonados, como lodos sabem,
petas assemblas deliberantes, c por issn nao
i'xprobraremos ao papa o no icr rustabelecido
a assembla romana ; mas nao podemos ver
nem mesmo a sombra de una gar.iulia seria
na formacao de um 'concclho de estado in-
cumbido smente de dar o seu parecer sobri-
os projeclos de lei ames de seren siibmcllidns
;i sanceo soberana.
O que ser esle concclho, se a atitoridade
que Ihe d a vida, conserva plenamente a li-
berdade de desii iii-l.i, c de modilica-lo a aeti
arbitrio ?
O que ser igualmente a consulta de estado,
cujos membros sero escolhidos sobre listas
apresenladas pelo concelhos provinciaes it
aulorldadc sobecana, a <|ual reserva pata si
expressamente o direilo de augmentar indefi-
nidamente o numero dos membros da mesma
consulla ?
Nao he itso tornar a tomar com a mao es-
i|uerda o pouco que o dircila parece dar '.'
Teria sido mais leal c mais digno nao parecer
dar cousa algiima '
Approvamos a nnidade e indivisibilidade do
poder, mas an uiesuio lempo dcsaprovatnos a
soberaniac elHcacia da nspeccao. Noae con
seguir acabar com o prinoipia da insurreifao,
sean adniittiii-Jo-se plenaiiieiiie a recusa do
imposto, nao arbitraria c individualmente,
porm em casos previstos c determinados sem
equivoco.
Seo papa livesse adoptado esta deia, leria
conservado a plenlludc do seu poder e leria
dado ao mesmo tempo loda a garanta e toda a
satisfarn ao povo romano.
Kslabeleelmcnlo annual de mpoilos e do
nrcamento por urna assembla geral, animal.
mente eleila, c que levasse tribuna aexpres-
sao dos votos c das queixas da n.sro, cls o que
bastava que fosse concedido e o que bastara
que fosse obldo.
illas nao, pora-sc cm gyrartem lim nocir-
culo perigoso das dcias falsas em materia de
autordade.
De parle a psrlc no se labe precisamente
nem o que se deve reclamar, nem o que se
deve recusar.
No voltremos sobre o inqtialificavel ar-
tigo do Comtiluli nel, cuja publica;3o equi-
vale a urna qu la ; ello he mais quo urna
abnegarlo, mais que urna ab lcaQilo ; urna
gazeta quo cana ein tal estado de aviltamon-
to cessa de ser contada no numero dos or-
gaosda conscioncia publica, Coittitvtio-
ncl a n3o ezista ma'S.
'ilionel. N.lo precisavaraos da proela-
niac3o quo o papa acaba de publicar, para
sabormos que os dogmas mo transigoin.-
Entre estes dous termos radicalmente con-
tradictorios, soberana popular e soberana
tlieocralica, niioluvia, nem ha, coociliacoo
possivel. O mais vulgar bom senso o indi-
cava ; o facto o mais decisivo, e mais es-
tronioso o confirma.
Pi IX, em cujo favor foi emprehendida a
ezoedicflo de Roma, acaba de julgar e con-
demnar esta mesma expediQSo por meio de
seu manifest. Elle rasga a carta do presi-
dente o lauca os seus fragmentos a lodos os
ventos da Europa.
Em v3o correu o nobre sangue da Franca,
em vo seus ihesouros fram prodigalisa-
dos; em vilo seu governo fez as mais so-
lemnes prolcstacOes na tribuna em favor da
liberdado romana. Esses homens do paz e
mansidao que foi mam a corto de Portici
consentem em tirar proyeito deste sangue
e dosses thesouros, mas riscam com urna
pinina la de tinta as condicOas que lites f-
ram significadas com o mais imperdoavet
desatino, ou antes ascendieres que pare-
can sor-llit)s significadas por urna iccSo
de firmeza e de honra.
N3o importa .' o golpe dado na conside-
rado do governo francez nao he por isso
monos cruel. A cruz pontificia castiga s-
peramente essa poltica sem dignidade e
aera justicia que, depois de ter commeltido
MUTILADO


mi ail< a reditod r-i) dor altenua-lu por moio d<
fi-nfarricPS v.is.
o papa como papa, dizemns sso liomalto,
jo quu importa ijuo esta venia le pahetn
na i mm-sas, nfio faz senfiu o que du*s, re-
cusando sistemticamente, loiia a conCCS-
sfio ri aos Rnmanoscnnccrtandn do novo
i-s' i-1 -.'i-i tdeocralic que os patriota* da
ciliada cierna linlmni tilo noliremente que
lirado, moslrando-so implacavel para cu ir
aquellos quo ello chama seus vaasallos, o
l.la-jihenia'iidocom sua bocea sagrada o
direito popular.
Elle roinpri'hcnde mili judicosamente
tpo iiio pode viver e.n face de um povo II.
vio; que esas liberdade seria sen suicidio,
que so s immnlacBo cierna do direito do-
Romanos polo perpetuar o seu reinado
Elle lie liel no sen principio ; entretanto que
o nosso governo iili.iidonou o seu; elle
cha lgicamente, entretanto que o nosso
governo levou o illugismo cm sua conducta
at ao absurdo ; entretanto que os nossos
ministros trahiram os deveres que a cons-
tituico Ihes lrac,ava. Toda aarvore da o
sen fructn o Inicio do papado tic a escra-
vidfio de rtoma.
Oue concluaSo davemos tirar do manifest
<)e l'io IX,desse desmentido to solemne que
elle .leii aos pretextos, pelo) quaes o minis-
terio linha procurado colorar a expediefio ?
Quu a suIiic'im do probloma eslava precisa*
mente assim no eslabeleciroenlo dossa re-
publica romana que to estpida eciimi-
nusamenln destiuimos, como na queda ab-
soluta ilo poder temporal.
porm em um futuro mais 011 menos
pioxiu o urna revoluefio vii inevitavel-
nieiile restituir ao povo romano scus direi-
to-, e poilemos allirmar que entilo a I'ranfa
mo enviara mais urna expediefio a Itoma,
ou.se enviar, sera para reparar a falla coin-
mettid por seus governos,uestes ltimos
lempo*,
(iaztlle de France,ySo occullaremos nos
sa opiutSo sobre este docuuieulo. Ao nosso
ver, elle lem o inconveniente de levanlar
meisquesles minuciosas do que conviria
para a traiiquillidade futura dos estados ro-
romanos.
Quando l.uiz XVIII escreveu na carta quo
urna lei subsequente regulara a elogio dos
arpillados, iransporlou para esse terreno a
lula dos partidos, os quaes apaitou do go-
verno, reservando para si oariigo 14. Para
as pessoas que sobein ler, a historia da res-
taurarlo nao be senfio a bisloria de urna
quesllo eleiloral que acabou por urna re-
voluto.
Os governos nada ganham co:n transpor-
tar para as particularidades os combates
das opinioos. Esto combale he to grande
sobre as consequeucias dos principios,con,o
o seria sobre 08 meamos principios. Col-
lorando eservas arbilnirias ao lado de con-
osscs importantes, induz-sc de alguma
sorte os paitidos a servrem-sc destas con-
i'i ssors para ganharem os pontos reserva-
dos, e elles cunlrahem hbitos de usur-
pa(,o>s que acaban) quasi sempre pelo cm-
bale dos dous principios, sobretudo cm um
paiz onde nilo existe parlido intermediario.
leconhecenios que os estados do papa
acbam-scem urna situadlo excepcional no
n ci da Europa, eque os grandes piinci-
pos de liberdade dediscussao c do publi-
racJSo nao podiam fcilmente rcreber em
II.una sua intcir.i applica<;3o sem que toda a
constituido religiosa da repblica Christfla
nfio lsse uiudada. IteslrccOcs a estes prin-
cipios tornam-se, portanlo, quasi nevila-
veis.
i; c n'ii' cilios,ali'in d'Sso, quao rspiilo
tOo liberal c i.io paternal do soberano que
necupa a cadeira de S.-Pedro he uina garan-
ta deque ,i- nter pietacoes all iliuulus ao
sen pudorserfio feilas com um espirito de
amor e man-i llo ; mas nem por isso dexa-
inos de persistir em cicrque mullas das 10-
scrviis que se observam tiestas ConcessOcs
poderiam ler sido omilti Jas com vanlagcm
para sua auto'idade.
Monitevr du Soir..... O carcter de gei e-
ralidado que conslilue o valor destes gran-
des actos de governo falla absolutamente
a amnista papal, tal qual resulta da procla-
maban dos ca litaos. As exceptes que a
restringen! llo quasi todas polticas, e fa-
zom reviver delclos que toda a amnista
sera deve abolir. Compiazcmo-nus em
pensar com as folhas as riliscoosbleravels
o mcllior informadas que o papa nodisso
a -u,i ultima p.i l.ivia, o que os sentimentos
de clemencia que ornam sua alma se mani-
festaran brevemente do nina iii.uioira l.ir;;.i
e completa.
Quanto as reformas e garantas que o ma-
nifest ponlilicio concede, lmitr-nos-he-
mos a urna s ol.se vacfio. No poni de vis-
la francez ollas sao evidentemente iusull-
ciontes; mas he subalo, lo no ponto de
visla romano quo llevemos aprecia-las, e pa-
ra isso releva saber que improssfio tern pro-
duzido o molu-proprio nos estados da sania
s. Se temos anda que intervir por va de
cons--lho nos negocios de Roma, nfio con-
vm certamenle que nosso polo falte por-
c,fio esclarecda e liberal da po-i.hrfio ro-
mana ; poieui nao nos pode ennvir exigir
para Itoma mus liberdade do que ella pro-
pria desojara. Se, pOitanto, a ques'fio lr
levada ao conlierimento da asseiublca, co-
mo he de esperar, o pnmeiro o mus impor-
tante elemento do dbale sera precisamen-
te esta iuformacfio que falla ssdWcuSSAOl
da imprensn, isto lie, saber de que modo
os bomens inlelligenles e moderados de lio
ma julgain o manifest ponlilicio.
[iotiritul du Havre.)
mt
luotcnilida demolien do muro desU, na os sns. .....
* da Soled.de ao M.rujunho. Antonio Marques de llollanda (.
Mandou-sV informar ao a IvogaTo, remet- llelnuro V. I oso da Silveira UpJ
le I -he os papis relativos e-ta ques- M.m.z Ho.lr.gi.es l'erein,
'.'"''' i l'.anciscoCordoiro Falcflo
Continen a apuraeSo dos votos t ara de- a*i da Bocha le ""llanda C.
udosprovine.e*. f"rhni *"* ,s '""?Pllniodo Borba ttwjenil;
5Sicas de Goianns, Nazaretb, Pao-do- no-I Jos Pereira Pinto de Lemos
. ,-..i... |l).iniint!OsPereir do Espirito Sjnlo
VOTOS.
020
9M
020
9-20
100
90")
900
900
900
groja catliolica 70abar dos furacOes in-
fernaes conforme o dito do Nosso Sonhor
Jess Christo. Kl porfe infer non prieta-
lehiil advitiut eam. (3.) 0 major Jos Ga-
briel de Mornes Mni/er, Pemiimliucano.
CUNSUI.AOO GEHAL.
Itendimento do da 1*..... rtt.fli?
CUNSULA.UO PROVINCIAL,
itendimento do da H..... 689,77-
Coresponclencia. >ovimcmo do *orlo.
sessflo.
Eu, Mnnoel Ferreira Aeeinli, secretario in-
torino, a escrevi. Olirrira, presidente.
Cnrneiro Monteiro. karrot
Oliveira.
Uornes.
RESULTADO HA APUKACAO' DOS VOTOS
PARA SIEMBROS DA ASSEMBLE\ PRO-
VINCIAL. A" QI'E ACABA HE PROCEDER
A CAMAR V MUNICIPAL DESTA C1DADE.
OS sas. tos'
Podro francisco de P. C. de A.
Manoel de Suuza Teixeira
Harn deSuassuna
Jos Pedro da Silva
Antonio C.arneiro Machado Rios
Francisco do llego Barros Brrelo
Joaquim Manoel Vieira de Mello
Lu/. Paulino C. Vellez de ('.nevara
Eabio Vello/.o da Silvcira
Jns- Nicolao Itegueir Costa
Manoel Francisco de Paula C. de.A.
Jos Ignacio Soares le M.cedo
Fianciscti Itaibael de Mello llego
JoBo de Cal-las Ribeiro Campos
Jolo do llego Barros FalcHo
Jos Qulntiuo de Castro Lelo
Flort.nno Corr de Brillo
Lourenqo Francisco de A. Catanho
Francisco de Paula Baptisla
Leonardo Bezerra do S. Cavalcante
Antonio Baptisla Cilirana
Pedro Caudiano do Ralis e Suva
Ignacio Joaquim de Suuza Lefio
Jos Antonio Lopes
Joaquim Pinto de Campos
Joo de Soir/a liis
Jos Filppe de Soiiza Lefio
Domingos M. de Aguiar P. F.
Jofio Floripes Dias Brrelo
Rodrigo Castor de Albuquerque M.
Francisco Xavier Paes B.
Jos Carduzo de Queiroz F.
Manoel Joaquim Ca.nciro da Cunda
Antonio Jos de Oliveira
Francisco Joflo Carneiro da Cunda
Francisco Rodrigues Selle
794
741
7lt>
(ilj
593
,)0I
536
531
529
522
522
515
505
493
470
465
4
439
439
438
424
420
418
417
407
407
40i
393
379
372
368
364
361
lili
ConkiDtiiiicado.
SUPPLENTES.
OSSS. rao*
Jofio J s Ferreira de Aguiar 358
Alexandre Reman no dos iteseS. 351
Francisco de Paula Itodriguesde A. 338
L'inbelino Quedes de Mello 3.16
Augusto Fredcrico de Oliveira 332
JosDsndeira do Mello S3I
Lourenco Be/erra Carneiro da C. 326
Antonio de Vasconcellos M. de D. 317
Vemcsio de S. Ju3o Gualberlo 315
Silvestre Antonio do Oliveira II. 310
Cosme de Sa Pereira 308
RodolpIlO JoBo Barata do A. 307
Jos Pedro Vello/o da Silveira 299
Antonio Francisco Pereira de C. 299
Joaquim de Aguiar Fonseca 299
PEnNAMBUCO
CMARA MUNICIPAL DRECIFK.
3.* SMMA onoiNAaia em 8drovfmdro
de 1849.
Presidencia do Sr. Batos.
Presentes os Srs. Carneiro Monteiro, Ba-
rata, Dr. Muraos, Mainede, Oliveira, Vi.nna
o Pires Ferreira, a bro-so a sesso, e foi lida
o approvada a acta da onlecedento.
Overeador Prea Forrera irllexionou
cmara nao poder assistir a sessflo e rcli-
rou-se.
o secretario fez a leilura de um offlcio do
vereador presidonto, cominunicando nao
poder comparecer sessflo de boje por iu
i iimiiici Jado. Inleiradi.,
Leu-se uns ouiro offliio do procurador,
commumcaiido o que enlre elle o llercula-
no Alves (la Silva occorrra relativamente
El EITORF.S DA FBECUF./IA DE SANTO-
ANTAO.
OS SBS.
Jos Filppe de Souza Lefio
Joaquim Jorge dos Santos
Jos Cavalcante Folia/, do Azevedo
Antonio de S Cavalcante l.ins
Joo Filippede Souza l.eao
Vicente de Paula Cavalcante de A
Manoel Ruarle Cosa
Joaquim Pedio do lleco Brrelo
Jos Severino (Uvalcant* de A.
Fel Ferrelia de Mor.es
Jos Thomaz C.onc.lvos do hozarlo
Lourenco Mailins pereira Monteiro
Sebastiiio Antonio do Albuquerque
Jos J-runvm.i Fernandos Codho
l.uiz Uarlin* Pereira Monteiro
Domingos Martin* Pereira Monteiro
Cernido de Barros Coelho
Caetano Jos Ribeiro
Antonio Peixoto da Silva
Francisco Antonio do Sobral
Manoel Severino de Alhuquerquo
Jos lunucio Concia de Queiroz
Chrislovfio du Roclia B Cavalcante
Jofio de Uoraes Carvalho
Jofio Cavalcante de Souza Lefio
Francisco Paul no Comes de Mello
Jos Theodoro Paes de Lira
Jos Antonio Ruarte
Antonio de Sa Cavalcante Jnior
Manuel Cavalcante de Albuquerque S
Ignacio Joaquim RabstlO
Jos Francisco de Albuquerque C. l.ins 764
Manoel Monteiro Corro, de Queiroz 7<
Francisco Jos de Mello 764
Amonio Pereira da Silva 764
Cuillienuiio Paes Brrelo 764
Ignacio da Silva Couiintio' Jnior 764
Joiquim Marinlio Wandcrley 76*
AnlouiudellollaiidaC.de Andrade 764
Antonio Moroira da Costa 764
Alexandre da Molla Couto "ii
Manoel Conveia Souzi Jnior 764
Aiilonio Lour. nc,o de Albuquerque 7S*
Filppe Cavalcante de Alhuquerquo 764
Hermogencs CoiiQnlves Lima 764
Jofio Carlos Cavalcante de Albuquerque 764
Jos (.amulo de Sa Cxvalcaule 76t
Jos Joaquim de Saiil'Anna 764
Miguel da Cunta Sutilu Maior 734
VOTOS.
764
764
764
764
764
764
764
764
764
761
764
764
764
761
764
764
764
764
764
764
764
764
7i.4
764
764
764
764
764
764
764
764
hl pnrlir. infer no prevalebunl adversas eam-
i isa nica resposla que merece a caria
doSr. l.uiz Bonaparle, presidente da rep-
blica franceza, dirigida ao teenle-corone|
Ney como njcihor severa concntsndo-
se um pouco a tal carta, que nfio he nem
mais nem menos do que urna declaracfio de
guerra a igreja catholica !! Vamos ana-
lyse.
A repblica franceza nfio enviou um ex-
ercito Roma para ahi suiTocar a liberdade
italiana, etc. Se o exercilo enviado Ru-
ma pela repblica franceza s tivessepor
fim o restituir ao throno pontificio o sanio
adre, principo e pa-tor das almas, ter-se-
hia a Franca coherto de gloria, principal-
mente oSr. l.uiz Bonaparle,seu presidente;
porque tinham defendido a (reja catholica,
nossa mfii, dos insultos e rebeldas d'es-es
filhos degenerados que s vomitados pelo
inferno podiam ler commettido tanta impe-
dadee malvadeza ; leria a Franca, ueste ca-
so.foto o que iaz naturalmente lodo o ilho
honrado e de henefio, defendendo sua mi;
J?^ (honrars a leu pui e tua mfii) porm es-
???lia gloria (lea milito otTusca.la.havondo nes-
* 'sa frca expedicionaria enviada Roma pe-
lla repblica franceza qualquer outro fim
albeio desle.
oCom pesar se que as benvolas intcntOes
do santo padre, assim como nossa propria
arcfin.licain esteris em presenca de paixOes
e influencias hostis, etc. Perde-me o Sr.
presidente da icpublica franceza. Nfio so
pode suppr jamis que o santo padreseja
levado por p.iiM'ies e influencias hoslis! O
santo padre nfio he qualquer moiiarcha, elle
he o successor do principe dos apostlos, o
e/i fe da columna da verdade, o vigario ein-
fim de Nosso Senhor Jess Christo, a vei da-
de cierna que disse : Eu estarc comvos-
co at a cousummaffio dos seculos.
Eiscomoeu resumo a restaura;fiodogo-
v. roo temporal do papa .- amnislia geral,
sccularisa(fio da idminislrar;flo, cdigo de
Napolefio, governo liberal.a Assim se falla
ao sonto padre, moiiarcha aquemloJusos
mi- inonarchas devem ler muita honra em
beijar o p reverentes!1! Por este bello mo lo
lica o santo padre sondo um simples capel-
Ifio assalarado do Sr. presidente da rep-
blica frauneza, o assim sem prestigio eau-
toi"ida le para condemnar tanta impiedade
e desenvoltura deste seculo da luzes (I.)
A igreja catholica nunca precisou du bra-
co humano para pruteg-l. : pelo contrario
desde seu cometo ella foi plantada pela per-
seguidlo dos imperadores o pelo sangue
loa marlyres, florecendo sempre cada vez
mais, o sempre sahJndo lano mais victorio-
sa, quanto maior era a perseguic,fio ; tres
seculos em que correr m ros do sangue dos
marlyres a collocurun seniiora do mundo
inteiroi vsla de tantos prodigios fui que
Constantino e com ello os mais inonarchas
se converleram e se lizor.m catholicos,
isto he, se fizaram seus lilhos e nunca seus'
proteciores, de que ella nfio pees iva. e
i'.uito menos protectores que a quizessem
govornar a seu bi l-pra/.or, como pretende
o Sr. presidente da repblica franceza, por-
que entilo deixavain do ser seds lilhos.
.Leudo a proclamadlo dos tres ordenes,
fiquej bstanlo indignado por ver que nem
sequr fa/iam menefio da Frang, ele. Ma-
o santo padre ja tinlia agalecido os servi-
dos pre.tadog pela Fiauca e pelo seu exorci-
to, na caria que dirigi ao general em che-
le Oudinot, e isto bastara para .'atisfazer
ao Sr. piesidente da repblica franceza.
'lodo o insulto feiio a nOSS. haiiiieira ou
aj nosso uiiifurmu me aflRgo em extremo,
e p-eo-llie l a.;.i saber que, se a Fraiiga nfio
vende seus nervinos, etc. Eque maisc.ro
poje vouder a Fr.uga seus servidos do que
exigir um paga um sacrificio dossa natuio-
za de parte do santo padre? Sendo assim,
era bem desnecessariu que a repblica fran-
ceza enviasse a Boma um exeicito com tan-
tos sacrificios de fadigas, porque la eslav m
o-con-i iiu i H te- liberaos de Roma,qu-', que-
ran mu lo o limito menos! Porein persua-
da-se o Sr. presidente da repblica france-
za, e quom suas ideas pal tildar, qu-a,s-) Pe-
d'O e.u seus successores lem sotl'rido cm
diflerentcs lempos, nunca foi vencido; 19
seculos ucho quo baslam para mostrar iiu-
bal.vel a cadeir. ponlilici.; essa excuplo
Lem recente do dosgrar;ido hispo deltiel
ago.a cun osla s coiisliluiules liberaos de
Boma s por si cuclieii do coiifuso inuilus
dos partidarios, que abandon .rain seu par-
tido, como le idos de r.io, por verein nelle
um castigo do ceo ; fij o que, porlauto, a
EI.EITORES
OS SHS.
DA FRECUF.ZIA DE ESCARA.
VOTOS.
Manoel Goncalvos Pereira Lima 931
Jos Pedro Velloso da Sil vi ira 930
llenriquoM. Lilis 930
Euslaquio Jos Ve'loso da Silveira 930
Candido Jos Lopes de Miranda 930
Mar anuo Xavier Cainnro da Cunda 930
Car dao Vi lioso da Sil en,i ~ Fabio Velloso da Silveira n j
Francisco Velloso da Silveira Telles 928
Pedro Ernesto Rolrigues da Silva 907
Jos Bezerra de Barros Cavalcaute 927
Jos Miguel de Lira 927
Manoel, Filippe Paes de Luna 925
Jos Cavalcante de l.acerda ("empello 925
Zeleiino Rodolfo Delgado do Rorha 925
Joo Baptisla do R. Borba 9-Ji
Manoel Comes de Oliveira 920
(f) Scula1 isaefio da adminslracfio !!!
Esta he aespinha deS. Braz; istoquerd-
zer em nutros termos: sirt.sti tu i aos vossos
cardeaes queestfio testa da adminislra-
eflo, llamen- eminentes em sanlidade e sa-
bednria, insigues Idelogos, sabios consum-
mados.que teem subido na hicrarehia eccle-
siastica de grao em grao medida de su
iustrucc/io a essa alta dignidade, homens
emlim de 13o vastos conhecmenlos elanta
inslruccfio.que cada um delles be, a bem di-
zer, urna livrana ambulante ; substitu, di-
go, OS douto'es, pela maior p.rto libe aes
e impos deste seculo de luzes, (porque os
serios e cupazes por toda a parte eslfio reti-
rados) que fazem consistir sua instiucc^o
pela maior parto cm algumas 1 leas adqui-
ridas em 4 annos de academia .'!
2) Sfio bem sabidos os estorbos quo fize-
1:1111 os revolucionarios do Roma para obri-
garem os bispos a volar no da 21 de Janei-
ro do crreme. Persuasor, rogativas, a-
iiiiMeas, violencias, ludo empregaram, a
ludo recorrern), alim de COllSeguireftlosOu
da.miado intento. Mas nada foi Capaz de
abalar a firmeza dos illuslrcs prelados qoe
tfio dignos se mostrar.111 da sua missfio di-
vina. Com tu 16, -levado de um terror p-
nico, o infeliz Curoli, bispo de Rieli, apezar
d. expressa prohibiedo dosanlissimo padre,
leve a fraqueza de ceder as inslaucias dos
Srs. redactores Vendo, na qaalidaderle
eleitor da freguezia de Santo-Antonio do
Recife, prevenir com mula honra os seus
dignos leitores de qne.iirmsdo no artigo 81
la lei regulamentar das eleicOes de 19 de
posto de 1846, votarei no dia-28 do cor-
rent em 6 cidadfios, inclusive o Exm. Sr.
concellieiro Manoel Vieira Tosa, para
que d'entre elles S. M. Imperial escolha
doos que preenrliam as vagas deix.das
no senado pelos Srs. Silva Ferrfio e Andra-
da Machado ; ecomo entro os nomos Ilus-
tres dos mens candidatos apparece aquelle,
cuj admssfio j tem sido previamente
cumdatida, seirdo que elle symboliaa p re-
presenta todas as qual .lados recommetida-
d.s no art. 45 da constituicn do imperio
1,2, 3 e 4, estando tambem no caro do art
96 da mesma constiluiefio, he especial-
mente para arredar de mim a pecha de le-
tiunn, indiscreto e imprudente, que se tem
anticipadamente assacado contra os amigos
desse Ilustra nomo, que vendo perente o
publico declarar francamente o meu voto,
e produzir algumas rasos mais importan-
tes entre as miiilas que m'o aconselham.
Quando nesia provincia o partido cons-
titucional combaten a elercfio de dous li-
lhos da Baha, nfio invocava os seos princi-
pios desse outro partido que, representa-
do polo Sr. Urbano, se pronunciara outr'ora
contra a eleicfio e mitras vanlagens da
provincia conferidas aos filhos eslranhos ;
mas 0 Exm. Sr. barfio da Boa-Vista, milito
digno orculo do nosso pensamento. disse,
se nfio me engaa a ncmoria.em nm dos
nossos meetings insinuados para essas dis-
cussfies, que achava o partido praieiro no
raso de votar no Sr Chichorro, e nfio noSr.
Ernesto; no Sr. Chichorro,porque a este de-
vinm os praii ios os favores desse presiden-
te, que domis era um chefed.quelle par-
tido: ora, se os pra oros eslavam no seu di-
reito vota mo 110 principal causador dos nos-
sos males,como nfio estou eu no meu direi-
to volando no salvador de Pernambuco, no
heme que, alm de ser eminente no meu
parlido, he um orador de fama, he um Rra-
sileiro quo expoz a sua vida por amor des-
te Pernambuco, cm cujo caso nunca esteva
oSr. Chichorro!!! Alm disso eu votei na
eleicfio de 5 de setembro ultimo para depu-
ludos ger.es e provinc.es em alguns se-
iiliores que nfio eram filhos de Pernambu-
co, e esses meamos que boje me lacham de
imrudcntt,indiscreto e leciano.rirtm se com-
migo, e me elogiaran! por ler votado, como
elles, em aiguus eslranhos. E porque ? Por-
que os eslranhos tambem lem raerecimen-
tos, tambem teem prestado sor vicos rele-
vadlos, e andamos com elles as nossus
venturas poli ticas, siijam boas, ou sejain
ms.
NSo quero,como dizem,dcsqiiitar-me dos
favores do Exm. Sr. Tosta; porque, sendo os
servicos de S. Exc. feilos a Pernambuco
favores iinpagaveis,como confessam os mes-
0108 que guerream a sua candidatura, nfio
pode um voto, nem todos da provincia des-
forru-U da grande divida que para com S.
Exc. ella contrado!!!
Son constitucional, sou saquarema, eo
mou voto nfio me aparta dos meus princi-
pios. Recife, t4 de novembro do 1849.
Caetano Finio dt Veras.
K^iibliciifoo a pedido.
Reeobi do lllm. Sr. coronel Jos d3 Rrto
Inglez, inspector da pagadoria militar e en-
carregado interiuainenlo dos pagamentos,
a quantia do um cont de ris, para ser en-
tregue ao coronel cliefe da primeira legifio
da comarca deCaianhuns, Antonio Teixei-
ra do Macedo, para ser despen lida com as
(Oreas da guarda nacional all destacada, o
que recebo em virtudo d orleui do Em.
Sr. presidente, de 14 do correnle.
Recife, 15 de mrQ0 da 1849. Jos Ba-
silio de Freitas Peixoto.
Rs. 1:000,000
A i.npuri.ucia de un cont de ris de
que trata o recibo cima, foi restituida a
pigadoria das tropas pelo Sr. Jos Razilio
de Freilas Peixoto.
T'.esouraria da fazenda do Pernambu-
co. 12 de novembro de 1849. O thesourci-
ro da thasouraria di fazenda, Domingos df-
fuiiu Neri Fereir.
COlvliVIEHClU,
AI.FANRECA.
Rendimrnto do dia ti.....10:384,936
IMPSJRTACA.
e'mlon, lirigue ingb'Z, vindo de Terra-
Nova, entrado no coi renta r.iez por fran-
qua, consignado a J. Crabtreo & Com-
paulil', iiiaul'esluu OSOgoillt :
2160 barricas combacalhao; aos consig-
natarios.
reholles que oarraslraram ao precipicio.
Acabando, poiem, de votar, e recolhendo-
se sua habilacfio, ao p6r o p no limiuar
da poila, calilo mor o! J
Este acontocineuto deixou os Romanos
como feridos do raio, e viram nelle un c ligo do reo. Bem longe estamos de preten-
der sondar os juizos de Dos ; reconbece-
nios rom o propdela re, que elles sfio um
abysmo profundo Mas nfio pode entrar
em dunda quo o infeliz prelado, desolicde-
cendo ao preceilo do vigario de Jess- Ch 1 is-
to, e ailiiei nido aosvolos dos impos que o
desconheceni e renegara, provocou de es-
Iranhu modo a juslic. divina E porque
nfio qureria Reos usar desto castigo ines-
perado para servir do exemplo aos que,
alistados na milicia dosantu.ro, temera-
riamente se iutromettem em negocios ufio
S silicios, mas ulchamenlo opposlos
missfiode paz de quo eslfio unc negados ?
Aprendain elles desle exemplo e lema 01 por
si; dedi.juem-sii ao seu miuislerio e nfio
se impliquen! nos negocios do seculo. (A
Voz da Religifio n. 177. Pag. 160. Chron.
Re.
(3) Como s me limilci comentar a tal
caria pelo I ido leligioso, deixo de fallar
dos tacs germens da liberdade, melhor-clia-
mad.n gormos da desolando,que teem Sido
espaldudo pelos universo polos senhores 11-
beralOes da Franca e do mundo iuteiro!!!
Navios entrados no di\K.
Ilambu'rgo 54 dias, escuna dinamarque.
za Exprest, le 180 toneladas capitfio ||.
Mever,-equipagem 7, carga fqzendas ; a
N. o. Bieber.
New-Bedfnrd 5 1/2 mezes, barca ameri-
cana fraairy, de 207 toneladas, capitfio C.
Bessy, equipagem 22, carga aaeile de pei-
xe; o capuln.
Liverpool- 37 dias, brigue npdez Xarfa>
de 208 toneladas, capilSo Frank Rossig.
nel, equipagem 11, carga fazendas e rr.ais
gneros; ao capitfio. Conduz a tripola-
1,-fio do brigue Oak, capitfio Thomaz Miol-
c.lii, o qual segua para Swaosea coro
jurra de cobre, e foi a pique ero lat. t,
norle c long 4 m. ; sendo que arpen as se
salvarm o capitfio e 13 (essoas de tripo-
lacfio, e o piloto ficou a bordo per no
querer desamparar o navio.
Stockholm 49 dias. brigue sueco Supe-
rior, de 170 toneladas, capitfio E. J. Sun-
dermann, equipagem 10, carga ferro, ti.
b'oado, alcairfio, breu e mais gneros; 1
N. 0. Rieber.
Naviossakiiot nomtsmo dia.
New-Yotk Calera americana Matktlda, ca-
pitfio Theodor Lcwis, carga a magma que
trouxe.
Liverpool Barca ingleza Brothers, capj.
ISo John Dron, carga a> roesm. que
trouxe.
Pesca no sul Rarca americana Uecly, ca-
pilSo C. Bessy, carga pelrexos para a pel-
eara.
Em commissfio Vapor brasileiro D.-Af-
fonso, rommandanle, o capitfio de fraga-
ta Jesuino Lamego Costa.
Portos do sul Vapor- brasileiro Bahiana,
commandanle o primeiro lente Jos
Secundino Comensoro. Alm dos pas-
sageiros quo trouxe Jos
norte para os do sul leva
para a Babia, Jofio Jos de
queira com 1 escr.vo, Danie
Azevedo, l.uiz de Siqueira Sirne, Jos
Pereira d. Silva Mor.es com I escravo,
Jos Marianno Lustosa do Amaral, Ricar-
do Pmheiro de Vasconcellos, Po Xavier
Coveia de Noronha com 1 escravo, Ma-
noel Pedro Alves Mor'eira com 1 escravo;
par o Rio-de-Janeiro, Jos Joaquim da
Miranda Hurla com 1 escravo e Manoel
Vctor de Souza Monteiro com 1 escravo.
Maranhfio Brigue-escuna brasileiro lau-
ra, capitfio Antonio Pereira da Silva San-
tos, carga varios gneros. Passageiros,
Carlos Pedro Ribeiro, Jor- Marianno Al-
ves Ser rfio, Leandro Rales Bons. o padre
l.uiz Lopes Teixeira Moirfio, Jofio Protes-
ta lo da Silva Veras, Pedro Wenesco-
pe Catanhede, Jos Ferreira Vieira com I
escravo, o padre Justino Domingos d
Silva com 1 escravo, Leandro Bezerra
Milnteiro, Jos Rodrigues Borges, Augus-
to Rodrigues do Magalhfies, Francisco
Jos Pacheco, Manoel Benicio Fontinclle,
llia-1 le 11 os ; i; 2 oscravos a entregar.
ISDlTlL
Pela inspectora da alfandega se man-
da fazer publico que se pretende comprar
3000 libras de zinco em toldas para a rober-
a do tercero lauco da ponte da mesma al-
fandega : as pessoas que as quizereai ven-
der, dinjam-sea dila rcpailicdJo durante as
horas do expediente.
Alfandega de Pernambuco, 13 de novern-
b-o de 1849. O inspector, luis Antonio dt
Siim/iuio Fianna.
Ueclara^oes.
Coiiipanhit cl Beberibe.
O casa da companha de Reberibe se
arha autorgadoa pagar o terceiro dividen-
do. Recife, 9 de novembro de 1**9. 0
secretario, B.J Ferntmdtt ttarrot.
Tlieatro de S.-Prancisco.
S\BBAR0, 17 RE NOVEMBRO RE 1849.
(,ran le e variado espectculo a beneficio
do director
Pedro Bnplitta dt Santa Roza.
Depos de cxeculada pela orchestra *
ptima symphonia
A CRAA RATALHA DALMSSTER,
representar se-ha a mu insigno peva
A ENTRADA DE I). PEDRO NO PORTO,
ou
o dtsembarque din tropat libertadoras n*s
praiat do Mindelio.
O grande numero do tropa, banda de mu-
sica miliiar, eo cncarnicado conbatu com
quo termina o draiu/.i, Ide dfio o maior re-
alce. /*r '
Personaoens principoes do drama.
R. Pedro duque de Braganga o Sr. Anto-
nio Jos Ruarte Cnimara
Sub^k-oSr. Jos Francisco Monteiro.
Embaixador-o Sr. Antonio da (
Cuimarfies.
0 presdanlo da cmara-o Sr. Joaquim
Jos da Cama.
Villa-Flor Jacinlho Jos Rotallio.
Um preso, velho de 60 anoos-Jofio .
Lopes Al vi les.
Begedor miguelistaJos Alves.
Genoral dito Jos Mximo Cabr.l.
Cipitfio dlo~Mauoel Fiel deSigmaring
Munteiro.
Soldado ditoJoaquim-JOs Pereira.
/elina, com patente de capitfio, e lilha oo
presoa Sra. D Felismin. Mara da (i"11'
eeleao.
Carcoreiro.Tropas de ambos os p1'
dos.--Musicas."Povo, etc.
(i biieficiado, para dar-mais valimeulo e
realce ao seu beneficio, deJica aexecuQijo
do drama aos. Srs. caixeiros ( em geral) "
commorcio desla cidade, t> Implora proteC- Cfiode umatlasse tfio digna de respeito.
. No Am do drama Santa Rosa o a joven
Felismi'na cantaran o lindo duelo cheg.*..'
recenlemonte do Rio-do-Janciro, quo le"i
porHitulo
O ME1RINH0 E.A POBRE.
aojf
MUTILADO


Terminar o espectculo com uin bello
dancado.
Os Srs. assignanlns e mais possoas, que
pretenderen! camarotes e pial, pem
man lar-receber os carloes na casa annexa
a Iheatro, residencia do beneficiado, pois
lili i csllo venda : Sania Rosa nlo vai mes-
mo pcssnalmente convidar aos s-'us protec-
tores o amigos, pelos Seus nuiitos alazores.
o Uii-alro oslar decenlemenle ornado.
Principiar odvertmontos oilo e meia
doras da noile, cora a cbegsda de Suas
Excedencias.
N. B. O beneficiado pede aquella atlon-
co que O reeiolevel publico cosluma a
trr-lhe, n.tn ao nndesempenho do drama,
como lambem inexecuco das symplionias,
vislo ha-verem esforcos para bem dse upe-
nhar-se ; Sania llosa, para nao assuslar as
familia! desta ci jde..previne que nos lti-
mos ensaios, e noile da reyreseniic,ao,
baver tiros, loques de rebate por corne-
tas, Busica, etc., or.
Avaos martimos.
Para o Porto segu, com toda a brevi-
dade possivel, o brigue porluguez Xenlura-
l'tlit, forrado, pregado e encavilhado de co-
bre, do qual he capilo Zeferino Ventura
dos Sanios : recebe carga a frete, para o que
trala-se com o consignatario. Joaquim Per-
reira Men ii 49, primeiro andar, ou com o referido
c pililo, na praca do Commercio.
Segu rara Lisboa, com a maior bre-
vidade possivel, o brigue portugupz S.-Do-
mingo/, forrado, pregado e encavilhado de
cobre, do qual he cpil3o Manuel CoiiQalves
Vianna : para carga o passageiros ( aos que
offerece exeellenlea commodos ) dirljam-se
ao consignatario, Joaquim Ferreira Mondes
Guimarfles, na na da Cruz, n. 49, primei-
ro andar, ou a referido rapilflo, na praca
do Commercio.
Para o Havre sahe, no dia 28 do cor-
rente, a barca franceza Zitia, capilSo Le.
nieilz : quem quizer carregar, ou ir de
passagem, dirija-se aos seus consignata-
rios, J. P. Adour & C., na ra da Cadeia,
'o. 52.
Para o Aracaly parlii impreterivel-
mente nodia 26 do crrenlo, con) a carga
que tiver a bordo, o hiute yavo-OHnda,
mestre Antonio Jos Vianna: quem nelle
pretender carregar uu ir de passagem, se
entender rom o mesmo mestre, ou na ra
da Caileia-Velha, n. 17, segundo andar.
Para o Aracaly sabe impretorivelmen-
te al o dia 30 do correte, por ler a maior
parle da carga engajada, o liiate Flor-du-
Curvripe, de primeira marcha : para carga
e passageiios lrata-.se na ra do Vigario,
n. 5.
Para Lisboa sabe no dia 28 do corren-
te a barca portugueza Ligeira, CapiUo An-
tonio Joaquim Itodrigues : para o resto da
carga e passageiros trala-se com o mesmo
capililo, ou com F. S. Rabello & Fillio.
-- Para a Bnhia segu, ein poucos dias, o
hiato Ligiiro : quem quizer carregar, diri-
ja-se ra do Vigario, n. 5.
Para o Itio-Crande-do-Sul o patacho
brasileiro Nielheroy, cachito Anlero Jes de
Araujo, deve seguir infallivelmonte nesles
seis >iias. por se adiar com 3 partes de seu
carregamenlo a bordo : quem no mesmo
quizer carregar, ou ir de passagem o em-
barcar escravos, diriji-sea Caudino Agos-
tinho de Barro, na pracinha do Curpo-San-
to, n. 66.
Obiate Aguia-Braiileira sahe impre-
terivelmeute nesles 8 das para o Acarac
cum escala peloCear, com a carga que
houvcr: os pretendentes carga ou passa-
gem, dirijam-se ao escriptorio de Manoel
Concalves da Silva, na ra da Cadeia do Itc-
ctfe. ou no mestre a bordo, Tundeado no
Forte-do Millos.
Para o Cear, Acarac ou Maranho
sahe imprelerivelmenlp, nesles 15 dias, o
Imite EmulacSo: quem no mesmo quizer
carregar, o o-ir de passagem, diiija-sttao
escriptorio do Manoel Connives da Silva,
na ra da Cadeia do Recife.
Vende-se o brigue Marcial, dolte de
179 Ion. latas, com bule, Uncha e todos os
mais penences, prometo de lodo o neces-
sario para qualquer viagem, forrado e pre-
gado de cobre, e de constrticQilo brasilrira :
quem o pretender, pode ir examiua-lo a
bordo, o qual seacha fundeado no lugar do
forle-do-Mallos, e para ajusiar com Aino-
i'im IrntSoS, na ruada Cadeia, n. 39.
Le i loes.
Iloje venilem-se em leililo, | orla da
alfandega, 30 caixas com qucixos superio-
res em lotes de urna caixa, pelo pceo que
os compra lores ofTereecrem.
O leililo do Sr cnsul Aug. Helio, a ti -
nunciado para odia 15 do coi rente, tica
transferido para o dia que se annunciar,
Kalkmann Irmilos, nilo podendo, poj
faltada lempo, expr a venda em scu lei-
lilo a multipl'cidade de suas fa/endas, prin-
cipalmento francezas, suissaa c allemas,
i'onlinuarilit o mesmo, por intervcnco do
corretor Oliveira, sexta-reira, 16 do cor-
rente, as 10 hoiasda inanhSa em ponto, no
seu irinazcm da ra da Cruz.
Avisos diversos.
l'i ecisa-se iIugar un sobra-
do Je mu andar no b cife : quem o liver, dirija-se es-
la iypograplii).
Da->e 100,000 rs. a premio de 2 por
rento sohre penhores : na Iravessa da ra
da Concordia, n. 7
-- ufferece-se urna ama com muito bom
leite : na ra do PaJre-florianno, luja ao
p da casa n. 19.
Precisa-sealugar urna loj, ou um pri-
mero andar, sendo na ra Nova do S.-An-
tonio : na ra da Cruz, n. 55, ou anuun-
cie por esta folha.
Oesappareccu, no dia 12 do correte,
pelas 11 horas, urna cabra (bixo) e urna cris
femea, levando urna corda de rasto bastan-
te comprida, a qual tem os signaes se-
guintes : preta, comalgumas msllias bran-
"'*; lem aras das oiellias muitos cabellos
lnaiicos : quem a tiver adiado, far o fa-
vor de a levar a esquina do caes do Ramos,
que ser gratificado.
-Antonio Jos Martina, Brasileiro, reti-
ra-so para o Para a negocio.
Ilenrique do Oliveira Abreu.lendo pr-
ximamente chegado do Para, segiif para a
laliia pelo primeiro vapor.
-- Precisa-Bu alugar um sitio que nao dis-
te drsti cidade mais de meia lego, londo
commodos para prelos',' bstnbaria e algum
capim : quem tiver annuncie, ou dirija-se
ra da Cadeia do Recife, venda n. 1.
Do primeii de jaoiro prximo fuluro
em (liante o ".
JOHN AL 00 CUMftlKRCK),
que se publica to Rio-de-Janeiro, augmen-
tara o scu formato que ficar sendo o do
Timu de Londres. Alm disto, ser impres-
socom lyposnnvos, e dar conta dos tra-
balhus do senado e da cmara' dos depula-
dos.
Apezardo augmento de frmalo, o preco
da assignatura continuar a ser : na cOrte,
por um anno 20,000 rs., por 6 mezes, 10/
rs., por 3 mezrs 5,000 rs.; o as provin-
cias, por um anno 1,000 rs por 6 mezes
i 1,000 rs. por 3 mezes 6,000 rs.
Subscreve-se na typographia do Jornal
do Commercio' no Rio-de-Janeiro e cm Per-
nambuco em casa dos Srs. Avrial IrmSos.
~ Precisa-se alugar pretas para vende-
rem na ra : na Boa-Vista, travessa do Tam-
bi, n. 18.
- Quem precisar mandar fazer costuras
grossas o saceos, dirija-se Boa-Vista, tra-
vessa doTamhia, n. 18.
l)eseja-se saber onde resi-
de o Sr. Joaquim de Figueiredo
Lima, ou mesmo quem seja seu
procurador nesta cidade ou lora
della, para se tratar de negocios
que Ihe dizem respeito: quem sou-
ber annuncie por esta olba para
ser procurado.
No dia 17 do corrente, se ha de arre-
mataren) praca publica do Sr. Dr.juiz mu-
nicipal da segunda vara, um moleque, por
execueflo de Delfina do Rozario contra
Joanna Francisca : he a ultima praca.
--Quem quizer alugar um moleque de 13
a 14 anuos, dirija-so a esquina da iui do
Livramento, sobrado n. 1.
- Nocessita-sedeuma ama de leite, que
seja parda e tenha boas qualidades e abun-
dante leie que nilo seja de anno: paga-se
a contento : em Olinda, defronto de S. The-
reza, ruada Senzalla, casa que tem 6 ja-
nellas de lente c urna porta grande no
meto.
Constando aos abaixo assignados que
o Sr. Filippe Carlos Simes dos Santos lem
de se retirar para a Babia, o previnem que o
o8o faca sem que v cumprir o Iralo que fez,
para ao depois nilo ter de passar por algum
desguato. Unreira & Duarte.
Precisa-se fallar ao reverendo frei Au-
drdeS.-Maria.chegado pelo ultimo vapoi
do Rio-de-Janeiro, a negocio de seu ole*
resse : na ra Ilireita, n. 14.
-- Aluga-se urna preta de bous costumes,
e quo sirva para o servco interno da casa
de urna seuhora eslrangeira : a fallar no
llolel-Francisco.
Lotera do Guadalupe.
Desengao
NO DIA 14 riEDK/KMRRO PRXIMO FU-
turoandam infallivelmente as rodas desU
lotera, seja qual Mr o numt-ff de bilhete.-
que fique por vender. O resjfc stes Bcha-
sc nos lugares do coslume, **ender-se-ha
smente aleo dia 1.do referido mez, no
qual serSo os buhles que ainda restarem
entregese umasociedade que tem de fi-
car com el les.
Aluga-se o segundo andar esotan di
sobrado da ra da l'enha, com fundos para
a roa DireiU.e com commodos para duas fa-
milias, por muito baiato preco : a tratar na
loja do mesmo sobrado.
OscredoresdoCouto Vianna & Fillin
teem aulorisailoaos credorrs dos mesnio-
Geo Kenworlhy k Companhia para vende-
re m a casa de sobrado na ra do Amorim.
n 33. e meta de da casi de sobrado da roa
da Cadeia-Velhn do baiiro do Recife, n. 27,
das quaes j lomaram possa judicial, em vir-
tude do senteiic.i do adjudicado do uno
competente da segunda vara do civel desta
cidade, afim de ser o seu producto rateiado
com lodos os credores : quem quizer com-
prar, pode entender-se com os supraditos
aulorisadoscrotoresGeo Kenworlhy & C
Na ra da Cruz, no Recife, n. 54,. se
dir quem precisa de prelas lodas as lar-
des para venderem azeite de carrapalo pa-
gando-se-lhes por vendagem 320 rs a ca-
nuda, sendo os senhores respousaveis por
qualquer falta.
Na praija do Commercio, armazem n.
6, de Jos Mara Palmoira, existe urna car
la, vinda do Rio-Grande do sul, para Anto-
nio Jos Nogueira.
--OITerece-se'un) rapaz braslciro para
caixeiro de engcuho, e que lambem enten-
de de destilador : quem de seu presumo se
quizer ulilisar, dirija-se praca da l'.oa-Vis-
la, venda n. 13 : o qual dar Piadora sua
conducta.
-- l'recisa-se saber noticias do Sr. JoSo
da Silva Freir, casado com D. I.aurianna
Rosa Freir, ou de seu filho Jos Jorge Fiei-
re do Brito, e do Sr. Jos da Silva Coellio
quem souber dar noticias de algumas des-
sas pessuas, queira ler a bondade de avisar
na praca do Commercio, n. 6, a Manoel Ig-
nacio de Oliveira, ou annuncie por esta
folha.
Chapeos de sol
Ra do Passeio, n. 5.
Nesla fabiica ha presentemente um rico
sorlimento de chapos de sol, de seda de
lodas as cores as mais lisas que teem appa-
recido, para homem e seuhora, e que se
ven lem muito em conta ; ditos de panni-
nlio imitando seda ; ditos muito grandes, e
de panno e armacOes muito fortes, pro
prios para senhores e feitores de engenhos :
tam to ni se vende fazenda do seda e de pau-
ninho imitando seJa para se cobrirem ar-
msr;es. Na mesma fabrica se concerta qual
quer chapeo de sol, com muila hrevidade,
epurprer,o mais comino lo do que cm ou-
tra qualquer parle, e vendem-so baleia-
para vestidos.
--Alugam-se, para se passar a festa, dua>
grandes casas, com muitos commodos
boro banho, em S.-Anna-de-l)entro : a ira-
Ur no mesmo lugar, com Joo Venancio.
5
m
a*
-- Quom precisar do 5(),0*0 rs. a juros,
dando hoa lirma annuncie.
Roca-se ao Sr. J. II. S. que man le
pagar a qnanlia de 10 000 rs. como dador
da casa em quo morn o Sr seu genro ; do
contrario, se publicara o seu oome por ex-
tenso.
R. L. Col ler retira-so para a Babia.
Precisa-se alugar um coxinheiro ou co-
/.inhejra, para o sorvico do urna osa es-
lrangeira : na ruada Cruz, n 62.
O ti n-'nto-coronei Francisco da Silva
Santiago embarca parios porlos do sul o
seu esciavo pardo, de nomo Patricio.
Jos Gomes Villar, a bem de sua sa Je,
retira-se para fura do imperio Jo Brasil.
Aluga-se, por prego comuiodo, urna boa
casa Ierres na povoaco do Monteiro, para
se passar a festa, com 4 qmirtos, boas salas,
cozinha fura, ccimha, dnus quintaos mu-
rados com portSo e sabida para o rio, quar-
to para prelos, estribara para dous cavsl-
los : a tratar na Boa-Vista, travessa do Ve-
ras, n. 15. sobrado.
-- Jos Luiz Ferreira da Silva compron,
por conta de Jos Francisco Cardozo Gui-
maritos, deMossamedes, o meio bilhete nu-
mero 2,060 da lotera do Rio-de-Janeiro,
concedida a beneficio da ediflct(So de pre-
dios que sirvam de hospicio aos missona-
rios capuchnhos, o qual conserva em se'j
poder.
Um rapaz brasileiro se oftoroce para
caixeiro de cnbrancas, armazem, ou escrip-
ta, para o queda fiador a sua conducta, e
seis mezes de servco gratuito: quem de
seu prstamo se quizer ulilisar, diriju-se
ra ilo Livramento, n 25.
Francisco Ignacio Ferreira Jnior re-
tira-separa o Rio-Crande-do-Norle,levan-
do em sua companhia o seu escravo c; mulo,
de lime Estanislao, de 17 annos.
I'm moco de regular conduela, que tem
dado todos os preparatorios, (com excepcilo
do rheturica ) e nelles tem sido examinado,
se propCe a ensna-lus, e juntamente a lere
escrevor, em qualquer ongenho, fazenda,
ou ainda mesmo nos suburbios desta pra-
cii :a pessoa quede seu presumo se qui-
zer ulilisar, dirija-se a Jos Bernardinode
Sonna, ra do Roda, para dclle receber as
informacitos.
Precisa- se de un forneirn alias da
matriz da Boa-Visla, n. 22.
Precisa-se alugar um escravo possan-
ie para conduzir diariamente na cabera um
caixflo pelas ras : quem o tiver annuncie,
ou dirija-se ra do Collegio, n. 19, pri-
meiro andar, que achara com quem tratar.
Na mesma casa vende-se urna cabra ( bi-
cho J parida de poucos dias, e que da bas-
tante leite.
-- Na ra do Padre-Florianno, esquina do
boceo dos Acouguinhos, casa de porta e
janellas, precisa-se de urna mullier forra,
nilos para fazer companhia a outra, mas
lambem para Ihe comprar na ra alguina
cnusa : d-se-lhe o sustento e alguma ron -
pa para vostir.
Antonio Mximo de Barros Leite, pro-
fessor jubilado na primeira cadeira publica
de primeiras leltras da cidade de Goianna,
acha-se de presento residindn nesta capi-
tal, e morando na ra da Cadeia, n. 40,
primeiro andar ; e pro(r>.'-sea continuar no
mesmo magisterio particular, pelo que faz
scicnle ao respcitavel publico que su acha
com aula abena na referida q*sa, onde rc-
reher alumnos, tanlo externos como in-
ternos.
--OSr. particular que deixnu um bilhete
de camarote para seu beneficio no dia 22 do
corrente, na ra do Livramento, padaria n.
32, queira quanto anles ella dirigir-se,
que muito so Ihe deseja fallar.
Manoel de Souza Paes retira-se para fu-
ra d imperio. i
--Joo da Silva Braga faz sciente a seus
freguezes que mudou o seu esUbelecimcn-
to da ra doQueimado, n. 9, para a ra No-
va, n. 29.
Precisa-se de um menino ne 12 annos,
para caixeiro, o qual lenha hoa conducta:
no Aterro-da-Boa-Visla, n. 58, loja de sapil-
los.
Precisa-sealugar um preto mensal-
mente: na padaria defronte da fortaleza das
Cinco-Pontas.
No Alerro-da- Boa-Vista, fabrica de
charutos, n. 5, precisa-se de ofliciaes, pa-
gando-se o trabadlo de carregacSo a 180 rs ,
e o de tres por dous vintens a 260 rs. o
cento.
No Allerro-da-Roi-Vista, loja de cha-
rutos, n. 5, precisa-se de urna ama para
comprar e coziuhar.
Precisa-se de dous homens, os quaes
se queiram subjeitar aoservi'co de urna fa-
brica de palitos, assim como de outroque
ontenda de torrar e moer caf : atrs da
matriz da Boa-Vista, n. 4.
Carlos Claudio Tresse, fabricante
de orgos e realejos, na na das
Flores, n. 19,
avisa ao respeitavel publico quo roncera
orgflos e realejos, |0e marchas modernas
desle pai/. concerta pianos, seraphinas,
caixas de msica, accordlos e qualquer ins-
trumento que appareca : lambem faz obra
nova, assim como caixas de guardar joias,
por preco commodo.
Joaquim Domingues da Cunha, subdito
brasileiro, retira-se para fra do imperio,
levando em sua companhia sua irniaa Jo-
sepha Thereza de Jess e dous sobrinhos
Victoria e Manoel, menores.
TRAVESSA DO VERAS, N. 9.
Precisa-sede una ama de leite forra ou
captita : ns Iravessa do Veras, o. 9.
-- D-se pSode. vendagem, eflorecendo-
se melhor vanlagem que em oulras pede-
ras : na ra taiga do Rozario, n. 48, pa-
daria.
-- Precisa-se de urna ama de leite forra
ou captiva : na ra Direla, n. 31.
Muito se deseja fallar, na ra da Ca-
deia do Recifo, loja de cambio da Viuva &
Vieira Filhos, para negocio de muito inlo-
resse, com os Srs. Jos Antonio Coelho de
Murelles, Vicente Ferreira Fumes, Joflo A.
malicio de Souza Holln,Joflo Jos Rodrigues
de Almcida Albuquerquo,Francisco Ignacio
Lopes, Fr. I.ourenco da CnuceiQQo e Silva,
Jo.io da Silva, Joaquim Silverio da Silva,
Joaqun Teixeira Cordeiro, Joflo Ferreira
Campos, Angelo Custodio do Sacramento,
Francisco Tlieolo, Jos Bernardo da Costa,
Manoel Jos Coelho Barbosa, o Itvm. padre
Caelano Jos, Joflo Alfonso, Antonio Jos
de Alcntara, Manoel de Oliveira Paz e Jos
Fernandes Brasil.
Da ra da Cruz do Recife, sobrado n
13, fugio, ua madrugada de Domingo, 11
do corrente, a escrava BoiioJicta, nacjfo
Mocambique, levando em sua companhia
urna cria fillia da mesma, con dous mezes
do idade : a dila escrava lem pouco maisou
menos vi 11 t a violo e cinco annos de dado;
ho do estatura legular; nflo muito chcia do
corpo e cor um Unto fula ; leudo o beco do
cima furado e as on i< s com grandes bu-
racos para brincos : o vestido com quo se
julga ter fgido he do cassa de quadros
grandes de cor, o que nao se p le aifirmar
por ter levado oulro de chita de palmas des-
botada ; levando lambem um panno da Cos-
ta em meio uso. Esta escrava j em outra
ocrasiSo desappareceu e foi encontrada pe-
lo harro da llua-Visla por pissoas a quem
dizia andar a servco de seus senhores, son-
do afiual apprehendila na la Direita em
urna casa quo su esiavu edificando os ap-
prchendedores a devcrilo levar casa refe-
rida, onde rcceber3o a recompensa do seu
trabadlo.
0 o
1 Bixaa.
mt piafada ludpeit-
denca, 11. 10, |
ja ao voltar para a ra das Cruzes, alu- j
gj gam-see vendem-se hixas de Mam- />
J hurgo : tambem vflo-se applicar pa- ^
~J ra commodidade dos freguezes ; t- x
ram-se denles, sangra-se e appli- g
O enm-se ventosas: tudo por preco 9
& commodo. CJ
O t
0000000000 00000000
Na ra da Cadeia-Velha, n. 41, primei-
ro andar, precsa-so de urna ama que cozi-
nhe e faca compras.
II d'O Abren, tendo prximamente che-
gado do Para, segu para a Baha.
.llohias de altiguel.
Alugam-seeadeiraspara olTicios e bailes,
e tambem se alugam mohilias a vontade do
alugador : a na Nova, armazem de tras-"
tes, defronte da ra de Santo-Amaro, nu-
mero 59.
Na Inja do 6 portas da ra do Queima-
do, n. 52, se dir quom vendo Ircs liteiros,
urna rotula nova, um ferro de fazer hosteas
o urna escrivaninha usada. Na mesma sedh
quem hypotheca um moleque por 200,000
Compras.
Compra-so 18a de frecha de canoa, bar-
lguda e de Angola : paga-se a 6,000 rs a
arroba ; bem como dila de carneiro : na ra
Nova, n. 28, loja de sclleiro defronte da
Concecflo.
Compra-so toda a qualidade do trastes
usados, e tambem setrocam |ornovns : na
ra Nova, armazem de Irastes, defronte da
ra de Santo-Amaru, n. 59.
-- Compram-se, em casa de Joaquim Iti-
bero Pontos, os tres primeiros nmeros do
lirineoihn Dama e os dous primeiros do
Beijtt-r'lor.
-Compra-sn um sellim nglez elstico,
em bom uso : no Aterro-da-Boa-Visla, n.
10, ou annuncie.
Compram-se duas esplieras celeste e
terrestre : na ru 1 do Crespo, n. 15.-______
^
Vendas.
Lotera do Rio-dc-Fa-
nciro
Na praca da Independencia, n. 4, ven-
dem-so bilheles, meios, quartos, oilavos e
vigsimos da 21.* lotera a beneficio do
monto pi, que ha de correr no dia 18 do
corrente. Na mesma loja so mostram as lis-
tas de Niclheroy e S.-Pedro-de-Alcanlara.
-- Vende-se urna porcilo de travs de hoa
qualidade, por preco commodo: na ruado
Encantamento, fabnca de bahs.
S7oV(i sortimeiito de a-
zendas baratas, na ra
do Queimado, n. 40, ao
p da fabrica de cha-
peos.
Vendem-se cortes do cassa fina, a 2,600 ;
alp: I, i de algodflo. a 260 rs. o covado ; chi-
tas francesas largas, a 260 rs. o covado ;
cortes de brim de puro lnho, a 1,280 ; pan-
no de linho muito fino, a 400 rs. avara;
castor para calen, a 1,120 o corte ; merino
preto muito fino, a 3,000 o covado ; alpaka
fina, a 1,000 o covado ; lencos de camhraia
bordados, a 320 rs.; camhraia lisa lina, a
720 rs. a vara ; pecas de madapolo fino, a
3,200 rs.
Vinlio de Bordeaux,
das mais superiores qualidades ; I cm como
vinho de Champanha da no-a matea estrel-
la, j milito apreciavel, tanto aqu como na
Luropa : vende-se em casa de Kalkmann
I maos, na rua da Cruz, n. 10.
Na loja de 31aia Ramos &c
Companhia, rua Nova, n. G, ven-
dem-se luvas de pellica muito fres-
cas c. novas, tanto para borneo)
como parasenhora, o. t,ooo rs. o
par. assim como para meninos e
meninas a 64o rs. o dito.
Vende-se urna bomba de co-
bre para cacimba por .>..>,uoo rs. :
na rua larga do lio/aiio, padaria
n. 18.
No armazem n. 7 da rua da Moda, ven-
dem-se saccas com superior colla das fa-
bricas do Uio-Crande-do-Sul, por prego em
conta.
-- Vende-se urna negra, de 1? a 20 anuos,
com as habilidades seguiules : coze, en-
gomla e cozinha ; assioTcomo tambem se
vendem sete duzias de louro de assoalho :
na tua da Ceia do llecifc, loja de ferragens,
n. 56.
Vende-se um sitio em Olinda, rom boa
casa moderna, de pedra e cal e outra de
taipa, com alguns coqueiros novos, terre-
nos sufllcientes para planlacOes, baixa para
capim, cujo slio su vender pelo prego
mais commodo que fr possivel, por haver
preciso : os pretendentes dirijam-se rua
larga do Rozario, n. 35, loja de miudezas,
'ou em Olinda, rua do Amparo, botica do
Sr. Itapozo, cortos de que nilo deixai 'i da
fazer negocio : lambem se negocia por
fazondas.
-Vende-se cera um velas, viuda co l.io-
de-Jancro, em caixas do bom sorlimento,
por si r a maior parlo miuda ; pos antihi-
liosos de Manuel Lopes, por preco commo-
do : na praca do Commercio, n 6, escrip-
torio de Manoel Ignacio do Oliveira.
*'*<* **"!,S**
% PBElOS COMMODOS. J
j& Loleriasdo Bio-de-J*.neiro m
m Ba do Collegio, n. 9. **.
j Pelo vapor Imperalrit, sahido do %)
% Rio-de-Janeiro em 2 do correnl, re- -,
ceh ram-se hilliotes e cautelas da m 5.a lotera dos capticbinios m
H que ficava para correr no dia 6 ; '*
* bem como da J,
ai.a do monte po S
m, que deve correr no da 16 : o que
2 assim se annuncia aos amadores des- ^
5 tejogoqiiegostam da hrevidade na ^
\ noticia da extrae-jilo, afim do se pro- ^
2 verem quanto antes da lotera dos ca- ^
2 puchinhos, cuja lista deve chegar J
^ primeiro. .
2 *
- Vendem-se luvas de soda de torcal,
| pretas e brancas, para aenhorase moninas :
moa. para meninos o meninas, a 120. 160
c 200 rs. : na rua da Cadeia-Velha, n 15.
Vendem-se dous lindos moloques
criouh s, um de 8 annos o o oulro do 5, am-
bos do bonitas figuras : no Aterro-da-Boi-
Visln, n. 26, segundo andar
--Vendem-se pecas de cassa lisa ron 10
varas, a 3,000 rs. : na rua do Passeio, loja
n. 17.
-- Vendem-se 900 couros de cabra soni-
dos, a 30,000 rs. o cento : na rua do Cabu-
g, n. 9, loja. _
Novo sorlimento de fa-
zondas baratas, na rua
do Crespo, n. 0, ao p
do lampear.
Vendem-se corles do cassa franceza com
10 covados a 2,560 rs.; pecas do camhraia
do quadros com 8 varas a 2,720 rs.; cassa
preta para luto, a 110 rs. o covado ; zuarte
com 4 palmos de largura a 200 rs. o cova-
do ; rscado monslro a 220 rs. o covado ;
chitas de cores fixas a 1606180 rs. ; cha-
les de larlalana, a 500, 800 e 1.000 rs. de
muito bom gusto; corles de brim do puro
lnho, a 1,280, 1,5(10 6 1,600 rs. ; chapeos
de massa a 1,600 rs.; ditos de seda a 610
e 480 rs. cobertores de algodflo america-
no, a 640 rs. ; picote muito encorpado, a
180 rs. o covado ; pecas de inadapolilo mili-
to fino e com pintas de mofo, a 3,600 rs.
Moiolio de vento.
Est anda por se vender o moinho de
venlo dn Kura-de-Portas. Este estabeleci-
mento lie magnfico acqusQo para qual-
quer princiante ano tenha a sua disposcao
. un pequeo capital, estando 0 proprieta-
' rio resolvido, em rasilo de ter de se applicar
' a outra industria, de que uo deseja distra-
hr a sua altencilo, a d-lo por preco ma
inferior coque elle custou. Afianqa-se que
o moinho deixa livro de loJa a despeza
mais de cem mil rs por mez, e da veraei-
dade desta assercio podo qualquer prcten-
denlocertiiicar-se lomando conta do moi-
nho por 15 das, ou mandar alguem assstir
pelo mesmo lempo a venda da familia no
deposito da rua dos Cuararapes, n. 5. No
mesmo deposito contina a haver sempre
milito moilii para cavados a 1,280 rs. a ar-
roba familia entrefina, a 1,920 rs. e finis-
sima.a 3,200 rs. a arroba. O proprietaro
julga no ser intempistivo advertir aqui que
a frca do moinho sendo muito superior a
ile que se precisa para dar movmento as
pedras, pode por eonseguintecom a peque-
a despeza de urna correia que nilo custa
mais de 4,000 rs., dar movimento a qual-
quer oulro machinismo simultneamente,
pudendo em caso da preciso augmentar-sa
anda a forca, o que fcilmente se consi-
gur acc-csccntando-se um pouco mais as
velas.
Vendem-se muitos hons e frescaes quei-
jos de Hias com mais de duas libras cada
um, a 610 rs. cada um; ago'ardente de
franca engarrafada, a 480 rs. ; familia de
aramia, mudo nova, alva e limpa, a 240 rs.
a libra : no pateo do Carmo, venda n. 1.
Vendem-se 5 relogios, um dos quaos
lie rico, patente inglez de ouro, anneles,
brincos, trancelins, cordOes, correntes e
oulras obras de ouro e prata : na rua larga
do Rozario, n.8.
Vende-se urna elegante e magnifica
casa do campo, aila margem do rio, no
lugar do S.-Aiina-de-Oentro, contigua ao
sitio dos herdeiro* do fallecido commenda-
dor Antonio da Silva, o em frente do sitio
do Sr. Cabrio!, com um terreno do 600 pal-
mos de frente e 800 de fundo, com suffi-
eienoia de ler capim para oilo ou mais ca-
vados e qualquer outra planlac3o, que tu-
do prodtiz com muita facilidade, pela fer-
lilidade do solo, com excedente banho que
fiea a pnuca distancia da casa; o ar he
muito fresco e saudavel,' com extensa e
aprasivel vista : os pretendentes para ver,
dirijam-se ao mesmo lugar, cuja entrada he
logo adianto da propriedade do Sr. Be-
ln), defronte da venda do Snr. Nicolao, a
fallar com o Sr. Joo Venancio, e para tra-
tar, na rua da Cadeia do Recife, com o Sr.
commendador Manoel Concalves da Silva,
ou em S -Jos-do-Manguinho, casa defron-
to da eslrada nova da Capunga.
Vende-se um bom cavado castanho,
gordo de reg e grande, o qual tem todos
os andares, e he proprio para cabriolet, por
ja ter servido neste trafico : na rua Nova,
u. 27.
Vende-se urna armaciio para escaler,
con leudo dous ferros de proa epoupa igual-
mente para bandeira, e tolda do mesmo em
bom estado : na esquina da rua do Rangel,
venda de Jos Rodrigues Coelho & Compa-
nhia : bem como lambem se vende azeite
de carrapalo, a 1,600 rs. a caada, e a 940
rs. a garrafa.
-- Vende-se cal virgem de Lisboa ; cai-
xas de pinito vasiss; fchese rodas de ar-
cos do pao para barricas ; pregos de estu-
que em barris de 32 e 45 milheiios ; pilulas
de familia: na rua da Cruz, n. 49,'primei-
ro andar.


Vende-se muitosuperiorfa-
rinliB allea em mcias barricas :
na ra da Cadeia do i'ecile, ea-
ci'ijtlorio de Deane \olefc C. ,
. ti no pruneiro armazem do becco
do (ioiirilvcs.
sTipiTor \o de al^odilo
para navios '4-
na
na da
rasa
Cruz,
A 4,000 rs.
de i;><> Kt nworthy & C.
ii. B

-1
;
6 Vendcm-sc ricas mantas de seda pa- %
ra wnbora, de ululas cores, o sen O lj
# menor ilefeilo, pelo diminuto prego '4
fl) de 4,0110 rs. : na ra do Crespo, n. II %
m 1
-- No armazem n. 7 da ra da Moeda,
vende-sc sal em grande e pequeas porches,
pnr prego mais barato do quo em oulca
qualquer parte.
-- \a ruada Moda, n. 7, vendem-so liar-
ris de varios laminos, oom o mais supe-
rior vinho do Porto que tnm viudo a este
mercado, sendo alem da boa qualidade
mutlis-i'do haralo.
. Vendem-so doufl mideques pecas, de
Maimn ; urna moleca com principios do
costura, milito liem parecida: lodos de na-
gSo, por prego "conimodo : na roa Nova,
n. S, segundo andar.
8
Vende-se, pnr 280,000 rs. um bom \t
" c.vro ile l rodas para 2 eavallos, com ip
% si'iis competentes arreios ; bem eo- p
1j mu por haratissimo pceo, que da |'<
i? misma forma provoca aos compra- jfj
: dii'cs, nina cadeirinhade rruar, de J
ij milito bou conslrucgiln : 21 leiros de jj
:; ricas molduras para fabricar flores; ]
I mu porgo ilc aldrabas para vidra- *
Cs : na praga do Corpo-Santo, n. 2, in
primeiro andar.
amado Crespojloja da
esquina que volta para
a cadeia,
vendem-se os acreditados brins trancados
hrancos de lislras e lisos, de linho puro, a
1,300rs. o corta; dito amarello, & l,500e
1,600 rs.; panno fino prelo c azul muito
bom, a 3,200 rs. o covado ; dilo muito su-
perior, a 5,500 rs.; fiisioes muito bonitos
para Golletes, a (lio rs. o corle ; ditos de
velludo, a 2,500 rs. ; dilos de SOtfin lavra-
do, a 1,800 rs. ;- ditos de gorgoreo de seda,
i 1,600 rs, ; cambraia lisa, a 2,720 rs. a pe-
ca de 8 varas e mcia ; cassa prcla, a 1,440
rs. o corle; esgui de lindo muito lino, a
1,4*0 rs. a vara; o outras muitas (azoa-
das por pregos co modos.

10
Nesl i luja vendem-se diales de (arca, a
l40rs .elencos da niesma qualidade, u
160 rs,
Vcndc-se urna preta prxima a parir,
de idade de 20 anuos, de bonita (guia, sem
vicios neo acbaques: na ra do Queima-
do, viudo do Bozaiio, segunda luja, n. 18.
i i (dos de algodo tran-
cado da fabrica deTo-
dos-os-Santos.
Nh ra da Cadeia, n. >*2,
vendem-so por atacado duas qualidades,
I roprias pina saceos de assucar o ruupa do
escravos.
Ruarles de furla-crcs a
200 rs. o covad eris-
cado ruonslro a 220 rs.
Vende-s zuarle do furta-cres muito
encorpido e com 4 palmos de largura, pro-
prio paia escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monslro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, luja da esquina que
volta parr a cadeia.
Mantas de seda.
Vendem-so mantas de soda de expelientes
pudines, pelo liarut ssimn prego de 9,000
rs. cada nina que em nutra pirlecuslam 14
e 16,000 rs.: m ra larga do Rosario, pa-
daria u. 48.
A *2,5)<) rs* a pee, a varas
do cambraia o> qusdrns para cortinados e
babailos : na ra do Queimado, loja n. 8.
Taixas para eligen ho.
Na fundicilo de ferro .la run do Brum,
icaba-se de receber um completo sortimen-
t do talxas do* a 8 palmos de bocea 8S
I i n's acham-sn a venda por preco com-
modo e com promplldo embarcam-se,
ou carreeam-secm carros sem despezas ao
comprador.
Velas de espermcete,
das melhorcs que teem vindo a este merca-
do: vendem-se em caixasde 24 libras, em
casa de Iticardo itovle, na roa da Cadeia-
Velha, n. 29.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-do-
Deos, n. 36, est de novo estabelecido de-
haixn das mesmas eondigocs, offerecendo
a deliciosa pingado vinho ila Figueira pe-
lo limitado preco de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a do vinho branco de Lis-
boa por 220 rs. a garrafa, c 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de llordcaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. Nao se admirem
os fiegoezes do baixo preco por que se ven-
do a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o snligo pra
CO, embora este genero tenha subido o me-
Ihnr de 30,000 rs. por pipa. Examinen) os
amantes a qualidade para reconliccimento
da cordada e continuagao da antiga fregue-
zia. Epara nilohaver usuras, est.lo promp-
las garrafas lacradas o com o competente
rotulo, assim como harria do diversos la-
rnanhos par piovisfio do prximo Nalal.
(1 proprietario cunta com a concurrencia;
do contrario, tornarflo os .precos do re ta-
ino a primitiva de240e 280rs. a garrafa.
Folha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres:
na ra do Amprim, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jimior.
--Vendem-se amarras de ferro: na ra
Ja Senzalla-Novn, n. 42.
Velas de eres.
Vendem-se, no armazem de moldados
atrs do Cnrpo-Saulo, n 66, por pie^o com-
nodo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa c lustrosas, as quaes se tornam
recommcndaveis pela sua superior qualida-
de e altirarcm mais que as de espermacete,
e nSo fazerem morrflo.
Deposito de Potassa.
Vende se milito nova polassa
de boa rjiialidade, em bairiszinbot.
pequeos de qnalro arrobas, por
proco barato, como ja lia muito
lempo se nao vende : no liecife,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
o si rvic,o, issim c< 1110 quat(.r?e vaccas de
boas qualidades p um novillio : quem as
pretender, dirija-so an becco do Quiabo
ent nimia do Carneiro.
Lonas.
Vendem-sc lonas superiores
mitacHo das da Hussia, por preco
commodo: na ra do Trapiche-
Novo, n. 16.
Familia de trij-o.
J. J Taso Jnior vende farinha de Pro-
veda, chegada no ultimo navio de Mirsei-
Iho, por preco commodo.
Cbeguem a pechincha antes que
se acabe, na rua Nova, n. 14.
Vendem-se chitas francezas de bonitos
padrdes. a 200rs. o covado ; cambraias de
listras, fazenda muito fina, a 320 e 00 rs. a
vara ; o outras muitas fazendas mais bara-
tas do que em outra qualquer parte.
Moendas superiores.
NafundiQaode C. Starr & Companhia,
em S.-Amaro, acham-se a venda moendas
de ranna, todas de ferro, de um modelo 0
conslruccjlo muito superior.
Cal virgen!.
Cimba & Amorim, na rua Cadeia do Re-
cife, n. 50, vendem cal virgem de Lisboa,
de superior qualidade por preco mais ba-
rato do que em oulra qualquer parto.
Novos cortes de cassa pa*
ra vestidos.
Vendem-se corles do cassa para vestidos,
de cores flxas e de bonitos padrOes, a sele
eoito patacas o cile ; chales de tarlalana ,
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs.
na rua do Crespo loja di esquina que vol-
ta para a cadeia.
1
sJ -

1 1 1 o
* W "

j.
t
tu
X
O
'3
S u o
k: o o-
- ^ c-
re (C L.
S^ a.
* el
o S
3 C
" 3

rz >
u o. 0

^ S c
c o
<5 v. ^ "O
e "o 2 -o c
6C
c
>
o
'-,
5
3
.- n
5
9

3iil)
O- (T C
=aa
, 1
v-l
mt2
o i'"2
lilH
i > o o-U >
Anligo deposilo de cal
Na
virgem.
Lo
ni
rua ilo I lapiclic, n. 17,
dio superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Arados de ferro.
.Vi fu 11 lir.ai ila Aurora, coi S.-Amaro,
vendem-se arados de de ferro diversos mo-
delos.
A 1-40 rs. o covado.
Vende se supciior nscado do algodo,
muitu cncorpado, a 140 rs. o covado: na
rua dn Crespo, n. 6, loja junto ao lampciiu.
-- Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes ingle/es: na ruada Senzalla-No-
va, n. *2.
Bias.
Vendem-se bichas chafadas ltimamente
e de boa qualidade, a 160 rs. cada urna, em
porrino de 25 pura cima : na rua do Amo-
rim, n. 35.
AGlNClA
da fnndrao Low-Moor,
RUA PA SKNZAT.T A-NOVA, N. /|2.
Neste estabelecimeuto conti-
na a havenim completo sorti-
mento de- moendas meias moen-
das, para envendo; machinas de
vapor, e taclias lie ferro balido e
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 6C, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor viudo do sul superio-
res charutos S.-Flix, e de outras muitas
do caes do Ramos, bom sebo em rama, por
prego commodo.
Vende-se um'escravo pardo de 20 an-
nos poucqjnais ou menos, muito bom tra-
bajador de campo e quo lambotn serve
escellenlomente para pagem : na rua os-
trcila do (lozario, n. 43, primoiro andar.
Vendem-se 8 lindos moloques de 10 a
18 ann ts ; 8 prelos de 20 a 30 annos, sendo
ufn delfos cozinliciro ; 3 pardos de 16 a 25
innos, sondo um delles ptimo crreiro;3
pardas de 10 a20a^no"s, com habilidades ;
urna dita de 20 annos, com habilidades, e
cora dous flhos, um do 5 annos e outro de
um anuo ; Spretas de 16 a 20 annos, com
habilidades : na rua do Collegio, n. 3.
Novo trein de cozin.ha.
Vendem-se Jchalciras, pannellas, frigi-
deirase cassarolas do ferro forradas de por-
cellana, bules e cafeteiras de metal : na ru
Nova, n. 16, loja de Terragens, de Jos Luiz
Pereira.
J>a rna Nova, n. 5,
vende-se um escravo pe?a de linda figura ;
um dito de nseflo Costa, proprio para car-
regar cadeirinha, por ser bastante alto e
de lindo figura ; um moleque bom cozl-
nbeiro, do lucilo, de 18 annos, do qual se
afianca a conducta ; um molecole de 18
annos, bom ofilcial de alfaute ; um preto
bom trabalhador do enxada ; duas pardas
muito prendadas, oque se nilo pOa duvida
em d-las para so experimentar no on-
gommdoecozinbar;2 preta's com habi-
lidades, sendo orna dellas boa cozinheira ;
umanegrinhs de 1*annos,com principios!
do costura e engommado.
Vendem-se ptimos sellins inglezes
com lo.fos os s.-u pertcners e de -: perior
qualidade, por prego commodo : em casa de
Adamson llowie& Companhia, na rua do
Trapiche, n. *2.
-- Vende-se um lindo moleque de 18 an-
annos. de excellente conducta, proprio pa-
ra pagem ; 3 bonitas escravas ; urna dita de
13 annos, recolbi la ; urna dita de naci, de
22annos ; urna dita de 35 annos: todas com
habilidades o de boa conducta : tu" rua do
llangel, n 57, sobrado.
Vende-se, na taberna nova do Aterro-
da-Itoa-Visia, n. 75, ao lado da matriz,
manteiga ingleza muito superior, a 640 rs.
a libra ; cha hysson o melhor possivel, a
2,210 e 2,400 rs. ; queijos niuilo frescaes .
a 1,700 rs. ; talharim e macarrflo, a 160
rs.; velas de espermacete, a 880 rs. ale-
tria, a 280 rs.; c outros mais gneros que
se nSo mencionara para nSo cancar a pa-
ciencia do publico.
Para eondir/ir para os
sitios pela festa.
Vende-se um piano perpendicular, de ex-
cellente autor, muito commodo para con-
duicln, i'em muito bom estado: a fallar
'na lujado barbeiro de Jos llibeiro, no n-
gulo da praca da Independencia, que vira
para os quarteis.
Para divertir pela festa.
Vendem-se msicas e entremezes, como
sejam a msica da castanheira e outras,
l es, na porta da alfandega, vende-se fari-
nha de trigo, nova c do primeira qualidade
que vftm a este mercado.
Paia (juein tive' bom
Sosto.
Vendem-se rrdes do cores multo grandes
e muito bonitos padrOes, e o melhor qil0
tem apparecido nesie mercado : na rua do
Crespo, loja da esquina que volta para a
cadeia.
>- Vende-se urna casa terrea na rua do
l'adre-Horianno, n 53, com duas salas, 8
quarlos, co/.inlia fra, quintal e cacimba
em muito bom estado : no pateo do Car-
ino, esquina da rua doWorta*, ven la n .
--Vende-se 11 m sitio na Soledade, com
58 palmos de frento e mil de fundo, com
(imis frentes, una para a estrada nova e a
outra para o alanguinho, com casa de tai-
pa, boa cacimba e urna porcjlo de lijlos
que servam para alicerces : a tratar com o
scu proprietario, Antonio da Silva Anjn,
que o vende por preco commodo, por se
querer retirar.
-- Vende-se superior farinha de mandio-
ca, em saccas : a tratar no escriptorio de
.Manuel Concalves da Silva, na rua da Ca-
deia do Itecife. ou no armazem do Araujo,
no becco do Conexivos,
Vende-se um pardo da 20 annos ; um
moleque de 12 annos : na rua do Quilma-
do, viudo do llozario, segundo loj n. 18.
Escravos fit^icot*
qualidades que se venderao mais barato do J duesos jocosos, arias e cavatinas, tudo para
que em oulra qualquer paite : bem como grande e pequea oichestra ; vestidos do
cigarrilhos hespanhes, ditos de palha de damas o cavalheiros a carcter; algumas
milho, que se estilo vendendo pelo diminu- cahelleiras; um melhodo de Itodolpho,
to prego ile 500 rs. o cento. jnovo e encadernado ; o vestuario para o
Vende-se um JORO do breviarios no- quinteto chinez : na rua Nona, loja doSnr.
vos: airas da matriz da lioa-Vista, 11. 22. I Jos l'into, confronte ao oitilo da matriz.
--Vendem-se pecas de madapoio limpss 1 _
com 20 varas, muito largo, a 3000 rs., AllCll^riO.
3/200, 4/000 rs. ;e muito linos e largos por I Vcnlem-sa fitas de chamalote para os
mais dinheiro; corles de cambraias para hbitos do Christo, llosa, Aviz e Cruzeiro,
vestidos muito bonitas com 11 COVados a chegadas prximamente : na roa do Crcs-
2,500 : na| loja n. 17 da rua do l'ssaio.
Saccas com millio a
',.100 rs. e ditas com ar-
roz de casca a 5,500 rs.:
po, ao p do arco de S.-Antonio, loja de
uiiudezas de Joaquim llenriques da Silva.
Farinha de arar na
de superior qualidade, recentemente ebe-
gada a este mercado, em barriquinbas de
ve dom-se no armazem do Drague/, ao p "e"" J*Ja" BrnA"\s' P do arco da Concciclo. Jo3,000 rs. a arroba : na rua do Aze,te-
[de-l'eixe, armazem de Irancisco A' lomo
Corles de bnm de cores '
9
S Cortes de cassa iVan-
ee/a com 13 eovados
a 42(5(i0 o Ciie.
m Vende-se cassa fianccza, a 2,560 rs
'; o corte ; chales impeiiacs, padrOes
'3 dos de se la, a 2,1 00 rs. : ditos de se- **
'$ da, a 8,000 rs : na rua do (Jueimado, O
t n 8. O
O O
Vendem-se escravos baralos, na la
das l.arangeiras, n. 1*, segundo andar, co-
mo sejam : urna linda pieti de 22 annos,
quo eilgumina oidiinaiiienlc ; uina dila da
i.iesir.a idadc, que eogmnia ecir/ioha bem;
nina dila de 18 annos, quo engomma liso;
3 pardas mocas com habilidades ; um par-
do escuro, de 22 anuos, com ollicio de pe-
dreiro ; um dilo da mesma idade, com offi-
co de npateiro; 4 prelos de 22 annos,
ptimos paia qualquer servico ; um mole-
que de 12 anuos ; e outros escravas.
A G40 rs. cada um.
Vendem-so cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bous padrOes e c-
ii'S seguras, meia pataca o covado : na
to.jos os tamanhos,
rondo, de
para dilo.
-- Vende-e, a bordo do brigue Marcial ,
llegado do Itio-Crande-do-Sul bom sebo
em rama por prego commodo.
Pos a I va ni eos para
piafeai.
Na ru do Collegio, loja n. P.
Todas as pessoas que possuem objecios
praleados e que (enbam perdido a cor ar-
gntea, estando por issoindecentes, ou inu-
lilisiulos, leem uestes pos um excellente
restaurador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro
cesso para su usar oelles o mais simples,
nada mais dn que esfregar com um panno
de linho mnlliado em agoa fra e passado
nos mesmos pos.
Urna calxinha contando quanlidade suf-
Beienle para pratear mais de 40 palmos
quadrados cusa a mdica quantia de
mil rs.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa deN.O. Ilieber & C.
la rua da Cruz, n. *, algodSo trancado
ilaquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Cha brnleiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molhados, alias do Corpo-Santo, n. 66, o
mais cxcellunle cha produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo a este mercado, por
rua do Crespo, na loja da esquina que vol- I prego muito commodo.
ta para a cadeia. | Vendem-se quatro bois mansos de lodo
com lislras ao lado, a
1,280 rs.
Vondem-se cortes de hrim de cores com
lislras ao lado, a 1,280 rs.; riscado do al-
gndilo americano, pioprio para escravos, a
1*0 rs. o covado : na rua do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeia.
Cal do Lisboa.
No Rio-I'ormoso, em casa de Julio Jos
Lopes, vendem-se barrisenm cal virgem de
Lisboa, do superior qualidade, por prego
commodo.
A 2,7*20 rs. cada um
cortea
Na Inja de Cuimarlcs (\ llenriques, rua
do-CiespOj n. 5, vendem-sc novas cassas
parisienses, padres muito modernos, pe-
lo burato prego de 2 720 rs. cada um corle :
esta faunos se torna muilo recommenda-
vel pela superior qualidade e barato piego.
A 6*80 rs. a vara.
Na rua da Cadeia doUecife, n. 32, vendem-
se muito finas cassas, as mais modernas
que appareeem no mercado, pelo diminuto
prego de 680 rs .prego este que em outra
qualquer parte querom por igual fazenda
mil ra, a vara ; bem cmo corles do casimi-
ras para caigas, de muilo boni gusto e mui-
lo boa fazenda, a 6,000 C 7.000 rs. o c: le ;
chales de cassa e seda, muito grandes e de
bonitos padrocs, pelo diminuto prego de
*,5oo rs.; cortes de rassa-chila de bom
gusto, a 2,8(10 rs o corte ; e outras muitas
fazendas por piego commodo.
Na loja da esquina da
da rua do Cr.spo, n. 23, que volta para a
mi do Queimado, veudem-se cortes do
cambraia de cores, a 2,000 rs ; lauziiilia
oara vestido, a 280 rs. o covado ; cambraias
00 cores lixas, a 320 rs. a vara ; ceroulas de
meia para baulin, a 400 rs.,-maulas de fil
de cor para senhora, a 800 rs. ; gorgnrflo
para colleto, a 320 rs. o corte ; chitas es-
curas, a 180, 1*0 e 160 rs.; lanzinlu para
collele, a 500 rs.; dita com lio do Seda, a
1,040 rs.; lu/as de aeda com dedos para
senhora. a 400 rs. o par; alpaca de linho
de cores, a 400 rs. o covado ; longos de cas-
sa de cores muito grandes, a 320 rs,
Vende-se a bordo des brigues l.igtiro
da llosa.
-- M I Ii llier que acaba do chegar de
Franca troute com sigo, alm de oulras fa-
zendas, um grande sortimenlo de oculos
para nariz de todas as idades, os quaes se
chama venda na ma larga dn Itozaaio, n.
35, loja do miudezas, por prego muito em
conia.
Vende-se velas de carnauba, a oilo mil
rs. a arroba, de muilo boa qualidado: na
rua da Florentina, n. 1.
Vende-so um escravo crioulo do bonita
figura, de 25 anuos pouco mnis ou menos,
proprio para o sirvigode engenho, por ser
carreiro : na rua do llangel, n. 60.
-- Vende-se um liteiio para peta de lo-
ja de miudezas : na rua Nova, n. 16.
Vihde-se urna prea moga, quo cozi-
nha o diario de una casa, engomma al-
guma cou a, e he quitandeira : na rua atrs
da Igrej deS.-ltila, n. 48.
Vendem-se veas de espermacete su-
periores, chegadas agora da America : em
rasa de lleane Youlo & Companhia, rua da
Cadeia, n. 4
Vende-se carvilo de pedra e igualmen-
te o ja muito conhecido atlificial, por pre-
go muilo cm cunla : na rua da Cadeia do
Itecife, n. 48, casa de A. S. Corbelt.
Aos amadores e Iliteratos.
Na rua do Crespo, loja n. 5 A, de I: i cardo
Jos de Freitas, edefronto do trapiche no-
vo, n. 6, vendenirso as scguiules obias, por
prego commodo :
O I'rcto, publicagilo modernissima que
descreve o estado lamentavel das cadeias.
Hetisla mililur, jornal conlendo muitos
coiibecimcnlos ulcis e novos inventos para
a nobre profissilo das armas, com as plan-
tas o estampas necessarias para a intclli-
gencia do texto.
Historia do cerco do l'orto, 2 v. obra mui-
to moderna einteressante pela narragflo des-
te heroicofeilode nossosdias,edi|ou'.ras no-
ticias e pela caria topograjhica das HntlBI
da dila cidade.
fingen na minha trra, publicagilo de
muito gosto e chiste do bem conhecido Ili-
terato Candi.
Cantos ila minha Ierra, bella ti adiccHo da
provincia do Minho, pelo excellente esrip-
tor A. >. da Cunta.
Portugal, recordagOes do anno de I842,da
viageni que essi reino fez o principe
Lichnowsky.
Museu l'ittoreico ns. 1 a 21, jornal scienli-
lico, conloado muito boas estampas.
100,000 rs. de gratificaco.
O ahaixo assignado roga aos Srs. de en
genho chrisloviio de Molan la Cavalcanle,
Francisco de Barros Reg, Francisco Ma'ri-
nhp Wandcrley, Francisco de S.-Tiago lla-
mos, Antonio Jos M.rroquim, llanoel de
Barros Accioli Helio, Antonio de S.-Tiago
Paz de Mello, Paulo de Amorim Salgado,
llr. Flix Theolonio da Silva Gusmo e Ig-
nanciode Barros Wandcrley para que se
dignem maodbr ver pelos moradores de
seus engenbos urna escrava de nomo Ca-
tharina, crinula, de catalura regular, ma-
gra, com a barriga um lauto crescida, den-
les bonitos, sobransrlhas carregadas ; le-'
vou urna filha nuilatinha, de 3 annos, de'
roslo redondo, olhos pequeos ; tem as co-
xastio unidas que a faz vollar os ps para
oslados. Fugio a 11 de outub>o de 1848.
A ini desta negrinha rhama-sc Jeronyma,
e tem alm desta filha muitos lilhos, e por
issose tem feilo nolar no lugar aonde mo-
ra ; he escrava deThomaz \ eir, morador
no engenho Palma, sitio capivara. Cathari-
na foi cria de Diaria Vieira, moradora em
Peroba, sitio Pescinenge, e por u.orte desla
coube em heranga a Ceitiudes, filha casa-
da com Domingos de tal, morador nesla
praga. lia toda a certeza.delta ter estado em
algum destes engenbos, porm tem sido
mudada t.lvez pelos manos. 0 ahaixo as-
signado offerece a quantia de 100,000 rs. a
quema trouxerat o lim de dezembro do
corrento anno, e pretende desse prazo em
diante, fazertodaa diligencia para a dcsco-
brir o proceder contra quem a liver acoi-
tada. (I rom mandarte do rorpu de poli-
ca, Joo do llego Barros Palcdo.
--Fugio, no dia 14 do corrente, urna ne-
grinha de nome Nina, de 14 anuos, de esta-
tura baixa, magra, bastante retia; he
muito esperta ; usa sempre do avental; Ic-
vou 3 vestidos de (albo francez, sspatos o
meii.s ; tem o nariz um tanto malhado pe
los lados o urna cicatriz pequea em cima
da pestaa de um olho : qu m a pegar le-
ve-a tua Nova, n. 39, pruneiro andar, que
ser gralificido.
-- Fugio, no dia 30 de outubro, do sitio
Quilunga, noengenlio Comporta, o escra-
voScverino, de estatura baixa, da 20 an-
nos pouco mais ou menos, imberbe e nicio
fulo: Ion os denti s da frente bciil limados
e um delles podre; lem o dedo grande da
mlodireita um pouco curio e grosso, por
causado um panarieio: quem o pegar le-
ve-o ao dilo sitio, ou nesta praga, na rua
Augusta, n. 1, primoiro andar, que sera re-
compensado.
--Fugio, no dia 6 do correle, o preto
Benedicto, de ntgflo, de 18 annos, pouco
mais ou menos, sem barba; levou camisa
de mada'poliui e caigas de i iscado largo e es-
curo ; de altura regular, rorpo fornido,
beigos grossos, bocea grande, ps e mSos
grandes : quem i pegar leve-o rua es-
treitado llozario, n. 43, segundo andar,
que ser gralilicado.
Fugio, no dia 10 do crrenle, o pardo
Manoel, de altura regular, secco do corpo,
com marca de bexiga no rosto,denles lima-
dos, ; he muitu regrista e cantador de his-
torias; levou caigas >>e c .simiia e camisa
de riscado, e por baixo desla ruupa cami-
sa e ceroulas de panno de algodo da terral
quem o pegar leve-o a rua do Queimado,
n. 10, primeiro andar, que ser recompen-
sado.
Fugio, no dia II do corrente, "o filio
do dobliii Feiloza, do lugar de Belni, o
prelo de nagSo Angola, alio, barbado, bcui
apessoxdo, bem fallautc, reforgado do cor-
po, meio calvo adiiinle, de 33 anuos, ulula
regularmente vestido com asseio, muitas
vezes de culgas e camisa o outias do caigas
o jaqueta, mas sempre descaigo. Este escra-
vofoido padre Monteiio ja fallecido, que
mol mi na Soledade ; depois os lierdeiios
do mesmo padre o venderam, e perlenceu
elle ao tenente-cnronel Braz Ferreira Ma-
ciel l'inheiro, esto o vendeu ao Sr. Antonio
de Albuqueique Monte-Negro, morador na
Parahiba, quu liiialinento o vendeu ao llr.
Feiloza. Ituga o mesmo doutur Fviloza a
todas as autoridades policius e [capitiles de
campo, qne o apprebendam e levem-no ao
2. andar da casa amarella do pateo do Col-
legio, ou a scu sitio em Belra, que recom-
pensar.
-- liesappnreceu, no dia II do corrente
s 8 horas o meia da noite, do sillo de JoSo
Mauoel llodrigues Vallenga, em Bdm-Fic.
urna parda de uome l.uiza, do 20 annos
poucu mais ou menos, de estatura regular,
c.'icia do corpo, ollios grandes; levuu dous
vestidos, um de cassa cor de rusa e oulro
de chita azul, duas camisas de algodflo tino,
umasaia de madapolo, ludo novo ; des-
confla-se que fOra seduzida. oga-se as au-
toridades policiaes e capitSea de campo,
que a aprehndame levem-na ao pateo da
matriz de S.-Antomo, n. 2, ou '
liruin, armazem de A. J. do llego
raquett-at-itrnambuco, fuodeados ao po| Noarmazem do baraleiro Silva Lo-IPa. ha trr. de u t. d fasia.
S rua do i )
Medeiros. *,
a. -194
MUTI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOK72VPA0_P4RQV1 INGEST_TIME 2013-04-24T19:07:07Z PACKAGE AA00011611_06713
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES