Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06712


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno \XV.
Quarta-feira ib
FABTJ.A xo fiolanna e Parahlba, segunda! e scxtas-feira.
rUoJ'.rnadc-dn-Norle, qulntas-felras ao melo-
r.abo?Serlnhaen), Rio-Forraoio, Porterilo
Macri, no l., a 11 e 21 dcada me*.
C, ii aultnus e Bonito, a 8 c 23.
Boa-Vista t Flores, a 13 e 28.
Vil-loria, a quintas-feira*.
Olinda, todos os dias.
tHOara.
Pbxse* d um. Mlng. 7. i h. e 3 n. da in.
Nova, a 14, as oh. c53m. da t.
Crcsc. a 23, ao 5 m. da m.
Chela a 30, 3 h. e 5 ui. da ni.
rnttHAB HOJB.
Priineira as 4 horas e 30 minutos da tarde.
Segunda a* 4 hora 64 minutos da nano.
do Novcm!ro N. 2;'.
-. BJSJBBI "
___. J IIHIMIill !' _' i"
razos sa sunscairgAo.
Portreamezesfadianado) 4/000
Por seis me/e MM
l'or un anuo 15>000
SJAS DA IIMAN.
12 Seg. S. Diogo. Aud. do J. dos orf. do e ni. 1. v.
13 Tere, Eugenio. Aud. da chae, do J. da 1. v.
do civ. e do do feitos da faxenda.
14 Quart. S. Cleinenlino. Aud. do da 2. v. civ
15 guinl. S. Uerlrurtcs. Aud. do J. dos or. c do
m. da 1. v.
l(i seat. S. (inralo de Lagos. Aud. do J. da I. y.
do eir, e do dos fritos da Cazenda.
17 Sab. S. GrcgorioThaumalurgo. Aud. daChanc.
e do i. da 2. v. do crlmc.
18 Dain. S. Koniao.____________
CAMBIOS IH 13 DE OVIBBttO.
Sobre landres. 28 d. por 1/000 r. a 00 das.
. Parit, 848.
> Lisboa. 100 por cenlo. ,-,.
Ouro.-O .s he.panl.oe,......... 3WIHKJ a MAM
Mol-da.de'lWi00v.-[tus.-l7/J)i;0a 7>2W
de 6/400 nova
dc4/000...........
Prmta. Palacors brasileiro......
Pesos columnarlos.......
Ditos mexicano.......
w
lOjfiOO a
9/2011 a
IftHi'.i a
1/lliO a
1/8H0 a
16*8011
9/.10O
IAM
1/l.RO
1**100
PARTE OFFICIAi.
MINISTERIO DO IMPERIO.
lilCliKTO N. 637. DE 27 DK SETEMBRO
DE 1849.
migulnmnnlo nt'.rnu da adminhlraco do cor-
reio da capital, de a aginciat e dat da
provincia ilo Hio-de-Jantito.
Conlinucao do n. 254.
TITULO IV.
CAPITULO NICO.
Da turma da tnrde.
Art. 194. A turma da Urde proco lorA co-
mo esti proscripto as duas turnias da cnlra-
Js e saludada correspondencia, e poder*
quando houver aOluoucia de traballio con-
*ocr extraordinariarncnlo os emnregados
Jocorreioque from necess*ros psraodea-
mponharem.
Arl. 195 Ao chefe da turma da larde
competo esetever e dirigir falls ofllcial
declarado do traballio do art. 32.
TITULO V.
Da turma da thttouraria.
c'i'rixclo i.
Do trabaUu da turma da thesouraria.
Artigo 196. Os seis empregados de que
levo constar a turma da Ihesouraris, alem
,io thesoureiro, na forma do art. 7, sito dous
llies e qualro pralicantes ou addidos.
Art. 197; Na falta ou impedimento de al-
LMim dos fiis, ou dos outros empregados. o
thesoureiro o participara ao administrador,
c indicar so mesmo lempo d'ent'e os pra-
licantes ou addidos os que rrem de sua
leonflance e precisar para substituirlo dos
uefaltarem.
Art. 198. O thesonroiro podora roquisi-
tar, alm dos que Ihe silo facultados pelo
regulamenlo, mais um ou dous empregados
fcm occasies de alllueneia de irabalho.
Art. 199. Ao thesoureiro compelo:
,1.Fisclsrearrecadar a renda diaria,
oni a qual ontrar para o cofre no dia m-
lediato at duas horas da Urdo.
S. Fornecer sellos ans vendedores de
Jenlro da casa e de fura dell, e s agon-
as dos coireiosecnixas liliaes
3. Assignar lud-s as cargas do cartas
un" Ihe forem entregues.
4. Facer a conla das cartas entregues
ios carteiro, e toma-la quando liveram
cili.-iilode.ii fazer nos compelemos endo-
[recos.
5. Assignar as guias do sellos, quita-
res, bilhetes de assignantes, conhecimen-
jos de multas, dos saldos das agenciase
(quaesquer outros de receita, excepto as cau-
telas o conhccimelos dos seguros.
6. Pagar ios capiles de navios, con-
ductores, contraladorus das malas, ompre-
gados da directuria e administradlo.
i 7. Coadjuvar e activar a distrihuc3o
das cartas o mais papis dctiliu da ihcsuu-
Iraria.
Art. 200. Aus Tieis compete :
1. A ab.erlura e focliamento da tlicsou-
raria.
S 2. Fazor a distribuieflo das crtas o
mais rareis.
$ 3. Tomar as paites dos capiles e mes-
tres de barcos o navios a sabir, e passar-llies
os eo.nroleuloj bilhetes. '.Modrllo n. 12. >
$4. Rocobcr e toistrar as carias se
guras.
$ 5. Fazer tola a escrialurac.lo pcrlon-
cente a tliosourarsri, u iC-lasemproem di.
Art. 201. O bilhole passadu aos mestres
ou capilfles dasembarcacOes ser remetti-
do pela thesouraria ao chefe da turma da
sabida.
Este mandar proparar as malas da cor-
respondencia, s a houver pora o lugar a
que so dirigir a emhai'cacSo.
Art. 202. No acto da entrega ds malas, o
chefe da turma da sahida escrever uo'bi-
lliete rubricado pelo administrador -- Cou-
dii/ Untas malas, ou -- N3j leva mala.
Art 203. Aos vendedores du sellos cum-
pre pesar asearlas e mais papis que tive-
rem de ser enl ogues ncsla nrto ou "le su-
bir para outros correios, o lixar indias os
sellos correi|Kindentes ao peso, o sorflo ros-
ponsaveis por qualquer falta.
Arl. 201. Ilavei na thesouraria um ca-
rimbo dlderentc do da sala da sabida e do
da entrada.
Quando succeder que seja nsufliciente o
sello listdo em urna carta ou papel, o chefe
da turma da sbila, verificando ser da the-
souraria o carimbo na mesma llxado, envia-
r ao lliesoureiro a di la ca ti ou papel sel-
lado para receber o porle duplo dequem a
carimbuu, o a caita ou papel ser expedido
pelo mesmo crrelo.
Art. 205. Para 0 exacto o seguro enmpri-
mento do disposlo no artigo antecedente,
tcr.i designado diaiiamente pelo thesourei-
ro quem na mesma ha de lixar os sellos as
cariase mais papoia e carimba-las.
- Arl. 206. Aosoulros empregados incum-
lie oxiliar ao Ihesoureiro e seis liis, como
por aquello lor determinado.
Arl. 807: As remossas de sellos par* os
vcndodoies de fra da casa, serio ordeiia-
das polo.idmini-lrailor, vista das requisi-
ii'n s ijuf I be fiirein fetiis e acompanhadaS
'le guias assignadas pelo thesoureiro e con-
ladr, (Modeilon 13.)
CAPITULO II.
^ Da ticript.tirafSo t inventario da theiouraria.
. Art. 208. llavera um caderno para regis-
Itro das cartas seguras; um para lapcamen-
to da saluda das embarcacOes; um para as
entradas diarias; um para o lancamento
dos portes liados aos assignantes; um para
sscontasdoscarteirosj um para os sellos
entregues aos vendedores; (modellos ns. 14,
15 16, 17, 48o19J o urna pauta om que se
designem as emharcacO mais prximas a
sahirem. (Modello n. 20.j
Art. 209. At o dia 3 do moz soguinlo ao
om que lindar cada semestre do anno finan-
ceiro. ou quando fiir necessario, o admi-
nistrador do corroio nomear quatro em-
pregados para procedern ao inventario
descartas e. mais papis de porte, do respec-
tivo anno financeiro.
Art 210. O thasouroiro pora disposi-
dos ditos ampregados na thosourana
as cartas en.ais papis do porte nella exis-
tentes.
Art. .211. Principiar o inventario pelas
cartas atrasadas anteriores ao dito anno.
Art 212. Dous destes empregados classi-
QcarAo as carias e mais papis pelos sous
valores ; dos outros dous, um contar cada
clssse, e o ou tro escrever o numero, porte
e importancia dellas cm presenta do the-
soureiro ou do fiel que ello designar, na
forma do modello n. 21.
Art. 213. Concluido o Inventarlo de uininei,
os empregados que tivei-ein felto a classifica-
ea as Irao tracando com uin risco de tinta en-
carnada para a distinguir das nao Inventaria-
da, e em seguida a tornaro a por na ordein
alphabrtica cm que esta vam.
Art. JI4. Ao mesmo lempo passirao os ou-
tros dous empregados a verificar os sellos que
exlstlrem.
Art. 215. Terminado o Inventario das cartas
e mal papeU de porte a cargo do thcsourlro,
o ofllcial mal Kraduado que tlver dirigido a
opcracn lavrar um termo que ser assignado
pelo invcntarianlea, e no qual e far constar
cm resumo o numero de carta e mus papis
inventariado, e o valor de cada elasse do
momos.
TITULO VI.
Da turma da contadoria.
C X P IT U 1.0 I. ,
Da eieripturaco dn contadoria, e iot livroi
que tulla devem ur ueripturadoi.
Artigo. 216. Um prhnelro ofllcial ajudarao
contador, e servir lias suas fallas e impcdl-
inenlo.
Art. JI7. incumbe privativamente ao con-
tador a escripturaeo dos livro--calxa e de
conla crreme de sello e cartas com o ihesou-
reiro. (Modellos ns. 22 e 23.)
Ao seu ajudantc pertence a cscrtpturaciio
dos outros lvro e mais servlco da conlabill-
dade, de que o contador o'incuinblr.
Art. 2|8. Os livros caixa e de coma corrente
de sellos e de cartas com o thesoureiro erao
numerado, abertos.. encerrados e rubricadu
pelo contador do thesouro publico nacioual, e
os outros livros, ainda mesmo os das agencias,
pelo administrador.
Art. 219. No lado esquerdo do llvro caixa se
lanear.i diariamente ao thesoureiro todo o pro-
ducto que o mesmo receber dos diversos ra-
mos da recelta ordinaria e extraordinaria no
decurso do dia. E no lado dirello igualmente
se lancar toda a despea que se lizcr, em ver-
ba disiinclas
Art. 2;2'i. No ladsesquerdo do livro de conta
corrente se carregar ao thesoureiro :
1.* A importancia do saldo cm elios do
exerclcio anterior.
2." A Importancia dos Sellos que liver re-
cebido do thesouro ; e asslm mais a dos sellos
que por exiincr.ao de alguma agencia se entre-
garem ao thetoiireiro.
.'Io A das cartas e mai papel subjeitos *
porte que o thesoureiro houvcr rrcebido em
cada semana ; bem assiin a dos saldos das
inesmas cartas c mais papis de purlc que
passar do exercicio anterior, ou a da dcvolu-
co que fl/erem as agencias adininislraco
das cartas e mais papis atrasados.
Arl. 221. E no lado dlreito se descarregar :
I." A importancia dos sellos e das carta
reinettidas para as oulras admiiiistrafocs,
ageucias e vendedores da cidade.
2. A dos portes das cartas e mais papis
distribuidos na llicsouiaria diariamente.
3. A da inesmas cartas e mais papis sub-
jeitos aporte que tiverem qualquer destino,
como consumo, etc.
Art. 222. Alm dos livros dos arligos ante-
cedentes luver mal os srguintes auxiliares :
o de coutas correles com as agencias do mu-
nicipio i- provincia ; o de [aloes das mullas, o
dos seguros, o dis assignaturas, e o dos saldos
das agencias. Modellos ns. 24, 25, 86 e 27.)
Art. 223. No llvro de comas correles com
as agencias do municipio e provincia, aerao
carregado os sellos e carias que se euviarem
para a agencias ; e se descarregar trlmen-
almente, pelos balancos das ditas agencias, a
venda dos sello e entrega das cartas, nellas
verificada.
Art. :>4. llavera em cada agencia um livro
para escrlpluraco da recelta e despeza, orga-
sado na forma do modello n. 28.
Art. 225. (oralmente cm todos o conbeci-
inento de despea sei.i mencionado o uome
da pessoa a quem e paga, a causa do paga-
memo, em virlude de que disposlcio ou le, e
quaesquer oulras deelaraces que frein pre-
cisas para maior clareza, e sero aisiguados
pelo contador e pela parte.
Os taloes de receita e conbecimentos delle
rxtrahidos aero assignados pelo contador e
pelo thesoureiro.
Art. 226. llavera um livro de matricula de
a-signantes, no qual sero lancadns seus oo-
ines, inoradas, anuos, metes e periodos de
suas assignaluras, venciinentos dellas, e suas
importancias.
Art. 227. O contador mandar passar a quem
qulier ser assignante, observado o art. 79, re-
cibo cxirahido do respectivo llvro de talfles,
no qual se declare o uome do assignaote, pra-
10 da sua assignatura, quantia que pagar ea
data.
Art. 228. llavera uin llvro de grallflcacoes
de capiliies ou mestres de navios, no qual se-
ro lancadns os noines'dos ditos capites, da
las da entrada das embrcameles e seu* nomes,
ilonde procedente, numero decirlas nvulsas
entregue ao crrelo, quanlo de gratificado
por cada carta, Importancia respectiva, e a
dala de seus pagamentos.
(Condmra.)
r slis ii iiissslii iiirisnnriTTrr-"-"^"^**"**
. A cidade lluminou-so por muitas noi-
tes successivas.
DECRETO DO CORI'O LEGISLATIVO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DrA 3 DE NOVEMBRO.
Ollicio.Ao vcadorSebaitlao do Reg Bar-
ros, remetiendo o reqnerimento de Juliana
Mara Francisca, vluvadc Manoel francisco de
Murca, soldado do 2. batalbao de arlllharia a
p, anu de que seja contemplada na dislrl-
buico dos dinhelros destinados as viuvas eor-
phios dos que pereceram coinbalcndo a prol
da legalidade nesta provincia.
Dito.Ao Inspector da pagadona militar, ap-
provando a arremaucao dos 40 eavallos per-
tencente companhia fixa de cavallarla pelos
precos constantes do seu offleio desla data.
Dito.Ao engenheiro Mllet, para que va ve-
rificar se estao Celtas de accordo com o respec-
tivo contrato as obras do aeshamento do sexto
Unco da estrada do Po-d'Alho, bem como
examinaras madeirasque e deilinain aos con-
cert* das pontes do Afogado e Magdalena, e
ni irear os meamos concertos.-Intcirou-e o
administrador das obras publica.
Dito.Ao delegado de Goianna, ordenando
Caca remover para o amigo quarlel o destaca-
mento que se acha na casa da cmara da refe-
rida cldade.-ScIcntificou-se ojul/. de dlreito
da mencionada comarca.
1IIKM DO DIA 5.
OrRcio.Ao commandante da praca, com-
municando haver o Exm. prcaldente do Para
mandado addlrein 17 de outubro ultimo ao 4.'
batalhao de cajadores o capitao do 3 de arll-
lharia Joo Francisco (Jlele,por estar tinalisa-
da asjkenfa com que elle fra referida pro-
vinoW
Dito.Ao mesmo, transmitlindo para ter o
conveniente destino a C de ollicio do lente
do 8 batalhao de catadores Verldiano de Sou-
za l'roxado Jnior.
Dito. Ao mesmo, communicando ter o Exm.
presidente da provincia do l'ar, vista de
parecera junta de saidc, concedido 3 me/es
de licenca de favor, contada do dia 2 de outu-
bro ultimo, ao capelln do 3 batalh">o de ar-
lllharia a pe-, Manoel da Fonseca Pernal, ipie
se acha all.
Dito.Ao Inspector do arsenal de inarlnha,
para que mande indeiunisar a pagadorla mili-
tar da quantia de 10,800 rs. em que Importa-
ra m as despezas com o curativo de de iiripe-
riaes marlnhelroa que estiverain recolhidos ao
hospllal regimentando -'." batalhao de arlilha-
ria a-pi! em o mei de Ccvereiro ultimo.
Dilo.--Ao agente da companhia dos paque-
tes de vapor, recomiiiendaiiilo a expedco de
suas ordens para que o enmmandame da bar-
ca Imperador ponha disposicao do do briguc
Cannpo os recrutas de marinha Joaquim Uap-
lista, Manoel Lucas Ferreira c Cantillo Pereira,
que condnzio a Seu burdo da provincia da Pa- maniendo todas as InjUtUiCOes qun garill-
rabiba.--Sclentillcou-se ocominandaiiicdo brl-j |Cni os direitos dos cidaililns, l'a/cn lo roi-
gue Ctinopo. [Ilar n imperio a ordem e a paz, assogu-
Dilo.Ao commandanlo do brigue-cscuna, | ran(]0 0 (rumph() dos pincipios de llber-
inantendn cus! de
lepemlen-
sibili lado
o nort.r.Nriiir seudo ollicl.u-sc ao c'om- do 8"ti lerrilorio.
mandante da referida corveta. Ilaylienses I O corpo legislativo sera
DEM 1)0 DIAtO. convocado para revero fado constitucional
Onicio.-Ao cominandaute.uperior daguar- "' 'e po-lo om harmona com a nova ur-
da nacional de Olinda e Igurass, par que dem de cousas ; eti observare, s suasroso-
uiaude dispensar do servico activo o guarda do luciles, o farei quo sejam observadas ; os-
l. batalhao de Olinda Seleriano de Souza Leal 'sini o juro em presenta de Dos e dos lio-
raens.
Ilaylienses Seja mareada pela mais
completa fusSo dos coraces a nova era que
se abro agora. Faca ella calar tolas as
paixOe, se algumas ainda oxistom -enlre
nos ; o reconcialiados ajiintcuios todos as
iiios sobro o aliar da patria.
Viva a liberdado o a igualdnde !
a Viva a unia.j o a concordia .'
a Viva a independencia i
Viva o imperio do llayli, um e indivi-
sivel !
11 Djdonopaliicioimpen.il om Porlo-do-
Principe nos 2ftdc agosto do 1849, quadra-
gesiino-s.txlo da independencia, e pritnciro
do tiosso reinado.
a Soulouque.
A cmara dos representantes e o sena-
do, couformando-.se com o voto do povo e
do exereilo, decreta o seguinto:
Art. 1. O Ululo e dignidade de imaera-
dor san conferidos ao presidente do llayli,
Faustino Soulouque, como um signal de
aratidllo tolos eminentes servicos quo este
Ilustre cidadao tem feito ao paiz.
Art. 9." As leis o insrituicoes adunes
permanocerlo em vigor at que o corpo le-
gislativo seja convocado para rev-las, afim
de torna-las conformes ao novo estado de
Colisas.
Dado na enmara dos representantes aos
26 do agosto de 184, quadragesimo-s-xlo
da independencia
(Assignados, o presidente, os secreta-
rios, e 2!) membros.)
h PROCLAMAQ\ DODF.CRF.TO CIMA.
* O presidente do llayli declara queso
stibmette ao desojo da nsQilo.'a qual por
via da croara e do sana lo Uto confero 0 ll
lulo de imperador. Elle ordena conseguin-
lemeiiie quo o presento decrelo do corpo
legislativo seja promulgado e executado em
todo o territorio do imperio.
a Dado no palacio imperial om Porto-do-
Principe aos 26 de agosto de 1849, quadra-
gesimo-scxlo da independencia.
Soulouque.
PROCUMACAO' DO NOVO IMPERADOR.
Linni>ADE"louAi.nAnR.
t I ni .e rio do Hay ti.
Ilaylienses, acamara dos representan-
tes o o senado, orgHos liis da naQ.lo, 000-
ei iram- me por um voto espontaneo o Ulu-
lo de imperador. Escravo do paiz quo me
confloii os seus destinos, e prompto para
f.zer todos os sacrificios quo forem neces-
sarios pira sua gloria c folicidade, he do
meu dever accilar sm hesiUcfio, posto que
com o mais profundo sentimenlo de dedi-
CgBo, a nova carga que me he imposta.
Cheio de con(lan que cm duas uccasiOes solemnes tem mos-
trado para commigo asna benigna solicilu-
do.eiitri'lenlioa foltr. esperance de poder cor-
responder dignamente n vossa cxpeclac.lo,
Dito.Ao commandanlo do brigue-cicuna, lron(j0 0 (rjumpho dos p'incipios
Campo, declarandoqua _deve mandar passar d| .,,,,, 0 maniendo A
para a corveta U.-Januarm o segundo Icncmc ..-n.:.,, nssiveis a ln !
Carinada Ajitonlo Jos da Sil-a, afim de e-, l'd^ V98Cr'.'',., ,. Ti,,!,
guir a seu destino quando l.ouver vapor para Cl do paiz e a inlognilade e ll.divi
por estar servindu o lugar de inspector de
quarleirao.Scientilicou-se o chefe de polica.
llilu.-Ao inspector da ihesouraria de faxen-
da, iransiuiliindii o aviso de urna leltra de
1:000,000 rs., sacada subre a mesma thesoura-
ria pela do RioOrande-do-Norte a favor de
Joaquim Ignacio Pereira.Communlcou-se ao
presidente da sobredi! provincia.
Dito.M Inspector da pagadpria militar,
ordenando que remella pagadoria do Par a
guia do alCeres do 4." batalhao de cncadores
Francisco llodrlgues Ramos, por asslm o ha-
ver requisilado o lixin. presidente da referida
provincia.
Portarla -Nomeando interinamente a Joao
do Santo Purlo para o ollicio de escriro de
orphaos deste termo.por haver fallecido o ser-
ventuario vitalicio Francisco Joaquim Pereira
de Carvalho."Inteirou-sc o juit^ urplios.
EXT!OH.
O IMPERADOR DO IIAVTI.
0 Timas de 4 de outubro publica o seguin-
te artigo da Feuile du Commercc, gazela de
Piirto-ilp-Piincipe. corca da nomoaqo do
prosidenle Soulouquo para o titulo o digni-
dade de imperador:
Desde 23 do agosto que circulava n*
capital urna reprssentacao aos membros da
cmara dos representantes o ao senado, po-
dindo em uome do povo o titulo e digulda-'
de de impera le para o presidente Jo llayli.
Esta repr.'senlacao,ooboila do assignaturas,
foi remellida a cmara dos representantes
na larde do dia 24, e a 25 duas declararles
no mesmt) sentido,assignadas pelos olliciaes
generaos, coronis e olliciaes subalternos,
que se acbavam na capital, fram tambom
remettidas ao corpo legislativo pelo general
Vil Lubin, commandanlo da praea. No
mesmo dia a cmara, uVpois de ter tomado
cm consideradlo e.sUs peligG 's.adoptou 11111
pi ojelo do decreto, conferindo o titulo o a
dignidade do imperador ao presidente do
llayli, e no dia iuimodiale logo pela ma-
l lu a o senado approvou este decreto.
Feito ssj, o mesmo sena/lo iirigio-se
immeJiatxmeiile ao palacio, oaile jA se
acbavam reunidos os representantes e todos
os funecionarios pblicos, qur civis. quer
militares. O imperador e 8 imperatriz nflo
Urdaram em apparocer, e o presidente do
senado collocou enlilo a cor* imperial so-
bra a cabera do chefe do estado, e urna
I cruz de ouro 110 peilo de sua cazaca. O
| mesmo presidente Uiiqou depois ao pesco-
Ico da imporutni urna corrente de grande
(valor, o iinmediitameole grilos de : viva o
imperador .' relumbaram na sala,
i (is funecionarios pblicos acompanha-
ram depois suas inagestudes igreja paro-
Ichial onde um Te-Deum foi imraedialainen-
le cantado.
MANIFEST DO PAPA
PI TAPA IX
A seu$ mu amadoi vasialloi.
Apenas os valenlos exercilos das po-
tencias catholicas, as quaes com verdadeira
delicacJ filial hilo concorrido para o res-
Ubelecimenlo de nossa liberdado o do nos-
sa Independencia no governo temporal dos
dominios da santa s, voslivraram, amados
vassajlos, dossa tyrannia que vos opprimia
de mil modos. n3o smenlo dirigimos hym-
nos do reconliecimonto ao senhor, sonS
tambom nos apressuramos ao mesmo lempo
a enviar A Rom urna commissilo do gover-
no composla de tres prolados consideraveis,
os quaes fram encarregados do tomar 011-
tra vex em nosso nome as redeas do gover-
no civil; e du adoptarem, com o socorro de
um ministerio.as medidasquo as circums-
lancias reclamassem no interesso da or-
dem, da seguraiiQa e da tranquillidade pu-
blica.
Temo-nosoceupadodepois disso, ama-
dos vassallos, nilo smente de estabeleccr
as bases do instituyos capazes de assegu-
rar-vos as lber.ludes convenientes, seu3o
tambem de assegurar ao mesmo lompo a
nossa independencia, a qual lomos a obii-
gacfio de conservar inlacla, a faco do uni-
verso. O lim desta medida he n3o sment*
Siilisfazer as pessoas do bom, as quaes Unto
teom merecido nossa especial benevolencia
e estima, senilo tambom desengaar os des
gracados desvairado que aproveilaram-se
de nossas concessflos par dostruir a ordem
social.
Por tanto, para mostrar a todos que n3o
temos a p ilo son8o a vossa verdadeira e so-
lida- prosperidade, de nosso motu pro-
Iprio, scienea certa e plonitude de nossa au-
lloridade, temos resolvido decretar o se-
1 guma:
Art. 1. Fica instituido em Roma um
concelho de estado, o qual dar a sua opl-
niflo sobro os projeelos de lei, antes que
sejam sunmeltidos sincco soberana, t)
referi lo concelho examinara tambem todas
as questes importantes em cada ramo
da administrac3o publica, sobre as quaes
for consultado por nos ou por nossos mi-
nistros.
U na lei especial determinar o numero e
ps quididades dos eoneelheiros, seus Jevc-
r.-s, suas prorogativss a regra das discus-
soes o tu lo o que fr de concernenle ao
cumprimento regular de tao impo'tanto
concessSo.
Arl. 2.0 lima consulta do eslado fica
tambem instituid* para as finanzas.
Ella sera ouvidn sobre o orcamenlo do es-
tallo, examinar as des ezas, dar* oseu pi-
recer sobre oeslabeleeimento de novos im-
postse sobre a redcelo dos existentes,
sobre o melhor modo de reparlicio que se
devera seguir, sbreos rreios maiseflic87.es
de fazer florecer de novo o cemmercio, o
em gernl sobre ludo o que for relativo aos
inleressesdo thesouro publico.
Os membros da consulta ser.lo nomeados
por nos sobra listas quo nos ser3o apreson-
Udas pelus connelhos. provinciaes. Sen
numero ser proporcionado aods provin-
cias ; mus poder sur augmenta lo por urna
aildiciii) determinada do pessoas, as quaes
reservamos para nsodireilo d nrimear.
lima lei especial determinar o modo
de apresenUcSo dos membros da consulta,
as qiialiilades que devem ter, a maneira pe-
la qual deverao ser tratados os uenocios de
linanca, o tudo o que poder eonlnbuir com
ellleacia e promptld.lo para 11 reorganisa.;;ui
dste ramo tao importante da administra-
c:lo publica.
Art. 3." Fica confirmada a lnlltUC3o
dos eniicelhod provinciaes. O* respectivos
eoneelheiros sorao esfolhidos por nos sol o
lialasj aprosentadas pelos conrelhos muni-
cipaes.
Elles discntir.lo os ntoresios locaes
d.1 provincia, as despezas a fazer ao seu car-
go e co n o seu concurso o as contal dn re
coilas c desoezas da adminislracao inl4jjp>
rior. Esla adminltrteHo ser exercida por
nina commissio administrativa, .1 qual
se-- cscolbid.i por cid* concelho provin-
cial debalxo do sua rosponsabiliili le.
Alguns dos memUro'S do concelho pro-
vincial seriloescolni los para fi/or parlo do
concelho dn capital da provincia afim do
ajiida-lo as funecoes que ncumbem s mu-
nicipalidades.
Urna lei especial determinara o modo
0 apresenlaQo, as qualulades requeridas
e o numero dos eoneelheiros para cada pro-
vincia, os devores e as relacfles q,le devero
existir enlre as administraecs provinciaes
e os grandes interesses do slalo, assim
como os limites al onde so devora estendor
a luidla superior (lestes ltimos.
Art. V." As represeiitac,es e as admi-
nistraecs municipaes gozanlo das fran-
quezas asmis extensas noque fr relati-
vo aos interesses locaes dos respectivos mu-
nicipios.
a A eleQ3o dos eoneelheiros munieipaes
ter por base um numero grande de elei-
tores, alten Innlo-so principalmente pro-
priedade. Oselegiveis, aln das habilila-
ces necessarias, deverao pagar urna sotu-
rna do tributos, a qual sota determinada
por lei.
* Os cliefes dos municipios sor.lo nomea-
dos por nl e sous adjuntos se-lo-hSo pe-
los governadnres de provincia sobre urna
lista trplice, a; resentada pelo concelho mu-
nicipal.
Urna lei especial determinar as qua-
lulades o o numero dos eoneelheiros muni-
eipaes, o modo do elcicKo, o numero dos
membros da administrarlo municipal, e re-
gular tambem a marcha da adminislra-
cao, coordenando-a com os interesses da
provincia.
a Art. 5." As rofrmas e melhoramenlos
so eatenderflo tambom ordem judiciaria,
assim como lepislac.lo civil, criminal o
administrativa. I! na coinmiss3o ser no-
meada para oceupar-so deste. importante
o ojela.
Art. 6 Finalmente, levados sempro pe-
la inclinacHo do nosso corarlo patornal .1
indulgencia e ao pordiiu, queremos ainda
esta vez praticar um acto da clemencia pa-
ra com os homens desvairados que fram
arrastrados a rcbell3o o ao crime pelas se-
ducc.'s o pela incerteza e, talvoz tambem
pela inercia de outros. Davemos ter pre-
sento nesta ciicumstancia ao nosso espirito
0 quo reclaman) a justiga, o fundamento
dos estados, osdireitos alhoos opprunidos
ou lesaJos, o dever que nos incumbo de
protegor-vos contra a repetitjao dos males
que vos teem opprimMo, a obrig;ao de sub-
trahr-vos As induoncias perniciosas dos
corruptores do toda a moral e dos inimigos
da rchgiao catholica.esta Cunte eterna de
todo o bem, do toda a prosperidade social,
que foi a vossa gloria, que vos distingua
como urna familia escolhida do Daos, e fa-
vorecida de seus doas particulares.
Sendo estes os senlimentos que nos ant-
mam, queromos quo se publique em nosso
nome urna amnisia para as penas em quo
team incomdoto los aquellesque, nos limi-
tes quo serio determinados, uBo se acha-
ren excluidos deste bonellcio,
Taes silo as dispusieres quo para vosso
bem julgamos dovor publicar diauto de
Dos. Ao mesmo lempo que s3o colnpati-
veis com os deveres de nossas funecoes
[apostlica*,temosa linne conviccalo deque,
sondo fielmente execuladas, pdern prodtt-
zir o feliz resultado quo os homens illus-
' irados o honestos desojam. Tenlio por ga>


'! I'. III '"P
raido disao o sentimento de na um de
VOS, Pujo cmelo suspira pela I !i i lail
t'in prnporcfin das provu pelas quaos liavi
pasaado; mas tonreludo eonnmos ro
ticas, 11 qual ain 'a no meo do lima jusla
C'iu'r.i nunca esqueca sua msericcr la.
u lindo oni aples, aos 12 de setem-
bro ile 18*9, o i|iarlo do nosso pontili-
fi'l'i.
a Vio papa IX.
Nolificnrao da commisiSo do govtrno.
a Su sarilidade, nosso senhor, o papa,
lendo atteneno s circunstancias que altc-
nuam em um cerlo numero de seus amados
vassados a culpabilidade de sua particpa-
lo nos iliaturbios polticos que recenta-
nienteallligiram o estado pontificio, dese-
jando mostrar cada vez mal a benignidade
verdaderamente paternal de seu confio, e
Ufando de seu pleno pudor em favor dos
homeni dearairados, antes seduzidos que
seiluctorcs, orenou-nos que fizessemos co-
nliecer.em seu augusto nomo, o que elle se
dignou decretar em consequencia do arl. 0
de seu mvlu-proprio solierano de 12 do eor-
rentc mez.
Conformando-nos, perianto, com a vene-
ravol orden de S. S., apressuramo-nos a
puhlicnr as dspnsicos seguintes, segundo
os termos da idea soberana que nos fui ex-
prossads:
A'quelles que tomaram parto na ultima
revolucAu dos estados pontificios he con-
cedido por beneficio soberano o perdlo da
pena que Ibes seria imposta pelos delictos
polticos por ellas commottidos.
Sao excluidos desla graca :
Os membros do gov rno provisorio.
Os membros da assembla constituidle
que tomaiam porte as deliberacts da
mosma assembla.
Os membros do triunvirato e do gover-
no da repblica.
Os chefes dos corpos militares.
Todos aquellos que, teudo ja urna en-
tra vez gozado do beneficio da amnista con-
cedida por sua sanlidade, l'altaiam sua
palnvra de honra, lomando parte nos lti-
mos disturbios polticos.
Finalmente aquelles que, alen) dos de-
lirios polticos, se liverem tornado culpa-
dos de delictos particulares, provistos pelas
leis em vigor.
A presente amnista nao implica a manu-
tenerlo nos empivgos dogoverno, nem nos
prnvinriaes ou munidpnes, daquelles indi-
viduos que por sua con lucia durante os l-
timos acontecimctitos se tenham tornado
indignos delles. A mesina reserva heap-
i licavel aos militares e aos empregados de
todas as armas.
Km imssu resitencia do Qurinal, aos
18 do setembro de 1849.
Cardeal Pella Ginga Sermaitei, cardeal
Yannicelli Casoni, cardeal Allieri.
INTERIOR.
RIO-DE-JAWEIKO.
AO PUIILICO.
O dia l. de Janeiro he o designado para a
rumian da assembla gcral legislativa ; a
11 dfl dczeinhro prximo devein comeQar as
sessoes preparatoi ias da nova ranura da do
]iuta.los. II' lempo, porlanto, dcanuun-
riarmos ao publico como pretendemos sa-
tisfnzcr s ohrgacOes que d'ahi sederivam
para um jornal da natureza do Correio Mer-
cantil. Lis o nosso progrmala:
liaremos regularmente eai rada numero
nni extracto preciso das sessiies de ambas
as cmaras, lisso extract conteii a inte-
gia dos projectos que forem submeltidos a
discussffo, e ii.ni sejam ainda condecidos,
as emendas que Ibes frem ofTorecidas, to-
do o expediente, declaradlo dos oradores
que lomaran) parto na discussio, e em (ni
os incidentes que celia occorrerem, e forem
dignos ile ineneflo.
Publicaiensos todos os dias um resumo
dos discursos mais importantes que se pro-
feirem naquella das duas cmaras onde os
debales prometieren) mais interesse. Alm
dsso, com a assiduidaile que osassumplos
de (|ue se oceuparem ns cmaras exigiicm
emitliremosemartigo de fundo o uosso jal
yo critico sobre qs trabalhos legislativos:
esse artigo lera tambem por lim ampliar a
noticia que dermos nos extractos das ses-
soes.
Finalmente, para que nossos leilores se-
jam npportuna e plenamente informados
dus ilebntes, transcicvcremos daquella das
lolhas diarias que contratar a puhlicncao
dos trabalhos legislativos, todos os discur-
sos, taes quaes nella frem publicados. S
os contemporneos que se acbnm em rea-
nles com o ministerio, \ dCRl empreliender
um tal contrato.
Por este modo pensamos preenchcr.quan-
to nos he possivel na aclualidade, os deve-
les em que oslamos para com o publico.
NSo pnuparemos csforQOS nem sacrificios
para cumprr a promessa que (azoicos, e | a-
la isso contamos com o gem-n^o auxilio de
nossos amigos, e com a benevolencia do
publico, que deve ja ler reconhecido que a
existencia do Correio Mercantil nao lio s
prove tusa a o pini,lo poltica que elle favo-
nea, mas lio tambem de interesse geral. cu-
ino mais um oigan de publicidade, e, mes-
mo o podemos dizor, como mais una garan-
ta deoideiu.
A repugnancia que a piincipoencoutrou
o Correio Mercantil, por ler manifestado com
franqueza as opimes oliiic is que proiessa,
em honra da i-ivilisicao ilu paizcumpre-nos
declarar que vai gradualmente cessando.
[Correio Mercantil )
BB1HBBSaHS-S-faSBHBB-HHHBBS"
PE NAMBUCO
CAMAItA MUNICIPAL DO RECIFE.
2-* SESSA onniN*niA EM 7 1>E NOVKMBRO
DE 1849.
Priildeneia do Sr. Oliveira.
Presentes os Srs. barros, Carnero Mon-
leiro, Mamede, Dr. Iloraes, Piros Frrrcira
Vianna, faltando com causa participada
o niaisSrs. abrio-se n.sesso, [e fui lida
e approvada a acia da antecedente.
A cmara assignou a acta da apuraefo
gernl dos vutos pura doputados geraes, o
mandouextrahir delta as copias authonl-
cas recommendadas pelo artigo 88 da le
do 19 do agosto de 1846.
lieu-se principio apuraco geral dos
tolos para depuludus piovinciaes, e apenas
sepoderam apurar as authenticas do Itec-
********** nweaixjawi
le, Olind.i e Iguaiass, o levanlou-se a
scssfto.
Fu. Manuel Ferreira Aecioli, a escrevi, no
impedimento do secrolario. Zarras, pro-
presidentc. Cmneiro Monleiro. Moraes.
Oliveira. Jlarala. Mamede.
ELECTORES li.V FBEGUEZIA 1>F. S.-F
PEDRO-f.ONSALVF.S.
OS SRS.
Jos Joaquim de Oliveira
Francisco Ferreira Uarreto
l.uiz Antonio Viera
Antonio Jos de Castro
Caudino Agostinho de Barros
Vicente Cardozo Ayres
Manoel Francisco Marques
Manoel l.uiz da Veiga
Jnlo Nepomuceno Barrozo
Manoel Consalves da Silva
llodrigo Theodoro de Freitas
Thom Fernandos Madeira de Caslro
Francisco Mamede de AI.Tieida
Antonio Ignacio da Silva
Sl'PPLE.NTES.
os SRS.
Jos Itibeiro de linio
Jofio Marques Correin
Antonio delinques Mafra
Jos llodrigues Pereira
Jlo Francisco Teixera
Joaquim Alves da Silva
Antonio Comes l.eal
Jos Francisco Marinho
lidiacio Francisco dos Santos
Francisco Jos Tavares da Cama
Francisco Jos Silvera
Jogil Ca'dozo a vi os
Francisco Mamede de Almeida Jnior
Jos (.uno- l 1
Jos Paulo 'la Fonseca
UEI-
VOTOS
147
1*3
1*0
137
132
130
118
118
99
87
79
76
76
71
VOTOS.
70
68
64
63
58
*8
28
19
18
18
17
1*
9
8
8
I)I.I.IIJ HE FIINini'Ctf.
BEC1FE, 13 DE HOTENBBO SI 1849.
O vapor Bahiana, que acaba de chegar
dos porlosdo norte, trouxe-nos jornaes do
Para al 27 de outubro ultimo, de Maranhfio
at 1 do rorrente, do Ccar al 7, e da Pa-
rahiba al 12.
Todas estas provincias tinham ficado em
paz.
Os jornaes maranhenses e ccarenses n ida
contm de interesse, ao menos para os nos-
sos leilores.
Segundo o Trese tu Maio, eis o resultado
da VOtacffO de lodos os collegios do Para
para doputados a assembla geral legislati-
va,exclusive smente dous com 31 eleitores:
os sns. votos.
Dr. Lourenco Paes de Souza 226
Inspector j B. de F. Tenreiro Aranha 20*
Dr. Bernardo de Souza Franco 193
Dr. Jos Joaquim Pimenta do M. 193
Dr. Ambrozio l.eil.lo da Cunha II*
Conego Caspar do Siqucira e Queirs 76
Nabuco 61
A ser exacto quanln refero a Ordem da Pa-
rahiba, a municipaldado da capital dessa
provincia encelara tilo irregular e capri-
chosamente a apuraco dos volos para do-
putados geraes,que acabaa por conferir'di-
ploinas a individuos nao esrolhidus pelos
l'arnhibanos para representa-!os na cmara
quatrieuoal, se a adminislracno provincial
se iian apiessasse em sahrdhe ao encont'o,
providenciando para quo ella arripiasse
carreira.
VvlllEDADiJS.
NOVO IIETHODO PABa FABRICAR
VEBNIZ.
Quando se dissolvo ou so mistura os leos
fixos no clher ou alcool absoluto e que se
faz arder em urna capsula, conservando a
combusliin pela applicacao de um levo ca-
lor, obtem-se, quando seoperou conveni-
ente, urna massa inteiramente inrolor seso
empregou leos puros. Os leos de cravos
c de nozes, tratados por este modo, derain
ao Sr. Joas, que descob.'io esle processo,
um excellenle verniz para a pintura.
FXTRACCAO DE ASSUCAB.
Falla-se milito do urna desroberta que
inlcressa cm alto ponto a industria do as-
sucar nos dous mundos. Esta descoberta
fol atlrihuida ao chimicoo Sr. Domas, e sua
consequenciii, reconhecida nfallivel, he
iiermitlir oblcr-se caldo de canna, ou de
bclarrabs, dez por cenlo mais do que pelos
ineos al agora usados. O Sr. Humas de-
clarou que o inventor desla descoberta he
um Belga, o Sr Melsens, e que ludo quanto
sediziados resultados de suas numerosas
experiencias era exacto.
O Sr. Melsens dingio-se assembla na-
cional de Pars; a commiss.'io de agricul-
tura disse que feria com que livesse urna re-
compensa, siM> a cniilioo de declarar o seu
segredo e dar a descrpfiio e os mcios do o
realisar.
Os processos de applicncioso com rflei-
tn ISo simplices, que qualqucr pessoa pode
pn-los em pratica no interior da casa mais
pobre.
Se o Sr. Melsens consentir em vender o
seu segre lo pelo que I lio oflerccer o gover-
nii fiance/, em breve conhecercmos o seu
processo.
( Do Correio Mercantil)
c
AI.FANDF.CA.
Bcndimenlo do dia 13.....5:966,252
IMPORTACAO.
(Vlate, barca franeeza, vinda do Havre,
entrada nesle mez, consignada a B. I.nsser-
re & Cnmpnnbia, manifesiou o seguintn :
1 caixa papet pintado ; a M. N. da Coala
Monleiro.
80 barris e *0 meios ditos manteiga ; a J
J. Monleiro.
20caixasal) * volumes modas ; a Bruguiere.
1 caixa brinquedos ; a Elias Baplista da
Silva.
1 caixa obras de selleiro ; aSoum.
5 caixas manteiga cm garrafas, 6 ciixas
sardinhas ; a Boulier.
1 caixa objectos de chapeleiro, 1 dita
miudezas ; a C. Kruger.
1 caixa I i/ondas de algodilo, 1 dila es-
pedios, 1 dila fazendas de soJa, 1 dita ra-
me, 1 dita fitas ; a Crocco & Companbia.
^______________L.
1 caix.iagoa da Colonia. 1 dita perfuma-
ras, 1 dita peritos dochifro, 5 ditas miu-
dezas, 6 ditas chapeos, 1 dita chapeos de ol
dnalgodio, 1 dilacarneiras. I dila com ca-
\ns de tabaco o oceulo*. dilas chapeos de
sol e fazendas de algodfo, 2 dilas perfuma-
ras o obras do papelilo, 1 barril loucinho,
i hcelas ameixas e maclas seccas, 1 caixa
suspensorios de algod.lo, 1 fardo fazendas
do algodilo, 1 dito azendas ; ordem.
2 caixas modas ; a Milochau.
1 caixa vitriolo; a Caumont.
100 barris e 50 meios ditos manteiga: a
C. I. Asi ley.
50 barris e 50 meios ditos manteiga ; a
Cals Freros.
1 caixa mobilia, 1 dita espedios, 1 dita
com um globo o um relogo, 1 dita perfu-
maras, vestidos e cobertas, 1 dita trastes e
(onceas de folha, 1 dita modas e chapeos
de senhora ; a madama Quintn.
1 volume chapos de sol de seda, 1 dilo
chapeos, 2 caixas carneiras, 8 dilas fazen
las de algodao, 25 dilas sardinhas e em-
itas, 5 barris ego'ardenle, 2 caixas fazen-
das de seda, 1 dita miudezas, 1 dila miu-
dezas e fazendas de 15a eseda; a J. Keller
& Compendia.
1 caixa perfumaras, I dita modas, 1 dita
chapeos, bonetes e modas, 1 dita modas e
objectos de sirgueiro, 3 ditas miudezas, *
'lilas pellos, 1 dila objectos de marceneiro,
I dita penlesdechifre, ditas calcados, 3
dilas chapos, 1 dita objectos de carroce-
ro, 2 ditas fazendas de algodilo, 1 dita fa-
zendas de sola e modas, 2 litas objectos do
selleiro, 2 dilas louca, I dita fazendas de
1.1a ; a Avrial Fires.
2 caixas papel pintado; a Manoel Joaquim
llamos e Silva
20 caixas fazendas de algodfo, I dila
suspensorios de seda ede algodo, 1 dila
1 /nulas de seda ; a Kalkmann freos.
I barril cadinhos, 2 caixas depsitos para
agoa, 1 dita quadros para relogios, 1 dita
rologios, caixas de msica e occulos, 1 dita
cylindrose relogios deso, I dila objectos
d relojoeiro e miudezas, 1 dita phospho-
ros e 1 frasco d'agoa forte, 1 dita obras de
vidro, 2 quartolas vinho ; a C. Garuier &
Companlua.
2 liabns chapeos de sol de algodilo; a
Loubet.
* caixas vidros ; a Bolli.
1 caixa fazendas de seda. 1 fardo ftxeodas
de algo Jilo; a E. Bolli. 4>
6 caixas (azoadas de algodilo; a Scha-
phoinlin & Tobler.
120 barris o cu meios ditos manteiga, 100
barricas farinlin de trigo. 17 fardos cabos,
2 ditos fio de vela, Cbariis almagro, di-
tos ocre, 100 barris chumbo de mullican, 2
caixas chapos, 14 fardos esloopa, lO'O ca-
Xas queijos, 50 caixas com 50 queijos, 100
dilas velas, 5 rolos de chumbo em lencol,
'to gigus batatas, 6*8 garrafes, 1 caixa li-
vros em branco e papel, 6 caixas appare-
Ihos para distilar, I barril manteiga em
frascos ; a B, l.asscrro & Companliia.
* caixas louca, 1 dila vidros, 1 dila relo-
gios, 1 dila Mvros, 6 caixas Irastes, 1 dila
milpa, 1 dita quadros, 3 dilas vinho, 1 dita
objectos de coziuha, 1 di'a piano, 1 dita
espedios, 1 dita obras de metal, 1 dila ob-
jectos de selleiro ; a Sontos.
8 caixas chapos, 2 dilas bonetes, 1 dita
flores e chapos de senhora, 1 dita chapos
de sol o chicotes, 1 dita fazendas de seda,
1 barril verdete, 1 caixa miudezas, 5 ditas
vidros, 1 dita papel, 3 ditas objectos de sel-
leiro e calcados, 1 dita carteiras, caslicaos,
ele. 1 dila estribos e caslcaes, 3 ditas dro-
g s, 7 ditas calcados, pelles e objectos para
calcado, 1 dita perfumaras, 1 dila espedios,
ln v.-.s, vidros, etc., 3 ditas couros de lustro,
15 ditas fazendas de algodilo, ditas cha-
pos de sol de algodilo, 1 dita pelles, 1 dila
suspensorios, 3 ditas fazendas para cha-
peo'', 2 ditas chapos de sol, 1 dita bonetes
e (lores, 1 dita fazendas de seda e luvas, 1
dita bijoutei ias, 1 dita amostras de cha-
peos, 1 dita modas, I dita merinos, 1 dita
colleles, dilas chapos de palha, 1 dita bi-
jouleiias de ouro, 1 dila agoa de Colonia,
2 dilas fazendas de lila ; a D.dier Colombio/
& Compendia.
I'elocil'ero, polaca sarda, vinda de Phla-
delphia, un Irada nesle mez.con-ignada a l.e
Ilicin iScbarramiu S C, mamfestou o se-
guinte :
1600 barricas farinha de trigo ; aos con-
signatarios.
CONSULADO GEIIAL.
Bcndimenlo do dia 13..... 246,32*
CONSULADO PROVINCIAL.
quipagem II, cirga fazendas; a l.uiz
I Brugoire.
aMacelo 8 das, barca ingle/a Ilrotkeri, de
447 toneladas, capililo John Dron, equi-
nagem 17, carga assucar e algodilo;
Deane Youle & Companhia
Navios sahidot ntmetmo dia.
Porlos do norte Vapor brasileiro Impera-
triz, commandanto o primeiro lenle
Joaquim Salom Ramos de Azovedo. A-
lm dos passageiros que trouxe dos por
los do sul leva a seu bordo: pan a Parahi-
ba, lir. Ilenry Kianse.Antoni Vicente Ma-
galhlcse l lidio, Jacinlho Jos de Medei-
ros Gorreia, Joaquim da Silva Coelho, Ma-
noel Marques Camacho: para Mtranho,
Francis Augusto Mango, Frederico Smith.
Rio-de-Janeiro -- Patacho americano Juioa,
capitlo A. G. Iloyc-\ carga lastro de
areia.
ED1TAE?.
Peranle a cmara municipal desla cidade
se ha de arrematar hoje, 1* do crreme, o
caifa ment dos pateos do Carino e San-Pe-
dro com um aqueducto subterrneo, e os
conceitosda ponte da ra da Aurora. Os
respectivos ornamentos se scham patentes
na casa das sessoes da misma cmara para
os inicressados que os quizerem consultar.
Paco da cmara municipal do Itecife, 1*
de novembro de 1849. ; Franciico Antonio
de Oliveira, presidente. Manoel Ferreira
Acciolc, secretario interino.
-- Pela inspectora da alfandega se man-
da fazer publico que se pretende comprar
3000 libras de zinco em follias para a cuber-
a do lerceiro laiicoda ponteda mesma al-
fandega: as pessoas que as quizerem ven-
dor, dirijam-se a dila repartico durante as
horas do expediente.
Alfandega de Pernambuco, 13 de novem-
' Ion de 18*9. O inspector, l.uiz Antoniodt
Sampaio I xannti.
lieclara^es.
Itendimento do dia 13. .
260,296
Movimenio do orlo.
Naviot entrados no dia 13.
Para e mais porlos 15 dias, vapor brasi-
leiro Haitiana, de 2*0 toneladas, com-
mandanto o primeiro lenlo Jos Se-
cundinoCromonsor, equipagem 27. Pas-
sageiros : para esta provincia, o Dr. Joilo
Jos InnoccncioPoggi com sin senhora,
1 criado e 3 cscravos, o Dr. Francisco Do-
mingos da Silva, com sua sendera, 3 li-
Itios e 6 esrr.vos ; para o sul, Francisco
Carlos Marisnno Jnior, 8 recrulas para o
exercilo e i escravos a entregar.
lilla de Fernando 2 das, corveta brasilei-
ra Kulerpt, commandante o capil.lo-te-
iiente Ji.ai. Custodio d'Hondein.
llda de Fernando por Paradina 66 doras,
Iransporle brasileiro Virapama, capitn
Gamillo Leus da Fonseca.
Havre 34 dias, galera franeeza Minerva,
da 305 toneladas, c pililo E. Derruty, e-
quipagem 13, carga fazendas cmais g-
neros ; a B. Lasserie & Companbia.
liauiluii go *6 dias, patacho bamburguez
Chrittiun, de 1*0 toneladns, capitlo A
G. Taggenbrock, equipagem 8, carga fer-
ro, gonrbra, fazendas e mais gneros ; a
Aslley d Companbia.
Liverpool 48 dias, barca ingleza Dyion,
do 267 toneladas, capitn John Cum-
ming, equipagem 1*. carga carvilode pe-
dra ; a Manuel Joaquim llamos Q Silva.
Badia dias, vapor brasdeiro do guerra
Urania, commandante o primeiro lente
Joilo Joaquim da Silva CuimarSes. Pas-
sageiros, 8 pracas do lialalli "id de arliIba -
ra a pe, 1 aderes, I cadete, 1 escriv.lo da
armada e I despenseiro.
Terra-No\a -25 dias, brigue inglez Zebu-
land, de 19* toneladas, capidio Ceo llart,
equipagem 13, carga 2460 barricas com
hacHlhao ; a J. Crablrec & Companbia.
Havre 33 das, briguo francez Jravo, de
170 toneladas, caplfio Claudio luge, e-
O bacharel Joaquim de Souza Iteis,
promotor publico interino dosle termo, fas
publico que reside na ra do Hospicio, jun-
to ao quarlel.
Pelo juizo dos feitos da fazenda em o
dia 15 do corrente pelas horas da tardo, se
bao do arrematar por execueo da fazenda
provincial, as seguintes oasas:
Urna casa terrea sita na roa dos Passos
com 21 palmos de frente o *u de fundos, a-
valiada em 250,000 rs ; I dita na ruados Co-
piares do bairro de San-Jos com 33 palmos
de frente, 66 de fundo, avadada em 600
mil rs.; una dita na ra do Motocolorrb,
avadada em 300,000 rs ; urna dita na ra da
Guia do bairro do Becife, avadada em um
cont de rs ; urna dita do sobrado com dous
andares, na ra do Burgos do bairro do Ite-
cife, avadada em 2:000,000 rs.
Edennda animal as seguintes:
Urna casa de sobrado de um andar ns ra
Direila, avadada em 250,000 rs.; um srma-
zem da casa de sobrado na ra do Vigario
do bairro do Recife, avadado em 72,000 rs ;
urna casa meia-agoa na ra do Uom-Gosto
no lugar da Cabanga, avada la em 12,000
res.
Tamben por execucSo da mesma fazen-
da os objectos seguintes:
Seis cadeiras com asscnlo do palhnha'
avadadas em 12,000 rs.: una banca de im-
deira de oleo com duas gavetas, avadada
em 8,000 rs.; um cannap com assento de
palha, avadado em 16,000 rs; um guarda
roupa de amacollo com duas gavetas, ava-
dado em 6,000 rs.; um par de mangas de vi-
dro lisas, avadado por 4,000 rs.; um par de
casi i caos de video, por 1,000 rs.; ulna cama
com armacSo, madeira de amarello, obra
ordinaria, avadada por 4,000 rs.
Compart, i a de Beberibe.
O caixa da companbia de Beberibe se
aclis aulorisadoa pagar o lerceiro dividen-
do. Itecife, 9 de novembro do 1X*9. O
secretario, //. J. Fernandei Barros.
- Pela subdelegada da freguezia de S.-
Antonio foi appreliendido e recnlbido a ca-
deia desla didade, o preto Antonio que diz
ser escravo de l.uiz Francisco de Mello :
quem se julgar com direilo ao mesmo com-
pareca nests subdelegacia que, avista do
com ptenlo titulo, Ihe ser entregue.
- Pela delegada do lermo de (ilinda so
faz publico que seacha recolhido cadeia
da referida cidade o prelo ('aciano, que diz
ser escravo do coronel Jos PoJro Vellozo
da Silveira.
Fecham-se as malas do va-
por llal.iana para os porlos do
sul ( boje 1* ) ao meio-dia, e
recehem-se correspondencias
com o porto duplo al a 1 hora da larde.
Avaos martimos.
Para o Porto segu, com toda a brevi-
dade possvol, o briguo porluguez Xentura-
Felis, forrado, pregado e encavilhado de co-
bre, do qual he capitn Zeferino Ventura
dos Sanios : recebe carga a frete, para o que
trala-se com o consignala'io, Joaquim Fer-
reira Mcndes Cuimarflos, na ra da Cruz,
u *9, primeiro andar, ou com o referido
car. ito, na praca do Cominercio.
Segu (ara Lisboa, com a maior bre-
vidade possivel, obligue porluguezS.-Do-
tningos, forrado, pregado e encavilhado de
robre, do qual he capitSo Manoel Cnncalves
Vianna : para carga e passageiros ( aos que
oiTerece excedentes com mudos J dirijam-se
ao consignatario, Joaquim Ferreira Mendos
Cuimarflos na ra da Cruz. n. 49, primei-
ro andar, ou so referido capililo, na praca
do Commercio.
Para o Havre she, no dia 28 do cor-
rente, a barca franeeza Zitia, capitao Le-
mellz : quem qulzer carregar, ou Ir de
passagem, dirjase aos seus consignata-
rios, J. P. Adour & C. na rus da Cadeia,
n. 52. '
-Para o Aracaty partir imprelerivel-
mentenodia 26 do c. que tiver a burdo, o hiato \oto-Olinda,
meslro Antonio Jos Vianna : quem nellc
pretender carregar ou ir de passagem, se
entender com o mesmo mestre, ou na rus
da Gadeia-Vctha, n. 17, segundo anlar.
--Para o Aracaty sali impretcrivelmen-
to al o da 30 do correte, por lor a maior
parle da carga engajada, o biate Flor-do-
Curiiripe.de primeira marcha : para carg
u passageiros trala-so na ra do Vigario, i
n. 5. I
Para Lisboa sala no din 28 do corren-
loa batea portugueza l.igcira, capitlo An-
tonio Joaquim liodi giies : para o resto da
carga e passageiros Irata-se com o mesmo
capililo, ou com V. S. IUbollo & Fildo.
O brigue Algrete \n\ie, imprcterivel-
nenle a 16 do correle, para o Rio-Grande-
lo-Sul : quem quizer ir de passagem, < u
embarcar escravo), dirija-seao capitlo, Ma-
inel Jos de Azovedo Santos, a bordo, ou
ao escriptorio de Manoel Cnncalves di Sil-
va na ra da Cadeia do Recife.
-- Para a Baha sogue, om poucos dias, o
hiato Lii/eiro : quem quizer carregar, diri-
ja-sa ra do Vigario, n. 5.
Leiloes.
O Sr. cnsul Ag. Ilelie, estando a
retirar-so em breve para a Europa, far le.
ISo, por inlorvenc&o do rorretor Oliveira,
da sua mobilia, consislindo em mesa re-
donda, bancas de jogo, dilas com abase
nutras com gavetas, cadeiras. rommoilas,
lavatorios, marquezas com colchOes e tra-
visseiros de marroquim, aparador com
guarda louca, mesa de jantar, cabidas, es-
pedios, quadros, lanternss, camas de ven-
to, mesa para escriptorio; biblioteca devi-
draca, um ptimo relogio de orno, patente,
diversas obras escoltadas de liltealura n
historia franeeza e outros objectos: quin-
ta-feira, 15 do corrente, s 10 horas da ma-
ntilla, na casa do consulado da repblica
franeeza, na ra do Trapiche-Novo, n. 10.
segundo andar.
James Crabtree&Companhia farSo le-
llo, por inlervencfio do correlor Oliveira,
do um vanado sortimento de fazendas, in-
clusive pannos linos: quarta-feira, 1* dn
corrente, as 10 horas da mandila em ponto,
no seu armazem, na ra da Cruz.
Avisos diversos.
Lotera do Guadalupe.
Desengao
NO DIA 1* HE HE/.F.MBBO PRXIMO FU-
turoandain infallivelroenbs as rodas desla .
lotera, soja qual for o numero de bilhetes,'
que fique por vender. O resto destes adia-
se nos lugares do costume, e vender-se-ha
smente aleo dia 1.do referido mez, nn
qual serffo os bilhetes que ainda restiren)
entregues s urna sociedade que tom de li-
car com olios.
DEPOSITO GEIIAL
do superior rap areia-pr*ta
da fabrica deGantois Pai-
Ihet &c Companhia, na Ba-
ha.
Domingos Alves Matheus, agente da
fabrica de rap superior areia pela
e meio grosso da Baha, tero aberto o
seu deposito na ra Cruz, no Recife-,
n. 52, primeiro andar, onde se achara
sempre deste excedente e mais acre-
ditado rap que al o presente se lera
fabricado no Brasil: vende-se em bo-
les de urna e meia libra, por prego
mais commodo do que em outra qual-
qucr parte.
*
Aluga-sc o primeiro andar do sobrado
n. 26 do Atcrro-da-Boa-Vista : a tratar na
ra Velha, n 55.
-- Aluga-so o segundo andar e sotUo dn
sobrado da ra da renda, com fundos para
a ra Direitt,ecom cummodos para duas fa-
milias, por muiio batato preco : a tratar na
loja do mesmo sobrado.
A proprictaria da casa n. 27 do Ate'rrc-
da-Hoa-Visla, previne a quem comprar a
parte da casa n. 2* do mesmo lugar, que
lera de Ihe ndemiiLsar proporcionalmenle
a metadlo da cacimba do quintal, e o ter-
reno que a elle se augmontou ; bem como
melada da parle do oilffo em que so acha
foita a cozinha do primeiro andar, perten-
ecido a casan. 26.
Os credores de Couto Vianna & Filhn
leem aulorisadoaos credores dos mesmos
Ceo Kenworihy .<; Companbia para vende-
rem a casa de sobra lo na ra do Amorim,
n 33, e melado da casa de sobrado da rus
da Cadeia-Velha do bairro do Becife, n. 27,
das quaes j tomaram possa judicial, em vir-
tude do sentenca do adjudcacio do juizo
cu opulento da seguuda vara do civel desla
cidade, aliui de ser o seu produelo raleiado
com lodos os credores: quem quizer com-
prar, pode entender-se com os supraddos
aulorisadoscroJoresCeo Kenworihy & C.
Ns ra da Cruz, no Becife, n. 5*. se
dir quem precisa de prelas todas ss lar-
des para venderem azeite de carrapato pa-
gando-se-ldes por verrdagem 320 rs a ca-
ada, sendo os senhores responsaves por
qualquer falta.
Na praca do Commercio, armazem n.
6, de Jos Mara Palmeira, existe urna car-
ta, vinda do Bio-Grande do sul, para Anto-
nio Jos Nogueira.
Aula de (nchigraphia.
O professor de tachigraphia, desojando
annuir ao pedido do alguns do seus alum-
nos e de nutras pessois, resolveu abrir em
sua casa, na ra Imperial, n 165, um cur-
so da referida arle a comecar no dia 19 do
corrente mez e a lindar no dia 12 de feve-
reiro do anuo viudoiiro. As licOes duraro
duas lloras uleis todos os dias mo foiados,
mediante a gralificacfo do 10.000 rs. por
cada alumno, paga em duas prestadles,
sendo a primeira satisfeita no aclo da ma-
tricula, que seacha abe; U desde boje at o
dia 27 do correle, o a segn l no Oro do
primeiro mez do ensino.
As horas ds aula sero das C s 8 da tar-
de. Se, poim, a maioria dos alumnos re-
clamar que esla hora soja mu Jada, nao ln-
ver nisso duvida alguma.
Desencaminhoii se urna lellra da quan-
tia de 623,000 rs., sacada no dia 1 de agos-
to deste anno a tres mezes precisos por Ju8o
Cardoso Ajres, aceita pelo Sr. Amaro do
Bego Burros, e rndossada pelo Sr. Jos Pe-
reda de Araujo : pienne-se que ningueO
faca negocio sobre ella : roga-se a quem a
tiver adiado de leva-la ra da Cadeia dorf
Recife, lojadeazendas, n. II.
--Offerecc-se um rapaz brasileiro para
ca ieiro de engonho, e que tambem euten-
de de destilador: quomdo seu preslimo se
quizer ulilis.ir, dirija-so praca d Boa-Vis-
ta, Tendan. 13 : o qual dar fiadora sua
conducta.


*
I
-- Preesa-se saber nol iras ilo Sr. Jftfl
da Silva Freir, casado com I). I.aurinnii*
llosa Freir, ou deseu filho Jos Jorge Frei-
r do Itrito, e do Sr. Jos da Silva Coelho.:
quem souber dar noticias de algumas des-
sas pessoas, qocira ter a hondada de avisar
na praca rio Conimercio, n. 6, Manoel Ig-
nacio de Oliveira, ou inauncie por esta
folha. '
* Chapeos de sol
RtiadoPasseio, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
sortimcntode chapeos do sol.de seda de
lorias as cores as ma Osas que leem appa-
recido, para hoiuem e seuhora, e que se
ven lem milito em conta ; ditos de panni-
nho imitando seda ; ditos muito grandes, e
de panno e armacoes muito fortes, pro
prius para senhores e feitores de engenhos :
la, bem se vende fazenda de seda e de pan-
ninho imitando seda para se courirem ar-
maces. Na mesma fabrica se concerta qual-
quer chapeo deso, com muila brevidade,
e por preco mais commodo do que em ou-
Ira qualquer parle, e vendem-so baleias
para vestidos.
Quem precisar do 500,000 rs. a juros,
dando boa firma annuncie.
-Alugam-se, para se passar a festa, duas
grandes casas, com muitos commodos e
bom banho, em S.-Anna-de-Dantro : a tra-
tar nn mesmo lugar, com JoOo Venancio.
ftoga-seao Sr. Manoel Rodrigues do
Passo que veillu ou mande pagar a quanlia
de8,120 rs. que deve a quem mo ignora,
na ra Nova, n. 38, segundo andar.
liocn-sc ao Sr. J. It. S. que mande
pagar a quanlia de 10 000 rs. como fiador
da casaemquemorouoSr seu genro ; do
contrario, se publicara o seu nome por ex-
tenso.
I! 1 Collcr retira-so para a Rabia.
l'recisa-se alugar um cozinhero ou co-
/n ticira, | ara o servico de una Casa es-
trangeira : na ra da Cruz, n C2.
Domingo, II do corrente, desappare-
ce um rapaz de nome Manoel, bianco, de
14 annos, de estatura baixa, grosso do cor-
pr Jm principio de offlclo de ourives; le-
iou raleas de lislrinlia azul o com urna lis-
Ira larga, Jaqueta de sarja prcta de lila, ca-
misa branca e chapeo preto. Roga-so a
quem dclle souber, de participar na Cam-
boa-do-Carmo, n. 5, casa de dourador, paa
se iivrar de maior cuidado.
O tenente-coronei Francisco da Silva
Santiago embarca paraos por tos do sul o
seu cscravo pardo, de nome Pali icio.
Jos Gomes Villar, a bem de sua sa Je,
retira-se para lora do imperio do Brasil.
--Aluga-se, por preco commodo, urna boa
casa terrea na povoagao do Monteiro, para
se passar a festa, com 4 quartos, boas s.ilas,
co/inha lora, cacimba, dous quinlaes mu-
rados com poi tilo e sabida para o rio, quar-
lo para pretos, estribara para dous caval-
los : atrainrna Roa-Vista. Iravessa do Ve-
ras, n. 15. sobrado.
JosLuiz Ferreira da Silva comprou,
por conta de Jos Francisco Cardozo Gui-
mar.tos, de Mossame.lcs, 0 meo billiete^nu-
mero 2,060 da lotera do Rio-dc-Janeiro,
conredida a beneficio da edifcaos de pre-
dios que sirvam de hospicio nos missnna-
rioscapuchinhos, o qual conserva em se'i
poder; -'
Um rapaz brasilciro se offerece para
caixeirodecobrancas, armazem, ou'escnp-j
la, para o queda (iador a sua conducta, e
seis mezes de servico gratuito: quem do
seu preslimose quizer ulisar, dirja-se
ra do l.ivramenio, n 25.
Francisco Ignacio Ferreira Jnior re-
tira-se para o Rio-Grande-do-Norto, levan-
do em suacompanhia o seu escravo c: iuulo,
de nome Estanislao, de 17 anuos.
Um moco de regular conduela, que tem
dado lodos os preparatorios, (com excepcAo
de rhetorica) e nelles ten! sido examinado,
se i rope a ensina-los, o juntamente a ler e
escrever, em qualquer engenbo, fazenda,
ou anda mesmo nos suburbios desta pra-
ca: a pessoa quede seu presumo so qui-
zer utlisar, dirija-se a Jos neniar-lino de
Senua, ra do Iluda, para dclle receber as
informaces.
A pessoa que enlregou um pouco de
dinheiro em cobre a urna preta para o car-
regar, no da 13 do corrente mez, procure-o
na ra Nova, loja de solleiro, n. 28, que,
dando ossignaes certos, llic ser entregue.
Precisa-se de um forneiro: atis da
matriz da Roa-Vista, n. 22.
Prccisa-se alugar um escravo postan-
te para conduzir diariamente na cabera um
ca ixao pelas ras : quem o liver unnuncio,
ou dirija-se i ua do Gullegio, n. 19, pri-
meiro andar, que achara com quem iralar.
Na ir.esma casa vende-so urna cabra ( bi-
cho) parida de pinicos dia, e que d bs-
tanle leitc.
Precisa-se rallar com o Sr. Miguel Sera-
fim de Castro Nunes: na praca da Indepen-
da, n. 4.
Na ra do Padrc-Florianno, esquina do
liecco dos Acouguulios. casa de porta e
janellas, precisa-se de urna mulher forra,
nao so para fazer companhia a oulra, mas
lambem para Ihe comprar na ra alguma
cousa : da-se-ihe o sustento o alguma mil-
pa para vestir.
Antonio Mximo de Rarros l.eile, pro-
fessor jubilado naprimeira cadeira publica
de primeiras leltras da cidade de Goiantia,
acha-se de presento residindo insta capi-
tal, e morando na ra da Cadeia, n. 40,
primeiro andar; o propO-se a continuar no
mesmo magisterio particular, pelo que faz
sciente ao retpeilavrl publico que so acha
com aula abarla na referida casa, on le ro-
cobera alumnos, tanto externos como ai
termas.
--OSr. particular que deixou um bilhele
de camarote paia-seu beneficio no dia 22 do
corrente, na ra do Livramenlo, padaria o.
32, queira quauto antes ella dirigir se,
que mullo so Iho despja fallar.
- Manoel de Suuza l'aes retira-se para fo-
rado imperio.
IVde-se ao autor do annuncio insecto
neslejornalrie 13do correte, que queira
declarar qual o nome do ollicial de mari-
nliaqueliiehedevedor, do contrario sera
lirio por um infamo detractor de urna cor-
poracilu tao nobruqual a de iiiarinlia.
/
O Pertiambucano.
Precisa-se de um trabalhador: na rua
Rireita, n.24, padaria.
--Jo.'io da Silva Braga faz sciente aseua
freguezes que mudou o seu eslabelecinien-
lo da ra do Quetnado, u. 9, para a ra No-
va, ii. 29.
As 8 horas da noile pouco mais ou me-
nos, do dia 8 do corrente, furlaram Ja ria
do Trapiche, n. 38. nina gaiola redonda de
pao, com um casa! de canarios do rnpeiio,
lando a emia urna aza um pouco derriada
como se fesse quebrada, e juntamente a
gaiola tem um ninbo de varinhas tecids a
nsneira de balaio. Roga-se a quem fOr offe-
reclda dita gajola e canarios, de a tomar e
levar a dita casa, que receber* 5,000 rs. de
gratilicaeio.
Quem precisar de um bom cozinheiro,
dirija-se a ra dos Quarleis, n. SI.
Precisa-sede um menino no 12 annos,
para caixeiro, o qual tenha boa conducta:
no Atnrro-da-Roa-Vista, n. 58, loja de sapa-
ios.
Precisa-se alugar um prrto mensal-
mente: na padaria defronte da fortaleza das
Cinco-I'ontas.
No Aterro-da-Boa-Vista, fabrica de
charutos, n. 5, precisa-se de ofliciaes, pa-
gando-so o trabalho de carregacSo a 180 rs ,
e o de tres por dous vintens a 260 rs. o
cenlo.
No Atterro-da-Roa-Vista, loja de cha-
rutos, n. 5, precisa-se de urna ama para
comprar ecozinhar.
Precisa-se de dous homens, os quaes
se queiram suhjeitar ao servico de urna fa-
brica de palitos, assim como do outroque
onlenda de torrar o moer caf : atrs da
matriz da Boa-Vista, n. 4.
Carlos Claudio Tresse, fabricante
de orgaos e realejos, na rita das
Flores, n. 19,
avisa ao respeilavel publico que concerla
orgAos e realejos, |.e marchas modernas
desle paw, concerla pianos, seraphinas,
caixas de msica, accordAos e qualquer ins-
lrumert%> que appareqa : lambem faz obra
nova, assim como caixas de guardar joias,
por)Dfecn commodo.
-Joaquin Uominguesda Cunha, subdilo
brasilciro, retira-se para fra do imperio,
levando em sua companhia sua inn.'i.i Jo-
sepha Thereza de Jess e dous sobriuhos
Victoria e Manoel, menores.
TIUVESSA DO VERAS, N. 9.
Precisa-se de urna ama da leile forra ou
captiva : na Iravessa do Veras, n. 9.
Os abaixo assignadoa declara ai aopuhli-
co que, no primeiro do corrente mez, fui a
sua casa e sitio no Arraial varejada por Jos
de tal o seu sogro Nicolao com um grupo de
gente, a titulo de urna posse fraudulenta e
de urna compra phantastica e milla ua par-
te do dito sitio, som apresentar titulo al-
gum ; por isso prolestam usar da acelo cri-
minal se nilo apresentar ttulos legaes den-
tro em quinze dias. Manoel oti da Cma-
ra 1 ttia mulher.
I'ret sa-.u de urna ama de leile forra
ou captiva : na ra Direla, n. 31.
--Muito se deseja fallar, na ra da Ca-
deia do Reeifo, loja de cambio da Viuva &
Vieira Filhos, para negocio de muito into-
resse, com osSrs. Jos Antonio Coelho de
Murelles, Vicente Ferreira Fonles, Jo.lo A-
mauclodeSouza Roliiii.JoAo Jos Rodrigues
de Almeula Altiuquerque,Fraucisco Ignacio
Lopes, Fr. I.ourunco da Concei; Ao e Silva,
J0A0 du Silva, Joaquim Silvcrio da Silva,
Joaqun) Teixeira Cordeiro, Joilo Ferreira
Campos, Angelo Custodio do Sacramento,
FranciscuThcufilo, Jos Bernardo da Costa,
Manoel Jos Coelho Barbosa, o livin. padre
Caetano Jos, Julio Alfonso, Antonio Jos
de Alcntara, Manoel de Oliveira Paz e Jos
remandes Brasil.
o o
S Bxa8, I
&Sa praya da Indpen-
denca, n. 10, 5
q ao voltar para a ra das Cruzes, alu- a
x gam-see vendem-se bixas de Mam- J
? burgo : lambem vSo-so applicar pa- x
** ra com mmi ida.le dos freguezes ; ti- ~f
ram-se denles, sangra-se e appli- g
& cam-se ventosas: ludo por pre^o O
0 commodo. O
O O
Oa-se pilo do vendagem, ofTereccndo-
se mclhor vantagein que em outras pada-
rias: narua larga do Itozario, n. 48, pa-
daria.
Manoel Porcira de Araujo, residente na
Parahiha, por haver oulro de igual nomo,
de hnje em riianle se assignara por Manoel
Pereira de Araujo Vianjil,
Aluga-se o segundo andar solo cor-
rido, com muitas accommodaedes, do so-
brado amarcllo da ra Augusta, que est
para ficar vasio por estes das, e em breve
o primeiro andar: a tratar na ra do Amo-
nio, n. 15.
Joilo ChrstovJo Keller Rordorf vai fa-
zer urna vagem ao Maranhfto.
Todo senlmr de engenho ou outro qual-
quer individuo que percise da pessoa in-
teligente para Ihe dirigir quaesquer traba-
Ihos mecnicos, bem comnem moendas ro-
das de agoa, asscnlamentos, serraras ou
planos para qualquer lim, pJe dirigir-se
a casa de Mr. Dubarry do alterro da Boa-
Vista, n. 6.
Desappareceram, no dia tO do corren-
te, tres carneiros, sendo um capado o dous
em grito : quem os liver e quizer entrega-
Ios, diiija-se ra da l'cnba, venda n. 33,
quesera recompensado.
-- Perdeu-se um lonco de cambraa de li-
li lio com bico em roda no da 10 do coi ren-
rfciite, da ra do Queimado em seguida a
ra Direla, Ciiico-Pontas e roa Imperial :
quem o livor adiado e o quizer restituir,
dirija-se ra do Crespo, loja da esquina da
ra das Cruzes, que so ilarao os siguaes e
se recompensar.
Slobias de alugue!.
A lugam-se cadeiras para oflicios e bailes,
c lambem se alugam mobilias a vonlade do
alugador : na roa Nova, armazem de tras-
tes, defronte da ra do Santo-Amaro, nu-
mero 59.
Piecisa-se de um sobrado de primeiro
andar na roa Nova ou no Alerro-da-Boa-
Visla : quem o liver e quizer alugar, diri-
ja-se ao Hotel-Francisco, que achara com
quem tratar.
Da ra da Cruz do Recife, sobrado n.
13, fugio, na madrugada de Domingo, II
do coi rente, a escrava Benedicta, nacflo
Mozambique, levando em sua companhia
urna cria filha da mesma, com dous mezes
'5
de idade : a dita fserava tem pinico maisou
minos v i uto a vinli'.n cinco annos Je idade;
he de estatura regula'; nilo muito chea do
corpo e cor um lauto fula ; leudo o beico do
cima forado e as orethas com grandes .bu-
racos para brincos : o vestido com que se
julga ler fgido be de cassa de quadios
grandes de cor, o que nlo se pJe aflirmar
por ter levado outro de clni a de palmas des-
botada ; levando tambem um panno da Cos-
ta em meio uso. Esta escrava j* em oulra
ocrasiSo desappsreceu e fui encontrada po
lo bairro da Roa-Vista por pessoas a quem
dizia andar a servico de seussonhures, sen-
doafinal apprehendida na ra Direita em
urna casa que se eslava edificando : os ap-
prehendedores a deverAo levar casa refe-
rida, onde receberflo a recompensa do seu
trabalho.
Deseja-se saber onde resi-
de ra os Srs. Joaquim de Figuci-
redo Lima e Joo Evangelista Ks-
teves A Ivs, ou mesmo quem seja
seus procuradores nesta cidade ou
fra della, para se tratar de nego-
ciosquelhes dizem respeito: quem
souber annuncie por esta tulla pa-
r ser procurado.
-- A pessoa que inleressa fallar a JoAo
Evangelista Estoves Al ves, ou possoa poi
olio,dirija-se ra Direita, n. 14.
-- Aluga-se urna casa terrea na ra do
Padre-Florianno, n. 41 : a Iralar na ru>
largado I;/ano, n. 39, segundo andar.

BOWMAN & iMC. CAI.I.UM engenhei-
ros machinislas e fundidores de forro, mu
respeitosanfcnte annunciam aos Senhores
proprietarioa\#* ongenhos, fazendeiros, m-
neiros, negociantes, fabricantes e ao res-
peitavel publico, que o seu estabelecnienlo
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em efTeclivo excrcicio, e se ocha com-
pletamente montado com apparelhos da pri-
melra qualidade para a perfeila confeccAo
das maiores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Bowman 6t Me. Callum
desejam mais parlieularmento chamar i
attencAo publica para a sseguinlcs, por
terem dolas grande sorti monto j prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdom
competir com as fabricadas em paiz cs-
Irangciro, tanto em preco como em qua-
lidade das materias primas e mAo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da mellior conslnici;iii)
Moendas de canna para engenhos de to-
dos os tamanhos, movidas a vapor por agoa
ou animaos
Rodas d'agoa, moinhos de vento o serra
rias.
Manejos indepondentes para cavallos.
Rodas dentadas.
AgulhOea, bronzes e rhumaceiras.
CavlhOes e-parafusos de todos os tama-
nhos.
Taixas, paros, crvos e boceas de forna-
iha.
Moinhos de mandioca, movidos a m3o ou
por animaos, o prensas para a dita.
Chapas de fogilo e frnos Je familia.
Canos de ferro, torneiras de ferro e de
brrinzjj*. .
Bombas para cacimba eao repucho, mo-
vidas a mAo, poranimacs on vento.
Guindastes, guinchse macacos.
Prensas hydraulicas e de parafuso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
bliaas.
Columnas, varandas, grades e porles.
Prensas de copiar cariase de sellar.
Camas, carros de mAo e arados de ferros,
&c, &c.
Alm da superioriade das suas obras, j
geralmcnte reconhecida, Bowman & Me.
Callum garanten! a mais ovarla conformi-
dade com os moldes e dezenhos remeltidos
pelos Senhores que se dignarem de fa/or-
illes encommendas, aproveilando a occasiAo
para agradeccrem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que leen
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que uo pniipar.oi esloieos o diligencias
para continuarem a merecer a sua confi-
anza.
Na ra da Cadeia-Velha, n. 41, primei-
ro andar, precisa-so de urna ama que Czi-
nho o i.ira coinpras.
Altenco a nova machina conti-
nua intitulada violenta.
Os Srs. fabricantes de ago'ardentc devem
prestar (oda attencAo a esta machina, tanto
nela sua construccAo como pelo simples
trabalho deque depende, e sem quedo seo
ir ..llalli i baja a menor explosAo, devendo
ser i lelViida as estrangeras, pelo motivo
do autor faze-la e assenta-la em qualquoi
parle desta provincia : quem a quizer ver,
v a ra Imperial, n. 181, loja de caldei-
reiro, que ahi se mostrar a I .na de urna
queja se acha Iraliulhando no engenho llha
do Cabo.
II. d'O Abren, temi prximamente che-
gado do Para, segu para a Baha.
Compras.
lricas do li-Craiiile-ilo-Sol, | or preco cm
cunta.
Veiidd-se. urna ne^ra, de 1?a 20 anuo,
com as habilidades sepililes : cozo, on-
gomma e cozinha ; assim como tambom so
vondem sele riuzias de louro do assoalho :
na ra da Ceia do Recife, loja de ferragens,
n. 56.
Vonde-se um sitio em Olinda.com boa
casa moderna, do pedra e cal o outra de
taipa, com alguns coqueiros novos,- terre-
nos sufflcienlcs para planticOes, barxa para
capim, cujo sitio se vender pelo preco
mais commodo que for possivel, por haver
precisAo : os pretendenti* drijam-Stf rua
larga do Rozario, n. 35, loja de miudezas,
ou em Olinda, rua do Amparo, botica do
Sr. Ilapozo, certos do que nAo deixarAo de
fazer negocio : lambem so negocia por
fa/eud.is.
Vonde-se cera om velas, viuda do Rio-
de-Janeiro, emraixas de bom sortimento,
por ser a maior parle miuda; pos antibi-
liosos Je Manoel Lopes, por preijo commo-
do : na prBca do Commercin, n 6, escrip-
toro de Manoel Ignacio rio Oliveira.
m


PRESOS COMMODOS.
Lotera do Rio-ile-Janeiro
Rua do c.nllegi i, n. 9.
Pelo vapor Imperntrii, saluda do
Bio-de-Janeiro em 2 do corrente, rc-
ceb'ram-so bilhoteSJI cautelas da
5.a lotera dos capucliinbos
queficafa para correr no dia 16;
bem como da
21.a do monte pi
que deve correr no dia 16 : o que g^
assim scaiinunci aos amadores des- ^
t.'jngo que goslam da brevidao na ^
noticia da exlrac;Ao, afim de so pro- ^
vereni qiianto antes da lot-ria dos c.i- ^
puchinhos, cuja lisia deve chegar ^
primeiroi f,,
2
Vendem-se luvas do seda de torcal,
pretas e brancas, para senhorase meninas ;
meiaspara meninos o meninas, a 120. 160
o 200 rs. :na rua da Oadeia-Vellia, n 15.
Vendom-se dous lindos moleques
crioulos. um de 8 annos e o muro de 5, am-
bos do bonitas figuras : no Alcrro-da-Boa-
Visla, n 26, segundo andar
Vendo-so urna escrava c*bra rio 23 an-
nos, cozinhoirn, lavadcira do varrella. c quo
he boa quilandeira, po' ser muito (iol e di-
ligent'!: ni roa da Cadeia, no segundo an-
dar do sobrado da esquina do beeco do Ou-
vdor.
Aos 20:000,000 de ri*.
Na loja de Guirtiarftes&
II<'nn'(|ios, (jtie faz
esquina para a rua do Collegio, n. 5, ven-
dem-se bilhetes da lotera do Rio-de-Ja-
neiro.
Vendem-se bustos de gesso represen-
tando fielmente a rainha Victoria e o prin-
cipe Alhcito ; relogios de ouro e do prala,
c1 egados ltimamente da Suissa : estes re-
logios que silo mu bem ac iharios, so tor-
nam muilo recommenriaveis a qualquer
particular, c advetle-se que ha entre ellos
alguns que auilam 8 dias sem prccisirem
*3^1^7&\ 's&Kgm porlU6ueza,
casa decampo, sita margen, do .io, no "fS? ^,. ii! nnr f.10 rs
dor Antonio da Silva,o om frenlo do sitio: Pr" _[-
do Sr. Gabriel, com um terreno de 600 pal-
mos de. frente e 800 do fundo, com sufi-
ciencia de ler capim para oilo ou mais ca-
vallos e qualquer outra plantaco, que lu-
do proriuz com minia facilidade, pela fer-
tilidade do solo, com excollentc banho que
(lea a pouca distancia da casa ; o ar he
muilo fresco o saudavel, com extensa
aprasivcl vista : os prelcndenles para
dirijam-se ao mesmo lugar, cuja entrada he
logo adianto da pro, riada.lu do Sr. Be-
--Vende-so cal virgem de Lisboa; eni-
xas dopnliovasias; lechoso rolas de ar-
cos de | o para barricas; pregos de estu-
que em barra de 32 e 45 milheuos; pilafaa
do familia : na rua da Cruz, n, 49, primei-
ro andar.
Novo sortimento de fa-
zendas baratas, na rua
do Crespo, n. 6, ao p
do lampas.
Vendem-so cortes de cissa franceza com
10 covados a 2,500 rs.; pecas de cambraa
de quadros com 8 varas a 2,720 rs.; cassa
preta para lulo, a 140 rs. o covado ; zuarto
com 4 palmos dolarguia a 200 rs. o cova-
do ; rscado raonslro a 220 rs. o covado ;
chitas do coros lixas a I6O0IKO rs. ; cha-
les de tarlalaua, a 500. 800 e 1.000 rs. Oe
muito bom gosio j cortes de bnin do puro
liubo a 1.280. 1,500 e 1,600 rs. ; chpeos
de massa a 1,600 rs. ; ditos de soda a 0*0
e 480 rs. cobertores do algodAo america-
no, a 640 rs ; piclo muilo encorpado, a
180 rs. o covado ; pecas de madapolSo mul-
to fino e com pintas de mofo, a 3,600 rs.
muilo prndalas, o queso nAo po 1 duvula
om da-las para se experimentar no cn-
Kommado ecozinhar; 2 pretas com habi-
lidades, sondo urna aellas boa coznheira ;
urna iiegrinha do 14 anuos, com principios
do coatura e engommado.
Gabriel Lamber!, por
Ale\ati(Ire Dtnia>,
1 v. emotavo liroch do 200 pag as, por
1,000 rs. Narua do Collegio, n. 9, acaba
do recelier-so a traduccAo doste romance.
O nomo do autor do rondo de Monte-
Clllislo lio t.lo seguro abonador do lado
quintil Slhe da sua penna, que, <.nnuncaii-
do O Gabriel l.amhert, contenlamo-nos de
prtr smente 0 titulo da obra c o nome de
Alexiinrire Dumas.
t* llestrede^an-Thiago.
1 v. em oitavo grande hroch. por 3JO rs.
Ksla ohrinha he nm romaneo em verso,
feito em hospanhol por Bermudez de Cas-
tio.otraduzido cm portuguez por Evaris-
to Jos de Ar mijo Raslo : o objeclo delle be
anlogo as aventuras do Ultimo Aben-Ser-
ragem de Cliateaubrant. lie rico, 4anto no
pcnsnmentocomono dzer, ea traducefio
he de muito valor. Vende-se na livraria da
rua do Collogio, n. 9, aonde tambom se
acha o sopunto :
Mnale romatvm, ntidamente impresso,
com rica enea lernacAo de velludo brocha
metlicas douradas, registos de gorgurAo
adamascado bolfles de marroquin.
Breviariuw roinanum, edicto de 1847,
rica encnleriiacAo de marroquim, 4 v.,
metli lo cida um em sua caixa do papel.lo
forrada de. carneira.
O/Jicium in (ello Nalivilalis Hemini etc.,
1 v. om 12.
Um Galucho, por Paulo de Kock 4 v.
em 8. .
O mi/sterios da ini/uisirao, por lorual ,
1 v. em oit ivo ened. i,ooo rs.
Descridciio hhlorica do llrasil V. ens ,
Colombia e Guyannas, por C. Famin,9v,
em quarto brocli., por 4.000 rs.
Obra elemcninre do Sur. Salvador llen-
rique do Albuquerque :
Aovas carias para aprender a ler, por
80 rs.
Resumo da historia do Brasil, por 4,000
res.
Epilome de geometra por 640 rs.
Moiino de vento.
Est anda por se vender o nioinho de
vento do Kra-de-Portas. Este estaheleci-
' ment he magnifico acquisico para qual-
8! quer princianto que tenha a sua dsposcAo
um pequeo capital, estando o proprieta-
rio resolvido, 0111 rasAo de tor de so applicar
a outra industria, de que nAo deseja distra-
lem.ilef.onledavendado Sur. Nicolao, a h|P ,,,, .itcncHo, ,|-lo por preco mili
Ular.omoSr. JoaoNonancio, e 111ra trn-l nrerJor e0q'ie olle custou. Alanca-se quo
lar, na la da Cadeia do Reeifo, com o Sr., mon,,0 )leisa ,jvro ,, tola a despeza
commendador Manoel f.oncalve *' Hva, milis ou em S -Jose-do-Manguiuho, casa defron- dade dosta asserco prio qualquer preten-
Ic .la estrada nova da Capunga. (1pii(0 Crificar.s0 tomando conta do moi-
Vende-sc um bom cavallo castanho,
gordo de rego o grande, o qual tem lodos
os an 'ares, c he proprio para cahriulet, por
ji ter servido ueste trafico: na rua Nova,
n. 27.
-- Vendc-sc um ormacAo para escaler.
nho por 15 dias, ou mandar alguem assistr
pelo mesmo lempo a venda da farinha no
deposito da rua dos Cuararapes, n 5. No
mesmo de; osito contina a haver sempre
milho muido para cavallos a 1,280 rs. a ar-
roba farinha entrefina, a 1,920 rs. e finia-
mente para bn i. na, o tolda do mesmo em
bom estado : ua esquina da roa do Itangel,
venda de Jos Rodrigues Coelho & Compa-
nhia : bem como lambem se vendo a/oile
decarrapato, a 1,600 rs. acanada, e a 240
rs. a garrafa.
Vende-se urna preta du 16 a 17 annos,
de nac,Ao, do benita figura, que cozinha o
diario de urna casa e vendo na rua : na roa
Direita, n. 119, confronte a botica do Pei-
\e : ao comprador se dir o motivo por
que so vende.
Vendse um sitio na Capunga, com
boa casa de podra e cal, com boa agoa de
beber, por prec,o commodo : na rua do Tra-
piche-Novo, n --, que se dir quem vende.
Cliiirnti'Sde Havana
verdtdeiros :
vendem-se em casa de Kalkmann IrmAos,
-Compra-se um casal de burros, ou na rua da Cruz, 11. 10. j
somonte urna burra .narua Direita, n. 121. hfirenCia (le FdWM SlaW.
una bar I
Na rua do Apollo armazem 11. 6, de M. Cal -
coiilonilodousrerrosde proa o poupa igual- sima, a 3,200 rs. a arroba. O propietario
julga 11S0 ser intempistivo advertir aqui que
a fiirQ.-i do inoinbo sendo muilo superiora
de quo so precisa para dar movimento as
pedrus, pode por conseguintecom a peque-
a despeza do urna correia que nAo custa
mais de 4,000 rs., dar movimento a qual-
quer oulro machinismo simultneamente,
pudendo em caso de precisAo augmeniar-se
ainriaa frca, o que facilmonte se consi-
guira accrescontando-so um pouco mais as
vo.'as.
A 700 rs. a vara.
- Vendem-se cassas muito linas o de pa-
dres os mais mo lemos que aqui leem vin-
do, a 700 rs. a vara ; chitas finas, a 280 rs.
t\ Knomlit rrlAtt rio i-asimira. a 5.000:
Compra-se laa de Trecha ce caima, bar-
riguda e de Angola : paga-se a 6,000 rs a
arroba ; bect como dita de carneiio : na roa
Nova, n. 28, loja de selleiro dtfronte da
ConcoicAo.
Ciimprn-se toda a qualidade de trastes
usados, e lao bnn se Irocem i or novos : na
rua Nova, armazem de trastes, defronle da
rua de Santo-Amaro, n. 59.
Coinpram-se, em casa de Joaquim Ri-
beiro Puntes, os tres primeiros nmeros do
llrincodut Damai o os dous primeiros do
eija-Flor.
- Compra-so um sellim inglez elstico,
ni bom uso : no Aterro-da-Boa-Visla, n.
10, ou nnnuncie. ________
Vendas.
No armazem n. 7 da rua da Moda, ven- .....-.
dem-se saccas com superior colladas fa-1 dir quem vende.
moul& Companhia, acha-se constantemente
um grande mu lmenlo de ferragens nglezas
para engenhos rio fabricar assucar, bem
como laixas de foiro coado e batido de dif-
identes tamanhos o modelos, mociidas
de dito, tanto para armar em madeira como
rodas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vapor de (orea de 4 cavallos, alta
pressSo, repartideiras, espumaderas, ele.
de ferro eslanhado. Na mesma agencia acha-
se um soi lmenlo de pesos para balanzas ,
escovins paia navios. Ierro cm barra, tanto
quadrado como redondo, salra para l'errei-
ro o orna porcAo de tinta verde em latas :
ludo por barato preco-
Vende-se urna escrava de Angola, de
20 anuos, de muito boa-lignra, que en-
gomma, cose, cozinha, ludo bem feito: na
rua do Collegio, n. 21, primeiro andar, se
0 covado; corles de casimira, a 5,000;
panno lino prelo, a 3,000 o covado : na rua
do Qneimido, n. 40, ao p da fabrica de
chapeos.
Vendem-se 5 relogios, um dos quaes
he rico, patente inglez de ouro, anneloes,
biincos, Irancelins, cordes, correnles e
outras obras de ouro e prata : na rua Urg
do Rozario, n. 8.
Vendem-so 3 duzias de la boas do cos-
tado de putumug, madeira de Baha, pro-
pria para costados de navios, ou para mar-
cenoria, de 40 palmos : na rua do Collegio,
n. 21, segundo anlar, todos os dias at s
9 lunas da maullan.
Vendem-se muitos bons e frescaesquei-
jos de Minas com mais de duas libras cadi
um, a 610 rs. cada um; ago'ardente de
Tranca engarrafada, a 480 rs. ; farinha da
araruta, muilo nova, alva e limpa, a 240 rs.
a libra : no pateo do Carmo, venda n. 1.
Vende-se um oxeellonle piano de mog-
n, proprio para se principiar aprender,
cm consequencia de se vender muito em
conta, por precisar de um pequeo concer-
t : ha rua do Collogio, n 31, segundo an-
dar, todos os das at s 9 horas da ma-
ntilla.
I
MUTILADO


-. Xo armazem n. 1 da rua da Mocil,
vende-so sal em grande o pequeas porree*,
por preco mala ha ralo o que cm oulra
qualquer par".
Na rua i!a Mo.da, n. 7, ven ris de varios lmannos, com o mais supe-
rior vinho do Porto que tem vin lo a esle
mercado, sendo alem da boa qualidade
lintilissi'i;<> barato.
Vendem-se dous moloques prcas, de
90annos ama nioleca com principios de
costura, milito hem parecida : lodos ile na-
Cffo, por prego Toommodo : na ra Nova,
n. 39, segundo andar.
i *
Veiide-se, por 280,000 rs. tim bom
3 oarrodo4 rodas para 2 eavallos, com
$. sous competentes arreios ; em co- 5*
i mu por haratissiino prego, que da jj-i
:i. inesma forma provoca aos compra- J)
i; dores, urna cadeirinba de arruar, de I
fj milito boa construcglo : 2* ferros de irj.
ricas molduras para fabricar flores; 8
ii urna pnreilo de aldrahas para vidra- g
cas : na praga do Corpo-Santo, n. 2, |
[ primeiro andar.
I I
Naruado Crespo,loja da
esquina que volta para
a cade a,
vendem-se os acreditados brina'Arencado!
biauros de lislras e lisos, de lindo puro, a
i.r.oo-rs. o corto; dito amarello, a i.ooe
I.GOOrs. ; panno fino preto c azul muito
bom, a 3,900 rs. o covado ; dito milito su-
perior, a 5,50c) rs.; fusles muito bonitos
para rlleles, a 040 rs. o corte; ditos de
velludo, a 2,300 rs. ; diios de setim lavra-
do, a 1,800 rs. ; ditos de gorgorito de seda,
a 1,(100 rs ; rambraia lisa, a 2,720 rs. a pa-
ca de 8 varase meia ; cassa prcla, a 1,440
rs. o eile ; osguiiin de linho muito lino, a
1,44o rs. a vara; e oulras muitas fazen-
das por pregos ron modos.
Nesti loja venden-So chales do garga, a
8*0 rs., o Icngos da niesma qualidade, a
ICOrs.
Vende-so urna'prela prxima a parir,
de idade de 20 anuos, de bonita figura, sem
vicios ncm achaques: na ra do Quoima-
do, viudo do lio/ario, segunda loja, n. 18
Tceidos de algodSo tran-
cado dos-os- Sanios.
Na ra da Cadcia, n. >'i,
vendem-se por atacado duas qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa do
osorjvos.
/liarles de furla-crcs a
!MIO rs. o covad o c ris-
cado monslro a 20 rs.
Vendo-so zuarle do furta-cres muito
encorpado e com 4 palmos do largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monslro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volta par;' a radeia.
Mantas de seda.
Vendem-se mantas de seda de escolenles
padies, pelo haratissiino prego de 9,000
rs. cada urna quo em oulra parle custam 14
o 16,000 rs. : ua ra larga do Itozario, pa-
daria n. 48.
<3
Cortes de cassa fran- |
3> ecza com 18 covados
| n 2,560 o corte. |
_ Vende-se cassa franceza, a 2,5*0 rs. jt>
** o corte ; diales imperiaes, padroes -
O dos de seda, a 2,000 rs. : ditos do se- **
0 da, a 8,000 rs. : na ra do Queimado, 9
O n. 8. >
O
Vendem-se escravos baratos, na ra
daslaiangeiras, n. 14, segundo andar, co-
mo sejam : urna linda prela de 22 anuos,
que engomma oplimanienle ; urna dita da
ibesrna idade, que engomma ccozinha be ni;
nina dita de 18 anuos, que engomma liso;
:| pardas mogas com habilidades ; um par-
do escuro, do 22 annos, com ollicio do pe-
dreiro ; um dito da mnsma idade, com cili-
cio de tapaleiro; 4 prelos do 22 annos,
ptimos para qualquer servigo } ira mole-
quo de 12 annos; o oulros escravos.
Superior lio do ttfaoct&o
para pavios de velas : vendem-so em casa
deCco Kcnworlhy & C. na ra da Cruz,
n.2.
*
V 4,000 rs. 2
'4 S
& Vondeni-se ricas mantas de se Ja pa- %
4 ra senhora. do lindas core, e sem o $
m> menor .IcbIo, pelo diminuto prego
<*> de 4,000 rs. : na ra do Crespo, n. II tj#
aflh \9
--Vende-se um preto por 200,000 rs.,
vclho mas muito lorie para servir una
casa, trahalhar o botar sentido a um sillo e
orna negrinha de 10 annos, quo faz renda ;
j cose ; urna prcta de 40 annos, para fura
da praga, a qual 4ie perfeila engommadei-
ra e cozinbeira, faz doces e relina assucar :
nif ra do Collegio, n. 21, primeiro andar,
se dir quem vende.
Vende-se milito superior fa-
rinlia gallega em mcias barricas :
na ron da Cadeia do itecife, cs-
criploiio de Deane Youle & C. ,
ou no primeiro armozem do becco
do Goncalves.
A OfO rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encornadose grandes, a duas pala-
cas ; chitas escoras de bous padroes e co-
res seguras, a meia pataca o covado: n
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
A 2,560 rst a peca de 10
varas
do cambraias de quadros para cortina los c
babados : na ra do Queimado, loja n. 8.
Vende-so cal virgem do Lisboa em bar-
ris pequeos, vinho do Porto suporior em
harris de quarto e q'iinlo, e mcias-pipas
com dito, farinha do trigo de todas as qua-
lidades e em midas barricas : ludo por pre-
go mais commodo do quo em outra qual-
quer parto : na ra do Vigario, armazem de
francisco Alves da Cunha, n. 11.
Taixas para engenho.
Na fiimligo de ferro da ra do Brum,
icaba-se de receher um completo sortimen-
t de taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promplidlo embarcam-se,
ou carregam-secm carros sem despezas ao
comprador.
Velas de espermacete,
das melhorcs que teem vindo a este merca-
do : vendem-se em oaixasde 24 libras, em
casa de Iticardo llovi, na ra da Cadeia-
Velha, n. 29.
Aviso importante.
Beneficio publico.
O armazem anligo da ra da Madre-de-
Deos, n. 36, est do novo estobelecido de-
baixo das mesmas condignos, olTereccndo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho branco de l.is-
ha po'220rs a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
naria, a de vinho do Bordean por 160 rs. a
garrafa levando o casco. Nilo se admirem
OS fieguezes do baixo prego por que se ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprielario querer sustentar o anligo pre-
go, emhora este genero tenlia subido o me-
Ihnr de 30,000 rs. por pipa. Kxamiiicm os
amantes a qualidade para reconhecimenlo
da verdade e continuagflo da antiga fregu-
zia. Upara nno haver usuras, cst.lo pronip-
tas garrafas lacradas e com o competente
rotulo, assim como harris de diversos ta-
maitos para provisiio do prximo Natal
0 proprielario conla com a concurrencia;
do contrario, tornar.1o os pregos do reta-
dlo a primitiva de240 e 280 rs. a garrafa
Foho de Flandres.
VenJom-se caixas com folha do Flandres:
na ra do Amorlin, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnnior.
-- Vendem-se amarras de ferro: na ra
Ja Senzalla-Nova, n. 42.
Velas de cores.
Vendom-sc, no armazem de moldados
atrs do Corpo-Santo, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
crtr de rosa e lustrosas, as quaes se lornam
recommeuilaveis pela sua superior qualida-
de o aturarem mais que as de espermacete,
e nao fazurem niorrSo.
Deposito de Potassa.
Vende se milito nova potassa
de boa rpip.lidade, em batriszinliot
pcc|iicnos de quatro arrobas, por
preco barato, como ja lia nimio
tempo se nao veinte: no liecife,
ra da Cadeia, armazem n. la.
ntigo deposito de cal
virgem.
Na rindo Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Irados de ferro.
Na fundigSo da Aurora, cm S.-Amaro ,
vmdem-se arados de de (ferro diversos mo-
delos.
- Vendcm-se.6 vrns'dn bioo largo para
toalla ; urna poiglio de gomma em sarca,
muito alva ; urna porgfto de couro muidos;
duas tnalhas de lavarinto; dous longos do
ililo: t'jdo por prego commodo na rus
do ('abug, n. 9.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C.
,a ra da Cruz, n. 4, alaodSo trangado
aquella fabrica, muito proprio para sacco
1e assucar e roupa de escravos.
Cful brasileiro.
Vende-se che brasileiro no armazem
molhados, atrs do Corpo-Santo, n. 66,
mais cxcellente cha produzido em S.-Pau
lo que tem vindo a esle mercado, ~
prego muito commodo.
por
JZ x
5^ =
A 140 rs. o covado.
Vende so supciior r'scsdo do algodito,
muito encorpado, a 140 is. o covado: na
ra do Crespo, n. 6, loja junio ao lampeilo.
Vendem-se reloglos. de ouro e piala,
patentes inglczes: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Bitas.
Vendem-se bichas chegadas ltimamente
e de boa qualidade, a 160 rs. rada urna, em
porgfo de 25 para cima : na ra do Amo-
rim, n. 35.
AGENCIA
da fiindicilo Low-Moor,
RA DA SKNZ.U.T.A-NOVA, M. fo.
Neste estalielecimento conti-
na a havernm completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, pan cn^enho ; machinas de
vapor, e tachas de ierro batido t
ro.'do, de todos os tamanhos,
para dito.
Vende-se. a bordo do bri^ue M.irciai ,
besado do Uio-Orandc-do-Sul bom sebo
em rama por brego rommodo.
Pos galvnicos para
piatear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem ohjcclos
praleados ,' que tenham perdido a crtr ar-
gntea, estando por isso indecentes, 011 inu-
lilisados, teem uestes pos um cxcellente
restaurador e conservador dos mcsmo's
ohjectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho moldado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinha conlcndo quantidade suf-
liciente para pratear mais de 40 palmos
quadrados cusa a mdica quanlia do
mil rs.
O
S T
t Zj
- D
>
o
fe

3 8
a
es
-
rt
>
9 j "
g ce o
o -i
MJilf
^ r*:l
5-25:

ex
e
zs c
t.

sISJ
II .71
S -2o 2a-
m
' a O T .
co
C
_ C c a
Stli!:
liiHI
S 9 H
cr* c
31 J ~ t "
0"w o fi
^ i jt anw o**
=EE tnnoC
Para as sen lio ras de bom
gosto.
Vendem-sc os mais ricos manteletes e
ca olinhos para senhora, do chamalole liso
e lavrado, do gorgurSo, de grs de ap-
les e de sarja, tanto preto como do cores:
na rua do Queimado, n. 17.
Moendns superiores.
Narundig5odo C. Starr A Companhia ,
em S.-Amaro, acham-se venda moendas
de canua, todas de ferro, de um modelo a
conslrucgOo muito superior.
Cal virgem.
Cunha & Amorim, na rua Cadeia do lie-
cife, n. 50, tendero cal virgem do Lisboa,
de superior qualidade por prego mais ba-
rato do que em outra qualquer parte.
Novos cortes de cassa pa
ra vestidos.
Vendem-se cortes de cassa para vestidos,
de cores lixas e de bonitos padrOes, a sete
o oilo patacas o curte ; chales do larlalana ,
grandes s 800 rs.; meios ditos, a 500 rs. :
na rua do Crespo, loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor viudo do sul superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades queso venderSo mais barato do
que em outra qualquer parle : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palhs de
milho, que se esli veridendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
--Vende-se um ogo de breviarios no-
vos : atrs da matriz da Uoa-Vista, n. 22.
Vendem-se pegas de madapolflo llmpas
com 20 varas, nu:to largo, a 3^000 rs,,
3M)0, W000 rs.; e muilo finos e largos por
mais diuheiro ; cortes de cambraias para
vestidos muilo bonitas com 11 covados a
2,500: na| loja n. 17 da rua do l'.ssaio.
Saccas com milho a
'2,500 rs. c ditas com ar-
roz de cosca a 5,500 rs.:
veidem-se no armazem do Braguez, ao p
do arco da Conceigflo.
Cortes de bi im de cr< s
com listras ao laclo, a
1,280 rs.
Vendem-se cortes de In-im de cores com
listras ao lado, a 1,280 rs. ; riscado de al-
godSo americano, pioprio para esciavos, a
140 rs. o covado : na rua do Crespo, loja da
esquina que volta para a cadeia.
Cal (le Lisboa.
No Rio-Formoso, em casa de Julio Jos
Lopes, vendem-se barris com cal virgem de
Lisboa, de superior qualidade, (por prego
commodo.
A',720 rs. cada mu
cortea
Na loja de CuimarSes & Ibnriqucs, rua
do Crespo, n. 5, vendem-se novas cassas
pariMcnses, padres muito mojemos, pe-
lo burato pregu de 2.720 rs. cada um cile :
esta fazenda se torna muito recommenda-
vel pela superior qualidade e barato pirco.
A 080 rs. a vara.
Na rua da Cadeia do liecife, n. 32, vendem-
se muito finas cassas, as mais modernas
qneappaseccinno mercado, pelo diminuto
prego du 480 rs prego este que em outra
qualquerapaile quercm por igual fazenda
mil rs. a fara ; bem como corles do casimi-
ras para taigas, de muilo bom gosto e mui-
to boa IV/rnd.i, a 6,000 c 7,000 rs. o coi le ;
chales da csssa e seda, muito grandes e de
bonitos piduVs, pelo diminuto prego de
4,500 rs.; cortes de cassa-chita de bom
gusto, a H.800 rs. o coi lo ; e oulras militas
faz elidas por pceo com modo.
ilstrella.
Vende-sa a muito acreditada holachinha
intitulada rstrclla, muito [ropria para
doentes : na rua Uircita, padaria n. 79.
IS'a loja da esquina da
da rua do Crespo, n. 23, que rolla paia a
rua do Queimado, vendem-se corlea de
cambraia de cores, a 2,000 ra. ; lanzinha
para vestido, a 280 rs. o covado ; cambraias
de cores lixas, a 320 rs. a vara ; ceroulas de '
meia par banho, a 400 rs.; mantas de lil
rJe cOr para senhora, a 800 rs.; gorgurfio'
pars collete, a 320 rs. o corte ; chitas es-
curas, s-'12P, 140 e 160 rs.; lanzinha para
collete, a 500 rs.; dita com fio do seda, u
1,000 rs.; luvas de seda com dedos para
senhora, a 400 rs. o psrj alpaca de linho
de cores, a 400 rs. o ovado ; lencos de css-
sa do cores muito grandes, a 320 rs.
Novotreru de cozinha.
Vendem-se'chaleiras, psnnellas, frigi-
deirase cassarolas do ferro forradas de por-
cellana, bules e esfeteirss de metal: na rus
Nova, n. 16, loja de ferragens, de Jos Luiz
Pereira.
-- Ainda est por se vender a venda do
pateo de S-Pedro, n. 1. com poucos fun-
dos, sendo o seu aluguel muito [barato: a
tratar na mesma venda.
Vendem-se 8 lindos moleques de 10 a
18 anma ; 8 protos de 20 a 80 annos, sendo
um delles cozinheirn ; 3 pardos de 16 a 25
annos, sondo um delles ptimo carreiro ; 3
pardas de 16 a 20 anuos, com habilidades ;
urna dita de 20 annos, com habilidades, e
com dous lilhos, um de 5 annos e outro de
um anno ; 8 prelas de 16 a 20 annos, edm
habilidades : na rua do Collegio, n. 3.
Vende-se urna armaeflo de loja, de
amarello forrada de louro, com parte en-
vidra gada, e apenas tem dous annos de uso:
o vendedor se ohriga a ir assents-la em
aualquer loja, dando-a prompta : na rua da
oncordia, teoda de marceneiro, junto a
venda.
Vende-se a bordo des brigues ligiiro
e Paqueledt-I'ernombueo, fondeados ao pe
do caes do Ramos, bom stbo em rims, por
prego commodo.
-- Vende-se um|escravo pardo de 20 an-
nos pouco mais ou menos, muilo bom tra-
balhadorde campo, e que tambem rerve
excedentemente para pagem : ua rua es-
treita do Itozario, n. 43, primoiro andar.
i>a rila Nova, n. 5#
vende-se um escravo pega de linda figura ;
um dito de naco Costa, proprio para car-
regar cadeirinna, por ser bastante alto e
de linda figura ; um moleque bom cozi-
nheiro, de nagflo, de 18 annos do qual se
afianga a conducta ; um molecole de 18
annos, bom ofllcial de alfaiale ; um preto
bom Irabalhador de enxada ; duas pardas
Vendem-se ptimos sellins inglezes
com todos os seu pertences e de -: perior
qualidade, por prego commodo : em casa de
Adamson llowiefii Companhia, na rua do
Trapiche, n. 42.
Vende-se um lindo moleque de 18 an-
aunos, de excellente conducta, proprio pa
ra pagem ; 3 bonitas escravas; urna dita de
13 annos, recolhids ; urna dita de nacfio, de
22 annos; urna dita de 35 annos: todas com
habilidadesede boa conducta : [na rua do
Ilangel, n. 57, sobrado.
Vende-se, na taberna nova do Aterro-
da-lloa-Visla, n. 75, ao lado da matriz,
manteiga ingleza muilo superior, a 640 rs.
a libra ; cha hysson o mclhor possivel, a
2,240 e 2,400 rs. ; queijos muito frescaes ,
a 1,700 rs. ; lalharim e macarrflo, a 160
rs ; velas de espermacete, a 880 rs. i ale-
tria, a 280 rs.; e outros mais gneros que
se nSo mencionam para u5o cangar a pa-
ciencia do publico.
Para condir/ir pijra os
sitios pela festa.
V'mde-se um piano perpendicular, de ex-
cellente autor, muilo commodo para con-
ducgSo, em muito bom estado: a fallar
na lojade harbeiro de Jos llibeiro, no n-
gulo da praga da Indepcudencia, quo vira
para os quarleis.
Vendem-se dous cscravos carreiros, de
bonitas figuras; 3 ditos mogos; 2 maleco-
les do servigo de campo; I dito de 10 an-
nos; 2 pardas mogas, de 18'a 24 annos; 3
negrotas de lodo o servigo; 4 ditas do ser-
vigo de campo : na rua Direita, n. 3.
Para divertir pela festa.
Vendem-se msicas e entremezes, como
sejam a msica da caslanheira e outras,
duesos jocosos, arias e cavatinas, ludo para
grande e pequea oicheslra ; voslidos de
damas e cavalheiros a carcter; algumas
cahelleiras; um melhodo de Itodolpho,
novo e encadamado ; o vestuario para o
quinteto chinez : na rua Nova, loja doSnr.
Jos Pinto, coufronle ao oiliio da matriz.
Attencilo.
Vendem-se fitas de chamelote para os
hbitos de Christo, llosa, Avlz e Cruzeiro,
chegadas prximamente : na rua do Cres-
po, ao p do arco de S.-Antonio, loja de
miudezas de Joaquim llenriques da Silva.
Farinha de aramia
de superior qualidade, recenlemente che-
gadn a este mercado, em barriquinhas de
menos de duas arrobas, pelo diminuto pre-
go de 3,000 rs. a arroba : na rua do Azeile-
de-Peixc, armazem de Francisco Ai.Ionio
da Rosa.
M. Idellicr que acaba do chegar de
Franga trouxe com sigo, alm de outras fa-
zendas, um grande sortimento de orlos
para nariz de tolas as dados, os quaes se
ai liam a venda na rua larga do Itozaaio, n.
35, loja do miudezas, por prego muito em
conta.
Vendem-se duas excedentes espingar-
das de dous canos, sendo urna ingleza e ou-
lra franceza : vendem-se em conseqrencia
de seu dono retirar-so desta provincia: na
rua da Alegra, n. 10.
Vendem-se 900 couros de cabra sorti-
dos, a 30,000 rs. o cento : na rua do Ca.bu-
i, n. 9, loja.
Vende-se velas de carnauba, a oilo mil
rs. a arroba, de muilo boa qualidado: na
rua da Florentina, n. 1.
-- Vende-so um escravo crioulo do bonita
figura, de 25 annos pouco mais ou menos'
proprio para o servigo de engenho, por ser
carreiro : na rua do Rangel, n. 60.
Vende-se um fileno para roita de lo-
jade miudezas .- na rua Nova, n. 16.
Vende-se urna prela moga, quo cozi-
nha o diario de urna casa, engomma al-
puma cou.ia, e he quitandeira : na rua atrs
da igreja de S.-Rita, n. 48.
-- Vendem-se velas de espermacete su-
priores, chegadas agora da America : em
casado Deane Youlo & Companhia, rua da
Cadeia, n. 4.
Vende-se carvo de pedra e igualmen-
te o ja muilo conhecido artificial,'por pre-
go muito em conta : na rua da Cadeia do
Itecife, n. 48, casa de A. S. Corbelt.
Vendem-so quatro bois mansos de todo
o servigo, assim como quatorze vaccas de
boas qualidades o um novilbo ; quem ;,;
pretender, dirija-so ao brceo do Quiabo a
entender-sn eom Antonio Comes, junto a
olaria do Carneiro.
Lonas.
Vendem-sc lonas superiores
imitacao das da Hussia, por preco
cojiimodo; na rua do Trapiche*
Novo, n. tG.
Farinha de trigo.
J. J Tasso Jnior vende farinha de Pro- *
venga, chegada no ultimo navio de Uarsei-
Ihe, por prego commodo.
Cheguem a pechincha antes que
se acabe, narua Nova, n. la.
Vendem-se chitas francezas de bonitos
padiOes, a 200 rs. o covado ; cambraias de
listras, fazenda muito fina, a 320 e 400 rs. a
vara; e outras muitas fazendas mais bara-
tas do queem outra qualquer parte.
ttscravoft Ir uticos
100,000 rs. de gratiflcsco.
Oahaixo assignado roga aos Srs. de en-
genho Chrislovilo de Molanla Cavalcante,
Francisco de Barros Reg, Francisco Mari-
nho Wandorley, Francisco de S.-Tiagn Ra.
moa. Antonio Jos Marroquim, llanoel de
Barros Arcioli Mello, Antonio de S.-Tiago
Paz de Mello, Paulo de Amorim Salgado,
l)r. Flix Theolonio da Silva Cusmao e Ig-
nanciodo Barros Wanderley para que se
dignem mandar ver pelos moradores de
seus engenhos urna escrava de nome Ca-
tharina, crioula, de estatura regular, ma-
gra, com a barriga um tanto crescida, den-
tes bonitos, sobronselhas carregadas; le-
vou urna filha mulatinha, de 3 annos, de
rosto redondo, olhos pequeos ; tem as co-
xas tito unidas que a faz vollar os ps para
oslados. Fugioa II do outubio de 18(8.
A mili dosta negrinha chama-se Jeronyma,
e tem alm desta filha muilos lilhos, e por
isso se tem feito nolar no lugar sondo mn.-
ra ; he escrava deThomaz Vicira, mora-'aj
no engenho Palma, sitio capivara. Calh na foi cria de Mara Vieira, moradora'm
Peroba, sitio Pescinenge, o por morte desla
coube em berenga a Certrudes, filha casa-
da com Domingos de tal, morador nesta
praga. Ha toda a certeza dola ter eslado em
algum destes engenhos, porm tem sido
mudada talvez pelos manos, abaixo as-
signado offerece a quantia de 100,000 rs. a
quema trouxerat o fim de dezembro do
correte anno, e pretende desse prszo em
diante, fazer toda a diligencia para a desco-
brir e proceder contra quem a tiver anu-
lada O commaHilante do corpo de poli-
ca, Jado do Reg Borros Pak/lo.
Fugio, no dia 9 do correnle, do Aterro-
da-Boa-Vista, n. 56, pelo quintal que bola
para a Ponte-Velha, um negrinha crioula,
de nome Mara, de 11 annos pouco mais ou
menos; snpp0e-&e estar por alli pe lo. Ro-
ga-se a qualquer pessoa quo a li-nha reco-
ihido, ignorando a quempertenga, a man-
de eiatregar na casa cima, que recompen-
sar.
--Fugio, no dia 6 do correnle, o preto
Benedicto, de naglto, de 18 anuos, pouco
mais ou menos, sem barba ; levou camisa
de madapolilo e caigas de liscado largo ees-
curo ; de altura regular, corpo fornido,
beigos grossos, bocea grande, ps e milos
grandes: quem o pegar leve-o rua es-
trella do Itozario, n. 43, segundo andar,
quesera gratificado.
Attcncao.
Fugio, ou foi seduzido, como se prezu-
me, um pelo de liagQo Costa que nada fal-
la que se enlenda, por estupideza e nega-
g3o ; representa ter 20 a 25 annos ; lio bem
parecido, cor bem retinta, com oatalhos de
sua nagilo bem visiveis no rosto, responde
pelo nomo oe Jos; levou caigas de algo-
dSo I rengado e riscado de azul, camisa de
slgod.lozinho liso e branco: quem o pe-
gar leve-o rua Nova, n. 46, que ser gene-
rosamente recompensado.
Fugio, no dia 10 do correnle, o pardo
Manoel, de altura regular, secco do corpo,
com marca de bextga no roslo,dentes lima-
dos, ; be muito regristae cantador de his-
torias; levou caigas de casimira e camisa
de riscado, e por baixo desta roupa cami-
sa c ceroulas de panno de algodfio da torra:
quem o pegar leve-o a rua do Queimado,
n. 10, primeiro andar, que ser recompen-
sado.
Fugio, no dia II do corrente, do sitio
do ilonior Feitoza, no lugar de Belm, o
preto de nacfio Angola, alto, barbado, bem
apessoado, bem fallante, reforgado do cor-
po, meio calvo adianto, de 33 anuos, anda
regularmente vestido com asseio, muitas
vezes de calgus e camisa e oulras de caigas
e jaqueta, mas seropre descaigo. Este escra-
vo foi do padre Menti-lro ja fallecido, que
ni o i ou ua Soledade ; depois os herdf iros
do mesmo padie o vendeiam, e perleuceu
elle ao leiienle-coronel Braz Ferreira M>-
ciel l'inheiro, esle ovendeuao Sr. Antonio
de Albuquerque Monte-Negro, morador ni
Parahiba, que finalmente o vendeu ao ur.
Feitoza. Ruga o mesmo doulor Feitoza a
todas as autoridades policiaes e [capilfics da
campo, qne o apprahendam e levem-no
2. andar da casa amarella do pateo do Col-
legio, ou a seu sitio em Belm, que recom-
pensar.
- Desapparecru, no dia 11 do corrente
s 8 horas o meia da noite, do sillo de Joto
Mar.oel Rodrigues Vallenga, em Rom-Fie*,
urna parda de nome l.uiza, de 20 minos
pouco maisou menos, de estatura regular,
clieia do corpo, olhos grandes ; levou daj*
vestidos, um de cassa cor do. rosa e Jr^
de chita azul, duas omisas do algodfle ino>
urna saia de madapolilo, tudo novo ; des-
confia-se que fia seduzids. lioga-se as *u"
londados policiaes e capilies de camp!
que a aprehndame levem-na ao paleo da
matriz de S.-Antonio, n. 2, ou rus ,l
Brum, armazem de A. J. do llego Modeiros-
ERRATA.
Na publicagBo a pedido, publicada no
Diario n. 250 de quinla-feira, 8 de noveii-
bro, em lugar de signal du gralidSo ao
meuamigooSr. Jos Francisco Marques,
etc. Iria-se signal do gratido ao meu
amigo o Sr. JoSo Francisco Marques, etc. i
PasN. : NA TTP. BE u t. de mu. 19(9
MUTILADO _U


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOY8JK62Q_MVBTZ6 INGEST_TIME 2013-04-24T17:49:19Z PACKAGE AA00011611_06712
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES