Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06699


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Sejriincla-feira 29
rARTZDAf sos conmcios.
r.oianna r Parahlba, segunda eie*tas-felra.
r io-Graude-do-Norte, quinlas-feiras ao ineio-
r i,0 Scrinhem, Ro-Foruioo, Porto-Calvo
Macelo, no 1., a 11 e 21 de cada raet.
r..iranl>un* ejfonito, a 8 e 23.
lii ,-Visiie*h|r. a Me 28.
Vlllra, s^WU-reirs.
Olinda, lodo os dias.
ETBEtrcnlBU.
Fuufs d> ;,o. Chela a 1, s 3h. eMra.da t.
Ming. a 8. s lOh. 24 ni. da in.
.\uvi a 16, 2 h. c Mm. da m.
Cresc.a2i,s \ ti. e 4-1 m. da m.
FBItKiH DE BOJE.
Prhnelra a 'l horas M minutos da tarde.
Segunda as 3 hora e 18 minuto* da mane.
le Ouihio(lel49.
N. 242.
PBXOOS DA SUBSCai/oAo.
Por tres mezes (diaiUado) 4/000
Poreisiueie 8/10(1
Por um anuo 15/VJ00
da da di.
29 Seg. S. Feliciano. Aud. do i. dos orf. e do ni. Ua
30 Tere. 8i Scrapo. Aud. d chae, do J. di > I. v.
do civ. e do "los fritos da faienda.
31 Quart S. Quinliuo. Au l. do da 2. v. do civ.
1 Qulnt. Feia de lodos os Santo*.
2 oext. Coiiiincmoracao dos delunto. S. \ iclo-
rioo. Feriado para o negocios forense.
3 Sab. S. Malaqula. Aud. daChanc. e do J. da l.
v. docrlinc.
4 Doiu. S. Carlos Borroineo.
C* MSIOS E1S 27 DE OTJTDHB.O. f
Sobre Londres. 2Hd. por 1/000 r. a 80 dUs.
* Pars, 3ii
Lisboa, 100 por cento.
Ouro. Ouca hespanhoes......... 30/000 a 30#500
flloedaadei'lOOvelhas.. 17/000 a 17/0O
. de 6/41* novas.. 16/TiOO a l#?'
. de4/000........... 9/300 a 9/W>i
Prut:- Pataoee brasilelros...... l/!>70 a l/M0
Pesoseolumnarios....... l^rTCI a UlMMi
DUa mexicano.......... 1/880 a lfiKMJ
jiiTiiflrP1"^
PARTE OFFICIAL-
MINISTERIO DO IMPERIO.
i>FfBET0 N. 636 DE 15DESETEMBRO
' D12 18*9.
utorisa o ministro e secretario de estado
dos negocios do imperio n despenler no
corrento ejercicio a qtianta de vinte o
cinco contos de ris com a eiplorscAo dos
terrenos carbonferos da provincia de S.-
Pedro do Rio-Grande-do-Sul.
I yendo consi Jeraco so que informa o pre-
sidente da provincia de S.-ledrcdo Rio-
trande-do-Sul sobre a impossibilidade de
krngredirem com vantagem os trabalhos
_l,, ppsnuiza o exploraco que se mandn
Inrnreilor nos terrenos carbonferos da mes-
I,,,;, provincia, sem que esta empreza seja
auxiliada pelo govern imperial, atienta a
leseas-tez dos fundos consignados pela as-
Igombla legislativa provincial para asdes-
Ipezas que ella demanda ; e sendo incontes-
Itavcisasvanlagcns que resullaiAo so im-
Inpriooa descoberta de urna mina de car-
Ivilo Iconvide por sua locaHdade ao estabeleci-
Imenio de um lavra, vanlagens que jamis
I se conseguirSosem que se prosiga nos tra-
liallios encelados, por meio dos quaes se
flem ja reconheci-lo a existencia do com-
1 liuslivel, emhora no sejam as carnadas ale
lagoradescobert8S.de espessura e qualidade
I tul que animem a mprehendor desde ja
luma lavra regular : hei pnrbom, lendo ou-
Ividn o roncelbode ministros, aulonsar o
lniinist'0 e secretario de estado dos nego-
cios do imperio, na confo midade do art.
I;,3 da lei n. 514 do 28 de outubro de 1848,
la despender com este objeclo no corrente
Icxeivicio a quanlia de vntee cinco contos
de res devendo o mesmo ministro o se-
Irrctario' de estado dar conta assemhlea
Igeral legislativa na sua prxima.reumAo
Idasrascs que motivaran) a decretscSo des-
la despeza, para ser dennitvamente appro-
I O "visconde de Mont'Alegre, concolheiro
Ide estado, ministro e sed etario de estado
Idos negocios do imperio, o tenlia assim en-
|tendido o TC" execular.
Palacio do Rio-de-Janeiro, em 15 de se-
kemlno de 1849. vig-siino-oilav da inde-
pendencia e do imperio. Com a rubrica do
M. o Imperador. fitconit de ttont'-
i legre.
DECRETO N 638 DE 28 DE SETEMURO
DK 1849.
Manda observar desde em todas as admi-
nislracoes do crrelo deste itnpe io varas
disposicoes do regulamento interno d
adniinisfracAo do corroa da corte, man-
dado execular pelo decreto ti. 6J7 de 27
docorionto.
Pudendo ser desdo j observadas algo-
mas das disposicoes que fazcm parte do re-
gulamento interno do correo desla corte e
provincia do Rio-doJaneiro, com interesse
da seguranc, regu'aridade e presteza na
conduecAo e entrega da correspondencia
pelo correio, e estando nos termos desta p-
plicacSo os artigo* abaixo^aponlados : hei
por hem decretar o seguinlo:
Art. 1 Sorio observados desde j as ad-
ministraron* do coireio deste imperio os
arts. 50, 113,144,145, 146,152, 153, 154,
156,157, 158, 159, 160, 167, 168, 169, 170,
171, 172,174, 175,179, 960,964,265, 266,
267, 268,269 e 270 do regulamento interno
para a administracAo do rcelo desta cor-
tee provincia do Rio-de-Janeiro, mandado
execular pelo docrcto u. 637 de 27 do cor-
rele.
Art i as hy'polheses dos arts 1*4 e 170
do dito regulamento, o director geral e o
ministro do imperio serio substituidos
pelos presidentes das respectivas provin-
cias.
Art. 3. Asadministracoe-s do correio se-
rlo ohrigadas dentro de dous mezes a pro-
por as medi las que em sen conceito forero
mais apio) riadas para o inelliorumento del
l'S e da agencias, e^l-jaill ou i,.'u, con
ignavias no mencionado rogulamentoin-
ter no.
O vizconde de MonfAlegro, do meu con-
celho de estado, ministro e secretario de es-
tado dos negocios do imperio, o tenlia as-
sim entendido e far;a'cxeciitar.
Palacio do llio-de-Janeiro, em 28dese-
tembro de 1849, vigesimo-oilavo da inde-
pendencia o d: imperio. Com a rubrica de
S. al. o Im^orador. J'iicondt de Moni'
CONCELIIU SUPREMO MILITAR
DE JUSTICX-
I'rovisdo.
Dom Pedro, por grac de D^os e nnanime
aoclamacHo dos puvo., imperador 'constilu-
conat e derensbr perpetuo do|llrasil : rar;o
salier aos que esta minha povisilo vi'em
que, lendo subido a minha aunustapresenca
ii na consulta do conculhosupremo onlitii,
dat-dade 30dti julho uliimo. a que man-
de! proco ler sobro o recudimento do ca-
li lio de nmr e guerra da armada Joaquim
Ju Ignacio, capilfio d fragata Francisco
Manuel Barroso, e capitiles-lenenles Fer-
nando Joto Possolo, Antonio ianuario dos
?Santos, Maxiniiano I.uiz Crcia, Joaquim
Sabino da Silva e Antonio Carlos Figueira
do Figiieircdo, pedmdo que sua aut'gui-
daile de s rvico seja contada do da en
que se martuiularaiii na academia da nu-
r.....a. Meando nesta parle revogada re-
solucOo de constHU de 6 de julbo de 1841:
penor. ,
Ditas.-Nomeando para os postos da guar-
meiro batalhnodaprimeiralegino, Manoel JJJV**
e atlendendo a qoe a pretencSo dos sup-
plicantesachase inteiramente baseada em
exemplos havidos com muitos officiaes da
armada edoexercito, de se Ibes mandar
contar como tompo de servico o em que
estudaram as academias Unto desta corle
como as de Lisboa, o mesmo na universi-
dadedeCoimhraf que.dosde que foi pu-
blicada a minha imperial resolucHo de con-
sulla pelo minislerio da marinha em data
de 6 de julho do 1841, determinando que
a antiguidade do tervieo ftn contada do da
daprimeirapraca, teem sido seguidamente
indeferidos osrequcrimen'os de varios or-
ficiaes da armada pedindo a mesma graca
queaquelles haviam anleriormento alean-
Codo ; entretanto quo os do exercito no
se arliam privados della at o presente : e
considerando finalmente que os principios
do Justina queserviram defundameuto pa-
ra ou outorgar o beneficio de que gozam os
suprareferidos ofliciaes do armada e do
oxereito deverflo por idenlidide de cir-
eomslancias abranger aos oulros indivi-
duos daquella corporac5o, afim de quo as
minhas palernacs vistas se eslendam com
igualdade por lodos os meus subditos; o
qus lulo me foi exposlo ni mencionada
consulta, com o parecer da qual inlcira-
mentn me conformando, hei por bem, por
inmediata e imperial resoluclo de 28 de
julho do correnie anno, determinar que se
conle aos supplicantes como lempo de ser-
vico militar aquello que estudaram com
aproveitamenlo ni academia de marinha
desta corte ; praticando-se para o futuro
da mesma maneira com lodos os mais in-
dividuos que porventtira se tcharem em
idnticas circumstancias. Pelo que mando
auloridade I quem compete, e mais pes-
soas a quem o conheciment desta prter.-
cer, a cumpram o guardom lo inteira-
mente como devem e nella so coniem.
S. M. o Imperador o mandn pelos mem-
bros do concelho supremo militar abaixo
assignados. Feliciano Comes de Fre tas
a foz n-sta cote e cidado do Rio-dc-Ja-
neiro, aos 18 dias do mez de agosto do an-
no do nascimento do Nosso Senhor Jess
Christode1819.
E ou o concelheiro Manoel da Fonseca
I mae Silva, marec'ial de, campo, vogal e
secretario de guerra, a liz escrever o subs-
cr^vi. Joi* Joaquim de Lima e Silva
Vodo Chriiostomo Calado.
(OVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 25 DE OUTOBRO.
OHcio.--Ao administrador das obras pu-
blicas, para que declare geral o nioiivo por |n(j Ua primo,ra lrgl au,
q ue anda nAo deu principio aos cotcenos Jos n)ulljc,,S de oiind
i qu desie 6 do corrente a presidencia or- norrielll | ,,sra tenentec
denou so procedesso na cadeia desla ci-
ilii le.
Dito.Ao inspector da lliesourana das
rendas provmciaes, para mandar entregar,
vista da nota que remetle.ao commandan-
tedocorpo de polica a quanlia de 219.000
ris em que imporlamosohjectos que roram
requisitados pelo refer lo commandante
para uso das serrelaras daquello rorpo.--
Inteirou-so o commandante do mencionado
corpo. .
Portara.-Ordenando ao tcncnle-coronei
director do arsenal di guerra que mande
pintar, nfio s a arlilharia, ferragem e re-
paros da fortaleza do Rrum, senAo tambem
aquella da respectiva palamenta quo pre-
cisar de pintura ; o bem assim que fa?a ir
para all um carpnteiro alio,do proceder
sos concertos de que carecer mesma pala-
menta. Seientilicou-se o commandante
da iiriu'i.
DEM DO DA 26.
Portarias.--Demitlindo a Joo Dourado do
Azavedo CavBlcanle do posto de majoraju-
dante do ordens do commando superior da
guarda nacional de Olinda e iguarassu, e ou ..,....
de major da respectiva segunda logilo a dr,embargador I.eo a appelUeio crimr em
Manoel dos Santos Nunes de Oltveira.-Com- -.-
municou-se ao referido commandante su-
e outro ; appellada, a vluva de Joaqun d
Silva Pereira.
EVlSOES.
Passou do Sr. desembargador Tastos ac, Si
I.
que siio:
Appellaule, o juiio ; appellado, Pedro Jos das
Domcamo Sr. ao Sr. desembargador Lefio as
Ditas.-Nomeanuo p> < /"=>";> b- na uiesmn ar. non ...
da guarda nacional do Olinda e Iguarassu npellacAeclyei enique sao :
baixo declarados os cdadAos scguinles : Appellante, Joaquim da Silva Castro ; appella
Para capitfio secretario geral a Antonio a* ui
Joaquim de Almedn f.uodes Alcanforado.
Major aldante do ordens do comman-
do superior, Manoel Francisco de Souza
' Major da segunda legio, JoSo Jos Pes-
soa de Mello.
Tenenle-co'onel commandante do pn-
do, Antonio Joaquim la Silva Castro.
Appellante, Antonio llorges da Fonseca ; ap
pellados. os administradores do patrimonio
dos orpliiio.
Appellante. Filippe Francisco Cavalcantc ; ap-
prllado, Francisco Rodrigues Aleo.
Passou do Sr. desembargador Lefio ai Sr.
desembargador Souia a appellacla crlme em
Antonio dos Passose Silva
Tenente-coronel commandanlo do, pri-
meiro batalliAo da segn la legtSo, o ba-
charel JoSo Antonio Cavalcanto de Albu-
querque. ,
Major do mesmo, JoAo Poixoto de Arau-
jo o Silva.
Tenente-coronel commandante do segun-
de balallilo da segunda legiAo, Francisco
Cordeiro Cavalcante.
Tennte-eorone| commandante do ter-
ceiro UaUlhlO, llemeterio Jos Vellozo da
Silveira.
Fizeram-se as convenientes communics-
cOes. ,
Dita Reintegrando no commando no
primero baUlhAo da guarda nacional do
municipio do Bonito o tenente-coronel re-
formado Jos Joaquim Bezerra de Moli--
Scientificou-sa o commandante superior
respectivo. .
Dita.-Nomeando major do primero ua-
talhAo da guarda nacional do municipio do
Bonito a Candido Jos da Silveira.Intci-
loii-soocommandanle superior da mesma.
Dita.Reintegrando no posto d" tenente-
coronel rhefe do tercero batalhAo da guar-
da nacional do municipio do S -AniAo a
Eustaquio Jos Vellozo da Silveira, e no de
major do mesmo batalliflo a Coriolano Vel-
lozo da Silveira.- Communicou-se o cem-
iu,iinlanie superior respectivo.
Ditas Considerando vago o posto de
major da segunda legiro da guarda nacio-
nal do municipio de S -AntAn por se ler mu-
dado do dislricto Jos Fojo de Mello, e no-
meando para o substituir Pedro Lrneslo
Rodrigues da Silva.-lnleirou-se o com-
mandante superior respectivo
Dila.-Demillindia Francisco Marlins I la-
pozo do posto do major do segundo bala-
l.Ao da primeira legiAo da guarda nacional
"-di c Iguarassu ; e
, para tenente-coronel do mesmo
a JoAo do Sa Csvalcante de Albuquer.|00,, e
para major a llaymundo Jos hmNk
-- Communcou-se ao commandante su-
%" -- f.oncedcndo a Jos Marques da
Cosa Soarcs i dispensa que P*0*tg
de p.esidenle da administrlo do eslalM-
leciPmentos de raridade c "orneando para, o
substituir o commandante superior trau-
cisco hcintho Peelra.-F.zer.m-se as com-
municai;0es do estro.___________
TRIBUNAL DA UELACAO'.
SESSAO DE 27 DE OUTUBRO DE 1819.
p.ESIDRSCU DO EXM. SENIIO
CONCELHEIRO AZRVEDO.
A', de. hora **>**SZT9Ei
osSr. de.embargadorcsnamos
ou,. Re bello. UM frflway".
Ollicio-Ao inspector da lliesourana da
fazcnda.para que mande adiantar i pagadu-
ra militar soba rubrica,--guarda nacional
destcada,--a quanlia de 2:000,000 rs. para
pagamento dos ircls o demais despezas de
varias pracas da guarda nacional, ora em
servido de destacamento.-Coinmunicou-se
a paga loria.
Dito --Ao mesmo, transmitlindo o aviso
do urna b lira da quanlia de 891.080 res.
sacada pela lliosouraria do Rto-tlran e-do-
Norte sobre essa e favor do r.iogo & llenn-
que.-Participou-se ao presidente da re-
ferida provincia. ,
Dilo.-Ao in>eclor da lhesourra da ra-
zenda provincial para que, vista da con-
ta que remelle, mande ndemmsar a ro-
particAo da polica da quanlia do 20,000
ris que'ella despendeu com a caiarjAo das
prisfies da cadeia desla cidade.-Scientili-
cou-e o chefe de polica.
Dilo.-Ao mesmo, pira mandar pagar aos
srvenles da reparlicAo das obras publica.
Angelo Custodio deSetxas e Jos lernandis
da Silva a importancia Jos JftMMMf-li:
verem vencido do primero de julioa do
deselembro do correte anno -lnteirou-se
o administrador das obraas publicas.
Dilo.-Ao juiz do direito da segunda vara
crime.para que informe se a fazenda publi-
ca se .cha indemnisada do alcance em que
esl o almoxar.fe do arsenal de guerra JoAo
tlernardino de Vasconcelos, a quem Suic.
mandou soltar. i>u
Dito Ao promotor publico Manoel Claro
Goncalves Guerra, declarando que nAo tem
locar a licen?a de 30 dias que pedio afira de
prepararse a seguir para a comarca do
pao-d'Alho, e quo porUnto deve partir
cuanto antes para.alli.
o lo -Ao administrador das obras publi-
cas.' designando o engenheiro Miletlpara
examinar se a pintora da ponte deJaboa-
lAo esta feita de conformidade com as con-
dicOes sOb que Eiuardo d Costa Olivcira
se obrigou a cll'cclua-U.
entes o
Leo. Son,. MMhU '^^tei^
a sessao.
JULGiMEHrO.
Aggrtvo de ptUtto.
iggrav.nte, Joao Frailesco do Reg Mata} ag-
gravada, a fa.enda provincial. Nao se to
ni un couhcciineuio.
ttecurios cri'iaf.
Recrreme, o julio ; recorrido, Aprigio Jos
R da SHW -V.I confirmada j,*%** ,
Appellante, Joao Vicira Caprro ; appcllado, o
julio.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargado! Souza
as appellacoes civeis em que sao :
Appellante. Jos Carlos Teiseira | appellado,
Joaquim Jos Pereira de Sanl'Anna.
Appellanles.Dioniio Gomes do llego e sua nu-
Iher appcllados, Jos de barros Reg e ou-
tros
Appellante, Antonio de Alliuquerquc Mara-
nhao Cavalcante ; appellado, Jos Ignacio de
Albuquerquc Maraunlo.
Appellante, Alina GonralvesTelxeira eontros;
appellado, Pedro Marlins de Aiaujo Veras.
Pasiou doSr. desembargador Rebello ao Sr.
desembargador I.una Freir a appcllaoao cri-
nie em que siio !
Appellante, Pedio Pereira daSilva ; appellado
o juiio.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Luna
Freir as appellacoes civeis em que siio :
Appellante, Antonio Rernardo Ferreira : ap-
pellado, Joaquim Ribeiro de Unto.
Aimellaiite, Piunn Mara deSeixas; appellados,
os credores dicidentes do appellante.
Appellante, Dellioo das Alijos Teieiia ; ap-
pellada, atazenda nacional.
Passou do Sr. desembargador I.una Freir ao
Sr. desembargador Telles a appellaciio criiuc
cm que sao :
Appellante, Manoel Teixcira Leitc ; appcllado,
o julio.
Do mesmo Sr. ao Sr. desembargador Telles
as appcllacucs civeis em que sao :
Appellantes, o juiio e Mauoel Joaquim Soare;
apnrIUdo, Me. Calmout S C. e o curador da
lieranca de J.is Kr.mcisuo Collares.
Apueltautr, Curto Oo,i,<.. a<- .nu.n- .,i,,,:
appcllado, Pedro Jos Rodrigue.
Passaram do Sr. desembargador Telles ao Sr.
desembargador llamos as appellaros civen em
cm que siio :
Appellante, Joaquim Antonio do Forno; appel-
lado, Manoel Francisco da Silva.
Appellante, Bernardo Duarle nrandao; appel-
lado, Manoel Joaquim Rebello.
BisrantlfE.
Ao Sr. desembargador Souia a appellacao
crime do juiio de direito da segunda vara do
Crlme desla cidade ein que sao :
Appellante, Joao Baptista Pereira Lobo; ap-
pellado, o juiio.
Ao Sr desembargador Lefio 11 apprllacao cri-
na do juiio de direito das Alaga em que sao:
Appellanles, Caetano Joaqoim da Cunha e-
PJoao, escravo de Jos da Silva llego c Bala I
appellado, o jui/.o.
AoSr. desembargador llamos a appellacao
civil desta cidade em quil sao :
Appellante, Manoel do llego Barros ; appella-
do, y.clcrino Lelte Pereira.
Ao Sr. desembargador Telles a appellacao
civel desta cidade cm que sao :
Aappcllante. Jos Comes Villar ; appcllado,
Leopoldo Jos da Costa Araujo.
Ao Sr. desembargador Villares a appella-
cao civel do juiio de ausentes desta cidade cm
Apnallante. ojnlio; appellado, Joaquim Pel-
lo de Mello c Albuquerquc e outros.
Ao Sr. desembargador Luna Freir o aggra-
TO do juiio do civel deata cidade cm que sao:
agravante. Juao Heranger aggravado, Joe
,i n ni.....Lourenco.
No se iiilgaraiii as appellaciies que estayam
onin dia assigr.ado pela falta do :r. desembar-
gador Villares.
Lcvantou-se a sessao depoi de urna hora.
Afpillocoii erimis.
Sobra. & c..de.... peoa dgale perpetua.
jppl/flrilrseri.
Appellante, Manoel Jo Pereira de Mello^ap-
pellado, Joao de Barro. Ilrand.o. Man
ou-se ouvir o Dr. curador .
inncllanlc, Jos Paes Undun ; appcllado, Joa
' PqPh Pac. Landiin. Foi a acloca conl..-
mada.
DEStGNACE.
Foi aslgnado o !> di til para o julga-
mctoda..egul..te. appellacOe. crin... .
Appellante, o Dr. jul. de direito; appellado.
Silva Sousa.
Foi a.lgnado o primero da uill para o jul
eamento das .egulule. appellacoes civeis .
Annellante, Francisco Das Ferreira ; appella
*l r...i- A.. 6mlr.l
EXTERlOg
NECRONOI.OGIA RE MEIIEMBT Al.l.
Klexanirla, 9 de agotto de 18*9.
Hehemet Ali nasceit na cidade de Cavalla
naltomelia, a anliga Macedonia, e com-
quan.o ..Ao podesse d/er ******
qual a sua idade. pois os Mahometa.nos nAo
so oceupam disso, desvanec.a-se cm crer
auelinba viudo ao mundo no mesmo an-
no em que fram dados luz os dous .mis
Ilustres hroes da ora presente-V'Pole So
Bonapario e o duque de Wellington. isto
he. no anno de IT69 Mel.emet All foi a
principio mercador de tabaco can sua ci-
liado natal, mas depoi, procurando urna
occupacAo mais conforme ao seu gisto,
alistou-se voluntariamente no exercilo,, o
nesta nova carreira conseguio logo ser i.io
llmenlo estimado do governador de Ca-
valla pela maneira efficaz com 'l8^'"'^
a ,upprim.r urna rebell.Ao o *gwJ
bando de piratas, que, quaiido o aui ><
mndame morreu, foi nomeado para suc
Cm"799 como o sultAo tivosse exigido
300 homens para a expuis.iu marri.ar
nel ante, francisco !......-, -,- lilllO ; l'Orem csie, "- r-..
Aboukir, deixou Mebomet Al enearrega-
do do commando da expediqAo. Em todos
os 'encnnlros 'com os Franceze Mehemet
Alidstnguo-sepor sua conducta e valor,
obtendo pela sua coragem um grande as-
cendente sobre o espirito de seus sol-
dados.
Depois que os Francezes evacuaran! o
Egypto em setembro de 1801. o guillo no-
meou para vic-re daquella paiz a Mo-
hamincd Khnsrew, entre o qual e Mehemet
Al i somprc OX'itio um odio inveterado.
Os Mamelucos trabalhavam nesso lempo
rom actividade para recobraron) o seu pre-
dominio, destruido pe'os Franceze*:, eos
scus dous principies beys, Osman Bardissy
e Mohammed Elfy, conseguiram Analmen-
te desbaratar o exercilo turco em una ba-
ta Iba que com elle pelejaram. Mehemet
Ali, com os seos Albine/es. servia s or-
dens de Klioorsliid Pacha, porm nAo to-
mou parle nesia batalha. tigenenl tur-
co, irritado pela rola que sonrere, quei-
xou-so de Meliement Ali a Khosrew, O qualo
mandou chamar a sua preg*nea | nas elle,
recosilo se a isso, anroveitou-se d'iima
insiirreicAo qil' entilo leve lugar entre as
tropas albaneziis, o passou se liara osMa-
mectilos co'ii'iiandados por Osman Bir-
dissy. Em 1803 Meliemei Ali atacou khos-
rew" em Damielta, e levou-o priaioneiro
para o C-ro A porta envou enUo ao
Egypto Ali Cezairlo Pacha afim de substi-
tuir a Khosrew Pacha, porm o novo vce-
rei foi anda menos feli* do que s-u pre-
decessor, porquanto osMameculoso mala-
ram Ingn depois de sua chega la.
Km 1801 o exercilo commandado pelo
bey mam luco Birdssy se insurgi por
causa dos toldes que lito erain devidosja
rasa do bev foi atacada pelos s d lados in-
furccldos.ee lo vo-seobrgado a retirar-so
preciadamente para o Cairo. Mehemet
Ali, cada vez mabestimado das t o.ias, fu-
mentou clan lestinamente e*ta ia-ur oicAo;
creudo que seu lempo anda nAo era che-
gado, enviou Khosrew, seu prisin iro pa-
ra Con*Untuopli, e judiciosamonte no-
mo.iu a Khoorshid Pacha governador do
Alcxan Iria para vico-re do lgyplo. _
A posicilo do novo vice-rei era mu em-
barazosa ; os Albanezes e suas prapras
tropas persistiam anda em exigir o paga-
mento dos sidos atrasad i-; e, orno Ihe
fos-o absolutamente iuiposs vel s tisfazer
esta exigencia, urna nova e formulavel in-
turr.c/o rrebentuil. 6 O I .10*0.1 0
Khorshid poxeram o Oairerajuco, Os ha-
bilanlesdi cidade, chelos do maior sus-
to, depozeram a Khoorsiid Pacha, e, ro-
gando aMomeht Ali queltioj vaes-t, no-
meiirani-no vic^-re.
Mehemet Al foi apoisado do pachalalo
do Egypto em I8(ifi com a con licAo de en-
viar ao sultAo 4,000 bolsas quo represen-
tavam naquelle lempo a quanlia de 24,000
hlnas esterlina. 0 pachalalo do Exypto
era enlflo coininummenle chamado o pa-
chalalo do Cairo, e estondia-se somonte at
ao Medio i^-vpioe Della ; acnan lo-se o al-
to Rgvpto dividido en varios districtosad-
ministradofl pnr beya mamelucos, e Ala-
xandriacom urna p^rte da provincia occi-
dental por um Pacha indc>enrente do
pacha do Cairo. Alguus mezes depois do
Meliemenl Ali torsido apossado do pacha-
lalo do Egipto, aporta consentio em dar-
||l0 tambem o pachalalo de Alejandra
como um premio dos srvu;os prestados
por ello ao imperio otlomano om 1807,
quando os Inglezes evacuaram o Baixo
Egyplo e a cidade Alexandri*.
A primeira cousa que Mehemet Ali fez
para assegurar o seu poder, foi attender as
exigencias das tropas. Elle representou
aos habitantes do Cairo que, para evitar no-
vo* disturbios, era preciso que a* neeesst-
dados do exercilo fossem salisfeitas, e para
osle im levantou contrihuicOes. as quaes
loram promntamente pag como livessem recebido o que te Ihes de-
via, so apaziguaram, e licaram anda mais
affelcoadoi pessoa do Mehemet Ali.
Fm 1808 Mehemet Ali recebeu ordens da
Porta para atacar o dispersar os Wauabes,
Mita ranalica da relgnlo mahometana, a
nual llnhi saqueado a* ctdades santas de
lleca e Me lina. Antes de se empenhar nes-
ta guerra o de fazer sahirsu.s tropas para
lora doEgvnlo. o vice-roi resolveu acabar
rom o poder de seus antigos all.ados, os
Mamelucos; porque, 'omiuanto, os doo.
chefe* i livessem mondo, todava o seu
o mero ora ainda mui grande e po lia in-
co.n,noda-lo. Par. este flm elle os convi-
do,, a lodos para assislircm **j**
Cairo investidura .le seu fl h. Joaissoo,
con.o cabo da expedicAo contra os Wana-
bes- mas depois do acabada a ceremonia.
S5 Mameluco., montando em teus e.vellos
e rct rao lo-se, arharan as portea da c.da-
lui riel a las e logo urna descarga de
m, que.'. dada ^elos soldados que -
uv,ni eolio** sobre as mura has, com-
L-ie mente os ...iquilou. sendo mu.to
du's morloe ao mesmo lempo as provin-
JST Oi" se que 470 Mamelucos com seu
ch^e Ibralum Bey pereceram na c.dadella,
e aue na cidade e no campo nao menos de
,Z roram mortos Ass.m tOabOQOJ-
der desees chefe fo^midaveis que tintan
onsrvado o Egypto em um eetaJ^
cha e guerra desde o anno de 1389.
epoi* da destruicAo dos Mamelucoi. Me-
hemei Ali ez-se senhor do Alto Egypto ;
e te ol'teve J Sublime Vatt* BVern d'*"
U parle do paiz, eao mesmo lempo augmen-
tou coiisideravelmente o imposto territorial
lc os direitos das alandegas sobre o com-


mm
*
r ttarasrmnnvy^Krii '9i>ownaair^naKK:-x t^ys?|rasrrarjgtrMBfc.MijMi i Hiniiiwf
A
n sen rxorcito Arabia ronlra es Wahabes
F.sta guerra dtiroii seis annos; ella cus'oi-
a i vicc-rci soturnas immensas o um gand
numero do humen?, o foi finaln enl con
o'uida por Ibraliim l'ach. Km 1813, tid.
Momehct Mi ao lledyas rara o fitn deapres
aro resultado da expedidlo, a Porta, in
vejosa de seu poder, nomeou scc elamentr
.luante a sua ausencia a V teef Pacha para
vice-rei do Kgypto; porm Mohammed Buy
mnist-oda guerra de Mehemet Ali, lingi
rinapoiar os designios de IMeef Pacha, in
dnzio-o a declara r-se publicamente vice-rc
do Egypto e depois deespitou-o.
En) 1815 Mehemet Ali. convencido das
grande vantagens da disciplina etlica mi-
litar na irte da guerra, resolveu discipli-
nar convenientemente o seu exercilo ; po-
rm os soldados, avessos a esta mojida,
amcararam insurgir-se. Para livrar-se des
tas tropas insubordinadas, Mohenvt Ali
envion-as a Elhiopia dcbaixo do coromando
do seu terceiro llllio Ismael Pacha, o qual
nesla occasiflo conquistou as provincias de
Bongola, Beiber, Shendy, Sennaar c Cor-
dofan, e no entretanto creou um novo exer-
cilo, o qual foi disciplinado por ofDcises
franrezes e italianos. Pepois di-so Mehemet
Ali ollereceu-se ao sultflo para ajuda-lo a
supprimir a nsuneicflo grega contra a Por-
ta, e a 16deiulhode1824 a armada egvpcia,
con-posta de 163 vasos, fez-se vela' para
a Morea, debaixo do rormnando de Ibraliim
Pacha, o qual por trs annos conservou a-
quelle patl em suhjecjlo ; sondo finalmen-
te uhrigado a retirar-sa depois da bataUll
.le Navarinn a 20 de oulubro de 1827.
Em 1830 a l'oita conTerio a Mehemet Ali
a nd i Inmracflo da ilha de Canda.
Mehemet Ali cuidon entilo em apossir-
soilaSyrla;e, como 6,000 Egypciostvessem
emigrad" para aquel|epaz, o|vice-rei recla-
mou a entrega driles de Ah.lallali Pacha,en-
tilo governador de Acre. A re obieve f,,i que os emigrados eram vassal-
los da Sublime l'oita,!. qUe estavam nos do-
minios do ItBo tanto na Syria como no
Egypto, Mehemet Ali,indignadocom esta
resposla, mandn dizer ao governador de
Acre que elle mesmo iria buscar os seus
6,000 viissallos n um homem enais.
No dia 2 de novembro de 1831, poitanto,
ovice-rei envin Syria um poderoso ejer-
cito debaixo do commando de seu (ilbo
Ibrabim Parh, o qual dentro do poucos
mezes redimi lodo aquelle paiz a stihmis-
sfln. Por este fado a Perla declarou Mehe-
met A rebelde, e envin um forte exerci-
lo a Syria ; porm as tropas de Ibrahim
Parh derrotaran, conslnnlemenlo as do
sullflo, e varios balalhas importantes fram
(dejadas, asquaes asseguraram aos Epvp-
cios a posse do paiz. As potencias euro-
peas inteivieram, e debaixo de sua'gsranlia
apa/ foi assignada a Hdemaio de 1833
A Syria e o distrirto de Adana fram cedi-
do! n Mehemet Ali juntamenlc coin o pa-
chalato do Kgypto, reconhecendo-se elle
vassallo do sulllo, e obrigando-se a pagar
Porta o mesmo tributo que pagavam os
pachas da Syria. Segundo este urranjamen-
to Maltcmet Ali pagava pelo Egypto 12,000
bolsas, pela Syria e Adaua 18,000, e pela
Canda 2, sommando ludo en) 32,000 Lui-
sas, ou 160,000 libras esterlinas por anuo.
Melioniet Ali cnitinuou ni pacifica posse
da Syria al o auno de 1839,no qual,nflo po-
lemlo mais a Coila tolerar que - osse occiipado pelo vice-rei do Egvpto, o
sultflo Mabmoud organisou um exrcito e
urna armada fortes, e enviou-os a Syria de-
baixo do cominan-o de llaliz Tacha para
expedir os l'gypcios, porm esto nflo pode
vencer bratiiu Pacha, e oexercito turco
teve quo retirar-se. A Inglaterra, a Aus-
tria, a Itnssia c a Prussia entflo juntamente
comaPorla assisnaram um tratado a 15
Icjilho de 1840, e intimaran) a Mehemet
Ali que evacuassea Syria ; poiem o vice-
rei, ronliado na assislencia dos Francezes
que Ihe tinba sido prnmcllida, pareca de-
terminado acon,-civar-se na posse do paiz.
A Inglaterra inlimou tainbem formal-
mentelo vice-rei que reslituisse a armada
turra, que linha sido levada para o porto
de Alexandria pela traieflo do almirante
turro; porm Mehemet Ali deu respostas
evasivas a referio-se ao sultflo. Entretanto
elle tez todos os esforcos tiara augmentar o
seu exercilo e creou no Egyto a guarda na-
cional, na qual lodos os individuos do sexo
masculino fram obrigados a seivir.
As potencias adiadas, vendo que o vice-
rei nflo quera evacuar a Syria por bem, re-
solvern lanc,-bi lora por frc. A primei-
ra aeco teve lugar a 10 de outubru de 1S40
junto de lev'oijt, enella o exercilo egyo-
oin foi complelamento do.-baratado e a ci-
dad tomada Caiffa o Sania fram bombar-
deadas no n esmo mez, Trpoli c Tarso o
fram logo depois, e. a 3 de novembro do
ni. su o auno o bombardeamenlo e tomada
de Acre no curto esparo de qualro horas
convencern! a Mehemet Ali que toda a re-
sistencia mais era intil. A cidade de Ale-
xandria foi bloqueiada por um esquadrflo
inglez ; entretanto o vic---rei anda nao es-
lava inclinado submelter-se, porque en-
tretinha esperances e quo a Franca viril
etuseu nuiiorro; porm por I i ni conheceu
one nflo poda mais COll temporil* r, eacee-
deu aos termos que Iho tinham sido pro-
poslns, sendo Ihe -sseijurailo 0 parlialalo
hereditario do Lgypto em sua propra fa-
milia.
)'.. durante o periodo em que os lnle-
zesalacaram as suas tropas na Syria, o blo-
queiarimi a Alexandria que Maliemel Alise
comporlou iflo niagnaninamenle para com
Inglaterra, deixando que os correios da
Imita alravessassetn, comodantes, pelo E-
gypto sem seren iiicoinmodados.
t.\/
*<
aulas, oestes paizea fram restituidos
ut>ri.lado da sublime porta.
0 firman enviado polo sultflo a Mehemet
Ali foi datado de Constanlinopla a 13 do fe-
rerci.ro de 1841, e depois de algumas modi-
flca(0es foi finalmente aceito por Mehemet
A'i a lOdejunhodo mosmo anno. As con-
di;es com que o paehalalo hereditario do
Ezypto foi conferido a Mehemet Ali sflo as
saqun les .
1 A successflo ao governo do Egypto
dentro do seus antigos limites dever des-
ear em linha recta na posteridade masculi-
na de Maliemei Ali, a primognito, entre
os lilhos e lelo-, devendo a uomeacto se
l'eila pela Sublime Porta.
2*0 pacha do Egypto dever ser consi-
derado como um visir do imperio oltoma-
no, e, excepto o direito hereditario, nflo le-
ra neste carcter sonflo os direitos que teem
osoutros visires.
3 Todos os tratados celebrados entre a
sublimo porta e as potencias euroras dc-
verflo ser applicaveis ao Exyplo tanto como
a qualquer oulra parto do imperio olto-
mano.
*.' O pacha pode ctinhar moJa no Egyp-
to, poiem o cundo dove ter o non>e do
sultflo.
5.' Oexercilo permanente do Egypto dc-
vei compor-se de 18,000 homens, e 400
soldados deverflo ser annualmenle enviados
a Constanlinopla.
6 O vice-rei do Egypto lem o direito de
Bornear oflciaes para as frrjas do mar e
ierra al a patente de coronel ; porm nflo
pode nouiear neuhuin general de brigada,
porque um tal general he u.-T) pacha, c s-
meme a Porta pode noinoar pachas.
"* O vico-rei do Egypto nao podo cons-
truir visos de guerra sem a permissflo da
Sublimo Corla.
8. O pacha sublime Curia mu tributo annual de um mi-
Ihiio c um torco de posos hrspanlies, 270,000
libras esterlinas, penco mais OU mruos.
0. O titulo hereditario podei ser revogado,
se algum dos successoros de Mehemet Ali in-
fringir qualquer das condicoes que llcam ex-
polias.
A Sublime Porta confera tamben) a Mehe -
niel Ali, porm sem a successao hereditaria,
o governo das provincias da Nuhia-Darfeur,
Sennaar Cordofan.
U pacha do Rgypg dlffere dos ontros pacht
do imperio otloinano co ser o umeo que tem
o direito de arrecadar as rendas, entretanto
que jsto he prohibido ans oulros.
Al o anno panado Mehemet Ali (Monda
urna conslituicao uiui forte; sua estatura era
im\a, c suas icires formaran) urna pin i......
Illa agratfavrl e animada ; o seu olhar eupres-
sava finura, nobleza e aniabilidade, e o seu
traje era o mais limpies possivel. F.lle rece*
bia fcilmente impressoes fortes, era mui fran-
co c nao podia coin facilidade nceultar seus
seuliinentos. Elle amara seus lilli isroin gran-
de ternilla e viva no Interior de sua familia
com grande siinplicid.iilc c sem constraugi-
meiito. I- He goitara muito dejogar o bilhar,
o \ nli i /. as damas e cartas Em seus uliinios
anuos toriiou-se mui compassivo e human, e
geialinonlc perdoava as maiores faltas. Me-
liemet Ali amara a fama, c oceupava-sc muito
nao soieiite doijuioi que delle se faziam em-
quanto vivo, scniio tainbem da reputacao que
delsaria por sua morte. As gacetas da Europa
llic eram regula aceusacao que ellas Ihe faziam, causava-lhe
um abalo consideravrl. Sua aclividade era
mu grande. Elle dorma pouco de nolte c iit -
variavrluieiiic se levanta** ..ies de nascer o
I. liiir rrceoia Otariamente os relatnos ue
seus ministros, dictava respostas c examinava
flequen tmente todos os melhorameiitoa ou
nudanca <|_uc se faziam uas obras publicas.
Elle linha l anuos quando aprendeu ali, es-
ludot princijialmeiite a historia e Int. ressava-
se particularmente pelas vidas de Napoleo e
Alexandria Magno.
A nica lingoa que fallara ora o turco; elle
entenda o arabo, porm nao goslava de flla-
lo. O ex-vice-rei nao observava com rigor os
dogmas da rrligiao mahometana, e nunca cui-
den! em jejuar no mez de Ramazau. Elle mos-
trava a inaior tolerancia para com todas as re-
ligies, c foi piimeiro governador mahome-
tano que coiic> deu prolecciio real aos chris-
los e elevoii-osaos mais altos cargos, lu odo
de algiios dcllis seus iniimosamigos.
Meneinel Ali leve de suas ntulheres e con-
cubinas II; fohin, dos quaos somonte cinco,
lies homens e doas iiinllieres, sao aioda vivos,
islote, lord Cacha, almirante da armada eg} p-
cia, nasei lo em 1818 ; llilem Boy, naacido eni
1820; Mehemet Ali Bey, nascido em 1833 ; Al-
leh llaniim, naielda em 1/97, viuvade I >. t'i<-i -
den .Mohammed hoy ; e Zein.ib II intil, nasci-
darm 1824, c casada em lSfcom Kamil Ca-
cha. 11.ilrio ey estove quatro anuos em Pa-
rs, onde recelieii moa educatao liberal.
O segundo lilli.) le Mehemet Ali, depois do
fallecido Ibrahim l'ach. foi Tousson Cacha,
nascido em Cavaba, o ipial dcixou um s flllio,
Abbas Cacha, que nasceu em I8l3 e lie actual-
mente o vice-rei do Egypto. Tousson Cacha
noneu de peste un campo de Dauaiiliourem
1816.
Mehemet Ali tere tambem em Cavalla da
mesma iniilher mu tricriro filho, Ismael l'a
Cb, o qual inorreu na guerra no Sennaar.
Um non n filho de Mlleme! Ali, llozessein Bey,
nascido em IS.'.'i, mnrreii em 1847 em Caris on-
de eslava sendo educado. Mehemet Ali teve
12 roaos e dual imillas, poiui todos sao j
morios.
(Correspondencia' do rimo.)
Dito. Ao capitn do porto, faznidii-llie
enastar que pela eslava i competente ae ..-xpe-
dlo ordeui intendencia da marinha da corle
para reinellcr aquella capitana uina prensa
para sellar as armas imperiaes nos respectlvoi
o ruejo*.
Cilicio. Ao capilao do porto, transir.lttin-
do-llie o aviso do ministerio da marinha de 3
de jolln ultimo* arompanhado de um officlo
du auditor geral da marinha, tudo acerca do
arrolsuiento e lierncas das pequeas canoas
e ros dcsta provincia.
Dito. Ao mesmo, reinettendo-lhc o aviso
do ministerio da marinha de 12 de jul ho prxi-
mo passado, acompanhado de moa nota dai
madeiras que devem ser remetlidas para Per-
nambuco, afim de serein empregagadas no
brigue que all se vai construir.
Dito. Ao encarregado da idmiiiistracao do
hospital rrgimontal desta cidaile, dizendo-lhe
que pela tlresouraria de fazenda se mandn
ornecer o referido hospital dos objeclos cont-
antes da relaco que acompanhou o seu offl-
ci de hontem.
Dito. Ao tenenle-coronel commandante
do priineiro bstalhao de guardas uacionaesda
villa de Porto-de-Pedras, ordenando que par-
ticipe ao governo o motivo por que deisou de
tirar os vencimentos do mez de abril prximo
passado, pertencenles ao lente ajudante do
referido batalln. Jos. Francisco Nunel.
Dito. Ao instructor parcial da guarda na-
cional da villa de San-Miguel, dizendo-lhe que
como tal passe residir all, visto que no caso
contrario nao pode continuar naquclla com
missao.
Cortarla. Multando os membros da mesa
do collegio eleiloral da villa de Anadia na
. I ii ii I i.i ile 600,000 rs. repartid menle, por nao
haverem at esta data remettido as aulhenlical
das actas da elcico para deputados geraes c
provinciaes.
Oilieio. A cmara da mesma villa, reinet-
lendii-llie copia da dita portara.
Dito. Ao presidente da mesa eleiloral da
mesma villa, ordeuando-lhe que, apenas este
recober, remella secretaria do governo as
anihe o i uas das actas da eleico para deputados
geraes e provinciaes que leve lugar all no dia
f> do coi-rente.
Portarla. Ilrmovrndo e demitiiiido a va-
rios instructores parciaes da guarda nacional
desta provincia.
DIARIO DE PERNAM'CO.
nnciFE, 2a di outtjbhO sx 18(9.
O Sr. Honorio Pereira do Azoredo Couli-
nho acha-se nomeado-presidenta da provin-
cia do Mar.it lio.
S. Exc. partir para all amanhfli (29Ja
bordo do vapor Pcrnambucana.
Algodflo- F.ntranm 1,t33 saccas.
Yondcu-sa de *,800 a *,850
rs. por arroba do de primei-
ra sorlc; e de 4,400 a 4,450
do de segunda.
Couros -f- Vendeti-se a 85 rs. por libra
dos salgados.
Bacallio-------Retalhou-se a 9.500 rs. por
barrica. Ficaram por
vender 5,000 barricas.
boina Vendeu-so a 7,500 rs. por
barrica.
Uolaxinhas dem a 4,700 ra. por birrir
quinha.
Carno-secca- dem de 2,200 a 9.700 rs,
por arroba. Ficaram om
deposito cerca de 70,000
arrobas.
Chi-llysson dem do 1,300 a 1,800 ra.
por libra.
Farlnhade trigo Tivemos esta semana dous
carregamentos, dos quaes
um fui vendido aqui, eo
oulro seguio para o sul.
A de Hichmond retslhou-ae
de 19 a 20,000 rs. por bar-
rica ; a do llallimore a
16,000 rs.; a de Philadel-
pbia, de 17 a 18,000; ea
de Trieste SSSF a 19,000
ris.
Farello--------- Vendeu-se a 3,200 rs. por
arroba.
Genebra dem a 3,960 ra. por duzia
de botijas.
Manleiga------dem de 480 a 500 rs. por li-
bra da ingleza.
Oleo do linhac dem a 1,600 rs. por galflo
em cascos de madeira, e a
1,720 em botijas.
Taboado dem a 50 rs. por p de pi-
nito americano.
Yelas dem a 750 rs. por libra das
de composieflo.
Ezistem no porto 59 embarcacties, a sa-
ber: 1 americana, 37 brasileiras, 9 franco-
zas, i bespanhola, 8 inglezas e 3 portu-
guezis.
cia-los para esse engajamenlo, a apresen.
tarom-son capitana com toda a brevidi.
de, sendo o lempo do engajamenlo de t
a 3 annos, como se convencin ir ; e as gra.
tificasOes a darem-so na ordem desses pr.
zos de20, 30e 40#000 : alm destas Rra~
tllraeOes se lhfldarflo directamente 4/0oo
rs. aos que forem estrangeiros, e s/o^
aos nacionaes, percebendu.ps individuos
quese proporezeo a ageiaaMlos 4/uqo rs'
porcada um sendoestranPro,c5/000rs
sendo nacional; devendo regular a idade de
18 at 40 annos.
Capitana do porto de Pernambuco, 13
de outubro de 1849. Rodrigo Theodoro i(
l'reitat, Capilflo do porlo.
CURSO JUItIDIGO.
Fago saber aos est.udanles dooollegio das
artes o do lyceu que, afim de terem nos em.
mes preparatorios a preferencia quo Ihet
concedein as ordena imperiaes, ho mistef
que instruam os seus requerimentos com a(.
[estados de seus respectivos profssaores que
ibonem a sua frequencia e aroveitamento.
Olinda, 97 de outubro de 1849. O padre
Miyuel do Sacramento l.ope Gama, director
l>eclaraes.

.viovimento do aporto.
Encetou-se boje o trabadlo eleiloral en)
as quatro parochias da capital, cujas mesas
se achain assira conslituidas :
SAN-FRE -PEDRO-GONgALVES.
Juiz li uiz. Francisco Mamede de Al-
meida.
FAeilurci. Manuel Goncalves da Silva 0
Francisco Jos Tavores da Cama.
Suppttnlei. Joflo Cirdoso Ayrcs e Do-
mingus Alvcs Matheus.
SANTO-AMONIO.
Juiz de paz. Joflo Yalenlio) Villeli.
Eleilorei.Joaqun) da Molla e Silva e
Francisco Lucaslerreira.
Supplentn.Antonio da Silva Cusmflo e
Jos llibciiu Simes.
INTERIOR.
A retirada das Iropas inglezas da Syria
eonu con em derrnibro de 1810 :54,000 ho-
mens e 6,000 mulberes e meninos tomarm
entflo a estrada do deserto de Suez ; porm
este corpoToi tfio diminuido pelas doencas.
deserc,oes, privaeOes e opposigOes que en-
conlrou em sua marcha, que nem 25,000
pessoas chegaram ao Egypio. Ibrahim Pa-
cf*a earbarcoo em Gara com os doentes e
le-idos, echegoua Damietta a 21 de feve-
rear>>de 1841, entretanto quo o resto das
iropas vollou via el-Arish. Antes da eva-
ttfio da Syria. o ejercito egyprio com-
POiWia-se de 85,000 homens, mas .lestes s-
mente 33,000 chegarm ao seu paiz natal. O
almirante Walker, perlenccnte marinha
turca, lomou, em noaio dosultflo, o com-
mando da armada turca no posto de Ale-'
sandr.a efft-se devela para Conslanti-
noplaall de jane, o de 1841. No mesmo
!t IP ?p7. 'Ti'c*" f0rm retinadas
de Canda, de Hedjar e das duas cidades
ALAC0.AS.
Extracto do expediente do Exm Sr. pretiden-
te Dr. os liento da Cunha e Figueirr.do.
14 DESETEMBRO.
OfTicio. Ao inspector interino da lliesou-
raria de faaenda, maudando pagar ao ineslre
constructor a <|ii 1011.1 de 80,800 rs., provenien-
te da despeza feta com o concert da calraia
do porlo de Jaragu.
Dito. Ao inspector interino da thesnuraria
de fasenda, mandando fornecer o hospital re-
gioieiit.il desta cid.le dos ohjectos constantes
do pedido que se Ihe remelle, assigoado pelo
all'eies agente do referido hospital.
Dito. Ao iiicsnio, eominiinicando-lhe que
j se expedio ordem ao capitao do porto, para
das madeiras do corveta e fragata, contratadas
eoni l.oureoeo Cavalcante de Albuquerque Ma-
raoh.'.n. aceitar e relacionar tao smenle aquel-
las que tiverein sido reculhidas at a data du
aviso de 9 de jolln ultimo.
Dito. Ao mesmo, tiaiismitlindo-lhe copia
do aviso do miiiistrerio da iiiariulia de 24 de
jolln ultimo, que manda execular o de 23 de
de/.eoibni do auno passado acerca da liceuca
sobre madeiras, concedida ao dito Maranho.
Do mesmo leor ao capiaod > porlo.
Dilo. Ao inspector da Ihesouraria provin-
cial, para mandar pagar ao rominanlaoie de
polica Kvaristo Jos de Araujo a quanlia de
7,000 rs., proveniente do aluguel da casa em
que recolheu varios arllgos bellicos que exis-
aut em Jacuipe,
SAN-JOSE'.
Juiz de pax.-ffoulor Joiquim Villela do
Castro lavares.
Eleilorei.Joiquim Pedro dos Sanios
Bezerra o Joaquim Clemente dos Santos.
Su;;penles Manuel de Almeida Lima e
Justino Pereira de Andrade.
OA-VISTA.
Juiz de /n.Antonio Carneiro Machado
Rios.
Eleitorti. Simplicio Jos de Mello e Fran-
cisco Anlouio Cnyalcante Cousseiro.
Supplentes Alexo Soares Pereira e Ale-
jandre dos Sanios Barros.
Em Saulo-Aiiloiiio, San-Jos e Roa-Vista
nflo houvn ocourrencia alguma desagrada-
vel; em San-Frei-Pedro Conc-Ivs, porm,
una discussflo un punen calorosa acerca
de n ras avrrigo.ic/ios 11 que um votante
quetia se procedesso sobre as listas na oe-
casiflo em quo fossem recebidas, a qual foi
suscitada antes da primeira chuma,m, deu
lugar que o juiz de paz demorasse por al-
gum lempo setneliianle rece|icflo, e cm-
correu para que se trocassem ditos menos
urbanos cul>e os assistenles que, sup-
poslo estivessem sobo dominio do mesmo
pensaiiienlo polilico, disco'davam todava
acerca dos ctdadflos que ah deviam de ser
csco'hi.los pan eleilores; mas, sendo isto
sabido pelo Sr. chefu de polica e pelo Sr.
delegado do primero disirclodo termo do
lien le, dirigiram-se ambos a matriz ao mes-
mo lempo e sem previa combiuar^flo, dis-
poslos a acalmar os nimos.
Apenas ellos chegaram, o juiz de paz de-
clarou aquello magistrado que a mesa j
linha aliendidu reclamado do volante,
deci lindo que, 110 acto da entrega de cada
lista, se cxiiiinnasse se ella continha outras,
equo tiesta conformidade ia proceder pri-
meira chamada o que se verilicou at o
fitn com toda a regularidadee ordem.
Navio entrado no dia 27.'
Ilha de Fernando2 dias, brigue-escuna
de guerra Caxdpo, commandante o pri-
mero tenenle Jos de Mello Chrisla d'Ou-
ro Conduz 1 soldado e 9 sentenciados.
Navio lahidot nt meimo dia.
Rio-Crande-do-Sul Escuna hrasileira S.-
r?ru;, capilflo Manoel Pereira do Si, car-
ga assucar.
Rio-de-Janeiro Barca americana Francis-
Wat; capilflo F. Rernseo, em lastro.
dem Brigue brasileiro llom-Hm, capilflo
Joaquim Rodrigues do Froitas, carga
sal, ago'ardente e mais gneros. Passa-
geiros, Jacome Gerardo Mara i.umachi de.
Mello e Joaquim Jos dos Sanios, Brasi-
leos.
baha Escuna bollande/a Antje, capilflo
C. Rulen, carga paite daquetrouse.
Parahiba Ilute lirsileiro Espadarte, ca-
pilflo Victorino Jos Pereira, carga varios
gneros.
dem lliale brasileiro Santo Antonio-Flor
do-Hio, capilflo l.tiiirciieu Jos Ferteira,
carga varios gneros.
rVae/M entrados no dia 28.
Tcrra-Nova 32 das, brigue inglez Emma,
de 308 toneladas, capilflo VV. Williams,
equipagem 12, carga 2,500 barricas com
bacallio; ordem.
liba de Fernando 61 horas, corveta hra-
sileira Euterpe, commandante o captflo-
tenente Joflo Custodio d'llondan. Con-
duz n ex-commandante da ilha o brga-
dr: 1 Francisco Sergio de Olivera com
si. familia e 1 sentenciado que acabou
seu lempo.
Navios tahidos no meimo dia.
Antuerpia Brigue argentino La-I'lata, ca-
pilflo A. F. Ilrotisen, c-iga couros c 19a.
Passageira, a Suissa Nielermeyir.
Itnw.'s Brigue inglez Corf, capilflo John
Shacr, carga assucar.
Parahiba lliale brasiloiro Santa-Cruz, ca-
pilflo Eustaquio Gomes da Silva, carga
varios goneros.
n
-- O Sr. director do lyceu manda fazer
publico que os exames do lyceu principia'
rito do dia 5 do novembro por diante.
Secretaria do lyceu, 97 de outubro de
18411. Januario Mexandrino da Silva Ha-
bello Caneca, professor de degenho e se-
cretario.
Pela subdelegada de S.-Joa do Reeifa
aclis m-stwecolh idos a cadeia desta cidade os
prclos Andi e l.uiz, o primero dii serti-
cravo de Luiz Moreira de Carvalho, oose-
gundo diz ser escravo de Theolilo de Souzt
Jardim : quem fr seu legitimoSur.com-
parega nessa subdelegada com os seus t-
tulos para seren entregues.
Subdelegara de S.-Jos do liecife, 24 de
outubro de 1849. Francisco Carneiro da
Silva, subdelegado supplente.
Carlas seguras viudas do sul para os
Srs. Manoel \uvaes da Costa, Rodiigo da
Costa Carvalho, Silverio Marianno Quevedu
de l.acerda c D. Bernardina deSenna Silva.
De ordem superior fui trans-
ferida a salila do vapor Ver-
nambucana coin destino aos
portos do norte para aegunda-
fer, 29 do correnle, fechjudo.se as ma-
las a urna hora da larde. .
sm**s*'~m''r*i**^mmmmgimsf??mm
Publicacao ltterai
i.t.
Memorias histricas
da provincia de Pernambuco porl
Jos Bernardo Fernandes Gama,
4 volumes em oilavo, com retrato do autor]
em frente e diversos mappise plantas lo-
pographicas.
He urna obra de summo nteresse e de pri-l
mira necessidade pira quanlos habitaoil
Pernambuco. He a historia miis curiosa!
que possuimos desdo a descoberta e funda-
c;io desta provincia at os nossos dias, coral
as particularidades mais minuciosas edo-l
cuineulos origiuaes que anida nflo tiuham|
visto a luz.
Vende-se na prafa do Commercio, es-
criptorio 11. 8.
EDITA tiS.
CMfWHC|0.
AI.FAM)ECA.
Rendimento do dia 27.....
CONSULADO CERAL.
Rendimento do dia 27.....
Diversas provincias ......
8;09,120
1 181,332
291,332
1:472,66(
CONSULADO
Rendimento do dia
PROVINCIAL.
97. .... 937,018
PIUCA DO RECIFE, 27 DE OUTUBRO DE
1849, AS 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
Cambios Nos primeros dias da se-
mana sacou-se a. 27 l|2 e
27 3|4, e por ultimo a 28 d-
por 1| lis.
Assucar- As entradas anda fram
rscassas. Fizerim-se al -
gumas vendas do novo on-
De ordem do lllm. Sr. inspector da Ihe-
souraria de fazenda desta p-ovincia se faz
publico que tem do se preencher a vaga de
um terceiro escriplurario da contadoria, e
que, no dia 28 de novembro prximo vin-
douro, se ha do p.ocoder na forma da lei ao
concurso dos que se propozerent a entrar
para o mesmo lugar, os quaes deverflo apre-
senlar os seus requerimentos documenta-
dos com folha corrida, cerlidflo do ilude,
calado o mais documentos que julgareni
precisos a hem de mi a pretenQflo.
Epara quechegue nolicia de quem con-
vicr, se faz pub ico o presente pela im-
prenta.
Secretaria da Ihesouraria de fazenda de
Pernambuco, 27 de outubro de 1849. No
impedimento do oilicial maior, Antonio
Luiz do \tnaral e Silva.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 29 do correnle, depois
do meo-dia, na porta da mesma, se nflo de
arrematar em hasta publica 360 varas de
trancas e franjas de seda, por factura umi
vara 520 rs. total 187,200 rs impugna-
das pelo segundo escriplurario Gabriel Af-
fonso Regueira no despicho n 580 de 25 do
crrenle : sendo a irremitacSosubjeita aos
direitos
Alfandega de Pernambuco, 26 de outubro
de 1849. O inspector, Luiz Antonio de
Sampaio Yianna.
~ Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 29 do correnle, depois do
ineo-Jia, na porta da mesma, se hilo de ar-
rematar em hasta publica cem curios de
vestidos de cassa Cordados, por factura um
5,200 rs. Iota! 520,000 rs., impugnados
pelo segundo escripluraiio (.abriel Alfonso
Regueira no despacho n. 590 de 26 do cor-
relo : sendo a arrematado subjeita tos
direitos.
Alfandega de Pernambuco, 96 de outubro*
de 1849. O inspoclor, Luis Antonio Sampaio \iannm.
O capilflo do porto desta provincia,
em virtOde da autorisi^flo do F.xm. Sr.
conc Iheiro presidente, tem de engajar
mirnheirosda primeira esegumja classe
PUBLICACAO' UTTERARIA E RELIGIOSA.
Sabio i luz em lingoa vulgar o mais per-
fcito cathecismode doulrin ciirisll, o de-
cretado pelo sagrado concilio de Trenlo,
para delle fazerem uso os pinochos de todo
o orbe calbolico us suas exposiffles dou-
trinaes ans fiis commettidos aoaseu cuida-
do c vigilancia, afim de que em todos aquel-
les pastores houvesse a uuifortnidade ne-
cessaria lano no ensino das principies ver-
dades di religiflo catholicai como na boa
ordem e metiiolo de as xpr e ensinir.
Esta nova versflo, que a primeira vez agora
acaba de sabir ao publico, se fazia muito
necessana pelos defeitos da anliga, ja tor
vezes reformada, mas sem poder preencher
fcilmente os seus ns, por so Ihe ter dri-
xado (icir sempre muitos dos antigos defei-
tos, que iifloeiu possivel einen laitiii-si- da
lodo sem se recorrer s um novo Iraballio de
oulra tradeueflo, nteiran>eulo livresem fal-
tar a lideltdade que deveser a primeira obri-
ga(o do Iraladuclor. Quem quizer 1 pe-
der adiar no armuzein de Francisco Xa-
vier Martins Bastos, ruado Encantamento,
n.li, >
primeira
saecado branco de 2,100 a I pra completar a cuarnifflo da corveta Eu-
2,700 rs. por arroba; eollerpe; convida, pois, a mariiihagem que
mascavado, de 1,600 alqueira servirdessa forma, ou aoa indivi-
1,700 ib. I dos que quizaren incumbir-se da agen-
avaos martimos.
-- Para o Havre sahe.com a maior bre-
vi.lade possivelf a barca frauceza lilla, ci-
pilflo I .eme 117.: quom quizer earregar, ou
ir do passagem, para oque tem cxeelhiitrs
commodos, dirija-se aos seus coustgnati-
r ios, J. I1. Aduu' & C. na ra da CaJen,
11. 52.
-- Pan a Rabia o patacho S.-Crus segu
em poucos dias : anda recohc carga e pis-
ssgeiros, para o que trata-se ao lado do Cor-
po-Sanlo, luja de macam.es, n. 25.
.. _________ a ._.
Leiloes.
L. Bruguire far lelflo, por inlerven-
eflo do corretor Oliveira, na ra da Cruz, n.
I, a presenca de um agente francaz, por
conta e risco de quem pert-ncer, de umi
[loreflo de cassas avadadas, viudas do lli-
vrena barca franceza tilia : segn ta-feira,
29 do correnle, s It horas da manbS*.
Ororrelor Oliveira fara leiluo, por or-
dem do capilflo Edward Will e por eonti
e risco de quem perloucer, de 181 barricas
defatinha dej iriso em.um ou mais lo'es i
vonlade dos fjitantea, para occorrer ni
gastos da escuna inglezi fanella, arribam
a este porto t quarla-fcira. 31 do crrante.
s II horas i'a manhSa om (ionio, uoirnii"
zem do Araujo, becco do CoiiC'lves
O corretor Oliveira fara lelflo da por-
c.flo de mobilia, consistindo em ca.lairas do
dill'erendes qualulajes, opilas, mesas re- '
dornlaa, fnicas de jogo, ditas para aophis,
ditss dsticas, um rico piano de jacarin li,
o outrode dilferente madeira, um" oetimo.
violflu, redes do Para, commodas, marque-"**'
zas, lavatorios, um relogio de prats p-
tenle inglez, muito bom regulador, dito da
cima de mesa, duas blaiic,a* rominis,
um carro de qualro rodas quasi novo,
com os competentes' arreios para I cavallo,
dous ptimos escravos, sendo um de um
.N.


nimn"ero que se retira pnra fara, e nutro
mullos objeclos asss neeessnrros: terga-
, '30 do correnle, s 10 horas da ma-
nh.ia', no primeiro aqdar do sobrado n. 22
a.'rii'a do APOllo. .
Avisos diversos.
.. o Sr. Eaeguiel de Souza Cavalcante'
mestrc de dtw$a, queira dirigir-ge livra-
n'a ns. 6 e 8, da praga da Independencia.
O BUAOO DA ItASA N. .
cha-sea venda no lugafj annnuciado, e
amnio dos distribuidores.
e OBEIJA-rLOR.
Sabio o 4* numero o est a venda nos
lugares do coslume.
.- o Sr. A. J. L. queira fazer o, favor de
vjr pagara quantia d 15,840 ra. a llosen-
doda Silva Cunta ; do contrario, lera 'do
ver seu nome por extenso nesta folha.
hxisleno. Iugar.de Msria-Fadiiha un
prcto uiarinheiro, que diz chamar-sc Jbfla,
baixo, cbai#do corpo: bem prelo e moco,
com cabellos de caforinba; oqualdizser
forro* mas deseonfla-se ser escravo : quem
fr seu dono, procure no mesmo lugar a
Jos Adelo Pereira que eosluma andtr
cm canoas de cal. e presentemente est no
porto de S.-Franclsco deata cidade,
DOWMAN & MU. CALI.U.M engenhei-
ros nmebinistas e fundidores de ferro, rnui
respeitosamente. annunciam aos Senborea
proprielarifis de ongenbos, fi/endeiros, m-
iifiiiis, negociantes, fabricantes e ao re*'
peilavel publico, que o seu esiahelecimento
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em effeclivo exereicio, e se ach com-
plei.iinenle montado com epparellios da pri-
rneira qualidade para a perfeita confecgllo
das mainres pegas de macbinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arte, Itowman & Me'. Callum
desejam maia particularmente chamar a
attcnglo publica para a sseguintes, por
terem dolasgrande sorlimenlo j prompta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
trangero, tanto em preco como em qua-
lidadedas materias primas e m8o. d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da melhorconstrucgflo.
Moendas decanna para engenhos de to-
dos os tamaitos, movidas a vapor por agoa
ou animaos.
Itodas d'agoa, moinhos de vento e serra
ras.
Manejos independentes para cavallos.
(todas dentadas.
Aguilhes, bronzes e chumaceiras.
Cavilhoes e parafusos de todos os tama-
ndoa.
Taiai, pares, crivos e boceas de forna-
llia.
Moinhos de mandioca, movidos a mo ou
por animnes, prensas para a flila.
Chapas de fogilo e Ionios de familia.
Canos de ferro, torueiras de ferro e de
bronze.
Hundas para cacimba e de repucho, mo-
vidas a mfio, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchos o macacos.
Prensas hydi ulicas e de parafu.se>.
Ferragens para navios, ca ros e obras pu-
bliaas.
Columnas, varandas, grades e porles.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camls, carros do mSo e arados de ferros,
&c, &c.
Aleni da siiperiorinile das suas obras, j
geralmcnte reconbecida, Rowman & Me.
Callum garanten) a rnais exacta conformi-
dade com os moldes e dezeubos remeltidos
pelos Senhores que se dignarem de fazer-
Itii's encnmuiendus, aproveitando a occasiSo
para ngradccereui aos seus numerosoajMii-
gose freguezes a preferencia com qirMBem
sido por lies honrados, e asseguram-lhes
que nao pouparfio es,foigos e diligencias
para continuarem a merecer a sua confi-
anca.
Precisa-se de um feitor para campo,
para uro engenho distante desla praga ti
leguas : na ra do Queimado, n. 6.
Precisa-se alugar uin moeqie que co-
zinbe (Milano de una rasa : na ra do Quei-
mado, ii. 6.
Aluga-sc um escravo meslre cozinhei-
io de furiio e fogSo, proprio para urna hos-
pedara, por j ter servido ; ha pardo c bo-
liero ; afiangs-se a conducta : tambem se
nluga urna preta ama de cusa, acostumada
afa/ertodo o seivigo puis lava, co/inba,
engomma i erfeilameiile, e he ptima para
ir.'lamento de meninos : quem os preten-
der, dirija se' ra do Collegio, n. 12, se-
gundo sudar.
Fu rio.
Do tereeiro andar do sobrado da ra da
Praia-de-S -Rila, rurtaram, no ilJ 2-2 do
renle, urna casaca nova de panno prelo,
urna camisa, dousboies de ou'o com pe-
dra e esmalte, um lengo cor de caf com
lislras encarnadas para pescogo, urna gr-
vala de setim prelo com franja cor de rosa :
qualquer possoa que os ditos objectos des
cobnreu roubador receber de gratica-
gaoovslor dolles, na lubrica de licores da
roa Direita, n. 17.
I'eranteo doulor juiz de orphflos, na
casa desua residenc i na ra da Aurora,
so lia deairemalar em praga publica a par-
te de una cas barrea, sita na ra do J>'|,r.
em Fru-de-J'O' tas, a vallada em 1:770,587
rs. cuja casa fui avahada em 3:000.000 do
rs., partencenle ao caaal do liuado Fran-
cisco das Chagaa, a qual valia praca a re-
qiieiiuient u Invent* rante e teslamen-
tero, o lenle coronel Antonio Comes
leal, nos das 29 de oulubro e 5 e 8 de o-
vembru prximo futuro ; os pretendenles
doverao comparecer na ultima praca dodia
8 de ruivembro.
i Oi Srs. Mnnoel Juaquim Nuues Reirilo,
Jos ua Crage Tui res e Mnoel Jos Gomes
braga, dinjam-ae ra Nova, n. 85, par
receburem caria vinuaa da Baha.
* Jacomc Gerardo Mara Lumachl da Mel-
lo, n;lo poJendo dis, edir-s'e peasoalmeute
do todas aquellas pessoas que o honra m
com sua auiiaade, faz i elo preaente as suas
despedidas, a Ibes offerece o seu limitado
prestimo na corte do impeli, aoode o leve
seu destino.
So Allerro-da-Hoa-Vista. fabrica de
clin rulos, n.9, precisa-so de olllciacs charu-
teiros.
-Terca-feira.ao do frrente, he a ulti-
ma praca dos moveia e somimovenles pe-
nhorados a Juliflo Boranger por seus ere-
dores : a praca deveter lugar no armszeiu
do mesmo lleranger, ra da Florentina.
Obilhele inteiro n. .5449 da stima lo-
tera do theatro de Sen-Pedro-do-Alcantara
do Rio-de-Janeiro pertence aoSr. Jos da
Silva Porto da cidado do Aracaty, licando o
hilhete em poder do annuncianle Cosme Jo-
s dos Santos Callado.
Jte Chapeos de sol
Rtia.do Passeo, n. 5.
Nesta fabrica ha presentemente um rico
e completo sorlimenlo de chapeos de sol,
tanto de seda como de panninlio ; ditos
muilo ricos do gros de Napias a.lu.usca-
do*, com ricas franjase da ultima moda de
Pars, para sennora, os quaes vendem-se
em ponji') e a retaHio, pelo prego mais di-
minuto possivel. Na mesma fabrica ha igual
sortrmento de sedase panninhos para co-
lirrem-se armsgOos servidas, concorta-se
qualquer chapeo de astea de ferro ou de
balis e tambem umbellas com toda ',a bre-
vidda e preco commodo.
Aloga-se oprimeiroandar da casada
ra da Cadeia do Recfe, n. 40, ptimo pa-
ra escriptorin, com muit/is commodos, e
que be muito fresco : a tratar no segundo
andar do mesmo sobrado.
Para as pessoas que ten-
cionan seguir viagem.
No pateo de S.-Pedro casa terrea n. 8,
tiram-se passaporles para dentro e fra do
imperio correm-se fnlhas e despcliam-se
escravos e para este lim tai:;bem pde-se
procurar na praga da Independencia livra-
ria ns. 6 e 8.
Aluga- se o tereeiro andar do
sobrado, n. lS, da na do Viga
rio muilo fresco e proprio para
familia : a fallar no primeiro an-
dar do mesmo sobrado, com F.
C. de Mello.
--Quem annunciou querer hypothecar
um sobrado de dous andares em boa ra ,
diiija-se ma estrellado Rozado, n. 43,
segundo andar, que ae dir quem faz este
negocio
il" um menino
-
-- Precisa-so d" uro menino braslero
que saiba ler, escrever bem e que reuoa em
sibiiasqualidades rara poder dcsempeniar
o lugar de caixeiro" do cobranca, dentro nes-
ta praga: aquello que a achar as circuns-
tancias de desoaipouhar o lugar, pode diri-
jir-se a padaria da ra Larga-do-Rozaro,
n 18, onde se lbe dir com quem se deve
entender
-- Precisa-se alugar um sobrado do um
andar no barro de Santo-Antonio, prefe-
i indo-se as ras Direita e do l.i vi amonio,
pateos do ('.armo, de San-Pedro, da Penha e
ra do mesmo nome : na ra Diroita, ven-
da n. 23.
Pcrdeu-seum annelilo com diaman-
tes oni fleira, com o aro partido, desdo a
praga da Roa-Vista at o Passeio-Pnblico :
quem o entregar no Aterro-da-Rna-Vista,
luja do miudezas, n. 84, ser gratificado.
Precisa-se alugar una ama que tenha
bstanlo leite para criar urna menina de se-
te mezea a qual tenha ba conducta: na
ruada Cadfiado Recife, loja de fazendas,
n. 56..'
Perahte o doutor juiz de orphflos e au-
sentes vai a praga para ser arrematado em
hasta publica o brigue Auitral, perteocen-
le a lioranca do finado Jas Francisco Col-
lares : os preii-n.lentes comparegam s 4
horas da tarde, na porta da casa do mesmo
doulor juiz de orphflos. na ra da Aurora.
O bacbarel firmadi) cm ma-
tliematicas, Hernardo l'ereira do
Carmo, explica durante o tcm-
po das ferias arithmelica e geome-
tra, na ra larga do Rotarlo, n
i a, segundo andar : o preten-
denles dirijatn-se ao luger indi-
cado.
Aluga-se um grande armazem com ser-
venta para a marc pequea e porto de
embarque e desembarque : na ra da Sen-
zalla, n. 42 a tratar com S. J< Johnslou &
Companha.
O consultorio homceopatico est <
r jberlo todos os das desde s9 horas
a da mantilla at s 3 da tarde. No mes- 4
n>o consultorio recehem-se doenles <
para se tratar homoeopaticamente a 4
2,000 rs. por da, ea 3,000 rs. que- 4
w rendo um quarto particular : na ra tjj^ da Cadeia de Santo-Antonio, n. 29. 4
Atlenc$o,
O abaixo assignado, oBIcal de cordero
aeha-se trabalbando na ra Direita loja de
sellfiro, n. 51, onde se propOe a fazer ar-
rclospara 1, 2 e 4 cavallos, e oulras mullas
obras tendentes a sua arte, ludo por prego
commd e coma maior prampldflo pos-
sivel : os pretendenles pdajjFdlrigir-se a
mencionada loja, que ah acharan o mesm<.
abaixo assignado, sempro disposlo a con-
tentar os fregue2es.
Franciico Xavier Carneiro.
DEPOSITO GERAL
4 fia fabrica de Gantois Pai-
> l/iet&c Companha, na Ba-
tr'i hia.
fe Domingos AlvesMathcus, agente da
j fabricada tap superior arcia prta
a>i o meio grosso da Rabia, tem aberto o
seu deposito na ra Cruz, no Recfe ,
t n. 52, primeiro andar, onde se achara
h sempre deste excellentco maisacre-
a> ditado rap que al o presente so tem
4 fabricado no Brasil: vende-se em bo-
svi tes de urna e meia libra, por prego
e>; mais commodo do que em outraqual-
5 quer parte.
Aluga-se umaescrava moga e robusta
para todo oservigo de urna casa, e mesno
para vender na roa : a tratar na ra do Col-
legio, venda n. 16
~ Aluga-se a loja na ra do Aterro-da-
Boa-VUa, com frente para a ra do Aterro
e ra da Aurora : quem pretender enlenda-
se com Jofio Jos de Carvalho Moraes.
10,000 rs. de grUificacao.
Desappareceu, no da 24 do corrente, do
sitio do Sr. Kenworlhy, em S.-Jose do Man-
gunho, um cachorrinho ingle|, do 10
meces de idade, de cor caslanho-clar ; hr
ca rador do ralos j tem asoreIbas corladas ;
respondo ao chamado de tuk: quem del le
souber equizer enlrega-lo em dilo sitio,
ou na ra da Cruz, no Recife, n. 2, recebe-
ra a gratificagflo cima. .
Deaapnarecea um novilhote, de S.-Ama-
ro para o Manguinho : quem delle souber
dirija-se ao Alerro-da-Boa-Visla, n. 17
que ser gratificado.
Peanteo juizo do civel da rrimeira
vara vflo praga de renda os alugueis da ca
sa da ra de Agoas-Verdes. n. 39. por exe-
cugflo de Manuel AnaslaCio da Costa.
--Precisa-se do urna ama para casa de
pouca familia, a qual saiba cozmhare com-
pnr: naruada Cadeia-Velha, n. 41, pri-
meiro andar.
Precisa-se de urna preta escrava para
o serwgn de urna casa de pouca familia:
noAterro-da-Boa-Viata, loja n. 1.
Aluga-se, por precio muilo commodo,
um bom ilio nos Afogadoa, com urna gran
de morada de cas, com baslantvs commo-
dos para grande familia, senzalla, estriba-
ra cacimba com boa agoa, tanque para ba-
uh, parreiral, larangeiras, coqueiros, ele
A dita casa acha-se rectideada e pintada de
nov* A tratar no petoo da Paz, escola de
meninos, ou na ra da Assumpgflo. outi ora
do oiuio da Penha, n. 4, casa da alencao.
.. Aluca-se um sobrado de um andar em
fra-IC-FortaS, II. 82. Col. bo.s salas, al-
oovase sotflo concozinha, quintal e ca-
cimba : a tratar na rna da Cruz, n. w.
- Comprnm-so 20 a 25 vasos para jardim;
bem como algiins carros de m;li. e mergu-
Ihos de p irroira : na ra do Crespo, n. 9
- Conipra-seuma piola ou preto do 40 a
60annos, que sej robust' o entendaalgu-
ma cousa de oozinha : airas da matriz da
Roa-Vista, sobrado n. 21.
- Compram-se pacas, talus verdadeiros o
por'cosdo mallo: ua ruado Colegio, n.3,
primeiro andar, das 10 horas da manbfla s
3 da tarde. _________
Vendas.
Antonio Carlos Pereira de Burgos '-4
? Punce de Len faz sciento a quem *J*
f) ta praga, lica encarregado de sous *
% negocios o seu correspondente, o Sr.
4 Lino los de Castro Araujo, com es- 0b
<0 criptorio na praga do Coinmercio, ?
(i n. 2. 9.
? f1
Quem preveis 14 anuos para alguin ostabeleciment, o
qual be de bna comlula, po lora entender-so
com Joilo Jos Je Carvalho Moraes.
Deniz, alfaiato fraucez mudou o seu
estabelecimenlo para o Atcrro-ila-Rua-Vis-
38, aonde os seus freguezes o acha-
Loteria do Rio-dc-Ja-
neiro
Aos 20:000,000 Na praga da Independencia, n. 4, vendem-
se buhlos, meos, quartos, oitavose vige-
simosda 11.* lotera a beneficio do thea-
tro de Mctheroy ,-bem como un resto de
bilheles da 20 lotera do monto pi. Na
mesma loja mostram-sc as listas das lote-
ras passadas.
Limonada gazoza.
Defronleda matriz ea Roa-Vista, n. 88,
taberna junto a botica, vende-se limona-
da azoza, muilo superior, em botijas de
meia garrafa, pelo diminuto prego de 60
rs. testa bebida igual a boa rerveja, e he
muilo reina-erante, e por isso propria para
aestaeflo calmosa
-- Vendem-se 8 lindos mnleques, de 16 a
20 annos ; 6 pretos, de 20 a 30 annos : 1 ca-
sal de escravos muito lindos, rom 1 filho de
14 mezes, tendo a pela habilidades ; 2 di-
tas com habilidades ; 4 ditas boas para ra
e muilo mngas ; 3 pardos bous para todo o
servign; i dito bom bolieiro, cnpeiro e
muilo hbil ; Mtim como outros rouitoa es-
cravos : na rna da Cadeia do Recife, n. 40.
O agente da fabrica do superior rape
areia-preta e mein-grosso da Baha avisa
a seus freguezes que, pelo vapor Ptanambu-
enna, receben um novo suppriinoiilo do
milito superior rap : vnde-so na rna da
Cruz do Recife. n. 52, primeiro andar.
Vende-se um escravo de trinta anuos,
de nagflo Angico : na ra larga du Rozado,
n. 48.
Cieguen ao barato que
poncas vezcsapparccc.
Na praca da Independencia, casa
amarella n. i, com fazciuLis,
vendem-se cite* de brm do listras crlr de
ganga, c de linhn puro, pelo barato prego
de 800 rs. o corte ; ditos de brim pardo
trancado, a 1,200 rs ; ditos cor do Ranga,
de superior qualidmle, a 1,410 rs.; ditos du
meia casimira, a 2,500 rs. ; ditos de algo-
dlo de bonitos pidro>s, a 1,200 rs-; es-
gulilnde algodao, a 3,200 rs a pega com
- de lus-
mos. a
ro' pronto para o seu sorvi"go J "--- ytf rS-. corle8
Desoja-se saber onde resi- (,iCs de cores, padrOos muilo mode
drm os Srs. Joaquim de Figuri
redo LimaeJoao Evangelista Es
com rica enea Icrnac.lu de velludo brochas
teves Al Ves. OU mcsiUO quvill sriu vano; oins unas, u nv .a., k...v--......"-uir.....im.iuu .'m
i ..o, ;,l,t-. .... miudosde linho pura jaquetas, a 440 is. ;i lliecianum ron
seus procuradores nesta ritlae i gorg|,o i aeila, oomloque de moto, nro-lriri, enoaleroa$
fra della, pnra se tratar deneg- prio pnra rorros do casacas, a 40rs : mojas metli locada um
ii _. i:_______.,;,,.. ,.n. de aUxodflQ muito linas, a 480 rs. : pt gas de rurr:ida Je carnci
cosqnelhes..lizemrespeit.):q..em ;Yd'?pn'odo4palmo.doTaTgur.,ra^SO
souber annuncie por esta loma pa- rs. lirelanha de linho para jaquetas, a 560
d... .... .. ,,,,11,.: militas l.i/eiiilas Dor
o.
- 1,200 rs. ; ca'ssa-niontro, de esctllenles
DOStoa, a 2,800 rs o corte ; chitas de assen- u
lo escuro, e decores bxas, alto rs. o co-l metlicas douradas, registos do gorgurao
teves Alves, ou mesmo ancm scia vado; ditas finas, a 200 rs ; ;rsealinhos|aaamascado bolesdo marrojuiiii
'. 1 mi.I/,. A. linlm nnr UnlielllS. ai ) IS. : I ll,e,-nr, ii'H 1'milllMN ClIgUO dB 18*1 ,
rnagilo de mairmiuim 4 v.,
.. a um em sua caixa de papelSo
ile nlfliulilo muito linas, a 480 rs. ; pt gas de furrada Je carneira, .
Officiuin tn festu Nuivirat't liomim etc.,
1 v. em 12.
Um Galucho, por Paulo de Kock 4 v.
em 8. _. .
O mysltrios da im/uisicao, por rereal,
1 v. einoitivoencd.4^|00rs. .
Uescridciio htilorica do Brasil r. penis ,
Colombia o Guyannas, por C. Famin,2r.
em quarto brocli., por 4.080 rs.
Obras elementan do Sur. Salvador llen-
rique do Albuquerque:
Novas cartas para aprender a ler, por
80 rs.
Compendio de grammatica porlugueza ,
' sexta edigilo por 610 rs.
Resumo de arilhnietica, por 640 rs.
breve compendio de doutrina chnsUa,
j por 800 rs.
Resumo da historia do Brasil, por 4,000
Nesta Inia vendem-so chales de garga, ijiii. ____ .
ClOrs .chongos da mesma quaHdade a, ^JJ^ ^-tr,, POT OO^rj ^
til^^t^V^V^ Vendem-se corles de vestido de 3
__ i'i-cci.sa-se de mm preta
boavendedeira de doce: na ra
do Trapiche, n. 44-
- Precisa-se de um caxt ro"para casa de
bilhar, o qual saiba jogar, preferindo-se
brnsileiro : na ra da Cadeia, defronte do
thealio, n. 10. ___
- Aluga-se urna ama para todo o servi-
go de urna casa de pouca familia : na ra de
ARoas-Virdes, n. 86, primeiro andar.
- O Sr. Antonio Mara Oconel Jarse quei-
ra drigir-so rna Nova venda n. 55, a
negocio que Ihe diz respeito : isto no prazo
de 3 das. ,, .
- Da ma larga do Rozarlo ale a frente
do qui-rtel de polica perdeu-se um mago de
papis atados com urna fila picta, encujo
magocontm dous recibos do mesmo ll.oor,
passados | elo tenente-coroncl hlelo, ou-
tros dous passados pelo eapilSo Torres,
duaslettrassnccaspor Jpa Pedro Vollozo
da Silveira, sendo urna da qiiantia de um
conloo setecenlos mil rs., CWtaw l.uiz
Comes do Faria, eoulra de 1:500 000 rs
aceita por Francisco Pereira Piulo, tambem
por sellar, urna procurago bastante, e ou-
tros documentos e cartas: quem o achou
entregando no paleo do Carmo, ao Sr. Fa-
ll Francisco de Souza Magalhaes, sera, re-
compensado.
O Bixas. f
Na praca (la Jndpen-
g deneia, n. 10, |
?v ao voltar para a ra das Cruzes, alu- ^j
gam-see vendem-se bizas de Mam- .
burgo : tambem vflo-so applicar pa- -
ra commodidaJe dos freguezes ; ti- X
O ram-se denles, sangra-se e appli- v
9 cam-se ventosas: ludo por prego V
commodo. *
oooooooooooooooooo
- Avisa-se aos parorhianos da matnzda
Roa-Vista que ae tem eslabelecido com al
esmolas de alguns devotos una mssa s 11
horas, nos domingos e das santos, a qual
ja leve principio no primeiro de setembro
do crrenlo auno.
rs. a vara ; e oulras muitas fazendas por
prego commodo.
Altengio.
No armazem da roa do Rangel, n. 36, ven-
dc-SC superior farinba de mandioca, tanto
em suecas como a retalho, por prego mais
commodo do que em oulro qualquer ar-
mazem.
Compras^______
de
quem tiver annuncie.
Compra-se ti/olo e cal para o caes e
ponte da ra da Aurora ; bem como se alu-
am canoas para conducgilo dearea ; tam-
bem ae empleitam porgfles do aterro e ca-
calinas de areia : a quem taes negocies
conver, procure o tenentc-coronel Manotl
Joaquim do Reg Albuquerque, nos Afoga-
doa, e no Recfe, ao aferidor Antonio Con-
galves de Moraes.
Compram-se os Dianoi do mez de Ja-
neiro do correnle anno : atrs da matriz a
Boa-Vista, n. 4.
de i,8oo rs lendoculagigo mais
de arrolla : no armazem de Anto-
nio Aunes, no caes da Alfandega,
c ni cita di Cruz do Kecife, arma-
zem de Gadault InnSos.
Ven le-se urna preta crioula.de 19 an-
nos pouco mais o i menos/do bonita gura,
nuo-coso, coiiofta, e he p-?rfeila ongomma-
(lera : em Fra-.Ie-Porlas, ra do Pilar,
n 101. ''
Nov sortimeiio de la-
zr3iidas baratas, ua ra
do Crc po.n. &; ao p
do lampea^.
Vendem-so cortes decassa francesa com
10 Qva.los a 2,560 rs.; pogas de cainbraia
do quadros com 8 varas. a 8,720 rs.; caasa
preta para luto, 40 rs. o covado ; zuarto
com 4 palmos delargura a 200 rs. o cova-
do ; riscado mnnstro a 220 rs. o covado ;
chitas de cores fixas a 160 e 180 rs.; cha-
les de tarlalana, a 500. 800 o 1,000 rs.. de
muito bom gusto cortes de bnm de puro
linho a 1,280. 1,500 e 1,603 rs.; upeo*
de massa a 1,600 rs.; ditos de seda a t>w
e 480 rs ; cobertores de algodBo america-
no a 610rs.; picle muilo encarnado, a
180 rs. o covado ; pegas de madapolao mul-
to lino o com nulas do mofo, a 3,600 rs.
--Vende-se um par de coniollos de jaca-
randa, cobeitos de pedra marmorc com
seus eompelente* Iremos: ho obra elegn-
te o do mais apurado gnsto, por prego com-
modo : na ra Nova, loja de trastes de An-
tonio Doiningues Pinto, n 30.
Cabos do linho.
Vendem-se, uuicamenle no armazem de
magames do Itraga & Companhia, cabos de
linho de 2a 3 o u.eia pollegadas, pelo m-
dico prego de 17,000 rs. o quintal.
Gabriel Lamber!, por
Alevandre Dnmas,
I v. cm oitavo broch de 200 pag as por
1,000 rs. Na ra do Coll'-gio, n. 9, acaba
de receber-se a Iraducg.to deste romance.
O nomo do autor do ronde de Monte-
Christo he tilo seguro abonador de ludo
quaiiln salie da sua penna, que, ^nnuncian-
do o Gabriel l.amheri, contcntamo-nos de
por smente o titulo da obra e o nome de
Ajexandre Dumas.
U llesti ede San-Tliago.
1 v. em oitavo grande broch. por 310 rs.
K-ta obrinha he um romaneo em verso,
finio em liespanhol por Rermudez de Cas-
tio.clradiizido em portuguez por ICvaris-
to Jos de Ar uijo Raslo : o ubjeclo delle he
anlogo is aventuras do Ultimo Abcn-Ser-
ragemdeCliatoaubriaiit. lio rico, tanto no
poiisaminti como no dizer, e a traducgSo
hede minio valor. Vende-se na livrana da
rna do Collegio, n. 9, aonde tambem se
ai-ha o socniote :
Mnale romanuin, ntidamente impresao,

m .inin>a, ,-....-,----------------- ---------- -
par los, de 16 anuos ; 3 pardas com liahili-
dados, de 16 a 18 annos ; urna de 20 anuos,
com habilidades, tendo dousfilhos, um de
5annos e oul'o de um ; 8 piolas com habi-
lidades, de 16 a 20 annus : na ra do Colle-
gio, ii. 3, so dii quem >end<-.
Na ma das Ciuzes, n. 22, segundo an-
dar, veinleni-so 4 escravas, sonuo duas do
li a 30 anuos, que cizinbam, lavam e sao
quitandeiras; urna dita do 4o annos ; I nio-
loque do nagfio, boa figura c cozinboiro ; e
outros mais escravos para o servigo de
campo.
Vende-se urna escrava parda, de 25 pa-
ra 26 anuos de idade, muito carinhosa para
enancas, que lava, engomn.a ocoznba sor-
friveimenle : ao comprador se dir o moti-
vo por que se vende : na roa Nova, n. 41.
Vende-se um sitio com bastantes ar-
vores defruttoe bastantes planUgoes, com
casa de pedia e cal e cacimba de boa agoa
de beb.r: na la do Trapiche, n. 4, se-
gundo an lar, se dir quem vende.
Veiidein-se superiores ve-
Jas de carnauba.
NS ra da Alegra, n.9, contina-se a
vender velas de carnauba a imitagAo das
de espermacete de 6, 7 e 8 em libra, a pregu
deSaOra caita libra das curtidas o muilo
alvas, c a 280 rs. por cortil: aliauga-so a boa
luz' < i
Vendem-se meias linas de
liiilio, chegadas ltimamente do
seda de cores, do gnsto muilo mo-
? di-rno ; cassa-chila de cores mu II-
L xas e de padrOes novos ; chitas rran-
'-^ ___.___,--., ,1.. ^.i carina
Crzai com padrOes de cassa ; corles
le vestidos de ramhraia aberla com
listras de cores; um grande sorti-
mento de mantas de seda para varios
r-recos; meias de algodo para se-
nho'r.-i, o mais lino possivel, de lio da ^
Escocia ; riscadus francezes eslam- <%
pados em cassa, de muito bonitos 4R
> desenlios ; longos brancos de cam- *
> b'aia do linho ; ditos de seda da In-
!> dia ;c nutras fazendas do gosto por 2
'-> prego commodo: na loja do sobrado ^
2 amarello dos qualro-cantos da ra
do l.ii.onnailo, n. 29.
________________1 Porto, por preco commodo: najjocaj c, barricas e saccasj
-Conpra-seum soph e duas cadeiras piacada lndependeniia, loja ama- a,]0urgo e Das I
, ba.ango: ludo de pao d'u.eo.ej. usado ^ n_ ,_ a,m tea A,fandfea.
ella com fazendas, n. i.
Vende-so urna preta de nagSo da Cos-
ta, chegada da Rabia ; 1 preto, proprio pera
armazem do assucar, por ser bastante ro-
busto : na ra larga do Itozano, n. 46, pri-
SfflS um pi.. com muito bo.s vo-
zes, concertado e encordado de uovo.de
um dus primeros autores : na rea das
Flores, n. 19. .
_i Vcndem-se gigos com bata-
tos muito novas e boas, pelo preco

AO
Vende-se urna mulatinia de 16 annos,
de linda figura, e por isso ptima para mu-
cama na ra Nova, n. 16.
Ara ni ta
de superior qualidade, a 240 rs. a libra : na
ra do l.ivramenlo, n. 38.
Vi i lio verde.
Vende-se o puro e rrMfHM^iriWf
de da provincia do M.nho. cheg.do ltima-
mente do Porloi muilo prop-io para a pri>
"ente estagao. por sor muilo fresco, a 160
?s iVrrafa e 1.120 rs. a caada : na venda
,1,'rutesl.eita do Rozarlo que faz esquina
,,Bra o rateo lo Carino.
Vende-se farinna de man-
ixw
Fer-
reira, no caes da Alfandega.
Vendem-so latas com 4 libias de doce
do pera, alperga e g'nja ; ditas com 2 e 4IJ-
bras de marn.clada ; ditas com chocolate ;
quei ios de pralo ; latas com biscouluiho in-
glez conservas ; ervillias ; sardinhas; sal
refina lo; bolachinba de Lisboa ; e todos os
mais gneros de venda : na ra Nova, a. 3,
venda de Anlouio Ferreira Lima & C.
__Vinliin-so duas ricas toalliaa de lava-
dnlo, niuito baratas, e uous lengos : na
ra eslreita do Rozario, n. 13.


. Vende-se, a Imrdo do-hrigne V.ireial J
nhegndo do Rio-Oi ande-do-Sul bom sebo
en ruma por prego commodo.
Depositle Potassa.
Vende-se multo nova potassoj
de bon (H ilidadc, em bairiszinhos.
pequeos de quatro arrobas, por
proco barato, como j ha milito
lempo se nao vende : no rtecife,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
Rap roldo francez.
VendjD-se o superior rap rolSo francez ,
umeamente as lojas dos srs. Csetano Luiz
Ferreira no Alerro-da-Roa-Vista n. 46 ;
Thomaz deUattoa Fstima na mesma run,
n.5i; Francisco Joaquim Duarte ruado
Oabng ; Pinto &lrmSo, na ra da fcadeia
Jo Recite, n. 19.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, lia
milito superior cal virgem de Lis-
boa, por preci) muilo commodo.
r> O
t', Um piano. (f$
{& Vende-Se um piano milito bom para W
> esludo, bonito e de excedente autor:
> na ra do Collegio, n. 9. i
S^OOOOOOO OOOOOOOOO
lian leas.
Ycndem-se barricas vasias que fram de
farinha em p e bem accondicionadas :
na na do Aniorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Rabia
Vende-se em casa de N. O. Bieber & C.
si ra da Cruz, n. 4, alcodSo trancado
laquella fabrica, mnito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa viidla polo ultimo navio por prego
modwo : a tratar na ra do Vigario n. 19,
primeiro a 11 lar.
IVcidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos- ns-San tos.
Na rila da Cadeia, n. ii'i.
vendem-so pnr atacado duas qualidades,
propnaS para saCCO* >l MSUCar o roupa do
MOi ivos, a "80 e 300 rs. a vara.
*
Na ra do Crespo, loja da 9
esquina que volla para a ^
$ ( ideia, vondem-.se W-
% ns acreditados brini brancos de lis- fl
*t: tras, laos e amarellns, a 1,500 rs. o^
C" corle ; dito muilo superior a 1,(00 J
f' r. lo.lna .Jo puro linho : P'.moo lino
W pretoeazul. a 3,300 rs. o covaiio; ^
*! dito muilo superior, a 5,500 rs.; fus- 9
'4 I (Jes muilo bonitos, a 640 rs. o cor- i*
'"* ir-; ditos ile velludo milito ricos a #
$"' 2,500 rs. ; pecas de cambraia de qua- &t
fe dros de 8 varas e Meia, a 2,720 rs. a
?,' pega ; eassns prclas multo bonitas, ?
W a I.HOrs. o corle ; madapolilo enfes- 9
<& lado muilo fino, n 5,400 rs. a peca ; **
enres decaigas de setinela do Ir, %
%; a 830 rs. ; ditos de castor, a 1,000 %
>l' rs. ; ehila azul para escravos, a 140 &
<$ rs. o covado ; picote muilo encorpa- &
i rs. a vara ; esguiilo de linho muito fi- W
%) no c com 4 palmos e meio de largu- ''4
V,' r.i, a 1,410 rs. a vara ; cortes de ;?
ty brim de algodSo a 800 rs. ; e ou-
*' tras militas fazendas por prego com- *,
'* mu lo. ?
'* 9
G9*& l#> Chd brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
moldados, atrs do Corpo-Santo, n. 60, o
mais excellente cha produzido em S.-Pau-
lo que tem vindo a este mercado, por
prego muilo commodo.
A 610 rs. cada um.
Vcndcm-se cobertores de algodiln ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bons padrdes e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
AGENCIA
da fnndicao Low-Moor,
I'.A DA BENZAlt-A-KOVA, H. {I.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; macbinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
-- Vendem-se relogios de ouro e pratt,
patentes inglezes : na ra da Senzalla-No-
va, n. 43.
Corles de brim de puro
linho, a I,O.
Vendem-se cortes de brim trangado
pardo de piro liuho, pelo diminuto prego
de qualro patacas: na ra do Crespo, loja
da esquina que volla para a cadeia.
Winl-m-se dous molequos, um cozi-
ok n diario de iim.i casa, e o oulro bom ro-
peiro e proprio i>ara pag. m ; duas preus
mogas, urna ile bonita figura e que he mui-
lo boa para lavadeua, por ser alta e robus-
ta, e ambas erani ganhadeiras na Babia, por
prego comino Jo : na ra da Cadeia do lie-
dle, n. 39.
A 140 rs. o covado.
Vende se superior riscado do algodo,
muito enrorpado, a 110 rs. o covado: na
rus do Crespo, d. 6. loja junto so lampen j.
Ras.
Vendem-se bichas chegadas ltimamente
e de boa qualidade, a 160 rs. rila urna, em
porgfn de 25 para cima : na ra do Amo-
rim, n. 35.
-Na loja do sobrado amarillo, nos qua-
Iro-Cintosda rus do Queimado, n. 29, ven-
dem-se brinstrangados de cores, linho pu-
ro o padrocs de muito gosto, e alguns com
lislras ao lado, a 1,800 rs. a vara ; cortes de
caigas de casimira de ciV es, a 5 e C.000. rs. ;
corles de collelcs de fustao, fazonda muito
superior e do gostos muilo modernos, a
1,800 o 2,000 rs,; ditos de velludo do crt-
rcs. a 5 e C.000 rs. ; alpaca decores, pro-
pria para casacas a palitos de montar a ca-
va I lo, a 800 c 1,000 rs. o covado; e outras
fazendas muito em cunta.
0WY^ffvWfK'V,rT:&
CI"arinlia de mandioca^
i> ""'
> nova.
* Vende-se, a borpo do patacho Ain- J
t sade-Coiislante, o qual se acha fun- x
rj deado defronte do caes do Collegio, |S
E a inelhor laiinha que ha no merca- ^
l^i do, por ser muito nova escm cheiro ^
: > algum, por mais barato prego do que >ej
:> em oulra qualquor parle- trata-se > com Machado & Pinlieiro, na ra do g
c'9" Vigario, n. 19, segundo andar, ou JS
comocapit3oa bordo do mesmo pa- ^
K, lacho. <-.
.> <*<
i^y.' ':\\\ %tA jftfl kAAO
Vende-se, de urna pessoa quo se reti-
ra, um bonito escravo de nagilo, de muilo
boa conducta, e que he trnbalhrdor de en-
xada : na ra larpa do Itozario, n. 35, loja.
Vendem-se cambraias do bonitos pa-
drOes, com 10 covados cada corte : na ru
do l'asseio, luja n. 17.
Os diversos sy>lemas mdicos do llip-
nocrales.Hanmanu, Uncirn, Snchez, llrus-
gai, Orlila, Raspaille e outros, o quaes
quasi todos divergem no melliodo de cu-
rar, nada dijeran a respeito do medica-
mento que havia para vista curta ou cansa-
da, antes pelo contrario, aproveitamio-se
da ilesci.beila de Alexandre Spina os dessa
; oca pondo cada um seu par de oculos no
nariz, foriiin eaminliando com o progresso
que Iheoffercciam as scicncias medicas e
analomicas : do cxpnsto conclui-se que
qui'in solfre dessa molestia que ordinaria-
mente rhega com a idade compre oculos
epropriadosi falta de vista que solTrem, os
quaes se vcmleni liaralinlios na ra larga do
lo '/ai m, n 35.
-- Vende-se um molequo de 14] annos, de
bonita figura ; 3 prelaa de nagilo, sendo urna
dolas com urna cria de anuo e meio, bem
nutrida ; 4 ditas com iilgumas habilidades;
dous prelos bem lohiistos : no pateo da ma-
triz de Santo-Antonio, sobrado n. 4, se dita
quem vende.
Velas de espermacete,
das melhoros que teem vindo a este merca-
do: vendem-se em caixasde 24 libias, em
casa de Ricardo itoyle, na na da Cadeia-
Vclha, n. 29.
Aviso importante.
Benticio publico.
O armazem antigo da ra da Madre-dc-
Deos, n. 36, esla de novo estabelecido A
baizo das mesinas condigrtes, nflcrecendo
a deliciosa pinga do vinho da Figueira pe-
lo limitado prego de 180 rs. a garrafa, e
1,300 rs. a caada, a de vinho hranco de Lis-
boa por220ra a garrafa, e 1,600 rs. a ca-
ada, a de vinho de Itnrdeaux por 160 rs. a
garrafa levando o casco. Nflo se admirem
os fieguezes do haixo prego por que s ven-
de a deliciosa pinga, e sim da audacia do
proprietario querer sustentar o antigo pre-
go, embora este genero lenlia subido o nie-
Hior de 30,000 rs. por. pipa. Examinen) os
amantes a qualidade para rcconhccimcnlo
da verdadee continuagno da antiga fregue-
zia. E para nSo liaver usuras, esto promp-
tas garrafas lacradas c com o competente
rotulo, assim como barra de diversos ta-
manhos para provfsfio do prximo Natal
O proprietario conta com a concurrencia ;
do contrario, tornarlo es pregns do reta-
Iho a 'primitiva do 210 e 280 rs. a garrafa.
[\a ra do Passeio, n. 5,
vendem-so chapeos deso, de seda, para
homem e senhora, ditos de panninho, i ni
porgflo e a r'etallio. Os freguezes acharo
una dilTercnga no prego, pela qualidade
superior, roiistrurgiies das armagoes 0 co-
res (xas dos ditos chapeos.
Cal virgen.
Cunha Amorim, na ra Cadeia do Re-
cite, n. 50, vcndeni cal virgem de l.isha,
de superior qualidade por prego mais ba-
rato do que em oulra qualquer parte.
Novo methodo pratico e
theorico da lingoa Irn*
cesa* por Luiz Antonio
Burga in i v. por 6$
Acaba de appareror no Rio-de-Janeiro es-
ta iuleressanle grammalica pela qual em
muito pouco tempo o sem a fastidiosa t-
rela de estudar de cor verbos e significados,
se aprende a fallar, Iraduzire escrever com
perfeigo a lingoa franceza.
Vende-se aqui na praca do Commercio, n.
2, primeiroandar.
Zuarles de furta-eres a
200 rs. o covado e ris-
cado monstro a 20 rs.
Vende-se zuarle do furta-eres muito
eiieni p uto e com 4 palmos do largura, pro-
prio para escravos a 200 rs. o covado ; ris-
cado monstro muito bom a 220 rs. o cova-
do : na ra do Crespo, loja da esquina que
volla parr a cadeia, .
Arroz de casca e m i I lio
novo.
No armazem 'co llraguez, ao p do arco
da ConceigSo, v -iidein-so saccas grandes
com arroi de casca e millio novo, pelo m-
dico prego do 3,000 rs. cada urna.
Na ra ostreita do Rozario, n. 43, se-
4'
gundo andar, vende-se um escravo perito
o'.licialdosapateiro.cqno he bem mogo:
o motivo por que se vende se dir ao com-
prador.
-- Na loja do Estima* Romos, no Aterro-
da-Roa-Vista, vende-se um rardn adrago-
nas muito ricas para capitSo ; bem como
um haliito esmaltado, de Christo.
Novos cortes de cassa pa-
ra vestidos.
Vendem-se cortes de cassa para vestidos,
de cores (xas e de bonitos padrOes, a sete
o oito patacas o corte ; chales de tarlatana ,
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs. :
na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Folha de Fan (fres.
Vendem-se caixascom folha de Flandres:
na ra do Amorlm, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnnior.
Velas de cores.
Vendem-se, no armazem de molbados
atrs do Corpo-Santo, n. 66, por prego com-
modo, velas de carnauba, sendo azues,
cor de rosa e lustrosas, as quaes se tornara
recominendaveis pela sua superior qualida-
de e aturarem mais que as de espermacele,
e nao fazerem morrSo.
Vendem-se amarras de ferro: na ra
Ja Scnzalla-Nova, n. 42.
Taixas para engenho.
Na fundigo de ferro da ra do Rrum,
acaha-se de receber um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-so a venda por prego com-
modo e com promptidio embarcam-se,
ou canegani-seem carros sem despezas ao
comprador.
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de moblados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 6, ha para vender, chepudos
pelo ultimo vapor .vindo do sul superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se venderao mais barato do
que em nutra qnalq.ier parte : bem como
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que seeslao ven leudo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
Pos ral van icos para
p ratear.
Na ru do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem objectos
prateados e que tenham perdido a cor ar-
gntea, estando por issoinde/entes, ou inu-
lilisados, teem uestes pos um excellente
restaurador o conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para so usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho moldado em agoa fria e pascado
nos mesmos pos.
1'ma ramulla fuiendo quantidade suf-
fioiente para pratear mais de 40 palmos
quaclrados cust a mdica quanlia de
mil rs.
Moendas superiores.
Nafundigilodo C. Starr & Companbia ,
em S.-Amaro, achain-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo t)
coiitrucgilo muilo superior,
Vendem-se 2 cabriolis inglezes, em
m- ile bom estado com todos os leus per-
lences por prego commodo : no Alerro-da-
Uoa-Vista n. 52, cocheira de Luiz .Monier.
Madapoles finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapnldes linos, com 24 jar-
das com um pequeo toque de mofo pe-
lo | i'i'c;o de 3,600 rs. a pega : na ra do Cres-
po loja da esquina que volta para a ca-
deia.
Irados de ferro.
Na fundieflo da Aurora cni S.-Amaro ,
vciiilem-se arados de de ferro diversos mo-
delos.
liom e barato-
Na i .ia do Queimado vindo do Rozario,
segunda loja n. 1.8, vcndcm-se cortes de
cambra as de cores, a 2,600 rs.; lengos de
setini de cores para grrvata, a 1,000e2^rs. ;
corles do cambraia de seda, de modernos
gustos : mantas de seda cscoceza ; e outras
muitas fazendas por prego commodo.
-Vende-se unta taberna com poucos
fundos, sita no largo do l'araizo, n. 30: a
tratar na praga da Roa-Vista, n. 30, das 6
horas da nianliSa al s 9, o das 2 s 5 da
tarde.
- Vende-se brim de linho azul de qua-
dios miudiiihi.s, proprio para roupa do me-
ninos, a 160 rs. o covalo ; dito a 360 rs. :
na ra do l'asseio, loja n. 17.
Vendc-se, por 280,000 rs., um bom
carro de 4 rodas para 2 cavallos, com seus
competentes arreios ; bem como por bara-
tsimo prego, que da mesma forma provo-
ca os compradores, urna cadeirinha de
arruar, de muito lioa construcgilo ; 21 fer-
ros de ricas molduras para fabricar flores ;
urna porgflo do aldrahas para vidragas : na
praga do Commercio, n. 2, I andar.
-- Vendem-se corles do riscado tranga-
do em quadros, de edres mui securas, com
4 palmos de largura, proprio para veslido
de quem sabe apreciara economa, pelo
mdico prego de 2,800 rs. o corle do 11 co-
vados : na ra do Crespo, loja n. 12.
A 00 res.
Vendo-sech hysson de superior quali-
dade, pelo prego de 500 rs. a libra : na ra
do Crespo, n. 23.
--Vende-se muito superior farinha gal-
lega, em meias barricas: na ra da Cadeia
do Recifc, escrlploiio de Dcane Youle & C. ,
ou no primeiro armazem do becco do Con-
cajves.
Cambraia monstro
a Vendem-se cortes de cambraia monstro,
do cores muito lixas, e de ricos padrocs,
pelo barato prego de 2.880 rs. o corte ; pe-
Sib de riscadosescuros, a 5,500 rs. : na ra
o Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
Vendem-se duas lindas negrinhas com
boa ligura c qualidades, para mucamas o
que eram na Uahia ; una linda prela moga
e al propria para o que se quizor applicar;
e um prcto Angola, bom remador! todos
esles escravos pegas: pela figura e prego nf.o
desagradado ao comprador, pois vendem-
se cm conla, por seu dono querer se re-
tirar : na ra da Cadeia do Recite,'n. 39.
Vende-se um guindaste porttil em ci-
ma do um carro, e que so acha no caes da
alandega ; bem como dous carros baixo
com rodas de ferro, proprios para pegarem
em grandes pesos: a tratar com Arcenio
Fortunato da Silva em qualquer da, na
alfandega.
Pecas com O covados
por 5,0 rs.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario,
segunda loja n. 18, vendem-se pegas de
metim verde, azul e cor de caf, a 3,200 rs.;
fazenda muito boa para vestidos de pretas ,
czlgas o jaquela para homem e meninos,
por ser de umita duragflo ; luvas brancas
compridas de torgal para senhora, a 1,000
rsopar; ceroulas de moia, a 1,500 rs.; e
outras muitas fazendas por baratissimo
prego.
Na ra do Queimado,
n. 17.
vendem-se os mais aceiados manteletes e
ricos capolinhos para senhora, pretos ede
cOres, vindos pelo ullimo navio de Franca :
dflo-se amostras aos compradores.
--Vende >c um terreno na rus do Jasmim,
por detrs da igreja de S.-Gongalo: a tra-
tar com Juaquim Francisco Franco, na al-
fandega, das 9 horas da manlia as 4 da
tarde.
Vende-se um pardo| muilo mogo, de
excellente conducta, o que se garante, o
qual tem principios de oflicio de sapaleiro,
e he ptimo pagem, por estar a isto acostu-
mado : na praga do Commercio, n. 2, pri-
meiro andar.
Quem quer, quem quer,
a '40 rs. cada unta
csteira do Aracaty : vende-se no
armazem de Antonio Joaqnim Vi-
dal & (ompanhia, no Forle-do-
Maltos, ruado An.orim.
Que bom petisco !
Excel lentes queijosde
prato :
vendem-se no Forte-do-Maltos, na
rita do Amorim, armazem de A.
J. Vidal S C.
Vendem-se vistas de
Pernambuco
cm ponto grande, tiradas da ladeira da Mi-
sericordia, em Olinda, e da fortaleza do
liniin : na ra Nova, n. 11.
Venderse urna loja
no Aterro da-Roa-Visla, n. 3, a qual foi de
J. Chardon, com armagSo, fazendas e di-
vidas, a dinheirooo a prazo com boas fir-
mas : a tratar na ra da Cruz, u. 10.
A2,f>6'0rsi a peca de 10
varas
do cambraias de quadros para cortinados e
hallados : na ra do Queimado, loja n. 8.
- Vendem-se sellius in-
glezes, elsticos: em casa
de Cao Kenworthy & C,
na i na da Cruz, n. 2
Vende-se potassa superior,
por commodo prego : no arma-
zem de Dias Ferreira, no caes da
Alfandega.
A 260 rs.!
Alpaca re linho.
Na loja de Antonio l.uizdos Santos I
f&Companhia, na ra do Crespo, n. S
11, ven le-se cssa rica fazenda, pelo m
g barato prego de treza vintens o co- S
* vado.
m
*w&wiBMWHmm wwwwwamwm
Aos 20:000,000 de ris.
Na loja da ra do
Crespo, n. 5, que faz es-
quina para a
ra do Collegio, vendem-so meios bilhetes,
quarios, oitavos e vigsimos da 7." parto da
lotera do theatro de S -Pedro do Rio-de-
Janeiro cujas listas chegaiao pelo primei-
10 vapor.*
Vende-se urna escrava de
18 annos, que cose, engomma,
cozinha, c he de muito boa con-
ducta, por prego muito baixo, por
eslar com urna pequea molestia :
na ra das Lirangeiras, n. .ti, se-
gundo andar.
Vendem-se 10 escravos, sendo urna
pela de 20 anuos, de nagilo Mogambique,
de muitu bonita ligura, boa engommadei-
ra, coslureia, e que serve muito bem a
urna casa ; 2 ditas quo cozinham, lavam o
vendem na ra ^ umi dita de 35 annos, pa-
ra fra da provincia, perfeita cozinheira,
engommadeira, e que relina assucar e faz
doces ; urna negrinha do 10 anuos ; 5 es-
cravos de 35 a 40 annos, que eslSo acoslu-
maiUisnotrabalho de campo ; um dito bom
para Irabalhar e bular sentido a um sitio :
na ra do Collegio, n 21, primeiro andar.
~ Vendem-se charutos da Itnhia, de mui-
to superior qualidade, a 4,000 rs. a caia i
na prar;a da Independencia, os. 13 e 15.
Vendem-se pelles de cauro
de lustro francs, de muito boa
qualidade, sendo, as peljes gran-
des a 4>ooo rs. e as mais pe-
quenas a 3,5oo rs. : na praca da
Independencia, ns. 13 e 15, lo.
ja do Arantes.
JLoteria do lUode*
Janeiro.
Aos <20;0OO,000 de ris.
Na ra do Queimado, loja de roiudeza8
n.25, vendem-so bilhetes da lotera d
theatro de Nictheroy; bem'como do da
S.-I'edro.
- Vendem-se 28 saccas do gomma y
melhor qualidade que pode haver : na ra
doCabug, n. 9.
Vende-se, por precisSo, urna escrav
boa vendedeira de ra, e que engomma, co-
zinha o ensaboa : na ra do Rozario da
Boa-Vista, n. 46.
A 3,000 rs. o corte.
Vendem-se os mais ricos cortes de cBm-
braia abertas, brancas e do cores, [pelo ba-
rato prego de 3,000 a 5,000 rs.: na ra do
Queimado, n. 8,
Vende-se um bonito moleque de 16 a
17 annos, sem vicios nem achaque; na
ra doQueimaijo, segunda loja n. 18. Na
mesma loja cpmpra-so um negrjnha de 7 a
8 annos, e que 1180 tenha vicips. '
II
Na loja do sobrado amarello dos
$ quatro-cantos da ra do Queimado,
? n. 29, vende-se cassa de algodocom 9
listrase quadros de seda para vesli-
dos, a 400 rs. o covado; rites de a)
vestidos de cassa-chila, de bons pa-
? drdes, a 2.210 e 2.500 rs ; ditos de ?
9) cambria com listra; decores, a 3,500 *
? rs. ; cassa-chita de cores lixas. a 400, *
? cezes, a 160, 180 e 200 rs. o covado; m
?: lengos de seda de cores, a 1,000 rs. o
? covado ; e outras muitas fazendas m
d muito em conta.
m
Vende-se a venda da Lingota, n. I.
bem afreguezada para o mallo e para a Ier-
ra, como se mostrar ao comprador, Na
mesma precisa-se de um caizeiro com 1 ra-
uca.
So chegadas as cxcellenles
taboas de pinito americanas de to-
dos os comprimentos e largura al
3 palmos : vendem se atrs do
tbeatro, armazem de Joaquim Lo-
pes de Almeida.
Vende-se urna linda escrava recolhida
de 19 annos, com habilidades: o mutivo
por que se vende sed ira ao comprador: na
ra do Itangel, sobrado n. 57.
Mappas para a guarda
nacional,
Vendem-so mappas par a guarda nacio-
nal, tanto para companhia como para lia-
talhfu e legilo : na praca da Independencia,
livraiia ns 6 e 8.
1 i
f.fi'j^Vi-N rujittih
-- 1' o i rain, no dia 23 do cor-1
renle, do lugar do (aldeireiro, 4
escravos com ossignaes seguintes:
Benedicto, prcto, de 28 annos
pouco mais ou menos, de altura e
corpo regulares, pouca h>rba ; le-
von em sua companbia &ua mu-
I lie i- de nome Simplicia, de rfu fu-
la, com um lillio de 2 annos pou-
co mais ou menos, de pernas ar-
queadas : Jos, moleque de 17 a
18 ar.nos, espigado do corpo, den-
luco, cor prela : lodos ciionlo.se
naluraes do serto ; pelo que jul-
ga-se terem ido em olgum comboi.
Koga-se as autoridades policiaese
capites de campo, que os appre-
bendam elevem-nos a ra atrs da
matriz da Boa-Vista, n. 18, que
sero gratificados generosamente.
Fugio, no dia 8 do crrenle, do enge-
nho Recanto, freguezia de Serinhfem, a es-
crava crioula, de nome Tbereza, de 35 an-
uos, cor alguma cousa acabralhada, de es-
tatura regular ; tem os denles limados,
olhos grandes o afumagndos; lem as cos-
tas cicatrizadas de relho; he muito ladina:
quem a pegar leve-a a seu senhor, o lll'ni.
Sr. tenenlccoronel Jolo Florentino Caval-
cante de Albuquerque, ou nesla praga, >
l.uiz Epifanio, morador na ra da Floren-
tina, casa da esquina confronte ao theatro
novo, quo ser generosamente recompen-
sado.
Fugio no domingo, 9 de se-
tembro prximo passado, sem mo-
tivo algum, do sitio de seu senhor,
cm Ponte-de-Ucb^, o cabra es-
cravo, de nome Luiz, natural de
lgu.ras.sii, de estatura c corpo re-
gulares, pouca barba; tem os de-
dos dos ps libertos e rombudos
por ter sido muito cambado, fal-
la descansada, o 111 o azulados ; u"
ma muilo tabaco ; foi comprado ao
Sr. Manuel Joaquim l'erelra da di'
la villa de Igmrass,- consta por
infocmack's ccitas andar em dita
villa e seus suburbios em procura
de senhor que o compro : roga-se
as autoridades policiaes, caj>ites
de campo e pessoas parliculare*
que o apprehcndam e levem-noao
dito sitio, ou na ra do Trapiche--
^ovo, n. ,'3G, que serao gratifi
cailos, ,,...;-
PlN. : 5A TP. DI U l, OlFAalA. M9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDDSWXVD1_FZJEX5 INGEST_TIME 2013-04-24T17:08:11Z PACKAGE AA00011611_06699
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES