Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06681


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Segundft-feira 8
11 ni
r autidas dos connnos.
rnlannaePirihlba.ScgundiseiexUe-feirai.
Jj^aude-do-Norle, quintas-felras ao mel-
cbofserlnhein, Wo-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no I., a ll.e 21 de cada mea.
fiarnnlnint e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Viila e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Uimda, todos o dias.
IPHEMERIDES.
FuaSE. d loa. Chela a 1, as 3 h. e 13 m. da t.
Ming. a 8i as 10h.e24 tu.dain.
Nora a 16, h. c Mm.da m.
Cresc.a24,s 4 h. e H in. da m.
rREUIAB BE HOJE.
Primeira as 9 horas e 42 minutos da tarde.
Segunda ai 9 horas e 18 minutos da manh.
M
de Outubro del 40-
N. 22*.
1. V.
J.
rriqoa da sbscripAo.
Por tres mezes ("liado*) 4/000
Por seis mezes o>00
Por um anno 15000
das da semana.
8 Seg. S. Urigida. Aud. do J. dos orf. e do m. 1.
9 Tere. S. Ilionizio. Aud. da chanc, do da l.
v. do civ. e do dos fcilos da fazrnda.
10 Quart. S. Pcnicio. Au.l. do J. da 2. v. do civ.
11 yuint. S. Firmino. Aud. doJ. dos orf. c do m
da 1. v. ;
12 6ext. S. Cypriano. Aud. do J. da 1. v. do civ
e do dos leitos da fazenda.
l3Sab. S. Kduardo Aud. da Chanc. c do i. da 2. v
docrime.
14 D0111. O Patrocinio de San lose.
'saman iijjiig'y-'gsassasSBlBaV'
CAMBIOS in 6 DI OOTOBaO.
Sobre Londres, 27 d. por 1/000 rs. a 150 das.
. Paris, 370.
n Lisboa, 110 por cerno.
Ouro.-bncas hespanhocs......... 3I/U00 a 3I/00
Mocdas de de e/4 novas.. Hili00 a 16|00
. de 4/000........... 9/400 a UW0
r.-Palace,braSlciro....... I/W0 a 2/000
Pesos columnarlo........ J/W a UW
Ditos inciic inos.......... >tW
**$
PARTE OFFICIAl.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Tendo-me sido prciente o officio de 27 do
. passado, en. que Vm. me participara que
delegado segundo supplenle eni exerclcio
dessa comarca remetiera para esta capital tres
recrutas por uiua patrulha de polica, com-
nandada pelo cabo Bellarmino; ordencl fin 3
do correte ao chefe de policia que me nitor-
masse seeom efleito eram recrutas os tres In-
dividuos que Vine, declara lerem sido rcmet-
tidos, declarando circumslanciadameate os
motivos de sua prlso e reraessa, e faicado-os
voltar lmiiif diatamente, se com rUeils roreni
recrutas; c aguardava as ditas infoimacdes
para Ihe responder. Yendo, porm. hoje pu-
Iblicidoem unidos jornaes desta cldldeoseu
mencionado officio, julgo conveniente sem es-
,eraras ditas Informaces advenido: prnnel-
ro que vine, obrou incongruentemente, dan-
fao'publicidade aquellc ullicio antes de eu ler
resollido sobre o scu objeclo, e que com esse
[proccdiincnto couli ariou a marcha regular da
publica adminlstracao, como J fui declarado
em aviso de 17 de ievereiro de 1817, expedido
pela secretarla de estado dos nefocios do im-
perio, e coinmunicado aos julzes de direlto e
iiuiniclpaes desta provincia em circular da prc-
iJei'ia do 2li de marco do molino auno : se-
!'- ln, que Vine, falln ao cumpriiiiento do
[scu rigoroso dever, quando, informado de que
os tres individuos rruiettidos esta capital
'eram recrutas, deixpu.de proceder coulra o de-
legado para verifieac.5o de sua responsabuida-
de. por er recrutado contra a disposicao da
lei e das ordena do govemo : tereciro, que, se
o delegado respondeu a Vine. q'ie So suspen-
da o recrutamento eiuquanto nao tivesse or-
,l,in do chefe de policia, fo mal cabida a pru-
dencia de que Vine, dix ter usado para evitar
desintlfigcncias; porquanlo niio he menean
do governo qu os juies de direilo conservem
.intelligtncia com os euipregados da comarca,
cus subordinados, especialmente os de poli-
ca, transigindo com osseus deveres, c deixau-
do de os responsabillsar por todos os abusos
que commelterem contra as Icis ou contra a II-
berdade dos eldados : quarto, que a sua pre-
tendida prudencia se nao pude combinar com
o laclo da publicacao do seu officio antes da
autoridade superior ter a.elle respondido: e
quinto finalmente, que Vmc. deve proceder
ueste objecto como fr de direito, e que em
casos semelliantes deve preferir rsponsabili-
sar, ainda dando iurar a desintelgencias, a
procurar o escndalo c descrdito da autorida-
de policial, deixando impune os delielos que
bouver coimnetiido.
Unos guarde a Vmc. Palacio do governo
lo Pernambuco, 5 de outubro de 1819.
jonorio Heimto Carneiro L*3o. Sr.juiz
'de direito interino da comarca do Limo-
eiro.
EXPEDIENTE DO DA 3 DE OUTUBRO.
(itlicio. Ao presidente do Rio Orando
do-Sul, rogando digne-se de expedirs con-
venientes ordens afim do que sejam envia-
das com a precisa brevidade as guias das
pracas, mencionadas na relacfio quo romet-
le por copia, as quaes, pertcncendo ao s-
timo balalhflo de cacadores, ora estaciona-
do naquella provincia, Uvera m passagem
para o segundo de aililliaria a pe.
Ilelaco que se rrfere o officio cima.
Trimeita cumpanhia, soldados Jos An-
drdeMedeiros eManoel Filippe de San-
tiago.
Terceira companliia, soldado Joaqtum
Qurta companhia, soldado Ignacio Jos
do Uarros.
Quinta companhia, soldado Antonio Joa-
quim da Silva.
Stima companhia, soldado Zacaras Soa-
ros,
Oitava companhia, soldado Jos Manoel.
Dito. Ao capilao do porto, transmitlin-
do, allm de quo Taca publicar, a traducco
de um aviso do secretario do Trtuily-House,
annuiieiandoqne do primeiro do correnlo
em diaiitesA eshibiro no rio Thames dous
novns t'liares, e que, em inglez, fot remol-
tido pelo cnsul geral do lirasil na firfla-
Iirelanha com officio de 16 de agosto ul-
timo.
TltADUCOAO A' QUE SE REFERE 0 OFFI-
CIO CIMA.
AVISO AOS MaulTlJIOS.
l'kurts no mar Rtach, rio Thamet.
Casa-da-Trindadeem Londres, 8 do agosto
de 184.
utida itijuinlt.
Que em attenqo s reelamaQOes de inn-
meros propietarios, capitiies de navios o
oulras prssoas que vivem ou so interessam
L pela nivcpaco do rio Toamos, so estilo
f apromptando dous phares para serem exi-
' bidos em o mar Rcach ; estos phaies scrio
collocados aonorlc do canal navogavol do
Rcsch, isto he, um o largo de Chapucam-
llead, junto ao lugar em que esl o Ueacon,
e o oulro em cima do Mucking-FIat, os
quses serflo exibldos cm a noite do primei-
ro de outubro soguinte, e dahi em dianlo
continuarSo a accender-sc desde o anoite-
cor at o amarillecer.
Os demais particulares a rospeito da ap-
parir;Ao dos phares serSo publicados em
seu llovido tempo.
Por ordem
/. Kerberl, secretario.
.- Tambcm remelteu-se copia da traduccHo
' icima 10 administrador do consulado.
Dito. Ao Juta: municipal supplenle do
i Icrmo deSanto-Antflo, dtzendoqua o con-
Kelho municipal de recurso daquelle termo
deve reunir-se nodia Udesle mez.
Dito. Ao dlegado de Ouricurjw Con-
vinit (lictriter os meios de transoiilir-se a
correspondencia ofllcial e particular entre
as villas da Flores e do Ex ordeno Vmc.
u,ue contrate os estafetas necessarios para
esse ssirvieo, me do juste que com
elles fizer, allm de se crearen) as agencias
nos pontos cima mencionados, advertindo
que os estafetas devem partir do Exi a tem-
po de chagarem a Flores nos dias 10 e 25 de
cada mez, regressarem para o Ex a 12 e
27, passando por Ouricury, tanto na ida co-
mo na volla, para levarem { corresponden-
cia dessa povoa;lo.
Vmc. mo informar tambem sobre pes-
soas aptas para serem encirregadas da a-
gencia nos tres pontos cima mencionados.
Neslo sentido olllciou-se a cmara mu-
oicipal do Ex. "y ,
Dito. A' cmara municipal do KlU.
Em resposta ao officio que Vmcs. mo din-
giramemquatrode agosto desle aom, no
qual expOo lerem recebido om 28 da jullio
findooolcio da presidencia do 25 de maio
passado, e pedem queresolva oque fdr de
direito, visto ter ja passado o dia designa-
do para a reuniao da junta de qualicacflo,
lonho a di/er-lhes que Vmcs. deviam ter
marcado um outr dia, em que se izesse a
rouniSo da junta de qualificaQao, afim de
que se no inutilisasse a ordem quo Ibes li-
nha sido dirlgida.e fosse cumprida a loi.quo
quor quo a revisflo da qualilicaQilo so faga
todos os anuos : entretanto essa falta niio
devo embaracar a eleiQilo dos leitores, que
deve ser foila no dia 28 do crrenle para a
eleicHo de dous senadores ; visto que, so-
gundoo aitigo II das nstruccOes do go-
vernodo28de junho do corrento anuo, as
elcigOes primarias, as parochias em que as
qualificacOes niio estivurem concluidas alo
a data dolas devom ser feilas pela ultima
qualillcaco quo tiver sido regularmente
concluida. .
Neste sentido Vmcs. dar.lo as providen-
cias necessarias para quo a dita eleicAo so
faca impreterivelmente no dia designado
om todas as parochias do seu municipio, na
intelligoncia deque, se porqualquer even-
tuatidade se nSo efTectuar a eleicSo no da
28 do corrente, devem os juizes do paz do-
signar oulro dia, que devora ser qualquor
domingo seguinle, de maneira quo sejam
apurados os eleitores antes do da 28 de no-
vembro, cm que lom de verificar-se a eloi-
Q1o dos dous seoadores para a qual devem
concorrer.
E desla forma fica tambem respondido o
officio do Vmcs firmado em 0 de agosto.
Dito. A' mesma. Em resolucilo aos
quesitos por Vmcs. propostosem cilicio ce
9 de a?osto uKlmo, l'enho a declarar-lhcs o
seguinle:
1. As Ierras devolutas conslituem pro-
priodade nacional, o n3o pdein faxer parte
do patrimonio nem da munlcipalidade, nem
dealgumpartxular, sem que tenham Ulu-
lo legitimo da concessflo dolas..
2 As trras apossoadas por particulares
sem titulo legitimo nSo perdem a sua qua-
lidade de Ierras nacionaes, e niio consti-
tuem proprioJade municipal: os posseari-
tes, comtuJn, no devem ser desalojados
dellasseno pelos meios legitimas, cstabe-
lecidos as leis, o a requerimonlo dos pro-
curadores-flscaes.
3 ^'flo leudo a presidencia nenhum co-
nhecimento dos ttulos de dominio que pos-
sa Icr o sonhorio da Torre da piovmcia da
Baha sobre as Ierras que tem ancii.lado,
nflo lie possivol decidir da logltimfdade com
que leem sido feitos scnielhanles urrenda-
mentos, sendo comtudo evidente que taes
trras nao conslituom palrnnonio da c-
mara. .. ..
E por esta forma licam implcitamente
respondidos todos os demais quesitos da
cmara.
DEM DO DIA 4.
Cilicio Ao coronel Cypnano Jos de
Almoida. -Tendo Vmc. sido nomeado com-
mandanteinterinodailha de Fernando a-
fim do poder rccolher-se esta cidade o bri-
gadeiro Francisco Sergio de Oliveira para
gozar da llcenca quo lhe foi concedida pelo
governo impenal, e devendo Vmc. parlir
manhSa para tomar conta do referido elim-
inando, julgo conveniente significar- N :
1 o Qe deve observar osregiilamenlosc
ordens em vigor, tanto arwpeltoai diwr-
plina do destacamento es acioiiado na dila
ilhn. como dos presos nella delidos.
2' Que deve estudar o mcllior rgimen
econmico e administrativo, propr.o para
er.doplado na dita ilha.afim de se utili-
sar o (rabalho agrcola dos presos, n..o so
no int-resse delles proprios mas tambem
no dar/onda publica Mt, f.
meios c instrumentos de traballio, "Ho ti a
odo o proveilo dolle, pois quo he brigada
nfornecerosprincipaes gneros com quo
so alimentados. .,..._
O Caliope, em quo Vmc vai do passagem,
deve volr tres dias depois do seu desom-
nsrauo. trazando o br.gadeiro Irancisco
SeriiodeOliveira, actual commandante da
111,8, se porventura elle nesse espaco, eali-
ver rompto partir, o a t.ver reilo entre-
ga a Vmc do commando edos dilTerenes
ojelos a scu cargo, o o tiver Instruido das
ordens em vigor para o rgimen da ilM e
dos presos. Wo caso contrario, deve o dito
Sadeirolransport.r-se no bngu>eacu..i
Conopo que teW de demorar-sena ilha sl
15pe'o referido brigue-escuna dever Vmc.
propor-me.s.lteracaeequo julgir conve-
nieiito fazer-se as ordens em vigor, e o re-
eulau.entoquejiilgarapropriado para ex-
Pl."acto agrcola da ilha, e .prove.lameu-
[o d l.ab.ino eos presos em su. ulilidide
o do fazenda publica. __
Se no referido pr.zo do 15 das V me. an-
da nao tiver formado o scu ju.zo a este res-
cei nem por isso dever. o Cawpo demr
de reeressar para este porto ; porquanlo,
fando'do pulir' para a 11 o '''"'P^"-.^
tenidecondiuiramadeira eoulros objec-
tos requisitados pelo brigadeiro Francisco
Sergio do Olivera. por elle poder Vmc. sa-
lisfazer aquella exigencia: advertindo com-
tudo que o Pirapama niio tem do demorar-
se na ilha sondo o tempo necessario para
desembarcar os gneros quo transportar.
Neste sentido oliciou-se ao brigadeiro
commandante da referida ilha.
Portara, lomeando o mcmbroadjinc-
to do concelho geral de saluhridade publi-
ca, Cosme de S Pereira, para o lugar de
secretario do mesmo concelho. Scionl-
lcou-se o presidente do mencionado con-
celho, e ordenou-se-lho organisasse a pro-
posta dos mdicos dcnlre os quaes deve ser
escolhido o que ha deoecupar o emprego
deadjunctoquofica vago.
Comniando dapr<*$a.
Quartel do commando da praca nn cidade do
lltcife de Pernambuco, 3 de outubro de
1849.
ORDEM DO DA N. 46.
Representando a esto comman lo o reli-
gioso franciscano, o Sr. frei Antonio do San-
la Candida, contri o insulto que soffreu
do cometa do segundo batalhiio de caca-
dores Jos Pereirii que, estando de guarda
na cadeia no da 2 do corrente, dirigi pa-
lavras injuriosas ao mesmo religioso que
passava, resultando desemelhanto ataque
que o mesmo religioso se queixasse ao Sr.
alferes Corritas Eloy Pessoa da Silva, com-
da guarda, o qua!, taWex pe
com quo Iho foi foita a quei
.10 dom de una profusao de deeorares para os
chefes do exercito Trance?, nada poda ser ine-
Ihor nem inais graciosamente fcito ; porem
estas nao s-o as materias sobre as quics esla 11-
xada a atteiiciio do general cm chote, c nem
elle nem sen governo devem ser diveitidos com
Dinharlas, enlrelanlo que a parle serla do ol',
jeclo he parle de lado como importuna 011 in-
conveniente. ,
A ultima cousa que o papa propoe later lie
voltar para a cidade de Roma, contra a qual
parece que entretem'uin rancor especial : di"
Mm que visitar aples, Aneona c ll.doulin
antes de entrar oulra vez na cidade eterna, a,
mesmo quando clicgar 1 01 vitinhanca, he
provavel que fixar sua residencia cm Alliano,
c delxar o Qulrtnal as iniios sarios governadores. O exercilo franco/.conside-
rar como um insulto loili a visiti aos lugares ^
oceupados pelos Austracos antes que o papa]
rcconhrcascus servicos.apresenlando-sc ni ca-
pital qucellra guarn-coin ; e, se llguma cousa
pido apressa, o que cu lenho toda a rasao para
teincr.isto he, a fialernisacodos soldados c do
povo, ser esta mesma circumstancia. Crcio
que o general cm chelo lia de ler previsto este ,
mal, c que nao ter hesitado cm expressar o ,
desgoslo de seu governo pela possibilidade de
unta tal occurrcncia.
Urna visita a aples podo sor necessana a
real e magnifica hnspilalidadc do soberano da-
quelle pala nunca podera ser auIHclonlcraonU
reconhecidaporS. Saulidade: poiin sua pas-
sagem pelo campo franco/, para Ir 1 Ancolia e
uolonha, onde estao os Austracos, perder-lhe-
lila 1 estima e respeito do exercilo rrinces c(
leudo Contra si oslo exercilo disciplinado e um
povo descontente, que esperanca restara 10
ponlilicc'/ Os primeiros actos da comniissao|
govemadora, foriudo os inlorcsscs pecuniarios
do povo, e occasionando nina perd corta a to-.
das as elasses, leem tornado os crdeos ainda j
inais impopulares do que eram; o csioii Inti-
mamente convencido que,so o Quirinil nao es-
tlvesse guardad por soldados franceses, nao
estara seguro una s llora. Bfti impopular!-
dade ser cen vc/.cs augmentada para ludo
mandante
acrimonia .
xo, nflo o attenueu devidam-nle, nem
recebeu com a procsa moderaco a refe-
rida queixa que so verificou ser justa, se-
gundo a inrormaco *2J1jE!to quan.'poder'emanar'doOaeiaVquad,. so vi
der; c nflo se compadecido wmemanie 1 ^ ^^ a (.nM ^ uma |iromcss
procedimento do dito corneta com a morai l)eurvuln pode oUlor do papa, e que as pro-
publica o icligiosa, nen com os preccitos nofUi iosgOVernot frauceieseausirlaoosso
da disciplina militar que cun, re ser man- 0iregucs camarllha. Filio da Austria, por-
lida cm toda sua plenilude, mrmente no que rslou convencido quo as Instruecdca do
^___!__ ...1. J.H.b.ttl.*_u a ,ri!iinr rir- ,,rioii> Xrhiparrpnt^ra ao r.riilcil'e r.sl,'rlia/.\
, 1 ni ,iu ,-.......i- ,..^.-..*, -------------------.
servico, onde dove jguardar-se a maiore
cumspecefloa respeito ; ordeno que o Sr.
lente-coronel do referido balalhflo man-
de castigar corpuralmcnlo o mcncionido
corneta con todo o rigor da disciplina,
olim de corrigir o servir de excmplo para
qua jamis apparecam factos que dopo-
uliam contra o carcter altado que devo os-
tentar ,> tropa de linha a quom a lei iiieum-
bei dofess publica.
Assignado, /: Vicente de Amorim Bezer-
ra, coronel commaiidunle.
Quartel do commando da praca na cidade do
lledfc de Pernambuco, 5 de outubro de
18t9.
ORDEM DO DIA (i. 47.
Facopublico, para conheciment da guar-
nio.ni o dovi la esecufio da piule de quem
perlencer, que o Exm. Sr. presidente por
despacho do do corrente conceden bllxa
do servico, por nssim haverem requerido e
lerem completado o tempo de servico, aos
primeiros sargentos Antonio da Franca de
Alhayde Moscoso c particular JosPeroira
Cablas, ambos do segundo bat.ilh.to de ar-
tillara o soldado Joo (aciano Demetrio
da companhia lina dec.ivallaiia, os quaes
despachos me roram hoje presentados.
Assignado, los ricintc.de/imorxm Dezcr-
ra, coronel commanJante.
IxTERlO.
OS FRANCtZES V. 0 PAPA.
(Correspondencia de liorna.)
Estou muito satisfeto de nao ter acornpi-
I.SltlU IHHIWVHinvw----------- .
nhadoalguns do nos?os joveus diplmalas
daqui, crendo que o papa e a camal iIIh de
GaeU cstavam dispostos a uceitar o bom
conselho que a Prtnca Mies dava, ou a acu-
dir com milo assistente a um povo desespe-
rado. Agora vejo que minlias anlicipacocs
desfavoraveis acham-se mais quo vcrihca-
das, oque a distancia entre o pontfice su-
premo eseus vassallos se vai tornando de
dia em dia mas consideravel. Com elrcilo,
posso dzer-lho que. as cousas Vfio chegando
a um estado tal, que o governo de Franca
tera que reconsiderar toda a sua poltica, e
determinar se inlorveio por frca de armas
na Italia central oara restaurar a regra des-
ptica da igreja, ou para assegurar ao povo
romano um bom govcrno.qiianto he consis-
tente com os direilos do um soberano indc-
pendenle. NO lenho nenhuina duvida que
a doenca do Mr. do Cnurcelles he o que o
tem prevenido de expr ao papa clara e
enrgicamente estes designios ; porom con-
sidero como corlo que o general Otidinol
nflo dcixou de fazer conhecida, durante a
sua ultima visita, a verdadeira si'uacfio.
.Nflo lenho a conlianca de nenhum .lestes u
sejam iiidilfcrentessdilliculdades issusta-
doras do caso, nema impossibilidadealiso- t
luta de Pi IX (ixar sua residencia cm Roma 1
sem ser sustentado por bayonetas es ran-
geiras : o, porlanto, presumo que huo de ler
rallado claramente a este respeito em (.acta;
1 ._________..;...,.1.. ca nninuOS UO
governo de Paris.
Se elles tal nao leem felto.a verdade, nao obs
tan le tu* o* ut m -v -,-,.-.. ,
nao delxar de cumprir o seu dever como un
arbitro profiri entre as pretences de.arrasoa
das de um povo e o elo pouco illuslrado d,
um soberado O papa literalmente nada lara,
nois di/, que ha de voltar para liorna sem sei
aerilhoado por nenliumas promessas. quaes-
quer que sejam. Segundo sou informado, ello
ecebu mol cordialuicnle ao general Oudmot,
e reUllvamente as congratulifes ardeoies, e
principe .VeAtrar:rnbrrg ao principe Eslerliaz)
so da inais conciliatoria nallireza, o que o ga-
binete de Vienua aullla ainda inais que o de
Paris do assegurar a tianquillidade goral da
Pennsula polo estabelccimeuto de um bom go-
verno em llouia.
Como sel por ininlias cartas que apuesta
definitivamente concluida entre o Pieinmite o
a Austria, esta tem agora o inais forte nteres-
se em arraujar os negocios do Roma. A con-
cordia que lom existido cutre ella e 1 Franca
cmGaeta sor ainda inais OOOSolidadn pola ler-
ininncio (slil da queslo da Italia superior, e
creioqucnrnlium zoloinlcrvircnlro sua ICflO
liarmouiosa no Sul. Observo luna dill.roiifa
not.tvcl no comporlaiiienlo dos liabilanlrs de
liorna para com os ollioiacs c s ddados Irance-
/.es, e, quando for geralcnonle sabido quo o go-
verno c o coiniiiandante em cliefo bao intervi-
do entre riles e a vinganca dos cardeaes, sua
boa intelligoncia poder al cstoiider.se a Ira-
ternisaco. Al o prsenle os soldados Irance-.
zrasfio considerados como soldados do pipa;
porni.logo quo a verd..do fr iuloiraucnla cu-
nbeclda, a unan ser levada ate mesmo de-
inasiadaincnlc longo. A Ausirla nao podo del-,
xar do coinpreheiider um aviso como esle;
pois he muito de scu ntorosso, lano 0111 11111
senlido o 'ino em oulro, ver oslo oslado ii rogu- 1
larde cousas terminado e o papa coiivenicn-
leuicnie restaniado, com aquella proteccu es-;
Irangeira que fr'nccessaria para comprimir a
faccio vormclha, a qual ainda tcui profunda*
railes na cidade dos Lcsares.
Kslamos aqu pcifeitainciilo tranquillos dc-
baixo da influencia de 30,Uu0 bayonetas Irau-
ce/.as; porcui os bomens.poslo que nao HilIeiU,
aiigein os denles c anica.aiii vlnganao.
[Times.)
Londres, 15 de agosto.
0 nico fundamento com que a poltica
da expodieflo franceza Roma lom sido de-
fendida, anda niesino pelos ministros da
repblica, lio a seguranza positiva de que
a resUnracflo do papa tleituada pela Y ran-
ea seria iiconipanhada por lima iiili'ira re-
forma dos abusos quo estilo encriistados
no governo temporal dos estados pontifi-
cios. M. dcTocqucvillo cmcluiosua ul-
tima filia a este respeito declarando que
podia emprelieiider dizer que o papa eslava
prompto para sinccionar um tal arranja-
menm, oque a conscqaonc' da restsursefio
papal nflo seria 11111.1 reaccao coga e impln-
ravel A honra da Franca, n tranquillidade
do Roma e a propria exislenria do papa,
como soberano temporal, depend do cum-
primonto dctcs einpcnlios. Infelizmente
os primeiros actos do pontifico revelam a
exislcncia de um espirito mu dillorenlc, e
i-em excitado a tal ponto a hoslilidade e
suspetas do povo romano, que nina nova
nsurreicflo tona j lehentado se nflo fosse
1 altiludo respeilavei do exercito francoz.
O general Oiidnol hava conseguido que
j iirJicipcOIesclialchi e alguns outros l-
manos seculares so preslusscm a formar
mu especie de governo municipal de con-
iiori, ciijos nomos o caracteres sSo litteral
mente aborrecidos pelo povo, assumio as
redeas do governo, sem que urna so palavra
de segiirainja p-atlca fosso por elles dirigi-
da :i naQflo, ou una s represontaqflo fosse
foita da parte do general francez.
Scus primeiros actos roram conformes
com a proclaroacao qu puhlicaram. Elles
domitliram immedialaniento lodos os in-
dividuos, quelinham obldo empregos de-
pois da ruvolueflo, e por eslo meio augmen-
ta rain 0 desconleiitiinionto dos agentes
mus formidaveia a inlclligentes do parti-
do ropublicauo. Elles rovogaram todas as
leis feilas dopois de novemhro o restaura-
ra m os inligos odiosos tribuniosde jus-
lica, ,
Elle* noinearain urna eominissflo ie m-
quriedo compolOroj indefinidos, acaba-
ra m com os corpos mtinicipaos das cidades,
os quaes deveriam espccialmento ter pro-
curado sustentar, o repudlaram um terco
do papel-modi por urna medida que nflo
pode doixar de occisin ir em tal momen-
to exces;.iva irrilaeflo e embaraco. Sendo
a-an papel inconvertivcl, era do inleresse
do governo manter sua olroulicdo em quan-
lo fosse possvel ; era sso urna flCCfiO con-
vonioole, e quando 0 valor dos baiocchi re-
publicanos declinasen como porlimhavia
do acontecer, entflo seria tempo do propor
sua convorsflo. A moo la bavii desappare-
culo, o nflo hava remedio para este estado
de colisas sonflo doixar o pipel ilesapparo-
cer como ella. A impnpularidade do actos
taes como estes lie, porlanto, grande, o se os
Prancezesleem roalmcnro por limiestaurar
o pipa 10 poder, nopodiam ler-lhe fcito
miior desservien do que toleraren um co-
moco tilo fatal e absurdo.
Quando o governo pontificio foi atacado
em novemhro de 1818 pelo assassinatodo
condo Rossi o um ultrago brutal OltO no
palacio dopapi, a mcllior parto da popu-
lacho romana Ucoo desgostosa e horron-
sada por taes actos de violencia. O gover-
no que foi entilo derribado por Mazzini era
a mcllior experiencia quo Roma tulla les-
tomunhado. O gabinete compunlia-se de
seculares lu liis, o as cmaras linham con-
vocado os mcllior >s ciladflos da Italia cen-
tral : a dostruieflo desla forma de governo
Toi, porlanto, um golpe fatal para o causa
di conslituicao o da lihcrdade ; porom, por
inais deplorado quo este ironlccimcnlo te-
lilla sido, nenhlimn duvida ha que, se o po-
vo romano nflo livosso agora que escolner
senflo enlre os douseitromos deumores-
taurscilo completa dodesgoverno clerical o
os nuiles do uma republica democrtica,
ello prefereriao ultimo. Nada podemos con-
celler mas odioso doquoqu: um poder
sanceionado por seculoa, e quo reclama urna
autoridad,! divina, se musir presentemen-
te mais arbitrario, implacavel o injusto do
quo os dictadores do urna revolucflo ; o, so
esta devo s"r a conduela da corlo do Roma,
Btrnvemo-nos a illlrmar quo as maishos-
lis medidas de Mnzzini e seuscompanhei-
ros fi-atii monos lataes 1 sogunnca e poder
da inesiiiii do quo os actos de loucura e
intolerancia do seus proprios represen-
tantes. .
o alvo da Franca c d > potencias catlio-
licas he dar permanencia, estabildade e
independencia ao cab-ca da igreja a que
pertencem; pormoa estadistas dostes pai-
/es devom perceber que osle objeclo nflo se
podera absolutamente alcancar som quo
soja possivel promover uma eonliaiiQa mu-
lla o muflo entre o pontifico e o povo que
ello devo govornare no meio do qual devo
vivor. Se Po IV nflo livor sufliciente inde-
pendencia de juizo e vigor do carcter para
distinguir os justos direitos que pode man-
ter das gran les llusoei que quasi sepultaos
o papado dobaixo de suas ruinas, a sua in-
faluacflo dar o golpe mortal ao seu poder.
Allrina-sc que elle sempro espern alguma
inlervencflo milagrosa da Providencia em
seu favor, anda mesmo depois de sua ru-
gida para (acta, o he possivel que possa
imputar us inesperadas operaces da rep-
blica franceza um carcter algum tanto
milagroso e sobrenatural ; porm, ainda
que os papas possam reinar sobrenatu-
ralmenle, ellos nflo teoin vidas encanta-
das ; e scu poder temporal, bem como o
dos uniros principes, ha de perecer quan-
do dolle ahusarem. Um /inimgo ontlm-
siasa do poder papel uff/o podero talvez
desojar cousa uielhor to quo vvlo res-
taurado por meios e-com acompanhamen-
tos quo moslram que sua natureza he in-
corrigivel e sua queda nevitavel. Dese-
j unos fallar com "respeito docabegade uma
pori;flo 15o grando do mundo christflo, po-
rm ao mesmo tempo nada podemos ues-
cohrir na poltica actual o nlences do
papa quo paraca calculado para frustrar as
predicces de seus oais rancorosos adver-
sarios.
dem.
p=; Yl(r, certocom as autoridades militares f,an-
pcrsunBbeiu., p r ,...,. .. .. .. ano o uoverno de Roma fosse en-
;cnu ^"'.....- --------------
lezaa, at que o governo de Roma fosse en-
rogue ao papa, ou a seus representantes.
Isles individuos, os quaes parecem ler
lirado animados por motivos mui patrio-
icos, receberam dopois os ngradocimentos
illlciacs de general Oudinol pela coadju-
rilladoelaramonle a esta respeito emi.aeiu, umcidvs wwb"."" v,.... K-.-------/"
Blio dS c? coinmunicado suas opindos ao vagflo esclarecida e activa que lhe presta-
e ""., o,, rain na direceflo dos negocios pblicos, o
Viiyi" ^>n fcv-< w .*.-.. -,-- ..- r*~~~"~
rain na diroceflo dos negocios pblicos, o
Pi IX nflo podia, porlanto, fazer votisa me-
Se elles tal nao mmUj^m^ nao 00. ^ -^^ q ^ ^
'"/'* ?* n,.!, n ir orii dever como un, respeitavel corporacilo municipal do Ro-
respeiavel corporagflo nitinicipal do Ro-
manos leigos at que elle proprio vollasse
para o Quiriual. Todava o pontfice seguio
urna carreira directamente opposta. A coni-
missflo que clicgou Roma no dia 3 de
a"osto lio uma resurrciijilo dos peores c
mas desprezivts usos da antiga adminis-
tragflo papal. Um triunvirato de Utonsig-
DLilU DE PERNABBUC-
nECirs, 7 DE OUTUBRO DE 1849.
O DIARIO NOVO N. 97.
No estado que so v reduzida ; abando-
nada do todo pela opiniflo publica, que suf-
fiecntemente pronunciada em favor dos
principios de ordem o da imnutencflo das
Inslituicoes juradas, repello o espirito des-
ordeiro e anarchico ; consca de sua poiica,
ou nenhuma importancia na provincia, e
conseguintemente da iuutilidade de seus
esforcos, quaesquer que elles sejam, para
triumphar em um combate oleitoral, onde
SUSSSl
MUTILADO


r^r
? :.-. ?.n
ISSBKjI
es partidos disputen) livremontc o venei-
nionto.'e nfio possam cmpregar oulras ar-
n'ias senfio as da rasiio a porsuasfio; a Irac-
Cflo roiisliliiinln, para encobrira sun nulli-
dade, o assim disecar a vergonh i de nppa-
r.'oi Ul quul na realidade lio, uno tom ou-
Imi curso senfio abandonan) campo elc-
loral, c procurar ein Imaginarias violencias
e corcfi*a pretextos cun que justifique
CSSfl il'iindnuo.
Foi islo o queja fez ella por occnsiflo das
eleicoes de 'eputados.eo queja esperavamos
que fizossa as "leico-s do s< nadores, antes
mesinn de termos o artigo que sobaepigra-
Ui--abandono da eleico de leadores fui pu-
blicado no Diario Novo n. 97 de :i do cor-
rento.
F.mbora o Exm. Sr. concelhciro presiden-
to da provincia tone todas as medidas,
empreguo lodos os ineius que se p Ion
masillar como proptios |iara garantir a li-
licrdade do voto, c fazer com que as urnas
expriman) justamente a opinifio da provin-
cia : tudo islo que prova mais (|iie milito
quanlo u governo se inleressa ein que as
eleicO's si-jam livres ; tudo islo que ani-
mal in o decidira immedian.ente a pleitea-
las qualquer partido que tivesse alguma
confianza era suas furias, que contasse com
alguin apoio na opitiflo do paiz, que po-
desse nutrir alguma esperaupa de oliler
qualquer resultado de scus esforcos; ludo
isto, longo de mover a fraccilo a tomar par-
to nas eleicoes, a medir as suas freas com
as do partido constitucional, a entrar em
nina luti toda igual, quanlo aos mcios o as
arma, nfio faz senSo irrita-la contra o
prupnu governo que ella quereriaquo, em
vez de garantir por to os os meios a lber*
dade do voto, pelo contrario aulorisasse as
coacccs e violencias, ou pelo menos nfio
deesa urna s providencia tendente a evita-
las, e torna-las, por assim dizer, impos-
sivels.
Siin.no lirmo proposito em que est de se
nflo involverem oleicfio alguma, emquanto
nfio uvera Mrca sua diaposlefio, porque
tem a eonviccjlo Drme de que sem o auxilio
da frC/a jamis pinlera trumphar, a fraCCflo
consliluiile agona-sosobreinaneira, quan-
do o Exm. Sr. coneelheiro presidente da
provincia loma as mais enrgicas medidas,
da as mais adaptad is providencias para ga-
rantir i lena.......te a liberdade do voto ; por
isso mesmo que ellas tiram lodo o funda
ment ao pretexto com quea fivccilo quer
justificar o calculado abandono, destrocm a
estrategia, espcitczae engaito, e pa u pa-
tente a verdadcira rasiio por que assim pro-
cede ella.
K he por isso que, conservan lo-se em si-
lencio os seus orgos emquanto S. Kxc.
iienbiima providencia toma a respeito de
eleicoes, salieiu logo a camro. apenas silo
publicadas as medidas por S. Kxc. tomadas,
c busca01 Com todo o atan mostrar que ellas
nflo silo Sufllcientca para conseguir o {ni
que se proponS. Kxc, islo be, garantir li-
berdade do voto; accrescentatido fnimedia-
lamenlo que, por falla de gHraiitias, os seus
correligionarios abandonan) as eleicoes,
por nilo querercm ser victimas das violen-
cias o perseguices do partido constitu-
cional.
.Visto mesmo est a estratega, esporteza
e engao. Calam-se, emquanto u governo
noda providencMSlendentesa garantir li-
berdade do voto.a verera se nenbuma toma,
como desejam, para depois poderom dizer
com olgum fundamento que o governo ne-
nhiini.i medida tomn,qu videnciido ueste ou naqueliesentido, c que
abandonaran) aeleicio por falta do garan-
lias; mas, apenas o governo lira-Ibes todo
o pretexto, apenas loma todas as medidas
que se pdem julgar necessarias para garan-
tir a I i herda le do volo.ci-los declarando logo
que nflo poden) lomar parle nas eleicoes por
causa de violencias e perseguic,0es, o que
nfio bastad! as medidas do governo para
gsiaht-Jos.
Entretanto, se se olliar com altencflo para
as providencias lomadas pelo Kxm. Sr. con-
Cclbeiro Honorio llennto Carneiro Lefio,
cuja administradlo tem sido 13o justa, que
0 mesilla fraccilo constituidle nilo ousa ata-
ca-lodo fren/e, contentando-se apenas de
moid-lo a furto, ve-so qoo nflu be possi-
velque uin administrador d mais garantas
a 11 iii partido decabido, mxilenba mais j
uso pleno de seus direitos.assegu e-lbe mais
a liberdade do voto, edc-lhc mais posaibi-
lidade de pleitear urna eleicao, de obler um
triumpbo nas urnas eleitoraes, se he que,
lulos meios legaese sem o emprego da vio-
lencia e da fraude, pude elle conseguir o
vencimonlo da eleicJIo.
E de l'elo o que mais podo querer um
partido rasoavel, e que nilo tenha a prcten-
eao de impr, anda mesmo fra do poder,
doque todas essas garantas que fracc,3o
conslituinte lem dado o Kxm. Sr. conee-
lheiro presidente da provincia? Que mais
1 lie seria necessario para pleiteara eleigiio
com toda a confianza ?
He a polica que pode influir na elaicffo,
que pode coagir o voto do cidadfio ? l'ois
bena : nenhum agente da polica pode in-
lervir na elec3o,S. Exc. o prohibe mu ter-
minantemente a todos, e da as precisas pro-
videncias para que essa prohibidlo nilo seja
una burla: tira-Ibes todo o pretexto para
perseguijOes.
He o estado de temor em que so achavam
os Miembros da fracefio, que mais ou menos
se involveram na rebelda, que, (azendo-os
nfio tomar parle na eleiclo, diminua as
torcas da fiacco, e fazia com que ella nflo
enlrasse em accfi&com lodo o sen exercito?
l'ois liem : 6-los todos amnistiados, urna
vez que nilo estejaro pronunciados al" do
mez prximo passadu, com excepto ape-
nas dos que estilo em armas im squito de
Pedro Ivo.
Que mais, portanto, pode fazer o Exm.
Sr. concelhciro Honorio llennto Carneiro
Lefio, para que a fracefio conslituinte se
jolgue garantida possa resolver-se a to-
mar parto nas eleinies sem temor de vio-
lencias?
Querer ella que S. Exc. 1 lio entregue
todas as pusices ofllciaes, nomean lo para
os lugares de eonliain.a pessoas todas de
seu gremio, e ponha sua disposiefio toda
a tilica publica?
Querer que mande abrir todas as prisScs,
por na ra quanlos ti vera ni paite na re volt
d novembro, facen do recolher em seu lu-
gar quanlos a fraccilo I lie indgilar?
Querer que obrigue lodos os constilu-
cionaes a volar em uoia chapa que ella ten-
bj impor ?
nOerera que consinta que Pedro Ivo
!2!
frente de seus soldados va aondfl quizer vo-
tar icrementc, o fazer a elciefio 1
Creinos que s assim adiara a fraccilo
que o governo gyrava na rbita, da suas
atlribuicOes; que a au^oridade publica esla-
va confiada a cdadfios honcslos ; quo a
corriipc.lo ea immnralidade tinham desap-
parecido : eremos quo s assim acharia a
fraceflo que poda o devia disputar as elei-
coes; porque s asim ha que as poderia
ganhar, s assim he quo poderia triumphar,
empregando todos e quaesquer meios, por
mais violentos e fraudulentos que fossem
Mas qucn nilo v o ridiculo que ha nas
prclencOcs da fraccilo? Quem nilo conbeco
que a verdideira causa por que a fraceflo a-
bindona a eleiclo, he a certeza qui lem de
as perder.pela minora a quo se ve reduzlda?
O Kxm. Sr. concelhciro Honorio Hermclo
Carneiro Lefio lem inqucslionavelmciilc
d'ido as maiores provas de que nao quer,
nem admiti compressfio nas eleicos;
tem feito ludo quanlo he dado ao governo
fazer para quo triuinphe a maioria nas ur-
nas eleitoraes; o tal he a convicio que
temos de qua S. Kxc. nfio s nutro esse ar-
dente desojo, senfio ha lomado tojas us me-
didas pira que elle seja satisfeito, que mui-
lo desojaremos, quando houvermos de os-
lar em opposco, que oecupo.a presiden-
cia um estadista de principios tilo justos o
liberaos, como S. Kxc; e aflirmamos que,
com as garantas quo lem elle dado liber-
dade do voto, jamis aconsejaremos ao
nosso partido om Opposigflo, i|iio abandone
o campo da eleicflo.
Enlrclanlo, o Diario Novo, como princi-
pal orgfio a fraccilo conslituinte, aOectan-
ilo ler a COnviCQfiO do que as medidas loma-
das porS. Kxc. em data do 28 do niez pr-
ximo passado, e publicadas no n. 2l8dcslo
Diario, nfio sao sullicientcs para obstar as
violencias c persoguiefics que porVenliira
scqueirain fazer por OCCaaiflo das eleicoes
e para garantir liberdade do voto, declara
que ella se aclia na iiupossibilidude de plei-
teara eleicao, nfio porque nao tenha fOrcaS
para isso, nfio poique nfio tenha muios para
oblero lriuiii|iho, caso su estaheleccsse um
cmbale franco e leal de opinies entre o
governo e a npposicflo,--um combate em
que tivesse de vencer aquclle que por seus
esforcos, c pelo emprego de meios legti-
mos podesse adquirir mejor numero do vo-
tos; mas porque julga ifnprolcuo o intil
Iular contra abusos, contra violencias da po
licia, contra proniessas do poder, contra a
fi'Ca armada, contra falsilicaces de acias,
etc., etc.
Certo que o contemporneo, tendo bom
em lembranca todos os manejos emprega-
dos pela fracgfio conslituinte quaodo estuve
no poder, para obler o triumpbo nas elei-
coes, nfio faz mais do qoo descreve-los o
attribiii-los ao partido constitucional ;m.is'
quem nfio ve que essas miseraveis recri-
minafOes, destituidas de fardos e de pro-
vas, e s apoiadas em puras dcclamaces,
nao pJeni jamis conseguir o resultailo
quo deseja oblero collega Quem nao v
jue o mollior meio da justificar todos estes
reeeios que o contemporneo altela, mas
que lodo mundo sabe que nfio tem, seria a
apresentaeflo da sua gente no campo elei-
loral ; por que, su o partido constitucio-
n il s podesse obler o triumplio eleiloral
por meio da Cinpressfio, ou ella appare-
Ceria, OU elle seria venc lo, e ein qualquir
los casos loria a fraccilo constituidle ga-
lillo um triumpbo assignaladoi' Quem nfio
v qua nfio he ligur.iiido imaginarias vio-
lencias quo se acojina um governo de per-
seguidor?
Com a tctica da fracefio qual seria a
mais insignificante c quasi imperceptivcl
minora, que nfio podesse desacreditar um
governo qualquer Itastar-llie-hia dizer
em qualquur poca oleilural: Nfio toma-
mos parte na cleic.'io, porque he improficuo
e intil hitar contra abusos, contra violen-
cias da polica, contra a frca armada, con-
tra as falsilicaces do actas.
K nfio be islo juslam'enta o que faz a frac-
eBOconslituinte? Ella nfio se aprsenla no
campo eleiloral, nao da combate a seus ad-
versarios polticos, nfio experimenta, por
coiisequencia, quaes os meios com que os
meslos adversarios luanlo com ella, o en-
tretanto clama contra as violencias e per-
s.'guices que a polica einpregar nas
eleicoes, e diz que abandona as eleicoes por
causa d ellas! 1/ Ora islo realmente nfio
he mais liem menos do que representar o
papel de um desses parvos que figuraran!
na historia dassete parvoicesdo mundo.
Se nfio estivesse tfio adiantado osse ar-
tigo, analysariainos agora mesmo as rasoes
do contemporneo ; mas longo j vai elle, e
pois voltaremos ao asiiimplo.
O vapor Paraime, cliegado honteui do por-
tos do norte, troime-iios jornaesdo l'ar.i al 18,
do Itaranbo al s-2 e du Cear al 27 de c-
(einbi'o ultimo ; bein cuma gazetas da Paralii-
ba que .ilcancain a 2 do crreme.
Para Acara em paa.
Prosegua abi raima e pacificamente a elei-
cao para deptitados assriuula gcral legislali
V.
n iiiodcracao, c mesmo a imparcialidade de que
se 11 -.ente a sua narrativa :
A* occiirrrnclas bavidas ulltmaincnle neria
villa, (Ipapicur-Mirimje quederain causa os
cicesson da oppoiicao, leein sido tbeiua para
o l'r i|ia-iu calumniara presidencia e ao Exm.
Sr. ni misil ci ila juslica.sem scesquecer de lau-
car urna torrente de insultos sobre cidadaoi
rcspeiuvcls do partido constitucional.
. i-.\|ini i-mus os facas taes quaes se pasiaram,
n I i ni dedesinascararoiosa l'iillia opposlclonlsta.
Procedeu-se em paa, no Itapicur, s elel-
9es secundarias, nao obstante as provocarles
da opposicao com vivas e morras acintosos, e
os mais arrojados insultas verbaes. concorren-
do as autoridades policiaen e chefea dos gover-
uisi is por evitarem qualquer desagradavel
("ni lelo, visto morarem mui prximo e quaai
vista os chefea da opposicao mais exaltados, e
que (inhaoi patulea aqnai telada, mandada vir
de fr do termo.
inlVI inenii- lodos os esforfos dos cidadaos
pacilicos frain iluililisndos pelas jactanciosas
provocaces, pelos insultos que subiaiua gran-
de excesso depois das 4 lloras da tarde do dia 5
de seteuibro. Vocifcravam os ligueiros vivas e
morras os mais atrevidas, appellidavam os
amigos do governo de saqueadores e tudo
i| um lu Ihes vinha inente.doniinadoi pelas be-
bidas espirituosas de que os ebefes os la/iam
servir a contento c como que applaudindo os
hurtas que se estavaui antevendo.
Alguus iudividuos da patulea gnvernista,
menos pacientes,a dcspeito du que Ibes liavi.nu
pedido e adinocstado os seus ebefes, arredaram-
se da casa onde se achavam, na occasliio em
que todos applaudiam o triiunpho o inaii pa-
cilico que all lida obtido o partido constitu-
cional, sem que o pbautastico colleglo liguei-
ru couipareccsse, nem no consistorio da igreja
diatril, como aqu alardeain ; e frain segiiiu-
do pela un sin.11 u.i onde os ebefes ligueiros li-
li lia ni seus iquai lel.iuieii [us, dando vivas a ob-
jectos de geral respeito c soltando alguns fo-
goetea.
i'oi isto bastante para excitar ainda mais a
saulia das ligueiros que, vendo o diminuto nu-
mero dos governistas, sabem i ra, vocifralo
dol! .ulus insultas, e iii.iiid.ini soltar foguetes
qucioia-ruupa, e em direccao aos governistas.
O uliiuio que leve esta delicadeza levou nina
paulada do oll'eiidido.dc nonic Quinliliano Per
reir, que tocou no .Sr. Jos Korlunato Madail,
que nesse inomeoto se approsiinava do grupo,
c que pouco a incounnoduu.
I'ste successo autorisou o lilho do Sr.Madail,
lili esallidu ligueiro como sen pai, a descar-
regar no tufeliz.que se desaflVonlava de um in-
sulto, tao l'.ine entilada, i|ueo cscaluu das ore-
Ibas al aos hombros, alen) de duas tremendas
faeadas,,-airadas pelo Sr. tcnente-corunel Scbas-
tiao Pcrcira de Castro, vulgo o Ctieetc-de-ferro ;
de surte que o desgranado foi a bracos condu-
lidii para lima casa no meio dos Icrozcs ap-
plausos da ligueirada.
.i As miiiii 11 a les policiaes que a lempo
nfio po.leram acudir, porqu) estus tristes
ii i'iirr.'unas S8 sueee.lerain com extraor-
dinaria rapidez, logo que tiv.iram conheci-
mento do conflicto fram ao quirtel requl-
itara frcipara dispersar o junta nonio
[ e fazer eessir o tumulto, apresoutaii lo-se
em pi uncir.) lugar o subdelegado supplcn-
teThoinaz Jansen de Pigueiredo Lima. Ao
mesmo lugar tambe n se dirigir o juiz mu-
nicipal primoiro supplento Joaquim Jos
.Vilnos Paes, a nosso ver, para idntico fim ;
mas parece que, vendo-se precedido pelo
subdelegado cujos sentinientos polticos
nfio compartidla, e nfio podendo applicar a
iVu i,' i da forma por que rulen lia na i s con-
veniente, senfio a serviQo publico, aos lins
do lado quo o considera chele, mudou de
i Diento oppoudo-se partida da frca, por
julgar quo ia larde o intilmente. Disto
resultou urna calorosa e pouco delicada
disputa, a tal ponto quo o subJelegado Li-
ma, julgando se desrespeitado no seu em-
prego, tomn o inconsiderado expediente
de prender o juiz municipal ordem doS.
Kx. o Sr presidente. Com a presonca da
frca conseguid-so acalmar o barulho, re-
colliciido-su cada um sua casa, e man-
dan lo-se prender os qua tinham fondo o
individuo j mencionado.
l'oiir is horas depois, pensando melhor
o subJelegado, e uconseltiado por pessoas
amigas do governo e bem intencionadas,
que si presentaran) como mediadoras,
mandou-se pdr em liberdade o Sr. Paes,
que j entilo se n^gou a sabir da prisfio pa-
ra ale.mear a palma do ni n'tyrio, declaran-
do que, tendo sido preso ordem de S. Kx.
o Sr. presidente, s por sua ordem seria
sollo !
Tambem fram presos, segundo nos
consta, o lenedte-corooel Castro e Isidro
Jos deOliveira ; nfio o sen lo o filho do Sr.
Madail, por ter fgido; mas foi o primoiro,
segundo alllrma o Progresio, pouco depois
sollo.
Consta que O Dr. Serra Nogueira pre-
tender mandar por em liberdade o Sr. No-
nes Paes por urna ordem de habeas-corpui,
o que se nfio vei'ilicnil.
Bis os fados, lacs quaes succederam ;
nada oceultaremos, embora solTram nossjs
coreligionarins., porqueacima de ludo esto
a le, a verdade e a jualica. Nfio queremos
imitar o /VoyrMsoque, ctrregando com ne-
gras e falsas cores estas deploraveis oceur-
i enras, encobre o cobarde e brbaro assas-
sinato praticado pelos seus adharenles e
dos da primeira plana, quo nfio duvidiram
manejar o punhal o a adaga contri um in-
partido em 18(7, quando a victima foi o Sr.
Dr. Macielda Costa.<,
A. 17 de acteinbrocliegaram i cidadede San-
I.uiz as cento c tantas pracas do quinto bata-
Ihao de fiulleiros que o vapor Thttii conduiira
deste pava aquelle porto.
. A 22 de agosto o u ionio Francisco, de22 an-
uos apenas,descarregra tao profundas faeadas
no proprio senhor, o padeiro Ualbeus Antonio
Lourenco, que este tallecen seis das depois
dos ferlmentos ; mas levado, a 12 do corrate
me/., i barra do jury, ante o qual confessou o
ciime, r'condcuinado pena Jillima por um-
nimidade.
Na incima data que por ultimo citamos, D.
Constan;* da Costa Nones fora rccollilda presa
ao hospital da Misericordia, ein virtude de
pronuncia por civicias crois praticadas em
una escrava sua e n'uin filho deata Ue menor
iilaile.
Do l. a 15 de getembro o thesotiro pu-
blico provincial maranhense arrecadra
5:597,967 rs.
A 21 desse mez o cambio sobre Londres
eslava firme a 26 d. por 1,000 rs.; as oncas
hespanholas vallan) de 29,500 a 80,000 rs,
e as mexicanas de 28,000 a 29,500 rs.; en-
tretanto, tinham desapparecido as modas
de 6,400 rs e as de 4,000 rs. corriam a rls
9,500 e 9,600.
Cear goza va de socego.
Nada podemos dizer cerca da eleiclo
dessa provincia, porque as fot has d'ahi que
ora temos vista guardan a respeito dolas
o mais religioto silencio.
A 21 do passado entrou em novo julga-
mento pelo assassioato do major Facundo,
e foi condemnado a gales perpetuas, o capi-
ifio Joaquim Ferreira de Souza Jacaranda.
A sessilo do jury, qual presidio o Dr.
Tristfio, prolongou-sa desdo as 10 horas di
ui.inii.ia de 20 ate as 8 horas do dia que a
principio mencionamos.
O reo tere por aecusa lores os doutores
Soares e Theophiio Rufino, e por defensor o
doutor Theophiio Raspar.
I'arahiba ia bem. e j nfio testemunhava
as scenas do escndalo que quasi quolidia-
namente Ihe proporcin iva a maioria da
respectiva assembla provincial, a qual,
tendo sido eleita sb a influencia da poltica
'lecohi la, esmerou-sc tanto por nfio desme-
recer de sua origem, que alinal obrigou a
presidencia da provincia a adia-la para 10
de dezembro viudouro, como se ver do ar-
tigo infra do Crrelo Ufflcial Parahibano :
Por acto do governo da provincia de
27 do corren te foi adiada a assembla legis-
lativa provincial para 10 de dezembro viu-
douro.
A maioria desta assembla desde os
primeros dias de sua installacao mostrou
oprid.sic;io desabr Ja ao presidente; mas,
nunca tratando de formar-lhe accusacflo al-
guma, signal era de qua nilo encoutrava ac-
tos irregulares na adiuinistracfo. Exigi ao
principio certas nformacOes que Ihe foram
denegadas, por importarem um examo na
adininisiracio, entretanto que no relatorio
tinha a assembla as que justamente Ihe
[iodia dar o governo sem quobra de sua dig-
no! ule. Depois disto proseguio a assembla
ein seus trabadlos, apresentou varios pro-
jcclos pira serem sanecionados depois do
meiado de setembro corrente, sendo
maior parte denegada a sancefio : entre es-
tes figurava o da lixacfio da frca para o se-
gu ote anno, reduztndc-a a 60 pracas de
120quelinha.
Na sessilo de 27, quando faltavam quatro
dias para encerrar-se a sessilo ordinaria, e
sem se esperar, um dos membrosda assem-
bla apresentou urna indicando para que se
pedisse a Sua Magestade o Imperador a con-
vocaefio de urna assembla conslituinte,
logo com a clausula do se nfio discutir a
proposla o-passar-se votacSo : vista dis-
to alguns membros retlram-se e nfio ha ca-
sa. Os mais interessados sahom a procurar
oulros que venham ajudar a concluir a obra;
mas, entretanto, o presidente, sabedor de
tfio repentina oceurreneia. expedio imme-
diatamente oadiamenlo que sorprendeu os
c lenlos da maioria e poz fim ao prosegu-
monto de qualquer deliberaefio ulterior a
tal respeito, dispersando-seos membros da
casa.
Ksla medida da assembla era um at-
ienta,lo contra a constituiefio do estado,
urna violaron maiiifesia. Sua Magestade
o Imperador nfio pode convocar senfio a
assembla geral extraordinariamente, con-
forme o pedir o bem do imperio, ( art. 110
1' da constituiefio ) e fra d'istn s con-
COMMEfrttlO.
*':162,08I1
S9
sendo que era o seguintc o resultado delta feliz quo j havia sido desarmado e acabru -
nos collegios da capital. Vigia, Igarap-Mi- libado pelo molo por que O assaltaram.
rim, Camela, CaxueiraeMelgavo: 'Nflo ha duvida que houvo da part
OS SBS. VOTOS.
Dr. Joao I.ourenco Paes de Sou lli. I .-.i tu ii[iiiiii l'iineiila Magalhci I in
Joao liaptista de Figueiredo Teureiro A. li
Dr. Heanlo de Soua Franco 115
Dr. Ambrozio Leitilo da t.unha 75
Dr. Jos Augusto Cezar Nabuco de A. 53
Dr. Gaspar de Siqucira e C>uciroz 28
Maranhao nada soltria no tocante tranquil-
lidade publica.
i,i,i mi.i a ciriifies,pairee certo que a opposi-
cao recorrer ao expediente de pliantasiar col-
legios em varios lugares, afluido par este meio
barulha-las ; entretanto, desprezadus esses col-
legios j. 11. mi. isii, ns, c apurada a votacao dos
da capital, Guiuiaraes, Alcntara, Vianua, lla-
picuni-Mirim, llrejo c Canias, cujo nuuiero to-
tal de elcitoies orea por 470, tiuha-se o se-
guintc:
OS Sns. VOTOS.
Herculano Ferreira Penna 432
r. Jos Jansrndo Patso 381
Dr. Candido Mcndes de Almcida 380
1.-coronel Jos Mariano Frauco de 8 358
Dr. JoscThomai dos Sautos e Atmeida 170
Dr. G. de Tavares Osorio Maciel da Costa 102
l'oronel Amonio Passo 57
Em Itapicur-Miriin derani-se (cenas assiz
desagradaveis, de que a uupren opposlclo-
nisla se prevaleca para clamar contra o gover-
no, desi icvendii-.is coui core mui negras, e
apreaentando-as como o etl'cilo de um plano,
I ni;.luiente combinado.
Desejoso de prmos os leitores ao corrente
de seinillianlps successo, pasaainos para esta
pagina do Otario o nrligu cm que o Obteroalor
os refere de manara a merecer crdito,alienta
que houve da parle do
subdelegado supplento imprudencia quo
nos sentimos; porm os hoinens un ar-
ciaes, que coiihecem o grao do exallamonlo
de que i'o-i iiin.iui possuir-se os Srs. Madail
e Sebaslifio Castro, nfio deixarfio do fazer
justica.aos amigos do governo, que fram
indignamente provoca Jos, e cobardemente
assassinados pelo punhal dos cheles li-
gueiros.
O subdelogado supplente do Itapicur-
Mirim he culpado pela imprudencia com
que procedeu prenleddo o primeiro sup-
plente do juiz municipal, porm ainda mais
por ter mandado ( se he verdade, o que
allirmao i'rogresso) soltar o Sr. Sebaslifio
Castio que acabava de perpetrar, pde-so
dizer, um Homicidio com as duas horriveis
punlialadas quedeu no infeliz quo jamen
eiona nos. o primoiro caso houve impru-
dencia, no segundo iiidesculpavel indul-
gencia, senfio frouxidfio.
Entretanto des jamos ver elucidados
estes fados, para fazermos juslica a quem
merecer ; o tnuito sentimos vermo-nos Tor-
eados a censurar amigos do governo, nos-
sos correligionarios : somos a isso levados
por supo ior interessea |usti<;a, e a pro-
i'i-ia conveniencia do partido e do governo,
a quem os seus amigos devem procurar me-
nos motivos de comprometimiento, o pou-
par queijandos dissabores, sobretudo exc-
cutando-so um allantado, cujo modello ex-
citou geral indignaco da parte do proprio
vocar a nova assembla geral ordinaria no
dia 2 do terceiro anuo de cada legislatura,
(Art. 102 l.ej Nfio vemos na constitui-
efio do estado outra convocaefio que o Im-
perador, como poder moderador e chefe
do poder executivo, possa fazer senfio essas
duas : a assembla provincial da Parahiba
ia fazer un pedido ao Monarcha, um pedi-
do quo nfio estava em suas attribuicOos
constitucionaes.
Para ser a constituiefio reformada ( pa-
rece ser esta a intenefio da convocaefio da
constituidle ) temos na mesma constituiefio
o capitulo 8 arts. 173 eseguintes: e, quando
so ella reformou em 183*, fram esses ar-
tigos que serviram, e que hoje ainda he
que devem servir para qualquer reforma
Segundo a sua doutrina bem clara e ter-
minante, quiz o legislador que qualquer
discussfioa respeito tvosse origem na c-
mara des dcpulados por juga-la mais habi-
litada para esse hu (arl. 175) lugo he
n'esto ramo do poder legislativo que se po-
de intentar qualquer revisfio o reforma da
Lci fundamental, o uo nos oulros po-
deros.
Sendo eslualei do estado jurada pola
nnefio, nfio se pode, sem attenlar contra el-
la, e por conseguinle contra a ordem pu-
blica, propr reformas na constituiefio, por
oulros meios que nfio sejam os por ella es-
tabelecidos. As assomblas provincaes
quo teem por obrigaefio volar na guarda da
constituiefio edasieis, ( art. 11 9 do acto
addicional) em vez do offenderem o pala-
dio das liberdades publicas, devem sor as
primoiras e vigilantes snntinellas ase op-
porem que seja violada a constituiefio, con-
fiada pelo acto addicional sua guarda.
0 presidente da provincia, que nflo po-
de consentir quo bajam excessos nas deli-
beraeoes da assembla, mui acertamente
usou do direito de adiar, que Ibe confere
o acto addicional no art. 24 2, manten-
do assim por este acto de energa a dgni-
dadedo governo imperial o a involabili-
dade da constituiefio jurada. Honra ao
Kxm. Sr. Jofio Antonio de Vasooncellos.
Sobre a eleicffo, inda vimos nos peri-
dicos parahibanos.
AI.FANDEGA.
Hendmenlo do dia 6. .
IUPOttTA(AO.
Ventura.Ftlit, brigue portuguez, vind>
ilo Porto, entrado nest mez, consignado '
Joaquim Ferreira Mandes Guimarfles, mar,'
festou -o seguinte :
8 barra azeite doce, 200 canastras b,,| '
tas, 200 rodas arcos de pao, 1 barril pr.Su.
to ; a Jos Joaquim l'ereira.
100 canastras albos; a Jos Affop so |Q
reir.
20 pipase 21 barris vinho ; a Manoel |c
naci de Oliveira. '
2 caixas pentes, 8 barris azeitr. doce 691
rodas de arcos do pao, 1200 liae as de y'fm.
900 retal los de aduellas, 2 caixa s batoqiJrs'
^barricas giz, 15saceos e30 caixas trettl0.'
eos, 21 ciiixss e 244 canastras albos, ^'
meio mil heiros de sal, 26 caixas cevada, too
canastras batatas; a Joaquim. Ferreira lien.
desGuimarSes.
2 pipas, 2 meias ditas, e 24 barris vinho
a Manoel Uuarte Rodrigues.
29 canastras albos; a Dernardino Fro;
cisco de Azevedo Campos.
38 canastras albos ; a Movaes & G.
50 cunbetes velas de sebo, 65 canaitrii
albos; a Antonio Joaquim de Souza it.
beiro.
40 canastras albos, 20 rodas arcos de po.
400 lisgas de vime ; a Antonio Jos Pedro
Gonsai'ves.
1 caixa obras de pratas, ouroediaman
tes ; a Moreira & C.
1 caix'fio cyprestesja Vicente Alve de Sou
za Car va I lio.
3.caixis fechaduras, 1 dita linhas, l diu
ferros de ngommar.l fardo peneiras.l ca.
x i 11 lu pe Ir as de aliar, 1 caixa pililos, 1 pi.
cote fio por rete, 1 caixa pentes; a Jos LeJj
ide Castro Junior.
15 barris. pregos, 4 cunbetes ferragens 1
1 caixa com ditas e pentes, 6 ditaa poma-
da, 4 barris presunto, 1 caixa linhas : a An-
tonio Valenti 111 da Silva Barroca.
1 caixa Qor de hervas,3 barris vinbo.tci.
nastras batatas, 4 ditas ceblas, 1
peixe, 2 emt'rullios l'azeudas de lil
caixa linhas, 790 resteas de cebla, 3 cha-1
pos, 1 conde.ca sapalos e cestinbas, 2 bar-
ris doce, 2 omt'rulhos obras de prala, I ba-
ceta morcellas,l lata semen tes de hoitalici,
1 gaiola canarios, 210 pesos e 1 crusado ao-
vo ; a ordem.
20 barris pregos; a Manoel Francisco
Marq jes.
1 barril vinagre; a Joaquim da Siln
Castro.
1 emlirullio meias de linho; a Antonio
Jos Coi uibra Guimarfles.
\ CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 6..... 719,1
Diversas .provincias....., 25,6t)|
' 744,8
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 6..... 840,981
MUTILADO
PRAgA DO HECIFE, 6 DE OUTUCRO DE
1849, AS 3 HORAS DA TARDE.
i'siu lemanal.
Cambios Sacou-se a 27 d. por 1,0
r.; ej ha lettras offereci-
das a 27 l|td.
Assucar- inda nilo ha entradas qua
avuliem. Os precoi fd-
ram nomina es.
Algodilo-----------Entraram 1,402 saccas. -
Houve vendas regulares 1
5,000 rs. por arroba do da
primeira sorte.
Couros-----------vender m-se de 90 a 95,0M
rs. por libra.
Azeile ----- dem de 45 a 50,000 rs. por
. Pip-
Alpiste ~ dem a 25,000 rs. por bir-
rica.
Bacalho--------Entraram dous carregi-
mentos do novo, dos qmei
um seguiu para as provin-
cias do sul. e o outrofoi
aqui vendido a preco oc-
cullo. Est-se retalhando
de 11 a 11,500 rs. porbara
rica. O deposito moat-
a 3,500 barricas.
Ureu------------- Vendeu-se a 6,400 rs. por
barrica.
Carne-sscca- Vendeu-se de 2,200 s 9,700
rs. por arroba. -- Ficarain
por vender 80 UOO arrobas.
Carvfio de pedra dem de 14 a t5,00U rs. por
tonelada.
Cobre de forro- dem de 6t0 a 660 rs. por
libra.
Farinha de trigo Existe por rendar um car-
regamento de Baltimore.i
vendeu-se um de 2,000 bar-
ricas chegado de Liverpool, I
aos precos de 15,600 a ...I
15,800 ris. cada umaaol
consquencia de ser velhi. I
Folha de Fland. Vendeu-se a 23,000 r. por!
caixa.
Lonas---------- dem de 17 a 18,000 rs. da I
ingleza estreila.
Oleo dolinhaea dem de 1,600 a 1,620 rs. I
por galfio em cascos de ma-1
deira.
Taboado- dem a 22,500 rs. porriQi*' I
de pinho da Suecia.
Vinhos dem a 126,000 rs. por ai**
de LisbOa PRR tinto; a 1IJ
rs. do lira neo ; e de 120,01* I
a 122,000 rs. do da Figuei- I
Velas --.- dem a 850 rs. por librad" I
de composiefio.
Exislem no porto 53 embarcages, a M; I
bar: 3 americanas, 1 austraca, 37 brin-
leiras, 2 francezas, 8 inglezas e 2 porta-
guezas.
m o vime n 10 do iorto.
^^^* 1
Nato entrados no di 6. *J
Para e portos intermedios 17 dJas afd I
Parahiba 12 horas, vapor brasileiro rr I
reme, de 240 toneladas, commandantec I
capitfio de fragata Manoel Francisco di J
Costa, equipageo 30. Pasaageiroa: pa '
esta a/oviiica, o Dr. Francisco Rodrigue' .
Penaiva, o segundo lenle de artilharia 1
Miguel Jos Leal Bruce com t escravo, l
soldados e duas mulheres, 10 recruUa,
menores, o Dr. Jofio Capistrano Bandeira
do Mello cosa t escravo, o Dr. Maooel *"'


rio 'le Mello com 1 eserayo. Domingo*
doReach.istohe.umaolargndoChspuacm-
'5
'.'.'innToHavol.Joao Francisco Antune?, Ilead.juntoao lugar em que esta o Beacon. e
nn m Jos barbn, Miguel Cabriel de o outro en cima do Muck.ng-Flat, osquaes
nv.no ioaquim'ios Ai.joaSQeree.Wn se.flo exhibidos am a no le do pnmo.ro de
escr vo.oVabbado geral Fr. Arcenio outuhro scgunte, e dah cm d.ante conli-
\n Nalividade Moura, seu sccrelario r. auarto i acender-se desde c anoilecer ale o
Salurniuo de Santa Clara com 1 oscravo,
o coronel Jnflo Coelho Bastos com a es-
cravo, liento Joaquim Marques com 1
escravo, o Dr. solio Jos Innocencio Pog-
eecom i escravo, Joaquim Ezaquiel Bar-
bla, Antonio de Aiquqnerque Gandra,
Augusto Muniz Machado, Joaquim da Sil-
v coelho, Antonio Francisco da Olivei-
ra, Francisco Ferreira de Novaos e o alfa-
res Uelarmino Correia da Silva.
1 isba 5* dias, polaca brasileira Socieda-
' de 'le 169 toneladas, capitflo Jos JoSo
Te'ixeira, equipegein .14, carga vinho, ce-
blas e maia gneros.
Navio tahido Mimo da.
no-de-Janeiro Patacho americano Bal-
hursl, capitflo John J.Hooper, em lastro.
Naviot entrados no din 7.
Aricaty 40 dias, patacho brasileiro San-
la-Crus, de 01 toneladas, ca.pito Firmi-
niano Joaquim, equipagem 7, carga eou-
ros, aola e maisgneros; a Caelano Cy-
riaco da Costa Moreira. Passageiros, An-
gelo Custodio do Amara!, Brasileiro, e 4
escravos a entregar. '
Ilio-de-Janeiro, Baole, e Macei, ti das, e
do ultimo porto 19 horas, vapor brasi-
leiro Imperador, de 456 toneladas, com-
inandanie o primeiro-tenonte Ignacio Eu-
genio Taveres.equipagem 30. Passageiros:
para esta provincia, o reverendsimo pa-
dre meetre Francisco Kaphaol Pereira
Brito de Medeiros. Ilenrique Luiz de Bar-
ros Wnnderley, o major Antonio Jos Fer-
reira Mtiniz, Jos Antonio do Amaral, o
doulorFrederico Silva, com sua senhora
o urna lilh menor, JoSo Conrado- Her-
mn*, Manoel Jos Nunes Cuimar.les, Joa-
quim Cernes Villar Garraffto, Manoel Joa-
quim Maia, Francisco Alves de Motira,
AgoslinhoJosGi', JoSoBaplista Monlei-
ro, 33 praga* de prcl, 3 presos, e 7 es-
cravos a entregar; para o norte, Francis-
co Emigdio Soares da Camera, Bernardo
iv. Vasconcellos, o alfares Joaquim Jos
lejhagalhaea, o doutor Octavia.no Cabral
pozo da Cmara, Joaquim Vctor Lis-
: Cargas e um escravo, o doutor Fran-
cisco Vieira de Castro com sua senhora
e urna lilha menor e 9 escravos, a^oscra-
vos a entregar.
Naviot tahido no intimo dia.
1111 a de Fernando Brigue-escuna de guer-
ra brasileiro Canopo, commandanle o pri-
meiro tente Jos de Mello Corista d'Ou-
ro. Conduz 91 presos de justica.
dem lliigue de guerra brasileiro Calio-
pt, commandanle ocipitao-tenento An-
tonio Carlos Figueira de Figueiredo.
Condut o commandanle da ilha do Fer-
nando o eoronel Cypriano Jos de Almei-
da, sua imilla e familia.
.ondres Barca ingleza Luizu, capitilo
Michael Wychcrley, carga a mesma que
trouxe. ,
Parahiba Mate brasileiro ExhalacHo, ca-
pitSo Antonio Joaquim de Figueiredo,
carga varios gneros.
io-de-Janeiro Polaca brasileira N.S.-
do-Carmo, capitflo Jos Ferreira l.essa,
carga a mesma que trouxe.
ED1TAES.
amanhecer.
Os damais particulares a respeilo da ep-
parlgflo dos pliares serflo publicados om
leu devido tempo.Por ordem, J. Kebtrt,
secretario.-Cenforme. O olllcial-mior,
ttorianno Correia dt Brillo
Secretaria da capitana, 4 de oulubro de
I819.-Esla conforme.-O secretario da ca-
pitaoia, Thom Fernanda ktadtira de Castro.
Cartas seguras vindas dd norte para os
senhores:
Dr Francisco Carlos Brandflo.
Joflo Cunha Magalhfles.
Mauoul Duarte Bodrigues.
Francisco Luiz Salgado.
Pela adminstra.gflo do correio se faz
publico qu boje ',H) parto o correio para a
cidadeda Parahiba, ao meio-dia.
O vapor Paralan facha as
muas para os portos do sul
hoje (8) s 11 horas, e recebe
caitas com o porte duplo at
ao meio-dia.
Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro sahe
no dia 10 de oulubro o patacho
San-Jos-Americano : para o res
lo da carga, passageiros e escravos
a frete, Irata-se como capitfie, no
caes da Al-indegn, on na ra da
Madre-de-Deos, n. 3, teroeiro
andar.
Para o Aracaty
saheem poucosdias o hiato Flor-de-Cnru-
rtpe, de primeira marcha : para carga e
passageiros, dirijam-se ra da Cadeia, to-
ja de Fazendas, n. 91.
Freta-se para qualquer porto da Costa-
d'Africa, recebendo passageiros, para o que
lem excedentes commodos, o muito conde-
cido e veleirn brigue francez Fabir i os pra-
tendentes dirijam-se aos consignatarios do
mesmn, B. Lasserro & Companhia, na ra
da Senzalla-Velha, n. 138.
masa
Le loes.
-- 0 lllm. Sr. Inspector da thesouraria da
fazenda provincial manda fazer publico que,
do dia 8do correle em diante,, principia o
pagamento dos ordenados o mais despezas
provinciaea vencidas al setembro prximo
lindo ; e bem assim os descontos que se f-
zoram nos referidos ordenados, e que fram
niaiulados restituir pelo artigo 36 da lei
provincial n. 244.
Secretaria da thesouraria da fazenda
provincial de Pernambuco, 9 de oulubro
de 1841. 0 secretario, Antonio Firrtira
d'Knnuneiae.no.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 8 do correte, se ha
Je arrematar em hasta publica a porta da
mesma, depois do meio-dia, 4266 varas de
cassa de cores estampadas, vara 440 rs., to-
Ital 1:877,0*0 rs.; 64 duzias de lencos de gar-
ca, duzia 11,000 ra.,lotal 704,000 rs.; 44 cor-
tes de colletes do seda bordada, a 3,500 rs.,
total ta*,000; ludo impugnado pelo guar-
da Antonio Lopes Peieira de Carvalho, no
despacho por factura sb o n. 39, sondo a
arrematagflosubjeila aos dreitos.
Alfandega de Pernambuco, 6 de outu-
hro de 1849. aeome Gerardo Mara Luma-
ehi dt Mello.
PeU inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 8 do corrente, depois do
ir.eio-dia, na porta da mesma, se hSo de ar-
rematar em hasta publica qualro duzias de
bengala!, duzia 53,800 rs., total 211,200 rs.,
impugnadas pelo guarda Antonio Lopes Pe-
Teira da Carvalho, no despacho por factura
sb o o, SO, sendo a arrematagflo subjeita
os dreitos.
Alfandega de Pernambuco, 6 de oulu-
bro de 1849. Jacorn Gerardo Mara I.uma-
chi de Millo.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia ft do hrrente, porta
da mesma, ae bao de arrematar em hasta
ublica, depois do meio-dia, 500 tiuteiros
e viilro a 60 rs., total 30,000 rs., impugna-
os pelo guarda Antonio Lopes Pereira de
Carvalho no despacho por factura sb nu-
mero 64, sendo a aiiemalagQo subjeita aos
dreitos.
Alfandega de Pernambuco, 6 de oulubro
de 1849. acomi Gtrardo Mara J.umachi
de Mello.
Adolfo Bourjois fara leilflo, por in-
leivengflo do correlor Olivera, de 12 pare-
Ihas de escolenles cavallos de carro un-
iros do sella e varios carros de 4 e de 9 ro-
das com arreios competentes : quarta-fei-
ra 10 do correte, s 10 horas da manhaa,
noseu estabelecimenlo na rua Nova.
O corretor Olivera far leilflo de es-
plendida mobilia, consislindo em caderas
de diffaientes qualdades, fofas, mesas re-
dondas, dita elstica, bancas de jogo, lou-
caderes, espedios, guarda-vestidos, lavato-
rios, commodas, trems, marquoias, car-
leira de escrptorio, candieiro de globo, ro-
logios de cima de mesa e de algibeira, man-
gas de vidro, louQaa, urna baca de rame
grande, tres rquissimas redes do Para, um
bandolim dito, e outras muitas cousas :
quinta-reir II do correnle, as 10 horas da
manlifla, no prmeiro andar da casa n. 46,
rua da Cruz.
--______ .______
Avisos diversos.
eclaracoes.
0 lllm. Sr. capitflo do porto desta pro-
vincia fax publicar, por ordem do lllm.
Exot Sr. concelheiro de estado e presidente
da provinciana traducc.lo do aviso seguinte.
iTRADUCCAO.
k aiviso aosMAiiTiMOS.
Pkariet no mar Reach, ro Thamtt.
"Caaa-da-Trmdade.em londres, 8 de agosto
de 1849.
Notieia teguinli.
Que em atten^flo as reclamafOcs de in-
nmeros proprietaros, capitfios de navios e
' outraa pessoas que vivem ou se Interessam
Pela navegac&o no ro Thaiues, se estilo
apromptando dous phares pra aerem ex-
hebido aaa o mar Boacb ; estes phares tp-
'flo colioeados ao norte do canal navegavel
O abaxo assignado, reconbecendo a
maccfloque praticra no dia S8 do mez
pioxmo passado para com o Sr. Manoel
do SouzaGulmarSes, na occasiflo em que
esle se dirigir a sua venda, do pateo do S -
Pedro, para haver a importancia de urna
lettra que Ibe havia traspassado Jos l.uiz
de Brito, pois nflo poda receber a lettra da
mflodo mesmoSr., e dar-lhe apenas 150/
rs., sendo ella de 958,000 rs. o que faz
por ser mal aconselhado, visto como Ihe
disseram que por este meio se poderia co-
brar do que Ibe deva o dito Brito, sendo
que seu procedimento deu lugar a quo mili-
ta gente se ajuntasse a porta da mesma ven-
da o causasse algum alarma com a justas
reclamares que em altas vozes fazia o mes-
mo Sr. Guimarfles que pedia o resto ou a
sua lettra vem pelo presente pedir-lhe to-
da desculpa por esle aclo que cometiera
pormosconselhos.e Ihe agradece since-
riamenle a desistencia que faz de qualquer
procedimento judicial, o que attribue ao
seu l)om coraeflo. Becife, 4 de oulubro
de 1849. Jos Antonio da Cunha.
ilobilas de aluguel.
Alugam-sc eaJeiras para bailes e odelos :
tambem sealugam mobilias a vontade dos
pretendentese por precocommodo : na rua
Nova, armazem de trastes, defronlcda rua
de Santo-Amaro, n. 59.
-- Precisa-se de urna pessoa para caxei-
ro de um engerido distante desta praca qua-
tro legoss, que seja solteiro e saiba Icr : a
fallar na rua da Cruz, n. 40.
-- Pela segunda vez faz publico Jos Fran-
cisco Carneiro Monteiro, que, desde dezom-
bro do anno passado, existe em seu poder
urna besla, da qual ale boje anda nfloapna-
receu dono: elle nflo s fez publico como deu
paite >s autoridades do lugar, por isso faz
o segundo annuncio, nflo se responsabili-
sando por qualquer cousa que possa acon-
tecer ao animal uU pela fuga do mesmo :
quem fr seu dono procure na casa de sua
residencia, no sitio do Xarcflo.
Precisa-se de tres ofllcaes de charu-
teiro, que sejara bons : a tratar no Aterro-
da-Boa-Vista, fabrica de charutos, n. 43. Na
mesma fabrica precisa-se alugar um mole-
que que saiba cozinhar o diaiio de ur-
cas.
Precisa-se de cinco conlos de res a ju-
ros sobre hypolheca de prodios nesla praca,
nflo excedeudo o premio de 1 1/9 por cento
ao mez : quem quizer dar annuncie por es-
ta folba.
Quem precisar de umhomem hbil no
gyrocommercial, tanto para vender a re-
lallio como de portasa fora, e para escripia
singella por ter grande pralica, dinja-se a
rua da Senxella-Nova, n. 40, pnmeiro andar.
Para a passar a fasta na Capnnga em
bem lugar, fresco, periodo bauhoo da pra-
ca, aluga-se urna casa, excedente para mul-
la geni", nova, com 34 palmos de frente,
envidracada, com duas salas, qualro quar-
tos, armario embolidos na parede, pro-
priospara guardaros pellicos, cozinha f-
ra com o seu compelenlo torno para os
quilutes, copiard:i paite de detrs, rauilo
fresco e proprio parj o brolio, estribara
para dos cavallos. quintal cercado, com
150 palmos efundo, cacinba independen-
te e grande, cajueiro para o ponxo das on-
ze : tudo por 150.000 rs. : a tratar na rua do
Queimado, n. 9 D. segundo an lar.
Lotera do Guadalupe.
Pela ultima vez designa o thesoureiro
desta lotoria o dia de novembro prximo
futuro para o andamento das respectivas
rodas. Os bilhetes que restam vender a-
cham-se nos lugares do rostume, onde os
amadores desto ogo devem procura-lo, a-
finide que seextraiam cora a promptidflo
queconvem. 0 mesmn thesoureiro ailirma
que a rmandade beneficiada est disposta
a licar com alguns bilhetes por sua cunta;
mas, nflo podendo pnr ser o numero destes
crescido, deve o publico ajuda-la nosta em-
preza, bem como que se proofle o thesou-
reiro a conjuva-la; asseverando pnr flm que,
se os bilhetes se ac harem hoje, as rodas da
lotera terflo andamento amanhfla.
A pessoa a quem perlencer um molo-
quede nome Jaco, o qual diz ser escravo do
Sr. Jos Paulino senhor do engenho Parat-
Ibe, queira manda-lo buscar, no pateo do
Terco, n. 1, segundo andar; sem com tudo
se responsabilisarpela fuga o annuncanle.
Aluga-se urna casa no Caxang direita
da igreja, envidracada, eom bons commo-
dos, bom quintal e estribara : na rua Au-
gusta, n.20
- O escrivflo dos protestos mudou sua re-
sidencia e cartoro para o sobrado i ni nie-
daloaoda reparlifoda polica.
Aluga-se o armazem n. 9 do paleo da
matriz de Santo-Antonio, com pateo e ca-
cimba : a tratar na rua Dircita n. 29, prmei-
ro andar
-- Precisa-se de um homem forro para
trabalhar por um ou dous mozes em um si-
tio, o qual deve saber tratar de arvoredo:
na praca da Independencia, livraria ns.
el.
-- Fr. JoSo Capristrano de Mendonca
ensina polo lempo das ferias geographa e
historia, a tambem rhetorica epoelca: os
pretendentes o po Jerflo procurar no conven-
to de Santo-Antonio desta cidade, onde
tambem dlfes de historia sagrada eec-
clesiastca.
--Precisa-se de urna lavadeira para lavar
a roupa dos docntea do hospital do corpo de
polica: paga-se muito bem: quem quizer
comparece no quartol do mosmo corpo ou
no casa do agente no pateo de San-Pedro,
- No dia 8 do correnle, na poita do Dr.
juiz de orphflos e ausentes, ie deve arrema-
tar o brigue Auilral, pertencente a heranca
jacente de Jos Francisco Colares : os pre-
tendentes comparecam as 4 horas da tai de
na praca que lem do presidir o mese juiz
no da e hora referido.
-- Aluga-so um primeiro andar da rua do
Rangel, com cinco quartos e duas s.las : na
praco da Independencia, ns. 6 e 8. _
- O abaixo assignado communica ao Sr.
Jos Candido Bamos.senhor do engenho Pe-
reira em Serinhflem.que no da 25 de setem-
bro do corrente anno Iho appateceu o ne-
gro Manoel, que eu Ihe tinha vendido, e
mais oulro negro de nome Joi* crioulo, que
diz ser do mesmo senhor pedindo-me que
os eomprase : e como o Sr. Bamos nflo le-
nha pago soa lettra vencida a SSdejunlio
de 1846 no valor de 648,000 rs., e prego do
mesmo escravo Manoel que Ihe vend em se
temhro do 4845; por isso aviso aoditoSr.
llamos queira mandar remir a sua lellr*
com juros vencidos, pois do contrario usa-
rei dos meios legnes. e declaro desde n qu
nflo me responsabiliso pelos ditos negros
se em prazo rasoavel nflo mandar pagar ou
entenderse commigo. O vigario, iran-
ciico Manoel de Barros.
O deposito de assucar na rua do Apollo
n. 24, sb a administraeflo do abaixo assig-
~-is modic
cunta dr
- Serafim Alves da Rocho Bastos reti-
ra-se para fra da provincia.
O abaixo assignado, lendo no Diario
dt Pernambuco, do 5 do correnle um an-
nuncio do Sr Jos Antonio da Cunha no
qunl,ao passo que agradeco ao Snr. Manoel
de Souza Guimarfles ter olle desistido de
qualquer procedimento judicial contra ol-
le Cunha por occasiflo do facto de urna
lettra que refere,dz que esle facto praticra
por conselhos deoulro, ecom o intuito de
assim pagnr-so do quo Iho devia Jos Luiz
de Brito declara o abaixo assignado ao
respei'avol publico que nada deve aquello
Sr. Cunha, e o desafia a provar o contra: io ;
mas, anda quando o abaixo assignado Iho
dovesso, nflo era para extorquir urna let-
tra da mflodo Sr. Guimarfles, que se nflo
fo-soo mesmo Sr. gritar parao publico tes-
temunhar o facto de certo que seu projec-
lo seria vantajoso. Emquanto a dizer no
mesmo annuncio que praticra em virtude
do conselhos do outro : o Sr. Cunha nflo he
nenhum menino para se deixar levar por
conselhos de oulro. Becife, 6 de oulubro
do 1819. Jos Mii de rilo.
0abaixo assignado faz publico que
Manoel Pestaa deixou de ser seu caixoiro
desde o da 4 do corrente.c por isso nflo lom
mais gerencia no negocio da casi. ^ni-
nio t'trrtira da Cosa Braga.
Alugam-se tres moradas de casas no
sitio Cajueiro para so passar a fasta, ou
animalmente : a tratar no mesmo sitio.
-- Precisa-se do um failor para um enge-
nho disiente 8 logoas desta cida le I no Ater-
ro-da-Boa-Visla, n. 63, segundo andar.
--Waciaa-sede um pequeo brasileiro,
para caixeiro de um armazem do familia ,
o quo d fiador a sua con lucia : na rua do
Itangel n. 36.
Aluga-se um sobrado com muitos com-
modos e muito bom para se passar a fasta,
por estar perlo do banho, tanto salgado co-
mo doce, por ser no lugar do Varadouro,
defrontodo porto das canoas em Olinda :
lombam so aluga urna loja de um sobrado
nos Qualro-Cantos da mesma cidade mui-
to propria para qualquer estabelocimenlo :
na rua do Livramenlo, n. 8.
-- Na rua Nova, loja n. 58, se dir quem
ddinheiroa premio as quanlias de 200,
300 e 400,000 rs. com hypolheca em casas
terreas.
--Mr. Eduardde Janes queira vir pagar
30,000 rs. divida que conlrahio desdo que
aqu chegou. Mr. Gabriel lembre-se que
anda resta pagar 20,000 rs pois he bas'.an-
te o lempo que se lem esperado.
-- Da-sc 1:800,000 rs. a premio cm lodo
ou em paites, sobre penhores, hypolheca,
ou firmas, sendoeslas duas a contento
pelo lempo que se convencionar : na rua
Augusta trceiro sobrado a csquvrda
viudo do chafariz do Aterro.
Firmiauo Jos Bodrigues Ferreira, que-
rendo tratar de vender seus dous eslabn-
lecimciilos de fazendas que lem no l'asseio-
Publico, ns. II e 19. rogu aos seus llovedo-
res, lano da prac como os de fra que
nado,'recebe por commissflo a mais mdica
a venda do mesmo genero por
seus donos, ou demora-o conforme asr-
deos que receber, e tambem se encarrega
de comprar todas as encommendns, no que
promelle uom desempenho. -- os \nlomo
da Silva Machado.
Voou da casa da rua das Cruzes n. 9,
que lica em frente desla lypographia, para
as bandas da rua da Cadeia de Sanio-Anto-
nio, urna arara muito gorda e mansa, mas
sem cauda. Quem a tiver pegado o qnizer
restituir, leve a dita casa que sera n
pensado. ,
Precisa-se de um ofiicial de sapateiro :
no Alerro-da-Boa-Vista, loja n. 78.
--Aluga-se, pelo lempo de fasta, um gran-
de sitio na estrada do Monteiro, com boa
casa de vivenda, cozinha fra, estribara
cocheira muitos arvoredos de fructo
muito perto do banho i a tratar na n
va n. 50, primeiro andar.
-- Quem quizer comprar, na ilha ue &.-
Miguel, urna poreflo de trra lavradia, sem
baldeus alguns e em muito bom lugar, di
rija-se a rua do Collegio, n. 6.
-- I'reclsa-se do 300,000 rs. a juros sobre
hypolheca em escravos, por sois mezes :
pateo* da Santa-Cruz, sobrado n. 2.
-Deniz, alfaiale francez mudou o seu
estabelecimenlo para o Atcrro-da-Boa-Vis-
ta n. 38, aonde os seus freguezeso acha-
rflo promptoparaoseu servico
Aluga-se um grande armazem com ser-
venta para a mar pequea, e porto de
embarque e desembarque: na rua da Sen-
zalla, n. 42 a tratar com ,S. J. Johnslon &
Companhia.
Para se passar a fasta.
Alugam-se, para a fasta on vendem-se
duas boas moradas de casas na povoacao
do Monteiro com bom quintal com mu
tos e variados arvoredos em boa Bltuacao e
mui bem edificadas contendo excedentes
commodos como ver o alugador ou com-
prador : a tratar com Jos Rodrigues le
Mello na mesma povoacflo, ou com Joso Ma-
riano de Albuejuerque, na rua da Uniao.
--Na rua do Pilar, junto ao arsenal
marinha n. 145, precisa-se de urna pesso
paracozinliar: sendo entendida, paga-se
bom lambem eo precisa de urna pessoa pa-
ra o servico de casa e compras de rua.
.- precisa-se do com mil rs. a premio por
lempo de 60 dias, dando-se por seguran-
Ca un moleque : quera quizer dar annun-
cie.
O Sr. Antonio Jos Carneiro quena le
a bondadede ira rua da Cadeia do Recite
n. 24, loja de cambio p tratar de um
negocio.
de
quanlo antes veuban pagar seus dbitos
admdequecom mais brevidade possa li-
quidar suas transaecos ; esperando de seus
amigos assim o faQam.
Quem annunciou querer hypolliecar
um sobrado de dous andares em boa rua ,
diiija-se rua estreita du Bozario, n. 43,
segundo andar, que se dir quem faz este
negocio.
- Precisa-se alugar urna ama forra uo
captiva que saiba cozinhar e engomniar :
no pateo do Carmo, sobrado de varanda do
pao n. 13.
-- l)eseja-se fallar ao Sr. Antonio Igna-
cio de Mendonca e ao Sr. alfares Gamillo
Ferreira Maleia : na rua do Queimado, lo-
ja deferragens n. 14.
Urna senhora casada se oflerece para
entinar meninas a ler, escrever, contar,
cruzeg, bnl.lMdepeilo, um relogio do mi-
ro, um briceleta con corees, e outins
mais obras da ouro o prati : na rua do
Queimado, n. 14, segundo andar.
Vende-se urna preta moga, do Iwnila
figura, sada e propria para qualquer servi-
do : ni rua da Gadeia-Vellia, n. 33, se dwn
quem vendo. ,
Vende-se o superior rao denominado
Joflo Paulo Cordeiio, em boles de urna
meia libra, por progo commodo : na Seu-
zalla-Nova, n. 40, prmeiro andar
Ven lem-se n'J armazem do Baceller, no
caes da Alfandega, canastros com superio-
res batutas a 2,000 rs. cada urna.
- Vende-se por mdico prego um piano
de Jacaranda, o mais rico em gosto e vozei :
na rua da Aurora, n. 24, casa de Francisco
Pires, .
--Voulose urna cicada do cim-, una
cama de acaran la, um app-irellu ')' c'
do porccllnna dourado, um candieiro ue
mesa de nielo do sala : na rua estrella do
Bozario, n. 16, segundo andar.
- Vcndem-se 5 lindos moleques de BMM
o crioulos, de 16 a 20 annos; 8 prelos de 90
a 30 annos, sendo 2 muito bons ganhado-
res de rua o sem vicios ; 1 mulalnho de 16
annos, bom para pagem ; 2 ditos de 20 an-
nos ; duas mulalinbas do 18 a 25 annos ;
una cabocla boa para o campo por ser
bem possante ; duas pretas de meia idade,
boas par* servico ; assim como outros
muitos escravos: na rua da Cadeia do Be-
cife, n. 40.
A 200 ris.
Na rua do Crespo, loja n. H, dr
Jos francisco Dias,
ven !em-so superiores chitas escuras *
magom, cores muito fixas, para coborla,
pelo barato prego de 200 rs. o covado.
Clici biiiseiro.
Vendc-se cha brasileiro a rcttllio da
melhurqualdadeque lem apparecido nes-
te mercado : na rua do Sol, n. 1, caa ue
Elias llaplisia da Silva.
Diccionario da
portugauza
por Constancio, ptima encadernagflo o
por prego muito commodo : na rua do Sol,
n. I, casa do Elias Baptista da Silva.
Cheguem ao barato.
Na rua do Queimado, loja nova,
n. 8,
vendem-se riscados escqcezes com quatro
palmos ilc largura, a inelhor fazenda para
vcsldos.lanto por scrom de lindo padroes,
como por serem de cores lixas, pelo baralo
prego de 260 rs. o covado ; pegas de cassas
doquidros para cortinados e bahados, a
oito patacas o meia a pega com 10 varas ;
os melhores cortos do vestido do cambraia
do salpicos, hrancos e do coros, fazenua
bem propria para vestidos do meninas, a
4,500 rs. o coi tu eom 8 e meia varas ; cua-
les imperiaes. padres iguacs aos de soda,
* 2,000 rs. cada um ; ditos de seda de bo-
nitos padroes, a 8,000 rs cada um ; e outras
muitas fazendas que se vendem por prego
commodo, dando-se de ludo amostras.
Pello do dabo
a 1,280 /*. o corle de calcas.
Vende-se a^uperior fazonda para caigas,
denominada pede do diaho, pelo barato
prego de qualro patacas o corte de caiga :
na rua do Queimado, n. 8.
Vcndem-se olio lindos moleques, do
12 a 18 annos ; sele pretos, de 20 a 25 ati-
nes ; tres pardos, de 16 a 20 annos, sendo
um ptimo cozinheiro; duas pardas com
habilidades, de 18 anuos ; cinco pretas, de
j 12 a 95 annos com algumas habilidades :
lingoa
burder, marcar, fazer lavarinto i.llores ,ic-| JJ o" o'k.o." n 3^ s""dT r"q'em "Vende*
lo prego de 1,000 rs. : na rua da (.lona ,; Ven,|'cmVdous bons qualos : na rua
n. 43
Precisa-se arrendar um armazem que
seja grande para assucar, na rua de Apollo :
quem o tiver annuncie, ou dirjase rua
do Collegio, n. 9, das9 horas em diante ,
que nflo se odia u prego.
Quarla-faira, 10 do corrente se ha de
arrematar urna morada de casa mei'agoa de
3 andares, sita no boceo do Peixe-Frito ,
n. 1.
Quem precisar de urna ama para casa
de pouca familia a qual faz todas as qua-
ldades de bolinbos para cha, 8 tambem
doces, dirija-se ao becco de .S'.-Pedro ,
n. 6.
--Precisa-se de um failor para um sitio
perto da praga: papase bom : na rua da
Assumpgflo, n. 4, casa da aferigflo.
Compras.
do Collegio, n. 9.
--Vende-se urna pela de nagflo Costa,
queengomma, lava c cozinha o diario : na
i ua do Jarilim, u. 40.
Vende-se una porgflo de travs de boa
qualidado, de 35 a 40 palmos; na rua do
Encantamento, fabrica do bahs.
--Vendem-se meias para meninos e me-
ninas a 120, 160 e 200 rs. : na rua da Ca-
deia do Becife, n. 15. Na mesma loja tam-
bem so vendem barris de vinho de cinco em
pipa de Lisboa.
Vende-se urna morada da casa terrea
bom construida, sita na rua dos Pescadores
em San-Jos : a tratar na rua da Cruz, nu-
mero 64.
-- Vendem-se tres estolas ricas com pou-
co uso : na rua da Cadeia do Recife, n. 5.
Na rua da Cruz, armazem
de Croco & Companhia, vende-se
superior caf em saccas por preco
commodo.
Vende-se urna terga parte de um so-
brado de dous andares e sotflo com bom
quntalo cacimba sito no A ler ro-d a-Boa-
Vista, n. 24, o qual rende annualmente
670,000 rs. por prego commodo : no Aler-
ro-da-Boa-Vista, fabrica de licores n. 17.
Vendem-se ricos chapeos de seda de
todas as cores ; manteletas de seda deco-
res e pretas ; chapeos de palha para senho-
ra, meninas e meninos: tudo chegado pe-
lo ultimo navio do Havre: no Alerro-da-
Bos-Vsta, n. 1, casa de modas francezas.
Acaba de chegar do Bo-de-Janeiro e
vende-se O Anuuano do Brasil, obra muito
preciosa e interessante a todos os Brasilei-
ros : no Alerro-da-Boa-Vsta loja do Sr.
GhaftlOfl ; na praga da Independencia li-
vraria ns. 6 e 8 ; na rua da Cruz, livraria da
Santos & C. ,
Na rua das Mrangoiras tenda de mar-
cenoiro n. 4, ha para vender urna p%|uena
mobilia em bom estado, por prego com-
modo .
--Vende-se cabo de linho do duas polle-
gadas e meia a tres e meia em pegas ou a
retalho a 18,000 rs. o quinlal : no arma-
zem do maga mes de Braga i C.
Vendem-se duas lindas escravas sen-
do urna recolbida de 18 annos com ha-
bilidades proprias para mucama e que he
de excedente conducta e a oulra de 20 an-
nos, que cozinha, engomma, cose chao ,a<
he perita lavadeira do varrella : na rua do
Rangel, sobrado n. 57.
Veudem-se os diccionarios inglez-por-
tuguez e vice-versa por Vieira; as obras
completas deCamOosda ultima e mais nl-
-- Vendem-se ledalbas para senhora,, tida cd.gao, 3y., por prego commodo : na
- Conipra-se o vocabulario portuguez de
Bluteau,: na rua do Hospicio, n. 9
- Compra-se um sitio prximo desla ci-
dade que tenha boa casa de vivenda, bai-
xa para capim e agoa prefarmdo-so a
margem do rio: no Ateiro-da-Boa-Visla ,
n. 42, segundo andar.
- Compra-se toda a qualidado de trastes
usados, assim como tamhcm se trocam por
oulrosnovos: na rua Nova, armazem de
trastes, derronle da rua do Santo-Amaro,
11 59
onipam-se as stiras de Boileau em
francez : nesta typograpbia
Vendas.
Vende-se una loja de fazendas com
muito poucos undos, e bonita armagfio de
vinhatico: na rua do Passeio, n. 17.
Vende-se um moleque crioulo pega, de
idade de 18 annos, proprio para lodo o ser-
vico e Re, oque sealianga: no Aterro da
Ba-Visla, n. 87.
Vende-so um preto de nagflo, bom ca-
noeiro e proprio para outro qualquer servi-
go : na rua da Cadeia-Velba, n. 5.
-- Vnde-se um pardo mogo, de bonita li-
gura e proprio para pagem : no armazem -do
Rufino, na Boa-.Visla.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000^000 de ris.
Vendem-se meios bilhetes e quarlos da
quinta lotera do tbesouro publico : na rua
-- venuem-so muiiuu p> "*< i oe
cordflo, collar, brincos, rozetas, anelWes, | rua isove, n. 36.
MUTILADO


.- Vendem-se amarras do ferro: rtn ra
di Senzalla-Nova, n. 42.
Taifas para engenho*
Na fonriicSo de forro da ra do Brum,
ac>1 to '" taixas da 4 a 8 palmos de bocea as
qu ">s iclnm-se n venda por proco com-
nt i o com promptido oml'arcnm-se,
ofmni-scem carros sc-m despezas ao
eim;; rador.
4os fumantes de bom qottO.
Nnarmazem de molliados atrs do f.or-
po-Sanln, n. fi6, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do Bill superio-
res charutos S.-Flix, o de outras umitas
(|iialidades queso vndenlo mais barato do
ijiio em nutra qualnuor parto : hom romo
citrarrilhos hespanhes ditos de palha de
milito, que se estilo vendendo pelo diinitiu-
t o preco de 500 rs. o cento.
A ellas antes que se acaben.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
liomcm e senhora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par : na ra do Quoimado, n. 17.
Uo-sc as amostras.
Pos galvnicos para
pratear.
Na ra do Collcgio, loja n. ).
Todas as pessoas que possuem objeetns
{raleados o que lenliam perdido a cor ar-
gntea, estando por issoindecentes, ou nii-
tilisados, leem uestes pos um excellcnte
restaurador o conservador dos meamos
ohjeclos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de liulio molliado em sgoa fra e passado
nos mesnos pos.
Urna caixinha contendo quantidade suf-
ficicnle (ara pralear mais de 40 palmos
quadrudos cusa a mdica quanlia de
mil rs.
Lotera do liio-de-tfa*
ueiro.
Aos 20:000,000 de reis.
lie chegada a lista da decima printeire
lotera a beneficio das casas de cari lado, e
co'ii ella grande sortimento de bilbctes,
mcios, (piarlos, oilavos c vigsimos: a files
antes que se acaben), pois silo muito afor-
tunados : na ra da Cadeia do llecifo loja de
ferragens, n. 56.
A 4#000 o corte alcinns de soda
com lindos pndrdes de listas e quadros, cd-
res modernas, clarase escuras uto pretas ;
cangas amarcllas da India, proprias para
todo o trago de liomein c de mininos ; bem
como um novo sorlimenlo de fazendas li-
nas e grossas por baratissimo preco: no ar-
inazem de Haymundo Carlos Lcite, na ra
do Queimado, u. 27.
j\ovo madapol&o patente
com mais de 40 jardas
cada pera
; com largura quasi do urna vara fazenda
a mais lina que se rudo imaginar, por isso
ptima para ludo pelo diminuto proco de
!t,000 rs. a peca : betti como lodo o sorti-
mento de fazendas finas e grossas: no no-
vo nrmazem de fazendas de Haymundo Car-
ies l.cite, na ra do Queimado, n. 27.
cliapos de caslor preto, polo diminuto
a '2,000 rs. ; ditos de victorias, fazenda
muito duravel, o de cOres tecidas a 3,000
rs. ; frt-s de cambraia franceza de diffe-
rcnlBS padroes a 3o 3,500 rs. ; cortes de
cassn com nssonlo escuro e cores finas a
2,500 rs., isto porler um pequeo, toque
de mofo ; barretinas de seda para meninas,
a 2,000 rs. e mais pequeas a 1,000 rs. ;
calcinitas de fil de linbo para meninas, a
320 rs. o par ; cintas finissimas em panno e
tullas a 200 rs. o covado ; brins do linho e
algodilo de cores a 330 rs. o covado.
A 900 rs. cada lima
vara.
Novo algodilo california com 8 palmos
de largura na ra do Crespo, n. 5, loja
que faz esquina pira a ra do Collegio ,
venJe-so o novo algodilo trancado, pro-
prio para toallias com 8 palmos de largu-
ra pelo barato preco do 900 .rs. cada urna
vara.
Novos cortes de c.issa pa*
ra vestidos.
Vctidem-sc cortes de c.assa para vestidos,
do cores lixas e de bonitos pa-ires, a sele
e oito patacas o corte ; chales do tarlatana ,
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs. :
na ra do Crespo loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Tpoias do Ufaran-bao,
ou redes de mallia muito frescas c faites;
ditas feilas no Cear bordadas a. agulba ,
dn diversas cores: na ra do Crespo, n. II,
loja de fazendas, de Antonio Luiz dos San-
tos & c.
"V
Loteras Jo ttio-de- |
Janeiro.
I Aos 20:000,9000 rs.
11.a ajfivor da MiercoadiaM
e 5.a do thesouro.
Meios liillictes.
Qnartos..... 5,5oo
Oilavos..... a,8oo
Vige-iuios. l,3oo
Na ruado Collegio, II. boa vinda pelo ulli no navio, por prego
fi:
fr-
<&>

k
)
%
'9
*
fe
m
Na rita do Crespo, loja
esquina que folla pora
0 G
( adeia, vendem-sc C
os acreditados brins brancos de lis- fj
Iras, lisos o amarillos, a 1,500 ra. o J
coi te ; dilo milito superior, a 1,(00 *
rs. lodos de puro lillllO ; panno lino t
preto ea7ul, a 3,200 rs. o covado;
dito muito upeiior, a 5,5(0 rs.; fus- lOes muito bonitos a C40 rs. o cor- $*
le; ditos de velludo muito ricos a &
2,500 rs. ; pecas de cambraia de qua- $
dios de 8 varas e iheia, a 2,720 rs. a (?
peca ; cassas pretas muito bonitas, $"
(a) a 1,410 rs.o corte ; madapol&o enfes- ?
ift lado muito fino, a 5,400 rs. a peca ; .9
V cortes de calcas de setinela de cor, $
Q) a 880 rs. ; ditos de castor, a 1,000 (9,
fe, rs. ; cbila azul para escravos, a 140 >
# rs. o covado ; picote muito cncorpa- (4
t$ do, a 180 rs.; plalilhas Je linho, a 500 t
(fe rs. a vara ; esgUSo de linho muito fi- (f?
^ no e com 4 palmos e meio de largu- 4
t*5 ra a 1,440 rs. a vnra ; cortes de |
($ brim do aluodilo, a 800 rs. ; e ou- M
Qh tras militas fazendas por prego com- #
($ molo. f?
* i
(f G9m"9M9(f*M$*>W a t Vende-se cal virgem superior de Lis-
boa em barril pequenu9, feises de arcos de
pao o rodas de ditos |aia barricas, cunhe-
tes de pinito abatidos pira assurar, pregos
caixaes do Porto em birria de 10 milbciros,
ditos de estuque em barriada 32 c 45 mi-
Ibeiros, pillas da familia : a tratar com
Joaquim Ftrrcra Mendos CoimaiScs, na
ra da Cruz, n. 49, primeiro andar.
Na ra eslreita do Itozaiio.n. 43, se-
gundo andar vende-se um escravo perito
ollicial dosapateiro, c que he bem moco:
o motivo por que se vende se dir ao com-
prador.
A tiene,ao.
Com um pequeo loque de avaria em
nina sorella, sevendetn pegas de algodiio-
zinho largo o encorpado, fazenda porfei-
lamente boa, pegas de 20 jardas a 2,000, c
tendo*mais de 20 jardas a 100 rs. a jarda i no
novo artnazem de fazendas de II. C. Leile,
ra do Queimado, n. 27.
Vende-se um cabriolet inglez, muito
forte em ptimo eslado e pintado de novo:
na coclteira do Sr. Mouuier, no Ateno-da-
Uua-Visla.
Moeudas superiores.
prego de 3 e 3,500 rs.: cortes de sedinhas, mdico : a tratar na ra do Vigario, n. 19,
primoiro andar.
Vende-se um lindo ritolcquo de 14 an-
nos ; 2 ditos d 18 a 20 anuos ; um pardo do
20 annos de muito boa figura proprio pa-
ra pagam, "por ser do regular conducta ;
1 molequede 18 a 20 anuos, perfeito ofll-
cial detanoeiro; duas pretas do elegantes
figuras, donagffo; duas ditas inulto mo-
cas com habilidades ; urna dita muito roJ
bu-tii, do todo o ssrvico de campo : no pa-
leo da matriz de S.-Antonio sobrado n. 4,
so dir quem vende.
Vende-so.cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, era barris de 4 arrobas,
chegada neste me/, pelo brigue Maria-Jot:
a tratar na ra do Itrum armazem de
Antonio Augusto da I'onseca, ou na ra do
Vigario, n. 19.
Chd brasileiro.
Vende-so cha brasileiro no armazem de
molhados, atrs do Corpo-Ssnto, n. 66, o
mais cxcellente cha produzido em S.-Pau-
lo que lern vindo a esto mercado, por
prego muito commodo.
A 640 rs. cada nm.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras, de bonspadrOes e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Vende-se farinba do mandioca muito
superior, a bordo do patacho Valtnle, viu-
do de S.-talharina fundeado no caes do
Collegio: a tratar com o capilfio a bordo,
ou com Novaos & Coinpanhia, na ra do
Trapiche, n. 34.
AGENCIA
da fundic-ao Low-Moor,
HA DA SINZALT.A-KOVA, N. l\ 1.
Neste estabelecimenlo conti-
na a haveium completo sorti-
mento de tnoendas e meias moen-
das, psra engenho ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido
co-"'.o, de todos os taannos,
para dito.
Vendem-sc relogios de ouro e prala,
patentes inglezcs: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Cortes Je brim de puro
linho, a 1/J80.
-- Vendem-se corles de brim Irangado
pardo de puro linho, pelo diminuto preco
do quiltro patacas : na ra do Crespo, loja
da esquina que volia para a cadeia.
fj Um piano. Q
^ Vende-se um piano muito bom para V
E) esludo, bonito o de escolenle autor:
O na ra do Collegio, ti. 9. tJ
& $
99OOO099Q 0(^ei0000 Harneas.
Vendem-se barricas vasias que forera de
farinba, em p e bem accondicionadas :
na ra do Auioriin, n. 35, casa de J. J.
II,5oo
i
Vendem-se 2 cabriolis inglezcs em
muito bom estado com todos os seus per-
tenees por preco commodo : no Aterro-da-
1 Boa-Vista, D. 52, cocheira do Luiz Monicr.
MadapoIoe8 linos a
;?,()00 rs. a poca.
Vendem-se madapoloes finos.com 24 jar-
das com um poqueno loque de muo pe-
lo proco de 3,600 rs. a poca : na ra do Cres-
po, loja da esquina que volta para a ca-
deia.
Na loja do Eslima & Hamos, no Aterro-
da-Boa-Visla, vende-se um pardo adrago-
nas muito ricas paracapitflo; bem como
um habito esmltalo de Christo.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
(Sos-ns-Santos.
Na roa da Cadeia, n. J'J.
vcndeni-se por atacado tres qualidadcs,
propiias para saceos de assucar u roujia de
escravos a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da fabrica de
rodos-os-Santos na Baliii
Vende-se em casa de N. O. Iiieber & C.
4a ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daquclla fabrica, muito proprio para saceos
de assucar o roupa de escravos.
Charutos de iEavana
verdadeiros: cm casa do Kalkmanii lr-
Aiflus na ra da Cruz n. 10.
Antigo deposito de cal
virem.
Na ra do Trapiche, n. i/:
NafundigSodo C. Starr & Companbia ,
em S.-Amaro acham-se venda noendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
conslrucgflo muito superior,
Na rua do Crespo. loja
de 4 portas, n. 12,
7, ha
mullo superior cal flrgCfl) de Lis-
boa, por pceo muito commodo.
Superior farinba de
mandioca.
Chegou de S.-Cslhsrina o brigue S.-J/c-
ntel-Aurjusto com um carregamento de fa-
rinba superior acha-se fundeado defronte
d > caes do llamos, o all fe vendo qualquer
porgflO a preco commodo : lambcni so pode
Iratarna praga do Coinmcrcio, n. G, pri-
meiro andar.
Foiha de Flanrfres.
VonJem-sc caizasenm folln do Flandrts:
na rua do Amoriin, n. 35, casa de J. J. 'las-
so Jnior.
Vendo-so, elTeclivnmciile, cha hysson,
muito bom J dito brasileiro: no paco do
Collegiu n. 6, loja de livios do Dourado.
Vende-se una parda escura do boni-
ta ligura coslureira, engommadeira e co-
zinheira cuja conducta se afianca por
ser ejemplar j una ne^riuha de 7 anuos,
muito bonita: na rua largado llozario,
loja n 35.
arados de ferro.
Na fundigito da Aurora, cm S. -Amaro ,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Vende-se vinho engarrafado ha mul-
los anuos o mais superior que ha no mer-
cado ; azeitede ca rpalo, a pataca a gar-
rafa ; vinho du Kigueira a meia pataca a
garrafa : na rua das Cruzes, venda ti. 20.
Ha rua Aova, n. 5,
venem-ses cis escravos de bonitas figu-
raa, com habilidades ; duas pardas e una
negnnhado 11 anuos, muito linda, pio-
priaiara se educar; um moJecolo do 18
nnos, bom cozinheiro o do boa conducta, | vene n. 72
o que se aliunga au comprador. I Vende-se o engenho Jundiaby, no Bio-
e jaquetas.
Qneimado,
Tasso Jnior.
Para calcas
Aa rua fio
loja n. 0 ,
vende-se brim (militar) Irangado hranco ,
a 1,44J rs. o corle; dito dito escuro, a
1,280 rs. o corlo; dilo e de ganga, mui-
to lino, a 1,500 re. J dito liso escuro, bom
proprio para jaquela, a 800 rs, o corle: sen-
do lodos de puro linho: cortes do custor
de listras c quadros, a 800 rs. o corte.
Deposito de Potassa.
Vende-se milito nova DQtasst.
de boa qualidade, em barriszinbo*
pequeos de qualro arrobas, por
preco barato, como j lia muilo
lempo se nao vende: no i'iecife,
rua da Cadeia armazem n. 12.
Cadciras de. palhinha e
de halaren,
bem com outros muitos trastes : vendem-se
em casa de Kalkmann lrm.los, na rua da
Cruz, n, 10.
Rap ral&o franct-2,
Vende-seo superior rap rol3o francez
nicamente as lojaidosSra. Caetano Luiz
l'erreira no Alerro-da-Boa-Vista n. 46;
Thomaz de Mallos l'.'stima na mesma rua'
n. 54 ; Francisco Joaquim lluarle, ruado
Cabug ; Pinto & Irmflo na rua da Cadeia
do llccifc, n. 19.
A ellos antes que se
a cabe tu.
Sito chegados mais modernos e asseidos
manteletes, vindos Jpe'o ultimo navio de
l'ranga, os quaes se estilo vendendo por me-
nos luego que em oulra qualquer parle : na
rua du neimado, n. 17.
Vende-se sag de primeira sorte, seva-
dinba de l'ranga, sevada, gomma de araru-
ta o tapioca de Maranhilo, por prego com-
modo : na rua das Cruzes, n. 40.
I'ocbincba.
Vendem-se tainhas d'Alagas, muilo fres-
caes : no caes da Alfandega, armazem de
Antonio Anncs.
-- Vende-se um preto bem robusto pro-
prio rara todo o servigo : na rua do Torres,
casa do pasto por baixo do sobrado n. 20.
loni e'barato.
Vcndc-se, para se fechar conla, superior
cervejs branca por menos do que em ou-
lra qualquer parle ; arroz pilado a 400 r.
a cuta ; feijio mulatinho. a 320 rs. a cuia, e
oquarleirlo a 160 rs. ; dito branco ; azei-
te doce engarrafado, a 610 rs. a garrafa ;
superior vinho do Poito, engarrfalo o
tal com porto de embarque, "nosde
meia legn com 4 legoas e meia de ierra
de imprmenlo e urna de largura, de. boa
rroduegao para mais de dousmil pues re-
gavel por urna correnle forte promplo a
moer com agoa e faltando-lho a roda da
agoa : a tratar em l'ernambco com Joa-
quim da Silva Castro na rua do Crespo,
n. 4, ouna Pa rali iba com Antonio Jos Lo-
pes de Albuquerque, no engenho Pureza,
ou no dito engenho Jundiahy.
Vendem-se escravos bara-
tos, na rua das Larangeiras, n. 14,
segundo andar, a saber : G pretos
de naco, mocos e ptimos para
todo o vervico ; deus moleques,;
tres pretas de nuco Costa, de 18_
a ao nnnos ; urna dila de nacSo
Angola, de 2o annos e com algu-
inas habilidades ; urna dila criou-
la, com urna cria de Ires mezes
muilo linda, que engomma, cose
e cnzinlia ; duas pardas de 35 an-
nos, que engomniam, cozinham
muilo bem ecozem j e mnisolgnns
escravos.
Aos mestrs pintores.
No armazem de macantes de Braga & C.,
vendem-sc latas de tinta azul, encarnada e
verde, a cem rs. a libra, e em barris a
1,000 rs. cada um.
Casa de modas fraucezas.
Buessard Millochau.
Alerro-da-Hoa-Visla,
loja 11. 1.
Neste estabelecimenlo recebeu-se pelo
Socrale ultimo navio vindo do Havre, um
lindo sorlimenlo de chapeos de seda de
todas as cores e ditos do palha para senho-
ra; ditos de palha lisa o abcita para me-
ninas ; bonetes e chapos de palha para
meninos; luvas de pellica, brancas ede co-
res para homem e senhora ; trangase fran-
jas para enfeites de veslidos ; chapeos e
bonetes do montara ; lindas manitelas e
capotinlios de seda e de bico ; cambraia do
linho ; filos; lengos de mSo ; bicos e ren-
das fitas de seda e de velludo; camisinhas e
cnllarinhos bordados ; cambraias bordadas;
flores e plumas. No mesmo estabelecimen-
lo fazem-se conseculivamente chapos',
toucas e veslidos da ultima moda por pre-
go commodo.
A 5'10 rs.
Na roa do Crespo, n. I4,
loja de Jos Francisco
Das,
vende-se hamburgo muilo fino, com 3 pal-
mos e meio de largura, e com mistura de
algodfto, pelo barato prego de 320 rs. a
vara.
Vende-se superior farinba de trigo,
em meias barricas : na rua da Cadeia do
rtreife escriptorio de Dean Youle & Com-
panbia, ou no primeiru armazem do berro
do Gongalves.
Vende-se, na rua da Aurora, n. 4, um
lerno de tambores com rodetes e aguilhOcs,
por 300,000 rs. e temos de carretas sullas
para os niesmos a 20,000"rs. o lerno.
medido ;.licores.; loucinho; tnanteiga a
560e700n>.: na rua do Padre-Florianno,
vende-se o restante dos muitos acreditados! -- Vende-se supcnoi cal virgem de Lis-. Crande-do-Norte; 4 legoas dislauto da capi- 'llorlas, n. 112."
para curar da phtysica em lodos os seus
difTerentes graos ou motivada por consli-
pagOes, lossc, Bsllima, plcuriz, escarrosde
sangue, drde costase pcilos, palpitaglo
no corago, coqueluche, bronchites dr
na parganta e todas as molestias dos orgiios
pulmonares.
Do todas as molestias que por heranga -
camaocorpo humano, nenhuma ha que
mais dcstruitiva tenia sido, ou quo tetilla
zombado dos esforgos dos homcns mais
eminentes em medicina, do que aquella
que be gcralmcnte conbecida por moles-
lia no bofe. Em varias pocas do se-
clo passado, tendo-se offerecido ao publi-
co difTerentes remedios com altcslados das
extraordinarias curas que elle tcm feilo;
pnrm quasi que em todos os casos a ilusilo
lem sido penas passageira e o doenle
torna a recalifr em peor eslado lo que se
acliava antes de anplicar o remedio tilo re-
commendado outro tanto nao acontece
com es le extraordinario
Xarope do lo que.
Novaesr. Companbia, os nicos agentes
nesta cidade e provincia, nonti ados pelos
Snrs. II. C. Yates & Companbia, agentes
geraes no Bio-de-Janeiro mudaram o de-
posito diste xarope para a botica do Sur.
Jos Mara G. Ramos, na rua dosQuarleis, n.
12, junto ao quartcl de polica, onde sempre
acbariio o nico e verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
-- Vnde-se um grande sitio no lugar do
Manguind, o qua! tica defronte dos sitios
dos Srs. Carneiros, com grande casa de v-
vcndadc4agoas, scnzalla, estribara, bai-
sa de cpim que sustenta 3 a 4 cavados,
grande cacimba com bomba o tanque cr-
benos para bando bstanles arvoredos de
(rodo : a tratar na rua da Concordia pri-
meiru sobrado novo de um andar.
Vende-so cera de carnauba ordinaria ,
a 4,000 rs. a arroba em porg.1o de meia
arroba para cima : lamben, se vende um
caixilbo antigo part alcova : na rua de
Novo mclhodo pratico
iheorico da Iiugoa trau>
ceza, por Luiz Anton(
Hurgain S v.. por Acaba de apparercr no Rio-devJaneh-o/
la intercssanle grammatlca pela qualeo
muito pouco lempo, e sera a fastidiosa 1,
refa de estudar de cor verbos e significado^
se aprende a fallar, Iraduzir e screver con,'
perfeigSo a lingoa franceza.
Vende-se aqu na praca do Cotnmercio n
2, primeiro andar.
Msicas novas.
No deposito de msicas, na rua Noti
11, loja de Jos Pinto da Fonseea e SilV
continuara-sea vender msicas para canlo'
com acompanhamentode piano, parapl(.
no s e para flauta, ebegadas recenlemen|e
contendo arias, cavatinas, duelos brit,.'
rolas em italiano, extrahidas das pecas mijj
modernas, modinhascm portuguez qUl.
drilhas, valsas, variagoes o melodas: |u^
se vendo por prego muito commodo. s,
mesma loja tambem se vende a arle de mu,
sica de Asaioli e methodo pratico de canlo'
bem como melhodos e outras muilai ntusil
cas para lodosos instrumentos.
Pechincha*
Na rua do Queimado, vindo do Roih
segunda loja, n. 18, vendem-aa lengos ij
lila de 3 ponas a 160 rs.; cortea de cu,.
braia de cores, a 2,600 rs.; suspensoriosi.
seda, a 500 rs.; castores para cairas,.
250 rs. o covado ; brins de linho de com
para jaquela a 400 rs. o covado ; cortesfc
fustflo branco para collete, a 500rs. oca-,
te; o nutras umitas fazendas por commo-
do preco.
Bom e barato.
Na rua do Queimado, vindo do Rozario
segunda loja, n. 18, vende-se panno azul,
verde a 2,000 rs. ; dito cor de rape, ti
rs.; dilo azul o preto muito bom a 4,(0:
rs.; cortes de fustfio para collete, a S,4
rs. ; mantas de seda oscoceza ; corles di
vestidos de cambraia de seda; ceroH*
meia muilo finas ; e outras muitasfaifiiln
por prego commodo.
Vende-se urna porgfio de madeiri
amarcllo ja preparada para portas e jmi-
las : na rua da Cadeia do Recife, n. 24, l> |
ja do cambio.
Vende-se carne de porco salgada eal
barris : na rua do Trapiche, ai rrazem n. (, i
Vonde-seum preto da Costa, mogo,[
robusto e que he hbil para lodo oserti-l
go : a fallar rom J0S0 Jos de Carvlho Y!u-|
raes, no llecife.
Sapatoes do Aracaty,
No Alerro-da-Boa-Vista, loja n. 78, act-l
ba-sc de receber um sorlimenta de aapalrjftl
para doinem emeninos, a inellior fazeuilif
que pode haver por serem muito
fcitose de formas modernas : o seu pn
he rasoavel.
Alexandre Spina, natural de l'isi,
quem no seculo XIV fez o maior dos bensl
liumanidade que atentflo eslava como sen"
tenciada depoisde cetta idade a mot
de alguma cathaslrofe, como fosse qued
couce, trambolhes, canelladaa, etc., ii
por el cito de vista curta ou cansada que (i
ramenle appareco nessa poca : foi
quem primeiro descobrio os oculos
nariz : com o uso delles se nivellam as
des, as sciencias nos velhos nfio llcam es|
lacionarias, ellos sogueni cornos mogos u
progressos.dolas, uo os lentem as cussOes e islo ludo he devido ao uso dn
oculos : assim, quem os qulzer bous, dmj
ja-se a rua larga do Rozatio, n. 35.
Vendem-se pegas de madapoln cos
20 varaj, muilo encorpado c com um 1
queno loque de avaria, a 2,400 rs.; 1I1I1
limpas,"a 3,000 rs : na rua do Passeio,
jin. 17.
Vende-so superior farinha de trigo 1
marca Joflo-de-tirito viuda de Lisboa pi-
la baica Ligiira : na rua do Vigario, n. I!,
primeiro andar.
Vende-se urna casa e sitio por necetl
sidado cun bom bando : 110 Manguindoi
n. :i.">.
tstravos Fugroos
lia cous.a de um anno fugio ou desenci-l
miudaramo pardinlio vndr,de 12 anuoiJ
claro,olhos grandes,cabellos loros. Kuga-stl
as autoridades policiaes, ou oulra qualqucl
prssoa, que o appreliendam e lcvem-110 11
rua da Auroia, n. 4, que serfio gaalifictdo$
bem como sabendo-so quem o desencinii-
11 Ito 11 se proceder contra elle.
Fugiram, no dia isde.agosto proxinwl
passado, do engenho Foi 110-da-Cal ero OliHT
da dous escravos : um pardo de nome Car-
los, de 40 annos pouco mais ou nteno J
baixo, mal encarado; teni os dedos dos [4
aherlos: o outro preto, de nome Itullnol
comas m.los foveiras; lemas pernas ti
tai ; reprsenla ler 50 anuo : ambos lew
ramcamisa de algodSozInho azul, ceroiH
las do estopa e chapeo de palha velluj
quem os pegar leve-os ao dito engenhoJ
ou na rua da CadeiaA'cIba, h. 33, que sen
gratificado.
60,000 rs. de gratifica^
No dia 23 de agosto fugio um pa'd1
nome Martinho muilo mogo, represenlH
ler 15 a 16 anuos, sem o menor indicio if
barba cor clara cabellos um tartto gr*"
des mas sem seren carapnhados den1"
limados, rosto redondo, estatura regular-I
muilo esperto; falla muito apressatl"'I
com alguin embarago quasi gaguej"11"'J
tem os dedos das nios um tanto cun"s.e
o com difficuldaile pode* xprena-io>i Pf
grandes ; diz eniendor alguma cousa "'
botica or ler sido escravo do plia*"'
ceulico, o Si. JoaoCancio Pcrelra r'reiif'l
levou caigas de riscado de algodfio W'"
lislrus azues, camisa de madapolo; "el
natural da cidudo da Victoria, onda /jnortj
sua mi e av lugar eale para ondej* "
urna fgida quando ora escravo do 6\
Sr. Cutido. Os apprehcndedores o poder-1
pegare leva-lo ao abaixo assignado,1U
oirerece 60,000 rs. de gratificacSo; tt*1}
comoprolcsla fazer quanlo as leis o t'->'\
mttlirem a quem acollare nao quizar e'J
iregar dito pardo. Francisco ioaquitn r'l
reir Lob\ '
Piih. : na tvf. u a i. n paau.
-18I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED2AT81EM_G4FLDW INGEST_TIME 2013-04-24T17:56:34Z PACKAGE AA00011611_06681
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES