Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06677


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V lili
oX
^i'jjff'f'
rtnTivAB oa conexos.
, *pu*hlb,cgiMidseata-feira.
^raudXNorte, ,Oln...-Mra. a n*'-
,. ."""iniihaeim Rlo-Formoso, Porto-Calvo
Cjl,vuc > H c 2i de cada mes.
^anu>Tr
Uliud*. UKloaos da
;
IIBIHEBIDIS.
ruBi b m. -Chela a 1. s 3b.e I3m.da t
Miog. a 8, ai I0h.e84m.dftin.
Nova 16. 2 h. c ,')3 ni. (1.H1I.
Gresca 24,s 4 h.e 44 m. dau.
rnUMAR Bu HOJE.
Prlmeirs6 hora e 6 minuto da tarde.
Segunda ai ti horae30-uiluutoilmah
MI
do Ofitii1ro,lelB49.
N.
220.
"S5!
TK}0* DA 8OB0ni9O.
Portremezes(*wdo) 4/000
Por seis uiezes 1?','!9
Por um anuo 15/1)00
DAS DA IIWA.
I Seg. S. Julia. Aud.doJ.doiori\edom.dal. v.
% Tere. Leodcgarlo. Aud. da chae., do da l. i.
. do civ. e do dos felto da fazenda.
3 Quarl. S. andido. Aud. do i. da 2. v.doclv.
4 yuint. S. Francisco de Assis. Aud. do J. dos orr.
5Set.'s". Placido. Aud. do J. Ja 1. v. do civ.
e do dos feito da fazenda.
0 Sab. S. bruno. Aud.daCanc. e do J.da2. v.do
crliue.
7 Dom. Noli Sciihora d
CAMBIOS EU 1 D OtJTUBBO.
Sobre Londres. 27 d. por 1#000 n. a 60 das.
. Pars. 370.
I Islioa. 110 por cento. _____
O-ro -Oncas liespanliocs......... 31/000 a 3IAM1
"r0- Mocdasde t^O velha... 1 000 a WM
. de >40 novas.. lltfiOO a 16M
. de 4^00.......... 9/400. MWM
/Vela.-Patacoe.bra.llelros..... l/*0 a MW
Petoscolumnarlos....... y.V ft ...
Ditos .nexlcanos^^^oo'
ipinisn--------
PART OFFICW
Cofomndo da pra^h.
MrfW eOmmani da praca na cidade do
Recift de Ptnumbwi, 30 de ulmbrt de
18*.
OflDEII 1)0 OA N. 4S.
FJC0 publico, para wnhecmento da
,irn Que oEsm. Sr. presidente dest
;\7n a 'commonicou-nie. por ofllcio da-
do de hontem, achar-se no exerc.cio de
edico consltente no Irasp.talreg.mental,
c, podo segundo batollUto de a.Uha-M
desde que elle se installou noo.lificio
gsled.de/oSr. Dr. Alexandre de Souza
iTPirs do Carmo.
Oulrosim qwvporofTlciodamesmi data,
meimo Exm. Sr. mandou dispensar do
animando interino de compenliia de arti-
ces o.Sr. lenlo reformado rhomaz Pe-
elra Pinto, por hsv-lo nomeado fiel do
hesoureirodalhesouraria provincial; em
oasequencia do que nomeio pars comman-
arinierinamenle a referida compenhia o
r alferesaddidol.uz Gomes Ferreira que
eacliavacnm licenc para tratar de sua
Mde e resignou por haver melhorado, a
ueo o Sr. lenle l'inlo fari entrega da
oicncionada companhia com asdeclaracOes
formalidades do eslylo. sendo prsenle
o Sr. capliaoejudaiile d'ordens deste com-
mando, Francisco Carica Boeno Deschampa.
Assignado, Jai* Vicente de Amorim Besir-
t, cornele commandante.
ORDEM A0I.ICI0NAL A DO N. 3.
0 lllm Sr. coronel commandanle da pra-
. mnd"a declarar, para conheeimenlo da
iirnc3o, que do 1 do outubro em dianle
servico se far de calca branca, menos nos
as em que amanhecer chuvendo, e as
uar.las srflo rendidas as oilo horas da
mnhfla, canlinuando todava o recolher as
ito horas da noite at segunda ordem
Assignado, Frandtco Carlos Bueno
hampt. capitSo ejudante de ordens.
1!7fIfR.
Dei-
lltlalorio da viage* frita ao, porto,,o ,ul
de loanda pelo Exin. concelheiro governa-
dor qtral da provincia de Angola e tua* de-
pendencia,, o Sr. general Adr.o Accaoo
daSilveira l'inlo.
No da 25 de Junho do 1849* pelas 8 hora
noite.embarcoU o Sr. general tara bordo
do brigue de guerra portuguez Voador com
os seus dous ajudantes do ordens, os Srs.
i:hrBlisDo Augusto da Costa Simas, priinoi-
ro-lente da armada, o lternard.no Anto-
nio Ferreira, cspilo do frcito de I orlu-
gal.-Havia sabido do palacio do govenio
acompanhado nicamente destes o do Sr.
Jos Mari Malloso, negociante dcsta praga,
pezar, portn, dos meios que havia empre-
ndo para occultsr a hora do embarque,
era esperado no.caminbo pelos Sr. Francis-
co Joaquim da Costa e Silva, secretario ge-
ral do governo; Joaquim Das Torres, es-
crivOo deputado da junta da fazenda : au-
Kiisto Pejaoto, escrivaoda mesa grande da
alfHndejKe Augusto Teiseira de Figuei-
redo, tenante directoi do trem nacional; os
auaesoacompaiiliaram a bordoJJuiiHimenle
com o Sr. Vicente Jo.< da Maia Vasconcel-
los, cuarda-mr d alfandega, que se acha-
va na praia da fortaleza do Penedo, aon-
de so mcltou no escaler que o condono para
o brigue, por nOo ter podido faze-lo na
ponte da MSi-liabel por causa da muita
"hVenconlrou j os Srs. Manoel Ttoomaz
da Silva Cordeiro. capitSo de mar o guerra
e chefe da csUcfio navaj portugue78, com
scu lillio a sobrinho, guardas-manohas;
JoseMaria Comes Algeroz, priineiro-leneu-
le da armada, e mmediato da corveta Oilo-
de-Julho: l'iancisco I'eixoto, majnr com-
niandanle do balalhBo de inantai la de Ii-
nha: Antonio Uaria llibeiro, lenle com-
mandanla dr companl.la de Pre;
Jos Francisco de Faiio l^vas, .enento
commandanle do esquadrHo'de cavallana,
com osofllciaesdo aeu respeclivo comman-
ilo : Antonio da Cofta Rodrigues, presiden-
te da camera municipal; Manoel Joaquim
de Souza Monleiro, membroda mesma ca-
raira ; Francisco Antonio Floros, negocian-
e desla pra(a rtveiendo padie Joaquim
lanoel de Moura l.aniprcin, e Adriano Ma-
ia Pafsalaqu, segunJi-lenente.da armada
j patfao-mr-do poitoi Penhorado pelaj
[delicadeza destes cavilheiros a quera qui-
'zera poupar mais esta demonstraban do"
altelo com que he geralmenle tratado,
ceitou as suas despedidas, e o navio foz-se
de vela miuediatamenle.
Awgaoi ale Moss.medes foi ir e de-
morad.! -le orte que so no da.MOjjallM
pdde ancorar na sua magmlca bah...-0
Ir meter (iarcia. commandante doeiUbele-
c'meX com oSr. major Ihirla. vior.m a
bodo cimprunenur o Sr. general, queom
elTcs foi par. a trra aonde era espera do.pe-
los mordiresrque o recebram ni praia. e
l^naKrem a cas. do referido mejor
(.'ardi! Por quera foi hospodado com a
inaior franqueza e aniizade.
Cumd Mossamedes era o poni principal
, viagem de S. Eic, por isso que sperava
3 ehi encontrar os colonos que deviam ter
fchegado de l'crnambuco, a respailo dos
quaesso destina* temar pessoalmente to-
disadispoicfle e providencias necessa-
li.s, como demanda urna colonisacao que o
1 ,. .._____l..la lam (aillo ItmM-
re que como oulras j tintadas se frustasse,
foi com grande desprazer seu que ndo pode
a tal respeto a sua presonca ser tBo profi-
eua. como deejava, se bem que n'outras o-
fdi, e de reconhecid conveniencia publica.
Inspeccionou o forte de S -Fern' ndo, aon-
de fez montar urna peca de calibre 18 q"
para esle lim irouxera de Loenda, e que os
habitantes denominaram 23 de ulho, como
memoria da visita deate dia que ora tam-
bero o do aeu anniversarjo natalicio, por
cuja coincidencia llin deram as maiores pro-
vas de regosijo o salisfacSo, tees como sal-
var o parque de artilharia do forle hora de
jantar, na ocasiRo do brinde que por esto
motivo Ihe levantou o Sr. major Garca,
para oquehavia de anlemOo mandado pl-
vora sus.
Observou a obra de fortificacilo que
achou com alguns erros que fez emendar,
mandando recuar a faco que olba para o
mar por'estar em um falso alicerce, e collo-
car porta n'outra menos exposta do que
aquella que oceupa actualmente.Visilou
a casa que se fez para viver o chefe, a qual
est a cahir; senlio que tanto dinheiro se
Kastasse em lo m* obra, e ordenou que se
fizessem osconcertos indispensaeis.Foi
ver o hospital que achou bem arranjado, e
melhor que tu lo sem dornles ; este he o
estado normal de Mossamedes. -A casa para
os pescadores por cotila da fazend, he a
nica que lem telhado, e est boa.Foi ver
a nascenle de agoas frreas, que be pena
esleja rmtezida a um charco cheiode junca.
Vio Jrhortas do eslado e dos particula-
res, elicou sobremaneira admirado da im-
monsa rertilidado das margena do rio nro,
aonde estilo situadas ; sendo para lamentar
que a impetuosa crrante desle lio, que
ilizeni da velocidade de seis milhas, as (<;
desapparecer todas, ou quasi todas, no lem-
po das chuvas; o que he resultado das agoas
das monlanhas que sobre elle se despe-
nliam, espraiondo-se largamonle, echan-
do-se por esto lempo a communicao com
o lado do norte ; no resto do anuo nio
corre, pelo monos na distancia de 10 iiiilha
que o precorremns, po que a agoa ou se
evapora ou se infiltra, succedendo por isso
achar-se muito boa e polavel por todo o seu
leito, em quelquer paite que se protende
duas ou tres pullegadas.
Ha na horla do Sr. GuimarU6s, socio de
Sr.* D. Anna Joaquina dos Santos Silva, urna
co'uvo que lio um verdadeiro prodigio do
vegelacilo. lie do forma cnica, lem peno
de 80 pollegadas de altura, ocupando as
follus na basado tronco nuil circumfe-
renc.a do 10 passos .'Vio os barrajes que
linba mandado fazer para a recopeno dos
colonos, que achou edificados com solidez
o economa, determinando que se acabas-
sem de modo tal, que no futuro fssem apro-
major Rovcrnador. do districto Francisco
Tavares de Almeld, acompanhado dos Srs.
secretario Seita e S, e director dn alfande-
ga Pimenta BrozSo, assim como vicram os
Srs. penlo Itolrigues commandante do
brigue^portuguez cruzador Conmo, o l-
enlo Fraga commandante da escuna Nym-
pha. Descmbaicou a!T meio-dia.-F.spera-
va-o na praia acamara municipal com as
mais autoridades civis e militares;-o desU-
oamentodobtalhode infantina deliiiha
de Loanda luzidamente unitermisado lor-
rnavaa guarda do honra.-Seguio para a
igreja de I. S. do Po -uloa cuja porta ro
recebido debaix do palio, e saudado pel
clero que o sperava. Um solemne Te-
Deum foi enloado, ao qual assistiram quasi
todos osedadilos de diversas classes e je-
rarchias, quedepois acompannaram a le-
sidencia do governo. aonde ficoii hospeda-
do ; a cmara Ihe dirigi urna Micitacio
raui attenciosa a qucS. Ex. resnondeu nos
termos mai* express-vos para o momento.
.-- ,Vs6 horas servio-so um esplend lo jun-
tar de eli^ueU, em que S. lis. foi brinda-
do como maiorenthusiasmo.no Sr. tenon-
te Fragi. commandante da Nympha, reci-
tou o segrale :
SONETO.
Accacio insigne..a ti que o Douro outr'ora,
Quaodo no Douro os liheraes surgiam,
Fosle.. e os liberaesle recebiam,
Benguella ufana le recebe agora.
Millies de flOres que a divina Flora
Esparcir a leus ps, no bastariam...
Tuas plantas, Accacio, doveriam
Pisar estrellas, e n3o muilo fra...
eheaou no dia 1*. Foi visitado sobre vela
Ido os barracos ne tirina, c r...K.rR..-. cnegou no um i. romman-
finura da cal -S. F.xc. observou que no da 12 pelo Sr. lenle Nev,., comman
,u, pontos n?o destituido, de circums- danle da escuna f?cmal*%ffo, que se re i-
do que
guardando osbarracSes dellrzela. e emprega-
dos na
estes dous pontos
tandas locaea menos favoravru
amiclles que oceupa boje licnguells.
Alli leve lugar o ultimo jantar de despedida,
e S. Esc. embarcou na tarde do dito dia 8 para
Uuicnmbo, pcnhoradisslmo pela manclra cx-
tremainrnle nff.ivel com que fb tratado em
Benguella ; deisando verdadeira saudade a to-
doi, e nao menos aoseu particular amigo o Sr.
Alinelda.
Aosque julgam anda Benguella um mat.y
douro, recommendamos que se gulcm man
rou logo para continuar o seu cruzeiro.
Q lerendo S. Etc. enlrar na cpilal da pro-
vincia inespem lamente, saltou para o esca-
ler do brigue com os seos aju Untes de or-
dens a nove milhas de distancia, e seguio
pela barra da Corimha. To-lo-lna certa-
mcnlo conseguido nao ser o Sr cap Uto
Camtirt que, achando-so no campo da para-
da do balalhilo do linha a obsorvar a mar-
cha do Knador, reconhccco 0 escaier em quo
pelo esludo maduro dos facloa e causas que vn| s yXCm qoan,lo eslava j n desembar-
os produzem. do que por impresses iradicio- nf nJ ^ i(o- ttispo, O fnzendo dar signal
rinu, dirigido clhii
iracao geral o conservain em lao perfeito esla-
do, que nada delxa a de.rjar em relacao a-.s
deminulos recursos de que dispoeni : s. Bxc.
tomou na considcrafo que merece um lao po
e mil estabfleciinento, para se llie augmenla-
emeomo fr possIvel.-VIo o irem. e nellc
completa e lolidamente reedilicados os dous
veitavris para casa do alfandega, ou qual-
queroutra til applicag.lo, louvando mul-
lo O Sr. major [torta pelo zelo com que se
lem havido nesla commhsao detrabalhos
para a colonia ser recobida e commoda-
menle abrigada em quanto-se.nno eslabo-
lecer : no que lem sido valiosamente coad-
iuvado reloSr. major Garca e minios mo-
radores. Propozeram-se estesa levantar
um pequeo templo sua cusa coma n-
vocacno de Sanio AdriBo, aonde se celo-
brassem os ofilcios divinos, no qual S. fcx.
lancou a primeira pedra com as solemnida-
des requeridas uestes casos, offerecendo-se
rara mandar vir de Lisboa a sua custa a
imagem do orgo, o preslar-lhos todos os
soccorros possiveis nest emp-eza que tanta
honra Ibes faz. Oxala qus venha a ter um
parodio e que llie n3o aconleca como a
maior parte das desla provincia que cst.te
abandonadas de saccrdotes.-A importan-
cia de pregar com fervor a doulim do
evangelio neslfls partes d'frica, que so
procura colonisur e civilsir, he do tul mag-
nitude, que dispensa qualqucrob-ervacilo:-
cntendemos quo o christianismo he a baso
daverladeiracivilisacflo ea cruz de Jesus-
Christo o grande estandarte queconduzas
sociedades modernas. Tembem nomeou
um professor de ensno primario para au-
xiliar a elucacao de grande quanlidade de
menores que ha no eslabelocnnenlo ; o deu
urna orgagisa^o regular denominada
companhia de Mossamedes, quo alo hojea
n3o linha. Fez distribuir gurdenlo e i-
zendas aossobbasdo Cirahnlo o Uuipola,
que vieram prestar homenagem a S. Ex.,
l.a?cndo dous bois de presente que foram
mandados para o raocho da tropa o degra-
dados, pprquo o guarni?3o do Voauyr tei
su-tentado pelo Sr. major Garca de f.osco
a vinhoom quanto esleve no porto.-Urna
cbmeliva montada em bons cavallos otcorn-
panhou em urna dgressao que S. Ex. tez
dez milhas pelo Bercima como IIm de
determinar a prmeiro local aonde a colo-
nia devla assenlarcomo effeciivamenlo de-
termnou, dan lo para isso novas mstruc-
jOos ao Sr. mejor Hurta.
He fra do nosso proposito fazer consule-
reces de monta acerca das vantagens reaes
des|e estabclecimonlo quo, se fr colonisa-
do as suas proximidades, e aa dircc?aodO
Rumbo e lluila por um bemjyitogjjlido sys-
tema.vir a serum porto importante e n3o
um vasto areal improductivo e dispendioso
como temsido te hoje.
Huante a demora de S. Ex esteve o es-
labelecimenlo illuminado todas as noites,
deitou-ss muilo Jogo do ar, n.lo houvo
qualiJade de illcncrio o fineza que nao re:
cebessedo Sr.'cominandanle o dotodasas
mais pessoas que porfii se empenhavaro
em dar-lhe provas da sua saliafacao, os
quaes deixou no di 29 que se embarcou
para Benguella aonde chegou no da
* anndln
Vem, pois, a nossos braQ09, e recebo
Demunslracdcs d'amor sincero e puro,
llespeito e gratidifo que se te deve :
Recebe nossos votes. .s6 seguro,
Que leu hoioico nome se conserve
Em nossos coraedes para o fuluro.
Oellou-se muitofogo'doar, e illuminou-je to-
da a cidade por tres dial j,,reinando par todo a
parte o mais vivo conientamenlo pela presen-
ea da primeira auloridadcda provincia.A-
chou a cidade muilo superior reputacao que
geralmenle tem, e n'um eslado de accio, alor-
moscanientoe polica, que o sorpreemleu e
levoua tributaros mais bem merecidos louvo-
res ao seu digno governador c cmara muni-
cipal, prcsedlda pelo distlnclo negociante Jos
Liilz da Silva Vianna. que tanto zelo e aclivi-
dade lem desenvolvido cu objecto de tl ma-
gnltude, o que muilo tem inUuido na salub.l-
dade do clima. .
Mala He 1,500 arvoresteem sido planudas as
suas eipaeosai ras e bellas pracas, que algu-
mal dellai erain nlnda nao ha multo lempo
mallasselvagem e pantanos insalubre! *
(lbalas desapareccram do mel da cidade,
deitinando-sc-lhei um bairro mais aOMiadO ;
mullos lugares pantanosos teein sido eterra-
dos; quanlidade de casas que eiisliam em rui-
nas, ou teein sido demolida! nu reedilicadas,
sem que oulros nieios se tenliam empregado
alcn dos suasorios c brandos : um bello pe-
lourlnlio foi assente na prava da cmara, c a
casa desta esl em obras multo adelantadas ;
o recinto do mercado publico esln quail con-
cluido, com basunle propriedade c mesnio
elegancia os edificios estao todos calados; de
Uiodo que urna nova cidade ic appreienta
aqucllei que ullimaiuente nao tem visto ben-
S. Exc. inspcclonou a fortaleza de S.-Fillp-
pe, que esl em tal dcimoronamento, que
nao pode dispensar.se de autorisar n despera
dos reparos de malor necessldade, sem mba-
co da escacez de meios dos cofres pblicos.- sorpreja;
Vlsllou os fortes que defendem a cidade, nos
quaes deterininou o leu
to com
prlada
de, com o maior prazer
definilivo acabamen-
naei que cliegam al ni na sua forca primiti-
va, as quaes lie f.ircoso sujeitar una rijo-
rosa e bem entendida analvse, para llie reco-
nheceras modlrlcacSes No he no co faier acreditar que em Angola nao najan
as Pobres c principalmente as pocas ditas da
carncirid. mas nao duvldainos aiaeverar,
vista de dados estilsticos, que a ausencia de
liygiene publica e de rcgularidade individual
lem sido agentes cm nadi Inferieres inllu-
encia cliiiiaiaii.i, altamente corriglda pelo
emprego de ineloimateriaes, profiosamenteap-
plicados.-Osalqnc osSrs. facultativos aqu
existentes, e que com conhcclmeiit.i de causa
pdem dar a esle assumplo lao lato dcsenvol-
vlmento fizessem humaoidade o relevante
servico de publicar algumas linlias pela im-
prenss que soassem bem longe, e quebras-
sem a hoje lao falsa repulacao de iiiortlrcra,
em que he geralmentc lida esta puvoacao,
aonde o numero dos dornles que succuinbein
das f.-bres he inul diminuto, qnando se tratam
a lempo c convenientemente.
N3o basta o conheeimenlo numrico do
movimenlo de enfermos nosllospitaes pu-
blico! de que temos noticia pelo lluletim-
O/Rcial para formar urna completa precia-
cao do consideravel melhoramenlo opera-
do no estado sanitario ha airaos^a esta par-
te, e lambem para animaros timidos o des-
contentes quo pelo horror das febres pro-
fe re m urna odiosa cmigraq3o para o estran-
geiro colonisacflo desta rica provincia;
a relacao do militas oulras circunstancias,
scirnlicamente tratadas, dcvOra est-ir ao
alcance dos nossos compi.triotas do Portu-
gal e Acores, das quaes nos abstemos de
bular, por ser sera alheia em qus nflo mel-
lemos ftica.
O Sr. general dosambarcou em Quicom-
bo na tarila do dia 9 com o Sr. capitn Jos
Antonio Pereira,commandante doestabele-
clmenlo, quo vi ra logo abordo felicita-lo,
sorprendido de que um g ivornulor go-
ral fosso visilar aquella nasecnte faltona
quo pode, e deve ir mu longe pelo commor-
oio do urzellao gutiMia copal; recebeu
dosle cavalheiro a mais amigavel hospitali-
da lo, quo com lodos os moradores do esta-
belecimotilo so emponharam om significar
a S. Exc. mais completa sitisfacSo. Par-
lio para Novo-Redondo por ierra na tarde
do da 10, aondo sodemorou o dia II. ins-
peccionando a fortaleza q'io est totalmente
em ruina, assim como a igroja, quo breve
desappareceriam se S. Exc. nao ordenaste
tanto para urna co;iio para a outra a diminu-
a dospoza que podo comportar o rend men-
te da provincia. Estes dous pontos eslive-
ram igualmente Iluminados, e a recepto
eacolnimento que a S. Exc. fez o Sr. 7aci-
rias da Silva Cruz, alteres do batalhRo do in-
fitilaria do linha o commandante do presi-
dio, assim como os mais moradores dellp,
Lem nada foi inferior quo havia recebido
as oulras partes. Na mauha* do da II
vollou a Quicombo. Os moradores que com
S. Exc. linham ido para Novo-Redondo ha-
viam-se retirado de vespera son o proveni-
rem, na idea de fazer-lbe urna agraJavel
de modo que, contando elinocar
do Sr. Pereira, almocou emuma
para a cidade corn-u a ahraca-lo rom os
Srs. oipitao Carduzo, alfertas. Souza o major
Privlo, que na qualidadu de amigo intimo
doSr. general olileve paia sua casi a com-
panlua de S Exc. a jantar em ramilla nestu
dia As honras olficies devidns :i elevada
categora do S. Exc, c que eslava: pre-
paradas para a sua recepeo, mo Uve rain
lugar, mas ningucm acre litava quo estives-
se ja no palacio do governo, quando so avu-
tava siudu distancia o inguo que sesup
punha o condutisse alo dnnlro do porto;
porm, apems reconhecido o engano.foram
taes e tantas as demonslmcfles de alegra
manifestadas por toda a cidado, as felicila-
coes e provas de amizade e coiitentamento
que recebeu das auloi idados e dos habitan-
tes em gcral, que S. F.xc. levo mais urna oc-
casiao de convencer-so quo os-seus nume-
rosos amigos do Loanda nite Ihe merecam
menos eslima o coiisideregao do que aquel-
los que dexra com saudade na Irabalnosa
viagnm quo acaba de fazer.
Loanda, 20 de agoslo de t8l9.
Bernardina \ntonio Ferreira.
o lloltlim Offieial de. Angola )
INTERIOR.
forraosa barraca que ellos proprianiente
, aquella direccao que ju gou mal anro-,'" m gmeno |oca| das margens
ZttW&K& *|*ff Qu?coraoo?h.do ramos de p.lmei-
narsdoen .deigeYrsn.oleS.ia, I -e ira ra elegantemente tecidos, OOOI"PWUs
n acommodacoes e arranlos e janellasaberlas no gusto go'hico.um gdbi-
vasto edificio coi
neceisarios para l.'iO enfermos
nelo o una sala cuidadosamente mobilada,
com todas as coinmoddades propnas para
o servico de quera vem de viagem Ajun-
lai porum momento o suave murmurio da
mansa corronte do rio, a magestalo do
oceano.o brando sibilar da virac3o por entre
a ramagem llexivol do um formos.i palmar,
o gorgeio encaulador de urna inliuidade de
aveszmhas con sua malisada plumagem.
e era total ruloa.-Foi alfandega c delegado
da imita da fazenda tomar coubeciiiieulo do
eslado de escripluracio e cBntabiIidade, e
dar aquellas providencias que julgou urgen-
te, para que a fasenda publica Continua a
ser escrupulosamente zelada e arrecadada.-
Vio algumas borlas dos particulares prnnoro-
saanciiic cuidadas, aonde ja se da grande nu-
ulero de horlalica*. fruUs e lloatl. que lia
em Portugal. __.
8. Exc. deipedlo-ie .da cainaraT;n lessSo
plena, aonde sr trocaram varia! alIocucOes,
l lobre as necessidades do municipio, que
alternamente ouvlo para as remediar na parle
nossivel; j lobre o srnltmenlo de que a sua
.resee na cidade nao poderte ser nllls pro-
ongada : -essistiram a rsleaot as autorida-
des e cldedaoi mais distraen que, sabendo,
contra ama cxpocialiva. que S. Exc lapar.
tirpor trra a embarcarse BOjobilo, rciolve-
.^....i.in. o que effcclivameiite fl-
2 de
rain acawpanlia-lo,
lerain.
Grande numero de eavallelros bem "ata-
do parllr.ra com S. xc. neiie ineaino di
por lima larga estrada propria para carrua-
Lera ( e Unto queS. Exc. fo! conduzido na do
Sr Vianna I periioitar Catumbella, e depon
d.'uinesplenuldo almoco, tambera de etique-
dado pelo Sr governador na-manhaa do da
'.mediato, 8 de .go.to, foi ver o forte de O.
#edro e eguio par o Lobito, en cuja bbia
ee chava i o brigue 1 Dador, c o brigue Co-
rimba que recebra orden, do Sr. comman-
dante da eilaco para leguir *jtji" daquel-
ie te Londa.-Ha abi urna casado estad > qua-
[siporlerr, que S. Exc. ordenou fosse con-
certada como obra Indispeneavel para quar-
fornos de lijlo e tclha que se ichavam inulels au sci|lilll01ll(, qU0 dcsenvolvo urna lera-
" branga tfio extremamente romntica, tereis
urna dests sconas que, contempladas em
lobo.rerom violentamente todas as curdas
*alma, as quaes uma especio de choque
elctrico, absorvendo tedas as laculiades
da iartelligeiicia.nos.ieixam era umextasia-
,!o Vofundo meditar. -Tel nos suocedeu
eniao. e tal nos aconleca anida luye, nao
saliendo como dcscrever a bellczi do qua-
dro o a grandeza das impressOes do urazer e
alTecte que nos dominaran!. uvnmos de
S Exc. as mais atUsveis exprosWns de agra-
decimento a te-tes estescavalheiros, vida-,
menteopmpensadas pela alegra queem to-
dos se diviiilVa, com especialidade nos Srs.
Patricio, Fria o* Monleiro, autores da sor-
pToza.equenffer Ceram a S Exc. esle sl-
mocoom companhia dos chefes do eslabe-
lecimenlo e presidio, e muilqsfbabiUntes
delles, que de cerlo llio deixa por toda a sua
vida uma lisuiigeira recordacao As mar-
gens dos ros,qnV banham o presidio de
Novo-Ri'doiidoAdltalabelecimonto de Qui-
combo s3o (Te^riAdiniravel vegelacao, .0,
coberlaaHe muitlaTWgoas de palm.-ira,
quo he uara lamenlar mo sejam colonisadis
por Euramis que, nossuiodo esta iiiimenM
riquea.tirassemuclla os valiosos po Judos
quo.se n3o aprovellain entregues os indo-
lentes bracos do Gento
O Sr. general despedio-se summaraenle
ALAG0AS
Extracto do cpuliente do Enn Sr, pretiden-
le Dr. ot Beato da Cunha e iigueiredo.
9 pE AGOSTO.
Oficio. Ao inspector interino da lli->-
suraria da fazen la, enviando-lhe un map-
pa do* olliciacs o outro do numero de pra-
;as do pr.t d. guiri nacional destacada,
como havia roquiitaite
Dito, Ao inspector da tlicsmiran pro-
vincial, approvando o lauco offereci te por
Jo3o do Almcida Monleiro para a arremata-
000 do rorneclmente dos vidros precisos pa-
ra a obra da ci.loia desta cida lo
Hilo. Ao doutor chefe do pul ioa, deca -
rando-lhe que, pela leltura de seu ofiimo o
copia acllojunla. fu a presulenc a intei-
rada da circular quo por occasi3o da* eiei-
cOes dirigi elle aos delgalos ds provin-
cia, reco.nmendan lo-lhes loda a inoler.i-
c3o noexercicio de seu emjrego.
_ Tenh.i presente o seu oflicio de lion-
tom, recobjdo pelas oito horas da noite, no
qual Vine me commuuica achar-se conti-
iiuiinJonielciQao na altura do lavrar a ac-
U do recebimeiito das seJulas o do !hn
constar lnver-sj o jui/. de paz que desampa-
rou a eleic3o na matriz reCOlhidO i igreja
do Rosario, onde esla procedendo a un i
outra elcicaoje, ficando do ludo inteirado,
n3o tenho agora sen3o recommen lar-lhe
que nao embarace de modo algum a esSB
acto, que so esta proce len lo na igreja di
Rosario; porque d-lle deve em tempoco-
nhecera autorida-le competente, noonlan-
lo que jiilgo que o que mais convem agora
lu m nter-se a paz quo eslou cerlo se n3o
Iterar, se Vmc. liver continuado como ja
Ihe ponderei no meu ollicio de 7 do corr.il-
lc co leudo a prosi lencia da mesa ao juiz
do paz quo aban-lonou, aponas so ello apr-
senle na matriz.
Dos guarde a Vmc. Palacio do governo
em Macei, 9 de agosto de 1849. ~ Josc Ben-
lo da Cunha e riaueirelo. --Sr. juiz de paz
supplenlo, presidente da mesa parochial de
San-Miguel. *
Respondendo ao seu allcio de 8 do cor-
renlc, roeebi lo hoje as nove horas do di,
tenho dizer-lhe quo os artigo :.9 da loi
do 19 de agento do 1816, e -22 das instruc-
cOcs de 2S do junho deste aun >, s3o mu
claros para que possi Vmc. duvidar deque,
eonclui ios todos os irabalhos da assemblca
parochial, inclusive a assignatura da acta
da apuracilo dos votes, expedi?3o dos di-
plomas dos elcitores, o remessa dos livros a
cmara municipal, possa inutilisar as c-
dulas dos votantes, ficando desde enlflo dis-
solvda a assembla parochial.
Dos guardo a Vmc. Palacio do governo
em Macei, 9 do agosto de 1819. -- Jote Ben-
I* da Cunha e Figueiredo. -- Sr. juz de paz
supplente da mes parochial do San-Miguel.
Neste momento (sete horas e meia da
manh3a) recebo o ofllcio que Vmc. me diri-
gi om dala de sete do crrente, participan-
Uo-mc haver-se o juiz de paz quoabando-
3ou a eleic3o recusado entregar a chave da
roa em que se achavam guardades as cdu-
las j recetndas dos votantes e mais apis
relativos a cleic3o, o de ler a mesa delibe-
rado abr-la em presenca da assomblea pa-
rochial, i i vi .nido disso um termo, allm de
poder continuar os trbateos como va pa-
cificamente cunlinuando. E, eslranhan-lo
muito que Vmc me n3o houvesso commu-
ufc.ado usa oceurroncia nos seus primeiros
bflicios, nbslenho-mo agora de manifestar
mulla opiino a respeilo por considerar o
acto jconsummado,epertencer por asosua
apreciacao a outro podAr, cujo conheei-
menlo vou submelter; ficando, porin, da
parte de Vmc. envidar todos os seus esfor-
I,-,..: nara aue u.lo scniiltiuliquem as emer-
e8u\eW
MUTILADO
*rStotea^-,5!fflSLiws;
embarcou uo mesmo dia para I


Quinto, porm, consultr que Vmc. me
faz fia amito lar Je) sobre se.comparecendo
osdous membros da mesa que se ausenta-
ra, devom tomar assenlo, sou a dzer-lhe
i|iie, logo que ellos te apresentom em qual-
quer estado da eleic3.o,toem o direito do ex-
cluir os seus substitutos, do mesmo modo
que acontece a respeilo do juizde paz, co-
mo ja expliquei nos meus cilicios ante-
riores.
lieos guarde a Vmc. Palacio do governo
em Macei. 9 di- agosto de 1819. ioi Den-
lo da Cunha e Ftqueiredo. Sr. juiz do paz
siipplente, presidente da mesa parochial de
San-Miguel.
Fico de posse dooflicio que Vmc. me
dirigi cm data la 7 do correrte, partici-
pnndo-me osticccsso das eleices. De lu-
do leo ciento, o no entretanto nfio posso
deixar de louvar a inancira prudente com
que Vmc. se tom portado, o muito me sa-
tisfaz quo hnjom produzido saudaveis re-
sultados as providencias que dei ISo em
tempo. i
lieos guarde a Vmc. Palacio do governo
em Macei, 6 de agosto de 1849. ot lin-
io da Cunha Figueiredo. -- Sr. juiz de paz,
presidente da mesa parochial da Alalaia.
lio mesmo teor ao juiz de direito da co-
marca da Atalaia.
-- Tivo participoslo do que lem occorri-
do nessa villa na funcefio das eloicOcs. .Yin
posso deixar do louvar a Vmc. pelo modo
rom que se cooiportou nessa occasifio, pro-
curando icstabelecer a ordem e desarman-
do os amotinadores : orduno-lhe que con-
tinu a urrslara frca ao presidente da mc-
sas. o nfio entregue sem segunda ordom as
urinas <|iie fram tomadas ans perturbado-
res do sucego publico, e receba do delegado
toda nionicnn deque ello so ada de posse.
i\'o caso de Vmc. retirar-se logo depois de
acabadas as cleicOes.eiitreguo o commau lo
do destacamento ao alferes Luiz Antonio
Cucrrciro Drago.
Dos guarde a Vmc. Palacio do governo
em Macei, 9 de agosto de 1849. ot lien-
to da Cunha e Figueiredo Sr. capitOo Joa-
quim Jo.s dos Santos, commaiidunto do des-
tacamento da villa da Alalaia.
<2<
PERNAMBUCO
l'LEICAO DE DEP1ITADOS PROVINCIAES.
Ilesumo ila volado conhecida, menot a do
collegio do Salgueiro.
os sns. VOTOS.
' Pedro F. de P. Cavalcante Albuquerquo 774
Manoel tle Souza Teixeira
liarSo de Suaaauna
Jos Pedro da Silva
Antonio Carneiro Machado Rios
Francisco do Reg Itarros llarreto
Joaqiiim'Manool Vieira de Mello
l.uiz Paulino Cavalranle Vcllcz de G.
Jni Nicolao Reducir Costa
Mm oel F. de P. Cavalcante do Alliuq.
Jos Ignacio Soares de Macedo
Fnbio Vello/o da Silvcira
Joilo de Caldas llibelro Campos
Francisco Raphael de Mello liego
Jnflo du Reg Barros Ka lefio
Florianno Correa de llritlo
Jos Qiiintinn de CasJ.ro Leo
l.ourenco Francisco 'te Almeida C.
Pedro Gaudiano de Ralis e Silva
l.eoiiHido Bezerra do Siqueira c,
Ignacio Joaquim deSuuza Lefio
Francisco de Paula llaplisla
Jos Antonio Lopes
Antonio Baptista Gitirana
.lofio de Souza Res
Domingos Malaquias do A. P. Ferreira
Joilo Florines Das Hnrrelo
Rodrigo Castor de Albuquerquo M.
Jos Flippc de Souza Lefio
Jos Cardse de Queiroz Fonseca
Francisco Joan Carneiru da Cunha
Manoel Joaquim Carneiru da Cunha
Francisco de Paula Rodrigues de A.
Antonio Jos deOliveira
Francisco Rodrigues Sello
Joilo Jos Ferreira de Aguiar
Francisco Xavier Pacs Brrelo
Alexandre Bernardino dos Res e Silva
Umbelino CucJesde Mello
Joaquim Pinto de Campos
Antonio Menezes Vascoucellos de D.
Jus Baudeira do Mello
Augusto Frederico de Oliveira
Jos Francisco da Costa Gomes
Cosme de S Pereira
Miguel Arclianjo da Silva Costa
Joaquim de Aquinu Funseca
Silvestre Antonio de Oliveira Mello
Nemczio de San-Jofio Gualberto
Rodolpho Joilo Barata ile Alu.cida
m.ii o Coelhu Cintra
lleiculano Connives da Rocha
Firmino Pereira Monteiro
Jos Pedro Vellozo da Silveira
Auiaio Caineiro Bezerra Gapaleante
liento Jos Fernandos Barros
Domingos de Souza l.eilo
Victoriano de Si e Albuquerquo
Antonio deS Cavalcante Litis
Antonio Jos de Souza Comes
Jos Francisco de Paiva
Alvaro Barbalho Ucha C.
Antonio Francisco .Pereira de C.
Antonio Francisco Concalves G.
Simplicio Antonio Mavignier
Joaquim de Souza Reis
Francisco de A. Marunhfio C.
Alfonso Peres de A. Maraulifio
Miguel Felippe de Souza Lefio
l.ourenco bezerra Carneiro da Cunha
Florencio Jos 'arneiro Monteiro
Francisco Jaciutho Pereira
74.1
95
61S
578
513
535
530
522
682
515
509
490
488
470
454
454
436
431
427
424
423
419
417
416
406
403
394
391
372
370'
368
367
364
359
356
354
350
343
349
316
312
312
311
309
303
302
300
296
295
287
279
278
276
271
267
267
267
262
254
250
250
246
246
215
244
241
238
236
236
m
233
llillil HE PEH.YUbTCII.
BZCIFE, 2 DE OTBIIO DE 1849.
Pela barca Elita-lhoniton quo, proceden-
te de Liverpool, entrou ltimamente cm
nosso porto, lecebmos os nmeros do TU
mea de 5 a 17 de agosto.
As noticias que nelles encontramos, slfo
as mesmas que, ja publicamos, extrahidas
de peridicos portugnezes ; apenas acres-
centaremos que os Hngaros, alm de va-
rias outr>s vantagens alcancadas sobre os
imperialistas, entraram ltimamente em
Raab, onde acharam 80,000 barra de ceva-
da, 100,000 ditos de farinha de trigo, urna
enorme quantidade de arroz, a,400 cabecas
de gado, 40,000 cunhetes com inoda de
cobre, 50,000 fardamentos completos, & o
que as cmaras prussianas foram abortas
no da 7 do agosto pelo condo de Brando-
burgo em nomo do rei Frederico Guilher-
me, lendo o dito condo nesta occasiflo a se-
guinto falla :
Srs., S. M. o rei ordenou-me que abra-
se as cmaras em seu nome.
O ministerio saoda o momento que llie
da a satisfaefio de apparecer peranteos re-
presentantes dopaize face do poyo para
explicar os principios pelos quaes se tem
dirigido em sua politica.
i Nos consideramos que era de nosso
piimeiro dever resistir com toda a frca e
poder a esse governo de terror que um par-
tido audacioso linha comegado a exercer
na Prussia e na.Allemanha Nos procura-
mos restaurar essa paz e ordem quo tflo
profundamente tinliaiu sido abaladas ; po-
len, igualmente decididos determinamos
crear, pelo reconhecimenlo das nocessida-
des reaes o justas reclaraacOes da nacfio,
urna satisfaefio permanente, e tirar por este
meio lodo o pretexto e occasifio para novas
tentativas de revoluefio.
* A (irme orgauisa<;o da ordem civil de
nossa patria lio o nico meio pelo quala
confusfio da condiefio politica da Allems-
nlia pJe ser impedida.
a Porm, convencido de qusa formaefio
de urna federacilo germnica com o poder
que necessariamenle Ihe pertence, e a li-
bcrJadc popular com ella estabelecida, era
da maior importancia para o futuro da
Prussia, o governo de S M. se considerou
olirigado a alcanzar este grande lim de
urna maneira honrosa e legal. Nos evita-
mos at a apparencia de urna compulsfiu
intencional sobre os dilTercntes governos
da Allemanha ; e, confiando na sabedoria e
dediraefio dos principes, assiin como no es-
pirito nacional o sentiuiento de justici do
lodo o povo da rara allemfia, procuramos
apressar, por meio de um aecurdo volun
tario, essa regeneracao politica da Allema-
nha que ncnlium estado allemfio po lea
por muito lempo resistir.
O reslabelecinienlo da ordem civil, cu-
jo fecho be a ci cacao de um estado federa-
tivo allemlo, foi por nos considerado co-
mo o obiecto principal para o qual nossos
esforcos deviam ser dirigidos.
Sempre que a niissao histrica da Prussia
eligi della sacrilicios extraordinarios, nunca
esqueceuios aquelle velo e dedicafo em que
de lempos iiiiineinu iaes nosios inonarchas
leeni rivalisado com seu povo.
Esperamos, senliorcs, que nao julgarclj
iiuss.i; actes una una, mas que as consi-
derareis em sua coiiiiexno' gcial, e que pesa-
reis os resultados com referencia s dillicul-
il.oles que para alcan;a-los foi preciso vencer.
Vos sabis, senhores, que, conforme as
conilifes dos tratados existentes, a assisten-
cia do poder armado da Prussia fui solicitada
pelos estallos germnicos alliados coiunosco
para a suppressao da rebrillan, nelles manifes-
tada ros sabis tambem que esta assistencia
foi felizmente dada, e que ella contribuio para
preservar arenme da Prussia por meio do
espirito que anima o seu excrcito.
O lierdeiro presumplivo do throno a fren-
te do excrcito acompanliou-o em seus perigos
e trabadlos, c um joven,principe da casa real
derramou seu sangue em suas lucirs.
Postoque nfelmiienle se mallograran os
esforros que llzcinbs para liegnr a una aecur-
do com a assemblea nacional acerca da direc-
rao que as circunstancias tomaram cm Franc-
fort, todava o governo de S. M. rccoulicccu
livremcntc o valor dos trabadlos desta corpo-
rac-rlo ; e o que ella fez com tanto ardor e zelo
para o complemento da mus ti miran foi por elle
adoptado para a base da sua obra, cinquanln
isso pareceu consistente com o bem de toila a
Allemanha c os direitos das diversas partes iu-
teressadas.
A unidade da Allemanha, incorporada em
um poder execulivo, o qual com digmdade e
poder represente un exterior seu nome c in-
teresses, e a liberdade da natan germnica as-
segurada por nina .-is.embira popular com po-
der legislativo, tal foi sempre e he aluda o
alvo de nossos esforcos.
Nos temos reconhecido estas duas condi-
ces como perfeitanirntc consistentes coma
segura existencia politica das soberanas ger-
mnicas. O esbofo da eonilituleio da fede-
raciio prova que nrnlium sacrificio seri exigi-
do da integ id.ide da Prussia, i>u dos outros
estados allemaes, alm daquellcs que sao in-
separaveis do estabeleciiiiento de um i coufe-
dera;ao vrrdadciramrnte nacional.
Para este fim negocia^ilcs tecm sido en-
labolsdas com os idenipolenciarios do go-
verno germnico, e o progressoj feio, do
qual a cmara ser plenamente informada
por meio dos documentos que Ihe hilo de
ser apresentados, justifica a esperanca que
enlrelomos de que nossos osfor<;os,ajudaiios
pelos hotnens illuslr^dose amigos do paiz,
especialmente pelos que uqui seacham reu-
nidos como representantes do povo prus-
siano, uo serao baldados.
a As paixes que na priuieira melado des-
te anuo se dcsenvclveram sobre a soluefio
da quesillo constitucional da Allo.iiauha,
acham-se j acalmadas; considerac,0es mais
prudentes orcupam agora os espirito!, o a
demora necessaria que lem lugar na convo-
caefio descamaras lera ueste respeito boas
consequencias.
Tendo sido impossivel effeituar a con-
vocarlo das cmaras no lempo marcado pe-
lo artigo 49 da constituiQfio, em virtude dos
successos deploraveis que occorreram em
m a i o ilo correnle anuo, examinamos a le
de eleiQflo do imperio, c pelos defcttes que
tiveram lugar, convencmo-nos de que urna
modilicacilo dos decretos de 6 e 8 de dezem-
arligo105 da constituiefio serfio inmedia-
tamente a presentadas. Esta actividade ser
reclamada principalmente pela revisti da
constituiefio, pela consideraefio da nova lei
municipal, das leis para os districtos, paro-
cliias o provincias, assim como de outrai
mais que sSo necessarias.
a Aconlecimenlos bem condecidos, que
fram o resultado de um periodo de excita-
cao, induziram o governo a suspender por
algum lempo e para alguns districtos, con-
forme o artigo 110 da conslituicfio, certas
leis fundamentaos, e como doloroso nos foi
recorror a osles meios apressar-nos-hemos
a justifica-tos perante as cmaras.
A respeito das financas, podemos dizer
o mesmo que dissemos s cmaras em sua
primeira reunifio. Nfio obstante os grandes
sacrificios pecuniarios que successos extra-
ordinarios hilo reclamado, podemos dizar
com satisfaefio que o oslado de nossas fi-
nancas lio lisongeiro. A prosperidade de
nossa Ierra nfio foi tilo] abalada, que os
meios do nosso thesouro nacional nfio cha-
guem para satisfazer exigencias anda maio-
res, sem reenrrermos a experiencias finan-
ceiras, ou imposiefio de novoi tributos.
As obras publicas teem lido um progresso
nfio interrompido. O governo far propos-
lasescamaras para dr ampia occupaco a
umitas miios industriosas.
a as relacOes da Prussia com as poten-
cias eslrangeiras nenhuma mudanza des-
vantajosa tem occorrido.
Por meio do ajuste de um armisticio, e
de condicOes preliminares de paz com a
Dinamarca debaixo da mediaefio da Gran-
lirelanha, foi aberto o caiuinho para a ter-
ininacii dessa guerra que, alm das com-
plicages possiveis com as outras potencias,
impuuha os mais pesados sacrificios, os
quaes, so conlinuassein por mais lempo,te-
riam sido insuportaveis para o commercio
de nossas provincias septentrionaes e ori-
entaes, entretanto que debaixo das cir-
cumstancias existentes oxigia despezas mui
conslderaveis. Os papis relativos a este
negocio serfio apresentados s cmaras. To-
dos os desejos dos ducados do Schleswig e
llolstein nfio poieram ser salisfoitos.
As relaces internasda Allemanha se-
rfio desenvolvidas com melhor sucesso
proporefio quo frotn reguladas as nossas
relaces com os outros membros da grande
familia europea dos poros e estados, eque
as peiturbacos internas actualmente exis-
tentes as uutras naces froin substitui-
das por urna ctidicSo mais regular e se-
gura.
Entre as muitas rasOes que tornam no-
cessario que as cmaras comecem nnme-
dialamonte seus lrabalhos,e os co.icluain no
mais curto periudo possivel, a convocarlo
da primeira dieta germnica oceupa urna
postilo preeminente. Para levar a obra da
consiituicio a um fim immediato he mister
que us cmaras, segundo urna proposta de
S- AL, a qual logo ser'promulgada, elejam
a meiade dos membros da Prussia e do
Staalen-llaus O governo far ludo quanto
estiver ao seu alcance para ajudare facili-
tar a actividade das cmaras. Por ordem
duS. M. declaro abortas ss cmaras do rei-
no, e convido os depu'.ados da primeira
cmara para proseguirem em seus traba-
Ihos, o os da segunda a que passem a cons-
tituir sua assemblea.
San-Ualheus Sumaca brasileia* Flor-da-
Victoria, capitffo Pedro Lopes do Murca
l.ouro, em lastro.
Baha Brigue ioglez Kunnymcde*, capitfio
Samuel Provoso, carga a mesma que
trouxe.
EDITAES.
brodo autillo prximo lindo deva ser cf-
feiluada. O governo nfio privou a nenhum
cidad.lo do direito de eleicfio que lite foi o ti-
to rga do ; porm procurou nfio smenle suli-
trahir este privilegio da maior considera-
efio politica. influencia do impuro espirito
Ue partido,afdenando apublicidado do vo-
ta, se tifio tambem fazer desapparajBr, pela
formaefio de tres secces de eleltorll a con-
tradicefioapparento em quenl^oraosuf-
ragio universal tem permanecida com as
relacOes reaes da vida. Conscios da res-
pe nsubtlidadc extraordinaria que pesa so-
bre nos por lodos estes-actos, explicaremos
completamenU-as rasOea de nosso procedi-
mento om una proposta*Sjpecial,
O governo nfio se dejeuidou tambem de
procurar prevenir a voJfJ panarchia por
meio de leis ese^ciaatfj^lle^poz termo ao
perigo urgentede um continuo Auo das
liberdades do povo, e ao mes ni o jflipo Ira
tou de prrencher provisoriam^nMHlgumas
das lacunas de nossa legiritt}llo, adoptando
as medidas que se tornaram uocessar ias-em
coiiscquencia da mudanza das circunstan-
cias ; ello er ler prevenido toda a pertur-
bac/io da actividade das cmaras, a quem
todas as leis feilas de conformidade com o
Correspuiidcncia.
Sn. redactoret. -Venho pedir-lhes aus-
tro hnlias no seu apreciavel jornal, procu-
rando arredar de mim, perante o publico,
a responsabilidado da censura,, alias just-
sima, que contra os empregadot da repar-
linlu das ubrat publicas fulminnu um ollico
do l-Ain. governo da provincia, publicado
boje na parte ollicial do seu u. 219. Con-
fess-indo, como hei feilo, que a censura foi
muito merecida, cumpre s observar que
ella nfio se pode entender com os empre-
gados da cscripluracfio o contabilidade, os
quaes nada administran), nem vigiam, iiiiin
inspeccionam. Se n'outro tem.po um em-
pregado da contabilidade houve, que n'a-
qdella repat tieo foi Alpha e Omega em lo-
dos os actos, senhor e aibilro.-islonfio mo
peilence, nem pdc perlencer aos meus ac-
tuaescompanlieiros, para cujo testemunho
appello no que digo a respeilo do passado
o quanto ao presente, cala um se limita ao
que Ihe incumbe o rogulsmento. Se ge-
nerosamente dentro da reparlicfio nos Ira-
tamos de reorganisar o que flcou bem es-
trangulado, eo faiemos com dignidade e
discernimento, no publico, quanto por
mim, amo o andar...Por cunclusilo de tudo
direi, senhores redactores, que s depois
da recepto do officio da S. Ex. he que sou-
be que exista na Tacaruna um guincho
da reparlicfio des le do tempo da engo-
nhariu do Sr. Carvalho Mendong, ou an-
tes.,..Basta o exposlo para niinha resalva :
ser mais explcito, seria compromeller.
Agradecellieso seu obsequio
Joo Baptitta de S.
S. G ,2denutubrode1849
CWIMEtsl.
AI.F-VNDEGA.
Rendimonto do da S.....13:304,255
CONSULADO GERAL.
Rendimento do da 9..... 143,213
CONSULADO PROVINCIAL. M
Rendlmenlo do dia 9. 175,714
>: o vintenio do orio.
Navios entrado* no dia i.
Liverpool 33 Has, galera inglesa Bonita,
de 299 toneladas, capitfio William Kelly,
equipagcm 24, carga fazendas ; a Deaue
Youloi Companhia.
Parahiba 8 dlf hiato brasileiro Santa-
Cruz, de 34 toneladas, capitfio stovo
Mendos da Silva, oquipagem 4, carga lo-
ros de mangue ; ao capitfio.
dem 5 das, hiate brasileiro F.tpadarle,
capitfio Victorino Jos Pereira, equipa-
gem 5, carga toros do mangue; a Joa-
quim de Oliveira. Passageiros, Vicente
Jos da Silva Lima, Francisco Jos da Sil-
va
Go
d
Francisco Severino de Mores, Brasi-
leiro. ^
Naviot tthidot no mtimo dia.
Macei Rarca Ingleza Brolhcrt, capitfio
John Droo, em lislro.
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumpriment da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia
de 19 do corrente, manda fazer publico
que, perante o tribunal administrativo da
mesma thesouraria, se hilo de arrematar
nos das 3 o 4 do outuhro prximo futu-
ro, a quem por menos fizer, os concertos
da oonto da Passagem-da-Magdalena, ava-
hados em 246,400 rs. o sb as clausulas es-
peciaos abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem esta arre-
matac.lo, comparecam na sala das sesses
do sobredito tribunal, nos das cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou adixar o pre-
sente e publicar pelo Divio.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 20 de setembro de
1819. O secretario, Antonio Ferreira da
KnnunciacaB.
CoNGERTOS DA PONTE DA MAGDALENA.
Claumlat etgeeiaes da arrematacio.
1.* Os colicortos da ponte da Magdale-
na serio feitos do modo indicado no orca-
mentoapresentido nesta data approvacfio
do Exm. Sr. presidente, e pelo preco de rs.
246,400.
2.a As obras principiarfio no prazo de
20 das, e conclur-se-hfio no de um mez,
ambos contados de conformidade ao artigo
10 do regplamentode II dejulho de 1843.
3.* Toda a madeira aera previamente
examinada pelo engonlieiro, e, approvada,
lavrar-se-ha um termo.
4.a O pagamento do importo da arre-
mataefio realisar-so-ha depois de concluidos
os concerlos e examinados peloengenheiro.
5.a Para tudo o mais que nfio est de-
terminado as presentes clausulas especiaes
seguir-se-lia inicuamente o que dispOe o
precitado regulamento.
Gabinete dos engenheiros, 18 de setem-
bro de 1849.O engenheiro, I. L. Vielor
lieuthier.
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
de 19 do corrente, manda fazer publico que,
perante o tribunal administrativo da mes-
ma thesouraria, se hilo de arrematar nos
dias 3 e 4 de outuhro prximo futuro, a
quem por menos fizer, os concertos da pon-
te dos Afogados, avaliados em 555,500 ris
e sb as clausulas especiaes abaixo decla-
radas.
As pessoas que se propozerem esta
.arremataefio, comparecam na sala das ses-
ses do sobredito tribunal, nos dias cima
indicados, pelo meio-dia, competentemen-
te habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o pr-
senle, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 20 deselemhrode
1849. O secretario, Antonio Ferreira da
Annuncidcdo.
CONGERTOS DA PONTE DOS AFOGADOS.
Clausulas especiaes da arrematacio.
1.a Os concerlos da ponte dos Afoga-
dos serfio fei(os de conformidade e do modo
indicado no or'camenlo apresentados taen
data approvacfio do Exm. Sr. presidente
da, o pelo proco de 555,500 rs.
2.a As obras principiarfio no prazo de
um mez e concluir-se-hfio no de dous mo-
zos, ambos contados de conformidado com
o artigo 10 do regulamento das arremata-
dos de 11 de julho de 1843.
3.a O pagamento do importo das obras
realisar-se-ha depois de executados os con-
certos examinados pelo engenheiro.
4.a A madeira ser previamente exami-
nada pelo engenheiro, e, approvada, la-
vrar-se-ha um lermo.
5.a Para tudo o mais que nfio esl de-
terminado as prsenles clausulas espe-
ciaes seguir-se-ha inleiramenle o que dis-
pOe o regulamento das une mata enes de II
dejulho de 1843.
Gabinete do engenheiro, 17 de setem-
bro de 1849. O engenheiro, J. L. Vctor
Lieuthier.
Pela inspectora da alfandega so faz pu-
blico que, no dia 3 do correnle, depois do
meio-dia, na porta da mesma, se tifio de ar-
rematar em hasla publica tres duzias de
earleiras com capa do cbifre, por factura a
du/.ia 5,0110 rs total 15,000 rs e pentes
de tartaruga para tranc, um 3,500 rs., to-
tal 31,500 rs., impugnados pelo amanuen-
se Gabriel Alfonso Regueira, no despacho
n. 502 : sendo a arrematado subjeita aos
direitos.
AlfanJega de Pernambuco, 1." da outu-
bro de 1849. lacome Gerardo Varia l.uma-
chide Mello.
Pela inspectora da alfandega se faz
publico que, no dia 3 do crrente, se hilo
Je arrematar cm hasta publica a porta da
alfandega,dopois do meio-dia, 37 peca de
panno de algodfio cru liso de 15 jardas a
peca, 158 varas singlas de 24 pollegadasde
largura, 275 varas, (4) vindas de Liverpool,
no navio Sword-Flih, a requerimeuto da
parlo, por se acliarem com avaria feral, na
forma do 4 do ai ligo 263 do regulamento;
sendo a arremataefio livre de direitos.
Alfandega de Pernambuco, 2 de outu-
b o de 18.49. Jacomt Gerardo Uaril.umm-
chi de Milla.
Monteiro, commendador Manoel de Sou?
Teixeira, Antonio Carlos de Pinho oreeT
Jos Marques da^ Costa Soares, Augusto Fre'
derico deOliveira, Amaro de Barros (;0r
reia, Francisco Ignacio de Athayde, VCn
te Antonio do Espirito Sanio, l.uiz Antn
Rodrigues do Almeida, desembargador j.
ronymo Marliniano Figueir de Mello. j0,
quim Jos da Costa, Joo do Rogo Birr*
Falcfio, Joj Antonio dos Santos e Sih
Caetano Mendes da Cunha Azovedo, padr.'
Albino de Carvalho Lessa, Francisco de Bir
ros Corroa, Marcellino Jos Lopes, jnJ
Marinho Pereira dos Santos, Simplicio j0,.,
de Mello, Francisco Antonio Cavalcante
i^gusseiro, padre Francisco Alves de Ahrjn.
tes, Jos Goncalres da Silva, Bento dos San!
tos Ramos, Joaquim Jos Ferreira da Penhi
Joaquim Rodrigues Pinheiro, Jos Mariano
de Albuquerquo, Dr. Jos Quintino de Cas.
tro Lefio, Jos Juaquim Antuncj, Jote Ka.
ria Freir Gameiro, Antonio Jos de Olivei-
ra Miranda. iluHno JosCorreia de Almei-
da, Anacleto Jos de Mendonca, Pedro Jos
Cerdoso, Maximiano Francisco Duarte
Theotonio Tiburtino Couro Dantas, Jorn
Vctor Ferreira Lopes e Joo Pinto de Le mu
Jnior.
SuppltnUs.
Os Srs. Dr. Alexandre Bernardino dni
Reis e Silva, Bernardo Jos Martina Perein
Ignacio Jos da AssumpcSo, Antonio Perc'
ra de Souza, Miguel Itiheiro do Amara!,
Bento de Barros Falcfio de Lcenla, o'y,
Policarpo dos Santos Campos, Francisco
Jorge iie Souza, Pedro Alfonso Reguein,
Jos Ignacio da Assumpcfio, Antonio t>r!
mano Cavalcante de Albuquerquo, Antonio,
Lopes Gtimarfies, Matbias Jos da Lapa, Id.
noel Caetano Barboza, Francisco de Lomoi
Duarte, Francisco Lopes Vianna, Jos Pan.
lino da Silva, Jos de Barros Correia Setu,
Anlonio Pires Galvfio, Alexandre dos Sanloi
Barros. Alexo Soares Pereira, Joaquim Jos
de Sanl'Auna, Joo do Monte de Jess, hk
Francisco da Lapa, Antonio Bernardino doi
Reis e Silva, Joaquim Mileto Marlz, Jo*
Thomaz da Silva, Zacaras dos Santos Bar-
ros, Jofio Miguel Teixeira Lima, Jos Xavier
Faustino Ramos, Luiz da Veiga Pessoa,
Themoteo Pinto Leal Jnior, Antonio Au-
gusto da Cmara Rodrigues Sette, Thomai
Anlonio Maciel Monteiro, Guilhermino de
Albuquerque Martins Pereira, Jos Ignacio
Soares de Macedo, Caelano Aureliano de
Carvalho Gouto e Antonio Machado Pereiri
Vianna.
Outrosim convido aos cidadfies qualif.
cados na ultima revisti para que compare.
cam no supramencionado dia e Irora a da-
rem o seu voto.
I'rimeiro disircto da Roa-Vista, 28 de se-
tembro de 1849. Eu, Franciieo di Barra
Correia, escrivSo o escrevi.
Anlonio Carneiro Hachado Hioi.
Ileclara^oes.
A administraefio geral das obras publi-
cas, por autorisaeo do Exm. Sr. presiden-
te da provincia, contrata a venda do ferro
da grade velha da ponte da Ba-Vista, sen-
do a despeza do peso e arrumaco por con-
tado comprador. Quem o quizer comprar
drija-se mesma reparlicfio qualquei
hora do expeliente.
Perante a adminislrscfio do patrimo-
nio dos ophos se hilo do arrematar i
z
nem mais der pelo tempo que discurra-
dia da arrematadlo ao primeiro de ju-
n ho do 1852 as rendas da casa n. 27 da rui
do Vigario ; e bem assim a quem por me-
nos fizer os concertos de que precisa o col-
legio dos or lios em 01 inda : as pessois
que so propozerem licitar sobre estas ar-
romatacOes poderfio] comparecer no dia 4
do corrente na casa de suas sesses s 4
horas da larde com seus liailores.
Secretaria da administraefio do patrimo-
nio dos orpl.fios 1." de outubru de 1849.
Joo Francisco de Chuby ,
Secretario.
Tlieatro de S.-Francisco.
DOMINGO, 7 DE OUTUBRO DE 1849.
CSAKDB B VARIADO ESeiXTACULO
a beneficio de urna Senhor nuca.
Depois de execulada pela orchestra, (que
ha de ser augmentada) dirigida pelo Sr.
professor Theodoro Oraste, a oplima sym-
phonia
A FILHA HO RKCIMKMO,
representar-se-ha o muito lindo e desojado
drama-vaudeville que tom por Ululo
ARTIIUR DEPOIS DE 16 ANNOS.
Eslo drama, alm da belleza do seu enre-
de e de algumas scenas jocosas, ternero ni
diversos coros de msicas cantados por oa-
rujos, arias o maia um coro cantado-por
oito senhoras, inclusive algumas meninas.
Entre as boas symphonias que se tiflo de
tocar, executar-so-ha a grande

O lenenti-coronel Anlonio Carneiro Machad'
Rios,Juiz l paz do primeiro dislricloda
Boa-Vista, tm virtude da li, eto. .
Foco saber que pela cmara municipal
me fra communicada a ordem do governo,
ftsra que no dia 28 de outuhro prximo fu-
turo leona lugar nrsta freguezia, assim co-
mo as domis da provincia, a eleicfio do
eleitores que teem de eleger dous senado-
res para preencherem as vagas deixadas por
fallecimento do concelheiro Antonio Garlos
Ribeiro de Andrada Machado e Silva e do
coronel Jos.Carlos Mairinck da Silva Fer-
ro, em ronsequencia do quo convoco os
,, Jos Joaquim Teixeira, Joaquim Jos eleilores e suppleutes abajxo declarados,
.oncalvcs, Portuguezes ; Jos Le.le RO- par. que compui-ec.m no corpo d. igrej
Irigues Chaves, Luiz de ranea da Costa, inalri2 no referido dia 28 de oulubro vin-
douro, pelas 9 boraa da manhfia, alim do ler
ugar a organisaefio da mess parochial.
Eleilores.
Os Srs. Dr. Antonio Peregrino Maciel
ZANETTA.
No fim do tirana o Sr. Sinla-ltosa o i
joven Felismina cantarfio o jocosa duelo
O J.OG.fJ|n,
Fiado esle as duas jovens Felismina e Je-
suina dungarilo o
PAS DE DEL'X ESCOCEZ,
vestidas a carcter.
Terminar o espectculo com a jocoM
/arca
O JUIZ DE PAZ DA ROCA.
Os senhores sslgnantes e mais pessoat
que pr. tenderen) camorotes pdem mandar
receber os carlOes na casa annexa ao tliea-
tro, residencia do director, puis ah estilo a
venda : s beneficiada nfio va mesmo pe5S0"
almenlo convidar aos seus proteoloies, pr
hiiver inconvenienies.
Principiar com a chegada das auton*
dudes.
..._____\_-*
Publicacao iilterar i
Cutas sobre a edueaefio de Cora segui-
dos de um cathecismo moral polito e reli-
gioso obra poslhuma do concelheiro W-
Jos Lino Cuulnhu e publicadas agora ni
Babia por Jofio Gualberto dos Pasaos 1 vu-
lume em oitavo preco 3,000 rs.
Esta publicaefio tem por fim melhorar a
oJucaQlo dos meninos brasileiros : he bon>
escripia e ntidamente impressa. Ela .*
I venda na livraria da ra da Cruz, no Beci-
|fe, n.56.


Avisos martimos.
Para o Rio-de-Janeiro sabe
no dia 'O c outubro o patacho
San-Jlos-Americano : para o res
to da carga, passageiros e escravos
. a frete, Irata-se com o capillo, no
!# raes da Alfandega, ou na ra da
31adre-de-Dof n. 3, terceiro
andar.
.- para oAss snhe, nestes oito dias, o
lirigue Santa-Maria-Ba-borle : quem no
mesmo quizer carregar 011 ir de passagem,
dirija-se o escriplorio de Manoel Goncal-
ves 'I Si'v. ou ,0 cepilfio n nonio do dito
navio, Tundeado ni toIU doFoite-do-Mal-
loi- ... j
_rra a Baha salte em mu poucos-dias,
por ler a carga quasi prompta, o hiate San-
oo : quem no mesmo quizer carregar, di-
rija-se a rus do Trap'che-Novo, n. 31, casa
de Novaes & Compendia. .
Para o Havre pretende seguir viagem
rom maita brevidade a barea franceza So~
rale, por ter a ana carga prompta : recebe
nicamente peseageiroe para o que tem
encllenles commodos : trnia-se com os
consignatarios da cneama barca, B. Lasser-
re & Companhia, na ra da Senzalla-Velba,
n. 138.
A barcaca Conctkie-dt-Mari; tundeada
defronte do trapiche do algodSo, sano para
a Paradina no dia 4 do correntc : quem na
nicsina quizer carregar para o que so (Ve-
tara por menos do quese cosluma pagar os
fieles para aquella provincia, dirija-so ao
mostr a bordo, ou a Mauoel Antonio de
Jess, na ru larga do Hozarlo, padtrii
o. 18.
A barca ingleza Louita, capilflo M.
Wycliery que segu para Londres at o
din5 do correte, tem excellcnlcs cotn-
modos para passageiros : os prelendentes
dinjHiii-se ao dito capitflo ,no armazem de
Uousley & Companhia, na ra do Trapiche,
n. 44.
Deslina-sea seguir viagem para Ango-
la com escala por Mossamedcs, com bre-
tidade, o hrigue brasiletro S.-tfaiwMu-
yusio: recebe carga a frete e passageiros
para-ambos os portos e tambem ser o seu
destino smente para Mossamedes, se as-
si ni convieraoscarregadores: trnta-secom
Manoel Ignacio de ol reir na pracu do
Commercio, n. primeiroandar.
Le loes.

N. O. Dieber & C. farao Icilio, em pre-
gones do cnsul argentino, por conta e
risco de quero pertencer, o por nterven-
clo do correlor Oliveira de umn porco
ilr cobre de forro veldo do brigue argenli-
no La-Plata, vindo de Uuenos-Ayres com
deslino a Antuerpia : quinta-feira 4 do
correte s 10 horas da mandila no trapi-
che do Cgelo. Em seguida immediata a
esle leilSo, e no mesmo lugar, vender-se-ba
so ii limite de precos O panno, macunes,
miislaros,-vargas, agulha de marear, un
sextante varios map as eoutrosohjectos :
ludo oulr'ora perlencente a um patacho.
C J. Aslleyt Companhia farSo leilflo,
por intervenirlo do corretor Oliveira, de um
perfeilo sorlimenlo de fazendas de seda ,
linho, lila e d- algoddo : sexla-feira, 5 do
correte is 10 horas da mandila em pon-
to, no seu armazem da rui> do Trapiche-
Novo._____________________________
Avisos diversos.
Frederico Cdaves, em resposta ao ulti-
mo anniincio da Sra. I) Alaria Antoinetlc
Aglae Tresse, diz-iho apenas que, tendo
S iic. declarado em o primeiro que ia tra-
tar de anudar a escriptura do arrendamen-
toque Ihe lizera deseu sitio, em S.-Ama-
ro se agua-da para nessa occasiao mos-
trar o embuste e falsidade de quo se regen-
teen seus annuncius c se comprometi a
presentar ao respeitavcl publico o resulta
do, ou dteisao dos tribunaes em defesa
sua e para confusilo de Smc Ese o Snra I).
M H ia ii.tn tratar de anu llar a escriptura,leu-
do dito contra elle o qup se ve do seus an-
nuncios entfio licar tida e havid.i por vil
calumniadora.
lio tal essa mulher que,temlo por si mes-
me dado a scu mano, o Sr. Carlos Claudio
Tresse, urna escrava com urna cria e uinas
ferramentas, tudo no valor do 1:300,000
rs. por escriptura de donlo que foi in-
sinuada, diz agora que Chaves, sendo sou
procuradora, obrigrj a dar dito Claudio
Tresse a quantia dea 000,000 de rs. em es-
cravos fra mullos movis.
I'"lederico Chaves nunca fez trinpolinas ,
viven sempra honestamente, e sua conducta
quenlto deshonra a sua familia o a seus
amigos he de lodos bem conhecido ucsla
i'ida io oodc existe desde a iJade de II
a unos.
Quem quizer comprar ilha de S.-
Miguel, urna porco de Ierra lavradis, sem
baldeus alguna eam muito bom lugar, di-
> ija-se a fu do CdWgio, n. 6.
I'reclsa-sc de 1:500,000 a 2 000,000 de
rs. a premio sobre hypothcca em urna ca-
sa terrea na ra do AragSo n. 20 : quem
quizer dar annuncie.
Para engenho.
Offcrece-se, para calxeiro de engenho,,
um rapaz brasileiro casado e de boa con-
ducta : no Aterro-da-rtoa-Visla, n. 78.
Urna criouta de meia idade so offerc-
ce par ser ama de urna casa de bomem sal-
teiio ou de poucs familia para o servico
deportasadentio: quem de seu preslinaf
se quizer utilisar, dirija-sc ra dos Mar-
lyrio*"n 38.
-- Na ra Nova, loja n. 58, se dir quem
ddimViroa premio ns quanlias de 200,
300 e 400,000 rs. com hypolheca cm casas
terrea":
Sexta-feira, 5 do correte, 6s4 horas
Ja lardo na porta da casa do Illm. Sr. I>r.
Vil da primeira Vara do civel, se ha le ar-
rematar de venda o sitio de Elias Coeldo
Cintra, na estrada do S. -Amaro desta cida-
*para a daOIinda por execucao quelde
Jlove AgostinhO Henriques da Silva : he a
ltima praca.
O ajudante docorpo de polica, Manoel
Porlirio de Castro Araujo mudou sua re-
sidencia para a ra do Sedo, n. 38.
Precisa-sede urna ama para pensar una
enanca dbannos: na ra do Sebo, n. 88.
Pela terceira vez se adverte
ao Sr. Joaquin Miguel, com oli-
cio de ourives, rpie v desoecupar
a casa de diada, na Biquinha, n.
16, se nao qner passar pelo des-
gosto de irem os tras.tes para um
deposito, por isso que j est tira-
do o mandado de arrombamento.
Precisa-sede urna ama forra para todo
oservico de urna casa de pouca famili \[: na
ra da Conceicflo da Boa-Vista, o. 44.
Hor telan.
Precisa-se de um bomem solteiro para
hortelilo n'um engenho distante desta pra-
ca 12 legoas, que trabalho pessoalmenle na
liorta ,e que seiba escrever, para durante
a safra ser caixelro do encaixamento de as-
aucar: quem esliver ueste caso, dirija-se a
loja do Sr. Minoel Gomes da Silva na ra
la Cadeia do Recire.
Precisa-se de um feitor para um enge-
nho distante 8 legoas desta cida le : no Aler-
ro-da-Roa-Vista, n. 63, segundo andar.
Roga-so aolr. tenente Pompeo Roma-
no de Carvaldo o favor de appareccr na ra
da Praia, n 32, a negocio que nao ignora.
()fferece-se urna ama secca para casa de
um iiomcm solteiro, preferindo cslrau-
geiro : na ra do Hospicio, n. 54, na Roa-
Vista.
Deniz, alfa ate francez mudou o seu
estahelecimento para o Aterro-da-Boa-Via
ta n. 38 aonde os seus freguezes o aeda-
rSo proupto para o seu servico
6r. alferes da terceira
classe Antonio de Moraes Finien-
te! queira ir a venda do Leao-de-
uro, no Hospicio, pagar um vale
da quantia de 56,900 rs. de gene-
raos e dinlieiro que o mesmo Sr.
deve ha 3 anuos; pois que, nao o fa-
zendo, ter de vero seu nome nos-
le Diario at* que a salisfjCi.
Quem precisar de urna ama parda de
meia idade para casa de um homein sol-
teiro, ou de pouca familia para o servico
de portas dentro dirija-se a ra do ro-
go, n. 47.
-- Quem quizer comprar bota cabras de
leite, ompareca lioje na praca da Indepen-
dencia, a fallar com seu dono, Luiz do Va-
lu Pe -i ira.
Piecisa-se de um pequeo hrasilero
para caixeiro de um armazem de familia, o
qual de fiador a sua conducta : na ra do
It ngel, 11.38.
Em 9 de dexembro do corrente anno
(Inda o arrendamento feito com os Snrs.
Juhnston Pater & C., do bem conhecido si-
tio do Arraial, do tinado Joflo Carlos Perei-
ra de Burgos : quem, perianto, o pretender
por um novo arrendamento do tres annos,
dirija-se ao pateo do Carino, n. 18, a enlcn-
der-se com o Burgos.
Pdese ao Sor. Thom Pereira Lagos
que por favor queira mandara resposta da-
quella caita que licou de a dar sem falta la
inuilos dias: esta oxigoncia se faz em con-
sequencia de ser sua morada muito dis-
tante.
Aluga-se um grande armazem com ser-
venta para a mar pequea, e porto de
embarque e desembarque: na ra da Seo-
zalla, n. 42 a tratar com S. J. Juhnston &
Companhia.
Aluga-se o armazem n. 4, n travessa
da Madre-de-Deos: a tratar no mesmo lu-
gar, n.6.
Amores e Saudades
lloga-se aos assignantes desta poezia que
queiram procurar seus exemplares no ar-
mazem de moldados, atrs do Corpo-Sau-
to,n.66. Tamlieiii seolferecem a todas as
pessoas apaixonadus do poezias ejemplares
desta obra por preco muito com modo, lle-
gada iiltimameiile do Itio-de-Jaiieiro.
-- Itoga-se aos Sra. ti. I., de O. C. A. de
C. C., eJ. It.daS. de pagarem o importe
doque tomaram em gneros de primeira
necessiilade na casa da ra do Itozario da
Boa-Vista, em 1816: islo no prazo de 8
dias, se nilo quizererater o desgoslo de
verem seus noines por extenso nesta folha,
occupucOes e importe das quanlias : na tra-
vessa da Concordia sobrado n. 5, das 6 s
8 lloras da mandila, e das 5 as 7 da tai de.
Alinetc de cornalina.
Perdeu-se no dia 23 do passado, desde a
ra do Hospicio, vindo pelo Alerro, at qua-
si chegara ponte, um alnelo grande de
cornalina encasloado em odro : quem o li-
ver adiado e<> queira restituir, dirija-se
typographia l.'nio, ra desle nonio, quealil
sedira a quem pcilence para recompensar.
Precisa-se alugar urna canoa, ou bar-
caca, que por grande mo perde : a fallar
no lugar dos Itemedios com Simifto Cor-
ris <;. valcante Macambira.
O Sr. ex cadete J. K. de A. queira quan-
to antes vir pagara conlinha que deve no
pateo do Coliegio, n. 6, visto nflo podr-se
mais com suas cassoadas; do contrario,
ver o seu noine por extenso nesla folha.
Antonio Joaquim de Almeida, Portu-
guez, muda seu nomo para Antonio
Joaquim deAlmejda e Cruz, por ha ver nu-
tro do niesmo nome. Kccife, t. de outu-
hi o de 18(9.
Aluga-se o segundo andar do sobra-
do da ra da Cadeia do llecife, por baixo
do Sr. I)r. Pinto cujo sobrado he o melhor
possivel: a tratar na praca da Boa-Vista ,
casa terrea n. 28
Deseja-se fallar a negocio de bastante
interesso, na ra da Cadeia do Recite, n.
24, luja de Cambio com os Sis. Joaquim
Jos Marques, Manoel Comes da Silva, Ma-
nuel de Amorim l.ima, l.uiz Itibeiro Uto
citado, Francisco Concalves Oim, Izidro
de Santa-Clara., Judo Itaptisla Viuira Cas-
tro Manoel Francisco da Costa Lobo.
Afen'cao.
Antonio Concalves de Moraes faz publico
que arrematou o contrato da afeneflo deste
municipio,. pira oque tem abertu a casa
na ra ya Assumpcno, n. 4 onde pdenlo-
concorrer os inlereasados das 8 horas da
manhaa s 4 da tarde.
Precisa-sede um bomem que nao le-
nba familia e que enteuda de planUQes ,
para tiabalbar em um pequeo sitio : na
Soledade, ra do Joflo-Fernandes-Vieira,
n. 24.
>3
Mr. Edoard de Janes queira vlr pagar
30,000 rs. aqu chegou. Mr. Gabriel lemhre-so que
ainda reata iagar-S0,000 rs pois he bastan-
te o lempo que se tem esperado.
Um moco ir.glez precisa alugar um mo-
leque que soja robusto para tratar de 9 ca-
vallos: na ra da Cruz, n. 62.
Quem precisar de um moco portuguez
para caixeiro de cobrancas ou para oulra
qualquer arrumando, dirija-se ra de S -
Francisco n. 33.
Manoel Joaquim Pascoal Ramos conti-
na !. receber escravos por commissflo para
fazer venda por conta de seus senhoios:
quem do seu presumo se quizer utilisar,
dirija-se ra do Collegio, n. 21, primeiro
andar.
D-so 1:800,000 rs. alwemio em todo
ou em paites sobre penhores, hypntdeca,
ou (Irmas, sendo estas duas a contento,
lelo lempo que se convecionar : na ra
Augusta ,' terceiro sobrado a esquerda ,
vindo do chafariz do Aterro.
Firmiano Jos llodrigues Ferreira, que-
rendo tratar de vender seus dous estabe-
lecimenlos de fazendas que tem no Passcio-
l'ublico, ns. II c19, rogaaos seus devedo-
res, tanto da praga como os de fra, (|ue
quanto antes venliaiti pagar seus dbitos,
alim de que com mais brevidade possa li-
quidar suas transaccOes ; esperando de seus
amigos assim o facam.
--Quem annunciou querer hypothecar
um obrado de dous andares em boa ra,
dirija-se ra estrella do Itozario, n. 43,
segundo andar, que sedira quem faz este
negocio.
Lotera do Guadalupe.
Sexla-feira, 3 do corrento, andam as ro-
das desta lulcria no consistorio da igreja da
Conceicflo dos militares, as 8 lloras da ma -
nham. Os bilhetes que restarem s se ven-
derSo al esta hora.
Precisa-se alugar urna escrava que sai-
ba bem fazer o servico interno de urna casa
o comprar na rus.: quem a tiver, dirija-se
ra doQuoimado, n 37, primeiro andar,
quo achara com quem tratar.
A sbaixoassignada,viuva de Jos do Mon-
te Lima, fazscienle ao respeilavel publico,
que na comprehensivo das trras, onde se
aeda erigido o engenho Agoas-Bellas quejse
Rodrigues de Olivawa Lima den a carga do
inventario que s procedeu nos bens de
sou casal pelo fullecimentn de sua mulher,
osla um terreno, o qul he indispulavel-
meute propriedade da abaixo assignada, e
dos orphiTos, sena fildos e lutellados, da
qual o mesmo Lima dolosamente seapos-
sou e nell Calvez leuda elifieadoparte da
obras do engenho; mas a ahaixo assignada,
confiada as leis do paiz e na inlegridade
dos ui/es, protesta desdo j por este de por
acedo competente em jur/.o defender seu
direito e de seus b'lhos, e reivindicar sua
propriedade, cojos ttulos bem clarse des
(Mnbaracai)os tem em seu poder. Recre,
28 de setembro de 1849 .luna Joaquina do
Naicimento.
-- Na noite do din 28 para 29 do prximo
passado furlaram do sitio de Albino Jos
Ferreira da Cimba no Manguinho um ca
vallo ruco-prclo, bastante magro e fuio:
quem o pegar leve-o ao dito sitio ou ob
run do Queimado, n. 6, que ser gratifica-
do com 50,000 rs.
Albino Jos Ferreira da Cimba mora no
Manguinho primeiro sitio passando a pon-
te lado esquerdo.
Prcisa-s de um caixeiro que enUnd
de negocio de venda e quo de fiador a sua
conduela : na ra da Cruz n. 37.
Arrenda-se um sitio com casa de so-
brado, no lim da ra dos Cutos, em Olin -
da : a iratar no mesmo sitio ou no enge
nho Forn'i-da-Cal.
-- Francisco l.uiz da Silva Jnior remelle
para o Itio-de-Janeiro, por ordem de seu
pai Francisco l.uiz da Silva, o seu eserravo
Cabriel.
--OSr. Bernardino l.uiz Ferreira, mora-
dor nos A Togados, queira mandar recehci
urna carta na livraria da praca da Indepen-
dencia, liviana ns 6 e 8.
B >mc barato.
Vende-so superior brim cor do ganga, a
1.410 rs o corto ; dito pardo trancado, n
1,280 rs.; dito dealgoJflo muito encorpa-
do e de cores escuras a 1,400 rs. ; esguifl"
de algodilo a 3,200 rs. a pac o a 320 rs. a
vara; fuslO sde cores de padrOes 'moder-
nos a 1,280 rs. o corle ; riicadlhhos mui-
dos, proprios para camisas c vestidos a
160 rs. ocovado ; cortes de meias casimi-
ras de padrOes modernos a 2,400 rs. ; dito>
de brim pardo de listras de linho puro a
900 rs ; o oulras fazenJas por barato pre-
go : na pr.ic da Independencia casa ama-
relia com fazendas, n. 1.
Vende-so um boneto com Balito e bor-
la de o uro dos que usam os Srs. oldciaes
da guarda nacional do Olinda por preQO
commodo: na iua do Queimado, loja do
chpeos, n. 38.
-- Vcnlein-sequalro vaccas prendes, -
costumadas a pastaiem amarradas, sendo
duas lliaa do pasto e de segunda liarngB,
2 garrotas e 1 garrote : ludo por 200,000 rs. :
quem quizer compra-las, dirija-se Varzca,
no sitio que foi do padre Manoel Florencio
e lioje ilo eirurgio Miguel Felieioda Silva.
- Vende-se, por muito commodo prego,
um cscravo crioulo, de boa figura bstan-
lo robusto e moco o que he proprio para
o servico de campo : na ra dn Cruz, n. 23 ,
arma/em da viuva Pereira da Cunta.
--Ven!e-s" um aderego completo para
senhora ; um hnhu/iiido de tartaruga todo
appareihado de prata liratf* anneis do
ouro para senbora : as Cinc )-Ponlas ,
n. 38.
JVavo ircm de cofcinh*
Vendem-se cbaleiras, pinellas, frigidei-
ras e CWiarolag de ferro forradas de porcol-
Iftna : na ra Nova, loja de ferr.igens, n. 16,
de Jos l.uiz Pereira.
-- U gerent> do cuntalo do rap prince-
za do Lisboa contina a vender esta bo.i
Pitada pelo mdico preco de 3,800 rs. cada
libra, dinheiro a vista, e nilo so lia a pessoa
algum, visto quo nflo he negocio seu o
nooi tem csiniats pus aaipregar em rtce-
bor cuntas ; assim como roga nova mente as
i, a 20.uo.-i rs. ii. lerii. ,, 1||()a sfl .,,,, a llevu,. im.
y,'???_!i!?!rI*?? 5: porl do.rap que levaram o favor deman-
darem alisfazer.
A "i00 res.
y a rita do Crespo, loja n. 14, de
Jos francisco Dias,
ven lem-se superiores chitas escura.s dera-
magem, cores multo las, par* coborts,
polo barato preco deinors. ocovado.
Na praca da independe -
(Iciiciii, loja do calcado
de dtias portas, n. 33
vendem-so sapatos doAr.icaly a 1,000 rs.,
s>pal"S de lustro ponteados ,1 4,.'i00 rs di-
tos de. beira encostada a 4.000 rs., ditos de
bezerro francez a 3.300 rs., sapatos.de ta-
pete a 1,320 rs-, pellesdo couro de lustro a
4,000 rs., ditas do bezerro francez a 3,20(1
I ris.
Ni run do Livramento n. 14, vendem-
so 500 varas de algodilo da terru a 200 rs.
| a vara ludo por junto.
O barateiro.
Na loja n. 5 A, di ra do Crespo ao pi-
do arco de S.-Antonio, vendem-se ricas
mantas de seda, a 6 e 8,000 rs. ; cortes dn
fiM.lo branconlcochoado: a 500rs.; dilos
de cores, superior azenda e lavoures in-
teiramente novos.a 1,280rs. ; riscadinhos
linos francezes proprios para camisa, com
5 palmos de largo e de crea fixas a 320
rs. o covado ; cortes de calcas de cores es-
cura.s e de fazenda encorpada de 1.000

Compras.
Compra-so um braco de halane-i com
conchas o alguns pesos grandes : na ra da
Madro de-D.-os, venda n. 14.
--Compra-so um candieiro francez, de
duas ou tres luzes para venda : na ra de
Hurtas, venda n 53.
Coiii|iiy~m- un si Illm inglcz
queeslej em muito bom estado :
quem o livor annuncie.
Compra-se urna obra do moral do Mon-
te segunda edic-lo : na ra do Cadeia-Ve-
Iha, n. S.
-- Compra-so um fazenda de gado no
scrt3o de Cariry, a beira do rio Parahiba ,
sendo o lugar bom para criar leudo casa ,
curraese trra nicamente quanto baste ,
com algum gado de produces^ e que seja
distante desta praca 50 legoas pouco mais ou
menos: nesta typographia se dir quem
compra.
Compram-se pares de brincos de ouro
de Ici do 3 a oitavas; anneloes que sir-
van) para senhora ; una pulseira que nao
seja anliga : na ra do Cabug, n. 1 C.
Compra-se una pela o um prelo de
40 a 60 annos com tanto que o preco seja
commodo : na ra do Collegio, u. 21, se di-
r quem compra.
Compram-se ourefos de panno Roo :
n praca da Independencia ,. n. 19.
Vendas.
Vende-se o supeiior rap Paulo-Cordei-
ro que he quasi igual ao rap princeza de
Lisboa por commodo preco: na ra da
Seozlla-Nova, n. 40, primeiro andar.
Vende-se um terreno com alicereea em
F6r-de-Portas ao p do Pilar, junto a ca-
sa do Antonio llodrigues Lima : a tratar na
ra da Cruf, n. 47.
fta ra Nova, ii. 15
vendem-sos eis escravos de bonitas figu-
ras, com habilidades ; duas pardas e urna
negrinhade 11 annos, muito linda, pro-
pria para se educar ; um molccnto de 18
annos, bom cozindeiro o do dos conducta,
o que se adunca ao comprador.
Chapeos de sol,
de soda, pretos e de ciUas, para homem o
icnliorn milito bons: vendem-se na roa
Nova, n. 39, segundo endar por cima do
cabcllereiio em porciio e a retaldo. Na
mesma casa cobrem-see concertam-se ch-
eos d sol e bengalas para os quaes tem
boas sodas e panno: tudo por preco com-
modo e com muita brevidade.
- Vende-so urna escrava de muito boas
qualidailes, equa colinda soOMvelmente,
engomma o lava, accrescendo ser humilde e
de boa conducta : d so a contento : no pa-
teo do Carmo, n. 9, segundo andar.
Vendem-se pecas da mndapolflo com
20 varas, muilo encorpado e com um pe-
queo toque de avaria a 2,400 rs. ; ditas
limpas ,a3,090rs : na ra do Passeio, lo-
jin. 17.
--Ven.le-se urna armado de venda com
todos os seus pcrlences e dous caixoes de
amostras : tudo a moderna : a fallar na ra
das Cruzes, n. 41, com 0 Sr. Bastos.
Vende-se superior holach-
nlia deararuta, recenlemcntcche-
gad do Rio-de Janeiro: no caes
da Alfandega, armazem de Ja-
cellar.
Vende-se, na na da Aurora, n. 4, un
terno de tambores com rodetes e aguilhocs,
por 300,0110 rs. o lernos do carretas sollis
para os mesmos a 20,000 r*. o temo.
Vende-se vindo engarrafado li
los annos o mais superior que ha to mer-
cado ; azeite db carrapatn a pataca a gar-
rafa ; vinlio du Figueira a moia pataca a
garrafa : na ra das Cruzes, venda n. 20.
Vende-se um cscravo de nacito Costa ,
de 40 anuos, proprio para algum sitio por
disso entender por preco commodo: na
ra da praia, n. 47, das 8 s 10 doras da
mandila.
> Vende-se, por pieco com-
modo, tima casa terrea na rita de
San-(>oncallo: no Atcrro-da-Bi-
Vi'-la,n ,7, primeiro andar.
.-Vende-se superior farinda de trigo,
cm meias harneas: na-ra da Cadeia do
Recre escriplorio do Dean Youlo panhia, ou no primoiro armazem do decco
do (encalves.
A r.'iO rs.
>'a ra do Crespo, n. ft^,
lojade Jtm Francisco
Dias.
vende-se bamburgo muilo fino com 3 pal-
mos c meio de largura e com mistura de
algo dito, pelo barato preco de 320 rs. a
vara.
Salsa-parrilha de Sarids
para remover e curar radicalmente to-
das as enfermidades que proceden! da im
pureza dosangue, ou habito do systema.
I sin medicina esl operando constanle-
meii
T
i
co
los
b
I
sando nojo n si mesmo, e a quem o ser.ib,,
h'cnu perfeilo. Cenlenares d2 pessoas ^oTSlW^ri^
tinhamsoffrido( por annos, a ponto de de- "..'nhore*
sesperem da sua surto ) mnleslias cutneas, "re peniion.
glndulas, rlieumalisino rhronico e muilas) f| DiralCirO*
outras enfermidades procedentes do desar-j [ya loja'n. 5 A, da ra do Crespo, ao p
lo arco de S.-Antonio, ainda reata ni para
corles de cassa de 2,500 o
das por pieco mais commodo do que em
ranjo (ios orgosde secrec,ao o da circula-
clo. leem-se erguidoquasi milagrosamente ye'M"ier'aigunsc<
do Icito da morte, e huje, com constituc>s 3 noo rJ S11per
VENDE-SK urna commenda da ordem
de Cristo: no pateo do Terco, no segundo
andar do sobrado n. i.
? POSTUMAS DA CMARA.
Vendem-se posturas da cmara munici-
pal do llecife a 480 rs. cada um exemplar:
na livraria ns. 6e8, na praca da Indepen-
dencia.
Vende-se cera de carneaba ordinaria ,
a 4,000 rs. a arroba em purcSo de meia
arroba para cima: tamben, se vende um
sixilho anligo para alcova : na ra de
(tortas, n. 112.
Vende-se urna parda escura de boni-
ta figura costureira, engommadeira e co-
zinbeira cuja conduela so alianca por
sor exemplar ; urna negrinjia de 7 anuos,
muito bonita: na ra larga do Itozario,
loja n 35.
regeneradas, com prazer altestam a elllca-
ciadesta incstimavel preparaco
Comqiianto Icnham apparecido grandes
curas al aqu pruduzidas pelo uso desla
ostimavel medicina comtudo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no-
lave s.
New-york, 2-2 do abril de 1848.
Snrs. A. II. e I). Sands. Jnlgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral, reroetlo-vos este certilica-
po das grandes virtudes da vossa salsa-par-
rilha para que outios que lioje esl.'io sof-
frendo estnbelecam melhor a sua conlian-
ca e facam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com urna grande feri-
da no torno/el", que se estendia pela canel-
la cima ale ao joelho, luncava grande por-
Cto de nojenlu materia, com comichOes
que nieprivavam muitas noilesdo meu des-
canso, e erara muito penosas de supporlar.
OSr.'DiogoM Connol, que havia sido cu-
rado com a vossa sslsa-painlba, recommen-
dou-mequeeu fizesso uso della.e depois
de haver lomado cinco garrafas fique i per-
feitamenle curado.
Tenho demorado um annrf^nandar-vos
este certificado para conhecer com certe*
za se a cura eia perinanenie, e tenho agora
a maior salisfacau em declarar que nlo te-
nho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo esle lempo, o acho-me perfeila-
mente restabelecido. Sou vossy ele.
^ aran M, lutirc
240, ra Delanccy.
Nesta provincia nico agento dealo m-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de Unto.
trau deyerro
NaJknCfo da Tur%ra^*lni S.-Amaro ,
vedeaLgia arados do ferro de diversos mo-
delos.^Bk
i .BjBeniie-sesiiBeriorcal virgem de Lis-
hoa^vimla pelo ultimo navio por preco
in.udico : a tratar na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar. .
Vende-se um par de bancas de Jaca-
randa cm muito bom uso : no Ateno-da-
Boa-Visla n. 86, segundo andar.
bom como len-
nr fazenda
Cos de soda, a 040 rs.
-- AlexandrcSpina, untura) de Pisa, foi
quem no seculo XIV fez o maior dos bens a
liumanilade que atcnl.to eslava enmo sen-
tenciada depois de, certa idade, a morcr
de alguma caldastrofe, como fosse quedas,
eoucc, tiamboIbOes. canelladas etc., ito
por efeito de vista curta ou cansada que ge-
ralmenlo apparece nessa poca: .foi elle
quem primeiro lescobrio os oculos para
nariz : com o nsodclles so nivellamas ida-
des, ns sciencias nos velhos nilo ficam es-
tacionarias ellesseguem cornos mocosos
progressos delta, nlo os lemoni as dis-
cussoes e islo tudo he devido ao uso dos
oculos : ussiui, quem os quizer bons, diri-
ja-se a ra larga do Itozario, n. 35.
Bom e barato.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario ,
segunda loja, n. 18, vende-se panno azul e
verde a 2,000 rs. ; dito cor de rap a 3/
rs. ; dito azul o preto muilo bom a 4,00o
rs. cortes de fuato para collete.a 2,400
H. ; mantas de seda escoceza; cortes de
vestidos de cambraia de seda ; ceroulasdo
meia muilo finas; e oulras muitas fazendas
por preco commodo.
Pechincha.
Na i ua do Queimado vindo do Rozario,
segunda roja, n. 18, vendem-se lencos de
l.ia de 3 ponas a 160 rs.; cortes de cam-
braia de cores, a 2,600 rs.; suspensorios de
seda, a 500 rs. ; castores para calcas, h
250 is. o covado ; brins de linho de cores
para jaquela a 400 rs. o covado ; cortes do
l usi.'io branco para collcte, a 500 rs. o cor-
le ; e oulras muitas fazendas por commo-
do prec.
Vende-se urna escrava de Angola, do
20 annos de bonita figura, boa cozinhei-
ra engommadeira o costureira ; urna dita
boa vendedeira de fazendas ; urna dita de
40 anuos, muito boa cozinheira e engom-
madeira esta se prefere que vi para o
mallo ; 2 escravos um de 16 annos e o ou-
tro de 20 de boas figuras o ptimos para o
servico de campo : na ra do Collegio, n.
2!, primeiro andar.


waraa
Pos <>olvanicos para
pratear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possucm objectos
praleBdos e que lenham perdido a cor ar-
mnica, estando por isso indecentes, 011 inu-
lilisados, teem uestes pon um excedente
rosta tirador e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para so usar delles o mais simples,
nada inais do que estregar com um panno
de linho molhado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Una cnixinha ronlendo quantidade suf-
iicnmte (ara pratear inais de 40 palmos
quidrndos custa a mdica quantia de
mil rs.
Lotera do Rio-de-Ja-
neiro.
Aos -20:000,000 de res.
He chegada a-lista da dcima primeira
lotera a beneficio das casas de caridnde, o
com ella grande sorlimento de bilbetes,
mcios, quarlos, oitavos e vigsimos: a elles
mies que suacabem, pois silo muito afor-
tunados : na rua da Cadeia do Rocife loja de
ferragens, n. 56.
A 4#00 o corte de novas
alcinas de serta
do para cavallos ao bsrate preco de 1,280
rs. por arroba : ahi tamlom se vendo a mais
lina farinlia de milito que se pode desejar.
Na rua do Crespo, loja
de Aportas, n. 12,
vende-se o restante dos muilos acreditados
chapos de castor preto, pelo diminuto
preco ile 3 e 3,500 rs.: cites de sedinhns,
a 2,000 rs,; djto9 de victorias, fazenda
muito duravel, e de cores tecidas a 3,000
rs. ; cortes de cambraia franceza de diffe-
rentes padrees a 3 e 3,500 rs.; corles de
eassa com assento escuro e cores finas a
2,500rs., isto portar um pequeo toquo
de mofo ,- barretinas ae seda para meninas,
a 2,000 rs., e oais pequeas a 1,000 rs.
calcinhas de fil de linho para meninas ,
320 rs. o par ; chitas (inissimas cm panno e
tintas a 200 rs. o covado ; brins do linho e
algodflo de cores a 320 rs. o covado.
Sapa tos de couro de
lustro, 2,240 rs.
No Alerro-da-Boa-Vista loja n. 78,ven-
dem-se sapatos de couro de lustro para se-
nliora.a 2,210 rs. o par; sapates do Ara
caly a 500 rs. o par, estes estilo se aca-
bando.
A 1)00 rs. cada urna
4
rom lindos padrees de lisias o quadros, crt-
ivs modernas, clarase escuras at prctas;
cangas amarellaa da ludia, propriss par
lodo o trago ile homcm c de meninos ; bem
romo um novo sorlimento de fazendas li-
nas e grossas i "i- baratissimo preco: no ar-
mazn) do ItaymunJo Carlos Lcitc, na rua
lo i un i n,i lo, u. 27.
Novo madapolfto patente
('oin mais de 40 jardas
cada peca
o rom largura quasi de urna vara, fazenda
:i mais liiui que se pode imaginar, por isso
ptima para tudo pelo diminuto preco de
11,000 rs. n pe;a ; bem como lodo o suri i-
uiento de fazendas finas o grossas : no no-
vo nrmazem de fazendas de Hay mundo Car-
los I rite, na rua do Queimado, n. 27.
m
fe
i
fe
9
Na rua do Crespo, loja da 8
esquina que volla para a 9
Cadeia, vrndem-se
os acreditados brins brincos de lis- W
tras, lisos e amarellus, a 1,500 rs. o^
corte ; dito muito superior a l.fOO &
rs. lodos ile puro linho ; panno fino <&
preto o azul a 3,200 rs. o covado; P
dito muito furerior, a 5,5(0 rs.; fus- loes muito bonitos a 640 rs. o cor- 9
te; ditos de velludo milito ricos a
2,5oo rs. ; pecas de cambraia de qua- f#
& dios de 8 varas e meia, a 2,720 rs. a peca ; cassas pretal muito bonitas @
j> a 1,410 rs. o corle ; niadapoliio enfes- # lado muito fino, a 5,100 rs. a peca ; 4
* corles do calcas de setineta de cor, %>
a| i 8S0 rs. ; ditos de castor, a 1,000
fe rs. ; rbila azul pira cscravos, a 140 ?f
(fe rs. o covado; picote muito encorpa-
& do, a 180 rs.; pliililhas Je linho, a 500 (9
f rs. a vina ; esguiilo de linho muito (i- ^
r# no e com i palmse meio de largu- #
f, ra a 1,410 rs. a vara ; corles de f#
"Mu nido aL'odo a 800 rs. ; e ou- 4
? tras umitas fazendas por prego com- &
'4 molo.
t*
Vende-se cal virgem superior de Lis-
boa eni barril pequeos, feixes de arcos de
I ao c rodas de ditos paia barricus, cunhe-
tes de piiiho abatidos |ra assucar, pregos
c: iiaes di, Torio em barril (le lOmilheiros,
diios de estuque em banisde 32e45mi-
liieirn, pilulas da familia; a tratar com
Joaquim Firrcirn alendes Cuimares, na
i na da Cruz, n. 49, primeiro indar.
Vende-se una preta de naco moca,
que cozinha cuse Hio e engomma liso:
na roa larga do llozario, n. 40, segundo
andar.
Vende-so a taberna da rua Nova, junto
a ponte da Itoa-Vista, n. 17.
:


Loteras do ltio-dc- |j
lanciro.
Aos 20:000^000 rs. |
11.a ajavor da Misericoadia
do ihesouro.
i.5oo
e 5.
Mcios liilhctes. i
(liarlos.....5,f5oo
O favos..... 2,800
Vigsimos. t,3oo
Na ruado Collegio, n. Q.
ir
vara.
Novo algodilo california com 8 palmos
de largura na rua do Crespo, n. 5, loja
que faz esquina pra a rua do Collegio
vende-so o novo algodSo (raneado, pro-
prio para loalhal, com 8 palmos de largu-
ra pelo barato preco do 900 rs. cada urna
vara.
Novos cortes de cassa pi-
ra vestidos.
Vendem-sc cortes de cassa para vestidos,
de cores lixas e de bonitos padrees, a sele
e oilo patacas o corte ; chales de tarlatana ,
grandes a 800 rs.; meios dilos, 500 rs. :
na na do Crespo, loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Tipoias do llaranho,
ou redes de malha muito frescas e fortes
ditas feitas no Cear bordadas agulha
de diversas cores: na rua do Crespo, n. II,
loja de fazendas, de Antonio I.uiz dos San-
tos & C.
Vende-so, na rua do Crespo, n. 11 um
diccionario de Constancio encad., por 9/
rs.; outro dilo por 8,010 rs.; dito portal-
g'jez e francez por Itoquete, por 5,000 rs. ;
dilo porlugurz-fnincez e latim porJ. J. da
C. o S, por 6,000 rs.; dito le composicito
portoguez e latim por Fonseca por 5,000
rs. ; dito de Ideologa poa llorgier, 8 v. no-
vos por 14,000 rs.; obras completas de
Tilinto F.lizio ,11 v.; e conlinuam a tro-
car e comprar livros.
Vende se una mulatinha de 12 annos
pionco mais ou menos, com todos os prin-
cipios e que sabe bem tratar de meninos :
vendse por seu dono relirar-se para fu-
ra : na rua da Cadeia de S.-Antonio, n. 26,
segundo andar.
Vendem-se 2 cabriolis inglezes em
muilo bmn estado, com todos os seus per-
tcnces por prego commodo : no Aterro-da-
lioa-Vista, n. 5, cocheira de l.uiz Monier.
Madapoles tinos a
3, Vendem-se madapoles linos, com 21 jar-
das com um pequeo loque de mofo pe-
lo preco de 3,600 rs. a peca i na ruado Cres-
po, loja da esquina que volta para a ca-
deia.
-- Na loja do Estima & Fiamos, no Aterro-
da-Boa-Visla, vende-se um larde idrago-
nas muito ricas, para cajiitio ; bem como
um habito esmaltado de Christo.
Teeidos de algodao trail-
lado da fabrica de To-
dos-os-San tos.
Xa rua da Cadeia, n. i>*2.
vendem-se por atacado tres qualidades,
iproprias para saceos do assucar e roupa do
cscravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Sautos na Haba
Vcnde-se em casa deN.O. Ilieber & C.
ii rua da Cruz, n. 4, algodo trancado
daquella fabrica, muito pioprio para saceos
de assucar e roupa de osera vos.
('baratos de Havana
verdadeiros: em casa de Kalkmann lr-
.i.o .-, na rua da Cruz n. 10.
Anlgo deposito de cal
virgem.
1

I
.....:n8 *;# mwtmmmmm
-- Vcnde-se um cabriole! inglez muito
forte em ptimo estado e pintado do novo:
na cocheira do Sr. Mounier, no Aterro-da-J
Itoa-Vista.
Attencao.
Com um pequeo loque de avaria em
una sorella, sevendem pecas de algodflo-
zinho largo o encorpado, fazenda perfei-
tamente boa, pecas de 20 jardas a 2,000, o
tendo mais de 20 jardas a 100"rs. a jarda : no
novo armazem de fazendas do II. C. Leite,
rua do Queimado, u. 97.
Na i ua estrella do Rozario n. 43, se-
gundo andar, vende-se um escravo perito
oflicial de sapateiro c que he bem moco :
o motivo porque se vende se dir ao com-
prador.
Modadas superiores.
Na fundicodo C. Starr & Companhia,
oin S.-Amaro acham-se a venda iroeudas
de cantia, todas de ferro, de m modelo e
construceo muito superior,
Sliliiomoidopara ca-
vallos.
l.m l'ra-ilc-Pni las na rua dos Cuara-
npis, n. 5, di um deposito de inilho mo-
Na rua do Tiapiclic, n. 17,
lia
muilo superior cal virgem de Lis-
Loa, por preco muilo commodo.
Superior farinba de
mandioca.
Chegou de S.-Cathaiina o*rig#S.-Jc-
nael-Augtttto com um carregarnento de fa-
rinha superior acha-sc fondeado defronle
do caes do llamos, o all te vende qualquer
porciio a piecp commodo : lanabem fo pode
trillar n pr^ca do Commercio, n. 6, pri-
(ffieiro andar.
A 1,280, l/MOe 240'rs-
Na rua d'> < respo, n. 14,
L loja de Jos Francisco
Das,
vendem-se citea deawperior brim escuro
do puro linho, ai,280 rs, dito cor de gan-
ga de superior^mlidajp ^ajl,410 rs. o cor-
te ; lustrim
pin luto, a
chitas encari
xas, a 180rs. o covado e ol
es
o, muito lindo
rs. o covado; su^ei
chitas encarnadas muito, finas ej0eo
fazendas por preco commodo.
I o lia de Fland
Vendem-se caixas com folha do Flandres:
na rua do Amorlm, n. 35, casa[de J. I. Tas-
so Jnior.
de ferro : na rua
engenho.
da rua do Brum,
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
homem o aenhora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par: na rua do Queimado, d. 17.
D3o-se as amostras.
-- Vendem-se arnajm
daJSenzalla-Nova, n. 42.
Tai xas para
Na fundicRo de ferro .. --
acaba-so de receber um completo sortimen-
todo taixas de 4 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por preco com-
modo e com promptidfio embarcam-se,
ou carregam-ieem carros sem despezas ao
camprador.
'es fumantes de bom gosto
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e de outras mullas
qualidades que se venderSo mais banto do
que em ouln qoalqner perte : bem como
cigarrilhoshespanhes, ditos de palha de
milho, que seestSo vendendo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cento.
Na loja da rua do Crespo, n 6,
ao p do lampeao, vendem-se as
seguintes fazendas por metade de
sen valor:
corles de brim escuro, a 1,280 rs. .-dito cor
de ganga a 1,440, 1,500 o 1,600 rs. ; dito
brinco, a 1,500ra. ; dito lislrado.a 1,500
rs. ; piclo, muilo encorpado, a 180 rs. ;
chitas finas e de cores (xas, a 160 e 180 rs;
cobertores de algodao americano, os n>e-
lhorcs que ha no mercado, a 640 rs.; ma-
dapohlo muitu linoe com pouco mrtfo, a
3,600 rs. a peca, e a 200 rs. a vara ; chapeos
do massa a 400, 640 e> 1,600 rs. ; fustSo ,
a 480 rs. o covado; dilo muito fino e do
cores fixas, a 640 rs.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada nesle mez pelo brigue Uaria-Jot :
a tratar na rua do Brum, armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na rua do
Vigario. n. 19.
Cha brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molhados, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excedente cha produzido em S.-Pau-
lo, que lem viudo a esle mercado, por
preco muito commodo.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes, a duas pata-
cas ; chitas escuras, de dona padrees e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
rua do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Vende-se farinba de mandioca muito
superior, a bordo do palacho Valenle, vin-
do de S.-Calharina Tundeado no caes do
Collegio: a tratar com o capitfio a bordo,
ou com Novaes & Companhia, na rua do
Trapiche, n. 34.
AGFNCIA
da fundico Low-Moor,
RUA DA SI^ZALT-A-NOVA, N. 4^
Neste estahelecimento conti-
na a haveium completo sorti-
mento de moendas e mciaa moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e taclias de ferro batido e
comIo, de todos os tamanhos,
para dito.
Vendem-se relogios de ouro e prala,
patentes inglezes: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Cortes de brim de puro
I i n lio, al, Vcndem-so corles de brim trancado
pardo de pu'o lindo, pelo diminuto preco
do qunlro patacas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
o S
q Um piano. <)
O Vende-se um piano muito bom para *J
esludo, bonito e de cxcellente autor: P
O na rua do Collegio, o. 9. &
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que foram de
farinha em p e bem accondicionadas:
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
Para calcas e aquetas.
Va rua do Queimado,
loja n. Jl ,
vcnde-se brim (militar) trancado bTanco,
a 1,44 J rs. o corto; dito dilo escuro, a
1,280 rs. o corle ; dito cor de ganga, mui-
to lino, a 1,500 rs.; dilo liso escuro, bom
proprio pa-ajaquela, a 800 rs, o corto: sen-
do lodos de puro linho : cortes de castor
de lislras e quadros, a 800 rs. o corte.
Deposito de Potassa.
Vende se multo nova potassg,
de Loa qualidade, em Lairiszinhoi.
peque no d qua tro arrobas, por
pieo barato, como ja lia muilo
lempo se n8o vende : no ifeci'e,
rW da Cadeia, armazem n. 17.
Cadeiras de palbinha e
lioni eomoutoa muitoi trastos : vendem-se
em casi de" Kalkmann lriii3os, na rua da
Ciuz, n.10. ^^
Rap roldo franctz,
Vende-seo operiorrap rolSo francez,
nicamente as lojas dos Srs. Caetano l.uiz
Kerreira no Alerro-da-lloa-Vista n. 46 ;
Thomaz d^Mattos Islima, na mesma rua,
n. 54 ; Francisco Jo.quim Duarte, ruado
Ci.bug frinlo&IrmSo, na rua da Cadeia
do Itecifc, n. 19.
-- Vendem-se seis lindos moleques de na-1
So e criuulos de 18 a 20 annos; nove pre-J
tos de 20 a 30 annos, lando um bom ofilcial
do pedreiro e os oulros bons para todo o
servico; t^es mulatinhoa de 15 a 20 annos,
sendo u.o muilo lindo, com oflicio de sa-
pateiro e bom copeiro, muito hbil para to-
do o servico e de boa conducta; duas mu-
latinhas de 16 a 20 annos que cozem muilo
bem, fazem lavarinto e engommam ; cinco
pretas, sendoduas muito bou qoitandeirts,
duas muilo boasiengommadeiras. coslurei-
ras e cozinheiras, e urna dila do rooia idade
que se da muito em conta; urna cabocla
boa para servico de campo ; urna negnnha
de 11 annos boa para andar com meninos ;
assim como outros muitos escravos: na rua
da Cadeia dollecife, 11. 40^
Vende-se urna linda parelha de escra-
vos prra cadeirinha e muilo bons ganhado-
res de rua, sem vicios e muito mocos : na
rua da Cadeia do Recife, n. 40.
Na loja do Duorte, na rua
do Cabug, n. 1 C, vendem-se
oleados para mesa, de ricos pa-
dres ; pannos de laa, a 4,800 e a
5,ooo rs. ; galOea entre-finos 5 es-
peguilhas ; volantes ; e trinas.
Superiores chales de
tarlatana,
do muilo bom gosto e muito grandes a
800 rs. ; ditos mais pequeos, a 500rs. ,
corles de cissa de muito bom gosto e do
cores filas a 2,240 o 2,560 rs.; o outras
militas fazendas por precc- commodo : ni
rua do Cospo n. 6, ao p do lampeo.
Vendem-so 10 lindos moleques de 12
a 18 unos ; 8 pretos do 20 a 25 annos; 2
mulalinhos de 16annos; 3 pardos de 18 an-
uos, com habilidades; urna dita de 20an-
nos com habilidades tendo dous lillios ,
nm do 5 anuos e outro de um ; A prctas de
12a 25 annos, algumas disquiei com ha-
bilidades : na rua do Collegio, n. 3, ae dir
quem vende.
Vende-se um jumento novo, proprio
para tirar raca : na rua das La rangeiras,
n. 18.
A elles antes que se
acabem.
SSo chegados mais modernos e asseidos
manteletes, viudos pe'o ultimo navio de
Franca, os quaes se estilo vendando por me-
nos preco que em outra qualquer paite : na
rua do Qneimado, n. 17.
Superiores phosphoros
para accender charu
tos, a 2,400 rs. aroza:
vendem-se na rua da Cadeia do Itecifc, loja
de ferragens.de Antonio Joaquim Vidal.
~ Vende-se sag do primeira sorte, seva-
dinha de Franca, sevada, gomma de araru-
ta e tapioca de MaranhSo, por preco com-
modo : na rua dasCruzes, n. 40.
Freguczia.
Vende-se vinho da Figueira de superior
quall.dade, a 1,280 rs. a caada e a 160 rs. a
garrafa ; dito branco de Lisboa, a 1,600 rs. a
caada e a 200 rs a garrafa ; papel perlina
azul e branco, de superior qualidade, a
3,400 rs. a resma : no pateo do Terco, ven-
da 11. 7.
Vende-se urna armacao de
louro, propria para venda, a qual
he feita a moderna, e o compra-
dor nao precisa fazer despeza al
guma por estar al pintada de no-
vo, e o local nao poder ser mellior
por ser de esquina : quem preten-
der, dirija se altas da matriz da
Boa-Vista, n. 4, que ahi achara
com quem tratar e se far lodo o
negocio.
Vendetn-se.ou permulam-se por cscra-
vos, as bemfcitoriis de um grande sitio
margem do rio Capibarihe, confronte ao si-
tio que foi de Manoel Comes Singueiro,
mies da l'onle-do-Ucha, muito perto da
praca, com grande casa de vivenda para
qualquer familia, contando 3 salas, 4quar-
tos, cosinha fiira, estribiria para qualro
cavallos, o um grande arpendio do lado, em
todo ocomprimento da casa; emaisonlrn
casa pequea paia escravos, com urna
grande baixa de capim, e diversas arvores
de fruto; ludo por preco commodo, eat
faz-se negocio com o solo no caso de con-
vir ao comprador, ou retalha-se para di-
versos sitios, que contesta com 3 estradas,
urna no Tundo, e duas dos lados : na rua
Nova, n. 67, se dir quem faz este negocio.
Vendem-sc meias finas de
linho e de algodo grosso, chega-
das ltimamente do Porto : na pra-
ca da Independencia, loja de fa-
zendas n. 1.
-- Vcnde-se o engenho Jundiahy, no Rio-
Crande-do-Norle, 4 legoas distante da capi-
tal rom porto de embarque, menos de
meia legoa com 4 legoas c meia de Ierra
de compri ment e urna de largura de boa
pro.iuccSo para mais de dous mil pues, re-
gavel por una corrente forte prompto a
noer rom agoa, e faltando-lhe a roda da
agoa : a Iralar em l'ernamUuco com Joa-
quim da Silva Castro na rua do Crespo .
1. 4, ou na Parahiba com Antonio Jos l.o-
icsde Albuquerque, no engenho Pureza,
ou no dito engenho Jundiahy.
Vcnde-se una venda com poucos fun-
dos ou lmenle 1 irmicfo com os perten-
ec : na rua da Senzalla-Velh, n 48
-- Contina-se a vender inanteiga inglc-
ib muito superior : no Aterro da-Boa-Vis-
la venda n. 54, pegada ao Estima.
-Vende-se a venda do pato de S.-Pedro,
n. 1, com poucos fuudos: a iralar na mes-
ma venda.
Vende-se urna carleira grande para es-
criptorto: na rua das Cruzes.n. 39, pii-
meiro andar.
Vendem-se duas mulatas de 20 a 24 an-
noi, querosem, engommam e cffzinliam
bem ; um ptimo mulalinho para pagetn ,
de 1" anuos ; um moleque de 8 a 10 annos;
urna negrinha de 15 annos ; urna dita de
16 annos ; duas escravas do bonitas figuras:
na rua Direita, n. 3.
Vendem-se escravos bara-
--------..... --^
tos, na ruadas Larangeiras, n. 1/
segundo andar, a so|>er : 6 pretog
de nacao, mocos e ptimos paia
todo o servico ; dous moleques
tres pretas de nucao Costa, de \\
a 30 annos ; urna dita'de nacSo
Angola, de 2o annos e com alu.
mas habilidades ; urna dita criou-
la, com urna cria de tres ntezos
muito linda, que engomma, cose
e cozinha ; duas pardas de 35 an-
uos, que engommam, cozinhatn
muito bem e cozem'j e mnis algn.,
escravos.
Casa de modas francezas.
Buessard Millochau.
Aterro-da-lloa-Vista,
loja n. 1.
Neste eslabelecimento recebeu-se pelo
Socraie, ultimo navio vindo do Havre, iim
lindo aortimento de chapeos de seda do
todas as cures e ditos de palha para senliu-
ra ; ditos de palha lisa e aberta para me-
ninas ; bonetes e chapeos de palha para
meninos ; luvas de pellica, brincas ede co-
res pira homem e senhora ; trancase frin-
jas para enfeitei de vestidos; chipost
bonetes do montara ; lindas manitelas e
capolinhos de seda e de bico ; cambrsitiit
linho ; filos; lencos de mlo; bicoa e ren-
das fitas de seda e de velludo; camisinhas
cnllarinhos bordados ; canibralas bordidis;
llrese plumas. No meamo estabelecimeo.
lo fazem-se consecutivamente chapeos,
loucas e vestidos da ultima moda porprt-
(o commodo.
Vende-se um lindo moleque de 14 sa-
nos ; 2 ditos de 18 a 20 anuos ; um pardo de
20 annos de muilo boa ligun propriui.
ra prgoo>, ior ser de regular conducta;
1 moleque de 18 a 20 annos, perfeito 01-,
cial de tanoeiro ; duas pretis do elegante*
figuras, donac&o; duas diUs muito mo-
cos com habilidades ; urna dita muito ro-
busta, do todo o servico de campo: 110 | a-
leo da matriz de S.-Antonio sobrado-a. 4,
se dir quem vende.
Vende-se urna porgS de cobre vellie
de fono: na rua da Cadeia-Vellia, loja de
fazendas, n. 54.
scra\os Filios
Fugio, nodia 26 de selembro do cor
rente anuo, o preto Joaquim de naci,
Angico, de 40 annos, grosso ducorpo, alto;
tem as veias grossas, urna ferida na perna
esquerda e os pos cascudos, rosto eonipri-
du ; levuu duas camisas de algodSo- ame-
ricano urna dita de riscado, urna dita
branca urna calca de algodo americano,
urna ceroula de algodao da Ierra um cha-
peo de pello velho : quem o pegar leve-o i
ruada Cruz, n. 31, que ser generosamen-
te gratificado.
Pugiram, do engenho S.-Paulo, fiegue-
zia dclpojuca, dous escravos do poder de
seusenlior, l/idoro Camello Pessoa de Si-
queira Cavalcante, conduzindo comsigo un
cavado alazlo andador, com os ts liran
eos ambos do gento de Angola, sende
um molecotc, do cor fula cara redenda,
o o outro de cor fula, baixo ; tem um ti-
Iho na cabeca : o ppmciro de nomo Tibui-
tino e o segundo Francisco; fram encon-
irdos no dia 26 para 27 do prximo passa-
do no lugar Jordflo : quem os pegar lve-
os aodilo engenho.
Fugio, na noite de 25 do corrente, o
cabra Joo, de estatura regular, reprsenla
ter 28 annos pouco mais ou menos re Tor-
eado, rosto redondo, faces encovadas, ollios
pequeos, olhir sonso, falla descansadae
humilde nariz chato e ventas largas, boc-
ea grande denles podres, cabellos cirapi-
libados mflos grossas com urna mana
lias coM; s de un caustico ; levou camisa e
calcas de riscado azul'ja despotadas e cha-
peo de pello de abas largas. Este escravo
veio do Maraiihiio onde foi surrado e lem
prenles. Quem o pegar leve-o a rua do Tra-
piche, n. 34, casa de Novaes &. Compauhia,
que recompensar.
lia cousa de um anno fugio ou desenci-
miulmram um pardiuho de 12 annoi, cla-
ro olhos grandes cabellos ralos. Koga-st
as autoridades policiaes, ou outra qualquer
pessoa, que o appreheiidam e Icvem-no a
rui di Aurora, o. 4, que scrSo aatificados:
bem como saliendo se quem o desencami-
nhou se proceder contra elle.
Fugiram, no dia 18 de agosto prximo
passado, do engenho Forno-da-Cal em Dun-
da dous escravos : um pardo de nome Car-
los de 40 annos pouco mtis ou meaos,
baixo, mal encarado; tem os dedos dos 1 es
abortos : o outro preto, de nomo llulino,
com as mSos foveiras ; tem as pernas tor-
tas ; representa ter 50 annos : ambos leva-
ram camisa djjMlgodaozinho azul, cento-
las de estojare chapeo de palha vcllia:
quem os 1 egar leve-os O dito engolilla,
ou na rua da Cadeia-Vema, 11. 33,-que sera
gratificado.
Fugio, no dia primeiro do crrenle,
o moleque Paulo crioulo; lem 5 a 6 U-
Ihos na perna direita e urna marca de um*
ferida no lado esquerdo do rosto; levuu
urna calca velha com alguns remendos,
camisa de ganga azul tamben) velha e
loulas de algodilozinho; reprsenla ter <>
a 20 annos, e he baixo: quem o pegar le-
ve-o a praca da Itoa-Vista, venda a. 14,qu
ser gratificado.
La Fugio, no domingo, 9 do ietbt0
Tiroxiroo passado sem motivo algn '"'
sitio de seusenhor, em Ponte-de-Uclio.0
cabra escuro de nome l.uiz natural ao
Iguarass do altura e carpo regulareSl
pouca baiba ; tem oa dedos dos (.es iberia
erombudos, por ter sido inuilo.canbllu'
falla descausada olhos azulados; .'
muilo tabaco ; foi comprado uo Sr. Mauoei
Joaquim l'eroira da dita villa do guarnir
t ; consti por inlormaccs certas andar
em dila villa o seus suburbios em Proc"r*
de quem o compro. Uoga-sa as autoridades
policiaes, eapiUes do campo e pessoas pa'^
liculares, que o appiehendam e levem-n
ao dito sitio, ou na- tua do Trapiche-'NoV0'
1. 6, queseraogralilicados.
M
P
si
t(
t(
I1
r
s
c
fl
I
tj
II
(I
d
P
(i
l>
n
n
r
r
t
I
r
l
1
c
1
(
PN. : HA TTP. DI H. DI HA.
-18<


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJFDY3AXM_7MHO77 INGEST_TIME 2013-04-24T20:20:47Z PACKAGE AA00011611_06677
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES