Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06655


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO XXXIII N. 54.
Por 3 mezes adiantados 4$000
Por 3 mi7.es vencidos 4$500.
DIARIO
SMRADO 7 DE MVRilO DE 1857.
Por anno adianlado 15.S000.
Porte franco para o subscriptor.
ENGARRIADOS DA SUBSCRIPCA'O NO NORTE.
Parahiba e 8r. Joao Kodolpho Gome HiUl, o 8r. Joa-
quim I. Pweir Jnior; Aracaly, o 8r. A- da Lerao Braga :
Cetra, o Sr. i. Jote da OUveira ; Maranbao, o Sr. Joaquim Mar-
3 oes Hudriguei : Piaahy, o 8r. Domingo! Horculano A. Pessoa
eareose fara', o9r. Justino J. Ramos; AaMlMMi o ir. Jero-
njmo dt Costa. *
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olirnta : loH.e oa das,a 9c mu. aorai d" da.
liru.ir.is-n, >.......".i a Paraaila : es acaamlas i* e\ta-feira*.
S. ABIfio, Reierrua, Hoailo, Caraara, Vln,,!,., Garaaaan: aa terea-Trira.
5. Lnarmcu !--!' 1IIm>, Kaiarria, laaaeiftt, Brajo, lv. pi.r,. lasa-
,,-irj. Florea, Villa-Halla. Boa-Vida, Oricart E naa anana-.........
:....... Ipajaca, Scriliatra, Rlo-Ponao**, L'aa. Harrdn, Agua-Prela,
Plnaatairu c Natal : qu ua-feiraa.
LTodua as crrelo* parir aa 10 auna aa ni.iiin.~i.
AUDIENCIAS DOS TUIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do eommercio segunda e quintal.
Relacao ; trrca.s-fcir.is e sabbados.
Fazenda .- quarlai e sabbados as 10 horas.
Juizo do eommercio : segundas as 10 horas e quintas ao mtlo-dia.
Juizo de orpbaos : segundas e quintas as 10 horas.
rim-ira vara do cive-* segundas e sextas ao meio-dia.
Segunda vara do civel: quarlas e sabbados ao meio-dia.
EPHEMERIDES DOMEZ DE MARCO-
3 Quartn crescenle as 2 horas e 11 minutos da tarde,
lo La cheia a 1 hora e 58 minutos da larde.
1H (Ruarlo mingtiante as 6 huras c 4 minuto da minina.
2o" La oova as 8 horas e '.' minutos da tarde.
REAMAR l>i. HOJE.
Primeira as 1 horas e 1K minutos da larde.
Segunda a 1 hura e 4'J minutos da uianha
DAS KA SEllANAa
2 Segnnda. Ss. Jolino, Basilio, Serundila e Januaria Mu.
3 Terca. Ss. Ilrmelerio, Mnriuho. e Astcrio Mm.
4 linaria. Sr Ossimiru ; s. Lucio p. ;s. Acbelau.
3 Quinta. Ss. Focase Palatino Mm.
I Sena. Ss. Vctor. Victoriano e Claudino Mm.
7 Sbado S. Tiloma/ de Aquino doutor anglico.
8 Domingo. S. Joao de Dos instituidor dos religiosos da carid.
ENCAKKECADOS DA SI ItSCIlIP AJ) NO SCI.
Alagoas, o Sr. Claudino Falcao Das ; Usina, o Sr. D. Duprit
Bio de Janeiro, o Sr. Joao Pereira Martina:
EJI PEIINAMBCCO.
O proprielario do DIARIO .Manoel Figueiroa da Paria. Da au
livrarla.praca da Independencia es. 6 e 8.
/
PARTE 0FFI01AL
QOVERNO DA PROVINCIA
Expediente do da 3 de mar-o.
OflicioAo Exra. presidente do Espirito Sanio,
aecusaudo a recepcao de dous eiemplaies dos aclos
legislativos daquella pruvincia promulgados o attDo
passado"
DiiuAo Exm. Bernardo Machado da Cosa Do-
ria, enviaodo-lhe a caria imperial qoe o nomi-a
presidente da provincia do Rio (jrande do Norte, e
fclicdando-o por essa provn de coofianca que acaba
de receber do governo imperial.
DitoAo Exm. general Antonio Correa Sera'
IrDsmiltindo-lhe nao ao copia do aviso da guerra
de 19 de fevereiro ultimo, do qual consta, que na
forma do decreto 1879 de :il de Janeiro ultimo foi
S. Exc. normado inspector do terceiro districto de
iofanlaria, que comprehende esta provincia, mas
tambero a oota dos emolumentos que tero S. Eic.
de pagar por semelhante aviso.Communicou-se ao
general commandanle das armas.
DitoAo mesmo, par* mandar desaquartelar o
segando tenante do 1* balalhao de arlilharia da
guarda oacioual denle municipio lieliodoru Fernan-
das da Cruz, visto serem precisos os seut servidos
na Ihesooraria da fazenda, onde he empregado.
Commonieon-se ao commandante soperior e a Ihe-
sooraria de fa/enda.
DitoAo mesmo, inleirando-o com a copia do
aviso da guerra di 23 de fevereiro ultimo, de ter-
se concedido tres mezes de tcenla de favor, ao ca-
piUlo Aolonio Jos Laura para vir a esta provincia
transportara sua familia.Commuuicou-se the-
sooriri! de fazenda.
DitoAo mesmo, enviando, acompanhados de
copia do aviso da guerra de 13 de fevereiro ultimo,
9 ejemplares dos decretos de us. 1877 a 1881, e das
tabellas regolamento a qoe se elles referem.Re-
metteii'Se tambero tres ezemplures tliesooraria de
fazenda.
DitoAo mismo, 'para que se sirva de ordenar
ao segundo leneote Jos AntoDio Kibeiro de Frei-
tas, qoe trate de pagar na recebedoria de rendas
internas, a importancia do sello e emolumeutos cor-
respondentes ao aviso da guerra de 23 de fevereiro
ollimo. coneedendo-lhe dispensa do servico para
cstudar. Communicou-se i thesouraiis de fa-
zenda.
DitoAo mesmo, remetiendo os processosverbaes
dos toldados Jos Francisco dos Santos, Severino
lavares da Coneeic.au e Manoel Gomes Pmgoso,
aflm de qoe sejam catadas as sentencias proferi-
das pelo conselho supremo militar.
DitoAo mesmo, commumeando, que o Exm.
ministro da guerra devolver a esta presidencia,
com aatorisacao de o deferir, o requerimenlo cm
que o soldado Manoel Po pedio escusa do servico,
quando por antiguidade Ihe perlencer baila, e linu-
ver substituto na forma das ordeus vigentes.
DitoAo Exm. cousclheiro Dr. Pedro Aulran da
Malla e Albuquerque, dizend que fca sciente de
ler S. Exe. .sumido o evercicio de director da Fa-
culdade de Direito, por haver o respectivo director
tomado asseuto na assembla provincial.
DUoAo inspector da Ihesouraria de fazenda,
commniiiran lo-liie que fra concedida a Marcnmiru
Pancracio l'ereira do Sautos, a demi-so que pedio
do lugar de pralicantc daquella Ihesouraria.
DitoAo mesmo, declarando-llie para seo co-
nliccimeoto e direcc.io, que etittein na secretaria
do governo os lilulos de nomeacao de Anselmo loa-
qaim Barbosa Tinoco, Faustino Jos da Fonstca,
Hollino da Silva lavares, Aulonio Jernimo de
Oliveira e Cicero Brasileiro de Mello, para prali-
canlet daqoella Ihesouraria.
DitoAo mesmo, para mandar pasar com brevi-
dade os veocimentos da 2uarnic.i1 da escuna 1 Ti-
bagi, dos mqzes de Janeiro e fevereiro ltimos.
DitoAo mesmo, remetiendo copia do aviso do
imperio de 14 do passadn, approvando o adianla-
nento que esta presidencia mandn fazer ao direc-
)r da colonia militar de Pimenteiras, da quantia de
.0003 para as despezas daquelle estabelecimenlo.
Dito^Ao mesmo, remeneado o aviso da marinlia
de 19 de fevereiro ultimo, do qual consta ter sido
Horneado o seeuodn lente da armad 1 Manoel Mar-
tina de Araujo Castro, para tomar o commaodo da
escuna Lindoya, Picando exonerado do mesmo
-ominando o piloto Miguil Archangelo da Cu-
li lia.
liidiiA> mesmo, enviando copia do aviso da
marinha n. 3S de 21 de fevereiro ultimo, declaran-
do qae a despeta com as gratilicatOes a aisociacao
dos pralicos da barra por servidos prestados aos na-
vios do armada, e bem assim onlras quaesquer, pa-
ra qae se nSo consignou qaola alguma na distribui-
rlo do crdito 110 presente ejercicio, devem correr
porcouta do municipio da corte, levaodo-se a quan-
tia verh id,n extraaMinarias e eveutuaes, e estas
as caja pertencerem, conforme a sua natureza.
Du Ao mesmo, enviando copia do aviso da
guerra de 17 de fevereiro ultimo, do qual consta
ler-se concedido permissao ao alferes do meio ba-
la Ihao de o\az, Jos de Oliveira Calheiros de Al-
buqaerqae Mello, para consignar de seu sold, a
contar do primeiro daquelle mez em dianlc, a pres-
tarlo mensal de I23OOI rs. para ser entregue aqui
a Joaqnim Alfonso Ferreira.
DitoAo capito do porto, enviando, para ler
a eontoiente publicidade, ns ejemplares das tre-
duecea de 9 avisos, annunriando aos navegantes 0
estabeleeimenlo de phares na Europa e uos Esta-
dos-Unidos da America."
Dito i Ao mesmo, dizendo que a Ihesouraria de
fazenda tem ordom para pagar ao phariiiaceutiro
l.nlz Pedro das Nev importancia dos medica-
mentos por elle forneciilos no mez passado para ns
Africanos apprehendidos ao sul da provincia.
Dvlo Ao director do arsenal de guerra para
fornecr ao administrador da casa dedetenra, con-
forme r.eqnisitou o chefe de polica, os olijeclos
menc)onat.1os na relaco, que aa remelle.
Dito Ao inasmo, para fornecer ao adminislra-
vocara em 27 de Janeiro ultimo, quando para isso I bocio sera' julgado nesta semana, e se como ludo 113o, e pelo ejecutor, Verser foi condumio at ao pe 1 Parase desempenhar o papel de ministro da ro-I F.spera-se que algum depulado lome sobre si a in-
n.'io era competente.
Em resposta tenho a declarar-lhe, que se no dia
27 de Janeiro os juizes de paz eleitos em selembro
do anno passado ja eslavam na posse de seuscargos,
foi Ilegal a convocacao feila pelo juiz de paz do
quatriennio findo.
Marta caso cumpre que Vine, fael nova convoca-
cao para o dia 19 de abril prximo vindouro, em
que devero cornear os trabalhos da junta qaaliti-
cadora, depois de ter decorrido o prazo de um mez,
conforme determina o art. i. da le regolamentar
de 19 de agosto de 18i(!.Remelleu-se copia deste
oflicio a cmara municipal de Goianna.
Portaria Nomeaudo a Manoel Policarpo Mo-
reira de Azevedo, para servir temporariamente n
lagar de cscrivaD dos feitos da fazenda. Fez-se
a respeilo o expediente necessario.
Dita Concedendo (i mezes de proroga^ao para
a conclusan das obras do sen contrato, ao arrema-
tante do 21. lani-o da estrada da Vicloiia, Altillo
Fernandes Trigo de l.oureiro. Fizeram-se as ne-
cessarias commuiucacocs.
Dita Ao agente dos vapores para dar passagem
para a corle, por conta do governo, a Hermenegil-
do Alvos Candido, que leve baija do servico do n-
ercito.
EITERIOB.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAHBUCO.
PARS
21 de Janeiro de 187.
Permitanme pnmeirame^te felicila-lo pelo pros-
pero resultado das soas eleic,oes, cuja noticia nos foi
ic.i/id.i pelo ollimo paquete, A Europa ja se come-
r a nileressar pelas cousas do Brasil, e as sympa-
thias dos liomens esclarecidos sao adquiridas com os
progressos que se realiam, com tao lirme modera-
5ao, em o novo imperio sul-americano, como uto
leslemunho bnlhanle da ellicacia das instituires
inonarcliicas. Assim, aguardava-se com certa an-
ciedade o resultado das suas elei^oes geraes, especi-
almente na sua provincia de Pernambucc onde a
populacoesta prompta a inllammar-s-. (iracas aos
ceos, todos os nossos receios eslao dissipados. A pla-
cidez verdaderamente inaravilhosa qoe reiuou uas
suas nperacoes eleiloraes, atiesta o progresso dos
costumes pblicos que se habiluam plenainenle com
a pralica das liberdades conslitucionaes, e atiesta
lamben) a pm lente habilidade do presidente a quem
o Imperador conliou a adminislra;ao da ua impor-
tante provincia. Como eslrangeiro, nSo eostuinoin-
trumelter-inc cm seus debate de partido, e he m-
nha regra luvariavel, em ludo o que escrevo. para o
seu paiz ou para muro qualquer, considerar as que--
loes sob o aspecto mais geral, e qoe deve ser cora-
mum a lodos, da grandeza e prosperade do impe-
rio : mas be sob esta relarao especialmente que ap-
plaado as suas eleiees e que rendo homenagem as
virtudes rivicas do povo da sua provincia, cao com-
portamenlo adiniravel do Sr. Sergio do Maccdo.
Perdoe-inc esta ditrrissao que inc ordenava a mi-
nha viva adhesao ao Brasil, assim como a necessida-
de de ejpnmir aos vossos proprios leilores a viva es-
lima que me inspirain. Vello aj* nossos negeeies
da Europa.
Dous acooleeimenlM importantes assiunalaram es-
ta quinzena : o prucesso e a I iaciio de Ver-
ter, o ajaA-dno do arcebispo ^Bjajaja*., ile am lado,
e do 'un u ajuste da iliteieii..,. .i,if a Btea o a
Prussia. Dirci alguma palavras acerca de um e de
nulro negocio.
O BMBiaillllll do arceliispo de Pars, em raalo do
earaeter sagrado e ila ucrarrhia elevada da viclima,
j.i nao he um rrime particul-ir. he de alguma sorle
urna ccl.islrophe publica, e lio por este titula que to-
do o mundo calliolicn se associou ao luto da capital
dj Franca : o que loma esle ernne anda mais hor-
rivel e mais execravel he que o assassino he um pa-
dre. Assim, para diminuir a chaga que esle acto
citmoso abri m religiao, prelcnderam provara lou-
rura deste miseravel, mas a formarao da colpa feila
pelos magistrado, prnvou evidentemente que esle
homem nao passa de um scelerato volado ao demonio
do orgulho, um energmeno qae se quiz vingar cou-
(ra o santo arcebispo, do mal que elle proprio se fi-
lara a si, pela sua desubedieucia as leis da igreja.
Julgue por si mesmo os senlimenlos qoe o excilaram
ao ruine, pelo resumo succinclo qae vou ollerecer ao
seu joizo
Foi a 17 diste mez que Verger comparecen ante o
tribunal do jorados do departamento do Sena. I ina
immenaa affluencia concorrera audiencia, poisque
a curiosidade publica procura com avidez taes espec-
lacolos : pergunlas do presidente declarou cha-
mar-e Joao Luiz Verger. ser de idade de 30 anuos
e ecclesiaslico : depois dcsle interrogatorio siiinma-
rio, n cscrivao leu o acto de m-cu- c.v,. que relata os
tactos que em parte ja Ihe narrei na minha uilina
carta : nao repetirei os promennres do assassmato,
mas a acensarlo foi obrigada a procurar qual tinlia
ido o comportamento anterior de semelhante ho-
mem, para poder descobrir as causas que o impelli-
ram ao crime. Educado por caridade em um seiui-
11 rio. \'erger foi dahi despedido por fallas contra a
probidade, com Indo conseguir fazer-se consagrar
padre na idade de 2-3 anuos, e om cura re.Pars
consentir a admitli-lo em ua parochia, Paguu este
benefcin com calumuias alioiniiaveis, e acciis iu e.le
cun de ler querido entreter com elle um eommercio
conlra a natureza. Nada era mais falso do que estas
illegace^odiosas, e todava o arcebispo leve pieda-
indira, a appellarao de Verger i;r regeitada, a exe
cucan da senlenc.a nao se lara' esperar, poli que uo
he provavel que o imperador acolita a pelico de
graca que o aecusado Ihe apresenlou.
Disse-lhe que a niflerenca entre a Suissa e a l'rua-
sia eslava arranjada. Eis-aqui em poucas palavns
como as cousas se passaram.
Ja' vio as ininhas cartas precedentes que a Fran-
ca preteudeu intromeller-se no debate, e que a ubs*
linaro do governo suisso, em que dorainavam os
demagogos, a obrigaram a retirar os seus bons of-
ficios: desde esta poca, a presidencia do conselho
federal passou para outras maos.
M. Stamplly, o chefe dos exaltados na Suissa, foi
substituido por urna personagem nioilo mais mode-
rada, M. F'ornerod. A occasiAo era boa para reno-
var uegociaces, e de ambos os lados, foi recebida
rom arodamento. I'm amigo pessoal do imperador
.Napole.io, o doutor Kern do Thevryovie. foi envia-
da) a Parts em misso extraordinaria. Fizeram-se
proposta pela Franca ao governo prnssiauo, e as ba-
ses de um ajuste fnram firmadas. Eis aqui quaes
sao esla bases:
l. As condices particulares do ajnste nada en-
cerrarlo que seja contrario a independencia comple-
ta deNeufchalel.
2. lodos os acensado deixaro a Suissa, al a
couclusao detiniliva do ajuste.
3." Todas as demonslraces militares da Prussia
cessarao immediatamenle, atim de que anda que na
apparencia, a assemblca federal nao delibere sob
pressao deslas dcmoiistrares.
i. Ncnhuma empreza hostil da Prossia contra a
Suissa lera' lugar depois da soltura dos prisioneiros.
Estas e.siipulace, 11 10 sao mu explcitas, maso
esclarecimeutos publicados por alguna jornaes as es-
clarecem sullicientenienle. El-rei da Prussia pre-
leule protejir a sua honra empenhada nesta con-
teuda ; mas he na realidade a Suissa que tem todo
o proveito do ajaste, poi que oblein a aunullacao da
clausula dos tratados de |S|.">, que attribuia a el-
rei da Prussia a loberania do Estado de Neufcha-
lel. Parece qoe por premio desla concessAo el-rei
Frederico liuilherme nao exige com a annullacao
do processo conlra os aecusados .\'eufchatelle nao a manuteuco de cortos direilos honorilicos e o
reeonhecimento dasaaus pro|iriedades particulares,
ludo islo era perfeitamenle acetavel; assim os des-
pachos de Berne dosannunciam, que o poder exe-
cutivo adherio aos resultados da nesociac;ao do Dr.
Kern. Asduas cmaras que comptem o corpo legis-
lalivo reuniram-se a ti. O projecto de ajuste Ihes
foi sObmellido. O conselho uacionat o adoplou por
1111.1111 m 1 l.i Je, e o conselho dos Estados (em immen-
sa maioria. Pelo mesmo voto as cmaras ordena-
ran! a cessarao immediata dos preparativos mili-
tares.
ludo anda nao est concluido, pois que a Prussia
e a Suissa ainda nao Irataram juntamente ; mas
urna conferencia deve ter lugar, oo em Pars, ou
do instrimenlo do supplicio : a calteca eslava vaci-
lante, os nlhos vidrados ; aquelles que o viram, dis-
seram que Italia repenlinamente eiivelhecido mais
roa, e muilo mais de secretario d'cslado dos nego-
cios da fazenda, nao he bastante possuir-se um ca-
de 211 anuos. Pro'nuticiava algumaspalavras sem *"' Je probidade capaz de pedir messas aos Ca-
nelo : o Oh meu Dos, d/.ia elle, oh meu paiz, \ loes da auliga Roma, nem atteslar proeza milita-
Franca que tanto amei.... perdi.... mais larde rei di.a de riva|j,ar(.in ,., ,,,, a -vcllia heroi-
ainda un mo-nenlr. i A*everam que as suas ullt- ,
Jesus! O padre Hugo levou- ekUde ?">*<>
mas palavras foram Jesus 1 II p
Ihe o crucixo aos labios, depois foi entregue ao car-
rasco, e entilo o ferro fal.il calno. e a justica dos lio-
mens fui satisfeila.
Iiiii multidAo numen-a assislia a esta expiarlo
qoe e etacluoii as 8 horas da mauliaa em um lem-
po chuvoso e gelado. Verger passava todo o lempo
de mais iinilavel. O Sr. l.onreiro
eslava ueste caso. Dolado d'uma honradez irrepre-
heusivel, e campeao ardenle das liberdades patrias,
guardando honrosas cicatri/es que Irouxc das mal
I en las pelcjas onde se comhalam os doas irinri-
pios rivaes, a antiga ordem de colisas e o conslilu-
em escrever na prisa 1. Asseveram que lodos os seus | cioialisino liberal, o nnbre ajuda nle de campo d'el-
papeis foram eiiireso.es a autoridade soperior que os ^j, eutendeu que se devia retirar do gabinete, a
cujas lides nao eslava afleito.
inandou queimar. Esta simples parlicularilade pro-
va que esle homem persislira at ao liui as suas
chimeneas pretenc/ies de reformador, e qnasi que
Os seus collesas declararan) as cmaras tomar
nao permute acreditar na versan de um jornal relt- .rompala solidariedade pelos aclos do ministro exo-
em Berne, du em Berln, e a aasignatura da conven-
cao nao devera apreseular grave diflicnldades,
lano mais que a Franca se acha moralmente em-
penhada com a Suissa, e ha lugar para crer, qae o
nosso imperador se lenha entendido anteriormente
com el-rei da Prustia. N'ama palavra, a soltara
dos prisioneiros Neufchatelleses ja se effectuoa, e a
18 desle mez estes prisioneiros, em numero de 50,
foram condozidos a fronleira franceza, algnos par-
teen para o meio-dia da Franca. O maior numero
aguarda a couclusao do tratado [tara tornar a entrar
na Soissp.
Na Inglaterra preparam-se para os negocios do
pananieulo, qoe se deve abrir a 3 de fevereiro
Fallou-se em unta allianoa de lord Palinerslon com
os aiiligos amigos de Roliert Peel. e diziam que sir
1 mi'- tirahnm c Mr. Gladsluii deviam tomar lugar
no gabinete reconstituido ; mas e-te boato foi des-
mentido. O ministerio permanecer* tal qoal existe,
gioso que assegura, que morreu testeinuuliando o
seu arrcpendimenlo e se reconciliann com a igreja.
Como quer qoe seja, esle homem he urna victima da
ambicio e do orgulho : matou um illuslra e exeel-
lenle prelado com o nico intuito de fazer fallar de
si, e de espantar o mundo pela euormidade de seu
crime. F'oi fondo romo um scelerato vulgar. lie -
justa expiarle do seu delicio aos olhos dos hnmeiis:
no nutro niun I j Dos julgara", na sua misericordia
c jusilla.
Para as natureza malfeitoras, ura crime estrepi-
toso he una evciiara i para um crime anlogo : no
mesmo da em que a cabeca de Verger cania debai-
xo do ferro do carrasco, um despacho telegrapltico
de aples nos aununciava que o arcebispo da Ma-
tera fura oltjeclo de urna teutaliva absolulaiucute
semelhante, e que o criminoio lambem ora um pa-
dre. Ainda nao conhecemos perfeitamenle as parti-
cularidades deste allentado; sabemos somente que no
momento em que o arcebispo de Malera i.i olli-
eiar, om padre escondido por traz do aliar se lau-
cara sobre elle armado de um punhal, grabas a um
conego que se collocou entre o assassiuo e o prela-
do, o golpe foi desviado, e o arcebispo apenas rece-
ben urna leve ferida. Mas o pobre conego foi victi-
ma do seu zelo corajoso, pois que o assassiao, tiran-
do urna pistola da algibeira, fez logo sobre elle, e o
estendeu morto.
A viagem do Imperador d'AusIria Mil,,, fui as-
signalada por um gran te acto de clemencia, que in-
fluir' mais do que as severidades da justic.a em fa-
vor do reslabelecimenlo da erdem e na contianca
as provincias l.ombardo-vene/.ianas. L'raa amnis-
ta geral foi concedida pelo imperador a todos o<
condemnados, e delentos polticos. Eis aqui o texto
da carta, que encerra esla medida, e que foi diri-
gida ao 111.11 o,-:,,1 Radelzki.
1 .liaro-Feld-niarecli 11. conde Radelzki. Declaro
que perdiio a lodos os individuos perlenccntes ao
reino .ombardo-veneziano, anda dtenlos por cri-
me de alta traicalo, de lesa mageslade, iierturbacao
da traoquillidWe puhlica, revulla e sublevacao, iu-
da a pena que Ihes toi iiillingida ; urdeuo que se-
jam immedialamente postas em liberdade. Ao mes-
mo lempo decido supprimir lodos os processos pen-
dentes no reino l.ombardo-veneziano pelos enmes
cima designados, ordenande a soltura das pessoas
detidaa por este molivo. O tribunal especial, exis-
tente em Mantua, cesse desda esle instante as suas
funeces, e seja iinmedialamenlc dissolvido. Mi-
lao 2.) de Janeiro Jo 187.Assignado.Francisco
Jos.
Esla amnista promulgada a 2."> pela inanliaa as
ras de Hlalo, produzm sobre a popul.icao um etTeilo
immenso, e o enlhusiiismo maiiileslou-so em toda a
parle, en transportes de alesna e em vivas polo
lerador. A noite o par-impiriaL*. ao [he.itro da
a, illuminadi giorno, e a^rorguozia o aco-
ca com o mesmo aruor que o pove. luda a cidade
nirado, e attribuiram a mao estado de saude a sabi-
da do general, dcsmeulindo as vozes que se ispalha-
ram sobre desinlelligencias minisleriaes, vozes es-
tas que o Sr. Pontea l'ereira de Mello como depu-
lado, e o conde de Humar na cmara hereditaria,
nao duvidaram repetir as suas respectivas cma-
ras, como fundamento de iiiterpellajao, acresceu-
lando que se allribuia a prxima chegada do nosso
plenipotenciario em Lmdres, o conde de Lavradio,
a cltamaineulo do governo, alim de vir orgauisar no-
vo gabinete.
Como infundada, lambem os ministros inlerpcl-
lados declararam esta assersao, motivando a viagem
do nosso embaixador, pela necessidade que linha de
vira sua patria tratar da saude de soa esposa, ca-
jos padecimentos se aggravam com o clima in-
glez.
Seja o que for, a coincidencia destas resposlas a-
nalogas, deu lugar a que os orgaos da opposic.ao af-
lirmem que o ministerio se vendo mais instigado por
inlerpeltacs, pe-se de quarenlena, arvora ban-
deira amirella, e da carta suja a todas as rfoestes
qoe por aquelle melhodo cam logo do dominio da
medicina
He sabido de que modo coslumam ettes inciden-
tes ser aproveitados pelas parcialidades. Em todo o
ca-o, 1.imam consistencia de dia para dia os rumo-
res de mudanra no pessoal do ministerio, ludo faz
crer nina prxima recomposic/io, e ha qaem atlirma
at, que a pasta dos negocios ecclesiasticos e da jus-
tica ira para as maos do Sr. I.uiz Angosto Rebello
da Silva, e para a das finanzas o Sr. Carlos Ben-
13o.
O fado he que temos um ministerio a qualro, o
de cetto que nao he a falla de quem ambicione ir
servir Portugal naquella modesta posicao.
Espcra- formula do juramento poltico se renov qoando a
cmara electiva tratar da refirma do seu regiment
interno, o qae se verificara brevemente.
cialiva d'elles para terem andamento. It projecto
de cdigo civil do conselheiro Antonio I.uiz de Sea-
bra parece que ha ua ser apresentando na seguuda
selo da actual legislatura.
Na sess.10 de 9 do correntc o depulado l.ousada
requeren que se pedisse ao governo pela secretaria
dos negocio-eslrangciros copia dos oilicios do con-
solado porluguez no Rio de Janeiro, de 30 de 110-
vembro e 19 de de/.embro ultimo, e juntamente lo-
dos papis que Ihes vieren) aiinexos. Kequereu tam-
ben que pelo ministeriu do reino se pedisse urna
copia da portara de 30 de abril de 18"il, dirigida
aos governadores rivis do reino c ilbas adjacentes,
sobre a emigrara o que por alguus dos seus porlos se
conlinuava a fazer para algons paizes, estrangeiros.
lia razes para acreditar que sao preparativos pa-
ra a discosso sobre s medidas a lomar para cohi-
bir a emigracao claudeslina de colonos para o Bra-
vencer-se, parece dever ser urna questao linaiiceira,
a conservarao do locme-Tax, lal como linha sido"
e-l.ibeleciilu para as iiiccssidailes da guerra.
As roas de Londres nai se aclnm seguras oste
momente : [larcce que ha um numeroso bando de
malfeilores, que nos bairros deserlos alacam todas
as noiles os viandantes (sotados, eslrangula-os eos
despoja. Ja se nao pode andar pelas ras de Lon-
dres i noite, sem ser armado al o denles. Accu-
sa-se destes crimes certa clsse de individuos con-
denuiados, aos quaes perdnnu-se o resto das penas.
Ate o prsenle a polica mlu tem conseguido fazer
cessar estes atintalo-, nem a por maos sobre os
seus autores.
O goveroo turco conseguio cinl'im contrahir um
emprestimo de 300 milhes com urna eompauhia in-
gleza, representada por M. Wl-Kems. Nao se co-
nhecem ainda exactamente as coodi(0es desle con-
trato : sabe-se somente, qoe grande parte da somma
deve ser emprestada ao governo do sultSo, e o resto
dever servir para a organisac^lo de um Banco. An-
nunciam igualmente, que o suttlo acaba de conce-
der dous caminhos de ferro a duas companhias iu-
glezas.
(I imperador e a imper.tlriz d'Austria fizeram a
sua entrada solemne em Milao a 15 da Janeiro. Pa-
rece que o acolhimento da populaban foi bastante
favoravel. t) embaixador exlraordinario da Franca
em S. Peter-burgo, o conde de Morny, esla' para
casar-se com ama joven e bella Moscovita, a prin-
ceza l'rubskoi.
ti de fevereiro.
O assassiuo, I.uiz Verger, soflreu a pena devida
ao seu crime : a 30 de Janeiro passado ciilregou a
cabeca ao carrasco. A sua qualidade de padre nao
impedio o curso da jusli;a, e a clemencia do impe-
rador foi inllexivel a tao grande criminoso. Os
inimigos do governo imperial allect.ivam duvidas,
diziam, que se nao atieviam a for ir um padre, quan-
do o clero se esforcava a fazer considerar Verger
como louco, e o imperador apoiava o seu dominio
de da "sua miseria, e de certo arrepondimcnln que s",,,e f|pro-. Estas snpposices foram consilera-
elle inanifestou, e recommendou au bi|io de Meaox,; "'as falsas: Verger, que e-limava a vida era um
que Ihe desse una vigararia de aldeia. Porra. a """ l'"lo, dirigir o imperador nma peticAo, em
roa ndole deste indigno sacerdote, inlo tardou em 1ue sunP,,cava> 1ue """ enticelesse a couiinutacao
manifestar-se no exercicio deslas pacificas tunecoes.,dH Pe"d "" 0ID exilio/tonroso : este miseravel se
.- .^,- u pi r-rnir ..,.,,,,. ,,,..1 Lui,.r..: .... !.,, J^ A e-I mi 111'i ni. na la. e o li-e i \ ou--e 11 ii e un); tnica
Pregn publicamente conlra a Immacula.la Concei-
cao.publicou livros c I.recluirs ullrajodoras ao clero
e a magiilralara : dentro em punco o hispo de Me-
aux foi obrigailo a cassar-lbe os poderes : foi enlo
que veio a Pars, preporou e commetteu o crime.
Depois da leitura do arto de aecusacao, Verger
nbleve a palavra para apreseutar urna observadlo, e
sustentoo que a sua deleza nao era livre, por que
nao o linham aslortaado a fazer assignar t>0 lesle-
munhas.que elle quera que depnzessem. O procu-
rador geral respondeu que esla leslemunha, segun-
do o proprin Verger, nao podiair. depr sobre o factu
do assassinalo ao qual nao linham assislido ; acres-
centnn que n acensado sci quera fazer assignar para
calumnia-las. E-te incidente, em que Verger ja'
desenvolver extrema violencia, se terminara por
um arre-lo dn tribunal que ordena se entre nos de-
bate. As leslemunhas do crime foram oavidas, e
a prnva deste crime qoe o aecusado n3o nega, foi
illudia ao ponto de crer, que o seu allentado se po-
da desculpar, sob prelexio de que era o primeiro
acto de urna reforma relisiosa. O firma bom seuso
do imperador repellio eslas monstruosas prctenciies,
e regeitou a supplica do eoudemuado, com as pala-
vras, de que so Dos Ihe poda perdoar. Ja nao
reslava a Verger entro recurso senao a sua appella-
rao perante o tribunal de cassac,ao, tribunal supri-
mo, que julsa somenle nos nesocios crimiuaes, que
llie sao deferidos, se as formlas bao sito observa-
das, e 9e a lei penal ha sdo regularmente aoplica-
da. Esla appellarao foi julgada a 29 de Janeiro ;
aperar dos esforcos do defensor, o tribunal supremo
regeitou o discurso do coiidemnado.
Esta sentoncfl proferida a larde, foi irmnediata-
menle expedida ao ministerio da jatica em qoe deu
se ordem em continente para a execucao. O algoz
foi prevenido, e o lusirumeuto do supplicio foi le-
vantado durante a nuile sobre a pr-c,a da Roquelia,
feila : depois ouviram-se as testemunhas queconhe-I11' ,lca defronte da pris.lo, em que se aehava de-
ceram Verger, e nesle ponto as suas violencias rero- j ll.,", endemnado. Absliveram se de prevenir
merarain, e foram elevada ao mais alto gra'o, quan-1 ^ erger para o delxar pastar a ultima noile tranquil-
do se ha,mi os escriplos difamatorios encontrados
em casa delle. Chamou aos juizes miserarei*. O
presidente foi ohrissdr a ordenar a sitspensao da au-
diencia, (luandu os sendarmes o condu/iam, Ver-
ger se voltou para o auditorio e bradou : poro de-
fnule-me Repentinamente um inmenso clamor
se elevou na sala, e de todas as partes parti e*le
grito : (UKUtiHO, tutaubto '. Era doloroso e lerri-
dor da aia ,'le deleueao, f.tzcndo recolher aquelle i vel. e o proprio Verser licou aterrado, (luando a
arsenal o ulen'is que por parle do mesmo adminis-
trador Ihe lorem .''presentido, os seguintesobjectos:
1 mesa, ti cadeiras, 1 manga de vidro com raslica!,
2 marquezas e urna jaira para agua.Commu-
nicou-seao chefe de polica.
Dito Ao joiz municinal de Serinhem, para
que enlendendo-se com II engcnlieiro Millet, encar-
resado da medirn e deino'rcacao dos terrenos de
marinha naqoclla comarca, p'oreda rom toda a ur-
gencia i medicao do que foran. pedidos pela com-
audiencia tornnu a continuar, ao principio inoslrou-
se mais trauquilln, e o interrogatorio das leslemu-
nhas pn le roiicluir-se. Mas assim que o procura-
dor geral tomou a palavra para susle itar a aecusa-
cao, Verger recomecoii as suas vociferaees com
ma violencia inaudita : nao fallar'as. disse elle ;
nao quero que falle ; retira-Illa a palavra, como m'a
relirasles. Nao fallara', nao o permitlirei. i>
E com elfeito o aecusado nao cessou de vociferar,
e era impossivel onvir alguma rousa : enlao o tri-
bunal, osando de um direito evlremo, que a lei lite
concede, decidi que Verger, pondo bice ao corso
da justiea, seria reconduzido a prisio e que os deba-
panhia Pernambucan.t, como se ver do officio les continuaran) na sua ausenci
em original que devera ser devolvido, nos lugares
denominado- Gamella e S. Francisco, pertencenies
a esse termo, os quaes sao precisos para a conslruc-
cao de armazens e trapiches da mesina companbia.
Olliciou-se neste sentido ao engciineiro Miilet.
Dito A' Ihesouraria provincial para a ao lliesoureiro pagador das obras publicas por meio
de cheques de 1:0005 r*. cada um, a qaanlia de
'.7:00o.-? rs., para cooliuuac.lo da obras por admi-
nistracao no correntc mez.Communicoo-se .in di-
rector das obras publicas.
Dito A Joaqoim Kaphacl de Mello Jnior,
jail de paz mais votado de Goianna. Tenho pre-
sente o otlicio de 20 de fevereiro ollimo, em que
Vine, me contalla se diva presidir a junta qualili-
cadora, qae o jaiz.de paz do 'quatrieaaio Godo con-
O procorador geral pronancion o seu requisitorio
e eslabelcccu a culpabilidide do aecusado. O ad-
o, e foi somenle de ma Irugida que o vieram infor-
mar qde a sua appell.tcao fra rejeitada e que ia
moirer. A esla hnrrivel noticia, o infeliz foi acenm-
metlidopor um drsses niovimenlos de exaltaran ex
trana, de que dera tantas pravas nos debates do seu
processo. o Nao quero morrer, bradou elle, he im-
possivel, liei de defender-me : gisto da vida, nao
endoso direito de m'a tirar. FLsla scena linha lo-
sar em presenta do capelln, do director da pnsao,
do inspector geral, de chefe de polica, que lir.eram
vaos esforcos para tranquillisa-lu e resigna-lo. Ea-
volveu-se nos lencoes da cama, recusando absoluta-
iiienle levantar-se, e foi mister emprezar 12 liomens
para vencer a sua resistencia desesperada, e vestir-
ihe una calca. Os esforcos de Verger 1 lie aniquila-
ran) as forcas, c passara da ame.ii.a a' supplica : pe-
dia urna hora de arropen lmenlo, o tempo para es-
crever ao imperador, e eii\iar-lhe a sua nova sup-
plica. fluando vio que todas estas instancias erain
imitis, n que Ihe reslava de energa desappareceu :
este homem lo impaciente de qualquer observa-
cao, esculou sem dizo.r palavra, e prnvavelmente
sem nada ouvir, as exhortarles do capelln, o padre
Hugo, depois deixou-se condozr a capella da pri-
sao, onde assistio a missa. Cnmludo a hora da exe-
vosado nomeado ex'-officio, tenlou provar que era : "".I" Jse aproximava, eram J horas a 3|4, a o exe-
miler considerar Verger como um alienado. Mas o | Cl""r das senleuras criminaes chesara com os seu
jorv depois de breve deliberacDo. declarou .. acema-"i"'1'""" Parjf',"r I"" ,c cl,a,,na "",'"," du
do criminoso, e o Iribunal, applirando a le, o con- condemnado, i.lo he, paia rapar-lbe os cabellos, e
dmr.n Ir,, a. m,i. prcparar-lhe o pescoco de maneira que nada im-
demnou a' pena de morle.
Assim se terminou este processo cheio de escn-
dalos, em que o aecusado, para atlenoar a ennrmi-
dade do crime, leulra tomar o papel do aeeoador,
manchando o alto clero violencia do seu catacT?TrJ fez exceder o alvo, e nem
se qner pode Mlfsfazeros sea appelites do vinganra,
pon que obrigoa o presidente do trtli'Jual dos jura-
dos a rilirar-lhe a palavra. iloje nao Ihe resta nu-
tra etperanea mais do que na appe'.laceo que aca-
ba de inlerpor ante o tribunal de cassacao, tribunal
supremo, que nao conhece. dos fados, mas que co-
ndece somenle se as formas legaes foram observa-
das, e ee a lei foi regularmente applicada. Esle ne-
preparar-ine o pescoco ite maneira q
peca o instrumento fatal. Verger caltira no ultimo
grao de proalrac.au ; o executor procurava tnspirar-
Ihe animo, recordando-ihe a for^a que outros con-
demnados a morle tinham encontrado as consola-
c,oes da leligtao, i o exhorlava a ouvir o capelln :
a Oh '. se eslivesses em meu lugar, bradava o con-
demnado. Se eu elivesse em leu lusar, lite foi res-
pundiJo, julso que me mostrara homem, e que a-
prcontara melhorsemblante, n
Comlodo era mister deivar a pritao, e percorrer o
trajelo felizmente tnuito curtn, que separa a casa
da Roquelia da prca do mesmo nome, em que es-
lava levantado o cadafalso. Susteutido pelo capel-
casa, nos bairrios pobres, mo eslava sem lampeoes.
He um acto mui hbil semelliaolo amnislia, c ada
por mallo lempo o Iriumplio dos votos do revolu-
cionarios mazzinianos.
Para assesorar a paz a' Italia, e garanlia-lu das
revolures, tora conveuteute que el-rei de Nopules
tomasse urna medida semelhaole : mas perece qoe
urna amnislia larga e completa nao esta' na poltica
deste principe, pois que Irala-se de urna meia me-
dida. Dizem que el-rei Fernando Diera um tratado
com a repblica Argentina, afim de obter urna eou-
cessan de trras que possa oflerecer aos condemna-
dos polticos, que julga pengosos detxar entrar no
reino de aples. Dizem qae a principal eo mais
iuleressante destes condemnados, o turan Poerio,
recusara expressamente receber a sua liberdade por
este premio.
Esta questao de aples, cada vez mais itnolavel,
e moilas outras que dizem respeilo a poltica geral
da Europa, va i ser c-rlain ule agitadas no parla-
mento inglez. Foi a 3 deste inv. que leve lugar a
abertura das carairas britannicas: nao reproduzo
aqoi o discurso pruuunciado pelo lord chauccller
em nome da rainha, porque o encontrara' as tu-
llas do Londres. Mas o debite preliminar a que
deu lugar a men-agem a' rainha as soas cmaras,
faz ausurar a vtvac lade dos ataques que serau diri-
gidos ao gabinete. -Nao se propoz emenda alguma
importante. Mas lord Derbv na cmara dos lords, e
Mr. D'lsraeli, na cmara dos communs, censura-
ran) com energa quasi lodos os actos da poltica es-
Irangeira, e manifestaran) a inlen(,lo de combaler a
lord Palmerslon no terreno liuanceiro. A impopu-
landade do imposto sobre a renda, vira' singular-
menle un soccorro da opposirao. Assim ludo 10-
nuncia que na se--a futura llavera' grande inters-
se, e terei cuidado de p-lo ao alcance dos inciden-
tes mais importantes desla camuanha pulimentar.
Entretanto, alm da preocuparo dolorosa que dao
ao publico de Londres a malvenaces coinmelltdas
em nome de Ticket o leave, a falla de trabalho per-
sistente de quasi .Mi mil operarios empregados na
industria de navios, inquieta e alllige a tolos os lio-
mens de hem. Varios meelings tiveram lugar com o
intuito de coa tjova-los mas he a triste sorle da In-
glaterra, e lalvez a consequencii forcada de seus
grandes Jesenvolvimeulos, ostentar sempre a exlre-
ina miseria ao la lo da extrema opulencia.
Em Franca nao temos os mesmos loceaasas, ao
menos no mesmo grao, e posto que a eslac.io vigo-
rosa tenlia ebegado, e o prec.o dos gneros alimenti-
cios se tenha eleva I multo, as nemas classes pobres,
soccorridas com iutclligencia pela caridade publica u
particular, supporlam mui fcilmente us seus sotlri
menlos. Os imposlos sao pesados, depois de una
guerra que cusiou sominas cunrmei, mas ha espe-
rances de que as despezas publicas sejam allgeiradas,
eja por va de dous decretos uccessivos o impera-
dor acaba de diminuir o algsristno do exercito de
I I milhes de liomens. Falla-se em redu roes, em
cerlos imposlos, que pesam mais particularmente so-
bre as massas ; mas lambem se falla na creacao de
novus imposto, que recalnrao mais particularmente
sobre m transaecSea da Bolsa. Islo nao passa de pro-
jectos, mas o corpo legislativo se deve reuutr a I." de
fevereiro, e o orcaiuento qoe I lie for apreseutadu
fara' coohecer as inleuces do governo. ti embaixa-
dor persa, Fernnk Khan, que fez 19o longa residen-
cia em Couslantinopla, cbeuou cmlim a Pars, ea-
presenlou a 2" do me/, passado ao impera lar as suas
credenciaes. Suppe-se que a residencia em Paii-
deste enviado sera' apreciada pela Inglaterra para
chesar a um ajuste amlgavel com a Persia. Ja o
embaixador inglez lordt^.'wlev leve varia* confe-
rencias com Feronk khan, a ade do areabispailo
de Pars vasa pelo assas-iualo do prelado que a oc-
copava, esla' ja preanchtd,i: o imperador chamou
nara ocrupa-la o cordial Moilot, arcebispo de Tours,
homem eminente por sua picdade, scieucia, e por
seu espirito tolerante e pro lente.
O governo despatillo! se decidi afina! a convocar
as corles. He no primeiro de raaio prximo que le-
ra'lugar a reuoiao das cmaras* O senado fica com-
posto tal qual era no momento da revolucao de
I8.>i. Releva esperar que esta nova esperanra do
governo parlamentar n.lo lenha os mesmos resulta-
dos funestos que no passado.
D nosso servico francs a vapor para o Brasil, lem
muita dilliciildade para se organsar, e he pouco
provavel que lenha a regolaridade do servido inglez.
Assim sirvo-me com preferencia da linha de Son-
thamplon para dirigir-lbe as ranillas cartas. Com
lodo,cotilo esrrever-llte p'l i l>irceltona,coja parti-
da esta' annunciada do Havre para ii de fevereiro.
Espero que esle vapor seja mais feliz, qoe o que
parti em dezembro, o qual foi obrigado a demorar-
se quasi um mez em Lisboa.
Os 3 por cenlo franeexe, 08 fr.I.". Ipjpor
cenlo81lid. Os consolidados inglezes 93 l|8.
LISBOA, _
11 de fevereiro.
O acontecimmlo pnlitlco mai saliente tasto mez
he a demissao que > general Jos Jorge Loareiro
pedio a oMava'das suas ditas pasia, a di guerra e
sil.
Correo tillimamenle as runs da cidade do Porto
nma mascarada allusiva aos engajadores de colonos,
laucando pregues e versos. O "Peridico dos Po-
bres da' exteusa relarao dessa parodia que all se lez,
paia fazer compreheuder ao povo mi udo, cousas que
Ihe sao uleis, visto que o seu estado de illn.tr.ir.lo
uo chega ainda para llie aproveilar o qoe dizem ns
peridicos.
O Dr. Alexandre Magno de Castilho qoe linha si-
do norueado consol de Boenos-Ayres em Portugal,
receben ha da o regio exequtur a sua oomeacau.
Vamos lor mais um jornal Iliterario e IheatralO
Folhelim, qae diz ter promessa de varios roman-
ces conhecidos para a sua collaborac.ao. Dos o fara
feliz.
Se as promellida criticas forem lio de compadres
conin a maior parte tas que por ahi se escrevem lo-
dos os dias, ha de vlver vida larga.
Faz fallf urna follia como o anligo Pharol. para
por um dique a expansao d'iuutilidadese elogios fo-
fos, com tanto que se pejam os peridicos hs lempos
dcsaulorisando a imprensa.
Nao me lembra se Ibes havia dilo que a asiociarao
promotora de Educaran popular, fundada em Lisboa
com o lim de propagar o ensino racional pelosyi-
temaCastilho, premiar o mais assiduo, zelosos e
intelligentcs educadores primarios, promover a fei-
tora de ptimos livros para a primeira instrurcao,
absintio concursos c dislribuindo reconpensas.dilluii-
dir em lim a boa sement da educarao popular por
todo o paiz, e por todos os modos possiveis, a asso-
eiacao que, tao bons propsitos fez, e vai ja reali-
sando algntatas das saaj esperanras, apezar de exis-
tir ha pouco tempo.
Conta inscriptos como socios qnasi tolos os carac-
teres mais nolaveis da litlerattira, da politica e da
scieucia. Militas notabilidades linanreira-, e grau-
t)s cinco depulado migueli.tas. apear de ler si- numero de pessoa, de todas as categoras c de
do approvado pela cmara qae rosten) i barra de-1 ambos o-- me, a ainMliMa ni. poda mais
mdica, t'.eni re, be o nienns rom que se poderia
Concorrer para tao piadoso lim. lia perlo de quin-
ze dias foi urna commiss.io dn son gremio visitar as
povoacei marginaes do caminho de ferro de leste,
at aoCarrcgido, afim de se verificar o pensamento
de ir estabelacea I) escolas por aquellas aldeas por
meladomertres embolantes,qae partindo nocom-
bol da tarde devoran der, ora n'iin, lugares ora em
outros, licnes noturnas. Sympjlbisn com esle eom-
mercio do mais rpido invento d'este seculo na or-
dem material, com iiivenr.lo pedaggica de maior
alcance pela rapidez dos seas processos, como he o
fiiethudo de leituraCastilho.
tender e sustentar a sua proposts de subslituic.io,
nao compirerciam, allegando por escripto as Coni-
deandus do protesto que imprnniram dous ou tres
dios anles.
A casa electiva approvou unnimemente, sem dis-
cujsAa, o parecer da comPlissflO de poderes, que
rejeltava a subslituic.io a formula actual do jura-
mento por elles proposlo. Eslavam prsenles 107
depulad.is. Entretanto em mullos raemliros ila re-
presentare nacional cxsle o peusamenlo por elles
declarado, de que approvatn modilicares ua for-
mula em vigor que bao de sustentar quando a ini-
ciativa partir das fileiras liberaes. De sorle que o
mais provavel he que lal questao se nao revogue
autes da discussao do projecto d e regiment.
Continua o ollei e Ordem, representante do no-
vo gremio politico de que he presidente o Sr. Silva
Cabral a sustentar o fogo activissimo que de toda
as baleras do jornalismo se Ihe dirige. Apenas o
oBraz lisana,jornal do Porto, ou antes o coriespnn-
lente do jornal referido, se apresenlou em campo a
tomar a defeza daquelle perioilico.
Esla ea> discussao na casa electiva o projecto de
resposta ao discurso da coroa, vasto campo onde
vem f.tzer-ie todas as exhibic?s polticas, todos os
prograinm.is administrativos de diputados debutan-
tes, lio tmente essa algaravia parlamentar chamada
discursos d'oslenlacao, que, toreado lulo quere-
rciri abarcar, nada aperlam por lim.
A questao do padroado porluguez na India, he
ainda segredo. Os ministros dizem a cmara que ha
de agredicer ao ministerio o silencie que at agora
tem guardado ueslas negociacoes, as quaes, segundo
uizem, catniuliam para bom termo.
O nosso eslahelecimento na China esla prenecn-
pande seriamente o governo e as corles.
Ja comerou o alislamcnto voluutano para urna
forca cxpelicionaria de quatrocenlas praras, que
brevemente partir'para Mscau. A importancia da-
quelle ponto he cada vez maior.
Todo o eommercio de Cautao abandonnu as feito-
rias, dividin to-se os foragidos negociantes, parle por
Houg-Kong, parte, e a mais consideravel, por Ma-
can. Rendas de casas que nao passavam ha Ires me-
ze ile 100 patacas por anuo, elevaram-se a '700 ''
mais. Falta o espaco para o acrescimo de po-
pularlo. Manifestou-se caresta nos gneros de
primeira necessidade, como he natural. O gover-
nardor lioimaraes vai ser rendido pelo capitn de
mar e guerra Graca.
Veremos se o governo, que tanta allenco tl re-
almente ao desenvolvimento material e moral da
frica porlugueza, se oceupa como cumpre da pros-
perilade d'aqutlle nosso eslahelecimento na China,
cojo progresso esta' providencialmente sendo favo-
recido pelos aconlecimenlos de CamSo. O vice rci
de (. mi io dizem cartas fidedignas, que esta' na tne-
llior harmona com as autoridades de Macau. Y urna
nota dirigida ao commodure americano citou u go-
Vernardor porluguez como o um modelo do que de-
veriam ser os estrangeiros para com o celeste im-
perio. ,< Parece que ha urna chapa eflirio) dn vice
rci de Cautao an plenipotenciario porlaguez n go-
vernardor de Macau em termos de corlezia e po-
lidez, de que nao ha exempln. Os liaos, ou agentes
tas grandes aasociacBes chinas, e que se linham reti-
rado no lempo do governardor Amaral, cstao com
muita vnntade de se eslabelecerem em Macau, e fo-
ram enlendar-se rom o nosso governardor em Objec-
to de eommercio e alfandegas chinas. Todos os seus
armazen licaram reduzldos a ciuzas no bombordea-
menlo de Canto.
Diz o Dr. Pegado, depulado por Macan, depois
de ama communicaco que fez inserir na folln olli-
cisl, que o regresso dos lieos a Mnau e a sua in-
lervenr.io no eommercio entre Macau, a China e
mnilos portos da Azia, san da alia importancia para
a extendi e e-tabilidade desle eommercio.
A assoeiarao manlem ja em Lisboa urna boa esco-
la primaria na fraguezia de SantaIsabel. O con-
de de Parali conduzio om destes diis o teas filhos
aquella escola os matriculou, para apreoderemeom
os lilhns do povo.
He um bom exemplo. Dizem-mc qoe o respeila-
vel lidalgo se lem detido por vezes ,. obsarvar os
ensenhnsn artificios d'analyse e svnlbese, por onde
aquelle svstem.i chega a dar os resultados que em
varias provincias do Brasil, e mormenle em Per-
nnmbuco, assim como emgrande numero de escolas
de Portogal se estao rolhemln.
I)eronrei-me com estas milicias, porque em vspe-
ros '!e orna seria discussao sobre instruecao poblira.
dnnde sahira' lalvez urna reforma radical nesle ramo
de administraran, eslas cousa esta o aqui na ordem
do dia, e nao passam desapercebidos.
Oov dizer que asociedade de educado popular
vai expedir diplomas de socios honorarios a varias
pessoas que nesse imperio lem mostrado inieressar-
figorando ue-le rol de benemritos os presidentes de
Pernambueo, Babia, Alagoas e nao sei se de outras
provincias, alsuns redactores, directores de estados
e professoics primarios.
Esta assoeiarao lem por presidentes honorarios o
duque de Saldanha, o ex-ministro do reino Fon.eca
MagaJIdes, pre-i lente elleelivo o Dr, Castilho, vice-
presidente o comraendor lavares,secretario, o direc-
tor da escola normal de Lisboa L. F. I.eile.
Os artistas lisbonenses celebraran) a 7 do en rente
o aniversario da sua fundarlo. A Testa foi bri-
llianle. O salao de passciodo lliealro de D. Mariali,
onde ella leve losar arluva-se perfeilamente illumi-
nado laureado, eullorado, cingindo de emblemas
das arles e olllcius, guarnecido de damas, avivenl a-
de de msica. Ilotive discorsos de operarios assaz
notaveis. Aleta destes discursaram lambem alguns
redactores de jornaei e o camarista d'elrei marquez
de Ficalbo.
O conselho dramtico, queiendo melhorar a con-
dicitn do tbeatro porluguez,acaba de crear bnurses oo
penses para alumnos de ambos os sexos,aquem o Sr.
Duarte de Sa', a rogos do mesmo conselho, vai dar
um cutso de necia pronuncia e declamara >. (iSr. Sa'
he eximio as arles scenicas ; posto nao ler pisado o
lliealro senao em presenca de escolhidos audito-
rios.
o tbeatro normal, como au prsenle existe, nao
preenebe o lira da sua creacao.
Chegon de Paris ura dos directores da cnnipanhia
para o ahastecimento das aguas na capital, o Dr.
Alberto Carlns, ex-deputadn e rico proprielario. Es-
te cavalleiro foi all examinar aquelle ramo de ser-
vico publico c traz, segundo se diz, um cuidador hv-
drauliro de sua invenco, que naquella cidade fez
construir debaixn das suas vistas.
Outro instrumento para o memo lira lo aqui in-
ventado por um machinisla tle sumtua habilidadeVe-
rissimn Alves l'ereira, que o cipo/ no instituto in-
dustrial de Lisboa. O director deste estabeleeimen-
lo, Damasio, homem lechnico de bastante scieucia,
e o mallietnalico lir. Fuiqae, mrstre qae foi tl'el-rei
director do observatorio astronmico e presidente da
commiesSo geodsica do reinn, declaram que n hj-
Vejo pelos peridicos hespanlmes qae o Cont
l.jvmir da companbia Irausatlaulica lieoovesa,sa-
hira' de II irciiiana a 2i do correle, deveodo a 27
locar em Cadis e taiendo soeeossiva escala por le-
neriffe. Pernambueo, Bahia e Kio de Janeiro, seguir
para Montevideo e Bueoos-Ayre* oode se destina.
Esle mesmo barcu era esperado aqui ao mes pana-
do, mas por causa do mao tempo nao poude aahit do
Mediterrneo, e arribou a Genova para te reparar
das avaria.
O sileira deve sahir de Southamplon a 21 desle mez a
depois de tocar em Lisboa, seguir para os porto do
Brasil.
O Midwav da real companbia de navegaran
sabio de Soulhiinplon a !), e aqui he esperado a lo-
do os momentos para I carreira transatlntica.
O a Avon da mesms companhia entrn em Lis-
boa a '.) com 2) dias do Rio, 21 da Bahia e 18 le
Pernambueo. Tocoo lambem em S. Vicente, line-
ni'.e e Madeira.
Os vapores da carreira de Liverpool, que dorante
a guerra do Oriente esliverara em servico da mari-
nha ingleza, na qualidade de transportes, diz-se qae
brevemente recomecarao as suai esrreira pira o
brasil com escala por Lisboa.
O o leulonia da companhia de llamburco he
aqoi esperado no dia 25, procedente dos porto bri-
sileiro.
Na noile da 11 para 12 do correle houve am
vendaval no Tejo enmo nao ha memoria. Ha a la-
mentar a perda de algumas vidas. As averias no
litoral e na embarcaces sao muitas o algumas de
consequencia.
O o Jornal do Commercio a de 12 e 13 da conta
destes desastres com mais pormenores de que os ou-
tros peridicos do mesmo dia. Dispensme de o
transcrever para aqui.
Deve chegar no paquete transatlntico Mr. O' Mit-
in an, mioislro dos EtUdos-Uaaaos. nesta corle, qoe
regressa da sua viagem a Inglaterra.
A leal sociedade geographica de Londres voton a-
grandecimenlos as autoridades porlngoezas na frica,
por haverem auxiliado valiosamente as explorrme-
lo celebre viajante David Livingslon, o qoe o no-so
governo nos coiiiniunicou oflicialmenle para seu en-
nhecimenlo e satisfazlo, recommendando-lhes igual
procediminlo com outros quaesquer viajantes de
mrito qoe vio de fotoro tentar exploraee* sciea-
tilicas naquella parte das colonias.
Foram agraeiads com a cummeu la deAviz o ma-
lar do esercito Fraucisco de Souza Nillo, pela cora-
cero cvica Bardante cndale com que se houve du-
rante a epidemia qae Lio cruilmento devastan a ilha
da Madeira, c com a cotntnenda de Cliriito o medi-
co Juvenal Honorio de Ornellas por semdhanle mo-
tivo.
Foi noineadu cavalleiro da Conceicao por serviroi
analocos o cirargiao do hospital civil do Kaochal Joao
Nepouuceuo loincs.
I). Cirios Maria de Castro, eogenheiro de prirnu-
ra cl.issc do corpo de camiuhos e portos em Hespa-
tiha, e inspeclor do caiuutho de Ierro de Almanta a
cidade real foi agraciado pelo governo porlaguez
com o crao de coinmenl.tdnr da Conceicao. Com o
srao de ollicial da Torre e Espada do Valor, l.eal-
dade e Mrito, o cavalleiro de Preo, capitn de
mar c guerra, cimniandauU di fragata Itadelikv da
anuida austriaca.
Con) n grao de cavalleiro da mesmi ordem, r ha-
rn de Bruck lenle do corpo de Ponlooeiroa do
ejercito austraco, e o conde de Bombelle, primei-
ro lenle, pcrlcticenlc a tripularlo da fragata Ra-
dettky.
Keceberam lambem merce. o lente de drague
do exercilo pontificio, Alexandre Biagieli e Raphael
Slrinali lente da polica do mesmo exercilo.
Em consequencia da morle de S. A. imperial a
archiduquesa Maria Isabel viova do archiduque He
wier, tomou luto a curte por l dia a contar dn du
3 do corrente.
lem felizmente sentido melhoras S. M. I. a -e-
nhora duqueza de Braganra, viuva de I'- Pedro
IV.
leve lugar hontem em S. Cario um beneficia a
a favor das casas de Asylo da infancia de qoe S. II.
he prnlectora. Houve endiente. Deram-se o* "Pa-
ntanos A direcrao das mesmas casa vai abrir dna-
salas de novo, tuna em Belm, e outra na fregante
de S. Paulo em Lisboa.
Os nossos jomaes d'aqui disculem com o Leen j dmmelro de l'ereira preenchia todas
Hcspanhol sobre as tendencias policas de Portogal.
O Len parece que faz seriara aspreciic/ies sobre a
influencia dos liomens que inspiraran nltei e Or-
dem, jornal novo, emqaeja Ihe tenho fallado al-
gumas vezes.
O chefe do estado, ceden parle da sua dolaro
para a conslruccao de um observatorio aslrnnomi-
co em I isboa, que as necessidades da sciencia re-
clamav.nn ha milito tempo.
O depulado sansima \ asroncello acaba de pro-
por a abnlirao tle lodos os vnculos e rapellas.
da fazenda que interinamente oceupava. Hepessi-I 1 cdadao Joao Pedrode Saula Clarad.emos.oflt-
vel qne o negnein Prost, de que o informei na mi- receu a assembla legislativa, por inlermcdio do de-
uda ultima, huuvesse iulluido poderosamente para putado Passos Jos dous projectos de cdigo, um
esla exonerado. I florestal e outro fluvial.
inieacoes
desejiveis. El-rei indo all, examni m aquella pera,
la a naca como simples, niaiiifc-tou desojo de a pos-
suir.
Pereira ha vertladeiramenle nota vel. Sem ler ti-
do e liicacfio -cientfica nem especial pira as irles, e
s pela forra do seu talento, fez-se excellenlo relo-
joeiro, constructor de apparelhos destilatorio, de
in-lrumcutos naulicos e de precisi c de iu-tiumen-
tos msicos de metal. Devem-se asna invenco mal-
las machinas id-s "ornea lamente tuna meridiana,
solar f um apparelho para destilar a agua do mar
com o excedeulo do calrico da cn/inha de bordo,
lia porem nelle dous deleilos que iuulilisam quasi
a sua boa cabera. Um incuravel he patricio : e ou-
tro quasi incuravel: nao sabe raslejar para subir
HESPANIIA.
Lisboa 1 i de fevereiro.
Alcatiram as noticias que temos daquelle paiz ale
II do correle.
Falla-se na publicaran d'ama amnista a lavar dos
que.illudidos ou mal aconsclhados.combateram con-
tra o direito legitimo da rainha Isabel. Diz-se
al que S. M. catbolica, assignra tambera um de-
creto concedendo urna amnislia para os qoe levan-
taran) a bandeira carlista em 18jVi.
Ha noticias contradictorias acerca da viagem da
rainha Isabel.
Dizem uns que se suspenderam todos ns prepara-
tivos para a viagem,que a rainha leocionava lazer a
Sevllha ; dizem outros, que apeiar da qoe se tem
espalhado, a rainha da llespanha partir* para as
provincias do Meiodia a i de marro, embarcando em
Valencia.
Dao como cerlo alguns jornaes hespanhoes.qne o
duque da Victoria dera a soa demissao de senador
do reino, e acrescenla o Criterio, qae esle procidi-
menlo do ceuernl Espartero est em harmona com
as i teas por elle manifestadas a' rainha de retirar-
se a' vida privada.
Em Malaga, em consequencia das noticia falsas e
assnstadiiras, que se espalharam a' cerra do estado
de Cilalunha,receou-se que a tranquillidade poblira
losse alterada. As autoridades lomaran, a necesa-
rias precanres ate que e restalicleeeu o soreg".
Continuavain im Barcellona as preeaurc militares,
ainda qm os receios das auloridades nao f. rm
muilo fundados. Fizeram-se algomas prise eaa .
dividuus de ideas exaltadas.
Diz o correspondente particular d'om penndirn
progressisla de Lisboa, que a prisio do cnnle de
Reus nao leve por lim sen.io exercer ama vingancj.e
por em alarma o partido moderado, porque neuhu-
ina signilicacao tem o ennteudo da carta escripia pe-
lo conde ao seus cnncidados de Cilalunha. Dizque
os cafes c lugares pblicos andam coalhadoi d'es-
pies que invenlam aecusares conlra ns librrae-,
lando lugar a reiteradas perseguifne contra aquel-
las victimas da polica preventiva.
Consta qae o apurameuto de eleitores para a elei-
ees ao futuro parlamento principia a tazer-ie com
a maior illegalid.ide. expulsando a quasi lodos o
progressisla, e faienda rom que -< sejam eleitores
para uomear deputados us honieus da lacra" domi-
nante.
I'arcre qoe se Iratava liinhem p i la de reprnva-
rao no pesseal do ministerio.
A linha telegraphica de Barcelbnu a Saragoca.
pesando pr Tirrageaa e Lrida, diz-se qoe ficara
|.rompta por todo o corrente mer, a no ser que o
mo lempo embarsUe a rapidez dos trahalhn*.
O correspondente da i^weln, escreve de l'mileve-
dra an mesmo peridico sobre a arribada dn
a Vigo, e do baile que ofliciaes daquelle vapor
deram a bordo, assislindo a elle a mai ecolbida so-
ciedade de Vico.
O capitao general do Cclaluoia D. Juan /ipjle
MUTILADO
ILEGIVEL


-


DIARIO DKPERNAMBUC0,8ABBAD0f DE Mingo DE I86T,
ro y tiln tica interinamente encarregado do go-
verno civil de Barcelloua.
Por decreto d.i mesma data foiesooerado daquelle
cuno, lie ni,t,i reformado com os ordenados oorres-
pondenles, D. Meleno Ordonei.
Na seila reir <> do crreme, presidio S. M. ca-
Iholica ao consellio de ministros, e suppie-se que
nelle se Iralou da queslAo de ornamento e de uutroa
objeclos de mpurlaiicia.
Foi eslabelecido, por um decreto ulliniameute pu-
blicado na tulla oflicial, urna escola de ajudaDtes de
engenheiros.
Aflirma-ie que os candidatos que mais probabili-
dades lem de serem Horneados pelo governo, vice-
presidentes do senado sAo : o duque de Adamada,
o marquez de Cauta e Cruz, o duque de Ver-Agua
e o marque de Soroeruelns.
L-se oas Novidadesuqueo proresso inlaorailo
contra o ei-ministro Eseotaara por causa de rticos
sobre couaas de Uesptoha, que poblleou ha pencos
meses na Preste de Paris, cha-ve ja em poder do
jaiz para er sentenciado. Q promotor da juslica re-
quer contra o reo muilos anuos de prisSn, perda de
direitos civis e de honras e direilos polilicos, alem
de urna avultada somma em diuheiro.
As neves sao Ido geraes e abundantes que ero va-
rias provincias d'llespanha os povoseslAo quasi com-
pletamente incommunicaveis.
Na corla de S. I'etersburco esl.i excitando muito
a atlencJo das clases superiores o prnjeclado casa-
mento doembaisador de Hespanha, duque de Ossuna
cora a senhora Straudmann, dama de honor da Im-
peralrii.
Por oflicios receidos dasilhas Filipinas consta ha-
vsr completa tranquillidade u'aquelle archpelago.
Em Ante-quera foi muito alterada a ordem publi-
ca no t do correnle, segundo diz El-Aviador Ma'
han,
Parece que alguns trahalhadores, nao podendo
iiesse dia traballiar por causa das grandes churas, e
nao (pirren lo eropregjr-se nos caminhos de ferro
eom o salario que se Ihes arbilrava, comeraram a
apedrejar as autoridades que appareceram no local
a dlapararam ao rnetmo lempo alguns Uros contra a
forja publica. __
Apparecendo porem algama turra armada da guar-
da civil e municipal, conleve os amotinados, quo dis-
persaran), licando alguns feridos.
Os rrosqu furern julgadot laes, sero mandado
para Mnlga, e ahi sentenciados.
I Em Medina-Sidonia tambero houve om tumulto,
que logo te pacifioou.
Triumphou o partido moderado nas eleijSes das
municipalidades de quasi todas at provincias.
lncarrecconaram-se alguns operarios que Iraba-
lliavaro prximo de Tolavera de la Reina, maltra-
tando os capatazas que queriam oppor-se Ihes ; mas
a auloridade que accudio inmediatamente aquelle
ponto, conseguio auxiliada poralguma forra armada
restabelecer o socego.
BALSA DE MADRID.
7 de fevs reir 1857.
I ilalos de 3 por cento a 38 e 10, ditos de divida
defienda a 24 e 70, accBes do banco de Hespanha
a 13-2. /..
TEMOR
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
OAMBLCO.
PARA'.
18 de fevereiro.
Dispunlia-tne para urna correspondencia de le-
var-lhe algomas columnas do seu Diario, contan-
do com descrever-lhe a pomposa lala que, promo-
vida palo Sr. bispo diocesano, foi frita pela irman-
dade da Coneeicao, por elle creaila pnr occaso di.
cholera : mas o Diario do Commercio apresenlou-
se hoje com a descnpeAn lito minuciosa e verdica
que a elle me remello, sein acrescenlar ama vir-
gula, ero ponto. Dizmn os velhos que ha mullos
anuos nao vem festa icoal a esta, que ainda foi
realeada pela publicarlo do dogma da Coneeicao,
definido ha pooco pela igreja.
O estado sanitario uao he dos melhnres : luamos
com as seses, e em um dos pontos do interior graa-
saram urnas febres que obrigaram a presidencia a
enviar para ahi, alim de recouhece-las e remeda-
las, os llrs. Thisgo Pinto e David Canavarro.
A administrarlo eonlinua em sua marcha lirme e
segura, e apoiaoa pe', s que ei.r.en imi <- que lie il
pri*dMa administrativa. A oppo*ic,Ao lem-se
contido um | valloa nm artigo direito, e islo sem os insultos fu-
riosos do principio. De ora em hora Dos mclho-
ra. i
O cnsul inglez, o Sr. Samuel Wines, he o cn-
sul mus activo de qnsntoa temos aqui : bem me-
rece Ja Inglaterra edo Brasil, pois que moilo lem
feito para tftrtitar as relacues de amizade en-
tre os doas Estados. Agora se oceupa com urna
queslAo de mulla, em que incorreu por ir abordo
de um navio m descarga sem lieeucs, quiz susten-
tar este seu privilegio ameaenndo rom un marlel-
lo ao guarda, que Ihe prrgimtuu pela licenca, etc.
I io-.ta dos rr.eios materiaes Se o governo ing'lez uos
livraase desse benemrito e inlelligente cousul, lu-
crara muito, e iio9 Impem.
Parte boje o Sr. Dr. Tilo Franco de Almeida, de-
putado a asssembta ueral, lem de demnrar-se al-
gum lempo uo Ce.ua, onde deisa a sua familia. O
Sr. Cruz Machado fliancnu no circnlo dos seus ad-
miradores que o Sr. Dr. Tilo nao tomaria ssenlo
por nao ser brasileiro !
O Beato commercio vai melhorando da hydrnpesia
da barradla, se bem que digam os entendidos que
por muilos anuos se restentira elle dessa alia a que
se elevou a borracha. He opiniao delles que su uina
ineiar ii commercial, que recule e dirija as Iran-
saecet pide dar-lhe urna existencia estavel.
Por falla desse cenlro.cada negociante quer urna
cousa, o que pOe em embarazos a alfaodega, que
nAu pode saber a opiniao du commercio sobre cerlos
negocios importantes que occorrem. e vemos con-
Irariarem-te e guerrearem-se. Esle ponto precisa de
um desenvolviraento que Ihe nao pos-o dar n'uma
correspondencia escripia a ultima hora do vapor.
Dizem que o Sr. Joao Augusto Correa, depulado
geral pelo circulo de Camela, nAo vai ao parlamento.
Se he certo, creio que elle o o. cu--,- deputado nao
contando com o Dr. Tito.
Asseguram-me que o Dontorzinho -por ser pe-
queuino e gonlinlio Canto ja escreveu e tem guar-
dado para recitar em t< de agosto, um credo poli-
tico, ou urna ahjaracAo t* crticas do Tio. He difli-
cil de ver isto, mas creio que o menos ha de proce-
der diversamente... senAo, ahi esta' um E-quenlo,
promplo e muito resolvido a usar de um direito nue
Ihe dea o Doolor.
Preparam-se bailes masques no Ihealro, e tam-
bem a polica ja se preparou com um regulameulo
a com as penas para os infladores.
Sou obrigado a fechar aqui a minha correspon-
dencia, porque a minh.i polica nAo me trouxe mais
do que e-la- noticias e a abundancia de carne verde
porm caresta de faruha. Se continuar assim a fal-
larme, demillo estes embregados, e procuro outros.
He verdade qae as enctienlcs excesivas do anuo
paseada derrotaran! vanos rannaxpaat racadaa, por
rujo motivo algumas paMoaa loram prejodlcada ;
Mata lamban nacera qaa deran aolrv* resultados
que elle aehaya-se dbpaala a ola voliar mais para a
comarca d> Imperalrh.....i,, lem ioiroigoa conliecl-
tlo< p nnplacaveis.
t) lr. Jagaaribc a" deve boje achar-sa em Sobral
felizes qoe assasroni|iensam e-'i-s punes e'liagos e Se a sua linha de conducta allinlofora mal Com-
dainnos causados a' pequeo numero de paaauaa, que
alias nao se queixam muito, por veolora porque
conheceram e'la Tardada.
Sinio anda hojarepalir-lhe oqoa por vezes Ihe
di'se nos annoa .')'> a >l>, jaando Ike Iratava acerca
da agricultura, que os melhodos se assim se podem
chamar a usos rolinetraa e os iii-lruiiienlos de prali-
car esla uestes noaaaa serloes, sao anda os peiores :
una rutina cega e crocra enerva ou antes ob*l
os progrettoi dran arta ulil e innocente a seguudo
a eiprea>4o de um aecriptar roiilempnrauen.
Conhereinos todava poucos proprielan s que,
aninaadoa doa belloa daaaioa da melhorar a conoir-
cao da lavoara da sua trra han mandado nAo sem
grande dispendio e lucommodo vir cellos instru-
mentos, que mellmrain e abreviam os praetam da
cultura da canoa, do arroz, el;., etc., desembara-
plela abstengan da ,oliiica, muito tem ella ,ic aaf.
Trer, porque nao ha |oilr ,,0|,uiii .lo imperio, onde
poltica adiete mai- extremla.
A adminialrac^a ida se desvia d sua marcha de
Itaparciallilad. lie a nica marcha p.issivel de to-
das as a,lmini nao se pode grangear a clima e re.pcilo dos povoa,
mas nicamente um grupo de amigos, ou de agrade-
ctdus. e iiiuila< vetea .te aamerosos ingrato*.
Conlinua-tecom vigor naaobraa poblleas. \ obra
do aterro da Maraugaape, que fui atnprehcndida
pelo fsr. l'a-s Itarrel... aeha-te onaai de toda con-
cluiita. Esla obra l.e nina das mai. imporlanlea, oue
se trin fallo lia provincia, a comparativamente rom
as oulras be a que se lem feito com niaior economa
dos cofres pblicos.
I lliinameiile se lem espalhado o lualo de que o
cando o ierren,, destinado a1 plautagcm dos muilos' cholera-inorbus faz davalroaa nas nrovtncias da
'T.u.v.'.no: T' Parahiba, BloGrand. do NVrl., em lugares li.ni-
l.ouvamo, decorado essesesrorroseesses senli- Iraphes deila. Nio ba porm nada de positivo so-
nienlos que os animan), e aniimol sinceramenle ; l.re esle poni, creio mesmo que nem ha noticia al-
que anida ludo i-to eja l:ln lncomplelo,qae nao pos-! guia ofDcial.
sa ponerlo dar o devi.iu impolao a' nos-a alraiada llepois ,|s vexame. e asonias causados pelas elei-
agricullura oes, seria a pre-enca d-qnelle llagello aqu om mar-
Deinasiado me tenlin demorado nesle ponln : per- I lyrlo sem mmir na lingaagem da dr.
doe-me, eslava gostando de (alar d'aquillo que mais [ As chuvs eonlinoam por lodo o serlAo ; ninguem
nos inleressa boje a nos lodos brasileiros, que ince- receia mais a secca no correnle anno.
nuamenle desejamos a protparldada do nosse nas-. Nao >ei se ja'he ahi roiihecida amorte piema-
cenle paiz. onde inrelizineule questues safaras c im- lura do cidadao Bernardo lluarle BrandAo. Era elle
pertineiiles de urna poltica n3u menos estril e aira-! um dos mais rices fazendcirns da provincia, e a sua
hilara, orcupam e consomem as raheca* e o lempo mude fui sentida pelo commercio daqui, para ruin
d aqaelles que mais ileviam curar dos interesses desenvolvimentu elle concorria com o empredimo
reaesdeile. de aena eapilae*.
Porem aqui pararei por hoje sobre o assumpto.
Eleiccs, pnlilica, intrigas, calumnias e escanda- eros, que se ronsuniem aqui.
loslu.iopor caua das primeiras,sAo o quecons- Como vem Mo a pello, dir Ihe-hei que o rommer-
lituem por ora a queslAo do da nesla provincia. I co para a exterior, fez-se aqu o auno passa.lo em
que sem nenhuma duvida lem as mais por cumpa- qmi'ze navios eslrangeiros.
nheiras nesta lempesiade ele toral. O commercio de cahutagem fez-se em Irinla e lan-
Que servico pujante, pois, nao me imporia se me tos navios, cuja maior parte pertence a negociantes
propozrsse a Iratar-lhe do que ha-e passado de 2 desla praca.
deiiovemliro para boje .'! Acha-se' nesle porto o hrigne escuna oliuararapeso.
Entrnele Liverpool na semana patuda a barca
inglcza ni-alconu. Trouxe grande soilimentu dos ge-
llAfflC (VIIU t)a> pniuiiniam ->ni>i
pois emillirmos nos-a fraca opiniao. Ainda desta vez
nao nos enganiDoa em noaaaa esperanzas !...
\ Marianua etlasiou-nut O Sr. JoAu CsetasM dos
Sanios requintou em sulilimidade, a represeuluu por
tal modo a eegoelra, que parece inrnvel como a
arle pude ohler um IrisHiipbe tAo completo sobre a
naluie/a!... O seu anlar, aladear quaiuln proeo-
rava una pe-soa, e a expressAu de seu roclo, eram
tilo nalnraes, tAo cheios de veril.ule. que acredita-
ramos ver um ador ceg, se nutro que nao o Sr.
JoAo Ceetanu dos Santua, pudesse repreaentac pomo
elle.
Mas he impnssivel '.
A iidiireza seuipre avara d i- -uas grandes obras,
so de seculu a serulu ,,. concede um prodigio como
e-le que au'nia temos a ventura de admirar !
JoflO Caelano dos Sanios, o arli-la do-ecolo, o
talento admirado pela Europa, o rei da -cena bra-
-ileira. roroado em mil vielorlaa e rarresado de glo-
riosos Irophi'os, nao pude ser
Pella a chamada,as II horas da manilla acliaram-
se presanlea IV sentiores jurados.
Foi dispensado da sessAo o Sr. Jos Ignacio de
Medeiros liego Montcirn.
Foram releva los das mullas em que inrorreram
na sess.lo do dia -2 do correnle os Sis. Francisco Ro-
drigues ilu P.vso e Manuel Carneiro Leal.
Foram multad em mais :>(>; rs. os senlmres jn-
rados ji' mulladus nos das antecdeme-, e mais us
teiihores seguinles :
Joscrusebio Alvetda Silv Agoslinho Jos dos Sanios.
Antonio Hachado Uemet da Silva.
Antonio Cesara Moreira Das.
Ellodoro l'ernandes da t>uz.
(I Sr. juiz de direito declarou aberla a sesso, de-
comparado a nuin ,
por mais intelligenle que -eja. porque, apar dasua pu Ull loque de campanilla,
mlelligenci.i, nenhuma se pude enllocar. I .,,,,._, ., ,... lsel, r .
Poderflo procurar imlla-lo, tiro, mas a es-a iml- M"''U '"'''se s'"' fal ll"''"l ["senca do
la. ao fallando certa- rou-as que sao exclu-ivaon-nle- miiuiial do jurv o reo pre,u Francisco Jos do Sai.
-na-, loruar-se-lia una uruletra parodia, fela por'cimento, acosado par prime de homicidio peipe-
v'-u.,'!',!'rll.nn;j't','rar,''"S ''" ?"e '"V"""' "". ,,a'1" "* pe,,"a ,le J"ao (;ii,,,i"-" l,J &. conieclo
vejosos do tlenlo desse genio. Lomo he p.ssive ,,,,, ai ,.. ,
imitar a -cena da revista dos invlidos e do reco- '"'r M'"c'" Au{om"- :u-ado lanbem por cr.me
nhecimei.....la Marianua, arrancando lagrimaa a '.c,c fenmenlos leves felos nas pessoas de Manoel Lo-
mis de um e-peclador, e coinmoveudo a um au li-
in.ii-i 11
jury os
da acru-acao
da
dee/a, e pinpcz ao
quesitos, e entregando r. memoa ao ron.
seibo, foi este Condolido a sala secreta daa confe-
rencias, a- > horas da larde, d'onda volloo as dota
horas e um qnarlo con. maa raapoalai que foram
lidas pela presidente do jurv de senlenca.
U Sr. juiz de direito, recelando as re-po-ias ;
declarou que appellva da deci-Ao do jurv para o
Irihuual da relacau e puhlicou sua senlenca, ebeei-
vendo u rea e candemuando u autor nas cu-tas ale
u lanc'imenlo do me-mo e do lancameulu eiu
di uite a muuicipalidaile. e Itvaulou a sessle, adian-
do-a para o dia seguiute as 'J boratdl manhAj.
i Kl Norte F-pauol a de 31 de |
REPAKTICAO DA POLICA
Occurrencias do dia I de marro.
La-sa eu
ultimo :
lemns v,v|, lrer||0 allocu^Ao pionunca.li
por tea uatiae, no canalalarta >rrr.....la l". n>
deiemoro alunao. -ti ,,, |., |\, roi.demna ajeea>
ramele a venda |n, .crle-iaslicus, re.eule-
nieule ordenada pelu toveri... mexicano, e na me-
ma allorucao nB|rM cu0M 0 ,f|lu,llle
a ii que he anda mais doloros., veneraveis ir-
maoa, he ier l.asi .a ielig,.f qQ completamente
inhei- a >oa fwaeaa, reg,as ,, 7lifilai a
d ariplina geral. se nau l.aj.m en.ohadu de -
pand.disar altamenle ,. ,,. ,,. ..
e.,..,,,do e .ip|101.do-,e a ., ,i.>tuUc, -, .
-tabelecla par. regular. c......(| ^ ,Z. .
i nerawl irmao, o b.-po de Mechoac,,, faiaia.Md!
"-"," "'1r"""""-.'"- '""i- dea Waaaan da ,g,e,a
; n.,l,a.ulo-.e ,, U J I
fallado, e endeudo alo .- he, de
de anea prunr
inmunidades, pon. de-pre de ludas a. !.,,. .
loram presos : a oidein do Dr. juiz de direito pre- das severis-im-s penas impislas Bajeas saciad. re-
sidente do jurv para ser apreseutado na sala du nones. Con. nual or n..s vemos ul>ng* (|,
mesmo o pardo Sevetino Martina de lana-. J que laml.cm -e tncoulraraoi
l'ela dclt'oa.'ia i
M i i.n'i !,,-, ,le
lorio lo numeruso
Queni com mais loica e expressAo nos pintara "
de-espero de um pal, que ceg e velho, abemlo que
-en filho corre um perigo real, deeja vinga-lu e
aeha-ee impulente Lomo descrever a nobleza de
seu- -enliinenlus, ao saber de ua de-honra'.' corno.'...
lie impossivel!... Imila-lo, pinta-lo e descrever,
he larefa aoperior as noaaaa forjas ; porm nAo im-
porta, porque o Sr. JoAo Caetauo dos Santos he bem '".aelano Jusc Mendes.
cviihecido. sua repulacao esta slidamente firmada ; Joaquim Vital Mchalo.
-,,,.- n ... '.....I .1.. ._:____ .- ...
pes tiuimarAes, o Antonio Mximo Sintoet, ludo no
dia "> de dezembro do atino de 1836, sendo o de-
fensor do mesmo roo o Sr. advogadu acuna mencio-
nad.
O conselho do jurv da senlenca foi composlo dos
senhores segoiules :
Severiano Baudeira de Mello.
snl.re o pedestal da -ciencia, e seu tlenlo sublime,
raru, iminilavel, lem sido devidamenle apreciado e
l ro -1,111,,, i por mais de urna peima hbil. Firamns
aqui. e anciosos agn-rdamos a c. Cargall.ada, o etM
liarlo -uhlime de -eu genio.
A Sra. D. Gabriela, nAo lemos palavrai com que
pintar a admirarlo de que Ticainos possuidos !.. >rio
ha palavras com
....cu..,.. ,,,a noje. : Acna-se nesie pono o t.rigue e-cuna l.uararapes., ha palavras enm que possamos fazer seu elogio, e
Mas. nao eslaudo de vea a oceupar-me de-a la- de que he ronimandante o I" lente Pedro Thomc | ,>r Ico nos limitamos a dizerlhe : que o seu trba-
tela agora, aprazo-a para a segunde e ale porque de Castra Aranjo.
ainda nao eslou inteirado do resultado da eleicAo do Esle lirigue au la rmprega.lo no cruzeiro, e na-
depulado do norte desla. o qual pinam uns, sera' o vega lias cosas de-ta provincia c Rio tirando do
Dr. A. Burgos ou o Dr. F. Salles, segundo nutro-... Norte.
IV Actualmente, porm, stha-ae em concert, em
Por esle circulo do ceulro foi eleilo depulado, o consequencia de una pequea averia, que sollreu
Sr. JoAo da Silva de Miranda, que por um nico em sua derrota du MaranhAo para aqui.
voto sobre o Dr. Jesuino de Suuza Martina, colheu O apar Ianaraenia anda nAo vollnu dos porlos
da Granja e Acarac, mas he esperado a cada mo-
mento,
hiiiiio aqui, desejando-llie paz e felicidade.
esse laurel.
Senli, verdaderamente, que n Dr. Murae.s Sar-
ment, hornero de talento transcendente, saber pro-
fundo, erudirao, inconle-tavel patriotismo c mulla
independencia, por sua fortuna, loase posto n' mar-
gen).
IngralidAo '.
O Dr. C. J. de Moraes Sarment, qaando achoo-
se no recinlho da cmara dos deputados, por mullas
vezes levanlou sua voz eloquenle em favor dos di-
reitos e interesses do povo Piauhvensp. afTrontando
iras furibundas e injustas, que, em breve, o con-
demnanam ao ostracismo polilico. Residindo na
provincia, ebegou a fundar, qoasi a' sua casia, um
jornal, que redigio com louvavel dedicarao, apon-
lando os meios de melhorar a condieje da industria
agrcola, e censurando os desvos e abusos de aulori-
KIO CHANDE 1)0 NORTE.
Natal ^7 de fevereiro,
Ainda aliohavei urnas qnintllbaa, para desla vez
dirigir-me a Vmc. em verso; mas vi que a pee-
sta, nesla casia de versificacAo, nAo se presta intu,
a narracAo de fados lgubres, e prinripalmenle a
poesa de umeuqoe, em phraae vulgar me ca-
be bem o Ululo depoela d'agua doce; rasguei os
laes Iv rims, e la va) ludu em rasteira prosa.
Pur falla de numeio legal nao foi aberla no dia
I i .lo cu.-iciiii-, a segunda ses>Ao ordinaria da as-
semidea provincial, o que s.i ii'.de ler lugar em o
dades despolas, assim como criticando, asperrima, i J" '* "."ando j bavia chegado algn- deputados
mas justamente, cerlos prejaizos riilicalos e corrnp- "O serlAo.
lores que afearo e avillam a uussa sociedalc em I r,,|i"u"o do presidente foi uccinto, porm con-
eral. Ic,,' 'ornada eita palavra em todo o rigor de sua
A segunda sessaodo jury dcste termo, convocada
para 17 de noveinbro prximo passado, nao leve lu-
gar pela falla de eomparecimeuto de cinco cidadAos
jurados. la vallaran) manielados os fjii-cro pre-
sos para a rdade de (leiras, eabeea. da comarca, in-
cerlosde sua sorle, e aappoctaado a prolonaacAo do
roarlvrio da reclusao '.... F. para alguns denlr elles
tanto peicr, pois que a opioio publica os considera
innocentes.
As mullas de IfiONlOO rs.. que pe;iram sobre ca-
da urn dos juiados que faltaran) *'sessao, lizeram
nascer queitumes e desr.iiitenlumenlo ; porquaulo
houve quem, n'uma ou ii'outra.euxergasse un.a vin-
ganja acintosa.....
Diz-se qoe a cansa de ludo so, e do mais que eo
oniilto, foram os malti.los bellegnina de Valenea, us
quae-, recebendo os mandados, para fazerem as ci-
laces dos jurados, njo os cumprirum, ele, etc.
Mas eu Ihe aaseaera que, rom os meirinhos. houve
outr.i alguem lamben, rnlpaio. e que..... tale lal,
ele., tiraran, os fareloriot cila.loos impunes.
Ou os iiietrtni.os sao culpados ou nAo. Se sao,
porqoe nAo sollrer.im pena, ronfurme a lei ? E se
nAo 'Ao, para que propala-Ioi culpados, que nao
commetteram ?
He una vergonha querer que uns pebres d.abns
cari-eguein, perante o publico, con. a culpa de ou-
Irein, assim como he urna miseria nao os punir, se
realmente nAo curnpriram as ordens do seu supe-
rior '
O que Ihe assevero he que, se os jurados houves-
sem sido anticipadamente pilados, havena sesao, e,
ponseguinlemente, nao se ob-ervariam lautos Irans-
lornos e despropsitos.
VI
Espera-se a' qualquer da o Sr. A. Tbomaz do A-
maral, para nballloir, na presidencia desta provin-
cia, ao Sr. F. de Almeida e Albuquerque.
Vil
l'alla-se naje, em feveieuo prximo futuro, se pu-
blicara em Therezma om periudicu, sol o titulo
Despirludor, sustentando os inleresses do parti-
do liberal, porm sempre de accmdu, por cedo mo-
do, com as ideas conciliadoras do Ilustre lin.idu
marquez de Paran'.Que appare^a e lerremn- ao
men- e>se vehculo da impren-a, pois que o CniO-
rato Pktuhgtttte nao merece o noine de fulha pu-
blica.
Que me perguntem o porque.
VIII
Que lie do sea correspondente do Rio '.' Oh sin-
to-lhe a falta nas columnas do Diario, porque gosto
de o ler !
I\
A provincia goza de salubridad e de plena paz a
tranquillidade publica, apezar das cleices ; e, pon,
viva Dos !
\
Na aeguinte Ihe direi o qce nao poeto incluir nes-
ta, e por isao mi rclourneur.
Adeos.Saude e dii.beiro Ihe deseja aea amigo e
concillada..,
O -Popular.
P1A1IIV.
Villa de Valenra, i de Janeiro.
1
Que o anuo Ihe tenha entrado pela porta com
aspecto risoi.ho e lisonjeiro, achando-o na fruicAode
saude e de dinheirn, muito hei de eslimar assim co-
mo .pie elle Ihe seja summamenle prospero e pro-
mettedor, e muitu exacto em suas promessas, pois he
o que vale,
Festas felizes e bullante-l.rilbanlissimas e des-
lambraolessei que as lera ; e por ssovivorios!
pnsben-, meu amigo.
Como ja o disse nlgaem, o que se leva desle mun-
do sAo algumas horas bem pastada*, e eu acresceulo
nAo sei se com .-icerlo ou sem e le. que lamben) u
frocto dos actos bous de piedade, bumanidade,
jo-hca, que realmente leem grande valia diaute
d'aqaelle que nAo jalga os liomeus tmenle pelo vul-
to de maior ua menor numero de palacat ou pa-
taces, como nos atros ea' do globo terrqueo, a
quem o brilho do metal luzeule magnetisa, fascina,
cega, entmiquece .le urna maoeira espantosa e expli-
cavel. Mas islo he velho, vamos pois ao que pode
ser, 'i-nri i novissimu. au menos nao lo anliquadu
como o poder .lo oinheiro, quej mesmo assuu, ja-
mis poetara' aa archaitmo..,
E de mais, quem me eucommendou o sermAa ?
Ninguem, e, pois ninguem m'o pagara'. Pnanlo
boa imite e panal bem !
Ca' a iucognila individualidad que aqui rabisca,
Vai aatTrivelmente em quanlo a phyaico; em qnan-
lo... ao mais, nao e-la' I,-.' muito invejavel ou em
uutros termos, carreiM o faids. tpleenico, lanaada,
amaeacada, enfadada e cum mais eoaaaa birreniaa
em ada.
E veja sean lenho razo Proearei um circulo
eleiloral pira enci.ixar-ine em enrpn e alma, maa
debalde!nao o enaecoi, lado eslava qaadrado
meu chara I aentii- acreditei qaa u circulo em pu- I ,,asi ,ie indo os mascara- .:,i
CEARA'.
Fo.-laleza I de maree.
Quasi que estamos em perf.ila calmara a respeito
de noticias. As preocc.ipact.es do espirito publico
vAo perdendo aquella vivu colorido, que, anda ha
|>oucu, susteutavam.
Com elleilo, pondo de parte a lula ene-ruinada e
semi-barhara da imprensa, a qual nem de pastasen]
discute urna so idea de nteres-e geral, nenhuma ou-
tra cousa mais enlrelem a cmiosidade publica.
Todava ha cerlos facioo, queja' foram registrados
em seu Diario, mas que por serem complexos anda
nAo -e realisararo de lodo. He desles principalmen-
te que pretendo icrupar-me na presente.
O Di. Abilio ja' acabou de instruir o processo, que
foi instaurar em Sobral pelos successos all occorri-
dos em uovembro ; nAo laxrou porm ainda a com-
petente prenuncia, pela qual esperan) todos all an
ciosamenle.
Segundo ss cartas, que tenho em vista, e que me
foram dirigidas de Sobral pelas pessoas melhur in-
formadas, e menos toapeitas, lia no Dracena materia
soheja par urna legitima con lemnarAe. Acrescen-
tam ale alsumas pessoas, que as provas colindas por
aquelle hbil magi-lradu iran ludo o escrpulo
con-ciencia anda a mala timorata.
De Sobral seguio o Dr. Abilio pAra Sania Auna,
onde igualmente lem de fazer tnun.phar a canta da
juslipa e da lei. He ama larefa improba e dillicili-
ma para as artuaes crrunsliincias da provincia, mas
espero que ella seja dencmpenhada dignamente pelo
espirito redo e illoetradoda Dr. Abilio.
Consta aqui que o subdelegado de Santa Auna
prendera j..' om dos individuoa implicados nas des-
orJens desla freguezia, aojo nome he Capiur. Lomo
diziam que esle individuo era protegido pelo refe-
rido subdelegado, folgo de registrar aqui este faci,
que servir' para deixar entrever a pareialldade rom
que se apreria aquella auloridade. Como Capii,
porm, exslem em Santa Anua muitos oulros crimi-
nosos, contra os quaes nAo deve cessar a vigilancia
da polica. Ha toda a etperanft de que a segure da
le Taca abater o eolio de tolas essas papuulas do
crime.
A drsavenca que ex slia no Ipii entre os reapecli-
vos juize- de direito c municipal, nao se acba ainda
de lodo etlineta ; mas tem-s atlenua.lo raailo, gra-
cas boa ndole e cuidada ulucacao dos de-aviu.lns.
Seria para di-ejar que aquella don mngitlradot
vollassem aos anllgot tentimenloi de amiaade, que
reciprucamente se volavam em lempo- bem pr-
ximo
signilicacAo.
O qoe tem por ora causado dolorosa impressAo em
qoa.i loda a populacho desla cidade, e mais necopa
a altenjao das piimeiras rodas, be a morte de Ma-
noel Lucio.
Esse cidadao, que leria apenas Irinla e dous annos
de idade. era naloral da freguezia de Campo-Gran-
de desla provincia.
Logo que lez os seos vinle um anuos, comecou a
ligurar, pela sua inlelligencia a virtudes cvicas, em
toda a comarca da Maiondade ; e, pnuco depois,
a su., inflaenea poltica se fui directamente exlen-
dendo a ponlns longinquos de sua residencia.
Por muitu lempo servio com honra e adivida-
de o lugar de promotor publico; por difiran-
les vezes fui deiter de parorlua. e ha duas legisla-
turas, era meml.ro da asemblea provincial.
Com um ar que ineulenva vigorosa saude, termi-
noo o Lucio o- Irabalhot da aaaembla do dia til do
correnle, c relirou-se para a casa de sua apoteuta-
duria. janlon e dnrmlo anata.
Ao acordar, eomeu uina laranja, qoe Ihe produ-
zio ana forle ndigealle.
O resto da larde e toda a noile desse dia, pas-
sou em vmitos, e, au amanh-rer, mandou cha-
mar om curio-o, que Ihe ministren alguna re-
medios; ma* vendo que nao ol.linba melhora, e
que, ao contrario, o mal prsela sensivelmiiile, rc-
rorieu ao Dr. Doria, que Ihe mandou dar a beber
urna tisana, cujo nome me nAo lembru agora.
Contina a molestia em sua fogosa marcha ; o
rosto do paciente esla da cor do apar, os ollios al-
:: mil cou-a injertados de saugue, urna eontiuua ag>-
lacao o leva multas vezes fura do leito, e o delirio
ja se arl.a assas pronunciado Nesle e-i,-,io ama-
nbereu o Lucio no dia -.
Alguns de seos amigos snppondo-n em perico de
vida, chamam o Dr. Arnauld. o qual, conferenriaiido
con. u Doria, le id.u*qoe o doenle devia solTrer una
sangra geral ; e como a pathologia he inexgotavel,
deram mole-lia o nome deeougestAo cerebral.
Sangram-n'o; mas ludo foi infructfero, o mal
augmentan rada vez mait para a nuile, ape/.ar dos
laaidooa cuidados dos dous mediros.
No uia ^3 j amauhepeu pallidu e moribundo ; e
o Doria, que era seu principal assistente, ronhepe
queja eiam baldados os socconos d'arle, e o aban-
dona.
Tenla-se o ultimo recurso, ao meio-dia be cha-
mado o llimont, prolessor de homeopalhia, o qual
declara perante todos, que o (lenle morria de febre
amarella: fondan.lo seu diagnostico nos vmitos,
que eram de um parda escuro.
A' cu.lo, consegue dar-lhe algumas d.ises. mas j
elle agoni-ava, e as tres horaa da larde expiren.
A's cinco huras marchava o sea cadver para o
cemilerio, no meio de grande acompanhamento, e o
Exm. presidente da provincia ia uo cooce do pres-
tito.
A assemhlca, em signal de alia estima, em que
linda esse sen membru, suspenden es Irabalhus por
tres (lias, e lomoo lulo por oito.
Dos doos peridica que estavam para ver a luz,
como Ihe disse na n.inna ultima, sabio tmenle a
ilusa ; e pur causa de urna puesta amanletica,
publicada nu pr-metro numero, brigou o Machado
;majur) com o Nobic Juniur, na Ihesouraria pro-
vincial.
Se Vmc. leu enm allnele o que eu Ihe mandei
dizer, a respaile dos t.ies peiiodicus, ha de estar
lembradn da mulla predicAo.
Deste laclo e de uutros muitns, como esle, que
lenho e'criplo no meu velho lbum, pretendo lau-
car man para aicumei.lar contra aquellas que di-
zem queninguem he prophela na sua Ierra.
Meu amigo, n trabalho a que me entrego inces-
santeiiieule de estudar os hom.ens de minha Ierra,
e as eslreitas relaces qoe felizmente enlrrtenlio
com I. dos, faz com que eu os cunhega tanto inter-
namente, como se elles fossem felot do mais puro
crxslal. o Dis raoi tu qui liantes, je le dirai qui
(( lu s. >i
A libenlade, apezar de lautas e lia patentes pro-
vas, ainda presisle em duvidar o que eu por muilas
vezas Ihe tenhu dito sobro o pre-idenle da provin-
cia. |islo he, qoe elle nao lomou parte ua eleicAo, e
que lem sido solicito ern soecurrer a lempo os pobres
allecla.los da citolera-morbos em Indos us i uno-, a-
in.la os mpis remotos desla capital. As duvidas lem
si,o opposlas em termos romedidos ; mas, em reln-
liuio ,, Jhe ollereco a decencia, cum que della he
sempre fallado. He verdade que, se ella quizesse
pessoalmenle fazer o correspondente, nunca -tirana
suas setas remira mior.ponj nAo me ronhece de vista,
mas aim conlr um philantrupu, que, segundo me
ditse o Turres e o Torrea iiAu mente, chama a si a
pdernidade miulias cerrespuudencias, e isto snmen-
le porque nao quer ver padecer nm so de seus semi-
Ihanlea, ainda (|ue seja culpado !
\\a mullo que a Irauquilladade publica se conser-
va inalleravel nesla provincia, gracas ao genio es-
tencialineule pariliru|ile seus habitantes, e as sabias
providencias das primeiras auluridades. 1 .uto po-
des-e eu dizer-lbe sobre o esladu sanitario, qoe he
bem pinico lsongeiro, pois, alm de varios casos de
f-hre amarella, que por aqui -e tem dado, .inda
cholera faz estragos nas villss do Aran, Touros e
Flor.
O Dr. Amaro, que presentemente se acha nesla
capilat, esta -e preparando para ir a corle, alim de
tomar as-enln na cantara lempuraria, ruino depula-
iln eleilo pelo I' dislrido dela provincia. He de es-
perar que o- dous nevos oseolnidua facam conven-
cer na Iribnna que o Rio tiran le do Norte, ja oceu-
pa algum eapacn nos mappaa eugraphicoa uo Bra-
sil.
O Sr. Caalello Bronco, juiz municipal desta ea-
Iho he lAo sublime, que nAo jugamos, baja una nu-
tra actriz, que ihe posta ser comparada !
Os Sra. Ju- l.uiz eGoimeraea (eom especialidade
e mai-artistas, Irabalbaram mullo bem, coropre-
hendendo seus papis, e nada denando a desejar no
teu desempeuho.
A comediaManeotaencerrando bastante mo-
ralidade no sen lo'o, deleiloo-nos summamente, e a
Sra. D. Isabel, soubc sustentar perfciiamenle ale o
lira, os ademanes e expresses de urna campnneza
Francelino Americo de Albuquerque Mello.
Antonio Luciano de Moraes Mesqu.la l'imeutel.
Dr. Antonio Pereira Barroso de Moraes.
Jos Nuues de Oliveira.
Jlo Caetano de Abreu.
Jos Bibeirn de Rrito.
Cosme Jos dos Santos Callado.
Barlbolomeu Francisco de Souza.
Dr. JoAo Francisco Teixeira.
E preslaram o juramento, sobre o livro dos tantos
evangelhos.
Foi o reo interrogado e no interrogatorio disse que
era aecusado pnr Ihe imputarem uos leriroenloa.que
huuveram na Cepunga nu dia de relia do anuo pas-
sedo. Sendo dito pelo Sr. juiz de direito que lam-
rt'r1''1!,''.' """n,llnellle .immiga des.es suht.leza-. bem era acensado por urna morte feila em Joao Cli-
de que a nulra se aproveilava. Os mais .enhores, i ... ,. ,
Irabalbaram bem, e co.icorreram para qoe a come- '"''C0 ,la **** co"hecldo P" Amonio, dis-
dia agradaste mala. Ie o ru que nao fizera tal mude. Disse mais que
He sem duvula para lamentar que entre n* i presenciuu ama lula qae se den na Canunga, du
eslaramrntocoui patanos, na qual elle reo tam-
Disse qoe nAo sabia os autores dos
exislam homens que
qual i duccii,
havendo recebido orna lal e I
e apresenlem em qualquer unta i ,
reuuAo para pralirarem arlus veisunhosus, como 1 "
acaba de succeder no Muuleiro por occ.siAo do ban-
quete dedicado aos pobres. Comdou-noa que um
mojo de algumas esperanzas, acliaiido-se no Mon-
teiru pur occasiAo de-se banquete, qoe f.'.ra tmenle
dedicado aos pobres, esquerido do respeilo qoe
aquelle acto era devido, se laucasse com a maior 80-
freguidAo sobre um pralo ce uvas e delle liratte
duus canos e os melleste nos seus bolsos, infrin-
gindo assim aot pieceilns de civilidade e fazeudn
[.atente a sua falla de podor. Oh! quem tal dira
qoe alguem houvesse qoe a tanto se atrevesse ; mas
o caso he que o facto se dea coma nos informaran!,
e sendo a-sun, nAo sena melhor que esse scntior,
querendo fru.rdesse banquete, dene a- suas ves-
tes ese reveslisse dus andrajos da miseria, para com
os seus irm.1os gozar daquella esmolla ".' Cerlameule
que sim ; entretanto assim nao o fez, e utleotando
a sua alta poiicao, cominettcu a mais negra Infamia.
Sirva pois a conimemorac.ilu desse fado para correc-
tivo desse -enluir, e mesmo para qualqueroutro que,
em idnticas circumslaucias, pussa comroetter seme-
ntantes faltas.
J nAo se pode fazer caridade, em vi-'a do
faci que passainos a narrar, que se havendu dado
entre nos, smenle honlem fonins delle sabedor:
Consloa-nos que em dias do roez passado, um es-
traiuceiro se dirigir n casa de urna preta de nome
Rallona, moradora na Ponte-Velha, e Ihe pedir
um pnuco d'agna para beber, o que sendo-lhe sa-
lisfeuo, pedio depoit o mesmo eslrangeiro que o dei
xasse repoasar um pooco em sua casa, por se adiar
batanla fatigado ; a esse pedido annuio anda a po-
bre preta, sem prever as ronsequeucias qne dessa
sua ho-pilalulade Ihe podia provr. Recolhido qie
foi aquelle eslrangeiro, procurou com efleito repou-
sar, ma. vendo a preta qoe ja se lam avan;ando ai
hora-, procuroo desperta-lo pa.a que se relirasse ;
mas qiifl nge fui o seu espanio. vendo que aqueie
honirn se arliava com ama febre abrasadora e qua-
si delirante. Asaustada pois aquella preta, como ne-
ces-anarnenie devia licar qualquer pessua, dirigio-se
a um inspector de quarleiru e narrou-lhe o facto,
e este, depuis de haver examinado o enfermo, e Ihe
parerendo sub.iilo de \ M. Biilannica, cuu-la que
se dirigir ao rr-neclivo cnsul, para o fazer remo-
ver ; mas nao se. lo elle inslez, pomo f.'.ra recui e-
cidu pnr um agente daquelle consulado, o deixar. m
tirar em dita rasa. Tirando com elle a pobre rirela. o,
corno I,, iliatn, um papos de aranha, sendo preci-o,
romo igualmente nos luformam, que para lal remo-
Silo ella fosse toreada a gastar vinte e lanos mil ris,
e isso fui melhor do que ler de enterrar a un ca-
dver. E que lal!!! Dessas caridades a libera nos.
-J Conluiuam os abusos de se vender nas taber-
nas por ropinbos, e com essas esperlezasoulraa maia.
Sra. fscaes, aiieudam ao natsa reclamo, que nAu he
despido de fundamento; piocurem svndicar oe-se
negocio, e vAo impondo as penas que se arbain cs-
labelecidas pela cmara municipal.
Cunslou-nus que no da -i do correnle, pelas
9 1|2 horas da noile, fra visto no becco do Veras
om nuil,,,.- que chorsva e pedia que alguem o aco-
Ihesse em sua casa, viito como elle era orphAo e
nenhum recurso liaba, por haver sido expellido da
easa em que se acbava servindo como criado. Al-
guem houve, aegundo us infurroaram, que recor-
rer i polica para remediar esse rnalfmas nAo po-
demos saber qual fusse o resallado, lodavia he de
suppnr que e Sr. subdelegado da Boa-Vista, em
quem muito confiamos, te preslasse a salvar aquel-
le infeliz menino.
He chegad da corle o Sr. l.uiz Candido Fur-
ladn Coelho, o l'isl/. purtuguez. Esta insigne pia-
nista, residente ltimamente nu l'.iu de Janeiro, me-
recen sempre ser considerado como profund'. pro-
l'essnr de puno. Vem residir entre nos, nAo s para
leccionar, como para gozar do nosan saave clima,
aconselhado pelos mdicos, em x ir lu -te dos seus pa-
decimenlos.
Temos goslado de ver e saber que as palmillas
rondantes cumprem exactamente ot teut devele-,
rondando loda nuile, e nio descansando de m lis.
Coniinurm, que merecerao o nosso fraco apoio, co-
mo meiece o digno magistrado que tem tbido com
energa e prudencia dirigir os uossot negocios po-
liciaes.
O vapor os. Salvador.., vindo dos porlos do
norte trouxe a seu bordo oa seguinles passageiios :
Para esta provincia :Manuel Pichico de Oli-
veira, Dr Flix Comea do Reg, toa senhora e urna
criada, Jos Joaquim lavares licitud e umescravo,
Benedicto de Barros Vasponceilos e om escravo,
Antonio Teixeira Belfoit Rocho, Jos Mariannu da
dula, sua senhora e um escravo, Poli loto Cesar
Bullamarque e doos escravna, |la>mundo Augusto
de sa, Kranlino Candido do llego Mendes e un. es-
cravo, Thomaz Antonio Paula Pessoa, I!. PinloNo-
Eiieira e um e-pravo. Jote Gooealves de Meara,Do-
mingos Anloinu alvos Bmeiro e um escravo, Lean-
dro Jos Freir, Manoel F. Ferreira Damasceno,
Antonio Ferreira dos Santos Camii-ha, Andi Fer-
reira dus Santas Camii.ha, Ernesto Facundo de Cas-
tro Meneaos c dous cscravos, Fructuoso Diaa R bei-
ro, Jos Comes l'ernandes Vieira Leal. Domingo.
C. (i. Sabis, Raxmun.iu M Castro e Silva, Ladis-
lao A. Almeida lorliina. Joaquim A. Fortuna Pos
sua. Kraticsco de Paola Pessoa Jnior, Roberto Fer-
reira, Dr. Candido Jusc Casado Lima, Pompeo Exe-
quiel de Sonta Santiago, Leopoldo Bezerra Caval-
canti, Joaquim Lu/. Alvos Vianna a um esclavo,
um desertor, Antonio Martina de Faria, Dr. Fran-
cisco Juvila Cavalcanli de Albuquerque, Juaqutm
e M- lio A '-\ edo, nm,, lilia e dous escravos, Pe-
dro Cavalranli de Albuquerque, l.uiz de Alhuquei-
que MaranhAo, Dr, Alvaro Neslor de Albuquerque
e um escrav... Antonio Thomaz Carneiro da Cunlia,
Manuel Zeferina Garca do Amaral, Theophilo Ote-
gario de Faria, Jarinlhu Jos de Medeiros Correia,
ifer,
cirio sarasas al-
egundu di-lriclo .leste termo, gnus homen-lao e-queci o- da sua dignidaoe e de-
iza, por desobediencia, l.uiz ver, e das pretctipfaaa cannicas, que te alrexeran.
Eduardo, Faustino e Joao, escravos do padre Joa- ahandunar a canoa da igreja, abracando urna l
S,
quii de Oliveira. pnr cun .le furto de cavallu
Simplicio Jote da Silva, para recrula.
Pela sobdelegaeia da fregnezia do Recife, lieor-
ge Hallas e lieurge James, sem parle.
Pela subdelegada--a freguezia de Santo Anto-
nio, o pardo escravo Ooilheruie, por vender bilhe-
liio injosla, e cedende a' voniade do governo. ..
{ Escrevem de Nirza o seguale, em dala de 27 de
Janeiro :
a EUre Vctor Manoel f,,i >qu, adusiraveloiente
recebido. A Pidade eslava loda enibandeirada a
t illuminada. Iluiife um i viaiU de S. M. a itape.
tes do Ihealro de Sai la Isabel por mais da seo justo rain/, da lio.a viuva. A czarina raaniletloa
va'"r- I grande apreso ua provas de allenc.io que Ihe den o
l'ela subdelegara da freguezia de S. Jos, o pre- i naato soberano, viudo a Nizza para M-iia-la. Se-
to esrravo Jos, por lugi.lo. melhaule viagem coincide, m- i inaalarmenle, roas
E pela subdelegada da Ireguezia da Baa-Viita,' do imperador d'Aoalna a MUnO, sendo esla ama
francisco Pereira de Carvalho, pur nAu ler comu baervarto qae lodo* lazam. Vn.lumbrm-te nova
depositarlo aprsenla lo aos avaliadoret os Ii,-,,- que I allianeat futuras ; e as til ai all que hoje se man-
Ibe furatu peiibnrados. fesiam, sao precursoras de relaedes mais formarse
' | e-lreilas.
loram presos: orden, do Dr. jaiz de direiln es- I Na castora dos romnmns. em l.ri.dres, na -ein
P'0'!* c,0""m',no Antonio de Albuquerque Mel- | de (i de feveteiru. em respotla a M. Baillie, u ehao-
rheller de F.v. Ii-quer declarou que, em ron-eeaen-
lo. indiciado no crime de quel.ra fraudulenta.
Pela subdelegara da freguezia do Keclfe, ut par-
dos Fraucisco Flnriano .la CinceirAo e Rosa Lima
Francisca Bandtira, sem parle.
Pela tnbdeleiaeia da Iragnetis de S. Jos, o pre-
lo p-rr.ivn Jos, lambero tea parle.
E pela subdelegada da ireguezia da Boa-Vista,
a preta \enancia. para averignacOCa por olleusas
phisicas.
lerimeulus, porque eram moiloa. Disse mais que
achandn-se elle reo de scntinella na Capung.i no
pmlu do Jacobina com ordem de prohibir que te-
masseni bauho, nnas as pessoas que para all fossem,
estaudo m-i occasiao um sea cainarada de nome
Joaquim Paes Bezerra, de II para meio di appare-
cera urna porsAo de pessoas com lim de tnmatcm
I. .ni.o,, licando a maior parle della debaixo de urna
mangueira que all lia, e segmram unicameiile tres
pessoas para o rio, all tratando um de despir-se, o
seu cantarada Bezerra fez ver que ninguem se podia
lavar all estando de lodo n, pois que era contra as
ordens da policia, no enlamo esta pessoa de nome
Manoel Lopes nAo altendendo a prolubicAu qne Ihe
fazia seu cama rada, e sem obedecer essa ordem,
tralou .le despir-se, enlao elle reo a quem cumpria
a obrigarao de vigiar aquelle porlo, nAo consenlio
que elle lirasse a camisa e Ibe nnpoz que sa insislis-
se em lomar banho o p, endona a ordem do subde-
legado, o que com elTeiln cumprio dando Ihe a voz
de prialo, mas como Manoel Lopes com seus cama-
radas que all se achavam, reistissem a pritAo, dra
nelle reo uina bofetada e lanraram tn.in de tijollot
para dar nelle reo e no seu camarada que lamhem
all seachava em seu sorcorro ; valeram-se ambos
das suas baionetat para se defenderem e nesst Iota
apparecendo o resto dus soldados que haviam no des-
tacamento da Capanga, que vieran) em soccoirodel-
le reo e do sen camarada,entraran) tambem em lu-
la com os paisanos e logo depoia o cabo que veiu
curomandando estes soldados prendera a elle reo,
sendo cer'.o que nao sabe se essa morle e os fen-
menlos de qae te trata se deram antes oa depoit de
chegar o reforc do destacamento.
O Sr. promotor interino disse,que fora o reo o au-
tor dus ferimentos e da morle, qoe te acba insano
nas penas dos arla 11)3 e -Jlll du cdigo criminal grao
mximo, por Se dar a circi.m-lanria auaravanl* de
36 do arl. 16 do mesmo cdigo, de soperioridade em
armas.
O Sr. advogado disse que nAo eslava provado dos
aulos ler o reo assassinado a JoAo Cmacn da Cruz
e ferido a Manoel Lopes CuimarAes, e palio a ab-
solvico do mesmo reo.
O Sr. jaiz de direito depois da treplica,resumi a
materia da accusacAoe da defezt e propoz ao jary
os quesilos, e sendo os mesmos entregues ao conse-
ibo foi este condnzidoa sala secreta dat conferencias
as \ horas e 3| da larde donde volloo aa horas
com snaa respo-las, que foram lidas pelo preaidenl6
do jury de sentensa e o Sr. juiz de direilo receben-
du as resposlas do jury publicou sua senlenca con-
demnando o reo a 15 anros e um mez da priaao
imples e mulla correspondente a G mezea e meio de
prisAo e nas rustas grao medio do arl. 193 e 01 do
cdigo criminal.
O Sr. advogado pedindo a palavra disse, que ap-
pellava para o tribunal da relac.o, e o Sr. juiz de
di reitn mandou tomar por termo a appellacAo e le-
va n l en a teasAo, adiando-a para odia segoinle at 9
Inras da ni inliaa.
I .a Sesso.Dia i.
Presidencia do Sr. Di. Hernardo Machado da
Cotia Doria.
Promotor publico interino o Sr. Joaquim de Souza
Reis.
EscrivAo interino o Sr. Manoel Correa Comes de
Almeida.
Advogado o Sr. Francisco Jos Martns Peona,
Jnior, estudanle da Faculdade de Direilo desta ci-
dade.
F'eila a chamada as II horas e tres quarlos da
maullan, aeharam-se presentes 11 senhores jurados.
Foram relevados daa mullas em que iacorreram,
os senhores :
Agoslinho Jos dos Santos.
Joaquim de Almeida Pinto.
Antonio Cetario Oliveira Dias.
Foram multados em mais lili? rs. os oulros senho-
res jnradus ja multados nos dias antecedente-,e mais
o- senhores teguintes :
Dr. i, iliin Ferreira Comes.
Eduardo Firmino da Silva.
Jos Enaehin Alves da Silva.
Manoel Carneiro Leai.
Francisco Rodrigues d Passn.
O Sr, juiz de direito uterino declarou, aberla a
sessAo, depois do loque de campanhia.
Aherla dita sessao, foi conduzido a presenra do
Itibunal do jury, para ser julgado, o reo Severino
Marlins de Fana, arcu-ado pnr crime de ferimenlos
lexes, leilos na pessoa du preto Caelano, esrravo de
Manoel Dionisio Comes do llego, em das do mez de
Balancele da receita e despeza do cemi-
lerio publico, do trimestre de outubro
a de/.embro de 1856.
P.eceita.
Oatobro de INjti.
Importancia de :I3 sepulturas de 3)000
rs. como do livro mappa, a fl. 38. (i-ihhi
dem de .".7 ditas de i-- dem de Itll ditas de BtKK........ IKtlNKHI
dem de llldtlas de AisOtlO....... VWIOO
Ideo, de uina dita de IIHJjOUO...... IIJSOOO
III pur cenlu dus carros fnebres .... 1 1MUI
Novembro.
Importancia de 31 sepulturas de ijCtlO liJ>0tKI
dem de 13 ditas a l.jOOO........ 17:OM)
Llem de 23 dilas de (>3lMh)......... !3egtKlO
dem de 4 lilas de j^llK)........ lu i-i ,o
l por cento dos carro, fnebres..... tllOJtK
Dezembro.
Importancia de 31 sepulturas de i^KK) tiKjOOO
dem de til ditas de ;IHHI........ 3148000
dem de -Jl dilas de 6-^KKl........ I i.s-m
dem de 6 dilas de 354000........ |."iII.;ikmi
10 por cento dos carros fnebres..... HI-nhui
3:3339600
Suppriroento feito no presente trimestre 7:4659437
Despeta.
Oolul.ro de is'.t:.
Com a tull i do- ordenados do mez de
setembro, docamenlo n. 1......
Com a feria dos coveiros e serventes,
rrocumentos ns. 2, 9, 13, "i e 2S. .
Com a construccAu das obras em anda-
mento, doeumentus ns. 3, 1, .">, (i, 7,
R. 10. II. II. I.".. 16. 17, 1H, 20, >,
33, iti. 39, 30 e 32....... .
Con. a capeila, dncumenlos ns. 2,1[
e 31.................
Com prepan.s das cstarimbst, docu-
menlo- ns. U'i. ->'i e 33.......
Com eventuae, decumcula n. lii. .
Novembro de IKjli.
Com a folha dos ordenados do mez de
uulubru, documentu n '.i'i......
Com a consIrurcAn das casas, documen-
tos n. 35,36, 37,39, |l, 13,13.49,
46, 1K, 30 SI...........
Com a leria dos coveiros, documentos
as.38, iO, 44 e 19.........
Gom a capelle, docuineulo n. 52. .
Com evei.luaes, oociimenlo n. 47. .
Dezeiubru de 1856.
Com a ioIm dos ordenados do mez de
novemhro. documento i). 53 ....
Com a conslf a. casas, documen- U
los ns. 55.. 50. 60, 63, til, 66,
07, 68, 7n. 72. 75 e 7I........
Cuna cap. lio, do- lmenlo- at. 69, 71
e 73.................
Com a feria dos eoveirot, documentos
ns. 54, 58, 03 e 65........ .
Comevenluaes, documentos ns. (II e 71
9:7&9027
1119499
.501*700
1:1509340
1739080
3739040
t^-IKKI
1179499
t>755IO
1169360
1009000
13000
1179499
v
3:0889830
1:1755010
39fi\>530
319120
9:799903!
10IAI .
Cmara municipal do Recife, 7-le Janeiro de 1857.
O procurador, Jorge Vctor Ferreira Lupes.
'dao e -^tr-Hsmbifo.
Jos Joaquim Peixolo de Miranda, Franci.co Ce- setembro do anno de 1852, sendo defensor do mes-
O anlruda perden de ludo a sua ferucidade deou- !'''"',' i,l,*,rinl,,e,,lf no etercio de juiz de direito,
Ir'ura. As laranginhas de chairo foram trucada- re- .''"'''. ''-"'" ,v"rn1'1" s"" D,lnw,MW "> u'|
-'I-i o IUCI11I110 Pul i.iiii. t.mnru o ilionn
tilica nao he o 10-11,11 que em geometra
Ja v pois o meu amigo, que nAo me roube a
dislinrta de ser augustsima representante da narau.
O ii.lruilu ja cl.eira a mateada.... ponto nelle !
II
O anno de 1856 que Dos baja, foi para nos Pian-
hxenses um aune de mau-cheia, auno feliz, prasen-
leiro, bananeoto, frtil. As umitas chuva- ameui-
- nam e fertiUasrasn ns rampus e iiialta, encheram
o- popes e oli.es d'agua, pur Ionios annos mirrados
por falta de boas lavarnos e produxiram emliin a
abundancia dus legumes ,te tu la a espacie, da- troc-
las cultivadas e das lylveslret, daa carnes gurdas,
ole, ele
Alem aqui, a que ch.11u.1rei phenomeno, que se nao ob-
serva ha muilos a'.uus. Ernnntul.ru o invern es-
lava coinuusco e al hoje estou escreveu b. sol. o
azoinar de uina grande el.uva tero continuado.
la- mascaras, e iterase permuta certameute muitoao-
nharam ns noases coslomee.
.Vcahamosde ler dous bailes masques ronilo con-
corridos. Os mascaras etlavam bem longe de pndtr
sustentar o paralado com oa ma-caras da cuite, e
mesmo com o- de alguma das oulras provincias mais
adiatiladas .lo que esla ; mas he inegavel que elle-
n-r-nlaram dest.. >ez lauto espirito, i|ue ilesconheci
anua .rtenlo. Os nus-
sus bailes vAo portan!-. Icm en. progres-., vi-ivel.
A.-li-i-se aqui Mr. P.obcrlo con. sua cumpanhia
do mgica, segun-io meronsta. iloje ettreaelleas
suris repiesenlaces. Espero as-isl.r a un,a dellas
para avallar enlao du mrito da eompauhia.
Nu dia 2! do tnez lindo seguio o Dr. Miguel Fer-
nandos Yieira para a caoilal do Para', alim de lo-
mar eonta de seu novo lugar de joil de direito.
Dilem que elle v liara' no mesmo vapor, alim de
tomar astalo na rolara cmara dos deputados, de
qu- he men.hro.
O Dr. Jos Pareirs da Greca, que acaba de ser
despachad., para um lnanr da desernbargador da re-
lacau du Uaranbflo, aegnio igualmente p-raoteu
de-lino, ma. .em c odour a sua familia. Depois de
licar erapottado no s-n novo caigo, vollara' a esla
yr.mncia para ron 1u/.i la.
.Sao te sabe ainda se o Dr. Urn mundo aceitara' a
sua remorad para a comarca du Paranaana' : mas dl-
lesinleretse e reci.dAo. .cnutinue sempre o digoo
magi-trn,!n, que recebara a heneaos de tmlus os Pi-
lale.!.es. e aa minhas constantes e sinceras oracOes.
3 de marco.
veste momento '5 horas da tarde) e depois de 4o
dias de snlfriiiiriiliis continuos, morreu o secretario
de-li provincia, Manoel Joaquim llenriques de Pai-
va.
A su., morle est sendo chorada palo- sen- nume-
rn-os rungo-, e espto-i'ilmeule pelos ofliciaes de tua
re| lica. .
O cooheeimenln que elle linha das negocio da
provincia, a inlelligencia, ordem e poutualidade.
cum qae diriga o espediente da .errelaria, apezar
do- seus 70 anno-, ja eram prnverbiae*.
N. I!.;A causa da morle rio secrelario fpi a den-
tada de um pato pooco abaiiu do juelho da perna
esqur,la.
mu ru o Sr. advogado cima mencionado.
O conselho do jurv de senlenca foi composta dos
-enhures seguinles:
Kleodoro !' rnaiule- da Cruz.
Francisco Cavalcanli de Albuquerque.
Auguro Joaquim de CarValho.
JoAo Caetauo de Abren.
Franeeiinj Americo de Alhuquprque Mello.
J080 da t.mili, Soares t.uinatAes.
Cosme Jos dos Santos Callado.'
m-nle de Vasconcllus Chaves e nm elcravu. Joa-
quim Jos de Oliveira, Francisco Jos dos Pasaos.
Jos Francisco de Suuza, I preso e-collado.
Para a Baha:Major l.uiz Xavier torre-, Er-
nesto Feliciano da Silva lavares.
Para a corle ; Depulado cuinmendador Antonio
Candido da Cruz Machado, I criado, I escravo e 2
soldado de na comitiva. Dr. JoAo Manoel de Oli-
veira e 3 escravos, Jos Rodrigues llraz, Francisco
Severiano Das, Manoel Antonio de Araujo Gnl-
marSes, Bsnio FrazA.. Raposo, Jote Corcino da Sil-
va Kapnnao,cadete J..-c lleiiedictoda Serra Marlins,
dito Julin Augusto da S.T-a Marlins, Francisco de
A-sis Pinto de Fisueiredo Neves, Julo Jos Salda- 1 Ju"l",m N llal Machado,
nha, llnagu Baulamaque, Dr. Anlnnin lldelousn Juse Nnnes de Oliveira.
Gomes, 30 ptacas para o exercilo, 3 remites para I Camillo Aogosto Ferreira da Silva.
Jilo, > ditas para marnln, 1 desertor, 5(1 escravos a
entregar.
O vapor inglez ((Medwavo.cnndozio para o Kio
de Janeiro o- seguinles pasaag'cirot :
Manuel Enadino do Kego Valenea, Manuel Fran-
cisco Teiveira, Antonio de Souza Cv rne Luna, lle-
larn.inu Correa de Oliveira Andrade e I criad., Ar-
reluin Jos de Almeida Pernambuco, Manuel Cario-
de Goova e I criado, Manuel Ii. M. Lima Jnior,
Anloni'i \ cente do Piascimrnto Feiloza Jnior.
Ale aiiianha.
Distemos honlem que no mesmo da em que na
praca de la Koquette em Faria, cahia decepaaa pelo
ferro do algo/ a rabera du assatsinu do virlnosuar-
cepisbo daquella capital, uro oulro padre, igual-
mente louco ou perversa., tentara assassinar o arce-
bispo de Malera em aples ; mas nAo (o mleira-
menle as-im. Este segundo facto leve lugar a 26 de
janciro e nAo a 30 como o primeiro ; aumente sua
noticia lura recebida em Pars nu mesmo dia da eve-
copAo de Verger, o que causou grande impres- ao
em todos oa espirites.
Eis auora pomo a Cazette de /.yon, referindo-se a
urna carta que recel.era de aples, di coala des-,,
tentativa de a-s-s-inato :
n O arcebispu de Malera, na provincia, de Basdj-
cata, foi objerlo de orna leulaliva de aasaasinio, na
occasiAo em que ajoelhava nos degraut do aliar em
frente do Sanlissimo Sacramento, eiposlo n.squa-
renla horas, o que successtvamenle se realisaria nos
ilemai- temple.
.. Poucos momentos antes da benp.Ao, sal.iodo um
padre de Iraz du allar-mr deu urna puuhalada nu
arcebispo.
o Aparoa o golpe o conego que eslava atraz do
prelado, licando puohal preso no mantelete do
metmo prelado, que foi apenas levemente ferido lu-
gimlo immediatamcnte.
u O assassino, travandn enlao de urna pistola que
linha escondida sob a balna, a disparen contra o
conego, que foi morto, desviando o golpe dirigido ao
arcebispu.
n Ign.ra-se a cau-a desse novo sacrilegio..!
O arcebispu de Malera, monsenhor Caelano Koa-
sim, fui elevado a e O padre que tentn assassiaa-lo chama-se Aogo-
na.
O deagrncado, sendo preso, declarou como Verger,
que era sea inlcncAn reformar a igreja. Durante o
interrogatorio das (esiemunhas lem elle mostrado
uina grande dallara1...
Escrevem de Vieniia em data de 17 de Janeiro ao
: Itohersenhalle :
u Segundo o qae dizem varios peridicos, o impe-
rador da Aostria chamoii a Miln ot seus Ires minis-
tro-, MM. Bool, liad, e Braca., rom o lim de levar
a efleito nata grande reforma administrativa no rei-
no lombardo-vene-iauo. E-les tres principies mem-
bros do gabinete vSa encarregar-se de preparar os
meios de realisar Irlo imporlantc modific.icao admi-
nistrativa. Trala-se, an que parece, de pr de lado
osvstemade etniralia{SO na Italia, eslahelccendu
am estado analngn an que eiistia anlea de 1818. | ditpe hoje a Persia.
Decidio-se fazer de-apparcrer da llalia o Breunen i Infanlana regular,
militar, e para facilitar a Irausicao do podei, se cm-
bara o loverno geral a um airhiduqae a eleicAo
deste, entre ns limaos do imperador, nio esta ainda
resolv,la. -em comiedo, Ihe uulorgar o ttulo e
poderes de vice-rei. O marerhal Kadelzki ainda nao
ca de um ruuvei.iu entre a campanilleadas Indias
n gnvernn, relativamente a .le-pu/as da guerra cota
a Persia. a meta.le das despeas evlraordioariasi seta
paca pelo Iheaoara pat)hcs, e a nutra melade pela
caiva da campanilla das ludias.
Arre-renttu aae, por meio de um aerordo rosa a
campanhia das lu.a-, o gavera* se obricoo a pegar
a mesma inelaric das pe.pe/a. evtraor.linariat fe lat
na ultima guerra cum a China, at quaes roontam a
500.000 libras esterlinas, somma esla mu inferior
aquella que a companhia deve au governo.
L-se no Time- :
11 i .illa-,-em Pars de algumas mudencas que aa
hAo de elfeetuar not poalus mais elevadas du evncilo.
e lamben, da magjslraiura.
" Bva-sa que o mareclial Canroberl r.i nnmeadn
Cnmmandanie em rhefa da suarda imperial, e da
aeampameai* de Chalons-tur-Marne, o mareehsl
l'eilis-ier sera rrinteeradu no supremo cummandoda
Alsena, e o marerhal llusquel l.a de subslilair o ma-
reclial Castellane em Lvaa.
M. Iruplnn re!ira-ae da presidencia do tribunal
de Catearla, e sera substituido pur M. Delangle, ar-
tnaiinenle pre-idenle do tribunal imperial, para ca-
j posto, tern noinrado M. Vaiss, prucarador aa
mesmo tribunal.
Apezar do boato que anda corre, de que a
queslAo de .Votcl.alel aera decidida n'oma punieren.
eia em Pars, jul^o todava que .....da nada se deci-
di tubre esla puulo. Mono receia qae os negoc.u-
taissoa nAu bajain prngredido, apezar das repelidas
proroessaa de que a queslo seria decidida em meaos
de Ires semanas.
lia pouras probabilidades de que Neefrhalel fique
novamenle sob a auloridade da Frutis, teja qual lor
o aspecto que as rou-as potsam aa-umir, porem mallo
resta anda a fazer antes que lado e-leja definitiva-
mente erranjadn. O D'r. kera ficara ea P..ru M
quali.lade de plenipotenciario da cunlederaca hel-
veticar
Diz-ae qne o governo francez pagara lodas as des-
peras que o cmhaiiador persa lizera drenla a -ua
residencia em Pars, da sorle que se Feruk-sitia
lirio levar rumsigo urna elevada idea da bnspil.iiidade
franceza.nAo sera por culpa du imperador.
n A couimi-ao encarregada pelo soverna anaat
de nrt.ver aos meoa de melhorar a organiaacin mi-
litar acabava de por lermo aos trabalbos. I'n,|".
que te calcule n resollado milii- r n.< rarAn de I par
100 da popularAo geral, u que d.i Snecia ama ter-
ca de 35.000 nanitas, e s Nnrnega a de I l.immi ho-
men. Esle eserestO de 47,000 pracaa ha do ter
refoicado com a reserva de numera qna-i igoal.
(( El-rei da Ilollanda aceituo a demitso qaa pe-
dia Mr. Sim5es, -eu mini"lro do inleriur, qoe, por
Talla de saude, quer afa.lar-te totalmente das oe-
gocloa publirin. Fui -ub-IHuido por Mr. Vasi Kap-
pard, mini-tro do rail., refoiirado, r..,u loga la
ser everc to por Mr. Biar.u-Berk.mtna.
O Jornal do Commercio de Lisboa de 10 do pau-
sado pul hra fl seeuinle :
Encontramos no Bomliay-Times doos despartan*
oflieiaea aporra da entrega de Bashire, o do majar
general Fotior Slalker e o do almirante LerLe. O
etereilo inglez de-emban-oa del milliat to tol de
Hu-I.ire. e Boa approset delta praca apodeiou-te
eom muitu bravura de urna obra forlifiraile, o lorie
bollandez de Ii- -ti ro.
E-l* toccesto cu imi aos ingle/es duus coruuei-,
dous lenles e vate BetBeBB*
IVo da seguiute o almirante LerWe comecen o
b un! rinleanieuto da ri.lade.e abra ao mesmo i'eu.pu
ama brecha por onde o eterrilo inslez lefia penetrar
na ridade. Mas depois de om fugo qoe dotoe desde
8 horas da n.auh.ia ale a' urna da tarde, Buahire
rendeu-se ao general inglez ; a guari.ic.io, un.a
grande parle da qual se evadir, moaiava anda de
1.500 a 2 000 horneas, se* quaes depoia tte desarma-
dos.furam mandados tahir.
Segundo diz o Jornal dnt Dbales, faiiam-te pre-
parativos na India para elevar a 30.INJ0 hoateee a
porpo eipedieinnario. qoe tem apenas a larra do
5.000 homens. He provavel que at ditposicoaa pa-
cificas do governo persa obtlem etles armanaenliM.
He pnsaivel que eale governo, mesmo anles da lo-
mada de Buahire. derlaraase ao emnauador da Ter-
quia a sua inlenrao de ae -nbieilar a'a euudipoea do
governo inglez.e esta verstu poderla conciliar, a ma-
se ver, o despacho de lord Slraford de Bedclifle cota
as objercea que se Ihe leem oppotte,
n'onra demos a menor importancia, acrescenta
Jurnal dos Debales, ao menlo vanas vetes allnbni-
do a' Kuasja pelas correspondencias estranceira.
s
Espera-se por isso boa eolhila da canoa no cor- I zem os mais dedicados de seus amigos
renle aon, e assim de oulros arligos da lavoura. I deve ftter. Alm dtsso, cunsla-me por fonle litaba, I la>rtJMla d^'s'maV'goIrdms^'s^Tnda^arrde-
PAGINA ftVULSA.
ltase nsnE
REVISTA TIIEATItAL.
Marianua a l'nandeira e Marieola.
.NAo querendo julgarmu- pela primeira represen-
JIBY DO RECIPE,
l.t sess.io.Dia 3 de marco de IS5T.
Prc ta Doria.
Promotor publico interine o Sr. Dt. Joaquim de
Sonza Keis.
Escrivao interino o Sr. Manoel Correia Gome! de I
Almeida.
A Ivogado o Sr. Jos Silvano llermogenes de Vas-
concelos, estudanle da faculdade de direito desta
cidade.
_eira da
apuiar eflira/menle a Persia na tua lula rootra a lar
nl.-terra. E-sat curre.inndenc querem ITerli
mente suppnr que a Inglaterra,cu.oleran 1.. a gaf
ra da Per-ia como urna quettao at- lulamente orrl
tal, rnmbalena nicamente a intervengo da u-* <
ni Oriente lio seu conlliclo com a Persia. Pelo pan-
Irario lurna->e evidente que ao menor movimealo
das tropas rusaa parafas fronleirat da Persia, lere-
hia a eaquadra ingleza mroedialamenla p, slo a ca-
mu bo para Crnnsisdl e tambero he corto qae a
Bu-ta nao ae acha ditpoela a renovar para a Perita
urna guerra que para ti mesma nao qait prolon-
gar.
O ZfatM lereben do seu correspondente de Bom-
baim iuleressanles pronenores tobra a lomada do
forte lUthire e da cidade da Boshire.
A cidade, melhor lurlifirada do qne grralmenle se
jettjava, foi prinrpalmenlo sorprendida pela ines-
perada e bem sucedida audacia com qaa a esqaa-
dra ingleza se aprotimnu da praia. n S- ma livet-
seis atacada, pelu lado da torra, dioso o governador,
tenis visto que eo eslava promplo para vos rece-
bar. No primeiro momento, a capitulaban da Man-
de fdi mal rerehida pelo eiettiio. Esle pn-i-t... em
pedir o as-alto, e tenho molivos para recelar, di/
1. corre.poiui.ule. qne se lenham patudo na filarle
cou-as que te nao deviam faz-r. e qae tambem te
nAo devem dizer. 1. A ordem foi promplamenle
re.labelecida ; os bazares eslan novamenle aberlos. o
os bal.liantes vAo-se arosluinai lo a esla madanra de
teahor.
NAo cirrulava em Bumbaim boato algum de pal.
Os Inglezet acharan) ero Bashire 20,000 bailas, jo
kharrara de pulvoia, 18,000 csrluxos de etpinga.ria
e 3,(KKl kharrara de trigo.
Firaram prisicneiros ||asan Alikhan, guverna-
dnr da prara ; Muza Riza, errpreu-do na terrelacia
dos nlraaaeiroa da Pansa e Melide khan, rvreitel
do regiment dr Nahavend.
L-se em a Nai.au-a -e,;uinte noticia obre o e-
lereite persa :
Qaadra csladislco dtt turras roiabatenle de qoe
hnatena.
4
V
I7.5WI
D la irregular. s 1.11 1
l.avallr-rii regular. Ill.ittl
Dita ir.egular. I'.io.tsti
Artilbaria. i.laJO
A despruporrao da cavallaria nm a .nlanlar.a
fui declarado na caa de reformado, mas sera lid, resulta du cireum-laucia. de qoe en. muiUs -parfe-
nesla qaaldade, para o que disser respeito a lodos ,,i' P"'a apenas ha individuo .lem nie,liar,.me.i-
lleraclilo Peregrino Ma.-iel Munteiro.
Joaquim Bernardo dos Res.
E preslaram jur'iiienlu em voz alia sobre o livro
dos Santos Evangelboa.
Foi o reo interrogado, e'no interrogatorio diste
que nAo sabia por que era acensado, e lendo-se dito
que era por ter dado pancadas no preto Caelano, es-
cravo (ie Manoel Dionitio Comes do Reg, disse o
reo que 11A0 dora pancadas.
O Sr. promotor interino disse qoe eslava prova-
do, pelos depuimenlus das lestemunbas. ter sido o
reo o autor dos ferimenlos do preto Caelano, o que
eslava incurso nas penas do art. 201. do cod. crm.
grao maiiino, pur se darem as circum-lancias agra-
vantes de muttvo frivolo e superioridade iiat armas.
O Sr. advogado disse, que nAo esisliam provas
nos aolos que muslrzsscn ler sido o reo o autor do
crime por que era aecusado, e pedio a absolvivicAo
do mesmo reo.
O Sr. juiz de'djreito, depois da triplica, resumi a
OS llegnos Civil e milila.ro. ; -mi I n enromando do
esercilo italiano para 11 fuluro, separado do governo
geral, posto militar que aobordinade a e-te, vai ser
cunta.lo ao central cunde Glalay.a
Eit-nqui os termo.- em que o imperador conredeu
amnista poiii,,-a a.,- tos lombardot-venetlanoo :
Meu querido felil-inarechal, conde de RadelzLy.
Resolv, como greca especial, uerdoar aos indivi-
duos naluraet do reino lombardovraosieno, ainda
presos pelu crime de alia Iraicrlo, lesa-niage-taile. c
alterai.Ao da ordem publica, qualqaer pena qoe Ibes
baja sido imposla, urdei.andu que iiiiiucdialanienls
se Ibes d lber.);.de.
(i Drcidi au mesmo lempo, que [0.--111 julgadus
findns todos ns procassos pendentes au mesma reino,
pelos enmes aiiteredci.lemrnle enunciados, e mandu
I-o em libeidade as pessoas presas por -canillantes
causa--.
r O tribonal esperi.il que existia em Mantua, ces-
sa desde ja em -oas funci;es.
u M1IA0, em 25 de Janeiro de 1857. Francisco
Jos.
O mesmo soberano perdooa por uro decreto puli-
le acune,lado que nAo tenha c.vallu prop tameule
seo,
A pavallaria esla' |-erfeitamente atanada. lem Pa-
ral. inr.. saine e du.- aislaste. A arlillm 14 de cm-
panha mua 5,000 Cavallas e Iri-J banal de Oso. A
de mouianl.r. rata' uisai anata -.i. o tjpo d> atasajan-
lata, com a di'eieiic!. qur ttn |(lp.,r llr ravalla
de carga he patada per camello-.
.. L-se em El Nata aaajajaaaa de 28 do pa-
sado.
o Acal a de reb-nlar no- Per ama grande rev.da-
ca". A i'-qua Ira ameuoi.a no alniuai.le Yiraora
apoderan-se da Pidade. I. b/mcol. a e-te lempn,
acltava-aa no patio a vapor aTrilianea a marmita
real brilannn a. rojos fasrottalrvat pre-lar 11. i.i.IWH
services ae* f. ndix. roi.'iibui.la mulo a nOirtali-
dane delle para evitar di'sreataso mais ilerrania-
atenlo do sanana, depsis la tontada ea aarja. ik
morios subiram a vinle, e a dohrado 1 iim.-io 'c-
ridos.
a O sonado des Estadas I nidos receban urna
commi.nicnco da ire-ilenle i re nl.l.ra, eaaaaa-
eado em Milao, dons milhes de Iribulot atrasados, I '' ndo qne a linha ir ri-atlai.l.ra tob-marma pa-
qoe .1 l.umbaidia anda e.lsva devendo so Ihetooro' .* .fomcrar a trahati.ar no di. do ,,rvmn mez
auslriaco. dejulbu.
O archiduque Mavimiano, iroiAo do imperador, I Na se--lo deO de Janeiro lin b. ,ipresen|., o go-
arhava-te .leiinftivamente .Oinado governtdor ge- veinu ao senado un Inll teuentr a er aal-.risaioo
raido reino li.inbar.le*fnetia,no, ero sohslituicAo secretario de.slalo ie.|.eri.\u -nb a -anec-o ,. n.et-
do marecl.al RaJtlzki, que passava ao servio inac- ato psvaddeale, a rtaMiaiaat cum urna raanatasaMa
tivu. uma pnnve.ua.. -einilliantr a que esl pelrbruo ja
As pailas de aples diziam que el-rei Femando cum a (irAa-llielauha, sobre a navrgarau.
leupiona conceder uina aninislia quando se aproti-
mar o parlo da raiuba.
Sua S nlidade mandn dar de sen bollinbe a Pelo tapar ..San-Salvador.a recebemos ..;,*,.
quanlia de 55,000 Ir. para ter empresa 1o em sala- que alcanca ... du Amazonas a 28 .le lanrir.., do
rios pasos aos pobres da capital, que deve ser cha- Para' a 18 e do Maiaiil.au a 21 do (Matado, do Leara'
madoa para os Irabalhos das estrada, que se eatSo a I. a da Parahiba a 3 do crrente,
conslruindo nos Eilados-Roroanos. Ero oulra parle encoolrar-se-hao at carias dos ne-
v-*m* s**-M*-
-MUTILADO

m

-.
ILEGIVEL



DIARIO DE PERNAMBUCO SABBAD07 DE MARCO DE 1 sol
mn correspondentes do Para', Piauhy, Ceara' e Rio
(irande do Norte.
lima commissilo medir foi mandad*, pelo presi-
dente do Para', afim de Iralar os accommelii-los da
fehre amarella, aas villas de Obidos Gurupa'.
Do Maranhn nada 1:1 dieno de m-mjlo. A pro-
vincia noza d paz e perfeita salubridade.
LA-se no Mario do Commercio, do Para' :
.Vsduas horas da manhaa do dii 1:1 do corren-
te, a barca inglesa Emit, que demandava esle
pono, rom urna eicelleute' viasem desde Kingston,
seu ollimo porlo, leie a infelicidnde de locar n Irme
na allors do bai\o da pona d Alalaia, denominado
da Prala (jrande, e coin lana forra, por esporo de
Ir hora, que cheou a mel ter -Ji poleadas de
agua por hura.
O Cepillo anda que baslanle mallralado, pelo
josn qo coin elle fez 'le encontr a una caixa a ro-
da do leme em um dos choques que soffreu, envi-
dou lodoi os esbirros para -alvar o navio, mas sua
Iripolarao era de ove oraras, e liem pe \ que loo
poiii.i gente ni)o poda Iralulliar com assnlunlaile
as bombas, e mesar, aliin de dar um esgoto as
aguas, coirespun irnl a' inlrodurcito.
e, tratando delles por sua vez. mostrar a vantagem
qoe tenho enconlndo em cada um, para tiesta sorte
nao sii faier-se urna idea mais ciarla do mecanismo
do novo systema, como das vanlagens dalle.
Parle analytira do mtthodo.
Sabe-e quo a palavra, ou sja escripia, oti fallada,
decompoe-se, em geral, em elementos divisiveis ee-
lemenlos iadivisivab). Na palavra escripia, os pr-
meiros ehamam-se ) liabas, os segundos lellras. Na
palavra Talla la. cliamarei sons aos pflmeirot, e arli-
eulaeijes mis segundos. A parle anals lira do metho-
do eta em dada qualquer palavra. as crianzas divi-
direm-na cni ion, > fcpoil em articuluroes.
Trala-*e da primeira. Dernmposiriifl das palnvras
em sons.
A divisao das palavras em ROIIf ronstilne o pri-
meire prncessn do niellindii. Ella se esecilla dndo-
se ao prinripio palavras de duas syllabsi para os a-
| luinnos pronunciarem |iausada e r\ llimaliraiiieule ni
Nestas criticas ctrciimslancias, ja esperando o sons.dellas ,|is|n he, reranilnarem a palavra em snns,
esmorecim-nto la IripolacSo, e o infallivel abando-1 arompanliado rada ion de lima palavra : d.poi,
no do navio, como elle menino capilla declarou, ... .,,.. V
poi qoe una ,. hora de introdcelo d'agua sem es- l1'"n""e lM,WM l,f '" J"alr" e "* <>>UI>s para
Rolo, seria baslme para se efTectuar a Mbraenio, "e* melhor compreliendeiem o mecanismo das pa-
nvistou na larde m da 11 a barca de vigia a' vela lavras, eiecutando nellis a diviaao dos soo, sempre
da alfaii.icga. ru|o c.mmaml :,u., ,aber,do do peri- por mein do rilhmo e das palavras. Se a p lavra be
go em que eslava o navio, maiM,.n-lhe immediata- L. ,, ... ,. .
meulequatro marinlieiros que ajudando a tripola-|de """"" 'Vllabas.deve-se laier repetir tantas vezes
rao da barca ingle/a no esgolo d'agua, den lugar ao : *m I"1""1" 0 alumnos s ii-s-.ni mostrar rorreles
descanso daquella a poder o navio aprotimar-se i na pranaaeiaflo dellas. He isto um eierriclo que se
'.. si ; i.I. j ..... ... repele todos osdias sem preterir) de outros, deven-
a As o horas da manhaa de 1.,, o guarda-mur da
alf.n.i.ga eslata ()w4o prestando turto, 'os soecor- \ *" "T P le n,,> ** "l"""*8 Pairas em c,.
ros ao sen alcance, e requintando outros do insper- I pronunciado os alumnos nao se mu si rain baslanle
KKDKKEDOKIA DE KENDAS INTEK.NAS GE-
KAES DE PEKNAMRUCO.
Kendimanlo do dia 1 a 10:6794031
dem do dia II........ i:l5g8il
1:S:!-S'J2
CONSULADO PROVINCIAL.
'ten.'miento do dia I a 5 13 95211741
I'.em do da (i....... (07J2l
16:5399938
*K,t> HdeWO rjj> p&H&

ye apresenlou-se a bordo, lugo que leve parli-
cipac^wv-a/ordenoo a iinmeilinla ilescarga da plvo-
ra para n navio poder turnar amanaran defronle da
alfanrtega, e facihar-se a descarga.
Mandn abrir esta reparlir.lo com dolorisarao
du inspector de Cateada, que de proinpto requisilou
an Eim. presidente soccorros do ;irs> nal de mari-
nha," os quaes por essa rrquisicao e anterior do
guarda-mr, foram ao navio, mas ja nao eram pre-
cisos, porque n neepssiriarte nica he de genle que
constantemente Irabalhe as bombas, e que ajude a
descaiga, para o que a allandaga prestou soa gente,
e permillio que o navio recebesse trabajadores de
Ierra.
Pdi'-se, pois, afiancar, semrecein de errar, que
a importancia de 1.VX)ll libras esterlinas, emque
pooco mais on menos se calcula o canegamonto do
navio, lu salvo pelo promnto soccorro do guarda da
alian-Iea, commiudanle da barca de vigis, e ilepuis
pelas providencia- em.-inadajt daquella rep.nr.m.
r Fot a Providencia Divina que veio Irszer um
publico e soleenne desmentido as acensar-s que
cnnir-, o. empregados cnsul ingle-/, na proviuria do P-ira'.
ii Para que o commercio ajuize o odio que tem o
actual chele da alfaniega io Sr. Samuel Wines, e o
desejo que tem u* guardas de maltratar a e>le'por
amor daquelle, ah esta' o piocedimenlo de toda .a
nlTandega com a barca ingina uEmih prestase
naufragar. Seria bo a que este fado fosse ao conhe-
cimento das respectivas autoridades, em Inglaterra*
Urna Irisle oceurrencia velo se a dar, quaudo
so devia dominar nos nimos o prazer da saivacao,
do navio e seu rarregamenlo.
o Um marinbeiro, em lula com o cozinheiro, am-
bos do navio, ferio com urna faca na face a' este. O
guarda-mr da alfandega prendeu o aggressiir e re-
menea a aatoridade policial, assim como o fendo
em demanda de soccorros.
O navio sorve e despeja agua continuadamente,
espera-se a prumpta descarga pata encalhar.
(orrc^ort-tiencia.
Goianna i de marro de 1837.
.S'rx. redactores.He assaz diffcil chegar-se as
columnas do seo jornal, (I) todava om dever mo-
ral me obriga a vencer esta diDiculdade.
He sobre a salubridade desla Ierra que convem
dizer algiima coosa, alim de chamar sobre Boa a al-
tenrin do goveroo.
A febre amarella comer a apparerer enlre nos,
e ja de sutlns se tem possuido a i opularao ; e islo
lauto man quwil.i v-se sem recursos de mediros.
O Sr. Gamillo Henriques da Silveira Tavnra In-
dgena lem nos offerectao o aulidulo ,1o mal, poroin
e elle apparecer com toda a sua forra, ser elle ns-
tenle ? lieos o permita : muita conlianQa nos me-
rece elle, e muilos (actos recoinmendam a imssa con-
Milerarao o medico da poeira,como Iberhamam..Pe-
dimos an governo, que nao se ebquera de nos.
ten 1,'erailui,
O T'ipy.
*publtcacoe0 u pci>m\
TRANSCRIPCA'O.
Os al-aivo assignado*, membrus do parlido liberal
desta provincia, do qual V. S. he lambem um dos
mais rlislinclos membros, lend.i visln o indecente e
injusto mudo por que o Liberal Pernamliucano n
lem aggredido nestes ullimos -n-i-s," c cuntioa a
gredir a pessoa de V. S.. ^rdem-lbe cim instancia I
qus por moda nenliom responda ao a Liberal Per- |
n imbocano u por meio de alguma das oulras lolhas
da provincia, e menos anda pela u Kegeneracao,
bem certo de que a sua provincia natal llie faz a
devida juslica. Iguslinenle pedem a V. S. Ibes per-
mita que urna copia da presente carta seja publica-
da, nao s na Regeneraran, n mas lamhem no
o Diario de Pertiamhuco.
Dos guarde a V. S. muilos annos. Recife, 8 de
fevereiro de 1837.
Illm. Sr. Dr. Jernimo Vilella de Castro lavare,.
I)r. Joc Antonio de Figueiredo.
Dr. I. -ni<-ii, -i Trigo de Loureiro.
I r -i i n i Cesar Rttrlamaque.
Joao Pnilo F'errt-ira.
Jos Vellosa Soares.
Jo Caetano de Medeiros.
Jos Antonio de Itrito llastos.
M-inoel Pereira de Moraes.
Manoel Nuoes de Mello.
Tibilrrio Valeriano dos Sanios.
-I.oiz Carlos da Coala Campello.
Rrrnardo Damiao Franco Jnior.
Joao Ribeiro Pessoa de Lacerda Janior.
Jos Marcelino"Alves da Fonceca.
H.i/ Hachado Pimeulel.
VRario J ao Jos Pereira.
L lurenro luir Ips Alcanforado.
Filippe Manuel de Chaastn Lial.
Dr. Joaquim Francisco de Farias.
Fre Lu/ da lncarnaran|Moreira.
Vicente de Paula Olivrira Villas-Boas.
liarliarel l.oiz Duarle Pereira.
Jos Leandro de Godoy Vasconcellos.
D-olindo Mendes da Silva Moura.
Joao Baplisii do Amaral.
Bonifacio Maiimiano de Malos.
Manoel l.u-z da Valgo.
ilarharel los dos Aojos Vieira de Amorim.
Antonio llernardo Quioleiro.
rerlus, como outrasde que elies anda nao lem idea.
Nao hediflicil as < riauras comprehenderem esta divi-
san. Dos alumnos ate hoje matriculados ua rainha
aula, anda nenlium. por mais lenta, que sejn a sua
idade, dei\ou de se pea pralicn nclla, se nao logo na
primera lirao, na seguuJa ou lerceira.
Na applirarao desle processo lenho encontrado, e
impoaalval he descoahecer-e as seRuintes vantngens
nunca colindas na minlia aula pelo \stema aiilifiu :
!* habilita as criauras a pronunciarem clara e ex-
presamente todas as palavras por ellas condecidas s
1.' da as crianza, o conherimenlo nao s das palavras
mais usaes e meuos dilli-'eis de pronunciar, se nao
timbem daquellas menos usuaes e mais difliceis de
pronuniur : :t-, corrige os alumnos dos vicios e de-
feilus de una pronuncia, quasi sempre oriunda da
pessiina educarao domestira,que em geral se recebe
antro nos : ao gagtiejar, por evemplo, he om defeilo
que ellas poden perder a forra de rrpellir as pala-
vras : V. finalmente prepara as crianras de um
modo muito vanlajoso para a leitura e e-rripia.
Deromposiro dos sons em articulares.
Enleudido que seja pelos alumnos o modo de di"
vidir as palavras em sons (lempo em qoe elies ja de-
veiu (er conliecimenloda leilura auricular edalei-
lur,i auricular all i n. t.i. de que adianle Iralarei
passam a f.i/er a divisao dos sons em articular/es.
Servindo-se o pmfessor dos meios qoe o metbodu
cnsina e prirnsjiialiuenle sua prupria ntelliRencia e
razan, deve fazer-coni que os alumnos comprehen-
dam, que assim como a palavra se divide em certas
partes, que sao os sons, ,i-.-jin (ambem ules se divi-
dem em oulras, que sao as articulantes ; divi^ap que
emhora nao soja lia fcil de fazer como a priraeira,
nao deixa com lodo de chegar a comprehensao dri-
les.
Esla divisao, qoe,como lodos os outros eiercicios,
urna v/, inciada deve ser.repelida Indos os das, se-
gu o mesmo sjstema das palmas. De sorle que he
jnteressante ver, dada a palavra, os alumnos rec^m-
>>iarem-iia primeiro dando tantas palmas quaulas sao
este e depoil em articulaccs dando tamas palmas
quaulas sao estas.
Nao be preciso dizer a vanl^gem.que ueste segun-
do processo encontr. Se da deromposir^to das pala-
vras em sons resoltan) murtos proveilos para as cri-
anras, o saber lambe-* dSVle logo decompof os di-
versos son', que fnrmam a palavra, nos elemeulo-
esiniponentes delles, nao deixa de ser um cruheri-
meiilo qoe se da a ellas de grandissimo pruveitu ;
porqoe nole-se bem, he antes de lerem as crianzas
idea da palavra escri|)la, que, para assim dizer, se
premuuein de laes coi|liecimenlos, ,te mudo que ao
enlrareni na leilura ja sabrm que a palavra be um
cnmpnsto de sons, os qiiaes vo encontrar na p.davr.
escripia com o n-ime' desvILdns, assim como col)
o mua de lellras iconsnanles e vogae,l aque-
" IV* W-icuUsoc. que na-palavra f;-.ll.:d-i form.f.
^*suiis. Nada pode ser tan bem emubinado como isto.
{Continuar se-ha.)
Navios entrado* no da ti.
Rio de Janeiro-6 das, patacho hrasileiro oTame-
gan. de lili tunela las, eapilflo M mael dos Sanios
Pereira c Silva, eqaipaRem 9, carga .VJS barricas
com farioba de tngn e mai- gneros ; a INovaes ,\
C Passageira. Cosme alaria Francisca. Pertenre a
Pernambuco.
Araratx9 das, liiate brasileiro eDuTidixoit de 40
lonela-las, meslre Eslartn M'iides da Silva, equi-
pagem .">. carga roiiros, sola e mais genero- ; a
Martin, i\ Irmaos. Paasagelro, l.uiz Antonio Pin-
to. Perl'iice a Pernambuco.
Para' e porlo- interine lio15 das e 5 holas, vapor
bretileiro S. Salvador*, eommandanle o Io te-
nenie Antonio M. Ponte Ribeiro.
Navio> sabidos no mesmo da.
II i ,|e S. MiguelPatacho portuguez Alfredo,
capiao Manoel Jo- ile Soo/.-i, carga a--ur,ir e
mais gneros. PaftageeiroR, Feliciana menor, Fo-
lela Carolina Lopes da Silva, Joaquina d'Auamp-
(,-ao da Cunha e I nibn menor.
BabiaSumaca brasilrira oll.ulenrian, ine-lre Joa-
quun de Sauza trono, carga fa/en.las e mai- ge-
nerns. P.issageiios. Antonio da Silva I.Jnn, Fran-
cisco Tegeira Barbosa.
Ro de Janeiro pela BabiaVapor ingle/, aledway,
eommandanle W. S. Parker.
Para' e porto, intermediosVapor hrasileiro Gua-
nabaraii, cnmmandaiile o 1" leu-ute Briln.
Em coininissaoVapor de guerra brasileira eBebe-
lieriben. coniiiiaudaiile o capillo de fragata Jos
Mara Rodrigues.
tottlm'#t*<
Companhia
vapores
transatlntica ik
sardos.
'.
Cor re i o r il.
Reli$8o las carias seguras, viudas do
norte pulo vapor S. Sal 'ador, para os sottho-
res abaixo declaradas :
Ant'.a Joaquina PiresFerroira.
Miiouia Francisca do RosarioTavciro.
AnlonioJo.se i!e Figueiredo.
Remvinila Mara dos Prazeres.
Joaquina Mara Cruz Sexas -2
Jos Nicolao Kegueira Cosa.
Jos Sergio Ferreira.
.Manoel Joaquina. Ramos o Silva.
ti consi'lho econmico do nono liata-
llio de iafantaria contraa para O trimestre
a decorrer do primeiro de abril a 3(1 de ju-
nlio, o fornecimenlo dos gneros alimenti-
cios s pracas arranchadas do mesmo ba-
talh.o constando esse forneeimenlo dos g-
neros seguinles : piles lie 6 oncas, ililo de i
oncas, caf em carolo, assucar branco.
maoteiga, carne verde, dita secca, bacalhao,
toticinliode l.ishoi, farinba da lena, feijao
faceto ou miilatitiho, arroz pilado, azeite
doce, vinagre, sal, lenha em adas vinho e
agoardeulc de caima : quepa pois se quizer
propor ao dito l'ornecimeiito de gneros de
boa qoalidade, compare?. a secretaria do
mesmo balalho. da Soledadc, no dia 26 do
odtrnfaS maren pelas 10 horas da manhaa,
eom snas propositas em carta fechada. Jos
Francisco de Moraes e Vasconcellos, tenente
secretario.
Deordem do-S'rv director goral interino
da instruceo publica se faz s ber a quem
inleressar, que o concuhu a cadeira vaga
de insIriicc."io primaria da'-villa Je Sania Ma-
ra da Boa-Vista, lera "ugar no cfta sexla-fif*
ra do enfrenteSec.elaria da directora
de instrucr^So publica, em 6 de margo de
1857.O secretario Francisco Pereira Freir.
CORREIO.
As malas que tem de eooduzir o vapor S.
Salvador para os porlosdo Sul principiam-
se a fechar boje Cf as 1 \\i horas da tarde,
e depois dt-sta ale 3 recebem-se corresdon-
dencias com o porte duplo. Os seguros se-
rSo feilos al i hora.
O Dr. Manoel Duarle de F'aria, subd legado
da ficguezia de Sanio Antonio do Recife
etc.
_'. Faco saber a quem convier, ali.n do no so
chamar a ignorancia o art U do regula-
menlo dos tbeatios de. 3 de dezembru de
IM1, o qual diz n geguinla :
Luz sobre nFgg Kockn em frente a NaliNiil, liabia
de Iii-i.mi-M --.
Estando eoaclaida a ca-a para o pliarol sobre n
rocliedo Egg-i.sera' este acero na n-jile d 15 de se-
(embio de In-i-, o tudas as seguidles nuiles do per
ao naseer do sol.
A caa be quadrada ; lem sobrado p mcio de abu-
ra : esta' branqueada e suii,-,litada por urna torre
elevada tres |ms acuua do lelo, e cobeila rom una
lanterua de ferro.
O uiachinismo Iluminador lie ric urna leulillia da
quinla urileui, elevado 7 prs acuna do nivel da*
marta ebsias, e deve ser visivel em um eslado ordi-
nario da elmosphera na distancia de 10 militas.
Desla e-inro dlto-se as seguinles demareacjoM:
Embarcaran do siun Graves SR. i.-1 S.
rvali.uil ponls de Leste .... S \\i E.
Igri'j.i uieilisdisla em Swani|iSCiit .N.Nll. \\1 t).
Ilab-a do rorbrdo mou mat N. I|'i O-
Rorlie-in Seeco de fra Pig ...NE. I('i .N.
A inesina coinmiBo por asi- datado ne Is de a-
goslo p.is-ado, publirn u se^uinlo:
lima de sino em frente a alienandcliickeosn na
entrada da llama de Boizards,a Mu--.
I na I- -i-i pela nu lolba da piunrira cla-sn, enm
um sino pesando 300 libras, seguro na pona ou el- I.
treiniddile de una aimarao de fern. surinoiilada n
por nina marra de dila de arco de Ierro, arlia-se proinplo a rml...
eollocada em face de-te perigOM recite, t) sino esta i mos .l.iiiun i i
elevado seis pos .cuna d'agua. loca pelo moviineuin ,,,r ., liabia s.-uc em DOUCOS das o
das ondas, niaies e ventos, e i.nle ouvir-se em lem-' ,..,i^,_ .. ,,__ .' ,,. ,
pu ordinario, na d.s.anc.a de urna millia. A marca 'C r" bem COOheCldo hiato Novo 'linda,
do da lem deas pos de dimetro, imitada de pelo, '. 'r lw a malr l'Tle da car.'a prompta pa-
e esta'elvala nove pos acuna n'agua. laorcsloa carga trata-se 110 OsClploriO
A buia esla' enllocada em sete brajas d'agua, fun- ^ Domingos Alves Matbeu, ra de Apollo n
do duro, com a tercena parle de nina miiba ao sul
deuUldCock.a
Dilo-se as >cgunles demarcaracs desla boa.
A i'ii-- -i,-.- a.i pliarol oSow e Plgta S. i.- E.
Pona Seconel.... O. I|-! .N-
Entrada da baha WaMporl NO. 1. N.
Bola Ledge de Misliaum EME. 11 i E.
tlldC rk N. i.- NO.
I i-niai '.-.a')-'- magurlicas.
Por ordein ,le sua- senimrias, assignado Jobn
\\ aihinaion, hydrograpbo.
Repailiciv bjdiograpl ira do alniirantado, Lon-
dres J. de -eleinliro da 1836.
Esle aviso allerta as -rguinlcs cartas ou raappas
do aluuraiiiado : n. 26S America do Norte, Costa de
E. ful. 5 ; assim como a lista dos pbarue*.
O adninistiador ta mesa do consula-
do provincial faz publico, que no da 7 do
crreme serfio arrematados em basta publi-
ca, a porta do mesmo consulado, 2 cavallos,
bens de evento, no valor de, 30s't)00 ; e para
que chegue a noticia, mandn fazer o pr-
seme edilal. Mesa do consulado provincial
3 de marco de I8j7. O administrador,
Antonio Carneiro Maebado ROS
Pela mesa do consulado provincial se
faz publico, que os 30 das uteis para paga
metilo a bocea do cofre, dos impostos de i
por cento sobre diversos estabelecimenlos,
1:9009 sobre casas que venderem bilbeles du
loteras de oulras provincias, 40// sobre ca-
sas de modas, c 209 sobre casas de jogo de
inlbar. lindam-sc no dia 9 de marco vitidou-
folliiiihas
PARA 1857.
COMPANHIA
real portngvea
O snpenor vapor GENOVA, espera-se aqu He ''
a lo ito crrenle, e d -pois da demora neeessari" l"1- I
ra rereber caras, passageiros e malas, segur par
(nova, rom a escalas de San-Vicente, Mid'"-
C Mar-riba, rerche rarga com 0 frele dos
i....... -'e vela, coin mais |." por cenlo. e-tando
proinpln a embarrar : tratase no escnpioiio de I.*-
al K-is.
23.
Para a Parabiba, nestes i das, segu
a bar raga Cabocla ; anda recebe carga no
trapiche do algodSo.
iJsb

a.
Pretende seguir al o dia 18 do crrante,
por ter o seu carregamento prompto, a bar-
ca portugueza Flor de S. SimSo ; para pas-
sageiros trata-se com Carvalho& Irmao, na
ra do l!rum,ou com o capitflo na praca.
Pava a Baha
O veleiro e bem conbendo palhabntn bra-
silero DOUS \migos, he esperado da liabia a
cada momento, e segu para o mesmo por-
to ; leve ter aqui pouca demora por t >r par-
le de seu carregamento prompto ; para o
resto, trata-se run o seo consignatario An-
tonio l.uiz de Oliveira Azevedo, ra da Cruz
n. 1.
Acham-so ;i venda as bem conbecidas I i-
Ihinhas impressas nesta lypograpbia, das
seguintes qualidades:
DITA SIMPLES, contendo alem dos mes/.o,
a b'i dos circuios e varias tabellas de im-
postos geraes, provinciaese muoicipaes;
preco.................340
DITA Di-. PORTA, aqualalm dos mezes,
lem explicaqoes das imlulgencias e-qx-
communh's, ele ; prec,o......t60
DITA DE ALMvNvK, a qual alem dos m'ezes,
conlm o almanak civil, administrativo,
commercial e industrial da provincia,
por..................500
Tudas rilas lolbinliiis >o impressas em
boin papel e excellente lypo, e vcmlem-se
em pnrcSo ra relalho : na livraria da praca
da Independencia ns. fie,
BILHSTES DA LOEMA DO
RIO DE JANEIRO.
Aos 20,000?, 10,000.?,
I.O0QS e 2.000S.
Ksl.lo exposlos a venda os novos bhetes
da lerceira lotera das Salinas do t,abo Fri,
que loi extrahida de :i a 5 do presente, cu-
jas listas devem chegar aqui pelo primeiro
vapor que sabir depois daquella dala; o sor-
timent destes bilbeles lem urna numera-
rio de palpite.
Bailes etheatros.
A toja da ra Nova n. I, receben pelo ul-
timo navio fiancez, ricos enf'ites para ca-
beca de senhoras, e vende por rommodo
preco-
LHsnio irosto
S4^
SI (I
:<"; ^^'^^
rACA l)t) KEGIKE fi HE M.VKI.O AS
3HOKAS DA l~AKDE.
ColacAes oliciaes.
Couros seceos salgados:il l|rs. por libra.
r'rederico /tobilliara, presidente
/'. Dorges, secretario.
premio.
CJUfMOS.
Sobre Londres, 38 d. (10 d. v.
Paria, 340 a 311 rs. por fr.
c Lisboa, 95 por ",, de premio,
ir Km de Janeiro,'2 por 0|0 de descont.
AcrSes do Banco, JO a S5 de premio,
o o companbia de Beberibe 548000.
o o L'tibdade Publico, 30 por cento da
i a Indemnisadora.bi dem,
ii a d estrada de ferro 20 por t'm de premio
llisronto de lettras, de s a 10.
Dilo do banco8 a 10.
()uro.Onjas hespanbulas. 283 a 289500
Moeda de 69400 velbas .... I69OOO
< 60S00 novas .... I65OIXI
a 40000. ...... 93000
Prata.t'ataces brasileiros......20tK)
Pesos columiiari -......25(100
a meiicano....... I580U
Al.KANDEGA.
Keudimento dodia I a 5 .
Idam do dia fi ..... .
93:fifi7S93l
13:9119496
107:3799360
I
I
IMSTKL'CCAO PUBLICA.
Artigos especiaes, ettrahidos do relalorio do eiimio
pmfessor brasileiro Sr. Jos Francisco Soares, que
a Illm. aisemblca 'provincial de Pernambuco,
para que os lome em sua alta considerarn, offere-
ce o pmfessor particular Francisco de Freilas Gam-
boa.
Illm. e Eim. Sr.Em comprmanlo ao oflcio de
V. Ec. com dala de 19 do correnle mei, detefrnl-
uaodo-me qu aprsenle um relalorio acerca do re-
sultado qoe tenho tido no ensino primario pelo me-
tliodo de leilora repentina do Iliterato portuguez Cas-
lilbo, adoptado na aola de que sou pmfessor desde ja.
neiro desle auno ; lando a maior -ati-aro cm dar
conla de um tao imporlanle tiabalbo, sinlo somenlc
qoe me fallem os necessaiios conbccimenlos para
rei.'igi-ln segundo os regias dasciencia. O dever,
porern, que me cabe agora de cumprir a ordem de
V. BSC, tido me pode eximir de dar cunta desle
trahalbo, quaesquer que sejam os erros e defrilos que
nelle postain apparecer. Cerln de qae V. Esc, Dia
ignora a enu'iiidad* de meus corbecimenlos, lenlio
fe que o Iraba'ho que paesa a fa/.er sera apreciado
por V. Exc. soi-ietile pelo lado ji verdade, de que
Dio pretendo afas'ar-me.
He esla a lerceira ti que a respailo de maleria
Ua importante tenbo ou de informar ao governo de
minlia proiincia.
ij 1,1:1 lo ^m abril do anno pas-adn, rhcguei a corle
do imperio, commiviionado por V. Exc. para estedar
a malhodo de que se trata, fot meu primeiro traba-
llio dirigir a V. Exc. um relalorio acerca delie,dando
lambein a opiniAo que desle logo liaba das vanla-
gens que se poda eolher. Da volta a esla provincia
em agosto do mesmo auno, dando conla ao E.m.
viee-nreai leule da resollado de minba commissio,
disse inda qual era a opiniao que formava das van-
lagens to niclhndo.
Nessas duas occasies sempre a miulia opiuio foi
bastante eseropulosa. Al enlSo eu mesmo mo li-
nlia pesio o m 'Ib ido em pralica, e nao quera fas-
cinar pela bella llienria delle, para depois ua pralica
acontecer cahir em urna boirivcl deceprAo.
Iloje que a experiencia me lem levado a eviden-
cia das vaolagens di novo s\stma, he sem o menor
escrupula que pasto a dar a miaba definitiva opiniao
nao recriando que ella poosa ser rontravertida, por-
que os felo qu lenho, sAo inconcussos, e mais do
que elies vale a miub.i consciencia.
Para apresenlar com bstanle clareza e algoma
ordein, ,1 trabaltio que vou levar a presenta de V. 1
Exr., e qnira do publico, preciso be drsrriminar j
por arligo-i s proressns que o mehtode estabelece ; ;
eom escala purljisboa.
Sahecorn a brevidade que fnr possivel, o
brigaiitin nacional Despique de Heinz, ca-
ro, e todos os que deixarem de pagar seus piia Faustino Joo de Carvalho. noria ter
debitus, lindo este prazo, incorretn na multa
de 3 por cento .-obre os seus dbitos.Ilesa
do consulado provincial 27 de fevoreiro de
1857.--0 administrador, Antonio Carneiro
Maebado ftios.
O administrador do consulado provin-
cial manda publicar, alim de ter o devido
cutnprimenlo o art. 43 do regulamenlo do
mesmo consulado de 23 de dezembro de
1852. Art 43 Concluido o carregamento de
urna embarca;.'io que condu/.ir para oulras
provincias do imperio, gneros sugeilos aos
direilos provinciaes, o couimaudanle delta
apresentara o manifest da carga que tiver
a bordo, separando o que levar por esporta-
Qfio, baldeaco e ree.v.porlacSo, e quando o
administrador o julgar necessano, exigir
lambein o liyro do portlo, para se conferir
coin as nolis existentes 110 consulado pro-
vincial. O eommandanle que deixar de cum-
0"*r'sta-'tisvst, pagara a multa de 5 por
cenlo do valor'dos referidos gneros.Mesa
do consulado provincial, 4 ,ie matc.ode 1857.
Antonio CarrreVAgsVwhado Itios.
- Por esta subdelegaba se aebam reco-
lbidos em deposito dous ea\Sallos, 11111 que
foi encontrado sem conduclors-rVi iua Au-
gusta, no dia 4 do corrente, e ou'lro app
hendido a um preto de tiotne Josi', i|ue co
elle fugio da faz na denomipa la .-anta
Cruz, na provincia da Parabiba, duendo o
mesmo pelo s,-r escravo de Manuel -oare
C'o le, all residente: queir tiver dneilo
aos referidos aniinae.. pri-vi-o. que llie se-
ro'entregues. Subdede'.eg .c.a de S. Jos
do 1
{/va Accioli, subdelegada.
- Por e.sia subdelegada se acha rerolbi
dous tergos le carga prompti, para o resto
e passageiros, trata-se ua roa da Senzala-
.Nova n. 4, 011 com o capillo na praca.
Para o Rio de
Janeiro
Segu com brevidade a barca "Sorte. tem
parte da carga, para o resto, passageiros e
escravos a Ir te : trata-se com Caetano Gy-
riaco da C. M., na ra da Cadeia do llccife
n. 2.
Sociedade
A loja da rui Nova n. i recebU pelo ul-
timo navio francez, ricos chapeos para me-
ninos c meninas.
Chapeos t[ inoil t.
Veiidetn-sc cbapeosde molla do ultimo
gosto do Pars : na ra Nova n. i.
O abaixo assignado declara ao publio,
quo Felicia loEiculcrio i'oriente
dtixoii de ser seu caseico des le o da 10 de
fevereiro, e por isssi dispensado de toda e
qualquer transaccSo commercial do sua
<"asa. Joaquim Francisco Lavra.
Pedc-seao Illm. Sr. Antonio llotelho
Pinto de Mesqtiita, que baja de por ero p ac
a renda da casa da ra Augusta n 9t, que
ha quem de' maior renda que a presente
Anda fgido desde 28 de levereiro pr-
ximo passado, o preto Joo, de nacSo llen-
guella, idade 21'anuos, principia a sabir.-lbe
a barba, be de boa altura, tem os pes glan-
des e os calcanbares crescidos para traz,
lem urna cicatriz em um dos bracos, e anda
quasi sempre bebi>' vagabundo pelas roas,
Na casa deJooJos de Convela, ra do
Qoeimado n 27, iecebem-se assiguaturas
para esla rompanbia, e podein exaininar-se
seos estatutos, que se acharo n ni-sma
rasa
--- Fugio no da 2V de fevereiro lindo, da
casa de seu senhor Franklin Alves de tonca
Pin va, da cniado de Nazareth da Matia, una
mulatinhn de nome Silvestre, de 1 um
da idade, pouco mais ou menos, com oa sig
naes seguintes: altura a da idade, caberlus
anotados e pretos, uo tem mu rosto redondo. |us ,- inosbesa f.-ilos, rosto
caTnudo, nteos grosso-, lem urna cicatriz
na rova do lornozollo do p osquerdo, ha
punco deimtn peq.....o lallio em urna da
tnos, olbos regulares ; sabio levando ra*
misa azul, ralea de algodo do listra e cba-
po de patilla, prendando a calca c un ciniu-
r'ui de sola 11 -a a camisa por 1 ma da calca .
foi comprado a Plinio Augusto Cavalcanli
de V11 -11,1111 r iuo do engenlio Culiiiguba da
Comarca de \a/arclb : uueui o pegar leve-si
a seu senhor, ou nesta praca, na ra do
Queimado n s, 0:1 na Soledade n. 33 ao ea-
l'tto vn'oino Alves de Paiva, quesera gc-
"erosamente racomoananto. Proiesia-se
desde ja contra i|nalqiier pessoa que Ihe
d cotilo. Consta ter si.lo visto, e por pes.soa
queocondece, na ra do r.respo, na sexla-
feira, 27 do mosmo mea de l'ovoreiro.
Compra-se urna burra de ferro bem
segura c moderna quem livor equeira dar
em conla, anntiiicie.
Fugio no da 2 de marco corrente o ea-
crav crionlo, de nonio HypolitO, estatura
pouco rima da regular, secco do eorpo,
cara redonda, bcir;os grossos, pour.i barba .
orrlbas pequeas falla desransa la, idade 21
annos, falto de alguos denles na frente, p-r-
nas linas, pes gran les, nlli-ial de sapaleiro,
eo/.inbeiro, sabe trabiilbar eni casa de cal-
d.'ira-. de cngenbo de ass"Cjir, salte lor e es-
crever, e por sso baslanle la lino, e lalvez
queira passar por forro, mudando de nome ;
levou um embrulho, contendo urna hcela
com doce, uns jornia e una carta, ludo
cm endonen a uaia pessoa ; he a segunda
fgida que faz, sondo que da pnmeira, que
brasileiro I '''V(! lugar a 12 de Janeiro deata anno, voltou
padrinhado : quem o pgar leve a seu se-
nhor, morador na ra das A.'uas-Verdes 11
50, que sera recompensado.
Precisa-se de um caixeiri para esrri-
plorio, que t-mba boa conducta e de lia lor
a ella, e que emenda de e-c, itur.ie, i 1 por
partidas dohradas: na ra do Amorim
n 50.
Potassa refinada em latas de seis
libras.
0 antigo deposito) da ra da Cadeia do lle-
cife n. 12, recebeu agora urna iiorcio de po-
tassa refinada de superior qualidade, em la-
tas de 6 libras, que se vende por preco ra-
zoavel.
;iavi
DE
zmyAo vapor lluiii-
sileiiM.
do,liecife 5 de marco de -.837" Manoel Ker-
-J.i C0.".Se"-l'-ra (,Ue naS Parlos- csc.id.is, e 1 do a casa do detenclo > preto Jos, que diz
ser escravo de Manoel >oares Lorie, residen-
te 111 fazeu la denomii'ada danta Cruz, na
provincia da Parabiba, donde rugir monta-
do em um cavado, a pretexto de procurar
quem o comprasse. .Subdelegada de S. Jos
o Itccife de mared 'le 1837.Manoel Fer-
reira Accioli, subdelegado.
Oesrarregam ho)e~ de marro.
Itarca Maletal'ar.opebarris de chumbo.
II-r 11 na han o vena naJ olan namercaduras.
Btrea inginaLaoesstriadem.
Brigue france?.lieorgecemento.
Itrgiie ingle/.Annie Laurienacalhao.
Barca ingleConloadlequrijns, louca e cerveja
Patacho brasilsir.i--Tamegafarinba de trigo.
l.MPQRTAr.AO'.
Iliale nacional uDuvidosn, viudo do Aracalv,
consignado a Marlius ,\ Irmaos, manifeslou o sc-
guinle :
1(7 cauros salgados, O meios de sola, 220 rou-
riuhos de rabra, II pacolrs e 2 caitas com 1132 pares
de calrados, 1.0IHJ esleir, 7 libras de pennss de
ema. 232 sarros rom lO alqueires de gomma, 131
dito' rom .Vil arrobas e I i libras de r-ra de carnau
ha. 20 ditos com 117 l|2 alquMres de feijio, i ca-
xas rom 2 arrobas e Iti libras de velas de cera de Cir-
naoba, 3 fardos com 7110 chap s ; a ordera.
Vapor nacional otiiianabara, vindo dos pollos do
sul, manifeslou o srguinle :
') caix-ilrs e 1 snrrao ignora-se ; a Birlbolomeu
Francisco da Booia.
I fardo ignnra-se ; a Domingos -los Ferreira.
1 raixa dem ; a Anlnnin Pereira de Oliveira K.
I dito idrm ; a ooveia *> Leile.
1 parole e I caixole dem ; a Novaes ,\- C.
1 raixole idam ; a Charles LecleTS aSl '-
2 harneas e 3 caixas dem ; a Manuel l'eixolo La-
cerda Werneqae.
I jaca/. dem ; a Ignacio lluiiln de Lovola.
1 c i\ i ; a ordem.
2 caixoles ignura-se ; a P. Sauvelage.
1 catxJiO dem ; a caixa filial do banco.
1 caixole dem ; a l-'rireira Ara ojo.
1 dito ideir. ; a Josc Cinto K. I.au/.ada.
1 dito dem ; a Carlos roe ller A; C.
I i-.ia i-lem ; a Joao Jos 1 Mel Pilada.
I \olume dem ; a Basles A Irmao.
1 lata dem; a Joaquim Ignacio Alvesde A/.evudo
1 dita dem ; a Joaquim Lobato de Abneida.
I volme dem ; .1 Francisco Antonio de r iguei-
redo.
1 emlirullm dem : a Ainnrim i\ Irmao.
;;:scladu i.i'.nAi..
Rendimento di da I a ."> 20:330:tK)1
dem do dia ti...... i:37U?2!ll
/I; Engana-se o Sr. correspondeule, pois nao he
preciso empenbo para isso.
Ol R. R.
2%70TJ9291
i.'IVKKaAS PROVINCIAS.
Itendimenlo do da 1 a 5 i2o3H3
dem do dii (i....... 220>i72
18a\85f
DESPACHOS DE EXPOKTACAO PEi.A MESA
IIIKUNSUHIH) DESTA CIADE NO DIA
6 DE MARCO LF. 1857.
LondrasPatacho ingle/. BreUaSJL Fox Brothers,
25 barris doce.
LiverpoolBrigue inglc (Rosaiie, Denr> Gibton,
000 saceos assucar mascavado.
ValparaiziBarra liamborgoea oHeros, diversos
earregadores. 1,1100 sarcos assucar branco.
LisboaBarca puilugoe/a uFlor da S. Sirno., di-
versos rarr.-ga.lnres, 1,|xl saceos e 13 barrica as-
socar brrneo e maseavada.
Lisboa Barca porlogne/a Beinvindan, Joo Jus
de Carvalho Moraes, 3VJ meios de-vaquelas.
LisboaBarca Flor da S. SimSoo. Domingos Ro-
drigues de.Vndrade, 176 coaros salgados.
corredoies se con.se.-vem pessoas patadas
impeduido a entrada e sabida, ou incomino-
dainlii de qualquer modo os que entiarem,
ou sahireOl ; nem que os bilbeles de entrada
se venda por maior prego do que oestabe-
lecido. quer por conla cmpreza.quer de par-
ticulares, quo os lenliam comprado para os
tornara vender. Hecile C de marco de I8i>7
Dr. Faria.
O procurador da cmara municipal desta
Cldade, declara aos senbores donos de esta-
hclecimentossugeitosao imposto annual de
2?e 4j rs., que 110 ultimo do corrente me/.,
linda-se o prazo, para o pagamento do mes-
mo imposto ; incorrendu na pena o disposi-
Cesdo art 32 do regulamenlo n 360 de 15
dejunnode 184*. aquelles que deixarcm de
sattsl'azer seus dbitos at a data supra ; as-
sim como que devem os tnesmos senbores a-
presenlarem o conbeciment do imposto ge-
ral, sobre lojase ca-as de discontos, relati-
vamente ao primeiro semestre do 1856 a 1837
sem o qual uo poder ser recebido o impos-
to municipal.
Jorge Vctor Ferreira Lopes.
TRIBUJML DO COMMF.P.CIO,
Por esla secretaria se laz publico, que ties-
ta data matriculou se c >:mnerriante de com-
missos, Manoel Bnarque de Macedo Lima,
Cldadfio brasileiro, de idade de 4 annos, e
residente nesla cidade.
Secretaria do tribunal do eummcrcio de
Pernambuco (i de marco de 1857.-Diname-
neo Augusto do Reg augel, 110 impedi-
mento do oflicial-maior.
Pela delegada do 2.- distncto do Re-
cife, foi aprehendido no di 3 do corrente
tres cavallos ; quem se julgar com diretlo
aos meamos, comparec nesta delegacia mu-
nido de documentos legaes, alim de Ibes
ser etiltegue.
Delegacia do 2 dislricto do Itecil'e de
marco de 1857. O delegado, Joo Francisco
Xavier |>aes Brrelo.
O Illm. Sr. inspector da tbesouraria de
fazenda deata provincia, manda fazer publf-
co, que, cm cumpl monto do determinado
em ordem do Iribun l do tbesouro nacional,
tem de ser arrematado de um a tres .unios,
que comi'cavaiii a corter do 1 de juibo pr-
ximo futuro, o servico dacapatazia da al-
l'andega leste mesma provincia, a quem por
menos lizer ; maiores ou tnelbores vanta-
gena oBerecer em favor da lazan la, c que
nos termos do art. 61 do regulamenlo de 22
de junho de 1816, o referido contrato anda-
r em praca por 30 das consecutivos conta-
dos do i.' de abril prximo futuro etn dimi-
te, c sera arreinatado no dia 311 do ililo inez
di; abril, albora da t rde, petante t ihe-
souraMa. Os pretndanles comparecaoi com
seus fiadores legalrrente habilitados no lu-
gar do coslume.
Secretaria da tbesouraria de fazenda de
Pernambuco 2 de marco de 1857.O ollicial
maior, Emilio Xavier Sonreir de Mello.
AGENCIA DO CORREIO DE OLINDA.
Nesta agencia existe urna caita segura,
vinda do Ro de Janeiro, para ai Sr. Antonio
de Sa Pereira.
O Sr. capilo do porlo, riimpriudn a ordem, do
Eim. Sr. presidente da provincia, datada de 3-do I
curenle, referindo-se a conlid.i BO aviso imperial I
de 17 de fevereiro ultimo, manda dai publicidad' as
tiadorrs iic avisos, aiiiiouriando aos naveganses o
e-lalirleriinrnto dr pliarors na Europa e nos Fila-
dos ruidos da America.
Capitana dn porlo dr l'rrnambucn pin i de mar-
ro de I8j.O secretario, Alejandre Bodrigo.es dos
Alijo.
TRADL'CCAO'.
Aviso aos navegantes.
I'harot dr UaUipoli.
Lo/ revolventr. fa/.endo o seu eclipse re'aular da
minuto cm minuto -ubre a lorre mais pioxima a
cidade.
Lalilode si'pleiilrional 2i' 15"
Lougitiide oriental do meridiano de lVrs 2-
19*25"
>'. B.l Os eclipsas nSo appareeerao lolaes em lem-
po ordinario, sanRO na distancia de S milhas.
Assignadus.O consol da sublime porta.A. S-
elerio.P. ti. I'agliano.
TRADL'CCAO.
Aviso ios navegantes.
Bi.- 30.
Estados Unidos da America.
A commissjlo directora du pharoea nos Estado *
Enidos, acaba de publicar com data de 10 na agoi la
fiado o seguiutt :
THEATRO
DE
santa Isabel
DOMINtiOS DEMARCO.
lecita livi'i' rit* aMignatura.
Kepresenlar-selia o drama cm 3 actos
Gargalhada.
Joan Casiano tara' parle de Andr, por elle
creada.
Ueu.aiar,,' o especlacolo a graciosa Cornelia em 1
1ABIC OTA
OS EFFE1T0S Di EDUCADO.
As pessois que encninini-ndaram tullirles quenain
manda-Ios buscar al a's ."i huras da (arde do dia de
hoje.
O reslo dos hillieles.quo existe achaiii-se a venda
no escriptnrio do Iheajlro.
Principiara as S horas.
***^%g=^fs*$&
F.spera-se du Sonlliamploii o vapor hainliiirgur/
PETROi'OI.LS, que devia sabir no dia 2 de feve-
rsiro, a dtpoisida demora do eoiloma segu para
Babia e Hin ,1c Janeiro : qualquer informaran, com
os agentes v. o. Biabes & C. ua roa da Crol n. 1.
DE NAVECfigA tVXTA.
I)E
Miarselha
uormindo pelos <
dos trapiches, e pi
licom aberlas toda
as autoridades de
de campo ijuc o vi
zam-o ao largo d,
que tem taberna pi
recompensados.
o coronel Mal
do de partir no vap
vmcia das lagoas.
governo imperial se
soalmente despedir-
le sua iimtzade nesl
m ido em sua saude,
ie estilo ao pe
s **scadas que
-se a todas
t capitana
5 i'Olt lu-
lo n. I,
lio bem
.ros, ten-
para a pro-
r ordem d>
ioJen io pes
s as oe-soas
>, por incom-
lo prsenlo an
nuncio, e offorece ao. ...ostnos s'us servidos
onde fuer que seacbe.
Precisa-se de urna ama forra ou capti-
va, de bou con lucia, para o servico de nina
casado pequea familia,e paga se bem : na
ruaestreu la liosu'i iraveasa do Quei-
mado, loja de miiideZiWJiv'8 :".
l'reeisa-sc de urna aiil, para CKJ
pouca familia : na ra do lljiigWir. *l>7se-
gundo andar.
Offerece-ae una pessoa para engom-
mar para l'ra, por tois barato que em nu-
tra parte, com perl'eicao e necio : a pessoa
que precisar, dirija-se s ra do Camaro, ca-
sa n. 3.
a^S*ia<*-'I?!"!3l*S
O coronel Alesaodre Manoi-I Albino de a
'.arvalbo. iio leudo a sua dispnsirao o lempo
leceaaario para de-pedir-se pesssalmante de &
*> todas as peesoasqne o honravam com a ua a
; estima e o visitavam, prevalece-se de-ie
js) mein para cumprir rss? dever, e oflerecer- &
;i3 Ihrs os s?u-serviros u i crle, para uniese g)
r; relira, nu em qualquer outro lugar etn que lis
3 trolla de acttat-M. S
: Reeifa 7 de roatro de 1657. 3
S?^S*id-a9al99vllS|>
Deposito dn assiicir jh;-
b'ppra-se um vapor desta companhia, qoe devia
sabir de Maraelba no dia 15 de fevereiro, e depois
da demora do coslume. segu para Baha e Rio de
Janeiro : qualquer inf -rmaclo, com os agentes .N.
O. Bieber & C, na ra da Cruz n. i.
Stilfe*.
SstleidOil
' t,%& *r'.
PARA O '-IO "E 1ANEIR0
va i seguir com toda brevidade o bnguc bra-
sileiro Klvirai ; jii 'eiu grande parte d i rar-
regamenlo pii.ini'ti : para o reStb, passa-
geiros c esriavais a frele, para os quaes lem
bous c iinino.U's trala-ae com o consigna-
tario Jos Joaquim Das Feruandcs, rita da
Cadeia do ItecAfe.
Par.i o t\i Grande do ^al
Sabe com brevidade o bnguc Melampo, por
ter parle d carga prompta: quem quizer
ca regar o rosto eniettda-se coin o capilao
do mesmo', Jos Honteiro de Al incida, ou
com o seii consignatario Manoel Alves Cuer-
ra, na rup do Trapiche n. 14.
Ai-i' 12 do corrente segu para o Aca-
racu' com escala pelo Ceara, o patacho F.mu-
lacio ; para carga e passageiros, trata-so
com Menoel Concalves da Silva, ou como
caulo a bordo.
Para o Porto pretende seguir com bre-
vidade a galera portugueza Brachareiise,
por ter a maior parle de sua carga prompta :
para o resto e passageiros, para os quaes
offerece bons rommodos, tratase coin os I
consignatarios Ihomaz de Aquino Fonseca I
& Pilho, na ra do Vigario n. in, primeiro
andar.
Ao l*ara.
O agente Borja far leilo em seu ar-
mazem, na ra do Collegio n. 15. da (iOO bar-
ricas de cemento da melhor qtialidade co
nhecida, com toque de avaiii, as quaes se
entregaro pelo maior preco liflereeido.
visto que nSo ha limite de preco algum, e
se acnarSo expoatas no upradiio armazem,
sexla-feira 13 do crrente as otizc horas da
inanli.i.
Leilo de p' xe para liquidaco.
Oagente Pestaa fara lellO de cerca do 30
barris con pene eberne salgado, desembar-
cado ltimamente da Iba deS. Miguel : ter-
ca-leira, l do co rente, no armazem do Sr
Aunes dcfronic da alfandega, as onze horas
da manhaa.
Oagente orja em seu armazem na ra
do Collegio n. 15 Iar> leilo de um esplen-
dido sorliineuto de obras de inarcinetiia de
todas as qualidades, una grande quatitida-
de decaliinga--. vasos, enfeites e mais objec-
los de linissima pnrcclan Oe goslos moder-
nsimos, ainda aqui no valos, eouiros
muilos artigos, que lora enfadonuo enume-
ra-loa; assim como una rica nibbilla ue ja-
caranda' com pedra, 1 ptima secretaria,
guarda vestidos, guarda roupas, coiniiiodas,
toilettes, lavatorios, guarda louca, mesas de
jamar e mais movis e utensis de casa, per-
leneentea a urna familia, qu se retira para
a Europa, e bem assim diversos escravos
mocos de ambjs os sexos, com habilidades,
e proprios pata todo o servico, os quaes se
acharoespostos uo dia do leiio, no refe-
rido armazem. (loa ra-le ira II do crrenle
as M boras da maobaa.
PAZE\II\ lllVf^
No armazem dn f izendas da ra do Queima-
do n.27, deJoSo Jos de Couveia, ven-
dem-se as seguintes fazendas, a saber:
Crosdenap'e de seda preta oco-
vado 2-H)"i e 2S50U
Sarja preta lavrada o covado 2^, 25400 e 29800
T
en
Segu abi o lim da presente semana obli-
gue escuna Graciosa, capitflo Joao Jos de
Sou/a, pode reeeber alguma carga miuda :
a tratar com o consigo lu io Antonio de Al-
meida Comes, na ra do Trapiche n. IC, se-
gundo andar.
l'AI'.A HACEIO'.
Espera-se do Asan' por estes dias a escuna
nacional Linda, que devera seguir para o
porlo cima indicado, dous dias depois da
ndo muiliis pessoai
lalorin rom que o E\m. Sr. presi lente da provincia
abri a seaso da kssembls legislativa provincial, S.
Evr. permilliu que um numero uflicienle le eiem-
plares fosse asposlo a' venda, para ser o sen pro
dudo npplicalo a'caita dos orphaosdo cbolera-
marbus: cadaexcmplar do relalorio sera* vendido
por 19500 rs. ; as pessoas qoa sobscreverem al 11 do
correle, para eujo lim na' aberta a sabscripcSo na
livraria n. (i c s da praca da lodependencia. O no-
me c o numero dos ejemplares que -ubsrreverein
ser.lo publcalos ueste I)ru A possna que assiu-
nar para mais de Ires esem, l.irrs pasara'IJOO rs.
|ior cada um.
Hita preta de lisia o covado
Hila hespanhola, o covado
Dila de seda ingle/a, ocovado
(Jiales de chaly de cares com listas
do seda
Ditos de dilos de cores bordados a
Ditos de dito bordados a matiz a
Ditos decasemira lisos a
Ditos de retroz bordados a
Damasco de l e seda com 'i palmos
de largura, o covado a
Panno de hubo superior qualidade
e largo, a vara
Canga amarella da India.muitolina,
o covado
Brim do linbo branco entrelio, a
vara a
Panno atoalba !o com S palmos de
largura, a vaia
Corles de cambraias pretos com ba-
baJos para luto
Ditos de dita brancos bordados de
cor a
Cortes de collclc de luslo linos com
barra a
Cortes de casemiras de algodiio de
bom gosto a
Pccinhas de brettnha de linha de 6
jardas a
Pecinbas decambraia branca br-
dalas a
Lencos brancos de cambraia de li-
nbo, a duzia
Chapeos de castor branco, lino, ca-
bera grande a
Ditos pelos linos, francez para me-
nino a
Camisas de meta linas a
Completo sorliment de obras de
ISa para meninos, c per
24*00
2/200
2-1)00
aoou
I0WHJ0
11-000
4*500
20000
39800
809
300
600
1-5011
19600
218110
800
1-vvOO
39000
2800
3i?400
10'OOO
59OOO
00)
I-.lili
bravatas de diversas qualidades tillo, 800 e I)
luvas brancas de algodo para bo-
mein o par m
I anuos de bonitas cores para mesa i-mioo
Redes grandes de Tocan a 2.-000
Ricos bonetes para cabecil tanto de
panno como de ganga a 2-110O c 1-000
nllciisdo exempiares du re- ,2*>cS3iij.'V ;--#,i^-,s>Sgj5:;S64Mm
' Deseja-se tallar an. rrelores le 110,1,1,1.0",
& Jo-e \ianna, que mmnu no .lilrirt J, v:l- Jf
J la do Cabo, e iioje em S-riiiliaem, a bem dos *|
Si meamos eredores : a biliar na ra da Cadeia a
3 do Recin. 3, primeiro andar,
* .--; t39%m -. :
i) criado que aiinunciou no Di irioa de
bontcm, apiwreca na casa do coronel Laine-
nliii, em Sanio Amaro.
rola da rein;<*a do
"?loiiteiio
No largo do Paraizo 11. 28, se encontra
sempre do assucar pero!ay_de primeira >\sc-
ganda qsjalidade, aasada a 200'rs. ar" T~tHt?~
quelle e ISO a destellambem hav-ra sem-
pre em pyramidesfje meia arroba, propries
para presentes, lyendo o respeitavel nublicu
Cente que <; liirbem latas e barricas dei-
se innocente <> maravilboso produelo da
citina, para e$sa ,, ir;:s pro\incias. Ja au-
iiuiicie, que m assucar perul.i be o mu de
que se deve lijar, pela pureza de sua Mib
laticia, tornendo-si', portento, recomm-ndii-
IdO pelo mlicos meia habis qu- temos a
I honra de COnhecer, e lano isso be ver-lade,
I que para mu nos tenho a Batisfacflo de lor-
nerer o ppola. Quem duaidar da pureza do
laque fallo, pule Ir a grande fabri-
ca 00 Monleiro, d'onde tenbo deuiaslada pre-
siimp^So, que aim do maravilbado, v ilts-a
convicio -I" que so do per ta se devora fi
zer uso No mesmo esiah 'lecimento s acha
a venda caf chumbado do lito da Janeiro,
em carneo e moido, e quem urna vea experi-
mentar ilessc cafe, le outro no usara, sen-
do o de caroco a 200 rs. a libra, o o muido a
320, cna dos Indios, pilo do primeiro fabri-
cante, lodosos iihs botacbinhas regala, di-
tas da fortuna, al'.ia as, estrellas, hiscoiti-
nbos e bolacbinbas de araruta ; e nos do-
mingos llavera pudius a 180 a libra, falias do
Nanles, panquecaa de leite a ovos a 16' cada
una, tres enclie um pralo'. e os doces jj
annuncialos so si preparam de eucotninen-
das dous dias antes O dono deana i'stabele-
cnnento agradece oordalmenlc ao respeili-
vel publico desla cidade, principalmente a
seus amigos e freguezes, o alan om que se
leeiti dignado .rocura-lo para gastarem dos
excellenies gneros que tem exposto a ven-
da no deposito cima menci.ii.ado, e penbo-
rado como tica, Ibes tributa a sua sincera
graiidiio.
I. va-se eengomma-se com perfeic 01,
por prego couniiodo : cm rUa de Portas
11. 52.
Oliercce-se urna pessoa para adminis-
trador de engenbio, que tem as babihiacOes
e pralica necessaria, lauto para es a provin-
cia como para outra cjalquer: a tratar na
ra do Crespo, loja de Joio de Siqueira i/er-
ro.
as
Miii
'.
Roe
X Sooiedate de Ensaio Frencez.
^ le i tolos OS SIMIOS, 1
ri rtti uni 1
o encarecida ente as antoridades po-
i liciaes, e mais pessoas;que apprehenderem o ;
; oieu escravo Caldino crilo, oflicial de pe-1
I drciro.com idade de 25 annos.baiv.o- locor-
; po, rosto bonito, olbos vivos, nariz aullado,
At^ndio.
Quem tiver uns caixilboa e um btete pa
ra vender, dirija-se a ra dos junis, Im.i
n. 20, que achara coa quem tratar.
Manoel Xntouiu dos Santos fon les, rc-
lira-se para fra da provincia.
0 advogado .Manoel Caetano lloares.
continua a reaidir na ruadas l.arangcir s
n. l.
I a ruiLice.
^| No armazem da fazendas baratas, ru do
Collegio n. 2,
*| vende-se um completo sortioenio de fa-
M rendas linas a jrossas, por mais barato
H precos do jue etn outra qualquer parte,
fg uni em porces como a relalho, affian-
9 canlo-se aos compradores um s preco
^ para iodos: esle estabelecimenio abrio-se
C| de combinaco com a maior parle das ci-
^| sas commerciaes inglczas, francezss, alie
3 maos e suissas, para vender f. zondas mais
; em conla do .pie sa lem vendido, e por sin
i ollerecera elle maiores vanlagcns do que
^ outro qualquer; o proprielario desle im-
portante esubelerimcrito rnnvid lodos
9 os seus patricios, e ao publico em geral,
3 para qu venham (a bem dea asM inte-
jjf resses) comprar fazendas baratas: no ar-
^| mazem da ra do Colirio o. 2, deAn- jj
} looio Luiz dos Santos & h, .i.
IIIIBI lOADMKHIlDj
Leudo Basle olh.rion o |iin,.:i.iin:i ,ios 1 -',[ que
na caaapins da Casa Kssi,as iaas faaet asafsBswa
da Sra. das Nercssi lades,padroeira da rapnllaab que
all ha. no qual se prosa ua exp.r em psioiaau-..I,..
rama escrllenles visl -. aera posvoraasa,por
d i loi rl-lri.-i. aUiin- r ,1- da vida da J. C elr. lu
nos das nidio .I- a aqnelle locar, all n I i aso 11*
1 '....... '"' i a les, como pela desejoeJe ras ,
los eletrica, de qoe apenas tiiii- a idos |iel" ramio
que, no campo .lo tliealrooV.Sania Is.l i. i-/ ,ella,
H*ann.n.....i Mr. L.n.i/e. I..... -iNitii-nul
',/ r que a minba a linirac -. ,...'
10 porque uum.i vi nada d aaelbnr. uu-i easesa*
carao quer no Rssloda ese.lhl d.- ^ -^.- e\| Mtoaao
moi nna-dioram: r i .!\ ira, : sobretasMi I i i.,-
11 o brilhatilisusa -' '* e ei ,r'ra qu
!u.i ruin ii do astr do da e ; ir a iresn
ni.iis ,in-.s p-,r serena meaos abrasada
era Ua clieia di maravilhas, lio
neniada pe id Mr. i.n-.u-
- -: ii -r a ill i-1 a :
si".i i nva-
-- -i- rasas
. ..... luz
-U|l-ri.ir ; r\n n-
VI.'i- raeh lafea
--ti -. Em \t-t i ti-i.t
O primeiro secretario fa/.scien-
|ue hoje 7 ,
...- llavera' sesso, as o horas em
ij |) ii >; ssiiii cimoconcluir-se-liaa
:'-; h'co|)c"io da traclucoao marcada.
O
O
a
..:-
.. ,. ----------'i |-('-iiii a 1117*1 -i i ; .1 t't| .*, i*.:ri *i%r | II-1H
foi escravo da finado II tinque Pope de Gi- esnerai ler ..... perio.iir s .!.-,i.--e .,,: ., isa
'..'..'.''. ':.'. ..-. ,........;.
''-- ......--...-..;-..;...- .....-.....-.ir
Preciaa-se de urna lavadeira eenirom-
ebegada .-recebe nicamente passageiros. I madcia, de um eitor.dc um bo.n cozmbei
para aquella porto, a tratar com Eduardo ro, eum criado, para caaa estrangeira : a
ra da Cadeia com I tratar na ra do Trapiche Novo n. 12 primei-
ro andar.
Ferreua Hallar, ou
Antonio Pedro das .Noves.
rao, senhor do eng-nho d'Agua, cuja escravo
locon-ine em parullia : quem o pecar
lev. -o a Boa-Vista, na ra da Alegra, casa
n 31, que sera generosaiiiente pago Mar-
celino Jo-i' Lopes.
- Vidal c\ Mastos deram procuraco bas-'
Unte ao sr Antonio do Mello Manalhnes
u para reeeber nesla praca a* dividas Cnnstan-
les da relarao qoe ao mesmo snior en're-
gamos, por nosassignada, o ,|i1L. lazemos
publico pira (pie no se cha mi m a ignoran- i
aquelb s sen'iores deve lores .le que elle
io reeeber. lecife i de marco de i*">".
tetilla
Precisa-se de urna cozinheira na ra
do Ijucinia.lij n. 1.
i-.i-jo- a deseripcfo Oe|l*s eo H io t escama
arhsia, mas romo al hoje nada b ;.i apparecsoas, I
n -ni inr-nin ua Poema Avolsa, sesapre pro j-is
I- el a,loa e da irniiriai ; nos r>la rasl i raaa
i iniutia rude uenna VOO publsral que o ..,_
li-ta, ,|iie rmaliiiina. bol s daqurllu da Ral-
les foulw curt r .:.....i.....,.....lanas a insacinacaa
de mil!', ires .1 pe--..,, que a a Un i irl i li ,. a ,
i' quanl i.......i mm, ln inarlala
placas, be Mr. Beliairr, francs atodralo qoe,
ilrsla vrt, nao pode oceollor as seas aupanoros lia-
llll laroes a
i m asBiaja do nierilo.
11 .\p-/.ir da brilbanltainH da loi el -Inra
uuyiiiius tallar.
fine
rresjiandente, mo o vimos, nem ella
O redactor di Pagina.
MUTOiD"
ILEGIVEL


DIARIODE PERNAHBUO, SAltlADO 1 DE MARt.O DE 1857.
SEGURO CONTRA FOGO.
Companliia Alliance.
Esubelecida cm Londres, em marco de 1 s24.
Capital cinco milhes de libras esterlinas.
Saunders Brothers & C, tem a honra de in-
formar aos Srs. negociantes, proprietarios de casas,
a queja mais convier que esto plenamente au-
lorisados pela dita cornpanhia para effectuar segu-
ros sobre edificios de lijlo e pedra, coberlos de
telha e igualmente sobre os objeclos quecontiverem
os meemos edificios quer consista em mobilia ou
em fazendas de qualquer qualidade.
Substituieao do
arcano a polassa
pelo barato prego de 5,200
por unta lata d 10 libras:
noarmazem de flf. p.Bie-
ber & C.,. ra da Ciuz
ii. 4.
Rcparlicao da vaccina.
O coumissario vaccinador vaccina 'nas
quintas e domingos de todas as semanas, no
torre3o da All'andega, e nas terQas-feiras na
casa de sua residencia, primeiro andar do
sobrado da ra Nova, esquina da do Sol, das
1 as Precisa-se alugar tira preto possante,
etnbora seja bruto, para trabalhar mensal-
mente nesla lypographia, dando-se o sus-
tento : na livraria us. u o 8 da praca da In-
dependencia.

DENTISTA FRiNCEZ. !
Paulo Gaignoui dentista, ra Nova D. 41 :
na mesma casa tem agua e pin dentrilice. 0
ADVERTENCIA.
O procurador da cmara municipal desla
cidade avisa a todos os Srs. donos de estabe-
iccimentos sugeitos ao imposto animal de
2#e4Srs., que o prazo para o pagamento
principiou no primeiro do corrente, c linda-
se no ultimo de marco, prximo futuro, e
previne aos mesmos Srs. que nao se guar-
dem para os ltimos dias, por nao ser pos-
sivel assignarem-sa todo a um lempo.
Na ra das Trincheiras n. 8, loja de
lartarugueiro, com a frente pintada de ver-
de, compra-se cft'eclivamente tartaruga, e
paga-se por mais preco do que em oulra
qualquer parle.
Jos Joaquim da Cunha CuimarSes,
estabelecido com loja de tartarugueiro, na
ra das Trincheiras n. 8, quem entra da ma-
triz ao lado direito, avisa ao respeilavel pu-
blico e aos seus freguezes, que receheu de
Franca um completo sortimeulo de obras de
tartaruga, como pentes para alar cabello de
diflerentcs qualidades, ditos para alisar,
marrafa, e para meninas; alm destasobras
tem no mesmo estabelecimento um bom sor-
limento de penles, caixas, tudo ah fabri-
cado ; assim como se concerta qualquer
obra de tartaruga, por precos commodos.
Aos a tita mes do bom gOStO.
Sao chegadas loja de chapos de sol do
aterro da Boa-Vista n. 22, as multo afamadas
esaborosas tambur>s, em bocetinhas, pro-
*pri|*~.u fazer-se p7esenles> chegadas lti-
mamente da Turquia j_cheguem, freguezes,
que se vende barulo.
Precisa-se de urna 3a forra ou caP"
tiva, para casa de pouca familia, e que
faga compras : na ra da CrrJz n- 5' depo-
sito de charutos. \
Coiupanhia
DE
seguros martimos.
SEGURIDADE.
AGENCIA FILIAL,
registrada no tribunal do commcicio desta
provincia.
Ellectua-se qualquer seguro sobre navios
ou carga, a condices mui favoraveis : as
propostas aceilam-sc em casa dos agentes
Isaac, Curro tj C, ra da Cruz n. 49, onde se
pode tambem saber as conveniencias, que a
cornpanhia offerece aos segurados. Para fa-
cilitar os seguros pequeos, acaba a direc-
eodedar ordem para que as apolices se
pagucm por 500 res cada urna.
Precisa-se de nma ama de lcite para
criar a urna menina de 3 mozes : na na do
Collegio n.,21, lerceiro andar. Pag-se bear
Precisa-se para casa de pouca familia,
de urna ama para todo o servico ; na ra
Bella n. 20.
Deposito
de jolas e obras de ouro do II. A. Boettger &
Cornpanhia, de Hamburgo, aterro da Boa-
Vista n. 11 j onde se aclia um rico sorlimen-
to de todos os gneros destes artigos, que
se venden) por preco mais commodo do que
cm nenhuma parte, por seren de propria
fabrica, em grosso e em retalbo ; tambem
Jazem-se aqui concertos destes artigos e
gravam-se sinetes e sellos.
Feitor.
No engetiho de Santa liosa, freguezia da
l.uz, precisa-so de um bom feitor para
campo, o de um bom carreiro forro, c se for
cscravo,compra-sc.
" Perdeu-se na noite de 27, indo-sc da
ra da Cruz para a matriz de S. Jos, nas
Cinco Ponas, una pulcoira esmaltada de
azul claro : quem a uchar, querendo-a en-
tregar, dirija-se a ra da Cruz, cm casa do
l>r. Cosme de S Pereira, primeiro andar,
que alu ser bem recompensado.
ESTRADA DE FERRO
- -vJ ;A
/l/NiKi'l '.-' VIA
Lotera
DA
HITk O
rroYincia.
0 abaixo assignado vendeu as seguinlc
surtes:
1 mcio numero 223t 1:5008
1 filo Jl-l^i 1 003
1 dito M\i 1005
. I bilhete i. 153(S 1005
1 dito 3109 505
O mesmo tem exposto a venda os seus fe-
lizes bilhelcs, meios e quartos da primeira
parte da sexta lotera do liymnasio Per-
nambucano, nas lojas do costume, os quaes
nao estao sujeitos ao descont dos oito por
cenlo da lei.
Por Salustiano de Aquino Ferreira
Jos Fonrtnato dos Santos Porto.
Lotera dsil pro-
vincia.
0 Sr. thesoureiro manda fazer publico
que se acham a venda ueste cscriptorio, ra
da Aurora n. 26, primeiro andar, grande
porcao de bilhetss, meios e quartos da
primeira parte da sexta loteria do Cymnasio
Pernambucauo, cujas rodas andam lio dia 14
do corrente mez. O Sr. thesoureiro manda
declarar aos serjhores jogadores, que exis-
tem numeraces sortidas, como tambem
os billieles vendidos ueste escriptono nes-
sas ultimas loteras lem sido muito afortu-
nado*, por isso espera que elles concorre-
r;lo para que continuadamente nao liquem
tamanlias porches de bilhetcs por vender,
como sempre lem licsdo. Thesouraria das
lotcrias4dc margo de 1857.
tnsfi .1.minino Alvos da Maia.
Escrivao das loteiias.
Perdcu-sc no baile do Cajuoiro uina
pulceira de coral : pede-se, portanto, o es-
pecial favor a quem a tiver adiado, de a en-
tregar em casa de Jos llygino de Miranda,
ou na ra da Cadeia, cocbeiu n. 7, que se
recompensara.
DAGERREOTTPO.
No aterro da boa-Vista n. 4, terceiro an-
dar, continua-se a tirar retratos pelo novo
systema norte americano ; na mesma casa
vende-se urna excellenio machina de meio
com todos os pertences, para fazer retratos
de daguerreotypoe de pliolographia, cm oa-
pel, vidroc marfim.
Lotera do Rio
de Janeiro.
Na praca da Independencia n. 40, acham-
se a venda os novos bilhotes da loteria ler-
ceira das Salinas do Cabo Fro, que devia
correr de 3 e 4 do presente. As listas espe-
ramos pelo primeiro vapor que partir depois
dessa data. Os premios serlo pagos de con-
lormidade aos uossos annuncios em a mes-
ma loja cima.
Proessoiade piano e
cauto.
Mlle. Cari de La Charle, professora de
piano e canto, discipula .premiada do con-
servatorio de musica de Pars, tem usado
sua rsidencia ncsla cidade, para ensinar a
arle de tocar piano e cantar conforme lo
gosto moderno ; as familias que ja lhe fal-
iarampara o dito cnfiy.. .pariem^prbxrra^
la na ra larga doisarj0 n. o8, primeiro
>Htfftf^g_"' ."'jroa Cadeia Nova n. 23, se-
gundo andar!
Agencia de passaporlc e folha corrida.
Ra da Praia, 1- andar, n. 43.
Claudino do liego l.ima, despachante pela
reparlicaoda polica, lira passaporte e folha
con ida por commodo precoe com presteza.
Arrenda-se pelo lempo que. convier ao
arrendatario, o engenho Sicupeminha, per-
lencciilea viuva e herdeiros de F. Antonio
de Sa Brrelo : a tratar com o lente-
roncl Barata, na ra da Cadeia de Santo .-
Ionio.
CARNEIRO.
Fugio um carnero todo branco, seui cin-
tre, bom tamanlio; por isso quem o adiar
ou Ibo for oll'erecido, apprelieuda-o e o faga
conduzir a ra larga do Itosario n. 35, loja
de iiiiuduzas, cine sera recompensado.
Philip Furby, subdito britnico, reti-
ra-se para a Kuiopa.
Frecisa-se de um feitor para um sitio
nos arrabaldes desta cidade, e de una ca-
noa poraluguel, que carregue 1,000 lijlos:
a Iratar na ra da.s CruZBS 11. 30,
Quem precisar de um bom criado ab-
antando a conduela, aununcie pelo Diario
para ser procurado.
Um rapaz brasileiro, dando fiador a
sua conducta, offerece-se para cobrar cotilas
intra-muros : quem o quizer aununde.
O reverendo 0. Morgan e sua senhora
retiram-e para lira do imperio.
CHAPEOS 1KANCEZES.
Vende se 'ia ra Direita n. til, chapeos
francozes muito superiores, chegados ulti-
iiiaiiienledc Paris, muito baratos, a 75500,
85000 e 85500.
Paga-se beiii
a ofliciacs de funileiro quequeiram traba-
lhar de jornal ou empreitada : na ra Nova,
defronte da igreja da Conceic&o.
Preciaa-se de uma ama forra ou capti-
va para pouco servido de uma casa, tatito in-
terno como externo: na ra do sebo n. 8.
it \J ..'. ." :.j ..: v;; \
fl

&-&$$$

5
O
Tintas
de varias qualidade e alvaiade em barricas w
9 pequenas : vende-se na rna da CtOI 11. 10,
;'J em caa de .1. t>raei;er i\- C. ; :
Precisa-se de uma ama para indar
com urna enanca de 8 inczcs, daudo-sc bom
iraiamcnlo, c sendo ella de boa conducta :
a tratar na ra de iloilas 11. 140.
Jos Soares de Azevedo, professor de
lingua e litleratura nacional, no Cymnasio
desla cidade, mudou a ua residencia para
a praca da boa-Visla n. 2, esquinada ra do
Hospicio, e aln tem aberlo um curso de geo-
graphia e historia, c oulra de rethorica c
poclica : as pessoas que quizorem seguir
uma ou oulra deslas disciplinas, pdem di-
rigir-so a indicada residencia, demania
ale as 8 horas, e de larde a qualquer hora.
iomti.
Compra-se um engenho de fazer as-
sucar, sendo bom de terreno, cuja Incalida-
de niio seja multo longe do embarque ou
morcado, que nao seja sujeito a complica-
coes, etc. : quem o tiver anuuticie. l'rcfre-
se sendo d'agua dito engenho.
Compra-se uma casa ierra com com-
modos para familia, nas freguezias de Santo
Antonio, S. Jos e Boa-Vista : trata-se na
ra Augusta 11. 17.
Compram-seeffectivamenle na ra das
Flores n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e da divida provincial, assim
como aeces das diversas companhias auto-
risadas pelo governo.
Compram-se 2 cscravos do 14 a 10 an-
nos: a tratar no escriptono de Jos Joa-
quim Dias Fernandes, ra da Cadeia do Ite-
cife.
Compra-se uma casa meia-agua, que
niio exceda seu aluguel de 4/a 5"rs., por
mez, em qualquer um dos tres bairros : a
ti atar na ra de Horlas n. 64, at as 9 horas
da manilla, e a tarde das 4 lloras em dianle
Compra-se uma cscrava moja, que
cosa bem, engomme e cozinbe : a tratar na
ra do I rapictie n. 14, primeiro andar.
r^-teflp^a-se effeclivamente cobre velho^
lat.lo. bronze^T!rNb#Tj ,3sTaTfra~T\*M-ATo-
gadus, ra do Catuc, em casa de Joao lles-
panliol.
Compra-se uma casa terrea boa, com
quintal no bairro da Boa-Vista : quem a ti-
ver para vender pode dirigir-sea ra da Ca-
deia do liecife, primeiro andar da casa n.
3, que achara com quem tratar.
Compram-se as cartas de Pitia a seu
amigo Damao, escripias pelo fallecido Fr
Joao do Amor Divino Canees : na liviana
n ti e s da praqa da Independencia.
Compra-se ellectivamenle bronze, la-
dflo e cobre velho : no deposito da lundicao
la Aurora, na ra do Itrum, logo na entra-
da n. 28, e na mesma fuudicSo, cm Santo
Amaro.
$nt.-~.v.
do Recife S. Francisco:
LIMITADO.
bt*rt(t ii.mniiju
O directores da Cumpauhia da Estrada de Ferro
do Kccifa ao San-Francisco, limitado, tem feilo a
jeaWa riawada de duas libra esterlinas, 00. res
1757//, sobre cada aeran, na dita cornpanhia, a qaal
deve r paga ale o da de abril do corrente auno
de 1857, na Baha, em casa dos Srs. S. S. Devao-
porl & C, na corle, em casa dos Srs. Maut, Mac.
Crepor & C., e em Pernambuco, no escriptono da
Cornpanhia.
O accionista qae 11.10 rcaltsar o pagamento den-
tro do termo iu.licado, podera perder todo direito
" "Ces sobre as quaes o duo panainenlo mo se
tiver etecluado, e em lodo caso lera de pagar juros
ua razio de 5 por cenlo ao auno, e de niio ucel cr
|uros ou dividendo da Cornpanhia, pelo tempe que
decorrer enlre o da indicad* para o pagamento e a
sua realisacjo.
Neohom auto ne transferencia pode ser registrado
depon do da 9 do corrente, antes do pagamento da
chamada..
Por ordem dos directores__S. P. VEBEKElt
' thesoureiro.
Kecife 3 de marco de 1X57.
Na ra larga do Rosario, esquina do
beceo do Peixc Frito, no secundo andar do
sobradon. 9, continu'a-sc a dar comida para
lora com todo o aceio, e or preco muito
cm con la.
O abaixo assignado declara aos deve-
dores ae Aureliano c Andrade, que nao pa-
guern seus dbitos scniio ao nbaixo assigna-
do, do contrario terio de pagar segunda
vez. Recife 13 do levereiro de 1857.
Mano.'i Jos l.eite.
D-se a juros a quaniia de 9:5009000
sob boas lirmas ou hypollieca em predios
nesla cidade : nesla lypographia se dir.
Precisa-se de um bom padeiro para
urna das principaes padarias da cidade da
Parahiba : a tratar na ra da Cadeia do Ite-
cife n. 7.
Precisa-se de um pequeo para caixei-
ro de uma loja na cidade da Parahiba, dos
ultimes chegados: a tratar na ra da Cadeia
do Recife n. 7.
Forster Nash com a sua senhora e dous
menores, retira-so para a Europa.
Os abaixo assignados, com loja de ounves
na ra do Cabuga n. 11, confronte ao pateo
da matriz c ra Nova, fazem publico, que
estao recebendo continuadamente as mais
novas obras de ouro, tanto para senhora
como para homens c meninos : os presos
continuam razoaveis, e passam-se contas
com responsabilidade, especilicando a qua-
lidade do ouro de 14 ou 18 quilates, licando
assim sujeitos os mesmos por qualquer du-
vida.Scraphim &lrmao.
Quem precisar de uma ama para sar-
vigodecasa de pouca familia, de portas \
dentro, a cxcepc.10 de engommado, dirija-se
a travessa da Madre de Dos n. 18, que se
dir quem he.
Jos Antonio Gomes Jnior encarre-
ga-se de negocios judiciaes, niio so dos seus
amigos residentes em diversas provincias do
imperio, mas de outra qualquer pessoa, para
0 quo pode ser procurado nos dias uteis, das
9 horas da manhfia as 2 da tarde, no largo 1 Alii'OcO
do Collegio 11. 6, primeiro andar, e a outra '
qualquer hora, na ra do Sebo n. 35 D.
Tendo a mesa rerjedora da venera-
velordem teiceia de.N. S. doCarmo des-
ta cidade, obtido de S. E\c. Rvm. por des-
pacho 1 la lado de do corrente, permissao
para ter lugar na tarde de sexta eira
Santa, aprocso do triumpho dos pas-
sos do Senlior, como prescrevo o artigo
35 dos estatutos da mesma vencravel or-
den: ; assim sanado o abuso <|ue pratica-
ram as anteriores mesas regedoras, cabe-
lhe a satisfacao de convidar pelo presente
a todos os charissimos raos a' compa-
recer as -2 horas da tarde do rele do dia,
alini de acompanharcm e mais ahrilhan-
tar tao solemne procissao.Manoel Joa-
(juini Muniz Baranda, secretario.
G. Belenot vai para a Europa.
Joaquim Barboza Lima, professor li-
cenciado pelo governo provincial, avisa aos
Srs. estucantes de preparatorios, que no dia
9 do andante abre um novo curso das lin-
guas l'ranceza e inglesa: quem qui/.cr imatri-
cular-se em sua aula dirija-se a ra do Sobo
n. 39.
He chegadn ra estreita do Itosario.
taberna da estrella n. 16, os muilo bons
queijos novos do sertao, assim como queijo
^e prato muito bom, c lodos os mais gene-
1 ros que a visla do comprador -saliera apre-
ciar o gosto dclles.
Offerece-se um menino para caixdro
de qualquer estabelecimento, excepto ta-
berna, de idade 12 annos, que anda se acha
arrumado : quem quizer aunuucic.
Precisa-se de urna ama forra ou cap-
tiva, que saiba lavar e engommar : na ra
Nova n. 39, primeiro andar.
Precisa-se de uma ama de leite : na
ra do Crespo n. 9, .deposito de velas.
Precisa-se de um caixeiro que tenba
pratica de taberna, 011 mesmo sem ella, e
que afiance sua conducta : a tratar na Sole-
dade, taberna defronle do quarlel.
O Si-, que no Diario de 2 iio corrente
annuncou querer comprar um engenho com
as commodidadcs que exige, dirija-se a
praca da fioa-Vista, botica n. 32, que acha-
ra com quem tratar.
Na cocheira da ra do Caira existe uma
exellcnte parellia de cavados para se vender
e por preco commodo, assim como pede-se
por favor aquellas pessoas que na mesma
estiverem a dever, bajam de mandar pagar
suas contas.alim de evitar queixas.
Pede-se a todas as pessoas que estao
devendo no deposito de charutos do aterro
da Boa-Vista 11. 38, confronte a cocheira do
Sr. Passos, bajam de vir pagar no prazo de
6 dias, do contrario lerao de ver seus nomes
I por extenso nesla folha.
AiM MUCHA DE
chapeos de sol de seda
a 4#000 e 3,000 rs.
Na loja da ra do Queimado n. 17, ao p
d botica, vendein-se muilo superiores cha-
peos de sol de seda de cores e pretos, pelo
barato preco de 4 c 5/000 cada um, por te-
ruin sido molhados venbam depressa a-
quellcs que quizerem da pechinha, que por
semelhante prec.0 s se vende a dinlieiro a
vista.
Vende-se um sitio com cssa de pedra e
cal, contenido a dita casa 2 salas, 4 quarlos c
cozinha tora, sendo em chao proprio, e con-
tendo uma grande baixa decapim, e bastan-
tes arvoredos de fructo, no lugar de Parua-
iien un : a tratar 110 Passeio publico, loja de
la zondas n. 7.
monstro,
chincha.
he
pe-
arand s e grades.
Um lindo e variado sortimeulo de niodel-
los para varandas e gradaras, de gosto mo-
dernissimo : na fundico da Aurora em San-
to Amaro.e no deposito da mesma, na ra do
lirum.
Coun de lustre marca de
castelo.
Vendem-se pelles de couro de lustre de
muito superior qualidade a preQO de 4o e
4/500 : na ra do (jueiniado, na bem conhe-
cida loja do miudezas da boa fama n. 33.
Vende-se um cavallo rodado, gordo :
na ra do Amorini u. 17, taberna.
Na ra larga do lfoiario n. 32, ha para
vender-so uma porcao de inadeira de cedro
cerrado, propria para caixas de charutos ou
para forrar paredes hmidas de salas, jun-
tamente uma balanca grande com dez a do/.e
arrobas de pesos, e um rel com um terrado
ludo por preQO muito em conla.
Vendem-se dous fagotes, sendo um de
campana de metal e de muito bom gosto :
no pateo do Carmo n. 10, das 3 as ti horas
da larde.
Vende-se um mulatinho de idade de
lia 15 annos, bom para pagem ou boleern:
quem precisar, dirija-se a ra da Conccifo
11. 5.
Vende-se uma capa de gorguro, r-
xa, com morca, em bom estado : quem a
pretender, dirija-se a ra da all'andega Ve-
lha 11. 3 e 5, que o achira com quem tratar.
Em casa de Timm Uonsen & Vinassa,
praca do Corpo Santo n. 13, ha para vender
um sortimeulo completo de livros cm
branco.
F.m casa de Timm Monseu s Vinassa,
praca do Corpo Santo 11. 13, ha para vender
alguns pianos chegados no ultimo navio.
Vende-se urna cscrava de uaQo com
algumas habilidades : na rna do Queimado
n. 14.
Azeite refinado muilo superior, pro-
prio para candieiros de todas as qualidades:
vende-se por preco commodo, na ra do
Trapiche 11. 16.
Cerveja ogleza
da marca Bass &C: ven-
de-se no Brmazem de .
raoer&C. na ruada
Cruz n- 10.
Agencia
Vende-se urna casa terrea na ra Au- |ir,,c fit'v in-iv > uiolnr
gusta, quina do becc. do Peixoto, a tratar t*,cas nlas n,,a C l,,uer
na roa do Cabuga, loja n. 11. naS dOS melhoreS tfOStOS
lECHiRISHO PAfc imi que se pode encontrar
V11| se vendem na loja da boa fama na ra do
% prviur, r. .Att,'.,. ^ ____ Queimado n. 33e por precos que nao deixatn
NAFLNDICAO DE FERRO DO F.NGE- de agradar aos compradore, porque real-
MlhlItO DAVID W.BOWHAN. A | mente se vende barato e ha muito onde es-
RUA 1)0 imi,.M,PASSAM)0 O ollA- colher.
FARiz, Para escriptoros e carto-
da fundidlo LoAV-?Joor,
ra da Sensata Nova
11. 42.
Neste cstabolcriinento conlinu'a a baver
um completo sorlimento de moendas e meias
moendas para engenho, machinas de vapor
e taixas de ferro batido e coado de lodosos j1!>ernprc uin grande <"ri inipiiin dos esninlfs u
Vendc-sc algodSo monstro, com 8 palmos
de largura, muilo propiio para toalhas e
lencoes, pelo diminuto precu de 600 rs. a
vara : no loja da boa fe, ra do Queimado
ti. 22.
Laa para vestidos.
Vendem-se cortes de laa para vestido, de
muilo bonitos padres, e com 15 covados
cada corle, pulo baralissimo preco de 5;000:
na ra do Queimado n. 22, na bem condeci-
da loja da boa le.
Milho bom e ba-
rato.
Na taberna grande ao lado da igreja da So-
ledade, vendem-se saccas grandes com mi-
lho novo, por prego commodo.
Moendas superiores.
Na fundigo de C. Starr & Cornpanhia, em
Santo Amaro, acham-se para vender moen-
das de canna todas de ferro, de um modello e
construegao muilo superiores.
Arados Ue ferro
Na lundicao de C. Starr Cornpanhia, ctu
Sanio Amaro, acham-se para vender arados
de ferro de um modello c couslrucco muilo
superiores.
oa fama.
arnau'ba.
Saccas com cera de carnauba : no arma-
zem de Tasso Irmaos, na ra do Amoi im
n. 35.
8ellins.
Os mais bemacabados scllins de pa-
lele inglezqneeiilein no marcado;
a venda no armazem de Kostron
Kooker A C., esquina do largo do
Corpo Santo n. 48.
Na ra Direita n. 19, ha para vender
cha de familia muito superior, da-se amos-
tras, a 15000 rs. a libra, batatas"muito novas
al#!60a arroba, em canastras pequenas,
que s tem uma arroba, quejos.^j^f,-, "r.es-
caes chegados pelo vapor, a 1^600 cada um7
PALITOS E CAMISAS FluNCEZAS.
>endem-fe palitcjAJflUu.casacosde pan-
no lino f.irrad >s d.e seda a 20/000, ditos de
cascmirasdecr,res com gola de velludo a
2o?ll00t ditos de alpaca a 6, 7, 8,10 e 12#000,
r"*5a'sde '.'asemira preta e de cores a 10 e
OOO, clleles de todas as qualidades, ca-
misas brancas c pintadas a 24, 28 e 30/000 a
dnzia, aberturas de Iinhoa6s000 a duzia,
collarinhos 11 2/000 a duzia, chapeos para
homem, ult -.ousnioda, ditos de feltro de to-
das as cores, i-avalas e luvas de todas as
qualidades, Chat ulos finos do mdhor fa-
bricante da V ,na : na ra Nova n. 4.
CHAPEOS 1MRA SEMIORAS. y
A loja da rua-.\'ova}n. 4, recebeu pelo ulti-i
mo navio francez, osl melhores e mais mo-
dernos chapeos de se.da com ricos enfeites1
para senhoras, e para> meninas de 1 c 8 an-
uos : na rua Nova n. 4.
PARA A Q'EARESM.v.
Vende-se grosdenapUe prelo superior a
2/200 o covado, setim broto maco a 33000 o
covado : na rua Nova rJi. 4.
lmannos pura dito.
SLOGlS
Siuuda Cadeia do Recie
n 18.
lia 11111 sortimcnlode relogios de todas as
qualidades, tanto de ouro como de prata,
ditos fuleados c galvanisados, por preco ba-
ratsimo, ha tambem nicios chronometros,
de superior qualidade.
Vinho do Porto
de 1857
No armazem de Jos Joaquim Dias Fernan-
des, becco da Madre de Dos n. 12, vende-se
superior vinho velho do Porto, em caixas de
urna e duas duzias, por preco commodo.
Deposito
de rapeprinceza da imbri-
ca de E. Gasse, rio Rio
de Janeiro.
Vende-se a prego commodo rap lino,
gros cima, chagado pelo vapor S. Salvador ; na
rua da Cruz n. *9.
Vendem-se terrenos para edificaban na
estrada do.Manguinniho, do do liecife, lado
esquerdo, junto as casas do Sr. Manoel Pe-
reira Teixera, com 250 palmos de fundo e
de frente os que o comprador quizer : a tra-
jelos de mecha nisinus (iropr ios paraeiiueiilios.a sa-
ber : moendas < meias mocada! da mais moderna
conslrucro ; taixas de lerr,, fundido e halido.de
nos.
\cndem-se resmas de papel de peso do
ttSm SoEf* haVer-' dil ""
lar na rua da Cadeia do Recife n. 9, ou com
Jos ISaptista Kibeiro de Faria, no seu sitio
da Estauci.
Vende-se a verdadeira grasa jnglcza n.
97, dos afamados fabricantesDay c Mar-
tn, em barricas
cm casa de James
rua da Cruz n. 42.
de 15 duzias de potes
Crahlrec iV Cornpanhia,
dentadas para IgUI on animaes, de tV.das as propor- i [l'n'iu" TU? SLL**?1 ^" l?qUC"
cues; erivoieboeeasderornalliaeregiitrot.de bo-j ""winio lino a 4*500 e es, diioalmar;(i
eiro, igalh6e*,bronzei,parafiiMi cc.i>illi6es,moi' "
nli"- de mandioca.etc.elr
NA MESMA FINDICA O.
eexeculaml odas ase ncommendas con> a tapara*
ridade|ai:onhecida ecom a devidapresle/aecom-
modidadeem preco.
BANDEJAS FINAS BARA-
TAS.
Vcndcm-se bandejas finas e de varios ta-
manhos pelo barato preco de 1/500, 2500,
35500 e 4? : na rua do' Queimado loja de
miudezas da boa fama 11. 33.
LEQES FINOS.
Vendem-se lequcs muito finos com ricas
pinturas, espelhoe plumas a 9/, 39500 e 4/ :
na rua do Oueimado loja de miudezas da
boa lama n. 33-
Potassa e cal
virgenoL
No anligo c j bem conhecido deposito da
rua da Cadeia do liecife, escriptorio 11. 12,
lia para vender muilo superior potassa da
Itussia, dita do ltio de Janeiro, e cal virgem
de Lisboa em pedra, tudo a procos muilo fa-
voraveis, com os quaes ficarao os compra-
dores satisfeitos.
Pnraqueai estiver de luto.
Vende-se na rua do Queimado, na bem co-
nhecida loja de miudezas da boa fama n. 33,
voltas pretas linas e ordinarias, ricos alune-
tes, ricas pulceiras, c ricas rozetas, tudo do
melhor gosto que se pode encontrar e por
preco que nSo dcixar de agradar aos se-
nt ores compradores.
Nalojadaboaf
vende-se o mais barato
greve e marlim a 4?, dito almaco muilitsimo
bom a 3;-200, dito de cores em quartos de
resma a 700 is., gro/.as das verdadeiras pe-
nas de ac bico de lanca pelo barato preco
de 1;200, ditas muito boas sem ser bico de
lanca 5<>0 rs., duzias de lapis muitissimo li-
nos a 320 rs., ditos proprins para riscar li-
vros a 800 rs., canelas de osso torneadas para
pennas de ago a 120 rs., caivetes finissimos
de uma a quatro lulhas a 1, 2, 3, >, e 011-
Iras mais cousas que se vende barato ; na
rua do Queimado na bem conhecida loja de
miudezas da boa fama n. 33.
Tachas de ierro.
Na fundicao da Aurora em anto Amaro,
e tambem no deposito na rua doVuin, logo
na entrada, c defronte do arsenal de 1
nlia. ha sempre um grande sortinMMto*de
tachas, lano de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas c fundas ; e cm ambos os lu-
gares existem guindastes para carregar ca-
noas ou carros, livres de despeza. Os presos
sao os mais commodos.
VENDEM-SE CAPACHOS
pintados, compridos e redondos a 700 r 800
rs.; na rua do Queimado loja da boa f/.i
n. 33.
^entint m$iM.
O GIIARDA-LIVROS BRASILEIRO, ou arte
da racripturaeflo mercantil apropriada ao
commercio do Brasil : vende-se na rna da
Em casa de Eduardo II. Wyalt, rua do e.',
Tnpiehe Novo n. 18. ha para vender : i~
1 piano forte, novo e ele^anle, de fabri- fc#
canle afiiuadn cm Londres.
Graxi hglea 11. 97, de av & Ma
Tinta de escrever do fabricante
I (utas em nleo de vanas cores
Oboe da Itussia.
Crystilleria. r^"
Agurdente de FmiSca em birris.
Vinho Scheny idij-'m"
Froctasem conservas inglesas.
tPjijel para crirlas.
"^ LivrdilrKri copiar dito
Candieims de candelabros He httnze.
Ajo em barra para molas de carro.
Eixos para carro.
Chicles para dito.
Kelohios de ouro coberlos e dascoheilos.
possivfl1/
Crosdenaples preto muilr>^iom, o
covado y
Cantal.. preto TuTirtO" fino, proprio
P'*a luto, o covado
Safja preta hespanhola.o covado
rgurao preto muilo fino com sal-
picos, proprio para colletcs, o
covado
Casemira preta fina, o covado
Panno fino azul, o covado
Lencos prclos de seda para grava-
xa, meio lonco
v-onn
29000
3/000
Meias
1/000
2S000
i\a loja das seis
portas
Em frente do iviainento
A dous tusloes o covado de riscado fran-
cez, que nao desbota, loncos de seda para
pesclo de senhora a dez tusloes, luvas de
seda pretase decores a de;i tustes, lencos
de relroz pretos e de cores, malisados, a dez
tusloes, cambraias para cortinados a tres
mil rs. a pe^a, manguitos d e cambraia a dez
tustes, camisinhas de can.ibraia, bordadas,
para senhora a dous mil rs,,, ; de ludo d-se
ainnsira,levando penhor qtje equivalha o va-
lor do que se quer ver.
Vendem-se camisas pjara homem, a du-
zia HoOOO, e para meninos tambem por bal-
so prego : na rua do Cresp>o n. 16, esquina
da rua das Cruzcs. -
Vendem-se na rua do Crespo n. 16, es-
quina da rua das Cru'zes, casacas de panno
lino preto, palitos de gorg urao de cor, ditos
i reos, ditos de seda da rs, ditos de brim
branco e de cor, por baral os presos.
Na rua da Cruz n. 50, armazem de San-
ta HarbaraA, Cornpanhia, vendem -se ellecti-
vamente caixdes vasios de todos os tama-
11 los.
la loja
das seis portas
EM PEJYe^OO LI VRAMEM'O.
A cinco patacas o covado de sarja hespa-
nhola, laMa, nobreza de di (Terentes largu-
ras, qualidades epreco, saiav para senhoras
a dous mil reis, cortes de v estidos orticos
com dous e ires bahados a dous mil reis ca-
da uro, corte s de cassa chitai com 7 varas a
quatro patacas, riscado trancado para roa-
na de cscravos a seis vintens o covado, chi-
tas escoras a meia pataca, e de cores a seis
vintens, e todas as mais Calenda s, por pre-
sos menores do i|ue em outra loya.
Vende-se um sobrado detrioi-ado, com
chaosproprios,em Olinda na rua ijeS. iten-
lo, ad verte-se que he o ultimo de.fronte da
igreja : na rua estrella do Rosario L. l>:i, se-
gundo andar. Na mesma casa precisa-so de
uma ama de lcite.
Cortes de ia
^elogios de patente
nglezesdeouro, desabnete edevidio:
vendem-sea precorazoavel.em casa de
AugijstoC.de Abren, narua da Cadeia^
do Kecife, armazem n. 6.
jk 4ifeflE
m. w 0 J
Vende-se cal de Lisboa ltimamente ehe-
gada, ssira como potassa da Itussia verda-
deira : na praca do Corpo Santo n. 11.
Moinhos de vento
comhombas derepaxopara regar horlas eba-
xa de capim : na fundicao de D. W. Bowman
na raa do Brnm ns. 6, 8 e 10.
Era casa de Henr. Brunn & Companliia, na
rua da Croz n.10, vende-secognacemcaiiinhai de
duzia.
FARINHA
De Trieste.
Vende-se em casa de Saonders Brothers f C. n
praca do Corpo Santo n. 11, a muito superior e bem
conhecida farinha de Trieste, da mareaprimeira
qualidadechipada em 9 do correnti na escuna
uPfcil, em porcessraudes e pequeoaa,conforme e
vonladedo comprador.
TAIXAS PARA ENGENHO.
fla fundicao de ferro de D. W. Bowmann na
rua do lirum, passando ochafariz, contina ha-
ver'uracompleto sortimerto de taixes de ferro fun
dido e batido de 3 a 8 palmos de bocea, as quaes
acham-se a venda,por eprejo commodo com
promptido: embarcam-s oucarregaa-se linear
ro semdospeza ao comprador.
-- Era casa de Saunde*s Brothers C. praj
do Corpo Santn. II,ka para vender o si;uinte
Ferro inglez.
l'ixe da Suena.
Alcatro de Barrio,
Eonas de linbo.
Esponjas.
Drogas.
Algodo lizo para saccas.
Dito entraDjado igual ao da Babia
E um completo sortimeulo de (zendas proprio
_ara iste mercado : tudo por prejo commodo.
Farinha de
1990M
lOOOO
Tri-
este.
SSSF.
( Verdadeira.)
I'clo navio Hloomr ciiegaram 3,600 barri-
cas desta acicditada farinha : vende-se nos
armazens de Tasso Irmaos.
as prcta> de seda muito supe-
riores, o par
Casemira de qnadrinhos pretos
muilo lina, o covado IJOM
Cortes de colletes de fustao 500
lutos de ditos de dito lino i400O
Oitos de ditos muito superiores i/ooo
Crosdenaples de seda de lindas
cores, o covado ->>ooo
<:rtes de vestidos de fazenda de
seda muito linda MtfOM
Setins lisos de cores, o covado 800
Mantas pretas de tilo bordadas de
seda
Veos ordos de fil bordados de sed
Camnalas adamascadas, proprias
para "ortiuados, pecas de 20 varas 7/000
Ditas para cobertas, de bonitos pa-
, droes. o covado oqo
e alm disto ha um completo sortimro^TJs,
lazendas tinas e grossas, que vendem-se por
precos lao commodos, que ninguem deixa-
ra de comprar; assim como chapeos do
Chille muito linos, que se vendem por me-
nos que cm ontia parte : na rua do Queima-
do n. 22, na bem conhecida loja da boa le.
FITAS DE YELDO.
Vendem-se litas de veludo pretas e de co-
res, estrenas e largas, I isas e abenas de mui-
nMV baral0 Pre? u5160,
320 400, oOO e 600 rs., na rua do Queimado
na loia de miudezas da boa fama n 33-
XAROPE
DO
BOSQUE
? o transferido o deposito deste xarope para a bo
tica deJos da Cru/. Santos, natal Novan, ."el',
sarrafas 59500, e meias DjOOO, sendo falso todo
aquello que au for vendido ueste deposito ,pelo
quesefaz opresentenviso.
IMPORTANTE PARA 0 PUBLICO.
Para curade phlysicaem lodoMifseusdifleren
ies;ros, quermol'ivaria por consliparfies, lossc
aslhma, pleuriz.escarros dcsancue, dorde cos-
tados e peito, palpilacao no-'corario, coquelurhe
bronchile, dorna samanta, e todas II malas tia
dosorgaos pulmonares.
Denlos e lonetas de toda
as qualidades
Vendem-sesuperioresoculoscom armacao
de tartaruga de todas as graduacocs a 3s000,
ditos muito bons com armar;oes douradas a
15200, ditos ditos com armares prateada,
19, ditos ditos comarmaro de ac a 800 e
15, lunetas com armacao de tartarugas 1
ditas redondas equadradas de baleia a 500
rs., ditas de dous vidros armacao de baleia
a 15600, e oulros oculos mais que se vendem
por prego barato na loja da boa fama na rua
do Queimado n. 33.
Eseovas
*&
&
Vendem se superiores macas para condu-
cho de roupas em viagem, pelo barato prego
de5, (, 7 e 85 cada uma, galheleiras com
todos < s vidros necossarios a 2?, ricas car-
teiras de Jacaranda e mogno para se escre-
ver c guindar todos os pertences, proprios
para viagem a 8, 10, e 12jj cada uma, costu-
reiras riquissimas de Jacaranda com os re-
parlmieiitos forrados de seda e com muilo
gosto a 4, 5, 6, 7 e 89, pentes muito finos pa-
ra alisar,proprios para crianzas ou para suis-
sas a 320 rs., pulceiras do melhor gosto que
se pode encontrar a 2/, ricas cruzes de cor-
nalina, carteirinliaspara lembrancas,gorras
para homem, as mais modernas que se pode
encontrar, sinetes com todas as letlras do
abeedario, sinetes proprios para namorados,
ricos frascos para cima de e
muitissimasgalantarias, tudo muito lino e
de muito bons goslos, asseverando-se a
quem yier ver o rico sortimento, que sem-
pre existe neste estabelecimento, nao deisa-
ra de ter em que empregue muitissimo bem
O seu dinheiro na rua do Queimado na
bem conhecida loja de miudezas da boa fa-
ma n 33.
dequadrosde cores
3#O0O.
\
Km casa de liabe Schmettau & Couipanliia,
rua da Cadeia n. 37, vcudem-sc elegantes
Pianos do afamado fabricante Traumann de
Hamburgo.
Veodem-se na rua do Queimado 11. 21 A,
cortes-de laa dequadros, de lindos goslos,
e do*se as amostras com penhor, palitos
de gaga de cores a 4/U00 : '..., francezes.
Cortes de las
de raniniiem e flores mili*
das a 5$ o corte.
iNa ruado Queimado n. 21 A, veudem-se
cortes de lilas de ramagem c llores miudas,
e dao-se os cortes mostra com penhor.
Reloi
y ios
o'e ouro. de patente inglez ; vendem-se no
ar,mazem de Iiostron Kooker cv Cornpanhia,
t'Sfi'uinado largo do Corpo Santo n. 48.
-- N. O. Bicbcr c Cornpanhia, rua da
Ouz n. 4, vendem :
Coi ias da Itussia.
ldeo.i inglezas.
BrinzSo.
Brins da Itussia.
Vinho de Madeira.
Algod ao para saceos ;le assucar.
AigodSoziniiO un Baha
Capadlos.
Vendem-sc capachos pintados, novos, a
a contras 100 e 480 rs. : na rua das Trincheiras, so-
brado 11. 50, segundo andar.
Vende-se painc,o muito proprio para
canario do imperio a 100 rs. a libra: defron-
te da elacao n. 28.
CERA DE CARKALBA.
Vende-se cera de carnauba de boa quali-
dade : na rua da Cadeia do Recife, loja
n. 50.
Un
para saceos de assucar: vende-se em casa
de N. 'O. Bieber c\ Cornpanhia, rua da Cruz
n. 4,
He muito barato.
18 qualii
e todas
dades.
Vcndcm-se ricas escovas inglezas para
roupa, o melhor que pode baver e de nova
inveiiQsoa 3?, ditas francezas muilo boas
a 19, 19500 e 2:000, ditas para cbelo ingle-
zas e francezas a 15200 e 25, ditas para den-
tes inglezas e franoezas a 400, 500 e 600 rs.,
ditas para unhas dila dita a 240, 500 e 15,
ouirasqualtdades mais baratas, que tudo se
vende na rua do Queimado na bem conheci-
da loja de miudezas da boa fama n. 33.
VINHO 1)0 PORTO OENLINO.
\co.ie-se ptimo vinho do Porlo cm barris di
quarloeoilavo, por preco razoavel: na roa di Ca-
la n. 13; escriptorio de Hallar c\ Oli-
d
veira.
Vinho do Porto,superior chamico.
Em caitas de 2 duzias e Cm barris dioilavo, re-
ceulemeulechegadopelo bripueTrotadorvnde-
se nicamente 110 armazem de Barroca & Castro, na
rua da C.deia do Ricife n. 4.
Ao amarillecer do dia 2 do crrente
desappareccu o^at&uvor^noulo de nome
Claudiano.ftuarToi coThprauo -era 1852 aos
her.1eiro.vtfo capitiio Antonio Viem.de Mello
l.eit3o,,tfo termo de Nazarelh, representa ter '
23 a 4annos, tem multas marcas de bexi-
gas, he grosso e estatura regular, pertence
aajanoal Ignacio Oliveira Lobo, a quem
(toda ser entregue, na prenca do Forte do
Mallo, ou na rua do Queimado n, 16, que
ser generosamente recompensado quem o
trouxer.
Desappareceu na terca-feira do enlru-
de, de casa do abaixo assignado, em Apipu-
cos, o seu escravo Cypriano, com os signaes
seguintes: preto, gordo, baixo; levou ca-
misa de madapoiao, calca azul e chapeo de '
feltro preto, bastante conhecido por ter sido
2#000 Protcolisla do cartorio de orphSosdo abai-
xo assignado, e he filho do Maranhao ; por
OtiO 'sso rga-sc aos capilaes de navio nao deem
1-800 Passagem ao mesmo, pois anda fgido o
pede-se aos capitaes de campo e mais pes-
soas bajam de o apprehender e levem-o ao
pateo do IlospiUI n. 26, ou ao dito cartorio,
que serao recompensados.
Floriano Corroa de Brito.
No dia 2 deste corrente, fugio ama
mulatmlia da casa da viuva Francisca do As-
sis omingues Caroeiro, na villa de Pao d'A-
Iho, que ah eslava aprendendo a coser, a
qual he cscrava do tenenle Joaquim Miguel
l'ereira Freir, morador no engenho Sapu-
caia da freguezia da Luz, com os seguimos
signaes: idade 11 ou 12 annos, a cor he qua-
si cabra.corpo secco.teve bexigas ha um an-
no, cujas marcas estao pretas, tem uma ci-
catriz no meio da testa, e chama-se Doro-
inca : quem a apprehendor ou tiver noticia
delta, dirija-se a seu senlior no reierido lu-
gar, que sera recompensado, e pago de al-
guma despeza que com ella lizer, ou em
Pao d'Alho, na casa onde eslava.
Fugio no dia 6 de Janeiro do corrente
anno a preta Joanna.a qual he baixa e secca
do corpo, desdentada na frente, cor fula,
bastante ladina, mSos pequenas, c dedos
curios, tem no braco direito a mura do
tetro da trra-dclla.-M~. representa 35 a
40 annos, pouco mais ou menos, alguns ca-
bellos blancos na coroa da cabeca, porem
muito poucos, costuma inculcar-se de forra
e dar o nomo trocado : quem a pegar ou
della souber dar ooticia, o fara na casa de
seu senhor Antonio Brochado Soares Cui-
maraes, no pateo do HospiUI, ou na rua
larga do Rosario sobrado u 1, que ser cra-
Ucado.
Conlinu'a a estar fgido o escravo
Antonio, Cassange, de idade 36 annos, pou-
co mais ou menos, com os signaes segu ri-
tes : altura regular, cangueiro no andar, cor
preta, rosto redondo, sem barba, costas lim-
pas, cheio do corpo, conversa pouco, fui es-
cravo do finado Caetano Concalves da Cu-
nha, e fugio no mez de julho do anno pr-
ximo passado, suppdo-se schar agasalhado
por algueui, para as partes do sul desta
vincia: a pessoa que o apprehender, s
gratificada com IOO9OOO, qae os recebera
occasiao da entrega do dito escravo, no <
i'- ol o curca h 1 da comarca de Pi d'a'
ou no Recife, na rua d/Cuia n. 64, segu
andar ; tambem se gratificara a quem
noticia do mesmo escravo com 5090O0.
Fugio de Ijprdo do tingue brasile
Melampo, na noite do da 8 do corrente, u
negro de nome Marcelim nacao Cabinda
altura regular, secco do corpo, rosto coai-
pndo, barba serrada c cria suissa, com falta
de denles na frente, e cansU andar vestido
com palelo, e calcado : quem o pegar leve-o
a bordo do dito navio, juttto ao caes do Pas-
seio Publico, ou a casa de seu consignatario
Manoel A Ivs Guerra, na rua do Trapiche n
14, que ser bem recompensado.
Fugio em principio e novembro do
anno prximo passado,o ahrJravo Joao, par-
do, 45 annos de idade, altura e corpo regu-
lar, testa eolhos pequeos, quando ri-se a-
perta os olbos, nariipequeno e afilado, ca-
bellos um Unto desambaracados, tem um
aleiJSo na junta do meio de um dos bracos
e parece que outro no outro braco, ralla
muilo mal exprecado, labios grossos pei-
nas linas, ps grandes apalheUdos, coro ves-
tigios de cravos e bichos, assignalado de
castigo nos lombos e nadegas ; levou bs-
tanle roupa em uma toalha de mesa asa 13
a 14 palmos, por te-la furtado de um quara-
dor de roupa, he carreiro, e manido da vara
seguio para o sul : roga-se eocaiecidamente
afpolicia e a qualquer particular, a nnsSo
deste escravo, mediante a gratificacao -le
100?, que os recebera do Senhor Manoel c-
nacio de Oliveira, no Recife na praca do Cor-
po Santo, escriptorio 11. 6, a quem rodera
ser entregue dilo escravo, ou a seu Joo, o
abaixo assignado, em seu engentio Agua
Azul.Antonio l.uiz Pereira Palma.
Fugio de bordo do brigur. brasilciro
Melampo, na noite de 2do corrente, um mu-
lato do nome Luiz, baixo, grosso do corno
sem barba, cabellos grandes, tem uma cica-
tnz no pescoco, e foi calcado com bota :
quem o pegar leve-o a bordo do mesmo na-
vio, no caes do Passeio Publico, ou cm casa
do consignatario do dilo briguc Manoel Al-
vos Guerra, narua fe Trapiche 11. ,,
sera bem recompensado.
i elogios
coberlos e descobertos, pequeos e eraodes, de ouro,
patente iaglatl para homem a senhora, de um doi
melliorej fabricante de Liverpool, vindos pelo ulti-
mo paquele inclez : em casa de Snulhall Mcllur \
Coiopauhia, rua do Torres n. 38.
US
qualifl
de todas as
d.idts.
Vendem-se muito boas meias de seda par
tas e brancas*para senhoras pelo barato pre-
Co de 2/500,ditasde laia para padres a 19800,
ditas de fio de Escocia pintadas para homem
pelo baralissimo proco de 400 e 500 dita*
\ endem-se duzias de facas e garfos de ca-l brancas ecruas para homem a 200, 240 e
b<> de marfim de boa qualidade a 10?, ditas j 280 rs., ditas pintadas e brancas para nienl-
ditos de cabo de balanco muito finas a 6/,
ddtas ditos cabo rolico e oitavado a 3, du-
zjias de colheres de metal principe a 3a e 69:
djitas de metal mais ordinario a 800 e 19400,
q nutras muitas cousas que se vende barato,
iia rua do Queimado na bem conhecida loja
Me miudezas da boa fama n. 33.
nos a 240 e 300 rs,, ditas brancas, finas mira
meninas a 240 rs-., ditas brancas para se-
nhoras a 240, 300 e 400 rs., ditas pretas de
algodSo para padres a 600 rs., e nutras mais
qualidades que se vendem barato na rua do
Queimado, na bem conhecida loja de miu-
dezas da boa fama n. 33.
que
Fugio na manhaa do dia 5 du mez pn-
timo passado um mulatinho de idade de m
annos, de nome Sebastian, cor Irigueira, ca-
bellos carapiihos avcrmelhados. maos a
pes bastante grandes n grosos. fcico, s re-
gulares, e robusto ; levou camisa c calca de
algodSo hstrado do azul, foi visto montado
n um cavallo em um combov de assucar, se-
gu indo a estrada do norte, e'por isto suppe-
M estar em algum engenho : roga-ae to-
das as autoridades policiics e capitSes de
campo queoapprchendam c levem-o a" seu
senhor o I)r. Filippe Lopes Nelto, na rua No-
va n. 69, que serao generosamente recom-
pensados,
Desappareceu no dia 26 do passado, do
sitio de Jos Thomaz de Quaresma, no Hos-
picio, um preto de nome Joao, Matulo, bai-
xo, com idade de 70 annos, a perna direila
cambada para dentro, cabellos algum Unto
brancos, muito barbado, porcm barba meia
branca, rosto redondo ; levou calca e cami-
sa de estopa o chapeo velho de feltro ; sup-
poe-se ter tomado para a Casa-Forte, (.alu-
ca, ale Apipucos : pede-sc as autoridades
pohciaese capitaes de campo que o peguem
e levem-o a referida tasa, que serao recom-
densados.
PEHK. : IYP. DE U. F. DE FAKIA 1857

"V..
IvIUTiraDlT
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6UKJY66M_3S1IDC INGEST_TIME 2013-04-24T18:15:56Z PACKAGE AA00011611_06655
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES