Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06648


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Scxtn-fira 58
PARTIDA 9M OOBBZIOa.
r,oinna e Parahlba, segundas csexs-relras.
Uo-Graudc-do-Korte, quintas-felras ao nielo-
rJ.hoScrinhem, Rlo-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no l., a II e 21 de cada inet.
fiaranhuosc Bonito, 8eW.
Boa-VisUeFlores,al3e28.
\ doria, as quintas-leiraa.
Olmda, todos os das.
EPHEMERIDES.
Piusas d lo. Cheiaa 1, s 2b.e58in.da t,
Mlag. a 9, s 4 h. e 3( m. da t.
Nova all, 1 li.cl2m.Ua t.
Cresc.a24,is 9h.e 4in. dam.
MIAHIB BE
Primeira as 2 horas e 6 minutos da larde.
Segunda as 2 horas e 30 minutos da mano.
!=*!!----------.---------
do Setembro (le 1849.
N. 210.
rnxqoa da snBscaipqio.
Portrcsmezesadiiiniedos) 4/0OO
Por seis mez.es 8>0t)()
Por uui auno 15}000
das da emana.
24 Seg. S. Geraldo. Aud. do J. dos orf. edom.da
1. vara.
2J Tere. S. Firmino. Aud. da chae., do da 1. J. v.
do clv. e do dos fritos da faieuda.
26 Quarl. S. < yprlanuo. ud. do J. da 2. v. doclv.
27 Quint. S. Cosme e Dainlao. Aud. do J.dos orf. c
do m. d.i I. v.
28 Sext. S. Venceslao. Aud. do J. da 1. v. do clv.
e do dos feitos da fazendi.
20 Sab. >J< 8. Miguel Archanjo.
30 D.iin. S. Jernimo.
CAMBIO IM 27 BE SETEMBRO.
Sobre Londres, 20'/, d. por I 'ooo rs. a (30 das.
. Pars, 370.
Lisboa, 110 por cenlo.
Ouro.Oiicaslicspanliocs......... 31/000 a 3I/O0
Mocdasde#400velhas.. 17/000 a 17/300
de liMOO novas.. lli/'OO a 1J700
de4/000........... 9/400 a 9/W0
Proto.PalacCes brasilelros...... I/Wio a 1/880
Pesoscolumnarios....... 1/880 a 2/IKI0
Ditos mexicanos.......... 1/ 09a l/U2u
I ARIO DE
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
Bniii/adMnlo ooro ettvtent das leis n, 43 de 9 de
Lho d, 1837, '00 d J7,uMo d< 1848, n. 240
di 31 di maio, e n. 243 d 14 dejunho de 1840,
M prl' V" d" rispei lo a aposentadoria dat pro-
fesin!.
O presidente da provincia, para execucao das
Idiiposicoes das referidas Iris, ordena que as
ltposentadorlas dos professores se observe o
eguiute .-
Rrgulatntnlo.
Artigo 1. O professor publico que, exacto
Sos cus deveres, contar vlnte anuos de exer-
ficio nao interrompidoa.icr jubilado smente
tinii o ordenado por inteiro ; contando vlnte e
lineo annos com o ordenado e gratificaciio ; c
lontando irinta annos com o dobro desta gra
0c* efe.
I Art. 2.* O professor que por molestia, ad-
quirida no exerclcio de sua cadeira, nao po
continuar na regencia da mesin, tendo
Ensinado por inait de des annos nao interrom-
(>idos, e com aproveitamento dos seus alum-
nos, ser jubilado com o ordenado proporcio-
nal aos annos de exerclcio: esta disposlf 2o
. onini chciulr os professores j< jubilados.
, Art. 3.a As disposlces dos artlgos preceden
icomprehendeni os substitutos.
Art. A.' Aos professores serao levados em
ata os annos nao Interrumpidos rjue tlve-
rom de substitutos, provaudo que desempe
iharam os seus deveres.
Art. 5.' O ordenado proporcional de que
rata o art. 2.' ser smente calculado na rasao
dos annos completos de servi(o ; as fraeces
lie annos seriio, portanto, despreadas.
Art. 6.* O professor que ao lempo da jubi-
icao pererber a gratilicacio de que trata o ar-
igo 10 da lei de 16 de outubro do 1827, conll-
luara a percebe-la por inteiro depois dejubi-
do, nao obstante o ter sido com menos de
inte annos de serviffo : esta dispos^ao coin-
rehende qs professores que se acham jubi-
idoi.
Art. 7. Nao ser considerado inlerrompido
sei vico pelo gozo de licencas concedidas por
lollvo justo, narm as ditas llcencas se a ba-
rrio nos annos de servico para se contar s-
neiitc o lempo de excrcioio euectivo do pro-
fesorado.
Palacio do overeo de Pernambuco, 13 de
riMiiino de l849.~-Wonorio Hermto Carneiro
EXPEDIENTE DO DA 24 DE SKTEUWIO.
OfTicio. Ao inspector da thesouraria da
izende, communieando queem ai de abril
roximo-passado tiouvo S. M. o Imperador
or bem conceder titulo de fabrica naco-
al com os respectivos privilegios, na fr-
na das leis e regolamentos em vigor, ao
stahelecimcnto de llsre teceralgodlo.uer-
cncenlo a Lcenla & Compnhia,e fundado
a comarca de Valenga,provincia da llahia.
- Scientificou-se <> inspector da thesoura-
in da fazenda provincial.
Dito. Ao inspector da pagadura mill-
ar, ordenando mande pagar ao lenonto-co-
onel graduado Ilvgino Jos Coelho a quan-
ia de 51,200 rs., "que elle degpendeu com
condcelo de varios ohjectos do hospital
ogimenlal da roa da Gloria para o da So-
edade. (lommunicou-se ao commandan-
e di praca.
Dilo. Ao inspector da thesouraiia da
azonda provincial, transmillindo a conta
o quese despendeu com os presos pobres
e juslics nacidade deGoianua nos inezes
de julho e agosto prximos pascados, alim
de que mande pagar a quem compelir a
quantia de 76,190 rs. em que impoila a
mencionada cuota. Inteirou-se o chele
de polica.
Dilo. Ao director do arsenal do guer-
ra, a o torisando-o a despender a quantia de
325,000 rs com a compra de azeile do car-
rapato e de edeo, velas de carnauba, fio de
algodfle e pavios para fornecer de luzesem
o mez de ontubro prximo vindouro os cor-
poi, guardas e fortalezas da provincia.
Scientificou-se o inspecior. da pagadura
militar.
Dito. Ao administrador das obras pu-
licis, Iraosmitlindo a conta do que vence-
sin os operarios que trabalharam nos eslu-
Hlos graphicos da estrada da cidade da Vic-
toria desde 8at 15 do correle, alim de
que baja do solicitar da thesouraria da Ti-
enda provincial a quantia de 42,920 rs. em
|uo importa a menciona Ja conta, para que
possa pagar aos individuos nella contempla-
dos os salarios a que teetn dtreilo. In-
Icirou-se o engenheiro II A. Milet.
Portara. Momeando o Dr. Msnocl Joa-
uioi Carneiro da Cunba para o cargo de
clegado do termo de Olio la. Commun-
cou-se ao chele de polica.
Dita. Dispensando do cargo de piimei-
ro supplentn do delegado do termo de Ol a-
da o Dr. Luiz Paulino Cavalcante Vellez de
Guevara. Inteirou-se o chele de polica.
' llfKM l)U D(A 95.
Ollicio Ao l-'xin. presidente do Ceari,
enviando aguas pertencenles ao alferes
quarlcl-meslre Francisco Anlonio l'erera e
ao lente ajudanle Jos de S'ouza l.ma,
ambos do carpo liso dsquella provincia.
Dilo. Ao EX'n. presidente do ilarsnbao,
remeltendoasguiss do lenle Jos huli
icixeira e dos alferes Jos Corroa de lvei-
ra castro e Conga I lo de Matlus Itocha.
Dilo. Ao Exm. presidente dol'ar, in-
lirando-o de que a paga loria militar des-
la provincia declarou liaver rcmellido a
dsquella em 28 de agoslo ultimo a guia da
'Iteres do quarto batallio de cacadore,
.FranciscoUodnguea llamos
Dito. Ao commanJante da praca, de-
o^rKiido que entre as cslpulacOos e cotidi-
^^;s da ai rumaUcSo do lornecimeiilo dos
^sdtcauenlospara o bosuilal do segundo
IiaUlnfiu dearliltiariu a pe, cumpre que S.
S. &ca comptebonder as seguate* :
1 Que possn o arrematante sar multado
de 10,000 a 50,000 rs. todas as vezes que os
medicamentos fornecdos estiverem cor-
ruptos, deteriorados, ou frem de m qua-
lidade, e que a multa ser imposta pelo pre-
sidente da provincia, precedendo informa-
clo dos facultativos que forero encarrega-
dos dos exames dos medicamentos.
2 Que, cessando o arrematante de fazer
o fornecimento antes de completar um an-
no da data da arrematsQo, incor'rera na
mulla de um cont de res, e alm disso se-
r obrigado a pagar o excesso do prego por
que se comprarem os medicamentos em
qualqu r outr* botica, que por sua falta
fr Incumbida do fornecimento.
Dito. Ao inspoctor da pagadoria mili-
tar, ordenando que faca pagar ao pharma-
ceutico Luiz Pedro das Noves a quantia de
217,200 rs., em que mportam o medica-
mentos que elle vendeu para as frcas ao
sul da provincia.
Dito. Ao director do arsenal de guer-
ra, declarando quo nenhuma diaria se deve
marcar para as despezas a fazer com os qus-
tro Africanos livres quo estSo naquelle ar-^
senil, e que taes despezis devem ser clas-
silicadas soh a rubrica fornecimento da
sustento e vestuario a Africanos livres .
Dito. A'administracSo dos estabeleci-
mentos de caridsde, scientiflcando-a de que
por ora nSo lie possivel admitlr-sn no col-
legio das orplulas as quatro educnidas i
queSs. mes. se referen) em scu offlcio de
todo frrente; vislo que, segundo consta
de informacao da administragao do patri-
monio dos urphSos, datada de 20 desle mez,
aquelle estabelecimento j nao tem com-
modos para admiltir educanda algumo, e
alind!s> acha-sonOo s preenchido, mH Thomc FeruandesMadeira do Cuslro
al excedido o numero de orphflas fixado Augusto Fredcnco de Oliveira
no regulsmooto.
I m O
618
616
580
551
5*7
535
522
Rrsullado da volacaS em todos o$ eolleoioi
tliitorat da provincia, mtiUi Exu' e Sal-
guiiro.
os sas. votos.
lurfio di BAa-Visla 858
Antonio Peregrino Maciel Monteiro 792
Sebasliflo do Reg Barros 764
Jos Tbomaz Nabuco de Araujo Jnior 68C
Alvaro Rarbalho Ucha Cavalcante 655
Jeronymo Martiniano Figueira de Mello 638
Jos liento da Cunha Figueiredo
Francisco d Paula Raplista
Jo3o Jos Ferreir de Aguiar
Joaquim Villela de Caatro Tavares
Venancio llenriqnes de Re/ende
Francisco Xavier Paes nrrelo
Antonio Joaquim de Mello
Domingos de Souza Leilo 469
Jos Joaquim Coelho 455
Augusto Frederico de Olveira 452
Alexandre llernardino dos liis c Silva 441
Antonio Coelho de S e AHiuqtierque 417
Antonio Carneiro Machado llios 405
Jos l'ilippe de Souza l.eSO 375

EI.E1CA PARA DEPUTADOS PR0VINCIAES.
os sas. votos.
Pedro Francisco de P. Cavalcaute de A. 19
Joaquim Pinto de Campos
l.uiz Comes Ferreira
Francisco Xavier Paos Bsrrelo
Francisco Joaquim das Chagas
Joo do llego llanos Falc.lo
Augusto Jos IVixoto
Jos Pedro Velloio da Silveira
Lourenc" Bezerra C. de Alhuqucrque
Manoel Elias Coelho Cintra
PEPiNAMBCO
CAHAHA MUNICIPAL DORECIFB.
4." sessAd onDiuxai* em 20 de setmbro
dr 1849.
Presidencia do Sr. Barros.
Presentes os SrS. Mamcde, Dr. Moraes,
Souza e Olveira, fallando os dmala Se-
nhores, abrio-se a sessiio, e foi lida e ap-
provada a acta da antecedente.
O secretario fez a leitura dos seguintos
o lucios :
Um do Exro. presidente da provincia, de-
clarando, em addtimento ao oflicio de 28
de marco do correte anno, que a apura-
cao das actas da eleicao de deputndos ge-
raes deve ser feita dous mezes depois do da
em que se faz a cleicio, na forma do artigo
85 da lei de 19 de agosto de 184. lntei-
ra la.
Outro do procurador, consultando se de-
va pagar as ciistss e porcentagens prove-
nientes da execucao que a fiizenda provin-
cial promoveu contra a cmara, para paga-
mento da quantia de 5:6000,000 res, im-
portancia da despeza outr'ora feita com o
alimpamento e mclhoramento das mus des-
ta cidade, alim de se mo augmentaren!
mais costas. -- Que pague o quo esta ven-
cido, independento do interposicao do re-
curso. .
Maudou-se remetter a commissao espe-
cal dos Srg. Carneiro Monteiro e Souza a
nformaco dada pe conladoria, sobre as
contas de Manoel Figuera del'aria, alim
do a examinarem odarem o seu parecer a
rcspeilo.
Mandou-se tambem remetter aos Srs. ve-
readores Carneiro Monteiro e Viamia o re-
querimento de Bernardo Antonio de Miran-
da, em opposicflo o que llics fra remetti-
do em 17 do corrente, do Thom Correia de
Araujo e outros, para que, examinando es-
crupulosamente taes papis, emita sua opi-
niilo a rr-speito.
Despacharam-se as petigOe de Antonio
Bern>rdo Qunteiro, de Antonio Jos da
Costa Bacellar, deJosMariu da Costa Car^,
valho, de Jeronyma Joaquina de Lima, e
levnntou-se a sesso.
Eu, Jado Jos Ferreira de Aguiar, secreta-
rio, a subscrevi. Barro, pro-presiden-
te. Olveira. Souza. Carneiro Mon-
teiro. iloraes. Mumede.
ELEICAO1 PARA DEPUTADOS GERAES.
Hciullado da volacio do collttjio d Santa-
Uaria da Hu-Vista, segundo a auhentica
remeltida ao Ex. Sr. presidente da pro-
vincia.
os SRS. VOTOS.
Iianlo da Roa-Vista
Sebastian do Reg Barros
Joo Jos Een-cira de Aguiar
Jos Tliomax Nabuco de Araujo Jnior
Alvaro Barbalho Ucha Cavalcante
Antonio Peregrino Maciel Monteiro
Alexandre Bernardina dos Res e Silva
Anlonio Correia Sera
kugusto Frederico de Olveira
.edro Francisco de P. Cavalcante de A.
Francisco de Paula Cavalcante Lacerda
Francisco Joflo Carneiro da Cunha
Joaquim Villela de Castro Tavares
Francisco Muniz Tavares
Urbano Sabino Pessou de Mello
Jos Joaquim Coelho
Venancio Delinques de Reseas)
Jeronymo Martiniano Figueira de Mello
Jos lenlo da Cunba Figvjtiredo
Anlonio Piulo Chichorro da Cama
Joaquim Pedro da Cosa Lobo
Francisco de Paula U.pltsU
Joaquim Teixeira Pcixoto de A.
enlo Jos i.emenba Lins
eLitua
Caudino Agoslinho de Rarros
Ignacio Nery da Fonseca
llarilo de I, ojuc.i
Jos Maria de Barros Brrelo
Manoel Joaquim do Reg e A.
Francisco Joilo Carneiro da Cunha
Manoel Porfirio doCistro Araujo
Francisco de Paula Baptifia
Manoel de Souza Teixeira
l.ourengo llezerr Carneiro da Cuaba
Julio Jos Ferreira de Aguiar
Sebasliflo do Rogo Barros
Antonio Peregrino M. Monteiro
Joflo de Caldas llibeiro Campos *
Alexandre Bernardino dos Res o Silva
Jos Bento da Cunha Figueiredo,
Manoel Francisco de Paula C. de A.
Antonio Carneiro Machado llios
Francisco do llego Barros Brrelo
Joaquim Villela de C. Tavares
F'lorianno Correa de Britto
Apollinario Florentino de A. Maranbilo
Urbano Sabino P. de Mello
Joaquim de Aquino Fonseca
Jeronymo II, Figueira de Mello
Manoel Lopes Rodrigues do Barros
Joo de Souzu Res
llaro da Ba-Vista
Francisco Domingues da Silva
Antonio Jos de Olveira
Alvaro Barbalho Ucha Cavalcante
Venancio llenriquos de llezende
llaro de Stiassuna
I i ancisco Muniz Tavares
Jos Joaquim Coelho
Jos Thomamaz Nabuco de A. J.
Pacilico Lopes de Squeira
Miguel Gonculves Lima
lo
19
19
19
10
o
19
19
19
19
19
19
19
18
19
17
17
17
17
17
17
17
17
17
19
10
10
II
II
10
10
19
II
II
14
li
11
9
4
?
mcsina sorte, principalmente quando con
sideramos que seus bense patrimonio silo
crjkigados e apetecidos pelos herdeiros do
urna familia poderosa, relacionada com to-
das as influencias que poderiam servir do
obstculo i satisfagan de seus desejos I en-
trelanlo urna esperanga nos resta, e ella so
funda na constancia e firmeza do Exm. Sr.
presidente da provincia, e na jusliga do
tribunal da relaclo, ondeo interesse in-
dividual e de familia uo prevalecer con-
tra a le e interesse publico.
S. Ex. indeferio a pretongilo dos herdei-
ros por um despacho cm quo nos parece
estar resumidamente consignada a verdu-
deira intolligoncia da lei do 6 de outubro de
1835. O despacho he o seguinto :
Nfio tem lugar : a lei de 6 de outubro de
1835 nilo lema virtudc de despojar o hos-
* pital doParaizo, para locupletar aossup-
plicanles ;o artigo 3." della define quacs
os vnculos quo se extinguiram, que f-
ram os pertencenles a familias, e o vin-
culo de que se trata, tanto por sua insli-
tuien, como telo alvari de stia conlr-
mago, constituo patrimonio do hospi-
tal, islo he, dos pobres enfermos que nel-
la devem ser curados, o uin da familia
dos supplicanles ; c como inslituiclo de
caridade receben esse los.dial doages
em deferentes oocas quo accrescerarn
S'iu patrimonio, como confessam os sup-
plicanles, os quaes pela disposigSo do de-
creto n. 306 de 14 do outubro de 1813,
pelo qual a assombls gerul extingui O
vinculo doJagnara, pdem ccitificar-se
de que a men-ionaJa lei do 6 de outu-
bro de 1835 nao tem o alcance preten-
dido, a
Correspondencias.
iii.iiti e Pdxasiii:i:ii.
BfCIFE, 27 DE SETEMBBO DE 1849.
Consta-nos que os herdeiros do marquez
do Becife drigram S. Exc. o Sr. presi-
dente da provincia urna petgSo reclaman-
do contra a portara insoria no n. 205 deste i
jornal, pela qual S. Exc. ordena adminis-
tragSo dos estabelecimontos de candado,
que trate de haver si a posse dos beus do i
hospital do Paraizo, que se acham em poder j
dos ditos herdeiros que, segundo nos infor-
man), dfssolvras aquelle hospital, dei-
xando de neile rece\ier enfermos, e consi-
deran) os bens de seu patrimonio como pro-
prios e livres de quaesquer onus.
S. Exc. o Sr. presidente, como se v
dauueila poitaria, considera em seu vigor
a resolugo de 13 do outubro de 1831, que
ncorporou todos os hospilses desta cidade
e o e olmda, creando para todos urna s o
nica aiiminislragao.e declara quu as dis-
pesiges das leis provinciaes n. 16 e 55 nflo
derogam absolutamente aquella resoluglo,
pnr serem transitorias e dependentes da
vida do fallecido marquez do Recife. Os
berJeirosdo marque prolendem que o vin-
culo que couslilue o principal patrimonio
do hospital do Paraizo se acba extincto pela
lei de 6 de outubro de 1835, mas declaraiu
que convm em abrir mao de todos os bens
qu, posteriormente a inslluigao feita por,
D. Joflo de Souza o D. Ignez. Brrelo, sua
mnllici, frain legados o hospital do Pa-
raizo, e pedem queS. Exc,'ordene admi-
nslragflu, quu tome conta desses bens, o
reconliega o direlo delles herdeiros aos
beus que constitcm o vinculo instituido
pelo sobredilo D. Joflo de Souza. '
Habituados a vermos dissipados e extra-
viados a$: bens o palrimomos daseorpora-
ges, que nflo sao defendidos pelo interesse
pessoal do alguem ; e observando que o
rico hospital da Misericordia de Olnda se
acha quasi completamente despojado do
seu patrimonio e reduzido a nflo poder cu-
rar sequr meia duzia de enfermos, receiu-
I ramos que o hospital do Paraizo livesse a
Sr. Joi Jeronymo Monteiro.--Os mous af-
zczes o minha natural negagilo a sustentar
polmicas uie embaragaram de dar promo*
ti resposta a sua carta transcripta no Diario
de Pernambuco ile 12 do corrente, na qual
vi une <> meu amigo, nflo se dando por sa-
lisleito com a minha rcspos'.n sua priniei-
ra, achura poueo genewso/uc eu, tendo de jus-
tificar o iiiiu proceder como secretario da asso-
ciapo rommercial, deixaste correr a causa da
mesma indefesa e desarmada, e insiste e:n di-
zcr quo esperava i/ue eu me constituste o seu
campedo, ele, etc.
-tatnitiU. porm, o meo amigo quo llm
eudig que nestes eem outros trechos da di-
ta sua carta acho ter phanlasiadn um pouco;
porqininlo nflo foi como secretario que eu
tive de juslilcnro mcu proceder, e sim Iflo
smente como socio ; poique naquelle lem-
po nflo era cu o secretario, e tambem nflo
sci que depois de minha nomeaeflo fMea
associagflo aggredida pelas folhas publicas
0 communicsd'i do Diario-Novo de 13 de
agosto, a cine o meu amigo tem alludido,
em nada ollendeu a esto corporagfln ; antes
a tratou com todo e respeilo.cllogiando al
o sen coinpoitamonto. Atacou, sim, a al-
guns de seus membros, inclusive os da tran-
sacta dirccgflo; pelo que, apezar de nada
ter o secretario actual de Solidario lado com
aquella direegilo, nem com alguns socios
em particular, bem vio o meu amigo que,
tnicamente por motivos de imzade, con-
testara elle certas imputaces inexactas,
que julgou ser-Ibes bastante injuriosas. E
a visla daquclla minha decl.nagflo, bein po-
llera o meu amigo ler-so dado por salisl'ei-
to. Mas quando ajias julgasse que o se-
cretario da associagflo dcia.por generosida-
de ou cavallieirismo, defender os actos da
mesma, 'anda qucalheios aos fins de sua
nslitUICSo) ueste caso ni Ihur lho seria
ler-se dirigido ao socio que naquelle lempo
era o secretario da associagflo.
Nflo sabia o : cu amigo que os nienibros
da actual direcgflo haviam reprovado a se-
gunda demonstregflo publica dada em li-
me da associagflo. (o funeral) c que n-)-
iitiiini:i administragflo deve responder pelos
actos das transadas que especialinenbi nflo
tiverem merecido a sua approvagao ? Impe-
rara porventura o meu amigo que o actual
secretario estivesso disposlo a defender u-
quelles que abusaran) donme da associa-
gflo, illn lindo- x na oxocugflo de stias dcli-
berages ?! !
Estou, repito, na firmo convicgflo de ter
/ciado os inlercssos da associagflo, e he an-
da para isso quo boje respondo a sua carta.
ti publico sabe piesentementc que a muiuria
da associagflo reproviira aquella denionstra-
g..1o, (o funeral., e aquelle-, aniiuncios e car-
tes de convite, bem improprios de urna
corporagflo, obligada por seus estatutos a
ser e.-li '.nlia a poltica do paiz, c para a qual
a circumspecgflo, alm de um devur, he de
grande interesse. F. o mcu amigo bem po
deria saber quo era por generosidadee con-
sideniges particulares que eu como ac-
tual secretario da associagflo nflo apresen-
tei j um documento que destruisse as im-
putages malignas que pesam sobre esta
respeitavel corporagflo. Porque, como ja
disse, ndo quero defender a uns, para nio of-
fender a outros ; (amigos) mas como o meu
amigo a isso me instiga, repulaudo-nie pou-
co generoso por deixar correr indefesa e desar-
mada a causa da associacio; cu que nflo que-
ro ser tido nessa couta, e que em conse-
quencia desta provocagflo devo urna satis-
fagfloao respeUvcl publico cao meuami-
goem particular, vejo-me obrigado a res-
ponder formalmente com a declaragflo abai-
xo transcripta, vista da qual o publico
poder bera julgsr se 03 encarregrdos da
execugao da deliberagflo da associagflo
cumpriram-na linimento, e fara a devula
ustica s louvaves intenges da mesma as-
Bociagflo em geral, e em particular aos dis-l
tinelos e circumspeclos membros que com-
punham a transacta direcgflo.
I'orfimdirei que n!Io posso reconheeer,
como quer o meu amigo,que s alguma par-
ciulidade poltica he quem pude estar nica-
mente autorisada >am qualifcor os acto* po-
lticos: rntendo, pelo contrario, que todos
aquellas que nflo so quizerem nvolver em
negocios polticos, prertam de dstingui-lot,
para dellet se n fuslor em : foi o que eu fiz.
Com est declaragflo dou por terminada
osta polmica, protestando nio mais res-
ponder sobre este assumplo qualquer car-
ta que pela imprensa so me dirija.
Permanece com a devida ronsideragflo e
estima para com o mcu amigo, o seu An-
tonio Yalenlim ia Silva Barroca.
Recito, 25 do setembro de 1819.
Certificamos quc.revendo o livro de ac-
tas da associagflo commercial desta praga,
nella acham >s que om do maio prximo
passado, reunida i associagflo om assem-
bla gcral com 10 socios, deliberaran! estes
mandar celebrar um Te-Deum pela pazigua-
giTo da provincia, o um funeral pelas al-
mas daquellea que haviam perecido nocon-
Ilictododia2do fever^ro.
Sala da sssofiagflo commercial de Per-
nambuco, em fl de setembro de 1849.
l'homas de Aguino Fonseca, presidente.
Anlonio Vulentim da Silva.Barroca, secre-
tario.
Srs. reductores. Chega-me as mBos um
numero de um peridico intitulado oSulis-
a.que portal o por soorcupar com os nego-
cios do Itio-Crande-do-Norto hedecrerser
sen) duvida sustentado pelo partido do mes-
mo iiome dessa provincia, sendo impresso
no Maranhflo sb iluta C do julho o n. 3.
Ah depare) com una uccusagflo sem funda-
mento, c que mereca o niais solemne des-
prozo se nflo sedevesse milito ter em conta a
opiuiflo pulilica que procurem formar tflo
torpeineiite a rcspeilo de um mogo cuja,
moral, cojos principios e cujos talentos
nflo vulgares prometi! no paiz um cida-
dflo de quem so pode "spernr altos e rele-
vantes servicos ; e entilo nflo convm dei-
xar passar em silencio a mais insignificante
o miscravel aleivosia, para que, quando seu
nomo tiver de apparecer cm secnas de maior
Considerando, nflo appareca maculado de
qualquer maneira r.a oplniflo ou no senli-
niciito publico. Fallo de um amigo,oSr. ba-
cliarel Amaro Carnoiro Bezerra Cavalcante,
lilhj do Sr. Jos Joaquim Bezerra Cavalcan-
te, o natural desta cidade, em cuja capital
he elle bstanle condecido, o quo dispensa
fazer fonhecera inflo que langa estos lindas
para aulnrisar 0 que ahi val dito.
Diz o citado peridico quo o Sr. Dr. Ama-
ro fra desta provincia para o Rio-Crande-
do-.\orte para mudar de ares on para caba-
lar em favor da eloigflo do Sr. Thomaz Xa-
vier, que, sendo ni cid ule da Imperatriz,
lora Horneado delegado om substiluigflo a
um tal Manoel .Nones, fazendo sentir a in-
justig do Exm. Sr. presidente Taques por
liaver preferido a aquello cidadlo, cujos
servig is eleva, um muco chein das qualidadrs
que cniistii.uem as principan feicles da familia
Cuvakante de. I'ernambiica a que elle perlence;
que,logo que tomou posso do cargo, cercou
o varejn as casas do promotor o do tal Mi
noel Nuiles, insultou e mallratou as suas fa- .
milias.o que nflo era urna diligencia,mas al-
gllin desahafo ; lano que,em lugar de levar
o ollieial do polica all destacado, levou
urna pttrulha de paisanos, aos quaes chama
facinorosos o bandidos, atlribuindo ao Sr.
Dr. Amaro intentos iniqnos e criminosos, co-
mo so exprime.
Na distancia em que me acho daquelle
lugar, nflo me lio possivel apresontar docu-
mentos para contestar fados que so allir-
inam, quando o peridico que faz taes ac-
cusages principalmente corra a obriga-
eflo de provar taes fados, ou ao monos
prcsenta-los revestidos de circumstancias
por onde se podessem crer verosmeis; e
cor islo limitar-me-hei a fazer algumas re-
(lexOes por onde se veja a miserabilida le de
Iflo torpes c infunda las intrigas.
(I Sr. Dr. Amaro achava-se aqu bastante
doente, e porconselho dos facultativos, co-
mo sabem muitas pessoas, retirou-se para
aquelle lugar. Nflo po lia absolutamente
ter em vista cabalar, o menos abusar do
cargo quo ora oceupa em favor da eleicSo
do Sr. Thomaz Xavier, porqunnto a sua no-
mo IC&0 he devida ao conceito que de sua
pessoa faz o Sr. Dr. Taques, que ja o conhe-
cia aqui em lempo quo resida nesta pro-
vincia, e que chegou ao Rio-Crande-do-
Noile como presidente muito depois de se
adiar na Imperatriz o Sr. Bezerra, pos que
esto sabio daqui o auno passado, e o Sr.
Taques aqui passou para aquella provincia
e n fevereiro deste anno. Alm disto todos
os que conliecem o Sr. Bezerra nflo deixa-
rflo de allrmar que o seu carcter repello o
pequenino papel de instrumento de elei-
ces. Os seus principios, nos quaes tem
mostrado urna firmeza inabalavel, s3o forte
garante contra esse vil carcter que se llie
empreslou. Suasideiasso mutolivres.seus
principios os do progresso ; o por Islo tem
grande zelo pela liberdade do voto, contra
cuja violagflo tem-se sempre pronunciado
com ardor, e ltimamente no lempo da op-
posigfloda praia nesta provincia.
O seu uomc n o pode deshonrar: he uro.
apellido de seus antepassados ,que oo be em-
prestado, que em toda a parle be um Oso mais
lilho du curso natural das cousas do que do ca-
pricho ; o que nao obstante, nunca elle se va-
len desse pomo para fiu alguiu, e o nao pre-
cisa l.i/cr quem, como o Sr. Amaro, tem em si
.pi i.id ele que o fazein desprezar todos os
prestigios c lavor,' que possain poi veuturj
provir de um uoine; elle nunca iaculcuu-sc


WH"
pcrtencer eiu familia, e nem esta miscravcl
inlriga o liir.i renegar 01 aeus.
lenho Informacoos de pessoas daqnella cida-
cerco cima mencionado, e a quem nao se pu-
de contestar pela tua probidade, r mais ainda
porque ajo i i i iimstu,. .Kias c verosimeis, ein
opposicao a drsconchfvada historia do Suliila.
V-ie bem que nao poda o incii amigo, Sr.
Amaro, nem ninguna cercar e varejar duas
casas para prender o promotor de que falle!,
sem motivo algum ; e o Sulista nao diz absolu-
tamente uina palavra a respeito deste motivo,
qualquer que fnssc. Sena ao menos mu pre-
texto nao iria o meu airilgo com este cerco
cumprir os scus menlo* iniquot e criminosos.
I' porque, pois, se cala o SuliiU ? Porque sem
duvida esse motivo condemua a scu cliente.
Todos sabemos o que su os partidarios quan-
dolhe cahe as nios o poder, c principalmen-
te as provincias pequeas, e ainda mais no
inatto : todos sabemos das calamidades, dos
mil diil'erentrs abusos que o partido sulista,
semprc dominante naquella provincia, lem
pralicado durante tantas e difireme adminis-
trarles que tetn tido. Kssc partido aempre no
poder nunca enconlrou I icio i suas paixea,
e os diOerenles agentes de autoridade publica
alli, nao esperando nem sendo nunca refrea-
dos.nfio tcem recitado dianle de crime.de abu-
so algum.
O promotor publico da Impcralrii achava-se
processado e pronunciado pelos crimes de [al-
sidades c tentativa de redutir a esertvida pcnoai
livres. Com estes crimes o promotor no poda
deiiar de ser processado e procurado para ser
capturado; e nem quando para o cargo de de-
legado de un lagar, como a linperatriz, o ad-
ministrador da provincia lancou mao de urna
pessoa ciim as qualidades do meu dito amigo o
Sr. Amaro, era para ser cllelndillerente, como
o vulgar deasas autoridades do mallo, a crimi-
nosos que por tantos teinpos.nunca acbaram
repressJo, mas sim para restaurar ou plantar
a ni driii social. Os criminosos que nunca acha-
ra m quem os reprimase durante tantas ad-
niiuislraccs, por forja se bao de esbravejar a
vista de una autoridade que Ibes pe frclo.
Se elle, .ni vez de chamar o destacamento de
polica para fazer a diligencia, servio-se de
paisanos, fui porque nao linhaconlianca na-
qurllc oflicial amigo do promotor e do es-dele-
gado, como claramente se deprehendr do mes-
mu Suliita. Kssc modo por que diz o Sulista se
portera o meu amigo na delegada, nao mere-
c' absolutamente resposla, uem outraalguma
se pude dar, maii do que appellar para sua
conducta c muralidade Todava devenios lem-
brar que aquelle delegado, rstranhoao lugar,
nao podia ter dtsabafos a satisfazer, e menos
iniquos e criminosos inlenloi. Supposto inesmo
que seu carcter nao repellissc taes proced-
lientos, careca elle de lempo para se intri-
gar, e de urna conducta tao pura c illibada
como he, careca anda de niuitu mais tcuipo
para corromper-se.
U cerco da casa do ex-defegado Manocl Au-
nes fui lainbem em busca do mesnio promo-
tor ; e he urna falsdade revoltante que as di-
tas casas fossem varejadas; pois,saliendo o meu
amigo delegado de pessoa de sua conlianca
que o promutor ja se havia evadido, rctirou-se
iiiimcdiatainciite.
Termino, prdindo ao Sulista, de quem sem
duvida |i.i11, ni rssas vis intrigas, que em vez
de discutir a respeilo da conducta do meu
amigo delegado no Maranho, faca-o ames
neala provincia, onde elle lie muito mais co-
ndecido, c onde poder por certo encontrar
quem Ihe responda; o que he mais leal.--Lm
amigo du Sr. l)r. Amaro.
COWME^CIO.
ai.fande<;a.
Rendimento do (lia 26 ... 19:808,281
IMPORTACAO.
I cnus, brigue ingle/, entrado no crrante
mi'/, vindo do Jersey, consignado a Me.
Calmont & Companhia, manifestou o so-
guinte:
669 barricas e 1256 tinas bacalho ; aos
mesmos consignatarios.
CONSULADO GF.nAL.
Rendimento do dia 27 ... 561,302
Diversas provincias...... 71,77*
CONSULADO PROVINCIAL
Rendiirrento do dia 27. .
636,076
623,685
1)1 ovimemo do Porto.
Navios entrados no dia 27.
Terra-Nova 50 das, brigue inglez Venu,
de 183 toneladas, capitaoJoseph Duheau-
mo, equipagem13, carga bacalho; a Me.
t:.-ilniont & Companhia.
Ualliinore 50 dias, patacho americano
llalhurst, de 171 toneladas, capilSo John
llnoper, cquipagem 9, carga farinha e
mais gneros ; a Deane Voule& Compa-
nhia.
Navio tahido no mtimo dia.
Rio-dc-Janeiro Barca brasilera Firme-
za, capillo Narciso Jos de Sant'Anna,
carga ago'ardcnte e sola. Passageiros,
Joaquim Malaquias Pacheco, D. Marn
Carila deOlveira Gomes com urna lilha
menor e escravos, o lenle do segun-
do balalliflo de cacadores Manoel Clau-
ilinn de Oliveira e 12 escravos a entiesar.
"P
dia, se li.1o de arrematar em hasta publica
12 cortes de rolletes de selm bordado, por
factura, um 4,500 rs., total 54,000 rs. j 5
grosas de flvellai para esless, por factura
grosa 2,000 rs., total 10,000 rs.; 5 duzias de
passadorea de algodilo, por factura duzia
500 rs., total 2,500 rs. ; impugnado pelo
guarda Bento Uorges Leal, no despacho n.
436 : sendo a arrematado subjeila aos di-
re i los.
Alfandega do Pernambuco, 27 de setem-
hro de 1849.lacume Gerardo Maria Luma-
chi de Meilo.
O major lodo Valentim filela, juiz de paz do
primeiro ittrieto da freguezia do S. S. Sa-
cramento do bairro de Santo-Antonio da o-
dade do Hecife, provincia de Pernambuco, em
virlud]da lei, &.
Faco saber que, achando-se designado o
dia 28 de oulubro prximo futuro para
proceder-se i e1ei<;3o primaria nesta fre-
guezia afim de se elegerem dous senadores
por esta provincia para preencherem as va-
gas deixadas na respectiva cmara pelo fal-
lecimiento do concelheiro Antonio Carlos
Ribeiro de Andrada Machado e Silvu e coro-
na!
Avisos martimos.
Para o Aracaly sahe, at o Un do cor-
rento mez, a sumaca Carlota-, por se adiar
eoro a tnaior parto da carga a bordo : para o
restante trata-se com Luiz Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz. n. 33.
-- Segu para a Parahiba, at o dia 28, o
hiate Exalacdo, forrado e pregado de co-
bre ; ainda recebe alguma carga : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem ,
dirija-se a leja de ferragens junto ao arco
da Conceic.ao.
- Vende-so urna barcada de 30 caixas, de-
nominada Filagrana, a qu.il est no Forte-
do-Maitos : quem a pretender, dirija-se 4
casa de Joaquim Ribeiro Pontea, que acha-
ra com quem tratar, ou a bordo da mesma.
Leilo.
Richard Roy la far lei lito, por interven-
cao do correlor Oliveira, de um esplendido
sortimento de faZendas inglezas : segunda-
feira, 1.* de oulubro, s 10 horas da ma-
da
nhSa em ponto, no seu armazem, ra
nePJosVcarios'MTirik da Silva Ferrao, de | Cjjfi:
conformidade com asordens expedidas pela
KDITAE8.
Publicando a pedido.
UM ADF.US FRATERNAL.
Adeu.i, irmo da rninha alma,
Meu amigo verdadeiro,
Meu companheiro da infancia ,
Adeus, amigo primeiro.
Tu'vais vero mar, oco,
Os astros da nossa Ierra ,
Vais abracar nossos pais ,
Porque dr la alma cncerra t
Teus nlhos choram por mim ,
Meus nlhos tambem lo choram ;
Teus labios perdem a cor ,
Mcus labios tambuin descoram.
Teu peito solfa gemidos,
Tambem gemoo pcito meu;
Eos ais que delle parlem
Se ligam c'us ais do leu.

Trmulos estilo teus bracos,
Trmula be la oxpressSo ;
Trmulo dentro em teu peilo
Palpita o teu coracSo
Parte, irmSo da pinna alma
A' trra de nossos pais !
E em seus bracos depoem
Osaffeclosfiliaes.
I.embrancas a nossos prados,
Nossos ros, nossas fontes ;
I.emhrancas a nossos valles ,
Nossos ja rd 1 ns, nossos montes.
Lembrangasa nossas arvores,
Nossos arbustos e flores,
Nosss brisa tilo suave,
Nossos plumosos cantores.
Quando Ierra nalal l aportares,
K vires l na praia o mar quebrar-se,
Escuta em seus gomidos os gemidos
Deste peilo que em drsentc esmagar-so.
Quando vires em campo retirado ,
Erguido, solitario, ntro eypreste,
Encara, meu irmSo, ve-mosozinlio
Pezaroso habilando em ermo agreste.
Quando vires de longo tristemente
Debis dedos locarem branda I vra,
Sulla um suspiro ao seu doce acento,
Porque meu coracSo tambem suspira.
Iriniio, meu caroirruao. l vais deixar-me
T vais deixar-me s, oh sem te ver !
Osdiasvuu passar triste, saudoso,
Os dias vou passar semprea gemer.
Irmo, meu caro irmfo, t vais deixar-me
T vais deixar-me s, oh I sem te ver/
Os dias para mim, ah serflo seculos
E seculos de acerbo padecer.
Deus! Bom Deus! protege oirmao querido,
Suavisa os venios, pacifica os mares,
Couduze-o feliz, fazo-o ditoso,
.Nos bracos palemaes, nos patrios lares.
Babia 28 de agosto de 1849.
/. F. X. i.
'{Do Alheen.)
O lllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazeiiila provincial, em ciimprimento da or-
dem do Kxni. Sr. presidente da provincia
de 19 do crrante, manda fazer publico
que, perante o tribunal administrativo da
mesma thesouraria, se h3o de arremataf
nos dias 2, 3e 4 do oulubro prximo futu-
ro, a quem por menos fuer, os concertos
da ponte da Passagem-da-Magdalena, ava-
hados em 246,400 is. o sobas clausulas es-
peciacs aliaixn transcriptas.
As pessoas que se propozerem esta arre-
matarlo, comparecam na sala das scsses
do sobredilo tribunal, nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou allixur o pre-
sento e publicar pelo Mario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 20 de setembro de
1819. O secretario, Antonio Ferreira da
AnnuncianiO.
CoNCERl OS DA PONTE DA MAGDALENA.
Clausulas especiaes da arrematando.
" 1.* Os cunccrlosda ponte da Magdale-
na serilofeitos do modo indicado no orca-
mento apresentado nesta data approvacfio
do Exm. Sr. presidente, e pelo pre^o de rs.
246,400.
2.* As obras principiadlo no prazo de
20 dias, e roncluir-se-hao 110 de um mez,
ambos contados de conformidade ao artigo
10 do regulamento de II dejulho de 1843.
3.* Toda a madeira ser previamente
examinada pelo engonheiro, e, 8pprovada,
lavrar-se-hn um termo.
4 O pagamento, do importo da arre-
matagao 1 calis ir-sc-lia depois do concluidos
os concertos e examinados pelo engenheiro.
5.' Para tudo o mais que nao est de-
terminado as rresentes clausulas especiaes
seguir-se-ha inteiramenle o que dispoe o
precitado regulamento.
> Gabinete dos engenieiros, 18 de setem-
bro de 1849.O engenheiro, J. 2. Vielor
I.ieuthier. >
O lllm. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, em cumprimento da
ordein do Exm. Sr. presidente da provincia
de 19 do corrcnle, manda fazer publico que,
peraule o tribunal administrativo da mes-
ma thesouraria, se lio de arrematar nos
dias 2, 3 e 4 de outubro prximo futuro, a
quem por menos fizer, os concertos da pon-
te dos Afogados, avallados em 555,500 ris
e sob as clausulas espeoiaes abaixo decla-
radas.
As pessoas que se propozerem esta
arrematadlo, comparecam na sala das ses-
soes do sobredito tribunal, nos dias cima
indicados, pelo meio-dia, competentemen-
te habilitadas.
E para constar se mndou afilxaro pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 20 de setembro de
1849. O secretario, Antonio Ferreira da
Annunciacdo.
CONCERTOS DA PONTE DOS AFOGADOS.
Clausulas especiaes da arremalacao.
1 Os concertos da ponte dos Afoga-
dos ser o fcitos de conformidade e do modo
indicado no ornamento apresentados taen
data approvacHo do Exm. Sr. presidente"!
da, o pelo prego de 555,500 rs.
2." As obras principiado no prazo do
um mez e concluir-se-ha zes, ambos contados de conformidade com
o artigo 10 do regulamento das arremata-
cGesdetl dejulho de 1843.
3.a O pagamento do importe das obras
rcalisar-se-ha depois deexecuUdos us con-
certos e examinados pelo engenheiro
4.* A madeira ser previamente exami-
nada pelo engenheiro, e, approvada, la-
vrar-se-ha um termo.
5.* Para tudo o mais que nao est de-
terminado as presentes clausulas espe-
ciaes seguir-se-ba inteiramenle o que dis-
poe o regulamento das arremataces de 11
dejulho de 1843.
Gabinete do engenheiro, 17 de setem-
bro do 1849.O engonheiro, J. L. Vielor
I.ieuthier.
Pela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 28 do crrante, depois do
meio-dia, se bao de arrematar em hasta
publica, na porU da mesma, 3,500 charu-
tos, um cento 17200 rs., valor total 42,000
rs., apprehendidos no mar sem despicho
pelo guarda Joo Diniz e Silva ; sendo a ar-
ramatagao livre de direilos ao arrematante.
Alfandega de Pernambuco, 27 de setem-
bro de 1849. Jucome Gtrafo Maria l.uma-
chi de Mello.
Pela inspectora da alfandega se faz
saber que, no dia 28 do crrante, ao neio-
presidencia, que me fram communicadas
pela cmara municipal em cilicio de 2 de
junho do anno crranle e em cumprimen-
to do disposto noart. 41 da lei de 19 de
agosto de 1846, convoco os eleitores e sup-
plentes desla freguezia al o O de 33, nello
residentes, para a organisagSo da mesa pa-
roclnal, cujos nomesse seguem :
E leilores.
Os Srs.Venancio llunriques do Resende,
Antonio Joaquim de Mello, Domingos Al-
fonso Nery Ferreira, Rodolpho Jno Barata
de Almeida, Joaquim Jos da Fonseca, Joo
Jos Forreira de Aguiar, Glaudino Benicio
Machado, Jo.lo Pedro de Araujo Aguiar,
Caetano Pinto de Veras, Manoel Jos da Sil-
va Neivas Joao Jos da Costa Ribeiro, Fran-
cisco Joaquim Pereira Lobo, Francisco de
Paula Machado, Juo Antonio d Paula Ro-
drigues, Sebastiao Lopes Cuimaracs, Ma-
noel Antonio do Jess Jnior, Francisco
Lucas Ferreira, Joaquim da Motta e Silva,
Manoel Norbetto Jorge ConcaIvs, Joo
Athanasio Botelho, Francisco Branco, An-
gelo llnnriqurs da Silva, Gaelano Jos Mon-
des, Joao da Gosta Honrado, Jos lldefonco
Rodrigues da Silva Dutra, Joo Peroira da
Silveira, Gcraldo Goneia Lima, Antonio
Jos Rodrigues deSouza Jnior, Caetsno
Gomes de S, Barlholomeu Guedcs de Mello,
Luiz Antonio Alves Mascarenhas, Francisco
Jos Perira Braga.
Supplentei.
Os Srs.Jos Higidio Ferreira, Jna Nar-
ciso Camello, Manoel Alves Guerra Jnior,
Joao llcrmonogildo Borges Diniz, Vicente
Tiloma/ Pires de Figueiredo Camargo, Flo-
rianno Correa de Britto, Rento Jos Fer-
nandes Barros, Jos Alves Guerra, Ignacio
Ncry da Fonseca Jnior, Francisco Carlos
BrtndOo, Antonio P, dro de Figueiredo, An-
tonio Jos de Oliveira, Francisco simos
da Silva, J0A0 Baptista de Araujo, Firmino
Jos de Oliveira, Jos Bento da Costa, Jos
Ribeiro simes, Antonio da Silva Gusmao
Jnior, Joaqun) Francisco do Torres Gal-
lindo, Mauricio do Assis Santos Tollos, An-
tonio de Oliveira Mello, Jos Mendes GuU
maraes, Joaquim Teixeira l'eixolo, Luiz
Francisco Correia do linio, i'aciano do As-
sis Campos, Joaquim llenriques da Silva,
Antonio Ignacio de Torres Baudeira, Vi-
cente Ferreira de Siqueira VarejSo, Antonio
Francisco de Moura, Francisco o Paula de
Queiroz Fonseca, Prachedes da Silva Gus-
mao, Miguel Carneiro da Cunha, Joaquim
Antonio Carneiro.
Os quaes devoi o comparecer em o corpo
da dita igreja matriz de Santo-Antonio em
o predilo da 28 de outubro prximo futuro
pelas 9 horas da manliSs, lcando subjeitos
multa comminada noart 126 5." n. ."
da citada lei de 19 de agosto de 1846 os
que deixarem de comparecer sem motivo
legitimo. Assim tambem convoco lodos
os 1 idados (inalilieados votantes nesta fre-
guezia, cujos nomos fram este anuo es-
criptos na lista afiliada na referida matriz,
para pessoa Imcnlecomparecerem a dar seus
votos; observamlo-llies que, dan lo a fro-
guezia 33 eleitores, na conformidade do ar-
tigo 52 da citada lei do 19 de agosto, devem
suas cdulas conter os nomes do33cida-
dSos domiciliarios nella e suas respectivas
oceupsgoes, uo sendo admiltidas as que
contiverem nomos riscados, alterados, ou
substituidos por uniros, conforme as re-
tiras prescriptas nos artigos 50 o 51 da mes-
ma lei.
E para constar mandei fazer o presente
que sera allixado nos lugares publicse pu-
blicado pela imprensa.
Primeiro districto da freguezia de Santo-
Antonio do Reo re, 28 de setembro do 1849.
Eu, ioaquim da Silva Reg, escriviio, es-
crevi.Joao falenlim Viiklu,
Avisos diversos.
Declarares.
Pela segunda seclo do consulado
provincial scientifica-se aos donos dos es-
tabelecimentos comprelicndidos uo titulo
214da lei do prcamento provincial do
anuo corrent, que se principia do 1.0 de
outubro vindouroem diantea cobrar-se o
imposto de 12,80 rs., creado pela referida
lei.
A administradlo geral das obras publi-
cas, por autorisacjlo do Exm. Sr. presdan-
lo da provincia, contrata a venda do ferro
da grade velhadponte da Boa-Vista, sen-
do a despeza do peso e arrumacao por coti-
la do comprador Quem o quizer comprar,
dirlja-se mesma repartilo a qualquer
hora do expediente.
-- O arsenal de guerra precisa comprar
azeite de carrapalo e de cc, velas de car-
nauba, lio de algodao e pavios : quem taes
gneros quizer fornecer, comparecer na
sala da directora do mesmo arsenal, tra-
zendo sua pruphsta com seus u I tratos pre-
cos em curia fechada, no dia 2 11 cr-
ranle.
Frederico Chaves, em res-
posta a Sra. Maria A.ntoinette
Aglae Tresse, scientfica ao res-
pe! tavel publico que o sitio em S.-
Amaro, de que falla a mesma se-
nliora cin seu amuincio publicado
no Diario de Pernambuco n. 214
Ibe lora por esta arrendado, como
consta da respectiva escriptura (bi-
ta no cartorio do tabelliao Guilher-
me Patricio Bezem Cavalcante
em i'\ de fevereiro do correntc an-
no, sendo que recebra esta se-
nbora a quantia de um cont e
dozentos mil ris, como se pro-
va r
Decorreram quasi oito mezes,
cm cojo lempo a Sra. Tresse sahia
sempre a ra, sem que appareces-
se a menor reclamaran de sua par-
te, nSo se dando o motivo que al-
lega, de que em fevereiro nao po-
dia sabir e nem se aconselbar.
Em fevereiro, liavendo cssa sc-
nhora perdido seu pai, estando os
negocias da casa involvidos na
maior complicaran possivel, nao 1 s
podendo liquidar e nem tendo
quem a' valesse, procurou o abri-
go do annunciante, a quem pedio
se cucar regasse de tudo, pondo-a
completamente desembaracada ,
mediante urna remuneradlo, a o-
tava parte do que se liquidasse,
sendo esta proposita reduzda a es-
cripto do proprio punbo da Sra.
Tresse, cojo papel ainda existe em
poder do annunciante. Nesse lem-
po ainda se podia com eltacontia-
lar, porquantn nao se expunba ao
esquecimento do que fazia.....co-
nhecia o que Ibe eslava bem para
fugir do mal.....
O annunciante cumprio religio-
samente sua cominissao, desembi-
racou-a. c na livre admnstracao
de seus bens, continuou a oceupar
o annunciante em quaesquer nego-
cios quelite appareciam, al que
vendo elle que Ihe nao convinba
mais, por motivos supervenientes,
empregur-se no servico dessa se-
nbora, procurou-a para o seu ajus-
te de contas, oqual leve lugar, a
contento da mesma, em 18 do cor-
rente
O annunciante perda-lhe a na-
neira desabrida por que o tralou
Em9 de dexembro do crranle ina
(Inda o arrendamento feito com os sn.
Juhnston Pater & C., do bem conhec,|0's'
lio do Arraial, do finado Joao Carlos per,
ra de Burgos : quem, portento, o pretende
por um novo arrendamento de tres anno'
dirija-se ao paleo do Carino, n. 18, aeniJ'
der-se com o Burgos.
Antonio Lobo Alberlim de Mrandi
Henrique, procurador da sania casa da l?
seriordia de Olinda, fazsciente a todas.,
pessoas que teem terrenos no lugar dos t/
rombabos aforados a mesma aanta ciu
que comparefam na cdadede nHnd,rJ
de San-ento, casa n. 93, para pagaren,
aujios de foros que eslfio a devar, ou annim
cien suas moradas para seren procurad,,
do contrario passarSo pelo desgosto de '
re ni os seus nomes por extenso neste Diar
emquanto nao se proceder judicialmente '
Precisa-se de um menino que tenhil
principios de pharmacia, ou em ella ,..,1
Aterro-da-B6a-VisU, n. 76. i
Precisa-se da quanlia de-oito cot I
de ris a juros pelo lempo de dous annot I
dando-se-lhe para seguranza propriedides'I
cujo valor excedo a irinta contos : no Atar! I
ro-da-JJda-Visla, primeira venda n.2, sed|.|
r quem precisa. Na mesma venda aluri.l
so a toja com armacffo na esquina da ra >i,|
Aurora, onde foi loja de louca, assim comj
o armazem por detrs da mesma, propriul
para cocheira.
IiKlaiiQa.
.. O abaixo assignajo mudou a suil
loja de alfaiate da casa em que rt-l
lava, na ra Nova, n. 4 norte, para o lado opposto, casal
terrea, n. 4 9> contigua a igreja del
N. S. da Conceicao dos militares!
Manoel Francisco Coimbra.
em seu annuncio, atlendendo o
seu estado.....e outras conside-
rares.....
He em salisfacao ao publico que
o annuncianle responde a Sra.
Tresse..
fiaymond & Companhia fazem publi-
co que Henrique Pyant deixou deser seu
eaixeiro desde o dia 26 de setembro cor-
rente. W-
Aluga-se a casa terrea, n. tiO, da ladei-
ra do Varadouro deOlnda, com gabinete,
superiores commodos e por preco rasoavet:
quem a pretender, dirija-te a Joaquim Ber-
nardo de Souza llangel, no largo de San*
Pedro-Noto, ou no Hecife, ra estreita do
Rozario, n. 41.
-- O Sr. l)r Francisco Jovicta Cavalcante
de Albuquerque e Mello tern urna carta, via-
da da Parahiba, na loja de Maia Ramos &
Companhia, ra Nova, n. 6.
Dflp-ae 500 rs. a premio sobre penho-
res de ouro ou prala, ou hypolheca em al-
guma casa : quem quizer fazer este nego-
Co aununcie.
* -Roga-se aoSr. J. C. de P. o obsequio de,
no prazo de oito dias, vir pagar urna letlra
Publicacad iieraria.
Sabio a luz a traduccSo da seceso tercena
dasln.tiluicoesdooireito Publico EccUsi-
astico de Xavier Cmeiner, e acha-se a venda,
na praca da independencia, loja de livros,
B. 6 0 S,
queja ha muitoseacha vencida .-To* venU. p.V. a"m.^'Xeu, .
meToSSrmDois,Terr' "/.' embarque e desembarjur. ru
rarsesurn^rclcr^JL,;hu.l'l,- ^^t^s. >*
seu nome por extenso nesta folha.
-No da 28 do crrante,' peraule o juiz do
civel da primeira vara, se h3o de arrematar
em audiencia publica 3 escravos penho-
rados aos herdeiros de Catharina Rita de
S.-Juse Aunes, por ejecucao de Manoel Jos
reruu.d.es Barros.
MUTIL Ann
-- A pessoa quo annunciou ter urna siltl
para alugar, pode annunciar para ser pra.1
curado.
Bernardo da Cunha Toixeira recolhel
em seu armazem que alugou a Manuel A--I
tonto da Silva Motta, na ra d'Apollp, tudil
a qualidade de gneros
No dia 28 do crrante, pelas austro!
ras da larde, peranlo o Sr. I)r. juiz do ein
da primeira vara, se ha de arrematar a psr-l
le de um sobrado na ra das Agoas-VerdeiJ
n. 48, e um terreno na Passagem-da-Ui(|
dalena : quem os pretender comparecaqw
he a ultima praca.
O abaixo assignado lem justo e contri-l
lado comprar aoSr. Manoel Francisco di|
Silva um terreno no Lucas, trras que
do engenho Magdalena, na estrada veltul
que vai para Varzea, e por sso quem k|
julgar com direto ao mesmo terraneo |
apresenlar-se, certo de que, s-aaaado
dias da dala desle, passar-se-h'r'nl
e por nada se responsabilisar o mesmo 1
baixo assignado n8o ha vendo velhaeada etl
quem se quizer julgar com direilo. -- ) Bypolilo de Metra Urna. "
-- I'recisa-se do um eaixeiro para padt-l
ria, que s ja maior de 20 anuos, tetina pii-l
tica e abone su conducta: na padara iiil
urna s porta, na praca da SasHa-Cru/, s|
dir quem precisa.
uem livere quizer enesrregar o i!
uncante de algumas cobranzas, ou quii-l
qoer incumbencia para Santo-Antao, lit-l
zerros, Craval e Caranhuns, dirjase il
ra largado Rozario, venda n. 52, das no-1
horas da manh.la at o meio-dia.
Quem precisar de um rapaz para feili
de moenda, procure-o ua rus de San-JoJ
n. 58
Precisa-se alugar um moleque captiti
que seja mo?o e robusto, para o servido i
estribara : na ra da Cruz do Recife, a. til
Na ra do l.iviamento, n. 12, segn
andar engomma-si, lava-se, tinge-se da
lodas as cores, ese fazem loalhas de lavaf
rinto : ludo por prec.o commodo. Na me
ma casa precisa-se alugar duas pretas pin
venderem na ra.
-- Precisa-se de um rapaz braslein
para eaixeiro de urna venda, que j nleoJ,
da desle negocio: em l'ra-de-I'oilas, ft
tco do Pilar, n. 11.
Precisase de urna mulher que esteja
no caso de ser ama de casa de umi familia: |
na ra do Rangel, n. 27.
Quem annunciou querorcomprar umi]
caixa ou burra que esteja em bom estado,
dirija-se ra da Cloria, n. 87, segundo]
andar que se dir quem tem.
Precisa-sede urna ama forra ou e-|
crava : na ra da Cadeia do Hecife, n. 55,|
junto ao arco da Concoicao.
Sexta-feira, 28 do crrante, as 4 hor
da tarde, na porta do Sr. doutor juiz da 1.1
vara na ra da Praia, se hilo de vender,!
por sera ultima praca alguns escravos,!
sendo um moleque, oflicial do marceneiroj
um proto capinheiro e oulros.
Precisa-se alugar, pora urna cssa 4|
pouca familia, urna preta que saiha coii-l
nliure engommar, e um preto que siml
para todo o servico: na ra do TrapiduJ
n 8.
Pede-se 10 Snr. Thom Pereira iJg
que por favor queira mandar a resposta di-I
quella carta que flcou de a dar sem falta tul
muilos dias: esta exigencia se faz em con-T
sequencia de ser sua morada multo dl
(ante. T
Havendo mui bem dcsempenhailo 1
Sr. Jos Antonio de Souza Machado a g*|
rancia de meus negocios na praca do Itee-f
re, deque foi incumbido na safra flndiil
contina o mesmo Sr. na gerencia delles :_
por isso aquellas pessoas que commigo l||
verem transacgOes, pdem,"a ello dirig-1
se no seu armazem de assucar da ra Ja
Apollo, n. 24. Engenho Paulists, J
setembro de 1849. Joaquim Cavtcanle *
Albuquerque.
l\a ra Nova loja n. 58, se dir qu"
d dinlieiroa premio as quantiasde 200,,
500, 400, 500 e 600,000 rs., com hypothec
em casas terreas.
Precisa-se de urna preta forra para c"
zinhar, engommar e fazer o jrvico Je CiS1 L
de um homem solteiro: na ra do Sebo, I
n 3t. '."
Aluga-se um grande armazem com ser-
porto d I
rus da Sen-
Juhnstoir
Companhia.
" Aluga-se, pelo tempo da fesla, ur
grande sitio na estrada do Monleiro, e
boa casa de vivenda cozioha fra, estril"*'
na, cocheira muilos arvoredos de fructo,
e muito perto do btnho: a tratar na rol
Nora, n. 63, primiiro auOar.


NOVO METHODO PItATICO B TIIEORICO DA
LINCOA FRANCEZA,
oorLuiz Antonio Burgain 9v. por 6 rs.
Acaba de apparecer no Rio-de-Janeiro
.la interessante grammatica rola qual
ni muilo pouco lempo, e sem a fastidiosa
tarefedc estudarde cor verbos e significa-
dos.se aprendo a fallar, traduxir e cscre-
ver com perfeigflo a lingoa franceza : ven-
de-se na praca do Commercio, n. 9, pri-
nieiro andar.
Para as pessoa que ten-
cionam seguir viageni.
No paleo de S.-Pedro casa terrea n. 8,
tiram-se passaportes para dentro e rra do
imperio, correoi-so folhas e despacham-se
escravos, e para este fim tac.-.bem pde-se
procurar na praca da Independencia lina-
ria na. 6 e 8.
DAURORA ;
C. Slarr & Companhia leem a honra de
visar aos seus freguezpc, e ao publico em
peral, que a sua grande fundigilo em 8.-
Amaro, alm do sortimenlo que constan-
temente lem acha-se de novo prvida de
muilas moenda decanna, e de varios l-
mannos feilas no mesmo eslabclccimeiil
pelos mais peritos oflloiaes, e com o maior
cuidado e perfeigflo; tanto assim he, que
osannuncianiosse ufauam em garanti-laa
pelo primeiro anno. As moendas inteiras
'todas de ferro;, construidas as offlcinas
dos annuncianles, sflo muilo superiores a
qunesquer oulras da niesma nntureza qui-
et agora leem sido aqu offerecidas, pois
aquellas encerram em si certose importan-
tes melhoramentos, resultado de mais de
20 annos di experiencia e pratica do paiz.
9
Deposito do rap.
# Domingos Al ves Matheus, agentada #
f>, fabrica de rap superior aroia prola 4
V e meio grosso da Baha, tem aberto o >4
aja. geu deposito na ra Cruz, no Kecife <4
i n.38, primeiro andar, onde se achara A
?: sempre deste excelleutce mais acre- f|
ditado rap que at o presente se tem ?*)
fabricado no Brasil: vende-se em bo- <4
. .les de urna e meia libra, por prego 4
f mais commodo do que emoutra qual- 4
quer parte. 4
# '?
Aluga-se o armazem n. 4, na travessa
da Madre-de-Deos : a tratar no mesmo lu-
gar, n. 6.
0 abaxo asignado, querondo prevenir
que para o futuro alguem queira abusar da
Ma boa f, pelo presante declara que nada
deve a pessoa alguma, e que toda o qual-
quer letlra, obrigagflo ou trato que pos-
ta apparecer com a firma do annunciante
B he falso: o Que ge declara para provenir.
Hilo so o presente, como o futuro. l'airt
lenla IHanoel de Sousa Castro.
Hnga-se a um sonhor de Olinda que
comprou aqu no Recito urnas saccas de fa-
milia, de mandar trazer os saceos por ser
agora a occasifio de manda-Ios para Tora.
-- l'crmiita-se urna casa poroutra no Ke-
cife, na ra do J ni i m, a qual tem duas sa-
las, (Inas alcovas, cozinba fura, quintal mu-
rado, carimba e sotfio com qualro quarlos :
a f a 11 ir na ra da Senzalla-Nova, n. 4. Na
ni i-silla lanibem se vende um braco de ba-
taneado autor Romflocom conchas o pesos
de 5 arrobas para baixo.
Aluga-se urna casa par se passar a Tes-
ta junto a ponte da Passagem-da-Magda-
lena com banho e com um pequeo sitio :
na ra da Cruz, n. 64.
Deseja-sefallar.ao Sr. I)r. Amaro Be-
zerra Carneiro Cavalcanle a negocio que
lie diz respeito : na ra da Cruz, n. 64.
A pessoa -que annunciou dar 400,000
s. a juros sobro firma, dirija-se Fra-de-
'orlas, confronte a intendencia, n. 143, que
se dir quem precisa.
Amores c Saudades-
lloga-se aos assignanles desla poezia que
queiram procurar sous exemplares no ar-
mazem de molhados, atrs do Corpo-San-
lo, n. 66. Tambom se olferece.n a todas as
pessoaa apaixonadas do poezias exemplares
iletta obra por prego muilo commodo, che-
ada ullimnmeut.i do Kio-de-Janeiro.
0 Sr. alferes da lerceira classe, Antonio
c lloraes Pimenlel, queira ira venda do
cc-de-Ouro no Hospicio pagar um vale da
luantia de 56,900 rs., proveniente de ge-
lerosedinheiroque se I he empreslou nos
uiczes de setembro e nutro do 1816, pois pa-
rten j ser lempo de pagar dila quantia ; do
contrro ter <* ver o seu no Diario al que
~ satisfaga.
Manoel Joaquim Pascoal Ramos conti-
na t, iccebcr escravos por commissflo para
fazer venda por conta de seus senhoics:
quero do seu presumo se quizer utllisar,
dirija-se ra do Collegio, n. 21, primeiro
ndar.
I'reciaa-se de um caixoiro para venda,
Rajne tenha pratica da mesma e que do pes-
uoa que abone sua conducta : na ra do Li-
vramento, n. 30, ae dir quem precisa.
I'recisa-se de urna parda ou preta do
meia idade e de boa conduela para casa de
pouca familia, que saiba cozinhar bem e fa-
zer compras : na praca da Independencia,
loja n. 3.
O Sr. Antonio Francisco Dornellas
queira declarar aua morada, para se llie en-
tregar urna carta vinda de Caxias.
-- Arrenda-se um sitio que seja grande,
quo lenha pasto para seis vaccas de leite e
haslanlfs fruteiras, sendo nos Afilelos, Be-
lm ou Santo-Amaro : quem pretender ar-
lendar, dirija-se ru Direita, sobrado de
um andar, annexo a Jess Mara Jos, a Ira-
lar com o Sr. procurador Carvalho que est
ulorisado a fazer o dito arrendamento.
O Sr. subdelegado de San-Jos queira
.mar cuidado com os desordeiros que vilo
pparecendo no seu dislriclo, os quaes j
*m dado suas pedradas e cacetadas em
as noites. O guarda avulio.
Aluga-se o lereeiro andar do sobrado
da ra da ra Cruz, n. 18, o qual tem com-
modos sufiicientes para familia : a tratar no
mesmo.
Lotera do Guadalupe
Est designado o dia S de oulubro prxi-
mo futuro para o andamento das rodas
desla lotera. He de presumir que nflo s-ja
infelizmente espassado- ainda esse acto,
como tem sido al agora, pela falla de con-
currencia dos compradores de bilhetes, da
qual tem dependido o continua a depender,
ou a prompla extracto das loteras ou a sua
morosidade. >
Pede-se lo morador do sobrado da
Trempe, onde esteve amigamente a fabrica
de rap Meuron, que por sua bondado man-
de remover acoma que fez dentro do si-
tio, encostada ao muro que fici a beira da
estrada,visto o (Tender, aos moradores das ca-
sas de defronte cjiegarem na porta, e ao pu-
blico que transita : os moradores neem is-
to florque nflo esto acostumados enm taes
romas, e so nle allender ao pedido dar-se-
hflo oulras providencias.Um doi moradora.
Agencia de passaportes
Tiram-se passaportes para dentro e fra
do imperio,como lambem ttulos de resi-
dencia para estrangeiros e correm-se fo-
lhas por commodo prego e com presteza:
na ra do Rangel, sobrado do um andar
n. 57.
Roga-se ao Sr. J. C. II. que lenha a
bondade de ira ruado Viga-io n. 13 pri
meiro andar, pagara quanlia de 50,000 rs.
que deve ha mais de um anno ; do contra-
rio, so publicar o seu uome por extenso.
--Precis'a-se singar urna preta para o
servido interno e externo de urna casa : no
caes do Ramos segundo sobrado.
Os Srs. B. J. S. o seu lho C. J. S.,
moradores em Olinda queiram vir pagar
na ra Augusta', n. 1, as suas lellras que
se acham vencidas desdo novembro do an-
no prximo passado ; do contrario, se pu
bl canto seus nomes por extenso; e so isto
ainda nSo Mr bastante, seiflo inmediata-
mente execulados, para o que J so acham
as ditas lellras em poder do douior Vellez.
O Sr. a quem se vendeu em Olinda ma-
lcraos como tem catastro, querendo, po-
de vir a esta cidado venda do capililo An-
tonio, no Varadouro, para ajustar alguns
milheiros de tena e lijlo, o melhor que
for possivel.
Quem annunciou querer, hypothecar
um sobrado de dous andares em boa ra ,
dirija-se rus estreita do Rozarlo, ti. 43,
segundo andar, que se dir quem faz este
negocio.
Alugam-se duas moradas de casas, cm
S.-Anna de dentro as mais proprias para
so passar a fes.la ,e prximas ao rio Capi-
baribe: na ra Bella n. 28.
Precisa-se de 1 moleque ou prelo para
fazer compras e o mais servico do urna casa
de pouca familia : na ra do Queimado,
loja n. 37 A.
Kxistem no trapicho do Unto 22 saceos
com assucar, viudos de Maranguape na bar-
caca Amizadr, e descarregados em 2 de ju-
nho do correntc anno : a pessoa a quem I he
fallar em, dirija-se ao mesmo trapiche para
Iheserem entregues.
para planlacfies : a tratar no Aterro-da-
Roa-Visla, n. 43.
Precisa-se alugar um moleque, ou ne-
gro, para fazer compras e o mais servico de
urna casa de pouca familia : na ra da
Cruz, n. 48, no armazem.
Augusto S. Corbett avisa a
quem lhe convier que acaba de re-
celicr de Inglaterra um completo
sortimenlo de, pedras( marmore) ,
proprias para consolos e lavato-
rios: todas talliodas com milito
gosto e perfeicjSo: os pretenden-
tes dirijam-se a ra da Cadeia,
n. 48.
lijo-se 400,000 rs. a premio com boas
firmas: quem pretender annuncie.
-.____-.lL.-J-. I
Iro de 20 de boas figuras e ptimos para o i outra qualqucr parle
servlgo de campo : na ra do Collegio, n | bre penhorejj
21, primeiro andar.
d
DRo-soamostras so-
Compras.
-Compra-se o drama llariadan Barba-
Rxa : no Aterro-d-lloa-Vista, n. 77.
Com pra-sn urna preta e um prelo, de
40 a 60 annos com tanto que o prego seja
commodo: na .ra do Collegio, n.2l, se di-
r quero compra. .
Compra-se um cscravo pardo de 16 a
20 annos, sem vicios nem achaques e que
tenha boa figura para pagem : na ra es-
treita do Rozario, n. 10, segundo andar, ou
no largo do Forte-do-.Maltos n. 8, a fallar
com JosCyprianodeMoraes l.ima.
Compram-sadc2at 10 portas de ama-
relio ou de louro, sendo velhas. por pre-
go commodo e que nflo sejam de costado
ou costadinho : quem tiver annuncie.
Compram-se pennas de orna gengi-
bre amarello resina de cajuciro : na ra
do Rangel, sobrado de um andar n. 4 3. Na
mesma casa se farcm espanadores, mais
om conta do que em outra qualqucr parte ,
tanto lisos como crespos.
Compra-se um esoravo hom nllici.il de
sipateiro, de boa conducta, e que nflo le-
nha vicios : quem tiver annuncie.
Compra-se um prelo cozinheiro, e que
tenha boa conducta ; bem como urna pre-
ta engommadeira, costureirae cozinheira :
no beceo do theatro, no segundo andar por
cima do hotiquim-
Compra-se um oratorio com imagens:
no cae do Ramos casa da esquina.
Compram-so qualro escravas prenda-
das, com habilidades e de bonitas figuras,
para urna encommenda : na ra do Passeio,
loja n. 17.
Compram-so me:?s garrafas vasias,
que lenham sido de servejae lirnpas, a 60
rs. cada urna : na venda da ra da Cadeia do
Recife. n. 25. dofronle do Bccco-I.argo.
- Vende-se a padaria defronle da igreja
daSoledade :a tratar na mesma padaria.
Vende-se um moleque do 16 annos ,
coro principios do alfaiate som vicios, e
que lie muito hbil para o ofiicio; urna
parda de 19 annos de bonita figura, en-
gommadeira e costureira e que he muito
geitosa para mucama : na ra da Cadera ,
no segundo andar do sobrado da esquina
do becco do Ouvidor.
Vende-se um par de bancas de jaca-
randa cm muilo hom uso : no Atorro-da-
Boa-Visla n. 86, segundo andar.
Vende-so um sitio com boa rasa le pe-
dra o cal, com commodns para mais de
nma familia por ter mais de 60 palmos de
frente, com calcada e copiar sobre pilares ,
com 3 salas e alcovas na frente, com um sa-
Ifo eni lodo coi rcr da frento do lado de de-
trs sobre lorois, com] 25 palmos de
Vent'oai-so sapatoes
de como brunCOS do Aracaty, por
precoseousinodos: ua ra
da Cadeia do Recife, n. 9.
--Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa vinda pelo ultimo navio, por prego
mdico : a Iralar na ra do Vigano n. 19,
primeiro andar. ,
-- Vende-se urna porgflo de ooiaclia, pro-
pria para escravos, a 2,880 rs. a arroba : na
padaria defronte da fortaleza das Cinco.
I'oulas.
O barateiro.
eos de seda, a 640 rs.
5& Chapeos de sol
Ra do Passeio, n. 5
0 dono deste eslabelecimento avisa ao
respeitavel publico que elle recebeu pre-
sentemente una qualidade de chapos de
sol com armagflo de ago sortidos em c
res de varios tamanhos, qualidade esta
nunca aqui apparecida ; bem como cha-
peos do sol com armagflo de baleia, soni-
dos em cores (xas ; ditos para senhora.de
seda muito encorpada com ricas franjas de
retroz e chegados ltimamente de l'aiis :
lambem se vendem chapeos de sol, de pan-
ninho em porgflo e a retalho ; ditos para
feitor de engenho, muilo grandes. Os fre-
guezes acharflo um completo sortimenlo de
sedas e panninho imitando seda para co-
lirir qualquer armagflo de chapeo de sol, o
que se faz, e tamoem se concerta com toda
a brevidade.
Dentesartificiaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
pelavel publico que contina a exercer a
sua prollssflo na ra estreita do Rozario,
n. 16, primeiro andar.
o o
o Bixas. O
Na praca da Jndt?pen-
Vendas.
delicia, n. 10,
Freguezia.
Vende-se vinho da Figueira de superior
qualidade, a 1,280 rs. a caada e a 160 rs. a
garrafa dito brancode Lisboa, a 1,600 ra. a
caada e a 200 rs agarrafa papel perlina
azul e branco, de superior qualidade, a
3,400 rs. a resma : uo pateo do Tergo, ven-
da n. 7.
Vende-so um quart.o por prego com-
modo :no pateodoTergo, venda{n. 7.
Hom e barato.
Na ra do Queimado, vindo do Rozario ,
segunda loja, n. 18, vende-so panno azul e
verde a 2,000 rs. ; dito cor de rap a 3/
rs. ; dilo azul o preto muito bom a 4,001,
rs. ; cortes de fustflo para olleta a 2,400
rs. ; mantas de seda escoceza; cortes de
vestidos de cffmbraiade seda; corontas de
meia muito finas; e oulras muitasfazendas
por prego commodo.
Vende-se urna escrava de 16 annos,
sem vicios, sem defeilo e sem achaque al-
gum,chegada ltimamente do serlflo: na
esquina da ra das Cruzes que vira para S -
Francisco.
Vende-se um par de consolos de jaca-
randa com seus competentes iremos, son-
do os consolos cohertos de pedra marmore;
he obra perita e do mais apurado gosto : na
ni* Nova, n. 59, loja de Antonio Domingos
Pinto.
Obras de ouro.
Vende-se um alfincte de brilhanles, um
pardo brincos com brilhanles, urna mo-
dalha com diamante um lago do lilagrana,
umannelcom dous diamantes, um buzio
encastoado para pescogo de menino : na
ra do Crespo, loja n. 12.
Pechincha.
Na ra do Queimado. vindo do Rozario,
segunda loja, n. 18, vendem-se lengos de
Ifla de 3 ponas a 160 rs.; cortes de cam-
braia de cores, a 2,600 rs. ; suspensorios de
seda a 500 rs.; castores para caigas a
250 rs. o covado ; brins de linho de cores
para jaquela a 400 rs. o covado ; cortes de
fustflo branco.psra-ollele, a 500 rs. o cor-
te ; e oulras muitas fazendas por commo-
do prego.
-- Vende-se, na ra da Aurora, n. 4, um
terno de tambores com rodetes eaguilhOes,
por 300,000 rs. e lentos de carretas solas
para os mesmos a 20,000 rs. o temo.
Vendem-se e alugam-se ancoras para
navios de qualquer lolago, por prego com
modo : no armazem de magames de Braga
6 Companhia.
Vende-se, ou permuta-se por casas
neslu praga ou por escravos a casa terrea
sita nos Arrumbados, llvre e desembaraza-
da com duas alcovas o bastantes comino-
dos cozinba com dous Tomose preVfstri-
baria para 4 cavados arranjes para galli-
nhase poicos cacimba, quintal murado,
c terieno de mais de 600 palmos com ser-
venta privada pagando de foro 3,410 rs.,
cujo solo divide-se pelo norte com a casa do
Joaquim Jos de Almeida, pelo sul com
ido Sr. coronel Jos Bernardo SaJgueiro c
pelo fundo com o rio Bebente: a tratar coui
o seu propnetario, na ra do Hospicio,
contiguo ao quirtel.
Vende-se urna preta do nagflo moga,
que cozinha cose clifio e engomma liso:
na ra larga do Rozario, n. 40, segundo
andar.
Vende-se urna escrava de Angola de
20 annos de bonita figura, boa cozinhei-
ra engommadeira e coslureira ; urna dit,
boa vendedeira de fazondas ; urna dita de
40anuos, muito boa cozinheira e engom
madeira esta se prefere que v para (
:9 e:
f *
) Vende-se um terreno sito na Sol- -3
# dade, junio ao Teixeira fugueteiro f>
* fundo e nos fundos deste tem mais #
^ 40 palmos do frente para estrada no- fffj
*
va c 400 de fundo ten lo o primeiro dfi
urna casa do laipa e urna boa ca- ?
cimba o bastantes arvoredos de fru'- 4
? tu : no mesmo lugar so achara com T
4 quem tratar.
?' **
Na ra do l.ivranicnlo n. 14, vendem-
Na loja n. 5 A, da ra do Crospo, so pi-
do arco de S.-Anlonio, ainda reslam para
(cente para lor-se vaccas de leile por ler
muilo bom pasto e trras para plantages
de todas as qualidade cacimbas, alm de
urna vcrtenle que corre lodo anno, com
olaria com muilo bom barro para toda a
qualidade de obra, fomo que cozinba 12
mil lijlos e com embarque junio todo si-
tio cercado do espinhos, alm de valas,
com coqueiros, manguciras cm grande nu-
mero, muito bons dendezeiros, cajueiros ,
amendoeiras, larangeiras o tamarineiros :
Quem prelendordito sitio o "qual nflo dis-
ta urna legoa desla praga, dc-sepressa a
procuia-lo, que se far lodo o negocio com
o dono ; tambero se recebem em pagamento
al;:nns escravos ou alguma casa neslu pra-
ga : a tratar na ra do S.-Francisco pala-
cete junto a mar.
Vendc-se urna moleca de 7 snnos por
prego commodo : na ra Bella, n 45.
A 200 ris.
Na ra do Crespo, loja //. 14, de
Jos francisco Dias,
vendem-se superiores chitas escuras dera-
magem, cores muito linas, para cohorte,
pelo barato prego de 200 rs. o covado.
Vendem dous carros de quatro rodas e
um cabriolet: ludo da mola a niBia moder-
na : na cocheira da ra do Hospicio, no es-
quina do becco do Camarflo.
Na praca da independeii-
deiieia, loja de saleado
de duas portas, u. :>3
vondem-so sapatos do Aracaty a 1,000 rs.,
sipatoes de lustro ponteados a 4,500 rs di-
tos do beira encostada a 4.000 rs,. ditos de
bezerro francez a 3,500 rs., sapillos de ta-
pete a 1,520 rs., pellesde couro de lustro a
4.000 rs., ditas do bezerro francez a 3,200
ris. ^
-Vedcm-se cinco van de caixllho de
janella envidragado e una porla de ama-
relio: no Atterro da Ba-Vista, n. 26.
Vendc-se um reluci de ouro orisonlal
muito bem trabalhado, por pieco commo-
do : na ra do Rosario eslreita, venda, n. 1.
iii '
ao voltar para a ra das Cruzes, alu- q
gam-see vendem-se bixas de Mam- *.
? burgo : lambem vflo-se applicar j ra commodidaJe dos freguexes ; ti- *?
J ram-se denles, sangra-se e appli- *J
O oam-se ventosas: ludo por prego Q
O commodo. O
O i
e>ooo Quem precisar de uina ama de leile for-
ra, pode dirigir-se a ra do f>:igel, casa
terrea n. 22, que achara com quem tratar.
Quem annunciou querer comprar urna
burra dq ferro, dirija-se ra da Cruz, n.
40, no armazem, para verse lhe serve urna
que est a venda.
^-U Sr. Jos Mara Vascon-
celos de fioibom q4fcra mandar
pagar oalugnel que deve do pri-
meiro andar.
Precisa-se de um bom smassador : pa-
ga-se bem sabendo desempenhar sua obri-
gacflo : na padaria defronte da fortaleza das
Cinco-Pon tas.
No dia 3 de oulubro do corrente anno
se ha de arrematar em praga publica do Sr.
Dr. juiz municipal da segunda vara um cs-
cravo' do fallecido Jos Luis Gongalvea. a
requerimcnlo do leslamenleiro do dilo fal-
lecido.
- Aluga-se urna casa no sitio do Cordei-
ro, margem do rio Capibaribe, com com-
modo para grande familia cozinha fra,
estribarla cocheira quarto para criado,
etc.; outra dila mais pequea, tambero
com bous commodos para familia estriba-
ra, sel.: a tratar no paleo do Carnio, n.
17, com Cabriel Antonio.
Aluga-se um sitio na Magdalena, estra-
da da Torre, com muilo boa casa da viven-
da com 6 quarlos, cozinba fra, Tanque <
cacimba cobertos, casa para pretos- e par
estribara, bastantes arvoredos e terreno! matto ; 2 escravos, um de 16 annos e o ou-
a vara ludo por junto.
AtlencSo
Vendem-se corles decassa preta com ra-
magem propria para lulo, com 10 mea-
dos, pelo diminuto prego de 1,440 rs. o cor-
le : na ra do Crespo, n. 6, ao p do lam-
peflo.
Vende-se um escravo de nagflo ga-
nhador de ra, queda um sello lodos os
dias; he muito ladino o robusto : quem o
pretender annuncie.
Vendc-se urna parda recolhi.la do bo-
nita figura do 19 annos, perita coslureira
de corlar e fazer qualquer obra, e que en-
gomma, amarra cabello e veslo bem una
sonhora : o motivo por que se vende so Oi-
r ao comprador : na ra do Sebo, o. 34.
Na ra da Cruz do Recife, n. 38, pri-
meiro andar, ha para vender por prego
commodo muito superior bezeno de lustro
e sem lustro.
Arados de ferro.
Na fundigflo da Aurora, em S.-Amaro,
vCndem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Bom c barato.
Vende-se superior azeite doce engarrafa-
do, pelo diminuto prego de 640 rs.; man-
teig ingleza a 560 o 700 rs.; vinho en-
garrafado, a 560 e 640 rs.; charutos su-
periores ; papel de machina ; dilo de peso;
toucinho de Santos a 140 e 160 r. a libra;
bolachinha ngleza, a20rs.; velas de cs-
permacole, a 840 rs. a libra ; queijos fla-
mengos
240 rs.
para curar da phtysica cm todos os seus
difierentes graos ,"ou motivada por consti-
pngfjcs, tosse, asthma, plcuriz, escarros de
sangue, drde costase peitos, palpitagflo
no corngSo, coquolucho, bronchiles dr
na garganta e todas as molestias dos orgSos
pulmonares.
De todas as molestias que por heranga h-
camaocorpo humano, nenhuma ha que
mais deslruitiva lenha sido, ou quo lenha
zombado dos esforgos dos homens mais
eminentes em medicina, do que aquella
que he geralmente conhecida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do se-
clo passado, tendo-se olTerecido ao publi-
co difierentes remedios com altestados das
extraordinarias curas que elle tem feilo ;
porm qnasi que em todos os casos a ilusflo
tem sido apenas passageira e o doenlo
torna a recahir em peor estado do que so
achava antes de applicar o remedio tflo re-
commendado, outro tanto nflo acontece
com este extraordinario
Xarope do Bosque.
Novaes & Companhia, os nicos agentes
nesla cdade e provincia, nomrados pelos
Snrs. R. C. Yates & Companhia, agentes
cera es no Itio-de-Janciro mularam o de-
posito deste xarope para a. botica do Sur.
Jos llariflB. Ramos, na ra dos Quarteis, n.
12, junio ao quartel do polica, onde sempre
achanto o nico o-verdadeiro, a 5,500 rs.
cada garrafa.
--Vendc-se urna cama de angicn, nova,
por prego commoJo : ua ra Imperial, n. 31.
Vendem-se 4 saccas do anoz branco,
muilo bom : na ra do Livramenlo, n. 4.
Vende-se o tresenario de S. Francisco
de Paula: na ra Direita, loja n. 60.
Vende-so urna armagflo de venda, com
lodos os sous pertenec, dous caixOes de
amostras: ludo collocado em bom lugar:
quem pretender annuncie.
Vende-se um sitio na Varzea mar-
gem do rio Capibaribe, com pequea casa
da vivenda algumas arvores de fructo.e
algum terreno livre para planl.igflo : a Tra-
tar no mesmo lugar sitio das Mogas, nos
domingos e das santos.
Vende-se um molocote de 14 annos ,
de bonita figura ao comprador se dir o
motivo por que se vendo: na ra estrena
do Rotarlo n. 17.
Vende-se, ou arrenda-se um sitio per-
lo da praga urna legoa no lugar da Embe-
ribeiraou Barreta, com bastantes ps de
mangueiras cajueiros, jaqueiras e mais
fruteiras, com ierras de planlagflo para
mais dr viole mil covas de roga e para criar
10a 12 vaccas do leile, independente de
cerca com boa casa de vivenda dita de
familia o mais arranjos : nas Cinco-I'ontas,
passando o becco do Marisco, primeiro so-
brado de 2 ailares, no primeiro andar.
Vende-se uiu preto crioulo de 18 a 90
annos, ptimo para lodo o servigo : no
Alcrro-da-Boa-Visla, loja de fazendas.
n. 60.
Vende-se urna cancella e urna cartei-
ra do viagem por prego muito commodo:
na ra do Pilar, n. 72, torceiro andar.
Na ra larga do Rozario, loja de miu-
dezas, n. 26, vendem-se pennas de ema o
dous bonitos couros de onga propriospa-
ra mana.
-- Vende-se urna mulalinhade 15 annos,
bonita osada: no largo das Cinco-I'ontas,
quarla casa
Vende-se superior vinho clarete em
barris pequeos : na ra da Cruz, n. 40.
Vende-se urna bonita escrava de na-
a 1,000 rs.; alilria fina, a 200e ~0 ,;osla ,jc |jannos: na ra da Aurora,
libra ; dila grossa.a 180 is. ; caf ',,. :,0_
do carogo ; arrox puado ; esleirs linas do
Angola, a 1,280 rs. na ra do l'adre-Flo-
rianoo, venda n. 72.
O barateiro.
i
Na loja n. 5 A, da ra do Crespo ao pe
do arco de S.-Anlonio vendem-se ricas
mantas de seda, a 6 e 8.0C0 rs. ; cortes de
fustflo branco alcochoado : a 500 rs.; ditos
de cores, superior fazenda o .lavoures lo-
teiramente novos a 1,280 rs. ; riscadinhos
Vendem-se sellins inglezes elsticos
do patente, forrados de couro de porco; di-
tos de sola ingleza com estufos lisos e hor-
ados; silhOes para montara de senhora, li-
sos e bordados ; cabegadas inglezas bran-
cas e de lustro ; fundas de patente para to-
dos oslados; couro invernisado de ama-
relio para canhOes de bola de criado; es-
tribos de metal blanco ; piuadeiras do
mesmo aietal; ditas de ago ; bridas de lo-
dos os modellos, e tudo mais que for per-
lencenlo ao mesmo eslabelecimento por
finos francezes proprios para camisa com p mmod. naru.Nova, loja, n.28,
5 palmos de largo e de cores listas a 320. P Conceigflo.
rs. o covado ; cortes do caigas de cores es-1
cures, e de fazenda encorpada, de 1,000
ra. at 1,440 rs. ; cortes de casimira alva-
dia bastante elstica, a 4,000rs. o corte,
dila prela elstica, bastante larga, superior
fazenda, a 2,800 rs. o covado; chales do
chitas escuras para meninas, a 500 rs, o
grandes a 800 rs.; mantas de tarlatana com
tecido de seda proprias para meninas, a
Vende-so um carro de 4 rodas novo e
envidragado, por prego commodo : no Aler-
ro-'la-Boa-Vista cocheira de l.uiz Monier.
-- Vende se urna esetava da Costa de bo-
nita figura muito boa quitandeira ecom
uui lilil de 3 mezos: na ra Ja matriz da
Boa-Vista n. 26, segundo andar.
Veude-so um melhudo de flauta por
leci e seue prupins K'" i.....-, .. -......-....,_ "T> r
1 OOO rs. cada urna ; e oulras muitas fazeu-1 Divieni, por prego commodo : no Allerro-
d'as por prego mais commodo do que em I da-Boa-Visla, n. 77.


.....

Vende-so cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Maria-Jot:
trataT na ra do Brum armazem de
Antonio Augusto da Konscca, ou na ra do
Vicario, n. 19.
Cha brasileiro.
Vende-so cha brasileiro no armazem de
moldados, atrs do Corpo-Santo, o. 66, o
mais encllente cha produzido om S.-Pau-
lo que tem vindo a esto mercado, por
prego muito commodo.
A 640 rs. cada un.
Vendem-se cobertores do algodSo ameri-
cano, oncorpadose grandes a duas pala-
cas ; chitas escuras do bons padroes e co-
res seguras, a meia pataca o covailo : na
ra do Crespo, na luja da esquina que tol-
la para a cadeia.
Taxas para engenho.
Na fundigSo de ferro da ra do Itrum,
acaba-se de receber un completo sortimen-
tode tanas de 4 a 8 palmos de bocea as
nuiles acham-se a venda por prego com-
modo e com promplidSo embarcam-se,
i.ii carregam-seem carros sem despezasao
c imprador.
4cs turnantes de bom goslo.
No armazem de moldados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
quo em mitra qualquer parle : bem como
rigarrilhos hespanhes ditos de palha de
inillio, que se estilo vendendo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
-- Vendem-seamarras de ferro: na ra
da Senzalla-Nova, n. 42.
AGENCIA
da fundicao ,o\v-Moor,
RA da. shnzalt.a-nova, N. l\1.
Neste estabelecimento conti-
na a haverum completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
daft, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os tamanhos,
para dito.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglezes: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Cortes de brlm de puro
linho, a 1,120.
-- Vendem-se cortes de brlm trancado
pardo de puro lindo, pelo diminuto preco
de qualro patacas : na ra do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vende-se oleo de recio superior em
latas de 30 libras : na ra da Ciuz, n. 3.
Vende-se familia de mandioca milito
superior, a bordo do paliicm Valenie, viu-
do do S.-Catharina fundeado no caes do
Collegio: a tratar cotn o capillo a bordo,
ou com Novaes & Companhia, na ra do
Trapiche, n. 3*.
Deposito de Potassa.
Vndese multo nova potassa,
de Loa qualidade* em bairiszinhoa.
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha mu i lo
lempo se no venle: no flecife,
ra da Cadeia, armazem n. i a.
Cadeiras de palhiuha e
de balai co,
bem com oulros miiitostrastes: venderr.-se
em casa de Kalkniann [minos, na ra da
Ciuz, n. 10.
Rap ralofrancet.
Vcnde-se o superior rap rolSo francez ,
nicamente us lujas dos Srs. C.aetano l.uiz
Fercira no Aterro-da-Hoa-Vista n. 46 ;
Thoinaz de Hallo* Istima na mesmi ra,
n. 54 ; Fiaucisco Joaquim Iluaito, ruado
Cabug ; Pinto & Iroifio na ra da Cadeia
do Recite, n. 19.
r> g
Q l'ui piano. <>
5 Vende-se um piano muitobom para 9
fj filudo, bonito e de exccllenle autor: W
O na i ua do Collegio, n. 9. &
Barricas.
Vendem-se barricas vasins que fram de
familia em p e bem accondicionadas :
na ra do Amorim n. 35, casa de i. 1.
Tasso Jnior.
Para calcas e jaquetas.
iVa ra do Queimado,
loja ii. 0 ,
vende-se brim (militar) trancado branco ,
a 1,44 J rs. o corto; dito dito escuro, a
1,280 rs. o corte ; dito cor do ganga, mui-
to lino, a 1,500 rs.; dito liso eseuro, bem
proprio parajaqueta, a 800 ro corle: sen-
do todos de puro linho : cortes de castor
de listras e quadros, a 800 rs. o corte.
Na loja da ra do Crespo, n G,
ao pedo lampe-So, vendem-se as
seguales fazendas por metade de
seu valor:
cortes de brim escuro a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,440, 1,500 o 1,600 rs. ; dito
branco, a 1,500 rs.; dito listrado a 1,500
rs. ; picote, tnuito encorpado, a 180 rs. ;
chitas finas e de cores lixas, a 160 e I8i).rs.;
cobertores de algodSo americano, os luc-
idores que ha no mercado, a 640 rs. ; ma-
dapolao muito linoe com pouco mofo, a
3,600 rs. a peca, e a 200 rs. a vara ; chapeos
de massa a 400, 640 e 1,600 rs. ; fusto ,
a 480 rs. o covado; dilo muito fino e de
cores lixas, a 640 rs.
Madapoles finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapolfles finos, com 24 jar-
las com um pequeo loquo de mofo pe-
lo prego do 3,600 rs. a peca : na ra do Cres-
po, loja da esquina que volta para a ca-
deia.
Na loja do Estima & Ramos, no Aterro-
da-Iioa-Vista, vende-se um par de adrago-
nas muito ricas para capitSo; bem como
um dabito esmaltado de Cdristo.
Tecidos de algodo tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Na ra da Cadeia, n. 15*2.
vendf>in-se por atacado tres qualidades,
proprias para saceos do assucar o roupa do
escr.ivos a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da lab rica de
rodos-os-Snnios na Rahia
Vende-se em casa deN.O. Uieber & C.
aa ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
daqiiL'lla fabrica, muito pioprio para saceos
de assucar o roupa de escravos.
Charutos de Ha vana
verdadeiros: em casa do Kalkmann Ir-
rnSos na ra da Cruz n. 10.
Antigo deposito de col
virgem.
Na ra do Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Superior farinha de
mandioca.
Cdpgou de S -Catharina o brigue S.-Hc-
nael-Augutto com um carregamento de fa-
rinha superior acha-se fundeado defronte
do cues ilo llamos e all se vande qualquer
poreo a prego commodo .- lanibem so pode
tratar na praga do Commcrcio, n. 6, pri-
meiro andar.
Cal virgem.
Na ra da Cadeia do Itecife, n. 50, escrip-
torio de Cimba Amorim, vende-se ca,
virgem de Lisboa de superior qualidrde i
por prego mais barato do que em outra
qualquer parle.
N. 9':
Vende-se, no armazem de Vicenle F. da
Costa, na ra da Madre-de-Deos, a supe-
rior e liem condecida graxa97, em barricas
de 13 duzas.
A 1,9110,1,440 e 240 rs.
Na ra do Crespo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Dias,
venilem-se cortes de superior brim escuro
de puro lindo a 1,280 rs. dito cor de gan-
ga de superior qualidade a 1,410 rs. o cor-
te ; lustrim pelo adamascado, muito lindo
para luto a 240 rs. o covado; superiores
chitas encarnadas muito finas o de cores li-
xas a 180rs. o covado, e outras muitas
fazendas por prego commodo.
Folho de Flan I res.
Vendem-secaixascom folha de Flandres:
na ra do Amorim, n. 35, casadle J. J. Tas-
so Jiinior.
A ellas antes que se acabem.
Vendcm-se ricas luvas do pellica para
hnmem e senhora pelo din inuto prego de
1.000 rs. o par : na ra do Queimado, n. 17.
D3n-se as amostras.
Vende-se urna armagao de venda e
mais perteuces na ra Direita n. 53 lu-
gar este muito bom para vender, tanto pa-
ra Ierra como para o mallo : a tratar com
Antonio Francisco Marlins de Miranda na
ra da Priiia-dc-S.-RIla ,0.1.
Vendem-se, na loja do I)u-
arts, na ra do Calinga, n i C,
bolocs demarinbn; dilos de Pedro
II linos e ordinarios; ditos de
guarda nacional, cavallaria e vo-
luntarios ; ditos para primeira li-
nbo, amarcllos e pelos ; ditos pa-
ra casaca, de diversas qualidades ;
dilos de madreperola para pali-
tos ; d'tos d'acode diversas cores ;
dilos de todas as cores para enfei-
tes de vestidos de senhor:; e go-
las de cambraia.
Na ra do Cabug, loja do
Duarte, n. i C, vendem-se c ni-
veles de una a quatro blhas ; fa-
cas e garfos ; lesouras fabricadas
em Guimaiaes, proprias para bar-
beirosc alfaiates ; dilas para cor-
tar papel ; dit s em carteira para
unhas, as melboresque aqu teem
apparecido ; apparellios de colhe-
res de metal do principe; afilo-
res ; navalbas; saca-rolbas de pa-
tente ; lamparinas inglezas ; cam-
panillas de nova nvenco ; e ma-
chinas proprias para alfaiates.
Pos galvnicos para
prafear.
Na ra do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que possuem objectos
prateados e que lenham perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisados, teem uestes pos um excellentc
restaurador'e conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho molhado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinha contendo quantidade suf-
ficienle para pratear mais de 40 palmos
quadrados custa a mdica quantia de
mil rs.
Vendem-se escravos baratos, bem co-
mo : 2 molecOes de 18 annos ; 1 moleque'
de 12 anuos; 3 pelos bons para o traba-]
lho de campo ; umi molec de nagSo, que
cose e faz todo o servigo de urna casa ; 3
pretasde nago Costa; e mais alguna es-
cravos : na ruadas Larangeiras, n. 14, se-
gundo andar.
Vendem-se, na loja do Du-
arte, na ra do Cabug, n. i C,
Lotera do Rio-de-.Ja-
neiro.
Aos 20:000,000 de ris.
He chegada a lista da decima primeira
lotera > beneficio das casas de caridade, e
com ella grande sorlimento de bilhetes,
meios, quartos, oitavos e vigsimos: a elles
antes que se acahom, pois sSo muito afor-
tunados : na ra da Cadeia do Recifo loja de
ferragens, n. 5C.
A 4^000 o corte de novas
alcinas de seda
com lindos padroes de listas e quadros, co-
res modernas, claras e escuras at pretas ;
gangas amarellas da India, proprias para
todo o Irage de homem e de meninos ; bem
como um novo sorlimento de fazendas fi-
nas e grossas por baratissimo prego: no ar-
mazem de Raymundo Carlos Leite, na ra
do Queimado, n. 27.
Novo madapoln pate; te
com mais de 40 jardas
cada peca
e com largura quasi de urna vara, fazenda
a mais fina que se pode imaginar, por isso
nplima para ludo pelo diminuto prego do
9,000 rs. a pega ; dem como todo o sorli-
mento de fazendas finas e grossas : no no
vo armazem de fazendas de Raymundo Car-
los Leite, na ra do Queimado, n. 27.
a loja do Duarte, na ra
do Cabug, n. I C, vendem-se re-
quliles de core; franjas pro-
prias para mantaletes de cores ;
lencos de seda ealgodao para gra-
vata e algibeira ; boleas de mican-
ga, proprias para nuios ; manti-
nlias de seda a Soo rs. toncas de
la para senhora e meninas ; e laa
paia bordar de seda, de todas as
cores.
B
<* Na ra do Crespo, loja da
esquina que volla para a
Cadeia, vendem-se
m

os acreditados brins drancos de lis
Iras, lisos e amarillos, a 1,500 rs. o
corte ; dito muito superior, a I,roo
* rs. todos de puro lindo ; panno fino *
pretoeazul, a 3,200 rs. o covado;
9 dito muito superior, a 5,500 rs.; fus-
loes muilo donilos a 640 rs. o cor-
te; dilos de velludo muito ricos a *
2,500 rs. ; pegas de camdraia.de qua- (!)
vi dros de 8 varase meia, a 2,720 is. a
# a 1,410 rs. o corte ; madapolSoenfes-
? lado muito fino, a .r>,40d rs. a pega ; *
corles de caigas de setineta de cor, f;
a 880 rs. ; ditos de castor, a 1,000 ?
rs. ; chila azul para escravos, a 140 fi
C1 rs. o covado ; picote muito cucorpa- 4
do, a 180 rs.; platudas Je linho, a 500
e> rs. a vara ; esguifio de lindo muito fi- 9
C' no c com 4 palmos e meio de largu- 4
ra, a 1,440 rs. a vara ; cortes de ?
brim de algbdilo, a 800 rs.; e ou- %
^ tras muitas fazendas por prego com- %
4 modo. m

Antes da doscoderta dos oculos esta-
vam os veldos ealguns mogos que linham
a vista cansada, ou curia sentenciados a ser
odjecto de riso na sociedade j pelas con-
iieuadas caneladas ou quedas que davam
quando caminhavan, j pelas asneiras que
diziam quando Mam ele. ; hoje ludo islo
desappareceu nflo por effeilos medicinaos
que nada descobriram a respeito mas sim
pelo uso dos oculos apropriados ao grao da
vista do paciente: quem delles precisar,
dirija-se ra larga do Rozario, loja de
miudezas, n. 35
Manas de seda.
Na ra do l.ivramento, n. 14, acaba de
cdogurum sorlimento de mantas de seda
para senhora; cortes de casimira prela, a
8.000 rs. ; cortes de cambraia de ricos pa-
droes; camisas de meia para meninos de
dous annos; meias curtas de linho muito
finas para homem ; luvas de algodSo para
meninas, a 800 rs. a duzia e a 100 rs. o
par ; e outras muitas fazendas baratas.
perfumaras finas e sapatos de co-
ro de lustro a a,2/|0 rs.
Rap Joao Paulo Cor-
deiro,
vende-se na ra de Cadeia do Itecife, n. 53
Vende-se umacrioula boa cozinheira,
doccira, coslureira, e tamben) engomma :
ni ra do Collegio, n. 8.
Vende-se cal virgem superior de l.ie
boa em barris pequeos, fcixes de arcos de
pao o rodas de ditos pata barricas, cnde-
les de pinho abatidos para assucar, pregos
caiiaes do Porto em barra de 10 milheiros,
ditos destuque em danisde 32e45mi-
ldeiros, pilulas da familia: a tratar com
Joaquim Keneira alendes CuimarBcs, na
ra da Cruz, n. 49, primeiro andar.
Vende-se metade de urna
casa terrea, sita no pateo do Hos-
pital do Paiiizo, que faz esquina
para o becco do uvidor, por pre
co muilo commodo : a tratar na tra-
versa da ra da Concordia, sobra-
do de um andar, n. 5.
Cha brasileiro.
Ni venda que foi de Jos da Penha, na
ra Direita, n. 33, vende-se che brasileiro a
2,240 rs. a libra, muito bom, bem traba-
lbado, a ponto de se no diflerencar do cha
hysson, em factura e goslo be superior; ha I
tambem para 1,920 e 1,760 rs. "b'Mf":
bem bom ; manteiga ingleza a 600 e 800 rs.
a libra, e franceza a610 rs.; vioho do Por-
to engarrafado a 500 rs, do mesmo por en-
garrafar a 480 rs. a garrafa, a 240 rs figuei-
ra, e a 200 rs,; queijoa de Minas a 400 rs.:
os fregueies pdem continuar.
*^**.*** mmmmmm
Loteras do Rio-de- I
Janeiro.
Aos 20:000^000 *s.
ti. ajavor da Misericoadia
e 5.a do hesouro.
Meios bilhetes. it,5oo
Quartos.....5>5o
Uitavos ..... 2,800
Vigsimos. 1,3oo-
Na ruado Collegio, n. 9.
- Vende-se um violBo de chave, com
boas vozes por preco commodo : na ra
das Cruzes, n. 40.
Vende-at no armaiem do
barateiro Silva Lopes, na porta da
Alfandega. sevada, vinho do Por-
to e dito de Bordeaux, o mais su-
a este mercado,
e baris a
muilo bom estado o de Jacaranda : na ra
da Cadeia de S.-Antonio n. 10, loja de
marceneiro, se dir quem vende.
-- Vendem-se 24 pipas com ago'ardenbj
com o grao que convier ao comprador: ua
ra da Priia, n. 20.
Novos cortes de cassa pa
ra vestidos.
Vendem-se cortes de cassa para vestidos
de cores lixas e de bonitos padroes, a seie'
e oito.patacas o corte ; chales de tarlalam
grandes, a 800 rs.; meios ditos, a 500 rj.'
na ra do Crespo loja da esquina qua vol-
ta pera a cadeia.
Tipoias do IIaranhao,
ou redes de malha muito frescas o fortes
ditas feitai no Ceari bordadas a agulh'
de diversee cores: na ra do Crespo, n. tf'
loja de fazendas, de Antonio Lulz dos Sm'
toe&C.
Vende-ee a casa terrean. 12 da atqa.
na da ra dos Copiares: na ra do CoHegio
n. 16, segundo andar.
Vende-se* taberna da ra Nova, junto
a ponte da Roa-Vista, ir. 17.
Escravos Fgidos
penor que vem
em pipas, meias-pipas
vonlade dos compradores
Vende-se um cabriolet inglez muito
forte em ptimo estado e pintado de novo:
na cocheira do Sr. Mounlor no Aterro-da-
Boa-Visti.
No deposito de charutos da l.ingota ,
n. 14, ha um sor ti ment de charutos, como
sejam : regalia regalos de Havana depu-
tados, melindres e outras muitas qualida-
des.
Lotera do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de ris.
Vendem-se bilhetes, meios, quartos, oi-
tavos e vigsimos da 5.* lotera do hesou-
ro publico: na prac* da Independencia
loja de fazenda n. 1, pintada de amarello
Yende-se
cobre para forro de
navios:
no armazem de J. V. da Silva flarroca na
ra da Madre-de-Deos, n. 24.
Attencfio.
Com um pequeo toque de avaria em
urna s orella, se vendem pegas de algod.lo-
zinho largo e encorpado, fazenda perfei-
tamente boa, pegas de 20 jardas a 2,000, e
tendo mais de 20 jardas a 100 rs. a jarda : no
novo armazem de fazendas de II. C. Leite,
ra do Queimado, n. 87.
Na ra oslreita do Rozario, n. 43, se-
gundo andar, vende-se um escravo perito
offlcial de sapaleiro o que he bem mogo :
o motivo por que se vende se dir ao com-
prador.
Moendas superiores.
Na fundigilo de C. Starr & Companhia,
emS.-Amaro, acham-se venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
conslrucgSo muito superior,
II i lho moi do para ca-
vallos.
Em Pra-de-Portas, na ra dos Guara-
rapes n. 5, ha um deposito de milho mol-
do para cavallos ao barata prego do 1,280
rs. por arroba : shi tambem so vende a mais
lina farinha do milho que se pode desejar. Ido em urna orelha : Joao Laga, Congo,
velho, cor fula, com costuras bem visivel
na cadega : Manuel Gong, Cagange dem
moco, com os deigos muito salientes e fall
muito rouca : Scverino, cancho, ja bstan-
lo velho baixo, com os cilios muilo ver-
me I dos: este est fgido ha um auno, eos
outrosha pouca mais de um mez : tamdeiu
fugio do mesmo engenho o preto slatbeui
Sabido, de nago Angico, bem preto no
he muito mogo ; pertence ao Sr. Antonio
Gomes Pessoa de Tabalinga : quem os pe-
gar leve-osao dito engenho Aovo, que ta-
ra gratificado.
Desta cidade do Rccife fugio ha tem
pos para a de Goianna o crioulo Luiz, para
mais de 24 annos, de estatura pequea,
olhos vesgos psapalhetados : esta criou-
lo tem estado a titulo de forro habitani'oem
um dos mucambos prximos ao engeolw
Goianna-Grande, onde at os-primeiros diu
do mez de oulubro de 1848 estove no tra-
fico de corlar lenha, que a conduzia an
canoa para um dos porlos dos referidos lu-
gares ,- ausentou-sed'alli por saber que o
queriam pegar; julga-se que estara o*
mesmo trafico em algum lugar de portodt
mar como o de Goianna, Itamb, Iguaras-
s, Itamarac, Barreinnhas, Barreiras-Grao-
des, barra do Abia, Gramama, Came-da-
Vacca, Gatuamae Pilimb ou em outros
lugares para onde se temido refugiar. Ito-
ga-seas autoridades policiaca das mencio-
nadas partes, que hajam de expedir suti
ordens aflin de ser pegado o dito escravo
remullido a seu senhor Jos Lopes Ro**'
empregado publico da tbesouraria da f'"
tenda desta provincia morador na freguc-
zia de S.-Jos sobrado n. 10 da ra jj'
Galgada-Alla que generosamente grada*
car o trabaldo de quem o conduzir.
Ha cousa de um auno fugio ou dosenci-
oiiuli-ram um pardindo de 12 annos, cla-
ro olhos grandes cabellos ralos. Roga->*
as autoridades policiaes, OU outra qualuuf
pessoa, que o apprehendaiu e ievem-no '
ra da Aurora, u. 4, que sero aalilicados:
dem como sabendo-se quem o esencaiiii-
nlioii se proceder contra elle.
-- Fugio, no dia 20 do crrente, o mod-
que Joaquim de nagao. Rebolo ; leyou cal-
gas brancas e camisa do madupolo ; lomo
corpo cheio do marcas de queimaduras de
fogo ; levou comsigo dousaunelOes : qoen]
lio-se 40,000 rs. de gratificaeSo
a quem pegar um moleque que fugio nodit I
25 de julho prximo passado, de nome Ui-
gucl, (le nagilo.Mogambique altura regu-
lar cadega comprida olhos, nariz e boc-
ea regulares denles limados com unspj.
eos pelas fon tese nariz; he bem fallante a
muito esperto; tem um C no peito esquer-
do : quem o pegar leve-o a ra dos Quir-1
teis n. 15, casa de cigarros.
Fugio, na noite da 25 do corrente, o |
cabra Joo, de estatura regular, representa.
ter 28 annos pouco mais ou menos refoi-
gado, rosto redondo, faces encovadas, olhos
pequeos, oldar sonso, falla descansadle
humilde nariz chato e ventas largas, boc-
ea grande dentes podres, cabellos carapi-
ndados, nios grossas, com urna mirct
nas rosts de um caustico ; levou camine
caigas de riscado azul j despotadas e cha-
peo de pello de abas largas. Este escra* j
veio do Maranhao onde fo surrado e ls>j
prenles. Quem o pegar leve-o a ra do Tn- j
piche, n. 34, casa de Novaes & Companhia,
que recompensar.
--Em oulubro do anno passado fnm
desencaminhados dous escravos do lugar
das Cinco-Pon tas, por cerlu pessoa, para oj
lugar Craval, ou casa nova dizendo aot I
ditos escravos que logo os viuda comprar,
e depois de os ter alguns dias os escravos
viram que esta pessoa no. os viuda com-1
prar como proaoetteu. resolveram-se a faflit I
outra vez para o Itecife sondo logo fonal
entregues a seu dono, e como agora acn-1
tecea fugirum delles de nome Joaquim,]
cabra escuro, alto, odos vermelhos cotn|
qualro dedos em urna nio de 28 a 30 an-
uos. Se por acaso ello se dirigir outra vei I
para esse lugar roga-se de o mandar en-l
tregarna ra da Praia-de-S.-Rita, n. 83,
que se pagar todas as despezas; do con-
trario, se recorrer as autoridades para me-
Ihor fiiscalisar u sua captura.
--Roga-so as autoridades policiaes e cal
pitaes de campo, que apprehendam e le-1
vem a ra Direita, n. 60, a prete Florencia,!
fgida no dia 17 do corrente de 17 annoij
altura regular, fula por andar doente, ttl-l
la descansada; levou vestido e camisa di|
estopa e panno da Costa, com um remen-
d differente em urna ponta que parece I
branco ; tem os dedos dos (s bem aberloj, I
Fugiram, do engenho Novo do Cabo,I
do abaixo assignado os pretos seguintes:!
Louiengo, de nag3o Congo, baixo, reforca-l
do do corpo, ci'ir bem pela .- Uioniziu, lic-|
bolo, baixo, cOr bstanle fula; tem as vas-
tas bastante abertas : Raymundo, Renge-
la, baixo, cor fula com um odo mais abo-I
toado que o outro : Ti isto, Rengela de|
estatura regular, cor prela coro urna cica-
triz em urna peinae um pequeo taco tira-
Ka ra do Crespo, loja
de 4 portas, n. 12,
vende-se o restante dos muitos acreditados
chapeos de castor preto, pelo diminuto
prego de 3 e 3,500 rs.; coi tes de sedinhas,
a 2,000 rs.; ditos de victorias, fazenda
muito duravel, e de cores tecidas a 3,000
rs.; cortes de camdraia franceza de diffe-
rentes padroes a 3 e 3,500 rs.; corles de
cassa com assenlo escuroe cores finas, a
2,500 rs., isto por ter um pequeo toque
do mofo,- barretinas de seda para meninas,
a 2,000 rs., e mais pequeas a 1,000 rs. ;
calcinitas de fil de linho para meninas a
320 rs. o par ; chitas finissimas em panno e
tintas a 200 rs. o covado ; brins de lindo e
algodSo de cores, a 320 rs. o covado.
Sapa tos de como de
lustro, 2,240 rs.
No Aterro-da-Boa-Vista loja n. 78, ven-
dem-se sapatos de couro de lustro para se-
nhora, a 2,210 ra. o par; sapstoes do Ara
caty a 500 rs. o par, estes estilo se aca-
bando.
A 900 rs. cada urna
vara.
Novo algodija california com 8 palmos
de largura rfatrua do Crespo, n. 5, loja
quo faz esquina para a ra do Collegio,
vende-se o novo algodSo trangado, pro-
prio para tosidas com 8 palmos de largu-
ra pelo barata prego de 900 rs. cada urna
vara.
Na ra do Rangel, n. 8, vende-se espi-
rito de vindo de 86 graos a 1,200 rs. a ca-
ada, e a garrafa a 180 rs. ; arroz de supe-
rior qualidade a 2,000 rs. a arroba da 8
libras para cima o a 80 rs. a libra ; dilo
vermelho, a 1,500 rs. a arroba e a 60 rs. a
libra; bolachinha do Lisboa, ero latas de 8
libras ; ditas de outras qualidades ;- teijlo
mulalimho.o branco; e oulroa muitos geae-
ros de venda por prego com modo para li-
quidar: tambem se vende a niesma taber-
na com os fundse vonlade do comprador.
Vende-se um mulatinhode bonita figu-
ra por prego commodo: no Hotel-Fran-
cisco, ay
Vendem-se couros de cabra e pennas de
ema : na ra Nova, n. 80.
Vendem-se, muito em con ti, 18 cadei-
ras com asenlo da palha, 1 cannap, 2 ban-
cas e urna mesa de meio de sal: tudo em
o pegar leve-o a ra da
ser recompensado
Praia n. 53, q* -
PiiN. : ha i. M *. ru.
-isrt
MUTILADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXCS79YWK_JHENEK INGEST_TIME 2013-04-24T19:16:43Z PACKAGE AA00011611_06648
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES