Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06647


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
mff.uf m
Qiiintii-fr 27
partida o coanxioa.
fioianna eParabiba,segundas e*extas-felra*.
Bio-Graudc-do-Norte, quinlas-felras ao melo-
da.
Cabo.SermhSem, Rlo-Tormoso, Porto-Cairo
Maeci, no 1.a, a II e 21 de cada me.
Garanliuus e Bonito, a 8 e 23.
Boa-Vista e Flore*, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-reiras.
anula, lodos os das.
XFHEMEIUDES.
1'msES d :.da. Clieia a 1, s 2h. e58rn.da t,
Ming. a 9, s 4 h.c.'Wtn.da .
Nova a 1G, h. i!> m. da t,
Cresc. a 24, s 9 h. e 4 m. da m.
W1IAMAR DZ HOJE. t
Prlmelr* a 1 hora 8 minutos da tarde.,
Segunda a 1 hora 42 minutos da mano. .
o Sofcmbro N. 2!5.
JPBXCOI DA SUBSCRIFOio.
Por tres me/.es (adnUdot) 4/000
Por seis mezrs 8/000
Por uiu anuo I,"i#iu>
m
das da emana.
24 Seg. S.Geraldo. Aud.do J. -dos orf. c do ni. da
1. ara.
2j Tere. jj. Kirmino. Aud. da chae, do da I. J. v.
do civ. e do dos Cellos 26 Quart. S. yprianno. Aud. do 1. da 2. v. doclv.
27 (.luint. S. Cosme c Damin. Aud. do /.dosorf.e
do ni. da 1. v,
28 ext. S. Venceslao. And. do J. da 1. v. do civ.
e do dos fcilos da fazend i.
29 Sab. S. Miguel Archanjo.
30 D.un. S. Jernimo.
CAMBIOS EM 26 DE SETEWBBO.
Sobre Londres, SG'A d. por 1/000 rs. a 00 das.
. Pars, 370.
Lisboa, 110 por cento.
Oero.-Onca* hcspaiihors......... 31/000 a 31/T^lO
Mo.das de (>/100 velhas.. 17/000 a 17/I0U
. de (i/400 novas.. Hi/O a ltfTnn
. de 4/000........... 0/400 a 9/lon
Prata.-Patacesbrasil.iros...... 1/jtiO a 1/980
Pesos colmnnai ios....... 1/W0 a M00
Ditos mexicanos......... 1/00*>a I/1-1"
PAUTE QFFIC1AI
Comnia mi o da pra$ Quarlel do rommando da praca no enfade do
Red fe d Pernambuco, 20 dt lelmbro de
1849.
ORl-EM l>0 DA N. 37.
Faco publico pra conhecimento da guar-
nieflo e execueflo da parte de quem pcrlen-
eer. qoooExm. Sr. aresidenLe da provin-
cia communicou a este commando cm ofl-
cio d 17 do rorronte o segunle :
|. Que ror drerylo do 17 le agosto ulti-
mo, communcadem aviso da reparcilo
da guerra de 20 do dito mez, houve S. al.
o Imperador por bem notnear caiellSesaos
padre Joflo Cando Vericimo dos Anjos e
Venancio Flix Brrelo, este para o segundo
regiment de cavsllara ligeira, e aquelle
para oqusrlo da mesma arma.
2. Que por imperial resoluto de 16 do
referido mer, segundo a partcipaeflo feita
em aviso da mesma repatlicflo de 20, leve
passag-m para a lerceira classe dos otTicites
do exercto.na forma das disposigocs do arl.
*t 2, n. I do decreto do primeiro d dezem-
ihro de 1841, oSr. alferos do primeiro bata-
! linio de caradores Jns Alvos de Souza.
S.'QueS. M. o Imperador em aviso da
mesma repartido datado de 22 do referido
mei.de agosto prximo lindo, houvo por
liem prorogar por dous metes com sold
simples a licenca com que foi a corle o Sr.
ItMionte do oitavo balalhflo do caradores
Carlos Cyrillo de Castro.
Finalmente.o mesmo Eim. Sr. presidente
em cilicio de 18 do correntente commun-
cou que S. M. o Imperador por aviso da
mesma repudenlo de 21 do citado mez,
houve por bem conceder ptssaaem para o
corpo lixo do Cear, ao primeiro cadete
segundo-sargento do primeiro balalhflo de
caladores llufino Voltaire Carapeba.
Os Srs. OtUraes ltimamente promovi-
dos, e cojos rorpns se acham fra da pro
vncia, I|cam adili los ale seguir o seu des-
tino, a saber : os da arma de arllharia, ao
segundo da mesma arma, os de cavsllaria a
companhia flx, os de infantera pesada e
ligeira ao segundo de caiJadorsT
0 Sr. cap tilodo quarto batallifo de arli-
Iharia a p Francisco Carlos Roeno lies-
cbamps, contina no exorcicio-deajuJante
deordensencanegadoao diluir.
Assignado, Jote Vicente de Amorim Bezer-
rj, coronel e commandante.
impostos ; a guerra do Caucaso hoje mais
vigorosamente sustentada e mais directa-
mente ligada aos interesses polacos ; emflm
a Polonia mesmo, que nunca excilou mais
inquitateos, a pe/a r lo sen desarmamen-
to, silo motivos de preoreupar.no assaz gra-
ves para que a Russia nflo venlia desenvol-
ver sobre a scena europea um desses exer-
citos fabulosos que a imaginado magyar
descobrio e venceu.
Sim. oexrrcito russo sente-se incommo-
dado f'a do seu paiz, e he por isso que nlo
Iriii a menor pressa de se empenhar na em-
preze gigauteseu de restabelccer a fortuna
do velhns gabinetes abalados Por que
Itohemia e nos paires slavos que o rodeam,
sois ou sete milluV.s de homens para quem,
de gerKflo em geraQo. de hn seculos, a
Allemanlia nflo cessou um s instante de
tratar prior que um paiz estrinseirri, para
quem um Allemfu he sempre un inimigo.
Tudo o quo a Bohemia conserva lo verda-
dera existencia nacional est as suas
crenQss hussitas, nessa protestaeflo sempre
viva da sua nacionalidade slava oppfiTtld*
contra a usurpadlo di igreja romana assim
cotio contra a dominaco allemfia. He
esseo laQO que a une a todo o sen pasadlo
de luan deglori', eheesso tambem o ln
que poder* ligar um dia os Tcheques Bohemia a scus irmitos do Oriente. Sflo se
motivo, pnis, hn a Ru'si* formidavel, e por
quo motivo somos nos os prime i ros a quel- poleria insistir demasiado sobre este ponto
xa r-nos, a assuslar-nos da sua intervehco porque silo precisamente essas reminiscon-
na Austria? Porque, contrariamente opi-jelas sympathcas da igrojado Oriente,sito
niflo recehida, se a ffirqa material dessa po-Jessos retrocessos para a anliga fe de quo o
leticia rsl muilo ahaixo da sua fuma, sua bussilismo, no sen lempo, nflo fot .senflo
influencia moral he urna das maiores do urna exnross.lo impcrreita o tlosligurada,
mundo, e porque lia circumstnnciasem quo o ciar, com urna palavra do liberalismo na entre n Polonia e a Bohemia, enlro a Bolin-
bocca. pcMlfscduzrearrastarcomsigouma mia soffrenilo mo grado sen o jus?o la
ra;a inleira de povos cuja reuniHo seria for-;communidado orcilenlal, e esta Polonia
mdavel. Quando dzemos que o impera- faceinsimenle Mthnljea, sectaria fantica
EXTERlOh*.
CIIRONICA DA QUINZENA.
A intavttic'io da Rutiia not negocios da Kut-
Iria. I'antlaviemo. Inglaterra e suas co
tomas.As ithas Ionios.
( Continuacilo don. 213.)
Jdissemos.e nunca repetiremos demssi-
doquea llussia nflo intervem nos negocies
da Austria rom o ardor militar que se Ihe
suppfle pela sua reputacio Jecoloaso. De
. hn mullos mezes que a intervencflo nos he
liaran eolo annunciada romo um fatlo
consummailo. A acreditarmos as noticias de
reloa'jornses, duzenlosrril homens teriam
desembocado pelos mais csUcitos o as-
peros desfiladeiros las Karpalhas, seguidos
de nflo sei qno numero de horcas de fugo.
Como se pode pensar, osMagyares.por meio
!c marchas fabulosas e prodigios de ubi-
quidade; sahlram-lhes ao encontr ; o Bus-
sos foram por toda a parte balidos, ctmnga-
dos, a ponto de nflo restar driles vestigio
algum. Assim he que se torna nimiamente
difllcil encontrara bandeira russa em qual-
quer poni !o territorio hngaro. Kis a
i'X|licarflo que os Mapyares se dverlem
a dsr da lePtidOocom que a vanea o gxetci-
lo russo. O que be verdade he que os Bus-
sos anda nflo npresenlaram combate serio,
que apenas so acliam boje em linhs, e que
nflo leem pressa de entrar na li.lc. Nflo he
sem um esforc.o laborioso o (envel quo a
llussia tira do seu seio oserntn ecincoenta
p>il homens que deveriam ha tanto tempo
rslur arampados as margeos do Danubio,
e que nflo rhcgam l senflo em pequeos
corpos e para ataislirem de bracos cruzados
a um trvez do nevo gencial eoi che fe aus-
traco llsynau.
Carlos Xlf*. repcllido para Bender, e Na-
poleflo, expulso de tloseow, mustram sulll-
cieiilemenie, por rasas calaslrophes de las
rundes fortunas, quaulu a Bussia he solida
na defensiva. S revoluQo sahindo do
solo completamente armada, podera lafvec
lomar cuntas Bussia na. Russia mrsmo, e
a revolufiio, que sem duvida muto esaia-
a orguer o eolio, foi por previdencia o-
biramenledesitrmada. A Uussia.pois, nflo
lio atacavel seuilo | of uma goetra que per-
imtusse Polonia srmar-se, sublevar-seo
quebrar ojugo da conquista. I'orem trans-
ponha a llussia a sua fronleira, que perder
todas as tufes vantagens : a muto custo tri-
umphouellalda Turqua emV828,no momen-
to cm que esse eslado, ontflo vacillante, era
ielima das insurreicOes, e nflo tinba anida
xercilo quo podesse substituir osseus Jas1
nizaros. Eni 1830, qOando os governos ab-
olutosprojecuram formar urna nova coa-
Llisilo contra a Francia Bussia offerecia
apenas rento e oitenla mil homens, cujo
aovimento foi em breve peralysado^ela
uurreii;flo polaca. A immensidade do im-
peli, que nfludeixa de exigir alguma vigi-
lancia desde que os camponezes russos ou-
vem todos os
lor da Bussia pode assnciar aos seus inte-
resses intercsse muito numerosos, nflo en-
tendemos por isso de forma alguma os do
uma nova santa allianfa de reis, que te
lornou impossivel pela dosorganlsaQIo da
Aust'ia e da Prussia ; temos em vista os das
popularles com que a Bussia tem alTinMa-
des debaixn do duplicado aspecto da elhno-
graphia e da religflo. O gabinete russo co-
nheco bem esse grande instrumento da sua
iinhiQan ; os viajantes quo se acercaram
por qualquer lado aos paizes slavos viram-o
trabalhur, e romquanto o meio mais segu-
ro de julgar imperfeilamenle a Bussia seja
de beque.ilar o inun lopfllcial deS.-Peteis-
burgo, a diplomacia russa, dominnda pela
frca das cousas, deixa por oslantes, a seu
pozar, man i Testar-se o seu srgredo. Pode
j notar-se o myslicismo do manifest do
imperador, chcio de reticencias inteilegi-
veis s para as populari s slavos. lima in-
discrigflo hbilmente calculada pz em cir-
culii;fio nns salOes diplomticos da Allema-
nha um documento simi-olcial, que traz
sobre a poltica latente do czar, alm de
novas considerarles mystcas, algumas lu-
zes preciosas o le cor original, lio um es-
criplo que tem i or titulo Se mora apresentn-
da ao imperador Nicolao drpois dareculucSo de
ftvereirn, por no usio, imprecado superioi
do minittirlo dos negocios eslranijeiros. Vm
atiligo d( lmala, o Sr Paulo do Bourgo-
ing, achou esto escriplo na Allemanha, e
dcu-lbe cm Franca pubHcidade 'o um pe-
queo humero de exemplares. Pela nossa
parte, vemos nelle o manifest mesmo do
panslavismo moscovita e a Ba frmula, se-
nflo clara o precisa, ao menos esbozada de
maneira que a torna palpavel. A Bussia,
diz a Memoria, he antes de ludo o imperio
clirislflo ; o povo russo he cluistflo, nflo s
pela orthodoxia le suas crenras, porm por
alguma cousa mais intima anda que a crti-
ca : he poressa faculdadede renunciaeflo e
le sacrificio, que he, por assim lizer, o
fundo da sua natureza n oral. A revolurflo
he antes de tudo anli-cbristfla. O espirito
ant-cbrslo he a alma da revoluto : he
essooseu catacter proprioe essencial. As
formas le que necesariamente so reveslio,
as sentas que alternativamente adoptou,
luda, ate suas violencias eseus crimes, nflo
foi mais que accessorio e accidental; po-
rm o que o nflo he, he o principio anti-
cluistflo que a anima, o foi elle tambem*
forcoso be dize-lo, quem lile valou o seu
terrivel podOr. Quom nflo coinprebeudc
istb assi>le como cgo ha 60 anuos ao es-
pectculo que o mundo Ihe offerece. Sem
adoptar em todos os pontos esto juizo, nflo
se pdeacha-lo desprovdo le profundeza,
ese M. de Maister nflo professasse opinifo
diversa sobre a orthodoxia russa, nflo so
houvera expressado do outro modo. Da
reslo, o autor da Memoria prev cssa obri-
gaCilo, o por puuco nflo aecusa altamente a
gri'ja latina do impiedade flagrante, de
apostasia vergonhosa, por ler, dentro de
cerloa lituiles, pnctuado com a revolucflo.
Nflo ha senflo um governo ; que ligo ? nflo
ha senflo um s homem *:i toda a Europa
que tenha tido intelligencia dessa siluaeflo
moral; esse homem he o czar. He por-
que, anciana o diplomata com o accento da
conviceflo, lie porque havia felizmente m-
bre o Oirtino da Bussia uta oberano eiit-
quem a IdeU russa su lintiaHticarnado, e
porque, no estado aclual do mundo, a i.deia
russa he a nica que esta u dula ppsicflo
assaz afastada do foco revolucionario para
poder apreciar sabiamente os relos que ah
se produzem.
Depois le chamar sobre a Franca a indig-
VB5io dospovos civilisados, he cotn a Al-
lemanha que se bavem o escriplqr pansla-
vi*la. a Allemanha tem nflo somenle a
desgraca de ler cabido em profunda anar-
chia por ler abracado o principio revolu-
cionado ; he culpada, he ingrata para com
a Bussia que a salvou cm 181*. A Allema-
nha. ser punida, porque em breve so re-
ronhecer que a nica probabilidadc do uni-
dade sena e pralicavel para esse paiz de-
penda necessariamente do systema poltico
que acaba de abandonar, quero dizer, do
sysb'iii.i russo.
"Vpor outra parte, questea mais graves vilo
surgir, cumplicacOes terriveis nflo tarda-
rflo a nascer sobre toda a fronleira da Al-
lemanha, e heaqoique a anemona, depois
de ler estabelecido os principios que aca-
bamos de indicar, assume a sua vcrdadcira
do occidente e sompre traidora para com
os seus. Tal be a Iheso sustentada com
eleito pelos panslavistas om materia reli-
giosa. Para elles a igreja oriental, o espi-
rito oriontal, sito as vordadeiras tralicd>s
nacionaesdos po'vos slavos. Os prime]rol
ensaios dasua civijisaeflo, seu futuro, tola
a sua vida moral, estilo no chrisli^irsiiio do
Ortenle, 'le que a Bussiahe o sanctuario e o
czar o pontfice.
A grande exprobmeflo da propaganda
russa aos Polacos, aos Croatas, aos Rama-
las caos lllyrios, he o chnstanismo latino,
ho o espirito occidental a que esliio ligados
por sua historia o por seus goslos. Em
compensaeflo, com quo ternura nflo falla o
escriptor russo los slavos orllioiloxos la
fronleira austraca e la Turqua .' Nflo re-
sistiremos ao prazer de urna ultima citaefto
que nos parece dar, melbor aiii la que qual-
quer outra, overdadeiro sentido la inter-
veneflo russa na Austria. Sobre tolaessa
fronleira militar, cujas tros queras parles
so compOem de servos orlliodoxos, nflo
ha uma cabina de colono, segundo dizem
mesmo os viajantes austracos, onde, apar
do retrato do imperador da Austria, se nflo
veja o retrato de um outro imperador que
essas racas fiis se. obslinam a considerar
Cono o nico legitimo. Demais, para que
ilissimulalo ? He potico provavel que lo
dos esses aba los de tremor de Ierra que
agitam o occitlente paiem no limiar los
paizes do Oriente ; e como seria DOSSlve
que nesta guerra a lo lo o transe, tiesta cru-
zada de impiedade que a revolucflo, j se-
nhora daslres qtiarUs parles da Europa oc-
cidental, prepara ,1 Bussia ; como seria pos-
sivel luc o Oriente chrislflo, 0 Oriente sl.ivo
e orlhodoxo, cija exstenea est iidisso-
luvelmenlo ligada a nossa, nflo fso im-
pellido comnosco para a lula Tal vez seja
mesmo por elle que a guerra comece, por-
que he fcil prever que todas essas propa-
gandas queja o Bgllam, propaganda catho-
lica. propaganda revolucionaria, todas op-
poslas entre si, porem reunidas cm urr
sentimento de olo ronimum contra a Rus-
sia, vflo ago a por mflos a obra com mais
ardor que nunca. Pode ter-se a certeza de
que nflo.rcuirflo liante Ij cousa alguma
pira chegarom aos seus fins. E qual seria,
justo co 1 aSOite de tolas essas popula-
cOs, christflas como mis, se, expostas cono
ja estflo a lodas essas infidencias abomina-
veis, a nica autondadequo invocim as
suas oracoes virsse a faltu-lhes em somc-
Ihaute iiiomcnto N'uina palavra. em que
horrivel confusflo nflo caliinain es.-os puzes
do Oriente a bracos com a revolucflo, seo
legitimo soberano, se o imperador orlho-
doxo do Oriente lardasse anda muito lem-
po a apparecer all!.... Ha cousa mais cla-
ra Na situadlo mil VMOS lamonlavel que
a oppressflo magyar e a imprudencia do
gabinete allcmflo" do Vienna lizeram aos
slavos da Bohemia e da Hungra, o mpe-
railor intervem para prestar auxilio e soc-
corro a irmflos slavos, a correligionarios.
Apreseiita-se a elles, nflo como cainpeflo do
poder absoluto, mas sim como prolector
natural do principio slavn na Austria, mui-
lo feliz por esse principio nflo se ter podido
constituir sem o seu concurso, o muilo al,
lento a que, mesmo pela sua tardanca, sill-
eta os Servos, os Croatas, os Trinque,
toilo o pri-co loapoo que Ibes Iraz.
F.is o perigo que mais que tudo recciavam
aqurlles quo queriam uma Austria cons-
titucional e federal, em que os slavos, suf-
fleianles por si meamos, longe de verom no
imperador da llussia um adiado necessa-
rio, o tcmesseni naturalmente como un
inimigo. Eis o que os liberaos de Franca
nunca souberam cumprebendrr, por lerem
os odios sempre oIRiscados pela queslflo
da Italia e pelisdcctainacOes los Magyares.
O verdadeiro iiileresse diidomatioo da Fran-
ca era em Conslantinopla e Vienna, onde
deveramos, se preciso losse, sscriliCiy um
pouco da impaciencia denossos instinctos
democrticos a esse gran lilirio europu posto hojo cm, perigo pela
propaganda russa. Sim, o primeiro ntc-
lesse da Franca ca mulo menos fazer de-
sabrochar domocracias e nacionalidades
em eslufas, do que afastar, repsllir para
longe do occidente a aceito'da Bussia. Era
possivej fa/-lo diplomticamente: nflo
quizeiam. Abandonou-se, pois, a Austria e
a Turqua aos Russos; atrou-se-lhcs aos
bracos uma parle das populaces slavas.
Pur isso dizomos que se rmou a Russia
"".,"':;... Csnimcra-se diz Por isso dizomos quo se armuu a nussia
exercito, que tifio ho tflo temivel como mui-
(a gente er, tememos a exlensflo da sua
influencit, infinitivamente mais activa o
mais poderosa do que se pensa.
A Inglaterra nao se resente no interior da
emocHo prodiuida na F.iiropa pelo espirito re-
vnlucionario. As doutrinas dos whlg piidem
ter estado algumas vcies em contradieco com
as dos lories sobre a necrssiilade le reformar
urna ou uulia parle da coiistimicao ; porem
raramente difieren subre o principio histri-
co dessa conatituic, e boje os whigs, autores
la rrfrina parlamentar le 1812, nao sao imi-
to menos solcitos qne os torios cm repellir to-
da a proposicao que tenha por alvo ampliar
essa reforma. A cmara doscommuiu deu re-
centemente urna prova lisso a M. lliinie. SI.
Hume pedia; primeiro, a extensao da liberdade
eleilora!; segundo, o segreito do voto; lereel-
ro, a Iriennalidatle do parlamento; quarto,
urna repartidlo mal equitativa no numero dos
representantes de cada condado. Acharam-se
82 votos apenas contra V68 para apo:ar essa
mocao. Ksta votaeo deixa poucas esperancas
a quem quitar presenlemente f.7.er-se patrono
de uma reforma poltica. N.io, as Idelas abs-
tractas, as lumtvaefiea segundo o ideal nao sao
a prrocciipacn di Inglaterra. Na sua inoci-
ilade, o Sr. Ouizot enmparava, com multa ra-
san, a lt(-laterra agola que, cnni as a/.as
dobradas; construe, repara, cmbelleza o sen
nintin, c/i'sdenha ollar o voo para as reglMs
do sol, Voriui ,se a IqglaWrra nao tem como
ns pTetcncfto de se ter elevado contempla-
cddas verdades eternas e de ter renovlos
tentativa de Promedien pira tra/.er huiiiani-
ladeo fog.i a luz, a vida, a vcrdadcira liber-
dade, esse grande paiz posma em compensa-
c'io um senlimrnto precioso que nos falta lia
t unos anuos, o senlimento la lega lid de, o s n-
tiuieiito |ioltico, a dedieacao. o cspiriio de aa-
crillcio. He por essas virtudes, ao contacto
das |iiacs se lorni.iin os homens de estado,que
a cousliluiciio ingina, tan defeituosa, lao in-
justa em tantos pontos he anda suOi.ieote
liara moderar as exigencias polticas do parti-
do radical e para bem governar Ora, a me-
lbor constituicao, di/, lord John Riissell coin-
batendo a mocao le M. llunir, lie aquella que
pdc assegiira'r ao paU o incllior governo. |
Na realiiladc, as preoecupaces lo gabinete
whig sao antes adniiiiislrativas que polilicas. |
'uestoi'S de marinha, quesloes de caininhos :
de ferro, |urstoes le impostos, qucslao eter-
na do pauperismo, tal he o objecto principal
d.n debates do parlamento, tal he o objcclu
principal dos debates do parlamento. Asques-
trj coloniaestomaram tambem, le ha alguns
mezei, urna grande cstciiso. Depois das vi-
cissiludcs militares que inolivaram a retirada
do vrlho general em cliel'e lo exercito das ln-,
lias, lord oiigh, cm proveito laquellc que
se concorilou em chamar < licrde do Scinde, I
sir Charles Napier, protegido do duque de
Wcllingtnn, a victoria lornou a alistar-sc sb ,
as bandeiras le lord 6ough, c o novo general
em chele pdc receber cm caminho essa notl"!
cia. Fssc negocio domestico desapparree ante
a importancia do successo*. o reino de Pondjab,
objecto de tanta cobica, foi posto, pela derro-
ta dos Sykhs, as lilaos da Inglaterra, e pre-
tende ella domiua-lo de faci e direito, como
.i o domina va pela sua Influencia. O soberano
do Pnndlab he oHicialmente desapoSsado. e a ,
annexaeno desse reino s possesscs inglesas j
proclamada. As fronteiras do imperio britan-,
nicn na Asa siio,pois,levadas pelo occidente ati j
ao Iuilus Os proprios Afiliaos, desanimados
vista leste desastre dosSjklis, retroceder!
sobre Cabul, tendo por un lea foi luna a vanla-,
geni le adiar o caminho desimui'ilido na su. ;
relirada. O gando de, pois, inmenso, quanlo ;
ao presente, para a Inglaterra, pois que lan-
do -llio um vasto c rieo territorio, a batallia de
Goudjerol parece asscgnrar-llie a paz por par-
le das populaciies que cram anda capazos de
a Inquietar.
Sobre outros pontos do imperio, os acontec-,
meatos leem menos eitrondo, sem careceretn
cointiido do importancia. O inovimoiilo libe-
ral adquiri um certo vigor cm algumas das
colonias, na Govana e na Australia, que se prc-
tenile dotar coiii uma consliluicao local c mu-
nicipalidades.
No Canad, a rivaliilade las racas que tantas
vezes foi motivo de discordia, ciivoneiiou-se de |
novoeproduzio no lini de abril la parle dos i
legalistas, ou, se quizerom dos lnglezes, nina
sublevado que a prudencia e firmeza do go-
vernador, lord Klgln, anda nao paralysaraui
completanienlc. No primeiro momenlo o sus-
to foi grande, o poder legislativo levo de sof-
frer una especie de 15 de malo, o parlamento
fui incendiado, os insurgentes viram se por al-
gur tempo senboros lo terreno. A forca pu-
blica acaboii por dominar o tumulto i poroni,
ceaaando de ser vilenla, a agltacio tomou-se
consliliieioiial, e parece dever prolongarse.
O pretexto de ludo este barulho do partido n-
reltoque nao he apoiido sobre a fJrca arrisca-
se muito a serumdireito Ilusorio, c nessa rir-
cumslancia mais quo em qualquer outra. A*
ildas lonias, passando para o protectorado d.i
Inglaterra, pareriim estar as alturas logo
verno consliliiciooal. A vida municipal enli-
ga, e por assim lizrr innata nesta rac.1 delle-
iica, as relavVs dirortas a seguidas das libas
rom a civilisacao do occidente, as preparavam
para o exercico das liberdades consiilucio-
naes. liupondo-lhes o sen ptoterlorado, a In-
glaterra outorgon-llies lima leglslaciio polti-
ca ; mas era urna dersas constituirnos hbil-
mente coindinadas que da liberdade niio dao
seno a snnlira Nem liberdade le imprensa,
nem liberdade eleiloril O sentiniento ilfinn-
eratico excitado pela v/inlianra da Grecia
emancipada, o senliuiento nacional desenvol-
vido pouco a pouco ao enmielo do lodas as
ideias que tendem desde inultos anuos para o
exaltar, acabaran! por arrancar ao* Ionios p,v
lavras de descontenlamcnlo. Quei iam nao sa-
cudir o peso embaracosp do protectorado, mas
si mi participar ao menos das vanlagens cons-
llliioionaes da potencia proteclora. Tina sup-
pliea muito sensata emulte viva, eaoripta por
zini joven advogado de <'orfi, o Sr. /.amlielli.
0 dirigida ao conde ('.rey, formulara, desde O
anno paseado, as qUelsai e os desejos da popu-
laco ionia. O governo acabou por conceder a
liberdade da imprensa, O paiinCo tardou n
user della : debaixo lo titulo signilio.ilivo dr
Perii, Corf vio nascer um jornal le opposlcao
nacional em gre^oe em fraocez.cujoalvo prin-
cipal he a llbrrd ule rleltorat. F.sta ultima liber-
dade lo poder agora fazer-se rpcrar multo
lempo, nevemos reconhecer todava <|iie,con-
cedrmlo novas franquezas s Ibas lonias, da-
ar-ldes meiosde uescnvolvimenlo do que, com
i ardor prop io sua raca c o seu patriotismo
helleoicu, nao deixaram do ,i|iroveitar-e. 0'!'"-
rerao a bom direilo associar-se de mais porto
civilisacao nasernte e aos destinos polticos
do reino di (recia, e, se a Creca loma*** mais
forca*, poderia dabl oreasionar-se urna gran
de queeiSa para a Inglaterra. Kottetaoto esta
grande potencia, tranquilla no interior, apo-
rarda miseria dos povos, pela f.'nea maravi-
Ihosa de suas tradiciies e lo seu espirito publi-
co, forte no exterior c Influente pola aclivid.i-
de, hom sonso c resoluco da sin diplomacia,
assislo, sean com limita franqueza, ao monos
sem flaqueza, ao espectculo da universal api
tar^o da Europa:
/Irme Vi llcux-Vomlei.'
elle, que no seio mesmo
ie os camponezes russos ou- ene, que iiuwi <-""",,;. ""- ,ilsem nos imporlarmos
das Aliar de abolido doslcuja unidade se sonhs, havis,nowile de|sem nos impon!
muito com o seu
9a ao partido inglez. pois que. segundo 01 al-
garismos olbciaes, apenas a terja parlo da po-
pulaco befranceza, ca igualdad.- dos privile-
gios d assim a preponderancia conslitiici nal
raca ingleza, o bil volado linha receliido a
sancfodelod l-lgin. Os facciosos subleva-
ram-sc cm iiomc da inclropolo, como se seus
interesses tivesscm sido sacrilicados ao partido
franco/. O governador nem por iiso fraqueou.
U ministerio nao poda deinilli-Io sem dar ra-
san aos facciosos contra os podere conslitu-
cionaes quo legal e equitativamente votaraui a
indeninidade. Lord Klgin fica, pois, ao seu
posli para fazer respeitar a le. Felicitando o
governo ingle* pela imparcialidad!' com que
upoia una poltica equitativa, deve reconhe-
cer-sc i|ie a rivalidade das rafas no Canad he
uma anliga pendencia que nao acabar lo de-
pressa.
A Graa-Bretanha nao he smenle a metropo-
le de vastas colonias, exerve tambem cm ou-
tros lugares e*sa especie de uzerania que se
chama em direilo de gentes protectorado, po-
der dilcil de dcliuir o susceptivel de_ prestar-
le a todos os abusos. Tal he a siluaco feila a
Inglaterra, a icspcilo das illias lonias, pelos
tratados de 1815. A propenso ualurai e fatal
do protectorado he de iransforniar-se em do-
minaeo real, cm plena lobcrauia, de modo
tal <|ue proteger equivale a mor parte do tem-
po a hiiiiiilbar, a ler o estado protegido em
uma condicao de impotencia absoluta. Km
vo os tratados terao estipulado bellas garan-
tas, em vo o suiei-ano tei accreiccnlado as
' promessa* s convences escripias ; lodo o di-
ANCOI.I.A. .
Illm. S-.No lia primeiro do porrn! 1
fon le'.u nesta Babia, o brigue le guerra
nacional i'onro trozendo a seu bordo 93 co-
lonos c no lia il a barra brasileir Tnitnti-
va-Ftli: rom ll" colonos do ambos os se-
xos 'c lo todas as idades Osprimeirosdei-
emharcaram no dia 2, n os vindos na barca,
ilesemba raram : OS raoazes SOlteiros.no
lia e as familias nos lias 6 o 7. TTo.los li-
caram oommodamonlc alojados, os rapi-
zes no barrado, muito i larga 6 ss fami-
lias cada uma om sen quarlo, no lugar que
mostr) a S. Es. o governador geral, estilo
muito contentes o dizem quo nflo espora-
va m adiar tantas proviiloncias. Toem-se-
Ihes sati-feto a todas as suas pequeas exi-
gencias, no quo tem sido possivol. Kilos
inerocem queso tenha COn8ler*<3iOcomes
suas commoJilad's, nflos.i porque osla^
silo as orden.*) de 8 I'.*., mas porque je leem
comportada multo bem o executedo as psa;
videooias pnliciaos que Ih'S onionei. Nn-
neeiu'm ebefe ( clcilo por ellos ;, este la-
me parto o responde-me por qualquer llovi-
da le. Alt'- agora nflo Ion havido a mais pe-
quea dosordem.
A colonia he.com posta do 02 mancebos o
23familias. Entra osrspjrtea urna grande
parte tem educacSo 00 roslosflo opera-
rios de tolas as proBssfles. A colonia n
met ver, vem perfeiUniente bem niontadi
o minio se levo 110 seu director Rcrnardi,
no Froiro lo Figueirodo Aben o Castro ;
nflo spelo tino conque a.soubo pomno*-
m.is pelesdifliculdadei que a sua tenacida-
jo vonceu
Vem para a colonia :1 machinas de engo-
nhos de assucar, ferrugons e mais perten-
c.os tudo em abundancia o nrnmptas a mon-
larern-se logo que liaj casas para ellas.
Estas machinas junto i) immons bagagciii
dos colonos, seria 11 ma descarga paradnos
mezes, a niio ser a oooperacAo o boa vqn
lado lo coinmandanto do brigue IM-iro n
CSpilflU do fragata Vicente lose dos Santos
liueira l.ima ; visto os poneos meios que
e n esto eslabelecmento, que todos leem
ido empregados, para este li n por n dom
lo major commendaqU Joflo Francisco
Gsrcia Morcira. Continuando a empre-
girem-se os meamos esforcos he d espe-
rar que a barca em vinte lias lera loscarrc-
gado. .
Junto adiar S. Ex. um nuppad colo-
nia,nflova pe. eto por sor tirado prega,
mas na primeira occasiflo remelterc outro
mais lia* organsaJo
Termniere esto ollicio dizendo a \.s..
que o da 5.le agosto foi um da le ver.la-
lciroo sincero reg.izjo para a pequea pn-
vosefln le Mossamedes ; foi um da do resta
nacional O brigue Ooiirosalvou, guando
os colonos desembsrcaram e a fortaleza
quando elles sallaran! om Ierra ; os mora-
dores saudaram-os com algumas duzas do
roquetes. Os colonos viniiatn acompanhn-
dolpelo commandante e mais ofliciaes do
brigue Uouro, do director da colonia, oa-
pilflo da barca Tentativa, o o seu consig-
natario o mais possoas que so Ibes fran
reunindo, ndo-lho ao encontr o comtnau-
lauto do eslabelecimcuUi, alguns mora-
dores e cu. Os moradores de Mossamedes
receberam os colouos, como qucrn recebe
hospedes, amigos c irmflos tflo uteis: I'or-
tuguezes quo ugindo a uma persoguieflo
ingrata, vocm regar com o seu suor as fer-
iis e incultas Ierras da frica.
Iteunidos os colonos cm frente da sua
casa u coinmandanto do brigue dou vivas a


4-
eras
as
S. Magestadc, a rainha, a el-rei, raniiliB
real, ule. Poneos momentos depois, colo-
nos moradores, soldados, autoridades, to-
dos estavain confundidos uns com os ou-
tros, lodos contentes, todos cram portu-
guezes.
neos guarde tV. s. Uotasmedea, n de
agosto de 1849 lllm. Sr. Francisca ioaauim
iln Co%ia t Silva, secretario geral do gover-
no.Jcs Hercutano Ferreira de llorla, ma-
joremcommissffo.
(Boktim Official.)
II'AI!) BK PMMlhKO.
BBCIFE, 26 DE SCTIMBRO DE 1849.
Pela barca //ra.riue.procp.lenlodo por-
to de l.isba.chegou lioj ao dcsla cidade com
JtOdias de viajero,recebemos jornaes portu-
guezes que nlcancam a 25 de agosto ulti-
mo, nos quaes colhmos o seguinte :
l'orhtgal,
F.stn reino ficra em plena tranquil'iila-
do ; sendo que nada transpiava que conKr-
irtasse a noticia de dcsintclligencia dos mi-
nistros-, dada pelas gazelas nglezasqiic. nos
trouxc a burea F.ik, e do que fallamos cm
o Diarion 900: ao contrario, os aclos do
ministerio indicavam quoellecstava cani-
paeto.
A 'ir, dia do nomedoS. M Fidelsima,
liouve no paco de Cintra um esplendido sa-
rao qiiH teniiiioii meia-noile, eaoqnal
roncotreu a Horda nobleza luzit.uia, bem
como a maioria rio corpo diplomtico,
Tinliam ralli'eido o concelheiro Filippe
Ferreira de Ara ojo e Castro o o dcpulado
Antonio Jos dosdleis.
Ilespanhn.
Rcinava socego em lodos os pontos do
paiz.
Corra geralmenle que liaveria modifica-
Co mini-terial, dallando (Ion a pasta di fa-
zi'iflaqiie, segundo uns, pasearla ao daqua
de Valencia, e, segundo otitros, seria Con-
ftada ao duque de Sotomavor, ou n Herirn
*le Lis.
Maneha achava-se inteiramente livre das
quadrillias de ladres que ltimamente a
iiifeslavam.
Chcgra a Barcelona, e fora acolliido com
grande ratisfecffo, o conde de la Hornera,
que ia eiiCarregado de negociar sobre a ma-
neira ds por em excruqiio na Calaluiiba a
ii-1" iii.-i das puntas.
Iiesinlelligencias onlre os niemb'ros da
municiplidade de Barcelona por ceusi do
reerulhini-nlo.deram lugar que o capilflo-
general do respectivo principado dissolves-
se aquella corporacSo, nomcando logo ou-
Ira para substitui-ls.
Fra notavolo afn com que se apresen-
t a va m a gozar da amnista os individuos
t|iio ella poJia aproveilar, entre os quaes
rontavam-se o bem condecido chele cen-
tralizo I). Victoriano Almclrer e o brisa-
iiiro do excrcito carlista Clemente (la-
drazo Escalera S pelo ponto de Junquera
.'diz o Diaria do Caverna de Lisboa, com re-
ferencia a folhas ile Madrid al lOde agos-
to) linhan entrado, as ultim.s semanas,
1,800 desle individuos, inclusive o soe-
ra I Burl, o brigatleiro carlista Oslan, os
brigadeiios republicanos Italdrich e Itenet,
ele coren cis, cinco tenentes-coroneis,
tiinla ecinco majoies, ciueoenta e cinco
capules, ote
A depulacflo provincial de Castelln dc-
pozera as mflos do capitflo-geueial do Va-
lencia, I). Juito Villalonga, urna espalado
honra i|ie a provincia Ibeoirertra por te-
la elle salvado dos lioiroresda guerra civil
nao menos de duas vezes.
iniiuiiiado de (|u os Muuros se prepara-
vam paia invadir Melillu em frica, o go-
verno bespaubol lizo.ta marchar para alli
una forte expedicSo A noticiadeste acto
enrgico fofa por si s sullleienle pura que
os Husmos Mouos relirassc.n paite da ar-
liluaria que conserva vara em frente da-
quclla prsca.
Franca.
ISa -i s..ni de 10 de agosto da assemlda le-
gislativa (refere a gaieta queja rilamos] l.ou.
ve un iiicidenle desagradan-I. Tralava-se de
conceder a licenca pedida pelo governn para
serrn piocrasadn* |>or drlicto de Imprenia
.Mrs. Sommier e Richardet, representantes do
povo. Ambos estes individuos advogaram a
sua prop i.i causa com mata ou menos lllude-
rar.no. Pareca j terminada a dlsciuaao, (Mian-
do r. imiouia, inrinbrii da inoutaulia, pedio
a leilura do artigo accus.nl.>, <|iic cnntinlia
nina philipplcn ao presidente da repblica.
Observi.u-sr nrssa occasiao un iiioviinento tu-
iniiliuuso nos bancos da iiioiitanlia, dando a
Islo causa O ter Mr. Pedro ISapoleo esuoletea-
d(i a Mr. (asiier, por ealr haver chamado ues-
ii.i a preaiilrotc da repblica. O presidente
da aaseuiMa proceden contra estes dous te-
presrnianlr. leudo o primeiro driles pedido
perdi ao corpo legislativo, di/endo que se
perturbara com as inslenles rxpresses com
que Mr. G.iMier tratara un uiembro da sua
r.niiili.i. A mijos frain presos pelo llirsino
presidente, e logo sollos com llanca.
Menos indulgente do quo as monarchias
para com aquellas que InsolUm pela im-
prensa ao diere do estelo, a repblica fren-
ceza dava-soircsa em punir os jomalistas
qu9 fnllavam o r.speiio ao teu (residente,
ou irncumvain cxp-lo no odio e irrisoo
do pulibco. O eilielor da llevolulion lema-
cralique el Sociale eo do Pcuple tinliam si o
julgudos s revelia, por laes Crimea, no tri-
bunal (Cdnw* de l'aris, sendo condem-
nados : o primeiro a Ires anuos de prisflo
e multa de 6,OUO francos ; o sejundo em
igual multa e a cinco anuos de prisflo
O coneelho d"estailo reprovra o proce-
d menlo de Lesseps eo Huma.
Tinliam sido dissolvidas aos guardas na
cionaesde Iteaurepaire, Saint fieom.e Pont-
dc-lleauvoisin, no departamento do Iscre.
A II chcgra so Havre o presidente da
repblica, acompaubado de ilr. Odillon-
llanot, de volta de sua viagem a Hajo, on-
de rra recebido na esta^ilo dos camihos
le ferro com altos brados de : Firo iVopo-
leUo Viva o presidente '.
File ja se achava em l'aris.
Aassemba nacional convocara por dous
mezes o supremo tribunal de justica em
mezes o supremo tribunal de justica em
Versalhes par. ju|g8r os rus eJcu,11p",*en
teVto Suejunltoproxioiopre
xAXC*Vlam* cant'8a *! o titulo
de 6ai/e da guilholina rendir a Mr I evav
ser sentenciado em seis mezes de priso. o
500 francos de mulla. yaau, i
A 15 do passado, anniversafin ni,i;,.; cere"u,a <-elebrou-ae com grande lusiineuto.
r- iioiversano natalicio Ogeneral Oudtnot foi a aeta, aonde teve '
do imper.)dor NapoleiTo, celebrra-so miss
solemne na capella dos invlidos.
Carlas de Caen annunciavara quo Mr._
Coizot ia ser nomeado mendiro do conee-
lho geral dos Calvados pelo coneelho de
Gamuramer,
Disculia-se na assembla legislativa um
projecto de lei em quo se propunha o le-
vantar-se o estado de sitio em que se ocha-
va Pars.
Fsperava-so em Parto o general Oudinot
que seria substituido em Itoma pelo gone-
ial Itedeau, e que, segundo se aflirmava, ao
vollar aos patrios lares, receberia a nomen-
qo de mareehal de Franca, bem como a de
grfln-cbanceller da legido de honra.
A 8 celebraram-ee uaquella capital, no
cdiliciodns invali los o com grande pompa,
as exequias do general (lolitor, cuja viuva,
a ser exacta certa commnuica^no lelegra-
phica, fallecer nesse mesmo dia om seu
pa lacio prximo a Nancy.
Inglaterra.
Nada de extraordinario occorn'ia neite rei-
no.
S. M. a rainha Victoria eseu augusto esposo
haviam partido da Irlanda para a Escocia, de-
pois de lereni visitado Glasgow, Perth, Hlais-
eowrle eliolinarol, onde rcceberaui vivas dc-
iniinstracoes de adheso r respeilo.
ir r.obert l'rel ebegra a Kdhibourgo pelo
(.mi Diliii ile ferro. A entrada do estadista bri-
tnico naquella cidade fo urna verdadeira
o va (lo popular.
lulk.
O Uiarin do liotema de 21 de agosto resume
assiui as ultimas noticias desse paiz :
I ni) i com elle i lo chegado Uoma a junta
do governn nomeada por Sua Santidad* para
gnvernar os estados pouiilicios na sua ausen-
cia, lie compnsla dos cardeaei Allieri, Van-
nicelli e Della-Oenga. O priuieiro drsles per-
tenceauuia familia nobilissiuia da Roma, e
foi por inultos anuos nuncio em Vicua, don-
de Toi chamado aos conced, s do pontfice ; o
segundo he conbecido pela sua br.indura c ino-
driac.'io eo terctjlro he sobrinho do papa
Le So XII, e amigo mullo intimo do caideal
Ijainbriitchlnl,
> Ogeneral Oudinot pulicou no Diaria Of-
ficial do I." do concille a seguinte circular aos
ministro! provisorios de Honia
Sun Santidade, com o lim de tratar da
orgauisa^o dos e-tulos puiiiilieius, dig-
nou-ae nomear una Junta de governo, mu-
nida de plenos pudores, que ter a sua sede
na capital. CompOc-sn de Suas Eminencias
os canicies Gabriel Hclla-Gcnga-Sermatlei,
l.uiz Venicelli Casoni e l.uiz Allieri. F.sla
junla que se acha oncarregada dn frmai
um ministerio aeahn de chegnr Itoma.
A elevada :!iiss3o de que ella esln in
cu ni I) da permiti-me o devolver ao go-
vernc pontificio os poderes que os coiteci-
mentoi da guerra tinhi momentnea mente
concentrado em nimbas nios Ni oceasiilo
em quo vao cessar as miulias rcl-fOcs
ollieiaes com vosco, julgo do nieu dover
maiiifest ir-vos o meii rcconhecimenlo pelo
auxilio illu-liado 0 activo que me prestas-
tes na direcfo dos negocios.
o As relaC/Oos que eomnuscolivcdcixnr-
me-hilo preciosas recordables; e, ueste
dilli'il crgoe durante graves circunstan-
cias, presUstes os servidos que era possi-
vel prestir..
Pe^O-vos que recebis rom a expros-
sjln ilo mcu reconliocimento a seguranza da
miulia lia ConsideraQSo u di-tinelos senti-
nienlos. Ogeneral em dicte, Oudinot de
lleggio.
o A junta do governo, recentemenle cons-
tituida, puhlicuu o seguinte manifest a o
povo romano :
i Eni nonie de Sua Santidade Pi IX, fe-
lizmente reinante, a todos os suhillo4 de
seus dominios lemporaes. -- A Providencia
Divina arrancou do tempetuoso abysmo
dasmaisnegras ecegas piixOc<, pormeio
do invicto egioiioso liraQO dos OXerCitOS
estbolicol, os povos dos estados pontili-
cios, e especialmente a cidade de Roma,
s le e centro da uossa santssima religiflo.
Fiel o santo p.-ipe promessa anuuuciada
no seu veneravel niolu progrio, datado em
Gacta aos 17 do mez prximo passado, en-
via-nos agofa a vos, com plcnoi poderes
para reparar do inelhor; mais i i mu j lo mo-
do cquaulo ser possa os graves dainnos
causados pela anarchia e despotismo de
um punha lo de homens.
O nosso primeiro cuida lo ser fazer
que sejam respeitauas a moral, a religiflo,
como baso o fundamento da sociedad,^;
que a ju-lii;.! siga legularineulc o seu cur-
so, e que a sminulraco dos negocios
pblicos lenha eslabilidade o lotea que
tflo necessairas se lornam depois da indig-
na iuiiusflodos demagogos sera raciocinio
o 'tu minie.
Para conseguir ttlo importantes lins,
P diienius o consellio de possoas dislinc-
tas pelo seu talentoe versadas no ramo
quo lio de particularmente dedicar-se.
Portento Romearemos sem domora pessas
que dirijamos negocios internos, de po-
lica, jusliga, fazenda, guerra, obras pu-
blicas e commercio; licando os negocios
externos a cargo do eminentissimo ear-
deal po-secretario de estado que, dmante
asua ausencia, ter em Itoma um substi-
tuto para os negocios ordinarios,
a llenases, pois, a conOanca em tola n
;: -ti:.' einquaulo o santo padre, em seu
animo voidudeiram'iite benfico, procura
meihorar as lustituiQOesTlo que frcomps-
tivel com a sua dignidnde, com u altissima
poieslade dosuu.mo ponlifice, Am a ma-
nuloneflo de seus slalos cuja cousc vaco
inicressa a todo o mundo catholico, e com
as verdadeias necessidades de seus ami-
tos amados subditos.
Roma, na uossa residencia do palacio
Quirinal, no primero de agosto de 1S19
G., cardeal liella-Cenga.- Semaillei. I..,
eanle.il Vannisclli Casoni.I., curdojl Al-
lieri.
O Diario de Roma do dia 3 coiilm um
decreto dos lies cardeaes, declarando Hul-
las todas as I. is promulgadas desda o dia 16
de novenibro do 1818; reintegrando nos
seus cargos lodos os fuicctonariosquenao
adheiiram uo governo intruso, e demif-
tindo todos os numeados dnranlo a poca
revolucionaria. Kslabelece una commis-
sfio para conbecer do procedimeuto dos
empregados em lodos os ramos da admi-
nislr-e;oi publica ; declara abolidos todos
os tribiinaes eieaios sb o dominio da re-
pblica, c reslahelecon os queexisliam no
dominio passado.
S. II. a rainlia de aples deu luz, ua
nanba do l. de agosto, uina princesa que
foi I, i plisada em Cela por Sua i'anlidade, rc-
erbendo o nonie de Mara Pia dos Aojos.Esta
urna conferencia com o papa, com quein ins-
lou para que voltatsr a Roma.
Parece que o governo de Sna Santidade
contratou com a casa de r.ntbsbild um em-
prcstiino de vlnte cais milhOes.
Tinliam chegado aCIvilia-Vecchiadei fra-
g.nas fraileras. Ignorava-sr a que fon iam
all, mas suppunha-ae qve era para conduii-
rem Franfa parle das f&nas da espcdlco
O .Vf.ifufii de Florevca conten urna carta de
Forli. diieiulo que Garlbaldi eahira n'uina
emboscada que lhe fiscraiu os Austracos Jun-
to a Urbana, sendo-lbe abi destruida toda a
(avallo ia. Forbc* e Marrochini abandona-
raiu-no, eclle, com uns 1.000 homens, refugi-
oii si- em S.-Marino.Esta noticia anda care-
ca cnnlirnia 0 HhniUur de Par do dia 8dli o seguinte:
Podemos asiegurar que eslao definitiva-
mente ajustadas aa comlires do tratado de pai
entre a Austria e o Piemente. Pagar este
Austria setenta c cinco tnillioes de francos,
dos quaes satisfar iinmedlatrinente quinze.
" O Lloyd austraco diz. referindo-s* a carta
de Trieste, que no dia i do corrente estar Ve-
ne/a incendiada em dillereules pontos.- A no-
incafao do general d'Aspr para cominandan-
te das tropas sitiadoras, causara grande terror
na cidade F^sta general he conbecido pela
sua sevenilade. Os Venesiauos s liiiliain
inanlimentos para um inca.
O brigue de guerra Douro, chegado boje
a este porto, trouxe-nos varios ejemplares
do oletim Official do Angola, dos quaes
o ultimo lem dala do primeiro do cor-
rente.
Haviam chegado a Mosssmedos os colo-
nos porluguezes que desla cspital ssbiram
itra alli em maio prximo passado.
Liles sulfreram alguns incommodos du-
rante a viagem; mas actualmente acham-
se naquella paragein gozando de lodosos
cominodos possiveis, segundo consta do
ollieio que publicamos sobre a rubrica /->-
terior, lirmado por Francisco Joaquim da
Costa c Silva.
Entre os inconr.modos dos colonos, re-
leva enumeiar osefleitos da epidemiada
bexiga,a qual sedesiuvolveu a bordo da bar-
ca Tentativa- Feli: comanla fr^a, quo a
ella suecumbiram tres pessoas maiores, e
cinco de menor idade; sendo que o nume-
ro dos asfaltados pela peste chegra a 5G.
ANGOLLA.
phecos coaaEjTES so Msnc.\no db LOANd.
6'aaeros de impottecao.
pipa 85,000 abiiud.
nio ha.
Ago'ardente do Rio
Hila da Baha
Dita do Reino
Algodoes
Amias lazarlnas
Ditas reunai
Arroz
Assucar refinado
Dito branco
Dito ni asen vado
Azeile doce
Hacas
llarratea
Cal do reino
Carne ensacada
Cha hvsson
Cintas Anas
Coral falso
Facas de cabo de peso
Farlnha de trigo
Dita a i elallio
Haienda de lei
85,000
peca 4,200 4.400ab
nina 5.000
. 4,500
saeco 8,000 0,000
ar. 5,500
. 3,000
. i.OOO .
alui. 5.000 6,000
cov. 500 600
duz. 2,500
bar. 3.000 nao ha.
ar. 10,000 12,000
I ib. 2,000
peca 6,000 6,500
na. 5,500 falta,
duz. 600
bar. 20.000 falla.
. 30,000
pera 2,150
Dita por atacado, emp* e abund. 2.00P 2,200
Correspondencia.
Sen/lores redaclores: Kilo lencionava
mais incummoda losem responder as deso-
rientadas phrases c asnalicas paivoices a-
preseniadas peloSr. Jos Ignacio Pereira
Dulr ; poim.lendoo n. 2do Fiscal, deparei
com um aranzel, ampliado e restringido em
todos os seus pontos, o qual deixode refu-
tar, porque j o fez o Sr. Antonio Ferreira
d'Annuociacfiu : por isso tcnbo nicamente
a lembrar ao Sr, I Mi' a. que, sendo todas as
soas vistas ludo amplilicar, (quando Ibo re-
dunda em dativo do provetoj e nflo poden-
do sua merc, no lugar que habita, deseo-
luir meios em que com facilidade lique sa-
ciada Slia deso donada iiiibteao, acotic 1 no-
llie que o inelhor expediente que deve to-
mar lio seguir quinto antes para a Califor-
nia, nSo obstante estar o Sr. Dulra uo ulti-
mo quarlel di existencia^ o tendo infalli-
velmento de seguir, Vara sera que so dirija
com presleza au mostr Mililu para seen-
gajar u n algum lugar que anda esleja v igo
na msica do mesmo vapor, para assim ir
obtendo alguina gratilleaeJIo para ver se
com mais facilidade resarce o grande pre-
juizo que teve. do qual ja recebeu a diminu-
ta quinlia de 2G0.000 rs. pelos damnos cau-
sados em icu grande silio.
Einquaulo dizer o Sr. Dulra que cu me
oersuadi com o silencio ficar compromelti-
do com o met digno chele, tenho a respon-
der aoSr. Dnlra que nflo reccio ficar com-
prometido com os mous supriores, uma
vez que cumpio com as miulias ohngaijes,
o o Sr. Jos Pedro da Silva nflo lio daquelles
cheles que cosluuiam ridicularisar seus su-
bordinados, e nein ou sou empiogad i ma-
landiiuo, nein da laia daquelles que cons-
laiileiuenle era ni le.-reiliados em pres, tic,;!
das parles, e cada vez se tornavum mais ser-
vis. Kuteiide-me/
Termino o que venho de rcsponder-lbe,
ficandocertoquereiieradaslicamasmesmas
expiessoes cuntidas em miulia primeira
rei osla, e telurio com as prsenles, sondo
osla a ultima vez que me oceupo em respon-
der as suas estulticias, pois nflo estou para
oulreier c.irrespon leucia con mentecaptos.
Sirv.im-se, senhores reJactores, de dar
puldieid.ide a estas Ittihas, pelo que Ibes (i-
Garrazes pee i
Lencos de Carruthers de 10
Hilo de dito de 12
Dito de dito de 15 >
Ditos de Soliiruinaes de 10
Ditos de dito de 12
Ditos de dito de 15
Manleig bb.
u.isvis arb.
Missanga
Pedrrneiras
Presuntos
Pintados azuel
Plvora em barr
Ditaein ditos de
Dita em ditos de
Sal do reino
Sol.i ou vaqueta
Tabaco em rolo
2,000
1,00
1,400
1,800
falta.
nao ha.
de
500
8,000
400
5.000
400
3,600 4,000
600
mil.
llb.
peca
libras 8,000 falla.
17
10 4.000
cig. 140
mel 3,500
arb. 5,000 falta.
Taboado de 30 pal. el l|2pol. 30,000
Toncinho 4,000 abund.
Velas de atcarina lib. 600 falta.
Ditas de cera da trra 500
Vinagre pipa 45.000
\ tulio 60.000 65.000
Zuartes de llengalla 2 aorte peca 4.SO0 4,500
Ditos de dita I." dita 4,500 falla.
Ditos inglczcs 1.' dita 4 000
Ditos ditos 2 dita 3.500 4,000
Ditos de Lisboa 1.* aorte a 4,000 falta.
F.xportacao.
Aieitede palma plp. 65,000 falta.
Ditodegiuguba a 85,000
Cal da provincia moio 5,000
Caf arb. 3,500 3.800
Cera branca lib. 5 por
lli l.l aiuai ella * 300 fundir.
Louros 100 110
Goma copal arb. 2,000
Mariiin de le lib. 1,250 1,300
Dito mean de 16a M B 1,150
Dito eseravellio a 800
Sal da proviucia cig. 200
Urzella arb. 7,000
Dita eiu Rcnguella B 1,500
Vadea,
Pe(as de4oitavas1J.500 a 13,000 e falta.
Oulros uiei.ies nao apparecem no mercado.
(Ilolelim Official.)
Vovimenio do Porto.
Navios entrados no dia 26.
Lisboa :io dias, barca portusueza Liga-
ra, de 360 toneladas, ca pila., Antonio Joa-
quim HoJrigues, equipagem 22, carga vi-
nho e mais gneros ;.o Francisco Severi-
anno Rabello Passageiros, Silvestre Joa-
quim do Nasci'tn uio com 1 criado e 1
mulatinho, D. Mara da Conceicffo Vieira
Coutinho, I). Amelia Julia Adelaide l.ai-
ii'' com 1 mulatinho, Manoel Nunes da
Silva, Joaquim Marques de Amorim, Jo-
s l.uiz Pereira Jnior.
Anguila St dias, brigue de guerra por-
tuguez Douro, comniandaiite o capillo de
fragata Vicente Jos dos Santos Lima.
Navios sahidos na mismo dia.
Falmoulli Paquete inglez l'tnguin, com-
msmlante o lente l.eslie. Alm dos
passageiros que Irouxe dos porlos do sul
leva a seu bordo o negociante Sebastiflo
Tublcr, Suisso.
li to ile-Jaiietro pelo Ass llrigue-escuna
btasileii ti Olinda, capitflo Manoel Ma'rci-
anno Ferreira, em lastro deaieia.
Ilha de Fernando Hiato hrastleiro Para-
hiliano, capitflo Nicolao Fiancisco da Cos-
ta, rarga varios gneros.
Mora Antoinctte Aglae
Trcsse fiz sciente ao respcitavel
publico que nn&uetn faca transac-
ciio com o Sr. Fredcrico Chaves
sobre o sitio em Sanio-A maro,
perlencente a annunciante, por is-
so que a annunciante traa de an-
iitill.ii- a escriptura de arreniU-
mehto que teni o ditoSr. Chaves,
visto que a annuncianle, Iludida
pelo mesmo Sr. assignou rein
quetivesse rec-bido real, e na es-
criptura diz ter recebido um con-
t e duzenlos mil ris : todas es-
tas cousas fe o Sr. Chaves com a
annunciante por ser no mez defe-
vereiro, dhs em que aannuncian-
- O lllm. Sr. inspector da thesouraiia dal ,e n5 P^dia sahire nein Sfl acon-
cha agradecida oseo constante ieilurear- faznnda provincial avisa, pela ultima ve/, I sclli i r para assim se poder livrar
feeluo.>o servo. Antonio HuJiigut* de Al- aos Sis. ex-arrematnnles do imposto sobre |_. i c t i cu
EDITAES.
iiho, vinagre, velas de sparmacete e sebo
u carnahuba ; pelo que sflo convidados
lodos os que quiserem fornecer taes gene,
ros acompnrecerem as 12 horas do dia 28do
correte, na sala das sessOes do mesmo
coneelho, munidos de suas propostas em
que deelarem o menor proco,, e, o nome do
Mador, que ser para scmelhanle lim pessoa
idnea.
* o arsenal de guerra precisa comprar
um barril de verniz de alcatrSo : quem dito
objecto quizer vender comparecer na sal
da directora do mesmo arsenal no da 27
do corrente mez, trayendo sua proposu
com o ultimo proco cm carta fechada.
O arsenal de guerra precisa comprar
azeile de carrapalo e de cc<>, velas de car-
nauba, (o de algodflo a pavios : quem Ues
gneros quizer fornecer, comparecer ni
sala da direcloria do mesmo arsenal, tr_
zendo sua proposta com seus ltimos cre-
eos era carta fechada, no dia 29 do cor-
rente. __________ '
Theatro de S.-Francisco.
HOJE, QUINTA-FEIRA 87 DF. SETEMBR0
W. 1849.
Em beneficio de
Anacido Alvei da Silva,
representar-s e-ha 0 novo drama em tres ic-
ios, denominado
O NOIVADO,
no lim do qual o actor Pedro l'apiisli de
Sania-Hoza cantara a jocosa aria
O MSICO CHAItUT,
com quadras novas: finda esta ha ver din-
eas telas jovens do theatro, linalisando
todo o divertimenlocom a jocosa farf;a
O BANANA.
Este he o espectculo que o beneficiado es-
colheu para o divertimenlode seus amigo
e protectores, de quem espea proteccdo.
Principiara com a ebegada de Suas Eicel-
leticias.
Avisos martimos.
-- Para o Aracaty sabe, at o flm do cor-,
rente mez, a sumaca Carlota, por se icliir
com a maior parto da carga a bordo: para o
restante trala-se com l.uiz Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
Vende-se a barca Tranceza Soerale, for-
rada e encavilhada de cobre, prvida de
todo o preciso e prompta a seguir viagem:
os prctondentes dirijsm-seaos consignals-
rios da mesma barca, ti. I.asserre Com-
pa tibia.
Aluga-se uma barcaca prompta de to-
do o necessirio para viajar nflo perdendo
por grande, ou mesmo se compra, caso
faQa conta : quem tiver annuncie ou par-
ticipe ao Macambira na povoa;9o dos fie-
me los, onde he morador.
Segu para a Parabiba, at o dia 98, o
biate Exalaeto, forrado e pregado de co-
bre ; ainda recohe alguma carga : quem no
mesmo quizer carregar ou ir de paesagem ,
dirija-so a luja de l'erragens junto ao arco
da <:onceicfio.
Avisos diversos.
buqutrque.
to
<#^cia.
Rend mrn'.o
AIJANDEGA.
do dia 26 .
IMPOHTACAO.
Ileliopolis, polaca franceza, entrada no
correnti mez, viuda 1-) M 11 s-lii 1. consig-
nada a l.uiz Bruguicre, manifestou o se-
giiii.i.'- :
40 pipas e 20 quartolas vinho tinto, 160
barris e 50 calxas violto bronco, 2IObairi-
cas farinha, 30 barris oleo de liuliac.11, 40
barris e 50caixas azeitn doce, 120 calxa
massas, 10 bilas barbante, 2 barris verdete.
os cocos, que devem vira mesma lliesou-
raria roecber as suas ledras deslo imposto,
perlcnceotesao ultimo anno de suas srre-
m..1 nenes, as i|uacs'se lites deve restituir em
vtriuie do artigo 44da lei provincial n
228. Outrosim, que os mosmos Srs. arre-
, (.matantes devem roquerer o abate que o
u,S2 mesmo arligolhes concedeu nns ledras do
segundo anno.
. Secretaria da thesouraria da fazenda
provincial de Pernambuco, 25 do setembro
de 1849. O secretario, Antonio Ferreira
d' XnnunciacHo.
i'ela inspectora da alfandega se faz pu-
blico que, no dia 27 do corrente, depois do
roeio-dia, na porta da mesma, se'iflo de
aTemalar em hasta publica, loo duziasde
courinims para chapus, por factura duzia
800 rs., tutai 80,000 rs. : impugnados pelo
2 ditos alvaiade, 2 balas lio de velas, 145
ditas pipel de embrulbo. 2 caxas folhas de gurda liento Borges l.eul, no despacho por
Flandrcs, 100 ditas chumbo de munieflo, 20 raclur n. 405 : sendo a iirremalacflo sub-
I jeita aos cireitos.
Alfandega de Pernambuco, 26 de setem-
barris oca amarella, 52 caixas conservas,
18 ditas papel branco, 46 dilas licores Sur-
tidos, 20 balas alfazema, 7 caixas essencia
de alfazema, 9 ditas papel de peso, 1 dita
papldecr, 6 dilas chapeos prelos para
homem, 9dilase 10 malas perfumaras, 12
caixas agua de Colonia, 20 caixes agoa flor
do laranja, II caixas fraseos de botica, 4
ditas viuros, 2 halas lona, 3 ditas roldas, 3
caixas confeitos, 2 jarras fructus confeita-
das, 30 caixas velas de esoermacete, 1 bala
cogumello secco, SO cestos garrafas vasias,
20 barras de cumbo, uma por(flo de louca
vidrada, 5 caixas chapeos de sol de algodflo,
5 dilas tectdos de algodflo.
CONSULADO CERAL.
Ilcndimento do dia 26
Diversas provincias. .
^14.481
5,063
719,544
CfWSLADO PROVINCIAL.
lien Jnenlo do dia 90
1:244,297
bro de 1849. Jacorn Gerardo Mara i.uma-
chi de Mello.
ms
*
llecia raides.
A Rdminislracflo geral das obras publi-
cas, por aulorisacflO'do Exra. Sr. presiden-
lo da provincia, contrata a venda do ferro
da grade vel ha da ponte da Ba-Vista,' sen-
do a despeza do peso e arrumarlo por con-
ta do comprador. Quem o quizer comprar,
dirija-sc mesma reparligflo qualqucr
hora do expediente.
Peranlo o coneelho da administraoOo
naval temdearrcmatar-se a quem por. me-
nos lizer o-fornecimetilo dos gneros ab-
xo declarados para os navios armado e
hospital de miritiba, pjjr lempo de Ires me-
zes, a contar do primeiro de outubro ao
ultimo de dezembro do corrente anuo : as-
sucar branco, arroz pilado, azoite doce de
Lisboa, azeile do carrapato, bacalho, car-
ne verde, farinha, feijfio, leona, sal, touci-
das garras do Sr. Frcderico Cha-
ves, que por pouco nao deixou a
annunciante por portas a mendi-
gar esmolas.
Mara Antoinette Aglae
MUTILADO i
Tresse, receiando-se de uma cila-
t.'o, sem que a Annunciante seja
sabedora, declara que nenliiuna
valei, sem que no reqneriniento
v a annunciante asignada 01
seu bastante procurador, o Sr.
Lu/. Goncalves ItoJrigues Frsn-
ca, o qu.l se acha cncirrcgado,
pela annunciante de lodos os seus
negocio*.
Em 9 de dezembro do corrale anno j
finda o firreiidutiii-nlo eilo com os Sais.
Johnston Puter ti C., do bem condecido si-
lio do Arraial, do finado Joflo Carlas Perei-
ra de Burgos :quem, porlanlo, o pretender
por um nio arrendamenlodu tres annrt.
dinja-se ao paleo do Carino, n. 18, a entefl*
der-se com o llurgos.
-No dia 2 do corrente. porania o joiz
civel da primeira vara, se hio de arremalir
em audiencia publica 3 eaeravos penho-
ra los sos herdeiros de II. Calharina Bit' J
S.-JusAnnes, por cxecu5flo de llanool Jo
Fernandes Barros.
Antonio Lobo Albertim de alirandt.
Ucnrique, procurador da unta casa da Mi-
sertordia de Olinda, f.z sciente a to las s
pessoas que leem terrenos no lugar dos Ar-
rombabos aforados a mesma santa cas?,
3uo comparecam na cidado de Olind, rut-.
e San-liento, casa n. 23, para pagaremos
annos de furos que estilo a dever, ou anrmir
ciemsuas moradas para serem procurada,
do contrario passaiOo pelo desgosto do ve-
re m os seus nomea por extenso ueste DiartOi
euiquantu nflo se proceder judicialmente.


__ Frederico C lia ves, em res-
I posta a Sra. Mara Antooelle
Aglae Tresse, ^cientfica ao res-
Ipeitavcl publico que o silio era S.-
IA maro, de que falla a mesma se-
Inhora cm seu annuncio publicado
no Diario de Pernamhuc.o n. 214,
lhe Iota por esta arrendado, como
consta da respectiva escriptura fe.
ta nocrtoriodotabellio Guilher-
me Patricio JBezcm Cavalcante
em a.' de fevereiro do corente an-
no, sendo qoe recebara esta se-
nliora a quantia d um cont e
Jozentos mil ris, como se pro-
Ivar.
Decorre am quasi oito mezes,
I em cujo lempo a Sra. Tresse sabia
semprea ra, sera que appareces-
se a menor reclamaco de sua par-
te, nilo se dando o motivo que al-
lega, de que em fevereiro nao po-
da sabir e nem se aconselbar.
Em fevereiro, bavendo cssa se*
uliora perdido seu pai, estando os
negocios da casa involvidos na
Imaior complicacSo possivel, n'So i s
Ipodendo liquidar e nem Ionio
lunera a vallesse, procurou o abri-
20 do annunciante, a quera psdio
encarregasse de indo, pondo-a
(completamente desembarazada ,
[mediante uma remuneracao, a oi-
Itava parte do que se liquidasse,
I sendo esta propo.sta red uzida a es-
to do proprio punbo da Sra.
IVesse, cujo papel anda existe em
lodr do annunciante. Nesse tem-
[po anda se podia com ella contia-
tar, porquanto nao se expunba ao
esquecimento do que fazia.....co-
Inbeci o que lbe eatava bem para
Ifugir do mal.....
O annunciante cumprio religio-
Isamente sua commisso, deseuiba-
jracou a, e na livre administracao
Ido seus bens, continuou a oceupar
lo annunciante em quaesquer nego-
cios que lbe appareciam, at que
mulo elle que lbe nao convinlia
[n.ais, por motivos supervenientes,
empregur-se no servico dessa se-
bora, procurou-ii para o seu ajus-
fe de contos, o qual leve lugar, a
contento da mesma, em i8do cor-
rente.
O annunciante perda-lbe a ma-
leira desabrida por que o tratou
epi seu annuncio, attendendo o
seu estado.....e outras conside-
rarles.....
He em salisfacao ao publico que
annunciante res, onde a Sra
ircsse.
Itaymond & Coiiipanlii.'i fazem pnbli-
Ico que Hrniique Pyanldeixou de ser seu
Icniseiro desde o Uia 26 do setembro cor-
I renta.
Al*ga-se a cssa terrea, n. 60, da ladei-
I ra do Varado uro deOlioda, com gabinete,
[siipcriaws rommodose por preco rasoavel:
i]iiooi n pretender, dirija-se a Joaquim Ber-
nardo de Souaa Itangel, no largo de San-
I Pedro-Novo, ou no Becife, ra estrella do
Hozarlo, n. 41.
O 8r. l)r Francisco Jovicla Cavalcanle
de Albuquerque e Mello tcm uma carta, vin-
Ida da Paialuha, na loja de Maia Ramos &
[Companhia, ra Nova, n. 6.
Dflo-se 500 rs. a pieinio sobre penho-
Iresde ouro ou prala.ou hypotheca cm al-
Iguma casa : quemquizer fazer este nego-
| ci annuncio.
Roga se ao Senhor.....o obsequio do,
Ido praio de oito dias, vir lagar uma lettra
que j ha muito se echa vencida, e como se-
|iiSo possa mais esperar, se faz sciont- ao
mesmo Sr., pois que do contrario se publi-
cara o sou nonie por extenso nesta falla.
I'iecisa-se de um menino que lenha
principios de pharoiacia, ou sem ella : no
Ucrrc-d-Ua-Visla, n. 7(.
-- l'recisa-se da quantia de oito contos
le ris a juros pelo tempo de dous annos,
Idando-ae-lne para seguranca propriedados,
Irujo valar excedo a trinta contos : no Ater-
Iro-da-Ba-Visla, primeira venda n. 2, sedi-
[ra quem precisa. Na mesma venda aluga-
so a toja com arrnaco na esquina da ra 'Ja
Vurora, onde oi loj.i de louca, assiin como
armazem por detrs da mesma, proprio
ara cocheira.
SI udanca.
abaixo assignado mudou a sua
Moja de nlfaiateda casa em que es-
lava, na ra Nova, n. l\C>, lado do
norte, pata o lado opposto, casa
terrea, n. 49 contigua a igreja de emcas terreas.
se-
|N. S. da ConceicSo dos militares
Mantel Francisco Coimbra.
A pessoa que annunciou ter uma sala
I l'*ra alugar, pode annunciar para ser pro-
r rada.
-Bernardo da Cunha Teixeira recolhe
I tm seu armazem que alugou a Manocl An-
tu'no da Silva Molla, na ra d'Apollo, toda
!* qualidade de gneros
' Quem precisar de uma ama de Icile for-
"""y-le dirigir-se a ra do Ranga), casa
'rea n. 22, que achara com quem tratar.
Uuem annunciou querer comprar urna
burra de ferro, dirija-se ra da Cruz, .
40, no armazem, para verse lbe serve uoio
que est a venJa.
Roga-scao autor do annuncio das let-
tras iniciaes J. C. M. publicado no Diario
de 26 do crrante, se se entende com Joa-
quim da Costa Maia.
Luiz Antonio IPereir mora
na ra do Queimado, n. 10
tgundo andar.
O Sr. Jos Mara
cellos de tiorbom queira mandar
pagar o alugucl que deve do pri-
meiro andar.
-- l). Mara Manoela de Jess, viuva de
Joaquim Bernardo da Silva, avisa ao publi-
co que ninguna) faca iransaccilo alguma
com Mara da Materuidade da Invencilo da
Santa Cruz, ou seus procuradores, sobre a
escrava criouls Genoveva, ou crias, lillios
desta, perlenconles ao casal da annuncian-
te, osquaes se acham em poder da referida
Mara da Maternidad por uma doaoo qu
lhe fra feta pelo fallecido marido da an-
nunciante contra a lei.'ord. liv. 4. titulo
66) esobre a qual pende em juizo accSo
de nullidade emseccflo em que a annuuci-
anlc j obteve dnas senlencas a seu favor;
e para que ninguem possa allegar ignoran-
cia, faz o presente, o protesta contra a ven-
da da dita escrava e suas crias, ou oulra
qualquer transacefio queso pretenda fazer
sobro ellas
I'recisa-sc de um bom amassador : pa-
ga-so bem sabendo desempenhar aua obri-
gac.lo : na padaria defronte da fortaleza das
Cinco-Ponas.
No dia 3 de outubro do corrente anno
se lia do arrematar em praca publica do Sr.
Dr. juiz municipal da segunda vara un es-
cravo do fallecido Jos l.uiz Concalves, a
requer ment do testamenteiro do dito fal-
lecido.
No dia 28 do corrente, pelas quatro ho-
ras da tarde, peranto o Sr. I)r. juiz do civel
da primeira vara, se ha de arrematar a par-
le de um sobrado na ra das Agoas-Verdes,
n. 48, e um terreno na l'assagem-da-Mag-
dalena : quem os pretender comprela que
he a ultima prac*.
-- O abaixo assignado (em justo o contra-
tado comprar aoSr. Mauoel Francisco da
Silva um terreno no Cucas, trras que foi
do engenho Magdalena, na estrada vellia
que vai para Varzea, e por isso quem se
julgar com direilo ao mesmo terreneo pode
apresentar-se, cerlo de que, passndos 15
dias da dala deste, pssar-se-ha escriptura,
o por nada se r< spmisai ihsna o mesmo a-
baixo assignado nilo havendo velhacada em
quem se quizer julgar com direilo. Jodo
ypolilo de leira Lima.
I'recisa-sc do um caixeiro para pada-
ria, ques.-ja maiorde 20 annos, tenha pra-
lica e abone sua conducta: na padaria de
urna s porta, na praca da Santa-Cruz, se
dir quem precisa.
--yuem liver e quzer encarregar o an-
nunciante de algumas cohrancas, nu qual-
quer incumbencia para Sauto-AntHo, Be-
zurros, Craval e Caranhuns, dirija-so a
ra larga do Rozario, venda n. 52, das nove
horas da manlula al o meio-dia.
Quem precisar de um rapaz para feitor
de niociida, procure-o ua ra de San-Jos,
n. 58.
-- Precisa-se alugar um moleque captivo,
que seja moc,o 6 robusto, para o servico df
estribara : ua ru da Cruz do Recife, n. 62
Na ra do l.ivramento, n. 12, egundo
andar engomma-so lava-se, tinge-se de
todas as cO'es ese fazem toalhas do lava-
rinlo : lodo por preco commodo. Na nies-
ma casa precisa-se alugar duas pelas para
venderem na ra.
I'rcrlsa-se de um rapaz brasilero
paracaixeiro de uma venda, que ja entcn-
da desle negocio : em Fra-de-Porlas pa-
teo do l'lar, n. II.
Precisase de uma mulher que esleja
no caso descrema de casa de uma familia:
na ra do Itangel, n. 27.
-- Quem annunciou querer comprar uma
caixa ou buira que esleja em bom estado,
dirja-so i ra da Gloria, n. 87, segundo
andar que se dir quem tem.
Precisa-seda uma ama forra ou es-
crava : na ra da Cadeia do itecfe, n. 55,
junto ao arco da Concoifflo.
Sexla-leira, 28 do corrento, as 4 horas
da larde na poita do Sr. doulor juiz da 1.a
vara na'rua da Praia, so bao de vender,
por sera ultima praca, alguns cscravos ,
sendo um moleque, otlicial do marreneiro,
um prcto capinbeiro e oulros.
Precisa-su alujar, para uma casa de
pouca familia, uma preta que sailia coz-
filiare entornillar, 0 um piolo quo siive
para lodo o servico: na ra do Trapiche,
o 8.
Pede-se o Snr. Thom Pereira Lagos
que por favor queira mandar a resposla da-
quella caita que fcou de a dar sem falla ba
muilos das: esta exigencia se pede em con-
t queicia de ser sua morada muito dis-
tante.
O abaixo assignado precisa alugar um
carro com bois, para bolar da ponte de
Molocolomt as ponlczinhas do Cbecho
e Po-Sfecco 31 estivas j lavradas : quem
quizor alugar, dirija-se ra llireita, ven-
da n. 23. litio II y potito de titira Lima. |
Havendo mu bem desempenhado o
Sr. Jos Antonio de Souza Machado a ge-'
renea do meus negocios na pra^a do Ueci-
fe deque foi incumbido na sufra linda ,
contina o mesmo Sr. no gerencia delb s e
por isso aquellas pessons que commigo t -
veiem transacefies, pdein a ello dirigi-
se no seu armazem de afsucar da ra de
Apollo, n. 24. Engenho Paulist, 15 de
setembro de 1849. Joaquim Cavalcanle de
Albuquerque
Na ra Nova loja n. 58, se dir quem
d dinheiroa premio as quanliasde 200,
300, 400, 500 e 600,000 rs. com bypolheca
5
"^P/ecisl-se de uma prela forra para co-
zinbar, engommar e fazero sunco de casa
de um horneo) solteiro : na ra do Sebo,
a. 33.
Aluga-se, pelo tempo da fesla, a&
grande sitio na estrada do Monleiro, com
boa casa de vivencia cozinha fra, eslriba-
ri,coclieir8, muilos arvoredos de fructo ,
e milito pe lo do bjnho:'a tratar na ru
Nova n. 63, primeiro andar.
Aluga-se uma casa no silio do Cor.lei
*o, mai gem do rio Capibaribe, com com
mudos para grande familia, cozinha fra.
estribara cociieira quarlo para criado,
etc.; oulra dita maia pequea, tambem
com bous commodos para familia estriba-
ra, ecl. : a tratar no paleo do Caimo, n.
17, com Gabriel Antonio.
Urna senborn casada, querendo ter
umn companhia para tifio estar s, annun-
eia por esta falla para ver se aeha uma
inuIIrer branca qu parda para morar com
ella, dando-lhe de vestir o de comer, porm
que n&o lenha vicios e que tenlia de 40 an-
nos para cima: quem esliver nestas cir-
yasc__l cumstancias, dirija-se ra da Alegra,
a. 32.
Precisa-se de uma pessoa para feitor
de um sitio no lugar do Remedio ( com
preferencia portugui z natural das ilbas )
que aaiba plantar fructeiras e verduras,
comendoa sua custa ; quem esliver ussim
habilitado dirija-se a ra do Crespo, n. 14,
terceiro andar, das 6 s8 horas da mandila,
o das 3 s 5 ((a tardo para fazer o ajusto e
ir tomar con la do sitio cujo sjuslc s sera
foito a vista de documento que abone a sua
conducta.
Quem quzer uma criada parda, do
mallo, para servir a uma casa, dirija-se ao
Alerro-da-Boa-Visla, n. 63, primeiro an-
dar.
Os abaixo assifiMos trem eslabele-
cido um armazem de machines e mais per-
tences de navegacAo na ra do Vigario ,
n. i, de linixo da (Irma de Braga & Compa-
nhia desde 15 de mao do corrente anno.--
loo l.eilede Xsevedo. -Manoel Ignacio de Oli-
ve ira Braga.
Precisa-se de om braco de balanca
grande econchas : na ra da Gloriare-
lina^fio de assi.car n 114.
Precisa-se de uma ama de
leite, forra' ou escrava : paga-se
com generosidade : na ra da Ca-
deia do Itecife, venda n. f, se di-
r quem pretende.
Furtaram, aoanianhecer do dia 23 do
corrente, do sitio de llerculano Alvos
da Silva no principio da ra da Sole-
dade uma hacia grande de rame que
accommod duna pessoas em hanho : roga-
se a quem fr offerecida, de a lomar e levar
ao dito sitio n. 70, que ser gratificado.
Aluga-se um grande armazem com ser-
venta para a mar pequea e porto de
embarque e desembarque: na ra da Sen-
zalla, n. te a tratar com S. J. Juhnston &
Companhia.
Agencia de passaporles
Tram-so passoporles para dentro e fra
di imperio,como lambem ttulos de resi-
dencia para estrangeiros e correm-so fa-
llas por commodo prego e com presteza:
na ra do Itangel, sobrado do um andar
n 57.
Um moco bstanle habilitado e recen-
temento chepudo a es'a eidade se propOft,
ou a regerem qualquer cnllegio as aulas de
primeiras lettras, desenlio linear, grani-
matica portugueza lalim francez, ou
se contratar para fra com qualquer pai de
familia que queira dar iiistruecHo a seus li-
I luis : accrescendo por domis que em ddii
anuos aprompla qoalquer airendi-/, visto o
methodo particular cao que leceionou na
Halda muilos annos em um dos melhores
collo<-ios : quem pretender dirija-ce a esta
lypographa em carta fechada com as ini-
ciaes P. R.
Roga-so ao Sr. J. C. M. quo, tenha a
hondade de ira ruado Viga-io n. 13 pri-
meiro andar, pagara quanlia de 50,000 rs.
que deve ha mais de um anno ; do contra-
rio, se publicar o seu uome por extenso.
Precisa-se alugar urna pretn para o
servido interno e externo de nma casa : no
caes do Ramos segundo sobrado.
Um un c.o oliepaiio ultimantentebln ftio-
Grande-do-Sul onde servio de guarda-li-
vios, deseja se empregarnesta eidade, ou
par' fra ei alguma casa commercial, pa-
ra o que, alm da pralica, possue o curso de
aula do commercio, ecntejide tanto de par-
Iidas dobradas como simples : o mesmo se
dispea fazer qualquer escripia particu-
larmente : quem precisar dirija-se a osla
typographia em caria fechada, com as ini-
ciaes F. K.
-- os Srs. Jofio Pacheco Alvos, Albino Jo-
s Ferreira da Cunta e l.uiz Antonio Perei-
ra queiram annunciar suas moradas, visto
se ignorar.
Os Srs. B. J. S. e seu fillio C. J. S.,
moradores em 01 inda, queiram vir pagar
na la Augusta n. 1, as suas lettras que
se acliaui vencidas desdo novembro do au-
no prximo passado ; do contrario sea>u
blicaritoseusnomespor extenso; e so ito
ainda no fr bastante, serao immediata-
mente execulados, para o que j se acham
as ditas lettras em poder do douior Vellez.
O Sr. a quem se vendeu em Olinda ina-
teriaes como tem cavallo, querendo, po-
de vir a esta eidade a venJa do capito An-
tonio, no Varadnuro, para ajuslar alguns
milheiros de telha e lijlo, o melhor que
fr possivel.
O abaixo assignado faz constar a quem
convier que lem constituido procurador de
suas propriedades que tem nesta praca, e
seu correspondente para a venda dos assu-
ir.> de sous cngenbos, desia safra em:
dianle a Jos Cipriano de Moraes Urna,
morador no largo do Forte-do-Mattos n. 8. j
Engenho Tab, 12 de setembro de 1819.
liUevo Cavalcanle de Mbuqutrque.
Quem annunciou querer hypotliecar
um sobrado de dous andares em boa ra,
diiija-se ra eslreila do Itozario, n. 43,
segundo andar, que se dir quem tai este
negocio.
Augam-se dual moradas de casas, em
S.-Auna de dentro as mais proprias para
se passar a fesla e prximas ao rio Capi-
baribe : na ra Bella n. 28.
Precisa-se de 1 molequeou prelo [ara
fazer compras e o mais servico do uma casa
de pouca familia: na ra do Queimado,
loja ii. 37 A.
Gato.
a slas 10,000 rs. cada uma, o aquelles 640
rs., at completar a dita somma ; aprsen-
la ndo as orphilas atentado do respectivo pa-
rodio, e os pobres dos donos das trras em
que moivivin. para podrem recehor di-| genio Sue.
tu rsmola ; o que se faz publico alim dos
prelondentes se habilitaren) o comparecc-
ivni em dito dia na porta da igreja matriz
da dita freguezia, depois da mista, para rc-
ceberem a csmola designada.
F.xiatem no trapicho do Brito 22 saceos
com assucar, vindos de Marauguape na bar-
cada Amizade, e descarregados em 2 de ju-
nlio do correle anno : a pessoa a quem lhe
fallarom, dirija-se ao mesmo trapiche para
lhe serem entregues.
A quem lhe fallar um papagaio, dando
os signacs, Iho ser entregue, pagando os
annuiicios. na rus do Mundo-Novo, [nume-
ro 30.
-- bao-so 400,000 rs. a premio com boas
firmas: quem pretender annuncie.
Augusto S. Corbett avisa a
quem lhe convier que acaba de re-
ceber de' Inglaterra um completo
sorlimentode podras( marmore),
proprias para consolos c lavato-
rios: todis talbades com muito
gosto e pcrfeicSo: os pretenden-
tes dirijam-se a na da Cadeia,
n, 48.
Aluga-se um silio na Magdalena, estra-
da da Torre, com muito boa casa do viven-
da com 6 quartos, cozinha fra, tanque e
cacimba coberlos casa para pretos e para
estribara bastantes aivoredose terrenos
para planteles : a tratar no Alerro-da-
lloa-Visla, n. 43.
Precisa-se alugar um moleque, ou ne-
gro, para fazer compras e o mais servico de
urna casa do punca familia: na ra da
Cruz, n. 48, no armazem.
Vcndm-se, na ra Nova, n.
de Maya Ramos & Coaipsnhia os
tes livros:
Salamandra, romance em 3 v. ,
16, lojii
seguln-
por Eu-
uizMi-
OSudeu drama em 4 actos por I
ria Bordallo.
A Tomada de Santarem por 1). Affonso Heu-
riques drama om 3 actos e 6 quadros da
Jos Maria Bordallo.
O Novo Jardineiro ou breve tratado da
culturados jardins, seguido do emblema
das llores e ornado de 8 estampas colo-
ridas.
Tratado de etcrlpluraedi mercantil, i vo-
luino. ...
O Litro n-.ul ou correspondencia relativa
aos negocios de Portugal om 1847,1 v.
Documentos liiiluricoi relativos a interven-
efo da armada do Franca, llespanlia o In-
glaterra nos negocios internos de Portu-
gal em 1847 1 v.
Directorio fundamental da Inttruccaopri-
maria obra classica e de particular til-
dada a commereinles, ciixeiros o pessoas
adidas ao tralo mercantil, 1 v. por Joso
Joaquim Bordallo.
Im l)em na Ierra, poema consagrado a
S. S. Pie IX.
Pecciela, romance em 2 v.
Vende-se superior vinbo clarete em
barris pequeos : na ra da Cruz, n. 40.
i mww mmm ww wzmwft??*
U Vende-se superior farinha m
[ de mandioca, muito nova, I
{ sem ebeiro algum e por pre- o
S co mais rommoio do que em j
I
f
Compras.
oulra qualquer parte : a bor- ^
i do do patacbo nacin l Li- *
H ma, fundeado defronte do
b caes do Collegio, ou em ca-
5 sa de Machado & l'inheiro, *
^ na ra do Vigario, n. 19, c
Coinpram-sedc 2 al 10 portas de ama- i{ *
relio ou de louro sendo vclhas por pre- j $mm ^mmmtt) JtMaMMWMMMf*
o commodo e que nilo sejam de costado __ Vende-se uma bonila escrava de na-
ou cosbdinho : quem liver annuncie. | ,0 Cost| dc ,6 nnnos. ruil d, Aurora,
(.ompram-se pennas de orna, gcng.1-,,, .*
breaniarello, resina de caji.ciro : na ra Vendem-se sellins inglezes elsticos
do Itangel, sobra lo de um andar n. 43. Na ,io patente. Torrados de couro de porco ;di-
mesma c?sa so fazcm espanadores, mais |0S do sola ingleza rom estufas lisos e hor-
em conta do que em oulra qualquer parle ()ad sj|||0>, ara nl0iaria dc senhora, ti-
tanio lisos como crespos, isose bordados: canteadas inglezas bran-
- Compra-sc un escravo bom ollicia! de. cag e ,, |Uslr0 funjBS j patento para to-
s pateiro, de boa conJucla o que nilo te-; dog 0,|aj08; f0uro invornisado de ama-
nlia vicios : quem liver annuncie.
Coni| ra-se um prelo cozinheiro, eque
lenha boac ta engommadeira, costureira e cozinheira :
no I cceo do llieatro, lio segundo andar por
cima do botiqun).
-Coinpre-seTliePracticnl Sugar Plnnter,:|r!onVe'da'igreja da Coiiceico.
by Leonard Wray Ksq. estando em bom
uso : quem liver annuncie.
Compra-se um oratorio com imagens :
no caes do llamos casa da esquina.
Compram-se ourelos de panno fino : na
praca da Independencia, n. 19.
1 o 1,1 1 .i.-,1 11'i a escrava para fra da
provincia do 20 a 25 anuos, que saiba cor-
lar e fazer urna camisa do hornera e en-
gommar bem ludo isto con, pcrfaioio c vo|1(la nova n. 2.
nfioso olliaa preco : un niulalinbo de 16alu"
18anuos, de bonita figura c que (enhai IS 111 (' lll l.'l I D-
boa conducta : puga-se hem : na ra das
l.arangciras, 11. li, segundo indar.
Conipram-so qualro iscravas prenda-
das, com habilidades e de bonitas figuras,
para urna encomnieuda : na ra do Pusseio,
loja n. 17.
Conipram-so me^s garrafas vasias,
quo lenliam sido de ser veja e limpas, a 60
rs. cada uma : na venda dn ra da Cadeia do
Herir, II. 25, defroute du Buceo-Cargo.
Vendas.
Fugio do sobrado da ra do Crespo, n.
14, terceiro andar, um gato raaRr/, capa-
do muito nnnso ealguma cousa grande:
quem o pegar, querendo entregar a seu do-
no, dirija-sc ao mesmo sobrado.
Jos Francisco Moreira, testamenteiro
da finada D. Clara Maria da Conceicao, tem
marcado o dia 7 de outubro do corrente an-
no para dai cumplimento disposicOo tes-
tamentaria dcixada pela dila finada, a qual
be a seguinte: Serfio repartidos 400,000 rs
com os pobres de portas e orpliSos de pai i
mili, e de boa vida, residentes na mull.-
raguezia de S.-Amaro de Jaboatflo, sendo
Lotera do Rio-dc-Ja-
.oeiro
Aos iO.000,000 dc r*.
Na praca da Independencia, n. 4, vendem-
sc meios billietes, quartos, oilavos e vig-
simos da II.1 lotera a beneficio da santa ca-
sa da Misericordia do llio-dc-Janeiro. Na
mesma loja nioslram-so asustas da cari-
duda.
Venilc-se uma cama de a ripien nova,
por preto commoJo : na ra Imperial, n. 34.
Vendem-se 4 saceas de arroz, bninco ,
muito bom : na ra do l.ivramento, 11. 4.
Vende-se o tresenario de S. Francisco
de Paula : na ra llireita, loja n. 60.
-- Vende-se uma anmelo de venda, com
lodos os seus perlences dous caix 's de
amostras : I ndo colino ido cm bom lugar:
quem pretender unuuncie.
Vende-se um sitio na Varzea a mar-
l'oiii do rio Capibaribe, com pequeua casa
de vivenda algumas arvores de fructo e-
algum terreno livre para plantac^o : a tra
lar no mesmo lugar silio das Mocas, nos
uomiugos c dias santos.
-- Vende-so um molccote de 14 annos ,
de bonita figura : ao comprador se dir o
motivo por que se vondo : na ra estrella
do Itozario 11.17.
, Vende-se, ou arrenda-se um sitio per-
lo da praca uuia legua no lugar da F.mbe-
ribeiraou Barreta, com bastantes es de
mangueiras cajueiros, jaqueras e mais
fruto-ras, com lonas de ph-nlaco para
oais de viole mil covas dc roca e para eriar
10 a 12 vaccas de leite, indo pendente de
cerca, com boa cesa de vivenda, dita dc
laiinlia e mais arranjos : as Cinco-lentas,
passando o becco do Marisco primeiro so-
brado de 2 andares, no primeiro andar.
Vende-se um preto rroulo de 18 a 20
annos, ptimo para lodo o semen : no
Alerro-du-Boa-Visla loja de fazendas,
n. 60.
Vende-se uma cancella e uma eartei-
ra de viagem por 1 rcoo muito cummodo :
na ra do Pilar, n. 72, terceiro andar.
Na ra larga do Itozario, loja de miu-
dezas, n. 20, veudem-so pennas de ema e
dous bonitos couros Oo onca proprios pa-
ra manta.
Vende-se uma mulatinha de 1 annos,
bonita esadia: no largo das Cinco-Pontas,
quaila casa
Vende-se feijilo mulatinho de superior
oualidadc, em saceas: no largo do Foite- vendei alguns cortes de eassa de 2,500 e
do-Mallos, n. 8, a fallar com Jos Cypriano 3,000 rs., superior fazenda ; bom como len-
de Moraes Lima. os de seda, a 640 rs.
relio para eanliOes de bola de criado; es-
Irilios de metal branco ; picadeiras do
mesmo rretil; Jilas do ac ; biiJas de lo-
dos os modellos, e ,tudo mais que far per-
tencente oo mesmo citaliclecnnento por
preco commodo na rus Nova, loja, n. 28,
' 'fronte da igreja da Conceicao.
Vcmie-so um carro de 4 rodas novo o
envidracado, por preco commodo : no Aler-
ro-da-Boa-Vsta cociieira de Luiz Monier.
Ven leso uma esclava da Costa de bo-
nita figura muito boa quilandeira ecom
um lllho de 3 mezos: na roa da matriz da
Boa-Vista n. 26, segundo andar.
Vende-se azeilo do car rpalo a 2,000
rs. a ranada o a 280 rs. a garrafa : no pateo
o, v
It
Vende so superior azeite doce engarrafa-
do, polo diminuto proco de 640 rs.; man-
leiga ingleza a 560 e 700 rs.; vinho en -
gairafado, a 560 e 610 rs.; charutos su-
periores ; papel do machina ; dito de peso;
toucinho de Sanios a 140 e 160 rs. a libra;
bolachinha ingleza, a 220 rs. ; velas de es-
permaceti-, a 840 rs. a libra ; queijos fla-
mengos, a 1,000 rs. ; alitria fina, a 200 e
210 rs. a libra ,- dila grossa.a 180 rs. ; caf
de enroco ; arroa pilado ; osteiras linas de
Angola, a 1,280 rs. : na ra do Padre-Flo-
rianno, venda n.72.
Vende-se um methodo de flauta por
Divieni, por preco commodo : no Alterro-
da-Ba-Visla, n. 77.
Pechincha. _
Vendem-se, na ra Nova, n. 42, defrontd*
da Conrcclo, pecas de brim liso com 80
varas por 6,400 rs. muito lino ; cam-
hraiaaliudissitiias, a 600rs. a vara ; cassa.t
francezas padres modernos, a 750 e 880
rs. a vara ; chitas finas, a 200 rs.; e 00-
Iras militas pechinclias.
Vemle-so a venda da ra Augusta, n.
1 : a tralar na ra dos Martyrios, n. 26.
O baraleiro.
Na loja n. 5 A, da ra do Crespo ao p
do arco de S.-Antonio, vendem-se ricas
mantas de seda, a 6 e 8,000 rs. ; cortes do
fust.lo brancoalenchoado: a 500rs.; ditos
de cores, superior fazenda e lavoures 0-
teirameiite novos a 1,280 rs. ; riscadinhos
linos francezes proprios para camisa, com
5 palmos de largo e de cores fixas a 320
rs. o covado ; cifes de calcas de cies es-
curas, e do fazenda encorpada de 1,000
rs. al 1,440 rs.; cortes de casimira alva-
dia bastante elstica a 4,000 rs. o corte:
dila preta elstica, bastante larga, superior
fazenda a 2,800 rs. o covado ; chales de
chitas escuras para meninas, a 500 rs., e
grandes a 800 rs.; manas de tarlalana com
tecido de seda propiias para meninas, a
1,000 rs. cada uma ; e outras umitas fazen-
das por preco mais commodo do que em
outra qualquer parle. Dflo-se amostras so-
bre penhoavs.
Vendem-se sapaloes
de como c'e lustro, ditos
Illancos \o Aracaty. por
jirt'Csnomiuodo.si'iia rila
da Cadeia do Recife, n. 9.
da
--Vende-se superior cal virgem de Lis-
boa viuda pelo ultimo navio por preco
mdico : a Iralar na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
Vende-se uma porcode bolacha, pro-
pria para escravos, a 2,880 r. a arroba : na
padaria defronte da fortaleza das Cinco.
Ponas.
O baraleiro.
Na loja n. 5 A, da ra do Crespo, ao p
do arco de S.-Antonio, ainda restara para



Vende-se cal virgem de l.isbdn de
Superior qualidede, em lian is de 4 arrobas,
Che^ada nesle mol pelo brigue Mara-Joi:
a tratar na rua do ttrum, armazom de
Anloiijo Augusto da Fonscca, ou na ra do
Vicario, b. 19.
Chd brrisileiro.
Vende-se cha brasileiro no nrmazem de
moblados, Irs lo C.orpo-Sanlo, n. 66, o
mais excedente rh produzido e S.-Pau-
lo quo lem viudo a este mercado, por
prega muito commodo.
A 640 rs. cada nm.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpados o grandes a duaa pata-
cas ; cliiliis escuras de honspadres e co-
rea seguras, a mela pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
l.i para a cadeia.
Taivas para engenho.
Na fundidlo ile ferro da ra do llrum,
acaba-so de reeeher um completo sorlimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por preco ron-
nodo e com promplidSo embarcam-se,
r.u rarregam-seem carros sem despezas ao
c imprador.
4cs fumantes de bom %osto.
Noarmazem de moldados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, anegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, e de outras militas
qualidadea que se vndenlo mais >8ralo do
que em oulra qualqucr parte : bem como
rigarrilhos hespnnhns ditos de palha de
inillio, que se calilo vendando pelodiminu-
l ii preco de 500 rs. o cont.
-- Vendein-so amarras de ferro: na ra
da Sanxalla-Nova, n. 43.
a di fundicao liow-lfoor,
tlf 1\ SIfiZAI.T.A-NOVA, N./|3.
Ncste estabelecimento conti-
na i liavnum completo snrti-
mrnto de moenrJas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e lachas de ferro batido e
co^do, de todos os tamaitos,
para dito.
Vendem-se relogios de ouro o prata,
patentesInglezes: na ruada Senzalla-No*
va, n. 43.
Cortes de brim re puro
linho, a I,ift0.
-- Vendem-se corles do brim trancado
pardo le purn linho, pelo diminuto preco
de qunlrn patucas: na ra do Crespo, lojl
da osquina que volla para a cadeia.
Ctales .le Roberto co
Biabo.
Na InjadeCulmarSos & llenriques, ra
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a ra
do Colleaio ven leni-so os rovos chales
grandes intitulados Hoherto do piabu pe-
lo barato prrqo de 1,600 rs. rada um : esta
fazenda se lorna muito recommendavel,
porser de padrOeg novos, e do lindas
franjas.
-- Vende-se oleo ile recio superior em
Utas de 30 libras : na ra da ClUZ, n. 3.
-- Vndese farinlia de mandioca muilo
superior, a bordo do patacho Valtnlt, vin-
dodeS.-Calnaiina, tundeado no caes do
Collegio : a tratar com o capilo a burilo,
ou com Novaos & Companhia, na ra do
Trapicha, n. 31.
Deposito de Potassa.
Vende se muito nova potassa,
de boa qualklade, em bainszinhoi.
pequeos de quatro arrobas, por
proco barato, romo ja lia muilo
lempo so nao vende : no iJccile,
ra da Cadeia, armazem n. 12.
tadeiras le palhinha e
de bala 1 00,
bem com oulros militotrastes: vendem-se
em casa de Kalknianii IrmOos, na ra da
ClUZ, n.lO.
Rap rolClo franco?,
Vende-seo superior rap roblo francez,
nicamente as tojas dos Srs. C.aelano l.uiz
l'eireir no Alerro-da-lloa-VisU n. 46;
Tlmmaz n.54; Francisco Joaquim Duaite, ruado
Calinga ; Piulo &lroifio, na la da Cadeia
do Itecifc, n. 19.
G>
rX Um piano. O Vende-se um piano muito bom para y
0 estado, bonito e de excedente autor; *9
na na do Collegio, n. !>. 3
Harneas
Vendem-se barricas vasiaa que fram de
familia, em p e bem accondicionadaa
na ra do Amorim n. 35, casa do J. J.
Tasso Jnior.
Para cateas e jaqueles.
iVa ra lo Queimado,
loja o. 11 ,
vendo-so brim (militar) trancado bronco,
a 1,44J fs. o corle; dito dito escuro a
1,280 rs. ') corte ; dito cor do ganga, mili-
to lino, o 1,500 rs. dito liso escuro, bem
prnprio laiajaqiiPla.a 800 rs, o corle: sen-
do Indos de puro linho: corles de castor
do li.-tras c quaitros a 800 rs. o corle.
Na loj da ra do Crespo, n G,
ao p do lampeo, vendem-se as
segiiiutes fazendas por metade de
seu valor;
cortes de brim escuro a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,410, 1,500 o 1,600 rs. ; dito
brauco, a 1,5C0rs. ; dito lislrado 1,500
rs. ; piclo, muilo encorpado, u 180 rs. ;
chitas finas e de cores (isas, a 160 e 180rs.
cobertores de algodlo americano, os tne-
liiorcs que lia no mercado, a 640 rs.; ma-
dapoln muito linoe com pouco mofo, a
3,600 rs. a peca, e n 200 rs. a vara ; chapeos
da massa a 400, 640 e 1,600 rs. ; fustSo ,
a 480 rs. o covado ; dito muito lino e de
cOres lisos, a 640 rs.
Ra ra do Crespo, n. 5.
loja que faz esquina para a ra do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drees mui'o modernos pelo barato preco
de 280 rs. cada covado.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos- ns- San tos.
Va ra da Cadeia, n. 1>*1.
vendem-so por atacado tres qiialidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
cscravos, a 250, 280 e 300 rs. n vara.
Deposito da fabrica de
rorios-os-Santos na Rabia
Vende-se em casa deN. O. Ilieber & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodSo trancado
ilaquella fabrica, muilo proprio para saceos
de assucar c roupa de escravus.
Charutos de Ha va na
voriladciros: em casa de Kalkmann Ir-
aiilos na ra da Cruz n. 10.
Castorim francez, a 050
rs. cada covado.
Na loja que faz esqii'na para a ra do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorina
franee/.es mritn encornados, padroes no-
vos escuros e rom Iislras pela boira pelo
barato preco do 500 rs. o covado.
Pannos finos pretoeaxnl,
a 5,000 rs. cada covado.
Na loja da na do Crepo, n 5, do Cun a-
rips iSt llenriques, vendem-se pannos pre-
loe azul, finos, pelo barato preco de 3,000
rs. cada covado e alm desles ha um com-
pleto sorlinienlo de todas as cores e pre-
sos commodos.
irlndapoldes (nos a
3,600 rs. a poca.
Vendem-se madapolOes finos, com 21 jar-
das rom um pequeo loque de mrtfo pe-
lo preco de 3,600 rs. a peca : na ra do Cres-
po loja da esquina que volla para a ca-
deia.
~ Na loja do Estima & Ramos, no Alerro-
da-lloa-Visla, vende-se um rartln adrago-
nas muilo ricas. para capitflo ; bem como
um habito esmaltado de Christo.
Anligo deposito de cal
virgeni.
Pa ruado Trapiche, n. 17, ba
muilo superior cal Virgen) de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Superior farinba de
mandioca.
Chegou de S -Catharina o brigue S.-Ma-
Mul-Augutto com um carregamento de fn-
rinha superior acha-sc fondeado dcIVonte
do ces do Ramos o all fe vende qualqucr
pnreo a pceo commodo : lambem so p lo
tratar na prac,a do Commercio, n. 6, pri-
meiro andar.
Cal virgem.
Na ra da Cadeia do llerife, n. 50, escrip-
torio de Cimlia & Amorim, vende-so ca,
virgem de Lisboa de superior qualidrde I
por preco mais barato do que em oulra
qualqucr parle.
V. 0".
Vende-se, no arnia/.ein de Vicenta F. da
Cosa, na ra da Madrc-de-Heos, a supe-
rior e bem condecida grasa 97, em barricas
de 13 duzuis.
\ kVJrtM/i/.Oe 240 rs.
Na ra co < respo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Iras.
vendem-se ciles de sii| enor brim escuro
de pu'o linho a 1,280 rs. dito cAr de gao
ga de superior nualidade a 1,440 rs. o cor-
to ; lustrn! pelo adamascado, muito lindo
para lulo, a 240 rs. o covado ; superiores
chitas encarnadas muito finase de cores li-
sas a 180 rs. o covado e outras militas
fazendas por preco commodo.
Folli de laodres.
Venlem-se caisas com folha de Flandrcs:
na ra do Amorim, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Junior.
A ellas antes que se acaben.
Vendem-se ricas luvas de pellica jara
horiiom o senhora pelo diminuto preco de
1.000 rs. o par : na ra do Qucimado, n. 17.
|):1n-se as amostras.
Vende-se urna armado de venda e
mais perlcnces na ra Oireila n. 53 lu-
gar e.'te niinto bom para vender, tanto pa-
ra Ierra romo para o mallo : a trotar com
Antonio Francisco Mai tina do Miranda nu
ra da l'raia-de-.S.^-llila n 1.
. Vcndem-.se, na loja do Du-
arts, ni ra do Cabug, n i C,
botos demaiinlia; dito* de l'edro
II finos e ordinarios; ditos de
guarda nacional, cavallaria e vo-
luntarios ; ditos pora primeira li-
nbo, amaiellos e pelos ; ditos pa-
ra casaea, de diversas cpiabdadcs ,
ditos de iihIi i'|.crol.i para pali-
tos ; ditos d'acodc diversas cores ;
ditos de todas os cores paraenfei-
les de vestidos de sanhurn ; e go-
las re cambraia.
Na ra do Cabug, loja do
Duarte, n. i C, vendein-sc cani-
vetesde urna a quatro follias ; fa-
cas e goifos j tesotiras fabricadas
4
em GuimarScs, proprias para bar-
beiros e alfaiatcs ; ditas para cor-
tar papel; ditss em carteira para
tinlias, asmelhoresque aqu teem
apparecido ; apparelbos de collie-
resde metal do principe; afiado-
res ; navalbasy saca-rolhas de pa-
tente ; lamparinas nglezas ; cam-
panhias de nova nvencao ; e ma-
chinas proprias para alfaiates.
Pos galvnicos para
praear.
Na ra do Collegio, loja o. 9.
Todisas pessoss que possaem objectos
praleados eque tenham perdidas cor ar-
gentes, estando por isso indecentes, ou inu-
tihsados, teem nestes pos um excellente
restaurador e conservador dos mesmos
objpctos sempre como novos sendo o pro-
cesso para se usar delles o mais simples,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho molhado em goa fra e passado
nos mesmos pos.
Urna caisinha contendo quantidade suf-
ficienle para pratear mais de 40 palmos
quadrndos cusa a mdica quanlia de
mil rs.
Lotera do Rio-de-Ja-
neiro.
Aos 20:000,000 de res.
He cargada a lista da dcima primeira
lotera a beneficio dss casas de caridade, e
rom ella grsnde sorlimcnto de bilhetos,
lucios, quarlos, oilavos e vigsimos: a elles
anlfs que seacahem, pois sflo muito afor-
tunados : na ra da Cadeia do Itecifc loja de
ferragens, n. 56.
A 4/0000 o corte de novas
alcinas de seda
com lindos padrOes de lisias o quadros, cO-
res modernas, clarase escuras at pretas ;
gangas aman-Mas da India, proprias para
todo o trage de bomem e de meninos ; bem
como um novo srrlimento de fazendas li-
nas egros mazem de Itaymundo liarlos Leile, na ra
do i.im-im.oio. n. 27.
Novo inadapolilo patente
com mais d 40 jardas
cada peca
e com largura quasi do urna vara fazenda
a mms tina que se rde imaginar, por isso
ptima para ludo pelo diminuto preco do
9,000 rs. a peca ; bem como lodo o sorti-
mento de fazendas finas o grossas : no no
vo ai iiia/i-m de fazendas de Itaymundo Car-
los Leile, na ra do Queimado, n. 27.
Na loja do Duarte, na ra
do Cabug, n. I C, vendem-se re-
quififes de cores ; franjas pro-
prias para mantaletcs de cores ;
lencos de sedi ealgodao para gr-
vala e algibeira ; boleas de mican-
ga, proprius para mitos ; manli-
iilias de seda a 800 rs. toucas de
laa para senbora e meninas ; e laa
para bordar de seda, de todas as
coi es.
as
* Na ra do Crespo, loja da *>
esquina que volla para a B
4) Cadeia, vendem-se
&) os acreditados brins brancos de lis- A
# Iras, bsos e amarellos, a 1,500 rs. o |
4 corte ; dito muito superior, a 1,11111 *"
'> rs. todos de puro linho ; panno fino *>
> pretocazul. a 3,200 rs o covado;
5 dito muilo nipeiior, a 5.5C0 rs ; fus-
f loes muilo boiiilos a 640 rs. o cor-
fe le ditosde velludo muito ricos a *
W 2,500 rs. pecas de cambraia do qua- ?
& dri's de 8 varas e meia, a 2,720 rs. a **
fr peca ; cassas prclas muito bonitas #
S0 a 1,440 rs. o corte ; madapol3o en fes- ?
M lado multo fino, a 5,400 rs. a peca ; A.crles de calcas de selinela do rr, $>
a 880 rs. ; ditos de castor, a 1,000
>:' rs. ; i-hila azul para escravos, a 140 *
? rs. o covado; picote muito cncorpa- 4
# do, a 180 rs.; planillas .le linho, a 500 i
rs. a vara ; e.'guiao de linho muito (i- t
d no e rom 4 1 almos o meio de largo- 4
9 brim do algodOo, a 800 rs.; o ou-
A tras muilas fazendas por prcQocom-
i) modo. ?
* <
-- Antes da ilcsroberla dos oculos esla-
va moa velhos ealguns mocos quo tinham
a vista causada, ou curia sentenciados a ser
objecto de 1 iso na sociedado j pelas con-
tinuadas canelbdas ou quedas que davarri
quando caininhavam, j pelas asneiras quo
diziam quaiido liam ele. ; boje ludo islo
desapparcci-u nlo por efteilos medicinae
que nada descobririm a respailo., massim
pelo uso dos oculos apropiados ao grao da
vista do paciento: quem delles precisar,
dirija-sei ra larga do Itozario, loja de
nnudezas, n. 35
Mantas de seda.
Na ra do l.ivramenlo, n. 14, acaba de
cliegar um sortimenlo de mantas de seda
para senhora ; cortes de casimira 1 rea, a
8,000 rs. ; cortes de cambraia de ricos pa-
dioes ; c.iinis. s de meia para meninos de
i'ous anuos; meias curtas de linho muito
finas para homem ; luvas do algodlo parja
meninas a 800 rs. a duzia e a 100 rs. o
par; eoutras muilas fazendas baratas.
Vt:iid mo : 2 molccocs de 18 anuos ; 1 moleque
de 12 anuos; 3 p'etos bons para o triha-
Iho de campo ; urna nioleoa de oscilo, que
cose e faz todo o scrvico de uim casa ; 3
prelas de nacHo Cosa ; e mais alguna cs-
cravos : na ra das l.arangeiras, n. 14, se-
guudo andar.
Vendem-se, na loja do Dur!
arte, na ra do Cabug, n. iCV
n,5oo
perfumaras finas e sapatos de co-
ro de lustro a a,2/|0 rs.
Rap Joo Paulo Cor-
deiro,
yndose na ra da Cadeia do Itecife, n. 53
-- Vende-se urna crioula boa cozmheira,
docoira, costureira, e tambera engomma :
na ra do Collegio, n. 6.
*********** mtmmmmmmm
Loteras do Itfo-de- 1
Janeiro.
_Aos 20:000^000 rs. 1
111.a- a favor (a Misericoadia*
e5.' do tkesouro.
Meios bilbetes.
,.-!; Quarlos.....5,5oo
Uitavos.....2,800
| Vigsimos. t,3oo
Na ruado Collegio, n. 9.
3 v
9mwwmz> mmmm
Vende-se cal virgem superior de Lis-
boa em birria pequeos, fcises de arcos de
pao o rodas de ditos para barricas, runde-
les de pinho abatidos para assucar, pregos
ctitaes do Porto em barr do 10 milheiros,
ditos de estuque em bar is de 32 e 45 mi-
lheiros, pilulas da familia: a tratar com
Joaquim Frneira Mentes Cuimaraes, na
ra da Cruz, n. 49, prinviro andar.
Vende-se metade de urna
casa terrea, sita no paleo do Hos-
pital do Faraizo, que faz esquina
para o becco do uvidor, por pre
co muilo commodo : a tratar na tra-
vess3 da ra.da Concordia, sobra-
do de um andar, n. 5.
Cha biasileiro.
N venda que foi de Jos da Penha, nr
ra Direita, n. 93, vende-se cha brasileiro a
2,240 rs a libra, muito bom, bem tiaba-
Ihado, a ponto de se nSo diftorencar do cha
hvsson, em factura e goslo he superior ; ha
limbem |ara 1,820 e 1,760 rs. a libra, lam-
bem bom ; manleiga ingleza a 600 e 800 rs.
a libra, e franceza a 640 rs.; vinliodo Por-
to engarrafado a 500 rs., do mesmo por en-
garrafar a 480 rs. a garrafa, a 210 rs. guei-
ra, o a 200 rs, ; queijos de Minas a 400 rs. :
os freguezes pdem continuar.
Vendem-se dous pianos de
oplimas vozes, bom autor ede ex-
cellente construcc2o : no arma-
zem da 1 na da Cruz, 11. 48.
Vende-se um violSo de chave, com
boas, vozes por preco commodo : na ra
das Cruzes, 11. 40.
Vende-se no armazem do
barateiroSilva Lopes, na portada
Alfandega. sevada, vinlio do Por-
to dito de. Bordcattx, o mais su-
perior que vem a este mercado,
em pipas, meins-pipas e baria a
v otil a de dos com piadores.
-- Vende-se um cahriolet inglez muito
forte, em ptimo estado u pintado do novo:
na cocheira do Sr. Mounier, no Aterro-da-
Boa-Vista.
No deposito de charutos da l.ingoela ,
n. 14, ha um soi lmenlo de charutos, como
spjam : regalia lgalos de llavana de, u-
lados, melindres e outras muilas quabda-
des.
Lotera do Rio- de-
Janeiro.
Aos '10:000,000 de ris.
Vendem-se bilbetes, meios, quurtos, oi-
lavos e vigsimos da 5.* lotera do thesou-
ro publico: na prac da Independencia
loja de fazenda n. 1, pintada do smarello.
Yende-sc
cobre para Torro de
navios:
noarmazem de J. V. da Silva llarroca na
ra da Madie-dc-Deos, 11. 24.
A Henean.
Com um pequeo loque de avaria em
una s orella, se venden pecas de algodilo-
zinbo largo o encorpado, fazenda perfei-
tamente boa, pecas de 20 jardas a 2,000, o j
leudo mais de 20 jardas a 100 rs. a jarda : no
novo armazem de fazendas de II. C. Leile,
ra do Queimado, 11. 27.
Na ra estrellado Itozario n. 43, se-
gundo andar, vende-se um escraro perito
official de sapateiro o que he bem moco : 1
o motivo por que se vende se dir ao com-j
prador.
Na ra do Crespo, n. 11, vende-se o
diccionario do Momos da quarla edifAn, e:n
bom estado, pelo diminuto preco de 16,000
rs. visla.
iTloendas superiores.
NafundifSode C. Starr t Companhia,
em S.-Amaro acham-se venda moendas
do raima, todas de ferro, de um mudlo e
conslrucco muito superior.
ililno moido para ca-
vados.
Em Pra-de-Porlas, na ra dos Cuara-
rapes n. 5, ha um deposito de milito moi-
do para cavallos ao bar.itu preco de 1,280
rs. por arroba : ahi tambem so vende a mais
lina farinba du milito que se pode desejar.
\a ra do Crespo, loja
de 4 portas, n. 1*2,
vende-se o restante dos inultos acreditados
chapeos de castor pre lo, pelo diminuto
preco de 3 e 3,500 rs.; coi los de sedinhas,
a 2,000 rs ; ditos de victorias, fazenda
muilo duravel, ede cores tecidas a 3,000
rs. ; cuites de cambraia franceza lo ib It-
renles padroes a 3 c 3,500 ts.; corles de
cassa com asslo escuroe cOres linas,
2,500 rs., isto por ter um pequeo toque
de mofo ; barretinas a 2,000 rs., e mais pequeas a 1,000 rs '.
calcinitas de fil de linho para meninas '.'
320 rs. o par ; chitas finissimas em pnn'oe
tintas, a 200 rs. o covado; brins dclinl,0 '
algodlo de cores a 320 rs. o covado.
Sapatos de couro de
lustro, V240 rs.
No Alerro-da-Boa-Vista loja n. 78, ven."
dem-se sapatos de couro de lustro par.
nbora a 2,240 o P i sapatOes do An,
caly a 500 rs. o par, estes clao se ac.
bando.
A 900 rs. cada urna
vara.
Novo algodlo california com' 8 palmos I
de largura na ra do Crespo, n. 5, loj,
quo faz esquina para a ra do Collegio, I
vende-se o novo algodSo trancado ptI
prio para toalhas com 8 palmos de lirgu.l
ra pelo barato preco de 900 rs. cada utDi [
vir$.
Na ra do Rangel, n. 8, vende-seespi. i
ritodevinh'odeSSgros, a 1,200 rs. a
nada, e a garrafa a 180 rs. ; arroz de suat, [
rior qualidad ,a 2,000 rs. a arroba, da|l
libras para cima e a 80 rs. a libra ; di|(|
ve i inelbo a 1,500 rs. a arroba e a 60 rs.al
libra ; bolachinba do Lisboa, em latas da l|
libras ditas de outras qualldades; feijaol
niiilalinboe hranco ; e oulros muitot geite-l
ros de venda por preco commodo para liJ
quidar: lambem se vende a mesma lber. [
na rom os fundse vonlade do comprador,!
Vende-se um mulalinhode bonlaG>>l
ra por prrijo commodo : no llolel-Pran-l
cisco.
Vendem-se couros de cabra e pennisdil
ema : na ra Nova, n. 20.
Novos cortes de cassa pa.|
ra vestidos.
Vendem-se corles do cassa para veslL,
de cOres lixas e le bonitos padrOes, i seiel
e oilo patacas o corte ; chales de tarlalam I
grandes a 800 rs. ; meios ditos, a 500 rs. |
na ra do Crospo, loja da esquina que g|.'f
ta para a cadeia. A
Tpoias do llaranhao, ,
ou redes de malha muito frescas e fortes;i
ditas feitas no Cear bordadas a agulba,1
le diversas cores: na ra do Crespo, n. 0,1
loja de fazendas, de Antonio l.uiz dos SuJ
tos & C.
Vendem-se, iruiloem cunta, 18 cadci.l
ras com nssento de palha, 1 capnap, biivl
cas e urna mesa de meio de ssla : ludo enl
muilo bom estado e de Jacaranda : na ral
da Cadeia de S.-Antonio, n, 10, loja b\
maicetieiro, se dir quem vende.
Vendem-se 24 pipas com ago'erdenli|
com o grao que convier ao comprador:
ra da Praia, ti. 20.
Escravos Fgidos
Dio -se 40,000 rs. de gratiflcacSo
a quem pegar um moleque que fugio no
25 ile julho prximo passado, de nome
gucl, do nacloMocambique, altura reg'
lar eabeca cumplida olhos. nariz e hoi
ca regulares denles limados, com mis;
eos pelas fon tese nariz; be bem fallanlt-
muito espeito; lem um C nopeito esquetj
do : quem o pegar leve-o a ra dos tiu*]
teis n. 15, casa de cigarros-.
Fugio, na noile de 25 do correle,
cabra JnSn, de estatura regular, represrnl
ter 28annos pouco mais ou menos, reforl
cailo, rosto redondo, faces encovadas,ol
pequeos, olliar sonso falla descansad
humilde nariz chato e ventas largas, b
ca grande denles podres, cabellos carapi
libados, maos grossas, com una man
as costra de um caustico; levou camin
calcas de risendo azul j lespotadase cli
peo de pello de abas largas. Este escri
veio do Maraiihlo onde foi surrado o le
prenles. Quem o pegar leve-o a ruadoTn-
piche, n. 31, casa deNovaes S Compaohii
que recompensar.
--l-.ni outuliio do anno passado, fon
deseuraminhados dous escravos do lugu
das Cinco-Pontas, por cerla pessoa, para
lunar Grvala, ou casa nova, dizendo i
ditos escravos que logo os vinlta comprar
edepoisdeos ter alguns dias, os escra
viramque esta pesso uo os vinha co
prar como prometteu, resolverm-seS fug
outra vez para o Itecife amulo logo fura
entregues a seu dono o romo agora ai
lecea fugirum delles de no,ne Joaqu
cabra escuro, alto, olhos vermelhos,
quatro dedos em urna mo de 28 a SO
nos. Se por acaso elle se dirigir oulra
para esse lugar, roga-se do o mandar
Iregar na ruada Praia-de-S.-llita, n
que se pagar todas as despejas; do
i rano, se recorrer as autoridades para
Ihor liiscalisar a sua captura.
Rogn-so as autoridades policiaes (
pitaes de campo, que apprehendam e
vem a ra Direita, u. 69, a prrta Florem
fgida no dia 17 do crrente de 17 a
altura regular fula por andar lente,
la descansada ; levou vestido o camist
estopa e panno da Costa, com um rer
do diiTcrente em urna pona que pi
branco ; tem os dedos dos es bem a
Fugiram, do engenho Novo do Ca
do abaiio assignado os pretoa jseguiflt
Louicnco, de uaco Congo, baiso, refoi
do do rorpo, cor bem pela .- Oioniio,
bolo, baixo, cor bastante fula; temas'1
las biislante aberlas : Uvmuuilo, llenp-'J
la, baixo, cr fula com um olho mais ^
toado que o oulro : Tristo, lleogueia ,
eslalura regular, cor preta, com urna cictj
triz em urna pemae um pequeo taco ti""
do em urna orelha : Jotlo agOa, Conga, I
vclho, cor fula, com costuras bem visi"'1
na cabega : Manuel Conga. Cacange IC"
moco, com os heleos muito salientes a''"
rouito rouca : Severino, carreiro, j aasla'
lo vclho baixo, com os olhos muil n'r
melhos: este esta fgido ha um auno, >'"
oulros ha pouca mais de um mez : lao>'ie
fugio do mesmo engenho o prelo tlalhe
Sabido, de nacflo Angico, bem prelo o
he moito moco ; perlence ao Sr. Antn1
(Jomes Pesaos de Tabalinga : quem o* V^
gar leve-osaoditoengenlH Novo, que"
ra gratilicado.
u
el
coi
I
ro
la
Cu
Pa*M. : HA TYP. DE N t. DK PAKU.
-iw
MUTILADO l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EMU8XEUR2_XTDJBR INGEST_TIME 2013-04-24T20:29:02Z PACKAGE AA00011611_06647
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES