Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06646


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-.
Auno X-JtV.
Quaita-Vu'ia
TATLTIBAS DOS OOB&KIOI.
fioianna ePawhlba.ecptnto eeU-felra.
uo-Grau Jc-do-Kortc, quinta.-feiras ao raelo-
Cbo'serlnhSe.D. Rio-Formoso. Po'^"
Macelo, no l., alie 21 de cada ...e..
Garnnhuns e Boulto, a 8 e 2J.
Uia-VUtt e Flores, a W e o.
Vicloria, quintas-liras.
Olind,. lodos o das
, EPBEMEBIDES.
Phase d* :.o. ~ Chcia a 1, s 2h. ciS m. da t.
Ming. a 9, s A h.e.3G m.da t.
Nova a 16, Ii. c 1*2111. da t.
Gresca 24, i 9 b. e 4in.dam.
ntlaUB DE BOJE.
Prlinelra acs 30 minutos da tarde.
Segunda aos 51 minutos da manb.
fe Scfcmbr do 1840.
(10
N. I4.
pnxooi da soBSCRipqAo.
Por tres mezes (dianlado) 4/000
Por seis meie K/OOU
Por uui auno HUQM
DAS DA 8EMAMA.
24 Seg. S. Geraldo. Aud. do J. dos
1. vara.
2j Tere. S. Firmino. Aud. da chae
do civ. e do dos feitos da faieuda
26 Quart. S. yprianuo. Aud. do J.
27 Quii. S. Cosme c Damiao. Aud.
dora, da 1. v.
28 aext. S. Venceslao. Aud. do J.
e do dos feitos da faxendi. '
29 Sal). ij S. Miguel Arebanjo.
30 D.iin. S. Jernimo.
BSSSS! U. M USB
orf. e do m.da
.,doda 1. J.v.
da 2. v. dorlv.
do J. dos orf. c
da 1. v. do civ.
CAMBIOS IH 25 DE SETEMDRO.
Sobre Londres, 26'/,i por 1/000 r. a 60 dias.
Pars, 370.
Lisboa*, 110 por cento.
Ouro.-Oncas hcspaiihocs......... 31/000 a SI/NW
Mol-da de b>100vclhas.. 17/000 a 17/TI0H
de (-ii'O novas .. 16/500 a 16?, I'
. de 4/000...........9/400 a 9/60"
rVala.-Patac.3es brasileiros...... MU a flTW
Pesos columnarlos....... 1/iM) a 2.AHH
Ditos mexicano..7.y... V "''> M*'
Hraraw.
i ii Ma ifiTTrTmrrr

JARTE OFF'ICIAI.
TRIBUNAL DA lELACAO'.
SFSSA DE 25 DE SETEMBll DE 1849.
PBIDSCIA DO BXM. 8MII0
CONCELHEIRO AZRVEDO.
A's dex horas da manbaa, achando-se pre-
..-iiies os Srs. desnnbargadores Ramos, Leao.
touzs. 'bello e Luna Freir, fallando com
u. n Srs. desembargado"! Pooet. Vllla-
"j, Bastos e Telles. o Sr. presidente declarou
abc'rta a sesiio.
JULOiMINTOS.
Appillacei civil.
Annellsntes e ppellados Bernardo Lasierre &
Ce Bernardino Gomes de Carvalbo.-Fran
despreados os embargos de Lasscrre.
Aggrtvo di petitdo.
Aeeravante, Joo Keller & C. e outro; aggra.
vad, a vluva Cunba Gulmarae.-Dcu-e
provimento.
DESIONACdES.
Fol assignado o l.'dia til para ojulga-
r.'.nto dosieguintes feitos:

Jppellacei civtis.
Appellanle, Francisco "ose Barbosa ; appella-
do, Antonio Gome Villar.
Appellaote, Domingos Perelra Mendanha ; ap-
pellado, Joaquim Ferreira.
Appellaote, Jos Joaflulm Anastacio ; apnrl-
lados, a Tiuva e herdeiros de Jos derUli-
velra.
REVISOES.
Passaram do Sr. desembargador Sousa ao
Sr. desembargador Rebello a appellaces cl-
vels em que sao :
Appellanle, Rita Mara de S Andrade appcl-
lado, Antonio Jos de Mello.
Anpcllanle, Jos Rodrigues do Paco ; appella-
do, Joaquim Francisco de Albuquerqucan-
A podan te. Joo de Barros Reeo Accloli e
sua mulber ; appellado, Lulzde Sa Tclxelra
Lima. ,,
AnpellaDte, Vicente Cardoso Ayres ; appella-
da, D. Anna Joaquina de Almcida.
Anpellante, D. Raquel t aetana Alexandrina
de Mello- appellado, Joaquim Pedro do
Reg Cavalcante e sua mulher.
A appellacao crime cm que sao :
Appellanle, promotor publico da villa de S.-
Mieuel ; appellado, Ponciaiino, escravo.
Passoii do Sr. desembargado* Rebello ao Sr.
desembargador Luna Freir a appellaco ci-
vel do juizo do ausentes desla cidade em que
Appellados, Bernardo Lasserrc t C.
Do inesmo Sr. desembargado! Rebello ao Sr.
desembargador Souxa a appellaco clvel cm
que sito : ...
Appellanle, os administradores do .patrimo-
nio do orphaos dcsla cidade ; appellado, o
Kxin. bispo de Marianna.
Disriusulce.
Ao Sr. desembargador Soma o aggravo do
luio do clvel da comac do Cabo em que sao:
Aggravante, Antonio Falc3o de Mendonca ;
aggravndo, F.slevo Jos Paes Brrelo.
A appellaco clvel desta cidade cm que sao :
Appellanle, Antonio Jos Pereira ; appellado,
I.uiz Rodiigues Samlco.
AoSr. desembargador Rebello a petlciio de
D. Maria Tlierea de Jess para concesso de
prorogacao de Inventarlo.
A appcllac5o clvel do juizo dos residuo des-
ta cidade em que sao:
Appellanle, >nna Maria de Miranda Castro ;
ppellado* Juanna Maria de Miranda Cas-
tro e o solicitador dos residuos.
l.evautou-se a sesso drpois do meio-dia.
IxfemoR.
POIITO, 30 DE II1UIO.
A gloria do mundo passa como um spro.
Ha um momento cm que o grande se
confunde com o pequeo, o rico como po-
bre, o sbio com o ignorante, o poderoso
com o desvalido.
II um oiomcnto.emim, cm quo.o imono
se confunde com s cabana do pastor : este
mntenlo lio a hora do pssmento.
I'ortuenses! Queris um exomplo mais
vivo dessa fti verdade ? '. Expirou o mul-
lo alto e poderoso re da Sardonh, Cirios
Alberlo.
Qual ser desgosto do digno lllno, era
rujas mBos lle depositar o peso da cora
liberal d seus estad' s !
Ainda cm nossa|folhadesabbadolrsnscre-
vemos um b,ello trgclio de una | rocltin(So
do novo re a-sus nbditos, em seguida
quid fazia votos porque a Providencia run-
crvso vida do aug sto pai, para poder
presenciar como elle desenvolva as ideia
liueraes q:ie Iho legara ; e o poderoso mo-
narcha i em i"i leito de dr ncanva im-
pvido a terrive! Iiorrde traniir,ao do mun-
do para s elernidile!
Asui passa glons do mtin lo m
l',reco que os arcanos da Provulenei
drtlinavam esta cidade invicta paracunne-
cer pessoalmenlo o confronlar dous gran-
de ajionarcha, assim na vid, como n
. utorlc !
M : quem nrto concebe o prallelo que
lia outro o stidoso libertador, duque de
liragitac*. e o augusto rei, oa Oefunlo,
ft.arlo* Alberlo ? *
pTlir.bo outorgatatn a liberdade a seus no-
vos; ambo abdicaran) suas coras; ambos
cncurtaram a vida com suas fadigss polti-
cas e vigilias militares; ambos sustenta-
im cruentas baUlhas por amor da liberda-
de do seu piz; ambos, ethfm, morreram
entre nos; um na reaidade, outro etn es-
pirito e corscito, a ponto de nos envir,
para monumento de seus desejos enflecto,
o precioso deposito de seu coracAo magn-
nimo.
Isto.porm.sej ditosem parallelo; no
he hojo o illa competente de recordar parti-
cularmente o mrito e virtudes do nosso
inmortal libertador; pede,porm,o decoro
do nome portuguez, pede a dignidade dos
Portucnses, que tributemos o merecido elo-
gie memoria do augusto finado que hnje
he do dominio da eternidade.
O fallecido monarcha foi a pcrsonalisaQito
de urna grande qtiestilo europea que tanto
tem Bgitado om nossos dias, e que. ainda
pende, posto que caminhanioj porventu-
ra para o seu occaso.
urna segunda vez que os seus designios po
liticoafossam frustrados.
Foi entilo que elleKlis'e com toda a ox-
panslo de sen coraco :-Cauii victoria dii
- borador, bom como a de qualro trabalhado-
res e a de um armazom.
Portara, do leor da de 2* do junho (indo.
-- Ao capitio Jos de Almcida Pinto de
DinsOo deseo coraclo :~tausi victoria mis ao capu.i '<< ....-... -
vlacuit: e resolveu depositar todo o peso do Proensa para ir commandar o destacamento
' ...___i_____k__.i________t.. i;ik,. t., ,.,.1 ,K. ,hu U'vilk
HUCHIl P I ca,, w ..v,.w^.*... .--. -"'
sua cora liberal as mfios do augusto lilho
actualmente reinante, para n.lo mais sof
frer as contingencias de tilo elevada posi-
CSo, nem os espinhos de tilo arriscado com
promisso.
So ho preciso mais nada para retrata
Nao lio preciso mais nuda para retraa im. no ca,....... (.,.....-..---- -
o carcter do augusto soberano queja n.lo o a mandar fuzer o concert da lancha de
____ .-\..-.~ i:., ,u ,i;_ .-,-,,.,.,',. r ,i ivsi.im'1 v.i i- i i i ni i
m nossos dias hemos visto a Europa to-
da agitar-se entre dous pensamenlo* op-
postos : o monarebismo pugnando por
seus interesses dynaslicos e pe integri- '"J "'
dde de suas coras; e o republicanismo coaoa r
guerreando com extraordinario (lineo a
pcrpotuidade das dynastlas reinante* e a
unidade poltica de seus estados.
T3o rendida e pertinaz ha sido a luta des-
tes dous pensamentos, que a Europa lem
estado reduzida duvidosa alternativa, ou
de vir a ser constante prez de um progres-
so anarchicoe demaggico, ou reverter ao
dominio da ordem estavcl e legitima.
He neste cmenos que o fallecido mo-
narcha concebeu um pensamenlo grande,
que ja Napoleo liavi entrevisto: o de dar
unidade, libtriaie o indtpentlencia rtgular a
toda Italia Dest'artese tornou Cario Al-
berto a personalisatjo da grande quesillo
austro-italiana.
he da regulo dos vivos Quem deixa de di
vissr nos ligeiros traeos, quoatqui hemos
debuxado, o carcter de om principe abali-
sado pola elevaclo e grandeza de seus pen-
samentos polticos; pela constancia e te-
aailianiua pu,,wi.w. r< .- ~-----------------
nacidade em os sustentar ; pela coragem e
donodo militar com que ompunhou 'as
armas ; pela abnegado, omlim, o gran-
deza do alma com quo largou o peso da
Em summa : Carlos Alberto foi um prin-
cipo philosopho, um varilo constante,
un genio guerreiro, um coraclo magn-
nimo.
Que notavel coincidencia entre o augusto
finado e o saudoso libertador dos Porta-
guezes !
^iIo havia, portaulo, impropriedadealgu-
ma cm quo viesso morrer entre os Portu-
eiises, para estes llie dedicaretn um redexo
da veneraco quo tributam ao sen immor-
tal libertador, e Ibe renderem urnas hon-
ras fnebres semolliatitcs s que prestam
aquello.
lie do que si trata; be o para que ludo
so prepara ; justo he que as autoridades do
- soecrro da respectiva capitana
Dito Ao mesmo, dizendo-lhe que o go-
vorno fica scionle de liavor-llie o cominan-
danto ilo vapor Imperador entregado i im-
portancia em que foi avallado o daino
causado pelo mesmo vapor charra Ca-
rioca .
NK'le'eRir que o pens.mento ho Porto se esmerem em honrar dignamente a
ten.cld.de ecoragem : quo ma.s beprec.so "^ ot, l^ \
pura obter gloria no mundo.
O mais perlonee ao Dos dos excrcilos
, m"S rlZ'S* D.e. oriMra"univer do a^or mundana do multo Ho e pod
perlence quello que he a origem un.ver irdenha. Carlos Alberto, res
sal de todo o poder, e cuja providencia
brange os destinos de todas s nac -s.
Se por um lado parece que Carlos Alber-
lo qtiori dilatar sous interesses dynaslicos
a cusa dos das unirs casas reinantes da
Italia, note-so que as pequeas casas rei-
nantes da Italia nao podiam existir em pre-
sonca do pensamenlo destruidor quo a de-
magogia da Italia concebeu contra ellas :
nflo podendo por conseguinte essas peque-
as csas reinantes defeoder-se dos assaltos
niveladores dademagogia, queoulra cousa
restava, do que urna casa mais forle diri-
gir e regularsar esse pensamenlo de (Mi/t-
cajtoda a Italia dcbaixo de inslituicOes li-
vres, e com independencia da Austria ?
Em presenta de um pesmicnio lt i pro-
dominante om toda a Italia, Carlos Alberlo
porum lado e Pi IX por outro, cada um
com a.sua respectiva influencia. poderUm
promover e dirigir melhor a causa da re-
generacao poltica dessi bella pennsula,
se melhor se houvess.-m apercebido contra
os impetos frenticos da demagogia. Mis
ninguem dir quea boa_.f seja.um vicio :
o certo lie quea causa d. ordem legal es-
tove a perder-seno meio dos febricitantes
sonhos da demagogia socialista. Infeliz-
mente o finado monarcha ja n5o pode tirar
partido da sua experiencia, como noje
Po IV. .... .
O pensamento da regoneraQao poltica da
Dalia, dentro dos limites da unidade. Ii-
lrd.de e independencia, era um pensa-
mento pbilosopliico, mo ha duvda ; ms
no podia levar-sc eireito, som destruir
os diretos adquiridos da Austria. Estabi-
leceu-so por conseguinte no Piemonte o
cenlrodo urna porfise luta : a Austria es-
tove ompre muito longe de acquiescer a
innovaces quo exigiam cessao de territo-
rio, ou mudanca de linha fronteira das ?os-
spssO-'S .ustro-italianas. Ilecorreu, portan-
to, s armas para manter em toda a intei-
reza oantigo aivdondamonto que se fun-
dava nos tratados de Vienna.
Carlos Alberto, escudado com o entu-
sistico apoio de toda a naco, nao rocuou
di.iiteda'sorlo das armas; us estas deci-
dirn! o negocio a favor da Austria, que
acliou um inexpugnavel biluarla na expe-
rimentada pericia do octogenario Itadczlky
frcnle de tropas aguerridas e disciplina-
das, aopasso quo os goneraese tropsspic-
montezas tiiiham menos pericia e disci-
plina do que um fogoso denodo que
Tesultade urna causa, toda nova, todasym-
patbca. ,., ,
Mas urna balalba perdida, noj destroe a
heroicidado de quem se abalanca a ella,
nenia plausivd justica dos triRivos .que a
occasioiurarjv sao azares da guerra.
u pudotoso mona relia nflo quiz dsmin-
tira cunlianca que nello selnvia deposi-
UUii: os seus brios guerreiros em nada ac
Vm inferiores aos b ios.nacionacs ; por a
isso, socsles nao desjisiiam do empenho do
Causas, rufcwo 14U ..' i-------- 7
Yr a ua obra ao,cabo, ou morrer no meio
mais decidida renuncia a todas as gran- u
dezas Iluminas.
vi
rtudes do hroes.
Eii.fim armeaorefaz s masfrQas ;4,re- 'J
para-so de longe para urna uuis e 111 4 de- ,r
finitiva balalba ; rotinem-se todos os recur- |e
sos da nacilo ; junlam-se frcas collossaes ; ..
dos grandes monarchas.
Agora, depois de havermos commemori-
mi ,i c|witn iiiiiiiuiwh ....-------- r
roso rei da Sardenha, Carlos Alberto, resta
orarmos por ello, para que a Divindado Ibe
de a gloria e reponso elerno.
Mas n3o terminaremos, sem observar aos
governantes do mundo, que militas vezes
se morro no meio dos mais gigantescos pro-
jeclos.
Et nunc, reges, intelligite : erudimini dicatis terram.
[o Defensor.)
INTERIOR,
ALACOAS
Exmelo do expediente do Exm Si: presiden-
te Dr. os liento da Cunha e I'igueiredo.
CONCLUSA!") DO DA 1. DF. ACOST.
Ofncln.--Ao juli municipal mpplentc do ter-
mo do Poxini, para renielter lliesouraria pro-
vincial a quanti-i que se ada alli depositada,
proveniente dc'legados pos nao cumpridoi.
Dito. A cmara iniinicipal da cidade das
Alaouas ditrndo-lhc que fica elevada a grati-
licacao do adminislradur da obra do cala-
mento das ras c cadeias da nicsina cidade a
1,000 rs. nos dias nleis.
Dito. A da cidade do Penedo, aiilornando-
a para, das sobras que cxlstrm de seus rcndi-
mentos, despender a quaiilia precisa com o
reparo da exuavatao da ra do Cominercio da
inesin.i cidade. *
Dito. A da villa do l'orto-da-Follia, dlscn-
do-lhe que o govemo nao pode interinamente
approvara postura que Ibe envin, por conter
objeclo digno depondaiacto que coiivm ser
discutido na assembla legislativa provincial.
Dito. A da Alalaia, dcclarando-llie que,
para ter lugar o concert di respectiva cadea,
convinque rcmeltaiu ao goveruo o orcamento
e descrlpco da obra.
o,
Illm. Sr A' vista d"o inappa que V. S. me
envlou da Torca que vi sli o sen commando
no vapor Imperador, llie ordeno que laca des-
embarcar aqui 24 praca inclusive um cap
lao e dous suballcruos, por assim se tornar
nreciso a bein do sei vico publico.
Dos guarde a V. .S. Palacio do govemo em
Macelo, 5 de agosto de 1840. Jos beato da
Canha Figueiredo. Sr. leiientecoronel I.uiz
Antonio Favllla. coininandaiite do sexto bala-
liao de cacadores.
*.
Dilo Ao inspector Interino da Ihesouraria
la bzenda, transmittindo-llic a rclacao do
numero e distribuicao das lur.es que diana-
inenic sofurnecidas porconU da fasenda aos
quaneis, hospital e corpos de guarda dcsla
Cai>Uo*_Ao mesmo, rcmeltcudo-lhe o forinu-
ario de medicamentos que requisita e que rc-
gulou 110 contrato ullimaincnte celebrado com
Manoel JosTelxciradeOliveira.
Dito AO mesiiiu. inandaiido inrormai'
cctca'do offlcio do capllaodo porto de 29 d
urz lindo e relavao a elle junta das inadetras
vendidaM estado por Felu Jos da Costa.
Dito. Ao mesmo, mandando informar
jfba do abono que pede o capilao Jos de
liiirida Pinto de l'rocnca.
Dito.-- Ao da provincial, para reinetter urna
daeidadedas Alagoas.
onico. -- Ao delegado o subdelegado da
cidade das Alagoas, do mesmo teor dol de
i." do cnrronle par. igu.es autoridades da
villa do San-Miguel.
Dito. Ao capilao do porlo, anlonsando-
wm
PEnNAMBUCO
CMARA MUNICIPAL DO RECIFE.
3.1 SESSVl OnUISABI EM 19 01! SETEMBBO
DE 1819.
Presidencia do Sr. Barros.
Presentes os Srs. Oliveira, Mamede, I)r.
Moraes e Dr. Sou/.a, faltando os dmala Se-
nhores, a bro-te a sesso, e foi lida o ap-
provada a acia da antecedente.
Conlinuou a terecira c ultima pr?a para
arrematacao dos objectos annunciados, o
fram arrematados : o imposto da areriCjlO
por Antonio Concalvos do Moraes, pea
qtianlia de 11:002,000 rs. o por lempo do
um atino e o das medidas de familia por
llellarmino Alvos deArocha, pela quanlla
dfl 800,000 rs. annual, csb banca de Ma-
noel tiarneiro Leal.
Igualmente fram arrematados por Ber-
nardo da Silva Goimarfle, sb Ijanea do
Manoel Figueiroa de Paria, os lendimenlos
annuaesdaslojnsda praca da Independen-
cia, ns. 0, 8 e 10, sendo a primeira e a se-
gunda por 181,000 rs, o a lorceira por 73,000
ris. .. .
Aos arrematantes foi imposta a condicfio,
a qual se subjeitaram, de aceitarem latirs
en.lossad?s pelos seus fiadores para paga-
mento dos refer los debito; cm quarteii ; a
mandaram ueste aontido expo.lif ordom ao
contador o procurador.
Foi nomnadoo Sr. verea lor Souia para
mombro interino da commissito do edifica-
efio.
Maodou-ie repetir annuncins para ns pra-
?as dos objeelos que .1o Mram arroma
lados.
Despachram-sa ns peticOes de Francisco
Xavier Vieira, de Jofo (Izurio da t.osti Mi-
ciel Monteiro, de Antonio (Metano Tayares.
de Jis Maria Martina, de llonriquo llelim,
elevantou-so a sesso.
Declaro em lempo que man lou-sc solici-
tar do governo ila provincia a apprOYaJHp
das arrematacoea feitas.
Bu, Jodo Jos Ferreira de gular, sccrcla-
rio, a subscrevi. Barros, pro presiden-
te. Oliveira. ItfeTOtV. Sou; I. ''-
mede.
a
Ya II
.Oi)\l>ii).
iu .i.i' 11 .i i. ii...,....
gado de tal conunissa'o.
Dito. Ao mesmo, transinittiiido-lhe, para
er o conveniente destino, una certidao do se-
retarlo do lycu, conlendo o altestado da res-
.-r_^ ._u___._.... ...B.lin .1 rii'.i mili i i
,,,, Iluminas crciario lio lyceu, couienuu u i.i.iu u- .^-
A constancia e grandeza d'a'lma sao as pectiva congregatao a rcspello do frequcncia
A consianud a Biunut* prufessorcs e mais einpiegados do mesmo
los professores e mais einpiegados do inesmo
cu.
Dilo. Ao inesmo. dizendo-lhe que os con-
tractos de obras publicas, na conformidade da
devein ser cclcbradaji entre os einprchen-
t:o\CI.IIS\0 DA CLASSIFK'.ACAO DOS
HAIUT.WTKS DA TEltltA PELA RBU*
ClAO.
rrradicido da Resilla de Edinburgo.j
Todas as crencas c exbortaQfes religiosas
dos miisulmanos conslam do Alcorao ou
Korflo, livro assim detorminade de urna pa-
lavni rabe que denola Ml manos rrem que as diderentes partes des-
te livro fiam simultanea ment decla-
radas a Mifonia pelo aiijo (". ibriel I rula do
dogma, da moral, do casamento e da disso-
luC-So do matrimonio pronunciada iudiCial-
mente, das successoes, e por concluaffo he
o cdigo religioso, civil e militar dos mu-
sulmanos. A ora dos musulmanos comeo
da hegiraou fuga deMaiionvl da Meca, sua
patria, para Medina, a qual sticeedeu no an-
uo do fi-2 da nossa era. O islamismo so
ten distribuido em_ militas sellas, deque
indicaremos as seguinles :
tifio deisundo Mahomot senao urna lillia
esposada com seu primo Ali, que nao che-
gou a reconhecer como seu successor, os
c'ompanhciros deste refalsado prophela ele-
varain ao poder succes^ivamenle Abu-bekr,
Ornar e Osman, poim desde esta cpoc.i bou-
ve musulmanos que rejeiUram obedecer a
oulro soberano que nOe fsse AJ. Depois
quando Ali foi nomeado calila, mu los mu-
ulmauos do parlidj opposto nao aceitaram
obedncer-lhe, e a guerra civil rompeu. 'lal
boaorigem das duas soitss prinoipaeaque
se cliamam dos sonnitas o dos schyytas.
Osfonniiaiadmilicm a ucceaafio dosci-
lifas tal qual ella leve lugar, e consideram
como santos todos os cujupanbeiros de Ma-
roma que fdram leaos s leisdo islaiiismo.
Os schyytat, pai lindo do principio do quo so
n Ali o a seus descendentes em I i sai* reta
compela a autoridade, oxecram Ornar o
Osman, o todos os que nao furain leaos ao
seu priucipo amado oxlremosamonto
Como o islanismo so dcscnvolvcu com os
lempos, recorrerain os musulmanos (re-
nuentemente s resolucflos dos compaiihei-
rosdo prophela : a naturalmente Abu-beKr,
finiliva balalba ; rbnem-se todos os recur- JeI> cveill scr cchbTtL sosdanacno;juntam-sc frcas collossaes ; d(.dore, e o presidente da provincia, e que, ornare(teman, c fl ja. s S011I1I.
frente dellas marcha o propr.o monarcha uaido-.e neste caso o contracto que prelen- por l "'' J,,mrerenea as expos-
a H Ve umi balalha lie devi seradeoi- Je por tres anuos da pa;agcm da l.arra-da- las admitliram ^" 'X'jjversas Detsona-
eda-sc urna u""'""-"" _..,/. ,.,,1-.. 'la6a Jos Fraucisco da r.ocba, cuinprc que ces O rovolucOcs deslas uiversa pcisuu
sao final de toda a grande quotuo austro- ^f^j eclor evie 0 seu pareCer'acoca Lis; edaqu me provem o nomo de so. ni-
por ITva illiuua uta |*.:!,-*.. .< ..H..U-UH-
lagda Jos Fraucisco da Rocha, cumpre que
dilo inspector enve o seu parecer cerca
las a ti un tii i'" *-^"* -----., *
Oes o rovolucOcs deslas diversas pe.sona
gens; e daqui ine provem o nomo de aonui-
as da ualavra aiabe*uo, quo designa tra-
^....i ..,.ii>tii em conse-
" ,. das bses quo o devem regular. las, da palavra ai.be iomu>, que
SHSSS ^^MStl tsaasih.......
tB'-.Tiari --
veram oslas exposices comootttras tantas
lieresiasealiracaram principios diiTorrnles.
Por iltooaseus adversarios os cognominu-
ram schyytas, que significa sectarios, o so
ilennminaram a ai adelies ou seguidores d:i
juslica-
Os sonnitas ocenpam o imperio otloniano,
o Boylo eoutr.ispazes da frica, a Arabia,
as libas do mar da India.e leen inuitos par-
tidistas as tribus do raca turca residentes
na Itussia c Pcrsia Esto partido sesubdi-
videomqiiatro ritos appelli.lados hamOali-
qW, srhafr iiis, watel.itas e hnnefitas, dos 110-
mes de seus fundadores Hanbal, Sehafei.
M.iUk o Abu-Hanifa, que so dosconcordant
omquestSe! do pouemoola. A doutrinn
de Alni-llanif.i be oniversalmente aegn'uln
na Turqua, a de Sehafei no l'gypto, a do
Ualk nos catados barbarescos, eeneHan
bal na Araba.
As ramificaces dos schyytas que OCCil-
pam o restante dos paiies musulmanos, of-
ferecem diiTeroncas dignas de apreso.
j observamos que primitivamente se ao-
nominaram schyytas os partidistas exclusi-
vos de Ali; como elle, porm, nao teveoc-
casiilo do consolidar sou dominio, c alen
do que varios. Albos, o que tambern suecc-
deu 11 sua progenie,a maior parlo dos parti-
distas de Ali se conformaren! em roconhecer
como soberanos legtimos llassan e Uossein,
seus lilbos, o a R-raco direcl:i-le Uossein,
al ao ultimo de todos que desapp ireceii
leudo deidade 12annos,espalhando os do
seu part lo que se uerullara em lugar in-
cgnito para reapparecer sobre a Ierra, o r.i-
zertriumpharehoacausa.
Estas porsonagens em numero do 12 to-
ram'chamados imanwt, istphe, os cabecil
por excelleucia, c ao dei radenn appellid 1-
rain mohdi OU o dirigido. Segundo estes
sectariosemquanto.o m.ihdi uo volta, nao
ha autoridade legitima sobro a lena, 0 o-;
rissSo simples lugetes-teneoter.doimamo;
e por iSSO ho que OS solis da l'ei-ia SO da
mavain aeraros do rei do pas.
Comtudo, desde a origem alguns s( i\y
tas uo pprovaram esta BUCCOWllo dos una-
mos, o adoplarnm outra doulrina. l'ns
contaram que sa Ali linha pertencido de-
pois do Mafoma o governo Ao universo, c
quo, se ello linha succmbido a depravaijao
em Bitmmo grao do seeulo, tornara muges
tos'i para administrar jusliija aos primes dos
horneas. Alguns chegaram a olliar Ali co-
mo Dos. Taesso os nosains o tnuht::!,.:,
quo habitan! ainda hojfl em parle os c.ume.:
do l.'li um.
Outros sobyylirjadmiltcm os sois pnmci-
rosidtamos; masdizem que hoitveerroa
respeilo do septimo.e que, em vez de accla-
marMussa, so devia leracclamado sou ir-
mo Ismael, e daqui fdramappellidados.-
maliot 011 ismaelicos, o Crtom que depois d
Ismael a qualidadc de mamo tinb : passado
a pertonagona desconhecidaa que se paten-
teriam seu lempo A esta seita perten-
ciam os porto de Casbin, e os que. aeubores das
monlanhas vi/inbas do Lbano, so fizeram
famigerados na ida le media c un o nome di'.
cusassinot. Aind hoja perroanecom estas
linasseits dos ismaolinos nos nr-smos ter-
ritorios, porm se.'.i n mesnU poder. En-
tre os Ismae'inos se devem classiucar os
Iruso; e!aheleeidosnas vi/.uihanQas do L-
bano, prctendem que llskem foi a ultima
encarnacao da divindado ; o esperando ..
sua volta, o veneran! debaixo da Iigura de
um be/eiro. O nomo de drusos nas vem de
Durti, mn dos primeiros propagadores des
a doutrina.
Alin destaa duas sellas da sonnitas n
sehvvtas.liaduas .loqucdevem f 17er-.se men
eopelo papel que ainda boje representa ni:
taes s 1 otm*tut$ ou ysWa.p os ranhabllm.
Os ijesiaas liabltamas monMnhis vizinhas
laeidade de Singar na Uesopolamia, opa-
recom ser resto de magisnv., de manicheis-
mo osabeismo, quo por tantas vezo agt-
taram 0 oriente ; depolS instuiaram-so com
as communhfles ehriataaa e musulmanas,
de sorte que boje ha diilieulioso conhecer .1
sua verdaleira 01 igem e carcter. Admit-
em um principio bomeoulro mao, aquo
do o nomo de althehiikh atMoaszm, ou o
grande"sohcikl, s veneran! este, porque
do bom nao lia que rOceuff; .lem dlssn
adoram o sol ao nsseer, eteem cm grande
respeila os padres cliristos.
EmquantoaosiftAaerta, liveram naset-
mentona Arabia e no meio do secuto deci-
mo-oitavo Appcllidam-se assim do nome
do peiz de seu chefo Abd al-valibab. A SU
doutrina he a do islanismo, convertido a
sua maior singelez. .
Segundo elles o Alkorao encerra doulri-
trinTvcrdadeiramcntedivina: Mafoma nao
era mais que um bomcm plebfU. o toda a
ven 'raeo que se Ibe dj M a qualiiucr de
ses discpulos he Idolatra. Occuparam
"toquneimente paite da Mesopolam.a ;
hojo estao roduidOS a sena amigos de-
8B[ls limites deste. tratado uo nos consen-
tem que nos deteiihamos mais com este as-
sumpto.
O brahmanismo rcconlico l'ara-hrahna
cornos Dos principal ; comtudo esto Dos
luda faz. e da os seus podrios em Ihahma,
mi / '/mi e Chita, e oulras multas divin-
ades subalternas quo lee tu a seu cuidado o
overno do mundo. Ilrahma presido a let-
., Vicbuie a ago, e Chiva ao logo. Osln-
lios.que a!n acam o br.iiinianismo, teem va-
ios livroa de quo couslam suas crenchas e .1
[ue cliauaiii VeiJa,quesaoescriploseiiisaiis-
irid e formaui o seu cdigo religioso o phi-
osopbico. Esta religiSo ordena que sa mi-
men! s paixOes, ensilla a ininorlulidado
la alma, a purilicac/io por penitencias e
ibsliuencias voluntarias, o oulras praticas


Toilns os sectarios dos brahmi-
roligiosas. Toims os sectarios dos brahmi- A religio de Sinlo lian mais anlfca das
msmo,que impera cmquas toda a India, es- quo predominan! no Japilo; tem alguma
tfln divididos coi qualro castas, a saber : os
hralimines, que silo os subios e sacerdotes.o
,-jiie. forraam a classo do que so cscolhom to-
dos os funcionarios pblicos; os kc/mtriyas
u klietlre*, destinados prolissilo militar, e
de quo trem sabido todos os rajas, que for-
maram os principados da Indiabi pouco n-
ilcpendente; os mnires do Decan leem uni;lo
coin estes. Hvaithynt mi beti, que se ap-
plicam n agricultura o commercio, princi-
palmente ao externo, e esles teem o nome
do banianes ; muilos Mabarattes pertencem
h esta casta. Os sudras ou Icltutri, que s3o
arlislas o i.hrcros.
Cada una dcstas castas lio dividida coi
outras secundarias.
lie vedada a illianca entro pessoas de dif-
fercnlc casta, o os vindouros dos que, per-
lenecndo as castas mais nolires, por casa-
menlos 11 ici tos deslustrara :n o seu nasci-
nieuto, sito comprtbendi los as classes
haigas, desestimados e cbamados varnasan-
knrn. Anda abmo dcstas castas bastar-

das ou mixtas lia os desventurados parinhs,
que silo Coreados a vivercm em lugares des-
povoados, precaver a vista dos Indios, mar-
car as suas fontes por urna sebe de ossosde
nnnimacs, coecupar-se nos mais desprezi-
veis empregos.
Os sectarios do brilimansmo admillem a
mcteinpsycosc, e, segundo esta crenQa, al-
gumas castas tifio usam de carne ; s os pa
lialis pdem comer de tudo. O cultobrah-
maiiico tem militas ccicmonias c costiin.es
consideraveis que nilo podemossqui refe-
rir miudnmenle, e s farcinos mciicilo da
procissflo do Heos lag-cnot, cujo pesado
carro csmi(:alba minios fanticos i|ue sa
mi tem debsixo de suas rolas, crendo
osla uoiteuloriosissima; eo uso brbaro,
entre as mu I Itere* das duas priinoiras cas-
las, de se qu.'imarem coc os cadveres de
seus n andes. Teem os indios desta falsa
rcligiao militas romana*, templos magnfi-
cos, a que cha mam pagodea, e varios ros e
que cbainan sag-adus, como o Ganges, o
INerbuddah, o K. cbna, etc., cujas agoas silo
para elles purificatorias.
O l'uildhiiino ou a rW/gJo de Buddha, que
se Formn na India cerca de mil aunos antes
da chegadu de Cbrsio, nao lia noticia se be
una icforma do bralimanisnio, ouseesie
na sua foritia actual lie posterior quelle.
O buddbismo recusa ndvisilo descastas, e
uo lemseitas posto que em alguns paizes
lenha (lifferciica em suas jerarebias.
Nu'o comecaremos na especiticagito dos
principacs dogmas desta falsa religifo que
imagina, como o bralunanismo, urna serio
de creacOcs c de.slruic.oes do mundo, c um
cspiito universal, indestructivel, que con-
servu ludo durante um tenipo incalculavel,
o que esla em areno ai que as leis do rfa-
mara ou destino requeiram urna nova ciea-
Cio,da qual silo eximidos os entes que, des-
pindo-se do lodo da malcra, se lornaram
buddlias Estes entes desce da regulo
iiidestructiycl, e, para instiuir os bonicos
na verdadeira doulrin, se revestem de um |
corpo e se llie manifestam, etc. Os bb'd-
dlnstas Jconsidcram o universo como habi-
tado por diversas especies de seres, que silo
ou Ichama, islo I c, reprodceles por nasei-
nientos, ou rujia, dcoses inatctaes c visi-
veis, ou arupa, imnuil-raos ou invisiveis.
Estes enUssobem do grao infe ior a ouiro
superior, segundo o bom ou mo proced-
ment que tiveram no seu estado prece-
denlc, al que erufin ccmsigini a dita do
mrrann, ou da existencia apurada deludo
quanlo he material, e conseguinlemonte
sei.ta do poder de maya ou da illuso. To-
dos os ontt'S que hahitam o / /. mu universo,
produzido por urna serie de deslrucoes e
reprndurcoes, silo classlicados do modo
seguinte :
Os linniens e os droses locaes denomina-
dos nal, que vigiam e julgam os homens,
c teem por agentes os bous e os mnos ge-
nios. Esla rlasse reside na Ierra, e as re-
gules athmospbcricas que abrangem o uoii-
leMienno, e os seis reos dos lleva, sohre-
postos uns nos oulros e excedendo-sc na
uie.sma orden, em brilbo e esplendor.
Os iupa, ou droses visiveis ; esla elasse
bahila os 10 cos mais altos al vigsimo-
segundo do brahma-loka.
Os entes iinninleriacs que, te-ido sido sec-
tarios ciosos da doutrinade Buddha, oecu-
pam os quatro cos mais levantados, desde
o vigcsinio-terceiro al ao vigesimo-sexto.
Finalmente, os liudd/ia que residen)
no bun, ou imperio que cobre lodos os
cos.
A collecclo libelana dos principacs livros
clsticos .es nuligos buddbistas da India,
denon.ina-se tranpur o coosla de 108 vo-
lamos.
lia boje poneos budbislas no Indoslo e
os que licaram cbamam-se bodd/ias. Os ou-
lros Indiosolliam lluildba comouina curar-
nacilo de Vichnu. Esla leligi.lo conserva-so
no Nepal, noTibel, em l'eilflo, nos imperios
birman e de An-Nam, na China. Corea e
Japfio, entre una grande populacilo nilo
erudita. Os buddbistas bonraui Itiiddha
como umaintelbgincia supicna, patentea-
du na pessoa de Clmkia-niuni.
A pessoa do liaiai-i.iu a, ou siimrro
ponlificc do Tihel, repulamos buddbistas
conioencniacflo do urna iliv ndade bud-
dhlca, quo sempro teve preferencia pelos
paizes collocados ao noile da India. Os bud-
dbistas teem pontfices,patriarchas, umeon-
celho de sacertodes superioies io esco-
llo m o pontlice, iv.
A diiuirina dos lilltraloi, appi-lli -'ada rt-
ligidu de Cunfuaus, por que este philosoj lio
be tido como reformador e ualriarcha.
Tem por alicerce umasoile de panlbeis-
mo, que tem tido diversas interpretacoes
em diversas pocas. Vilo tem este culto
imagens nem sacerdotes ; cada magistrado
o palio no exercicio de suas occupacOes, e
o imperador lio o seu palriarcba. (eral-
mente, os lilterados da China, do imperio de
An-ISame doJapflo o segnem sem resignar
aos usos dos oulros cultos.
O culto di espirilos, ou naturalismo my-
Ihologico da Asia oriental, que os scus sec-
tarios contemplam como religio primor-
dial da China, que se dilalou ao' Japilo,
Corea, aos Tonguses, ao Tonquim onde co-
Ibeu formas diversas e de presente he pro-
fessado pela populacflo que nao abraca o
buddbismo ou a religio de Coi fucius, com
que tem uiuita analoga. Este culto con-
verleu-se em polylheismo e em idolatra.
Chamsm-se os seus sacerdotes lao-ise, ou
doutoretdarato, porque um dos seus dog-
mas lie a existencia da raudo primitiva, que
creou o mundo, o iogot dos platnicos.
IMPOItTACO.
Soerate, biiT.iJYaiierz.i, entrada no correnle
semelbanca com onnturalismo mythologi- 'mea, vlnda do RIvrc. conticnada a II. Lasser
co de quo alguns sabios a consideran! ra-
mo. Est consiste na adnragilo de um ento
siipreinn ; comludo reconhece igualmente
d. o boas aceflese a privaQlo voluntaria de car-
nes. O sous templos, denominados mia,
teem um espelho para mostrar que, assim
como as nodoas do corpo so piulnm fiel- .
nenie alli, assim as nodoas da alma nao'de panno, 1 dita suspensorias de algodiio, 1
-scapam aosolhOS da divindade. Tem sido I dita ditos de burraelia : aordem.
.nudo alterada depois da introlucco do barril prodi|ctaescl.iincaS; a Detchantler.
bem.q,.eestacrengadeSintoJ ', SSS2K \Wti* **>
Bvre, consign
re & <-'., inauifesiou o seguinlc :
1 caixa 1J reloglot, I dita vidros, 1 dita es-
piritos, 1 dita groseilles, 4 ditas agoa gazaa,
) dita iniudrzas, 1 dita perfumarlas e drogas,
18 ditas miudea* e modas, 9 ditas perfumarlas
c obras de papelao, 5 dltis cliapv* Pira ho."
mem, I dita bijouterias, 1 diti faiendaa, I di-
ti pannos, 5 ditas faiendas de algodao, 1 dita
fazenda de laa e algodiio, 1 dita chapeos de sol
ll'ldllismo, c
seja a mais antiga do Japilo, os diren ou im-
peradores quo silo considerados deseen-
tes dos droses, seguem ha muilo o bud-
dbismo..
O magismo, on rtligiao d Zoroaitre. Segundo
M. de S-Martin, este antiqusimo culto ad-
inltle a existencia de um ule supremo deno-
minado /.trican, ou o lempo sem limitet, do qual
nasceram dous principios, mu bom, chamado
em anligo persa Ehora-Meddo, ou Orommo
pelos Grecos; outro mo, eitl antlgo persa,
Enghrro-Memiich, pelos Gregos rimano. F.stes
dous espirilos se disputam, c o bom por li...
conseguir completa victoria, /.oroaslre ad-
millc tres mundos: um superior, espiritual, ha-
bitculo da luz primordial e da frca pro-
duetriz ; outro metilo, visivel, em quo rei-
na Oromazo, rei da luz, c Milhra, rcuniilo
da Torca activa e passiva da natureza ; fi-
nalmente, urna rgido inferior ou dai trevai.
hahitacilodc \iimano o de seus malficos
agentes, os Oevrs. Diz quo o homem, de
origem celestial, ao principio do natureza
luminosa o pura, perdeu seus privilegios.
soccombindo inlluencia de Arimano ; po-
ro m que, pelejando continuamente com
este, te ni parto na restituieflo do todas as
eousas. A doutriua do Zoroastre consta de
y.end-.ivesln, livro escriplona lingoa morta
'/.mil. O magismo se conseiva entre os
l'arsis, ou Cuebrns, no Kerman, na l'er.-ia,
em Surate e noGuxarate. o primeiro se-
clo du cbrislianismn se divulgou no im-
perio romano, vindo da l'crsia, uti culto
denominado milhriaco, que se paresia mul-
lo com a religio de/urnaslre, porm em
que o dos Milhra, filbo de Oromazo, in-
cumbido da ilireccilo do sol edognve:no
do mundo, medianeiro entro Oromazo e
os homens, era objecto do particular ado-
radlo.
O nnnek'smn ou reliaio iloi Siklit, funda-
da por Nanck, nascidn, segundo Ifamillon,
em I HO, na provincia do Laboro no Indos-
lito. I'.le-se cnusiderar como mistura do
bralunanismo o do islamismo. Ensilla o
desmo. Os Sikhs adoran) um dos, ad-
millem renumeracoes e piiincoes futuras,
pcrmitlein to.las as rcligOes com cujos
crentes nem querem disputar, acreditan)
urna incirnagao Secundaria da divindade,
proser.'veni oculto das imagens c desviam-
se da carne do poreo. Teem por divinos os
ilous livros Vela e Alcor.lo, &. Esta icli-
io sofren militas nlteacocs no pontifi-
cado de Curon Uounid que fallecen em
1707, c que os Sikhs olhain novo pruplicta
G. t'rrreira.
2 caixa cassas, 2 ditas miudeas, 2 ditas lou-
ca, 22 ditas lazendas de algodiio, 3 ditas laten*
das de seda, 3 dilaa fatendas de eda e algo-
dio, I dita suspensorius de algodao ; a Kalk-
mann Freres.
80 barril e 40 meios ditos manteiga, 06 ca-
xai velas, 100 barris chumbo de muiiico, l'i
barras de chumbo ; a B. I.issrrrc Si '
1 caixa cassas, 15 voluuici fazenda de algo-
dao, 10 caixas fazendas de seda e algodao, I
dila fitas de seda ; a Scliafeitlln fc Tobler.
i eni..un... obrai de ouro ; a Miguel Ar-
cha njo de Figuelredo.
1 i ca xas sardinhas, J ditas fazenda de seda,
14 ditas fazendas de seda e algodao, I dita l'.i--
zendade laa, 30 ditas fazendas de algodao, 2
ditas couru de lustro, 10 ditas conservas, 4 di-
tas fazendas; a I, Keller.
2 caixas chapeos de sol ; a Joaquim Maria
(t ibeiro de Andrade.
2 caixas louca, ft fardos fazendas de algod'o,
2 caixas bezerros a Mol li.
I caixa quinino ; a M. J. do Nascimrnto.
? Salsas carneiras, 2 ditas ehapeo de sold
panno, 2 ditas vidros, I dita calcado para sc-
iiluira, 1 dita perfuiiiarias, 3 ditas fazendas de
algodao, 4 ditas papel, 1 dita iiiiudczas, 1 dila
obyectos de sirguciro, 4 ditas chapeos para
hoiiiem, I dita oriol, 2 ditas confeitos e mili-
dezas, 2 ditas calcado, 1 fardo panno. 100 bar-
ris e 100 lucios ditos manleiga ; a Cali Freres.
8 caitas e 3 barris drogas, II caixas vidrp;
a J. J. Pinto Guiniares, .
I caixa obras de papelao, 2 ditas fazendas, I [*".
As pessoas que se propozerem esta arre-
mataclo, comparecam na sala das sessoes
do sobredito tribunal, nos das cima men-
cionados, pelo mcio-dis, competentemente
habilitadas.
E para constar se mandou afiliar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretara da lliesouraria da fazenda pro-
vincial do Pernambuco, 20 de setembro de
1819. O secretario, amonio Ferreira da
twnunciacaB.
CijNCF.nTOS DA PONTE DA MAGDALENA.
Clausulas especiaes da arrematando.
1.' Os concertosda ponle da Magdale-
na serlofeitos do modo indicado no orea-
monto apresentado nesta data approvaco
do Exm. Sr. presidente, e pelo preso de rs.
246,400.
2.* As obras principiario no prazo de
20 das, e concluir-se-ho no de um mez,'
ambos contados de conformidade ao artigo
10 do regulamento de II de julho de 1843.
3.' Toda a madeira ser previamente
oxaminada pelo engonheiro, e, approvada,
lavrar-se-ha um termo.
4* O pagamento do importo da arre-
matarlo realisar-se-ha depois de concluidos
os concertos e examinados pelo engenbeiro.
5* Para tudo o mais que nilo est de-
terminado as prsenles clausulas especiaes
seguir-se-ba inteirameule o que dispe o
precitado regulamenlo.
Gabinete dos engenheiros, 18 de setem-
bro de 18*9. O engenbeiro, I. /-. Viffor
I.iculhier.
0 111 ni. Sr. inspector da lliesouraria
da fazenda provincial, em cumprimenlo da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
de l 'i do correnlc, manda fazer publico que,
peranlc o trihtu/ial administrativo da mes-
in;i lliesouraria, se lio de arrematar nos
das 2, 3 e *de outubro prximo futuro, a
quem por menos fizer, os concertos da pon-
te dos A logados, avaliados em 555,500 ris
e sb as clausulas especiaes abaixu dccla-
esta
dita fazenda de laa. 2 ditas chapaos para ho- | As PSOas quo so propozerem a
ineni, ditas chapeos de sol de panno ; a Luiz arrematav-lo, comparecam na sala das ses-
c fundador da filrca da sua naci, *. lie
professado pela grande tota lijado da po-
pulacilo de Labore c por tolos os Sikhs
derramados em oulras imites da India.
As religioes da segunda rlasse silo tantas
quanlas a ignorancia b a imaginicno desen-
caminbada de povos tornados brutos, eno
primeiro grao do rivilisaQilo teem podido
imaginar. Nilo perniiltein os limites des te
tratado enumera-las todas; s faremos
menco do fetcbis.rio o do sabeismo, como
fonte do maiur numero das crticas absur-
das que formam aliccrco de to.las estas
religiOs da segunda classe.
O felchmo he a adnracHo dos felicites (/*-
tisto) cxpresso usada pelos negros das cos-
tas occidentacs da frica para indicar os
objectos vivos ou privados do vida, que o
medo, ou o agradecimento, ou algum af-
fecto particular altrahe esses povos a diri-
gir una m especie de culto. Os elementos,
as arvor.'s, os rios, o fogo, os animaes, tu-
do o que os cerca, em que notamcom con-
tinuada atlenciio qualidades perniciosas ou
vantajosas, be objecto da sua adoracilo
pois.logo que tren as i.leias mais toscas das
relacO s de Dos com o homem. Este culto
oncefra as mais absurdas variedadea des-
da as up.'rslirOcs doi selvagcns doConti-
noule Austral ( Nova-lloilanda )e da Tas-
meniaal ao felcbismo dos povos menos
deshumanos la Polynesia, do centro da a-
frica e de militas parles da Asia eda Ame-
rica. Nsa religiOes coudas nesle ramo he
que se notam maior numero do sacrificios
humanos.
(i si be i sino lie a venerarlo dos cor pos
celesliaes, do sol, da la, das estrellas, j
separada, j conjiiclanicnte. Esle systema
niuito anligo, es| ali.adii em lodo o orbe,
ni es ni o lio Per, se confundi cun todas as
outras religiOes, e j nilo existo sem mistu-
ra senilo entre algomns tribus soladas. Seu
nome vem dus Sab os, antigos povos da
Arabia.
Nilo be possivel dizer cousa alguma po-
sitiva sobre o numero dos que professain
qualquer das religioes que presentemente
esistem no mundo.
Nos aprsentenos, sem outros commen-
tarios, o calculo que se julga mais chega-
do a verdade.
* ClllllSTIANISMO.
A igreja catholica apostlica
romana.............139,000,000
A igreja grega oti oriental com
seus ramos............ 62,000,000
As igrejas protestantes com
suas subdivisOes .....
Total......
O judaismo, quando multo .
O islamismo com todos os
seus ramos...........
O brahmanismo..........
O buddbismo com todos os
seus ramos ...........
As religioes de Confucius, de
Sinlo, o cullo dos espirilos,
o magismo, a religio dos
Sikhs c ofelcliistno......
Total de todas as religioes .
59,000,000
260,000,000
4,000,000
96,000,000
60,000,000
170,000,000
147,000,000
737,000,00o
FIM.
Salustlano de Aquisto Ferreira.
tOMMErtCIO.
bruguiere S C
(i eaixas prlles ; a N. O Hieber & C.
30 barril < 20 inrios ditos manteiga, 1 caixa
ci'uies de vestidos, 3 d:tas diversos objecl'ik, 2
ditas obras de papelao, 1 barril verdete, I cai-
xa objectos de medicina ; a Hanoi I Joaquim
Ramos c Silva.
1 caixa com urna caberla para um carrinho;
a Luiz Antonio de Siqueira.
I caixa modas c chapeos para tenbora ; a J.
II. da Silva.
1 caixa com urna burra de ferro; aT.de
Aqiiino Kouseca
2 caixai faiendas de algodao, laa e seda ; a
ilolbe & liidoulac.
I caixa ].. Ilnn i de seda, 1 dila objectos di-
versos, 1 dita pellas) a A. L. Franst.
1 caixa fazenda de seda e algodao ; a A. I..
Straura.
2 caixas couros de lustro, 4 .lilas encerados ;
a \\ ol|.plio|ip v C.
1 e.iixa objectos de casquinha ; a J. Souiii.
1 caixa bijouterias de ouro e prata ; a Lrgar-
nier S C.
ti caixas pellos preparadas, 8 ditas vidros, I
dita obra de casquinha, 2 ditas faiendas de al-
godao, 3 ditas chapaos. 2 ditas calcado, I dita
obras de composicao, 3 ditas papel, I dita ob-
jectos de di ; ...-i 11 i i \ |io. 2 ditas perfumarlas, 1
dita objectos de srlb'irn,3 ditas lou(a,4j l.airis
e 25 meios ditos manteiga, I caixa f.uenila de
la,*tditai fazendas de seda, 4 fardos fazendas
(le algodao ; a Arial Freres.
1 caixa li.lli.-.i de ouro ; a H. F. de Soiiza.
J caixas couros, 7 (lilas niiudezas, 1 dila ob-
jectos de pb.irmacla, 1 dita meias de algodiio,
I dita obras de follia, I dila perfumaras, 1 di-
ta obras de papelao, 2 ditas obrcias, l dita c 0
barris tintas, 1 caixa esprlhos, I dita rscovas
e objectos de papelao, 1 dita escovas e objec-
tos de chapcllelro, 1 dita objectos de chapel-
leiro, I dita fazenda de algodao ; a Casar
Kruger.
2 caixas pelles preparadas c couro de lustro,
3 ditas i ..le id., para senhora e meninos, 2 di-
las sapatos c objectos de sapateiro, I dita lilas
de seda c objectos de lapaleiro, G vi.lun.es fa-
zendas, I caixa chapeos de oleado, 3 ditas sus-
pensorios, 1 dita objectos de chapellciro, li di
tas lazendas de laa, I dita perfumaras, 2 ditas
chapeos de sol de panno, I dita confeitos e
perfumarlas, 1 dita lonja, 4 ditas chapeos para
i. ...i.-iii, ditas faiendas para chapeos, I dita
diversos objectos, I dita chitas, I dita papel
pintado, I dita agoa de ( olonia, 1 dita lencos
de algodao, 5 ditas pelles preparadas ; a Dedier
Colombiei. ..
I'nbti, brgue francez, entrado no coiren-
le mez, vindo de Mtrseille, consignado a
It. Lasserrc i. Companhia; maiiifestou o sc-
guinlo :
42 caixas eliumbo de municilo, 35 pipas
vinbo, 66 caixas c 30 barris vinho branco,
3 caixas perfumadas, 10 barris azeile-doce,
10 ditos oleo de linhaca, 4 caixas velas, 10
ditas frutas em ago'ardcnle, 33 ditas lico-
res, 4 ditas ago'arilenlc, 28sacos alfazema,
80 har.icas farinba de trigo, 11 fardos co-
minhos, 44 barris alpista, 14 fardos crva-
doce, 25 caixas papel branco, 100 fardos di-
to de eiiil.i ulho, 70 sacos rolhas de corlica,
t fardo azendas de lila, 30 caixas, 20 meias
ditas o 300 quarlos ditsspssias, 50 caixas
siibiio, 19 barris alcalrfio, 1 caixa chapeos
de sol, 6 ditas miude/us, 60 temos de al-
guidares, 20 vasos de barro ; ao capilflo.
CONSULADO V.EItAL.
Itendimento do dia 25....... 634,414
Diversas provincias........ 22,861
657,275
CONSULADO PROVINCIAL.
Itendimento do dia 25...... 1:198,391
scs do sobredito tribunal, nos dias cima
indicados, pelo meio-dia, competentemen-
te habilitadas.
E para constar se mandou allixaro pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da lliesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 20 de setembro do
1849. 0 secretario, Antonio Ferreira da
Ar.nunciacdo.
CONCEIITOS DA PONTE DOS AFOGADOS.
Clausulas especiaes da arrematando.
1.a Os concertos da ponto dos Afoga-
dos serilo feitos de conformidade e do modo
indicado no orcamonto apresentados taen
data .approvaco do Exm. Sr. presidente
da, c peto preco de 555,500 rs.
2." AS obras principiario no prazo de
um mez e concluir-se-bilo no de dous me-
zes, ambos contados deconformidado com
0 artigo 10 do regulamento das arremata-
rles de II de julho de 1843.
3.a O pagamento do importo das obras
realisar-se-lui depois do execulados os con-
certos e examinados pelo engenbeiro.
4.a A madeira ser previamente exami-
nada pelo engenbeiro, e, approvada, la-
vrar-se-ha um termo.
5 a Para tudo o mais que nilo esl de-
terminado as presentes clausulas espe-
ciaes seguir-se-ba inteiramente o que dis-
1 r.e o regulamenlo das arremata roes de 11
de julho de 1843.
Gabinete do engonheiro, 17 de setem-
bro de 1849. -- O eugenheiro, J. L. Viciar
Lieulkier.
passageiros e escravos a frete, tra.
ia-se cora o capito, INarciso J0S(i
de Sant'Anna, na praca do Com.
mercio, ou na rita da Madre-de.
Dos, n. 3, lerceiro andar.
Parao Rio-de-Janeiro saht
em pencos dias o patacho San.
Jo^-Americano : para carga, pas.
sageiros e escravos a frete, trau.
se com o capitao no caes da Alf,,n,
dega, ou na ra da Madrc-dc-
Dos, n. 3, terceiro andar.
Para o* Araeaty sahe. at o llm do cor,
rente mez, a sumaca Carlota, por se iclnr
com a maior parto da carga a bordo : pin
restante trala-se com Luiz Jos de S mu-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
Vende-sea barca franceza Soerafe, for
rada e encavilhada de cobre, provid j,
todo o preciso e prompta a seguir viagam
os pretondentes dirijam-sc aos consignad,
rios da mesma barca, II. Lasserre & Con.
panhia.
Alugs-se una barcaca prompta do to.
do o necesssrio para viajar nao perdemlo
porgrando, ou mesmo se compra, ciso
faga conta : quem tiver annuncle, ou par.
ticipe ao Macainbira na povosefio dos Re-
medios, onde he morsdor.
Segu para a Parahiba, al o dia 38, ..
hiate Exalacio, forrado e pregado de coi
bre; anda recebo alguma csrga : quem no
mesmo quiercarregarou ir de passagem
dirija-se a loja de ferragens junto ao arc.J
da Concoicilo.
Lciiao.
- Johu Mwart rara leililo, por inlerien-
Ciio do coi rotor Oliveira de grande e vi-
ado sortimento do fazondas inglezaa:
quarta-feira, 26 do crrante, ts 10 horas da
manha, no seu armazem da rus ds CaJeii
Un Itecife.

Declaraipoes.
a
Moviizieiito do A*orto.

Navios sahidos no dia 25.
baha Sumaca brasileira *>7or-d"Anyejina,
capullo Itcinardo de Souza, carga virios
gneros. Passageiros, Jos Antonio Fran-
co, Francisco l'ercira de Carvalho, ra-
sileiros.
Parahiba Hiate brasileiro Flor-do-llecife,
capililo Antonio lanoel Aflbnso, carga
varios gneros.
KD1TAES.
Pola segunda seccilo do consulado
provincial scientiRca-se aos donos dos es-
tabelecimenlos comprehendidos no titulo
2*14da lei do orcamento provincial do
anno correnle que se principia do l.o de
outubro vindnuro em diantea robrar-se o
imposto de 1-2,800 rs.. creado pela referida
lei.
A administraco geni das obras publi-
cas, por auloi-isa^-fio do l.siu. Sr presiden-
te da provincia, contrata a venda do ferro
da grado velha da ponto da lla-Vista, sen-
do a despeza do peso o arrumarn por con-
ta do comprador. Quem o qtiizer comprar,
dirija-se mesma reparticiiu qualquer
hora do expediente.
Perante o concelho da administraco
naval tem de arrcmalar-se a quem por me-
nos (izer o fornecimenlo dos gneros ahni-
xo declarados para os navios armados o
hospital de marinha, por lempo de tres me-
zes, acontar do piimeiro de outubro ao
ultimo do dezemhro do correnle anno -. as-
sucar branco, arroz pilado, azeite doce de
Lisboa, azeite do carrapato, bacalho, car-
ne verde, farinba, feijilo, ltiha, sal, touci-
nlio, vinagre, velas de sparmacete e sebo
ou carnabuba ; pelo que silo convidados
to los os quo quiserem fornecer (aes gene-
ros a compnrocerem as 12 horas do dia 28 do
correte, na sala das sessOes do mesmo
concelho, munidos de suas proposlas em
quo declarem o menor prego, e o nome do
liador, que ser para scmclhanle lim pessoa
idnea.
O arsenal do guerra precisa comprar
um barril de vorniz de alcalrSo : quem dito
objecto quizer vender comparecer na sala
da directora do mesmo arsenal no dia 27
do frrenle mez, Irazendo sua proposta
com o ultimo preco em carta fechada.
-- O arsenal de guerra precisa comprar
azeite de carrapato e de cc^.Ybjs de car-
nauba, lio de. algodiio e pavios iljuem laes
gneros quizer fernecer, comparecer ua
sala da directora du mesmo arsenal, m-
zendo sua proposta com seus ltimos we-
cos em caria fechada, no dia 29 do qpr-
renle.
Avisos diversos.
Maria Antoinctle Aga ce
Tresse fiz scienle ao respeitavel
publico que nine;uem f t;ao com o 8r. Fredcrico Chaves
sobre o sitio em Santo-Amaro,!
peiiencente a annunciante, por is-
so que a annunciante trata de an-l
millar a escriptnra de arrenda-l
ment que tem o ditoSr. Chaves!
visto que a annunciante, Iludida!
pelo mesmo Sr. assignou ?cmj
que tivesse ice. biclo real, e na es-
criptura diz terrecebido um con-i
to e duzelos mil ria : todas cs-i
tas cousas fez o Sr. Chaves com al
annunciante por ser no mez defeJ
vereiro, diis em que a aiinmician-
(enaopdia sabir e nem se acon-[
selbar, para assim se poder livrar
das garras do Sr. Frederico Chai
ves, que por pouco nito deixou al
annunciante por portas a mendi-l
gar estillas.
Maria Antoinelte Aglaeel
Tresse, receiando-se de urna cita-1
('ao, sem que a annunciante seja
sabedora, declara que nenhumal
valer, sem que no requerimentol
v a annunciante assignada ouol
sen bastante procurador, o Sr.
Luiz Concalves Rodrigues Fran^
ca, o qual se acba encarregado
pela aniiuucianle de todos os seus [
negocios.
Manuel de Almcida Lopes que coslu-
ma comprar o vender escravos mudou sui.
residencia da ra do Vigario, h. 24, para a
ra da Cadeia do Recife, n. 40.
^9999i99CS999999A9v p|
I
I
Deposito de rap.
Domingos AlvesMathcus, agentada i I
fabrica de tap superior arcia prcla #|
o meii'i grosso da Haba, tem aberlo o 9 !
'9- seu deposito na ra Cruz, no Itecife, j i
i ii. 38, primeiro andar, onde se achar 11
C' sempre desle excclleutee mais acre- Mi
4$ ditado rap que al o presente se tem 9|
i fabricado no brasil: vende-se em ho- I
fe tesdeumae mca libra, por prego I
>? mais commodo do i|ue emoutra qual-!
* quer parte.
Publiciicao iillerari
ALI'ANOECA.
Itendimento do dia 25 .
13:100,893
--O lllm. Sr. inspeclor da lliesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia
de 19 do correnle, manda fazer publico
que, perante o tribunal administrativo da
mesma thesourara, se hSo de arrematar
nos dias 2, 3o 4 do outubro prximo futu-
ro, a quem por menos fizer, os concertos
da ponto da Passagem-da-Magdalen, ava-
hados em 216,400 rs. o sb as clausulas es-
peciaos abaixo transcriptas.
Sabio a luz a traduceflo da seccilo lerccir"
das ItiatilucOes do Oireito Publico Kcclesi-
astico de Xavier Gmeiner, e scha-se a venda,
na praca da Independencia, loja do livros,
na,6e8. .
Avisos martimos.
Para o Kio-de-Janeiro sabe,
ho dia 23 do correte, a bem co-
nhecida e veleira barca nacional
Firmeza i pan o resto da carga,
Den tes urtifit-iaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-I
peitavel publico que contina a esercerJ]
sua prolisso na ra eslreita do llozaric.
n. 16, primeiro andar.
fOO^OOOrs.
A viuvi Carioca d cem mil rs. s que '
Ihe irouxer o seu escravo Miguel, que ou-
tr'ora foi do Porto-Calvo, do ongenbo Sim-
ba elho consta andar por la mesmo; he
gio em dezcml.ro do 1844 ; he crioulo.
baixo, muiltkgrnsso, pernas arqueadas,4*
SOanno, e gosla muilo de patuscul'-
Os cem mil rs. serilo dados iinmeiliatamM"
(eno Aterro-da-Boa-Visla-, n. 10.
Em 9 de detembro do correnle *atw
linda o arrendamento feilo cotn os Snrs.
Johnslon Pater & C. do bem conhecido*'"
to do Arraial, do tinado Joflo Carlos Pere*~
ra de Burgos : quem, porlanto, o pretendM"
por8 novo arrendamento do tres annos.
dirija-ie ao paleo do Carino, n. 1, s enU'H-
derse com o BuVgajs.
Gato.
Fugio do sobrado da ra do Crespo, *
14, lerceiro andar, um gato malte/, cp'
do muilo manso ealguma cousa grande:
quem o pegar, querendo entregar a sao do-
no, dirija-so so mesmo sobrado.
MUTII ADO


O BRAO DA RASAO" N. 26.
Sanio hoie a. luz ero proza e em verso :
i-K "vin-la no largo do Colleg.o, taja
Vfi o em mita dos distribuidores.
f' hilo-so 400,000 r. a premio com boas
Lm,s: ,-iem pretender annuncie.
[ Hoie 26docorrenle, peles e meia no-
ta da tarde, na porla do Sr Dr. Juiz do ci-
Vr da flcunda vara, se ha de arrematar por
L a ultima praca a parto do um sitio no
lugar da Magdalena, penhorado a Jos Pau-
lino de Almeida por execucita de Miguel
llarlin Coala Riboiro.
--|>ede-se o morador do sobrado da
frempe, onde esteve antigamentc a fabrica
He rap Meuron, quo porsua bondade mao-
ie remover a com a que fez dentro do sr-
|io encostada ao muro que fica a beira da
Lirada visloolTenderaos moradores das en-'
las de defronto chegarem na porU, o ao pu-
1,1 ico que transita : os moradores nedem is-
lo porque nlto estflo acostumados cora laes
bromas, e so nfle atlender ao pedido dar-sc-
i3o outras providencias.Um doe morador.
I .. Antonio Lobo Alberlim de Miranda
Itenrique, procurador da santa casa da lli-
tcriordia de Olinda, faz sciente a todas as
pessoas que leem terrenos no lugar dos Ar-
rnmbabos aforados a mesma santa casa,
aun comparcQam na cidade de Olinda, ra
BeSan-ento, casa n.23, para pagaremos
tunos de foros que eslo a dever, ou annun-
rjem suas moradas para serem procuradas,
Bo contrario passaiflo pelo desgosto de ve-
fem osseus nomes por estenso neste Diario,
pniquanlo nitase proceder judicialmente.
I Um moco bstanle habilitado e rcceo-
kemente chegado a esta cidade so propoe,
pu a regeremqualqijer collegio as aulas de
hrimeiras letlras, desenlio linear, gram-
maiica porlugueza lalim francez ou a
fe contratar para fracom qualquer pai de
familia que queira dar inslrucc3o a seus Pi-
lilos : iccrcseendo pordemais quo em dous
Linos aprompia qualquer aprendiz, visto o
ini'lliodo particular c.im que leccionou na
(laliia muitos annos era um dos meihores
collogios : quem pretender dirija-so a esta
tvi ographia em carta rochada com as ini-
riaes P. II.
-- Roga.se ao Sr. I, C. M. que tenha a
' lidade deira ruado Viga-io i). 13 pri-
ro andar, pagar a quanlia de 50,000 rs.
.,N' dcve ha mais d um anno ; do contra-
ro, so publicar o seu uome por extenso.
Precisa-se Mugar urna preta para o
[sci vico interno e externo de urna casa : no
|cacs lo Ramos segundo sobrado.
Um moco-'chegado ltimamente do Rio-
Ir.randerdo-Sul, onde servio de guarda-li-
Ivros, (toseja se em pregar nesta cidade ou
Ipara taraco alguma casa commercial, pa-
ira o que, alm da pratica, possue o curso de
laula do commercio, e cntende tanto do par-
tidas dobradas como simples : o mesmo se
JispOea fazer qualquer escripia particu-
larmente : quem precisar dirija-se a esta
Itypographia em carta fechada, com as in-
cites F.K.
Nflo se enlende com o Sr acadmi-
co Jos Joaquim dos Santos oaimuncio
Icom as iniciacs J J. dos S. nem com o Sr.
lndr de Albuquerque Maranhilo o das ini-
Iciaes A. de A. M.
Os Srs. Joflo Pacheco Alves, Albino Jo-
IfFerreira da Cunta e l.uiz Antonio Perei-
|ra queiram annunciarsuas moradas, visto
se ignorar.
-Os Srs. I!. J. S. e seu flllio G. J. S.,
Doradores em Olinda queiram vir pagar
na ma Augusta, n. 1, as suas Irllras que
se acliain vencidas desde novembro do a-
ino prximo passado ; do contrario, se pu -
Itilicaro seus nomes por extenso ; e so iato
[ainda nSo fr bastante, serflo inmediata-
mente executados, para o que ja se acham
as dilns leltras em poder do doulor Vellez.
O Sr. a quem se vendeu era Olinda ma-
lcraos, como tem cavallo, querendo, po-
de vir a esta cidade a venda do capitSo An-
tonio, no Varadouro, para ajustar alguns
milheiros de tulla e lijlo, o melhor que
fr possivel.
O a bailo assignado faz constar a quem
convier que lem constituido procurador de
suas propriedades que tem nosta praca, e
ki'u correspondente para a venda dos assu-
cares de seus engenhos, desta safra em
diante, a Jos Cypriano do Moraes Lima,
niorador no lai go do Korte-do-Maltos n. 8.
Engenho Tab, 12 de setemliro de 1811*. --
Estenio Cavatcanle dt Albuquerque.
Quem annunciou querer hypothecar
um sobrado de dous andares em boa ra,
dirija-se ra estrella do Hozario, n. 43,
segundo andar, que se dir quem faz este
negocio.
A!ugam-se duas moradas de casas, em
S.-Anna de dentro as mais proprias para
se passar a Testa e prximas ao rio Capi-
baribe : na ra Helia n. 28.
Na ra de S.-ltita, n. 63, precisa-so de
urna ama de leito, forra ou captiva prefe-
liudo-aeesla.
Prechw-se de 600/ rs. u juros com boas
firmas: quem quizer darannuncie.
'Agencia de passaporles
Tiram-se passaporlos para dentro e fra
do imperio, como lumbem ttulos de resi-
dencia para estrangeiros e correm-se fa-
inas por commoo prego e com presteza:
na ra do Rangel, sobrado de um andar
O. 37.
Precisa-se de 1 moleque ou prclo para
fazer compras e o mais servico do urna casa
depones familia: na ra do Queimado,
lOJS II. 37 A.
No dia 88 do corrente, perante o juiz do
'rivel da primeira vara, se hflo de arremBlar
em audiencia publica 3 eacravos penho-
rados aos herdeiros de I). Calharioa Hita de
S.-Jos Aunes, por execuefio de Manool Jos
l'ernandes Barros.
--Quem precisar de um pardo para pa-
gem ou bolieiro dirija-se ra da Penha,*
11.15.
A quem llie fallar um ppegaio, dando
os sienses, llio ser enlregue, pagando.os
annuncios. na ra do Mundo-Novo, [nume-
ro 30.
Jos Francisco Moreira, testamenteiro
da finada D. Clara Mara da ConceicBo, tem
marcado o dia 7 de outubro do con ente an-
uo par* dar cumpriment disposico tes-
tamentaria deisada pela dita finada, a qual
lie a seguinle: Serio repartidos 400,000 rs
:om os pobres de portaj eorphSos de pai a
nDi, e de boa vida, residentes na minlia
iTrdguezia de S -Amaro de Jaboatlo, sendo
stas 10 000 rs. cada urna, e aquelles 640
., at completar a dita somrna ; apresen-
lando as orphSas atestado do respectivo pa-
rocho, e os pobres dos donos das trras em
5

que moraren, para podrom rccebor.di- nliia desde 15 de ruaio-lo correnlc anno.---
ta esmola ,- o que-se faz publica afim dos
prelendentes so habilitaren! e comparecc-
r.>m em dito dia na porla da igreja matriz
da dita freguezia, depois da missi, para re-
ce berem a esmola designada.
' --Existen) no trapicho do Rrito 22 saceos
com assucar, vindos de Maranguape na liar-
caca Amizade, e descarregados em 2 de ju-
nho docorrenleanno : a pessoa a quem lite
faltarem, dirija-so ao mesmo trapiche para
lite serem entregues.
Augusto S. Corbelt avisa a
quem llie convier que acaba de re-
ceber de Inglaterra um completo
i-iortimentode pedras( marmore),
proprias para consolos e lavato-
rios: todas talbadas com muito
gosto e perfeicao: os pretenden-
tes dirijam-se a ra da Cadeia,
n. 48.
Aluga-se um sitio na Magdalena, estra-
da da Torre, com muilo boa casa de viven-
da com 6 quartos, cozinha fra, lauque e
cacimba cobertos, casa para pretos-e para
estribara bstanles arvoredos e terrenos
para planlaces : a tratar no Aterro-da-
Hoa-Vista, n. 43.
Precisa-se alugsr um moleque, ou ne-
gro, para fazer compras e o mais servico de
o nif casa do pouca familia : na la da
Cruz, n. 48, no armszem.
0 o
1 Bixas. O
Sa placada Jiidpen-
g delicia, n. 10, ^
ja ao voltar para a ra das Cruzes, alu- q
5 gam-se o vendem-se bixas de Mam- a
J? burgo : lambem vo-sc applicar pa- )j;
^ ra commodidaJe dos- freguezes ; ti- X
ram-se denles, sangra-se e appli- *J
O cam-se ventosas: tudo por prego V&
0 commodo. CJ
a o
0 abaix assignado precisa singar um
carro com bois, para botar da ponte de
Motocolombo as ponlozinhas do C.liocho
ePo-Secco 31 estivas j lavradas : quem
quizer alugar, dirija-se ra Direila, ven-
da n. 23. iodo llypolilo de Medra Lima.
Ilavendo mui bem desempenhado olcom0utra na ra vendeiido fazendas
Sr. Jos Antonio de Souza Machado a ge-
rencia de meus negocios na prace do Heci-
fe, deque foi incumbido na safra linda,
contina o mesmo Sr. na gerencia delles : e
por isso aquellas pessoas que commigo ti-
verem transaccOes, pdem a ello dirigi-
se no seu armazem de assucar da ra de
Apollo, n. 24. Engenho Paulista, 15 da
selembro de 1849. Joaquim Cava/cante de
Mbtiqucrqut
Na ra Nova loja n. 58, se dir quem
d dinbeiroa premio as quanlias de 200,
300, 400, 500 e 600,000 rs. com hypolheca
em casas terreas.
Precisa-se de urna prela forra para co-
zinhar, engommar e fazer o servico do casa
de um homem solteiro: na ra do Sebo,
n 30.
Aluga-se, pelo lempo da festa, um
grande sitio na estrada do Monteiro, rom
boa casa de vivenda cozinha trt, estriba-
ra, cocheira nimios arvoredos de fructo ,
e muilo perlo do banho : a tratar Da ra
Nova n.C3, primeiro andar.
NOVOMErilODOPRATICO E TIIEOHICODA
LINGOA PRANCEZA,
por l.uiz Antonio llurgain 2 v. por 6 rs.
Acaba de apparecer no Rio -de-Janeiro
esta inleressante graninialica pela qual
em muito pouco lempo, e sem a fastidiosa
tarefo de estudar de cor verbos o significa-
dos so aprende a fallar, traduzir e cscre-
vereom perfeicfioa lingoa franceza : ven-
de-se na praca do Commarcio, n. 2, pri-
meiro andar. .
Aluga-se urna casa no sitio do Cordei-
ro, niargem do rio Capiharibe, cora com-
modos para grande familia cozinha fra,
eslribaria cocheira quarlo para criado,
etc.; outra dita mais pequea, tambem
com bons commodos para familia estriba-
ra, ect. : a tratar no pateo do Carao, n.
17, com Gabriel Antonio.
Para as pessoas que Icn-
cionam seguir viagem.
NopateodeS.-Pedro casa terrea n. 8,
tiram-se passaporles para denlroe fra do
imperio, correm-sofolhase dospacham-se
escravos e para este lim lar.-.bem pde-se
procurar na praca da Independencia livra-
ria ns. 6 e 8.
Lotera do Guadalupe
Est designado o dia 5 de outubro prxi-
mo loturo para o andamento das rodas
desta lotera, lie de presumir que nflo se ja
infelizmente espassado ainda esse acto,
como tem sido at agora, pela falta de con-
currencia dos compradores de bilheles, da
qual tem dependido e continas depender,
ou a prompla extracto das loteras ou a sua
moroslade.
Ilenry Poingdeste, subdito inglcz, reli-
ra-so para o Hio-de-Janeiro.
Urna senhora casada, querendo ler
urna companhia para no estar s, annun-
cia por esta folha para ver se acha urna
mulher branca ou parda para morar com
ella, dando-lbe de vestir e de comer, porm
que nSo tenha vicios e que tenha de 40 an-
nos para cima : quem esliver neslas cir-
cqmstancas, diiija-se ra da Alegra,
n. 32.
Precisa-se de urna pessoa para feilor
de um sitio, no lugar do Remedio ( com
preferencia portuguiz natural das ilhas )
que saiba plantar frucleiras e verduras ,
cominillo a sua custa : quem esliver assim
habilitado dirija-se ra do Crespo, n, 14,
lerceiro andar, das 6 s 8 horas da manhfla,
e das 3 s 5 da larde pata fazer o ajusto e
ir tomar conla do sitio cujoajuste s ser
fcito a vista de documento que abone a sua
conduela.
*Quein quizer urna criada parda, do
mallo, para servir a urna casa, dirija-se ao
Alerro-da-Hoa-Visba, n. 63, primeiro an-
dar.
--Os abaixo assignados teem estable-
cido om armazem de ma$amese mais per-
teneos de navegado na ra do Vigaiio ,
n. 1, de baixo da tirina de Braga & Compa-
ioao le le Je hzevedo. -Uanoel Ignacio de OH-
tetra Braga. .
Precisa-so de um braco de balancn
grande e conchas : na ra da Glora re-
nacilo de assucar, n 114.
O abaixo assignado decan aos Srs. ne-
gocianlos do trapiche, que, tendo compra-
do um barril.de loucinho om marco doste
anno, al agora n8o tem sido procurado o
seu importe : por isso quem se julgrseu
dono aprsenlo sua conta para ser paga,
conferindo ella em dia c preco. Uanoel
terreira iniz.
Precisa-se de urna ama de
leite, forra ou -escrava : paga-se
com generosidade : na rti da Ca-
deia do llecife, venda a. i, se di-
r quem pretende.
-Furtnram, aoamanhecer do dia 23 do
corrente, do sitio de Herculano Alves
da Silva no principio da ra da Sole-
dade una hacia grande de rame que
accommod duas pessoas em hanho : roga-
se a quem fdr offerecida, de a tomar e levar
ao dilo sitio n. 70, quo ser gratificado.
Chapeos de sol Je
Ra do Passeio, n. 5
O dono deste cstshelecimenlo avisa ao
respeitavel publico que elle receben pre-
sentemente urna qualidade de chapeos de
sol com armaco de ac sortdos em c
res e de varios tamanhos, qualidade esla
nunca aqui apparecida ; bem como cha-
peos de sol com armQlo de balcia, soni-
dos em cores fixas ; ditos para senhora, de
seda muito encorpada com ricas franjas de
retroz e chegados ltimamente de Pars :
tambem se vepdem chapeos de sol, de pan-
ninho em porQ.looa retalho ; ditos para
feitor do engenho, muilo grandes. Os fre-
guezes achar.lo um completo sorlimenlo de
sedas e panninho imitando seda para co-
brir qualquer armacflo de chapeo de sol, o
que se faz, e tamoem so concerta com toda
a brevidade,
~ Aluga-se um grande armtzem com ser-
venta para a mar pequea, e porto de
embarque e desembarque : na ra da Sen-
zalla, n. 42 a tratar com S. J. Jobnston &
Companhia.
Aluga-se o lerceiro andar da casa da
ra do Vigario, n. 18 : a filiar com Francis-
co Cavalcante de Mello.
--Precisa-se de urna preta pura andar
na
so-
- Vendc-se feijilo mulalinho de superior I Vende-se um eseravo de nacfflL ga-
qualidade,emsaccas: no largo do Forte-|nhidor do ra, quo da um sello todos o<
. >.,...- o .. c. 11.......,,., i.,.-., rvnriann das- he muito ladino e robusto: quem o
ra da Tiempo para o Mondego n.
lirado.
Tacliigraphia.
Oprofessorde tachipraphia, abaixo as-
signado sabendoqiic bastantes pessoas se
no teem matriculado na aula publica da
referida arte, eslabelecida no lycou desta
cidade, porquo a hora em quo as licOes
teem lugar no he compativel com os seus
afazeres, resolveu cnsinar em sua casa,
dando lices lodosos diasuteis, das 6 s8
horas da tarde mediante a gratificacilo de
5,000 rs. mensaes, isto mesmo durante as
ferias ; o que fnlcressa muito aos princi-
piantes, por isso que a oterrupcSO neste
esludo he um mal irrcparavel. As pessoas
que se quizerem matricular dirijam-so ao
professor em sua casa al o da 30 do cor-
rento mez. AsIicOes comecarSo nodia pii
meiro do futuro mez de outubro.
Luit Antonio de Meiquila Falco.
Compras.
do-Maltos, n. 8, a fallar com Jos Cypriano
de Moraes Lima.
Veiidoui-sosapaloes
de como <'e lustro, ditos
braucos do Aracaty, por
precoscomindos: na na
Vende-se superior cal virgem de Lis-
ba viuda pelo ultimo navio por preco
mdico : a tratar na ra do Vigario n. 19,
primeiro andar.
-- Vonde-se urna porco de bolacha, pro-
pria para escravos, a 2,880 rs. a arroba : na
padaria defronto da fortaleza das Cinco
Ponas.
O baralciro.
Na loja n. 5 A, da na do Crespo,
do arco de S.-Antonio, ainda -
vender alguns corles de cassa
3,000 rs., superior fazenda ; bo
eos de seda, a 640 rs.
A200 ris.
Va ra do Crespo, loja n. i4, de
Jos francisco Dias,
vendem-se superiores chitas escuras dera-
magem, rres muito fitas, par* coborta,
pelo barato preco do 200 rs. o covadu.
Ven lem dous carros de quatro rodas e
um cabriolet: ludo da mola a mais moder-
na : na cocheira da ra do Hospicio, no es-
quina do becco do Camarita.
Compram-se de 2 al 10 portas de ama-
relio ou de louro sendo volhas, por pre-
co commodo e que no sejaiu de costado
ou costadinho : quera tiver anniincie.
Cororra-seum prelocozinlieiro, eque
tenlia boa conducta ; bem como urna pre-
ta engonimadeira, costureira e coznheira :
no beceo do theatro, no segundo andar poi
cima do holquim.
Compre-se The Practical Sugar Planter,
by l.eonard Wray lisq. estando em bom
uso : quera tiver anniincie.
-- Compra-sc um oratorio com imagens!
no caes do Hamos casa da esquina.
-Compram-se ourelos do panno lino : na
praca da Independencia, n. 19.
Comprn-se una escrava para fora da
provincia de 20 a 25 anuos, que saiba cor-
tar e azer una camisa do homem, e en-
gommar bem, tudo isto com pcrreieo:
nflo se olha a preco : um mulalinho de 16 a
18anuos de bonita figura c quo tenha
boa conducta : paga-se bem : na ra das
Larangeiras, n. 14, segundo andar.
Compram-se quatro eseravas prenda-
das, com habilidades e de bonitas figuras,
para urna encomraenda : na ra do Passeio,
loja n. 17.
Compram-se me-rs garrafas vasias,
que lenham sido de serveja e limpas, a 60
rs. cada urna : na venda da ra da Cadeia do
Recife. n. 25, defronto do Hccco-Largo.
Burra de ferro.
Compra-se urna caixo, ou burra de ferro
que esteja era bom estado : quem tiver an-
nuncie. ,
Compram-se quatro escravos que sir-
va m para o servico de campo: na ra Di
reita n. 3. se dir quem os quer
Vendas.
dias ; he muito ladino e robusto : quem o
pretender annuncio.
Vende-so uma|rda reeolhila de bo-
nita figura do 19 annos, perita costureira
de corlar e fazer qualquer obra, e que en-
gomma, amarra cabello e veste bem urna
senhora: o motivo por que sn vende so di-
r ao comprador : na ra do ebo, n. 34.
Na ra da Cruz do Recife, n. 38, pri-
meiro andar, ha para vender por preco
commodo muito superior bezerro de lustro
0 sera lustro.
Arados de ferro.
Na fundieflo da Aurora eni S.-Amaro ,
vendera-so arados de ferro de diversos mo-
delos.
-- Vende-so um molhodo de flauta por
Divieni, por preco commodo : no Alterro-
da-Ha-Vsta, n. 77. .
. Ainda restam para vender-so 2 lindos
53;!JZ collares, c a'guinas abotoaduras para canil-
le 500 e sa : ra do Crespo, toja n. 15, do&inha
m como ten- Gniraarfles & C.
Pechincha.
Vendem-se, na ra Nova, n. 42, defronle
da Conccicta, P*cas Je brm liso com 2(>
varas por 6,400 rs., muito lino ; cam-
hraiaslindissimas, aOOOrs. I vara ; cassas
franeczas padrOcs modernos, a 750 o 880
rs. a vara ; chilas finas, a 200 rs.; e ou-
tras militas pechinchas.
Vende-so a venda da ra Augusta, n.
1 : a tratar na ra dos Martyrios, n. 26.
O barateiro.
para curar da phlysica em lodos os seus
dilfereiilos graos ou motivada por consll-
paces, tosse, aslhraa, pleurz, escarros de
sangue, dorde costase pcitos, pal pi tacita
no coroelo, coquelucho, hronchites dr
na garganta c todas as molestias dos orgflos
pulmonares.
Do lodas as molestias que por heranca n-
camaocorpo humano, nenhuma lu que
mais deslruitiva lenlia sido, ou que tenha
zombado dos esforqos dos homens mais
eminentes em medicina, do quo aquella
que he geralmcnte conhecida por moles-
tia no bofe. Em varias pocas do se-
cuto passado, lendo-se olTerecido ao publi-
co dilTerentes remodios com altostados das
extraordinarias curas que elle tem Teito;
porm qnasi que em lodos os casos a ilusao
tem sido penas passageiru o odoeule
tornas recahir em peor estado dorque se
acliava antesdea|iplicaro remedio tilo re-
commendado, outro lano nflo acontece
com es le'extraordinario
Xarope do Bosque.
Novaes & Companhia, os nicos agentes
nesta Cidade e provincia,- nomeados pelos;
Snrst II. C. Yates & Companhia, agentes
geraes no Ro-de-Jnciro mudaram o de-
posito (leste xarope para a botica do Sur.
Jos Maria G. Hamos, na rus dos Quarleis, n.
t2. junto ao quartcl de polieia, onde sempre
Na loja n. 5 A, da ra do Crespo ao pi-
do arco de S.-Antonio vendem-se ricas
mantas do seda, a 6 o 8,000 rs. ; cortes do
fustflobrancoalcnchoado: a 590 rs.; dilos
de cores, superior fazenda c lavoures in-
teiramente novos a 1,280 rs. ; riscadinhos
finos francezes propflOl para camisa, com
5 palmos de largo o do cores fixas a 320
rs. o covado ; cortes de calcas de cores es-
curas, o da fazouda encorpada de 1,000
rs. al 1,440 rs. ; cortos de casimira alva-
dia, bastante elstica, a 4,000 rs. o corte!
dita prela elstica, bstanlo larga, superior
fazenda a 2,801) rs. o ovado ; chales de
chitas escuras para meninas, a 500 rs o
grandes a 80J rs. ; mantas de Urlataua com
tecido de soda proprias para meninas a
1,000 rs. cada urna ; e outras muitas fazen-
das por preco mais commodo do que ora
outra qualquer parle. Dflo-se amostras so-
bre penhores.
Gabriel Lambcrt, por
A levaiidre Humas,
1 v. em oitavo broeh de 200 paginas, por
1,000 rs. Na ra do Collcgio, n. 9, acaba
do receher-so a Iraducci deste romance.
O nomo do autor do conde de Monte-
Chrislo lie tilo seguro abonador do ludo
quanto sane da sua penna, que, -nnuncian-
do o Gabriel Lamben, conlenlamo-nos do
por smente o titulo da obra o o nomo de
Alexandre Humas.
l> llcstrede Sau-Thiago.
I v. em oitavo grande broch., por 320 rs.
l'Ma obrinha lie um romaneo em verso,
feiloein liespanhol por Bcrmudez de Cas-
tro, o traduzido cm portuguez por Evaris-
to Jos de Aranjo llaslo : o objeelo delle he
anlogo s aventuras do Ultimo Aben-Sor-
ragem do Chateaubriaut. Ito rico, tanto no
pensamento como no dizer, e a tradcelo
he de nimio valor. Vende-so na livraria da
ra do Collegio, n. 9, aonde tambem se
acha oseguinle :
Mstate romanum, ntidamente impresso,
com rica encadernaco de velludo, brochas
metlicas douradas, registos de gorgurflo
adamascado botOrsdo marroquim.
Breviarium romanum edieflo de 1847 ,
rica eucadernacno de marroquim, 4 v.
12. mulo aoquanei ue poin-i, iiucbciii|.iv ..v--.~-Y-- ------.---v- ."
senario o tnico e verdadqiro, a 5,500 rs. medido cada um em sua caixa de papelflo
...i.......<. forrada decarncira.
etc.,
cada garrafa.
Na praca da independen-
delicia, loja de caldudo
de duas portas, n. 33
i..!/.nniv o i 000 m Hes Colombia e Cuyannas, por C. ha-
vendem-se tpalos do Ancat] a 1.000 rs.,,
.vii.'cu* -" ",.- ----- .. -
sapalOes de lustro ponteados a 4,jOO rs ui-
los de beira encoslada a 4.000 rs., ditos de
hezerro francez a 3,500 rs., sapalos de ta-
pete a 1,520 rs., pcll"S do couro de lustro a
4,000 rs., ditas de hezerro francez a 3,200
ris. ... ,
Ve\dcm-se cinco van de caixiino ue
janella envidraqado e urna porla de ama-
relio: no Atierro da lia-Vista, 11. 26.
-- Vendc-se um relotio de ouro orisontal ra
forrada de carncira.
O/ficium in fetlo Nativilatii llcmini
1 v. em 12.
Um Galucho, por Paulo de Kock 4 v.
em 8.
Ut myttrrios da inquitelo por Ferd.
..jiis, Colombia e Cuyannas, .
rain, 2 v. em quarlo broch. por 2,000 rs.
Obras elementarte do Sur. Salvador llen-
rique de Albuquerque: novas carias para
aprender ler, por 80 rs. ; compendio do
grammalica portngueza sexta edieflo por
640 rs.; resumo do arithmetica, por 640
rs. ; breve compendio dodoutrina chrsla,
por 800 rs.; resumo da historia do Brasil ,
por 4,000 rs. epitome de geometra por
muilo bom trabalhado, por preco commo-
do : na rus do llosario estrella, venda, n. 1
4) Vendo-so um terreno sito na Sble-
M dade, junto ao Teixcira fogueteiro, >
% com 58 palmos de frenlce 600 detan- f
? fundo o nos fundos deste tem mais
40 palmos de frente para eslrada no-
m va o 400 de fundo tendo o primeiro
5, urna casa de laipa e urna boa ca-
S cimba e bastantes arvoredos de fruc- .4
4f quem tratar.
I
Lotera do Rio-dc-Ja-
nciro
Aos 20:000,000 d ri.
Na praca da Independencia, n. 4, vendem-
se metas bilhetes, quarlos, oilavos e vig-
simos da II. loteria a beneficio da santa ca
sa da Misericordia do Hio-de-Janeiro. Na
nicsina loja moslram-so as listas da cari-
dade.
Vende-se um preto crioulo de 18 a 20
annos, oplimo para todo o servico : no
Alerro-da-Boa-Visla loja de fazendas ,
n. 60.
Vende-se urna cancella e umacartei-
ratle viagem por preco muito commodo:
na ra do Pilar, n. 72. lerceiro andar.
Na ru larga do Hozario, loja de miu-
dezas, n. 20, vendem-se pennas de ema i
dous bonitos couros de onc,a proprios pa-
ra mana.
--Vonde-se un\a mulalinbade 15 annos,
bonita e sadia: no largo das Cinco-Pontas,
quarta casa.
Vende-se, na ra do Collegio n. 10 ,
urna collercSo dos meihores solfejos do Mas-
cote, constando de 31 lices muito bellas e
proprias para quem quer se aperfeicoar na
msica.
-- Vendem-se sellins inglezes elsticos
do patente, forrados de couro de porco ; di-
los de sola ingleza com estufos lisos e bor-
dados; silbos para montarla de senhora, li-
sos e bordados ; cabecadas inglezas bran-
cas o do lustro ; fundas de patente para to-
dos oslados; couro invernisado de ama-
rcllo para canhes de bola de criado; es-
tribos de metal branco ; picadeiras do
mesmo metal; ditas do seo ; bridas de lo-
^-,-^.n t>**-^***f ***1t**fT*nf tencenlo ao mesmo estabelec.mento por
_ Em casa de Adamson llow le & Ccimpa- naru.Nova, loja, n. 28,
nhia, ra do Trapiche, n 42, vendem-se f^ da = da conceicflo.
sellins inglezes de superior qualidade, e
com todos os mais pcrlenccs ; bem como
um excellenle piano horizontal: tudo por
preco rnsoavel.
Vendem-se 350 caibros de boa quali-
dade de 28 a 45 palo.os de cumplimento :
no lim do Becco-Largo, no Recife jnto as
laixai do ferro.
-- Na ra do Livramento n. 14, vendem-
se 500 varas de algodSo da trra a 200 rs.
a vara tudo por junto.
I.olera do Rio-de-
Jaueiro.
Aos 20:000^000 de ris.
Vendem-se muios bilheles o quartos da
quinta lotera dothesouro publico : na ra
do Crespo, tajan. 12.
Atlcnco !
Vei.dem-sc corles de cassa preta com ra-
m.g-m propri. Pra lulo com 10 cova-
dos pel diminuto preeo de 1.440 rs. o cor-
to: na ruado Crespo, n. 6, ao p do lam-
peto.
-- Vcnde-se um carro de 4 rodas novo o
envidracado, por preeo commodo : no Ater-
ro-da-BW-Vista cocheira de l.uiz Monier.
- Vende-se urna esetava da Costa de bo-
nita fieura muilo boa quitandeira e com
,,m lilho de 3 mezes : na ra da matriz da
Boa-Vista n. 26, segundo andar.
_ Vende-se azeite do carrapato a 2,00
rs a ranada e a 280 rs. a garrafa : no pateo
do Carmo, venda novan. 2.
Bom e barato.
Ven Je-so superior azeite doce engarrafa-
do, pelo diminuto preco de 640 rs.; man-
leiga ingleza a 560 e 700 rs.; vinho en-
garrafado a 560 e 610 rs.; charutos su-
periores ; papel de machina ; dito do peso;
loucinho de Santos a 140 e 160 rs. a libra;
bolachinha raleza, a220rs.; velas de es-
permacete, a 840 rs. a libra ; queijos na-
mengos, a 1,000 rs.; alitria fina, a 200 e
240 rs. a libra ; dita grossa, a 180 rs.; cata
de caroco; arro pilado ; esteiras linas de
Angola, a 1,280 rs. : na ra do Padre-Flo-
rianno, vendan. 72.



ferio Latido e
os tamanhos,
4tM firmantes de boni oito.
\o armazem de. moldados Iris do Cor-
po-Sanln, ii. i'.(i, lia rara vender, chepudos
pelo ultimo v.".|inr viwfo do S'il superio-
res charutos, S.-KetlX, e de nutras minios
qualidadcs qiin su vendcrfto mais liaratn do
i'iii> fin nutra qtii'louer parle : Ihmii como
'' 'arrullo; liespanlies ditog do piillm de
Iho, que geeslSo vcndendo pelodlminu-
l pre^o de son rs. o rento.
-- Vendeni-soamarras do ferro: na run
'I i Si'11/alla-.Nov, n. 42.
AGENCIA
ila- futifl^ao Low-^oor,
Kl.'v n\ Slt*AT.T.A-NOYA, N. '|1.
Neste cstabelecmento roti-
nn a liavemm completo Bojrti-
in mto ile moendas e meaa moen-
t! -', par engenho; machinas de
vapor, < tachas de
eoulo, de todos
para dito.
Vendem-se relogioi de ouro e prata,
Hlenlos iuglczes: na ruada Senzolla-No-
v.i, ii. 42.
Corles de brini de puro
HMio, a I,O.
-- Vendern-so cortes de lirin truncado
pudo de puro linlio, pelo diininiitn preco
dn qnatrn patucas: na ra do Crespo, loja
da r puna quo volla para a cadeia.
- Vonde-se cal virgen de l.isbOa do
Kiiperinr qualidade, em barril re 4 araonas,
cln-pado ueste me* pelo brigue Waria-Jotr:
ii Ira lar na ra do Rrum armazem do
Antonia Augusto da Fonseca, ou na ra do
rio, n. ID.
Cha brasileo.
Vende-so cha brasileiro no armazem de
lliolli.idos, atrs do Con o-Sanlo, n. 6C, o
mais i'M'i lenle cha produzi.lo oni S.-Pau-
lo que tem viudo a este mercado por
preco muilo commudo.
A >40 rs, cada un.
Yendem-se cobertores do algodflo ampri-
c.uio, enrorfjados e grandes a las pata-
cas ; clutiis oscuras de bous padres e co-
res seguraa( mola pataca o eovado : na
ra do Crespo, na loja da esquina quo vol-
la para a cadeia.
Taifas pura engenho.
Na fundicSo do ferro da roa .lo i'rum,
acaha-su de recober un completo fiorlimon-
lodfl Ulxas de 4 a 8 palmos de bocea as
i|uacs ac.....-se o venia por proco com-
tnodo o rom promptid3o embarcam-se,
cu Carregam-secm carrossem despozasao
c tmprador.
Ihoros que ha no mercado, a fi40 rs. : jiia-
dapolflo muito linoo nm pouco mofo, a
3,000 rs. a peco, e n '200 rs. a vara ; chapeos
d.i massa a 400, f.40 e 1,600 rs. ; fuslilo ,
a 480 rs. o covodo ; dito muito lino e de
cores fixa, a 640 rs.
fca ra do Crespo, n.5.
loja que faz esquina para a roo do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
droes muito modernos pelo barato peco
de 280 rs. cada covadp.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica* de To-
dos-ng8ailtos.
Su ra da fladeia, n. 'i,
vcndem-sR por atacadaj'-tres quolidodcs,
proprias para saccos'fliossucar e roupa, de
escr ivos a 230, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da fabrica de
rodos-os-Santes na Baha
Vcnde-sc em casa de N. O. llieher & C.
3 ra da Cruz, I). 4, algodflo trancado
aquella fabrica, muito piopro para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Charutos de BBavana
do Kalkmann
n. 10.
rerdadoiros: em casa
aiilos na ra da Cruz
ir-
les de Roberto
Dialm.
do
Castor i ni francez, a M>0
rs. cada eovado.
Na loja que faz esquina para a ra do Col-
lego n. 5, vendem-se os novos nostorins
franceses, multo encorpados, padroes no-
vos, oscuros ecom lis!ras pela boira, pelo
barato preco de seo rs. o cuvade.
Pannos finos prefoCftznl,
a .MO rs. cada eovado.
Na luja da rua do Crepo, n 5, de Cuima-
rSea& llenriquea, vendem-se pannos pre-
to c azul, linos, polo barato proco de 3,000
rs. cada eovado e alm destes ha um Com-
pleto aortiment de todos as edres o pro-
cos commodos.
Ma<1apoloes finos a
S.fiOO rs. a peca.
Vendem-ge madipolOea linos, com 24 jar-
das com um peqiieiin loque de mofo pe-
lo preco de 3,600rs. l peca : na rua do Cres-
po loja da esquina que volta para a ca-
deia.
Na loja do I-Mima & liamos, no Aterro-
da-lloa-Yisla, vende-so um parda adrago-
nas muito ricas, para capilSo; hem como
ilm habito esmaltado de Cliristo.
4
Antigo
Na loja deCuimarfles & llenrii|iies rua
do Cre-po. n. 5, que faz esquina para a rua
do Culleeio ven lem-sn os novos chales
rrrandas intitulados llnbertodn Dinbn pe-
lo hoi alo preco de 1,600 rs. cada um: esta
fazeml i se torna muilo reeomnoMidavrI ,
pnrs.r do padrflea novos, o de lindas
franjas
-- Ven Ir-te oleo do recio superior coi
lulas de 3o libran : na rua da Ciuz, n. 3.
Vente-' e fariidio dn lliandioea milito
superior, a bordo do patacho Valtntt, vin-
do de s.-Cnlhaijna fondeado no caos do
1 llepio : a irntar com o capitana bordo,
on com Novaos (t Coinponliiu, na rua do
Tri che, n. 31.
deposito de Polasaa.
Vndese milito nova polnsss^
i\o boa qualidade^ embarr
pequeos de rptalro
ni id iiatulo, romo i lia m ni lo
deposito de cal
virgem.
iszinhov
ai'rohaa, por
ii
tonino :'.c nao
vende: no
armazem n.
liccilc.

i?.
j ta da Cadeia
Cadciras de palhinlia c
de bala i ico,
hem com outros muitos liustes : vendem-se
em casa de Kalkmunn Irmos, na rua da
Cruz, n. 10
Rap rolio francez.
Vende-seo superior rap rolSo francez,
nicamente as lujas dos 8r. Caetano l.uiz
Kcrreira no Alerro-da-Hoa-Vista, n. 4C ;
Tliomaz itebtlos Kstlma na mesma ru,
n,54 Francisco Joaquim Duarte, ruado
Cobuga ; Pinto & Irmflo, na na da Cadeia
do (leeifo, n. 19.
> O
J> um piano. 0
t? Vende-so um pipno muito bnm pura ''
tS' rsludo; lionilo e de escolenlo autor:
':>> u,i rua doColli'gio, n. 9. <0
r-
Barrlcaa
Vendem-se barricas vasiaa que foram de
forinha em p e hem accoiidirioudas :
na rua do Amorim n. 35, casa do J. J.
Tasso Jnior.
Iara calcas
Ka rita do
loja
vende-EC lirim (militar! trancado bronco,
a 1,44J rs. o corlo; dito dito escuro a
1,280 rs. t rrle ; dito cor de ganga, mui-
to lino, a 1,500 rs. ; dito liso escuro, bem
proprin para jaqueta, a 800 r,'o corlo: sen-
do lodos de puro lindo : corles do castor
lo llslras o quadros a 800 rs. o corle.
Na loj da rua do Crespo, n G.
ao pedo lampean, vendem-se as
scgttjntestatendaa por metade de
HCtl valor .-
coi les de brim escuro, a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,440, 1,500 o 1,600 rs. ; dito
Illanco, a 1,5110rs. ; dito listrado a 1,500
rs. ; pirlo, muito encorpado, a 180 rs. ;
cintas linas e do coras lixas, a 160 e 180 rs ;
Nn rua do Trapiche, n. 17, Im
mnilo superior cal virgem de Lis-
boa, por pre?u muito commodo.
Superior farinha de
mandioca.
CBgou de S -f.alharina o brigue S.-Ur.-
inl-.tiii/usio cooi um carregamonto do fa-
rinha supci ior, acha-se fundeado defronte
do ces do llamos, u all fe vende qualqucr
poreflo a preco commodo : lambem se pode
lialarna praca do Coirmereio, n. 6, pri-
meiro andar.
Cal virgeuj.
Na rua da Cadeia do l'.ecife, n. 50, osr rip-
lorioda Cunta & Amorim, vende-so ca,
virgem do Lisboa de superior qualidrdc I
por pceo mais barato do que em oulra
qualquer parto.
N. V-.
Vende-se, no ainia/ein de Viccnlc F. da
Costa, na rua da Madre-de-Deo8, a supe-
rior o bem condecida gtaxu97, cm barricas
de 13 duzias.
A l,y0,l,^c 240 rs.
ditos de madreperola para pali-
tos ; ditns-d'acodc diversas cores ;
dilos de todas os cores paraenfei-
tes de vestidos ilc senborr:; e go-
las de cambraia.
Novo 111a da pola o pato;: te
com mais de 40 jardas
cada peca
ecom largura quasi do urna vara, fazenda
a mois fina que se pode imaginar, por isso
ptima pora ludo pelo diminuto prego de
9,000 rs. a peca ; bem como todo o sortl-
mentode fazendasfinas o grossas : no no-
vo armazem de fazendas de Haymundo (lar-
Ios l.cite, na rua do Queimado, n. 27.
Na rua do Crbug, loja do
Dtiarle, n. i C, vendem-se oni-
\ i les do urna a quatro folbas ; fa-
cas e garfos ; tesouras fabricadas
em Guimores, proprias para bar-
beiros e nlfaiates ; ditas pira cor-
lar papel ; ditas em carleira para
nnbas, asmelhoresque aqui teem
apparecido ; apparellios de collie-
res de metal do principe; alado-
res ; navalhas ; saca-rolbas de pa-
tenle ; lamparinas inglezas ; cam-
panillas de nova nvencao ; e ma-
chinaa proprias para alfaiaies.
Pos galvnicos para
platear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoai que posaoem objectos
prateados e quo tcnliam perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisados, leem uestes pos um excelleule
restaurador o conservador dos mesmos
objectos sempre como novos sendo o pro-
ceaso para so ussr delles o mais simples,
nada mais do quo esfregar com um panno
do I i ii lio moldado em agoa fria e passado
nos mesmos pos.
Urna caixinba contendo quantidade suf-
ficienle para pratear mais de 40 palmos
quadrados custa a mdica quaulia do
mil is.
Lotera do Rio-de-./a-
noiro.
Ars '0:000,000 de rl's.
lie cargada a lista da dcima priinaira
lotera a beneficio das casas do candado, c
rom ella grande sortinicnto do bilbetes,
mcios, quartos, oilavos c vigsimos: a elles
untes que se ncahcm, pois Silo muito afor-
tunados : na rua da Cadeia do Rocife loja do
ferragena, n. 56.
A 4,y000 o corte de novas
aleinas de seda
com lindos pndrGrs de listas c quadros, co-
res modernas, clarase escuras t prctas ;
gangas amaiellas da India, proprias para
lodo o trago de liomein e de meninos ; bem
como um novo sorlimento do fazendas fi-
lias o grossas por baratissimo prego: no ar-
mazem do llayniondo Carlos Lcile, na rua
do Queimado, u 27.
Vendem-se os apreciaveis
charutos de llavana ; ditos togalia
ile superior qualidade, ebegados
recentemente ; assim como opli-
pelo uso dos oculos apropridos ao grao da ver a fallar com Amaro Conralrt >
vista do paciento : quem delles precisar, Santos, no Ciquia, ou coa) o Cordeiro'!
dirija-ge* rua larga do'Rozarlo,'toja do
miudezas, n. 35
Mantas de seda.
Na rua-do l.ivramento n. 14, acaba de
ebegarum sorlimento de mantos de seda
parasenhora; cortes de casimira preta,. a
8,000 rs. ; cortes de cambraia do ricos pa-
droos ; camisas de meia pan meninos de
dousannos; meias curtas de linho multo
finas para homcm ; luvas de algodo para
meninas, a 800 rs. a duzia e a 100 rs. o
par; eoulras militas fazendas baratas.
Vendm-se escravos baratos, bem co-
mo : 2mlecoesde 18 annos ; 1 moleque
de 12 anuos; 3 pelos bons para o traba
Iho de campo ; una moleca de naclo, que
cose e fax todo o servido de urna casa; 3
pretas de nacflo Costa ; e mais alguna es-
cravos : na rua das l.arangeiras, n. 14, se-
gundo andar.
Rap Joao Paulo Cor-
deiro,
vende-se na rua da Cadeia do Itecife, n. 53
Na rua da Guia, n. 36, primeiro andar,
vendem-se, em grosso ou a retalho, luvas
de pellica branca para homem e senhora ,
de muito boa qualidade e muito bem co-
sidas ; bem como spalos de couro de lus-
tro e duraque para senhora de superior
qualidade : pdom-se ver al is 8 horas da
inanlia e das 3 da (arde em diante.
barreira doMolocolomb
-. Vende-se urna escrava de 22onnos
muito linda flgura.que sabe cozinhar raii
bem, Irvar.comprar e engommar, comn
crias lambem muito lindas, sendo um,
tres mezes e oulra de dous annos: ytn!
89 com ambas ou com urna s voiiUdei
comprador : na rua da Cadeia, deu-onu
ordem lerceira, ao p da Apollinea.
-- No deposito de charutos da Lingoi
n. 14, ha um sortimentode charutos c0
sejam: regala regalos de liavana, aJ-
lados, melindres e outras muitas qm|,|
l Lotera do Rio-de.
Janeiro.
Aos it);000,000 de ris
Vendem-se bilhetes, meios, quartos n
lavos e vigsimos da 5.* lotera do then,
ro publico: na praca da Independeos
loja de fazenda n. 1, pintada deamuellg,
Yeude-se
cobre para forro de
navios:
no armazem de l. V. da Silva Barroca i
rua da Aladre-dc-Deos, n. 2*.
| Loteras do Hio-de ]
i Janeiro. n
| Aos 20.000,2000 rs-
Sil.* a favor da MisericoaditA
e 5.a do thesouro. i
Meios liilhetes. n,5oo
Qnarlos.....5,5oo |
Oitavos..... a,8oo
Vigsimos. l,3oo *|
Na ruido Collegio, n. <).

na manteigaem vidros : ludo por
preco commodo : na rua da Cruz,
5 armazem de J. Klster.
Na loja do Duarte, na rua
do (labug, ii. I C, vendem-se re-
quifes de cores ; frar.jas pro-
prias para mantaleles de cores
I |" "" B/UBO IIIUIIIUHIIO IlL VUI (O .
Sa Itia do ( rCSpO, II. 14>| lencos de seda calgodao para gra-
e j;iunetas.
Queimado,
n.
loja de Jos Francisco
Das,
vendem-se cites de superior brim escuro
de puro linho,a 1,280 rs. dito cr'degan
Ka de superior qualidade a 1,140 rs. o cor-
le ; Itislrim pretoadamascado, muito lindo
para lulo a 240 rs. o eovado; superiores
Chitas encarnadas muito linas o docrosfl-
xas.a 180 rs. o eovado, o outras militas
fazendas por preco commodo.
Foiha de Fandrrs.
\'ondem-so caixascom folha do Flandres:
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnior.
A ellas antes que se acabeni.
Vondom-SO ricas luvas de pellica para
hoinom e senhora | elo din,uto prego de
1,000 rs. o por : na rua do Queimado, n. 17.
I).ln-se as amostras.
Rfudapoloes omito linos e
larios.
Vnndcm-sc pecas de madapnloes com 20
varas, muito largos e finos, proprlos para
camisas do homens o senhora, o 4,000.
4,500,5,000,5,200 e 5,500 ditos pora lor-
ro de vestidos, a 3,000 rs. e a IfiO rs. a re-
lalbo ; luvas de pellica para inlos peque-
nas, a 500 rs. ; lencos do loquim com fran-
jaaaiara meninas, a 640 rs. ; chitas muito
linas, hon i las estampas, a 320 rs. o eova-
do : na rua do PaiSeio, loja n. 17.
Vendo-so una armacflo (le venda o
mais pertenceS na run Direiln n. 53 lu-
gar eate muito bom para render, tatito pi-
ra lona como para o mallo a tratar com
Antonio Francisco Martina do Miranda na
rua da l'raia-de-S.-lta n 1.
valac algibeira ; boleas de ni i can-
ga, proprias para maos ; manli-
nhasdeseda a 800 rs. toncas de
laa para senbora e meninas ; e laa
pata bordar de seda, de todas as
coi es.
*,
-:

i
i
ie>
9
i
i

Na rua do Crespo, loja da
esquina que volla para a
Cadeia, vendem-se 8
os acreditados brins brancos de lis. *
i
mwmwmtm wwmwmm
~ Vende-se urna crioula boa cozinhera,
doccira, costureira, e lambem engomma :
na rua do Collegio, n. 6.
Vendem-se. na lija do Du-
arte, na rua do Cabug, n i C,
perfumaras finas esapatos de co
rod lustro a a,24o rs.
Vendem-se 10 lindos moleques de 12 a
18annos ; lOprelosde 20 a 25 annos; um
muhilinlio de te oiinos ; 3 pardas de 18 a
20 innos, com habilidades; urna dita do
20 annos com habilidades, tendo dousfi-
Ihns.uinde 5 anuos o o outro do um ; 8
pretas, algumas das quacs com habilidades,
de 12 a 25 annos : na rua do Collegio, n. 3,
se dir quem vende.
Vende-se cal virgem superior de Lis-
boa cm barris pequeos, feixes de arcos de
pao o rodas de ditos para barricas, cnde-
les de pitillo abatidos para assucar, pregns
(Mimes do Porto em harria do 10 milheiros,
ditos de estuque em barris de 32 e 45 mi-
lheiros, pilulas da familia: a tratar com
Joaquim Ferreira Mendes Guimarfles, na
rua da Cruz, n. 49, primeiro andar.
Vende-se metade de urna
casa terrea, sila no pateo do Hos-
pital do l'araizo, que faz esquina
para o becco do Ouvidor, por prc
co muilo commodo : a tratar na tra-
ycss i da rua da Concordia, sobra-
do de um andar, n. 5.
-- Vendemsa lingoas do Itio-Crande-do-
Sul : na rua da Praia, n. 22.
SapatOes do couro do lustro, obra mo-
derna e bem feila, a 3,000 rs. ; na rua do
Cabug, lujan. 9.
Cli hrasiiiro.
Na venda que foi de Jos da Penh, na
rua Direita, n. 23, vende-se cha hrasiloiro a
2,240 rs a libra, muito bom, bem traba-
Ihado, a poni de se nfio diflcreucar do cha
hysson, em factura o posto be superior ; ha
lambem jara 1,320 e 1,760 rs. a libra, lam-
bem bom ; manlciga ingleza a 600 e 800 rs.
a libro, e frsuceza a 610 rs.; vinbodol'or-
Atteneao.
Com um pequeo toqu de atara ,
urna s orella, se vendem pecas deatgodll
zinho largo o encorpado, fazenda p.rfi
tmenle boa, pecas de 20 jardas a 2,0M
tendo mais de 20 jardos a 100 rs. a jardi ;
novo armazem de fazendas de R. C. L
rua do Queimado, n. 27.
~ Na rua oslreit* do Rozarlo, n. 4J |
gundo andar, vende-se um escravo p'nM
ollicial desapaleiro o que he bem man
o motivo porque se vende se dir ao coi
prador.
-Na rua do Crespo, n. II, vende-a
diccionario do Moraos da quarla' edicSo e
bom estado, pelo diminuto preco de l
rs. avista. y
Moendas superioreg.J]
NafundicSode C. Storr A Compinhi
einS.-Amaro, acham-se i venda moeaj
de canua, todas de ferrar de um mudlo
construcQilo muito suprior.
Lscravoa Fugitos
i
Fugio, na noite do da 23 do correnli
do abaixo assignado um preto de nacaV
de nomo Domingos, do altura" regular
cheo do corpo ; tem os ps cheios de
xos.que logonoolhar para os ps vei-J
ter bixos porque parece areslins de buii
eos de bixos ; s tem um dente na frente
querendo rir-se mostrando Ier denles,ol
para quolquer cousa espantado quando le
medo ; tem urna bilida i o olho esquena
por causa dest* bilida quando olha par
qualqucr objecto entorta os olnos que [
rece zarolho; tem muita barba lovouc
cs o camisa de algodflo trancado, um le
Col de algodflo da trra o chapeo velbo qti
brado : quem o pegar leve-o a rua do Que
mado, n. 39, quesera recompensado.
Knlonio da Silva Gusmio.
Fugio, no dia 23 do correle, do sil]
da Trompe sobrado n. 1, um preto de i
c3o Angola, de 40 anuos pouco mais
menos, de nome Bernardo; levou camiJ
e calcas sujas, sem chapeo; lem um tumo
no peito quasi junio a garganta que paie<
ser gomtna ; costuma a so embreagar
miudo o nesso estado he multo fallador
rhelorico. Itoga-se as autoridades policiie
que o apprehendaai e levein-no to dito lo
gar, quo so Mear agradecido. Na mesm
casa al-jgam-se escravos ou pessoas livre
para traballiarcm no mesm o sitio.
-- Fugiram, do engenho Novo do Cabo
do abaixo assignado os pretos seguinlw
Louienco, de nacSo Congo, baixo, reforr
do do corpo, cor bem pela : onizio, He
bolo, baixo, cor bastante fula; tem as ven
las bastante abcrlas : Itaymundo, Dengue
la, baixo, cor fula com mi olho mus Lo
toado que o outro : Trslflo, Rengela de
estatura regular, cOr preta com urna cica-
triz cm urna perna o um pequeo taco lin-
do em una orelha : Jo3o J.aga, Congo, jit
velbo, cor fula, com costuras bem Tisivciil
na cabe?a : Manoel Conga, Catanga bcml
moco, com os heicos muito salientes e fallir
to ei.garrafa.loa 500 rs., do mesmo por en-! n vMlw? ,0 ^Tn'"0' "!*'' j-.bSla
garrafar a 480 rs. a garrafa, a 240 rs. ligue i- Lu,.. i! 'I0,'- Cf0m-" .0l"l roU,l *"
ra, c a 200 rs, ; queijos do Minas a 400 rs ^' fueid UB* 8"n. H
ns trp0..,r, r..ui.,nin.... 19"1!." Pouc uiais de um mez : tambei
i
tras, lisos e amarillos, a 1,500rs. o
coi te ; dito muito superior a 1,roo
rs. lodos do puro linho ; panno lino
preto eazul, a 3,200 rs. o eovado;
dito muilo superior, a 5,500 rs ; fus-
los muilo bonitos a Mu rs. o cor-
te; ditos de velludo muito ricos a fjr>
2,500 rs. ; pecas de cambraia do quu- S
dics ilt'8 varas o meia, a 2,720 is. a
peca ; cossas. prclas muilo bonitas
a 1,410 rs. o corlo; madapolflo enes- 0
9 lado milito lino, a 5,400 rs. a peca ; @|
ff> cortes de calcas do setineta do cor, fe-
a 880 rs. ; ditos do castor, a 1,000 #
fe rs. q eovado; penle muito encorpa-
~) do, a 180 rs.; plalilhas do linho, a 5*00 ^
W rs. a vara ; guillo do linho muilo fi- ef
49 no e cooi 4 palmos o meio de largu- $
'* ra a 1,440 is. a vara ; corles do 3
? brim do NlgOdflo, a 800 rs. ; e ou- /)
tras muitas fjzcndas pur preco com- ..
9 modo. fi
fe I
os fregui zes pdem continuar.
V__A- j I ruf',OO mesmo engenho o preto Mallieoii
Vendem-se dous pianos de Sabido, de nacflo Angco, bem preto,n5o
ptimas vozes, bom aulor ede ex.lnemuto moco ; pertenco ao Sr. Anioiio
cellente construccSo no arma T'8 ''essoa '.de Taballngt: quem ospe-
tenenie consiruccao no arma- gar leve-os ao dlo engeiiho Novo, que ai-
ra gratificado.
-- Do engenho Carap ha comarca
Cabo de que he propietaria D. Anna IWi
lina Pes Itarrcto Tugiram, no dia 23
coriente, os seguintcs escavos: Jeroa
mo, prelo,de Angola, de 28 a 30 anoofl
arls, na rua do Cabug, n i C,
boles de iiii inlia; ditos de Pedro
II finos e ordinarios; ditos de
guarda nacional, cavallaria e vo-
luntarios ; dilo.s par.i priiiii ira Ii-
nlio, ama i ellos e pelos ; dilos pa-
coberloresde algodSo americano, os roe-Ira casaca, de diversas qualidades ^
ce
zem da rua da Cruz, n. 48.
Vende-se um violflo de chave, com
boas vozes por preco commodo : na rua
dasCruzes, n. 40.
Urna pcchinclia.
Faz-so todo o negocio al por m* tade, ou Pagado"-do assucar,'de boa es tai u ra
menos, com diversas dividas algumas com ,rula eiSs grossos nariz regular, o*
lellras o correndo juros, tanto da praca puuco V1V0S : Simiao, pardo, de 22 a
cmodo malto : no Alerro-da-lloa-Vista *nnos hecarpina, de boa altura, Im
n. 10, primeiro andar. .feilo de corpo. rosto redondo, narizcliaU.
Vende-se no armazem do'iab?llos &ri,"iies epichaim ,'olhos pardos;
hnrateirn.Silv I nnu -.. i iWar,a' P'Cla crioula do 24 annos, bail"
unraieiroailia Lopes, ua porta da'grossa, um pouco fula, rosto comprido
Aliandega. sevada, vinho do l'or- !1,B-r.lz re8u,ar testa bem limpa; he reco
lo e dito di Knril<>iiiT n v..!. ,""" eCozmheira : Manoclo, proia criouliJ
e uno ue oieatix, o liiais su- de 20 annos, altura regular rosto eompn-
perior que vetn a este mercado, i(lo um Pouco fula. recolbda : Caridad'.
em pipas, meias-piras e baria ,ui", cr,0AUU de25,""os. doeatalunrr
,.,' 1 ua,ls a 8"lar, cor preto, rosto redondo, beif
vonlade dos compradores. grossos e varmelhoa, recolhidae coznta-
Vende-so um cabriole! inglez muilo 'lueui os pegar leve-os ao dito euge-
rorle em ptimo estado e pintado do novo: u "esla Praca ios dos Santos Ne-
na cocheira do Sr. Mounicr, no Atcrro-da-1ves' t'ue se 'ccompcnsar.
Boa-Vista. J --Fugio, no da 23 do crrante, di ctu
__ TVa lna t]n l^orl (de Francisco JosDgaite. o pardo Manoel,
x\a loja do Duarle, na rua natural do l-ar; he alto, moco, acbod-
Cl4, do (abuga, n. 1 C, vendem-se d?; i.1" ui .
.'JSXA .,........i* i r? ri ^^t&.'syaSStr;
as, pannos de lia de 4i5oo a 80rleve- o a rifada Concordia passanilo
Vendem-se, na loia do Du-j.f"non!1(l!m"scm?i,'s,,arame"i"as,a ,20>
ICO o 200 is. em bom estado : na la da
vam osvellios ealguns mocos quo tinham
a vista cansada, nu curta sentenciados a ser
objecto de riso na suciodade j pelas con-
tinuadas concitadas nu quedas que davam
quando caminhavan, j pelas asneiras que
diziam quando lian, /etc. boje ludo isloarvoios de
0,000 rs. galoes enlre-fino ea-
|)iguilbas,-volarifB e trinas.
Vende-se urna propredade com muitas
fructo, podendo tor-se vaccas
aTeiVobdrVma^
nrama respeilo, masaim'o com outrasvanUgens que oprelendonte
ponlezinha priroeira casa a direila, vin^jj
da rua-Nova, que rtcebea 20,000 rsr
gralilicoco.
Piaa. :n*Tri. db 11 nt nnu. 1^
MUTILADO l


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECTCB57K5_EHB3N0 INGEST_TIME 2013-04-24T17:02:30Z PACKAGE AA00011611_06646
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES