Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06643


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo X-XV.
Sabbado 22
PABTIDAS DOS 0OBIOi.
, _... .P.rahlba,eeuudseaexta*-feJra.
Su5cP"o.Nor,quna.-feir,.ou,eio-
Macelo, no lA 9'de cad* We*
fiaranhuMeBunl."-
Boa-Vial e Flore. a 13 e 28.
notoria, .qalnut-rer-..
Olinda, todo o ala.
MBIMMIBEI,
Piujes d :.o. Chciaa 1, s 2h.e58m.da t,
Ming. a 9, s 4h.e36m.da t.
Nova a 16, lh.c 42 m. da i.
Creso, a 24, Oh.e 4m.daui.
VBXAM AS DE HOJE.
Prlmeira a li horae 18 minutos da manb.
Segunda a (i hora e 42 minuto da tarde.
de Selembro do 1849.
N. 211.
FBEtJO DA suBscairpAo.
Portresmezesfadiansado) 4/000
Por seis utezca 8JHKI0
Por um anuo tfrfUH.
DAS DA SEMANA.
I? Seg. S. Pedro de Arbuc. Aud. do J. dos orf. e
do ni. da 1. v.
18 Tere. S. Jos de Copcrtino. Aud. da chae, do
da 1. J. v. do civ. e do dos feito da fazenda.
19 Quart. S. Jaouario. Aud. do i. da 2. v. do civ.
20 Qulnt. S. Eustaquio. Aud. do J. dos orf. c do m.
da 1. v.
21 Sext. > S. M.nlieus.
22 Sab. S. Mauricio. Aud. da Chae, e do J. da '2.
v. do crime.
23 Dom. Nossa Senbora das Dore.___________
aaaaaa ni..... aniiimuMn m
CAMBIOS EN 21 DX
Sobre Londres. 20 d. por 1/000
> Paris. 370.
Lisboa, 110 por cento.
Ouro. Oiica hcspanlioes........
Moeda de 0/100 vclha.
. de t/400 novas.
. de 4/000.........
rV*M.Patace brasileiros.. ..
Peso coluinnarios......
Ditos mexicano.........
U '
IZTEWBBO.
r. a 00 dias.
31/1)00 a 3l/TH>u
17/100 a i7f*X
lli$T>00 a
0/100 a
1/1180 a
1/980
1/ 00a
lOTIHi
atoo
2/Ofli i
2/HOO
1/J2ii
PARTE OFFICUL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 19 DE SETEMBBO.
OHicio.Ao coronel chefe do legiflo da
guarda nacin! do municipio de Nazareth,
declarando ha verapprovedo as dus pro-
posias que Smc. envin com seu officio de
2 do corrente, para ollciaes dos corpos da
legiflo do seu com mando, bem como no-
meado mejores pura a mosma legiflo, para
o primeiro batalhflo e para o segundo.
Helado dos o/pciaei a que u reftre
o offiicio cima.
llajor de legiSo, Alexandre Corre ia de
Castro.
Dito do primeiro balalhflo, Francisco An-
tonio Gaio Jnnior.
Dito do segundo batalhlo, Manoel Cabral
deOliveira Mella.
SECQAO DE lilUIIAU.
* *. Primara conptmhia.
Capingo, Jos C.orreia deOliveira Jnior.
lente, Joaquim Angelo Pereira de
Lira.
Alferea, Francisco Cabral de afelio e Fran-
cisco l'erreira de liatlos.
Segunda companhia.
CapilSo, Manoel do Reg Cavalcante de
Albuquerque.
TTiento, Manoel Cabral de Mello.
A llores, Jos Faustino Cavalcante de Albu-
querque e Jos Vieira de Mello.
Ttreeira companhia.
Capllflo, Candido Claudino de Oliveira. '
Tenenle, Antonio Marl-asa Cordeiro.
Alteres, Antonio Jacintlio CalvSo e JolTo
da Molla Rodrigues.
ksquaura'u DB CVALLHU.
Kilado-maior.
Alteres porta-bandeira, Antonio Francisco
deOliveira.
Primtira companhia.
Capullo, Manoel Carneiro Cavalcante de
Alliuqtierque Lacerda.
Tenenle, Jos Francisco Relem Jnior.
Alteres, Jos Lopes da Fonscca Calvflo.
Segunda companhia.
Capullo, Antonio Jos de Oliveira Mello.
Tenenle, Henrique da Cunda Ferreira.
Alteres, Jos de Mollvnda Cavalcante
Leitflo.
Dito.Ao inspector do arsenal de ntsr-
nha, dizendo que, visto i'fio haver no mar-
cado enxadas coin o peso de 6 libras, deve
Smc. comprar das que ha a vender, efm
de ser" snlisfcla a requisigflo docomman-
danto da ilha de Fernando.
Dito.Ao inspector da thesouraria de fa-
zenda, remetiendo convoriionleaiente p-
provados os urgamenlos dos reparos a fa-
zcr as puntos da Magdalena o Afolados,
para que pouha essas obras em basta publi-
ca, sb ascondices aiuiexasaos referidos
ornamentos.
Portara.O presidente da piovincia, at-
tendendo ao disposto na lei provincial n.
216 de 16 de agosto de 1848, approva as
clausulas do contrato celebrado entre a
adminislragflo dos esUbelecimontos de ca-
ridade e Bernardo Jos da Ornara e sua
inulher para o afornmento perpetuo do en-
genho Henifica (mii conforuiidade do termo
lavrado em data do 17 do corrcnle e assg-
nado pela adminstri.gflo .o Iternardo Jos
da Cmara por si e como procurador de sua
mullii-r, cautorisa h inesma administra(Io
a reduzir o dito cont'ato a escriptura pu-
blica, em que se contenbam todas as clau-
sulase conligoes do referido termo. Ves-
te sentido olliciou-se a mencionada admi-
nisirc.o.
Dita.Demitlindo a Manoel Jos do Al-
buquerque Mello do lugar de segundo des-
cnliisla da reparligao uas obras publicas.--
Kxpodiram-se an convenientes comtnuni-
c*f0es.

Commaiido da pr Quarlil ilo commaudo t&pracana cidade do
tlecife de Pernnmbueo, 18 de teltmbro de
1849.
ORIIEM 110 DiA N. 35.
Publico para conhednientoda giisrnif.o,por
ordem do Kim. Sr. presidente da provincia.
coinmunicada om rnelo datado de hontcm, a
provliao do concedi supremo militar datada
de 14 de agosto ultimo, declarando o que se
leve praticar cosu lodos os reos militares qu
frcni sentenciados a seis ancos e mais de pri-
ao, a qual be do tcor seguid le ;
D. Pedro por grata de Dco c un mime
aeclamaco dos povus, Imperador constitucio-
nal e defensor perpetuo do Brasil :
Faco saber ao que esta miiiha provlsao
vlrem que, leudo subido inlnlia augusta pre-
s.nia urna consulta do concelhosupremo mi-
litar, datada de 25 de malo do correte anno,
'Huae mandel proceder sobre o requerimento
do soldado Antonio Josc de Soma que pedia
> miiiieiitos de fardaiuento desde o lempo en
sentones seno aoi alimentos caritativos e pre-
ciso vestuario que sao de pralica 2. que o
supplicante fol devldamente excluido do servi-
co militar desde a publIcacSo'da sentenca de
seis anno de prito que fol condemnado ; e
que, quando ella lindar,mo poder voltarpara
o incamo servco 1 o que da inesma maneira
devcr-c-ba pralicar com lodos os reos mili-
tares que furein ientcnciados a seis anuos ou
mais de priso : palo que mando autoridade
a quem compete c mais pessoas a quem o co-
didos, q que os direitos populares deviam
ser auprnentadns. Elles discutiram suas
reforma, e, dobaiio da direceflodo grande
e Ilustre Kossuth, estabelcceram a liberda-
de da imprensa, acabaram com os privile-
gios improprios, elevarama mais completa
perfoicSo do que em nenhuma outra parte
do mundo os principios da liberdade reli-
giosa. Os Hngaros, portanto, senhores,
teem tido a mesma educacto quj tivomos,
nhecimento desia perteeer, a oumpram c si;us nnlepassados obraram cuino os iiiissii*,
uardem, to intelramentc como devem, e ao reclamando com a espada na mflo suas li-
brlgadoa. Sua Magestade o Imperador ornan- |lc|.,|ad(,s FMes jnsstem agora sobro urna
febtt^Snfe t.ze;"::vz7zTJ^ un-o d-t. w^^ **
fe.ne8tac6rte%cidadedolio-de-J.neiroao julgam necessaria para o bem do povo em
14 da do mei de agosto do anno do nateirnen- W*<, e creio que merecem a sympathia da
to de Nosso Senhor Jeaua-Chriato de 1849. K, Inglaterra em uma tal causa. O recontieci-
eu, coneelheiro Manoel da Fonnea Lima 1 Sil-
va, mai ec hl de campo, vogal e secretario da
guerra, a fiz escrever e subscrevi.Lult da Cu
n/m Moriira.Joo Paulo dos Santos Brrelo -
Conforme.--J00 BaplUta Perrtira.
Assignado, Us Vicente de Amorim Beztr-
rj, coronel e comnundante.
EXTERiOK.
ment da independencia hngara pela In-
glaterra dara aquello paiz quasi t3o gran-
de assisteucia como se lhe divissemos um
exercito.
O nohre lord passou denois a dar um es-
I boro das instituic" s da Hungra, tocando
ospecialmenle naquellas que. mais se paro-
'cem com as nussas. Elle denunciou nos
tormos os mais fortes a prfida conducta dos
imreradores da llussia e Austria para c im n
Hungra, e paraillustracSo da maneira bar-
bara pela qual este reino est sendo por el-
los tratado, cloua lingoagem de uma pro-
elamaeflo do general llaynau, o comman-
dante em chefo das tropas auslriatas, a qual
fci inserta no Timei.
Acitacaolieaseguinte. .
To la a pessoa, qualquer que soja o seu
sexo ou condicfto, que ousar assistir causa
dos rebeldes, seja por palavras, soja por
o liras, seja trazando vestidos revoluciona-
rios, ser immodiatamrnto morta. Toda a
pessoa que ousar insultara algum de meus
soldados ou a algum de nossos alliados, se-
r inunediatameiile morta. Toda a possoa
que entreliver communicaefo com os ini-
migos da cora, ou lhe freo apreheudi-
INDEPENDENCIA IV HUNGRA.
Londres, 31 dtjulh.
Hontem pajas 5 horas os habitantes de
Maryleboe se reuniram nt sala do leitura
do capitflo Hall na ra Alhany para o flm de
expressarem suas sympatliiss psra com o
nohre povo da Hungra.
Estiveram presentes 1500 pessoa 4 pouco
mais ou menos, sendo a cadaira presiden-
cial oceupada por lord Dudley Stuart.
A plataforma o o espaco que lhe leava
r ni roda estavam profusamente deeora-
dnscom bandeiras e inscripcOas. O estan-
darte hngaro oceupava, como era do espe-
rar, una posic.no prominente, eos relraios.
de Kossuth, Hem e Dembinski altrahiam ns U8S armaa occulUs, ser tmmediatamenle
allencOes de lodos os sssisteutes. Na fren- 1 morta.
te da plataforma observava-se uma longa
linlii: de inscripefies anlogas ao objectoda
reunlfio, bem como estas:
Kossuth e Independencia
Dembinski e Victoria ; a
a Bathyany e Liberdade ;
Ceorgy o brsvo ;
Bem o invencivel. > e c, etc.
Lord D. siuai l, o qual ao levaplar-se da
Nada, senhores, conlinuou o nohre lord,
pode ser nem mais bnixo, ncm mais sangui-
nario, nom mais covarde do que isso, o com-
prazo-me do declarar-vos que ameacas as-
sim foilas tifio teem produzido nenhum ro
sultado. llaynau, Welden e Windischgratz
com os inmensos rerursos sua disposic^flo
todos teem sido balidos {Apoiadot.)
Iltpois de maisalguifiJiscuisos pronun-
ciados por outros oradores, n assomhla
.....E agora do mesmo modo que deixas-
leostyrannos despedacarem tres vezes a
Polonia, l deixas opprimir e encadear es-
sis magnificas provincias italianas, sguaes
tinlias promeltido o apoio de las armas
para o fim de conslituirem para si sobro
principios democrticos um patria com-
mum T mesma combates Roma para lan-
ga-la outra vez debaixo da dominacio dos
padres. T abandonas todos aquellos que
liveram conliinca om ti. Noste momento a
liberdade sustenta uma batalha sanguino-
lenta, e l impotente vs como a Russia sel-
vagom devasta sem misericordia nosso hel-
io paiz, calcanJo aus pes as leis divinas o
humanas.
A proelamaeflo do Kossuth termina por
este appvllo vehemente !
a Despertai, povos da Europa. He sobre
o solo da Hungra que se decidir a sorte da
liberdade europea.
Se osle paiz fnr perJidn, se esta 11ae.no
for abatida, a liberdade do mundo per.le
um grande paiz c um campeilo heroico o fel.
Nos combateremas at derramariiius as ul-
timas golas de nosso sangue, para que este
paiz s?ja para sempre ou osaucluario da li-
bordade conquistada pelo sangue on o mo-
numento de una eterna cundemuacii, as-
sim contra os tyrannos que se uniram para
o abatereni, como contra os povos livres
quo vergoiihosimoiiteo t'em abandonado.!
CORRESPONDENCU PARTICULVR.
Bordo do navio, sede do governo.
Escrevo-lhe, senhor, sobre a ponte do
navio que leva a fo'tun 1 da Hungra, o nos-
so grande e invencivel Kossuth.
c Sailia que 11:11 navio arma lo em guerra
he o palacio quo o hroe escolhen, palacio
fltictuanto, que o tiansporta a IVsth, a Ko
murn, a Itaah, a Oten, a Un la, a toda a par-
le onde sua picsenga he neo.cssrria.
Apenas o palacio tem abordado, de to
das as parles cor re m as populacOes Chlai
de enthusiasmo.
E a espada vermelha e a cruz vcrmelha
frent", o clero npparece seguido do povo
que cerca Kossuth. Entilo faz-se um gran-
de silencio, e em um improviso rpido o ar-
rebatador o apostlo da independencia pre-
ga a guerra santa, exalta a memoria dos
moilos, abenci om nomo da patria as milis
cujos veniros carregaram laos lilhus, e pro-
meti a victoria, porque o Sr. esua espada
esldo coiiinosco.
Ncsta momento o clero entoa alguna
canligos piadosos, as cahecas se inclinam.
nos oramos pela patria e no meio das bou-
Silos e dos votos, Kossuth volta ao seu pala-
riMi'iu lyiauniiu hviwvwiv.wi _, ,, in ,, ^: ,_
US justos uireitos.e a independen- vapor para novss plagas al.m de eleclr.sar
ituciona. que herdot, de seus ante- "?#** desle llomcm E1|a nflo
"Tr^embla v com detesUc hor-|.t ^XSSS'^ilmm
cadeira foi recebido com cstrondosas accla-
magocs, lepois de agradecer ssembla o, adoplou unnimemente as seguintes reso
benigno acolhimento quo lhe fazia, disse lugOes:
que lhe era muito agradavel o ter sido es-1 A assembla v com sincera admiragao,
colhido para presidir uma reunilo dos ha- respeito e sympalhia a nobre drterminasilo
hitantes de Marylebone, a qual tinha por, da nasiio hngara do sustentar intactos con- .
lim darleslemuiiho de sua alTeic.lo libcr-. tra a usurpagflo tyrannia do imperio f\^J^!^^!3!^lT!^I^Z^l
dade, e proclamar sua sympalhia para com Iriaco seus
opprimidos que brava o nobr'emenle se es- ca eonstitt
tuvam defend1 iido contra seus oppressores. j passados.
( kpoiados.) Que uo duvidava que o povo
trale grande o Ilustrado paiz levantara a
voz com o mesmo proposito de uma exlre-
midade da trra at a outra.
Uma s 'mana ha apenas, conlinuou o no-
hre lord, que a ci la le de Londres procla-
mou os seus scnlimentos, ej hoje esta
grande e importante villa a acompanha ;
Marylobone he son.ente uma parte da me-
Iropole.porm as tres parochias que a com-
I Oein forinam juntas uma cidade maiorem
popi.l :c,ui, maior em extensSo, superior em
riqueza e illuslragflo a militas das capilaes
da Europa. Nos nos reunimos hoje aqu para
declarar de um modo explcito quSo gran-
de he o ardor de nossos seiilimenlos em fa-
vor desso uppi imi'!c,porm valenle povo,os
Hngaros, (\poiadus ) Nsdesejamosprorli-
mar isso face do mundlodo,para que elle
uo possa ver sem nilifciiaeSoesta nohre na-
co.lutaiidocomo est lutaiidocontrajsten-
tativas de despotas vis. Nos desojamos mos-
trar que ello nfio deve consentir que uma
nasiio iulcrvcnha nos negocios internos do
oulra.e que anda menos devei tolerar que
um homem.s porque tem urna corda na ca-
lioca, pretenda decidir da maneira pela
qual um povo deve ser governado, o das ins- exercilos russos.
tituisOes que (levo ter. Sei que os habitan-
tes de Marylebone aborrecen) toda a inler-
veiig.no eslrangeira, porque seulem quo os
homens leem o direito de se governarem s
si un sinos ; sei que sympalhisam com os
Hngaros, porque estto lutanilo nflo s-
incnte pela independencia, senflo lambom
porum governo lvre.porseusdireiloslrans-
millidos do paisa lilhos, ha muitos seculos.
Ellos liilam por uma consliluisflo, a qual
oais do que nenhuma outra se parece cora
a desle paiz.
Os inimigos da Hungra, os quaes sSo
tanto mais baixos e insidiosos quanto silo
numerosos,teem assoalhado que este movi-
menlo nflo tem por lim senflo estabeleccr
una repblica verirclha ; mas isso, snho-
i|s, he uma pura calumnia ; nflo houve a
principio ncm sequr o pensamento de es-
tabelocer uma repblica ; posto quo, seo
tivesse havido, nflo seria 1 asilo para quelite
reliassemoso nosso apoio. (\poiados.)
Por oulio lado os inimigos da Hungra di-
zoni aos amigos dos direitos do povo que
nflo sympalhisom com os Hngaros, porque
a lula que estSo sustentando he em defensa
de prvisstt|B6-yslocritico8, q de um go-
verno oligdMPK Uue falsidade I A llun-
gria, senhores, foi sempre governada por
uma consHtuisflo lvre, sua lei fundamen-
sitiera quo a conducta dos mesnios merece 1
a reprovagflo indignada de todas as nag*-s
civilisadas.
A assembla considera a intervengo
militar da Russia nos negocios da Hungra
como inteiramenle injustilcavcl, assim c:n
rasflocomo cmfaclo; porquanto comesar'
de novo e prolongar uma lula sanguinolen-
ta, j virlualmcnte decidida, he uma viqla-
Sflo do direito das gentes e dos direitos na-
lienaveis da Hungra, e por cons'guinte um
tacto perigoso para a paz, para a liberdade
e para o bem gcral da Europa.
A assembla considera o reconhecmon-
lo immodato do governo de fado da Hun-
gra, por este paiz como reclamado pela
justiga.pela poltica opelosinleressesco^.-
inerciaes dos dous estados. Ella o conside-
ra lambom como necossario para o lim de
se por um termo effuso de sangue hu-
mano, e de so acabar com as atrocidades
horrorosas quo assignalam o progresso dos
A assembla resolveu lambom dirigir ao
parlamento uma petieflo ueste sentido.
.ue foVa c.dTnwa4o a.eU nuo.de prisao; e urna coimHluicno lirre, su. le """"-
^formando me inteiramenle com o parecer lal sempre lecoi.heceu um re, una casa de
. o concelho he por bem, e por ininha Inime- pares, e uma casa de communs eloita peto
o'fta e imperial resolueo de 21 deJulboolll-povu. Sua constiluigfln foi sempre mais
11/ y anear declarar: 1.', (|ue o lupplicante |ivr<. e melhnr doque quas todasasoulras
*lia-e couiprehendido as disposlc6eido4i auo eTstiram na Europa nos tempo% MSSa-
M nao.t.S .. ilf Ol .Ia >Aa>M >ld 1 ftU -a-^- KaSlti .______.........,nrl mt.iinln
A gazeta do Augsburgo publica um novo
manifest de K(sulh, notavcl sobre ludo
por sua eloquencia enrgica e ardenlo.
Depois de um rpido esbogo histrico dos
sucqessos quo proceileram a intervengflo
rnssa, Kossulh dirgo-so tos governos cons-
liluconaes e aos povos da Europs.
Aos primeiros elle diz:
Vos deveis ser os guardas da liberdade
e dos direitos nflo smente do vosso paiz,
senflo tamben) de toda a Europa. Uma gran-
de responsabilidade pesa, portanto, sobre
vossa cabega. Se desardos commotter um
crime contra a liberdade e o direito cierno
em qualquer paiz que seja, a viirgaiiga e a
ponigflo alcangarflo o vosso paiz.
Dcpos de ter dirigido algumas palavras
calorosas e sympalbicas ao povo inglnz, o
presidente hngaro increpa assim a Franca:
EI, repblica franceza, j esqueceste
as promessas que proclamaste no lempo de
leu desciment? 'l declaraste que a rep-
blica, para existir, nflo tinha necessidade
do ser reconhecda pelos outros governos,
que cada nagflo tinha o diroito natural de
mudar a forma do seu governo, e que tirava
esto direito da sua livre vontade.... T de-
claraste que os tratados de 1815 existan)
smente de fado, mas que licavain com-
pletamente nullos em direito.
T convidaste todos os povos para uma
solidariedade sympalhica, lacouselhaste-
Ilies que aceitassem o principio da liberda-
de, e particularmente a repblica, como
base U sua existencia nacional...
trazem-
em
com o seu lipis, mandou po-la sobre a base
do pao sol) re o qual eslava arvora la a han-
deira da independencia, e que tinha sido
naturalmente o ponto de mira da molralha
inimlga. tima sumada de halas carrega o
pao o achicara, o tem lio feriJo no calca-
nhar.
t Outra chicara diz elle tranquillamcn-
le, dobrando a ordem que tinhaeseripto.
Seus olh'ciacs ceream-no, rogim-lhe que
mude do posiclo c que nao exponha intil-
mente sua vida, mus o general os repello.
0 Eu nflo uiorrerci senflo em 1850, quan-
do a independencia da llungria nflo fr
mais contestada, diz ello simplesmonte
com esso olhardoec c trislo quo Vmc. lhe
couhece.
k Ha sobro os homens que se acham a
nossa frente uma aureola providencial quo
os protege, isso nflo se pode negar, o Vmc.,
Sr., nielhor que ninguem o p le dizer, pois
nos vio em l'eslh, em Gran, e couhece quasi
a iis lodos.
Como os heres da hallada, cllestra-
zem em seus capacetes o relmpago que il-
lumina a noile obscura do futuro. Morrer
amanhfla ? Esta noile? Ali Que nos im-
poila isso! Freiligralh nflo faz seus morios
dizercm :
. Nossos ossos sflo quebrados, nossas
carnes despedagadas pela metralha real;
masoorgulho Uotriumpho brilha debaixo
de nossas soiubrancellms ensuiguenladas ;
com a esperanga de doixar herdeiros de
nossas conquistas, temos adormecido em
paz debaixo da Ierra......
. Os moiiarchas fugiram As aguas, os leOe
reaes fugiram O futuro sera feito pelopivo
soberano e para elle s.
Em p.....................
1 ile cantando este hymnopara sempre po-
pular do grande poeta allemau que marchan) >s
ao combate c recebemos a inorlc, quando Dos
no-la enva!
A' frente de Komorn, em Kagy-Igmana,
acha-ie o quartel-general austraco, lista 111a-
iih.1.1 o fumo negro do barco appareceu no lio-
"iiontc. O canbao trvela ; o tambor c as
trombetas da praca lite rcspondeiii. As co-
lumnas I'.o mam sr sobre as trincheira e se
approxlmai do rio. He o alvJdor, o chele ua
Hungra regenerada, he Kossuth que vcni ani-
mar seus innos victoria. Nao, cu nao po-
derel repetir tua palavra viva^ apaixonaua,
ardeole.
. Allernatlvainenle magestoso^ PI,",C"-
te, com acceotos de ternura c de col, ua
alma t>or ejpaco de meia hora penelrou lodas
', s ainas, "mn abalo inc.primivelfo. .obre
ludo nroduaidu P< "u' uUim" P'lUvra'
. Aquelleconra o qual co.nbatcmos, o im-
perador d-AMlrla, he ao mesmo lempo uioco c
vellio I
istasn 'Tf
Moco na idade, velho no coraco. F.lle he
o digno nllio de sua mai, esse llaftello encarni-
fado da liberdade do povos. Coin uma previ-
sao providencial Supina mandou-lhe ensinar a
nossa lingoa, a nossa lingoa magvar !
1. Elle a enlende, elle a falla Meus irmao.
Dos o qtlii assim n/m dt i/ue eompreliendesf
nosius eanlieo de triumpho e dt guerra, nnuos
hurrahi quando voamos ao combate, uossas maldi-
(iet r as lupplteas que diriijimoi a Uros, o qual as
etrulae atiende....
O joven imperador sabe com effeito o niJ-
gyar, e esprime-se meamo com bastante fac -
lidade uesla lingoa, t.io pouco conbecida alm
das fronteiras de nosso pai/..
u Vine, niio pode bem avallar o trnyao. de
hnriahs e de maldicSes que respoudeu pala-
vra inspirada de Kbssuth.
Parece decididamente que Jallaehieh esta
em urna posirao inri. 0 futuro lhe reserva sem
duvid.i a mais'terrivel das licc.
Elle he mais lastimado por nossos irmao-;
os Croatas do que aborrecido.
Quem nao lastimarla esse homem tao rica-
mente dotado, tao bello, tao forte, ahalendo
seu ceuio debaixo da bandeira amirella e pre-
ta, fasendo-se mercenario c trahidor, quaodo
um povo inteiro chelo de enlhusiasmo llie
abria acarreira das grandeaasda gloria !
Este povo levou muito tempo pira com-
prchenderque Jallaehieh pude ser iinensivel
s injurias e lraic"s imperlies; elle recu-
suva crcr nisso, elle esperava anda em sen
chefe, cuja palavra bblica o tinha tantas ve-
tes eulevado. e anda hoje o retcm debaixo do
jugo ; mas nao est longe o momento em trae
a predice:!') do padre de Agiam se comprir
sobre Jellacliich
* Tu (;s moa o nina na lilao de Dos. Elle le
quebrar se nao dobrares debaixo do venlo.
. Ksse vento he o vento da cmancipaean. da
independencia He o vento que sopra da Frao-
ca. da Inglaterra, da America, equecliegaa
nossa pianice prompto como o raio, c carro-
gado de sement* fecunda.
. Por uiaiore mais lorie que seja o genio de
um homem, compre que elle dobre d ante
desta frca accuiniilada dos sccul.is, dame
deste espirito de Dos que varre todas as am-
blcdes e quebra todos os orgullios .
Adeos, Sr.; cont as circumslanelas Im-
portantes com uma carta tao minuciosa quinto
me permitliro pouco lempo de que dlsponno.
Unen provar-lhe <|iic pcnu.ineco fiel a1 ess 1
miade que contrahiinos en. luspruck junta
do tmulo desses res, cujo herdc.ro Ionios
cutao saudar com senliincutos que os adula-
dores o Impedirn) de conh cor bem.
Que pedimos nsl O que a Austria que-
rerla hoje ver nos aceitar a preco de ouro.
Comnosco iam nossos bispos ; eom nossos
bispos, padres e humen do povo, alnn de que
o imperador visse hem que eramos represen-
tantes completos e sinceros; mas elle recusoii
oreulhosamente ouvir-nos .'
. lie preciso me a Austria lenha uma fe
mui grande em seu genio para que nem mea-
1110 se digne conjurar taes tempestades. BUS
acula tem pairado, bem o sei, por cuna He
militas borrasca* mas est vellia, seu vo vai
j liaixando, c nos somos moros; nos idoitc-
remos. ou liavemos de ser livres.
Bate foi o juramento que Kossuth deu em
Komorn, nos o repetimos com elle, fi liave-
mos deguarda-lo. .
(Journal dn Ha<-rt.
vxHkmwo
CMARA MUNICIPAL DO RRCIFK.
Pareceres que se refere a acia publicada un
numero antecedente.
A conmssflo cnearregada de exami-
naras cunts do procurador desta cmara,
relativas aos nove mozos decorridos do pri-
meiro de outubro do 18t8 a 30dejunho do
I8V9, vom hoje apresentar-lhe o resultado
de seus trahalhos
A rommssio oximinou sUentamento
todas as adlcgesda reroila e despeza,
confrontando-ns com os competentes do-
cumentos verificou o haver-se arrecada lo
rs. 15:512,033, e despendido rs. I5:9'2I,.'>80,
resultando por conseguinle um saldo a fa-
vor da municipaiidade ders. 287,453, que
exisle em mflo do piorurador.
< Passando a conimssflo a examinar o
debito activo nos referidos novo mezas
aclmu que, da renda dos predios vencida
em 30 de junho prximo passalo, existe por
arrocadar rs. 2:397.210; sen lo rs. OO.OO
dos da praca do S.-Josc, rs. 800,000 dos da
praca da lla-Visla e rs. 1:397,210 das an-
sia da praga da Independencia : note-so, po-
rml que nesta quantia nflo so incluo 11
renln das casas ns. 6, 8 e 10, porque nao
podo a commissflo conhecor o progo dolas
om consoquencia da divergencia que ln mui-
to lempo se da da parto do nquelino a tal
respeito, o que cumpro remediar.
Nflo pude tambem a coromissao deixai
passar om silencio o atraso em que se acha
o debito do arrematante da praga dn K0a-
Visla. quo monta em rs. 800.000, como ja
fica observado, o sobre o que se faz igual-
mente necessario que esUcnmnm lome umn
deHODf?Qd masa commissflo quedos
l>
virtudc
UDtervou inm --.......------- 1-
redios da Solcdade nada searrecadou, em
do oneoiitro, que lez o ex-procu-
rador, do rendas adiantadas no Impor-
de obras feitas pelo mquel.no de di-
tos pro los; o dos recibos apresenlados a
coin misil. so evidencia que dito inqoelino
2 da em cedor em30do junho ultimo da
,u ...lia do rs 27,750. A commissflo lio da
parecer que se poha om arremalagao a
renda desles predio, a qual he de.esperar
uue suba muito do prego da ultimalarre-
mstaSo feitacm 1846 que fui de rs 127,000
annuaes. o isto em virlude dos melhora-
meiilos que das referidas obras reculiaram-
es A casi da ra imperial tambera nada
renden, purque se cha em estado de rui-
na nflo loodo sido concortada, porque esla
compreheuJidn no numero das que se
devem domolir segundo a planta da ci-
8 a verba de receitt-mulU por infrnc-


NDITAES.
cfo do postiiras--acha-so por arrecadar ora Fernando pela qunrta vez, o hiate hrasilei-
rs. 1:022,000, de que apresentou o procu- ro Purakihano, capitflo Nicolao Francisco
radnr os termos a commissilo, sendo esta da Costa
quantia o sbiIo de rs. 4:021,000 total dos
termos de multas debitados ao dito procu-
rador, lendo-sn arrecadado por consequen-
cia rs. 2:999 000, como consta dos lanca-
nientos em roceila -. a commissao racom-
mendou o procurador o apr sentamenlo
rom hrevidade da ola doquo trata o ar-
tigo 31 do resulaniento desta cmara.
< Existe niais una relxclo de multas re-,
mettida pelorhcfede policiano importe de
is. 396,000. da qual nada snsrrecadou,' por
i8' nao saber la residencia dos multados,
segundo informa o procurador; o as mes-
roas circunstancias acbam-se algumasre-
lacoes do mullas remeltidas polo presiden-
te doronrellio desaluliridade.
Alguna dos artigos de receila pouco
renderara, bem comoforos e laudomios
q.ie apenas produziram em nove mezes a
diminuta quantia de rs. 7,100, o que acon-
tece, segundo informa o procurador, pela
falta de um livrode tombo que Ihesirva
de guia na cobranza deste artigo de re-
ceita.
o Assim tambero nada se arrecadou das
verbasrepeso de acougucs e multas por
elcicoes--; daquella nflo pode ainda obler
a conimifaSo uma informacSo satisfactoria,
e desta responde o procurador que nflo re-
cebeu as competentes relaces para poder
proceder em tal cobranca.
Quanto ao debito passivo da munici-
palidado, relativo aos nove mezes de que a
commissilo tomou contas, consta elle da
quantia de rs. 00,000 do trimestre da ren-
da do paco desta cmara, do semestre da
decima dos predios, cuja quantia nao podo
a commissao conbecer em virtudo de igno-
rar a nova collecta, o de rs. 916,238, impor-
te dos ordenados de um mez dos emprega-
dos desta cmara, ludo vencido no ultimo
dejunho prximo passado.
n Ainda julga a commissao de seu dever
fazer scienle esta cmara que, na con fron-
tacioa que procedeu das addiccoos lauca-
das em despezas com os competentes do-
cumentos, aoliou ter-so seguido uma or-
tica que Ihe parece nflo poder continuar,
A vista do que di.spOe o artigo 26 do regula-
mento da cmara ; e vem a ser que, quan-
doo procurador be aulorisado a fazer al-
guna despezada qual nflo pode a cmara
ter previo conliecimenlo do importe a que
montara, como bem despezas de eleico.s,
o procurador por tal autorisa^flo julga-se
dispensado de apresentir-a sia cmara ns
contas dellu, e pansa a fazer OS seus pa-
gamentos sem o competente mandado ;
proceder este contrario ao recommendado
no refer.lo artigo do regularaeoto, do que
resulla licar esta cmara na ignorancia
das i|uanlias em quo monlnm ditas des-
pezas
COMMANDO DAS ARMAS.
Em virtude da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, o perante oconcelho
extraordinario de quo trata o art. 22 do
regulamento de 17 de fevereiro de 1832
para os bospitaes regimentase, so ha de ar-
rematar om basta publica no dia 25 do cor-
rente s dez boras da mandila no quartel
do com',ni mi.lo das armas o forriKcliuentos
dos medicamentos necessarius para uso do
hospital regimental desta cidade.
(is licitantes deverflo acbar-se presentes
no dia e hora marcada para a iiasta e offe-
reccr suas propostal por meio de lances
no acto da arrematadlo, que ser conferida
a quem offorecer condi^Oes mais vantajo-
sas fazenda publica.
Qnartel do comisando da praca na cida-
de do Itecifeem l'ernambuco, 11 de selem-
bro do 1819. Jos fcenle de Amorim Be-
cerra, coronel graduado commandante.
Joaqun Fabrlcio de Malla, segundo lo-
renle secretario.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria
da fazenda provincial, em cumplimento da
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
de 28 de agosto prximo passado.uianda fa-
zer publico que, peraole o tribunal admi-
nistrativo da inesnia thcsourria, se ha de
arrematar nos dias 23, 21 e 25 de outiiliro
pioximo futuro, a quem por menos lizer; os
concert* a fazer na casi quo seivo de ca-
deis na comarca do Bonito, avaliala em rs.
"lii.iOo, esb clausulas especiaes abaixo
declaradas.
As pessoas quo so propozercni esta
arrematadlo, cotnparecam na sala das ses-
ses do referido tribunal, nos dias cima
indicados, pelo nieio-dia, competentemen-
te habilitadas.
E para constar se mandou aflixar o pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da ihesouraria da fazenda pro-
vincial ile l'ernambuco, 18 de selembro de
1849. O secretario, Antonio Ferreira
XnnunciacSo.
CONCERT DA CADEIA I>0 BOMTO.
data approvacffo do Exm. Sr. presidente [para delle fazerem usa os parodio de todo
da, o pelo preco de 555,500 rs. o orbe calholico as suas exposicoos dou-
2." As obras principiarflo no prazo do trinaes aos fiis commettidos ao seu culda-
uir-se-hflo no de dous me- do o vigilancia, alim de que em todos aquei-
um meze concl_
zes, ambos contados deconformidado com
o artigo 10 do regulamento das arremata-
COcsdell dejulbo de 1843.
3.' O pagamento do importo das obras
i.'alisar-so-ha depois do ejecutados os con-
certos e examinados pelo engenheiro.
4 A madefta ser previamente exami-
nada pelo engenheiro, e, pprovada, la-
vrar-se-ba um termo.
Para ludo o mais quo nflo est de-
les pastores houvcsse a uuiormidade ne-
cessaria tanto no ensiuo das principaes vei-
dades da religiflo catholica, como na boa
ordem e methodo de as expr e ensinar.
Esta nova versflo, que a pnmeira vez agora
acaba de sahir ao publico, se fazia muito
necessaria pelos defeitos da anliga, ja por
vezes reformada, mas sem poder preencher
fcilmente os seus fins, por se Ihe ter dei-
xado ficar sempre muitos dos antigos defei-
terminado as prsenles clausulas espe- los, que n8o era possivel emendarem-se de
ciaes seguir-se-ha inteiramente O quo dis-
pOe o regulamento das arrematadles de II
dcjulho de 1843.
Gabinete do engenheiro, 17 de setem-
bro de 1849. O engenheiro, J. L. Vctor
Lieujhier.
A cmara municipal da cidade de Olin-
da, em virtude da lei, ele. Faz saber aos
habitantes do seu municipio que nos dias
24, 26 e 27 do correte bao de ir a praca as
casiiihss da ribeira, repesos, armazens do
Varadouro, imposto de mscales e bocetei-
ras e aferieflo, para seren arrematados de
lenda .iiiiitihI; assim como (amliem a batan-
ea e pesos respectivos quo serviram no tra-
piche l'elourinho, sendo esles arrematados
por venda : quem quizer arremata-los,
compaieca na sala das sesses no dia 27,
que be o ultimo das ditas pracas, devendo
mostrar-se competentemente habilitado
Olinda, 20 de setenibro de 1819. Jos
Eustaquio Maciel lonteiro, pro-presidente.
ManoelJo.guim de lironda Lobo, secre-
tario.
Deca races.
da
(i Clausulas especiaes da nrrcmnlncdo.
l'rimeira.As obras para os concertos
da cadeia do itonito Berilo feilas do modo
indicado no orcamento, apelo proco de se-
lecentoa e quarenta e seis mil c quatrocen-
los ris 746,400
Segunda. As obras principiarflo no
prazo de um mez, c concluir-se-liflo no de
cinco mezes, ambos contados om conformi-
dade do al. 10 do regulamento das arre-
c A commissflo finalmente julga ser ne-ImalecOesde II de julho de 1843
nessario para facilitar OS exames de con-
tas, que o contador estabeloca contacor-
rento com rada um dos ilii|Ui'linos dos pre-
dios ile-ta cmara, o que lie mesmo re-
coiiimi,.,!.nlii no regulamento, o qual lam-
bem dispOe no artigo 10 que se lance a
debito do livro de caixa todos os mezes o
liquido da renda, &c. ; eobservou a com-
missflo que nflo se lom prstiesdo assim na
cscrii Imacao deste livro.
Para nelhor esdarecimento desta c-
mara, junta a commissilo aquiao ha la neo
da receila o despega urna coniu correte
los termos do mullas entregues ao procu-
rador o urna cmt .lemonstrativa do debito
las rendas dos predios. E, conclulndo as-
sim os seus l lu), I los, he ile parecer que
so devem ftpproar as contas do procura-
dor, visto que as reconhcceu exacias pelo
municioso exame nellas feito ; nflo obstan-
te esta ra ara deliberar a rvspeilo como
mclhor entender.
Paco da cmara municipal do llccifc,
14 de julho de 1819.- O vareador, ioaquim
Lucio Monte/roda franca.Francisco Mame-
de dn Klo.eida
iNflo bavendo impedimento para que o
procurador da cmara pnsss ejercer 0 que
Ihe incumbe o art. 81 $ 3 da lei do pri-
meiro de outubro de 1828, o mesmo as
causas civeis fallar as audiencias com
previa liccnga dos juizes, como pdem fa-
zer as parles, principalmente leodo um
mandato legal, s quaiido nconbeca a c-
mara que elle, pela alllueucia de negocios,
necessita do auxilio de pesaos queexcrc
funccOes especiaos de solicitador, poder
propr a assombla provincial a creaeflo do
lugar especial de solicitador ; o be ueste
sentido quo parece roramissfio dever ser
deferida a representaeflo do procurador.
<> Paco da cmara municipal do Itccifo,
3 do selembro do 1849.Os vereadores
Francisco Mamede de Mmeida. Francisco
J.uiz Maciel Vianna.n
CQMS#t-:.t|0.-
ALFANDEGA.
Kendlmento do dia 21 ...
CONSULADO GEItAL.
lliiii tmenlo do dia 21.......
Diversas provincias.....,. .
11:911,091
276,144
19,297
295,411
CONSULADO PltOVINCIAL.
)! intmenlo do dia 20......
dem i!o oa mi............
889,017
486 876
ivlovijaento do Porto.
Piarlos entrados no dia 21.
Msrseillcs 49 dias, barca franceza Utlio-
po/M, de 183 toneladas, capitflo Cbumin,
equipagem 11, carga varias mcrcadorias ;
a Luis llrougui e.
Selle 73 dias, patacho inglez Centurin,
do 172 toneladas, capitflo William Itami-
er, equipagem 9, carga sal e vinlio ; a N.
O. Itieber & Comiianhia.
yavios sabidos no mesmo dia.
Rio-de-Janeiro Patacho inglez Centurin,
capitflo William Itamier, carga a mesma
que Ir,iux .
Aracaty lliale brasileiro Duvidoso, capi-
tn Jos Joaquim Alves la Silva, carga
varios gneros. Passageiros. o furriel An-
tonio Francisco de Sant'Anna, ambos com pra-
;a no corpo fixo do Cear.
Obitrvac/lo.
Arribou, leudo seguiJo para a iltra de
Terceira. Os inateriaes serflo todos de
primeira qualidaile, c serflo previamente
examinados pela pessos que trdetermina-
da pelo Em. Sr. presidente da provincia.
Quarta.O pagamento do importe da
arreinalacflo realisar-se-ha depois do con-
cluidos todas as obras, o examinadas.
Quinto.-Para ludo mais quenfloesl de-
terminado as presentes clausulas especiaes
seyuir-se-ha inteiramente o que dispOe o
regulamento de II do julho de 1813.
Gabinete do engenheiro, 17 de selembro
de 1819.-O engenheiro, J. /.. Vctor leu-
tier. .
O Illm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em cumprimento da or-
dem do Exui. Sr. piesidente da provincia
de 19 do corrento, manda fazer publico
que, poranlo o tribunal administrativo da
mesma Ibesouraria, se hflo de arrematar
nos dias 2, 3 c 4 de outubro prximo futu-
ro, a quem por menos lizer, os concertos
da Donto da Passagem-da-tiagdalena, av,i-
liadoscm 246,400 rs. 0sobas clausulas es-
I ociaos abaixo transcriptas.
As pessoas que se propozerem esla arre-
mataQO, comparceam na sala das sesses
do miIh dito tribunal, nos dias cima men-
cionados, pelo meio-dia, competentemente
habilitadas.
E pora constar se mandou aduar o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 20 de selembro de
1819. O secretario, Antonio Ferreira da
i\nnunciuca/l.
CONCERTOS DA PONTE DA MAGDALENA.
< Clausulas especiaes dn arrematando.
I." Os concertos da ponte da Magdale-
na serflo Coitos do modo indicado no orca-
mento apresenUdo nesta data a spprovacflo
do Exm.Sr. presidente, e pelo preco de rs.
246,400.
2. As obras principiarflo no prazo de
20 dias, e concluir-se-hflo no do um mez,
ambos contados de conformida.le ao artigo
10 do regulamento de II dejulbo de 1843
3.' Toda a madeira ser previamente
examinada pelo engenheiro, e, approvada,
lavrar-se-ha um termo.
4 O pagamento do importo da arre-
matarlo rcalisar-se-ba depois de concluidos
os concertos e examinados pelo engenheiro.
5.' Para ludo o mais que nflo esl de-
terminado as i reseutes clausulas especiaes
seguir-se-ha inteiramente o quo dispoe o
precitado regulamento.
Gabinete dos engenbeiros, 18 de setem-
hro Iel849. O engenhoiro, I. I Kfor
l.icvlhier. *
O Illm. Sr. nspeclor da thesouraria
da fazenda provincial, em cumprimento da
ordem do Exm. Sr. presidcnle da provincia
de 19 do crrente, manda fazer publico que,
perante o tribunal administrativo da mes-
ma Ibesouraria, so hflo de arrematar nos
dias 2, 3ie 4 de outubro prximo futuro, a
quem por n.cnos lizer, os concertos da pon-
te dos Afogados, avahados em 555,500 ris
e sb as clausulas especiaes abaixo decla-
radas.
As pessoas qqo se propozerem esta
arrematadlo, comparecain na sala das ses-
sOcs do sobredito tribunal, nos dias cima
indicados, pelo meio-dia, competentemen-
te habilitadas.
E para constar se mandou ailixaro pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Serrelariajala thesouraria da fazenda pro-
vincial de l'ernambuco, 2o de selembro de
1849. O secretario, Antonig Ferreira da
Annunciaco.
CONCERTOS DA PONTE DOS AFOGADOS.
Clausulas especiaes da arrematando.
c t O concertos da ponle dos Aoga-
dos aerflo fetos de conformidade e do modo
indicado no orcamento apresentado nesta
A commissflo cncarregada da dislri-
buieflo das qiiantia.s resultantes da suhs-
cripeflo tirada na capital do imperio abene-
licio dos orpbos o viuvas daquclles que
morreram em defeza da constituiefloe do
imperio, na ultima reheliflo quo leve lu-
garjiesla provincia, convida as pessoas i.
quem esta distribuieflo possa ser aplicavel,
a apresentarein seus documentos compro-
batorios como certidflo de bito e casa-
mento para as viuvas e de baptismo para
os orphflos c certificados dos respectivos
delegados, subdelegadosc conimandantes
de corpos a qu os morios perlcnceram.
E porque tambem sera da itencflo dos
conlribuinles extensivo aos invlidos e iini-
t'lisados, lacs pessoas devem apresenlar
suas haliiliacocs para serem attemlidas,
quando vieren:, com asquantias que ainda
m' e-| ci un as di-i l.n iiii'i quo a tal res-
licito Mr a ni pedidas para a corte pelo Exm.
Sur. concelheiro de estado presidente da
provincia. Itecife, 13 de selembro de
l49. --O vigario Venancio Henriques de He-
sende, secretario da commissflo.
Pela segunda seceflo do consulado
provincial scientifica-se aos donos dos es-
tabelecimentos comprebendidos no Ululo
21tda luido orcamento provincial do
anuo correte que se principia do lo de
outubro vindouro em dimite a cohrar-sc o
imposto do 12,803 rs., creado pela referida
lei.
A ailminislraqflojgeral das obras publi-
cas, por aulorisa^aV do Exm.Sr. presiden-
te da provincia, contrata a venda do Ierro
da grade velha da ponle da Boa-Vista, sen-
do a despeza do peso e arrumaco por con-
ta do comprador Quem o quizer comprar,
dirija-se mesma reparlicilu qualquer
hua do expeliente.
O Illm. Sr. inspector do arsenal de ma-
ntilla manda fazer publico que no dia 25 do
corrento, s 10 horas da maohfla, contrata-
ra a compra de 50 colcho s com Iravissei-
ros, i.Mos ile riscados de liillm o cheios de
Ifla ; devondo os pretendontes a venda com-
parecer nesta ruparlicflo no indicado dia
o horas para, em vista dos modelos quo se
Ibes presentar, fazerem as suas propos-
las. -- Secretaria da iuspeceflo do arsenal
de m n odia de Pernambuco 21 de selem-
bro de 1819. --O secretario, Thom Fernan-
dos Madeira de Castro
Acba serecolnido cadeia o preto Ti-
Iiiii lino que diz ser escravo de Joaquim da
Costa, lavrador do engeuho S.-Paulo o
qual representa ter 20 annos pouco mais
ou menos, tendo-lhe sido appreheniido na
occasifln da prisflo um cavallo alszflo, que
foi dep( s i i lo por ordem deste juizo, acom-
psnliando ao dito preto um mulequo de mi-
me Itene.lulo quo dizia ser escravo de
loflo l.eite de Azevedo. Subdeleguis do
Itecife, 19 de selembro de 1819 Joirf Joa-
i/uim de Oliveira, subdelegado.
lo lo sem se recorrer a um novo trabalbo de
outra tradcuQilo, inteiramente livro sem fal-
tar a fidelidade que deveser a primeira obri-
gacflo do trataductor. Quem quizer a pe-
der achar no armazom de Francisco Xa-
vier Marlins Bastos, ruado Encantamento,
n.tt.
Avisos martimos.
A barca franceza Jhine-Nelly capilSo
Tombarel sabe impretaiivelmento para o
Havre no dia 30 do crranle : quem qui-
zer ir de passagem paraSque tem excel
lentes eommodos, dirija-se i casa dos con-
signatarios Didier Colombiez & C.
Parao Hio-de-Janeiro sabe,
Dentesarticiaes.
J. A. 8. Jane, dentista, participa 0 res-
peilavel publico que contina a exerrer
sua proflssflo na ra es'treita do Rozrio
n. 16, primeiro andar. '
1OO00O rs.
A viuvn Carioca d cem mil rs. a quen]
Ihe trouxer o seu escravo Miguel, que ou.
tr'ora foi do Porto-Calvo, do engenho Sam-
ba e lho consta andar por l mesmo fu.
gio em dezembro do 1844; he crioulo
baixo, muito grnsso, peritas arqueadas,^
90 annos e gusta muito de paluscadis,
Os cem mil rs. serflo dados immediatarccn.
le no Aterro-da-Roa-Vista n. 10.
Thcalro Apollo.
0 secretario da compsnhia de accionij.
las do theatro de Apollo faz ciento iv
mesmos que no domingo, 93 do correle
peles 10 horas da mantilla, no aalflo do met-1
molheatro lera lugar a n-unitlo da ustm.
bla feral para se proceder a eleicSo di
commissao administrativa.
Aluga-se o armazem n. 4 da travem
da Madre-de-Deos: a tratar no mesmo h|.
gar armazem n. 6.
Jorge Clark, Inglez, retira-se paula-]
glaterra.
Joflo Leonberret Lewerer, cidadflo suis-
so, retira-se para-o Havre a tratar de seui
negocios.
eos,
no dia 23 do correnle, a bem co- --Em9 de detembro do corrente tono
nbecida e veleira barca nacional '
Firmeza i para o resto da carga,
passageiros e escravos a frete, 1ra-
la-se com o cipito, ^arciso Jos
de Sant'Anna, na praca do Com-
mercio, ou na ra da Madre-ilc-
n. 3, lerceiro andar.
Fara o Itio-de-Janeiro sabe
em pencos dias o patacho San-
Jos-Americano : para carga, pas-
sageiros c escravos a frete, trata-
se com o capitfio no caes da Alfan-
dega, ou na ra da Wadre-ile-
l)eos, n. 3, terceiro andar.
O brigue-escuna nacional
Olinda segu em poucos dias para
o Cear com a carga que obtiver :
para esta ou passageiros, trata-se
rom o capilSo, AJanoel Marciano
Ferreira, ou com Machado & l'i-
nbeiro, na ruado Vigario, n. |9,
segundo andar.
Para o Aracaly sahe, ale o lim do cor-
Theatro de S.-Francisco.
IIJE, 22 DE SETEMItllO DE 1819,
a beneficio da Sra. D. Antonia Ferreira de
Santa-liosa, lera lugar o seguidlo espect-
culo :
Depois de execulada por grande orches-
tra a ptima symphonia
ZANETTA,
representar-se-lia o ricoe apparatoso dia-
ma em 3 aclos, que lem por titulo
A RETIRADA DE SA.NTAI11I,
no qual o Sr. Santa Rosa muito se interessa
para bem desempenhar a graciosa parle de
fre Joflo, que tem de pregar a favor do seu
re.
Os intervallos serflo preenchidos cem bel-
lissimas syiuplionias denominadas a Filia
do regimeiilo.Luciccia Horgia.l.estocq, o os
Capleles.
No lim do drama a joven Felismina execu-
tat a linda dunca inlilulada
O JALEO
OU
A Cachucha hespanhola.
Terminar o espectculo com a gracios-
sima farca de composieflo e aceflo nacional,
viuda do llio-de-Jsneiro, denominada
OS lltMOS DAS ALMAS.
Oreslo dos bilheics, lanto de camarote,
como de platea, acbam-so venda na casa
annexa ao mesaio theatro.
A beneficiada nflo vai mesma convidar
as familias, em virtude -de sou estado de
molestia.
Principala s horas do costume.
PUBLlcACAO- I.ITTEHARIA E RELIGIOSA.
Sabio a luz em lingos vulgar o mais per-
fcito calhecismode doulrina christffa, o de-
cretado pelo sagrado concilio de Trenlo,
rento mez, a sumaca Carlota, por se achar
com a maior parto da carga a bordo : para o
restante trata-se com talla* Jos de S Arau-
jo, na ra da Cruz, n. 33.
Leilao.
-- Jones Patn & C. farflo leilflo, por in-
lervcnc/m dn correlor Oliveira, de um com-
pleto sortimento de l'azeiidas inglezas as
mais proprfas do mercado : segunda-feira,
21 do correnle, s 10 horas da manhfla im-
i'retei ivelmente, no seu armazem da ra do
Trapiche-Novo.
Avisos diversos.
Estevao de Gasse.
O encarregado da venda Jo rap prince-
za la fabrica de Gasse do Rio-de-Janeiro
declara a todos os freguezes que o deposi-
to se acba completan ente prvido de
meius libras das 3 qualidades, lino, gros-
so e meio-grosso deque leve por alguns
dias falta : seu preco continua a ser a 1,280
rs. de 5 libras para cima.
O beneliciado do dia 23 de selembro de
1849 avisa ao respcitavel publico desla ci-
dade que transferio o seu espectculo pa-
ra quinta-feira 27do dito mez de selem-
bro, em virlude de tero Snr. director do
theatro do S.-Francisco transferido para o
dia 22 do correnle o seu espectculo an-
nunciado para o dia 15 do mesmo.
Manuel de Almeida Lopes que coslu-
ma comprar o vender escravos mudou sua
residencia da ra do Vigario, n. 24, para a
ra da Cadeia do Rccifo, n. 40.
Deseja-se fallar a negocio de bastante
intoresse, na ra da Cadeia do Recife, n.
24, lojado cambio, com osSrs. Joflo Uap-
tisla de Sousa, Manoel Esleves de Abreu,
Joflo Alfonso, Antonio Jos de Alcntara,
Manoel de Oliveira Paz, Jos Antonio Coe-
IhodoMeirelles, Vicente Ferreira Fontes,
Vicente Joflo de Dos, Jo? Policarpo de
Freilas, Joflo Aniancio de Souza Ribeiro,
Joflo Jos UoJrigues de Almeida e Albu-
querque, Francisco Ignacio opes e com o
Rvm. Fr. I ourenco da Concedo e Silva.
Aluga-se a casa de sobrado om S.-Ame-
rindo que he dos herdeiros do Uado Ma-
noel l.uiz da Veiga com eommodos para
uma grande familia terreno contiguo ao
mesmo sobrado, e parte do um viveiro de
peise : a tratar com Manoel Luiz da Veiga,
na ra da Madre-de-Deos, n. 36, primeiro
andar.
Jcronymo Martinigno Figueira Je Mel-
lo roga a pessoa a quem emprestou a obra
inlilulada Myiterios de Varis em francez o
obsequio de Ib'a mandar entregar, visto
que necessita delta paie cnvia-la a um ami-
go do Cear. .
Jeronymo Marliniano Figueira de Mel-
lo deseja fallar ao Sr. Reinaldo Comes Olci-
ra, correspondente ou cncarregado dos ne-
gocios do Sr. coronel Diogo Lopes de Arau-
jo Salles; e por isso roga ao mesmo Sr. o
favor de chegar al a suecas, na ra do
Hospicio, n. l*,ou de declarar a sua mora-
da para ser procurado.
--Lembram-seaosque se deixam esqueccr
para que venham ou ntaudem pagar a quem
devem, bem como os Srs. A. de"A. M. J F
o A. II. A deF. L. de O. C. de A
uma letlra vencida a 15 de Janeiro de 1819'
que anda resta a pagar, F. B. de A. J j'
dosS. ,dirijam-se ra da Cadeia de S -
Antonio, n. 13.
Quem annunciou querer hypothecar
um sobrado de dous andares om ba ra
dinja-seruaeslreilado Rozrio, u 43'
segundo andar, que se dir quem faz este
Snrs.
Juhnston l'ater & C. do bem conhecidoii-
lio do Arraial, do Uado Joflo Carlos Per-a-
ra de Burgos : quem, portento, o prelendtr
por um novo arrendamentode tres annos,
dirija-se ao pateo do Carmo, n. 18, a enleg- ]
der-se com o Burgos.
Aluga-se pelo lempo da fesla, ua I
grande sitio na estrada do'Monleiro, con
boa casa de vivenda cozinha tora, estriba-
ra, coebeira muitos arvoredos de fructo,
e muito perto do banho : a tratar na ra |
Nova n. 63, primeiro andar.
-- Alugam-se tres moradas de casa' no |
sitio do Ciijuetro, para se passar a.teb,
ou por anuo : a tratar no mesmo sitio.
Roga-se ao Sr. J. C. S. o favor fle min-1
dar pagar a quantia de 47,916 rs. e o Sr,
P. N. C. a quantia de 15,000 rs na ra di I
Gloris n. 76; do contrario terflo o des
goslo de ver os seus nomes por extenn [
nesta foi ha..
Em principio do mez de dezembro do
anno prximo passado, no becco do .Noio-
nha embarcou-se n'uma barcc* para ]
Goianna um cartflo, ( caixa de papcISo)
uma casaca prela e nova um collete, ludo I
vindode casa do alfaiale; e como al o I
presente nflo teuham sido ditos objectosen-
tregues pelo presente se solicita da pesso I
quo os recebeu ou ainda os tenha em sen
poder, os queira entregar em Goiantn, 10I
Sr. Miguel Freir do Carmo ou nesta pu-
co, no Forie-do-Mattos, armazem do Sor.
Viauna, que ser recompensado, se quizer.
Manoel Antonio da Silva Molla, leudo
annuuciado querer recolher genero no
sou armazem da ru de Apollo, n. 32, deeti-1
ra agora que lica sem etTeito o dito ininin-
cio por ja teralugadoo mesmo armazem.
Aluga-se, um sobrado na ra da Onilo.l
com boa vista para a barra excellenleil
salas, alcovas e quartos, grande quinlill
murado cacimba e cozinha tora : alrat
co.n Manoel Alves Guerra.
Chapeos de sol
Ra do Passeio, n. 5.
O dono deste cslab.elecimento avisa sol
respeitavel publico que elle recebeu pre-l
seitlcmente uma qualidado de chapeos del
sol com aiiiiacfin de ac sortldos em ni-l
res e de varios tamaitos qualidaile eslil
nunca aqui apparecida : bem como cha-I
pos de sol com srmacflo de baleia, sorl-r
dos am cores fixas ; ditos para senhora,di|
seda muito encorpada com ricas franjas del
retroz e chegac'os ltimamente de l'aria:|
tumbem se vendem chapeos de sol, de pao-I
ninho em porefloea rotalho ; ditos paral
feitor de engenho, muito grandes. Os fre-l
guezesacharflo um completo sortimnlo del
sedas e panninlio imitando seda para co-1
brir qualquer armaeflo de chapeo de sol, o
que se faz, e tamoem se concerta com toJ |
a brevidade,
-- Alug-so um grando armazem com ser-
venta para a mar pequea e porlodt
embarque e desembarque : na ra da Sen-
zalla, n. 42 a tratar com S. J. Johnston &l
Compsnhia.
Dflo-sc 500,000 rs. a premio de dous porl
cento sobre penhores de ouro ou pratt, 1
mesmo em pequeas quanliSs : na Can-1
bda-do-Carmo, n. 29.
Lotera do Guadalupe
Est designado o dia 5 de outubro prox-l
mo futuro para o andamento das rodul
desta lotera. He d presumir que nflo sejil
infelizmente espassado ainda esse aclod
como tem sido al agora, pela falta de coa-I
rurreueia dos compradores de billietes, dal
qUal tem dependido e contina a depende!
ou a prompta exlraccfldas loteras011 astil
morosidade.
Precisa-se de uma ama de leite forfll
ou captiva : na ra do Alecrim, n. 6.
Terca-feira 25 do correnle Cnda
audiencia doSr. juiz da primeira vari, W|
hflo de arrematar, por sera ultima praci>
alguns escravos, sendo um moleque oflci>!|
Oe marcenciro um prelo canoelro, uat Ji-1
lo capinheiro o outros; os preUndent
dii ijam-so a sala das audiencias no dia mar-
cado ao meio-dia.
Na ra da Concordia oilicin de mar-
cenciro de Joflo Frederico Scbercder, f*'
cisa-se delllciaea do mesmo oflicid
--0 abaixo assignado precisa alagar un
carro com bois, para botar da punto J0
Motocolomb as ponlozinhas do Checheo
ePo-Secco 31 estivasj lavradas: quem
quizor alugar, dirija-se a ra Direila, ven-
da 11. 23. Jodo Uypolito de Mtlra Limi. ,
Precisa-sede uma ama para casa 1
pouca familia : na ra do Queimedo, "
Aviso.
Quem pretender engenhos pars eai2"0" I
is socar uma eaixa, ou 6 barricas de ai-
ras
su car, occ upando uma s pessoa e um *tf
vallo, carros pe/a conduceflo de ^'x
com assucar, tambem por' uma ana pssoi
nflo querendo ser engaado, dirija-se ra
do sol, n-13. Adverte-se que nlloaJo carro
de forquilha... por baixo do fundo das for-
mas : destes os acharflo na fabricados Srs.
Slarr & Compaas.


Adagios da Hngoa
nacional.
Nasegunda-feira.l.'do oolubro, sahe a
M. miii.!.-i fr.na desta obra e as demais sa-
KirHo rpgulirmente lodas as semanas As-
Ripnn-se na ra do Crespo, n. M c na pra-
Bi da Independencia ns. 6 e 8.
Tachigraphia.
I Oprofessorde lachigraphia, abaiio as-
ignado sabendoque bstanles pescas se
lian teem matriculado na aula publica da
Betoida arte, eslabelccida no lyceu desta
idado, porque a hora em que as IicOes
eem lugar nilo he compativel cora os seus
Bfazcres, resolveu ensillar enj.,suaw casa ,
Bando icOes lodo os dias litis, das'6 s8
Korns da tarde, mediante a gratiflcacSo de
Bono rs. mensaes, isto mesmo durante as
ferias; o que ioleressa muito aos princi-
piantcs, por isso que a nterrupcfio ueste
lesiudo he um mal jrreparavel. As possoas
Iquc sequizerem matricular iHrfjam-so ao
professor em sua easa at o (lia 90 do cor-
rente mez. As ligOes cometario no dia prl-
mcirodo futuro mez de oulubro.
Lu* Antonio de Mesquita Fatcv.
O FISCAL N.2
Isahio hoja e est a venda na typographia da
Wvoz h llraiil, o em mSo don distribuido-
res.
I Offerece-se para ama de urna casa, urna
Icreoula de bons costumes: quem pretender
dirjase a roa da Cala, n. 47, que achara
com quem tratar.
I Urna pessoa que tem bastante pratica
deailministracflo de engenho prope-sc a
leste trahalho: quem de seu prcstitno se
quizer utilizar annuncie por esta folha.
Na ra do Queimado, n. 14, segundo
andar, se dir quem d dinbeiro apremio.
a mesma casa compra-seouro e prata no
filado em que esliver.
AVISO.
No dia 2T de malo do correle, fugiram
Ido engenho Agoa-Claras de Urucu', d
comarca de S.-AnliJu, da viuva do Burgos
y Filhos, os cscravos seguint^s: Vicente,
lpardo.de 26 annos, altura regular, calici-
llos crescidos e um pouco carapiuhados,
Itcsta sobre-sahida ,olhos pequeos e upa-
Idos naril chato tomador de tabaco, ros-
llo descarnado e com espinhas, sem quasi
I barba nlguma ; gosta de vestir-se a serta-
Ineja ; foi escravo do tinado SebastiSo Jos
Ua Moura da fazenda Venera distante 8
Eegoas de S.-Anlfio ; acompanhava aos co-
bradores da casaquando iam as cobranzas
Idos serlOes do poento ao su I, dondo he co-
liilitcnlo; levou urna camisa de madapo-
llno t caifa de casimira usada,A jaqueta de
Ibrrtanha, I bouete de velludo azul usado,
|1 chapeo de palha, 1 dito preto de pello :
Ijnaquim, crioulq, bastante preto, de 38 a-
inos alto, seceo, cara pequea, bem uis-
Isado ; costuma ievar a milo a barba quan-
Ido falla ; he bastante gago, andar compu-
lsado, muito amigo do dito Vicente; di-
Izem lar pai em Cameleira alm do rio Ipo-
I juca ; gosla da andar cum chapeo de couro;
I levou 1 chapeo preto de pello, um dito de
I couro, 2jaquelas brancas, 1 calca de brim
I pardo ,1 dita de riscado 1 Camisa de ma-
Idapolflo 2 ditaa de algodilo da trra e ce
Iroulas; foi escravo do capilSo Leandro
iBandetrade Moura do l'atu', em Apody, da
krnviucia do Rio-Grande-do Norte o qual
presentemente acha-se em ISananeiras per-
ito do Brejo-de-Areia da provincia da Parahi
Iba. Conslou que estes cscravos estiveram
nos suburbios desta cidade do Itecife, .mas
|presume-se que, se mo paitiram para o la-
ido de l'ajahu', ou Glmileira dita nem pa-
ira os seiles dcsseladu, seguiramcom mais
Iprobabilidade para a Parahiba, ou Itm-
|Crande-do-Nort3, onde ha muilos prenles
Idos dilos .Momas, de alguns dos quaes tal-
I vrz estoja ni sendo protegidos,passando mul-
las vezes por forros. Iloga-se a todas as aulo-
11idiclcs puliciacs, possoas particulares e
IcapitSes de campo que os appreheiidam e
Ilevein-osao dito engenho, ou no Itecife,
I) rafa do Commercio n. 2, ao Sr. Lino Jos
Me Castro Araujo, que serUo generosamen-
te gratificados por maneira de (icaron)
summameule satisfeilos.
Alga-se o sitio da estrada do Cordciro,
hcn conliecido, s proprio para negocian-
te cslrangeiro ou quem lenha ti aumen-
to : bem como varios sitios e casas peque-
as para se pascar a fesla tanto na campi-
a como na ra da Casa-Forte : tratar na
ra do Amorim, n. 15.
-- O Sr. que bolou na caixa da adminis-
IracSo do correio tres cartas para os Snrs.
Joaquini Jos Ignacio e Jos Marihuana du
Alencar, no Uio-de-Janeiro e Francisco
Antonio Filgueiras, na Babia queira com-
parecer na niesnia administraflio alim de
salisfazer seus portes sem o que nao p-
dem seguir seu destino.
Quem precisar de una ama para lodo
o servico de urna casa excepto engommado,
dii ija-se a ra Augusta, n. 34.
-- Precisa-se de urna ama de leile, forra
on escrava: paga-se com generosidade : na
rua da Cadeia do Itecife, venda u. 1, se di-
r quem pretende.
Os abaixo assignades fazem publico
terein vendido o seu csiabelecimento de
vendada ra da Madre-de-Deos, n. 5, aos
ars. Joaquim Jos de Paria & Companhia ,
licando os ditos Srs. smente responsaveis
pelo activo e pas>i-o que lizur a mesma ca-
sa de hojo por diante. Os mesmos abaixo
signados rogam aquellesjde seus credo-
res que fu tem dar-llics suas conlas, tenham
bondade de aa mandar entregar na ra da
Aurora n, 36, para serein legalisadase pa-
gas e o mesmo pedem aos saus devedores
de all pagareui os seu dbitos. Itecife,
15 de setembro de 1849. Estrella c UH.
tetra.
O secretario interino da rmandade do
Livramento em conformidade do compro-
miso, avisa a lodosos irmSos que domin-
go, 83 do crrenle s 10 horas da manhla,
lera lugar a eleicSo do juiz da mesma ir-
nundade sbb a presidencia do Dr. provo-
-- Precisa-se de um amassador que cn-
tenda bem da arta: na ra Direita, n. 79.
JoSo Scott faz sciente ao publico que
vendeu o eslabelecimento que linda na ra
do Trapiche-Novo, n 28,aoSr. JoSoRegan.
Ilavendi) mui bem desempenhado o
Sr. Jos Antonio de Souza Machado a ge-
rencia de meus negocios na praoa do Iteci-
fe, deque foi incumbido na safra linda,
contina o mesmo Sr. na gerencia delles : e
por isso aquellas pessons que commigo ti-
verern transaccOes', pdem a elle dirigi-
se no seu armazem de asiwer da ra de
Apollo, n.2*. Engenlw.Paulista, 15 do
setembro de 1849 Joaquith pyalcanle de
Mbuquergue.
--Iloga-se aft,Sr.ltedro Nurfesda Fonscca
que bajado dejMajfr a sua morada para
solucSo do carta 'incumbencia de um seu
amigo da Babia:
Na ra Nova ; loja n. 58, se dir quem
d dinbeiro a premio as quanliasde 200,
300, 400, 500 e 600,000 rs. com hypotheca
em casas terreas.
W
as.
oS' prapajli, liidpen-9
^ dencm, n. 10, ^
n ao voltar para a ra das Cruzes, alu- q
r\ gam-see vendem-se bixas de Iam- ^.
bf burgo i tambem vflo-se applicar pa-^
j ra commodidaJc dos freguezes ; t-?J?
^J ram-so dente, sngra-se e appli- w
cam-se ventosas: ludo por preco %
O commodo.,
> O
0O00000O0 OOOOOOO0
Dlo-se 40,000 rs. a premio sobre pe-
nhores: na ra Bella, n. 32.
O abaixo assignado declara ao res*-
peitavel publico que deixou de ser procu-
rador da Snra. D. Mara Antoinete Aglae
Tresse desde o dia 18 do correnle mez de
setembro por ter ajustado as suas conlas
com a mesma senhora ; e ntlo desde o Cm
de fevereiro como annunciou no Diario de
Pernambneo n. 210. Frtderico Chavet.
ClinstovSo IVreir Campos faz sciente
ao respeitavel publico que Antonio Joaquim
de Araujo deixou de ser seu socio desdo o
dia 20 de agosto do corrente anuo lican-
do a mesma firma de Christovlo l'eroira
Campos & Companhia.
Iloje, 22 do correnle, porta do lllm.
Sr. r. juiz municipal da segunda vara, se
ha de arrematar a taberna o seus pertencos,
sita na fi% das Cruzes na luja da casa on-
de mora o mesmo Sr. juiz, penhorada a Jos
Antonio da Silva Maya, por execuco de
Candido Alberto Sudr de Mallos e oulros ,
escrivilo Baptista : he a ultima praca.
Offerece-se um rapax de 16 anuos, pa-
ra calxeiro de venda, do que tem bastante
pratica : quem o pretende'dirija-ae a ra
da l.ingoela, n. 12, que se dir quem e.
O abaixo assignado faz sci-
ente ao respeitavel publico que,
de comnium aecrdo, dissolveu a
sociedade que tinlta na loja de fa-
zendas, sita na ra da Cadeia do
Kecife, n. 32, que gyravj debaixo
da firma de Cliristovao Fcrreira
(lampos & Companhia, no dia ao
de agosto prximo passado, lican-
do o socio (. hrislovo obrigado ao
pagamento de todo o activo e pas-
sivo, lambcnificando o mesmo a-
baixo assignado desoncrado e sem
a mais pequea responsabilidade
de todas as transaccScs constitui-
das pela referida sociedade.
Antonio Joaquim de araujo.
Trocase urna morada do casa nesta
praqa por um sitio pequeo, que nflo ex-
ceda de meia legoa de disttncia apezar da
casa ser velha ou pequea ou por um ter-
reno que tenha fde frente pelo menos 100
palmse 300 de fundo : a tratar no Atcrro-
da-lioa-Vista loja de qualro portas, n. 60.
Aluga-ce urna casa no sitio do Corilei-
ro, margen) do rio Capibaribe, com com-
modos para grande familia cozinha fra,
estribara cocheira quarlo para criado,
etc.; oulra dila mais pequea, tambem
com bous commodospara familia estriba-
ra, ect. : a tratar no pateo do Carmo, n.
17, com Cabriel Antonio.
Para as possoas que Icn-
cionam seguir viagem.
No paleo de S.-Pedro casa terrea n. 8,
tiram-se passaporlea para dentro e fura do
imperio, correm-sefolhase despacham-se
cscravos e para esle fim taiv.bem pde-ae
procurar na prac,a da Independencia livia-
na ns. 6 e 8.
dor de capellas.
v -No dia 19 do coi rente, perdeu-se urna
/cttra da quantia de 314,195 rs., ao prazo
de 6 mezes aceita por Manoel Caetano de
li.imi e Leonardo Graciano de Araujo a
'ligar a Jos Joaquim de Mesquita ou a sua
r ordem : por issu se (al lellra apparecer (ica
I som vigor, por os mesmos lerem passado
" oulra.
, O lente-coronel Joilo Vieira de Mel-
lo pelo seu procurador Antonio uarte do
liveira Reg, embarca o seu escravo
crioulo, de nome Autouio Diogo.
Deposito de rap.
Domingos AlvesMatheus, agente da
fabrica de rap superior arcia prcta
e nielo grosso da Baha, tem iberio o
seo deposito na roa Cruz, no Itecife ,
n. 38, primeiro andar, onde se achara
sempre deste excelleutee masacre-
diladu rap que at o presente se tem
fabricado no Brasil: vende-se em bo-
les de urna e meia libra, por preco
mais commodo do que em oulra qual-
quor parte.
?
Compras.
Compram-se 30 arrobas de 10a de car-
neiro : quem liver annuncie.
Compram-se ourelosdo panno lino : na
praca a Independencia, n. 19.-
Compra-se urna escrava para fura da
provincia de 20 a 25 annos, que saiba cor-
tar e fazer una camisa do homem e en-
gommar bem, ludo isto com prfeic.no:
nSo so olha a prego : um mulalinho de 161.
18 annos de bonita figura e que tenh
boa conducta : paga-se bem : na ra da.-
Larangeiras, n. 14, segundo anJar.
Compra-se urna escrava com algumaf
habilidades, e que teuha pratica de ven-
der fazendas : na ra do Crespo, n. 11.
Compram-se qualro escravas prenda-
das, com habilidades e de bonitas figuras,
para uma.cncommemla : na ra do Passeio,
loja n. 17.
Compram-se nie: s garrafas vasias,
que lenliain sido de scivejae lioipas, a 70
rs. cada urna : na venda da ra da Cadeja do
Recife, n. 25, defronle do Boceo-Largo.
Burra de ferro.
Compra-se urna caixa, ou burra de ferro
que esteja em bom estado : qiiem liver an-
nuncio.
Vendas.
----------------------------r
Lotera do Rio-dc-Ja-
neiro
Aos fiO.000,000 de ris.
Na praga da Independencia, n. 4, vendem-
se meios bilhetes, quartos, oitavos o vig-
simos da fl." lotera a beneficio da santa ca-
sa da Misericordia do llio-de-Janeiro. Na
mesma loja mostram-se asustas da cai-
dade.
Cha brasileiro.
Na venda que foi de Jos da Penda, na
ra Direita, n. 23, vende-se cha brasileiro a
2,240 rs a libra, muito bom, bem traba-
Ihado, a ponto de se nSo diflorencar do cha
hysson, em factura e gostohe superior; ha
tambem para 1,920 e 1,760 rs. a libra, tam-
bem bom ; msnlega ngleza a 600 e 800 rs.
a libra, e franceza a 610 rs.; vinho do Por-
to engarrafado a 500 rs do mesmo por en-
garrafar a 480 rs. a garrafa, a 210 rs figuei-
ra, e a 200 rs, ; quejos da Minas a 400 rs. :
os freguezes pdem continuar.
Vende-se metade de urna
casa terrea, sita no paleo do Hos-
pital do Para izo, que faz esquina
para obecco do (juvidor, por pre
90 muito commodo : a tratar m tra-
vessi da ra da Concordia, sobra-
do de um andar, n. 5.
Vende-se um mulatinho de 8 a 10 an
nos, viudo no.ultimo vapor do norte, por
prejo commodb : no Hotel Francisco.
Vendc-sa cal virgom superior de Lis-
ba em barril pequeos, fexes do arcos de
pao o rodas de dilos para barricas, cunhe-'
tes de pinhoabatidos para assucar, pregos|
ciixaes do Porto em barris de 10 milheiros,
ditos de estuque em barris de 32e45mi-
Iheiros, pilulas da familia: a tratar com
Joaquim Ferreira Mendes CuimarSes, na
rua da Cruz, n. 49, primeiro andar.
Vendem-se tres toalhss abortas de la-
varinlo, com bico erfl roda e bem foitas, c
un lengo lambem de lavarito com bico em
roda : na ni? do Cabug, loja n. 9.
Vende-se urna escrava crioula, de bo-
nita figura com alguinas habilidades, e
que nilo tem vicios : veiide-se para fra da
provincia : na rua do Arago, casa terrea
n. 13.
Vendem-se cordas e_ bor.les para ra-
bec.lo grande c pequeo ', de muito superior
qualidade : na plaga da Independencia, lo-
ja 11. 3.
Vende-se, na Passagem-da-Maghie-
na urna venda com 200,000 rs, de fundos :
a tratar na mesma venda n 62.
Vende-se superior milho nm saceos no-
vos de algodilo com mais do 3 quartas a
2.000 rs. a sacca : na rua da Praia, arma-
zem de carne defronle da lypographia da
Voz do llrasil. de Manoel Jos Corroa Braga.
~ Vendem-se 10 lindos moloques de 19 a
18 annos ; 10 pretosde 20 a 25 anuos; um
mulalinho de 16 aiinos; 3 pardas do 18 a
20 omos, com habilidades; urna dita de
20 anuos com habilidades lendo dousi-
Ihos, um de 5 annos c o oulro do um ; 8
pretas, algumas das quaes com habilidades,
de 12 a 25 annos: na rua do Collegio, n. 3,
se dir quem vende.
Vende-se um escravo padeiro : na Boa-
Vsla, rua do Pires, n. 23.
-- Vende-se vinho do Bordeaux, superior,
em barris pequeos : na rua da Cruz, ar-
mazem n. 40.
Vende-se una molecota do 16 annos,
com principios de costura, c que engom-
ma e cozinha I na rua Direita confronte ao
oito do Livramento, n. 4.
Veivle-sc superior esper-
macetede composic.lo americana, chega-
du ltimamente na escuna Mmira; bem
como charutos producto de sement de lla-
vana o mais superiorque tem vind a este
mercado : no largo do Corpo-Santo, arma-
zem n. 6 de Jos Maria Palmeira.
Vende-se urna crioula boa cozinheira,
doceira, costureira, e tambem engomma :
na rua do Collegio, n. 6.
Vendem-se, na bja do Du-
arle, na tita do Cabug, n 1 C,
per fumarias finas esapatos de co-
ro de lustro a 2,2/|0 rs.
Na rua das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar vendem-se 10 escravos, sendo : 2 pre-
tas mocas com boas habilidades ; urna ne-
grinha recolhida de 14 annos. ecorn prin-
cipios de habilidades : urna prcta da Costa ,
de elegante figura e que he ptima qui-
tandeira ; urna dila de Angola que cozi-
nha lava de sahAo e vende na rua ; um
molecotn cozinheiro ; 3 ditos para todo o
servieoile campo.
-- Vende-se um armario, urna marqueza,
urna poreflo de saceos vasios, proprios pa-
ra familia : na rua da Lingola, n. 12.
Vendem-se cobertores de algodiio ame-
ricano a 560 IS. ; algodfio (raneado azul de
chadrez a 160 rs. o covado ; pecas de zuar-
te da India com 4 palmos de largura, de
24 covados, a 4,500 rs. : na rua do Crespo,
loja n. 10.
Vendem-se curtes de cassa pintada de
cores fixas a 2,000 rs.; camhraia pinta-
da franceza a 240 rs. o covado : na rua do
Crespo, loja n. 10.
Vendem-se bustos de gesso represen-
tando muito fielmente a rainha Victoria e
o princine Alberto; relogios de ouro e de
prata, chegados ltimamente da Suissa.
Ksles relogios que sSo muilo bem acaba-
dos se tornam muito recommendaveis a
qualquer particular, e adverle-se que ha
entro cites alguns queandam oilo dias ser..
precisarem de corda : na rua da Cruz, no
Itecife. n. 55.
Na rua da Guia, n. 36, primeiro andar,
rendem-se, em grosso ou a relilho, luva-
de pellica branca para homein e senhora ,
de muilo boa qualidade c muito bem co-
sidss ; bem como sapa tos de couro do lus-
tro o duraqun para senhora do superior
qualidade : pdem-se ver al is 8 horas da
nianhSa e das 3 da tarde ca dianto.
I tsicas novas.
No deposito nico nesla cidade de mu-
sica da imprensa do Filippone do Itio-de-
Janeiro na rua Nova, n. 11, loja de Jos
Pinto da Fonscca e Silva sucessor de Guer-
ra-Silva & Companhia acaba do chegar a
esle deposito o Brasil Musical peridico
dedicado a S. M. a Imperatriz, e outras
nimias msicas novas para canto com
acompanhamenlo de piano para piano s ,
o para flauta contando arias, cavatinas,
duelos bracarolas etc. cm italiano, ex -
trahidos dos melhores e mais modernos
autores; modinhas em portuguez, qua-
drilhas, valsas, variares, e melodas, cojo
cala logo est a vista na mesma loja o ah
se venden por preco commodo : bem como
recebem-seencommendas de qualquer m-
sica que se dt seje, e so mBnua vir imme-
diatamenle. Na mesma luja so contina a
vender melhodos o outras muitas msicas
para todos os instrumentos.
N. B Entre as modinhas portuguezas vem
o beijo, ou eaneSo a salla,
% 1
8 Vende-se superior farinba i
I de mandioca, muito nova, 3
l sem cheiro algum e por pre- -j
I co mais coinmo ?o do que cm <|
^ oulra qualquer parte : a bor- ,
do do patacho nacin l Li- m
9 maA fondeado defronte do J
NOVO MF.TIIODO PIUTICO E TIIF.OBIi.O DA
LINGA FflANCKZA,
por L'uiz Antonio Itnrgain 2 v. por 6 rs.
Acaba de apparecer no Rio-:'.e-Janeiro
esla interessnile grammalica pela qual
em muito pouco lempo e som a fastidiosa
tarefe de estudar de cor verbos c significa-
dos se aprende a fallar, tradu/ir o cscre-
vercom pereic^o a lingos franceza: ven-
de-se na praga do COmmcrcio, n. 2, pri-
meiro andar.
Umapechiiicha.
Faz-se todo o negocio at por metade, ou
menos, com diversas dividas algumas com
lettras c correndo juros tanto da praca
cmodo mallo : no Alerro-da-Boa-Vista ,
11. 10, primeiro andar.
mmmmmm*mnm msummmtm.^
i
Loteras do Rio-de-
Janeiro.
Aos 20:000,9000 rs.
'i
-
t|l, a favor da Misericoatluif
e5." do thesouro.
Meios bilhetes. n.ioo
Quartos..... 5,Goo
Uitavos.....2,800
Vige-iinos. t,3oo
Na ruado Collegio, n. 9.
caes do Collegio, ou em Ca-
sa de Machado &: Pinheiro, jj
na rua do Vigario, n. 19, ;g
U secundo andar.
l '''
Salsa- parrilha de Sanas
para remover o curar radicalmente to-
das as enfermidades que proceden) da im-
pureza dosauguo, ou habito do systema.
Ksla medicina est operando constante-
mente curas quasi derivis de molestias
que proceden) da impureza do sangue. A
infeliz victima de molestias hereditarias,
com glndulas' indiadas, ervos incolhi-
dos, e os ossos meio arruinados, ficou resta-
belecidacom toda sua saudo c furias. O
diienle escrofuloso, cobcrlo de c.liagas, cau-
sando nojo a si mesmo, e a quem o ser.ia,
ficou perfeilo. Centenares de pessoas que
tinham soffrldo ( por annos, a poni de de-
sesperen! da sua soi le ) molestias cutneas,
glndulas, rheumalisino chronico e muitas
outras enfermidades procedentes do desar-
ranjo osorgilos do secreefio o da circula-
Cfio, leem-se erguido quasi milagrosamente
do leito da morto, e hoje, com conslitucoes 1
regeneradas, com prazer ttasUm a ellica-'
ciadesla ineslimavel preparaQO
Coinqiiauto tenham apparecido grandes
curas al aqui produzidas pelo uso desta
estimavel medicina comtudo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no-
laveis.
Ncw-rork, 22 de abril de 1818 i
Sur?. A. B. e D. Sands. Julgaudo ser
um dever para con) vosco e para com o pu- I
blico cm goral rcraetto-vos este certifica-:
po das grandes viitudesda vossa salsa-par-1
nllia para que oulros que liojo est.lo sof-
frendo estabelecam nielhor a sua confian-1
Cn e facam sem demora uso da vossa medi-
cina.
Vi-me perseguido com uoia grande leri-
da no lornozelo, que se estendia pela canel-:
la cima at aojoelho, lancava grande por-j
Clo de nojenta materia, com comichees'
que rneprivavam muitas nuiles do meu des-1
canso, e eram muito penosas do supportar,
0 Sr. Diogo II. Connel, quo havia sido cu-
radocom a vossa alsa-parrilha, reconuneu-
dou-moqueeu fizesse uso della.e depois
de havor tomado cinco garrafas llquei per-
feitaiueiitc curado.
Tenho demorado um anuo manlar-vos'
este certificado, para conhecer com certe-;
za so a cura era permanente, o tenho agora
a maior satisfazlo em declarar que nilo te-
nho visto, Dem sentido cousa algiima du-
rante todo esto lempo, e acho-mo perfeita-
monle reslabelecido. Sou vnsso,0c.
.SnraA M, Mire.
240, rua Delanccy.
Nesta provincia o nico agente dcslo m-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de tirito.
Vende-se superior fio do algodilo 11-
glez para pavios do velas de ceia de carnau-
ba por preco commodo : na rua da Ca-
deia do Recife, loja de ferragens, n. 44.
Lotera do Uio-de-
Janeiro.
Aos O:O0O,OOO de ris.
Na ruado Queimado, loja de miudezas ,
n. 25, vendem-se bilhetes, meios quartos.
oilavos o vigsimos da quinta lotcria do
thesouro publico. Na mesma loja so moslra
a lisia da luteria da caridade.
Vende-se no armazem do
barateiro Silva Lopes, na porla da
Alfandeg). sevada, vinho do Por-
to i" dito de Bordeaux, o mais su-
perior que vem a este mercado,
em pipas, mcias-pipas e baiis a
vonlade dos compradores.
Rap loao Paul. Cor-
deiro,
vende-se na rua da Cadeia do Itecife, n. 53.
Vendim-se 3 portas grandes com seus
[ orines o vergas para interior de casas;
bem como 16 caixillios com #lros, por pre-
co commodo : na rua Nova, n. 63.
~ Vene-se, na rua de S.-Francisco, ca-
sa apalacnda, um alambique pequeo ; urna
canoa que carrega 7,000 rs. d'agoa ; 12"sa-
cadas de pedra do Itio-Formoso ; um ber-
codeangico, muito bonito; um paiol de
amarello que leva cem alqueires de (arl-
aba ludo por proco commodo.
'mtUrw-WKm wwm-at *; **
Vende-so um bol de carro muito man-
so e lilho do pasto o qual o nico deleito
que tem he nSo estar muilo gordo e por
isso so vende mais em conla : na Soledade,
no sobrado dentro do silio do Sr. Ilerco-
lano. No mesmo sobrado so compra um ou
dousquartos capazes do fazerem urna via-
gem do 12 dias preferindo-so capados.
Vende-se um cabriole! ingle/., muilo
forte, em ptimo estado e piulado de novo:
na cocheira do Sr. Mounier, no Aterro-dn-
Boa-Vist.
Na loja do Duarle, na na
do ( abiig;i, 11. 1 C, vendem-se
oleados para mesa de ricas pitu-
ras, pannos de Irla de 4,5oo a
5,ooo rs. galoes ecilre-fno-, es-
pigtiilbas, volantes e trinas.
Na nm estivita do llozario n. 43, se-
gundo andar vende-se um escravo perito
oflclal de sapateiro e que he bem moco :
o motivo por que se vende se dir ao com
piador.
f V.-ndc so, por menos da melado de 4
4 seu va'or, um carro de 4 rodas para 4
? dous cavallos com dous MMDtoa #
. d> ntio ecorn seus compatentes ar- ?
'4 reios : lambem d-se n prazo com ,
$>, firmas a coiitonlo : no paleo do Car- (*>
mo, n. 18. *
Vendem-se burras de ferro de varios
lmannos: amada Cruz, n. 10, casa do
Kalkamann Irmloi.
Vende-se urna negrinha do 10 annos,
de muito bonita figura sem vicios nem
achaques, a qual cnegou ha piucos dias
dosertfloi na esquina que volt* para S.-Francisco.
Vendcm-se24 covados do estamenha .
fazenda para lorceiro franciscano a 1,400
rs o covado; 2 venezianas para portas do
varandas ; urna cadoirinhi de rebuco: no
paleo do Carmo, esquina da rua do Hortas,
n.2.
No deposito de charutos da LingoiHa ,
n. 14, ha um soitimento de charutos, como
sejam : regala regalos de llavnna ilepu-
tados, melindres e outras muitas qualida-
des.
Lotera do Rio de-
Janeiro.
Aos 20:000,000 de ris.
Vendem-se bilhetes, meios, quartos, oi-
lavos e vigsimos da .">.' lotera do thesou-
ro publico: na praca di Independencia
loja do fazenda n. 1, pintada de amarello.
Vende-se
cobre para forro de
navios:
no armazem de J. V. da Silva Barroca na
rua da Madre-de-Deos, n. 24.
Vendem-se crt" s de fusloes de co-
res a 100e 640rs. ; cortes de brim tran-
cado braneo de puro hubo, a 1,600 rs. ;
merino verde escuro com toque de mofo e
com fi palmos de largura a 560 rs. o cova-
do ; brim pardo de linho a 160 rs. o cova-
do : na rua do Crespo, loja n. 10
Vende-se azeile de carrepalo a 2,000
rs. a canada e a 280 rs. a garrafa : no pateo
do Carmo, vendn nova n. 2.
Vendem-se tainhas das Alagoas mui-
to frescaes 1 no caes da Alfandega, arma-
zem n. 5, de Antonio Anuos.
Agencia de Edwin Maw.
Na rua de Apollo armazem n. 6, deM. Cal-
mont: Companhia, acha-se constantemente
um grande sortimento de ferragens inglezas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como taixas de ferro coado e balido de dif-
ferentes tamanhos e modelos, moeodas
de dito, lano para armar em madeira como
(odas de ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vapor de frca de 4 cavallos, alta
pressuo, reparlideiras, espumaderas, etc.
de ferro eslanhado. Na mesma ageucia acha-
se um sortimento de pesos para bataneas ,
escovins paia navios, ferro em barra, tanto
quadrado como redondo, safra para i'errei-
ro e urna porclo de tinta verde em latas:
ludo por barato prego.
Na loja de Maia Bamos & C. vende-
se pelo diminuto preco de 500 rs. um dos
mais bellos romances que tem por titulo
A roseira traduzido do francez por urna
senhora portugueza. Ilecommenda-se mui -
lo a leilura desta obra, principalmente aos
pais de familia; para que, dando-a a lera
seus filhos,, couhecam a grande ulilidado
que se tira em derramar por entre a mon-
da le licOes de tanta moralidad como as
que se contem em dito romance. Quem
pretender os ditos livros, dirija-se a rua No-
va, n 6, na indicada loja cima.
J MUTILADO


Vendem-se relogios 'de ouro e prata,
plenles inglczcs : na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Cortes de brim de puro
linho, a 1/280.
Yemlem-se cortes de l)rm (raneado
pardo de pu'o linho, pelo diminuto prego
d quatro patacas: na ra do Crespo, loja
da esquina que volta para a eadeia.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de arrobas,
c'iognda neste mez pelo brigue Maria-Jot :
a tratar na ra do Bru'r, armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na ra do
Vicario, n. 19.
Cha brasileiro.
Vende-se eb brasileiro no armazem de
moldados, airas do Corpo-Sanlo, n. 60, o
mais excellonte cha produzido em S.-Pau-
lo, quu tem vindo a esto mercado por
preco milito commodo.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RUA D\ SKNZAIXA'-KOVA, K. l[1.
Neste estabelecimento conti-
na a ha ver 11 m completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
coado, de todos os taannos,
para dito.
4cs fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-Sanln, n. 66, ha para vender, ebegados
pelo ultimo vapor vindo do sut, superio-
res charutos S.-Flix, e de mitras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que em outra qualquer parte : bem como
ciparrilhos hespanhes ditos de palha de
milho, que se estSo vendeudo pelo diminu-
to preco de 500 rs. o cento.
-- Vendem-seamarras de ferro: na ra
da Senzalla-Nov, n. 42.
A (40 rs. cada un.
Vcndem-sc cobertores de algodlo ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de hons padrOes e co-
res seguras, a meia palaca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
lu pura a eadeia.
Tai vas para engenho.
Na fundicilo de ferro da roa do Rrum,
acaba-so de reeeber um completo sortimen-
tode taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acliam-se a venda por prego com-
modo e com prornptidSo emharcam-se,
ou earreenm-seem carros sem dospezas ao
comprador.
Chales de Roberto do
Diaho.
Na loja definimarfles & llenriques ra,
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a ra
do Collegio vendem-se os novos chales
crandes intitulado! Roberto do Diabo pe-
lo baiiitn preco de 1,600 rs. cada um : esta
fazenda se torna muito recuninieiidavel
porser do padres novos, o de lindas
franjas.
Vcndc-sc oleo de recio superior em
latas de .10 libras : na ra da Cruz, n. 3.
Vende-se farioba de mandioca muito
superior, a bordo do patacho Yutenie, viu-
do Collegio : a tratar com o capito a bordo,
ou com INuvaes & Companhia, na ra do
Trapicho, n. 34.
Agoa de pcrola.
Fsse celebre e innocente cc/'melico para
tirar sardas e rugas, e em hellezor o roslo ,
l'oi por muito lempo s condecido de poucas
pessons nos Fstai'oi-iinidos porm sua
grande ulilidade tornou-a o cosmtico mais
popular que se usava nos loileles moder-
nos: vende-sena roa do Trapiche, n. 34,
segundo andar a 2,000 rs. cada garrafa.
Deposito de Potasift.
Vende se muito nova potasss}
de boa qualidade, em barriszinho.v
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende : no Recife,
ruada Cadeia, armazem n. i>.
Pasta de flor de lyrio.
leo melbor artigo que se condece para
liinpar e embranquecer os denles, fortilicsr
as gengivas e conservar a Locca sempre
lulipa e as gengivas purificadas do trta-
ro : vende-se na ra do Trapiche, n. 34, se-
gundo andar, a 2,000 rs. caa boiSo.
Cadeiras de palhinha e
de balanco,
bem com outros muitostrastes: vendem-se
em casa de Kalkmanu lrmSos, na ra da
Cruz, n. 10.
Rap rolo francez.
Vende-seo superior rap roblo francez,
nicamente as lojas dos.Srs. Caetano Luiz
Ferrcira no Aterro-da-lloa-Visla n. 46 ;
Thomaz deMatlos K'stima na mesma ra,
ii.5; Francisco Joaquim Duarte, ruado
Cabug ; Pinto & Irmfio, na la da Cadeia
do Iteeife, n. 19.
Vende-se urna linda escrava engomma-
deira coslurelra ,eque be de ezcellcnte
conducta : o motivo por que se vende se
dir ao comprador : na ra da Cruz n. 35 ,
sobrado.
O O
;.', Um piano. <)
O Vende-se um piano muito bom para vJ
esludo, bonito e deezcellcule autor: 9
l> na ra do Collegio, n. 9. <3
0 O
Para calcas e jaque tas.
Ka na do (jueimado,
loja n. H ,
vende-se brim (militar) trancado branco,
a t.iJ rs. o corte; dito dito escuro a
1,280 rs. o corte ; dito cor de ganga, mili-
to lino, a 1,500 rs. ; dito liso escuro, bom
proprio parajaqueta, a 800 rs, o corte: sen-
do lodos de puro linho : cortes de castor
da l -iims e quadros a 800 rs. o corte.
Na loja da ra do Crespo, n (3,
ao p do lampcao, vendem-se as
seguintes fazendas por metade de
seu valor:
cortes de brim escuro, a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,440, 1,500 o 1,600 rs. ; dito
branco, a 1,500 rs. ; dito lislrado a 1,500
rs. ; piclo muito encorpado, a 180 rs. ;
chitas finas e de cores (lxas, a 160 e 180 rs.;
cobertores de algodflo americano, os me-
ntores que ha no mercado, a 640 rs.; mu-
dapolito muito lino o com pouco mofo a
.1,600 rs. a peca, e 200 rs. a vara ; chapeos
do massa i 400, 640 o 1,600 rs. ; fustn ,
a 480 rs. o covado ; dilo muito fino e de
cores lixas, a 640 rs.
-- Nos armazens de Francisco Dias Fer-
reira o no de Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo, ha para vender o mais superior vinho do
Porto que tem vindo a este mercado, em
barris de 4", 5o, 7* e 8: os apreciadores p-
dem sortir-se porque poucas vezes c vem
fazenda igual.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias que foram de
familia em p e bem acondicionadas :
na ra do Amorim n. 35, casa ele J. J.
Tasso Jnior.
Ha rua do Crespo, n. 5.
loja que faz esquina para a rua do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drOes muilo modernos pelo barato piec.o
do 280 rs. cada covado.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Santos.
Na rua da Cadeia, n. 15*2.
vendem-se por atacado tres qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa do
escravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da fabrica de
fodos-os-Santos na liahia
Vende-se em casa de PC O, llieber & C.
t rua da Cruz, n. 4, algodo trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de assucar e roupa de escravos.
Charutos de Ilavana
verdadeiros: em casa do Kalkmann Ir-
anios na rua da Cruz n. 10.
Vende-se cera de carnauba,
de muito boa qualidade, em pe-
qiirnas e grandes porrOes e or
preco commodo : na rua da
h. 24,
4?
Cruz,
6,10
Castor i ni francez, a
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encorpados, padrOes no-
vos oscuros c com lislras pela boira, pelo
barato preco de 560 rs. o covade.
Pannos finos prctocaznl,
a 5,000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo, n 5, de Cuima-
rSes & llenriques vendem-se pannos tre-
lo e azul, finos, pelo batato preeo de 3,000
rs. cada covado c alcm desles lia um com-
pleto sortinienlo do todas as cores e pre-
sos commodos.
Madapoles tinos a
3,600 js. a peca.
Vendem-se madapoles finos, com 24 jar-
das cun um pequeo loque de mofo pe-
lo prego do 3,600 rs. a peca : na rua do Cres-
po loja da esquina que volta para a ca-
deia.
Na loja do Estima & Ramos, no Aterro-
da-ltoa-Visla, vende-se um par de adrago-
nas muito rices para ca;>itno ; bem como
um habito esmaltado de Christo.
Anligo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muilAsuperior cal virgem de Lis-
boa, por preco muito commodo.
Vende-se tuna escrava moca, engoin-
madeira ecosluroira de cortar e fazer ca-
misa de homem e vestido de senhora com
um filho de 3annos ; 2 escravos, sondo um
dclles do 90 annos e que he ptimo para
o strvico de campo ; um moleque de lan-
nos bom para pageni bom copeiro e que
lambem coziuha : na rua do Collegio, n.
21, primeiro andar, se dir quem vende.
Agoa de niel.
Este remedio he para promover belleza
e vigor do cabello, removendo a caspa e
conservando aquello macio o lustro da pcl-
le e cabello que s pode aer adquerido
tcnilo-sea pello fresca e os poros pelas rai-
zeg do cabelle sempre abortos, e sua accilo
salutar nada conten que possa prejudicar
0 cabello : vende-so na rua do Trapiche ,
n. 31, segn'o andar, a 1,000 ra. cada
garrafa envolta no scu competcnlo recci-
luario.
Superior la 1 inh de
mandioca.
Chegou do S -Catharina o briguc S.-'Ma-
nael-Augusto com um carregamento do fa-
iiiIi-i su| crior acha-sc tundeado defronle
do caes do llamos-, c all fe vende qualquer
1 orrfin u preco commodo : tanibem se p le
tratar na 1 rara do Commcrcio, n. 6, pri-
meiro andar.
Cal virgem.
Na rua da Cadeia do Iteeife, n. 50, escrip-
toriode Cumia & Amorim, vcude-se rn,
virgem de Lisboa de superior qualidrde I
por preeo mais barato do que em outra
qealqucr parte.
N. 9'..
Vende-se, no armazem do Vicente F. da j
rior e bem conhecida graxa 97, em barricas
do 13 duzias.
A l, Na rua do Crespo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Dias,
vendem-se cortes de superior brim escuro
do puro linho, a 1,280 rs., dito cor de gan-
ga de superior qualidade a 1,440 rs. o cor-
le ; lustrim preto adamascado, muito lindo
para luto a 240 rs. o covado ; superiores
chitas encarnadas muito finas e de cores li-
xas, a 180 rs. o cov8do e outras mullas
fazendas por preco commodo.
O
Vendem-so osobjectos seguintosque Q
0 ficaram do leilio quo fez o Burgos s por nSohavor .nais lempo, deseer- Q
^j feituar : 1 carro de 4 rodas, com ar- j^
*s reios ; urna cadeirinha de arruar; 1 ^
fs aparador ; urna carteira para escrip- g.
: torio ; una porr.no de ferros do fazer ^
5; flores ; aldrabas para postigos ; 2 ri- g
S* quissimas colchas ; um guarda ves- ?
% lidoc j urna mesinha de mogno de
fe; molas ; um lindo aderego para se- O
nhora ; um relogio de ouro palente O
O inglez com corrento; 2 escravos ; 2 O
& casas terreas na travessa do I'eixoto, 0
ns. 19 e 36: no paleo do Carino, n. 0
O 18, segundo andar. Q
& O
I o lia de Fia nd res.
Vendem-se caixas com folha do Flandrcs:
na rua do Amorim, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnior.
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica p8ra
homem e senhora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par : na rua doQueimado, n. 17.
U.lo-se as amostras.
Luvas de pellica, a 1,000
rs, o par.
Vendem-se luvas de pellica, a 1,000 rs. o
par para senhora muito novas e de su-
perior qualidade : na rua do Queimado n.
16, loja de Jos DiasSimOes & C.
Yendem-se superiores co-
deados de lettros : em casa de Geo:
Kennwortby Se Companhia, rua
da Cruz, n. a.
Madapoles muito finos e
lardos.
Vendem-se pecas de madapolfles com 20
varas, multo largos e finos, proprios para
camisas de homens e seuhoras, a 4,000,
4,500,5,000,5,200 e 5,500; ditos para for-
ro de vestidos, a 3,000 rs. e a 160 rs. a re-
talho ; luvas de pellica para mlos peque-
as, a 500 rs. ; lencos de toqui ni rom fran-
jas para meninas, a 640 rs.; chitas muito
linas, bonitas estampas, a 320 rs. o cova-
do : na rua do Passeio, loja n. 17.
Ven arts, na rua do Cahug, n i C,
boldcs do nuil iiilia-, ditos de Pedro
II finos e ordinarios: ditos de
quadrados custa a mdica quanlia do
mil rs.
Vendem-se relogios ngle-
zes com corda para oito das, pro-
prina para sal5es -ou escriptorios,
e relogios inglezes de patente para
algibeira : na rua da Cruz, n. a,
casa de Geo: Rcnnworthy& Com-
panhia.
No pateo da matriz de S.-Antonio sobra-
do n. *, se dir quem vende
8 escravos a saber : um preto muiU) bom
offlcil de tanoeiro ; um moleque de 14 an-
annos ; 4 ditos de 18 a 20 annos ; 2 pretas
com habilidades, sendo urna dcllas da Cos-
ta e de elegante figura : todos estes escra-
vos se veiulein por prego oommodo.
- Vendem-se, na rua do Cabug, loja do
240 rs. a libra; feij3o mulatinbo novo
2t0rs. acuia: no pateo do Carato y venda
Lotera do Itio-dc*1a-
neiro.
Na loja de chapeos, n. 9, junio ao arco ia
Santo-Antonio, veudem-se meios biihetes
quartos, oitavos e vigsimo* da loteri .'
beneficio da Santa-Casa-da-Misericordit.
Vendem-se silhSes e sel*
lins elsticos inglezes, e cahecadii
com pciloral : em casa de Geo;
Kennworthy &.Companhia,'rua
da Cruz, n. a.
-- Vqndeij-se H lindos moleques de ni-
cSoecrioulos, deHa 20annos; 10 pretoj
deSOa 30 anuos, sendo doui urna bonil
a 20 annos; um dilo de 82 annos, da bonil
figura, de boa condorta e bom para criado
por ter algttm principio de boliairo; tres
pretas com babilidadea, aendo maperfei-
tacozinheira; tres ditas para todooservico-
duas negrinhas de 10 a 18 annos com prin-
cipio de costara ; una preta de meia idade
por prer;o commodo; duas mulatinnis de
16 a 20 annos, que cozem e engommam, ij.
sim como outros muitos escravos : ni rut
da Cadeia do IJecife, n. 40.
Vendem-se eslampas ricas, da nao por-
lugueza Vaico-da-Gama, no seu naufrigio
no porto do Hio-de-Janeiro, onae eclrou
ib-sai vorada a reboque do vapor Afunu ,
pelo commodo prego de 2.500 rs. cada os.
lampa : na rua do Trapiche, o. 34, segujulo
andar.
guarda nacional, cavallaria e vo-
luntarios ; dilos para primeira li-
nba, amarellos c pelos ; ditos pa-
ra casaca, de diversas qualidades ;
ditos de madreperola para pali-
tos ; ditos d'acode diversas cores ;
dilos de lodns as cores para enfei-
les de vestidos de senhor. ; e go-
las de cambraia.
Novo inadapol&b pate te
com mais de 40 jardas
cada peca
e com largura quaai de urna vara fazenda
a mais fina que se pude imaginar, por isso
ptima para ludo pelo diminuto prego de
9,000 rs. a pega : bem como todo o sorll-
mento de rzendas finas e grossas : no no-
vo armazem de fazendas de Itaymundo Car-
los l.eile, na rua do Queimado, n. 27.
iy: |NgHJ yl^tt^f^ tftyy v'WV^'f O

Vendem-se corles de calcas do brim
^ trancado de linho de muilo bonitos
i? padrOes a 1,500rs. cada corle: m
rua do Queimado, loja do sobrado jS
.........I L. t, Oft
>^. amarcllo, n. 29.
6MftAAAMAAAAAAAAO
Na rua do Crbug, loja do
Duarte, n. i C, vendrm-se cmi-i
vetes de urna a quatro ulhas ; fa-
cas e garfos; tesouras fabricadas
ni GuimnrScs, proprias para bar-
beiros ealfaiates ; ditas para cor-
lar papel ; dit-s em carleira para
unbas, as mellioresque aqui teem
apparecido ; appirelbos de collie-
rcsdemelal do principe; afi.ido-
res ; navlhas: saco-rolhas de pa-
tente ; lamparinas inglezas ; cam-
panhias de nova invencao ; c ma-
cbinas proprias para alfaiatcs
Pos galvnicos para
p ratear.
Na rua do Collegio, loja a. 9,
Todas as pessoas que possuem objeclos
prateados ,eque lenbam perdido a cOrar-
genlea, estando por isso indecentes, ou inu-
lilisados, teem uestes pos um excellentc
restaurador e conservador dos meamos
objeclos sempre como novos sendo o pro-
cesso para so'sar delles o mais simples ,
nada mais do que esTregar com um panno
de linho moldado em agoa fra e passado
nos iiiesiiios pos.
Urna caixinba contendo quentidade suf-
pnas para meninos
Ao barateiro.
No l'asseio-Publico. loja n. 11, vendem-
se ricos cortes de cassa-chitas a 2,400 "S.;
panno azul, a 8,200 r. p covado ; setim
preto superior, a 4,000 rs. ; cassa-chita
denominada imperalriz. a 320 rs. o cova-
do ; ditas mais ordinarias, a 240 rs.; e mi-
tras muitas tazendas por preco commodo.
-- Vende-se urna mobilia de Jacaranda
en bom estado, e mais objeclos proprios
de sala : na pitea da Independencia loja
de*iinilciro n. 27, se dir qem vende,
das 7 as 9 horas da manhaa e das 3 da lar-
de em dianle.
Vende-se urna armacSo do venda e
mais pertences na rua Direita n. 53 lu-
gar eate muilo bom para vender, Unto pa-
ra Ierra como para o mallo : a tratar com
Antonio Francisco Martins de Miranda na
rua da Praia-de-S.-ftita |D. 1.
Lotera do Rio-de-Ja-
neiro.
Aos -20:000,000 de ris.
He chegada a lisia da decima primeira
lotera a Beneficio das casas de caridade, e
com ella grande sortimento de biihetes,
meios, quartos, oitavos o vigsimos: a elles
antes que se acabem, pois sflo muito afor-
tunados : na rua da Cadeia do Recife loja de
ferragens, n. 56.
A 4#000 o corte de novas
alcinas de seda
com lindos padres de lisias e quadros, co-
res modernas, clarase escuras at pretas ;
gangas amarellas da India, proprias para
todo o trage de homem e de meninos ; bem
como um novo sortimento de fazendas fi-
nas e grossas por baralissimo preco: no ar-
mazem de Itaymundo Carlos Leile,. na rua
do Queimado, n. 27.
Vendem-se os apreciaveis
charutos de Ilavana ; ditos regalia
de superior qualidade, ebegados
recentemnte ; assim como pti-
ma manteiga em vidros : ludo por
preco commodo : na rua da Cruz,
n. fu, armazem de J. O, Elster.
Calcado.
Vendem-se sapatos de couro de lustro pa-
ra senhora a 2,560 rs.; dilos de cordoviio
e marroquim, a 1,600 rs.; sapatos de ta-
pete para homem, a 1,600 rs.; ditos para
senhora, a 1,440 rs.; sapatosde couro de
lustro para homem, a 4,000 e 8,000 rs.|;
lior/.egiiins de di.raque com pona de lus-
tro, a 4,000 rs.; dilos para senhora, a 5,000
rs.; sapatos de duraque de Lisboa a 1,120
rs.; ditos francezes a 1,800 rs.; ditos de
setim, a 2,000 rs.; borzeguins para meni-
nos, a 1,280 rs. ; chiquitos com clcheles ,
a 320 e 6)0 rs. ; ditos de Ifla e seda, a 1,440
rs.; ditos de 15a ,a'480 rs. ; meias de seda
para criaiiQiis, a 1,500 is. ; chapeos france-
zes para homem, a 7,000 rs.; pellcs de
couio de lustro fiancez; dilo hamburgus
de boa qualidade ; marroquim sortido ;
bengalas de diffeicntes goslos ; perfuma-
rlas, ele.: na praca da Independencia ns.
13 c 15, lija do Arantes.
^
fe Na rua do Crespo, loja da
esquina que volla para a
Cadeia, vendem-se S
os acreditados brins brancos de lis-
tras, lisos e amarellos, a 1,5(10 rs. o ?
corte ; dilo muito superior, a 1/00 9
rs. lodos de puro linho ; panno fino
preto e azul, a 3,200 rs. o covado;
dito muilo superior, a 5,500 rs ; fus- 9,
lOns muilo bonitos a 640 rs. o cor- 9
i te dilos de velludo muito ricos a 9
9 2,500 rs. ; pecas de cambraia de qua-
9 dros de 8 vinas e meia, a 2,720 rs. a 9
i pee.a ; cassas pretas muito bonitas
ta 1,410 rs. o corte ; madapolSo enfes-
tado muito fino, a 5,400 rs. a peca ; 4
cortes de calcas de selinela do cor, 9
fe a 880 rs. ; ditos de castor, a 1,000 9
fe rs. ; rhila azul para escravos, a 140 9
fe rs. o covado; picote muito cncorpa- f#
do, a 180 rs.; platilhas Je linho, a 500 9
B rs. a vara ; esguulo de linho muilo fi-
fe no c com 4 palmos e meio de largu- |)
ra a 1,440 rs. a vara ; corles do '4
i< brim do algodfto, a 800 rs. ; o oti- C4
) tras muitas fazendas por preeo com- j
( molo. f
i
Luvas pretas de pellica
a 1^000 o par.
Vendem-se luvas pretas de pellica pan
senhora de muito boa qualidade : na rui do
Queimado, n. 16, loja de Jos ubr; SimOei
& Companhia.
Vende-se panno de algod
da trra de superioc qualidade e
bem largo a aao rs. a vara : nos
quatro cantos da rua do Queima-
do, n. ao.
Vendem-se cortes de cassa francezi,
padrOes escuros, a 2,000 rs.; ditos de ranv
brain com listrasde cores e muilo largas,
a 3,500 rs.: na rua do Crespo, loja n. 11
Yende-se superior fio de
algodao para torcidas de velas
em casa ie Geo: Kennworthy k
Companhia, rua da Cruz, n. 3,
Vendem-se meias para meninas, .a 120,
160 e 2tM. rs., em bom estado : na rua di
Cadeia do Recife, n. 15.
Antes da descoberta dos oculos esta.
ram os velhos ealguns mocos que tintian
a vista cansada, ou curia sentenciados a ser
objeclo de riso na sociedade ja pelas con
linuadas canilladas ou quedas que davsra
quando catninbavaiii, j pelas asneirai, que
dizi.-.m q uando liam ,elc.f; boje limo Uto
desappareceu nSo por efleitos mediciones
que nada descobriram a respeilo, mas sin
pelo uso dos oculos apropriados ao croo di
vista do paciente : quem delles precisir,
dirija-se rua larga do Itozario, loja ue
miudezas, n. 35.
demente de coentro.
Vendem-se sementes do coentro, muito
novas, por preco commodo : na rua Direita,
venda n. 76.
SCTSVOS FllglOft
t
fe
i
Fugio, no dia 24 do correle^ dosilio
da passagem dos Arrombados o preto Jo-
s, de nacSo Mozambique, do 40 annos, al-
io, secco, quebrado do emhigo cara tris-
tn ha o fingida ; tem cicatrizes no assento,
com duas aigolasde ferro nos ps que m
calcas encobrem; levou a roupa em um
sacco. Este preto pertcnceu a Domingos Jo-
s Cordeiro e deste passou ao l>r. Francis-
co de Borges Ruarque, o primeiro mora-
dor em Una no engenho Arass, e o segun-
do em Porto-Calvo. Itoga-se as autorida-
des policiaes c capitQes de campo que o ap-
prohendam e levem-no ao dito sitio, ou
nesta pra^a na esquina do becco do Pei-
xc-Frilo que sero recompensados: bem
como se protesta contra quem o tiver oc-
culio em sua casa.
Fugiram, ao|amanhecer do dial! do
correle do engenho s.-Paulo freguezii
delpojuca, os escravos seguintes : fran-
cisco e Til uriino, ten Jo o prlmeiio 16a 18
annos, de estatura regular, pernas gros-
sas cralguma cousa amarella : o segun-
do de 20 a 25 annos ; he baizo carpo or-
dinario um pouco fula da cor ; tem uoi
ferida na pe na esquerda e uus taluos D*
ca beca ; abrindo as mlos deiza de abrir um
dedo por te-lo duro : levaram roupa de al-
godlo da trra, um chapeo de palha di
Italia j velho ; conduzirsm um carallo
alazSo pequeo de frente abcrla os qua-
tro ps calcados, e com manchas; foram en-
contrados peno dcsta cidade, montado
no mesmocavallo, dizendoum que ia re-
ccilar o outro. l'oga>se as autoridades po-
liciaes capil:1es decampo, on outra qual-
quer pessoa que os apprehendam e levem-
os ao Sr. Jos Th odoro de Sena mora-
dor na rua Nova aoida matriz deS.-A"-
Ionio, ouao dilo engenho, que serflo gn-
lilicados.
Fugio, hn um anno e nove lieres, "
^^!^^^^^
Na loja do Duarte, na rua
do Cabug, n. I C, vendem-se re-
quififes de cores ; frai.jas pro-
prias pera maniteles de cores ;
lencos de seda e algodao para gr-
vala e -tlgibera ; boleas de mican-
ga, proprias para maos ; manti- pridoedesdentado no lado superior; lc-
Costa, na rua da Madre-de-Deos, a supe-lficienle para pratcar mais de 40 palmos
nbasdeseda a 8oo rs. fticas de
lan pfa senhora e meninas ; e la
pata bordar de seda, de todos as
cies.
Vende-se mullo bom doce de ginja de
Lisboa, a240rs. a libra; superior farinha
de aramia, multo nova,alva e limpa a Pium. : typ. h ai be fama
gagueja quandu falla cousa muilo pouco,
cabellos crespos ; tem principios de sap-
teiro : de 28 annos pouco mais ou meno
quem o pegar leve-o ao engenho Carina-
vieira na comarca de Nazaietli, que sea
gratilicado.
- Fugio, no ,dia 8 do corrrnte o prJo
Feliciano de 18aunes, de estatura rrgu-,
lar, secco do corpo, leo o queizo coi
l'i
M
vou camisa de riscado azul o outra de nu-
da uolilo chapeo de palba prelo calcas '
riscado e outras azues. Itoga-se as autorh
dades policiaes e capules de campo que o .
apprehendam e levem-no ao engenho Can-
navieira, comarca de Nazarelh que serao
recompensados.
_181


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E511TT4EA_9ZQ6MS INGEST_TIME 2013-04-24T17:08:33Z PACKAGE AA00011611_06643
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES