Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06639


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno XXV.
Tor PAtlTIDAS X>OS COBnElOS.
Ooianpa eParahiba,segundas escxlai-feiras.
jim-Graudo-do-Norte,quintas-felrasao uiclo-
CaOo.Scrlnhacm, Rio-Fonnoso, Porto-Calvo
Macelo, no I.9, a II c 21 de cada mei.
Caranhuns e Bonito,' a 8 r il.
Boa-Vlila Flores, a 13 e 28.
Victoria, as quintas-reirs,
linda, todos os dias.
EPHEMinlDEJ.
1'mscs d* w.' Chela a 1, s h. e5S nula t.
Ming. a 9, s \ h. e.'Ki in.da t.
Nova a 16, 1h.c42in.da t.
Creac.a24,s 'Jh.e 4m.dam.
rBIiVAB DE HOJE.
Prlmeiraa liorac (i iiiiiiutos da inanh.
Secunda a (i liorac 30 minuto da tarde.
deSetembro N. ^07.
vaEqos DA iubscripcao.
Por tres mezes (ndianlados) 4/000
Por seis metes 8>UO0
Por mu anuo 15/000
DAS DA BBMAlfA.
17 Seg. S.Pedro de Arbucs. Aud. doJ. dos orf. e
do m.da i. v.
18 Tere. S. Jos de Copcrtino. Aud. da chae., do
da I. J. v. do c-iv. e do dos fellos da fazenda.
19 Quart. S. Januario. Aud. do J. da 2. v. do civ.
20 gulnt. S. Eustaquio. Aud, do J. dos orf. C do ni.
da 1. v.
21 Sxt. S. Mallieus.
22 Sab. S. Mauricio. Aud. da Chae, c do J. da 2.
v. do crlme.
23 D.nu. Nossa Senhora das Dores.
..nau6'.iU
CAMBI03 EM 19 DE SETEMBaO.
Sobre landres. 2(5 d. por 1/000 rs. a G0 dias.
. Parla, 370.
Lisboa, 110 por eento.
(taro.Oncas liespanlioes......... 31/000 a .'I/T-OO
Mocdasdc(>400ve|has.. 17/tOli a 17jTniO
de GMoG novas .. 10/500 a IbTOO
de 4/000........... 0/400 a 9i"<
Prala.PaiarOei brasileiros...... I/!" a 2/0(lii
Pesos columnarlos....... l/tthli a 2^Miu
Ditos mexicanos.......... 1/ no'Ja l/J?
EXTERIOR.
NEGOCIOS DE ROMA.
Ber que o nosso correspondente de Pars em
uiDii das cartas /pie ulliniamcnte publicamos
tenha referido alguos dos factos que precede-
rftin entrada das tropas francezas na cidade
eterna; todava, para melhor coiiheclmcnlo
dos leilores, vamos xpor mais circumstancia-
dinrnte este aconteclmento.
No dia 19 de jiinho una batera de 40 pecas
em distancia de 60 jardas comecnu a bater os
muros de Roma junto da porta de S.-fancru-
lio mas em consequencla da.rigidez dos mis-
inos, em cuja conilrucfo se tinlia empregado
nina grande porcao de poztolana, {cimento ro-
mano) foi lmenle na larde do.dla 21 que tres
brechas fram declaradas praticaveis.
O general Oudlnot resolveu dar o assalto na
noile daqurlle uiesmodia, c para facilitar esta
operafSo mandou faier duas diversdes ao inrs-
iiKi lempo as duas extremidades da llnlia ; a
primeira por mu batalho, IIm esquadro de
cavallaria, e quatro pecas de anilharia entre
a porta de S.-I'uulo e a porta de S.-b'oeanni,
e a segunda por tres batalhdea na porta del Po-
na di rece o da villa llorghrie.
trabalhando por fortificarem-se, e procuran-
do dirigir contra ns as nossas proprias de-
fesai.
Ao prlineiro slgnal de alarma, ao grito de
i O Inimigo est dentro, o povo, sem atten-
tar por si, nem no numero driles, correu ao
lugar do perigo. O sino do capitolio tocou es-
trondosa c pesadamente. A cidade levantou-
se em masa, c os homens voaram todos, cada
mu para o poito que Me tinha sido asiignado
Romanos!Na eseurido da noile, e por
mel de urna trahieao foi que o Inimigo poz o
p na brecha Levanta-te.d Roma Levantai-
vos povo, com todo o vosso poder Destru
o inimigo ; cntupi a brecha com os seus cada-
veres Acabai com esses amaldicoados de Dos
que ousam tocar os muros sagrados de Roma,
Entretanto que Oudinot recorrea este acto
Infame, a Franca se ergue. e retira sua* tro-
Ess desta obra de Invasn. Fazel mais un es-
irco, llomanos. e a patria seriaalra pira
seniprc Roma,por sua constancia, regenera-
r toda a l.uropa.
Em o noine de voisoi pas, em o nome de
vossas futuras esperanzas, lev*ntai-voi e dal
bntalhai Lcvanlal-vos e vencel! Dirig una
supplica ao Dens dos fortes, un pensamenlo a
vnssos Irmiios fleis, e lancai ino de vossas es-
pingardas! Cada boinein torne-te um hroe.
. .Seriara 10 horas quando tre columnas de le da decidir a sorle de Roma c da repu-
iiique, cada urna composla de 300 fuzileiros, blica.
flanqueados por 100 cacadorc, e seguidos por
urna divilao de 30 ssppadores e minciros, su-
liirain o muro arruinado no nielo do mais pro-
fundo silencio, sem que os Runanos as perce-
besseni. Foi smentc quando os FrancezesJ
e acnavam lirmemente estabelecldos, que os
llomanos, os quaes uo conlavam potu uin as-
sallo naquille lugar, deram le dellei, e cor-
rendo ao cuine da iirrcha e aos parapeitos dos
lados descarregaram sobre O inimigo varias
descargas de mosquetaria; mas, sem embargo
deste fugo, a columna de ataque apossou-sc
logo plenamente do terreno em que tinbam
sido feitas as brechas nos bailiOes ni. 6e7,c no
muro que os une. t
Pelas 11 hnrai, quando ja os granadelros,
levaudo tudo pona efe bayoneta, tinhaiu ga
libo a posico, 300 liomeus com os instrumen-
tos convenientes le pozeram a trabalhar e em
mu breve tempo conseguiram fechar a bocea
dos bastides; sendo que pelas 2 horas da ma-
drugada do da 22 quatro pecas de artilharla
acliavam-se j. arrestadas, e em estado de res-
ponder aofogodos Romanos..
O general Oudinot dlstiibuio enlao a seguin-
tc o ,l(in do dia :
Soldados Tocamos quasi ao fun de urna
eainpanba na qual a vossa bravura, disciplina
e peneveranca teem ganho urna gloria lia-
morlal.
Depols de varios cmbales e brilhantes
victorias, der'ibaslcs emplleos dias astiiu-
, chei,as de Roma, llrevenieutc entrareis como
' seuhores na cidade ; re'speitarcis o poro,
propriedade e os monumentos.
Encarregado de reslabelecer a ordem c a
liberdade nos estados pontificios, o corpo ex-
pedicionario do Mediterrneo nao deixar de
cumprlr sua alta nissao. r lleoccupar, obran-
do assim, una nobre pagina na historia de un
povo que tem lanos direitos nossa prolec-
cao c sympatliia.
Oudinot 0c Rtggio,
y liar le-general, 22 de jiinho.
Entretanto os documciilos seguintcs mos-
iram que a oceupecodas brechas foi allrlbui-
da ini Roma traicao do omcial que coiiiinan-
dava aquello ponto.
. RDF.M DO DIA.
Soldados!.Em a noile do dia 21 do cor-
rente mu punhado de inlmigos penelrou em
mu circulo estrello de nossas muralhas, c all
toinou pusico. Este faci dcploravei nao
deve ser allribuido nem ao valor do iiiiinlga
ncmcovai'dia de nossas tropas, porquanto sa-
bemos que foi completado debaixo da sombra
da nolte e por meio de urna Intelligencia se-
creta com o omcial que coinmandava o posto,
e que prrtrncia ao segundo balalho do regi-
ment da l'ni.io. 0 covarde que assim i ra-
li io a coiitianca m lie depositada, c abandonou
o segundu basliao da porta 'de S.-Pancraxio,
com o que deixou abeila a passagem para o
Inimigo, foi j entregue a um concelho de
guerra para ser julgado ; c se for adiado cri-
minoso, ser tratado com todo o rigor das leis
militares. Em qualquer caso, o bravo regi-
ment da l'uni, cujacoragem he tao bem co-
nlieeida, e cujo piiiiieiro balalho j tem dado
lanas pi ovas de dcdic.ic.io causa nacional,
nao deve ser considerado como responsave}
pelo facto. .
-D-rxxana,
Jim lio, 33 de 1849.
DOLETIM DO EXERCITO.
Romanos I Nossa arlilbaria continua a
obrar da mais adniiiavel maneira. Airas do
prunelro liaiuarte o inimigo achara um se-
gunde muro, alias .deste ai barricadas do po-
vo, e alrs destas ulna cidade inicua determi-
nada a vencer ou a morrer em o nome de Ro-
ma e da bandeira italiana. Ent presenca de
um povo que corre ao combate ;de eanipo-
nezs qnc deixnni seus campos liara vir aju-
dar-noi, quem podcia adiar lugar para, um
seniimenlo de duvida, c mi ter fe na vic-
toria r
Romanos! Ns ros seremos fiis, emquan-
lo fordes fiis a vos mesuios. Roma lem nes-
les das inscrito seu nome na mais gloriosa pa-
gina da historia moderna. Ninguem poder
rlscar esta pagina gloriosa da vida de Roma,
liem como a futura felicidade da Italia que
esta cidade tem presentemente a seu cargo,
ella permanecer para semn/c gloriosa e un-
maculada. Dos que tem inspirado ao povo
constancia c f, ha decretado o trlumpho do
dircito.
Kro eternos a RoiM. e ao povo romano.
Avtizanu,
o/li,
tiaribaldi. <
. PUOCLAMACAO DOTRltNVlRATO.
a rpois de urna vigorosa canhonada de 30
horas, o silencio foi restaurado. NiMgucni
imaginoii que a Franca, qual um ladrao noc-
irno, se introduziria furtivamente em noss
^ dade ; porm ella o fez. e at um rto pon-
*o foi bcui succedlda. Os soldados francezes,
prolegidoi pela eicuridao t* silencio da noile,
passaram, aos dous e aos tres, desde a jiorla
'orles* al a poru de S.-Paneraiio, c, penetran-
do pelos buracos fellos no muros, apossa-
ram-se de um baitliio mal guarnecido por noa-
ias tropai, Ao romper dTalra fram il*tM
Maztini.
.1 ii.ir I'i ai,
Saffi
Junho, 22.
Com elteilo neste tlia e nni seguintes os
Romanos dirigirn contra os bastios oceu-
pados pelos Krancezes um fgo tSo vivo.que
o general Oudinot,ailm do desaloja-los.vio-
se obrigatlo a mandar tirar granadas pnra
dentro das posices quo oceupavam. Va-
rias destas granadas,oassamlo o alvo para o
qual era ni dirigidas, fram caliir na cidade,
com o que a municipalidado ficou tilo as-
sustaila. que dirigi ans agentes consulares
all residentes i seguinte circular :
i Smhor.--lia 22 dias quo o exercito fran-
cez tem lirado projectis contra os habi-
tantes desta cidade, arruinando as igrejas e
monumontos mais uotaveis. Bm a noile
dos dias 22 e 23 esle modo de aggresso,
tito deshonroso aos ollmsila civilisaco mo-
derna, foi augmentada de tal sorle,que ve-
Itos, mulherese meninos teem cahido vic-
timas dcllo. Os magistrados romanos nes
tas circumstancias recorrem a V. S., erendo
que, como amigo da humanidade que he, e
representando urna nac.3o grande e huma-
na, nao poderi permanecer indiflerenli a
tilo brbaro procc lmenlo contra esta cida-
do monumental por excellencia. .Nao te-
mos a menor duvida que V. S. da maneira a
mnis ellii-az dar a sua atlenfilo ao que
Ut'ixaniosexposlo; porquanto una guerra,
no provocada, nao deve ser feita do um
modo que repugna civilisacio gcral da
Europa. Receba V. S. aseguraba da alta
estima cm que temos a pessoa de V. S-
t Slerbinclli.
(i Wllliano.
* Ttlloni.
(i Galiotti.
* Corboli.
a. Dada no capitolio aos 24 de junho de
1849.
ao agente consular, etc.
A esla circular tlcu o cnsul inglfz a se-
guinte resposla :
Consulado britannico em liorna, 2t de
junho.
n Senliores Onbaixo assignatlo, agento
consular de S. M. I., ao receber o valioso
despacho que os mcmliros da municipalida-
do romana Ihe dirigiram hoje, cunsiderou
necessario convocar inmediatamente em
sua casa as pessoas qun compem o corpo
consular, ora existente nesta cidade, as
quaes desde a primeira apparicu do exer-
cito francez junto dos muros de Itomi es-
tilo de conceito preparadas, por meio do
ministro dos negocios estrangeiros, para
oflcrcccr seus servicos a municipalidado
romana, debaixo da forma de urna inler-
venc,Jo officiosa com o general Oudinot,
commandante em chefe das forjas fran
ceins.
Os agentes consulares, considerando
todos os despachos de VV. SS.flebaixo do
mesmo ponto do vista, resolvern immo-
diatamente dirigir ao general Oudinot urna
rcprrsentac.no forte de conforuiidadc com o
pedido de VV. SS. Incluso rc.r.ctto a VV.
SS. urna cpig o original do dito protesto,
rogando a VV. SS. hajanr do providenciar
para que o ultimo seja seguramente levado
ao quartel-gencral do.exercito francez,
onde sem duvida ser recebido com toda
a consider.if.TO (favida.
O abaixo asiignado, de aecrdo com
seus collegas, pede permissao para-accrus-
centar que, se a mucipalidade romana qui-
zer aproveitar-se de seus servicos pessoaes
junto do general Oudinot, elle, bem como
todos os outrns, eslSo proniptos para ir ao
campo srn demora, com tanto que a muni-
cipalidad!' Ibes asseguro de ambos os cora-
atentes livre egresso o regresso. Protes-
tando a VV. SS. a mais alta considerarlo,
tenho a honra, etc.
Freeiorn.
Oprotes'o dirigido pelo corpo consular
cstrangehro ao general Oudinot he o se-
guinte:
8r. general, Os agentes consulares
abarlo assignados, representando seu res-
pectivos governos, toman a liberdade de
a presentar a V. Exc. a expressSo do seu
grande pezar pelo bombardeamento a que
por muius dias e noites lem subjeitado a
cidade eterna. A presente .communicacao,
Sr. general, tem por objecto fszer o mais
enrgico protesto contra ste modo de ata-
que, o qual nflo smenlo pOe em perigo as
vidas e proptieitedes do povo e residentes
neulraes, senflo lambem das innocentes
mulhere c meninos. Os abaixo signados
lomam a liberdade de observar a V. Exc.
que o bombardeamento tem j distado as
vidas de muilas pessoas innocentes, e des-
truido militas das grandes obras desta bella
cidade, as quaes nflo pdem ser substi-
tuidas.
lie. tal a ronlianca que depositamos em
V. Exc, qtieenlrctemos urna viva esperan-
es de que, em o nome da humanidade e do
mundo civilisailo, desistir do bombardea-
mento comecado, e s>lvar assim da des-
truicuo a cidade-inonumentul que ser sem-
pre considerada romo collocada debaixo da
prolcccao moral de todos os povos civili-
Sados.
Temos a honra de ser, ole.
John Ftetborn, agente consular de S.
M. R.
N. Marsheller, cnsul da Prussla.
< C. Uagrini, ad lulo legacao ta Hol-
ln ii ;i
f. Buar, cnsul da Dinamarca.
j. Il'ijres, cnsul peral da Suissa.
i. Kell. cnsul dn Wurtemherg.
o A. Shakenay, cnsul to Kquador.
N. Brown, cnsul dos Estados-Unidos.
* I. 1. I reman, cnsul dos Estados-
nidos em Ancona.
J. Basca, cnsul da Sardenlia e encar-
regado do consulado toscano.
A este p-oteslo deu o general Oudinot a
seguinte resposta :
(i Quartel-gencral, 25 de junho.
Senhorts. A ordem do meu governo,
datada em 29 de niaio, conten as seguintes
instrnrfdes :
Temos esgotado lodos os mcios do con-
t'iliac.in. e he chegadoo momento em qnc
somos obrigados por urgente necessida le a
obrar com vigor, ou a renunciar una ein-
preza na qual o sanguo da fiordos lilhos da
Frang tem cotrido. A honra do exercito
ost empenhada, assim como os grandes
sentimentos polticos di naco. Km una
tal siluacilo nflo pode ser permillida mais
nenhitma hesitacilo, lien mesmo islo lio
possivel. He uecessario porlonto, goncral,
que sem porda do um s momcnlo, dirijis
contra liorna todas as fdreas actuajmento
vossa disposic.lo, eijue a oceupeis a des-
poto de qualquer resistencia. E*tahca
vontade do governo da repblica, cuja ex-
pressao estou encarregado do transmil-
tir-vos.
a tem vedes, Senhorcs, quo as ordons de
meu governo sao absolutas. O meu dever
esl nellas claramente determinado, e po-
dis estar cerlos quo hei de cumprir a mis-
aflo de que cslou incumbido. O assalto e
bombardeamento de Itom tifio de causar
sem duvida o derramameulo do sanguo in-
nocente, ea deslruicHu de monumentos quo
deveriam ser eternos. Ninguem mais do
que cu lamentar esta grande calamidade.
tlinhas opiuides a este respito silo bem co-
nhecidas. Meus sontimenlos acUam-se cx-
postos nanolilicinSo que a 13 do correte
dirig ao triunvirato, ao presidente da as-
sembla nacional, aos comniandanles da
guarda nacional eexcrcito, e linalmenle a
todos os habitantes de llom. Eu tive a
honra de dar ao mesmo tempo a VV. SS.
noticia desta communicacao, daqual torno
a remetter agora urna cjiia.
A siluacilo militar dos dous excrcitos
esl inleiramenta mudada desde o dia 13 do
corrente mez. Depois de varios combates,
as tropas sb meu conimandftflzeram um
assalto feliz, e presentemente acham-'C re-
gularmente eslabelceidos sobre as mura-
lhas de Roma. O inimigo rinda nao pia-
ticou nenhum acto de submissllo, e, em-
quanto o nflo Ilzcr, sou obrigado a prose-
guir em minhas pcraces c quanto mais
demorado Turo rendimento da praca, maio-
ressenlo as calamidades que VV. SS. com
tanta rasflo receiam ; maso exercito fran-
cez uilo deve ser por ellas aecusado, e a his-
toria o absolver certamenlc do toda a res-
ponsabilidade.
Dignem-soVV. SS. receber, &
a Oudinot de lieggio
No dia 30 de junho, depois de 48 horas de
urna terribilsima canhonada e bombardea-
mento, os Krancezes, tendo cdnseguido fa-
zcr no bastiiio n. 8 urna brecha pralicavel,
alacaram-no pelas tres horas da madruga-
da, e aps urna peleja mui renhida e san-
guinosa com 1,200 Romanos que o doen-
diam, lograran! finalmente toma-lo; mas
una Dataria, estabelecida junto do quarlcl-
general do Caribaldi, dirigi contra elles
um fogo 13o dcslructivo.que virain-se obri-
fcados a abandona-lo, depois de cravaron.
13 pecas deattilhariaque all acharam. To-
dava, os Romanos nfio o oceuparam mais:
porquanto, em conse'juencia de terem sido
destruidos os parapeitos, licra exposto as-
sim ao fogo dos Francezes como ao da pro-
pria guarnidlo.
O general Oudinot, animado por este suc-
cesso, determinou nflo smente tomar o
basliflon. 9, senflo tambem arrasara bate-
ra em frente do quartel-general do Caribal-
di, cen cumprimento *s ordens que deu
para este lim, um fogo lerribilissimo foi
immcdiatamenlo aborto sobre ambas as po-
sices; mas o assalto do bastillo nflo te ve
lugar em virludo tle ter chegado ao campo
um correio com um despacho, no qual o ge-
neral Roselli participava ao general Oudi-
not a seguinte resolucflo da assemblca na-
cional, o I lie pedia suspendesso as hostili-
dades.
Em nome de Daos e do povo.
a A asscmbla consliluinle declara que
toda a resistencia se lem tomado itnpossi-
vel, e permanece em seu posto.
O triuuvirato he encarregado da execu-
5o do presente decreto.
c SadlcoUi, presidente.
Depois que em a noite do 29 para 30 de
junho, dias cm que se celebra ni as feslas
dos apostlos S.-Pedro e S.-Paulo, o bas-
tillo n. 8 foi tomado, os Ropianos-perderam
o animo, erendo que o co era contra elles,
e que os Francezes oram favorecidos ron a
proleccflo dos santos padroeiros da cidad,
eterna. Esla circumslancia foiqtio induzio
a assemblca a tomar a^esoluQilo quo cima
deixamos transcripta.
No seguinte artigo do ioumal des Wbats
se intrincheirassem forlcmente, qne cor-
tassem todas as pontes, guarnecessem con
pe$s os |i:i*ti>s do Espirito-Santo, o dr
fendessem ao mosmo tempo o caslello de
San-Angelo o as Irincheiras.da cidado I Po-
nina, isto he, o balrro do San-Pedro c n Va-
ticano. Ohjeelou-so a c gira grande trabalho, para o qual nflo ba-
ria tempo, que isto seria chamar sobre :i
cidade urna guerra quo at entfio linha-se
limitado aos arrabaldes, o que linalmenle
acliarflo os leitores um sumniario do acn- nenhuma conll.mca sapndia depositar nns
lecimenlos quo concorreram para o rendi- barricadas quando os mais solidos hastios
monto do liorna: |nfin linham poditlo resistir aos Francezes.
Vamos referir circumstanciadamanlo os O novo plano de defensa nropnsto por (la-
nllimosaclos da governo romano e da os- rihaldi em realmente mu suslenlavel ; pn-
scmbla.
Foi no dia 30 do mez prximo passido
(junho) quo, segundo j noticiamos, as tro-
pas francezas tomaram de assalto o bastillo
rm, pnra pr\ lo om exectiQilo, teria sido ne-
cessario sicrilicar som IllencHo a ciliado de
Itoma, assim como os seus monumentos.
Dcmais elle exigia quo lotla a popolaclo
da porla de S-Pancrazio. Ui mistor que esttvesso lirmom.-nto determinada n refs.
racaniosconheceraimpo-tancimililar.lcs-'tlrat'';> niorte, comooschefes linham s
te facto, para que o leitores possam com- "ro "'rmado quo estara, todos, pelo con-
proliondor o desanimo quo o repente se tmno, assim os sol lados como os paisam. .
derramou por entre os defensores do Roma.
O basliflo, completamente fortificado, era
unido por urna trinchelra ao velho muro de
Aureliano, o qual pels retaguarda era tlo-
fendido pelo forte do Monlorio. Sete pecas
de arlilbaria carregadas do mclr.ilhn fsuam
fogo sobre a bocea da brecha, a qual Ram
isso era defendida por um fosso profundo.
as casas que pola parto interior licavam
vizinhas ao basliflo e triacheira, linham-
se aborto seleiras para o fugo tie mosqueta-
ra. 1,200 a 1,500 homens oceupavam este i mar'"" n,,lnl", mmo. Do hOlc por
ccessorios eos'anle cnnsidoro-mo livre, o rosignn-a
liirmiilavol basliflo e seus access
assaltadores estsvatn expostos a um fogo
quo so cruztva de todos os lados. Os lio
cram quasi unnimes no desejo de por lim
a lula. A assenihlca acahou, portan lo, vo-
tando a c.ipitulatflo, o encarroando o tri
unvirato da execuQIo deste decreto To
davia Maz/.ini rojcitot em voz allaiimlnl
mandato.
Miriha consciencia, disse ello, nflo m^
permitir communicar o vosso decreto ao
general Oudinot. Eu cstava cnoarro:;ailn
por vos como Uiuuviro de defender liorna
o a i-iipublica. O voto que acali.iis d-i lo -
di-
em
vossas inaos.u
Seus dous collonas SalTi o. Arnirllini, se-
manos, com rasflo, so ufanavam do suas no- K'""'1" osen oxomplo, deram timhom un
sieeseasconsideravam como pouco pro- niodiatimente as suas demissOoi A .i
prtas paraserefl tomadas. Todavia. estes\semble-a noneou entfloum novo Inunvi
obstculos fram lo los atacados pela frente,
lomados a pona de bayoneta com ex-
traordinaria rapidez pelas duas columnas
destaque, composta cada una de tres com-
panliias Mmenle, afora a reserva quo as se-
guia para assisli-las em caso de necessidade.
ralo, composlo dosculadflos Salieelti, prc
si eiiie da ass>mbla, Mariani, o Caland
rellt, fommainl mo di arlilbaria. Oulli
mo foi o ofRcial queoommuila habilidadu
dirigi a artilharii romana durante o coi-
co- O novo governo dirigi ssoperaeOes
o7bas"lioe"s, os cani0es"o as iriiiciieirasi j V'\r lres di,s alu entrada dos Franeo/e i
ludo fui aUcado e tomado. Ao amanhoenr '':ile l>ropoz para a entregada cidade coil-
as casas das seleiras fram focadas o to- dicocs que o general rancoz nflo p le a.I
inadas, o os soldados franc.^zos. exaspera-1 millir. Estas condicoes foram assegiiin
dos assim pelo porigo cditliciildulcs doas-!los: ~ B"ncral Oudinot nao inlcrvira ii.i
sallo como pela ohstinacOo da resistencia, poltica dos estados romanos ; aslroiasro-
deram um golictflo lerrivel quanto foi do- manas de liuha scrvirflo conjunotamenlc
CistVO. Os fuzileiros francezes atiraram com as tropas francezas ; a guarda civici
logo depois do outro lado at a porta Prte-
se, as margena dobaixo Tihre Os solda-
dos romanos alerrorsados pela ousadia e
vigor do assalto, assim como pola carnifici-
na que lovo lugar no calor do combate, re-
cusaram defendor o Gianiculo, teniendo um
novo assalto na noile si- uin'c, o osoll-
ciaes participaram dos reccios dos soldadus.
Pelas seis horas da manlifla esta |iosicflo foi
portauto abandonada, e as tropas letiraram-
so para a ra principal do bairro Transtcve-
rc, situado aos pos do aniculum, e all se
ranjamento com a depulat;flo presidida
pelo presidonlo da municipalidado, o ci-
dadflo Slurbmelti. Final ment na noile do
dia primeiro do julho a municipalidado lo-
mou sobre si mesma abrir tres portas s
tropHS francezas; e a cidade de liorna foi
deste modo oceupada sem con licfl-i al-
guma.*
O triunvirato annunciou aos llomanos ii
sua voluntaria rosignacao por meioda se-
guinte proclamacflo:
A assembla, depois ila victoria alem
la pelo inimigo, movida pelo desojo de
gaucia dos soldados do (.aribaldi, os quaes
pegavan os guardas as ras e obrigavam-
osarem trabalhar as trincheirasc a fs-
zer fogo dos muros ; sendo a guarda cvica
destinada particularmente para o servico
interno da cidade. Varios lniallni s li-
nham concordado em resistir .iberiamente
aos soldados do Caribaldi. Km unido; bair-
ro-. de liorna a guarda cvica oppoz-soen-
trada das patrullias do Caribaldi, quando
eslas fram all etn procura de armas o ho-
mens. Os senlmentos de auimosidade por
Hm augmenlarnm tanto, que ameacaram
degenerar cm guerra civil. Foi no meio
dcslas crticas circumstancias que a assem-
blca romana teve que deliberar no da 30 de
junho, uo qual levo lugar o assalto. Al-
giins dcpulados exposeram o oslado lerri-
vel das causas c podiram explicacGes ao go-
verno. O triunviro Mnzziui confessou que
linham solrrido um revez, que as partes dos
"cneracs davam a entender q-ie havia pen-
co ; porcm quo nlio julgava que fssem
obriiiadosa capitular, e concluio podmdo
que toda a decisflo fsse adiada pelo menos
at o dia seguinte. O general llartolucct
disse que os soldados, dizitnados pelo fogo
e bayoneta do inimigo, cstavam exaustOS
assim pelafadga excessiva pela qual linham
passado, como pelo grande calor do tempo;
tincas partes dos generaos, as quaes partes
lera, especialmente as de Caribaldi, ne-
i,huilla osperonca deixaram de so ^anhar
qualquer vanlagem por mais longa resis-
tencia, e quo era necessario salvar liorna do
maiores desastres.
A assomblca visvclmenlo inclinou-se a
esta opiniuo, porm Mazzini propoz que,
antes do so adoptar qualquer medida, se ou-
visse a Caribaldi quanto aos uicios de de-
fensflo queainda Ihe restavam. A assem-
bla o mandou conseguintemoute chamar
No fia do urna hora elle apparcceu na tri-
buna, e expoz com grando clareza o fran-
queza, e com o ar de um homem resoluto,
os recursos que anda restavam aos defen-
sores de liorna. Elle disse que tmha sido
necessario abandonar aos ''r1a,,cezesmt,rd
monte anieuium, como lambem o muro de
Aureliano, o a Poaic3o do Monlorio ; porom
que os rtoinanos ain-Ja pcrmaneciam senho-
?cs de toda a cidade alem do Tibre. Elle
accrescentou que era mister que se ret.ras-
sem para m.rgem esquerla do no, que
que toom gov.-rnado durante a luta, nflo pti-
dem governar debaixo das actuaos circum--
tancias, Tendo expirado le fado a missan
qne Ibes oi confla'la, apressarain-sn a re-
signa-la as mflos da asse.iiibla. Rom-
nos e innflos. lendes inscripto na historia
urna pagina que permanecer como um
monumento assim do vosso poder o ener-
ga, como de vossos futuros dolos, dos
quaes nenhuma funja poder despojar-vos.
Tendes gloriosamente ntroduzdocom um
sanguo generoso a nova vida que comeen
pira a Italia,vida collectiva, vida de um
povo quo querser eser urna nacflo. lui-
dos debaixo da bandeira republicana, res-
gatastesa boma de nossa patria commum,
manchada pelos actos dos malovolos, o per-
dida pela impotencia monarchca. Vosso,
triunviros perminecerflo entro vos romo
simples cidadflos, tendo com sigoaoonso-
lacflo de terem sempre sido animados pelas
mais puras intcncCes assim como pola
honra de verem seus nomos associadns
com vossos heroicos fetos. Urna nuvem ca-
liginosa obscurece vossos futuros prospec-
tos, porm ella M desvanocer em um ins-
tante. Perseverai em manter vosso direito
e vossa f, pelos quaes muitos apostlos
armados c alguna de vossos melhores ci-
dadflos lo.cm morrido. Dos que temjprp-
servado seu sanguo, he a vossa garanta.
Dos querquo liorna seja livro e poderosi,
ea vontade de Dos ha do ser cumprida.
Vos nflo experimentaste* urna derrota; be
urna victoria como a dos martyres, enjo
sepulchro he um degrao para o eco. Quan-
do a estrella de vossa ressurreicao brilnat
no lrniamenlo, quando o preco do sacri -
fco que haveis feto com alegra e hon-
ra vos Mr logo pago, lembrai-vosdos ho-
mens que durante mezes inteiros parlilha-
i-am do vossos trabalhos, fadigas e soffri-
mentos.e que estarflo promplos amanhfla,
seuecessario Mr, para combater outra voz
em vossas lileiras pela cmancipicflo da
Italia.
Viva a repblica romana !
J. Mazzini. C Armellini. A. Safl'i,
triunviros.
A commisso das barricadas publicou
jo povo no da 3 do julho, da da entrada
dos Francezes, a seguinte proclamigao:
ii PovoEm o auno passado as cdades ta
Italia fram bombardeadas pelo estran
J MUTILADO


geiru e por scu soberano. Huma foi tratada
com mais brfidur do que as outras, e sou
ni lio mais sagrado.
Roma foi vencida. A repblica fran-
cesa quil ciavar o punhal no coracao de
Moma, entretanto que o Austracos e os
Burbcs torturavam os outros mcnibros
deMa,o porque motivo, juslca do co i' O
lelo ferido ho glorioso em sua inortc ; po-
rm he anda cheio de magestade. rile
no se quexa; e'.lo nio aecusa nem lenta
urna vinganca intil. No; morte do for-
te be um espectculo chcio do digni-
dad*.
Povo, a virtuile nio podo serensinada ;
ella vive nos coraces. Kseulai o vosso que
be um coracHo romano e ainda seris
grandes.
( Asignados ) Ccrnuschi,. Catabeni,
Clidt ;.i, Andreini.
Concluiremos este artigo, dizendo quena
scsso do dia 30 dejunhoa aesembla ro-
mana.votou unnimemente a continuadlo da
repblica oque a requerimento do ciddln
Agoslini decrelou que o pacto federal fosse
gravado em duas laminas de marniosc o de-
positado no capitolio como um monumen-
to do desojo unnime do povo, legalmente
representado por seus deputados. Klla or-
denou i.niilii'in que um'pomposo funeral
fosso celebrado pelas almas daquelles que
tinliam morrido dehaixo dos muros de Ro-
ma i'in defensa do paizeda repblica, eque
um dos palucios nacionaes fosse convertido
rin asylo para o uso dos que tinliam sido
fondos na lula. Finalmente, para mostrar
< I. -11 i i accordo que al o lim liouvo cu-
tre o povo, a assembla constituidle, eos
cidados aos quaes foi confailaa tarofu de
mi!vnr n repblica, a assombla deelarou
que os triunviros Armellini, Mazzini e SatTi
tinliam merecido bem do paiz.
Contino as avoriguaces, e do resulla-
do terei a honra de dar parto a V. Exc.
Ileus guarde a V. Exc. Secrotarla de po-
lica da corte, em 26 de agosto de 1849.
Hu. o Exm. Sr. concelheiro Euzebo do
Queiroz Coutinho M.uloso da Cmara, mi-
nistro o .secretario de estado dos negocios
da Justina. Knlonio Sim6e$ da Silva, che-
fo de polica.
( Diario do lio tlt Janeiro.)
lie de admirar como os soldados e inais pra-
casdrsse balalhiio, cxemplo de disciplina, se
liaviam portado durante os dias do festejo :
em seos temblantes se liam a alegra e cnthu-
siasnio, c nem um s acontecimento em trea
diasem que seus officiacs Ibes deraiu comple-
ta liberdade velo causar o menor dssabor.
O llonilnu.
< 3 S 2.
s?fa4?fln
?9-|S-S.S|"8-5.
-o g Ho J-2.8 2&
- > u as 3-^ 2
" O 5 = O -Z.---G
S'O_Oa.3
2 e,sffs -r-
f. -x n k 2.
as
-SS
fio'
o '
3 3
Sf 3
S
i?"
9!
o
C
B
O
m
5
O
7)

O-B
^
INTERIOR,
derdella urna porcSo de notas falsas que
procurava oceultar entre asroupas do cor-
po. Adelaidc Lagh nega ludo, dizendo que,
por anda andar no collegiu, poucas occa-
sics linha de eslar cm casa, e que mesmo
nestas nunca presenciara que a gente de
casa se empregasseem inais do que fazer
phospboros. Manoel de Almeida tambem
nega ludo, dizendo que ha tres npites que
all dortne, oceupando-se de dia fora de ca-
sa em procura de algum arranjo na lavou-
ra. J0S0 Macario da Silva Figueira reconhe-
ceu a carleira, mas declarou que ella foi
adiada na ra por umpreto que esteve ao
seu servieo, exslindo dentro 'todas as no-
tas menos urna das do padrtlo anllgo, que
diz (cr juntado s outras.
Foi igualmente preso Emilio Anselmi por
suspeilas de connivencia em tal crime.
As dcclaraces silo mesmo proprias da-
fuelles que se acham em tilo desesperado
i'puio, colhidos cm flagrante com as provas
as niais convincentes de seu crime.
_ uuuuwo
o -* ii< a to vo gi vo *
Votos.
CuCiegiu de
S. SUijuel.
J-
S
Sir
11"'

o m
o i.
n
PEiNAMBUCO.
RIO-F.-JANEIRO.
liten, e Exm. Sr. Communico V. Exc.
que, em virludc de urna denuncia que me
foi dada da existencia de urna fabrica de
mu' l.i papel falsa em casa di; um Italiano
de nomo Caotimo Carlos l.agh, na ra do
Senado, o qual com mus otilros individuos
era interessado nella, passei a dar as ne-
cessarias providencias, e ordenoi no digno
subdelegado do Sacramento, que com a
loica que puz sua disposi(o procedesso
mmediatamente a urna rigorosa busca, ap-
preliondendo tuJo quanlo de suspeto a-
chasse nella.
Cercada a casa, eemquanto no fucilita-
ram a entrada, vio-so que de denlro sabia
grande fumaba com chero de papel que1-
inado, o ao mesmo lempo apparecou solire
os lelbndos um individuo que pareca que-
rer fugir com um cmbrulho as mlos, o
qual sendo perseguido lan^ou o mesmo a
um do c|niniaos vi/mlios 1 entilo o si.ble-
lega Jo, decidido a forjar a portase porven-
tuia de dentro ainda contnuassem a entre-
tf-lo com esperas e desculpas, que bem so
va seretn calculadas, ordenoii novamonle
que Iba abrssem, O. que com efTelo foi
pralicado pela (Iba do dono da casi.
Apenas entrado, o subdelegado acliou
urna grando porefo de papel ardendo em
laharedas sobre a chapa do fogSo ; ao que o
subdelegado acudi mmediatameulo para
poder salvar os restos que niJo estavam an-
da devorados pelas chammas, que elle pro-
proapagou, e assim conseguio poder ver
que era urna enorme porefto de sodulas de
:>,000rs. falsas o de papel nilo estampado
que havia sido entregue s chammas!
Continuando na busca, foi encontrar em
um quarto pequeo eescuro junto coz-
nha 1 machina completa do fabrico do lacs
notas, e poucos instantes depois com sl-
gum iralinlbo, a chapa mettda denlro de
urna caxinha entenada ao lado do fogo ;
alm disto acl.ou-scem differenles lugares
algumas notas falsas j assignadas, que se
sui'poesquocdas ao laucaren) as outras
as chammas.
O cmbrulho que foi alrado ao quintal
vizinho por Caetano Carlos l.agh, que pre-
tenda evadr-se pelos telliados, era a caxa
de tinta de imprimir, com as com pelen les
balas, etc.
FiVatn apprchcndidos lodos quanlos se
achavtm cm casa, que silo os segumos :
Caetano Carlos l.agh, dono dola ; sua fi-
Iha Adelaide l.agh, Carlota Culino e o l'or-
11ii.Mi1/ Manoel de Almeida, que moravam
com o dito l.agh, e immedialamente pro-
cedeu-se tainhem captura do Jofto Maca-
rio da Silva Figueira, |or suspeilas do ter
parte nostn negocio, o conseguntemenlo
don -so-: lio busca na casa da sua residencia,
ra do l.avradio, onde se encontrn entre
seus papis urna carleira com tres bilheteg
de 5,000 rs., um dos quaes era da mesma
chapa falsa, e dous do padrlo anligo, e mais
urna nota do 20,000 rs., que tambem se
suprfle falsa.
Vndo todos mnha presenta, passei a
inlorroga-los; em geral sSo unnimes, co-
mo era de suppdr, em negar ludo. O dono
da cssa, Caetano Carlos l.agh, diz quo a
machina era para fazer phosphoros, de que
torn fabrica, e que os hilhetes e mais objec-
tos encontrados linbam-lho laucado em a
noite antecedente no scu quintal em um
sacco. Carlota Agulno nega absolutamente
ter sciencia de tal otijecto, apezar de lar ca- dc,,e e a si.Igrlcaa com que am lllumlnados
lndoem contradiccOes, como a de dizer a encail,avflm a vista : tal era a llluminacao da
principio que, quando a polica chegara a
casa, ella ainda estava deitada.e depois de-
clarar que j diversas vezes linha ido co-
znlia tratar do almoco; accrescendo que
pelo subdelegado foi apprehendida em po-
EI.EICAO' PARA DEPUTADOS .^ERAES.
Resultado da vntncilodocollegio do l'Aa-d'Al/10,
segundo a nvllirntica rtmeltida aoExm. Sr.
jtresidtnU da provincia.
os sus.
JosThomaz Na buco de Araujo
JosFlippc de Sotiza Ee8o
Joaqum Villela do Castro 'lavares
Aloxandre Itcrnardino dos Res c Silva
Antonio Cnrneiro Machado Ros
Francisco de Paula Raplisla
Amonio Peregrino Maciel Monteiro
llerculano Goncalves da Rocha
Venancio Henrques de Resende
Lourenco Recorra Carneiro da Cunha
Sebastian do llego Rarros
Antonio Jos dcOlivera
Kariloda UOa-Visla
Francisco Joaqum dasChagas
Domingos deSouza l.eSo
Joilo Mauricio 0 da Rocha Wanderley
Augusto Frederco de Oliveira
Jcronymo Martiniano Figuaira de Mello
Antonio Corroa Sera
Antonio Joaqum do Mello
Gregorio da Costa l.ima llelmont
Alvaro ISarhalho Helios Cavalcanti
Jo>c lenlo da Cunda Figueiredo
Bernardo Rehollo da Silva Pereira
Francisco Xavier Paos Brrelo
Join Jos Forreira do Aguiar
Jos Joaqum Coelho
Thom Fernandos Madera de Csslro
Antonio Ignacio de Azevedo
Firmlno Pereira Monteiro
Antonio Coelho de Sa o Albuquerquo
Antonio Raplisla Gilirar.a
Insultado da volarao cm lodos os collegios
tleitoraes da provincia, menos lloa-Vista,
Exu' c Salgueiro. (")
VOTOS.
839
77*
7*5
667
6:16
VOTOS.
37
37
37
3*
34
33
31
80
2~
2*
2*
J
29
20
IS
19
18
16
15
10
11
13
13
II
a
a
5
*
3
1
1
1
OS SUS.
BarSo da Ba-Visla
Antonio Peregrino Maciel Monteiro
Sebnsliiio do llego Rarros
Jos Thomaz Na buco do Araujo Jnior
Alvaro Barbalbo Ucha Cavaleanto
Jcronymo Martiniano Figueira de M 013
612
561
5*3
5*1
535
522
Francisco de Paula Raptisla
Jos lenlo da Cunha Figueiredo
Joo Jos Fcrreira do Aguiar
Joaqum Villela de Castro Tavares
Venancio Henrques do Rczcnde
Francisco Xavier Paes Rarrelo .
Antonio Jonquin de Mello
Domingos de Soza Le3o
Jos Joaqum Coelho
Augusto Frederco de Oliveira
Aloxandre Bernardino dos Res c Silva *2*
Antonio CoolhodeS eAlbuquerque *I7
Antonio Carneito Machado Ros *0
Jos Filippe de Souza I .ello 375
Communcado.
169
**9
**0
O DIA 7 DK SETEMBRO NO BONITO.
O grande dia de nossa einancipaco poltica,
da regenerac.io do Hrasil ; o primeiro dia na-
cional foi com o maior entbiisiasmo festejado
na villa do Bonito, onde superando todas as
ililloiilil.-idos a briosa oftclalldade do 3. bata-
llniii de .11 lilli o ,1 a |., Imersa anda nos
acres trnballios da passada revoluco, Irfnge
de suas familias e sem os precisos recursos,
apresenlaram aos llonitenses una simples e
elegante iiluinina(o : um vistoso prtico
onde brilhavaiii as armas do imperio, susten-
tado por columnas da ordem cnrinlbia, forma-
va um soberbo templo em cujo interior se as-
ii ni.iv.i magnifica a efligie do nosso augusto
Monmili : arvniedos plantados formavam
n bosque que cercava o templo: a dlsposicfio
casa do estado-maior, aquartekdo 110 |i:n, u da
cmara.
Toda a obra foi de alguns offlciaes do ba-
ta I lio.
Nos dias 0. 7 e 8, depois que a banda de m-
sica do bataihan rnmpia o hymno da indepen-
dencia, era o Monarcha saudado com vivas
pelo digno conunandante do balalhao o Sr.
lenente-coronel Jos Fcrreira de Aievedo, e
depnis que acalmava n eiitbusiasnio do povo,
seguido do dlslincln juiz de direito o Sr. I)r.
Antonio Baplista Gilirana, juiz municipal e
inais autoridades locaes, omcialidade e todo o
povo 1.1111 visitar as illuininaccs de cada una
ilas cumpanhias que a porfla se liaviam osten-
tado.
Nos ltimos dias o juis de direito olTereccu
um brinde ollicialidadc do 3." batalho.
(*) Publicamos Iioje pela segunda vez o
resultado da volacno para deputados as-
sembla geral legislativa por esta provin-
cia, por termos verificado, a vista da au-
Ihenlica do collogto- de Po-d'Alho, cujo^
extracto tambem reproduzmos, quoaoSr.
Dr. Francisco de Paula Baplista cabe o sti-
mo lugar cblre os representantes da mesma
provincia, em cousequencia de contar CI3
votos.
ALFANDECA.
Rendlmento do da 17. .
CONSULADO GERAL.
Rendimento do da 17.......
Diversas provincias........
16:*33,702
563,0*1
9,*76
572,517
dn arrematafiilo atolimdejunbo de 1852,
as rendas do armazem da casa n. 14, na
ra do Azeite-de-Peixe e as da casa n. 27,
na ra -do Vgario : e bem assim a quom
por menos lizer os concertos de que preci-
sa o eollegio dos orphSos em Olinda: as
possoas que se propozercm a arrematar di-
tas rendase concertos, poderilo comparecer
no dia 20 do corrente mez na casa das ses-
soesfia dita adroinistraQo, aa horas da
tarde com seus Hedores. ^^
Secretaria daadmioslraso do patrimo-
nio dos orphSos, 14 do setemb/O de 1849.
Joan Francisco de Chaby, secretario.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 15...... 938,216
Movimento do Porto.
/Vi'io entrado no dia 17.
Rio-<;rndc-dc~Sul 30 dias, briguo bra-
silciro Felis-Distino, do 199 toneladas,
capil.1v A'i'onioMailinsDias, equpsgem
11, carga carne; n Pedro Das doaSantos.
Passageiros, Jeronymo Rodrigut Vian-
na, Juo Simos Pimenta, Portuguezes.
Navios sabidos no mesmo dia.
Acarac Hiate brasleiro Aguia-frasilei-
ra, capilo Francisco Jos da Silva Ra-
lis, carga fazendas c mais gneros. Pas-
sageiros, Jos Frederco de Andrade, An-
tonio Jos de Lima, Domingos Jos de
Saboia, Francisco da Costa Fernandos,
Francisco Antonio l.inhares, Jos Ray-
mundo Forreira, Domingos Jos Pinto
Braga, Antonio Thom Rodrigues, Rra-
s leiros.
Ho-de-JanPiro Brigue brasileijn Concei-
cSo, capilio Fructuoso Jos Pereira Hu-
ir, carga sal c pulha de carnauba. Pas-
sageiro, o menor Joo Raptsta Co/ar.
Portos do norte Vapor brasileiro San-
Salvador, capilio o primeiro lenle An-
tonio Carlos de Azeredo Coutiuho. Alm
dos passageiros que trouxe dos portos do
sul capa os do norte leva a seu bordo:
para a Parahiha, o reverendo D. abade
geral Fr. Aironio e seu secretario Fr. Sa-
turnino com 1 eacravo ; para o Maranhao,
monsieur Mnon, monsieur Alstou ; para o
Para, Jos Si ni fias de Magalhfles com 1
escravo, o capilio J0S0 Francisco Catete
e 1 soldado.
Babia Polaca sarda ludita, capitn Domi-
nico Dassows, carga a mesma que trouxe.
EDITA L
COMMANDO DAS ARMAS.
Em virtude da ordem do Exm.'Sr. pre-
sidente da provincia, e perante oconcellio
extraordinario de que trata o art. 22 do
regulamento do 17 de fevcrero de 1832
para os hospitaes regimentaes, se ha de ar-
rematar cm hasta publica no dia 25 do cor-
rente s dez horas da manhila.no quarlol
do commando das armas o forneclmontos
dos medicamentos necessarios pa*a uso do
hospital regimenlal desta cidade. .1,
Os licitantes dever.10 achar-se pre&cntes
no dia e hora marcada para a hasta c oiTe-
reccr suas propostas por mcio do landos
no acto da arrematadlo, que sera conferida
a quem ofTerecer c(iiidi(os mais vantajo-
sas fazeuda publica.
Quartol do commando da pra^a na cida-
de do Recfe em Pernambuco, 14 de setem-
bro do 1849.Jos Vicente de Amorim lie-
zerra, coronel graduado coinmandanle.
Joaquim' Fabricio de Ualtoi, segundo to-
neule secretario.
Declarares.
A commisso cncarregada da dslri-
liuic.'ii' das quanlias resultantes da subs-
rii|n;o lirada na capital do imperio abene-
ficio dos orphflos e viuvas daquclles que
morreram em defeza da constituiQIo e do
imperio, na ultima rebelilo que leve lu-
gar nesta provincia, convida as pessoas ;.
quem esta distrbuico possa ser aplicavel,
a apresentarem seus documentos compru
batorios como ccrtidio de bito e casa-
meulo para as viuvas e de baptismo para
os orphlos c oortilicados dos respectivos
delegados, subdelegados o commandantes
de corpos a que os morios purlenceram.
E porque tambem ser da intentlo dos
contribuintes extensivo aos invlidos e inu-
tilisados, tacs possoas devein apresentar
suas bahilta^cs para seren atlendidas ,
quando vieren:, com asquantias que anda
su esperam as dcclarac/ics que a tal res-
peilo loriim pedidas para a corte pelo Exm.
Snr. concelheiro de estado presidente da
provincia.. Recfe, 13 de setembro de
11*9. O vgario Xenancio Henrques de Ite-
sende, secretario da commisno.
'I ondo o arsenal de mariuha de contra-
tar a compra dos objeclos alnixo declara-
dos, que teem do ser remettidos para a ilha
de Fernando, em consequencia de ordem
do Exm. Sr. concelheiro de estado e presi-
dente da provincia, manda o lllm Sr. ins-
pector convidara todas as pessoas que os
tiverem equeiram vender comparecer no
dia 18 do corrente as 11 horas da manhaa
com as suas propostas.
Kelacao dos objeclos a que se refere o annun-
cio supra.
Urna prensa completa de madera para o fa-
brico de ramilla de mandioca.
Cincuenta cafbros.
Quatro frechaes de 38 palmos de conipri-
mento.
Quatro ditos de 36 ditos de dito.
Tres linlias de 38 ditos e 10 pollerudas de
face. .
Quat'0 ditas de 32 ditos e 10 ditas do dita.
Seis paos com 26 ditos, o oito ditas de dita.
Trea ditos, sondo ttffSicupira, sapucarana,
jatob, etc.
Dous ditos, sendo sanio, ou ferro, ou bara-
b, ele.
Um dito, sendo de qualidade forte, com 12
palmos de coinprimento e 12 pollegadas
de face. tjt *
Quatro pecas de scupira. (om 18 palmos de
dimetro, para cambras ou pinas de roda.
Seisduziasde laboas de luuro.
Perante a administrado do patrimo-
nio dos orphSos se h&o de arrematara quem
mais der, e pelo tempo que decorrer do dia
Avisos martimos.
Para o Aracaly segu viagem com bre-
vidade a sumaca nacional Cariota, mestre
Jos Goncalves Simas : para^rga e passa-
geiros, trata-se com o mesmo mestre, ou
com Lulz Jos de S Araujo; na ra da Cruz,
n.33.
Para a Babia segu viagem
em poucos dias o veleiro patacho
americano Crusoe, lendo excellen
(es commodos para passageiros :
os prelcndenles dirijam-se a lua-
thciis Ausiin 5c Companhia, ra
tl-j Alfandega-Vellia, 1^36.
Parao Rio-de-Ja*neiro sahe,
no dia 23 do corrente, a bem co-
ndecida e veleira barca nacional
Firmeza: para o resto da carga,
passageiros e escravos a frete, tra-
a- se com o capitao, Narciso Jos
de fiant'Anna, na praca do Com-
mercio, ou na ra da Madre-de-
Deos, n. 3, terceiro andar.
Para o Hio-de-Janeiro sabe
em pe ticos dias o patacbo San-
Jos- Americono : para carga, pas-
sageiros c escravos a frete, trata-
se com o capilo no caes da Alfan-
dega, ou na ra da Madref-de-
Deos, n. 3, terceiro andar.
Le i loes.
O beneficiado do dia 23 de setombro it
1849 avisa ao respeilavol publico desta ci-
dade que transferio u seu espectculo p,.
ra quinla-feira 27 do dito mez do seiem-
tiro, em virtud de tero Snr. director do
theatro de S.-Francisco transferida para o
dia 22 do corrente, o cu espectculo au.
nunciado para o da 15 do mesmo.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
ce de Len julga no dever a pessoa a|.
Suma ; se, porm, alguem f6r aeu credor,
aja de apresentar-se para ser immodiiti.
mente pago, dentro de 8 dias, contados
desta publicacQo.
Negooia-se urna Icltra aceita do Sr. j.
J. R. dos S., a qtial est vencida e impor.
ta do prino'ipal e juros 370,000 rs.: quem
esle negocioquizer fazer, dirija-se ruj
larga do Rozario, ns. 5e8.
Precisa-so de um motjo portuguez', de
15 a 16annosCparacaxerode um lija u
fazendas na villa deCariiar : a tratar nu
Cinco-Pontas, n. 66. Na mesma caaa ven.
Je-se urna cama, duas bancas e um aoph
ludo por diminuto pre;o.
g Bixas. o
Na pra ya ti a Jndpen-u
g denca, n. 10, J
q ao voltar para a ra das Cruzes, alu- Q
r\ gam-see vendem-se bixas de Ham- Y
? burgo : tambem vBo-se applicar pa- r
PJ ra commodidade dos freguezes ; ti-
W ram-se denles, sangra-te e appli- ja
O cain-se ventosas*, ludo por preco v
0 commodo. 0
O ?OCJQQOOO OOOOOOOO
Roga-se as pessoas que estilo devendo i
D. Tbereza Paes Corlcz, viuva do msjor dt
primeira linha Antonio Paes Cortez, de ta
drigrem ra Direita, sobrado n. 4, pr.
meiro andar, a tratarem sobre seus dbitos;
eos que no o fizerem sero seus ames
publicados nesta folha.
-- Roga-se ao Sr. J. C. N. de V. que nha a bninlade de mandar pagar a qusmli
de 47,900 rs. que deve na ra do COIIegio,
venda n. 25, ou se ainda acha quo silo pou-
cos os annos que se teem esperado; pois,
nSo ofasendo por estes quatro dias, lera o
goslo de ver o seu nome por extenso par
sor condecido.
-- Precisa-se alugar urna prole pin
servieo de casa: no AUrro-da-Iloi-Visti,
n. 41, ou annunce.
-- O corretor Oliveira far leilo por
mandado do respectivo juizo, ea requeri-
mento dos credores do fallido Jos Ma-
noel Monteiro Braga, das fazendas da loja
desle em um ou diversos lotes, como me-
Ihorconvenha e do oqnformidade como
balanco c suasavalaOos, aqueseproce-
deu ; e bem assim de obras de ouro o pra-
ta e da inobilia do dito fallido a quem
ludo foi penhorado: lerca-feira, 18 do cor-
rente, s 10 horas da manhla na casa on-
de existe a referida loja, ra do Crespo.
Kalkmann Irmaos farflo leitSo, por
nterveneflo do corretor Oliveira, de uro es-
plendido sorlitnento de fazendas franeczas
o inglesas, proprias do mercado : quarta-
feira, 19 do corrente, s 10 horas da mi-
nnia, no sen armazem, rlia da Cruz.
O corretor Oliveira far leilflo do pa-
tacho nacional Diligente de 135 toneladas,
fondeado na volta defronto do Forte-do-
Matlos, onde pretondentcs pdem irexa-
mina-lo com aniecedencia, assim como de
todos os pertences do mesmo, em um s
lote : esto patacho, sobre ser muito velei-
ro, lio de escolenle construCQio america-
na, encavilliado e forrado de cobre, e adia-
se no melhor oslaiio pera de prompto se-
guir qualquer viagem : quinta-feira, 20 do
corrente, ao meio-dia em ponto, porta da
associa^io commercal
F. Saunders, lendo-se retirado para
Inglaterra orJenou previamente ao corre-
tor Oliveira, o leilio de toda a "mohlia c
adornos da sua casa, consstndo cm o mais
lindo o excellenle piano existente nesta
cidade, dous grandes e ricos espelhos com
Iremos para sala, sofs, mesa redonda,
ditas de jogo, cadeiras modernas tanto
usuaescomode balanco e do bracos, lustre
de bronzo, lampeos, secretarias, estantes
para msica, a mais perfeita collecQio de
gravurajemquadros, guarda-vestidos, os-
crivaninhas, marquezas, loucadores, mesa
ilo jan til r, ctderas para diversas salas, apa-
rador, loutja de mesa e sobremrsa, appa'o-
llios para cha e caf, vasos de porcellana,
ir.esinhas diversas, Icitos de ferro, ditos de
madera com seus pertences, vasos dejar-
dim, colberes, garfos e faccas, muitos crys-
lacs para mesa,e outros para enfeite; e alm
de trom de coznha, e numerosos oulros
artigos ulcis e necessarios, um ptimo car-
ro do quatro rodas com arreios para, ca-
vallos, &,&: ter, pois, lugar dito leilio,
sexta-feifa, 21 do corrente, s 10 horas da
manhla em ponto, na casa oulr'ora da re-
sidencia do Exm. Sr. barflo da Ba-Visla,
Passagenvda-Magdalena.
Avisos diversos.
Deposito de rap.
Domingos Alves Mttheus, agente da
fabrica de rap superior arei prcta 4
e meio grosso da Rahia, tem aberto o 3)
scu deposito na ra Cruz, no Recife, 4
11.38, primeiro andar, onde se achara %
sem pie desle excclleuto e mais acre- 4
ditado rap que at o presente se tem 4
fabricado no Brasil: vende-se em bo-
(es de urna e meia libra por preco 9
mais commodo do que em outra qual-
quer parte. A
l'rocisa-sc de piolas quo vendam pc.
no Forte-do-Matlos ra do Burgos n. 31.
Manoel de Almeida Lopes que coslu-
mu comprare vender escravos mudou sui
residencia da ra do Vgario, n. 24, part
ra da Cadeia do Recfe, n. 40.
Anenda-so una grande campia dc-
nbminada sitio do Lucas, ou Enforcado, ni
estrada nova do Caxang, propro para pis-
tagem de gado rancho, ou para qualquer
plantacfio : a tratar na ra do Vigario, n ",
primeiro andar.
Estcvao de Gasse.
Oencarregado da venda do rap prince-
za da fabrica de Gasse Jo Rio-de-Janeiro
declara a lodos os freguezes que o deposi-
lo s acha completan ente prvido de
meias libras das 3 qualdades, lino, gros-
so e meo-grosso de que levo por alguns
dias falta- seu proco continua a sera 4,280
rs. de 9 libras para cima.
Atiendo.
A antiga agencia da ra do Rangel, n. 9 ,
continua no mesmo exercicio de lirar pas-
saportes para dentro o fra do imperio,
despachar escravos, correr folhaso solici-
tar ttulos de residencia, com a mesma bre-
vidadee commodidade nos ajustes, como
exuberante prova tem dado no decurso do
8 annos cm os quaes o respectivo agente
tem satsfeito a expectativa de todas'as pes-
soas quo o hSo procurado.
As pessoas que tiverem penhores em
poder do abaixo assignado, cuma) lempo
vencido do quo trataraiu querarn vir ti-
rar no prazo de 8 dias; do contrari serilo
vendidos para seu pagamento.
Judo Dubois.
- Na ra do Queimad, n. 14, segundo
andar, se dir quom dadinbeiro apremio.
Na mesma casa compra-seouro o prata no
estado em que estiver.
9 *
t> Caetano Xavier Pereira d Brito, 4
doutor em medicina, annuncia ao $
+6 respeilavol publico, quo fixou a sua
kt residencia no. Aterro-da-Ba-Vista, i
% n. 43, onde poder ser procurado a 4
fe qualquer hora ; o d cousultas gratis 4
0 aos pobres, das 6 as 9 horas da ma-
D> nliila. i
#>
Carlos (Claudio Tresse, fabrican-
te de'orgaos e realejos, na ra
das Flores, n. 19,
avisa ao respeilavol publico que concerli
orgos e rcalojos, pe marchas modernis
dcste paiz, concerls pianos, serafinas, cai-
xas de msica, accordlos e qualyuer ins-
trumento que apparcQa : tambem faz obras
novas e vende um orgo, propro para ct-
pella ou altar, com boas volee, por preco
commodo.
-- Precisa-se de uma preta captiva para o
servieo de una casa de pouca familia, p>-
gandO'Se-lhe mensaltnenle : no Aterro-ds-
Boa-VIsta, loja n. 1.
Na ra nova, loja n. 58, se dir que"1
d dinheiro a premio as quantiasde 204,
300, 400, 500 e dp.OOO rs., com liypolno-
ca cm casas torreas.
35* Chapeos de sol 3K
Ra do Pflicjo, n. 5.
O dono deste cslaheleclmento avisa 10
reapetavel rublco que elle recebeu pr-
sentcmentc una qualidade do chapeos de
sol com armadlo de a<;o sorlidns em i-
res e do varios tamanhos qnalidade esli
nunca aqu apparecida; bem como cha-
peos de sol com 8rniac.no de lialeia, Surti-
dos em cores fixas ; ditos para senhora. de
seda muito encorpada cae ricas franja de,
retroz '-e ebegados ltimamente de Pars:
tambem sevedem chapeos de sil, de pan-
nnho em purcao o a retalho ; ditos pan
feitor do engenho, muito grandes. Os fre-
guezes acbarln um completosorlimenloile
sedas e paiininlio imitando seda para co-
brir qualquer armando de chapeo de sol, o
que se faz, e tambem se concerta com loJ'
a brevidtde,
Viceuto Ferrelra da Cosa aluga o prt;,
meiro andar da casa da ra da Mdre-de-
Dcos', n. 3,onde l\r%ram escrlptorio os Srs.
Jobnston Pater & C. ,,
-- Ptecisa-se de urna ama para urna c?
de pouca familia, a qual cozinhe e fC*-
compras ; na ma da Cadeia do Recfe, "
41, primeiro andar. .
Aluga-so a caca sita no Monteiro de-
fronte do Sr. Joaquim Tburco, optitn
para se passar afesis : na ra da Auor>
n. 48.
t


.-Sendo que as perguntasfcitas no Dia~
r/ofloeo de honlent.n. 81, cntenda-se com
0 abaizo assignado, este protesta pelo
presente responder i todos aquellos quesi-
los com tanto que o perguntador, deizan-
,ln b capa do anonymo com que se pretende
iroerlar, ousar sssignar auas pergun-
l,n.-- Recife, i3 de selembrodo \M9.Ho-
-r.iln Jotph d Olivtira Fiyuelredo.
Quem annunciou precisar de um bal-
co, dirjanse i ra da Oadcia do Recifo ,
n 3*.
Dentes nrtificiaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peitavel publico que contina a ezercer a
sua proflssSo na ra estreita do Itozario ,
n. 16, primeiro andar.
50,000 rs. de grat.cacfto,
Ausentou-se, desdo a larde do dia 13 do
correte mez, da casa n. 19. na ra da Al-
fandega-Velha, um pardo de nome Anto-
nio de bonita figura cor clara, cabellos
compridos e annellados, pernas um pouco
arqueadas j tem o andar um tanto pesado,
falla precipitada ; levou camisa de mada-
pollo cncorpado e com a marca encarnada
F. 0- f calcas de algodUozinho de listras
soslidas por urna crrela envernizada; sup-
poe-e ter levado um chpo de seda preta.
Kste escrayopertenceu outr'oraao fallecido
Ignacio Gomes da Silva de Pedras-de-Fogo:
quem o levar a dita casa receber a dita
gratifleacSo.
Tendo o abaizo assignado dado de ar-
rfiii!amento a loja da casa em que*mora no
Atterro-da-Ba-Vista, n. 39, a Julio l.uiz
Vianna, o qual estateleceu-se na mesma
loja com negocio de calcados feito?, acon-
tecen quo fluir devndo alguma quantia
do imposto do banco ; e por este debito foi
e\ecntado e arrematado o remanescente
desse negocio e at a armacflo ; ficando
dita loja vasia, e sem cousa alguma que
perlencesse ao devedor; o porque, anda de-
pois de ejecutado e arrematados estes pou-
eos bens, ainda flcou restando do imposto :
nao tem podido o annuncianto arrendara
- Mihredita lojn, porque enlcndem os pre-
^endentes que llcam obrigaqos divida do
executadb, eessim tem lido o snnunciante
um grave prejuizo por se achara loja sem
inquili.no por mus de dous annos, o que
i'onsiitue o annunciante na obrigaco de
Inzer-publico que a sua loja, ou quem para
ella vier morar nilo he obrigado a divida
do banco do tempo do pietento morador ;
por que nilo ha le alguma que assim o de-
termine no caso disposlo. Antonio Martina
Ilibtiro.
Na ra do Hospicio, n. 14, acham-se 2
pers que foram apanhadoapor um criado
da casa por suppd-los extraviados: quem
IV)r seu dono poder reciama-los, e os ter,
dando os signaes.
Precisa-so alugarum prelo: na refina-
cao da ra da Dorias, n. 7.
Mr. e M. Len, gravadores
em tdtes os genoros, professores de dese-
nlio e colorido, teem n honra de informar
ao publico que, alm da gravuia, soacham
no caso'dc lornecer a imprcsjlo, a rasilode
500 ezemplares em 24 horas, seja em ne-
Rio, cores, ouro, ouro e cores pelos presos
correles da Franca, os quaes variad de
1,000 rs. a 2,500 rs. o-cento., nunca mais,
mesmoem ouro.
Aluga-se urna escravaquo saiba eozi-
nhar, para se oceupar no servico inlorior
de urna casa de pouca familia : a tratar em
Fra-de-l'ortas, ra do Pilar, no primeiro
andar do sobrado n. 63.
Aluga-se umagrande casa para passar
os* mezes da fest, que serve para familia,
com 3 quartos, sala adianleeatrs, cozinha
fra, estribara para 6 cavallos, pcrlo de
bom banho: quem pretender dinja-se
ra da Praia, n. 80, ou a Constantino Jos
Raposo, que dir onde lio.
-- Alguma pessoa que precise de quem
Ido tome conta de sua roupa para ir lavada
eengommada, como tambem apromptar
jnntares, ludo com asseio, dirijn-se ra
Direila, sobrado que se faz doco n. 33, ao
p da botica.
Urna senhora solteira maor de 40 an-
uos, que ha mnitos annos se tem oceupado
a cnsinar meninas, so offorece para ensinar
a ler, escrevere contar al repartir, o co-
ser liso em algum engenlio perto desta pla-
ca :qucm de seu preUimo so quiser utili-
sar, dirija-se ruado Livrameulo, n. 23/
primeiroandar.
Na cocheira do Varadouro em Olinda ,
defroi.te do desembarquo so recolhem ca-
vallos ; bem como tambem se alugam.
Fazem-so chapeos de seda e do palha ,
loucase manteletes pelos melhores mode-
los ; lmpam-se chapeos do Chile e os de
palha para senhora; bem como pesco-
cinbos o camisas de renda pondo-se ou-
tra vez como novas : na Soledade na ulti-
ma casa nova doSr. Ilerculano, defronte da
padaria, a fallar com M. Feotn.
Precisa-se alugar urna preta captiva
para lavar, ongommar e fazer lodo o mais
servicode un.a casa de familia: no largo
das Cinco-Pontas, sobrado de um andar
confronte a matriz. 4*
-Quem quizer 40,000 rs. a juros, diri-
ja-se ra Bella, n. 32.
A pessoa que I he faltar urna porca que
eslava prendo e hoje est parida dirija-
so ao paleo do Paraizo n. 27, que se dar
noticia della pagando a despeza.
--JoffoXavier de Sales, procurador no
foro destr cidado tendo aceitado um par-
tido do Sr. Manocl Joaquim Concalyes e
Silva poranno, e comeando ea o primei-
ro de Janeiro de 1848, acontece ler sido
despedido da procuradoria no dia 14 do
correnle por los de Mello Albuquerquc
Monte-Negro ; nas como o seu copstiluin-
le se acha ausente em Portugal. lalvez
Ihemandem dizer, que ha mais tempo se
cha despedido, o annunciante para evitar]
duvidase ignorancias. Taz apresento de-*
clarcOo pela imprensa afim de que cons-
te em lodoe qualquer tempo.
Francisco do Mallo Vieira, om venda
nn ra de Hurtas faz seiente ao publico
que Antonio Vieira Martn deizou de ser
seu caixeirodealeo dia 11 da correnle: e
'para que nilo haja qualquer .duvida declara
1 co prsenle.
Kv--llavendo mu bem desempenhado o
4 Jos Anlonio de Souza Machado ageren-
'. de meus negocios na praca do Itecife ,
de que foi incumbido n safra linda con-
limia o mesmo Snr. na gerencia driles,
e por Isso aquellas pessoas que commigo
liverem transsccOes pdem a elles dirig
rem-so em o seu armazem de assucar na
na de Apollo, n. 24. Engenho Paulisla,
15desetembro de 1849. Joaquim Caval-
canlide Mbujvtrque.
-Sebastiflo Tobler faz urna viagem a
Europa.
Quem precisar de urna ama para casa
de pouca familia dirja-se ra do Padre-
Florianno, n. 59,
-Precisa-sealugarum ou dous andares
com commodos suftlcientes para urna fami-
lia em qualquer ra que nflo seja muito
retirada : quena tiver, dirija-so ra do
Queimado n. 38, ou annuncie.
--Vicente Alves. Ribciro, mostr alfaiate,
mudou sua residencia da ra larga do Ro-
zarlo para a ra doLarangeiras n. 22, ao
p doSr. Claudio Debeaux ondo o acha-
rad promplo para servir a todos os seus
freguezes ou a outros quaesquer com to-
da a brevidade, gosto o cummodidade ,
conforme o datme.
Pela segunda vara do civel, escrivad
Ounha se hade arrematar no dia 19 do
correnle, por ser a ultima praca, um re-
logio de caita de ouro, sabonete, e de fa-
linca horizontal avahado por 80,000 rs. ,
penhorad a Jos Tliomaz do Campos Qua-
resma.
Precisa-so de um traballiador do mas-
seira sendo bom se dar bom ordenado:
na ra Direila, n. 18, se dir quem precisa'.
Roga-se ao Sr. B. D. F. o favor do man-
dar pagar a .quantia de 55,460 rs., na ra
das Flores, T25; do contrario, tero des-
costo de ver o seu nome por extenso nesta
tulla.
Precisa-se de um menino que tenha
principios de pharmaca, ou aem elles : no
Aterro-da-Uoa-Vista, n. 76.
Munoel Antonio da Silva Molla nao Ihe
convindo mais arrendar o seu armazem,
a ra de Apollo, n. 32, recolhe no mesmo,
genero de foda a qualidade e tambem cor-
vad de podra por isso que tem lugar para
isso : tudo isto lie em beneficio deaeus ere-
dores.
-Muito sedeseja saber se nesta cdade
011 provincia existem ManoeUos Aflbusoe
o padr Gabriel Pereira de Castro Uaccllar.
qne para aqu vieram de Portugal em 1516
ou 1817, sendo o ultimo sobrinlio do bri-
gadeiro Manuel Joaquim, que aqu morreu
na revolucilo de 1817. Os mesmo, ou as
pessoas que delle liverem noticas, dirijam-
se a esta tvpographia.
Precisa-se de urna perita iloceira, tan-
to de doces de caldas como seceos: na ra
do Trapiche, n. 44.
Precisa-se de urna ama de leite, prefe-
rindo-se captiva : no Aterro-da-Uoa-Vista,
loja n. 78.
Para as pessoas que ten-
ciouam seguir viagem.
NopateodeS.-Pedro casa terrea n. 8,
tiram-se passaportes para dentro e fra do
imperio, correm-sofolhase despacham-s
escravos e para este fim tambem pde-se
procurar na prai;a da Independencia, livra-
ria ns. 6 e 8.
Aluga-se um sobrado na ra da Uoiad,
comboa vala para a barra excellenles
salas, alcovas e quartos, grande quintal
murado cacimba e cozinha fra: a tratar
com Manoel Alves Cuerra.
Hypollieca-se um sobrado de dous an-
daros om boa ra, pela quantia de um con-
t oitocentos mil res, Dcando o aluguel pe-
lo premio ; negocio este e vamagem :
quem quizer annuncie para ser procurado.
-Precisa-sede um caixeiro que tonda
pratica do venda : na ra estreita do Ito/a-
rio, 11. II.
Traspassa-se urna hypotheca do 5 es-
cravos bous e mocos, liypolhecados por
um anno, vencendo 2 por cenlo ao mez a
quem convier annuncie o liypothecante e
os escravos moram aqui no Hocife.
Aluga-se por lempo de oito mezesum
spbradnho na Ponle-de-Ucha por 75,000
rs. em todo o decurso dos ditos oito mezes :
na ra da Cruz, 11. 51.
^f V V V Y Wf^WWlW V
aa. *
f
c.
<
<5
8" PARA OPURRICOOS CONIIECER.
* O Sr. Antonio Jacintho de Medoiros
* Sampaio, morador no engenho om-
^ Jess, sito na Barra-Grande, que ha
f poucovesteve nosta praga e ri'tirou-
se quasi occullo para nflo pagar a
quantia de 766,388 rs. e nemassig-
:> nar no a Icltra desta quantia, que li-
!> cou devcndBO seu antigo corres-
;> poudentc, haja de quanlo antes man-
dar pagara referida quantia o seus
;> juros, pois mo se pode mais acre-
> dilar em su as promessas vista do
9- que acaba do praticar. O mesmo se
jj faz ver a seu sobrinho, Antonio. Ja-
j* cinldo de Medeiros, que lambom dc-
f vea quantia de 88,460 rs e usou da
.. mesma esporteza que S. me. usou.
4
Offerece-se urna parda para ama de ca-
sa, a qual cozinda, e faz todo o mais servico
de urna asa: em Fra-de-Portas por de-
trs da igreja do'Pilar, casa deFilippede
San-Tiago.
Precisa-sede um feitor, aendo casado
nielhor, para uro sitio pequeo : no fundo
da igreja dos Martyrios, venda do Molla, so
dir quem precisa.
(illcrccc-se urna parda para ama de
casa de homem solteiro ou de pouca fami-
lia : na travessa de San-Pedro, n. 24, no
fundo da venda de Jos da Penda.
Arrcnda-se por um anno,-ou smenle
pelo tempo da festa, urna boa casa no Po-
50-da-Panella margem do rio, a qual foi
do l)r. Joo Lopes : a tratar na praca da BOa-
Vista, casa n. 32, segundo andar.
Desrja-se fallar a negocio de bstanle
intoresse, na ra da Cadeia do liecife, n.
24, loja de cambio, cooiosSrs. Jo3o Bap-
lista* do Souss, Manoel Estoves do Abren,
J0S0 Alfonso, Antonio Jos de Alcntara,
Manoel de Olivcira Paz, Jos Anlonio ('.Ot-
ilio do Meirelles, Vicente Ferreira Fontes,
Vicenta^oao do eos, Jos Policarpo de
Krcitaa, Jeito Amaocio de Souza Ribciro,
Jo.lo Jos Rodrigues de Almeida e Albu-
querque, Francisco Ignacio .opes e com o
Rvm. Fr. l,ouieii(,o da Concei^ao c Silva.
Quem annunciou querer hypolhecar
um sobrado de dous andares em boa ra ,
dirija-se ra estreita do Itozario, 11. 43 ,
qife se dir quem faz esle negocio.
Dowsley& Companhia avisim ao res-
paitavel publico que o Sr. Henrique Nash ,
leudo de fazer urna viagem retirou-se de
seu estabalecimenlo desde a data dealo.
iRecife, I3desolembrode 1849.
Aviso.
Quem pretender engenhos para cm 2 ho-
ras socar urna caiza, ou 6 barricas de as-
sucar, oceupandn urna s pessoa e um ca-
vallo, carros para condcelo de formas
com assucar, tambem por' urna sua pessoa,
nilo querendo ser engallado, dirija-se ra
do sol, n. 13. Advertc-se que nao sao carros
do forquilha... por bailo do fundo das for-
mas : destesos acharSo na fabrica dosSrs.
Slarr & Companhia.
Desappareceu da casa de Prxedes da
Fonseca Coitinho, no dia 7 do correnle, o
seu escravo Eustaquio, pardo claro, de ida-
dede22annos, do estatura regular, socco
do corpo ; tem os dedos dos pos levantados
quando anda, toma bastante tabaco e he
olUcial de sapateiro : quem o pegar, leve-o
a ra Real, na Boa-Vista, que ser recom-
pensado.
Tendo fgido urna rola grande, a que
chamam Irocal ou gallega no dia soxta-
feira, 14 do corrente pede-se a quera a ti-
ver pegado de a levar ra do Queimado,
n. 38, que, almdeso gratificar com o va-
lor da mesma rola, se ficar obrigado.
Aluga-se a casa de sobrado em S.-Ama-
rinho que he dos herdelros do finado Ma-
noel l.uiz da Veiga com commodos para
Orna grande familia terreno contiguo ao
mesmo sobrado c parte do um viveiro de
peixe : a tratar com Manoel Luiz ds Veiga,
na ra da Madre-de-Deos, n. 36, primeiro
andar.
Urna urna mulher idosa se ofTerece pa-
ra ser ama de qualquer casa, preferindo-se
de pouca familia ou de homem solteiro a
qual se obriga a fazer todo o servico de
portas a dentro : quem a pretender dirija-
so ao becco do Sarapatel, n. 1, lujas.
David W." Bovvman subdito inglez,
vai a Europa.
|). Mura Carlota de Ulveir* Gomes em-
barca para o Rio-dc-Janeiro, levando em
sua companhia sua (ilba menor U Anna
Candida Gomes, os seus escravos Maran-
na, de nac,io Rebollo, Antonio, de naffio
Congo, e os mulatinhos menores Narciso c
Serina.
Jo5o Marques Fernandes deixou de ser
caixeiro do Sr. Manoel Marques Fernandes
desde o dia 13 do correte.
Miguel Jos Rodrigues da Costa faz pu-
blico quo desdo o dia 13 do correnle nilo de
caixeiro do Sr. Antonia de Azevedo Ramos.
Com
pas.
Compram-so qualro esrravns prenda-
das, com habilidades e de bonitas figuras,
para urna encommenda : na ra do Passeio,
loja n. 17.
; Compra-se nmn liteira : na
praca da Independencia, livraria
ns. 6 e8.
Vendas.
mmmmn#.mm* mm*m
1 Loteras do ltio-V
Janeiro.
% Aos 20:000#000 rs. .
Sil.3 aftivor da Muericoadia
\ J
I
de sala : na praca da Independencia loja
defuniloro, n. 27, so dir quem vendo,
das 7 s 9 horas da manda e das 3 da lar-
de emdianto
Tolcria do Rio-dc-
Janeiro.
Aos 20:000,^000 de res.
Na ra do Crespo, loja n. 8, vendem-je
meos bilhetes, quartos, ilavos e vigsi-
mos da 11.* loteras beneficio da S.-Casa-
da-Misericordia do Rio-de-Janeiro.
Ao barateiro.
No Passeio-Publico, loja n. II vendem-
se ricos cortes de cassa-chHas a 2,400 \s.;
panno'zul, a 3,200 rs. o covado ; setim
prelo superior, a 4,000 rs. ; cassa-cbila
denominada imperatriz, a 3^0 rs. o cova-
do ; ditas mais ordinarias, a 240 rs.; e nu-
tras inultas fazendas por proco commodo.
No ra do Crespo, loja da
esquina que volla para a f
.) Cadeia, vendem-s
| Os acreditados brins brancos de lis -
9 tras, lisos e amareMos, a 1,500 rs. o
# corte ; dito muito superior a 1/00
rs. todos de puro linho ; panno fino
* pretoeazul. a 3.20Q rs. o covado; # dito muito superior, a 5,500 rs ; fus- 9
tf lOos muito bonitos a 640 rs. o cor-
t) te; ditos de velludo muito ricos a 9
9 2,500 rs. ; pecasde cambraiade quo- 9
tt drosde8varasemeia, 2,70 rs. a g
*'' peca^cassas relas muito bonitas,
d a 1,410 rs. o corle ; madapolilo enfes- g
# lado muito fino, a 5,400 rs. a peca ; W
# cortes de calcas de setineta do cor, W
?; a 880 rs. ; ditos de castor, a 1,000 9
tf> rs. ; chila azul para escravos, a 140 1
>;! ra. o covado; picote muito eucorpa- a
10 do, a I8rtrs.;platilhasjelinho^a500
vt, rs. a vara ; esguiSo de linlio multo li- m
?s no ecom4 palmse meio de largn- 4
m ra a 1,440 rs. a vara ; corles de W
# brim de nlgodao a 800 rs. ; o ou- 9i
9 tras militas fazendas por prego coto 9
'4 molo. ^
4 ^
1
e 5." do thesouro.
Meios Illicles. n,5oo
Quarlos..... 5,5oo
H Uitavos..... 2,800
Vigsimos. l,3oo
Na ruado Collegio. n. 9.
1 ___9
mmmmmm mmmm ***
Vendem-se tres toalhs abortas de la-
varinlo, com bico ero roda e bem fcilas, c
um lengo tambem de lavarito rom bico em
roda : na rur doCabug, loja n. 9.
Vendem-se cortes de cassa franoeza ,
padioes escuros a 2,000 rs. ; ditos de cam-
braia com listras do c6res e muito largas ,
a 3,500 rs. : na ra do Crespo, loja n. 12.
Vende-se urna bomba de cobro, com
lodos os seus portences e com pouco ouso;
tambem se vende um violSo em bom esta-
do : na ra do Nogueira, n. 37.
--Vendc-sc mullo bom doce-de ginja de
Lisboa a240rs. a libra ; superior farinha
de ararula muito nova,alva e limpa, a
240rs. a libra; feij.lo mulatinbo novo,
2i0rs. a cuia : no pateo do Carino venda
n. 1.
NOVO METIIODO PRTICO E TI1EORICODA
LINCOA FRANCEZA ,
por Luiz Antonio Burgaim 2 v. por2 rs.
Acaba do apparecer no Rio-de-Janeiro
esla interessanle grammalica pela qual
em muito pouco lempo, e sem a fastidiosa
trete do estudar de cor verbos o significa-
dos so aprendes fallar, traduzir e cscre-
ver com perfeicflo a lingo franceza : ven-
de-se na praca do Commercio n. 2, pri-
meiro andar.
Lotera do Rio-de-
Janciro.
Aos 180:000,000 de res.
Na ra do Queimado, loja de miudozas ,
n. 25, vendem-se bilhetes, meios, quarlos,
oitavos e vigsimos da quinta lotera do
thesouro publico. Na mesma loja so mostra
a lista da lotera da caridade.
Cootnua-se a vender manteiga ingle-
za muito superior, a 640 rs. : no Aterro-da-
Boa-Vista venda o. 54, pegado ao Eslima.
Vende-se um soph, 12 cadeiras, 4 di-
las de bracos, urna dila de balanco urna
mesa redonda de meio do sala, duas ban-
cas de jogo : tudo de Jacaranda e em bom
estado um caunap, 6 cadeiras em mo es-
tado, 2 pares de laotemas : no paleo do
Car.no, n. 18, segundo andar.
--Vende-se urna uegrinha de 14 annos,
recolhida e que nio tem vicios: na ra
Nova penltima casa junto a ponto, do
lado do sul, por cima de bilhar francez.
JNovoe bom.
Na ra das Cruzea, venda n. 28, junto a
padaria do Sr. mejor Justino Pereira do la -
ria vende-.-c multo bom feijo mulatinbo,
dito fradinho e mildo : tudo muito novo <
chegado da tilia do Fernando pelo brigui
Pirapamat.
Vende-se urna mobilia de Jacaranda
em bom estado, e mais objeclos prop ios
Vendem-se Hsverdadeirns colheres de
metal do principe para sopa cb e pa-
ra terrina : na ru Nova, n. 20 loja de
Jo3o Ferna ndes Prente Vianna.
Vende-se urna armacSo do venda e
mais pertences na ra Direila n. 53 tu-
sar esto muito bom para vender, tanto pi-
ra trra como para o mallo : a tratar com
Antonio Francisco Martina de Miranda na
ra da Praia-de-S.-Rita n. 7.
Vendem-so os seguintos livros muito
em conta: Eshoco de diccionario jurdico de
Pereira e Souza, 15,000 rs.; Revolucilo de
1817, 1,200 rs.; Larraga, IheologM moral,
3,000rs; Concena, Ideologa moral, 7.O0O
is ; RbetoricadeMarnbo, 4,000 rs. ; Dou-
trina Ct.rislns, 3,000 rs.; Troludo da rel-
Ciflo, 3,000 rs.; Ritual romano, 2,000 rs.;
Cerco do Porto, 1,000 ra,; Snluslo em por-
tuguez, 1,000 rs.; Tlwatro ecclesaslico,
4,000 rs.; Notesde invern, 1,000 rs f Bra-
manc viajante. 1,000 rs.; Compendio dou-
trinal, 1.000 rs.; Annaes da f, oito vol.,
6,000 rs ; Cousin, philosopliia, 7,000 rs ;
poesas do Barros, 500 rs.; I'.nsaios poticos,
1,000 rs ; Melodas, 1,000 rs ; Santa biblia,
5,000 rs.; Mr. Roto, 1,000 rs.; Testamento
do gallo, gallinha e cachorro, 480 rs.; Pe-
leja da alma com o diabo, 200 rs ; Coveia
Pinto, 3,000 rs.; lindas orphanalogicas,
3,000 rs.: na praca da Independencia, n. 13.
Lotera do 15io-de-Ja-
neiro.
Aos 20:000,000 de res.
lie cfcegAila a lista da dcimo primeiro
lotera o beneficio das casas de caridade, o
com ella grande sorlimento de bilhetes,
meios, quartos, oitavos e vigsimos: a elles
antes que se acabem, pois sflo muito afor-
tunados : na ra da Cadeia do Recife loja de
ferragens, n. 56.
Na loja do Atcrro-da-Boa-Vists, n. 18,
vendem-se meios cdalcs de 13a a 500 ra. ;
brins escuros, pelo baratissimo prec.o de
1,000 rs. o corte.
Acha-sede novoedicada a casa ter-
rea da encruzilhada de Belm, pertencente
o Manuel da Cunda Olivcira, em a qual o
mesmo tinha um estabolecimenlo do ta-
berna que foi encendiada e reduzida a
cinzps em urna das noites do mez de juldo
prozimo passado pela malvadesa do al-
guma alma corrompida. O seu proprieta-
rio vende a mesma casa e sitio cun mais 7
casas que all possue : tambem arrenda o
sitio com as 8 moradas de casis, por tem-
po que seconvenconar: tam\>em vende a
sua taberna do pateo da S.-Cruz muito
bem afreguezada : a tratar no Corredor-do-
Bispo, cum Manoel da Cunda oliven a.
A-4#000o corte de novas
alcinas d seda
com lindos padrees de listas e qusdros, co-
res modernas, clarase escuras at pretas;
gangas amorellas da India, proprias para
todo o trage de homem o de meninos ; bem,
como um novo sortmenfo de fazendas fi-
nas egrossas por baratissimo pre<;o: no ar-
mazem do Raymundo Carlos Leite, na ra
do Queimado, n. 27.
Vende-se urna escrava do 22 annos de
muito bonita Ggura que cozinha o diario
de urna casa mujlo bem, engomma e lava
inulto bem, com urna negrinha de 3 me-
zes e um moleque de 3 annos ambos limi-
to lindos : vende-se com todos dous, ou
com a mais pequea s a vonlade do com-
prador: um moleque de 18 annos, de bo-
nita figura quo cuznha o compra muito
bem, este s para fra da provincia : na ra
da Cadeia ao p da casa da Apollinea, de-
fronte da ordem ler,ceira de S.-Francisco.
- Vende-se um piano de boas vozes e em
bom uso por 200,000 rs. : no caes do Ra-
mos, segundo sobrado.
-T- Yende-se superior fio de
algodao para torcidas de velas :
em casa de Geo: Kennwortliy &
Companhia, rua da Cruz, n. a.
Vende-se a ze i te de carrapato em caa-
da a 2,400 rs. e em garrafa a 320 rs. : na
es [nina da rua do Itangel, venda de Jos
Rodrigue? Coelho & Companhia.
."
Vcndcm-se os Ij^eciavcs
charutos de I lava na ; dito* regala*
de superior qualidade, chegados
recentemente ; assim como pti-
ma manteiga em vidros : ludo por
preco commodo : na rua da Cruz,
n. 51, armazem de J. Elster.
Vende-se um preto roca, do bons cos-
tumes, ollicial de anzoleiro e de i fia 19 an-
nos : no Ponle-Velha, casa do Sr. Calilo.
a loja do Duarte, na rua
do Cabng, n. I C, vendem-se re-
quififes de cores; fraojas pro-
prias para manteletes de cores ;
lencos de sed j c algodao para gra-
vata e algibeira ; boleas de micah-
ga, proprias para m3os ; manti-
n has de seda a 8oo rs. toncas de
la para senhora e meninas ; e 15a
para bordar de seda, 4e todas as
cores. v
Salsa- parrilha de Sands
para remover e curar radicalmente lo-
dosas enfermidades que procedem da im-
pureza dosanguc, ou habito do systema.
Esta medicina est operando constante-
mente curas quasi incriveis de molestias
que procedem da impureza do sangue. A
Infeliz victima de molestias hcrediltrias,
com glndulas indiadas, ervos incolhi-
dos, e os ossos meio arruinados, ficou resta-
belecida com toda sua saude e frcas. O
doenlc escrofuloso, conecto de chagas, cau-
sando nojo a si moscoo, e a quem o servia,
ficou perfeilo. Centenares de pessoas que
tinham so(Trido( por annos, a ponto de de-
sesperen! da sua sorto ) molestias cutneas.
glndulas, rdeunialismo chronico e multas
outrasenfermidades procedentes do desar-
j-anjo dos urgiios de secreciio o dacircula-
qo, teom-seerguidoquasi milagrosamente
do leilo da morte, e hoje, com constituicOos
regeneradas, com prazer altestam a ellica-
ciadesla inestimavel prepacaedo.
Comquanto lenliam appaeccido grandes
curas at aqui produzjdas pelo uso desta
ostimavel medicina comludo a experien-
cia diaria aprsenla resultados mais no-
taveis.
New-york, 82 de abril de 1818.
Snr*. A. B. e I>. Sonds. Julgando ser
um dever para com vosco e para com o pu-
blico em geral, reroet.to-vos este certifica-
po das grande* virtudes da vossa salsa-par-
rilha para que outros que hoje estilo sol-
fcendu estabele<;ain melhor a sua confian-
ca e fagam sem demuca uso da vossa medi-
cina. .
Vi-me perseguido com.uma grande ren-
da no tornozelo, que se estendia pela cand-
a cima at ao joelho, laiicava grande por-
que.meprivavam multas noites do meu des-
canso, e eram muito penosas de supportar.
O Sr. Diogo M. Connel, que havia sido cu-
rado com a vossa alsa-parrilha, recmmen-
dou-me que eu flzesse uso della e depois
de havor tomado cinco garrafas fiquei por-
feitamonte curado.
Tenho demorado um anno mandar-vos
este certificado, para coghecer com certe-
za se o curo era permanente, tendo agora
a maior satisfacHo em declarar quo nilo te-
nho visto, nem sentido cousa alguma du-
rante todo este tempo, e acho-mo perfeita-
mente restabelecido. Sou vosso, ele.
Sarah M, ntirt.
240, rua Delancey.
Nesta provincia o nico agente deste ma-
ravilhoso remedio he Vicente Jos de Brito.
Vendem-se silhoes e sel
lins elsticos inglezes, e cabecadas
com pe lora I : cm casa de Geo:
Kennworlhy & Companhia, rua
da Cruz, h. a.
Vendem-se 12 lindos moleques de na
cito e crioulos, de 14 a 20 annos; 10 pretos
de 20 a 30 annos, sendo dous urna bonita
parclda para radeirinlia, e bonsganqadore.s
de rua, sem vicios; dous mulatinhos de 14
o 20 annos ; um dito de 22 annos, de bonita
figura, de boa conducta e bom para criado
por ler algum principio de bolieiro; tres
pretas com habilidades, sendo urna pertei-
tacozinheira; tros ditas para lodo o servico;
duns negrinhas de 10 a 13 annos com prin-
cipio de costuro ; urna preta de meia idade
porpreco commodo; duas mulatinhas de
16 a 20 annos, que cozem e engommam, as-
sim como outros muitos escravos : na rua
da Cadeia do Recife, u. 40.
Vende-se umo prela de Angola, de ida-
de de 20 annos, que sabe cozer, fazer lava-
ndo, ensalmar ecozinhar o diario de urna
casa : na rua da Cruz, n. 18, terceiro andar.
Vendem-se, na Lija do Du-
arte, na rua do Cabug, n i C,
perfumaras finas e sapatos de co-
ro de lustro a a,2q0 rs.
Vende-se urna casa por menos preco
de seu valor, por haver precisad, a qual
serve tanto para morada como para ne-
gocio : no Manguinho, n. 35.
. Vende-se um carro de4rodas, novo,
envidracado e moderno: quem o quizer ver,
dirija-se ao Alcrro-da-Boa-Visla coche.rm
doSr. Luiz Maria, e a tratar, na rua do Ran-
gel,n.55. ...
Luvas pretas de pellica
a I#000 o par.
Vendem-se luvas pretas de pellica para
senhora de muito boa qualidade : na ruado
Queimado, n. 16, loja do Jos Uias Simoes
& Companhia.
-Vende-seo engenho Mariana, ello nos
arrabaldesda cidadede Coianna com to-
dos os seus pertences, tendo o dito enge-
nho para mais de duas legoas de terreno ,
muito productivo, mallas e muitas com-
modidades para se levantarem 2 engenhos.
0 que ludo pode ser examinado* por quem
se resolver a entrar em ajuste com os her-
deiros legtimos do finado morgado Anto-
nio Gomes Pinto de Araujo: a tratar na
mesma cidade de Coianna.
Vende-se um pido de nacSo, de boni-
ta figura, sem vicios nem achaques, muito
bom cozinheiroe porprec,o commodo: ao
comprador se dir o motivo da venda : na
1 rua Nova, n. 14, segundo andar.
MUTILADO




/
ij.ivi.iji .maumuiimiii mnmmmm
a^cMIs ele pallihiha e
* de balando,
lit-iii com oiitros muitos trastos: vcndein-so
em casa de Ivalkmann Irmfios, na rna da
Cruz. ii. 10.
-- Nos rmanos iic Francisco Das l-'er-
roira o nodo Leopoldo Jos di Cosa Arau-
o, lia ara vender o niais superior vin'.io do
Porto que tcm vindo a este mercado, em
harria du 4*. 5o, V o 8' : os apreciadoras po-
dem sortir-se porque poucaa vezes c;i vem
faxenda igual.
O
o
cm
ra da
l'm piano.
, f,\
Vende-se un piano limito lmm para
estudo, bonito e le excellento autor:
na ra do Collegio, n. 9. '3*
$$Q*$9*9QQ QOeQQQQfiW
para calcas e jaquetas.
Si\ ra do Queimado,
loja n. 8 ,
vende-se brim (militar) trancado bronco,
h 1,44.) rs. o corlo ; Hito dito escuro a
1,280 rs. i corle ; dito edr do ganga, mili-
to lino, a 1,500 Vi. dito liso escuro, lieni
proprio parajaqueta, a 800 rs, o corte: sen-
do lodos do puro linho : cortes de castor
do lislras o quadros a 800 rs. o corte.
Vendem-so riscados escocezes rom
vara do largura, a 290 rs. o covado ; cassas
pintadas de cores lisas, a 210 rs. o rovadn;
pecas de panninho do vara de largura, com
12 jardas, a 2,000 rs. : na ra do Crespo,
toja n. 10.
Para escravos.
Vendem-so coliertores de algode ameri-
cano a 560 rs. cada un; zuarlc de chadrez,
a ICO rs. o covado ; dito trancado, a 200
rs. o eovitdo ; pecas de ganga azul da India,
com 4 palmos do liirgura e 12 covados
2,100 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
ap roldo francs,
Vende-se o superior rap rolSo francez ,
nicamente as lujas dos Srs. Caelano l.uiz
l'eneira no Aterro-da-Hoa-Visla n. 46
Thon.az de Mallos Fslima na mesma ra,
n. 54 ; Francisco Joaquim Duarto ra do
Caliug ; Tinto & IrmSo na ra da Cadeia
dollecifo, n. 19.
Na loj da rna do Crespo, n ,
ao p do lampeao, vendeni-so as
seguintes fazendas por metade de
sen valor:
corles de brim escuro, a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,410, 1,500 e 1,600 rs. ; dilo
branco, a 1,5(10 rs. ; dito lislrado a 1,500
rs. ; picote i muilo encorpado, a 180 rs.
chitas finas e do cores lisas, a 160 c 180 rs.;
cobertores de algodilo americano, os luc-
idores que lia no mercado, a 610 rs.; ma-
dapolilo muilo linoe com pouco mOfo, a
3,600 rs. a peca, e a 200 rs. a vara ; chapeos
do massa a 400, 640 e 1,600 rs. ; distilo ,
a 480 rs. o covado; dito muito fino e de
cores lisas, a 640 rs.
Superior cha brasilciro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo
caisinasdeurna e duas libras: na
Ca lea do Recite, n. 51.
Harneas.
Vctidom-scJ barricas vasias que fdram de
familia eni p e bem arcondiciouadas:
na ra do Amorim n. 85, casa de 1. i.
Tasso Jnior.
a rna do Crespo, n,>
loja que taz esquina para a ra do Collegio,
vendem-so chitas francezns largas e de pn-
di.H's muilo modernos pelo barato peco
de 280 rs. cada covado.
Tecdos de algodiio Iran-
cado da fabrica de To-
dos-t-s-Santos.
Xa rna da Cadeia, n. Vi.
vendem-so por atacado tres qualidades,
proprias para sarcos de BSSUCar e roupa de
escravos a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da fabrica de
Todos-os-S-intos na Rabia
Vcnde-se em casa de N. O. Ilieher & C.
a ra da Cruz, n. 4, alaodilo trancado
daquella fabrica, inuito proprio para saceos
do assucar e r-iupa de escravos.
Charutos de Ilavana
verdadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
*i3os na ra da Cruz n. 10.
Vende-se cera de carnauba,
de muito Loa cjtiolidade, cm pc-
<1 u ii .s e grandes porcGes c por
prero rommodo : na rna da Crnz,
n. 2<.
Castorina francez, a OSO
rs. cada covado.
Na loja que faz esquena para a ra do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorins
franceses muito encorpndos, padrOes no-
vos cscuros e com lislras pen boira, pelo
barato preco do 560 rs. o covado.
Vendem-se algumas saccas de furinba
muilo grandes c com um tuque de avaria ,
por um ridiculo preco : na praca do Coei-
mercio, n. 2, primeiro andar.
- A bordo da escuna Tentadora, chega.la
do llio-Crande-do-Sul, vende*se sebo em
rama, por barato preco.
Pannos finos pretoe azul,
a 5,000 rs. cada covado.
Na loja da ra do Crepo, n. 5, de Cuima-
rSest Henriques vendem-so pannos pre-
lo e azul, finos, pelo barato preco de 3,000
rs. cada covado c alm desles ha um com-
pleto sorlimento do todas as cores e pre-
sos commodos.
Madapoloes finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapoloes finos, com 24 jar-
das com um pequeo toque do mofo pe-
lo preco de 3,600 rs. a peca: na ra do Cres-
po loja da esquina quo volta para o |ca-
dcia.
Cortes de brlm de puro
linho, a 1,280.
-- Vendem-se corles de brim trancado
pardo de puro linho, pelo diminuto preco
do quatro patacas : na ra do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglezes : na ra da Senzalla-No-
va, n. 42.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo briguo aria-Jot:
a tratir na ra do Itrum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na ra do
Vigario. n. 19.
Chd brasileiro.
Vende-se cha brasileiro no armazem de
molinillos, alias do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excedente cha produzido em S.-Pau-
lo que lem vindo a esle mercado, por
preco muilo commodo.
AGENCIA
da fundico i.ow-Moor,
RA DA SICNZAI.T.A-NOVA, T. !\1.
Neste estaliclecimento conti-
na, a havcium completo sorli-
mento de mot-ndas e meias moen-
das, para enenho ; macliinas de
vapor, c tochas de ferro Latido e
co?.do, de tolos os tamanhos,
para dito.
4cs fumantes de bom tottO.
No armazem de moldados airas do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, ebegados
pelo ultimo vapor viudo 'lo sul superio-
res charutos S.-Felis, e de outras multas
qualidades que se vndenlo mais barato do
quo em oulra qualquer parle : bem como
cigarrilbos hespanhes, ditos de palha de
u.ilho, que se eslSo venciendo pelo diminu-
ta proco de 500 rs. o ccnlo.
-- Vendem-se amarras de ferro: na ra
da Scnzalla-Nova, n. 42.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodilo ameri-
cano, encorpado.se grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de bons padrOes e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
ra do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Taigas para en en ho.
Na funilicHo de ferro da ra do Brum,
acaha-se de receber um completo sorlimen-
to de taisas de 4 a 8 palmos de bocea as
quacs acbam-se a venda por preco com-
modo e com promptidSo embarcam-se,
cu Carregam-Sflcm carrossem despezas ao
camprador.
Chales de lioberto do
Diabo.
lirar sardas e rugas, n em bcllezar o rosto ,
foi por muito lempo so conhecido de poucas
pessoas nos Eatado-'nidos porem sua
grande ulilidadetornou-a o cosmtico mais
popular que se usava nos toiletes moder-
nos : vende-se na ra do Trapiche, n. 34,
segundo andar a 2,000 rs. cada garrara.
Deposito de Potassa.
Vende se milito nova potasa*,
de Loa qualidade, em barriszinht.
pequeos de quatro arrobas, poi
preco barato., como ja ha muito
tempo se nao vende: no rtecife,
rna da Cadeia, armazem n. 12.
-- Vende-se, na ra da Aurora n. 4, um
temo de tambores com aguilhfles e rode-
tes por 300,000 rs., e temos de carretas
solas para os mesmos, a 20,000 rs. o torno.
O v>
*> Vendem-so os objeclos seguinlesque O
rt> ficaram do leVSo que fez o Burgos
/* por nflo havor .nais lempo, deseef- 0
m feituar : 1 carro de 4 rodas, com ar- 5
rcios ; urna cadeirinha de arruar; 1 ^
X aparador ; urna carteira para escrip- ^,
\i torio : urna norcio de drros do fazpr
alUI IV una p"*i ^aw w > vF f . ores ; aldrabas para postigos; 2 n- i;*
- quissimas colchas ; um guarda ves-
&
Na lojadeGuimarles & Ilenriques ra
do Crespo, n. 5, que faz esquina para 11 ra
do Collegio vendem-se os noyos chales
grandes intitulados Huberto do Diabo pe-
lo barato preco de 1,600 rs. cada um : esta
duenda se lorna muito rccummendavel,
por ser de padrOes novos, e de lindas
franjas.
Chpos do Chile.
No arco de S.-Antonio, n 2, loja de cha-
peos c na prnca da Independencia loja
de miudezas ha um sorlimento de chapos
do Chile, edepados no ultimo vapor do llio-
dc-Janeiro : vendem-se por preco mais ba-
rato do que em oulra qualquer parte.
Vend-sc, por preco muito commodo,
urna cscrava de 35 anuos pouco mais ou
menos : na ra l'ormosa quarta casa ter-
rea.
Vcndem-se sapatOes de couro do lus-
tro, obra boa o de bom gosto a 3,500 rs. :
n ra do Cibugi loja n. 9.
Vende-se, na Passagem-da-Magdalena,
una venda com 200,000 is. de fundos:
\quem a pretender diriju-se a mesma, nu-
mero 62.
Vende-se um pardo sapaleiro ptimo
pagem e hbil para todo o servio, por ser
de boa conducta, o queseafianca com res-
ponsabilidado; urna prela pard o servico
de casa c de canpo : o motivo por que se
vende se dir ao comprador: no pateo do
Carnici, II. 18.
Vendem-se 10 lindos moloques de 12
u 18annos ; 10 prclos de 20 a 25 annos;
2 mulatinhos de 16 annos ; 3 pardas de 18 a
20 anuos, com habilidades ; urna dita de
20 annos com habilidades e leudo do
lili.us, um de 5 anuos o oulro do um anno ;
6 prelasdc18a 25 annos, com algumas
habilidades: na la do Cullegio, 11. 3, se
dir quem vende.
Vendc-soolco de recio superior e
latas de 30 libias : na ra da Ciuz, n. 3.
Naruadd Hospicio, n. 11, vende-se
um bonito molcquo de 18 anuos sadio,
sem defeitos e por isso proprio para o ser
vico decampo.
Vende-se urna prela de 30 annos, en-
gomniadcira costurara e cozinheira
que he propiia para ama do casa, inesmo
de bomem solteiio, ror ter muito boa con-
ducta : na ra larga meiro andar.
Vende-so um escravo de 20 'annos de
boa figura ptimo para todo o trabalho ,
tanto de campo como da praca ; um mo-
Icqui' de 16 anuos de boa figura ptimo
para ludo que se queira applicar; urna es-
crava do 20 annos muito forle e robusta
para o sirvico de una casa, e quo cozinha e
Uva; umanegrinha de 16 annos, que se
d por preco muito em cunta, por preci-
sar de um pequenu curativo : na ra do
Collegio, n. 21, primeiro andar.
Vende-se urna prola que lava, engoin-
mae cozinha o diario de urna casa; urna
linda negrinha de 10 annos: na ra do Col-
legio, n. 15, primeiro andar.
Vcnde-se farinha do mandioca muito
superior, a bordo do patacho Valenle, vin-
do de S.-Catharina fundeado no caes do
Collegio: a tratar com o capillo a bordo,
011 com Novaes & Companhia, na ra ao
Trapiche, n. 34.
Agoa de prola.
iido ; urna mosinba de mogno de Jg
O molas ; um lindo aderece para se- vJ
' nhora ; um relogio de ouro patente *3
O inglez com corrento; 2 escravos ; 2 Q
0 casas terroas na Iravessa do Peixoto, O
W ns. 19 e 36: no pateo do Carino, 11. O
Q 18, segundo andar. ti>
>
ftGCr06-&OC?>G> &6GGGOO
Pasta de flor de lyrio.
leo melhor artigo que se conhece para
limpar o embranquecer os denles, fortificar
as gingivas e conservar a tocca sempre
liuia eas gengivas purificadas do trta-
ro : vndese na ra do Trapiche, n. 31, se-
gundo andar, a 2.CO0 rs. cada boiflo.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na ruado Trapiche, n. 17, ha
muito superior cal virgem de Lis-
Loa, por prego muilo commodo.
Agoa de niel.
Este remedio he para promover a belleza
e vigor do cabello, removendo a caspa e
conservando aquello macio e lustro da pol-
Ice cabello, que s pode ser adquerido
tendo-se a pella fresca e os poros pelas ra-
zes do cabelle sempre abortos, e sua acc&o
salutar nada conlem que possa prejudicar
o cabello : vende-se na ra do Trapicha ,
n. 31, segundo andar, a 1,000 rs. cada
garrafa cnvolla no seu competente recei-
tuario.
Superior farinha de
mandioca.
Chegou de S -Catliarina o brigue S.-Ua-
nael-Autjusto com um carregamenlo de fa-
rinha superior acha-se fundeado defronte
do caes do Bamos, e all te vende qualquer
poi'cu a pceo commodo .' tambem se pode
tratar na praca do Commercio, n. 6, pri-
meiro andar.
-- Na loja do Estima & Bamos, no Alen o-
da-lioa-Vista, vende-se um par de adrago-
nas muito ricas para capitSo; bem como
um habito esmaltado, d Christo.
Jogos de visporas.
A ellcs antes que se acabem : na ruado
Queimado, n. 22, loja de"chapeos.
A 1,'JttO, 1,440 e 240 rs.
Na ra do Crespo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Das,
vendem-se cites de superior brim escuro
de puro linho,a 1,280 rs. dito cOrdegan
ga de superior qualidade a 1,440 rs. o cor-
le ; Insum pirto adamascado, muito lindo
para luto, a 240 rs. o covado; superiores
chitas encarnadas muito finas e de cores li-
zas a IHO rs. o covado e outras muitas
fazendas por preco commodo.
Vcnde-se phosphoro em libras e onc,as,
por preco commodo : no Alerro-da-Boa-
Vista, n. 17, fabrica de licores.

Vendem-so cortes de vestidos de +
k? cambraia de seda de modernos i a- (?
# di Oes a 19,000 rs.; ditos de cam- *|
braia branca com lisias de cores #
i imitando seda, a 4,000 rs.; lencos de
soda da India, a 1,000 rs. ; ditos mui- 'a
Saccas com farinha de
mandioca, a 5,000 rs.
Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca a 3,000 rs. e saccas grandes, a
3,500 rs.: na ra do Codorniz armazom
Folho de Flandrcs.
Vendem-se caixas com folha de Flndres:
na ra do Amorim, n. 35, casa de J. J. las-
so Jnnior. .__
- Venle-se,na ra de S.-Franoisco, ca-
sa apalacada urna canoa era muito bom
estado, que rarrega 7,000 rs. d agoa ,12
sacadatde pedia do Bio-Formoso ; um ber-
CO de angico muito lindo : ludo por preco
commodo: bem como um alambique pe-
queo em muito bom estado : a tratar ae
mantilla at as 8 horas e meia.
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas Je pellica para
homom e aenhora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par : na ra do Queimado, n. 17.
D3n-se as amostras.
Vende se, na ra do Crespo, n. 11 ,
achigraphia nacional, por I A. M.FalcSo,
1 v.; Ilymno do Papa Pi IX; Atlas de Siman-
court; Historia sagrada de Bernardino Frai-
le, 2.; Thompson 1 v. Philosoplna
por Charm 1 v.; Fbulas de La Fontaine ,
1 v. ; Carlilliasde edc3o poitugueza, 1 v. ;
Diccionario francez por Boquete, 1 v.; dilo
de theologia porBergier. 8 fS : continua-so
a trocar por livros oulra qualquer cousa.
& Na loja do sobrado amarello, na ra
H du Queimado, n. 29, vende-se atoa- i
M Ihadode puro linho com 9 palmos
I de largura ,S 2,800 rs. a vara ; dito
da mesma largura muito mais en-
I corpado, a 3.500 rs. ; guerdanapo,
a 3,000 rs a duzie; dilossuperioret,
m a 9,600 rs. ; toalhasde puro linho e
| do differenles lamaflhos e precos; c,
'. -: panno de linho muilo largo, proprio S
1 para lences, a 2,240 e 2,560 rs. a va- 3
2 ra bicos de linho bordados, do ror- S
I lo, de varias larguras para babados J
! por preco muito barato.
Luvas de pellica, a 1,000
rs, o par.
Vendem-se luvas de pellica, a 1,000 rs. o
par, para senhora muito novase de su-
perior qualidade : na ra do Queimado n.
16, loja do Jos Dias Simoes & C
liices de rhetorca.
Vendem-se lices de rheloriee recopila-
das dos originaes de i. Ferreol Fernand e
Edene Ponelle, traduzido em porluguez
por M. C. Vellozo a 2,000 rs. cada ejem-
plar : na praca da Independencia livra-
ria ns. 6 e 8.
Sapa toes, a .00 rs. o par.
fio Aterro-da-Boa-Vista, loja n. 78, ven-
dem sapatOes do Aracaty avariados a 500
rs. o par ; sa patos de luslro para senhora,
a 3,240 rs.
Na ra das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vendem-se 10 escravos, sendo : una
escrava de nac<1o, de 24 annos engomma-
deira e que cose chSo cozinha e lava ;
um dita crioula com algumis habilidades;
urna dita de nacflo, boa quilandeira ; um
molecote de nacAo bom cozinbeiro; 6
ditoa para o servico de campo.
W Vendem-se cortes de calcas de brim *1S
f trancado do linho de mullo bonitos JJ
?* padrOes a 1,500 rs. cada rrte : na *|
2| ra do Queimado, loja do sobrado ^
i amarello n. 29. <
Vendem-so chapeos de seda o de palha
para senhora ; manteletes de bico e de se-
da da ultima moda ; camisinhas bordadas
bonetes de montara ; ricas filas ; bicos
rendas de todas as larguras; cambraia d
linho ; trancas; luvas de pellica curtas.,
compridas ; chapeos para meninos, de pa.
Iha da Italia redondos : tambem se fazem
efectivamente vestidos, chapeos, toucas,
ele :tudoda ultima moda e preco com-
modo : no Aterro-da-Boa-Vista n. 1, ciu
de modas francozas
Vende-se urna morada de casa de so-
brado, sita na ra do Amparo em Olinda;
urna casa terrea sita na ra de S.-Goncalo:
no Aterro-da-Boa-Visla n. 47, segundo
andar.
Vende-se um par de bancas de Jacaran-
da em muilo bom estado : no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 86, segundo andar.
S Na loja 8o sobrado amarello, n. 29, r$
n na ra do Queimado, ha um grando q
j? sortimenlo de casimira de cOres, a
S 4,, 5, 5,500 e 6,000 rs u corte ; brlm 7L
X trancado de puro linho, a 1,440 rs. {
O o corte; dito trancado branco, a y
O 1,280 rs. ;ditodequadrinhos,a 1,120
O rs.; dito de 10a (ingindo casimira O
O a 2,000 rs.; corles de colletes de vel- 0
O ludo de lindo* padrOes, a 5 e $,000 0
O rs. o corle; e outras fazendas baratas C
So^ooooo OOOOOOOOOo
. Vendem-se superiores ca
deados de lettras : em casa de Geo:
Kennwortliy & Companhia, ra
da Cruz, n. i.
Madapoloes milito finos
largos.
Vendem-so pecas de madapoloes com
varas, multo largos e finos, proprios para
camisas de homens e senhoras, a 4,000,
4,500, 5,000, 5,200 e 5,500; ditos para for-
ro de vestidos, a 3,000 rs. e a 160 rs. a r^
lalho ; luvas de pellica para mitos pepsi-
nas, a 500 rs.; lencos de toquim com fran-
jas para meninas, a 640 rs.; chitas muito
finas, bonitas estampas, a 320 rs. o cova-
do : na ra do Passeio, loja n. 17.
Vcndem-se, na loja do Du*
arts, na ra do Cabug, n i C,
boloes demarinlia; ditos de Pedro
II finos e ordinarios; ditos de
guarda nacional, cavallaria e vo-
lntanos ; ditos para primeira li
nha, amarellos e prclos ditos pa
ra casaca, de diversas qualidades,
ditos de madreperola para pali-
tos ditos d'acode diversas cores;
ditos de todas os cores par^nfei-
tes de vestidos de senhorc ; e go
las de cambraia.
Vendem-so couros de cabra e pennai
de ema: na ra Nova, n. 20.
Kscr&vos Pufficsoft
JNov litadapolao paterte
com mais du 40 jardas
cada peca
e com largura quasi de urna vara fazenda
a mais fina que se pode imaginar, por isso
oplima para ludo pelo diminuto preco de
9,000 rs. a prca ; bem como todo o sorli-
mento de fazendas finas e grossas : no no
vo armazem de fazendas de llaymundo Car-
los l.eite, na ra do Queimado, n. 27.
--Vende-se um mulalinlio do muito bo-
nita figura e sem defeilo algum, de 13 a 14
annos, cozinha e he proprio para pagem ,
ou para a prender qualquer oficio : na Boa-
Vista, ra da Mangueira, n. 16.
Vende se panno de li-
nho do Porto,
a 750 rs. a vara ; dilo de Allemanba com
duas varase meia de largura, a 2,600 rs. a
vara; camhraias bordadas e adamascadas
lo superiores a 2,000 e 2,240 rs. ; m para cortinados por preco muito commo-
ditos de cambraia de linho, a 800 e 9Hdo; merino branco muito superior, a 1,800
1,000 rs. ; mantas o chales de seda ;'? rs. o covado; bicos de blondo; ditos de
modernos; chitas largas de lindos linho ; meias e luvas": ludo por preco mais
padrOes, proprias para camisas; cas- @ barato do; que em outta qualquer parte:
sa de cores com lislras de seda, fa- A, na ra do Crespo, loja n. 9, de Domingos
CuimarScs.
A suas caridades da or-
dem terceira de S. Fran-
cisco.
Na ra do Crespo, n. 9, ha para vender
1,800 FS. O covado a germina fazenda para
hbitos desta ordem a qual lorna-se mui-
Costa.na ra da Madre-de-l)eos, a supe- t0 recommendavcl pelo seu escolente te-
nor e bem condecida jraxa 97, em barricas cido sem duvida o melhor que em lal ge-
de 13 duzias. nerotem produzido a magnifica, populo-
Vendem-se 60 .pipis com agurdente sa e nfanafactureira cidade do Roen, una
do 20 graos: no e/mazem do Manoel Car- das maia clebres na producc1o de tecidos
)} tend nova a 500 is. o covado ; e +
C outras muitas fazendas linas, por f
P preco muito em conta : na ra do fj
| Queimado, loja do sobrado amarello,
n.29. 9>
? (i
N.9V
Vende-se, no armazem de Vicenlo F. da
dozo da Fonseta ao p da cadeia de S.-
Antonio, pelo lado da mar. Neste arma-
zem recebem-se enconjmendas para a quan-
lidade precisa dos comprado! es o do grao
que, prclenderem.
Fccliiiicha que chega a
Iodos.
Vendem-se bonet para meninos, do ul-
timo gosto chinez, pelo baratissimo preco
de 300 rs. cada um : na ra do Queimado,
loja de chapos, n. 38.
Vende-se um Atlas (fogapliico por
Vendem-se cassas de
seda ,
o 400 rs. o covado; ditas e cambraias de
cOres a 360 rs. o covado ; crleselo ditas,
2,400, 3,000, 3,500 n 4,000 rs. ; lenco de se-
da a 1,000 rs.-; alpaca de 1.1a e seda pro-
pria para roupinbas de enancas, a 1,000
rs. o covado; riscados francezes, a 220 o
240 rs. u covado ; chales de lila eseda, mui-
to bonitos, a 5,000 rs. ; luvas de linho.para
senhora, a 500 rs. o par; meias para me-
ninos e meninas, a 200 e 210 Tf.o par
Esse celebre e innocente cosmtico para i Cabug, n. 7
Coujon por 15,000 rs.; um Thompson, lencos brancos para mo a 500 6*0 rs.
por dous mil rs., anda novo : na ra do' cada um : na ra do Grespo, loja de Domin-
gosGuimaraes.
Fugio, no dia 7 do crrante, do engi
nho S.-Jos da Varzea o crioulo Luiz, J
35 annos pouco mais du menos', bei(
grossns cara larga, nariz chato, bem pre
to ; lem a lingoa descorada peitos gran
des e mnito cabelludos, muito barbado
ladino, falla muito e gagucija algumacou
sa ; tem sido encontrado na estrada non
em urna venda que tem junto a casa do tubj
delegado Francisco Joaquim Machado,!
'd'abi sdppOe-se que seguir para Goianni
i pin- de l ter sido e por j ter fgido si-
!guma vezes parala, ou embarcar aqu pi-
ra outro qualquer lugar, por disso ter mui
la pratica. Roga-se ns autoridades policiiesj
e capitilesde campo, que o apprehendann
levem-noa ra Nova,, n. 47, segundo in-
dar, que serilo gratificados.
Fugio, ha um anuo e nove rfiezea uiq
pardo claro, de nume Florentino ; hebai
zo .quebradodasverilhas, pspequeos
gagueja quando falla cousa muito pouco
cabellos crespos ; tem principios de sai a
leiro : de 28 anuos pouco mais ou menos
quem o pegar levo-o ao eOgcnbo Cinna
vieira na comarca de Nazareth que ser
gratificado.
Fugio, no ,dia 8 do crrante o perd
Feliciano do 18annos, de estatura rag
lar, secco do corpo tem o queiso com
prido e desdentado uo lado superior; le
vou camisa de riscado azul e oulra denn
dapolQo chapeo de palha prelo calcas <|
riscado e outras azues. Roga-se as auleii
dades policiaee e capilOcs de campo que
Bpprehendaa e levem-no o engenho CinJ
navieira comarca do Nazareth, quo ser*
recompensados.
Fugio, no dia 20de julho do correnti
anno um oiulalinho de nome i.ui/, natu-
ra I do rio do Peo, de 16 a 17 annos, baii-
e ebeio do corpo, gagueija alguma cous>
cabeca grande, cabellos carapinhados, ol"
Eequenos urelhas acabaadas, senil'-'
a, pescoco cuito ; lem principios den
paleiro; levou camisa e calcas de riscal
azul e oais urna camisa de riscado cor <'
rosa jaquela branca chapeo de couro
bonete de panno lino ; usa va de correim1
cintura : quem o pegar leve-o a seu senhorj
Francisco Jos A ves do Albuqueique, "
ra da Mangueira n. 9, que ser bem w
compensao.
--Fugio, no dia 16 do crrante, um ei*
cravo crioulo, de nome JuaquiDi de 1'
0 annos, bem prelo muito regristr ; t"
o dedo do p direilo com algum defeilo i
por tenido lia pouco urna farida, ; foi es-
cravo do finado Jos Joaquim de Carali-o
Vicira do Ico, pala onde se suppOe ter ido
quem o pegar leve-o ra do Queimado,
ii 10, quesera recompensado.
Desappareceu, das 8 para s 9 da noiie
do dia 16 do crranlo o uioleque Domin-
gos criuul), de 9 para 10 annos 8ro^0
do corpo ; chegou ha dias do serlio ; levw
calcas e jaquela de riscado escuro e cami-
sa de algodilo riscado : quem o pegar le-
ve-o a casa do ajudante Antonio Luiz, e
ra Direita, quo ser recompensado. ,
20,000 rs.
PlaK. : NA Til*. BB M. I. DB F*l*.
_18


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9LWY6WWS_YYWIO7 INGEST_TIME 2013-04-24T16:11:50Z PACKAGE AA00011611_06639
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES