Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06637


This item is only available as the following downloads:


Full Text
n no
XXV
Si.bb.uIo 13 2
pautidas DOS COHHIIOS.
CuiannaeParahiba,segundas escxtas-feiras.
pio-C-raudc-do-Norle, quinlas-feirasao mcio-
t>uo. Serinhcm, Ro-Forny>JO, Porto-Calvo
Macelo, no 1.*, a II e 21 de cada mes.
Oaranhuns e Bonito, a_8 e 23.
Bea-VIsla e Floros, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
linda, todos os das.
EvaEMzaisca.
rmsES D :.Da. Cheia a 1, s 2h.e58in.da t.
Miog. a. i), s l h. c .'.(i m.da t.
Nova 'iH>. Ii. c 42 m.da i.
Cresc.a -1, s Uh.e 1 ni. da mi,
FUtiCS DE HOJE.
Prhnelra a 3 liorac 42 minutos da tarde.
Segunda 4 hora e (i minutos da man..
de Sctembro do 1849.
N. 205
FBE90S da suBSCBrglo.
Por tres mezes (adiaaladoi) 4/000
Por seis mcies 8/1)00
Por uni auno 15/000
DAS da semana.
10 Scg. S. Poliano. AuJ.doJ. dos orf. edoni.l. v
11 Tere.. S. Thcodoro. Aud. da clianc., doJ. da 1.
v. do civ. c du dos l'eitos da fazcuda.
12 Quart. S. Aula. Aud. do J. da 2. v. do civ.
13 Quint. S. Filiniie. Aud. do J. dos or', c do m.
da 1. v.
4 Seit. Kxaltaciio da Santa Crui. Feriado para os
negocios forenses,
lo Sao. S. Domingos cm Soriano. Aud. da Clianc.
o do J. da 2. v. do criuie.
6 Ooiu. Nossa Scubora das Dores.________________
CAMBIOS EN 14 DE SETEMBRO
Sobre Londres. 26 d. por l|00u rs. a 0 dias.
. Paria, 370.
> Lisboa, 110 por eruto.
Ouro. One.aa bespanboes........
Moedas de (jflOO veluas.
.. de t< !>' novas .
dc4>000..........
Prala.Palares brasileiros.....
Pesos columnarios......
Dito mexicanos
31*100 a 3l#Ti0l
17/Jili) a 17/400
lejnao a i6#4oo
'.i/>im a /fM
I/K00 a 2/01
l/'.l'.Hl a 2/0 H i
l/.iutl a 1/02O

d
PARTE OFFICIM.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DI A II DE SF.TEHBR0.
Olllcio. Ao presidente do Para, parti-
cipando que em contormdade dis ordena
do enverno imperial faz seguir nesla occa-
9no para alli a fazer parle da estatu na-
val .taquclla provincia o vapor tie guerra
Thetii, commandante Antonio Francisco
Pereira.
I,l0i Ao presidente do Maranhfln, com-
mutiieando que a bordo do vapor Thetii faz
sc-uir pura aquella provincia 100 praeasdo
quinto batalho do fuziteiros ; e declaran-
do que em oulra occasiuo ir o restante do
dito balalho. .
Dito. Aopresident das Alsgoas, To-
pando baja de expedir suas erdens alim de
que l.uiz Jos de Brito possa feaer cnnduzir
para este porto as madeiras constantes d
nota que remelle, eque o mesmo Brito se
ohrigou ii fornecor ao arsenal de marinha.
o Nota da maieirat a que t> refere o ofllcio
cima.
25 a 30 dnziasdo taboasde costado de
amarello em pranchOes de 3 a 4 costados
mui poucos de dous, con 30 palmos d
comprimento e 18 pollegndas para mais d
"areura, limpas esem brozio.
a Quatro duzies de taboas de costado t
redro em pranchi.es de 30 palmos do eom
primelo e 18 pollegadas para mais le lar
<:ura, sem defeiloalgum.-Scentihcou-se
0 inspeetor do arsenal de marinha.
Dito. Ao commandante da praca, di-
zcndo-lde que deve expedir as convenien-
tes ordens para que, (cando o segundo ba-
talhflo de artilharia a p no quartel do \tys-
picio, passn o segundo de caladores para o
dasCinco-Pontas.
Dito, jvo mesmo, communicando ha-
ver S. M. o Imperador determinado, por
aviso da secretaria da guerra de 20 de agos-
to ultimo, que sede baixa do servico, por
ler completado o prazo de seu eogajamen-
to.ao soldado Manoel Joaquim da Cunha
l.ins que se acha nosta provincia.
Dito. Ao mesmo, lransmittindoo for-
mulario dos medicamentos necessaijos pa-
ra uso do hospital regiinental desla cidide,
com os piocos de cada formula, afim de que
S. S faca proceder arremataclo .lo torne-
eiment nos termos do artigo 33 do regu-
lamenlodet7 de fevereiro de 1832; e ad-
vertindo-o de que os licitantes deverflo a-
char-se presentes no da marcado para a
basta, e fazer suas propostas por meio de
leos no acto da arremalacSo, que sera
conferidas quem offerecer condices mais
vanlajosas fazende publica.
Dito. Ao inspector da thcsouraria do
fazendn, recommendan lo de suas ordens
alim de que se tornees repartirlo da ma-
ntilla nesla prouncia as quantias precisas
1 ara que possa ler exeei'icflo o despacho
por que mandou pagar ao capil.lo de fraga-
ta Caetano Alves deSouza Filgeiras os sol-
dos vencidos al o litn de julho ultimo e os
que se torcm vencendo. r Inteirou-se o
inspector do arsenal do marinha.
Dito. Ao Cheto de polica. Parlici-
pando-mo o commnndatite da praca have-
rem-sehontem evadido da cadeia desla ci-
dade, por meio de arrombaineiilo, dous
presos de nomes Antonio Itarboza Quintao
e Francisco, escravo ; assim oconirounico
a Vossa Senhoria para que deas dcvidas
providencias para a captura dos ditos pre-
sos, e incluso remello o.offlcio do dito com-
ii andante, da praca, acompailhado 0> pal te
do offlcial que commandava a guarda da
eadeia, para quo faca proceder como fr de
direilo contra aquelles que, devendo preve-
nir a foga, naoofizeram.
Uito Ao director do arsenal de guerra,
autorisando-o a despender a quaulia de 44.120
rs. com a compra de 20gal6cs de oleo de Haba-
ta para proiuptilica^o das mochilas e canil
iciuisilados para o segundo e oilavo balalhoes
de cacadores, bem como de urna peca de cabo
de linho para drica da baudeiradaquelia re-
partica, visto estar podre a que exista. -
ommunicou-ie ao inspector da pagadorla
iiiilitar. .
Dito. Ao inspector do arsenal de marinha.
api.rovando a proposU que S. me. fe do pn-
nieliotcncnlc da armada Francisco daLosla
Vidal para o coadjuvar no servico do nulora-
iiicuto do porto desta cidade.
Dilo. Ao mesmo, para que faja transpor-
tar ate provincia das Alagoa., no piimem.
navio de guerra que para alli seguir, o menor
Dionixlo .iue llie ser mandado presentar pe-
lo chele de polica. Neste seiilldo officiou-st
ao mesmo chefo de polica. .
Dito Ao promotor publico do termo do
Rccife, ordenando que promova o andamento
do processo ."u rio Joo llaptisU Pereira lobo,
que se acha preso a bordo da corveta Butcrp,,
a disposico do luix de dircito da segunda vara
doetsanr! porcujojulzo consta ter sido con-
deDi'tod- Ao commandante do brlgue escuna
Cttllior*. -Havcndo-me requerido o preso An-
tonio Feilosa de Mello ser conservado abordo
lio briguc de seu commando, apexar de ler
Vine, de sabir em comuiissao, iculio resolvido
lie lique* dito pieso a seu bordo, e de ue-
iibum efieito a ordeui que Ihe del para er elle
-r.movido para a corveta Eurrjif.
. Dito. .-Ao subdelegado de Grvala, orde-
nu.do que sem penja de lempo lora recollier
ao a>senal de guerra 48 ranadelras, uro cla-
inote, 38pattonaj, 16 cfhlUiOes e JO baone-
las que, segundo consu do documento por S.
me. passado ao alferes Jos Antonio da -osla
braga, recebeu delle. Inteirou-se o diieclor
'vt eferido arsenal.
.,l..So. A adminislracSo dos eslabelccimen-
- %s de caridade, Tendo sido oforiiiado que
Vinca. n.o se acliavam na posse c admiuisira-
cao dos beus |>erlencenlcs ao bos|)ilal de Nossa
senhora. do Paraixo, e entendendo achar-e
em vigor o artigo 1." da resolucao de 13 de o'u-
tubro de 1831, visto que as disposicries das
leis provinciaes n. 16 de 7de maio de 1836 c n.
.'i;'i de 18 de abril de 1838 nao derogaran) abso-
lutamente a mencionada resolucao c devendo
ser consideradas como transitorias edependen-
tes da vida do mar.|iicz do Rccife, fallecido o
qual, devra essa administraco reentrar na
posse e ilrecciio dos ditos hrns, pcrtcnccnles
ao hospital, dirigf-uie ao desembargador pro-
curador da coia para ouvir a sua opiuiao e
parecer a este reipeito, e acabo de receber o
ofllcio da copla Inclusa que transmiti a Vmcs.
para seu conhecimento, e afim de que tratein
de liaver a si a posse dos mencionados bens, ou
pelos meios indicados pelo procurador da co-
r, ou por quaesquer outros meios que as lels
oft'erecain, sobre os quaes devero Vmcs. con-
sultar aos advogados que maior conlian<;i Ihes
merecein. Olciou-se neste sentido ao pro-
vedor de capellas e residuos para proceder co-
mo for de dircito.
Dito. Ao juix municipal de Iguarass.
Reenvio-lhc o requcrinicnto em que Vicente
Tiburcio Cornelio Ferreira pede aS. SI. o Im-
perador a serventa vitalicia do odelo de ej-
crivao de orphns dessa villa, declarando ter-
se di-mi ni I i do dilo ii:u ic.'io Francisco do
Reg, para que Vine, satisfar o que Ihe fol
ordenado no ollicio que Ihe dirig cm data de
25 de agosto passado, visto que me nao habi-
lita para poder informar o dito rrqueriinento
o que Vine, dii no seu ollicio do primeiro do
corrente me/..
Declara Vmc. que o snpplicante tem as ha-
bihtaces precisas para exercer as funcedes de
escrivo de orphaos; porm, para podc-lo in-
formar devidamcnlc, convirja que lixessse
juntar ao requrriinento cerlidao de idade, fo-
Iha corrida e declararan sobre o estado do snp-
plicante, bem como que satUlizrsse ao que
Ihe ordeuci no mencionado ofllcio de 25 do
mea passado respeito remrssa da copia da re-
nuncia que fet Joaquim Francisco do R-go;
copia que Vine, declara achar-se junta ao re-
querhnento de Vicente Tiburcio, porm que
ahi se nao cncontra.
Por esta occaslio lhc advirtoque, sendo Joa-
quim Francisco do llego servenluario vitalicio
do dito ofllcio, a sua simples renuncia sem ser
seguida de demissao dada pelo govemo impe-
rial o nao autorisa a considerar vago o mencio-
nado olllcio.
Dito a o j ni/, de pac de Cabrob. Accu-
so a recepcan do oflicio que me foi dirigido
por Vine, e mais nicinbros da mesa parochial
da fregu/' de Cabrob em data de dr agos-
to prximo passado, e tenho a declarar-the que
resolv militar a Vmc. e aos inambros da mesa
na quantia de 400,000 rs. reparlidameule nos
termos do n. .') do U. do artigo 126 da lei de
19 de agosto de 184b pelos motivos constantes
da portara da copia inclusa que na dal deste
dirijo acamara municipal a que perlence essa
fregnezU; c outro sim que envir copia do of-
llcio, que Vmc. me dirigi, aojui/. de dircito
da comarca, ordcnando-lhe que passe a inqui-
rir a respeito das impulatdrs que Vmc. faz ao
subdelegado por occasiao da cleico, alim de
veriear a sua rrsponsabilidadc no caso de que
ten lia uella ncuirido
Pelo que toca s providencias que Vine, e a
misa parochial reclama alim de resolver o pie
se deve obrar em vista do facto de se nao ler
concluido a cleico dessa freguezia por se te-
rememinassado as cdulas em numero de lti'i
e depois de lacradas c fechadas depositado em
poder do rigario da l'reguezia, Jos- Alexandre
forrea de HencxCS, tenho resolvido declarar
que Vmc. deve marcar da para se proceder de
novo elcijo, convocando ua forma da lei os
cleilores csuppientes c os cidadaos qualilica-
dos volantes; devendo-se inullllsar as cdulas
receidas, visto nao se ler procedido a apu-
raco dell.is na lrma da lei, e nao haver se-
guranta de que esteja intacto o deposito del las
feito; devendo Vmc. verlllcar a dila eleleao de
elelores antes da que tem de proceder para a
eleicao de dous senadores por esta provincia,
nacencia de que qiialquer omisso dar mo-
tio Imposico de nova inulta.
Ao commandante da frca policial estaciona-
da na comarca da Ila-Vista se cxpcdeui aine-
cessarias ordena para se prestar a requlslcao
que Vmc. houver de Ihe fazer, alim de inaiiter
aordein uielelcio que tem de proceder.
Neste sentido cxpedirani-se as convenientes
ordens.
Portarla a que se refere o ollicio cima.
Constando por ollicio da mesa parochial da
freguezia de Cabrobo.dalado de 6 de agosto ul
iiuio, que a dita mesa, coniposta do juiz de jiaz
Jos Vicloiino da Silva c dos cleilores e sup-
plenles Venceslao Lopes Machado, llellaruiino
Ferreira Padilha, Victorino da Silva llanos e
Sliuuel Pereira da Silva,nao concluir a eleicao
de cleilores da dita freguezia, pois que. leudo
dente icccbdo cenlo c nove cdulas,as pas
lira a contar c eminassar, e depois de lacradas
e fechadas as dera em deposito ao vigario da
Ireeueiia Jos Alexandre Correa de Meiic/.es,
declarando asslm proceder Hu de consular a
presidencia para determinar o que devesse
obrar; tenho resolvido multar referida mesa
iiarochial, como Iransgressora da le de 10 de
agosto de 1846.na quantia de 400,000 rs. repar-
lidaiiicute, locando 80,000 rs. a cada un dos
seus mcnibros, nos termos do u. S do 1. do
artigo 126 da mencionada lei; porquanto, sup-
posto allegue a mesa parochial para justificar
o seu pioccdimentoque o cidadao Irancisco
Salusliano Granja pretender que lossein re-
cebidos votos de cidadaos nao qualilicados, e
nao acquicsccra a sua deosao negativa, fun-
dada no artigo 50 da referida lei. antes passa-
ra a armai-sc e a invadir a igrrja rodeado de
srus amigos, prenles e alliados, e a ameacar
sem que ella podesse adiar apoio no subdele-
gado da freguezia que se achava presente e
que se negara a manter a ordem e faier respel-
lar a llberdade que deve haver na elcivao,
conrtudo nao he menos reprehensivel o proce-
diiiicnto da dita mes, por isso que se nao
uioslra ter o presidente della usado das atlri-
buicocs que ihe confere o artigo 17 da men-
cionada lei, e porque devla ter reclamado
da torca da guarda nacional da
ou do municipio, ou uoc o ti-
nge le da frca policial exisleuTfe na
comarca, requisllatido do delegado as pro-
videncias convenientes, e nada dtsso li-
bera, limitando-se a requis.tar prov.denc.as
da presidencia, que, pela distancia da capi-
tal .tifio poJiam ser dadas a terrrpo de nao
licar i dita freguezia de Cabrobu privada
do dircito de cuncoirer para a e en.o dos
depulados da provincia. Ordeno, pur-
auxilio
freguezia,
tanto, cmara municipal da Boa-Vi que faca proceder dentro de 30 dias depois
do rece!ment desta portara a cobraoca
da referida multa, applicadl renda do
seu municipio, sb pena de responsab-
litlailo.
Portara. Constando do rcqucrimcnlo
do professor da cadera do primeras da
povotco de Maraugiiape f.osmo das
Trovas Teixeira, o de iitormaqilo do
director do lyccti, datada do 2 de julho
prximo passado, quo a referida calera
no be frequentada por mais do 25 alum-
nos, o presidente da provincia til por bem
supprmi-la em virtudo do dispoto no ar-
tigo 60 di lo provincial n. 43de 10 de ju-
nho de 1837; e, usando da alt'bucilo quo
Ihe confere o artigo 47 da le provincial
n.144de 22do maio de 1845, resolvo re-
mover o mencionado professor para a subs-
litoieBo das cadeiras de primeras leltras
ilesta ciilade.
Pela secrelaria se oxpidirilo as conve-
nrenles ordens para a execuc.lo da presen-
to portara. N.'Ste sentido deram-soas pre-
cisas ordens.
Dita. t) presidente da provincia, usan-
do da altribuicto que Ihe foi conferida
por decreto de 11 de Janeiro do corrente an-
uo, lia por bem conceder amnista em nome
de S. M. ol. a Manoel Manrique Pereira da
Cunha, residente na comarca de Nazaretli,
pelociimede remelllo ltimamente com-
roelitido na ntumi provincia.
K para sua resalva su Ihe piasi a presen-
te, em virtude da qual (cara sem effelo
qualqucr pronuncia contra elle preferida
pelo mesmo crme, se Ihe dar balsa na cul-
pa, e no poder mais sir processado pelo
mesmo ciime.-Igual a Manoel Pereira de
Moracs Itiberoca Jos Ilygino de Miran-
da; oxpeJindo se ordem ao commandante
da prar;a para mandar por a este em l-
berdado.
Dita. Cnnccdpmlo ao barharol Thoine
Fernn les Madera do Castro a demissfio
que pedio do lugar de subdelegado da fre-
guezia do S.-Josc.Scientficou se o ebefe
de polica.
das quexas contra mim dirigidas pres- porque, seo estivera, dallia trinta e seis
dencia e que correm impresas em o Mario- horas tena-mos succumoido a ponta do
A'ooodcn 55, so estas appareccsscm cm faces, sem o menor barulho ; por que ess
outra poca qualquer de minha vida po- mocontlopole ouvir barulho l-.isaprova.
bllca. Porm noto que semelhaotes quei- Tendo sido__ esta declaraglo no d'9Jija-
xas sBo dirigidas ao governo da provinci
de l'criiiimbuco uo
P&.NAMBUCC.
IXKigvO PARA DEPUTAD0S PHOVINCIAUS.
Collrgio de Seunhiem.
VOTOS.
24
24
23
OS SEMIOncS.
Pirmino Pereira Montero
Pablo Vellozo da Slveira
los Nicolao Regueira Costa
Antonio de Vascnncellos II. Dritmond
Alvaro llarbalho llrlia Cavalciinle
Hemeterio Jos Vellozo da Slveira
Jos Antonio Lopes
Venancio llenrique de R. Mendonca
Francisco Joo Cameiio da Cunha
Ignacio Joaquim de Souza Leo
Antonio de S Cavalcanle Litis
Joo de Caldas llbeiro C.ampos
Joaquim Pinto do Campos
Victoriano de S Albuquerque
Joo ValenJitn Villela
Francisco de Assis Oliveira Macicl
Augusto Frederico de Oliveira
Francisco Rodrigues Sello
Antonio Joaquim do Mello
Antonio Jos de Oliveira
Joaquim Villela de Castro Tavares
Miguel Archanjo da Silva Cosa
Jofio Jos Forreira de Aguiar
liento Jos de Souza
Jos lian leira de Mello
Jos Fhppo de Souza l.e.lo
Miguel Filippe de Souza Leo
Francisco do llego Barros llar reto
Ignacio de Barros Brrelo Jnior
Ignacio de Barros Brrelo
Jou Francisco Dliarlo Jnior
Pedro Caudiano de llalis e Silva
Jos Tbotnaz Na buco de Araujo i.
Manoel de Souza Teixeira
Domingos Malaquias de Aguiar P. F.
Herculano Gotlcalv da Bocha
Domingos Alfonso Nery Ferreira
Jos Francisco do Paiva
Manoel Jos da Silva Neiva
Joo Floripes Das Brrelo
Antonio Jos de Souza Comes
NunoAique Aunes de A vellos B.lnglez
Domingos de Souza Leo
llodolpho Joo Barala dy Almeida
Joo do llego Barros. Falco
Luiz Paulino C. Velfcz de (nevara
Antonio Caruero Machado Ros
Jus Quinlino de t:aslro Leo
Florencio Jos Catneiro Montero
liento JosFernandesde Barros
Jos Francisco da Costa Comes
Manuel Jos Pereira de Mello
Pedro Francisco do P. C. de A.
Manoel Francisco de Paula C. de A.
Joo de Souza Keis
Francisco Baphael de Mello llego
Leonardo Bezerra de Siquera C.
Joronvmo Martiniano Figueira de Mello
Jos Bento da Cunha Figueiredo
Joaquim de Souza Beis
Demetrio Jacutne de Araujo
Antonio Pedro de Figuuiredo
Cosme de.Sa Pereira
JoDo Francisco da Silva Braga
ChrislovoXaviei Lopes
Francisco de Albuquerque Muranlio C.
Jos Mana llamos Gurjao
Lourenco Aveilinude A. Mello
Manoel Porfirio do Castro Araujo
nciro s 6 horas da tarde, o Sr. juiz de paz
correr do anno do Manoel Francisco cstevo na povoacflo s-
1849" e'qiiatiTlo" as vejo assgnatas pelo juiz monte at o din 3 s niesmas horas, lompn
de paz de Bezerros Msnoel Francisco de em que Ihe cl-egou condureo da casi de
Azevedo Lira, por Antonio Clatt iino Mon- sott sogro, para onde se retirou, c no da 4,
leirofl Joaquim Jos do Luna Freir, longo ao toquo de alvorada. os nnssos piquetes
dme alemorisar, siiito-tne como necea- liahat omt.nigo a vista l-.sta genievi-
sario vi-or o calma para me aprescnlar nha 13o bem recommon Indi, quo todo o
anto o publico, a quem me drigo.e de cuia sen empuibo era metlcr-se nos quarteis
mpircialidtle, na appreoiaco das ra- onde en eslava ; porem ate a estes mesmos
sOJspr e contra, espero juslica. E. corri trazia a sucia do Sr. Manoel Irancisco en-
as iniputaees mais graves quo n'esas doas ganados; e cis o romo : os engaos to Sr.
pecas se me fa/em e-lejam comprehen- Mano-I Francisco e de toda esa boa genio
didas no primeiro quartel B'esteannO.'eu nio li/o-am tomar a resoluQo de man lar
farei una exposieo do que n'este lempo ao Bonito na mul do da 2 expender ao de-
por aqu occorreu, e depois irei para o toa lo as ras.les queme induzama sup-
ponto pTincipaldaqueslo, istohc, as co- l'r mil de to mansos cordeninhos ; n
cicOos, respondendo do modo que me Mr esto, longe do tratar de resto mtnlias vtlas
possivel as arguicoes que se me fazcoi En- preoccopaces, sempro me mandou um ro-
conirando nesta comarca a ideiadoresis torco de tnnla o Untas pracas. bem ar-
tencia armada ao govemo de 29 dosetem-: '"a laso municiadas. Como, porem, ene-
bro as matores sympathiaa, para logo W ga*se esta gente a Bezenos no da 31 mullo
encarregou o ex-lcoente-coronel Antonio,a tardinha, tompoem que lalvezja aeti-
Correia Pessoa de Mello de tambeni pr.vessn retirado o juiz de paz. no Ihe lu
aqui a pionsso na ra tomando para pon- mais possivel avisar aos seus de (.aruant ;
lo de suas retinies a povoacflo de Caruar, o osla to acausadestss se nao darcm
para onde se transporlou em fins de no- bem com o primeiro encontr, e porem-se
veml.ro ou principios do dezembro do em retirada, maldizendo a sua sorte, por-
anno prximo passado, c alli tratou de que no fram contratados para brigar, o
reunir gente; oque deu lugar aocscanla- que Hies
loso facto de marchar de Grvala um troco so im
du rebol les. por elle aluciados, os quaes,
23
23
20
20
18
I (i
16
Ifl
10
16
16
16
14
t
II
li
li
M
14
i i
4
14
II
14
12
12
i a
12
12
12
12
18
12
19
12
12
IS
12
12
12
12
12
19
12
12
12
12
12
12
II
II
11
II
11
11
II
7
ti
3
tendo de passar por Bezorros, onde so aclia-
vam as aulori lados lcaos e um gruido
concurso do povo aaasando o Natal, Ibes
mundaram pedir que passassem de BOlte
para uo parecer la o mal Ao que anuio
ram os taes rebellei, passando s 5 horas
da mandila do dia que se seguioao do pe-
dido. Saliendo dislo o tenente-rorouel
Francisco Antonio de Barros Silva, delegado
da comarca e comniandaiiie da torca que
por ordem do goveruo se reuna orn Bonito,
eiic.irregou-me por um ollicio de reunir en
lignina genio para com ella ir destacar
em Bezerros, alim de obstar aos rebeldes
entro Garuar e Grvala, visto que as iu-
loridades se mosliavam impassives neste
caso.
Em cumplimento desta ordem reun
quarenta e seis liomens no met engonbo,
o com i lies marchei para Bezerros no pri-
meirode Janeiro deste corrente auno. Quan-
do gracou alli a noticia que ou ia entrar
com gente, oh .' que do rohulico no bou-
ve Eis o juiz de paz Manoel Francisco de
Azevudo Lira a um lado o a outro das ritas,
ja aconando com os bracos o chamando
.ara se leunirotn em sua casa to los qtian-
tos tosscni praieiroi, e ja pedndo o consen-
limento do seu sogro o ex-eouimandante
iUperior Francisco Xavier Lima paia lm-
ledira minha entrada Eis Antonio Clati
lino Monteiro nial servido como mesmo
Xavier Lima, por Iho oSo approvar urna
I i lea Eis e mil di toda asuciades-
peitada por esle acto attefltalorio do go-
vemo contra os seus privilegios; porque,
no cnlpiider dessa familia, ella o so ella
anda aqu en dous pos ; e o govemo que
no pensar com sigo, deve estar a sua
merc, c ein ludo subjeito aos seus pre-
eeilos. Logo que allicbeguei, coiibeci re-
almente que s dovoria esperar hostlida-
loso nada de adhcslo, porquanto minha
comnissiloeraoppoiquanlo mo fosse pos-
sivel embaracosao progressodn revnltico
nesta paite da comarca ; o quo nSocOOvi-
nha a estes senliores, por que preten liam
fazer nella um papel feliz,.jato lie, con-
survarcm-se BBmpre as handeiras por cau-
sa das (dividas .aodlorem as inesmas vau-
lagens, qualquer quo fosse o resultado
isto, ja be subo, por sei dos quem sois.
A.s inhibas previ.ies mais so fram iden-
tificando, i|ii indo vi 0 sub-delegado des-
tiluir-se desJgjCargo, pelo quo me veto ter
as mos a subdelegatia como tercero SUp-
pleiile ; as familias reliraram-se, tirando
di,s casas lodos os seus trastea, como que
tunda certeza do algutn ataque, o qual
na realidades sendo s ignorado pela gente
do govemo, o no era delles cuja iniciativa
Ihes peiteiicia. Entrelaiilo 0 juiz de paz
Manoel Francisco, teno sido o primeiioa
desoccupaisua leja e por cm cautela as fa-
zendas, foi o umoo dosmanhosos qucli-
cou na povoa|ao o com elle niuilas descon-
lianC'is ; pois lodos os seus passos e ac-
ces deiniislravain inlences sinistras, ja
eacrevendo para Garuarit a seus comparsas
que alli se acliavam em anuas, do que mui
frescamunte se lisongeava, traz.ndo sem-
pre na bocea as palavras licrdade c garan-
ta'; j communicando-so com Antonio
Glaudino que em sua morada tr.lava de
reunir gente para me baler, e ja finalmente
maldizendo a ilgutnas pcssi.as a quem Ibes
requisitei suas armas pela mulla Lilla
que dolas linha, asscgurando-llies que
eslavatn mioialrando amias para com ellas
inesmas seren feridos .' Tal era a certeza
que ello linda de ataque 1 Estes e oulros
indicios lizeiam com que eu em publico
declarasso u minha genio que era mister
idivi-
para
igiduicia, pois que aquello li
* achava a nossa vista | o inesi.
Correspondencia.
AO PUBLICO.
Alguma apprelienso me faria o cooleilo
toda a vi
do que 5, .
Manoel Francisco 1 era um csp.ao nocivo
que alli t.nhamo, a observa.-nos, cujo
cerebro eslava preubc do tramas e "ncujo
peito se nao podiam maUoccullar seus in-
tentos revolucionario* j ao que respondet.
elle que eu eslava engaado
Por felioidade minha e de muitos no es-
lava eu ISO engaado quanto me pretenda
l-azer o Sr. juiz de paz Manoel I rancisco;
dar urna carreira nos gua-
birus.
Este desacorocoamonto,porm, dtirou por
poucas horas ; porque, encontran lo-se os
debandados com os primos, cunhados,
coii-cunhadiis c mais prenle! do Sr. juiz
de paz Man ni Francisco, ( ese com ello ig-
noro ) os quaes por urna mera e innocente
curioaidade haviam deixado suasoecupa-
coes domesticas, Io smentipara virem
vero togo, toram por estes persuadidos a
voltarem eenlraivm novamente em aeco,
tornan lo-sea travar o togo; al quo, vendo
cu lin lar-so o cartnxame, o ougiossar O
inmigo cotn os retornos que a cada hora
Ihe Cbegavam, ministrados pela pacifica
parentela do Sr. jui/ de paz o mesmo viu-
dos de Caruar, determine! ratlrar-mecom
> gente que linha.
O que so passou depois quo roo retire)
faz muita honra aos Srs. promotores do
.taque, clorna-os recommendaveis. Ahi
esta a casa em quo exislia a aula do pri-
meras leltras, que lo toda eslan talhada, o
roubado o que nella bavia : alli esta a ven-
da ile Joo Jos da Cunha, escalada c sa-
queada : ahi lemoa as casas do Joaquim
Antonio de Vasonccllos c Manoel Antonio
Alvosda Silva, c as tojas dos Portuguc/cs
Francisco Mtiniz o Francisco Antonio, to-
las essas escaladas e mudadas. Ah es-
t a c isa de Jos Ferreira da Costa aborta
por orne.inhado do Sr.juz de paz Manuel
Francisco, por essa mes na gente que ellos
tizoram voltarvarridido que nella bavia:
ah esta a casa de Caetano Ferreira da
va aborta pelos meamos Ilustres se-
nhores que. por signal quasi se Dortatn
nu'm machado.... e a qual llcou at sem <>
mesmo machado.....que foi consignado
para certa amotisaeo..... Domos por con-
cluido o da I de Janeiro No sendo pos-
sivel ao delegado o commandante da tor-
ca do Bonito dlrahir alguma daquella
torga, porque enlo s se espera va ser ata-
cada a villa (lelas torcas do Caruar, live
do conservar-me em meu engenho por
mais de um mez, em estado de robater
qualquer torga contraria, visto que o pla-
no dos rebeldes era.jlepois da terem to-
mado o Bonito, virem demolir os nos-
sos engenhoa lo lo csse lempo, pois,
licou a povoacflo de Bezerros entregue aos
banlos faciosos quo por alli appare-
ciam sem que a polica tvesse a me-
nor aceflo. Or appareciam alli Manoel
Francisco e seus cimbados, para embalar
os povos na probabildnde do triumpho dos
praleiro, o persuad-losa empenharom-se
na causa, para no seren CAPTIVADOS F.
VENDIDOS '. Do que Ibes davam certeza, so
porvenlura o goveruo triumpliasse '. F.
ara viuda Antonio Glaudino com seu ban-
do de permanentes, tendo e mant> lo com
os gu .pos de Manoel Antonio Alves da Silva,
Joaquim Antonio do Vasconcellos e Manoel
Jos da Cunda e oulros guabirui, como
Ibes rhamava, os quaes, sonliores di po-
voaco, constituam su arrime em auto-
rida le civil, criminal, policial o militar,
sem que o inspector d'alii podessfl nada
obrar livrcmcnle.
Este chefe de quadrlba no s lancava
mo dos gados aldeios para sustentacSo
desuagenle, como obngava as senhoras
de al'iiiw proprietarios, que se achavam
em exilio, a darem-lbes farinlia para o mes-
mo lim, cliegando. a tal ponto de despotis-
mo que Ibes entravam pelas casas a den-
tro.'eat feijo Ibes cairavagam ; nfjo fi-
can'do all s a oppresso, porque at para
as marchas tlesse general l amos caral-
iosdeseus adversarios politicos, e ale um
de seus auxiliares se appresentou aexigir
urna contribuieo pecuuiaria fr^a-da! Ap-
proxiinou-sea poca do alaque quo preten-
dan! dar no Bonito ; o tanto que as frcas
robeldos marcharam de Caruar para Be-
bodouro, Antonio Glaudino reuni a gen-
te que pode, lomou armas a outros, e mar-
chou de Bezerros para S*puciia a reunir-
se com a gente que os cunhados do juiz
de paz Manoel Francisco haviam convida-
do em nomo de seu pai oex-commandan-
te superior, para o quo he inuilo de sup-
por uo tonda elle coucorrido. GUmpro
i mmtii Ann


Mi
.-, <
notar quo nessa marcha o Claudino cer-
rn evarejou mesmo de noite a casa de
Jolo Damascono Torres, morador no Rrejo-
Pnlmeira para Ihe temor plvora. De-
pois de untos i-m Sopucain, marcharan)
na mais nada senflo para ver o fogo, porque
Cgsa (.-ente nSo tem fel. Orlos coclii-
rhes, porm, houveram la por esses mcios
de oaminho, que o resultado foi sour en-
tre elles mu echo concebido uestes ter-
mos: cada um procure seu rumo'. Para to-
do esto desaparlaincnln foi motivo o en-
contr inesperado do lenle coronel Fran-
cisco Antonio do liarros e Silva frente de
I. un las dezenas de nossos bravos lega-
listas com o grosso das torgas rebeldes
que v nliiini sobre o Bonito, e cuja ligto
s foi baslunlo para Inzer mudar do di-
receo.
F.is, portento, 04 paletas que acompanha-
vam o Sr. Antonio Claudino e seus paren-
tes de Sapucaia, todos do queixo cabido,
sem deliberagio! Ainda Ibes restava urna
toboadesalvsgSo, e esla foi declarada, a
saber : a jnceo das forjas em Agoa-Prela
poataque da capital! Alguns da gente
o seguirn) para Agoa-I'reta, e outros re-
liiaram-so para seus domicilios, a exemplo
de seus mentores, dessa geniados basti-
dores. Antonio Claudino tambe.n regres-
sou para sua morada com os sens inso-
paraveis permanentes, cujo fornecimenlo
em nada o molestava, visto ler por si o
poder da frga, e as fazendas de stus ad-
versario! politicos.
Eia em resumo o que occorrou por esta
dislriclo desde o mez de Janeiro: vamos,
pois, ver o que Irouxe o seu successo
Chegan.Io ao conbecimento dos cabeci-
llas d'aqni a noticia de sua fatal derrota
no dia 2 de fevereiro na capital, de cuja
veraciilade nlo oais podiam duvidar, por
ter sidotrazidasemelhante noticia pelo seu
faganhudo atleta Francisco Pereira de
Castro, niorador emGamelleira que tam-
bem su acbou no ataque, ainda mo quize-
ram dessa vez desengaaros incautos, para
que procurasseni na obediencia ao go-
vemo a remisso de seus crimes, e anles
airmavam estar a capital em poder dos
seos, ter assumido a presidencia Flix
Peixoto, e estar preso a bordo o Sr. Tes-
ta, com o que os am inlretendo em un
estado verdaderamente anarcliico. Logo
que as forjas rebeldes fram ovacuando
esla comarca, o primeiro cuidado do Sr.
coronel com mandante geral Jos Pedro
Vellozo da Silveira foi tratar de restituir
aosseus lugares as auloridades policiaes
de diversos dislrietos, que por molivos da
rohclliilo os liaviam abandonado, indo pri-
meiro a povoagflo de Panellas-de-Miranda,
boje Sena-Nova, e depois contramar-
cha nd o pura a povoagflo de Clvala com o
subdelegado daquelle dislriclo, a quem
taubeni acompanhei. Nessi occasiilo, (lle-
gando a Bczerros a noticia do que o co-
ronel se acliava cm urna frca a duas le-
goas dislante d'ahi, Antonio Claudino e
scusrapazes dispozeram-se para receb-lo
hostilmente, e s duixaram as proximida-
des da povoagflo, quaudo souberam que I
elle se diriga a Clvala. D'allj rugressei
par o meu engenbo, comordem do coro-
ni'l para preparar a genle que liaba
oslar de sobn-aviso a marchar para Re-
zerros, em qualquer momento quu me fOS-
S8 determinado.
Entretanto, scienle Antonio Claudino o
seus compauhuiros que a qualquer hora
podiam ser sorprendidos, sempre que en-
travam na povoacSo, dcixavam alguns em-
boscados pelos differentes caminbos quo
nos podiam dar entrada, amusgando a
qualquer quesuppunliam capazde molrans-
niillii qualquer noticia. No da ti de
feveieiro, entrando para o Brejo Felisardo
'!e tal, bomem pacilico, oqual ia para suas
sups occupagOes, infelizmente cabio em
iiiiia das emboscadas, 011.I0 recebeu uns
I nucos de liius, dos quacs expirou no dia
seguinle; e, como nlo suecumbisse logo,
Miguel, Manocl Bezerra, Jos .Manuel Carlos,
JoCalasflCl e 01.lu-, opnnieiroprocuran-
do acabar de o matar; sendo que alguns
dos outros, dando a diligencia por feita, o
nSo consentirn), 8 vollaram para a povoa-
Co gritando que j la (inliam segurado um
iio~ gvahirus que esprcitBVam para me dar
noticias.
1.1- o primeiro sangue derramado em le-
meos depois do dia 4 de Janeiro! Eia por
quem e o porque Aoamanhecer do dia 13,
iee. lii ordem do coronel, o qual ainda su
acliava emCiavat, para que iiiaruhasse na-
quella data rom a minha gente para Rezer-
los onde elle tambembe adiara, oque cum
prejoquecumpii: echegando.lli,enconlrei
no tronco a Jobo Miguel, preso e conduzido
por Antonio Claudino, Jos Calasfles, Jos
Manocl Torres e outros, dos quaes pode-
ram ser agarrados cinco que com o dito
JoDo Miguel (izeram os sois tilo decantados
escapando-se o mesmo Antonio Claudino
com alguns; com oque muilo se perdeu,
porquo de sua feliz escpula resullou
mote de seus companheiroa como de-
mostrare!. E.antes que chegue a esse ponto,
cumpre notar que anda csiou jejuando so-
bre o procedinienlo de Antonio Claudino
respe lo de Joiio Miguel ; mas o que sei lie
que, quando elles nos recoiiheccram, pro-
curaran) corlar as cordas quu serviam de
lianca ao tionco para Ihedarem fuga, o
que nSo puderam mais conseguir. Vendo
cu quu nao ebegava a torga do Craval, e
quo era multo 1 rovavel ser dalli a pouco
atacado, o talvez perder a acgilo por estar
.-em munigSo, resolv contramarcha!- na
direcgflo de Cravata, para encontrar o com-
niandanle geral o remettei os presos para a
cadeia da Victoria. Assim, marcliei para
baixo, deixando|na povoagflo todo o forne-
cimenlo que trazia para a trota naquelle
da, assim como oulros objeclos; o que tudo
licuu entregue a Cosme Damiflo da Silva; e
islo lizsuppondo encontrar logo a frga e
vollar. Aochegar ao lugar de Varzinhaa,
encontr um boinem, o qual me dissu que
vinha trazer-me um ollicio do coronel, e
cujoofllcio lia va sido lomado a poucos jus-
tantes por homens armados e saludos do
matto. Desengaado de encontrar frca
nossa, resolv proseguir autos a marcha do
que vollar para Bezerros, apezar de seren
tres horas da larde o estar a tropa quas em-
jejuin. I'oucos passos eram dados quando
principiaram a Tazer-nos logo de guerri-
llas, o que nos forcou a trocarmos algumas
balas das poucas que haviam. Agora opubli-
co faca ijeiadosague-lrio que poderia ler
urna ropa que, depois de andar accclerada-
qunndoespera tomar descanso n rofeigflo.he
forgada a vencer outra igual distancia por
entre balas, temi diante de si os mesmos
vida, e cujas mitos ainda se'achavam tintas
do sangue de um amigo e de um irmflo, ha-
via48lloras por ellesderrainado! Fados des-
ta ordem silo certamente mutissimo repug-
nantes ; e eu, embora com esse corceo de
fra e genio malvado que me emprestan) os
seraphins Manuel Francisco e Antonio Clau-
dino, direi sempre que jamis os deseja-
rei ver reproduzidos; porm adimiro que
o Sr. Claudino e seu rancho nSo tivessem
um momento para refledir que qualquer
cer a cleig.to n poder d'armas : com o do-
cumento de n. 1 vera o publico qual foi o
meu procedimento. Que era S. S. o mais
perseguido Coitado.' Jura deouvirdieer ;
porque sua casa nunca foi coreada ; que
iiem para mandar urna s vez a ella tive
graca, ese nSo heessa carrora que Ihe fi-
zeram dafegjo Itecife, onde pretenda gozar
das immunidades que c sempre leve,an-
da jejuaria esse martyr. Que nlo presidira
a eleigto: nlo se concluo sto do documen-
to de n. 2, e nem mesmo foi essa a sua in-
tengflo; pois s resolveu nito comparecer
no mesmo dia 5 de agosto quando conhe-
cou que nSo poderia encontrar no povo a-
passo imprudente de sua parte arriscara a .quelia conflanqa que esperava, e de que
sorlc desses infclizes, do que temos tantos precisava para fazer urna eleQito das suas.
cxcmplos Como, porm, esiou appcllando I A verdade beque S. S. quiz chamar an-
para o publico, nito imtirei minha opi-i tesque Ihe chainassem ; quiz nlerromper
niito a respeilo de quem neja o mais respon-
savel por este faci ('.llegados que fosse-
mos a Cravata, soube que o corouel,saben-
do do regresso de l'edro Ivo, marchara a ver
se Ihe embargava o passo antes que ganhas-
so elle as mallas, e que no ollicio que me
mandara ordenava-meque, no caso de nito
me julgar seguro em Bezerros, vollasse para
o engenho at que elle me podesse habili-
tar com o auxilio preciso. Assim o fiz, reti-
rando-le de Gravita no dia 14. Antonio
Claudino, exasperado pelo funesto resulta-
do que obieve de sua rematada loucura,
conceheu o plano de tirar urna disforra,
entrando cm Bezerros e matando os que all
pncontrou do lado govemista, bem como
Francisco Jos Pereira, JoltoSoares de Mon-
donga, Cosme 111 ni i.'iu da Silva, etc.; e para
este liui mandn vir o caudilho Jolo Fila e
se*s salteadores, com os quaes engrossan-
dn a sua horda, deu de a-salto sobre a po-
vi ac.fio no dia 17, onde dos que pretendiam
s encontraran) o infeliz Cosme DamiJto
quu cabio logo mor!o passado de balas,
sendo tamhem estaqueado um rapaz de no-
me Jos Joaquim que all ao acliava, depois
do que arrcbenlaram vanas pintas, e, to-
mando cevallos a torca, se retiraran) para
as partes do Caruar com a familia desse
Luna que ah ligun em um dos nllcios.
(.omquanlo estivessemos convencidos de
que toda a demora em orcupar-se aquclle
ponto era ensejo para novos allentados, s
nos foi pnssivel occupa-louo dia 24 em quo
all enlrei comamiiilia frca,auxiliado pelo
cuiouel commiiudanto geral com parte de
sua columna. Todo o nosso cnipenho foi cha-
mar e recebar migaveloioole a iuJoque
seaprcsenlassem e reconhecessem por sua
obediencia a legitimidaito do nosso podOr.
De quasi todos os lugarejoi do districlo se
apresentaram mais 011 menos, para virem
prestar obediencia ao goveruo. Do outra
orla)) porm, procedan os moradores de
Cainelleii a,os quaes,embahidos com as su b-
versivas dnulrinas do cabeedha Francisco
Pereira de Castro que all -e'cnuse va va com
um grupo de genle a cusa dos gados
alhcios, se achavam jrresoluns sobre o par-
tido quedfveriam lomar. Em cumpriiucn-
tu do un 11 dever.mandei 30 liomcusa aquel-
lo lugar aflm de capturar esso oaodillio e
dispersar, su mus nito podesse, o bando que
o ccrcava. Cuslou esta diligencia 11 vida do
soldado .Manuel Francisco da Luz, muri de
bales, e o l'eriment de outro soldado de
mue Jolto Cavulcanle, fleando tamhem
morlo no campo o mesmo Francisco Pe-
reira. Eis demonstradas as circunstancias
desle outio fado quo Manoel Francisco
classilica dcassassinio Jis como foi sor-
prendido esse pacilico bomem quo ape-
nas pode matar um e deixar outro bastante
fundo, o que talvez, na opiniflo do Sr. juiz
de paz, elle se faria depois de aggredido e
moito. Est, pois, fechado o circulo dos
das que docorrcrain do piimciro de Janeiro
a 3 de margo, com a deelarago dos fados
que nesse lempo occorreram. Agnra o pu-
blico tirar aquella illacg.1o que Ihe parecer
justa.
Vollcmos ao successo dos escravos do te-
nenlo-coronel Curuboim : chegando-mc uro
aviso de que pela estrada do Bonito que
passa periodo meu engenho passava urna
oscravaliira, a qual dizia *cr do coronel
Juilodolteg.) Barros, ora ha rilo de Ipnjuca,
quo iam para o serlo, sui'puz nnildeso-
melliante historia, (orquo o lempo era
bem favoravel para fugas; pelo quo mandei
que fossem busca-Ios para eu os interro-
gar. Ao chegar a palmilla onde eslaviim
os escravos descansando, estes detaram a
correr, e com ras.lo ; porque, tendosahido
do engenho Cainorim dehaixo de fogo, n
vpndo-so ccicados com gente desconhecida,
suppozeram-se acomnieilidos. No tal pega-
pega houveram algumas bordeadas, sendo
del,.a- maltratados um dos pretos, o qual
mandou conduzir para seu engenho o meu
cunhado o major Ignacio Jos Coelho, e
apezar de todo o trato nito foi possvel so-
breviver. Depois de todos estes rodeios
vflo os delatores altingimlo o seu alvo, islo
he, procurar lodos os muios de sustentar
Ilesa sua propriedade de fazer eleices, e
tornar sein crdito aquellas que Ihe frein
ofensas. Pois bem : vamos a isto. Diz o
juiz de paz que, ten lo de presidir eleigSo
do 25 de agosto, o nito faria : primeiro, por
minha conducta, fuitos, o accontecidos,
quo elle data al 25 de fevereiro; segundo,
por ler eu um destacamento commandado,
nito por ofliciul da guarda nacional, mas
por um de minha faccao, con) o qual insul-
tuva a maioria, e derlarava que vencera a
elergitou podfirde frga armada, sendo elle
juiz de paz o mais perseguido e jurado,
sen) duvda para nito presidir a oleicilo, co-
mo na verdade nao presidira para nito ser
insultado ou mesmo assassinado, etc., etc.
Me niu 11 a protervia I At presidencia quit
o Sr. Manuel Fiancisco ncommodar com
os seus engaos.
(Juan(o ao pi imeiro motivo, nada mais di-
rei, porque as datas dos tactos por elle al-
egadas esuas circunstancias provam ca-
balmente que entilo so lu.iva mu rebeldes
em armas, e nito com cleigos que nem
marcadas estavam.
Quanto ao segundo,estribou-so mal, por-
que o destacamento rclirava-se, como de
fado se retirou, e do que tinha elle toda a
certeza ; c a circunstancia do nito sor elle
commandado por oflicial da guarda nacio-
nal he a prova maisconcludente que dar-se
podo sobre a conducta deSs.Ss. durante a
revolta, dos quaes nito excluiromos tres.
Quo eu com esse olciul insultavamos a
maioria : he pena nito declarar o Sr. juiz de
paz quo insultos fiam esses e a quem su
dirigirn), para que o publico avaliasse a
sua gravidade, assim como declarou cir-
cunstanciadamente essas lingoas arranca-
das, essas estrangulages O outras inven-
0 silencio que eu pretenda guardar sobre
os feitos revoltosos desle dislriclo, nos
quaes elle e seus prenles tanto ostenta-
ran); equer finalmente engaar o gover-
no e o publico com suas estrategias. Pois
bem : temos eleigdes em outubro, e se bou-
ver quem se opponha as falcatruas do Sr.
j 11 z de paz e seu rancho, latera o publico
outro monslro, outro assassino, etc. He
tambem muito digna de seu autor a lem-
branea de procurar conlirmar suas parvoi-
coscom o nome de pessoas que ou intuir-
mente me nito conhecem, o por isto nada
pdem dizer de mlm que se Ihes nito dicte,
ou que cunservam contra mim rancores
particulares; e, porlanto, recommendo ao
publico toda a reffexito na aprcciagSo desle
quesito. Quanto ao que diz cm sua repre-
sentagilo o cauJillto Antonio Claudino e seu
digno 1 ar, como seja irmito gemeo do pri-
meiro, pouco accresceutarui. J l tica dito
quem eram os seus rapazes, oque acaba-
vam de fazer, e de que Ihes proveio a mor-
te ; e sobre a mulher do preso Joflo Jos de
Castro, espero que o Sr. Claudino se retrac-
te do que avangou.a bem da honra alheia de
que se mostia zeloso, e mesmo a bem sen.
Quem ler o documento den.0 3 nito dir
queaqui se geme dehaixo do punhal o do
Inca marte ; mas sim que os rebeldes vivem
cheios desi mesmos/ e nlo leen) o menor
ppjo do que ohraram. Diz mais que vive
desterrado, porque corre risco sua exis-
tencia, ao que respondo que arreceie mais
pela sua liberdade que pela existencia por-
que, e nquanto n.tn for amnistiado, est no
caso de ser agarrado ; porm, nSo obstante
todos esses perigos de qucS. S. se ligura
cercado, todos sabem que passa largos das
o noites cm sua casa muito bem descansa-
do, e delta inda no foi preciso correr. Con-
vnlii-so finalmente para se apresenlar com-
migo ante S. Exc., e ahi mostrar a tua ap-
tidilo biographica.
Tendii cumplido oque prometti, declaro
aos Srs. Manuel Francisco, Antonio Claudi-
no e a quem mais interessar pos-a, que
foi esta a primeira e sera a ultima vez que
Ihe dou satisfagilo, oque (u mais por res-
peilo ao publico, que oulra cousa ; ea tu-
do quanto d'ora om diante se propozerem
dizer ahi vai a resposta : CSo que ladra
nito molde .
Engenho Ba-Visla na freguezia de Be-
zerros, 22 de agosto de 1849.
loaquim Jote da Silva Vieira.
DOCUMENTOS.
pilSo Jacintho de Taris Jnior, em lastro
deareia.
EDITA L
COMMANPnDAS AflMAS.
Em virtude da ordem do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, e parante o concelho
extraordinario de que trati o ar'
regulamento do 17 de fevereiro
Precisa-seda urna pessoa livre que
queira encarregar de pensar bem duas cri*
ancinhasj desmamadas : quem se prono!
zer, dirija-se praga da Boa-Vista, n. 3.
segundo andar.
o Bixas. t
concelho O^t 1 j a
n. 22 do Na praca da lndpeii.1
) de 1832 & *,!:.. .. lftr
paraos hospitaes rugimentaes, se hadear- q (ieilQ*5 ll. IU,
rematar em hasta publica no dia 25 do cor- q ao voltar para a ra das Cruzes, alu. r
ronte s dez horas da manhSa no quartel g gam-see vendem-se bixs de Ham- *
do commando das armas o forneclmentos
dos medicamentos necessarios |fara uso do
hospital regimeutal desta cidade.
Os licitantes deverto achar-se presentes
no dia e hora marcada para a hasta e offe-
recer auas propostas por meio de tangos
no acto ds arrematagilo, que ser conferida
a quem offerecer condiges mais ventajo-
sas fazenda publica.
Quartel do comrcando da praga na cida-
dedo Itecife em Pornambuco, 14 do setem-
bro de 1849. Jos fcente de Amorim Tit-
zerra, coronel graduado commandanle.
[Joaquim Fabricio de MaCloi, segundo to-
nclo secretario.
Declarares.
N. 1. -- O cafito Jonquim Jote da Silva Vieira
itihdelegado de polica dn primeiro diilricto da
[reguezia de San-los do$ Meterme, porS. M. o
Imperador o Sr. O. fedro 11,a quem Veos guar
de, ele.
" Ka,, o saber aos habitantes desla parouhia,
qur, achando-se designado o dia 5 de agosto
prximo futuro para se proceder eleifo dos
cleiiuies que leeni de eleger os novoa deputa-
dos asseinbla geral legislativa, e bem as-
sim os o,nulo os da asseinbla legislativa pro-
vincial ; c devendo em seiuethantc arto reinar
a 111:0- pprfeila ordem. atiin de que por princi-
pio algum sejam os votantes inhibidos de coro-
pareeprein a eleico, licando assim Iludida a
b hei d.ole do voto ; tem esta sobdelegacia em
vistas empregar lodos os iiipos ao seu alcance
para que seja garantida a liberdade c seguran-
za individual, ecomparecam lodos os od oaos
qualilicados a prestaren) seos vnjos rsponta
neos, segundo as leis que regem ; e espera que
iicnhuina pessoa do povo ousar interromper a
ordem e regulai idade dos n aballo,-, ou j com
o pernicioso abuso de apresenlar-se com ar-
mas, mi j com 10-iioi n'or, ou insultos aos
meinbroi da mesa, aos votantes ou s autorida-
des, o que ser em llagrante punido com todo
o rigor das leis
11 I. para que 1 hepue a noticia a todos, man-
dei aduar o presente.
Sobdelegacia de Keierros, 15 de jullio de
1849. Joaquim Jos da Silva Vieira.
N. ?. lllm. Sr. compadre Antonio Pedro de
Mello. llapoza, H de jullio de 1849. -- Soube
que Vine, voltou da viagem do serlo. Cum -
padre soube agora que o grande (luiui sub-
delegado e o Sr. Manuel Tlioiiru duein que,
assim que eu fr para presidir as eleiedes des-
ta inatrla que tem de se faier a 5 de agosto me
prender; pois, compadre, peco-lhe o favor de
ili/.era estes que me querem prender, que vo
aprontando cordas para no m e alguns cantara-
das que bao de ir volar, e eu desejo mesmo
-1 1 puso ueste dia, j que elles tanto merece-
rn) ser presos 110 lempo dapraia no gnvrrno,
e como nao foram presos porque c ninguein
queria votar obrigado, agora como estilo no
govcrnojulgo que ludo bao de fazer. Porm
paciencia. Compadre teub.1 sadee paz, que
este lieo ineugoslo. Sou de Vine, compadre,
amigo e obrigado. Manocl Franciico de Aee-
vedo /.ira.11
!V 3. Sr. Antonio l'edro de Mello. Como
Uve por noticia que Vwc. muito se iuteressa
saber de toda a minha vida, assim como fui
bomonze-leltras Cuinar, agora devo dizer-
Ibe que a 5 de agosto l vou a Bezerros votar,
c mais alguns meus amigos ; vossa faca vir a pe
seus luanos correligionarios, queapromptem
cordas e algemas para fazerem o quanto e lau-
to desojam, que eu de caja vou disposio para
o que lorein dos seus icrvicos Seu bom e de-
tejado. Antonio Claudino Monttuo.-
O solicitador da fazenda provincial faz
publico que pelo juizo da segunda vara do
civel, as horas do costume, no dia 15 do
correle, se arrematarlo por venda as se-
guintes casas, adjudicadas mesma fazen-
da para pagamento do sello de heranga no
inventario do finado Joaquim l.uiz de Mel-
lo Carioca, escrivilo Santos: qualro casas
terreas pequonas, por detrs da Paz, na po-
voagSo dos Afogados, ns. 24, 26, 28 e 30,
avahada cada urna em 250,000 rs. ; duas di-
las na mesma povoagito, ra dos Passos, ns.
51 e 17, avahada cada urna em 200,000 rs.
- O arsenal de guerra precisa comprar
esleirs do palha de carnauba : a pessoa
quo tal objeclo quizer fnrnecer, compare-
cer na sala da directora do mesmo arse-
nal, no dia 15 do corrento, com sua pro-
posta em carta fechada e a amostra.
Avisos martimos.
A bem conhecida e veleira
baria nacional Firmeza, capito
Narciso Jos de Sant'Anna, salto
para o Hio-de-Janeiro com mili-
ta brevidade quem pretender car-
regar, ir de passagem ou embarcar
escravos a frete, trate com o mes-
mo capilao, na praca do Commcr-
cio, ou na ra da Madre-de-Deos,
n. 3, lerceiro andar.
-- Para a Baha salte impreterivelmente ,
no dia 15 do crlente, a sumaca Flor-do-
kngelim, meslre Bernardo de Souza : para o
restante da carga e passageiros, trata-se
com l.uiz Jos de S Araujo, na rui da
Cruz, n. 33.
Para o Aracaly segu viagem com bre-
vidade a sumaca nacional Carlota, meslre
Jos Goncalves Simas : para carga e passa-
geiros, trata-se com o mesmo n,esle, ou
com l.uiz Jos de S Araujo; na ra da Cruz,
n. 33.
Para a Paraliiha
sabe impreterivelmente o hiale nacional
Espadarle, por toda esta sen.ana, meslre
Victorino Jos Pereira : recebe carga e pas-
sageiros : os pr( tendentes dirijam-so ao
mestre, no trapiche daAlfandega, ou na
ra do Amorim, n. 36, a tralar com A. J
Vilal & Cumpanhia.
'" "
hurgo : tamben) vSo-se appltcar pa- 0
ra coaiinodidado dos freguezes ; i_ Q
rain-so denles, sangra-ge e appli. 0
cam-se ventosas: tudo por prego 0
commodo. a
$ A
Leilao.
O corretor OHveira far leillo por
man lado dn respectivo juizo o a requeri-
mi'iiiu dos credores do fallido Jos Ma-
noel Monleiro Braga das fazendas da loja
desle em um ou diversos lotes, como me-
Ihor cnnvenha e de conformidade como
balango c suas avaliagOos, a que se proce-
deu ; e bem assim de obras de ouro o pra- I conste a supplicantu que assim se diligen-
'cia, porisso.a vista da escriplura publica
OOOOOOOOO OOOOOOOtJ
A quem convier arrenda-se o engenho
Goit, na freguezia de TracunhSem da co-
marca de Nazareth, moente e corren te, coW
safra pendente para cerca de mil piles 1
qual se vende ao rendeiro com as novIS
plantas de caimas que se acham om muito
bom estado : a fallar no mesmo engenho
com o seu proprietario, Jos Cavalcanle de
Alboquerque.
Manoel Joaquim Das de
Castro i'az scienle ao respeitavd
publico, que desta data era diante
se assignar por Manocl Joaqun
Dias de Castro Clavinote.
Precisa-se de um caixeiro para umi
das melhores vendas em Olinda, dando fli-
dur a sua conducta : a fallar com o Sr. An-
dr Manoel de Aaruda, na ra do Amorim,
amazem do Sr. Tasso Jnior.
Na ra do Queimado, n. 14, segundo
andar, se dir quem d dinheiro apremio.
Na mesma casa compra-seouro e pratt no
estado em que estiver.
A commssflo encarregada da dislri-
bnigo das quanlias resultautes da subs-
cripgfio tirada na capital do imperio aliene-
licio dos orphSos e viuvas daquelles que
morreram em defeza da constituigBne do
imperio, na ultima rebeiiflo que teve lu-
gar nesta provincia, convida as pessoas t
quem esta distribuigiio possa ser aplicaval,
a apresentarem seus documentos compro-
batorios como certido de bito e casa-
meuto para as viuvas, e de baptismo pin
os orphflos o certificados dos respectivos
delegados, subdelegados o commandantes
de corpos a que os mortos perlenceram.
E porque tambem ser da nleng.lo dos
contribuintes extensivo aos invlidos e inu-
tilisados, lacs pessoas devem apresenlar
suas hbil i tages para seren attendidas,
quando vierem, com asquantiae qe *iiuU
se esperara as declaragOos quo a tal res-
peilo fram pedidas para a corte pelo Exm.
Sur concelheiro de.estado presidente di
provincia. -- Itecife, 13 de setembro ds
1*49. O viga rio \enaneio Htnriquti de Re-
ende, secretario da commissflo.
Jolo de Araujo Alves da Fonseca, Ori-
sileiro, vai fazer urna viagem a Angolla.
Suciedade Harmonico-
Theatral.
O 1 .* secretario avisa aos Srs. socios que
os buhles para a recita extraordinaria de
15 do correte se distribuirlo no saino do
theatro nos dias 13 e 14,das 3 horas da tarde
em dimite, c no dia 15 at ao meio-dia.em
oqual se achara reunida a direcgflo pai
apprOyaglto dos convidados.
A direcgflo querondo vedar o escandaloso
abuzo que at aqui tem apparecido, desc
tatroduzir no theatro um numero de pes-
soas superior sua capacidade, previne
mu positivamente, tanto ans Srs. socios,
como a seus convidados de ambos os sexos,
que,excudunilo o numero de pessnas ao nu-
mero de lnlhetes que liverem.passarilo pelo
desgusto de Ihes ser negado o ingresso,pois
que he consequencia necessaria de tantos e
tu repetidos a buzos.
Scienlilica-se ao respeitavcl publico
que a casa terrea, sitia na praga nova di
ribeira da Boa-Vista, n. 1, com a frent
para a ponte, pertence a Anna Fellppa de
Santiago a qual nito poder ser vendida
sem consentimento da possuidra :e como
la e da mobilia do dito fall lo, 1 quen
tudo foi penhorado : lerga-feira, 18 d' cu, -
rente, s 10 horas da mauhta na casa on-
de existe a referida loja, ra do Crespo.
HBBgBaaiiis^i^
Avisos diversos.
mente no maior ardor do sol seis legoas, e I 6es em que he frtil, yue eu declarara veu-
ACFANOCGA.
Ilendlmeulo do dia 14 ,
CONSULADO CEliAL.
Hendimento do dia 14.......
Diversas provincias........
21:021,943
824,843
79,541
904,384
CONSULADO PKOVIDICIAL.
Hendimento do dia 14...... 1:170,537
*>!ovimcnto do orto.
Navio sahido na dia i 4.
Babia PaUchobrasileiro ClemnUina,ca
-- O director do Iheatro de San-Francis-
co avisa ao respeitivel publico desla eidn-
de que o espectculo innuhciado para o
a 15 tica transferido para sabbado, 22 do
cotrenle, em virtude de haver espectculo
gratuito no thealro de Apollo no referido
dia 15.
-- llypotheca-se um sobrado de dous an-
dares em boa ra, pela quantia de um con-
t oitocei tos mil ris. licando o aluguel pe-
lo premio ; negocio esle e vaniagem :
quem quizer annuncie para s<>r procurado.
-Precisa-sede um caixeiro que tchha
pralica do venda : na ruaestreila do Roza-
rio, n 11.
Traspassa-se urna hypothera de 5 es-
cravos bons e mogos, bypolhecados por
um anuo, vencendo 2 por cenlo ao mez : a
quem convier annuncie : o hypolhecante e
os escravos moram aqui no Itecife.
~ A l'essoa que tiver um primeiro tomo
do\irgiIio e o quizor vender, dirija-se
ribeira da Roa-Vista, venda da estrella.
A pessoa que annunciou querer com-
ar urna carleira dirija-se ra do Pires,
Roa-Vista n. 23.
Aluga-se portempo de oilo mezesum
sobradinho na Ponle-de-Ucha por 75,000
rs. em todo o decurso dos ditos oito mezes :
na ra da Cruz, n 51 .i*
Muito sedeseja saber se nesta cidade
ou provincia existem Manoel Jos Alfonso e
o padr* Gabriel Pereira de Castro Racellar,
qno para aqui vieram de Portugal em 1816
ou 1817, sendo o ultimo sobrinho do bri-
gadero Manoel Joaquim, que aqui morreu
na revolugito de 1817. Os mesmo, ou as
pessoasquedelletiverem noticas, dirijam-
se a esta typographia.
-- Precisa-se de urna perita doceira, tan-
to de doces de caldas como seceos: uaiua
do Trapiche, n. 44.
I Precisa-se de urna ama deleite, prefe-
nndo-se captiva : no Aterro-da-Uoa-Visla,
loja n. 78. '
com seguranga, leva-so ao conhecimento
de quem pretender compra-la, sOb pena do
nuliidade.
A viuva do fallecido ManoelFerreiraPin-
to, avila aos seus freguezes que se mudou
para Fra-de-Portas ra do Pilar,11. 51, onda
contina a vender dge de todas as quidi-
dades, tanto sueco, como de calda; assim
como louga vidrada
Aluga-se a loja da casa da ra da Au-
rora, aon.le levo loja do louga com arma-
gilo proprio para fazendas, ou outro qual-
quer negocio: a tralar na venda ao p da
mesma, n. i.
-Precisa-se de um pequeo brasileiro
que queira aer caixeiro de urna taberna ; no
paleo do Peraizo, taberna n. 30.
Sendo que as pergunlas fuilas no Dia-
rio Aovo de liontem, n. 81, enlenda-se coa-
o baixo assignado, este protesta pelo
presente rospondor a todos aquelles quesi-
tosseom lautoqueo perguntador, deixan-
do b capa do anonymo com que se pretende
acoerlar, ousar assignar suas pergun-
las .-- Recire, 13 de setembro de 1849.--//0-
wrato Josph de Ulheira Figueiredo.
--Quem annunciou precisar de um bal-
cito, dirija-so ra da Cadeia do Recife ,
n. 34.
Delitos artificiaos.
J. A. 8. Jane, dentista, participa ao res-
peilsvel publico quo contina a exercer 1
sua prosslo, na ra estreita do Rozario,
n. 16, primeiro andar.
50,000 rs. de graticac^o.
. Ausentou-se, desdo a larde do di* 12 do
corrente mez da casa n. 19, na ra da Al-
fandega-Vullia, um pardo de nome Anto-
nio de bonita figura cor clara, cabellos
conipi idos e annellados pernus um pouco
arqueadas ; tem o andar um tanto pesado,
falla precipitada; levou camisa de mada-
polflo cneorpado e com a marca encarnada
F. O., caigas de algodozinho de listras
soslidas por urna crrela envernizada; suo-
FOe-se ler levado um chapeo de seda pi fV
l'-sle escravo pertenceu oulr'ora ao fnle*
Ignacio Comes da Silva de Pedras-de-Fogrf
quem o levar a dita casa receber a dita
gratifica (9o.
ie
l'C
qu
ca


AO PUBLICO. As pessoas que liverem penhores cm
Na manliia do da 11 do corrente, na oc- pod<\rdo abaixo assignado, com.j) te casino cm quo passava o cidado Jnnocen-
cio ntunes de Farias pelo Atorro-dos-A fo-
sados, quo se diriga para o arsenal de
guerra, onde heempregado, fra assaltado
pelo racinora Manoel Flix do.Sacramento,
por antonomazia Manoel dos Caixos, o qual
corrra-lhe varias focadas e pauladas, do
que se livrou o dito Farias, sahindo leve-
mente ferido, do que se procedeu o compe-
le auto. He t onde rodo chegar o desres-
peilo a lei e a autoridad?, no entanto que
csse facinora passcia publicamente pelas
ras dos Aogados,. blazonando que ha.de
levara effeitooseu vil inlenio. Teslemu-
nharam este acontecimenlo Antonio Fra-
cisco de Almeida, lente Manoel Zeferino
do Castro Pimontel e Jos Vicento das Cha-
gas eou tros.
Qnetn annunciou no Diario
n. ao3 querer comprar uin balclio,
lirija-se ra larga do Rozario,
o. iG.
D. alaria Carlota de Oliveira Comes em-
barca para o Rio-de-Janeiro, levando cm
sua companhia sua lilha menor li Anna
Candida Gomes, os seus escravos Marian-
na, de nagao Rebollo, Antonio, de nagflo
Congo, e os mulatinhos menores Narciso o
Serina.
Jos Pires Ferreira embarca para o Rio-
de-Janeiro a sua escrava parda, de nomo
Ignez.
-- Roga-se ao Sr. C. A. de C. C. que quoi-
ra dirigir-se onde nfio ignora, afim de pa-
gar 18,000 rs. quo pedio emprestados por
oilodias, isto des 'e 1836; na certeza de
que. nilo pagando, ter de ver o seu nomo
por extonso nesle Diario.
Tendo o abaixo assignado dado de ar-
rendamento a loja da casa em que mora no
Allerro-da-Ba-Vista, n. 38, a Joflb l.uiz
Vianna, o qual eslabeleceu-se na mesma I
loja com negocio dees Igados feitos, acn-1
teceu quo rifara dovendo alguma quantia
do imposto do banco ; e por esto delito foi
ejecutado o arrematado o remanescente
desse negocio e at a armacSo ; (cando
Jila loja vasia, e sern cousa alguma que
tertencesse ao d.evedor; e porque, anda de-
pois de executado e arrematados estes pou-
cos bens, anda ficou restando do imposto :
nan lem podido o annunciante arrendara
sobredita loja, porque entendem os pre-
tndeme que cam obrigados divida do
executado, e assim lem lido o annunciante
mu grave prejuizo por se achara loja sem
iiiquilino por mais de dous anuos, o que
consiitueo annunciante na obrigagao de
fazer publico que a sua loja, ou quem para
ella vier morar nflo he obrigado a divida
do banco do lempo do pretrito morador ;
por que no ha lei alguma que assim o de-
termine no caso disposto. Antonio Marlins
liibtiro.
Lotera do Guadalupe.
As rodas desta lotera sSo anda transfe-
ridss para o da 5 de ontubro prximo fu-
vencido do quo (rataraui, queiram vir ti-
rar no prazo da 8 das; do contrario serSo
vendidos para seu pagamento.
Joo Duboit.
Antonio Carlos Pereira de Burgos Pon-
ce de Len julga DIo dever a pessoa al-
guma ; se, porm, alguem fr seu crodor ,
liuja de apresentar-ie para ser immediata-
mente pago, dentro de 8 das, contados
desta publicarlo.
-- Moje, 15 do crranle, na porta do lllm.
Sr. Dr. juiz municipal da segunda vara, se
lia de arrematar una poreflo de livros pa-
pel perlina o papel pautado para msica,
per exeriigfio de Avrial Irm.los o outros
contra a viuva e herdeiros do finado Lu'z
Ignacio Ribeiro Roma : lio a ultima praga."
A pessoa que anuunciou querer 1:800/
rs. sobro hypotheca em urna casa de dous
andares drja-so a ra larga do Rozario ,
n. 14, a fallar com J. Pradines, que dir
quem d.
Pedro Epiphanio Soares, estudante em
linda, deseja que de novo se declare, se
se entende com elle o annuncio de que tra-
ta um outro assignado por Pedro Epipha-
nio-, o qual fora mandado publicar pelo
mesmo .masque por descuido da impren-
sa iio saho perfeto.
-- Negoca-se urna lettra aceita do Sr. J.
J. R. dos S., a qual est vencida e impor-
ta de principal o juros 370,000 rs.: quem
este negocio quizer fazer dirja-se a ra
larga do-Rozario, ns. 5 o 8.
Precisa-so de um mogo porluguez, de
15 a 16 annos para caxeiro de urna loja de
fazendas na villa de Garuara a tratar as
Cnco-Pontas, n. 66. Na mesma casa ven-
Je-se una cama, duas bancas e um soph
ludo por diminuto prego.
Sabio a luz o segundo numero do Re-
crtio das Damas o acha-se a venda as livra-
rias do Sr. Dourado e Viuva Roma.
Precisa-se alugar urna preta para o
servico de casa I no Aterro-da-Boa-Vista,
n. 41, ou annuncie.
?
Deposito de rap.
turo, visto que a venda dos bilhetes que
restara quasi que nenhum adiandamento
leve, por cuja raslo n3o podera mas mes-
mas rodas ter andamento no da 14 do cor-
rente, que para este flm foi marcado.
Precisa-se ile. dous bonicos forros que
queiram empregar-se nu trabalho de um
sitio : a tratar na ra do Crespo, loja n. 15,
de Cunha GuimarSes & Companhia.
Dowsley & Companjiia avisam ao rea-
peilavel publico que o Sr. Ilehrique Nash ,
leudo de fazer urna viagem retirou-sa de
seu eslabalecimenlo desde a data desto.
Recife, ISdesotembrode 1849.
David W." Bovvman subdito ingJez,
vai a Europa. '
Joo Marques Fernandos deixou de ser
caixeirp do Sr. Manoel Marques Fcrnandes
desde o dia 13 do corrento.
- Miguel Jos Rodrigues da Costa faz pu-
blico quedesdo o dia 13 do corrente nao he
caxeiro do Sr. Antonio de Azevodo Ramos.
Na ra do Hospicio, n. 14, acham-se 2
pers que fram apanltsdos por um criado
da casa por supp-los extraviados : quem
fr seu dono podera reclaina-los, e os tora,
dando os signaos.
Alugase, pelo lempo de festa, um
grande sitio, na estrada do Monleiro, com
boa casa de vivenda, cozinha fra, estriba-
rla, cocheira, muitosarvoredos de luido ,
r inulto perlo do banho,os preteiidentes
dirijam-so ra Nova n. 50, primeiro
andar.
--OSr. Salvador llcnriques de Albuquor-
quo profossor publico da cidado de lin-
da lenh.i a bondade de vira praca da In-
dependencia n. 12, loja de encade macelo,
para receber urna carta que ha recommen-
dacos i ara ser entregue em sua propria
niao para deixtr ah mesmo a resposta :
isto quo seja breve.
Precisa-so alugar um preto: na refina-
do da rui da llorlas, n. 7.
-- Kngoinma-se clava-so toda a qual i da-
le de roupa, com todo asseio, brevidrdo e
por preco mais commodo do quo em oulra
qualquer parte : na ra de Agoas-Verdes ,
rasa terrea n 28.
Nr. e M. Len, gravadores
em todos os gneros, profossores de dese-
dioe colorido, leem a honra do informar
o publico que, alm da grvuia, soacham
io caso de tornecer a inpresilo, a raslo de
500 ejemplares em 24 lloras, seja em ne-
gio, coros, ouro, ouro e cores pelos pregus
correules da Fianca, os quaes varlSo 1,000 rs. a 2,500 rs. o ceuto, nunca mais,
iiesino em ouro.
Estevao de tiasse.
O encarrogado da venda do rap prince-
sa ila fabrica de Gasse do Rio-de-Janeiro
"celara a todos os Ircgezes que o deposi-
o se aclia completan enle prvido de
ineias libras das 3 qualidades, lino, gros-
soe meio grosso deque levo por alguns
lias falla seu prego continua a sor a 1,280
rs. de 5 libras para cima.
f
Domingos Alvos Matheus, agentada |
fabrica de rap superior arcia prola 4
e meio grosso da Rahia, tem aberto o 4
seu deposito na ra Cruz, no Recife, 4
11. 38, primeiro andar, onde se achina 4
sempre deste excejleutee mais acre- 4
dilado rap que al o prsenle se tem 4
fabricado no Brasil: vende-so em bo- 4
les de urna o meia libra, por preco ,;4
mais commodo do que em outra qual- 4
quer parle. K 4
I
-- Pede-se ao lllm. Sr. Dr. Antonio Joa-
(1 u im de Figueiredo Seabra quo apparega
no A Ierro-da-Roa-Vista, para pagar os
alugueis da casa da ra de S.-Congalo, anu-
de morn, e nao leu pago desde que so
mudou at esta data.
Precisa-se de pelas que ven lam pfio :
no l''ore- do-Mallos, ra do Burgos n. 31.
-Manoel de Almeid Lopes que coslu-
ma comprare vender escravos mudou sua
residencia da ra do Vigario, n. 24, para a
ra da Cadeia do Rrcifo, n. 40.
- 3ue dissolvcrain amigavelmente a socieda-
e que tiveram sobre a firma de Andrade
& Moreira na loja do forragens da ra Nova,
n.39; (cando o ex socio Andrade enesr-
regado de (oda a liquidacilo, e o ex socio
Moreira sem maisenterferencia nos nego-
cios da exlincta lirma. Recife, 10 de se-
tembro de 1849. Joaquin los dos Santos
Andrade, francisca los Moreira.
O abaixo assignado deixou do ser ca-
xeiro do Sr. Jos Jonquim Dias Fernandes
desdo o dia 9 do correnle o ao mesmo
lem, o aprovetaa occas3o para agradecer
ao mesmo Sr. d bom tratamenlo que rero-
beu durante o tempo que o servio.
Manoel 'aasco de Souta Brilo.
Arrenila-se una grande campia de-
nominada sitio do Lucas, ou Euforcado, na
estrada nova do Caxang, proprio para pas-
tagem do gado rancho ou para qualquer
plantaban : a tratar na ra do Vigario, n. 7,
primeiro andar.
travessa do Caldeireiro, n. 12, ou annun-
cio.
Precisa-se fallar com os Srs. Francis-
co de Faria Nunes e Antonio Lopes de An-
drade a negocios do seus interesses: na
ra da Cauz, n. 9, escriplorio de Oliveira
Irm.los & C
--Precisa-se elugar um eseravo para o
servico de urna casa estrangeira : paga-se
bem : na roa Nova, n. 61.
Aviso.
Quem pretender engenhos para em 2 ho-
ras socar urna caixa, ou 6 barricas de as-
suear, oceupando urna s pessoa e um ca-
vado, carros para condcelo de formas
com assucar, tambem por'urna sua pessoa,
nflo querendo ser engaado, dirija-se ra
o sol, n. 13. Adverlo-se que n.lo sao carros
e forquilha... por bailo do fundo das for-
mas : (lestes os acharSo na fabrica dos Srs.
Slarr & Companhia.
Desappareceu da casa de Prxedes da
Fonseca Coitinlio, no dia 7 do corrente, o
seu eseiavo Eustaquio, pardo claro, de ida-
de de 22 annos, do estatura regular, secco
do corpo ; tem os dedos dos pea levantados
quando anda, loma bastante tabaco e he
ofilcial de sapateiro : quem o pegar, leve-o
a ra Real, na Roa-Vista, que ser recom-
pensado.
Chapeos de sol SEl
Ra do Passeio, n. 5.
O dono deste ostabelecimento avisa ao
respeilavel publico quo elle recebeu pre-
sentemente urna qualidade de chapeos de
sol com armaQIo de ai;o surtidos em co-
res o de varios tamaitos, qnalidade esta
nunca aqu apparecida ; bem como cha-
peos de sol com arniac.no de baleia, surti-
dos em cores lixas ; ditos para senhora.de
seda muito encorpada com ricas franjas de
retroz o chegados ltimamente de Pars :
tambem se vendem chapeos de sol, de pan-
ninlio em porcAoca rctalho ; ditos para
feitor do engenho, muto grandes. Os fre-
guezes achanto um completo sorlmenlo de
sedas o panninho imitando seda para co-
Caetano Xavier Pereira de Rrito, 4
doutor em medicina, annuncia ao 4
respeilavel publico, que TlXOU a Sua 4
residencia no Alerro-da-Ha-Vsla, 4
n. 43, ondo podera ser procurado a *}
qualquer hora; o da consultas ymtis 4
aos pubres, das Cas 9horas da ma- 4
ulula. <
A tiene.ao.
tW.
A inliga agencia da ra do Rangel, n. 9 ,
continua no mesmo exercicio de tirar pas-
Vl'orles para dentro e fra do imperio,
"lachar escravos, correr folhase solici-
' ttulos de residencia, com a mesma lire-
vidade e comniodidade nos ajustes, como
"j|l)erantcprova tem dado no decurso de
,'"'"aos, em os quaes o respectivo agei.lc
'"Malisfolo a expectativa de todas as pes-
ss que o lio procurado.
*
i
* V
Pela segunda vara do civel, esenvo
Cunha, se ha de airemalar, no dia 22 do
correnle, por sera ultima pra logiodcaxa deouro, sabonete e de fa-
brica horizontal avallado por 80,000 rs. ,
penhorado a Jos Thomaz do Campos Qua-
resma.
Carlos Claudio Tresse, fabrican-
te de orgos e realejos, na ra
das Flores, n. 19,
avisa ao rcspeitsvcl publico que concerta
org.los o realejos, pOe marchas modernas
deste paiz, concerU pianos, serafinas, cai-
xas do musica, accordos o qualquer ins-
trumento que apparega : tambem faz obras
novas e vende um orgu, proprio para ca-
pella ou altar, com boas vozes, por prego
commodo.
Precisa-sede urna preta captiva para o
servico do urna casa de pouca familia, pa-
gando-se-lho mensalmenle : no A(erro-da-
Roa-VIsta, loja n. I.
Na ra nova, loja n. 58, so dir quem
d dinheim a premio as quanlas de 200,
300, 400, 500 e 600,000 rs. com hypolhe-
ca em casas terreas.
Precisa-se alugar urna preta captiva ,
que saiha cozinbar o diario de urna casa e
comprar na ra : na la da Cadeia, n. 59 ,
primeiro andar.
-- Pede-se ao Sr. Jos Mara de Vascon-
cellosde Uourbon queira mandar pagar o
aluguel que deve do primeiro andar a
queai bem sabe.
Um cidadilo brasileiro adoptivo de
vaneada idade, branco, casado e sem li-
nios seoffirece rara ensinar meninos f-
' da pinga, para OQue tem as precisas ba-
liililaces por commodo prego: quem de
seu presiimo se quizer ulilisar, dirija-se
brir qualquer armagflo de chapeo de sol, o
que se faz, o tantean se concerta com toda
a brevidade,
Vicente Ferreira da Costa aluga o pri-
meiro andar da casa da ra da Madre-de-
Dcos, n. 3,ondo tiveram escriplorio os Srs.
Johnslon l'ater & C.
Precisa-se de urna ama para urna rasa
de pouea familia, a qual cozinhc e faga as
compras ; na ra da Cadeia do Recife, n.
41, primeiro andar.
Para as pessoas que ten-
cioiiam seguir viagem.
No pateo de S.-Pedro casa terrea n. 8,
tiram-se passaporles para dentro e fra do
imperio, corrom-se folhase despscham-se
escravos e para este fin tar.'.bem pde-se
procurar na praga da Independencia livra-
ria ns. 6 e 8.
Na fabrica franceza de calca-
dos precisa-se de slguns rapazes
para aprenderem o ollicio : a tra-
tar na mesma fabrica, na estrada
que vai da Soledade para o Man-
guind, casa grande amarella.
O abaixo assignado, nldante do se-
gundo auno da academia do Olinda tem
transiendo a sua residencia para a ra das
Flores, sobrado n. I, o all se propre a
receber alumnos externos e internos, rara
lites ensinar lingos nacional, franceza, geo
niel 11 a e ihelorica prometiendo o mais
desvedado tratamenlo, mediante um m-
dico estipendio : as pessnBS que o quizc-
rem frequentar poderflo dirigir-se a indica-
da residencia das 2 horas da larde em
diante. Vasconceltos Coimbra Jnior.
Alufa-se um sobrado na ra da UniSo,
com boa vista para a barra excedentes
salas, alcovas e quartos, grande quintal
murado cacimba e cozinha fra: a tratar
com Manoel Alves Guerra.
muilo bem com urna negrinha do 3 me-
gos eum moleque de 2 annos, ambos mni-
to lindos : vende-se com todos dous, ou
com a mais pequea s a vontade do com-
prador: um moleque de 18 annos, de bo-
nita figura que cozinha o compra muito
bem, esto s para fra da provincia : na rila
da Cadeia ao peda casa da Apollinea de-
fronte da ordom terceira de S.-Francisco.
Vndese urna parda de 15 annos ; um-
preta de 20 annos : ambas do bonitas ligue
rase com principios de habilidades; n.1o
tem vicios ncm achaques : t-vendem-se para
pagamento do divida : na ra do Livra-
mento, n. 4.
Vende-so um piano de boas vozes e em
bom uso por 200,000 rs. : no caes do Ra-
mos, segundo sobrado.
Vende-se azeit de carrapato em cana-
da a 2,400 rs. oem garrafa a 30 rs. : na
esquina da ra do Rangel, venda do Jos
Rodrigue? Coelho & Companhia.
Yendem-8e os opreciaveis
charutos de Havana ; ditos regala
de superior qualidade, chegados
recentemente ; assim como pti-
ma manteiga em vidros : ludo por
preco commodo : na ra da Cruz,
n. 5i, artnazem de J. O. Elster.
Vende-se um preto pega, de bons eos-
tumos, olllcial de anzoleiro e de 18 a 19 an- d
nos na Ponle-Velha, casa do Sr. Calilo. a
Vende-se, na ruado Rangel, n. 4ti, um
preto mogo, proprio para o mallo ; 20 vo-
lumes de barricas de farinha do reino aba-
tidas ; arroz branco e vermellio por barato
prego.
Na loja do Duarte, na ra
do Cabug, n. I C, vendem-se re-
quififcs de cores ; franjas pro-
prias para mantaletes de cores ;
lencos de seda c aigodao para gr-
vala e algibeira ; boleas de mican-
mos; mnti-
ra. toncas de
ela
Compras.
Compra-se urna liteira : na
praca da Independencia, livraria
ns. 6 e 8.
Conipram-se qualro escravas rienda-
das, com habilidades o de bonitas figuras,
para urna encommenda : na ra do Passeio,
loja n. 17.
Compra-se um baleflo : quem tiver
annuncie.
Conpra-so um caixo pequeo para
assucar: na ra da Cadcia-Vclha, n. 50.
Vendas.
Obras de ouro.
Vende-se I alfinete do brilhantcs 1 par
de brincos com alguns bullanles, urna me-
dallia corn diamante, um lat;o delilagrana,
um annel com dous diamantes, um buzio
cncastoado, para pescogo de menino : lu-
do com pouco uso : na ra do Crespo ,
n. 12.
Acha-se do novo edificada a casa ter-
rea da encruzilhada de Relm, pertencenle
a Manoel da Cunha Oliveira, em a qual o
mesmo tinha um ostabelecimento do ta-
berna que foi encendiada e reduzida a
cinzrs em urna das noitesdomez de judio
prximo passado pela malvadcss* de al-
guma alma corrompida. O seu propricti-
rio vende a mesma casa e sitio com mais 7
casas que all possue : tambem arrendad
sitio com as 8 moradas do casis por lem-
po que se convencionar: lamWni vende a
sua taberna do pateo da S.-Cruz muito
bom afreguezada a tratar no Gorredor-do-
Bispo, com Manoel da Cunha Oliveira.
A 4#000 o corte d novas
alcjias de seda
com lindos padrOes de listas o quadros, c*-
ivs modernas, clarase escuras at pretas ;
gangas amarellas da India, propnas para
todo o trago de homem e de meninos ; bem
como um novo sortimenlo de fazendas li-
nas egrossas por barattssimo prego: no ar-
mazem de RaymunJo Garlos Leite, na ra
doQneioiado, n. 27.
ga, propnas para
nhasde seda a 800
la para senhora e meninas ;
para bordar de seda, de todas as
cores.
-Vende una preta de nagio Gongo,quo sa-
be cornhar e fazer o servigo diario de urna
rasa, he boa quitaudeira de vender na ra,
0 cusluma pagar 400 rs. por dia, ter de
idado 40 annos, pouco mais ou menos, he
muito fiel, nao tem vicio algum : quema
1 retemle-, iln ij.-sc a i u i da IVnlia, n.2J,
que achara com quom tratar.
Vendem-se cassas bordadas, brancase
do cores a 280 rs. a vara : na ra do Quei-
mado, n. 47.
- Vende-se superior fio de
aigodao para torcidas de velas
em casa de Geo: Kennwortliy &
Companhia, ra da Cruz, n. a.
Pharmacia franceza.
X.arope pcitoral adorante de gom-
ma de angico preparada por Luiz
l'iiitli ii I mi ck ('. boticario chi-
mico da escola especial de Pars
A gomnia de angico he conliecida e em-
bregada ha muilo lempo pelos habitantes
do interior do Brasil como um excedente
remedio para as molestias de peilo ; mas
cm um estado tal de impureza contemlo
corpos e.-l ranltos,.; ue umita* vczrs impedid-
lo seuseffeilos tornavam suspeitas auna
propriedades, e obrigavam O doente a to-
mar urna purgfio do materias cstranhas,
iio obstante que inertes, mas quo no en-
tanto difficultavam o seu uso.
lloje emfim esta gomnia he por nos leva-
da ao mais alto grao do pureza o assim
com ella preparamos o nosso xarope lilo
agradavcl o fcil do tomar /'orno promplo e
eOloaz nos seos resultados Os mdicos des-
ta cidade e outros minios quo leem obser-
vado scus effeitos provam sua superiorda-
de absoluta para a cura das imflammagOes
do peilo tosse, defluxos, catarros, escar-
ros de sanguo., etc., e applicam aos seus
doentes como o meliior especifico al lioje
conhecido.
Fabrica de chocolale de
saudc e medicamentoso.
Do todas as substancias alimentares que,
sendo em seu principio consideradas como
cousas de luxo, lornaram-so pelo lempo
adiantede um uso geral o chocolate po-
de, sem contradicgiio, oceupar o primeiro
lugar.
Kfferlivamente, quantas pessoas nio ve-
mos nos preferir hoje ao uso do quente ca-
f o uso do chocolate,.c nisto seguir a opi-
iii. 10 dos mdicos mais clebres que de
commum acedrdo sobre suas prociosas qua-
lidades o indicam como um dos nossos
melliores estomticos aquellas pessoas cu-
ja saude he deiiil e delicada f.. Prescre-
vom-no aos seus doentes, aconselliam-no
aosvelhos e o rccomuiendam as milis de
familia para seusfilhos; em urna palavra ,
o consumo verdadeiranien'e extraordina-
rio que tolas as classes da sociedado fa-
zem doste alimento, he o mais bello elogio
que nos llie podemos fazer.
Kstes dous objectos, ja bem condecidos
pela sua superioridade, constantemente se
vendem na ra da Cadeia do Recife, venda
n. 25, defronte do llecco-Largo sendo o
prego lixo 1,000 rs. cada garrafa de xarope
acompanhando um receiluario de seu au-
tor e o chocolate a 640 rs. a libra, do n.
i, meio fino e a 800 rs. o de n. 4 fino.
Igencia de Jdwin II aw.
Na ra de Apollo armazem n. 6, de M. Cal-
mont&Companhia, acha-se constantemente
um grande soi tintcnlo de ferragens ihglczas
para engenhos de fabricar assucar, bem
como taixas de ferro coado o balido de dif-
iranles tamaitos e modelos, moendas
do dito, tanto para armar em madeiracomo
todas do ferro para animaes e agoa, ma-
chinas de vapor de frga de 4 cavados, alta
prossSo, repartideras, espumaderas, etc.
de ferro eslanhado. Na mesma agencia acha-
se um sortimenlo de pesos para balangas ,
escovina paia navios, ferro cm barra, tanto
m
Sccas com farinha de
mandioca, a5,000 rs.
Vendem-so saccas com farinha de miri-
dinca a 3,000 rs. e saccas grandes, a
3,500 rs. : na ra do Codorniz armazem
n. 11.
Follia de Flan tires.
Vendem-se caixas com folln de Flandres:
na ra do Amorlm, n. 35, casa de J. J. Tas-
so Jnnior.
-- Vende-se, na ra do S.-Francisco, ca-
sa apalagada urna canoa em muito bom
estado que carrega 7,000 rs. d'agoa; 12
sacadas tic pedra do Rio-Formoso ; um ber-
gode angico muito lindo : ludo por prego
commodo: bem como um alambique pe-
queo em muito bom estado : a tratar de
maniiaa at as 8 horas e meia.
A ellas antes que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
homem e senhora pelo diminuto prego de
1,000 rs. o par : na rus do Queimado, n. 17.
Iiao-se as amostras.
Vende-se, na ra do Crespo, n. 11,
achigraphia nacional, por U A. M. Falco,
1 v.;llymnodoPapaPiolX; AtlasdeSiman-
courl; Historia sagrada de Bernardino Frei-
10, 3 v.; Thompson, 1 v.; Philosophia
por ('.harina 1 v.; Fbulas de La Fontaine ,
1 v. ; Carlilhasde edigflo portugueza, 1 v.;
Diccionario francez por Roquete, 1 v.; dite
de theologia porBergier. 8 v. : continua-so
trocar por livros outra qualquer cousa.
^fffffffffyfffffffffff
Vendem-se corles do caigas to brim J
:>
trangado do linho de muito bonitos
* naiir/iaa < t ion re cada corle : na :
oja do sobrado Jt
W padres a 1,500 rs. cada corle : na
[y ra do Quoimado '
y^, amarcllo n. 29.
-- Vende-se urna escrava de 22 annos de I quadrado como redondo, safra para ferrei-
muito bonita figura que cozinha o diario! ro e urna porgan de tinta verde em latas :
de urna casa muito bem, engomma a lava I ludo por barato prego.
Luvas de pt llica, a 1,000
rs, o par.
Vendem-so luvas do pellica, a 1,000rs. o
par, para senhora, muito nvate da su-
perior qualidade : na ra do Queimado n.
16, loja de Jos Dias SimOes&C.
liicos de riietorjea.
Vendem-se ligos de rhetorica recopila-
das dos originaos de J. Ferreol Fernand e
Cdenc Ponelle, trjduzido em porluguez
por M. G. Vellozo a 2,000 rs. cada exetn-
plar : na praga da Independencia livra-
ria ns. 6 o 8.
Sapatoes, a ;*00 rs. o par.
No Atorro-da-Roa-Vista, loja n. 78, ven-
dem sapates do A'acity avariados a 500
rs. o par; sapatos de lustro para senhora ,
a 2,240 rs.
Na ra das Cruzes, n. 92, segundo an-
dar, vendem-se 10 escravos, sendo: una
escrava de nagSo, de 24 annos engomma-
deira e que cose Piulo cozinha e lava ;
um dita crioula com algumas habilidades;
unta dita de nactlo boa quitaudeira ; um
indcenle tic nagao bom cozinhoiro ; 6
ditos para o servign de campo.
Novo madapoln patente
com mais de 40 jardas
cada peca
e com largura quasi de una vara fazenda
a mais fina que se pude imaginar, por isso
ptima para ludo pelo diminuto prego do
9,000 rs. a pega ; bem como todo o sorti-
menlo de fazendas finas e grossas : no no-
vo armazem de fazendas de Raymundo Gar-
los Leite, na ra do Queimado, n. 27.
--Vende-se un muanuliu de minio bo-
nita ligtim a simo deleito algum, de 13 a 14
annos cozinha e lio proprin nari pagem ,
ou para a prender qualquer ollicio : na Boa-
Vista, na da Mangueira, 11. 16.
Vende se panno de li-
nho do Porlo,
a 750 rs. a vara; dilo de Allemanha com
duas varase meia do largura, a 2,600 rs. a
vara ; cambraias bordadas e adamascadas
para cortinados por prego muito commo-
do ; inetino branco muito superior, a 1,800
rs'. o covado; bicos do blondo; ditos de
linho ; meias o luvas ; ludo por prego mais
barato do quo em outra qualquer parte:
na ra do Crespo, loja n. 9, de Domingos
Cuimarfles.
A suas caridades da or-
'cm tereicradeS. Fran-
cisco.
Na ra do Crespo, n. 9, ha para vendara
1,800 rs. o covado a genuina fazenda para
habitus desta ordem a qual torna-se mui-
to ivcoinmendavel pelo sen excedente te-
mi sem duvida o meliior que em tal ge-
nero lem produzido a magnifica, populo-
sa e manafactureira cidade de Roen, urna
das mais clebres na produegilo de tecidos.
Vendem-se cassas de
seda ,
a 400 rs. o covado ; ditas e cambraias de
cores a 360 rs. o covado ; cortes de ditas,
2,400, 3,000, 3,500 n 4,000 rs. ; lenco de se-
da a 1,000 rs.; alpaca de lila eseda pro-
pria para roupinhas de criangas, a 1,000
rs. o covado ; riscados francezes, a 220 e
240 rs. o covado ; chales de lila o seda, mui-
to bonitos, a 5,000 rs. ; luvas de linho para
senhora,.a 500 rs. o par; meias para me-
ninos c meninas a 200 e 210 rs. o par ;
lengos brancos para mSo, a 500 e 640 ra.
cada um : na ra do Crespo, loja de Domin-
gos GuimarSes.
Vendem-se chapeos de seda e de palha
para senhora ; mantaletes de bico e de se-
da da ultima moda ; camisinhas bordadas ;
bonetes de montara ; ricas filas ; bicos e
rendas tle todas as larguras ; cambraia de
linho ; i rangas; luvas de pellica curtas e
cumplidas ; chapeos para meninos, de pa-
lha da Hada redondos : tambem se fazem
efectivamente vestidos, chapos, toucas ,
etc : tudo da ultima, moda e prego com-
modo : no Aterro-da-Boa-Visla n. 1, casa
de modas franeczas
Vendo-so urna morada de casa de so-
brado sita na ra do Amparo em Olinda ;
urna casa terrea sita na ra de S.-Goncalo :
no Aterro-da-lloa-Vista n. 4", segundo
andar.
Vende -s" um par de bancas de Jacaran-
da em muito bom estado : no Aterro-da-
Boa-Vista, n. 86, segundo andar.
J MUTILADO


M
"
Vende-se nm rahecto pequeo um
baixo, (>u clnvic pqr mdico prc^o : na
rua da Cruz, armazem n. 27, doCrocco &
Companhia.'
Cadeiras de. palhinha e
(le balaceo,
bem onm outros muitos trastos: vendem-se
em OH* de Kalkmann lrm3os, na ra da
Crol, n.io.
- Nos armazens de Francisco Dias Fer-
rcirii o no de Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo, ha para vender o mais superior vinho do
Porto que tem vindo a este morcado, om
harris de 4", 5o, 7* e 8" : os apreciadores p-
dem sortir-se porque poucas vezes c vom
faz-nd.-i igual.
Vende-so urna caixa com utensilios
para pianos, por barato prego : na ruada
Cruz, ,'irmazem n. 27, de Crocco& C.
& o
0 Um piano. <>
g Vende-se um piano muito bom para
fy estudo, bonito e de excellentc autor:
5 na ra do Collegio, n.-9 Q
(=> O
Para calcas e jaquetas.
Ka na do Queimado,
loja n. 8 ,
vonde-se brig (militar) trangado branco ,
l,*J rs. o corlo; dito dito escuro, a
1,280 rs. i corte ; dito cor de ganga, mui-
to Uno, a 1,500 rs.; dito liso escuro, bom
prnprio pata jaquel, a 800 rs, o corte: sen-
do todos de puro lii.hu : cortes do castor
de lislras e quadros a 800 rs. o corte.
Vendem-se riscados escoeczes com
vara de largura, a 290 rs. o covado ; cassas
pintadas de cores fixas, a 210 rs. o covado;
pecas do : ii ii i mu de vara de largura, com
12jardas, a 2,000 rs. : na ra do Crespo,
loja n. 10.
Para escravos.
Vendem-so cobertores de algodilo ameri-
cano a 560 rs. cada um; marte de chadrez,
a ICO rs. o covado; dito trancado, a 200
rs. o covado ; pegas de ganga azul da India,
com 4 palmos de largura e 12 covados a
2,400 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
Rap roldo francez.
Vende-seo superior rap roblo francez,
nicamente as lojasdosSrs. Caetano l.uiz
Ferreira no Alerro-da-lloa-Visti n. 46 ;
Tlinmnz de Mallos l'stima na mesma ra,
n. 54 ; Francisco Jnaquim, Duarte ruado
Ci-bug ; Pinto & Iranio na ra da Cadeia
doRccifc, n. 19.
A mellior fazenda para
vestir escravos.
Na rua do Queimado,
loja n. ,.
vende-se picote cutrancado, fazenda a mais
propria para roupa de escravos, por ser
rnuitu pncorpada a 5,000 rs. a pega com
27 covados o a 200 rs. o covado.
!\;i loj da ma do Crespo, n 6,
&0 p rio lampean, venilcm-se as
se^ninles fazendas por melade de
sru valor;
crirs da brim escuro a 1,280 rs.; dito cor
le ganga a 1,440, 1,500 e 1,600 rs. ; dito
branco, a 1,5C0rs. ; dito lislrado, a 1,500
rs ; picote milito encorpado, a 180 rs. ;
Chitas linas e de cores lixas, a 160 e 180 rs ;
cohcitores de algodo amorionno, us me-
llioiesque ha no mercado, a 610rs.; ma-
3,600 rs. a peca, e a 200 rs. a vara ; chapeos
de massa a loo, 640 e 1,600 rs. ; fusto ,
a 480 rs. o covado ; dito muito fino e do
cores lixas, a 640 rs.
- A bordo da escuna Tentadora, chegaa
do Itio-Crande-do-Sul, vende-se sebo om
rama, por barato prego.
Pannos finos prctoeazul,
a 3.000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo, n. 5, de Cuima-
rSes & llenriques vendem-se pannos pre-
to e azul, finos, pplo barato prego de 3,000
rs. cada covado e alm destes ha um com-
pleto sorlimento de todas as cores e pre-
cos commodos.
Madapoloes finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapoloes finos.com 24 jar-
das com um pequeo loque do mofo pe-
lo preco do 3,600 rs. a peca : na rua do Cres-
po loja da esquina quo volta para a ca-
deia.
Cortes de brim de puro
linho, a 1,280.
-- Vendem-se corles de brim trancado
pardo de puro linho, pelo diminuto prego
de quatro patacas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volla para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglezes : na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.-
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, ein barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Maria-Joi :
a tratar na rua do llrum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, mi na rua do
Vigario. n. 19.
Vende-se vinho de Champanha, da ver-
dadeira marca cometa : na rua da Cruz, ar-
mazem n. 27. de Crocco & C.
Cha brasileiro.
Vende-so chA brasileiro no armazem de
molliados, airas do Corpo-Santo, n. 66, o
mais excellentc cha produzido cm S.-Pau-
lo quo lem viudo a esle mercado, por
preco muito commodo.
Vende-se um cabrinha de 18 annos ,
alto, sadio de bonita figura, e que he pro-
prio para bolieiro, os se vende para a pra-
ca e litio para o mallo para o que se afian-
za a sua conducta ; un moleque de 13 an-
nos sadio e bem preliltho : na rua larga
do liozaiio, luja n. 35.
a<;:ncia
da ftindicao Low-Ioor,
RUA DA. SKNZAI.T A-NOVA, N. l\1.
Neste estabclecimento conti-
na a haveium completo sorti-
mctito de moendas e meias moen-
das, para en>en!io ; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
co-ido, de todos os .tamaitos,
para dito.
eos fuanles de bom gosto.
No armazem de motilados atrs do Cor-
po-Sanlo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor .viudo do sul, superio-
res charutos S.-Flix, e de entras militas
qualidades que se vendeio mais barato do
que pm oulra qualquer piule : bem como
cigarrilhos lipspaulie.s ditos de palha de
milito, que se estilo vendeudo pelo diminu-
to prego de 500 rs. o cento.
-- Vendem-se amarras de ferro: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
A 0-10 rs. cada um.
Vendem-se cobertores do algodo ameri-
cano, encorpndose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras de honspadrOes e co-
res seguras, a meia. pataca o covado : na
na do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Tai xas para engenho.
Na luiiiligfio de ferro da rua do Itrum,
acaba-se de receber um completo sorlimen-
to de laixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptido cmharcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Chales de oberlo do
Dabo.
Na loja deGuimarlies & llenriques, rua
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio vendem-se. os novos chales
grandes Intitulados lloherto do Diabo pe-
lo liaralo prego de 1,600 rs. cada um : esta
fazenda se torna muito recommendavel ,
pnrser de padrCes novos, o do lindas
franjas.
Chpcos do Chile.
No arco de S.-Antonio, n. 2, loja de cha-
pos c na praca da Independencia loja
de miudezrs ha um sortiu cuto de chapeos
vendem-so por atacado tres qualidades, do Chile, chegados no ullimo vapor do llio-
proprias para saceos de assucar e roupa de' d-Janeiro : vencem-se por prego mais ba-
..4
-Na rua do Hospicio, n. 14, vende-se
um bonito moleque de 18 annos sadio,
sem dereitos, e por isso proprio para o ser-
vigo de campo.
O >
0 Vendem-se, porque, por no restar
S inais lempo, deixou-se de arrematar
no leilita que fez o Burgos.osobjectos
a seguintes-. 1 carro de 4 rodas.com ar-
a reios ; urna cadeirinln de arruar; 1
$ tiilot"; unfajmcsiiiha de mogno de
w molas ; unnindo adereco para se-
S
uperior ct
i;i brasileiro.
Vonde-se superior cha de S -Paulo eni
caixinhas de una e duas libras: na ruada
Cadeia do Kecife, n. 51.
Ilarrlcas.
Vendem-se barricas vasias que Coram de
farinha em p e bem acondicionadas :
na rua do Amorim n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
fta rua do Crespo, n. 5
loja que faz esquina para a rua do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drees muilo modeinos pelo barato riego
de 280 rs. cada covado.
Tecidos de algodao I ran-
eado da fabrica cleTo-
dos-os-Santos.
Na rua da Cadeia, n. i>'l.
escravos a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Deposito da fabrica de
TodoS'OS-Saiitos na Babia
rato do que cm oulra qualquer parle.
Vende-ae, por prego muilo commodo,
urna esrrava de 35 annos pouco mais ou
menos : na rua Furmosa quarta casa ter-
rea.
Vende-se eni casa deN.O. Itieber & C. I Vendem-se sapates de couro de lus-
as ra da Cruz, n. 4, aluodSo trangado, Iro ol,r boa c de bom gosto a 3,500 rs. :
(taquella fabrica, muilo proprio para saceos' rua do ( abusa loja n. 9.
Vende-se farinha da Muribeca em
saccas de alqueirc da medida vclha : na rua
da Cadeia no segundo andar do sobrado
de assucar e roupa de escravos.
Charutos de Ilavana
verdadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
aiSos na rua da Cruz n. 10.
Vende-se cera de carnauba,
de muito boa qualidade, em pe-
quenas e grandes porcoes e por
preco commodo : na ma da Cruz,
n. 24.
Castorini francez, a 630
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encorpados, padrOes no-
vos escaros e com lislras pela beira pelo
bartlo preco de 560 rs. o covffdc.
Vendem-se algunas saccas de farinha
muilo grandes e rom um toque de avari ,
por um ridiculo prego : na praga do Com-
mercio, n. 2, primeiro andar.
da esquina do becro do Ouvidor
Vende-se, na Passagem-da-Magdalena,
u mi i venda com 2C0.000 rs. de fundos :
quema pretender dirija-so a mesma, nu-
mero 62.
- Vende-sc um pardo sapalciro ptimo
pagem e hbil para todo o servigo, por ser
de hoa conducta, o quo se afianga com res-
ponsahilidade ; una prela para o servigo
de cafa c de campo : o motivo por que se
vondese dir ao comprador : no paleo do
Carmo, n. 18.
Vendem-se dous lindos moloques de 12
a 18annos ; 10 prelos de 2l> a 25 annos;
2 inulatiuhos de 16 annos ; 3 pardas de 18 a
20 annos, com habilidades; uma dila de
40 anuos, com habilidades, e lendo dous
liliios, um de 5 annos o nutro de um anno ;
6 prelas do 18 a 25 annos, com algumas
habilidades: na ruado Collegio, n. 3, se
dir quem vende.
nhora ; um relogio de ouro patente
O inglez eom corrento ; 2 escravos ; 2
casas terreas na travessa do Peixoto,
ns. 19e 36 : no pateo do Carmo, n.
18, segundo andar.
g
Vende-se uma prela do 30 annos, en-
gommadeira coslureira e cozinheira e
que he propria para ama do casa, mesmo
de homem solteiro, por ter muito boa con-
ducta : na rua larga do Rozario, n. 46, pri-
meiro andar.
n Vende-so a taberna da esquinada rua
do'Alecrim com os fundos que agradarem
aos compradores sendo o seu aluguel ba-
iato,a qual he uma das melhores que ha
por aquelles lugares e por isso propria pa-
ra um principiante : o motivo por que se
vendo he por seu dono retirar-se para a
Europa : a tralar na mesma taberna.
Vende-se umescravo de 20 'annos de
boa figura o; timo para todo o trabalho ,
tanto de campo como da praga ; um mo-
leque de 16 annos de boa figura ptimo
para ludo que se queira applicar; umaes-
crava de 20 annos muito forte e robusta
para o servigo de uma casa, c quo cozinha e
lava ; uma ncgrinha de 16 annos, que se
d por prego muito em conta por preci-
sar de um pequeo curativo: na rua do
Collegio, n. 91, primeiro andar.
Vende-se uma preta que lava, engom-
la c cozinha o diario de urna casa; urna
linda ncgrinha de 10 annos : na rua do Col-
legio, n. 15, primeiro andar.
Vonde-se farinha de mandioca muito
superior, a bordo do patacho Valenle, vin-
do de S.-Catliarina fundeado no caes do
Collegio: a tratar com o capilSo a bordo,
ou com Novaos & Companhia, na rua do
Trapiche, n. 34.
Deposito de Potassa.
Vende-se muito nova potassa
de boa qualidade, em barriszinliov
pequeos de quatro arrobas, por
preco barato, como j ha muito
tempo se nao vende: no ifecife,
rua da Cadeia, armazem n. lar.
Vende-se, na rua da Aurora n. 4, um
lerno de tambores com aguilhOes e rode-
tes por 300,000 rs., e lernos de carretas
solas para os mesmos, a 20,000 rs. o torno.
Na rua Nova, n. 5,
vendo-se um molecole de 18 annos, bom
coznheiro, ede boa conduela, o que se
afianga; um preto bom Irabalhador de en-
xada o que he do bonita figura ; 2 pardas
com Imlvilidndcsdeengnmmar e cozinhar ;
duas prelas boas quitandeiras ; duas ditas
proprias para o trabalho do campo; um par-
do de bonita figura, com principios de car-
pina.
Pasta de flor de lyrio
lio o melhor artigo que se conhecc para
I impar eembranqueccos denles, fortificar
as gengivas e conservar a bocea sempre
limpa e as gengivas purificadas do trta-
ro : vende-se^ia rua do Trapiche, n. 34, se-
gundo andar, a 2,000 rs. cada hoiBo.
Antigo deposito de cal
virgem.
Na rua do Trapiche, n. 17, hr
muito superior cal virgem de Lis-
boa, por preco muilo commodo.
Agoa d niel.
I -le remedio he para promover a belleza
e vigor do cabello removendo a c.spa
conservando aquelle rriacio e lustro da pcl-
lee cabello, quo so pode sor adquerido
tendo-soa pello fiesc e os poros polas rai-
zesdo eahelio sempre aherlos, e sua acg.lo
salutar nada contem que possa prejudicar
o cabello : vende-se na rua do Trpiclw,
n. 31, segundo andar, a 1,000 rs. cada
garrafa envolta no seu competente recci-
tuario,
Agoa de pe rola.
Essc celebre e innocente cosmtico para
tirar sardas e rugas, e em helio/.:'r o roslo ,
fui por muito lempo so couliecido de poucas
pessoas nos Estai'05-inidos porcm sua
grande ulilidadeornou-a o cosmtico mais
popular que se us.va nos toiletes moder-
nos: vende-sc na rua do Trapiche, n. 34,
segundo andar a 2,000 rs. cada garrafa.
Vendem-se chitas finissimas de cOres
fixas c padros oscuros, as quaes ja se ven-
dern! por uma pataca, e agora para so
acabar trocam-se por 200 rs. o covado, a
dinheiroa vista: na ruado Crespo, loja
11. 12.
Superior farinha de
mandioca.
Chpgou deS-Catharinao brigue S.-Ma-
nael-Auguito com um carregamento de fa-
rinha superior, acha-se Tundeado defronie
do caes do llamos, e all se vende qualquer
porgflo a prego commodo : lambem fe p le
tralar na praga do Commercio, n. 6, pri-
meiro andar.
Na loja do Estima & llamos, no Aterro-
da-Boa-Visla, vende-se um par de adrago-
nas muito ricas, para eapitfo ; bem como
um habito esmaltado, de Christo.
alogos.de visporas.
A elles autes que se acabem : na ruado
Queimado, n. 22, loja de chapeos.
Na rua do Crespo, loja n. 12. vendem-
se avcnUes prelos de suda para meninas, a
ceza com assento escuro
qualidade_,_e 3,000 rs.^
e de oxcellente
i
camas a 480 rs.; prtes de cambraia fian-* Vendem-se 9 escravos, sendo: dui,
* lindas inulatiiiliasquo engomuiam e cozi.
nham ; urna ncgrinha de 15 annos ; uma d.
ta para o servigo de campo; um cabrinin,
de 16 annos ; 4 escravas de lodo o servigo -
na rua Direita, n. 3.
Vende-se um boi manso, granda e Lo.
nilo: na rua do Pires, sitio da caixa a,
goa.
IVovo sortment.
Vende-se carne do sertflo, muito supe,
rior pelo diminuto prego de 220 rs. a libra
sendo de 4 libras para cima, e a 240 rs.,'
retalho certos de que he a melhor que lini
apparecido por ser muito gorda de enfas-
tiar : nasCinco-Pontas n. 141, pateo do
Trro.
Vendem-se cortes de vestidos de
cambraia de seda de modernos pa- g
# droes, a 15,000 rs..i ditos de cam-
9 braia branca, com listas de cores
imitando seda, a 4,000 rs.; lencos de #
# soda da India, a 1,000 rs.; ditos mu.-
I lo superiores, a 2.000 e 2,240 rs. ; &
m ditos de cambraia de linho, a 800 e
S 1,000 rs.; mantas e chales de seda
1 modernos; chitas largas de lindos #
padrOes, proprias para camisas ; cas-
* sa de coies com lislras de seda, ra- A
# zonda nova a 500 rs. o covado ; e #
m outras muitas fazendas linas, por 9
<9 prego muito em conta: na rua do i
A Queimado, loja do sobrado amarello,
m n.2o. 9

A 1,JUI0,1.440 e *UO rs.
Na rua do Crespo, n. 14,
loja de Jos Francisco
Dias,
vendem-se cortes de superior brim escuro
de puro linho, a 1,280 rs. dito cor de gan-
ga de superior qualidade a 1,440 rs. o cor-
te ; luslrim preto adamascado, muito lindo
par*, luto, a 240 rs. o covado; superiores
chitas encarnadas muito finase de cores li-
xas, a 180rs. o covado, e outras muitas
fazendas por prego commodo.
Venle-se um relogio de ouro, horizon-
tal muito bom regulador, por preco com-
modo : na rua do Collegio, n 6.
Vende-se phosphoro em libras e ongas,
por prego commodo : no Aterro-da-Boe-
Vista, n. 17, fabrica de licores.
Vende-se uma boa casa terrea de pe-
drae cal, na rua Imperial do Aterro, n.
175, com duas salas 2 quartos cozinha
tora quintal murado com uma mei'agoa
no fundo do quintal, cacimba, boa para ne-
gocio esl livre e deseinbaracada : na rua
Nova, n. 14, a fallar com JuSo llibeiro da
Cimba, ou os Afogados, sitio do padre
Flix.
ommmmmm mmmm mmmmmmmm
Na loja do sobrado amarello, na rua %
do Queimado, n. 29, vende-se atoa- ;j_:
Ihadode puro linho, com 9 palmos ^
de largura a 2 800 rs. a vara ; dito S
da mesma largura muito mais en- A
corpado, a 3,500 rs. ; guardanapos, \
a 3,000 rs. a duzia; ditos superiores, &
a 9,600 rs. ; toalhas de puro linho e i
de dilterenles tamaitos e pregos; 1
panno de linho muito largo, proprio X
S para lenges, a 2,240 c 9,560 rs. a va-
* ra bicosde linho bordados, do Por- m
(o, de varias larguras para babados
por preco muito barato.
#ftf*WaYt*!inWK> WNittilWW
N.9-:.
Vende-sc, no armazem de Vicente F. da
Costa, na rua da Madre-de-Deos, a supe-
rior e bem condecida graxa97, em barricas
de13duzias.
Vendcm se, na rua da Alfan-
dcgo-Velha, n. fQ, duas camas de
Ierro, duas mesas para jogo, de fei-
tio exquisito, uma flauta de Boelim
8c G re ve e oulios objtcto mais,
por conta de pessoa (\ae se retira
para lora do imperio.
Vende-se uma'porcSo dacasaes de pom-
bus muil bons batedores grandes, boni-
tos e de oxcellente qualidade por preco
demasiadamente commodo: na rua da
Florentina, n. 16.
Che>iiem ao barato.
Vendem-se chitas de assentos escuros e
de cores fixas, a 160 rs. o covado ; riscadi-
nhos miudos, proprios para camisas e ves-
tidos, decores fixas, a 180 rs o covado :
brim pardo de listras e de puro linho, a
200 rs. o-covado; cortes de brim cOr de
ganga, a 1,44 rs. ; di los de brim pardo, a
1,280 rs.; riscadnhos de quadros ede pu-
ro linho, proprios para jaquelas, de 400 a
440 rs. o covado : na praga da Independen-
cia, casa amarella, n. 1.
A 560 rs. cada um.
Vendem-se coberlres de algodfio ame-
ricano pelo barato prego de 560 rs. cada
uro : na praga da Independencia, casa ama-
relia, n. 1.
Vendeiii-se meias de
linho finas, chegadas ltimamente do Por-
to ; ditas do algodilo grosso, por praeo com-
modo : na casa amarella, n. I, da praga da
independenca.
Aos amantes da lotera do Hio-
de-J,neiro.
Aos 20:00(^000 de ris.
lio chegada a lista da quaita lotera da
ftibrica de vidros, e com ella um grande sor-
limento dos milito afortunados bilhetes e
cautelas da 10 lotera das rasas de carida-
de, cuja lista chega no primeiro vapor : .'a
elles antes que se acahem : na rua da Ca-
deia do Recife, loja do JoSo da Cunba Ma-
galhSes, n. 51.
o *
0 Na loja do sobrado amarello, n. 29, f^
~y na rua do Queimado, ha um grande 0
sorlimento de casimira de cOres a s
4, 5, 5,500 e 6,000 rs o corte; brim
I, Na rua do Crespo, loja) da i
esquina que volla para a
4 Cadeia, vendem-se
>) os acreditados brins brancos de lis
(0 tras, lisos e amarellos, a 1,500 rs. o*
?/ corte ; dito muito superior, a l.foo t
# rs. todos de puro linho ; panno fino
'? pretoeazul, a 3,200 ra. o covado; f
dito muito superior, a 5,500 rs ; fus- ft
>' toes muilo bonitos a 640 rs. o cor- $
? te ditosde velludo muito ricos,i
II 2,500 rs.; pegas de cambraia de qua-*)
ti dros de 8 varase meia, a 3,720 ra. a 45
? pega ; cassas prctas muilo bonitas 9
'? a 1,440 rs. o corte; madapolSo enfes- f,
6# lado muito fino, a 5,400 rs. a peca ; 4
? corles de calcas de setinea de cor, |
# a 880 rs. ; ditos de castor, a. t ,000 i
rs. ; chila azul para escravos, a 140
rs. o covado ; picote muito encorp-
do, a 180 rs.; platudas Je linho, a 500 I
rs. a vara ; esguiflo de linho muito II-
ft. no e com 4 palmos e meio da largu- %
fK ra, a 1,440 rs a vara ; cortes d S
0 brim de algodUo a 800 rs.; e ou- $
4 tras muilas fazendas tor prego com- ?
:4 modo. f
Conl'eitosdeGlis,
o conle de lclalo de ferro, approvtdo p academia de medicina de Pars, conforme
o parecer de uma commissio com posta doi
Srs. Bouillaud, Fouquier e Bailly.
As preparagOes ferruginosas se contara
no numero dos medicamentos, cujas pro-
priedades nao se pdem por em duvii:
com effeito ha poucas preparagOeg meuicis
que tenham sido estudadas com tanto es-
mero por observadores sabios.
Os mdicos mais acreditados receitaram
estes confeilos com muitas vantagens, de-
pois de terem analysado sua composigo.
O benvolo acolhimento que esta prepa-l
rago obteve da escola de medicina de Pa-
rs nos dispensa de fazer seu elogio.
Estes confeitos silo empregadoscom gran
de successo na clorosis ou paludas cores,
as inflamniiigOes chroncas do estomigo
e dos intestinos, na falta de appelile, ms
ameiiorrhcus, ou suppress3o de iiieiislrn-,
as enfermidades escrophulosas, e inconti-
nencias das urinas, provenientes da debili-
dade da bexiga: na leucorrhea ou flores
brancas opilagSo, abatimento de frgas
no escorbuto, em todos os casos de enfn
quecimento do organismo, na animya, vul
go frialdade, na Yiydropeaia, consequencu
destas molestias, em fim em todos os casm
em que ba alterago na composifHo d<
sangue.
Arespeitoda dse que se deve tomar,
bastam tres confeitos pala maoMa; e ou
tros tres de tarde, a ornis distante possivel
das horas da comida, augmentando pro-
gressiva iiienio at 6 de manhSa e 6 de tarde.
Relativamente aos meninos, as dses va
riam conforme a idade ; mas lomando o
termo medio, se dar0o de 6 a 8 todos os
dias, na idade de 6 a 12 annos e 4 aos mais
jovens.
Em as principaes cidades da Europa i
acham os depsitos dos ditos confeitos, i
em l'ernambuco na botica do Sr. Paranhos
na rua eslreita do Rozario, n. 10.
Vende-se feijlo de tpdasas qualidade
e milho: ludo muilo bom e novo, cbega-l
do de prximo da ilha de Fernando : na rua
das Cineo-Pontas, confronta a fortaleza
n. 134.
Lscrhvos Fupifios
r.' trangado de puro linho, a 1,440 rs.
X o corte; dito Irangado bra'hco, a
1,280 rs.
O
ditodequadriiibos.a 1,120
: .o. dito de loa liugindo casimira, C
j a 2,000 rs.; corles de colletes de vel- O
V ludo de lindos padrOes, a 5 e 6,000 O
& rs. o corte; e outras fazendas baratas O
O Q
oooooooo oooooooooo
--Vendem-se 60 pipas com ago'ardente
do 20 graos : no armazem de'Manuel Car-
dlo da Konseca ,
, ao p da cadeia de S.-
1,000 rs. calcuihas de meias pora meninas,' Antonio, pelo lado da mar. Neste a rana-
a 320 rs. o par; rendas lisas de todas as lar-1 zem recebem-se encuoimendas paraaqunn-
Vendc-seoleo de recio superior ,]em guras, a 80 rs. a vara ; meios chales dellidade precisa doa compradorese do gr*o
latas de 30 libras: na ruada Ciuz, n. 3. (cambraiapintu com ras proprias para mu-'que pretenderen!.
-j.Fugio, no dia 7 do correnle, do enge-
nhoS.-JosdaVarzea o crioulo Luiz, !
35 annos pouco mais ou menos beigw
grossos, cara larga, nariz chato, bem pre~
lo ; lem a lingoa descorada, peilos gran
des e mnito cabelludos muito barbado
ladino, falla multo egagueija alguma cou
sa ; tem sido encontrado na estrada- nova,
cm uma venda que lem junto a casa do >ub
delegado Francisco Joaquim Machado, d'alii supi oe-so qu seguir para (ioianni,
por de la ter sido e por- j ter fgido al
guma vezes para l ou embarcar aqui p>
ra outro qualquer lugar, por dissoler mu
la pratica ltoga-se as autoridades poliei'
e capitilesde campo, que o apprehendam
levom-noa rus Nova,, n. 47, segundo arr
dar, que serfio.gratificados
Fugio, ha um anno e nove rfiezes us
pardo claro, do nome Florentino; he bai-
xo quebrado das verilhas ps pequeos.
gagueja quaudo falla cousa multo pouco,
cabellos crespos ; tem principios de sr3'
teiro : de 28 annos pouco mais ou menos
quem o pegar leve-o ao engenho Caima
vieira na comarca de Nazaretli, que sel
gratificado.
- Fugio, no dia 8 do corrente o parJ
Feliciano de 18 aunos, de estatura recu-
lar, secco do corpi, lem o queixo coi"
prido e desdentado no lado superior ; I''
vou camisa de riscado azul e oulra de m<-
dapolSo chapeo de palha prelo caigas d
riscado eoulras azues. ltoga-se as autori-
dades policiaca e capitSes de campo que apprehendam e levem-no ao engenho Can-
navieira comarca de Nazaretli, que scrio
recompensados.
Fugio, no dia II do corrente, urna pre-
ta de naclioMogambique de norae^iclo-
ria ; lovou panno da Costa saia preta H
lila vclha, vestido de riscado vellio cor da
ouro ; fui escrava do escrivao Reg s que*
a pegar leve-a a Estancia, casa de Jos Quin-
liuo de Castro LeSo que gratificara. I
------------------------------------------J-

PlaN.
tH TTP. BE M f. DK FAnlA.
-1^9


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED256ZI62_DTGECF INGEST_TIME 2013-04-24T19:04:49Z PACKAGE AA00011611_06637
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES