Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06632


This item is only available as the following downloads:


Full Text
F

'V1*'
_ -. ., -., -. < ..
Anuo
XXV-


Siiiula-feir 10
PARTIDAS SOS C0BBX1O3.
fioianna e Parahlba.Vgundas e soxtas-fciras.
Hio-Cra *dc-do-Norte, quinlas-fciras ao mel.
(jl>o,Serlnlia<*, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macci, no !> a II e 21 de cada mea,
fiaranhuns c lloi.ito, a 8 c 2-1.
Boa-Vista e Fh>ros, a 13 c 28.
Victoria, sifuintas-feiras.
Olinda, todos os dias.
EPHEMrHIDIS.
Piiases d> :.0a. Cheia a 1, as 2h. c5Sm. da t.
Ming. a il, as i h. (".' ni.'l.< t.
Nova a l, h. c 12 ni. di i.
Gresca 24, s Oh.e 4 m. da ni.
PRIiMitt DE HOJE.
Primeiraas 10 lloras c ti minutos da mana.
Segunda as lli lloras <'3U minutos da tarde.
de S'tombro do I 40.
N. 200.
9
PRESOS DA SUBSCRIFCAO.
Por tres mc7.es (adiantadot) 4/000
Por seis nic7.es S/WI0
Por un anuo ltyilllO
-MTiisra^^
das da semana.
10 Srg. S. Pnliano. Aud. do J. dos orf. cdom.l.v
11 Tere. S. Tlieodoro. Aud. da clianc., do J. da I.
v. do civ. e do dos feltos da far.cnda.
12 Quart. S. Aula. Aud. do J. i'a 2. v. do civ.
13 ouiit. S. Fillppe. Aud. do .1. los or. e do m.
dal.v. ,
11 sest. BnltactdaSaulaCrui. Feriado para os
negocios forense*.
li Sal. S. Domingos em Soiiano. AuJ. da Uianc.
e ilo .1. ila 'i. v. do crlme.
l I)...... Nossa Seilbora das Dores.
ktK :** *> es-...-. 'i
CAMBIOS EM 7 DE SETEMBBO.
Sobre Londres. 25 d. por 1/000 rs. a 60 dias.
., Parli/STO.
. Lisboa, IW or ecnto.
(Juro.-.nucas hespnnliM I.
Mo'edasde"M<00velhaa.. I** a
de O/H* novas.. H),200 a
. de 4/000.......... *
Prala.-PatacOirasileiros...... J/:; J
lYsojeolnmiianos....... *-Jnt a
31*100 a -MtM
17/4011
1J400
)/HMI
2/010
2/110
l/0
.".. r/r-.r -r-e
DitOS llievi mus..........
ay. ^wtiaPi^awaimmumihiiisjii"'Jg-*
o < I
>'

.T
A
\
..'.''! ..''
y.
< i
i
.y
.- /
^SS*ac2BBiaiiS'5fi-sa3Ba'.-.,tiiasBSBH

PARTE OFFi
Commaiido da pra^a.
Qvartil do commando da procana cidade do
Recift de Pernambuco, C de itltmbre de
1819.
OIUIF.M DO DA N. 30.
Tendo O Sr. lenle Carlos Cyrillo de
Castro do oilavo-batelhSo de cacadores.ex-
redldo desde M lo Rosto prximo passado
a licenca de tres mazos com que so chava
n corte desde 23 do maio .leste auno,
conforme communieou o Sr major com-
msndanlo interino 'lo dito batalhao Joflo
Gulhorme de Rruce ao Exm. Sr. general
comniandante das armas, e ordenando o
mesmo Kxm. Sr ,em ollicio de 30 de agosto
prximo lindo, se proceda em comprimen-
todo artigo lerceiro da lei de 20 de maio
de 18)5, o declaro ausente, o como tal he
nesla data chumado por edital na forma da
mesma lei. -
Tendo Igualmente fallado o Sr. tenente-
ajudinte Jos Manoel Braga, lenle Fili-
ciano Antonio Nunes llolfort, alfcrcs Joa-
qiiim l.uiz Teixeira Lopes Malheiros, e dito
Pedro Uno de llarros Reis, lodos do quinto
hatalho de fuzileirns ; o primeiro desdo
27 de agosto da licenca do tres mezes que
obtcvH do F.xm. presidente da provincia,
para ir a provincia do Cear ; o segundo
desde 20 de agosto da licenca do tres me-
zes concedida pelo Exm. Sr. presidente da
provincia para ir a provincia do Maranhiio;
o lerceiro desde 18 de agosto dos tres nio-
zcs de licenca concedidos pelo lixm. Sr. pre-
sidente d provincia para ir a curte tratar
de sua sade; oqtiarto, finalmente, desde
20 de agosto dos trinta dias de licenca que
obtivera do Exm. Sr. presidente dn provin-
cia para ir a provincia da Bahltj o que ludo
participara a este commando o Sr. capitlio
coinmandanto interino do mesmo batalhSO
em ollicio e rclacSo datado de 3 do cor.en-
le; os declaro tambera ausentes, em cum-
plimento do mesmo artigo lerceiro da ci-
Jada lei de 2(". de maio de 1835, e com taes
'?o nesta data chamados por edilaes na
forma da referida lei.
Assignado, ot Vtenle de Kmorim tier-
ra, cof.tc! -jruduado e commandante.
EDITAL.
Jo Vicenlt de Smorim Heze,ra, lignilaro do
imperial ordem do Cruzeiro, comtnendador
da da Boza, conderiido com a medalha de
di Une 3o da (jutrra da independencia, ha-
chai el em bellos lelrai pela academia de l'a
rii coronel graduado e commandante do
miarlo batalhaO de arlilharia o )' de pr-
meira Unha (lo exercito. por S. il. o Impe-
rador, ecommandanle da prava do Itecife
em Pernambuco, ele, ele, tic.
Faco saber que se acham ausentes por
excesso do licenca desdo 23 de agosto pr-
ximo r-assadooSr. lente do oilavo bata-
lhilode caladores Carlos Cyrillo do Castro;
desde 27 do dito mez o Sr. tenotile-ajudantc
Jos Manoel Braga; desde 86 do mesmo
o Sr. lenle Fillciano Antonio Nunes llel-
rorljdesde 18 do mesmo mez e nnooSr.al-
fi res Podro Lino de llanos liis ; lodos do
quinto balalhiio de fuzleiros : e, para que
possam ellos evitar a pena designada no ar-
tigo primeiro da lei do i do maio de 183o,
se procedo na forma do artigo leiceiro da
tnesma lei ao presento cliamamenlo.
Assignado, Josc. Vicente de Atnorim Beztr-
M, coronel graduado e cominanduiile.
EXTERIOR.
NDENCIA DO DIAItIO DE PER-
NAMBUCO.
COR
Pars, 20 de ulhc de 1849.
Anntuiciei-llie na ininha ultima carta que-
Roma Vmba-so rendido. A noticia da capi-
tulacfio acabava de chegar-nos pelo le e-
gra[ lio e cu u3o poda parliculai is-la. Mo-
je, porm, que o negocio est concluido,
iiarrar-lho-liei summariamenle os aclos.
E.-tftConteciinento be nsss (Moranle, e
lie t.1o feliz a sua influencia sobro acuse
europea, que nuda dc\o omittir do que diz
respciloof-duplo carcter que apresentou
( Una toparte dos bandidos que regeram
liorna, quaitto da nossa N esta curta o dilh-
cilcamp.inha.
Em a noilo de 30 de junbo, um terrivel
assalto foi dado ao bsstiflo que domina a
margem direila e esquerda do libre. A-
cliaram-senesse assalto todos os soldados
enraivecidos de Ciiribaldi, qur na brecha
rota, qur as ubras e Iranqueiras amela-
das. A's duase meia da manlila.e ao slg-
naldeliesc.inhonacos, os nossos valenles
Kruncezes sbem ao assalto. Ora Vmc. bem
sabe que, segundo um antigo uso nosso, os
asaltantes s3o cscolhidos as companhias
mais bravas e commandados pelo coronel
maisanligo do exercito. Algumas cente-
nis de granaduiros e caladores atiram-se
brecha, n.lo obslanle o forte e vivo fogo
quese Ibes oppe. Dous olliciaes superio-
res que marchavam a frente sao feridos pe-
las balas inimigaa: mas outros subslituem-
os ; as lilas carrarA-se, e o basliio lica em
nosso poder, tsla lula corpo a corpo tein
lugar no mei da noile. Expulsos os sitia-
dos da Irincbeira, retrocedem para as obras
amajadas, IHo pouco distantes da brecha,
que Iho licam ao alcance do um tiro da
mosquelo : dahi dislribuem, a mSos larga,
a morle em nossss iilheiras; porem isto
n3o descorcOa nossos guerreiros; antes,
embriagados pelo cheiro da plvora, _ol
ram-se casa donde os ferem quoima-
roupa ; forcam-lhe a porta, e levam bay-
oneta ludo quanlo encontrara. Mais de
400 inimigos suecumbiram neste ataque
em que perdemos 80 hoinens.
Mas esso bullanle eito lerminava o cer-
co. Senhorcsdedous baslioe, dominava-
moi loda a cidade. Assenlcs nossus baleras
sobre ;os terraplenos, podamos aniquilar
todo; porm queramos conservar Roma,
sem que todava o sangue dos nossos CON
resse por mais lempo. Tinha soado a ulli-
nia hora para a repblica romana.
Com efleilo, em 30 de junlio, a assembla
conslituinte romana reuno-se o declarou
que a defensa era impiissivel. lima dopta-
Qilo, lirada do MO da municpalidade, en-
caninliou-se ao campo do general Oudnot
para tratar dacapitulacoo. Exigi o gene-
ral que a cidaJc so e.ntregasse sem condi-
COcs: tres portas de Roma nos fram en-
tregues no da 2, e a 3 o general em cliefe,
Usa duloda a hoste, enlrou em Roma,
da qual Cmibald se linha retirado nessa
mesma manha com quatro ou cinco rail
bandidos : ellos vilo levar o roubo e morle
aos campos ; mas urna dvso de cavullai ia
comiiiaudada pelo general Morris va-lhe
no encalco, e dentro em breve nos dar no-
vas suas Maziin. Avezzanna eosnias a-
ventureros, que derraniavam o terror em
Roma, fugiram munidos do passaporles in-
glczes ou americanos : vio buscar fortuna
u'outra parte.
Roma iaz entregue si mesma ; mas nao
re.slabele'cida anda do no.I o que Curti,
bavor dous mezes. Com efleilo, os facino-
rosos inda uo eslavain satisfeilos : 110 as-
sassinatos fram comnietldos nos dous
prmeiros dias da nossa OCCUpac,0o.
Toraaram-se as mais enrgicas medidas.
Roma foi posta em estado de sitio. A cons-
lituinte fesse parlo de clubs dcinagogicos;
foi dissclvda. Antes do dispersar-so, ella
tomn a ridicula deliberacOo de promulgar
una consttuclo, que neni sequer dis-
cuti.
Actualmente os nossos generaes fazem
sevciissima polica em Roma. Cada habi-
tante deve recolher-sc as 9 horas da noile.
0 mais ligoroso desarmamenlo ope^u-se.
Todas as tropas, que serviram ao atildo go-
verno, abalaram de Roma. A mesma guar-
da nacional foi licenciada c va i reorgani-
sar-se. ''
Os senlmcnlos dos Romanos inda nilo
pdera avaliar-se bem. Coinoeu j disse a
Vine. o medo linha superado o seu i ro-
nunciamento. Ouando o general Oudnot
entrou na cidade foi acolhido por vivas ac-
chnnacoes nos populosos bairros do Trans-
levore ; mas, depois de haver passado o Ti-
bie, e quando o sequilo militar do genera-
se achava no alto da puna .Navona e bolil
quina onde se reuniam os clubs, soaram
assobiose ameacas. Islo, disse sorrindo-
se o general, he caso de chicote. E, vol-
tando-so pura o seu estado-maior, este ali-
rou-se a galope sobre o grupo o dissipou-O
instantneamente a chicotadas.
Gracaa esta (irme alliludo c a cssas me-
didas, equietaram-se os eapiriloa, e volveu
o animo as pessoas honradas. Queira o papa
, ao qual dora avante compete reunir e re- (energa
conciliar os espritus ) fazer certas concis-
Pari
que n
telina u
trarios. Utn
dencias
Bicaa d' Allemanha.
msammscimimMsiisanks'.: imSi^
lamento, de 1000 cxemplares de um edital de prevenir qunlquer violactlo do nosso
eonteniio a dees.lo que impnz a censura, lerritorio.
Desde esse da o senhor Duche (ieou mui so- Amina. Ib
ccftadinho, o bem assim a mnntanha.
l'm pequeo debate interior oecupou
siimmamonle a cmara na semana ultima.
Alguns deputados leglimislas lembraram-
se de propor a redueco do subsidio marca-
do sos represenlanles : de nono francos, em
que ora est estipulado o subsidio, queriam
baxa-lo"a6000 francos. Iss i nSo era de-
mocrtico, ncmjusW). Ja que a conslilui-
eilo obriga o eleilo do povo a consagrar tres
annos de seu lempo aos negocios genios,
ciimpreao menos que elle sejn indcrnniss-
dodo damiio que o ervico publico eaus.i a
seus interesses privados, c dos castos enn-
sideraveis inherentes a doaloccfto que os
forca. Nove mil francos he u.n subsidio ra-
zoavel, pois be quasi o medio do que pro-
duzem as prolisses liberaos. Por issu a as-
sembla roieilOU a proposta ; e, colisa cn-
inontanliczes volaram todos con-
nosa, os
lia a maioria.
Anda nao cessaram os pedidos rta auto-
risaco para diligencias. A' medida <|us se
desenvolve o processo judicial de 13 de
junbo, vilo apparecendo rovelafOOS que
obriguin o ministerio publico a perseguir
alguns de nossos representantes. Inda an-
tes de hontera concedeu-se seinelhaitlu au-
toiiaacOo contra tres monUnhezos; o o
numero dos representantes aecusados che-
ga a 10.
Nada ha de novo quanti aos Parisienses :
seus negocios ulentani-se penosamente. Os
rditos estilo sempra em dolieil : os fun-
dos pblicos baixam com extremo vagar,
Olio obstante a excelleneia das noticias pu-
blicas. O cholera quasi queabalou; mas
nossos pobres tlicalros, que elle tornara de-
sretos, nem porisso deixam de estar vaaios.
Pobre Paria; eniquanto elle uo lver o
equivalente de um re, faltar-1lic-ha sempie
algunia cousa !
Alltmanha.--0 resto da Europa acompa-
nha sempre a Franca na boa va. Em toda
parteo piinripio de ordem,-o monarchico-,
recubra a superioridades c actualmente as
estradas estilo coberUs de demagogos fugi-
tivos, que uno sabem onde reclinar a cabe-
ca. Heos os guarde, e. nos lvre dellcs !
Era Allemanha o co, por tanto lempo
ncbulado. ser. na completamente grabas
el-rei de Prossis, c a seu-Jleia elliados, os
reis do Saxonia ea llanovlr, a insurreicao
be em lo.la a parle roprimldj. a demago-
gia era, ha um mez, soberana as o; las do
llheno : ella opprimia o grna-iliieado de Ha-
den e o palatina lo bavaio; as boje iiosa-
beonde eseonder-se. EmtoJa casa parta al-
lemaa ella s lem um valliacouto, c he
Rasladl, cuja presa CU Iho tinha annuncia-
do, escorado n'uiii despacho de Strasbur-
go ; mas que anda resiste, lia nella un
aventurelro chamadoTiedomam que.enrai-
vado, arrisca a cabeca. Elle promelteu
pasear todos os habitantes espida su S0
entregassem. Acolheu-se a cidadela, da
qual, haveri t'essenanas, desala todasas
or^as do principe do ivns-ia. .Nao ha
mullo que elle fez urna sorlida sanguino-
lenta, o seus bandidos lizeiam alguns es-
tragos na lio-te prussiana; mas toda essa
iada produzio. Itasladl, canhoada,
ai ser reduzi la a p, se nflose remler. Seu
-- KJKW9
, nsnoliieos. I .li/uieotfl a inalorla ronser-
vou-se lirnie, c a lei foi definitivamente adop-
desde lad por 400 voto
contra I4l.
Ksse successo be devido, em grande parle,
uerra eomeeou na Hungra, dous bo- ., Sr. Tliiers, o qual fez um encllente dis-
las operaces, diamelralmenle con- nrM acerca da misma queslW c do estado da
foi-nos l'ornecdo pela cor- sodedade em gcrnl. H* Sr. Thlera um0-
respondenciaa d'algumas fclliaa demago- mem essenciafiieiueprailco! tcTcahonr.de
O ouro Cliegou-nns Bovcrnar a franca, enlngueM
lie asnecessidad
conliece me-
do governo.
pelos diarios olliciaes de Vienna. Segundo l lee. nelle asp-Mo e inlcl.igen.e
esles, a Austria, a Russia, oggeneral ""J'ja.iy,.,.,, u s,-u aratravel bnm senso os pile
au, o principe Paskevich Irlumpbam som-l f|1| co,ir, derrota, tadaa as vexei que lula
pro: segundo aquellos, a vanlagem lica I ,)ell0 a _,.[, com innovadores. .No discur-
guiiuo aqumicB, 'i vBiiiafjfm > i pello a p
em toda a parle a Dcmbinski, a Bem, ajso mencionado,
Gergey o ao dictador Kossuln. liunve,|oifrusiva contra
crea Vmc alteinaliv.is de venlade e ilion- apara mrlhor mostrar
n'este mo-j tlleorias, deaaliou-os
possa icr diaetilldo
tira nessasduas versoes; porem
ment, a V
litios vienner.es.
tomou elle vigorosamente a
os adversarlos da sociedade j
a inutilldade de suas
a formular um sistema
.....ilo. Os socialis-
rdado existe ntciriuha nos bo-ja^jj^-^j^g-,^,,,,, apaI?har ,uv,,.
I Nao que.em iscm-.io, qucrcui aadicao, moiini
He ceilo que os imponaos recobraranj(, n,urrcc3o que.rein corromper o povo;
superioridade; elambom he cevtoque no|n3o nunent illustra-lo.
dia-_> d'este mez clles aleancaram em Co-I nepols de haver fortllioado o governo arman-
moni urna brilhanlo victoria. Pelos re-[do-o contra "s gritos da linprrnsa, a atcm-
ultn los unicamenlo he que dovomos julgar jbla oecupuu-se de una qu<
sima his unicaule ..i. u<-< '." .iu-yum...., j.i,... ......-------,.... _._........n ,1,. u.n
as batalhas contestadas; p Tquanto n.lo; respeito: dee di., ~3* %J
be dos usos marciaea eoder o vencedor o a^'"'"d0%a>a,3 de agosto, c que as coniinua-
teireno ao vencido. Ora, apos essa bala-1 11( .jllll.u deoutubro. .Nos lemos da
lilao que aciiiilecu.' O exercito nustraatanI^ViJ-ao", ^tm assembla he permanente;
russo apoderou-se de llaah,cidadeimpor-1mas ,,ie a.i.n-se. delxandociu permanencia
tanle, depois de um CeiCO assftS curt, noL (ciiescrl|.lorloeiiiiiaConiiiiiss5ode25inem-
qual o Joven imperador d'Auslrin se expozlbroi. a assembla usou, v"
valenlcmento. Annuncia-se, alera d'isso,
que as communc-ic,oo8 que a guerra rom-
pen iViram restabelecidas entro Vienna,
Piosb.irgo e Raab. A guerra pode anida
prolongar-so em Hungra : son lerrenopros-
la-so niaravilhnsamente a incessanlcs re-
novados de hostilidades o o ranaismo
das populacoes vem em snecono da ambi-
ciosa obstnoeflo de Kossuth; mas a victoria
[cara ao bom dreilo eaosgrossos bala-
da Baisa
de nina raeut-
iieitencc, c, lieb.iixodoponlodc
vista constitucional, a medida he inalacavcl.
Itelativamcnte :is conveniencia, he ceno
que a Bsseinlil.'a, cuja mclade pertence a cons-
tiluime, est cansadlsilma. O mais Impor-
tantes trabadlos niueslao proniptos ; e o mi-
nistro, que .leve preparar as Iris orgamcai.Ca-
rece de lgllili lempo e descanso.
Foi, pois, adopuda a medida doadiamento.
inai grado a onpokifSo simulada da iiionla-
ulia que diga embora o que nuiser. mullo
o,i.i ,ic leiiir lamben! nao absiente o
soes acerca da administrasOo secular, e lo- e.ua.vecido lownndor si
u,s os fu ...os do lepuitlicanismo unitario pois o goyerno provisorio d
Xadopor Uazzini serflo promplamenle do oceumbdo, Tirtin
ado's ; e..o.a,.si.,cera,,Ve ^\X&f!!&kffilm0m
lepacificae. Desventurado paix auc, n
re enforeado .
i haden lav.-n-
VolO tolas as
m sua lula, e
ciliada com seu inutilice, recobrar os h-
bitos do socego, os hbitos de paz que coil-
vem cidade eterna, centro da religidoe
das arles. ....
O espilto revolucionario, batido em Lo-
ma, no be menos maltratado cm Franca.
I u j disse a Vine que tinhamos de proceder
a certas reelekes, em consequoiicia de di-
versas nomoacOo duplas, e de bitos. Ls-
v,-m vagos 35 assentos eleiloraes, c destes
'Jlnhain sido dados, em maio. ao partido
moderado, e 13 a opposieSo inontanheza ou
socialista. Vai Vmc. ajuizar da saudavel
rcaccOo que se operou nosespiritos i os a
lugares que o partido moderado conqu.s-
tou foram-lhe todos restituidos, dos 13 que
os u onlanbezes e seus alliados hav.am con-
quistado apenas um Ibes cabio as unos.
NOSSA victoria eslendeu-se a 12 collegios
eleiloraes, o o nosso lado na assembla
cotila mais IS votos.
l'issyniptoniasexcellentes.os quaes pro-
vam que entramos em plena convalescenca,
e quo a febre revolucionaria abatido-
nou-nos.
Firme o denodada prosegue a nossa as-
sembla sua va de regresso a ordem. Ja
lallei a Vmc. segundo creo. acerca do se-
vero regulamento que ella quena impor-se.
Esse regulamento est votado; e todas as
nenas disciplinares, que elle inflige, Kraii
adoptadas, nao obstante os berros e furo-
res da montanba. Assim, dora avante, o
presidente ou a assembla, segundo os ca-
los pode condemnar |os perturbadores a
fores multas e mesmo aexclusao tempo-
raria do lugar das sessOes. Esso regulamen-
to uo licou por multo lempo carta mora.
Ha dias um inontanhez por nome Duche,
lemhrou-se de dzer na tribuna que a cons-
lituicflo lora violada pela marcha de um
exercito contra Roma. O presidente cl.a-
"ou-o ordem; mas o senhorlucho pei-
Sislio. O presdeme lornou a chaina-lo a
ordem com iuserco no processo verbal; e
o senhor Duche insisti aiuda;uma vez. Ln-
Ifio o presidente podio assomblea um vo-
to de censura, o assim se fez. A censura
comporta ii penas : descont de melada do
subsidio do represeulante.duranlo um mez,
e
Unto
UllalUIO UO iepicsciiia.ito,uu....w -......,
i a publicacQo, a custa do inesraoiepreseii-
anlo, e om todos os termos de seu depar-
ll.Oes. Apos Baab, a dupla cepita.' :,,,,. ., ,,,. legiilniUta que, para o-
llungria, Pesil. e Iluda fram lomadas em ;-,:, ,,,,; |10plll ,,,.!,: lU. ,,o cuuho, vou-
II d'este mez.
pinoiiiarca.--Um sanguinolento cmbalo
foi da I", ha dias, onle as muralh is de I re-
derisca, onlrcas frgaadinamarquezase o
nxercilo alleniflo. Os Dinamarquczcs ven-
ceram. lio sompro por esta triste o inter-
minavel centenda acerca dos ducados. A
Allemanha nao lem pintos no norte, e por
conseguinlo quer aposssr-se dos pollos
p.itencciiii's a Dinamarca. Domis, esta
infeliz contenda osla om va conclusiva:
os preliminares da paz n fram assig-
nados.
Ilalia.' Ol'iomonte esta sempre em nego-
clacOosCom a Austria para a conclusa., ila
paz: quanlo mais so boniflcam seus negocios
interiores, tanto mais a Auslriase lima exi-
gente, o mais imporlanlo.pontoa rogular
e a indemnisaQilo do guorra
A A o si i ia
tinha pedido cera milhils; depois pedio 80;
boje redil/ seu podido a 70. O Po
monte s quer dar 70 mlhes, o o.,m elfei-
10 j i bu inuilo para um pequeo osla.lo.
Eu cien, quo a Praiica, que este negocio termino sem quo solfra a
independencia do Pienionte, itiiervira pela
va diplomtica pora llnalisar esta dilllcil
negociaQflo.
Vcncza res'sto sempre.
No meu resumo das noticias de I rauca,
fori.-, Vmc. o que dizia re pottoa Boma;
Bccrosccntsroisiniplesmenleaquiqueopapa
. dirigir aogoneral Oudnot urna
radecimento, praprla mam, a
em ['ranea mui bom elfeili.
acaba d
c;:rla do a.
qual produzi
Parece quo o sonto padre nJo ii directa-
mente a Boma, Imni que o nosso general
quente e doce estacSo, recebja largos tribu-
ios da opulencia dos toui istas inglezes,
russos, liancozes. etc.,o que esto auno ape-
nas fui visitado pela guerra civil, escolla la
pela miseria c morle Eis a ulna das dema-
gogias 1
Fgidos c dispersos sndam os eneres da
nsurreico baile/a. Mierolawski, o Polaco
lebiquisU, que em loda a parle so impro-
visa general, lefugou-se em Hale. A Suissa
sofl're agora limito por querer conservar os
foros do hi sp.talera ; pois bem percebe
quo esses hospedes importunos so querem
comprometo-la com a Europa ; e que esta,
que lem contra si grlhdes lenes, bem dese-
nira regular suas cotilas. Assim mesmo,
recebendo MierolawsUi, etla deu-se pres.sn a
entregara juslica badeza oulro refugiado
por nome Maerder, ministio das linancas
na insurreisuo.aoqual perseguem,segundo
di/co, como ladino.
OsPrussianos recobraran! lodo; os pon-
tos do que a insurreiego os linha expellido.
Files prcsidiaram kell, que coiihna com a
nossa ini| orlante cdadella de Sltasburgo.
Os bellicos aeontecmcnlos que deram fim
i revolta badeza ronipletaram-sc em uossas
fronteiras o grandissima frga de insl-
tenles buscou guarida em Fran?a. O nosso
governo tomou rpidamente seu partido
para dosembaracar-se de laei individuos.
Temos duas legiOes cornpustas de estran-
eiros, as quaes s podem servir em frica.
Kilo pedio autorisaoflo a assembla para
augmenlar-lhes os quadros, e olTereceu a
lodos os refugiados allemaes que pozessein
o p.ein o nosso territorio o irem servir em
frica : quasi todos aceitaram ; mas os
une recusaiam, fram logo mandados para
o interior. Oulra medida foi lomada : des-
lacou-se dos Alpes unta divsao de dous mil
homens do nosso exercito, a qual tomou
caminho do Alsacia, e ah so alojou. Esta
precaugo lie excellente. A Alsacia foi tnui-
to irabalhada pelos demagogos.o deve-se li-
rar-be ataidea do una cabegada. De
mais, osmovimentusde ti opas que se ope-
rara no oulro lado do llheno, obrigam-nos
a monter-nos em res^eilavel defeusa, alan
Uaola,
D'ess
lulgara o espi-
ugun lo as cir-
i ajuda-
-...........i"'i"
rain i.....la esta ve eotn i moni nina.
\o exterior da asseinbliia o negocios mar-
chan! neniar e bellistlinainiile. O presiden-
te i uj.i i iiudiicta se apura de da cm da, apio-
v. ii i os iiisejos para lser cxcurses nira
de Pars, alim de popularlsar-ie nos depa. la-
nicios. Visilou, ha olio dias, a cididc/mlia
de llam, em euio castrllo expi >u,preso por seis
anuo,, sua louca leulaliva de llolonlia. lal
leu.branca nao .. einbaracou, e l.bcrtou-se
nobreinculO della mediante una leal c tranca
dcclaracao, Confessou, n'uui falla que di-
rlglo ao inaiie, o crio que cominellra atacan.
d'uin caveruo regular. Prodlgioslrtlino ellel-
lo causaram suas palavros, repelidas pela Jm-
picusa. A Franca vola horror as revolucoea:
0 presidente sabe dlslo, c por este motivo cou-
fcsta seus erros pretritos.
I.ui/. Bonipari- mise acba agora em Pars :
ojperanwnoestaiaide de nina visita de 10 d.as
ue foi linter aos deparlamenlos do oeste, sol*
nroleslu de Inaugurar o caminlio de forro de
1 un a Viigcrs. l'ol cm toda a parle lesteja-
,|o e bem iieolhiJo. Oamagod.is populacoes
que elle atravessa be IcgiUmisl.i; mas os cida-
I .os sao gcral.iieiiie liberacs e conservadora.
I.i i;omo n'oniras pwtea.i domina o horror
i, rcvolncocsi c as p.davras do presidente qua-
drain a esse honor. .
I ni discurso quehnjc nos elicgou in.iraw-
Ihou os Parisienses loi. lie amoulado n um
baniniele na cidade de Tours. Destlenle to-
,es irato de golpes de estado que a ma-
qualqiier
a coollanca
afugentada
a trar de
Te-Dciim
Ihe imindasse as chavos. Ao deiXar
ira a Uonevenlo. e d'alii a llolonli
poni dos esl idos romano
rito .las populacoes; o, sogunuo a cir-
cumslancias hrt sua entrad. naeapiUl,
ou por algutn lempo xtra sua rcsidoncia
em Roloiih i mesmo.
1'. S. o nosso governo acaba d i fazei pu-
blicar as recompensas militares, dccorac.Oes
e a va neos, concedidos ao nosso exercil
Roma, bem como aos martimos q ''
ram as operacOesdo cerco.
Km data de 10 d'este mez, o general em
chelo Oudnot aiinuncia que O reslabelo-
cimento da autoridade papal foi procla-
mado na vespera em mel das mai
acclaniacoesdo urna solicita turba
Km San-Pedro caiilou-se um
em accao do gracas por este icoiilecimento.
A tranquillidadoea conlianQa (accrescen-
la o despacho ) se consolidan! lodos os Ulas.
Reina a maior harmona entro nossos sol-
dados e a populacho.
dem, i de otjottodc |S19.
Franca. Poucos acoiiiecimentos houvc na
nulnzena; mas para um pal como o nosso, tao
atormentado, boa fortunaba o haver nnugoa
de succesios. Se as cousas se passassein em
Franca de modo que della se lallatscmenos,
mais feliz lora ella, c a Europa estlvera mal
"Todava! se pouco se fe, durante os ltimos
das, a trela foi excclle.ilc. A assen.bl,.. le-
KWatlvjl gastn o lempo cm Ucbalc. o ...
una le cere, da impresa, a qual he ... rc-
pressiva: ella augiuenta nomenclaluia dos
dclietos previstos por nossal lela antigs,, c
Inlllge peas rigoiosisslmas A oflensa contta
presidente, as tentativas de embalinento so-
cialista para con. os soldados, a propagaefio de
noticias falsas sao ObjectO de severas dispos,-
edes peuaes. O Ualego de esciit.nhos, vera
necouha que se derrama nos nossos campos,
he de tal modo regulado, que ftca quasi sup-
nrlinldo. i processo para o Julgamento dos
uelictos da imprensa esta de tal lor.na resumi-
do, que esses delictos pdein ser boje punidos
com a mesilla presteza com que sao perpe-
|rAdscUS>SodcSla lei durou qua# una se-
mana. A laonlaii/m combaleu bravo a bravo to-
das as suas dispusieres; e deploro participar a
V
I
l I II ,t l iinuii ------ -
que suppoe pdennos cnlrcgar-nos ja a paiua-
I ,s i .
letli.... a derrafnouft -c parece >
oh.e deesl.idii serla insensn. Se i
lie l.i'.lieii. os negocios. n!o he
lela repblica, este hbil discurso
o,o Couli o no ruiro.dU o Re.idente, sen
eul i ni guipes de estado o InsurreicOes.
|-lies nao lee... p.elevto algiin.. nem as insur-
rclcoes probabilldadc de sucesso *
O nosso negocio do Runa vai nptima-
meiitu O general Oudinot he sujeito rcli-
Uiosissim', e soub agradar aos altos .lig-
nUariosda igreja romana. Elle, melbor
nuo nutro qualquor, obtera do ponlillce as
cunCessOes neos-anas ao espirito dotom-
i.o parti para llaeta abmilucntcndor-so
Com a sedo apostlica relativamente|aos
insurgentes ni.is c.improiiieltidos. Jaz Ro-
ma suceu-ada. A jovialidade da nossa tro-
na sua perleita disciplina, O a sisuda mo-
leraciio do seos generaos bao grangoado
estima dos habitantes, aos quaes Maz/.i-
ni em bable so esforcar por amotinar cora
<(.s incendiarios manifeslos. o papa man-
do;! publicar urna dcclarae> um pouco va-
sa acerca das iostituiedes que quer dar a
seus oslados, tianbaldi exorce o mistar
,1o bandido; acolheu-se a Arez/.o, onde o
apeiiam as iropasaustracas.
llalla, l'i'inonlc e Tos, ana. O resto da
Ualia iaz em socego ; so Veneza sedefende.
.."heroico denodo; mas ja boee|a e em
breve recebercinos a nova da entrega d essa
esraimada cidade. Os imperiaes oceupam
ain acabado reentrar em seus estados, obtera
a breve retirada dessas Hopas que he silo
inuteis. A Austria faz passar o Piemon-
le sobas torcas caudinas : tolera a le im-
pMla pelo vencedor. As condicoes de paz
nropostas como ultimtum pela edrte^de \ i-
enua fram aceitas, dizera,
cm Turim.
a deve o Pemonte pagar 75
,0es do inJemnisaQo de guerra, dos
o resto
nuas O sero logo oxigiveis, o
em animidades de llmilhes;
inciando esse paix aos ducados de Par-
nacencia e pudendo diulc.lmenle
conseguir promessa de amnista para os re-
rugiadoi lombardos.
Ana (rio e Hungra Contina a guerra
entre os Austracos o Hngaros, e nao da
mostras de acabar to cedo Vanos silo os
gUCCe8SOS,e as noticias ccnt.acd.tor.as O
que se sabe com certeza lio quo nos das
t-, ir. o 17 dos passado houve peleja eu-
carnicada junto a Waitzeri, e o resultado
della llcou indeciso. Ha quem diga que a
is as suas disnosu-oes i n.-|nui u i.*... .-- ... ,;1 ucou -- .-,. .
me que por ...ais de urna vez, ella foi apola.|a (la Can,,,,nha se decidir as margeos
anorutna l'.accao do partido legtuinista. ol -j-, ,ss.
|Ul ju.ga a orden, sociall laobeuiicol.dfda, 1^ *,
Kllimaiiha e /Tulla. ^Rostadt ncra
v hAi itii Ann


,..... '--
-
romo refugio a 0000 homens bad.-zcs com-
mandados por mu corto Todeneaii, o qual
juina BepulUr-M sol os muros dolla ; mas os eidadn"os e soldados obr-
Reram-o a render-se. o principe-de Pros-
sia entrou a cidado, c os culpados fi.ram
presos, procede-so a um summario que
restituir a seus lares os homens extravia-
do** o dar ios cabecea u merecido cas-
tigo.
/o/e/iu seientilico e liildiographico. An-
nuncio-lhe lima dcscoherla que codo ser
niui teressanto ao Brasil, e que preocupa
aqui singularmente os sabios, Industriosos,
commerciajjles o o proprio enverno. Sr. .Mclsens, ohymio.i belga, alumno do
nosso grande cbyniico humas, dcscobno
un modo (ie liatamonio da bolomba e
.l.i cuma, o qual prometi extrahir desses
vegelaes o assucar nclles conten lo, som
para laso empregar os dispendiosos e com-
plicados pparehos, usados na manufactu-
ra do nssncarde belerraba e as nperacoes
lo relinamento. Ilealisada, como so espera,
esta descoberta, a beterraba produzir um
terco ruis, e cantia maisl|2
O nosso ministro acabado romear urna
rommiesOo para examinar e experimentar
os pnieessos doSr Melsens, annunciandoao
mesmnlempoque,suasoxperienciasteveiom
hom effeito, o governo submeller a as-
semlilea legislativa um projecto de lei, que
ter por lint comprar a inveneflu do Sr. Mel-
sens, o faculta-la 80 publico.
A" visla da descobeita de ,Sr. Melsens, pa-
ralisaram todas as especulac,es quanto sos
assucares.
Kisoque ha quanto scioncia e Indus-
tria : pelo que toca I i llera tura, ella esta
completa menta absorvida na politice, A-
goratrata-sedovoluma de Sr. .amartillo
qnose intitula -- Historia da Henil un,,, de
ist8. Essa historia onde fulgura bri-
Iliante estylo do cscriplor assemelha-se
milito :i um romanee cuino a sua Hillor/a
dos Girondinos. Do loda a parte chovem-
Ibeos desmentidos; mas o publico, que
posta de romances l eom boa vonlade o
livro doSr Lamartine,
.11
EI.EICAO' p,\l!A lir.l'l TMiOS .I-RALS.
iiesoio iln votac-lo dui cotlegiot do Hecift,
Oiimla, Culto, Santo-Antlo, Scii-
nhem, llio-l'ormoso, Bonito, Pao.
d',\l/io t limpttro,
os sus. V0TOS
1 liaro da Da-Vista ; L' Antonio Peregrino Maoicl Monleiro ."3li
'! Schastiflo ilo llego llanos
i Joflu Jos Ferrelra de Agujar
."> Jos Thoraaz Kabuco de Araujo J-
nior
' Alvaro Barballio L'eha Gavalcante
T Francisco de Paula liaptisla
N OS liento da Cunli.i Figucirclo
! Francisco Xavier l'aes brrelo
10 Jeronymo Marlvniano Figucra do
Mello'
11 Padre Venancio llcnriques de lio-
zende
la Joaquim Villeia de Castro Tavarcs
ti Antonio Cflellio do Si eAlbuquer-
aOfesforco, de S. M. conlinoario a ser diri-
gidos para o liinde promover a restaurado da
pe inqucllas parles da l.uropa tni que foi ni-
ierroirfpida.
Senhores da rasa dos coimnuiis. Por
ordi'iu de S. M. danto-vos os seus agradeci-
mri.tos pela proviso que l'ucsles para o servi-
do piililico.
Grandes reduccScs se teem frito as despe-
jas publicas dentro do corrate anuo, eS. M
Continuar a razer observar a precisa economa
em todos os ramos do servlco publico.
ii Uj Horda c senhores. Por ordem de S.
M. L'oii>ralulaiiio-vo pela feliz conclitsao da
guerra do Punjab. Os estoicos fallos pelo go-
verno da India, e o valoruc deajsavolvcuo
escrcito em opperacej rcclamam os maiores
reconheclinenlos de s. M.
i S. M. le ni observado com saflsfagto o
espinto de obe lien -ia lis leis que seus vas-
salos hilo manifestado durante o periodo
decorridodepoisquo pola ultima vezsedi-
rigio aoseu parlamento
o caracterstico da nossa eonstituigflo
lio tornar a manutenerlo da ordem compa-
tivei com o mais pleno gozo da liberdade
civil e religiosa.
A sahsfacflo com queS. M. tem visto
oprogreSSO panuco que seu povo lia l'eilo
as artes e na indiislia, lem sido grande
uii'iile diminuida pelaCOnlinuacflOda mi-
seria em utna paile do reino unido.
n S. M. lein observado com gusto os es-
forros liberaos quobavols feilopara miti-
gar o rigordesla calamidade, o ordena-nos
que vos agradecemos a incessanto aitencao
que havels dado a medidas calculadas para
melhorara condigno geral da Irlanda. 8,
M. espera fervorosamente que aquello que
dispoe de ludo se dignara favorecer a ope-
rogflo das leis ultimauienle approvadas | co
parlamento, e que conceder a seu povo
irlandez, como premio da paciencia e tc-
signaeflo com que lem soll'iido seus longos
males, as lictenos do una collicila ahuu-
danto e da paz interna.*
lis eonso/i licaram de '.)! 3|4 a U2 7|8 as
apoliCOS do banco, de I!I8 l|2 a a 100 1|2 ;
os fuios brasileiros a 84; os argentinos
a i7 l|- ; os qualro pul" cenlo poilugunz.es
*285|8 eos tres por cenlo ilOSpaulloes,
ile i\ :i|5 a 35.
Portugal c lletpnnhu.
51.'i
4I
i:n
t:n
109
404
:i!i(i
.170
J4
t AntonioJonquim do Mello
1". Mu.i lu lose JoaquimCoelho
1i Augusto I lederieo de Oliveira
17 Jos l'ilipie deSouza l.cflo
1H Domingos de Souza Leo
ni Alexundre Ucrnardina
Silva
20 Antonio Carneiro Maebado llios
353
34l
3.10
339
X)8
As noticias dcstes ilous paizes ebegam a
30 de jullio
Portugal licou tranquillo.
O conde de Tintinar, depois doler pasta-
do urna semana com a corlo cm Cintra,
voltou finalmente para Lisboa, onde no (lia
97 da judio assistio a umconoelho de mi-
nistros, o qual dorou muilashoras.
Aaseura-se que entre os membros do ga-
binete reina grande divergencia do opi-
niflo acerca de differenles pontos de pol-
tica, os quaes por sua nstureza pi'i lem pro-
duzir dentro de poucollempoaseparacflo do
conde de Thomar de alguna do seus col-
legas,
Omarquezda Fronteiro, seguindooex-
cmplo do duque de Saldanlia, resignou
lainbem o postodo gi.vernad.trcivil de Lis-
boa, o parti para Cintra para o lim do Com-
munica r rainha os motivos que linha pa-
ra ii.'o continuar naquello posto de confl*
anca leudo o dito duque de Salilanba reti-
rado o seu apoio ao actual gabinete.
Don ia que o goveruo pretenda eslalie-
I. l-er mea liga de allandegas com a lliispa-
nha; o liitandurle advogava esta medida
masa/Vnr/Jo considera-a como involvend
ii grandes perigos o Iiiconvenienles polti-
cos, .i Teme-so que Portugal por inoio de
dos Keis
0,29 urna tal liga veuba por fim a perder a sua
cionalidadoem urna |uncr;1ocom a lies-
01)8 PMXIIIiim
ni-CII-E, 9 DI StTEMBnO DE 1349.
Olanuiversario da independencia do imperio
foi aqui itcvidaincntc soleuinitado .... dia 7 do
i-orrente. u
As rinbarcacOea de guerra e as fonal
einliandeiraraiii e drain aiMlras doesiiio"
i ouve pa ada r cortejo ao reiraio de s
o Imperador ; -- a no.le, a cidade esleve biiII-
nlcnleineiilc I........nada, e a sociedado la
nieo-lkialral fez unta escellenu
can, em a qual o esineio .
adores corno que nvalis
coiiiiuissu adiniuitlraiiva,
nada poupou para que
respondesse maijnitude dod
-
:tiii panha.
282 Tinha-se descoberto em I.isb6a na alfan-
dega dasscle casas un sysleina organisado
de fraulie, no qual acham-se Implicados
mnitn.s individuos. (Iministio da fa/.en-
UB, Avila, liavin desinvolvi.lo nesle nego-
cio muita energa e aclividade, pelo que se
Ibedavam grandes louvores.
As irn.i.s dcscobcrtas dizem que moti-
la tu ja a lli:) eHitos Clll lltoda lorie.
No a 28 de iilbo falloccu no Porto
ex-rei Carlos Alberto ; eisaqui orno
| cuta daquella cidude narr* esle
s coiilecimento \
u illa
Inste u-
i i/H-
repi'i sema-
cuidado dos soci.is-
iram com o zelo da
IjUO, FUI veldaile,
o diverllimnto cor-
la.
pelo
Pela barca l-,k, v1,da de Liverpool
paquete inglez ylndo de Fal.....,!, ,,.,.,
m dua, canas do no0 correspuiidenie u, Pal
,quei,ca.,,,ns,,,das,,|lll;111,01l,|,r,.,11 ,';
5?;.Cdo?28de,,c,',w4<'ooproxlo
Inglaterra,
contina aquellc reino no gozo da mais ner-
feila iranquilIidMC. Kodiaprlinelrod\o
io a rainha. lendo adiado o parlamento plrM
Jfbroproxiii.oruiu,o,,.artio,nobiSiede
vapor llr,n.,l,t-AII,nl. d.-'o.l.,,,-,,e, a |l,a
Wajjlil, pa.a Cork, na Llanda, com o d'l
lia vis.iar lio desgranado p.,i, "gnioj
Acoiiipanliaiii-ua nena risita o princfne 41-
l-rrto, prlneiped, (ialles, apm.cca t
pimcipe Alfredo e a princesa Alice.
nao obstante os males que
i, faii.ui, Krandes preparati-
m.para dJgUa.nei,tc ucrbcrcu, lao illuitres
O* Jrlandr/es,
sobre tllca pisa
visitadores.
O marque/, de Laiwilowne, na occasiao de
i^.n"''1' Sf" ""S """S o decid, do adia-
ello ESE-? '"la ,obcran. Hado con,
**e,fr...... l'uaifguinlefalla:
Mjllord. esenhores. Porordain deS, M
";,""ta"'"- que o ciado dos neBocio,
pblicos perinu.e-ll.e dUpCOM, or SrTS
rabalhos parlahienlares, e encerrar preo
segnlnto a presente sessao.
liendedor. a habil.dade e'HnneV.'de,VH
asscuuraraoaoiuesmo ...na pane conside a ,"
do commercio do muudo.c niautero no, ares
o amigo relime desla nacao.
S. Al. ordinou-nos que vos couiniunlcaase.
.nos que o carcter an.igav.l de luai rclaeSS
con. as potencias csirangciraa concede Ibc
nin justa conlianea na continuaciio da pai.
ii Os preliminares de paz entre a i
Dioauarca loram assignados deba
diacao de S. M e S. M confia que es
Porto, j'.i (le julho.
< 0 ex-rei da Sai,;,..,ha Carlos Alberto
CCSSoU de existir llOllleni pouCO depois das
3lloras da tarde, (i crescento estado ,ie
del.....'adeemque, havia ja alguna das,
permaneca, couveticiMi as pessons que com
desvelo o Iratavam quo o infausto evento
se approximava rpidamente. Su capel-
lilopoilicular adminlslrou-lhe o sagrado
Viatico, e o bispo desla diocese, o qual
ii.ni linha cesaado de indagar ancioso o
estado do enfermo, deu-lhe pessoalmente
a absolvilo divina poucos dias antes do
sen passaiueulo.
i A morle desle malfadado principo lom
causHiln universal pozar em toda a cidade
e aaauloridades suspendoram lodos osdi-
verlimenlose realejos pblicos cm conse-
nooiicia della. Tudas as reparlices pu-
blcas serfio fechadas por ires dias, o as d i-
I inonstracOes que su coslutnam fazer quan-
;do ralleca algum dos membros da familia
I real, serao lesli idamente observadas ii"Sta
ocoasifio. (is sinos da cidade estilo cons-
tantemente a dobrar. Os roldados de sen-
linolla nos diflerenles Corpus de guarda
conservam as i raas vradas/e as pecas das
batoriasaliramde 15 om 18 minutos.
bizeii. que o coi po liear em estad,
porespaco de tres dias, ou na capeiia real
da Lapa, un na calbcdial. antes de ser de-
positado, al quo ordens ullrrloies cho-
guem ila corle de Tuiiin accica doseu futu-
ro doslino. '<
As apolices do banco da Lisboa licaram
de 20 a 1( mil lis de descont cada una
as do banco do l'oilo de 40 a 43 res du pre-
mio.
.Na llespanha nada de extraordinaria ha-
via occorrdo, eem todo o seu territorio
gaxava-se paz e socego. a raima commu-
lou em seis anuos do bnnnimento a pena
de 20 anuos de gales a que l'dra cunJeiiina-
do ngel de la Itiva no uia de novembro
de luis, por ler tentado colilla a vida d
iiiesma.
I-ran (a.
Por (oda a paite, l.u.z NapoleKo cncon-
i'nn o mais benigno acolliiniento, sendo
recebido geralmenle com gritos de viva
Niipolco Viva o presidente Viva a rep-
blica Observaremos, todava, que o pri-
meiro grito fura quasi cm todas as partes
exclusivamente lgido pelos militares, en-
tretanto quo os dous ultin:os o foram pela
gualda nacional e pelo povo.
A proposta do adiamenlo da asscmbla
fui fiualinento approvada depois de calo-
rosa discu.ss.1o por 394 votos contra 247 ;
iras corra que nina oulra prnposta seri.
api'esentada para que a assembla uo se
separasse antes do dia 20 de agosto, cm
coiisequencia de varios negocios de impor-
tancia que devem ser concluidos
No dia 30 de julho fui apresenuda as-
senibla urna proposta tendente a revogar
o decreto do goveruo provisorio de lli de
abril de iStK, o qual declara o principio de
inamohilulaile ncompatlvel com o goveruo
republicano. Depois de breve discussto a
proposta foi apoiada c remellida a comillis-
silo de legislacSo.
Mr. Richadet.moinbro da opposiQo, offe-
receu assembla a seguinte resolu^Ao pa-
ra a extlnccflo do pauperismo em Franca:
' Todo o Fraucoz que possuir urna ronda
de30 mil francos ou maiorque esla somma,
pagara ao estado um quinto da dita renda ;
de 30 a 20,000 francos um sexlo ; de 20 ou
a 10,000 francos um selimo ; da 10 a 5,000
francos um dcimo.
" As pessoas que no^iossuirem mais que
2,000 francos do renda nada pagarilo.
A proposta foi remellida coinmisso de
soccorros pblicos.
Juantoao golpe de estado que se dizia lo-
ria lugar no dia 15 de agosto, eis o que a
este respeilose lo na (azctle dtl'rance:
* Somos aecusados, nflo obstante toda a
nossa moderaeflo levada at a excesso. Pois
beiii, taremos algumas revola^Oes acerca da
siluac.nodos negocios. Vamos caininbando
para o orleanismo por mcio do imperio.
I'relende-sc conferir o consulado por es-
pago de 10 anuos ao actual presidenie da
repblica, alim de dar lempo ao conde de
Pars para dicgara maioridado. Mr. Tliiera
he o principal ntolor desle plano, e por
conseguinleo chafe dos realistas, os quaes,
bem que o salbam, estSo servindo este mo-
vimento.
Todava muilas possoas ba que por di-
versas rasfias julgam absurdos os boatos de
um tal rol pe de estado; porm oque niio
padece duvida be que os amigos de l.uiz
NapoleKo. querendo preparar desde j a
SUB reeleigo, estilo Iraltalbando para con-
seguir a modilicaQilo do artigo 45 da cons-
liluirSo, o qual diz assiin :
ci (i presidente da repblica ser eleito
por qualro anuos, e niio ser rcclcgivel s-
nao dopois de um igual intervallode lem-
po, o vica-presidente e as pessoas com
elle ligadas pelos lagos do Sangue ou de
iillinidiide, al oaexto grao inclusive, niio
poderfioser eleitoa durante o mesiuo in-
tervallit. u
Osconcelbosgeraes diz-.e que estilo en-
cai regados de tomara iniciativa ueste ee-
pocio, devendo ser pojados depois pelos
concelhoa dos districtos, pelos concelhos
munici paos, pelos concelhos dos Prud'hom-
mes, e oulias corporai'fi's
Na \sstmblie National 10-se o seguinte :
ii ilonicm tiliri-ou-se positivamente na
antesala da assembla que o ex-rei l.uiz l'i-
lippe prcdciiypcdir permissSo ao goveruo
francez para [azor una peregrinagno a
Dreux onde estSo depositados os corpos do
duque de Orleans e de outros membros da
ox-real familia, o ex-rei qu r gmente de-
morar-so alh por espago ilo dous dias, c
vollara outiavez para Inglaterra ; elle lo-
mara o Ululo de ronde de l'ontllicu o scia
smente acompanbado por um criado.
Ha a algum lempo quo o conde da
Neuily be subjeilo a ataques de melancola,
ovaras vezesleinexpressado a seus ami-
gos o desojo ancioso que tem de nao mor-
id s"in poder chorar anda urna vez sobre
o tuinulu de sua iruia e de seu infeliz
lilil', u
O Moi/eurdu soiVpublica o seguidle com-
inuuieado :
Variai garcas, lirmadas na assercao do
National, lee.n lallado das visitas que di/.eo o
vice-aii.iira.iie Joinville tcm fello a diflerenles
peis'iuageiise.i. casas que nunca fui. Ren-
demos liom.n.igem cidade, cor.igindo es-
las noticias. b
A iiuprensa honra-se resubclecendo factoi
que sen. u,ic,icf.i> pode ler narrado iiicnnrcla-
l.ieiite. O principe de Joinville so foi slle-
uiauha para acompanhar sua mulher e sua i.
Ilia a casa da madrasta da prlnceza, a du>.ueia
jga.19.-1, viuva do Imperador I). Pedro e
de lli
.... 1 ...... ,,. i-euro,
lillu do duque de Leu. lucngerb, a qual resid
ciii um castalio em Maya, jimio de sWburs
no Ijrol hile acoi.ipanliou depois a prince
za a casa de sua avo, a viuva do imperado,
l-rancisco, c, sciu fallar a n. nliu.na oulra gran-
de pcrsonagcui, quer allcuia.i, qu.- francc/.i
l'llll.O ni... .1 .i,....l.. ____ 1Ok '
Todos os deparlanicutos daquelle paja
licaram em socego.
1) presidente da repblica sabio no da
29 de jultu. de Paila para Angeia,
loaapai. jo.m. oo-1 ,n i.s para Angeis, acompa-
iPrussiaea "li;"'0 l'ortres dos membios do gabnu-ie,
Jaixo da n.c- l' Ct'rca ^e '"O dos da assembla nacional
--cstacoi.vri.-.di'puis de ler visitado Nanles. Tours Cii'-
prinane!;,0 ,,rSOradcu"' ,ra,ad ^finitivo e leaos e out,as edades, recolbeu-se iinal-
| mcnle a capital 110 da 3 de agosto.
Elle acouipanliou depois a priuce-
de sua avo, a viuva do imperador
o, e, seiu fallar a n
il
voltou paia -.-Leonardo no di'a'7 de juiiiiVde'
pois de qualro semanas de ausencia. Mr.de
Joinville aproveltOU a occasiao, sen. que sua
familia osoubesse, para visitar Vienna, evr
os rserciloi russu c austraco porm, confor-
me o se modo de obrar, seinpre ezlieinamen-
le reservado, con. uiugu'eill eo.iii.iunicou
Olanlo a Licia que llie atribuem de ler ollere-
cnlo seus servidos ao unpeador da Auslria, os
leitoics doA'udoMi deven, esiar convencidos
que isio he pura Invenffio. a forma de gover-
no in.idou cm rranea, porm nada podera
apagar a lcnlbranc.1 dos serviros prestados ao
pali por un. dos lem mais nobles defensoreil
e o vlce-alniiraiile de Joinville- nunca praticou
acto algum, o qual possa dar a qucui uur que
seja o direito de |ior en qucslau o seu palrio-
lisiuo.
O ininittro do interior conceden aos niem-
broi da Sociedado da paz a permisso de cele-
brare... um congrcsjso cu. Parla no decurso do
niez de agosto.
Mr. Lamartine fui eleito membro da assem-
bla por di.us deparlau.enlos.
U dioica, que prcela ler deizado a Franca
loriiou a apparecer all, c actualu.cnle est.i
lazfiido grandes estragos nos depai lamentos
de larn, iame ctiaronnt; llautt-Uaronne, Coti-
dc-Or, Airen r t'oiin.
Km Tunene a abertura docainiul.o de ferro
foi adiada en. consc-qi.cncia do numero de
monos que esle tcrrlvel agello lem cansado
lu. 10 naquclla cidade como nos seus arra-
baldes.
l'icmonte.
ministro dos negocios eslrangciros sardo, an-
da niio 1'ulia sido raetllicado pelo gabinete de
Vienna, o qual recusa conceder amnista aoj
Lombardos.
11 j .111111/ dtt fiUts, referlndo estefacto, dit
i|iie o gabinete francez, de aecrdn con. n gn-
vrrno ingle, contina en. seus bons ollicios
para a comlusan das ne'ocia9cs, e que nao
ba duvida de que um arrai.jaucuto satisfacto-
rio ser liiialmrnle cllciluado.
A PrMN de de agosto publica a este respei-
lo o seguinte artigo:
O gnverno receben bonleui por un cor-
rrio extraordinario a noticia deque a paz nao
linlia sido assignada entre a Austria e o Pie-
monte. Intil nos parece repetir o queja clis-
seinos acerca das qucsliies que fraui debati-
das as conferencias que liveram lugar ein
Milito. Julgamos suOicienle dizer que depois
de ter concordado, con. mais ou menos dilli-
culilade, sbreos outros pontos; depois de ler
adiado o projecto, relativo .i (mio das alfa.t-
degas, o gabinete de Turim, curvando a r.i
be(a dianlc da inflcxivel necessidade de sua
' 1-1 .1 1. uao insisiio mais sobre o seu conlra-
projecto, excepto sobre dous pontos, a in-
demniMcSo pecuniaria e a amnista para os
Lombardos, Venezianos, e os habitantes dos
dous ducados de Paruia e Placencia. A Aus-
tria aceita o dinhelio do Piemontc; pnrm
recusa formalmente conced r una amustia
absoluta : ella quer formar categora!.
11 A esla inabalavel obstinsCSo do pleni-
potenciario austraco, o goveruo sardo ros-
pon leu que tintn ebegado aos ltimos li-
mites da concessiio, e que mo passaria
avante. Ocuvalheiro d'Azeglio, presidente
do conceibo, expressou-se sobre este ob-
jeclo com a firmeza, boiicstidade c decisito
de (|ue lein dado lanas provas, ja como
escriplor. j como estadista, j como sol-
dado, lile dcclarou que, lendo sido pes-
soalmente proscripto pela Austria, consi-
derava como um poni de honra defender
da proscripgSo a lodos quaulos o tinliam
acompanbado na luta, o niio adiniltir por
conseguinle nenliuma classlicagito.
Dopois de ter lomado esla resoluta de-
cisilo, 0 cavalbeiro d'Azeglio drigio-se ao
ministro IVancezcm Turim ; porm, como
Mr. Bois-lc-Conte desenvolvesse pouc ac-
lividade, e quasi que inoslras.se hostilida-
de, o dito cavalbeiro despacbou iiiimediata-
mente um correio a Pars para o lim de re-
clamar o apoio do governo francez
O National sobre o inflamo ohjecto diz o
seguinte:
As folbas do governo esforcam-se por
mostrar que a paz foi assignada entre a
Austria e o Piemnnte. Estas folbas enga-
an)-se e vamos dissipar suas illusoes.
Djpois de lougas discussOes sobre o
complicadissiino tratado proposto pela
Austria, o u'iimo acto das ncgociacOes pie-
montezas foi a aprosentago do um con-
Ira-projecto mu lacnico, liste contra-
projecto poo de parte lodas as estipulacues
minuciosas, tos como a allianga offensiva
e defensiva, a unio das alfandegas, as
clausulas relativas aos ducados de Parata
e Placencia, &., e reduz ludo a duas es-
(ipulagOes: urna relativa indemnisago
das dospezas da guerra, o a oulra am-
nista.
Ha, portento, smente duas questos,
urna do dinbciro, outia de honra.
Quanto a primeira nSo ha mais diver-
gencias: a Auslria icJuziosuas pretengoes
a 70,0410,000 de f. ancos, e o Piemonto con-
senle Tin paga-Ios, alm da quantia de
mais 5,000,000 de francos quo a Austria de-
ver empregar como julgar convenienta
em indemnisacoea aos particulares. O des-
tino desles 5,000,000 nflo be um segredo
para ninguem. Liles sito destinados aos
ducados de Parata ePIaconcia, os quaes
encarregaram a Austria de negociar por
elles; lo lavia smente a Austria dispora
desle dinbeiro. O Piemoiite Ihu perma-
necer olucialmcule eslranbo, e preservar
assim a sua dignidade, a qual seria com-
promellda por urna concessiio mais directa
feila aos guvernos em queslflo.
Itesta, portante, smente a quesillo da
amnista. A Austria recusa obstinadamen-
te concel-la, e o Piemonte considera a
sua boira empenbada em exig-la. Se es-
tamos bem informados sobreest ponto o
governo sardo nao ceder Lile apresentu
simples e claramente o c/isus bel/,, e, se suas
exigencias nao forem atlendidas, resig-
nar-se ha asubinellciv-se a invasSo estran-
geira
'l'oscana.
O gran-duque Leopoldo o sua familia
acbavam-sc ja no territorio toscano.
Nodia24dejolliocbegoii elle a Viareg-
gio, onde foi mu benignamente recebido.
A arlilbaria do forte eos navios de guerra
estrangeiios surtos naquello porto salva-
rain na occasiSo doseu desembarque. Um
numero consideravel de meninos e meni-
nas aprcseiilaram lloroso congratulacOes
poticas a real familia
O Pienioiite ficra tranquillo; todava cm
U a"** "rvava-*c nosesplritos alguna agi-
Noprlnielra de agosto tere lugar e.11 Turim
a abertura da cmara legislativa sarda, u re
pi-omincio.. ueila occasiao, diz o correspon-
dente do 7 ,,. u,a falla mu moderada, a
O grau-duque reesbeu as deputagOes das
cidades de Florcnca, Lucca, Comajore e
Pietro-Santo. Osdeputados de Lucca dirj
gram-lbeuma falla, ua qual declararam que
o povo vena com prazor pen imcnte res-
tablecidas as franquezas outorgadas pelo
estatuto fundamental, e que s assim o
pas gozara as bjngilos da lber lade de-
liaixo da influencia salutardas leis, livre
de todo o despotismo o licenga.
A' fulla dos depulados de Lucca dou o
gran-duque a seguinte resposla :
Recebo com satisfazlo c gralidao a ox-
pressflo dos senlimenlos de dedicagflo e le-
aldade da populagSo de Lucca, a qual cor-
tamente niio foi a ultima dentro as cidades
da 'l'oscana que cooporou para a restaura-
dlo da miniar.-loa constitucional.
Os desejos que leudes expressado cslo
em harmona com os mcus, o nada anhelo
Unto como a sua roalisaco e o consgui-
menlo do lim para o qual lendem nossos
communs esforeoa; este lim he-o interes-
se, a dignidade, a prusperidade eavanla-
gem real da nossa maJa Tosera.
0 grau-duque, lendo-so demorado so-
monte algumas horas em Viareggio, parlio
para Lucca, onde permanecera at o dia
20, no qual pretenda ira.Nice, para dla
dingir-se no dia seguate Florones.
lisiados pontificios.
As ultimas noticias do Roma, as quaes
ebegam somonte a 26 de julho, diionos
aquella cidade em pcifeito socego.
Os ollicaes e soldados do exercilo francez
teem tido um procediincnto exemplar de
sorlo que os Romanos, os quaes a principio
parecan) cvila-los como so fossein empes-
tados, a ponto de iiem roponder-lhes
ilar aos Romanos o*os eslrangeiros impli-
cados nos ltimos acontecimontos.
No dia 17 de julho o papa publcou a se-
guinte proclamacflo ap povo romano :
Pi P. /'. IX aos t\us amadof vaisallos.
OOmnipotenle ergueu a sua mflo,eor-
denou s agoas tempestuosas- da anarcha i
da imniedacle que parasseitT Elle guiou os
exercitos catbolicos na susiengo dos direi-
tosunaninente reconhecidos da f com.
mum da santa s, o da nossa seberania.
Louvores eternos sejam dados aquella
que no no meio de sua ira nflo esqueceu ,,
clemencia. '^
Amados vassnllos, no redomoinFae da
tSo desastrosas vicissitudcs, nosso coriiga0
tem deplorado os malos quo cahiram sobv
a groja, sobre a religiflo, esoltrevs, mas
nunca esqueceu o amor que sempre vos le.
ve, o que sempre vos tora. Com salisfaco
.au.lanos o dia em quo devoremos voliar
para o meio de vos, e vollaremos com o
mais vivo desojo de levar-vos conforto e
consolagflo ; ecunta otengo detrabalhar
com todas as nossas frgas para o vosso
bem, applicando serios remedios aos gra-
ves males quo soTreis, e consolando nossos
bons vassMIos, os quaes, emquanlo aspe-
rara do nos nstiluigoes que salisfaQam suas
necessidades, desejam, como desojamos
quo so eslabelegam suflcientes garant,,
para a independencia do alto pontificado
tao necessano para o repouso do mundo
Ctno.ico.
Para a prompu reorganisafao dos negocio,
pblicos, vamos noinear una ooiumlsiio i
qual. munida de plenos podrc.e a..lida or
uiu ministerio, regulara o governo doeaUda
_ A bcnfilo de Dos, a qual sempre i1Di '
ramos, anda qiiando distante>Je vos eiie
hnje Imploramos com maior fervor, cai'a sobre
vos, epara maior conforto de nossa alma es
peranios que lodos aquelles que presente
mente nao pode... gozar do, fructo, de ,n
traicao se convelan, de seus erro,, e se ba
bililein tambem para a consideraciio einl,c"
r.cord.a por meio de um prompto e incero
arrependiiiiento.
i< (acta. 17 de julho de 1840. Pa P. P. x ,
Se... embargo, porm, da promesa felfa nes-
ta proclaniacao, aiuda no dia 26 o peipa nao ti.
uba .lomeado nein a coui<9so governadori
ncm O ininiterlo; e, segundo afnrma o corres^
pondenlc da Opinionr de Turim de v8 de julho
be provavcl que uo voltar para Roma tu
correnie anno.
i-ai iliai h ainda niio tlnha sido preso, e di,.
corra por todo o ter.ilorio romano frente
de sua tropa, a qual, segundo I a Legge, coui.
piie-se de Lombardos, Francczes, Polacos e
Komauos. Aeou.panhainno tiesta peregrina-
Sao Cicero-Vaechlo, prnelpe romano, os
dous hlhos deste, o ingle, Forbes c varias ou-
tras pessoas de distinctao. ltimamente pa-
reca enea.ninhar-se para o monte Varchi
illdj os Austracos em seu segui.nenlo.
Veneza t aples.
Esta horoica cidade ainda resiste sfrcas
austracas. Inri carta dalli, publicada na
Opinlone de Turim com dala de 13 de julho,
diz oseguinle :
Nada nos faltava aqui senflo carne;
mas dous navios dalmatas ebegaram feliz-
mente esta manhfla no porto do Malamocio
com 200 bois a bordo. O forte de Urondolo
est bem defendido, o no mesmo eslado se
acha ocastullode S.-Andr. O forta levan-
tado sobro a segunda ponte da Laguna con-
lint'ti noite o dia a fazer um fogo vigoroso
contra o inimigo, o qual nflo tem ganlio
urna s pollegada de terreno il^iiois da lo-
mada de Malgbora. **
No dia 4, o auniversario da revolugflo, i
expoz-so a bandeira de San-Marcos com o
leo juntamente com on retratos de Rom,
Kossulb, Manii), (iaribaldi e Mazzni. Esla
exposiciio produzio um elTcito mmenso.
Nada pile exceder oontliusiasmo do povo
quando se cantn no thoatro nacional em
pleno coro obyninoda victoria. Alim de
dar-lhe unta idea do zelo que anima a po-
pulacho, direi que, quando um bomem ca-
sado por doenca nflo pode montar a sua
guarda, a mulher a monta emseit lugar. Os
Austracos alacaram-nos em Canavalla ,-
porm fram repellidos com a parda de
muitos leridos e qualto pecas de arlilha-
ria.
Oulra ca ta de Trieste de 22 de julho, con-
cordando com n precedente quanto ao ne-
nhun progresso l'eito pelos Austracos, de-
pois da tomada do Malghera, dizque, du-
ran lo a ultima semana, ncm um s tiro ti-
nlia sido disparado, o atlribue eslo faci i
delorminago do marechal Radetzky da
tentar um novo modo de alaque.
Na mesilla carta l-se que em Veneza qua-
si que nflo havia mais provises nem vi-
nho, sendo o pfloscasso o do m qualida-
do ; que Manin iajierdendo de dia cm dia a
influencia que linha, oque a coniniissilo
Ir'ora a de Roma, de eslrangeiros. insensi-
volmente se ia tornan Jo scnbora da stua-
go, etc.
aples ficra em socego, e nada de ex-
traordinario havia la occorrdo, .
.viovimciiio do d
pcrgunlas quo faziam, ja .ojo convivem
qual rol bem recibida pelos depulados. e varias c01" viiei "Us dllloientss Cafes
vezes app audida. O general Oudinol parlio
O tratado de paz concluido eolre o plenipo-
tenciario austraco, o cavalbeiro de Hruck, e o
parlio no da 23 do
julho de Roma para (aeta alim de consultar
o papa a respeito do tralamento quedevej
Navios entrados no dia 7.
Philadclphia 46 das, escuna americana
Almira, de 142 toneladas, eapilflo llenry
Knig, equipagem 7, carga 1'aii.iha, cania
do porco, cha, bolacbinlis, manteiga da
vacca o de porco, fazendas e mais gne-
ros do paiz ; a II. Foster ; Companhia.
Plymoulh 35 dias, brigue de guerra in-
glez Panlatoon, commandante Paiker.
Vom refrescar e segu para o cabo da
Ba-Esperanca.
liii.i-.le-i-'eniaii i i 5dias, transporte bra-
sileiro l'iiapama, eapilo Caniilio de 1.0-
lis Fonseca, carga eucotnmendas. Con-
duz 6 plagas deprete" ox-senleiiciados.
Parabiba ii dias, hiato binsiloiro Sania-
Cruz, do 22 toneladas, eapilflo Lustaquio
Alvcs da Silva, equipagem 4, carga toros
de mangue ; ao eapilflo.
Falmoutli, Madeira e Tenerife 31 dias,
pai|uelc ingloz Express, commandante o
Icuenlo i.ory.
Navios a/iiilus no mesmo dia.
Liverpool barca ingloza kither-Ann, ca-
p flo f lumias llunler, carga assucar o al-
godflo.
Barcelona Patacho bespanbol Cazador,
eapilflo Juan Roza, carga algodflo.
/Vacio entrado^io dia S.
Aracaty 15 dias, hiato brasileiro Duoido-
ro, do 43 toneladas, capilfifi Jos Joaquim
Alvcs da .silva, i ijuipagem 4, carga soln,
couros o mais gneros; a Jos Manoel
Martina. I'assageiros, Joflo llitiriquo de
Alineida, llrasilero, o 5 escravos a en-
tregar.



'a si le ro
la Costa,
Sffl-
car-
ffavios suhidas no mamo (lia.
Rio-de-Janeiro Brtgue brasi
Par, capitilo Jos Joaqui m d
ga n inosiin qun trouxe Jo Assi.
Paraltiba Hiato ktasWeim.rior-do-ltecife,
capit.lo Antonio Manoel Au'onso, carga
varios Raneros. *
Mem Hiato brasileo Qora-Cru*, capi-
tilo Manoel Lopes de /guoiredo, carga
VJrios gneros.
Navio snliido no da 9.
A cara cu Patacho hrasilciro l'.mvtacda,
capilo Antonio Comes Pcreira, carga fa-
lcadas e mais gneros. Passageiros, Ma-
noel Francisco de Mornes, Jos Pereira
Jacinllio rom 1 escravo, Benedicto Tor-
res Pacheco com 1 escravo, Joo Mendos
da lloclla com 1 criado, Domingos Comes
da Frota com 1 escravo, Francisco Jos
Porlirio, Jeronymo Jos Teixeira de Mel-
lo, Francisco itibeiro da SIvh, Jos Pe-
regrino, Verioto de Medeiros, Jo: de
Andrade, Carlos Figueira de Saiioia, Jos
Rodrigues, Antonio Peino e Antonio Jos
Munora (encalves.
EDITAES.
O lllm.Sr. inpector deste arsenal mamla
convidar aos olliciaes descantese cavo-
queiros, quesequeiram emprogar na ex-
traecode pedras nos arrecifes deste por-
to, e lavragem dcstas para as obras do mc-
Ihoramento do mesmo porto, sendo pagos
a jornal, ou por empreitada, conforme se
convencionar, a iproscnlarem-se-lhe com
a maior brevidade possivel ; em todos os
das a qualquev liora.
Secretarla da inspeceflo do arsenal de
marinha iie Pcrnimhuto, 5 de setemhro
de 1849. No impedimento do secretario,
od Marcellino A/re da romera.
O arsenal de marinha precisa comprar
duas CtOaa grandes de condcelo de ma-
teriaes ; pelo que convida o lllm. Sr. ins-
pector, a quem as liver e queira vender a
apresentar as suas ..propostas no dia G
docorrente ao meio-dia, indicando nellas
o lugar*bnde existam as mesmas candas,
afim de podo-rom ser vistas e examinadas.
Secretaria da inspeoQo do arsenal de
marinha do Pemamliuco, ."> desetemhro
de 189..\o impedimento do secretario,
oii Marcellino A/cci da Fonscca.
passada em 11 do jullio de 1821 cojo pa-
gamento pede-sa-ha mais de 5 annos por
carias que se Ihe tem dirigido, urnas pelo
corrcio e outrag por mfio propria sem que
at hoje so Unha dignado responder.
Pede-se ao Sr. Joilo Jos de Souza Ran-
gel morador na comarca de Nazareth
que Maja de mandar phpar nesto traca a'
quanlia quodove aos herdeiros do finado
Domingos Rodrigues do Passo, parte da
qual he proveniente da compra quo fez em
1829 a Anua Isabel do Nascimento de um
siti de trras denominado Pitomheira
em S -Antilo cujo sitio est obrigado como
consta da mesma escriptura.
O ahaixo assignado (eseja que se de-
clare se se entende com elle um aruiuncio
publicado ha dias em quo se pelia endcin-
nisaciode dividas, ecm quo de intro ou-
tros vem as iniciaos P. K. S.
Pedro Epiphanio.
AVISO.
No dia 27 de malo do conente, rugirn)
do cngenbo Agfia-Claras de 1,'rueu', da
comarca de S.-Anio, da viuva do Burgos
& Filhos, osescravos seguinles: Vicente,
pardo.de 26 annos, altura regular, cabel-
los crescidos e um pouco carapinhados,
testa sobre-sabida ,olhos lequenos u upa-
dos nariz chato tomador do tabaco, ros-
to descarnado e com espinhas, sem quasi
barba alguma ; gosta de veslir-se a serla-
neja ; l'oi escravo do finado SebasliSo Jos
da Moura da fazenda Venera distante 8
legoasde S.-Anio ; acompanhava aos co-
&
Jlecl
arayao
--O lllm. Sr. director do lyceu desla ci
dadefaz publico que, no dia 10 do corren-
te mez, acha-se aborta a aula de tachigra-
phia no mesmo lyceu, comecando as li-
gues das 8 s 10 horas da maiili.la : os
alumnos quo quizerem frequentar esta au-
la tecmdeapresentar-se com os seus re-
querimenlos na secretaria do lyceu para
que possam ser admittidos, sem ser preciso
pagar matricula. Socretrria do lyceu 6
de setemhro de 1849. Januario Kl'cxandri-
no da Silva tabello Caneca, professor de de-
desenho e secretario.
CORRER) (RAL-
AS malas que tem de conduzir o paquete
deS. M. britannica Kxpreu para o Rio-de-
Janeiro e Babia Techam-so hojo, (toj s II
lloras da manha.
Avos lijarittiBos.
Para a Babia sabe, em poucos dias, por
se adiar com mais de meia carga a bordo ,
a sumaca Flor-do-,\nge/im, mostr Reinar-
do de Souza : para o restante e passageiros,
trala-sc com o mesmo mestre, ou com Luiz
Jos de S Araujo, na ra da Cruz, n. 33.
Para a Baha saho impreterivelmente ,
no dial jilo torrente, a sumaca Flor-do-
Angclim, me.slie bernardo de Souza : para o
restante da carga e passageiros trala-se
com Luiz Jos do S Araujo na mi da
Cruz, n. 33.
Para o Aracaty seguc viagem com bre-
vidade a sumaca nacional Carila, mestre
los Coucalves Simas : para carga e passa*
geaos, irats-se com o mesmo mestre, ou
com Luiz Jos do S Araujo; na ra da Cruz,
n.33.
bradoresda casa quau lo iim as cobranzas
dos serios do poento ao su I, drnde he co-
ndecido ; levou uma camisa do madapo-
ln 1 calca de casimira sala, 1 jaqueta de
breUnha, I bonete de velludo azul-escuro,
I chapeo de palha, 1 dilo prelo de pello :
Juaquim, crioulo, bastante preto, de 38 an-
nos alio, secco, cara pequea, hem suis-
sado ; costuma ievar a mao a barba quan-
do Talla ; he bastante gago, andar compas-
saJo muito amigo do dito Vicente; di-
zem terpai em Caineleira almdo riolpo-
juca ; gosla do andar com chapeo de couro;
levou I chapeo preto de pello, um dito de
couro, 2jaquetas brancas, 1 calca debrim
pardo 1 dita de riscado 1 camisa do ma-
ilapolo 2 ditas de algodo da trra e ce
roulas; Coi escravo do capitiio Leandro
Bandeirado Moura doPatu", em Apody, da
provincia do Rio-Crande-do Norte e" pre-
sentemente acha-sc em Bananeiras, porto
do Brejo-do-Areia da provincia da Parahi-
li i .Colisin que estos escravos estivoram
nos suburbius desta cidado do Itecife, tas
. ivmiiiii'-m' que, se nao lartiram para o in-
do de Pajxliu' ou (amileira dila nem pn-'
ra os seiloes dosse lado, seguirn com mais
probabilidade para a Parahiba, ou Rio-
(ranle-lo-Nort!, onde ha muitos prenles
dos ditos Mouras, do alguus dos quacs tai-
vez sendo estejam||irolegiJos,pass indo umi-
tas vezes | orforros Roga-se a todas as auto-
ridades pulidles, pessoas particulares e
Cap tiles do campo quo os apprehondam o
levem-os ao dilo engenho ou no Recite,
praca do Commercio n. 2, so Sr. Lino Jos
de Castro Araujo, que serito generosamen-
te gratificados por maneira de ficarcm
sum mmente satisfeilos.
Tiiaramda algihcira de uma casaca,
na igreja matriz do S.-Antonio uma car-
le ira com varias cuntas u papis i|Uo nn
|i lom servir a pessua alguma : quem a li-
vor pode licar com o diulieiro que lovava,
edcilaros papis da noito por baixo das
porlas da loja da praca da Independencia,
o @
Bisas. |
--Roga-se acert hachare! formado em
medicinaque, ern virludedo artigo 18 titu-
lo 2. das posturas da cmara municipal,
que assim se exprime : NonJium faeulla-
tivo poder.ler pareen com pliarmaceuti-
co, ou droguista, ou designara botica em
queso prepare a receita : os infractores sa-
rao multados em :10,000 rs. Istolambemse
devei entender com aquellos facultativos
que fornecerem os remedios. uo conti-
nu a aconselhar aos que o vilo consultar
sobre suas molestias, que mandn apromp-
tar o receituario que Ibes passa na botica de
cerlo pbarmaceulico a pretoxlo de llie no
merecer conlianca esta ou aquella botica
porquanlo, sobreonflo poder fazor, causa
prejuizo aos mais boticarios
I ni dns pr - Quer entrar do sociedado em uma pa-
llara um rapaz Portugus de boa conduca
o qual entendo e sabe dessmpenhar asna
obrigaco e lem alguns fundos: ao pretn-
dante so dirilo as habilidades
tender annuncie.
quem pie-

cobam a scu bordo, seja fiial fr o pretex-
to o escravo Joilo, pardo trigueiro, do es-
tatura pequea, o qual lem por vezes ten-
tado evadir se desta cidade por mar, j em
navios mercantes, ja olfei eoendo-M para
asscnlar praca a bordo de navios de guerra.
Carlos Gillain z publico
que inndot o scu estabelecmento
na, loja n 30, oude seus fregue-
zc> o acliarao sempre promptu pa-
ra o- for do* scu ollicio.
- Desapparcceii, da casa de sen SCnhor,
l.ulz Con es Ferreia, no Mondego, o oscra-
vo Joo, pardo Irigueito, de 19 anuos, de
estatura pequea cara larga, bucea eran-
do 0 bous denles : que ni o pegar levo-o
que dar .'iU,UU0 rs. do gralliica-
lito Sr.
lo.
lis verdadeiros charul
de Havano, da mais superior tp
lidailc, chesaJos agora, e*Uo
!-.
\ ('
ida
na na t
la C
i n/.
n. >i, ar-
$j>a praya ua Indpen-o
delicia, II. 10, %
BOWMAN V MC CALI.UJI engenhei-
os niBchinislas e fundidores de ferro, nuii
espcitosamenlo annuuciam aos Seubores
iroprielariosdeongenhos, fazendeiros, mi-
iftiros, negociantes, fabricanles e ao ros-
ieilavel publico, que o scu eslabelccimento
le ferro movido por machina do vapor con-
tina em effeclivo exercicio, e se acba coin-
.ilelamente moni, i lo o un apparelbos da pri-
meira qualidade para a perfeila confec^ao
das maiores pecas do machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer
obras da sua arle, Bowman c Me. Callum
desojam mais partirularmeiilo chamar
attenco publica para a sseguinlcs, por
terem dolas grande sorlinionto ja prompla,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
rangeiro, tanto em prefo como em qua-j 9
lidade das materias primas e mito d'obra,|w
a saber: I ^
Machinas de vapor da melliorcnnstruccftn. *N
Moendas do caima para ongenhos de lo-
'los os la manilos, movidas a vapor por agoa
ou animaos.
Rodas d'agoa, moiuhos de vento o serra
ras.
Manejos nilependentcs para cavados.
Rodas dentadas.
Aguilhes, bronzesechomaceiras.
CavilhOes o parafusos de todos os tama-
nhos.
Taitas, parees, crivos o boceas do toma-
ina.
mazcm de J. O. Blster.
Para as pessoas que icn-
cionam seguir viageai.
No paleo iteS.-l'e Iro casa terrea n. 8'
liram-se passaporles para dentro e fra do
imperio correm-se fnlbas e despsrham-SO
escravos o para este lini tai:bem ple-se
procurar na pra{i da Independencia Ima-
na ns. ( c 8.
tH$%$>ff% '^^''iv'^OT/l't^*, $
m
4
Deposito de rape.

BM
engarrafado muito bom n 500rs. a garra-
fa. 1) propietario desta taberna, romo Bra-
sileiro que ho, agradece a polica e ao Sr.
fiscal de S.-Antonio pela promptl provi-
dencia que doram das patrullias nQoobnga-
remniaisa leciiarem as tabernas'as oito
horas.
-Vende-so a/i'ile do cirrapalo, a 2.5C0
rs. em ctuada ou a :t-.'0 rs. em garrala :
na esquinada rna Itangel vend de Jos
Rodrigues Coolho & Coiiip-nihia.
Phann ca f'rmieeza.
X.arope pe toral adocaiite de gom-
ina de ongico preparada pos Luiz
Hottentuil \ 0 boticrtfl chi-
mieoda escola especial de Paria.
A gomma de angico lio conliacida e em-
pregada ha muito lompu pelos habitantes
du interior do Riasil como um excellanto
remedio para as molestias de poilo ; mas
em um e-talo tal do impureza, eontondo
cornos ealranhos,que militas vezes impedid -
dqseiiselTeiios, lornavam afcipeitas suas
propriedades,e "'irinavaniodoenle a to-
mar una porcSo do materias cstranhas,
no obstante que nerlos, mas que no oo-
tanln ililli,iillavam o sou uso.
Hoje einfip esta gomma lie por nos leva-
da ao mais alto gran do pureza e assim
com elli preparamos o nosso xarope tilo
agradavel a fcil de tomar romo promnto e
ellienz nos seus resultados Qsmedios des-
ta ci lado e outros muitos quo leen obser-
vado sous efieitos provam sua su postor i da-
do absoluta para a cura das iniilammaces
do peito toase, deilusos, catarros, escar-
rosdosanguo etc., o applicam aos seus
iloentescomo o melhorespecifjro ate Raje
oonhecido.
Fabrico de chocolate de
Domingos Alvesliatlieue, apealo da B
fabrica de rape superior aroia | reta e>|Sail("e (! IDCllCameiltOSO.
(^ e nejo grosso da Rabia, tem aborto o % ,, |0(rfls as substancias alimentares que,
-P sou deposito na ra Cruz, no Recifo, 9 ,endoemseu principio consideradas como
i. 38, pnmeiro andar, onde se achara 9 cousas do luso, lornaram-se pelo temeo
sempre deste excelente o mais acre- > Uaisntcdoum usogeral, n chocolate
| ditado ra,,e que ai,. presente se tem 0 ,1,., seill contradiccSo.
9 fabricado no Brasil: vende-so em ho- } |,..lr
'" Lt!^dl'..'f"!le..1Mle.ia lil,ra '",r nre? 1i nVeelivamenle, quintas pessoas nn ve-
mos nos preforir boje ao uso do quente ca-
f o uso do chocnlatc, e nisto seguir a opi-
oceupar
po-
o pnmeiro
mais commodo do quo em oulraqul- .J
quor parte.

Na rna ,\ova, ii fio, preci-
sa-sede timoTUial i!e alf.iiate pa-
ra colicortos.
Lotera do Guadalupe.
Kata marcado odia ti do conente mez
para o andamento das rodas desta lotera,
se nislo consentireiii os amadores dpste jo-
g", que dovem concorrer para que so com-
de
?** t*f wg< if/3 I -.,
f> Caclano Xavier Pereira de R'il.'., i
% doutor em medicina, ajinuucia no
Q> respeitsvel publico, que (Isou i sua
Atorro-da-Roi- Vista,
lera ser procurado a
fe qualqucr hora ; o da consultas gratit
sos potues, das I) as 9 horas da ma-
nl-fla.
residencia no
$ n. 43, onde pod
fr
Q H-IH.>5 11. IV, Q
q ao vollar para a ra das Cruzes, alu-
,\ gam-see vendem-se biaa do llam-
burgo : tambem vao-sc applicar pa-
ra commodidaJe dos freguezes; ti-
ram-se denles, sangra-so e appli-
cam-se ventosas: ludo por proco
coiiimoJo.
Le i,
oes.
killiinann Irmaos farilo leilo. por i ti
tcrvenf.lo do c.irretorOHveira, do um sor-
liiiieiil) do fazendas, todas proprias do
mercado: segnJa-feira, 10 do conente,
as io limas da manhfla, noseu armazn) da
ra da Ciu/.
Johnslcn Paler& Companhia faino lei-
lio, por inlervenco do correlor Oliveira,
de um completo soilimoulo de fazendas iu-
glez>s : ter\afeira 11 do correte, As 10
horas da manhfla em ponto, lio sou arnia-
zende ruado Vigario.
" i.
Avisos diversos.
Muito se desoja saber so nesta cidade
on provincia esistem Manoel Jos AlTouso e
o padr Gabriel Pereira de Castro Rarellar,
qnoparaaqui vieram do Portugal em 1AIG
ou 1817, sendo o ullimo sobrinho do bri-
gaileiro Manoel Joaquim, quo aqui morreu
na rovolucflo de 1817. Os mesmo, ou as
pessoas que dello liverem nolicas, dirijairi-
se a esta typograpbia.
A professora da esquina da ra laiga
du Itozario faz acionle ao raspeltavol publi-
co cuspis do suas alumnas, quo mudou
a sua residencia para o paleo do Carino, no
primeiro andar do sobrado novo do Sur.
narciso aonde continua tanto com a sua
aula como em recober aulumnas, pensio-
nistas, cujo ze|o e educaeflo nilo be ostra-
uho ao publico.
-- Perdcu-se, no dia 7 do rorrete a lar-
do, urna caixa de (aitaiuga com ra| em
alguma das ras do bairro do S.-Antonio ,
a qual he lisa e lem no lampo superior al-
guns circuios da mesma tai taruga : quom a
achou quorcudo restituir o fara na ra do
Collegio, n. 15, 3.* andar, sei recompen-
sado
-Os herdeirosdos finados Joaquim Jo-
s Farreara, de Denlo Jos da Costa, e do
Mauooi Rodrigues parecer na ra Nova, lojn de ferragens, n.
20, a negocio deaeus iuteressos.
Pede-se ao Sor Jos Antonio da Silva
Goulart, morador no Passo-de-Camargi-
be baja de mandar pagar nesta praca o
quedeveaos herdeiros do finado Domin-
gos Rodrigues do Passo pur obrigaco
9

& O
0090099099 09990999
Dflo-so 400,000 rs. a premio com boas
firmas: quem pretender annuncie.
Hebrard 6, Companhia na la do Tra-
piche-Novo, paiticipam ao publico quo aca-
ban do recebar, pelo ullimo navio chegado
de Franca, um bello sorlimento do conser-
vas como linguicascom trullas, julienne ,
cocu'nelos, ditoscahmpigoons, carroles,
niostariia fraiice/.a, ervilhas, sardinhas:
ludo muito fresco. No mesmo rslabeloci
ment s>i encoulraro todas as qualidades
de vinhos, cognac ubsinlh kercb verda-
deiroda Suissa, licores, azeite suporllno
do Sr. Plaguol de Marselha, cliampaiiha de
superior qualidade.
Ilcnrietla Llizia Racquct ictira-so pa-
ra fra da provincia.
-- Prccisa-sc de um caixoiro que seja ca-
paz e d liador a sua conducta para urna
padara : na rna da S -Crnz n. 24.
I'recisa-se de pretas que vcmlam pflo :
no I'orle-ilo-Matlos ra do Burgos n. 31.
[H? Chapeos de sol J
fua do Passeio, n. 5
O dono deste cslabelecimento avisa ao
rcspeilavel publico que elle reccheu pic-
sentenienlc uma (|ualidadc de chapeos de
sol com aimafilo de neo Surtidos em co-
res e de varios tamanhos qnalidade esla
DUnca aqui apparecida ; bem como cha-
pos de sol com aroiacflo de baloia, soru-
llos oin cores lixas ; ditos para senhora.de
seda milito encorpada com ricas franjas de
retroz e chegados ltimamente de Paria :
lam em se vendem chapeos de Boj, de pan-
ninho em porciloea rclalho ; dilos para
l'oitor de engenho, muito grandes. Os fre-
guezes acliarao um completo sorlimento de
sedas o panninho imitando seda para co-
brirqualquer armaeflo de chapeo de sol, o
que solaz, e tanioem se concerta com toda
a brevidade,
Precisa-se de olliciaes e discpulos de
marceneria, e fazem-so mobilias ricas das
madeiras que so encommendar : a tratar na
leuda defrontede San-Francisco, na <>ja do
escriptorio da companhia do Itebcrihe.
Aluga-se um sitio com aivorcdos, rasa
decente, preparada e com conimodos para
familia, propria para se passar o verilo, por
ser muilo fresca, pertd do rio, na melhor
posi(ito da Capuuga o por pre^o commodo :
a tratar no palco da Santa-Cruz, botica n. *.
Moinhos do mandioca, movidos a mao ou pete a venda dos bilholos.
por animaos, o prensas para a dila.
Chapas de fogilo e fornos do farinha
Canos de ferro, lorneiras do ferro o
bronze.
Bombas para cacimba c de repudio, mo-
vidas a mflo, por animaos o i vento.
Guindastes, guinchos o macacos.
Prensas bydraulicas o do parafuso.
Ferragens para navios*iairose obras pu-
blicas, I
Columnas, verandas, Akdese i>oriocs.
Prensas do copiar cariase desellar.
Camas, carros do mao c arados de forros,
&c, &c.
Alen da suporioriade das suas obras, j
geralmenlc reconhccida, Rowman & Me.
Callum garanten) a mais exacta conformi-
iade com os moldes e dezenhos romcllldos
pelos Seubores quo se dignaren) de fazer-
ihes eiicomineiidas, aproveitando a occasiflo
para agradecorem aos seus numerosos ami-
gos e freguezes a preferencia com que loem
iido por ellos honrados, c asseguram-lhes
que nflo poupdrflo esforcos e diligencias
para continuaron) a merecer sua conli-
a nca.
-- Na porta do Sr. Ilr. Gervasio Coucal-
ves ,1a Silva, substituto da prinieira vara do
civel, so bao de arrematar no da 11 do cor-
rente duas moradas do casas lineas, de
renda anima1, no lugar da Soledade, eslra-
taquesegue (ara o Manguind, n. 34 no
valor de ts.OOO is. e n. 0 no valor do 90,000:
quem quizer comprela asi horas da lude,
no lim do boceo do Aterro-ia-l!,'ii- Vista.
-Ah
*
Nocedatic Apolliiea.
Faz-secorto aos Srs. socios que a direc-
QO ii arcou para a partida do cu rento mez
o dia -21 e para receber SS prospostas paia
convida,los mesna o dia 11 as horas do
costume, na casi da sociedado.
Aviso.
Quem pretender ongenhos para em -2 ho-
ras socar uma caixa, ou l barricas de as-
sucar, oceupando uma su pessoa e um ra-
vallo, carros para condureo do formas
com assurar, lamben por u.....sua pessoa,
uo querendo sor engaado, dirja-se i ra
nio (los mdicos mais clebres que de
coiniiiuiii accOrdo sobre suas proeiosas qua~
lida les o iudicam como um dos noasos
molhores eslomalicos aquellas pessoas cu-
ja atilde he dehil o delicada !. Prescre-
vem-no nos seus doenles, aconselham-nn
aosvelhos o o recominemlan as milis de
familia pita s mis liliios; em urna palavra ,
o consumo verdadeiramcn'o extraordina-
rio que lo las as chsses da sociedado fa-
zom deste alimento, he o mais bello elogio
que un. Ilic i o lomos fazor.
Ksles iloiis objeclos, ja hem conliocidos
pela sua superoridado, constantemente se
vendem na ra da Cadeia do llecife, venda
n. 25, defronte lo Becco-Largo, sendo o
pr, co liso I,nuil rs. cada garrafa do \iropo
sconipsnhnndo um receituario do seo au-
tor, e o chocolate a 640 rs. a libra, de ii,
i meio lino, c a ROO rs. o do n. fino.
Antigo deposito de cal
vrgem.
Ta ni
icl
ii'.
ii. i
i'
lia
virgcm de Lis-
\a ra do
muilo superior c
boa, por proco muilo commodo.
-- Ven I.'-se um pardo sapaleiro ptimo
pagom e hbil para todo o servido, por sor
do boa coudiict i, O quo se aliinc com res-
poiisabililade; uma prela para o servico
d'ciimi o de campo: o motivo por quo se
vndese dir ao comprador: no paleo do
Calino, II. IS.
IVsla de llor de Ivrio.
v
lia o nelhor artigo que se conhece para
limpar e embranquecer os denlos, fortificar
s gen^ivas e eonservaj a bocea, sempre
do sol, n 13. Adverte-so que do sao carros limpa e ..s gengivas purificadas do tarla-
veiide-se na ra do Trapiche, n. 3t, se-
ga-sn o armazn do sobrado n -23
la ra do Sol: a fallar rom Jos Cypiiano
do Muraos lama, na ra das Trinclieiras, n.
l>, segn lo an !ar.
- No sobrado da Tiempo, n. I, que lem
venda por baixo, precisa s: alugar um ou
dous escravos para trabalhar no mesmo si-
tio, com acondieo do dormir na mesna
casa, dan io-so-lhe o sustento e o jornal
que se ajustara volitado dos seubores
Negociam-ae, por qualqucr
quaiili, tres leltras aceitas pelo
reverendo padre Amluozo liodri<
gues Alachodo e Silva, morador
antigamenle na cidade de (oian-
na
, negociante de
irado
do serillo
na sua fa-
iiti),
i ipo r-
para esta praca, e lioje
zenda l.ageiro-de-Oneixerainol
as rpiaes cslfto vencidas e
tam principal e juros em 4^00,000
rs. a quem convirr, dirija-se ao
Atcrro-da-Boa-Yisla, n. (i3, pri-
meiro andar.
Aluga-se urna prcta para o servico de
uma casa que lava engomma e cozinha :
quom a pr1 tender dinja-se a pra^n da Inde-
pendencia, loja n. 3.
-- Quem precisar de urna ama para casa
de boncm solteiru ou do pouca familia,
dirija-se ao becco Tapado no largo da ma-
triz de S.- Antonio, 11. 3.
-- Precisa-se alugar uma sala rom alco-
va que cbogiie para a morada do um ho
mem solteiro oque seja no bairro de S.-
Antonioem maque soja boa : quem livor
a 11 nuncio.
O Sr. quo alugou um primeiro andar ,
e uo tem respondido as inmensas callas
que so lile tem lemettido queira dar su-
lueo, pois se faz misler.
Manoel de Almoida Lopes que costu-
ma compiar o vender escravos mudou sua
residencia da ra do Vigario, n. 24, para
ra da Cadeia do Recifo, n! 40.
Previne-so aos Sis. commandantcs de
navios de guerra e mercantes, quo nao re-
do forquilha... por baixo do finido das IVu-
uias: destes os acharo na fabrica dos Srs
Slarr e Companhia.
Compras.
-- Compra-so piala o 01110 sem feitio : na
ra Vi'lba, n. i.
Conipra-se um sitio perlo da praQa ,
rom ci1 pac ida,lo do ter vacras de loite, esa
de viveiula e le reno 1 ai 1 laiitai o inaiua
da Cadeia do Itecife,loja de fazendas, n 51.
Compro-so nina liteira: 111 praca da
Independencia livrnia n. ( o x.
Compra-s urna padiiia, sendo em
qualqucrdos baiiros de S.-Antonio, Itecife
ou Boa-Vista,com lado que estoja afre-
guezada : na ra estreila do Itozario, n. s,
se diii quem compra.
guildo andar, a 2,000 rs. caja lioio.
-- Vende-so una preta que cugomma e
cozinha o diariu de una casa, con urna
luida negrinha do Id anuos : na ra do Col-
I vio, n 15, ;i imeiro andar.
CoiieilosdeGlfli
o cont do lclalo do ferro, approvdo pela
academia do medicina do Pars, conforme
o parecer de urna commissito composta dos
Sis. Ilouillau I, FouquiereDailly,
As preparaces le ruginosas se contam
no numero dos medicamentos, cujas pro-
pi edades niio so pdem piir cni duvida :
com elreito ha noucas proparaijcs meuicas
quoteiibam sido estudadas com tanto es-
mero por observadores sabios.
Os mdicos mais acreditados receitaram
estes confeiios cora multas vantagens, do-
pois do terem analysado sua composi^o.
O benvolo acolliimenlo que esta prepa-
rago obteve da escola de medicina do Pa-
rs nos dispensa de fazor sou elogio.
listes con folios sao ompregadoscom gran-
de successo na clorosis 011 paludas cores,
Vendem-se 8 lindos moloques de 12 a as inll unmacoos chronicas do ealomago
- Ven
n.ot.
VenOas'.
Ic-so a taberna da ra do CalJc
18 anuos, sendo um del les cozinbeiro e 011-
tro olcisl de alfaiate ; s pelos do iO a 23
annos; 3 pardas de 18 a 24 anuos, com ha-
bilidades j 5 pretas de 12 a 25 anuos; pro-
prias para todo o servico : na rna do Col-
legio, 11. 3, se dia quom vendo
Ag*oa de mol.
I'sle remedio he para promover a
o dos intestinos, na falta do appetile, as
amonorrheas, ou suppressio de menslrus,
lias oniei midades escrorhulosas, e inconti-
nencias das urinas, provenientes da debili-
dade l.-i bexiga: na leucorrhca ou llores
brancas, opilacSo, al).tmenlo de frcas,
.nocsroiliuto, em lodosos casos de enfra-
quecimciilo do organismo, na animva.vul-
eiloza (.,, rialdade, na bydroncsia, consequencia
e vigor do1 cabello, removondo a caspa a deslas molestiaa, em limlem todos os casos
conservando aquello inacio e lustro da pe- ,., que
le o cabello que s pode ser adquerido
lendo-so a pello liesca o os poros pelas mi-
zos do cabello sempre abertos, o sua acc8o
salutar, liada Conten quo |n.-sa projudicar
o cahMp: vende-so na roa do Tr piche,
n. St.sajrOndO andar, a 1,000 is. cada
garrala envolla no sou competente ncei-
tuario.
Agoa do pe 10la.
l'.ssc celebro o innocente cosmtico para
tirar sardas e rugas, o em bellozar o rosto ,
fui por muito truij o sd conhecido de poucas
prssoas nos Kslm'o;-i nidos porcm sua
grande ulilidadtornou-a ouosmeuco mais
popular que se usiva nos toiletes modor-
nos: vende-sc na roa do Trapiche, 11. 3i,
segundo lindar a 2,000 rs cada gariafa.
- Ns ra Direfta, taberna n. 23, veudo-
ha
casos
alteracflo na composic,o do
sangue.
A ivspeilo da dose que se deve lomar',
haslam nos confeitos pela nianhila, e ou-
tios tres de lardo, e ornis distante possivel
das horas da comida, augmentando pro-
gressiVamente al fi do manhfia o fi de tarde.
Relativamente aos meninos, as dosesva-
riain eoiiforine a idade ; mas lomando o
termo medio, so dardo do 6 a 8 lodos os
das, na idade de 0 a 12 anuos e 4 aos mais
jovens,
Em as principaes cidsdes da Europa so
acham os depsitos dos dilos confeilos, o
em iiii.iiiiticuna boliei do Sr. Parauims ,
ua ruaolrcita do Itozario, 11. 10.
-- Vendem-se 3 uceadas de pedra da tr-
ra, I cama, 1 maiqueza do angico, 8 qua-
dros de sila grandas, 1 mo.-a, 1 secreta, 3
se cha hrasileiio bom a 2,000 rs. a libra ;' coupoteiras, 12 garrafas de vidro, 1 lustro
manteigaingleza, a 480, noo, 720 c800rs (Ido sala, I lalhor de licor e 1 dito do azeite:
queijos de Minas, a 100 ra. cada um ; vinho' a tralar na ru das l.arangeiras, n. 29.
m MliTII Ano


'
Para eseravos.
Vendcm-se cobertores de algodito ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuarto de chadrez,
a 100fs, o covado; dito trancado, a 20o
rs. o covado ; pecas de ganga azul.da India,
rom i palmos ile largura e 19 covados a
2,403 rs.: na ra do Crespo, loja n. 10.
Rape roldo francez.
Vende-seo superior rap roIBo francez,
uhlcamento as lojaa dos Srs. Caotano Luiz
Ferreira no Alerro-da-Boa-Vista n. 46;
Tlioma/ de Mallos Estima na mesma ra,
n.."ii; Francisco Joaquim Duarto, ruado
Cabuga ; Pinto & IrmOo, na iua da Cadeia
do Rooifo, n. 19.
_ Vendcm-se riscados escocezes com
vara d largura, a 200 rs. o covado ; cassas
piuladas do cores lisas, a 2(0 rs. O covado;
pecas ilc panninno do vara de largura, com
1 jardas a 2,000 rs. : na rua do Crespo,
loja ii. 10.
Ao barato.1
Vendem-se, na loja da rua do Crespo,ao pe
do arco de S.-Antonio,n. .'> A,corles de cassa
com seto varas e de cores lisas a 2,500rs.;
ditos superiores a 3,(100 rs. ; cortes de col-
lete de gorgorito de seda a 2,500 rs. ; ditos
do fUSlSo liranoo a .'.00 rs. ; pecas de cas-
sa para hadados, a 3,560 rs. ; cortes de cal-
Cas de pello do diabo, azenda muio en-
corpada ,a 1,000rs.ricasmantas de seda
para senhora a meninas, a i c s.ot.o rs cor-
tes de casimira elstica de una s cor cla-
ra, a 4,000 rs. : bcni como tamliem se ven-
dem ohjeclos de armador como sejam es-
peguilbas, rendas, volantes, etc.
raillio, que se estro vendendo pelo diminu-
to proco de 500 rs. o cento.
.
*
Cera em velas.
Vendem-se caixas pequeas com
cera om velas e muilo bem sortidas,
por ser do 1 at 1 o em libra, fabrica-
da no Rio-de-Janeiro cm uma das
melliores fabricas por preco mais
barato do quo em piltra qualquer par-
to : trata-se com Macbado c Pinheiro,
na rua do Vigarin, n. 19.
*>
m
9
Familia barata. '1
**
Vendem-se saccas com muilo boa fa- &
rinha de mandioca, por barato pro- &i
Co : no armazem do Racelar, em lien- *>
teda rampa da Blfamlega, a-tratar *
(Si com Macbado <\ Pinheiro. 0
?> i
^??? 99999 !****??*
3Iulaj)oloL's finos n
;,(00 rs. a peca.
Vendem-se madapoliies linos, com 2t jar-
das com um pequero loque de miM'o pe-
lo preco de 3,600 rs. a peca : na rua do Cres-
po loja da esquina que volla para a ca-
deia.
Vendem-se eseravos baratos, na rua
das l.arangeias, n. 11, segundo andar, a
sabor: doiis muatiiihos ptimos pagensj
3 pretos pa.ia o servido de campo'; um mo-
leque do 13 anuos; urna ptima escrava
que engonims, cose o cozinha, tudo com
porfoicfln ; urna prela de naco Cosa ; nri'.'i
ditacrioula, de bonita (gura, o rom al-
gumas habilidades; e mais alguns escra-
ros.
Corles de brim de puro
linho, a 1,880.
-- Vendem-se curies de brim trancado
pardo le piro linbo, pelo diminuto prcCO
de qualro patacas: na rua do Crespo, loja
la esquina que volla para a cadeia.
Vendem-se relogios de (uro e prata,
patentes nglez.es: na ruada Senzulla-No-
va, ii. .13.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
ebegada ueste roez peld briguo Mara-Jote:
a tratar na rua do hrum, irmazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na rua do
Vigario, n. 19.
-- Vcnde-se vinho de Champando, da ver-
dadoira marca cometa i na rua da '"ruz, ar-
mazem u. 27, de Crocco & c.
Cha brasileiro,
Vende-se cha brasileiro no arma/.em de
moldados,cuas do Corpo-Santo, n 66, o
mais excedente cba produzido em S.-Pau-
lo quo tem rindo a esto mercado, por
preco muilo commodo.
Vende-se um cabrinhl de 18 anuos,
alto, sadio de bouila liguril, c que be pro-
prio para 1 lioiro, e so se vende para a i ra-
pa o uo para o mallo para o que se afian-
za a sua conducta iini molcquo de 13 an-
nos sadio e bem prelinbo: na rua larga
do Rozario, luja n. 35.
Bom g'osto.
Na rua dn Queimado viudo do Rozarlo,
segunda loja n. 18, vendem-se ricos curies
de cambr.ii.i de seda com barra e sem (lia ;
ditos do cmbala branca com barra; len-
tos brancos da linbo; ricos diales de seda
matizados de cores ; maulas de seda de bo-
lillo, gustos ; e outi as inuilas fazcudas por
preco commodo.
Soii! e barato.
-Na rua do Queimado, vindo do Roza-
rio, segunda luja n. 18, vende-sc panno
lino verdee prelo, a 3,1)00 rs. o covado;
suspensorios de seda a 500 rs. ; lencos de
lila para posCOCO a ICO is. ; lencos pretos
pura grvala a 300 rs.
Quejjos londriiios e pre-
suntos
para fiambro ; conservas ; lalinhas com bis-
coutinbo ingle/. : tudo (llegado de Liver-
pool pelo ultimo navio, por preco mais
commodo do que em oulra qualquer parle
atrs do Corpo-Santo, armazem de molda-
dos, n. 6C.
AGENCIA
da fundicao Low-Moor,
RUA DK SKNZAI.TA-NOVA, K../|3.
Ncste er.lahelecimcnto conti-
na a havcium completo sorli-
mento de rnoendas e mcias rnoen-
das, para engenho ; machinas de
vapor, e tachas de ferro hatido e
eoido, de todos os tamanhos,
para dito.
des fumantes de bom gosto.
No armazem de moldados atrs do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, edegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res edarutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se venderSo mais barato do
que cm oulra qualquer rarle : bem como
cigarrildos hespandes, ditos de palha de
I
$!><-., <><-. ><-\><- >< .i-<3*
--Vendem-se amarras de ferro: na rua
la Senz.alla-Nova, n. *2.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de llgodSo ameri-
cano, encorpados e grandes, a duas pata-
cas ; chitas escuras de dons padroes e co-
res seguras, a meia pataca o covado : na
rua do Crespo, na loja da esquina que vol-
la para a cadeia.
Taixas para engenho.
Na fundiefio de ferro da rua do Hrum,
acaba-se de receber um completo sort i men-
t de taixas dn4 a 8 palmos do bocea as
quaes aedam-so a venda por preco com-
modo e com promplidiio embarcam-se,
ou rarregain-sc em canos sum despezas ao
comprador.
Caderas de palbiiiba e
do balanco4
bem com outros mullos trastos: vendem-se
cm casa de. Kalkiiianii lrmiios, na rua da
Ciuz, n. 10.
-- Sos anna7cns de Francisco Dias Fer-
raira 0 no de Leopoldo Jos da Cosa Anto-
jo, lia para vender o mais superior vinlio do
Porto que tem viudo a ote mercado, cm
barris de i", 5", 7* c 8 os apreciadores p-
ilem soitir-se porque pituca:, vezes c vom
fazenda igual.
Vondem-s? pliosphoros a retalho: no
largo da l'.ideira, n. 1.
Vende-se a taberna da rua de Agnas<
Verdes, n. 18, a diiihciro ou rom firmas a
contento: a tratar na mesma taberna.
Vendem-se, a bordo do litigue brasi-
leiro llafra tundeado na volla do Foilo-
do-Mallos superiores lanillas do llio-Cran-
dc-do-Sul.
-- Vende-se um rabecilo pequeo um
baixo, nu ca vico por mdico preco: na
rua da Cruz, armazem n. 37, de Crocco &
Compaiibia.
Praga da Independencia,
n. 57.
Aos 90:000,000 lo rR
('liegau grande sorlimento de biihetes,
meios, quartos, oilavose vigsimos di lo-
leria do Itio-do-Janeiro coi.cedida a bene-
llciodas casas i!c caridado da provincia:
igualmente su moslram as listas das lutc-
ns pausadas.
Vende-se urna ca xa com utensilios
para pianos por barato pceo: na rua da
Cruz, aimazcm n. 27, de Crocco & O.
Vendelli-so muito bous pos para denles,
que nao s limpam cuino fazoin conservaros
mesnius : na rua Velha, n. .i.
nei> ocio.
<2SO
t&
r MNM
'.-,. ,':,<'O
f> l'm [nano.
'-'S Vende-sc um piano muito bom para -
-;,' cstudo, bonito e de cscellento autor: $3
0 na rua doCollegio, n. 9. 3
0
Para calcas e jaquetas.
i\a rua do Queimado,
loja n. 8 ,
vende-se brim (militar) trancado Inanro,
a 1,410 rs. o corle; dito dito escuro, a
1,280 rs. i ute ; dito cor de ganga, mui-
lo lino, a 1,500 rs.; dito liso escuro, bem
[ roprio paiajaquetn, a 800 rs, o corte: sen-
do todos de puro lindo : corles de castor
de lislras c quadros, a 800 is. o corle.
Vendc-scm em porfflo o a rolalho mcias
de linho, linha de miada muito lina, lucos
de todas as qualidades, dudado bordado do
Poito de todas as larguras, mcias do Ifia
para padre, ditas de lila, franjas de todas as
1 :i guras, e umitas mitras miudrzas : na rua
do Cabuga, luja n. do Castro,
A riicllior Pazenda para
vestir eseravos.
Na rua to Qucimado,
loja n. ti,
vende-sa picote en trancado, fazenda a mais
propria para roupa de eseravos, por ser
muito cncorpada, a 5,ooois. a peca com
37 covados c a 200 is. o covado.
#v'V y I y y w '/y V *ff?f V
Para forros de carros.
Vende-se casimira ingleza muilo
cncorpada c de varias cores, pro-
pria para forrar carros : na na do
Uueimado, bija do sobrado ..narello.
n. 29.
2 I ^.MAAAAAAAAAAAQ
Na loji da rua do Crespo, n. G,
aopdo lamptSo, vendem-se as
seguintes faiendas por melado de
sen valor .-
cortes de brim escuro a 1,280 rs. ;dilocr
de ganga a 1,410, 1,500 o 1,600 rs. ; dilo
branro, a 1,500 rs. ; dilo lislrado a 1,500
rs. ; iiirolo, muilo encorpado, a 180 rs. ;
cliilas linas e de cores lixas, a ICO e 180 rs.;
cobertores de algodSo americano, os rue-
Ihoics que lia no mercado, a 640 rs.; ma-
dapoln muito lino e com pouco mrifo ii
3,600 rs. a peca, < n 200 rs. a vara ; chapeos
do massa u 400, C40 e 1,C00 rs. ; fustilo ,
a480rs. o covado ; dito muito lino e de
cores lixas, a C40 rs.
Superior cha hrasilciro.
Vende-se superior cha de S-Paulo cm
caixindas de uma e duas I i liras : na ruada
Cadeia do llecife, n. 51.
Harneas.
Vendem-so barricas vasia quo fram de
farinha em p e bem ccondicionadas :
na rua do Amorim n. 35, casa de J. J.
Tesso Jnior.
Saccas com farinha de
mandioca, a5,000 rs.
Vendem-se saccas com rarinha de man-
dioca, a 3,000 rs. a sacca, e sacca grande a
3,500 rs.: na rua do Codorniz armazem
n. 11.
'olha de Flandres.
Vendem-so cairas com folha de Flan-
dres : em casa de S. i. Tasso Jnior : na rua
do Amorim, n. 35.
Vende-so uma escrava de nacflo, pro-
pria para o mallo : na rua de Agoas-Ver-
des, ii. 1, se dir quem vendo.
Vendem-se, em Beberibe-de-BaiXO, no
sitio lloas-Noiles, pes de anana/es abaca-
c'iis c da trra, ou na rua cstreila do Ho-
zarlo, loji desapateiro, n. 39.
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Bahia
Vende-se em casa de N. 0. Ilicher & C.
ia rua da Cruz, n. 4, algodSo trancado
aquella fabrica, muito pioprio para saceos
do assucar e roupa de eseravos.
Bom
Yende-sc una venda eom
pequeos (nudos, sita em urna das
princinaea ras do Hecife, bem a-
iregnetada e soi iida : quem a pre-
tender, dirija-se rua do Codor-
niz, n. 12.
No armazem de Vicenlo l'erreira da
Cosa na rua da Madre-de-l)cos, vende-sc
um moleque de bonita figura, do30annos,
que cozinha o diario de urna casa, por
500,000 rs.
Charutos de Ilavana
verdadeiros: cm casa de Kalkmann Ir-
flios na rua da Cruz n.10.
illarmclada nova.
ebegada ltimamente do llio-de-Janeiro,
vende-se por preco commodo: fas do Cor-
po-Santo armazem de moldados, n. C6.
Pechincba.
Vende-se ch livuon de'|superior quali-
dade pelo preQO de 500 rs. a libra : na rua
do Crespo, n. 23.
Vendem-se caixas com cera cm velas
do lWo-dc-Janelra ; rharulos de palda de
mudo, muilo superiores; vidrosde pos un ti-
ltil iosos de Manuel Lopes: tudo por preco
rasoavel : na | ra^a do Commercio, n.C,
I rimoiro andar.
A ellas antes que seacadem.
Vendem-se ricas luvas de pellica para
liomem e senliora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par : na rua do Uueimado, n. 17.
DSo-se as amostras.
Na rua da Ciuz, ii. 3, vcnde-se cera de
carnauba de superior qnalidade por pceo
commodo.
fta rua C*> Crespo, n.i>.
loja que faz CSqi n." para a rua do Collegio,
vendem-se edita francezaslargas o de pa
dres muilo modernos pelo barato | lejo
de 380 rs. cada covado.
Tecdos de algodSo tran-
cado da fabrica de To-
dos- os-Santos.
Na rua da Cadeia, n. J>*2.
vendem-se por atacado Ires qualidades,
proprias para saceos de assucar e roupa de
csciavos a 250, 280 e 300 rs. a vara.
- A bordd da escuna Tentadora, ebegada
do liio-Crandc-do-Sul, vende-se sebo em
rama, por barato preco.
Pannos tinos prcto e azul,
a 5,000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo, n 5, do Cunna-
rSeset llenriques, vendem-se pannos pre-
ln e azul, linos, pelo batato proco de 3,000
rs. cada covado c alem dcsles da um coin-
I lelo sorlimento de todas as cores e pro-
cos coinuiodos.
. _...... nta n,,, Itflri'i. superior, a bordo do talacho Fa/en/e, vin-
cas e superior potassa em uaui- dol(Ifl s .Calharina (fondeado no caes do
quinhas : no armazem de Dias l'er-
reira, no caes da Alfandega: a
tratar no mesmo armazem, ou com
Novaes rkCompanhia, na rua do
Trapiche, n. 34-
Clieffueni ao barato.
No Passeio-Pudlico, loja n. 11, do Fir-
miano Jos Rodrigues Ferreira vende-so
uma porco dealgodozinho com toque de
avaria por commodo preco ; bem como
outras muitas fazendasde goslo por pro-
cos quo n.to desagradado aos Srs. com-
pradores.
Cha.
Vende-se cha do muilo boa qnalidade;
dilo brasileiro muito bom, a 2,000 rs. : no
pateo do Collegio, n 6.
Cbpos do Chile.
NoarcodeS.-Antonio, n. 2, loja de cha-
pos, e na praca da Independencia loja
de miudezas ha um sorlimento de chapeos
do Chile, edegados no ullimo vapor do llio-
de-Jaueiro : vendem-se por preco mais ba-
rato do que em outra qualquer parte.
Agoa de Ungir cabellos e suissas.
Conlina-sc a vender a apoa do tingir ca-
bellos e suissas : na rua do Queimado, n. 31.
O melbododeapplicur a dita agoa acompa-
nlia os vidios.
999 *## Ka,. *
Mcuion, Santa-Cruz, Prineeza e cha- 9
rulos: vcnde-se na rua do Collegio,
n. 9, #
OSO
Castorim francez, a
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se OS novos castorins
francezes muilo encorpados, |>adr0es no-
vos, oscuros e com lislras pela beira, pelo
barato preco de 500 rs. o cuvade.
Chales de Roberto do
Diabo.
Na loja de Cuimariles & llenriques, rua
de Crespo, n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio vendem-se os novos diales
grandes intitulados lloberto do Diado pe-
lo barato preco de 1,600 rs. cada um : csla
fazenda se torna muito iccomineiidavel ,
porscr do padroes novos, c de lindas
franjas.
~ Vende-so superior arroz dranco c ver-
meldo, dito de casca e superior farinda de
Sanla-Catliariua, a 3,000 is. a sacca, aba-
nos, etc. : tudo por menos do que cm qual-
quer parle : na rua da Praia, liecco do Ca-
rioca, ultimo armazem, aopdo tanoeiro.
Clieguem, freguezes, aos dons charutos
que dao novo deposito que se abri ha
poucos dias no becco da l.ingoela n. II, on-
de acbaraoum sorlimento do charutos li-
nos da lladia c da Ierra mais baratos do que
em oulra qualquer parle, e a volitado do
comprador.
Aos amantes daloteria do Hio-
de-Jneiro.
Aos 9.0:000,^000 de ris.
He chegada a lista da quaita lotera da
fabrica de vidros, c com ella um grande sor-
limento dos muilo afortunados biliietes e
cautelas da 10 lotera das casas de canda-
do, cuja lista chega no ptimeiro vapor: a
files antes que so acabem : na rua da (Ca-
deia do Recite, loja do JoSo da Cunda Ma-
galhes, n. 51.
Vend-se por preco commo-
do farinha de mandioca em sac-

#6ftf999O09999999999
Pos galvnicos para
pratear.
Na rua do Collegio, loja n. 9.
Todas as pessoas que pnssuem objectos
prateados e que tenbam perdido a cor ar-
gntea, estando por isso indecentes, ou inu-
tilisadof, leem nesles pos um excellento
reslaurador e conservador dos mesmos
ohjeclos sempre como novos sendo o pro-
cesso pala se usar elles o mais simples ,
nada mais do que esfregar com um panno
de linho molhado em agoa fra e passado
nos mesmos pus.
Urna caizinba contendo quantidade suf-
fleiente para pralear mais do 10 palmos
quadrados cusa a mdica quanlia de
mil rs.
Os Mvsterios da nquisi-
efto, por 5*. Fval.
Etll interessanleobra he ao mesmo lem-
po um bellissimo romance e a historia exac-
ta das atrocidades da nquisicflo e tem
merecido o mais distiocto acolbimenlo :
vende-sc na la do Collegio, n. !l.
Um Galucho,
por l'anlo de Rock, 4 v> *ni 8.
Acha-se terminado esle inleressante ro-
mance, una das mais engranadas produc-
COcs de s-mi tem conhecido e estimado au-
tor ; tendo-sc posto na traducefio todo o es-
mero. Kspera-se, pois, que o inleresso da
obra a boudade da tradueco e a modici-
dade do preco, convidarnos procuia-la.
Os Sis. assigniites que ainda nflo rece-
beram muilo obsequia rao o edictor man-
dando buscar o quo Ibes fallar da obra na
rua do Collegio, n. 9, e declara o mesmo
edlclor que se responsabilisa por qualquer
deleito com que sahissem da sua nio os
voluntes.
Dcscripcao histrica do
* Brasil, por F. Denis,
Colombia e Guyanas, por J.
Famin.
Estes excellenles escriptos nio precisam
de rerommendaclio para serem procurados
rom afn muito mais que o primeiro be
produrgilo do nico estrangeiro que tem
estudado com allenco os costumes, littcra-
tura, ele. do Brasil e que trata ludo com
niuita imparcialidade, ao que o babililou
uma longa demora na bella Ierra da S.-
Cruz.
A obra comrOe-se de 2 volumesem quar-
to de quasi 400 paginas cada um impres-
ios em bom i>"pel o bom typo : vende-se na
rua do Collegio, n. 9, pelo diminuto prc-
CO de 4,000 rs., hiochada.
--Vendem-se 12 lindos moloques do na-
Cio c crioulos, de 12 a 20 anuos sem vi-
cios nem molestias ; 6 pretos de 20 a 30 an-
uos ; um dilo bnm cozinheiro ; um mole-
que limito lindo bom oflicial de alfaialu ,
dc15annos; um mulatiuho de 14 anuos,
bom para pagem ; um bonito pardo de 20
anuos de boa conduela e que lie copeiro
c enlende de bolieiro ; 3 mulalindas de 16 a
20 anuos, com habilidades; uma prela de
lSannos, recomida, que engomma per-
feitaniente coso o cozinha; 2 negrindas
de lo a 12 minos, com bous principios de
costura ; uma preta de meia idade ; 4 ditas
com algumas habilidades; bem como outros
muitos eseravos : na rua da Cadeia do Re-
cite, n. 40.
I A !<,O0O rs. |
? Uilhelcs da lotera do Rio-dc-Ja- |
^ neiro, em quarlos, oitavos e vigesi- |
M mos: vendem-sena ruado Collegio, |
^tr^^NIW ffiiffl^iSg:iSS:iS;
-- Vendem-se queijos de prensa, muilo
frescos e de muilo boa qualidado : na ruu
das l.arangciras, venda n. 16.
--Vende-se cha brasileiro, a 1,600 rs., na
rua Dircila, n. 14.
Vendem-se, na rua do Crespo, loja n.
12, chapeos de castor prelo do superior
qualidado a 3,000 e 3,500 rs.
.1111 ho novo.
Vendem-so saccas com superior milho,
por barato preco : no cues da Alfandega, ar-
mazens de Dias l'erreira e llacellar, o no ar-
mazem da rua da Cadeia, junto a bolica de
Antonio Pedro das Nevcs.
- Vcnde-se farinha do mandioca muito
Collegio: a tratar com o capitSo a bordo,
ou com Novacs & Companhia, na rua do
Trapicho, n. 3^.
Deporto de Potassa.
Vende-se^muito nova potassaj
de boa qualilade, em barriszinhos
pequeos de qttatro arrobas, por
prero barato, como ja ha muilo
tempo se nao vende : no tecife,
rua da Cadeia, armazem n. 12.
Vende-se, na rua da Auroro n. 4, um
temo de tambores com aguilhOes o rode-
tes por 300,000 rs., e tornos do carretas
solas para os mesmos, a 20,000 rs. o torno.
Venem-se 20 pipas com ago'agoar-
dente : na rua das Cruzes, n. 40.
Vendem-se os verdadeiros
charutos da fabrica de San-Felix :
na rua da Cadeia do lccife, ven-
da n. 1.
Vendem-so mcias para meninas e me-
ninos, a 120,160, 200 o [240: ludoom bom
estado : na rua da Cadeia do Recite, n. 15.
Vendcm-se as seguinles obras de ouro
e prala : um par de pulseiras, dous anne-
lOes com diamantes dous ditos lavrados,
tres rordcs, uma medalha com diamantes,
um laen de ulagrna, um hnzio encasloado,
uma unir,la um pardo botes para punho
de menino um par de brincos com alguns
l-i ilhanies, um allinele de brilhanles um
corsean de coriialiuda uma duzia de co-
Ihen s de soupa urna dila para cha, uma
concita para assucar, uma colher para tirar
soupa ; ludo com muito pouco uso : na roa
doCicspo, n. 12.
Vende-se por preco com-
modo superior fai inba de Soruhy
cm barricas, c em saccas da de S.-
Calharina : no armazem do Calcio,
no caes da Aiandcga : a tratar no
mesmo armazem, 011 com Novacs
& Companhia, amado Trapi-
chen. 34.
Vendcm-se na rua das Cruzes n. 22
segundo andar qualro bonitas prelas, sen-
do uma Helias de nac3o, engommadeira ,
coz mi iii a que cose cdo e lava de sabilo;
uma crioula do 18 muios com habilida-
des ; duas dilas quitandeiras que cozi-
nhame lavam de sahflo ; 3 inolecotes de
16 a 18 anuos, sendo um delles cozinheiro;
3 ditos de 20 anuos, pioprios para o servi
Co de campo.
Na rua Nova, 11. 5,
vendo-so um molt cote de 18 annos, bom
cozinheiro, e de boa conducta, o que se
afiance; um prelo bom trabalhador de en-
\ada e que ho de bonita figura ; 2 pardas
com habilidades de engommar e cozinhar ;
duas prelas boas quitandeiras ; duas ditas
proprias paro o Ira lia I do de campo; um par-
do do bonita ligura, com principios de car-
pina.
Acha-sca venda na praca da Indepen-
dencia, ns. 6 c 8, e na rua do Crespo, n. 11,
a arle do tacbigrapbia nacional, por Luz\J
Antonio Mosquita ralefio por 1,000 rs.
Vende-se, por 25,000 rs., uma bomba
de cobre, opiima para cacimba: na rua
larga do Rozario, n. 18.
Vcnde-se cera de carnauba,
de muito boa qublitlade, un pe-
quins e grandes porcoes e por
preco commodo : na rua da Cruz,
n. 64.
--Se a cura da vista curta ou cansada
/c :nl i u ate ceita poca da medicina, n3o
acontece agora o mesmo na presenca deum
par d'oculos adaptados ao giao de vista do
paciente, os quaes se vendem na rna larga
do liosario, loja n..35.
-- Na rua do Crespo, loja de qualro por-
tas, vendem-se riscados francezes, muilo
bonitos padioes, a meia pataca o covado ;
corles de Victoria para vestidos, fazenda do
muita economa, a tres mil ris; corles de
sed tilia, proprioi para vestidos do verSo, i
dous mil ris.-
Vcnde-se, na Passagem-da-Magdalcna,
ii,na venda cum;9C0,000 rs. de fundos:
quem a pretender dirija-se a mesma, nu-
mero 62.
-- Venie-se uma escrava de bonila figu-
ra, de 16 a 18 annos : na travessa doPeixo-
lo, n. 40 : adverte-so que a escrava he de
nacSo.
Vende se uma prela moca, que cozi-
nha lava e engomma : na rua da Senzal-
la-Viva, n. 22.
Eseravos Fu^ttos
Fugio, io dia 2 do correte, de bordo
do patacho Daus-lrmns, o prelo Joaquim,
de n a cao Rengela de 40 annos, estatura
regular, barba serrada; levou calcas de
algodilo azul americano camisa de dilo
crneo chapeo de palha. Roga-sc as auto-
ridades policiaes, capillcs de campo ou
outra qualquer pessoa que o appreben-
dam e levcm-no rua do Trapicho n. t,
que .-'ei."io bem rorompensados.
Fugiram, na noitc do dia primeiro pan
dous do corrente, do engenho Montevideo ,
2 eseravos de nomes Demeterio o Lourenco,
crioulos: o primeiro de 30 annos rosto re-
dondo, dem prelo pouca barba e sempre
feila.de boa estatura; lem um dos pl
mal feitos por causa de um panericio que
leve ; lem todos os denles e he de bonita
ligura ; levou todo a roupa que linha. tan-
to branca como de crtr; usa de chapeo ds
palha oleado de preto : o outro de noine
Lourenco representa ter 34 annos; he de boa
altuia cor fula com barba por baixo do
queijo falla lina ; tem de um lado do ros-
to uma cicatriz velha, procodida de dores de
denles ; tem os dedos dos ps compridos;
tamhem levou luda rouna levando vcsli-
do calcas brancas, camisa e jaqueta de chi-
ta. Roga-se as autoridades policiaes e capi-
tflcsds campo, que o appreiienaQi e IC*
vem-os ao dilo engenho, ou nesla praca *
ruadoPadie-Flonanno, n. 38, em casa de
Francisco Antonio Pereirade Rrilo quese
responsabilisa pelas despezas.
PB"N. : N TTP. DE M DE PABIA. 1^


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHHLXHCE6_19HAE0 INGEST_TIME 2013-04-24T20:08:24Z PACKAGE AA00011611_06632
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES