Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06627


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno
XXV
Segiinda-feira 5
FABT1DAS DOS COBBXlOS.
<-0anna eParahiba, segunda, e lextaa-feias.
jlio-Grandc-do-NBtle,qulnUB-fciraaonieio-
Cab. Seriuhem, l\io-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no l", a II c 21 de cada mes.
Gaiauhuns e bonito, a 8 e 23.
Boa-VIia e Flore, a 13 e 28.
Victoria, s quinta-feiras.
Dllnda, todo o das.
EPHIHEKIDM
rB*aDALOA.-Gl.eiaa 1, 2h.e58m.da
Ming. a as 4h.e3Gm.da
Nova a 16, 1 li. c 42 ni. da
Creso, a 24, s Oh. e 4 ni. da m.
priEAMAH DK HOJE.
Primeira as 3 horas c_6 mlnutoi da tarde.
Segunda as horas e 30 minutos da manh.
de Stttcii.bro'dc 1849-
N. I9JJ.
I-IECOS O A SUBSCBIPOlO.
Por tres mezes (adiemlarfoz) 4/000
P0rseisme7.es 8/000
Por un aiiim i> 15/000
DAS DA tMfAWA.
3 Seg. S. Eufemia. Aud. do J. dos orf.e do 111.1. v
4 Tere. S.Rosa de Vlterbo. Aud. da chae, do J.
da 1. t. do civ. e do dos fcitos da fazenda.
5 Quart. S. Antonino. Aud. do J. da 2. v. do civ.
Qtilnt. s. Libania. Aud. do J. dos orf. e do m.
da 1. v.
7 aext. S. S. Joiio. Feriado.
8 Sab. ** Nalivldadc de Nossa Senhora.
9 Dam. OSanlissimo Nome de Maria.
CAMBIOS KM 1 DB SETEMBBO.
Sabr Londre,.-28 d. por 1/000 rs. a 60 dls.
. Pars, 370.
. Lisboa, 110 por oento.
^-SWfe,:: -ga g
^a.-Pacoes^aTi.eiro,..... !#N $
Pcsoscolun.nar.os....... # a *""
|h .. ni. xl.-,iuK__11____y^_. -
DIARIO
PMITE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 31 DE AGOSTO.
nod
ios cin data de 28 do passado:
tim, remetiendo copia da 1
Ollicio.An cmmandnte da praca, pa-
que mande prem liberdad a Francisco
driguesda Lu, visto que se nflo verifl-
cou aar ello desertor de primeira linlia.
Dito.--Ao administrador das obraa publi-
is ordenando mande reeolher aos rma-
teos d'aquclla reparticlloo ferro velhoque
se tirar da ponte da Boa-Vista ; e recom-
niendando que esse traba I ho seja feito com
leconomia, visto que o ferro pouco pode-
r dr. .
Pito.Ao inspector do arsenal de man- s uo uuua ,,,
nha, duendo que a commisso para que governo imperia
fra nomeado o bacharel Jos Mamede Al- t^ ...,.i...t
es Fernira, por portara de27docorrente,
litrita-seadireccao gcientifica dos traba-
Ihos do melhdra ment do potto; e que a
parte econmica e a dministrativa daquella
obra deve continuar como at agora.
Dito__Ao inspector da pagadoria militar,
communicando que arbitrou a gratificaQflo
de cen mil ris ao primeiro sargento da
proaobia fixa de cavallaria desta provin-
jiriionizio Jos de Oliveira que se oITere-
f'cu para continuar n servico de primeira
linha, visto que Ihe foi l'avoravel a inspec-
eflode sadeaqueosubjeitou o comman-
danle da praca.--Scientillcou-se o referido
commandante da praca. .
Poitaria. O presidente da provincia,
usando da altribuc5oque foi conferida por
decreto de 11 de Janeiro do corrento anno,
ha por bem conceder amnista em nome de
S. M. o I. a Jos Norberto Casado Lima pelo
crime rje rebelllo ltimamente commeli-
lido na mesma provincia.
K para sua resalva se Ihe passa a presen-
te, em virtude da qual ficar sem effeito
qualquer pronuncia contra elle preferida
pelo dito crime, se Ihe dar baixa na culpa,
e nSo poder mais ser processado pelo mes-
mo crime. ,
Dita. O presidente da provincia, usan-
do d. attribuiQflo que Ihe foi conferida pe-
lo decreto de 11 de Janeiro do corrente an-
no, ha por bem conceder amnista, em no-
roe de S. M. o Imperador 8 Izidoro Jos Gon-
cnlves, nfllcial de ferreiro o morador em
Bom Jardim, comarca do l.imoeiro, pelos
rrimes polticos ltimamente commettidos
na mesma provincia.
E para sua resalva se Ihe passa a presente,
em virtude da qual ficar sem effeito qual-
quer pronuncia contra elle proferida pelus
ditos crimes, e se Ihe dar baixa na culpa,
e nao poder mais ser processado pelos
meamos crimes.
Regulamento O presidente da provin-
cia, etn virtude do disposto no artigo 10 ca-
pitulo spgundo da le provincial numero 244
detcdejuntio do corrente auno, ha por
bem resolver o scguinle :
Art. 1. o prufessorde tachigraphia, l.uiz
Antonio Mosquita FalcSo, ensinar a arto de
tarlugrapliia por espaco de um anno nic-
di.nte a gratificado de SW is. pagos a
me/es ilepnis de vencidos.
Art 2 0 ensino ser dado em urna das
salas do lyeeo que fr marcada pelo* res-
pectivo director e lera lugar em todos os
das uleis, em que estivorem abertas os ou-
tras aul*sdesse estab, lecimento.
AU 3 U professor furnecer gratnila-
menlc os con pendios, osuas IkOcs theo-
ricas e platicas duraiilo pelo menos dun;
horas.
Ait. *. Os alumnos ser3o obrigados
faieras ilecifracOcs em casa e a aposnta-
las o professor durante o prazu por elle
marcado. .
Art. 5- Pdenlo frecuentar a aula.atcm
dos iis oluamos Joaqum Izidoro SimOc>
c Joan Ferrera Villela, todos os que f-
rem admltlidos por despacho do directo' do
lyco.
Art 6. Para essa ailmissilo no exigir o
director out'a hahlliticflo nos alumnos
almdo lorem eescrevercm desembaraza
llamete.
Art. 7. O director fiscalisar so o pro-
fessor-cumpro os seus devrese Iho dar
nltestados do exercicio, sem os quaosno
ro-eber o mesmo professor a gralificacno
que Ihecompele niensalmente.
Art. 8 O professor dar aos alumnos Joa-
ijuim Izidoro SimOes o JoSo Ferreira Vi-
lella attestadosde frequencia e aproveita-
mento, com os quac receberlomensalmen-
te e durante um auno a quola que Ihes
competir na rasflo de 400/000 rs. annuaes
que a citada lei Ihes concede como gratifi-
ca cio.
Art. 9. Durante as sessoes da assembia
legisl .liva provincial poder. o professor
dars lieflea de pr-tica dentro do recintro
da mesma assembia, se para liso obtiver
fermissOo da respectiva commisso de po-
ifiia, e nesse caso ficai dispensado de com-,
stt^recer ao liceo, sem que todava perca r>
( iTeito que lem a ordenado.
Palacio do governo de Pernambuco, 31
de agosto de 1819. Honorio Utrinlo Car-
leiro I.co.
te da provincia nomeio ao Sr. coronel do es-
tado-maior de primeira classe do exercito
Cyprianno Jos de Almeida para ir com-
mandar interinamente a dita ilha.
Outro sim, havendo dado parto de promp-
to o Sr. tenente-coronel commandanto da
fortaleza do llrum Antonio Gomes Leal,
cumpre que o dito Sr. lenenle-coronel.aj-
aumma o commando que Ihn ser entregue
pelo Sr. tenente-coronel Jos Maria Ildefon-
so Jacomn da Veiga Pessoa, a quem rendo 0
merecido elogio o devido agradecimento
pelo bem que servio com dedfcacfio, activi-
dade e manulenQo da disciplina.
Finalmente oSr primeiro-lenento Joo
Evangelista Nery da Fonceca contina 110
servico da mesma fortaleza, por haver re-
querido nflo gozar por em quanto alicen-
?a de dous mezes que Ihe foi concedida pelo
pvvrou Miipcii-i.
Tendo embarcado boje para a provincia
da Baha, por ordem do mesmo Exm. Sr.
presidente, o restante do quarto batalhflo
de artlhariaa p ; issiin o faco;constar a
guarnieflo, prescindindo de.fallar a scu res-
peito, por ser o batalhao de meu com-
mando.
Assignado, Jos Vietnlt de Amorim Beser-
n, coronel graduado e commandanle.
TRIBUNAL DA KELAGAO*.
SESSA DO I. DF. SF.TEMBllO DF. 1849.
FRESIDEKCI* DO EXM. SENnOR
CONCELUEIRO AZEVEDO.
A's dei horas da inanhiia, achando-se nre-
sentea os Sra. desembargadores Villares, Has-
tos, l.eao, Souza, RebellocLuna Freir, fallan-
do com causa o Srs. desembargadores Ponce
e Ramos, foi abena a sessiio.
OSr. presidente apresentou em mesa dous
ofllcios elle dirigidos por o Exm. Sr. conce-
Ihelro de estado e presidente da provincia, am
Appcllante, ojulto; appellados, Bernardo.I.aS'
serre di C.
Levantou-ae a sessiio peno de urna hora
EXTERIOR.
.tipia da portara da mes-
ma dala pela qual linha dispensado o co-
ronel Joo (.avahante Ierra de Azevedo do
cargo de primeirosupplcnle do jutz municipal
e de orplios do termo de Saoto-Antao.
lintio, communicando que por portaria da
mesma dala nomera ao bacharel I.ul;. de 86a-
venlura .Solomo para o lugW de segundo sup-
plente do juiz inunicipal c de orphaus
do termo de Iguarass.
AI. 1. -..ni. 11 mais um oflicii do juis munici-
pal e orphaus do termo d'Agoa-Prcta o bacha-
rel Antonio llarros Leal,participando haver en-
trado no exercicio de seu emprego no dia 2G de
agosto prximo passado.
DecisSes.
Appelhfes clvtil.
Appcllantes. Anna Rodrigues Vicira e oulros ;
appellado, Pedro Marlins de Araujo.
Maiidou-se nuvlr o l)r. curador eral.
Appellante, o juio da faienda ; appellado,
Joo Chrisostomo de livcira.Mandou-sc
ouvir o Sr. desembargador procurador da
corda c fazenda.
Appellante, Romo de Souia Lisboa ; appella-
do, o curador i heranfa jacente de Jos An-
tonio do Moracs.Mandou-se ouvir o l)r. cu-
rador gcral. edepois o Sr. desembargador
procurador da cora e faiendas.
Hibeai-corpus de Jos Custodio.-Foi negada a
soltura.
DriiaMfotf,
Foi assignado o 1." dia til para seren jul-
._____ii..- ...-..;.; ni (i 11c fin :
O ESTADO DA AUSTRIA.
landres, 18 de junho de 1849.
A poltica seguida por algnmas das gran-
des potencias da Eutopa a respeilo da Aus-
tria tem sem duvida nenhuma aggravado as
ilifliculdades que asssltam aquello imperio
na Hungra, na Italia e na confederacto ger-
mnica, alm de que esles emharacos, con-
sequencias naturaes do governo apathico e
mprovidente quo a revoluc.to derribo,
teem sido bastantemente augmentados pelos
esforcos frustaneos, feitos depois deslo acon-
tecimento para livrar o Imperio da sua mais
critica posic^o. Urna serie de desastres, a
qual parece ainda nio eslar exausta, tom
frustrado as mais esperanzosas combina-
ces, tem tomado exlercis os mais enrgi-
cos estorbos, e lem destruido ou removido
os homens que poderiam ter lutado com o*
perigos doostado.
Latour e Kamberq fram morios nos mo-
vimentos tumultuosos de Vienna e Pesth.
VVindischgratz mostrou nio ter tlenlos mi-
litares ou experiencia pratica iguaes ao pa-
triotismo e firmeza quo em oulros lugares
havia desenvolvido. Stadion, o qual por
muito tempo fura considerado pelo partido
liberal da Austria como o mais eminente
dos servidores civis da cora, adoeceu, nflo
smente pela intensa anxiedade inseparavel
da oxccuco do seus grandes projectos, se-
nlo tamben pela desconfianza da influen-
cia que ideas opposlis s suas tinham obti-
do no gabinete de Olmutz. Wclden, o qual
gozava no exercito da mais elevada reputa-
c3o militar, nao foi adquaJamente susten-
tado om Vienna quando cncarregado do
commando do exercito om operacOes na
Hungra, o relirou-se desta posicflo debaixo
de circunstancias igualmeiilo desgracadas.
Excepto smenlo o velho morecbal lladetz-
ky e o valenlo oxercllo da Italia, temos vis-
to desvaneccrem-se as tropas, os generaes,
os csladislas e os recursos do imperio da
Austiia, acbando-so presenlemcnle seus
destinos exclusivamente abandonados a ho-
mens que teem j dado mais provas de pre-
sumpcHo o incapacidadu do quo do sabe-
doria e podr.
O principe Schwarzenberg tem mostrado
bastante espirilo e coragom 110 modo pelo
qual ha tratado as reclamacoes feitas con-
tra o soberano; porcni suu orgulbo n3o o
inipedio de collocar o imperio na posieflo a
mais perigosa e liumilbante pura com a Itus-
sia, entretanto quo foi induzidu a conferir
o posto quo actualmente lem 110 estado a
maior imporlancia-o ministerio da guorra
--ao conde de Cyulay, o qual fez moslra de
grande incapacitlade quando govemador de
Trieste, o nfio possue nenhuma recommen-
daQo, excepto a de ser amigo intimo do
primeiro ministro
Se o governo austraco livesse olierecido
ao povo da llungria propostas baseadas so-
bro o reconhecimento dos direitOl coistitu-
cionaesdaquelli) reino, lia inultos seculos
eslabelecidos, temos lorio rasflo para crr
ca'dasasppeaocsciveisenrqucsao : ; uma Juradoura le ia sido concltii-
'ppelUntc, Gabriel Germano de Aguiar Bou- j adiando se os lluugaros, como
'.arroios appella.lo, M.nof l Pre Ir. D.n,.*. V determinado a defender estes an-
Appellante1. M.nocI IVre a, Mun.z ^0 me.i ^ ^ h,,)i|iu|dos (iala 0
*S^&5ESS* k fazerem, net.hum momento poda ler sido
Aimellanlc, Claudio ubeu; appellado, Agos- pe|or escoll.lJo do que o auno passado para
' l'oHeriquesdaMlva. > disputa-loa, quando, lano na Italia Como
Aiuicllaiite. Josefa F.pipbania da Fonseca e ou- na A||, inanlia, o ap^io da llungiia era devilal
tros anticuados, Mano-I da Fonsecae oulros. |nip0rlancia para a casada Austria. Seo gabi-
nneintrs, Jos Gomes Percira Ribas e ou- ne|c de oimuiz enlretinlia
Api-...
iros ; appellada,
Pilar.
a cmara municipal do
de Mello ;
c Almeida
Ai.ncllantc Anl"'0 I**" Pe.reir
'appenad. Antonio Joaqun, d
A,S^^^ de Alcntara :aPpena-,
Commando da pra^a.
Quarttl d commando da prara fifl ciiaie do
Recife de Peinambuco, l*i{m6rd*
1840.
ORDEM DO DIA N. 23.
Tendo de rccoilter-se com licenca esta
pitai o Sr. brgadeirro Frncisco_Sergo
.....a seriamente o desig-
nio de aproveilar- se desta eiisc para executar
os projeclosdo imperador Jos II, cconverler
o reiuo da Hungra em urna provincia heredi-
taria, as dilliculdades com que. j tem encon-
trado deveni lornccer-lhe una sulncicnte lico
de que o reconlicciiiieiito legal das obrigacc-es
'^r'Fl'rm'lo'JoiO Kclix da Rosa. I positivas da oonalllulfilo liuiigara nao he un
uo, i-irniiii 1 exoruiianle pelos servicos c lealdadc de
i c a .....h'iriradoi- Villares ao 12 milhaes de vassallos. lia rasao para crr
Passaram dV Sr. de. hAh* 00 VHU e. umi conce8s5o de,la lialui.cza desarmar..,
Sr. descmbtggador Hastos a appcni \inla ,Csnio agora, a pane mais dcmocrali-
vcl em que sjao : _n.,i m,. ca do reino.
Appellante, d juizo cx-oflicio ; appcllauo, am A p(llj,ica dc vio|ellca para com a Hungra
noel Valer?" de Carvalho. I, ,, sido a todos 0, resuellos una poltica pe-
.alsaranJoSr. >"'b"ed-'f^0eSw- ngOA.; porm a necessidade que ella i.npoz
desembargattor Souza as appcllarrtcscivci.ein|8^jcfir;ii. o soccorro d:l Uus3la Imprlme-
nucsao: 1 ., ar,.ynlho a. Ihe un carcter mais fatal. Nao se pode suppor
Al'i.ellanleTJo;c'-culanodctaivallio, ap llipcrador Nicolao .al,Use a campo co-
pelladWJos oncalves Bastos .. 1110 mrro auxiliar. A inmensa giandcza das
Appella*. JuUo ; PPl,*d0' J0,") p ,forcasque elle pz em movimento, e a positao
GucdeaW n,n, d. Mol- que seu. generaes rcclainain no plano da cam-
Apcllanfes. Amador de A^^.^Xmccncij panha. indica... claramente que. apenas come
Ib utos ; appellado, Jos Lu.z Innocccsj I ^ ej ruJiaf> clla, absorvcrao t-
1 \ ...___- J- ............ \ .....I.! 'I. .11':' ll-.'-l
Pogges
Api
ai
Api
IOS, M||icna"i .111111 1, iginiiM*." -- -
Chave*. .. i,(r. e Fran- tences do czar A demora que temjaoccor.i-
AppelSintes, Manoel Jos ue-^"c'. "do "os do augmentar materialmente as d.llicuidades
cisc* Manoel de js.queira appenauo, ose ^ cainpnnha n0 mezes mais quemes e mais
_-!------1 n**rrn 11,1 TTOS .---------..:-... Ar> rtnnn P- IniTi nilP 3 lilla 10-
Ap
j:
SpT,.anieq.Ue aTp.'ado. Bernardo^L.s.erre &
,r Uernardlno Gomes de Carvalho-
Appklanle, Carlos Andreat; appellado, Ju-
ap3l..'.i... andinii appellado, Joa-
qulta^frelra Ll">-
Ditlribuifti.
AnSr dc-inbaigador Villares n aggravo de
p/saTdo jalao, di civel desta cid.de em quo
Aggri.vai.te, Cabrlel Antonio; sZ{ra4oa>
VrTncisco Antonio de Oliveira1 fc FUhos.
AoJSr. desembargador Rebello a appellacao
-;..7h i.,,n de avsontes desta cidade em que
Na Alletnanha a poltica da Austria he
menos activa, porm no menos resoluta.
F.Ua tem tropas em Vorarlborg o na guar-
nirlo da Jloguncia ; clla sustenta a Baviera
em sua repugnancia de ajuntar-so ao Son-
deibund prussiano ; e espera ocurso dos
successos appmentcmente sem a menor tn-
Icnco do renunciar os direitos de que ha
lano lempo tem gozado no corpo germ-
nico.
Sustentar a influencia militar e poltica
de um oslado sobro um territorio tilo vas-
to, o qual nem mesmo he limitado pelas
fronleirns da Austria, antes se estende des-
de a Valachia al oRheno e desee para o
sul alm dos Apeninos, parece exigir, ou
recursos Ilimitados, ou uma mui estrella
allianca com os oulros paizes empenhados
nestas IransiccO^s ; mas ho notorio que os
recursos financeiros da Austria reJuzem-
se mui pouoa cousa, e que seus recur-
sos militaros acham-se grandemento dimi-
nuidos pela guerra hngara, a qual nio so-
monte impedo os reforcos ordinariamente
tirados daquello povo guerreiro, senlo
tambem exige outras tropas para combaler
os Magyares.
Na Italia o arranjamento com a Franca he
la classe daquelles que um accidente no
theatro da guerra ou uma mudatiQa de
poltica om Paris | dem em qualquer tem-
po converler em hostilidade directa, e a
concluso de uma paz definitiva com a Sar-
denha est 1:1o remota como nunca.
Na Allemanha a poltica da Auslria re-
quor evidentemente a (Irme adhoslo da
corlo dc Munich, qual lalvez se ajunte a
do Wustemberg ; porm todas eslas cir-
cumstancias tendem para tornar o gabi-
nete de Vienna mais dependente da Russia,
o para dar esta uma influencia decisiva
por meio da curte de Vienna sobro as prin-
cipaes quesloes que presentemente seagi-
tam na Europa.
Esle resultado merece ser profundamen-
te deplorado nio sem altcncloao bem e
digndado da Auslria senlo tambem pola
traiiquillidadc c progresso do conlnento.
Temos feito jusiica firmeza com que o im-
pprador Nicolao tem manlidn a sua posi-
cHo duranlc esta tcmpcslade garal, ainda
as porcoes mais desorganisadas do seus
proprios dominios, e tomos applaudido a
moderacio que mais de urna vez lem mos-
trado para com os oulros estados mais agi-
tados que o scu proprio imperio ; porem,
como os exorcitos russos com seus inmen-
sos pclreehos e maleriaes de guorra se
acham reunidos na fronteira oriental da Eu-
ropa, ho in'.possivcl nflo observar na lin-
goagetn altrihuida ao autcrata um tom
mais cnlhiisiaslico c menos comedido;
seus actos com ludo ainda n.lo correspon-
dern! a sua lingoagem. O adiamento das
operaflos em provincias tilo contiguas aos
seus proprios territorios tem sido consi-
derado como um signal de besitaclo; c
cortamente a disposc,io dos generaes e
tropas austracas para com seus alliados
septrionaci nflo lio animadora. A campa-
ilita he impopular om ambos os exercitos, e
seria uma felicidado so ainda agora cir-
cumstancias se desse que a podessem pre-
venir. Os acontecimenlos que ltima-
mente tveram lugar em Paris e a conso-
lidacilo do actual governo franco/, em con-
sequencia do mo successo que lew) a ul-
lima empreza da repblica vermelha, sao
altamenlfi favoraveis manutencilo da paz,
e seria extremamente para desojar que a
Austiia, a qual lem lanos motivos para
procurar evitar o peso da guerra, adopta-
se a poltica que fosso melhur calculada
para terminar estas conlcndas. De outro
lado os difieren tea insurgentes da llalia,
Allemanha e llungria t,-em menos rasilo do
que nunca para coularem com o apoio ac-
tivo da faCcSO revolucionaria da Franca, a
qual acaba de ser to assigualadamente
derrotada.
( Tines.)
execueflo da lei regulamentar das eleieOes,
prevalego-me da occasiUo, nflo s para re-
commendar-lhe a strcta e pontual obser-
vancia das supradiUs instruccaes, como
tambem para signficar-lhe quo deve de
usar de todos os meios da sua autoridade
allmdefazcr manter nesse circulo eleitoral
a intera liberdado de voto, que o governo
imperial tanto tem recommendado, como
o meio mais legitimo do ser eonhecida ns
cmaras a verdadeira opinio do paz ; II-
cando Vmc. na intelligencia de que este go-
von.o ter como caso de graveTesponsabi-
lidade todo e qualquer acto tendente a em-
baracar que cada cidadfiodeponha as ur-
nas o voto que a constitulcflo e as leis Ihe
teem facultado. Dos guarde Vmc. Pa-
lacio do governo om Maceio, SO de |ulho de
18VJ. -- lose Bentoda Cunha Figutirtdo. -Sr.
juiz de paz presidente da mesa parortnal
da freguezia de....
20.
Offico. Ao inspector interino da alfan-
dega, dizendo-lho que, havendo sido all
despachados, sem as formalidades do regu-
lamento, vinto clavinotes, cumpre que in-
forme a que horas se elTeiluou a entrada o
sabida delles, e por quem eem que nome
fura solicitado o respectivo despacho.
21.
Dito. Ao mesmo dizendo-lhe quo antes
de despachar quaesquer artigos bellicos o
participe ao govorno.
Dito. Ao mesmo, mandando passar guia
ao oaptlo Francisco Antonio de Souxa Ca-
msao, e aos olliciaes e mais pracaa do se-
gundo batalhflo de caladores, afim de se-
ren na provincia de Pernambuco ajustadas
as respectivas contas.
Dito. Ao inspector da thesourarta da
da fazenda provincial.approvando a nomea-
cio do l.uiz Alberto Cavalcante para o lu-
gar do cscrivfloda agencia das rendas pro-
vinciaes da villa do Porto-da-FolhJ.
Dito. -- A Manoel Gomos de Sousa. Te-
nho em vista o sen odelo de 15 do corrente,
em que recusa aceitar o lugsr do aaxlo
supplente de juiz municipal do termo da
Assembia: e porq ue este governo nflo des-
esperasse do patriotismo de Vmc,mrmen-
te quando nflo conheco a causa legitima
aue o embarace de prestar um servido gra-
tuito uo seu*paiz, por isao confia em que
Vmc.jCiilrandoem nova ponderacflo,luja de
aceitar o mencionado cargo, concorrendo
assim com o seu contingente p.ra a boa aii-
ministraao da justica. Dos guarde a \ me,
etc.
1 l
DIARIO DE PEBNAIBUCU.
INTERIOR,
acredita em Vienna.
Entretanto, posto que a fraqueza da Aus-
lria a lenba obrigado a abrir deste modo a
fabrica interior do imperio a exercitoses-
trangeiros, suas proprias operarles mili-
tares as outras partes da Europa teem sido
desordenadamente estendidas. AS frcas
mperiaes em oporaeflo na Italia oceupa-
ram Florenga, tomaram Bolonha.e poze-
ram sitio a Ancona, smenle pela ancia de
concorrerem cot; a repblica franceza (ja-
ra a supressffo dos movime.ntos revolucio-
narios da Italia; e o m.rechal Radetzky
reina em Miao.meioindependentedosmi-
>;.i,ni nniinnrios da cora.
AI.AGOAS.
Extracto do expediente do Exm. Sr. presiden-
te Dr. os liento da Cunha e ligveiredo.
IIDEJL'I.IIO.
Portaria. Nomoando para ajudante dc
ordens da presidencia ao serundo lente
de arlilharia Pedro Augusto de Alcntara
fabuco de Araujo.
Lita. Determinando que o alrorcs^Jose
Alves tlfl Souza continu em coinmlsso s
ordens da presidencia, como cncarregado
do detalhe militar. Communicaram-se
eslas nomo8C,Oes ao inspector interino da
thesouraria da fazenda da provincia. t
16.
Oflicio -- A diversas autoridades da pro-
vincia, cominunicando-lhcs haver tomado
conta da administrac.flo da mesma no da u
do correnle.
17.
Ollicio. -- Ao delegado da cunara de Ana-
dia, ordenando-lho que.se P1i^u.*n0
to antes ao gowno, por assim conv.rao
"fi^Sir d.U aos dos termos de
'USoa--Aroeimnsbpeclor da thesouraria pro-
vn ia app?ovndoanomeacao deQu.m.o
o de Almeida para o lugar de1 cscnvflo
da agencia das rendas r-rovinciaes da villa
^W-a iui-s de paz presidentes
das mesas parochiaes da provincia. -- l.e-
mettendo a Vmc. o aviso de 'J""1'
prximo lindo, que da inslruccOea iara a
BCCIFE, 2 DK SET1MBBO DE IH49.
Se o Exm. Sr. concelheiro de estado Ho-
norio llermto Carneiro Leflo nflo fra um
estadista cujo nome como que se acha gra-
vado no coradlo de lodos aquellos que, ten-
do estiidado calma o pacificamente a mar-
cha poltica do paiz, volam profundo res-
peilo c gralidflo aos Ilustrados varOos quo
mais cfllcazmentehSo concorrido para que,
as mais criticas circumstancas, a trra da
Santa-Cruz seja salva dos eminentes perigos
que por vezes a teem exposto polticos im-
provisados e phreneticos se nSo fdra un
Hrasileiro que, por sua sabedoria, morali-
datle, energa e prudencia, ha sabido con-
quistar reputaglo to slida quanto honro-
sa, e tornar-se condecido, nflo s no impe-
rio senSo tambem fra delle, como um
desses homens raros com que a Providen-
cia se dolar as nac,0es para acudi-las as
conjuncturas mais arriscadas,o seu pro-
cedimcnln na presidncia desta provincia
teria sido mais que sulllcieole para que elle
lcasse sendo considerado como um dos
mais fortes baluartes do throno e da consti-
tuicao.--e.omo aquello a cujos conselhos e
directo o Brasil dever um dia toda sua
felicidade e ventura.
Sim; chegado a Pernambuco em poca
anto mais melindrosa, quanto uma luta
de sangue ia succeder-se a das eleiedes, em
a qual, como sabemos, as paixes quasi que
ficam em diario e continuo choque, S. Exc.
se ha conduzido de maneira a merecer a
admralo, as sympathias, o ate. mes-
mo a amizade da genio mais conspicua e
sisuda das parcialUades em que desgraca-
menlo nos achamos divididos ; pois que,
ao passo que subjeita os seus actos pura-
mente administrativos s regras da mais
rigorosa justica, nflo cessa de mostrar-se
bondoso c compassivo para com todos
aquelles que, victimas de um erro fatal, se
mauifeslam dispostos a ampiar carreira, e
recorreri a CLEMENCIA IMPERIAL.
Isso porm, naohetudo: no entretanto
aue, por lautas e tao repetidas amnistas, S.
tx vi desdobrando o manto protector de S.
"o IMPERADOR por sobro todos quantos
buscam acobertar-se com elle, nflo esquece
as viuvas e orphflos daquelles que aqu pe-
receram em defesa da causa da ordem; e
nao obstante os muilos e complicados ne-
eocius que reclamam a sua maia apurada
atteneflo lembra-se da triste aorto desses
infelizes, e d-se pressa em adquirir os
meios demitga-la.aolicitando dos'dignos
negociantes brasileiros da corte do Rio-
e-Janeiro, os Srs. bario do Bomfim,
freneo EvangolisU da Souza, Joflo Pere.ra
laniguo Faro, Jo3o Pedro da Veiga e Joa-
au m Jos dos S.nlos>Junior-, a prompta
Srreradacao de uma aubscripeflo que alies
vo una, .amento se tinham encarregado
de promover em beneficio deaaasv.ut.se
desses orphaos.
Os prestantes cldadttos, cujos nomes ac-
^


>?.
humos de rodistrar.comprahondendo peri-
tamente s louvaveia intences do Exm. Sr.
Honorio, o desejosos de secunda-las. passa-
ram "inmediatamente a tratar descmelhanie
arrpcadacfio,- -tiveram a felicidad* de obier
vara logo a quantia d vime coritos de riit'
e pozeram a disposicflo de S. Ex., como so
ve da carta infra :
lllm. i Exm Se. concelheiro Honorio
rmelo Carntiro lio. Itio-ile-Janeiro,
21 de agosto do 1849. Mu amigo o Sr.
Acenso o recehimentu da caria do V. Exc.
datada de3l do mez proxico lindo, cujo
assiimr-t" versa sobre a remesa do produc-
to da subscripefio agenciada n^sta cdrtcem
favor das vinvas eorphlnsiioH que perece-
r ni em defesa da or.iem n? Cnmpte-meresDondera V. F.xc. que liz pre-
sentes a meus collegas as ra?iiP8 expendidas
por V. Exc. mostrandu-lhcs a rrnsmi car-
ta que V. Exc. mo escreveu o de commurn
acertrdo assentmos em enviar V. Exc. por
agora a quantia de vinte coritos de reis em
urna lettra que vai inclusa esta, sacada
nesta data por Carrulhers & Cnmpanliia a
oito dias de vista, coutra Amorim Irmffos e
ordemdeV. Exc.
Se com mais antecedencia nilo foi rc-
meltida V. Exc. alguma quantia, o motivo
desta falta foi por querermos inleirar una
maior somma, n estamos persuadidos que a
dita subscripc.no chegar a quarenta con-
loa, sendo por oa a somma assignada de
xuis trinta e tres conlos.
Aqu fies s ordens do V. Exc., como
quem sou com toda a consideraco e estima
doV Exc. amigo muito obrigado e criado
Ilaro de llnmfim. >
De posse d.'Stc documento, S. Exc. nada
se demorou em curar da diatribuiefio da
somma que so elle refere, e no mesmo dia
em que O recebeu ( 31 de agosto ), resolveu
incumbi-la urna commissSo, assim com-
posla :
Presidente. O Exm. Sr. Scbaslffo do
Jtego llanos.
Thenureiro. Q Sr. Francisco Antonio
le Oliveira.
Hembra.
OsSenliorcs .-
.Manoel de Souza Teixeira.
Antonio Carnoiro Machado tios.
Venancio Hnnriquos do Itozcnde.
Antonio Joaquim de Mello.
Francisco Jacinlho Pcroira.
Organisada desl'arte a rommissffo, S.
Exc. expodio a cada um deseus membros
(tnulalii jmlandh o soguinlo olllcio :
u lllm e Exm. Sr. Os dignos cidadilos
liarflo de Ilomfim, I re neo Evangelista de
presentac.lo a S. M. o Imperador pedindo a
convocacSo de urna consijtuinte.
lie p-ra notar que essa eprcsentaclo, ao
pnsso que se nao pode ter como o resultado
da opini1o da maioria da provincia na mes-
ir a occnsi.to em quo ella, porvia das ur-
nas eleitoraes, se manifesta pelo partido
constitucional, a cii|os membros val con-
ferindo o mandilado do escolher os c-
dadins quohno de rppresenia-la na cma-
ra quatrienal, lambem so nilo deve reputar
como a oxprcssffo do verdadeiro MOla-
meiilo da assemblco, pois que esta, ao
adopta-la, apenas se compunha de 17 mem-
bros, alguna dos quaes volfram em sentido
negativo.
Os mi-obros presentes f'am os Srs. A.
J. Ayn-s do Nsseimenlo, F. Coriolano de
Carvallio, A. F. Orhi-lnn Vcideixa, p. A.
Alencarliodovallio, F. Paula Martina, Onu-
lo J. de Aguiar, J S Brrelo,J. Franklin
de l.ima, Francisco J. de Mallos, llypolito
C. Pamplona, Trislfiode Aleucar Aruripe, F.
Jos de Souza, M. F. Paula llanos, J. R. Pes-
*0t, Miguel F. Frota, I. J. Rodrigues Pesioa,
J. Poifrio da Molla.
Correspondencia.
Publicarlo a pedido.
lllm. Sr.Um objecto de pura caridade,
e a sciencla de quanto he hcmfazejo e va-
ledor o seu coracffo, me induz a incom-
muda-lo tambem com o spguinte. V. S. sabe
qoanto o noaso amigo Antonio Francisco
de Azevedo foi aqu desrespeilado e mal-
tratado por seu proprio fllho Manoel Antonia
deveresda natureza, tem por ultimo o pro-
cedimento reprehensivel de mandar este
infeliz o sexagenario pai rara Lisboa Ea
dpspcza que teve com elle foi tnicamen-
te a passngem; e urna pataca s Iho nilo
deu! Eu, pois, vendo este vil procodi-
mento, dei-lhe o quo as minhas pnsses
pprmittiam. Poucn depois desto infeliz
ter chogado a Lisboa, escrevru-me nar-
rando-me pezarosamenlo as circumstan-
cas, por nao ter deque vivor, o nem seu
fllho querer dar cumprimento promessa
que -aqu Iho fizera de concorrer com a
tenuissima diaria de 240 rs.! para a sua
subsistencia. Tanla indiflerenca deum f-
IK___- --_ ___ I l.- .._:-. *____ ._ I
Le loes.
Sr. Jos eronymo Honliiro. I.i sin caria pu-
blicada no Diario de l'ernambuco de 27 do cr-
reme agoslo : c coaiendo ella, alera de as-
sumploj polticos em referencia ao commniii-
caildo Diario Novo, oulros a cites eslranhns,
c que me lizem rrspeilo na qualidade de se-
cretario da associacao coininercial, julguei po-
d(r e mesoio dever reaponder-lhe a estes, sem
faltar ao meu protesto, pelo qnal smente inc
cuipcnlici a guardar silencio sohrc uegocios
puliticns, nao s por ser so contra as conve-
niencias de um cnimncrcianle, como por me
fallaren) para esse fin as precisas habilita-
coei.
Eu naoanalysei, nrtn foiinlento meu mora-
litar oii contestar todas as assercoes do cntn-
inunicado do Diario Suco.que se poderiam jnl-
gar menos exactas : limite -me, assim como
agora taco, a impugnar as que a iiiiin se refe-
riam, refutando apenas nina outra que impor-
tara urna grave injuria transacta dirrecao da
associacao, cujos memhroi muito respeito e
estimo : e sin liz, no por obrig.ico, mas sim
como nina prnva da ami/.ade que tributo .i al-
guna dellcg, e por me reconliecer com turra
a i > H i i i, i, i. para essa emprrza.
Km todas as outras asserrics, julgando de-
cobrir precisamente os lins polilicos, deixci os
de parte, segundo os meus principios.
iVaquella minlia carta propiii-me apenas de-
clarar que, apezar do que refera ocoinmuni-
eador, eu ."o perteneia i sua parcialidade po-
ltica, astim como nenhuma onlra, e forcoso me
ImJRS !5.f2 P'Llle. i ""..^IT" ?.a I 50 dias. briguo brasileiro S*m-Par,
de 293 toneladas, capitflo Jos Joaquioi
da Costa, equipagem 10, carga sal e pa-
Iha de carnauba ; a Amorim IrmSos.
Ilio-Grande-do-Sul 25 dias, brigue bra-
sileiro Jpiter, de 238 toneladas, capit.lo
Antonio Jos dos Reis, equipagem 17,
carga carne : a Antonio Goncalves Fer-
rcira.
Santa-Catharina 16 dias, patacho brasi-
loiro Tlenle, do 150 toneladas, capitSo
Francisco iNioohio de Araujo, equipagem
9, carga farinha de mandioca ; a Novaes
St Companbia. Passageiro, Manoel de
Souza S Companhia, Portuguez.
Por los do norte Vapor brasileiro Paraen-
s, commandanlo o capildo de fragata
Manoel Francisco da Costa Pereira.
Navio eniradoi no dia 9.
lirios do norte 13 dias e 5 horas e do
ultimo porto 13 horas, vapor brasileiro
Imperalris, commandante o primeiro-te-
nenle Joiquim Salom Ramos. Paasagei-
ros: para esta provincia, Francisco Luiz
com 2 escravos, Jof d'Agnello f.oveia, t.
Maria Antonia d Castro. Jos Joaquim de
Castro Barroca, Dr Policrpo Lopes Lelo
com 1 escravo. Placido Ferrcira da Silva,
Antonio dos Sanios Coelho. Manoel Mar-,. Hn"rrpn
ques Camacho, Rraaileiros ; Jos Con- '" J do ^T{Atnait\uM^?hW
calves dos Reis, Custodio lomingue dos em poni no Urgo a iret_________
Santos, Justino dos SanlOi itoacrsla, Por-
tugii"zps; JoiloJ. Pyelo com dous escra-
vos, Hamburgupz ; e tres escravos a en-
tregar : para o sul, Marcello Loliato de
Castro, Jo- Antonio de Mello, o tenente-
coronel Manopl Joaquim do Oliveira com
um eicravo, Viconte Machado Pimontel,
1 desertor com sua rnulher, 1 recrula de
marinha,8 ditos para o exercito o 2 es-
cravos a entregar.
Richard Royle far lei|3o, por ni.
vencSo do corretor Oliveira; de um grani|
sortimenlo de fazendas inglezas, t0(j*
proprias do mercado : segunda-feira, 3 0ri
coirento, s 10 horas da manhaa, no kv
armazem da ra da Cadeia do Recife.
--0 corretor Oliveira ar leilSo, por con
ta e risco de quem pertencer, de 4 harri"
de mantelga insleza, chegados uUimime 's
te pela escuna Tentadora o desembarcad)
em 27 de agoslo prximo lindo: quinij!
Souza, Joflo Pereira bwrige'FarT'joTo"Pe- "l **'" "T^fS1*', ",a"ir,'?.,ar osact0 drn da Veiga e Joaquim Jos dos SaotosJu V '""' ",dullra,,", d" coimuunlca-
;.. V 1 "nloaj"" 'lora pensar que eu me tin la o
mor, nogocianles brasilt-iros da braca do
Rio-iie-Jaueiio, fornuram espontneamen-
te una rommissao que se eucarregou de
agenciar na Jila piaca o provincia umasu-
bsciipcilo destinada a soccorrere beneliciar
as viuvas e orpliflos das pessoas que perc-
ccram ncsla em defesa da ordem; e, tendo
sido arrecadados viole contos de res, parle
do producto da referida subscripcilo, acabo
de receber urna lettra da mencionada quan-
tia, afim de a fazer distribuir pelas pessoas
a quem he destinada; e, desejan lo proco-
1er com conhecimento de causa e com acer-
t na referida dislribuicOo, para que se pre-
encham as benficas intencops dos subs-
criptores, resolv nomear urna commissSo
quo fica cncatregaila de proco ler a todas
as indagaces para conhecer quaes as pes-
soas que estflo no caso de serem contempla-
das, icceber todos os roquerimcnlos que
contcuham pretencOes a esse respeito, c
proptlr a quota com que devem ser contem-
pladas; e por quanto lenho designado V.
Exc. para menibro e prosidenle da dita
commissBo, I he rogo queira aceitrosla in-
cumbencia.
Heos guarde a V. Exc. lvlaciodo n-
veme do Peinambuco, 31 de agosto de 1849.
lllm. o Exm. Sr. cuucellieiro Scb-isliSo
do llego Barios. HonorioUhnito Carneiro
Ledo.
Ao comrcarmos estas linhas, pagamos ao
Exm. Sr. concelheiro de estado e presidente
da provincia o devido tiibuto pelo nfan com
seelle esmera por cicatrizar as profundas cha-
gas que na ?oeledade pernainbucana abri a
gueira fratricida que fellzineute est extincta ;
entretanto, tambeiu nos eremos obligados a
agradecer aos nobies cidadtios de que se coui-
Jide a commiasao que i na curte do imperio
promoveu a iubscrip(o de que fallamos cm
principio, bem como a todos quantos ella se
pirttaratn, o vivo Interesse <|ue tnmarain pelas
viuvas t orphos dos llrasileiros que nao duvl-
daram sacriricar seus dias em pro da integri-
dadedo Imperio e daa instiiuices juradas : es-
saa viuvas, esse orphios, os beiudiro eter-
iiaiuente, e jmala esqueerrao os entes magna-
11 linos e caridosos que to voluntaria e espon-
tneamente Ihes estenderam mo protectora.
Couclulndo, observaremos que a mor parle
dos que concorreram para essa obra pia sao
lazendeii os e nrgnciantei nacionaes, e que tai-
vea o prlineiro vapor do sul nos traga o restan-
te da subsciipco que constitiic um dos pa-
dree de gloria da praca do Rio-dc-Janciro.
O vapor Imperalris, chegado boje dos
poi los do norte, trouxo-nos jornacs do Para
al 17, do Maranlio at 22, do Cear at 25,
e da Parahiha at 30 do passado.
Em Para nada de extraordinario otcor-
rCra
A's eleicCes pirochiaes presidio ah a
maior rcgularidade.
A recebedoria de rendas internas dessa
provincia arrecadara, cm todo o exercicio
de 18(8-1849, a quantia de 30:653,239 rs.
Maranhno (cara tranquillo ; sendo que,
sengundo a imprensa governisla, o resulta-
do da cleie,3o era lodo favoravel ao partido
conatiiuctonal, que j contava perto de
500 eleiion s, e dos 90 que ainda nSo esla-
va m apurados apenas receiava perder uns
H 011 tO, os quaes, addicionados a 8 que j
ti 11 ha a opposicOo, nao proporcionaram
aos seus candidalos depulacSo geral mais
do que 16 a 18 votos
Do 1 a 14 de agosto a alfandega mara-
nhense rendra 25:869,502 rs., e o thesou-
ro provincial ris 9:368,318.
ASO, o cambio sobre Londres flucluava,
na praca de S.-Luiz, entre 25 a 851i2 d. por
1,000 rs.
Ainda aedava ah a falla absoluta de on-
cas hespanholas e mexicanas, bem como
modas de 6/400 ; mas as de ?#000 rs. va-
lia m de 9/500 a 9/600.
Cear goza do socego.
pensar que eu me tinlia oppnsto [ortemrn-
le. aos festejos dados pela associacao commer-
cial.
Contestei esta assercao, palenteando os meus
actos e a rasao delles. Por estes tomo eu a
rcsponsabilidadc; pilos dos outros n5o : seja
mus embola muito amigos.
Pioreeonheco que eu, como tecretario rfa as-
sociacao eommtreiat, seja abrigado a defender os
membros delta das imputaeses que se Ihes irrogar ;
e muito principalmente cm npgocio.i ou ques-
lies sobre poltica. Com tal obiigacao en nao
teria aceitado aquelle encargo, prel'ei iinlo an-
tes dcixar de pertencer aquella corporajo.
Nao quero defender .1 uns, para nao oll'en-
der a outros. Como eidadao pacifico, apenas
me compre obedecer e apniaro governo, qual-
quer que elle seja, s porque elle he um sy-
noii) 1110 de ordem, c eu desojo ordem c Das.
Tambem nn eutendo. como o meu amigo,
que a associacao fide ser solidaria cm actos des-
la natureza, pratlcados embora pela sua mai.i-
ria. Se o meu amigo confessa que a associacao
reconhecia o dirciloque nos asiislia, pois que aquel-
le acto era puramente vlunlario, como, pois, p-
dem ser solitarios em umacto puramente vo-
luntarlo aquelles que nao quizeram tomar
parle ucllci'! I'oi ventura nao pdeui os mem-
bros que tomaram aquella deliberacao com o
peso da rcsponsabilidadc de seus actos ? Peni
sei iue aquelles senhores niio ixigiam a minha
justi/capto; e nem esta Ihes convinba. Teria
sida mais prudente que ludo fieaise na asociacao,
1 que daqmlu circulo nada sahisse, disseo meu
amigo : para dar-sc solidariedade, ao menos
pcraulc o publico, nao he assim ?!. Meu ami-
go, se eu alguma cousa disse e digo, lu por
que tenbo sido provocado, e nao porque los-
/eiu essrs os meus desejos. Tenhain, pois, pa-
ciencia ; sou muito fraco, nao posso ajuda-los.
Cabe-inc agora nutar que o meu amigo nao
me pareceu mullo leal quandu torceu o senti-
do de miulias expresso.s, para chegar con-
cluso de que esie seu amigo, (em quem alias
reconhecia e louvava os bons desejos t puras in-
t'nfoes) .iliin do inexacto, expender um absur-
do, qual o de alHrmar que os estatutos da as-
sociacao prohiben) que se reudam gracas ao
Altissimo c se reze pela alma dos nossos irmaos
que na lula perecern). Nao : eu nao disse tal,
nem s uiiulias palaviassc pode de boa fe em-
prestar ote sentido.
Adinlra-iue que alguus collegas Icnhain to-
mado de balde lano trabalh, para acharo
artigo dos estatuios em que meapoiei, quando
elle Ion aido tantas vezes mostrado nao s pe-
los W socios (mais de um terco da associacao) que
recusaran) o pagameuto da quola, como por
mais alguns dos que a pagaram por condes-
cendencia, ou cousideracoes particulares. E
para que o meu euiigo nao lique aioda em du-
vlda, dir-lhe-bci que he o 1. do capitulo ?.", e
as patarras sao aquellas inesmas que frain
sub-liuhadas( segundo se alliruia ) por alguns
socios inglezcs, r allixadas na sala da associa-
cao na labolela dos avisos diversos.
ofUictiva siluacSo desteje, querendo cu I
prestar-lhe algum soccorro, mas nfio po-
dendo por mim s prcstar-lh'o mais avtilta-
tadamente, lembrei-me do promover urna
subscripc.fo.aflm de remoller o sou produc-
to para Lisboa a osle DOMO amigo, bem
digno de melhor sorte ; e essa subscrpeflo
que conta apenas anda assignaturas no
valor do noventa e novo mil ris, lio a que
inclusa junto para V. S. ver e assiguar tam-
bem aquillo que poder, e Ihe dictar a sua
philanlropia; certo de que a Providencia
nilo dcxar sem a devida compensadlo
aquelles que subscreverem para urna es-
mula Lio merecida o acertada. He V. S.
Portuguez, e cu que tambem tenho
honra de pertenoer a essa nacilo, devemos
conhecer que nfio nos he muito airoso, por
muitos motivos, vulgarisar-se urna infamia
Ido atroz ; pois nfio ignora que urna gran-
de paite dos nasridos aqu medem ludo
pelo mesmo, e por essa razSosupponho me
entender.
Desculpo-me V. S. por eu llie fazer esta
reflexSo. Sou de V. S. ltenlo, venerador
o ci iaiio.Custodio Jos de Carvnlko Guiuia-
raei Julho, 22 do 1849.
NR.--Apezar do pedido que nos faz o Sr.
Custodio, entendemos nSo nos dever furtar
a publicacflo desla carta : se Uvomos ou
norazflo o_piililco_qua ajuize.
UHimE'ffo.
AI.FAMlEGA.
Rendlmenlodo da 1.....
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia Io.......
Diversas provincias........
visos diversos.
EDITA L
Pela inspectora da alfar.dega se faz pu-
blico que, no dia 3 do corrente, se I180 de
arrematar em hasta publica na porta da
mesina, depois de meio-dia, 1080 baralhos
de cartas de jogar, apprchendidos pelo aju-
dantc dos conferenlcs Caelano Pinto de
Veras, que fram annunciados por edital de
7 de agosto prximo passado, e nSo houve
lictantante: sendo a arrematarlo livre de
di re i los.
Alfandega de Pornambuco, Idesetem-
bro de 1849.-0 inspector, Luiz Kntonio de
Sampaio Viaima.
eclara^oes.
- Aluga-w a loja da trevessa do Quei!-
1<>, n. propria para qualquer estlbela-
cimento : a tratar na venda junto mesan
P>ecsa-se de urna ama para urna cii
de familia dccenle, para cozinbar o diario
de unta casa : na ra do Hospicio,' n. 4
Precisa-se ulugar urna preta para an-
dar com um taboleirode fazendas oa ruc
na ra do Queimado, n. 46.
Precisa-sede urna rnulher idoaa paria
servico de urna casa de portas para dentro
na ra deS.-Jos, n. 3.
-Obacharel A. R. de Torres Bindeirt
professor substituto de rhetoriea e gaogral
pbia no lyceu desla cidade, se proeoe
licOes das mesmas disciplinas, e as-
sim de lingos nacional, philosophiae fraa-
cez : quem de seu prestimo se qulxer uli-
lisr, dirija-se ra estreita do Rozrio,
n. 41, segundo andar.
Quem precisar de um caieiro Bel pin
venda do quo tem muita pratica dirja-
se a Fra-de-Porlas, n. 99.
Aluga-se, ou permuta-se por casas ter-
reas, um sitio na estrada de Belm, coa
424 palmos de frente e 1,200 ditos da fuotlo,
com urna casa em bom estado para peque-
na familia Ierra propria, terrenosuDiciea-
le para plantacSo pasto para duas vaca
de li-to annualmente com muito boa agoi
de beber, muito boas fruteiras de vari
qualidades entre ellas 4 ps de roanguai-
ras de Itamarac : na fabrica de licores
Alerro-da-lloa-Vista, n. 17. ,
Aula.
996,872
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 1...... 802,482
Por portara de 1 i de agoslo, o presi-
dente sfio da respectiva ansembla legislativa
para o primeiro de dezembro prximo fu-
turo depois de haver ella approvado urna re-1
Ora, a asseiubla geral da associa(o enten-
deuque, sem iufringir a disposico dcsle arti-
go, poda aprescutar aquellas dcmouslraces :
deliberou c mandn cxecular ; dependa isso
da sua intelligencia c voutade. Eu nao meop-
pui, nem poda oppr-ine,(como dlsse aocoui
municadur, em retposta a seus graciosos elo-
gios} ucm lanibem se oppoieraiu aquelles 20
socios. Nao quii tomar parte alguma naquellcs
actos, por entender que poderiam ser tomados
como dcmouslraci's polticas, e como taes
prohibido! pelos nossos estatuios : elles tam-
bem nao gulzerain, por estes ou por outros
motivos: eslavamos no nosso direito, e depen-
da las de nossa voutade. Entend que nao era
obrigado a pagar a quola, e que nao a devla pa-
gar ; nao so por que o captulo i." dos estatu-
ios ,que designa os devees dus associadoa, ape-
nas me inipunlia a ubi igajo de contribuir an
nualmente coi a quantia despezas da associacao; como tambem para
nao dcixar passar um precedente que podesse
autoriiar qualquer assemblea geral da asso-
ciacao a laucar iiiiia.coulribuicu sobre touos
os aocios para ubjectus albeoa aoa lins de sua
intlituico Us outros socios lambem o cuten
deram assim: usamos do nossodlrello, e esta-
mos na liruie convieco de termo desla sorte
puguado pelo bem e intercale da associacao.
Terminando, direi que tambeininc persua-
do nao ter (.Hendido ao meu amigo com esta
minha reposta atiinnando-llie que pela 1111-
nha parte as noaaai rclacei de amisade nao
soll'rerao alteraco, e qn* permaaeco com a dc-
vlda consideraco e estima
Seu amigo inulto aliento venerador,
-Interna l'urnu'ni da Silva Darroea.
Recife, 39 da agoslo d 18<|y.
PRACA DO RECIFE, 1.' DESETEMRRO DE
1849, AS 3 HORAS DA TARDE.
flri'/0 5emana/.
Cambios- Houve poucas transaccoes a
2fid. por 1,000 rs
Assucar- Diminutas entradas e pou-
cas vendas
Algodlo- Entiaram 1,231 saccas. O
de primeira orle foi pro-
curado a 4,800 rs. por ar-
roba.
Agoardente Vendeu-se de 50 a 58,000
rs. por pipa.
Couros Cnnlinuaram a vender-se
n 100 rs. por libra.
Alcalino Vendeu-se a 12,000 rs. por
barril do de Suecia.
Racalho Retalhou-so de 6 a 10,000
rs. por barrica. Ficaram
por vender 3,200 barricas.
Cabos- Vcnderain-se a 30.01)0 rs
p quintal dos de linho
patente.
Carvfiodepcdra-ldem a 13,000 rs. por tone-
lada.
Farinha detrigo-0 deposito foi augmentado
com 367 barricas chegadas
de Philailclphia, e hoje or-
ea por 6,000. A do lliclie-
mond vendeu-sc a 20,000
rs. por banica ; a de Ual-
timore, de 17 a 19,500 rs. ;
a dephiladelphia, a 19,000
rs ; ea de Trieste SSSF, de
19 a 20,000 rs.
!-secca Vendeu-se de 2 a 2,700 rs
por arroba.Ficaram em
ser 83,000 arrobas em con-
soquencia de terem chega-
do seis rarregamentos.
Idcm a 32,000 rs. por pcc<
da llussia, o do 24 a 26,000
rs. das que as imitatn.
Pxc-------------dem a 13,000 rs. por bar-
ril do ta Suecia.
Presuntos------dem de 200 a 400 rs. pi
libra.
Vinagre- Jdem de 42 a 52,000 r*_por
pipa do de Portugal.
Ti vemos i i embarcacOes entradas, o 12
sahidas. Ficaram boje no porto 50, a sa-
ber: 2 americanas, 32 brasileras, 9 fran-
cezas, 2 hespanholas, 8 inglezas, 3 portu-
guezas e 1 argentina.
Lonas -------
5:322,434 Tendo adireccodo associacffo com-
mercial desta pnca resolv.lo dar publi-
956,447 cidade a todas as suas representarles, pu-
40,425 blica-se, para conhecimento do cnmmercio,
a seguinleque ltimamente foi dirigida ao
Exm. Sr. concelheiro presidente desta pro-
vincia.
lllm. e Exm. Sr.A direccffo de asso-
ciacao commerciul vem representar a V.
Ex. contra a abusiva extenso que se tem
dado ao 2." do artigo 38 da lei do orna-
mento provinciT n. 244 que estabelece o
imposto de 5 por com sobre o conro expor-
tado. Desta disposicflo he evidente que se
nilo pode exigir esle iuposto sciio da
mercadura que foi expressamente desig-
nada ; entretanto o consulado prouncial
tetn entend lo quo pila comproliende a so-
la e vaquet., intelligencia quo se nfio de-
dil/, da lei c queoncontra a regra de serem
os nipostos tomados no sentido restricto
para evitar o grvame c no empreslar-se
ao legisla lor intenc.no que nfio leve, como
j >ucccdeu com Antonio Francisco da Silva
Carrico.
Asla e vaqueta silo mer adorias dis-
tinctas do couro, quo precisa de ser ma-
nufacturado, e adquiro nova forma para
delle f.rma'-seasolae vaqueta, o por esla
rasSo mo pdem jmiis considerar-so coni-
prclienditlas na denominac-lo genrica de
coiiros, at porque a imptisicio seria mais
forte que a C:>labelec:da por lei ; e lano as-
sim he quti no consulado geral SO faz dis-
iin 'i.'.ki dcsias mercaduras
Accre.-ce quea sola c vaqueta pagam di-
reitoi as provincias de onde sfjo con lu-
zidas para esta, que serve de deposito a
fim de que seja exportada para outra do
imperio, o para fura delle.
E comodahi resulto consideravel damno
ao commercio, a direcc;1o da associaQfio se
dirige a V. Ex. para que, tomando em con-
sideracflo o quo fica exposto, se digne de
providenciar para que cesse esla exigencia
e iudevida exlcns3o da lei, o na conform-
dado della smente sejatn pagos os diroi-
tos sobre os couros e nffo loUC. .ni;i-aa-
queta. e a SOIa rva_
Sala da associacffo comnier(.:.i .1-
nambuco, 17 de agosto de 18l9' IrtomL
tu Aon/no lomeen, presidenta ,.
lalentim da Silva Barroca, fecrctarinA"'0n'0
-- O fiscal da fregueziade S.'.An;ioilo
Recife manda publicar o art. i ,}"" "
11 dos posturas de 30 de julho t .V u a
que tenha o devido cumprimenlo P
Art. 1. Ascasas publicas <<0"
.ovimiMiio do i'orto.
Navios entrados no dia l.
San-Mat'icus 14das, sumca brasilcira
b'lor-da-Victorla, de 53 tonelada, C Pedro Lores de Mursaloura, oquipagem
7, carga farinha de mandioca ; a Caudillo
Agoslnho do Rarros.
Sidmy 80 das, barca ingleza Julindor,
de 460 toneladas, cipiUo II. liern, equi-
pagem 23, carga cabo, 13a e mais gne-
ros ; ao capilffo. Veio refrescar e se-
gu pata Londres.
Navios tullidos no mumo dia.
Babia Vapor de guerra brasileiro Cao-
piuss, commandante o capit&o-lenenie
Gutlneriiie Cirios Lassanse. Passagoiros
para Macei, o desembargador Jos Til-
les de Menezes ; para a Rabia, Aofliciae
e9lprat;as Jo quarlo batalbSo de arti-
lluria.
Alaga-R^y Escuna ingleza Fanella, ca-
pitioEiuaid Wild. Almda Carga que
Irouxo de Liverpool, leva daqui agur-
dente e couros.
la
ni abertas
consen-
dentro
publicas 'i,, bebidas
tabernas ou banacas, que venlicrcni mn-
llia.ios, serffo fechadas as njvU ,,.' .
noile, e no lempo em que esliverl
de da ou de Bolle, o seu dono ni
tira ajuniamonio de pretos e vadi
dellas, e logo quo elles ealivemnVnroi
un meicadoria os fara mniediatamtn|0 "
Tiir 1 sdb pena de pagar o dono dajfioilprn},
loja de bebidas ou barraca a mu.Cl ." .?!
mil tis. isaesus
As malas que tem de con-
duz.r o vapor Impera?r- C(K
destino aos 1 orlos do | D, ln.
Zaaat cipiam-se a fechar hojet, 3 .s
11 oras da manhffa ; recehendo-sc c\urr,.,
pondeucias rom o porte duplo at o)meo
AVihOS ijjrt itlUttlS.
A bem conlncitla evel(.ira
barca nncioDal Firmeza, car,|j0
iNurciso Jos de Sant'.Xnna. m\u.
para o llia-de-Janero com a r na0,
bievidade possivel : quem pi elen
der carregar, ir de passage n 0l>
embarcar escravos, trole c.>\m 0
mesmo c.piao, na ruada Malrj.e-
de-Deos, a. 3, terceiro Jin Oabsixoassignado tem o prazer de in-
nunciirquea sua aula para o ensino di
materias concernentes ao commercio deve-
ra ser iberia na segunda-feira, 3 do cor-
rente na casa de sua residencia em Fn-
de-Portas, na ra dos Cuararapes. n. 5.
Jos da Vaya,
Precisa-sede um bom ofllcial de ti-
noeiro, que seja captivo dando-se-lhe
12,000 rs. mensaes e comedorias ficando
o mesmo subjeito dia e noite, tendo s a
usar do cilicio durante o dia : quem qui-
zar fazer tal negocio, dinja-se travesa
da Concordia, sobrado n. 5, daa 6 s 8 ho-
ras da inanliaa.
Ainda ost para vender a excellente ca-
sa terrea, silaem Fra-de-Porlas, no largo
doPilar.com sot.lo e trepeira, quintal,
cozinha ftira, por preco rasoivel : na ra
da Senzalla-Mova ti. 42.
Um moco chegado ha pouco neita, ci-
dade lendo concluido seus prepratenos
para entrar em qualquer academia, o que
prova com os seus allestados ou*rrece-se
para ensillar meninos nesta praga, oufra
delli provando seu comportamento cum
pessoas de capacidade : quom de seu pres-
timo se quizer utilisar, diriji-se ra dis
Larangeiras, n. 18, segundo andar, ou an-
nuncio por esta fulha.
--Aluga-se urna bonita casa nova, para
se passar a festa, sita no Poco-da-Pinella,
ao pe do rio e junto a do Sr. Vioira Moa-
teiro: a tratar na ra Imperial, n. 67, ou
na rua do Vigario, n. 7, primeiro andar,
ondo tambem se alugam escravos.
Procisi-so, para ama de casi de um
hoinem soltciro de urna rnulher que sai-
bacozinhar: na rua da Praia, n. 43, pri-
meiro andar.
-- Aluga-se urna casa para so passar a fes-
la, ou annualmente, na Casa-Forte, junio a
do Se, major Villula : quem a pretender,
dirija-se a fundicffo da rua do Brum.
Precisa-se alugar um prelo que en leu-
da do servico de padaria : na rua Dircita, n.
27, se dir quem precisa.
: Chapeos deso 38
Rua do Passeio, n. 5
Nesta fabrica ha presentemenlo um rico
sortimenlo ile chapeos de oI de todas as
tjualula Jes, c de todas as cores, asmis
fiftSqiie potemjjflver; chapeos ^e sol pa-
ra senhora, dos mais ricos e do ultimo gos-^
to de Pars: bem comoumrco sortimenlo
do sedase panninhos imitando seda para
colirir armaces servidas chegado ulli-
namente de Franca. Neste cstabelecimen-
lo lambem ha chapeos muito grandes pira
feilores de engenho.
Precisa-se alugar urna escrava par lo-
do o servico de urna casa regular: no p-
leo do Terco, venda 7.
O capilffo do bigtic Vinera, Luir Mar-
ti ns da Costa deseja fallar com o Sr. te-
nent'i Candido Francisco de Car peo, na rua
do Vigario, armazem de cabos, n. 5, das 9
horas da manhffa ao meio-dia.
--Precisa-sede um caixeiro.de 14 U
anuos, c que lenlia pratica de loja de miu-
dezas : na na larga do Rozrio, n. 2t
O Sr. Tliemoteo Eustaquio Dias de An-
drade queira dirigir-se ru do Queimado,
n. 7, a negocio de seu int-rosso, ou annun-
cie sua morada.
Precisa-sede urna ama secca. fofra,
para o servico interno de umi casi de pou-
ca familia : a trataros rus das Trincheiras,
n. H.
Precisa-so de um Portuguez que queira
Irabalhar em um sitio perto da praca, 0(e
dous pretos escravos: na rua da l'nifio, es-'
criptoriodo Porlocarroiro
-- Na rua do Queimado, n. 14, se dir
quem d dinlieiro a premio. Na mesma ca-
sa com xa m-se obras de ouro e prata noca-,
tadoem qunealiverem.
Quemliver urna esciava boa cozinnei-
ra pira casa estrag>-ira, c queira alugar
dirijn-se no Altofro-da-Boa-Vsta, *'
casa da cilunga. *
Denti-s artifivMaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa aores-
eitavel publico que contini a ex-'rcer u
sua profissflo na rua estreita do Rozan;
q


M
.-Antonio Jos Viera de Araujo va i pro-
yocia das Alagas.
~ O concedi administrativo do grande
Hile quetinha de dar.R. no primeiro do
enrrente identifica eos Srs. sor i os o con-
vidados que nSo foi porsua causo o nlo se
nr'oalisadp dito baile, c siin por falta de
conductores para osol>jcclns concernentes
8(i meimo ; por isso mudou do lugar e dia,
o que anda de certo nflo sabe ; mas, logo
qaese liouver concordo, sei mmediala-
mente nnnunciado. Pondr, Camandra &
Encorte.
Mudanca.
Em consequeuci da copiosa chuva quo
tem havido ficou toialmente alagadp o lu-
gar do Montero determinado para 0 bilo
monstro que eu linhado dar no piimeiro
do crrente por so de novo* Iranshro
para o da tu do crrante, na Viroeira. Os
cariosa recebeni-se ilo secretario enaiador,
joa Vistoso. F. V. R.
Prevne-ae as pessoas que teem de en-
trar na nova dansa do sollo ingloz a bolina ,
que teirfdeserexeculadB no grande baile
Bernab ,'que comparecam na casa do en-
saiador geral Jos Vistoso. Pondr.
--Boga-seaoSr. Ampo-t-fnAo e ao seu
digno comparsa que bajam -Je declarar pe-
lo prelu quando querem recebar o troco
das bengaladas que traicoeira e cobarde-
mente ileram em certa pessoa na noitc do
da 26 do passado. Juilus.
BOWMAN & MC. CALLUM, engenhei-
ros machinistas e fundidores de ferro, mu
respeitosamente annunciam aos Senhores
proprietanos deengenhos, fazendeiros, mi -
neiros, negociantes, fabricantes e ae res-
peitavel publico, quo o seu estabelecimento
de ferro movido por machina do vapor con-
tina em elTeclivo ejercicio, e se acha com-
pletamente montado com apparelhosda pri-
meira qualidade para a perfeita confeceflo
das maiores pecas de machinismo.
habilitados para emprehender quaesquer
ras da sua arte, Bowman & Me. Callum
esejsm mais particularmente chamar a
sltencfio publica para a sseguintcs, por
terem dolas grande sorlimento jproinpta,
as quaes construidas na sua fabrica pdem
competir rom as fabricadas em paiz es-
trangeiro, tanto em prego como em qua-
liiiade das materias primas o mflo d'obra,
a saber:
Machinas de vapor da niel hor cnnslruccflo.
Moendas de canna para engenhos de to-
dos os tamaitos, movidas a vapor por agoa
ou animaes.
lidas d'agoa, moinhos de vento e serra
ras.
Manejos ndependenles para cavallos.
Rodas dentadas.
Aguilhfles, bronzes e chumaceiras.
CavilhCes e parafusos de todos os tama-
itos.
Taitas, pares, crivos e boceas de forna-
lha.
Moinhos de mandioca, movidas a mflo ou
por animaes, e prensas \ ara agilita.
Chapas de fogflo e lomos Jf farinha.
Canos de ferro, torueits de ferro e de
bronce.
Bembas para cacimba ede repucho, mo-
vidas a'mo, oor animaos ou vento.
Guindastes, guinchos o macacos.
Prpnsas hydraulicas c de para foso.
Ferragens para navios, carros e obras pu-
blicas.
Columnas, varandas, grades e portOes.
Prensas de copiar cartas e desellar.
Camas, carros de mo e arados de ferros,
&c, &c.
Alem da superioriade das suas obras, j
geralmenle reconhecida, Bowman & Me.
Callum garantcm a mais exacta confuniii-
dade com os mobles e dezenhos remedidos
pelos Senhores que se dignaren! de fazer-
Ihes encommcmlas, aproveitando a occasio
para agradeccrem aos seus numerosos ami-
gos e fregueses a preferencia com que teem
sido por elles honrados, e asseguram-lhes
que nflo pnuparflo esfurcos e diligencia.*
para continuarem a merecer a sua confi-
anza.
Precsa-se de uma aoja de leite, f.irra
ou captiva : paga-se bom : no paleu do Pa-
nizo, sobrado de dous andares quo faz es-
quina para ra da Roda, n. 30.
Antonio Teixeira dos Santos comprou
alendado Cluisllano JosTavaros, sita na
iua JasCruzps n 1(, desde o dia 1.' de
niaio do corrente anno a quaL desde esse
dia que corro por sua conla.
Na ra Nova, n. 25, ha urna carta vin-
'la da Babia para o Sr. Manuel Jos Comes
braga.
-- Previne-so aos Srs. commandanles de
navios de guerra e mercantes que nflo re-
cebaiu. a seu bordo, seja qual Mr o pretex-
to o cscravo J oflo, paido trigueiro, de es-
'".''U^ pequea, o qual tem por vezes ton-
tada oiioii .so lf.-.i s-i.iv.ic por mar, j cm
navios mercantes, j olYererondo-sc para
fasentar praea a bordo do navios de guerra.
-- D-sappareceu, da casa do seu senhor,
Lu zGoa esFerieira, no Mondego, o cscra-
ho uin pouco leso ou maluco : quom o pe-
gar, ou delle flor noticia, ser bem recom-
pensado; porm quem o apresentar ao a-
baixo essignado, senhor do dito preto, re-
ceber 50,or.O rs. ; e nflo se quer saber quom
O traz, nem onde o pegn, basta entrna-
lo na rua do Ringal, n. 5*. fabrica do lico-
res, que recebera o premio de
Victorino Francisco da Santm
Lotera do Guadalupe.
Est marcado odia H do corronle mez
para o an.'amento das rodas desta lotera,
so nisloconscnlren os amadores desle jo-
go, quo dovem concorrer para quo so com-
plete a venda dosbilheles.
Despja-se fal'ar aos Srs.
Carlos Magno da Silva c Pedro
Celeslino da Silva a negocio que
diz i espeito a sua familia : na ra
do Crespo, n. 17.
l quo papn .'!.'Tanla sabed orla,
tanta eloquenca que tem odorilo do Sr.
Carvalhaii, aponta a era do diccionario, mas
nflo se atreve a dar o segnifieado da pala-
vra, que nisso he que est oxste: Vmo
apenas pode entender da grammatica de
Mr. Knsina ; mas parecc-me que est mili-
to oceupado com a dse que ha pouco le-
vou em consequenca daquclln namorinho
quomuitobom sabe!! Entende, Sr. F.nsi-
na, ca fina' seinpre faz o papel de cmico
quo figura o que nflo be. Ficou milito zan-
gado com a palavra ladrflo, porm ah
mostra at que ponto cliegou a sua alta sa-
bedora, que nflo entende o verso: afinal
remato dizendo-lhe, que telina muito em
vista a decifraeflo da tal palavra, |orque be
bomquoaproveilao lempo, cmquanlo nlo
chega segunda dse !! f
Aluga-seum sitio na Magdalena, es-
trada da Torre, com urna casa margeni
do rio Capibaribe, com seis quartos, eozi-
nha fra, rasa para pelos e para estribaria,
cacimba e tanque coberlos, com bastante
arvoredo e terreno para plantarios : no A-
terro-da-l!a-Visla, n. 43.
James Skpper Adam, sulnlito inglez,
retira-se para a Inglaterra por Lisboa.
Barbara Maria de Araujo est para mu-
dar o seu estabelecimento da ra da l'raia
os freguezes que estilo devendo ao mesmo
hajam de vir pagar se quizerem ler lettra a-
berla quando f;recisarom do mesmo esta-
belecimento.
Quem precisar do una ama do leite,
sendo esta urna criuula forra, dirija-te 30
boceo do Carcerciro, n. 9.
Antonio Francisco Marlins de Miranda
participa ao respeitavel publico e as p,s~,oas
cum quem tem Iransacces, que mudou a
sua venda da ra Direita para a ra da Praia
de s nt;i i; 11a) n 1.
'5
Wi/V^V1VVWV'''*v'vVV$0
>

Fabrica especial de
cadeiras, na ra
larga do Kozario, <
11. lt>. t
%. Heniv Doman c Jules Imalz S
teem a honra de avisar ao *
respeitavel publico que aca-
bam de abrir sua leuda de
ninrceneria, oiulo lulo de
fabricar especialmente ca-
deiras francpzis, americanas c al- <-:
lemji.is, sophas e marquetas. Os an- *
nunciantes, rhegados ha pouco tem- <
po de Franca, trazcm os modelos os *
mais lindus e mais couiinodos que ^
so fazem agora, e por issosc acbam 2
habilitados para satlfater as pessoas <
g. que quizerem honra los con) sua ^
g- confianza. Os mesmos tainbem se en- <
carreg^tp do concert de qualquer
mobijia devassenlo que se aire.en-
lar, cosscua^regucze.i ficaiilo a*in-
tentcs do iniulVnie serflo servidos,
tanto em proni[illj3o romo em soli-
dez e proco barato.1*-
9AiM*AAAiKJMAiiA9
Estando em risco de seRCompomet-
tida minha hon>a na provincia oUsAlagoas
onde ora estou, porsuapeilas quo pelo Sr.
capitflodo porto fram levadas aulconhi ci-
mento do Exin. presidenie da provincia, e
sendo pi.r esforgos do Sr. Antonio Lopes
Vianna, negociante nesla praea, o regular
prorcdiiiiento do Sr. subdelegado Domin-
gos Lopes d'Amorim desfeitas todas as sus
peilas que contra mim tintia o Sr, cpitilo
do porto, nflo posso deixar do levar alo co-
nh,ecimenlo do publico esto fado | ara\lc..J
temunhar-lhfs mais solcmneinento os Oheus
reconhecimeulos o agraderimentos. .Sulii
dessa [rovioci com direceoa Alsgoai cni
um navio inglez 011 qualidade do estivadoi
e pratico dessa barra, e como aqui ehegas-
se com algumas pessoas de minha fAnili
sem trazar lodos os documentos legaes e\>,
virtude da prc-sa com que. dahi sihi, Ira^
Oabaixoassignadn, esludante do se-
gundo auno da icadotr i 1 de Olinda, daac-
cordocon seu pai tm Iranserido a sua
residencia para a ru das [lores, sobrado
n. 1, o illi se prapo n epeeher alumnos
externos e internos paralhe^ ensinar as
primeiraslettras, liogoa nacional e fran-
ceza goomelria, e rhetorica rrometten-
00 0 maja desvelado tralamcnlo mediante
um mdico exlipondio. As pessoas que o
quizerem frequentar poderflo dirigir-se a
referid res dencia das 2 horas da tardo em
dianlo. Va$coneellot Coimbra Jnior.
. -- Precisa-so fallar com o Sr. Mnnoel An-
tonio da Silva para se lito entregar urna car-
ta vipda de Lisboa : na ra da Cruz, n. 0,
ouannuneie.
Quem liver urna ama de leite quequei-
ra criar, nflo lndo filhn, pdaapparecer no
pateo do Paraizo, sobrado n. : prefere-
se escrav.i e que lambem nfio lenha lilho.
--Troca-se urna preta do 18 annns, por
um preto que sirva para o trabadlo de cam-
po : na ra da Aurora, n. 44.
Na ra do Sol, n. 13, alnga-sn um mo-
lequo muilo fiel, que cozinha o diario de
urna casa e comprar.
Traspassa-seuma hypotheeade.i bons
escravos mogos e desembarazados, hypo-
thecados por 700,000 rs. vencendo 2 por
cento ao mez cujos esrravns quem os hy-
pothecou assislo nesta cidade : a quem con-
vier annuneie.
li-se pflo de vendagem a prelas, fiean-
do seus senhores responsaveis : na ra lar-
ga do Itozario n. 48.
Precisa-se de qualro Irabalhadores de
enxada para trabalharem no concert da
estrada nova dando-se-lhes ns enxadas :
na ra Direita, venda que foi de Jos da Pc-
n'.a, II. 23
-- Precisa-sede urna mulhor para pensar
urna crianza de 2 anuos : na Camhoa-do-
Carmo, n. 10, primeiro andar.
Carlos Gillain faz publico
que mudou o seu estabelecimento
da roe Nova, n. 19, para a inesma
ra, loja n. 30, onde sens fregue-
zes o acliarao sempre prompto pa-
ra o for do seu oflicio.
Tara as pessoas que tcn-
ciouamseffulr viagem.
No paleo de S.-I'e Iro casa terrea n. 8,
liram-se passaportes para dentro e fra do
imperio, corroin-se fivlhas o dcspaclnm-se
escravos c para este ti ni taiv.liem ple-se
procurar na praea da Indepen lencia livra-
ria ns. G e 8.
um sobra
Vendas.
;>
*
>
*
>
: >
">
r>
:>
Precisa-se alugar
do de um andar com lej i no bair-
ro decanto-Antonio, preferindo-
se as roas de San-Francisco,
Cruzes e Quaitns: quem o liver
annuneie, ou dirija-se i na da
Oadeia do iiecife,n. 9, que adia-
r com quem tratar.
-- Ueseja-se filiar ao Sr. Ignacio Lopes da
-Silva, morador em Olinda ou ilguem por
ello 11 negocio de seu inleresse, por isso
annuneie a sua murada.
Precisa-se do pretas para ven Jereni pflo:
nuForle-du-Mattos, ra do Burgos n. 38.
I'recisa-so de un;!......m que cntenda
do tratar de um sitio : na e.-trada quo vai
para Belm na primeira casi do lado es-
penlo, n. 4
i
I
^
i
- Vende-se urna propriedade distante do
Recife menos de urna legoa, com duas boas
casas, sendo urna terrea e outra de sobra-
do do um andar e solflo, enm 3 otarias, com
inulto bom barro, dous grandes viveiros e
outrnsquasi promptos, com urna vertnte
d'agoa que corre lodo anno, lodo cercado
de espinhos e vallas com alguns arvore-
do do fructo o proporroos para se fazer
urna engenhoca, pela extensflo que tem
de terreno e rrrtilldade do mesmo com
sufilciencia para ter muilas vaccas do leite,
por ser muito abundante de pisto de inver-
n e verflo : esja prouriedade rene em si
muitasproporcoes vanlajosas pois Untn
serve para recreio cou'O para so fazer uso
dos eslabeleciinenlosque em si ten), como
tamhem dcoutros muitos que ella ofiere-
ce, pois quem a comprar, querendo, pude
nclla ter de rendimento nnuual para mais
de 800.000 rs., sem empregn de capital, co-
mo se fara ver ao comprador : lambem se
vende em separado a casa terrea com os
seus arvnredos olaria o grande torreno ,
ludo a vontade do comprador: tambem se
recebem em pagamento alguns escravos e
casas neslc praea : a fallar na ra do S,-
Francisco, palacete junto a mar, com Jos
Fernandes Liras.
gtt.tt^^ftl$Il3 MftftftWiag
lU'iieAo aos bara.te*rui9
do Atci-ro-da -Bou-
-j; Vista.
No Alerro-da-Roa-Vista loja de '<
miudezas, n. 54, dos bem c.onliecidos
harateiros Eslima & Ramos, vnde-
se um rico sortimento de bolOes de
se do nicllior gosto que tem viudo .1
|| esto mercado ricas caixas de coslura
i!; com realejos para senliora ; superio-
igj res estojes com navalhas de mola,
-I:
t
:
Vende-so aarmacflo da venda da ra
DireHa, n 53, com alguns perlcnccs : a tra-
tar com Antonio Francisco- Marlins de Mi-
randa, 11a ruada Praia de Santa-Rita, ven-
da n. 1.
Nobccco do Carcerciro, n. 11, vnde-
se azeite de carrapato a 400 rs. a garrafa e
i 2.880 rs a caada ; dito de peixe a 1,12o
rs., proprio para surrador.
{Jsverdadeiros charutos de
llavana e?l3o a venda na rita da
Cruz, n. 5i, a tina 7.0111 de J. U.
Klster.
Vendc-sem ero pon;ao c a retlho meias
delinho, linha de miada muito tina, bicos
de todas as qualidade. hadado borlado do
Poito do todas as larguras, mefas de Ifla
para padre, ditas de Ifla, franjas de todas as
larguras, o muilas nutras miudezas : na ra
do Cabuga, loja n. 4, do Castro.
Vende-so superior arroz branco e ver-
mclho, dito de casca e superior farinha de
Sanla-Calharina, a 3,000 rs. a sacca, abs-
nos, etc. : ludo por menos do que em qual-
quer parte : na rus da Praia, neceo do Ca-
rioca, ultimo armazem, no pedo tanoeiro.
Cheguem, freguezes, aos bons charutos
que ha no novo deposito que se abri ha
poucos das no becco da Lingoeta n. 14, on-
de acharfloum sorlimento de charutos fi-
nos da Bahia e da trra mais baratos do que
em outra qualquer parte, e a vontade do
comprador.
Lotera do Ro-de-Ja-
neiro
Na prapa da Independencia, loja n. 4, ven-
dein-se bilhotes, moios, quartos, oitaos o
vigsimos da 10.a lotera a beneficio das ca-
sas da randado da provincia do RiO-de-Ja-
neirn. Na mesma loja se moslra a lista da
lotera passada.
Aos amantes da lotera do Rio-
de-Jineiro.
Aos 20:000,^000 de res.
| chegados ltimamente de Inglaterra; *: ,, che,,lia |isla ,.a qulirU lotera da
I ricas htns de seda lavrai a c de todas & hbrj de vicios, e com elta um grande sor-
| a larguras; lucos e rendas de hubo r ,iim.lll0 ,, muit0 fortunados bilhete e
dd-nielbor gosto possivel; Miper.o- :j rau,elas daHo* lotera das casas do canda-
res escovas para denles; tuucas do de, cuja lista chega no primeiro vapor: a
Ifla para meninos o senliora ; papel J_e ;j elles antes quo sT acabem : na run da Ca-
ijeia do necife, loja de Jo3o da Cunlia Ma-
galhfles, n. 51. -
Vende-sc por preco'iftinino-
do farinha de mandioca rm sao-
^;izr;^pX^^ I ? si,p"ior piassa, l,ar,--
I!
i; cores ; dito para lulo ; dito de peso;
. dito de machina ; dito do perlina ;
j pennas muito superiores c de todas
fl as qunlidades ; lapis para desenlio ;
'' creOes linos para canelas ; caivetes
ditas para senliora ; bantejas de lo- ?
das as finalidades ; meias de algudflo ;>
decores, para senhora o meninas; *
ditas brancas; ditas de seda preta; S:
escovas para cabello, casaca o cha- jp
peo ; facas e garfos de cabo do mar- ?
I ni ; ditas de cabo de unicorne; lelo |5
R virginal de rosas para tirar manchas l|
>i esardas do rosto; lencos fianrezcs $
'I do algodflo; suspensorios do lodas il
S as qualidades; penles do marlini e do ^-
blalo superiores ; agulh8s france- :1
" zas; bengalas de balcia ; o oulros 'i
niuitosnbjectos que a vista da boa
qualidade e prego commodo nin- y
guciii deixar de comprar.
.1
Caclano Xavier Pereira do Urito, m
doulur em medicina, annuncia ao $
respeitavel publico, que fixou a sua :>
residertcia no Alerro-da-lia-Vista, >
n. 43, onde poderi ser procurado a (}
qualquer hura ; o da consultas gratis $
ios polues, dus 8as0horas da ma-
r nlifla. '5
* i
Domingos AlvesHatnous, agente i)a fa-
brica de rap superior arra preta da Ba-
hia, lem a birlo seu deposito iib ra da
Cruz do Recife, primeiro andar da casa n.
38, onde se achara setnpre desle excedente
c mais acreditado rap que al o (frsenle
so tem fabricado no Brasil vende-se em
bolos do 11 mu e de uitia libra por prero
mais rommodo do que 0111 outra qualquer
parte.
Aviso.
Quem prelcmler engenhos para cm 2 ho-
ras socar una caixa, ou ti barricas de as-
sucar, oceupando una s pessoa o um ca-
vado, caries para ronducQflo de formas
com assucar, tambem por una sua pessoa,
1I0 querendu ser engaado, dirija-se ra
'o sol, 11. 13. Adverte-so quo nfloaflo carros
\\e forquilha... por baixo do fundo das fr-
,i|.:s ; desles os acharflo na fabrica dos Srs.
quinhas : no armazem de UiasFer-
reira, no caes da Alfan'dega: n
tratar no mesmo armazem, ou com
Novaos &Companhia, na rua do
Trapiche, n. 34.
Vcnde-se um pardo de 18 a 20 "annos,
bom canociro: no becco da Lingoeta, n. 3,
casa do Joaquim Jos Babello.
Baratissiino.
Yondcm-so meias de seda brancas e pre-
tas, compridase algumas abertas, do 1,000
al2,000 rs. o par; luvaa de pellica para
liomcui o senliora, de 160 ate 1,000 rs. <>
par ; um fardamenlo proprio para pagem do
do panno azul.
ir' ;;y--a}??' ;> palanqulin ou cadeiriuha,
... ^-^ muito lino ocomabotoadura dourada : na
Vonde-se por prero com- rua ,t0 Crespo, loj* n. 5 A, so p do arco do
modo .superior faiinha de Soruby Saoto-Jnlolilo. trixu
em b tricas, c em saceos da de S.- CoilfeitOS de GellS,
Calba. ina : no armazem do Calaia, "' dejactato de forro, approvado pela
, ... .academia do medicina de Pars, conformo
no caes la Alandega : a halar no 0 parecer do urna commissflo composta dos
mesmo armazem, 011 com Novaes;8'*- Gouillaud, FouquereBailly.
o /, 1 i rp As proparaces ferruginosas se conlam
fc (.ompanhia, na na do 1 rapi- n0 ll11ner,0 dJs medicamento!, cujas .pro-
'priedades nflo se pdem por em duvida :
com effeilo ha poucas preparaOes meacas
quo tenbam sido estudadas com Unto cs-
M)Jo3n, pardolriguciio.de 1!) unos, de
estatura pequea cara larga bocea gran
dnehoiiS duales : que o o pegar leve-o ao
liloSr., que daia 50,000 rs. de cratilica-
cao.
Prccisa-se de.um bom amassador : nao
e odia ordenado : no paleo do Terco, nu-
mero 30.
--Bqga-se ao Sr. F. C., na morado sem
ventura^ 'iae nflo facs o que tenciona de
deitaf uma escada do fundo dn sua loja para
uin sobrado, (m do se divertir com una
criada do dito sobrado, puis que C o llzei
*tt> sebado sabir bem. -htolke aconsetlia
** teu amigo.
5o,ooo lis.
lurta^aai, ni tarde desdo feyereiro do
^o'rento anno, do sitio no Remedio perlen-
cciitoa.Qbaao assgnado, um preto de 110-
mc Vicente, naQflo Bengurlla, quo repr-
senla de 35 a 40 annos, cor preta, alluia e
cort O reculares,puuea barba, pequeos sig-
naesda bexigasa roJadonari?, um lalh..
o meio do queixo, Ifbo a baroa encobre ;
Jfi* um pouco esbarrado o apapagaiado,
J) os dedos grandes iios ps abertos pa-
.'pienirj ; quasi nunca falh, pelo que pa-
tee rniiiln. e mundo '. lie tflo pOucu,
laHat
ente
n-
es;
nflo
onio
11 se
ten-
iendo com ludo a minha malriciua, e das
P?Ssoas que commigo vieram pelycapla-
nia, o capitflo deste porto por ii
susp'ilas deu parte ao Exni.
desta pro ^ .icin, que no referid)
glez vinim pessoas sucupritas
cntre'anlo este passo do Sr
'me coiiiproiiclteii, porque o
Lopes Vianna generosamente po.
iu'cii's.-oii, prestou lianza pela mil
duda, Picando assim satisfeita a exigenci)
da le, e-eu livro da dita suspeila que n e
coni| rorfletiesse -. a suspeila do Sr. capitfl
ilo porto ficou desvanecida. Por es;c ge
geroso proccdimenlo, a quo des jo dar
toda a publie dado para fazer conliecer 1
generosiilado c honradez do Sr. Antonio
Lopes Vianna, eu llie don os meus agrade-
cime.ilos, e Ihe protesto minha aaii/aile.
0 Sr/sobdclegado de J iragu Domingos Lo-
liesayAmorim receba igualmente os meus
protestos de estima e amizade : o Ihes pego
descu\jpa deassiui patentear a. minha grati-
lflo, /mandando inserir esta deelaraeflo
nessitidado do Recife, onde son bem co-
nhecidW. Bernardo osi Rodrigues l'inheiro.
- Mnnel de Almeida] Lope que coslu-
ma cofipraro vender oscravos mudou sua
residrAiia da rua do Vigario, n. 24, para a
rua da taduia do Recife, n. 40.
Qiem liver recbiJo ha seis mezes ou
ha 1 anio a esla parte alguns negocios vi-
los danidadn do Porto por mando de Da-
iningi; P'neisco Maa. queira_declir poi
sla folll
Compauhia
clien. ''\.
No armazem do Vrenlo Ferreira da
Cosa na rua da Madrc-de-Deos, vende-so
um moleque do bonita flgura, de 20 annos,
que cozinha o diario de una casa por
.100,000 rs. .
Na rua das Cruzes, n. 22, segundo an-
dar, vondom-se i escravos sendo : 3 mo-
Iccolcs sendo ti m dedos serrador, ootro
cozinhelro e outro p.ra todo o servico;
uma criou'a do 20anuos cum bibilidadcs;
duas ditas quilandeiras
Vende seumacasa terrea, na rua da
Gloria 11. 31. oni cbflus proprios, com 3
mero por observadores sabios.
Os mdicos mais acreditados receitaram
estes confetos com muilas vaotagens, de-
pois de terem analysadoaua composii-flo.
0 benvolo acolliimento que esta prepa-
rado ohtevu da escola de medicina de Pa-
rs nos dispensa de fazer sen elogio.
Kstes confetos sflo empregadoscom gran-
dosuccesso na clorosis 011 paludas cores,
as mil iiuiiiares chronicas do estomago
e dos intestinos, na falla de appelile, as
quartos, quintal lodo murado, cacimba e lanicnorilieaa, ou supprossflo de menatrus,
cozinha lora : na rua .lo Pires, n. 23 I "* enfermidades escrophulosaa, e incontl-
Na loja do Kstima& llamos, no Ater- rjoncias d urmas. provoniontes da *l>ili-
ro-da-Uoa-Visla vende-se um par do adra-
gonas, muito ricas, para capitflo, assim
llolp-Visi.i, o
sa, laonde as
...i.u .indar do Aterro-da-
i. ; 1.. ;; loja da mesma ca-
s S''idioras acharflo sempre um
gratado sorlimento dn modas como: cha-
1 eos', manteletes, lencos, I uvas, bcos, fitas,
llores, bordados, e cm geral ludo que usmi
as S'inhnras por prc;o comnmdo : tam-
bei* so fa/em chapeos, vestidos, camisi-
n' ote. tinlo na verdadeira moda.
Compras.
-- t^inipra-se prata e ouro sem feilio : n
rua Vellui, n. 54.
-- Compra-se um coclhodo reino, que se-
ja bom : quem liver annuneie.
Compra-se uin escravo do 12 a 1C an-
nos, que nflo tenba vicios : prefere-so sen-
do ronhocido nesla praga : na rua do Hos-
picio, 11. 56.
Compra-se tuna bussola de
algibeira : no Aterro da-Boa-Vis-
n. 3.
como um habito de Cbristo esmaltado.
Vcnde-se, na rua Formnsa naquarla
casa lerraa urna escrava de 3D annos pou
co mais ou monos e que he propria para
lodo o servico, por preco muito com-
modo.
Vcnde-se, na loja do DuartCj na rua do
Cahug n_j I C, tjnyjw*ro"fla para senho-
J/ra o meninas ; seda para bordar de todas as
cores, e flores, viudas ultimanienlo de
Lisboa.
Vendem-se bustos do gesso represen-
tando muito fielmente a ranha Victoria e
o principo Alberto; relogios do ouro o de
prata, chegados ultintftmento da Suissa.
Kstes relogios que sflo muito bem acaba-
dos, se lornam muito recommendaveis a
qualquer particular, o Uveile-su quo lia
entre cliea alguns queandamoilo dias sem
precsarem de corda: na ruada Cruz, no
liecife, n. 55.
-- Vende-sc una n.obilia de Jacaranda,
obra do Porto cm muito bom estadeesom
mais precisflo de asseio algum a saber : 12
cadeiras; 2 bancas; 1 sopb; 1 bancada
meio de sala ou sem ella com o compe-
ta, loj 1
-- Compra-so un par de lanternaa, ou
de mangas de vdro : quem livor annuneie.
Compra-se uma prola que seja perila
cozinboira : quem liver annuneie.
-- Compram-so um ral riolel: na Iravessa
dailudro !e-leos, n. 18.
-- Compra-se uma casa terrea que nflo
seja muito pequea preferinJu-se em S.-
MI ITII AHA
ado il 1 besiga : na leucorrhea ou (lores
brancas opilacflo,*abatiaionto de frcas,
no escorbuto, om todos os casos de enfra-
quecimento do organismo, na animya, vul-
go frialdade, na hydropesia, consequenca
(testas molestias, em fim em lodos os casos
em que ha alteraQSo na composiQ&o do
saugue.
A respeiloda dse que se deve tomar,
bsstam tres confetos pc'a manhSa, e ou-
lros tres de larde, e o mais distante possivel
das horas da comida, a.u#*t grdwiyamenle at fide'mauhfla o 6 de tarde.
UelatlVt.wiM*\s 'os meninos, as dosesva-
riam conforme a idade ; mas tomando o
termo medio, se darflo de 6 a 8 todos os
dias, na idade de 6 a 12 annos e 4 aos mais
jovens.
Em as principaes cidades da Europa se
acham os depsitos dos ditos confetos, e
cm Pernambuco na botica do Sr. Paranho,
na rua estreita doRozario, n. 10.
Na rua Nova, o. 10, veodem-ae ence-
rados de todas as larguras e de superior
qualidade; um novo sortimento de trancas
e franjas do seda de cores para vestidos;
manteletes ; avenlaes; roupoes para meni-
11. s ; chales e mantas de soda ; cortea de
seda para vestidos ; bcos de blondo ; fil
tente panno; 1 candiciro Ingles de patento; j branco e preto para capotinho; laques mu-
1 rcloglo para cima de mesa, ptimo re-
gulador ; 1 poltrona : 1 bom tapete ; 1 qna-
dro grande com o retrato (el do S. II. o Sr.
0. Pedro II; LjSuarda-livros pequeo, en-
vidiacado e enVernizado de preto 2 bancas
lo ricos ; jogos do domin e chadrez ; el-
lins para montara de homem e senhora
couro de lustro e bom marroquim.
Cha brasileo,
deangico com gavetas e chaves, enverniza- o melhor que tem apparecido oeste merca-
das da mesma cor; 12 cadeiras de palhinha, I jo : vende-se a retalho em casa de Elias
Baptista da Silva na rua do Sol, n. I.
Vendem-se 72 caixas vasias para assu-
car por proco commodo: na rua do Sol,
n. 1, casa de Elias Baplisla da-Silva.
fornidas, americanas, de rOr preta e com
alguns dourados ; 1 boa commoda de ama-
reilo ; 1 jugo de mangas de vij.ro bordadas,
com (.3 competentes castese*; uma dita
lisa ; 1 cama de angico com enxergOes e
sobre-co; 1 dita de vento uuarnecida de
sola: 1 mala de couro em cabello; 1 capa- io-nnA
cho:na praea da Independencia, loja de fu- F' *UgU.ia,
nileiro n. 27, das "as 9 horas da mandila, (por Constancio, de ptima encadernac.80 ,
e das 4 da tarde em dirute, se dir) quem por prego muito commodo*: em casa de
""*" ii.-i.- R.n Diccionario da liog
M


-. -
A 4 oo ris.
Vende-se superior esguiao da algodSo de
quatro palmos emeio de largura, proprio
para camisas de senhora e jaquotas, pelo
barato prego de 400 rs. a vara ; bretsnhas
doroloeem 10 varas, a 1,600rs. ; supe-
riores fortes de fusiles alcochoado a
l,28o rs ; ditos mitidos, a 400 rs. o corte :
na ra do Crespo, n. 1*, lojade Jos Fran-
cisco Oas
Drposo da fabrica de
Todos-os-Santns na lialiia
Vende-se eoi casa de IV O. Bieher & C.
i rua da Cruz, n. 4, algodSo trancado
.' njuella Tabrica, mnito p'oprio para saceos
de assucar o roupa de escravos.
i,a8o ris.
Vendem-se uperioros cortes de brim
trangado de puro linho edr de lama de Pa-
rs pelo barato preco'do 1,280 rs.: na rua
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Das.
aVolha de Flandres.
Vendem-se caixas com folha de Flan-
dres : era casa de J. J. Tasso Jnior na rua
do Amorim, n. 35.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo em
caixinhasde umaeduas libras: na ruada
Cadeiado Recifo, n. 51.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias quefram'dc
farinha em pe e bera accondicionadas :
na rua do Amorim, n. 35, casa do J. J.
Tasso Jnior.
A 6/O rs.
Vendem-se cobertores dealpodlo, ni ni (o
oncorpados, proprios para escravos a duas
patacas cada um: na rua da Cadeia-Velha,
n. 33.
Saccas com farinha de
mandioca, a5,000 rs.
Vondem-se saccas com farinha de man-
dioca, a 3,000 rs. a sacra, e sacca grande a
3,500 rs.: na rua do Codorniz armazem
n. 11.
Na Ioj da na do Crespo, n. 6,
Jao p do lampeo, vendem-se as
seguintes fazendas por inctade de
sen valor :
cortes de brim escuro, a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,440, 1,500o 1,600 rs. ; dilo
liranco, a 1,500 rs. ; dilo listrado, a 1,500
m. ; picote, muito encorpado, a 180 rs. ;
chitas finas e de cores (xas, a 160 c 180 rs.;
cobertores de algodSo americano, os rne-
Ihoi os que ha no mercado, a 610 rs. ; ma-
lapolfio muito fino e com pouco rulo, a
3,600 rs. a peca, e e 200 rs. a vara ; chapeos
de massa a 400, 640 e 1,600 rs. ; fuslilo ,
a 480 rs. o cavado ; dilo muito fino e de
cores fixas, a 640 rs.
Charutos de Havana
verdadeiros: em casa de Kalkmann Ir-
mitos na rua da Cruz n. 10.
lirmela.la nova.
"llegada ltimamente do Hio-de-Janeiro,
vende-so por preco commodo: rt'sdo Cor-
po-Santo armazem de molhados, n. 66.
Pe chiiK lia.
Vende-se cha hysson de superior quali-
dade pelo preco de 500 rs. a libra : na rua
ilo Crespo, n. 23.
Vendem-sc caitas com cera om velas
do Rio-de-Janeira ; charutos do palha de
inilho,muito superiores; vidrosde pos anti-
biliosos de Manoel Lopes : tudo por preco
rasoavel : na praga do Commercio, n. 6,
primeiro andar.
Vende-se carne de toucinho, a 80 rs. a
lihra ; toucinho do MaranhSu, a 120 rs.; se-
vada, a 80 rs. ; letria, a 200 rs. : na rua l)i-
reita, vonda n. 18.
--Vende-se urna casa terrea meia-agoa,
no largo do Paraizo, n. 41, que d o premio
de 1 porcentoao mez : a fallar na rua das
Cruzes. n. 40.
Vonde-ae urna porgSo de prala de le
em obrasIde preferencia: na rua Direita,!
numero 18.
A ellas antes queseacabem.
Vendem-se ricas linas de pellica para
hornero e senhora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par: na rua do Queimado, n. 1".
inio-.se as amostras.
4
rSesdc Henriques vendem-se pannos pre-la 2,200 rs. o corle; cortes de cassa, a 1,400
loe azul, finos, pelo barato prego de 3,000Jrs. cada um; panninhocom vara de lar-
rs. cada covado, c aim dcstes ha um com- gura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a pega
pelo sorlimento do todas as cores e pre-
gos commodos.
Castorm francez, a OSO
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a rua do Col-
legio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encornados, padres no-
vos oscuros e com listras pela boira, pelo
barato prego de 560 rs. o covade.
Vendem-se riscados escocezos com
vara de largura, a 290 rs. o covado ; cassas
pintadas de cores fixas, a 240 rs. o covado;
pocas de panninho de vara de largura, com
12 jardas a 2,000 rs. : na rua do Crespo,
loja n. tO.
Chales de ttoberlo do
Diabo.
Na loja deCuimares & Ilenriques, rua
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio vendem-se os novos chales
grandes intitulados Roberto do Diabo pe-
lo barato prego do 1,600 rs. cada um : esta
fazenda so torna muito recommendavel ,
porser do padrees novos, o do lindas
franjas.
Vende-so um preta de boa figura do
28 annos que cozinha engomma, cose e
faz lodo o servigo de urna casa; um mole-
quede 16 annos de bonita figura : na rua
do Hospicio, n. 42.
Vende-se, na praga da Independencia,
livraria ns. 6 o 8, Manual de direito ecle-
sistico do todas as confissOcs dirigiras,
porM. Fernando Waller 2 v.; Exlractos ,
acgOcs, provisfles, asscnlos e odilaes do
Brasil desde 1807 al 1816, por U. Borgei
Carneiro.
-- Vende-se farinha de mandioca em sac-
cas, de superior qualidade, muilO alva e
fina e medida de cuia caculada a 140 rs. :
no pateo do Tergo, venda n. 7.
--Vende-so superior doce de casca de
ROiabl, muito fino : na rua larga do Roza-
rio ven.la n. 25.
Na rua Imperial, taberna n. 35, vende-
se farinha de milho, muito fina, pfopria
para cntica e bolos: tanibem ha mais
grossa para passaros e cuscs.
Novidade.
Na rua do Collegio, taberna de Antonio
Jos Alvcs da Fonseca, vendem-se bixas no-
vas viudas ltimamente de Lisboa por
prego myis barato do que em oulra qual-
quer parle.
Veniiem-se8 escravos de 18 a 25 an-
nos sendo dous cozinheiros; um pardo de
18 anuos de elegante figura e que he pro-
prio para pagem ; 2 escravos proprios para
o servigo de campo, por entenderem mili-
to desse trabadlo ; um moleque para todo
o servigo ; urna parda por commodo pre-
go ; 2 pretoa do 20 a 25 annos, com alguns
principios de habilidades: todos estes es-
cravos vendem-se por prego commodo : no
paleo di matriz de S.-Antonio, sobrado n.
4, se dir quem vende.
A i ,600 rs.
Vendem-se casimiras escuras com 6
palmos de largura o elsticas, proprias para
palitos, caigas e aquetas, a 1,600 rs. o co-
vado : na rua do Crespo, loja n. 5 A, ao p
do arco de S.-Antonio.
com 10 varas e meia ; chales de pura lila
a 2,000 rs. cada um; fustoes para colletes,
a 500 rs. o corto ; e outras muitas fazendas
porliarato prego: rr rua do Crespo, loja
n 15, de Cunta Cuimarfies & Companhia.
Cortes de brim de puro
linho, a 1,280.
Vendem-se corles de brim trangado
pardo de pn'o linho, pelo diminuto prego
de quatro patacas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volta para a cadeia.
Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes nglezes: na ruada Sonzalla-No-
va, n. 42.
Rap rolo francez.
Vende-seo superior rap rolSo francez,
nicamente as lojas dos Srs. Caetano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Boa-Vista n. 46 ;
Thomaz de Mal tos Fslima na mesma rua,
n.54; Francisco Joaquim Duarte, ruado
Cabug ; Pinto &IrmSo, na rua da Cadeia
do Recifo, n. 19.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de algodlo ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuarle de chadrez,
a160rs. o covado; dilo trancarlo, a 200
rs. o covsdo ; pecas de ganga azul da Iridia,
com 4 palmos de largura e 12 cnvados,a
2,400 rs.: na rua do Crespo, loja n. 10.
Queijos londrinos.
Vendem-se pelo mais barato preco de
610 rs. a libra, superiores queijos londrinos,
chegados recentementn : na rua do Amo-
rim, n. 3fr.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em harrisdc4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Haria-Joi :
a tratar na rua do Brum armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na rua do
Vigario. n. 19.
o &
O es- Na na do Crespo, jS O
? loja da esquina que volta V
0 para a cadeia, vendern-se q
0 os acreditados brins trancados bran- @
q eos, lisos, de listras e de linho puro, s
S -Cruz uue faz esquina para a ruada Ale- Jacaranda, 2.cannaps, dous jagos de bi
cria a'aual existe com venda ,e junta- cas, 2 metas deoieio de ala com ,Cm
m ntemq. nare de um terreno junto a uso, cadcir.sde.olee.mesas dejogo. 2
Ao barato.
Vendem-se, na loja da rua do Crespo.no p
do arco de S.-Antonio.n. 5 A,corles de cassa
com seto varas e de cores fixas a 2,500 rs.;
ditos superiores a 3,000 rs. ; cortes de col-
letede gorgurSo de se la a 2,501) rs. ; ditos
de fuslo hranro a 500 >s ; i ceas de cas-
sa para babados, a 2,560 rs. ; cortes re cal-
Jjf covado; panno preto muito fino, a y
v 3,200 rs. o cuvado ; cassa de quadros 1
O para babados, a 2,000 rs. a pega ; lu- O
E3> vas de algodSo de cor, muito finas, a &
0 240 rs o par ; chitas rouxas com fio-
0 res encarnadas, de tintas seguras, a 0
0 180 rs. o covado ; cassas pretas, pro- Q
0 prias para lulo, a 160 rs. o covado ; q
0 pegas de platilha de algodSo com 25 2
-, varas a 4,200 rs.; e outras muitas V
X fazendas por prego commodo.
--Vendem-se 6 linios moleques de 12 a
18 annos .sendo um dellescozinheiroo um
alfaiate ; duas negrinhas de 9 a 12 annos;
duas pardas de 18 annos com habilidades;
tresprelasde 20 a 30 annos, sendo una
dellas de nagto e com urna cria de dous an-
nos : na rua do Collegio, n. 3, se dir quem
vende.
Vende-se vinho de Champanha, da ver-
daJoira marca cometa : na rua da''ruz, ar-
mazem n. 27, de CroccQ & C.
Vende-se uma|preta ra Costa, com urna
cria de 14 mezes e quo j anda cuja pre-
ta nio tem vicios, e que engomma cnz-
nha o diarlo de una cas e lava : nn rua es-
trella rio llozario, n. 4, se dir quem vende.
Vendem-se rlons caixOes pera venda
gasde pello do diabo, fazenda muito en- im halcSo de amarelloem bom estado, urna
mente urna parte de um terreno ju..w-
mesma casa o com frente para a rua da S-
Crnz, por prego commodo : na travessa da
Concordia sobrado n. 5.
-Vendem-seamarras de ferro: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
-Noarmazem dobarateiro Silva Lopes,
na porta da alfandega, vende-se. vinho de
Bordeaux, em quartolas, e da melhor qua-
lidade que vem a esto mercado.
Queijos londri os e pre-
suntos
para fiambre : conservas; lalinhas com bis-
coutinhoinglez: ludo chegado de Liver-
pool pelo ultimo navio, por prego mais
commodo do que em oulra qualquer parto :
atrs do Corpo-Sanlo, armazem do molha-
dos, n. 66.
AGENCIA
da fundicSo Low-lfoor,
RUA DX SENZALT.A-NOVA, N. 4a*
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas 'de ferro batido e
coa do, de todos os taannos,
para dito.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodSo ameri-
cano, encorpadose grandes a duas pata-
cas ; chitas escuras, de bons padres e co-
res seguras, a meia pataca o covado: na
rua do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta para a cadeia.
Tafeas para engenho.
Na funiligo de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber um completo sorlimen-
to de taixas de 4 a 8 palmos de bocea as
quaes acham-se a venda por prego com-
modo e com promptidBo embarcam-se,
ou carregam-seem carros sem despezas ao
comprador.
Caderas de palhinha e
de balauco,
hem com outros muilostrastes: vendem-se
em casa de Kalkmann lrmfios, na rua da
Cruz, n.10.
Vende-se um superior caval-
lo de carro,- proprio para cabrio-
le! : na cavnllaricc do Sr. David,
rua do Apollo.
Franjas para cortinados.
Na rua do Queimado, loja de miudezas,
n. 16, de Jos Dias SimOes & Companhia,
vendem-se franjas, proprias para cortina-
dos, do melhor goslo possivel, e por mais
barato prego do que em outra qualquer
pane.
Vende-se um escravo pega, de 20 annos,
bom para o trabaiho de campo ou da praga ;
una preta de 40 annos, por 300,000 rs., que
cozinha muito bem, lava e faz todo o mais
servigo rio urna casa: na rua do Collegio,
n. 21, primeiro an lar.
No antigo deposito de col
virgem e de potnssa, na rua do
n terreno junto a uso, cadoiras de oleo, mesas dejogo i,
de nieio de sala, camas deamarelfo ed
-A?
Trapiche, n. 17, vende-sc muito
angtco, e outros diversos trastes, por DrD;'
commodo: na rua da Cadeic de Santo.*.
Ionio, n. 18.
Bicos ta India e'China
Na rua do Qaeirilado, n. 16, loja do diIm'
dezas, de Jos Das Sim0ea& Companhjj
vendem-se bicos de superior qualidade
todas as larguras, proprios para babados*
por prego mais barato do que em 0 '
qualquer parte.
r>a rua Nova, n. 11, loja de P. da 1
Fonseca Silva, ( anllgamente Guerra Silv*
Companhia ) contina a vonder-se Bu d6
talagarga de seda para bordar suspensorio;
a 800 rs. a vara ; vendem-se tambem per;
nas clsticas para os mesmos suspensorios
promptase concluidas, (velos douradag,,
i| na tro, pamas por 1,600 rs.; e pares du
mosmas fivelas douradas, lisaa lavran,
solas, a 800rs. o par.
A 5,600 rs. a peca de
mada polo.
Vendem-se pegas de madapolflo muito figgJ
com pequeo defoito de mofo, pelo pi
de 3,600 rs. e 200 rs. a vara: na rua
Crespo, n. 6, ao pedo lampeSo.
Na venda que foi de Jos da Penha, m
rua Direita, 11. 23, vende-se manteigain.
gleza de 480 a 800 rs. a libra.
oo>o^oooooo0oe
0 Um piano.
O Vende-se um piano muito bom para '
& estudo, bonito e do excellente autor: i
O na rua do Collegio, n. 9.
Vendem-se espadas pratcadas para oDI-
ciaes da guarda nacional: na rua Nova, loja
de ferragens, n. 16, de Jos Luiz Pereir.
A '80 rs. o lenco.
Na rua do Queimado, loja de miudcut,
de Jos Dias simos & Companhia, vnden-
se, por 280 rs., finos lengos de cambraiadt,
algodSo, com cercadura de mimosea flo\|
proprios para mSosde senhora, o taml
para homem.
Vende-se um chapeo
armado de pello, e urna banda com bici-l
lilaos de ouro para oflicial subalterno tudo I
novo e de muito bom gosto, por prego!
commodo: na estrada do Manguinho, pis-J
sando a ponte, n. 37.
Para calcas e jaquetas.|
i\a rua do Queimado,
loja n. 8 ,
vende-se brim (militar) trancado branca,l
a 1,440 rs. o corte; dito dito escuro,il
1,280 rs. o corle ; dito cor de ganga, mui-l
to lino, a 1,500 rs.; dilo liso escuro, han [
proprio para jaqueta, a 800 rs o corle: sao-
do todos de puro linho : corles de caslor
de listras e quadros, a 800 rs. o corta,
Vendem-se limas proprias par serris]
d'agoa : na rua Nova, luja de ferragens, nu-
mero 16.
A melhor fazenda para
vestir escravos.
nova e superior cal virgem de
Lishi e potnssa da l'ussia, por
precos mmto commodos.
Nos armazens rie Francisco Dias Fer--
reir o no de Leopoldo Jos d i osla Arau-
corpada a 1,000 rs.: ricas mantas de seda l'alanga grande 6 caixasde pioho para re- jo, ha para vender o mais superior vinno do
A 560 rs.
Vende-se hamburgo muito fino, de 3 pal-
moa o meio de largura propiio para len-
ges e ceroulas, pelo barato prego de 360
rs. avara; chitas muito finas, escuras e de
cores muito fixas, a 200 rs.; ditas lavradas
de diversas cores, a 180 rs o covado : na
rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Dias.
-- fa rua da Cruz, n. 3, vende-se cera de
carnauba de superior qualidade porpr?co
commodo.
Ra rua do Crespo, n.>.
loja que faz esquina para a rua do Collegio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drees muito modernos pelo barato piego
do 280 rs. cada covado.
Vende-se um pardinho de 12 annos e
um mulaiinho de 11, ambos muito bonitos,
proprios para cilicio, ou pagens: na rua lar-
ga do Rosario, n, 35, loja.
Tecidos de algodo trau-
cado da fabrica de To-
dos-ns-Sanlos.
Na rua da Cadeia, n. *l,
vendem-se por atacado tres qualidades,
proprias para ssccoa de assucar e roupa do
escravos, a 250, 280 e 300 ra. a vara.
A borda da escuna Tentadora, chegada
do Itio-Crande-do-Sul, vende-se sebo em
rama, por barato prego.
Vende-se um moleque de 16 a 1" an-
uos : tambem ae vende urna toalha de lava-
rinto de bom gosto : na rua da Mode, n. 9,
da^eKs 5 horas da tarde.
Pannos finos prctoeazul,
a 5,000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo,n 5, de Cuima-
para senhora e meninas, a C c 8,01.0 rs ; cor-
tes de casimira elstica de una B cor cla-
ra, a 4,000 rs. : bem como tambem se ven-
dem olijectos de armador como sejam es-
prvnillias, 1 eiul.is, volantes, etc.
*?!**!
I
I Farinha barata.
ti) Vendem-se saccas com muito boa fa- *
# rinha do mandioca, por barato pre- m
# go : no armazam do bacelar, em fren- ?
# teda rampa da alfandega a tratar j
# com Machado & Pinheiro. ?
*- m.
Vende-se doce de lo.las as qualidades,
secco e de calda em porgues grandes o pe-
quenas, por baralo prego: na rua Impe-
rial, n. 67.
Madapoloes finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se mas finos.com ?4 jar-
das com uir pequeo loque do mofo W
lo prego de 3,600 rs. a pega : na rua do M(?
po luja da esquina que volta para a ca-
deia.
Vende-se urna balanga completa, de pe-
sar assucar, com oplimo brago novo c o
mais cerlo possivel : nn armazem de assu-
car por detrs du arsenal de marinha na
rua do Brum.
Vendo-so urna cscrava parda de 20 an-
nos que corta e faz urna camisa de hu-
men e um vestido de senhora e todo o
mais servigo de urna casa do familia ; um
moleque de 16 annos do boa conducta e
que he ptimo para o servigo de urna casa, j
ou para o servigo de campo : na rua do Col-|
legio, n. 21, primeiro andar, se dir quem
vende.
Vende-se um carro de mito, de 4 rodas,
muito bem construido, para conduzir toda
e qualquer qualidade de voluntes: na ru
do Brum, armazem de assucar, por detrs
doarsenal de marinha.
Vende-se um preto de nagSo, de 35 an-
nos oflicial de latoeiro, e que nSo tem vi-
cios nem achaques : no Aterro-da-Boa-Vis-
ta, n. 38, segundo andar.
Vendem-se cortes de cambraias ada-
mascadas proprias para vestidos, e 3,000
rs. ditosde talagarga, a 1,600 e 2,500rs.;
cassa^chita decores fixas a SOO rs. ; lan-
zinhas para vestidos, caigas e roupa de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de lila
com listras de seda, propna para vestido
de senhora a 0 rs.; ISas para caigas, de
muito bom gostoe de superior qualidade ,
psito do alguma cousa licores, azeite do-
ice, vinho, ago'ard-nte branca, de aniz e do
reino, vinagre, e outras muitas cousas:
tudo por muito menos de seu valor: na rua
do Coiovello, n 31. *
--Venrleni-.se alguns mcrpulhos de par-
reira moscatel, proprios para seren leva-
dos para qualquer parte: no pateo d S.-
Cruz paitara de urna s porta,
Vende-se vinho engarrafado ha 3 annos,
tanto tinto corno branco, o mais superior
que ha boje no mercado; bem como vinho
rlaFigueira, a 160 rs. a garrafa : na rua
das Cruzes, n. 20.
- Na rua da Cruz, n. 33 armazem de S
Araujo, vende-se urna porgan de calgado
feito no Ar.caty : bem como sola e couros
miados.
Vendem-se presuntos nglezes para,
fiambre ; latas com bolachinhas re Lisboa 1
ditas de araruta ; ditas do marmelada di
1, 2 e 4 libras ; ditas de sardinhas ; ditas de
hervilhas ; ditas de chacolale de Lisboa ;
Irascos de conservas; dilos d'agoa de flor
de laranja; barra com azeitonas brancas de
F.lvas ; gar- r- ron ....do moscatel de Se-
-o ,
-
mente de Lisboa: u. ,. no
Itecife, n. 46.
Cha brasileiro.
Vende-se che brasileiro no armaze)" de
molhados, atrs do Corpo-Santo, n. p6-
mais excellente cha produzido em S.rpu-
ln que tem vindo a este mercdcA- por
prego muito commodo. \
Cera em velas.
Vendem-se caixas pequeas com
cera em velas e muito bemsorlidas.
por ser del at 16 em libra, fabrica-
da no lio-de-Janeiro em um a das
melhores fabricas por prego mais
barato do que em outra qualquer par-
te : tratase com Machado & Pinheiro,
na rua do Vigaalo, n.19.
Porto une tem vindo a este mercado, em
liarrrsTle 4*, 5o, 7' e 8" os apreciadores p-
d-m sortir-se porque poucas vezes c vem
fazenda igual.
Vende-se superior lio de
algodSo para velas: em casa de
Geo: Kenworlhy & Companhia.
no ruada ('ruz, 11 1.
-- Vende-se um raheeflo pequeo um
baixo, pju clavic.por mdico prego: na
rua da.Ouz, armazem n. 27, de Crocco &
Companhia.
Praca da Independencia,
11. 57.
AiS 20:000,000 de ri .
fdiegoii grande sorlimento de bilbetes ,
niei,os, quartos, oitavos e vigsimos da lo-
icn do Hio-de-Janeiro concedida a bene-
uci 1 das casas de candarle da provincia :
igualmente se mostram as listas das lote-
ns paradas.
Frrguezia.
Vende-se vinho da Figueira de superior
qualid e,a 1.280rs. a caada
s., sendo engarrafado
frepuez a garra (a ";-. vj|lho
,'''.; a ",5u rs- garrafa ;
".ours. a libra; bolachinha
a, a 160 rs. a libra ; araruta,
ura; carne de toucinho, a 80
: no pateo do Tergo, veida 11.7.
Vende-se urna caixa com ilensilios
na
Na rua do Queimado,
loja n. 8,
vende-se picote entrangado, fazenda a rniiij
propria para roupa do escravos, por tari
muiio encorvada a 5,000 rs. a pega com
27 covados e a 200 rs. o covado.
Attencao.
Vendem-se na rua Nova n. 42, drfronle
da Conceigflo, ca.'imiras muilo boas, a 5,0M
rs. o coi te ; lengos de 13a, a IfiO rs. ; chales
ile dita, a 560 rs. ; casimiras pretas muito
superiores a 2,600 rs. o covado ; corles de
cass* de lindissimos padrOei a 3,200 is.;
can braias finas e de cores linas, a 600 is.
vara ; riscados de cassa, ir 280 rs. n covadl
dilos 1 ara jaqueta, a 180 rs. o covado
outras muitas fazendas por prego coui
modo.
m
i
muito J
* Para forros de carros.
**j Vende-se casimira ingleza ,
? encnrpada e de varias cores, pro--J
g. pria para forrar carros : na ua do ^
If. Queimado, loja do sobrado tarello, ^
b- n. 29.
Vendem-se 5 lindos moleques de ni-
CIo e crioulos. de 12 a 20 annos, sendo ti
delles bom oflicial de alfaiate; amulis
nlios, de 14 a a 18 annos, bons para psgeml
3 mulalinhas de 16 a 20 annos, com 1|'
mas habilidades ; 4 pretas para todo o se;
dai
bra
rll
doc
a 2C
rs. a
rra iiHDiiiuaUes ; pretas para louo o ws-
vigo ; i dita com todas as habilidades {"li-
las do meia i dado e que se vendem em ton-i
1 e a ge/rati-l^j 6 1 retos bons para JjJilpj)
e l ' da Cadeia do Recifo, n. '
-es fumantes de bom gosto.
No armazem de molhados atrs do Cor-
po-anlo, n. 06, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e de outras muitas
qualidades que se venderfio mais baralo do
que em oulra qualquer parlo : bem como
iara pianos, por barato prego : |na ruada
rti. armazem n. 27, de Crocco &f C.
Vende-se um excellente cabriol de bo-
nito molde, pintado de novo, com boas mo-
las e muilo forte : no AUerro-da-Bua-Vista
cocheira doftaymundo.
Na loja do Duarte, na rua
do Cabug, n. 1 C, vendem-^e fi-
tas de setim lavradas, tutin^ de
cores, bicos de linho e seda, te-
souras fabricadas em GuimiSes.
Vendem-se muito bons pos para jjentea,
que nSoslimpam comofazem conservaros
mesmos : na rua Velha, n. 54.
Para quem gosta
Vende-se muilo superior carne do/sertlo
a 240 rs. a libra : nas Cinco-I'onlasf venda'
n. 141, largo do Tergo.
cigarrilhos hespanhes ditos de palha de Vencm-se eos'burroa grandL mu.
, qT l"JSlS0 vende,,<|0 P^o diminu- to mansos e passeiros : na rua do CAeima
to prego de 500 rs. o cento. Ido n-< "*"""
^^,Pa^^^^,^
sexvvtry asi
vos : na rus
40.
Lscruvos fru//ii>oh
- Fugio, em dias do mez'passado
cravo Patricio crioulo, de SOannos p
mais ou menos ; he desdentado na rrenre^
tem urna fstula no rosto, por causa uo
denles, e de mais a mais he capado de
grao ; quando fugio ainda nSo poda nuai
muito bem por causa de urna molestia <
levo ; tem ospsum tanto inchados iV'Jl'l
do sabio ia em trajes de pobre de pedir -1
molas, com um pao na mSo eumaaccoa 1-1
ra-collo branco, mas oi visto na ribeira u|
lioa-Vista como quem era forro o anas.
tirando esmolas, porm como he m"'*.,
maiiboso, o depois-que se achasse oiein 1
tal^ez 4omasse a estrada do sertfo por ai o a
muilo conhecida,principalmente daqui1 1
o II -da-N.-deDeos, aonde lem iW> P""
pelolllm. Sr. delegado Cordeiro de Car?
Iho por duas vezes, e remellido P'" ,8 I
praca. Itoga-se as autoridades P"J""'I
capitfles de campo e pessoas particulares .a
que o apprehendam e lovem-no a rua |
Cruz no Itecife, n. H, que serBo recom
pensados.
Vende-" "
PtBV .-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXGRI92VP_IRL2L4 INGEST_TIME 2013-04-24T16:12:39Z PACKAGE AA00011611_06627
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES