Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06626


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Aun XXV
Sabhado I

PARTIDA BOS CORUBIO.
runna e Parahiba, segundas eaexus-felras.
J, jo^rande-do-Horte, qulntas-felras ao meio-
rf^Serinhioin, Wo-Formoso, Porto-Calvo
Macei, no 1.', a !l c 21 de cada inei.
fMir,i[ihuns c Bonito, a 8 e 23.
Boa-VIU e Flores, a 13 e 28.
VlclorU, as quintaa-feiras.
alinda, lodos os dias.
ZPBxafXKTsn.
Pkasis diui. Cheiaa 1, As 2h.'u8m.da t
Mlng. a 9, s 4h. e.im.di t.
Nova a 16, l h. c42m.da t.
Gresca 24,s 9b. e 4in.il.im.
PKEAMAR DK HMI.
Primeira as i hor. e30 minutos da tardr.
Segunda as i boras e 54 ininutos da manb.
de Sotembrode 1849.
N. 19*.
razos da soasen, ir ci.
Por tres mr/.es (diaiiiado) 4/000
Por seis inezes 8/000
Por um anno 15/000
das da ihwi.
27 Ser. S.Rufo. Aud. do J; dos orf.edom.da I. v
28 Tere. S. Agoslinho. Aud. da chae, do J. da i.
v. dociv. e do dos feitosda faienda.
29 Quart. S. Adolfo. Aud. do J. da 2. v. do clv.
30 Quii. S. Caudencio. Aud. do J. dosorf. c do
31 Se'xt. S.' Raymundo Nonato. Aud. do J. da 1. v.
do civ. e do dos feilos da faienda.
1 Sab. S. Egidlo. Aud. da Chae, e do I. da i. v.
do crime.
2 Uoin. Nossa Senhora da Perda.
CAMBIO* X 31 n* AGOSTO.
rs. a 60 dias.
Sobre Londres. 26 d. por 1/000
. Paris, 380.
. i,il>oa, UOporcento.
Ouro.Oneaa hespanhors........
Moedasdery400velhas.
de 6/4ti0 novas.
. de4/0OO..........
Prata.Palacdes brasilelros.....
Pesos columnarlos......
1) i tos mexicanos..
. 3IJTO0 a 31/500
. 17/200 a 17/400
. J6/200 a 160-100
. 9/200 a 9/400
. 1/190 a 2/010
. 1/190 a 2/>l
1/UOO a 1/J20
--a
DIARIO DE
IIIISI lllllll 11 SI li 1 I----~-----------~it.ni
PARTE OFFICUl.
ca em todos, era slo um motivo poderoso
de se retrarem immediatamonte; entilo
diriam elles que, sem respeito ao templo e
,,.,.nnv/ r\A iMtnVIIVri X as suas categoras, fram postos ns e que
GOVERNO DA FKUVIMj.A. nfio houTO uUngB que M nSo |he, titease :
Respondo aoofllcio do primeiro do cor- diriam que a polica se ap'oveitou desta oc-
ite em que V. me. d conta dos pro- currencia para tirar e rasgar as listas dos
einsaue iulealerem alguns dos morado- opposiconistas, e introduzir em suasalgi-
s desse termo de perturbaren! e ensan- boiras as listas do partido dominante, e
onentsrem ai elec,es do dia 5, declarando- que, espoliados em todos os seus direitos,
ihenueV me. deve, de acc6rdo com o de- abandonaram o campo, etc., etc. Os pro-
do ecomosiuizrsdepazqueteem de testantes diriam isto. estou assim conven-
nresidir referida eleiQSo, lomar as med- cido, vista do argumento quo tiram. e:n
das necessariag para quesen.lo realisem seu avor para o protesto, de minhas pale-
as suspeilas que V. me. lem ; convindo que vras, todas em beneficio delles e do voto
urna dessas medidas seja tomar todos os |Vre.
paos e cceles d'squellas pessoas que os E teriam elles, que assim se apresonta-
troxerem, e prender a todos que seapre- rain com o son protesto V. Exc, conscien-
senlarem com armas proliibidas. ca do que a nieu respeito ahi dizem i Julgo
Quanto 4 conspirscHi) que V. me. se que n.lo. Fui eu, dizem elles, o accessor
refere cumpre que n.lo confunda planos do juiz de paz noprocesso da rormQSo da
Duramente eleitoraes, combnacSes quo mesa, e dizem urna verdado : logo, tinha do
faca a opposictlo entre os seus allisdos para juiz de paz plena confianes, e esla bem vis-
rnnseguir o triumplio na eleigilo pormeios toque, sendo o juiz de paz do meu credo
lcitos, comas reunioes que, segundo,as poltico, sea polica, ou se eu tivesse lu-
jis se reputanr criminosas : as primesas iroduzido na igrja pessoas armadas, ou se
devm ser toleradas e respeitadas como jj ellas por si se inlroduzssem, sabendo o eu,
uso de um direilo legitimo; as segundis tambem o sabera o juiz de paz, e portento
devem de ser reDrimidag na frm d|s nito se pode acreditar que o juiz de piz: re-
uj, J tpierwi*. .TU busca em todos em sacrificio
lieos guarde a V. me. Palacio do governo de seus amigos riorTticuJ, o ue insistisso
i i'ernambuco, 8de agosto de 1849.Uo- nesta busca visla de minha o'pposir,^, ;*
'wioltirmtto Carueiro Ijao.St. juiz mu- meio furioso, como me pintam os protes-
tantes ; nem he de suppr lambem que ros-
semog nos os armados, quando o delegado
se dispunha a sajjsfazer ao juiz de paz, ce-
dendo por fim aTodasas minhas redexes.
Por conseguinte, se o juiz de paz requeren e
insisti na busca dos armados, se par ella
o delegado eslava prestes em satisfazlo da
requisico do juiz de paz, he porque os ar-
mados eram os protestantes e os de seu la-
do que.na igreja se achavam, e assim a
minha insislencia rara que tal busca senSo
desse lie toda em proveito dos protestantes
que estavnm armados, do que das pessoas
dolado do governo que nUa o estavam, e o
provam a requisic-lo do juiz de paz e a a-
quiescenci do delegado.
A polica aterrou por todos os meios aos
opposicionistas, dizem os protestantes!!!
nono iirim**v w-.-. ~.
nicipal do termo de Nazarelh.
Illm. o Exm. Sr.-Li no Diaria-Novo um
protesto contra as eleicOe? primarias desta
freguezia, on'e os fados seadulteiam pa-
ra d'hl ae tirar argumento de irregulari-
dades em dita eleicSo, involvendose o meu
nome, e empreslando-se=me ditos e ritos
quo bem longe esl3o de meus principios
de educa?flo e do meus deveres como ma-
gistrado. Como este protesto a V. Ex. fos-
se dirigido, permita V. Ex. queeu conlra-
proteslee explique a'guns fados, para que
a verdada e s a verdade seja a sjouiina-
dora e no o embuste, esso mel ignobil
deque se valem para inquina|FlseleicOea
de 5 de agosto nesta freguezia.
Contra protesto d" ncuTcadas irregu-
Uriilades em que a |-4icia heaecusada, e
conlrapiotesio com a arlcipari.io que a
V Ex. lz dadescoberB de umaconspira-
eao, onde expux a V. E*. os meios empe-
gados para a fazor abortar. A polica al-
eiima cousa devia fazer, como fez, e de que
j dei conlas a V. Ex., porm sempre multo
aquem talvez do que devia fazor em ou-
tra poca que i.So fosso a da qua ira elei-
toral, lo.la melindrosa par se uio rffen.ler
orotolivre. Contra protesto dus relos a
mim impuUdos o os explico da maneira se-
ginte:
Acabada a missa conventual, depois de
ter o juiz de paz disposto ludo para elei'
c3o, f>endo t-azer para a igreja urna me-
sa, bancos, &., o de ter estabel.cidoa di-
visao dos eleitores e seus supplentes dos
demas assistentes, cliamou-nie para que o
guiasse no procosso da f.irmacfloda mesa,
ao qun me preslei collocnndo-me o mais
perlo possivel do juiz >le paz, porm sem-
pre no lugar quo me competa enire os as-
sistentes, scgiegadoda mesa e de todos os
eleitnres e supplentes do eleitores : quan-
do ja se eslava na chamada doseleilo'es, o
juiz de paz inlerrompe-a, e levaiitando-se
se declara coacio, porque tcm denuncia e
avisos que no recinto da igreja lia pessoas
armadas de facas e puohses, e pode a po-
lica que a todos se corra : esta requisicilo
eu me oppooho em nome da liberdadedo
vol. 0 juiz de paz insiste e eu tambero
insisto, e Ihe insino como medida mais
prudente requerer a esses armados, se
alguns haviam, que fossem depr em suas
casas as armas, e vo'ltassem entao para a
igreja, e recommendo polica e ao dele-
gado quo se acliava presente queesprei-
tasse ossuspetoa, mas ao entrar n> tem-
plo efra delle econcluo animando aojuiz
de paz com estas palavras:-0 Sr. juiz
de paz porventura temer duas ou tres
facaa quo pessoas indiscretas possam aqu
trazer? U que acabo de relatrosla P">-
vado com dous allestados de pessoas no
suspeilar aos protestamos; dous eleitores,
um dosquacs be o Sr. Patricio Jos de A-
raujo quo sssignou esse protesto! Ora
onde esta neslas minhas palavrss cousa que
desanime ou aterre aos senhores protestan-
lea? Sondo o queaoalio de dizer apura
verdade, e que poderci anda provar com
>- aiguin privo como para una st
?3o, danio as autoridades por demittidoo,
Me inculcando elles as autoridades legili-
1*as, descobertOa e contraria los em seus
Ininas, vendo ease povo rdirar-se, como
provo com o atiesta jo do eleitor Patricio,
que julga enlSo que o povo abia amedroo-
LlUoUIvez do cerco de algumaa casas, era
nsequencia infallvel para mim que os
itfea e mullos dos eleilores, mais hora
menos hor, abandonaram a eleico, e
para cuhonestar sua debandada conher
que ambicionavam pretextos, e ful por esta
rango que, guando o juiz do paz requereu a
busca ou corrida em todos na igreja pela de-
nuncia c liona de pessoas armadas, eu. a
bem da .iterdadedo vol me oppuz esta
equisiQao.
soltar um crmnoso,dandolod a exlenclq
liberdade do voto : so na igreja Irabalhei
para o bem da liberdade do voto, nlo con-
senlindo que.a requermento do juiz de paz
se corresse um s individuo.nem que se in-
jurasse ; em fim se em qualquer parle me
ache quando se faza mister para so resta-
belecer a ordom e respeito a lodos. Final-
mente attestem se a minha autoridadn foi
reclamada para providenciar sobre abusos
de que aecusam os amigos da ordem.JoW
Bandcira de Mello.
Attestem mais so o povo j de mandila,
conhecendo a illuso em quo eslava e de
que os que os trazam no eram as autori-
dades que neulcavam, so retrava.
Naznrett, G de agosto de 18t9.--ffau-
i/fi'r Declaro que he verdade ludo quanto
aqu se allega, poissou testemunna de vis-
ta ; tamben he verdade quo desdo de mu-
nhia algum povo se rclirou, talvoz ame-
dronlado do cerco de algumas casas, o
qual cerco teve lugar das oito s nove ho-
ras do dia.
rsazarelh, fi do agosto Jde 1849.Patri-
cio Jos de \raujo.
Reconherjo se' alttraefirma da decla-
racSo iwpra u propria do Patricio Jos de
Araujo.
Nazarelh. 23 do agosto de 1849.--Em
teslemunho de verdade 0 tabelllo publi-
co, .'; o Yieira de Mello, p I
O Sr. Dr. lierwzio Luiz de S* Carnero,
querendo me fazer merc, nfilr/no ao p
deste com palavra de honra e com ar*-
fhanto aos santos cnvangcldos, sn assim
Iho fr exigido, e com toda a franqueza da
verdade, o seguintc:
1."
c Se assistio, naqualidade de cieilor,
rnrmavio da mesa da assembla parochial
no da 3 do agoslo crenlo.
.. 2.
So, chamado pelo juiz de paz para di-
rig-lo no procosso da formacfto da mesa,
tve algum desvio, ou Insinu! aojuiz de
paz algum procedmento cootrrio le
eletoil.
3o
ii Se, no aclo da formaejlo da mesa, o
Esta providencia pareceu-mc tflo J"st"-
da quanlo proveitosa aos nt-resses da n-
zenda, c por isso tenho resolvdo determi-
nar a V Ex hja dcexoedr as convenien-
tes ordena para que ella seja d"ora o.ti di-
ante adoptado.Sientficou-se o inspector
Ja pazndoria militar.
Dito Aocommandanteda prac. recom-
mendandnd as precisas ordensa fim de que
pelas nove horas da manira de domingo pr-
ximo futuro so aclie no lar*o do hospicio do
Nossa Senhora da l'enha urna guarda do hon-
ra com mu solemne a festa da mesma Senhora que la-
ver lugar n'aquolle dia.
Dito -Ao chefe do polica, remetiendo o
olllcio do inspector da alfandega desta ci-
dade o mus papis relativos a upprehenslo
feita em 23 africanos hucacs a bordo do pa-
tacho nacional Diligente, entrado hnnlem
da Itahia, afimdoquo tome conhccimenlo
d'aquelle faci e proceda contra quem fr
de direilo Neslo sentido ollciou-se ao
inspector da alfandega.
Dito.AO nspeclor da thesouraria do fa-
Mltd, para que mande supprir a contadoria
do mariiha com I qnanta ndispensiivel
para pagamento da gratifica?no de dous
platicantes addidos queseacham em ser-
vido n'aquella reparlica em vrtnde de
autorisac.lo do governo imperial, ale que
o excellenlissimo minislroda marinha re-
solva a rcsieito oque fr servido.Com-
municou-se ao referido contador.
Dito.Ao juiz municipal do Icrmo de
Nazarelh, declarando licar scienlc dequan-
io ar "ontni em seu olllcio de 27 do edr
s: P2S SX$^ SSftS.1 t&Sttffj s?*?
nn iii v um. ni ii-p-M" i f--------------------- -
NiTo he esto facto todo publico e presenciado
por elles meamos, como provo com os altes-
lados untos, mais que animados para os
no foi certoquo Ihe aconselhei, como medi-
da mais prudente, que requoresse a estes ar-
mados, so algn* haviam, que fossem de-
ssa&*isVRra',?^-aw!iat*
piracHo, aqu doscob^ita ; como provo ago-
ra com um termo de bem vver que lizas-
signar a Francisco Vaz, e cujas provas por
copia levarei o conhecmento de V Exc,
se assim o exigir. O tenor e os insultos
silo meios de que usis, como Jhestes i-lan-
do o vosso contingente para a rehulliflo, e
como o Tuestes em julho do anuo pussado
commigo e com o juiz de direilo. s pela
fcto de ter eu merecido a confianca do
Exm. Sr. Domingos Malaquias de Aguar
para o lugar de delegado deste termo, e do
que se acham na secretaria do governo o de
polica provas ou partes minhas odiases
sobro esla sedicilo do povo armado por vo*
de cceles e punhaes as ras desta villa !.!
Como o (zestes e fazeis anda com vossos
pasquins, e vossos ditos, e vossas acQes..
Contraprolesto, pois, de ludo quanlo dizris
em vosso protesto par marear aseleicoes
desta freguezia no da 5 de agosto.
Exm. Sr., ao passar a limpo este meu olll-
cio, acabo de ver no Diario de Pernambuco,
que V. Exc. manda, pelo juiz de direilo,
devassar dos fados indicados pelos protes-
tantes, afim de os levar com seu protesto ao
conhecmento da cmara dos deputados ;
sto me ojJTga a n3o levar mais avante mi-
nhas observaces, e devo concluir aqu com
asseguintes notas: I.-, que multos eleito-
resesupplentts de eleilores que assistiram
S formaco da mesa deixam de assiguar o
protesloTqu foi a presentado a V. Ese., o
queproifa que reconhecem a falsidadodos
motivos apresentados, nSo querendo coni-
promeller seus nomes e subconsciencia
nesta urdidura : 2., que Patricio Jos de
Araujo, eleitor que sssignou o proleslo, as-
sistio los trabalhos da mesa no da 6 de
agosto, le que so rotirou entao por motivos
do molestia ; e que ueste mesmo da o sup-
files mesmos, obriganlo-os a um juramen- p|enie ye eleilor Manoel Gomes do Araujo
to d'alma, se assim fr conveniente, para sssi0;comnoscoem dita mesa de quo fez
que se inverlem os mous termos, se arma parle rfetirando-se alinal tambem por mo-
em castello noar, snelogosto deocom- lestia'ei'norgrande afiluenca deseus servi-
batere fingir terroros?! ?0Si q0e sem grave prejuizo nSo poda a-
Exm. Sr,, tendo a opposicio em pregado bandojiar. ..
toJosoj meios criminosos do nos querer Hog agora V. Exc. que por benignida-
urna, tendo je g2eite ste meu contraproteslo, e que
o destino que julgar conveniente a
Frnnei'co Cario Boeno Deichttmpi. prlmelro t
nenie ajudanle d'ordcns.
NTERIOR
COPRUSPONDF.NCIA IX) DIARIO DR PERNAM-
UTICO.
Rio-riWaiit>o, 22 it osto de J849.
J linda doitado no corroio a que lhos ro-
metli pelo paqticto inglcz, em data de 13,
quando soube da tansferenaa da sabida
leste rara o dia 16; como, porm, nada
mais oceorresso alm doquemencionei, nao
live o que accrescentsr com nova data.
Tambem ronco lenho agora a dizer
Por decretos de 13 do correte rram re-
movidos a pedido os juizes municipaes
Francisco de Assis llezcrra dos termos reu-
nidos de Qiicxcrmohin e nacho-de-San-
eiie para o de Aracaty, no Cear ; e Herma-
no Domingues do Couto do Icrmo do Minas-
do Rio-de-Contas para o de Atirantes, na
Itahia.
Itasgou-se o inysterio ; j n.lo de mais um
Recrean a nnmeaqao do Dr. Mcrelles para
cirurgao-mr da armada. O decreto ia
rol registrado no concelho supremo, dado
em onlem do dia do quartcl-general da
marinha, e S. S. j entrn em exercicio.
Nao he exacto que o ministro da justica
tivesse Teito questao de gabinete por causa
dessa nomeac.ao, como me hayia sido dito
por pessoas da opposie.lo : hoje melhor in-
formado sei de alguma cousa a tal respeito
8. Ex. I'z ohjaccoo, he verdade, mas pres-
USSslSS 5MaSSaMUK*- M"
publicado pela imi rensa contra nscleices. P".*^"**
a que sedera comeco n'aquella rreguezla' venlente^lej
no dia 5, e orden.nio que informe q'ial o
delicio que commeltra o criminoso quo.
segundo S. me. diz no citado olllcio, lora
posloem liberdade, logo depois do preso,
por entender a polica que n'aquelle da
s so devera prender em (lagranto.
Portara.O presidente da provincia, at-
tendendo s necassidades do ser vico pu-
blico, da por bem dispensar a Pedro Ca-
valcanl Wandurley do cargo de subdele-
gado da freguezia de Ipojuca, pare que pos-
sa entrar no exerc.ico de comnandante de
um balalbao do guardas nacionaes. lnlci-
rou-so o chefe de polica.
Hila -Tendo pesiado as rasos que acon-
seldaram a creac.lo de urna delegad de
polica na freguesa do Ipojuca, teillio re-
solvdo supprimir a mencionada delegara.
que lloar lnne*aa do Cabo, como era an-
tes d luaereacaoj devendo cun*iderar-se
dispensados o respectivo delegado e seus
supplentes. Communicouse ao diere de
polica. ______
..observando que seriaton-
dar-lde publicidade antes de
taerein felas as eleiqOes primarias. Entre-
unto o Jornai da Com-ercio deu a
* i ii i i ni >\t f .------------
n.lo conclu as mntas observaces com es-
tas palavras : O Sr. juiz de paz porventu-
ra ter medo de dua* ou tres facas que pes-
soas indiscretas possam aqui trazer
4."
Se as buscas que nessod so deram
em algumas casas se prendeu um crimino-
so, que tinha escapado di cadoia durante o
lempo da revolta.de quem scdizia faltava
cumprir dous a tres mezes de priSBO do sua
condemnapao ; c so eu fiz soltar a este cri-
minoso, dizendo que naquelle da so so
prendera em legrante, e que entilo logo a
polica faria o seu dever a respeito desle
criminoso e de outros que apparecessem na
comarca. .
Nazarelh. 23 de agosto .lo 1819. O
juiz municipal, llandeira. o
< Debaixo da palavra de honra e jura-
mento aos santos evaiigelhos, se mister fr,
atiesto que, assistindo, como eleilor, a for-
maco da mesa da assembla parochial da
freguezia de Nazaretd em 5 de agosto cor-
rente, nao presenciei ou collii que o Sr. Dr.
juiz municipal, Jos Bandcira do Mello, m-
sinuasseou desviasse o juiz do paz presi-
dente da assembla para esto ir de encon-
tr com a le eleitoral : respondidos desle
modo os I. e 2." quesitos supra.
Quanto ao 3. o 4., offerece-me dizer
nue he verdade quanto ah se menciona,
u.sssndo-sea soltura do criminoso defron-
te da minha casa, quando conduzdo pela
"to Camboim, 24 de agosto de 1819.
Gervasio Luiz de S (arneiro
rteconheco ser a propria lettra e firma
da resposta tvpra do Dr. Gervasio Luiz de
S Carnero. ,,,,
Nazarelh, 2.^ de agoslo de 1849 Em
testemunho de verdade.O labelliilo pu-
blico, /7(icio Yieira de Mello.
vjuaus meios criminosos i__
supplantr o ariedar-hos da urna, tendo de a2eite ste meu contraproteslo, e que
trazido algum povo como para urna sed- -*&- j-.i.. inloar conveniente a
becii da verdade e dos inleresses da justi? .
ao Alenos como una justillcacfo de meu
prAciidcr, tflo ale vosa mente desfigurado
iieMos senhores protestantes.
A presento a V. Exc. os meus respeitos e
Na consideracto em que tenho a pessoa de
V/Exc. a quem Dos guarde por mu tosi an-
os Nazarelh, 27 de agoslo de 1849. -
Ihii eFxm. Sr. concelheiro Honorio Her-
oCa'rneiro LeSo. presidente da provin-
.. \0,i Bandcira de Mello, juiz munici-
e orphSos do termo de Nazarelh.
JUMENTOS A QUE SE REFERE O OF-
FICIu SUPHA.
i pessoas mparcias ao p desta in-
i ge, como autordade, muito traba-
EXPEDIBNTE DO DIA 30DE AGOSTO.
Odcio.Ao commandantc das armas.
Illm. e Exm. Sr. Em nformacao de 27 do cor-
rele ponderou-meo Mispector da paga lo-
ria militar, a bem da fiscalsac3o das despe-
zas a seu cargo, a necessidada de acabar com
a pratica, at agora seguida, de alugarem
os propros ofliciaes subalternos os cavallos
de que necessitam para qualquer conduccao,
detorminando-soquesomelhanteluguelse-
|a verificado pelas auto dadas territonaes
a requisicaodoscoromandntes de rorpos,
o por estes quando aquellas se negarem a
faz-lo, em cojo caso cada bagagerio rece-
bera um titulo passido pelo secretario do
corpo a cujo servico se houver prestado,
ou poroutro odlcia, e rubricado pelo res-
pectivo commandante ; ou entao mandar
esto formular urna lista de todos os baga-
geirog, cujo migter tlver approvoilado.e
com ella em duplcala exigir o competen-
te pagamento ; dirigindo se a esta presi-
dencia por intermedio do commando das
armas.
I.ominando da pra Ouurlei do commando da fue em Ycmambuco,
31 de ogmlo de lM9.
OltDEM DO DIA N. 24.
Faco publico, para conliecimenlo da guar-
nicffO edevido cumprmenlo ila parte do
quem perteneer, o olllcio do Exm. Sr. pre-
sidente da provincia, abaixo transcripto, di-
rigido ao Exm. Sr. general cominandaqte
das armas : .
.< Illm. cE\m. Sr. Em inlormacBo de
27 do correte ponderou-nin o inspector da
pagadoiia militar, a bem da fiscalisacao das
despezas a seu cargo, a necesidad do aca-
bar com a piatica, at agora seguida, de
alugarem os propros odiciaes subalternos
os cavallos de que necessitam para qualquei
conduccao, determinando-so que seme lian-
te alugucl seja verificado pelas autoridades
lerritoriaes reqmsicaodos commandan-
les decoros, ou por estes, quando aquel-
les so negarem a faz-lo, em cujo caso cada
bagageiroreceber um titulo passado pelo
secretario do corpo a cujo servico su bou-
ver prestado, ou por outro ollicial, e rubri-
cado pelo respectivo commandanto, ou en-
tao mandar esle formular urna lista de to-
das as bagagoiros cuj/mster ti ver a prove-
lado, e com ella ei duplicata exigir o
competente pagam/nto, dirigindo-so a es-
ta presidencia por/intermedio do comman-
do das armas. / ,.
Esla provd/ncia parecciT-me iao ajus-
tada quanto prr/veitosa aos inleresses da fa-
zenda ; e por itrso tendo resolvdo determi-
nar a V. Exc. iiaja de expedir as conveni-
entes ordenjf para que ella seja d'ora em
diai.'le adoj/lada.
Dos guarde a V. Exc. Palacio do go-
verno de Pernambuco. 30de agosto de 1849.
Honorio Uermlo Carneiro Ledo. Sr.
general commandante das armas.
Assgnado, Jos Vicente de Amorim Bezer-
rivcoronel graduado e commandante.
Quartel do commando da praca em Pernambuco,
3i deagoilo de i849.
(lllllEM ADDICCIONAi. A DO DIA.
Determina o lilm. Sr. coronel comman
dante da praca quo os corpos, companhias
lixas e contingentes da guarnicjo pa>sem
revista geral do moslra em seus*respecti.
vos quadeis, amanl.aa, pr.meiro de setem-
bro, pela forma geguinle : ,._., *
AS 6 horas da inanhUa o continente do
prmeiro batalho de arlilhar.a 11 p
As 6 e mea a companlna de arli ices.
A, 7 o qu.rto batalhUo do arlilhana a p
eoquintubatainaodefozleiros.
As8acompanhiadecavalIana.
Ag 8 e mea o segundo baUlMo da.caca-
dores e o contingente do segundo bataln3o
deaitilhariaa p. j;p
As 9 e meia o contingente do prtmeiro
batalhaodecacadores.
_ noici,
r o i7ra*ii ronlestou-a jiari destruir, ou
pelo menos modilica t mpressilo q'C da
causou, e deixar os wpiritos na perplexi-
ilade, c de alguma sort.; disposlos a nao li-
carem sorpregos quando fosso ocidialmente
confirmada. A primeira ideia quo preya-
loceu foi que, gendo o Dr. Merelles medico
o ministerio n.lo t< ve frgas para resistir
exigencia. Bem fcil he comprehender o
elteito moral que somelhanlo suoposcao
deveria causar; dahi para urna crise meio
camiulM) era andado : e, quando se ella nfio
realisasse.perdida a frga moral n3o poderia
o gabinete senfloanastar urna vi.la ignomi-
niosa, captiva a auiiudailas impusirocs,
cada qual menos plausivel, por isso mesmo
que se hava subjeitado primeira ; at que
um dia um capricho o dissolvesse. Feliz-
mente, por.n, para o paiz, digo-o por
amor do systema, o acto foi inteiramenle
espontaneo do ministro da marinha que,
apresentando o decreto pediocom ins-
tanciaa assignatura imperial. So mal
liouve nisso, se preteridas fram todas as
conveniencias polticas, creando-se des-
contentamcnlo entre os sitiados e amigos,
se do antemo nao fram previstos e cal-
culados o alcance de tal acto e o effeito
que elle poderia causar, caiba ao ministe-
rio a rosponsabilidade toda, e degfructe elle
como melhor Ihe aprouvor a prebenda que
dahi Ido resulta. Digoo ministeriopor
que, so cncontrasse opposicao em seus
collegas, o Sr. ministro da guerra e inte-
rino da marinha, o Sr. concelheiro Manoel
F.lisardo de Souza e Mello, tera recuado,
enHo so aventurara a dar passo to im-
poltico. Nao he urna questao puramente
de venfrevj se n.lo deve tratar da teta de
2 400^000 quevai regalar urna barriga ini-
hc a influencia e importancia que
so pe as maos de um adversario de vul-
to, que agora mesmo faz pleitear em Minas
sua candidatura orno opposicionisla, e
que ha poucos diasdispulou a oleicSo de
eleilores n freguezia do Sacramento, onde
foi derrotado pela chapa governsta ; he a
consdorac3o de sor o nomeado medico do
paco, o que d motivos paracrer-se que
houve imposicilo, como espalham por ahi
os nimigos do gabinete, que, nBo obstan-
te saberem da verdade, querem fazar crer
que este Hiera tl nomeacao, porque nao
poda deixar do faz-la !
lie verdade que para milita gente ella he
inexplcavel ; para mim n3o. O Dr. Me-
relles, cumpre diz-lo, he urna das nossas
prmeras capacidades medicas, e he chama-
do a curar as princpaescasas desta cidade,
sem que por causa da poltica Iiaja o menor
escrpulo nlsso ; consta-me mesmo quo ha
bem pouco tompo salvara de molestia gra-
ve pessoa muito importante da ramilla
do miiiidro da justica: como hornero da
sciencia leva o seu zeloao ponto de naoco-
nhecer disiraecOes que o alraslcm da ca-
beceira do doente quando o caso urge. O
presdento do concelho tem tanta f nelle,
que nao pode curar-sede suas mais aim-
ples enxaquecas sem pelo menos olhar-llie
para a cara ;o ministro da marinha he seu
amigo antigo, e I* em um bello dia tevea
lemhranca de nomea-lo cirurgi3o-mr da
armada, consultou aos collegas, insisti, o
SS. Exs. assentaram l para si que nfio con-
vinha (car mal com a sciencia, ou n3o ti-
veram coragem para alTronta-la; masti-
garam, torceram-se, &., e conseuliram fi-
nalmente.... ScipSo depois da victoria
n3o qu'z que se perdessem palavras, e
onvidou a todos para que gmenle o ac-
companhassem ao templo a render graess
aosdeoses: dire tambem quo, consummado
o.acto, eseusado he aglomerar commonta-
iios; lastimemos smente que assim com
lana facilidade fogsein degconsideradaa as
laaes da poltica.
A'exceDc3o da um ou outro colldgio do
interior, he j conhecido o resultado da
l
/
MUTILADO


.1. *-
tk
ata
i
i
I
\
I
I
I
eleicflo,- qo tem correspondido ao ju70
qni> anteriormente era formado. Contra
a minha ejpectativa, vencen a chapa cerra-
da do enverno com grande difTerenca de
votos, tanto em Santa-Anna como no Saera-
irento.
Diz-so que os saquaremas nSo fazem cha-
pa para deputados geraes; : presunta ni ir.
candidatos para que d'entre estes sejam es-
colhidos 10 a contento do eleitor : o llratil
ile'ts traz oro artigo nesse sentido com os
secuintcs nomes: Antonio P. Brrelo Pe-
droso, harflo de l.ages, Heanlo A.Nas-
centes de Arambuja, Candido Borgps Mon-
teiro, Kusehio de Queiroz C. Maltoso da
Cmara, Francisco C At de Mnntezuma,
francisco de P. Negreiros SaySo Lobato.
Joo Antonio de Miranda, I H. Pereira da
Silva, Joaqnim Francisco Vianna, J. Idel-
fonso de Soma Ramos, Josino do Nasci-
mento e Silva, D. Manoel de Assis Masca-
renbas, Thomaz i. Pinto de Cerqueira, (Bra-
silieus) Venancio Jos Lisboa e viscondo de
Itaependy. Nflo sei se esse methodo ser
dos melhores: qualquer candidato da op-
posieflo que fr um pouco forte pode mullo
bem encaixar-sa no numero dos 10, nflo
obstante a grande maioria governisla, por-
que os votos devem espalhar-se muito, e
oeleitor.como nflo tem osdez nomes deter-
minados, com muito mais facilidade cede a
um pedindo para um estranho. Dizem-
me todava que ha recommcndacflo especi-
al para oito, sendo que os dous devem ser
escolhidos dos outros oito, e isso me pa-
rece mais natural*
Admiro.eiitrelanlo, que o Monlezuma e o
Candido Borges figuren) entre os candidatos
ou apontadospera adeputaeflo pelo parti-
do constitucional: o primeiro, como ja em
oulra occasiflo notei, acabou a sessSo da
assembla provincial votando como qual
oposicionista; o segundo foi candidato
cmara municipal no anno passado pelos
luzias, e sabio pleito. He verdade que por
causa da apurado final brigou com estes,
qucixando-se. que supprimiram-lhe votos
para que o Getulio fsse o prosidente, e nito
elle, como tpria acontecilo se tal se no (i-
zesse ; desde cnlSodeclarou-se em opposi-
eflo a riles, e na cmara tem lutado constan-
temente Picando sempre em mimoria : mas
parece-mo que nflo lie isso motivo suflicieii-
te pira dar-se-lhe j. tamanha importancia;
a menos que se queira fazero mesmoque
em 1847 fez o ministerio Alves-Branco que
que fcz eleger o Torres llomem, s por ser
medico do paco. NSo Taco ao Sr. Eusebio a
injustica de attribuir-lhe semelliante pensa-
menio.
As ultimas noticias de Minas dflo-nos co-
nhecimenio dealguns collegios, cujo resul-
tado da pIpqAo era sabido na capital; a
maioria delles lie favoravel ao governo:
nSo o correr nenhuma novidade iicsse* |u_
paires. n opposic3oj ....mo assim, est
. "'molo esperancosa, Jorque conla com col-
Ipgiosdo intprior ; dos amigos do governo
eslflo conlenlissamns, e tamhem dizem
que conlam com o interior. "-aquella pro-
vincia os combato tes ceiraram por tal mo-
do suas fileiras, que devem vir ou vinte de-
putados governistas, ou vinte deputados
opposicionistas: eu quero sempro apostar
pelo governo.
De S.-Paulo silo as noticias um pouco en-
contradas. Se ilermus crdito ao corres-
pondente do Correio da Tarde, o resultado
dos collpgios conliecidos he favorav-1 ao
parlido constitucional; se dermis crdito
lo do Mcraantil acontece o inverso. Oque
me parece certo, por cartas particulares,
he que teremos na deputaeflo dessa provin-
cia deputados de ambos os credos. Como
deixei ver em urna das minlias passadas, o
Pimenla Bueno nSo entra na chapa saqua-
ien a, o que de alguma sorte deve aqu des-
agradar ao governo.
Nada adiantam ai ultimas datas que tive-
mos do ftio-Crande-do-Sul por um navio
mercante: esperamos o vai>or dalli, que
deve chegar de boje al amanhfla, a ver so
Irar alguma novidade.
Sabe-se ja aqu que em Santa-Catharina
venceu o parlido que sustenta a candidatu-
ra do Livramento.
Dizem-me que a candidatura de Pedreira,
presidente da provincia do Rio-de-Janeiro,
pelo F.spirito-Santo nflo he cousa tilo liqui-
da como se pensava. lia la um competidor,
cuja influencia tornou-se maior por alguns
ltimos actos do cx-presdente Siqueira,
que, vaina a verdade, de proposito nomea-
ra autoridades favoraveis quelle em al-
guns collegioa importantes, com o fim de
embarazara eleicflo do candidato do gover-
no. Por isso, se o presidente Leal persistir
na intencSo de nSo involver-se de modo al-
gum na eleicflo, vai mal o negocio.
Fui mal informado quando dice na minha
de 13 que s havia 4 doentes nos hospitaes
da fragata Apollo, na occasilo em que ella
sahira deste porto: o numero daquelles era
maior que isso, e um fallecen na ilha em
que se acham ; mas nada se tem manifes-
tado que possa fazer crer que o mal que ap-
pareceu a bordo seja a cholera-morbus.
NSo obstante, o l>r. Jubim ahi saliio-se hnn-
tpm com um artigo pelo ornaldo Commer-
rio, que n3o tem nada do tranquiliisador
para os habitantes desta cidade: segundo
elle, nflo se pode aflirmar que nflo seja a-
quella epidemia, e declara que nflo se. elle
que queira ir a borlo, porque conhece mui-
to bem a sua chronic, sabe os lugares por
onde tem ella feito a sua fatal emigracSo, e
nflo Ihe he estranlia a inclinacflo que ella
tem de viajar por paues desconhecidos. De
facto nflo deixam de ser curiosos os pas-
seios daquella senhora : o..... ignora-se o
como, nem quaea sflo os meios ordinarios
de sua transiissio, diz o Dr. Jubim em
seu artigo ; sabe-se s.nente que ella mar-
cha oais ou menos seguidamente, ea pas-
aos assaz lentos por ierra, muito maisa-
presaados por nr : ao mesmo lempo que
sabio de Calcula para iratravessar a China,
sabe-se que pulou na distancia de mil le-
goas al as libas Marianas e Pliili| vando perlo de 46 anuos na sua viagem cir-
cular por trra ao oriente da Asia e da Eu-
* ropa ale cliegar quasi ao polo, donde, atra-
vessando para o oceidenle da Kussia, che-
gou al o meio-dia da Europa para dahi
voltar pelo Egypto ao aeu berco natal no In-
dostflo. Se asann gusta de viajar, be dse
Ihe tirar o chapu. Todava a populacfle
aqu est tranquilla.
Teve lugar no dia 15 do correnle a aris-
tocrtica ( he penniltido o termo '! ) feata
animal de Noss* Senhora da Gloria, cuja em-
pella hesita no bairio do Cllete ; e, poia,
julgodever dizer alguma cousa'aos leito-
res a esse respeito; nflo tanto para trarar da
testa em si, senfln para noticiar-lnes um
muito esplendido baile que nessa noitedeu
o ricaco negociante dest prega, o com-
mendadorMauocl Lopes Pereira Bahia. so-
gro do fconde do branles, pelo motivo
de haver SS. MM. II. honrado sua casa, don-
de fram ver queimar o fogo. Aquelles que
quizerem urna desrripeflo completa dessa
muito esplendida e brilhante funceflo, re-
mette-os ao Mercantil de 17 do corrente,
que Ihes satisfar a curiosidade. Notare
que hea primeiracasa aqui na cidade que
teve a honra de recebar o lmperapor, opa-
rece que por isso o dono della consigui-
se na obrigaQflo de p-la todos os annos
"isnosieSodeS. M. para que assista dahi a
queimar-se o fogo, visto que o nosso ino-
narcha, herdeiroda devoeflodos seus mino-
res pela Senhora da doria, todos os aunes
val assistr ao Te-feum, quando nflo pode
ir Testa. Essa mesma casa, que pertenceu
a um (dalgo da enliga corte, foi oulro'ora
honrada pelo Sr. 1) JoSo VI e pelo Sr. D.
Pedro I, pelo mesmo motivo.
0 Imperador danQou as duas primeiras
contradanzas com as donas da casa, isto he,
a lilli.i e ora do commeudador Baha. A
Imperatriz tambem dancou com o filho des-
te. Semelhante delicadeza muito deve ter
peuhorado a essas pessoas: vale a pena
gastar dinheiro assim.
2'

PEhNAMBUCO.
BALANCO DA RliCEITA E DESPEZA DA CA-
MAIlA MUNICIPAL DO ItECIFE, NO MEZ
DE AGOSTO DE 1849.
llecea.
Alupii--1 das Lijas da pra-
(a da Indi.peii Icnci.uis.
12( a 140 371,090
Dito da |.i ai;a do mcicado
da freguezia de S.-Jo-
s, S. 200,000
Imposto de 2,000 rs. so-
bre mscales e bocetei-
ras, 134 a 136. 6,000
Cordeaccs e licencias,
89 a 97. 105,000
Afericflo, porconta da ul-
tima 1.111 a do contrato. 2:960,000
Multas pelo regulamcnto
n. 120 de 31 dejan, no
de 1812. 20,000
Ditas por infracces das
posturas arrecaladas
pelo subdelegado da
Ba-Vista.ll of000
Dita dita '.'recadada pelo
Audelegadode Santo-
Antonio, 12. 6,000
Dita pelo fiscal de Sanlo-
Antonio, 131 a 137. 50,800
Dita pulo fiscal dllccife,
142 a 144. 42,000
Dita pel fiscal de S.-Jos,
41 a 54. 183,000
Dita pelo fiscal da Ba-
Visla, 41 a 58. 150,000
Dita pelo fiscal do Poco,
6 a 10. 28,000
da sobre a mesa da assembla urna proposta
assignada pelos Srs. Chapot, Gustavo de
Iteaumont o outros, pedindo odiamenlo da
mesma desde 13 de agosto at 30 desetem-
bro, como tambem a' nomeaeflo de urna
commissfio de 25 roembros cleitos por es-
crutinio secreto para funecionar permanen-
temente durante este adamento.
Depois de lercm fallado Mr. Nory e Mr.
Vctor Lefranc, Mr. Ilouzart, oblendoapa-
lavra, dsse que a assembla constituinU*,
derretando pelo artigo 32 da cnnslituicSo
que a assembla legislativa era permanen-
te, tinlu intimado que toda a interrupeflo
em suas sessdes era perigosa c poda sugge-
rir ideias de usurpaeflo ; demais os traba-
dlos da presente assembla nflo linham sido
tito arduos, e fcilmente podiam sor enu-
merados. Ella lintia votado umn lei contra
os clubs, linha prorlamado o estado de si-
tio, linha entregado 33 de seus membros
perseguido, e linha finalmente votado le-
gulamentos, modelos, o um apparato do
ventilacflo para a sala de suas sesses. Que
o objeclo real do adiamenlo era apartara
ussemhla em quanto o gabinete regulasse
a questflo de Roma e a da Italia em goral,
para ser dispensado de dar s interpolarles
outra resposla que esta :Os factos sflo j
consummados.
Quando Mr. Bouzart acabou de fallar, o
presidente consultou a assembla, a qual
declarou a proposta urgente, e rcmetteu-a
commissito respectiva.
No dia 17 foi tambem depositada sobre a
mesa da assemhja a seguinte prnposta :
A assembla legislativa nao se reunir
durante os 10 das anteriores, nem durante
os 10 posteriores sessilo dos concelhos ge-
raes dos departamentos.
Esla proposta, a requerimento de Mr.
Cordier, foi remettida commisso encar-
regada do exame da quosto do adiamento,
a qual, depois de varias conferencias com
Mr. Odillon Barrote Mr. Dufaurc, apresen-
tou assembla o seu parecer, recommen-
dando, de accOrdo com o governo, a adop-
eflo da proposta que suspende a sessilo des-
de 13 de agosto al 30 de setembro.
Quanlo aos rumores que corriam em Pa-
rs de que no dia 15 de agosto se pretenda
acabar com a repblica e acclamar impera-
dor o actual presidente, eis o que diz a
Preste :
As pessoas e'escrptores que se inqu.i;-
todas por fim o mesmo objecto; e al a in-
tentada visita do presidente a Nantes he um
elo na cadeia da evidencia accessoria. Ha
algumas pessoas que chegam a dizer que a
maioria da assembla legislativa nflo f*ra
nenhuma bpposicflo urna mudenca deste
genero. Dentro de pouco tempo saberemos
se estes rumores tiram a sua origem dos so-
nhosdos homei s cuja vocaeflo sedesvane-
eeu depois de 13 de junho, ou se sflo real-
mente fundados em verdade; porm oque
nflo padece duvida he que elles teom pro-
duzido um efieito geral sobre o espirito pu-
blico, a
lima divisflo, a qual p'le ter serios re-
sultados, rebentou ltimamente entre os
legitmistas. Urna seceflo importante da-
quelle partido resolveu separar-so comple-
tamente de Mr Berrier, e adoptar para seu
chefe a Mr. Thomlne-Desmazures, membro
da assembla pelo deparlamento de Calva-
dos. A queixa contra o primeiro cavallei-
ro lie nflo ter elle feito cousa alguma para o
adiantamenlo da causa que elles teem tan-
to a peito, e nflo ter dado ao paiz nenhuma
occasiflo do pronunciar um juizo sobre os
direitos do personagem queetn sua opiniflo
deve ser o governador da Franca. Elles di-
zem estar promptos para sustentar o go-
verno actual em todas as medidas que tive-
rem por fim a supprrssfio da anarchia e a
cunsolidaeflo da ordem, mas declaram ao
mesmo tempo que nflo deixarflo passar ne-
nhuma occasiflo de promover de um modo
legal e pacifico a causa do Ilenrique V. ,
O dficit para o anno de 1850 foi avalla-
do por Mr. Benoist em 180,000,000 de fran-
cos, e a divida flucluante em pertu de
395,000,000, afora o de/icit oceasionado pe-
la aliolicfio, OU rediiocao dos impostos do
sal e bebidas espirituosas.
Portugal e Heipanha.
463:800
liis 4 125,890
Deipeza.
Ordenados e commissflo relativa
ao nii'/ de j ij i lio, ii. 13 e 14.
Aluguel do pago da cmara, quar-
tel vencido em 30 de junho p.
passado, n. 3
Dcima do segundo semestre de
1848 a 1819, u. 3.
Expediente, n.4.
I.l. n. nos, n. 14.
Calcamento de ras, n. 1 e 2.
Limpeza de ditas, ti. 63 a 70.
Costis do i rocessos enminaes
cargo da municipalidude, n. 4.
Evenluaes, n. 34 a 42.
914,489
100,000
369,553
27,960
1.247.7H0
36,960
175,360
92,116
219,260
Balanco a favor da receita
Res.
3:183,458
942,432
4:125,890
Contadura da cmara municipal do llo-
cife, 31 de agosto de 18(9.
ii contador,
Manoel Gregorio da Silva.
ELEITORES DA FREGUEZIA DE INGAZE1RA.
OS SRS.
Francisco Miguel de Siqueira.
Antonio Sentantes de Azevedo Baptista.
Nicacio Pereira da Silva.
Manoel Jos .Nones.
Miguel Pereira Silva.
Joaquim Bapiisla de Azevedo.
Joflo do Prado FVrreJra.
Jos do Prado Xavier.
Antonio Correia da Silva.
Jos Alves de Brito.
Andr Ferreira da Costa.
Francisco Ferreira Cavalcante.
Agostinho Nogueira de Carvalho.
Joflo Manoel dAthayde.
l/.idoro da Cruz Siqueira.
Joflo Francisco Nogueira.
UlABf l)E KIIMlUCU.
BEOITB, 30 DE AGOSTO BS 1849.
0 vapor l'(racint',\t begado hoje dos por-
tos do sul. irouxe-uos jornaes do Rio-de-
Janeiro at 22 do crreme, e da Baha at
28 ; bem como a carta do nosso corres-
pondente da curte, que fica euserida no lu-
gar competente.
Nada arcrescentaramos ao que diz o cor-
respondente se nflo livesseoios de noticiar
a nomeaeflo do Sr. doulor Jos Telles de
Menezes ^ara desembargador da relaeflo
desta provincia.
Quanto a Bahia, sabemos que nada im-
portante all occorrra.
Franca.
Emonnmero precedente dissemos que
corra em Paris que o governo.por meio de
un membro da assembla nacional,preten-
da prupor o adiamenlo desta corporaffio
por espado de dous mezes; poim, Icndo
taram com a brilhante rece>np;?3--qU'"0 nre.
sidenln da repUBeS teve m Amiens, p-
dem 'ranquillisar-se; por quanto taes re-
cepcOes, anda as mais enlhusiasticas, nfl
teem nenhuma importancia. Porventura
nflo se apinhou o povo em redor de Mr. Ar-
man.i Marrast, quando este foi tambem dis-
tribuir banderas em um dos departamen-
tos do norte i* NSo foi ueste mesmo-cami-
nho de ferro, em Amiens ou em Abbeville,
que pouco antes ila revolucflo de 24 de fe-
vereiro o re Luiz Filippe, dirigindo-separa
o casicllo de Eu, foi recebido com acclama-
eoes tilo cnlliiisiasticas.que na noite daquel-
le mesmo dia escreveu a Mr. Guizol urna
carta afTectuosssima,carta de Ilusflo e
gratidflo, a qual terminava por estas pala-
vras'oMeu charo ministro, Dos vos aben-
Qoe ?
As arclamac vs cslrondosiis sflo sempre
um prognostiro sinistro, ellas insurdecom,
cegnm o paralysam ; ellas impedem de ou-
viroque sedcveouvir, mpedem devoro
que se devo ver, ripedem de fazer o que se
deve fazer. Se he verdade, portanto, que
no ha que temer urna usurpaeflo, ser por-
ventura mais verdade que se contempla um
desembarque na co.-ta da Franca para o IIm
de excitar urna Immensa inanifeslacflo em
favor do restabelecimento da realeza ma-
nifestacflo que poria (ni ao sufTragio uni-
versal por acolamaeflio ge'al? Paraassegu-
rar o successo de tal empreza seria necesa-
rio o aecrdo previo e sincero dos tres pre-
tendenls Sem embargo de lulo quanto
se diz acerca de um tal aconlecimoiito jul-
gamo-ln presentemente infund do. Ha
certos pactos cujo nico valor depende da
unanimidade absuluta de todas as parles in-
teressadas, e esla unanimidade nunca ser
oblla. O adiamenlo da assembla pode,
pois, ter lugar sem perlgo para a existencia
da repblica. Nflo negamos que a repbli-
ca, tal como veio ao mundo, antes do tem-
po proprio, frnca e imperfeita, he diflicil do
P'cscrvacflo; porm all- ma mos que. se seu
eslabelecimenlo he diflicultoso, sua deslruj-
(ao o be anda mais. Se a repblica fsse
destinada a perecer, a impotencia dos repu-
blicanos de hontem a leria destruido. Ella
ser salva pela impotencia dos republica-
nos d'nmanhfla ; e isto o tempo o mostrar,
qur a assembla approve, qur rejeilc o
adiamento.
O Temps publica a este respeito o seguin-
te artigo :
Estamos habilitados para ass-gurar a
nossos leiiores que Mr. Thiers e Mr. Mole
cujas sympathias pela repblica nflo sflo
um segredo para ninguero, teem resolvido
empregar lodos os seus esforcos para nos
fazerem voltar a vespera da revolucflo de
fevcrerodet848. O povo falla mui seria-
mente de um golpinho de estado, cujas con-
sequencias serflo a aniquilaeflo do sufTragio
universal e o prolongainento do actual po-
der execulivo, o qual dever ser substitui-
do por urna inouarcliia imperial. Accres-
centa-se que he para o fim de facilitar a
execueflodeum tal plano que se propoz
assembla o adiamento de suas aessi-s por
CSpaco de alguns mezes
He diflicultoso ilizcr, observa o corres-
pondente do Timet, se os poderes dominan-
tes cnlretcem realmente urna tal inlencflo.
Ceralmeuto fallando, os rumores de golpes
de estado, etc., devem ser acolhidos com
muila prrcaucSo. As provas produzdas pa-
leceriam em lempos ordinarios de nenhu-
ma importancia ; e aquella que he citada
com mais conlianca, a proposla do adia-
menlo da as-emblea, nflo tem em s mesma
nada que seja mui convincente. Presente-
mente ni nlium incidente passa uesanper-
cebido. Por exemplo, a partida annun-
ciada do goneral Magnan para Strasbur-
go, onde vai tomar o commando mili-
lar, he considerada como urna prova da in-
lencflo de tentar ganbar aquella importan-
te guarnieflo em favor do novo iiaperador.
AremocSo do almirante Baudin do com-
outra vez com inaia vagar as gazetaa que
que nflo menos de dous jornaes uesta crlel recebemos, achflmos que na sessSo do dia
occuparanvse neste auno della, laubeml 15 de julho prximo passado fra deposita-1sflo'igualmenle"consideradas""cluo^Undo
mando da armada do Mediterrneo he Um-1 nal (auatria) na margem
bem interpretada do mesmo modo, porque
da lugar a um ofliciai que, diz-se, nflo
oppoia um obstculo insperavel execu-
eflo do ttama allegado. As ultimas promo
cesque livram lugar no exercilo, e as
Irequenles distribuicOes de condecoracOes
As noticias de Portugal chegam a 20 de
julho. Em todo quelle reino gozava-se
de perfeita tranquillidade.
A corte achava-se em Cintra. O duque de
Saldanha havia resignado o lugar de em-
baixador portuguez a Pars. Este facto li-
nha causado grande sensaeflo em Lisboa,
porque indicava o desejo do .duque de nflo
desempenhar nenhuma commiss^o conl-
dencial debaixo. d" ;;cvo ministerio. O
du"u-''" Terceira tambem se conservava
de longe, o algumas oulras resignarles ti-
nham sido otTerecidas, as quaes, posto que
nflo sejam em si mesmas de grande impor-
tancia, toJavia juslificam as duvidasque
muias possoas bem inforUtadas entrelem
acerca de estabildudo do gabinete do con-
de do 'I homar.
Os mesmos receios pareciam influir nos
homens abastados, os quaes, lembrados da
crise de 1846, nflo se linbam apresentado
com anticipada alegra para formar com-
panhias para o iim de fazer em prest: mos
ao governo, contratos do obras publi-
cas, &.
Comtudo cria-se que, se o gabinete p-
dense crear mais conlianca em sua estabi-
lidade, nSo Ihe faltaran! capitaes em con-
sequencia das grandes soturnas recente-
mentejlransferidas deste imperio para aquel-
lo paz.
A alfandega de Lisboa, a doPottoe as
sete-casas tinham rendido no anno lnan-
ceiro prximo lindo a quantia de 4.794 con-
tos; 97 conlos mais do que a quantia em
que tinham sido oreados seus rendimen-
los.
As notas do banco de Portugal flearam
de 20 a 17 mil rs. de descomo cada urna ; as
do banco do Porto, de 43 a 48 mil rs d..
premio.
As noticias da llespanha sflo mu satis-
factorias. Em todas as provincias daquelle
reino desfructa-se paz ejsocego, O nume-
ro dos individuos que, aproveitando-se da
amnista ltimamente, concedida, torna-
rain a entrar no territorio hespanhol, exce-
de j de 2,700.
No dia 14 de judio ram encerradas as
cortes por um decreto real communcado a
ambas as casas pelo presidente do coti-
ce! lio.
Conforme annunciaa Etpana, o governo
pretenda enviar urna expedieflo contra os
Mouros do RifT, se acaso as negociacOes l-
timamente aberlas com o imperador A-
Marrocos nflo pozessem fim aos continuos
ataques felos por elles sobre a cidade de
Neldle.
Arainha achava-se na Granja.
Austria e Hunyria
Os Hngaros evacuaram as cidades de
Buda e Pestb, as quaes fram oceupadas
sem nenhuma resistencia, a primeira pelos
Austracos e a segunda pelos Russos. Kos-
auth, antes de sabir de Pesth, publcou urna
proclamacfloaos habitantes daquella cida-
de, declarando-lhes que eia obrigado a
deixa-los porque nflo podia desenvolver
all as suas fdreas, erecommeafjUn io-lhes
quo permanecessem quietos e trnquillos,
que hasteassem as bandeiras imperiaes, e
que nflo oppozessem a menor resistencia a
seus inimigos, certos deque elle voltaria
dentro de poucos mezes. g>>
No sul o general Bem conseguio atraves-
sar o Thesso em Till, bateu o ban da Croa-
ca, tomou todas as posicOes do exercilo im-
perialista, e porseguio-o, depois de roto, at
Semlin, e presenietneiite acha-se efttre Bis-
triz e Hermanstadt i
No primeiro de julho a fortaleza'.de Arad
rendeu-se aos Hngaros, os quaes aqharam
nella65 pegas dearlilharia, 1500 espingar-
das, urna grande quantidade de p ilvora,
bombas e outras municOes. A gut rnicflo
foi desarmada e escoltada pelos ve leedo-
res at a fronteira da Styria, dopoit de ter
promeltdo nfio pegar em armas c inlra'a
Hungra por espaco de seis mezes. A
O Wiener Zeitung. gazela austraca, p\ubli-
ca a seguinte notictaj de urna grande >la-
Iba pelejada entro os Russos e os Huncairna
junto de Wailzen : b
a No domingo 15 do corrente (julho jii
lluogarosjhzeram una outra tentativa des-
esperada para romper as nossas lindas e,..
Wailzen. Elles lizeram um ataque imp-
luoso da parte do grande exercilo rus;
edmmandado pelo principa Paskiewitch
Os Russos retirara m-se ao meio-dia p;
Duna-Keesh; porm, como o exercilo itnifle
nal (austraco) na margen) direita do Datbu-
bio operava alravs do rio, a divisflo (de
Itamberg sabio de Pestb ao mesmo temi
o inimigo foi cercado por todos os ladb-
obrigado a retirar-se na direceflo defCo-
morn.
O lugar para onde os Russos se >.(;
ram he Duna; fica situado quasi a urna hnr
de marcha de Peslh. Familiar como ao
com o estylo de nossos relatnos mi|Ure
estou convencido que o Russos snfranm
um severo revez, e fram reppn,j0| j^,"
Kakosh, e que os Hngaros romperam cor
entre as nossas linhas e tnarcharam nr.
norte. Sou confirmado nesla opiniUnnr,"
urna correspondencia algum Unto jrr,
lar de Pesth, { no Oe$terrelehi$che GtrreiDot
denl) na qual se afllrma que o plinoid
dictador Kossulh era concentrar todn
frcas hngaras, excepto smentn Um,
forte guarnieflo. emCnmorn, nos lisirptn
do baixo Theissn, e que o general OortV
o qual commandava os Hngaros nos fn
liincheiramentos ao redor de Comorn
descera o rio na direceflo de Waitzan n,
cffecluar a dusejada junccSo de seu corno
com o grosso do exercilo hngaro, gm
Wailzen elle atacou 09 Russos, derrotou
os, e apossou-se da cidade ; porm, saben
do-se em Peslh dos movimentoa daGeortv
a oitava divisflo austraca avancoo em jo''
corro dos Russos, e na tarde do da 15 p|."
jou-se urna lerrivel balalha na vizinhin,,
de Wailzen, masa poderosa artilhariadl
Hngaros frustrou todos os esforcos fej|0s
pelos Russos ipara desaloja-loa. A canto-
oliada do ambas as partes foi mui violenti
e a cavallaria hngara executou dflerenle
cargas sobro o inimigo.
No da 16 o corpo principal do ezercito ru-
so inarchou para o lugar da pelrja e no dia i>
Wailzen foi atacada: oa Hungaroa nzeratn umi
reiitteacia deieaperada, mas afinal I8rm
obrigadua a evacuar a cidade com a perda de
dous estandartes, duat pecat de arlbarlic
500 priiloueiros.
A ultima parte da noticia cima he extrabi.
da do bolctini rusio, e por contegulnte dere
cr recebida com alguma detconfianca.
o governo ruaso declarou em estado de iltio
todoNp^ reino da Polonia.
A Dinamarca 101 ducados.
numero precedente noticimoa a osar
ctnao de um armisticio entre a Dinamarca a 1
Prusaia vainoa referir agora algumas de iiui
condieoft.
O armisticio deve dorar at o da 1. de
Janeiro de 1850, e poderi aer renovado por ter-
mos Separados de aeia semanas. Ai tropai
piusalnn* drv/rao rol.rlr_lr para trtideana
linha de demarcafao, que se im5 de Fb-ods-
burgo a Tonder, o bloqueio aera levantao i^_
a Dinamarca dever entregar todoa oa avloflH
alleinaes, por ella capturados. Unta rrgeacu
ser.i noineada para o ducado de Schleiwig. a
regencia actual doi dous ducados continuara
as suas fuuccet relativamente a Holitein t-
mente. A regencia de Schleswig aecoinporde
tret membros, e ser nomeada pela liglaterri
Prussia c Dinamarca. Alten e AEroe deverio
permanecer em poder dos Dinamarqueses.
Os prclitnares da paz conteem a teguiole
pontoa:
1." Hostein e Lauenburgo deverao continuar
em auas relafies presentes, e recebero uuu
conitltnico.
2. Schleswig dever ter uma Independencia
legislativa e administrativa, atslui como urna
conttituicao. A unlo politlcade Schleiwigea
Dinamarca dever continuar, pnrui tet Imi-
tada identidadedo aoberano. O regulamcnto
eapeclal da auccetso dever ter delxado a ne-
gociares futuras.
3. A Dinamarca, antet da eonclusao defini-
tiva da paz, dever aaa>''ir a tuccetio.
A regencia dos dfl porm, proteitou
contra etica artigos.ja'declarou que nao con-
sente nem na pa, nem no ariniaUcio, c que
continuar a guerra,
A dieta doa ducado) por aua parte adopuu
as aeguintea resolti(lta :
1." Que oa agradeclmentoa da diela fitem
dados assembla de Hrunstvickpelo entltuslat-
que esta assembla mostrara em favor da
ducados.
"2 Que o armisticio e as batea do tratado de
pat, convenciooadot entre a Dinamarca e 1
Pruasia, nao impunliaiudleta nenhuma oori-
gacao.
i Que a dieta nao pode persuadir-te que o
povo allein.o, emquanto entretiver cnliinra-
los de houra, concordar nunca no dito ar-
misticio. *
4.' Que a dieta empregar todos os seui et-
forens para coinbater o armisticio.
5. Que ae Ckinmunicatse regencia al reto.
lindes adoptadas pela dicta.
O vigarlo do imperio protestou tamben) con-
tra o armisticio ; mas cria-te feralmente que
o rei da Prutsia mi attenderia a este protesto.
Iluden e Suissa.
Os movimientos revolucionarloa de tilden,,
bem como j ti vemos occatiao de anniuu*M|l
achavam-se de todo supprimidoa. na ultimas
tropas sublevadas evacuaram l.onstaua no da
11 de julho e atravessaram a fronteira tuina
debaixo da dlreccp de Mr. .Stephaul.o (ual
implorou a proicccao doa soldados suittoa,
acampados ao longo da fronteira. Os insurgen-
gentes, alcancada a proteefao pedida, entra-
ran) no territorio tuitao, em numero de 1 000
homens, com 10 pecas de artllharla e outrot
tantos carros de municao.e, dirigindo-separa o
convento de Kreuilingew no caulao de Tbur-
gau, all depositaran) as soat armas.
O gro-duque decretnu o licendameoto de
todo o seu exercito, excepto tmente aa tropa-
em operaedesem Scleawlg-Holttein. Qaati tol
dos os offtciaea deverao aerjulgadoa por coa-
ceibos de guerra, antes depodreut seraliua-
doi no novo ejercito. Todos ot sargento* e ca-
deteaque tomaran) parte na revoluto deverao
aer tambem julgadot por concelhoi de gueira.
O governo de Badn decretou embargo da
propriedade suissa nn grao-ducado na soinma
de ,'tu a.V) onlhes de llorna para o fim deobri-
gar at autoridades tuinas a retlituirem atar-
mas e a artllharla que os insurgente! levarais
coinsjgo quando passaram a fronteira.
Ao paaso que atsitn proceda o governo da
Badn, o concelho federal da Suista resolver
banir doa territorio) federa/es os cabecas da
insurrrico de Badn eaYatzisb.
ALFANDEGA. M
Rondlmentododa SI.....7:997,109
REMilMENTO NO MEZ DE AGOSTO lK 1849
Rendimento total
ResliluicOes .
32295S.56
1:134,941
Liquido.
321:819,885
22.3W
4,10*
556,39 ,
Direitos de consumo.
Ditos de 1 por cinto de reexpor-
tadlo para fra do imperio. .
Ditos dito dito de baldeado .
Expediente de 5'i, dos gneros
com carta de guia........
Dito de meio por cento dos gene-
ros do paiz............ 216,947
Armazcnagem del por cento das
mercaduras........... 753'n!nn
Dita da plvora........... 9,00
Premio dos assignados de tnrio
por cento............. 3:35!',
Multas calculadas nos despachos 1:306,3W
1&7,
nLr....! \ Ditasdiversasomodolivroan. W-*
O correspondente do Time faz as seajuin- -S
les observacOes a resoeito desi nnii^ia. I


y
Transporte
emolumentos de certidoes ..
.mpostos dos despachantes ge-
nes, como do livro a fl.. .
pilo ilos ditos especiaes......
.fetiodos ttulos dos mesmos,
dos caneiros despachantes o
ajudantes ditos, como do li-
vro a ti ...............
Taia do selio dos mesmos. .
.381:683,005
20,960
50,000
37,500
26,400
1,760
jtendimenlo de mez de agosta de
321:819,625
848.
181:067,887
Diflerenca para mais om 1849.. 140:751,738
Depsitos.
Rerebidos........22907,180
Sabidos..........82:350,342
Existentes..... 558.8J8
Alandega dePernambuco, 31 de agosto
de 1849. O escrivflo, Jucomt Gerardo Ma-
ra Lumeeki de Mello.
CONSULADO GERAL.
Rendimento do dia 31....... 1:451,633
inversas provincia........ 17,261
1:468,893
|- RENDIMENTO NO HEZ DE JULII0 DE 1849.
Consulado dsete por
CPiilo 27:670,039
Dito de 1(8 por cento. 33,920
-------------27:708,959
Ancoragem para fra
do imperio. 5:331,150
Dita para deulro do
imperio, 1:063,036
Sello (ixo. 6*3,400
Dito de ttulos 1,300
Certidoes.
Slza de 5 p. cento.
Rila de 15 por cento.
Capalazia.
6:394,186
iniiimUMHii i.
Diversas provincias
Dizimo do algodiloeta
Pirahb 531,973
- Dito dito do Itio-Gran-
de-do-iNorte. 7,375
Dito do assucar das
Alagrtas 1:563,082
644,600
23,400
70,000
12,000
630,005
35:477,150
61,840
35:415,310
2:102,330
37:517,640
Depsitos existentes. 5:643,964
Ditos sabidos 2:616,559
O administrador,
Joto Xavier Carntiro da Cunha.
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do dia 31...... 1:900,875
RENDIIIENTO DO MEZ DE ACOST DE 1849
Direilosde 3porcenloff, 8:318,130
Dito de5 Y 6:220 073
Txa 672,480
CpaUzia 1:141.360
\ Multa 200,000
Dcima dos predios urbanos 5:974,338
Meia siza dos escravos 882,850
90 pnr cento do consumo de
agonrdente 1:743,000
Novse velhos direitos 75,473
Sello de herancas e legados 85 472
Emolumentos de polica 1,800
5,000 ris por escravos despa-
chados 60,000
Mein sold e sello das patentes
da guarda nacional 498,600
Imposto sobre otarias 64,000
a serraras 12,800
Mullas 98,818
Juros 21,051
Restitucilo que 'fez o padre
Agostinho de Lima Cavalcan-
te l.acerda por u ni seu confes-
sado
200,000
26:270,245
Mesa do consulado provincial, 31 de
agosto de 1849.No impedimento do escri-
Tilo, Joie tatoleante de klbuquerque.
R10-DE-JANE1RO.
CAUSIOI NO DIA 21 DE ACOiTO.
Cambios sobre Londres 26
Paria. 368 a 371
llainburgo 680 a 685
Metae. Oncas hespaiihlas 30/fli0 a 31/000
da patria 30/000 a 30/310
Pecas de 6/400. velhas. 17/800 a 18*000
Pesos l.cpanhcs. J/980 a 2/000
da patria. 1AW a
PatacArt .... 1/9M a 1/900
Apoiiees de 6 por oerito 87 a 87 1/4
provinciac* \ 86 a 86 I/:
{Jornal do Coilirwe.)
ilArlJA.
CAUSlaS NO u'*4 DE ACOSTP.
Londres. ....... T 25 V. a 25 1/2
Pars.......> nominal.
Haniburgo I
Usboa e Porto || 115 p. %.
31/700 a 31/900
3IJW00 a 3i/?00
171500 a
16/500 a
9/500 a
2/O00
2/000
8/0*0
(Mercantil.)
Oacaa hespanhlai. .
meiicanas S\
Pecas de 6/400 .
novas .
Modas de 4/000.
Patacdea brasllriros.
hrspanhes
a mexicanos.
___ /
\
17*700
17/000
9/600
?lovimento do .Porto.
Navio* entrados no dia 31.
io-de-Janeiro 9 das, polaca hespanho-
> Joven-Dolores, de 188 toneladas, cap>-
o Salvador Cally Petrane, equipagem
18, em lastro; a JoHo Pinto de Lemos. /
dem io dias, escuna brasileira l'ompa[,
'de 165 toneladas, capitfio Manoei Goncal-
ves Dezembro, equipagem 12, carne cou-
ios, sebo e puntas de lioi ; a Nasc ment
& Amorim.
Hin-Gmiide-do-Su) 12 das, briguo brasi-
leiro htafra, de 870 toneladas, capullo Jo-
s Joaquim dos Praztres, equipagem 15,
carga carne ; a Amorim Irnifios.
Rio-de-Janeiro e porto intermedios 9
,-> das e 31/2 horas e do ultimo porto 15
1/3 horas, vapor brasilero Faraense, de
u i. -..-nH.iJ, n ranillnde
fragata Manoei Kranciscoda Costa Perei-
ra, equipsgem 30 Passageiros, o Kxm. e
Rvm. Sr. D. abbado geraFr. Arcenio da
Natividade cora o seu secretario Fr. Sa-
turnino eumescravo, Antonio Montelro
de Moura, Renjamim Peres deAlbuquer-
que Maranhlo, o inglez Roberto Moon.Jo-
s Firmo Xavier com 1 escravo, Jos Si-
mOes Carcia, Jos Rapbael de Macedo e 2
escravos a enl regar.
Navio* tahido* no memo dia.
Genova Polaca Die, capitfio F. Dodero,
carga assucar e couros.
Lisboa -- brigue brasleiro Verialo, capitfio
Augusto AntoniodeCouto,cargaessucar.
BDITAES.
Olllm. Sr inspector da thesouraria da
fazenda manda fazer publico que, nos das
11, i* o 18 do mez de selembro roximo
vindouro, ser arrematada a renda tren-
nal dos seguidles predios, pertenecntes
frzanda publica :
Urna casi terrea na ra de Aguas-Verdes,
n. 10 ;duas ditas na ra deSanta-Thereza,
ns. I9e2l um sobrado de dous andares
na ruaDireita, n.....
As pessoas que prelenderem arrematar as
rendas dos referidos predios, deverito com-
parecerna dita thesouraria, nosdias cima
indicados, com fiadores idneos.
Secretaria da thesouraria de fazenda de
Pernambuco. 31 de agosto de 1849. O of-
ficial-maior, Ignacio dos Sanios da Fonseca
Olllm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda provincial, em virtude da resoluto
do tribunal administrativo, manda fazer
publico que, pe ante o mismo tribunal, se
ha de arrematar no dia 6 do mez prximo
vindouro por venda, a quem maior piCQO
offerecer, o ferro da grade velha da ponte
da Ra-Vista, avadado novamente a 2,400
rs. o quintal, e sb as cundieres abaixo
transcriptas.
As pessoas que se propozerem esta
arrematado, coniparecam na sala das ses-
sfies do sobredito tribunal, no dia cima
mencionado, pelo meio-dia.
E para constar se mandn afQxaro pre-
sente, e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda pro-
vincial de Pernambuco, 31 de agosto de
1849. O secretario, Anonio Ferreira da
Annunciacto.
CondicOes especiaes.
1 A base da arrematado do ferro da
grade velha da ponte da Boa-Vista sera o
preco da avaliaefio, segundo o termo res-
pectivo, a dous mil e quatrocentos ris o
quintal, livre do despeza de remocho e de
peso.
a 2.' O arrematante se a presen lar no lu-
gar indicado para receber o ferro que for
exlrahido, sendo previamente avisado pelo
arrematante da nova grade, ou por esta ad-
mnistraeflo.
r 3.* A remoefio e peso do ferro ser feila
em presenta de um agente nomoado pela
administrando das obras publicas.
.a Administraban das obras publicas, 4 de
agosto de 1849. Jos de Barro* Faleo de
l.acerda. administrador.
MkuM
JJeolaraeo
Carlas seguras, chtgaias do tul pelo vapor Pa-
r.iense, para os stuhorts :
Amorim & lnnos,--Anlono Jos de Slquel-
ra, tjpriaoo Jos de Almeida, -- Domingos
Martina Pontea, Elfas Ignacio de Otivelra,
Francisco Carlos Hrandao,Francisco mnr.i
Pinto Barboza,Dr. Jost! Thomai Nabuco Ara-
Ko Jnior,Jos Vicente Amorim ezerra,
irberto Joaquim Jos Guedes.
Avisos maritxios.
A bem conhecida e veleira
barca nocional Firmeza, capilao
[Narciso Jo.-c de Sanl'Anna, san-
para o Hio-de-Jancirocoin a maior
brevidade possivel : quem preten-
der carrejar, ir de pass-gem ou
cmbircar escravos, trate com o
mesmo c de-Deos, D. 3, lerceiro andar.
Leiiao.
Richard Itoyle far leiiao, por nlcr-
venefio sortiinenlo de fazendas inglezas, loda>
proprias do mercado : segunda-feira, 3 do
cm rente, s 10 lloras da manhaa, no seu
arma/em da ra da Cadeia do Rec fe.
Avisos diversos.
LOTERA DO CUADELUPE.
0 pouco adiantamento na venda dos hi-
llietesdesta lotera, anda por esta vez, in-
habilitan o andamento das rodas, [que
hontemuleveria ter-se realisado. Em con-
sequenefia disto o respectivo thesoureiro de-
signa iijovamentc para o referido andamen-
to o dia\ 14 de setembro corrente. S, e s-
menlo dos compradoroa de bilhetes depen-
de o effpiluar-se o gyro das rodas, c a ces-
sscSod tantas e (So repetidas transaren
cas, quie em verdade aborrecem, sendo
principil causa Jdlas essa inaudita trali-
canciaue cautelas do Rio-de-Janeiro.
VaUa-me Dos com tanta gnoiancia I
Respond a pergunta feila ao Carvalhaes ,
-poiitm-lhc o diccionario onde devia adiar
i significado da tal palavrnha citei-lhe o
lempa da sua publica^So alim de que elle
n3o livesse muito t'abalho para conslta-
lo ;e/lenho em resposta historias de la-
di/s, que nao sci a que veem ao caso. Ora,
"f pe untador quem I lie fallou em la-
rOes ? E a que veio a palavra estigmati-
ii.u-se? Ku estigmatizar-me? Isto sim he
grammalicaj de uiasaeira! Olbe.Sr. pergun-
Itdor ; eu poda dizoHbe o que signiOcava
a tal palavrnha em bom poituguez porm
'lenho medoqueoSr. se esligmalize tam-
'bem. No lhe darei mais cavaco mesmo
jorque nflo quero que me chamem onsina...
Hiende, Sr. perguntador ...
H Moje, 1 de selembro a porta do Illm.
)r. juz municipal da segunda vara, as
as da Urda se ha de arrematar a lo-
I miudezasde Paulo Jos de Almeida,
1 -xecucOo de Francisco Joaquim Duarle:
I illma os*..
Aluga-se a loja da Ihtvessi do Qucima-
do,n. 1, propria para qualquer estabele-
cimento : a traanla venda junto mesma.
Hojc, 1 de aetembro porta do Illm.
S. Dr. juiz municipal da segunda vara pe-
las 4 horas da tarde, se ha de arrematar
urna casa terrea, na ra da Assumpcao, n
*0 por execuefln de Joaquim Lopes da Cos-
ta Maya : he a ultima praca.
lloje is 4 horas da tarde portado
Sr. Dr. Neivas, s ha de arrematar um por-
C.So de arroz e bacalho pnr eiecucan de
Lulz Antonio de Siqueira contra Francisco
Jos de Paula Jnior
bm Sr. ile engenbo da Escada que ha
pouco annunciou achar-seem o seu enge-
nbo um escravo fgido de nome Filinpe, se
este hecrioulo que representa ter 30 an-
nos, com pouca bsrba, alan, serco, bem
parecido, que entende de fazer assucar,
queira annunciar o seu engenho para ser
procurado, ou manila-lo levar ao engenho
Caulista, ou nesta prara na estreita do
Ilozano, n. io, segundo andar, aonde se-
rSo pagas as despezas que occonerem. '
O Sr, !athias Jos Alves
deAraujo
lenhfl a bondade de dirgir-so pniea da
Independencia, ns. 24 e 26, a negocio que
Dio ignora.
Joaquim Antonio de Lima Pinto, re-
trando-se dcsta provincia para a da Para-
niba despede-se dos seus amigos, que
'ordialmente os estima, por intermedio
este, assm como pede desculpa aos mes-
mos seus amigos de mo se despedir pessoal-
nente ; nao se devendo, pois, imputar-llie
esta falta como um acto da sua vonlade ,
mas sim como um producto das suas oceu-
ptqCi-s.
Precisa-se de urna ama para uina casa
de familia decente, para cozinhar o diario
Precisa-se alugar urna prela para a-
ilar com um taboleiro de fazendas na ra :
na ra do Queimado, n. 46.
Quem annunciou querer comprar urna
estante pequea, dirija-so ra do. Pilar ,
n. 83, segundo andar.
Lembra-seaos lllms. Srs. eleitores da
freguez'u de S.-Frei-I'edro-Goncalves do
Recife um candidato digno para a dopula-
eflo [roviiu-i.[, que ho o Illm. Sr. Jos Ro-
berto Padilba, por ser antigo patriota, e
mesmo pelos seus servicos prestados a cau-
sa do commercio, j como corretor geral
desta freguezia o qual fara lodo o possi-
vel a beneficio dos nossos ptricios.
Precisa-se de urna mulhcr tilosa para o
servico de urna casa de portas para dentro :
na ra de S.-Jos, n. 3.
O bacharel A. R. de Torres Randeira,
professorsubstituto de rht tonca o geogra-
phia no lyceu desta cidade, se propoe a dar
licOes das mesmss disciplinas, e hem as-
sm de lingna nacional, philosopbia e fran-
cez : quem de seu preslimo se quizer uti-
lisar dirija-se ra estrella do Itozario ,
n. 41, segundo andar.
Precisa-sede urna ama de lcite, que
seja clara pois a crianza s se accommo-
da sendo assim : quom estiver- neslas cir-
cunist incia.-t, sendo de boa conduela diri-
f-seruade S.-Francisco, n. 8, defionto
do becco do Paraizo.
-- Quem precisar de um caxeiro fiel para
venda, do que tem muita pralica dirja-
se a Fra-dn-l'orlas, n. 92.
Aluga-se, ou permuta-se por casas ter-
reas, um sitio na estrada de lelen com
424 palmos de frente e 1,200 ditos do fundo,
com urna casa em bom estado para peque-
a familia, Ierra piopria, terreno sufiicien-
In para piantac&O pasto para dual vaccas
de I-lie animalmenle com muito boa agoa
de beber muilo boas frutniras de varias
qualidades, entre ellas 4 pj do manguei-
ras de Itamarac : na fabrica de licores do
Aterro-da-Uoa-Vista, n. 17.
Perderam-se, desdo a ra do Sebo at
a ra larga do Ituzario alguns bilhetes da
entrega de lijlo aos Srs. Jos AfTonso Mo-
rena, Manoei Comes da Silva, Cuilberme
Purall e arsenal de marinha i e como estes
nSo pdem servirse nao a propria pessoa a
quem pertcncem por j so acharem pre-
venidos os mesmos Srsjroga-sea quem os
lver adiado o favor de os entregar na ra
larga do Itozarn, padaria do Manoei Anto-
nio de Jesns quo se gralificai.
-Ocapitfio do brigue Minerva, l.uz Mar-
ti ns da Costa deseja fallar com o Sr. l-
ente Candido Francisco de Carpco, na tub
ilo Vigaro armazem de cabos, a. 5, das 9
noras da manlula ao meio-dia.
/lula.
Oabaixoauignado lomo prazer de an-
nunciarquea sua aula para o ensno de
materias concerncutes ao commercio deve-
r seraberla na segunda-feira, 3 do cor-
rente na casa de sua residencia em Fora-
do-Portas na ra dos Guara rapes, n. 5.
Jos da Maya.
Precisa-so de um bom oflical de t-
noero, que seja captivo dando-se-lhe
12,000 rs. mensaes e comedoras licando
o mesmo subjeitu dia o noite lendo s a
usar do ofiicio durante o dia : quem qui-
zer fazer tal negocio, dirija-se Iravcssa
da Concordia, sobrado n. 5, das 6 as 8 ho-
ras da manhaa.
OfTerece-se urna ama para casa de pou-
ca familia, para qualquer servico, menos
lavar, engomuiar o cozinhar: prefere-so ca-
sa eslrangeira : na Una-Vista ra da Sau-
dade casa do coronel Jos de ItarrosFal-
eflo de Lacerda.
A inda est para vender a excellente ca
terrea, sita em Fra-de-Portas, no largo
doPilar.com solfio e trepeira, quintal,
cozinba fra por preco rasoavel : na ra
da Seuzalla-ova n. 42.
Precisa-sede um caixero de 12 a 14
anuos que tenha alguma pratica de venda,
que seja diligente e d fiador a sua con-
ducta : cm Fra-de-Porlas, ra do Pilar,
n. 86.
Aluga-se una casa na cidade de Olin
da no (jualio-Cantos, n. 4 por 8,000 ts.
mensaes a qual tem arrnac,3o para venda e
commodos para familia : a tratar'com o seu
proprietario, Jofio Leite Pita Ortigueira na
ra da Cruz, n* 12.
Precisa-se de urna mulher parda ou
preta de meia idade para servir em urna
casa de pouca familia : no Alerro-da-Roa-
Vista, fabrica nova de charutos, se dir
quem precisa.
Teudo chegado ha pouco do Maranli3<
um moco bi usileiro seolTerece para cai-
xero de qualquer estabelecimeulo nesli
praqa, ou fra della o qual d fiador
sua conduca quem de seu prestmo so
quizer utilisar, dirija-se ra Nova n- 26,
ou annuncie por est folha
Aluga-se urna casa terrea com o pon-
to bailante alto no lugar do Monteiro a
beira do rio Capbaribe, com terraco na
frente, dous corredores, sala bastante lar-
ga 6 quartos, sala de detrs, cozinba fo
ra um quarj^o com tarimba para prelos ,
ou tro dito para despejo, estribara para 2
eavallos quintal murado : a tratar no Ater-
ro-da-Roa-Visla, n. 37, terceiro andar.
Um moco chegado ha pouco nesta ci-
dade lendo concluido seus prepratenos
para entrar em qualquer academia, o quo
prova com os seus atteslados', ofr>rece-se
para ensillar meninos nesta prace, ou fora
della provando seu comeortamento com
pessoas dncapacidrdc : quom de seu pres-
limo se quizer utilisar, dirija-se ra das
Laranyciras, n. t8, segundo andar, ou an-
nuncie por esta folha.
--Precisa-sede um caixeiro.de 14a 16
annos, eqne tenha pralica de loja de miu-
dezas : na na larga do Rozario, n. 26.
OSr. Themoteo Eustaquio Das de An-
drad queira dirgir-se ra do Queimado,
n. 7, a negocio de seu interesse, OU annun-
cie sua morada.
Precisa-sede urna ama secca, forra,
para o servido interno de urna casa de pou-
ca familia : a tratar na ra das Trincheiras,
n. 14.
-" Precsa-so de um Porluguez que queira
trabalbar em um sitio pcito da pra^a, o de
dous prelos escravos : na ra da l'nio, es-
critorio do Portocarreiro
Dentts artifieiaes.
J. A. S. Jane, dentista, participa ao res-
peitavel publico que continua a exircer a
sua profissao, na ra estreita do Rozario,
n. 16, primeiro andar.
-- Na ra do Queimado, n. 14, se dir
quem d dinbeiro a premio. Na mesma ca-
sa compiam-se obras do ouro e prala no es-
lado em queestivereni.
O abaixo assignado estulante do se-
gundo auno da academia de Olinda, do ac-
cordo com seu pai tem transferido a sua
A mellior fazenda para
vestir escravos.
Na ra do Queimado,
loja b. 8,
vende-se picote eiilrancad>, fazonda a mais
propria para roupa do escravos, por ser
muito encornada, a 5,000 rs. a peQa com
27 covados e a 200 rs. o covado.
Vende-se um preto de nacSo, de 3j an-
nos onieial de latooiro, e que no tem vi-
cios nem achaquo4: no Aterro-da-Boa-Vis-
la, n. 38, s-gundo andar. ___
q Vm piano.
"O Vende-se um piano muito bom para
1$ estiidn, bonio n de excellento autor:
O na ra do Collegio, n. 9.
residencia para a ra das Flores, sobrado qualquer parle
O
O
o
8$
o
Vendem-se esoadas praleadas para oll-
ciaes da guarda nacional: na ra Nova, loja
de ferragena, n. 16. de Jos Luiz Pereira.
Omolhor cutleiro de Londres deseo-
bro urna tempera de ac que feta urna li-
ma delle e applicada sobre outra qualquer
o reduz a p, o he deste mesmo eco qu
agora fram fabricadas as melhores nava-
lliai de barba, muito superiores as da Cli.-
na, as qiuies se vendeln na ra larga do Ro-
zario, n. 3">, loja de miudezas.
A *i80 rs. o lenco.
Na ra do Queimado. loja de miudezas,
ile Jos Dias simOes & Companhia, vendem-
se, por 28 rf. linos lencos de cambraia de
algoso, com cercadura do mimosas flores,
proprios para mfiosde senhora^o tarobom
para bomem.
lucos (la India, e China.
Na ra do Queimado, n. 16, loja de miu-
dezas, de Jos Das Simes & Companhia,
vendem-se bicos de superior qualidade, do
todas as larguras, proprios rara babados,
por preco mais barato do que en outra
n. 1 o all se propoo a receber alumnos
externos e internos para Ihej ensinar as
primeiras lctlras, lingna nacional o fran-
ceza gomelria, e rhelorica prometien-
do o mais desvelado tralamento, medanle
um mdico extipendio. As pessoas que o
quizorem frequentar pdenlo drigir-se
referida residencia das 2 horas da lardo em
dianlo. r'usconcfi/o* Coimbra Jnior.
--OfTerece-se um moco brasilciro para
caixeiro: quom precisar annunco.
-- Precsa-so fallar com o Sr. Manoei An-
tonio da Silva para se lhe entregar urna car-
ta vinda de Lisboa : na ra da Cruz, ti. 9,
ou annunco.
-- O abaixo assignado desde o anno pai-
tado que recebo assucar e mais gneros do
paiz para vender em commissfio : quem do
seu preslimo se quizer utilisar, dirija-se a
rua Direita, venda n. 23. Jo^o llypolilo de
Meira Urna.
Quem livor lima ama de leite que quei-
ra ci iar, nao lendo fiiho, pode apptrecer no
pateo do Paraizo sobrado n. prefere-
so escrava v quo timbera nao tenha (libo.
--Truca-s urna pela de 18 annos, por
um preto que sirva para o tralialho de cam-
po : na rua da Aurora, n. 44.
Na rua do Sid, n. 13, aluga-se um mo:
leqne, muilo fiel, que cozinba o diario de
Vende-se um pardo de 18 a 20 annos,
bom canooiro : no becco da Lingota, n 8,
casa de Joaquim Jos Rabollo.
Para quem ;osta.
Vende-se muilo superior carne do serlSo,
a 240 rs. a libra : as Cinco-Pontas venda
n. 141, largo do Terco.
Venem-so dous burros grandes, mui-
to mansos c passeiros : na rua do Queima-
do, n. 14.
Vende-se um moleque de 16 a 1* an-
nos : tambem se vende nina loa I lia dolava-
rinto de bom gosto : na rua da Monda, n. 9,
das 3 s 5 horas da tarde.
QVf?VV9WWW?ff?V??t
* Para forros de carros.
'-> Vende-se casimira ingleza muito
*" encorpada e de varas cores, pro-
* pria para forrar carros : na rua do
T Queimado, loja do sobrado amarello,
^ n. 29.


urna casa ecomcrar.
--Traspassa-sejuma hypotheca de 3 bous
escravos mocos o desembarazados, bypo-
IbecadOs pnr 700,000 rs. vencendo 2 por
cento o mez cojos eseravos quem os hy-
pothicou asslste nesta cidade : a quem con- -sumo a pontean. 37.
vier annuncie.
-- Da-se pao do vendagem a prelas, Pican-
do seus senhores responsaveis : na rua lar-
ga do Rozario n. 48.
2
Na rua Imperial, taberna n 35, vende-
so farinha de milho, rauito fina, propria
para cangicn e bolos: tamhoin ha mais
grossa para passaros o cuscs.
Vende-se um chapeo
armado de pello, e urna banda com baca-
li mus de ouro para oflical subalterno : tudo
novo, e de muito bom gosto, por pre^o
commodo : na estrada do Manguind, pas-
Compras.
-- Compra-se prala c ouro sem felio : na
rua Velha, n. 54.
Para calcas e jaquetas.
i\a rua do Queimado,
loja n.8 ,
vende-se brim (militar) trancado branco,
a 1,440 rs. o corto; dito dito escuro,*
1,280 rs. i corte ; dito cor de ganga, mui-
to lino, a 1,500 rs.; dito liso esrujo, bom
do condecido nesta praca na rua do Hos-
picio, n. 56.
Compra-se urna DUSSOla ile
algibeira : no Aterro da-Hoa-Vis-
to, loja n. 3.
-- Compra-so um par de lantcrnas, ou
de mangas de vilro : quem livor annuncie. 'g' ~a '800 Tg 0 p"ar
Compra-se urna prela que seja perita ^ ^ fi^ik
Coziilhoira : quem livor annuncie.
-- Comprani-se um cabriolcl: na travessa
jaMadro-dc-Deos, n. 18.
Compra-se nina casa terrea que n3o
seja muilo pequea prefcrinJo-se em S.-
Anlonio, OU Ua-Vista : na la Direita ,
vonda n. 27, ou annuncie.

Vendas.
Cunipaiiliia ) contina a vender-ae fita de
la lagarta de seda para bordar suspensorios,
a800rs. a vara; ven-lein-.se tambem per-
nas elsticas para os mesmos suspensorios ,
promptaso concluidas, fivelas duuradas, as
qualro pumas por 1,600 rs ; e pares das
mesmas livclas douradas, lisas lavradase
a 800 rs. o par.
5,600 rs. a peca de
madapolao.
Vendem-se 5 lindos moleques de na-
co e rimillos, de 12 a 20 annos, sendo um
delles bom ofileial dealfaiate; 3 mulali-
nlios, de 14 a a 18 annos, bnns para pagem ;
3 mulalinbaa de 16 a 20 annos, com olgu-
mns habilidades; 4 prctas para lodo o ser-
vico i 1 dita com todas as habilidades ; 2 di.
tas de meia idade e que so vondem em con-
ta j 6 prelos bous para todo o servico ; as-
sm como outros ni ni los escravos : na rua
da Cadeia du Itecfe, n. 40.
Attcnco.
Vendem-se na rua Nova n. 42, defronte
da Conceif.lo, casimiras muito boas, a 5,000
rs. o corte ; leos de 13, a 160 rs. ; chales
de dita, a 560 rs. ; casimiras prelas muito
superiores a 2,600 rs. o covado ; corles de
cassa de lindssimos pudines a 3,200 rs.;
cambraias finas e de cores fixas, a 600 i s. a
vara ; riscados de cassa, a 280 rs. o covado ;
ditos para jaqucla, a 180 rs. o -ovado ; e
nutras muitas fazendas por prec,o com-
modo.
Vende-so, ou aluga-se um sitio espa-
coso em S.-Anna com casa do morada ,
cochira, estribara e lodosos mais com-
modos : na praca do Commercio, n 11.
Vendem-se limas pioprias para serras
d'agoa : na rua Nova, loja de lerragens, nu-
mero 16.
A bordo da escuna Tentadura, cbegaJa
do llio-Crandc-do-Sul, vende-se sebo en)
rama, por baralo prec,o.
Vendem-se pecas do madapolao muito fino
com pequeo defeilo de mofo, pelo preco
de 3,600 rs. e 200 rs. a vara: na rua do
Crespo, n. 6, ao pedo lampean.
Vendnm-se duas duzias de cadeiras de
Jacaranda, 2 cannaps, dous jogos de ban-
cas, 2 mesas de meo de sala com algum
uso, cadeiras de oleo, mesas dejogo, ditas
de meio de sala, camas de amarello e de
angico, e oulros diversos trastes, por proco
commodo : na rua da Cadeia de Santo-An-
tonio, n. 18.
- Vendem-se muito bons pos para denles,
quo mo s limpam comofazem conservaros
mesmos : na rua Velha, n. 54.
Barat.sshno.
Vaodem-se meias de seda brancas e pre-
tas.compridase algumas aberlas, del.ooo
al2,000 rs. o par; luvas de pellica para
honiem e senhora, de 10 alC 1,000 rs. o
par; um fardamento proprio para pagem de
palanquim ou cadeirinha, de panno azul
muito fino e com abotoadura dourada : na
rua do Crespo, loja n. 5 A, ao pe do arco de
Santo-Antonio. .
Vende,-se tima rica cadeira
de bracos : na, rua do Queimado,
o. 7.
/Vende-se por preco commo-
do farinha de mandioca em sue-
cas/e superior potassa era barri-
quinhas : no armazem de Olas Fer-
reira, no caes da Alfandega: a
tratar no mesmo armazem, ou com
Novara & Companhia, na rua do
Trapiche, n. 3.

1


.*....->-. ; >-
A 4 oo ris.
Vende-se superior eaguifio de algodfio de
i] nal t o palmos e meio de largura, proprio
para camisas de senhora e jaquetas, pelo
barato prego de 400 rs. a vara ; bretanhas
do rolocom 10 varas, a 1,600rs. ; supe-
riores cortes de fustes alcochoado a
1,28o rg.; ditos miudos, a 400 rs. o corte :
na ra do Crespo, n. 14, lojade Jos Fran-
cisco Das
Deposito da fabrica de
Todos-os-Santos na Baha
Vende-se em casa de N. O. Bieher & C.
a ra da Cruz, n. 4, algodfio trancado
daquella fabrica, muito proprio para saceos
de sssucar e roupa de escravos.
i,a8o ris.
Vendem-se superiores cortes de brim
trangado do puro linho cor de lama de Pa-
ris pelo barato prego de 1,280 rs.: na ra
do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Uias.
Folha de Flandres.
Vendem-se canas com folha de Flan-
dres : em casa de J. J. Tasso Jnior: na ra
do Amorim. n. 35.
Superior cha brasileiro.
Vende-se superior cha de S.-Paulo em
rminhas de urna eduas libras: na ruada
Cadeiado Recife, n. SI.
Barricas.
Vendem-se barricas vasias queforam'de
farinha, em p e bem accondicionadas
na ra do Amorim, n. 35, casa de J. J.
Tasso Jnior.
A 640 rs.
Vendem-se cobertores deilgodflo, muito
encorpados, proprios para escravos, a duas
patacas cada um: na ra da Cadeia-Velha.
n. 33. '
Saccas com farinha de
mandioca, a5,000 rs.
Vendem-se saccas com farinha de mnn-
n'e^' 3'000 r8, a tKC*'e s"cc grande a
na ra do Codorniz armazem
rSes & llenriques vendem-se pannos pre-
to e azul, finos, pelo barato preco de 3,000
rs. cada covado, e alm destes ha um com-
pleto sortimento de todas as cores e pre-
cos commodos.
Cnstonm franccz, a 650
rs. cada covado.
Na loja que faz esquina para a ra do Col*
Jegio n. 5, vendem-se os novos castorins
francezes muito encorpados, padrOes no-
ves oscuros e com listras pela beira, pelo
barato preco de 560 rs. o covade.
Vendem-se riscados escocezes, com
vara de largura, a 290 rs. o covado ; cassas
pintadas de-cres fixas, a 240 rs. o covado;
pegas de panninho de vara de largura, com
12jardas, a 2,000 rs. : na ra do Crespo,
loja n. 10.
Chales de Roberto do
Diabo.
!4
*
3,500 rs.
n. 1t.
VA ^a 'J' t'a rua d Crespo, n. 6,
ao pe do lampeSo, vendem-se as
seguintes fazendas por melado de
seu valor:
cortes de brim escuro, a 1,280 rs.; dito cor
de ganga a 1,440, 1.500 o 1,600 rs. ; dito
branco, 11,500 rs. ; dito lislrado, a 1,500
rs. ; picle, muilo encorpado, a 180 rs. ;
chitas finas e de cores fixas, a 160 e 180 rs ;
coborlores de Hlgodfio americano, os re-
Ihoresque ha no merend, a 640 rs.; ma-
dapolilo multo lino e com pouco mofo,
3,600 rs. a peca, e a 200 rs. a vara ; chapos
de massa a 400, 640 e 1,600 rs. ; fustfio ,
a480rs. o covado; dito muito tino e de
cores fixas, a 640 rs.
Charutos de II a va na
venladeiros: em casa de Kalkmann Ir-
mSos na rua da Cruz n. 10.
Na loja deCuimarfies & llenriques, rua
do Crespo, n. 5, que faz esquina para a rua
do Collegio vendem-se os novos chales
grandes intitulados Itoberto do Diabo', pe-
lo barato pre^o de 1,600 rs. cada um : esta
fazenda se torna muito recommendavel,
porser de padrOes novos, e de lindas
franjas.
* 9
Para liquidar-fe, ?
Vendem-se, por barato prego, cor- 4
9) tes d veslido de umbrala com barra <
<) branca o de cores, a 1,440 rs. ; meias
a 2,200 rs. o corte; cortes de cassa, a 1,400
rs. cada um; panninho com vara de lar-
gura a 240 rs. a vara, e a 2,500 rs. a peca
com 10 varas e meia ; chales de pura Ida,
a 2,000 rs. cada um ; fustoes para colletes,
a 500 rs. o corte ; e outras (nuilas fazendas
por barato preco : na rua do Crespo, loja
n 15, de Cunha Cu i maraes & Companhia.
Cortes de brim de puro
linho, a 1,280.
llarmelada nova.
''llegada ltimamente do Itio-de-Janeiro,
vende-se por preco commodo: rt-sdo Oor-
po-Santo, armazem de molhados, n. 06.
f'rehincha.
Vende-se cha hysson de superior quali-
dade pelo preco de 500 rs. a libra : na rua
do Crespo, n. 23.
A 2,000 rs. a caixa de
cem charutos.
Vendem-se charutos regalia de S.-Flix ,
ditos caradores, cavalheiros, regalos de lla-
vana eoulros, todos de superior qualida-
de, pelo mdico preco de 2,000 rs. a caixa
de cem : na rua Nova casa de comestives,
n. 69.
Vende-se rap de Lisboa,
cliegado ltimamente, a 3,aoo rs.
a libra : na rua da Cadeia do lie-
dle loja de Antonio Joaquim
Vidal.
Superiores cartas de
v isar-
vendem-se superiores cartas de jogar,
em i'Orco e a relalho, por preco muito
commodo: na rua Nova, casa de comestives,
n. 69.
A ellas antes'que se acabem.
Vendem-se ricas luvas de pellica par
homem e senhora pelo diminuto preco de
1,000 rs. o par: na rua do Queimado, n. 17.
Hao-.se as amostras.
(- decores rara senhora, a 1,800 rs. a 4
* duzia ; ditas para meninas, a 1,000 v
? rs. ; suspensorios de meia, a 1,000 t> rs. a duzia ; hotScs de duraque a ?
240 rs. a grosa ; lencos da seda para 4
algibeira e hombros de senhora, a ?
t- 400. 500. 800, 1,000, 1 200, 1,400 *>
f 1,600 e 2,240 rs. : no pateo do Car- t>
? mo, n. 18, segundo andar. <)
*> #
*4^it***A4*4a' .
INovidade.
Na rua do Collegio taberna de Antonio
Jos Alves da Fonseca, vendem-se bixas no-
vas vindas ltimamente de Lisboa por
preco meis barato do que em outra qual-
quer parto.
Vemlem-se8 escravos de 18 a 25 an-
nos sendo dous cozinheiros; um pardo de
18 anuos de elegante (guia e que he pro-
prio para pagem ; 2 escravos proprios para
o servigo de campo, por entenderem mili-
to desse trabalho ; um molcque para todo
o servigo ; una parda por commodo pro-
co ; 2 pretal do 20 25 annos, com alguns
principios de habilidades! todos estes es-
cravos vendem-se por prego commodo : no
puteo da matriz de S.-Antonio, sobrado n.
4, se dir quem vende:
A 1,600 rs.
Vendem-se casimiras escuras com 6
palmos de largura e elsticas, proprias para
palito*, calcas e jaquetas, a 1,600 rs. o co-
vado : na rua do Crespo, loja n. 5 A, ao p
Vendem-se cortes de brim trancado
pardo de puro linho, pelo diminuto preco
de quatro patucas : na rua do Crespo, loja
da esquina que volla para a radeia.
-- Vendem-se relogios de ouro e prata,
patentes inglezes: na ruada Senzalla-No-
va, n. 42.
Rap rlo francez.
Vende-se o superior rap rolSo francez,
nicamente as lojas dos Srs. Caetano Luiz
Ferreira no Aterro-da-Boa-Visti n. 46 ;
Thomaz de Mallos Estima na mesma rua,
n.54; Francisco Joaquim Duarte, ruado
Cabug ; Pinlo & Irrofio, na rua da Cadeia
do Recifc, n. 19.
Para escravos.
Vendem-se cobertores de algodfio ameri-
cano a 560 rs. cada um; zuarte de chadrez,
a 160 rs. o covado; dito trancado, a 200
rs. o covado ; pec^s de ganga azul da India,
com 4 palmos de largura e 12 covados,*
2,400 rs.: na rua do Crespo, loja n. 10.
Queijos londrinos.
Vendem-se, pelo mais barato prego de
640 rs. a libra, superiores queijos londrinos,
chegados recentemente : na rua do Amo-
rim, n. 36.
Vende-se cal virgem de Lisboa de
superior qualidade, em barris de 4 arrobas,
chegada neste mez pelo brigue Maria-Jot:
a tratar na rua do Brum, armazem de
Antonio Augusto da Fonseca, ou na rua do
Vigario. n. 19.
g C3T Na rua do Crespo, _fc5 O
loja da esquina que volta O
r> para a cadeia, vendem-se
Q os acreditados brins trancados bran- q
Q eos lisos, de listras e de linho puro, X
f> a 1.500 rs. o corte; ditoamarelo a 5
muito superior, *
1,440 rs. ; dito muito superior, a ~[
1,600 rs. ; picote muito encorpado, J?
proprio para escravos a 180 rs. o x
covado ; panno prelo muilo fino a J
3,200 rs. o covado ; cassa de quadros O
para habidos, a 2,000 rs. a peca ; lu- O
E? vas de algodfio de cor, muito finas, a O
& 240 rs o par ; chitas rouxas com fio- @
O res encarnadas, de tintas seguras, "
0 180 rs. o covado; ctssis pretas, pro-
rj prias para lulo, a 160 rs. o covado
do arco de S.-Antonio.
Ao barato.
Vendem-se, na loja dama do Crespo,ao pe
do arco de S.-Antonio.n. "
lele de gorgurfio de seda a 2,500 rs. ; ditos
de fustio branco a 500 rs ; i acia de cas-
sa par babados, a 2,560 rs. ; cortes de cal-
cas de pelle do diabo, fazenda muito en-
corpada a 1,000 rs. ricas mantas de seda
para senhora e meninas, a fi e 8,01.0 rs ; cor-
les de casimira elstica de urna s cor cla-
ra, a 4,000 rs.: bem comolambem se ven-
dem ohjectos de armador como sejam es-
peguilhas, rendas, volantes, etc.
0M9999- 9 9999 $S# 9
i
4
Farinha barata.
A 560 rs.
Vende-se hamburgo muilo fino, de 3 pal-
mos e meio de largura prpiio para len-
ces e ceroulas, pelo baralo prego de 360
rs. avara; chitas muilo finas, escuras e de
cores mullo fixas, a 200 rs.; ditas lavradas
de diversas cores, a 180 rs o covado : na
rua do Crespo, n. 14, loja de Jos Francisco
Das.
Na rua di Cruz, n. 3, vende-se cen de
carnauba de superior qualidade por prego
commodo.
Ha rua do Crespo, n. 5
loja que faz esquina pan i rua do Collggio,
vendem-se chitas francezas largas e de pa-
drOes muilo modernos pelo barato piego
de 280 rs. cada covado.
Vende-se um pardinho de 12 annos e
um mulalinho de 11, ambos muito bonitos,
proprios para officio, ou pagens ; na rua lar-
ga do Rosario, n. 35, loja.
Tecidos de algodao tran-
cado da fabrica de To-
dos-os-Santos.
Na rua da Cadeia, n. 5*2.
vendem-se por atacado ire quslidades,
proprias para saceos de assucar e roun de
escravos, a 250, 280 e 300 rs. a vara.
Pannos finos pretoeazol,
a 3,000 rs. cada covado.
Na loja da rua do Crepo, o. 5, da Cuimi-I
q pegas de platilha dealgodSocom 25 2
gv varas, a 4,200 rs.; e outras multas x
q fazendas por prego commodo.
Uieguein ao barato que
poucas vezes apparece.
Na praga da Independencia, cesa ama-
relia, n. 1, vendem-se cortes da fozenda de-
5 A,cortes de cassa nominada pelle do diabo, de superior qua-
com sele varas e de cores fixas, a 2,500 rs.; i lidade, a 1,440 rs. ; ditos de brim cor de
ditos superiores a 3,000 rs. ; corles de col-[ganga a 1.5C0 rs.; ditos de listras, a 1,000
rs. ; esguiSo de algodfio fino e de fio roligo ,
a 360 rs. a vara ea 3.200 rs. a pega ; cober-
tores de algodfio americno a 560 rs. ;
chitas de assento escuro o de cores lixas, a
160 e 200 rs. o covado ; os bem conhecidos
r'iscadinhoi de quadros de puro linho, a
400 rs. ; ditos de chita proprios para cami-
sa a 180 is. o covado.
-- Vcndem-se dous caixOes para venda ,
um balcfiodeamarelloem bom estado, urna'
batanea grande, 6 caixasdo pinho para g psito le aigum cousa licores, azeite do-
4 ce, vinho, ago'ardente branca, de aniz e do
reino, vinagre, e outras muias cousas:
ludo por muito menos de seu valor: na rua
do Cotovcllo, n. 31.
- Vendem-se alguns mergulhos de par-
reira moscatel, proprios para serem leva-
dos para qualquer parte : no paleo da S.-
Cruz pallara do urna s porta,
-Vende-se vinho engarrafado ha 3 annos,
tanto linio como branco, o mais superior
que ha hoje no mercado; bem como vinho
da Figueira a 160 rs. garrafd ni rua
das Cruzes, n. 20.
- Na rua da Cruz, n. 33 armazem de Si
Araujo, vende-se urna porfi de calgado
feito no Ar.caty: bem como sola e couios
miudos.
-Vendem-se presuntos inglezes para
natnnre; latas com holachinhas de l.isha
ditas de araruta ; ditas de marmelada d
I, 2 e 4 libras ; ditas de sardinhas ; ditas de
hervilhas ; ditas de chocolate de Lisboa
frascos de conservas ; ditos d'agoa de flor
de laranja; barris com azeitonas brancas de
Llvas ; garrafas com vinho moscatel de Se-
tubal e da Madeira ; queijos de prato
rrescaes: ludo novo e chegado ultima-
mente de Lisboa : na rua da Cruz, no
Recife, n. 46. '
Chdbrasileiro.
Vende-se cbi hrasileiro no armazem de
moldados, atrs co Corpo-Santo, o. 66 o
mais excellenle chi produzido em S.-Pau-
lo que lem viudo a este mercado, por
prego muito commodo.
Vendem-se saccas com muilo boa fa- $
rinha de mandioca, por barato pre- 0
go : no armazem do Bacelar, em fren-
teda rampa da alfandega a tratar S
com Machado & Pinheiro. m
9%%m%999999.m,'9MM9%9m
I.inhas de bordar.
Na rua do Queimado, loja de miudezas,
n. 16, de Jos DiasSimOes & Companhia,
vendem-se linhas de superior qualidade,
proprias para bordare fazer lavarinto por
prego muito commodo.
Vende-se doce de todas as qualidades,
secco e de calda em porges grandes e pe-
queas por barato prego: na rua Impe-
rial, n. 67.
Madnpoles finos a
3,600 rs. a peca.
Vendem-se madapoles finos, com 24 jar-
das com um pequeo loque de mofo pe-
lo prego de 3,600 rs. a pega : na rua do Cres-
po loja da esquina que volla para a ca-
deia.
Vende-se urna balanga completa, de pe-
sar assucar, com ptimo brago novo e o
mais cerlo possivel : no armazem de assu-
car por detrs do arsenal de mtrinhi na
rua do Urum.
Vende-se urna cscrava parda de 20 an-
nos que corta e faz urna camisa da hu-
men e um veslido de senhora o todo o
mais servigo de urna casa do familia ; um
moleque de 16 annos de boa conducta, e
que he ptimo para o servigo de urna casa,
ou para o servigo de campo : na rua do Col-
legio, n. 21, primeiro andar, se dir quem
vende.
Vende-se um carro do mfio, de 4 rodas,
muito bem construido, para conduzir toda
e qualquer qualidade devolumes: na rua
do Brum, armazem de assucar, por detris
doarsenal de marinha.
Na venda que foi de Jos da Penha, ni
rua liireit, n. 23, vende-se minteig in-
gleza de 480 a 800 rs. a libra.
Vendem-ae cortes de cambrim ada-
mascadas proprias pin vestidos, 3,000
rs. ditosde lalagarga, 1,600 e 2,500 rs.;
cassa-chita de cores fixas a 300 rs.; lan-
zinhas pan vestidos, caigas e roupi de me-
ninos a 320 rs. o covado ; fazenda de Ifii
com listras de seda propria para vestido
de senhora a 640 rs. ; ISis par caigas, de
S.-Cruz, que fizesquim pin i rua da Ale*
gria a qual existe com venda ,e junta-
mente urna parte de um terreno junto a
mesma casa e com frente para a rua da S.-
Cruz por prego commodo : na travessa da
Concordia sobrado n. 5.
Vendem-se amarras de ferro: na rua
da Senzalla-Nova, n. 42.
Noarmizem do barateiro Silva Lopes,
na porta di ilfandega, vende-se vinho de
Bordeaux, em quartnlas, e da melhor qua-
lidade que vem a este mercado.
Queijos londri os e pre-
suntos
pan fiambre : conservas: latinhiscom bis-
coulinho inglez : tudo chegado de Liver-
pool pelo ultimo navio, por preco mais
commodo do que em outra qualquer parte :
atrs do Corpo-Santo, armazem de molhi-
dos, n. 66.
Chitas a ISO rs. o
covado.
Vendem-se chitas de cores escuras, a 120
rs. o covado ; riscadinhos francezes finos e
de cores fixas, muilo lindos, i 240 rs. o
covado; lencos de cassa com cercadura pa-
r hombros de senhors, a 240 rs. cada um;
esguifio de algodfio fino, com qualro pal-
mos e meio de largura, proprio para cami-
sas de senhora, a 320 rs. a vara : na rua do
Queimado, n. 8. Dfio-sc as amostras.
AGENCIA
da fundicao Low-lloor,
RUA DA SKNZAI.T A-NOVA, N. ^1.
Neste estabelecimento conti-
na a haver um completo sorti-
mento de moendas e meias moen-
das, para engenho; machinas de
vapor, e tachas de ferro batido e
cosido, de todos os tamanhos,
para dito.
A 640 rs. cada um.
Vendem-se cobertores de algodfio ameri-
cano, encorpados e grandes, a duas pata-
cas ; chitas escuras de bons padrOes e co-
res seguras, i meii pataca o covado : ni
rui do Crespo, na loja da esquina que vol-
ta pan i cadeia.
Taixas para eng-enho.
Na fundigfio de ferro di rui do Brnm,
cibi-se de receber um completo sortimen-
to de taixas de4 i 8 palmos de bocea as
quaes achim-se i vend por prego com-
modo e com promptidfio embarcam-se,
ou carregam-seem carrossem despezis 10
comprador.
Cadeiras de palhinha e
de bataneo,
bem com outros muitos trastes: vendem-se
em casa de Kalkmann lrmfios, na rua di
Cruz, n. lo.
Vende-tie um pardo robus-
to, de 24 annos, perleramente en-
tendido no servico de campo e sem
vicios na loja da rua do Crespo,
n. 1.7, de Cunha Cuimares <\
Companhia.
- No 8nligo deposito de col
virgem e
Trapiche,
de potassa, na rua do
por
Fer-
piciie, n. 17, vende-se milito
nova e superior cal virgem de
Lisboa e potassa da itussia,
precos mnito commodos.
Nos armazens de Francisco Dias
reir e no de Leopoldo Jos da Costa Arau-
jo. hi pira vender o mais superior vinho do
Porto que lem vindo a este mercado, om
barris de 4", 5, 7* e 8': os apreciadores p-
il'iii sortir-se porque pouca vezes c vem
fazenda igual.
Vende-se superior fio de
algodSo para velas: em casa de
las e muito forte: no Atterfo-di-Bi-Vi.i
cocheira do lia y mundo. "'*,
Franjas para cortinado.
Na rua do Queimado, loja de miuda/'
n. 16, de Jos Din Simea & Compan?''
vendem-se franjas, proprias par co-v'
dos, do melhor gosto possivel, e por' m,C.
banto prego do que em outra anana
pirie. 4Ufr
Vendem-se massos de mei.
de linho, iiltimamentechegadasrjn
Porto ; ditos de algodao erotso
por preco muito commodo: n,
praca da Independencia, cas* ama.
relia, n. i.
Vendem-se caixas com cera emtu.|
do Bio-de-Janeira ; charutos do path, A'
milho,muito superiores; vidros de pus am
biliosos de Manoel Lopes : tildo por preJ
rasoavel : ni praga do Commercio, ni
primeiro andar.
Vende-se carne de toucinho, 80 rs
libn ; toucinho do Minnhfio, 1120 rj. j.
vada, a 80 rs.; letria, a 200 rs.: ni rui ni. i
reita, venda n. 18. '
Vende-se urna casi terre meii-agoi
no largo do Paraizo, n. 41, que di o premia
de 1 porcentoao mez : fallar na ru di,
Cruzes. n. 40.
Vende-se umi porgSo de prata da |
em obras de preferencia: na rua DireiU
numero 18.
: Vende-se um superior cavi|.
lo de carro, proprio para cabrio-
let : na cavalarice do Sr. David,
rua do Apollo.
'- Vende-se umi escrav de 20 i 29 id-
nos do bonita figura, proprii para todo
servigo de casa por ter bons principio! fa
cozmha ; 2 pardos, um de 12 14 annoi
bom para pagem por ser muito esperto t
de boa figura, e o oulro para todo o servigo
por ser muito mogo e robusto, pois be d
18 a 20 annos ; 400 couros de cabra griD.
des e de bom cortume; 4 couros de onct;
boa farinha de mandioca : ludo por preg
muito barato; bem como um escrivoupa.
teiro, por 350,000 rs. : na rua do Quajou.
do, n. 14.
- Vende-se superior doce de cate*
guiaba muito fino : n* rui larga do Boza,
rio venda n. 25.
>- Vende-se farinha de mandioca em sir-
cas, de superior qualidade, muito alfa e
fina e medida'de cuia caculada a 140 h. -.
no pateo do Tergo, venda n. 7.
- Vende-se, na praga da Independencia,
livraria ns. 6 e 8, Mqnual de direilo ecclel
siaslico de todas as confissOes chi>i
porM. Fernando Walter 8 v.; Extractos,
acgOes, provisOes, asientos e oditi.es do
Brasil desde 1807 at 1816, por M. Bortej
Carneiro.
Vende-ae urna preti de boa figura, di
28 annos que coziuha, engomma, cosa a
fiz todo o servigo de urna casi; um mole-
que de 16 annos de bonits figun ; na rui
do Hospicio, n 42.
Vende-se urna preti da Costa.com una
cria de 14 mezea ta nfio lem vicios,0 e que engomma cozi-
nhi o iliario ilc urna cas e lava*, na rua n-
treita do Hozarlo, n. 4, se dir quem vende.
Vende-se vinho de Champanha, da ver-
dadeira marca cometa : ni rui da Cruz, ar-
mazem n. 27. de Crocco & C.
Vendem-se 6 linjos moloques de 194
18 annos sendo um dellescozinhei'oe ura
alfaiate; duas negrinhas de9 a 12 annos;
duas pardas de 18 annos, com habilidades;
tres prelas de 20 a 30 annos, sendo umi
dallas de nagSo e com umi crii de dous in-
nos : na rua do Collegio, n. 3, se dir quem
vende.
Vende-se um escravo pegl, de SOannos,
bom para o trabalho de campo ou da prtgi ;
una preta de 40 annos, por 300,000 rs., que
cozinha muito bem, lava e faz todo o tmis
servigo de urna casi : ni rua do Collegio,
ii. 21, primeiro andar. *
Na loja do Duarte, na rua
do Cabug, n. i C, vendem-se fi-
tas de setim lavradas, s. tin.s
di
IIVUIV lima iriiis. CU Casa ue ,).. ,
Geo: Kenworthy & Companhia. ^'b,fC? ?e !,nho e 8eda'
,,/i J souras laLuica
^^^.?^.j,..^
pequeas com
Cera em velas.
Vendem-se caixas
cera om velas e
por ser del al 16
da no ltio-de Janeiro em umi das
ilhores fabricas por prego mais
muito bem surtidas, i
i em libra, fabrica- *
neiro em urna das
. .......s, por prego mais
Daralo do que em oulra qualquer par-
te : trata-se com alachado & l'inheiro.
ni rua do Vigario, n. 19.
A
4cs fumantes de bom gosto.
Noirmazem de moldados atris do Cor-
po-Santo, n. 66, ha para vender, chegados
pelo ultimo vapor vindo do sul, superio-
res charutos S.-Felix, e de oulras multas
qualidades que se venderfio mais barato do
que em oulra qualquer parle : bem como
na rua da Cruz, n i.
-- Vende-se um rabeefio pequeo um
baixo,ou clavic, por mdico prego: na
rua da Cruz, armazem n. 27, de Crocco &
Companhia.
Vendem-se relogios para cima do mesa,
do ultimo gosto, chegados pelo ultimo na-
vio do Havre : na rua daCrnz, n. 8, casa de
llidierCalombiez & C.
-- Vendem-se barris de 4 e 5 em pipa com
azeite de carrapato: no armazem ao p do
arco da ConceigSo, n. 64.
Vende-se urna prela de nagfio de bo-
nita figura, de 20 a 23 innos: ni rui do
Rangel, n. 27
Nos Qus tro-Can tos da Boa-Visti n. 5,
vende-se um pardo oflicial de sapateiro e
ferreiro, de 26 annos, sem vicios nem acha-
ques.
Praea da ln(iependencia
n. 57.
Ao <20;000,000 d{*r,.
Chegou grande sortimento de kjihetps
meios, quaitos, oitivose vigesimal ,i lo'
leriado Itio-de-Janeiro concedida ife^*
(icio das casas de ciridide da p~
igualmente se moslram as listas
ris passadas.
Frrgueza.
Vende-se vinho da Figueira de s
qualidade, a l.280rs. a caada e i
f a 160 rs., sendo enganafido e I
dando o freguez a garrafa vasia
branco de Lisboa a 200 rs. a garr.Vr
grao de bico a 60 rs. a libra ; bolachinh"
aoce e de soda, a 160 rs. a libra ; araruta
a 200 rs, a libra; carne de (oucinbo, a 80
rs. a libra : no paleo do Tergo, venda n. 7.
Vendem-se 2 mulilinhoa de 14 a 18 an-
nos ptimos para pagens ; 1 moleque de!
15 annos; um escravo ptimo carreiro ; r
csciavas, que engommam e eosem ; 4 dita
de lodo o servico: na rua Direila, n. 3.
iricadas em Guimaraes.
lisera vos ruj/u o.-
vincia :
as lote-
i
penor
;arra-
do,
Kinho
a garr>ra .

...........JS^&^&ssjsS^S^
muito bom gusto e de superior qu.lid.de, | Vonde-se um. p.rte da ca. d. ru. da \ nito iffi^iudo*! noo'combti
-l-ugio, do engenho Mussupinho, no
da 27 de agosto o crioulo Pedro, de 26 an-
nos de estatura regular, cara redonda,
denles abertos,, canell.s finas, pssaceos
e bem feitos ; he hem filiante e de dionita
figura ; levou camisa do mad&pol.lo ja uu-
da caigas azues chips He palha veIho,
e mais urna trouxa com/ panno da Costa e
camisa ; foi visto em Iguanss. Hogi-seas
autoridades policises ecipitfiei de campo,
que o apprehendam e levem-no ao dito en-
genho que serfio recompensados com
50,000 rs.
~ u'fc.u, dia _9 do corrente, a prela
Marii, de nigo engela cbm marcs de
chicote no peito esqnordo e as costas;
tem urna marca de qtn imadura no brago, t
os ps grossos com ,giforini; levou ves-
tido de chita rxi e pi rmo di Coala : quem
pegar leve-a rua di Rangel, n. 97.
Fugio, em das di mez pissado, o es-
cravo Patricio, eriourp, de SOannos pouco
n ais ou menos ; he desdentado na frente ;
tem urna fislula no rd^lo, por causa dos
denles, e de mais a mJi s be capado de um
grfio ; quando fugio ainfaa nfio poda andar
muilo bem por causa ddkurna molestia que
leve ; tem os psum lanm inchidos ; quan-
do sahio ia em trajes dtMobro de pedir es-
molas, com um pao na mftp e um saccoa li-
n-collo branco, mas foi VJsto na ribeirdi
Boa-Visli, como quem era forro e andva
tirando esmolaa, porm como he minio
manhoso ,o depois que se ichisse melnor'
talvez lomisse i estrada do serillo por e//f
muilo conhecida,principalmente dtqui iw
JoB.-di-al.-de Dos, aondetem sido pf8
pelo lllm. Sr delegado Cordeiro de Cr(>-
llio por duas vezes, e remetlide pr esi
prifi. Roga-se as autoridades policiaes,
capilfies de campo e pessoas particulares >
ndam e levem-no rua *
queoapprehendi
Cruz no llecife, n. 13, aue serfio
pensados.
recora-
rf
Pa*H. :ha ttp. di u,uy. de
/.fiL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EQI59XX2S_KGMKSF INGEST_TIME 2013-04-24T17:06:05Z PACKAGE AA00011611_06626
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES