Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06621


This item is only available as the following downloads:


Full Text
-

Auno XXV.
O DM/t/Opublic.i-sc todos os diasque nao
forem de guarda. O preco da asignatura he
de 44000 rs. por quartel, pajosa iimludoi. Os
aninincios dos assignantes sao inseridos
rasito de 20 rs. por linha, 40 rs. ein typo dif-
ferente, e as repetices pela metade. Os nao
assignantes pagaran 80 rs. por linha e ICO rs.
em typod'dTereiitc, por cada publicacao.
PHASES DA LA NO HEZ DE JUNHO.
La cheia, a 5. s 8 horas e 7 min. da maoh.
Miogoante, a 13, s 8 llorase 4 ma.da tard.
La nova,a 20, s II horas e49 min. da manh.
(Jrescente, a 27, as S horas e 24min. da manh.
Segumia-feira 2>
PARTIDA DOS CORRKIOS.
Goianna e Parahiba, s segs. e sexlas-feiras.
Rio-G.-do-Norlc, quintas-fetras ao lucio-dia.
Cabo, SerinhiTem, Rio-Formoso, Porto-\'.alvo
Macelo, no 1." a 11 e 21 de cada mez.
(; ii.mhmis e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quintas-feiras.
Olinda, todos os das.
PREAMAR DE D.OJE.
Primeira, s 8 horas e30 minutos da manh.
Segunda, s 8 horas e 64 minutos da tard.
de Jim lio de 1819.

N. Iffft.
DAS DA SEMANA.
Segunda.S.Guilhrrmc. And.do J.dosorph.
do J.do clv. e do J. M. da 2 v.
Terra. Ss. Jomo e Paulo. And. do J. do
c. da 1. v. c do J. de paz do2. dist. de t.
Quarta. S. Ladislao. And. do J. do c. da 2.
v. c do J. de paz do 2. dist. det.
Quinta. S. Leo. Aud. do J. dos orph. e do
J. M. da 1. v.
Sexta. ** S. Pedro c S. Paulo.
Sabbado. S. Marcal. Aud. do J. do c. da 1.
v.edoj. depaido 2. dist. det.
Domingo. S.Theodorico.
CAMBIOS NO DA 28 DE JUNHO.
Sobre Londres a 31 d. por 1/000 rs. a 60 das.
Paris 380.
> Lisboa 115 por cenlo de premio.
Rio-ile-Jaueiro ao par.
Desc. de lett. de boas firmas a5/ % mez-
Acedes da comp. de Reberibe. a 50f rs. ao p.
C/uro.-Oncas hospsnholas. 31/200 a 8IA0
. Modas de #4,t0 v. 1W600 a 7/S0.
de (i/400 n. 16/000 a 16/801.
de4>000.... 9/500 a 9/701
Prala-Patacoesbrasileiros 2/020 a UNl
Pesos columnarios. 2/020 a 2/040
Ditos mexicanos..... 1/920 a 1/940
AVISO.
Quodianamcnte vemo-nos na necessidade de re-
jeilar annuneins, aprcsonlados por parto de pessoas
que residem fra desla cidado, e que se dizem assig-
nantes deste Diario, maa;cujos nones un figuran!
na listas dos" respectivos subscriptores; e rejeita-
mo-los porque, ao traze-los, os portadores delles re-
claman) na paga da insersilo o batimento que so-
monte he devi.lo aos subscriptore$ deste jornal; isto
be, quelles que timo taeseslivercm inscriptos nos
registros da casa.
liste inconveniente lie todo filho da circumstan-
cla de assignarem o Diario por intermedio do indivi-
duos que moram na capital a mor parte dos que nel-
la n.lo habitam, cedendo dest'arte em beneficio
desses mesmos individuos as vaiita'gens que de-
viam gozar; para evitar, pois, semelliante qni pro
guo, convidamos os subscriptores de fra da cidade
a mudarem stias assignaturas para a livraria do pro-
pietario deste Diario, prarja da Independencia, ns
6 e 8, assevcrando-Ilies que ah podero, quelles
que oquizerem, mandar buscar o mesmo Dicrio, na
certeza de que ser elle enti egue promptamente.
Quanto a quelles, porcm, que liverom sua resi-
dencia em lugares para onde ha correios, o referido
proprietario ter o cuidado de remetter-lhcs os jor-
naes, sem que por isso os subjeite a augmento de
despeza.
Adoptado este expediente, os assignantes do fra
da capital, nSo s passarSo a fruir o beneficio, de
que boje esluo privados, de inserirem seus annun-
cios por prego muito inferior ao que estilo pagando,
senSo lambem recbenlo os Diarios sern a mnima
falta, cuidadosamente dobrados, inteirament lim-
pos, c por coiiseguiuto etn estado de seren colec-
cionados.
PAUTE bJTIClAl-
GOVERNO DA PROVINCIA.
LE N. 245, DE 14 DE JUNHO DE 1849.
i .
Declara que os empiegados da secretaria da assemhlia
provincial esto comprehendidos na ditpnsico do ar-j
tijn primeiro da le provincial n. 82, de 4 dt mato di
1840.
RF Manoel Vieira Tosta, presidente da provincia de
Pernambuco. Paco saber a tollos os sous habitantes,
queaassembla legislativa provincial decrctou eeu
sanecionei a resoluciioscguintc:
Art. 1. as palavrasempicgados provinciaos,
os quaes pelo artigo primeiro da lei provincial nu-
mero 82, de-4 demaio de 1840, pdem ser aposenta
dos pelo presidente ila provincia, qliando contarem
vinte e cinco anuos de servidos sem inlcrrupgio, es-
tilo cotnprebendidos osempregados da secretaria da
assembla provincial, que estiverem nos termos c
condices da citada lei.
Art. 2. Ficam revogadas todas as leiso dispusi-
eres em contrario.
Mando, portanto, a todas as autoridades a quem o
conhfcimento e exectiQ.lo da referida resolucn per-
tencerque a cuinpram e fagam cumplir tilo iuteira-
rnente como nelia se conlm. O secretario desla pro-
vincia a faga imprimir, publicar c correr. Cidade do
Recife de Pernambuco, aos 1G dejunhode 1849, vigo
S imo-oilavo da independencia c do imperio.
I.. S. Uunocl Vieira Tosa.
Carla de lei pela r/ual V. Exc. manda execular o de-
creto da assembla legislativa provincial que sanecionou,
declarando que as palavras empregadot provincaes
, os quaes pelo artiga primeiro da lei provincial nume-
"'. pdem ser aposentados guando contarem vinte e
cinco c-- desrticos sem interrnpcdo, esto compre-
hendios osempregados da secretaria da m-sma assem-
bli', que se aoliarem nos termos e condicies da citada lei;
ludo como cima se declara.
Para V. Exc. ver.
Maoel Jos Ulartins Itiheiro a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincj"
de Pernambuco, aos 16 de junho de 1849.
Honorio l'ereira de Azeredo Coulinho.
Registrada a fl. 116 do livro segundo das leis pro-
vinciaes. Secretaria da provincia de Pernambuco, 21
dojunho de 1849.
Jodo l'olicarpo dos Santos Campos.
I.EI N. 246; DE 16 HE JUNHO RE 1849.
Honda dar sorcorros pecuniarios ao estudante Antonio
de Araujo l'erreir Jacobina Jnior, afim de ultimar
na academia de Coimbra o curso malhemallco, e ao
depois pustar-st l'aris, Inylatirra eii Al lemn ha,
para aperfeicour-se nat materias de sua profisiJo.
Manoel Vieira To-ta, presidente da provincia do
Pernambuco. Kaco saber a lodos os seus habitantes,
que a issemhla legislativa provincial decrctou,eeu
sanecionei a lei seguinte:
Artigo 1. Fica o presidente' da provincia autori-
sado a mandar abonar ao culmino brasileiro Antonio
de Araujo Ferr ira Jacobina Jnnior, que ora frequen-
ta o quinto anno do curso niatheinatico na universi-
dade de Coimbra, a mesada de vinte e oito mil ris,
(moda de Portugal) al quetconcludo o referido cur-
so, obtenha a sua carta de hachare! formado.
Art. 2. Fica outro sim autorisadoj mandar abo-
nar ao mesmo cidadilo a mesada de riesen tos francos
em Paris, para onde devera seguir logo depois de sua
formatnra em Coimbra, afim de cursar a escola de
puntes c calcadas durante tres anuos, satisfazondo as
mamas obrigaces que os alumno* internos da mes- de primeiro* ou ^"f* 1*2*^*25
m,tr.l, res individuos indignos de pertenecrem a mam ini
mawcoia. goitumei e inoorrigibllidade
Art. 3. O alumno, no fim detresannos, passara a ia i,ei.i a^t-r.ninai-s. M. o Imperador, em conior-
Inglaterra e Allemanha, para o (im de" visitar as dil- m|l|]||C ^ sul ,n,)Prai reoluciio de 12 do crreme,
ferentes obras e ofticinas, no que empregar um|(,lley fifCi remella a esta sacretarla de estado urna ra-
,aiiiiii. |avo nominal das pracas das ditas 3 classes que servem
Art. 4. 0 presidente da provincia impor ao na guarHlcao dena provincia, Cu jo comporumento ci-
lumno as condicos quejulgar convenientes para vil e militar teoha merecido a reprovacao ^o* reapecu*
que possa bem prSeTcher o li,n que se propOe.ex'.i.! ^^^J^ ^J^^^^^":
b.ndoentreoutras pravas de seu aproveitemento S^^^^*tfl"Urna. ain deque, me.
aprosentaco de todos os ta bal los fetos naescoia dian(i, eslca psciareciiuentos, possa o governo Imperial
resolver a resprito coiiki couvier.
. Dos guarde a V. E*C I'.lacio do l>io-de-Janeiro,
em 3i de maio de l849. Wonoe l'elisardo tle Soaza c Met-
ilo Paris; cuma memoria descriptiva ou relatorio
le suas viagens, edos estabelecimentos e obras que
visitar ecstudar: e outro sim se ostabelecerao ga- ,
railtias solidas, que assegurom a VOlta do alumno >.-Sr. presidente da provincia de Pernambuco.Lum-
nara e P ArtUr0AVSmdespez3s das viagens de Portugal k Cl **. L^Sr^0""6""0
Franca, Inglaterra e Allemanha. e de seu, regres- \m^i^Z^7o7LSio B..n. Sr. presiden-
foram concedidos 3
rovlncia da
ros Innocen-
los l'edro lleilor, ajudante de ordena interino.
TRIBUNAL DA llBLAGAO*.
SESSAO' EM 23 DE JUNHO DE 1849.
rautoRNCU no exm. snr. ooncelhbiro azevf.do.
A's dea borai da manhSa, achaudo-se presentes os
Srs. eseinbargadores Ramos, Villares, bastos, Ledo,
Souza c Ilibello, faltando coni causa o Sr. deseinbar-
gador Punce, o Sr. presidente declarou aberta a sessfio.
Julgamcntos.
Habeai-eorpus de Manoel Francisao Cezar, de Antonio
Bandeirade Mello, de Luiz Ignacio de Ollvelra Jardlm
e Fibppe lien icio Alvcs Ferrcira.--Mandou-sc paitar or-
deill de soltura.
Dito de Antonio Luiz Ferreira da Cunliaro negada
a ordcnide soltura.
Aggravo de pet9io de Miguel Archanjo rigueire-
do.~l'tvc proviinento.
Appellaces citis.
Appellante, Manoel da Costa Prazrrrs ; apprllada, Jose-
fa Mariado Sacramento Cusa Foram desprezados os
fmbargos da appellada.
Kellante, o coronel Antonio Alves V lanna; appella-
"o, Francisco Severianno Itebello.--Mandoii-sc aver-
imprcssio da memoria, ou relatorio, emaistiaba-
lhos que em virtude desla lei letn do apresentr ao
governo da provincia.
Art. 6. O presidente da provincia romoar al-
guma pessoa de sua confianca no paiz om que se a-
cha o alumno, para celebrar o contracto cm questfio,
emordema nao scrc.n il'udidas ou frustradas, as
conditjfles do mesmo contracto.
Art. 7. Ficam revogadas todas as leis c disposi-
Oes em contrario.
Mando, portanlo, a todas as autoridades quem
oconheciniento e execuijio da referida lei perten-
cer, que a cumpram e fac,am cumprir to inteiramen-
te como nella se conlm. O secretario desta pro-
vincia a faQa imprimir, publicar e correr. Cidade
do llecifc do Pernambuco, aos 16 de junho de 1849,
vigesinio-oitavo da independencia edo imperio.
L. S. Manoel Vieira Tosta.
Carla de lei pela qual V. Exc. manda execular o de-
creto da assembla legislativa provincial, gue sanecio-
nou, aulorisando o presidente da provincia a mandar
abonar ao cidado brasileiro Antonio de slraujo Ferrei-
ra Jacobina lunior, que ora frequenta o quinto anno do
curso mathemalicn na vnitkrsidade de Coimbra, a ma-
sada 4* vinie i "ilo mil ris', (tnoJda de Portugal) al que
elle ob/enha a carta de bavharel formado, bem como a de
Iresenlos francas cm l'aris, para onde dever o referido j
cidado pastarse, depois de sua form-ilura, a cursara
escola de puntes t calcadas; e dando autra* providencias
acerca do fim que se propOeo mencionado alumno: lu-
do como cima se de ara.
Para V. Exc. vr.
Manoel Jos illartins Itiheiro a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provincia
de Pernambuco, aos 16dejunho de 1819.
Honorio l'ereira de Aseredo Coulinho.
Registrada a f. 117 do livro segundo de leis pro-
vinciaes. Secretaria da provincia do Pernambuco,
2-2 de junho de 1849.
Juio l'olicarpo dos Santos Campos.
"'Ominando das rias.
Oiiui'tel-jneru/ do commnndo das armas em Pernambuco,
21 de junho de 1849.
OHEM 1)0 DA.
Tcndo, em virtude de orden iiupcriars, de marehar
para a corte cm casco o(." balalbu de cacadores, de-
vendo levar todos os Sis. omclfls, msica, alguns infe-
riores, cabos, cornetas c soldados que nao cicedaui ao
numero de 10 pracas de pret por compaiibia, c deven-
lo as pracas que excederem ser unidas ao corpo lixo
do t."ear, formando 3 companhias addlas ao iiirsmo
corpo; ordena o Kxm. Sr. mai ccbal de campo graduado,
commandanle da* armas, que u Sr. trncnte-coronel
coiiimaiidaule do mesmu batalhiio v trataudo de ajus-
tar as comas dai pracas que trem de licar a adidas al o
litu do crreme mes, de inanciraque no dia 1." do pr-
ximo futuro mez de julho estejaiu pagas de lodos os
seus venciineiilos, bem como coin as guias promptag
para seren entregues ao Sr. major do 8." baialbao de
cacadores Manoel Lopes Pecegueiro que pasta a coin-
iii iml.ir interinamente ette corpo, mandando igual-
mente neslcqtiartel-general no referido dia I o mapp.i
das pi'.u .11 coin que tica o casco, c devendo altender a
|ue sejain preferiveis p.ara marchar a5 pracas que vo- Appell.iule, Luiz de Franca l'urtadn, tutor do menor Ce-
' b.ir a diziiua.
Appellante, Antonio Ribeiro Guimaraes ; appellado, o
procurador do julzo de capellas.--Kecebcram-se os
embargados do appellante.
Appellante, o bacliarcl Lourcnco Bezerra t-arneiro da
lanilla ; appellado, Manoel Joaquiu Pascoal Ra-
mos.Foi confirmada a tentenca.
Appellante, Juao Francisco dos Santos Siqueira ; appel-
lada, Francisca Antonia Lilis.Fram desprezados os
embargos da appellada.
Appellante, rcenlo Forturrato da Silva ; appellado, Ga-
briel Atituno* Peona.Mandni-seaverbar a dizima.
Appellante, Jo.to de Mello Azedo; appellado, Manoel
liarla Camello da Cunda.Foram despresado; os em-
bargos do appellante,
Appellante*, Pontea & Mello ; appellado, Antonio Ro-
drigues Lima.Foi continuada a senlenca.
Fol assignado o 1.* dia til para seren julgadas as se-
guimos appellaces civels:
Appellante, o juizo; appellado, Antonio Ribeiro de
Moura. ,
Appellante, Francisco Karroso de Souia Cordeiro ; ap-
pellado, Francisco Barroso Braga.
Appellantes, a viuva e h"ideros de Jos" Velho Brrelo ;
appellado. Jote Luiz l'ereira Luna.
Appellante. Helena Maria de Jess; appellado, Jos Fer-
reira do Valle.
Appellantes. Mendes St Tarroso; appellado, Francisco
da Silva Medeiros.
Appellantes, Manoel Jos de Siqueira e Francisco Ma-
noel de Siqueira ; appellado, Jos Francisco do Reg
Barros.
A appellaco crime ein que sao :
Appellantes, Joao Manoel Mendes da Cunha Aezcvedo
c Evaristo Mendos ; appellada, ajUSCB.
Revistes,
Passaram do Sr. desembargador Ramos ao Sr. desem-
bargador Villares as appella(oea civels ein que s'io :
Appellante, Antonio Francisco Xavier de Vasconcellos ;
appellados, 'o.-io Manoel Das e sua mullier.
luntariaiurnte se oll'crecerem.
Igualmente o mesmo Exm. Sr. manda publicar que
por olHcio do. Exm. Sr. presidente da provincia, de 18
do crreme, Ihe foi remettido por copia o aviso da se-
cretaria de estado dos negocios da guerra de iO de abril
do corrente anuo, e por oiticio de 19 b dito circular de
/.ario ; appellado, Rufino Rodrigues Sanchos.
Appellante, Manuel Cabral de Medeiros ; appellada,!).
Anglica Joaquina de Albuqiierquc.
Appellantes, Francisco oncalvcs de Medeiros e sua mu-
llier; appellado, Andr llaibosa de Miranda.
Passaram do Sr. desembargador Villares ao Sr. desem-
31 de maio tambem do crrente anno, abaixo transcrlp- bargador bastos as appellaces civels em que sao :
tos ; e ordena que os meamos tenham a devida execu- Antonio Alves Ferreira e sua mullier;
cao pelas autoridades a,,ueui cumplir; devendo quanto ^51 / l ,' nlm Bexerra Cavalcantc c sua
ao segundo ser remelladas a este quartol-general re- apiienauo, ""> '"i
laces nominaos coin todas'as observarors dos indivi- mullier. .,,, i. e,.i. .ni|i
dos que estiverem no caso do referido aviso circular. Appellante, Manoel tao de Gouvcia appellado,
|.l seccao.-lllm. e Ectii. Sr.-S. M. o Imperador ha Coslewort Porvel e Poder,
por bem determinar que V. Exc. mande dar balxa do I Passaram do Sr. desembargador Bastos ao Sr. doseiu-
srrvlco aos segundos.cadetes do 2 batalho de cafado- bargador Lco as appellafiies civeis em que sao :
res Joao Carlos de Soma Franca e Gaspar Daniel de Sel- | Appellante, Anne ElUabet Adellc Poirson appellado,
xas, visto ter-se provado pelos coucellins de investiga- ( Alfonso Sainl-Mai lin.
fes que acoiiipanhoram o ollicio de V. Exc, n. 0, data-, Appellantes, Lenoir Piigel&C. ; appellado, Manoel Fl-
do de 22 de Janeiro ultimo, (|uc ellos sao de conducta lippe da Fonseea Candi.
insubordinada, relaxada e ebrios por coslumes, e como
taes iodiguosde pertencer ao cxrrcit i: o que couiiuuiii-
co i V. Exc. para sua intelligonuia e exccufSo.
Dos guarde a V. lixe. Palacio do Rio-deJaneirn,
em 10 de abril de 1849-Manoel Felitarda de Soma e .)/.(-
Pl
Passaram do Sr. desembargador Leiio ao Sr. desem-
bargador Souza as appellaces civeis em que sao :
Appellante, Francisco Alvos de Souza Carvalho ; appel-
lado, Jus Luiz l'ereira Lima.
o.--Sr. presidente da provincia de S.-Pedro-du-Sul. Appellante, Lourcuyo Jos das Nevcs ; appellados, M.
Cumpra-se e reglstre-se.Porto-A legre, 3 de maio de 'alniont 4 C.
1849.Soarf* de Andrea.r.untonue.--Ilemardo Joaquim Appellame, Marcelllno Jos Lopes; appellado, Manoel
de Mallos.Conforme.O omcial maior, t'lorianno Cor-\ Mi.it de Moura.
lia de tintn l)o mesmo Sr. desembargador Bastos ao Sr. desein-
Aviso circular.1." secfo.lili, e Exm. Sr bargador Rebcllo a appellafo civol cuiquc sao :
Sendo sun ni.unen lo prejudicial i lia oniom e discipli- Appellante, IgnaciaTliouiasi.i do Sacramento ; appclla-
ua do ejercito, que as suas fileiraa existam coin pracas do, Jos Ferreira de Oliveira Das,
Passaram do Sr. desembargador Souza ao Sr. desein-
bargador Rebollo as appellafiies civeis om que sao :
Appellante, Amonio llenriques de Almeida Pojas ; ap-
pellados, JosllornardMio Leal e outros.
Appellante, Pedro da Cunha Freir appellado, Alexau-
dro Jos Teixoira.
Appellante, Goncalo l'ereira de Souza ; appellado, Ma-
n m l s i u-es da Silva.
Appellante. Jus ('. uifalvos Simas ; appellado, Domin-
gos los Pe reir Pacheco.
Appellante, 0 coronel Manoel Cavalcantc de Albuquer-
que Mello ; appellado, Claudio Diibeux.
I'asso i do sr. desembargador Rebollo ao Sr. desem-
bargador Villares a appellafo civol ein que sao :
Appellantes, Manoel Fereira Muniz c o reverendo guar-
dia" do convento de San-Francisco ; appellada, a fa-
zenda publica.
Do mesmo Sr. desembargador Rebollo ao Sr. desem-
bargador Le0 a appollacao civol ein que sao :
Appellantes, bento Jos da Costa e su) muiher ; appel-
lados, Jus Joaqun) Bezerra Cavalcante c sua muiher.
Do mesmo Sr. desembargador Rebollo ao Sr. desem-
bargador Ramos as appellaces civeis em que sao :
Appellantes c appellados, Bernardo I.asserrc St C. c Ber-
nardiuo Gomos de Carvallio.
Appellante, Jos Maria da i.osta Carvalho ; appellado,
Manoel Ferreira da Silva Ramos.
Dislribiiiccs.
Ao Sr. desembargudor Bastos o recurso do cliefe de
polieia em que sao :
Recrreme, Francisco llorges Mendes ; recorrido, o
juizo.
O aggravo do juizo dos feitos da fazonda dcsta cidade
em que sao :
Aggravanie, Prxedes da Fonseea Coulinho; aggrava-
do, o juio.
A appellafo civol dojuizo do ausentes desti cidade em
que sao :
Appellante, o juizo; appellado, Luiz llorges de Siqueira.
Ao Sr. desembargador I.o.io o recurso de polica des-
la cidade cm que he :
Recrreme, o baeharel Candido Autran da Slotta c Albu-
querque.
A appellafo civcl dostacidade em que so :
Appellantes, os administradores da casado tinado JoSo
Maria ."cve ; appellado, Elias Coelho Cintra.
Ao Sr. desembargador Souza a appollacao civcl dojui-
zo municipal do Alhataya em que siio :
Appellantes, Antonio Ferreira do Valle c outros ; ap-
pellados, Eugenio Jos de S.-Rita coutros.
Levantou-sc a sessSo s 3 horas e moia.
PE.NA^BUC
Ti
llatanra da reecila e despeza iliis eitalcrimenlos de carida-
de, verificado orne: de maio de 1849.
RECEITA.
Recebido da lliosouraria da fa/.onda provincial a sa-
ber :
Subsidio do grande hospital, vencido em
marco e abril 1:083,336
Dito dn hospital do lazaros,idem jOO.000
D.to da casa dos exposlos, idoui .ViO.OOO
Importancia por coma da quola
volada na lei do orcamento vigen-
te para as casas d'alborgaria l:0il0,0t)0
dem para a reodilicaeo dos
prodios 2:500,000
Idom para a continuacao do hos-
pital l'edro II 2:500,000
Do procurador daadministracSe,
importancia do reudiiiiento dos
predios, arrecadada ueste mez
2:133.33C
0:000,000
DESPEZA.
Por saldo cm 30 do passado
Pago a Joao Fernandos Sonto, ei-
cozinhelro do grande hospital, seu or-
denado do primeiro a viole de novem-
bro prximo passado
ATiiereta Maria de Jess, cx-enfer-
ineira do hospital dos lazaros, seu or-
denado do primeiro de sciembro do au-
no passado a solo demarfo cnenle
A Francisco Joaquim do Oliveira e
Souza, ex-rogontc do mesmo hospital,
sen ordena lo vencido om igual lempo
Ao dito pelas despe/.as iiiiudas que
fez do pitineiro a oito do marco
Aos herdeiros do liuado Ignacio Joa-
qilim de Barros, ordenado que este ha-
via vencido como continuo dcsta admi-
nislrafo
A Domingos da Silva Sanios, por'8
paros de sapatos
Ao rgeme do grande hospital, Im-
portancia das despezas do mez de abril
Ao dito da casa das expostos. i Jem
Ao dito,por 501 libras de carne verde
A Jos Teixeha asios,por 3 barricas
coin 22 arrobas do assucar
A I i ipn n Xavier da Silva,po 150 e
moia varas de lila para cinloiros
A Joao Farancisco do Oliveira,regente
do hospital dos lazaros,importancia da
despeza de abril
A Francisco Joaquim da Costa Fialho,
i2 caadas de aseite de carrapato
Pago a M iiii!><'I Joaquim Fernandos
de Azevedo por duas arrobas de fari-
nb.i de Maranho para o hospital dos
lazaros
A Joaquim Pinliciro Jacome por nina
caixa de aletria para o mesmo hospital
A Adriano Augusto Jordo por 5 pi-
pa d'agoa para o mesmo hospital
2 100,000
10:233,330
4:173,782'
8,333
68,333
3 87,218
4 115,300
5 17,000
0 12,000
7 8 9 392,820 100,980 87,380
10 55,880
ll 18,060
12 257,000
13 32,040
14 0,000
15 0.400
10 10,000
5:493,846
MUTILADO


=* a
ISTMOS*
a
Transporte
^0* A Sanios Heves U GuImaraVl por l'.i-
zendas para a casa dos eipottoi
A o solicitad or dos csl.ibeleci.m-nlns
de ca id idr para ai tapeza* judiciaea
A Ilenry Glbton por faiendaa para a
cata dos expostoi 271,710)
Aballmeiito de "> por cento I3..">S.
A Irmandade de S. -Pedro pelo fro
das asas na. 4, .'> e7da ra ele S.-Theu
reza, vencido do i. dejaneUo di- 184(5
a.ll de dczciiibro do auno prximo as-
ado
A Joaquim Francisco de Oliveira co-
mo ccssionari.. de Antonio Frailesco
Manas de Miranda, importe d..s vi-
ve.es por este fbrnccidos de fever.iro
e marco 277 .ViSi
Abatimento de 10 por cento -27 759)
A Adamsoin Rawie & C. por faien-
das para a casa dotexpostoi 160.500
Abatimento de 5 por cento 0,975)
Saldo em caixa
is
ii
20
21
5:403,840
102,780
50,000
258,125
13,014
249,839
189,525
(i:357,i29
3:876,207
10:233,336
AdniinislracBo geral dos estabelecimentos de- ca-
ridade, 1."dojunlio de 1849.
OBSERVAfOES.
O saldo reprsenla lo ueste balanco lem do ser at.-
plneadoa pagamento das desbezas quo se l.ouverem
de fazer com as .rasas da albergara, reparos dos
predios e conlinuaco da olira do hospital peJro II.
Jos Pirrs Ferreira,
Thcsoureiro.
Antonio Jos Gomes rio Crrelo,
Rscrivito.
I.otivores sejam dados .ios sabios legisladores do
Brasil, que, caminhamlo a pardas nacOescultas, ni-
velaran! a sciencia. e deram a lodos a devida consi-
deraran, arrancando desse modo a mascara odiosa
da aristocracia medica.
Comquanto estejamos convencidos das excellen-
lefi qualidades que possuo o Sr. Miguel Arcbanjo
Monteiro do Andrade, da sua honradez e pontualia-
>le no cutir rmenlo dos deveres concernentcs sos
hipares que ha OCCUpado no periodo de 42 anuos,
todava entendamos que oguverno imperial-mo se
pnganra quanlo escolhra o Sr, l.uiz Antonio de
Sampaio Vianna para substituido no lugar da inspe-
Ctoria da alfandega desta ridade.
Odi'senvolviiueiito que, a he.indos interesses da
nacao, lia apresentado em tio pequeo periodo o
Sr. Sampsio Vianna, tem leito admirar a quantos o
recRberam cu ni repugnancia, e o observa m oom
olbos crticos. Scnhor das obrigagoes a seu carpo,
e nao hospede as dos seus subordinados, o Sr. Sain-
pao Vianna tem mostrado e convencido ser digno do
lugar que oceupa. Nao lomos a honra de manler
ivlacO s dequulquer naturez eom o Sr. Sampaio
Vianna, e se assim misan os fallar, si. o laxemos
movidos pela nossa COnviccSu e pela juslica que lie
devida ao mrito,
Diguu-se o Sr. Sampaio Vianna desculpar-nos se
com o que vimos de dizer temos ollenddo asna mo-
destia,
commE
\c
.:.
<'orn m ii ii irados
BS,v^X'":S SO,,,!,: A ITI"- "MVISAO DE
ilios KCIKRfilA, EBEMKDICOS ECIKIJR.
Sem embargo do muito e hem que habilissimas
pennas teem esenptosobre esta materia, -semem-
bargo de vermos o horizonte da sciencia desassom-
brado das nuvens da ignoiancia que o obscurecam
e por trra o muro de bronzo que pretendern, le-
vantar como balisa entre a emir
todava nao he sem fundamento
como somos, ousamos tratar desto o
,'ia c a medicina,
que mis, pequeos
ste olijecto, porque
vemos anda desgranada mente arreigadas na crciica
popular, e. o que lie mais, entre sainos, as .leas de
d.visao de mdicos e cirurgies, parecondo-lhes
lalvez que professam difTerente sciencia, nao reflec-
tindo que a arte de curar be urna indivisivel, e se-
ment os meiosapropriados para a cura das difieren-
tes molestias he que diversifican!. "
Esta distinecao he amda hoja devida aaleumaa
ais e cAstumes barbaros que repugnam cora o es-
tado actual dos conheciinenlos scientificos ; porm,
nao obstante, seguidos a abracados por alguna.....
que, mi nao leudo o verdadeiro conheclmento da
sciencia que professam, ou so para camparen) de
superiores, ( sombra da ignorancia do vulgo teem
conservado lal divisan.
Para que osleitores se compenetrem de quilo ab-
surda he a divisan de medicina ecirurgia, subtero-
remos a sua consderacilo as respcciivas definieres,
extrahidas ds melhores autores, e por ellas culie-
ceiao que a segunda he pai le integrante da primeira.
lio a medicina a sciencia da molestias e do .seu
tratamenlo. A ciruigia he a parte da ai te de curar
que se oceupa das molestias externas, do seu trata-
menlo, e particularmente dos procesaos manuaes
que servein | ala a sna cura.
Ora, abrangendo a medicina todas as molestias e o
-en Iraiamenlo, he obvio que as doeucas exlernas,
sen tra lamento e os procesaos manuaes estilo indu-
biUvelmenle comprebendidos no dominio da medi-
cina : querer, pois, que a sciencia se divida, sendo
illa por sua natureza indivisivel, lie querer um ni-
possivel: e senflo como explicar-se a collocacno de
molestias exlernas, como a sarna, a erysipela, ele,
ele, ele, no tratado de paidologa interna '! Tanto
os autores que tralaram denla clasilicaco estilo
convencidos de que a scicnciahe indivisivel, que
no rereiaram sor contrariados quando llzeram urna
lal jnetelo.
Demonstrado, como lira, que nffo existe divisan I
Ir mdicos e eirurgioes ; isto nflo obstante, a I-
AI.FANDEGA.Rendlmento do dia 2.1
CONSULADO GERAL.
Rendlmento do dia 23..........
Inversas provincias...........,
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimonto do da 3 .
r.00.,53|
1:408,391
153,646
1:052,03]
,649
l'l'.ACA
1)0
AS
Cambios -
liF.OIIF., -23 DI- JUN1IO DE 1840,
S 3 HORAS DA TARDE.
Revista semanal.
- Motive
di
millindo mesmo como hypniiie.se a pretendida divl- americana
saques a 5 d. por 1,000
rs., sciulo que a este augio li/e-
ram-seas ultimas transaeces da
semana.
Algodo.....Os procos fram os mesmos da
semana anterior; isto he. o de
primeira sorte vendeu-se de 4.650
a 4,750 rs. por arroba. Vieran)
ao mercado 680 suecas.
Assucar-----------Tiremos smeute 1.34 paisas en-
tradas. As vendas do etica i xa-
do bailara ni para 1,200 rs. por ar-
roba sobre o ferro ; o em barrica-
do e o onsaccado, porm, mo sof-
rreram alteracilo, pois que o blan-
co vendeu-se de-2,200 a 2,650 por
, arroba, e mascvado a l,85of-s
Agurdente-------Vendeu-se de 50 a 55 00u rs j>
pipa.
Couros ----- Conservaram
por libra.
l'Aistoin em deposito 6,000 barri-
cas. Retalliou-se de 8 a 10,000
rs. por cada una.
As venias continuaran) a effei-
tuar-se de 2 a 2,600 rs. por arro-
ba ; libando em ser cerca de 45
. mil arrobas a bordo dos navios.
tan nha de tngo Chegou um canegamento de 1500
llameas deTrieste-.quefoi vendido
a pteco occullo.-Existeni no mer-
cado 4,500lianica inclusive o re-
ferido carrega ment, eoitoceutas
viudas de Maiselha; .sendo que este
se esia retalhandu do 18 a 19,Oio
rs. por baruca eosoutios de 17
a -20,000 rs.
- Vendeu-se a 300 rs por libra,
no porlo 45 emba cacos, a saber: 1
1 austraca, '23 biasileuas, 4 dinamar-
de Pomambuco, 20dc.unho de 1849. O segundo
escriplurario, Antonio Ferreira d'Annunciarilo.
Clausulas especiaos da arre a tardo.
1. Os concertos da estrada do sul serflo feilos do
conformidaile com o orcatnento apresentado ap-
provacSo do F.\m. Sr. presidente, pelo preco de.......
1:29 43700 rs
2.* Os Irabalhos principiarSo no prazo de 15 das,
e sero concluidos no do quatro me/.es, ambos con-
tados em conformiilade ao art. 10 do regulatnenlo
das arremataces.
lisar-se-ha no fim dos cotcenos.
4 Para udo o mas que nffo esl delerminado
pelas prsenles clausulas, segur-se-ba inleiramenle
o quodispOo o tegulament das arrematacOes, de 11
de julbode 1843.
Obras publicils.l0 dejunho de 1849 --O engenlie-
ro, J. L. Ficto? Lieutier.
^= O lllni. Sr. inspector da tliesouraria-da fazendn
provincial, em virtude da resolncao do tribunal ad-
ministrativo, manda fazer publico que em cumpr-
menlo da le, peranle o mesmo tribunal, vai nova-
mente a praca 110 din 28 do crrente o imposto se-
guinto :
2,5(i0 rs. por cabeca de pado vaecum que fr con-
suido nos municipios abaixo declarados :
Olinda, avahado animalmente por 3:500,000
l'ao-d'Alho, dito 4:000^000
Nazaretb, dito 5:500,ooo
As pessoas que se propozerem esta arrematadlo,
coinparc^am. na sala tlassessOeS dosobredito tribu-
nal, no dia cima indicado, pelo meio-dia, compe-
tentemente habilitadas.
E para conslar se mandou adixar o presente, e pu-
blicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Pernambuco, 21 dejunbo de 1849. Oscgundo es-
criplurario, \ntunio Ferreira d'\nnunciatdo.
-- 0 lllm. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em cumprimenlo da resolucao do tribu-
nal adminslractivo, manda fazer pulilico que no
dia 28 do correle, ao meio-da, perante o mesmo
tribunal se ha de arrematar a quem mais offerecer,
por lempo de tres anuos a contar do primeiro de ju-
Iho do crtente anuo a 30 dejunho de 1852, o impos-
to si'guiute:
Taxa da barreira da estrada e pnutes do Ciqui,
avahada annualmente por7:ioo,ooors.
Dita dita da .Magdalena, avahada annualmente por
.1 800,000 rs.
Dila la do Motocolomb, avahada annualmente
por 3400,000 rs.
Dila dita da ponte do Ilujary, avaliada animalmen-
te por 800,000 rs.
Dita dita do Cacbang, avaliada annualmento por
1:700,(100 rs.
As pessoas que se propozerem a eslas arremala-
coes, comparecam na sala das scssOes do mesmo
tribunal no dia cima indicado, competentemente
habilitadas.
Santo, barca poriugueza, ordem, sera marca, seo
numero, urna panella vasia.
Armazemn.8, 18 de novembro de 1846, Tarujo,
bripue portuguez, a Antonio Joaquim de Araujo, um
c.-nbrulho ignora s.
Armazem n. 8, 29 de dezemhro de 1846, Telo,barca
poriugueza, a Antonio francisco I!. Jnior, AFILuma
caixa ignora-se.
Armazem n. 8, 18 de mateo de 184", S.-Manoel-
Augusto, brigue portuguez, ordem, sem marca,
sem numero um sacro, com imzes.
Armazem n. 8, 18 do marco de 1847, S.-Wanoe-
AugutU, brigue portuguez, a Jos Joaquim da Costa,
AF, um fardo com juncos.
Armazem n. 8, 18 de marco de 1847, S.-Manotl-
Auovsio.brigue portuguez, a Miguel Lopes, sem mar-
ra, sem numero, um molho de loiro.
Armazem n. 8. 10 do maio de 1847, Tarujo, brigue
portuguez, i ordem, sem marca, sem numero, um
vaso vasio.
Armazem n. 9, 26 de novembro de 1846, Josefina-
Emilia, brigue poitupttez, a Miguel Augusto de Oll-
veira, diamante o n. 5, urna caixa.
Armazem n. 0, 29 de Janeiro de 1847, Conceica0-de-
Mara, brigue portuguez, a Antonio Joaquim do
Araujo, sem marca, um embrullio encapado.
Armazem n. 8, 21 de agosto de 1848, elaarocoo,
patacho portuguez, A & F,80 barrs corneal, a A. Al-
meida Fonceca.
Conformc.-O segundo escriplurario, Veiga.-Con-
forme. O escrivio, l.umachi.
Deca racoes.
E para constar se mandou allixar o presente e pu-
" Pilo Diario.
o preco de 105 rs.
liacalliao----------
Carne-secca -
Plvora -
Ficaram
silo, vd-se que na prtica ella he inexequivel; por-lJueZ8* 4francezas 1 hanoveriana, l liamburgoeza
que, apparecendo una fractura, em virtude da quall' beapanholaS ingle zas, 4 portuguezas, l siciliana e
phenotnetios de reBCQogeral,como.' 8*a.
blrc
Secretaria da thesouraria da fazenda provincial de
Peruainbuco, 21 dejunho do 1849.
O segundo escriplurario,
Antonio Ferreira i'AnnUneiacitl}.
Pela inspectora da alfandega se faz publico que
no da 2 do correle ao uieio-di se hilo de arrema-
tar embasta publica na [torta da mema 1100 mas-j
sos de contas de vidro, no valor de 280,500 ris, e 6
duzas de caixinhas de vidro no valor de 7,000 ris a
duza, impugnadas pelo guarda Antonio Lopes Pe-
reira de Carvalllo, no despacho por factura sol o n.
5636 ; sendo a arretnatacSu subjeila a direilos. Al-
landegH, 23 de junbo de 1849.-0 inspector, uis
Monto le Sampaio Fianna.
ivla inspectora da alfandeza sn faz publico
que nos armazens da mesma se acham.alm do lem-
po marcado pelo art. 272 do regulatnenlo, os volu-
ntes abaixo descriplos, os quaes devem os seos do-
nos razer despachar dentro do prazo tic 30 dias con-
tados de boje,lindos os quaes se proceder sua ven-
da em basta publica por cotila o a ctista dos asmos
lonos, sem que ln.-s fique direito algum a allegar
contra o elleito desta ven la, como be expresso no
art. 274 do referido regulamento. E, para que che-
gue a noticia aos interessados, mande allixar o pre-
sente edilal na porta da alfandega, e puhlicar pela
inmensa. -Alfandega, 22 de junbo de 1849.-O ins-
Tondo o a rsenal de marinha de mandar tirar nos
arrecifes do porlo desta cidade, nos lugares que se
indicar, a podra de cantara precisa para as obras do
mellioramenlo do mesmo porto; assim manda o
I Im. Sr. inspector fazet publico para conheciment
dos que possa interessar, devendo todas aquellas
pessoas a quem convenha contratar semelhantu ser-
vico apresentar-se-lhc com a maior brevidade pos-
sivel em todos os dias uleis das nove horas da ma-
ntilla as tres da tarda.
Secretaria da inspeccjto do arsonal de marinha de
Pernambuco, 23 de junbo de 1849.
No imoedimento do secretario,
os Marcellino Klves da Fanstca.
Sao tendo podido seguir para Mossa-
medes, na expeiicao que para; alli sahio
n 25 do mez passado, algiuis dos subditos
le Sua Magestade Fidelissims, que, apro-
veitando-se tas benficos dspos9$es (|0
seu governo, se baviam para ella alistado ;
a commisso creada nesta cidade para
esse fin, desej-indo saber quaes sao dos
inscriptos os que eslo na disposico de
segurem.roga nao s a estes mas a rutros
mais a quem convenham aquellasdispos-
coes, e queiram passar-se nova colo-
nia, se dirijan) ao consulado de Portugal
nesta cidade,casa n 6, defronte do Tra-
piche-Novo, para se poder saber exacta-
mente o seu numero.
Pelo jiiizado de paz do segundo districto da fre-
guezia doSan-Frei-Pedro-Goncalves do Itecife, se
faz publico a quem convier que tero lugar as au-
diencias nos di is lerdas e sextas-feiras a tarde na
casa da residenciado juizLuiz Antonio Veira.
Avisos KDaritimos.
O que dever anda fazer o cirurgao quando h
ver de tratar de una ulcera SCorbutica, ou sviil
lica, que de| einlem de
se deseiivolvein
se bavea o facultativo em laes circunstancias'? lia
de cuidar da fractura smente, sendo cirurgido, e
leixar ospheiiomeuos para que o medico os com-
bata ? I
1 hou-
ihih-
eausas gen.es, ou internas?
Rales exeuiplos sao to concludcute,que nao doi
san a menor duvida da indvisibilidadeda sciencia :
oulra doutrina opposla a esta ho anlisetentilica e
repugnante; e muito tnvope ser quem noreco-
nliecera luz desta vertale.
Os conhecimentos mdicos estilo lilo es'.rcilamen-
te ligados, que nao he possivel separa-loa : quem 1.1I
pretendesse, quebrara a cadeia da sciencia que os
une. He por isso que boje se ensina oestudo com-
pleto da sciencia, embora se dedique cada qual a es-
ta ou aquella parte ,ia ano de curar para que tem
maia voeacfio. Se tendo todos iguaes cstudos para
quedeveta liaver duas denomina^o.s Se be para
designar a parle da sciencia queexcrce, neslecaso
dever-se-hia chamar gmenle partearos, occulistas
etc., aqnelles que seenlregam a estes ramos.
Admira sohreoianeira que em Portugal, havendo
linas academias medico-cirurgicas, exista anda es-
sa divisiTu quando alli ha um completo esludo
u ttviiin'uu. ti Porto.
Navio entrarlo no dia 23,
Sidnev : 70 d
da:
sciencias medicas, e lie tilo escandaloso esse abuso
que o governo quiz restringir o exerciciu liv.e .la
sciencia as duas suppostaa dasses de facultativos !!
Vi rgonha e infamia Para que se esluda urna sci-
lle para nao se poder
uney ,u Has, barca mgle/a l'est.,nec-llomanjec,
...0, toneladas, capitn J.d.n Bakec, uipajS
31. caiga laa aze.le de peixe, cubre e mais pene-
ros ; aocap.lao.-Vcm refrescar e segu paraLon-
Ravlas sahidvs no me*mo dia.
Gibraltar; escuna sueca Wikcngcm, capiilo O I
Larpon, carga assucar.
Canal; brigue inglez IMla, capito GeorR Meller
carga assucar. '
Navio tahuto odio 24.
Varanho ; brigue-escuna brasileiro Laura, ctohSo
Antonio Ferreira da Silva Santos, carga assuear e
mais gneros. Passageiro, um esclavo a entregar
BOITAES.
enca, e se da un diploma '.
exetcer ?
A par disto reconhece-se e faculta-se poderem cu-
rar de medicina aos (Mos destas mestnas escolas
quevo a ouiros paizes mendigar urna considera-
ciO que na sua patria uo acharaiti.
Mas aqu bem se descobro a causa dsso; ella esta
!iaop|ioiciiocollos*ai da univeisidade de Coimbia
ao progresso das duas academias de Lisboa e Porlo
lio.qneanlfveiiique, se devendo lauu Importancia'
aos alumnos destas escolas, como aos seus, o seu cas-
telloser derrocado.
O |l|..,. Sr. inspector da thesouraria da fazenda
provincial, em cumprimenlo da ordem do Exm. pre-
sdeme da provincia, de 18 do crreme, manda razar
puulico que nos das 3. e5 de julm, prximo vin-
douro nao a praca, perante o tribunal administiati-
peelor, l.uiz Antonio de Sampaio Viauna.
Relac'io dos volvmes cima declaradas.
Armazem n. 4, 3 de novembro de 1846, I tpirito-
Santo, barca poriugueza, a Manuel da Silva Pasaos,
sem maree, sem numero, nina caixa iguora-se.
Armazem n. |7, 16 de novembro de 1846. Gemina,
brigue sardo, a L. Pugel, Alt n. 140, urna caixa igno-
ra-se.
Armazem n. 7,16 dedezembrode 1846, Zllia, bar-
ca francesa, a Pondr, sem marca, sem numero, um
embriilbo ignora-se.
Armazem n. 7, 16 do dezembro de 1846, Zilia bar-
ca fianc-za, associacn commercial, sem marca,
sem numero, um emhrulho Ignora-se.
Armazem 11. 7, 29dejul||0 de 1846, Tilia, barca
francesa, ossncai;rio commercial, sem marca, sem
numero, um embrulho igonra-sc.
Armazem n. 7, 28 de Janeiro de 1847, Courai, bri-
Ruo bainburgucz, a Wolphopp, e IravessSo 40,
141, um embrulho ignora-se.
Armazem 11. 7, 4 de mareo de 1847, Imperalris, va-
por brasileiro, a Saporili, sem marca, soi.11 numero,
urna lata iguora-se.
Armazem n. 7, 5 de marco de 1847, Activa brigue
inglez. a l'rancisco r.oncalvesde Olivoira, sem mar-
ca, sem numero, um en.huilln iguora-se.
Armazem 11. 7, 14 de abril de 1847, Wmlusiell,
barca ingleza, a A. C. Kruger, diamante ll.n. 89, urna
caixa ignora-se.
Para oAracnlyn patacho Santa-Cruz, forrado e
pregado de cobre, segu com brovi lade, por ter par-
le da carga prompta : e para o resto e passageiros
trala-seao lado do (,'orpo-Santo, loja n. 25.
Para o Porlo satura al o fim do corrente mez
o brigue portuguez Maria-Feliz, capitHo Lourenco
Fcrn-ndcs do Carmo : quem no mesmo quzer car-
regar ou ir de pnssagem, para o que lem bonscom-
niodos, l ral o com dito caplo na praca, 041 com
seu consignatario, Antonio Joaquim do Souza li-
qeiro.
v para o laio-Grande-do>
Norte c Ass sabe at o dia 28 do corrente a muito
veleira o segura barcaca Aurora-Felii, do lote de
2,400arrobas quem na mesma quzer carregar ou
ir de passagem, dirij-se ao l'oile-do-.Mattos a bordo
da mesma, que esla tundeada defronie doeslaleiro
do Sr. Manuel Pinto, ou a loja de cabos do Sr Uorges.
Para o ltio-de-Jan.'iro o brigue nacional Cana-
rim pretende sabir com inuila brevidade, '>'"
parte da sua carga prompta: para o restante passa-
geiros o escravos a lele, trata-se com Luiz ros de
S Araujo, ra da Cruz, n. 33.
~ Para Lisboa com toda a brevidade o muito velei-
ro briga portuguez Mar la-Jote, de que he capitilo
Joaquim Jos Mesquita : para o reslo da carga ou
passageitos, para o que tem bous commodos, traa-
se com os seus consignatarios, Francisco Severiano
lia bel lo o Filno.ou com o capitilo na pratja do Com-
mercio.
-- Para o llio-de-Janciro sabe, com a maior bre-
vidade possivel, o patacho Fortuna i recebe alguina
carga a frele : os pretendentes tratem com Firiuino
J- F. da llosa na ra do Trapiche, n 44.
Le loes.
O correlor Oliveira far leililo,- por ordem do
Sr. vice-consul da Austria, em presenca deste ou de
seu chanceller, o por coma e risco de quem perten-
cer, dos cabos, maslareos, veame e.mais salvados
Armazem n. 7, 28 do abril de 1847, Zilia, barca I da barca austraca Amelia, capitilo T. 1$. Florio, cn-
rranenza, a I.. Puget, se.n marca, sem numero, um
embrulho Ignora-se.
Armazem n. 7, 20 d abril do 1847, Lilia, barca
frauceza, a G. Fir.-s, of 135, urna Caixa ignora-se.
Arm izein 11. 7, 27 do maio de IHtt.Armorlque, bri-
As pessoas que so propozerem agesta arromatacilo
comparecam na saladas spssOes do sobredi to tribu-
acima indica
pelenlemoiite habilitadas.
Armazem n. 8, 29 de otitubro do 1816, Espirito-
.- 'Sanio, barca poriugueza, a ordem, sem marca, sem
eme te h l, I' US' Pe' n,e,0'd'. com- numero, um, pec.de CU im.
E ^ 1 p^h' m Armazem ... 8. 29 do otitubro do 1816, Epirito-
blc^ pelo "iario "r Presenle> c Pu" .'^nio.barea poriugueza, a Jos Francisco dos antlM
Secretaria da i'heia....... 1 < i *,a'a SH>Ul,,a canaslra ignora-se. ai
oetreuna da thesouraria da fazenda provincial Armazem 11. 8, 29 de outubro de 1846, Espirito-1 na ra do Trapiche-Novo.
calliada na barra de Camaragibe, na sua recente via-
gein, procedente do parto da Itahia com destino ao
Cinal: terca-l'eira, 26 do corrente, as 10 botas da
manliSa, no largo do Corpo-SanlO, prximo a asso-
ciacao commercial.
r-Johnstot Pater & Oompanbia farflo leililo, por
iirtei veneno do correlor Oliveira, de varias porcOes
defazendas Inglesas, proprus do.mercado, para ul-
limaclta de ulguus comas: segunda-feira, 25 do
corrento, as 10 horas da manlia, 110 seu armazem da
ra do Vig^rio.
C J. Astley f.r leilHo, por intorvenQao do cor-
relor Oliveira, do mais esplendido sortiniento de
fazendasdeseda.lSa linho e d>j algodo, as mais
proprias do mercado : quarla-foira, 27 do correle ,
as 10 horas da nianhila em ponto, 110 seu armuzem ,
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


z
c%
O corretor Olivcira far leila, por
ordenido Sr. Augustine lidie, cnsul da
repblica franceza, e para liquidaco dos
bens do finado Augusto Jaussome, subdi-
to -francez, do terreno da ra Nova n.
G, onde dito finado tinha sen cslabele-
cimento de carros de sluguel, e ora exis-
te o do Sr. Adolfo Bourjois : sabbado 3o
do correte, ao meio-did em ponto, no
consulado frarcez, ra do Trapiche-No-
vo. Escusido he fazer-sc o elogio da si-
ta cao e vantr.gcns para edifcalo de so-
berbos predios no indicado terreno: bas-
ta que os pretenden tes o examinen) para
apreciaran o sen grande valor.
-- l.eilfo do urna porciTo de birria com muito bom
toucinho de Santos quarta-feira, 27 do corrente, pe-
las 10 huras da manhia, no armazem que foi do fina-
do Oragucz, ao p lo arco da ConceicHo.
Avisos diversos.
FJNDOW) DEFRRRO
E FABRICA DE MACHINAS NA RA DO Blil'Af.
Bowman & Me. Callum,engenheiros machnislas e
fundidores de ferro, mu respeilosnmente annuneiam
aosSenhores proprietanos deongendos.fazendeiros,
minearos, negociantes, fabricantes e ao rcspetavel
publico, que o seu estabelecimento de ferro movido
por machina do vapor contina em efleclWo exer-
cicio.e se ncha completamente montado com appare-
Ihos da primeira qualidade para a perfeita confi-ceao
das na ores peQas de machinismo.
Habilitados par emprehender quaesquer obras da
sua arte, Bowman & Me. Callum desejam mais par-
ticularmente chamara attencao publica para a.s se-
gu ntes.porterem dolas grandesortiment j promp-
tH, as quaes construidas na sua fabrica pdem com-
petir com as fabricadas em paiz cslran;;cro, tanto
em proco como om qualidade das materias primas e
mito d'obra, a saber:
Machinas de vapor da melhor conslruccfo.
Moendas de canna para engenhos do lo los os ta-
manhos, movidas a vapor por agoa ou animaes.
Rodas d'agoa, mninhos ile vento e serraras.
Manejos independontes para cavallos.
Rodas dentadas.
AguilhVs, bronzes e chumacoiras.
CayilhOcs e parafusosde todos os tamaitos.
Taxas, pares, crivos e breas de fornalha.
Moinhos de mandioca, movidos a mao ou por ani-
maos, o prensas para a dita.
Chapas de fog.lo e frnos de farinlta.
Canos de forro, torueiras do ferro o de bronze.
Bombas para cacimba o de repucho, movidas a
mao, ijor animaos on vento.
Cuindastos, guinchse macaros.
Piensas hydraulicas e do parafuso.
Ferragens para navios, curros c obras publicas.
Columnas, varandas, grados o porlfles.
Prensas de copiar cartas e de sellar.
Camas, carros de mito e arado"? de ferros, &c, &c.
Alem da superoriado das suas obras, j geralmen*
te reconhecida, liowman & Me. Callum garanlom a'
mais exacta conforni lado com os moldes e dezenhos
remullidos pelos Sonhores quo se dignarom de fazer-
llws eiieommendks, aproveitando a occasiao para
agradeeerem aos sous numerosos a migos e freguozes
a preferencia com que teem sido por ellos honrados,e
asseguram-ldes que nao pouparflo esfoTQos e dili-
gencias para conlinuaroni a mcrocer a sua coni-
ancu.
LOTERA DE N. S. DO GUADALUPE.
Estilo venda de hojo em dlante nos triesmos lu-
gares em que sito vendidos os bilhetes das loteras
do theatro os da segunda parte da tercera lotera
concedida a favor das ob*as da igreja de N. S. do
Guadalupe de Olinda, cujo plano ahaxo va: trans-
cripto. O fin para que foi concedida esta lotera
por si s lio um poderoso incentivo para convidar o
respcilavel publico a dar urna acelerada exiracco
aosseus bijhetes, poisquese trata de por este mo-
do proporcionar meios para reedificar-so um tem-
plo do Senhor, para o que (levemos lodosroncorrer:
o respectivo thesoureiro, disto convencido, e anda
mais considerando que esta lotera he nimiamente
ventajosa aos amadores deslejogo, j pelo diminu-
to numero de bilhetes e menor custo estes, e j
pela vantagem deseos premios, designa o da 14 de
julho prximo futuro para o andamento das rolas,
e roga aos inleressados e amadores das loteras que
concorram com efficacia a compra dos bilhetes ora
poslos a venda, certificando-lhes que, se esta se ulti-
mar antes do dia marcado lambotn antes desse da
teriio as rodas andamento.
PLANO
para cada urna das mcias loteras concedidas a favor
das obras da Igreja de N. S. de Guadalupe da cidade
de Olinda.
3,125billietcsa 8,000 23:000,000
Bonelirio e imposto de 20
.nor cento 5:000,000
3,1-J verbas do sello a 150 rs. 468,750
--Quem precisar de tima aniadeleitadirija-.se
rjia da Concordia, casa dofronle da que foi daafe-
ric.To.
5:468,750
liquido, liis 19:531,230
O Sr. o a senliora Alexandro llepsretiram-se pa-
ra a Babia.
A pessoa que botn nina caria a-
nonyma por baixo da pprta do nrmazem
n. 60, ra da Cadeia do liedle, a res-
peta do relogio que se furtou do dito ar-
mazein, por obsequio qncira dirigir-se
ao dono do tnesmo armazem. pira dar
mais esclareciinentosa resp ito, ( e assim
camprir um dever que nos devenios un a
outro) visto que a carta nao serve de
pro va, e portento de nenhutna uti"
de
na
1 premio de
1 dito de
1 dito de
2 ditos de
2 ditos do
3 ditos de
6 ditos de
8 pitos de
12 ditos de
717 ditos de .
2 ditos I. e 2.brancr.s a
755
2,370 bilhetes hrancos.
6:000,000
3:000,000
1:000,030
500,000 1:000,000
400,000 800,000
200,000 600,000
100,000 600,000
50,000 400,000
20,000 240,000
8,000 5:736,000
77,625 155,230
Rs. 19:531,250
......----
3,125 total.
N B. Os premios grandes de um cont do ris pa-
ra cima sHo subjeitos ao descont, no acto do paga-
mento, de oto por cento para o thesouro, na forma
da loi; assim como aos dous primeos nmeros,
que se publicaren! depois de eagotada a urna dos
premios,%aberilo os dous ltimos indicados ueste
plano com a designado de primeira o segundo
hrancos.
Recite, 21 de julho de 1817. Antonio da Silva
GuimSo.
Approvo. Palacio do (joverno de Pernambuco, 2 de
Agosto de 1847. Pinto Chichorro.
Roga-sca pessoa que por engao tirou do cor-
reio Iros cartas emmasadas sob o n, 4.0J6, vindas
do sol no vapor 5 -Salvador para Francisco Canuto
da Roa-Viagem, tetilla a bondade de leva-las, anda
mesmo abertas ra de S.-Francisco, n. 30, que
se i he Picara grato.
Precisa-se de urna ama forra ou capliva para o
servico interno de urna fanlilia : na i do Caldei-
reiro, n. 62.
OSr. Francisco Manool Coelho tem cartas no
escriplorio de.Machado & Pinheiro, na ra do Viga-
rio, n. 19, segundo andar.
--Prctendo-se una escrava para o servico regular
de urna casa de pouea familia, tanto para o Servico
interno romo externo : na loja n. 2, junto ao arco
de S -Antonio.
- Aluga-se o tereeiro andar da ra do Queimado,
bous com modos, o por um preco rasoa-
a-
5 ou entito dizer a quem o relogio foi
vendido: Promctte-se guardar todo se-
gredo, c no case, que or pessoa que acei-
te gratificarlo, com boa vontade selhe re-
compensar generosamente
o abaixo assignado, como lenhs de lazer urna
viaeem a Europa o tenha de pagar aos seus credo-
re l antes de o fazer por isso pede encarecida-
mente, aos seus devedores, tanto doma to romo ila
praca principalmente aos amigos, de Ibe manda-
rom pagar ; do contrario ve-se na dura necessi ta-
lle de robrar judicialmente. Antonio Perrtira da
Cotia Jlraga.
Precisa-so de una ama do leite, forra, ou osera-
va, com tanto que nao tenha fllhos : lambem proci-
SS-sede una criada portuguesa, para administrar o
interior de nina casa onde ha um bom numero de
osrravos em um engaito distante tiesta cidade :
na praca do Commercio n 2, orim.eiro andar.
Na ra doQueimado, n. 14, segundo andar, se
una quem da dinlieiro a premio. Na mesma casa von-
dem-se dous relogios de ouro, una correte, an-
neloes, brincos, medalhas, rosetas, dous hastos,
um resplandor e nutras obras, urna colcha da India;
urna bandoira nacional e dous galbcteiros : bom
como cotnpram-se dous negros e urna negra.
-Jilo llindseil, professorretratista, mudou-se da
ra da Cruz, n. 10, para a mesma rita, n 40. tereeiro
andar, edahi continua a tirar retratos com toda a
perfeiclo : as pessoas que o preteiiderein o acharSo
todos os dias na casa mencionada, das 9s io horas
da manhaa. 0 snnuneiante, romo tem de demorar
se por pouco lempo tiesta capital, taz Ciento aquel-
las pessoas que quoiram tiraros seus retratos.
Precisa-se liquidar cotilas e anda resta m para
se vender 18 tahuas de asso.ilho de amarello, os
quaes se d;lo pelo diminuto preco de 50,000 rs. : na
rua da l'raia, n. 35 ou lias Cinco-I'onias n. 32
hem como um terreno no principio do Aterro, en-
tre a matriz nova o a fabrica de vinagre, o una casa
nos Afogados, na rua do Uotocolomb, n. 16: ludo
a tratar as Cinco-Puntas, n. 32.
o aferidor
as
i:
C. Slarr & C. trciu a honra de avisar aos seus fre-
guezes, c ao publico om roi.iI. que a lita grande fnndi-
f;io em Santo-Amaro, alin do sorllmento que constan,
teniente tem, acha-sc de novo prvida de limitas inocn-
dai de canna, e de varios tamandoa, feitai no mesmo
eslab lecinionto pelos mais peritos otliciaes, e COUI o
maior cuidado e perfeirau ; c tanto assim lie, que os au-
nuneiant.s se ufanant em gnranii-las pelo prlmelro au-
no. As iiioriidas inteiras todas de ferro, construilas as
olliciiias dosanniinciantes, sao milito superiores aquafa-
(i"r outias da inesiiia nalureza que at agora teem sido
aqu ......pedas, pois aquellas encerrain em si cortte
impoiiaii__ iiiellioraiiiontos. resultado de mais de 20
annos de experiencia e pralica do pala,
- Precisa-se de urna ama para c::sa de pouea fa-
milia, snbjeitando-se a fazer as compras diarias, l>
igualmente de una freguezia para lavagem de roupa
de varrella: en o segundo andar do sobrado confron-
te a cadeia, se dir quem precisa.
Boga-so ao Se. Jacintho que tem ou love venda
em Apipiicns, dirija-se rua largado lio/ario, n.
29, para se Ibe entregar urna cncommenda que veio
do seililo.
-- Perguntasea cortos espertalhcs da rua do Ban-
go! se uno basta a indulgencia que se Ibes lem
a ponto de se consenl ir de que por boas agencias en-
ricassem da imite para odia, s com a simples ven-
da de carnes verdes, doandarem caloteando como ha
poucooqiiizcrain fazor a corto doutor, de andarem
eom inlames galios por tereni obiido que'do novo
v.dtassemos [aillos para os seus covis do Bango! ,
para lambem agora quereiem envenenar os tainos da
riboira, duendo que a||| dormem os mendigos, e as-
sim illtidironi o publico que assaz tem condecido
quanlo he vantajoso pura o povo o talliatnento das
carnes na nbeira aonde de um s volver de odos
descobrom-se lodos os tal dos, e com toda faclida-
Uo se evila o furto que era iuevitavel no Itaugul : he
lorio nlrevimenlo.....Continucm, que Dos Ibes da-
r o pago.... Um carniceiro.
.titeria do theatro publico.
T( ica-fera, 26 do corrente, paga o thesoureiro
uesla lotera os premios obti.los na exlraceflo da ul-
unia tere paite la 18 lotera, no pnmeiio an.larda
casa ,lo mesmo thesoureiro, na rua do Queimado,
i 39, das 9 llorase moia da tiiauhila at s duas da
larde, coiilinnaiido o mesmo pagamento nos mais
uias que n.lo lrem de guarda as mesmas Horas.
-- N. c. Bey vui ao llio-de-Janeiro.
com
I : a tratar na botica.
Precisa-se do um caiseire do 12 a 11 anuos
rua da Florentina, n 30.
Passaportes.
Na rua do Collego, n, 10, e no Aterro-da-lla-Vis-
ta,n. 48,continia-se a tirar pass.iporlcs para dentro e
fra do imperio, assim como para cscravos
Mojo, pelas 10 horas do da, tem de se arrema-
tar, na presenca do juiz de orphSos, urna renda e
mais pertenecs, na rua do Codorniz, n. II, perten-
centeao fallecido Joaquim Marques llraga os lici-
tantes devetn comparecer 110 lugar da dita venda.
No da 22 do corrente mez do ju dio fugio da fa-
brica deraldeiroiro na rua Nova, 11. 27, um moleque
de 14 a 15 annos de idade, de nome Theodoro, cri-
oulo, robusto; levou vestido camisa o ceroula de al-
go d lo j soja : quem o apprehender, ou delle der no-
ticia na casa cima mo/iciouada, se Iho agradecer
o pagara qualquer Iraballio que houver.
Pe le-se ao Sr. bernardo FcrnanJes Cama quera
appancer na rua do Trapiche para darsulueao da
codran^a das dividas que llieforam entregues; do
contrario se fara publicar o negocio, visto qu ha
mais de i mezes nao lem dado cunta do que selhe en-
ea rregou
Crocco & C. n.udaram o seu escriplorio e ai
zem da rua do Trapiche para a rua da Cruz, n. 27.
Grailica-se com ttO^OOO rs. !
a quem apresentar na rua da Cruz
11. 9, tereeiro andar ( ou primeiro) um
relogio de ouro, patente mglez, borda-
do de ambos os lados, tendo em um del-
les um espaco liso no centro ( figurando
um escudo) para firma ; levava corren-
te com chave e sinete de ouro ; tem o
mostrador branco e liso con. lettras preas,
e tem 011. 39,52a.
todas
azoite
roga a
pessoas quo conduzem mol. agoardentt
ftC, para o mercado desta cidade em ancoras; e qirt
anda nao aferiram.que quanto antes veiiliam aferir,
PIS o lempo da al.-ricao est a icadar-se.e os liscaes
respectivos passanlo j dars con idas do coslumo, o
acuellas que encontraren! sem estar aferidas ueste
de ISO.seao multadas em 2,000 ris cada una,
- ourigadas a aferir; assim como previno aossenho-
res de tojas, que, estando prximo o lempo da revi-
sita, nao Ibes | assar verba de revisao, sem que es-
lejam exaclas com o padrao da cmara, e para esse
hu ja tem preparado una poreflo de varas e rovados
ja ateridos para aquellos que precisarem.
--Precisa-se do urna escrava que tenha bom eabun-
dante leite, para se I lie eucarregar a rriacao de um
menino de 25 dias do dado : em Fora-de-l'orlas, rua
do Pilar, n. 85, segundo andar.
Na rua iov.i
Um dos fados mais nota veis, no mrio dosox-
traorditHrios arontorimentos que orcorreram em
Franca, foi a aoparieffo dolivro de Mr. Guitot Pe'n
demnrr.icie en France : rara se avahar a avidez com
que todos o prncuram trr, basta dizer que em me-
nos de 15 dias vender m-se <7,000 exemolares. o
quo foi inmediatamente traduzido em ingle/, allc-
in.ni, hespanhol e italiano. 0 nosso comprovincia-
no Jos i.m-io Correa leve a palriotiea lembranca de
faz-lo publicar em portusuez de lic^ndo aos Brasi-
leiros. As bijas de l.uz Antonio Siquein, no R"ci-
fe, Santos Noves & Cuimar.Tos 0 Jos Poros di Cruz,
em Santo-Antonio, acabam de receber aleunsex-
emplares dessa brilbante Iraduc^So, encadernados
a insleza, com nf.tc tmik do Mr. Cuizot: vende-se
a 2,000 rs. ca la exemplar.
Vende-se um alambique om muito bom estado:
no pateo do Paraizo, venda n 20.
Vende-se urna escrava crioula, de bonita figura ,
sem vicios n"m achaques que enzomma sofTrivel ,
COzmna o diario de umi casa de 24 anuo:, e da qua
so alianca a con Inri 1 : ven le-se para fra da provin-
cia : na rua Bireita, n. 3, se dir quem vendo.
-- A inda est por vender o sobrado de dous anda-
ros na roa Direita, muito largo, c<>m duas lujas e
grande quintal com cacimba: vende-se com algum
prazoem parte do seu importe, o se recebem per-
mutas que sejam rasos veis : faz-se tolo o negocio,
o a publicidadedos annuncios provn o desembarazo
do negocio que se propOo: na nn do Caldeireiro,
n. 62, ou na praca da Independencia, ns. fi o 8.
Vendem-se 10 pipas de l.isdi, j.i promptas a en-
chor: os ciscos silo menos : na rua do Collego, n. 9.
Vonde-S 011 troca-se por casas terreas, nos tros
balrros, ou por escravos, o lambem se arronda o sitio
de trras proprias con bstanlo torras de plantaQOes
para invern o vorao no lugar do Iteborbc-de-Baixo,
muito porto da povoacilo, por ser o ultimo sitio an-
tes de ohogar a mesma, com nlguns arvoio.los ele fru-
tu.casa de laipa arruinada,com una pouea de madei-
ra, portas ejniellas para rdedilicacil ila mesna : na
rua do Mondego, n. 09.
LISIAS |)A LOTERA.
Vendem-se na liviaria, ns. ma parte da deoiina-oilava lotera do theatro publi-
co, a 160 rs. ca la nina.
Vendo-so urna caba bicho) rom muito bom lei-
te : na Soleda le, paduia. 11. t : na mesma casa so
compra una espingarda de dous canos.
-- Vende-se milito mais barato que u'oulra narte
110 becco-l.argo do llocife, venda n. .
-- Vendem-se ceblas em muidos e aos ceios:
na rua da Madre-de-Deos, armazem n. 31, ao la lo
da alian lega por pceo coinmo lo e a vontade dos
compradores ; cevada nova, a 1,400 rs. a arrolla ; lou-
(,'a vid rada o fumo em folda.
Vende-se superior 1'aiiuha de milho. a T20 rs a
libra : dofionte da nbeira do peixe, venda n. 7.
Farinha de mandioca
chegada ltimamente do Rio-de-Janeiro: vende-so
a
II. lin.
ollici
aes de all'aiale para o
, precisa-se
)ara ob
de
as grandes
tt'mpras.
Compra-se um braco de balanca -liomao que
pese 10 a 20 arrobas : na ruada Madrc-du-Dcos, ar-
mazem 11 26.
Compra-se o direito natural de Krug, alada mes-
mo por mais de seu valor, qualquer que soja o estado
em jite se achc: na rua larga do Kozario, 11. 35, das 11
huras por diante.
Compra-se unta prela moca de boa (i
que soja perita engoinmadeia o cozinhera
a liver annuncie.
~ (
ura e
quem
ompra-se toda a qualidade
les vasios que lenham sido de tu
ile
rs. a dtizia :
sai<>, n. 22.
po-
a, a aoo
na loja da rua larga do Ro-
.V
pessoa que quizer fazer
um bom negocio com a meiacfto da casa
it da A'.-Cruz, que volta para a rua da
sita
Alegra
juntamente com duas partes do terreno de 27 Mi-
mos junto a mesma casa no qual existe ..... gran-
de telhe.ro 1 va a li-.vessa da Concordia, sobrado
II. O
--llesapareceu npdi1 17 do corrente, um n.elecote
del i annos de idade, bastante preto, com o rosto
ma.cado do bex.gas, croulo : levava vestido calsa de
dnV An^.f"' C C"n.!S?-,le POMO, viudo do sitio
cuu? r ? ,,8r8 a hSl,Va : t,ue'" ,lelle >ul>er, ou o
captu.ar, leve-o ao paleo da matriz de S.-Alllouio,
n. 8, ou ao mesmo sitio da Estiva.

Compram-se escravos carpinas eferreros; ^f
hem como urna potra que saiba coser e en- (5i
gommar com perfeic.to ; iiopaleo.doCarmn, sa
11. 18, segundo andar. ^
Compra-se um pretn moco sem vicios lien.
achaques ,e que seja perito coz.inhoiro : na rua do
Crespo, n. 8, tereeiro ailar.
Compram-se diversos tomos de breviarios ro-
manos, em qualquer estado corntanto que mo liie
lallem follias ; os segiedos necessaiios; livros de
surtes, usados ; calbecisinos de Fleury : na rua es-
treta do Bozario, 11. 8.
bordo ilo briguo l'elis-Ventura, fundeado defron-
te do caes do llamos.
Vende-selima pequea cusa terrea na ruado
Padio-I hriaiino, n. ti, com bous com modos :a tratar
na mesma casa.
Vendem-se 6 lindos moloques do nacfto e criou-
los, de 16 a 20 anuos, sem virios neni molestias ; 2
pardos de 18 a 20 anuos, um dos quaes he perfeito
nflicial desapaloiro, o ambos ptimos para pageos;
4 pelos do 25 a 30 annos, de bonitas figuras, sendo
um driles bom Serrador O muilO hbil para qualquer
servico, oqnal he de nactloe mo tem vicios 1 em
achaques, o que se alianza ; um preto de moia ida-
do, muito bom cozinlieiro, e queda-so em conta; bom
como oulros muilos escravos : na rua do Vigario ,
n 2't:
Vende-se tromoia larga e estrella, em pecas,
proprias para babados do lonches e toalhas : na rua
do Encantamento, armazem de moldados, n. II.
Vendem-se sapalos de couro de lustro e debe-
zer/o francs, obra muito boa por prego Commodo:
no Becco-Largo, no Recife, primeira loja a esquer-
da Na mesma loja precisa-se do bous olticiaes de sa-
paloiro, fonos ou escravos paganilo-so melhor os
cilios do que em oulra qualquer parte.
--Vendem-se cadeiras novas com assento de pa-
Ibinba, a 1,500 rs. cada tuna : na rua do Encatamen-
lo.aiinazeni .1. II, por baixo do sobrado do reveren-
do vigario do llocife.
-- Vende-se um lindo moleco de nagio, de 20
anuos: na rua da l'raia, jtcmazem do carne secca ,
n 1. '
Charutos saquaremas.
No deposito de charutos da rua larga do Rosario,
n. 32, Boharfio
Ihoros viudos 1!
vos ttulos : sendo saquaremas, deputados, beja-llor,
venus, cavalleiros, davana, lanceiros, regala su-
perlinos, moia regaifa, regala em caixflo de 950 cada
um, cigarros de palha do milito, assim como supe-
riores charutos folios na fabrica.
Bom c barato.
Na rua do Queimado, viudo do Rozario, segunda-
loja n. 1S, vendem-se suspensorios de seda, a 500
rs. o par ; mcias de seda curtas brancas, pretas e de
cores a 800 rs. o par ; luvas de seda preta e de co-
ros 1 ara senliora a 200 rs. o par ; lencos de eam-
braa para grvala, a 400 rs ; chapos do sol, de se-
da, para meninas, a 2,600 rs. ; e otitras mui'as fa-
zendas por preco commodo.
os fumantes um sorti monto dos nie-
la Haba, de diversas qualidades o 110-

v cutas.
Sor le grande de 20:000^000.
Praca fia Eudcpendeci.i. ti. ,->7.
Bilhetes, meios, qoarlos, oitavos c vigsimos da
lotera do Rio-de-Janeiro, edegados no ultimo va-
por. Na mesma casa se nioslrum as listas das lote-
ras passadas.
Vende-se a superior bolachinia de Lisboa em
latas de SJibras, propria par cha e caf na rua
jrga do Rozarlo, venda n. 25.
Farinha de m Vendcin-sesaccasdo farinha, viudas de S.-Calha-
rna, por barato proco : no uunazoui ao p do arco
da Conceicao, n. 64.
Loi
A pccliincha.
de cinibraia adamascada
i tes ue camuraia adamascada com
loque de avaria, 2,5oo ris;ditos limpos
para vestidos e cortinados, a 3,ooo rcis;
dilos de talagaici, a i,(ioo rcis; ditos fi-
nos, a 2,.loo rcis; cassa-ebita de cores -
xas,a 3oo rcis o covado; riscad em cassa,
o covado a 200 ris; linzinhas para ves-
tidos, calcase
rcis o covado
por preco b
1
ra
de(
roupa de meninos, a 3?.o
e outias militas fazendas
:o : na rua do Crespo, lo-
Guimaracs.
MUTILADO
ji, n 15, de l uniia
Vende-se tuna inulatinda de 13 anuos de bo-
niti figura : na rua estrella do Rozario, n. I.
Continua-se a vender a agua de tinjir os cbel-
os e sussas, com o nietl.odo de a anplicar: na rua do
Queimado, loja n. 31.
Vendem-se ricas estampas da nao portugueza
Vaieo-da-Gamo, as quaes se v a sua entrada na
barra do Rio-de-Janeiro, toda rasa da mastreac.To ,
pelo forte temporal que all apanhou: na rua do Tra-
piede n.34, segundo andar.


/
Vendem-snapparelhos de jantar de louca fina de
lioni guato! por preco coinniudo : na rua da Cadea
do liecifn," n. 48.
Vendem-so clu'f.-is com algum mofo proprias
para.escravos, a 5,6,7,8 e 9 vintens e linas muito
bou i tas ,' por niais preco ; linhas grossas do novelo,
com algum sujo, a 160 rs. urna quarta; luvas linas
de pellica, a 00 rs. ; lencnhosde lili) Je linlio, pro
prjoapara meninas, a too rs.; ditos de camhraia ,
com bonitas palmas, a 400 rs. ; ilitos do toquim ,
com franjas a 640 rs. ; na rua do Passeio, loja n. 17.
Vendem-se sellins in^lczes e canias
de Ierro : na rua da Senzalla-nova, n. l\l.
A 1,000 rs. o corte de calcas.
Vende-se brim trancado pardo de pnrolinho a
mil rs. o corle de ra'c,as : na rua do Crespo, loja da
esquina que volts para a Csiieia,
1
rv^ Impela, fg
% cm corles de 6 varas e meis, para vestido, a 'pr,
U cinco patacas ; cuites de cimbris para di- >5
^ lo, a 2,000 rs. ; manas de Ilion le, a 3,0H0 e jj
& 4,000 is ; franjas brancas largas, para cor- |!2|
^ linadose toalbas, a 100, 160 0 240 rs. a va- >j
3 ra : na rua do Crespo, n. II.
os pretendentcspdenalli examina-la, c tratar de
sen ajuste na rua do Trapiche, D. 44, com Firmino
J. F. da liosa.
Vendem-se luvas de pellica de cor, a 320 rs. :
meias finas para senliora, a 480 rs.; palmatorias de
lalfio, a 320 rs. ; escovas para cvivallo a 3-20 rs. ; li-
ndas de Oeiras, aSOOrs.; torcidas, a SO rs. a du/.ia ;
lacre encarnado, a 1,t00 rs. ; escovas para fato e pa-
r cabello a.'ioors.; rotroz azul-ferrete de segun-
da sorto, a 8,000 rs. a libra : no Aterro-da-lioa-Vis-
ta, n. 81.
Rua Nova n.
5,
vende-se urna esciava recolhida de naco, perfeita
engommadeira e costureira ; una parda de linda fi-
gura, e que he prendada; urna negrinha de 13 an-
uos, muito linda; urna prcta boa vendcdcira de rua;
2 pretas boas para Irabalharem de enxada ; um pre-
to boin cozinbeiro ; um molecole de 18 anuos.
Lotera do Jio-de-Janeiro.
Aos ^0:000.9000 de rs.
Na loja do pateo do Collegio, n. fi, eslio a venda
I.Hieles, meiose cautelas da sexta lotera do thca-
Iro de S.-l'cdro-de-Alcantara, que devera ser exlra-
biil.i no corte em -25 011 2( do correle. A alies anles
que se acahem,
Vende-se a casa terrea n. 7 da rua ca Lapa no
llecif : na rea do Vicario, n. -27. segundo andar!
1
M
3
Vende-Se lima urna nova para deposito de nssOS,
por barato preco : na rua do l.ivrainenlo, n. I, pri-
meiro andar.
Vende-se superior vinho madeira
Ijranco : na rua da Cruz, n. 9, em casa
de liveira I roaos &c Companhia.
Ka rui do Crespo, u. C, ao pe
do lampio ,
vendem-se cortes de brim tranc;:i>ln de linbo, a mil
rs, ; cobertores de algodfio muiio encorpados, a filo
rs. ; riseados ile algodQo a 110 rs. o rovado ; chi-
le a 120 is. o covado ; chapeos de massa preta o
1,100 rs. ; ditos de seda a 640 rs. ; ditos, a 400 rs. ;
cintas escuras de cores lixas a 180 rs.; e oulras
militas fazendas por prego cummodn.
~ Vende-se manteiga nova, a 600,720, 800 c 1,000
rs. ; queijos nevos, a 1,280 is. ; caixes de doce de
goiaba, de 6em arroba a 1,000 rs : no paleo do Cal-
mo, venda nova.
A 1,000 c I,100 res.
Na rua do Crespo, n. 14, loja
de Jos Francisco Das,
vendem-se cortes do brim trancado escuro de i uro
linbo, a l.ooors. hienda muito mala superior eos
outros que se teem vendido pelo mesmo preco ; dito
de superior qualidade cor de ganga a 1,500 rs- o
corle; chitas muito Unas, cor de rosa, cor muito
fixa pelo haiatopreco de 180 rs. o covado; ditas
mfudlnhas do todas as cores, a 200 rs. ; algodffo al-
vadio, a 200 is. ; dito azul de vara de largura, a -200
rs. o covado ; c oulras muilas fazendas por preco
commodo.
Vc-nde-sc algodo trincado da fa-
brica de Todos-os-Sanlos a 9.70 e a 3oo
rs. a vara : na rua da LVieia, n 5>..
A i 10 rs. cada um.
Cobertores de alamino americano os
mais encornados que lia, a duas patacas
chda um, e algodSo do lislra proprio para
re upa de escravos, por ser muito encor-
pado.a i'jo rs o covado : ni rua do Cres-
po, loja da esquina que volla pira a da
Cadeia.
Vende-se um rico par de adragonas para oflicial
upeiior da guarda nacional : na pracinba do l.ivra-
iiiciilo, II. 51.
Ainda mais p< chinchas.
Na loja-se n 5 A da iua do Crespo no pe do arco
de s -Antonio, vci.drm sr, para liquidec&o, novos
cortes de cassa enpapelados, com 7 varas,padiOes in-
teiran ente novos e de cOres lixas, a 2,000 rs.; cha-
les grandes de chitas escuras, a koo rs. cada um ;
ditos pequeos tara meninas, a 500 rs.; cortes de
calcas de brim pardo de puro linbo, muito lino, a
l,280rs. ; corles de seda de padies novos supe-
rior fazenda para vestido, com' 10 a 20 covados a
20,000 rs. ; e oulras muilas fa/endas.
A ICO res.
Ka rua do Crespo, n. 1>5, loja
de Jos Francisco Das,
vendem-se chitas cor de rosa e rouxas, sem defeilo ,
pelo barato prego ile 160 rs.
Vendem-se 110 armazem de Vicente Ferreira
da ('.osla na rua da Madre-.Ie-|)eu.s garrafocs cun
ervilbas verdes e novas ditos com cevadinlia no-
va viudos de llamburgo no ultima navio.
Vendem-se espadas prsteadas para ofliciaes da
guarda nacional : na rua Nova, loja de IVrragens,
n. 16, de Jos l.uiz l'ereira.
ilos ua
a seus freguezes c ao res-
a rua do Vigario, n.2
Ai iso iiitereraaiite,
A rasa francesa da comestivese de liqu
na Nova, n. 69, idl'ercce
pcitavel publico un
Sortimento de olannos
supeijores das melliores fabricas condecidas, com
precos mais baratos que em nutra qualquer parte.
Estes charutos sfio seceos e fabricados com o meliior
labaco.
--Vende-se urna canoa de milheiro, cornos en-
colamenlos foilissimos bom cavernamee fundo no-
vo deamarello ; urna dita de menor tamauho nao
em (fio bom estado porm muito boa de vara ; una
balance com correles de'ferro delgado ptima pa-
ra refinaefio, ou padaria por ser oiuilo maneira e
estar em muito bom estado ; 6 arrobas em pesos de
las arrobas al meis quarta acarrinuos do mo,
de Ierro; um tai XO Ooni 23 libras, com algum aba-
te : tu lo por barato preco : "a alaria da roa da Co-
1 ia contigua ao hospital militar, ou no Chora-Meni-
no, 11 3.
*rtofflft.*
Vendem-se cortes de caigas de brim pardo
' tiancado, a 1,000 rs.; cilios de In un bran-
H'co de lislras, a 1,280 rs.; ditos de brim
js trancado amarcllo, al,.r>00 rs. ; sendo to-
~ dos Je puro linbo : na rua do Queimado, loja
& do sobrado amarelio, 11. 29.
,,S
63.
m
nm
Cha ha ralo.
Veude.se muito bom cha, pelo preco de 500 rs. a
libra : na rua do Crespo, 11. 23.
LA
Na loja do sobrado amarcllo da rua do ^
Queimado, n. 20, vendem-.-e novos corle |
de cassa-seda de bonitos padroes, a 8,000 |gj
is. ; ditos de cambala branca com llallas
de cores, fazenda inteiiamenle nova, a 4,000
rs. : cortes ile caigas de casimira a 4,000,
4,.ri00, 6,000 e 7.000 rs. bavendo grande sor-
limenlo de lodas estas fazendas para se es-
colber.

&
m
Vendem-scescravos baratos, na rua das l.aran-
geiras, n. 14, segundo andar., a saber : una parda
escura, de 20 annos, que engomma e COZipha 5 una
dila de 30 anuos, que cose e faz todo o ser vico de
urna casa ; urna dita de 20 anuos, que COZiflha bem,
e be boa quilandeira ; urna dita deineia idade, que
lie ptima cozinheira ; una dita muila forle que da
320 rs. por dia por 250,000 rs.; 4 prelos ptimos
para o trabalho do campo.
Vende-se em Fra-de-rortas, largo do Pilar,
una excclb ntt casa terrea, con solio. quintal e co-
zioha fra, onde mora o lllm. Sr. coronel Salgueiro:
iio a
lubrica ,
Deposito da fabrica de Todos-
os-S.int s 11a Baha. *
Vende-se, em casa de<\. O. UieberA C.
da Cruz, 11. 4, fllgodflO trancado daquella
muito proprio para saceos de assucar e para roupa
de escravos, aos piceos de 270, 300 e 320 rs. a va-
ra conforme s qualidade.
Vcndein so presuntos ingle/es para Hambre;
latas com bolactiinhas de Lisboa ; ditas de araruta;
ditas de inerinelada de 1,2 e 4 libras ; ditas de sar-
diulias,- ditas ite hervidlas ; ditas de chocolate de
Lisboa ; frascos de conservas ditos d'agoa de or
de hiranja ; barris com azeilonas brancas do Elvas ;
garrafas com viiilio moscatel de Setubal e da Ma-
deira; queijos de pialo, freseaes: ludo novo e
ebegado ltimamente do Lisboa : na rua da Cruz,
no Recite, n. 4u'.
Ja i xas para engenho.
Na fundic.no de ferro da rua do lirum, acaba-sc de
receber um completo soilinieiilode laixas de4 a h
palmos de bocea as quaes scbani-se a venda por
liceo commodo e cun proruplidflu embarcam-se,
ou carregam-seem cairos sem despezas ao com-
prador.
Vende-se cal virgem de Lisboa, de superior
qualidade, em Larris de 4 arrobas, ebegada ueste
me/ 1 (do brigue Sarta-Jote: a tratar na rua do
Hrum armazem de Antonio Augusto da Fonseca ,
ou na rua do Vigario, n. 19.
Corram as pechinchas, pois
he para liquidado.
Na loja n. 5 A, na rua do Crespo, ao pe do aico de
S.-Antonio, vendem-se, por88 querer liquidar quan
lo antes, al.in do um sortimento de pannos muito
linos e de tudas as (ores, a 3 e 4,000 rs. o covado
as seguintes fazendas que por seu diminuto preco
111 poucos das so acallara, rnnio ja tem aconteci-
do com umitas oulras que ueste eslabeledmenlo a
leem annunciado lencosdeseda preta para grva-
la, a CtO rs., iuteiros ; ditos para mito, do cOres c de
boa seda a 1,280rs.; diales de casimira peque-
nos, proprios para meninas, a co rs..; riscadinhoa
francezes. a 160 rs. o covado; corles de calcas de
brim trancado pardo de puro linbo, e de pello do
dia lio, a 1,000 rs ; chales do seda com ricos Livores
edexcellente quali'dade.a 10 e 12,000 is.; man-
tas de seda | aiu senliora a8,000is.; superior 86-
li 111 noco, para colleles, a 3,ooo rs. ; chapeos de
erepe para senliora do ultimo goslo e de diversas
ciiies, a 2,000 rs. ; pec."S de madapoliio enfestado ,
minio lino a 5,500 ; ditas de cassa para bailados,
Com 10 varas, a 2,560 is ; merino, a 2,500 rs. ; e ou-
lras mallas fa/endas que fazem inulta conla aos lie-
guezes e que 1 or um pequeo espado de annuncio
deixain de ser annunciadas.
Agencia da fuodicao
Low-Muor, rua da Senzalla-
nova, 11.. 4'i.
Neste c.-ld)tleciiiieiito contina a l.-a-
ier ilm completo sortimento de rooemlas
meias moeiuas, para engenbo
iPolha de Flaudres.
Vendem-se caixas com folha de Flandres : em
csa de J. J. Tasso Jnior : na rua do Amorim, n. 35.
Vendem crles-se de calcas do macedonia W3
decOres milito encorpada e do padrOes ifXj
guaes a casimira pelo diminuto prego de >'i|S
2,000 rs. o corle ; riscadinhos francezes a ^
IfiO rs. o covado ; cortes de vestido de cas- g|
sa de cores, a 2,000 rs. ; e oulras muilas L|
B fazendas baratas: na rua do Queimado, lo- ^
\-k) ja do sobrado amarcllo, 11. 29.
M ___ _
>",;., :.,>,.;.:,.j^.~:.:.: i..-.: J ->M:.....l
__No armazem de Francisco Dias Ferreira e no de
Leopoldo Jos da Cosa Araujo rende-seo mais su-
perior vinho do l'orto que lem vindo a este merca-
do em barris de 4., 5.*, 7. e 8.': os pretendentes
pdem sorlir-se,porque poucas Veces c vem fazenda
igual.
(a 11 arda 11 a pos de 11 aho.
Vendem-se bons guardanapos do puro linho, gran-
des a 800 rs.; dilos pequeos de novo goslo para
cb a 400 rs. ; bonetes bordados para homem a
2,400 rs. ; ptimos lencos de seda de cores, a 2,500
rs. ; dilos a 1,000 rs. ; setim macan a 2,000 rs. ; di-
to nielbor, a 5,000 rs. o covado ; cassa transparente
para mosqueteiros c cortinados com lecido de lil,
a 2,(0o rs. a peca ; alpaca de seda a 800 rs. ; pti-
mo velludo prelo, a 4.000 rs. o covado ; e um com-
pleto sortimento de fazendas linas e grossas : na rua
do Queimado n. 27, no novo armazem de fazendas
de liaymundo Carlos l.eito.
I irii.ha detrig0 SSSF
de superior qualidade e nova ; dila americana, em
meias barricas; dita gallega, em meias barricas;
cal virgem de Lisboa ; vinho do l'orto em pipase
barris de quarlo e oilavo superior e mais inferior ;
fechaduras para porta de armazem ; superior cha
bysson nacional de S.-Paulo ; farinha de mandioca ,
0111 saccas por preco commodo : na rua do Viga-
rio armazem n. 11, de Francisco Alves da Cunlia.
No largo do IJvramenlo, loja
11. 10; de remandes da Luz
&, Irmao, vende-se
algndio de lislras, proprio para roupa de escravos,
a 100 rs. o covado.
Parinha de mandioca a 4# rs,
a sacea.
Vende-se no arniaieiii n. 1, de llarcellar 4 Das Fer-
reira, no caes da alfandrga.
Lotera do Kio>dc-0aiicro.
Aos 20:000,000 de res.
Na praqa da Indepen lencia loja n. 4, ebegou no-
vo soi lmenlo de bilhetes e cautelas da muito acre-
pitada lotera da corte. A clles antes que scacabem.
^ Na loja do sobrado amarello da rua do Quei- @
2 mado, 11 2'J, alm de oulras muilas fazendas
ti finase de gosto, vend^-se merino prelo inglez, 0
tes da mcsina proprodade, prxima a estrada que se-
gu para o engenho Natuba onde se podo estabele-
ccr urna taberna : o dito sitio tem para mais do mil
e (antos ps de larangeiras c oulras arvores de fruc-
to : a tratar com o major Jos Caetano Percira de
Queirnz, que o vende por 2:000,000 de rs.
Vende-se um moloque de 12 annos, inuilo lin-
do ; urna negrinha de 4 annos ; um dita de 15 an-
nos ; duas ditas de 22 anuos ; i ditas do bonitas fi-
guras ; dous pardos de todo o servico : na rua Drei-
la, n. 3.
Vendem-se 3 fortes pianos,chegados peloultimo
navio francez de muito boas vozes, superiores as
de nutro qualquer que lenlia apparecido, ede novo
moilello que mo dcisrao do agradar ao coniprador;
charutos de llavana, por pre^o mais commodo doque
em outra qualquer parte; un completo sortimonlo
de instrumentos de msica, lano de metal como
de madeira ; bustos do gesso representando muito
fielmente a rainba Victoria e o principe Alberto;
relogios deouroe de prata chegados ltimamente
da Suissa. Estes relogios que sao muito bem aca-
bados se tornam muito recommendaveis a qual-
quer particular, e advertc-so que ha entro clles
alguns que andam oito dias sem precisaren! de cor-
da : na rua da Cruz, no Itecifc, n. 55.
Escravos Fgidos
fazenda muito superior, a 1,100 rs. o covado
panno lino de cor fixa cor de vinho, de caf *
e verde a 4,000 rs. o covado ; dilo pelo de &
todas as qualidades e precos; setim maco <*
prelo, a 4,000 rs. o corte do covado c quarta; S
dita muito superior, a 5,000 rs.; guardanapos ft
de puro linbo, a 12,000 rs. a duzia ; atoalbado <"
de linbo puro com oito a nove palmos de lar- j?
gura, a 4,000 is. avara ; lencos brancos de jS
camhraia de linho para hoinein e senliora a +
e
^ 800, 1,000, 1,280 e 1,000 rs. $
.0, '-i*
^B>*9>f *(?# *f# *9$9 39w3w
Fcijao.
*SNo caes da Alfandega,varina/ein confronte ao cha-
fan-/, e na rua da Cruz, armazem
ma-
pa 1 a
taclias de ierro batido e
coado, de todos os taannos, para dito.
cninas
de
vat)or,e
n 13 vendem-se
ras com fe i jilo miilalinlio e rajado, por menos
preco do que cm outra qualquer parte.
Cabos, lonas e hrirs.
Na rua da Cruz, no Recife, armazem n 11, existe
venia un completo sorlirnento de cabos de linbo
patente, de todas as grossuras, lonas da [tusara ver-
dadera ( conliecidas por iinperiaes); brins para ve-
las, de primeira arma
Freguezia.
Vende-se vinho superior da Figueira, a 1,280 rs.
acanada, e em garrafas a 160 rs. engarrafado e
lacrado dando 0 fregu/, a garrafa vasia : 110 pateo
do Terco, venda n. 7.
Vende-se farinha de mandioca cm saccas por
prego commodo e em cuias a 200 rs. ; familia de
aramia, a 200 rs. de superior qualidade: no paleo
do Terco, venda n 7.
__Vende-se un ndogio para cima de mesa e que
lambem serve para tia/.er no boleo, muito bonito,
e muilo bom regulador: tambem s vende una
correle para o mesmo : ludo por 1 reco commodo I
na rua das Cinco-I'onlas, n 25.
Vende-se urna liiblia sagrada, ou o anligo e no-
vo testamento com ricas notas, por Antonio Martini,
em bom uso, por 25,000 rs. : na livraria da praca
da Independencia, ns. 6 e 8.
Proprias parase mudaren!
na presente csUcilo diversas qualulades de roseiras,
adalias, craveiros, alecrim e oulras llores, por pre-
Co.commodo: no Aterro-da-IJoa-VisU, loja do V.
Dubairv, su dir quem vende.
__Vende-ae una loja com calcado, e pequeo sor-
timento, a quid tem cun modos para familia, sila na
rua Direita, 11. 50 a tratar na mcsina loja.
Vndese una ca.-a lerrca de pedra e cal, n. 3,
rua do Uoin-Siue.-so, em OLuda, com um pequeo
silio a qual esta loda rectificada de novo, cm chaos
proprios por preco commodo : na rua de S.-Fran-
cisco, casa da esquina, confronto venda do Nico-
lao.
Vende-se urna carioca nova, muito bem feita,
com rortes rodas do sicupira, e toda piulada a oleo :
esla obra liea melhoi que pJc appaiucer presen-
lemeiile : na rua da Florentina, 11.16.
Vende-se, ou per.nuta-su por escravos, o sitio
Campo-Alegre, na comarca 00 Limueiro, freguezia
do Hom-Jaidiin com 280 bracas de tena de testada ,
com 700 de fundo demarcadas cuja Ierra he muito
No mez de fevereiro de 1831, desuppareceu des-
la praca um mnleque crioulo, de nome EuliCO, que
pnderia ter9 anuos, cor bastante preta, feic>s bo-
nitas, orel'ias coinpridas, mostrando ser bastante
alto ; provavelmcnte foi furtado para o ertflo, ou
embarcado para frs da provincia. Em malo de 1837,
(esappareceram, do engenho Arilicum, da freguezia
deS.-Miguel-dos-Barreiros, dous escravos: Manoel,
por alcunha Tatuba, do gento do Angola, estatura
regular, cOr muito preta ; poderia lar 25 annos :
Verissimo, crioulo, regulan lo a mesma altura, cor
e idade : este ja esteve preso na cadeia da ridadedo
P.io-Crando-de-Norle, e d'alli foi tirado por 1 sujeito
a titulo de seu senhor. Um maio de 1838, desappare-
ceramdodilo engenho dous escravos : Iiomiugos,
por alcunha Macei, por ter sido comprado a um
moco daquelle lugar; lio do gento de Angola; alto,
bom corpo ; levou uina brida no p quasi boa ; po-
deriS ter 28 annos : Paulo, do gento de Angola, pou-
co prelo bastante bruto, altura regular, denles
muito claros' e um pouco acangulados ; poderia ter
31 annos. Poucos dias depois desapparecau o es-
cravo Francisco,do geniio de Angola, cor pouco pre-
ta, altura ordinaria, cheo do corpo ; poderia ter 32
anuos. Tanto estes como aquelles dous fram furia-
dos e vendidos para o serillo. Consta que alguns es-
tiveram em poder de um homem na villa do Urub.
Alguns dias antes desapparececeu desta praca u>n
moleque de nome Proeopo do gento de Angola ,
pouco preto, fornido do corpo ; poderia ter 15 an-
uos. F.m 1839 desappareceu da cidade de Olinda ,
estando servindo a um estudante Flix Tlieotonio
da Silva Cusmfto urr moleque de nome Jos, do
gento de Angola, haixo. cor bom preta, pes apalhe-
lados, por ter lido bastantes bixos; levou resto de
urna brida em um p ; poderia ter 18 annos. Quem
os pegar leve-os ao engenho I'irapama, freguezia
do Cabo, ao seu legitimo dono, Ttiomaz Jos da Sil-
11a Cusmfio, que recompensar com 80,000 rs. por
cada um.
Fogio, (L-. engenho Ferriroza, provincia das
Alapas no dia 31 de maio prximo passado as 10
doras da noite, a parda Florencia, de cOr regular,
cabello pichalm, testa larga, rosto, olbos e nariz re-
gulares, bocea pequea, beicos grossos, orelhas re-
gulares, hem parecida ; lem falta de denle na fren-
te do lado supe ior c um sino SalomSo no braco es-
uuerdo bem eita de corpo, alta, muilo bem fal-
lante c dsiimulada muilo habilidosa : quem a pe-
ar leve-a a rua da Cruz, n. 64, a Lourenco Luiz das
Neves, ou aodito engenho ao administrador, que
receber 50,000 rs. de gratificado. Esta escrava foi
comprada em oulubrodo anuo prximo passado ao
lllm. Sr. Jofio Manoel de llarros Wanderley senhor
do engenho Coelbos, em Scriuliaem.
Itoga-sc as autoridades poliriaes e capitiles de
campo a appreliensflo da preta Maris, crioula f-
gida no dia 6 do crrente, com os signacs seguintes :
alta, barriguda, em coiisequencia de ter o en higo
estufado, oielhas tapadas desdentada na fente do
lado superior; leve ha pouco bexigas, ds quaes
Conserva visiveis cicatrizca; levou saia azul o panno
da Costa ; foi comprada ha 7 mezes a Sra. D. Calha-
rina Francisca da Cunha : quem a levar rua do
Crespo loja n. 15, de Amonio da Cunha Soaies
Gulmarfios ser recompensado. ;
Aviso aos Srs. capitaesde campo e autoridades.
Fugio, no dia 18 de novenibro prximo passado ,
um escravode nome IMonizio, crioulo, de estatura
regular, delgado do corpo, cor preta com marcas
de bexigas pelo rosto ; tem muilas cicalrizes de le-
ridas.em um dos bracos ja de muito lempo; In .al
de padeiro por isso tem as costas dy^.itos em
o lugar da junta dos dedos, calos do amigar ; lem
algumas marcas de chicote pelas costas; talvez so
queira intitular de forro, por ser muito ladino ; cos:
tuina mudar o nome quando logo ; conslaque tul
tpprehendido no engenho Caga-Fogo, e dah lor-
11011 a fiigircom nutro da mesma fabnca. Iiao-se j0#
rs. .le gralificacDo a quem o levar, 011 dclle der no-
ticia certa, na rua da S.-Cruz, 11. 24.
Desappareceu, no dia 21 do conenle, um pardo
denomu Manoel, perlencente a Gabriel Soaies lia-
poso da Cmara de 20 annos, da clalura mediana,
Cheo do corpo, bracos curios, cabellos prelos e pou-
co crespos ; levou chapeo preto de pello usado e
umembrullioconlendo camisas brancas ede algo-
daozinho de lislras, calcas jaquetas e urna redo do
algodfio; he pouco barbado, porm ass.m mesmo
usa de sissas': que,., o pegar leve-o a casa do r.
AgOStinllO Kimilino de Lefio, no Hospicio, 01. 110 I 0-
(;rnde-do-.\urle, ao n,,jur Jo>e Lucas Miares llapo-
so da Cmara que se gratilicara.
Fu'-io iio(1j9 do correle, pelas 1 horas da
nolte da casa de Francisco IVreua Coellio Lima na
rua -lo Hospicio, venda do lefio de orno, ein cupi ca-
sa se achava slugado, um moleque de nomo Paulino,
.le 18 amios, de naffio Quicama com marcas de ne-
Sigasuoiosto; levou calcas brancas de briin c ca-
misa de algodfio quemo pegar levc-oa dila rua,
u. 44, quo sai a recompensado. ,--,.
Desappareceu, na noilu de 20 do crranle, uina
escrava parda, de 50 annos pouc. ...ais ou menus,
donme Josepha liosa, de estatura e dorpo regma
res; levou vestido d.-' chila, ciiale ordinario rol VI
la em Apipiieos no da 21 : que,,, a pegar leve-- "
rua do Seve, em casa do coronel Lemenha, que gra
lilicara.
productiva, leudo no dilo lugar casa grande de tai-
pa caiada, com seiiztrlla, eslribaria, bom cercado;
lem mais 3 casas, cutie ellas una grande nos limi-
I'kikv : ^A rvP- DE M> *' VK FA
nu-i49
MELHOR EXEMPLAR ENCONTRADO


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5GIFW20V_3XT1P4 INGEST_TIME 2013-04-24T19:58:24Z PACKAGE AA00011611_06621
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES