Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06606


This item is only available as the following downloads:


Full Text

\nno XXV.
Segundafeira 4
n n/,4n70publlca-setodososdiaquno
"m de guarda. O preeo da asslgnatura he
' i.nOOrs norqoartcl, ptgiu adtantadot. Os
Jmros dos asignantes lio inseridos a
S de 20 r.. porlnba, 40 m. em typo dlf-
arente, e as repelle*-* pela'ihetajfe. Os nao
tean". pagVrao 80 rs. or li.iha e 160 r..
it" tTpodifferente, por cada publtcacao.
PUASKS DA LA NO MEZ DE JUNHO.
i ..a chela, a 5. af8 oras e 7 mln. da manh.
ioVoante. a 13.ia Shora.e 4 mo.da tard.
. a a 20. aa 11 horas (49 mln. da manh.
[iccnte', 27. a. 8 hora e 84 ma. da manb.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Goianna e Parahiba, s sega, e sextss-fciras.
Rio-G.-do-orte, quintas-feira. aouicio-dla.
Caho, Serinbaem, Rio-Formoso, Porto-Calvo
Macelo, no 1. a 11 e 21 de cada mez.
Garanhuns e Bonito, a 8 e 23.
Iloa-Vista e Flores, a 13 e 28.
Victoria, s quimas-fe iras.
Olinda, todos os dial.
PREAMAR DB HOJE.
Primeira, 3 hora e 42 minutos da tard.
Segunda, 4 hora e 6 minutos da manb.
de Jnnho de IW).
N. 155.
DAS DA
SF.MANA.
4 Segnnda. 8. Francisco Caracioll Aud. do J.
dos orpn. do J.do clv. e do J. M. da 2. y.
5 Terca. S. Marciano. Aud. do J. do c. da 1.
v. edo J. de paz do 2. dlst. de t.
6 QuarUJ. Roberto. Aud. do J. do c. da
3. w. e do J. de pai do2. dist. de t.
7 Quinta. ** Coopo de Dos. S. Roberto.
8 Sexta. S. Salirstl.no. Aud. do J. do cIt. e
do J. depazdol.dlst. de t.
9 Sabbado. S. Primo. Aud. doJ. do c.
da 1. v. edoJ-de pas do 2. dist.de t.
10 llamingo, da S. MargariAV
CAMBIOS WO DA 2 DE JUNHO.
Sobre Londres a257, d.por 1/r.. atedias.
Paris 380.
. Lisboa 110 par cento de premio.
> Rio-dr-Janriro ao par.
Desc. de li tt. d* boa Ilrmas a V. X
Acedes da comp. de Beberibe KM
Ouro:Onca hespanholas. 3I/B00 a '
. Moda. de 6/400 v. 17*600 a
, de6/ten. lewoo
. de4000.... /400
Prau-Patacdes brwllelros 8JDJ0
Peso. coluranarios^S/Ol" a
Ditos mexicanos..... 1/TOO
-JF. .- I_5!
uco
PAInTEJOFFICIAl.
GOVEfcNO DA PROVINCIA.
LE N. 38, DE 26 DE MAIO DE 1849.
fttng a le provincial n. 829 de 5 de selembro de 18*8
eaden. 225. Restaura a freguezia d Rarrelros.
llanda pieos limites das pafochias de Una e Rio-For-
mosp srjam os meimos que eram ante da lei 151.
Manoel Vieira Tonta, presidente da provincia de
Pernambueo. Faco saber a todos os seus habitantes,
que a assembia legislativa provincial decretou e cu
sanecionei a lei seguinte:
Artigo 1. Fica revocada a lei provincial n. 220
de 5 de selembro de 1848.
Art. i. Os limites da freguezia de SerinMem e
Ipojuca seaflo os mosmos que eram antes da lei pro-
vincial n. 285*, que fiea revogada.
Art. S. Fica instaurada as freguezias de Barrei-
rosrom es meamos limites que tinha.
Art. 0a limites das freguezias de Una e lito-
Formoso serfio os meamos que eram antes da lei
provincial n. 151.
Art. 5. Ficam revogadas aa leis edisposicOesem
contrario.-
Manilo, portanlo, a todas as autoridades quem
oconhecimentoeexocucilo da referida lei pertencer,
que a cumpram e facam cumprir Uo inteiramenle
como nella se contm. O secretario-desta provin-
cia faca imprimir, publicar o correr. Cidade do
Recifo de Pernanfbuco, os 96 de maiodot849, vi-
gesimu-oitaTO da indopendencia edo imperio.
i s. Manoel Vieira Tosa.
Carta de lei pela qual V. Este, manda exentar o de-
creto da assembia legislativa provincial que resoivtu
sanecionar, revogano a lei provincial n. 229 de 5 dtse-
tembndi 1848, t marcando os limites das freguesias
dtSermkatm, Ipojuea, Itio-Formoso, Una e llarreiros
que instaura, ludo como cima te declara.
Para V. Ese* ver.
Domingos Jos Soares. a fe?.
Sellada e publicada nesla secretaria da provincia
da Pernamhuro, ao* 86 de maio de 1849.
Honorio Pereira de Azeredo Coulinho.
Uegistrada f. tof v. do livro segundo de leis pro-
inoiaes Secretaria da provincia de Pernambueo,
30 de maiqide 1849.
- Joio l'olicarpo dos Sanios Campos.
Illm e F.nn. Sr. Em resposla ao omelo de V. Etc.,
de b oVeorrente, congratulle com V. F.xc. pela tran-
qnillidade de que ja goza erta provincia.
Baos guarde a V. Esc. Palacio do governo da provin-
cia do Para, 17 de maio de 1849. Illm. e Esm. Sr. Ma-
noel Vieira Tala, presidente da provincia de Pernam-
bueo. Itronymo Pranciico Cocino.
Illur. e Exm. "Sr. Com sallsfacao communico a V.
Exc. .que esta provincia est no gozo de pcreUa trn-
quillidade.
Eeos guarde a V. Exc. Palacio do governo da provin-
cia do Kara, 18 de maio de 1849. Illm. e Exm. hr. pre-
sidente da provincia de Pernambueo. Jertfnymo Frun-
cisco StgMo ....
Illm. Exm. Sr. Tenho a s.itlsfacao de participar i
V Exc.'que esta provincia continua a goiar de socego.
Dcos guarda, a V. Exc. Palacio do governo do Mara-
nhao, eni 22S malo de 1849. Illm. e Exm. Sr. conse-
llieiro Manoel Vieira Tosta, presidente da provincia de
(Pernambueo. Herculano Ftrreira Peana.
Illm. e Exm. Sr. -- Levo aocoohecimenlo de V* Esc.
a noticia da conlinuacao de paz ueta provincia. "
Dos guarde a V. Exc. Palacio do governo da Parahi-
ba, 1.* de junbo de l849. Illm. e Exm. Sr. presidente
da provincia da Pernambueo. O presidente. Joo Amo-
nio it Vaseoncillos.
Comma n ti o das armas;
*t,rl*l-atntT*lio oainando das armas im Ptrnamtuco,
f dijnnho di 1849.
OftDEH DO DA.
Saa Exc. o Sr. marechal de campo graduado, com-
mandaute das armas, manda fazer selente guarnido
que, por oflclos do Exm. Sr. presidente da provincia,
de 31 do me prximo rindo, Ihe foi rommunlcado ha-
ver S. M. o Imperador se dignado concedrr pasiagem
ao alfares Joaquim Mara de Oliveira Villa^rBoas do se-
gunoo pa o stimo bataihao dacacadorea, c desle para
aquelle batalliao ao alferes iierardn Joaquim (Jorrea ;
tero iiiesmo Exm. Sr. presidente approvado a propos-
ta fiita pelo Sr. snajor director do arsenal de guerra do
alferes da terccirnclasse do eicrcilo Antonio Uerardino
dos Res, para exercer interinamente o lugar de aju-
dante daqurlla directora no inipediinanto do Sr. capi-
to Joio Francisco do Reg l'arralo, nomeado comman-
dante lnteriuo do forte deAaUl.
Jos Ptiro Hior.TJudanle de ordena interino.
quaes dcclaram que, comqnanto nio achem ser desai-
roso ao preso implorar a clemencia do monarcha, Jul-
gam dever declarar que nenhuma parte tlveram no ar-
tigo do Diario-JVoro em que se pede a amnistia.eque.nao
estando convencidos anda de suacrimlnalldade, que-
rein justlHcar-se perante os tribnoaes do palz. A se-
gunda he du Uorges da Fonceca naganJo urna asserco
do presidenta que, em omcio de 24 de marco, dissera
que elle BorgH havia solicitado ainnislia ; e acrescenta
que, pelo contrario, fura elle que a regeitra quando
ajuclle lli'a mandara ollerecer pelo llr. Barroso e Que-
de; asiiiii como que, pelas proposicrs de que este
fdra portador, prometlla nove contas a cada um dos
ehefcs de (urcas, alm de outras cousas : diz que em
lempo opportuuo far outras revclaces para mostrar
quem he o strapa de Pernambueo. Por maior que seja
o cunbo de veraeidade que possam merecer essas asse-
veraces, he ccrlo que prceam na actual conjeciura
pela acrimonia com qne esiao escripias. A oppnsico
est milito taiisfeila e comente com aquella revelafao
3ue ella admilte ja sem suppr que possa ser conlesia-
a; e de c.-rlo as ludias ministeriaes anda nadi dis-
seram a rrspelto al agora
O ministro de fuida, Torres, acaba de obter un;
mez de licen(a para tratar de sua sade. S. Exc. est
realmente doenle : nao se supponha que ha da parte
dellc alguma estrategia para deseartar-se da pasta. O
ministerio est bem consolidado : sao inteiramenle fal-
sos alguna boatos de desiatrltigencia que por ahi alguns
ti 'un propalado; e mesmo, segundo esses, nao era o mi-
nistro da fazenda que deveria retirar-se.
Parccc-me que he o vlsconde de Olinda quem ca In-
terinamente com a pasta. -
Foi pela tercclra vez prorogadaat o dia 26a assembia
pruviucialdo Uio-de-Jani'iro.pni w nao haver alud vota-
do o ornamento provincial que est agora na terceira dis-
cussao.K comonao ba de asslm acontecer,se todo o lem-
po icio sido rmpregado em discusso de reriueriment*
extemporneos e prelrnces de aillhados ? Nio ha exein-
Plo i'ni parte alguma do Brasil (o palz classlco do patro-
nato) de adiniliir-se proteu(des com mals escndalo do
que na provincial do Rio-de-Janelro: ahi tndo se ai-
canear, urna ves que saiba-se mover com geito cssa
poderosa alavanca qne entre nos abala lude-,os em-
penlios.
t'ltiisMsatente apresenlou o Salles T. Homein um re-
3uerimehto, que para funlamenta-lo oceupou por tres
ias a hora designado pelo regiment para diseuss",o
daquelles. A cousa em resumo vem ser urna famosa
proclamacao ao povo para que nao obedeca declsao do
governo, relativa queslao das qualiflcafOes : fez mui-
muilas ciuides da let de eleljaes e do cdigo para de-
monstrar que, sendo crlmea obediencia asorden nle-
gaes, e tendo sido ousadainenle violada a lei que quer
que as clcicilcs sejain feitas pela ultima qualincacao,
capera da illualraco e patriotismo dos Brasilelros urna
reaisleucia lenas ao acto do ministerio.
Tambem o ttircanlil de hoiilem traz um artigo sus-
tentando a mesma doutrina ; e conclu- com as segulu-
les palavros: Mas que o caso est ebegado, yin que
ella (aiesistencla) se acha autorisada pela le. Oh.
certament.-, ou agora ou nunca.
< iiiiipic todavia uolar 'que as rasoes em que o Salles
llumein e a opposifiio se estribam merecen) alguma pon-
ilci acau, e ii.iii sao taes que devam ser despreadas,
seno bem ponderadas e refutadas com ilandeta; por<|uc,
de laclo, na um avi o do governo espitando o que
seja qualllicacn ltimamente feila -- que complica
um pouco
INTERIOR
CORRESPONDENCIA DO DIARIO DE PEBNAMBUCO.
Jo-aWaiwiro, 22 di maio it 1849.
OS.-Stjktador, que aqu cliegou na noite de 14 do cr-
reme, trauxe-nos jornaes e noticias dessa provincia,
que simiente alcancam al 2. A discussao havida na as-
sembia provincial tem sido aqu transcripta pelos jor-
naes do 41a, e lida com muilo interesse.
No Utrcantae 18 Mem-se duas carus que nao dei-
xa*n de Ur sen i* Ir reste -. a primeira he assignada pelos
clneo presos que se acliaiu abordo da Paraoaawu, Net-
to, Falta, Leandro, Luoeasa e Uorges da Fonceca, os
um pouco a queslao para aquelles que, querendo sus
temar a declsao tomada, dizem que a qualilicacuo dt
Janeiro desle anno lie a ultima.Ku, porm.j diste como
encarava a queslao, e Uro iiiiiilia opiniSo do espirito da
le, para alguns conlroverso, e para inim clarissimo.
Posto que seja esta urna queslao palpitante da aclualida-
de.temo enfastiar os leliores, fallando pola|terceira vez so-
bre ella, c he por Itsoque omililrei algumas rases que
poderia aqu produxir.
A julgar-se pela mam-ira pur que teem o Brasile o Cor-
alio da Tardt, niaados no teslemunho do roncili'adar,
tratado dos negocios de Minas-Novas, de que del coma
na minha passada carta, o caso merece mais nlgiuna at-
lenfo do que i principio se deu ; pois que consta que
o tal Silverio, fugindo para os serides de Glquilinlin-
nlia e Urub na llaliia, conserya-sc com gente armada,
e uo perdeu anda o intento de dar urna assallada
aquella cidade, com o fin de malar algumas pessoas,
entre as quaes conta o proprlo Irmao. Resta ver ago-
ra se o Mercantil c a opposicao sustentaran o procedi-
miento da.luelle amigo ; e liso nao me parece estar inul-
to longe de dar-se. alenla a inaneira por queja procu-
ra m explca-lo : nao sel que cegueira arrasla os liomens
em cenas occasioes !
Teve lugar no da 15, como Ihes disse, o coinparecl-
mento do ex-presidenle Teiieira perante o tribunal
supremo, para produiir a sua defesa, devendo ser jul-
gado na sessao seguinte, como de faci o fui, sendo ab-
solvido. Grande foi o concurso de pessoas de todas as
categoras que fram asslstir ao acto : unas movidas
pelo interesse qne oinavam na causa de um amigo, ou-
tras pela eualoaldade que n-scla da novidade de ser um
presidente de provincia aecusado por crline de rebel-
lio: (ocriine foi classilicado conforme o arllgo do c-
digo que irata de rebellio, oppr-se por actos ao II-
vreexerciclo de qualquer dos poderes, no que toca as
suas allribulcocs constiiucionaes) tambem eu lui. po-
rm meuos por qualquer desses senllmentos, do que pe
lo triste dever de correspondente jornalislico.
Felta a leltura do processo, nao apresentando o pro-
curador da corda, nem o aecusado testemunhas, per-
gnntou o presidente, o concelheiro J. Bernardo de Fi-
guelredo, aaquelle se tlulia algumas rasdes de acensa-
ran a produzir : re'spondeu elle ^uc, nao tendo sido
anda contrariadas as que se achavam formuladas nos
roiHir do llbello, nada tinha a dizer senao que sus-
tratava-as. Tocou a palavra ao advogado do reo : ago-
ra vers. O Carvalho Moreira, lepols de alguns prole-
goineuof, cabe na chronlca dos partidos dewrglpe, e
os pde com a calva moslra : o quioho que tocou ao
llto'e seu sobrinho narros Pimentel, como as influen-
cias que estavam ltimamente dominando, foi famoso,
e mais que Unjo noUvel pela inaneira hbil com que es-
ligmaiisou-as com a maior vehemencia em personall-
sar a ninguem. Ha um coslume multo migo em Ser-
glpe. tas antlgo que quasl eslava firmado como um
direilo : o partido que acba-se no poder, para nao
estar com maior Irabalho, nada mals tem a fazer do
que Instaurar procesaos a todos os membros de alguma
Tlneia. na falla com que abri a assembia provincial
em 1837. disse as segulntes palavras : F.u e meu se-
cretario somos os uuicos einpregados pblicos que nao
soirrmos processo por crline de responsabilidad^ ; c
nao sel mesmo se na hora em que fallo se me estar Ins-
taurando algum Daqul se pode colligir o que por
l a Ora, tendo apparecido um presidente (observa o
advogado do aecusado; que leve o arrojo de nao querer
subjeiare a essa Influencia maligna e perniciosa que
eslava no goio de governar a provincia, e nem servir de
Instrumento a paisoes mesqulnhas, he claro que lal pre-
sidente nao poda servir; e enti cumpna laucar mao
de qualquer nielo, at mesmo apresentar urna quelsa
em que fosse elle julgado por crlme de rebelliao.
Nao ha duvida que na questao dos factos foi a defesa
completa ; mals nao se podia desejar. Mal, qoanto ao
dlrelto, he for(oso recouhecer que o presidente uo po-
da mandar suslar o andamento de proeessos quaes-
quer, bem ou mal fundados. Entretanto lie um desses
casos em que o fim que se tem em vista desculpa os
melos que se empregaui para o conseguir : e eu, juu,
nao teria escrpulo em absolver lodos os reos que nvrs-
se dejulgar em taes clrcumsiancias. Pela leilura do
processo iioici urna das rasoes dadas pelo Teiieira em
jusliflcacao do seu proatt|iinnto, quando o ministro
maudoii ouvl-lo sobre oTmotivos da queixa, que, |ior
ser um lano ridicula, cumprc da-la aos leltores como
um modelo de frauqurza c simplieldade. Dizla elle,
cnlre outras cou do fielmente coinpreliendido e expresso pelo seu secre-
tario, o qual, leudo redigido a circular que devla ser ex-
pedida s autoridades, por modo diverso do que devia ser,
lli'a apresenlou ciu oecasiao em que se acbavam visitas
c partes na sala, e elle sem l-la astlgoou-a asmente
depnis de expedida e publicada pela gazela foi que vio
em que lemos se achava ella concebida. Ora, eis-alil
como fui Mas admira que. pelo menos, ja qne coslu-
ui,iv i assiguar papis de tal natureza sem l.'-los, nao
e dsse pressa em expedir oulra circular explicando n
sentido daquella', oque por certa remediaria o mal.
Sirva tambem isso de exemplo aos presidentes presen-
tes e por vir, para que se nao liein tnuilo nos seus se-
cretarios, enja concepcilo, por mais fiel que seja, pode
una ou oulra vez claudicar, e nao reproduiir exacta-
mente o que se Ihes disse : sempre lie bom 1er o que sej
tem de assignar.
O vapor Imperador, entrado antes de hontcm do Itio-
Grande-do-Sul, (rouxe o quinto bataihao de catadores
com 3i9pracas. As nolicias que temos da provincia
chegaui a 14 do correnle. e no la dio em socego. Ti-
nliani. pon'-iu, havido iilliniamente inultos assassina-
los, alguns dos quaes nolavelt pela faoilldadc e barba-
rldade como eram comnietlidus ; sendo que o intento
do ron lio era que dava origem a maior parle delles. Uina
carta de Jaguaro diz que all actualmente havia minio
menos seguranza individual do que no lempo da, re-
volucao,|pois no curto cap-ico de 10 dias contavain se U
morles : 7, diz a pessoaque escreve, pelo menos pos-
so assegurar-lhe que tlveram lugar, einquamo as ou-
tras i i-pul in-iin- voz publica...............
- Os escravos do segunda districto desla villa (aceres-
cenia) estavam dispostos e j preparados para Ulna in-
surreicao, porm /elizmenlc veio-se ao eonlieciuieulo
deseos planos, reiiiiliam-se alguns vstanos, e para lo-
go fram presos os cabecas, resultando desta captura a
lliorle delira que se pi quis entregar. Interrogados
sobre quaes eram as suas lences, respondern! que o
sen alvo era atacaren) algumas casas, raptaren!. c pas-
sarem-se para o Estado Oriental.
ii Poddr-se-hia mui bem evitar todos esses disturbios,
se esta villa nao se achasse, por asslm dlzer. ao desam-
paro. Nao ha frca armada para fazer respeitar as au-
toridades desle municipio, c apenas se contain 10 ou 20
naneas da guarda nacional que ora se achain em ser-
vico activo. Veja se desle modo estaremos, ou nao,
expostos aos insultos, latrocinios e mortes que todos os
das van augmentando !
- Os presos que se acliain na cad?ia sobcm ao numero
rieiG, "ejpor vezes teem arrumbado as portas, e, se
nao se lem cscapido, nfio he porque a guarda seja se-
.,.!> p numerosa. Contamos apenas oilo soldados de
ciaes. O Mercantil, dando noticia desse acto do minis-
terio, estlgmatisa-o, dizendo que aquella medida tinha
sido tomada, c devia ser conservada, como um nielo
que, ferindo o commercio Inglez nos nossos portos,
constrangerla o,governo britannieoa revogar o bil de 9
de agosto. (O bul matabraiileiros). De cerlo nao sei que
rasdes aconselliariam o governo a lomar semelhante re-
solucao : quando a Inglaterra nenhuma attencao moslra
par comnosco, nao sel porque fazer-lhe concessiles.
Nao direl, como o #erennli, que a creacao dos ditleren-
ciaes fosse por si s bastante para alcancarmos do gabi-
nete de S.-Jaincs concessdes equitativas e de justa red-
procldade ; mas pens que, para chamarines aqucllc a
uina poltica ajustada, c em harmona com a nossa posi-
cao, iienhiini oulro mein temos senao estabelecer me-
didas que, sem oll'ensa das relafes iuteriiacionaea, fi-
r.iin o commercio inglez. Entretanto devo crer. e eslou
disto convencido, que os humeas de estado sabeui des-
sas cousas muilo inelhor que eu.
Por decreto de 11 do crrente foi removido o juit
municipal e de orphos Isidro Leile FerrelraeSouza dos
termos reunidos de Souzi c Plane, na provincia da Pa-
aliiba, para o do Principe Imperial na du Piauhy.. Por
oulro de 16 mandou-se que o desembargador da rrlarao
de Pernambueo, Abreu c Lima, tenha excrcicio nada
luliia, porasslin o haver pedido
Em aviso expedido ao presidente da relaciio da corte
ileelarnii-.se que o art. 40 do cdigo do processo crimi-
nal nao crcoii uovos lugares de eicrivars de appellacoes,
sendo osen liui unieanieiite respeitar os dlreilos adqui-
ndsn-
InluencU do lado contrario, para que, fugindo estes da|
lula eleiloral com i
po llvre aos outras.
'avallarla, que pela escassez do numero nada podem
fazer. Ura, desle modo como poder estabelecer-se a
ordem n'unia villa onde lodos os dias entram e salieni
duzias de homens vlndos do Estado Oriental, que va-
guean! pelo municipio sem se saber quem sao, e o fim a
que vichi ? Os corpos de linha estao lodos para o centro,
no en tanto que 100 hnincii s de eavallai 1.1 scriain bastan-
tes para restituir- nos a seguranca.
Na fronleira do Chuy, no lugar de Palmar-de-Lemos,
apparecra um tal Carvajal com uina companhia de sal-
teadores, que, enconlrando-se com urna frca de 11
soldados ao mando de um alferes, cahlra sobre ella e a
dispersara feriudo a este levemente. Saliendo do occor-
rldo sabra um capitao com frya maior, e os batra,
lic.indo morios um irmao de Carvajal mais dous outros.
Na cidade do Rio-Grande liaviam os presos feito urna
lemaliva de fuga, procurando arrombar a cadeia ; e,
sendo aquella descoberla, nao poderam reallsa-la.
ODiariodoio-(iradede2docnrrcntc diz o seguinte:
leudo o general Oribe prohibido exprcssaiuenle a
conservacao de escravatura as xarqueadas, ltimamen-
te levantadas na inargein opposta do Jaguaro, consta
que mu .ios desses cslabelecimentos teem deixado J di
trabalhar. Consta igualmente que o Sr. Joaquim dos
Santos Plvora, duno de una daquellas fabricas, 4ra
preso com toda a sua esclavatura por uina partida ori-
bista, em consequeneia de se haver demorado a dar
exeeiicio ordem a que altsidimos. O Sr. Plvora pode,
porm, escapar-se, e ora se acha ncala cidade.
As noticias de Santa-Catharloa chegam a i7. Nao ti-
nha havido repllelo dos desaguisados com os emigran-
tes para a California, e linham seguido ja todos os n|-
vios, menos uiua barca cliegada no dia 12, c o vapor
AVimiurque, tendo sabido daqui, arrlbou all no da S
com ayarias n machinismo, traiava de repara-las. A
assembia provincial, dii o Jornal do Commercio, eslava
em opposicao ao presidente Pereira Pinto, e linha siip-
priinido no oxcainento a verba de despeza-lypograplna
provincial-como mel, segundo se assegura, de evitar
a piiblicaco do peridico Conciliador, redigido, dls-se
sb os auspicios da presidencia. O presidente negara a
saneco, mas os dous terjos da assembia confirmaran!
a lei.
Consta qUe na cidade do Rio-Grande se lem inlrodu-
sido na circulaco grande por(o de onea. falsas, e pela
campanha tambem ia lavrando o mesmo mal.
Por decreto de 4 do correte, sb consulla das seccoes
e fazenda do couce-
ridos pelos proprielai'ios dos olhclos exmelos, man
do-os promiscuamente servir com os de appellacdes;
providencia transitoria, como o motivo que a diclou, e
que acaba com a vida dos propriclarios desses olticios.
l'or consiili i do coneellm supremo militar mandou-se
alionar as clapes de ofliciaes lambeiu aos que estlverem
gozando lieencas ou doentes.
As ultimas datas que temos de Montevideo, trar.ldas
pelo vapor francs Foullon c corveta nacional Bereniet,
que enlraram lionleui, sao de II do crreme. i) almi-
ranlc Le l'rdoiir (diz o Jornfll-do-Coimi#reie) regressou
lioaliiienle de liueuos-Ayres a MonliMldo no da 30 do
passado, c depois de duas conferencias com o general
Oribe concordou este na convenci que o almirante
aceitara em micnos-Ayre ad referendum, e que se asse-
gura seren as bases llood >em modifieates, e um armis-
ticio por seis inezes. No dia II a larde, ou no dia IS de
maiiha, devia seguir b vapor <,rodur para Huenos-Av-
res com a acritacao do general Oribe. Emquanlo nao
voltasse o t.'roiiileur nada mais fe podia saber omeial-
mcute.
O mesmo Jornal transcreve unta caria qne narra mi-
nuciosamente os pormenores que se teem dado em toda
cssa negociaco para clicgar-sc a esse tim : er quem a
escreveu, c eu sou de igual pensar, que ludo dar em
nada, porque Rosas c Oribe sombain com todos.
Quanto ao ministre inglez Soullicrn, iguora-se os des-
pachos que recebra pela Vivir ; mas sabe-se que fuera
una nova tentativa para ser recebido, e nada conse-
guir.
Temos estado agora um pouco mais descansados com
artigosarespclto da Vaico-da-Cama ^ ba uns iresou
qiiairo poemas e cautos picos de diversos autores, que
apparecem lodos os dias aiinunciados pelos jornaes;
mas j iiii temos os famosas artigos entusisticos de
espada de honra e quejando. Ha estampas venda, re-
presentando a nao rebocada pelo V.-Afonso. O concert
que esta precisa (calcula-se de 120 a 130 contos) Val ser
falto cusa de 25 negociantes portugueses desia praca,
que scqii'iiisaram em parles iguaes para esse fim. Tem
causado alguma espectativa que o ricasso Manoel Pinlo
da Fonseca e Faria x Innaos nao qnizessem tomar pane
naquelleaeto inteiramenle patritico; tanto mais sendo
elles i ec.inh.-cid iiuente tr.incus e cavalheiros.
Nao ha anda certeza sobre quem seja o succeasor do
actual presidente de Pernambueo : andain todos eui con-
jecluras. Entretanto passa por certo que o D.-Afionto
est acabando de aproniptar-ac para ir levar a S. txc.,
quem qur que seja. Em taes clrcumsiancias, porein,
pretil u esperar pelo resultado a aventurar noticias, fir-
mado em boatos. .
0 cambio sobre Londres esti a 25 1/4 e25 1/2 ; tobre
Paris de 375a 376 o franco. __ .
As apolices da divida publica estao aS7I|2 e 7rfM
As ultimas datas que aqui temos de Londres sao de Al
de marco ; as de Paris sao de 22, as de Lisboa de 17, as
New-York de 3l de marco.
Falleccu e foi sepultado no dia 20 o memoro do conce-
Iho supremo Francisco Jos de Freitas.
Esperamos que olniperatrii, vlndo do norte, esteja
un depois damanhaa ou a 25.
.uiaelei^, com ^01?^^^
nm doTpreVdea". qlSTeem admta.tr.^.quT.r. ^Ifc outubro de .847 que eltabeleceu o. dlrelto. difteren-
aqui depon
dem, 23 de maio.
Hontcm, pelas 2 horas da tarde, quando lam r eni-
ireeues as malas, foi transferida a sabida do Paran* pa-
ra o meio-dia de hoje, c quem llver de escreverdeve
ats 9 horas mandar suas cartas ; pelo que Com multa
nrcssa vou cscrever pouras linhas.
O paquete inglez tintl, entrado hoplem de r almouib
com 45 dias de viagem, trouxe daus de Londres ale 4
de abril; poim por via de Pernambueo tno-bs mais
modernas que alcanesm a 7. Por ellas Meamos inteira-
(lo, do lastimoso rev de Carlos Alberto fol-se a tao
sonhada independencia da llalla !l Isso me contrista ura
pouco; porque, em verdade, tenho mlnhas sympa-
ilu.is pela causa italiana ; islo he, a verdadeira causa Ha-
liana, e nao a anarchla e os destemperos dos na ditos
blusas c macarroni, que do fundo d'alma detesto, t.reio
que a chegada do paquete foi que inotivou a tranil-
l r ni ia. ,lh
Quasi nada tenho a acrescenter ao que disse na miun
de hontem. ..,. _,
Noticias do Per vindas de B.ienos-Ayres, dizem que
em 21 de fevereiro esleve para rebenur urna "'"'P0.
em Lima, que se diz tinha carcter um pouco serio
pretendia-se assassinar o presidente, o Kfn"'^'''
ll,a. Nao se d o, delalhe, dell*. """%**'.
envolva pessoas de alia poslwo Felizmente, prevenl
das as autoridades, aborlou o pleno. _. dl
Foi concedida a demlssao qoe pc-io Thomaz Jos o.
&&m*m&g
Pev",.cIdo, direilos differenclae nao qala-se senao
?larawte: noite disse o ra.il que aqaelle acto
SW.. que o governo maU consultou o. InU-
'
t
i -..li.ua.'.-.


-' #-
">.< *' '
.. iJW
. >

rrsscs brasiieiros. Ora, qual dos dous ter rasao ? He
pena poi crio que ein queitio de tanta maguitude para
osinleresses oaciunara*, apparecalo profunda divergen-
ca na imprcnsa : a opposico exagera para uirlhor aecu-
sar o gabinete; os amigos desle eiageram para niclhor
oclend-lo ; e o leitor crdulo e de boa fe" d tratos
imaglnacao, arranca os cabellos, e sempre perplexo au
sabe a quem dar a rasio : e he por rsso que pe de par-
te questes como aquella, para oceupar-se com as mes-
uuliiharias iuluroas .que eslo flu port ili Umt le monde
He por moque a inaioria do pas nunca ae oceupa nein
quer saber de altas quctides polticas, a que se ligam os
verdadelrot Interesscs da naci.
UIARO ()E PERNABCO.
miar*, 3 > jtjnho bk is<
A atsembla legislativa provinoial approvou hontem
e,erceiia discusso, e com 11 m artigo additivo, o pro-
jecto que manila dar uiu soccorro pecuniario ao cslu-
danle Jacobina Jnior, bein como o ornamento muni-
cipal com varias emendas; concluindo tambein a das
posturaa da cmara do Recite, c adoptando o seguinle
artigo substitutivo ao 4. do respectivo titulo 5 :
Nlnguem porirr cattbelecer d'ora eni diante pada-
viat e rettraarias irno vos lugares designados pela ca-
mara municipal por inelo de editaes, licando conserva-
das as existentes.
A ordem do diapara a scsso de amanlia hease-
6incite :
Prlineira dlscussfio dos projcios ns. 14, 15, 19 e 20
desle anuo terceira do orcatnenlo provincial, para
o qual bouve dispensa de Intersticio.
Pelo vapor Prteme, chegado lioje dos portos do lu,1
recebemos jornaes do Rio-de-Janeiro ate 23 de malo ui>
timo e da habla at 30 ; bem como as duas cartas, que
os leltares terfio visto b a rubrica competente, escrip-
tas pelo nosso correspondente da corte a 22 e 23.
Accrescemarrillos alguiua cousa ao que ahi se conten.
Fra nomeado ofticinl-maior graduado da secretaria
do concelho supremo militar o respectivo ofl.cia Feli-
ciano Coins de Frritat.
Tinha sido despachado nRicial da secretaria d> cstulo
dos negocios da marinha o primen o teen te da armada
ilei-in.negildo da Cunta Rilciro Feij
Para que os subscriptores deste jornal possam fazer
ideia ajustada da siniaciio da provincia de San-Pedro-
do-Sul, no tocante trguranca individual, trasladare-
mos para aqu algiiinaa uoticlas de assassinatoa e le i-
inenlos, dada* pelo /Mario do Rio-Urande e pelo Hio-tir n-
deme
Ein o prlmriro desses periodos Kmoi o srguinl :
Hontem, 3 de malo pela volta das 6 horas larde, um
escravo do Sr. Filippe Antonio de Araujo, estabrlecido
oom falu na de velas no largo de S. Pedro, acotnmetteu
com una faca a seu senhor, a quem conseguio ferir le-
vemente na cabeca.
JSntre as pesaoas que acudirn! ao conflicto, cou
la urbe u 1 le ido levemente um viziuho do Sr. Filippe, de
noine Manoel Morrira.
- toin alguina difhculdadc, fui agarrado o aggretior,
que se achorecolhido cadea.
lie de notar que escravo, longe de haver lido o me-
nor pretexto para tentar contra a vida d> senhor, era
por este limito bem tratado, c nao havia recebido o
menor castigo,
O Sr, Filippe Antonio de Araujo, que hontem dis-
seroos haver sido acom medido por um seu escravo, le-
cebeu seis grandes laidos na cabeca e um no braco.
Apezar, porui, da gravidade desses reniemos, consta
que o ofi'endido noTorre risco de vida. Outro tanto
sentimos nao poder annunciar a respeilo do Sr. Manoel
Morrira. rstabtdecide oom casa de seceos e molhadot no
largo de s. Pedro ; havendo recebido um talho profun-
do nacebeca e oulro as costas, dizem-uos que se aclia
eui grande perlgo.
Alm deste, ficou Ismbem ferido um carpinlelro,
em consecuencia das dentadas que Ibe dra o escravo
na occasio ipiie aqurlle o agarrara.
Em a segunda das gazetas citadas, deparamos com os
artigos inlr.'i :
Um nosso assignanle de Jaguarao, rm data de 27
de abril, comuiuuica o seguinte :
Estamos por aqui cm um estado tal qne cada da
que contamos de vida be um milagreda Providencia. No
lempo da revoluco nao tem tamo como boje pela inl^
nha trguranca c existencia, pois que no espaco de de
dias conlain-se 13 mortes, .7 pelo menos pusso assegu-
rar-lhe que tfverain lugar, einquanlo s outrat repor-
to-uie voz publicas.
Antea-de hontem, s 7 einria horas da nnite, aelian-
dos Vicente Coustlrat em sua casa a cear com cinco
amigos, ouvio disparar-se um tiro, e no inesmo ins-
ume dous sujei tos invadiratn-lhe a casa. O que vluha
na frente deixou cali ir una bala ensanguentada, que
naturalmente trazia no corpo, e lem a nada attender,
sahlo pela porta do quintal, pulou varios muros, e, che-
gando praia, atirou-se' ao rio, e a nado atraveatou
para outro lado. O outro individuo que o segua, sa-
bio, monlou a cavado, e com a malor rapidez desappa-
receu. Tudo lato fui tao repentino, que nem Cousslrat,
nrm os que com elle te achavam poderam conhecer os
taca individuos.
Uonleiu pela manha um peo que vinha do Estado
Oriental degolou, na distancia' de dez quadras desta
villa, um pobre rapaz de 16 annos, criado do coiuinan-
dante de urna canhoeira, su com o fim de lirar-l!ie urna
japona e um ponche,
10 de maio.
* De Jaguarao cntnmunicam-nos o seguinte :
v A nossa campanha est todos os dias presenciando
attentados lion iris. Os assassinatos e roubos teein-se
succedldo nesU ultima quadra com algiima rapidez, de
modo qnoa nossa vida e teguranca eslao todos os dias
amcacadas pelo punlial ou bacamarte dn malfeilor, que
sem temor as leis e a religio vai por aqui crigiudu san-
guinolento* padrdes.
Na costa de Sauta-Maria assassinaram a dous con-
ductores de fazrnda que conduziam para Algrete as
cargas do Sr. Echenigue. O assassino evadio-se sein que
a.autoridade podesse providenciar sobre um tal alten-
lado.
.. Km Candiota fOram victimas o Sr. Pedro Aguirre c
um peito, iem que at ao presente se tenham eucontra-
iJi ,f 1' cad*T"e*' uSo obstante as niais activas dili-
r^VZZo*11 aU,r'dadC C d '"""d "***
" Dnem/|Ue wr"-W Aguirre tinl.a ido cobrar al-
gn, dinheiro que se Ihe devia. Era o Sr. Pedro Aguir-
re to bo.n e ser* cal, que se Ihe nao coohecia... ifimi-
goa. e julgam... O lempo dir a verdade
. Nrii.<.e Uagfci ferido con, duas punhaladas o
Sr. Pedro Canavarre, vizinho daqudla villa. O perie
trador do rime pode evadir-.* ai!le, que ^luPr^c
o enlregasse aorigor das leii. H ziuriuaue
" ** 'ao se encontra inulta harmona nos vl-
zinl.o. da villa de liag. pois anda.., todo, como seVr
.flieefo* os perseguissem... Emliin, para tramitar nelT
campanha be preciso cautela iunnensa. Encontram ae
por toda a parte nuseraveis que a troco de u.n ponche
ou com mira em alguin diuheiro coininrttem > ,...il
barbaros crimei.
aHsN"
i. de
rlzes
y esse
a dele
Mi
r*m
nr?
e Julianna de Farias, filha de pas
heiro coininrttem oa mais
Dizeni qu alguns tujeitos teein inlroduzido por to-
da a campanha urna grande quantidade de ouc.as faisaa.
He iniiitu provavel que se passem para o estado viziuho
alun de aluda inais activar o sea infernal projecto. Uxa-
i que as autoridades de urna e outra fronleira tomen.
a* mais sirias medidas para impedir tao grave prejuizo.
12 dt maio.
. i* J** *,'**, do correBl A. transportada para o hospi-
lal da misericordia desta cldade urna meuina de J an-
nos de ida
1 rientaes,
Todo o corpa dessa menina aclava-ie cobcrlo de
conlusese cicatrlxe. Interrogada sobre quem Ihe ti
nha causado todo ese mal, responden que sua nui, mu-
nida de urna aclia de lcnha, .a liavla espancado enorme-
luente, e que ein sajajuida a surrra.
Di pois de (erslM impiedosamente maltratada, con-
seguio a menina libertar-se das mos de sua mal, que
nrsse momento se constituir seu verdugo, e ful pro-
curar abrigo em casa de um viziuho, o Sr. Francisco de
Axevedo, o qual depois de a Interrogar fol dar parte
deste successo ao sV. delegado de polica, que liunie-
diatamente mandn recolher pristo Rosarla Parlas,
mas da sobredita Julianna de Farias.
O Sr. subdelegado, ao receber a mestua participa-
cao, dirigise na companhla do Sr. Carlos Antonio da
Silva Soares ao lugar onda exista a pobre menina ; e
para logo a mandaram levar para o hospital.
Oque deu motivo a esta barbaridade fol a menina
ter demorado o jantar que sua mal Ihe havia encane-
gado de aproinptar com brevidade.
Oxal essa mal criminosa com punlcao da lei ex-
pi a sua prave ctllpa, para que um da possa apresen-
tar-se em face sua Alna sem corar da sua conducta re-
prehensivel. I
O Wnni Jo Cnmwercjo n. i42 extracta de urna carta
particular escripia uPVictoria o seguinte trecho acerca
da colonia de Santa-Isabel,creada no Espirito-Santo pelo
Sr. Dr. Pcdreira, quando presidente dessa provincia i
. A colonia vai (lorrcendo brilhantementc, pois j
consideramos que os colonos nao precisam d" soccorro
do governo, excepeo de medien e de alimento para
os poneos 01 pliaos e vrlhos invlidos. Os colonos gozam
de saude, sao vigorosos, honestse trabalhadores: qjo-
s lodos teein plaolaces de mandioca, de quefazem p-
tima farinha Este genero, o leijo c o milho j apre-
srntam sobras. Nao teein apparecido delitos de conside-
racn, nem molestias perigosas.
Convida inuito que se desse Impulso estrada, cu-
ja picada cuSta de imlitns esforcos e diligencias do Sr.
r. l'edreira consegiiin-se abrir do municipio desta ca-
pital para o Ciiyaih na provincia de Minas.*
A carta minuciosa, mencionada pelo nosso correspon-
dente, acerca da misso le l'redour, e com a qual depa-
ramos rm o n. I4i do dito Jornal, he a que ora vamos
transciever:
.Montevideo, i de maio.
Aqui chegou no dia 30 oalmirante francez, e vindo
trra foi acumpanhado pelo encarrrgado de negocios,
o Sr. Dcvoize, visitar o ministro dos negocios estiangei-
rth, comqiicm leve una longfe conferencia. Termina-
da ella, mandn pelas liolas um ollicial a acampamen-
to de Oribe para communicar-lhe que un da seguinte se
Ihe presentana. Deseinlia.con de feito no diapriinciro
no saladero Lafone, e com dous officiaes se fol ao Cerri-
to para obler a aceitacao por parte de Oribe do projecto
de convenciio que recebra do general Rosas, e que con-
sagra os segu ntes pontos cardiaca : retirada previa das
torcas argentinas do Estado Oriental, installacao de
um governo provisorio para mandar proceder nova
eleifHO,restltulcao das propiedades conAscadas,sus-
penso de armas.
dem, 7 de maio.
Fazeni boje sete dias que 1^ Prdour foi ao Cerrilo
entregar o pa-lel a Oribe, e al agora nada de resposta.
Como eahio em maos de- D. Manoel, ninguem pode di-
zer quando ser despachado. O almirante diz que ne-
nhuma alteraciio pode fazer no projecto concordado com
Rosas, mas esquece-se de que este concordau com a con-
d icfio dr estar por tudo o sen illustre adiado, Assim, se
Oribe nao anuuir,_e lodos sabein quanto le real a sua
Independencia c vontade, nada ha feito.
dem, lude mai'.
Hontenf tard mandou Oribe ao almirante Le Pr-
dour o projecto de tratado.acompanhado de algumas ob-
servacOes, e boje fol Le Prdour ao terrizo para ver se
termina este negocio. Se o conseguir expedir o Cron-
i/'iir para Ruenos-Ayrrs, levando a Rosas da parle de Ori-
be o tal projecto discutido e aceito. Se o patro disser :
~ est bota, voltar o projecto para ser deiiniti vamen-
te assignado por Oribe. Dizem-me que ento c so enlao
he que ser commiincado confidencialmente ao governo
daqui para que este anmia ou aprsente tambein o seu
pastel, a li ni de ir inda a paslelaria para a Franca na fra-
gata Erigone, licando nos aqui entretanto a odiar mis
paraosoutros. Sao mais seis inezes de purgatorio, e'co-
mo em seis metes d o mundo umitas voltas, quem sabe,
qne 111 pode dizer boje oque vira ainda, que desfecho le-
ra esta iiiiermiiiavel questo? Aqul.corre que Le Pr-
dour diz que, se' o governo francez approvar o tratado,
que he nem mais nem menos as bases Hood sem as de-
cantadas inodiAcacdcs, vira um plenipotenciario devi-
damenle aulorisado para ratiflca-lo e vigiar a sua execu-
f ao, conservando elle entretanto o riuiu oV>. Sao, r<-
pito, mais seis mezes de vegelacao, se nao faltar o sub-
sidio, bem entendido.
I de m, 11 de maio.
O almirante rrgressou hontem dn Cerrito. Parece
certo que Oribe concordnu. Esta tarde ou amanba sa-
ne o Grondsur para Rucnos-Ayres, e leva o Sr. Iturriaga,
secretario particular de Oribe, para apresentar a Rosas o
tal projecto, dar explleaces, etc. Esperaremos, pois,
que regresse o (irondtur.
He possivel que baja luspensao dt hostilidades, mas
sem communicaco. Quanto ao pudr, o que Ihe posso
assegurar he que nao passa de pro/olo de basn para um
ajuste as[,rf/sr redu/.iram-se a apresentar o projeelo que Ihe mandara
o governo francez. Se Rosas o aceitasse, aulorisavam-
o discutir e ajusiar os unios de execucao ; se o repclls-
e como repellio em 29 de Janeiro, devia o almirante pe-
dir a Rosas um projecto sobre s bases com que este qul-
zrsse tratar com a Franca, remeti-lo ao seu governo e
retirar-se para Montevideo conservando o zluu quo at
ulterior rc.olucao da Franca. He o que fez I* Prdour.
r.xcedeu tal vez as suas inslrucces andando de llerodes
para Plalos, alun de conseguir unas bases quesepo-
dessem chamar realisaveis; mas creio que o estado da
Europa o justifica em grande parte. Seas bases Hood
lorein execuladas 6oao fidt, bem ir a cousa ; mas ahi
he que esta o bnt-illtt. Km todo o caso, repito, lo mais
seis mezes de espera.
Ainda mi sabemos ao certo oque Irouxe a Driver
para o Sr. Southern. Do que nao ha duvlda, porin, he
que elle fea nova tentativa para ser recebido, e que Ro-
sas Ihe respondeu que, emquanto nao soubesse seo go-
verno inglez approvava o pro/reto con/dieiof de conven-
ci de pat que Ihe entregara em 3 de marco, nao o po-
dia receber. Nesse projecto compromette-se llosas a
tirar o exercito argentino do estado oriental, respel-
lar a sua independencia, etc. ; mas o notavel he que se
comprometteu a istn tudo sem consultar Oribe, e que
110 projeelo de convencaoajustado com o almirante Le
Prdour tornou essa retirada dependente do assenlimeu-
to de Oribe. Como soinba com lodos!
* Reunem-sc forcas em Rojas para atacar ns Indios
que Invadirn! em grande numero as provincias de Cor-
dova e Sanla-Fc, c arrebataran! cavalliadas mesmo na
fronleira occidental da provincia de Hucuos-Ayres. >
Terminando aqui o ritracto das gazetaf do sul, ape-
nas accrrsccnturemos que a Baha ucra em plena tran-
quillidade.
O vapor Bahianu que. procedente dos portos do. nor-
te, entrn hontem o desta cldade, trouxe-nos jornaes
do Para at 18, do Maranho al 21, do Cear at 20 e
da Parahlba al 30 do pastado, bem como urna carta do
uto-Grande, firmada cm a ultima destas datat.
Tendo fallecido na cldade de BeWin umasenhora ame-
ricana, fol o aeu cadver sepultado em o espectivo ce-
miierlo Ingles, O viuvo dessa senhora, pois que ella fo
ra casada, I* constantemente resar junto ao tmulo em
que descansavam os restos inortaes da. esposa quem
multo amara durante vida ; mas alguns ladroei. In-
terpretando mal at iolencdet do pledotoTiamein, enten-
deram que elle frequentava t-nlo aqurlle jazigo porque
ah depositara valiosas jolas,; e, pois, em certa nolte
escavaram a sepultura, revolveram-na, c, ao rttlrar-te,
deix.iram o cadver da pobre miilher, j mutilado, J
corrupto, exposto aoa olhns dos viandantes !.... Delu-
do he capaz o pervertido !... Nein ao menos respdta o
ultimo asylo dos morios.
Em Maranho nada occorrra que nos faca arrecear
seja ahi alterado o socego publico ; mas a liuprensa pe-
ridica ainda se restalla desse excilamento que Ihe no-
tamos em outra occanlSo, e que nao sabemos quantao
ser mitigado.
A 21 de maio o cambio sobre Londres eslava, na pra-
;a litaran lense, a 27 dinhriros por l/r.
Ainda sr dava all a falta absoluta de oncas mexicanas
e hrspanholas, bem coma das moedas de (if-iOO rt.: at
de ris 4/valiam de 9^500 a 9/000.
Cear eslava tranquillo. -
A siluaco linanceira dessa provincia como que la ine-
Ihorando ; tanto que, tendo sido de 35:358/763 rs. o lai-
do existente nos cofres da respectiva thesourarja em o
ultimo de abril de 1848, o que havia nos referidos co-
fres a 30 de abril dette anno, montara a res 55:054/917.
O doutor Castro Carreira continuara a publicar as
mais importantes de suas experiencias. Parecem-nos
curiosasas de que tratam os dous ai ligos segulutes, e por
isso os o'crccemot consideracao dos leiloret:
Ckloroformio.
Hontem pela primen-a vez livemos occaiiao de ap-
plicr o chloroformlo no Sr. aderes Fraatea, baleado a
!.'. do prximo passado, para a dilalacao do joeiho e ex-
tracfo de algiini otsos : era lo sensivelfqualquer -
quenaperna do Sr. Franca, que o mais pequeo movi-
mento causava-lhe dr tao atroz, que as vetes tinha
sj naipe, e auno operar um homem destes tloaentivel
sem se estar premunido do precioso inelo aneslhetico ?
Assim, o Sr. Franca inspiroii o chloroformlo e era 2 mi -
nulos ficou tilo Insensivel, que Ihe abrimos a prrna, ex-
Irahimos-lhe algunras esquenlas osseaet, unital. um,
s gemido nao appareceu ; o Sr. Franca nao sentio a
mair pequea ddr. O chloroformlo nao he comoo etber
insuportavel ein suaapplicar.o, pelo contrario tem utn
cheiro nui agradavel, r fcil de inspirar-se.
Cear, 15 de maio de 1849.Dr. Caiti o Carreira.
Authopiia.
(i A iuorte tao rpida( 4 diat) quo inesperada de Fi
lippe, escravo do Sr. Albuquerque, nos levou ao desejo
de verificar pela authontia a profundidade de seu mal,
e de ai-coi do aun o meii amigo o Sr. Dr Jos Lourenco
o abrimos cnconlrando o seguinte : l'eito. Na pleura
de todo lado esquerdo se descobriram adherencias anti-
gs, e pleuritet latentes parclaet em tuporacao, tornan-
do-se notavel um na yarte*superior, que apresentava
um boleo, onde cabia o puuho de una nio: ette boleo
se achara chelo de materia, tendo seguramente meia
libra ; ainda ueste Jado tornava-se notavel um derra-
mainento sanguneo de 2 a .'1 libras. 6'oraro. IVa cavi-
dade pericardlana havia um derramamento seroso de 1
libra pouco mait ou menos ; a tuperficie externa do co-
ra9.n0 achava-te coberta de una especie de capa ama -
relia, que, raspando-se, fcilmente despegava-se; as au-
rculas eslavaiu fortemente dilatadas. O pulma'o esquer-
do todo hepatisado mxime na parle inferior. Oflgado
tinha o duplo de seu volunte, inteiramente denegrido
no terco inferior: havia um derramamenio billiar ein
toda a circunvizinhanca da vescula do meste nome.
O estomaga t inletlinot, fortemente dilatadospor gas, a-
chavo-se iiillamiiiados, com deposito de materias bel-
dares.
A' vista de alteraccs tao profundas, qual o trata-
meiiiii que, por mais bem dirigido que fosse, poderla
salvar um doente ueste estado ? Ein nada nos admirou
por tanto a rapidez com que teve lugar a unirte, lor-
iiaudo-se pelo contrario objecto de nossa admirafo co-
mo se viveu tamo tempo sem dar indicios de sollrimen-
tos tao extraordinarios e profundos. Neste doente dirig
O irala memo lioiiueopathicu por 27 horas, e fui lo iu-
fruclifero como os outros.
Dr. Cailrt Carreira.'
Em Parahiba e Rio-Grande nao se dera acoutecimentn
algum, digno de e.pedal menco.
r'ecebto^rj^^
foTem landres a notlcla.drstaVic-
To benfrrcrblda
Para llcra em pat.
Inimigo jurado do juls de dlreito do Rio-Negro, o
?.eiHU,,?P,,'ln,e da *' "">lcipal daquelle termo,
ceta? tu '"""ca conlra.elle, e subjeitr.-o a pro-
Iodanre.ld,.n?Cedlm"to fr" ,ra,ldu a conhecllaje
ZtZ&KZXr* colher
as
Moje deu-se comeco eleico para juizet de paz e ve-
readores, sem que houvesse um s disturbio, sem que
mesmo tivcsse lugar urna cgnteslaco acrimoniosa en-
tre os diversos votantes que concorreram s qualro uta-
trizes da capital, cujas metas parochiaet ficaram assim
constituidas: *
SAN-FREI-PEDRO-GONCALVES.
Juizdr pat.Francisco Mamede de AI incida.
Membroi. Antonio Lei le de Pinito, Antonio Annet
Jaeoiue Pires Jnior, Lourenfo Luiz das Neves,Joo
Baplisla Fragoso Juuior.
SANTO-ANTONIO.
Juii de par.Manorl Antonio Virgas.
lUembroe.Miguel Felicio da Silva.coronel Francisco
Joaqui.n l'ereira l.obo,Joo Tlicodoro da Cruz,Joo
Cbrisostoiuo Fernaudes Vianna.
SAN-JOSE'.
Jmt de pat. Dr. Joaqum Vlllela de Castro Tavares.
4/finiru.i. Domingos de A/eredo Coulloho, Joao
Francisco Regia dos Aojos. -- Anlouio Muniz Tavares,
Amonio Ferrclra d'Aunanciajao.
OA-V1STA.
Juii if< pur.Tenente-coronel Antonio Carneiro Ma-
chado Ros.
A/rmiroi.--Jos Pacheco de Quciroga Junior,Thom
Carlos Peretti.-Joaquim Rodrigues Pinhelro,Fran-
cisco de barros Correa.
__
Pelas barcas Hopewell e Bonita, que, procedentes de Li-
verpool, entraram hontem no purto ilesla cidade, rece-
bemos varios nmeros do Timei, datada* de l3 a 30 de
abril prximo passado. As noticias 111 ais importantes
com que nelles deparamos refercm-se Italia, Alleina-
nha, Dinamarca, Inglaterra e Franca; todava sempre
diremos alguma cousa acerca dos outros palies, par
que nossot letores nao liquen, na iguoranca do estado
em que ettet se achara.
InglnUrrn.
Nada de extraordinario halla occorrido neste reino, o
Sual contina a gozar da mais perlina tranquillidade.
parlamento, Andas at ferias da semana tanta, reastu-
mira os seus trabadlos, nos quaes vai prosrguindo com
toda a regului idade.
No dia 25 de abril Mr. Gibson propot ntflasa dot lor-
det a revogaco dale! relativa au llrasil acerca do trafico
da eteravatura; porin, depois de una caloroaa discus-
sao, na qual tomarazu parte dill'erentes oradores, uns a>
favor, outros contra, a proposU foi llualiiieuie rejel-
tada.
No dia 21 de ferereiro lord ough, i frente do exerci-
to inglez, compusto de 25 mil lioraeus com 100 pecas de
artilliaria, atacou os Sikhs, os quaes em numero de 00
mil esta vara acampados Junto da villa de Goojeral; nao
obstairte esta grande dcsigualdade numrica 01 Sikhs,
depois de alguina resisiencia, fugiram ein debandada,
deixando em poder dos Ingleses 53 pecas de artilliaria e
uina porcao consideravel de munico.
Na dia seguate (22) lord Gough detpachou o general
Gilbert para Jheiem com urna forja de 12 rail horneas
para o fin de tomar e oceupar as cidades de Hhoias,
Attock e Peshawur, e toda'a froutelra at os passos do
Ali'aghauisUu. Gilbert atravessou com elicito o Jlielein
e no dia 28 apossou-se da cid.de deste nome; maaprl
causa do indo lempo foi obrigado a fazer alto ein sua '
-
loria, que o parlamento approvou unaattnrnte a indica
cSo feitapelo marqurz de Landownc,fia casa dos lords
para que em seu nome se atadecesseln ao governador-
ger.il da India, ao comlriandaiilr em chefr, e tambein
aos officiaes e soldados do exercito os relevantes servi-
dos por elle* prestados as ultimas acedes.
Os consola ficaram de 91 7/8 a 92: as apoliecs do ban-
co, de 102 1/2 a 194 ; os randotbraillelroi, ot peqtieaot
a 78 1/2; 01 quatro por cento porluayiezes de 28 1/2
29;. os cinco por cento hespanhoet a i7 eotnnalro
por ceato hollaadezct a 77 7/8.
/orfwa $ Heipe,nh:
0 primeiro destes dous paites Acara em perfelu da?
o segundo, porm, conlimia anda a ter devatta-to peh
guerra civil. Todava cranos que no tard.rt aiuic
que nao raleo dia ein que a He s pan ha respire
feroz monillo que llic lem devorado tastos | ^^*
rldos. Com efi'clto a prlso do conde de Mo
pelas autoridades francezas, quati no momeat
elle disfarendo ia entrando no territorio hrspan'
como j referimos em um dos nonos anteriores 1
ros, tem desanimado tao completamente o icus 1
darios,que destacamentos de 15 e 20 pestoat tjajatpre~.
sentado s autoridades militares para o Aid de pre
obediencia rainlia. ^,
l'or outra parte as frcat leflB* n5 deliasjj os faaM.
sos toinarpin folego. coronel'llore, informado
que o chele carlista Marcal, aeoinpanliado de pon
dividuos, se havia approxiiuado das lrotJtelr>s francezn
para receber o conde de Montemolin. marchou aprei.
sadainente para o monte Ginesta, e logrou prendero
caudilho, bem como os seus ajudanlrs de ordena Rolar. I
ro e Abril, os quaes encontrou adormecidos Majta/. J
tendo imploiado a clemencia real, foi perdoad; patea.|
Romero fol espingardeado.
A columna de Bcssala, cnmmtndada pelo coronel La-
font, drrrotou tambera o bando de Serrat, matando-lhc
19 homens e fazendo 69 prisioneiros.
Mr. Napolco Bonapartc, ao apresentar rainba dt
Hetpanhaat suas credeuciaescomo ministro da repbli-
ca franceza, pronunciara o seguinte discurso;
SenhoraTenho a honra de apresentar Vossa a.
gestade as cartas que me acreditara na quallddedt
embaixador extraordinario da repblica franceta juut*
a pettoa de Vossa Magestade Nomeando-iaie pa,j
este importante posto, o presidente da rentiblica qnit
dar a Vossa Magetiade Urna nova prtfra.de qnaatt
anhela maniere reforjar ai boat rrlajet que-exislein
entre as duas nafoes Luiz Napoleo l'onaparle encar-
regou-ine de expressar os seus sinceros dselos pela fe-
licidade de Vossa Magestade e prosprridade da Ilespa-
nha. Todos os ineut esforcos se dirigiro a faiercom
que a llespanha. a qual foi outr'ora a prltnrira adiada
de nossa amiga repblica, se torne hoja a niafs intima
a liada do nosso governo. As duas nacoes naturaet. A sinceridade dos tentiiurntos manifesUdot
pelo governo de Vossa Magestade para com a Francat '
os talentos e palriotisnio do uifu digno pirdeorsior le
lacililaro grandemente o draempenho de rainlia rifli
tao. Su espero que Vossa Magestade se dignar comie-
de r-me o seu lavo-^oqual eu loIgaffcl multo de obler.
Kiridoxiu.- 101 csie discurso, a rainha respoudeiiak
iiiaaeirTteguiile :
' Seabor embaixador.fle cora a inaior safisfacao
que recebo sacarlas que vos acreditara ceiuo embaixa-
dor da repblica franceta junto a mlnha petsoa, equt
sel que, escolliendo-vos para este posto, o'seu presl-
denic teve em vista dar uina nova prova do desejo que
o anima de inanier e refrcar at boat relaedet que fe-
liziueuie existem entre os dous governos. Por ininlia
parte nada anhelo mais do que inanter eatai boas re-
laeoct, que sao fundadas em tantas recordares e inle-
resses, assim como nos numerosos e amigos laca que
teera sempre unido as duas naces. (>s desejoa qne o pre-
sidente da repblica Luir Napoleo Honaparte m
encaregou de expretsar-me pe iiilnna /jeUcidade e
pelo bem e prosperidade da Hespauha, ao-tn extrema-
mente agradaveif ; c posso attegurar-vot que por rai-
nha parte desejo ardentemente que a Franca debaito
do seu governo e direccao possa Ser lo prospera e feliz
como o merece lo grande e poderosa nacu. Cuoto, Sr. I
embaixador, que os vossos esforcos conlributro para fa-
zer com que a Franca e a Hespauha reforcem cada vrz
mais a sua iuliinidade e boa intelligeucia. Quanto a
mira, nada desprezarei para obler este resultado, hoje
bastante facilitado pelos lacos que naliiralmeme unein
as duas naces, pelos bous senliincnlot de reclprocidade
do governo da repblica, .e, como vt o dizejiveeu me
desvaueco de repetir, pelas luzet e patriotismo do rosto
predecessor. Quanto a vt, Sr. embaixador, a vossa
escolha para dirigir lo alta misso a um botn fin me
he mu agradavel, e afianco-vos que achrela sempre
era mira e no meu governo toda a consideracao c awtjt-
volencia que vos e vossa misso merecis.
Panados alguns dias, Mr. Napolen Konapar.te,
licenca do governo francei, e sem mesmo s det|
da rainha de llespanha, se partir de Madrid para
onna com destino a Hqis, deixando emseu lugar o
carregado de negocios. O presidente da repub'
sendo disto informado, o demitiio do posto que
pava, depolt de ter ouvidu o concedi de ministros.
O rei Carlos Alberto cngara uo dia 19 de a Mi I uoile
cidade do Porto, e ficra a sabir para Usboi.
Franca.
Em Paris nem as provincias, sera embargo deie
comiupnlcac
u Cidados representantes. Quando vot inforin-
nios duaaliimos aconiecimentos que tiveraia lugaraa
llalia, a assciublca nacional previo a uecesaidade rm
que a Franca poderia acliar-te de o coupar tIEipoi
mente urna porcao do territorio da pennsula.. Fol
votta iniciativa que eraanou aautoriaacao dada ao
verno para adoptar urna tal medida 110 cato de censicTe-
ra-la mil. Depois deste voto, a siluaco, naquelle pe-
riodo lacerta, tem assumido um carcter sobremo-
do decidido. A Ausiria segu at coutequeociai de
tua victoria. Ella poda usar dot direitot da guer-
ra a respciio dot estados mal ou menos einpeiiht-
dot aa lua que livera com a Sardenba. O cho-
que destes aconiecimentos fol sentido na Italia cen-
tral ; entfelantanlo as noticias que havemot rece-
bido aniiuncam urna crise ilumnente not dominioi
romanos. A Fran;a nu pude permaoecer indiA'eren-
te a isso. A protreco de nossos com idadoi, a neces-
sidade de manter nossa legitima Inajuenca aa llalla e o
desejo de contribuir para obler para a populado roma-
na um bou. governo, fundado sobre institulces llbe-
raes, {reprovaeai na eiquerda) impoe-not o deter de
utar da autoriaaco quejaos tendel concedido.
.Nao nos lie possivel dJJ^Bpt uina cunta mait circums-
lanciad sera comproaalPir o objecto que*tein6a em
vista. Debaixo de laes clrcumsianclas ter teuipre
preciso fazer-se uaxa ooncessao para o que poder acon-
tecer ; porm desde J vos asseguramos que a nossa
Iplervenco ter acouipaiiuada. de garantas efBcazii
tanto para os interesses de nossa patria, como jiara
a causa da liberdade real, {Nota, reprovoeai da eiqnerdu.)
0 governo julga iieccssariu cstsbelecer com pieclto a
uatureza e aigulficaco do vol que boje reclama da as-
sembla nacional. Investido j por ella de Ulna 11
cuja importancia sabe apreciar, elle nao I^^HeiU
misso, nein pede um novo voto, porque cojfctlder 1 co-
mo improprio, como contrario aos seus la a imperio-
sos deveret o adoptar qualquer medida calculada, tanlo
para alterar a policio era que lora de proposito col lo-
cado, como para cobrir a sua respoiisabilidade com 1
da atsembla Vindo hoje pedir-vot o crdito Indlspen-
aavel para assegurar a execucao da misso qual recebrs,
elle perioauece, a deaeja permanecer In tetramente'res-
pontavel pelas cousequencias que a aeaaipatMtaa*- 'Su*
reipoatabilidade t terminar ao da em que a recusa
MUTILADO



- .T.. ..

>>-.**
"" "
3
5
,P,te eredito, rediizindo-o a Imperiosa netessldade de
ncrmanrcer Inactivo n presenca dos aconteclmento
',,,. vo coinpietnr Ihe provoque a assemblea intenta
ncullar o icirntil de 30 de mi reo. O presidente da
re publica ordenao-nt* que submettessemos aoonside-
r.io da ssembUa o sfguinle decreto. __. nnft
Are !* Un crdito extraordinario de 1.200.UUU
r.mros he aberto as ministro da guerra ein o anuo de
xM9 para o Ara de prover As despeza'i addlclonaos ne-
resiarla* para a mao**neSo no pe de guerra durante
'",,, do corpo expedicionario .lo Med terranen.
Rale crdito extraordinario ser dividido entrena
dlfferetes captulo do orc*mento da guerra, conforme
a uboa tnnexa presente le!
Art l A despza cima autorlsada sera felta por
nielo dm recursos appllcavcis ao auno de_184 .____
M o munlaaaaa, elle^M precisara observar quautoJB ur-
!' ..-ara o boin resultado da expedicno que a discus-
in aattl vasscm Iminediatamente lugar. Elle co-
etemente requeren que a asscpbla qoineasse
uina ammlasao para dar o seu parecer sobre aThatlida.
rsta propostasendo posla a votoa pelo presidente da
a3 lima forte etpedlfo rancea tinha com cuello par-
tido para a Italia dtMtfxo do cminando do general Ou-
dlnot, qual srgumto as ultimas noticia Ja ae acliava
de posse deCfvita-Vechla.
O general llugeau, frente do ejercito do; Alpes, esta-
r tambera prompto paraponrtrar na Italia, no caso dos
austracos oceuparem a fortaleza de Aletandria.
p araremos aqu, para continuarmos ainanhaa o noiso
trabalbo. a_
v CMfllElCI. """
ATi'ANDEGlfcRendlmento do dial. 8:330/490
? CONSULADO f.ERAt.
Rendimcoto do .lia 2.............1:310/519
Di versas provincia.............. /994
"Htf tfll/5i3
0--------r
CONSOLA lJROVlNCIAL
Rendliuealo do dia 2. ...........1:245/084
RtO-DK-JARKIltO.
cambios n da 22 na mmo.
re Londres .
^H Pars ....
Hatnburgo .
Metaes. Oncas hespairhlas .'
. da patria .
Peras de /tfl vclhas .
Pesos liespabnoes .
. da patria .
Patacrles Sfc ....
Apolices de 6 por cento .
provinclaes.......nominal.
(Jornal do Commercio.)
25 'I, a 25'/.
375 a 376.
690.
3l/700a3I900.
31/000 a 3l200.
lbTuOO.
1/980 a 2/000.
1/J60 a 1/980.
1/900 a 11980.
87 Vi a 87 'I,.
IIAHIA.
CAMBIOS NO BU 29 DI Hilo.
........25a25A.
Londre...... .. .
Paria..........
Ilanibuigo.........
Lisbaf Torio.......
Metaes. (incas hetpanhlas .
a mexicanas. .
Prcasdett/sOO .
novas .
. Moldas de 4/000. .
Pala toes brasileiroa
liespanbes .
. a mexicanos .
nominal.
I5p. /.
31/000 a 311800.
31/300 8 31/500.
17/400 a 17/600.
16/500 a 17/000.
9/4O0a9/C00
2/000.
2/000.
, 1/980.
( JrreeiUii.
Navios sahidos no m-smo dia.
Val-ParazO, Panam c California vapor Inglrz llnieorn
capito John Doley. Passagelros, os meamos que.
trouxe. _.
FalmoUth ;. paquete Ingle/, Cristis, eommandante Par
sons. Passagelros os meamos que trouxe.
Navio svhiio na dia 3
Liverpool ; 32 das, galera Jngleza Bonita, de 209 tonela-
das, capitao VVilliam Kellcy, equipagem* 17, carga fs-
sendas, a Deane Yuile St Companliia. Passageiros,
F.dward Tentn com sua familia, Tilomas Rayner.
EDITAES.
Miguel Arehanjo Uonleiro di Andradt, oficial da imperial
ordem da Rosa, cavalleiro da de Ckriito 1 inspector ia al-
[Hndega de Pernambuco, porS. M. Imperial, te. ele.
Fajo saber que no dia 5 do eorrente, aomeio-dia, na
porta da ineama, ein hasta publica, se hao de arrematar
40 panellas, 32 chaleiras, 32 cassarolas e 48 fregidelras
de ferro forradas de porceHMa. no valor de 310/000 :
ludo impugnado pelo' guarda Mauoel da Fonseca de
Araujo Luns, no despacho por factura n. 5,314 : sendo a
arrematado subjeita atdireitoa. Alfaadega, !- de junbo
de 1849. Migue/ Arehanjo Monteiro di Andrade.
Miguel Arehanjo Monleiro de Andrade. ke.
Faco saber que no dia 6 do eorrente, ao melo-dia, na
porta da mesma, se haode arrematar em hasta pblica
os objectos seguintes, impugnados pelo guarda Joo
Gregorio dos Santos, no despacho por factura n. 5,316,
sendo a arrematacao subjeita aosdireitos : uina batan-
ea romana, no valor de 30/000 ; duas pilulelras, no de
6/000; um-esparadrapelro, no de 3/000 ; 25 libras de
verniz copal, no
ferro, 110 de 20/0ifL Alfandega, Sdcjunho de 1849
UeWeiro de Sndrade.
Kndrade.
ha, fidali
Miguel A chanjo
Joo Xavier Canuffo da Cunha, Jdalgo caialleiro da casa
impmU, eavnlkiro da ordem de Ckristo e administrador da
mesado consulado de-Pernambu-oparS. M. Imperial, que
Dos guarde, etc.
Faz saber que no dia 5 do eorrente, a uina horada (ar-
de, se lia de arrematar ein prava, na porta desta repar-
tido, uina caixa, n. 92. emii assucar branco, pesando
liquido 67 arrobas e 6 libras a 2/300, consignada a Ma-
norl Ignacio de Ollvelra, do engenho Castanlia-Grande,
provincia das A taguas, apprehendlda pelo guarda con-
ferenle do trapiche do Rainoa por Msiflcacno da tara :
sendo a arreinatar.no livre Mesa do consulado de Pernambuco, 1. de junho de
1849. O administrador, J0S0 XavierCarneiro da Cunha.
tfln Lot*nea Fornandes do Carino, DAT lerfa mator
purle da carga prompta : quem neI*Hjuiizer earre-
gar, ou ir de passagem, para o qno tem ions "00111-
modos, dirija-se ao consignalarij, Antonio Josquim
do Souza Iliheiro, ou ao. dito capiUo, na in-ta do
Commercio.
: = Para o Rin-de-Janeiio sahe, c.ojn brsvidade, o pa-
tacho nacional Curioso, capitn .Domingo* Antonio de
Axcvedo, por ter parte da sarga prompta : para o res-
tante, passagelros e esvravos a frete, (rata-ae com o mes-
1110 capito, ou com Luiz Jos de Si Ai Sujo, na ra da
Cruz, n 33. ^
'. t= Vcude-se o briguc braslleiro Fornicwo, de lote de
tres* mil arrobas, forrado e enravIHiado de cobre e de
multo boa construcao por ser felto na Baha : demanda
pouca agna e est proinpto para navegar para qualquer
porto: quem o pretender entenda-se com Bailar & Oll-
velra, ra da Cadeia-Velha, n. 12
- = Vende-seo brigue braslleiro denominadoCanarim,
de lote de 177 toneladas, prompto a navegar com osseus
pertences ; assim tainb*m conjunclocoin quatro escra-
vos marinlieirus : quem o pretender* pode examina-lo
a bordo, fundeado no lugar do Forte-do-Matlos, defron-
te do trapiche do algodao, e para tralar-ae na ra da
Cadeia, n. 39, com Amorlm Irmoi.
Pira Lisboa o brigue uurluguez telo; capilflo
Antonio Pedro do Figuoiredo, sahe impreterivel-
mentc no dia 6 de junho: recebe carga afrete,betn co-
passrgftiros para o oue ofTercce excellentes coin-
inodos : quem pretender dirija-sc aos scus consig-
naUrios, (lliveira IruiSos & ''ompanhia na ra da
Cfui, n. 9, ou ao referido capilflo, na praca do Com-
oiarcio.
Para o Aracaty lane com brevidade, por ter psrte
da carga engajada, a sumaca nacioual Carlota, meslre e
dono Jos Goucalves Simas : para o restante da carga e
passagelros, trata-se com o mesnio meslre. ou com
Luiz Jos de Sit Araujo, ua ra da Cruz, n. 33.
c= Vcndc-se < patacho nacional ouro, forrado de co-
bre, fundeado drfronte da ponte do Recife, proiimo .i
rampa da allamlega : quem u quizer ver pode dirigir-se
a bordo, e para Halar a (andino Aoslinho de barros,
atrs do Corpo-Sauto, casa n. 66.
= Para Lisboa sabe com a malor brevidade possivel o
brigue porluguez Conceirao-de-Mai in.por ter parte de sua
carga prompta : para o restante e passagelros, para o
que oti'erece excellentes commodos, trata-se com os
consignatarios, Thomaz de Aquino Fonseca & Fllho, na
ra do Vigario n. 19, primriro andar, 011 rom o capito,
Antonio Pereira-Horges Jnior, na praja do Commercio.
= Faco
llccla races.
1 Lciloes.
l'RAtjA DO IIF.CIFE, 9 DE JUNHO DE 18*9,
AS S HORAS A TARDE.
Reviila semanal.
Cambio* ----- F'zerara-se iransaeces a 24 112 e
24 i|4 d. por 1/rs.
Algodao ------ F.ntraram 290 saccas. O de pri-
, meira sorle veodeu-se de 4,600 a
4,700 rs. por arroba; e o de segun-
da de 4,200 a 4,300 rs.
Assucar- -As entradas foram limitadas. --Os
piceos allouxaram.
Kacalho-------------- Exislem no mercado 6,500 barricas.
Retalbou-se a 11,000 rs. por bar-
Srica.
e-secca----------O deposito hoje he de 70,000 arro-
bas inclusive dous carregamentos
chegados esta semana. As vendas
continuaran! de 2,000 a 2,600 rs. por
arroba.
Chumbo ------ Vendeu-se de 18,500 a 19,090 rs. por
quintal do de mimicao.
Farias* dt trigo- Em consequeneja de nao ter chega-
do carregamento algum, o merca-
do esteve inais animado. A de
Balllimore veudeu-se a 16,500 rs.
por barrica ; e a de l'hiladtlpliia de
17,000 a 17,500 rs.
F.ntraram depols da nossa ultima revista 8 ainbarca-
efles e sahirajn 13: fcaram no porto 50, a saber : 3 ame-
ricanas, 1 austraca, 33 braslleiras, 3 dinamarquesas. 1
bollandeza, 1 hanoverbsna, 9 iuglezas, 5 portuguezas, I
siciliana, 2 sardas e 1 sueca.
Movimento do Porto.
Navios entrados no dia 2.
Porto* do norte ; 14 das e 12 horas e do ultimo porto
12 horas; vapor brasileo Haitiana, de 240 toneladas,
eommandante Oiten, equipagein 28. Passageiros : pa-
ra tata provincia, o D. abbadc Fr. Galdino de Santa
Ignez Araujo com 2 escravos. Francisco Ferreira de
Novaes, Estanislao llarboza de Mello com 1 escravo,
Jos Jaeintho dos Reia, Manoel Francisco da Suya Co-
to, Jos Antonio Pereira Pacheco, Jos Barboza Cor-
data*, Joaquiui Jos dos Prazertt, o Iuglez Guilherlne
Youle e 3 escravos a entregar j para o sui, D. Mara
Isabel da Silva, Francisco Manoel Ferro, Francisco
Goncalvesdos Hcls.o nitat/e da armada Antonio de
Lima, o Franers AugusapTunstin, 12 piscas de pret,
6 recrutas para o eiercito e' 1 escravo a entregar.
Rio-de-Janeiro e nonos intermedio ; 9 dis e 23 horas
c do ultimo porto 17 1/2 hora. Tapor brasilsjlro Para-
raaue, de 240 tnueladas, eommandante o capito de
fragata CosU Pereira, equipagem 30. Passageiros .
para esta provincia, Luiz Antonio de Sampaio Vianna
com sua senbora, urna filha, 3escravns e 1 criado, o
ilferes Juo da Silva Nazarelh, os Drs. Fablo Jos da
sta Barros e Antonio de (arvalbo Raposo, o segun-
nrnte de arillharia Miguel Mara de Noronhn
Felti t/r. Antonio de Sanio Agostinbo, Fr. Vicente da
J^^^^Hu, o ex-soldado Paulo Francisco, o Suissu
Jacob Tubler, o francez Jos Taique ; para a Parahi-
ba, a luajor Jos telix Bandeira ; para o Maranhao,' o
.cute Jos Aureliano Rolan para o Cear, D. Jo-
aephi#a Carolina de Jess.
Liverpool; 42 dias, barca ingieza Uopeicell, de 392 tone-
ladas, eapilo James euton, equipagem 15, em las-
es Fi'co saber aos estudnntrs de geoissetiiaque no fin
do anno os exames sero fcilos ate o sexto llvro de Eu-
clides. Se.r.laria do curso jurdico deOlinda, 22 de
malo de 1849. O padre Miguel do Sacramento Lopes Ga-
ma, director.
= O arsenal de inarinha addmtc para os seus traba-
mos sertentes al o numero de sessenla, com o Jornal
de 640 rs. sendo livres, e 560 rs. sendo escravos, tendo
aquelles preferencia a estes ; pelo que manda o Illin. Sr.
inspector faxer publico para cuolircimenlo dos que pos-"
san interessar, devendo os prnendentes apresenlar-se-
Ihecom a inaior brevidade possivel.
r= O arsenal de guerra compra 12 arrobas de bola-
cha, 13 ditas dr assucar branco, 3 arrobas e 32 libras de
rrot, 29lbras de (odelabo, 8 caadas de vinagre, II
libras desagu', 2 diltele pimentada India, 28 ditas de
tapioca, 1 caada de vlnbo tinto e 8 libras de doce de
goiaba : quem taea gneros tiver que sejam saos e de
melhnr qualidade, e qulxer fornecer, pode comparecer
na sala da directora do mesimi arsenal no dia 5 do cor-
rente mex, trazendo sua proposta com os ltimos piejos
em carta fechada.
= O arsenal de guerra compra 6 ihizlas de tabbas de
louro, i ditas ditas de amarello, 4 ferros largos para .re-
botes, 6 goivas curtas, 2 venlimas de tornear, 2 serr-
les grandes, 8,000 pregos caixaes, 10,000 ditos ripaes, 2
arrobas de arcos de ferro de cabera ebojo de pipa, 2 ar-
robas de ditos arcos para barrs de quinto, 9 arrobas de
ferro da Suecia de 1 1/2 a l/2 pqllegadas, 2 arrobas de
ac grosso, 3 toneladas de carv'o de pedra inglrz, 1 fa-
lla de ferro para coberla de Techadora de perla, 10 du-
zlas de limas sortldas, 1 duzla de ditas uuircas, 2 duiias
de llmaldes, 2 calas com vidros para caixilhns, 2,000 te-
Ibas, 2.000 lijlos de ladrilho, I prca de cabo de mani-
lh de 4 1/2 pollegadas : quem taes gneros se propozer
a vender pode comparecer na sala da directora do mes-
mo arsenal, trazendo sua proposta com seus ltimos
precos em caria fechada, no dia 5 do crreme mes.
e= Pela segunda seccSo do consulado provincial se
faz publico a todos os senhorrs pi enrielarlos de predios
urbanos dos bairros desta cidade, qne do da primeiro
de junho prximo futura se princlpiam a contar os 30
dias para opagamento da respectiva declina do segundo
semestre de 1848 a 49 ; advertindo-se que todos os que
deixarein de pagar rsse prazo, incorrein na mulla de
3 por "i,, sendo executados, com lodos os mais que se
acbareni a dever semestres atrasados.
Recife, em 22 de malo de l849.O escrlvSochefe da
srgunda srecao, Theodoro Machado Freir Pereira da
Silva.
= O escrlvao servindo de administrador da recebedo-
ria de rendas internas grraes, abaixo assignado, avisa
aos donse administradores de escravos do bairro de
S.-Antonio, Recife e Boa-Vista, quedo i. do eorrente
inez | o ultimo be o prazo mareado pelo rrgulanieuto
para as alleraeoes na matricula de escravos, por meio
de declaracoes asslgnadas e justifleadas, assim dos que
tivercui adquirido de mais por nascimento, ou oulro
meio, como dos que deixarein de possuir por alforrla,
norte ou venda,.munidos dos respectivos documentos,
crrlidoes de baptlsmo, ou bito, escriplo de liberdade,
compra, venda, doacSo, etc., e que, lindo o referido
prazd, nio ter mais lugar a eliminacao. Recebedoria,
I.* de Junho de 18-1'J. -Manoel Antonio Simes do Amara!.
O escrivao servindo no impedimento do adminis-
trador da recebedoria de rendas internas geraes abaixo
assignado, avisa a todos 01 devedore s de iinposlos do
banco, seges, carrinhos, barcos do interior, laxa de es-
cravos, segunda dcima de nio mora, perfumarlas, e
modas, etc., dos bairros do Recife, S.-Anlonio, Boa-Vis-
ta, e Afogados, para comparecerem mesma reparti-
coafmde pagarem o que se acharrm a dever do cor-
rente anno Hnanceiro de I84j\a 1849, sb pena de se re-
metter para o julzo os seusofbitos, e proceder-se a co-
branca Juditialmenle.Manoel Antonio SimOes deOliveira.
As malasqjieJLe) de conduziro vapor
tahian/t*pirOa \rVr\OS do sul princi-
. ^e i fechar Imja>(t7rs 9 horas
manliAa, ealslO horas recebem-
se as correspondencias com porte duplo : depois
nao ge recbenlo mais.
-- Cartas segaras existentes no crrelo geral para os
senhorrs Jos Teiacira Campos, Manoel Elias de Mou-
ra. Joo Piulo Lemos Jnior. Silva & Grillo, Domingos
Martina Pontea e Cosme Jos Santo* Calado.
Kalkamann & Irmfios farflo leilflo por in-
terveneflu do corretor Ollveira, porounta e risco de
quem preteucer, e em pregenca do Sr. cnsul de
llxmbuigo do. 2 fardos de pannos, sendo un azues e
oulro zul, trelo e verde, avariados d'agoa salgada ,
a boi po da escuna hamburgueza Calharina, rocen-
iHiuciile aportada a este porto ; e, na mesma occa-
siflo se offerreerfloa venda muitos oulro pannns,
casimiras, rtc., caso baja boa concurrencia de fre-
guezes : boje, 4 do eorrente, s 10 horas da nia-
niifla, no seu armazem ds ra da Crdz.
- Oleilo de touclnho que se annunciou para 31 do
mez passado, fluou|traosferido, por causa da chuva,
para 6 do eorrente as 10 horas da iiiaulia, no niesmo
armasem do finado Uragucz, ao p do arco da Con-
ceifao.
Avisos diversos.
Publicaco lilterari
=3 Acaba de sahlr i luz a Aurora, peridico scienlifico
e Iliterario dos acadmicos de Olinda. Assigna-se ao
Recife, livraria do doutor Coutinlio e em Uliuda, casa
do Sr. Joaquim Ayres de Almeida Freitas.
Hf
avaos maritimos.
Para o Porto
Stbir breve o brigue porluguez Marta-Feliz capi-
ULTIMA REMANA.
Hoje havrr represen(a{5o da companhla, e os pro-
grammas'scro disiribuidos na forma do costume.
Precisa-se arrendar uin engenho de
nsscar, em tima das freguezias do sul.
dest* provincia, preferindo-se o que l
mais perto desta praca: a tratar como
rendeiro do engenho Bello-Montn dafre-
gnezia de N -S -da-liscada, o Sr. Virgi-
nio Barboza da Silv, ou com Cunha &
Amorim, na ra da Cadcia-do-Becife,
n. 5o
= Aluga-ie mu tillo com casa de vivenda, cacimba e
bastantes arvoredosTbo principio da estrada do Arraial,
onde inorou o Sr. Jaeintho Attonso Hotelho: a tratar na
ra do Sol, n. 1.
k> Alugye a casa terrea, com commodos sumclen-
tes. contiPra casa do sobrado do fallecido lirito, no
Alerro-dos-Afogados : trati-se na ra do Sol, n. I.
--Antonio Tavres de Mello cidadflo brasileiro,
retra-se psra a Babia.
Ha mais de sete annos que iuita-
r.vm do abaixo assignado um escravo de
nome Caetano, dogentio de Angola, com
os signaes seguintes : muito alto, cor nao
muito pr'eta, de idade ( quando furlado )
de aa a aC anuos, ps e inSos finas, xom a
marca de ancora de navio no peito, ros-
to nao muit& redondo; tem um cacote
em um dos olhos, o qual he cahir a pal-
pehra para baixo Desconfa se que foi
l'tirtiido por urna pessoa que morn ou
inora na rua da^ Praia : pede seas pepsoas
da polica que ^tiveremn/^ciSr, f|"e o
mandem pegar- e levJ?ld/ao abaixo asig-
nado que pagar toda a despezn ; e qo^-
(]uer pessoa do" povo que o pegar e levaf
a ra da l'raia dj. Sanla-BitB, u, i5, ser-
rara do Cardial, receber 100,000 rs. de
gratificacSo. Advcite-se que o preto
quando furtado era bocal, e por isso tai-
vez ho diga o nome do Sr. : ii serrador.
\ Antonio ias da Silva Cardial.
recisa-sc alugar usaa preta que saiba cozlnbar e
eoe,omniar: quetn tiver aununeie por estafcUta.
Precisa-sc alugar um preto para vender fazendas
na ra com um caixelro : na padaria defronte do vlvei-
rododeftinto Mtinls%n. 43. .._._.
-Preclsa-sedeumtrabalhador de masselra: napa-
darla da ra mrella de Manoel Joaquim .oares. .
-,Um rapaz porluguez que tem.hastanta praiica
de commercio, se olTerece para caixe.ro de bya ou
venda : quem o pretender, d.rtja-se roa Diretta ,
Alga-se o sobriTdo amarello da roa Augusta ,
de dous andares e solo corrhlo .junios ou ePr"-
dos o sitio da estrada do Cordeiro, s propno para
algum negociante estrtngeirO, dous oulros siltoana
campia era da Casa-Forte, edivaa* casai P-
quenas: ludo muito em conta: a tratar na ra no
Amorim, n. 15.
OSr. Joaquim Vielrade Barros oq quem las
vezes flzer, queira annunriarsua morada.
Aluaiani-ae os pritneiroo segundo} sjnd*res do
sobrado ta roa de Agoas-Verdes, que faz esquina
com a travpsaa do Amorim rectificado pintado de
novo, com bastantes commodna, por proco rasoa-
vel : ni roa Nova, n. 7.
O Sr. Joaquim Baptista de Araujoqoeira lUion-
ciar a sua morada para se Ihe fallar a negocio que
he diz respeito ou dirlja-se a ra da Cruz, no Re-
cife, n. 55. i
K L. Lewcrcr, fabricante de relojoana de la
ChatixdefoodsSuissa, fazscltnle aos Sra. reloje-
ros que mtidou a sua residencia par* o llotel-Piator,
na Lingola.
Alugam-se os segundo e terceiro andares do so-
brado da ra do Collegio n. 36, por proco oommo-
do : a tratar na ra do Llvramento, n. 6. segundo
andar.
Manoel C.oncalves Moreira, subdita) porluguei,
relira-se para Portugal.
Domingos Fillppc Ferreira Campos, cldadao porlu-
guez, reiira-se para Portugal.
Precisa-se de um caixeiro para venda: na rsta da
Scnzalla Velha, n. 106. ,
Preelsa-se de un bomcm, para plantar hortalices
em um sitio perto desta praca: sOspde servir um ho-
inem dlposlo a trabalbar, porque o terreno he extenso :
um Porluguez das Ihas ser preferido: se achara com
quem tratar, na venda do Sr. Fonles. ra da Cadeia. Jun-
to do ( orpo-Sanlo. na terca fcira, da 11 horas da ma-
nba aleas duas da Urde.
--Na padaria de S.-Amaro ^ precisa-se de um
airassdor que v com um prelo entregar pOo aa
freguezias.
Precisa-sede urna ama secca : na ra do B.a-
gel, n. 25.
--OSr. Jos de Almeida Martina Costa tem urna
caria em casa de Novaes & C. nn ra da Trapiche,
II. 31.
Precisa-se de um caixeiro que tome oonta de
urna venda por bataneo o qual de fiador a sua cotir
conducta': paga-se bom ordenado, ou d-ae ioteresse
nos gaubos : na ra do Itangel, n. 5.
Precisa-se de um menino de 10a 1* annos para
caixeiro devena o qual dfi conhecimelto de sua
conduela : em Fra de-l'ortas, n. 1*1.
O Sr. Manoel Caetano da Silva que tem gado no
engenho Cumotengue da freguezi da Una appa-
reca na rna do 1.1vrmutilo, n. 26, que so Ihe deseja
fallar a negocio que Ihe diz respeilo.
Lotera do Iheatro publico.
No dia 19 do eorrente, andam infallivelmenle as
rodas desta lotera. Quem em lempo se quizer pre-
venir de bilheles deve-o fazer quanto antes, pois que
eslesvSo dotapparecendo. He mullo bom aproveitar
as sortea de S.-Jouo.
- O Sr. Kav'mundo Nonato Chilque queira dirigtr-
se ra do Queimado, n. 16, a concluir aquelle ne-
gocio que Smc. bem sabe.
- Urna pessoa com ptima Ictlr e conhecimentos
forenses so offerece para escrever em algum car-
torio ou para qualquer arrumadlo a qual d co-
nhecimenlo a sua conducta : quem de seu presumo
se quizer ulilisar annuncie.
Jacob, pardo, de 18 annos, seccodo corpo e es-
pigado ; tem faka de um dente na frente, e um pe-
queo tallio na macl do rosto ; tem caball0SJstira-
dos, e o mais visivel signsl be ter as costas a marca
de ui..vustico ; fugio ein dezembro de 18t7;julga-
se estar para o lugar do Pindobtnha aonde tem oo-
nliecimeutos: quem o pegar leve-o ra Nove, n.
16, a Jos Luiz Pereira, que gratificar.
a Na ra da Cadeia, u. 52, precisa-se alugar una es-
cravo por mez, para servif o de campo.
ANNUNC10.
Sendo que apparecem multas pessas que da^ recados
ao abaixo assignado, para ter mais coatetaplacao em ot
servir melhor do que ella fax, visto ellet dizerem ser
freguezes de mullos annos jira, como uccede que os
laes compradores nem sequr apparecain umavezpor
semana, o mcsigo para evitar esta contemnlacao, dar
lodosos dias a quem o exigir um bilbetlnlio da carne
que val, com o precio e datadlo iiiez.Joo'o ubois.
ltoga-se encarecidamente ao Sr. Maooel Rodri-
gues Nogueira Lima de apparecer na ra das Cru-
zes, n. 12, negocio que nao ignora, pois ja fzem
5 annos, e o dito Sr. nada de dar cumprimenlo a sua
palavra, o que se espera no prazo de 6 dias ; do con-
trario se publicar pelas folhas qual O negocio o
ao depois no se chame a ignorancia.
Cltegou pelo vapor lmperqtriz no-
vo sortitricnto de queijosdequaib, feitos
na provincia do Cear, muito frescaes :
na ra dd Cruz, armazem n 33, de Sa.
Araujo.
Padeiro.
Precia-se de um rapas estrangtlro que salba tra-
balliarem padaria, eque seja rornelro : quem cstlver
nestas circumstancias e pretender io para Macelo, po-
de diiigir-se ra da Madre dc-Deos, o. 3, terceiro an-
dar. ,
__ O Dr. Lobo Hoscoso continua re-
ceber doentes em sua casa, no Aterro-
da-Ba-Vista, h. 48, onde ha commodos
sullicientes, nao s para se trataren de
suas enlcrmiddes, como para se Ibes afc-
zer qualquer opeci^o pessoa*, jo'~
tanto, que se qjuizerem curar ou mandar
algum escryfnft pdein dirigir-se eoan-
uiinciante/ein dita casa, certas de que se-
tratajfos com todo o desvelo.
ssoa que quizer fazer
DoVh' negocio com a meia?Ao da casa sita na
rut da S.-Crui, que vofla para a rus da *.
iuntamenle com duas parles do terreno de n pal-
mos junto a mesma casa no qual existe um gran-
de telheiro: v a travssa da Concordia, sobrado
n.5.

i1 '
i
5 I
Ci
%

m

MUTILADO


Sfcava;
r

; I '
: i
i
I
i <
i' i

>
i>

t

H
l)
t
Engomma se o Inva-se, tar.lo de ssbfio como d e
varrolla : lude om muita perfeicflo, [ 'estez e por
prcco mais cn.nmodr do que em outra .juslquer par-
te : na ra de Agois-Verdes, n. 26.
Jos Josqum Lopes do Almeida, tendo r pa-
ra a ei.lude do Porto, niln tendo lempo de despedir-
se de seus amigse collegas do cstudo, o faz pelo
presente annuncio, oi'orecendo a todos o KJ dimi-
nuto prestio naquella cidade. I
Joaquim Francisco Paredes retira-se para frs
do imperio a tratar de sua saude.
Lava-se e engomma-se com assio e prompti-
dflo : na ra da Roda, n. 26.
JoSo Antonio Carpinteiro da Silra tendo de
retirar-se paraa Europa a tratar de sua sade, ro-
ga a todos os seus devedores para que' hajam da Ihe
pagar do prazo de 15 dias; bem como as pessoas
que tiwrcm penhorea em seu poder, os queiram ir
tirar no mencionado prazo ; do contrario, os Vende-
r para seu pagamento visto ter tantas vezes teito
sciente a estas pessoas, e ellas nSo tererh appare-
cido e nfio dextjando que fique em poder de seus
procuradores para as executar, pois est certo que
nfio ser preciso chegar a este ponto.
Na ra do Queimado, W: 14, segundo andar se
dir quera d dinheiro a premio. Na mesma casa vcn-
dem-se dous relogios de ouro urna crrante, an-
neldes, brincos, medalhas, rosetas, dous hbitos,
um resplandor e nutras obras, urna colcha da India;
urna bandeira nacional c dous gallicteiros : bem
como comprain-se dous negros e urna negra.
"-- Precisa-se de urna ama de leile, forra, ou escra-
va, com tanto que nfio tenha filhos : tambom preci-
aa-se de urna criada portuguesa, para administrar o
interior de nina casa onde ha um bom numero de
escravns, em um engatillo distante desta cidade :
na praca doCommercio, n 2, primoiro andar.
-- O Sr. Tiiomaz da Cuuha Lima Canluana da ci-
dade de Olinda, queira apparecer na ra do Cabu-
g, toja do Valentn) do Valle Lobo.
Precisa-se de um feitor para um engenho o
qual lenha conhecitnento do servico e d liador a
sua conducta preferindo-se Kuropeu, o qual nSo
precisa dar fiador : no Aterro-da-Uua-Vista, n. 36,
das 6 s 8 horas da mandila, e das 3 s 6 da tarde.
Precisa-so de umeaiseiro para venda, de 12 a
14 annos o qual afiance sua conducta: no Aterro-
da-Bo-t-Vista, n. 20.
Oabaixo assignado, gorenle da casa do Sr. "lia-
noel Joaquim GoDQalves e Silva vendo um annun-
cio do Sr. coronel Gaspar de Menezes Vasconcellos
de Drumond, inserto no Diario de 26 dn prximo
pisando em o qual declara que s pagar os dbi-
tos conlrahidos por elle al o anno de 1842, visto
que prnstriornienle todo o costeio de seus estabt.le-
cimentos fram fe i losa dinheiro de contado, lem
a declarar ao mesmoSr. que existe urna conta de
72,420 rs. contrahida em 1846 por um pedido que
verbalmente foz naquelle anno, quanJo o Sr. Silva
esteve em seu engenlio, e outra vez por seu filho, o
Sr. I)r. Gaspar de Menezes VasconcelldS de Drumond.
Sent o abaixo assignado que tenba havido este en-
gao da parte do Sr. coronel o quo sa v obrigado
a desfazer. Joe de Mello de Albuquerque tionte-Nt
gro.
--Jos de Mello de Albuquerque Monte-Negro ro-
ga encarecidamente ao Sr. Ur. Gispar de Menezes
Vasconcellos de Drumond que Ihe va fallar a ne-
gocio que S. S. nlo ignora.
Precisa-se de utna ama para urna casa de pou-
ca familia, a qual saiba engommar e cozinhar: lam-
bem se precisa de um preto para o servico da mes-
ma casa : ns ra das Cruzes, n. 18, tereciro andar.
A pessoa que quer comprar urna escrava, anda
sendo de meia idade, mas de boa conducta, dirja-
se ra do Collegio, n. 15, segundo andar.
Oabaixo assignado avisa ao respeitavel publi-
co que ninguem faca trato algum com sua iniilher ,
Mariana Antonia Cocharra, nom com seu filho Mar-
cellenino francisco das Chagas, sobre urna morada
de casa sita narua de Agoas-Verdes, n. 44, que he
de propriedade do annuncianle, que protesta anul-
lr lodo e qualquer Irato que a tal respeito se llzer
sem consenlimenlo do annuncianle. A rogo de
Francisco dasChagasdo Freitas Jo&o Joti de 7as-
c ncellot Souza. '
OSr. Marcos"Evangelista Corris dmja-se ra
do Crespo, n. 11, a tralir sobre negocio que Ihe m
teressa.
I), llosa de Jess Mendes retira-se para a Euro-
pa com o seu filho menor Jo3o, a tratar de sua sade.
Precisa-so de um feitor para trabalhar em um
sitio: na ra do Caldeireiro, venda do Molla, se
dir quem precisa
FUNDICMO DEFEK.KO
E FABRICA DE MAC||TNaS NA RUA DO BRUM.
llowman & Me. Callum,engenheiros wachinislis e
fundidores de ferro, mu respetosamente annunciam
nos Senhores proprielarios de cngenhos,fa7.enderos,
mineiros, negociantes, fabricantes eso respeitavel
publico, quo o seu eslabeleciment de ferro movido
por machina de vapor contina em efieclivo exer-
ii'io.e seacha completamente montad!) com appare-
lliosda nrimeira qualidade para a perl'eita confcccflu
das inaores pecas de machinismo.
Habilitados para emprehender quaesquer obras da
sua arte, owman & Me. Callum desejam mais par-
ticularmente chamar a alienlo publica para as se-
guintes.porterem dellas grandesorlimento j promp-
le, as quaes construidas na sua fabrica pitetn com-
petir com as fabricadas em paiz estrangeiro, tanto
era prcco como em qualidade das malerius primas c
miio d'obra, a saber:
Machinas de vapor da melhor construccSo.
Moendas decanna para engenhos de lodos .os ta-
maitos, movidas a vapor por agoa ou animaes.
Rodas d'agoa, moinlios de vento e serraras.
Manejos independcnles para cavallos.
Rodas dentadas.
Agnillioes, bronzesechumaceiras.
Cavilhoes e parausos de todos os tamaitos.
Taixas, pares, crivos e boceas de fornalha.
Moinhos de mandioca, movidos a inflo ou por ani-
nrs, e prenTUrir^l/Adls.
Chapas de logfio frnos -i farinha.
Canos de ferro, torniras de ferro e do bronze.
Bombas para cacimba e de copucho, movidas a
uiflo, por animaes ou vento.
Guindastes, guinchse macacos. /
Prensas hydrsulioas e de parafuso.
I-'erragens para navios, carros e obras publicas.
Columnas, varandas, grades e portees.
Prensas de copiar cartas e de sellar. ^
Camas, carros de mao e arados de ferros, &c, &c.
Alem da superioriade das suas obras, j geralmen-
te recoitliecida, Bowman & Me. Callum garantem a
mais exacta conformidad* com os moldes e dezenhos
remettldos pelos Senhores que se dignarem de fizer-
Ihes encommendas, aproveitando a occasiSo para
agradecer aos seus numerosos amigse freguezes
\
a preferencia com que team sido por ellos honrados.e
assegur n-lhes que qSo pouparo esforcos e dili-
gencias para continuarem a merecer a sua confi-
anca.
Retratos deDegarreotvpo.
G. F. Waltter tira retratos de deearreotypo, tanto
em das de CIH'VAcomo deso, n Mancando que os
mestnos retratos nunca desmerecern. Os preten-
|denles dirijam-se ra da Cadeia de S. Antonio, n.
26, terceiro andar.
Preciaa-ae de urna ama de lelte que o tenha bom e
bastante, que aaiba tratar e elar de urna crianza e que
arja forra, sem molestia e achaques : a tratar a qualquer
hora do da, na ra larga do Rozarlo, n. 28, por cima do
artnazeiii de louca.
Desencaminhou-se, do porto da ra ra Nova,
ateo Monteiro, um trouxa de roupa que ia para se
lavar sendo a maior parte della marcada com as
leltras A. J. S. A. : quem della suuber d parle na
na do Queitriado, n. 32, que ser recompensado.
D-se po de vendagem a pretss, cora respon-
sabilidadede seus senhores: na ra Direita, pada-
ri n. 26.
Aluga-se urna loja comirmicSo para qualquer
negocio, na ra Direita, n. 68: a tratar no segundo
andar por cima da mesma loja.
= Quem precisar de utnn ama para o servico de por-
tas a dentro, dirlja-se Btrs do quartcl da polica, casa
da esquina, n. 10.
-- l'rccisa-se alugar utna escrava que salba czinhar e
engommar para casa de pouca familia: diiija-ie a ra
do Amoriin, n. 50.
f Ur. Muller mudou-se (la csa n
38 da ra da Cruz para de n. i5 da
mesma rua, segundo andar, aun Je as pes-
soas que desejam consuita-lo o acharo
lodos os dias cm casa, das io horas da
manhaa at o nieio-di..
= Em um engenho distante desta pra^a tres legnas,
preciaa-se de um homeiu de inela idade e de boa con-
ducta que entenda de horta, para tratar de urna de pou-
co t((il).illio : quem esliver nestas circunutancias, dlrl-
ja-se-,a roa de Apollo, n. 24, a tratar deste arranjo.
U padre Francisco JoSo de Azevc*
do participa aos pas de seus alumnos que
inudou o seu domicilio da ra lirga do
lozai io para o segundo sobrado do caes
do Ramos, aonde contina a ensinar,
alem de primeiras Icttras, os preparato-
rios Ijtim, francez e geometria ; e tendo
a casa para onde se passou sufcientes com-
modos, o lie i ecc tambem a quem convier
0 seu zelo e esloreos tendentes ao bom
tratamento e progresso dos alumnos in-
ternos que frem confiados sua direccSo.
= O bacharel ChristovSo Xavier Lopes advog.i, nesla
cidade, tanto no clvel como no crime : aa pessoas que
do eu prestiino se quierein utilisar, o podero procu-
rar na ra da Aurora, n. 4.
= Furtaram do armazem da ra da Praia n. 15, no dia
27 do correte pelai cinco horas da tarde, a nuanlla de
1 237,000 rs. a saber : 777,000 ra em le liras e 400,000 rs.
em cdulas, a saber : urna de200,000 ri., cor verde ; ou-
tra da inclina quantia, de cor branca; urna de 20,000 rs.;
urna de 10,000 rs.; as mais de 5,000 rs. e tres mil ris em
mullas: as ditas lettras cima mencionadas j frain
ach idas em mao de um crioulo forro, dizendo o d.lo
crioulo que as liaba achado : declara-se a quem desco-
brir dita quantia de 460/ rs. receber a metadr, cuja
Suanii i pertence ao abaixo assignado.Mano*/ Joaoaim de
ou:n Ramos.
--Nodia 26 do corrente, appareceu no engenho
Pinto, fteguezia da S.-Amaro-Jabpaliio, de proprie-
dade do abaixo assigado, psocurando ser compra-
do, um prelo que diz chainar-se Jos, e ser escravo
doSr. Joaquim Candido lavrador do engenho Mat-
to-GrossO ne r beira de Una : seu senhor vetilla re-
cebe-lo ou negoca-lo sendo que o queira vender,
(cando certo de que o abaixo assignado nflo so res-
ponsabilisa pela fuga do mesmo escravo. Joe Fer-
nando da Cru*.
= Desappareceu da casa da viuva da tenente-coro-
ni I Jos da Costa Rebello Reg Monteiro um livro com
o titulodiario u. d: eate livro que a ninguem aerve
de utilidade fas grande falta a dita casa ; e por laso ro-
ga-se a qualquer pessoa a quem tenha sido ofierecido
ou o comprasse para einbrulhos, o leve a mesuia viuva
na ra do Collegio, n. 5, que ser generosamente re-
compensada.
= liao-se cen mil ri. a premio, sobre penhores de
ouroou prata : na ra Direita, n. 76, se dir quem tein
= Quem precisar de urna ama para casa de homein
solleiro, dirja-se a travesa de S.-Pedro, no primeiro
andar do sobrado n. 10,que fai esquina com arua do
Fogo. I
O Sr. acadmico
Fernando Candido de Alviar queira dirigir-se rus
da Madre-de-Deos n. 3, terceiro andar, para se
Ihe entregar urna carta de importancia vinda do
llaranliflo.
^
Compras.
Compra-se um moleque de U a IG annos ; urna
negrinha ou pardinha da mesma idade : no becco
do Sarapatel sobrado n. 12.
Cuiiipram-sc escravos mocos e que lenham
ofilclos menos de alfaiate : na praca do Commercio,
armazem n. 4.
Compra-so urna moblia de Jacaranda, com pou-
couso: quem tiver annuncie.
Compra-se urna canoa de carreira, que seja pe-
quena : na ra das Larangeiras, n. 18.
Vendas.
Sorte gratule de 0:000,^000.
Praca da independencia, n. 57.
Bilhetes, tB,eios, quartoa-,' avos e vigsimos da
loieria do Ilio-defaneiro chegadosno ultimo va-
por. Na mesma can se mostram as listas das lote-
aras passadas. S w
- Na ra das/^ruzes, n. 22, segundo andar ven-
dem-sei escravos, sendo: dous molecotes de 18
annos de boas figuras ; urna preta de TrcBo pti-
ma quitandeira e que cozinha e lava; um preto de
tnoia idade ptimo para todo o servico.
Do serto
chegaram varios escravos para pagamento, e achani-
si a venda sendo um ptimo pardo moco e de bo-
nita figura ; um dito dito ; e 3 lindos crioulos : lo-
dos pecas : na ra doQueimado, n. 27, se dir quelh
os tem
Na Iravessa da Madre-de-Deos, armazem n. 9,
vendem-se quartolas com vinho de Bordeau mul-
to superior; bexigas com banha de porco, muito boa
para cabello e botica ,e tambem em barris e meios
ditos ; bem comograxa cm barricas, ltimamente
rhegada e mu i los outros gneros : a tratar oom
Joflo TaVares Cordeiro, Ou com Joaquim Pinheiro Ja-
come.
Vende-e urna preta de 1* annos, que ssbe en-
gommar, cozinhar o diario de urna casa a lavar de
varrella: na ra da ordem lerceira lo S.-Francis-
co, n. 6.
Admiraveis navalhas para barba.'
Acaba de chegar pelo navio Columbus um comple-
to sortimento de navalhas fabricadas por J. Itright
& C. em Sheflleld. Kscusado ser tecer elogio a estes
fabricantes : pois que O vendedor, fiado em sua boa
qualidade, facilita aos compradores o leva-ras a con-
tento. Vendem-se nicamente na ra do Queima-
do, loja de miudezas, n.16, de Jos Dias SimOesft
Compaiihia.
Vende-se setim cor de roza, a 500 rs. o covado;
meias compridas eescuras para meninos e meninas,
a 120 rs. o par: na pracinba do l.ivramento, loja n. SI
Vende-se a taberna doManguinho que tem a
calcada alta, bem afreguezada para a praca e mallo:
a tratar na ra Nova, n. 63, que todo o negocio se
far.
Vende-se um preto de nacSo de muito boa fi-
gura e muito robusto, e que he trabalhador de cam-
po : no Aterro-da-lioa-VisU, n. 36, segundo an lar.
Vende-se urna parte de trras na cacimba do
Jalhob riachoda Volts, cabeceiro de Pajah : na
ra do Trapiche-Novo, n. H, primgro andar.
Lotera doflio-de-Janeiro.
Aos 20:000,000 de ris.
Na praca da Independencia loja n 4, chegou no-
vo sortimento de bilhetes e cautelas da muito acre-
ditada lotera da corte. A ellos antes que se acabem.
Vendem-se chitas com algum mofo, propiiaa
para escravos, a 5,6,7,8 e 9 vmiens, e finas muito
bonitas por mais preco j lindas grossss de novelo,
com algum sujo a 160 rs. urna quarla ; luvas finas
de pellica, a 500 rs.; lencinhos de fil de liuho, pro
priospara meninas, a 400rs.; ditos de camhraia ,
com bonitas palmas, a 400 rs.; ditos de toquim,
com franjas, a 640 rs. ; na rus do Passeio, loja n. 17.
Vende-se o testamento da gallinha dito do gal-
lo dito do cachorro Mr Bolle: ludo por preco
commodo : na praca da Independencia n. 11.
Vende-sooma preta da Costa, moca, sadia e
sem deleito algum : vende-se smente porque nllo
quer estar aonde existe.
Vende-se um sscravo de bonita figura, sem
vicios iieni achaques *o motivo por que se vende'he
por no querer ir para engenho : os pretendontes
dirijam-se ao quartel de polica, onde est recolhi-
do, ou a casa de seu senhor, o coronel Joaquim Jo-
s l.uiz de Souza, na iravessa da Concordia.
Cheguem, freguezes, antes
que se acabe. #
Anda restam algumas pecas de ptimos rucados
monstros de vara de largura a 300 rs. o covado pa-
ra liquidaco; tambem se vendem outros mais es-
treitos, a 200 e 250 rs.; riscadinhos francezes os
mais lindos padres que se teem visto ; chitas, a 160
rs. ; chales de 1.1a de cores escuras, a 560 ra.; ditos
melhores, a 1,280 rs.; rscados de ls, para vesti-
do, a 220 rs., para se acabarc luvas compridas de
seda, a 1,000 rs. o par; mantas de seda, 8,000 rs.;
fazenda para calcas, a 220, 240, 260 e 320 rs. o co-
vado, o para jaquetas, a ICO e 200 rs. para fechar
conlas : na ra Nova, defronte da ConceicSo dos
militares loja de Tinoco & Bocha.
LUVAS:
No Recife, na ra da Gula, n. 36, primeiro andar, ven-
dem-se por groiso, ou niiiidn e por preco ceimnodo,
luvas de pelica branca para homens e aenhoras e pora
baile, inulto finas, e de muito boa qualidade, vindas de
Lisboa pelo brigue Cuncixca'o-di-Uaria: ussegura-s* a
duracao, e seguranca de ponto, podendo calcar-ae sem
susto: pdem ver-sc ate* s 8 doras da mandas, e das 5
l|2 horas da tarde cm diante.
Chitas boase baratas.
Na ruado Livramento, n. i4, acaba de chegar um rico
sor lmenlo de chitas escuras que ae venden) pelo dimi-
nuto prefo de nove vileos o covado, epecasa6400; cortes
de cambraias prelas para luto; lencos de seda; a 1280 ma-
dapo'ocs de jardas, uiuio linos: os preco destaa falca-
das fazein comprar a quemloo tem vontade:do-seas pe-
tas para amostra com prnhor.
BEJOIM.
Vendem-se bolas de superior beijoim, chega-
das do serillo : na praca da Independencia livraria
ns. 6 e 8.
Bom e barato.
Na rus do Queimado, viudo do Rozario, segunda
loja, n. 18, vendem-se pecas de panninho com 10
varas a 2,000 rs.; cortes de calcas de brim de li-
ndo trsncado pardo e de listras.a 900 rs.
Vendem-se 30accoesda companhia de Beben-
be : na ra Nova, n. 24.
-r Vende-se um moleque de 18 a 19 annos, de ns-
cfloUss de bonita figura e que he bom coziubei-
ro : na rus da Cruz, n. 3.
Ceblas
pm meilhos e contadas aos centos : vendem-se no ar-
mazem n. 31, ao lado da slfandega de Joaquim F-
lix da Boza.
Vende-se urna prels moca, de bonita figura ,
cozinheira, costurelra-engommadeia e vendedeira
de ra ; um pardo moco, de boa 'conduela que en-
tende do servico decampo he carreiro e proprio
para pagem, ou bolieiro; um moleque de 12 annos,
proprio para qualqoer ollloio : na ra larga do Boza-
rio, n. 35.. Vende-se superior vinho madeira
branco : na ra dn Cruz, n. 9, em casa
de Oliveira Irmaos & Companhia.
Vende-se urna cama de angico quasi nova, com
o lastro de palhinha, por 45,000 rs., ou Iroca-se por
outra de ferro : na Camboa-do-Carmo, n. 10, pri-
meiro andar.
|. Vende-se urna preta crioula de 18 a 20 an-
nos ; um preto do 30 a 35 annos : aa ra do Queima-
do, n. 35, loja de miudezas.
= Vende-se no pateo do Terco, venda n. 7, um mo-
leque de bonita figura, de fdade de 18 annos, em vi-
rios, proprio para pagem ou para outro qualquer ser-
vico. w
Vende-se algodo trancado da fa-
brica de Todos-os-Santos a 370 e a 3oo
rs. a vara : na ra da Cadeia, a 5a.
Vende-se o sitio denominado Paraizo na po-
poacfto dos Afogados, com casa de vi venda arvo-
redos de fructo, ptimo terreno dovoluto para qual-
quer plautacSo aasim como para tres grandes vi
veiros com muito pouco trabalho, com porto franl I1
co no fundo para embarque e desembarque |>,
nhono rio .almde oulrss commodiades tem ca" I
pacidade para qualquer estaboleeimeat : ni ro d Vi
Rangel.n. 37. V.
-- Na ra Nova n. 12, vendem-se chitas de toda, 1 Ki
cOres, pelo barato prcco de i20 ra. o covado. M
Vendem-se cinco pesos de duas arrobas cada nrn a
1,920 rs. a arroba; e um caratlo em hoai'Carnei 'Jt
ra do Rangel, n. 21. ,
Vendem-se na ra larga doRoiarlo,n.KJ,loJa> roln M
dezas, 130 couros de cabra, aeramelos de foTi.'etri, I
libras de penna da enia, por pre;o commodo. 11
NM)OI.\Ra
0 AOJA
DE> PORTAS >
Nesla loja vende-se panno fino preto o de co-
res, a 3,000, 3,500 e 4,000 rs.; alpaca fias,
muito lustrosa, a 800 e 1,000 rs.; leos da
seda, a 1,000 e 1,280 rs. ; riscado monstro, a
^10 e 260 rs.; e outias mullas fazeodas ba-
ratas para fechar coalas.
Vendem-se dous faqueiros de prata. obra do
Porto, do ultimo posto e primorosamente acatados,
por preco commodo: na ra do Vigaro, n. 83, se-
gundo andar.
Vende-se urna preta,de meia idade, ten vicios
nem achaques que he solTrivel cozinheira, docein
o lavadelra : na ra do Queimado, n. 30, segundo
andar. .
Vende-se um quarto grande que serve para cir-
ro : ni ra do Bom-Jesus, O. 6.
Chocolate amargo de mus^o
islndico, ou thesouro do p< i-
to, preparado por 11 r. I. G, C.
A tossa, esta doenca tilo commum quandodesaui-
dada tilo graves silo suas consequencias quaalo pa-
rece ligeira em seu principio IBo matadora por si
s como todas as outras doencas que consometn i
especio humana n.lo tinha para combale-la e des-
tru-la um medicamento especial e utiieo. rodil ai
pastilhasexaropesque teem apparecido al hoja,
teem sido impotentes.
Nflo tem acontecido istocbm o chocolale de min-
go. O principio que forma a sua base principal ofTs-
rece propriedades incontcstaveis e reconhecidas de-
pois de muito lempo, e ninguem ignora os relices re-
sultados da sua applicacfio em todas as phleugnia-
sis8 agudas ou chronicas do pulmao atfeccoesdo
peilo, phlysica, defiuxos, toces, ele. pira dar loan
ao estomago, abrir a vontade de comer, conservir
as gengivas eo bomalito, mataras lotnbrigis. prin-
cipalmente as enancas. Veadfaae unicaiwile na
ra do Queimado, n. 17.
Escravos Fgidos
I I !- 1 I I I I
Bella gralificacao.
2>0^000 ris.
Em fevereiro de 1840, fugiram juntos dous escri-
vos, com os lignaes seguintea: Jos, pardo, uiu-
ral do engenho l'racinha termo do Porto-Calvo,
cabellos bem canpinhidos naquella data trria SO
annos ; lie t.lo gago quando falla que at apar-
ta os olhos, secco do corpo, altura regular, ar agr-
davel: Joaquim, cabra natural de Maco do Ass
tem ss ps largas, pernss um tanto arqueadas, den-
tes limados, bastante alegre ; quando fugio-terii i
innos e nfio tinha barba : qualquer pessoa que os
apresentar na ra do Trapiche, a. 44, receber i
gratiflcacSo cima.
200,000 rs.
D-se esta quintil de gratillcacfio a quem levar io
engenho Agois-Clins, de Uruc da viuva do Bur-
gos, ou nesla praca, no pateo do Cirmo, n." ft,
gundo andar, a Antonio Carlos l'ei eir de Hurgoi
Cotice de l.eon, os dous escravos seguidles, que fu-
giram nos dias ssbbido pira domingo, 26 a 27 do
correte : Vicente, pardo de 26 annos, do altuu
regular cabellos crescidos e carapinbados lesJi
sobresabida olhos pequeos, nariz chato, lomado
de tabaco de caco rosto descarnado e com espj- ,
nhas sem nenhuma barba ; levou urna camisa a t
ceroulas do algodSo da Ierra una'camisa do madi-
polfio, uma calca de casimirs usada, urna jsquela di
liretajia, um bonete de velludo azul ja usado un
chapee de pal ha, um dito de pello preto : Joaquim
crioulo, bastante preto, de38 annos, alto, secco
cara pequea, bem barbado ; lem o coslutne de le-
var a mfioa barba; he gago; andar compassado;
foi escravo do capitilo Leandro Bandjira de loun ,
do Apody, para onde presume-se terem psttido,
com quaulo o primeiro andassesempre eni vigens
dos sertOes do sul ao poenle, com os cobradores del-
ta casa : este ultimo escravo levou um chapeo preto
da pello edutro de couro duas jaquetas brincas,
uma calca de brim pardo, um dita de riscado, wna
camisa de madapolfio, duas ditas de ilgodfo di tr-
ra e ceroulis. Roga-se a vigilancia nestes don es-
cravos que vindo com muita brevidade, rao g'-
tilicados anida com mais Jo que se ofTerece.
Fugio, hi dias, uma preta da Costa, de nome
Roza, de altura regular, rosto comprido, beico
grossos; tem urna costura em um pe e um dedo
do.mesmo ruido; levou camisa de a-lgodflozinbu,
saia de ganga azul desbolada e panno da Costa um-
bem desbotado. Iloga-se as autoridades policiaes,
oapilfies de campo -r- OOtn qualquer pessoa, flue
appretinu.laiii elevem-aa ra do Pires, a. 7,qu(
seraogenerosamenle recompanaados.
fugio, de bordo do brigue Argot, no dia 7 di
oulubro do anno passado, o escravo maaJHaWro, i*
nome Jos de nacio Cabinda, a llura regular, clieio
do corpo ; reprssenta ler vinte-e tantos innos | le"1
o rosto redondo, sem barba, olhos grandes; !>
pertencente ao lllm. Sr. commendailor Joflo Biptis-
la da Silva I'ereira de Porto Alegre. Recoojmein)-
se s sua apprchensao e quem o descubrir ou levar
a rus da Cadeia. n. 39 em casa de Amoriin.Iriiioi,
receber con mil rs. de gralilicacao, ou mais algum
eousa conforme a distancia, ou as despetas que so
possam fazer, uma ves que so, reconheca ser ~{
roprio.
PBH^, ; NA TIP. DE M. r. DK FAJHA-r>I^4:]

^
MUTILADO a


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E74LEAD7J_X71PH9 INGEST_TIME 2013-04-24T20:00:46Z PACKAGE AA00011611_06606
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES