Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06576


This item is only available as the following downloads:


Full Text
N
INNI XXXIII N. 172
Por 3 mezes adiantados A$000.
Por 3 mezes vencidos 4 QUITA FEIRA 50 DE JILIIO DE 18^7
Por auno adianlado lSOOO.
Poi'te franco para o subscriptor.
KNCARREAIHIS DA Sl'BSCRlPCAO DO OR.K.
Pinhibi, o 8r. Joo Kcdolpho Gomes ; Natal, o Sr. Joaquina
i-Perein Jnior ; Araeaty, o Sr. A. de LeiDOi Braga; Ce-
ra', o Sr. J. Jos de Olivein ; Miraoboo, o Sr. Joaquim Mar-
qMS Rodrigue ; Piauhy o Sr. Jos* Joaquim Avelino ; Pi-
ra, o Sr. Juitino J. Rimo* I Amaionaa, o Sr. Jeronymo da
Cou.
PARTIDA DOS CORREIOS.
Olind : lotes 01 dias, i9' tnria horas .lo dia.
tanraiea*, Goiunec PuahU: n iaguaJai a -<-si.is-r.-iras.
b. Ambo,anerra*. liouiu. Careara, Ahinho c Geraabaas: na terca-fetri.
S. Luun-nt.i, Pao il'Aiho, Naiarcth, Lim...-lio, lira*. Pa*|MtH, lauuadra.
Flore, VilU-Hella, Itoa-Vtjla, Oaricarj En1, mu.|ii.ri.-i,.,,.
_ Cabo,Ipojuca,S-tinliiem, liin Fcjnaoao, Ca, Barreiroa, Agua-Prcia, Pi-
irnleiase Natal S quiuas-friras.
.Teilo. us carreiua parlen as III horas da manlia.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do comroereio : seguadis a quintal.
Relacao : tercas reirs e sabbados.
Fazenda : quaras e ubbados as 10 horas.
Juizo do commercio : segundas as 10 horas e quintal ao meio dia.
Juizo de orplioi : segundas e quintas as 10 horas.
Primeira Tara do eivel : segundas eaeitasao mel dia.
Segunda Tara do clvel ; uarlas a sabbados ao meio dia.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
7 Lu cheia as 4 horas e 21 minutos da manhaa.
1* Quarto minguante as 10 horas e 87 minutos da manhaa.
21 La OOTI as 3 horas e 53 minutos da manhaa.
28 Quarto cresceote as 8 horas e 85 minuto da Urde.
PREAMAR DE MOJE.
Primeira is 10 horas e 84 minutos da manhaa.
Secunda as 11 horas e 18 minutos da larde.
DAS DA SEMANA.
27 Segunda. S. Pan talen o Medico.
28 Terca. S. Innoccncio p. : s. Nazario e Oleo Mm.
29 Ouarta S Marta v, ; s. Beatriz e Flora Mu.
30 Quinta. S. Donalila ; s. Rufino tn.
31 Sezta, 9. Ignacio de Loyoli fundador dos jesutas
1 Sbado. S. F Espranos e Caridade.
2 Domingo. 9. N. Senhora dos Anjos.
ENCARREGADOS DA SUBSCRICAO NO 8CL
Alagoas, o Sr. Claudino Falcan Dias ; ijauia, o Sr. D. Duai
Rio de Janeiro, o Sr. Joao Pereira Martini.
EM PERNAMBUCO.
O proprietario do DIARIO Manoel Figueiroa de Farit di sue
livraria, praea da Independencia n. 6 e 8.
EIT3RIR.
CORRESPONDENCIAS DO DIARIO DE PER-
NAMBUCO.
HAMBURUO
30 de junhu de 1857.
A dossi lilil* de vapores baroborgo-bratileira
n.lo he favorecida pela fortuna.
O vapor Teuloma, qoe aqu devia 1er cliegado
de volLi no principio do correnle, so chegoo em
Soulhamplon no da -1~, por haver qnebrado o pa-
r.iu.o Por esse motivo nji foi possivel eipedi-ln
laqui para o Brasil no dia 20, e achaodo-se o mes-
mo navio eom aratia na doka de Soetharoplon,
direccAo dos vapores decidio-se a frelar o vapor
eCalculla, que deve partir de Soulhamplon em i
dt jaldo. Como o vapor inglez purlador da preten-
te partir' s poucoa das mais tarde, eu me decidi
isetever por essa ultima va.
lia prjxtco de novo a eommunicar que eja de
inleresse maior, o que lenha a
, era o noiso a.grado dever de exigir por di e para
os nossos soceessores.
" Eiprimindo a sosia gralidlo a tofos aquellos
que n,lo cessaram de nos tesltmundar o seu amor,
adhesAo e fidelidad, nos os recommendamos, assim
como todo o paiz, .i bnelo do Omnipotente, ua fir-
me convierto de que a imparcial posteridade reco-
nhecer os beneficios qoe o principado da Neufcha-
lel agradece aos seos toberauoi da real casa prns-
siana.
' Dado em M mondad, a III de jutilio de 1837.
.Frederico t.ailherrne.
V separarlo do principado de Neufcbalel da coroa
prussiana he pois um relo con.ummado.
Fallare! agora da queslAo rlleraAa-dinamnrqurza.
canlo escrevi a minha ullima, a opinilo geral era
que ptla ola do gabinete dinamarquez de 13 de
maio, loda tirgociaco detla que-lo (icaria adiada
al o mea de agosto, quanlo se reuniriam os Esta-
: dos do Holslein, e qoa a diplomacia nAo seria incom-
modada com a mesma queilAo duraole o invern.
mm lodo o mundo se enganou, e logo depoi< da
importancia de um .
aconlecimeulo poltico. O exce.sivo calor, neilas Pl'ua o correio do Brasil o texto da ola prossia-
parageas uma rarisstraa appari^Ao, que aqui reina
'esde algui.-.as semanas, Uiubero nao auiraa a gran-
de aclivi.iade, e pelo contrario convida pira o dol-
ce far nienle. O mais iri-le he, que apizar de
haver pastado felizmente o dia II do correnle, dia
aniiuncudo para a chegada do cmela, e fim do
mundo, e nada mais haver a receiar dessa lado,
inuil" se receia uma ma' cnlheila da trigo, ao me-
nos por ludo o nordeste da Allemanha, quero dtzer,
por aqu no Esle do llol-lem, em Lanemburgo,
Mecklembargo na Pomerania. De oulras partes
as noticias uAo sAo IAo desfavoraveis a respeito dos
cereaes, e sohretudu na Inglaletra se espora uma
eollieiU satisfactoria. Mdiisso nao impedir' que
aqu lertnioi de novo preco elevados de trigo, e
combinando com isso a continuada subida doi pro-
cos de lodos os centros alunen!idus, nao iAo mullo
igradaveis ai esperanzas para o invern.
Na iiiiiiIi i ultima fillei das viagens de dilferanles
principie. O mez de junho nos troose o impera-
dor Alexandre I da Russia. Em 27 pela manida
se avislaram de Kiel no Ilolilein, as rtuas fragsiaa
russas, a cojo bordo vinliaio de S. I'elersborgo SS.
MM. o imperad ir a iraperalriz da Russia com a
comitiva, e a IU horas e ineia os augustos viajan-
tes se achavaio no territorio ellemAo. Em Kiel se
liavia preparado ludo para orna solemne recepcJo,
roas segando o desejo do imperador da se respeilar
em toda a parte rigorosamente o seu incgnito. Elle
viajava debaiso do nomo da um conde de Borodins-
ki. No da antecedente eliefiaram ordens em con-
Irario de Copenhague, e retiraram-se os arcos de
honra elevados no poni di deiembarque. Comlu-
do o herdeiru da coroa dinamarqueza, o principe
Fernando, nao se deisou impedir .ie vir s.iu lar era
pessoa ao imperador. O imperador ( se demorou
uma hora em Kiel, e duas horas mais (arde chegou
em Allhona, onde foi recebido na estac.Au do ca-
minho de ferio pelas respectivas utoridadei civis e
militares.
O imperador entrou immtdiaUmenle un earrua-
gara qoe Iha haria sido mandada de liamburgo, e
aqu ehegoa com uma comitiva soas, para cujo transpone se empregirim nAo me-
nos de quarenta carruagens. O imperador e a im-
pentriz eram acompanhados pelos seus dous filhos, o
grao-duque Alexis Aletandrowilseh, e a grAa-du-
quez i Mara, pelo seu iruiAo o grAo-duque Miguel,
pelo minislro dos negocios estrangeiros, o principe
de OorischakolT, e achavim-se mais na sa comiti-
va o tea ajudinle general o principe de Dulgoruki,
o mmiitro da casa imperial conde de Adlerberg,
a princeza ollikou*, a princeza Udgoroki, a Sr.
priocipe (inenn e o Sr. de Wallen, ajadanles do
grAo-daque Miguel, e linda mais uiverso geueraes,
secretarios e m-die s da corle.
O lintel de l'Europe, que liana sido novamenle
decorado, leve a honra da hospedar m augustos via-
jantes. Todo o earoinlio por onde ileviam passar se
achava apinha.lo da um numeroso publico que que-
ra ver e saular respetosamente o imperador. Nada
podia ser menos praleocioso do que a apparli^o do
imperador, c quem vio plisar um hornero em sim-
ples paletij ao lado de uma senhora em mu simples
traje, em sai frente na earruagem um menino e
ama menina, nao quiz pensar que en elle o po-
dernsu imperador de lodas as Russias. O impera-
dor parece muito com os retrato que delle la en-
coolram em (oda parle, eqoaudo elle J-u um pas-
sein nos arrabaldu na tarde do rnesmo dia, nao foi
difllcil conheca-lo logo. Aimperaliiz pareca um
poucu cansada, provavelmenle em consequencii di
yiagem de mar. Sendo latnbem aqui o desejo do
imperador de ser considerarlo simplesmenle como
conde de Borodimki, nAo houve nenhuiua recep(io
llicial, e s foi ella cumpriuienlado no hotel de
lEuropepelo Syndyco Merk, eucarregado do de-
parlimettlo dos negocios estrangeiros desta rep-
blica. Pelo dilo motivo tambero nAo se apresentou
tieiiham merobrodo curpo diplumalico. Para dar
ao menos nina prova de allen;Ao pela ehegada do
imperador, houve ama illuiniua(go do batsia do
Alsterem frente do hotel de l'Europe, locando a
rnnsica da guarnicAo o'oma especia de templo de
honra, eonslinido sobre o mesmo Alsler. A noi(e
era brilhanle e calcula-se m trnla mil pessoas o
numero dos que frequeolaram o passeio Iunig-
fernsliegnaquella noite. Na manhAa segumie, as
. hora-, o imperador patito para Uarmsladt, por va
do llauover onda pasioo doas horas am companhia
ra familia real, pernoilando em Gollingae.
J na se falla mais pelo momento do uma en-
trevtila dn imperador Aletandre com o imperador
Napolelo. Nesle momento o imperador Napoleao'se
ach nos banho's de Plombieres, e nada se diz de
uma viagem do mesmo para a Allemanlia.
Pelo contrario se falla agora de uma entrevista
dos dous imperadores e de el-rei da Prussia durante
as manobras de oulono das tropas prussianas no
dorado di Saxonia, e nAo pista por improvivel que
III lambem se achara o imperador Francisco Jos
d'Auslria. Assevera-sk que el-rei da Prus-ia ja ex-
pe lira os respeclivoi convites. El-rei da Prus-ia,
rumo he de coslume nesta eslarAo, se acha presen-
temente nos banlios de Marfenitad. na Bohemia, ao
mesmo lempo que a rainha toma ai aguas de Ca-
rebad. Tambero a maior parte dos minilios pru-
sianos se aclta oo nos banlios, ou lias saas lerr.ia ;
lalvez briTemente terminara tssas ferias a nova
pitase em que entretanto enlrou a qaeslAo allemAa-
dinainarqurza.
I" de julho.
Anles de fallir di qnrsIAo com a Dinamarca, le-
nlio de Iralar do acto final do neg >cio de Neofchatel,
a saber, da Iroca das r-liliraciies do ja eonhecido
(raudo de Pars, da poblicacao ofTicisI desie mesmo
tratado de parle da Prossia, e de ama pro-Limaran
de el-rei da Prussia, desligando o habitantes de
Neufcbatel dos deveres de subditos. Eue auto, pu-
blicado na gazela oflieial da Prusiia em 2i de ju-
nho, he do segoinle llienr :
Nos, Fredenco (iuilhrrme, pela grcil de Dos
ra da Prussia, principe de Neufchatel e con le de
Valengin, ele, etc. ; fazemos saber pela presente :
Tendo-iios convencido que a prolongir^ao do
fulado anormal, uo qoal se acha ha nove anuos o
principado de Nenfchaiel, hs iucoinpalivel com o
liem eilardesle pai, ao qual demos ssropre loda a
nossi soltcilode ;
Dnulro lado, cedendo s instancias das grandes
potencias de fazir paz e ao repouso da Europa o
sacrificio de nonos desejos pessuaes ;
i Nos eremos dever-nos decidir no inlrresse prin-
cipalmente do principado a fixar por um tratado,
a.siguada em Pars no da -Jt> de maio entre o nosso
plenipotenciario e os da Austria, da Frang, da CsrJ.
H'otanli.i, da Itossii e da Sui-ss, s ctidi;des e i
estricta ohservaneia das qoaes nos sabordinamos nos.
sa renonciacao, por mis e por todos os nossos succes-
soresaos nossos direitos de soberana iob:e o paiz de
.Neofchatel.
iv as negociacoes que prreedriam a assigDalori
do tratado, nos tivemos principalroenle em vistas de
ssegorar a felicidade do paiz pelas garantas espe-
cian para a manotenr,Ao da iua iitreja e das funda-
loes que lie deve A piedade e ao patriotismo de ge-
nerosos cidadAos.
Se aala respeito lodos os nossos desejos nAo
foram acolliid is por eslipular;Ses no iralado, nos es-
peramos todava que a sua execin;Io correspoudrrn
solicitle que dictou nossos esforcos. Nesta enn-
Raatl mis ratificamos o dito tratad i" e ordenando a
ana p*iblieai;Ao, nos deslizamos expressimenle os
n issos subditos neufchatelpuses do juramento de fi-
delidade q'ie el|s nos haviam prcsl ido. Nos de-li-
gamos esp'cialinenta dos seut deveres fsodaos os
rndeteos d
na nos fez mular de npiniAo. lie verda 'e que essa
ola, datada ero -2() de maio, se eipria em geral sa-
lisfeila com as concess6es da declaradlo dinamar-
queza de 13 de maio, mu ella jolgava dever ao
mesmo lempo interpretar essas conces-es, e inler-
ga que apatas recebera o governo a noticia desse. primeiros actos de repressAo, se foram euergicos
successo se anlendera com a companltia das indias > felizei, deeidirao do negocio.
para esla fazer pirtir sem demora para Calcula uma I Tenho que fallar-lhe noutra insurreico que nos
forca de quinze mil h unen-, o que lena lugar aniel loca de mais perlo, e qoe al o presente nAo nos he
do meado de julho ; que o governo expedir logo senao imperfelaments condecida, embora livesse ar-
para Bombnim vanas parles telegraplticas alim de rebeotado em nona vizinhanra, na Italia Eis-aqui
leguirem dalli para os pontos convenientes os regi- em poocas palavras os fados "que se detam.
mantos Inglezas que tivessem ja regressado da occu- Na noite de 30 de junde para o I. dwjullto certo
K*? ^JiV-i." qa? *s9im ulava nav".r. Ima- | namero de individuo, se reuniram armados as mas
de Genova e se dingram a dous fortes qua licam as
viziiihanr;as da eidade. Um destes fortes, o do Dia
do as medidas que as circumslancias aconieldavam.
lie nolavel porem que nesta conjunctura toda a
imprensa ingleza se lem limitado a analisar os casos
de Meerul e Deldi somenle pelo horror que ellos jut-
lainenle inspiram, sero querer ealrar lias caosas que
molivararo aquella explosAo. Mas o observador at-
iento nAo pude deixar de descobri-las em parle na
insistencia com que a najAo ingleza procura trans- da em'lempo, envtou Iropas que pnzeram ero fug
lormar asrajas que Ide vAo cadiado sob o dominio da o rebeIJes : lizeram-se
to, desles me vos tima prova a qoe sei ser gralo, : cantes mAos pediodo-vos uao somenle a vida esle
da vossa addesAo a' minha pessoa de vosso inleresse, mando, como para ellas Ih'a pedia sea santo inter-
pela prosperidad* de meo reinado. cessor, mas aindamis priucipalmenle o liaplismo
o lla-me o vosso esclarecido patriotismo a lison- por meio de nossa voz. Ellas murrerAo para sem-
geira seguranza, da qoe a inlerrupcAo moroenlanei pre privadas da vista de Dos, se as abandonsis dei-
de vossos trabadlos nao deixara' de ser por vos apro- xandoas expirar a tiiitbes af.ioaiti i,,,,.,!,, .c
maule. I.nda apena, um, gaarmcao de 1.1 domens veitada ra aulorisar pelo estado da, 'quesles/so- | ros, pisadas aos pea tof^FTMriZ^iZ
em religio e co.lumes, atacando o que ellas lem
de mais sagrado nene particular para Ides impor o
protestantismo e os seus coslumes. O proselely.mo
religioso de o grande meio por onde pretende" eila
nac,ao consolidar as conquistas que tera felo ; mas
nem setnpre lem di.so lirado as vaatagens qua es-
perara colher.
O parlamenlo inglez acaba de oceupar-s* lambem
de nma queslAo relativa a emigra^Ao africana para
a. possessoes inglezas na India occidental. Foi lord
que foi sorprendida, e o sargento que a commanda- | bre as quaes sois chamados a deliberar, os desejos por ces e cucdiios; pelo contraro v
va.ltendo qoer.do res.snr, f, roo. lo pelos .surgido,, que no* ainmam de aoxiliar-roe ero dar aos meu. as adoptis, se coro nma^diminuta es n a cu'dado
O oulroforle.o Sperone.a fecdo.t a. portas e se pre- e-tados, a que dedico a minha vida toda a minha smenle recluida lites crea uro tdesouro de es-
V-'""'P"a.....- = nu.or.dade sarda. ,.re,ini- ..Te,, a, desenvolvimen.o rooral e ma.eri.i que gale de bemaven.uranc 75ZL mais. ,e qaen. bem a ,, i*mfmZ3SZ
.lanas causas, qua nAo carero de lembrar-vos, leem sendo oulrus lanos monumenlos vivos de vossa ca- -'- ^____________:.-."-- "'
"".'"."T". Pe!1u,I?,,na ; impedido que seja IAo rpido como desojramos. rtale ; leerlo, repilo, e crescendo como vus.os fi
A lvre acfaodaa nosses instiluices polilicas,, Idos Mo deixirgo de grangaar para elle- e para vos
responden'.
Um faci oceorrido noi arrabaldea desla cidadn'
de mais am argumento para firmar a idea, que
tiascemos msis propensos ao mal, qoe ao bem.
Uma menina de 4 auaos de i lado, fillta do pri-
meiro malrimonio de am sajeilo de nome Jos
Elias, tero assaisioado a doas irmAos do sagaado
malrimonio ; a um eom um golpe de facAj sobre
a moleira, oalro com lacadas sobre a cabei a. I'ar-
gonlando-se a esta feraiinha, se ella matan seui
naos Responder, que sim. Perguntou-ie-lhe
pretou na acia .do gabiuele de Copenhasue exig*n- Broogriara na cmara dos lord, e Mr. Bentinck na
cas, qae esle ultimo nAo tencionava con:eler. Es- dos communs, qaem levmtuu a voz para condemnar
as exigencias se releririm snbreludo ao diretlo dos essa idea, coja execorao faria revivar anda que
Estados de Holslein Lanemburgo de seren ouvi- disfarcaiamenle o trafico negreiro ; e com* foi ella
doi nAo somenle a respailo das constituirse* espe- i altribuida isuatmenle ao governo francez, pergunla-
eiaes do Holslein e de Lanemdurgo, mas lambem a
respeito da constituirlo para a mouarchla geral de
Dinamarca, e da posi(Ao que Burila seria designada
aos dous ducados. A ola prussiana dizia por lim :
Se coiilinlia esperanrj o nosso eiitendiinenlo das
deelara;0es do gabiuele de Copenhague nAo corres-
ponder com as intenrajes do mesmo, nos deveriaino.
contar com mais explica^Oes a essa respeito, e en-
IAo sena o assamplo de alter'or rellexAo, al que
ponto debati de siroelhmtes circuinslancias, nos
nos julgariamos obngados a apresenUr a causa a
Dieta, n Coro isso se aehsva declarado, que se a
Dinamarca se couservaise em silencio, seria isso
considerado como approvar,3o da inlerpretacao prus-
siana. N3o dorou muito, e soubo-se que no gabine-
te dinamarquez eslava-se preparando uma reiposla
ola pros,una. Nao liavia puis aaeslAo de se acei-
tar em Cnpendagua a interpretaf;Ao prussiana. Co-
mo parece, tencionava-se an principio uma recusa
assaz catltegoica, mas ponderando as possiveis con-
equeucias da mesma, tralinm em prtmeiro lugar
da te assegurarein do apoio diplomtica dos paizes
exteriores, e os ministros dinimarquezas em Lon-
dres, Pars e S. Petersburgo fizeram todos os esfor-
z, para virar a queslAo do lado europiu, afim de
asaim con.eguir a inlerventAo das grandes potencias
ero favor da Dinamarca, fcsses esfor^oi liveram al-
gum resollado, mandando o imperador Napoleao
significar em Berlim e em Vienn.i, que elle nA<> pre-
tenda uma ni- tiacAo, mas que ofTerecia s polen-
cas alhm i is os seus bons servir;os)i psra a solucAo
da queslAo. Ao mesmo lempa elle se dirigi a Di-
namarca recomineiidaudo all a maior moderaran,
em que fui apoiadu pelo ministro da Prussia Si i o
se sabe li boje se as potenrii* teucionam aceitar
os bous servicus a ella* ollerecidas, raa. jtilga-se em
geral que uAo poderA bem deixir de faze-lo ; pelo
contrario salte-se que o conselho de moderacao nAo
licou desalen fido em Copenhague, e que a'contra
respnsli dinamarqueza. eulregue uestes ulliinoi dias
ero Vienna e em llerlim, bem que nAo accede em
ludo exicencias prussiana*. larnbem Ao as re-
jeila completamente, loman lo uma desst* drec-
ofies medianas, que a diploma.ia moderna sabe sem-
pre descubrir com lana liabilidade. lnorase pur
oa se a' vista dessa contra-re-posia a Prussia a
Austria se dirigirlo iinmedialamenle a' Hiela Al-
inala.
I de jolln.
O mez lindo aiseguiou a' (siria Romana o mes-
mo resulladn em Bade, que punco anles comeguira
em Wurlembuig. Talvez Bsde sulecidio a concluir
nina conveiioa a qual, seeundo todas as apparen-
cias, acaba de modo glotioso para Roma a tanto fal-
lada queslAo ecclesiaslica. Nada se sabe a respeito
do lexlo dessa convncelo, mas diz-se ser ella seine-
Idanle i' concordada com Wurleniberg.
LONDRES.
8 de julho de 1837.
paquete Teuloma, chogou aqui su em ->l do
mez prximo pa.saiio ; desle modo nAo pude par-
tir nesse mez a mala, que de Soulliamplon tleTia se-
guir para o Brasil, vislo qo* nuda o Teulonia de ir
anda a liamburgo e nao podia e.tar de volla em
.souiliampioo a lempo de seguir nesso mez com a ma-
la ja' alrazada, pois a soa partida dalli deveria ser
em 2, no mesmo da da edegada desse v.por. Por
esse motivo uAo me foi posiivel expedir daqui ou-
Ira correspondencia depois da de 8 do msz prximo
passado, como eoslamo fazer pela linda de liambur-
go ; e comquanlo podes.e eo escrever pelo vipor de
Antuerpia, que de Soutliamplon parti pan abi em
4 do crranle, nao me dicidi a faze-lo pelo receio
que ja manifestei de seren incertas stias vianens: es-
pero por saber como corre o -ei vico de-.a linda.e en-
i.'io rn resolverei a esse respeilo.
Em -21 do correnle devera' seguir para o Brasil a
vapor Teuloma: Dos Ide d viagem mais feliz que
a sua ullima, para que se nAo desacredite inlaira-
menlc essa companhia de paquete*, alias IAo apla
para luir do Brasil mu grandes ulereases.
O Turnar, que aqui chegna em 13 do irez piox-
mo passado, segu amanliAa de Soathamplon para
o Rio com a mala do coslume ; e por elle remello
correspondencia que tiesta dala escrevo .
As noticias que de*t* vez posso transmitlir sao, co-
mo quasi sampre dignas de intereise (eral ; e as que
se ref-.rem a esle paiz tanto mais digna, ala disso,
qaanlo entre ella* depararAo coro a de um durri-
vel massaere pelos indgenas de Dlki e Meerut con-
tra os malezes, residentes naquella porcAo do dis-
Irielo de Calcula' ; o caso foi como se segu :
Em lim de al|ijl prximo passado o governador mi-
litar de Meerul, pastando em revista as Iropas dessa
plata, l'Z notar a algmis soldados de vario, reai-
menlos, que, segundo urna ordem do dia recente-
mente pudlicada, devism elles apresenlar-se com
carlucdeirai que de novo Ihes hsviam sido distribui-
das ; a islo poram responderam os reprehendidos
com gritos de sublevarlo, dizendo que se nAo sogei-
lariam a Irazer sobre si armamentos, que por seren
guarnec os de pellede animaes immundos nao po-
diam vestir conforme a sua religiAo. Desla insu-
burdinai;Ao, anda mais aggravanle por ser feila na
presenra da guarnicAo qu se achava formada ; re-
sulloo que foram os rebeldes processados.^sen lo tres
cundeinnadus a' morle, e noventa a' nrislo no forte
de Meerol.
Dias depois desles succet.os, em !) de main, roani
fesloo-sea revolla em tres regmientos indgenas, es-
laccionsdos nossa mesma prara, com o prelexlo de
libertaros prisioneiros que os rebel les chamavsm
mar l\ re. da sua religiAo ; e dentro em pooco come-
oarain pela assassinato dos ofiiciaes insiste, qoe ser-
viam neases regimeulos, crescendo depois de furu o
pralirando os mesmo. horrores, sem dislinc^Ao de
sexo nem idade, quaudo reunidos com a. viclimas
que elle, liborlarain das prisoes de Meerol.
Felizmente porem se achsvam poslados nessa pra-
raro os inlerpellaale*, se o governo inglez havia re-
cedido do gabinete de Pars aljamas explicarnos a
esse respeito.
A essas ulerpellac,6e* responden o governo dizen-
do, que bem louge estiva da mente adoptar
medida :,lgoma, que comquanlo fosse em beneficio
do commercio das Indias occidrtilae* inglezas, pn-
desse de algum modo prejudicar a poltica a loptada
pelo mesmo enverno em relaejao aholicAo do Itafi-
co ; e que, quanlo ao governo francez, julga que
adoptara elle as medidas necessarias para que a
exacocAo do plano de emigrarlo lvre alrirana em
suas colonias lambem dn ludia occidental nAo dege-
uerasse em abusos a favor do trafico.
A imprensa desle piiz, na maior part, tem-se de-
clarado contra e a lord Palmer-ion, por parla de uma commisslo do
commercio das Antilha*.
O projecto de lei para modificarlo d. parle do
juramento, que inhiba os Israelitas* de lomarem s-
senlo na cmara dos communs, quando notnrados
seus membros, passnu em ullima discussAo nessa c-
mara, abolindo-se a clausula que embarai;ava a ad-
missAo all de Rolsehild e oulros, muitas vezes j
nomeados me-nliros daquella caaa, mas nella nAo ad-
millidos por se hsverem recusado jararem sobre a
f de um ver laileiro chrislAo.
S. M. a rainda acaia de agraciar S. A. K. o prin-
cipe Alberto com o titulo de principe consorte,. a ja
foram publicadas as carias patentes dessa graja.
No dia 20 do mez prximo passado, celebrou-se
na capella do palacio de Buckngliam o baptisroo de
S. A. K. a princeza recem-nascida. O arcebispo de
Canterbary foi o administrante, baplisando a prince-1
za mm o nome de llealiia.
O arediduque Maximiliano da Austria edegou a
esla capital no da l(> do msz prximo passado, e de-
pois de nina vizila a S. M., de alguns dias, sesuio
para a Belaica, onde se demorara' provavelmenle
ale depui. du seu casamento com a princeza Cirlula,
o que lera' lunar na dia 7 du correnle.
S. M. el-rei do* Belga*, os duques de Monlpan-'
sier, e o principe Frederico tiuithornie, da Ptus.ia,
se acham aqu de visita a' familia real.
As ultim.s noticias da Italia em dala de 7 do cor-
renle, ai. 'inriain que em Genova, Liorne e na Ca-
labria, pretenden o partido aaatai acender o fa'ho
da revolla. E c.un elleto liveram logar nesses pun-
tos varios ensaios de imarreiCaAo, alias limitad,! em
cada um desses puntos a um rento de pes.oas, i
qual fui, pnrm, logo lupplaulada pelas fu'r-s do
overno. reilabelecendo-se sem demora a m lem.
Alguns dos rebeldes de (nova, qoe iladi consegu-
rain e*capar-se a bordo de um vapor, e qac preten-
diara desembarcar na cosa da Calabria, foram apre-
si inado* por doas fragatas napulilauas. Esle rnovi-
menlo deveria fazer-se tambera em Bolonlia, onde
se acha o papa.
A< eleires em Franca se aclram corteluidas a esla
hora; mas curo quanlo lriomplias.se o governo na
qiiasi loiali lade dos seus candidatos, nAo pode toda-
va evitar que o partido republicano em Paria e as
provincias levasse cmara os bem conhecidos ne-
mes de Cavaigoar,llovrimon,()lliver, Cart I, (load-
cliaux e oulros. < partido republicano conti dez
mentbrn na nova camtia.
O imperador e a imperatriz da Kussil cliegaram a
Badn no dia 3 do correnle.
O descont ne-la prara continua elevado ; e as ac-
efles do caraindo de Trro do Recife sj aclum com o
descont de meia libra esterlina por cada orna.
eidade, tomaram-se espingarda! e granadas insendia-
rias e prenderaro-se o* cem inaividuos encontrados
nas ra. eom as armas n mAos.
Ao paito que eitis (uccessos ia destnvolviam em
Genova, uma manifesta(Ao do mesmo genero linha
lugar em Livoarne. O principal corpo da guarda
da eidade fin atacado por homens armados que foram
repeilidos. N'oulro ponto, os insurgidos se apossa-
ram das casas e fizeram logo sobre a tropa que con-
sigui de.barata-los e que fuzilou os individuos
apanhidos com as amas nas mos. Em l.ivourue
lambem a ordein foi promptamentc resiabelecida,
embora se avalie em vinlc o uoinero do. morios.
Anda islo nAo he ludo ; o drama leve am lercei-
ra arto. No momento em que ludo se separava para
a dupla iii'urreioao de Genova e de l.'vuurne. um
navio a vapor, o Cagliari partia de G>nova com
deslino a Sardenda e a Tunis. Este oivo linda a
bordo cerlo nomero de passageiros, que pertenceram
legiAo ilaliana-ingieza, com passnporles em regra
para Tumi. Mas estes pretendidos passageiros eram
conspiradores que, orna vez ero pleno mar, se ipo-
deriram do cavo, e o dirigiram para a ilda Ponza,
no reino de aples, onde desembarcaran). Forja-
rain as prises e reuniram a si os delentos. depois
lizeram-se de vela na dtrecjAo do golpho de Saler-
no, e de-embarcaran! em uma ald'eia chamada 8a-
pri, onde I >r ,m prnmptamente encontrados pelas
tropas napolitanas que os dispersaram. O vapor
ii Cagliari n fui tomado por duas fragatas da mar-
nha de aples, enconlraram-se a bordo o capi-
ero cuja observanen o meu devet e as minhas con- com suas oraces novas grabas, e al rabrreudo co-
tleedei roe fazem ver a condicAo prmeira para a sa- : roo succeder'a mullas, purificadas pelo saneui e' pe-
lisfajau das nosa* a*ptrar6es pelo bem do paiz filloa mritos de Jess C.hiisto, e recolhidas do ceo
conscrvacAo das nossas relajes com as potencias j forman!o um coro nu-ceroso de anjinhos qua rega-
alladas ; a contiouacJo da Iranquilli lade publica ; rao alli lambem por vos, velarAo sobreludo o qoe
o beneficio, comqoanto anda imperfeito, com que | vos seja de sol lo verdadeiro inleresse, e se mislu-
a Providencia apraz felicitar-nos, fazeudo-nos cot-1 rarAo comvosro nos dias de vosso sanio e festivo ri-
fundada esperanca da cenajAo da repelida .gosijo ejdo dos vossos filhes. Os odos de vossa fe,
.- ~V- ^-n.i.v jOiMiipor. ilooi"Ur.
UM e a equipigem que o iniurgidos linham poslo a esle ullima perodo da sesiAn agdaram
Eis-ahi sumraariamenle os promenore. dados pelas
correspondencias llbanas s-bre esta trplice tenta-
tiva da insurreicAo que naufrasnu em lodos os pon-
tos. A opiniAo geral he que Mazzini, o grande re-
volucionario da Italia havia preparado esta bella
obra prima, e que n* sua persistente illusAo, conla-
va raalistr desla roaneira o seu sondo de uma rep-
blica italiana urna e individual. O que parece cerlu
de qae esle eterno conspirador eslava escondido em
Genova, onde se deve adiar ainda, pois que a poli-
ca sania ale o prsenle nunca leve a dabilidade de
o encontrar. Se de assim, de um criine enorme o
que elle comineileu, pois fomentando uma insnrrei-
SAo em Genova, violuu as santas leis da hospilali-
dade.
A gravidez da rainha de llespanda foi oflicial-
menle eommnnioada a* cmaras despalilllas, e esta
nolicia foi icolhlde por grande, deinonstrac/oes de
alegra ; a eidade de .Madrid se itliiminou noite.
Os debales parlamentares eslAo mu placidos na lies-
panda, e.o gabinete de Marvaez acaba de imaginar
um meio mui dexlro para ns tornar mais rnrlos e
meaos vilenlos sobre um poni capital. Um pro-
jeelo de le foi apresenlado na cmara dos deputa-
dos sobre a impreusa ; podia recear qu; a di*ca**Ao
fosse violenta e jnierminavrl. Para obviar este in-
conveniente, suhmellrrain cmara oulro projecto
que aut irisa o governo a tomar por ama ordenanra
aa medida.ruja sanco.lo e podia ao poder legisl.liv.
Ninguem duvida que esla proposic i nAo seja aco-
llnda, e assim a lei sobre a impreusa ser feta por
ordenanra. O general Serrano deu decididamente a
sua damissAo de embaiaadoijda llespanda em Pars ;
0 sen aaeeeisor nomeado li o tinque de R vas
As nos.as eleicOU complementarlis se acabam bo-
je no maior socego, e e-pero poder amaifliA* dar-
llie o resultado aulas de fechar a minha caria. O
oMonileuro annancia esla manhaa que 0 imperador
e a impeairi/ se propoem a ir lazor uma visita a
rainha i|e Inglaterra, na sua residincia de Ondor-
ne. Suas magestades guardsrAo o mais estrelo in-
cgnito.
7 de julho.
Conhecemoi' lioje o reulladn das Ires eleijoes de
1 aris, entre as quaes um novo escrutinio foi neces-
sario. A opposicAo damocralica Inamphou nos Ire
collegos. O general Csvaignac ndteve III !)aO votos
contra 9,953: Emilio Olivier obleva ll.UUivuto*
contra 10.000' ; I lar i mu n obleva 1:2,078 votos contra
11,(138. lie quasi mil votos de mais a oppos ci em
cada collegio.
Este resollado de um verdadeiro revez para o go-
verno que nao eonseguio conservir o algarismo dos
volos que linda recoidido nas primeiras eleice*. O
que Ide ser especialmente scn*ivel he a nomeacAo
do general Cavaignac, qae elle lomara a peilo im-
pedir, por causa do antagonismo que exislira, em
I8S8, enlre o general, enlAo chefe do poder execu-
livo, e l.uiz Nap..la-i, para a presidencia da repu-
ceber
eslerilidade dos mais importantes productos da uossa
industria agrcola, fazem-me crer que na vossa pr-
xima reunAovos sera' dado contemplar um espect-
culo menos doloroso que aquello, que, posto que
tranquillo e nosozo de seu direilo, uflierecia a paiz
no momento em que recommendando-vos a. medi-
das de publica ulilida le que comesasles a adoptar,
live de fazer-vos o rotatorio dos padecimenlos qoe
nos ltimos lempos aflligiram os povos cootiados.aos
mau* cuidados.
a Esta' encanada a seiiAo.
A 4 de novembro lera' logar a abertura da nova
sessAo, pois o parlamenlo neiU que or termina, re-
solveu qoe modificando-se o dispo-lo na cauta) se
abrissem lodosos anuos as corles naquelle mez, am
lugar de ser a 2 Janeiro.
A ma deila medida he obvia, porquanlo daqui
em dianle nAo havern' necessid8de de fazer quatro
ou cinco prorogaces de ses.ao para discutir objec-
(os imprtanles, e ser obrigado a luctar contra o
ardor da eslacAo.
Emquanlo as principacs discussoes qoa durante
a impreusa
e a tribuna portuguezas, ja' na ininda de !) do enr-
enle que remelli pelu uCalculla'o o inforiiiei.
Conlinua o gsdinele incoinplelo. Alguns rumores
lem batido sobre nova recomposirlo ministerial"
lii-ersMi al malignos que o Sr. Julio Gomes torna-
ra a ser rkan,a i. agora aos consclhos da coroa. Nao
de provavel, anda que ludo de possivel.
He a administraban actual increpada pila oppo-
ai{lo por nAo ler transportado as raas da vulgari-
dad* nesta primeira pdase da sua existencia polti-
ca. Entrenlo, apezai ide io haver della parlido
primordialmenle a ineiativa das medidas approvadas
fez-se alauma cousa. Volouse a aholi;ao do subsi-
dio Iliterario que vexava a nossa indoslria vincola ;
voloo-se a abolicAo do monopolio do sabAo, privile-
gio absurdo, anle-social, unte-hygie.nico, e que pesa-
va sobre muito. ramos da industria fabril, ganhando-
se com esta adoPcAo mais um palmo no terreno dos
bons principios da liberdad* do commercio.
Volou-se o carainho da ierro do norte, providen-
cia importante de que lem de derivar para o paiz
mudo deieiivnlvimenlo futuro, mrmenle se alten-
dereoos a que o eoncess ouario, Mr. Pello, he um
capilalisla cuja probdade e mais precedentes estao
a-saz Earantidos por uma longa serie de Irabalhos por
loda essa Europa.
Na falla do idroni como vio, allude-se a nao se
Irr podido resolver aluda a grande que-IAo da refor-
ma du ensiuo pudlico em Portugal. Nao creio que li-
vesse liavido impossibilidade absoluta. Veremos o
que se faz m prxima sessAo. Os nossos h uncus de
leltrai mais res|ieilaveis, a academia real das scien-
cas e minios do* mais esclarecidos reprcienlanles d,
naoo, acham-se seriamente empenhados na resotu-
cAo de IAo tnomenloso negocio.
Dentro em p iucu as sosses da academia serlo
publicas, e a discus-Ao vira elucidat a queslAo que
sobre muito proveilosa devora' apresiular ditucul-
tnsos problemas a decidir. Nesta paiz nAo sAo (nlo
sim. vo-los farao divisar ; elles vos acompaoharao
a o sagrado banquete, voa protrgerAo e.n vossos pe -
rigoi, vos animarlo e fortalecerlo nos ltimos com-
bates da vida ; e por ultimo vos eonduzirAo pa-
tria cele.ii.il, e alli, alli mesmo, que be onde a ver-
dadeira felicidade satisfaz lodos os desejos, aog-
metitarAo a vossa com a de que os versii gozar eter-
namente.
FIM.
He esla a noticia da ohn da Sania Infancia, qua
jaleamos necessario Ihe haver dado publicidade,
alim de que uma vez condecida, desperlaise nos co-
raciies da todos os cdristAos o espirito de caridade,
sim, esla obra que tanto lena de til para o resgale
de innmeras crianras, nAo poden por certo deixar
de ser propagada ero nossa pruvincta, e lauto mais
quanlo cabe na possibildade de lodos a dimitila
eonlnbuicAo de vinle rs. mensaes (O rs.. E quem
havera que a isso se negu ? Quem haver que por
(al prejo nlo con(ribua para o resgate de (antas in-
nocentes victimas .' Ningoem por certa, nso espe-
ramos, e muito cundamos que Dos proteger a IAo
pa nb a.
Trala-se de organisar o coriselhoque deve dirigir
a aisoeiatlo, e logo que esteja rotmado publicaremos
os nonio dos escolhidos.
Coosla-nos que na nbeira da farluda da fregue-
zia de S. Jos, existe um administrador, ariemataute
ou cobrador, que anda nAo contente de gozar o que
percebe por essa administrar.!?, e mais ainda da fa-
milia derramada, que a3o obstante se adiar de mis-
tura coro a Ierra val vendendo p.ra purcos.gallinhas,
e segando se diz, para mendigos pelomdico
preco de l() rs., se ha constituido um atravessador
do milho, fejao etc. para desparta mpor ao povo.
Ora, a ser exacto todo islo, que |em verdade nos
cusa crer, mas que a voz publica clama, nao sen
uma vetarlo que se faz s clanes pobres Assim o
oremos, e coiiseguinlemenle pedimos ao Sr. fiscal de
Sanio Anliuno que examine o que levamos dito, pa-
ra que nao continu setnelhaute abaso ou especu-
larlo.
Ouvimos dizer que um sobrado de uro andar,
que tica situado na ra das Cruzas, se iclia desapru-
m nlo, lia vendo cabido urnas escoras que sustenta vam
o pavimento ou forro ; dizem que he um lobraduihu
de sacadas de madeira.
Ha ua ra de Jo3o Fernanda Viein, segaado H. Uelhmonl'opposicAo)
romos informados, una tasca, onde rara he a noite'
quo n.lo se joga desordeiioddine.Ke, quando o ssn-
gangiii) uao f-rve como se estivessem em nlguma
-anrala de engolillo.
A ra da Concordia esl.i inconteatlveliuciile vi-
zila.la a noite por espritus malficos; nAo ha qoe
que nAo. Se orna IAo pessima inclinaran nao for cor-
rigida, ou pela mesma nalureza, ou pela ducado;
lodos lerlo jados reeeios da ferasinhi Constanza,
pois he este o seu nome.
Aclia-se recolhido a cadeia desla eidade a requi-
'C..10 do Sr. delegado de Jaboallo um til Menda-
nda, que se diz ladrAo de eavallos. Consta-uo que
requeren habeas corpas esperamos pilo reiul-
lado.
A talabridade vii sem alteraran.
Ai chuvis tem clisado, c os agricultores ja s*o-
lera a sua fslta.
Os gneros alimenticios nao decreseem di preco.
A fein foi concurrida com 518 caberas de gado
viccom, qua se venderam ao calculo da SI por ar-
roba de carne.
O Vicloriente,
gtafto %t 9ttnmitmt0.
Pelo vapor oTIamat mirado dontein de Sou-
lhamplon, lendo tocido os portos do coslume, rece-
bemos as cartas de nossos correspondentes transcrip-
tas em oulro lugar desle aDiatio e bem aiein. varias
gazetas inglezas, francezas, belgas e portuguezas, al-
canzando aquellas a 8 e estas n 12 do correnle.
Sem embargo da< tentativas da revoluc.ii qoa live-
ram lugar ltimamente em diversos pontos da Italia
e Haspanha, as quaes lodas fonm logo supprimidas,
conforme circtimslanciadamente se acha descriplo naa
carias a que cima nos referimos, a lucia eleilorit
invada em Pars eulre'o aclnal'governo a o partido
demicriLi ha cerlamente o fado mais imporlinle,
caja nolicia recebemos.
Dos 10 dislrictos eleitones enr-que le iclti dividi-
da aquella capital, o governo envidando todo* o es-
forc.os, e lanc in to mo de lodos os meios ao san al-
cance para desacreditar os contrarios, apenas pude
vencer em cinco,Ir iumpliandu nos oulros cinco os can
didatos da opposicAo, sendo de erar que esse triam-
pho seria anda mais completo se ellas* nAo livesse
dividido, apresenlandn o Sicleu orna lista, a Pros.
sen outra, e o aCmnitc oulra.

- a
Mil o.iran apena* duas, nlo podesse no segando *-
crulinio obler nenhuma mais, '.licindu lodii tres aos
candidatos que Ihe sao oppoiloi,
Eis-aqui o resaltado do prirr.eiro escrolinio:
! islriclo.
10,(170
4,676
. 1. Il0> O.-lll i. pu.ic.lo 1,682
Foi eleilo o candidato do governo.
A opposic.lu dividi as suas forras nesta diltriclo.
2." islriclo-
M. Dervnck (do governo)
O que mais admira h* que, oblendo o governo
suas cinco eleices logo no ptimeiro escrolinio, a
i. uisirieo.
M. Ii-laiii candidalu do guveino)
M. Labooyale f*upposi;lo)
Eleito o candidato do governo.
3.' Uislnclu.
M. Cavaignae (npposoAo)
U. Cermain Thibaul (goveruo)
Nao houve eleicAo,
llslriclo.
10,472
9,070
10.345
10,108
luvidir. He escaracar, cruzam->e os' vultos desde I M. Varillado governo.
a ra q.,c volla para a delencAo al o principio da | M. Emilia Olivier (opposcan;
raa sapcaeitada: o pastear lento desses duendes,
seu (rajar negro, seu myslc.-io, sua cautela.... ludo
inda* a crer que alguma cousa pretenden! elles, de
alguma casa lalvez uude nAo se costuma rezari
credo em cruz. \\^> um meio facilimo de acabar
coro esses pliantasioas, e de, o coininan lante da
PARS.
ti ile julho de 18>7.
Reservo-m* a dar-lh* amanhAa, no momento de
fechar a miaba carta, o resulta lo das tres elcices a
que se procedern! hoje em Pars, e que lem mu I blica.
erando importancia, ero razio da opiniAo acreditada I Oulro inconveniente desle trplice Irinnipho da
nos paizes estrangeiros de que Pari* acaba sempre opposicAo democrtica he que permute aos inimigo.
""J!'"81"' a W o seu lurbilhAo. do imperio e.palhar a idea de que Paiis lie hostil ao
rgimen actual, como Pars Um rmpre |>esado eom
um peso immenio sobre a opiniAu da Franca, lahi
conclue se queoimpetador lornu-jse menos popular.
Fsto he falso, mas he sempre uma cousa mui desa-
gradavel que semelhaiilrs erros possaro ser desacre-
dilados.
Em snmma teremos um corpo legislativo de -Jii7
memhios, dosqaaes 260 serlo devolados ao impera-
dor e ao imperio e sele somenle sAo hoslis- ao que
exisie. Ainda he quasi cerlo que lodosos oppoconi*.
la* recusarlo presta, juramento, e por consequencia
serAo excluidos do corp legislativo. Pude ser que
osles senhures queiram platicar algum escndalo,
motivando as suas recusas, roa* o nosso governo he
forte e nAo deve lemer cousa alguma de seioelhanles
oilenacoes.
No meio distas emnres eleiloraes que acabamos
de atravessar s iiossosfandos pblicos eos nossos
valores inditslriacs, dio sido singularmente affecla-
dos, e de publico que esle inconveniente se prolonga
em raz3q dos embaracoa fiuanceiroa das nossa. gran-
des compandias de camindos de (erro, a* quaes quasi
(odas ao mesrau lempo pedem novns fundos.
Enlrelanto, vou lioje tralar de antros factos dignos
de inleresse. qoe liveram lugar depois da miuda
caria de 2"> ds jundu.
Na Inglaterra, depoil do bil sobre o juramento
do* Judeos, que foi adaptado por 2!)l voios contra
168, a cmara do communs uceupou-se com tima
proposic.lo de Mr. Herkele> sobre o escrolinio se-
creto. O Ilustre mimbro quena que le lobslituisse
o escrutinio secreto ao voto em alias vozes qu* se
pralica nas eleict'ies in.lozas. A mo$to foi mu elo-
quaiiieroeute combat la por lord Jodi Russell, co-
mo conliaria aos rostuines do povo inglez e avil-
lana para o seu carcter, a foi resellada por 2">7
volos contra 189.
Una nutavel nnovac,Ao, devida cor Lamente an
entilarlo das Iropas inglezas com as ndssas na guer-
ra Ha Crimea, acaba de ser inoltizida na roaneira
ie recompensa pelos servidos militares. Ale o pre-
sent o uso na Inglaterra era recompensar em mas-
saludos os militare., ofiiciaes e soldado*, que ha-
viam lomado paila n'oma eampanha memoravel:
assim. pela guerra da Crimea, uma medalha com-
memoraliva foi dislribuida a todos o cdefei e sal-
idas do exereilo de Ierra e de mar ; mas esta dis-
conce-
.jietisa os servidos
exceprionaes. Assim, o governo inglez pensou que
era justo e poltico crear orna condecorarlo que
alo lona como a orde-i da Jarreteira e a ordem do
ando, o monopolio exclusivo da alta nobreza, e que
podesse ser decretada aos mililare assi anos de valenta, fosie qu.il fosse a loa categora no
esercilo. A nova cruz se efiaraa a cruz Victoria, e
como acontece coma nossa ordem da LegiSode Hon-
ra, um Iralamenlo de 350 francos por auno lie con-
cedido aos ululares. A '
nova ordem de cava
l.on Ires, em presenta
guarda : a rainha com unilorme militar presidio
iinrrao honorfica, precisamente porque foi
oda a toda a gente, uAo recompensa os i
os apuros d i ihesooro qie embarguem as boas medi- guarda de delen(o, em falta de palrtilba maudar de
I das, como certas htsitac,oes injustificaveis, para ou- VCI *m quando dous soldados euxolar a renlura
' sar.
Todavii. cuinpre mais do que nunca oasar e ousar
muito.
Todos os das vai a noisa iadoatsil fazendo
nova* coiiquislas. Acaba de orginisar-se uo Por-
to uma companhia de grostos capilalislas |iara a cul-
tura ila belarrabie fabricado assucar. Sibemos a-
qui Imja pelo telegrapho que a aberlora da xposjao
industrial no Purlu que leve lionlero lugar fui muilo
ainmada. El-rei nlo foi presidir aquelle acionera ao
da aberlora da expolilo agrcola como se havia
dilo por ler de comparecer aa enoerramento das c-
maras.
O vapor sardo Torillo.)! o o liamdorgez ueuto-
uia devotn chrgar aqui a 29 para ssguiiem pan oa
purlos do Brasil, para cutio Ide darei mais extensa
rilarlo de cerlos promeonres adroiaislralivo* de mais
ou menos alcance que d'aqui al la se irlo coover-
lendo em lei.
Termino por lioje.
I..
PEHIAHSUCO.
Ilullilim da bul.a: .1
solidados iuglezes 92 5|8.
I|292 ;con-
I.ISBOA.
1:1 de julho de 1857.
Vcrficoii-se ante-houlem com a maior lolem-
ni la le o eticerrau.enlo da primeira sesiAo le-
gislativa, presidido esle aclo por S. M. el-rei.
O Sr. D. Pedro V leu o segtiinie discorso :
Digno* pares do reino e Srs. deputados da
tiar-So.
Ao encerrar a presente sessAo compraz-me em
A inaugnncAo solemne desla dar.vo, um ,|emile tesle.nunho da saisfacao, com
luira, acaba de ler lugar em que i 0 resalalos do desvelo com que vos appli-
ca de tur- os regiment* da ri,8ies risolucAo de algomar das importantes qjes-
g dous regunenlos iuglezes, e accu lindo, anda qoe esla ceremonia, c collocoa com as saas proprias mos
la dni,,. ,1- 1, il-avn... .....nn .. ^ i I....__ -. ......^ .__B___ .r
ja' depois de haverem numerosas inortes, ao lugar
dessas Irisles scenas poder-tn expellir daquelle pon-
i os rebeldes e penegui-los a distaucia, causando-
Ides grande morlaodade Mas, alem de nAo poder
isso reme liar ja' o mal occorrhlo, foi lio incmplela
a vicloria que as lorca. inglezas se allribuem, sobre
os rebeldes que esles poderam ainda maredar ero for
S* sobra a praca de Dalhi, onde entraram Irium-
phanleroenle, sendo apiados por (oda a goarnicAo !
dessa fortaleza que se rompuuha exclusivamente de
regimeulos indgenas.
Oeate facln segoio-se que, uma vez assenhoreada
a robelliao desse m.portante ponto,comeonu alli uma
horrorosa mnrlaudade, tambero sem dihVennca de
sexo ou idade, elevando-sa o numero das victimas,
quasi exclusivamente inglezas, a seis mil ; e depois
deste pa.su proclamnu por seo rei a um principe In-
diano, lilho do ultimo imperador de Mogol. Nesta
posi{Ao ficararo os rebeldes, cunfurme diz-raas mais
recentes noticias dessa laslimoso aronlocimeiilo.
I.ord Canins, eovernador geral da ludia ingleza,
parlicipando ao leu governo aquello successo deela-
rou que havia expedido ja de Calcula Torca* ronlra
o. revollnsns o que rs|ieiava ver em breve re-l.ibe-
Icei la a urdem publica alli sero maior elTusAo de
sa ngue.
.. nova eonderorajAo sobre o peilo do* bravos que
roram jolgados dignos de semelhanle dislincclo. O
numero dos membros da nova ordem he mui res-
nelo ; nAo excele a 62, quasi lodos soldados ou ofii-
ciaes uteiiores.
senhorias de Oorgier. de Vaum.ircos O nilere*ie que a imprenta c o parlamento in-
e di Inven. A proluoda a(ldrt;Ao eom a qual noslglez lem tomada per islo corresponde bem Icona-
nos separamos dos nossos subditos, que em lodos o*! lomar,! i em que aqui se lanc,aram os espirito, ao
lempos no* mo.ti rain uma fidelidade hero litara, : recoberem a noliria de IAo horrorosas
n.l i de allivia la seulo pela
L'm grave negocio sobre o qual ainda nlo estamos
riimplelamente informados, allrade ueste momento a
seria alienlo do governo e do publico inglez. Nlo
ignora que aa iinmensas possesses da Inglaterra na
India sAo guardadas por umexerciln que apenas cun-
ta um dcimo de Europeos, ecoja forra principal de
rigimentos recrollos entre os Indios e cunhecidos
ob o nome de (iCipsayesu.. Varios destes regimenlos
se acharo planamente revoltados : assassinaram os
seos ofiiciaes, eslrangolaram os fracos destacamentos
de arlilharla ingleza, vizinboa dos seus aquatlela-
menlos, assim como loda a popularlo civil europea:
a insurreici? e*len'eu-se rpidamente, e te a|iode-
rou da eidade de Delln, capital de toda a Asia e an-
liga capital de* Megola. Para dar mais consistencia
o' rebelln e chamar a si os nacionaes, os insurgidos
proclamaram rei o ultimo derdeiro da dvnaslia dos
Mogols, a quem a comjiandia ingleza, tirando Indo o
poder, liaxia concedido urna lista civil de I.Vl mil li-
iraa eslerlinas.
N'lu ha mais de :l(l mil lioinons de tropas inglezas
em todas a* poiseasOes asiticas da Inglaterra, e pan-
es a' primeira vista que se a iiisurreirlo fosse guiada
por rbefes capazo!, (eriam gran le ililli-uldado para
scenas. A im-! sudjuga-la. Com ludo parece que em l.on ires nAo li-
consideraclo que es cir- prensa lem afgoido o governo de negligencia em verrn muilo snslo : soube-'c que iienliun svmpln-
comiaiicias nos oorigant a nlo consoltar Hnlo a [ conservar nas mos de regiment* indganis a segu-: ma de revolla se liavia manifesi.tdo ero Calcula, M.i-
dig.i.da.ll .1,1 nossa coma ,|e .. ,eslar all-ur.lu ranea daquella parla das potiemoes inglo/as ; e no dra-, llorad lint. a. Iros capilaes da. presidencias : oa
WMaaaoesa ncnu.ie pelo* n*,. nauclialelenes. parlomenio foi o governo lambem ceasurado por Indius n!.i se enlendem enlre Recu.amos por lasa sominiii estipulada pelo traa lo, J e-.e mol,,,, o convidado a temar medidos ,ergi- p.. irifa.....rio. da companhia das India, po/eram a
d-po.s de se ihe li.ver dado somente a forma de | cas que a.segurem a defeza das vidas e da proptie- di-po-ir.,. do governo g.ral as Iropas que devem for-
i tugar de que deveria ella dale de lanos subditos iuglezes, residente) naquel- ] necor em raso de guerra.
aportantes qj
havia recommendado
PGaNA AVULS*
ConclasAn da nolicia da obra da Sania Infancia.
Vida o Diario antecedente n. 171. j A orgaoi-
saclo que temos adoptado parece-se quasi ero ludo
com a da Propagarlo da F, a mais importante das
empresas santas desle sacla. Para ajoda-la o quan -
lo -eja possivel temos previsto que em poueo lempo
Ide vamo. lambem a preparar uma geranio inicua
de subscriptores, e aind.i a descarrega-la immedia-
lamcnle de alguns sacrificios cuslosos, e qoe Ihe se-
ram difliceis de soppnrlar ; porque seus recursos
n.lo podem prover a (odas as necessidadei, nem po-
derlo jamis augmentar-se em proporr;Ao as immeu-
sas e diversas misses a que se eslende .oa .oliciiu-
de. Em atiene! t a isla rogamos com instancias aos
o --o. jovens associados, e i lodos os nossos mem-
bros, que entrera naquella grande as-nciacln o mais
larde aos 21 annos; e teremos a grande dita que o
maior numero possivel dos socios da mesma obra
venham a aggregar-se a' nos>a, pois qoe estas duas
obras, ainda qoe sempre devem ser di-linctas ( pela
particularidade indispeusavel do resgale ) nos pare-
cen desuadas a preslar-se um apoio reciproco.
Temos designado para a nossa uma qoola regular,
como o obeclo de recolbe-la de um modo (ixo e
vanlajoso : uma quola igual, que esla ao alcance do
pobre, que lera' a consolarn de pertoncer a asio-
ciai;Au e do rico que o ulhara' como uma honra. Sem
embargo far-se-ha um pequeo pedilorio depois da
missa da ubra, que deixara' em liberdade o menino
de dar ama offerenda proporcionada a la classe, e
aos piedosos desejos de .eos jiais.
Se noi perguutirem que proporc.Ao ha eulre esla.
e-raola, IAo diminuas e as necessidadis de urna obra
vez em quando dous soldados emular
esse Itiliaf.
Consta-nos que o subdilo francez Mr. r rancois,
acha-se livre de perigo; a farida d* puobalada
uAo oll'erece svmploma algum aisuslador; o seu rei-
labeleciinenlo serA breve, se for sobrio !...
Uizem que na freguezia de Sau-Jos algumas
tabernas ha. to iminuulasqae os prelos comprado-
res fogein al de passar por ellas para fazeretu com-
pras, receloso* de que os caixeiro* tilo os seduza
com aiguin Iragj du elixir magntico de que lano
apreciara.
Apezar da grandes cautela quo temos em rece-
ber e dar as noticias que nos transmillem, lodavia
condecemos que da quim sudlilmeule pretenda nos
illudir, o que n.lo alcatfala cetlameme, porque a
nao ler o cundo da vetacidade, nao aceitamos nolicia
alguma. Uuzentas e lautas caitas que parara em
nosso poder, e que baixaraui as inundas regules do
uaJa, he ama prova de que vivemos muilo pnvir.i-
do cora os verdaleires falsos.
O Sr. m.ireclial de campo comroandante das
armas, foi honleiu pela manilla a eidade de ti-
ln la, uude visiluu u nquarlellameuto do quatlo
balalbao de arlilharia a p; e nu sea regres-
N vi-ituu lambem as fortalezas do llrun e lluiaco,
a u aquarlelamcnio do 2 balalliao de guardas na-
ciouaes qoe ora eoadjuva a tropa de luida no servi-
ro da guarnirn.
A crvela de guerra autlriaca Carolina sal-
\on hon'-rn a lena e fui correspondida.
IIonlem. natalicio de S. A. Imperial a Sra. D.
laabrl, salvaram Ires veze. as furtalezas e navios de
guerra surtos no porto,conservando se embanderados
por lodo o dia, nao s uus a oulrus, como todos os
navios commerciaei.
-- O vapor inglez uThamar*i,vindo de Soulhamp*
Ion e porto* inlirraedios, Irouxe a sea bordo as se-
grales passageiros :-----Henrx Forsler, Uilcb.
Franciseo Jos.....m.....Frederico A. NVegelin, Tho-
tnaz Lee trotinan, Jos Uertiardino GalvAo Alelo-
rado, Manoel di Slvt Nogieira, John Vaegel,
Jodi Catk, V. T. dos Sanios Caroinha, Jos Joa-
quim Pereira, Joaquim C. de Azevedo Guedes,
Francisco Saraphicu de A. Vasconcillos. 'Segoia
para o Kio de Jaueiro, levando desU provincia o
paisageiro llturique Augusto Millel.
Ale amanhaa.
Ies, que o meu goveruo
v .ssa 'olicilude de apradecimenlo pela medida com Uo"Va*laTloB'wBa,ail *m^,nmnm^mi*
que o habllilas.es a prover as necessidades mais or- peqoenhez meima da qoola a faz mais fcil a am
gentes do servio publico. Rrlde numero de famili.s cdri.lAa., e que fazen le
fcntre as rcsoluOes a que legisles o vosso no- Je 0ossa parle o que depende de mu, o rstanle to-
me e que mais directa influencia exereeram no del ,|0 o esperamos do Sendor.dos eireitos de sua greca, e
senvol.imenlodsprosperidade publica avulla a con-; da aclividade do fugo que veio elle mesmo esp.'idar
cessAn que. compred.ndeudo as necessidades sobre a Ierra ; so.vi.nlu-iins alem dis| ,|a auinte
.M. (iaraicr Pags ;oppo*irao)
9,633
6.741
'2,749
nao ha multado da elei-
12,034
8,426
I3;0I2
eVl&!,
10,609
6,826
3.647
356,069
212,899
43,170
338,843
246,073
92,770
nslaole* dos dislrictos ao norte de Lisboa fizeites
ao meu governo dos meios de levar a execur.io o
prnjeclo de ligar por uma vil forrea a capital com
o Porto. A allencao que vos mereceu ,t necessidade
de desenvolver os nnssos recorsos econmicos, pela
conslroccao de um syslema de viaflo em que pro-
gressivamenle se atienda aos interesses das localida-
des, regrada a sua importan ia relativa, he para
mim seguro penhor de quenAo nece*silareisem auxi-
liar o meu governo no empenlio de reali.ar o qae
esla no panaamenla de lodos.
u Lamento que a e-lreileza de lempo concedido
aos vossos Irabalhos Dio vos pormilli.se Iraduzir ero
medida* qoe fizessem sentir mais codo o paiz os be-
neficios de um sxstema de instrucclo nacional, que
"bedecesse ao peiisnmento de arreigar pela adoca-
;ao a nos-a oigani,ar!o polilira, que latisfizesse i
neeeaaidade de rrear bomeo para todo, oa misleres
snciaes, os desejos que rom sincero prazer reconde-
ci animarem-vos a cnrrespuudei a um pensaroenlo
que devera ser o de Indos os domens pblicos.
Creio que coraigo sentiris a noces.idade de illuslrar
a vossa prxima reunio pelo cuidado da resoluto
de uma queslAo que mais que qualqutr oalra lem
direitoa reclamar uma parte nas meditaci.es d'aqoel-
les t quem ocupa a idea du futuro do paiz.
a AproveiioeslaorcasiAo para novam-nle lealemn-
nhar-vm o meu recaohecimeolo, pola maneira por-
que respondes!.* communieaclo qus o meu gover-
no vos fizera em meu i
comparadlo. Dbil, li-.eiro e distante he o vapor
que u sol dos trupicos altrahe do Ocano, e (lo fino
que esrapa a' o issa viKa ; com ludo mui depressa
se condensa e forma nuven* e os venios, ministros da
providencia de Ueos, levam al as extremidades do
mundo esses abundantes mananciaes aereo*, que fer-
lilisam os campos e fazem correros rios. Kepetirao-
lo : nossa obra (em que ser fecunda. N. o espe-
ramos, porque ella mesmo oscilara' em lodas as al-
ma* o zrlo da randado, e alcanzara' a prolecrao do
COMARCA DE SANTO ANT.xO.
Victoria 28 de jaldo.
Na hora em que vos escrevo esla missiva, eslou
oavindo a aguda voz do vigilante gallo leotinella,
.qua Heos collocoa junto do homem para o disper-
tar a noite, e chamar o seus peosamenlos ao seu
creador.
Cerlamente, le aquellos, que passam a maior par-
la das noiles ntrelendo os seas pensaroenlo* em iu-
ventar falsidades e culpa., que jamis exisliram, s-
menle para deprimir e mortificar os seus lemelhan-
tes, ao ouvir a aguda voz dessa vigdaute seulinella,
eievas.em os seus pensamento* Ueos, qae os creou,
arrepirnm dessa carreira, qua os leva precipitados
ao abxsruo das inmoralidades.
Esses porem, cuja imaginario eivad.t de mil vi-
cios, nAo admitiera idea alguma do justo e honesto,
desprezando os benelicus livores da Divina Miseri-
cordia, qac os chama a si, servindo-se de.se desper-
lador, ceriam os ouvidos, e recusando o devido cui-
to e respeito, a quem os pode no mais breve momen-
to reduzir ao po, donde nasceram, dirigem as suas
horoenagins e adoraedes a esse espirito diablico
de que se acharo possuidos, como ao seu nico
dolo.
Ali ingratos Assim infrings e calcaes aos ps os
sagrados premios da mais bella, mais santa e mais
loave religin, ensillados por aquelle, que para la-
var-nos da nodoa, que nos deixoo impressa o pri-
meiro homem, depoi. de lanas provengas, depois
doi maiotes improperios, depois mesmo da Irairlo
co ; pois se aprsenla a suas benrlos tao pura c I de um discpulo drrramou finalmente o seu sangue
de.inleressada. como nella se eoconlram reunida, a precioso nesse madeiro da re lempri-i ?
orac.ln, a innocencia, a abundancia de sacrificios, e
a itnporlancia de seus resultado! : nao parece sen!
qoa ella seja a destinada para fazer penetrar a f al
lo centro de un vallo imperio, coberlo de tristeza,
. .sotado a sombra da m re.
Vivamos |iersuadidos que quando menos qae uma
\fr. condecida, encontrara' indiuVrenles mui poucos,
poram ioimigoi nenhoos. Porque quera leni a ousa-
dia de declarar-se lal'.' Qaem, nem iiirsmo por ar
de dosprezo, dosdein, eu mola, se ilrevera' a delor
o braco levantado para arrancar um menino da mor-
le a desviar de urna mao que Ide adre o co der-
Horoens vendidos aus sentidos, vos, que limitaes
a vossa existencia a eila vida roiseravel ; julgii da
sabedoria da vossa esculla pelo retrato do domcm o
mais feliz.
Elle chama um desejo, esle vera, c elle o vulla :
cdania am oulro, qoe logo o desagrada.
KHe pas-a assim a sua vida a solicitar mil objec-
ln> que Ihe n.lo satiifazein.
Aopponhani'is, porem, que os seus volos se eom-
ploiam.
Comluilo a dora fatal c lernvel, ainda que lardia,
romo pusia ler, cdoga com Impelaos! lid-. I ira que
1*1 formado o equivalente da ncaila prineipal, que | las colonias. O minislro da. colonias rispondeu lo- impaciencia a
oiiio, da resnluc-lo que lomei,
Aguarda-*e com a maior de pensar na eseollia de uma esposa, que posia fun-
roxima mala da ludia, pois que os I dar a miuba felicidade domeitica, e que sejs digna
raniando sobre sua rodera a at'iia dn da|ilismo'.' Mo rapidez va .ilanradeira, que tere a la roorlalha
n permita Dos, pelo contrario faca qua no*** obra morluaria ? Oad* et.i o sondo dos nossos primeiros
eonsiga o concurso e o esforfo de lodo o corceo ler- anuos 1 Elle* .sllmepultados no al...mu do lempo
no e ?eneroso, que digo ... De loda coradlo de
dorncm e de cdnsi.io. de loto coraco de mao ani-
mada pela te e candado. Ao cotarAo, ira ao cora-
rAo das ralis cliri-llas confiamos principalmente o
succeso rpido da obra ns Ide dirigimos com goslo
Dnidio-sa a oppo*ic|o
rao.
5/ Diilricto.
M. Carnnl ;oppo M. Moumo-Japy i governo)
Eleito o candidado da oppoiitjAu.
6.- Dislriclo.
M. (iondebiux (opposi(e)
M. Perrel (governo)
Eleilo o da opposic|o.
- ". Districlo.
M. Largaelin governo
M. II riinnli oppu-irao
M. J. BasOde (opposicAo)
Dividio-ie a opposicAo e nao ha resollado da ilei-
e,Ao.
8." Dislriclo.
M. I.epellilier (governo) 13,820
M. Varra ^opposfrio) 9 t)3
M. J. Simn (opposicAo) 2.268
Dividite 1 opposirl e resulloo eleilo o candida-
to do governo.
9.- Di.trido.
M. koenings Water (coverno) 11,307
M. Lasleyhe opposicAo) 13 jfjij
Eleilo o candidato do governo.
10.- isirielo.
M. Veron (do governo) |5,( |D
M._E. Pelledn topposirjAo'i 7,240
Eleilo o candidato do governo.
Sobreest resaltado f.z um pniodico de Piris ai
leguintes reflexAes :
O* rleilures {inscriptoi bao sido.
Os volantes.
Adsliveram-se
Nas eie're* de 1832 o numero de eleilu-
res inscriptos era de.
O de volantes.
Abstivoram-ee.
Em 1832 de 216,073 voltiles, os candidatos do
governo obliveram 13.487 voloi e 01 di oppoiislo
8,t t8.
Em 1837 de 212,899 votante., os candidilos do
governo obliveram 110,526 volos, os da oppusir.lo
i j ^ '.
Os d,tridos eleiloraes ero qoe se proceden a se-
gundo escrutinio mu o 3.', o 4." e o 7.a
A Union publica a asta respeilo a segrate no-
ticia :
A terceira circomscripfao romprhende o ar-
rab.il le de Mootmalre, Palais-Royal, Mail, Saiol
Ku.lache, Mootmalre, arrabalda de Poisoiimeie,
Bonne Nouvelli e o irnbilde de Saint-Ditiiz.
PropOe-se para candidato do governo M. Germain,
Tliibaal, diputado do corpo legislativo ojBe aetboo.
A circuroscrip{lo comprebende : o Banco, Si
II more. Marches, Louvre, Moalorgueil. Lombarda,
Perla de S. Diniz, Saint Avove, Arcis, Hotel de Vil-
laCit eo Palais de Juslice."
Prop6*-se psra candidato do governo M. Valia,
antigo unir do 4 dislriclo.
A 7." circiuiiscripcAo coronSe-se do Arsenal, Ilda
de S. Luiz, Sorbonne, Jardin des Plantes, Saint-Jae-
ques, Saint Marcel a o Observatorio.
Propoe-te para candidato do governo a M. I.au-
qaolin, depatido do corpo legislativo que acabou.
Os candidatos da oppoti(!o -lo :
O general Cariignac pela 3..circumscripcAo, M.
Emilio Olivier pela 4.', e M. Darimon, redactor da
aPresse pala 7.a.
Todos os candidatos da opposirao triumpharam
nesle segundo escrutinio.
0 general Cavaignso oble ve 10,930 votos, entre-
tanto que Mr. Tlnbal, candidato do governo leva
9,632.
Mr. Ollivier oblata M,003 votoi, ntretanto que
Mr. Vario,candidato do governo leva 10,006.
Mr. 1111 un.ui obteve 12,078 voloi, intrelauto qae
Mr. 1.1 liquen 11, candidato do governo leve 11,038.
O Times em am artigo qae publicara bstanla
hostil as instiluices napolionicas a prioctpalmenta
ai eleices em I- rauc, diste que o governo imperial,
assuslado do silencio que o rodeiva, quiz provar, que
a vida polilic. nao eslava moita na Ierra de S. Loiz,
que chamando aa difireme, parcialidades, as uruas,
neuhum receio linda, porquanlo sibil que, perleo-
ceudo-lde a gaarda de.las e a proclamadlo do voto,
o rosoKado nAo podia ser duvidoso.
Infelizmente eaganou-sc quinta 1 capital, poilo
que fosse bem soccedido noi depaitameotus ; mas se
Paris he Franca, as rcenle* eleices nle podem
deixar di ser um prognoslico mulla mo para a du-
rarAo da actual ordem da comas naqaelle paiz.
Kis-oqui como se exprime a este ic-peito corres
pondenle particular da .Vifo ;
A lucia eleitoral esla' terminada.
a O resultadu foi rumo en vo-lo linha annanaia-
do. Nos departamentos, a opposicAo alo pude resis-
tir aos meios de acr|0 que o governo empreaou, a
alli apenas pode obler seis 00 sele candidatos Ha
preci j zer, que na* populaces do campo foi o proprio go-
I verno que votan e nao o camponez ; esle nAo leve o
direilo de depositar na urna sonlo a lisia que Ihe foi







tirar neiiliiinia mn-o luoncia dai eleices departa-
inenlae^, m.i.s nao ob-l ,nle vejamos coutu a cousa se
I'.i--..ii. Em primeiro lugar diremos que o iiumeco
10. il-Ojj'ef que se ah.tivrmn de volar fn mait de
inclade a aira dos eleilores inscripto*, e que em
(odas as con pulaiam j\ainciile as fie c,0e, i.lo pelo motivo de
que os eleitc.res da ri lades, n,1o se embaracaia cem
us obstculos aproseulados pela adminislrarao a livre
expies.au dua saos Nulos.
Comludo bouve urna cidade fin que a Inlluenria
do governo lucloa iberiamente e por lodo, o- maios
pu.siveis par impedir a rleicAo do randidilo da
opposicao. gala cidade he Bes.ncon onde eitiva pro-
posto o conde de Monl.lembeil contra M. Coreglli-
iio camarista do imperador. A adminiilracilo upa-
Ihou ouro ,i( n,a0, chelm ; deram-se gralif[cnc(i*i a
lodos os empregados da qotlquer ordem que leja.
Os proffsiorcs das cnladcs e das aldcias reetberam
cada uin cento t cincoenla francos.
O governo sabia que o conde ds Monlalemberl
linha muilos parlidiilas entre os foncrionaries e,. s
Miembros do clero ; rifa, mullos dtlle* foram "cor-
rompidos como os nutro. Fieram-se liberalida-
des as igr*ja, as communidadr?, an. seminarios, e a
chroiiica conla emfim cousas inauditas a este res-
peto. Assim a eleloto do conde de Monlalemberl,
que poneos dial anles se nlhava como segura, leve
urna derrota entapiis. Etn r-iSo disloque arabo
do vos dizer nao se pode lire.r nenhutna roi.sequencia
das el. icoe* feitat. nos deperlamrtilos ; mas la eslAo as
eleicde de Parts para dar signiticacilodomovimenl,,
cletloral que acaba de ter lugar. Coro eflfilo Paria
be a l-'rauc.
lie all em lodos os e*o* que a llberdade daselei-
coc pode anda reprodozr-s* relativamente disto
que loca a' soa aecao individual, porque all como
ein.oqlra parle o gnverno Incloa por toda a sorte de
meto licites o illieilos, sequeslr.r.o, prisoe arbi-
traria, pamphelelos injurio.o., enviados pelo cr-
relo, contra os candidatos da opposirao. especial-
mente contra o general Cavaignar.e ou'lrai pequeas
m.uobra qu* noi acanalaremos qoaudo f.Vroeca-
wao. Agora traamos de pr.ivar que em Pars a
derrota do governo foi inmensa. Sobre trezentns e
(-incenla mil elettores inscriptos, peito de dtenlos
c dez mil lomaram parle as eleices. Sobre d-
tenlos del mil votos expressado, cenlo e dez mil
foram pelos caudidaios do governo, e noventa mil
pela opposicH. O numero dos eleilores que se ab.-
liveram de votar elevase a cenlo e quaienla mil
aproximadamente, Esles Cf nto e qoarenta mil elei-
UIARJO DE PERNAMBUCO QUINTA FEIRA -.1 DE Jl'LHO DE 1857
torea seguirn, a opihulo dos jornaes legilimistas que
pregnvam a ah-(em;.io. Estes cento e qoarenla mil
votos So aquellos da monarchia, e demais be ainda
necessario reeonheeer que muitos desles monairhi-
las volaram contra os candidatos revolorionario. Ja
se v quao furmidavel appcsicao lefia o gnverno se
tea cenlo e qoarenta mil votos dos monarch slae
se ajunlassem aos noventa mil dos revolucionarios.
Mas ejnda deve ohservar-se que dos 110,000 ele -
tures que votaran] pelo governo, se tirarem os lunc-
rionanoa, oa agraciados, os laberneiros. e todos a
qoelles que eslo sojeilos a'inlluencia do governo
que restarla a etle ?
Talve zero, e esles voto boje napolenicos Me
serum na falla delle em favor da monarchia f
Kesomamoa, pois, a immensa maioria contra as
inslituices impertan napolenicas; maioria abla-
la pela monarchia e minora evidente pelos repu-
blicanos.
O escrotinio de Pars podera' comludo ser otil
ao governo, i.'.b um ponto, e vem a ser. que nao pro-
dutiiid i lenSo eicenlncidades do partido demcrata,
juslilica aos olhos de cortos conservadores as medi-
das eveepcionaes quetomou o gnverno como toma-
das no ioteresse da suciedade. He aqu que eu de-
vo mencionar lodos os efleitos empregados para im-
pedir a hornearn de deputados da opnosicao mode-
lada, taea como Mr*. Deshmoiil, l.asleyrie, Labou-
laye que leriam prestado o joramento e embaraca-
do o governo. A6sim, aa manobras governamenlae
foram as maia aetivaa que foi possivel no primeiro e
segondo distncios de Paris, onde os dous ptimeiros
candidatos deviam oppor-se contra Mrs. Devinck e
Guyard deputados tleilo, dos qoaes o primeiro he
chocolaleiro, e o segundo fabricante de tinta, lio-
mens nuilos e completamente incapazes, mas que
triumpharam por orna grande maioria, oque nao
admira porque nestes doos receoseamenlo* o nume-
ro dos que volaram foi muito mais consideravel do
qua aquello dos individuos recenseados.
Os dislribuidoies de Ijstas do governo davam aos
individuos que iam volar lisias dobradas, isto he,
cora n mesmo uome imprimido em duas lisias, m^s
lao eugeohosatnente colladas que nao parecan) mais
que urna s.
Isto he tima nova itivencao.'mns qne sera' difli-
cil renovar, pois que he couhectda de todos os elei-
lores.
Sem embargo o governo nao esta' muila ralis-
silo do seu triumpho, e nao cunta usar do sufragio
iiuivri-al para as oulras eleicOes.
a Ha lambem quem diga que a experiencia que
acaba de fazer-se sera a ultima que se permltltra
dsnaslia napolenica.... se Deua llis conceder vida.
u Emquanto ao mais he preciso reconbecer que
em Franca o sulTragio universal pfie cunslanlemen-
le o paiz entre eslas duas alternativas: a escravidao
ou a anarchia.
.1 O governo obrara sabiamente se supprimisse o
modo do soflragio de que ja' osou grandemente em
provelo da primeira e qoe poderia moilo beuo n'um
lia vollar-se, a seu petar, para o lado da segunda.
Acerca da divisio qoe hoove as lileir. da oppo-
1(30, l-se o seguidlo em urna gacela porttigueza :
Os peridicos da oppost;ao linham-se dividido
rom motivo da lula eleitoral relativamente desig-
nado dos candidatos. Os deinocralas puros hito cen-
surado ,i unan cotn os liberaes patlaineolarios do
luurnul des Debats.
Assim qoe baja terminado a lula eleiloral, co-
misara' em duvida orna polmica da qual resulla-
rao revelares iroporlanles.
O documento seguinle procedenle do comit
democrtico que publicou o Estfela, minifesla a
, divrest pr .funda que reiaoo no cimpo da opposic,ao
e faz inculpatOea graves ao Stecle e a Preste pela
Ma conduela nas elfijlei. Diz a-im :
a Tendo causado ceila impressao no publico a
dillereuca de lisias dos candidatos adoptados p,|o co-
lite democrtico de Paris e pelos duus peridicos o
.s'ecwlo e a /'resta, o comit retolveu antes de dlssol-
ver-se publicar a nota seguinle :
No mez da maio celebroo-ie urna reuniao de
inlividuos do par lulo democrtico com o motivo dai
aleicoes de Paris, e desde a sua primeira sessauad.p-
taram-se duas resolocAes ;
1.a Haunir-se as ma's vezes possiveis.
2.-1 Consiiluir-se regularmente em comit elei-
loral des.te a abertura do periodo legal dos vtnle
das anlcrioies a' elcicao.
Noi da 5 da junho coustilulo-se o comit em
uniao dos representantfs'dos peridicos.
u Na se.sao do d>a 9 o comit, com a parlicipa-
cao de MM. Benazc, llavin, Uusson e Picard, re-
presentan lo o perlidiro a Siecle, e amiron a
ol'resse, consentem. com o objecto de azer desap-
parecer qoalquer dlUculda-te da parte dos peridi-
cos, cm apreseolar aos eleilores orna lista de Iran-
sarcSo.
Formada a lista de commom accord'i pelo co-
mil e os peridicos, remclleu-se immediaiameule
pelo telegrapho :s provincias.
ii No dia sesuinle, sem aviro algum ao comit, o
peridico a Presseu, e no oolio da o ((Siecle, pu-
blicaran) outra lista dilTerenle daqurlln que se ba-
vla formado de commutn accordo na sessao do co-
mit.
<( O comit, hvre de lodo o compromisso em con-
sequencia de-le rompimento inesperado, resolveu
immiMii.ii .mente apresentar an sudragio dos eleilo-
res urna lisia homognea. Ceden lo a' sua auloiisa-
r.'i-im.r.il, MM. Julio Basltde, Eugenio Pellelan,
Jo3o Keinaud e Julio Simen approvaram a candida-
tura que se Ihes apresenloo ; e a lisia adoptada por
unanimidade publicou-s no dia 1 de ionho no pe-
ridico a oE-tafela.u
o epois de ter resolvido a publicado delta lisia
por lodos os meios que eslavam ao seu alcance, o
cnmil, com o objecto de no aogmentar a divises
adoptou na mesma lessSo as daas resolurcs se-
guintes :
I." Nio recriminar os candidados aprestnlados
em dissidencia pelo Siecle o a Presse.u
a No entabolar deuss3u anle o publico sc-
nao depos da lula elritcral.
Paris, l de jnho de 1857.
> Pelo comit : Carnet, F. Herold, Vacherol. a
roram nomeado. por tres decretos du goverou o
seguales senhnrrs p.ra dirigirem n corpn legislativo
ltimamente eleito : Presidente, Mr. Momv ; H-
ca-prcsidenles, Mr. Sclineider e Mr.'Revil ; Ques-
lores, Mr. Wast BiMay a Mr. Hebrrl.
Eslas noroeacOes conrmarm o- rumores que ja
hoje em Hyde-Park em presei.i; i de Om imniensn
concurso de pnvo. Ncsla cfrniiun a liguraram a ar-
lilharia a ravallo. os guardas rto a eiigenliaiia real, os gaardbi a p, a marinln real,
o 'JT de Inulanders, a brigada de earabmeirof, a
arlilharia e o ir. m militar.
Os nlliciaes, que teviam receber a cruz de Vic-
toria, eslavam s ordens do lente-general sjr Co-
ln Campbell. Ceda oDicial liaba ao pello nina lila
v- rrm Ma ou azul, conforme a cor do seu uniforme,
para a rainha pregar nell. a cruz.
A rainha monlav om ravallo cor de CMlmbt,
trazia urna tnica vermelba com os galfles de feld-
marechal, e ne caheca om chapeo redondo adornado
de plumas brancas e vermelba.
A sua direita la o principe Alberto com uniforme
a feld-marechal, e esquerda o principe Krederico
'ullherme da Pruisia com nnif rme azul e branro
le offlclal prussiano. Atianle do SS. MM. iam o
duque de Cambridge e sir Colip Campbell.
Cada ho.uem, quando chamado pelo seu non, se
apresenlava a rainha, que inclinada sobre n eavallu,
pregava a condecorac^ln no pello do homem que se
apresenlava. Pasrava Ingo adianle, e o principe Al-
berto dirigia-lbe algumas palavrasa felieita-lo.
" \ Cnndecoracao eslava encerrada em um bello
colre eoberlo di marroquim. Dual pessoas abriam
o cofre, e tiravam a cruz, envolla em papel moilo
fino, e a entregaran a lord Panmure e a ni C.
Wood. Esles enlregav.m rainha.
o A ceremonia da distribuido nao Irvou mais de
dez minutos. As tropas lizeram em seguida alguma
evelucer-, e desfilaram dianle da rainha.
A medida que o regimrnlos desfilavam, a m-
sica paravs (liante dos hoiaens condecorados e lora-
vam emquanto as tropas desfilavam.
Cada regiment Irazia o seu animal favorito. Os
carabineiros Iraziam um carnelro d. Crimen ; os
guias um magnifico cao da Terra Nova ; ontro regi-
ment um enorme ra,i da mrema raja. Este cao,
quanil'i chegnu em fenlo da rainha, asseulon-se con.
toda a plaeidez, e assim se coniervoo ale ler desfi-
lado o ultimo homem do sen regiment. Enlil le-
vauteu-se, c las lomar o seo lugar'entre os dous ofii-
ciaf.
A' urna horada larde Indo eslava concluido.
O consellto federal da Snissa dirigir a seguinle
circular aos (ovemos cantonan :
a Fiis e queridos confederado'.
Temos recebido a indicia uHi.-ial que as ratifi-
caros reservadas no tratado de l'aris, de 2(5 de mai.
re .:, .m- ni., a stloacilo internacional fulura do
cantAo de Neufchalel, foram Irorajilai enlre ambas as
parles interessadas, no da 16 do mez de jando, em
orna sessao da i-unfci enca de Paris.
Por este acto um negocio que ameactiva envolver a
confederaban em complicacOes e em perigos gravas,
receben, con) auxilio da providen-ia, urna soluco
13o bemu>a como bonrn.a, e aisim nos nao f licita-
mos menos o ranian princ.palmenk inleiessado, que
toda a eonfederaiao helvelira.
do Madrid eslava as ras do transito, celebrando, preseura he sempre grata, e al familias ha que o 30 gigos champagne ; a l.asserre & Tyssel I-reres. ,
conijubilo ,, au.l esperaiica o,, teram como o anjo lulellar da Victoria. 7 caixas faienda de lia e ditas de sed. ; a F.
segundo noticias de ISew \ mk o general ISarvaez >,11 he o enthosia-inu de motlenlo que ios az re- Sauva-e A C
.'/.ej'. "''|V;"n US^l* P^'t?'*.' '")'K'\ '-'" '"""' i,"!'reilsa' '""> ""> < "<"') q e fr i eaiai ro'upa, trastes, chapeos e camisas ; a F.
jeriiadiir de t.ubi, poique este se linha un.ilvi.ls. no ouvir pelas cem lubas da Fama, lie poiem o desojo IJ. da Oliveira Sohrinlio.
raneo de rscravns. sampre louvavel de levar ao dominio do publien, o I 1 cana livros, perfuma, ias e champe ; a Moreira
US-S0 o seguinle cm nina grela porlug.icza : tilo deixar em e.qurcimento a pesson de um militar A Fragoso.
A qoesiflo scandma.a que tanto inleresae lem | distlnclo, como he o Sr. Cotieeundes, e que em Mo 23 barris c 25 meio manleiga a V. A. Carvallio
poueo lempo lem sabido csptivar nosfos enraee". & i'..
Keceba, pus, o illuslrissuno Sr. leiienlcCuiifguildes
excitado e evrila nos Estados do Norte, pela sua un-
ponancia'e o< benrfictos que pude prodoiir Sufcia
e a .Suriima, preoecupa exlraoidiiiariamenle o go-
verno rus relutnia.
us nostoi votos de sympaihia e alTei^lo.
Breve fallaremos com mais vagar do Sr. Conegnn-
des mi ciilretau
, ------- ..m.in. sr .-.. iiimi -3173 limo- \l o liill |'l 'i" 'i" |
A etilermidade do re da Suecia inquieta muilo a solemne, e de om reconhecimenlo s qualidades e e-
-".-*J Porque teme qoe se veja obrgado a aliando- ducaca., a' posicao e a' pessoa do Sr. tenante Cu- !
negoudes, a quem desej unos as maiores prosperida-
des, e que enlre mis habite paro prazer nosso e us-
nar n governo do estado.
o lie sabi lo qoe o monarca se oppe aberlamenle
unan escandinava, por cotiseguinlc a sua reltrarfa
dos negocios seria um Iriumphu para os partidarios
daquella idea salvadora.
a Sob esle poni de vista, o temor qoe obriga o
imperador Ale ndre be moi fundado, pois se o
surcesso qne est a ponto de verificar se rhega a ser
um faci, inlubitavelmente o escandinavismo loma-
ra grande inrr.menlo, desenvolvendo-se osen oro-
gres-., com rapidc.
He assim que o embaiador da ltustia em Cu-
penhague, penetrado da eminencia do perigo, leve
varias conferencias com o ministro dinamarquez
para explicar-lhe os molivns que drviam determinar
a l-liuainarca a repellir a Bailo, fazeirrio-lhe obser-
var ao mesmo lempo que o g.bnete impeiial nonca
consentir na evccncAo de um projeclo que Iranslnr-
naria o equilibrio europeu, e tlataria os iuleressesda
RoMia.i
Os despachoj de Alhenas anntitiriam lima mclhora
geral na produ^ao de sedas e cereaes.
As cmaras esiao fechadas e o rorpn legislativo es-
t am perfeila h>rmonia com o ministerio.
A seguinle carta de Washington resumo as noticias
dos Estados-Unidos :
Na minha correspondencia de honlem vos ex-
pliquei qu*l serta a conducta da Inglaterra e da
I-ranea na queslao hispano mexicana.
Disse Umliem o que eslava fazen o Comonfarl,
o que prnjeclav.-i e porque causas.
Falla-me alada examinar qual be a posic.lo
dos Eslailos-l'nit.is, e qual sei asna aecao pn-<-
vavel nesta qoeall, e a siluara-i em que a llespa-
nlia se acha collocada ; e conio ennsequencia de lu-
do, o que a Bfipaoha poderia e deveria lalvez fa-
zer para sahir airosa da rontenda, cor rerlo poucos
riscos e sem fnzer demasiados sacrificio.
K Mas anles de e,lrar nesta materia devo aclarar
um ponto que sem duvida licou duvidoso na miaba
correspondencia anterior.
o lalvez julg-sse ser mui exagerada a pialara
que fiz dos perigos que corre a Europa nioiiarcbi-
ca por parle dos Estados-Cuido, se nao se Iba corla
os voos a lempo, mas esta optni.ln rao he smenle a
sua ; ella be i!e>gr*cadameute a de muitos bomens
2 caixas lazenda de alg.do, etc., porcelana ; a
t.oillierme da SVC liuimaraes.
2 caixas, I fardo e I barrica lilas, verniz e ervas;
irvam essas tinlias de um protesto l a B F. de Sooza.
2 caixas msicas e dores ; a F. f\adkh.
1 rana camisns ; a Th. Tres.
10 barris e :in meios mauleiga ; a M. J. 11. e
Silva.
7 caixas fazendasdelaa, de stda, de algodo, cha-
peos, pellos, etc. ; a J. C. A5res.
_ I caixa vi Iros, porcelana perfumara : a J. II.
Fragozo.
"1 ditas objeclos para chapelriro ; a Christian
Frrc.
CONSULADO GERAL.
Im l'ictoriense.
sa felicidade.
Victoria ti dojulho.
Srs. redactores.Vi em um numero do seo Diario
pnblirada a pedido urna denuncia contra mim por
crime de espanramento, e a interrogatorio frito
um preso a quem se impula o mesmo crime oa qua- i Bendimenlo do dia 1 a 28.
Iidade d
,. .---------- ----- -- .-~ ---.-_. ... ... a uu Ml.lilu. il lilil).
Vuanon recordamos o curso das negociacoes dele de estado, que regos por um espirito de roltiia, xi
veem gigantes on.ie nao ba mais que pvgmeos.e nao
yeem mais quejiygmeos onde ha verdadeiros col-
lossos.
Mas para qoe veja qoe nada ba de exagera-
do na miuha piulura, vou apresentar este breves
apiiitamenlos estadstico.
" Quan lo os Estados-Unidos se lizeram indepen-
denles em I77(i, a ,ua popularao lolal s se eleva a
(res milli.es de habitantes.
negocio, reronhecemns complelameule que esta fe-
liz soluc.lo foi clevida a alia sabedorta e a moderadlo
de que deram prova nesta circunstancia as potan-
ca mediadoras, assim como ao espirito de rquidade
que prevleceu na apreciacao das dilliculdade exis-
tentes.
Em conspqoencia do tratado concluido, o eantta
de Neufcbelel oceuppa assim, a visla das potencias
europeas, a aaesma psito na confederaran que to-
dos os oolros cantfies.
Ainda qne as relarSes do Neafchatel, sob o ponto
soisso, mi., foram om initante duvidosas. a que u.ir
devessemns, seguindo nprnlica internacional obser-
vada alaqni, rfivendicar lambem para este cantao,
em 1 ida a soa extensan, o direito de se cot.sliluir elle
proprjo. nao era de menor valor qoe a independen-
cia do Neolchalrl fosse inleira e iucoiilestavelmeiile
reronbtcida no syslema dos eslados europeos.
Esle faelo 13o imporlanle e lao signilirslivo para a
Snissa realisou-se completamente o'uma maueira sa-
lisfatoria.
O apoto leal qoe as auloridades da confederaran
lem adiado uesses lempos anormats ao dos altos go-
vernos ranlonars, lem conlriboido para conduzir a
este feliz resultado.
Kecebei, puis, fiis e querido confederados, em
nome da patita, a espressio da nns,a viva gralido
pela vossa cooperacao 13o liel como preseverante.
que junta ao eenliinenlo da nacao, sobvisltr como
um bello monumento na nasal hbloria.
O curto periodo que acaba de passar sera' impar-
cialmente apreciado pela posleridade, elle sera' re-
gistrado como um testenini.li 1 de espuifu verdadeira-
menle republicano nos annees do noaso povo.
Ns vos taremos piovenifproiim'mente pelos com-
pelenles exemplaies do Iralado de 2li de maio com
as raficacoes e 061 aptoveilamos e-la occaiao de
vos rerommendar fiis e queridos confederados, a
proleceao do Todo Poderoso.
O estado da Hespanha esla mu longo de ser salis-
faclo, pelo conliariu be asss proprlo para encbei de
oslo a lodos qoantos de eorac aroam lao hilo
paiz.
As revoltas succedem-se unas s oolras, c os
revoltoso, posto que balidos perseguidos, achala
sempre meios para de novo sublevarem-se.
Eis-aqui como o correspondente particular da
,\<;ao resume as ultimas noticias daquelle
reino :
o O Sr. presidente do conselho de ministros de-
clarou honlem no congresso que a intoneicao da Ca-
rolina esla' suO-rada ; que a da Andaltuia batida e
persegoida pelas Iropas e a guarda civil trata de fu
gir al Entallar, e que ha um grande numero de
presos que bao confessadu o seu ciime e as tenden-
cias democralicosocialislas do levanlamealo.
n Ma o presrlenle na comi-lflou eslas aolicias
salisfaloiia Indicando o que ha de crio nos rumo-
re de facedes levantares em Toledo ne Arago (as
cinco villa,) e na suacao gravee agita la da Cata-
lunha. He muilo para leraer que lenlismos ama se-
re enema de agllaeoes incessanlemenle renovadas
I no ..vulto non dficit aller.
Em qaanlo a Madrid, unde reina, de'de varios
das um profundo receodequa rebeule 11 m pronun-
ciamento, disse com muila verdad* o duque de Va-
lencia, que os elemealos da revolucao .a., impoten-
te ; mas d. va ices-enlar-se se bmlam a sabir
para a roa, e all tiiotear contra ss paredes. Mas
podem-se temer plan, s melhor combiuados e mais
teirnci'.
o O fado he qm; a opiniao esla' profundamenl*
rommovida com a conduela do governo e preparada
para grandes aronteciinenlos.
l'arece que o governo francez, liel ,1 poltica na-
polenica, trata de tirar partido da ioslabilidade das
coosas na Hespanba, e com .. pejsamontn de vollar
a rnuducla que obsrrvoa o imperad .r Napolclo em
I80S con. a djoaslia hespanhola, mandou ha alsutis
dia> a Hespanha a om principe da familia imperial
para sondar o lerieno.
o Fallase de conferencias llovidas entre elle e os
geneiaes vicalvarist.s. mas nao s> ere que as insi-
auaces teoham lido boro aculhimento.
o No congresso ja Picoa votada a proposla, anto-
risai.do o governo para conf'ccinnar a lei da im-
prensa, e passou ao senado, onde sa espera seja ap-
provada amanhaa.
(i O Sr. conde de S. Luiz aprascnlou por fin) hon-
lem em seu nome e no dos seus amigos rompaiihei-
ros do gabinete, uma proposla pe 'ni lo que se desee
curso a aecusajao dirigida contra e-le ministerio.
n Mas o Sr. S. I.uiz apoiou a sua proposta em
l.rmo ba-lanle frouxus, manifestando que o con
gresso de va regeila-la, se julgasse sna discossao
penaosa na siloacao, e o congreso a regeiloo.
I. S. Acaba de publicarle um supplenif nlo a
m,arela Iraxendo uma parlecipacao Iflegraphica do
capiiao general de Malaga, annuuciando que a fac-
rdlo que se havia levantado em Utrera, em notnero
de l.jti homens, llnhi ido b.lida deixando 20 bo-
mens morios e 2 prisioaeiros, e que a estas horas
teriam sido paseados pelas armas,
A parlecipacao lelegraphica conclue declarando
que o restante da partida foge dispersa em direcclo
a lubrallar. C >m lodo ha anula muitos Individuos
em Madrid que duvilam da noticia. Assim isina
muita fermenl.ieao e anciedade nos an>m s. Mae
lomo a repetir, nao creio qoe rebenle um nioii-
mentii, a nao ser que se intente um golpe de man.
o As tropas passaram toda a noile sobre as ar-
mas.
Parece que ha alguns dias, em vista da emorao
publica, e da impopularidad* do governo, dous mi-
nislros oflereceram a. so.s demisses. Mas quando
as apresenlnu o presidente do coaselhu rainha
S. M. Ihe disse, qm se linham modo p diam rell-
tar-se tolos e que chamarla llravo Murillo. O du-
que de \ ..lencia respond'u, que inedo nao linham,
e que seguiriam lodos adiantr.
O Diario Hespanhol, o refsriado-se ao estado
laleressaale em que acha-se a raiaha, publica o se-
raandalorio. E para que o meu silencio
nao seja lulerprelado on como reconhecimenlo do
fado, ou como despiezo pela opimao publica ;] a-
presso-me em declarar que ceta denuncia be um mi-
seravel trama para riesabafo de incsquinlio re-
senlimentos, como bem o d.i a eonhecer a sofreeui-
ddo, coro que se publicaran! esas importantes pec,as,
antes de ultimado o processo, e como hei de de-
monilrar em seu devido lempo, lia cedo ainda pa-
ra regoxlj&r-se o Inl pedidor da publicaijao.leve pr-
meiramenle ao cabo a sua obra, que depon ajusta-
remos canias,
Com a publicaco. deslas linhas muilo obrigarao
v mes., Sis. redactores, ao seo respeitador e criad.
Gonealo Francisco Xavier Cavalcanli Uchoa.
Serinhaenj^S de julho de 1837.
9?utctcao apcblbo.
O TRIBUTO DE ETERNA DOR E SAUDADE
PACO ASCINZAS DO CORONEL FRANCISCO
FERREIRA BE HALLA.
Uma Hislenela ass preeioa acaba de er ceifa-
da pela morle Le [alai, que faz dos seres liornanos
sombras fugitivas, qua appsrerem para lugo sum*
rem-se nu sein da elernidadf Le inexoravel, cojo
dominio,nivelando a todos,leva a d.r en pronto des-
de a clioupana ale os mais eobeihos c magnficos pa-
lacios :
Anida honlem conlenlamento, encantos e snrri-
sos, e j hoja consiernacao, lagrima e lulo Eis o
triste q.i mu de urna esposa, carpi,lo em i-olada
viuvez a eterna saudade do digno esposo, que perde-
r para lodo o sempre. Eis a moda siluacao de lan-
icia amigos, absortos em dolorosas recordarles do
amigo presnmoso e dadicado que fallecer.
O coronel Francisco Ferreiri de Paula, fazendeiro
0 proprielarin abastado no logar da Una Esperanc,,
pcrlenceule a villa d Independencia, provincia da
Parahusa, era natural do Brejo da Madre da Dos,
desta provincia de Pernambocu, e filho ligilnno de
pas illuslres, o capitn Vicente Ferreira da (".osla e
D. Anua .'oaquina da Costa.
Nunca usara de sua fortuna e Mostr nacimenlo,
senao para engrandecer seo real
i r,.,. ,,., rii;i,iiinr,-,r sea real meu cimeiil 1, I1011-
ca., total ,1 '!"*." 8I "nnos'e a PP0la- i rar a sna patria e conquistar por actos de honra e
cao total desle paz he aclualmenle de mais de 28 virtudes a estima publica.
ot lines.
NSi deve;s suppor, como vulgarmenls se sup-
poe, qoe e5|e aogmenlo assombroso he devido a emi-
graciTo earopea.
a Segundo as eslalislicas publicadas ha poucas
mezes, o lo;| de emigrados europeu que han viu-
do pBoMioamenle para este pai/. desde .1 sua inde-
pendencia at su anuo passndo, nao passa e Ires
milhOei ; e anda que nao cabe duvida em que cs|e
numero he bem consideravel, fcilmente se coin-
pifhender qu3o longe est de dever-se a elle este
f.crrescimo inaudito da pnpulacao americana..
'( A exposirao das causas que lem produzidu esle
augmento prodigioso, que nao lem parallelo na his-
toria, formaiia um esludo mui Curiosoe inlerestan-
te, mas estara aqu inlciramente b.ia de lugar.
Limilar-me hei, pois, soLre leste particular, a
notar esles fado imporlao(isimoi, que a esladisli-
ca pe fora de toda a duvida :
!. A populacho dos Estajos-luidos duplica-se
cada 2(i anuos.
2.- A brea reprodacliva desle mesmo povo reside
no sen mesmo sf 10 ; por conseguate, continuara' a
sua eperacao ordinaria, atilda quando por qualquei
motivo cesse de duiir-se aos Bslados-Uoidos a emi-
graran eurupea.
Posuia qualidades nao vulgares e bem dillicor de
se equtlibrarem perfeilamenle em am s e o mesmo
homem. Assim, firme em soas opinies, constante
em seus piojerlos, venca lodos obstculos com a
moderacao e a alfsbilidade do seo carcter.
E fura assim que sempre leal ao governo, e con-
quistando pelos seus iinmeasos servias desde a pa-
tenta de eapilao da guarda nacional, s de majur c
lenenle-coronel, al a de coronel chefe na eilad -
maior, delegado de polica e presidente da cmara
municipal, alem da ce lecoraco do habito de Cans-
o, nunca deixarade ser estimado e brmqnislo por
aquelles mesmo, que professavam opini&es contra-
ria a delle : sua ascendencia fazia-se sentir por um
molo lao pacifico e moderado, que lodos fasriua-
a. Nunca iienhum homem soahe conseguir lauto,
como elle, e ser respeiladu e estimado.
Nos infortunios soa fortaleza era olhada com ad-
mitacao. Apunhalado o seu coraeflo por um infeliz
.,c,nieciiiKiiio, qual o da 11.01 tu de um nico lili.o
que linha, com idade de 21 anuos, e a quem umava
em extremo, com osollns no eco, echeio de resigna-
cao evanglica, procurou subsiiloir a prenda que
perder, recolhen,.o a soa casa urphaos e orplnlas
desvalidos, e adoesoda-os como seus proprio lilhus.
O necessilados acharam nelle nao s uma fo
dem do dia 2'.).
101:1569693
2,i89i>86o
t03:66a38
s,...,.,"._____ "" """-""" > nuwram nene nao so uma lale de
SOppon le agora que a Europa continua com as beneficios, romo de cousolncoe*.
da America a mancha cega e do perdicSo | Dotenloi e lanos moradores, haviam em soa gran-
de propriedade, eram duzeat.is e tantas pessoas que
o istimavam e o obedecala, couduzdos ao caminho
da motalidade e sujeijao as leis. Animava os bous
com beneficia-los e soccorre los : alugralava de si o.
masa com a prompta coiidemnacjto de seus'actos.
Cheio da forcas e vida; e com o espirito repnusado
em tuna conacieneia justa e tranquilla, fui viciim, de
uma perniciosa Mire, que durou dous dias, e o levon
a sepultura na idade do (i annos incompletos dei-
xando um pai ucliger.ario, e uma espoza resneitavtl
(ior lodos os (itulos.
que lem seguid., al aqui, e-depos transporte a'su
linagiaa{80 ao lim do -erulu actual, uu an principio
do que vem, e\,wt nao mui dialanle que >er,1n cun
seus olhos o ia ividuos da geraco naacida .'
i B li .jo o iriiu se v pelo eoeldenle '.'
o l m 1 ovo de mai. de cem milhoes de habitantes
tnlelligeales, misados e emprehen ledorot, em pos-
sessi.i .re lodo o lerrilorlo qua se eslende ds le o
polo do norte al ao islhino de Panam
da numerosa exlens.lu das costal e .1
e-te teirilorio lem no Atlntico e 00 I'.cico 'se-
uhoiesdassuas ilhas adjaceales, assim como dos is-
Ihuios ; com am campo para a sua agricultura, que
i aclualmenle he o mais rico da lena, e que aba--
sein.ore
s gnlplios que
Escrevendo eslas Irisles linhas, nao lenho outro
lim que nao cja o lazer conliecidas as virtudes da-
quelles, que. Victimas da
sao aos de toda a Europa reu- ravel. Vicente Ferreira da Costa Miranda.
nida; seahore, emfim, dos dislriclus miaeraas mais
ricos da (erra em carvSo mineral, ferro, cobre,
chumbo, azoogue, enxofre, pral, e 01110.
.1 E esle povo colosso, que j publicou ao mundo
n seu .rogramma sem rebufo, o principio pelo qual
hade gmar-se, qne he o da predesliiiarrw ou o do
destino manifest, como aqui se chama, cier ain-
ia maja nesta oeslino, porque o vera' cumprido.u
O principio at oz da predestinadlo pelo qual este
povo se declara agora senhor pelo direilo divino de
toda a America Srptenliiunil desde o polo do aorle
ate ao isihmo pe Panam, recbela entao uma in-
(erprelatao muito mai lata!
Nao se esqueca lembem qoe oulra dai pretenees
desle povo he que lodo o .rundo ,eja democrala.
As suas forcas agora sao tracas para impalsar lid
grande etapreza, mas nili o scr.lo tullo e o^ tema
gogo- de lodos os paites, quando souh.m fin- suas
aluraaesde saague e de Iranslorno, verao mui uer
lo de si, couduzdos pela fon. ma.avilh.isa do va
por, o exercilo irresislivel dej cem milhoes de coo-
peradores.
Porqu cada um dos cem milhoes de blMlaotetl
desla repblica eslai auimado, mais ainda dn que
o esla agora; de um odio implacavel coalra a Eu-
ropa c suas iastiluicoes politice* e sociaes.
E esle povo gigante estar alada entao nao na sua
joventiide c continala crescendo.
o (Varna coirespen lencia de Cualemala de 12 de
maio 111:111,0. le se o qua se eRue :
Eslamos ameacadns pelos nosso. proprios con-
dldaoa e pelo eslrangeim. Aos olhos dos Estados-
Luidos 1 i, .ss,, existencia com salados inlenen-
ilentes, na se concebe, e virlualmenle, ble ons e
amanhaa outro. devenios pela forca das cousas for-
noi-le''8 das"",ue nfederarao te|mblicana do
N mesmoscreamos esla siluacao. A eonOsafa
he dura, rr.as he a exprc.ao da rerda.te
(i As nossas dissenees interiores dan |ogar ao
poueo respe.lo qoe devem in.pirer a certo eslran-
p'lcnS|e Depois da dis.olucao da confederarao centro-
americana, cada estad.., por assim dizer, o baldan
do diversos partidos, lodos aspirara ao poder
o Lia peridico publica a seguinle participacao te-
Recife 25 de julho de 1837.
&C
bt&i 18 -
CAMBIOS.
Sobre Londres, 28 d. a 60 d.
Paris, 316 rs. por fr.
* Lisboa, 92 por de premio.
Rio de Janei:o, 2 por 0|o d descont.
Aecao do banc 50 por cenlo de dividendo por cou-
ta do vendedor.
ir enmpanhia de Brberibe 60J000 por arrao
o ci compauhia Peniamhucana ao par.
Ulihdade Publica, 30 por cento da premio.
Indemiiisadora. 61 Mees.
da estrada !e ferro 20 por 0|0 de premio
Disronto de ledras, de 10 a 10 por cento.
Acedes do Banco, 40 a 43 da premio.
circulavam sobre aproxima convocaran do mesmo ; guile
Lomo linhamos anunciado, S. M. a rainha se
loda a solemnidad*,
lar le
M tratara apena da ronsiiiuica da cmara e da vo- d
lacao de algn, prnj. los de |ei. ,,, '4s 0 oeu
aSSSSSr^^'^^zssi.......-
China.
Ern Londres fallava-ce muilo no circulo diplama-
lieos do ama tonga conferencia que ltimamente ti- '
Ouro.(Incas hespanholas.
Moedas de 68100 velhas .
i.-liHi nava; .
49OOO. .
Prata.Palaces brasileiros. .
Pesos en! 11 mnari 5. .
a mexicanos. .
ALFANDEGA.
Bendimenlo do dia I a 8. .
dem do dia 29......
28J a 289500
. 16*000
. 163OO0
. 9s000
. 25000
. 2JOO0
1f860
109:55a:)0
5l:00a970
i60:56ls74
Descarregam boj* 30 de julho.
Barca inginaiiheionmerradorias.
Barca francezaPorto.Rjoadem.
Barca inglezaCenevieictachas de ferro.
Patacho poriogoezaCoincidencia cbolas c b-
talas.
Brigoe brasilciroFirmamerradorias.
IMPORTA!. AO.
Escuna ingleza aJobn f Ehsaa, vinda do Snaa-
se, consignada a Sccll, Wilton, mauifeslou o se-
guinle : .
2ifl toneladas carvao de podra; aos ronsignalarios.
Barca franceza aPorlo Hirco,nuda do Havre, con-
signada a N. O. Rnher & C., mamfeslou o seguinle:
caixas farenda de seda, chapeos de sol, alfine-
31
s Londres -2H.
o Sania Anna, o ex-Jiclador do Mxico arenara ------- ..... ......"
uma nova re,volucao. r'Pa,a I les. calcado, inarruqumi, ele,150 bajris e 130 meios
o De llavatia escrevem a S que fra esperado aesla ,na,'l,,K' T c<"l?l"li'r""-
cidade. H 'apera.ioaeta, 33 eal, f,n0i 4e algodao,
eleicOescomeciram ao Mxico. Comoaforl he
o pnacipal caadidalo.u
ommunic'&0.
venficou-s
vera lugar ealre lord Palmerslna e Mr. de Persigay,
ministro da Franca naqnella r.'.rle.
ce O minislro inglea, diz a Independencia Helt/i,
expoz aa imperador de Franca, que se a lloaran dos
negorios for lal que um (le.euvolvimenln de forcas
cuosideraveis Va t ruar se necessario as ludia sen- I ..r.i. a r-.m
da pnr so impoesivel Ing.a.erra o enviar vs palada. fJmln,,"'" P" > Pudores do
irforcns a China, pedera para isla ultima guerra.
TIIEATRO DE SANTA ISABEL.
Temos rscnpio alguns arligos, rcl'erindo-
tios a socieda.ie dramnlica, paia anima-la ;
os quaes foratn publicados em algttrnas das
. folliis desln cidad.-, e de cuja tarefa nos en
nal sanctuario de Nossa carregamos VolunUramente. E-crevei.do o
i nosso ullimo artigo, publicado no Diario de
.- A trop-s esiavain *.ad,ds"n,',Tr'aa.ilo e o ,'"pam,;uco,<1 7, presente, n3o tivemos
templo d'Atucha vi-toi.nneute adornad... | oulra inlencflo, alero da que aritna ileclara-
0 A visita do nosso* res ao templo histrico que I [r",s ei,a patentear a injusticn do digno es-
'-errajas recordate. de lautas glorias para a lies-, mPtor> que ftzera USO da sua bem aparada
pema para asseverar, que o nosso Iheatro
ilivera abandona 'o at o dia 18 docorrenle.
panln, veiilicou-so rom uma pompa desusada e ver-
daderamente legia. As trombetas e limbaies da ca-
sa real abriam a marcha.
o Segoiam-s* aaia cavallus de respeilo coro aovo
e magnficos xairtli, ronduzidos pelos lacaio.. Em
nu c..o em que ella Imuveise de prolongar-so a cou-
peraeao activa da Franca. M. de Persign\ praslou a
maior altancan an pedido de lord Palmerilon, e pro-
metlen traimniiti-1,, m demora o imperador.
u Le-tena Gaule de Frunce :
Carlas particulares da India, chegadas a Paris
pob. uilimo paquete, eterettm a situara, da India
inghtM como tendo mai* gra>, qe aquella Indica-
da pelos jornaes de Ittglalcrra,
.. No da 10 da mala, dala deslii cari,,-, vate *
(incoregimentos nalur.es da India, ,, |a,ar de seis
.la que rallam os lornles ingieres. os|,va, em pen,
revoila, 1.1,1 s,, aa provincia de Bengala.
Tema se muilo que a provincia del., bore nue
nao lilil, anda movido nao lardare em seeoir o
exornlo de Bengala. -
,. Cada regiment de cipics, cinp&em se de I 00!
a I.2IK hninens.
Portanto pir um carrillo mallo afio, r"de as-
s que nao he oienus de 113,000 llamen, o
s na provincia .[e
Viirham em seguida dez magnifirns coches de
gala puxados por preciosos cavallos com piuachosda
diversa* core-.
o Depois das Cr.rruateus onde iam os gentis ho-
mriutnordoinos da semana, alio*, '..nrcuinmos de
palacio, damas de S. M., carnareira-mr e rn.rd..-
mo-mr, Kgoia, preced lo dedoni baiedore* de es-
tad.. iiMinr, o que cendal* a serensima princeza
das \.||.ri is. A loma menina la toda de gala e le-
vava um Im!.. \estuaiio azul, t smenle na frente
do coche e com a camareta a vidraca, saudava o
publico com toda a dignidad* e airelo de uma prin-
ceza de idade mai* avancada.
Alraz dn eche de S. A. .eguia o de icajii, c li-
n linente vmha o que slenla no teclo a coma de
dous mondo*, e im qual iam SS. MM.
u A rainha e-lava clegaulcmeule vedilla, e orua-
va-lhe a fronle uma linda coroa de hrilharilcs. El-
rei vn.lia ve-lido de capitn general.
Forea he, declaramos, que nSo escrevetnos
enem Irequenantos o liieaim por espirite,
de partido : agrada-nos a pecapela sua
niorahdade,- e apreciamos o actor pelo bom
desempenbo do seu papel.
Nos Dosaoa humildes escriplos nunca per-
sonalisamoa, e adiamos muito inconvenien-
te incensar c 1 idicularisar os actores. C.ons-
CIOS da nossa ignorancia, e iuteira falla do
liabiliUces, nos confessatnos, desde ja,
I vencido* por quem nos queira arraslar tai i
uma polmica Iheatral; mas estaremos lir-
mes na estacada 1 ara anifeslar e susten
tara verdade ; sem quoa istosejamos mo-
vido* pela amizade, tnieresse, ou entni-
menda ; e se assim desagradamos, quem nao
costar, coma menos
O amante di scena.
elTeclivo de in'iirreccionados,
Bengala.
- ------------, dila de seda, de
dita e algodao, de lia e ligedlo, de Indio e d.la e
algodao, ct.ales, roupa, lava*, chapes e ditos de sol,
penle, calcado ; a Timm, M in.en & V.nnass.
'1! ca,M9C,li,mP-ae ; a J. I'raeger L\ C.
.1 canas qoinquilharias, etc., 1 barril viuho ; a
alonletro & Lopes
caixas fazendas de seda, de algodao, de II* e
milla*, las, chapeos, traites, ele ; a Schafheitlin
tX _C.
50 gigos champagn* ; 1 Sanndori, Broihrrs.
41 caixas e I banica, roupa, miudezas, eodro*,
(|uiiiquilharia., clcalo, trastes, chapese fazendas,
etc. ; a Burle & Sor.ia.
I caixa producto rl,\niios ; a A. Slahl.
33 caixas fazeii.ta rie algodao, de laa, de eda e
1 mixl.s, chale, chapeos de sol, vidros, cabello de
coelho, etc., 100 barris e 100 meios mauleiga : a 1.
Keller 120 barris e 'JO meios ditos mauleiga ; a Schraram
" s\ C.
II eaixai ab>nlliio, 8 ditas ameixa, 1 dita cha-
peos, 17 dila. e 1 barrica vidros; a ordem.
!) caixps fazen las de seda, de lia, chapeos e cou-
ro-i ; a Siqueira \ l'ereira.
21 ca xas miulezas, espelhos, papel, perfumara,
trastes, grasa, filas, etc. ; a Feidel, Piola & C.
3 eaixai lazeodJM de seda e oulras, chapeos, pea-
le-, etc. ; a L. A. de Squt'ir*.
I cana livro*/* inn-ica ; a J. M. Porlella.
8 volamos e t
da e mixtas, ch
etc., (i bairiea* a|ili'>cl<
i (a xas perfi
\ caixa. caud
etc. ; a I. II. t
I caixa loura
: can.,- f.zet
peo, etc. ; a I
i caixa livro
20 barricas
um ,\ C-
I caixa mar
Leal B
'aixa cha)
c.ma
caixas fjenlas de alenda", de se-
les, litas, cale, cinto* elstico,
a II. Bruno (\ C.
111 ira e miudezas ; a l.et.llier 6; C.
e.rus, dtogas,medie,metilos, oblea*,
eoker.
- ; a .lime. T'ieard.
las de seda, pannos, collele, cha-
V. de l'aiil.lice.
a A. I dos 5anlo*i
Ir,- ..1. 1 caixa livros e drogas ; a J.
roa? mecnicas ; a Lemos Jnior ,\
DIVERSAS PROVINCIAS.
Bendimenlo do da 1 a 28. S:li(ili-7i2
dem do dia 2'.)....... 555J757
:22?!>'J
DESPACHOS DB EXPORTACAO PELA MESA
l>0 CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
29 DE JIILIIO DE 1857.
MontevideoBarca hespanhola Juliana, kalkmann,
N. O. Bieber & C, 96 harneas e 30 lurriqu-
_olas assucar hranco.
LisboaBrigue porlngoez Comanle, Thom't do
Aquino Fonseca & Filho, 150 saceos asucar hran-
co e maacavado.
Buenos-Ayres B'igne hespanhol (iMonarchao, Bal-
tari O iveira, 30 pipas agurdenle.
.r.10n'c* portuguera N. S. da Boa Viagem,
Ihomaz de Aquino i-'oi.seca A Filho, 17ti saceos
assocar hranr...
Rio da pralaPatacho pnrlugoez S. Jos, Isaac,
_ Corio i\ C, |S barrica. a Confederacilo ArgentinaBrigue hespanhol -Cori-
na, Amorim Irma., !I70 barrios assucar brauco
EXPORTACAO*.
Liverpool, barca ingle/a Prospero, de iil tone-
ladas, condoli oseguinte: 100 pona de boi,
400 arrobas de lea), 525 couros salgado, 1.426 sac-
cas com 7,373 arrobas e 18 libras de algodao, 2,100
saceos com lO.aOO arrobas de assucar.
Parahiba, hiale nacional Flor do Brasil, de 28
tonelada. condu7o o segointe : 829 v lumes ge
eros ctrangeirn-, 2 moelots, 2 cardernae. I meio
desoa, i mulhos de piassaba, 1 arroba de estopa,
35 caixas doce de goioba, 17 latas cha, 09 csixas
charutos, 5 saceos caf.
HECEBtDOKIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBLCO.
Rendimer.to do dia I a 28. 3,:37i#i78
dem do dia 2....... 1:280j)398
35:65876
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendunenlo do dia 1 a 28. 86:0809/39
dem do dia 88........1:33496*5
91:3l59:>8i
BULLETIM.
LIVERPOOL 8 OE JULHO DE 1857.
Importacao.
Livres de diretlos para o vendedor.
Henetos.
Algodao por lib. de Pernambuco :
Bom.....
Mediano ,
Ordinario .
dem idem da Babia bom. .
Mediano .
Ordinario. .
dem do MaranhAc, fibra tonga :
Alcntara. -.
Ilapicur. .
taxias. .
dem de machina bom .
Mediano. .
Ordinario .
Assucar idem do Rio, branco. .
Lonro .
Mascavado .
dem de Pernambuco branco. .
Lomo. .
Mascavado :
dem da Babia e Macei branca.
Louro. .
Mascavado .
Balsamojdecupaiba pur i claro.
Turvo. .
Borracha por i. fina.....
Mediana .
Ordinaria .
Cabera do Negro.
Sernamby .
Do Cear, pelles......
Sernambv. .
Cacao, por 112 libras:
Para bom.....
Babia, .....
Caf, por 112 S Bio 1.* sorle .
Segunda a .
Escolhido. .
Idem^da Baha primeira sorle.
Segunda ,
Escolhido. .
Caslanlia por 112 i do Para no*.
Sebo por 112 a do Rio Grande:
Bom e duro .
Mediano .
Escuio ....
Cintres, por 123 de vacca. .
Ordinarios. .
Cinzas de ossos por tonelada :
Branca. .
Preta. .
Clina por fc.decavallo. .
de vacca. .
Cobre vellio por ,......
Couros pur do Rio,
Seceos de 30 a 35 u.
> de 20 a 21 .
de Touros, 35 a iO
dem do Rio Crande, poi
Salgados, de 65 a 70 t
" de 5 a 50
de vacca 10 a 48 it
C i\ alio secco, 10 a 13
a- um.
IJam salgados, 23 a 30
Preros.
Oda 9 l| d
8 3|i d a 8 7|8 d
8 1|2d 85|8d
8 112 d a 8 5|8 d
8 1|id a8 3|8 d
8 l|8d
Od a 9 litd
8 3|4 d a 0 d
8 518 d 8 3|4 d
9 d
8 1(2 d ..8 3|i d
8 1|td 8 3|8 d
il| a r,|
40| 11 |li
38|6 a 30|
i0| 45|
39| 10|
37|fi .. 38|6
40|6 45|
30(6 11 O|
38i 30|
1|8
1|b
|5 1|2
1|2 .',
1
8 d a 0 d
(ida t 1|2d
7 1|2 d a8 l|2 d
1 l|2d a 5 d
] 78|a80|
50( a 5f|
i4| 1 48|
58| t2|
47| i> 48|
2| 44|
50i 56|
:i0|a31|6
58i6 a 59|6
J50 a 54
30| 50|
20i 0 30i
f 5 5 a i 6 15i
! 3 10 JE 4
10 d a l|3
9 d a 112
ll|d
12d a 11 d
12 .! ., li d
11 l|2a 12d
0 l|i d o 10 d
9 l|i d >. 10 1,'r d
9 1| d 10 d
10| a I2|
I5j 18|
6(6 a 9|6
Idem idem 10 a 20 5 -
Idem de Pernambuco, Babia, MaranliSo e Para por ,,
Seceos salg., 26 a 30 11 d a II 3|i d
espichados 16 a 20 ,1 12 d 13 d
Curtidos 7 a 9 l 1 ,1 11; d
Molhados salgados, 40
16 ;. 7 1|1 d a 7 3| d
dem do Cear, Parahiba e Macei por .
Secc .s salg. 30 a 32 11 d a 11 3|4 d '
Molhados o 45 a 50 J. 7 1|4 d a 7 1(2 d
t,uinaru por libra bom. 1.10
Ordinario.....1.G
Jacaranda pof tonelada, do Bio. S 12 a f 18
Babia......9afl1
Gergelim, por quarleirao. 6O1 a 65| -
l'iassava, por 2240 R do Par n. 16 o V 18
. Babia.......t8i>ll
Ptxnrim, por 112bom. 8| a 8|t
Salsa parrilba por libra boa 1|8
Inferior......||j
tapioca por 112 .. Rio superior. 58| a 63|
Ordinaria 111 vendaval 35t n 50i
L ruc por H do Para bom. 9 d
Fundos e Cambios.
Fundos inglezes.
Banco de Inglaterra arenes) 212*211
Consolida los...... 3 0|(i92 l|2 a92 5|8
Reduzidos ..... __92l|2ii92 3|i
Fundos de. ..... 3 l|i 92 5|8a 92 7|8
Eslrangeiros.
lMe>s........4 112 ",96| a 98|
Biasiletros.......590| a I0I|
" .... i 1 pi9| SH|
Dinamarqnezes .... 3>;',( a 86|
llcspanb.ies......3iO| a 10 l|2
Deferidos 325 a 25 1|2
P.issivo*. 35 a 5 l|2
.....2 1|26SI|ta6l l|2
.....4971 a 00|
.....322l|i a22 3|
..... 54-5 a 45 l(4
..'.'. '. 3
.....5-IO0|a1l1|
4 l|29K| a98|
fr.2900 f.
4 l|2ll|t,02
37.00
Melaes preciosos.
Por onca 77|0
Dito do Maranliio o Para. .
Assucar de Peruambur.i branco
hito nuiscavadu.....
Dito do Rio de l.,n in, i,.
Dito da Babia li........
D1I0 dito mascavado......
Dito do Para bruto.......
Dito de Cabo Verde.......
Agurdenle de caima do Brasil, p
115
2 150
_- l'HI
3700
2$i)
2-',IKI
Alpina .
Arrox do Maranhao e 1'. ord. .
Dito dilo melhor........
Dilo dilo superior.......
Caf do Ri.> primeira -orle. .
Dilo dilo segunda dila.....
Dito dilo lerreira lila.....
Dilo dilo esculla boa......
Dil.. da Babia.........
Dilo de Cabo Verde......
Dito de S. I. e Principe. .
Dito de Angola ........
Cera amarell* de Angola .
Dila dila de Benguella.....
Gravo do Maranhao......
Dilo girofe.......
Chifres pequeos dj Brasil ,' .
Couros soceos do Rio......
Dilos espichado, da Babia. '.
Ditos ditos de Angola. .
Dilos salgados do Maranhao. .
Dito* ditos de Pernambuco. .
i Ditos dilo* da Babia......
Dito* dito de Cabo Verde .
Dilos ditos das tilias. ,.....
! Denles de mnrfim le......
I Dilo. dilo meiili..........
' Ditos dilo escrv.........
Erva-doce. t.......
Farinl. de trigo americaiia. .
Familia de pan.........
Gomma copal amarella.....
"ila dita vermelba.......
da dita ordinaria........
ellaco............
leo de copahiba........
iiiruc.............
menta da India. .......
aba parrilba Sanlarem.....
lila dila Gurupa'........
Dila dila Bio Negro ......
"ligo cslrangeiro........
apioca......... \
ella de Angola. .".'. '. .' "
ila de Beugoela........
Ha de Cabo Verde '.
aoiielas do Maranhio.....
ilas do Para'..........
ilas de Pernambuco......
hjrp'rlacao.
Agurdenle..........
Azeile doce........
Amendoa doce em milo.
Banha de porco. ....
Batata* ..........
Cera hranc* em grume. .
Dita dita em velas ....
Ceblas.........
Crnleio..........
Cevada ..........
Carne de vacca ......
de porco.
Cbouricas.......
Figos ...........
Farinlia de trigo......
Mauleiga de porco. .
Milho...........
Paios...........
Presentas........
Sal Irjgueirn grosso. ,
Irigo rijo do reino. .
Dilo mole.........
Toucinho........\
Vinho de Lisboa linio .
Dilo dito branco.....
Vinagre de Lisboa linio .
Dito dilo branco .....
160
25300
J-'iO.I
2S00
2 ifK
29400
294OO
39200
52*000 539000
IIII0
19400
59400
69400
39400
3900Q
2-9550
19800
39OOO
4.)00
49100
39800
328
330
180
200
M. 309000 109000
A
69000
392OO
29300
29OOO
I97i>
2.JH0U
325
100
nu
Inl
Me
Ole
Un
Pi
Sal
Dil
212
237
215
212
232
2 12
220
210
I900
1-9200
601)
29800
89100
800
JOIWO
29
287
230
242
212
217
2fi0
555
I-97IKI
lylOll
icioo
3-91 Mil I
850
.59200
.1;
.
,1
A
ia
'l'l
Londres
30 d|v. .
<>0 d|v. .
90 dpi. .
100 dpi .
3 mjd.
t mslerdam 3 mpl.
lian-burgo 3 ni|d.
Madrid 8 d|v. .
Cambios.
48600 49800
18100
ii 19000 489000
409OOO 429000
150
105 110
it.iono 17*300
108000 129000
8|000 99000
6O 720
29100 29600
25*000
25*000
I.59OOI 169000
urna 18900 2*100
29900 39100
2.9280 *W00
p. 28090003209000
alm. 3.9200 :1930o
6-9000
59OOO
480
410
440
310
360
320
119000
24*000
1*400
19100
8*800
5*400
480
1*100
48*00
SWM
760
720
>: 492110
P nosOOOIti.90.10
11 1109001)144*0110
" 5690IK) 609000
o 569000 6O9OOO
&
1.
M
A

(i ,;

B
B
A
du/.
@
m .i 1
A

100
400
300
320
200
I9OO11
8-9O0
420
720
600
Pan..
Genova
. 940
Fundos.
ioscripce* d* 3 por cento .
Coupon* ......
Divida deferida. ,..'.'
Caminho de ferro de leste .
Banco de Portugal. .
Dilo do Porto ....
54 1*8
51 3|3
533 nom.
529 nom.
42 l|3 .58 nom.
17 3|
17 a 17 l|S
46 3it a 7 1|i
28 3|ia201|
81#000 a 869
5409 a 543*.
2109 a 213a
8*020 89010
i.ijooi) 1.59200
ti-9200 14*800
18*550 I8961KI
960 070
055 065
9-50 tMKI
3*550 3/J5KII
8Sj
805
Ilolbindezes
n
Mexicanos .
Porluguezes.
II-.- n
liunco de tranca 1 accoes .
Fundos liame/e-.
Ouro em barra.
o Porluguez em looeda.
o Brasil.....
On.as hespanholas. .
americanas.
Piala em barra .
Pataca* brasileiras .
Pesos columnarios hcipaii.
Carolos. .
Ferrlinaiid .
Dito* das icpuhliras
Moedas de 5 francos .
Croando* novos. ; .
77|6
5|l 3|8
1|H
I I I -i|H
Le-M no Morning Post de fi de junho
I A di'lribuifAo da Cruz de Victoria leve log
le 1* ; a M. J. Carneiro.
fardo e I barrica calcado, quinqui-
, chapis, etc. ; a J. P. Adur.
es e mu lezas ; a F. A. de Pinito.
a, ralbado e lazenda de algodao, <
dila lazenda de algodio ; a J. A.
nservas, 1 dita camists ; a Oorsin Ju-
LillOd......
Pollo. ,
Bio de Janeiro .
Babia e Pernambuco
Anoslrrdam .
Ilamburgo. .
Par.......
Cambios.
. 90dd52l|8a.52li
52 l,i a52 3|l
. 60 d v 26
. 3md. 12
13.8 lit
i) 25.60 25.70
. 3 d v 25.20 25.
LISBOA 12 DE J I|.HO DF. 18.57.
Preros correntei dos gneros de importar- o do
Brasil.
Algodao de Pernambuco 1, u
Metaes.
Pe;* de 8JOO0.....
Ouc hespjniiolas. .
Ditas mexicanas.....
Aguias dos Eslados ("nidos. .
Pataca, hespanhulas .
Ditas brasileiras.....
Dila inexicana*. .
Vnile francos.....
Cinco (raucos...... ,
Brva once.ltimamente entraran. 26 barricas
de l.i.irallai, par. ce que fora toda vendida de 29800
a 3*000 para reexpoitar, boje nao ha nenbuma em
ji une ,- inflo.
G.mmn copal.Enlraram 1:416 saecas de Angola
a ll-iigoel, e as boas quali ladts conlinuam a obter
probla venda, e as ordinarias empaladas.
Mellar.,,Pooro 00 nada se lem feito n'e.t* ar-
tigo, osupprimei.ios qoe teem ebegado sao 80 cas-
co da Baha, a 1:161 de Pernambuco.
Marfim.Conlinuam as vendas para reexporlar,
as cidradas foram 2:5:10 ponas, e podemos calcular
a exi-iencias boje em 500 ponas de le), 400 meios,
e 2:000 escravelho.
Ourucii.Parece qoe nada se lem feito, devendo
existir em ser nao s onOI paneiros viodos uo Ama-
zuna,u como 36 que exisliam de maio.
Salsa parrilha.Teem-se feito algomas vendas, os
preros eetao firmes, as existencias leeulam por 200 a
2,iO rolos. '
raell*.As entradas consistem em 4:410 saceos
de Angola e Bategoela, 793 de Cabo-Verde, 513 da
liba. O mercado fie frouxo, e o piejo colado he
nominal para a de Angola Bengueia : na de Cabo-
verde e Ilhas nao cousla Ira ,-ar.. .-.
A' sabida do Avon, diasemos que a 10 de larde,
dina-** que Imuv* compras a 29-9500 rtis. esta Kan
sacg.lo oi venia teira, depois di-ln os precos teem
reguUdo de '289(100 a 3O9OOO, a 269000, he ullima-
iiienle a 2o-9U00 re, e esle memo nominal.
EXPORTAC-VO.
Azeile.Os precos banaram 200 reis a coltcoes
do A ron, nao obstante as vendase a concurrencia
erem limitadas, porem e-la semana tendo diminui-
do os supprimcnlos, de ceilo em razao'dos Ir Inl Lo
da qua!.a, queoecupam gente e transportes. Nao so
se vendeu com mais facilidadc o que veio ao merca-
do, como parle do que exislia na nlfaudega.
A compras para deposito liveram uma melhoria
do H) res sobre o. preoo da semana anterior, regu-
lando n esta de 28850 a J900, porem as Uanaeccoei
para embarqoe conservaran! os precos da ullima 'se-
mana de 38250 a 3*!0 re-.
Cereaes.Os soppriinenlos aflrouxaram, e a. en-
tradas de trigo sao 1:018 sacros e 3:765 fanega* de
Cadix, 2:090 kelwerls de S. Peleisbu.go, e 520 sac-
c s de Ga : esla circomtlancia nao ni lie devila a
ter terminado a auroisso dos Cereaes em 30 do pas-
sadn, coms seiem mei* altos os precos mi mercado
le Londres, para onde : se prineipiuu a despachar
trigi eslrmigeiro, natemana passada segoiram para
quelle mercado qualio cargas .le cerca da 1:200 a
1:000 meiot, e n'esla embarcou lodo o resto que
havia.
Poueo depois da sabida do Avoim bouve alguma
amma(;ao uu mercado, plo mo lempo qoe decor-
reu, regulando o prego de 760 a 780 pata o nacio-
nal, e de 6.50 a 820 para o eslrangeiro, mas com a
melhoria do lempo u mercado lornou a alrouxar.
Nos primeiros de julho alguma* amostras de trigos
nuvos r*ahsaram-se de 670 a 680 rei, esla semana
pequenaa partidas do novo que vieram ao mercado
alraiiraram de 580 a 720 reis.
Nao ii-iii entrado upprimento algum de farinba
cstraiigtia, u deposita (em diminuido sensivelmenie.
0 he hoje minio pequen.., pela |>rocura que lem ha-
vidi para reexportar.
Alem das porrales que ja lem embarcado para o
Brasil, ha anda orden a cumprir.
Prximo ao (ins de junho al principios dejolho,
os precos melhoraram 200 a 400 reis,pnr b.rrira, ma<
I bauaram logo Aquelles cm qae eslavam i sabida do
paquel de 13.
O melhires teem u>lentadu o* precos pela pro-
, cora qu* ha psra reexportar para Cabo-Verde por
. coala ds parlicularet e do geverno, o deposito esta'
muilo reduz.do.
Ila poueo coiKomo na ce>adas e centeios, os pre-
r-^4 teem bailado,
Vinho.O de embarqoe nodem-se reputar quasi
extinclos, quanlo a qu-lida le Una, h.veaoem de-
psito 2-500 pipa, e devenios advertir, que ainda
lemos 1 rneze* de exportarlo sutes dos novos.
A colheita pendente val de da em dia diminuin-
do.secou.lo as noticias das provincias a molestia u'*s-
lei ultimo dias leem-se doenvulvidu Com mais ra-
pi ez, e leito maiore* estreg.
No Oouro tamb-m a molestia lem apparecido em
grande esralla, e o Jornal do Commcrri,. d P, rloa
na sua ultima rcvieta em relacao aos vinho-, diz
o seguinle.
Hoja he fora de duvida que o llagello do oidium.fa
ra 1. osle aunos meemos estrago no paiz vinl. ni -
ro do Doiire, que fez nos anuo anlenore. Toda a
noticia* d'aquelle* (illa* ao conform-s em que i.'es-
! tes ltimos lempo* as videiras e.l.io pulvensadas do
cinzeiilo, precursor do tenivel elde*vsla .or i-i lium
lurkeri.
Alrm do viuho exportado os navio, a carga lem
despachado : Rio de Janeiro 21 1 pipas, Baha 3IS,
Para 78 112, Maranhao74.
Vinagre.Prer.s fiemes. Alm do vinho expor-
tado, os navio a earRa l< tu d**paebido : Rio de Ja-
neiro 57 pipas, Babia 32, Para' II, Maranhao 51.
Nos gneros exportados da II de jonho e II de
julho nflo esta' inclu 1 a carga do Emilio para a lla-
lli ,1.
EMHARCACO'ES DESPACHADAS.
Rio de Janeiro.Brigoe porluguez Activo, can.
Waddin,Ilion ; carga. 113 pipas. 36o Larri, e 5S2
aurrelas e 3 caixa* de vinho, .",() pipas de vinagre,
217 barris de azeile, 215 de carnes, 20 de peixe, 40
caixas de hlalas, 10 de cebla, 25 de figo, 50 sac-
ro* de faijao e varios gneros e mercaduras.
Pc-riiambuco.--P'larbo poilugnez Mria Iguez,
ci l-l o Rocha ; carga, i pipa., i nielas dila*, 26 bar-
ril e 10 ancorelas de vinho, 13 pipas e 15 bairi. de
vinagre, 20 barr de n/.eite. 142 de toucinho, 200 de
carnes, 100 de cal, 30O saceos de semeas, 50 volnmes
de cera, 360 de batatos, 2,543 molhos de ceblas, e
varias mercadorias. ^
Lear a'.Brigue porluguii Restaurador, cap........
carga, 6 pipa, 1 mens dila*, 70 barr e I caita de
vinho, 6 i ip, 8 mei- dita* e 30 barris de vinagre.
30 barris de ateite, 15 de looriuho, 25 de carue, 15
I de peive, 11 can de vells d* cera, 25 d* genebra,
'. d. cun -I ,, 20 de batatas, 100 b mea- de familia.
; *sl> mullios de rebolas, 38 volume* de chumbo, i
sarco de pimenla, e varius gneros e mercado-
ras,
Bio de Janeiro.Brigae poiluguai Tres [rmloa,
ciV...... i r"r*a, 72 meias pipas, 403 barns'e 33 an-
corla* o la eaisn, At vinbo, 44 pipas o 30 barris de
\ vinagre. > pipa ^ barris de azeile, 50 bairicas
com po de marfim, 101 barris de carne, 5P saceos
de farellos, 86 volume. de cera, 17 saceos de eomi-
nho, 60 saeca* de feljgo, varia, mercadorias.
Babia.Patacho portuguez Industria, cap.....;
carga, 68 pipa, 44 meias pinas, 200 barris < 70 M-
{ xas ne vinho, 6 pipa*, H niela uta e 25 barr de
vinagre, 152 barril deazeile, 8 de carne, io de loo-
1 noli,i, |n i caixa* de batatas, 1 de mercurio, e 6 vo-
lnmes de cora.
Pernambuco.Brigue porluguez Laia 3.' ap.
Cola ; cr/ra, 20 pipas, til barri e in ,,,-....., de
vinho, 1 pipa*, 10 meias dila', e 10 bairis e 21 au-
rrelas de vinagre, 100 acco de semen, 350 caixas
e 500 rn.dho n cebla, 225 volume* do cera, 483
de balat'S, .50 saco de f*ijan, 36 barris de azaife,
112 de toucinho, 10 d carnes, 17 de comtnhrs, e
varias raeica lonas.
Par. Patacho porlngoez L'nilo. cap. Nobre ;
carga. 112 birria de vinho. 20 de cevadinha, 80 bar-
r* e 2 pipas de azeile, .' barril de manleiga, 37 de
toucinho. 113 de vinagre, :10 de sardinha, 5 de er-
va-doce, 6| ancorelas de carnea, 300 de azeilom.,
30 canas de vella de cri, 28 eolume* de cominhos,
11 da calanhas, 312 de btalas, 60 moio* de tal,
^ 1,000 molhos de cebla, II canaslras de alho, c
vario gneros e mercaduras.
Maranhio.Brigue portuguez Flor do Mar, cap.
Caelano ; carga, 15 pipa.de vinagre, 80 barr* de
i vinho, 30 de aeile, 18 de carnes, fo de toucinho, 51
volume de cen, 36 de bacalhao. 53 barrica de fa-
| rinha, 200 ceslo* de hlalas, 2,200 molhos de Vbo
las, 28 pee. de cairo, e varios gneros e mercado-
rias.
Rio de Janeiro.Barca porlngoez* Amelia, cap.
Marlins ; carga, 494 pipas e 545 barri ,1- vinho, 35
pipa de vinagre, 31.5 harria de azeile, 18 de carne,
11)4 gamellas de cera, 460 accos de s-m' i, 50 cai-
xa* e 3,800 molhos de ceblas.
Barca prussiana Frederich Berhm. cap. So-
louk ; carga, 81 pipas, 499 barril de vinho. 15 pi-
pas de vinagre, 160 barris de azeile, i.000 molhos
de cebla, 230 motos de sal, 800 caixas de baia-
(as, 400 sacro de semeai, 5,474 re(eas de albos.
Rabia.Patacho porloguez Destino-, cap.... ;
e-itiit, 43 pip.,8 meias ditas, 100 barris de vinho,
' pip, t meiai ditas, 20 barris de vinagre, 115 bar-
ris de azeile. 13 caixas develas de cera, 50 de ce-
bolis, e 30 sacras de cevada e varias mercadorias.
ENTRADAS DA BARRA.
13 de junho.(ialera portuguez. Marsarida, de Per-
namh.icu.
16.Bafea purt. Temeraria, do Rio de Janeiru.
Ilrigue p,rt. Tarojo I, de Pernambocu.
Patacho porl. Cautela, do Par*.
Galera porl. Olind, de Pernambuco.
7.Galera bras. Ac,oriana, do Rio de Janeiro pelo
Fayal.
Brigue bra. S. Jo*, de Pernambaco.
Brigae porl Nova Ainizade, da Bahia
18.Barca bra*. Helena, do Rio de Janeiro pelo
Fayal.
Patacho bras. Constancia, de Pernambuco.
(ialera bras. Palmyra, do Bio de Janeiro pelo
Fayal.
23.Galera porl. Aurora, do Porlo.
29.Vapor franc. Br'il, do Rio de Janeiro, seglo
pira o Havre a 30.
B igue porl. I.n.u.ino, da Babia.
30Vapor ing. Golden Flecie, do Rio de Janeiro,
segoio para Soulhamplon a 30.
B igue porl. Laia II, de Pernambuco.
8 dejolho.Vapor tardo Genova, do Rio di Ja-
neiro, -guie no mesmo da para Genova e
M.r-ellia.
II.Vapor mg. Medway, do Rio de Janeiro, seglo
no mesmo dia para Sauthamplou.
S vIIIDaS DA BARRA.
12 da junho.Bugue porl. S. Manuel I, para o
Porlo.
14Vpor ing. Avon, para o Rio de Janeiro.
I/Barca pon. Amazona, para o Porlo.
23B.rca port. Silencio, idem.
2iBarca porl. Ferr ra Borges. idem.
27Paihaboie porl. Emilia, para a Baha.
29Brigue port. Maiia Igoez, para Pernambaco.
30Brigue purl. Reslauradur, pra o Cear.
I- de julho.Biigue porl. Tres Irado*, para o Rio
* de Janeiro.
Patacho p.rl. Industria, para a Babia.
Galera bras. Acunan.,, para o* Acore,
'-'alacho bra. S. Jo, para o Porto.
3Bngue porl. Activo, pura o H 5Galera br.. Palmyra, para S. Miguel.
6Brigue porl. Flor do Mar, para o MarauliSo.
Barca pross. Frederich Bochm, para o Rio de
Janeiro.
7Barca bras. Amelia, idem.
8tingue poit. L,i |||, para Pernambuco.
Patacho port. Uniflo, para o Par.
9Vapor ing. Calcalla, para o Rio da Janeiro.
10Patacho porl. Destino, pua a Bahia.
O brigae Galgo, entrado da Madeira em 29 du
passada, eondozio a sen bordo mala e paisageiroi
do vapor hamburgoez Teulooia, que enlrou naqoella
ilha a 15, e seguio a 16 para Soulhamplon.
NAVIOS A CARGA.
Rio de Janeiro.A barca porl. Progresiisla.
Idem.Brigue porl. Incomparavel.
I lem.Patacho porl. Marta
dem.Patacho port. Iberia.
Bahia.Galera porl. Vnico da Gama.
Idem.Barca bras. Celedonia.
Idem.Patacho porl. Boa F.
Pernambuco.B'igne port. Tarojo I.
dem.Patacho porl. Diligente.
I lem.Patacho bra. Constancia.
Para.Palacial porl. Cautela!
I lem.Barca porl. Nereida.
Maranhao.Galera porl. Aurora,
(loa eom escala pelo Rio d* Janeiro Brigue porl.
Onze de Marco.
P. S.12 de julho.Hoja de roanhaa entrn o
brigue Relmpago, de Pernaoibuco.
ESTADO DO MERCADO.
Da II de junho a II de juihu.
Drenle e-le periodo lizer*m-se algomas transar-
(Btl em gneros do Braiil e colonias.
Os supprimeotos entrados foram regulares.
Os banco* de Porlog-I e Porlo, annanciaram o di-
videndo do semestre (indo, esle a 5-8000 rs. por ac-
flo, e aquelle a 1i>.
Os fundos de 3 ullimamenlj! melhoraram de pre-
so, com especialidad* o; coupnis, esl. alta he devida
a falla desles jiapei no'mercado.
As accoes do II ncu de Portugal declinaran) algu-
ma rousa nos precos, a nossa cui,.c;lo he com o divi-
dendo pago.
Foi din ilvida a direccao da cornpateuia do caminho
de-ferro de lesle. E o governo nomeou um adminis-
trador para lomar conla da compauhia.
A dirercao nessa occasi.lo previnio o* accionistas
d Li'bia para se apreseiiUrem na junta do Crdito
Publico.eao.de Landre- na Ageucia Finaiusial llalli.
para rece.ier lelras ou fundo, como do contrato en-
tre a compauhia e o governo.
IMPORTACAO.
A'godao. As entrada. *a,. 98 sacra, da Pernam-
bnco, 109 do Para, 6 da Baha, 3f de Angola, e 197
fardo d* Inglaterra. Apenas se lem feilo algomas
venda.i para conmino : oreamos as existencia hoje
r.Hi a iOO sarca.
. *!!!* A'Rumas IransaccOes se lem feilo : alem
de ,:,<)o saces vlnd-s por va de Inglaleiia, enlra-
ram mais 5,746 de Ga, e 149 alqoeire em casca do
I ara Us presos para o chegado daquella proceden-
cia reguiam, ordinario 5-AKJO, bom 5J800, sopehor
6>100.
As existencia hoje em primeira mao repolam-se
o.OOO accos descalcado, e por drscascr do do Bra-
sil, 4,000 *,ccos, do da India (Gda),, 12,000 do vio-
lo de luglatena.
A pisla. Lma partida de 100 saceos entrada em
junho de Soulhamplon. foi logo vendida a 1;(MMI: 20
accos de Marfelha, II volume de Cihraltar, e 6 de
Cadn ch-gado ltimamente, parle tem-se rcalisado
a I-i, i i para reexporta, para a Babia,
Agurdenle. Nominal por f.lla de venda, as
entrada* da estrangeira neste peiiodo montam a 180
pip-s.
Aisor.vr. Dorante o miz de junho bouve algu-
iiui vend* para comumn e reexpnrtir, sendo mai
procurados o macavadai, nele periodo despirha-
rani-n para-abida 362 caixa', 24 feiie*. 476 barri-
cas e 7,99o aero, dos quaes 39 cana, 3 barucas e
3,882 CCO< para reexportar.
Nu principio de judio a ehegsda do Coldm Fleree
o'mercado tomou mais animacao, sen m lambem
m is pro.curad s.o ma-civtdo, mas ha das as tran-
saren** .afrouxaram alguma co-a : o- despachos nes-
le mez montam a 168 caixas, 2,233 accos, 289 barri
; cas para consumo, e 19 canas, 1,3(5 saceos e 7 bar-
! ricas para reexportar.
A* cobrada*desda a iahida do Avon, incluiudo os
carreg menlo. dn Caledonia da Bahia, e iurompaia-
vel do R.o cnnsi.lem en. 6,309 sacco. e (i bamc.s
de Pcriiamlnci., .1)6 canas, 95 fi ue, 37 harneas*
i'.liO sacro, da Bahia, 197 calase 15 baruca, do Rio
de Jan-iro, 1,992 accos de Cotinguib., 397 barricas
I do Para, II.) de diversas precedencia.
Calcolanua as eiislencias no dia 11 de larde, cm
C-uas Faite* Barrica* Sarcos
73 146 670 37,500
Cafo. lies le a sabida do Avon lemoi importado
2.919 cros e 6 barrica do Rio, 2.585 laceo doS.
lbomc, l,2de Augola, 201 de Cabo-Verde. As ven-
das desde aqiell periodo foram de pequea impor-
tancia, in ollimamenl* e.le artigo animou oblem
prompla venda. A- existencias ,o escitas, e (Uve-
no regular hoje 6,500 uceu, dn qua 4,500 do
Braill.
MUTILADO
.'


H

DIARIO DB PEBNAMBUQO QUINTA FEIUA 30 DE Jl'LlIO DE 18..7.
C do, Ki sacan thegados da S. Thom fonra vendidos
a pra(<> qua aia (rausparoa, be ni cunu as pequena
eiislaucus da llilin e Para', este parece que a i- '<
e .qurlto de 4 (Un a l 100.
Lsra. Prumpta endn para consumo a reepor-
(ar. As entradaa de Angola Benguela foram 1,4!>
gamellas : e calculamos as existencias hoje cm
primeirrnao em corea do 800.
Coinilillus. O mere i.lo esta' deaprnvidn, as nlli-
iii.i- veirlas paree* une rejrularam de 2&000 a It-jOOO.
Numerarlu. Em 18 de juulio o banco de Inglaterra
li lu-iii o descont aobru ledras para 6 por cenlo. O
elleilo .lesle movimenlo tem sido ravoravel para ai
operac.de commerciaes ; e *e as entradas em especie
co .nuareni a ser superiores ai saludas, (como acon-
tecen a semana paoada quando ai entrada! mostra-
ran! a m aceito de 170,1, i sobre as sahidas) pudem
esperar brevemente oulra bata no descont.
Al ;j 1,'m. remos a nutar um malhoramenlo mui
decid lo nele merealn depois da publicaran ''' """'
ta ultima circular.
A aclivi lada em Mauclierler, a liana no desonto,
e a conlinaada chegada de America de naticias des-
faorayei para a collieila vindoura naquelle paix,
tem reali#ado as esperanzas que a* nos*a allima ni n -
clonamos seren nutridas' palos posiuidores deste ar-
tigo aqu.
O total do acolan vendilo este anno al 3 do ror-
rele. in,ina a l,3'Jl.8tU sacea, incluindo 119.560
do Brasil. Ai eaureueM al a inesma dsta ido de
1,l97,O0S iticluindo 1TO.T26 do Brasil. QuanlidaJe
p: n vin id a m asr 618,55o de l'ernambuco. Para-
liibn etc., 18,400 da Babia, Macelo etc., e 10,100 do
Maranhao.
Assorar.O mercado est om pouco (romo, coin
(alia de compradores. Ai vendas desde a noa nl-
Iiuh monlam a tiOOO sacros e HOO toneladas ani pre-
rol de 39|6 a 40| 411 pelo da Babia, Pernambuco e
Macei.
Em Londres lambem a procura be mu limitada.
I'ai.a a-s quantidadss entradas e em ser, no priroei-
ro semestre deste auno referimo-nos tabella iu-
pra.
Aceitada palma.A procura he moderada.- Em
ser em 30 de pinito passado 1985 toneladas de peso,
contra 1900 toneladas do mesmo periodo de 1856.
Atailfl do -.Ua poaca animaban, porem nito ha
rece*o ,l> prsenle prec,o baUar. Em ser em 30 de
juuho io correle anno, 99o lanciadas d* 252 gal-
lM coulra 3970 lonsladas no mesmo periodo da
1856.
Borracha.Nao tem havido venda al juma da con-
siderado desde a nossa ullima ; mas logo que o di-
nhe ro sj mais ahundaule, hade esperar que este
ruge I iiiliem vira a pauilliar na procura que va
eiperlando oulros gneros e arligos.
li.:- mi i de copaiba. lia pouco eir. ser e o raer-
fado firme.
Caita n ha.Procurada.
Cacio.A allima venda foi de OOsaccos do da Ba-
ha a 80| por lia Ib". Em- ser em 30 de (unlio 20
sacros contra 750 saceos no me*mo periodo de
1856.
Ci/.O mercado um lanto animado e a qoauli-
da te em irr aq'ii esl diminuindo.
As veuda dsds'a nossa ultima monIJo a 2680 lc-
eos aos presos de 46| a 51| pelo Kio ordinario e me-
diana por lavar, e 5(i| 581 e 62| pelo lavado ; e 49|
52|6 e 55 pelo da Baha.
I' uiili-m una carga de 3500 rceos do Rio 52(6
livre do averia ptrticular, para om porlo che-
gado.
Couros.Em 1er 1720 do Rio Grande,.* 1311 de
oulros porlos do Brasil.
I'm-uvi. Invendavel.
Salsa Parrilln.He procurada.
Tapioca.No lem san la.
traen. Neuliumi- no mercado ; a de boa qua-
lldade teria urompta vend.
l'rxella.A nona colando he nominal.
9t*tri8K.mt<> &o jweo
Wavios entrados no dia 29
Rio Grande do Sol27 das, briuue nacional Bom
Jess, de 1-7 toneladas, cnpia Jos Ferreira
Pinto, equipagem ti, carga 6 662 arrobas de car-
ne ; a Eduardo Bailar. Perlence a Pernamt^icn.
Porlo31 das, palhabole portugue/. Coinciden-
cia, de IO toueladas, cupitao Joaquim da Silva
l.oureiro, equipagem 9, carga vinho mais gne-
ros ; a D imingus Alves Matheos. Passageiroi,
Antonio Alves I'". Jo Figoeiredo, Cailola I. dos
Prazeres, Antonio (jonialve>.
Soulbsmplnn e porlos intermedios20 (lias, vapor
mgle nThamar, cnminandaute Jellcoe.
.Navios sahitns no mesmo dia.
Ki) da l'ralaPolaca lie-panliola Pronipla. ca-
pn.n Hiin ii, Ro, carira sssurar e agurdenle.
ldinn--Polara hespanhala Avelina, capitn Joan
Orla, carca assucar e agunrdenle.
Pir.ihihaIIlale nacional Flor do Brasil, meilre
.|,i,i i Francisco Marlins, carga Tazendas e mais ge-
uaros. Puisagciros, .Manuel Marlins de liouvea,
M. Samuel do Espirito Sanio.
I)r. Anselmo Francisco Perelti, comtnnu-
dador da invperial ordem da Rosa ojuiz
de direito especial do coinmercio, por S.
M. I. b C. etc.
F'arjo saber aos quo o presente ediUl vi-
roin, que no dia 30 do corronte s* lia do nr-
remalar por venda a quem mais dor, na sala
dos aiidii.onoafcjla(iis'da audiencia, o so-
brino de lm andar, silo na ra Direita dos
Al'ogados n.50, avaliado em ijoosrs, o
qual vai a praca por eKecugSo de Thomc l'e-
rcira Lagos, contra Manuel Gonijalves Sor-
vina, e nSo havenJo lancador que cubra o
pre;o da avaliaq-io, ser a arremat"Q3u fela
polo valor da adjudica^tlo, rom o abalimen-
to da lei.
E, para que cliegue ao conhecimento de
todos mandei pasar editae qucserSo pu-
blicados pola impreusa, e allixados nos luga-
res designados no cod. commercial.
Dado e passado'nesta cidado do Rccife de
Pernambuco aos 8 de jultto de 1857.
Eu Maximiano Fruncico Duarte, escrivSo
o ubscrevi.
Anselmo Francisco Perelti.
Para a presidio dn Fernando.
Farinha de manlioca, alqueires 400 ; fa-
rinha de trigo, da marca SS>, barricas 6 ;
assucar branco, arrobas 16 ; arroz, arrobas
I0;aletria, caixas 2 ', vinho branco bom,
medidas novas 20; dito tinto bom, medidos1
novas 20; agurdente branca, medidas no-
vas 40 ; verde-maca, latas de 23 libreta 2 ;|
enchadas 200 ; reparos Onofro de calibre 12
8 ; cabo de linlto do 5 pollegidas, pecas 2 ;
picarntas 21; (Yeclies de 40 palmos8; cumi-
eiraa de 40 ditos 4; lerdas do 4 ditos 8 ; |
linhas
das
de e
zias
duiias 8.
Botica Jo mesmo presidio.
Alvaide fino,arroba 1(2; aminoniaco libras
4; alcohol, garrafas 16 ; alecrim, libras 4 ;
alearais, libras8; agua-rosa>!a, garrafas 12;
agua de louro cerejo, garrafas 12 ; atiiz es-
trellado,libras 2 ; acido sulphurico,libras 4;
aseen iato deamnioiuco,libra 1; accido ni tri-
co,libras 4; aooido prussico medicinal,libras
4; bejoim, libras 4; borrachas de gamma
elstica, grandes 24 ; ditas pequeas 24 ;
belladona em rama, libras i ; calomelanos,
oncas 4 ; crmor de trtaro, libras 8 ; casca
de meseriSo, libras 4; cerveja piola, gar-
rafas 12; caixns vasias para pilulas, du/ias
8; cicuta em rama, libras 4 ; cera autarel-
la, arroba f|9; dita branca em tama, arro-
ba 1|2 ; electuaiio de sene composto, libras
8 ; essencia de therebentina,libras 2; extrac-
tro de manesia, oncas 3 ; extracto de bella-
dona, oncas 4 ; extracto de meiaiendro, on-
Sas4; extracto de valeriana, ongas 4 ; er-
v doce, libras 4; ether pbosphorico, libra
1 ; fios de linho.arroba 1 ; hydro-fcrreo cya-
nato de quiniuo, oncas 2 ; hydru cblorato de
morfina, oncas 2 ; herva terrestre, libras 2 ;
ipecacuanha preta, libras 2 ; dita branca,
liras 4 ; iodurelo de chumbo, oncas 4 ; I.--
roy purgativo do 3.- grao, garrafas 24 ; los-
na, libias 4 ; moscas de Miln, libra 1 : mal-
vas, arroba 1 ; oloo de ligado de bacalhao,
libras4; o&ylo de zinco, libra I ; pastilhas
de ipecacuauha, caixasl2; puntas de Til-
do calcinadas, libras 4 ; potassa caustica li-
bra i ; pommada mercurial, arroba 1|2 ; pa-
pel de embrullio, resmas 2 ; robe de laffec-
teur, garrafas 12; robe de Sbugueiro, gar-
rafas 12 ; raz de siuuglosa, libras 2 ; raizcs
aperientes, libras8; reziuadj btala, libras
I ; re/.na de angico, libras 4 ; reziua de ja-
tobi,libra 1 ; sal-ammouiaco voltil,libra 1 ;
striebinino, oncas 2; sulphale de magnesia,
libras 16; salva, libras 2 ; serpentaria, li-
bra 1 ; sal de chumbo, libras 2 ; thercbruti-
na fin i de Veneza, libras 6; vinho branco,
garrafas 12; xarope de taniaiindos, garra-
fas 12 ; degilales era rama, libra 1 ; escar-
radeiras de metal 50; camisas de flanul-
la 20.
2.* batalho de infantaria.
Algodozinbo para camisas, varas 1,000;
panno prelo para polaitths, covados 100;
huliauda para forro, covados 50 ; botO>-S
braticos grandes de osso, duzias 267 ; ditos
ditos pequeos de osso, diUs 134; ditos
prolos, do osso, dilas 334
9.* batalbno de infantaria.
Grvalas 35 ; compendios de arithmotica
por Collado, oxemplarcs 6; liollanda y ta
forro, covados 50
Hospital regimenlal.
Conchas de cobre 2 ; esquife coherto 1.
Botica do mosmo hospital.
Seringas de metal do capac iade de 4 on-
Cas para injeccOes 6
4.- batalho de artilharia.
Casemira cannizim para vistas, covados
7 ; holtdtida para forro, covados 25.
10.* balalhSo de infantaria.
Panno mesclado, cor de caf, covados 81 ;
dito dito azul, ditos 54 ; bullan.I a para fono
covados 24 ; casemira encarnada, covados
16; cartas de A, II, C, exemplares 20; lia
de retro/, prelo, varas 42 ; taimadas, exem-
plares20; exninplares da grammalica pur-
tugueza, por Monte 6 ; compendios de arith-
melicj por Collaso 9 ; pautas 6; traslados
20 ; pentias do gauco 400.
Companhia de arlilices
Uollanda pata forro, covados 16.
Ollicinas do 3.a classo.
Blackverniz, bar il 1.
4.' classe
Ca lBMsi-dr; norte n. 10, 10.
5.i classe.
Linhas brancas cruot, libras 10 ; ditas prc-
tas cruas, libras 10,
Laboratorio pyrolcchnico.
Rczina de cajuciro, anoba 1. ,
(ju- ni quizer vender, aprsente as suaa
propdstas em caita fechada na secretaria do
conselho, as 10 horas do dia I,* de agosto
prximo vindouro.
Sala das sessOes do conselho administra-
tivo pata fornecimenlo do arsenal de guerra
25 de julho de 1857.Joso Antonio Pinto,
presidente iuterino. Bernardo l'creira do
Carato Jnior, vogal e secretario.
- O abaixo assij/nailo, lancador da mesa
ott consulado provincial. Taz scienlo aos pro-
prietanos dos predios urbanos da fregu/.;a
da Ba-Vista e mais interessados, que deo
principio a fazer o lancamento ua decima
imposto do4 0|0 de diversos eslabelecimou-
tos, no corrente inez, o qual tem de servir
para sua arrecadaeo no corrento atino li-
nanceiro de 1857 a 1858.
Joao Pedro de Jess da Malta

>.


Para a cidada do Porto, com escalla
por Lisboa, a nova e muito velcira barca
poilugueza Mara Feliz, capilSo Zeterino
Ventura dos Santos, a qual he esperada ues-
te porto alo o fin da presente semana, pro-
cedente do Rio de Janeiro, donde comluz
mais de meia carga, e ter apenas 6 a 8 dias
de demora tiesto porto : quem na mesma
quizer carregar, ou ir de passagem, para o


:-'
-
VINCIA,
Seuuc com loda a brovidade o patacho na.
cional Maria Rosa, recebe ainda a pouca car- i pavimento torteo da casa clt
ga quo ibe falta, o alguna escravos a freto | mra 26, di 9 horas d
Sf. lliosoliiciio das lototias manda
fazer publico,jque se acbam a venda, no
ra da An-
fOf.i n.
ao pateo ds s- pedeo
Be l>.
Charutos dos melhores fabricantes de S.
Flix, era caixiihas de mo, 50 o 25, viudos
pelo ultimo navio dn Babia, nacionacs ero-
gaba deThoni Pinto, Emilios e lanecifos
de Castanho c; Filho, progressistas de Rocha :
Dias & C circulares do Mniicorvo.* suspiros, |
serva o oobi^osos ; he peen i nona, freguezes,
KPERMACErE A 800RS.4!
LIBRA.
Superior espermacele a 800 rs. a libra, e a I
ret>lhoal40: no pateo de s. Pedro, depo-1
noite, l)illd-lcs, tneios o quattos, da
segunda parte Ua primeira lotera conce-
dida aocidadad Antonio Joa(|nim do Mel-
lo, cujas rodas kndam no dia I de agoslo.
PKECIS.-SE de urna ama do leitc
forra ou captiva, para amameotar tuna
no lia leo do Hos-
a tallar com Manuel Ignacio de Oliveira, pra- ,
Ca do coinmercio n. 6, ou a bo do com o ca- d
pililo Antonio Jos de Oliveira.
Para a Babia.
Segu em pouco dias o veleiro e bem co-
nhecido hiato nacional Castro, do primeira
maichs, forrado e pregado de cobre, ja tem
a bordo dous tercos de seu carregameulo,
para o resto, trala-se com seu consignatario!01.'131"-'1' i)aC'l"sl:' '><*m
I) .mingos Alves Malhcus. na ra do Apollo i pitixl (>, su(l)rado
it.23. '
Para o Aracaly segu em poucosdias
o bem couhccblo hiato ('ralun il : para o
resto da carga e pass-igeiros, trala-se na ra
do Vigario n. 5.
Para o Ara cu (y.
Segu nestes dias o hiato Exhalado,para o
testo da carga o passa^eiros, trata-se com
Caelano Cyriaco da Costa M na ra da Ca-
deia do Rccife n. 2.
de
a manhaa a'$ S: sji0 de massas finas.
K^al co(npan|iia
que tes iiglezcH a
**
Jas .l.i .-'tHiser i e Si
nienle a UmIo vs
de se dignaren! a
ma. Paulina Jm
(rtllecitlj a li do
mo lempo \>- U-
eebaram parlici|L(;;io, eio
111"pin ; a Circuillsl.llli'irl.
|.'"Mf' .'(i <1* jnlho i|p 1KY7.
*-4-i .i'jfCH curdeil-
seu* amigo lecmpaiihar al .1 ullima es-
tancia us resto* n orlaes de mu mni \irr/A<\\ ir-
|uin;i da C nlli I rorrenlo, ao D1W-
lesriilpia tudos que nflo re-
couiequeocia da
1
. Lava-se e engomma-se com toda a per-
feicfio e brevidade : no llecife, ra da (.acim-
ba, sobrado de um andar n. 8.
(Juem na porta da platea, ao acabar-se
honlem 28) o espectculo no Sania .sabel,
levott trocado um guarda sol de seda verde
escuro, tODuaa boiidade tle desfazer a tioca
na ra do Padre Fluriano n 58, ou na mesa
do consulado geral, das 9 horas do dia as 3
da tarde.
___llojo 30 de julho, por mandado do
ICxm- -Sr. juiz ospecis! do commercio, e ua
sala das audiencias, depois do meio dia, lla-
vera reuniao dos ere lores da casa fallida de
Olive.ra, Intuios & C, alim de se nomeatcm
LOTERA
DA
provincia.
O abaixo a signado vende a dinhei ro a vis-
ta sendo da quanlia de 100: res para cima,
os seus felixes bilbotcs meios. c quartos,
pelos pregos abaixo mencionados, na ra
da Cadcia do flecife ti. 45, esquina da Madre
de Dos :
11 i I heles 5>400 recebe 5:000s
Meios 27700 2:5003
Uuartos ljj350 1:250-3
Por Salustiano de Aquino Ferreira,
Jos Fortunato dos Santos Porto.
Costuraras de
p tente.
Grande sorti-

ment > de fa/endas de
Crusdenaps prelode) seda lavrada, eovado.
Hilo dilo liso mullo largo, cuvado. .
Un i de n'iii'i liso muilo superior .
Setim prelo macao, eovado.
to-
2s20U
2s200
moa
3|000
Precisa-se do boas costureiras, _que sejam *"; Preto. d. cor.,, pM^^pmem
na ra Nu-
va.lo
desembaragadas no costurar
va, loja n. 52.
O Sr. filho da K.uropa,
da c qualquer pessoa que sa adiar as cir- Las de quadros pequeos e grandes, co-
Chslv de cores, com quadroi de seda,
ou mesmo to- vade
cumsiancias de. ir trabalhar em um engenho
di-
viido
lous administradores, e.n substituto de guille desU praca menos de 4 logoaa,
Antonio AWes Barbosa e Joo Cardoso ay- WJ .?./" ?? J !*J SZT
es, que requereramsu demissSo. I Iuese ,,,ra vantagens do negocio-
Al o dia 31 deste me/, c-pera-sc da Europa, o
afamado rapar
mi slgnin nutro (leste conipantna, o qual, depois ds
lemore do cii-lume, seguir psra o Itio de Janeiro,
loesodu na Iludid : para pasidgens, ele lrala-se
com os Hlenles Adamson Ilowie & C., ra do Tra-
piche Noto h. :.
Ili de Ft:i naiiil.
Al o dia 12 >le agosto prximo tem de se-
guir para a llhi de Fernando de Noionha o
brigue iSom Jess, para o quo ja tam compe-
tente permissao do bxn. Sr. vice presiden-
te da p.'ovnicta : portanto os carregadores
dever.lo dirigir-so a tua do Vigario ti. 5, a
tratar com o consignatario Eduardo Ferreira
llaltar, com as relaces dos objectos que
tem de embarcar, as quaes devem ser auto-
risadas por porlaria do Etn. Sr vice-presi-
dente da provincia.
que o abaixo assi
montos tiue prov
0 Sr. Lourairo
abaixo assignadol
1 S-'i7.Jos' Vic
O abaixo as agnado roga ao retpetta-
vel publico, qw luspenda qualquer j ui-
i.o dosIavoruvL'l a sen retpeifo, proveniente
do onsado aviso inserto no jornal de boje
Dial io de Peri ambucow, assigoado pe-
lo Sr. Joo da Si Ira Loureiro, emquanto
jnado [(repara os docu-
im a injuria gratuita que
no trepida irrogar ao
Recite 29.de julho de
ntc I.efio
Assijciacf
s
Cominercikl Benefic
Por ordem da IdireocSo,. lie convocada
a assemblea gcral dos Srt. socios ellecti-
vos para o (lia SldeapjottO ao meio-dia,
alim de proceder-pe ao disposto no art. 58
dos respectivos eiCitulos. Sala da Asso-
ciaeo Commercial Benelicente de I'er-
oambuco, 29deji lito de IH37.A. de A.
nte
iipa
>rasileira de paqu tes
vapor.
Ilodri'
Isaac,
d
b
A direccaoconv
do dia I a 1 i dei
sarein as suas entt
de comer rein as o
secretario
ixa
de
a diieccao.
Peni
111-
;o.
a aos Srs- socios, para
me/, de agosto, reali-
idas subscriptas, alim
leiiic'ie* ; tanto os so-
l vapor IMPERADOR, commamlaole o primni-
ro lenle Turrezdo, espera-se dos porlos d oorle
em 31 do corrente, e depois da demora do COStume:
segoir p-'.i a es de Macul, lladia o Kio do /aneiro ,
agencia, rui doTrnpirhe n. io.
- I'ara o Aracaly, o biate Novo Anglica,
sabe no dia 31 io correte, por ter sua carga
prompla : para passageiros trati-socom P-
renle Vianna, na ra da Cadcia do Recite
n 57.
MARANHAO' 1 PARA'.
Segu rom brevidade O bem coukooido
brigue nacional "Firma, tem parle .la
carga prompta ; para o resto que Ibe falta
trata-se com os consignatarios Novaes iv
G ra do Trapicbe n. i.
Pernambucaoa
cios ja' inscriptos como os (pie pretende-
ren! ser admitirlos, se dirijam ao Sr.
Joao Baptista l'ragoso, thesmreiro da so-
ciedade, em cuja casa provisoriamente te
rao lugar os rece!) metilos e entrena das
cautelas.
O !>r. em roeihc
V
--g::--;:-:;>.
na Jos Sergio Ferreira
de volla de sua viat em ao Rio de Janeiro,
lem nli, rio o spu eierlptorie medieta-cirar-
Itic" na prars da U> a-Vi-la sobrado n. 1'.),
a entrar para a rii do Araaja, mide polo
ser i,' ..'ni a i a qoilquer hora do dia ou
da noitc : iH podres sito tratados uratuila-
meiitPi quer uo se(i escriplorio, quer em
sua rusa.
.;:>OGv:.-
o
il.- neo <1<:
Os Srs. iceionistl
ijrnaiiibnci.
as do extincto Banco
.01
IEATK0
SOC1EDADE DRAMATIZA EMI'KEZARIA.
tenJa'jfefra Je- efe /.uS/w.
Debut do ai lisia
FELICIANO DA SILVA PINTO.
II -|. ,i< quo a orcdeslra liver desein|ienlia subir a scena nesle
tliealro o mu.lo applaudidj drama em j actos
Luiz de Camoes
S-ndo a parle de l.uii de I'. .nmos deiempenliada
pelo artista lierinauo, a de Meiilniica pela arti-la
Piulo e as deinais parles plos artittaa da rompa-
ndia.
Finalisar o espectculo 0 muilo desejad) vu le-
POii CMM DE 11 IU.4R1S10.
He este ndiverliinento que a sociedidl dramtica
Olleroce aos seus [h r.i- i,,i e-.
tl-i liiilielesacdani-te a venda no eseriplorio do
[deatro.
PrincipiarA r.t 8 horas.
COHUEIO EIIAL-
n Sr. Dr. Marcolino Alves Cavalcanli de
i.uni'Kuadcs, queira dirigir-se a adininiscSo
do correto, para receber urna carta vinda do
Cear.
I O.Wl.llO ADMllMSTRATIVO.
0 conselho administrativo lem ue comprar
o seguinte :
Para provimento dos armazens do
almoxarfado.
Sola, meios 20U; fio de vela, arrobas ti ;
papel alm.co, resmas 10; tinta preta, garra-1 rte Mh 00ver,uras,
las fu; secante, arroba 1 ; li i lamia de Tor-
ro, covalos 40.
8.- batalho de infantaria.
CalJei'as de ferro para 100 orajes *, di-]
tas do dilo para 50 pracas 3 ; jofto de balan-
gas com os competentes pesos ule urna arro-
ba t'; livro de 150 folhas com a denomina-
i; io de auxiliar ao livro mestro geial das
pracas efl'eclivas, risca o de accordo com a-
quello mesmo livro, istohe, para as pragas
de pret I.
Laboratorio.
Plvora lina de caca, libras 328 l|2.
Quem quizer ven 1er aprsente as suas pro-
pnstas em carta fechada, na secretaria do
conselho as 10 horas do dia 7 de agosto.
bala dassesses do conselho administrati-
vo para forneciuiento do arsenal de guerra,
29 de julho de 187 Jos Antonio Pinto,
presi Jante interino llernardo Pereira do
Carino Jnior, vogal e secretario.
O'lllm. Sr. inspector da thesouraria
de fazenda desta provincia manda declarar,
para conheciroenlo de quem convier, que os
laucos, conforme foi annunciado, que ti-
nham de ser recebidos no da 25 do corrente
inez, perante a junli da mesma thesouraria,
para a preferencia no afotameuto do lerrouo
demarinlia air.da alagado, silo nos fu idos
de oulros em frente da ra Imperial, se lio
de receber cm sesso di junta do 5 do agos-
to prximo vin louro, visto como naquelle
primeiro da nao pole ter lugar a respec-
tiva praga.
Secretaria da thesouraria de tV/.cn la de
Poniatnbuc i 29 de julho de 1857. O (inicial
maior, Emilio Xaviera'obreifa de Mello.
O Htm. Sr. inspector da thesouraria ;
provincial, em imprmenlo da resolugoj
da junta da fazenda, manda fazer publico,
que no da 6 de ag.sto prximo vindouro,:
vai novaineule a praca para ser arremtalo
a quem por mi nos lizer a obra do 15.* lauco
da estrada do sul, avahada cm 15 6211? res:
E para constar si mandou alFixar o presen-
te e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 27 de julho de 1857. O secre-
tario, Antonio Ferreira da Aiinunciaco.
O conselho de revista da guara nacio-
nal deste municipio, convida ao Sr. alferes
Luiz Jos da Silva Cuimaracs da dita guarda
ncinnal, para comparecer na sala das sesses
da cmara municipal, no dia 30 do crrenle,
as 11 horas do da, alim de s-:r inspecciona lo
por junta me Iica. o secretario, l'irmiuo
Jos de Oliveira.
CONSELHO ADMINISTRATIVO.
O conselho administrativo tem de comprar
o seguinte :
O vapor uluarassu" adiase a cartja para os por-
los do norle, para onde saliTa' as seis horas da larde
dn dia V de agosta, A carga sera' reeebida al
a lloras da tarde do dia 1. O vapor tundeara' ua
barra de nfassord desembarcar a carga e passa-
eeir.is.
A barcaca Dos teSalv acha-se car-
ga para a Parahusa : quem nella oeizer car-
regar, deixe por escripto na ra do Codorniz
n 5.
P\Il,<) aSSU'
Segn com a carga, que he pouca,o hrique
nacional Elvira: quem nelle quizer carre-
jar, enien.I a -se com os consignatarios Jos
Joaquim Dias Peroandes & Pilhos, ra da
Cadcia do Itecif;.
O brigue nacional Elvira, n-ecisa de
marinheiros nacionaes, para a sua viagem
ao ,\ssu' : a tratar com o CapitSo a bordo.
I'ara i> Parahiba sabe no dia 1." de
agosto, coin a carga qui liver, a barcada S.
Jos Diligente, mestre Joaquim Moui.eiro dos
Santos: quem na mesma quizer carregar,
pode despachar para todo algo lio.
t0
Gabsnete ptico
ATERRO DUOA-YISTVNJ.
O director deste saliio, participa a seus
Ilustres favorecedores, que len.lo-se de re-
tirar dests provincia,olTerece-lhcs esta sema-
na urna agradavel exposIcSo do vistas no-
vas.
GliRIU DO ORIENTE.
I. Os fiees retratos dos defensores da
gucira europea.
2 A escuadra anglo-fianceza dando fun-
do em frente de Bassigo-a,
3." A flota anglo partindo de l'ilosd, leva
S. M. a rainha Victoria
4. Bata (ha general d'arma.
5." Batalha de Inkerman.
6.* O gran le bombar.Icamento do Sebas-
I topnl, por mar e torra.
7.' O grande assalto, general de Sebas-
topol
Retirada dos Bussos para o norte c
io de Sebastopol, e da esquadra rus- dquom
Oagenie- Borja, cm seu armazcm na
rita doCollegio n. 'j,lari leilSo de um gran-
de e coinplelo sortiiuonto de ohras do mar-
cineiria novas o usadas, objectos de otiro e
piala, relogiosde algibeira c de paredp, ob-
jectos de porcellana a de cry-lal para sala,
eandieiroa inglezes de novas modelo*, di-
versas quinquilbariss e oulros m'iilos ob-
jectos, que s com a vista polem ser ajuiza-
das : sabbado 1 de agosto, as II horas da
Miautia.
Ricardo Kadnff, far leilSo para liqui-
dacflo), por DlervengSo do aaente Borja, da
sua taberna sita na ra -!..s Cinco Ponas n.
5-2, consistin.lo na armacao, gneros espe-
cia.i'rselo .existentes na mesma : sexla-fi i-
U do coi rente, a il horas da manbSa.
O agente Pestaa far leilo por conta
de quem partencer, de 100 caixas com mas-
sas, as mnlhores quo ha no mrcalo, a sabir
da alfandega, ebega las ocio ultimo vapor,
em lotes a vonta I i dos compra.Ioros
la-feia 30 Uo corrent', as 10 lloras
oh3a, na porta do armazcm do Sr.
defionle da alfandega.
de l'ernambuco sao convidados a recebe-
rem, do dia l do crreme em (liante, o
dividendo feto pelo Banco do Brasil, re-
lativo ao semestre indo em r>0 de junlio
ultimo, na razo de 12:705888 rs. por
acraoreaiisada, e liem assim o de O.S'OliO
lambem por accao realisada, l'cito pelo
extinelo Banco, no liin de sua liquidarlo ;
para o <|tie se aclia ailtoiisado o lliesou-
reiro da cai\i filial.Joao Ifjuacio de
Medeiros Reg, secretario.
Alugam-si carrosas pan roniuzir
quaesquer objectos e rraleriaes, por preeo
muito coturno lo : a tratir no .arma/ein .le
madeiras do Miguel, confronte o tclhciro dos
canoeiros da ra Nova.
Fornecimenr.o para obras.
Forneco-se ara, lijlo e carogss para
conduccOes de madeiras de quaesqusr obras,
por justo c razotvcl prer;o : a tratar no ar-
mazcm de madeiras do Miguel, confronte o
porto dos canoeiros da rui Nova.
\ mesa rege lora da irmandade do So-
nhor Rom Jess das Chagas convida a todos
os seus irmfos, para que se diguoni CO ivpa-
rec r no consistorio di mesma irmandade
domingo. 2 de agosto;, pra. on mes i geral,
se tratar do-negocio a bem da mesma con-
fraria.
- Os abaixo assignad is, asss desejo-os
dn fazor de nov'i sua apr.'sentaqao ao lllus
Irado publico desta provincia, que tanto os
aoplaudio em pocas passsdas, ve n rogir ao
illuslre actor Gemirio Francisco de Oliveira
que se contraa' a emjrcza do theatro de
Sania Isabel, dSo se esquefja d-i traza-I is
scena em sua companhia, identica id-i-se
com cites o mais que) fir ;Kissivel como ja u
pralicou, e -snera .1 ser atten 1 los l Pa-
gem de ljubarrota-iPedro SeraOCaplivo
le FezRobnLzaro o PastorOs Dous
Rcncgs los.
Attqiico
Boga-se ao Sr. Ricardo de l'reitas Ribciro,
- Vende-se tima crioula de 20 anuos, de j
urna 'inda ligura, engommadeira ecozinliei-
ra, para lora da provincia, ou para algum
engenho longo desta praca : na ra Direila
n 66.
Vende-se 1 arroba e 16 libras de velas
de ca'iiaulia de ti em libra, a razo de 480
rs. a libra : ua la do Sebo n. 5.
Vende-se um casil de escravos: a
tratar na ra de Apollo n. 21, armazem.
Precisase de um cozinheiro ou eozi-
nheira, para unta casa de familia : a tratar
na ra de Spollo n. 21, armazem.
Pergunta-se ao Sr. Joao Miguel Tei-
xeira Linti, testamenleiro do finado Anto-
nio Jos Teixeira Lima, quaes foram os mo-
tivos de Vine, nao levar a arrematado o es-
cravo l'ogu iteiro,oertencente ao mesmo in-
veuiario : aqui licamos a esperar at o acto
da arrematacSo.
D. Joaquiua (.ornes de Siiiueira, viu^a
de (iabrijl Lamairo, vend no Diario .le hou
lem ara aonuneio era que se avisa ao ouhli
co nao poler ella vender um terrono naSo-
ledade, declara que. nenlium terreno possue,
e nada houve oor morte de seu marido ; as-
sim como nada deve. salvo alguma divida
phanlastica que algum litigioso Ihc queira
armar
JosJanuario do (.arvalho ?aes de An-
drade vai a Europa, levando em sua cotnpa-
nlna seu irmao Joaquim de-Carvalho i'aes de
andrade, qu? vai tratsr di sua saulo, c dei-
xaai nesta cidada como procurador o Sr
Uanoel Joaqui n Carneiro Leal.
l);i-so a p'cmio sobro hypot'neca do al-
guma propriedado a quanlia de 1:000$: a
tratar na ra est'eita do Rosario n. 31.
O abaixo assignado, londo perdido urna
lettra do valor de 1:000/, da qual Ibe era de-
vednr o Dr. Joaqun Francisco de Mello Ca-
valcanli, pela venda que ao mesmo fi/.era,
da parte de Ierras, que possuia no engenho
Apu, em Pao d'Alho," passada dita lettra a
7 de feverciro do corrente anno, n vencida
no ultimo de in.iio do mesmo atino, e haven-
do ja recebido do mesmo l)r. Joaquim Fran-
cisco, a importancia da raenciouda lettra.
assim o faz ver ao publico, declarando licar
para semine de nenhum effeilo a dita lettra
em poier de qualquer pessoa, que por ven-
tura venba a appareccr co \ oda, vistoj tar
si o embolsado do seu respectivo valor, fa^
zendo ver ao mesmo lempo, que al a pre-
sente dala nenhum nutro negocio litera coin
o mesmo Dr. Joaquim Francisco, pelo qual
ello se consliluisso seu deve lor. Nazarelt
25 de julho de 1857.Plinio Augusto Caval-
canli de slbuquerque.
Isabel Hippolyta de Araujo Bastos, e
Fortunato CarJozo de Gouveia por seu pro-
curador, vendo publicidoo e-lilll para a ar-
remiitaco, pelo juizo do cotnmetcio, do so-
lir ido da ra da cruz n. 59, na cxecuclo que
mnve Jos Pereira de (oes, contra os herdel-
ros de Fraucisco Contjalve* Bastos, fazem
scieute ao res eitavel publico, de que nao
po lera ser arrematado la totuin o refe-
rido sobrado, pois qu motado he d iminio 8
posso ,|0S anniiriciantes, que se aguardara e
estro alerta ....... cm i au-ormorluno faze-
rem valer o sen direito
Trocara-se estampas de Noss Senho-
ra do Oarmo, ds Dores, do Corago de Je-
ss, de S. Francisco e da Conceic.So : quem
os quizer, dirija.-se ao pateo do Carino, so-
brado novo que bota a frente para a ra de
lorias n 2, segundo andar
Ka ra da Cruz, armazem n. 27, tem
para vender cominos e herva doce.
Precisa-.se de urna ama, que saiba co-
zinhtr e fazer todo o mais servico de casa :
na ra do Caldeireiro, taberna n. 60.
- O abaixo assignado, socio de industria
o fabricante de sabSo Ja fabrica do Itecife,
despeJio-.se da mesmo sociedade e da fa-
brica, assim como seu litio Francisca Jos
de Alencar, leudo dissolvido aniigavslmctite
a soeieiade que tinha, e pasma a residir na
ra das Cruzas, do bairro de Santo Amonio
n. 13. Recifo 29 de julho de 1857.Jos
Francisco de \lmeida adeantasino.
O abaixo assignado faz scieute ao pu-
blico, que tem a venda no seu armazem n.
Il, travessa do arsenal de guerra, rielen
b.rris le diversos tamanhos, por proco mui-
to comino lo
- Desappareceram dosilio do Coelho, im
lia 20 do c .rn ule, dous bois mansos de
eangalba, os quaes lem as ventas fura das co n
urna crrela aellas, e estilo ftidos as cos-
tas de tomadura de cang-ilha, um maior e o
outro pequeo, c nafeg i do um quarto, es-
to descarnados, levaram cordasauos cliil'res,
amaos cor do laranja clara ; foram vistos
para as partes do Muiguitiho em um sitio :
a pessoa que os pegar e levar ao abaixo as-
signado, ser generosamente recompensada.
Luiz Antonio .\nnes Jacome.
JoSo Jos Fernandas de Carv.alho, faz
ver ao respeitavel coinmercio, que ven leu
sua taberna, siti ua ra da Sensata .Nuva n.
Vi : quem com ella tiva cuntas, aprcsuiUa-
ri i estes 8 dias, para seren pagas : ua ra
da Son/ala n. 40.
I .a, e se-la de novos padres, eovado. .
Mauritana de seda com cinco palmos ds
largura, eovado .........
lirsolnia ile seda com qoadroi, ramagtns e
lislras mali-a la-, eovado......
Sodas de quadros bonitos padro>t, eovadp.
Duqueza de seda coin ramai^em, covsdo. .
Mussulnia branca e de cures, eovado. .
Chitas trancetas tinas........
| Frondooa de seda para vesiidos. .
Nao se ten io honlem 26 reunido numero Cassas fr*Deeza> finas d* bonitos padioes.
GBUETE PORTGOEZ
DE
18000
5850
OOO
S00
1600
tsooo
3950
750
320
280
900
sulliciente dos senhores membros do aclual
conselho deliberativo para dar posse ao con-
selho eleito om assemblea geral de 19 do
corrente, sao de novo convidados, tanto os
membros do aclual conselho como os se-
iihoros que foram eleitos para o conselho
que tem de funecionar al junho do prxi-
mo futuro auno, a reun vn-se na sala das
suas sesses, sexta-feira, 31 do corrente,
pelas 6 horas da tar.le llecife 28 do julho
de 1857.O 1. secretario.
Ricardo de Freilas Ribeiro.
O abaixo assignado roga ao Sr. .mo-
r m Costa de vir ao seu e.stbeleciment de
relojoeiro, no aterro da Boa-vista n. 16, pa-
ra desmanchar o engao do relogio quo o
mesmo Sr. Amori n levou na persuasSo que
fosse o seu, quando o dito relogio he de ou-
lra pessoa, o como o supolicanie quer entre-
gar o relogio ao seu verdadeiro eono, roga
o especial favor de vir Iraznr o dito relogio
e levar o seuWalter.
O Sr. Alfonso Jos de Oliveira queira
annunciar a sua morada, ou dirigir-se ao
escriplorio de J. B, da Fonseca Jnior, ra
do Vigario n. 23, que se Pie desoja fallar a
negocio que Ibe interessa.
Frederico Frcminl vai a Europa.
D. Clara Lappard retira-so para Eu-
ropa.
Attenco
420
800
1*000
9

.18280
5430
ijOOO
53O00
7|300
45000
49500
55OOO
189000
93OOO
69500
59500
15500
39OOO
600
intitulado I.* sacret
gao/ de Leitura. de
cios 1 ment! podo ai"
vista da irretrularida
rio do Gabiael a P01 tu-
respon ler se cunscie 1-
ogar a si osso titulo
e cora que se pi oco leu
a essa elei^o : eso! o tal conselho eleito
dessa maneira, na ddcanl 1 la assemblea ge-
ral de 19 lojcorrente.presisle em tomar posse,
no obstante a falta do cu nprimento do art.
32 o s 25 do art vu dos estatutos quo regem
o iiicmiio G ibinate, t da clara rc.irov 1 ;3o
icra miento
Suntissim-i
do I) ir.o
Kecife.
o abaixo assignado, cscrivao aclual, pede
encarecidamente as pessoas que tiverem cm
seu poler patentas deirmSos e irmas dcs'a
irmandade, que falleceram na poca ue cho-
lera, ou em oulra qualquer, sm que dessem
Oirorece-sc um cozinhei.-o eslrangeiro pa-
ra dar jantares cm casas particulares, e para
alguma'casa que precise dos seus servigos
eleclivos : no becco do Abreo n. 4, no Re-,
cifo
Precisa-se de 1 ou 2 europeos para
feitor de engenho, paga-se bem : no largo
da assemblea n. 6.
Precisa-se de um menino do idade de
12 a 16 aonos, naciounl ou eslrangeiro, e
que tenba pralica de taberna : na padana
da ra da Senzala Nova u. 311.
Fornecc-se tres ou mais caadas de
puro leiio para algara hotel, ou pessoa que
o queira tomar, mandando-se levar em casa,
a tratar na ra da CadeH do.Recife, loja n
50, dcfioule da tua da Madre de Dos. E em
qoanlo se nido fizer o engajamonlo se vende-
r a rea Iho na ra do Livramenlo, junio a
loja de lo'i.-a.
Continua-se a dar dinheiro a juros
mdicos, sob penhores : na tua da Prais 11.
43, segn lo andar.
Jot lao Jos Fragoso, sua mulher D.
Diouizio Mara Fragoso e 5 filhos menores,
sua sogra I) Maria do Carmo Nunes, Mana
do Carino e um criado de nome Francisco.
retiram se para forado imperio.
. reeis.-se
alng-*r un copeco bom para urna casa de
umcslr com pouca familia: quem
mizo-. .rn casa de Rostron RoOker A
C., pia^.. a-, ,., ,jtttTtt. *t--------
'blicaco tteraria.
coho(;r\?iii\
Ciiroao^ianlii.i. nobiliaria, g*:-
nenfoglvjA c poltica
DO
IMPERIO 00 BRASIL
COM VARIAS TRANSCRIPCOES
DA
Corn^raphia brssikira, do padre Mancel A>res do
Casal.llisloria da America l\irlnjiif/a, de Ro-
cha Pitia.i..in mua da i'ii,|, i,|tn 1, de Vssrnn-
cellos.II -! ,11. du Brasil, do visconde de Cay-
ru.Caslrioto Lusitano, por Kr. Raplisel de Je-
ss.Memorias do Rio de Janeiro, por mouse-
nlior Pitarra.Annaes do Rio de Janeiro, de
SiIvj Lisboa.Annaes do .Maranhao, de Berre-
I,,.Auiiies du Rio Grande, do viseoude de S.
Leopoldo..Mcnioriii da eapilania de S. Vicente,
por Fr. tias|),jr da Madre de Dos.Ens do Pa-
ra, por B.yen..Mein.iria- hi.I incas da Bshie e
Coro^raplna l'arainse, por I. Accioli.Chrono-
logia, do general Abreu e Luna.llistoria do
Brasil, de \ 1 ii.'iagcn.E de oulros unpresso e
ni-jiiii-' n, I11- :
CONTENDO
A descripjilo geoaraphica.e nu(0e> histricas e po-
litiras, desde o dpsc.ibriineiilo do Brasil ate agora
(1857), e tmbenlo lempo em quo foram povoa las
as suas dill'ereules cidad. s, villas e lunares ;
S?us invernadores, e a orinem das diversas fami-
lias brauleiras e seus 4,-ipellidos, eilrahila de aull-
aos manuscriptos itenealugicos que m eras diffe-
reutes se pu leraio.ublcr ;
A blslorll dos i,inn-,.'i, ,-. sua polilici o coi en
coin i|u. apparecerain.
A historiadlas ca.nsras temporaria e Vitalia deide
a eonslilninte de I" de abril ue 182.1 al 185/ ;
E lambem 111111 iposira'ii da hillorta da nid<|ien-
deucia, escripia e compruvada por Icsleiiiu.ilia- 0-
culircs que lindan) reslain, e dos outros moviinen-
los politln, alim deque se tenba um conliecimeiilo
esaelo niu t da seocraplila do pai/. cuino da sua
hislana civil e p,,|itica.
Pelo l>r. A. J. de Mello llora**, natural da cida-
do das A la&oasj, autor de multas obras Iliterarias e
Cirntiflcai.
Subcri-ve-'e nesla ci.lale do llecife, na livraria
da prari da Indepsedeuria DJ.fi eH
bllerece-se 11 m moco brasileiro para
caixeirodo qualquer esulielecim-uto, a ex-
ce;.c3o de taberna, ain la mesmo para adju-
toiiode. um o.itro caixeiro jara escripia, por
Argentina de cores escoras, com salpico! de
teda, proprio para palitos......
Italiana de sada preta com lustre, para pa-
litos.............
Corles de vestido de sada para seohora, o
maia superior que lia no mercado. .
Levas de seda de todas as qualidades, para
liomens, seulioras e meninos.....
Lencos de canibruia bordados, muilo finos.
liiin- de dito de linho lisos para mAo. .
Cortes de casemira preta e de crei. .
Curtes de cuteles de gorgurSo de seda, da
varios padroes, matizado......30000
Corles de laa maulada para vestidos, e
novos padidas, com 15 covados cada
um............ .
Chapeos de aMUa francezea formas novas.
Pablos de alpaca preta, finos......
Ditos de alpaca o gangas de cores. .
Caudolas de alpaca preta o de cores.
Ciiaiss de merino bordado a velludo gran-
des.............
Dilos le dao bordados a teda.....
Ditos de dilo com listr* de.seda. .
Ditos d dilo litos.........
Ditos de dito com franja* da Ha .
Dilos de lila adamatcados de cores. .
(jang fraoceza superior de cores, eovado.
Komeirasde relroz muito superiores, pa-
ra senhora.......... 95*00
Em frenie do becco da Congregarlo, passaudo
loja de ferragens, a 9eganda da fnzendSa n. 40.
O solicitador vitalicio Jo3o Paulo Xa-
vier de Salles acha-se residinto na ra das
f\guas-Verdes n. 70, primeiro andar.
No engenho S. Francisco, districto das
/Magoas, de que he propietario o Sr. Ma-
nuel Xavier Carneiro de Albuquerque, exis-
te um escravo de nome Leandro, que diz
perlencer ao Sr. Manoel Rezerra Cavalcanti,
io engenho Souza, termo de Goianna : ro-
ga-se portanto o mesmo senhor, ou a quem
direito tiver sobre dilo escravo, dirija-se ao
escriplorio de Manoel Goncalves da Silva,
para, no caso de querer vende-lo, tratar-se
d> ajuste; notando-se. porm, que
Geroetro de Albuquerque nSu se responsa
bilisa pela fuga.
Precisa-se de urna parda, ou crioula
de moia idade, para fazer companhia a tres
mosas, e igualmente prestar-se ao servicp da
casa ; a tratar na ra do Queimado 11. 43,
ou anouncie.
lar-se
o Sr.
lonsa-
Ma -l.i-i' lelix Pereira de Burgos recebe asilu- t 'f
\ car de commiasio < os Srs, de engenliat qoa jv.
A^ jam-se ao largo da Assemblea n. 19. C:
Para evitar du-
vidas.
Os bilhetes rubricaih s
jiel j iiiti'x as-i^iiffilo no
est&o 8ujeitos ao disconto
.t**i4i por cento; porem
os vendidos na thesoura-
ria das loteras soflfreni o
iiieucionaiodisconto, con-
forme se declara hoje no
novo plano, nppiovado pa-
ra a segunda parte da pri-
meira latera dos trabu-
llios biograpliicos. Reci-
te *48 de julho de 1857.
P. J. Lhviiic.
ATLENg\0.
Pcrdeti-se na noite do 23 do corrente,
da rua do Torres at o theatro de Santa
Isabel, (lendo-se seguido da dita rua. pela
da Lingueta, tiavessa dos I'ortos, em di-
reitura ao caes de Apollo, Ponte Nova e
Largo de Palacio), urna pulseira de ca-
quem a achou, queira
a rua do Trapi-

-
manifestada pela majioria dos socios convo-1scieucia a irmandade, hajum de leva-las ou
cados pai a a coiiinuca l'"s I raba I los des- ni id -las com declararlo do dia, inez e nu-
il lin-
da ma-
,limes.
8a
1 incoa
.-'i a n I
9-
pas.
10.'
II.
13
13 "
u.
15.
16,
sa aasemb a geial em o da -M> do concille,
porquanloa IndignacSo a tolos essesdes-
mandse irregularidades foi be pa'enle:
com a resposta se apreciar! devidamente al
quo ponto chega i falta do senso, e mesma
de...... de tanta genla.Oestimolante
o sr. morador
queira publicar pelo
II rua di l'.aia u. 26,
mes 00 jornal qual o
bellos encasto.ada:
ter a bondade de leva-la
che n. ."i.
S STIERIEL & C, hauqueirosenes
gociantcs, estabelecidos ha muitos anno-
etu Londres, teem a satisiacc5o de par-
ticipara seus correspondentes e ao publi-
co, que acabam de lundar casas liliacs
no* principaes portos e distritos manu-
faclureiros de Franca, Alemanha, Blgi-
ca e Hollanda, conservando alem disso
suas proprias casas anteriormente cstabe-
lecidas nas cidades mais importantes, c
portos mais commerciaes dara-Bretartlia,
e est&o em posieao de of't'erecer grandes
vantajens aspessoasque possum necesitar,
assim cm Londres como em outro qual-
quer ponto da Europa, de nina casa para
compra ou venda de artigos, bem como
para os negocios de transaceao de crdito
negocio que te u com o abaixo assignado,
Na--(lleno III. pasaando revista as tra-
vista de Pernambuco.
Vista iio Porto em Portugal.
vista doUadrl l, capital de llesptnha,;
l^reja di- Santu Maria lu(niada.
IJelberg Allomanha.
A cidade do New-Yooi kc
Interior del palacio de bellas-arl s
em Paria.
17.' Vista d San-Francisco da California.
18. NapoleSo I, em fronte da calhedal
de Mi 15o.
o mil,"io i-slara aberlo das 7 at as 11 da
noite. Entrada a 1C rs., e os meninos de 8
aunos a l'O reis.
O agente Pestaa lira leilSo, por conta
pertencer, '.el I barricas de sar-
ilibas, viadas de Lisboa, nesle ullim >aia-
vio Constante hoja :iO do eorroute, ao meio
lia, na puila do armazem do Sr. Aunes, do-
fronte da alfandega.
LEILO.
C. J. Astlej & C, I'arfio leilo, por in-
tcivineaodo agente Pestaa,deuui eom-
pleto e variado sormento di' Eazendas n-
;;!.'/.;.s, li-aiu'.v.as e illeniaas, a mais pro-
i priado mercado: sexla-feira 31 do cor-
Irenter a's 10 hojas da manliSa, em leu
, armazem, rua da Cadeia do Hecilen. 21.
visto nao ter appareci
Padre JoSo
\o dia li do co
ca. a de sua senboi a,
sa da Silveira, s preta
de n !(-'> Costa, altur-
denles da frente, al.:
losio que chegam atJ
te, alegre de semblan I
vou v 'Sti lo de chita
lo.
Cyrillo de Lima.
rente desappareceu la
nez de Kreitas Dirbo-
escrava de nomo Rila,
rc^; Ir.r, com todos os
|uenos lalhcs no
i li icca, beai failan-
;; e an lar ligeiro ; le-
rota, panno da (osla
la nesta rilade, e co
Uanguinbo, Campo Cj
ga se aOS fipilai de
pesa 11 que a pegar,
a/.ul c ca isa aborta de rend, tem sido vis-
n. lti, ou a roa Direila
isla ter andado pelo
an lo o Cijueiro : ro-
ampoou a qualquer
lij a levar a rua Augusta
no do lallecimento, alim de com reguiarlda-
de p. der-sn or^anisar a pauta, para serem
ditos irmflos eni tempo suffragsdos ; podem
dirigir-se a rua da l'enha, priiaeiro andr n.
21. Consistorio di irmandaJe, 23 de julho
de 187. francisco Antonio de Brito, es-
crivao.
Na rua larga do I'.osiario, loja n. 21, se j* ^Ji^
dir quem J 6008 a juros, com hypolbeca 30 + (1|
em ti.'iis de raiz, ou firmas a contento.
Praeisa-ae dn nina nma d rtile farra cu cap-
tiva : ua rua do Caldireiru D. B8.
Precisa-se de urna ama para casa de
pouca Familia : m rua Velha ou rua !a '.lo-
ria n. 11.
Precisa-se de um caixeiro bem hbil
para taberna : na roa do Itangel n. I.
--- Precisa-se de um caixeiro : no largo
.lo rilar, taberna u 17.
Precisa-so de urna ama forra ou capti-
va, para lo i > 0 servico do tima casa do fa-
milia : na rua -NVva, sobrado n. 23, segundo
an '.T.
iluga-si umaescrava moga paraoser-
ter muilo ba lettra, o qual anda esta arru- c banco de qualquer genero.
na lo : n-i rua .Nova n. 4
\SS()CI\C\0 E 'OLOMSVCVO
EH
Pernambuco, Paraiiiha e
AllTOiS.
Os senhores que suhscreveram acr;oes des-
ta coiu-i nhianiBo ct nvidadoa para a reuni&o
patacao desta companhia, no da
crrenle, pelas 10 horas da manhaa
em ponto, na salada|tssocia$3o commercinl
(l procurador da ramara municipal
desta ci Jale, pivei-u tallar a Sra. I). Fran-
cisca Amelia Mor. ira, a negocio publico,
iue interesa i a mesma senhora, c como nao
saba o logar de sua residencia, faz o pre-
sent aonuneio para que a mesma senhora,]
,\s pessoas que nao orem con decidas dos
anntineiantes deve fio acompenharsuas or-
dens com os fundos neeessarios para" sua
exeiiceio ; licando entendidas qt.e ost'n-
nitneiantes nao teem diculdade em aJi-
antar 7"i 0|() sobre os gneros recebidos
anlesde sua venda.
Os procos correte! e mais informacoes"
commerciaes, que iorem pedidas, serao
enviadas gratuitamente, salvo o porte do
COrreio, pudendo dirigir-se aos annunci-
antis.
Rua da Cadeia do Recife n. 18
lia um sortimento de RELOCIOS de lo,las
LOGEOS
quo bem se gr iiiiie i
do Janeiro o seu
JoSo.
ti escrivSo Frsn
transferio seu carlori
ra a rua do Sebo, Casa!
procurado.
botica do 9r. Peine, I vico in'.erao de urna casa de pouca familia:
i. a l alai ua rua do Collegio, sonrado n. 23,
- Fraucisco RadU h embarca para o Rio primeiro andar.
aro parda de nome Precisa-se de um caixeiro de idade de
12a 16 anuos, com pralica .lo taberna: ni
is,'o de Marros Corris | rua eslreita lo Rosario n. 16, laburna da es-
da rua do Aragao |ia- Irella.
n. 17, onde deve ser Joso Florencio Concalves retira-se pa-
l ra l'oi'ugal, com sua mulber.

MUTILADO
se Jige ir o. mamar a ca.n*ra,vm. qua as 113lidailes> lanl0 ae 0IJ|(0 como Je PRA.
quer da til, ou aui.unc.a a ,un morada : T^ditosF0L,AS e ,)0LRA0S. assim cor
para ser procurada. mo para senhora, todos garantidos e po-
precos commndos.
rada.
Jorge Vctor F.-rreira Lopes.
Precisa-se de urna ama e de um cria- j
do. forros ou escravos* na iioa-Yisla, rua (
do Hospicio n. 28.
O abaixo assignado declara as pessqas
que Ihcs sao deve loras de quatiiias prove-
nientes deeffeitos que compiaram em sua
taberna, sita no Moni oro, no anuo de 1852
at 1836, bala ai de vir saisfazer seus dbi-
tos no prazo de 31) das, a contar da dala da
publicado deste, pois do contrario podei _
ter por corto ver seu nome por extenso nes- como cm torroes e em pSes, por prego mais
, la fulha..Nicolao Machado Freir. commodo do que em olilra qualquer parte.
Refliiara de
>
lego& Barreto, no M01-
teiro
No deposito desta refinaria, narua da Ca
deia do llecire n. 30, ba sempro assucar re-
tinado de superior qualidade, tanto em po

ILEGIVEL




'


DIARIO DE PERNAMBUCO QUINTA
C0ISULT0R10 HOOPATHICO
fe
DO
Ttjr^m. p
*
Onde se achara sempre os mais acreditados meilicaraentos, tanto era tinturas como
em glbulos, e preparados cora o maior escrpulo e por precos bastante commoiinn
PREQOS FIXOS. *
Botica de tubos grandes. 10/000
Dita de a* ... 158000
Dita de 36 ... 208000
Dita de 48 ... 259000
Dita de 60 < ... 30JOO0
Tubos avulsos a ..... 18000
Frascos do linturrademeia onca. cOOO
Manual de medicina homeoptica de Dr. Jahr com o dic-
1 cionario dos termos de medicina .
Medicina domestica do Dr. Henry.....
Trataraento do cholera morbus.....
Repertorio do D.\ Mello Morios ...'..'.'. *
20906*
10/000
2/000
6*000

KaSKaHHHaMBBMMnora
f 1,1; 11 AS PRECIOSAS-g
] Aderemos de bullanlo, *
<8 diamante, e perolai, pal- S*
$ Miras, allineles, briucos *
25 a roalas, boles e anneis
3j de diflereotei goslos e de ';
> divcmas pedral de valor. .
*
3> Compram, vendem cu Sg
^ Irocam prala. ooro, bri- &
Z llianles.diamntete pero- $j
'* las, e oulras qoaeiqaer *
f*j joiaede valor, a dinheiro %
1
t. ou por obras.
IOREIRA 1 MAME.
L9J* DI eilRIVIg
Ra do Gabuga' n. 7.
Hecebeiu por to-
dos os va p res da Eu-
ropa as oh ns do mais
gosto, tan-
P""" iwmim m\m
OURO E PRATA.
$ Aderejos complelus de *
ji ooro, meios ditos, pulsei- *
$j ra, aifineles, brincos e $
g rodas, cordn, Iraucel- J
* lins, medalhas, correnlea ..
jjj e enhile, para relogio, e *
^ ootros mullos objecloa de &
S ouro.
gj Aparelbos complelus de *
prata para cha, bandejas,
salvas, cnslicaes, colheres J
g de sopa e de cha, mui- fe>
los oulros objeclos de
moderno
* J T? v $ "" ou,r0, bjeclos de
to de ranea como USmmmm^Jt
de Lisboa, as quaes vendem por
pre$o commodo como costumam
O Dr. Ignacio Firmo Xavier faz publi-
co, que mudou sua residencia para o seu si-
tio na Passagem da Magdalena, que lica ao
norte da estrada entre a ponte grande e a do
Chora-menino, e ahi tem preparado urna
casa de saude com todos os commodos para
o tratan -ento de escravos, cujos senhores
residam fra da praca, ou "que n5o os pos-
sarn curar em suas proprias casas : quera
para isto quizer-se utilisar de seus servicios
mdicos, que serSo desempenbadus com o
maior zelo, dinja-se ao pateo do Carmo n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Preco2/000diarios-exceptu-
ando conferencies, sanguesugas opers-
ces.
SKio-Formoso.l
O Dr. Joao Honorio Bezerra de Mene- *";*
$5? zas, medico pela Faculdade da Babia, lera @
A filado sua residencia na cidade do Ido-I-or- ',
k "'oso, e de novo eflerece ens servicoa a lo- J
v$> das ai pesioas que o honraren) com sua con-
s faoc.a.
Precisa-se de caixeii os, na ra da Ca-
deia do Recife n. 50, primeiro andar,
pi estando urna 'lianca de 200$000, ven-
cendo o ordenado de 200$ a OOs, c|ue
he para vender bilheles da lotera da
provincia.
SEGURO CONTRA FOSO.
Companhia Alliance.
Esiabelecida cm Londres, em marco de 1824.
Capital cinco milhdes de libras esterlinas.
Saun lorar aos Srs. negociantes, proprietarios de casas,
e a quea mais convier que esto plenamente au-
torisados pela dila companhia para effectuar segu-
ros sobre edificios de tijolo e pedra, cobertos da
tlha e igualmente sobre os objeclos quecontiverem
os mesaos edificios quer consista em mobilia ou
a azendas de qualquer qualidade.
. J@-&-:;.;.,.
Joo da Silva Hamos, medico pela uni- ;;.;
!'" versidade de Coi rubra, mudou sua residen- '.:;
Vr ca da ra do Cbng. para a ra Nm. n. V--
ag 69, senoudo andar, sobrado do Sr. Dr. el-
81o, e ah contina a receber, das 8 s l'.i .-''
boral da roauhaa, e das 3 rs 5 da larde, aa ';'
% pessoas que oqueiram consultar. V.;
&&&&&&-&* y@&
JOHN CATIS,
corretor geral
E AGENTE DE J.EILO'ES CO.MUERC1AES,
n. 20, ra do Torres,
PRIMEIRO ANDAR,
oraca do Corpo Santo
RECIFE.
DENTISTA FRAHtfZ.
urna pessoa que s o mus'mo Sr. Mindelo
com sua influencia poder cobrar, cujo val
j esteve era poder do urna pessoa para co-
brar, roas por njuilo condescendcnle nada
conseguio ; todo negocio se faz com o Sr.
Mindelo, com tanto que elle nao perca na-
da com o tal velhaco.
SCasa de Saude
do
ESTRADA DE FERRO:
Recife S. Francisco
LIMITADO.
fiUtittt chautiiba.
Os directores da Companhiaufa Estrada de Ferro
do lenle a Sn-Krancico, limitado, teem feilo a
quinta_chamada de duaa libras esterlinas, 00 res
iTVm sobre cada acrao na dita companhia, a qoal
deve rr paga al o di'a 24 de agosto do correle au-
no de 1857 ; no Rio de Jansiro, em casa dos Srs.
Mau Mac. (iregor & C. ; na Bahia, em casa dos
Srs. S. S. Davenport & C, e em Parnambuco, no
escriptorio da Companhia.
O accionista qae nao realisar o pasamento den-
tro do lempo indicado, poden perder lodo direilo as
arenes sobre as quaes o dito pagamento nao se tiver
eflfectoado, e em lodo caso lera de pagar juros na
razao de cinco por eenlo no anno, e de nao receber
juros ou dividendo da companhia pelo lempo que
dacorrer entre o dia indicado para o pagamento e a
sua re.ilis.-ir.ii>.
Ncnhum auto de transferencia pode ser registrado
anles do pagamento da chamada.
Por ordem dos directores. James Templeton
i>'ood, superintendente.
He chegado a loja de Leconte, aterro
da Boa-Vista n. 70, excellente leite virginal
de rosas brancas, para refrescar a pelle, tirar
pannos, sardas, e espinhas, igualmente o a-
lamado oleo babosa para limpar e fazer
crescer os cabellos : assim como p impe-
rial de iyrio de Huronea para brotcejas e
aspendadesda pelie, conserva a frescura e
o avelludado da primavera da vida.
A publico.
O abaixo assignado laz sclenle ao respei-
tavel publico e aos seus freguezes, que aca-
ba de montar dous importantes estabeleci-
mentos de fazetulas, na ra do Crespo ns.
10 eU, ondeenconlrarao um variado e lin-
do sortimento de fazendas de todas as qua-
lidades, as quaes vende por preco muito
commodo; sendo gerente do estabeleci-
mento n. lfl o Sr. Marcelino Ueronimo de
Azevedo. i. g. Malveira.
Attencao

Na graade fabrica de ta-
inancos da ra Dreita,
esquina do becco de S.
pedro n. 16.
Ha effectivamentc um grande sortimento
de tamancos para todos os tamaitos, quer
a retalho, quer em grandes porches muito em
conta ; e fazom-sc tambem de encomtnenda
a moda do Porto, para homens e seutioras.
- Na ra da Concordia n. 26, deseja-se
fa.iaraoSr. Paulino da Silva Mindelo. aim uo ""--/. ate LisDoa : a eutender-so
delle promover cobran?* do um val de Nova n. 21, secundo andar, -se Drefcren-
uma pessoa que so o mesmo Sr. Mindelo ca a ilha de la.
Os abaixo assignados, com loja de ourives
na ra do Cabug* n. 11, confronte ao pateo
da matriz e ra .\ova, fazetn publico, que
estao recebendo continuadamente as mais
novas obras de ouro, tanto para senhora
como para homens e meninos : os precos
coutinuam razoaveis, e passam-se conlas
com responsabilidade, especificando a qua-
lidade do ouro de 14 ou 18 quilates, ficando
assim sujeitosos rnesmos por qualquer u-
vida.-Seraphim & lrm3o.
Aluga-se um sitio na estrada de Sao-
l Ann, junto ao sitio do Sr. Me. Galmoot &
C, com os seguintes commodos : 3 salas,
10 quartos, rozinha fra, cocheira para 3
carros, estribara para 8 cavallos, senzala
liara 16 escravos, e outras multas bemfeito-
rias para o desfructar o inquilino : quera
o pretender, dirija-se a ro Velha n. 54, a
entender-se cora Manoel do Naacimento S.
Bastos.
No pateo do Carmo, esquina da ra de
liortas n. 2,conlinua-se a comprar peridi-
cos parH embrulho a *j000 a arroba, cobre
vel ho a 280 a libra, lalSo e bronze a 240,
garrafas vasias a 85 o cento, e 80 rs. urna,
sendo liinpas.
Precisi-se comprar 2 toneis grandes
ero bum estado: quera tiver annuncte ou
dirija-se a loja de funileiro : na ra larga
do Rosario n. 22. r>
A cscrava FeltciJade foi comprada ao
Sr. Miguel Jos du Almeida Pernarabuco,
coni condi5oes, e acha-se fgida desde o dia
19 do correute : a pessoa que a tiver em seu
poder, poda manda-la entregar na ra l)i-
retta n. 66, que promette-se n;1o castigar a
dita escrava, mas sepassar do pray.o das
conduces, se proceder contra essa pessoa
com o rigor da lei.
Precisa-se de um feitor que enlenda
de plantacuo para um sitio em Sanl'Anna :
quera estiver no caso, dirij a-se a ra Velha
11. 54
--Urna familia que retira-se para fra do
imperio precisa de urna mulher que tenha
leite para ajudar a niamentar urna crianca
de 3 me/es ale Lisboa : a eutender-sj na ra

1
FEIRA r.ODE JLLHO DE 1857
A 2#000.
Vendetn-sc cortes de chitas francezas es-
curas, com 4 palmos de largur i, pelo bara-
tsimo preco de 23000 o crti : na toja de
4 porlai da ra do Queimado n. 10.
Vendem-se duas casas terreas na ra
da Alegra, utna n 1 e oulra i). 32 : os pre-
tndanles podem procurar nej largo do Pe
lourinho, armazera ns. 3 e 5.
Na ra das Aguas-Verdes n. 46. vnde-
se urna famosa escrava de 25 anuos, perita
engommaileira, coznha e cosA muito bem,
tem excedente conducta, conJ urna mu lin-
da filha mulatinha de 6 annosL e um escravo
de idade 30 anuos para todo ojservico
Vendem-se velas de carnauba de 6, 8, llu trapiche da aliandega.
10 e 13 em libra, pelo diminuto prego de i2;
a arroba, e se achara sempre prompta qual-
quer encommenda que so hrecise, sendo
sortidas, a vista faz fe a quem precisa : na
ra Direita n. S5.
Capachos
Vendem-se ptimos c.pachcs para portss,
jancllas e sofs : na ra da Ca leia do Recife,
esquina da Madre de Dos, loj de miudezas.
ARROZ DA INDIA BOI E
BARATO
Vende-se na ra do Amorira,
n. 43.
armazem
m>m&~
DO DB.
PEDRO AKT01I0 CESAR,
Na cidade de Goianna, becco do
l'avao n. 14.
.
m
l'asso Ir mos.
Avisam aos seus freguezes, que as ultimas
farinhas de trigo Kichraond ebegadas ao mer-
cado, sao vendidas em seus arraazeus, pelos
seguintes precos :
Galega 26SO00 por barrica.
Haxall 2.3,100 idem.
O Dance 24s0oo idera.
Columbia 23;Ooo idem.
Alem destas tem farinhas novas de Tries-
lo das marcas SSSF. Fontana e priraeira
qualidade ; assim como completo sortimen-
to das melhores marcas do l'hiladelpbia, No-
va Orleanse lialtiraore.
a.
a
o
= 5!
X (T
ffof
9-3
a o
C VI
H
a
o
a
i/.
3
-3
se
as
9
o

o
O Dr, Pedro Antonio Cesar recabe pes-
tt M" doenle para tratar era su casa ja
,-y..meuc,ondai prometiendo desempeuhir as
W fuuccGes medicas com muito zelo e aclivida-
^ d#de.
ti /Tifo diario. W
-fmn "" 55300
>1 i escravas. 28000 &
&#$-& & ^.h.h;h:h:.s&
Perdeu-se uo dia 27 do correute, das
8 horas da manbOa at meio dia, urna cane-
la iie ouro com pedra amarella em cima,
tendo penna e lapis: quem a achou e qui-
zer restituir, sera gratificado com a quaniia
do 10/0OO : na ra o Trapiche n. 36.
Precisa-se de um bom amassador : na
ra da Senzala Velha n. 84.
I)-se at a quanlia de 50*000 a pre-
mio sob penhoresde ouro ou prata : na ra
da Peuha n. 25, primeiro andar.
Ana do leite.
Prccisa-se de urna ama de leite : na
ra do Collegio n. 8, segundo andar.
O abaixo assignado, possuido do
maior cuipenho de se descobrir os auto-
tes ~e cmplices do horroroso assassinato
])erpetrado na pessoa do seu mui pre/.u-
do amigo Tliomaz Gollan, vice-consul de
S. M. Britaonica nesta cidade, ollerece
dous contos de res a.quem Ihe prestar
qualquer esclarecitnento exacto sobre es-
se facto, ou mesiuo o conheciniento de
alguma circumstancia.ou accessorio delle,
de modo <|ue se possa averiguar a verda-
de, assim como assegura, sob sua palavra
de honra, o mais inviolavel segredo, a'
Queijos do seitao.
Na ra do gueimado, loj de ferragens n.
H, ba para vender por preco commodo
muito frescaes queijos do sertao, entro elles
alguns de vinte e tontas libras, e muito boa
carne, bom fiijo emillio, assim como pcixe
secco, ludo chegado do nono pelo vapor
Igoarassu'.
Carne do sertao.
i\a ra do (jueimado, loja de ferragens n.
14, ha para vender por prego cotninoJo mui-
quem izer qualquer destas revelacf.es, lentre\Xf,i^f'l e,frescae;i quijos.
po.s he bem no, vel d '^VSA'SS.T.S^como^e'^
co, ludo chegado do norte, pelo vadoi i^ua-
rassu -
Compra-se urna cscrava do mcia idade,
forte esad.a ; na rua do Queimado, loja d
miudezas n. 43. annuncie.
Coinpram-.se escravos mocos que sir-
vam para o servico do campo : na rua Diroi-
13 II, 3.
- Compram-sc moedas de ouro de 5 e 10
mil res cora premio : na rua da Cadeia do
Itecife, loja n. 50, deronte da rua da Madre
de Dos
Compra-se o Panoroma, obra comple-
ta, e que esteja em bom estado : no largo da
Assemblea n. 6.
Compra-se um inulatinho de 12 a i,?
anuos, que nao soja vicioso e i^^ boa fi.
gura, paK^^- fiffffl : a rua de Aguas-Ver-
tht a. 46
Compra-se uraa geometra de Eucli-
des : nesta typographia.
Compra-su urna morada de casa as
povoagoes, ou de lieberibe, Afogados, Poco
da Panella, ou na cidade de Olinda em rua
principal : a tratar na rua do Queimado n.
43, ou annuncte.
--Corapra-se efTectivamente na ruadas
Mores n. 37, primeiro indar, apolices da di
vida publica e provincial, aeces das compa
niii-ii a iln..n Ji*hu. i__
e pequeas quanlias, sobre penhores.
Compra-se um oratorio com'tres faces
de vidro, queseja quasi novo, paga-se bem.
Comprase calcado para senhora : na
rua da Senzala Velha, casa n. 124, terceiro
andar; e tambera se precisa de sapateiros
para faze-los a feilio.
Bons charutos
Avisa-se aos senhores fumisla|sque ha che-
gado no deposite da rua de S. Francisco n.
6, urna grande porgio de charutos de todas
as qualijades, e por muito barato prego i
quem os vir uao deixara de comprar.
Am rs.
a libra.
Boas velas estearinas a 640 rs). o masso de
6 velas, tomandi grande porgai se vender
por 600 rs., que sabe a vela a 100 rs. he
extraordinariamente barato : ai rua de S.
Irancisco n. 6. .
Vende-se urna machina de cobre para
destilar agurdente e fazer espiritos at 40
graos, em perfeito estado, cora to-dos os per-
tences, pelo sistema de Derosuej a dinheiro
ou a troco de espirito ou de gurdente,
pelo prego do mercado na occilsiao que se
receber : para ajustar, na rua la Senzala
velha n. 110, e para examinar, na rua Nova
n* 33.
Vende-se um sellim de meio uso: na
rua do Livramento n 16.
-:- Vende-se urna machina coniposta de 3
cylindros, aqual bem pode servir para es-
premer caj' e talvez mesmo paral o servigo
de padaria ; ssim como urna njuilo forte
e bem feta prensa para espreme qualquer c
objecto, do qua se necessila de esiriliir a i -,
parte liquida, e 260 torcas?wSK de k,^'10" 96 ^do. e mepulina ou
carnauba de 8 em libra, ludo Jor commodo Co,dc, cl"l !?ES2i?i2? a l50
prego : na rua Direila n. 36, so' lira nuera ? I,m' C8s>a p"ra b;iba.do a 20" rs a vara e
vende
Lobo & C. vendem ca
Vendem-se 2 escravas de idade 30 ali-
os, propnas para todo o servigo : na rua'
Dreita n. 3.
Vende-se no escriptorio de Brandar
a Brandisdi C, rua do Trapiche n. lij.
Collada Babia,qualidade superior.
Genebra de llollanda em Irasqueiras,
qualidade especial e superfina.
Oleo patente, omelhor combustivel pa-
ra Umpeoes de sala.
Vendem-se coqueiros pequeos para
se plantar : na rua das Trincheiras n. 29.
Farelo chegado no ultimo navio de
llamburgo: vende-se no armazera do Annes,
'" trapiche da aliandega.
Vende-se a verdadeira graxa ingle-
sa n. 07, dos afumados fabricantesDav
& Martin, em barricas de 15 du/.ias de
potes : em casa de James Crabtree i\ C,
rua da Cruz n. 42.
Primeira necessidade.
Na taberna grande ao lado da igreja da So-
ledade, vende-se manteiga ingleza a 640 e
"20 a libra, flor a 800, 960 e 10120, frtnceza
a 640, 680 e 720, queijos a 15800 e 2, dito
de prato bom a 640 e 720 a libra, cha lino
perola a 3 e 33200, hysson a 23500, 2#200,
2/6 10600. farinha do Maranhao a 160, de
araruta a 200 rs., bolachiuha ingleza a 320,
B grande a 160, sag' a 320, cevadinha a 240,
espermacete bom a 720, vinlio bom engarra-
fado a 2/, I5500 e l/ooo, sera ser engarrafa-
do de Lisboa a 640, 56o e 500 rs., vinagre
bom a 280 assucar prata fina 220, e velas
refinadas a 480, curdas de linho para amar-
rar animaos a 500 rs. a libra, poitas grandes
a 480, latas com 2 libras de marmclada a
1*130, e muitos mais gneros de bora gosto,
por prego commodo.
. SECRETARIAS.
As melhores que at boje tem apparecido
a este mercado : vendem-se no escriptorio
do agente Oliveira, rua da Cadeia do liecife
0 62, primeiro andar.
Ao barateiro da rua da
Cadeia do Itecife.
Na loja n. 50 da rua da Cadeia do liecife,
delronte da rua da Madre de Dos, encontra-
'o os freguezes um bom sortimento do fa-
zendas, que era porg3o e a retalho se ven-
dem por proco barato, e mencionaremos chi-
tas boas de cores fixas o covado a 150, 160,
laO e 200 rs., e em pega a 55200, jOOO, 65,
6>400c6S800. chitas Irancezas do bonitos
ROStos a 200, 280, 3C0 e 320, cassas de cores,
largas, fazeoda que nSo desbola a 200 rs. o
covado, cortes decassa chita de cores, roXOS
e pretos a 1;600, 1J800 e 2, cassas francoias
uo cores a 480 e 600 rs. a vara, mussulinat;
com norzinlias e coros fixas a 320 o covado,
ditas muito finas com (lores matisadas
440, cortes de cambraia de cores muito fina,
com II, 12 c 13 varas, tondo fazenda cora
ramagem de frente para folhos, pelo dimi-
nuto prego de 63 o corte, pepulina do cores
com listras achamalotadas, fazenda nova pa-
CARV10 PaTEITE ISGLEZ
para fogao de cozinha, e vende-se em casa
de Poiner, no aterro da Boa-Vista n. 55.
Cobre em nioeda.
Vende-se constantemente na praca da In-
dependencia n. *, a um e meio por cento.
Yinho do Porto
superior chamico.
Vende-se nicamente era casa de Barroca
{( Castro, na rus da Cadeia do Iteci fe n. 4.
era de carnauba e sebo
cuado.
Vende-se no armazem de D. B. And & C,
rua da Cruz n. 15, assim como velas de car-
nauba do Aracaiy de supenor qualidade, e
fio de algodao da Bahia, tudo por commodo
prego.
Calvirgeme potassa.
Cal de Lisboa chegada nestes dias, e po-
Relogios.
Os melhores relogios de ouro, patente in
5inr,'.ve"dei""se por Preos razoaveis, nu
,. caas de ferro
vendef f CamaS de ferro Par *>Itei.os :
ra r,?a a. r.0.escr.,plono do gente Olvei-
andar! d KeCfe n" 62' P'imeiro
Agencia
da fundi(;ao Low-.VIoor,
rua da Senzala ^ova
n. 42.
Neste cstabelecimento continu'a hnver
um completo sort.mento de moendas meUs
e Uixasadeaf?rreDfe,hH0* maC"nas *S
xsssas^s^e coado de todo,os
brancae"H"Se 8uPer,or linns de algodSo
branca, e de cores, em novello, par. costu-
Torrfrsa.S38deSOUthal1 Me,'r & ^ rua do
K
i
n
dir quem
,,.eta a C60
rs. o alqueire, equivalente auna barrica
de bacalhao, em canoas de 00 a 300 al-
queires: quem precisar procure no por-
to das Canoas da rua Nova no segundo
andar do ultimo sobrado, assim como
vendem a retalho em pequeas poreftes
em seu armazem, na rua da concordia a
700 rs. o aiqueire. \r .
agurdente,
Vendem-se seis pipas com superior
agurdente de caima, todas ou cada urna
de per si: para ver no trapiche do Pelou-
riuho, e a tratar do ajuste na rua da Ca-
deia do Recife, loja n. 22.
Ha.um completo sortimento de su-
periores corles de cassa orgaodys de mui-
to bom gosto, com habidos, de \\ varas
cada corto, pelo baratissimo preqo de 5$
o corte, na loja do sobrado amaclloncs
ipiatro cantos da rua do Queimido, n.
29, de Jos Moreira l)5e*.
"iCcos com fiij&o nula-
tnho e amare I lo.
Clicgado o primeiro do Rio de Janeiro 10 vapor
.. I'ii.iiiin i.i eof.gundo de I.uboa uo vajor Cal-
cla' : vtude-se na travessa da Madre l e Dos,
ii. 15.
Attcnco
o
Vende-se muito superior carne do sertao
legitima do lugar (Scfil; a 360 rs. a libra :
na taberna da rua dos alartyrios n. 36.
r;~'-<., Hmuasi;uuiu.- Vonde-se ura escravo mulato, peca, e
nnias, e da-ae dinheiro a juros, em grandes de ptima ligara : a tratar na rua da < adia
e pequeas quanltas. sobre nenlinres do nr ii e, .7:. .* "a Ua t.a,le'd
I56OO a pega, esguiao de puro linho fino de1
t#v400 a I08O a vara, e em pega do 14 a 18f,
chal de cores com quadrinhos e cambraia
de seda a 800 rs o covado, panno azul de boa
qualidade a 15800 e 2400 o covado, e fino
preto e azul a 35200, 35600, 45, 45500, 5J500
e 65OO, e finalmente outras mui tas fazendas
que, a dinheiro, so vendem baratissimas, e
dSo-se amostras com penhor.
Va lja cls seis
portas
em frente
viamento
do L
39000.
Cortes de casemira cora pequeo defeito a
tres rail reis, a qualidade he superior, e tem
sortimento para escclhcr, palitos de panno
fino preto e de cores, com defeito, a IO3OOO.
Cortes de la para vesii-
dos.
pa ra
&(fttfU0.
pots he bem possivel cliegar-se ao hn
desejado, sem declarar-se donde ellas
procederam.
Consulado Dritannico II de jtilho de
1857.H- Auguilus Cooper, cnsul.
Fabrica de algodao.
"2
o
Na rua do Fagundes, loja 11. 27, la-
ve-seo engomina-seco.n perfeirao, epre-
ro commodo.
Na ftmdicao da Aurora precisa-se
de serverJles forros ou escravos, para
setv.ro debajo de coherla.
Bsssusaiiu,ni,i'- v^-s"
Prpcisa-sealugar ....... I,0:| M|a pII,,
- >cripto.-,odeadvoffl.cia, em urna das ras
prximas a do Collegio ,,,, ,ivel.
uuuncie, ou indique a sua morada nesta
typographia.
PKKCISA-SI-; de urna ama de leite
a tratar na rua das Cruzes ... II, ,segunl
do andar.
Novaes 4 C, .u,. do Trapiche n.
>', sacam sobre as piaras de Lisboa e
Porto, ao cambio que se convencional-.
Os abaiio assignadoi, leudo oblido da Enrona.
^f?hn'/,al,r"na" |,la,,os e "YWloi p,ra
fabrica de Tur e lecer algortao, cui.vidan. ao8 Sr..
socos a v,r ,e.|,, 0 e.rnptorio do Sr. Manoel Al
ve. uerr, na rua dal^apjebc n. i """"" '"
Isualmcnte convidan, as pe.snas qoe sonsoreve-
Z1 pTU"mp*Vl rc"'"' a lerceir. pm.
Idcao de 20 po. cenlo, o q,.e venlicarilo de hojo te
i* de aiiosio prjimo, 110 mesmo e.c.iplorio
mr,Ve''iOa''-qU0,"i'",i"l"i"r<',n faler l'rlc deHa
2S;!?" '"'"""'*'* W"} valor dai e.,-
iradM reliwdM na occa.iao de fulftcreverem nu II.
UoauutitoMaru, que silo riu 1005 a 5:00005 r.
Itecife, 10 de julho de 1R->7.
_ Amorim, Patn, Guerra & C.
babnea (le iacio e tecjdos
de iluodao.
Os socios gerentes dcsta companhia, pre-
cisara comprar cal, tijolo, lelha, rea, ma-
doiras de lei em prancliocs c era travs, e
cnxan.es, caibros e ripas ; para este lira
convidad! aa pessoas que negociara uestes
gneros, a dirigir as suas propostas por cai-
ta lechada, al 15 de agosto prximo rotu-
ro, noescriplor.o da sociedade, rua do Tra-
piche n.14, onde serio aberlas em sessao
ordinaria dos ditos gerentes. liecife 16 de
do julho de 1857.Amorim, l'arias, (iuerra
Precisa-se de ura feitor que enlenda de
piantagao, e que s.ja hora para ura sitio pe-
quea o perlo da cidade : a tratar na rua da
Madro de Leos n. 2.
: Icn7dfe^. ,lod? neSci" c,"i a melhor
: ttfflsraiS^pub,ico u y> cm
Vende-se ura quarto possanie, pro-
prio para caiga : na rua Nova n. 61.
Vende-se urca quer por carrocas quer
por canoas, poU* as obras, por preco mui-
to e muito commodo. que he possivel na ac-
tual.dade : a tratar iv> armazera de madei-
ras do Miguel, confronte o porto dos conoei-
ros da rua .Nova.
--- Veude-sea heran^a com posse as tr-
ras do Apipucos, por traz da caixa d'agua,
com graue casa de vivenda e outra por
acabar, coulcudo mu grande sitio, rico po-
mar de larangeiras, olezeiros e outras mul-
las frucleiras, baslanles Ierras de plaulacao,
lera u 111a porcao do moradores que pagara
renda : que.i: pretender, dlrii-se a rua es-
trella,do osario, armazem de Jos Moreira
da bilva, quu todo o negocio se lara.
Attonyo
Vende-se muito bom fumo cm taina de
primeira norte : 110 aterro da Boa-\""ista
--- Vende-se urna cama anda nova, com
mu.to pouco uso. destas francezas, ui par
eM,d;Sn,S,f V'd^ a,UM "">>ces, 'um
esttddo novo, um pequeo armario, um Pt-
pagaio novo, duas canana*, urna oasmiaes
anua sola e he muito bonita '
eriuniariase
>'a loja de Jo-c Antonio Moreira Hirs \ C
na rua .Nuva n. 35, vendem- se as mais rjca
pcilumarias, que tem viudo a esle mercado.
--- Vendem se saceos com um alqueire
d.'raiuiha ; no armazem dofromo da alian-
dega, por barato preco.
Na rua do Cabu M
deaas %
un
^ it_ *_ %*a:5n':i-'i3:,
Icni para veni-r um completo lorlimanle de In ba-
dea de panno de luilio, lano ebertu como bordado e
de todaa j. largura., principiando por dous dedos e
acaban lo em Jous palma*, os quae. se vemlem mais
birito do que em oulra qualquer parte por se qai-
rtr remell-r o diii.'.eiro ao jlincaiite.
do Ilecile, loja n. 53, se dir quem vende.
Vende-so urna boa psMha de t^aval-
los de carro, mansos e ja ensinados : para
ver tratar, na cocheira de Uchua, na rua
da Cuta.
Vende-se utna taberna muito afre-
guezada para a torra, de baixo dos arcos da
nbeirada Boa-Vista; faz-se todo o negocio
por se querer liquidar contas : a tratar na
rua Iteal, noManguinho n. 51.
No aterro da Boa-Vista n 80, vendem-
se chouricas de Lisboa ltimamente chega--
das a oOO rs. a libra, eslrelinha o pevide'pa-
ra sopa a 320, castanhas piladas de Lisboa a
80 rs. a libra, queijos de prato a 400 rs. a li-
bra uileiros, supeiior azeile doce de Lisboa
a600rs., v.nho superior da Figueia a 600
rs. a garrafa.
Vende-se na rua da .Aladre de Dos
n. 12, armazem de Novaes&C. barris
de ferro, ou cubos hidrulicos ; para de-
positas de fezes, a preco commodo.
Carne u Le.ua'.
Vende-se carne secca superior por pc-
eo commodo : no armazem de Lui/. Au-
nes, delronte da aliandega.
IMja e millo.
Vende-se superior f'eijao, c mill.o om
saceos grandes: no armazem de Lui/.
Aunes, delronte da aliandega.
Vendem-se dous Gleiroa de 'amarello, muito
bonitips e grande., para loja de miudciai : na rea
das Lriucs n. 28, segundo andar.
compra-se prata de 500 rs. a 1;, a 9 0|O, e
palaeoes brasileirosc l.esianhoes a 1 0|0.
Ven.Io-se urna muala de bonita figura
c prendada : na rua das Trincheiras n. 29.
--Vendem-seescravos.snndo 1 bom padei-
ro.hom carreiro, bom Irahalhador de fouce,
enta la craach.ido.o de lodo o serviQo de co-
geulio.Ptc., oulro bom lavrailo dcu.adciras,
c muito l)om trabalhador de todo o sarvioo
de engenho, urna negra de muito bonita fi-
gura e lodos elles muito sadios o muito ml-
eos : na rua eslreita do ItoSario n. 10, pr -
nuiro andar. Na mesma casa prccisa-se d]j
um caixeiro de 8 a 16 anuos, que seja brasi-
leiroou estrangeiro, para urna casa de no
gocio.
IDE-SE
uus embonamentos para una canoa de 80(
lijolos.com os falcos e fateja, e algum,;
cobertos e descobertos, pequeos e grandes,
de ouro patente inglez, para bomem e se-
nhora de um dos melhores fabricantes de
Liverpool, vindos pelo ultimo paquete in-
glez : em casa de Soutball Mellor di C>, roa
do Torres n. 38.
CHAPEOS A TAMBERLIK
Do afamado lubrican
Pirinea ii de Pars.
Acabara de cliegar pelo ultimo paquete,
OS su pa mencionados chapeos destf ofa-
mado fabricante, e vende-se na loja de
i poitas, da rua da Cadeia do Kecilo i .
48, de Narciso Marta Carneiro.
Venda de
pianos.
pianos, cliegados ltimamente de llam-
burgo, e com lindos retratos no frontes
picio : na rua da Cruz n. 53, casa de J
Keller-& C.
Vendem-se cortes de lila de lindos pa-
droes.com 15 cavados cada corte, pelo di-
minuto prego de quinze patacas ; a elles,
anles que se acttfiVf:-/. ru <*<> (L>^tsS'lo~
n. 22, na oja da boa fe.
-- Sa rua da Mucda n. 2, defronte do tra-
piche do Cunha, ha para vender pipas novas
e usadas, meias pipas, barris novos e usados,
arcos de pao para pipas, vimes, arcos de fer-
ro em feses, ferramentas paia tanoeiros,
cal em pedra de Lisboa, tudo por precos
commodos ; assim como barris com azeite
do carrapato.
QUE ESTA YEDEIDI BA-
RATISSIMO
iva loja do Preguiga, na rua do Queimado,
esquina do becco do Peixe Frito n. 2, conti-
nu'a a vender-se muitase diversas fazendas,
por procos baratissimos, entre ellas cam-
braias francezas, padres novos e cores fi-
xas, pelo baratissimo prego de 480 rs. a va-
ra, ditas de cordao muito finas a 400 rs. a
vara, cassas francezas muito finas e de | %-
droes os mais modernos que ha no mercado
a 610 a vara, chitas francezas de.lindissimos
padrees a 280 e 300 rs. o covado, mussulina
branca a raais fina que he possivel a 440 o
covado, dita de cor a 3*0, cortes de caserai- Na fundicSo da Aurora em Santo Amaro-
ra de coi de lindissimos padres e superior e tambem no deposito na rua do Brum, logo
qualidade a 6/cada um, corles debnm Je I na entrada, e defrontc do arsenal de mari-
puro linho de lindos padres a 29400 cida[nna>ha sempre um grande sortimento de
um, ditos de dilos a 23, ditos de algodao a tachas, tanto de fabrica nacional como es-
Hamburgo.
Meliocio fac limo.
Na li'raria dapraga da Independencia n.
6e8, "eude-se o methodo facilimo- para
aprendnra ler, novamente impresso e aug-
mentado, por mil reis.
Arados- de ferro.
Na fundicSo de C. Starr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-se para vender arados
de ferro de um modello e construccSo muito
superiores.
relogios de pa-
tente
inglezes de ouro, de sabonete e de vidro :
vendem-se a preco razoavel, em casa de
Augusto Cesar de Abreu, na rua da Ca-
deia do liecife, armazem n. 10.
Taclias de ferro.
Sellins e relegios.
SELLINS e RELOGIOS de palaole
iogle : a venda do armaran da
Koslron Kooker & Companhia, es-
qaina do largo do Corpo Santo no-
mero 48.
Deposito "
de rapprinceza da fabri-
ca de E. Gasse, no Rio
de Janeiro.
Vende-sa a preco commodo rap fino,
grosso e meio grosso, da acreditada fabrica
cima, chegado pelo vapor S. Salvador na
rua da Cruz n. 9.
Velas de esper-
macete.
Vendem-se caixas com 25 libras de ve-
las de 6 em libra, a' preco commodo, em
casa de Isaac Curio d C, rua da Cruz
n. 49.
TACHAS PARA ENGENHO
Da fundicao de Ierro de D. \V. Bowman
na rua do Bium, passando o chaa-
riz, continua a haver um completo soi--
timento de taclias de ferro fundido e bati-
do de 3 a 8 palmos de bica, as quaes se
echan a venda por preco commodo c com
promptidao, embarcam-se ou carreeama
e em carro sem despezas ao comprador..
Encasa dsSauadarsBrothars C.
do Corpo Santn. 11 ,k. p,ra v.od.r Pa^
Fsrro inglez. ""
Pixe da Sueci.
Alcatro de carvao,
Eonas de lioho.
Esponjas.
Drogas.
Algodaolizo paras ceas.
lito atrancado igual ao da Bakit i
E umcosspleio soriimento d. fsand.s pioprio
para etl mercado : tudo por preco commodo.
XAROPE
DO
BOSQUE
l-oitraniieridoodepoaiiodeile xarop. ptri. ho
UcadaJoae da Crut S.DIo, mrui Kovn s5
garra a. 55500,. B,.P39000, 86Ddo7al.."|*.
IMPORTANTE PARA 0 PLBL1C0.
Para curade phlyiieaem lodofoaaeuadiflereo
.graoi, qnerrootivada porcon.lipecftea, tosse
asthma.pleoriz.eiearrosd.aangne, ddrdeeoi-
lados e pe.lo, palpitarlo no eoracao.coqueloche
broncluie, dorna garganta, loda a.molestia
dosorgaotpulmouarei.
9HP&M$ Hr0#
SO^OOOdegra.
tiicaeao.
Desappareccu no dia 12 de junbo pr-
ximo passado, um escravo de nome An-
tonio, de idade de 54 anuos, pouco mais
vendem-se muitos lindos e excellentes ou menos, com os signaes seguintes:
nemas tortas e um osso crescido no hom-
bro direito: quen o aprehender leve-6
a rua do Trapiche, no hotel Cafe Fran-
cez, que recebera' a gratificarlo cima.
--Fugio do engenho Coelhas.'termo de
Serinhacm, nodia 22 do prximo passado
mezde junho o escravo de nome Jos, com
os signaes seguintes : idade, pouco maisou
nos, 30 annos, baixo, grosso, cor bem
\
-_E-n caaaitettg^rgcracttau Companhia
rua da Cadeia n. 37, veudom-se elegantejf*?*"> lem uma cicatriz na testa, he de An-
Pfanos do afamado fabricante Traumann de gott>ms parece crioulo por ler viudo muilo
nenupnn xnnr pim. H. ...i..____il_ _. .
lr-360, ditos de culir de lindos padres e
muito enco'paiios a 15600 eada ura, lencos
trangeira, balidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas o fundas ; e cm ambos os lu-
de cambraia para inflo a 120, ditos mais linos gafcs exislcm guindastes para carregar ca
pe da
Ma
ga', loja de miu-
n. .
----r-... un .....n qucui 1*111
dirija-sc aos Afogados, casa n. II, ao
retina (So.
loja c chapeos,
d i Crespo, de Maia
Irniilo,
vendem-se chapeos de casemira efellro del1
cores, pelo dni.muio preco de 3?ooo, cha-1!
peos do Lhily deludas as qualidades, tanto
para homem con.o para senhora, oleadu de
cores-de lodosas laiguraa tara mesase pia-
nos, de escolenles desenlio::.
Vende-se nina c-ssa terVc.i na fregueia
da Boa-Vista, <-i. boa rua, canteado os com-
n.os seguintes 4 quartos, cozinha tura,
quintal giande, cora 1 o; un rio no quintal
para escravos : quera netendor, dirija-se a
ruu do Cosario da Coa-Vista, casa n. 28.
a >>o pecas de brelanha de rolo de 10 varas
a 23 cada uma, chitas escuras de diversos
padres e cores lixas a 140,16o, 180 e 200 rs.
o covado, e a pec.a a 5, 65, 6*500 e 7S5U0 ca-
da urna, cobertores proprios para escravos a
700 rs. cada um, grvalas de seda de lindos
padres a lo, ditas prelas de setim a 1280,
ditas de cortes era outro gosto a 700 rs. cada
uma, luvas de seda de todas as qualidaUes
para homens e senhoras, lencos de seda de
bous goslus, gangas mescladus de lindos pa-
dres a 600 rs. o covado, cortes de castores
de bonitos padres a lacada ura, cambraias
lisas finas a 45500, com 10 varas, ditas ditas
muito finas a 6.?, e outras multas fazendas
que se deisam de mencionar, e se venderflo
por baratissimos precos ; e se darflo amos-
tras com penhor; assim como meias case-
miras i-e quadrinhos miudos, muito pro-
prias para calcas e palitos a 600 reis o cova-
do, riscados Iranc-zesde lindissimos padres
a 240 reis o covado.
IHE BAlUTIIiUE ADIHU
Sos quatro cantos da rua do Queima-
do, loj n. 20, vendem-se ecas de madapo-
ln com toque de a varia, pelo diminuto pre-
co de 5, I500, 15600, 15800 e 25800 ; a el-
les, quocslflo no resto.
!\o largo do Cirmo, esquina da rua de
Hurtas n. 2, continua-se a vender ninnteiga
ingleza de 400 a UI20, franceza a 70, sag'
a 320. cevadinha a 240, assucar branco de
enroco a 180, e em arroba 5:200, gomma a
a 100 rs farinha de trigo a 120, ararula a
200 rs., vinho duque do Porto a 13200, e de
outras autores a le, azeite doce de Lisboa a
560 a garrafa.
Vendem-se fardos e lijlos de marino-
re, em casa de Haslo & Lemos, rua do Tra-
piche n 17, vendem-se farelus novos de Lis-
madeiras pan. a mesma quem pretender' P,cne ',* ve",Iem"se rre1lu*novos "
dinja-se nos Afogados, casan. II. ao ne da boa',e VJ"'0S d nMrn,nre Pollegadas
quailrail s, por precio commodo.
-----Vonde-se uma pela de nacflo, de bo-
nita figura, propr.a para lodo o servico : na
rua da Florentina, casa envi iracada defronte
da porta da cucheira.
Grande pe-
chineha
A 2,000 rs o corte
y'endcm-secoitesdo organdyg matisados,
ooas ou carros, livres de despeza. Os preco
son s m*is commodos.
ia$soo
Vendc-se cal de Lisboa ltimamente che-
gada, assim como potassa da Russia verda-
deira : na praca do Corpo Santo n. 11.
Vende-se na rua da Concordia n. 26,
ura casal >lo araras, dous papagaios e duas
cabas paridas, de boa ra;a.
iVltissulfnos brancas e de
cores.
Vende-se muianlina branca muito lina a
440 rs. o covado, dita de cores de excellentes
padres a 320 o covado : na loja da boa fe,
na rua do Que.mado n. 22.
Aigodo nioiistro.
Vcnde-se algodSo mon.-tro com 8 palmos
dQ largura, muito proprio para toalhas e
Icnces, pelo baratissimo preco de 600 rs. a
vara: ua loja da boa fe, na rua do Queima-
do n. 22.
CERA DE CMUNAUBA.
Vcnde-se cera de carnauba de muito boa
qualidade, recentemento chegada : na rua
da Cadeia, loja u. 50, defronte da rua da Ma-
dre de Dos.
/>uvas de JOlivia.
Constantemente tenerlo na loja do Le-
conlc, aterro da Boa-Vista n. 7, as verdadei-
res luvas de Jouvin, de todas as cores,
igualmente ricos penles de tartaruga da ul-
tima moda.
Fende-se
na rua do Trapiche n. 3*, escriptorio de
v C, superior vinho do Pollo, em
caixas de tima t- duas du/.ias de jrralas :
a preco commodo.
jj.rcia, tem uma cicatriz na lesta, he deAn-
gora>ajas parece crioulo por ler vindo muito
pequeno,>jw cima da sobrancelha, prove-
niente de um tafite; levou camisas e cerou-
las de algodSo branco exI&Jigfrt^ e Umbcm
urna camisa de bata/encarnadt com colla-'
nnho amarello ; este escravo foi ha pouco
comprado ao Sr. Mslhias Guedes, que lti-
mamente foi administrador do engenho Tra-
piche do Cabo, em cuio engenho foi visto
alguns das depois de rugido o referido es-
cravo : quem o prender pode leva-loso en-
genho indicado, ou nesU praca em casado
Sr. Manoel Alves Ferreira no Forte do Mat-
tos, que ser* satisfactoriamente recompen-
sado. r
--- Fugio no dia 16 do .correte o escravo
mulato, >ie nome Claudino, idade 1 annos
com os signaes seguintes: corpo franzino.'
pes um pouco apalhetados, levou calca
camisa, anda um pouco espantado com me-
do de que o peguera, tem sido visto nesU
cidade por diversas pessoa.: quem o appre-
hender, leveo a rua do Crespo, loja n. 6
que ser gratificado.
Attenco!
o
Fugio no dia 26 do correte <1a rua da
Cruz do Recife n. 42, segundo andar, um
moleque de nome Camillo, representando
ter 21 a 22 annos, a aoenas principia nsseer
a barba, estatura baixa, grosso do corpo e
tem um pinchado, sendo signsl bem co-
ndecido uns fruncheos no pescoco; levou ca-
misa branca suja e calca preta velha : nuem
o pegar leveo a mesma casa cima. Tu no
escriptorio por traz do Corpo Santo n. 66,
que ser generosamente recompensado.
Desde o dia 23 do correnle desappare-
ccu do llestauranl Francez o escravo de no-
me Mutleos, o qual escravo representa ter
40 annos de idade. pouco mais ou menos,
cara fea e a barriga ura pouco grande
quem o levar no dito HesUurant, rua do Tra-
piche n. 20, ser bem recompensado.
esappareceu da casa do abaixo aasie-
nado, na rua de Apollo n. 2 A, na noite de
25 do corrente, o seu escravo de nome Ma-
noel, cabra, appellidado por Coca, idade 22
annos, bonita figura, sem barba, he gsgo, o
qu8l escravo o annunciante comprou em fe-
vereiro deste anno a 1). Maris Jos do Nasci-
mento eseus lilhos, di freguezia da Varze.
para onde suppfle-se que tonha seguido ou
para tstrada Nova, onde consta, mora o pa-
drinho ; levou aiem de mais alguma roup.
calja de casemira preU : roga-se as autori-
dades policises a apprehensflo, erecominen-
da se aos capitSes de campo, a quem se gra-
tificara, levando a seu senhor ni rua de
Apollo, ou no seu escriptorio rua do Vicario
n 23.--Jose liaptista da Fonseca Jnior
~- Fugio no dia 25 do corrente um mula-
to de nome Firmino, idade 25a 30 annos, es-
tatura regular, cheio do corpo, tem falta de
denles na frente, lem alguma b..rba, foi es-
cravo em ulinda. onde sejulga elle estar,
levou vestido cale, camisa e jaquela, anda
calcado, e rnst.ima embriagar-se, foi com-
prado no mesmo dia que fuuio a Sra. D Au-
na Accioli Lins Wanderley, cujo escravo trs-
balhou de boleeiio na cocheira do Sr A-
dulpho, e entende alguma cousa dealfaiate ;
quem o pegar, feve-u em casa do Sr Manoel
Alves Ferreira, rua da Moeda n. 3, segundo
andar, ao seu scnlior Pedro Ignacio Wander-
ley, ou no engenho Koncador, comarca de
liarreiros, que se gratificar generosamente
>ovaesiV C., superior vinho do l'oilo, em I Dessppareceu no dia 24 do corrente.
um preto de naci, com os signaes seguin-
AVISO
aos ferreiros.
ret- para vender, a vontade do com-'
Di-ador
pelo baialissiino preco de 29000 o corte : na i de primeira qualidade,
loja de 4 portas di rua do Queimado n. 10.1 modo.
CPtVA II PEDRA
por preco com-
MUTILADO
*
tes : alto, reforgado do corpo, e cor um pou-
co rula, pesum pouco apalhetados, e tendo
em ura dos mesuras uma cicatriz no luuar
do rcgeilo, levou vestido calca e esmisa azul
o mas dilferente roupa em uma trxa este
escravo lu comprado em 29 de raaio prxi-
mo passado, ao Sr. Joso de Barros Mantel.
sennor do engenho Concedi, comarca do
Cra Formoso : pede-se po.lanto a todas as
autoridades pol.ciaes e espitaes de campo,
que o lacam capturar, uue so pagarao todas
as despezas e graliucacao. e oenlreguem a
seu senlior Antonio Jaciniho Borges, na rua
da Concordia n. 23,
I'EIIN TTP. PK M. F. DE FARIA, 1857
ILEGIVEL
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EIPD100QH_AG8NEE INGEST_TIME 2013-04-24T19:48:31Z PACKAGE AA00011611_06576
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES