Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:06555


This item is only available as the following downloads:


Full Text


\\M> XXXIII V. IS1
ii M ii
Por T> mez adantado 4000.
Por ." mezes vencidos -VS500.
SEGUIDA FEIIU li DE JILHO DE mi
Por armo adinnlaclo 1-i.sOOO.
Porte franco para o subscriptor.
ENCARUEGADOS DA SCB8CKIPCA DO NORTE.
Parihiba, o Sr. Joao Rodolpho Gomes ; Nuil, o Sr. Joaquim
|-Pe reir Jnior ; Aracaty, o Sr. A. da Umos Braga ; Cea-
a', Sr. J. Jote de Oliveira ; Maraoho, o Sr. Joaquim Mar-
ques Rodrigues: Pi.iuhj o Sr. Jos J-aquim Avrlino ; Pa-
ra, o Sr. Justino ]. Ramos : Amazonas, o Sr. Jeronvmo da
Costa.
PARTIDA DOS CORBEIOS.
Oliniln : li.il.is o* das, asile Oli-ia liaras Un. lia.
Uii.u.i*su loianna < I'jrabilia: na. senunilas S eailaB fllhi.
s. Aatlo, Basecraa, Honii;>, Caara', Aliiuiio o Garaatwaai -ia tarea ratea.
S. Louri'ii^n, Pao li'Albo, .Natarelh, Limociro, Ilrejo. Peaiimiia, lagataira,
Flores, Villa-Billa, l'.oi-Visia. Ouricury i Km', aaaqmwtai'fthai
Cabo, lrMjjoca.S"riiihem, Rio Formulo, Uoa, narri-irua, Agua-Pn-la, 1 a-
mt nleiras f Natal: quialas-fciras.
'ledos Qacorreio paru-m as 10 horas da manilla.
AUDIENCIAS DOS TRIBUNAES DA CAPITAL.
Tribunal do commercio : segundas e quintas.
Relacao : Urcas feiras a (abitados.
Fazenda : quartaa e aabbadoi as 10 horas.
Juizo do commercio : segundas as 10 horas e quintas ao meio dia.
Juizo de orpbos : segundas e quintas ai 10 horas.
Primeira vara do cvel : Kgunda escitas ao meio dia.
Segunda rara do clvel : uarlai e sabbados ao meio da.
EPHEMERIDES DO MEZ DE JULHO.
7 La cheia as 4 boras 24 minutos da manha.
14 Quarto minguanleas 10 horas e S7 minutos da manha.
21 La nova as 3 horas e 53 minutos da manhaa.
28 Quarto crcenle as 6 horas e 85 minuto da tarde.
PREAMAR DE HOJE.
Primeira as 3 horas e 42 minutos da urde.
Segunda as 4 horas e 6 minutos da manhaa.
DAS DA SEMANA.
6 Segunda. S. Domingas v. m. ; S. Iras proph.
7 Terca. S. Pulcheria v. mperatriz.
8 Quarta. S. Antonio b. ; Ss. I'rocopio c Priicilla mm.
9 Quinta. Ss. Cyrilloe Bricio mm.
10 Sena. S. Silvano m. : S. Bianor m.
11 Sabbado. S. Sabino m. : S. Abundio m.
12 Domingo. 6. S. S. Joao Gualberto ab.
ENCARREGADOS KA SIUSCRICAO NO SIL
Alesnas, o Sr. Claudino Kaleo Din : Rabia, o Sr. D. I>uari
Rio de Janeiro, o Sr. Joao Pertira Martins.
EM PERNAMBUCO.
O proprieUrio do DIARIO Manoel Figueirof de~Fsria; na livraria, prafa da Independencia n. 6 e 8.
PARTE 0FFIC5AL
recento, qae segando coma da aviso da repirticjlo, rando-n de ler transrailtido ao ministerio da guerra,, necesiita o brigue barca lla-naraco.Communicon-
da justica, de que se lha ramalte copia, foi Smr. para ser jnlsado pelo conselho supremo militar, o j se ao commandante da estacan uaval.
reintegrado no exercieio de seo oflicio de escrivao procesao verbal dos soldados daquelle corpo Jos An-
VERSO DA PHOVINCia.
Espedante do dia 12 de Junho.
OllicioAo tenante general commanriante das ar-
me, para que haja de eipedir suas ordena afm de
qae raja recolhido ao qiiarlel do Hospicio o teuen-
le coronel Jote Antonio Lopes, qaao.to para all
for remeitilo pelo Dr. chele de polica.
iloAo meimo para qae, de conformidade enm
o qae reprsenla o cliefe de polica, mande por a
disposlcio do aobdelesado da fregueiia de Sanio An-
looio, era as noiles de 13 e H do correnle, urna
forca de vlnle pravas de linha para o coadjuv.ir no
eervico de pulira.Comrnonicou -se ao eliefe de pu-
lleia. ....
DitoAo rnesma, declarando, em resposta ao ofli-
eio de 18 do mal oltimo, eob n. :i '.l. que a visla das
inforroacrs jautas por copia, ministradas pela Ihe-
aouraria de fazenda, convem que seja (eito por meio
de contrato o rorneeimenlo d'agua potavel para o
4*. haialhao de .'irtilharia a p, aquartelado em O-
linda.
DitoAo presidente da rolaran, devolvendo para
dar o sea parecer, o offlcio do |oiz de direiln da co-
marca do Bonito, ncomparrhando a informacSo mi-
nislrada pelojuiz municipal daqneile termo, con-
formes. Etc. requisitoa em ollicio de 11 de maio ul-
timo.
DitoAo inspector da llresouraria de fa/on 1a.au-
larliaado-o a ir pagando sob responsabilidades da
presidencia, at uilerlor deNberacSo do governo im-
perial, os vencimentos dos empregados do hospital
regimental ; visto qae por falta de crdito no se
lein reahsado aouelle pagamento, segando declara
S. S. em sua informaran de 5 do correnle, eob ti.
357, dada com referencia ao oflicio do lente gene-
ral commandante das armas de 3 desle mez, sob n.
MI.Pariicipou-se ao commandante das armas.
DitoAo raesmo,commaoicandn ter aoprovado a
medida qne propoz em oflicio da 10 do correnle sob
D. 368, de se adianlar d dous em doos mezes ao di-
rector da colonia militar de Pimenteiras aquantia de
doos conloa de res para oceorrer ai deapezas da-
qui'He estabelecimenfo ; devendo porem ser-lhe en-
tregue cada coi.lunario, depois de ter elle prestado
cotilas da que houver antecedentemente recebido.
Nesle sentido olTicieD-se ao director da referida
colonia.
DitoAo presidente do cons-lho administrativo
para foruecimento do arsenal de guerra, recom-
mendando que nos termos do re;ulamento de l de
dezembro de 1852, promova compra dos artigos e
fazendas mencionadas na retarlo junta, visto serem
necesarias ao arsenal da goerra, segundo declarou o
respectivo director em ollicio de 18 de maio oltimo.
t'iseram-se as orceisarias cnmmanicarSes.
DitoAo iD'peclor do arsenal de marinlia, aolo-
risando-o, em vUla do qoa repreienlou em oflicio de
29 de maio oltimo, a comprara; a nova ferrara
do arsenal qaatorze coJomnas, o lo algaravise$, seis
tornos grandes e din safras ; en lo os dous pr-
meinn objeelns de frro fiiudilo e os ou ros do me-
mo metal balido.CommunicDii-ne a Ihesooraria de
ITimnli
DitoAo masmo, rommunicando ler snbmeltidn a
ileri-.m do governo imperial a consulta que fez em
em sen oRicio de 10 do crrante, sob n. 126, a saber;
se o contrato relabrado na intendencia de marnlin
da corle com Scotl Wilson para forneciroentn de
carv.lo de pedra nesla provincia, romprehende lam-
bam a barca de eicavaco.
DitoAo rap Lio do Porto, declarando ficar scien-
te de haver, segundo ronsla do crreme sob n. 83, designado o 2\ lnenie reforma-
do. Manuel Antonio Vieg Juninr, para substituir
iDlerinameiiln ao ajudante da rapltania 1\ tenentc
Iticaido da Silva Neves. que naquella dala entrara
no gozo da licenra que llie fora concedida pelo go-
verno imperial.Communicuu- fazenda.
OiloAo ininector da Iherotiraria provincial de-
clarando tcar inleirada pelo seu ollicio de 8 do cr-
rante, de haver Smc. reas'umido naquella d.la o e-
sercicio do sea emprego, viste le lerem concluido os
os trabalhos iii assemblea provincial.
Igual ao presidente da romiuisso de liNsicne pu-
hlica.
Dito.Ao regedordo Oymnasio, dizendo-lhe, que
se nflo fir inconveniente so eervico do mesmo Oym-
nasio, mande o respectivo secretario, bacharel n-
lonio da A'sumpca'o Cabral, substituir o secretario
da directora geral da inalrurrAn primaria durante o
seo impedimento, vencendo a gratificacilo mensal de
jOOOO.
DitoAo director das obras militares, ordenando-
lile qoa da obras necesarias sis qoarlel, onde se acha
alojado o 4. batalhSo de arllharia a p, na cidade
da Olinda, faca eiecolar eomente a parte qae foi
oronda em ora cont qualrocenlos mil ris, como
consta desna informaran do 1. do correnle, sob n.
03, dada com referencia ao ollirio do lente gene-
ral eommandanle das armas de 18 de maio nllimo,
sol) n. 317 ; e qoanlo nutra, obras deque trata a
citada informacao, avalladas em seis conlos de ri,
nrganise S jic. o respectivo' plano e orramento aliin
de serem submettidos deliberaran da governo im-
perial. Fizeram-se as convenientes commaoica-
edes.
DiloAo bacharel Antonio Luiz Cavalranli d'AI-
Imqoerqiie, acensando a receprJo do seo ollicio de 8
do eorrente em qoe eommunic arhir-se impossibi-
lltado, por doenta, de reassainir o exercicio do cargo
de promotor publico do termo do llicife.Fizeram-
se as commonicaees precisas.
DitoA bacharel Gervasio Campillo Pires Fer-
rira, dec'araodo ficar Inteirado pelo seo offlcio de
8 do eorrente, de haver Smr. deitado n exercicio do
cargo de juiz municipal do termo de Serinhaem.
Fizeram-se as convenientes comimin:carOi-.
DitoAo thesoureiro das loteras, permiltinrio-
llie anda ama vez, em vista do que ponderou ero
oflicio de 8 do crranle, qoe i extraerlo da lotera
comeca, nao as II horas e ao meio dia, mas sim as
10 horas infallivelmanle ; o que asim v.' Smc. dii-
pondo seos trabalhos de mo4a que da futura lotera
em diante, nflo delxe de principiar o processo da ex-
traerlo dos bilheles a hora que determina a lei.
'.ommu-iic iii-.e ao presidente das loteras.
DitoAo joiz de paz presidente da junta qu.ilifi-
cadora da freguezia de Taquaritinga, devolvendo a
lista de qualilicac.lo para aerem asiignadas as suas fo-
Ihas na conformidade da lei.
DitoAo juiz de ptz de Alagoa Secci. remetlen-
dn-lhe um modelo pelo qual dever.i organisar o
mappa dos actos pralicados naqnelle juizo, dorante
o auno prximo paisado, conforme lha foi exigido
em 17 de abril ultimo.
DitoAo jniz de paz, presidente da junta de qoa-
Iiflc3ra3 da freguezia do Poco da I>mella, accosan-
do a recepen da lista geral e acl's dos trabalhos da
misma janta oo correnle auno.
DitoA Joaquim Francisco de Paula Estetes Cle-
mente, communicaudo, para leu conhacimento e di-
tonio Ferreira, Antonio Teixaira de Caivaihoe Fran-
cisco Ignacio Pereira.
DitoA Un.mirara provincial, declarando, em
resposla ao oflicio de Viic. a que vai anneso copia
do- termo de nao comparecimento do thesoureiro das
loteras, para assislir a extraerlo Ha qne leve lu-
gar no dia 6 do eorrente, que u governo expedir
ordem para que a nter a de qoe se trata, corresse no offlcio que remelle por copia, qoe mande trocar por
ria geral da inlroeSo publica de 12 de maio ulti- da cima indicado, o que rfteclivamente leve lagar. I oatros de plvora fina, os 12 mil cartuchos, que a-
mo ; resolvs conceder-lhe 15 das de licanca com DitoAo administrador do correio.Communi- quelle arsenal fornerera ao corpo de polica para as
vencimentos, que deixar de perceber, so nao pres- cando, que o governo imperial attendendn a propos. armas de espoletas do adarme 1.1.Iuleirou-se ao
lar-se ao etaine de habilitaran, para o qual peda a ta do gerente da ctmpnliia brasileira de paquetes a commandaniedo referido corpo.
vapor, resolver* por aviso de 19 do correnle, que os DitoAo director da colonia militar de Pimen-
respeclivos vapores saiam a 10 e 95 de cada mez, a leiras, dizendo ficar seiente de haver Smc. remeltido
privativo .11 jury desla capital, visto nao estar prn-
vada a imposiibilidadeabsolata, que se lha argua,
proveniente de cegueira.Fizeram-se at communi-
cacoes convenientes.
Portara.O vice-preii denpo as que Ihe reqaerea Joao Braulio Correa e
Silva, professor publico de primeiras leltras da vil-
la do Bonito, a em vista da inlormaco da dirsclo-
DiloAo director doar-.'u.l de guerra,para man-
dar fazer os concertos de que nacessila o armamen-
to da compmhia de polica do Kio Grande do Nor-
te, mencionado as relares que remelle por copia,
o qual Ihe sera aprrsinhdo pelo agente daquella
provincia, Jos Joaquim da Silva.Fez-se o neces-
sarto expediente.
DiloAo me referida li-enca.Cominumcou-sa como he de es-
lylo.
lixpediente do secretario.
12 de jnnho.
Ao Dr. rhefe de pnli.-ia.Commanico a V. S., da
ordem de S. Exc. o Sr. vice-presldente da provin-
cia, que vai ter o conveniente destino o mappa qua
V. S. Ihe remellen com o seu oflicio da 12 de maio
sob n. 458, contando os trabalhos da promotoria pa-
b'ica da comarca de Garantaos durante o mez de
abril prximo tindo.
Ao menino.S. Exc. o Sr. vice-presidente da
provincia manda declarar a V. S. qoe vflo ter o
conveniente destino os doos mappas que acompa-
ohra o seo oflicio de 10 do correnle sob n. 555.
comprehendendo um dalles os crimes e fados nota-
veis occorridos nesta provincia durante o mez da
majo ultimo, e o outro como suppletorio mencio-
nando os mesmos crimes commellidos no ltimos
das do mez de abril prximo Ando.
Ao jniz de direito da comarca do Brejo. Com-
mnnico a V. S. de ordem de S. Exc. o Sr. vice pre-
sidente da provincia, que v3o ter o conveniente des-
tino os mappas que acnmpanharam o sea oflicio de
5 do correnta sob n. 25, menrionando os rrimas jal-
gados pelo jury do termo de Cimbres em sua pri-
meira sessio ordinaria do correle annu.
Ao juiz de direito da comarca de Goianna.Por
ordem de S. Exc. o Sr. vice-presidente da provin-
cia declaro a V. S. qae vilo ter o conveniente des-
lino os mappas estilsticos,relativos a sessao do jury
dessa comarca no correnle anuo, os quaes l'oram re-
mullidos por V. S. com o seu oflicio de 4 do cor-
rente.
13
OflicioAo Exm. presideole da provincia de Mi-
nas Geraes, aceusando a reeepcfto de duas cnllecces
dos artos da assemblea legislativa daqoella provin-
cia promulgados no anno paseado.
DitoAo Etm. tenante general comman lante das
armas, communicando ficar o governo inteirado de
se haver abertu assento de prar-ja como addido ao 10.
li ilaiin da infantina, ao recruta Joaquim Vieia
da i.nnlia, qus lorajulgado apio em inspeccSo de
saode.
DitoA o maamo para que informa os requerimen-
los de Miguel Jos da Silva Victorino Rodrigues
Chaves, que pedem para assenlar prara eomo vo-
luntarios no 10. batalhio de infantaria."
DitoAn memo, remetiendo por copia, para seu
cotiherimenlo. o aviso do ministerio da guerra de 20
de maio, determinando que o captllo do I.- bata-
l'iio de infantina, Manoel Alves Peraira da Molla,
que se acha nesla provincia, siga quinto antes para
o corpo a que perteuce ao do Pan, e recommeadan-
do que marque a esse ofllcial um praao razoavel pa-
ra marchar, lindo o qual Huyeran suspensos os ven-
cimentos na conformidade do mismo aviso.
Dito Ao inspector da thesouraria de fazenda,
communicando, que da secretaria do estado dns ne-
gocios do imperio, consta que por portara do 1. de
tundo crranle, forain proroyada por ti mezas con
metade do respectivo veurimenlo, as licenc.a* con-
rednlas ao delirio do governo desla provincia.
os do norte nos das II e 26 por serem os raaisjcoo-
venienles aos inters* pblicos.
DitoAo regador do Gymnasio, declarando que
podem ser applicados naquelle estabeleeimenlo cas-
tigos physicos nos alumnos, cojos pas padirera e au-
torisarem esse meio de correr-Ho.
Portara.>orneando o bacharel Jos Tavares da
Costa a Mello, rara o cargs de promotor pohlico da
commarca da Boi-Visla, vnto no haver aceitado o
dito cargo barharel Felisbim de Meodoncn Vascon-
celos.Fizeram-se a* necesarias comrounicares.
Dilobxnnerando em virltda de rciur-nja i do
chafe de polica a Jos .lu......Lopes, do caigo de
segondo supplenla do delegado 1u Kio Fnrmoso.
Cuminiinicouii ao chefe de polica.
DitoAo agente da companhis dos vapore! bra-
sileros, para dar psssagem para a corie, por conla
do governo, ao capiSo lenla Ftlix Lourru^u de
Siqueira.Communicoa-st ao comnandante da es-
tar.io naval.
Expediente lo secretario da provincia.
OflicioA Ihesnnrara de fazenda, transmittindo
seis ordens, sendo 5 do Ihesouro nacionil de Horne-
ros 22 a 26 e 1 do ministerio da guerra, assim como
um oflicio da directora das rendas provinciaes.
DitoAo Dr. chele de polica, seirulifieando-o de
que foram Iransmillidos ao minislerio da joslica os
mappas dos trabalhos das promotorias do Rio "or-
moso, Goianna e Garanliuns.
DiloAo masmo, dizendo, que se vai dar o con-
veniente destino ao oflicio da S. S. dando parle da
prisAn do autor di. roobo feilo so Sr. leante Manoel
Corroa de Brito, corouiandanle ban, uem como da apprehensSo de quase loda g
quanlla roubada.
DiloAo commandante da estajeo naval, envan-
do-lhe a correspondencia ofllcial, qoe pelo hrigue
oCeareoce tem de ser remanida an presidio de Fer-
nando.
DitoAojuiz municipal supplente, em exercicio
uesla cidade, aceusando a receprao das golas dos
sentenciados qus fio para o presidio de Fernando,
e dizendo qua vai ler o conveniente destino o ollicio
por S. S. endereco ao .commandaute daquelle
presidio.
OflicioAo Exm. leneule-general commandante
das armas, remetiendo por copia o oflicio de 20 de
marco ultimo, nm quejo Exm. .ir. mini-tro da goerra
declara haver-sa concedido ao l)r.|Jos Sergio Fer-
reira, delegaJo do cirurgiflo-mr do exercilo nesla
provincia, urna licenra de favor para ir a ciirte plei-
tear sua candidatura de deputido assemblea giral
legislativa pelo quarto dislriclo eleiloral do Mara-
nhflo, deveudo u mesmo donlor passar o exercicio
da delegaeia ao cirurgiao mais gradoado do qiiadro
lo exercilu ou ao mais amigo que aqu estiver.
Cnmmonicou-se ao inspector da lliesouraria de fa-
zenda.
para esta capital o desertor do txlincto segundo ba-
talhflo de caladores, Jo Francisco da Crur, que
foi preso no distreto daquella colonia.Parlicipou-
se ao commandante das armas.
DitoA' commissfld de hygene publica, inleiran-
do-a de haver o Exm. presidente da Parahiha parti-
cipado que se diseiivolvera ltimamente com carc-
ter mao nos municipios de Campia Grande e da
Independencia, a febre amarella, que ja tem fei-
lo algumas victimas na capital daquella provin-
cia.
DitoAo regedor do Gymnasio provincial.In-
teirado do que Vine, me communica em sea ollicio
de 6 do corrate, lenho a declarar-lhe, queapprnvo
as medidas adoptadas pela congrega^ao des.e Gym-
nasio, segundo consta da acta respectiva que veio
annexa ao citado oflicio.
Qaanto porcm aos castigos phviicos, podem elles
ser applicados aos alumnos, urna vez qoe seus pas
estejam prevenidos de que se tem de ampregar esie
meio de correceflo.
Sobre a exigencia do exame previo de leilura,
conta e escripia, como ron lir.in para se podar ser
admiltido matricula desse estabeleeimenlo, lenho
a declarar que, deverflo tambem considerar-se vali-
dos para esse fim os que forero felos as aulas pu-
blicas de inslruerfto primaria, de conformidade com
a lei provincial de It de maio de 1855.
PortarlaCnncedendo, de conformidade com a
informarlo da directora das obras publicas e des-
por, recnmmendando qoe foca remellar para ai Ala-
goas conforme se ordenou por portara do 1.' do
correnle, urna corneta de toque qoe Ihe ser pre-
sentada por parte do director do arsenal de guerra,
ficando ame. cario de que nesla dala se requisita an
mesmo presidente daquella provincia a expedirn
das convenientes ordens para ser pago all o frele
dessa eonducro.Ofliciou-se ueste sentido ao refe-
rido presidenta.
DitoAo agente da provincia do Rio Grande do
Norte nesla capital, inteirandn-o de haver olliriado
ao conselho administrativo para pr dispnsirflo de
Smc. os objectos mencionados na retaceo que remel-
| la, os quaes foram comprados rrquisico do Exm.
i presidente d'aquella provincia.
RelacJto a que se refera o oflicio sopea.
1 han.leira nanoual de 8 palmos.
2 ditas de 5 palmos.
i lanternas de vistas.
2i( esleirs de palha de carnauba.
Portara4o agente da coinpanhia das barcas a
vapor, recommendando que mande dar passigens de
estado para a provincia di Paia no primeiro vapor
que viar do Sul ao Dr. IHIiiiri Augusto Cavalcanti
de Alhuquerqua e a sua senhora.
DitaAo mesmo, mandando dar transporte para
a corle no primeiro vapor que vier do Norte, e n'om
dos lugares para passageiros de estado a molher do
commissario da armada Augusto Cesar Lisboa de
Aguiar, que segu para all em conunissSu do go-
verno.
DitaNomeando, de conformidade com a propos-
ta do mejor commandante do e.qua Irflo de cavilla-
ria numero 5 da guarda nacional do municipio de
Garanliuns, para olliciaes do mesmo esquadr.to os
cidadaos leguintes.
Estado-niaior.
Alferes porla eilandaile.Francisco halurnino de
Azevedu.
CirurgiSo alfere.F'rancisco Alves de Oliveira.
Primeira companhia.
Capitn.I.niz Paulino de llnllanda Valenea.
Tenante.Chrislov.lo de Molan :a Valenea.
Alferes.Joaquim Pedro Alexan irino.
Segunda companhia.
Capjto.Francisco Rodrigues Valenga.
Tenante.Antonio Beulo de Oliveira.
pacho da prtsidencia de 2 de abril ultimo, qualro I Alferes.Aulonio Vidal dos Sanios.
Honorio l'ereira di Azeredo Cnulinho, em 22 de se- lirio.
mezes de prorogaeflo para a concluslo das obras do
segundo lauco da ramficagao da estrada de Mu-
rilieca. Fizeram se s necessaras comraunica-
jOe.
DilaAo agente da companhia das barcas a vapor,
insudando dar tran-porle para a corte em um dos
lagares destinados para passageiros de estado, a Ma-
nuel Braz O drico l'estaua.
DitaNomeaodo, de conformidade com a propos-
ta do director geral da iii'lrorc.io publica, pira os
lugares vagos de delegado dos crculos Iliterarios : da
Boa-Vista desla cidade o bacharel Antonio Jo.o da
Costa llibeiro, d'Agua-Preta o bacharel Jo3o llyr-
cano Alves Maciel, e do Attinho a Joo Ferreira Ja-
cobina.Communicou-se ao referido director ge-
ral.
Espediente do secretario da provincia.
OflicioAo Exm. tnienle-general coininandanle
das armas, rommunicinlo, de ordem no Exm. Sr.
vice-presidente da provincia, que se expedio ordem
ao agente da companhia das barc is a vapor, para
dar pasag*m para as Alagoas nu vapor oTocantinso,
ao primeiro .argento Joaquim Evaristo dos Santos e
a sua mullnr.
16
OflicioAo vice-presidente da Parahiha.lles-
pondendo ao oflicio que V. Exc. me dirigi em
data de 21 de maio ultimo, exigindo iafsrmarjAea
DiloAo mesmo, para informar acerca do reque- 1 acerca do destino que tiveriim uns aolos crueis em
rmenlo em que Antonio iNones de Albuqutrque que foram coiideiiiuados pelo jury da cidade da
Mello pede s-jr alistado no exercito como volun- Arela os rus da morle 'o Dr. Trajino Alipio de
timbro de 1856 e 2 Janeiro de-te anno.l'.-spon-
deji-se ao ollicial-mnor da secretaria de esl.idu dos
negocios do imperio.
DitoAo iiiesmo, para qoe emeonformidadade do
aviso < ii colar qae se temelte por copia, expedido
pelo ministerio da guerra em 27 de mam, trio.mil-
la para ser eocamiuliada a secretaria daquelle mi-
nisterio, mu relacflo.dos ofliciais do corpo de en-
geuheiros e dos nao perlenctiites ao mesmo corpo,
que percebem vencimentos de cummissto activa,
com declararles das commiisOes em que se acham
empragados, para se poder ajaizar das vantageos que
se devem abonar a esses ofticiies.
DiloAo masmo, communicando, qne por aviso
de 26 de maio ullimo, o Exm. Sr. ministro da Justi-
na declarara haver solicitado naquella data do mi-
nisterio da fazenda a expedirn das convenientes
ordens, para que seja augmentada com a qoautia de
3:7719894 rs. a consignadlo marcada nesla provin-
cia para as desperas da guarda nacional no correnle
exercicio.
Dilo An chafe de polica, remetiendo para sen
conliecimento a copia do ollicio do Exm. Sr. ten-
te general corainandaole das armas de 12 do corren-
le n. 309, dando a razflo porque nSo se pode elevar
a 10 a iiumeiii de pra;as do 4. balalhito de arllha-
ria a pe que fazein a guarda da cadeia da cidade de
Olinda.
DitoAo coronel commandante da guarda nacio-
nal do Kecife, communicando am resposta ao seu
oflicio de 12 do eorrente, ter reineta lo thesouraria
de fazenda para u fim conveniente, a 'iar.io do cor-
neta Pedro Francisco do Espirito Sanio, engajado
no 1. do correnle para o 5." balalliflo da guarda na-
cional.
DitoAo commandante da eslarfio naval, commu-
nicando em resposta ao seu offlcio de 12 do corren-
le n. 108, ficar inteirado de haver fundiado no por-
to desla provincia no dia II do crranla, o brigua
barca ultamaracu, que sahio da liii no dia 3,
cruzando pela costa, e de se lerem trocado naquella
provincia os recrutas desla, os quaes passam a per-
tencer a guarnirlo dos dilfareotes vasos da estarlo
naval.
DitoAo mesmo, para que mande desembarcar
com guia, o lecrula I.uiz Nones da Silva, vislo ler
apreseutado iseucSo legal.
DitoAo commandante do presidio de Fernendo,
requisita!! in para o uso da secretariado governo,
una poreflo de rea pela.
Dito-Ao maamo, enviando a relacao dos senten-
'ciados, qua para aquelle presidio com o fim de cum-
prir semenca.
DiloAo director do arsenal de gueira, remet-
iendo copia do aviso da guerra da primeiro do cor-
renta, declarando ficir approvada por mais um anno
a continuar;! i de Joan Francisco da Silva, no ensino
de gimnstica aos artficese aprendizesmenores des-
la provincia, caso contine elle a en.mar com pro-
vailo, rumprindo que Smr. remella a respectiva
secretoria de Estado, por intermedio do governo da
provincia, ama conla rireurostanciada do estado des-
se ensiiin.Cummunicau-ie'.i lliesouraria de fa-
zenda.
DiloAo commandante do corpo de policia, inlei-
FOLHETH.
ORIGINAL CO 01 ARIO DE PEHNAMBUCO-
4 DB JULHO DE 1857. '
O dia i de julho de 177(3.
Ella da qoe sempre sera' renovado nos anuaes do
mundo por todos os seclos Talaros, deu nascimento
1 11 le-laiara.i da independencia! dos Estados I 111-
dos da America do Norte.
Ete dia saudado palas recordares dos esforcos
de urna colonia pequea e oporimula 'pela in.'n pa-
tria, he celebrado, renovado, glorificado por 30 mi-
.lin-'* de li nii-ns, qua fallam urna lingiia ; pelos re-
piques de sinos, pelas salvas de arllharia, pelas pa-
radas militares, por illuminares e por lodas a* de-
nionstiaij'i's de regozijo que esljo ao alcance de ama
iia-S'i^idranta'la no mais alto grito em civilisarAn,
nas arles e szieucias, em industria commercial e ri-
queza.
A grande ennfederacito dos Estados I'nidos que ha
|. mros annos linda eslava na infancia, hoje v as
velas -tos seus nasios branqueamln todo o ocano, e
o seu pivilhao respailada em todas as parageus on-
de existem homens ; ve os seus imrncnsos ros na-
vegados por milhires do leamers de grandeza qua-
1 fabulosa, e a seu vasto territorio euteado por es-
tradas da ferro de um a oulro exlremo, eondii/indo
os productos da industria do siu povo aos mais re-
motos limites do mundo.
E ao que se deve attribuiresta admiravel prospe-
ridade '.'
A nada menos que a sua magna carta, a sua
constituico, de qoe a declararlo da indepen-
dencia feita no dia 4 de julho de 1776 n.lo era
mais que o precursor, e que a inlelligenria do seu
povo al esle anoiversaro, repula sagrada e in-
no Ihralro il arr.in. Washington he o primeiro, sem
igual e sem rival ; dignificado, valenle tolerante,
sacrificndose a si proprio, vardadeiro, possuidor
de todos os attribulos capazas de enohrecer o carc-
ter do homem.
Digamos atoumas palavras acerca Segundo Charles Kemusai, Washington descenda
de ama amiga familia da Inglaterra. Aquelle dos
sem primeiros avs que foi primeiro eslabelercr-se
na Virgiuia, as margeos do Polomac, havia deixa-
d'i a Europa em 1657.
Assim, perlencia a essa geracao ao mesmo lempo
religiosa apoltica, contempornea da revolutAo !
Comprou trras, fot agricultor, e> o seu neto
naseau as condicOes de familia, de prnfissao. de si-
tuaban social, em que se reprodozia mais completa-
mente o carcter americano.
Se a sorte o tivesae para sempre confinado na vida
privada, teriasidoom proprietario inlelligenle, am
agricultor esclarecido, de urna ioslruccjlo simples,
de co.turnes severos, suhmisso a' religiao, zeloso da
sna honra, robusto, activo, aflailo ao Iraballio, ao
perigo, eohdfo, fro as suas maneiras, obeilecidn
na soa casa, respailado no sea paiz, e nhtendo fcil-
mente a defi-renra de lodos pela exrellencia do seu
juizo e pela eneign da sua vonlade.
Tera iennradn durarle loda a sna vida, que as
suas qualidade-, suhmeltidas s provarcs dos nego-
cios pblicos, se elevaran! sem difliculdade ao seu
nivel, e cresreram legando o Ihealro em que e de-
vessem desenvolver.
A mais modesta sitaarao Iba (cria cjivindo, com
lauto que fatte digna ; elle convelo a' mais elevada,
igual a lodas pnr seus talentos, superior a todos por
sen carcter.
Nasrido 110 condado de Weslmorelsnd, na Virgi-
nia, a sna mocidade passou-se em exercicios athle-
ticos : a' medida que a inteligencia se desenvolva,
recebia elle os rudimentos de edoca^ao no melhor
estabelai iinentu que oflereciam as vizinhas do seu
uasrimeiilo.
A instrnc^ao que Ihe foi dada davia ser da espe-
cie mais simples, ler. escrever e contar : mas re-
cebia o dom de urna cultura moral e iulellectual em
DiloAo mn.iim, recommendando a expedirao|de
s ia-.ordeu.,pai a que se farain as honra* qoe compet-
rtm, aos Exins. coselbeiro de guerra Antonio Cor-
rea Seara e hrigadeiro senador do imperio Baro
da Boa-Vjsla, que seguem amanliiia para a curte.
DitoAo Eim. tenante-general e consalheiro da
goerra Antonio Correa Ser, dizendo licar inteira-
do da qae os balaihOes 8- e 10. de infamara achara-
se inspeccinalos ale o ultimo de dezembro do an-
no paseado, tendo sido aquelle desde o 1* de ianeiro
de 1854.
DitoAo inspector da (hesonraria de fazenda,
commanicando, alim de que o faja constar ao ins-
pector da ,i la niega e ao administrador do consala-
do, qoe, segundo consloo de aviso do ministerio dos
eelrangairos datado da 12 de maiu ullimo sa conce-
den o imperial beneplcito nomearAo conferida
pelo governo da GrAa-Bretanha a Tlmmaz Gollan,
para ser vicn-ennsul nesla provincia.Fizeram-se
as outras cuir muuicarfie.
DiloAo nesmn. para mandar passar gnia de
soccorrimenti ao Exm. tenenle-genen! Antonio
Correa Sera. qae segu para a corle ero cumpri-
mentn deorcens imperiaes.Parliripnu-se ao refe-
rido lenle-general.
DitoAo chefe de policia, inleiraiido-o de haver
aulnrisado o inspector da thesouraria de fazenda a
mandar pagar a importancia das diarias e pecas de
fardamenlo abonadas pelo delegado do Ouncurv a
dous recrolas apurados naquelle termo, e bem assim
10 alferes Miguel Angosto Barhallin Picaneo o prel
das praras da guarda nacional que escollaram os
mencionados recrutas.
DitoAo mesmo, declarando haver recommen-
dirio aos inspectores das (hesonrarias geral e provin-
cial, qne, estando nos termos ligis os documentos
qae S. S. r.'inatleu, mandem pagar as despezas fei-
tas com os einco recrutas que veram do Ourirurv ;
com os reparos de que precisavam dous quartns da
asa que f. i comprada para carfeia naquelle termo ;
rom u sustento dos presos pobres da cadeia da Boa-
Viti nos mezei "de feveniro a abiil prximos lin-
dos e fin lmente com n alogael da casa que seive
de cadeia a quarlel naquella villa, vencido oos me-
zes de marro a junho do eorrente anno.
DitoAo rominandanla superior interino da guar-
da nacional do municipio do Kecife, communicando
ler autorisado o inspector da thesouraria de fazmda
a mandar abrir assenlamento de prara ao corneta de
que lula o oflicio de S. f>. sob n. 87!
DiloAo roromaodanla sopermr da guarda na-
cional do!, monicipios de Olinda e Ignara.-u, recom-
mendando a expedirlo de suas ordens, para que nao
sejam cht.m idos ao tnica da guarda nacional os
individuos residentes naquelles municipios e qoe e-
liverem rompre|,eii Jidos na dsposicao do : 8- art.
10 da I'i 11. lilil dalO da selembru de 1850, visto
constar (le ama representaran do capitn do porto,
qua fra preso, por falla de aervijo da guara na-
cional, Antonia Placido Soares, qae se acha matri-
culado raquella capitania, em consequencia da ein-
pregar-se na vida do mar.Communicou-se ao re-
ferido capitn do porto.
DitoAo inspector do arsenal de mtrinha, re-
commendando que mande lazar os raparos de qoe
lacla.
De todos os homens qae actualmente apparecem 1 casa de um excellente pai.

Bata manifestou algoma inclinaran pela rhelo-
rca e boas artes.
O sea desejn, ou o desejo dos seas amigos, parare
ter-'e limitado a dediea-lo s oceuparoes ordinarias
da vida.
Antes de altingir aos Ireze anuos de dad, tinlia
copiada um grande votume qua cnnlinha lodas as
especies de papis mercanlis e commerciaes, leiras
de cambio, autos, banda e outros papeissemelhanlas.
Era discpulo de s proprio, lanto em coosas phv-
siess. como intellectaaes, e praticava todas as espe-
cies de etercicios alhlelicos.
A sua compleicao, durante a infancia, tinha sido
desenvolvida e robusta, e excadeu a muitos dos seos
mestres em lulas de agilidade e de forca.
Na mnntaria j' ara eminente, e sempre prompto
a montar, e hbil para manejar o ravallo mais feroz.
cima de ludo, a sua inherente probidada, e os
principios de justiea, pelos quaes reculn lodo o
seu Iheor de vida, anda na primitivo periodo da vi-
da, foram cedo apreciados petos seos mastras ; re-
eorriam a elle como arbitro nas sosa dispntas, e as
suas decises nunca foram contrariadas.
Assim como oiilr'ora linha sido chefe, era agora
legislador da escola, manifestando dest'arte em len-
ra idada o tvpo do homem fulurn.
Passemos agora a oulro periodo da sua vida.
Onaiiiln no me/ i,in em que linha completado riatateia annos de ida-
de, esludava montado a cavallo 11'uma expediro pa-
ra o oeste em coiopanhia d George William Fa-
riTax.
F;ta estrada lira no meio de orna panaagem na
Mu llidge. coja bella linha de montinhai qua-i
Tormava a frouleira oriental da A'irginia, entao inha-
bitada. NHo obstante o invern suspenso no vrtice
das monlanhas, desf-zendo a nev arroja torrentes,
que pnchein os no, a os toinavam inlransitaveis ;
todava, a primavera vem amenisar as var/.eai da
paizagem a orrir-se nos valles.
A nrmeira estacan dos viajantes ara n'uma espe-
cie de tanda- lio deserto, onde residia o mordoino de
lord Fairfaz.
N'um diario guatdado com o seu usual cuidado,
Molanla Chacn, lenho a honra de remellar jim-
ias por copia as informarais que sobre esse or.jeclo
ministraran, o presidente na iclarao, e o adminis-
trador do corroa desla cidade.
DiloAo Exm. lenla general eommandanle
das armis, para mandar conservar cid deposito o
recruia Jos Freir de Li-na visto pretender elle
provar isenrao legal para nao servir no exercito.
DitoAo inspector da thesouraria de fazenda,
dizendo que poda autonsar o despacho, iaeata de
direilns, de mil folhas de zinco, 200 lellia de vi-
dro e 60 brabas quadadas de pedra de lagedo, que
foram encommendadas para as obras da alfandega
desla cidade.
DiloAo mesmo, recommendando que mande
pagar a Luiz Borges de Cerqueira a quantia de I65
ero que, segundo a conl que remelle, importaran!
3 baudeias a qualro lanternas de vista que a requi-
sc,ao do Exm. presidente do Rio Grande do Norte
foram compradas pelo conselho administrativo para
o servico da fortaleza dos Sanios Reis Magos.
DiloAo mesmo, para iutormar se da importan-
cia das letiras a qoe se refera o ollicio da presiden-
cia de 11 de maio oltimo, exiate saldo, pelo qoal
possa ser pi::i a Francisco Jos Corris GaimarSes
a quantia de ril>?, em qoe segundo a conla que re-
malle, impottaram 2't esleirs compradas para a
companhia de polica do Rio Grrnde do [Sorte.
DitoAo mesmo, declarando qoe em 27 de Ja-
neiro ultimo, le recoiiiinendou a piovedona do por-
to, que fi/.esse reduzir a doos mil ris a diaria de
1:200, que devino pagar os individuos perleucen-
les aos navios surtos nesta porto que se tratassam
da febre amareHa no hospital da illia do Pina.
DitoAo inspector do arsenal de marmita, ap-
proyando a deliberarlo que lomou de contratar com
Jos Antonio de Araujn, para continuara 1 das
obras do melhoraaieiito do porto, a compra de 230
barricas coier cemento, viudas d.^Europa no patacho
francez (tjorgeii, e declarando haver recommeuda-
do an inspector di lliesouraria de fazenda par que
na alfandega se consinla no despacho, iseolo de di-
railes, do referido cemento.Ofliciou-se ueste sen-
tido ao inspector da misma llusouraria.
DiloAo inspecle da thesouraria provincial, di-
zendo que mande poi nnvamenle em praca o im-
posto de 2?500 Sobre cabera de gado vaceum con-
sumido no municipio do Cabo, servindo de base a
ese* arnmnlac,ao 01 (:00t9, porque a tinha sido ar-
rematado e mais a tere.ira parte oflerecida por Jo3o
Evangelista da Silva Tabora.
DitoAo director inlerino oa repartirlo das obras
publicas, inleiraudo-o de haver recommendado ao
inspector da thesouraria provincial, que, a visla do
competente certificado, mande pagar a importancia
da tercetra prestaran measal a que t?m direito o ar-
rematante da conservarlo da estrada da Victoria.
DitoAo joiz municipal supplente em exercicio
da primeira vara desla cidade, recommendando mu
terminantemente qoe sempre que se houver de etTec-
tuar a remessa de sentenciados providencie de modo
que ellas nao deixem de embarcar.
DiloAo gerente da companl.ia Pernambucana,
mandando dar passagem para as Aligoas no vapor
(i Persinungs ao capujo Antonio Jos Laura e
ama filha menor.
DiloAo agente da companhia das barcas a va-
Washington falla com prazer na belleza das arvores
e na liqueza das Ierras da viriahanra.
Olhava em torno de si antes como quem procura
o provelloso do que o potico.
A occopscjto real da vida parece lercomerado cem
elle.
t) sea diario na 1 oflerere .ilimeclo algum a' phan-
tasia : lodo he praticasel.
Os seus pozares romecaram na parle rcais baixa
do valle, a certa distancia cima dajoncco do She-
nandoah e do Polomac. A civilisacao linha apenas
entrado no valle, e na verdade era ardua a sua pri-
meira experieucia da vida.
Complelou as suas observares, a vollou para o
seu paiz, cansando grande satisfazlo pela maneira
porque portou-se nena dillicil eipediclo ; mis como
o esparo nao nos permita ser externo acerca da
sua vida primitiva, seja-nus licito passar a um dos
ltimos periodos, qoando foi nnmeado ajudante ge-
neral, depois do seu tirnriuio nas armas, no monle
Coininuuicou-se ao respectivo commandante su-
perior.
OflicioAo Exm. leneule-general eommandanle
das armas, pe Jimio o seu parecer, tanto acerca da
?aliasjladl etapa para a tropa de primeira linha
no prximo vindouru semestre, como do arbitra-
mento da forragem para a companhia lixa de ca-
vallaria.
DitoAo mesmo, recommendando a expediento de
suas ordens, para qoe de I81I0 eorrente em dianle,
e emquamo esliver funccioiando o tribunal dos ju-
rados, seja apresentada diariamente ao respectivo
presidenta a guarda do eslylo, alim de manter a or-
dem do misino tribunal.Fez-se a necessaria com-
miinicaran.
DitoAo inspe-lor da lliesouraria de fazenda, pa
ra que, eslaudo nos termos lecaes as guias e rela-
c8esque remelle, mande pagar a importancia, nao
s das diarias abonadas pelo juiz de direito de Ga-
ranliuns os seta recrutas que veram daquella comar-
ca, hem como dos vencimentos das pracas que es-
collaram os supradtlos remitas. Deu-se desti-
no a estes, a communicou-se ao mencionado
jair.
DitoAo director do arsenal de guerra, autori-
saii zes daquelle arsonal, depois de livradn o competen-
te l-rmo, o menor Jos Izidoro da Silva, sobrinlio
de Escolstica S-ineana dos Res, o qual devela ser
inspiccionado pelo medico daqn-lla companhia.
OfHcioa-ae ao joiz da orDflial para mandar lavnr o
lar uto de que se trata.
DitoAo inspsclor da thesouraria provincial, in-
leirando-o da haver em 12 do crrante expedido or-
dem, para que o secretario do Gymnasio provin-
cial, bacharel Antonio de Assumprao Cabial, subs-
litoa o da directora geral da inslrurrao publira, do-
rante o sen impedimento, veucendn a gratificaran
mensal de 505000 rs., a contar daquella dala em
diante.
DitoAo director inlerino da repartirao das obra,
publicas, para fazer recollier ao arsenal de guerras
alim de serem all convenientemente aproveitadas,
as grades de ferro que serviram na antiga cadeia
desla cidade.Commonteoa-se ao director do mes-
mo arsenal.
18
OflicioAo Exm. vica-presidente de Sergipe, ac-
eusando recebido o exemplar impresso. qoe S. Exc.
remelteu, do relatorio com que o Exm. presidente
daquella provincia, Dr. Salvador Correa de S e He-
nevi les, entiegou a adminisltacao da me.mu pro-
vincia.
DitoAo chefe de poiicia, declarando que Irans-
mitlio a thesouraria provincial, para serem pagas,
eslando nos tormos legaes, as cnolas que S. S. re-
melteu das despezas feilas com o soslento dos presos
pobres dis cadeias de Garanliuns e Serinhaem, no
miz de maio ullimo.
DitoAo director geral interino da inaIrucc,ao
publica, duendo que, visto nao haver IHo lugar no
da 13 do corrrente o exame do nico concurrente a
cadeira do segundo gro da freguezia da Boa-Vista,
por impedimento de um dos examinadores, compre
que S. S. marque novo dia em que se deva realisar
ese acto, pa,a o qual subsisto a designaeao dos pro-
f-S'nres feita em ollicio de 0 do correle, devendn o
pnfes.ur do lAmnasio Provincial, Antonio Pedro
de 1 igueiredo, substituir a qualquer delles que ei-
liver impedido.
DitoAo mesmo, dizendo que, vislo ler a as-
si'inlilri legislativa provincial autorisado a creaco
de mais seis cadeiras de ImlraeclO elementar, infor-
mo S. S. com urgencia quaes as localidades qua le-
nham mais palpitante necenidada dessa beneficio,
devendo S. S. nessa infurmafao ter em attenc.iu
o pequeo numero qoe ha de escolas para o sexo
feniinino.
MiluAu jui-t municipal do tormo de Sanio An-
uo, dizendo licar inteirado de haver Smc. aisomido
o exercicio iolerino da vara de direito daquella co-
marca. Fizeram-se as necessaras communica-
ces.
DiloAo juiz municipal do termo de Ingazeira,
declarando que fica inteirado de haver Smc. entrado
no da 12 do crranla, no gozada licenra da dous
mezes que Ihe foi concedida pelo governo imperial.
Expediram-se as necesarias communicacees.
DitoAo inspector da thesouraria provincial, re-
ri.ninr.en lando, que, atteuta as rizes apresenladas
lelo director das obras publicas no ollicio que re-
melle por copia, mande Smc. adianlar ao thesoureiro
pagador d'aquella repartirlo ma> 3:000? reis, que
deverao ser distribuidos pala maneira indicada no
cilado oflicio, vislo ler sido insuflicienle as quanlias
pedidas no correnle mez, para alguna trabalhos; a
cargo da mesma repartirlo.Communicoa-se ao
mencionado director.
DiloAo thesoureiro das loteras da provincia,
para qoe, depois de organisadoo respectivo plaunnlo
conformidade com a le que remelle por ropi, faca
Smc. correr de preferencia a qoalquer nutra a lote-
ra concedida pelo!? !. do artiga I.* da lei numero
370 de 15 de maiode 1855. para aaxi'iar a publi-
carlo dos trabalhos biographirosqae prometlen fazer
o commendador Antonio Joaquim de Mello.
DiloAo presidente do tribunal do jury, para dis-
pensar de servir na presente se d'aquelle tribu-
nal o amanuense da secretoria do governo Francisco
de l.emos Duarle, visto serem precisos os seos servi-
dos naquella secretaria.
DitoAo provelor da saudc do porln, conceden-
do a aulorisacao que pedio para contratar com Joao
Pinto de Lemos, mediante a quantia animal je 800?
reis, o aluguel da casa em que actualmente func-
ciona o tribunal do commercio, afim de seiem nella
acommodados a repartirlo a cargo de Smc. e a do
registro do porto.Communicou-se a' thesouraria
de fazenda.
DitoAo mesmo, para declarar se anda sao in-
dispensaveis os serviros que esta prestando Amaneo
Jos Wanderley Lins, como aju lana dessa provedo-
ria e esenpturario encarregado do expediente do la-
zareto do Pina.
DiloAo mesmo, dizendo que para poder salisfa-
zer ao que requisitoa a cutnmissao de Ir. gime publi-
ca, compre que Smc. remella um relatorio circums-
lanciado de lodas as*occurrencias qoe se tem dado
durante o crrante anno 110 porlo desta cidade, rela-
tivamente a febre amarella ; indicando : 1." o nu-
mero dos navios aflectados : 2." o das pessoas ac-
rnmmeindas com declararan deidades e nacionali-
dades : 3." a proporc/ao entre os accommetlidos e os
fallecidos : '<. o lugir do ancoradoaro onde se deu
inaior numeio de casos : 5.- e de om modo minu-
cioso, os trabalhos de desinfacr.io e oseo resollado :
6." quaes os nieios ou condicOes a empregar-se para
qae ss poisa conseguir o melhoramento do eslado sa-
nitario do porto.
DiloA jaula de qnalifkarnoda freguezia da Glo-
ria do Goil, declarando que alera da lista geral que
remellen, convem que mande urna copia das actas
dos trabalhos da qualificarao de volantes d'aquella
freguezia na conformidade do aviso de 15 de marco
de 1817.
PoitariaExonerando o majar do corpo do eslado
maior de segunda, classe, Sebastian Antonio do llego
Barros do cargo qoa interinamente exercia de vogal
do conselho administrativo para fornecimenlo do ar-
senal de guerra, visto ler de ser empregadn em oulra
rommis.an segundo paiticipou o tenle general
commandante lis armas, e nomeando interinamente
para vogal do mesmo conselho o lenla coronel re-
formado Jos Antonio Pinto indicado pelo mesmo
commandante das armas.Fizeram-se as necessa-
ras coinmnniraces.
DitaM 11 1 indn admitlir ao servico do exercito
eomo voluntario, por lempo de seis tunos, o paisano
Miguel Jos da Silva, que percehera' alem dos ven-
cimentos que por li lt,e competirem o premio da
300? reis.Igii.l acerca do paisano Victorio Rodri-
gues Chaves.Expediram-se as necessaras couimo-
nn-scoes.
DitaAo geme da companhia dos paquetes a va-
por, recommendando qua mande dar transporte para
o Ciara' n-.i primeiro vapor qua vier do Sul ao ba-
charel Leopoldino I'el lino do Abreu, se houver lugar
vago para passageiro do eslado.
Expediente do secretario do governo.
OfflcioAo inspector da lliesouraria de fazenda,
remetiendo de ordem de S. Exc. o Sr. vire-presi-
denle da provincia um oflicio da directora geral da
despeza publica, participan lo o saque de Broa lellra
na importancia de cem conlos de reis a favor do
banco do Brasil.
19
OflicioAo Exm. vice-presidente de MinasGe-
raes, aceusando o de S. Exc. em que communica ler
enlr.idu na adiniiistnrao daquella provincia, por
ler seguido para a e,i|-|H Exm. consalheiro presi-
dente lien-ulano Ferreira l'enna, e otferecando-sa
ao mesmo Bxm. Sr. presidente para o cumplimente
de soas ordens.
DioAo Exm. Dr. Jo3o Silveira de Snusa, re-
metiendo o ollicio do ministerio do imperio, routen-
do a carta imperial qoe nomea S. Exc. presidente
da provincia doOar.t, felfcitoiido-o pelo subida pro-
va de confianra que araba S. Exc. de receber, e a-
presentando-ltie os protestos de dislincta cousidera-
5:10 eperfeita estima.
DitoAo Exm. lente general eommandanle das
armas, communicando ter-se remedido para o depo-
sito dos recrutas o paisano Manoel Rodrigues de L'-
ma, vindn do Pao d'Alho, e prevenindo-o sobre o
eompnriamenlo do referido recruta. declaro achir-se
elle pago pelo juiz de direito daquella commarca das
raeea diarias, desde 2 de marco ullimo, al 18 do
correnle.Mandou-se pagar a diaria, e communi-
cou-se ao juiz.
iloAo mesmo, para qae mande apresentar am
frente da igreja matriz da freguezia da Boa-Vista,
orna guarda tirada do bsataUMn de guarda nacional a-
quartelado, afim da fazer as honras fnebres do ca-
dver do lente coronel da guarda nacional da Goi-
anna, Manoel Ferreira da Oliveira Andrade, deven-
do a despeza docartuchame preciso ser pago pelos en-
canecidos do funeral.Communicou-se ao arsenal
de guerra.
DitoAo mesmo, previnindo-o para que seja con-
servado em deposito por 20 das, a recruta Manoel
Rodrigues de Lima, VMlo ler o mesmo requer lo pra-
zo p-ir provar i-.-nr.io legal.
DitoAo mesmo, transmittindo para sen rnnlie-
cimanlo urna copia da aviso circular da guerra de II
do crrante, determinando que as novas gialilicires
de cummanlo e exercicio sajam abonadas desda :ll
de Janeiro, data do decreto que as ellaheleceu.
Communicoo-se a thesouraria de fazenda para o fim
conveniente.
DitoAo chefe de policia. communicando, em
resposta a seu ollicio numero 583, que se eipedio or-
dem a Iheiourana provincial, para qoe estando nos
termos legaes a cunta qoa acnntpanhou dito ofiicio,
seja paga a qnanlia de SMfSOO, importancia de va-
rios despeas miudas e objectos comprados para o
serviro e expediente da casa de delencao.
Dito.\o mesmo, declarando em resposta ao seu
oflicio sob numero 582 qoa a thesouraria provinrial
lein ornem para pag.r a Jos Mara Ferreira di Cu-
nta, a quaniia da 5i->560, importancia da deapez
feita com o soilenlo dos presos pobres da cada de
Horas, orna vez que estaja em termos legaes a con-
la que aeompanhoo dilo ollicio.
DiloAojuiz de direito da comarca do Bonito,
respondendo an oflicio de Smc, de 28 de abril, ero
que communica ler encerrado na dia 23 daquelle
miz os trabalhos da sessao do jury do termo de Boni -
lo, jnlgando smenle dous procesaos por nao aslarem
oulros legalmente preparados pelo juiz municipal,
qne sendo ouvido decinaia de si para o seu supplen-
te a imputarn dessa falla, com o parecer por copia
em que o Exm. conselheiro presidente da relaca 1 in-
desajando ardcnterrenle conhecer a forja e posicao
relativa dos exaicitos.
Aqu reflriremns algumas particularidades relati-
vas aus distinctos rommandantes com quem elle se
linha adiado inimedialameiiteem competencia.
O congreso fallando delles com desprezo, diz :
o 1 res dos generaes inglezes mais experimentados
para enmbater com os seus subditos. era urna al-
lusn ao honrado William llowe, inmediato em
commando a Gaga.
Era um homem de presenra delirada, de seis ps
de llora, e de agradavtl porte.
Dizem que ae pareca muitu rom Washington,
posto que nao livesse a sua energia eaclividade.
O general Clinton, o immedialo em commando
linhs estado em serviro no Continente na guerra dos
sete anuos ; era de pequea estilara, e de nariz pro-
minente.
Burgayne, o outro general inglez de nota, era fi-
llio natural de lord Bni'ley, e linha entrado no
exercito em urna idade lenra ; em 1772 fora nomea-
Vernon, em seuuimenlo da sua viag'-ia ai Indias do mejor general.
occidentaes, o a desciiprHo do Reef-Steak a Tri- \ A sua di*crira, o sea goslo c intelligencia fize-
dles o procedimento que deve lar Smr. a respailo.
Dito Ao director da aldeii de Agas Bill, re-
rommendando que preste os Indios desa al lea as
autoridades complanles, qoando os requisilarem pa-
ra o fim da auxiliar o serviro da polica na falla da
forca do exercito, guarda nacional ou corpo de poli-
cia, assim como para n caso da iosnfllcianria dessa
forra enecessidade de prompto aruJir a qualquer
emergencia.
F.I1I0 Ao capitn do porte, rimmnnirnln hcir
scianle pelo seu ollicio de 17 no correte sob 11. 88 do
naufragio da birca ingleza ( Sohreon o. a de ser sal-
va a Iripolacilo desta pela galera ingle/a o Lord
Elqai -
Dilo An promotor publico da comarca de Na-
zareth, concedendo a permissao qoe pede para vir a
capital.
Portara Concedendo dous mezas da licanca com
ordenado para tratar de sua aaada nesta c. lade, ajuie
de direito da comarca da Boa-Vista J'-an da-Soiiza
Reis.
Expediente do secretario da provinna.
Oflicio A lliesouraria da fazm<1a, remellando
de nrdem do Exm. Sr. presidente da provincia sale
ordens do tribunal do Ihesouro, sobre ns. lis a l'l'i,
assim como dous oflicios da directoiia geral da des-
peza publica daladus de 9 e 10 do crrente.
COMMANDO DAS ARMAS.
Qaartel (aneral do commando das amas de
Pernamhnco na cidade do Recite, aaa i o
jBlhede 1x57.
ORDEM DO DA N. 506.
O general commandante das armas previne aut
Srs. commandanles da corpos, qae a roolir do pi-
meiro daste mez am diante, deixem da tirar nas re-
lacees de musir vencimentos para as pracas que es
liverem em Iratamento no hospital militar deeta
guarnirn, a exeepcAo das presiaces relativas ao
premio dos qae furem engajadas.
Joi Joaquim Coelho.
pe Club n al u lempo em que loma o command)
dos exercitos.
A 11 de julho de 1775, na manilla da lita chapada
a Csmbrige, Washington tomn o commando for-
mal do exerciti
Aiih)
dis-
late leve limar na planicie, qtHai mei
lante du qoarlel general.
Ahi sa iiasia reunido era
pectaculus militares ainda er
campo enclieu-se de visitante
meninos, viudos de todas os pontos do pai/, e que
liiiham prenles entre os soldados.
Um anligo olmo ainda he aponalo, debaixo do
:,,
e mr-llido.* Os es
nina iio'vidlrie, e <
homens, malhera e
ram dalle por algum lempo um dos primeiros na
uciedade elegante ; comtudn Juntos accusa-0 de
mans actos praticados a mesa do jogo.
Taes eram os tres commandanles inglezes em
Boston, os quaes eram considerados especialmente
formidaveil : e estes n-!rnn enmsigo onza mil sol-
dados veteranos, bem preparado! e disciplinario',
XV.1 sbinclon recunhccia os purtos inglezes per
niuitas razeos.
ludo qoe eslava -nb o seu dominio, se achara
11'uma ordem admiravel. 11 acampamento ameri-
cano no paiz lha daaagradava.
Esperava encontrar aezoilo ou vinle mil homens
debaixo de arma : lulo havia mais de quatorze mil.
qual Washington, quando vinlia do quartel general j Esperava encontrar algom grao de svslema e disci-
acumpanhado pelo geoeral Lee e urna numerosa co- i plina : entretanto lodo era milicianos recrutas.
mitiva, movea o seu cavallo, e desembainhnu a es- I As forras nglezas estavam concentradas e compac-
pada como roromandanto em chefe dos exercilos. 1 las, e como tinham o dominio do mar, podiam de
Aeompanhado por este veterano collega, em cuja improviso conduzir loda a sua forja dentro de alga-
pericia militar linha grande conanca, Washinhlun mas semanas ao acampamento americano,
visitn os diflereitles pistos amencauos, e subi as Com ofleito, quando se considera a forca mal con-
eiuiuncias qae duiniuam Boslou a seus arredores,' diciooada e irregular, que te tinha reunido pata blo-
quear orna cidaia e porto, defendidos por navios e
hateras lluctuanles, e guarnecidos por onza mil ve-
teranos, nao se sabe se se deve allriboir a sua arris-
cada pusirao a' ignoranria, ou a' atrevida confianra,
que presenilmente, na historia militar da sua nar.in,
lam aleanrado Iriumpho a despeilo Jas regras da
sciencia.
A organisaca de um exercito tinha sido obra de
infinita difliculdade. O primeiro impeto do zelu re-
volucionario se linha manileslado ; o enlhusiasmo li-
nha sido arreferido pela marcan e monotona de um
longo acampamento ; alm disso, era om acampa-
mento privado dos confortes, que na lctica experi-
mental san prvidos por nm commissariado regular.
As Iropas liohim soffri-lo toda a especie de pnva-
ees, achavam se baldas de lenha, de roupa e de
mantimentos.
Assim agaardavam desanimados os rigores do in-
vern, e fiigiam para as suas familias e lares.
Apezar distas alternativas e anciedades, a da mul-
tiplicada cimfosao do acampamento, o espritu de
Washington cnniinuamente voliado para a sua casa
lias marsens do Polomac, o enlrelinha em constante
correspondencia com o agente, que eslava encarre-
gado 10 tintos o* s-iis bena.
Ogeneral dava clara e minaeiosa direcefl 1 ai seo
agente e as sua- n ibrea i-'.'rucees acerca do monle
Vernon fnram as segumles ;
ir Releva il.-.r perbila hospitalidada ans pobres ;
uto d'ixe sahir pesaos alg-tnia com f'ine. Se algoem
do povo precisar de trigo, aeppra as nas nereasi-
dadaa, alim de >.oima-lo a-i (rabalho. K n.lo ponho
ohiecjao a qii" distribna o men dinheiio por eari-
dade, al a quantia de 10 a 50 libras por annn, quan-
do pensar que ha bem empregido Bem sabe que
nein eu neni ntinlia mullier podemos agora fazer
pessoalmenle estes bons serviens. a
Mas niste acanhado asbnco apenas he possivel dar
urna idea soccinla da bem empregada vida de Was-
hington.
E mh eonelasffo acrescent iremo, qua as trnpts,
qoe por ninil mezes foram transferidas de porto
para porlo, nnpirentemenle urna turba indiscipline-
da, it linham identificado coro os teus pinsameutos e'
IETSRI0R.
RIO DE JANEIRO.
SESSAO DE 9 DE JIMIO DE 1*77.
Presidencia do Sr. Manoel Ignacio ('acatranti it
/jicerda.
As 11 horas da manhaa o Sr. presidente abroa
sessao.
I.ida a acta da anterior, he approvada.
EXPEDIENTE.
Vai eommissao da legislarlo urna representaran
da cmara municipal da villa Christina pedindo a
referma da lei do 1. de outubro de 182X.
lie approvado e vai a imprimir n projeeto do Sr.
Souza Franco, lido e n sessao de fi do eorrente, ao-
lonsando o governo para depositar un banco do Bra-
sil e suas caixas filiaes as soirimas disponiveis no Ihe-
souro a nas lliesauraiias da fazenda da piavmria-.
O Sr. f residente declara que lem lagar a apre-
senlacao de laquerimenlos, indtrares. propostas,
etc.
O Sr. Candido llorget justifica o segonte reqae-
rimenlo, que he apotado, e sem debala approvado.
> Reqtietro qoe sa solicite rom urgencia do ge-
veroo, pala repartirao do imperio. infarmarOaia 4a
ludo quanto se ha pasando eulre elle e a lllrn. c-
mara municipal relativamente ao corle do gado no
maladouio ou a vanda da carnes verdes.
Borges. a
lie tambem apoiado e approvado o seguale re-
querimeulo.
o Requeiro, por parte da romn.--- < especial ->-
lira as pensdea, que se paca ao governo com urgen-
cia informarues sobre a despea auuilal taita palo
lliesouru rom ns peusionislas da estad, desda o ex-
ercicio de IX3U a 1810 ale o eserririn actual jnelvi-
sivamenle, com a devida desriimmarau das refor-
mas militares de gueira e mannha, aposenladorias,
meio sold, monle pi e empregadoa de raparlin^*
exiladas, e especialmeule, a rspeificacao do uu-
mero de peu-iuuislas.Baplula da tliivaira.
ORDEM DO DIA.
Continua em 2." diseutsAu a proposicao do sealo
substituindo O 8 I. do artigo 8.1 da le da :l de de-
zembro da 1811 com a emenda aubstitoliva do Sr.
Pimeuta Bueno, apoiada na .e-s.Vi aotacedema.
O Sr. Ferra: irrpugna a emenda, ssjsleiilanda
que so for approvada deixara moitas vezes ao ar-
bitrio do con lemni I 1 prisa 1 enm Iraballio sobsli-
luir esta pena pela do piuao simples.
O Sr. I isconie de Jeqmlinhonha entenda qae nao
proseguam os argumentes do prace leule orador, o
que a emenda he mus explcita.
O Sr. Viment'i Bueno sustenta qne, m daveasetf
lubsi-lir as raines do liebre ecuador o Sr. lanar,
prnvavam taulo contra a emenda como cootia o
pro|eclo.
Pondera qoe a emenda difiera do projeeto em i*re-
ver h)polheses que elle nao reguluu clarameclo e
nlli re -er e\e(-ur,i i mais fcil.
flato reroaihece qoe li toe a arbitrio do reo, (soa-
sar a emenda, runverler a pena da pn.ao com 1ra-
halho en-. pris,1u simples ; mas ainda que ieo po-
desse ariintecer, era um mal menor do que sujeilar-
se a' pena de prisao com trabalhos um individao
que afinal os tribunaes viessem a declarar innocente.
Restava tambem o arbitrio de nao levar em cim-
la o lempo da prisao simples, mas seria barbarida-
de aggravar s im a sorle dos reos.
Insista pois na approvacisn da emenda, mas, a
11 ni passar, volara' pelo 1 rnjerlo.
O Sr. far" de Mun'tiba sustenta que o projeeto
deve passar tal e qual, porque o qua a inunda cin-
tera de maia asa'ja regulado pala Icgislaeao vigente.
O Sr. Ierro: lemlira que, inlirposla'a appalla-
ple dentro de oilo dias, ha qualro me/e- para aer
prsenle a' relami nas provincias e.n qoa ete tam
o seo asseulo, e oilo mezes nas nutra* provincias,
menos as da Mato-Grosso e Goyaz, omle o prazo he
de 00% auno. Sendo assim, peisunta como ea pode
desconhecer qu- em mallos casos, a passar a emen-
da ficar.i a arbitrio do rio ronvertrr ara prisa* m-
ples a pena de prisao rom Irabalho *... IVadera
que as penas >ao applicadat conforme a nalorea
dos deliclos, e qoe nao se deva consentir qoa vjaiu
Iludidas as vistas do legislador em assumpto Lio de-
licado.
O Sr. i'imeint 1 llueno fiz ainda algumas oh-er-
vaeftes tendentes a sosienlar a aaa emenda.
Encerrada a discussJo he approvada a proposicao,
salva a emenda, e depois he tambem apprnvoda a
emenda.
Encerrada a discossao he approvada lanto a pro-
posicao como a emenda do Sr. Pimeiita Bueno.
Sara dibate *ao rejeitadas em 1.a di-, u-..i 1 a pro-
posicao do senado concedendo duas loteras para as
obras da Santa Casada Misericordia da ei lado do
Rio Grande, e em :1.a discussao a prupnsiea 1 da c-
mara dos depulados concedendo duas loteras para
as obras da matriz de l'brraba.
aeostamado eom 01 brilbantes estratagema- e auda-
ciosas farinha--.
0 eommandanle em chefe, cujas praesurfer* poli-
ciaca tinham sido calculadas pelos iuimtgos, e espe-
rado com impaciencia reos amigos injustos, havia
dado provas la qae linha taola vonlade eomo eir-
ninsporc.in, a lana energia enmo firmeza, e qoa -.-li
a >ua Mea belliea arda um fogo, que se manifesta-
ra no momento opportann.
A rampanlia do anuo de 1777, a mais critica da
guerra foi o dncomeute qua permiltio que as anas
grandes quali lades fossem apreciadas pelos eos erii-
cidadtM, a Ihe grangeassem o Ululo de "primeiro
na goerra ;nimeiro na paz, e o primeiro jama
ees dos saus patricios, e entra o* asta listas e sene-
raes da Europa o engnome de Faino Americano..-
loi um liomem, qua certamen!- merereu a clnria.
a que nao- violeniou nam o seu lemim, nem o aaa
pai/, que se fez admirar do nos.n secuto. ropeitancV
ns sens principios, e cojo reuome nada coslou a c""-
ciencia da humanidade.
1 m homem que parlilhon e sustanlou *da as
idoaa verdadeiraa, lod.s as paixoes l-sitinsa* da noa
poca, sem rniihecer-llias nrm os excesos, nein as
raa, nem as fraqueras ; qoe enn-'uo fazer do-
minar su mime nu isjccaaaa mais nsvional, a qua ha
: lo grande en orna ravolac^i j r '" :' rr|i guerra
e pela poltica, 11 liher.Li le e era, paraca
pliilosopln e para o pavo; laSBaa ara salto o um
!i*-r ie.
Os grandes homens ..^niri dom laceo. O Wa -
hin ,'lnus "1 .-pparer*'in aa Inri |u.- Itir. lia marrad":
1111> o axernplo dellrr he ama laclo perpalo* ; ma
as verdades qoe air consagra, oa pfnsapnaaiea qua
usgare, os lentisTniitos que iaaptra, tM de ladea .
ttllipos.
Cumpre racorda-los inceintrnenle, a levan
lar es nlhos baivos dos mortaes para esas gloriosas
imagens.
De a obra irnmerlal daste Lomen rrc '.igirsn, ha a
anmicipacao pelMIca de um pnvn, qna apenas con:*
rutena o lr" anuos de existencia 1 ... fa-tn. :a I n-
maiiiila.to. nr) ootro coulincnte da America.
(4bda!lah-ct-Kral'ri

.



ILEGIVEL
.







DIARIO DEPERSAMBUCO SEGUNDA fEIRA G DE JULHO DE 1857.
_Approva se 'em 3.* diseossiio para subir a' tane-
cao a retoluco da cantara dos depulados sobre a na-
loraliarfio ,i,. tres eslrangeiros.
Entra em 1.a disscus?3.i o parecer da commiss.lo
de constiluicilo solne a reclamcilo de dous desein-
bargadoraa da relarao de l'erodinbuco contra o de-
crelo que Ve^aposenloti.
He apoiado e posto em discusso o legointe .'
(i Que so pera ao governo 0 ,iecre(0 ,|Ue aposen-
lou os reclamantes, a informadles sobra os motivo
deste acto, sendo depois lemellido ludo a' com-
minfo para formular parecer acerca d legillds.de
lo tnesrao.Barao ne Muriliba.
O Sr. Dantas enlende que nao ha nares.idade
de pedir-ie ao governo copia do decreto porqoe foi
publicado ofliealmenle no jornal. Dentis, no ol-
limo re.'lorio do ministerio da justija declara-se
que o governo prucedeu a etia apotentadoria por
aclo seu, sem que liouvesse pedido dos magistrados.
A vista dislo nSo sabe para que sirva o reqoeri-
menio nem o parecer, que podem parecer aos inle-
re-sa los um verdadeiro meiu de piolelacdlo.
U Sr. I isconde de l ruguay pedio a palavra uni-
ameiilB para detla-zer qualquer suspeil que possa
haver da que a eommiiso proearou esquivar-se d#
dar um parecer definitivo. au. A commis-ao pen-
sou que sena mais proprin tralar-se deste assumplo
quando fosse prsenle ao senado copla do decreto,
ou por occ.isian da dlscuisao do ornamento em pre-
senta do respectivo mini-li -.
O aclo do governo no lie de simples expediente ;
lie um acto extraordinario, que deve soHrer solem-
ne discussAo. Pela sua parle o orador declara desde
J que o i i dar por forma adunia o seu vol a um
aclo semelhanle, robora minio o sinta pela sincera
alien Aj que tribua ao ministro que o referendou, e
respeilo ein que lem os seos tule ato. .\la. piimeiio
que ludo, para o orador, etISo as suas couvicc,oet
coii'cieuciosas.
Sao proseguir, porem, porquanto o sea lira foi,
como ji disse, mostrar nicamente que a commii3o
nao leve em vislas esquvar-sa de dar um parecar
lernnnaole.
Quanlo ao requerimeolo, nao (em a menor eluvios
cm dar-llie o seu vol.
O Sr. D. Mauoi I julga detneecssario o que pre-
tende o requerlmenlo.
IN3o lia defeza, nao lia justificado po'svel para o
aclo do governo. Contra elle lia urna representado.
<> que cumpre'.' Dar-lhe deferimenlo conforme os
principios de juslica. Mas, diz o requenmento :
| leca-se-ao governo copia do decreto, a depois va
ludoada novo commissao. Ura, na enteiide que
naja noces.ida te de pedir-ie lal eopii ; o decreto
nao da razao alguma ; diz apenas que licim aposen-
lados laes desembargadores ; e o relalorio do Sr.
ex-miniairo da juslira declara que lies nao pedi-
rn! a sui apnseiila.'oria. lN'ettes termos, para que
pedir copia do decrelo'.' Isto nao parecer seuilo
nma prolelaco, que lalvez embarace de lomar-se
ele auno conhecimenlo do assumplo, porqoe lodos
a.ibem como se coilumu discutir no senado o orca-
menlo, quando o cansajo he geral e lemem-se as
prorogaees.
Como leve perfeilo conhecimenlo do decrelo, que
lere mortalmente a constiluicao, desoja que se apro-
veile a poca em que o senado tem fulla de materia
para as suas diseussOes, afim de ventilar-se bem este
aclo do governo.
Vola pois contra o requerlmenlo, asiim como h
de volar contra o parecer, se o adiamento nao pausar.
O Sr. Perraz er que se nao pode deiiar de ap-
provar o requetimenlo. O nobre senador diz que
tem pleno cunhrcinienlo do co do governo, por
isso coneebe-se que o8o precise de informac.oes;
mas o orador u3o pode prescindir dellas, e pena que
inuilos oulros Miembros da casa cslaifu as inesmas
circumslancias.
Observa que, na falla de urna lei de aposenlado-
rias, a pralica lie que o governo apotema os des-
embargadores, e sujeila os seus aclus ao corpo legis-
lativo, que approva as aposenladorias, dando assim
um bil de indemnidade ao governo, cu iaprnva-as,
e us desembargadores conlinuam a servir ; sendo
que as vezes cssas aposentadoras sao dadas a pedido
dus magisirados, e nutras vezes por entender o go-
verno que asim convem ao servido publico.
Precisa pois o orador ler prsenle para decidir-se,
nao io copia do decrelo, corno informacoes do gover
no a respeilo das razOes que leve para proceder por
lal forma. Urna vez que exislam na casa laes nfor-
maroes, se delta* resudar o conhecimenlo de que o
decreio nao dave ser approva io. o orador nao hesi-
laru em iie.er-lhe o seu vol. Mas se entender que
boas razes leva o governo, em bem do lerviro pu-
blico, para determinar laes aposenladorias, lamben)
nao hesitara em dar-lhe um bul de indemnidade
pelo seu acto.
As informacoes eiistenles oo relalorio nao i.lo tuf-
licienles. Vola pois pelo reqoeriinenlo.
O Sr. Barao de Muriliba nao comprebende como
se posa enxergar irulelaran na emenda que o ora-
dor otTareceu couclusao do parecer. Diz o parecer
qne se espere a cupi d decreto ou a discuse.lo do
ornamento. A emenda quer que se per,a copla do
decieto, e que \ a' commissao para que emita pa-
recer sobre a legalidade do aclo. J se t que o
meio proposlo no parecer he minio roais dilatorio do
que o quer a emenda.
Insiste na sua emenda, porque nao coroprehende
como se possa lomar qualqoer deliberaran sobre u
decrelo seni le-lo prsenle, bem como as informa-
Oes do governo sobre as razoes que leva para atstm
proceder.
O Sr. Danta; nao lendo prsenle a emenda do
nobre senador, nao reparou na 2" parte qoe pede
informaces ao governo sobre os molivos que o in-
dntiram a esle aclo. EslA porem agora resolvido a
approvar este pedido.
O Sr. Il'anderley diz que, lendo o decrelo sido
remetido a cmara dos Srs. depalados, entra em du-
vida se est nos eslylos da casa pedir copia e entrar
no fume dese icio. Nao se rscorda de que urna sii
vez assim se leuha pralicado.
Pareca pois qoe o pensamenlo da nobre comrois-
li era o que eslava mais no caso de prevalecer.
>ao pareca qne existe a idea de que a oulra cma-
ra (em menos nteres.e e ztlo do que o sealo em
velar na guarda Sas leis.
Devemos crer que a commissao respectiva nHo
deixar da presentar na cmara dos depulados o
sen parece' sobreveste aclo du governo. L esta'o
B Sr. ex-minislro da jnsli(i, qoe pode de prompto dar
todos os esclarecimentos. Se o decreto for rejeilado
na cmara lemporaria, esta' ludo acabado: se for
approvado, lera' eulAo o senado occasiao de tratar
do-ta questao com lodo o couhecimenlo de causa e
inadureza.
Na ih-oiissan do ornamento ha (ambem occasiao
mu propria de tratar deste assumplo. Vo(ando-se
ou negando-se fondos para pagar a esses desembar-
gaderes, pndera' o senado prouunciar-se claramenle
a respeilo do telo do governo.
Volara' pois pelo parecer, e contra o requeri-
menlo.
O Sr. Vintenia Sueno he de opiniao que a emen-
da deva ser approvada de preferencia ao parecer.
Nao comprehende qoe se possa contestar ao se-
nado a ai:ribiiir,;o, ou metmo dever, de lomar co-
ulieciinenlo de 18o grave oflensa da constituirn,
embira a oulra cmara possa tambem faze-lo ao
ine-mo lempo.
N'flo sabe se o aclo he ou nao justilieavel, e s vira'
a dar ao governo uro 6iJ7 de inderiiiiidade. Maso
qoe quereria era que o governo desse minuciosa e
prompla conta do sen aclo a's eamiras legislaliva",
e. nao deixasse de dar satisfacao de tao lltgranle of-
l'ensa a' eon-tiioir.io.
O Sr. D. Manoei conlitu'ia a sustentar que nao
ha oecessidinla de nformac6es para tomar-so co-
nhecimenlo de um aclo do governo que he reconhe-
enl.imente nullo, iirilo, e de nenhum efl'eilo.
Encerrada a discussiln, he approvado o requeri
menlo do Sr. barao de Muriliba, a fica prejudicado
u parecer.
Pasea em 1" e 8 discuseo a proposicfto da oulra
cmara, que aulorisa o governo a conceder om
anuo de liceuca ao tenenle-general Jos Joaqoim
,. Coelho.
Esgolada a materia dada para a ordem do dia, o
Sr. presidente declara que amauhaa o senado se or-
i up.n com Irabalhos de commissOes, e qoe a or-
din do dia de sexla-feira sera' a | disrus'Ao das
proposieoes da cmara dos depulados sobre a sup-
pressau da clausula de cessar eum a maioridade a
pensiio conceilida a's filhas de Jos de Paiva de Ma-
galhaes Calvel, e approvando a pensan concedida ao
nuselhciro Jo3o Maria Jacobina para te verificar
cui suas qoalro netas depois do seu fallecimeulo.
Levanla-se a csSo a's 2 horas e om quarto da
tarde.
O Sr. laptista Mnneiro funHamcnla e manda i
mesa um requerimento, padindo o adiamenlo da dis-!
W. R3id, governador de Malla c sabio ncronomn.
um apoio utelligenle Bdedicado, o vermes aue a-
or deus das, ahm de ler lo-.r prcsAnca | l.iam dos nvos.m, momen.o em que chegavam a .Mal-
la, eram criarlos naqurlla lilla, oinle faziam casulo
qua rlerain hurlmletas e por consegdinte
da
aprsenla
do ex-presidonlc da provincia re Serglpe ( o Sr. Dr.
Bene vides).
He Kpoiado o requerimenlo c entra ein discoisao.
OSp. Cruz Machado cmbale o arliamcKt" por
enleiiaerqua para o maior esciarccimeulo das ques-
les que appparererern durante a discutan sao solli-
cieule as iiifoniiacei, que pude dar como nieiiibro
da ........Mo.i'i que formulun o parecer.
Enlraodo no saiao o Sr. l)r. Beuevides, pede o Sr.
Baptlsla Monleiro para retirar o leu requerimeolo,
no que a cmara consente.
Coolinua a discussau.
O Sr. Baptitla Monleiro contesta a validarle
eleicao que se discnle, e declara qua ella
um laclo novo no paiz, como he a illegalidsde da vo-
lar-Aoquatl uuanime que obleve o canclalo reco-
uhecido como depulaio pela corninls.a.i de poderes.
Continuando, allegara que nflo houve nena dls-
Iriclo lbenla.!e de vol ; que a presidencia logeno-
se na eleicAu e que a unaniniiilade de votos nene
caso demonstra uuicameiile um grtnde numero de
lufrncees da le, occullas sob esse manto.
A diirusto fica adiada pela hora.
Segu se a di.custao do projeclo de resposla falla
do llirono.
( Pedem a palavra muilos Srs. depulados. )
Acham-se prsenles lodos os inembroa do gabioela
O Sr. Tei.ieira Jnior oceupa a tribuna.
S. Exc. dirige a sua argumentarlo contra a ultima
parle do segundo periodo da resposla em qoe a c-
mara te congratula pelos feliiee resultados que pro-
melte a generosa poltica do actual gabinete.
S. Exc. declara que n3o tem a menor nojao desea
poltica; e por isso, etnbora deseje apoiar o gabinete,
nao podar faze-lo sem que elle n..infeste clarameu-
te o pregramcDa polilico qoe pretende seguir.
O orador acumpanha nesle poni a opiniao do Sr.
visconde do Jequitiohonha proferida no senado por
occasiao de urna diicussau i eolica ; enlende como o
nobre senador que nao pode ler havido da parle do.
honrados ministros urna completa renuncia de suas i sr. aav, lao conhecido por seus sabios Ir de
antigs crencas polticas ; que a aceitacBo do syitema | zoulogia e analomia, o qual|apresava-se em enviar
adrrnniilrativo saguido pelo ruinislerio paitado im- ovos dessa primeira geracaa ao Sr. Decaitue, que os
providencial que nos est reservado no Mein-1).a.
Ainda mo tendemos o posto dominio sobre o vas-
to emispli.rio que o Cruzeiro do Sul brilhanl ;
anda a nossa nvilisaeao nao levnu, mpeltid* pelo
ov..s: sil,, vapor e pela a eleilricnlade, os seut ben.licios .
e-tes casulos e e-ies ovn provenientes da pnmcira teus prodigios ao ma
gerafao, que se pude fazer chegar vivos a Torin.
Em una memoria.da qual h altmis trechos a so-
ciedade imperial o central de acricollora na leudo
de U de agosto da 1834. e que vai apparecer nos
llolelnis da snciedade Zoolgica de aclimato.riei
lodos is pormenores que pude obler sobre as diver-
sas tentativas que precederam esle laclo capital, o
qual tem dado lugar a urna serie de arligos dos rnait
iiileressnles publicados pelo Sr. Uarum1 na Cazela
Piemonttza, folha olTicial dos estados sardos.
uFIl conherer lambem os lonvavei eiforcus de om
dot meus riitcipnlos da magnanerie *) experimental
de Sania Tulia, Mr. C. Moj ne, qoe lendo ido atla-
belecer-ie em Bengala, Vinha-te dado a' edocaeao
deile Bombyx Cynlhia para coadjuvar-ma* a
inlroduzi-lo, em Franja.
Ilnie c Sr. Barufli, auxiliado por Mr. (riseri, sa-
bio chimico e hbil sericultor, conseguio obler duas
iieraees desle bicho de sedo. Depois do retulladn
favoravel ra i rimeira geracao em Malla e em Tu-
rin, os Su. Barulli e Bergonti, querendo astegurer
quanlo foise poisivrl, a mlrodoccao desla espocle,
iinliam solicilado a Mr. \V. Keid que enviaste ovos
e caslos vvoa a' Boma, Toaeana, Sardenha e fri-
ca. Do seu lado, o Sr. Baroffi remellia para a Fran-
ca porr3o desses vermes ao Sr. duque de Guiche,
nono embaiador em Turin, o qual enviava exprs-
smenle a Alarselha um empregado da legaban para
leva-Ios com lodo o cuidado possivel, pondn-os lam-
bem a disposicjlo da tociedade Zoolgica de aclima-
tan, que vai esludar es melhores meio. de o< fazer
criar e propagar pelos seus membrus que esliverem
em melhor posicao de assegorar o seu bom resudado
entre nr.
o hm quanlo esles fados tinham lugar.os ovos que
os Srs. Barulli e B'rgonzi haviam reinellido para
Toscana, produziaui lambem urna feliz geracao ao
Sr. Savi, 13o contiendo por seus sabios (rabal
potli ao pr.senle a negado dos argumentos cum aue
o combaieram ; e que necessariimeule nio pode ler
peso no paiz essa sua declararlo da qoe os e-piilos
lendiam a harmunia, concordia, pacificados pela in-
lluencia da poltica de coucilia;3o quando os jnrnaes,
quando a upioio publica dov dava da solidez dessa
idea dianle dos actos tristes qua se derain em diver-
sos di-lrictos aleiloraes dat provincias do imperio.
S. Exc. poit, est convencido de que nao he esta
poltica que os acloaes membros do gabinete centu-
raram lano a que lencionam adoptar, ou qi.e ja a-
doplaram ; e como, firmado oas proprias palavras de
um illuslre esladiila, o finado Sr. marquez de Para-
n, sabe que nao pode haver sytlema leprtienlalivu
s-m partidos, islo he. sem o cmbale dos principios,
teniendo ambos a deicoberla das verdades polticas ;
deseja conhecer quaei sao do aclual gabiuele, aliu,
de mudar em verdadeiro e siucero apoio a cunanca
que ja Ihe merecen! o dislinclns uomes de leus
tuemiirns.
Al oovir essa declara(3o S. Exc. se conservar
na iMisn-,j eipeclaliva que al boje lein guardado,
confetsan.to que se peualisa ao duvidar da posiibili-
dade dat prorneisat fulas pelo Sr. marquez de (hui-
da, qua considera e respeila, nao t como um dos
mais honettos caracleret, mas lambem nossos mais abalieadoi homens de estado ( rouiloi
apoiados).
lie pois para abandonar essa silitajao e para enca-
rar com mais fe, com mais coiiviccjlo a nova poca
promedida ao paiz, que S. Exc. peda orna declara-
rlo i.io franca como foi a do patsado ministerio feila
por seu chefe ; natsa declarado porem, compre no-
tar, nao se apreientava como poisivel a fusau de prin-
cipioe, ao contrario era apreieolada como iuaitpen-
savel a sos diviaao exlremada.
Terminando o orador, elogia as medidas ltima-
mente planejadas pelo ministerio da fazeuda a bem
do desenvolviraenlo do crdito publico ; e depois de
iponlar algumas omissoes que se paleuleam na res-
potta i falia do Himno, sobre a reforma hypolhfca-
ria, recrulamenlo, promoees da armada, ele, cou-
clue, declarando a cmara e ao paiz qua de lodo o
seu discurso n3o se pode deduzir qua busca embara-
ce o novo gabiuele, quando quer preslar-lhe a sua
coarljiv, ean depoii de conhecer a sua poltica. Se
erra nesse menlo, 0 fuloro e s elle decidir.
A diicuttao fica adiada pela hora.
Sr. presidente encerra a sesaao, marcando para
a ordem do da da seeuinte:
1. parte.
As materias anleriormeule designadas.
i.' a meia hora depois do meio-dia.
Continuarlo da rliscussao adiada do projeclo de
respusla i falla do Ihrono.
I.cvaula-se a sessao a's 3 horas da larde.
Arham-se inscriptos para fallar na discossao do
projeclo :9 seuhores depulados, na seguinle ordem :
Contra os Srs. : Nebias, Almeida Pereira, Vilella
Lavares, Soares de ouza, Cruz Machado, Jiramiao,
Coellio de Castro, Comes de Sooza, Salalhiel, Viria-
lo, Aihayde, Silveira Lobo, Andr Basles e Baplisla
Menleiro.
A favor o Srs.:Madureira, Salles,Torres llumem,
Nabuco, Paranhos, Barros Pimenlel, Pedreira, Dan-
las. Sergio, Femantes da Conba, Pacheco, Tilo,
Aguiar, Sa e Albuqnerque, Carrlo, Aranjo Jorge,
Cunha Figueiredo, Fite, Augusto de i iliieii... Be-
uevides, SilvinoCavalcanli, Bezerra Cavalcanli, l.uiz
Carlos, Alcntara Machado, Mrceteles Pereira
Pinto.
No dia 9 n.lo houve sestJo.
CASABA DOS SUS. DEI'lTAIiOS.
SES-AO' EM S DE HJ.MIO DE 187.
/'residencia do Sr. visconde de Baependy.
A hora do coslume, feila a chamada, e acban-
do-se reunido numero legal, abre-ie a s-isao.
l.ida a acia da anlerior, be approvada.
U Sr. I'rimeiro Secretario da conla do seguinle
expediente :
Cma reproscntacSo da cmara municipal da villa
II'-eba deS. lionera, pe linda a eretee de 1 collegio
eleilortl re que *r;aiii parle as parochias da Barra
do (lio das Velbas e Morrinlias que hoje perlencem
aos cellcgios da villa J.iiioana, Monte* Claros c cida-
de de Parscat. A' commissao de eslalislica.
O* Sr. Cruz Macha lo, Malujde e I'aes llarrtlo
( pela ordem ) rectifican! algumas palavras que pin-
lerirain na stis.lu .le 5 do crrenle e que nao furam
liblicadas cum exaclido no Jornal u da casa.
OKDEM DO DIA.
'"'inua a discussao adiada do requerimenlo rio
Sr. > niij |ieiljniio o adiamento da dis.u-so lubre o
parecer datrurnmrs-nu tle poderes que valida ai elei-
dtj quai-o uislriclu da provincia da Parahil a do
^orle.
Fallara contra 1 adiamento os Sr<. Virialo
vor | ; taila Piulo |)a, Vieira ( conlra ).
Sendo poste vala requer.nenio he rejeilado ; e
em seguida approvado parecer la eommlsslo cuja
.lisciis.ao fiera encerr..a ,c, mal dtb,le.
OSr. presdanle declara- ,
(a fa-
HECIFE \ DE JULHO DE 1857.
AS 6 HORAS DATARDE.
HETBOSPECTO SEMANAL
A semana foi etleril em acoutecimeutos, que me-
re_.:n, ser repruduiidos.
\.o ineinos noticias nem do sol, nrm do norte do
imperio. As da Europa foram destituidas de inte-
rsate. Como no taimo da 1855, vaiios principes e
res eslao viajando. At noticias da provincia conli-
nuam a ser satisfactorias.
K'uutra occasiao, e em ontro lugar drtle jornal,
demos urna nolicia acerca do bomby.i: ci/nthla. do
bicho de seda do carraleiro. Hoje vamos aulorisar
oqueenlSo disemos eom um artigo eslrahidn da
Jlluslracao Franceza, de Goeriu Mennvlsse :
A noticia que lioiixe o Hydaspes acerca do euve-
iieuamenlodeMr. Bucanan. aclual presdanle dos
I.-lados Unidos, uan ha exacta. Oa jornaet porlu-
guezes de que exlrahimos a nolicia, nao a sou-
Iteram dar, ou foram mal informados. Com affeilo,
eir um hotel, a nccidat'o de algumas vr.ilha pro-
duzo um entciieniimei.lo em grama escala, mas
uinguem morreu, e nem foi um aclo premeditado,
foi um mero acaso. Mr. Bucanan lambem bavia co-
mido tiesta occasiao no hotel, mas nao soffreu in-
ri.inmolo algiim. Elle gola da mullas svmpalhias
ein luda a L'iuao americana : he popular em loda a
exleusao do vocabulo.
Esle anuo aguarda-'e na Europa orna admiravel
colhela. O atsucar ainda suslenla o magnifico preco,
porque lein sido vendido ltimamente, e embora a'l-
guem supponha que e-le preco diminuir, em con-
scquencia da gramla colhela 'futura, lemes para nos
que scmelhaiiie suposiran nao se lealissra'. O preeu
a que leru subido o assuear lein un.a rauta real,
nao he uaaa eirciimstancia accidental. O magnifico
desenvolvimenlo das viat de communicaSo, terres-
tre e fluviaes, que buje ie opera da urna maneira
admiravel em mullas parles do mundo, lem levadu
a ovihsacao a lodos os eanto., lem melliorado eaog-
nenlado o bem esl ir dai clarnei pobres. IVahi o
grande augmenlo do comumo de todos os gneros,
nao a noi generes de primeira necesaidade, como
nos de mero lino. Esle deienvoltlmtnlo progressi-
re da civihsacao he um faci necesiano, providen-
cial : nao sera' inlerrompido.
L'm fado de aclimac.ao, que. como espero, vira
a ser de una grandUsima importancia, elfeclua-se
actualmenle na Europa. Depois de Ires annos de
ensaios inuleis e mullo costosos, simples particulares
soslenlados por om zelo e per -eveane i cima de to-
lo o elogio, acabam emfim de introduzir o famoso
bicho de seda indiana, chamado a Avindv Ewia *
(bombyx cynlihia.i que da a seda de que se" ateni os
lencos da ludia, 13o celebre pela solidez e leculos
por a-'iui dizer desconhecidos, os quaes setvem para
vestir populares nteirat as Indias Inglesas.
o Aos Srs.ltai ulli, presidenta da Faculdade das sci-
enciasde Turin aBergonzi.iihio agrnomo, residente
em Bolouha, poderonmente auxiliados pelos Srs. \V.
Red, governador de Malta e Piddinglon, s"u corres-
pomiente em Calcula, he qoe se deve a scln^ao des-
te difliril problema, (iracas a eales qoalro hmeos
dedicados o Piemni.le, a Franca e a Eoropa Inlelra
e a Algeria vflnpouir um elemente de riqueza agr-
cola e orna industria nova : um bicho de seda, que
o pobre campnnez poder crear qoasi sem despeza
nem Irabalho, um bicho de seda, que se alimenta ras
(oiras re urna arvore vulgar e fanlima le cultivar :
do ricino commum. tojos gt3os dao j,i um oleo mal-
te ulil para a illuminarao e para o fahrtci do salan.
Desle 18.> que nao leuho deixado de chamar a
alinelo dos a^ncullores para etle olil ioseclo em
muilos escriplos e em algumas hees sobre a serin-
culiura no sollegio de Franca em lKlOe IKil. Um
slno tacrlplor, cuja morte tecenle a agticullora de-
plora, Jhlhen. Bonafoiis, linha publicado sobra o
tnesmn assumplo unn memoria Inlerestanlisma, e
fazia volos lambem pela introducn delta especie de I
bicho de seda em s*u paiz Foi esle ullimo Iraba-
lho sobreludo. que fe/, o Sr. Barulli. ler a dii de a-'
proveilar-se da
remedia ao seu illuslre colltga o|Mr. Milme dvvar
da, profestnr de anionologil no muteu de historia
natural Je l'arit. Esles ovos piorluziram muilo
bem, e o sabio profassor moslrou ot vermes pmve-
nienles delles a academia das iciencias em soa set-
so de iN de agual patsado.
au sei o que se deu com os vermes, qoe foram
enviados para Marselha pelodoque de Cuiche ; mas
te tua rnacfe. marchou como a qua te fez em Perit,
elles devem ler dado seus catulos e Inlvez mesroo
borbelelas e seos ovo. Se o mesioo liver succedido
com os que foram remetidos para oolros paites, he
cerlo que at eeacaies desle Bombyx se perpeloarSo
na Eoropa e que sua iutroducc,ao vai loruar-se um
fado contornado e ditradouro.
I No Piemonte.onde a industria serien he como em
Franca onia gran le e bella fonle de riqueza, a in-
Iroduccao nesle novo bicho de seda provoca a alten-
cao geral. Sua Alteza Real n duque da Genova, os
Srs. ministros e muilos homens eminentes, e econo-
mistas e agricultores tem um vivo ioleress* not es-
forr;os do Sr. Barufli, cornados de um 13o bello soc-
cesso, e foram minias vezes ver a sua educado feiU
na cidade e que he objeclo da snlicilude geral.
"Terminando, seja-me permillido agradecer em
neme da agricultura e da industria aos Srt. Barufli e
Bergonzi assim como as ootras pessaui dedicadas.que
os lem ajudado a dolar (o generosamente a Europa
com esle precioso bicho rle-eda.
He i.lo om fado capital,viito qua eile novo ani-
mal domestico he chamado a prodozir urna materia
leelvel, inleirmenle nova para a noesa nduslria,
tem de nenhum modo oflender a bella teda de Bom-
byx i' i ano reir, de que a Franca esl longe de
pmduzir a quanlidade piecisa para as tuas neetssi-
dadet. >
A caria seguinle nos chegou is mao em om dos
dias desla semana, mas o3o sabemos quera seja o
seo atilor, pois qoe nao Irazia assignatoia.
leudo V. S. por diversas vezes no leu escriplo
hebdomadario denominado relrospeclosemanal
felo reflesOes lendenles ao melhoramento da agri-
cultura desla provincia, nos julgamns que he moi
conveniente lemhrar-lhe que o melhoramenlo agri-
colir que V. S. lano almeja, n3o sera observado
emquanlo a maior porrao do territorio, islo he, a
poreo desuada a' lavoura, perlencer a om peque-
nu iiiimein de individuos. Em nosao pait, senhor
redactor, alo he prudeole que um agricultor pobie
planle em grande escala no terreno alheio ; pois te
O propridario do lerrenn se quigilar com elle, orde-
nara que elle se mude (o qoe lem acontecido) em
vinle qoalro horas,e mandara' por auimaes nat pla-
as do pobre agricultor, a'lim de que ellas seiam des-
truidas. JS'esla provincia houve ura proprielano ler-
rilo-ial, que quando n3o qoeria que um campnnez
comineaste a residir no territorio da seu eiigenhu
de assuear,Ihe mandava dizer esla pluase : n3o me
d irabalho. EU I delioicao detla phrase mude-sa
em breve, e nao queira que o mande aspancar por
meus es'ravos, se vusse ata mudar-se com brevi
dade. Cremot. que, emquanlo nao houver nesle
paiz tima le agraiia (ole nos referimos a lei agraria
romana que factlle aot agricultores pobres a com-
pra de pequeos terreno", musa agricultura nao le-
ra prospendade. Achamos mui conveniente que V.
S. reproduza as tabias ideas que form expendidas
na carteles do Diario de Pernatnlnmo de segun-
ila-l'en a ->\ de marco de 1856, sobre esle assump-
lo. >s nos poderiatnot eslender mais sobre e"le
objeclo, mas (nao queremos ser demasiadamente
prolixo.
Estamos de accordo com as ideas do aulor desla
caria, e eremos que a coosciencia publica (ambem
reconhece ene carcter anormal que assignala a nos-
sa piopriedadj lerritorial; e lanto islo he vsrdsde
qoe o governo lodos os dias vai dando passos para
reformar o eslado prsenle da prnpriedade lerrito-
rial. A repartirn das Ierras, a lei sobre demarca-
cao e divisan das Ierras devolutas e ootras medidas
rlesla ordem, a nada menos leu lem qoe a orna me-
II; ir oicanisHcan da prnpriedade territorial. A colo-
nisa;ao eslraugeira, a nacional, o desenvolvimenlo
da riqueza publica a particular, a punida le dot cri.
mes. o respeilo a lei e s autoridades, o dtseuvolvi-
menlo da classe media, com can essencial para a
v.nlad" do governo representativo em toda a loa
plenilode, finalmente a solaran do nosso problema
social e poltico, tuno isto eslV ligado e depende da
reforma da grande prnpriedade lerritorial. Sabe-
mos qoe e-la obra aogiana n3o se pude realisar
u'om dia, mas temos f qoe o governo, que lanto se
inleressa pelo progresso do paiz, ha de accelerar a
solete deite problema social e poliliro. O paupe-
lismo, essa lepra fatdica de algumas sociedades mo-
dernas, nao nos ha de contaminar nesla immensa
vastidao de lerrilorio em que a Providencia nos co-
lucoo, dandono- ao mesmo lempo urna riqueza pro-
digiosa a explorar; mas para u3o cnmpromeller a
nossa torta, he misler que a adividade publica se
desenvolva com mais rapidez.
Admira, espanta qoe o negocio das carnei verdes,
qua hoje sobe a mais de i:(KJO.-> diarios, esleja as
roaoi di penla, que alm do pouco lucro que li-
ram, reuilo concorrem para o alto preco porqne se
vende esta alimento principal da vida. Como ot ca-
pilaes de que dispoem nilo fio ahundanlet, n,1o po-
dem lazer compras avultadaa, nem eslabelerer sullas
para o gado. Asiim, i3o obngados a compra-lo'em
Pedral de Fogo, e nos oulrot mercados Intermedia-
rios, que desde ahi exislem al aqu, quando ja lem
pastado por meia dozia de maos, s quies nao dai-
xaram menos de 10/ de locro por cabera de gado,
sobre o preco primitivo porqoe he vendido s por-
teiras dos cnriaes. Alm ditso, exsle empregado
ueste Ir..lien tao grande numero de individuo que
se oslelitam raciprocomenle na occasiao da compra
na estrada, e d'ahi tetuda qoe o povo desla cidade
paga a carne verde mais cara do que devia, pelo
menos I5500 ero arroba. E devera' continuar seme-
lhanle estarlo V
Arreiiialando-se o imposto do consumo por ca-
aii 1 remoto occidente a ; am-
Ins, ob-latein a elle vigario com forja pessoal re-
coslados (ob'e os gaveles donde se guardara as
roupas e alfaias do servico da greja. conservando
em si as chaves do dilo gavello, para que por meio
de laes fados e de urna determinarlo vuulade das
vias de fados, nao fosse tra-ladado o Sacrano, omle
da nao atsememoi o notsn eslrelladn eiUOdafla as se conserva o Saulissime Sacramento, para a capel-
margena do Pacifico ; ainda mo o filemos cuiilem- la de Nossa Senhora da Conreicao desla mesma vil-
plar nem as agoas rio mar ras Antillias, nem as rio la, para onde o mencionado vigario linha de condu-
l'.-lreilu da Magalhaes; mas a grande obra etl rrrin- zir cum a decencia necestaria, respeilo e acato de-
cipiada e a l.iberdade saliera leva-la ao termo. Sem- vldos a religiflo do Eslado.
pre atrevida e expansita, ella uo parara" antea! Pelo que comparecendo elle joiz ao predilo lugar
e as nrgulhosas alturas dot Antes: 01 dj sacrislia, Ihe inlimou depoil de ja o haver felu
por um despacho que ella supposto edmiinslradnr
Cndor as Iranspem, o genio altivo a ousado da
Civilitacao ss transportar igoalmenle.
ralleceram duranle a semana 41 pessoas, sendo :
II homent, :| mullieret, e 17 parvulot, livres ; .5 ho-
mens, :j molheres e i prvulos, eacravos.
PAGINA AVULS/I,
Consta-nos que antes de hontem fura raptada
urna menor, por cerlo individuo, aqoem a voz pu-
blica aecusa como aulor. O que mais aggrava o lac-
lo he ser o mdigil.do cisadu. Se coro rilen., liver
rundamenlo teineli.ai.le verta, be mais um florao.
que ene miseravel engasta em sua cora eiciea. A
menina he pcrlet.cenle a familia honeila, e conheci-
... "", l Ca.P"aL. D,l"n- 'ue a">r d semelhanle
alternado fui o instrumento 13o smenle do rapio, e
que oolro he o agente. Pedimos a policia, que n3o
descanse emquanlo nao eonseguir apanhar o fio desse
rc(o vergonhoso. De 0011a parte nao descansa-
remos.
Arnanheceu dentro da ama das barcacas surtas
no porto do Cullegio orna onca domeslicada, qoe se
evadir de um navio etlrangeiro no mesmo porto an-
corado. Os me-lres da barcaca liv.ram a desboma-
uidade de malarem o animal, e dislribuirem a carne
pelos moleqoes. vendendo por alio prer.) o cotiro.
Disseram-nes que o cap13o do navio j ofierecia 200?
r-. aqoem Ihe enlregasse a sua onca. Estamos purera
cerloa, qoe os laet barceceiros s sooberam dalo
qoando ja o3n exislia o pobre aninal !
Contla-n
os qoe em um dos dias da semana pai-
sada vendeu se pelas 6U horas da larde em uro dos
acougues da roa do Raogel catne em eslado lal. que
11- caes regeilavam Nesse acoogoe eosltima-te a
fazer isso mulla
vezes, segundo he VOS publica, e
quando semelhanle carne nao he consumida na tarde,
(lei\am-na para no oulro dia ser repartida em con-
trapesos.
Consla-nos, que modoo-se para orna das ras
do bairro de Sanio Antonio, roa alias de mnila pu-
blicidade, e habitada por familias honesta. um moco,
cuja occupacSo actualmente he conversar em voz al-
ia para urnas merelrizes, suas vizinhas, conversarlo
meneada de ob.cenidades.e impudicicias, sem o m-
nimo reepeilo e eonsideracao s familias, como te to-
nos que all habilasem fusiem do jaez dessas tuas
comp.nheiras de palestras : admira o cyni.mo de
ce. a gente, que enlende de ti para si que islo de res-
peiio.moderacao e honetlidadenao passa de conversa
da I agina culta ; com lano se acharan : o qoe
roemos aflirmar he que, em no-sa meia lingua.lre-
mosdizendoa verdaae nua e crua,, embora dilace-
rem-nos dia e noite !
Meu. teiihoret.om arrabalde, apezar de ser ma-
lo como Vmct. dizem. he habitado, e l.abilado qoasi
empre pur familias pobres, e digamos de orna vez,
menos aco.lumadas a observarem as cousequeurias
da civilisacao das cidades. Em um arrabalde can-
se,oiniemenle deve-se guardar (odas as regras da
Herencia, que s3o as cidades veneradas, quando tao
porianio, o qoe querem dizer estes comboiut de mo-
mere perdidas, infames, qoe Vmca. langem para
os nossos arrabaldes, pralicando ao d-pcis alli quan-
la catia ha de maroleiras, e deihoneiliaades, lavando
o arrojo a zombarem das familias dot caroponezes,
por rao pr-ncarem o mesmo 1 He hoje orna dasdia-
iraccoei da moda alogar-se ama po.cSo de carros,
.ecru ar-se filhai de Jerusalem. proverbie de comida
e batanle bebida, e ir-te para Caxanga e Apipocos
migar innocentemente, e com o maior escndalo e
cvnismo, propnos da homent oseiros as crpulas
dessa ordem. Pedimos encarecidamente ris aulori-
iiodes policiaes dos municipios, onde et(3o etset ar-
reoaluee, que nao consinlam, caso coulinuem at fol-
gancas de \ enus, em taes immoralidades, so proprias
das hordas, que nSo leem a menor idea de dever.
- 1.1"cehen10s a sequile cari, que pur curiosa
nao me podemos negar a publicldade, cerlo parem,
tu a que d" no8sa Parle ,1,l, >>avemes en-
vidado para que at nossas ras teniiam o devido as-
"'" Alguns seuhores fiscaes, aquelles qoe nao te
onendem eom as nossas observacoes e pedidus.promp-
lamenle hao acodido a algumas medidas, que liemos
aponiado ; oulros pnrm, nao t despiezam, como
qne a lardeiam deseu deleixo. Felizmente parece
que vamos melhorando, da parle da cmara munici-
pal lem havido a energa, que ha muilo se reclama-
ba, e logo qoe ella apparecau, a municipalidade me-
Ihoroit a olhos vislos :
lllmt. Srs. redaclores da Pagine luisa. Sa-
llemos qoe Vence. s3o amanlet do progre-so, e por
wo llies parlicipamoi, qoe se vai formar urna com-
panliia ou linha de vs|>ores para a navegaco do lago
que existe na roa do Collegf.. o que legundn nus pa-
rece irara grandes lucros aos da companhia : espera-
mos que de sua parle contribua o mait qoe for poi-
sivel, para consegoirmu o numero sulliciente da ac-
eiomilas qoe se tornara, indispeosaveis para nao bur-
1 Se !5tU 'nipoilaiile empreza. O qoedesejamoi
a bem della he, que a cmara municipal nao se des-
coide de fazer o compleme alerro dos ladoi do la-
go, o que o lomar mais navegavel : mas devemos
notar qoe tsse aterro deve ser feilo de lama I
Al amauhaa.
KEPABTTCAO SA POLICA
Occurreociat do dia 3 de julho.
Foram preeos : pela subdelegada da freguezia de
sanio Antono.Manoel Mariauno Gomei.para averi-
guacues policiaes, Dingo Pereira de Souia e Jote
Januano das Virgent, para correccio.
Pela subdelegada da rregoezia de S. Jote,
Josc tionjalves Pereira, para averiguteet policiaes.
R it's^^-PAS FALTAS DOS ALUMNOS QUE
FBEOLENTARAVl AS AUCAS DO GYMNA-
l*%J*0 MEZ DE JUNHO PRXIMO PAS-
SAUO.
NOMES.
I Al.TAS
iCs
Atl.inso lnn,/,i oa Cunta Mor.a .
Jos Joaquim da Silva.........
Joaqoian Jos de Oliveira. .......
Antonio Mainel de Souza Jnior .
Adolpho l.enienha I.ms.........
Manuel Theophilo de Araujo Lima .
Jos Francisco de Araojo Lima ,
Jn- Baplista do Kascimenlo......
Joaqoim Pereira .' ranles Juuitr .
I Jus Sergu I- erren a.........
Mannel Baplisla do iNascimeiili ,
J0.I0 Joaqoim Bamos e Silva.....,
Camerino Filippe Piel} Collaco .
Leoncio Rodrigues Collado......
Jos Nicolao Florentino de Cirvalho.
Alloiisu Albuquerque Marlini Pereira
Domingos Souza Leio Bego Barroi .
.Manuel Aminas da Silva (.Ollllaie-.
Francisco Domiogues Bibeiro Vianua
Henrique (ornes d'Almeida Coimbra
Andre Henrique Mallieot Kompk .
Fabio ^lzino li.slos da Silva.....
Jos Flix de Oliveira
beca de gado por om pre's tuperior Vro.tanc. ac- Pe^Emmo'p!, ,,l!l,S,er '
lual, ou o ar rema la ote ha da resignar-te a perder, l '""' Rob",
011 ha de enlrar para o
houveste de entregar incontinente at alfaus neetsa-
riat e perlenceules a irmaudade, e bem assim as cha-
vea de eiilo gavelao ao administrador do Sandsimo
Sacramento o profestor Jus Izidoro dos Santos, que
n3o diflicollaste pur forma alguma as alfaias e rou-
pas necessariss para o servico da igreja; como o re-
ferido profestor n3o preslstse o retpeilo e alteneao
devidos a pioeera. e ordem della iuiz de capeda,
Vacilando em oiiedecer-lhe, riirigindo-se aos men-
cionados irm.ios resitlenlet por um modo desalencti-
so, e menos prezaelor da dignidad* judicial em ter-
mos, que por contar com a vonlade dos menrionrlos
11 ma 1-, aos queei capelaniava consonando os ten-
sivamente e fazendo depender o fado posleoor de
urna volnnlariedade la, e dot mais|irm3ns, e nao da
obediencia da lei e da anloririade publica, eshorlou
aos ditos timaos para que se relirassem tolos como
flzeram sendo qoe antes dessa retirada chaiiou u re-
veranpo parodio em vozes altas, a na jiieseni;a delle
j'iiz. declarando pohlicamenle que entregava as chi-
ves, e por consequencia as alfaias, queiiavie (ello
om vol de propoiito goardar nos dtlosgavele- pa-
ra que nao houvease goerra e faetos boiiis, ot qoaes
tra/i.m a elle supposto procurador geral, e os mais
irmos consequenclas perigosas a de maos resudados :
e para logo teguiran lodos sahiudoda igreja. E
por nada mais haver occorrido, deu-tf o aclu por fin-
do do que para constar mandoo u juv. Invrar o pr-
senle, que vai por elle aisignadoeom as leitemonhas
qoe prsenles se aehavam : e eo Anlanio Jote Nunes
do Valle, escrivao inlermo o etcrevii Ctirisluv3n Xa-
vier Lopes, como leslemunha, Joaqoim de S Caval-
cante Machado de Albuquerque, Mannel Bezerra da
Apri'seiiiaean. Jos Juaqoim de Sanl'Anna.
E mais tenao cnnlinha em diloaota o qual vai por
mim copiado do proprio original e vai sera cousa que
duvida faca do que don fe,
Villa He Caruani, ^6 de junltn da 1857.
J'.ln Evangelista Ferreira faz, escrivao do crime
e civil inlerioo o escrevi.
Abandonando ao espirito publico algumas refle-
xbes susciladas pelo conhecimenlo de um faci de
algun alcance, nao pricuraremos dar-lhe grande
vullo, e muilo menos tietejaremoi seria attencao.
O arbilrario he tao commum, que ja nao excita
a curiosldade e nem tetvia aos governanies dessa
marcha indolente e aril, .que desde muilo se tem
cornroodamente admitido ; e a esse egosmo fro te
deve o abuso geral, que commeltem os agentes in-
feriores do poder, a elle te deve a trgiiranc* com
qoe se v as joilicn do Cabo preterir (odas as for-
mlas de urna aire sos a parle olT. minia,ecaminh-r 13o firme uessa ludia
de conduela, cerno se nem so menos liouvesse para
lemer urna nuvem de reipontah lidade.
He faci mui timples, mui commum se a .v.rti.rr.i. dos bou. era um dia, e no oulro effec-
luar-te a arrematacio'.' negando-se viita a parle
Hendida ; njo se pruveudo um aggravo a despello
de ordem superior, e por ultimo deiprezar-se a in
liminee sem dar a menor razSoembargse 13o
flagrante* nallidadet?
I u n i-'o corre 13o naturalmente l nesta heroica
villa do Cabo, como te deslitam as agoas dos ros.
que banham suas vargens amenas e deleilotas. E
como se vive all em tociedade '.' '. At garantas, tni-
co lim de toda a-.ociaran humana, pois que nella se
apoia a moral publica e priveda, e na moral repon-
a toda a vida social ; as garandas, digo, sao all
siih-niunas por etse direilo, que domioava as so-
ciedades primitiva'.
All patieia livremenle o re das selvas, e nem
o... grilhdo altinge ao seu codo magestoso ; mas del-
le pende magnifico collar de valor 13o subido, e cora
lal primor cinzelado, qoe por entre asperolatqoe
prendem lidas chapinhas mollicores, sobresaliera em
relevo os emblemas lodos do (hesooro, dos quaes
por orna deslas maravilhas d'arte, qoe 10 algumas
podem execotar, rdele em ledras da fogo a firma
-MirlodirLeo el pDer Gallos el Comp.
Alli impera u arbitrio, esse arbitrio sem forma,
sem rrgra, sem manto, do qual nenhum direilo,
ainda o imis sagrado, se pode obngar ; e qnando
laes faclot se d3o, quando a aolondade subalterna
assim se degrada, degradando a lei, enlaosa pode
dizer que sa afrouxam e se extingaem todos os tafos
eociaes, qoe se vive tob o imperio da (ore, parque
os direilns do culado pacifico e honesto e-to robo-
rado, tob a vrga frrea de um agente, que gyra fu-
ra da esplieia de lodat as ideas tociaet, e ne-se raso
i te deve appellar para o governo, a qliem lomamos
a llberda e de dizer, que qutndo um poder regular
e saperior permute o arbitrario em etcala inferior,
elle sacrifica o fim de soa existencia, otando de um
meio de conservico, que tende para destruir e
aniquilar loda a tua arr.-.n vital.
As formulas, que silo os meios mais pemaveii para
se conseguir as garandas, at formulas, estas divm-
dades tutelares de loda a socielade foram 13o alTroii-
Ilisamente de-pre/ada-, qne para ellas mo poda mais
recorrer o oflendido ; elle lem perdido para sempre
lodos esiai recursos, porque ellet foram despedaea-
dos 1 face da sociedade.
O remedio man prompto e elieaz para o arbitrio
he a responsabilidad?.
La onde a lai foi violada pelo seo depositario de
um modo 13o repugnante eos principios consagra-
dos pela nossa orgenisacslo deve apparecer amado
expiatorio O culpado deve ser punido. Deve pu-
rilicar-se a arca santa da lei, que foi manchada.
Nossas reflexdes cabrado com indillrenca, nao
ralam por entre eiaai cmsideraroet, que monas ve-
zes viulenlem o espirito e enroupar a verdade.
Desse ponto culminante aonde nao pode chegar ao
observador |a tpneiraj que se levanta do lomulloar
desie mundo, que a sua vista se descortina, e para
o qual allende com indilferenea; desse poni, digo,
alternamos para um fado, que sendo examinado por
nos com a maior indulgencia, r Ihe podemos des-
cubrir o manto de ardenle coito prestado a amitade,
em cajas aris se faz o sacrificio iucrueutu da honra
e do dever oderecido pomposamente na taca d
lei.
A' luz.
(i pipas e 10 narria vinagre. ."1 barril azeile, 10 di-
tos chourcas, ."1 duos paios, 20 ditos lounnlio. 1 di-
lo vinha. i dios erva doce; a Feliciano Jus Gomes.
1 barril presuntos ; a francisco .lelo ee Barros.
Ha saceossemeaa ; a Jnaquim lose Amorun.
19 barrir cboorica, 100 saceos (arelo, :. barrs
azei(e doce, 5 dilot paios, u barra chooric>s, 10
caxas cera em velas. :i banicas cera em grutne ; a
S.lverlo Manuel dos liis.
:t barril vinagre, 1 dilo vinbo, 2 diloi louciuho,
> ililus clioiiricas e linguijai, 2 diloi azeile, -2 ciixai
mattaiientldat, 1 Hita mercurio ; a j.,:,,i ju, a
Carvaho M. raes.
lObarris azeile ; a Julo Maeedo do Amaral.
5 Jipas, 3 barril vinagre, 50 dilot chourieai ;
a Ailonio l.uiz de Oliveira Azevedo.
1 calile imagen! ; a Manoei (onealTfs da Silva.
2o barril looclnho, l.'i ditos zeita dore, 1 pipa e 5
turril vinho, I pipa, 4 meias ditas e 10 barril vina-
ir ; a Domingo* Rodrigues de Andrade.
20 plpat a t(H) barrs cisco* vaziot, i barril vinho
a Miguel Archanjo de Figueiredo.
2 barril vinhu musealel, 10 diloi (oocinho ; a
Marcelino (opcnlves da Fonle.
_ 1 calas cera em velas ; a Jos Alves de Souza
(juimarSes.
1 caixule imagem. 1 dilo mangas de vidio ; a
Francitco Amonio Pereira de Brila.
60 caixas batatas 2ditas chocolate ; ao piloto.
10 barril azeila doce, 21) ditos rliouiir s e paiot,
21 dilos inuc.iibo, 10 muas pipas vinagre, 1 baho
doce e choculale ; a Jote Fernaodes Ferreira.
2 barril aiaite doce, 2dilot vinhu, 2 dilos vinagre;
a Bailar A Oliveira.
2 lilas amendoai cobertas, 1 balle papel azul, I
dilo dilo de embrolho ; a Silva <\ Friilas.
2n caixas cera em veles ; a Vicente Alves de Sou-
za Carvalho.
4 louea vazios ; e Naicimento i\ Lemoe.
10 barris azeile bice, 10 dilos vinagre, 10 ditos
vinho ; a Jote da Silva Loyo.
1 caunle, livrot estampas e Imageus ; a Jote Ma-
na Peslant.
3 barra vinho, 1 dito vinagre, 1 dilo azeile, 1 di-
lo cliouricaa e paios. 1 dilo tooeiuho, 2 aoeorelea a-
zellonai, 1 callle massada tomates ; a Jos Pereira
Viaona.
Barra ingiera nProtperon, vinda de Terra Nova,
consignada a Johnttoo Paler & C, niaiueiloo o se-
guinle :
2JI0 barricas bacalhao ; aos meamos.
OO dilas dilo ; a Schramm Whalely & C.
Barca hamburgueza Johanita Kallimaiinn, vinda
de Trieste, consignada a Henrv Biuou & C, mant-
feslou o leguiota :
242* barricas faiioha de trigo, 46 caixas papel ; a
>.0. Bieber&C.
Barca inglesa Riehmoiid, vinda de Liverpool,
consignada tCJ. Asiley & C, roaufeitou o ie-
guinle :
120 barricis cervej, 13 caixas e 11 fardos lateadas
de nlgodu, 1 dilo maolas para tellim ; aos cousig-
natarios.
'.'I fardos fazenja de algodao ; a J. Crablree & C.
110 lito* e 118 caixas fazende de algodao, 2 di las
chalai de dilo, 20 dilas linhas, 1 dita miudtzas, 3 di-
las chapeos de aol da algodao, 5 fardoi fazeuda de
linho, 5 barrica* dobra lira-, 4 dilat anchadas, 50
Higos garrafal de vidro, 4 toneladas carvao em lij-
los ; a Henry Gibson.
16 fardoi e 20 caixas fazeuda de algodao, 5 diUi
dila de linho ; a Adaroson Howie Aj C.
53 caixas a 6 fardos fazenda de algodao ; a Iiaac,
Curio i C.
103 I.melada* carvn ; a Roslron Bunker & C.
48 laixai de ferro, 9 caixa* fazenda de algodao, I
dila dita de la, loalhase goardanapos de linho, etc.,
3 dilas lencos ; a Braga & C.
200 fogareiros, 1 barrica grades, 9 dilas ferragens ;
a Bien lar a Bramlis.
ii cjiv.il fazeuda de linho ; a Soulhall Mellors
& C.
20 calas cha, 2 fardos fazenda de algodao; a N.
O. Bieber \C.
38 fardos e 3 eaixss fazenda de lalgodao, 4 ditai
dila de 13a, 1 dila dila de linho. 4 dilas lenco- de
dilo, 3 dilas miodezae ; a Ribe Srhmmetlan ti C.
15 caitas fazenda de algodao, 2 dtlai dita de 13a,
3 dilas dita de lia e algodao, 8 barriese en-ha.las. 7
dila* ferragem, 8 dilas e13 gigos louri; a II. Brunn
ir C.
12 caixai fazenda* de algodao, 1 d>le dila de laa ;
a J. Ryder.
3 csixai fazenda de algodao, 1 dila bandas de s-
tira para chapeos, guardanapoi e d albas de linho,
fa/endas de algodao e de linho ; a J. Kellet & C.
."> caixas e 10 fardos fazenda de algodao, 4 caixai
foihas da cobre, 8 dilas fundos de ulloi, 4 feixei
vergas de dilo: a Barroca & Castro.
50 barril manl-ig ; a J. B. da Fooseca Jnior.
43 caixas e 15 fardos fazenda de algodao, 1 caixa
dila de ditoe laa ; a Fox Brolhers.
116 barris pregos, 15 dilos correntes, 1 dilo soda,
99 chapas para foges.22 sarcos lampos para os mea-
mos, 12 ancoras de ferro, 200 fexes de ferro ; a J.
Halliday & C.
36 lusas de ferro ; a S. P.Johnslon &C
13 volumes fazenda de 13a; a Paln Nash c\ C.
12 barricas oleo de bolinea, 1 olla brax, 2 ditai
lilhargirio ; a J. Sounn A C.
12 tancas. \2 parles, 36 rodas, 12 lravesso,6 vo-
lumes almofadas. 2 saceos ferros, 2 volume* laboat,
I dilo ciiie. tlicks. I roda gr.inne.2 chapai de (erro
balido, 2 caixas tnachiiiiimo, 2 caldeiras, 4 assenlos
de ferro para ditas, 74 gra le de ferro,138 anchos,
8 volomei ferros ; a Geo Fumas.
230 pecas Indios de ferro; para a eilnda de ferro.
2 taecaa amosl'-a ; a diverso*.
CONSULADO GERAL.
Bendimenlo do dia 1 a 3. 9:76"9509
dem do dia *....... 2;4I0\>>81
da primeira ; e de ..; a etjaM da
segonda. Pela nova tarifa da al-
fatula ga, etla genero vnda de par-
ios etlrangeimt pateou a pagar 400
rs. de direilo em arroba. .
Parinhl de Irigo-Chegaram duranle a semana Ir*
raireg.memos : um de Balinni.ie
qne -(guio par* a Baha, .Tj 1 r. de
I lume com 2450 battira*. que foi
ven lilla a cerca 0> 209CO0 a bar-
rica, ee lereeire de 2OO0.bi.rrir*.
de Trieste, esl indeciso se Tirara.
Belalhuo se de 168 a 179OOO e de
Ballimore. 199a 20*000 a de Ne.
Orleem,229000 a de Philadelplua,
de 229 a 259000 de Ri'hmond. e
de 26a a 279000 a de Tn-le. lia
em iar :160I) barnrai da pri-
meira, 3500 de legunda, -_tai da
lerceira, 5200 da quera, e 6400
da ultima, letal 21,300 barnra>.
Tambem baiioa a 400 rs. por ar-
roba os direii.t de entrada desle
geuero.qoe aniei psgava 500 rs.
Descont-------------Anda runtmoa a etcaiiez do >lt
tt'ieiro, e 01 rebalea regalaram de
10 a II por etnlo n aune.
Frele----------------Eo apalhla, e sem embarcaroe*.
1 nraram no porto : 1 vapor. 1 navio com azeile de
baleia, 1 com carne de charque, e 1 com farinha de
digo.
Enlraram : 2 com farinha de trigo, | com baca-
lhao, t com earne terca, 3 de eeholageni, 6 catee ga*
eros e fazeodas procedentes da Europa, a I cora *a-
lilhtme.
Sahiram : 7 com carregamenlns de generes do
paiz para purtot etlraugairot, I de cabelagem, e I
em ladro.
Fiearam no porlo 55 erohareace*. a taber : 2 a-
mericanas, I brasileirat, 1 dinamarqoeat, 6 hes-
panholat, I bollaudeza, 1 hamburgoeza, 12 ingleta*.
6 portnguetai, 2 sardta e I sueca.
PAUTA
dot preeos correntes do assuear, algodao, wmU
/eneros e proiucees nmcionaei que u ie-pa-
cham na mesa do consulado de Ptrnmmkum
na semana de 30 de junho a 4 de julho de 1857-
Assuear branco.
o mascavado.........
u refinado ........
Algodao em pluma de !. sarta
ti a 2.a a
a w 1 a 3." a
11 em rameo.........
Aguas .menlesalcool, oa eipirilo
d'aguardeutr. .
de cachara .......
) de canua.......
dislilada a do reino. .
1
caada
Genebra
o ....
Licor .....
i>......
Arroz pilado.
11 em casca.........
Azeile de mamona ......
a mendobim e de coco.
a de peixe ..... .
Aves araras .......
papagaios.......
Periquito.............
..I.
caada
botija
cenada
garrafa
arroba
ama
um
mercado, e drii'arle aogtnen
lar o consumo, alim da poder obler o valor do im-
poslo.
Entretanto contla-no* que a sociedade que ficnu
com o imposto trata de organisar una cumpanhia
com snllicienlcs capilaes para fazer compras em
grande esrnia, armonisando os in(ere*es doi criado-
es com o* seos propriot, e desenvolverlo o comu-
mo coma baixa do preco. Eilimaremos uioilo qoe
le realiie esle projeclo que naturalmente deve Ira-
zer a melhoria e a barate/. 1 da carne verde.
No primeiro do correle inaugurou-sc 110 arsenal
de marrulla orna e-cola de apreudizes inachinilas,
sendo profesada pelo engenheirn inachiiiisla belga,
Mr. Carlos Maria Colsoul, que para etle lira foi
mandado engajar na Blgica. Presentemente a es-
cola conla qoalro menioos da companhia dos apreu-
dizes menores, fondada 00 arsenal, e ura operatio
do metmo estabelecimenlo. (). qualrn meninos ja
frequetilaram a aola de geomelri* pralica. He um
pruspeclo lisongeiro, qoe oflrecera' mais nina sabi-
da teeura a grande numero de pessoas.
Foi inaogurada lambem 110 primeiro do meza no-
va larifa da alfandega. Algurm receia urna baixa
na renda do fisco. A experiencia coraecou a qualio
dias, e por isso anda nao podemos dar um juizo se-
guro acerca da quesiao. Eulrelaiilo parece nos que
as aprehensoes de tuslo a esle respeilo lie infun-
dadas.
Acaba de chegar da Europa, Do ullimo vapor in-
elez, oSr. F. M. Dupral, que linha ido tratar de ne-
gocie) teladvos ao eaiabelecimenln da fabrica de fiar
e lecer algudan. He provavel que a empreza agoia
va adame, e qoe ol perseverantes esforcui do Sr.
Dupral sejam enroados por um evito feliz.
A polica mo se lein eaquecido da que-IAn da pl-
vora. Tem varej ido depsitos, I .bernas e lujas, mas
, lem encontrarlo nouca cae. Fsla re.olvida a ae.
adu,ri durjn^niIeTdo'r Stt P '^' >'"" *"" ^ """ ^ 5 ^*
huropa, Asia o frica, aiiin d
Cymnasio Pernamhucano, 2 de julhu de 1857.__O
secrelario, Amonio a'Asmmprao Cabral.
0ttt&p0nbtntUt$>
CAMBIOS.
Sobre Londres, 28 d. a 60 d.
c Paris, 346 rs. por fr.
c Lisboa. 92 por % de premio,
e Rio de Janeiro, 2 por Om de descont.
A"efio do banco 50 por ceuto de dividaudo por con-
la do vendedor.
a i companhia de Beberibe 6O9OOO por ace.o
n 1 companhia Pernambacana ao par.
c c Ulilidade Publica, 30 pur cenlo de premio,
a a Indemnisadcra. 61 ile-..
c da estrada de ferro 20 por 0|0 de premio
Disconlo de ledras, de 10 a 10 por cenlo.
Arenes do Banco, 40 a 45 de premio.
Ouro.Oncas hespanholas. 28> a 289500
Mnedas de 68*00 velhas .... 169000
e 69400 nova- .... I69OOO',
a 49OOO.......99000'
Pra(a.Palacetes brasileiros......29000
Pesos eolumnariss......29000
a mexicenoa...... I986O
ALFANDECA.
Renriiinenlii ilo da 1 a 3. .
Idam do dia 4......
H
milheiro
arroba
cenlo
>
cento
. u
um
urna
(81

19:20.(9626
8:07(i968:t
37:2829309
12:1789090
DIVERSAS PBOVIHCIAS.
Rendimenlo do da 1 a 3. 1:5619977
dem do dia 4....... 29/668
1:5919645
DESPACHOS DE EXPORTACAO PELA MESA
DO CONSULADO DESTA CIDADE NO DIA
4 DE JI'LHO DE 1857.
CanalBarca ingleza uHindooa, Anlooio Mouiz
Machado, 1,130 taceos estucar matcavado.
Beuguella pur LoaodaBrigue porluguez Joven
Amelia, Manoei Alves (uerra, 10 pipas agur-
denle.
PortoBarca porluguea uN. S. da Boa Viagemu,
T. de Aquino Fooseca A Pilho, .500 coaros tai-
gados.
Lisbos Barca porlogoeza al'aqoele Saudadeu,
Novar. A; C 11 cascos me!.
I.islinapolaca Zeloiau, Isaac, Cario & C, 23 cat-
e* me(.
EXPOUTACAO*.
Rio Grande do Sol, brigue nacional Aletuelen,
de 134 toneladas, condozio o seguinle : 830 bar-
ricas assuear.
Barcelona, polaca hespanhola Paula, de 312 to-
neladas, condutio o tegoinle : 635 laceas com
3,415 arrobas e 14 libra* de algodao.
Liverpool, galera ingleza Bonita, de 582 tone-
ladas, condozio o seguinle : 2,850 sacco* assorar,
1,211 saccas algodao, 1,001) cocos eom caica, 1 cai-
xa doce.
RECEB1-.DORIA tE RENDAS INTERNAS CE-
RAES DETERNAMBL'CO.
Rendimenlo do dia 1 a 3. 3:3499132
dem do da *....... 1:2029301
4:5519536
CONSULADO PROVINCIAL.
Bendimenlo do dia 1 a 3. 13:840J734
dem do dia 4....... 1:330/157
Bolachas
BiscuiUis...........,
Cacau........... .
Cachimbos...........
Caf bum...........
em gr com casca.........
moido...........
Carue scca..........
Cera de carnauba em pao. .
em velas.........
Charutos bone .........
ordinarios.....,
regada e primor ,
Cocos seceos. .........
Couros de boi salgados.....
seceos oa espitados. .
verdee.'.........
de onca ........
cabr corlidoe .
* caroeire.a......
Doce de calda.........
u goiaba........
secco ..........
jalea.........".'.
Espanadores grandes.....
pequeos.....
Esleirs de preperi......
Esldpa nacioual........
eslrmigeira, inao d'obra
Farinha de ararula......
milbo.......
mandioca......
l't'ij.io.............
Fumo em 10I0 bom '. .
ordinario.......
em folha >om......
a n oriiinario ....
restolho.....
(jengibre...........
Gomina...........
Ipecacuauha .........
Lenha de echas grandes ...
pequeas ,
lroe....... 1,
Praoclifies de amarello de 2 costados om
Ionio......... ,
Costado de amarello de 35 a 40 p. de
> e 2 <, i ,| de 1..... ,
de dilo usuaes....... *
Cosiadinho de dilo ........ a
Soalho de dilo.........'. ". ,
Forro de dilo.......... ,
Costado de lonro.......,
Cosladioho de dilo ....!!!! *
Soalho de dito..........
Forrn de dilo........... ,
cedro .......
Toros de latajuba .
Varas de pereira .
agoilhadas
quiris.......... B
Em obras rodas de sicupira para c. par
B eilOS 11 B .
Mel..........
Milito........
Pedra de amolar .
filtrar .
rebolos .
Piassava em molbos.
Ponas de bol ... .
Sabao........
Salsa parrilba ....
Sebo ero rama ....
Sola ou vaqueta .
Tapioca......
Cutas de boi ....
Viuagre .......
46ijo
:i-hhi
597611
79901
79500
79100
11*75
JJH90
96.18
MM
9800
9800
240
grtaN
92*0
.Mi
alqueire 29OUO
caada 19500
1*440
19600
109001)
39000
letion
Sil 20
99(100
59J0H
lauto
59500
49000
495O0
Mn
.59500
1090011
129000
197UI
980,,
2J0O
9340
9150
159000
9380
M80
9*00
9320
fBOO
96*0
29OOO
190II
C-im
1960O
19000
395WI
:9HOO
Alqueire HO
alqueire 109000
a
alq.
1
ceolo
a
. quintal
. duzia
DepoUde pelo guara dislr^ipeleilonl da provin-
'11 da Parahiba do Norte o Sr. |)r. Feliulo leon*
noel do Almena, lupplcnte u M. ir.Auloui. Manuel
ila Aragflo e M-llo.
I-mi., si l lambem apprevada a odima conclusao
de parerer i]oe cnleudc devet ser ebamado 0 Sr.
Vraeao a tomar tsente a v,-ia da parlicipacao que
let o.ir. Dr. leliulo, de nao poder cumpaiecer na
i'iirritii'.ii .'*- \ n -.eili ... 1
agen* na I da cidade. e pela nossa parle lambem oslamos resol-
paiz cu.,, o-,a fume de riqueza'! ''<%ZZ? ^^moletT "" "' ""^
,live.,o, poni, de. India ing ezls (i 5 u'r "' "l' U' Nu"e7A'" ,!*} 'esidenles leb.a-
ibrac 'u imbeiti a d, i ., ." B"-""" l ri,, ''e campo do Sr. Swifl o ia -ia Emau-
c pe a- lm le" rahs,T"" T""" '""> IPWM, e ule ambo* foram bem succe- vivo e Ue puro, en,,,,, o sagrad,, objeclo que exige o
cullo publico e om grande i.ovo.
animal doine.lieo n.tj Parlindo do mesmo ponto, mas sp.-uinrln eaminbn
..r -a,. r,w. i^'S:^ i sg52&&?Est F=- tsm &skJsz He
sao s ,r, as ZZll d. !2SL ,""'"". C'"amH- I ^er'"los de mpr. o. o os e ,"c ,u v."- P '*' """"'"'"""P"" "' "B"' nel. dade Luiz An.onio do V.l.e-J 3o Izidoro onc.l-
indo dislnclo da orovio-l.io. .... ..,1. .-----------,." .1,....-------, u 1 ves da CruzAntonio da Silva FlorencioAntonio
dnlos.
e A iulrnduc/io desle novo
Sr.. redactare:Tendo levado ao conliccimento
do Exm. Sr. hispo diocesano o desreepeilo e prufa-
atO cninmellida por Jo3o Izidoro Cnnealve- da
Cruz, e pessoas de seo sequilo, inlilulando-se pro-
curador geral da irmaudade de Nossa Senhora das
Dore, tem que para itlo se obiervatse a diipoiicio
do compromiso a a necet.aria eleicio. ruga- Ihei,
para scieucia do retpeilavel publico, sa dignem pu-
blicar a cerlidao inlra ; com que muilo r hngaiao ao
De Vmcs. cooslaule leilor e aisignanle.
O vigario, Antonio Freir de Carvalho.
Cidade de Caruiru' 27 de junho de 1857.
lllra. Sr. Dr.O papre Anlooio Fralre de Curva-
dlo, parodio desla fieguezia, precia a bem seo que
V. S. Ihe mande dar por eerlid3o, pelo retpecltvo
escrivao, o aulo de resistencia e desobediencia la-
vrado na malrii detla villa uo dia 21 do crranle,
M occasiao em que se pretenden ob.lar a Irailada-
530 do Sacrnrin da dila matriz para a iijreja de Nos-
sa Senhora da Cnnceieao detla mesma villa, em ra-
z3o da* [rufa laeues commelddas.Porlatitn pede a
V. S.Illm. Sr. Dr. juiz municpal a de capella*, -e
digne deferir o requerido, pelo que Recebera Met-
ii>.O vigor, Antouio Freir re Carvalho.
Certifique.Villa de Caruaru', 23 de junho de
1&57.Xavier Lopes.
O alferesJoau Evangelisla Ferreira Paz, escrivao
docrime e eivel inlenuo do le mu de Cmara', pro-
viuca de l'eruainboco, em virlude da leiCerlifico
que revendo o meu em lorio, delle consta o aulo de
que Taz meneilo a pelicao supra, o qual he du Ihcer
e maneira seguinle :
Aulo de resistencia e desobediencia.
v Aot*,'* C ""' '''''"' ''" ""' ric !""'" a" "<"> do
>a'c*nete>de Nt*Jt Senhor Jess Chritlo de 1857
as 1 Mieras da larde 11a matriz de-la villa, ahi rvi
viudo aj^uiz nmiiiciptS o Dr. Ctinilovao Xavier Lu-
pes, coinig e-crv.lo Jlierino do seu cargo, a convi-
le e chamado do reverendo parodio collado detla
Irccuezia Antonio Freir oe Carvalho, e ah foi de-
clarado puhlicmenle, e na presenca de innmera-
veii pessoas, qua se aehavam no logar da mesma ma-
triz rontideadn como sacrislia, que o ex professor
Joao Izidr.ro Condal ves da Croz, arrogando a ti aa
ruocedei de procurddor geral da irmandade de Nos-
sa Senhora dai Dore*, nbatara a que elle no exer-
cicind tuas le ni de Serglpe.
ios ou morios, procuraran! abreviar a durjcao da
viagiin, dividindo-a em duas. Teudo achado no Sr.
os wchot de seda. | de jt!as_Franciico Joto Florencio de Vaseonc.l-
Descarrezam hoje (i de julho.
Brigee ioglezAmaioomercadorias.
Birca iuglezaProsperobacalhao.
Barca inglezaRichimondrrercadorias.
Barca tardaPalolooca de barro.
Brigoe hamburguezJoaona Kalkmaofarinha de
trigo.
Barca portogueza(iratidaobattas, cebolat e pi-
pas vastas.
BriRue porluguezCousanleblalas, ceblas, cal
e farelo.
Sumaca brasileiraHsrtenciamercadoriaa.
IMPORTACAO.
Brigtie poilugaez Conitanle vindo de Litbo,
consu na lo a Thomaz de Aqaioo Fonieca ajg Filhos
maniletlou o seguinle :
9 pipas. S meias dilat e 20 barril vinho, 20 meias
pipas vinagre, 64 barril azeile doce, 100 ditos cal,
13 barricas cera em grumo. 186 e meia varal lagedo,
I caixote fio de seda e tecido de dita ; aos coosigoa-
larios.
36 pipas, 16 meias dilas e 30 barril vinho, 20 di-
ta* azeile doce, 50 diloi loacmho, 40 caixas ceblas,
30 dilas cera em Tilas ; a Francisco S. Rabelo &
Pililos.
23 barris louciuho, 15 ditos ehouriras, -JO dilos
vioho ; a Luiz Jos da Cosa Amorim.
_ 14 caixa* cera em velai ; a Pergeulino de Aqaino
I-enseca.
6 pipai, 2 meiu dilase 14 barris vinho, 25 harrl-
cat farinha de'trigo. II taccoi eominlioi ; a Manotl
Joaquim Ramoi e Silva.
40 pipas vazias ; a Natcmenlo & Lemos.
3 caixoles agua ingleza, I dilo drogas divenas, 1
dilo vi.nos vazioi : a Barlholomeu Francisco d
Sooza.
30 barris vinho, 900 ceslot btalas ; a Amorim &
Irman.
2 canas vinho ; a Joao da Silva Ramos.
2 eaixiile* mercurio doce, 1 dilo lecbadural, I far-
do cutiros, 6 dilus pendras de seda e cabellu, 2 dilos
dila- de rame ; a Ftidel Piolo A; Ct
60 caxas cera em velas ; a Barroca & Catiro.
50 barris azeile dore ; a Joao da Silva Regadas.
1 caixnla tpalos de Iraiiciuha ; a Joaquim Ro-
drigues Duarle.
30 lurrit choureat, 25 ditoi toucinbo ; a Manoei
Jo3o de Amorim.
100 barris cal de pedra, 12 barrica! sardinbas, 50
caixas batatas, II dilas ceblas ; ao capi!3o.
7 harrica carvao auimal ; a Manol Antonio Pire*.
1.1 encapados camas de ferro ; a Jurge Pereira
remandes.
1 caisole livros ; a Miguel Jos Aires.
100 barr* chouricas, 50 ditos loocinlio, 300 saceos
semeas; 1 Tttso t\ Irmao.
18:1707881
PRACA DO RECIFE, 4 DE JULHO DE
1857, AS 3 HORAS DA TARDE.
HecUta semanal.
Cambios Bem qne a semana fosse Iraca em
operai;6es commereiaet.laolo pelas
chovas, como pela pouca qusnli-
dade de atsucar eulradu, com ludo
trocaram-ie algumai Isuroma* a
27 7|8 d. por 19.
Algodao Xerminou no ullimo do panado o
anno financeiro de 1856 a 18.V7,
motilando a 30.900 uceas, deste
genero, que aceica de 20 annos
raonlava a mais de 80,000 saccet !
As venda* da semana eflectoaram-
se de 75800 a 79850 por arroba
do superior, e de 7600 a 7?700
do maj* inferior. O mercado re-,
senlio-se de alguma fraqueza ; e
a entra la doi qualro dial detle
mez monlou a 552 taecai.
Atsucar--------------Ao contrario do algodao, este pro-
duelo ctesce lodo* 01 annos, e no
que lem ma. alm da superiori-
dade ein quanlidade, os preco*
loram sem parelha, de torle qoe
cada vez mait animados eiiao os
agricultores que uelle se tem em-
pregado, e de novo oulroi appa-
recem e oceupar-se neile ramn.
Bem que a tafra eileja exiinela, e
ai chova* fonem continuadas; en-
tmram durante a semana 3101
sacco*, e as venda* regularam de
4*500 a 59400 por arroba do
biauco ; e de 39700 .1 39800 por
arroba do matcavado Canal ;
39830 a 39900 o America ; e de
492OO a 4*30(1 por arroba do Lis-
boa, c< inervan lo-se o mercado
.miius'lo, nao tu pelas uoticias ie-
cebidas da Europa cuuliuuarem a
ser favoraveu, como pelo pouco
que ha 1.0 mercado.
Couros------------Vemleram-ie a 34011. por libra
doi leccos talgailoi.
Bacalhao----------Tivemos ura ratregameotn de
3,000 barricas da San Ju3o, o
qual vindeu-se acerca de 19o, e
rom elle o deposilo regula por
.ooo barricas. Relalhuu-ie de
19? a 20c pe quintal.
Carue secca- O mercado eii supprido com
1,600 arrobas <|o Rio Grande e
25,000 de Bueno* Avres. Rela-
lhou-te de 59 a 5.-600 por arroba
caada
alqueire
urna
a
a
. om
ceuto

fe
*
meia

cenlo
pipa
IQlOOO
75000
H9001J
103000
7.TO0O
29OOO
29500
329000
29000
19000
Itjtttl
219000
189000.
303000
119000
39000
790UI
49000
89OOO
69O.1
59UW
29JO
39OOO
19280
I96O0
19920
19280
2690011
I89OOO
9200
392OO
9640
69OUO
9000
9200
49200
9120
199000
63OU)
39800
3*200
300
309000
9&0t>im$nt0 *o potte.
Navio entuno n'n dia 4.
lalcoana2 mezas, gelera americana Jeraea, de
280 lorela la-, capihlo Jennej-, eqaipagem 26,
carga 1,100 barris com azeile de peixe. Velo re-
frescar a srgne pare N.w-Bedford. Ferenos a
New-Bedrord.
?iavioi nhldns no mesmo die.
Barcelona Polaca hespanhola Paula, rapilao
l.aiirenro Roig, cargt algodao.
Rio Grande do Sol Brigue brasileiro Algrete.-,
cepitao Manoei Pereira Jardlm, carga a*tacar.
Passageiro., Francisco de Asss tionealves Pean*,
o menor l.az Leilao de Almeida Rios, Manoei
Joaqoim C> mello.
demPatacho bratileiro oSorprezaa, MIM An-
tonio Jote Pereira Parob, carga astocsr e agur-
denle.
LiverpoolGalera Ingleza Bonitas, cepilo TI10-
inat Soolh. carga asturar e algo 130.
LisboaBrigue porluguez Paseador, capilao Fer-
nando Maria da Cunha. carga astocar e mel. Pt-
lageiro, Joaquim Jot Mereira.
MAPPA rfemoniiraiioo fa/ua qui tete o ham-n dr
barra de/te porto na semana ullimament'
______ fin a.
m
as
M
1
n
s
4
Nominarao
dosdiai.
Domingo
2.* felra.
3.a fura.
4.* feira. ,
5.* feira.
6.-' reir. .
Sabhado .
Preemtr.
15 pe* ingleses
lili--' a
Ml(2 .
15
15 ,
15l|2
16
Baila-mar"-
10 pe* in flezei
II a
11 a
II n
I0I|2
101,2 11
10
()b INosdiflerenle* ancoradouros do putlo oacillou o
baua-mar de 14 e 20 a 15 e 21 ps ingiere., e o
preamar de 22 e .'9 a 23 |,-j e ;t0 |,. Em de ,,.
Iho de.18.17.Jos Fansbiio Porlo.
i>.rtn&.
Manoei Joaquim da Silva Ribeiro, fiscal da
frefjiiezu de Sanio Antonio do lermo da
cidade do Recife etc. ele. *
Faco publico aoss-nhores que csl.'io rdj-
BcandonesU freguezia, em observancia das
terminantes disposn;Oes do art 5 do lil 7
das posturas inunicipees, que vigorara cm
lodo esle municipio, como da recummenda-
Ciio que acaba de lazer-me a Mima, cmara
iiiuntcipa'. o quo dispdo o citado arligo a-
batxo transcripto, espean lo desses se-nho-
res a liel observancia dess dtaposicSo da lei,
sob pena decretada M mesmo art.
TI TU LO VIL
Artigo 5.
Todo aquelle que liver na ra materiaes
depositados para qualqoer obra, seraobri-
gado : i.a deixar ao transilo publico o es-
pago sulTiciente para passarem as sege, 0
1
-

.





ILEGIVEL

-

.




DIARIO DE PERNAMBUCO SEGl'NDA FEIRA i DE JUI.IO DE 1857
I
carroga ; 2.- a ter luz que alluir ie sullicieo-
ftunenle o lugar as nones do escuro ; 3.- a
recoliier dentro da obra os malerises.lijlos,
cal, arert barro, e o mais que no seu recinto
possa ter cabimento, sob pena de pagar a
multa de 29 rs. pela nfraccao de qualquer
coqdigo do presenta artigo.
E para que consta, lavrei o presente que
ser publicado pelo Diario.
Jisca lisagflo da freguezia de S. Antonio 2
de julho de 1857O Gscal, Manoel Joaquim
da Silva Ribeiro.
Dr. Anselmo Francisco Peretti, comroen-
dador da imperial ordem da Rosa ejuiz
de direito especial do commercio, porS.
M. I. que Dos guarde etc.
Fago saber aos que o presente edltal vi-
rem, em como no dia 9 do c< rrente, a porta
da sala das audiencias so lia da arrematar
por ven la a quem maisder, em praga publi-
ca do juizo, urna escrava de nome Vicencia,
parda, qne representa ter 45 anuos do idade,
do servico de casa, a qual iem as pernas e
ps licitados, e principio de arestim, avalla-
da em t30y rs e peuborada ao executado
Joaquim Ignacio de Carvalbo Mondonga por
execuijao de Casemiro Carnier E para que chegue noticia aos licitantes,
inandei passar edilaes que serio anisados
nos lugares do costume, e publicados pela
imprensa.
Dadaepassada nesta cidade doRecife de
l'ernamhuco aos 25 de junho de 1857.
Eu Francisco Ignacio de Torres Bahdeira,
cscrivSo o llz esciever.
Anselmo Francisco Peretti.
De ordera do llim. Sr. in,pocior da
thesouraria de fazenda desu provincia se
faz publico, que nao tendo tirto lugar no t.
do crreme mez, a arrematado da casa de
sobrado da ra do Jardn,.n 11, e do arma-
zem do Forte do Matto, perlencentes a fa-
zenda nacional, por falla de licitantes, fica
a mesnia arremalaclo transferida para 15 do
inesmo mez; assim tambero que vao a pra-
ea nesse da os a re admenlos de um arma-
zem de lijlo ocal, com quatro bracas e 2
palmos de frenle e 14 e meia bracas de fun-
do, sito no bairro doRecife, ede um sitio
com casa edificada no lugar dos Coellios do
bairro da Boa-Visla.
Secretaria da thesouraria de fazenda de
Pernambuco 2 de juloo de 1857.No impe-
dimento do ollical-maior, Luiz Francisco S.
J'oio e Silva.

A arremalaclo ser feila na forma ra le
provincial n. 343 de 15 de najo de 1854, e
sob as condicOes especiaes ibaixo copia-
das.
As pessoas que se propozerotq a esta ar-
matacSo comparecam na sala das sessOes
da mesma juma, no dia cima declarado, leiliio por intervengan do agente Pestaa,
pelo meto dia, competentemente, habilita-!de um completo sortimento do ferragens,
LCflO.
James llalli lay &C, cm liquidago, far5o
das.
E para constar se mandou allixir o pre-
sente e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria provincial de
Pernambuco 26 de junho de 1857. G secre-
tario. Antonio Ferreira da AnuuiiciagflT.
Clausulas especiaes para a arrematado.
i." as obras do 15.- 1-ngo da estrata do
sol, far-se-hSo de conformidade com o o-ga-
mento e perfls, approvados pela direcUrja
em conselho, e aprasentados a approvr50
doExm. Sr. presidente da provincia, na im-
portancia de 15:i>205 rs.
2 a u arrematante dar principio as o-
bras no prazo de um mez, e dever conclui-
r no de tres mezes, ambos contados na con-
formidade doart 31, da lei n. 286, dando
transito ao publico, em toda a extensao do
lanco no lim de 6 mezes
3. pagamento da importancia da arre-
matacao, reagar-se-ha em quatro prestaces
iguaes, cuja ultima ser paga na occasii
da entrega definitiva, e as nutras correspon-
dern a cada terco das obras.
*." O prazo da responsibilidade ser de
um anno, durante o qual o arrematante se-
ra obriga lo a manter a estrada em perreito
estado de conservaefio, reparando as ruinas
todas as vezes que exigir o engenheiro da
estrada.
5." Para ludo o que n3o se acha especi-
ficado as presente clausulas, nem no orna-
mento, seguir-se-ha oque dispde a respeilo
a lei provincial n. 286. Conforme. O se-
cretario, A. F. da Annunciagao.
miudezas, couro de lustre, o outros muitos
artigos para fechar contas: segunda f.dra 6
docorrentc, as 10 horas da mantilla em seu
armazem da ra da Cruz n 2.
H agente Pestaa far leilao porconta
de quem pertencer, de 100 caixas com cha
da India, 50 barricas com sardinhas de Lis-
boa, e 3' caixas com massas : terca-feira 7
do corrente, as II horas da manliSa, na por-
ta do armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
Manoel Joaquim Ramos e Silva conti-
nua o seu leilao de massas : terga-feira 7
do corrente, ao rneio dia, na porta do arma-
zem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
THEATRO
Dfl
Santa Isabel
QL'ARTA-FEIRA 8 DE JULHO.
Beneficio fl-t primeiro bnlxo pro-
t'llH lo absoluta
A adminislracSo geral dos estabeleci-
mentos de caridade, manda fazer publico,
que no dia 9 do corrente, pelas 10 horas da
manha, na sala das suas sessOes, continua
a praga das rendas abaixo declaradas, a sa-
ber :
Bairro do Recite.
Ra da Cadea na. 83 e 30 ; ra da Moeda
n. 31; ra da Cruz n. 15 ; ra do Amorim
n 31; ra da Upa n. 5 ; ra dos Burgos ns.
11 e 13; ruado Pilar ns. 73, 74, 93, 95 e97 ;
ra do Cordoniz n. 9 : ru da Senzala Nova
ns. 25, 26 e 30.
Bairro de Santo Antonio.
Ra da Cadeia ns. 6, 8, 10 e 12 ; ra do
Queimado ns. 34 e 36; ra das Cruzes n. 4 ;
ra de S. Francisco ns. 3 b 5 ; ra Direita ns.
3, 5, 7,15 e 123 ; ra Nova n. 32 ; ra do
Padre Floriano ns. 13, 39, 43 e 47 ; ra da
Roda ns. 1, 3, 7, 22 e 29; ra de Hortas ns.
30 e 33 ; ra de Santa Rita ns-. 76 e 9-2 ; ra
do Fagundes n. 32 ; ra dos Pescadores n.
11 ; ra das Calcadas n. 30; ra da Viragao
ns. 7e17; ra do calhabouco n. 18 ; ra
do Collegio n. 18 ; ra de Santa Sicilia n.
89 ; travessa de S, Jos ns. 5 e 11 ; travessa
do Carcereiro ns. U, 13 e 17; becco da Car-
valha n. 5.
Bairro da Boa-Vista.
Aterro n. G8 ; ra do Aragao n. 8; ra da
Aleg ia ii. 46; ra Velba ns. 42e 73 ; becco
do Quiabo n 8-
Sala das sessOes da admiostragao geral
dos estabelecimenlos de canJade 2 de julho
de 1857.0 ecrivao, Antonio Jos Gomes do
Correio
CONSEI.O ADMINISTRATIVO.
O conseibo administrativo tem de comprar
o seguinte :
Para o 2- balalh3o de infantaria de Hala.
Brim branco liso para caigas, varas 1,000,
algodaozmho para camisas, varas 1,000, pan-
no preto para polainas, covados 10o, lio: lau-
da para forro, covados 50, Dotes braocos
grandes de osso, duzias 267, dilos dilos pe-
queos, duzias 134, dito preos, duzas 334,
sapatos, pares 800, esleirs 400.
9.' batalhao de infamara.
Gravatas 35, compendios do arithmelica
por Collago, exemplares 6, sapalo, pares
396, hoilanda, covados 50.
Hospital regimenlal.
Conchas de cobre 2, esjuife coberto 1,
Boilca do mesmo hospital.
Seringas de metal de capacidade de 4 on-
cas, para mjecgOes 6.
ulBciuas da classe do arsenal de guerra.
Cadinhos do norte de n. 10,10.
5." classe.
I.inhas brancas cruas, libras 10, ditas pre-
tas ditas, libras lo.
Fornecimenlo de luzes s estacos
militares.
Fio de algodao, libras 96.
Ubi as militares.
Taboas de louro de forro, duzias 2, ditas
de dito de assoaiho, duzias 2, pregos france-
ses, libras 10, tljolos de alvenaria, railhe-
ros 2.
Presidio de Fernando.
Camisas de flanella 20, escarradeiras de
metal 50.
Laboratorio pyrotechnico
Papel cartao, resmas 8, rezina de cajueiro,
arroba 1.
. Oflicinasde i." e 2. classe.
Costadinho de amarello 6, laboas de lou-
ro de assoaiho, de 12 a 14 pollcgadas de lar-
gura, duzias 20.
3. classe.
Blackverniz, barril i,
4.- batalhao de artilharia.
Casemira carmezim para vistas, covados 7,
hoilanda para forro, covados25, sapatos fal-
tos na provincia, pares 300.
1." batalhao de infanlaria.
Hoilanda para forro, covados 24, sapatos,
pares 192, canas de a, B, C, exemplares 20,
taboadas, exemplares 20, exemplarts da
gnmmatica portugueza por Monle 6, com-
pendios de arithmetica por Collaco 6. pau-
Us 6, traslados 20.
i.ompanhia fixa de cavallaria.
Sapatos, pares 60.
. Companhia de artilices.
Hoilanda para lorio, covados 16, sapatos,
pares 104.
Quem quizer vender, aprsente as suas
propostas em carta lachada na secretaria do
conselho, as 10 horas do dia 8 do crreme
mez.
Sala das sessOes do conselho administra-
tivo para fomecimenlo do arsenal de guerra
.- de julbo de 1857.Jos Antonio Pinto,
presidente Interino. Bernardo Pereira do
Carmo Jnior, vogal e secretario.
Pela mesa publico que os 30 dias uteis para pagamen-
to a bocea do cofie, da decima dos predios
urbanos das freguezias desta cidade, e da
dos Afogados, se linalisam no dia 8 de julho
prximo vindouro, incorrendo na multa de
3 por cento todos os dias aquelles que dei-
xarem de pagar sous dbitos no segundo se-
mestre de 1856 a 1857.
Mesa do consulado provincial 30 de junho
de 1857Antonio Csrneiro Machado Rios,
administrador.
O Mu. Sr. inspector da thesourario
provincial, em curaprimento da resolucaa
da junta da fazenda, inanJa fazer publico,
que no dia 16 do julho prximo vindouro,
vai novamente a praga para ser arrematado
a quera por menos lizer a obra da concluso
do raio do sul da casa de detongiio, avahado
em 66:0055720 rs.
E para constar se mandou ailixar o
sent e publicar pelo iario.
Secretaria da lliesouraria provincial de
Pernambuco 25 de junho de 1857. O secre-
tario, Antonio Ferreira da Annur.ciacSo
Olllm. Sr. inspector da thesouraria oro-
vincal, em cumplimento da ordem do Exm.
STEFANQ SCAPINE.
Depola que a orebeafra tiver eiecotado urna da
anaa raelhoresuymplionias, subir a cena a comedia
em tres actos
A ultima carta.
Vi lim do primeiro acto o beneficiado enecuLir.i
a scena e aria, em coiiarae, .** opera
ATT1L4
(Menlra (?onfiare l'anima.)
Sgmr -e-ha otecundo a tirceiro acto da comedia
No flm da mesma ira
Preludio pela orchestra e solo re rabee*, eieco-
Udo pelo rrgenle .l mesma, sezulndo-sa oReci-
tativo e aria da opera
DAVID BICCIO
mostea do maestro cavallelro Ctpecelalrc, r-rripla
t\presamente para o beneficiado no rail e impe-
rial tlieatro da Scala em MiNo, e por elle xeentada.
KiiMli-ara o e'perlaroln n lindo duelo cantado
pala lenliora D. Isabel e Santa Rota
0 BEIBIIHO E & F03RE.
Os bilheies acham-se a disposijao do publico na
roa do Trapiche, hotel inglez.
Principiar as 8 horas.
tvi$*% Mft- z.
ROTEUO DO THELEGRAPHO
Na l.vrana ns. 6 e 8 da praca da Indepen-
dencia ha para vender o roteiro do thelegra-
pho, novamente reformado, cora o nome dos
vapores outras embarcaces que deman-
dam este porto, a 240 rs. cada um.
DA
PROVINCIA.
O Sr. tliesouieiro das loteras manda
fazei- publico, que ge acham a venda, no
pavimento terreo da casa da ra da Au-
rora n. !>, das 9 horas da nianhaa as 8
da noite, b'illietes, meios e criiartos, da
segunda paite da oitnva lotera da Matriz
da Boa-Vista, cujas rodas andam no
dia II deiullio.
O meamo Sr. tbesoureiro manda declarar, que
tendo de reforrour o presenta plano por oulro, m
Indo isoal a qunrla parle do Kio, pede as pessuas
que leem envommenlado billiahs para quando esli-
"'" "" eiecucan a lei provincia n. 3'J9. que im-
pOem 80 por cento sobre os hilheles do Kio, qnei-
ram vir declarar que poreao de bdlietes querem,
para que eli, avista das quantias pulidas. posa or-
i.'aiiii.ir o dito plano, o qual cerlamenle otTtrece
man inleresse aos josadore..
lliesouraria das loteras, 4 de julho de
187.Jos Januario Alves da Maia,
escrivo.
Tendo fallecido na cidade do Porlo, no dia
7 de junho prximo passado, meu mano e a-
mii;,i JoloJoa de Faria Mxchado.e pretenden-
do a mandar resar por sua alma nm mrmsnlo
e missa amanhSa, 7 do corrente, ;irii;e de soa morte! pelas 6 luirn ra maotma, oa
igreja do convenio de S. Francisco desta c\1a-
d, ro^n ao meos amisos e parlicularmenle
aos de meu finado irmio, o compartcer--m a
dila igreja. alim de ansistirem a esse acto da
caridade. Pernambuco 6 de julho de 1857.
Jos Joaquim de Faria Machado.
Lotera
oviiicia.
O abaixo assign ado vendeu os segu tiles
premios :
2 quarlos Numero 1801 500o
1 rneio 1144 20 0S
1 quarto i 778 203
1 bilhete a 1310 100
1 quarlo D 1980 100#
1 dito l> 1959 50|
1 dito U 1089 500 50,
2 ditos II 2109
1 meio 2317 50;,
4
Par o Rio de Juieiro.
Vai seguir com muita brevidade, por ter
parte de seu carregamento proroplo, o-bri-
gue nacional Mana preciosa, cepilSo Fran-
cisco Alves Meira ; para carga e passageiros.
escravos a frele, para os quaes tem excel-
lentes commodos : trata-se como seu con-
signatario Francisco de Paula Figueira de
Saboia, em seu escriptono ra do Apollo
n. 5.
Para o Aracatv,
segu em poucos dias o hiate nacional Re-
beribo, por ja 1er parle de seu carregamen-
to ; para o resto c passageiros, trata se na
rut do Vigario n. .
Para Lisboa
seguir em poucos dias a nova e muito su-
perior escuna Kainha dos Acores, recebe
carga a frete barato e passageiros, para os
quaes tem expelientes commodos : a tratar
com Barroca & Castro, na ra da Cadeia do
Recife n. 4, ou com o capitSo na praca.
Para a B&tti,
A veleira e bem conhecida sumaca nacio-
nal Hortencia, pretende seguir uestes oito
dias, tern prompto metade de seu carrega-
mento : psra o resto, trata-se com o seu
consignatario Antonio Luiz de Oliveira Aze-
redo, ra da Cruz n. 1.
Para o Kio de Hiieiro.
O veleiro patacho nacional V'alente pre-
tend seguir para o Rio de Janeiro com mui-
ta brevidade; tem pro.npto metade de seu
carregamento : para o reato e. escravos a
frete. para os quaes tem excellenies com-
modos, trata-se com o seu consignatario
Antonio Luiz do Oliveira Azeveuo, ra da
Cruz n. 1.
Para o fssu'
segu no dia 7 do crrante abarca Aiaia ,
recebe carga e passageiros : a tratar com
Barroca & Castro, na ra da Cadeia do Re-
cife n. 4.
llaranhao
e Para.
esappareceu na noite de 2 do
corrente mez de julho, urna mulata de
nome Kosa, com os >ignaes sefuintes:
alta, de boa estatura, corpo reorcado,
tem ama cicatriz bem visivel no quei-
xo do lado es(|uerdo, cor alvacenta e
meia desbolada, cabellos meio carapi-
nlios e cortados, idade 25 anuos pou-
co mais ou menos, com urna cicatriz
de |uemadura um pouco apagada no
braco direito ; levou argolas de ouro as
oielhas, um roupo de riscado de dros encarnados, um vestido de casta
amarella, um dito de cassa cor de ro-
sa, um dito de cinta azul, um chale
de laa azul, um dito de casta branco,
um par de lamancos de couro bran-
co e sapatos de couro preto: pede-se,
portanto, a todas as autoridades poli-
ciaes e capitaes de campo, <[ue a Ta-
cara capturar, que se p.igata' toda e
qualquer despeza e gratificacio, e a en-
treguem nesta praca, na ra do Cabula'
loja n. 11, de Serapliim lrmao.
X.-rtTitcrrcofijpo,
\ SYSTKMA NORTK-AMtRICANO. \
Ateiro da Boa-Vista n. 4, B
lotera da
provincia.
prime.ra parte da primei-
ra lotera da Varzen.
O abaixo assigiiado ven-
den as seg-iu: tes su res :
798 5:000$4 quartos.
1234 1:500^bilhete.
718 200$4 quartos.
S72 lOOsbilhete.
A garanta dos
cento lie pa#a na
da Independencia, loja n
40.
P. I. La vine.
O mesmo tem exposto venda os seu fe-
lizes bilhetes, meios e quartos da segamla
parle da oitava lotera da matriz da Boa-Vis-
ta, os auaes n3o est3o sujeilos ao descont
dos oito por cento la lei.
Por .Saluslianode Aquino Ferreira.
Jos Fortunato dos Santos Porlo,
O abaixo assienado responde ao annuncio da \
Sra. Mara da A*cnr3oCavalcanli de Albuquerque,
que appareceu publicado no Diario de l'ernambu- j
roda i Jn riirriMile, di/.enilu-llie que m.il aconse-1
Ih-da andou quando ousou fazer uma lito falsa, e '
calumniusa publicacn. por quaolo nao he por ele
mudo que se venlilam direilos, e sim pirante os tn- j
l.iin.ip-. (I.i quaes s os velliacos e IralaDle ogem, \
e espanlam-se por ser onde quebra-se-llies a masca-
ra de honrado*, e expiara eu* crine*. Oulro sim,
declara ao publico, que nlo e deite levar pelos can- i
loa detsa sereia, a qual influida pelo seu querido S'.
Anlonio Pinto Soarea ( de quem pnden dar eiactas
inforinacoes o Sr. Joao Antonio Clho por hve-lo
|a' meltido na cadea por crime de eslellionato, e ou- ;
Iras pessoas que a esla casa sejura, pir veles o tem .
arrastrado ) esdi aotorisada pira adulterar todos os
fados, que h3o ocenrridu e \\e capaz al de lilasphe-,
mar conlra a propria divindade. O abaixo anlgoa-
do protesta, que sem .perda de lempo ha de chamar
easa parellia aos Iribunaes para apreciar a queilo, '
que entre elles de repente se ersueu, sem que da
parte do mesmo abaixo assigna-ln houvesse para aso
apparecido unitivo algum, poii s llie contera dar a
conhecer es pessoas, que Ihe confiaran) seua gneros,
que pretende paaar-lhes, e que elle tem sido victi-
ina de um^ rfereprAo amarga, ou alias de urna ver-
dadera perfidia pralicada por quem Ihe deia ser
muito,a!>radecido, em raijo dos teas valiosos servi-!
jos, Como o de esforzar su, quanlo Ihe foi possivel,
para o lirar da cadeia, e salva-lo da impolac,3o de ;
esleilionalario ; finaln,enle o abaixo assienado lem a
declarar, que m juizo competente ero aprecia-
das eaaas conlas, par^ que nelle se julgue diMolvnla,
e liquidada a sociedade al eolito asistenta ; o por
liso qoem nao quizer repetir o pagamento das qunn
lias que a ella dever seio duvida algums nao es pa-
gara' ao dilo Sr. Anlonio l'inlo Stares, bras direilo
daquella Sra. Mana da!Ascenc,a<> Cavalc-nti de Albu-
querqo. Kecife de julho de 18j".Manoel Gon-
Qalves Barros.
Fugio hontem pelas 9 horas da noite,
da casa do abaixo assignado, Egidio escra-
vo do Sr. Claudino o Reg Barros, senhor
do engenho Heis, da provincia da Parahiha
do Norte, o qual escravo tem os signaes se-
guintes: altura e corpo regular, cor fula,
nariz afilado, dous denles quebrados na
frente, o* parte superior do qneixo. mal en-
carad.!, tem um pequeo aleijilo em um dos
dedos das m3os e dos ps, cabellos carapi-
nbados e nacidos por igual por se ter na ca-
deia rapado a cabect.foi ha poueos dias cas-
tigado com bolos, e tem na palma da mito
esquprda um calo eslourado, proveniente dos
dilos bolos, ja foi surrado, o tem disto sig-
nal, a perna direita ao p ilo tornozelo hi
mais Rrngsa que a esquerda, por ter tilo
tima Terida neste lugar, foi vestido com cal-
Qa nova de algoditozinho azul e camisa bran-
ca : roga-se por tanto s autoridades poli-
ciaes ecapitfes de campo, que o ppreher.-
dam o levem a Soleiade ra 1e Joao Fer-
nn les Vieira, casa .le quatro janellas e urna
porta Je Irente, onde serio gcneosamente
gratifieidos. Itecife 4 de juloo de 1857.
Jos AntSo deSouza MagalhSes.
Fox Brothers, declaram pelo-presente
annuncio. que o Sr. Francisco de Paula Al-
ves da silva, deixou de ser caiseiro de sua
casa commercial desle o dia do correla.
Recic de julho de 1857.
\So se duvida dar um escravo mogo,
sadio, posssnte, mui liel (o que se aliancaj
ladino, mu inlelligente. sem vicio de qua-
lida.le alguma, emende de cozinha e de lo-
da a sorle le servicos; para o poder de quem
empr.-,-tar a quanlia de 1-.0003 re. sobre hv-
potheea em diferentes escravos e escravas,
todos desembarazados, moQos. robustos, sa-
dios, e todos aqui nesta praga ; a quem con-
vier este negocio annuncie por esta folha
para tratar-se do lempo, e mais condicOes
da hrpotheca.
Professora de meninas.
Precisa-se de uma professora n'um enge-
nho da Kscada, que coi os diversos traba-
Iho d-iagulha, possa ensiuar liugua nacio-
nal, franceza, msica egeographia paga-
se generosamente : a tratar na ra larga do
Rosario n. 2ti, primeiro andar, ou annuncie
quem estiver nestas condicoes para ser pro-
curada. \
- OSr. Joan Martiniano da Fonseca Can-
di teuha a bondade de apparecer na ra da
Madre dt Dos n. 38.
Fuiono dia 2 de julbo, do cngxnho
do.abaixu assignado. um negro por nome
Jos Calafear, idade 60 annos, alto, cabeca
branca, a roda das orellias pretos, meio cam-
bito das pernas, levou um cavallu rodado,
grande, novo, tem o beico de baixo gran lo,
ripado iie novo. Kste negro he bem cooneei-
do por ler sido carniceiro nos arrali--I t > do
Recife, assira como ja foi no Manguind Foi
escravo do ir. coronel Francisco Jos da
Costa : roga-se a todas as autoridades po-
liciaes 0 capi.aes decampo a ap.rebenso
do dito escrato, e o levem a Albino Jos
Ferreira da Cunta, na ra do Queimado, ou
neste engenho das Malas.
Antonio de l'aula Souza LeSo.
Loeria
provincia.
O abaixo assignado ven-
de bilhetes garantidos, pe-
lo precos abaixo notados,
sendo da quautia de cen
mil ris para cima, a di-
ntieiro vista, em seu es-
criptorio, na ra da Ca-
deia do Recite n. SO, pri-
meiro andar.
llilhetes. .->,si00
Meios. 2^700
Quartos. lj'350
#*. .1, JL'ipnc-
- A taberna da travessa do Paraizo u.
16, nao vende bebidas espirituosas, de pro-
ducto brasileira.
A pessoa que tiver escravos c quizer
alugar para trahall-ar na estrada de fer-
ro, pagando-se mil rs. por dia, ou mes-
mo gente forra que se (jueira a sujeitar,
ilirija-se a ruaestreita do Kosa rio n. 23,
segunda andar.
SAPATOS DE BORRACHA.
No escriptorio de Gurgel lrmao, primei-
ro andar n II, da ra da Cadeia doRecife,
vendem-se bons sapatos de borracha a 277U0
cada par ; tambem vendem-se esteiras e cha-
pos de palha.
Alna* te un nitleque : a tratar na ra da
(j loria n. 8*3.
Alusa-se uma camra aberla : a tratar na ra
da Glorlt n. 86.
I'recisa-se de dous cavallos que sejain novo e
Brandes o que andero bailo ; mi e>criplorio de Ros-
Iron Rooker 4; C, na pra^a do Curpu Sanio das il
horas ale a i da tai de.
Fuilaran ua ina.irucada do dia 3 de jullio do
abano assienado um relogio lionsonial de prala,co-
com lampo de laiao cum urna marca B tro-
Frontispicio do
Carmo
Os encarrpgados da festa da Senhor^ do
Carino do Frontispicio pedem cn;arecida-
meifto i todos os devotos da mearna Senho-
ra, que queiram concorrer com s suas es-
molas para o bnlhantisnio desta feslivida-
de, entregando ais senhores incumbidos de
recebe-las no bairro de santo Anlonio, Ma-
noel Jos de Oliveira, Hermenegildo Jos de i
Alcntara, Antonio Cordeiro da Cunta; e
nos Afogados a Simplicio Rodrigues Cam-
pollo ; visto que a festividade sera imprete-
rivelmente no da 19 do corrente mez de ju-
lho, e muito pouco se lera arrecadado.
Precisa-se contratar com um mestre
carapina, por empreitad, a coberta e forro
da malriz dos Afogados: quem pretender,
dinja-se aquella povoacSo ao capitn Moraes.
Compra-se um sobrado de um andar
ou duBS casas terreas, paga-se bem : quem [
as tiver, entenda-se na loja de livros da pra- |
ca da Independencia ns. C e 8, quo dir o
pretndeme.
MM#MMaW^:-?^r3^
A!j O l>r. Dial remandes, medico, d*e ser ji !
procurado de lioje em liante, no primeiro ;
tt andar do sobrado da ra dos Q'iarteis, @i
,; iravessa ds Crozes, cuja entrada he qoaii |
V em frenle da botica do Sr. Pinto. V,
Tasso IrmSos.
Avisam aos seus fn'gu'-zcs, que. as ultimas
la i ii,has de trigo Richinon 1 cheg das ao mer-
cado, s,1o vendidas em seus armazens, pelos
seguintes pr-etjos :
ilega 25BO00 por barrica.
Ilaxall 21-1100 dem.
(i dance 23MK10 idem.
<:oliimbia 22aOiio dem.
Alem destas tem farinlus novas de Tries
te das marcas S8SF. Fontana e primeira
qualidade ; assim como completo sortimen-
to das melhores marcas de Philadclphia, Ko-
va Orloanse Baltimore.
8 p praca
Attenctj
O veleiro btigue nacional CIARA, de
primeia raarclia, segunestes dias : para
o resto e passageiros, para o que lem as-
seiados commodos, trata-se com o consig-
natario Joao Pinto Kegis de Souza, no
armazem de Martins & Pinto, na travessa
da Madre de Dos, ou com o cupitao
Fernando Jos dos Santos, na praca do
Commercio.
3 U
pre-
O agente Borja fara leiliJo em seu ar-
mavem na ra do Collegio n. 15, de uma im-
mensida le de liras de mareineiria novas e
usadas, bem como, mobilias de Jacaranda e
de amarello, completas, camas fiancezas,
guarda-loucas, aparadores, mesis de jantar,
lavatorios, marquezas de dormir, bincas,
eadeiras de diversas qualidaJes etc., objec-
tos de porcellana e de vi tro para sala -s para
servido df. mesa, candieiros inglezes, relo-
glos de parede, qua Iros com eslampas, e ou-
tros muitos artigos ele, que Tora enfadonho
mencionar: qumia-feira 6 do correle, as
II horas da niautia.
I.eilao de i'arinha de trigo.
Jos Baptisla da Fonsera Jnior, trans rio o seu leilio de farinha de. trigo por causa
do m lempo, para quarta-feira 8 do crren-
te, as 10 horas de mauhaa, na porta do ar-
mazem do Sr. Paula Lopes, defronte da es-
cailinba.
- O agente Rorja, em seu armazem na
Os Srs. sacerdotes que quizerem (amanilla 7
do corrente) selebrar mitll na iRreja du Corpo-an-
!>, por alma do fallec lo Joaquim Ribeiro Poiues,
podero faie-lo das 5 horas da innli,1a em diaute
cun a esmola de 25>60 rs. Recife t de juuhi de
IH.>7.Manoel de Aievedn Fonlt-s.
He chegado a loja da Boa-Vista n. 70, excellenw ieite virginal
de rosas brancas, para refrescar a pelle, tirar
pannos, sardas, e espinhas, igualmente o a
lamado oleo babosa para limpar e fazer
crescer os cabellos : assim como p impe-
rial de lyrio de Florenca para brotoejas e
asperidadesd.i pelle, conserva a frescura e
o avelludado da primavera da vida.
Na travessa da Madre de Dos d. 9, e
na ra do Trapiche n. 17, vende-so o supe-
rior farelo, desembarcado boje e por me-
nos preco do que se vende em qtalquer ou-
tra paite.
Sr. presdeme da provincia, de 25 do corren- ra do Collegio n. 18. fara leilao de diversos
te manda fazer publico, que no dia 23 de | escravos de ambos os sexos, DOCos. e ,1o
Julho prximo vindouro, perante a junla da meia idadr, alguns dos quaes com differao-
i tes habilidades ; acha'-se-u5o tlenles
azenda da mesma thesouraria, se ha de ar-
rematar a quem por m,,0s izer a obra do I referido armazem, no dia do leilSo, ao exa-
toJ12C estrada do sul, avallada em | me dos senhores pretcndenles : terca-feira
15-b-v/ rs. 7 ,j0 correute, a 11 horas da manha.
VIudanca de. estabeleci- '
ment.
O P. F. C. de Lemos o Silva faz s:iente aos
seus numerosos freguezes, que acaba de fa-
zer mudanza, tanto do seu estabeleci-rento
de livros, como da sua anlifra e acreditada
olficina de encaderna^ao at agora situada
n'i pateo do Collegio, para um novo, mag-
nifico eospagoso armazem na ra da Cadeia
de Santo Antonio, defrontc de S. Francisco,
onMe tanibdtu tem montado a sua '.ypogra-
phia, por isso espera que o procurem tanto
para compras, como pa a enea lernafes de
livros, e bem assim para qualquer impres-
sSo, por isso que Ibes pode asseurar sorem
bem. e puntualmente servidos.
I'rccisa-se de u~' cozinheiro, paga-se
bem agradando oservico: no campo do
Hospicio, casa do Sr. deserabargador Mendes
da Cuuhe.
iii,.i-.i, assinnadii pedo aos Srs. redactores Diari'j de l'ernambwo, lenliam bondade de de-
clarar, se elle, ou seu msno o majnr Amonio Jos
de Oliveira, foram autores ou asi,;niiies du cuin-
iminicado re quinta fera, 2 do Correle, inserto no
Diario de Pernambuco, a respeilo do coadjutor da
Ba Vista padre Joc liregoi io da Silva Carvalbo. ()
i de julho de IS57.
Padre Mnnoel Cyrillo de Oliveira.
() Neohom do< Srs. aenn, sao autores, cu assig-
naram o coiuinunicado a quo se referen,.
Os RR.
lOOSOOOrs. de gratificagSo.
Continua a es'.ar fgido desle o da U de
juneiro prximo aassa lo o escravo Jos, cri-
oul da 18 a 2U nnos de idade, allura re-
gular, com panno no rosto dos dous lados,
eostornozellos betados para rAra por causa
de bobas, tem as costas retalhadas de chi-
cote, tem um andir de quem anda estropia-
do : quem o pega: leve-o a ru da Guie n.
9, quo recebera a rratilicaQo 3cima decla-
rada.
y ra do Collegio o Sr. Cypriano Luiz
da Paz, no a Ierro da Boa-Vista o Sr. Jo5o da
Luz ferreira, na padaria do Sr. Beiriz, dirflo
quem da quantias de500 al 1:000o e 2:000/
rs. ou mais, com hypolheca em casas terreas
larditn publico em per-
nambiic), ra da .Sol-
dade n 70.
Neste grsnde jardim ha semprn todos os
annos muito grande varuJade de llores, ro-
sns, dalias e outras muita. qualida les novas
em Perna nboco, vindas de Po tugal. Franca
e llamhur^o, assim como .ambem algumas
ularvores de fructo, e novas, t; outras do paiz.
Apromplam se encommendas para o centro
da provincia, e as mais do sul c norte.
-

Con! i iua-se a dar dinloiro a juros m-
dicos, sob penhores : na ma da Praia, se-
gundo andar, n. 43.
Precisa-se de uma ama ^ue tenha bom
Ieite, para criai um menino : na casa n. 15.
defronle da igreja do 'iorpo Saoto.
Precisa-se de urna ama fura ou capti-
va, para uma casa de familia, composta de
dus pesso-s ; quem quizer < estiver nestas
cireumslanci is, dinja-sea pracada Boa-Vis-
ta, sobrado n. 10, que achti com quem
tratar.
Na ra da Penha n 6, precua-se fallar
com oSr. Manuel los l,oilrigua|.arpira a
negocio que l!ie Jiz reapjo, por f s, -
de-se-lhe o favor de s'Adingiro lug' indi-
cado, ou na falta anrncie sua momi.'a para
ser procurado
O abaixo assignado tendo sido nomea-
do para o lugar de lauca lor do onsula lo
provincial, e sendo ene irrega lo da ijllecla
da freguezia de S Fr. Pedro ConQalves e da
Boa-Vist', faz saber que deu piinpio aos
seus trabalhos no dia doconenle mez.
Recife de julho d- 1857.
JoSo Pedro le Jess da Malta.
Precisa-se alugar um sillo, d Ponte
de l.'cha. at Apipucos, na margem do Rio
Cipibaribe, pello da estrada : na rLa .Nova
n. 61.
.
bario
bailo do canitAj da coberta de delraz n. 129, que
se pule ver com um oculo ; lainb'-m furlarin um
correntau de o oro com o peso de 10 oilavas, mais
ou meuos, cujo correntio prenda o referido relogio
e liaba uru fineta de ouro com a figura de lean, e
por bailo urna pedra verde ondeada, um auuel de
ouro lambem Com uma pedra verde e orna corne-
lina encastoada em ouro : qoem de taes objerlos le-
nba noticia ou fur olferecido, queira dignar-se lomar
e apresenlar a polica ou di: un-se a ra da Man-
ueira, casa o. 32, que sera recompensado. Justi-
no Francisco de Aje,
AVISO AO PUBLICO.
A abaiio assiguada declara, que teodo dado so-
ciedade no eu estaiielecimeulo de paderia do
Chora-Menino, ao Sr. Manoel cuntece que elle a lenha abandouauo desde o dia tt
de jouho preximo pausado, sem que baja comparecido
al boje, iiAo ubslanie as inaiorts diligencias da a-
baixo asaisuala, para que o mesmo preste e ajuste as
suas comas. E como quer que conste a abaixo a-
stgoada, que o mesmo Karros teuha oo obslanle o
seu procediiienlo. recebido diversas dividas (.lem
dn prejuito de l.'ii-tiilii que ha dado a casa,) incul-
can lo que s a elle se deve pagar ; a abano asim-
ilada, pelo prsenle convida e empraza ao Sr. Bar-
ros, para que quanto aules comparec presentar
e ajuslar suas contas ; assim cuino Ui publico, que
desla data em diante fica o Sr. Antuuio Piulo Soa-
res enc.irremedo do administrar a sua paderia, e de
cobrar todas as dividas i .lalivas a inesina, que por
maneira algoma devem ser pagas ao referido
Barro,.
Recife :! de julho de ISj7.
Mara da A-cenc,o Cavalcanl de Albuquerque.
Caf com ieite.
Na ra de Hortas n. 16, primeiro andar,
ha a qualquei hora almogos de caf com lei-
t!, e da-se de jautar a 1U0 por pessua as 2
horas em ponto ; tambem se lornece jama-
res para lora, com todo o aeeio e prompli-
d3o, man lando-se levar s casas a hora que
se indique ; aos domingos tambem ha mui-
to bem feila muo de vacca.
Oflerece-se uma mulher branca, ido-
sa, para o servico de casa, dan.lo-se prefe-
rencia a casa de homem solteiro : quem
pretender, dirija-se a ra ;la Cadeia do Re-
cile n. 36, primeiro andar.
Precisa se alugar um primeiro andar
n'uma das princtpaes ras de Santo Antonio
como sejam, ra das Cruzes, do Collegio,
Queimado, etc. etc. : a fallar no aterro da
Boa-Vista, luje n. 11.
No aterro da Boa-Vista n. 20, se man-
da comida para fora, sendo almogos de cha
a caf, e no jantar 6 pratos de diversa qua-
lidades, na ceio cha e caf, por 309000 nien-
saes, tendo a pessoa seu portador para vir
buscar a comida he por 28J00O cada pessoa,
e se faz toda e qualquer comida que a pes-
soa pedir, e se manda 7 pratos diversos, com
muita limpeza eaceio, por diminuto prego.
Aluga-se na mesma casa uma mobilia cora-
posta e uma cama de armagSo, ludo de ja-
caranda, pelo prego de S0| mensaes, e alu-
gam-se 2 pretas para carregar a comida :
declara-se que a entrada he pela parte de
detraz.
O Sr. Innocencio Alves da Silveira tem
justo e contratado com a Sra. IL Mara da
Hora a casa n. *2, sita no areal do forte, na
praia de S. Jos; se alguem sejulgarcorr.
direito a mesma, aprsente seus lilulos no
prazo de 8 dias, a contar desta dala em di an-
te. Recife 4 de julho de 1857.
Santo rltidre.
A cadeira de latim desle collegio regida
por Joaquim Borges Carnelro, a de francez
por J ,rge uornellas Itibeiro Pessr-a, a do in-
glez por Joaquim Barbosa Lima, a de Philo-
sophia por Laurentino Antonio Mnreira de
Carvalho, e a de geometra pelo bacharel
em maihemalicas Bernardo Pereira do t^ar-
mo, estilo em exercicio He incnnteslavel a
escolha de tao dislinctos prof-ssores Oco-
nhecimeulo que o publico ja deve ter delles,
qur como habilitadissimos para desempe-
nno das eadeiras que se acham a seus car-
gos, qur por seus costumes e moralidade,
me poupara sem duvida do trabalho de elo-
gia-los. Oum pois se quizer matricular em
quaes^uer das referidas aulas, procure fal-
lar no mesmo collegio com o director
A. A. da Fonseca Jnior.
Offerece-se uma portugueza de boa
conducta, para cisa de homem solteiro, ou
para fazer companhia a alguma senhora e
coser: na Boa-ista. roa da Conceigo n. 2.
Ouem tiver um sitio para alugar, pcrlo
da praga e cem alguns arvoredos, anda que
a casa seja pequea, annuncie para ser pro-
curado.
O abaixo assignado faz seicnte ao res-
peitavel publico, principalmente ao corpo de
commercio, qus comprou ao Sr. Antonio
Jos ra Silva a sua taberna na ra de Sania
Rita Nova n. 5, (cando o mesmo Sr. Silva
obrigado a praga pelo passivo da mesma E
para que chegue ao conbecimento de todos
fago o presente. Recife 1. de julho de 1857.
Jos Bernardno Alves.
Joao Tavares Cordeiro, vendo um an-
nuncio no Diario de hontem n. 149, assigna-
do por Jos Ferreira Braga, no qual declara
ler comprado a Manoel Ferreira da Silva a
taberna na ra de Aguas-Verdes n. 4S, pelo
presente protesta o annuncianle haver o pa-
gamento de 47.?7O0 que o dito Manoel Fer-
reira licou Ihe a Jever de gneros que com-
prou no seu armazem para sortimento da
rafe-ida taberna, e usa-a dos muios que a
lei Ihe concede para haver o seu pagamen-
to, visto elle nao ter assignado convengao
alguma. Recie 3 de junho de 1857.
os arrematantes .los ebafarizes dos
bairros de Santo Antonio e S. Jos, annun-
ciam ao respeitavel publico, que nos mea-
mos se vende agua ate as 9 horas da nule, e
nSo ate as 8 horas como liantes era.
Antonio Joaquim Penetra declara ao
respeilavel publico, que por haver oulro de
igual nome, de boje c-n diante se assignara
por Antonio Jjaqunu Fer-eira Porto.
--- Perdeu se no mnibus Heberibe, ou
de ra do Crespo a ra ,io Trapiche, na ma-
nliaa de 2 do corrente, uma canela de ouro
com E. P. no sitele : qoem a levar a ra do
Hospicio n. tu, lera a gratilicago de 30000.

O abaixo assignado faz publico, espe-
cialmente ao corpo de commercio, que se
acha justo com o Sr. Thomc de Souza a
compra de sua tenda de forreiro, sita na ra
do Brnm, com ludo quanto existir dentro
da mesma, licamio a cargo do vendedor o
pagamento de todas as dividas que a referi-
da tenda se adiar deven Jo, e para que no
futuro alguem nilo venha allegando igno-
rancia, se faz o prsenle, que ser publicado
por tres vezes, e depois ticar o negocio con-
cluido, e o annuncianle sem respousabilida-
da alguma para com os cedo^es do mesmo
Sr. Thom.Seraphim Soarea da Suva.
i$ O Ur. Itibeiro, medico, de vol- J
3 la de sua viajjem a' Europa, con- ^
^ tmua a residir na mesma casa da lj5r$
gi ra da Cruz n. 1.1, onde pode ser $
procurado a qualquer hora. ,'"

Attenco
o
I!. C Yates & Companhia: estabelecidos
no Rio de Janeiro, na ra do los, icio n. 40,
vendo um annuncio publicado em urna das
folhas de Pernambuco elo Sr. Bartboloraeo
F. de Souza, prevemndo ao publico que o
verdadeiro xarope do bosque s elle he
quem vende,prevenimos ao mesmo publico,
que o nosso xarope he remeltido do Rio de
Jrneiro pelos cima proprielarios ao Sr.
Manoel Alves Guerra, e este senhor fez o de-
posito para ser vendido na pharmacia do Sr.
Jos da Cruz Santos, na ra Nova n. 53, ni-
cos por nos aulorisados para venderem o
nosso verdadeiro, e mais prevenimos aos
senhores consumidores, que ha perlo de 5
annos os rotlos collados as garrafas s3o
assignados por Henry Prins, como procura-
lores dos cima proprielarios. Rio de Janei-
ro 13 de Janeiro de 1857.
sa* .-$ $ O Ur. em medicina Jos Sergio Ferreira, ff
9 de volla de sua viagem ao Rio da Janeiro, ;$
el ret,lindo na prara da Boa-Visla cass n, $
@ 19, primeiro sobrado ao enlrar na ra do
Arabio, onde pode ser procurado a qualquer 39
..; hora do dia no da ooile. 0
3 Rr-cife 23 de ionho de IK*i7.
jErujtrent! lctiuot
participa ao respeitavel publico, em Pernam-
buco, que o nico deposito nesta praga, de
seu muito cotihccido vinho de champesne,
he na casa dos Srs. J. Praeger & C, ra da
Cruz n. 11.
O l>r. Ignacio Firmo Xavier faz publi-
co, que mudou sua residencia para o seu si-
tio na Passagem da Magdalena, que lica ao
norte da estrada entre a ponte grande e a do
Chora-menino, e ahi tem preparado urna
casa de saude com todos os commodos para
o tr8tamento de escravos, cujos senhores
residam lora da praga, ou que mo os pos-
sa m curar era suas proprias casas : quem
para isto quizer-se utilisar de seus servigos
mdicos, que serSo desempenbadus com o
maior zeio, dinja-se ao paleo do Carmo n.
9, primeiro andar, ou no referido sitio da
Magdalena. Prego2/000 diarios-exceptu-
ando conferencias, sanguesugas e opera-
grtes.
lKio-Formoso.|
S O r. Joao Honorio Beierra de Mene- $&
39 ios, medico pela Faculdadt da Baha, lem jf
^1 Rxado sua residencia na cidade do Kio-For- fin
i """" e das a pessoas que o honrar em com sua cou- t
5 rian<;a. vjg
>1 adama /osa Hartly, ra
i^iova n. 5/,
tem recebido de Franga um grande sorti-
menlo de chapeos de seda para senhora, de
todas as cores, chapeozinhos de palha aber-
tos, dilos do palha de arroz, dilos de seda
para meninas de 3 a 7 annos, corles de seda
para noiva, luvas, capellas, mantas, meias,
ricos pentes de tartaruga do ultimo gosto,
enleites de cabega para senhora, enchoval
completo para baplisar criangas, e niuila
oulras fazenJas, que se vendein em conta.
^?^'-f a>#a>aj
Ur. Hibeiro, phjsician may he 0
* consulted at anj liow 111 his "
9 dence, ruada Cruz n. 13.
pa luiidieao da Aurora precisa-se
de serventes iones 011 escravos,
servico c'ebaixo de coh.-i la.
Do Aracaly acaba de chegar um sor-
timento de sapatos da melhor qualidade, pa-
ra homens e meninos, cera de carnauba e
mais gneros; ludo venJe-se por presos
commodos : na ra da Cadeia do Recife n.
60, primeiro andar, e cabegidas de trangas
Uma senhora portugueza, honesta e
de bons costumes, deseja acompanhar al-
guma familia para Portugal 011 Rio de Janei-
ro : quem quizer procura-la, dirija-se a ta-
berna rm becco do Campello n. 4, queahi se
indicara a sua morada.
Precisa-se de uma ama forra ou capti-
va, que se encarregue de ensaboar e engom-
mar, para una casa de pouca familia :
quem su adiar nestas circuuistancias, diri-
|a-se a casa n. 38, segundo andar, na ra
larga do Rosario, onde se dir quera precisa.
Precua-se de caxeiros, na ra da Ca-
deia do Recite n. .">!, primeiro andar,
prestando uma (anca de Op.S'OOO, ven-
cendo o ordenado d'e 200.S a 000.S, que
lie paia vender bilhete! da lotera da
provincia.
Quem tiver mutas particulares com
C J. Astley, queira apreaenla-ias ateo
lia do frrente.
IACHASJ PARA F.MiKMlO.
Avisa-se aos senhores de engenho c seus
correspondentes, que no deposito da ra da
Moeda [Forte do Malos junto ao trapiche do
Cunta n. 3 A, ha sempie um coiplcto sor-
tmenlo de lachas de ferio fundido e bali lo,
de muita solidez, superior qualidade, e de
todos os lmannos, fabricante IqJwiQ Maw
beni conhei-ido nesta maga : ai tratar no
mesmo, ou ua ra do Trapiche
@9@*9Hat4H
O Ur. a. S. Pereira do Carnx
^ cbeH o do viacem que fez ao Kiod
'.-. r". '.....linoa no exercirio da soa p.,
:. pudendo ser procurarlo na ene desua re-i- ?
Os abaixo assignados, com loja de ourive
na ra do Cabuga 11. 11, confronte ao pateo
da matriz e ra .Nova,- fazem publico, que
eslo recebendo ontinuadaweTfle as mais
novas obres de ouro, tanto para aenhora
como para homens e meninos : os precos
continuam razoaveis, c passam-se contas
com responsabilidade, especificando a qua-
lidade do ouro de 1 ou 18 quilates, ficando
assim sujeilos os meamos por qualquer du-
vida.-seraphim & lrmao.
Precisa-se de uma ama para casa de
pouca familia, paga-se bem : na ra Vclba
n. 104.
"." F*z-Se todo negocio com a melhor lo-
ja do Passeio Publico n. 9, com fazenda ou
sem ella.
"" DesaPP',rec,'u no dia 30 de junho, do
sitio de Santo Amaro das Salinas, junto a
igreja do mesmo nome, i vaecas de cor pre-
ta, com 2 crias, gordas : quem as levar ao
mesmo sitio, ou dalias der noticia, sera ge-
nerosamente recompensado.
Precisa-se saber quem he a pessr-a com
direilo a heranga dos bens do finado Benlo
Domingues, padeiro, que foi esUbelecido
na ma Nova, que se quer fazer uma indem-
nisagao, deca,ando o herdeiro seu nome e
residencia por este jornal.
Na ra da Cruz n. 33, primeiro andar,
apresemou-se no da 1 do corrente, um par-
diuho de idade 13 anuo pouco mais ou me-
nos, offerecendo seus srvigos, izendo que
era livre, natural de Cedras de Fogo, e que
eslivera em Olinda ao servigo de um homem
chamado Augusto, que o deixara naquellc
da : su alguem julgar-se com direilo ao
mesmo, dirija-se a dita casa, nao respon-
dendo-se por fuga ou morte.
- Precisa-se arrendar, ou comprar um
sillo perto da praga, e que seja muito bom :
quem liver dilo sitio para vender ou alugar,
dinja-se a ruada Cadeia do Recife n. 16, pri-
meiro andar; assim como precisa-se de um
negro velho, que possa tratar de um ou dous
cavallos, na mesma casa.
Alugj-so um sitio com boa casa de vi-*
venda, no largo da Torre : quem o preten-
der, dinja-se a ra do Sol, casan. II.
., O abaixo assignado comprou ao Sr.
Manoel Ferreira a taberna na ra de Aguas
Verdes n. 48, livre e desembargada, fican-
do o mesmo Sr. Manoel Ferreira da .silva
obrigado a praga pelo passivo da mesma. K
para que chegue ao conbecimento de todos
fago o prseme. Recife 1. de julho de 1857.
Jos Ferreira Braga.
--- Os Srs. Albino Alves Ferreira de Al-
meida e Antonio Alves Vi-monte teem car-
tas na ra da Cadea n. 20.
Precisa-se de um homem portuguez,
que enlenda de lavouras, para feilor de um
engenho na provincia das Aligo-s, e quem
se julgar habilitado, pode dingir-se a ra
Direita n. 119. a qdalquer hora do dia, que
achara com quem tratar.
Precisa-se de um amassador : na ra
larga do Rosario n. 48.
Manoel Mues da Silva, portuguez. vai
a Portugal.
resi-

e
para
w
'' "''"''' "" ^ova 11. jli.
A negocio de nteresse
I)eseja-se fallar com os Sis Ma
ci Ceixolo, Francisco Joao 1
Francisco da Silva, (.u a ressoas
suas vez-s : na ra larga do Itosino 11 '33.
loel lgna-
ves, Jos
ue fag-m
luga-so o lerceirj andar
n. 19 da ra do Vigario : trata-se
do anJar da mearna casa.
MUTILADO

o sobrado
10 segn-
&w*ptt*.
o Compra-se uma casa no bairro de San-
p Antonio ou S. Jos, que nao excelado
reg de |:0l)08 e 1:2-00 / : qUcni a tiver au-
nuncie por ele Diario.
Compram-se travs de 25 a 3 palmos
de comprimento, c palmo de grossura : na
livraria da praga da Independencia n 6e8
Compra-se ellectivamenle oa ra das
Mores n. 37, primeiro andar, apolices da di-
vida publica e provincial, aegesdas compa-
nhias, e da-se dinheiro a juros, em grandes
e pequeas quantias, sobre penhores.
Compra-se uma casa ierre que lenha
commodos : a fallar na ra da Praia n. II,
arinaztfin de carne secca.
Compra-se um pap*.gaio bom, bonito e
rallador, nio se olba a preco : na ra do
Uueimado n. 35.
Compra-te ama ovelha com sen cabrito, a anal
sir.a para dar Ieite : quem tiver a antier veuder,
dirija-te ao largo da m.lru de Sanio Aolooio, cana
de um andar n. 2.
Compram-se jornacs a 130 rs. a libra
na taberna da estrella do paleo do Paraizo
Compra-se uma cria al 4 mezes de
idade : na ra do Collegio n. 18, segundo
audar. *
Compra-se o diccionario francez e por-
tuguez por Fonseca, e diccionar.o portuguez
e irancez por Roquete, sendo grandes, a
grammatica franceza por Burgaiu ea.Selec-
U Iranceza : a tratar nos Coelnos, sobrado
de um audar com 7 janellas de frente.
Sttt**.
Vende-se couro de lustre a 49500 <
4C6C0, bezerro francez a 3a20O, 39400 e 3/50"
a pelle : ua ra do Livramento n. 41.
Vendem-se hagas de vimes, chegadas
ltimamente era porcSo e a relalho. por me-
nos que em qualquer parte: na tanoiria da
ra da moeda n. 17, de Jos Joaquim Pires
soares.
Vendem-se saceos com farinha da tr-
ra muito nova e torrada : no caes da alfan-
dega, armazem do Mello.
--- Vende-se um terreno na Boa-Visla,
ra do Jasmim, com 30 palmos de frente c
90 de fundos: no becco da Congregacan,
loja de encedernago.
--- Vende-se um mulato de 22 annos de
idade, fcomalfaiate, e bom boleeiro, e um
negro tambem do mesma idade, e orna negra
de meia idade, que co7inha muito bem, a
coze, de muito boa conducta, e oulra negra
de 22 annos, que cozinha muito bem : na
ra do Livramento 11. 4.
S* ruadas Agfuas-Verdes
i. 46,
vendem-se 2 lindas mulatas de idade de Ua
20 annos, com habilidades, 3 escravas mo-
gas com Habilidades, 2 lindas molecas de II
a 12 annos, t boa negra da Costa, ptima
quilMideira, 1 bonito moleque de idade de
12 annos, 1 negro proprio para engenho, 1
negro pega de idade 20 annos.
Vende-se uma bonita escrava moga,
robusta, engommtdeira, costureira e v4nt
nheira : na ra das TrincDciras n. *9.
Vende-se o ponto do paleo do Carmo
n. 18, muito acreditado para bilhetes e cha-
rutos : quem o pretender, dirija-,, an
mesmo.
_ Vende-se urna bonita escrava de na-
qSo, moga, com habilidades : na ra da
Praia, primeiro andar n. 43.
--- Na ma estreita do Rosario n. 25, pri-
meiro andar, vende-se uma crioula de M
annos. bonita (gura, engomma eir, coz-
nheira, lava de sahao e cose chao, e urna
dita de 35 anuos cora as mesmas habilida-
des.
.Luvas de 3ouviu.
Constantemente acharo 01 loja do Le-
contfl, alerro da Boa-Vista n. 7, as verdadei-
raa luvas de Jouvin, 'i' totas as corrs,
igualmente nos penles -le tartaruga da ul-
tima moda.
A a lja das seis
portas em freDte do Li-
vramento
3j000 rs.
Cortes de casemira com pequeo defeito
a tres mil rs a qualidade he uoarior |..n
sortin emo para escolaer, palitos de i>mio
lino pretos ede cores, com pequeo defeito
a 109000.




-

DIARIO DE PERNAMBUCO SECUNDA FEIRA DE JLO DE 18.V7
QUE
Na loja de Mata h-miio, ra do Cres-
po n. G.
A 5 Superiort^chapeos de casemira e feltro,
cliegados ltimamente : vendem-se por este
pre^optra ultimara venda dostes chapeos.
Vende se no largo do Carino, esquina
da ra de Hortas n. 2, cevadinha nova a 240
rs., sag'a 3-20, esperncete a 680, estucar
branco em carolo bem alvo a 180, eui arro-
ba a snOO, macarrao talharim a 480, chou-
ricas a 600 rs., manleiga ingleza de 40 at
1-5120 rs., franceza a 720, viudo engarrafado,
duque do Porto a 18>oO, de outros autores
a 19000, oleo de ricino em meias garrafas a
500 rs., gomma bem alv a 100 rs., em arro-
ba a 35000, peneiras de rame mais em eon-
ta do que em ouira parte. No armazem de
I'aula Lopes tem ardiles para vender.
Vende-se urna parda de bonita figura,
bem moga, com filho tambem pardo, de ida-
de de 2 para 3 alios, sadi, cose, engomma,
cozinha o diario de tima casa, e faz todo o
servido de portas fi'a : na ra larga do
Rosario o. 4"*, uas 6 as 9 borasda manhaa,
o do meio dia as 4 da tarde, achara com
Ao Pregona
ESTA VENDENDO BA-
RATISSII
Na loja do Pregura, na ra do Qucimado,
^sauina do becco do Peixe Frito n. 2, conti-
nua a vonder-se multase diversas fazeadas,
por preQOS baratissimos, entre ellas cam-
braias francezas, padrOes novos e cores fi-
nas, pelo baratissimo prego de 480 rs. a va-
ra, ditas de cordSo muito finas a 500 rs a
vara, cassas francezas muito linas e de pa-
dres os mais modernos que ha no mercado
x 640 a vara, chitas francezas de lindisiimos
padrOes a 280 e 300 rs. o covado, mussulina
branca a mais lina que he possivel a 440 o
covado, dita de cor a 340, cortes de casemi-
ra de cor de lindissimos padrOes e superior
qualidade a 6/cada um, cortes de bnm de
puro linho de lindos padrOes a 28400 cada
um, ditos de ditos a 25, ditos de algodo a
19360, ditos do cutim de lindos padrOes e
muito encorpados a 18600 cada um, lencos
de cambraia para niaoa ISO, dilos mais finos
h 220, pegas de bretanha de rolo de 10 varas
a 2o cada urna, chitas escuras de diversos
padres e cores tixas a 14o, 160,180 e 200 rs.
o covado, e pega a 59, 65, 6*500 e 75500 ca-
da urna, cobertores proprios para cscravos a
700 rs. cada um, grvalas de seda de lindos
padres a 19, ditas pretas de setim a 1K280,
ditas de corles em outro goslo a 700 rs. cada
urna, luvas de soda de todas as qualidades
para homeos e senhoras, lengos de seda de
bous goslos, gangas mesciadas de lindos pa-
drOes a 600 rs. o covado, cortes de castores
^de bonitos padres a locada um, cambraias
isas finas a 45500, com 10 varas, ditas ditas
muito linas a 6/, e outras multas fazendas
que se Ueisaai oe mencionar, e se venderao
por baratissimos pregos ; e se dario amos-
tras com penhor.
Algouao da tena.
Nos quatro cantos da ra do Queimado D,
20, vende-se o superior panno de algodSo da
trra, o melhor que se tem descoberlo parB
escravos, cortes de las de quadros, muito
bonitos padres a 20700, lengos de cassa
proprios para meninos a 120, o outras mul-
las fazendas por dimiauto prego.
A<> barato.
Na loja da ra do yueimado n. 18 A, es-
quina que volla pera o osario, venden-se
superiores chapeos brancos de castor a 9-9,
cassa de cor a 160 o covado, riscado francez
lino a 200 rs., completo sortinieulo de pali-
tos de alpaca prela e de cor a 49, casemiras
pretas brdalas muito finas a 61 o corle, e
outras muitas fazendas por pregos com-
modos.
fg Vende-se urna taberna bem sorlida,
no caminho novo da Soledade ao p do agou-
( gue: a tratar com Francisco Jos demandes
Pires : na taberna grande ao lado da igreia
da Soledade.
Vende-se na ra Direita n. 19, carne
do sol, pelo diminuto prego de 240 rs. a li-
bra, 280 e 320, li nguigas a 320 a libra.
Vendem-se qoeijos do sertiio a 400 rs.
a libra, sendo inteiro, e a retalho a 440 : na
ra da (loria, ullima taberna da esquina
quevolta paraS. Oongalo n. 95.
CARVA PATEHTE INGLEZ
para fogao do cozinha, e vende-se em casa
de Poirier, no aterro da Boa-Vista n. 55.
Vende-se a casa terrea n. 22 da ra
das Laraogeiras, con 3 quartos, cozinha f-
ra, em chao proprio, ou permuta-se por ou-
tra que tenha mais commodos, sendo na fre-
guezia de Santo Antonio : a Tallar com o
dono na mesma casa, que faz todo negocio.
Na na do Ar.ao n. 56,
vende-so superior manteiga ingleza a 720,
800 e 900 rs. a libra, dita franceza a 640, ve-
as de espermacete a 720 e 880 o masso de 6
velas, gomma para engommar muito fina a
120 a libra, queijos do serlao a 480 a libra,
macarrao.alelria e talharim a 480 a libra, de
tudo se d3o as amostras aos freguezes.
Vende-se azei te de coco a 3/200 a ca-
ada, superiores queijos os mais novos do
mercado a 15440, cha hvsson do Rio de Ja-
neiro de. primen a qualidade a 15600, caixi-
nhas de urna libra na ra Direita n. 8.
Cortes de collete
(le velludo a 2^000
Vendem-se na ra do Queimado n. 21 A,
chitas escuras largas a 240 o covado
J. PRAEGER COMPANHIA.
fatua d CniE ii. II.
Heceberam pelo ultimo navio do Havre
uma nova porgao de afamado e famoso
VINHO DE CHMPAME
de Lugene Cliequot a Keims.
de Luiz Antonio Annes Jacome, defronto da
porta da alfandoga. <
Vende-se um cabriolet de duas rodas,
coberto, em bom estado : quera o preten-
der, dirija-si a ra larga doltosano n. 48..
Vende-se a verdadeira eraxa ingle-
za ii. !)7, dos .llamados fabricantesDav
& Martin, em barricas de 15 duziat.de
potes: emeasa de James Crabtree & C,
ra da Cruz n. 42.
SECRETARIAS.
As melhores que at hoje tem apparecldo
a este mercado : vendem-sc no escriptorio
do agente Oliveira, ra da Cadeia do Recife
n. 62, primeiro andar.
Milito barato
Vende-sa na ra da Cruz n. 62, caixinhas
cotn superiores massas finas para sopa com
8 libras cada uma ; tambem se retalha em
libras, m* carrito, talharim, aletria a 240 rs.
a libra, caixinhax com ameixas de Lisboa,
latas cora holachinhas inglezas muito finas,
ditas de soda, selames o melhor que tem
vindo ao mercado, presuntos e toucinho in-
glez, latas de salmao de uma e duas libras,
ervilhas muito frescas, e outros muitos g-
neros do melhor que se pode encontrar, e
muito baratos.
CAAS DE FERRO
Escolenles camas de ferro para soltciros :
vendem-se no escriptorio do agente Olivei-
ra. ra da Cadeia do Recife n. 62, primeiro
andar.
Pechincha sem
igual
Na loja da estrella, ra do Queimado n.
vendem-se ricas fazendas de 13a e laa e se
para vestido desenhora. pelos baratissim
pregos de 500 e 800 rs. o covado.
fe
Vende-se cal de Lisboa ltimamente che-
gada, ssim como potassa da Russia verda-
deira : na prac.a do Corpo Santo n. 11.
COM PEQl'EM TOQUE DE 4VARIA
A DIMIEIKO
Pegas do madapoln fino, ditas de algo-
dfozinho liso muito eticorpado, ditas de .1
to trancado e largo : vende-se na ra do
Crespo, loja da esquina que volta para a ra
da Cadeia.
la loja
das seis portas
F,M FRENTE DO LIVRAME1N f.
Cortes de casemira com algunt mofo a
quatro mil rs., lengos de seda proprios para
pescogo de senhoras a dez tustes, longos de
retroz malisados de cores a dez tustOes, lu-
vas de sed pretas e de cores a cinco tustes
o par, cambraia lisa a dous mil rs. a pega, e
em varas a pataca, cambraixs com flores ol-
las e muito linas a duas patacas a vara, cas-
sas com fiordes para cortinados a tres mil
rs. a pega, e a sello a vara. A loja est aber-
ta das 6 doras da manhaa s 9 da noitc.
pianos do afamado fabricante Traumann de
llamhurgo.
Vinho do Porto
superior chamico.
Vende-se nicamente em casa de liarroc
& Castro, na ra da Cadeia do Recife n. 4.
TAJXAS PAKA ENGENHO.
la f undipo de ferro ds D. W. Bowraan na
ru do Rrura, passando o chafar'iz,,contina ha
dar um completo sortimerto de taixesde ferro f un
vjo e batido de 3 a 3 palmos de bocea, ai quaei
aciain-se a venda,por prego commodo com
promptido: embarr.am-soucarregaa-se amcar
ro MBdospea ao comprador.
Sellins e relegios.
SEI.LINS e RELOCIOS depleme
iogle : a venda no armazem de
Roslron Kooker & Companliia, es-
qoina Jo largo do Corpo Sanio nu-
mero 48.
y
Deposito
de rap princeza da fabri-
no i\
i\a
ca de ti. Gasse,
de Janeiro.
Vende-se a prego commodo rap fino,
grosso e meio grosso, da acreditada fabrica
cima, chegado pelo vapor S. Salvador ; na
ra da Cruz n. 9.
Planta da cidade do Re-
cife
Vende-se a planta da cidade do Recife e
seus arrabaldes, feita pelo sr. Dr. Jos Ma-
mede Alvos Ferreira, por seis mil reis : na
livraria n. 6 e8 da praga da Independencia.
Wappa das distancias da
provincia.
Na livraria n. 6 e 8 da praga da Indepen-
dencia, vende-se o mappa das distancias
das ditferentes villas da cidade entre si, e
relacao a capital da roesma. a mil reis.
Algodaozinhj ia Balita
para saceos de assucar vende-se em casa
de N. O. Rieber & Companhia, ra da Cruz
n. 4.
N. O. Bieber
Cruz n. 4, vendem :
Lonas da liussia.
dem inglezas.
Brinzao.
Brinsda Russia.
Vinho de Madeira.
AlgodSo para saceos de assucar
i\ Companhia, ra da
Tintas.
Veude-se uma porgao de tintas prepara-
das, assim como algumas barricas de alvaia-
de : no armazem de J. Praeger & C, ra da
Cruz n. 11.
PRESUNTOS.
J. Praeger & C, ra da Cruz n. 11, avisam
aos seus fregnezes, que temos recebido no-
vamenle pelo ultimo navio do llamburgo,
uma porgSo de presuntos muito frescos, quo
so vende por prego commodo.
He muito ba-
rato.
Velas de espermacete a 120 rs. cada uma,
o em caixas de 25 libras a 1ro, e em lotes de
: caixasa 15? ; Ueve-se preferir uma vela
diflerenga de 40 rs., tendo-se boa luz c lim-
pera, he nada. .No deposito da ra de S
Francisco n 6, por ler grande quantidade
deste genero, he qun,vendo por este prego
RELOGIOS
Ra da Cadeia do Recife n. 18|
Ha tm sortiment de RELOGIOS do todas
as qualidades. tanto de (UJIiO como de PRA-
TA, ditos roLIAHOS e nOfRADOS, ssim co-
mo para seahora, todos garantidos e por
pregos pomm*dos.
Ciobre nu\ n< (
Vcndc-sc eonsUMeniente rj praca da In-
dependencia n. 4, a t*n|emeiSpor ccnlo.
/Idolplie oior-
geois.
Vendem-se irreios para carros, ditos para
cabriolet, vaquetas para cobertas, ditas ,ara
guarda-lama, galHo, panno, lanlnrnas e |
las : na ra Nova n. 61.
*-- Vendem-se ssccos de farinlia
muito boafejprego em conta :
\
loja
das seis portas
Em frente do Livrameiio
Cassas pintadas a mela pataca o covado,
riscados estreitos a quatro vintcns, riscados
francezes escuros a mcia pataca, cortes de
vestido de cassa com dous c tres babados a
cinco patacas, saias brancas bordadas a dous
mil rs., chales de cassa brancos com flores a
sello, proprios para trazor por casa.eoutias
muilas fazendas que vende por todo o prego
para acabar. De tudo se d amostra, levan-
do penhor que vallia o que se quer ver.
relogios de pa-
tente
inglezes de ouro, de (abnete c de vidro :
vendem-se a preqo razoavel, em casa de
Augusto Cesar de Abreu, na ra da Ca-
deia do Recife, armazem n- 16.
]\ovo rap.
Previne-se aos amantes da boa pitada, que
chegoq no vapor 8. Salvador o rap novo
princeza do Rio de Janeiro, que pelo seu
excellente aroma se confunde com o prince-
za de Lisboa: na ra do Crespo, loja de
miudezasao pedo arco de Santo Antonio e
praga da Independencia n. 4, aonde se ven-
de a 19000 a libra.
Taclias de ferro.
Na fu nd i cao da Aurora em Santo Amaro-
e tambem o deposito na ra do lirum, logo
na entrada, e defronte do arsenal de mari-
nha, ha sempro um grande sortimento de
tachas, tanto de fabrica nacional como es-
trangeira, batidas, fundidas, grandes, pe-
quenas, rasas c fundas ; e em ambos os lu-
gares existem guindastes para carregar ca-
noas ou carros, livres de despeza. Os prego
Soo s mais commodos.
fttetbodo facilimo.
Na liTaria da praga da Independencia n.
6 e 8, ''eude-se o methodo facilimo-para
aprender ler, novamente impresso e ag-
m-ntado, por mil reis.
Cassas france-
za a 200 rs.
Vendem-se cassas francezas finas a 200 rs
O covado : na ra do Queimado.n. 7, loja da
estrella.
CHPEOS AIAMBERLP
Do afautado fabrican!.
Pinneau de Pars.
Acabara de cliegar pelo ultimo paquete,
os tupra mencioHados chapeos deste afa-
mado fabricante, e vende-se na loja de
4 portas, da ra da Cadeia do Recilo i .
48, de NarcicoMaria Carneiro.
Vende-se superior linhas de algodSo
brancas, e de cores, em novello, para costu-
ra, em casa de Southall Mellor A; C., ra do
Torres n. 38.
Arados
uelogios.
Os melhores relogios de ouro, patente in
glez, vendem-se por pregos razoaveis, mi
rsenptono do agente Oliveira, ra da Ca-
deia do Recite n. 62, primeiro andar.
Peonas de ema, cera de abelha e de
carnauba.
Na ra da Cadeia do Recife, loja n. 50, de-
fronto ^a ra da aladre de Dos, ha para
vender os gneros cima, recntenteme che
gados, por pregos razoaveis.
Agencia
da undieo Low-io r,
rna da Sensata ova
ii. 42.
rieste estabelecimento continu*a a haver
um cmplelo sortimento de moendas emeias
moondaspara engenho, machinas de vapor
e taixas de Ierro batido e coado de todos os
tamanios para dito.
Motnhos de vento
com bombas de repuxo para regarhor aseba
a decapim : na (undic/o it D. W. BowmaD
na rna do Brum ns. 6 8 e 10.
Encasa deSaanders Brothers ('.. prag
do Corpo Santoa. 11,ka para vender o se mate
Ferro inglez.
I'ixeda Suecia.
Alcalro de carvao,
Eonas de linho.
Esponjas.
Drogas.
Algodolizopara saccas.
ito entrangado igual ao da Babia
E um conpleto sortimento de fazendas proprio
para este mercado : tudo por prego commodo.
T.cMifo* de rambraia bor.tartos, muito finos.
DitOi <1e Corles de casemira prHa e de cores. .
Cortes de colleles de BuiRurSo de seda, de
vaiiot ptdroes, militado. .
Corles de I ja maluada para eslidos, de
novos padre*. com !."> c .\ -l- cada
um.............
Chapeos de masa francezes formas aovas.
l'alilii- de alpaca prela, linos......
Dilos de alpaca o gancas de cores. .
("hilla* de alpaca prela e decores. .
Chales de merino lionlado a velludo gran-
de*............ .
Dilos de dilo bordados a reda.....
Ditos de dilo com lislra de seda. .
Dilos de dilo com barra maliados. .
Dilos d. ddu li.os.........
Ditos de dilo com franjas de laa .
Dilos de I ja adamascados de cores. .
(an^a frauceza superiur de core,, corado.
Komeirasde relroi muito superiores, pa-
ra senhora..........
Em frente do
*KKI
3*000
59000
TojOO
1*000
to'iOO
jOOO
185000
y^ooo
6JJ00
6j(HI0
JJOU
4^)00
:t5iwo
600
pocom pouca despeza, sem mercurio, as af.
fecges da pelle, impingens, as consequen-
rias das sai as, ulceras e os accidentes dos
.j(>oo partos, da idade critica e da acrimonia he-
ens.a9^nd,^rSr,nP,|oa.,,dU lS!SV^ ^^ "? ^
rhos, a bexiga, as contraegoes e a fraqueza
SYSTEMA medico de holloway
XAROPI
DO
BOSQ]
Foi transferid o o deposito deste tarop para a bo
tica de Josc da Cruz Sanios, na ra Novan. .",;!
garrafas 5*500, e meias.lSOOO. sendo falso todo
aquelle qae nfiofor vendido ueste deposito,pelo
queseTez opresenleaviso.
IMPORTASTE PARA 0 PUBLICO.
Para rurade phlysicaem lodososseusdilleren
lesgros, quer motivada por constipaces, losse
aslhma.pleuriz.escarros desaneae, drde cos-
tadosepeiln, palpila^aono corarao,coqueluche
bronchite, dorna sar;anla, e todas asmolcstia
dos oriza os pulmonares.
vlMendis superiores
Na fundigo de C. Starr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-se para vender moen-
das de canna todas de ferro, de um mode.llo e
construccSo muito superiores.
Sellins
patente inglez,
Sao chegados e acbam-fe a venda os verdsdeiros PILULAS II0LL0W Al.
bem couliecidos sellins inglezes patente: na roa r.i ;,..__i_____t. .
(Jo Trapiche-Novo n. 42, armazem de fazendas de ,J"le lnfbt m?vel especifico, CompostO in-
Adamsin llowie & C. teiramente de hervas medicina.s, nao con-
ten mercurio, nemalguma outrs substancia
deleclerea. Benigno a mais tenra infancia,
e a compleigo mais delicada, he igualmen-
te promplo e seguro para desarreigar o mal
na compleigo mais robusta ; he inteira-
mente innocente em suas operagoes eeffei-
tos ; pois busca e remove as doengas de
qualquer especie e grao, por mais antigs e
leazos que sejam.
Entre militares de pessoas curadas coi
|este remedio, muitas que ja estavam s por-
| tas da morte, preseivaido em seu uso ; con-
Iseguiram recobrar a ?aude e forgas, depois
'de.haver tentado intilmente todos os ou-
l tros remedios.
I As milis adlictas nao devem entregar-se a
.desesperagao; l'aga.n um competente ensaio
|doselIicazes efTeitcs desta assombrosa medi-
icina, e prestes rtcuperarHo o beneficio da
[saude.
Nlo se perca tmpo em tomar este reme-
i dio.para qualquer das seguintes enlermida-
inent) de fazendas de to-des:
Accidentes epilpticos


192801 Vendem-se as bocetinhas a 800 rs. Cada
9*00 nma deltas co.ilm una instrucgSo em por-
" tuguez para eiplicar o modo de se usar des-
las pilulas.
O deposita geral he em casa do Sr. Soum
pharmaceuiico, na ra da Cruz n. 22, cm
l'ernambu-'O.
ROB LAFFECTEDR.
O nico atloriado por decisao do comrlho real,
decreto imperial.
Os mfdicosdos hospitaes recommendam o
arrobe de LalTecteur, como sendo o nico
autorado pelo govemo e pela real socieda-
de demedicina. Este medicamento de um
goste agradavel e fcil a tomar em secreto, I AJIporcas.
eslaem uso na marinha real desde mais deiChimbras.
60 unos; cura radicalmente em pouro tem-1 CMios.
Canceres.
Cortaduras.
Dores de cebega.
I das costas.
dos membros.
Grande sorti-
das as qualidades.
(jrosdenaple prelod* seda lavrada, covado.
Dito dilo liso moilo largo, covado. .
Dito de edres liso muito superior .
Selim prelo macoo, covado......
Panno lino preto e de cores, pura lodos os presos.
I'upelina de seda de enres matisadas, co-
vado.............
Chale de core?, com quadros de seda, co-
vado ............
Lia de quadros pequeos e grande,, co-
vado ............
I.i> e seda de novo, padres, covado. .
Mauritana de seda com cinco palmos de
largura, covado.........
Ursulina de seda com qoadros, ramagens e
listras malisadas, covado......
Sedas de quadros bonitos padres. euvado.
Duquezs de seda com ramagem, covado. .
Mussolina branca e de cores, covado. .
Chilas Trncelas Tinas........
Frondolina de seda para vestidos. .
Cassas IV (i-.ee/-w finas de bouilos padres,
vara.............
Argenliua de cores eicaras, com salp'cos de
seda, proprio para palitos......
Italiana de seda prela com lustre, para pa-
litos............. 1000
Corles de veslido de teda para senhora, o
mais superior que ha no mercado. 9
l.ovas de sela de tudas as nn.di 1,1 ie-, par
homens, senhoras # meninos..... s
Alporcas.
Ampolas.
Areias m;i! Je .
Asthma.
Clicas.
ConvulsOcs.
Debilidade ou t:\le-
nuago.
Debilidade ou falta de
forgas para qual-
qur cousa.
Desiuteria.
Dorde garganta.
de barriga.
| nos rins.
OOO i Dureza no ventre.
9950 I Enfermidades no ven-
7.501 tre.
:,j Enfermidades no figa-
) -do-
Ditas venreas.
jojj. Euxaquera.
Herysipcla.
800 Febres biliosas.
9(800
252(KI
2^200
35000
15 5850!
600
^8ool
1S600!
Febres intermitientes
Febreto da especie.
Cotia.
Hemorrhoidas.
Hydropisia.
Ictericia.
ImligestOes.
inflammages.
Irregularidades da
menstruagSo.
I.ombrigas de toda es-
pecie.
Mal de pedra.
.Milochas n Clltis.
ObslrucgSo do ventre.
Phtisica ou consump-
gSo pulmonar.
Releugao de ourina.
Kheumatismo.
Symptomus secunda-
rios.
Tumores.
Tico doloroso.
Ulceras.
Venreo 'mal.)
dos orgos, procedida do "abuso das injec-
ges ou de sondas. Como anli-syphililicos
o arrobe cura era pouco tempo os Iluxos re-
ceutes ou rebeldes, que volvern incessantas
em consequencia do emprego da copahibe,
da cubeba ou das injeeges que representem
0 virussem neulraiisa-lo. O arrobe l.aflec-
teur he especialmente recommendado c.111-
1 r.i as doengas inveteradas ou rebeldes ao
mercurio eao iodoreto de potassio.Lisboa.
Vende-se na botica de Barral e de Antonio
Feliciano Alves de Azevedo, praga de D. Pe-
dro d. 88, onde acaba de chegar uma gran-
de porgao de garrafas grandes e pequeas
vindas dilectamente de Paris, de casa do dito
Boyyeau-Laecleur I2,rua tichelieu Paris.
Os formularios do-se gratis em casa do a-
gente Silva, na praga de D. Pedro n. 82.
Porto, Joaquim Araujo ; Bahia, Lima & Ir-
mSos; Pernambuco, Soum ; Itio de Janeiro,
Rocha & Filhos; e Moreira, loja de drogas ;
Villa Nova, Joao Percira de algales Leile ,
Rio Crande, Francisco de Paula Couto &
AVISO
aos ferreros.
F. POllUER. Aterro da Boa-Vista n. 55
Tem paia vender, a vontade do com-
prador :
CARVAO DE PEDRA
de priincira qualidade, por prero c
modo.
REMEDIO IMCOMPARAVEL.
mente, mediante o uso desse precioso igi-
nedio. Algumas das taes peaaoas, na efusiio
(e seu reconhecimenlo, declararam estes re-
ultados benficos diante do lorr" correge-
or, o outros magistrados, atim d mais au-*
tenticarem sua aflirroativa.
Ninguem desesperar do estado de"ua
ude se tivesse bastante confianga para en-
iar este remedio constantemente, wgiun-
0 algum tempo o tratatnento que necMi-
sse a nalureza do mal, cujo resultado seria
ovar incontestavelmente: Que tudo cura,-
O ungento he utit.mat particularmente
nos seguintes casos.
InOammago da ma-
triz.
Lepra.
Males das pernas.
dos peilos.
de olhos.
Mordeduras de reptis.
Picadura de mosqui-
tos.
Pulmoes.
Queimadelas.
Sarna.
Enfermidades da cu-
tis em geral.
Enfermidades doanns
ErupgOes escorbticas
Fstulas no abdomen. Supuracoes ptridas
Frialdade ou falta de Tniha, em
calor as extremi-
dades.
Frieiras.
Gengi vas escaldadas.
lnchar,0es.
Inflammago doligado
da bexiga.
qualquer
parte que seja.
Tremor de ervos.
Ulceras na bocea.
do ligado.
das arliculsgoes.
Veas torcidas ou no
dadas as pernas.
Vendem-se estas pillas no estabelecinWn-
to geral de Londres nj 2*4. iStrand, o na
loja de lodos os boticarios, droguistas e on-
qras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, Havana eHespanha
Vende-s est ungento no estabelecimen-
to geral de Londres n. 2**, Strand, e na
loja de todos os boticarios, droguistas e ou-
tras pessoas encarregadas de sua venda em
toda a America do Sul, Havana e llespanha.
Vende-se a 80urs. cada bocetinha,conten
uma.in3lrucg3o em portuguez para explicar
o modo de faier uso deste. ungento.
O deposito geral he em casa do Sr. Soum,
pharmaceulico, na ra da Cruz n. 22, em
Pernambuco.
Retinara de
Reg & Barreto, no Mon-
te r o.
No deposito desta refinarie, na ra da Ca-
deia do Recife n. 30, ha sempro assucar re-
tinado de superior qualidade, Unto umpii
como em torrOes e em paes, por prego mais
commodo de que em ouira qualquer parte.
&**$*# f VisFfc
UNGENTO HOLLOWAY.
Milhares de individuos de todas as nagOes
podem testemunhar as virtudes deste reme-
dio incomparavel, e provar em caso necessB-
no, que, pelo uso que delle iizeram, tem seu
corpo e membros inleiramentesaos, depois
de haver empregado intilmente outros tra-
tamentos. Cada pessoa poder-se-ha conven-
cer dessas curas maravilhosas pela leitura
dos peridicos que ih'as re!atatn todos os
dias ha muitos annos ; e a maior parle del-
las sao tSo sorprendentes que admirara os
mdicos mais celebres. Quantas pessoas re-
cobraran! com este soberano remedio o uso
de seus bragos e pe as, depois de ter per-
manecido longo lempo nos hospitaes, onde
deviamsoHreraamputago! Dellas ha mui-
las, que havendo deixado esses asvlos de pa-
decimento, para se no submettYem a essa
operagao dolorosa, foram curadas completa-
Fugio do abaixo assignado no dia 26
de junho. um seu escravo de nome Serafim,
cabra, baixo, cheio do corpo, tem bastantes
marcas do bexigas no rosto, com tres dedos
de menos em um dos pes.levou alem da rou-
pa que tioha.um par de borzeguins ja usados
telvez para disfarsar o defeito que. tem no
pe, o qual foi escravo do Sr. Francisco Rufi-
no trrela de Castro, morador no engenho
Aguiar, dafreguezia de Iguarassu', e consta
que elle fora encontrado em caminho para
esse lugar: d-ee 50: a quem o levar a seu
senhor, na ra Imperial n 167.
9z. *<**!* *:< tu t %
1 sn d' do crreme roei (ogio do helel
l" .i" un* *cr" de Anela de 54 ;,. m
ft de idade, baixo, pernas lorese um osso tre. >
cido no hombro oireilo. Aqetlle que o pren- Z
der e o levar ao dilo hotel sera" -eneroameo- m
K le recompensado.
.*:
fugio de .soledade. no dia 10 de junho
lindo, a escrava Francisca, com os signaes
segumtes : altura regular, chela do corpo,
tem uma cicatriz no rosto do lado direito,
proveniente de um talho, e no do esquerd.
urnas boibulhas, testa cantiada, representa
ler 24 annos de idade, consta que dita es-
crava anda servindo de ama com o nome
trocado, e diz ser forra, foi vista no Hospi-
cio : gratifice-se a quem a pegar e leva-la a
iolrdate, cas n 30.
Dos premios da primeira parte da primeia lotera a beneficio da Matriz 'Yarzea
^^^^^ extrahidaa 4 de Julhode 1857.
de
ferro.
coberlos e descohertos, pequeos e grandes,
de ouro patente inglez, para bomem e se-
nhora de um dos melhores fabricantes de
Liverpool, vindos pelo ultimo paquete in-
glez : em casa de Southall Mellor & C., ra
do Torres n. 38.
Charutos de Hava-
na: yen.em-se em casa
de O. .i. Asile y & C.
Cemento novo
.Na na da Cadeia de Santo Antonio, arma-
zem de materiaes, por prego commodo.
Velas de esper-
macete.
Vendem-se caixas com 23 libras de ve-
las de 0 em libra, a' preco commodo.. em
casa de Isaac Curio Sr C, na da Cruz
n. 19.
Aviso aos senhores de en-
genhoedonos de offi*
cias
Vende-so bolacha americana a 100 rs. a
libra : no pateo do Tergo n. 21.1 dito da Pe-
iha n. 10. Tambem se vendem cartas de
traques a 280 rs. a carta.
Vende-se
em casa de S. P. Johnston S C, ra da Sen-
zala Nova n. *2, o seguinte : arreios para
carro, sellins para horaem e senhora, can-
dieiros e castigaes bronzeados, vaquetas pa-
ra c arro, chicos de carro e do montara.
Na fundigo de C. Starr & Companhia, em
Santo Amaro, acham-se Dar vender arados
de ferro de utn modollo e construcgSo muito
superiores.
endr.-se <
jllfrlJO
\,
araodase grades
. Um lindo e variado sortimento de model-
los para varandas e gradaras, de gosto mo-
dernsimo na fundigo da Aurora em Sau-
a 480 rs. a lihra, manteiga ingleza a 610,
queijo do reino i 19500, Ic600 e 1/900, fari-
i.ha lo reino a 120. gomma a 100 rs., lingui-
,ga do reino a 400 e 640, vinho do Porto en-
garrafado a uoo, dito de Lisboa a 560, ba-
nha de porco a 020 : as Cinco Pontas n. 21
Venda de
pianos.
d O r er15 O i Amaro, no dePsit0 da mesma, na ra do
. grandes,
" armazem
Vendem-se muitos lindos c excelleales
pianos, chegados ultimaaierjte de llam-
buigo
, c com
picio : nu na
KeJler S: C.
lindos retrato* no frontes-
da Cruz n. 55, casa de J.
ct
eos.
Eto casade.liabcSchtncttau &Companhiaa
ra da Cadeia n. 37, veudem-se elegante,
NAFUNDICAO DE FERRO DO ENGE-
NHEIRO DAVID W.BOWMAN. ivA
KUA 1)0 BRUM, PASSANDO O ollA-
FARIZ,
lia semprenm crande soriimentodossecuinlesob
jacios de mecliauismosproprios paraen^enho ae-M
lier : moendas c meias mnenda. da mais moderna
constrace(o ; limas de ferro fundido e balido, de
superior quehdade e de lodosos tamanhos ; rodas
temadas para auna ou nimi.es, de lodas as pronor-
gesjenvose boca* de fnmaHia e registros de bo-
eiro, aguilhoos. I.ronzes.parefusos e c.mlhes.rooi-
nhos de mandioca, ele. ele.
NA .MESMA FUNDICA'O.
'o c\eeulam lodas as encommendas com a superio-
ridade j; conhecida com a devida presteza ecom-
modidade em preto.
NS.o ha iiais dor de
tientes
essas dores,
Especilico contra
cura he instantnea :
2?00() o frasquinho
cuja cura
na ra Nova n. 11, a
NS. prems.
2065 5
69 5
"0 5?
71 59
73 59
76 55
89 10
95 58
99 59
2106 59
8 5
9 509
10 59
12 5
15 59
22 59
27 59
:) 59
91 59
37 59
39 59
41 59
49 59
ii 59
48 59
50 53
51 59
52 59
58 59
56 59
57 5
58 59
60 "o
67 5
70 5e
73 51
78 59
81 59
a 59
87 5|
93 5
!l 5
98 59
220.1 59
6 6J
8 59
9 -09
15 .59
18 59
20 59
21 59
26 59
29 59
31 59
33 59
34 59
36 909
II 59
41 59
46 59
i 55
49 59
51 59
52 59
53 5>
55 59
58 S|
61 59
(i:; 5-5
66 59
es 59
70 59
80 59
>S. PREMS.
2327
32
33
35
INS. PRE.MS.
O Escrivao, Joz Januario Altes da Mata,
83
S7
90
95
2306
12
11
15
t:
ls
4|
59,
59
5|
59
59
'-9
509
59
36
37
45
46
47
50
5i
55
57
58
59
60
61
62
76
80
8i
86
9*
97
98
99
2102
II
13
2\
22
26
30
33
36
41
4i
45
46
50
53
83
64
85
66
67
73
82
83
85
91
93
2501

10
II
13
16
18
19
21
23
24
26
30
33
35
99
41
Y2
M
50
:,ii
58
59
id
6C
69
70
73
si
B9
!'l
91
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
209
>
59
5|
59
59
59
59
59
59
5|
59
59
59
5|
5#
59
59
59
59
59
':
59
59
59
59
59
59
5]
5;
209
59
5|
59
:
59
5|
59
59
59
59
59
51
55
59
59
~>-
59
59
>
5|
909
.59
55
59
ja
5|
2595
96
99
2600
2
4
6
8
10
11
16
19
27
28
34
38
40
42
44
52
53
55
57
63
64
66
68
70
72
73
74
76
77
78
84
88
95
97
2700
4
10
11
13
14
15
24
28
31
33
36
39
47
49
52
56
58
95
72
75
84
87
88
90
91
92
93
96
98
99
2801
2
8
16
29
30
31
36
39
in
13
47
49
52
36
58
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
5
59
59
59
5
59
59
59
"5
.59
59
59
59
59
58
58
59
59
59
59
5-
59
59
59
55
5
59
59
59
59
59
59
- 59
99
"'5
55
2"9
59
59
5|
59
59
5|
59
55
59
"'"
59
59
59
59
"'5
59
39
59
59
109
59
59
59
59
NS. PREMS.
2865
66
68
69
70
73
75
82
83
88
2903
6
II
17
20
M
21
25
26
28
30
31
34
36
II
49
52
53
54
58
59
64
69
71
72
79
81
83
84
87
88
90
92
94
99
3000
2
9
10
II
13
H
17
18
22
23
25
26
33
34
35
37
li
15
47
50
54
56
58
61
63
64
73
75
83
si
85
si,
88
91
96
!I7
3IO
59
59
59.
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59

5j
59
209
59
59
59
59
59
59
59l
59
59
59
59
5.5
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
109
59
59
59
5-9
59
59
59
59
59
'9
59
59
59
59
59
59
59
59
59
55
59
59
5|
''
59
59
58
59
59
"'5
59
59
55
-,.
5|
5|
NS. PREMS.
3103
4
9
II
12
li
16
21
22
23
29
30
33
36
39
40
43
46
47
48
SO
51
57
58
60
64
65
66
69
72
76
77
88
95
3200
6
8
9
10
13
14
15
24
25
29
35
38
40
43
46
52
59
54
57
99
67
m
71
73
71
7.
89
90
95
99
33.11
>
3
7
10
II
17
1!
93
21
99
39
99
lo
19
48
49
54
59
5
59
59
59
59
59
5
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
5
59
59
39
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
*9
59
59
109
59
59
M
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
109
59
59
">5
59
59
.'5
59
"-9
5
59
59|
100S
591
59-
51
59
59
20,
Sf
-9
59
59
59
59
59
59
NS. PREJfe.
3363
66
--. ;.- / .

PERN. TYP. DEM. F.DEPARU. 1M7.
70
73
77
78
79
81
99
85
87
90
94
95
98
3400
6
12
16
17
18
21
22
25
27
28
30
31
32
34
37
42
47
49
50
51
58
59
60
61
65
66
68
69
7
73
74
75
78
H6
87
88
90
M
!lj
99
3501
j
3
18
21
99
31
94
35
36
37
40
12
45
51
99
53
51
99
69
77
81
85
86
87
90
!8
99
36C0
59
59
5
59
5
59
5?
5
59
5
5
59
59
59
59
59
5
59
59
59
59
5
59
59
59
59
59
59
59
59
59
59
.59
59
59
59
99
59
109
5
59
-59
99
5
99
39
59
59
59
5a
59
"'5
59
5-5
99
5a
59
5a
.'.9
59
S9
59
"'5
">a
5c
109
5a
5,5
9J
59
SB
59
5-
59
59
59
59
39
3e
51
5.9
55
55
5a
55
MUTILADO

^ .
..
ILEGIVEL


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ETWZRX67N_83VCCJ INGEST_TIME 2013-04-24T19:28:22Z PACKAGE AA00011611_06555
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES